(navigation image)
Home American Libraries | Canadian Libraries | Universal Library | Community Texts | Project Gutenberg | Children's Library | Biodiversity Heritage Library | Additional Collections
Search: Advanced Search
Anonymous User (login or join us)
Upload
See other formats

Full text of "Cartas de Affonso de Albuquerque, seguidas de documentos que as elucidam"

Google 



This is a digital copy of a book that was prcscrvod for gcncrations on library shclvcs bcforc it was carcfully scannod by Google as part of a projcct 

to make the world's books discoverablc online. 

It has survived long enough for the copyright to expire and the book to enter the public domain. A public domain book is one that was never subject 

to copyright or whose legal copyright term has expired. Whether a book is in the public domain may vary country to country. Public domain books 

are our gateways to the past, representing a wealth of history, cultuie and knowledge that's often difficult to discover. 

Marks, notations and other maiginalia present in the original volume will appear in this file - a reminder of this book's long journcy from the 

publisher to a library and finally to you. 

Usage guidelines 

Google is proud to partner with libraries to digitize public domain materiais and make them widely accessible. Public domain books belong to the 
public and we are merely their custodians. Nevertheless, this work is expensive, so in order to keep providing this resource, we have taken steps to 
prcvcnt abuse by commercial parties, including placing lechnical restrictions on automated querying. 
We also ask that you: 

+ Make non-commercial use of the files We designed Google Book Search for use by individuais, and we request that you use these files for 
personal, non-commercial purposes. 

+ Refrainfivm automated querying Do nol send automated queries of any sort to Google's system: If you are conducting research on machinc 
translation, optical character recognition or other áreas where access to a laige amount of text is helpful, please contact us. We encouragc the 
use of public domain materiais for these purposes and may be able to help. 

+ Maintain attributionTht GoogXt "watermark" you see on each file is essential for informingpcoplcabout this projcct and hclping them find 
additional materiais through Google Book Search. Please do not remove it. 

+ Keep it legal Whatever your use, remember that you are lesponsible for ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just 
because we believe a book is in the public domain for users in the United States, that the work is also in the public domain for users in other 
countiies. Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we can'l offer guidance on whether any specific use of 
any specific book is allowed. Please do not assume that a book's appearance in Google Book Search mcans it can bc used in any manner 
anywhere in the world. Copyright infringement liabili^ can be quite severe. 

About Google Book Search 

Googlc's mission is to organize the world's information and to make it univcrsally accessible and uscful. Google Book Search hclps rcadcrs 
discover the world's books while hclping authors and publishers rcach ncw audicnccs. You can search through the full icxi of this book on the web 

at |http: //books. google .com/l 



Google 



Esta é uma cópia digital de um livro que foi preservado por gerações em prateleiras de bibliotecas até ser cuidadosamente digitalizado 

pelo Google, como parte de um projeto que visa disponibilizar livros do mundo todo na Internet. 

O livro sobreviveu tempo suficiente para que os direitos autorais expirassem e ele se tornasse então parte do domínio público. Um livro 

de domínio público é aquele que nunca esteve sujeito a direitos autorais ou cujos direitos autorais expiraram. A condição de domínio 

público de um livro pode variar de país para país. Os livros de domínio público são as nossas portas de acesso ao passado e representam 

uma grande riqueza histórica, cultural e de conhecimentos, normalmente difíceis de serem descobertos. 

As marcas, observações e outras notas nas margens do volume original aparecerão neste arquivo um reflexo da longa jornada pela qual 

o livro passou: do editor à biblioteca, e finalmente até você. 



Diretrizes de uso 

O Google se orgulha de realizar parcerias com bibliotecas para digitalizar materiais de domínio púbUco e torná-los amplamente acessíveis. 
Os livros de domínio público pertencem ao público, e nós meramente os preservamos. No entanto, esse trabalho é dispendioso; sendo 
assim, para continuar a oferecer este recurso, formulamos algumas etapas visando evitar o abuso por partes comerciais, incluindo o 
estabelecimento de restrições técnicas nas consultas automatizadas. 
Pedimos que você: 

• Faça somente uso não comercial dos arquivos. 

A Pesquisa de Livros do Google foi projetada p;ira o uso individuíil, e nós solicitamos que você use estes arquivos para fins 
pessoais e não comerciais. 

• Evite consultas automatizadas. 

Não envie consultas automatizadas de qualquer espécie ao sistema do Google. Se você estiver realizando pesquisas sobre tradução 
automática, reconhecimento ótico de caracteres ou outras áreas para as quEus o acesso a uma grande quantidade de texto for útil, 
entre em contato conosco. Incentivamos o uso de materiais de domínio público para esses fins e talvez possamos ajudar. 

• Mantenha a atribuição. 

A "marca dágua" que você vê em cada um dos arquivos 6 essencial para informar aa pessoas sobre este projoto c ajudá-las a 
encontrar outros materiais através da Pesquisa de Livros do Google. Não a remova. 

• Mantenha os padrões legais. 

Independentemente do que você usar, tenha em mente que é responsável por garantir que o que está fazendo esteja dentro da lei. 
Não presuma que, só porque acreditamos que um livro é de domínio público para os usuários dos Estados Unidos, a obra será de 
domínio público para usuários de outros países. A condição dos direitos autorais de um livro varia de país para pais, e nós não 
podemos oferecer orientação sobre a permissão ou não de determinado uso de um livro em específico. Lembramos que o fato de 
o livro aparecer na Pesquisa de Livros do Google não significa que ele pode ser usado de qualquer maneira em qualquer lugar do 
mundo. As consequências pela violação de direitos autorais podem ser graves. 

Sobre a Pesquisa de Livros do Google 

A missão do Google é organizar as informações de todo o mundo c torná-las úteis e acessíveis. A Pesquisa de Livros do Google ajuda 
os leitores a descobrir livros do mundo todo ao m esmo tempo em que ajuda os autores e editores a alcançar novos públicos. Você pode 
pesquisar o texto integral deste livro na web, em |http : //books . google . com/| 



33 a. 3r 







GOLUEGCAO 



DB 



MONUMENTOS INÉDITOS 

PARA A nSTOBIA DAS CONQUISTAS DOS PORTDfiDBBS 

EM AFRICA, ÁSIA E AMERICA 



1/ SEMK 



HISTORIA DA ÁSIA 



> , 



j» r \* 






.1 i 









■i i 



f f ? 









I • \ 



^. 









- í A 1 



CARTAS 



DE 



AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

SEGllAS DE DOCllENTOS QUE AS ELUCIDAI 

PUBLICADAS 



DE 



•IDEI DA CUSSE DE SCIENCIAS lORAfiS, POUTIGAS E BELUS-LEniAS 



DA 



ACIIDIIM m m SW DB UM 



I MB A DmiGÇiO 



DB 



Baymnndo António de Balhfiò Pato 



soão DA MESMA ACADEMU 



TOHOI 



LISBOA 

TjpafrapUa da Acadeaia Real das Sdeneias 
MDGCaXXXIV 






I ■ » ^ 



T 






? 



w\a 






. ' 1 



* I 






i 
4 ' 



'1 * > 



Tf-' f • 







r i. . 



.,■1,1 , ' ■ • < - » ' 



I 



0$ docutneffllòd polilieádos n'esfe volume são quasi todos tfanscri- 
ptos dos que se guardam no arohivo rtaciona) da Torre do Totfibo, é ilos 
poucos procedentes de outra fonte tivemos sempre cuidado de indicar se 
eram copias e qual a sua época, para o leitor poder apreciar o grau de 
confiança que lhe hajam de merecer. 

Aproveitámos n'esta collecção dois cadernos que se vè serem os pró- 
prios do secretario de Estado António Carneiro, nos quaes se encontra 
summariada a correspondência da índia, tendo notado á margem o que 
devia responder-se e muitas vezes a palavra — ]& — que significa, segundo 
cremos, haver-se expedido a resposta. A letra d'estas notas marginaes é 
semelhante á dos summarios lançados nas costas de algumas das cartas 
que publicámos, o que nos acabaria de convencer da authenticicade dos 
referidos cadernos, caso nos restasse duvida a tal respeito. 

D'elles trasladámos somente o que pertencia a Affonso de Albuquer- 
que, sem nos importar se qualquer d'esses summarios, que fomos copiando 
em ordem chronologica, se referia a carta já impressa na integra n'este 
volume. 

Houve o maior escrúpulo na transcripção de todos os documentos, 
tomando só a liberdade de os pontuar para tomar mais fácil a leitura e 
interpretação do texto, porque é bem sabido que em escriptos de seçulQ 



i 



PAG. 

1510 Outubro 16. Cananor. 

Carta ao rei. Trata dos soldos e quintaladas concedidos a capitães e pilo- 
tos, e lembra que se nomeie um homem para tomar couta das despezas do 
provimento das naus e fortalezas. Pede capitães para instrucçao da suissa, 

etc V, 19 

1510 Outubra 17.— Cananor. 

Carta ao mesmo. Participa a intenção de ir tomar Goa; expõe as vantagens 
que resultarão d*este feito para a segurança da índia e confusão do reino 
de Daquem, e diz que depois doesta cmpreza CwUta ir ao Mar Roxo. ... vi, 21 
1510 Outtibro 19.— Cananor. 

Carta ao mesmo. Envia uns pannos da Pérsia, que obteve <lo embaixador 
do Xeque Ismael e do de Ormuz, e outros objectos de varias procedências. 
Dá noticias de Malaca e dos navios que tenciona ali maudar. Pede armas e 

gente para as fortalezas e armadas vu, 24 

1510 Novembro 4. 

Vid. Summario 419 e 427 

1510 Novembro 12. 

Vid. Summario 427 

1510 Novembro 26. 

Yid. Summario M8 

1510 Novembro (?) 

Vid. Summario 429 e 430 

1610 Dezembro 22.— Goa. 

Carta ao mesmo. Diz que expediu carta sobre a tomada de Goa Q'e8se 
mesmo dia à tarde. Continua a narrar o que se fez e está fazendo para ex- 
pulsar de todo os turcos. Dá conta da mensagem que enviou ao rei de 
Narsinga; dos seguros concedidos aos officiaes mecânicos gentios que fi- 
carem na cidade, e das concessões aos portuguezes qutt teem casado com as 

mouras captivas, etc t vm, 26 

1510 Fins (e 1511 principio ?) 

Vid. Summarios 430 a 447 

1512 Abril 1.— Cochim. 

Carta ao mesmo. Dá conta de haver encontrado em ruina a armada que 
deixou na índia, quando foi para Malaca; das desordens em Cochim; do 
desleixo nas fortalezas; das malfeitorias de um frade de São Domiugos, vi- 
gário de Goa^ que vae agora para o reiao; de outras desordens em Goae 
do mal que fazem os boatos da vinda de rumes e de outro governador. 
Pondera a necessidade de segurar a índia. Pede genla, armas e petrechos 
de guerra. Como se poderá conservar a amisade dos reis e senhores da ín- 
dia, fáceis em faltar ao que promettem. Inconsiderado auxilio dado pelo ca- 
pitão de Goa a Rastalcao. Providencias tomadas em Cochim. Piraterias fa- 
vorecidas pelo Samorim. Seguro dado a naus de Coromaudei para M^aca. 



X! 

PAO, 

Pede mereadorias para negocio e para pagamento de soldos. Informa da sue- 
eessâo do reino de Qnor. Contenda com Tímoja por haver tomado duas naus 
de Chaul. Yassallagem ofTerocida pelo rei das Maldivas. Navios e provimen- 
tos que mandou a Malaca; commercio que ali se pode fazer; boas condições 
d^aquelta cidade. Necessidade de proteger os casados de Goa. Presentes do 
rei de Sião, que foram salvos do naufrágio de Flor de la mar e se enviam 
para o reino. Remette amostras da moeda que mandou cunhar em Malaca 
e do ouro da mina de Menéncabo. Envia uns mappas da ilha de Goa, de 
Diu e de uma ilha do canal de Cambaia, e copia de parte de uma impor- 
tante carta náutica de um piloto de Java. Inconvenientes do peso novo man- 
dado usar na índia. Procedimento de Diogo Mendes em Goa. Necessidade 
de reprimir a ousadia dos mouros na índia, etc., etc ix, 29 

1512 Agosto 20.— Cochim. 

Carta ao rei. Agradece-lhe a mercê de o ter feito do seu conselho. 
Naus e navios que ficam na índia, seu destino, quaes se inutilisaram, nome 
dos seus capitães. Enviará cadernos da gente e artilheria com que fica. Posse 
que Pedro Mascarenhas tomou da capitania de Cochim. Agradece deixar-lhe 
á sua determinação o provimento de algumas pessoas que trazem carta. En- 
viará a maior quantidade possivel de especiarias, sobretudo gengivre. In- 
forma sobre os pagamentos aos que servem na índia, e d'estes, dos falleci- 
dos e dos que vâo para o reino enviará relação. Remette três amostras de 
seda, de que poderá obter quanta se quizer, etc., etc x, 65 

1512 Agosto 20.— Cochim. 

Carta ao mesmo. Participa que mandou desfazer a fortaleza de Socotorà por 
Diogo Fernandes com três naus, o qual depois foi a Ormuz cobrar as pá- 
reas. A fortaleza de Cdchim está bem provida, e manda amplial-a. Moti- 
vos por que se não reuniu com Duarte de Lemos e foi tomar Goa. Irá ao 
Mar Roxo e fará por cumprir o que se lhe ordena ()ara assentar commercio 
em Zeila e Barbora. Ha paz em toda a terra do Malabar, excepto em Cale- 
cut. Algumas considerações sobre Calecut, Malaca^ etc. • xi, 75 

1S12 Setembro 30.— Cochim. 

Carta ao mesmo. Participa que a armada chegada n^aquelle anno á ín- 
dia concorreu muito para o socego d'esta, inquieta como estava com o 
boato da vinda de rumes. Assentou por agora não desamparar as cousas de 
Adem e Ormuz, etc xii^ 80 

1512 Setembro 30.— Cochim. 

Carta ao mesmo. Pede a el-rei o castello de madeira que possue, e um 
mestre que saiba tratar d'e11e, por lhe poder esse castello servir de muito 
para a guerra na índia xm, 82 

1512 Outubro 9-- Cananor. 

Carta ao mesmo. Dá parte de haverem chegado na nau Conceição os ca- 
pities da suiâsa e mai3 gente de armas. Remette pimenta e drogarias. Pro- 



i 



xn 

. \ PAO, 

videncias que tomou sobre as naus da carga. Conta o que Ibe succedeu com 
Pedro Mascarenhas que não trazia o alvará das suas quintaladas, e como es- 
tas ficam determinadas na índia xnr, 83 

1S12 Outubro 11. — Cananor. 

Carta ao rei. Dá conta das pendências que teve com o alguazil de Ca- 
nanor, e de haver conseguido do rei que o destituísse e nomeasse outro. 
Ordens que deu a todos os of&ciaes portugueses para nao negociarem com 

os mouros de Cananor xv, 85 

1S12 Outubro 18. — Em S. António avante Batecala. 

Carta ao mesmo. Encarece as vantagens que já se fazem sentir na índia 

da remessa de homens e armas, e pede pannos para os vestir xvi, 91 

1512 Outubro 25.— Em S. António caminho de Goa. 

Carta ao mesmo. Elogia frei João Alemão, a quem deu licença para ir ao 

reino, e deseja muito que elle volte á índia xvir, 93 

1512 Outubro 26. — Em S. António caminho de Goa. 

Carta ao mesmo. Diz que cumprirá o que se lhe manda sobre o perdão e 
seguro aos homens que fogem para os mouros, ainda que julga isto prejiidi- 

cial pelas razões que dá '. xvnr, 94 

1512. Outubro 30. — Em S. António caminho de Goa. 

Carta ao mesmo. Hás noticias de Adem com os projectos do Soldão; por 
isto previne que vae entrar o Estreito, e pede para a índia as naus que 
houver disponíveis em Lisboa. Lembra serem Goa e Malaca as duas maiores 
coisas da índia e como taes precisarem ser favorecidas por três annos com 

gente e armas, e para essas despezas não faltará dinheiro, etc xix, 95 

1512 Novembro 8.— Goa. 

Carta ao mesmo. Não se admira de haverem dito a el-rei que o anno pas- 
sado tinham ido de Calecut a Meca vinte e tantas naus de especiaria, mas 
de el-rei acreditar qne houvesse no Malabar vinte naus de quilha. Não deve 
haver temor de Calecut; o mal vinha do golfam de Ceilão para dentro, mas 
este caminho já se cortou. Razões para algumas vezes dar soldo a mouros, 

apesar de ser prohibido, etc xx, 98 

1512 Novembro 8. —Goa. 

Carta ao mesmo. Envia o embaixador do rei de Ormuz, a quem se deve 
fazer honra e boa recepção, e lembra que não se desista em coisa alguma 

do contracto e assento já feito com aquelle rei xxi, 100 

1512 Novembro 23.- Goa. 

Carta ao mesmo. Dá minuciosa conta da tomada de Banestarim, e da re- 
solução de ir a Cambaia «assentar as pazes xxii, 101 

1512 Dezembro 16. — Goa. 

Carta ao mesmo. Dá conta do modo por que mandou libertar a Ghaul, 
onde estava captivo, o embaixador do Preste João, e da lepepção do mesmo 
embaixador em Goa. Mensagem do Sabaio, que parece desejar a paz com 



PAO. 

oé portugaezes. Adiantamento das obras da fortificação em Banestarim, 

etc civ, 381 

1513 Novembro 30.— Conanor. 

Carta ao rei. Pede provideincias para obviar aos transtornos causados 
pela demora nos concertos das naus que teem de voltar para o reino cada 

anoo xxiii, 117 

1813 Novembro 30.— Cananor. 

Carta ao mesmo. Responde a uma carta sobre a nau que António Real 
e Lourenço Moreno faziam em Cockim para a mandarem com pimenta a 

Ormuz, segundo diziam, e refere o que tem passado com elles xxiv, 118 

1813 Novembro 30.— Cananor. '^ 

Carta ao mesmo. Mostra não ser culpado na má vigia de Calecut, que 
pela sua posição é abastecido de mantimentos; apesar dos meios para obstar 
ao seu commercio, é esse tão rendoso que os mercadores lhe correm todos 
08 riscos, interesse dos reis de Caoanor e Cochim na guerra de Calecut com 
08 portuguezes. Convém ater-se a Calecut e Cochim para a carga das naus, 

e abandonar o trato de Cananor, que não dá interesse, etc xxv, 122 

1813 Novembro 30. — Cananor. 

Carta ao mesmo. Dá parte de irem bem as coisas de Calecut, de se fazer 
a fortaleza e de haver já provido alguns cargos da mesma. Diversas indica- 
ções para o commt>rcio com aquelle reino. Envia os apontamentos do con- 
trato que assentou com o Samorim, etc xxvi, 132 

1813 Novembro 30. — Cananor. 

Carta ao mesmo. Dá conta da boa disposição das cousas da índia e da se- 
gurança dos portuguezes que andam por aquellas terras. Depois de acabar 
a fortaleza de Diu e a de Calecut determina ir ao porto de Suez no Mar Roxo 

queimar-lhe as naus xxvii, 138 

1813 Novembro 30.— Cananor. 

Carta ao mesmo. Quoixa-se de Gonçalo Pereira por elle muito favorecido, 
que vai para o reino com licença, antes de acabar o seu tempo. . . « xxvui, 140 
1813 Novembro 30.— Cananor. 

Carta ao n^mo. Responde ao que se lhe escreveu sobre os escrivães e 

quadrilheiros das presas e a rc«peito dos tanadares xxix, 141 

1813 Novembro 30.— Cananor. 

Carta ao mesmo. Responde á carta que lhe mandava dar ao rei de Co- 
chim o auxilio por este pedido contra o rei de Calecut. Diz que o rei de 
Cochim e o de Cananor, com os mouros de ambos os reinos, consideram 
prejudicial aos seus interesses a paz dos portuguezes com o Samorim, 

etc XXX, 181 

1813 Dezembro 1.— Cananor. 

Carta ao mesmo. Queixa-se das falsM informações dadas pelos seus de- 
tractores, e diz não Laver na índia quem esteja no caso de i;dministrar a 



PAG. 

fatetida rea). Relata as malversações e abu908 de auctoridade dos qne o ac- 
cusam. Dá explicações sobre os quadrilheiros das presas; trata das desor- 
dens dos capitães das armadas, e responde ao que se lhe escreveu sobre ag- 
gravos por elle feitos a Onor e a Timoja, ètc. xxxi, 155 

1513 Dezembro 1. — Cananor. 

Carta ao rei. Expõe a necessidade de fornecer a índia de mercadorias, 
por estar cerrada a bocca do Estreito. Relação das mais acceitas e dos 
reinos que as pedem. Género de embarcações mais convenientes para o Mar 
Roxo, se o assenhorear. Algumas informações e reflexões sobre as terras 
das margens doeste mar. Pede armas, e diz que a gente as recebe de boa 
vontade sobre o seu soldo xxxn, t67 

1513. Dezembro 1. — Cananor. 

Carta ao mesmo. Responde ao que se lhe escreveu das queixas do rei de 
Garçopa. Diz que Onor é valhacouto de piratas. AfTirma que sempre guar- 
dou lealmente a paz a todos, como pfova a confiança dos próprios inimi- 
gos, que vêem á sua presença, sem seguro, quando os manda chamar, 

. . etc xxxni, 172 

1513 Dezembro 1. — Cananor. 

Carta ao mesmo. Envia dois abexins, captivos quando iam para a roma- 
ria de Jerusalém, com outro para lhes servir de interprete; úm sobrinho 
do xeque e senhor de Haçuá; um robão do Mar Roxo, e um espingardeifo de 
Goa com amostra das espingardas que se fabricam ali tào boas como as 
de Bohemia. Lembra a conveniência de cultivar nos Açores e nos paúes 
de Portugal a papoula do ampbíão como boa mercadoria para a índia, 
etc xxxiv, 173 

1513 Dezembro 1. — Cananor. 

Carta ao mesmo. Recommenda Manuel de Lacerda, que pelos seus servi- 
ços na índia, onde tem sido muitas vezes ferido, merece algum provi-- 
mento cxi, 415 

1513 Dezembro 2;— Cananor. 

Carta ao mesmo. Respondendo ao que se lhe escreveu sobre haver dei- 
xado ir Timoja e recolher Melrao, diz que a gente de Timoja fugira quando 
lhe constou a vinda dos turcos, emquanto Melrao, homem de credito e ver- 
dadeiro a quem entregara então as terras de Goa, lhes dera batalha e os 
desbaratara da primeira vez. Participa que a mulher e filhos de Timoja fu- 
giram para Goa, onde estão bem tratados e considerados, etc xxxv, 174 

1513 Dezembro 2. — Cananor. 

Carta ao mesmo. Responde ao que se lhe escreveu sobre Diogo Correia 
e dà as razões por que o nomeou capitão de Cananor, onde lhe movoram 
injusta guerra, e grandes intrigas forjadas em Cochim; como se deduz dá 
inquirição ahi tirada. Diz que Diogo Correia morreu como cavalleiro, o que 
lhe foi melhor que vir para Portugal kxxvi, 175 



PAG. 

1513 Dezembro 2. — Cananor. 

Carta ao rei. Envia para o reino Fernão Caldeira com os autos das suas 
culpas e a inguiriçlSo que se tirou d^elle em Goa, etc xtxvii, 178 

1913 Dezembro 2.— Cananor. 

Carta ao mesmo. Refere-se ao que já escreveu do procedimento de Ti- 
moja, que tomou uma nau de Ormuz e diias de Chaul com seguros, e faz 
. outras queixas d^lle, etc xxxviii, 179 

1513 Dezembro 2.— Cananor. 

Carta ao mosmo. Dá conta d.is tomadias feitas quando foi ao Mar Roxo, 
e dos roubos commettidos pelos quadrilheiros das presas. Remette para o 
reino os quadrilheiros e escrivães da quadrilharia de Malaca e os das pre- 
sas da Índia que achou culpados, etc ^ xxxix, 180 

1513 Dezembro 3.— Cananor. 

Carta ao mesmo. Falia da sua ida a Malaca. Parece-lhe que n^«ssa occa* 
siâo o tiveram na índia pof morto, ou não o reconheciam por governador. 
F6rma por que chamou os capitães a conselho sobre o feito de Goa. Coi^si- 
deraçoes sobre a importância doesta cidade. Defende-se da accusação de 
falta de guarda a Calecut. Explicação a respeito da tomada de algumas 
naus de Ormuz e de Cambaia. Diz que em seu tempo a índia só se go- - 
verna com veriiade e justiça. As nau§ da carga para o reino não se occu- 
pam n^outro serviço senão quando falta cabedal para algumas. Falia das 
quintaladas, dos casamentos de Goa, Cochim e Cananor, dos accrescenta- ^ 
mentos dos soldos, dos embaixadores de Cambaia, e de Meliquiaz de Diu 
iâ seus offerecimentos. Enviará, como se lhe ordena, nota da quantidade de , 
mercadorias que podem gastar-se na índia. Cuidado que lhe merece a ad- 
ministração da fazenda real e o desenvolvimento do commercio da índia, 
etc., etc. XL, 181 

l8l3 Dezembro 4. — Cananor. 

Carta ao mesmo. Dá conta das obras que se fazem na armada e na forti- 
ficação de Goa à partida das naus da carga. Boa recepção que fez aos mer- 
cadores, capitães e mestres das naus de Ormuz chegadas a Goa com os cà- 
Vallos. Obras da fortaleza de Bancstnrim. Despacho de embaixadas ao Sa- 
baio, ao rei de Cambaia, ao de Narsinga e ^o de Yengapor. Obras em Pàn- 
gim. Embarca com seu sobrinho D. Garcia e toma conselho com os capi- 
tães sobre a ida a Adem e entrada no Estreito de Meca. Successos da via- 
' gem desde os dois assaltos a Adem eentradA do Mar Roxo até voltar a Goa, 
etc, etc . . • . . líÁy IM 

1513 Deaembro 15^ — Cananor. 

Carta ao mesmo. Pede mercadorias para pagamento dos soldos à gente, 
visto não baver já presas, senão da guerra de Adem e do Mar Roxo: Per- 
gunta o que deve fazer dos judeus castelhanos e portuguezes que entram 
na índia por via do Cairo. . . , .,.,..... xui; 243 



XVI 

PAG. 

1513 Dezembro 24. — Cananor. 

Carta ao rei. Resposta sobre os accrescentamentos de soldos, e quin- 
taladas que se teem tirado, conforme o regimento. Mau serviço e intrigas 

dos officiaes a este respeito juu, S&K 

1513 Dezembro 24.— Cananor. 

Carta ao mesmo. Envia os embaixadores de Calectit, lembra a conveniên- 
cia de receberem o melhor tratamento possivel, e pondera as grandes van* 

tagens que resultarão da paz com o Samorim xliv, 248 

1513 Dezembro 24. — Cananor. 

Carta ao mesmo. Sobre a paz com o Samorim e a vinda do seu embaixa- 
dor a Portugal xlv, 250 

1513 Dezembro 28. —Porto de Calecut xlvi, 254 

Yid. a carta de 1 do mesmo mez e anno xxxn, 167 

1514 Janeiro 1. — Cochim^. 

Carta ao mesmo. Envia os pareceres de todos os capitães sobre o Feito de 
Goa. O rei de Narsinga eo reino deDaquem pagarão páreas, se o commer- 
cio dos cavallos se fizer somente em Goa. Nao se admira da ordem de se 
fazer conselho publico sobre o feito de Goa, á vista das falsidades que se 
teem escrípto para o reino. O que lhe parece que se faça para prevenir 
qualquer inconveniente da parte do reino de Daqoem. Julga proveitoso to- 
mar Danda, da qual dá informação xlvii, 259 

1514 Janeiro 4.— Cananor. 

Yid. a nota 2 da carta xjlv, 250 

1514 Outubro 20.— Goa. 

Carta ao mesmo. Pede perdão para uns homens que no rio de Goa pro- 
cederam em prejuizo do serviço real e da concórdia da gente e da armada, 

etc XLvm, 262 

1514 Outubro 20.— Goa. 

Carta ao mesmo. Respondendo ao que se lhe recommendou sobre as car^ 
tas vindas nos maços, diz que sempre as manda entregar a quem são diri- 
gidas sem nunca as abrir, ao contrario do que se fazia n'outro tempo na ín- 
dia, etc xLix, 263 

1514 Outubro 20.— Goa. 

Carta ao mesmo. Responde às recommendações que se lhe fizeram sobre 

a tpmada da ilha de Babarem, etc l, 264 

1514 Outubro 20.— Goa. 

Carta ao mesmo. Trata do cobre enviado à índia para negocio; das mer- 
cadorias que mandou comprar cm Cambaia para irem nas naus do reino, 
e de outras particularidades relativas à carga das mesmas naus, etc.. • li, 265 
1514 Outubro «.—Goa. 

Carta ao mesmo. Sobre a carga das naus para o reino lii, 268 



PAG. 

IM\ Outubro 20.— Gai. 

Carta ao rei. Trata do accrescentamento de soldo ao arei de Gocbim 
quando se fez christao, e dos bons serviços por elle prestados. Participa que 
fez tomadia de três elephantes de António Real, Lourenço Moreno e Diogo 

Pereira, etc lui, 269 

1K14 Outubro 20.— Goa. 

Carta ao mesmo. Dá conta de haver cumprido o que se lhe determinou a res- 
peito da seda e estanho ; da carga das camarás de que se faz merco aos capitães, 
edasprovidenciassobreaquebra, limpeza, preço e peso da pimenta... lfv, 271 
1K14 Outubro 20.— Goa. 

Carta ao mesmo. Resposta sobre a mina de ouro junto a Malaca. Trata 
dos grandes interesses do commercio da índia, e lamenta a incompetência 

dos officiaes das feitorias, etc lv, 272 

1514 Outubro 20.— Goa. 

Carla ao mesmo. Desmente o que d*elle dii Gaspar Pereira; conta as in- 
trigas d'e8te e refore-^e às de António Real, Lourenço Moreno e Diogo Pe- 
reira Lvi, 278 

1814 Outubro 20.— Goa. 

Carta ao mesmo. Amplia o que já escreveu acerca do Mar Roxo. Trata 
de Adem, do modo de assenhoreal-a, e das novas que ha de se estar forti- 
ficando. Náo pôde nem deve fazer-se fortaleza na porta do Estreito. Falia 
de Barbora e Zeila. Noticias que tom da ilha de Camarão. Deve estabele- 
cer-se assento em Maçuá por ser o porto principal do Preste, para d*ali in- 
tender no feito de Judá, Meca e Suez, etc., etc lvu, 278 

1814 Outubro 20.— Goa. 

Cartu ao mesmo. Responde ao que se lhe escreveu acerca de Gaspar 
Pereira e dos cargos e oRicios com que vçio à índia, e sobre a necessidade 
do cargo de secretario. Conta como o mesmo Gaspar Pereira serviu na ín- 
dia, falia das suas intrigas, e envia os autos das suas culpas lviii, 284 

1814 Outubro 23.— Goa. 

Carta ao mesmo. Recommenda António da Fonseca pelo serviço que lhe 
tem prestado como secretario em todas as cousas de segredo, e agradece a 

mercê feita ao mesmo de que é digno lix, 292 

1814 Outubro 23.— Goa. 

Carta ao mesmo. Diz que proverá as pessoas que levam recommendação 

d'el-rei lx, 293 

1814 Outubro 23.-^Qoa. 

Carta áo mesmo. Agradece a concessão de poder gastar em mercês até 

oito mil cruzados cada anno ■, lxi, 294 

1514 Outubro 23.— Goa. 

Carta ao mesmo. Dá parte do ter mandado construir umas galés, por lhe 
convirem mais para o feito do Mar Roxo, se ali tomar assente. Queixa-se da 

c 



XYm 

PAG. 

mà qualidade de armas que se lhe enviam. A gente da índia gosta de boas 
armas e de bons vestidos, e não tem duvida de os pagar. Pede uma dúzia 

de carretas de artilberia de campo, eic lxii, 295 

1514 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao rei. Diz que cumprirá o determinado acerca dos casados que 
morrerem sem filhos, das mulheres fallecidas sem herdeiros, e dos abin- 

testados Lxni^ 297 

1614 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo. Trata da obra da egreja de Cochim lxiv, 298 

1514 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo. Informa do commercio de Sofala e Moçambique e dos 

interesses que pôde dar lxv, 300 

1814 Outubro 25.— Goa, 

Carta ao mesmo. Respondendo ao que se lhe escreveu sobre André Corso, 
mostra as razões por que não lhe deu a capitania da galé grande. Protesta 
contra as falsidades que escrevem d'elle Albuquerque para o reino. Dá conta 

de embarcações que mandou construir, etc lxvi, 301 

1614 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo. Agradece a conta em que sSo tidos os seus trabalhos e 

dos seus capitães na tomada de Malaca Lxvn, 304 

1614 Outubro 26.— Goa. 

Carta ao mesmo. Participa haver empregado na capitania de Calecut Fran- 
cisco Nogueira, que viera recommendado Lxvm, 306 

1614 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo. A respeito do gentio Cidra, que se dá por aggravado a 

propósito do negocio da pimenta 1 lxix, 306 

1614 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo. Expõe as razões por que não é possivel tirar todo o Com- 
mercio da índia do poder dos mouros, ainda que se favoreçam muito os 

gentios Lxx, 306 

1614 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo. Informa da despesa annual na índia em soldos, mora- 
dias e mantimentos lxxi^ 307 

1614 Outubro 26.— Goa. 

Carta ao mesmo. Quin taladas que se teem tirado e vão tirando. O que se 
concedeu a João Machado em recompensa dos serviços que prestou, e por 
ter vindo apresentar-se na occasião mais critica do feito de Goa com oito 

ou nove cbristãos que andavam com os mouros • lxxu, 308 

1514 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo. Responde á recommendação que se lhe fez de António 
Real, contando o procedimento e intrigas d'est«, etc Lxxm, 310 



XII 

PAG. 

1514 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao rei. Trata do embaixador do Preste João, e do mau tratamento 
que lhe deram na índia. Cumprirá o que se lhe ordena quando fôr aos 

portos do Preste e o mandar cumprimentar, etc lxxiv, 312 

1514 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo. Dá conta de ter ido a Calecut assentar algumas cousas 
c socegar o animo do Samorim, e depois a Cochim onde teve larga confe- 
rencia com o rei, da qual informa; do conflicto da gente de Cochim com a 
de Calecut; de haver despachado Pedro de Albuquerque a ir arrecadar as 
páreas de Ormuz, e Diogo Fernandes com Jayme Teixeira para Cambaia 

sobre os concertos da paz, etc, etc lxxy, 318 

1614 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo. Refere-se á carta em que deu conta da sua intenção de 
ir ao Mar Roxo para assentar em Uaçuá, porto do Preste João, ganhar Da- 
laca, e apalpar Judà. Expõe a vantagem d'esta ida, eo que n'isto determina 
fazer. Depois de sair do Mar Roxo, irá a Ormuz. Na índia convém muito 
fazerconcerto com Narsingae Cambaia^ e conservar ode Calecut, etc. lxxti, 325 
1514 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo Lxxvn, 327 

Yíd. a carta de 20 do mesmo mez e anno Lm, 269 

1514 Outubro 25.— Goa. 

Cnrta ao mesmo. Resposta sobre o preço da pimenta que João Serrão 
comprou mais barata. Modo por que se deve fazer este negocio. Dúvida so- 
bre o pagamento de direitos ao rei de Cochim da pimenta que não fôr 

agenciada em terras do seu dominio Lxxvni, 329 

1614 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo. Diz que não se lhe mandaram ainda os valladores que 

pediu e lhe são muito necessários lxxix, 331 

1514 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo. Agradece haver-lhe sido mandado João Serrão, homem 

prudente e conhecedor das cousas da índia lxxx, 332 

1514 Outubro 25.— Goa. 

Carta ao mesmo. Participa que recebeu cartas de Meliqueaz por quatro ata- 
laias, das quaes vinha por capitão Cide Alé, o torto, de quem falia desfavoravel- 
mente. Entende que o rei de Cambaia nao deixará de nos conceder Diu com as 
suas rendas, ou assento para fortaleza. Envia para o Príncipe uma jóia que 
recebeu da parte de Meliqueaz. Chegada de outro Cide Alé, que foi embai- 
xador do rei de Cambaia. Ultimas noticias do Mar Roxo, etc., etc. . . lxxxi, 332 
1614 Outubro 2*5— Goa. 

Yid. a nota da carta lxxxi, 334 

1514 Outubro 28 -Goa. 

Carta ao n;esmo. Agradece as mercês feitas ao homem que acompanhou 

c# 



« 



PAO. 

o embaixador, e o credito que merecem a el-rei as cousas d'elle Albuquer- 
que, apezar das accusações que Ibe fazem lxxxii, 335 

1814 Novembro 4.— Goa. 

Carta ao rei. Dà noticia da despcza feita em Goaed^onde sae. NSo deve 
suspender-se a remessa de dinbciro para a índia, omquanto ali nao houver 

sufficiente quantidade de mercadorias para o obter Lxxxni, 336 

1514 Novembro 4. — Goa. 

Carta ao mesmo. Defende-se da accusação de ter vendido algumas escra- 
vas suas e d*el-rei a homens que as pediram para casar. Razões que teve 

para augmentar alguns poucos subsidios para casamentos lxxxiv, 337 

1514 Novembro 8.— Goa. 

Carta ao mesmo. Sobre os grandes interesses que podem tirar-se do com- ^ 

mercio de Malaca lxxxv, 339 

1814 Novembro 8— Goa. 

Carta ao mesmo. Informa do mau estado da torre de menagem da forta- 
leza de Cananor, e da obra que precisa lxxxvi, 339 

1614 Novembro 27. — Cananor. 

Carta ao mesmo. Dá conta da chegada de embaixadores do rei de Nar- 
singa, quando estava para partir de Goa, e da mensagem que traziam. Trata 
dos grandes interesses do commercio dos cavallcs da Arábia e da Pérsia, 

etc Lxxxvii, 340- 

1514 Novembro 27. — Goa (sic) 

Carta ao mesmo. Participa que apertou um pouco o porto de DabuA, para 
reclamar uns homens que tinham fugido para o Idalcão, e que já tem alguns 

em seu poder Lxxxvni, 344 

1514 Novembro 27. — Cananor. 

Carta ao mesmo. Participa que por falta de recursos mudou a tenção de 
ir ao Mar Roxo na de assenhorear Ormuz, e com os meios d'ali obtidos vol- 
tar ao Mar Roxo. Conserva por ora esta resolução em segredo. Dará parte 
do que succeder; cumprirá as ordens para a segurança da índia, e não des- 

' truirá Ormuz, que é terra para se desfructar e defender, etc lxxxix, 345 

1614 Novembro 27.--Cananor. 

Carta ao mesmo. Providencias que julga necessárias sobre os vinhos que 

vêem nas naus da carga, tanto d'el-rei como de particulares xc, 349 

1514 Novembro 28.— Cananor. ^ 

Carta ao mesmo. Manda o auto das culpas de Gaspar Pereira, e participa 
que o substituiu por Pedro de Alpoem, homem de muita confiança. Diz que 
o credito, favor e honra dados a algumas pessoas que vêem á índia só lhes 

servetn para se enriquecerem com prejuizo da fazenda real, etc xci, 360 

1614 Dezembro 2. — Calecut. 

•Carta ao mesmo. Intercede por Pedro Alvares, marido de sua sobrinha, 
afim de ser restituido ao favor e serviço real ."^ xcii, 363 



Uí 

FAO. 

1514 Decembro 2.— Calecut. 

Carta ao rei. Participa que Manuel de Sousa, a quem dera a aleaidaria 
roór de 6oa« vem para o reino, e que servira bem no cereo de Goa. . . xan, 355 
1514 Dezembro 5. — Na galé grande. 

Carta á rainba. Sobre a carga de mercadorias a elle incumbida. Envia 
alguns presentes para a rainha, para a infanta D. Isabel e para o prin* ' 

eipe, etc xciv, 356 

1514 Dezembro 10.— Cocbim. 

Carta ao rei. Dá conta do naufrágio da nau S. Miguel do capitão Chris- 
tovâo de Brito, perto de Chaul, por culpa do piloto, salvando^se so- 
mente o dinbeiro, cobre e artilheria. Lembra a necessidade àe uma lei de 
responsabilidade para os pilotos, que parece ás vezes fazerem mau serviço 

de propósito xcv, 356 

1514 Dezembro 10.>«-Cochim. 

Carta ao mesmo. Envia a resposta mandada por Meliqueaz ao que lhe es- 
crevera sobre a pretensão de estabelecimento portuguez em Diu. . . . xcvi, 358 
1514 Dezembro 11. — Cocbim. 

Carta ao mesmo. Agradece as promessas de recompensa dos seus serviços 
e trabalhos, e expõe algumas razões por que entende merece)>a. . . « tcvii, 360 
1514 Dezembro 15. — Cochim. 

Carta ao mesmo. Dá parte dos motivos por que privou do officio tSareia 
Coelho e o substituiu por Pedro Barreto. Necessidade de acudir às feilorias 

com gente honrada e que entenda do negocio xcviii, 364 

1514 Dezembro 18.— Cochim. 

Carta ao mesmo. Sobre o bom serviço prestado por Luiz Dantas, que ao 
voltar de Diu salvou muitas mercadorias e a artilheria da nau de Christo- 
vao de Brito, que encontrou perdida perto de Chaul xax, 365 

1514 Dezembro 20.-^ Cochim. 

Carta ao mesmo. Relata o que passou com o rei de Cochim para o conven- 
cer a fazer-se christâo. Considerações sobre as respostas d^aqnelle rei. . . c, 367 

1515 Setembro 22.— Ormuz. 

Carta ao mesmo. Refere-se ás razões que já havia dado para ir antes a 
Ormuz que ao Estreito. O feito de Ormuz deu grande credito e confiança ás 
cousas da índia. Encarece as condições d'aquelte reino, do qual obtivera sem 
fadiga o dinhoiro das preás em divida. Se as cousas de Ormuz o nio obri- 
garem, determina pedir gente e auxilio para ir ao Mar Roxo. Providencias 
sobre o provimento de Soíaia e da armada que está em Ormuz. Boas novas 
que recebeu da índia. O rei de Lara, e Mirabuçaca capitão do Xeque Is- 
mael, mandaram cumprimental-o e fazer-lhe oíTerecimentos. Ainda não pôde 
dar noticias de Catifa, Baçorá e ilhas do cabo do mar da Pérsia, mas de 
Babarem diz que é mais importante do que se pensa. Mandou levantar pe- 
lourinho em Ormuz. Com a tomada doesta cidade ficará em poder de Por- 



tugal o commercio dos cavallos da Arábia e da Pérsia. Naus que manda 
construir cm Cochim c Calecut. Relação dos navios da índia, e dos seus ca- 
pitães. Direitos que pagam as mercadorias em Ormuz. Manda amostra da 
moeda de ouro, prata e cobre d*aquelle reino. Descreve a fortaleza de Or- 
muz, etc a, 369 

1515 Outubro . . . — Ormuz. 

Carta ao rei. Recommenda Diogo Hoçíiem pelos seus serviços na ín- 
dia cn, 380 

1515 Dezembro 6.— No mar. 

Carta ao mesmo. Aflirma, já moribundo, ter cumprido o que Ibe fora en- 
carregado, deixando a índia segura. Rec-ommenda seu 61ho cm, 380 



Sem data 



Carta ao rei. Pede que sejam favorecidos com mercês Ruy Gonçalves e 
João Fidalgo, porque teem prestado grande serviço com a gente da orde- 
nança, e sao muito necessários » cv, 385 

Carta ao mesmo. Participa que Ibe foram entregues, a seu pedido, umas 
naus de mercadores do Cairo arribadas a diversos portos da costa da índia, 
o que mostra a obediência, ou antes a sujeição dos reis e senhores a quem 
pertencem aquelles portos cvi, 38G 

Carta ao Xeque Ismael. Participa-lhe que fez toda a honra ao seu embai- 
xador. Envia-lbe Fernão Gomes de Lemos para lhe dar as informações que 
deseje a respeito dos portuguezes. Dá-lhe conta da tomada de Ormuz, onde 
espera voltar. Expõe-lbe a vantagem de uma alliança contra o Soldão, so- 
bre o que seria conveniente enviar mensageiros ao rei de Portugal. . . cvii, 387 

Regimento que Albuquerque deu a Fernão Gomes e a Gil Simões, que 
mandou ao Xeque Ismael 389 

Do caminho que fizeram e o que fizeram os embaixadores que foram ao 
Xeque Ismael, e o presente que levaram 391 

Carta a Duarte Galvão. Depois de algumas queixas sobre invejas de que 
é victíma, e de algumas phrases affectuosas acerca do favor e protecção que 
tem recebido d*elle ante el-rei, dá-lhe conta da sua ida a Malaca. Trata da 
variedade de opiniões religiosas dos mouros, as quaes dão causa a graves 
dissensões entre elles. Falia de Meca, do Preste João, do Mar Roxo^e da 
determinado em que fica de ali entrar, etc cviii, 395 

Carta ao mesmo. Depois de tratar de algumas cousas de seu interesse par- 
ticular, falia das cartas escríptas da índia, em que a verdade se desfigura de 



xxm 

PAG» 

tal modo que não pôde el-rei tomar determinação decisiva do que quer fa- 
zer d*aque]ia conquista, etc cix, 402 

Carta a D. Martinho de Castello Branco. Agradece-lhe a protecção que 
lhe tem dado ante el-rei, que não folga de contentar os bons cavalleiros, e 
favorece os que não o merecem. Dá conta do socego em que está a índia. Trata 
de Calecut, da sua riqueza, e das boas relações com o seu rei actual. Falia 
de Goae da sua importância, e das bisas informações dadas a el-rei sobre 
as grandes despezas que se fazem com ella, etc fix, 40S 



CARTA I 

1507— Fevereiro 6 

Senhor. — Escripto tenho a vossa alteza todo ho passado até nossa 
chegada a momçanbique, domde partimos caminho da terra de sam lou- 
renço: temdo detriminado ho capitam moor de aquy neste porto passar hos 
leuamtes, nos mandou chamar todos hos capitãees e pilotos e lhe pregum- 
tou ho caminho que faríamos pêra esta terra e porto domde estes ho- 

meens todos hos pillotos que pella bamda do Ruy 

pireira viera, que foy pella. eu descobry; pregumteylhe a 

a Rezam que davam maa nem na tinha por 

nom ella bamda, nem saberem quamto 

. . orle, somemte manuell telez que cremos que veyo terra de sam 

louremço sem aver vista delia, veyo ter a huua pomta de cabo de terra 
cm altura de homze graoos, vimdo demandar a costa de quyloa : pregum- 
tou ho capitam moor o que me parecia, disse lhe que nom deuia de hir 
senam por homde Ruy pireira viera pello porto de samtiaguo e por esta 
bamda do sull, porque seria muy maoo de cobrar de momçambique no 
tempo em que estauamos a pomta da terra que manuell telez deixara em 
homze graoos, porque quatro graoos de momçambique pêra hos aver de 
cobrar comtra as aguoas que coriam e comtra hos leuamtes guastariamos 
muyto tempo e aymda seria^ duuyda podella aver, e que ho ali hera ar- 
rado comselho temtar cousas nouas e caminho que nom era descuberto, 
porque do tempo tinhamos mais necessidade; que vimdo janeiro se podia 
naueguar pêra homde vossa alteza tinha emderemçada vossa frota a se 
faRcr as cousas de vossos Rigimemtos, e que ouuesse por certo como as 
naoos aventassem fumdo em terra que nom era descuberta, nom fizessem 

1 



2 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

fumdameníito de com hos prumos nas mãoos ouuessem d andar cada dia 
três leguoas; e mais que tinhamos piloto e nao que saberia tornar ao porto 
destes homens, o quall porto nós averiamos daquy de momçambique em 
seis dias á popa e nos ficaria tempo pêra sabermos de hy em diante ho 
que aviamos de fazer; e mais que elle linha mamdado a taforea tornar a 
çofalla a ver se lhe queriam dar algum dinheiro, porque da primeira se 
escusarom, e que daly se fosse aguardallo á terra de sam louremço pello 
camir^íio do porto de samtiaguo; todavia quys ter estoutra volta dos pi- 
lotos, c daly a muy poucos dias achou tudo o que lhe dissera; quamdo de- 

triminou de tomar meu com . . . guastado perto de três meses 

cemto e sessemta costa. 

Com esta detriminação .- . . capitam mor de momçambique 

nauyos da minha armada q;ue já aquy eram e com ho seu nauyo 

e a naoo de Joham gomez e ha de Ruy pereira, Jó * queimado, 

e fomos aver ho parcell de samta criaria e ha coroa darêa que eu descobry, 
que achamos em altura de dezasete graoos e meyo, setemta leguoas de 
momçambique ; e em tam peque\io caminho nos botarem logo as aguoas 
iôus grãos e meyo ao sull : cortamos por este parcell com ho prumo na 
mão per sele braças, oylo braças e cimquo e quatro e meya, e sorgiamos 
de noite, atá que ouuemos vista da terra: lamçamos hos batees fora, fomos 
em terra com ho capitam moor saber que terra era, tomamos hum zam- 
buquinho pequeno com douus mouros, falamos com a jemte da terra; eram 
caferes, nom se emtemdiam bem com estes da terra de sam louremço que 
trouxe Ruy pireira, nem achamos nova de nenhuua especearia senam de 
gymgiure que nos amostrarem; nom lhe pregumtou ho capitam moor por 
a camtydade que poderia aver na terra : estes mouros que tomamos nos 
amostrarem douus portos. No primeiro achamos hum luguar de mouros em 
que saymos; fugi nos a jemte toda do luguar, em que achamos muyto mam- 
timemto, tomamos lho todo e pusemos foguo ao luguar, e nesse mato a nossa 
gemte solta matou alguuns mouros que jaziam escomdidos, e trouxerem al- 
guuas mulheres ao capitam moor, que deixamos hy; daly nos partimos ao 
lomguo da costa com milhor Resgardo que podiamos: foram nos amostrar 

^ O nome d'esle capitão está escriplo n'umá enirelinha^ mas de tal modo que ^ pos- 
sível ler-se /o, ou i^ (João). Preferimos a primeira leitura, porque o nome do Job Quei- 
mado é conhecido e repetido pelos nossos escriptores das cousas da Indi^. N'esta mesma 
carta mais adiante achà-se escripto com todas as lettras o nome Johamy o que julgamos 
erro ou lapso do amanuense de Albuquerque. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 3 

estes douus mouros que tomamos, hum luguar gramde que tomamos, que 
se chama lulamguane, jaz demtro em húua emseada; he hílua Ilha perto 
de terra firme quamto pode ser hum tiro de besta, tem suas abeguoaryas 
em terra firme de muytos guados e lauoyras e escrauos; amtes que as naoos 
aparecessem, mandamos douus bates diamle que se metessem. . . Ilha e 

a terra firme por nom deixarem passar nenhuum da firme; 

como viram as naoos surgyr medo tam grande neles que 

se lamça em zambuquos e deles em alma. 

capitam moor em terra .suas azagayas e adargas, como 

se muytos delles a nado gemte 

quG na Ilha esperou, se trouxe á espada senhor que pellas 

gramdes corentes e escarceo que fazia amtre a Ilha e a terra firiro, que 
hos zambuquos todos se perderam com toda a jemte e todas as almadias 
alaguadas, e ho mar era coalhado domes afogados e molheres e mininos; 
parece me, senhor, que amtre hos mortos da Ilha e os que se afoguarom 
seriam bem mill almas, e muytos catiuos que as naoos trouxerom, porque 
ho capitam moor deu licemça que tomasse cada hum aquelles que qui- 
sesem; escolheo cada hum o que lhe bem veyo: no luguar se tomarom 
alguns panos de cambaya, prata pouca e algum ouro pouco, porque trau- 
tam aly as naoos de milimde e mombaça em escrauos e mamtimentos; 
tinha tamto arroz que vimte naoos ho nom puderam careguar; três dias 
teuemos asy ho luguar, atá que cada huum tomou ho que podia alojar, e 
ho ali que ficou lhe Resguatou ho capitam moor por vacas e cabras o lhe 
deixou muytas molheres e minynos que as naoos nom podiam trazer : to- 
mamos nossa aguoa e partimos ao lomguo da costa; mandou loguo ho ca- 
pitam moor as naoos pella Roupa de canbaya, e de todo ho ouro e prata 
deu ho terço a quem ho achou, e fomos asy per espaço de dias alec ver 
o cabo da terra, homde gastamos muyto tempo sem no podermos dobrar 
com Icuamtes e aguoas que coriam a nós. Atá aly nom podemos saber se 
esta terra era apeguada com a terra de sam louremço ou era Ilha sobre 
sy: tomou ho capitam moor na pomta desta terra hum homem, mos- 
tram lhe crauo, disse que hy no mato avia muyto delle, ho capitam moor 
nom lhe deu muyto credito; tornou a voluer daly pella bamda por homde 
lhe tinha acomselhado e por, homde rruy pireira viera com hos homens 
da terra. 

E tomamdo nós asy ao lo strarom hoç mouros que toma- 
mos em de que se chama cada, em que e 



4 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

trautam aly muylas naoos mtimentos e em fero, 

que se as povoaçõces; a jcmte lugares pareceriam 

atee douus mill .... azaguayas e adarguas e arcos de frecha nom ou- 
sarom de pelejar com nosco e asy acudia jcmte de hfla parte e da ou- 
tra por ser terra firme. 

Semdo nós em meado janeiro, pareceome vosso seruiço, pois que ar- 
mada podia naueguar, acomselhar ao capitam moor que nos parlissemos 
em duas partes, eu com armada ao cabo de gardafur e elle com essas 
naoos que hy tinha de c^regua a descobryr essa terra. Respomde me que 
sy, que era bem, porem que elle tinha necesydade da taforea que llá li- 
nha mamdado diamte e do Rey gramde que queria leuar consigno: quamdo 
vy sua detreminaçam e ho desbarato de minha armada e conhecy hò tempo 
que elle llá homde hya podia guastar, eemtam lhe disse que seria vosso 
seruiço leuar eu toda armada e ajuntalla por huu quer que achasse e hyr 
fazer a fortaleza de çoquotorá, e daly, vimdo tempo, ajumtar a frota que 
as careguas aviam de hir tomar aa Imdia, e hordenar lhe sua pasajem e 
polias em bordem; e emquamto nom fosse tempo datrauesarem, dar fauor 
com ellas ás cousas da costa d arábia que vossa alteza tinha guanhadas, e 
ho que se hy mais pode fazer por vosso seruiço: pareceolhe bem, dizemdo 
me sua detreminaçam e do que esperaua de fazer de sy ; emtam me deu 
huum mamdado pêra as naoos fazerem o que lhe mandasse, posto que ho 
eu tragua de vossa alteza abastamte pêra ysso, e asy s apartou de mym e 
em muy poucos dias vim ter a momçambique, homde eslaua a naoo sam- 
tiaguo e a naoo em que vem Ruy diaz pireira; e a taforea que emtam che- 
guara da terra de sam lourcmço, homde ha ho capitam moor mamdara 
que ho esperasse, vyo tamtos meses gastados sem no capitam moor vir, 
que detriminou vir se a momçambique, homde leuaua por seu Regimento 
que se tornase, c trouxe da. . . . mill maticaees douro, hos quaees mandey 

emtreguar ao feitor da minha naoo, pêra quamdo vier ho tempo 

aa Imdia hos mandar e aquy achey anaoo de laguoos 

r. . dey do caminho amtes que cheg * de lionell 

Coutinho, que me disseram que cstaua em quyloa^ e da guarça que eslaua 
cm milimde, o lhe mandey amostrar ho poder do capitam moor e carta 
minha em que lhe mamdaua cpie em milimde mo aguardassem: a cara- 
uella de pêro coresma veyo de quyloa aquy com Roupa pêra çofallá, 
e aquy em momçanbique ã emtreguarom ao criado do prioll do cralo 
que aquy ficou, e quando cheguey achey que era llá; se vier, irá comigo, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 5 

e senam, nom me deterey por ella nada: veyo comigo Joham* queimado 
e ho Rey pequeno : ficou com ho capitam moor ho Rey grande. 

E aquy neste porto achey huua carauclla que ho capitam jerall 
mamdaua a çofalla, e nella vinha nuno vaaz pireira por capitam da forta- 
leza, e por alcayde Ruy de brito, e por escripuam amtonyo Raposo, e com 
todo ho poder que vossa alteza deu ao capitam gerall ; dey lhe muy to ar- 
roz que leuou, e muy to lhe fica aquy pêra mandar por elle; pydio me huua 
bombarda grossa que foy do nauyo de framcisquo danhaya: hindo pêra 
quyloa, nom podemdo naueguar, tornousse aquy e no caminho achou a 
bombarda e a trouxe e lha dey; nom quys mais de mim e asy fiz prestes 
estas naoos, e oje que he ho primeiro de feuereiro estou com as vergas 
dallto pera4)artir. 

Esta naoo de laguos que aquy achey e a carauella amdam ha tam 
maoo Recado que ho nom poderá vossa alteza crer, e nom será maraui- 
Iha perderem se de todo, que as cuteladas e bamdos que amdam nella sam 
mayores que hos de sálamamca, e creo que tudo ysto faz nom se darem 
por achados do capitam ; ho capitam me requero que . . . gua em minha 

companhia ; posto, senhor, que eu nom nam o que me 

vossa alteza manda, porque recolherey em mym e 

hos meterey averam do que nos deus der so 

atá vossa alteza mandar 

Á feitura desta necesidade de mamtimentos 

c vinho, do quall nós temos fiz loguo prestes a 

carauella da compa de laguos, porque ha de pêro coresma he 

careguada de Roupa a çofalla, e ha d amtonyo do campo he em busca 
das naoos que tenho escripto a vossa alteza, a quall carauella careguey 
d arroz e de milho, c asy de pam c de vinho lhe mandaremos aquyllo que 
bem podermos escusar, c asy ho espero de fazer sempre domde quer que 
esleucr, abastecellos de mamtimemlos; e parece me mais vosso seruiço que 
deixar lhe carauella, porque clles nom na quiseram de tristam da cunha, 
nem tam pouco ouueram mester a taforea ; e esses poucos de dias que a ta- 
forea ahy esteue, veyo tall de busano que nom he pêra crer, nem pedem 
senam hum par de carauellõees que traguam quatro ou cimquo homens 
cada hum e que hôs varem em seco cada vez que quiserem, pêra lhe tra- 
zer dos milhos ao lomguo desta costa, que naoos de mouros três ou qua- 

• 

1 Yid. nota dô pag. 2. 



6 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

tro annos ha que nom passam a çofalla, nem naueguam nesta costa se- 
nam de vassalos vossos per licemça dos capitaees das fortalezas. 

Asy, senhor, que até guora nom lhe tenho vista necesidade nenhtlua 
senam de pessoas que a guouernem bem e que ponham em hordem ho 
Resguate, pêra vossa alteza aver quamto ouro quiser; e lembro a vossa al- 
teza os íidallguos que com tristam da cunha mandastes, que aguora ficam 
comiguo, de hos prouerdes destas capitanyas, porque asaz de fortuna tem 
passada: feita em momçambique a bj dias* do mês de feuereiro de 1507. 

(Por lettra de Affonso de Albuquerque) feytura e servydor de vosa 
allleza que beyja vosas mãos. 

Afonso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A ellRey nosso senhor. 

(In dorso, por lettra coeva) a bj de feuereiro de 1507 — dafonso 
d alboquerque — descobry mento da ilha de sam louremço. 

(Por lettra differente, mas também coeva) Vista — Já*. 



CARTA n 

1508— Fevereiro 2 

Senhor. — As cousas que me atee qui sam acomtecidas he todo o que 
lenho pasado, de que sam obrigado dar comta a vosa senhoria, se fez húa 
carta pêra elRei e outra pêra V. S.; e porque sam cousas largas de com- 
tar e a carta nom ser acabada, a nom mando per esta nao a vosa senho- 
ria, e porque eses capitães que me fugiram, me leixarãom em tanta afromta 
e perigue e me meterãom em tamanho cuidado que me nom soube dar 
a comselho, por ter ordenado asy o cerquo desta cidade e prouimento 
daguoa per as minhas nãos, que nestas partes está em maneira que sem 
muita jemte e nauio que este sobre aguoada se nom pode tomar: sobre 
esta aguoada estaua amtonio do campo ; e asy deixarãom sobre mim bua 
armada de Ixx nauios com mais de nij homens^ que coje atar mandaua 



^ A seis dias. 

2 Torre do Tombo.—C. Chron. P. 1.*, M. 6, D. 8. 

^ Quatro mil homens. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 7 

vir de julfar he de sua terra em socorro desta cidade, e pêra iso mandei 
aleuantar os nauios deles todos três, e me mandaram dizer que correram 
após ela, he daly nom vy mais os nauios nem rrecado deles: estamdo ma- 
noel telez com o nauio carregado de mantimentos he meezinhas pêra çoco- 
torá a socorro da forteleza, se foy em companhia dos outros, sendo eu 
hobrigado a fornecer a forteleza e a guardar e defensa dela a elRei e a 
vosa senhoria, como diz em meu rregimento : em todas estas obrigações he 
perigos me deixou manoel telez, afomso lopez da costa, amtonio do campo, 
leuamdome os nauios dei Rei e jemte d armas asolldadada, artelharia e 
todas as outras cousas, que* pêra hum cerquo de hua tall cidade como 
esta, que em tamta afromta e necesydade d aguoa he mantimentos a ti- 
nha posta, que sem duuida, senhor, que se me eses omens nom fugirãom, 
em menos de xb dias' se meteram todos nas minhas mãos e me deixaram 
fazer a forteleza que tinha começada, e me tornarãom os homens que ti- 
nhãom rrecolhidos a sy d armada dei Rei, com que me oje neste dia man- 
dãom tirar ás bonbardadas, he mais me queimarãom hua fusta que ti- 
nha acerca acabada, e outras desobediências e descortesyas com que tra- 
tauãom minha pesoa, das quaes cousas que asy pasaram, estes capitães 
que me fugirãom he outras alguas pesoas tinham gramde comtemta- 
mento; he casy por suas desobediências e emburilhadas que amdauãom 
comiguo, vierãom os mouros a se aleuantar contra mim e nom me querer 
dar os homens nem deixar fazer a forteleza no lugar que me tinhãom 
dado : esta querela destes homes d armada dei Rei, per conselho dos capi- 
tães e d outros fidalgos he caualeiros que todos jumtamente lhes pareceo 
que nom mos dando lhes deuia de fazer a guerra, me pus rrigo niso, he 
apertei que todavia me desem os homens; e posto nesta detreminaçãom, ao 
outro dia me mandão os capitães huum asynado de^ todos b, que eu nom 
deuia de fazer a guerra a ormuz, e que se saíse a pelejar, nom aviam de 
sair comiguo nem aviãom de fazer a guerra a ormuz, ainda que lho eu 
mandase: postos nesta detreminaçãom, tendo a guerra aberta per seu con- 
selho, pareceo me cousa tam feea e digna de tam gramde castiguo e de tam 
gramde imfamia de caualeiros, que fiquei fora de mim e me pareceo, se- 
gundo as cousas pasadas, que eles eram de fala com os mouros, e comcer- 
tados com coje atar; fizeram se Juizes e detriminadores da minha supriori- 

^ Parece haver omissão das palavras são necessárias^ ou outras equivalentes. 
2 Quinze dias. 
' Todos cinco. 



i 



8 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

dade e delriminaçãom minha nas cousas de seruiço dei Rei em meu rre- 
gimenlo, as quaes cousas sam rreseruadas a elRei he a vosa senhoria man- 
dar me que as faça ou nam: com este desemvergonhamenlo sem temor 
dei Rei nem de V. S. me fugiram, estamdo em guerra he combate desta 
cidade, omde pelegei muitas vezes e lhe dei asaz de custura que fazer, e me 
leixarãom e se fogiram, caso tam abominauell e tam feeo saberem os mou- 
ros que os capitães e caualeiros portugueses fugiram da guerra e leixa- 
uãom seu capilãom mor, nom nos avemdo os mouros medo a nem hua 
oulra cousa senom â nosa conformidade e lealdade e obediemcia a nosos 
capitães, e ficar oje este dia em ormuz tall fama de nós, e verem me ir des- 
troçado e perdido, e perdido ormuz pela guerra que me os meus súbditos 
fezerãom. 

Nem poso cuidar com que querela partisem daqui; dizem me que le- 
uãom por albitre estrouarem a mim, pella vir vosa senhoria fazer, fazem- 
do me voso competidor, estamdo eu debaixo da ordenamça e obediência a 
vosa senhoria, e asy compri vosos mandados imteiramente, como se el Rei 
em pesoa mo mandase; e se querem dizer que eram mall tratados de mim, 
beigarei as mãos de V. S. mandar asemtar per esprito ho que cada huum 
deles disser que lhe fiz e asy o que lhe tenho feito contra seruiço dei Rei 
he meu rregimento, e cedo irei dar comta de mim e de meus feitos a vosa 
pesoa, porem, senhor, porque estes dous casos nem outros mais fortes que 
posam alegar os assolue do crime e maldade que cometerãom em me dei- 
xarem na guerra em cerco de hua cidade mui gramde e proveitosa pêra 
as cousas de seruiço dei Rei, a quall desbaratei e tomei hua vez, e to- 
mara outra, se me eles nom fugiram, e fizera asemto de mercadoria e fei- 
toria e forteleza muito forte e fremoza e defensauell com artelharia e ca- 
pitam he jemte he mantimentos e com todo o necesareo, atee vosa senhoria 
mandar prouer e ver o que era mais seruiço dei Rei noso senhor, e isto em- 
quanto os tinha desbaratados e vencidos, amtes que se dem a outros Reis 
ou senhore$ que tenhãom milhor aparelho de guerra e se defender de nós 
ou de nos ofenderem, se de nouo viesemos outra vez a comquistala: por 
estas rrezões he outras muitas que aqui nom espreuo a vosa senhoria, pus 
o cerquo a esta cidade, com detreminaçam de me nom aleuantar de sobre 
ela, e por o nauio em que mandaua os mantimentos a çocotorâ esperaua 
d anisar V. S. do feito como pasaua; portanto, senhor, vos beigarei as mãos 
castigalos como a homens que tamanha traiçãom fizerãom a seu rrei e des- 
obediência a seu capitãom, he deixarem a guerra de mouros, he fugirem e 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 9 

irem se dela e deixarem seu capilãom; c vos terei, senhor, em mercê man- 
dardes mos nauios e dardes as capitanias deles aos^ fidalgos e caualeiros 
que no cerquo aguardarâom comigao acutilados he feridos sem nem huum 
bemfazer de mim, porque nom tenho eu mando nem poder pêra agalar- 
doar os taes seruiços, nem as taes pesoas, omde V. S. está, que ho poder 
tem de todas estas cousas ; e todo o mais castigo que lhe vosa senhoria der, 
sam merecedores e dignos de toda a pena e de toda a desomrra, porque 
ha iij^ anos^ que caualeiros portugueses tamanha maldade nom íizesem, 
nem o ly en nas caronicas portuguesas. 

Deueram eles aguardar o tempo em que suas maldades podesem 
emcobrir com meus erros, mas, graças àquele poderoso deus, que me nom 
podem eles escomder nem negar quamtos gramdes e asynados seruiços 
tenho feitos depois de me emtregarem minha armada, e quam dinos de 
memoria e de mercê sãom amte elRei; o primeiro he aceitar esta armada, 
quando ma emtregou tristam da cunha, sem nem huum mantimento, armas 
poucas e podres, de cabres, velas, emxarcea, mui desbaratada; poluora toda 
molhada, bonbardeiros mui poucos, oíiciaes de carpimtaria, tenoeiros,huum 
ou dous ; lanças todas podres, bestas sem nem hum tiro nem barmante pêra 
cordas, com cento e cincoenta homens á morte da doemça de çocotorá; 
louça toda perdida com arcos podres e quebrados; sem aver antre nós 
senom huum pouco de bizcoito que me ficou e parti por todas as nãos, 
podemos todos ter muito de pãom he agua pêra oito dias: deu me deus 
tam boom vemto e viajem que arribei sobre a cidade de calaiate e lhe fiz 
dar he n'ender per força muitos mantimentos de graça, e per mãos com- 
selhos de capitães deixei de lhe poer as mãos, e ficou â obediência dei 
Rei noso senhor; e dali me party e fui sobre a uila de curiate e a com- 
bati he emtreguei per força d armas, e a trouxe toda á espada; dali me 
carreguei de mantimentos, damdo escala franca á jemte de todas as ou- 
trás cousas, de que ouuerãom muito proueito ; e daly me aleuantei e fui so- 
bre a vila de mazcate e a combaty he emtrei per força d armas, trazendo a 
toda â espada e a foguo, omde tomei muitos mantimentos, e a jemte muita 
rriqueza ; e daly me aleuantei e fui sobre a vila e forteleza de coar, e de- 
treminei de poer artelharía grosa em terra e a combater; nom ousou d es- 
perar o combate e se vieram meter todos em minhas mãos, e se fizeram 
vasalos dei Rei e rrecebêrãom sua bandeira e me fizeram carta disso, e a 

^ Trezentos annos. 



i 



10 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

villa pagua trebulo, com que se pagãom os frecheiros que o alcaide da forte- 
leza tem pêra guarda dela ; e daly me aleuanlei e fui sobre a vila de guor- 
façãom e emlrei per força d armas, e segui ho allcamce mais de hua íegoa 
á jemte do lugar, e matei muita jemte e pus o foguo á uilla ; e dali me 
fui sobre a cidade dormuz e surgy junto com a sua armada mui grande e 
de muita jemte, e ao outro dia ao meio dia mandei levar amcora á minha 
nao com os bates armados, he surgy no meo de sua armada e asy o man- 
dei aos capitães qiíe o fizesem, e o fizeram ; pelegei com ella, e pelegei he 
desbaratei muita jemte e meti lhe as nãos no fundo, em que se afogou muila 
jemte ; queimeilhe o arrabalde e quantas nãos tinha em terá ; meteram se em 
minhas mãos, lancei lhe xB serafins* de trebuto e b pêra gastos^ d armada; 
o asento que fyz com eles, em pessoa o espero de leuar a V. S. e nele verá 
se som eu capitam pêra me os capitães e jemte que debaixo de minha 
bandeira amdar, deixarem me na guerra e me fugirem e asy em todos es- 
tes feitos que atrás aponto a V. S., nos quaes eles foram em pesoa, e co- 
nheceram em mim que era eu capitãom pêra saber desbaratar os immi- 
gos; he todos os outros negócios e cousas que fiz, acabei com muita des- 
queriçam e temperança e como el Rei de mim comfia ; e se algua cousa 
tenho errado em meu oficio, he sofrer tanto a eses capitães que me fugi- 
ram, que vieram a dar esa comta de sy, que vosa senhoria vee e em tall 
tempo ; milhor o fizeram quando estauam fartos d uuas, de pexegos e de 
melões, que agora que conpria aos capitães e caualeíros mostrarem seus 
desejos e boas vontades pêra seruir elRei e nam darem com huum tâm 
gramde negoceo no chãom, cuidando que empeciãom a mim, nom lhe tendo 
eu feito nenhum mall nem cousa que tenha nome, senom com muita de- 
symulasãom e tenperamça passar suas desonistidades e descortesias, seus 
ajuntamentos e conselhos ajuramentados aos santos avanjelhos, e isto com 
tamta desordem e com tamto aluoroço que me comprio afastalos de mim, 
e antes acarretar a pedra e o barro e a call só ao pescoço, que os trazer 
em minha companhia antre mouros mui agudos o avisados, que entendiam 
tudo mui bem; e por detrás de mim me aleuantauãom que queria eu pren- 
der coje atar e rresgatalo por Ix dobras^; e semearem na cydade que fa- 
zia eú aquela forteleza pêra os destruir he asenhorear, e outros rrequeri- 
mentos que me faziãom, por híla vez me aleuantarem daqui e nom fa- 

^ Quinze mil xerafins. 
2 Cinco mil para ele. 
^ Sessenta mil dobras. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 1 1 

zer meu asento aqui, como me el Rei tinha dito, e isto, senhor, começaram 
comigo despois que lhe mostrei hua caria que mandaua a V. S. por 
hua nao de onor, em que vos esprevia minha detreminaçãom e o que 
me parecia das cousas de cá: viram nela como depois na entrada do mar 
rroxo auia de voluer a imuernar aqui a esta cidade e fazer nela meu 
asemto, e mandar uol as nãos grosas, he nauios pequenos ficarem comido, 
com detreminaçãom de me poer a caualo e fazer a guerra em terra firme, 
e as ilhas que per aqui jazem d arredor proueitosas a seruiço dei Rei, tra- 
zelas a seu senhorio: esta era a minha lençãom atee ver recado de V. S. 
do que de mim ouuese de fazer, e pêra isto, senhor, que diguo, nom me era 
necesareo dinheiro, senom jemte, porque tinha esperança em deus desta 
ilha e da de bharem aver 1.** mill* serafins douro cadano: esta detremina- 
çãom minha nom poderem eles sofrer, saberem que aviãom de ficar os na- 
uios pequenos comigo e eles e toda a jemte; e per todas as vias he modos 
desejauam de me deitar daqui fora, e fizerãomno de feito, como V. S. vee, 
porque agora me auiãom por mais asemtado e mais senhor dormuz e 
que nam podia deixar de o leuar nas mãos ; e ainda outro erro fizeram 
comtra seruiço dei Rei mui gramde, mostrárãom á jemte que o trebuto que 
se aqui deu a elRei, auiam eles d aver partes, e que era lonmdia e nam 
trebuto, mostrando á jemte que eles ficaram por fiadores e que eu os ti- 
nha roubados do seu, defendendo me eu sempre com vosa senhoria, que 
o julgasse e detreminasse, que eu trebuto dei Rei nom auia por tomadia 
nem presa, e que eles nom aviãom d aver partes; que Uaa iriamos onde V. 
S. estcvese, que as páreas he trebuto dei Rei nom se aviam de gastar nem 
despender, que a uossa senhoria avião.n d ir, que Uaa o detreminase como 
lhe parecese bem: meteram com isto a jemte em tamta desordem, que casy 
me nom queria seruir, e per força me fizeram dar á froU de la mar a 
cada homem dez dez cruzados, tam aleuantada he aluoraçada achei com- 
tra mim e asy o capitãom: era, senhor, jaa isto de maneira que amtre eles 
mesmos avia hy rrezões huns com outros; e parece me, senhor, que com 
estas cousas e com outras largas de comtar tardárãom os mouros em se 
aleuantar comtra elRei noso senhor: veja Y. S. laa se sam estas cousas 
dynas de castigo. 

Tendo eu, Senhor, as cousas dormuz postas cm soseguo, despois da 
guerra acabada espalmei minhas nãos he as pus em monte e lhe dei to- 

^ Cincoenta mil. 

2* 



12 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

das as cousas de que tinha necesydade, de quanto mos mestres delas rre- 
querêrãom, e estauam tamto a ponto e tãom sãas he fam bem aparelha- 
das, como se sairam da rribeira de lixboa. E este corpo desta Armada 
asy concertada e aparelhada per mim e per meu trabalho he cuidado, 
nom mo pode el Rei pagar este seruiço, e emtregando ma com huum pão 
na mão, estar eu pagamdo solido a sua jemte, capitãom; he, senhor, isto 
pêra lhe os criados deli Rei nom ousarem fugir com os nauios he jente 
deli Rei; com a quall armada, com ajuda de deus, eu esperaua fazer mui 
grandes seruiços a ell Rei noso senhor e a vosa senhoria, e nom como 
outras pesoas algtlas tem feito, lançando as nãos deli Rei a traués, e suas 
armadas feitas em pedaços pellas rribeiras do mar ; e eu creio que este 
seruiço que aqui diguo, será bem rrecebido dol Rei e de V. S. e será dado 
castigo àqueles que as ordenamças deli Rei e sua armada poserãom em 
desbarato ; também lembro a Y. S. como me eles fugírãom, temdo eu 
noua que se fazia armada em cambaia pêra vir sobre mim : com ajuda 
do muy allto deus nom me meteo a mim isto em desbarato, mas como 
capitãom dei Rei noso senhor mandei lançar outra amcora á minha nao, 
por verem os mouros que a armada dei Rei nom auia medo a nenhtia 
cousa que viese sobre ella, e por isso, senhor, deue V. S. tomar mui Rigo 
a estas cousas que sam feitas em voso tempo e debaixo de vosa gover- 
nança e mando, ca Ell Rei noso senhor bem lhe mandara, que mandou pu- 
blicar a todos capitães per Rui gomez juiz da mina, e asy aos mestres 
he pilotos, que nem hum nom fose tam ousado que deixase seu capitãom 
mor nem se aparlase dele so pena do caso maior e perdimento da fa- 
zenda. 

E porque Y. S. saiba mais meudamente como ormuz quebrou co- 
miguo, com eles se lançárãom quatro homens desta armada, hum greguo 
calefate de froll de la mar, e hum bizcainho calafate da minha nao, e hum 
greguo marinheiro da minha nao, e hum português marinheiro da cara- 
vela damtonio do campo, que jaa dias auia que andauãom neste trato de 
os Recolherem a sy, se nam esperauam de despachar primeiro hua nao 
deli Rei, que será de biij^ tones S que lhe aqui tomei no desbarato da sua 
armada e lhe tomei a dar; e neste tempo me esbofetaram o pedreiro mes- 
tre da forteleza, e outro dia me esbofetaram o mestre que me fazia a fusta, 
e outras omrradas desonestidades que eses frecheiros faziãom por esa cí- 

* Oitocentos toneis. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 13 

dade: coje atar ora me mandaua dizer e rrequerer que me nom fose da- 
qui, que auiãom medo das nãos de mequa, que se tomarem a cidade, que 
a senhoreariam, ora me mandaua dizer que faria bem de me ir daqui ; a 
estas cousas lhe respondia o que me parecia, atee me fazer forte na torre 
que comecei ; pasado isto, parlio a nao mery, de que me eu muito arre* 
pendy. Entam rrecolhôrãom logo os cristãos a sy he me tirarem loguo os 
pedreiros e trabalhadores que andauãom na torre: quando achey menos 
os cristãos, mandei lhe dizer que me mandase emtregar os homens d armada 
deli Rei ; rrespomderam me que se nom auiam de perder e que logo mos 
entregariãom : tomei conselho com os capitães, e isto, senhor, por fazer 
sempre o que deuo e lhe dar parte de todas as cousas, como sempre fiz, 
temdo eu jaa seu conselho por mui danosa cousa pêra o seruiço dei Rei, 
e por minha onrra, todos me diserãom que se me nom desem os meus ho- 
mens, que lhe deuia fazer a guerra; e ao outro dia me mandárãom hum 
asynado seu deles todos cimquo, em que me diziãom que nom deuia fazer a 
guerra a ormuz, e que se a fizese, que nom auiam de ser comiguo nem fa- 
zer a guerra per meu mandado, tendo me eu jaa posto com cbje atar, que 
se me nom dese os omens d armada dei Rei, que caía em desobediemcia e 
desacatamento e que quebraua o comlrato e asemto que com elle tinha 
feito, e que lhe lenbrase que nunca tomara homem seu, mas amtes os que 
catiuara na guerra propeos criados seus, me mandara pedir e lhos dera, e 
que soubese certo que nom era eu capitam per.i deixar perder hua agu- 
Iheta d armada deli Rei e pêra nom dar mui booa comta dos homens que 
me ell Rei entregara ; rrespondeo me que os tinha atados de pees e de 
mãos e que loguo mos entregaria, que os tinha em hum lugar na terra 
firme; que lhe dese b dias* d espaço e que mos mandaria trazer; aprouue- 
me daquele : neste tempo mandou que nom trouxesem os paraos aguoa 
senom de noite, por me poer em necesydade d aguoa, cuidamdo que os 
seus frecheiros me tolheriãom as aguoadas donde a traziam: quando as 
cousas jaa ir craras, fiz lhe hua noite represarea nos paraos d acarretar 
aguoa e em mais de iij*^ homens* e tomei hum criado seu que vinha de 
passar os iiij homens á terra firme : feita esta represarea, me mandou tor- 
nar a pedir este homem, que queria mandar por elles: mandei lho; aca- 
bados os b dias, diseram que já erãom vindos e amostraram nos a gaspar 



^ Cinco dias. 

^ Trezentos homens. 



14 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Rodrigues limgua, e per elle me mandou dizer coje atar que lhe mandase 
os mouros todos em terra, e lhos mandei poer todos a hua ponta d arèa 
junto com a forteleza que fazia: pareceome aquilo Ruimdade e mandei 
poer em terra cento e cincoenta omens armados d arredor deles, e eu em 
hum esquife á ourela daguoa; foram com hum recado ou dous, vieram com 
outros tamtos; emfim mandou me dizer que me mostraria hum do cerame, 
e deixou me estar ao soll booas duas oras ou três; emíim nom me quise* 
ram dar os homens, e neste tempo da dilasãom tapauãom todas as bocas 
das ruas com pedra e call he delas com madeira e varauãom as nãos em 
terra: quando vy esta detreminasãom sua, poer se em armas contra mym, 
com6amdo n artelharia grosa de lhe derubar as paredes da sua forteleza 
e emtrar com eles, mandei chegar os nauios pequenos a terra ; a poucos ti- 
ros nom tiue camelo nem coronha de bombarda grosa que nom fose feito 
em pedaços, por ser tudo podre ; mandei arredar os nauios e poios em 
cerco d arredor da Ilha, e quis primeiro apalpar domde aueria aguoa pêra 
minhas nãos, porque nom a auendo, estaua mais desbaratado que or- 
muz ; e saltei em queixeme, htla Ilha que está perto desta cidade, donde 
se traz a mor parte daguoa, e leuaria comiguo ij^ homens S e saltei em 
hua villa mui gramde e desbaratei lha e matei lhe muita jemte, e trouxe 
daly muita carne he mantimentos e aguoa pêra as nãos; nom heram hy 
mais capitães comiguo que francisco de tauora e amtonio do campo; daly 
a dous dias dei em outra vila muito maior nesta mesma Ilha e fui sen* 
tido de noite, e quando dei, em amanhecendo, no lugar, nom achei jemte 
nem htla nelle. Joham da noua que hia por htla parte por omde o man- 
dei com sua jemte, e jorge barrete por outra parte por omde o mandei 
emcaualgar o lugar com cinquoenta homens, se vieram ele e Joham da 
noua ajuntar no cabo do lugar em hua casa forte omde estavãom os 
capitães de coje atar que guardauam a villa; cuidando de se defemder na 
casa, os emtraram per força d armas Jorge barreto he joham da noua, e 
pelegárãom com eles e os mataram e muitos caualos e outros alguns que 
a minha jemte sollta per esas ruas traziam á espada: foy aly ferido Joham 
da noua e lhe mataram hum homem e lhe feriram dous ou três outros: 
daly ouuemos asaz mantimento e aguoa per dias: fogidos eses capitães e 
leuados os nauios domde os tinha postos, jaa nom pude daly em diamte 
tomar aguoa, sem me ferirem allgtla jemte os daquella armada que eses 

1 Duzentos homens. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 15 

capitães deixârãom sobre mym e se foram sem a querer desbaratar; e 
asy me aleuantei do cerqao, sendo o chamto na cidade cada noite da sede 
e fome que padeciam, que nom foi cousa pêra crer, tendo lhe jaa os poços 
atopidos he cisternas com mouros mortos e caualos e camelos e molheres 
e meninos, e mortos he decepados mais de mill homens: acuda vosa senho- 
ria em pesoa ou me mande homens e nauios, porque creio, senhor, que este 
tirano de coje atar á de rroubar a cidade e ir se ; e se vosa senhoria lhe 
parecer que sam escusado pêra iso, lembre se que el Rei em meu regimento 
carrega sobre mim o socorro e guarda de çocotorá, o quall eu nom poso 
fazer, porque meses capitães leuaram os nauios he jemte; que estas duas 
nãos que me ficam, este agosto seram com Y. S.; e se mos mandar, sejam 
fornecidos de mantimentos, porque á jemte que neles virá nom lhe da- 
ram de comer nesta terra per seus dinheiros: beigarei as mãos de V. S. 
tornar a ese feito, que eses capitães fizeram muito rigo, porque nom vãom 
com outro esforço de cá^ senom parecendo lhe que áV. S. de folgar com 
sua ida e com todo meu desbarato, he mandar ler esta carta perante eles, 
por me fazer mercê; e beigarei as mãos a V. S. mandar guardar esta carta 
pêra elRei noso senhor ver, porque se nom faça jaa em sua vida tam fea 
cousa como esta. Joam da nouavai de mim agrauado; e certo, senhor, quem 
á de seruir elRei, pode contentar a mui poucas pesoas; seruio sempre mui 
bem neste caminho que fiz, e digno de muita mercê e omrra amte elRei 
e y. S.; fico escandaUzado dele, porque o ajiartei pêra com elle tomar meu 
conselho, e eses senhores que laa \ãom o tomârãom a meter na brigua 
comsyguo: este caualeiro ^ criado do Duque de coimbrã, que esta minha 
dará a Y. S., lhe deceparam esa mão na peleja que ouue com elRei dor- 
muz; develheV. S. fazer mercê e satisfazer lhe sua aleigãom: feita em ho 
Porto d ormuz a ij dias de feuereiro de 1 508'. 

1 Era Gaspar Dias, de Alcácer do Sal, mencionado nos Commentaríos de Albuquer- 
quây P. I. C. XXX. 

* Torre do Tombo.— C. Chron. P. 1.', M. 7, D. 66, foi. 4 t. Ê um caderno que 
foi remettido para o reino, e contém copias de diversos documentos. Está assignado por 
Gaspar Pereira, e no principio tem a seguinte declaração. 

«Neste caderno vaão allguus trelados de cartas que allguuas pesoas msndarom ao 
viso Rey e elle mandou depois de partida a frota de tristam da cuunha até á partida 
desta, e asy allguus Regimemtos que deu e Requerymentos que fizeralo allguus a af- 
fonso dalboquerque e outras coussas desta calidade, que por serem de muita leitura as 
nom traladei no outro liuro gramde que vay neste cofre, e as propeas ficam em minha 
maao; e se algtiuas forem soltas neste cofre, será porque com a muita presa que te- 



16 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA ffl 



1508— Fevereiro 6 

Senhor. — Por apagar os aluoroços de froll de la mar e desobediem- 
cia em que os achei contra mim, estando em guerra de immigos, tendo os 
cercados, ouuindonos eles muito bem e nos tiramdo duas bonbardadas 
da fortaleza por nos estremar, e com este aseseguo, senhor, se faziam câ 
as cousas de seruiço dei Rei, eses capitães que laa vãom dinos de muita 
pena, quis antes este aleuamtamento pagar com dinheiro que com ho cu- 
telo que elles bem mereciam, e lhes mandei dar b° e R.^* cruzados*, a com- 
disãom se o V. S. ouuese que de Irebuto dei Rei e páreas ouuese d auer 
a jente partes, como se fose presa ou tomadia: os capitães por imdinarem 
a jemte contra mim, dizem lhe que aviãom daver partes e que eu que os 
rroubava do seu: senpre me defendy que V. S. era juiz desa causa, que 
eu trebuto nom o auia por presa nem tomadia; os capitãees todavia acen- 
deram este caso quamto podérãom, dizemdo á jemte que eles queriam fi- 
car por fiadores, e outras cousas feeas: este dinheiro que asy dey, vay Uaa 
hua arrecadaçãom delle, e mais Pedraluares leua mill serafins pêra com 
ho dinheiro que tem rrecebido e com este lhe ser feito pagamento d oito 
mezes: também, senhor, neste negoceo dormuz nom vos faça nimguem 
emtender que eu fiz pazes com ormuz, porque tal nom he; mas depois 
de o ter desbaratado e vemcido, metendo se eles em minhas mãos, lhe 
tomei a emtregar a governamça do reino, que o regesem e govemasem 
em nome dei Rei de portugall dom manoell. e lhe lancei de trebuto IcB 
serafins^ d ouro, e com outros pontos de muita sustancia, segundo se verá 

nho, se nom podérãao aquy trellãdar, e por iso veja vosalUeza todos os papes que nelle 
forem. 

cE se por vemtura aqui forem algQas traladadas que já lá fosem as outras viajes, 
será per erro e por estarem todas juntas e nom poder huum homem soo tantas mil cou- 
sas oulhar, e mais em tenpo de carregação, que se aqui treladãao, que sam tantas as 
partes a Requerer seus despachos e o tempo he brebe, que me nom sei dar a conselho ; 
e por aqui nom aver papell nom tiue feito antes da vinda das nãos.» 

^ Quinhentos e quarenta cruzados. 

^ Quinze mil xerafins. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 1 7 

pelo asemto he entrega que tenho feito com eles da governamça do Reino, 
o quall eles am de entregar a V. S. ou a elRei noso senhor ou a quem seu 
poder teuer, com toda obediemcia e acatamento, cada vez que lhe for re- 
querido ; e portamto, senhor, nam sam pazes as que fiz, mas Reino ga- 
nhado per força d armas, sometido á obediência dei Rei noso senhor, tor- 
nado a receber das minhas mãos com obrigaçam do trebuto que lhe pus: 
da maneira que aguora fica, creyo que o trebuto sempre o pagará, mas 
a entrega do Reino será per força d armas ; e com esla pobre armada que 
debaixo de vosa lamça e obediência nestas partes amda, eu esperaua, nom 
me fazemdo os capitães portugueses traiçam, o tomar outra vez a tirar de 
poder dos tiranos e metelo nas mãos dos mui bons homens cidadãos e 
pacificos, que nom tomaram nunòa os homens d armada dei Rei pêra os 
tornar mouros: aviso disto V. S., porque nom quis meter minhas cousas 
em mãos de meus imigos, que demfadados de pelegar he com enveja 
danaram o seruiço dei Rei ; mas iram em tempo que V. S. será seruido : 
beigo as mãos de V. S.: esprita do mar a bj dias^ de feuereiro de 1508'. 



CARTA IV 



1508— Fevereiro 15 

Senhor. — Depois de ter esprito a vosa senhoria amtes de minha par- 
tida da cidade dormuz, me capeárãom em terra he me mandou dizer coje 
atar, que se alargase os quatro homens que me tinha tomados, porque erãom 
jaa seus irmãos, que faria todo o que quisese; que a cidade era dei Rei de 
portugall e elle era dei Rei de portugall. Eu lhe respondi, que atee ly eu 
tinha mui booa com ta dada d armada e jemte que me elRei emtregara, e 
que nom quisese deus que a hua cidade sojeita e vemcida e que pagaua 
trebuto a elRei noso senhor, posto que elle se alevamtase como tirano he 
quebrase ho comtrato das pazes, eu sabia que o pouo he mercadores es- 
tauãom á obediência dei Rei noso senhor, e que agora me tomara e em- 
ganara quatro cristãos, ovelhas do meu curral, de que eu som pastor, e 



1 Seis dias. 

» Torre do Tombo.— C. Chron. P. 1.*, M. 7, D. 86, foi. 10 v. 



18 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

mas leuara ás mizquitas de mafamede a renegar o nome de jezn chrísto 
noso senhor e saluador, por cuja feè elRei noso senhor como católico 
prímcipe mamdaua fazer ha guerra aos mouros, e mos nom queria dar 
nem emtregar, que em nem htla maneira deste mundo nom avia de fazer 
tamanha malldade nem lhe deixar de fazer a guerra he deitallo daly fora, 
atee mo emtregar os cristãos d armada dei Rei noso senhor, saluamte vendo 
mandado dei Rei ou de vosa senhoria, que nestas partes estaua em seu 
nome, e nisto mandei lamçar hua batelada de mouros velhos em que tinha 
feito represarea, porque nom tinha mantimento nem eram homens pêra 
seruir : temdo jaa minha partida detreminada, por me terem jaa tomadas as 
aguoadas com muita força de jemte daquela armada que estes capitães 
que me fugirãom nom quiseram desbamtar, souberam parte pellos mes- 
mos mouros, que os meus nauios he capitães dei Rei me fugirãom ; ca- 
peárãom outra vez em terra, mandei llaa ho esquife, vieram mouros a fa- 
lar com aires de sousa chichoro he gaspar rodrigues lingoa, que llaa man- 
dei; traziãom comsiguo huum crístãom dos quatro, marinheiro da caravela 
damtonio do campo he português: na pratica que com elle tiverãom, rres- 
pondeo elle e dise: c outrem uos mandou cá;» he mais disse: cuós nom 
eres comtemte de fazer feitoria, mas forteleza e feitoria» , e outras palauras, 
he de tudo mamdei fazer huum auto pêra o mandar ha vosa senhoria ou 
levar em pesoa, segundo vir voso rrecado, ca soube deses capitães que 
fugirãom, he induziãom também francisco de tauora que se fose com eles : 
as cousas, senhor, dormuz, a meu ver, senhor, nom se aleuantárãom con- 
tra mim senam pella forteleza que me viãom fazer, ca ho trebuto tem 
eles em menos comta; que huum pobre pescador he jemte chea de temor 
com booa vomtade me deixauam fazer ha forteleza e me dauãom todo 
ho necesareo pêra ella: estes capitães com seus dessasegos semearam 
amtre os mouros tamtas mentiras, que cuidárãom que feita a forteleza 
os auia de lançar fora: este temor lhes fez nom entregarem os homens e 
quererem que* tomar isto por querela, por esconder o ali que lhe mais 
doía, porque erãom obrigados por bem do comtrato a me fazer esta casa ; 
nom tenha vosa senhoria duuida de os tomar ás mãos e fazer lhe fazer 
quamto eu quisese, se eses capitães nom íizerãom a elRei noso senhor 
tamanha traiçãom: o trebuto he certo sempre de o pagarem cada vez 
que lho mandarem pedir, se virem que os deixam viuer em sua tirania ; 

^ Este fue pareee-nos de mais. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE i9 

força, se lha oauerem de lhe fazer, á mester gemte he mamtimemtos, por* 
que Qom nos á senom na terra firme, que tem muito poder: as mercada* 
rias todas tem aqui muita valia; as suas sãom muito caras pêra nós, 
nom se fará nem huum proueito em portugall pello preço que as dãom : 
terei a esta jemte pagos de solido d oito até noue mill cruzados, os B que ^ 
me loguo deram os mouros pêra iso, e ííy do cobre^ que se vemdeo dei Rei ; 
os xE das páreas^ aimda estam imteiros pêra leuarem a uosa senhoria com 
\\ e tantos^ cruzados que mandei empregar em perlloas, aimda que me 
parece muito caro : aqui nom ha mais que esprever a vosa senhoria, se- 
nom que vou na vollta de çocotorá a partir com eles destes poucos man* 
timentos que leuo, pois Manoell telez, que pêra iso estaua ordenado e 
carregado, me fugio: daly amdarei no estreito de mequa com estas duas 
nãos e todavia averei vista d adem; nestes lugares que vir, ou em çacotorâ 
imuernarei; vimdo o mês d agosto, mandarei estas nãos pêra imdia e fica- 
rei em çacotorâ, porque asy mo manda elRey em meu rregimento, sall- 
uamte vendo rrecado de vosa senhoria em comtrairo, a que beigo as mãos: 
feita no mar a xb dias' de feuereiro de 1508^. 



CARTA V 



1610-*- Outubro 16 



Senhor. — Alguas cousas me lembraram depois de ter esprito a 
voss alteza, pêra vos delas fazer lembrança e voss alteza prover de lã como 
vir que for seu seruiço. 

Prhneiramente se os soldos acrecemlados de dom francisco dal- 



^ Cinco mil que... 

* Quatro mil do cobre. 

3 Quinze mil das páreas. 
^ Dois mil e tantos. 
^ Quinze dias. 

* Torre do Tombo.— C. Chron. P. 1.% M. 1, D. 56, foi. 3. Esta carta e as duas 
antecedentes, lançadas no caderno que mencionamos na nota 2 de pag. 15, teem no mes- 
mo caderno os títulos seguintes: a de foi. 3: «Cartas dafonso dalbuquerqueao viso Rei, 
vieram em froll de la mar»; a de foi. 4 v.: «Outra sua»; e a de foi. 10 v.: «Outra sua 
sem ser asynada, de letra das outras e o sobrcesprito vinha pêra o viso Rei.i 

3* 



2Õ CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

meida e quimteladas averam efeito, ou se as tiraram de todo e asy as da» 
capitanias e mestres e pilotos. 

Mais se se fará hum comtador que tome a conta do que se despemde 
por meudo por homeens que os almoxerifes mamdam e vosso feitor e ofe- 
ciaes comprar madeira, pregadura e outras muitas meudezas, que cada 
dia vam buscar fora, e asy terá cuidado de quamdo o capitam mor qui- 
ser saber pouco mais ou menos o dinheiro que he despeso, e ho que pode 
ficar em mão de vosos ofeciaes e d algtlas pessoas a que se daa cargo 
de o despender, porque vay nisto muito voso seruiço; que aimda que 
nom seja fim de comta, he jbem que se tome quá rezam da despesa e 
Recepta, pêra se saber verdadeiramente o que aimda hy ha. 

E se voss alteza nom ha por bem que ho hy aja, mande a huum des- 
tes ofeciaees da feitoria que tenha cargo diso; porque o negocio de caa 
vai se fazendo gramde, asy de corregimento de nãos e navios, obras de 
fortelezas, e asy naaos que vossa alteza mamdará fazer nestas partes, pêra 
que compre espalharem se muitos homeens e serem mamdados a desvaira- 
dos lugares pêra trazerem as cousas necesarias pêra o que dyto tenho, 
como se agora faz, e de tudo isto comvem hum homem que tome a comta. 

E asi he necessareo também pêra justificaçam damtre os mercado- 
res, feitor e vossos tisoureiros, pêra hy nom aver comtemda nem debate 
sobre suas comtas depois de terem Recebida sua carga; de maneira, se- 
nhor, que me parece que nam deveis de ter nestas partes tam gramde 
asemto, como he o de cochim, sem comtador da casa e feitoria, nam pêra 
que seja fim de comta, mas porque amde viva vossa fazemda sempre, e 
nam comfie nos homeens em dizerem, a portugall ey de ir dar comta, e 
trazerem em seu poder dous ou três mil cruzados ou quamto quizeram. 

Lembro também a voss alteza o que vos tenho esprito sobre os ca- 
pitãees da çuiça, que será bem mamdallos voss alteza pêra imsinar esta 
jemte que de lá vem, de quinhemtos rs., a nam fogir nem pôr em desba- 
rato a outra que tem mais obrigaçam a darem bõoa comta de sy ; digo uos, 
senhor, isto, porque a vós vos compre, por hum par de nãos e por dous 
pares poerem bem o ferro aos mouros da imdia, que nos vam perdemdo 
o medo e a vergonha, e stam milhor aposemtados que nós. 

E oulhe voss alteza bem o que fazem vossos capitãaes, que lhe falam 
verdade e lha mamtem sobre seus seguros e comcertos; portamto, senhor, 
mamdai fazer a guerra, porque de bõoa guerra vem bõoa paz, e tomai sem- 
pre vimgança dos Rex e senhores da imdia que uos errarem, porque he 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 21 

hua das cousas que mais compre nestas partes pêra vossa faina e ere** 
dito: esprita em cananor a xbj dias^ d outubro de 1510. 

(Por lettra de Affomo de Albuquerque) feytura e servydor de vosa 
allleza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) Pêra ellRey noso senhor — primeira via. 

(In dorso ^ em lettra coeva) dafonso dalboquerque. — Lançada*. 



CARTA VI 

1610— Outubro 17 

Senhor. — As cousas de goa sam tam gramdes, que tocam tamto â 
seguramça da imdia e a tudo o que nos compre e desejaees, asy pêra gas- 
tos, despesas, ofeciaees, madeira, ferro, sahtre, Hnho, arrozes, mercada-^ 
rias, roupas dalgodam, que me parece que sem ela nom poderes soster a 
imdia, porque os calafates e carpynteiros com molheres de cá e trabalho 
em terra quente, como pasa hum ano nom sam mais homeens, e com goa 
pode voss alteza escusar os deses Regnos, porque os ha mais e milhores que 
os que cá amdam. 

Afora este bem de goa, tem outra cousa mui danosa pêra a segu^ 
ramça da imdia, que tem muitas nãos e galees e podem hy fazer quamtas 
quiserem ; e por ser pesuida destes turcos estramjeiros, sempre foy guer- 
reira mais que os outros lugares e sempre di saíram d armada e ouue cos-^ 
sairos ; e he tam danosa per as naoos de carga e pêra seguramça e sesego 
com que a am de tomar, que nom poeria duuida, se s aly meterem Rumis, 
que nom façam muito dano ás nossas nãos, porque ou as tomaram quamdo 
vem demamdar amjediva, ou lhe faram perder a carga: he ilha cercada 
dagua, de muita Remda, e [muito proveitosa; barra de muitagua, porto 
morto de todoUos vemtos, ilha de muitos mamtimentos e muita críaçam^ 
veados tantos que he hua cousa d espamto, lebres, perdizes, lauoiras dar- 
rozaees e de triguo abastada, muito de feno, pêra a jemte de cavalo, sç 



* Dezeseis dias. 

* Torré do Tombo— C. Cbron. P. I.% M. 9, D. 88. 



22 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

hy oauer d estar, podela soster e defemder, como hy ooaer espaço para 
segarar, porque se ho teaera, nunca ma os turcos emtraram. 

Oulhe voss alteza bem, que se soees senhor de goa, metees em tamta 
comfusam ho Regno de daquem, que nom seria muita duuida deyxarem a 
terra, se vos virem fazer forte em goa, porque eles nom tem outro bem 
nem outra seguramça de seu estado senam as costas que tem em goa, 
porque he ilha, e perdemdo a terra, am se de recolher a ela, ho que nom 
podem fazer a dabull ; e tenho isto sabido per certa ciemcia pellos mesmos 
mouros, porque o regno de daquem está desta maneira que aqui direi a 
voss alteza. 

O rei de daquem deu a terra em capitanias ou senhorios repartidos 
per escrauos seus, turcos de naçam, e alguuns pérsios poucos ; estes se ale- 
uamtaram e nom Ih obedecem senam em lhe chamarem Rey ; mamdam 
lhe aguora algua joya, se querem; tem comtinoa guerra estes alguazis 
huns com os outros e tomam os lugares huns ós outros e ás vezes fazem 
amizade uns contra os outros e cada huum se trabalha por aver o rei de 
daquem á mão e o ter em seu poder; o çabayo ho tem agora, e este he o 
mor alguazil deles e que mais terra tem e o que he senhor de goa ; outro 
alguazill he o senhor de chauU ; este teue sempre comtinoa guerra co ça- 
bayo e tem, e se neste tempo que ganhei goa, o senhor de chauU nom 
morrera, nunca a perdera, porque viera logo sobre o filho de çabayo quamdQ 
veyo cerquar a ilha, e o desbaratara, mas fycou lhe hum filho moço he co* 
meçou emtender primeiro em seu alguazilado ; assy, senhor, que digo que 
nesta dyuisam amtreles, temdolhe vossa alteza tomado goa, que he bua 
gram quebra pêra eles ; com este fauor he logo a terra dos jemtios leuada 
comtr eles, e quero perder a vida se voss alteza isto nom vê, se guànha goa 
e a ssegura loguo ; porem se á detreminação em que á feitura desta estou 
que he, acabada a cargua, ir com todalas naaos e leuala nas mãaos, a mim 
me parece que deitando os mouros dela fora, ela se pode bem segurar e 
defemder com menos jemte, aimda que o que me mais comtemta do feito 
de goa, poder ela sofrer e soster muita jemte sem nenhum gasto nem des- 
pesa vossa; e.despois que goa se segurar bem sem ter mouros demtro, 
qualrocemtos portugueses a teram viua pêra sempre; mas ainda diguo que, 
pois ela pode soster dous e três e quatro mill homens, e a voss alteza com^ 
pre telos na imdia pêra seguramça dela e pêra serdes senhor dela seguro, 
que por iso a deue voss alteza de soster e ter, porque todalas nãos que 
quiserdes podeis aly fazer: mais diguo*, senhor, se timoja, que he mero ti- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 23 

rano, dá por ela cem mill cruzados e se obriga a ter seis e sete mill ho- 
meenspera defender, em que se gastaram outros tamtos, parece, senhor, 
que peso he o de goa, pêra voss alteza gastar de vossa fazemda com muita 
confiamça. 

Diguo, senhor, isto de timoja, porque posto que seja uosso amiguo, 
he homem mui imtereseiro, e por omde pode aver, mall ou bem sempre 
se trabalha por iso ; em nossos feitos sempre deles Recebeo muito proueito 
e muito pouco dano ; e algum descomtemtamento e receo, se o dele tenho, 
he este ; porem homem he que tem de nossas boas obras alguum conhe- 
cimento e que se pega bem comnosco; nom he homem de jemte nem de 
força, senam homem de credito amte elrrey donor, o qual lhe faz muita 
omrra por o nosso. 

Á partida minha de cananor deixo ordenado e mandado aos capi- 
tãees morees das nãos que vam pêra portugall, que tamto que suas cargas 
forem acabadas, me vam buscar amjediva, porque já emtam serei voluido 
de canbaya de asemtar as pazes, trato e feitoria, e tirar esses catiuos que 
lá jazem, e vir amjediva e aly nos ajumtarmos todos e tomarmos sobre 
goa e fazermos o que podermos: espero em nosso senhor que nos ajudará; 
do que aly fezermos ou nam fezermos, voss alteza será diso sabedor, e mi- 
nha temçam he no cabo deste tempo entrar o mar Roxo, e se for seguro 
de mamtymemtos e agua, emvemarei em adem, e se disto nom for seguro, 
no fim do mês de mayo virey emvemar a urmuz: espríta em cananor a xbij 
dias* d outubro de 1510. 

{Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afonso d alboquerque. 

(Sobrescripto) Pêra elRey noso senhor — segunda via. 

(In dorso j lettra coeva) xbj fsic) d outubro 1510 — dafonso d albo- 
querque de xbij d outubro de h^x do que sabia de goa e do que esperaua 
acerqa delia fazer^. 



' Dezesete dias. 

* Torre do Tombo— C. Cíiron. P. 1.% M. 9, D. 87. 



24 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA Vn 

1510— Outubro 19 

Senhor. — Lá mando a vosa aallezaa tres pannos que ouvee do embai- 
xador de xeqe ismaell e do embaixador d urmuz ; são pannos da pérsia e 
qe se leva maito á terra do preste João, e mando a vosa alteza huum sayo 
de borcado qe me deram e duas peças de borcado e duas peças de ve* 
ludo de mequa, da roupa que se tomou da nao de mequaa que vinha pêra 
calequt. Duarte de lemos levaa a vosa alteza aljoTar do trebulo d urmuz; 
levaa asy gomçalo de seqeira o cabo do anndoor dei Rei de calequt 
douto e de pedraria, e leva hum maço de cartas, e leva também bua 
adarguaa da pérsia da pesoa de xeqe esmaell, que me derão. 

As nãos qe este anno vieram de portugall, deixo tomando suas car- 
gas, e segumdo meu parecer elas irão Riqas e proveitosas, porque levam 
mercadarias que vosa alteza de lá avisou terem neste tempo vallía; mando 
a nao de joão daveiro tomaar laqar e gemgivre em cananor, e que vá a 
melinde a tomar especearia qe lá está de presas, e creo qe irá Riquaa, 
se a nosso senhor levaar a salvamento. 

A feitura desta chegarão aqui novas como bemdará governador de 
malaqua era morto, qe o matara el Rei de malaqa ; nom sabemos ainda a 
causa por que : as cartas que delia espreveo Ruy d araujo, a vosa allteza as 
mando: a malaqa mando este ano oyto nãos, amtre as quaes he a nao em 
que veo jorge nunez qe mandei fiquar cá; com esa determynação mando 
diogo mendez que de lá veo, por capitão moor, porqe me pareceo homem 
de bom Recado e de bom temto ; leva as suas quatro nãos comsiguo ; par- 
tirão no mês dabryll e serão aqui no mês de setembro e outubro; as vo- 
sas nãos vam muito Ryquaas, porqe levam toda a mercadaria da nao de 
mequa e muita Roupa de cambaia, qe são próprias pêra lá e vallem lá 
muito dinheiro ; dizem que levam mercadaria pêra carregarem dez nãos 
d especearia: mando lá deixar Ruy d araujo por feitor, se quiser fiquar, e se- 
nara, dioguo pereira, o quall nom quis asemtar na esprevanynha de co- 
chim, e sei que avemos dele de teer necesydade: se vosa allteza quer ser 
Riquo, nom venhão cá nãos de mercadores pêra o negocio da imdia ; nãos 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 25 

á nella qe abastem, se lhe mandardes muitas lamças e muitas armaas^ e 
se mais nãos ouver misteer, qá se dará forma como se facão : mande vosa 
alteza cem corpos d armas apartados pêra cadaa forteleza e quinhentas 
lamças de pee pêra cada hiia, duzentos piques, cem padeses bezcainhoos, 
porque nunca vy cousa tão piadosa como he de ver estas fortellezas ; nom 
á nelas húa só lança nem armas. 

Estees coirateiros sãoo mui boons, se lhe mandaseis muyta cravação 
e coiros; e se cá viese ho fundidor pêra a cravação, seria cousa muy pro- 
veitosa e os homeens andariam muy bem armados ; o fumdidor da cravação 
noos falece; de todo o ali estamos bem, tudo se cá pode fazer muy bem. 

Peço a vosa altezaa por mercê qe se lembre de me mamdaar ar- 
mas, muitas lamças, muitos piquees, muitos gorgazesS alabardas e partesa- 
nas, pêra estas nãos darmadaa, qè tam symgelas e tam vaziaas amdão: 
pola vemtura se allguem lá fez a imdia chaam a vosa alltezaa ou vos es- 
preveo que nom á nella mister armas nem jemtee, de meu comselho este 
mandaria eu cá por governadoor, pois qe lhe parece que sem armas e sem 
jemte se pode senhorear e soster a imdia; porqe emquanto eu nela esti- 
ver e nom vir vossa alteza mais asemtos na india nem mais seguramça do 
que agora nela ha, sempre vos ei de pedir muita jemte e muitas armas, 
porqe eu nunqua ey de decer da minha openião, a quall he que seguree^s 
a imdia, sem o qe nunca aves de comer dela boom bocado : outras pes- 
soas averá ahy, qe se cá vierem, qe lhes parecerá que não á mister mais 
qe dous barquos sevilhanos ; estes taes eu lhes seguro que levem mais di- 
nheiro que eu de cá, porqe seu cuydadoo será carregarem bem sua pi- 
menta e fazerem seu proveito e irem se em seu tempo : esprita em cananor 
aos xix dias d outubro de 1510. 

(Por lettra de Affonso de Albuguerque) feytura e servydor de vosa 
allteza 

Afonso dalboquerque 

(Sobrescrípto) Pêra elRey noso senhor — Primeira via. 

(In dorso, lettra coeva) dafonso dalboquerque de xix dias d outu- 
bro de b^x— cousas que envia — as naaos que manda a malaca — armas 
e cousas que pede — fundidor de crauaçam pêra as coiraças — gente e ar- 
mas que pede. — Lançada*. 

^ Gorjaes. 

» Torre do Tombo— C. Oir. P. 1.', M. 9, D. 88. 



26 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA Vin 

1610— Dezembro 82 

Senhor. — A carta qe esprevy a vosa allteza sobre a tomada de 
goa, foi logoaquelle dia á tarde, porqe determynei mandaar huum na- 
vyo a cananor per avisar vosa allteza polas nãos da carga, as qaes man- 
dey que viessem todas per gooa, porqe não perdiam nada do seu camy- 
nho, e davam favor ao feito de gooa, e amostravam ha yndia poder eu 
vir 5robre goa com mais nãos, se quysera, e poor fazer esta mostra á yn- 
dia, pola esperamça que tem da vinda dos Rumes nom se alvoraçarem, 
mas serem certeficados do poder e gramdeza de vosas armadas e como 
poodemos ajumtar vimle, trimta e qorenta nãos, se comprir; e qys fazer 
esta mo;3tra, e nam sei se os capitães comprirám meos mandados, ou se 
fumdados em dar boa Rezão de sy farão outro camynho. 

Na tomada de goa e desbarato de suas eslamcyas e emtrada da for- 
teleza noso senhor fez muyto por nós, porqe qis que acabasemos huum 
feito tam gramde e milhor do qe nós poderamos pedir : aly falecerão pas- 
sante de trezemtos turqos, e daly até o paso de banastary e de gomdaly 
per eses camynhos jaziam muytos mortos qu escaparam ferydos e cayam 
aly, e outros muytos se afogaram á passagem do Rio e muitos cavalos : 
despois queimei a cydade e trouxe tudo á ospadaa, e per qatro dias com- 
tinuadamente a vosa gente íFez samgue nelles; por omde qer que os po- 
diamos achaar, nom se dava vida a nenhum mouro, e emchiam as mez- 
quitas delles e punham le o fogo: aos lavradores da terra e bramenes 
mandei que nam matassem: achamos per comta serem mortas seis mill 
almas mouros e mouras, e dos seus piães archeiros, muytos deles falece- 
ram: foy, senhor, hum feito muy gramde, bem pelejado e bem acabado, 
e afora ser goa huua tam gramde cousa e tam primcipall, aymda se cá 
nom tomou vingança de treição e malldade que os mouros íizesem a vosa 
allleza e a vosas gentes, senão este, o qal soará era toda parte,, e com 
esle temor e espamto fará vir gramdes cousas á vossa obediência, sem 
nas comquystardes, e as senhoreardes: nam farám malldade, sabendo que 
tem cl paga mui prestes. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 27 

Allgums gentios homens principaes, a que os turquos tem tomado 
suas terras, sabendo a destruição de gooa, decérão da será onde estam 
Recolhidos, e vieram eai mynha ajudaa e tomarão os passos e camynhos, 
e todolos mouros que escaparam de goa trouxeram á espada, e nom de- 
ram vida a viva creatura. Roubaram gramde aveer, porque tomarão todo 
o dinheiro do pagamento dos soldos qu escapou de goa, e matarão hum 
turqo homem primcipall que o levava, que era thesoureyro: nenhíla se- 
poltura nem ydifycio de mouros nom deixo em pee; o^ que agora tomam 
vivos, mando os assar: tomaram aquy hum arrenegado, e mandei o quei- 
mar. 

A determinação em que fiqo, he nom deixar viver mouro em goa, nem 
emtrar nela, soomente gentios, e deixar gemte por agora aquela que me 
bem parecer e algums navios, e com outra armada hir ver o mar Roxo e 
hurmuz e o mais que tenho escrito a vosa alteza, se a nosso senhor 
aprouver. 

As nãos dos mouros que tinham feitas^ me trabalho por botar ao 
mar e alguas estam já no mar, e asi me trabalho por deitar as que es- 
tam por acabar e fazer; se a nosso senhor aprouver de eu soster goa, tra- 
balharey de as acabaar, e farseam outras e muitas e qamtas vosa allteza 
quyzer: achámos gramde abastamça de ferro e de pregadura; dei seguro 
ao povo meudo e ofyciaes, calafates e carpimteiros, ferreiros, pintores, e 
logo teremos abastamça d ooficiaes pêra tudo o necesairo. 

Deixo todalas Remdas a tymoja, tyramdo as da ylha ; ha de paguar 
o soldo aos portugueses e a toda outra gente necesaira: com hua nao de 
cavalos que tomamos, e com os que se tomaram aos turqos, amtre boons 
e mãos haverá hy cemto e qoremta cavallos ; nom temos aynda sellas nem 
freos, senão huuns poucos devasos sem coiro, que achei em cochym. 

Aqy se tomarão allguas mouras, molheres alvas e de bom parecer, 
e alguuns homens limpos e de bem quiseram casar com ellas e fiqar aquy 
nesta terraa, e me pediram fazemda, e eu os casei com elas e lhe dei o 
casamento ordenado de vosa alteza, e a cada hum seu cavalo e casas e 
terras e gado, aquylo que arrezoadamente me parecya bem: averá hy qa- 
trocentas e cymqoemta almas ; estaas cativas e estas molheres que casão, 
tomam a suas casas e desenterram suas joyaas e suas fazendas e suas 
arrecadas douro e aljôfar e Robis, e colares e manylhas, contas, e tudo 
lhe deixo a elas e a seos marydos : os bens e terras da mezquyta deixo á 
W^i^' d^. euivpcac^uD) de santa catexyna, em ciijoo dia pos aoso senbor 

4* 



28 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

dea a vitoria poios merecimentos dela, a qual ygreja mando fazer demtro 
na forteleza na cerqua grande. 

Lá mando a vosa alteza a mostra das suas cubertas, as qaes jeral- 
mente todos trazem nos cavalos por amor das frechas, que he a primci- 
pal arma das suas batalhas. Parecem me muyto leves, e seryãoo provei- 
tosas pêra guerra d aliem, porque sam todos mouriscos pequenos e pode- 
riam com ellas, porque os de cá caminham com ellas: mando também a 
vosa alteza os seus espimgardões, que tiram com virotões, e trasem gramde 
sooma desta gemte: mando a vosa alteza a mostra das espimgardas dos 
Rumes e a fumdição (?) das que os mouros faziam em gooa, e asim mando 
mais a vosa allteza da sua artelherya grossa duas bonbardas grossaas; 
e mais mando a vosa alteza huua sela das de cá, que me elRey donor 
mandou : mando a narsynga huum messageiro, e mando allguuns cavalos 
a elRei de naarsymgua e Representar lhe o feito de goa, aynda que já 
tenho mandado dous piães com cartas a braldez, que já lá tinha man- 
dado, e ver se com este feito de gooa lhe podemos tirar o credito que 
tem nos turqos e medo que lhe am, e averem que somos homens que fa- 
remos tam boons feitos na terra como no maar, e asy ver se o poso fazer 
aballar seus arrayaes contra os turquos de daquem, e quererem nossa 
amyzade verdadeira. 

Despois de ter esta esprita, mandei dioguo femandez cryado de 
vosa alteza com trezentos homens nas galés e paraos, e gemte, piães da 
terra, com capitães delRey d onor e de timoja, e foram per terraa a bam- 
da, húua terra em que os turqos aynda estavam com jemte de cavalo e 
de pé, e per força os lançaram fora dele, e agora vam sobre condall, ou- 
tra terra de goa, e vay a nosa. gemte per mar lá, e a jemte da terra per 
lerra, e acabado de os lamçar d aquy fora, o que espero em noso senhor, 
nom fiqa mais por fazer, porque toda a outra terra de cintaqola até goa 
está á vosa obediência toda, e estam vosos alcaides em cada lugar, e de 
goa até comdall, que he comtra dabuU, nom nos falece já senão comdall : 
peço vos, seahor, por mercê que me creaes de comselho, e que façaes muito 
fundamento de goa, porqe he tam gramde cousa e tam principal, que vos 
certeíiqo, senhor, que, sendo cousa que Deos nom permyta, perdemdose 
a ymdia, de goa a podes tornar a ganhar e comquistaar, e pôde noso se- 
nhor abryr camynho, como em muy pouco tempo pooderiam as vosas 
gemtes emtrar o Reino de daquem e de narsynga, porque a força dos 
tuf qos soo per sy nom he muito gramde, se os gemtioâ nom fosem seus 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 29 



soditos e nom andasem naa guerra com elles ; e os gentios são homens 
cheos de novidades, e se acharem capitam português que dè escalla franqa 
e soldo, sâo logo cem mill piães com elles, e tomam a Remda da terra 
em pagamento de seos soldos ; e os turqos são deuisos amtre sy ; toda 
sua força he piães gemtios: poderá ser í[ue parecerá esta cousa hum 
pouco duvidosa, e a mym cá parece me muy bem, porque vejo a hum es- 
cravo conprado por cynquo xeraflns fazer se senhor de muitas Rendas e 
de muitas terras: goa podes nella ordenar e fazer todo o que quiserdes; 
nom ha mister soldo nem mantimento de vosa alteza, amtes pooderês aver 
dela quanto gemgivre determynardes de mandar pêra eses Reynoos; e es- 
pero em nosso senhor, segundo os homens que sam casados nesta terra 
e follgão de viver nela, que os mesmos lavradores serão os portugueses, 
os quaes são casados já quy muitos, e os de cananor querem se vir viver 
aquy: escrita em goa aos xxij dias de dezembro de 1510. 

(Por lettra de Affonso de Albuquerque) feytura e servydor de vosa 
allteza 

Afonso dalboquerque 
( Sobrescripto) Pêra eIRey noso senhor*. 



CARTA IX 

1612— Abril 1 

Senhor. — Algtlas cousas mevdas de quaa da Imdia, que será ne- 
cessareas sabelas voss alteza, as esprevo aquy nesta carta gramde, por 
nam fazer gramde valumy de cartas. E diguo, senhor, que chegamdo de 
malaca aa Imdia achey as nãos principaees d armada derribadas e achey 
algtlas pesoas de bem lamçadas fora de cochim pelo alcaide moor e fey- 
tor a que ficou ho carguo da terra: era hum destes simam rramjell, ho 
quall mandavam a goa e se foy a cananor; daly a dias tomamdose pêra 
cochim em hum paguer de mouros, tomaram a ele e a outro os caturis 
de Calecut ; neste tempo estava mafomede roaçary, primcipall mercador 
de Calecut, com sua casa pêra se ir pêra ho cairo domde era naturall, e 
o comprtfú e o levou comsiguo. 

1 Torre do Tombo-*- C. Ghron. P. 1.' M. 9. D. 109. 



30 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Saberá voss alteza como de calecut partiram cimquo ou seis nãos e 
levavam especearia, semdo eu em malaca e manoel de lacerda com ar- 
mada da imdia em goa ; deu a estas nãos tam gramde vemto de ponente 
que se perderam a mayor parle delas, e mafomede maçary com duas ar- 
ribou aas ilhas de maldiva, omde ao presemte está, e se nos ho negoceo 
de goa der lugar, nam nos escapará: com este mesmo tempo arribaram 
as nãos que hiam pêra vrmuz, e alguas delas se perderam ; e creo que 
averá gram fome em vrmuz e gram necesidade de mamtimentos, pois os 
arrozes da imdia nam pasaram: com este mesmo tempo arribou htla nao 
d adem, que carregou de canela em ceilam, e veyo ter a balecallá e hy 
descarregou; creo que haverey toda e que nam pasará em nenhúa ma- 
neira. 

Partimdo eu pêra malaca, leixey a mayor parte da jemte da imdia 
nas fortelczas, com gramde defesa que se nam pasase d ua forteleza a ou- 
tra nenhua jemte sem meu espiciall mandado até minha vimda; ouue- 
ramse os capitãees nisto froxamente, em tall maneira que muy desem- 
vergonhadamente fojiam os que queriam dum lugar a outro em pagueres 
e paraos de mouros, e iso mesmo deram licemça alguas pesoas que fos- 
sem tratar, nam semdo daqueles que voss alteza a tall liberdade deu, por 
omde se fizeram allguuns maaos recados: dou esta comta a voss alteza, 
porque sam cousas que obrigam a castiguo, e nimguem nam quer ver 
justiça em sua casa; e esta devassidade foy em goa mais que em outras 
partes. 

De goa deu licemça dioguo mendez alg&as pesoas pêra se irem pêra 
eses rregnos, amtre os quaees foy hum gomçallo rabello, o quall teve 
cargo da tanadaria e rrecebimento da ilha de divary e de choram, e se 
foy com ho dinheiro, sem dar comta nenhua, e mais rroubou muita fa- 
zenda a Rodrigo Rabello por seu falecimento, no quall rroubo foy hum asy- 
fiado meu aseelado que ficaua na mãao de Rodrigo Rabelo e na sua bueta 
pêra ho socedimento da capitania, quamdo dele deos desposesse algua 
cousa, no quall socedimento leixava manoel de lacerda e fícase n armada 
do mar diogo fernandez até minha vimda. 

Com esta mesma licemça se foy hum frade de sam domimgos que 
eu hy leixey por vigairo contra minha vomtade, o quall leva rroubado 
mais de setecemtos cruzados de defuntos, porque fazia os testdtnentos, e 
fez se erdeiro nos testamentos e a outros que ho perfilhavam: mais fez 
depois de minha partida: fez emtemder a eses homeens casados que es- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 31 

tavam escomungados, porque os ele nam rrecebera, nam tomdo ele poder 
do vigairo jerall que quá he, pêra poder ministrar este sacramento, so- 
mente frey framcisco da rrocha, a que estes poderes coraeteo ho vigairo 
quamdo me party de cananor pêra goa, e este casou cemto e cinquerota 
pesoas antes que partise pêra malaca ; e a este frade mamdoulhe ho vigairo 
estes poderes despois que me eu party pêra malaca; pôs tamtas escumn- 
nhõees nos casados que tirou de cada hum hum cruzado e dous cruzados 
e iso que podia aver deles per força; daualhc este lugar droguo mendez 
e os da sua valia, que entam rreinavam por capitãees, os quaees eram pêro 
coresma, ho cimiche, femam corroa: este frade que digo, por cobiça de 
dinheiro fez peramte mim ho que aquy direy a voss alteza: foy tomada 
hua molher em goa, e aquele que a tomou vemdeo a logo a hum mes- 
trafonso, físico, boom crístãao, que quaa amda; mandeylha tomar, por- 
que nam era dada per mim; mandeya tornar christãa e case a com bum 
homem que a rrequereo de casamemto: teve tall maneira este mestre 
afomso, que por hum cachopo seu mamdou imduzir a molher que disese 
que nam casara por sua vomtade com aquele homem, e peitou ao frade 
que a mandase vyr diamte dum altar omde nós hiamos ouuir misa; cui- 
damdo ho marido que era pêra outra cousa, trouxe sua molher, e o frade 
lhe fez pregumta, se casara por sua vontade ; ela respomdeo que nam : 
ho mestr afomso estava aly, e pedio logo hum estromento daquilo; ho ma- 
rido quamdo se asy vyo, tomou sua molher e levou a, e foy me fazer quei- 
xume da desomrra que lhe o frade e aquele boom cristam fezera; man- 
dey chamar o mestre afonso e lhe dise que como ousara ele diamte do 
altar de noso senhor vituperar ho primeiro sacramento que ele ordenara, 
e que imda ele lá trazia aquela pedrada guardada pêra lhe dar; respon- 
de me que fezera bem e que imda se nam arrepemdia; mamdeyo entam 
premder, e mamdey fazer auto daquele caso : prouou se contra elle sobor- 
nar a molher, e imduzila que disese aquillo e que lamçase mãao do al- 
tar; mandar lhe aqueles rrecados por hum moço seu, que sabia a limgua 
da terra; prouou se ter peitado ao frade: foy pregumtada a molher; dise 
como lhe ele e o frade acomselharam como ela disese aquilo, prome- 
tendo lhe mestre afonso que casaria com ela, e outras maldades deste 
feito que aquy nam esprevo a voss alteza: mamdey loguo ho frade fora 
pêra as naaos de dioguo mendez, e o creliguo de dioguo mendez leixa* 
vao em goa, porque frey framcisco que entam era noso vigairo, avia diir 
comigo narmada; e o boom crístam, quisera fazer justiça dele, e por ser 



32 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

físico e dizer que querya casar na terra, lhe perdoey vossa justiça, e roais 
per rrequerymento dos casados; e casou com hõa molher que ele nam 
merecia: tornou ho frade ter maqeíra como os casados mo mamdaram 
pedir e eu ho torney a leixar ; pregou sempre contra os casamentos e com- 
tra mim, mostramdo sempre aa jemte como aquele ano avia de viir outro 
governador; afavoreceo isto dioguo mendez, que tinha emtam cargo de 
capitam, e pêro coresma e o comiche e fernam corrêa, que mamdavam 
entam toda a terra, e danavam este feito e desconfiavam os casados, avendo 
que era obra de mynhas mãaos, sabemdo que o mamdava voss alteza fa- 
zer; e daquy naceo alguns descomtemtamentos aos casados de goa, por 
omde alguns fizeram de sy mao rrecado. 

Mais fez este frade : semdo eu em malaca, casey em goa hua mo- 
lher omrrada e de boom parecer com hum João cerueira, homem de bem: 
veyo ho marido a falecer, e ela casou loguo com outro, e rrecebê os hum 
archiles godinho também casado em goa peramte certas testemunhas em 
sua casa; namorou se desta molher hum homem, que he já falecido, pei- 
tou ao frade, e descasou a, e mandarana pôr em casa dum homem, omde 
aquela pesoa já falecida hia fazer ho que lhe aprazia com ela; como 
aquela pesoa faleceo, foy logo ho frade e casou a com outro: e esta cizma 
que ele pregou, de vem outro governador, danou muito aa jemte e o ne- 
goceo de goa, porque as pesoas que isto afavoreceram, delreminaram dar 
com goa no cham, mostramdo que ha nam avia de soster ho outro go- 
vernador que vynha, e que havia de derribar, e que nam era vosso ser- 
uiço soster goa ; e após isto cayo hum pedaço de muro velho do tempo 
dos mouros, nan o qeriam correjer: mandaram algtlas pesoas que eu 
aquy nam diguo, rrecolher ho fato aas nãos, e a jemte que nela estava, 
com as taees prégaçõees assaz descomfiada; e mais pregavam ser eu morto 
e perdido com toda armada aqueles que desejavam tomar vimgamça nas 
vossas cousas, cuidamdo que empeciam a mim; e desta mercadaria se 
trata quaa na imdia, se voss alteza nam torna com muy gramde cas- 
tigo a iso, porque se a emveja damtre nós fosse desejarmos de vos ser- 
uir huns tam bem como os outros, seria emtam a tall emveja vertude; 
mas ho que agora quaa Reina, he querermos aquerir autoridade amte 
voss alteza cos defeitos alhêos, folgamos com as quebras e desastres que 
acomtecem huns aos outros nas cousas de vosso seruiço, e aimda nos tra- 
balhajmos com nossas envejas por os outros fazerem erradas e darem 
noiaa comta de sy : chegou, neste tempo em que se goa nesta furtuna vio. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 33 

manoell de lacerda e diogo fernandes, que sostiveram ho feito todo e man- 
daram reformar ho muro de pedra e call; e asy me trouxe noso senhor 
neste tempo aa imdia a ssalvamento, e a jemle tomou mais aseseguo e se 
comfortou mais. 

Saiba voss alteza certo, que as cousas que me mais mall tem feito 
na imdia e mais desaseseguo tem metido, asy nos mouros como nos cris- 
tãos, he dizerem vem Rumis, vem outro governador, porque já voss al- 
teza sabe como os portugueses sam cheos de nuvidades, e emtra isto tam 
bem nos boons homeens como na jemle civell, semdo cousa certa aver de 
viir outro governador á imdia; e com estas cousas fazem ás vezes os ho- 
meens outras cousas dinas de castiguo, que nam fariam, e os senhores 
de quá e Rex ás vezes tardam em viir a comcerto e aseseguo, e os que 
ho tem tomado bolem comsyguo, e outras praticas neste feito, que torvam 
muyto ho asesego das cousas de voso seruiço. 

E quamto á vimda dos Rumis, aja voss alteza por certo, que hatá 
que nam emtremos ho mar rroxo e descomfiemos a imdia de nam aver 
hy Rumis, nam ha de deixar cadano d aver hy rrevoltas e emburylhadas 
na imdia aiguas cousas: pesoas que de lá vieram, soltaram quaa esta 
vertuosa nova, que vinha outro governador, e nan os nomêo aquy a voss al- 
teza, porque nam he de minha comdiçam danar nynguem amte voss al- 
teza. E com esta mesma nova de vem outro governador, cometeram al- 
g\ins homeens de boom aseseguo hila bõoa imburylhada no Rio de goa, 
tendo noos os mouros com muyta. artelharia sobre o pescoço: crede, se- 
nhor, que he esprito de comtradiçam quallquer trabalho que se quá daa 
á jemte, porque nam podem sofrer fazer fortelezas, nem andarem no mar, 
homeens que nunca trabalharam; e voss alteza manda que as façamos nós, 
e os aparelhos pêra iso estam nas vossas taracenas em lixboa, e portamto, 
senhor, as que se quá fazem, falas deus milagrosamente, e os cavaleiros 
portuguezes que vos quaa servem, trabalham nellas em cotinhos, porque, 
senhor, fazer fortelezas ha mester preposyto, e nós nam temos na imdia 
de que fazer preposito; metemonos n armada com hum pouco d arroz e 
huns poucos de cocos, e cada hum com suas armas, se ás tem : nos vosos 
almazeens quá nam ha nenhila cousa, hum prego que se quá faz, asy 
como ho tiram da forja, asy ho vam logo pregar no costado da nao. 

Digouos, senhor, isto, porque vos vejo mamdar as nãos carregadas 
d aparelhos, armas e jemte, pêra soster as cousas que os outros Rex vos- 
sos amtecessores ganharam jumto com vossos regnos, e voss alteza des- 

6 



34 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

afavorece as cousas de vossa vitorea e vossa fama tam lomje de vossos 
rregnos, tam gramdes e tam rricas que imrrequece voso povo e emno- 
brece vossos rregnos e senhorios; e sostendes gramdes gastos e gramdes 
despezas com as rriquezas que vos de quá vay, e com ajuda de noso se- 
nhor cada vez vos irá maais, porque a imdia ha de tomar asento de ne- 
cesidade, porque as cousas tam gramdes, em que ha tamta comtradiçam 
que tam lomje tem ho remedeo, he muito ho que está feito: outras cou- 
sas poderia eu dizer neste caso, porque sam L** anos*, e vy dous Rex vos- 
sos amtecessores e o que em seu tempo fezeram ; e vy as armas que ti- 
nham, e armadas que fizeram, e as nãos de seu rreino camanhas eram e 
quamtas, e as ajudas que deram a seus amigos, e vy também os gastos 
e despesas que fizeram e podiam fazer ; e vejo agora ho que vossa alteza 
tem dado depois que rreinou, e as gramdes despezas que sam feitas so- 
bre a comquista da imdia, e asy outras gramdes armadas que em ajuda 
de vossos amigos mandastes fora de vosos rregnos, e a comtinua guerra 
e despeza que cada dia fazees nos lugares d africa, e armadas que cadano 
ao mar do estreyto mandaees, e muy gramdes e grossas nãos que comti- 
nuadamente mandaees fazeer ; e sey certo que os Rex vosos amtecessores 
vos nam leixaram tisouros que estes gastos podesem sofrer, mas amtes 
vos leixaram imdividado, e obrigaçam de gramdes despesas; e eu sey 
certo que todo este feito sostem a imdia asy emgorlada como a voss al- 
teza agora logra ; e se a noso senhor aprouver que ho negoceo da imdia 
se desponha em tall maneira que ho bem e rriquezas que nela ha vos 
vam cad ano em vossas frotas, nam creo que na cristemdade averá Rey 
tam Rico como voss alteza; e portamto diguo, senhor, que aquemtees ho 
feito da imdia muy grossamente com jemte e armas, e que vos façaees 
forte nela e segurees vossos tratos e vossas feytoryas, e que arrymquees 
as Riquezas da imdia e trato das mãaos dos mouros, e isto com bQoas 
fortelezas, guanhamdo os lugares prímcipaees deste negoceo aos mouros, 
e tirar vos ees de gramdes despesas, e segurarees voso estado na imdia, 
e averees todo o bem e Riquezas que nela ha, e seja com tempo. 

Alguas cousas que acima toco a voss alteza acerqua do negocio da 
imdia é de como vejo a voss alteza aver este feito por cham e seguro; e 
vejo vossos rrejimentos e cartas cheas de bramduras e seguros pêra os 
mouros de quá, avendo por certo que asy se fará nestas partes as cousas 

^ Cincoenta annos. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 35 

de vosso seruiço, mamdamdo me que escuse a guerra quamto poder, e 
outras palavras que em vossas cartas vem que diga e fale aos Rex e se- 
nhores destas parles, com quem querees ter tratos, feitorias, vemdas e 
compras de mercadarias, vossa jemte e fazemda segura; e vejo após isto, 
que mandaees fazer muy bõoas fortelezas e segurar vossa fazemda e vossa 
jemte; e vejo que querees leuar as especearias e rriquezas da imdia com- 
tra vomtade dos mouros, e que querees desfazer ho trato de mequa^ de 
Judá e do cairo ; e vejo que os mouros que gastam seus tisouros por voUo 
defemder, e que s escusam quamto podem de rreceber vossos tratos e fei- 
torias por suas vomtades, e queles que as tem Recebidas aguardam tempo 
pera^ quamdo poderem tirar ho laço fora do pescoço, poer as mãaos á 
obra; e sey certo que esta he a comdiçam dos mouros cos cristãos, e será 
atee fim do juizo, emquanto eles poderem; e asy vejo como lhe \oss alteza 
tem tirado sua amtiga e isemta navegaçam e trato, e aos Rex mouros der- 
ribados de seu estado, poder e mando, que tinham na imdia, vituperados 
e cheos dopressam, e lhe temdes tomado e tirado todo seu senhorio do 
mar, e mares com que suas terras e reinos confinam, e alguns deles fei- 
tos trebutareos, e outros que com medo vos mamdam pedir pazes ; estes 
taees cuida voss alteza de segurar com bõoas palavras, paz e seguros, 
semdo mouros senhores de muyta jemte, muytos cavalos e muito dinheiro: 
com bõoas fortelezas, muita jemte de cavallo, muita artelharia e bõoas 
armas, vejo eu lá a vos alteza segurar as cousas de vosso estado em terra 
dos imfiees, e desemparaees a imdia, temdo muita necesidade de todas 
estas^ cousas pêra a segurardes, semdo a mayor empreza que nunca ne- 
nhum primcipe cristão teue nas mãaos, e mais proueitosa, asy pêra ho 
seruiço de deos como pêra ho vosso nome e fama, e asy pêra averdes as 
rriquezas quantas ha no mundo, e deixaila aa misericórdia d uns poucos 
de navios podres e de mill e quinhentos homeens, a ametade deles jemte 
sem proueito: nam diguo, senhor, mais, senam que ey medo que nam 
queiraees afauorecer isto em meu tempo por meus pecados velhos e no- 
vos; e mais, senhor, nam querees voos que homem ás vezes cometa hum 
feito na imdia, em que vay muyto voso seruiço, sem nos avemturarmos 
tamtas vezes, pola pouquidade da jemte que quá temdes. 

Vejo, senhor, também nam me mamdardes armas nem jemte nem 
nenhum aparelho de guerra; vejo vossos capitãees que de laa vem, muy 
isemtos, e omde me nam acham em pessoa darem muy pouco por minhas 
determioaçõees e mamdados e porem nas em comselho e jem vozes ; e vejo 



30 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

que se sabem muy bem desobrigar da necesidade que aas vezes acham 
na imdia, e nam nomêo aquy alguas pessoas qae ho já fizeram, e por 
mostrarem sua justyficaçam e que nam viam necessidade na imdia que 
os obrigase, deram a pramcha em terra e levaram me quamla jemte sãa 
e bõoa avia na imdia, e leixaramme os espitaees e casas chèas domeens 
doentes, e asy me levaram oficiaees, e presos obrigados á justiça, fa- 
zemdose detreminadores nas cousas de vosso seruiço na imdia, e que 
nam era voso seruiço aver tamta jemte na imdia, e que eu tomara goa 
com iij homeens ^; e eles sabiam certo que eram eles mill e seiscemtos e 
oitemta per Roll feito per auitonio fernandez criado de dom martinho, 
feitor d armada em amjediua, e que destes que digo, eram duzemtos e 
cimquemta das nãos de dioguo mendez, e setemta demxobre^as, e do 
bretam trinta e seis, e da lionarda quaremta, a quall jemte nam he da 
ordenança da imdia, que sam naaos de carga e am diir sua viajem em 
seu tempo, e per esta comta, senhor, que diguo, ficavam mill e duzratos; 
tiramdo daquy cem malabares^ ficam mill e cemto, e ficavam em cananor 
setemta homeens dordenamça e em cochim ficariam oitemta dordenamça, 
e isto porque a voss armada amdava sobre ho pescoço das vosas fortele* 
zas ; e estas pessoas que asy deram a pramcha em terra e me levaram a 
jemte fora de minha ordenamça, dirvosey, senhor, ho que fizeram. 

Com eles ficaram quinhemtos homeens, a milhor jemte da imdia, e 
duzemtos que ficariam alapardados e escomdidos; fizeram em cananor, 
depois que meu party, homeens fojidos pêra esses palmares; chamavanos 
com seguros e davam lhos; faziam excramaçõees de mim á jemte, mos- 
tramdo que a tinha por força na imdia e que se lamçavam cos mouros 
por isso, e que pêra que queria eu três mill homeens na imdia? leva- 
ram me ferreiros, cou^aceiros e carpimteiros, som minha licemça e meu 
mamdado, e outras cousas que aquy nam esprevo a voss alteza: todo seu 
negoceo era culparem a mim, dizerem mall de mim, buscarem rrezOes 
pêra s escusarem da necessidade que deles tinha nas cousas de voso ser- 
viço ; e deus sabe que nam merecy a nenhum deles fazerem me tam maas 
obras. 

Estas sam as pessoas que lâ fazem a imdia chãa e as cousas destas 
partes muy leves, cuidamdo que vos comprazem niso e daneficam a mim, 
▼emdo quamto dano fazem ao s^uiço de voss alteza; porque, se todos vos 



1 Tree mil komdAs. 



♦- - ». 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 37 

espreveranios e faláramos verdade, outra maneira tivera voss alteza nas 
cousas da imdia; e digouos, senhor, isto, porque alguas vezes me falou 
voss alteza neste negoceo da imdia com mayor fumdamento e detremina- 
Qão do que eu agora vejo em meu tempo, polas rrezoõees que acima dito 
tenho; e sabe voss alteza ho que nace deste deseraparo e necesidade em 
que me vejo? tomar malaca duas vezes, e tomar duas vezes goa, e pele- 
jar duas vezes com urmuz, e amdar em hua tauoa no mar por rremedear 
as cousas de voso seruiço e minha obrigaçam ; e se pelos taees feitos fora 
do boom comselho e ordenamça da guerra cheos de necesidade algua 
jemte faleceo nestas cousas que dito tenho, alem de serem pecados meus, 
obrigada está a vossa comciemcia, porque se me voss alteza mandase os 
aparelhos, jemte e armas, que cumpre pêra ho que mandaees fazer, nam 
metera eu a jemte duas vezes no foguo em malaca, nem em goa duas ve- 
zes, nem os mouros d urmuz nam tiveram a vossa forteleza, que eu co- 
mecey, em seu poder. 

Poderá ser que esquecerá lá aos que fazem ho feylo da imdia leve 
e que nam avees quaa mester jemte nem armas, senam trato, as bram- 
duras com que os Rex mouros e senhores desta terra respomdem e falam 
aas cousas que lhe cometem per voso seruiço, debaixo das quaees jazem 
todas suas maldades, emganos e traiçõees; e quero vollas eu, senhor, aquy 
lembrar: cojatar e elrrey durmuz, se lhe falam em voss alteza, dizem que 
sam vossos espravos e que ho rreyno he vosso, beijam vossas cartas e 
põem nas na cabeça, pagam vos páreas: ora mamde voss alteza lá asentar 
vossa feitoria e forteleza debaixo destas bramduras e verdade sua, e pe- 
dir lhe ho rregno que lho voso capitam ganhou e tornou emtregar com 
juramemtos na sua ley, e vejamos como ho comsemtem, senam com bõoa 
jemte e bem armada e bõoas naoos : dezia el rrey de malaca que era voso 
seruidor e que a terra era vossa, e que ele matara bemdará, porque ma- 
tara os vosos cristaaos, e que a fazemda das naaos que loguo era pagua, 
e que folgaua com vosso trato, paz e amizade ; e com estas bramduras 
fez muy forte sua cidade e sua terra, e tinha mais de xx homeens* de pe- 
leja com bõoas armas e bõoa artelharía, e nam quis voso trato, paz nem 
concerto com voss alteza, e aguardou ser desbaratado primeiro duas vezes. 
Eirroy de cambaya deseja paz e amizade de voss alteza, e precura com 
embaxadores e j^récados seus á meude, .e diz que dará lugar pêra fazer 

^ Vinte mil homens. 



38 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

fortaleza; veja ora voss alteza, se tirardes jemte e armas e bõoa armada 
aa imdia, se comprirá isto que vos promete; e também veja voss alteza, 
se he bem que debaixo de suas bramduras e moralidades e bnoas pala- 
vras se deva comfíar dele vossa jemte e vossa fazemda sem forteleza em 
terra. E asy miliquiaz nam diz ele que he vosso vassalo e que vos ha 
sempre de servir bem e leallmente? este tall, se nos ele viir em algfla 
quebra, credes voos, senhor, que nam dirá ele que he vassalo delrrey 
de cambaya e que nam podia fazer pazes sem sua licemça? os mouros 
de Calecut nam beijavam eles os pees ao voso feitor e tomavano por juiz 
e detreminador de suas deferemças, chamamdose vossos espravos? nam 
vee voss alteza ho que fizeram e os modos que tiveram com pedr alvares 
e CO vosso feitor, pêra se fazer escamdolo na terra, ordenada e criada 
per eles esta estucia? os mouros de cananor nam sabe voss alteza que se 
chamam eles vossos espravos, e vem beijar os pees ao vosso feitor e vem 
cpm gramdes vmilldades e somitimemtos debaixo de voso capitam, e por 
muy piquena cousa vos cercaram vossa forteleza duas vezes e comtraria- 
ram sempre nam se fazer? e como dizem que vem Rumis, nam vemdem 
pam na praça á vossa jemte: chaull paga vos páreas e sam homeens muyto 
sumitidos em voso seruiço, e debaixo desta verdade e bramdura ajuda- 
ram a desbaratar voss armada e afauoreceram os Rumis, e deram omrrada 
sepultura a maymame, capitam de calecut, que emtam aly morreo, que 
oj este dia em dia está diamte dos nosos olhos, casa muy bem obrada e 
muy fermosa, canunizado por samto, porque morreo em guerra comtra 
os cristãaos : batecala nam vos paga 1] fardos ^ d arroz de páreas, sumitido 
a tudo ho que deles quiserdes fazer? e dam ajuda ao çabayo comtra nós 
de muitos cavallos durmuz, muyto salitre e emxofre, e gramdes cáfilas 
de mamtimentos; e nós, quamdo himos, dizem que nam ha arroz na terra, 
senam ho que os mercadores tem pêra suas nãos. ElRey donor nam vos 
tem ele dado mirgeu com mill e tamtos pardaos de páreas? e ajuda ho 
çabayo contra nós, e traz seus embaxadores comtinuadamente em sua casa: 
coulam nam estava somitido á vossa obidiemcia? e polo vosso feitor aver 
algum descomcerto cos mouros e nãos de calecut, ho leixaram hy espe- 
daçar oos mouros e quamtos com eles (sic) estavam : os mouros de cocbím 
nam sam eles vosos espravos, e feitos gramdes rricos com vosos tratos? 
como hy haa algum Reboliço na imdia, loguo a sua bolsa e companhia 

1 Dois mil fardos. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 39 

e ajuda he metida no negoceo: a cidade de goa nam recebeo ela meu 
seguro, e lhe quitey gram parte dos dereitos que soyam de pagar, e lhe 
outorguey todalas terras, rremdas e soldos que lhe ho çabayo tinha dado, 
e asy as terras de suas mizquitas, e viverem á sua vomtade debaixo da 
sua maa seita? e como viram tempo desposto, tomaram suas armas com- 
tra mira e poseramme em desbarato. E elrrey de narsymgua nàm tem elle 
amizade e paz comvosco? e ajuda ho çabayo comtra nós secretamente; 
e demtro em besnigar nam matou hum Rumy frey luis? e nam fez nisso 
nehúa cousa; e na primeira vez que nos os mouros entraram goa, hy 
matamos hum seu capitam, e pesou lhe muy bem co a tomada de goa, e 
ha muy gramde medo de voss alteza: a estes taees cortar lhe os governos, 
tomar lhe a rribeu*a do mar, fazer lhe muy bõoas forteiezas nos lugares 
primcipaees, porque d outra maneira nam avees de meter a imdia a cami- 
nho, ou temde sempre hum peso de jemte nestas partes, que os tenha sem- 
pre asesegados, porque a amizade que asemtardes com quallquer Rey ou 
senhor da imdia, se a nam segurardes, tende, senhor, por certo que volvem- 
dolhe as costas, os temdes logo por imigos. E isto que diguo, custume 
he jerall quaa amt reles; nam ha quaa ho primor desas partes em guar- 
dar verdade nem amizade nem fee, porque a nam tem, e portamto, se- 
nhor, comfiay em bõoas forteiezas e mamdayas fazer, seguray com tempo 
a imdia, nam ponhaes ho couodo na amizade dos rrex e senhores de quá, 
porque nam eratrastes vós com querela na imdia pêra vos asenhoreardes 
ho trato delas com bramdnras nem comcerto de pazes, nem vos faça nim- 
guem lá emtemder que he isto dura cousa d acabar, e acabando o, que 
vos obrigará a^ muito. E diguo vos, senhor, isto, porque tenho eu imda 
oos pees na imdia, e pêra hum feito de tamlo voso seruiço, tam gramde 
e tam proveitoso e tam rrico, querya eu que os homeens vemdessem suas 
fazemdas e viessem a esta empresa, e nam pêra fazer forteleza na caza 
do cavaleiro. 

El Rey de vemgapor nam se mostra ele vosso servidor muyto? co- 
mo tomey goa, mandey logo hum capitam a çupa com quinhemtos piãees, 
bua tanadaria das terras de goa que comfína com sua terra, e mandey 
gaspar chanoca com cavallos a elrrey de narsymgua, noteficamdo lhe que 
vossa alteza mamdara tomar goa, pollo ajudar comtra os mouros, e prim- 
cipalimente comtra o çabayo, que lhe sempre fizera guerra, dizendo lhe 
que se quisese entemder no rreino de daquem, que eu ho ajudaria; e 
mandey a elrrey de vemgapor presemte de peças de brocados eezcarla- 



40 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

tas e joyas booas, pedimdolhe que me leixase comprar em sua terra du- 
zemtas selas e duzemtas cubortas de cauallos; desimulouo muy bem e 
nunca ho comsymtio, dyzemdo que sem licemça dei rrey de narsymga ho 
nam avia de fazer. 

Afora todas estas cousas que acima dito tenho, ha hy algum por- 
tuguees que se desmande na imdia e seja achado de mouros, que lhe lo* 
guo nam levem a cabeça nas maãos? e ha hy algum navio que chegue a 
porto de mouros, se ho vêm estar a mao rrecado, que ho nam apalpem 
loguo pêra ho tomar? afora outros emganos e maldades que lhe mevda- 
mente homem quaa sofre: ora veja voss alteza, se na terra omde nos a 
nós tem este amor, se ha voss alteza de mester jemte e armas e bõoas 
fortelezas pêra as soster, ou se nos deitaremos a durmir descamsados 
sobre a verdade destes câees, com as portas das fortelezas abertas; e a 
quem vos a vós, senhor, desta maneira espreve de quá da imdia, man- 
dai lhe voos criar ho filho. 

E aimda diguo que pêra os tratos da imdia e asemtos de feitorias 
se fazerem, como compre a vosso serviço, sem guerra, e a imdia tomar 
asento, e os lugares omde ouuer mercadaria rreceberem nossos tratos e 
companhias, que por três anos teria nela três mill homeens bem armados 
e bõos aparelhos de fazer fortelezas e muytas armas, e as rrezõees por 
que me isto parece, sam estas. 

Dos lugares omde ouuer mercadaria e dos mouros mercadores nam 
podemos aver pedraria nem especearia por bem, e se a queremos por 
força e comtra suas vomtades, ha mester fazerlhe a guerra, e já do tall 
lugar por dous e três anos nam podemos aver nenhum bem ; e se noô 
vêm força de jemte, fazem nos omrra, nam emtra em seus coraçõees fa- 
zerem nos engano nem Ribaldaria, dam nos suas mercadarias e tomam nos 
as nossas sem guerra, e acabaram de deixar este emgano, cuidarem que 
nos am de botar fora da imdia: e sabe voss alteza que manha he a dos 
mouros de quá? como chego com armada sobre seus portos, a primcipall 
cousa em que se logo trabalham, em saberem quamta jemte somos, que 
armas trazemos; e se nos vêm força com que eles nam possam, emtam 
nos rrecebem bem e nos dam as suas mercadarias e tomam as nossas 
de bõoa vomtade ; e se nos vêm fracos e poucos, crede, senhor, que aguar- 
dam a derradeira detreminaçam e se põem a tudo ho que possa acomte- 
cer, milhor que nenhua outra jemte que tenha visto; asy ho fez vrmuz e 
malacâ e todolos lugares em que pus os pees : el rrey de malaca primeiro 



CARTAS DE AFFONSa DE ALBUQUERQUE 4 1 

soube que éramos nós oitocentos homens bramcos, e creavoss alteza qiie 
Dam arraram três, averya hy mais duzemtos malabares d espadas e adar« 
gas: como soube que nam éramos mais jemte, ouuenos loguo por per- 
didos e impivlados e era seu poder, e aguardou toda nossa detremina- 
çara; e depois deste feito acabado, viio vertemutarrajajaao a jemte que 
éramos em terra, e mamdava comtar as covas e ver nas casas quamtos 
doemtes e feridos avia ahy, e como viio nossa pouquidade, começou lo- 
guo de bulir comsyguo; e se nam apagara toda sua casa, sempre nos me- 
tera em necessidade, porque era homem de muyta jemte : per esta ma- 
neira ho fez vrmuz comiguo: depois de morta e desbaratada toda sua 
jemte na guerra, meteram oa cidade quamta jemte d armas poderam, e 
vyram nossa pouquidade e trabalharam por tirar ho laço fora do pescoço; 
e nestes feitos taees omde hy ha força de jemte, nam leixa entrar nos 
coraçõees e pemsamentos dos mouros fazerem nos traiçam. E isto, senhor, 
que vos eu aquy esprevo, ha de durar na imdia emquamtò nam virem em 
vosso poder as forças primcipaees dela, e bõoas fortelezas ou peso de 
jemte que os asessegue, e desta maneira se fará ho trato da mercadaria 
sem guerra e sem termos tamtas pemdemças na imdia; e três mill ho- 
meens polo soldo que voss alteza agora daa, pouco mais ou menos falem 
(sic) cemto e vimte mill cruzados cadano, e a especearia que mandaees 
levar da imdia cad ano, tirando os soldos da imdia, perdas do mar e ca- 
hfiáúlj valem hum milham de cruzados: veja voss alteza se ho arvore que 
este fruito daa cadano, se merece ser bem ortado e bem regado e bem 
fauorecido. E aimda vos torno a dizer, que se querees escusar a guerra 
da imdia e ter paz com todolos Rex dela, que mandees força de jemte 
e bõoas armas, ou lhe tomees as cabeças primcipaees de seu rreino que 
tem na Ribeira do mar. 

Item. Chagado de malaca a cochim, mandey loguo a gram pressa oito 
caturis a goa, e foram laa em seis dias, noteficamdo lhe minha chegada 
e a tomada de malaca, que afavoreceo muito a jemte, e os imigos nam fol- 
garam com tall nova ; e asy mandey entregar a capitania de goa a ma- 
noel de lacerda, e alcaidaría a manoell de sousa, e o cargo d armada a 
dioguo fernandez; e mandey soltar dez ou doze mouros que trouxe de 
malaca, por esas terras todas deses rrex e senhores, que lhe comtassem a 
verdade, e pelos caturis me fiz prestes com esa pouca jemte com que 
cheguey pêra ir a goa, e de lá me mamdaram dizer todos eses capitãees, 
fidalgos e caualeiros, que em nenhua maneira nam devia diír com tam 

6 



42 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

pouca jemte, porque pêra defender a forteleza tinham seiscemtos homeens 
6 quinhemtos piãees da terra e alguns outros homeens homrrados da terra 
em companhia destes; e neste tempo chegou hum capitam do filho do 
çabayo, que se chama Ruztalcam; e ho outro capitam que estava demtro 
na ilha, que se chamava pularcam, nam quis obedecer ao Ruztalcam nem 
aos mamdados do çabayo: o rruztalcam teve maneira de fazer emtemder 
a diogo mendez, que emtam era capitam, e vossa jemte, que vynha por 
pazes, e trazia certos portugueses que cativaram com femam jacome e 
duarte tavarees, hum escudeiro do comde dabramtes que me cativaram 
na ilha de choram, porque quis fazer valemtia sem minha licemça nem 
meu mandado: chegamdo esle capitam sobre banaslary, soltou logo ho 
duarte tauares com rrecados pêra ho capitam da forteleza, mostramdo 
quamto ho filho do çabayo desejava a paz, pedimdolhe ajuda pêra botar 
pularcam, que estava alevamtado comtra ho çabayo; o capitam e eses fi- 
dalgos e caualeiros que em goa estavam, deram fee aas palavras de rruz- 
talcam, e mamdaram batees e galees polo Rio, e rruztalcam pelejou com 
o pularcam, que estaua na ilha, e o desbaratou e lamçou fora da ilha com 
ajuda que lhe deram; e emtrado na ilha, começou de pedir a forteleza, 
que era casa do çabayo e cabeça de rreino, que se não avia de dar a nim- 
guem ; e daly avamte lhe fizeram os vosos a guerra, e lha defemderam 
valemtemente e a vila velha. 

A mim me nam pareceo bem ajuda que deram a Ruztalcam que 
veyo sobre goa, e se me hi acertara, afauorecera ho pularcam, que es- 
tava alevamtado contra ho çabayo e nam obedecia a seus mamdados, e 
pela vemtura com noso fauor e ajuda se começara bua cousa de muito 
voso seruiço, porque este pularcam era homem aventureiro e valemte ho- 
mem, turco de naçam, e ouuera de cometer qualquer cousa gramde, se 
tivera noso favor e ajuda; e depois dele ido, conheceo ho capitam e os 
da forteleza ho erro que tinham feito. 

Este pularcam foy ho (jue emlrou a ilha, e Rodrigo Rabello com trimta 
de caualo, semdo os outros iij homeens * turcos e coraçanees a mayor parte, 
os cometeo ousadamente e os debaratou e fez gramde estrago neles; se- 
ryam perto de mill homeens os que aly morreram ; era aly ho alguazill 
velho de cananor com certos naires pêra vos servir, que levou, e pelejou 
valemtemente e decepou e matou muyta jemte ; e a sobejidam da bõa fur- 

^ Três mil homens. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 43 

tuna e omrrado feito fez a Rodrigo Rabelo desprezar os imigos vemcidos 
e desbaratados, e o mataram, como voss alteza já lá saberá; porem crea 
voss alteza que ele ho fez como bom cavaleiro, e tinha acabado muy om- 
rrado feito, se lhe deus dera a vida; e per aquy verá voss alteza, se se- 
semta de cavallo, que eu tinha nos passos da primeira vez que tomey goa, 
quiseram pelejar, se apagaram eles trezemtos turcos que primeiro entra- 
ram na ilha e a fezeram alcvamtar contra mim e a cidade, porque os se- 
tecemtos que após estes vynham nas jamgadas, todolos meu sobrinho dom 
amtonio e eses cavaleiros que com ele eram, trouxeram á espada: a ilha 
se emtrou a Rodrigo Rabelo, porque nam quis fazer a torre no passo de 
banastary, como lhe tinha mandado, e muita camtaria de goa a velha, 
que lhe já hy tinha posta, em que está toda a segurança da ilha de goa , 
porque, se emtrarem cem mill homeens na ilha e nós tivermos ho passo 
de benastary seguro, perder se am todos em toda maneira, porque ho Rio 
per todas partes he muy largo, e nam podiam ser prouidos de mamtimen- 
tos, que lho nós nam tolhesemos com ij batees; e o passo de benastary 
he cousa muyto estreita e passam per ele lijeiramente, sem lho nós po- 
dermos tolher, porque está da bamda da ilha sobre ho Rio hum outro, 
em que está hum muro velho e hua porta muyto forte e alta sobre ho 
passo e da bamda da terra da ilha muyto chãa; e da outra vez quamdo 
m entraram a ilha, se ho passo de benastary estivera forte, perdera se 
quanta jemte emtrou na ilha: aja voss alteza isto por muyto certo, que a 
chave de goa he ho passo de benastary ; ho passo de benastary nam tem 
vao, mas he ho Rio muyto estreyto. 

Depois que se este pularcam foy, ho mataram com peçonha, e ficou 
hy ho rruztalcam; vynha hy Joham machado com elle e se lamçou com- 
nosco em tempo que nos ele era bem necessareo pêra nosos avisos, e nove 
ou dez cristãos que cativaram com fernam jacome, que ele trouxe comsyguo. 

Myravcem, capitam d armada dos Rumis, elrrey de cambaya que agora 
he, lhe deu licemça que se fosse, e seu pay em sua vida numca lha quis dar. 

Item. Gomo cheguey a cochím, que soube as compitiçõees que lá 
avia na jemte de goa, mamdey loguo prouer da capitania da forteleza a 
manoel de lacerda, com que a jemte tomou mais aseseguo, e d alcaide 
mór a manoel de sousa, e da capitania das nãos do mar a diogo feman- 
dez; deixo aquy de dar conta a voss alteza as rrezões que ma isto move- 
ram, por nam culpar tamtos homeens, que tam mall oulham ho que fa- 
iem nas cousas de vosso seruíço. 

6* 



44 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Item. Chegamdo a cochim, a mim me pareceo seraiço de deus e de 
voss alteza avitar alguns males que se faziam nesta pouoaçam da vossa 
jemte e cristãos novos, e mandey apregoar que todo homem ou molher 
jemtios s afastassem da nossa pouoaçam e fose viver fora, porque, senhor, 
estas cristãas nouas tinham em sua casa x, xb e xx pessoas S primos e 
irmãaos e paremtes, sem serem cristãos, e tinham parte com elas, e ou- 
tras casas de jemtios omde os mouros de cochim vynham durmir com as 
cristãas. E asy avia hy casas que agasalhavam homeens jemtios de fora 
e mouros, os quaees tinham por oficio enganar espravos e espravas, que 
rroubassem seus senhores e fojisem; hia este feito tamto avamte, que sam 
rroubadas muitas pesoas de cem cruzados pêra cima e seus espravos fo- 
jidos, e era a mais certa rrenda que quá avia; e asy algíla da vossa jemte 
tinham parte com esas jemtias, emfadados jâ de durmir com esas cristãs; 
e em poucos dias se tornaram bem bj^ homeens * e pessoas cristãas, em 
que emtraram panicaees e homens homrrados; e creo que nosalympare- 
mos desta maneira dalguas maldades e pecados que saquy faziam, por 
omde cochim foy muitas vezes queimado e feito em cimza, e elrrey de 
cochim nos deu certa demarcaçam de terra pêra vivermos sobre nós. 

Elrrey de calecut, depois que vio que com su armada de grossas 
naaos nos nam pode fazer nojo, prouounos com armifdas de paraos, como 
voss alteza já lá tem sabido nos tempos passados; agora fez sessemta ca- 
turis em sua terra, e como as nãos de cochim vem, saem a elas e traba- 
lham polas tomar: faço agora trimta caturis, deles de voss alteza e de- 
les damtonio real, arei daquy, e creo que calecut nam pescará, nem os 
seus caturys nam navegaram; dava nos calecut muyta opressam com eles, 
porque nam ousava ho feitor de cananor mandar cairo nem mamtimen- 
tos em pagueres e paraos a cochim, que loguo nam fossem tomados; 
hiamse lamçar ao monte dely e quall quer atalaya ou parao que vinha 
de goa pêra cananor, pegavam logo com eles; e mais, senhor, estes ca- 
turis per demtro per estes Rios de cochim creo que nam leixa passar ne- 
nhiia pimenta a calecut, e asy sam boons pêra se mandarem Recados e 
avisos de forteleza a forteleza em poucos dias. 

Em cochim achey hua arca de cartinhas por omde imsynam os me- 
ninos, e pareceo me que voss alteza as nam mandara pêra apodrecerem 



^ Dez, quinze e vinte pessoas. 
2 Seiscentos homens. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 45 

estâmdo narca, e ordeney huum homem casado aquy, que imsynase os 
moços a ler e esprever, e averá na escolla perto de cem moços, e sam de- 
les filhos de panicaees e domeens honrrados; sam muito agudos e tomam 
bem o que Ihemsynam e em pouco tempo, e sam todos cristãos. 

No tempo que vim de malaca jò cheguey a cochym, me veyo híla 
carta de choromamdell de quatro marynheiros que escaparam de frol de la 
mar e foram ter ao porto de pacee, a que nós chamamos çamatora, e deste 
porto se passaram em hua nao de choromamdell e vieram ter a rraly (?), 
porto de choromamdell, e os de choromamdell lhe fizeram omrra e gasa- 
Ihado e mos mamdaram por lerra a cochim; e os mercadores de choro- 
mamdell me mandaram pedir seguro pêra suas nãos hirem a malaca, 
como soyam, e eu lhos mandey; e asy me mandaram dizer que hy estava 
hum jumquo dei rrey de malaca, que tinha Roupa dos mercadores cha- 
tins dé malaca e, também delirey, e que chegara ahy amtes da tomada 
de malaca, pedimdome seguro pêra a roupa dos mercadores, e que a 
delRey m emtregariam ; eu lhe dey ho seguro com a mesma comdiçam, 
e da parte dei rrey que a voss alteza pertemcia, fiz mercee dalgua cousa 
ao capitam do jumquo, que he chatim mercador de malaca; creo que 
sempre virá á parte de voss alteza doze ou quinze mill cruzados, e vay o 
jumquo pêra malaca; e soube como este jumquo imvernara sobre a amarra 
na costa de choromamdell e espamteime; porem, senhor, quando aqui 
he imverno, he veram na costa de choromamdell, e se hy ha ponentes, 
sam ao lomgo da costa, porque a costa do choromamdell se corre norte 
sull, e os ponentes da imdia pola msiyor parte sam oesuduestes, os quaees 
ponentes vem per cima da terra, e asy a ilha de ceilam e as ilhas, que 
tudo faz abrigo aa costa de choromamdell; os levamtes da costa sam 
vemtos sempre bonançosos, e no tempo dos levamtes vemtam nortes ao 
lomguo da costa de choromamdell. 

Voss alteza me espreve mevdamente em muitas carias sobre o trato 
de quaa, emcarregamdo mo muyto ; ho trato de quá ha mester que se co- 
mecee com cabedall e mercadarias de lá, e eu nanas vejo nas vossas fei- 
torias, as quaees estam vazias e bem varridas; e asy, senhor, querees 
que se paguem soldos, o. eu nam vejo mercadarias pêra se poderem pa- 
gar, e se hy haa algdas presas ou tomadias a mouros, esse he ho milhor 
cabedall que agora quaa tem as vossas feitorias, e domde a voss armada 
faz seus gastos e despesas e paga soldos e casamentos ás vezes, e asy 
vos vay lá algSa mercadaría deste 4)abedall, porque sam cousas que lá 



46 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

tem valia e mandaees levar, e por isso se nam pagaa das presas gramde 
soma de soldo á jemte, porque os vosos ofeciaees tomam as mercadarias 
que lá tem valia, pêra carga das nãos; e agora que já temos paz e ami- 
zade com todo mundo, tiramdo ho çabayo e calecut, nam ha by presas 
nem tomadias; e se voss alteza d8|ieja de pagar os soldos á jemte, per 
mercadarias ho podees muy bem fazer, e per outras cousas de que quá 
temos muita necessidade, a saber, panos chamalotes, armas, espadas, bar- 
retes e adargas e panos de seda, e toda diversidade de mercadaria, imda 
que malaca nos dará já disto algila cousa; e pola largueza que vossal- 
teza daa ós homeens, nam ha hy nimguem que nam folgue de tomar seu 
soldo em mercadaria, e se quá tivera cobre e azougue e o ali que dito 
tenho, nam ficara hum soo reall por pagar na imdia, porque todos ho 
querem e todos ho pedem, e voss alteza escusara fazer os taees gastos e 
pagamentos per dinheiro, e creo que se n^m perderaa nada nisso nenhua 
cousa. Digouos, senhor, isto, porque os homeens am mester de vestir e 
de comer, e nam Ih abasta seu mamtimento pêra isto ; pedem seu soldo 
e rrequerem mercadarias em pagamcmto, e voss alteza nam tem merca- 
daria ; e se alguas pessoas vos esprevem de quá que nam mamdees mer- 
cadarias, porque vèm ás vezes estar nas feitorias algua soma dela, nam 
oulham que daly a dous meses vem os mercadores e varrem tudo á vas- 
soira; e asy esses taees nam tem diamte dos olhos que, se voss alteza der 
fee a suas cartas, peraa vos tornarem logo avisar que ha hy necesidade 
delas nas vossas feitorias, que se nam pode meter neste aviso e proui- 
menlo menos tempo de três anos; e portamto, senhor, daquy avamte 
mamday gramde soma de mercadarias aas vossas feitorias, porque se 
gasta já gora muyta per todas partes, e creo que ho faz, nam vir tamta 
soma delas per via do cau*o, como soya; e manday a goa gram soma de 
cobre, por se fazerem os gastos e despezas de vossa jemte e armada per 
moeda de cobre e asy pagamentos de soldos e casamentos, porque em 
goa faço fumdamento de ser sempre meu asemto e aly ha d estar a força 
da jemte, porque temos aly carnes, pam de triguo, e ^roz em abas- 
tamça, e sam os mamtimentos mais de baratos, porque os ha na mesma 
terra, e tem valya a moeda de cobre de goa em toda a terra ; nam pase 
voss alteza por estas cousas que diguo, porque a jemte ha mester de ves- 
tir e de comer, e querem os homeens quaa andar tam bem vestidos como 
em portugal. 

Eu tenho tocado a voss alteza, nestas cartas que vos ora vam, em 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 47 

merlao rrey donor. E porque mevdamente sejaees emformado do que pa- 
sey com merlao, quamdo lhe dey a capitania das terras de goa, diguo 
primeiramente, que merlao era sobrinho dei rrey d onor, ho que vos deu 
mirjeu, e seu tio por algum descomtemtamento que dele teue, ho lamçou 
fora do rreino, e por sua morte deixou a hum seu irmão mais moço; e 
sempre ouue guerra amtr ambos, e merlao se trabalhou sempre por Iam- 
çar fora seu irmãao mais moço, por ele ser verdadeiramente erdeiro : este 
seu irmão, emquamto rreynou, ho achey muy maao homem, amigo dos 
mouros, de pouca verdade, e pagava mall a obrigaçam de mirjeu: mer- 
lao como soube que tinha tomado goa, se mandou oferecer com sua jemte 
e seus cavallos pêra vos seruir na guerra, e eu mandey por ele a bate- 
cala, da maneil*a que em outras cartas esprevo a voss alteza: chegado 
merlao a goa, veyo hum capitam com ele espedido dei rrey de narsymga, 
que se chama içarrao, homem de bõoa fama e bOoa presemça : como ho 
irmão de merlao, que emtam era rrei donor, soube que merlao era em 
goa e capitam das terras de goa, mamdou seus misyjeiros a mim, temen- 
do se que daria eu ajuda a seu irmãao pêra lhe tomar ho rreino, e sobre 
isto era ho recado que me trouxeram : ouue hy algua murmuraçam am- 
tre a nossa jemte e capitãees sobre ho escamdalo que elrrey donor tinha 
sobre en rreceber seu irmãao em vosso seruiço; eu mamdey dizer a elrrey 
donor, que agravo lhe fazia eu em rreceber bem seu irmãao? amtes es- 
perava de os meter em comcerto e em aseseguo: e agora prouue a deus 
que morreo el rrey d onor seu irmãao, homem muy mao e de muy maa 
condiçam, e socedeo ele ho rreino: a morte de seu irmão ho achou em 
Usnegar em casa dei rrey de narsymgua; foi se lá quamdo ho os turcos 
desbarataram nas terras de goa; e agora que soube que eu era vimdo de 
malaca, mespreveo de bisnegar e muytos ofiricimentos e desejos de ser- 
uir voss alteza co rreino donor e toda sua jemte e força, cheo do boom 
conhecimento da omrra e gasalhado que rrecebeo de mim ; aly me deu 
hua tripeça forrada toda douro, que foy dei rrey de narsymgua, pêra 
voss alteza, e com os pees feytos em torno forrados todos douro, obra 
muy bem feita, e porque os homees quamdo nestas partes vem alg&a 
cousa bem feita louuana, e quamdo daly vem a nacer algtla cousa que 
obriga, encomendam se a ese murmurar; e portamto folguey de merlao so- 
ceder ho Reyno donor e lhe ter feito tamta omrra e gasalhado. 

Depois de tomado goa, timoja se veyo pêra mim, e demtro em goa 
armou duas alalayas gramdes suas e me pedio licemça que as querya 



48 CABIAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

mamdar a onor, e mandou as muy bem armadas sobre chavU e tomaram 
duas nãos de chavll e levaranas com mercadaria a onor; mandey as pedir 
a elrrey d onor, dizendo lhe que eram de chavll, lugar trebutareo de voss al- 
teza; nam alargou mãao delas j'^ nisto chegam dous misyjeiros de xeque- 
driz governador de chavll, fazemdome queixume de timoja, como lhe to- 
mara as nãos e mamdara suas atalayas armadas do rrio de goa omde ele 
estava comigo; chamey timoja peramte eles; nam me deu outra rezam, 
senam que as suas atalayas nam fizeram aquilo por seu mamdado. E por 
ele já ter tomado este mesmo ano htla nao durmuz com seguro meu, por 
htla cousa e por outra lamcey mão dele; merlao que emtam hy estava em 
goa, sayo por seu fiador, e eu lho emtreguey com hum assynado seu em 
que prometia d emtregar as nãos ou me tornar timoja, e asy os deixey 
nas terras de goa quando me fuy caminho de malaca. 

Item. No começo do mês d agosto, depois de minha^mda de malaca 
em cochim, chegou um misyjeiro do rrey das ilhas de maldiva^ temdo já 
esprito alguas cousas sobre as ditas ilhas nestas cartas que ora emvio a 
voss alteza, o quall m enviou dizer, que ele queria ser vassala de voss al- 
teza e ter aa vossa obidiemcia todalas ilhas, e que ho tirase do roubo e 
opressam dos mouros de cananor: mamale e seus irmãos como isto sou- 
beram, renunciaram todos ho direito que tinham em certas ilhas que ty- 
nham tomadas por força a este rrey, a hum seu irmão que se chama içapo- 
car, e fizeram com elrrey de cananor que lhe desse nome de Rey e deulho,?< 
Digo uos, senhor, que estes mouros de cananor, se lhe nam daees hum 
boom açoute Rijo, que vos am de fazer em algum tempo alguum gramde 
erro ou cousa de que voss alteza receba gramde desprazer, afora nos tra- 
zerem sempre elrrey amomtado seno vermos, nem falarmos com ele, e 
mais sosterem calecut diamte dos nosos olhos e com nosos seguros, e 
afora seus beocos e suas soberbas em que sempre vivem comnosco ; e se 
isto, senhor, nam mandaees fazer, parece me que pêra os beocos de ca- 
nanor avees mester sempre bua bõa armada; e se eu fora mais comfiado 
em voss alteza, eu vos mandara mamale com hua mea dúzia deles dos 
primcipaees; e parece que deue voss alteza de mamdar secretamente que 
vobs leuem, e poderá ser que alguns outros semfrearám, se virem que 
voss alteza lhe quer lá tomar a comta; e mais esta empresa que agora to- 
ma mamale e seus irmãos, em se fazerem comquistadores da imdía diamte 
dos olhos de voso cs^itam jerall e de vossas armadas e de vosso titulo, 
quererem comquistar e aseohorear as ilhas; e mais, senhor, cartas tenho 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 49 

eu de Yosos ofeciâes de cananor, em que me mamdam dizer, poios mou- 
ros de cananor, que deuia de segar aquele trigo, porque nam crecesse 
tamto. 

A mim, senhor, me certeficaram como miravcem capitam dos Ru- 
rais, quamdo se parlio, espreveo aos mouros de cananor e aos de cochim; 
e os de cananor começaram loguo de fazer duas nãos de quilha, que agora 
sam acabadas; ho pêra que, nano sey; somente chegamdo eu de malaca, 
eles me mamdaram loguo hua carta a cochim, dizemdo que faziam duas 
nãos novas pêra malaca; porem elas foram começadas quando eles aleuam- 
taram amtre sy que era perdido com lod armada da imdia : mais, senhor, 
achey que cheriua mercar de cochim mandou híia nao d adem carregada 
despecearia, e tomou seguro do feitor per ela, dizemdo que a mamdava a 
vrmuz, e que com temporall fora lá ter; e cie sabe que sou eu tam boom 
piloto, que sey que nam fala verdade, porque com tormenta de levamte 
á popa avia de correr a vrmuz, e com tormenta de ponente á popa a vr- 
muz nam tinha nenhum vemto que a fezesse ir per força ao estreito, sc- 
nam por sua própria vomtade, como foy; e agora muy desemvergonha- 
damente me vinha pedir seguro pêra tornaviagem dela: cousas, senhor, 
sam estas pêra nimguem sofrer a estes mouros em lugares omde voss al- 
teza tem muy boas fortelezas, senam eu, que sam agachado e descomfiado 
'de voss alteza: digouos, senhor, que hua cousa vos he muyto necessária 
na imdia, se querees ser amado e temido nela, tomardes Rija vimgamça 
de quallquer cousa que vos estes arrenegados fizerem, e crede me, senhor, 
verdadeiramente ; e se quereès que estas cousas curem os Rex que os se- 
nhoream, nam ha hy Remedeo, porque peitam tam Rijo que acabam 
quamto querem : por amor de deus nam deixees vadear ho feito da imdia 
aos mouros; aly omde vos fizerem a maldade, aly lhe day logo a paga 
que eles bem merecem; e voss alteza me nomeará em algum tempo: nam 
fez piqueno balamço na imdia em ver a vimgamça que se tomou de ma- 
laca e a vimgamça que se tomou de goa; e as casas do çaamory e a po- 
voaçam dos mouros e suas mezquitas e suas nãos queimadas, nam foy 
pequeno espamto na imdia: muyto credito e muyto fauor deram estas 
cousas que digo, ao feito da imdia. 

AlgCla parte disto que diguo, que m a mim quaa parece vosso seruiço, 
curaria eu quá, senam tivesse receo de me voss alteza mamdar ir em tempo 
que eu nam podese curar estas chagas que abrise, e se as achar abertas 
quetn vier de supito, chamar Ih am lá quebras minhas: diguo, senhor, isto 

7 



50 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

poUo feito durmuz; pedia eu fortelezâ e asemto de feitoria e os ciistãaos 
aos mouros, e nam falava nas páreas; nam me leixou dom framcisco cu- 
rar esta chaga, c comtemtou se de rreceber as páreas, e voss alteza manda 
agora fazer fortelezâ e asemto de feitoria; esta chaga quisera eu que eles 
curaram, que as páreas certas estavam. 

Neste tempo que esta esprevo a voss alteza, a imdia amda bem revolta 
e bem desasegada (sic) com a uimda dos Rumís e perda de muitas naaos 
que hiam pêra ho estreito de mequa e pêra vrmuz, porque a mouçam des- 
tas duas navegaçõees case toda he em hum tempo, e o temporall os tomou 
juntamente naquella parajem do golpham de çacotorá; e os mouros de ca- 
nanor amdam tam empolados, que os nam pode homem amamsar, sa- 
bemdo que temos nós bõoas fortelezas e boons cavaleiros nelas, e naaos 
pêra quallquer feito: e quis noso senhor que chegou jorje da silveira, e 
com a fama de naaos e jemte e armas que voss alteza mandava, nam ha 
hy mouro que ouse de falar. 

Já em outras cartas toquey a voss alteza, como depois de minha che- 
gada a cochim mamdey a malaca duas nãos ; hia bernaldim feire por ca- 
pitam moor deles, e veyo hum pouco de temporall, estamdo sobre a barra, 
e bernaldim freire teve hum pouco de pejo d ir neles; e por lhe lá ir al- 
gua fazemda sua, me tomou a pedir samta ofemea, em que pêro mazca- 
renhaz veyo no mês de mayo á imdia, que lá mandey na mouçam do mês 
d agosto; e com a vergalta pêra partir teue ho mesmo pejo da primeira 
e leixou d ir lá: os dous navios levou deles cargo framcisco de melo, semdo 
capytam dum deles; os dous navios e agora samta ofemea levaram pro- 
vimentos pêra lá de ferro, chumbo, pregadura, emxarcia, estopa, e leva- 
ram alguns ferreiros e carpimteiros de casas pêra ho madeiramento das tor- 
res e apousemtamento da fortelezâ, e mamdo lá fazer seis galees por agora 
hum pouco mais piquenas que a galé pequena, pêra tirar de lá as nãos : 
aviam logo de fazer duas pêra a companhia da galé gramde que Já está: 
estas galees am de ser esquipadas de jaós, e sobressalemtes xxb até xxx 
homeens*; estes jaaos am de ser espravos casados, ao costume de malaca: 
e asy mandey alguns quadernaees de varar nãos, e alguns vasos e cabres- 
tamtes, nam por mimgua de madeira que lá aja, mas por poucos carpim- 
teiros e por hy aver lá menos carpemtaria que fazer, e acudir com cedo 
ás nãos nam se vam ao fumdo. 

^ Vinte e cinco até trinta homens. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 51 

Malaca nam ha mester naaos, somentes aquellas que determinardes 
de amdar do trato daquelas partes: as galees am d estar varadas em terra, 
muy atiladas e comcertadas e com suas bombardas grossas e sua arte- 
Iharia mevda, metidas em suas taracenas cubertas, pêra a guarda da terra, 
porque lá ha ladrõees, como em toda outra parte, custumados a saltear 
as terras de malaca; posto que a mim me parece, que a vossa jemte leixa 
lá tam bõoa fama de sy, que eles nam ousaram de viir buscar a Ribeira 
de malaca, como soyam em tempo dos mouros: e a mim, senhor, me pa- 
rece que por omrra e nobresa da terra nam terya menos de doze galees, 
porque remeyros nam am de falecer, da maneira que dito tenho ; e sobre- 
salemtes abastará ij^^R homeens* pêra todas doze; e malaca, por bem do 
tfiato que se ha daly demtender em muitas partes, sempre ha de ter jemte 
pêra hfia cousa e pêra a outra, e tomando asemto, pouca força ha mester 
pêra a soster e defemder, porque sempre nas cousas gramdes ha hy con- 
tradigam, e de necessidade am de tomar asemto, se sam bem defemdidas; 
e as cousas destas partes asenhoreadas de voss alteza com bõoa forteleza, 
que htla vez tomarem asemto, teloam até íim do juizo; e se ho querees 
que ho tomem, com guerra guerreada he destruiçam dos lugares e com 
peso de jemte conserva e asesega tudo. 

Ho porto de pacee e pedir nam sam mais que quamto malaca neles 
faz, nem devees deles fazer mais fumdamento que da pimenta que malaca 
poder gastar na vossa feitoria; se voss alteza quiser, com pouca força vos 
seram trebutareos, he pouca cousa de levar nas mãaos, e com piquena força 
os asenhorearees: creo, senhor, que em algua maneira vos comprirá nam 
lhe tomsymtirdes que a pimenta daly vaa dar saida em lugar omde vos faça 
nojo: a maneira que se agora terya neste caso, nana saberey eu logo detre- 
minar, porque emtra aquy ho trato e naaos de cambaya, com quem avees 
de ter amizade, e suas naaos am de navegar seguras; emtra aquy a seda 
destes portos, de que temdes necesydade, e cambaya élhe muito necesarea 
a seda destas partes e gastam muyta, e as ilhas que com ajuda de noso 
senhor estaram cedo em voso poder, também gasta muyta seda destas 
partes: as mercadarias de cambaya sam muy to necesareas pêra estas 
parles de çamatora e malaca, e voss alteza nam lhe pode dar tamta soma 
como lhe trazem as nãos de cambaya, e he necessareo deixardes lha tra- 
zer ; e seu retomo já voss alteza sabe que nam ha de ser senam pimenta 

2 Duzentos e quarenta bomeus. 



52 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

e seda e camfora; e todalas outras sortes de mercadaria que levam, de 
malaca lhe vem ; porlamto, senhor, se a bõoa paz e amyzade e trato os 
querees soster, he necessário que lhe deixees a emtrada e saída das mer- 
cadarias que dito tenho, naaos e trato, como sempre custumaram; e se 
os querees asenhorear por força, lijeira cousa he d acabar. 

Destas partes vay gram soma de pimenta a bemgala e a choromam- 
dell e he muyto barata e muita; e posto que se na terra gaste gram soma 
dela, todavia a nao que vay a bemgala e carrega de roupa bramca, açu- 
cares e pimenta de çamatora levam muytas vezes e pimenta longa, e va- 
zam per amtras ilhas e vam demamdar ho estreito, e as nãos de choro- 
mamdell asy o fazem, quamdo lhe bem vem; e portamto, senhor, digo 
que, se a pimenta de çamatora e pedir he tall, que per bem do preço dela 
a queiraees levar pêra eses Regnos, que comsyrees lá bem a maneira e 
trato que querees ter com pedir e pacee, porque na vosa mãao está ma- 
laca, debaixo de cuja detreminaçam estam todas estas cousas, e que os 
Rex e senhorees destes dous portos nam faram senam ho que voss alteza 
ordenar; amvos muy gram medo e temem vos muyto; acho os por agora 
fiees e asesegados. 

No navio samta ofemea, que agora mamdey a malaca, mamdey hum 
homem com rroupa de cambaya, que imda na feitoria de cananor estava 
da nao mery, que ficase em çamatora co esprivam do navio por esprivam, 
aos quaees mandey que fezesem a carga do navio prestes, emquamto 
chegava a malaca de breu, porque alguas outras mercadarias que o na- 
vio ha de trazer, em malaca as ha de tomar; porem a primcipall carga 
ha de ser breu, ho quall achamos quá que he milhor que ho desas par- 
tes; temos dele muita necesidade: per estes esprevy a elrrey de pedir e 
de pacee, noteficamdo lhe como voss alteza querya toda a seda deses lu- 
gares, que me mamdasem dizer as mercadarias que queryam ; e mamdey 
a Joanes, feitor das nãos dos mercadores, tornar a malaca emtemder na 
carga das suas nãos, que lá ficaram aguardamdo por ela; a este mamdey 
que decese em terra em çamatora com estes dous homeens e que temtase 
ho preço e peso da seda e as mercadarias que por ela tomaryam, e asy 
os preços, trazemdome de tudo verdadeira emformaçam, porque he ho- 
mem que ho emtemde bem: mamdarey daquy sete ou oito pesoas com 
mercadaria, que façam a compra da seda nestes dous lugares em tamta 
soma como voss alteza mamda pedir, e nam farey. outro asemto nem trato 
nos ditos lugares, até nam ver vossa detreminaçam. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 53 

A navegaçam, senhor, de malaca pêra a terra do malabar he em 
tempo que cadano polas nãos da carga podees ter recado de malaca; e 
mais digo que a nao que de portugall vier e chegar á terra de malabar 
no mês d agosto, pôde ir a maiaca, porque depôs da chegada de jorje da 
silueira a cochim partio samta ofemea pêra malaca. 

E asy diguo que a nao que carregar em malaca, pôde vazar per 
amtras ilhas de camdaluz e camdecall, e ir demamdar moçambique, ou 
por detraz da ilha de sam lourenço na mouçam das nãos que tomam a 
carga em cochim ; e as nãos que na mouçam do més d agosto ouverem 
d ir tomar sua carga, ha mester que a tenham prestes, porque he ho tempo 
curto, e as que forem no mès d abril, espaço tem que Ih abaste. 

Malaca he muyto gramde cousa, e está em lugar que, aimda que hy 
nam ouuera malaca, polo trato daquelas partes vos comprira fazerdes aly 
hua forteleza; aquentaya e afauorecêa por hum ano e dous e três e qua- 
tro com jente e nãos, pêra os senhores daquelas partem vos temerem e 
acatarem, e precurarem vosa amizade e quererem vosos tratos; e diguo 
isto, porque se faça sem guerra, e se quizerdes ter em malaca jemte que 
vola estèm comtamdo co dedo : pela vemtura nam falecerá d algila parte 
jemte que cuide que vos pode tirar malaca das mãos: e a grusura de ma- 
laca tudo pode sofrer e manter. E pêra malaca nunca falecerá j^nto que 
deseje viir a ela, tam grossa he e tam Rica, 

Pêra malaca e goa me compre quá valadores e taipeiros ; porque he 
ho momte de malaca, onde está a vossa forteleza, com hua aberta que se 
faça do Rio per derredor do monte ao mar, que he espaço piqueno, fica 
htla vila muito forte e muito bem cercada, pegada com a vossa forteleza; 
e jemtes desas partes que quá quiserem viir viver, e casados, aly será a 
sua pouoaçam : he lugar de boons ares e muitas aguas, em que ha laram- 
jeiras e limueyros e parreiras de bõoas huvas, e comias eu, e muitas frui- 
tas da terra. 

Iso mesmo tem goa necesidade de valadores pêra se alimpar a cava 
amtiga da villa velha, e ficar a mais forte cousa do mundo, e asy alguns 
pedreiros pêra se fazerem moemdas em alguns esteyros que hi estam, em 
que emtra gram peso d agua com a preamar; e malaca necesidade tem 
de pedreiros pêra obras da feitoria e da forteleza. 

Na igreja de malaca ha mester hum Retauollo d anunciaçam de nossa 
senhora e seja Rico, porque ha hy mais ouro e azull em malaca que nos 
paços de simtra; e bum pomtyfícall beno merece malaca; demascos, se- 



54 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

das e brocados, mamde voss alteza ao voso feitor que gaste bem deles, 
que em malaca se acharam em abastança : dos dous panos Ricos que aqui 
tinha esta Igreja de cochim, lhe mandey hum ; e asy orgãaos pêra estas 
igrejas da imdia pareceram quaa muy bem, porque nunca quaa falece 
quenos saiba tanger; e porque me nam esqueça, digo, senhor, que es- 
tas igrejas am mester livros missaees meãaos, porque nam ha hy senam 
podres e esferrapados, e destes muy poucos. 

Voss alteza tem goa nas mãaos, e temdes a mayor cousa destas par- 
tes pêra enfrear a imdia e a ter asesegada ; porque asy cercada como 
achey, aimda goa he tam temida que nam leixarám os rex e senhores 
destas partes precurar e desejar vossa amizade com medo dela; e agora 
deste cerqo se mostrou mais verdadeiramente as forças de vosos portu- 
gueses e de vosas fortelezas, e os turcos cheos de soberba e de vitorya 
comtra estes jemtios em descrédito ficam nos olhos de toda a imdia, e os 
portugueses em gramde estima e fama: guarday vos, senhor, de comselhos 
domeens a que a guerra emfada, porque goa em voso poder ha de fa- 
zer pagar trebuto a el rrey de narsymgua e a el rrey de daquem : lembre- 
vos, senhor, isto que vos digo, porque com ajuda de deus cedo ho verees, 
porque elrrey de narsymgua, por segurar batecala e seus portos e os Ira- 
tos dos cavalos que vam a sua terra, ha de fazer ho que vós quiserdes, 
e os turcos do Reino de daquem; e o çabayo, por segurar dabull, avos 
de dar de necesidade as terras de goa, porque, tomando lhe Dabull, ti- 
raeslhe todolos cavalos d arábia e pérsia, e jemte branca, que nam tem 
por omde emtrar no reino: afauorecêa muyto, porque asy averees as ter- 
ras de goa, que ma mim quâ parece muy lijeira cousa d acabar, e que 
de necesidade volas am de dar, porque he muy gramde renda e gram se- 
nhorio nestas partes. 

As vossas fortelezas feitas a nossa vsamça com cavas, torres e arte- 
Iharia, bem prouidas e bõoa jemte, com ajuda da paixam de noso senhor 
nam tenhaees receo delas nestas partes, aimda que vos lá digam que es- 
tam cercadas; porque, mediamte deus, se hi nam ouuer traiçam, nam ha 
hy que temer de os mouros comtraryarem vossas fortelezes e cousas de 
que vos comvem lamçar mão; nam he d estranhar cercarem nas os Rex e 
senhores a que as tomardes, e serem cercadas hfla e duas e dez vezes; 
mas a portugueses cos capacetes nas cabeças amtras ameyas nam lhe to- 
mam asy a forteleza: bem sabe voss alteza que amjediva, que he hum mato 
maninho, vieram cercar os mouros vossa jemte que hy estava; pêro da- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 55 

nhaya em çofala cercado foy de mais de xx homens * ; cananor doas vezes 
volo cercaram ; e goa, que he hua tam gram cousa, chave do reino de da- 
quem e de narsymga, cabeça de Reino, comfiamça e escora do senhorio 
do çabayo, rezam he que os turcos, que tamtos anosjuerrearam com nar- 
symga sobre ho feito de goa, tomada duas vezes de j b* portugueses* com 
tamto estrago neles, que venham com seus arrayaees sobrela e a cerquem 
hua e duas e dez vezes, e que iij*" cavaleiros^ portuguezes lha defendam. 
Eu, senhor, nam m espanto de ha virem cercar, porque me parece que 
goa ha de ser caminho pêra lamçar fora os turcos do reyno de daquem; 
e quamto mais viir apreSar sobrele, tamlo mais maa de parecer que he 
a milhor empresa que voss alteza nestas partes pode ter, porque de ne- 
cesidade ha de tomar asento com muyto voso proueyto e muyto voso ser- 
viço, porque goa remde ij'' cruzados*, e o livro que vos lá levaram, era 
feito per conselho de timoja, que folgaua d apagar a remda: as forças 
das tanadarias de goa e lugares primcípaees todos tem Rios gramdes, em 
que podem emtrar caravelas e galees nossas, e com piquenos curtijos em 
que estêm seguros trinta homens portugueses em cada tanadaria, podees 
comer os dereitos da terra seguramente; e goa nam vos gasta mais que 
vosos soldos e mamtimentos ordenados ; e cuidam os danadores das cou- 
sas de voso seruiço, porque vém pagar os mamtimentos á vossa jemte 
per arroz pacharill e nam por curzados, que he gramde gasto, e dizen o 
aqueles que fojem dela quamdo ela está cercada, e vem buscar as mo- 
Iheres mundairas de cananor e cochim. E sofro lhe eu quá isto, e poUos 
nam danar amte voss alteza os nam nomêo aquy. 

E mais, quem fez a elrrey de cambaya mamdar os vosos cristãos 
que estavam catyvos, sem lhos eu mamdar pedir? goa: e quem lhe fez 
mamdar embaxador, que comigo amda, pedir pazes, senam termos nós 
tomado goa? e quem fez a chavll mamdar dous mill pardaos de páreas 
demtro a goa, e batecala estar tam obediemte e tam sojeita a voso serui- 
ço, que nam faz nehua cousa senam ho que lhe mamdo? e agora neste 
tempo que arribou hda nao d adem carregada de canela sobre batecalla, 
como esprevy a dame chatim que tivese mão nela, logo me mandaram 
seu misijeiro, que a tinha aly prestes pêra se fazer ho que eu mamdase; 

^ Vinte mil homens. 

^ Mil e quinhentos portuguezes. 

' Trezentos cavalleiros. 

^ Duzentos mil cruzados. 



56 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

todolos mantymentos e cousas que nos sam necessareas, com muy gramde 
delijemcia sam loguo feitas: quem mefeo estes lugares nesta sojeiçam e 
ubidiemcia? goa, que está na vossa maão: e as nãos da ordenamça da 
vossa carga como vem elas ter amjediva hua e hua, duas e duas? credes 
vós, senhor, que se goa estivera em pee e em poder dos turcos e Rumis, 
que ouueram as nãos da carga fazer este caminho e viir demamdar am- 
jediva, senam em corpo e com bõoa armada? por certo nam; 3 jorje da 
silueira, que veyo soo ter amjediva, nam escapara ás nãos e armada de 
goa, a quall tomava por openiam e empresa tomar todaa nao que com 
voso seguro navegase : e mais, senhor, quem vos faz a vós seguro vrmuz ? 
goa, que está sobre batecala e sobre os tratos dos cavalos, que he a prim- 
cipall cousa que vem d urmuz: e quem tem a soberba de cananor enfreada, 
e descomflado calecut de sua detreminaçam, senam termos nós tomado 
goa, em que estava toda sua escora e comíiamça? quem metia toda a imdia 
em rrevolta e detreminaçam de se fazerem todolos mouros em corpo com 
gramdes armadas pêra nos botarem fora da imdia? goa, cabiceira destes 
bamdos : torno vos, senhor, a dizer, que folgara muito de vosa alteza po- 
der ver goa e como derribou a famtesia aos mouros, e como asesegou a 
imdia, e a maneira de que somos recebidos em quallquer porto de mou- 
ros omde chegam portugueses e mercadaria vossa: quem derribou a so- 
berba do reino de daquem, e narsymga ternos tam gramde temor, senam 
terdes lhe tomado goa, que está metido amtreles? lá, senhor, vos tenho 
esprito pel armada de gonçalo de siqeira a grandeza de goa, e como ho 
lugar, terra e porto, pêra se daly tomar a comquistar a imdia e soster 
todo peso que viese em comtrairo a ela; e Joam serram e outras pessoas 
que quá estiveram e navegaram na imdia nos tempos passados, pregum- 
telhe voss alteza como acharam mamsos os portos de cambaya e o trato 
e mercadarias dos lugares da imdia domde ha primeira nam podiamos 
aver fala ^ e dos mouros da imdia podia imda voss alteza ser milhor em- 
formado, se lho podéssees preguntar. 

Falamdo a voss alteza na jemte quaa mamdaees casar, a mim me 
parece muito gramde seruiço de deus e voso ; e a imcrinaçam da jemte* e 
desejos de casar em goa, se ho voss alteza vise bem, espamlarsya; e pa- 
rece cousa de deus desejarem os portugueses tamto de casar e viver em 
goa; e asy me salue deus, que a mim me parece que noso senhor ordena 
isto e imcrina os coraç5ees dos homeens por algua cousa de muyto seu 
seruiço escomdida a nós; e estas cousas am mester muyto afauorecidas 



QARTAS DE AFPONSO DE ALBUQUERQUE 57 

de vossdt^a e vejiadas com muyto cuidado e emparo de vosso gover- 
nador e capitam jeràll que quá tiverdes; porque certefico a voss alteza que 
traz ho diabo tam gramde cuidado derpcomtrar e danar este feito e rroer 
este enxerto que nam creça, que os mesmos portugueses e pesoas de que 
voss alteza comfiarya quallquer cousa, se trabalham de ho danar e estor- 
var quamto podem, e dar com este feito na metade do chão, com toda 
maa temçam, mãos enxempros e mãos comselhos e com toda desordem 
quamta podem ordenar e fazer; e esta he a mayor perseguiçam que agora 
quá tenho na imdiannam creaees, senhor, que hy ha homem na imdia 
nem ha de viir a ela, que lhe lembre nehíla cousa das que por seruiça 
de deus quaa mamdaees fazer, senam carregar de pimenta, furtar ades- 
tre seslo, auer tudo por vaidade e cousa de pouco proueito, senam ho que 
eles fazem pêra sy; e portamto, senhor, muy poucas pessoas avees da- 
char que vos façam moesteyros doservamcia, se os quá mamdardes fazer; 
nem casar homeens na imdia, afauorecelos e defemdelos, que vivam com 
suas molheres como cristãos ; nem que torne cristãos, e faça outras cousas 
que voss alteza quaa mamda e ordena, fumdadas em seruiço de deus: e 
digo nos, senhor, isto, porque ho vejo eu quá em alguas pessoas, que sey 
certo que vos lá am de louuar tudo, e quaa se trabalham de o danar quamto 
podem; e quero, senhor, primeiro falar em mim: eu cuido que vos syrvo 
bem em todas estas cousas de que vos eu aquy aviso, mas eu vos certe- 
fico, senhor, que eu ho faço mais com medo que com vergonha nem bõoa 
imcrinaçam. 

" E neste feito dos casados pregumte voss alteza a diogo mendez, por* 
que folgou, nes&e piqueno tempo que teve cargo de goa, de ho danar e 
desafauorecer, e deixar os homeens correr em toda desordem contra es^ 
ses casados e suas molheres, domde naceo algum mall e descomtenta- 
mento aos casados, cuidamdo que este feito era obra de minhas maãos; 
porque quaa, como se hum homem agrava de lhe nam darem muito solido 
e quintaes, delremina logo de dar com todo ho feito no chão; e Rodrygo 
rrabelo, se fóra vivo, eu tinha bem de que ho rrepremder e castigar; e 
asy ho fezeram bem mall á minha vomtade os que governaram cananor e 
cochym, no tempo que me afastey deles; nam falo aquy em outras pesoas 
qu esperam mercee e bemfazer de voss alteza, que estas cousas sempre fol- 
gam de danar. Dou vos, senhor, comta de todas estas cousas de voso ser- 
viço e vossa detreminaçam, as quaees podees prouer e fazer crecer e ir 

avamte eom voso fauor, em tall maneira que se simta na imdia, e escu* 

8 



58 CARTAS DE AFPONSO DE ALBUQUERQUE 

sarsá ho Rigor de voso capitam mor, com que comvem defemdelas e sos- 
telas; e estas coasas da imdia ham mester muyto bem apomtoadas, e 
aimda que seja lomje domde voss alteza está, muyto se semte quá voso 
fauor e desfauor, porque ho trago eu diamte dos olhos dos homeens, com 
que ás vezes faço milhor as cousas de voso seruiço, e acho me bem diso; 
e voss alteza deuia pubricamente de repremder as cousas mall feitas da 
imdia, e louvar pubricamente aqueles que as fezerem bem e com boom 
zello de vos seruir; e comvem vos fazer isto, porque vam as cousas de 
voso serviço avamte e vosa detreminaçam, porque pêra ho bem da imdia 
que he quá outro senhorio voso, outro mando e outro mundo, mais ha 
mester de vós que jemte e armas. 

As joyas que a voss alteza mamda elrrey de siam, leva as nuno vaz: 
he htla espada e hum Roby e hua copa douro, que escapou da perda de 
frol de la mar, a quall se tirou quebrada^ que depois mandey correjer; 
e na carta gramde dou larga comta a voss alteza do que se pasou com 
elrrey de syam. 

A moeda douro, de prata e de cobre e d estanho, que se em voso 
nome lavra em malaca, dela leva nuno vaaz e dela leva ho ouuidor; per- 
de se muita da do estanho em frol de la mar. Por ser fruita nova da im- 
dia, deuia a ho padre samto de Receber em oferta hum dia de sua missa, 
porque cousas sam que se devem muyto d estimar e serem louuadas am- 
tre jentes que tiverem fee: dous crises, que sam adagas dos jaós, com as 
bainhas d'ouro e pedraria e os punhos, com bocaees douro e pedraria, 
que trazia pêra voss alteza, nam se poderam salvar. 

Pêro d alpoem leva a amostra do ouro da mina de menemcabo, que 
está defromte de malaca. 

Da pimenta, que me voss alteza espreveo que se tomase a pesar pelos 
pesos de lá, demtro na torre da menagem da forteleza de cochim os en- 
treguey a cheryna mercar e mamale mercar e a todolos outros mercado- 
res peramte elrrey de cochim, que hy estava: eles o receberem sem pejo, 
pêra daquy avamte pesarem per eles, e entregaram lhe quintaes, arro- 
vas e meãs arrovas, arratees e meyos arratees, e toda outra meudeza de 
pesos. 

Eu nam emtemdo como voss alteza quá mandou ho peso novo, temdo 
a imdia criada ha dez anos em pesaf pelo peso velho, e as mercadarias 
vemdidas per ese peso e pelo mesmo peso imviadas a eses Regnos e car- 
regadas nas nãos, e todolos mercadores da imdia terem ho seu peso aleal- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 59 

dado CO TOSO peso velho; e agora com este peso novo emtra muytas du- 
uidas Deles, e vyo eu em goa, mercadores que tiveram duuida no peso; 
e as partes a que se daa algtla mercadaria, muitos s embaraçam co peso 
novo, e estam á miserycordia das cifras dos vosos esprivãees : deuia voss al- 
teza de tornar ao peso velho, como começastes de criar a imdia, e o nouo 
esto asy pêra rreceber ho cobre e mercadarias que de lá vem deses Re- 
gnos. 

Em froU de la mar se perdeu a manilha que se tomou a naboda 
begea, que esprevo a voss alteza que vos mamdo na carta gramde, e mais 
o trelado do rejimento que dey aos capitães que mandey ás ilhas do cravo; 
e mais se perdeo a carta dei rrey de siam, que mamdava a voss alteza com 
as joyas que vos lá levam, e a menagem de Ruy de bryto, posto que lá 
Ocase ho trelado no livro da feitoria: perde se o Roll dartelharia que dei- 
xey na foi-teleza, e pouco mais ou menos ho mandarey com ho caderno 
destoutras fortelezas; perde se a menagem que tomey a fernam perez d ar- 
mada que leixey, de que ho Oz capitam mor, em que lhe mandava que 
obedecesse em todo e per todo ao capitam da forteleza ; e mais se per- 
deo ho rrejimento que leixey a Ruy daraujo acerca da governamça e 
comservaçam da cidade e prouedoria de vossa fazemda e dereitos da 
terra; e asy se perdeo os rrequerimentos. Recados e messajeens de parte 
a parte, que pasey com elrey de malaca amtes de o destruir e lamçar 
fora da terra; e também se perdeo ho roll dos fidalgos e cavaleiros e 
homeens de bem que foram no feito de malaca nomeadamente cada pes- 
soa por seu nome. 

Falamdo a vossalteza no feito de diogo mendez que em goa pas- 
sou, ela he a mais fea cousa que eu numca vy ; e como já tenho esprito 
a vossalteza em outras cartas, parece costolaçam minha, que quer danar 
os homeens e fazer lhe fazer cousas feas e que em nenhum tempo do mundo 
as nam ha numca de fazer nimguem: depois de ho as galees de vossalteza 
fazerem amainar, amdamdo ele com sua jemte posto em armas de bua 
volta na outra, a mim mo trouxeram preso ; preguntei lhe porque fezera 
aquillo diamte dos olhos de quamtos embaxadores de rrex e senhores da 
imdia estavam comigo, fazemdo híla forteleza de vossalteza nos olhos de 
narsyroga e do reino de daquem, semdo acordado per comselhos de ca- 
pitães, cavaleiros e fidalgos nano dever de leixar ir a malaca, pola pouca 
jemte e fracas naaos que tinba^ sem lhe dar ajuda, os quaees conselhos 
asynados por todos levou lourenço de paiva; ele me rrespomdeo pe- 

8^ 



60 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUOUERQUB 

ramte todos, que porque ho mandara aa ilha de choram socorrela que 
a nam eratrasem os mouros, ho quall foy ele e manoel de lacerda com ou- 
tros batees e jemte: eu lhe respondy, que socorrer aas cousas de ?oso 
seruiço em guerra tam justa avia ele por mazcabo de sua pessoa; e mais 
me dise, que porque mandara aos mestres das suas nãos e contramestre* 
pagar dous cruzados a cada hum, porque foram de noutc furtar vacas a 
ilha de dyvary, e nam me dise mais ; ho ali elle terá cuidado do ho pocr 
de sua casa, como fazem os outros; os autos diso leva ho ouvidor: e por- 
que tynha já detreminado ele nam ir a malaca, por lhe eu nam poder dar 
ajuda e dar Ih a carga em cochim, quamdo os premdy, dey as capitanias 
das nãos, a fernam peres a trimdade, e a gaspar de paiva samtantonio, e 
a dom joam a comceiçam,e a caravella a james teixeira;epu8meem de- 
treminaçam diir demandar ho estreito de mequa e dy ir a vrmuz, como em 
^outras cartas digo a voss alteza: a noso senhor aprouue de fazer 1k) caminho 
de malaca, e pola demora que lá poderia fazer, eu leixey manoell de lacer- 
da com as nãos e navios d armada da imdia e com mayor parte da jem- 
te, e dioguo fernandez que havia de viir durmuz e se ajuntar cem ele, e 
as fortelezas prouidas de mamtimentos e artelharia, e tudo isto segundo 
forma de vosso rrejimento, no quall me mandastes que comprindo ir eu 
algum lugar afastado da costa da imdia, deixase híia pesoa com navios e 
jemte que guardase a costa, e prouese as fortalezas, e asy ho fiz. 

E a fazemda e nãos de dioguo mendez m as ouue por perdidas 
polo caso e erro em que cairam, e as tomey sop minha guarda e obriga*- 
çam, como cousa de voss alteza, e as gramjêo e aproueito ho milbor que 
poso ; praza a deus que sejam eles asy castigados e reprendidõs por omrra 
da imdia, que nam fique eu daquy feitor dos mercadores, mas de voss- 
âlteza; epeço uos, senhor, por mercee, que oulbees polas cousas da màisti 
que sam muito temrras e quallquer cousa piquena Ibe faz muito gramde 
dano e nojo; depois que a deus segurar como voos desejae^, enitam 
será outra cousa. * 

Ho que agora lie feito destas nãos e mércadarias, eu as levey a ím^ 
laca comiguo em sua mouçam e tempo verdadeiro de suá ida, com boons 
capilãees e seus propios esprivãees e feitores, ^as mercadarias e seu di^ 
nheiro em muy boom rrecado; e navegamdo asy, as fuy sutjit diamte de 
malaca: eles me pediram parte das presas pêra as suas nãos, eu lhe rres- 
pondy que nam pediam justiça, porque a eles era vedado per voso rreji** 
mento nam fazerem tomâdias nem presas de ceilam peraderntrò, nem 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 61 

menos eram companheiros nas despesas e gastos da voss armada da imdia, 
nem emlravam nas avalias qne armada fazia, nen os desviara de seu ca- 
minho nenos levara a outra parte per força, mas antes os afanorecera 
com armada de voss alteza e lhe fezera bOa companhia até malaca, om-* 
de eram obrigados a tomar sua carga, e que ainda lhes dezia que fos- 
sem descobrir pegn, como traziam per sen comtrato ; aa jemte dey suas 
partes. 

Oulhamdo como as nãos dest armada nam podiam ir a purtugall 
sem serem tiradas em picadeiros, dey carga á nao trimdade, e as outras 
leiíey aguardamdo pola carga do cravo e outras mercadarias por que es^ 
peravam hy cada dia; e asy as leixey, porque se nam podiam cocrejer to- 
das quatro em cochim aquele ano, polo negoceo de cochim ser todo acu- 
pado nas vossas nãos da carga e de voss armada, e mais averem de ser 
correjidas á custa de voso cabcdall, porque, se do seu se correjeram, 
nam tinham cabedall pêra tomar carga; e portanto decraro qiie o correji- 
mento das nãos vay metido narmaçam, pêra voss alteza lá ver seu dirâto 
e sua parte^ porque eles quamdo logo vieram^ foram comtentes de aguar- 
darem pola ajuda que lhe [»*omety pêra a roouçam em que fuy com eles 
a malaca. 

A mim, senhor, me pareceo que dioguo mendez como homem que 
sabe fazer ho que lhe compre, fez em goa ho que vossalteoa sabe; e pa- 
rece me que se o nam fezera, que lamçara a perder armaçam de todo^ 
porque quatro nãos, a mayor parte delas podres e que todas aviam 
mester carpemtaria e calafates, Uaçam e tavoado e pregadura^ pêra tor- 
narem a essees regnos, e que pêra isto aviam mester gramde râbedall e 
gramde despesa,^e nam se podia fazer senam em cochim e á vossa custa^ 
deíxamdo de fazer todas as cousas de vo^o serviço e de minha obryga*^ 
çam, e o negoceo de cochim nam está tam oceoso que todo ho ano nam 
tenha que fazer, e ás vezes temos muita necesidade e nam podemos a 
tudo soprír; e per estas rezOees que dito tenho, nam poderam estas nao$ 
iraportugaS em nenhíh maneira, senam des&zeremse, ou fazer mwf 
gramde demora e gramdes gastos de solido, pêra lhe cad ano poderem 
renovar bSa^ 

Mais» seahor, diguo que est armada, se a leixara ir, em toda manein^ 
se perdera, porque em tnalaca nam ouuera de poder tomar carga; tor- 
nando á paoee e a pedir a querer tomar carga de pimenta^ se lha deram^ 
quB ^ tto més de janeiro e feuereiro, fôralbe forçado ficar lá, pw nam 



62 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

ser tempo pêra viir á imdia; e ficamdo lá, fora se ho iimdo, qae lá nain 
rreconhece a maré, pêra se poderem espalmar; e mais sam nãos podres a 
muito comestas de busano ; e digo mais, que uam tomsmdo carga e vimdo 
a coGhim,Dam tinham cabedall pêra tomar carga de cochim nem pêra se 
correjerem, nem ho negoceo de cochim estar tam oceoso que ho podesè 
fazer como dito tenho; de maneira, senhor, que se me este. negoceo nam 
caíra nas mãaos como cousa de voss alteza, diogo mendez perdera em toda 
maneira est armada ; e se fojira, como levava caminho, emtam tinha mais 
certa sua perdiçam polo que socedeo em malaca, e bem asy por ele nam 
ousar de tornar a buscar ho remedeo omde leixava tam gramde erro feito ; 
e ficou me este trabalho ás costas, temdo eu tamto sobre meu pescoço, 
que sobeja per cima das gavias : lá mamdo os autos de suas culpas e ho 
trelado do seu comtrato, no quall está hum capitolo, em que me voss ai* 
teza mamda que ho leixe ir livremente, sem lhe poer pejo. E na carta 
que mele deu de voss alteza, ine mandavees que t(^a ajuda e boom com- 
seiho lhe dese ; e segumdo as cousas socederam, a mim me parece que 
deus pelejou por elle; ele s apegou ho capitolo do seu comtrato dizemdo 
que era isemto, fazendo se eiecutador desse feito, e o capitolo do seu 
comtrato he mamdarme a mim a voss alteza que ho cumpra, e nam a ele 
que ho €xuÉ[ete (sic). ! 

A rrezam que diogo mendez daa a seus amigos deste feito^ quam^ 
do ho querem culpar, diz qne quis comprir cos mercadores ; parece que 
Ih^squeceo a obrigaçam que tinha aas cousas de vososeruiço. E com tudtí 
isto, senhor, eu vos afirmo que dioguo mendez he boom homem e que 
hé avisado e cavaleiro e homem de bom comselbo; espamteirae fazer i^ 
lo, porque sempre m estranhou muy to ho feito durmuz; e mais, senhor, 
vos digo qiie he homem que^imda que cemt anos amdara comyguo nuii-* 
ca poderá rreceber desprazer de mim nem eu dele, porque fiam tem com- 
diçam pêra iso, e eu lhe tinha afeigam e amor gramde, que sempre em 
nossas praticas e comselhos achava sostamcia nele, e numca recçbydea* 
prazer dele nem ele de mim; e aimda, senhor, vos digo, qtie se o caso 
nam fora cousa que tocava tamto ao desfauor da imdia e descrédito do 
nome de vosso capitam jerall e do corpo e mamdo que nestas partes Re- 
presemta vosso nome e estado, certo eu, senhor, lho pas^a levemente. 

Verdade stá que depois que eu fuy em malaca e eie spcedeo a ca- 
pitania, em algjla maneira quis tomar vimgamça Hjas cousas ^ de voso 
seruigo e sésego e oomforto <los eoraçõees dos homeens qu& com ais atv 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 63 

mas afiam de defemder vosas consas ; e no reformamento da forteleiza e 
sostimento dela, em suas praticas e comselhos e cousas que me diseram 
que lá esprevera; e asy neses casados serem desafauorecidos, mall trata- 
dos dele ; e pêro coresma era a cabiceira destes bamdos, e prenusticador 
do que avia de ser de goa e dos casados, e do que era feito da minhar^ 
mada e jemte; e Jerónimo cernicbe e fernam corrêa desta volta e (iomse- 
Iho eram em danar todo o feito, e desta maneira cuydavam todos que to- 
mavam vimgamça de mim: eu lhes perdoo, porque nosso senhor lhe 
amostrou bem suas culpas e seus erros e sua detreminaçam e mao com- 
selho na minha ida que me levou a malaca, e cousas que lá socederam. 

Ho feito dos casados vay muyto avamte, porque casam muitos ho- 
meens de bem e muitos ofeciaes ferreiros e carpimteiros, torneiros e bom- 
bardeiros, e alguns alemãees sam quá casados; e creo, senhor, que se 
nam partira de goa, casaram aquelle ano mais de b^ pesoas^; averá 
em cananor e cochim cem casados, e em goa perto de duzentos; e estam 
tamtos criados de voss alteza e dos duques e comdes de portugall em goa 
pêra casar, que ho nam poderá crer voss alteza ; e per cartas sam avisa- 
do dos casados, em como sem minha licemça sam muitas mulheres tira- 
das de goa per alguns homeens que as tinham, porque eu nunca dey 
molher a nenhua pessoa, senão com comdicam que se a quizesse casar^ 
que lhe daria algtla cousa por ela, e que ninguém as nam tirase de goa 
sem minha licemça. 

Se pela vemtura a jemte casar desta maneira, parece me que será 
necessareo mandar voss alteza botar fora os naturaees da ilha e dar as ter- 
ras e lavoyras aos casados, porque as terras de goa nam ha património 
de ninguém, senam do rey e senhor da terra ; todolos outros lavradores 
e jemte sam Remdeiros, e por couodos Ih arrendam a terra e as aruores, 
segundo ho fruyto que daa. 

Alguns bramenes e neiquebarys sam tornados cristãos e seruiram 
voss alteza neste cerqo de goa bem e fíellmente, e cojequy, mouro quituall 
e tanadar de goa, ao quall dey estes ofícios por seus seruiços e fieldade, 
asy desta vez derradeira que tomamos goa^ como da outra, e porque era 
homem que sabia muy bem mamdar a jemte da terra, conhecela e tra* 
tala, e asy os prouimentos das cousas da terra, j^nte de trabalho e ofi- 
ciaees pêra as obras da forteleza, que tudo trazia muy Redomdo e muy 

^ Quinhentas pessoas. 



64 CARTAS JJE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

apertado oom muyta delijemcia e cuidado; se de men, tííe era 
amte voss^^teza de muita mercee e omrra; em suas obras era cristão, e 
morreo com bo nome de noso senbor e de nossa senhora na boca ; nam 
pôde ser bautizado, porque o feryram por voso seruiço e durou pouco; 
dey os oficyos a seu filho, ho quall quer ser cristão. 

Amtes da chegada dest armada em que veyo jorje de melo, eu tinha 
rrespcmdido aos maços das cartas que n armada de dom garcia vieram e 
me João serrão e pêro mazcarenhaz tinham dadas; e porque algflas cou-^^ 
sas vBm nas ditas Repostas das cartas a que voss alteza proueo pel ar- 
mada que depois veyo, saiba voss alteza que ho tempo e a necesidade 
foy causa diso : posto que a outras taees cartas já tivesse respomdido, 
foy todavia necessareo rrespomder a elas outra vez, pêra voss alteza ser 
certeficado do que era feito e comprido, e do que estava por comprir e 
acabar; e aos maços da dita armada de jorje de melo Respomderey apar* 
tadamente per sy: espríta em cochim ao primeiro dia d abril, antonio da 
fomseqa ho fez, de 1512. 

Nesta prímeyra vya vos vay hiia carta gramde, em que vos dou re- 
zam de tudo ho que fiz desde a partida das nãos de duarte de lemos e 
gonsalo de sequeira até minha tornada de malaca a cochim ; foy começa- 
da em malaca e acabada em cochim, e perdoe me voss alteza, se na mesma 
carta e modo d esprever dela me achardes nestes dous lugares de que a 
carta faz mençam que vos eu esprevo, polo gramde trabalho que he es- 
prever a voss alteza largamente, queem todo ho dia e toda a noute tem 
que emtemder em outras cousas: mando uos, senhor, também hum padram 
da ilha de goa, de dyo e da ilha do canall de cambaya, que vos prome- 
tem pêra a forteleza e seguramça de vossa feitoria ; também vos vay hum 
pedaço de padram que se tirou d fia gramde carta dum piloto de jaoa, a 
quall tinha ho cabo de bõoa esperamça, portugall e aterrado brasyll, ho 
mar rroxo e ho mar da pérsia, as ilhas do cravo, a navegaçam dos chins e 
gores, com suas lynhas e caminhos dereytos por omde as nãos hiam, e ho 
sertam, quaees reynos comfynavam huns cos outros: parece me, senhor, 
que foy a milhor cousa que eu nunca vy, e voss alteza ouuera de folgar 
muyto de haver; tinha os nomes por letra jaoa, e eu trazia jao que sabia 
ler e esprever; mamdo esse pedaço a voss alteza, que francisco rrodríguez 
empramtoi sobre a outra, domde voss alteza poderá ver verdadeiramente 
os chins domde vem e os gores, e as vossas nãos ho caminho que am de 
fazer pêra as ilhas do cravo, e as minas do ouro omde sam» e a ilha de jaoa 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE (if) 

e de baindam, de noz nozcada e maças, c a leira deirrey de syam, e asy ho 
cabo da terra da navegaçam dos chins, e asy para omde volve, e como daly 
a diamle nam navegara: a caria primcipall se perdeo em froll de la mar : 
CO piloto e com poro dalpoem praliquey ho symtir desta carta, pêra lá 
saberem dar Rezam a voss alteza ; temde este pedaço de padram por cousa 
rauyto certa e muyto sabida, porque he a mesma navegaçam por omde 
eles vam e vem: mimgualhe o arcepedego* das ilhas que se chamam ce- 
late, que jazem amtre jaoa e malaca, 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vossa allteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A ellRey noso senhor^. 



CARTA X 



1512 — Agosto 20 

Senhor. — Per pêro mazcarenhaz me foy dado hum maço de cartas 
de vos alteza, aas quaees respondcrey per capitolos apartados, por nam 
fazer gramde valumc de cartas, E pelos ditos capitolos será vos alteza 
emformado de que calidadc e sostamcia eram as cartas e asy a rreposta 
do que vos alteza quer ser certeficado. 

Primeiramente cu vy liua carta de vos alteza, em que me fazia do 
seu comselho, e eu ho Recebo na mayor mercee do mumdo e vos beijo, 
senhor, as maaos por iso, porque sey que vos alteza ho fez sem vos nim- 
guem impurlunar; seja vos alteza certeficado que eu vos syrvo tam des- 
emganadamento na imdia, que toda a omrra que me fezerdes, sam me- 
recedor dela: outras pesoas tem vos alteza que ho faram milhor, po- 
rem disto que acho quaa em mim, me quero gabar; os comselhos eu nam- 
sam pêra os dar a vos alteza, e sam milhor pêra emxecutar os que vos 
alteza poser em detraminaçam^ porque ey de fazer com delijemcia o 
bom cuydado ho! que me mamdardes, ajudamdome noso senhor. 



* A rchi pélago. 

* Torre do Tombo— C. Cbron. P. i,\ M. U, D. l\0. 

9 



6() CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Em oiilra caria quer vos alteza saber as nãos e navios que na im- 
dia avia e me ficam: diguo, senhor, que na imdia avia frol de la mar, ho 
cirna, ho rrey gramde, a rumesa; estas eram naaos da gramdura que 
vos alteza já lá sabe. 

Mais de navios pequenos: sam crislovam, samta maria d ajuda, a 
garça, outra ajuda, de duarte de lemos, ho rrosairo, samtesprilo, a ca- 
ravelinha latina e a caravelinha rredonda, ho rrey peqeno e a taforea: na 
lyvnarda nam falo, por a mandava (sic) correjer pêra se tornar com sua 
carga, como vos alteza de lá mamdou. 

Os capilãees das nãos grosas: a capitaina, frol de la mar; ho cirne, 
manuell de lacerda; ho rrey gramde, diogo fernandez; a lyvnarda, gas- 
par de paiva; e a rumesa, lopo dazevedo. 

Dos outros navios piqenos sam capitaees : duarte de melo do rrey 
peqeno; a taforea, ayres pereira; samta maria d ajuda, pêro da fomseqa; 
a caravela lalyna, symam afomso; a caravelynha rredomda, amlonio daze- 
vedo; a garça, symam velho; a outra samta maria d ajuda, a memd afomso; 
ho rrosairo, amtonio de saa; sam cristovam, amlonio de matos; samtes- 
prito, francisco sodré ; a galé gramde, duarte da silva; a galé pequena, sy- 
mam martinz. 

Com esta armada que dito tenho, e com cimqo nãos das novas de 
goa, CO as de diogo mendez, depois de em três comselhos em que detre- 
minaram todos per seus asynados que,tse fosem a malaea, que se per- 
deriam, e eu já tomado fumdamento de lhe dar carga em cochim, me 
party caminho do estreito de meqa e d adem, temdo primeiro mandado 
diogo fernandez com três nãos diamte a levamtar a fortaleza de çacotorá, 
e esperar por mim na dita ilha até meado mayo; e se aly nam fase até 
ho dito tempo, soubese que eu era arribado com tempos, a vrmoz, com- 
trairos, e que me fose aguardar a mascate : pus em caminho minha detre- 
minaçam e comselho que damtes tinhamos ávido; saimdo de goa, nunca 
tivemos tempo pêra dobrarmos os baixos de padua; vendo que a mouçam 
e navegaçam do estreito e vrmuz era pasada, torney arribar sobre goa, 
e deixey hy a livnarda, que já hy ficava por nam poder navegar e pêra 
se correjer ho rrey pequeno, samtesprito, a rnímesa, e outra nao nova 
de goa de duzemtos tonees, que imda* estava em picadeiros, as quaees 
deixey muy emcomendadas, e mestres e carpymteiros pêra as averem de 
varar em terra, e daly me fuy caminho de cochim, omde leixey ho cirne e 
todalas outras nãos e navios d armada da undia; e asy deixey jemte em 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 67 

cananor e em cochim mais da que tinha ; somente leuey a malaca frol de 
la mar e a taforea, e as iiij nãos que foram de diogo mendez, que hiam 
seu verdadeiro caminho segumdo seu comtrato, e a nao emxobregas; e 
levey cimqo nãos novas de goa e as duas caravelynhas e o brelam e as 
duas galees ; a galé peqena co a bombarda grosa que symam martinz 
nam quis tirar fora per meu mamdado em cochim, e cobre que symam 
martinz ouue em cochim ouue em pagamento de seu soldo, que carregou 
nas cabeças da galé, alquebrou a galé no mar a travees de ceilam, e lam- 
çou a cíftopa fora, porque tinha toda a lyaçam podre: salvamos a jemle 
toda, e a galé ficou aly: a taforea de podre se leixou desfazer no niomte 
em malaca; frol de la mar apousentouse jumto com pacee; e vundo aa 
imdia cuidamdo d achar armada que leyxey, rreformada, e achey ho cirne 
perdido e a lyvnarda perdida e a rrumesa e o rrey peqeno, e o Rey gramde 
queimado de podre, e samtesprito, e a nao de duzemtos tonees nova des- 
feita, que ficava em goa. Esta he a comta e despesa que achey d armada 
e nãos que leixey na imdia, nam levamdo mais que frol de la mar e a 
taforea: nam quero culpar as pesoas que este feito ficou cmcomendado, 
benos conhece vos alteza. E por os taees casos, senhor, vos digo eu, que 
voos apeguees voos a booas torrees de menajem, as quaees nam rrece- 
bem estes imoomviniemtes. 

Os capitãees que foram a malaca das nãos e navios em minha com- 
panhia sam estes: fernam perez na nao de diogo mendez, dom joão de 
Ihna na nao de jironimo cerniche, gaspar de paiva na nao de pêro co- 
resma, james teixeira na caravela da mesma companhia, bastiam de mi- 
ramda no bretam, aires pereira na taforea, jorje nunez em xobregas, de- 
nis fernandez na nao çabaya de goa, pêro dalpoem, ouuidor, na nao samta 
catherina de goa, symam damdrade na nao joya de goa, amtonio d abreu 
na nao samtiago de goa, nuno vaz na nao sam joham, que se fez em cam» 
guiçar; e achamos no Rio em goa duarte da silva na galé gramde, symam 
martinz' na galé peqena, afonso pesoa níla galeota de goa, symam afonso 
a caravela latina, a caravelinha rredomda jorge bolelho. 

Aa minha partida de malaca se quis viir dom joão de hma e ficou 
na sua naao fernam perez damdrade por capitam no mar; veyose tam- 
bém gaspar de paiva e fycou na sua nao joão lopez alvim; veyose james 
teixçira e ficou lopo dazevedo na caravela; veyose bastiam de miramda 
e ficou no bretam vasco fernandez Coutinho ; veyo se duarte da silva e fi- 
cou na galé pêro de faria, filho do comendador aluoro de faria; veyo de- 

9* 



08 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

liis fernandez e ficou na sua nao framcisco serain; veyose pêro dalpoem 
ouuidor e fycou na sua nao amlonio d abreu; veyose nuno vaz e ficou na 
sua nao airés pereira; e a nao samtiago que tinlia amtonio d abreu, ficou 
nela cristo vam mazcarenhaz ; veyose symani danidrade, ticou na sua nao 
cristovam garcees; fica na caravelinha rredomda amlonio dazevedo e na 
latina symani afomso. 

Estas nãos que aquy noméo, ficaram em malaca; as duas dos mer- 
cadores e a caravela ficaram aguardamdo por carga com dinheiro e mer- 
cadarias suas; a nao çabaya e a nao samta catherina e a caravela latina 
sam carregadas de mercadarias aas ilhas do cravo carregar de cravo : vay 
nelas por capitam moor amtonio d abreu, sota capitam framcisco serrão, 
vay na caravela latina s)Tnam afomso, vay por feytor das nãos joão freire, 
criado da senhora Rainha vosa irmãa, vay por esprivam diogo borjes, 
criado de vos alteza: partiram no mês de novembro, dous meses e meo 
amtes que eu partise; levam dous pilotos da terra e três portugueses, he 
hum gomçalo d oliveira e o outro luis botim e o outro framcisco rrodri- 
guez, homem mamcebo que quaa amdava, de muy boom saber, e sabe 
fazer padrõees; hiam bem furnecidos de mamthnentos e dartelharia, e em 
todos três navios semto e vimtomeens bramcos e vimte espravos cativos 
pêra a bomba, com muitas bamdeiras e bõoas velas e boons aparelhos, 
calafates, estopa e breu : praza a noso senhor que os qeira levar e tra- 
zer a salvamento, e com fumdamento d irem á ilha de bamdam, ilha das 
maças e noz nozcada, c dy irem espalmar a hum cabo que se chama am- 
bam, de bua ilha gramde que está quatro dias de caminho das ilhas do 
cravo; rreconhece a maré aly muito, e isto se lhe cumprise. 

As nãos e capitãees que leixey na imdia, foram estes: manoell de 
lacerda no cirne por capitam moor d armada; e a nao nova que se fez 
em cochim, fycava diogo pereira por capitam dela; ficava pêro da fom- 
seqa CO seu navio, duarte de melo co seu navio, memdafonso co seu na- 
y\o, francisco sodré co seu navio, symam velho co seu navio, amlonio de 
saa CO seu navio, diogo fernamdez no rrey gramde, que veyo no mês 
d agosto durmuz, e com ele amlonio de matos no seu navio, gaspar cam 
no seu navio; ficava a Rumesa em goa sem capitam, e a livnarda sem 
capitam, pêra se correjerem: deixey eu hum poder abastamte a manuell 
de lacerda pêra Ih obedecerem todos estes capitãees, e todos foram jum- 
tos; porém armada da imdia as primcipaees nãos delas acbéas derriba- 
das, e eu ao tempo que esta esprevo, fico com muita necesidade delas, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUOUERQUE 69 

polas novas dos Rumis c minha detreminaçam dcmlrar ho mar rroxo: se 
estas nãos se perderam no mar, nam tivera diso nenhua doi^, porcpie, co- 
mo liomem amda pelos caminhos dè voso Rejimento, toma homem ho que 
acha das mãaos de deos; mas jemte chea dóceosidade, em boom porto e 
forteleza vosa, vosa feitoria e aímazem em que ha dinheiro e fazenda, dei- 
xarem perder naaos ácimty I e se querem dizer que sam velhas, co esas 
navega homem na imdia, que se armada da imdi.% ouuer de ser correjida 
como as nãos da carga, faram mais gasto do que elas podem fazer de 
proueito; mas asy mcas rremendadas, faz homem as cousas de voso 
sermço, porque nam m entregaram nao que nam fose mais Rezam de a 
desfazer que navegar nela: dalg&a destas cousas tomaria eu ás vezes 
mais estreita a comta, sse hos homeens nam fosem tam mimosos de vosa 
alteza, e que dornfiem muy descamsados á custa da barba lomga. 

Quamto he aa soma da jemte que me fica, asy de criados de vos 
alteza como de toda a outfa sorte c diversidade de jemtes, e bem asy a 
soma dos bombardeiros e espimgardeiros que me ficam, artelhària do mar 
e da terra; todalas causas desta calidade iram em cadernos apartados per 
sy, com decraraçam do que vosaUeza quer saber. 

Per outra carta de vos alteza sam avisado dos pagamemtos que se 
am de fazer dos desembargos que vos alteza daa alguas pesoas pêra ave- 
rem nestas partes seu pagamento, os quaees vos alteza ha por bem qe 
ajam efeito depois do furnimento da carga, mamtimentos c soldos, e o 
mais que se nela contém, a quall carta logo mamdey Resistar nos livros 
das feitorias, e mamdey que sem nehua rrezam que possam dar, se cum- 
pra a detreminaçam de vos alteza; e portamto, senhor, foy boom avysar- 
desme diso, poiVjue vosos alvaraees sam cumpridos na maneira e forma 
que vos alteza mamda, asy neste caso como em todolos outros, e asy se 
fará sempre, se hy nam ouuer caso de furtuna, ou tall necesidade pêra 
que comvenha mudar comselho, e por iso oulhe bem vosa alteza ho que 
asyna pêra a imdia, que he muy lomge. 

Em outra carta me faz saber vos alteza como pêro mazcarenhaz vi- 
nha aquy por capitam, com fundamemto de sachar aquy dom amtonio 
meu sobrinho, que deus aja: pagou bem a obrigaçam que tmha a sua ley 
e a seu Rey e senhor, e todos temos; e a pêro mazcarenhaz foy entregue 
a forleleza ao outro dia despois de sua chegada, por esperarmos por el rrey 
de cochinj, e pubricamente se leu vosa carta peramte os casados da vosa 
cidade e forteleza de cochim e toda a outra jemte d armas que comigo es- 



70 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

tava, peramte vosos ofeciaees, crdigos e vigairo e el rrey de cochim com 
toda sua jemte, e lhe foy tomada per mim a menagem. 

Per outra me faz saber vos alteza em como deixa a mim a detre- 
minaçam dalguns prouimentos que alguas pesoas trazem pêra estas par- 
tes per vosa carta. Eu, senhor, vos beijo aas mãaos por esa comfiamça, 
mas crea de mim vos alteza, que emquamto achar vosos criados ou da 
rrainha nosa senhora, fidalgos e cavaleiros e escudeiros que vos quá am- 
dam seruimdo, nam ey de dar vosas cousas a outra nehua pesoa, sal- 
vante se fôr per obrigaçam que eu saiba que lhe vos alteza tem, ou per 
criaçam da senliora ilFante, que deos aja, e da senhora Rainha vosa ir^- 
mãa, e da senhora duqesa, que quá m enviam seus certos rrecados, o$ 
quaees cumpro naquelas cousas que eu creo que vos alteza ho averá por 
seu seruiço, desas cousas da imdia que sam muitas e abastam pêra todos, 
e nam sam cousas que impidam vosos rrejimentos e detreminaçõees. 

Em outra carta diz vos alteza, que alem da soma do jemjivre que 
he ordenado per vos alteza e asy canela, se aja mayor soma que aquela 
de que somos avisados : diguo, senhor, que toda forma se daa pêra s aver 
toda camtidade despecearia que podemos, porque minha detreminaçam 
he estar sempre nesta feitoria carga de dous anos e três guardada e com- 
servada e emfardelada, e o ali parece cousa de por esoarnho; c noso se- 
nhor ajuda bem a voso preposito, por sua piadade, e creo que vos alteza 
ho verá cedo per obras, pois que Ih ele aproue de uos meter malaca nas 
mãaos e todo governo e trato de ceilam pêra demtro, sem comtradiçam, 
e tirala aos arrenegados: e quamto he ao jemjivre, cada vejs averá vos 
alteza mayor soma dele, porque espertou nmyto aos lauradores dele 
precurarmos nós pollo aver, e nam duuido aver se dobrada a soma do que 
desejaes. 

Quanto á carta em que vosalteza diz acerqua da decraraçam da 
jemte e rrol dos acrecentados, e que se faça livro e asemto da jemte, asy 
do mar como da terra, com decraraçam daqueles que per vosos aluaraecs 
ouueram ho dito soldo, e asy os que quá foram acrecemtados, em espe- 
ciall ho dos finados, sobre que lá ha muita duuida; digo, senhor, que a 
ordenaç^m que está na imdia, he esta: nós fazemos cabeça primcipall do 
asemto da jemte a feitoria de cochim, e aly vem cada hum buscar sua cer- 
tidam e seu pagamento e sua arrecadaçam, e embarcaçam quamdo se em- 
bora vam pêra portugall, e àquelas pesoas que em vosas annadas rrecebem 
soldo do tisoureiro da dita armada que he tristam de gaa e esprívam am- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 71 

tonio de sousâ, pasani cadano hum caderno das pesoas a que tem feitos 
ostaees pagamentos, emderençado á feitoria de cochim, ao tempo que as 
riaaos tomam sua carga, por tall que as sobreditas pesoa» ajam finall e 
verdadeira comta do que lhe hc deuido e leue sua verdadeyra arrecada- 
çam pêra escs rregnos; e esta mesma maneira tem as feitorias de vos al- 
teza, aas quaees cadanõ mamdam estas certidOees e decraraçT^ees per ca- 
dernos aa dita feitoria» de cochim, sem a quall certidam se nam faz comta 
aas pesoas que vem doutras feitorias ou armadas. 

E tamto que os ofeciaees de cochim vêm os ditos cadernos das pe- 
soas nomeadas, vam ver ho rresisto de seu livro, e se ho acham, fazem lhe 
sua verdadeira comia e seu verdadeiro despacho, e se ho nam acham no 
livro, rremeteno a mim sem lhe darem despacho nehum^^ porque ho nam 
acham em soldo ordenado. E as taees pesoas se vem a mim rreqerer sua 
justiça, os quaees am mester muita proua, a quall he, omde servyram, 
em que armadas amdaram e em quall vieram á imdia, omde seruiram, 
se n armada no mar, ou nas fortelezas, e se sam marynheiros ou homeens 
d armas ou goremetes; e emtam lhe mamdo que me tragam certidõees de 
seus capitãees, certidam dos esprivãees dos ditos navios, e se seruiram 
em fortelezas, dos capitãees das fortelezas; am de trazer sua certidam 
dos esprivãees e feitores das feitorias, dos almoxerifes dos mamtiinentos, 
quamtos meses rreceberam seu mamtimento; e depois desta proua bem 
crara mando dar juramento aa parte, e acabada esta delijencia, lhe mando 
pasar hum aluará, que ho asemtem em soldo que vos alteza lá ordena, 
que he quinhentos rs, porque da vimda do marichall comecey eu de go- 
uernar a imdia, e a jemte que ele trouxe vinha toda com quinhemtos 
rs; e se fora no ano que vosaheza deu seiscemtos^ seiscemtos lhe dera, 
e se fora no ano qne vos alteza deu dous cmrzados, dous curzados lhe 
dera, porque nam alço nem abaixo mais ho soldo que aquele que vos al- 
teza lá ordena, nem tiro aas pesoas ho que tinham, sem voso especiall 
mandado: 

Os esprivãees d armada cadano mamdam a esta feitoria certidam 
das pesoas falecydas e do dia e era de seu falecímemto, e os ofedaees 
dos defumtos emtregam ho dinheiro dos defumtos com seus testamemtos 
ao f^lor ide cochim, e dy lhe pasam seus despachos, segumdo forma de 
vodos ntejimentos. 

Ho rrecebimemto do tesoureiro d armada nam he do dinheiro das 
feitorias, mas ho que as armadas amdam (sic) por omde quer que am- 



72 CAUTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERUOJí 

riam, que sam parcas, presas, tomadias, (^resgates de mouros, e vemda 
dalgqa mercadaria de vos alteza que nas nãos amdam por omde (|uei: que 
liimos; paga se daqi^y soldos, casamemtos, dadivas a embaxadores de Rex 
mouros e senhores que vem a mim,^e asy mesejeiros qiKuemvio em nome 
de vos alteza a eses Res vosos seruidores e amigos e áqeles que vos pa- 
gam tfobuto e sam vosos vasalos; e mamlimemtos pêra armada, e asy 
alguas cousas de qe ás vezes temos necesidade, poslo (jue das presas 
que fazemos, aquelas mercadarias que lá sam proueitosas^ sempre as 
mando aas feitorias: fiz este ofício de tesoureiro d armada, porque ache 
vos alteza sempre hiía pesoa a que se tome sempre rrezam de vosa fa- 
zemda. 

Ho livro que vos alteza mamda que vos mamdem, farseá sy daqui 
em dyamte, porque ha dous anos que nam vym a cochim, sens^m quatro 
dias que cheguey^ quamdo hy ouue deferemça no rreinar dos JRex ; sostive 
aquele que vos alteza coroou: e porque na cidade e forteleza de cochim 
ficaua jemte e náos pêra seguramça dese feito, me party logo em hua 
galé em busca darmada, que tinha amelade dela sobre caiecut e ametade 
ao momte dely, e nam soube mais a delijemcia que os ofeciaeas faziam 
no despacho da jemte e suas arrecadaçõees, comfíamdd que as cousas 
estavam ordenadas de maneira que nam podia nimguem rreceber emgano 
em seu despacho. 

Os livros que vos alteza pedee, leva os ho feitor comsigo pêra sua 
comta, porque no livro do pagamemto dos soldos da feitoria jaz Ioda esa 
decrai^açam, e se os vos alteza quer cadano pêra yer se ha hy Ojovidades 
d asemtos, ou as calidades das pesoas que vos quá sentem, e asy a certeza 
das pesoas que em voso serviço falecem, he-muy bem que ciulano vaa a 
vos alteza ho trelado do IWro da jemte da imdia e asy dos que sam fale- 
cidos, com as jnais decraraçoees que em vosa carta vem; e se vos alteza 
manda que volo levem pêra a verdadeira comta dos pagamemtos dos sol- 
dos das pesoas que de quá vam, posto que levem suas arrecadaçõees, 
ano ha hy em que se nam vay nimguem de que se fará (sic) livro, e ás 
vezes se vam dous e três; parece me que de tam pouca jemte nam se 
pôde fazer livro, porem comtudo eu mamão y rresistar' fe carta de vos al- 
teza na feitoria, e mamdo que cadano façam as ditas delijemcias dos fa- 
lecidos, que me parece cousa muy necesarea, porque por nosos ptcados 
sempre hy ha hQa ptqena de cnsta dese feito; e se algua destas delijem- 
cias vos alteza nam viir muy imteiramente compridas, saiba que nam sam 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 73 

eu na terra, e que a vos armada toma sua acitaçam (sic) e caminho per^i 
omde ha mamdaees. 

Per outra me faz vos alteza lembramça do imdio que de lá vos alteza 
emviou ; será bem tratado, agasalhado e omrrado, e naquelas cousas de 
voso seruiço pêra que ele fôr pertemcente, ho emcarregarey ; e esas cou» 
sas aproueitam quá, porque nam mataram os mouros de cananor ho 
mouro que vos alteza de lá emviou e forrou, senam porque comtou a? 
gramdezas de voso estado e a multídam das nãos que avia em lixLoa, e 
as mercees que de vos alteza rrecebeo; e imdo de cananor pêra calecut 
com esa nova, foy apagado no caminho. 

Em outra carta m avisa vos alteza do partido e mercee que vos al- 
teza fazia a framcísco pereira capitam de quilua, nam averdes por uoso 
seruiço dardes lho, e o mais que se na carta comtém: díguo, senhor, que 
eu mamdey amtonio de saldanha bua carta, com forme ho que me vos al- 
teza mamdou per rrejimento e cartas acerqua das cousas da costa dalém: 
creo que ho trelado de tudo será dado a vo^ alteza, aimda que por meuB 
pecados ho maço da segumda via, que dey a rrogo de tristam de ga a 
hum seu irmão que chamam amtam deigaa, se foy meter co maço da pri-* 
meira via, que era gonçalo de siqeira; ho quall feito, se ho vos alteza nam 
castiga, parece me, senhor, que lho ha deus de dar; porque governar 
vos alteza hSa terra de tam lomje, e averdes d estar aguardamdo poios 
rrecados do úegoceo todo e detreminaçam do voso capitam mor e gover- 
nador da imdia e homem prouer as cousas em duas nãos e três, e fazer 
esse homem hQa tam desemvergonhada maldade, creo eu, senhor, que 
oam pasará este feito amte vos alteza sem castigo, porque vos toca muyto; 
e mais bem sey que ha vosa alteza de saber a causa por que ho ele fez. 

Amtonio de saldanha mamdey prouer aquelas cousas da bamda 
dalém, na maneira que ho vos alteza mamdou, porque tinha lá três na- 
vios; e abaixo de tudo iso eu pus alguas cousas de minha casa, que me 
pareceram voso seruiço, e alé ho presemte nam tenho visto Reposta dele, 
somemte per este navio que diamte de meu sobrinho veyo, fuy certefi- 
cado que framcisco pereira nam estava bem com os de quilua e aimda 
com a jemte da forteleza, e o alcaide mor nam veyo muito comtemte dele: 
vyrá meu sobrinho dom garcia embora, que á feitura desta aimda aquy 
nam he, e mamdarey mais imteira emformaçam daqelas partes a vos al- 
teza, e comtudo farseá ho que vos alteza mamda na mesma carta. 

Em outra carta m avisa vos alteza que das especearias e drogoarías 

10 



74 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

que em vosas feitorias ouuerem e poderem aver, nam se dê em paga- 
mento a nimguem por divida que lhe devam, nem llie sejam dadas por 
preço nem per compra. Digo, senhor, que vos beijo as maaos por ese 
feito, porque ho fauor da vosa armada e do voso capitam moor e suas 
delijemcias faz dar a carga aas naaos, porque sem esta certeza nam me 
parto eu pêra nehum cabo, porque ho jemjivre que eu ajuntey em cana- 
nor, nam se deu aas pesoas que ho lâ levaram per meu mamdado ; pêra 
as vosas naaos ho busqey eu ; e nam digo mais deste feito, porque sam 
cousas já pasadas; e agora que vos alteza quer que se iso proueja, estará 
tudo a boom Recado, aimda que qem he Rey e senhor de malaca, bera 
pôde partir com seus amigos. Porém digo isto polo jemjivre, que he mao 
dajumlar a copya que vos alteza quer, por amor da guerra que temos 
com Calecut, imda que me parece que daquy a dous ou três anos se fará 
quamto vos alteza quiser, que na ilha de goa se poderá aver gram soma 
dele, porque he terra da feiçam de calecut e cananor, e faz se muyto 
boom e groso nela. 

Outra carta vy de vos alteza sobre a ida de gonçalo femandez: certo, 
senhor, ele he homem avisado, tbmou a sy este modo de viver, e algúas 
pesoas se anojam dele, e creo que os homeens nestas partes nam se da- 
nam senam se lhe homem dá azo e jeito de sy pêra iso, e ele he homem 
avisado e descreto, e se homem que a quiser, saberá ele milhor fazer híia 
maldade que os outros, porem eu ho achey sempre boom homem; posto 
que em algum tempo me fezese más obras, achava emtam em que pacer 
e amdava mais anafado; lá irá todavia ao tempo de sua embarcaçam. 

Per outra de vos alteza fuy avisado de como as nãos chegamdo ho 
porto de cochim ou cananor, omde quer que tomavam suas cargas, era 
logo toda jenle em terra: certo, senhor, quaa me pareceo muy mall feito, 
e já alguas vezes avisey ho alcaide mor de cochim e capitam de cananor 
que tall cousa nam comsentisem ; e posto que a imdia estee hum pouco 
erofreada, todavia ho boom custume sempre he bem que se faça pêra ficar 
em vso, porque se nós tivermos imigos aa porta que tiveram bõoas galees, 
creo eu que nam tomaram sua carga sobre hum estrem, e hum cão que 
ladra a bordo, como aas vezes eu sey que estam, e nam omde eu estou; 
porem farsa ho que vosaheza mamda, com mayor cuydado, imda que os 
homeens de quá sam muyto mimosos de vos alteza, e eu os trago muyto 
mais, pola necesidade que deles t^nho, e portamto pasam aas vezes por 
estas cousas folgadamente, posto que fiqem avisados por mim. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 75 

Na seda que me vos alteza toqua em outra carta, digo, senhor, que 
doje avamte, com ajuda da paixam de noso senhor, quamta quiserdes po- 
derees aver, porque toda a de çamatora está em vosa mão e toda a dos 
chios e toda a durmuz: ho preço da durmuz nam crea vos alteza que a 
faraçola de lá vali em vrniuz a trimta serafms, como a eu da outra vez 
comprey pêra vos alteza, posto que ha faraçola durmuz he em peso fara- 
çola e meia de cochim, pouco mais ou menos; nem ho aljôfar e perlas va- 
lem ho preço por que as lá comprey pêra vos alteza, porque cojatar até 
fim do juizo ha descurecer as cousas durmuz, porque he muito avisado e 
muito temido, e pode o fazer: a seda dos chins vali a faraçola em malaca 
a catorze e quimze curzados, e case toda he bramca, he ho bahar de qua- 
tro quintaes; a de çamatora vali a façola (sic) a seis curzados e a sete, he 
ho bahar de quatro quintaes: lá levam a vos alteza amostra de todas três; 
a de que se vos alteza mais comtentar e lá se fezer mais proueito, se mam- 
dará quamta camtidade dela quiserdes, porque as vosas nãos da orde- 
namça que vosalteza ouver por bem que cadano vam carregadas de pi- 
menta do malabar pêra os chins, nam traram outra mercadaria senam 
seda, ouro e Ruibarbo, porque os jumqos de malaca amdam já gora em- 
voltos cos chins, e vam lá e vem, e nam he navegaçam tam lomje como 
vos lá fazem entender, amtes he muito perto caminho, senam estes imi- 
gos da fee sempre folgam descurecer todalas Riqezas da imdia: esprita 
em cochim a xx dias d agosto: amtonio da fomseqa ha fez, de 1512. 

(Por lettra de A/fonso de Albuquerque) feytura e servydor de vosa 
allteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A El Rei noso senhor *. 



CARTA XI 

1612— Agosto 20 

Senhor. — Per Joham serraam me foy dado hfla carta gramde em 
capitolos apartados per sy, ho quall aquy rrespomdo em cada capitolo per 
sy a vosalteza. 

^ Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.*, M. 22, D. 66. 

10* 



76 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Item. No primeiro capitolo me faz V. A. lembramça do que me tem- 
des esprito sobre çacotorá, e asy alguas rezõees que vos moveram, por 
omde parece voso serviço alevamtarse de todo. Digo, senhor, que pelas 
mesmas Rezõees que V. A. daa e pela dila forleleza ser pouco pròueitosa 
e obrigar a muito, eu mamdey alevantar a dila forteleza e rrasar pelo chão, 
e trazer alguas molheres cristãas e asy outras pesoas que se quisesem viir 
por sua vomtade, e mamdey a este feito diogo fernandez com três nãos, 
pêra maver hy d esperar, com fumdamentp demtrar ho mar rroxo e de ir 
imvernar a vrmuz, e lhe mamdey que m aguardase até meado ho mês de 
raayo, e nam imdo, que me fose aguardar a vrmuz, e nam chegamdo eu 
a vrmuz, pedise as páreas e se viese embora; e elle fez tudo com muy 
boom recado e boom cuidado, e como pesoa de que se deue comfiar toda 
cousa, e V. A. ho deue de ter ne ta comta, e deve d aver prazer de a 
vosa guarda roupa criar hum tam boom homem e que tam bõoa conta 
sempre quaa deu de sy e dos carregos que lhe pus nas mãaos. 

Item. Per outro capitolo diz V. A. que a forteleza dé cochim e ca- 
nanor sejam sempre bem prouidas de mamtimemtos. Digo, senhor, que 
cmquamto eu aquy amdey sobre as forlelezas, sempre elas tiveram boons 
payoes, e agora que vim de malaca, asy mesmo as achey bem providas; 
e asy mesmo a de goa bem socorryda foy das outras fortelezas e de vos ar- 
mada e capilaêes que nâ imdia deixey, e bem defemdida aos mouros; ver- 
dade stá que os capitaees de cochim e cananor sam ás vezes mais comfia- 
dos do que eu querya, porem tudo se poerá a muy boom recado co ajuda 
do muy alto deus. 

Item. Per outro capitolo diz V. A. que a forteleza de cochim vos 
parece hum pouco pequena e de pouco gasalhado. Digo, senhor, que asy 
mo parece a mim, e portamto com muita delijemcia mamdey logo fazer 
hua cerqua pêra a bamda domde varam as nãos, á maneira dalbacar, a 
quall vay já em bõoa altura; vayem quadra hum pouco perlomgada pêra 
omde estam as nãos, e vem emtestar no muro da mesma forteleza, de ma- 
neyra que os cubelos da forteleza guardam a forteleza e os lamços do al- 
bacar, porque os corre a artelharia de lomgo a lomgo; faço lhe hua porta 
pêra ho mar e outra pêra as nãos, e faço lhe dous cubelos nos dous cam- 
tos que vay pêra a bamda das nãos; ey de fazer cimqo naves de casas ao 
travees deste albacar, com as portas pêra a bamda do mar ; as quatro sam 
pêra as mercadarias, e hfla he pêra ho almazem ; e os mamtimentos faço 
fumdamento de os alojar demtro no apartado da forteleza em payoees : 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 77 

estas cimqo naves am de ser de call e camlo, cuberlas de chumbo, e de 
demtro muy bem obradas e muy bem lavradas, e parece me que nam ha 
menos mester, se nesta feitoria ouuer d acudir todalas mercadarias do rre- 
torno das vosas feitorias, como quá fazemos fumdamento, por bém da 
carga que as nãos aquy am de viir sempre tomar, e aimda me parece pe- 
quenas estas quatro naves, porque a carga de malaca, que aqui ha d estar 
deposito de Ires anos, faz gramde valume, porque vem emfardelada; e a 
carga demxobregas nem no castello nem fora dele nana podiamos aver 
agasalhada, tam gramde valume faz : faço fumdamento de fazer a torre da 
menajem desta forteleza pegada no mar, no b«'iluarte que está sobre a 
porta do castelo, ho quall baluarte tem hum soo sobrado ; creo que vyrá 
asy desta maneira muy formosa a forteleza, e as feitorias e mercadarias 
que nela estiverem, estaram muy guardadas e muy seguras, e co ajuda 
de deus, doje a dous anos seram bõoas pêra ver a riqueza que se nelas 
achará de todas partes; e fica asy a forteleza desta maneira que dito te- 
nho, de bõoa gramdura, e ho corpo e cerqua dela primeiro fica por 
apartado. 

Em outro capitolo diz V. A. que eu vos tinha esprito ho fundamento 
que linha de me ir ajumtar com duarte detemos. Digo, senhor, que eses 
capitãees e cavaleiros que em minha companhia eram, vos diram como 
me pus cm caminho com vosa armada e detreminaçam de comprir ho que 
vos tinha esprito: trouueme noso senhor a goa e me desviou dese cami- 
nho ; nam sey dar outra rrezam de mim, senam que as cousas- de deus á 
lhe homem d obedecer e tomalas por milhor, porque vimte nãos de cas- 
telos davamle que ficavam em goa e em camguiçar, e goa que nam lei- 
xava já liavegar nehfla nao com voso seguro, nam era pêra desimular e 
leixar este feito detrás das costas; e pois que a noso senhor aprouue de 
s acabar, tomaya por cousa muy gramde das mãaos de deus e por cousa 
muy primcipall pêra a impresa da imdia, e nam digo mais, porque ela 
dará testemunho de sy. E quamto a mais vir contrariada dos imigos, 
tamto mais m esforço a dizer que s acabou hum dos mayores feitos e mais 
proueitosos da imdia que V. A. podia desejar: prazerá noso senhor que 
a comservará e defemderá de seus imigos, e que aqueles que a agora 
guerream, ela os fará imda vosos trebutareos. 

Em outro capitolo diz V. A. que se façam quamtas presas, mall e 
dano que se poder fazer em todolos lugares e nãos que se demtro no 
mar Roxo acharem: certo, senhor, minha temçam bõoa he nese feito, e 



78 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

bem sabem os mouros dâ imdia que lhe nam ey de criai* os filhos^ e aque- 
les que sam de guerra e me caem nas mãos, de maravilha am de toroar 
a sua lerra : demtro do estreito ha ilhas em que pescam gramde camti- 
dade d aljôfar, sam piquenas e Ricas; e chegamdose aa costa dos abexms, 
está dalaca e outras ilhas Ricas, em que hy ha bem que Roubar e tomar, 
porque estas seu ofício he comtinuadamente resgatar ouro dos abexins. 

Em outro capitolo diz V. A. que se asemte trato cm zeila e bar- 
bara em maneira que seja mais voso serviço. Digo que, levamdome lá 
noso senhor, se fará ho que mais voso serviço for ; porem eu querya que 
os mouros nos visem milhor arreigados na imdia, pêra nos averem por 
vezinhos e nam por ospcdes e caminhantes, e emtam Receberyam milhor 
vosos tratos e nos dariam suas mercadarias e tomariam as nosas ; e nam 
pase V. A. por isto que vos digo, porque esta he a cousa que vos mais 
dano tem feito a vosos tratos e a vosas mercadarias, porque ho tenho eu 
quaa visto por esperyemcia; como nos melhorámos em algum lugar, logo 
nos recebem milhor nosos tratos e companhias, vemdas e compras com 
eles ; e somos já gora mylhor recebidos em seus portos com a tomada de 
gòa: e calecut qeno manteve ele até gora em sua emganosa delremina- 
çam, senam cuidar que avemos nós de deixar a imdia e que os Rumis 
nos ãm de botar fora dela, e os mouros, que escurecendo seus tratos e 
suas mercadarias, que nos emfaremos (sic) e que nos iremos? e nam rece- 
bem nehua opresam de lhe tomarem hua nao, nem dez, nem vimte, nem 
trimta; todo seu feito está em asenhorearem ho mar da imdia, como soyam, 
e ser todo ho negoceo da imdia ajacemte a eles sem comtradiçam, como 
era da primeira, e mais am por pecado tratarem comnosco, vemderemnos 
as suas mercadarias, desfazermos ho trato de mequa e sua roniarya. 

Per outro capitolo me diz V. A. que asemte paz com toda a terra 
do malabar, tiramdo calecut, salvamte se rreceber as comdiçôees que V. 
A. apomtar. Digo, senhor, que toda a terra do malabar está dasesego 
comvosco e rrecebe vosos tratos e mercadarias, e asy ho farya calecut, 
se V. A. pêra iso dése lugar. Esta guerra de calecut nam vejo proueito 
que dela se syga, pois que nam determinaees de ho asenhorear; e aimda 
dii7a, que se lhe querees tirar ho trato de meqa, que com paz e trato 
com ele sobre ho jemjivre, em que tamto vay, ho podees fazer milhor 
que com a guerra ; e se lhe querees fazer a guerra, seja de verdade e 
metei lhe hua vila de madeira demtro na metade do seu çarame e arra- 
salo todo por terra, porque nam vy cousa em calecut de força; e hoiaque- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 79 

eido parece açoute de deus, porque eu nam vy duzemtos naires, e vy os 
cemto deles estirados aas portas dei rrey, e ho governador da cidade com 
alguns caimaaees; e ho noso desbarato foy desemparo, que deliraram hy 
dez ou dozeliomeens decepar; alguns outros que faleceram, eradejerote 
que nam quis volver com seus capilãees, nem lhe lembrar a obrigaçam 
qué tinham; a jemte solta que amdava por esa cidade a Roubar e osnai- 
res a rroubar, na casa omde sacertauam, os mais venciam os mais pou- 
cos, e os naires que daly arremcaram comnosco, que nos vinham la- 
drando detrás das costas, seryam sesemta até setenta, e via hir dyamte 
mim hum corpo de jemte de quinhentos ou seiscentos horaeens, sem ne- 
hum deles pregumtar por seus capitãees mores; e quamdo volvy da di- 
amteira, omde hia com minha bamdeira, dizcmdo me que pelejava ho ma- 
rychall, nam chegou comigo oníd estava ho marychall senam a minha ban- 
deyra e diogo fernandez; acabou aly a minha bamdeira, que levava gon- 
çalo qeimado, valente homem de sua pesoa; asy, senhor, que nam vy 
força em calecut pêra que Ueixees de lhe pormos as mãos, quamdo man- 
dardes de verdade; e se a querees destruir per guerra guerreada, ha 
mester hQa armada acupada sempre sobrela, e armada da imdia nam he 
tam gramde que se posa dela faser dous corpos: porem se me V. A. s(í- 
gurar dos arrufos dei rrey de cochim e de cananor, ós quaees nam qerem 
ver esta paz, porque ficam caimaees de todo, a mim me parece que eu 
averey todo ho jenjivre de calecut sem trato nem asemto, e lhe tolhierey 
toda a navegaçam de meqa; e metendo me neste negoceo, com ele per- 
derá ho medo que vos tem, e receberá forteleza de vos alteza, porque a 
meu ver el rrey do calecut ha tam gramde medo de vos alteza, que lhe 
parece que nam quer vos alteza trato e forteleza em sua terra senam pêra 
ho destruir, e ajuda o a isto ser homem em que ha pouca verdade, e pa- 
rece lhe que lha nam falará nimguem, e poso lhe aver todo ho jemjivre 
sem comfiar dele hum homem; porem he necesareo que, se vos derem 
todo ho jemjivre de sua terra, que lhe deixees viir os mamtimemtos a seu 
porto, e fique sempre em aberto cada vez que V. A. lhe quiser pôr as 
mãos, e nam perderees tam gramde soma de proueito, se ho jemjivre lá 
tem esa valia que dizem. 

E diz mais vos alteza que asy mesmo asemte com malaca: ela oam 
quis rreceber voso trato nem asemto, e cuidou que nam éramos homeens 
pêra ousar de pôr ho pee em terra, e mais que su armada que fez, nos 
desbaratariam ; e se fez forte em terra e comfyou que a raouçam que vi- 



80 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

nha cedo, nos lamçâría fora de seu porto, e amdou sempre comnosco em 
pomtos, e fezeram nos sempre oitocemtos homeens, e eu creo que nam 
éramos mais jemie bramca: prouue a noso senhor e a nosa senhora que 
nos deu vitorea comlra eles: despois de muitos requerymentos e protes- 
taç5ees que lhe fiz, e ho desbaratar hua vez e tornar lhe a largar a cidade 
sem dano nehum, nunca quis vyr a coiticerto ; e ho negoceo de malaca 
me pareceo cousa ordenada por deus, porque nam souberam comservar 
seu estado com muyto dinheiro que tinham, nem com trato e asemto de 
V. A., que lhe tam bem vynha, nem com força de jemte e artelharia, 
temdo gram soma delia. 

Per outro capitolo diz V. A. como gaspar da imdia metera quá em 
Yso tomarem os mercadores mercadarias fiadas, e pagarem em pimenta. 
Digo, senhor, que gaspar da imdia sabe milhor fazer seu proveito quá 
nestas partes que ho de vos alteza, porque uosos ofeciaees começaram ese 
negoceo, e vay agora em tam gram crecimento poios preços que as vosas 
mercadarias tem em cambaya, naqueles lugares e portos daquela costa 
omde tratam, que tomaram das vosas mercadarias quamtas lhe quiserem 
dar, e todavia se lhe dá gram soma dela, mas he com boom temto; tem 
lá agora esta valia, porque das mercadarias desta sorte que soyam entrar 
na imdia per via do cairo e nam vem; V. A. saberá lá ho que isto he: 
esprita em cochim a xx dias d agosto, amtonio da fomseqa ha fez, de 
1512. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor *. 



CARTA XII 



1612— Setembro 30 



Senhor. — Asy como as cousas da hndia sam governadas per noso 
senhor, asy amostra a vos alteza ho sam e verdadeiro comselho nas cou- 
sas de quá, porque armada que leixastes de mamdar a malaca e estano 

i Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.*, M. i% D. 64. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 81 

veyo aa imdia, e asy as outras nãos, jemte e armas, vieram a tempo em 
que a imdia amdava Revolta e desasesegada com a vymda dos Rumis, e 
as primcipaees nãos da vos armada de quaa da imdia derrybabas, como 
per outras cartas mevdamemtè tenho esprito a vos alteza, e a milhor jemte 
que tinha e as nãos novas de goa ficarem em malaca e eu soo em cochim 
com emxobregas, e em goa cimqo navios piqenos e a nao nova que se fez 
em cochim, toda esta jemte, navios e forleleza, sem nehQa arma nem 
lamça: chegamdo est armada, nãos e jemte e armas Iam cedo e tam im- 
leiras, e asy a errada vyajem de meu sobrynho, que pareceo misteryo de 
deus, fizeram a imdia tam mamsa e tam asesegada, que nam ouue hy 
mais nehum Rumor nem aluoroço, nem mouro que ousase de falar em 
vimda de Rumis: eu abaley logo com lod armada caminho de cananor, 
deixando os cofres e feitores das nãos em cochim Recebemdo sua pi- 
memta em casas, e fazemdo suas cargas, em tall maneira que tomamdo 
aas nãos, em quinze dias podesem todas tomar sua carga cada hua per 
sy, sem aver hy mais pejo, nem cousa que as detivese, e este impito dos 
Rumis, se vyessem, apagalos em tall maneira que nam tornase nehum de- 
les a sua terra. 

Tamto que for em cananor e a vimda dos Rumis segura, vyrá neste 
tempo a nova de malaca, e as nãos tornaram tomar sua carga, que será 
meado outubro; e o que agora poso dizer a vos alteza da detreminaçam 
em que fico, he ter dyamte dos olhos adem e vrmuz por cousas muy ne- 
cesareas, e de necesidade se averem d acabar: nqso senhor sabe ho que 
será mais seu seruiço, e "omde quererá emderençar meu preposito e minha 
detreminaçam ; e o pejo que neste caso lynha, que era desfalecimento de 
pesoas domeens pêra os taees carregos e ajuda minha pêra os taees fei- 
tos, fora estou dele, pois que vos alteza acudio em tempo e com taees fi- 
dalgos e cavaleiros, e com taees nãos e aparelhos de guerra, que tudo se 
deve de cometer; e a noso senhor Ihaprouue d amostrar vos a necesidade 
que a imdia tynha e o feito de malaca que tinhamos nas mãaos, e o mais 
pêra que comvinha socorro e ajuda de vos alteza: esprita em cochim a 
XXX dias de setembro de 1512. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor *. 

» Torre do Tombo.— C. Chron. P. 1.*, M. 12, D. 12. 

li 



82 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA Xm 



1612— Setembro 80 

Senhor. — A mim me diseram quaa que vos alteza tinha hum cas- 
telo de madeira que abastaria pêra cinquoemt omeens ou sesemta; terey 
era mercee a vos alteza mamdarmo, porque he cousa muito necesareo 
pêra logo segurar quallquer cousa de que quiserdes que lamcemos mãao, 
e daly em diarate lavrar se a forteleza, ou quallquer outra obra que com- 
prir, porque já por vezes me vy em gram necesidade diso ; e aimda pêra 
quallquer lugar que comprir destruir se de todo, nam ha hy nehfia cousa 
tam bõoa como he meter demtro hum castelo de madeira, pêra dy ho 
poer per terra, e levamtar ho castelo de madeyra, se comprir leixalo, e 
pêra quaeesquer outras cousas piquenas e gramdes omde comprir ter cim- 
quemt omeens ou sesemta: todavia mo mamde vos alteza, porque asy em 
malaca, vrrauz e em goa sempre vy dosposysam e cousa em que me fora 
muy proueitoso; portamto vos beijarey as mãaos todavia me viir, e se a 
deus aprouver, eu ho terey milhor gramjeado do que qua foy a vila de 
madeira que quaa mandastes; e venha muy comcertado, e mestre dele 
que ho sayba comcertar, com ho armemos, e nam seja muito gramde : 
esprita em cochim a xxx dias de setembro de 151 2. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allleza 

Afomso dalboqucrque. 

(Sobrescripto) A elRey noso senhor *. 



1 Torre do Tombo— Gav. 18. Maç. 19. N.« ÍK. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 83 



CARTA XIV 

1612— Outubro O 

Senhor. — Os capitãees da soyça chegaram per deiradeiro na nao 
conceiçam, e asy alguns homeens de bem cabos d esquadra e fez me vos al- 
teza a mayor mercee do mumdo, porque mayor medo ey no desarramjo 
da jemte a pee quaa nestas parles, que em cometer quallquer feito, e 
quamdo homem achar hum corpo nas cosias, mais confiado poerá as 
mãaos á obra: sam muy bons homeens e eu os traio homrradamemte, e 
trabalharey por lhe aproueitar com as migalhas da imdia; fazem trezem- 
tos piques, cimquemta besteiros e outros tamtos espimgardeiros, e esta 
he a detreminaçam em que agora ficamos. 

Item: senhor, acerqua das nãos da carga que estano vieram de por- 
tugall, e asy as de do m garcia, eu tomey por fumdamemto de irem estano 
a vosa alteza xxxbiij quintaes* de pimenta e drogoarias, que poderiam 
alojar as cimqo nãos novas ; e porque a nazaré estava hum pouco duvi- 
dosa, se poderia a carga seguramente tornar nela, eu mamdey a iso mes- 
tres, pilotos e carpimteiros ajuramemtados, e polo que neles achey, me 
pareceo voso serviço nam se avemturar a carga nela e que seria milhor 
ir em htla nao nova, pois que a nazaré era nao que de necesidade avia 
de levar mill e quinhemtos quintaees de carga menos que a primeira, de 
maneira que ficava em sete mill e quinhemtos até oito mill quintaes, que 
pouco mais ou menos carregam as nãos novas: fica também saní pedro, 
porque de htla bamda e doutra Rompeo liames no monte que pôs em 
moçombique. E fica samta maria da serra, nao que poderá muy bem 
aguardar ho ano que vem : a nazaré fará de três caminhos hum, ou irá 
com mercadaria a malaca, ou com pimemta a vrmuz, ou com carga des- 
pecearias a moçombique no mês de feuereiro: esta he minha detremina- 
çam ao presemte, ho que depois socederá, deus ho sabe ; e se pela vem- 
tura as cousas de goa e malaca socederem como homem espera em deus, 
e que me nam obriguem, ao estreito com ajuda da paixam de noso se- 

> Trinta e oito mil quintaes. 

11* 



84 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

nhor espero d ir. E com esta jemte da ordenamça, semdo noso senhor 
em minha ajuda, nam ey por nada adem, nem judá, pêra lhe deixar de 
pôr as mãaos Rijo. 

Item: pêro mazcarenhaz tomou juramemto nos samtos avamjelhos, 
que ele lhe ficara ho alvará de suas quimtladas na casa da imdia, e so- 
memte no caderno vynha seu soldo. E porque vy a jorje de mello trazer 
quimtladas e soldo, parece me que deuia de ser asy: emtam lhe mamdey 
carregar estano aquele que lhe coube de seu seruiço, e ele me deu hum 
asynado de sua mãao, que nam semdo verdade que ele tinha tall aluará, 
que a pimenta fycase por vos alteza, e neste caso tall sempre deuia de 
viir mais decrarado, pêra homem saber ho que avia de fazer, posto que 
já nam venha caderno de quimtladas. 

Item : as quintladas imdia ficam agora nesta maneira: a todo homem 
que nam he voso criado, nam se carrega quimtladas da vimda de gom- 
çalo de Siqueira pior diamte, mas paga se aquele ano segumdo forma^ de 
voso mamdado, e aos vosos criados carregam lhe aquele ano; e estano 
desta carregaçam pagam se lhe suas quintladas, e aos piãees nem a nehua 
outra pesoa nam se paga mais nehuas quintladas, porque vos alteza m es- 
preveo, dizemdo que os escudeiros averiam dous cruzados e os piãees 
averiam quinhemtos fs, e os degradados nam averyam soldo, e que huns 
nem outros nam averiam quintladas. E porque vos alteza nam falou na 
paga dos três anos, como tinhees ordenado, fiz fumdamemlo que se lhe 
nam avia de pagar mais tempo que estano aos vosos criados e o pasado 
a eses piãees e jemte mevda; e os capitãees somente ficam agora com 
quintladas, asy os das fortelezas como os das nãos, e algua outra pesoa, 
se tem alvará de vos alteza agora novamemte; os navios que dou com as 
mesmas quintladas que os outros trouxeram de portugall, as am de mim: 
e foy boom começar vos alteza laa ese negoceo das quintladas, porque os 
Recebem os de quaa com menos escamdollo; porem as quintladas atrás 
da vinda de gomçalo de siqueira, as que sam deuidas se carregam aos 
homeens e mais nam: esprita em cananor a ix dias d outubro de 1512. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A ElRey noso senhor*. 



1 Torre do Tombo— G. Chron. Part. 1.* Maç. 12. D. 13. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 85 



CARTA XV 

1612 — Outubro 11 

Senhor. — A mim me pareceo voso seruiço fazer com elRey de ca- 
nanor que todavia tirase este seu alguazill de cananor e posese outro, e 
creo que se muito tardara en o fazer, que mouuera d obrigar a mais, por- 
que ele tem três cousas pêra nam poder deixar de ser; a primeira he 
pouco siso, a segunda he ser amigo dos mouros, a terceira he ser muy 
gram tirano e cobiçoso; e trazia nos tam Revoltos e tam cheos de desase- 
sego todolos moradores de cananor e a forteleza, que parecia que agora 
novamente começávamos dasemtar na terra; e chegamdo a cananor mam- 
dey falar a elRey, elRey duuidou de ho fazer; emtam fiz huns capitolos 
comtra ele, os quaees sam estes. 

Item: primeiramemte, que ele tomara toda artelharia, pimemta e ou- 
tras cousas muitas das naaos que se perderam nos baixos de padua, e 
nan a qerya tomar. 

Item: que matara arevollo, por ser servydor de vos alteza, e vosos 
oficiaees da feitoria e capitam da forteleza confiarem muito delle. 

Item: que mandara matar hum mouro que lá foy n armada do viso 
Rey, que vos alteza quaa tornou mandar, por dizer que vira muitas naaos 
e jemle em lixboa e outras gramdezas de vos alteza. 

Item : que nam leixava viir nehum mercador tratar a vosa feitoria 
nem falar ao capitam e moradores da forteleza, sem sua licemça. 

Item : que matara ho natury primcipe de cananor com peçonha, por 
ser servidor de vos alteza. 

Item: que calecut navegava todo cos seguros que Ih ele vemdia e 
pedia na forteleza, em tall maneira que ho arroz era mais de barato em 
calecut que em cananor. 

Item: que era muito liado com mamalle e com outros mouros que 
nos querem mall, em tall maneira que se nam fazia na terra senam ho 
que eles mamdavam e queryam; e como hy avia novas de Rumis, nam 
vemdiam pam na praça aos portugueses. 

Item : que avemdo fres anos que nam viera a cananor, temdo lhe 



86 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

vos alteza feito muita mercee e eu dado dadivas, boom trato e gasalbado, 
chegamdo agora a cananor achara a cidade toda despejada, como jemte 
posta em algua maa detreminaçam, ou detreminada em ajudar os Ru- 
mis. 

liem : que tinha destruido pocaracem voso seruidor e o nam leixar 
viver por ser voso amigo. 

Item : que tinha destruido ho alguazill velho, por vos ir senjir a goa 
com jemte, e telo ençarrado em casa com naires que ho guardavam. 

Item : que mamale se fazia comquistador das ilhas com seu fauor, e 
que el rrey de cananor per seu comselho dera ho nome de rrey das ilhas 
a hum irmaao de mamale. 

Item: que as naaos e mercadores durmuz eram Roubados e mall 
tratados deles, semdo lugar de vos alteza. 

Item: que ele e mamalle fezeram hua armada de muitos paraos e 
jemte, e se foram em busca dos Rumis, que deziam que vynham ao lomgo 
da costa, estamdo eu em malaca, e goa cercada de mouros ; e daly toma- 
ram as nãos d urmuz per força d armas sobre meu seguro, e os fizeram 
viir a cananor por força. 

Item: que hum guzurate seruidor de vos alteza e de vosa forteleza, 
com seu medo de ho nam matarem, como fizeram aos outros, se tornara 
em espia c descubi-ydor de todos nosos segredos, e hum seu sobrynho, 
que premdera nese mar, e Ih achara muitas espimgardas, que levava pêra 
os mouros, e como levara pólvora, emxofre e salitre aos mouros que fa- 
ziam a guerra a goa. 

Item : mais em tempo do governo deste alguazill cercaram os mou- 
ros a forteleza dei Rey noso senhor per seu comsimtimento, e lhe fizeram 
a guerra ele e eles, sem aver hy causa, podemdo ele estorvar com seu 
oficio, e no mesmo caso foy mais culpado que os mouros ; e agora p&r 
derradeiro fuy avisado pela molher e filhos de cojebequy, que estam pre- 
sos em Calecut, que nos querya tornar a tomar a forteleza, quamdo me 
vyo fora da imdia. 

Mostrados estes capitolos a el Rey, alguns deles confesou, outros 
negou, c a outros deu alguaa escusas e rrezõees em defesa do seu algua- 
zill, escusamdose nan o tirar, porque he homem mole e governado por 
ele: quamdo vy que todavia ho querya ter, lhe mamdey dizer, que em 
quallquer terra do mundo omde ouuese justiça, nos dariam hum juiz sem 
sospeita, que emtendese em nosas deferenças, e que todavia nos devia de 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 87 

dar outro, vemdo como este era comlrairo a voso seruiço e cheo de todo 
desasesego; e peramte hum seu esprivam que lhe este rrecado levava, 
mamdey dar juramento dos samtos avaamjelhos aos vosos oíiciaees e ao 
capitam da forteleza, que mais nam Recebesem ho alguazill demlro na 
forteleza, nem fizesem mais comcerlo com elle, nem compras, nem vem- 
das, nem preços de vosas mercadarias, nem lhe Requeresem cousa ne- 
huua ; e quamdo algíía cousa comprise, que ho fosem falar a el Rey ; e 
asy lhe mamdava que nam desem seguros a nãos de cananor, e abastava 
navegarem sem seguros, pois que vos alteza asy mamdava; e asy lhe man- 
dey que nam comprasem ho jemjivre a cananor, e lhe fiz logo peramte 
ho esprivam dei Rey quaremta seguros pêra os pagueres de calecut, di- 
zemdo que quem trouxese ho paguer carregado de jemjivre beledy, lhe 
dava lugar que fose caregar d arroz: quamdo el Rey estas cousas vyo, em- 
tam me outorgou pôr outro alguazill. 

Amtes disto chegamdo eu a cananor, me veyo ho alguazill ver e 
mamale, e outro seu irmãao que fizeram Rey, e eu mamdey chamar os 
capitãees e oficiaees de vos alteza, e peramte eles dise a mamalle e ao 
alguazill, que qe dereito tinham eles nas ilhas pêra fazerem seu irmãao 
Rey, e como ousava mamale de se fazer comquistador, sabemdo que se 
chamava vos alteza comquistador das imdias? e pregumteilhe que direito 
era ho que tinham nas ilhas? Respomdeme mamale, que hum gramde 
homem se alevamlara comtra ho Rey das ilhas, e que ho Rey das ilhas 
lhe pedira socorro e que ele lho dera, e que emlam lhe dera certas ilhas; 
e eu mamdey emtam chamar peramte mamale ho misijeiro do rrey das 
ilhas, ho quall se mamdava meter á vosa obidíemcia e emtregar as ilhas 
e senhorio delas a vos alteza, e que ho livrase do poder dos mouros de 
cananor: ho misijeiro lhe dise que ele tinha ho Rey fora de sua pose e 
tomado as ilhas por força, e agora ho qerya lamçar fora e fazer seu ir- 
mãao Rey, e que as ilhas que lhe dera, fora porque ho tiveram Retevdo 
em cananor, e polas opresõees que lhe faziam, e nam por sua vomtade. 
Dise emtam mamalle, que ele tinha cartas diso, e que fose elrrey de ca- 
nanor juiz diso; e eu lhe rrespomdy, que el rrey de cananor era jemtio 
e que as ilhas eram de mouros e que os naires nam navegavam, nem el 
rrey era juiz desa causa; e que nam divera ele de dar nome de Rey a 
seu irmãao, nem comsymtir comquystar as ilhas a mamalle, vemdo voso 
poder e força na imdia, e semdo esa vosa obrigaçam e voso senhorio ; e 
mais lhe dise, que eu lhe mamdava de vosa parte, que de demlro de 



88 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

cimqo meses tirarem sua jemte e seu governador das ilhas, e deyxasem 
el Rey isemto com todo seu poder e mando, pois se fizera vasalo de vos al- 
teza e viera á vosa obidiemcia; e que se algum direito tinham nas ilhas, 
fosem rrequerer sua justiça diamte de vos alteza, e que pasado ho tempo 
que lhe aly limitava, soubese certo que cousa sua que se achase nas ilhas, 
se nani daria vida ; e mais que lhe emtregava ho rrey das ilhas vivo da 
parte de vos alteza e lhe dava voso reall seguro, e semdo caso que ele 
Recebese algum Revés ou comti adiçam em seu governo e mando, ou polo 
mesmo caso lhe fose feita algua imjuria ou morte a sua pesoa, que ele 
fose obrigado a dar comia diso, a quall lhe ser)^a tomado per mim muy 
estreita: e mais lhe dise, que vos alteza mandava aly fazer forteleza, e a 
navegaçam de malaca nosa avia de ser por aly comtinuadamente, que se 
decesem de sua errada famlesya. 

Dito isto, ho irmãao que se chamava Rey das ilhas, começou de tra- 
tar comigo, dyzemdo que ho fizese Rey e que ele terya as ilhas por 
vos alteza; eu lho nam outorguey, nem me parece voso seruiço, por ser 
perto de cananor e mostrarem ter dereito nelas, e terem sempre ajuda e 
fauor de cananor pêra quallquer' maldade que quiserem fazer, e asy polo 
outro ser Rey de direito e viii* á vosa obidiemcia, sem ter outra ajuda, 
nem favor, nem socorro, senam a que lhe vos alteza der, o quall dará 
todo âmbar a vos alteza cadano e todo cayro que vos for necesareo, e 
alguns panos Ricos das ilhas; e mais nam navegará per hy senam qem 
vos alteza ouuer por bem, nem se dará lugar a nãos que naveguem do 
golfam de ceilam pêra demtro, senam aquelas que levarem vosos segu- 
ros, e estará ho cairo das ilhas todo em vosa mãao, que se nam dará se- 
nam a quem vos alteza mandar. 

Outra pemdemça tive com ho alguazill: a comory se foram vemder 
certos cavalos de vos alteza, e os mouros vemdo que começávamos de tra- 
tar neles, peitaram Rijo a el rrey de comory, em tall maneira que diogo 
pereira se veyo sem dinheiro e sem cavalos : soube eu que era hum mi- 
sijeiro dei Rey de comory a cananor com dinheiro comprar cavallos, e 
mamdeilhe socrestar ho dinheiro, e quamdo vym a cananor, fojyo ho mi- 
sijeiro dei rrey de comory e deixou ho dmheiro: pedy ao alguazill que 
me mamdase emtregar ho dinheiro ao feitorado vos alteza, rrefusou de ho 
fazer, dizemdo que avia de pagar primeiro xx fanões ^ a manp^ato, emttw 

^ Vinte mil fanões. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUEROUE 89 

lhos fiz pagar e emtregaram RíJ fatiões * ; e o alguazill me dise qufe lhe 
mamdase primeiro pagar Ix fanões^ que lhe deviam do jemjivre, e eu 
lhos mamdey logo pagar, e àsy eratregou os Rij fanoees que se em co- 
morym tomaram dos vosos cavalos. 

E porque me parece que estes mouros de cananor e este alguazill 
amdavam hum pouco danados, pelo trato e companhia que estes vòsos 
oficiaees tmham com eles, e ho afulavam e fauoreciam em todo mall, lou- 
vamdolhe suas maldades, temdo pouco cuidado de minha obrygaçam, 
mostramdolhe como vos alteza cria muyto nele e que nam avia dir á mãao 
a cousa que ele fizese, e outras mevdezas ncsle caso, que vos eu, senhor, 
nam esprevo, por omde eles qeryam fauorecer suas omzenas, e mais os 
mouros quamdo am mester fauor, peitam logo Rijo; eu mamdey aos vo- 
sos oficiaees, que mais nam tratasem seus dinheiros e fazemdas com os 
mouros de cananor, nem tivesem mais imtelijemcia com eles que aquela 
que fizesem a bem de voso trato, sô pena de perderem tudo ho que lhe 
asy fôr achado, seus oficies e ordenados, e que poderyam tratar per sy 
em outros lugares: e asy lhe dise, que bem sabia eu que poios seus tra- 
tos e omzenas e por seu dinheiro estar efh poder dos mouros de cananor, 
sabiam eles nosos segredos, e lhos descobryam e praticavam todas nosas 
cousas com eles; e os traziam cheos de samdices e d alvoroços, que vy- 
nha outro governador, e que este que vos alteza quaa tinha nam era boom 
e que ho avia vos alteza de mamdar de quaa ir preso em ferros, e que 
goa nam valya nimygalha, que ha avia vosalteza de mamdar derribar, 
que gastava muytos mamtimemtos; acomselhamdo ho alguazill e a ma- 
male ho que aviam desprever de mim a vosalteza, afauorecendo os com- 
tra ho capitam da forteleza, dizemdo que era posto por mim e que nam 
tinha poder, nem mamdo, nem autoridade, e outras cousas que quá ha 
na imdia e danam muyto: tudo isto que asy esprevo a vosalteza, pasa 
asy na verdade ; e os mouros de cananor e todolos lugares de mouros 
desta terra nehua cousa desejam mais que ver nos fora de goa, porque 
goa todolos tem apertados na mãao. 

Ho asemto que se nisto tomou, he este: elrrey de cananor me mam- 
dou outro alguazill, homem de linhajem amtreles, boom homem e de 
boom saber, e mo mamdou entregar, que fizese tudo ho que lhe eu mam- 

^ Quarenta e dois mil fanoes. 
^ Sessenta mil fanoes. 

12 



90 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

dase; eu ho rreceby omrradamente e lhe dey alguas dadyvas, e ho mam- 
dey omrradamente a sua casa, e desistio demtender no feito das ilhas, 
asy naquelas de que lhe mamale dava a Remda, como naquelas em que 
mamale tinha sua jemte; e mamdey logo soltar jemte das ilhas, que ti- 
nha tomado em hua nao de cairo, que viera sem seguro, e lhe mandey 
dar hum seguro a hum homem primcipall deles que tinha cargo de certas 
ilhas, e lhe mamdey que nam obedecese a mamale, nem aos seus mam- 
dados, senam ao Rey que está á obediemcia de vos alteza: ho outro al- 
guazill foy logo fora de cananor; e se lhe isto fizera quamdo ele deu lu- 
gar que os mouros cercasem a forteleza, e veyo com eles em pesoa, nam 
nos trouuera tam Revoltos cadano; e os mouros de cananor andam hum 
pouco mais asesegados, e os vosos servidores foram mais fauorecidos, 

E asy mamdey a todolos vosos oficiaees de cananor, que nehum não 
fose tam ousado que mais dése seu dinheiro a ganho aos mouros de ca- 
nanor, nem tratasem com eles suas fazemdas, nem tomasem companhia 
em suas nãos; que de fora poderiam fazer seu proueilo, tratar, comprar 
e vemder, como lhe per vos alteza era dado lugar. 

Depois disto tudo mamdey a jorje de melo que fose ver el rrey, e 
foy lá com muyta jemte, e omrradamemte el rrey os Recebeo, e com mui- 
tos oferecimentos, mostramdose sem culpa dos erros do seu alguazill, e 
mamdou a içapocar, irmão de mamalle, que leixase ho titulo das ilhas ; e 
os mouros em gram quebra e derribados, de verem ná metade dos seus 
olhos tirar lhe ho alguazill que eles traziam criado de sua mãao: esprita 
em cananor a xj dias d outubro de 1512. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa aJlteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor. 

(In dorso por lettra coeva) dafonso dalboquerque de xj dias d ou- 
tubro 1512 sobre o de cananor e ilhas. 

Pêra elRey ver pêra o que ha de responder aos embaixadores — 
vista *. 



1 Torre do Tombo^C. Chron. P. 1.*, M. 22, D. 96. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 91 



CARTA XVI 

1612— Outubro 18 

Senhor. — Agora me parece que querees pagar á imdia ho que voft 
ela merece, que he jemte e aruias que lhe faça tomar asemto e asesego 
sem guerra, e que se acabem muitas cousas de voso seruiço e o que de- 
sejaes, sem nos aventurarmos tamtas vezes: e sabe vos alteza ho que fez 
esta jemte e armas que mandastes? de todolos lugares mespreveram lo- 
guo todoUos Rex e senhores muylos oferecimemtos, mais com medo que 
per suas vomtades, e tudo está asesegado, ho que damtes disto nam era, 
com a nova da vinda dos Rumis, aquall praga creo que nam sayrá da 
imdia cadano, atá que nam entremos ho mar Roxo e que descomfiemos 
estes arrenegados de aver hy Rumis, e a imdia asesegue e nam faça fum- 
damento de sua vymda: calecut está de todo despovoado, todo ho fato e 
gemte se foy á serra. 

As armas que vos alteza mandou, deixo de dizer o gramde seruiço 
que foy voso; mas aimda, senhor, fizestes niso seruiço a deus, porque eu 
vos juro pola verdade que sam obrygado a dizer a vos alteza, que na im- 
dia averya amtes da chegada destas armadas mill e duzemtos homeens, 
deles em malaca, deles em goa e em outras fortelezas, e amtreles nam 
avia trezemtos homeens armados, e ametade deles sem lamças, e na vosa 
armada nem nas vosas fortelezas somente húa arma, nem lamça, nem 
piqe; e esta he a verdade. Agora, senhor, nam ha homem que nam tome 
de muito bõoa vomtade dous pares de coiraças sobre seu soldo, se lhas 
quiserem dar ; lamças e espadas, que amtre nós nam avia, também as to- 
mam d^ muy bõoa vomtade sobre seu soldo, porque já hy nam avia ne- 
hua espada amtre nós portuguesas, senam eses traçados deses mouros, 
de maneira, senhor, que era hua cousa pyadosa de ver: fartay, senhor, 
a imdia d armas, e dayas sobre ho soldo á jemte, porque nam Recebem 
diso nehum escamdollo, antes certefico a vos alteza que os metem em 
desejos de fycarem quaa: e certo, senhor, ho que vos esprevo na reposta 
do maço d armada de dom garcia, nam foy senam com muita Rezam, por- 
que vya malaca em voso poder, qué fonte das especearias e Riquezas 

i2^ 



92 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

destas partes e chave da navegaçam do estreito, e goa, que he freo de 
toda imdia e seguramça de toda a navegaçam das naaos de vosa carga, 
escapola primcipall das mercadarias que vam pêra ho regno de narsymga 
e pêra o regno de daquem ; e nam ver jemte nem armas pêra as segurar 
e comservar, pêra tomarem asemto, e ver vos mamdar armadas á imdia 
sem jemte e sem armas, tiramdo vos alteza hum milham douro, parecia 
pecados meus, que ordenavam darem algum açoute em minha omrra. 
Deixo aquy, senhor, de dizer durmuz, que está no ar, sem Receberdes 
dela nehuni proveito senam as páreas, e adem e outras cousas gramdes 
da imdia, as quaees, como tiverem vosas fortelezas no pescoço, pôde vosa 
alteza durmir muito descamsado, porque, quy aja alguns Rebates e al- 
uoroços de povo ou jemte que venha sobrelas, nam am d ousar doulhar 
a vosa forleleza, como estiver em ordem; e como hfla vez tomarem asemto, 
ano de ter pêra sempre: e deste feito deue vos alteza de ter menos Receo 
que nehum outro que posa sobrevyr á imdia. 

Pode vos alteza isto ver per goa, que nam ousou ho idalham, filho 
do çabayo, de vyr sobrela, porque conheceo os portugueses da primeira 
vez que nola ganhou, e sabia que se nos cercasemos, que nam nos avia 
de poder ganhar a forteleza; e estes turcos sam homeens que mais tra- 
balham por comservar ho credito e sua fama que nehua outra jemte que 
tenha visto, e desimulam muitas cousas, por nam Receberem qebra; man- 
dou hum seu capitam ás terras de goa, ho quall emtrou a ilha, porque 
me nam quiseram crer meu conselho, nem cumprir meu mamdado em se- 
gurar ho passo de benastary, e creo que tudo pecou de falecer Rodrigo 
Rabello: afavorecey, senhor, muito goa, porque ela vos ha de fazer os tra- 
tos da imdia chãos, e os Rex da terra muyto mamsos. 

Pois vos alteza nos proueo bem d armas, provede nos de panos pêra 
nos vestirmos, porque tudo tomará a jemte sobre seu soldo: esprita em 
samtamtonio avamte batecala, a xbiij dias d outubro de i512. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vossa allteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A ellRey noso senhor*. 



1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1/, M. 10, D. 113. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 93 



CARTA XVn 

1612— Outubro 86 

Senhor. — Frey Joham alemão veo ha Imdia com lamtos carreguos 
que nom pudia deixar seruir bem vos alteza, e no esprituall e temporall 
sempre trabalhou por vos mercer mercê, e ha muitos aproueitou sua ca- 
rydade: foy na tomada de goa e de malaca»e em todoUos feitos depois 
de sua chegada que se na Imdia fezeram por voso seruiço; e neses es- 
pritaes e doemtes foUgou sempre de fazer obras de seruiço de deus e de 
vos alteza, e cousas que alguns homes somenos delle nom fezeram. E por 
elle ser pesoa que seu oficio fez sempre bem, e na guerra sempre se acer- 
tou nos primeiros ; e no comselho palavras de pesoa que deseja voso ser- 
viço; e posto que elle viese delegido ha cochym, por elle ser pessoa de 
que me mais podia aproueitar n armada, lhe Rogey que hamdase comi- 
guo, porque elle mostrou sempre quá gramdes desejos de seruir vos al- 
teza, como elle por obra, asy em goa como em mallaca e em cochym. E 
poUo achar ás vezes mais perto de mim nos tempos de necesidade, lhe 
dey sempre comta de meus malles e pecados, e lhe tenho alguum amor 
e afeiçam, como ha meu padre esprituall e seruidor de vos alteza: elle 
vay llá; por hua necesydade que lhe sobreveo de cajam mais que doutra 
cousa, me pedio Hcemça e eu lha dey; se quá tornar em meu tempo, fol- 
garey muyto com elle: esprita em samtamtonio caminho de goa aos xxb 
dias de outubro 1512. 

(Porjettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A elRey noso senhor*. 



1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.*, M. 12, D. 22. 



94 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA XVffl 

1612 — Outubro 26 

Senhor.— Per htla carta de vos alteza vy ho que me mamdaees acer- 
qua domeens que se lamçam cos mouros, e o seguro e perdam que lhe 
vos alteza mamda e daa: eu, senhor, tenho tamanho cuidado de nestas 
cousas e em outras que sam serviço de deus e de vos alteza seguir vosa 
detreminaçam e temçam e desejos, que sempre me trabalho polas fazer 
quamdo vejo lugar omde as poso empregar: alguns que se lamçaram no 
Rio de goa sam tornados, e outros que cativaram com fernam jacome, a 
mayor parte deles se vyeram com joham machado; os que se lamçaram 
em tempo de diogo memdez, amtes que eu viese de malaca se tornaram 
alguns, e dous deles se tornaram arrepender outra vez ; os que se lam- 
çaram em minha estada no Rio de goa me dam alguas Rezõees que foy 
causa do que fezera, tudo lie maas pregaçõees e maas praticas que ou- 
uem a quen os mamda. 

A todos estes dey seu soldo do tempo que lá amdaram e lhe mam- 
dey dar algúa cousa pêra seu vestir; aos que imda lá sam, lhe tenho 
dado seguros e lhe mamdo agora noteficar ho voso perdam. 

A maneira de que estes homeens, senhor, sam tratados amtrc os 
mouros: como hy ha guerra, estes turcos que acapitoneam a jemte, aas 
pamcadas os fazem pelejar na diamteira, por omde alguns deles já per- 
deram a forma do sayo; tem nos em muy pouca comta e nam lhes dá nada, 
quer se vam, quer se venham; amdam soltos e livres e dam lhe soldo; e 
os vosos capitãees outro tamto lhe fazem, tiramdo as pamcadas; e pêra 
jemte que nam tiver fee nem temer a deus, he a milhor calaçarya do 
mumdo, e se a ley ho premetise, em comselho seryá eu de lhe nam da- 
rem seguro, porque eles como lá sam, arrependem se logo e sabem que 
tem ho seguro certo cada vez que ho mamdarem pedir; e portanto muy 
desemvergonhadamente vam e vem per esa estrada caminho dos mouros : 
esprita em samtamtonio caminho de goa a xxbj, dias d outubro de 1512. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor *. 

* Torre do Tombo — Gav. 15. Maç. 21. N.° 18. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQDERQCE 95 



CARTA XIX 

1618— Outubro 30 

Senhor. — Eq mamdo a vos alteza per Joham serram as cartas que 
me espreverara os homeens que cativaram em adem no bargamtim de 
duarte de lemos, e parece me, segumdo ho que v y pelas cartas, naquelas 
partes ha nova que ho soldam faz fumdamento da porta do estreito e 
d adem; e mouros que de lá vieram, esta nova trazem comsygo, e adem 
se teme deles; e a mim sempre me pareceo que eles nam careceryam 
deste comselho, e creo que nas minhas cartas pasadas eu toquey a vos ai* 
teza nesta cousa, como homem asombrado diso, e esta causa me»moveo 
a fazer ho caminho do estreito, quamdo me noso senhor volveo ao cami- 
nho de malaca: este feito he mais danoso do que pode sobrevir á imdia^ 
porque afora cerrarem ha boca do estreito e terem força nela, fazemdo 
asemto em adem, nos meteryam em gramde despesa e obrygaçam, e as 
nãos dos mouros navegariam com as especearias ousadamente, e a imdía 
tomaria tarde asemto. Três judeos que agora vieram do cairo, esta nova 
me comtaram e mais me diseram que ho soldam mamdara pedir cem mill 
serafins ao xeqe d adem e que lhos nam quisera mamdar, e o soldam lhe 
tomou a mamdar dez mill frechas e cem arcos e hila arredoma de bal- 
semo, dizemdo que com aquelas frechas e arcos ho avia de matar, e 
aquela arredoma de balsemo era com que avia de abalsemar seu corpo. 

Asy , senhor, que a mim me parece que eu devo d acudir a este feito 
este ano Rijamente, aimda que alguas cousas da imdia ficasem em pem-^ 
demça, porque, senhor, posto que malaca fiqe com bõoa forteleza e bõoa 
armada e bõoa artelharia e boons cavaleiros, todavia he cousa fresqa e 
ha mester quente e prouida com minha pesoa e com armada que ha vaa 
aqueptar e afauurecer; e goa, senhor, cousa fresqua he e bem contra-* 
riada, como cousa primcipall e danosa pêra os mouros, e cortou toda a 
esperamça do ajuntamento dos mouros da imdia, porque dela se fazia 
cabeça primcipall deste ajuntamento; he cousa que afavorece muyto noso 
credito na imdia, c também ha mester armada e jemte que ha au!pm% 
alaa que tome asemto, que pêra a forteleza ela está de maneira qne^ m 
nam fose semteuiça de deus sobre nosos pecados, nam pode eonper p^^ 



96 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

rygo nehum, que venha todo daquem sobrela; e deixamdo eu a imdia 
tam asesegada, agora que vim de malaca, com a nova dos Rumis acheya 
muy Revolta: ora vede, senlior, que serya terem nos em adem por vezi- 
nhos, afora ho credito que tem nestas partes. 

Portamto minha detreminaçam he, ajudamdome noso senhor, em- 
trar ho estreito estano, posto que tenha poucas nãos e muyto em que 
emtemder, e fazer ho que me parecer voso serviço e o que noso senhor 
ouuer por bem; e a jemte nam he tamta na imdia como vos alteza cuida 
pêra este feito, se fose necesareo defemderlho com força de jemte e ar- 
mas, porque malaca jemte acupa e goa, e nam ha mester que lha tirem 
por hum ano ou dous, ataa que se façam tam mamsas como cochim; e 
amtes que este caminho faça, me parece que será a nova de malaca co- 
migo: e como já per outras cartas esprevo a vos alteza, esas nãos que se 
lamçam através na Ribeira de lixboa, milhor se viryam elas quaa desfa- 
zer sobr este feito ; e com pouca custa as podiam quaa trazer, porque ao 
presemte esta he a mayor necesidade que tenho, por achar as principaees 
nãos d armada da imdia todas derribadas por culpa domeens que vos 
nam querem servir na imdia senam como meus compitidores, poios mi- 
mos e omrras que lhe fazees: aperte vos alteza isto na mãao, porque he 
hua das cousas que vos mais nojo quá faz, e nam se faz isto omde eu 
estou presemte, porque todalas cousas estam a direito, mas como volvo 
as costas, husa cada hum de sua comdiçam, e eu ey poucas vezes des- 
prever a vos alteza os erros dos homeens, mas todo bem que poder, guar- 
damdo verdade. 

E pêra este feito d adem e do estreito nam sam pouco acusado dos 
capitãees, cavaleiros e fidalgos, que leve as naaos da carga comigo, dam- 
dome asaz Rezõees pêra ser muito voso serviço fazello, mostramdo que 
ha carga nam se perde, mas tomando adem e a porta do estreito, se se- 
gara a carga pêra sempre, e que as nãos podem levar sua carga ho ano 
que vem; e posto que meste parecese boom comselho, porque sam desta 
cativa comdiçam nas cousas de vosa fazemda e voso proueito, alargar ás 
vezes a mãao por se dobrar por outro cabo, ho nam ousey de fazer mais 
que baqueias que quaa ficam, polas Rezõees que dito tenho em minhas 
cartas. E o que mais ao diamte soceder até partida das naaos da carga 
pêra portugall, ho espreverey a vos alteza largamente; somente digo ho 
que até feitura desta carta se pasa na imdya, e minha detreminaçam em 
que estou. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 97 

Torno vos, senhor, a lembrar que temdes as mayores duas cousas 
da imdia nas mãaos, goa e malaca, e que hafauoreçaees ha imdia por 
três anos com jemle e armas e nãos, pedreiíos, ferreiros e carpimteiros 
e todo ho aparelho de se fazerem bõoas forlelezas, e tirar vos á deus de 
muytas sospeitas e duuídas, que vos cada dia am de ir da imdia, e das 
duuidas que lá ha em alguas pesoas das cousas da imdia, que ás vezes 
darám a vos alteza mayor descomtemtamemlo das cousas de quá: nam 
tema vos alteza os gastos dos soldos e mamtimemtos da jemte, porque 
deus volos dá quaa, como já tenho esprito, e tornem me a mim os cabe- 
daees que em vosas feitorias estam ganhados pela vos armada e as espe- 
cearyas e mercadarias que vos lá vam ávidas desta maneyra, e eu paga- 
rey ho soldo á jemte: a grusura da imdia he muito grande cousa, e se ho 
peso da vosa jemte e armada todolos gastos que faz tirase das vosas fey- 
torias, vos alteza saberya ho que se quaa despemde á custa alheya; nem 
he nada duzentos mill cruzados, de que se podem pagar quatro mill ho- 
meens, pois que a mercadaria que vos alteza mamda levar, vali hum mi- 
lham e trezemtos mill cruzados, e se vos noso senhor der vrmuz e adem, 
como agora temdes malaca, abasta pêra todalas despesas do mumdo quam- 
tas quiserdes fazer; como se vos alteza comtemtar do trato somemte des- 
tas partes pêra eses Regnos, e leixardes ho trato de quaa, trebutos e pá- 
reas e percalços da vos armada, podees ter dez mill homeens na imdia; 
se quiserdes, podees fazer na 'imdia quatro ou cimqo homeens gramdes 
de gramde mamdo e de gramde Remda, que abastaram pêra defemde- 
rem a todo mumdo, com ajuda de noso senhor. 

E a jemte que vos alteza diz que vos nam mamde pedir em soma, 
nam pode leixar de ser, porque d uum ano pêra ho outro sobrevem ne- 
cesidade pêra que se ha mester, e nós nam estamos em lugar pêra a po- 
deraios alargar e tornar aver quamdo nos comprir: vos alteza sabe bem 
ho que mamda fazer, e sabees que avemos lá diir, se noso senhor der 
pêra iso lugar; a jemte que cada cousa ha mester, he necesareo que ha 
traga na mamga, e se querees que logo certeficadamente volo diga, sam 
cousas que estam imda no mato, e nano saberya detrcminar. 

Nem vos ey, senhor, desprever acerqua da jemte e armas e cousas 
necesareas pêra seguramça da imdia, como os vosos oficiaees lá espreve- 
ram do cobre : viram estar nas feitorias alguaa soma dele, espreveram lá 
que ho nam mamdasem, que se nam gastava, e eles daly a muy poucos 
dias gastarano todo, e primeiro que ho aviso lá vaa e a mercadaria ve- 

13 



98 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

nha, se pasarám três anos : asy serya ho da jemte e armas, se esta ma 
neira quisese ter; faça vos alteza fumdamemto que me trabalho com 
quamto siso e saber me noso senhor deu, por segurar voso estado na 
imdia; ajuday a este feito com as cousas necesareas, porque a jemte em 
meu poder nam come seu pam oceoso, porque, senhor, de meu fraco 
juizo eu ey todalas outras cousas por hum pouco de vemto; nem esas 
carregas despecearias que cadano lá vam, nem as Riqezas que vos de 
quaa levam, tudo me ha de parecer cousa emprestada, até que vos eu 
nam veja muy forte na imdia, e nam no mar, mas na terra, naqueles lu- 
gares domde as vosas cousas podem Receber comtradiçam, pois vos alteza 
despois do descubrymemto da imdia té gora sempre teve nestas partes 
força d armada, e vistes que se nam melhorava nehfla cousa voso prepo- 
sito nas cousas da imdia, asy nos tratos como no encurtar das despesas 
e gastos, como na estima e credito e fama de voso estado e voso nome. 
Provay agora isto que vos digo, e pela vemtura, senhor, vos acharees- 
milhor, posto que vosa alteza nesta detreminaçam eslê, segumdo tenho 
visto per vosas cartas; acuda vosa alteza com jemte e nãos pêra se aca- 
bar vosa detreminaçam com tempo, porque a dilaçam nestas cousas sem- 
pre as faz mayores e mais trabalhosas d acabar: esprita em samtamtonio 
caminho de goa a xxx dias d outubro de 1512. 

(Por lettra de Albuguerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afonso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor *. 



CARTA XX 



1612— Novembro 8 

Senhor. — Nas cartas que me vos alteza espreveo per Jorje de melo, 
me mamdastes dizer que ho ano pasado foram de calecut vimte e tamtas 
nãos carregadas despecearias a mequa; e eu, senhor, nam mespamto de 
vol o dizerem, mas de vos alteza crer que ha em toda a terra de malabar 
vimte nãos de quilha, quamto mais que calecut se tirou de todalas nãos 

1 Torre do Tombo— G. Chron. 6av. 18, Maç. 14, N.*" 38. 



k 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 99 

gramdes com que navegava a meqa, e se pôs em navegar esas espiâa- 
ryas que podese escomdidamente levar, em terradas de cem babares, du- 
zemtos babares de carga, esquipadas de boons Remos, as quaees serám 
por todas dez ou doze ao mais, e alguas destas navegam pêra bemgala 
e pêra cambaya; e ese ano de que a vosa carta faz memçam, á pessoa 
que vos tall dise ou espreveo, pergumtelbe vos alteza omde estava syniam 
afomso com a caravela latina e jorje botelbo com a caravela Redomda, 
e simam ramjell com Reposta minba ao çamory, bo quall sempre esteve 
bramdimdo bua espada emtamto Ibe simam Ramjell deu meu Recado; e 
após estes dous navios veyo duarte da silva com a galee gramde, que se 
ficou con*ejemdo em coctiim, os quaees tomaram bua nao com pimemta 
que saya da costa de calecut, e outra de cocbim com pimenta, a quall 
mamdey alargar; sinaees sam isto pêra vos alteza crer que vos falo eu 
verdade; by era nuno vaz na nao sam Jobam, que se fez em camguiçar; 
lá vay ele, pregumtelbe vos alteza por ese feito. 

E est ano que fuy a malaca, manoell de lacerda a que ficou armada 
e cargo desta costa e da guarda das vosas fortelezas, acudio ao cerquo 
de goa, e emtam pasaram seis ou sete, que nam ba by mais, com Jemji- 
vre e pimenta; e noso senbor, que se lembra de mim e be em minba 
ajuda sem Ibo eu merecer, espedaçou delas quatro em çocotorá com tor- 
memta, e três arribaram ás ilbas de maldiva com mafomede macary, que 
se bia com sua casa pêra bo cairo, e duas arribaram a dyo, e a d adem 
carregada de canela arribou a batecala, e muytas outras que biam pêra 
urmuz, delas se perderam e delas arribaram com este temporall á costa 
da imdia ; e esta be a verdade. 

Grea vos alteza que ba verdade deste negoceo nam ey de leixar de 
vol a esprever sempre, porque estas cousas nam pecam por mimgua de 
delijemcía e boom cuidado, que bo tenbo nas cousas de voso serviço 
quamto abaste, mas por mimgua de nãos e jemte; e estas caravelas e 
galé gramde e o navio sam jobam que sobre calecut amdaram, bem de- 
sejey eu de meles ajudarem a carretar a pedra e fazer a forteleza de goa; 
e porem, por acudir a bua cousa e outra, os mamdey aly amdar nesta 
travesa, e as caravelas meado mayo pelejaram diamte de calecut com bíia 
destas terradas, que trazia muyto dinbeíro e muytos Rumis, emcalbou em 
terra e salvou se a jemte e o dinbeiro ; e as caravelas nam ousaram de 
pôr a proa em terra em seco com ela; esta be a verdade do que pasa. 

Nam tema vos alteza calecut, que nam be já nada seu feito; bo gol- 

13* 



\ 



100 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

fam de ceilam pêra demtro he ho que vos fazia lá todo mall e dano, por- 
que comtinuadamemte híam cadano pêra meqa carregadas cimquenta 
nãos de quamtas cousas se podem nomear de malaca e desas partes; 
agora, louuores a noso senhor, cortado lhe temdes ese caminho. 

E bem asy me diz vos alteza nas mesmas cartas, que nam dê soldo 
a mouros; e creo que volo diseram por miliquy çufu, quamdo lhe mam- 
dey correr as terras de goa; e a mim me pareceo muyto voso serviço e 
muy boom comselho mamdar apalpar a terra firme per mouros e jemtios, 
como mamdey, os quaees Receberam paga de soldo por esas terras por 
omde hiam, amtes que mamdar portugueses, que hum dia amanhecesem 
degolados nese campo; e os mouros desta terra bem sabem ho amor que 
lhe eu tenho e como lhe crio os filhos, e a comfiamça que neles tenho: 
esprita em goa a biij dias de novembro de 1512. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A ElRey noso senhor*. 



CARTA XXI 

1612— Novembro 8 

Senhor. — Ese embaxador durmuz ha dias que amda comigo; trou- 
xe me cartas pêra mim dei Rey e de cojatar; traz hum cofre fechado e 
cartas cerradas pêra vos alteza, nam me pareceo bem bolir com nehua 
cousa do que asy leva, nem abrir ho cofre nem as cartas; e leva duas 
omças de caça; foy cristão; he homem em que vos alteza achará Rezam 
em muitas cousas. 

Vos alteza nam deve d alargar a mão do comtrato e asemto que com 
eles tenho feito, porque mouros aciistumados sam a se fazerem mizqui- 
nhos : nam he nada pêra urmuz xxx serafins ^ que pagase de páreas, nem 
he muyto escamdolo pêra eles; todo seu feyto he nam estar hy forteleza 
àe vos alteza, nem asemto nem feyturya em que estêm portugueses que 



1 Torre do Tombo.— C. ChroD. P. !.•, M. 12, D. 40. 
^ Trinta mil xerafins. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 101 

emtemdam qae cousa he vrmuz, porque tem cojatar lamla oservamcia 
nislo e tam gramde vejia que nam pode ser mais, porque sabe que he 
vrmuz Iam gramde cousa, que nam ha nimguem que ha veja, que nam 
deseje de ha levar nas mãaos, e sabe que quen a guanhar, que ha ase- 
nhoreará pêra sempre, porque vrmuz nam lem de que se lemer senam 
da bamda da pérsia, domde ele está muyto seguro, por nam ter embar- 
caçam pêra poder pasar a ela jemte. 

Vos alteza deve de fazer omra a ese embaxador e lhe amostrar al- 
guas cousas de voso estado, porque elRey durmuz teno em todalas cou- 
sas, asy em sua caça, de muytas temdas, falcõees, galgos, omças, jemte 
de cavallo que ho acompanham, como em ser aguardado á porta de seu 
paço de muytos cavallos e muytas mulas, como de capitãees e homeens 
omrados demtro no paço comsigo: esprita em goa a biij dias de novem- 
bro de 1512. 

(Por leítra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A El Rei noso senhor*. 



CARTA XXJI 



1612— Novembro S8 

Senhor. — Esprito tenho a vos alteza da minha partida de cochim 
pêra goa e minha chegada a cananor com as nãos d armada e asy as da 
carga, com detreminaçam de m achar com armada dos Rumis, segumdo 
ho aluoroço, desasesego e nova deles avia na imdia; e éramos por todos 
dezaseis velas, afora quatro navios que imda estavam em goa; e tiramdo 
as nãos d armada, nam via navios nem força pêra me parecer que pode- 
ríamos Resistir ao peso d armada que deziam que vinha, se deus nam 
obrase com seu poder e fose em nossa ajuda, porque, como tenho esprito 
a vos alteza em outras cartas, as primcipaees nãos d armada da imdia 
acheyas cu derribadas quamdo vim de malaca, e as outras que hy avia, 
parle delas leixey em malaca e outras mamdey ás ilhas do cravo. 

» Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.% M. 12, D. 26. 



102 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Chegamdo a cananor já tarde, poios vemtos serem Rijos e o mês de 
setembro e outubro ser aquele ano na imdia imverno, aly achey a nova 
dos Rumis hum pouco duuidosa sua vimda, e alarguey logo de mim duas 
nãos, que começasem de tomar carga, e as despachey camynho de co- 
chim, e fiz em cananor ho que per outras largamente tenho esprito a 
vos alteza. 

Partido de cananor, vym ter sobre a barra de goa detreminado de 
lamçar os mouros fora de benastarym, pois que via que a nova dos Ru- 
mis nam dobrava, amtes per alguas pesoas que d adem eram vimdas fuy 
certeficado como aquele ano era duuidosa sua vimda á imdia, amtes lhe 
parecia que armada dos Rumis emtemderia primeiro no feito d adem e se- 
guramça da porta do estreito que em outra cousa. 

Surto sobre a barra de goa, mamdey emtrar todalas nãos ordena- 
das per vos alteza averem de ficar na imdia demtro em goa e dom garcia 
com toda a força da jemte, e deixey alguas nãos da carga, que imda vi- 
nham comigo, surtas na baya, e por mais breve despacho das nãos nam 
quis emtrar em goa, omde me os moradores e casados de goa tinham or- 
denado hum homrado recebimento, como adiamte direy; mas antes logo 
emtrey na barra de goa a velha co navio ferros e os dois navios piquenos 
per nomes chamados samta maria d ajuda e o rosairo, e a nao sam pedro 
d armada de dom garcia, porque minha detreminaçam era forçar a arte- 
Iharia dos mouros e tomar lhe ho paso de benastary, cercal os, e atalhai os 
em tall maneira que nehum deles tornase a sua terra; e avia isto por 
cousa muy primcipall, posto que algilas pesoas ouuesem este feito por 
muy duuidoso e de muyto perygo; ho perygo certo estava, porque os 
mouros tinham muyta artelharia e muy grossa, suas bombardas asemta- 
das ao lume d agua, muy grosos tiros e muy furiosos; e a duuida das nãos 
emtrarem ho paso de benastary nana tinha, porque hy avia agua no Rio, 
quamta abastase pêra as nãos emtrarem ho paso de benastary e abalroa- 
rem com os seus baluartes, e lhe tolherem ho socorro e mamlimentos, e 
ho mais que a noso senhor aprouuese; e alijey a jemte d armas toda das 
nãos, somente ficaram marynheiros e bombardeiros, e pus nos navios e 
nao sam pedro os milhores bombardeiros e artelhafia e grosa que avia 
n armada, e asy fuy achegamdo os navios e nao sam pedro, atá me pôr a 
tiro de bombarda com a forteleza dos mouros; pus tristam de miramda 
por capitam de sam pedro, pêro da fomsequa no seu navio samta maria 
d ajuda, no ferros amtonio Raposo, n ajuda piquena vicente dalboquer- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 1 03 

que, no Rosairo aires da silva, ao quall dey cargo sobre os outros todos 
como seu capitam mor, tanto que me apartase deles. 

Naquele lugar omde já linha postas as nãos, aguardey a força d ar- 
telharia dos mouros, e que quebrase sua furya e a nosa jemte perdese ho 
receo e espamto da suartelharia: alguns capitães, cavaleiros e fidalgos se 
quiseram viir de goa pêra mim, e eu lho nam comsemly, porque quamlo 
menos jemte estivese nas nãos, tanto menos dano Receberíamos das bom- 
bardas dos mouros: naquele lugar nos fez asaz dano nas nãos artelharia 
dos mouros e na jemte muy pouco, e as nosas nãos com artelharia lhe 
fizeram asaz dano e nojo; e como a jemte começou de perder ho medo, 
mandey hum pouco achegar mais as nãos e asy hua nao malabar gramde 
de pocaracem, mouro de cananor, e garcia de sousa nela, a quall man- 
dey atrauesar por emparo das nosas nãos; e aquele dia deram os mou- 
ros tam gram força d artelharia sobre as nosas nãos, que ousaria de dizer 
a vos alteza que de duzemtos tiros de bombarda grosa nam arraram os 
dez, e vazavam as nãos de craro en craro com as pedras tam gramdes 
como as das nosas bombardas e delas mayores; aparelhey emtam hua 
barca gramde e lhe fiz hua muyto gramde arrombada e muyto forte, e pus 
nela hum camelo de metall, tiro muy furioso, e mety nela seis homeens e 
ho condestabre da nao conceiçam, e de noute a mandey surgir defromte 
das suas bombardas grosas pegada co seu baluarte : ao outro dia os mou- 
ros jugaram com sua artelharia muyto Rijo ás nosas nãos, cousa que nim- 
guem nam poderya crer, porque comtinuadamente tiravam cemto e cim- 
quenta tiros, é os menos eram cemto: a esta barca maradey que nam 
tirase senam ás suas bombardas, e o comdestabre ho fez asy, e a su ar- 
telharia nos alivou mais hum pouco e lhe quebrou a principall bombarda 
e mayor que eles tinhan!, e lhe matou dous bombardeiros arrenegados 
que se com eles lamçaram, hum galego e outro castelhano: desta bom- 
barda grosa mamdo lá a pedra a vos alteza. 

Neste lugar mandey por dous dias estar quedas as nãos, sem se ala- 
rem mais avamte ; e no primeiro combate que lhe as nosas nãos deram, 
aires da silva se atravesou co rosairo, e as bombardas dos mouros tiraram 
todas ^a ela em tall maneira que ho ouueram de meter no fumdo, e o fogo 
saltou em três barris de pólvora que tinham na proa, de hua pedra de 
bombarda dos mouros que ho vazou e emtrou demtro na sua pólvora: foy 
espiciall mercee de noso senhor nam se queymar ho navio, nem ouvy di- 
zer que três barris de pólvora ardesem em hQa nao debaixo de coberta 



104 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

que a nam queymase ; lamçou lhe a cuberf a toda pera cima, e o caslello 
de proa e a pomle toda ao mar, e queymoulhe alguns malabares e Ires 
gorometes, e toda a oulra jemte se lamçou ao mar; botou duas tavoas 
fora de proa acerqua do lumy d agua, e só no navio ficou aires da silva : 
os mouros viram nosa furtuna e trabalho, e deram muy grandes gritas, 
lamjemdo suas trombetas; saltey ao navio em hum esquify soo, e che- 
gamdo a ele bradey á jemte que s acolheo a nado á nao malabar, omde 
estava garcia de sousa, acusamdoos com minha pesoa; dizemdolhe alguas 
palavras de Repremsam os fiz volver á nao, e os mouros nam cesaram de 
jugar suartelharia todavia ao navio; mamdeilhe logo dar hua rajeira por 
popa e desatravesar ho navio das bocas das bombardas dos mouros: os 
marynheiros tomaram esforço quamdo viram minha pesoa, e ousaram de 
volver ao navio, e a noso senhor Ihaprouue de apagar ho fogo de todo, 
de que fiquey ho mais espamtado homem do mumdo: a nao malabar ouue 
lamtos tiros de bombarda grosa, que fojiram todos os mouros dela, e gar- 
cia de sousa se vyo em bõoa afromta e em boom perigo, e eu ho mamdey 
sair fora da nao e alguas pesoas de sua companhia que com ele estavam, 
e fiz volver os mouros a esgotar a nao, nam se fose ao fundo ; e ao ro- 
sairo acudiram lhe os calafates com coiros e pregos estopares, e esgota- 
rano Rijamente com caldeirõees e com as bombas, e esteve asy atá que 
veyo a noute, que ho mamdey alargar pera fora hum pouco. 

Ao outro dia mamdey alar a nao sam pedro avamte dos navios pi- 
quenos, e de noute lhe mandey melhorar as amcoras, porque de dia nam 
ousava nehum batell de aparecer nem se alargar fora da sua nao: a nao 
sam pedro, como se alou avamte, tirou lhe a bombarda grosa, e quatro 
tiros da sua bombarda mayor a vazaram, afora outra artelharia tamanha 
como os nosos camelos, de que muy poucas pedras fycavam demtro na 
nao : a forteleza dos moiu*os foy tam aprefiada d artelharia das nosas nãos 
grosa e meuda, que nam avia mouro que parecese, e todos jaziam em co- 
vas, e o capitam com eses principaees nam emtravam na forteleza de dia, 
e lhe mataram muyta jemte e muytos cavalos, e lhe derribaram parte dos 
seus baluartes : os mouros se viram asy perseguidos d artelharia das nãos, 
que continuadamente faziam repairos a seu muro, e o alevamtaram hua 
braça mais do que era. 

Neste tempo emcarreguey dom garcia que me fizesse fortes d arrom- 
badas dous navios dos de goa pera meter pela outra bamda da nosa for- 
teleza per ho Rio que vem ter ao paso de benastary, e dom garcia deu 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 105 

muy gram presa e os fez fortes ein gram maneira, e ao voltar do paso 
nam pode pasar ho mayor; tiramdolhe arrombada das pipas do cairo so- 
bre que escorava, polo peso que linha em cima do velume da ponte e ga- 
vias nos mastos, veyo ho navio á bamda e çoçobrou ; e o outro piqueno 
pasou, em que era fornam gomez de lemos, e Joham gomez era em hua 
barca de bombarda grosa, que dom garcia pela oulra bamda mamdou em 
ajuda do navio, com gramde arrombada; e fernam gomez de lemos e jo- 
ham gomez ho fizeram ousadamente, e pegaram logo com ho baluarte da 
outra bamda, e de cima do muro e do baluarte foram bem perseguidos 
d artelharia dos mouros e algum dano lhe fizeram ; e todavia como homens 
desforço tiveram mãao e nam se afastaram afora; as bombardas dos 
mouros pasavam as arrombadas e o navio cada vez que lhe davam, e es- 
tavam pegados com ho baluarte quamlo serya hum jogo de bola, omde 
os mouros tinham asemladas quatro bombardas grosas ; destoutra bamda 
domde estava, estava hum baluarte que tinha no Resteiro três bombar- 
das grosas, e jugavam de cima outras três mais somenos. 

Como vy su artelharia repartida em duas partes, emtam mamdey a 
tristam de miramda que de noute mamdase portar hua ancora aa estacada 
com que tinham atravessado ho Rio ; de demtro do baluarte de hua bamda 
e doutra tinham atravesado ho Rio com duas estacadas, em tall maneira 
que por amtrambalas estacadas pasavam seus paraos e jamgadas carre- 
gados de mamtimentos e de jemte e do que lhe bem vynha, e eu mam- 
dey a tristam de miramda que abarbase a nao sam pedro com a estacada, 
e aires da silva que hy era demtro na nao, porque ho navio rosayro fi- 
cava já de fora polo caso aquecido; e após a nao sam pedro se achega- 
ram loguo os outros navios piqucnos, pêro da fomsequa no seu navio, 
amtonio raposo no seu, e vicente dalboquerque no outro navio piqueno, 
omde ho mamdey pôr; e asy se achegaram mais á estacada, e por ho paso 
ser estreito, asy da terra firme como da forleleza dos mouros sempre fo- 
ram bem apresados, asy d artelharia como de frechas e espimgardas. 

Emquamto este negoceo se fazia, dom garcia deu presa a se faze- 
rem bamcos pimchados, mamtas e artelharia grosa e mevda em carretas, 
e outros carros com pedras e pólvora, e todo outro aparelho e comcerto 
de darmos combate aos mouros per mar e per terra; e asy os capitãees 
que me vos alteza mamdou da soyça imsynavam e amestravam sua jemte 
e a punham em ordem. 

Tudo isto prestes e aparelhado, posto que fosse chamado per muitas 

i4 



106 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

vezes dos capitâees, cavaleiros e fidalgos, eu me nam say do paso de be- 
nastary até que nam mety as nãos de demtro da estacada; o hiia noute 
mamdey arrencar parte da estacada, e de noute mamdey a tristam de 
miramda que portase htla amcora alem da estacada na metade da pasa- 
jem, e alasem a nat) sam pedro de demtro, e mamdey aires da silva que 
os navios piquenos se achegasem mais, e fizerano asy todos; e neste tempo 
que mamdava chegar paso a paso os navios, mamdava alguns piãees sal- 
tear os caminhos, e tomavam me jemte que vinha pêra a forteleza dos 
mouros, de que era avisado de todalas cousas que os mom*os faziam e 
sua detreminaçam. 

Cercados asy os mouros e atalhados de todo ho socorro, ajuda, pro- 
vimento de mamtimentos, deixey aires da silva por capitam primcipall da 
nao e navios, e deixey mamdado aos outros capitâees que lhe obedecesem 
e fizesem ho que ele mamdase ; e na nao e nos navios ficariam àtá cemt 
omeens, e lhe deixey paveses pêra todos desembarcarem apavesados da 
bamda do mar, que he lugar muyto forte, e nanos podemdo por hy em- 
trar, corresem ao lomgo do muro a se ajumtarem comnosoo ao dia por 
mim detreminado, em que lhe ouvese de dar ho combate per terra; e os 
deixey prouidos de mamtimemtos e hum parao que os provese d agua, e 
seus bates prestes, guardados da bamda d artelharía que lhos nam ar- 
rombasem. 

Durou esta dilijemcia e boom comselho de lhe tomarmos ho paso 
per força com as nãos oito dias, cousa bem começada e que a noso se- 
nhor aprouue de ser bem acabada e com pouco dano na nosa jemte, e as 
nãos de vosalleza bem espedaçadas da su artelharía e pasadas per muy- 
tos lugares de bamda a bamda, pegadas cos seus baluartes e nas bocas 
das suas bombardas; que pela vemtura ha muytos anos que nestas par- 
tes de crístãos se nam fez tam omrado feito, porque em todos estes dias 
nunca os mouros de noute e de dia cesaram de tirar com sua artelharía, 
que ha tinham muy bõoa e grosa, e algãa que nos tomaram no caravelam 
e fusta: as emxarcias das nãos, mastos e toldas, era tudo cheo de fre- 
chas; dos nosos nam aparecia nehum homem que os seus lhe nam tira- 
sem com espimgardõees do alto, e no Resteyro com sua artelharía, que 
tinham muy bem asemtada ; de demtro dá forteleza dos mouros nam pa- 
recia mouro que nam fosse derribado com artelharia meuda das nãos, e 
o resteiro das suas bombardas grosas e seus tiros bem Rebatidos e com- 
traríados d artelharia grosa das nãos, principallmente de dous camelos de 



GARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 107 

metall que estano vieram nestas nãos, tiros muy furyosos e muy seguros: 
os mouros de noute lamçavam feixes de palha acesos ao pee de seu muro 
e á craridade do lumy jugavam suarlelharia e nam arravam cousa a que 
tirassem. Poso com verdade dizer a vos alteza que nestes oito dias e oito 
noutes as nãos tiraram mais de quatro mill tiros dartelharia grosa e 
mevda, pelo comto dos pilouros e pedras e gasto de toda a força da pól- 
vora que tinhamos. 

Ho dano da jemte das nãos nam foy muyto, como dito tenho, por- 
que lhe tirey toda a jemte, somemte marynheiros poucos que aviasem suas 
Rajeiras e seus proizes: os capitaees ho fizeram muy ousadamente. 

E tristam de miramda e vicente dalboquerque, posto que fosem mo- 
ços, deram bOoa Rezam de sy e o fizeram muy ousadamemte, e seus de- 
sejos e bõoa vontade de amostrarem cujos filhos eram, aproueitou mu}1o 
ás nãos irem avamte, como lhe per mim era ordenado e lhe mamdava de 
hua galé em que estava sobreles; e certefico a vos alteza que eles foram 
mais vezes Repremdidos e castigados de mim por nam segurarem suas 
pe&oas e vidas do perygo d artelharia dos mouros e quererem amdar per 
cima das guarylas dás nãos e lugares perygosos, dos que ho nimguem 
poderya acusar de froxos : no mesmo feito tristam de miramda, como ho- 
mem que espera por sua lamça aver mercee de vos alteza, começa bem; 
e vicemte dalboquerque ho fez tam ousadamente em seu navio e tam de- 
sejoso de se pôr na diamteira, que por a nao sam pedro emtrar diamte, 
ho mamdey hum pouco alargar atrás, porque ho Rio naquele paso he es- 
treito : fycaram ambos de dous tam atroados d artelharia, que por espaço 
de dias nam ouuiram nehua cousa que lhe falasem ; e asy toda a jemte 
das nãos mereceram bem a cavalaria, e eu lha dey; a mercee vos alteza 
lha terá guardada. 

Aires da silva he homem ousado, e fel o como cavaleiro aqueles dias ; 
e o caso acomtecido no rosairo foy porque diamte de todalas nãos mam- 
dou pôr ho seu navio, e nam curou de Rajeira nem de proiz, senam ache- 
gar se â comcrusam; aja vos alteza por certo que he cavaleiro e que nele 
nam ha medo, e o carrego de prouer os navios todos feio muy bem, e 
noso senhor ho livrou muytas vezes de ho nam matarem: mamdey lhe 
que dese hua noute, com a jemte dos navios que com ele estavam da 
bamda da terra firme, em algtla jemte que aly estava, que traziam mam- 
timemtos pêra os mouros e bua cáfila de bois de carga que emtam che- 
gar^, e ele com eses capitaees que dito ten^o, deram qos mouros de nqute 



108 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

e lhe queymaram as casas ,e mataram deles e estragaram a cáfila dos 
mamtimemtos e os poseram em fujida. 

Pêro da fomsequa e amtonio Raposo sam cavaleiros e omeens que 
deram sempre bõoa comta de sy, e neste feito tam desejosos d achegar 
seus navios e de sua arlelharia fazer lodo mall e dano que podese aos 
imigos, e ao portar de suas amcoras em seus bales tam sem medo das 
bombardas dos mouros, que ás vezes me pesava nam trabalharem mais 
por segurarem suas vidas; e se nam fora a ordem que mamdava ter nos 
navios e no portar das amcoras deles e call se avia d afastar e achegar e 
dar lugar hum ao outro, a mim me parece que eles estavam todos tam 
desejosos de servir vos alteza, que eu nam saberya delreminar quall deles 
ho fez milhor: feylo foy dino de mercee e domra, porque forçaram seus 
mestres e pilotos e marynheiros a todavia alarem seus navios avamte, e 
quem viir os costados e guarytas dos seus navios pasados per tamtas par- 
tes, espamtarseaa em que lugar se salvaram estes homeens, porque vos al- 
teza tenha por certo, que dartelharia grosa os mouros liraryam pouco me- 
nos que as vosas nãos, e dartelharia mevda nós mais que eles. 

Deixados a nao e navios surtos no paso, me vim a goa, omde estava 
dom garcia com todalas cousas ordenadas e arfelharia comcertada, que 
comnosco avia de ser no feito, e a jemte toda bem comfesada e bem co- 
mumgada: os mouros pasaram de seis mill homeens de peleja, e averya 
hy três mill homeens, jemte sem proueito; veyolhe de socorro, amtes que 
lhe atalhasemos ho Rio, cem espimgardeiros que lhe mandou Içufulary, 
hum capitam do çabayo, turco: tinham trezcmtos cavalos; acubertados, 
me parece que averya cemto. 

Estamdonos asy aparelhamdo com nosa detreminaçam e comselho 
de poer as escadas ao muro e os emtrarmos á escala vista, damdolho pri- 
meiro algum combate d artelharia, os mouros sairam fora da sua forteleza 
e nos vieram dar vista com jemte de cavalo e de pee em batalhas per ho 
campo; mamdey sair a eles dez de cavalo, que lhe fosem dar a vista; era 
pêro mazcarenhaz, amtonio de saldanha, joham machado, symam dam- 
drade, manoel de lacerda capitam da forteleza, diogo fernamdez, ho adaill 
femam caldeira, manoell fernamdez, joham cabiceiras, Louremço prego, 
homeens casados de goa: chegamdo aa jemte dos mouros, me mamdaram 
dizer que averya ahy três mill homeens no campo; mamdey logo sair Ruy 
gomçalvez e Joham fidalguo com a jemte da ordenamça, que seryam tre- 
zemtos piques e cimquenta besteyros e cimqaenta espimgardeiros, jemte 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 109 

muy luzida e muyto pera arrecear, e se foram pela estrada dereita e se 
achegaram aos mouros hum pouco mais do que lhe per mim foy orde- 
nado: aprfs isto me veyo hum Recado, que os mouros todavia queryam 
pelejar e achegavam; vimdo suas batalhas de jemte, mamdey emfam ca- 
valgar alguns fidalgos e cavaleiros nestes cavalos, e os mamdey que se 
fosem ajumtar com os outros dez de cavalo que eram fora, e seryam j>er 
todos trimta e cimquo de cavalo, e lhes mamdey que estivesem quedos 
sem travar cos mouros, e me mamdascm dizer se lhe parecya que toda- 
via queryam os mouros pelejar comnosco no campo ; e os mouro3 chega- 
ram mais suas batalhas e vieram a tiro despimgarda com a jemte da or- 
denamça: os capilãees os aguardaram ousadamente, comcerlados e pos- 
tos em .ordem de batalhar, e os mouros nam ousaram de romper neles: 
veyo emtam joham machado a mim e me dise que os turcos todavia que- 
ryam pelejar ;^ eu lhe respomdy, que pera a detreminaçam em que estáva- 
mos eu devia escusar quamlo podese de meter ho feito em algua desor- 
dem, e que a mim me parecia que os turcos nam pelejariam comnosco no 
campo, e que ha sua jemte solta que eram archeiros e nos poder}'am em- 
cravar muyta jemte; que os portugueses eram homeens armados e jemte 
pesada pera amdar escaramuçamdo no campo cos seus archeiros, homeens 
despejados e lijeiros, que se podiam achegar e afastar de nós quamdo lhes 
bem viese, e que nam era jemte que ouvese de vir Romper as nosas ba- 
talhas: joam machado s afirmou que todavia pelejariam comnosco; e eses 
fidalgos e cavaleiros e capitaees de vos alteza, desejosos de vos servir e 
fazer omrados feitos, apertaram Rijo comigo, que todavia devia de sair; 
e eu mescusey diso, damdolhe alguas rezõces, dizemdolhe que pera hõa 
tam gramde detreminaçam cm que estávamos postos, nam era necesareo 
escaramuçar cos mouros no campo, mas achegarmonos ao feito que nos 
mais compria, que era ganhar lhe a sua forteleza e lamçalos fora dela; to- 
davia tornaram apertar comigo, que deuia de sair ; e eses de cavalos que 
eram fora, me mamdaram dizer que a jemte dos turcos vinha toda fora da 
sua forteleza como jemte detreminada de pelejar. 

E posto que minha detreminaçam e vomtade fose comtraria ao pa- 
recer de muytos e a seus desejos, todavia fuy forçado deses fidalgos e ca- 
valeyros, e aimda praguejado deles case por força me fizeram sair, e mais, 
senhor, vy tam gramde alvoroto na jemte e Iam gramdes desejos de pele- 
jar, que se me lamçavam pelo muro fora e a porta da vila forçada deles: 
mamdey entam repicar, e toda a jemte se pôs em armas, e mandey abrir 



110 - CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

as portas e say fora com eses capitãees, cavaleiros e fidalgos, e me fiz 
em três batalhas, afora a jemte de cavalo, Lua da jemte da ordenamça e 
outra da outra jemte: como fuy á vista dos turcos, abalaram vimdo suas 
batalhas pêra nós, e eu mamdey pôr a batalha da ordenamça no meyo e 
dom garcia meu sobrinho de Ima bamda da mão dereita com eses capi- 
tãees, cavaleiros e fidalgos que com ele eram, e eu com toda a outra 
jemte tomey hum meyo vale da bamda da mão ezquerda e mamdey á 
jemte da ordenamça que habalase comtra as batalhas dos turcos, e a meu 
sobrynho que se detivese hum pouco mais ; e eu com a minha batalha 
comecei me d ir melhoramdo e tomamdo a ilharga das batalhas dos mouros. 

Os turcos vemdo nossa detreminaçam de os aguardar, se detiveram, 
e pareceome que se queriam retraer atrás, porque vi os metidos em de- 
sordem, como jemte mudada de sua detreminaçam: mamdey á jemte da 
ordenamça emtam que apertase mais Rijo com eles, e a meu sobrinho 
que se achegase com a sua batalha a eles per aquela ilharga domde hia: 
a nosa jemte de cavallo nam hia posta em ordem, porque alguns capi- 
tãees que sairam ao repique a cavalo, tornaram a mamdar sua jemte com 
seus agiãees, e manoel de lacerda a jemte da cidade e forteleza: os tur- 
cos começaram d abalar comtra a sua forteleza e nps nam quiseram aguar- 
dar; fiz emtam dous corpos da minha batalha e mamdey apertar hum 
pouco mais rijo cos mouros, porque me pareceo tempo desposto pêra em- 
trarmos com eles de Roldam na sua forteleza, ou ao menos lhe podería- 
mos atalhar algúa parte da sua jemte que se nam recolhese toda á forte- 
leza, porque hiamos muyto pegados com eles, e mamdey algua jemte de 
cavalo solta que travase neles: como a jemte de cavalo pegou na traseira 
de sua jemte, e os mouros viram achegarmonos Rijo a elles, apartaram se 
logo mais de mill piãees, e eu mamdey abalar Rijo ho corpo da jemte 
que apartey da minha batalha, que se metese amtre aqueles mill piãees 
que se apartaram e o corpo da outra jemte dos mouros que levava bo 
Rosto na sua forteleza : os mill piãees, como se viram atalhados do outro 
corpo da jemte, tiraram todos direitos ao vaao de gomdaly, por omde se 
salvaram, e alguns deles s afogaram, e pasaram ho Rio per aquele paso 
á terra firme. 

A jemte da ordenamça e dom garcia com eses capitãees, cavaleiros 
e fidalgos, que á sua parte eram, hiam já tam pegados cos mouros e tain 
perto da sua forteleza, que polo lugar ser estreito nam podemos ir em 
ordem e em batalhas apartadas, como hiamos, e essa jemte de cavalo, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 1 1 1 

capitãees e cavaleiros, se soltaram a pôr as lamças nos muros Rijo e lhe 
fizeram perder os cavalos e cerrar a porta ; e a jemte dos mouros se vyo 
tam apertada da nosa jemte, que nam pôde aver a forleleza, e muytos 
deles alaram com toucas demtro, outros coreram ás ilhargas da sua for- 
teleza e emtraram per outro cabo, outros atolados na vasa morreram, e 
alguns se lamçaram ao Rio; e acudio aires da silva cos batees e eses ca- 
pitãees que com eles eram, e desembarcaram todos ao pee do muro apaue- 
sados, como lhe per mim foy mamdado, e os mouros de cima do muro 
lhe frecharam alguns e com pedras e espimgardõees os fiseram tomar aos 
batees, porque daquela bamda era ha forteleza dos mouros muy forte e 
muy defemsavell. 

Pegados os capitãees, fidalgos e cavaleiros no muro e a jemte da 
ordenamça, apertaram rijo a quererem emtrar huns per cima dos outros; 
os mouros acudiram ós muros e defemderam ousadamente seu muro, e 
alguns morreram em cima do muro de lamçadas* da nosa jemte que es- 
tava ao pé do muro, e com artelharia e espimgardas nos fizeram algum 
nojo, trabalhamdo sempre por emtrar, e a guns cavaleiros e fidalgos e 
outra jemte se civeram em cima do muro e foram lamçados fora; e da- 
quele cabo da porta que estava amlre duas torres era lugar muylo forte, 
e a nosa jemte se acertou aly mais que em outro cabo e os cavalos que 
aly deixaram os mouros ; por ter suas portas fechadas deixaram aly seus 
cavalos e nanos poderam salvar, os quaees Rifamdo huns com outros, 
meteram tam gramde descomcerto na nosa jemte, que nana leyxava pe* 
lejar nem chegar ao muro daquela parte, nem á porta. 

Os mouros demtro na sua forteleza se poseram em desbarato e de- 
íiana forteleza por emtrada, e nosa tardamça os fez volver ho muro a de- 
femdelo, ho quall, se tivéramos hua escada ou escadas, como tinhamos 
detreminado, daquela vez os emtraramos; e acudiram com muitas pane- 
las de pólvora e muytos feixes de feno acesos e espimgardas e frechas e 
pedras; e alguas bombardas que tinham postas, nos fizeram assaz de 
dano, mais áquelles que estavam afastados do muro que aos que esta- 
vam ao pé do muro, e mais nam virmos com aquela detreminaçam, nem 
aparelhados pêra combate, como tinha ordenado: duas vezes quisera afas- 
tar a jemte do combate e nam pude, porque os capitãees que me a iso 
ouveram d ajudar, eses eram os que trabalhavam por se botarem em cima 
do muro, apertiarado polo fazer, damdo de pees huns aos outros, que- 
rendo trepar polas lamças, desfazendo lhe as amêas com as lamças; e de- 



112 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

ram tam gramde força de panelas de pólvora, que queimaram alguns 
homeens e os fizeram afastar ; e per nam termos sabida a forteleza e os 
lugares por omde ha bem poderamos entrar, foy causa de nam ser em- 
trada, e o lamço que combateram era tam piqueno, e a nosa jemle nam 
se dobrou ao combate, nem se chegaram aos muros senam os cavaleiros 
e fidalgos e jemte limpa, toda a outra s afastou, afora somente a jemte 
da ordenamça, aquela que os capitãees poderam apertar e achegar com 
ela ao muro ; e pola terra ser forte em sy e ser alagadiça a lugares, e 
hum esteiro com agua e vasa, nam foy bem socorrida de mim nem pro- 
vida aquela parte da bamda da porta, porque cay eu com a minha bam- 
deira da bamda da mão ezquerda do esteiro omde estava bua torre que 
defemdia miliquiaz, ho segumdo capitam da forteleza, homem homrado e 
cavaleiro mais que Ruztalcam, capitam primcipall. 

Era daquela bamda comigo garcia de sousa, jorge da silveira, diogo 
mendez, com alguns cavaleiros e fidalgos, que aquele dia ho fizeram muy 
ousadamente; e foy bem aperfiado feito daquela parte domde estava gar- 
cia de sousa trabalhamdo por sobir ao muro ele em pesoa e jorje da sil- 
veira e eses cavaleiros que com ele eram, em tall maneira que a mim me 
parece que a minha bamdeira se posera no muro, se per outras partes 
poderá ser acompanhado ; aimda que tam grosa jemte como era a dos 
mouros, e tam gramde força, nam era pêra entrar hum homem ou dous, 
mas portall gramde ou lamço de muro deribado, por onde emtrase força 
de jemte grosa, porque benastary nam era forteleza, mas vyla muy gramde 
com oito mill homens de peleja demtro e muros muy fortes, a que a nosa 
artelharia fazia muy pouco nojo: e estas cousas que vy, me fez nam aper- 
fiar ho combate, e dar lugar á jemte que se afastase do combate, por 
nam ser aquela a minha detreminaçam, nem virmos aparelhados pêra ho 
tall feito com nosas escadas, mamtas, bamcos pimchados e artelharia grosa, 
como tinha ordenado; e portamto, senhor, cavaleiros e fidalgos carrega- 
dos d armas por gramde calma, vimdo a pé de goa a benastary, foy cousa 
de que me muyto espamtey vel o pôr as mãos no muro, e com tamto tra- 
balho e desejo d achegar, e aperfiar a emtrada dos muros aos turcos, que 
ha sabem muy bem defemder, e matarem muytos deles amtras ameyas 
ás lamçadas, e matarem muytos amtes que se recolhesem de todo aa sua 
forteleza, omde os alavam com toucas por cima do muro; àqueles que fi- 
caram atalhados ao cerrar da porta, mataram lhe aly dous capitãees, mi- 
rale e conaiqe. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 1 13 

Naquela banda da porta e lamço do muro se acertaram os capitãees 
e fidalgos que aquy nomearey a vos alteza: dom garcia, manoel de la- 
cerda, pêro mazcarenhas, pêro dalboquerque, lopo vaz de sampayo, am- 
tonio de Saldanha, francisco pereira, jorje dalboquerque, jorje nunez, 
gomçalo pereira, dom joham deça, diogo femandez, dom joham de lima, 
gaspar pereira. Rui gomçalvez e joham fidalgo ; da outra bamda comigo 
era garcia de sousa, jorje da silveira, diogo mendez; todos estes eram 
capitãees e levavam cargo de jemte. 

Os que aquele dia foram queimados e ferydos, foy manoel de la- 
cerda, pêro dalboquerque, jorje da silveira, lopo vaz de sampayo, Ruy 
galvam, francisco pereira sobrinho de diogo corrêa, e pêro corrêa, joham 
delgado, que vinha por esprivam de çofala, Ruy gomçalvez capitam da 
ordenamça, diogo femandez, manoel de sousa alcaide mór, Jerónimo de 
sousa, e outros homeens de bem, e jemte da ordenamça que os capitãees 
dela poseram ao pé do muro, e dous ou três dos piques foram emtrados 
em cima do muro e lamçados fora queymados e ferydos. 

Afastada a jemte do combate, nos posemos em lugar omde nos a 
su artelharia fizese menos nojo, e estivemos vemdo os lugares por omde a de- 
viamos combater, e por quamtas partes a podiamos escalar e emtrar, e daly 
party caminho da cidade, e lhe trouxemos todo seu gado e alguns cavalos. 

Os cavaleiros e fidalgos e jemte omrrada que aquele dia eram pegados 
no muro com seus capitãees, per Roll os mamdo a vos alteza, os quaees 
acompanharam bem seus capitãees, pelejaram em seu lugar muy ousada- 
mente, aprefiamdo todos d emtrar ho muro, sem Recêo do fogo, espimgar- 
das, frechas e alguas bestas dos arrenegados, lamças, pedras e bombar- 
das, com que os mouros defemderam bem seu muro e nos feryram cemto 
e cimquemta homeens e a outra jemte baxa afastada do pee do muro. 

E abaley asy com toda a jemte caminho de goa, e estive asy por 
dous dias damdo folga á jemte, pomdo a artelharia em caminho, escadas, 
bamcos pimchados e mamtas, alviõees e emxadas, pipas vazias pêra no- 
sas estamcias, e toda cousa que pêra ho tall feito amtre nós se podia 
aver; e ao terceiro dia mamdey logo sair a jemte da ordenamça, bestei- 
ros e espimgardeiros, e se foram com a artelharia e a minha temda asem- 
tar ao meyo caminho de benastary ; e algflus capitãees abalaram logo suas 
temdas com seus agiãees e temdas e jemte, e as asemtaram de redor da 
minha : as temdas eram papafígos de nãos, monelas * e outras velas, de que 

1 Assim está no original, mas entendemos que se deve ler numetas. 

15 



114 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

fizemos muy bõoas temdas e gramdes, e noso arrayall muy bem asem- 
tado e cada capitam em sua temda, bamdeiras postas uelas ; chegados os 
capitãees ao outro dia todos com suas temdas, e noso arrayall cercado 
dartelharia, os fiz afastar de lomge, e asy nos dety^emos aly dous dias, 
polo prouimento e mamlimemtos da jemte que era trabalhoso d acarretar, 
por nam termos as cousas necesarias pêra a servemtia destas cousas. 

Pasados dous dias nos posemos todos em armas em batalhas, fomos 
dar vista á forteleza dos mouros, que nos bem recebeo com muitas c 
bõoas bombardas, e a jemte da ordenamça com artelharia jumtamenle 
mamdey logo achegar perto da forteleza: como a nosa artelharia come- 
çou de jugar, despejaram logo ho alto de seu muro e quebraram suas 
bombardas, e nam deram lugar que jugasem mais; emlam me decy de 
hum faquineo meu, soo e a pee me acheguey omde estava artelharia e a 
mamdey chegar mais á forteleza, naqueles lugares omde me parecia que 
podia fazer dano e derribar hum lamço de muro por omde podesemos 
emtrar força de jemte, e por aquele dia nam fizemos mais, somemte asem- 
lamos noso arrayall de rredor da forteleza dos mouros, naqueles lugares 
omde su artelharia nos podese fazer menos dano. 

Vimdo a noute, mamdey chegar as estamcias ao muro quamto se- 
ria hum jogo de barreira, e dey cargo disto a meu sobrinho dom garcia, 
e mamdou aquela noute pôr as pipas em seu lugar chêas de terra, e ar- 
telharia am trelas, e as mamtas muy bem ordenadas: toda a noute traba- 
lharam nisto perto de quatrocemtos homeens, piãees da terra; e ao ou- 
tro dia pela menhãa tinhamos nosas estamcias muy fortes e nos artelha- 
ria muy bem assemtada, e detrás das estamcias em hum baixo estavam 
os capitãees da ordenamça com sua jemte, e noso arrayal e temdas mais 
afastados: começou a nos artelharia de tirar ao muro iam apresada e tam 
Rija que os mouros nam ousaram de vir amtre as ameyas, e começamos 
de Romper ho muro per hua parte, e até tarde numca artelharia cesou 
de lhe tirar ; tinhamos cimquo camelos de ferro e hum camelo de metall 
e htia espera de metal, dezaseis cãees, vimte berços, e trimta e sete bom- 
bardeiros com a artelharia, que ho fizeram todos muy bem aquele dia até 
tarde; e das gavias das nãos, que estavam da outra bamda, capearam 
com bamdeiras, que lhe fazia lá nojo a nosa artelharia, e eu mamdey avi- 
sar os bombardeiros que tirasem mais baixo e desem resguardo ás nãos, 
e mamdey achegar todas nosas escadas jumto aas estamcias; cada capi- 
tam pós as suas em seu lugar. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE í 15 

Vemdo os mouros nosa detreminaçam c a artelharia nosa que lhe 
derribavam ho muro, combalidos per mar e-per terra, cercados e atalha- 
dos, se remderam e se deram, e pediram seguro e fala, e eu mamdey 
joham machado falar com eles; per ele me mamdou Ruztalcam dizer 
que lhe dése seguro, e que era o querya que ele fizese? mamdey lhe di- 
zer que mamdase dous arrefeens, c que mamdaria lá joham machado : 
mamdou dous turcos, homeens primcipaees, e foy lá joham machado, e 
lhe dise da minha parle, que se queria leixar artelharia e os cavalos, e 
emtregarme os arrenegados que lá amdavam, que eu os leixaria pasar: 
chamey a comselho os capitãees e fidalgos, e nam pude acabar com eles 
senam que todavia os combatesemos e emtrasemos por força d armas, asaz 
apasionados de mim e descomtemtes, por me verem emtemder em com- 
certo cos mouros; e eu lhe respomdy, que a milhor cousa que os mouros 
tinham, era a artelharia e os cavalos; e toda a outra jemte, aimda que ha 
cativasemos, nana avia de meter na forteleza comnosco, porque estáva- 
mos carecidos de mamtimemtos, e que damdolhe nós combate, a pesoa 
de Ruztalcam serya duuydosa cousa tomai o, e punha em comdiçam ma- 
tar quatro ou cimquo fidalgos, ou vimte pela vemtura; e que mouros cer- 
cados e atalhados, sem nehua esperamça de salvaçam e muita jemte, sam- 
gue aviam de fazer em nós, primeiro que os apagasemos de todo ; c por- 
tamto que eu determinava, deixamdo eles artelharia e os cavalos, leixalos 
pasar á terra firme, 

Ruztalcam e os turcos vieram a esle comcerto, e eu lhes dey seguro; 
e Ruztalcam de noute pasou suas molheres e sua fazemda e alguns cava- 
los de sua pesoa, c ele e miliquiaz, ho segumdo capitam ; e a jemte toda 
ficou muy asombrada, e ficou Iam gramde aluoroço e desbarato amtreles, 
que muytos se lamçaram ao mar e se afogaram: acheguei me ao muro 
com toda a jemte, que nam pude ter a jemte que nam emtrase; foy me 
emtam forçado, por lhes guardar meu seguro, livrai os da jemte que 
os nam matase nem Roubase; e emtrey demtro na vila e era tamta a 
jemte na borda do mar e na vila, que eu fiquey espamtado, e muytos 
turcos e Rumis e pérsios e muytos cavalos e todo seu fato sem remedeo 
nehum de pasajem. 

Mandey emtam vir os batees das nãos que aly estavam, e outras 
alalayas,' barcas e navios de Remo que aly tinha, e os mamdey pasar, e 
com asaz trabalho os pude defemder da nosa jemte que os nam Roubase, 
e trabalharam nisto dous dias enos pasar; e aquele dia que pasaram, 



1 1 6 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

chegou Içufyiary, câpitâm do Idalham, a lhe dar socorro, ho quall nam 
poderam emtrar em nehua maneira; e damdolhe socorro, parece me, com 
ajuda de noso senhor, segumdo a bõoa vomtade da vosa jemte, hum ca- 
minho levaram todos ; e asy Recolhemos os cavalos e artelharia toda, e 
asemtaram seu arrayall na terra firme, domde se lhe logo foram três ou 
quatro capitaees turcos com muyta jemte branca: Içufulary se tornou a 
suas terras domde viera com sua jemte, e louvaram todos minha verdade, 
guardar lhe imteiramente meu seguro; e primeiro que pasasem, memlre- 
garam os arrenegados que se com eles lamçaram. 

E isto acabado, ho Ruztalcam se trabalha agora por minha ami- 
zade. Receoso do Malham ho tratar mall; e creo, com ajuda de noso se- 
nhor, que as pazes se asemlarám com Idalham como seja voso serviço, 
e sempre nos leixarám partes das terras de goa: eu faço os pasos fortes 
com torres, ainda que eu me afirmo que eles nam tornaram mais á ilha 
de goa, porque se viram cercados e a pasajem tomada com nãos de qua- 
trocemtos tonees atravessada no passo de benastary, que eles muy mall 
cuidaram que poderya ser. 

Os arrenegados eu lhe dey a vida a requerymemto do Ruztalcam, 
c os mamdey daneficar em seus membros, e aleijados e decepados e de- 
sorelhados, por espamto e memorya da traiçam e maldade que comete- 
ram. 

Ho em que agora fico ao presemte: lamço armada fora da barra e 
vou sobre cambaya asemtar as pazes e alarguey as nãos que fosem tomar 
sua carga, e as outras, com ajuda de noso senhor, pêra ho ano iram a 
cambaya: espero de tomar mamtimemtos e com ajuda da paxam de noso 

senhor, semdo ele em nosa ajuda, como sempre faz, espero dir so 

prazerá ele, pola sua mizericordia, que nos leixará acabar este fato como 
vosa alteia deseja, com acrecemtamento de voso estado e fama dyamte de 
todolos primcipes do mumdo: a imdia fica muy mamsa e asombrada, 
posta em toda sojeiçam e obediemcia de vos alteza; queira a noso senhor 
comservar: espryta em goa a xxiij dias de novembro de 1512. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afomso d alboquerque , 

(Sobrescripto) A elRey noso senhor *. 



» Torre do Tombo —G. Chron. P. 1.*, M. 12, D. 32. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 1 1 7 



CARTA XXffl 

1618— Novembro 80 

Senhor. — Trás me posto em tamta necesidade e trabalho ho corre- 
gimeDto das nãos da carga quaa na índia, e cousas que pedem de que 
mostram ter necesidade, que de lá de vosos almazeens podiam muy bem 
vir repairadas e remedeadas pêra sua tornaviajeni, que he necesareo man- 
dardes muitos ofíciaees ha imdia, ou naaos cadano pêra quá ficarem na 
imdia. Digo vos, senhor, isto, porque elas chegam no mês d agosto e se- 
tembro de purtugall á imdia, e eu no mês de setembro e outubro, e se- 
gumdo a parajem em que amdo e os tempos e a navegaçam dá lugar vir 
buscar a imdia, acho tomados os carpimteiros, ferreiros, calafates, tanoei- 
ros, cordoeiros, e mais ho tempo em que me ey d aparelhar pêra tornar logo 
a sair pêra omde vir ser mais voso serviço, que conviraa de necesidade 
emvemar na imdia e correjer armada, porque sempre amdâmos a quatro 
bombas e chamamdo pola virge maria. E asy me fazem ás vezes partir 
tam tarde, que nam poso alcamçar os lugares omde me mamdaes ir; e 
estes quatro oíiciaees amarelos que hy ha na imdia, benos ha mester a 
vosarmada cadano: teria em mercee vos alteza oulhar bem por iso, por- 
que vay muito a voso serviço e a vosa fazemda; que omde nos deus dá 
de comer á custa alhêa e todalas despesas e gastos de vosa armada e 
soldo á jemte, se ouuesemos dimvernar sobre o pescoço de vosas feito- 
rias, creo que lhe danamos bua bõoa pamcada nos cofres: portamto, se 
as naaos da carga quá am de ser Remedeadas e lhe am d acudir com as 
cousas que pedem, mester ha que mamdees mais oficiaees que acudam 
a bua cousa e outra num mesmo tempo, ou as mesmas naaos tragam seus 
oficiaees dobrados, e todalas outras cousas que pêra sua tornaviajem am 
mester, porque eu saberia no mês de novembro e dezembro pêra omde 
quer cnie ouvese d ir. E porque me tomam agosto, setembro, outubro, 
novembro e dezembro, nam poso sair da imdia senam em março e em 
abrill, e aimda com bua mãao nas barbas e outra na bomba: e frol de 
la mar por iso levou as cimtas do costado de podres na mãao com as ca- 
deas e emxarcia, dum balamço que tomou; e estamdo sôbel amarra, levou 



118 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

abita com as camarás dos marynheiros, os excouveens, e outras cou- 
sas que por este respeyto nos cada dia acom tecem, que sam largas de 
comtar, porque os temporaes de quá pouco dano me tem feito, graças ao 
muy alto deus, porque lhe guardo sempre sua comdiçam : de novembro 
a XXX dias de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor. 

(In dorso, por lettra coeva) dafonso d alboquerque sobre o dano e 
muito voso desseruiço que lhe lá fazem os coregymentos das nãos da ca- 
regaçam: que se proveja. — Pêra ver*. 



CARTA XXIV 

1513 —Novembro 80 

Senhor. — Per outra carta memviou dizer vos alteza que amtonio 
Reall e lourcmço moreno faziam húa nao pêra vola mamdarem carre- 
gada d especiaria, e como Louremço moreno vos mamdou pedir a capita- 
nia dela; e prymeiro que a isto respomda a vos alteza, quero uos cspre- 
ver ho fumdamento desta nao: vos alteza ha de saber que nam ha.hy 
cousa no mundo mais atrevida nem mais desordenada que homeéns da- 
quela marca com mimos e fauor de vos alteza, porque nam tomam os car- 
regos e cousas que a eles cometees, com aquela onestidade e bramdura 
e da maneira que ho vos alteza mamda; mas põem logo os pees Iam Rijo 
per cima de tudo, com tamto atrivimemto e com tamta soberba e descom- 
temtamemto dos homeens, que ho nam podem sofrer, e imda os dana 
muito mais dourai os eu em seus carregos e afauorecelos niso e tratai os 
homrradamente ; e digo uos isto, senhor, porque lhe cometestes carrego 
de vosa fazemda isemtamemte, poder de justiça e d alçada e pagamento 
de soldos á jemte, e as chaves do dinheiro de voso cofre, licemça que po- 
desem tratar carga e descarga de vosas naaos ; e husaram em seu tempo, 
poios eu nam ver nem chegar nunca a cochim, tam isemtos de seus po- 

1 Torre do Tombo— C. Ghron. P. 1.*, M. 13, D. 105. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 1 19 

deres e alem de seus poderes, que lhes parecia que nam linha soperiori- 
dade nehua que Reinase sobreles, nem carta que eu esprevese, nem 
necesidade minha que Ihamostrase, nem acudiam a nada; nem esas sem- 
temças vimgativas que davam semdo reprovadas por mim e feila Resle- 
tuyçam ás parles, nunca ho quyseram dar á execuçam per meu mam- 
dado, senam sempre viverem em desordem, comfiamdo no fauor e credito 
que de vos alteza lem, e asy por se fazer logo huum ane meyo e dous 
que os nam vejo. 

Creceo esta desordem em tamla maneira que, tomada goa a se- 
gumda vez, esprevy aas fortelezas de vos alteza avysos do que me delas 
compria pêra me fazer forte em goa, por tall que vimdo os mouros sobre 
mim, me nam lamçasem fora dela: pasaram Ires meses que numca me 
Respomdeo a forteleza de cochim, nem me acudiram com nehua cousa 
que lhes mamdase pedir, nam temdo nós outra ajuda nem outro fauor 
na imdia senam ho das vosas fortelezas : quamdo vy este desacatamento 
e pouco temor de sua obrigação, certo, senhor, eu detreminey de volos 
mamdar presos ambos de dous, e pasey hua carta per eles que viesem 
logo a goa dar Rezam de sy, e daly a dias parece me que estorvava huum 
pouco ho despacho da carga, porque era já na derradeira; pasey outra 
carta, que sobrestivesem asy até ver outro Recado meu, e emtam me Re- 
spomderam que em cananor lhe tomavam todolos maços das cartas; po- 
rém eu afora as cartas esperava por cousas que lá mamdava que me 
trouxesem. 

Pasado isto asy, como digo a vosaheza, nam curey de lhe tomar 
mais esta comia: quamdo fuy pêra malaca, deixey eu manoel de lacerda 
com esas nãos d armada pêra se averem de correjer, e mamdey que ho 
cime fose correjido pêra minha pesoa muito bem, damdo côr que pode- 
ria ser que ho mamdaria pêra eses Reynos ; e tememdo me logo deles, 
dey hum poder a manoel de lacerda, que emtemdese no correjymemto 
da dita armada, como se propiamenle em pesoa eu hy estivese, porque 
vosaheza me mamdou que amtonio Reall ficase asy na forteleza, e eu 
poderia deixar hua pesoa com meu poder e autoridade, se me bem pa- 
recese ; e por iso leixey manoel de lacerda, que somente no corregimento 
das nãos d armada emtemdese. 

Louremço moreno e antonio Reall, como homeens que lhe ficou da 
eramça do visoRey husarem da justiça vimgativa e de todalas outras 
cousas, imda que seja á vosa custa, tyveram ho cirne descuberto todo ho 



120 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

imverno, e esteve acerqua de sete meses seno vararem: tomaram manocl 
de lacerda e começaram de ho bamquetear e emganar, e fizeran o com- 
semtir em quamla desordem niso quiseram fazer: ho comsélho damlreles 
foy dizemdo, pesar de tall que ele nos mamdava ir presos, desfaçamos ho 
cirne e ponhamos lhe ho fogo, e perderá ele sete ou oyto mill curzados 
que hy tem nele; e pêra ajuda disto achavam que as feiticeiras de cochim 
m aviam por despachado. Isto era ho segredo damtreles; ho de fora que 
eles preegavam á jemte, era que se fazia gramde custa em se correjer ho 
cirne, e que seria menos custo fazer se hua naao de novo: depois d estar 
seis meses no Rio, todavia meterana emvasadura no cirne: como a em- 
vasadura abicou a grade, parecia lhe amtonio Reall que a nao sayria fora, 
e semdo tam forte e tam Rija como era, que os culparia muyto, fazemdo 
eles ho que tinham detreminado: deyxôo asy estar tamtos dias que os va- 
sos se arearam, e apodreceram os imdios, e a emvasadura alargou, e o 
cirne pôs ho couce nas simeas da grade: janeanes quamdo vio estas cou- 
sas, emtemdeu muy bem ho negocio, e tirou hum estromemto pêra res- 
guardo de sua obrigaçam: persyvall vaz, que era esprivam, foy preso, 
porque fez requerymemtos sobre ho varar do cirne e sobre ho cobrirem ; 
os esprivães da feitoria também fizeram Requerymemto sobre ho mesmo 
feito, e foram presos e mall tratados: esteve asy ho cirne por espaço de 
treze ou catorze dias na grade, atá que deram a semtemça que ho quey- 
masem : queymaram ho cirne e a emvasadura e a grade e algua artelha- 
ria que estava no cabo da grade pêra a fazer tomar fumdo. 

Acabado de tomarem e se vimgarem de mim nas vosas propias cou- 
sas, arvoraram esta nao: ao pôr das cavernas e picas, começaram dam- 
dar hum pouco as Redes : viram os esprivães da feitoria vosa fazemda 
mall aviada, jornaes e madeira gastada; fizeram requerymemtos sobriso 
e foram presos e mall tratados: porque ha chegada de cochim, quamdo 
vim de malaca, achey toda esta imbrurylhada, quamdo vy hua tam gramde 
nao arvorada sem mamdado de vos alteza, nem comsymtimemto meu, nem 
credito pêra iso, fiquey pasmado serem eles tam atrevidos que cometeram 
cometer tam gramde gasto e despesa, com dous carpymteiros amarelos 
que nam poderam acabar a de jorje barroto, que lhe primeiro nam apo- 
drecese a quylha: chegamdo eu de malaca que vy tam gramde despesa 
feita, que nam ousey de mamdar desfazer a nao, amtes sobre ho feito do 
cirne mamdey fazer auto diso e trazer a lume os Requerymemtos e pro- 
testaçõees feitas amtonio Reall e a Louremço moreno e asy ho estromemto 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 121 

que tirou Janeanes e todo ho mais que se nese negocio pasou, dyseme 
amtonio Reall e Louremço moreno que faziam aquela nao pêra ha mam- 
darem carregada de pimemta a urmuz, e caleyme; deixey ir a cousa 
avamte, e esprevy a vos alteza que pêra iso se fazia esta nao, nam espre- 
vemdo suas culpas: eu creo que pêro dalpoem levou lá ho auto deste 
negocio, e pola carta que vy de vos alteza, em que mamdavees que se 
nam fizesem quaa nãos nem navios, senam daqueles de que tivese nece- 
sidade, certo, senhor, eu lhe quisera meter a mãao nas suas buetas; e 
depois quys tudo guardar pêra vosa alteza, pois que já ho mao Recado 
era feito ; mas esta foy a quylha da nao e a primeira caverna mestra que 
lhe poseram e seu nacimemto. 

Ho que saberey dizer a vos alteza desta nao, he que ela me tem 
asaz torvado minha navegaram e o despacho do correjymemto d armada; 
e a jemte come ás vezes á custa do voso cofre com esta tardamga em tall 
maneira, que ho prego que se lamçar na nao, custará mais que em lix- 
boa três vezes; say gramde naao; porque se amtonio Reall vay, eu lhe 
pedy íiamça á nao, e a louremço moreno que segurasem a sayda da nao 
pola barra fora, e que acabamdo se a nao, nam ficase a quilha podre e 
a liaçam de baixo, polo tempo que ha que está em estaleiro ; como a vir 
em mar e fora da barra, emtam poderey dizer a vos alteza se hyrá segu- 
ramemte a eses Reinos com especiaria ; pêra aquaa parece me mayor nao 
do que he necesareo, e se navegar com carga, será pêra malaca ou pêra 
urmuz com pimemta, aimda que as nãos que quaa am damdar em vosos 
tratos, devem de ser nãos que sem pejo emtrem no Rio de cochim com 
ha carga que trouxerem de fora e posam espalmar em outras partes, se 
lhe comprir. 

A nao leva forte madeira ; ha dous anos que está no estaleiro ; nam 
sey quamdo s acabará; de muitas cousas tem necesídade: de cananor a 
XXX de novembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vossa allteza 

Afonso d alboquerque. 

(Sobrescripío) A ellRey noso senhor. 

(In dorso, em lettra coeva) dafonso d alboquerque e reposta que 
vosa allteza lhe espreueo sobre a nao nova que se fez em cochy. — Pêra 



ver*. 



1 Torre ío Tombo— C. Chron. P. !.•, M. 13, D. I08. 

16 



122 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA XXV 



1613— Novembro 80 

Senhor. — Vos alteza me culpa na guarda de calecul. Digouos, se- 
nhor, que ha guarda de calecut pêra lhe nam virem mamtimentos, que 
he . trabalhar debalde, porque na terra ha muito arroz, e tramapatam e 
cananor ho abasteceram sempre em gramde soma, e vos alteza nam lho 
pode tolher, senam lolhemdo a navegaçam a cananor, porque de trama- 
patam a calecut he muy piqueno caminho por terra, e as nãos de calecut 
se varam em tramapatam; e asy lhe vem mamtimemlos da terra de nar- 
symga em gramdo abastamça; e portamto, senhor, he em vam trabalhar, 
sobreste feito; porque as naaos de cochim, se vem necesidade, lá levam 
os arrozes a vemder: e quamto ao que toca ha navegaçam de suas espi- 
ciarias e guarda de calecut digo, senhor, que ho primeiro ano que come- 
cey a governar a imdia, eu hia com xxij nãos caminho do estreito, dei- 
xamdolhe queimadas suas naaos todas no mês de janeiro, e sua navega- 
çam e pasajem he no mês de feuereiro e março, e per esta comta nam 
navegou estano; e a noso senhor aprouue mudar meu caminho no feito 
de goa; veyo depois armada de gonçalo de siqueyra e louremço moreno, 
e eu say de goa quamdo ha leixamos aos turcos, e todo ho mês d agosto, 
setembro e outubro amdaram nãos sobrela, symam martinz, framcisco 
marecos, garcia de sousa, manoel de lacerda, e tomaram hua nao de me- 
qua: fuy naquele tempo sobre goa, no mês d outubro, e ficou symam 
afomso na sua caravela, e jorge botelho na caravela Redomda: ganhada 
goa me mamdou ho çamory falar nas pazes, e eu mamdey symam Ram- 
jell em hua fusta de goa a calecut, e se meteo na caravela de symam 
afomso, que hy jazia diamte do porto, e estiveram nestas pralicas de suas 
falsidades e emganos, por saber milhor parte das nãos que carregavam e 
por se guardar milhor a Ribeira do mar: a forleleza de goa feita, eu me 
fiz prestes caminho do estreito no mês d abril, ficamdo as caravelas e fusta 
deamte de calecut, e tinha mamdado Diogo fernandez a çacotorá, que 
m esperase hy até meado mayo, e nam semdo hy até meado mayo, sou- 
besse que eu era arribado a urmuz com tempo, e nam m achando em 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 123 

mascate ou nesa costa, emtam se fose a urmuz e pedise as páreas: prouve 
a noso senhor de eu nam fazer este caminho, por ser já ho tempo muito 
gastado ; emtam arribey sobre goa e alarguey de mim parte da jemle, 
e o rey piqueno e o navio samtespríto e a lyonarda e a Rumesa e hua 
nao nova de goa em picadeiros e hua galeota e duas fustas e hum na- 
vio piqueno dos de goa; e dy me vim a cananor e lhe deixey algua 
mais jemte, e parti me dy e vime a cochim, ho cirne, ajuda gramde e ajuda 
piquena, e o Rosaíro e a garça e sam tome, nao nova de cochim, e mais 
os capitães, deles cavaleiros e fidalgos,, e jemte do mar que nelas anda- 
vam ; e deixey manoel de lacerda com poder de lhe obedecerem todolos 
capitães no mar, e como viese agosto sayse logo de fora e guardase bem 
a costa de calecut: sobreveyo neste tempo a emtrada dos turcos na ilha 
de goa e acudio lá manoel de lacerda, e veyo diogo fernamdez d urmuz 
com três nãos e a jemte de çacotorá; e per esta comta achará vos alteza 
dezoito velas, com ha nao nova que ficava em goa em picadeiros, e mill 
homeens na imdia, nas fortelezas e em goa, dos quaees cristovam de brito 
e dom aires acharam em goa perto de setecemtos homeens, que era toda 
a milhor jemte e mais homrrada que eu trazia na imdia e as milhores 
nãos d armada: deixey isto asy ordenado, porque me dise vos alteza em 
hum capitulo do meu Rejimento que, navegamdo eu aos lugares per vós 
ordenados, apartamdo me da costa da imdia, deyxase algum homem com 
alguns navioos em guarda da costa. E polo feito de goa ser muy fresco, 
posto que ha forteleza ficava pêra dar rezam de sy a toda a jemte da im- 
dia que viese sobrela, todavia, por mais Resguardo e polo recêo que se 
sempre deve de ter d armada do soldam, eu alarguey de mim tod armada, 
nam levamdo comigo senam frol de la mar e a taforea e as duas carave- 
las e as duas galés e hda galeota de goa: a galeota e a galé piquena se 
foram ho fumdo através de ceilam, e salvey a jemte e algua artelharia; e 
asy levey cimqo nãos de goa, quatrocentos homeens da imdia, duzen- 
tos malavares, e as nãos de diogo memdez com duzemtos homeens, a 
mayor parte deles negros da Ribeira de lixboa, e hereses gorometes, e 
emxobregas e o bretam eo a jemte do mar; ora veja vos alteza as cartas 
dos homeens da imdia, e vede, senhor, se vos dam esta comta desla ma- 
neira verdadeira e chêa de todo voso rejimento e tudo mylhor provido do 
que mo vós imda emcarregastes : e estano nam navegou calecut, porque 
atá per todo h(T més dabnll amdou a vos armada sobre o pescoço de ca- 
lecut. 

18* 



•f>' 



124 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Semdo eu em malaca, sayo manoel de lacerda com as nãos de co- 
chim, e o feito de goa ho fez leixar a costa de calecut, e partiram seis 
nãos carregadas despyciaría; e noso senhor por sua piadosa mercê, que 
foy sempre em minha ajuda sem lho eu merecer, se lembrou de meu car- 
rego e de minha obrigaçam, e semdo as naaos tamto avamte como çaco- 
torá« pegadas nas costas damtre ho cabo de gardafuny e magadaxo, deu 
tam gramde temporall nelas que se perderam aly duas, e hila arribou a 
batecala, de que vos lá foy a canela nas naaos de dom garcia e jorje de 
melo: mafomede maçary, ho primcipall mercador de calecut, que se hia 
pêra ho cairo com toda sua casa e fazemda e levava simam Ramjell com- 
prado, e levava três naaos suas carregadas despiciaria, correo com tem- 
porall as ilhas de maldiva e camdaluz; duas safumdaram logo no golfam. 
E chegamdo ele ás ilhas na sua em que hia, foy através e se perdeo, e 
salvou d aly algiia espiciaria, e comprou hua comdura das ilhas, e como 
veyo tempo, partio nela com algua pouca despiciaria que escapou^ e sy- 
mam ramjell com ele, e veyo a ver calayate e aly se perdeo a comdura; 
e partio d aly em hfia naao durmuz e veyo adem. Esta he a verdadeyra 
com ta; ora veja vos alteza as cartas que vos os homeens ouceosos espre- 
vem da imdia, e vede, senhor, se achaes isto nelas. 

Ho anno qme chegou dom garcia, say eu de cochim e fomos sobre 
banastarym, e noso senhor foy em nosa ajuda e lamçamos os turcos fora 

da ilha com partido de memtregarem os cristãos espravos e 

espravas que eram fogidos de goa, e todolos cavalos e artelharia, como 
já lá tenho escrito a vos alteza: acabado este feyto, mamdey logo meu so- 
brynho dom garcia volver a cochim correjer eses navios que m espedaça- 
ram esas bombardas dos turcos em benastarym, e guardar ho porto de 
Calecut, e sempre amdaram navios sobre calecut; faziam se prestes dez 
naaos com carga d especiaria, e sabia o eu certo; e neste tempo falava ho 
nambiadery, primcipe de calecut, sobre as pazes de calecut e dar forte- 
leza e tributo a vos alteza, de maneira que neste tempo nam sayo nehua 
naao, e eu fiquey em goa fazemdo forte ho paso de benastarym, que he 
a chave da ilha de goa, e íiz sobre a Itibeira do Rio e paso ho castelo de 
sám pedro, que até quaremta ou cimquenta homeens abastará pêra o de- 
femder; e mamdey fazer outra torre em pamgym com sua cerca de redor 
e baluarte no mar, e mamdo agora fazer outra sobre a barra e emtrada 
do porto omde estava hum baluarte dos mouros: acabado meu sobrinho 
de ter correjido as naaos, eu Ihesprevy.que alargase a costa de calecut, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE i25 

descobryndo lhe secretamente como minha deterrainaçam era emtrar ho 
mar Roxo e ir sobradem, e que me seria milhor comselho dar lagar ás 
naaos que carregassem, poios acolhermos com toda sua Riqueza dentro 
no mar roxo na boca dele; dom garcia meu sobrinho ho fez asy: che- 
gamdo ele sobre a barra de goa, estava eu já embarcado com toda a 
jemte; éramos por todos mill e setecemtos homeens, ficavam em goa qua- 
trocemtos e em cochim oitemta e em cananor oitenta : deu nos noso se- 
nhor tempo de bõa viajem, e fizemos ho que mais largamente vos alteza 
verá pela carta gramde : mamday agora, senhor, vir as cartas qiie vos es- 
prevem da imdia, e vede se vos dam comta desta maneira do negocio da 
imdia, ou se vos esprevem como compitidores do voso capitam mor e em- 
vejosos de seus trabalhos c de seus serviços ; e outros ho fazem ás vezes 
por escamdolo de seus castigos e Repremsõees que por suas culpas me- 
recem, e outras vezes porque me pedem ho que lhe eu nam poso dar. 

Partidas as naaos de calecut^ em pamdarane, antes que partissem, 
se perdeo hua, e semdo tamto avamte como çacotorá, deu hum temporall 
nelas, que também deu em wds, de vemto suU e suduesle; elas seryam 
á ree de nós cemto e cimquemta legoas; com este tempo nos metemos á 
orça quamto podemos aferrar a terra da costa do cabo de gardafuny pêra 
demlro, porque hiamos com levamtes a meyo estreito demamdar adem, 
que nos demorava a loeste em sua altura propia, e o vemto qi:e levá- 
vamos era lesueste amtes que nos dese ho suU: dêmos tamla força de 
vela ás naaos que aferramos a costa e ouuomos vista d abedalcuria, e to- 
mamos a terra de felez: com este acemdimento deste vemto as haguas 
corryam a vemto comtra nós; levávamos mar e vemto que nos sobejava; 
perdemos os caturys que levávamos por popa, e asy fomos costeamdo a 
costa. Este temporall que dito tenho, fez arribar as naaos de calecut e 
meteo logo duas no fumdo, e as outras alijando espiciaria e cos mastos 
quebrados, veyo hua delas ter a maym, outra veyo ter a danda, duas 
vieram ter a dabull, hua a çamgiçar, outra a batecala, outra correo a ca- 
lecut e se perdeo em panane, outra emtrou em mamgalor, outras naaos 
que vinham de çamatora e martabane e bemgala arribaram ás ilhas e até 
ora nam sey ho que he feito delas; e duas de mamale de cananor com 
seguros desymulados pêra urmuz, dados polo capitam comtra minha de- 
fesa, das quaes hua emtrou em diu e outra em chaull : eram em cama 
com estas nãos hum jumqo de pegu, que levava alacar e marfim e arroz 
e almizquyry e algua pedraria, e arribou com este tempo : da volta que 



i26 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

agora volvy do estreito, vym correndo a costa, e no jumqo e nao que es- 
tava em maym nam quis emtemder, por acabar de dar este noo ao com- 
cerlo de cambaya; e vym a chaull e a damda, omde memtregaram a nao 
com toda a espiciaria e artelharia; e em chaull leixo hum carpimteiro e 
fernam de resemde fazemdo duas caravelas latinas. 

A maneira que agora tem calecut pêra navegar suas espiciarias, he 
esta: mercadores primcipaes de calecut haja muy poucos; os do cairo 
foram se pêra o cairo e alguns pêra urmuz e outros pêra cambaya, e ou- 
tros foram pêra ese seriam de narsymga: todo feito de calecut agora he 
de mouros de lá desas parles de çafim, douram, de tremecem, de tuniz, 
do tripuly dos jerbes e de grada, e arrimcaram de lá com suas fazemdas 
e vem do cairo a judá, e de judá vem a calecut com dinheiro na mão e 
chegam em agosto. E em setembro e em outubro, novembro, dezembro, 
janeiro e feuereiro, fazem nãos novas em calecut e carreganas despicia- 
ryas e vamse, e começam agora de fazer este caminho: pregumley alguns 
deles como se avemturavam vir tratar a calecut, estamdo amtre duas for- 
telezas nosas e nos armada; Respomderam me que eram tam gramdes os 
ganhos, que a todo Risco se punham, que faziam de hum curzado doze 
e treze de calecut a judá e adem, e que a pimemta valia a xxb curzados S 
e em judá e no cairo ho jemjivre e pimemta nam tynham preço: e eu, 
senhor, ho creo, porque nam sam eu tam desprovido de minha obriga- 
çam que ás vezes nam amde em hua tavoa no mar, por dar bõoa comta 
de mim e de meu carrego; e as nãos de calecut que eram a viajem, pa- 
rece que ho meu cuidado lhe faz elas perder ho tempo verdadeiro de sua 
partida, e mais noso senhor que tem cuidado de guardar e comservar as 
vosas cousas, porque nam ha quaa b homeens *, de que vós fazes fiim- 
damemto; e prouuese a deus que com os de malaca fossemos dous mill 
e quynhemtos: lembra me, senhor, ho que dezia ho prioll do crato meu 
tio a el Rey que deus aja, que emtraram na graciosa xxx homeens ^, e 
nós numca nos podemos ajumtar Ires mill, porque quamtos emlravam, 
tam tos sayam doemtes, afora os falecidos; e já vos lá lenho isto esprito 
nas cartas passadas ; nam vem quá toda a jemte que embarca em lixboa, 
nem embarca em lixboa a jemte de que vosa alteza faz fumdamemto ; asy , 
senhor, que me nam obryguees como homem que tem cimqo mill ho- 

* Vinte e cinco cruzados. 
^ Cinco mil homens. 
' Trinta mil homens 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 127 

meens, porque se os tivesse na imdia, com ajuda de noso senhor e das 
suas piadosas chagas e com a bõoa querela que temos comtra os imfiees 
imigos da sua samta fee, eu m esforço a derribar a soberba da imdia e a 
ganhar as mayores cousas dela, aimda que as cousas sam já ásperas, e a 
jemte com que pelejamos he já outra, e artelharia e armas e fortelezas 
he já tudo tornado a nosa husamça. 

E porque vem á mãao, quero uos, senhor, falar neste feito de Cale- 
cut; vos alteza me tem esprito sobre a paz e a guerra de callecut per 
muitas vezes; a primeira foy polo marychall e mamdastelo isemto, some- 
tido eu a seu comselho e parecer ácerqua de lhe poor as mãaos, ou nam, 
e na paz e comcerto com ele em algua maneira me tocastes, como seria 
voso serviço emtemderse niso com algum Resguardo do descomtemta- 
memto dei Rey de cochim ; depois me tomastes a esprever sobre ho mesmo 
feito desta mesma forma e maneira, e desejamdo já mais sua deslroyçam 
e que ha precurase, e em todas me tocastes nam poer jemte em terra; eu, 
senhor, fiz sempre ho que me vós mamdastes, e el Rey de calecut m es- 
preveo e eu lhe respomdy : ho nambiadery, primcipe de calecut, me mam- 
dou falar e m espreveo, e eu lhe respomdy ; tudo eram cousas desapega- 
das; as de minha reposta fazia o mais pola obrigaçam de meu oficio, que 
he respomder aos Rex e senhores que m emviarem seus embaxadores e 
suas cartas, ora seja nosos amigos, ora nosos imigos, que por me parecer 
que ho çamory daria forteleza nem receberia vosa jemte em sua cidade, que 
era toda sua destroyçam, e com este feito ho poderiees milhor emfrear e 
asenhorear e trilhar, e fazerdes de calecut tudo ho que quiseses, pois que 
ha quymzanos que lhe temdes feito muy pouco nojo com guerra, nem me- 
nos vosas armadas lhe tolheram numca sua navegaçam, por esta Rezam: 
vosos navios amdavam sobre a costa de calecut, e se eram piquenos e pouca 
jemte, armavam sobreles, e alguns estiveram em comdiçam de ser toma- 
dos, e quamdo deste perygo escapam, afastam se afora; e eles botam suas 
naaos ho mar e carregan as, e as vosas caravelas e navios piquenos nam 
am d ousar demamdar lá seus bates, porque tem pouca jemte e nam lhe 
am de poder empecer, e estarám em comdiçam de os tomarem dous pa- 
raos; e eles tem cem paraos carregados de mercadaria de redor de hila 
nao, e carregan a em duas oras, e co terrenho de noute vay a nao na volta 
do mar e os vosos navios ficam surtos; e hua sae de panane e outra de 
pamdarane e outras de cramgalor e outra do arrecify e outras de chalea, 
e outras partem de tramapatam cos seguros que lhe daa cananor ; e sem- 



1 2g CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

pre fizeram esta navegaçam e faram, se lhe nam tiverdes estes portos to- 
mados com muy bõoas naaos e muitos navios de Remo que estêm pega- 
dos em terra com costas qucmtes de naaos, em tall maneira que se nam 
crye armada sobreles; e vos alteza manda que duas caravelas ou dois na- 
vios piquenos guardem a costa de calecut; tomar vol os am, e eles nam am 
de tomar nada de calecut, porque híia nao de calecut que no mês de se- 
tembro chegou de judá, nana tomou ela ho navio ferros nem ousou dem- 
vestir com ela, e tinha á vista amtonio de Saldanha em frol da rosa: nam 
sam as cousas da imdia tam moraes como as lá fazem, nem esiam da 
comdyçam que soya a ser: digouos, senhor, que as nãos de calecut da 
maneira que agora custumam fazer, que he carregarem em três oras da 
noute, e como salta ho vemto a terra fazem se na volta do mar, que se os 
Yosos navios da guarda da costa nam estiverem emcadeados com elas, 
que as nam verám partir, e se nam forem bõoas naaos e bõoa jeinte, pela 
vemtura as nam tomaram. 

Mais, senhor: porque temdes vós guerra com calecut poios desati- 
nos daires correa? e queres que tamtos anos estee voso poder na imdia 
em descrédito com esta guerra de calecut? que faz a veneza ter comfi- 
amça das cousas da imdia e de seu trato amtigo, que faz ao cairo fazer 
armadas e comfiar que bolará vosas jemtes e naaos fora da imdia? e em- 
tamto calecut estiver desta maneira, numca ho cairo nem veneza desisti- 
ram de seu preposito: e por cartas delRey de cochim e delRey de cana- 
nor e dos feitores de vosas feitorias e esprivães deixaes vós de tomar 
asemto com calecut, quymzanos ha; e deyxaees de desbaratar voso imigo 
com paz e forteleza, pois que haté gora com guerra lhe temdes feito muy 
pouco dano: que vos ha vós desprover Louremço moreno, senam ho que 
elRey de cochim pedir? que vos am a vós desprever os esprivães de co- 
chim de vosa feytoria, senam ho que el Rey de cochim pedir? que vos 
ha vós descrever amtonio Reall, senam ho que elRey de cochim quyser? 
que vos ha vós descrever gaspar pireira, senam ho que lhe elRey de co- 
chim pedir? porque estes ambos de dous que vem por feitores, cuidam 
que estarem cemtanos na imdia por feytores está na mão delRey de co- 
chim, se vos escrever bem deles; e acomselhano ho que vos espreva e o 
de que se ha d agravar; descobrem lhe os segredos de purlugall e as de- 
treminações de voso Rejymemto; meteno em escamdolo co voso gover- 
nador, e sem verem voso rejimemto, se me vêm fazer algua cousa das 
que me mandaes, fazem lhe emtemder que tall me nam mamdastes nem di- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 1^9 

sest^; pedem lhe cartas pêra vos alteza cadanó, e faiem eles as me- 
butás. 

Mais, senhor: quem sostem calecul senam elRey de cananor e elRey 
de cóchim, porque as suas nãos lhe levam os mamtymemtos? as suas 
naaos vam tomar com vosos seguros as espiciarias por essa costa e por* 
tos de Calecut: amtes, senhor, crede que estes mesmos os sostem, pêra 
terdes comtinua guerra com ele, e haa vosa custa e de vosas armadas 
tem seus portos pouoados de muitos mercadores e de muitas mercadarias 
e tratos, e nano querem destroir: nam sey eu que el Rey dejcochim que 
tem ele £xx nayres *, e elRey de cananor que tem mais de Ix*? porque 
ho nam vam destroir? e porque nam foram ajudar ho marychall e a mim, 
e foram senhores de calecut? porque nos querem trazer nesta pemdemça 
atá fim do juizo : algua pratica desta tive eu com el Rey de cochim, e quamdo 
m alegou a morte de seus paremtes por voso serviço ; e eu aleguey a morte 
do marychall e de muy boons cavaleiros e fidalgos por sua honra dele e 
polo que ele alegava, e o meu braço esquerdo, que ho nam poso alevam* 
tar, dizemdolhe que se ele e elRey de cananor sostinham calecut, que 
como ho aviamos nós d acabar de ho derribar? e eu detreminava de lhe 
nam fazer mais guerra nem paz, sem mamdado de vos alteza: bem l^e 
parecia ele nam ousar de vir hum recado de cananor a cochim em hum 
parao, que logo nam fose tomado, nem de cochim pêra cananor, e que 
as nãos de seus portos cos seguros de vos alteza lhe levavam as cargas 
dos arrozes demtro a calecut. Esta mesma maneira tem os vosos oficiaes 
com elRey de cananor, e o trazem posto em todo descomcerto; e sanl 
nesta ajuda e comselho com peitas e dadivas a elRey de cochim e a vo-^ 
SOS oficiães e aos vosos capyàies das fortelezas os mouros mercadores de 
cochim e os mouros mercadores de cananor, por tall que as suas nãos 
naveguem seguras e seus tratos mais proueitosos, e que os de calecut 
nam naveguem nem tratem : oulhay, senhor, por isto, que vos vay muito ; 
abasta a b&oa paz e amizade que temdes com elRey de cochim, seu porto 
e sua terra muito Rica e ser escapola da carga de vosas naaos ho porto 
de cochim, de que tamto proueito Recebe. E fazey vosos feitos muy bem 
e como vos compre, porque asy ho faz elRey de cochim, que faz seu com- 
eto e sua paz cos caymaes e senhores da terra de malavar, que sam 
com el Rey de calecut, por seu proueito e por segurar sua homra; Recebe 

1 Trinta mil naires. 
^ Sessenta mil. 

17 



i30 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQl^ 

• 

a pimemta e mercadores da terra de Repelym demtro em seu porto, semdo 
terra delRey de calecut: e os chatins de calecut nam vem eles de calecut 
carregados de pedraria? pois rezam parece que tenhamos nós esta cabra 
polo pescoço, e que ha estêm eles mamamdo? nam querem fazer a gderra, 
e querem que ha façamos nós; nam nos querem ajudar, e querem lhe eles 
dar todolos mamtimemtos e provymemtos que podem; e os Rex de quá 
sabem jugar seus jogos como os de lã, e tem comselho e syso: guarde se 
vos alteza das cartas de vosos oficiaees, que eles sam hos que estorvam ho 
comcerto de calecut, e trazem danado elRey de cochim e o de cananor, 
e lhes parece que seus ofícios ficaraam abatidos ; e sam muy grosamemte 
peitados dos mouros: quem amamsou a fúria de cananor senam verem 
que dava eu orelhas á paz de calecut? E portamto, senhor, seguray ca* 
lecut com forteleza, se vola leixar fazer ;perdey ho descomíentamerato que 
dele temdes, porque os vosos homeens foram causa de sua morte e asy 
os de coulam; nam cures de trato de cananor, que he sem proueito, nam 
tem porto nem Rio pêra as naaos nem galees, nem mercadarias nem pe* 
drarias, nem mercadores que tratem em vosa feitoria; abraçai vos com 
cochim e calecut pêra a carga de vosas naaos, que prazerá a noso se- 
nhor que durará até fim do juizo: este he ho milhor comselho que podees 
tomar e mais proueitoso ; e agora he tempo, que ho çamory he nK)rto, 
homem de tam pouca verdade, chêo demganos e covarde, que com medo 
Qumca ousou de fiar de nós: abraça vos com estes dous portos, porque 
aquy temdes todo jemjivre beledy, toda a pimemta do malabar, e outras 
muytas drogarias e toda a pedraria de narsymgua e gasto de muitas mer- 
cadarias, que avemdo tamtos anos que temdes guerra com calecut, aimda 
oj este dia he a mayor cousa da imdia nesta parte e mais Rica; e cana- 
nor, avemdo tamtos anos que temdes paz e amizade com ele, aimda oj este 
dia nam vay hum homem ho lugar, que nam vaa com a barba sobe lo 
ombro, nenos deixam cortar hum paao por nosos dinheiros em sua terra: 
nam creaes comselhos nem cartas da imdia, porque os homeens que volas 
esprevem, nam vestem as armas, amtes mamdam por couraças a purtu- 
gaJl pêra as vemderem por R e 1 cruzados ^ tira vos, senhor, desta guerra 
de calecut, porque acabaees muitas cousas com a paz e seguramça dela, 
que nimguem nam chama os Rumis á imdia senam calecut ; com a paz 
lhe cortaes esta esperamça, e avees todalas drogoarias e jemjivre beledy 

1 Por quarenta e cincoenta cruzados. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 131 

de sua terra pêra a carga de vosas naaos, e pedraria, e em hum mesmo 
tempo estam as vosas naaos tomamdo carga á vista huas das outras. Ca- 
nanor he hum regatam, que nos estam vemdemdo os mamtimemtos polo 
dobro, de que nam avees proueito nehum, nem aproueíta pêra nehtla 
cousa senam pêra nome de forteleza ; todalas outras cousas que nele ha, 
a Calecut vam por elas : torno vos, senhor, a dizer que asemtees a esca- 
pola de vosas naaos nestes dous portos, e quem vos ho comtrairo acom- 
selhar, perdoe lhe Deus: e acabamdo vos alteza ho feyto de calecut da ma- 
neira que dito tenho, cobrares gram credito na imdia pêra as cousas de 
voso serviço, e muito mayor temdo hum pee demtro nele, que destroylo 
de todo nam pode ser: e ha nesas partes do cairo e veneza e turquya e 
outros muitos Rex e senhores emvejosos de vosa fama, de vosa vitoria e 
comquysta e das Ryquezas da imdia, que estam todas na vosa mãao, ti- 
radas a eles ; pomdel os com este feito acabado em todo descrédito e des- 
comfiamça das mercadarías da imdia, porque nam ousaram de vir a ela, 
que temdes tudo acupado ; portamto, senhor, ho que nestas partes nam 
poderdes acabar com guerra, com bõoa paz e forteleza á nosa husamça 
as mamsarês e asenhorearês. 

Digo mais neste feito de calecut : ho çamorym he morto que vos fez 
a trayçam ; veyo outro Rey soceder ho reino e terra ; quer paz com vos al- 
teza; Recebe vosa forteleza e vosos tratos e mercadarias; quer vos dar as 
que ha em sua terra ; nam vos fez a guerra nem nehum deserviço : por- 
que nam folgará vos alteza dè ho ter por servidor e de se aproueitar 
da Itiqueza de sua terra e do que nela ha? e estares fora desta duvida 
das espiciarias de calecut, e temdelo asenhoreado com hua forteleza de 
cemtomeens, e hum pee sempre nela demtro pêra o destroirdes cada vez 
que quiserdes; e dous navios com cemtomeens nam podem isto segurar, 
nem sam boons pêra nimygalha já gora na imdia. E nam terá ho cairo 
nem veneza nehua comíiamça já das cousas da imdia: e eu ey por certo 
que ho nambiadery matou ho çamorym com peçonha, porque em todalas 
minhas cartas lhe esprevi que matase ele ho çamorym com peçonha, e 
que lia paz eu me comcertaria com ele. E se nçste caso queres que 
se guarde as jemtilidades e cerymonias dei Rey de cochim e seus paras 
cadanó, fazey, senhor, ho que quyserdes, que vós paz universall me mam- 
dastes emcomemdar e assemto e asesego com toda a terra do malabar; 
socedy a voso mamdado e parecer, porque estamdo vos alteza na imdia, 
nam poderees aver mílhòr comselho acerca da terra do malavar, omde 

17* 



132 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

vosas nãos estam tomamdo sua carga sobre htla amarra, e ás vezes Dam 
íica demtro nela senam hum cam que ladra a bordo, aimda que sobre 
este feito das nãos ficarem asy soos, me temdes esprito, mas hos homeens 
nam fazem tudo ho que lhe eu leixo ordenado : haas vezes ponho de mi- 
nha casa hua pouca de força. 

Quamto he ao que me vos alteza diz sobre a navegaçam de calecut, que 
vos parece esquecimemto desarrazoado, dizê me, senhor, omde m acham a 
mim vosos recados, pêra que vos pareça que eu sam esquecido do que 
me vós mamdaes fazer. E quamdo me vos alteza quer culpar, mamde vir 
primeiro vosos rejimemtos diamte e veja os bem, e saberá que morto ou 
vivo estou omde me mamdaes ir, e que todolos outros Resguarde (sk) minha 
ida, tocados em vosos Rejimemtos, ficam prouidos. Se as cousas nam so- 
cedem ás vezes como vós queres, logo vosa alteza ha de crer que des- 
prouimemío de minha lembramfa ho causou; mayores danos vos tem a 
vós feito as cartas da imdia queste, porque vos nam deixam tomar ver- 
dadeira detremynaçam no feito da Imdia, que vos tem feito assaz de dano, 
)orque nem os Rex e senhores da imdia, nem os mouros, nem os cava- 
eiros e fidalgos e jemte vosa que vos quá amdam servimdo, tomam asemto 
e asesego, nenos corações dos de lá, fora de duvidas: de cananor a xxx 
dias de novembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vossa allteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A EllRey noso senhor. 

(In dorso ^ por lettra coeva) dafonso dalboquerque, as rezões que 
daa pêra a paz de calecut: — pêra ver *. 



CARTA XXVI 



1613 —Novembro 80 



Senhor. — ^As cousas de calecut tomaram asemto depois 4a minha 
vinda do mar Roxo, as quaees foram bem comtrariadas d alguas pçsoas, 
emquamto amdey fora; guarde lhe vos alteza lá seu galardam pêra quamdo 
lhe forem pedir mercê: a forteleza está perto do seu çarame na Ribeira 



» Torre do Tombo— C. Ghron. P. 1.*, M. 13, D. 106- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 133 

do mar uo pouso de suas nãos e Remamso do arrecify; a obra á feitura 
desta vay parecemdo; parte dela sobe la terra mamdeya fazer por agora 
tamaoba como a cerqua do apartado de cochún bo mestre da obra tomáa 
fernandez, que be maravilboso homem e vos tem bem serrido em seu 
oficio: framcisco nogueira tem cargo da obra e cargo dos nosos e cargo 
de justiça comL?* t$. * cadano e seu mamtimemto, e asy tom de mim 
que, feita ha torre da menajem e a porta çarrada da forteleza, se chame 
capitam dela, com aquele ordenado que ha vos alteza apfouuer: goiQçalo 
memdez tem cargo de feitor e pagador das obras com quaremta mill fs; 
joham serram tem cargo desprivam da feitoria e das obras com xix fs': 
os apomtamemtos do comcerto lá os mamdo a vos alteza: três cousas sam 
as primcipaes, a saber, dar se toda a pimemta quamta nós quisermos a 
troco de mercadarias de toda sorte; ho jemjivre que se ccnnpre nesa praça 
a lavradores que ho hy vem vemder per ordenamça da terra, a outra, be 
paga de vósa fazemda; a outra, de trebuto cadano ametade da Reimda 
dos seguros das oaaos, que be bua gram soma, aquall se paga em dir- 
nbeiro, porque as nãos do Reino e doutras partes que hy tratam, be 
gramde camtidade: as mercadarias que pedem, lá bo escrevo a vos alteza; 
creo que se gastará hy gram soma dela, e que os mercadores de cochim 
am de vir a dar a pimemta a troco de mercadaria pela compitíçam de 
Calecut, que foy a mayor cousa que se imda fez na imdia, dar se pimemta 
a troco de mercadaria dada pelo preço e peso de canaaor, porque he my* 
Ihor pimemta que ha de cbchim: este feito, senhor, hede ddm giurcia» 
porque ele ho começou e o acabou, e mais tem mamso e comtemte eIRey 
de cochim em algua maneira até mynha ida, que asesegarey tudo ; poréoà 
castigo aviam mester aquelas pesoas que ho ele tinham danado e Rijo; 
algQas tirar^ty eu de cochim por este Respeito e por outros, e asy pelo 
Rijo tratar com pimemta e cobre, que omde vosas feytorias eátam nam 
be necesareo trato de purtugueses, porque este tratar me tem metido em 
tamta desordem, que nam poso meter a jemte a caminho^ tam espalhada 
amda ; e praza a deus que nam naça daquy algua pemdemça ha estima 
de vosas mercadarias e ós tratos de vosas feitorias, porque os vosos ofi- 
ciaes nam tratam eles arecas, nem em arrozes, nem cocos. 

Nesta paz de calecut emtra elRey de cananor, ho quall mamdou 
seus embaxadores a elRey de calecut, e asy os mamdou a elRey de co- 

1 Cincoeota mil réis. 
* Trinta mil réis. 



Í34 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



/ 



chim, acomselhamdoo que emtrase ria paz comnosco e deíxase a guerra^ 
pois que ho çamory era morto: com ajuda de doso senhor tudo samam- 
sará e asesegará; nam com vem agora mais dizer deste negocio a vos ai* 
teza^ sómemte que fartees ha imdia de mercadarias e que d^es sayda has 
da terra. 

Porém, senhor, dura cousa he de sofrer estes vosos ofyciaees e pe- 
soas a que daes tamto credito, os quaes sem vergonha nem temor de 
vos alteza se trabalham por danar quaa e laa as cousas de voso serviço, 
as quaees eu amdo metemdo em ordem com ho voso Rejimemto metido 
debaixo do braço ; porque neste feito de calecut os vosos oficiaes de co- 
chim e cananor e gaspar pereira com eles tinham tam danado ho negocio 
de calecut e tam Revolto elRey de cochim e o de cananor, que aimda 
ojeste dia em dia nam cree elRey de calecut que ha forteleza e paz se 
hz de verdade, e cada dia me toma salvas diso, alegamdome cousas 
mesmas que lhe eles mamdavam dizer. Pejam se com gomçalo memdez, 
)orque lhe era muyto comtrayro quamdo estava em cananor, e era muyto 
iado com ho alguazill ho velho e com elRey de cananor, e diz que lho 
tire daly, porque era muyto comtrairo haa paz; estou eno fazer, e asy 
polo feilo de pocaracem ; nam emtemdo agora nisto, por dar despacho em 
dous dias ás nãos, estas que se embora vam, porque os vosos ofíciaes to- 
dos se emcomemdam ao tempo que cure as cousas: estes gastos mevdos 
com que se d$ta quá avyamemto ao negocio, e nam com boom emjenho, 
em breve ho despacho ; e asy senhor tiro barbosa de cananor, porque ele 
he lymgua e causa de todas estas Revoltas: espríta em cananor a xxx 
dias de novembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosasilteza 

Afomso d alboqtierque. 

(Sobrescripto) A EH Rey noso senhor, 

(In dorso y por lettra coeva) dafonso dalboquerque sobre o asento 
(ie calecut: — pêra vôr *. 



Torre do Tombo— C. Ghron. P. 1.*, M. 13, D. 112. 



GARTÁS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE í 35 



CARTA XXVII 



1613— Novembro 30 

S^hor. — A maneira de que agora estam as cousas da imdia, meu- 
damente ho direy aquy a vos alteza ; e maoday , senhor, meter esta carta 
minha na vosa bueta, porque haté fim do juízo achares isto que digo, se 
a noso senhor aprouuer de comservar ho negocio como agora está: vos al- 
teza tem paz e amizade com todolos Rex e senlK)res desde urmuz até 
choromandell; com elRey de cambaya, dá vos forteleza omde a vós de* 
sejaves sempre, que he dyo, sem lhe mostrarmos desejos de ha querer 
aly, somemte ele por sua propia vomtade; e se a noso senhor apraz qe 
este feito aja ho fim asy como parece, nam temdes acabado piqeno ne* 
gocio na Imdia; porém quatro cousas lho fez fazer de necesydade: ane- 
cesydade das mercadarias de purtugal que se tiveram atrás, polo açoute 
que demos ho mar roxo e por lhe cortarmos ho caminho de sua navega* 
çam, por omde lhe nam vem já nehuas mercadarias; a outra, porque 
temos guerra comtinua com adem, e a fua nam vem a cambaya como 
soya, ou Ruiva com que timjem os panos de cambaya; e tiramdolhe esta 
mercadaria, era lamçala a perder de todo,x porque, se se a Roupa ouuese 
de timjir com alacar, hum pano que vali quatro fanOes^ valeria vimte, 
e nam averia alacar no mumdo que abastase a dez mill panos; e outra 
necesidade teu o reyno de cambaya, que he de cobre de que faz ipoeda, 
porque com todo ho que ela podia aver dese^ regnos e o que lhe vinha 
do cairo/ que ela tudo gastava em moeda, aimda agora tem tamta nece* 
sidade de moeda meuda, que hamendoas com casca he moeda tnevda no 
repo de cambaya, como ceytis em purtugall, e por elas se acha tudo ho 
qe qerem na praça^ e temdo soma de cobre, faria moeda meúda; a outra 
he, senhor, que cambaya tem muito piqena terra no mar da imdia^ que 
he de mamgalor e çumunate até maym muito poucos portos e muyto 
curto caminho; qeremdolhos destroir e levar na mãao, nam he nada dç 
fazer; toda sua força no rosto do mar he a cidade de cambaya, aqu^ll àa 
bayxamar fica hum mumdo de parcell em seco, cojosa que se nam pode 



436 CARTAS LEAPPONSO DE ALBUQUERQUE 

crer, e por iso a escapola primcipall he goga, porque he canall ; postoque 
ho parcell espraye e íiqe emxuto^ sempre no canall fica agua que abaste 
pêra as naaos ; e este canall nam vay ter senam a goga, que fica a mãao 
esqerda sobre div, e cambaya a mãao direita pomdo ho rosto de mar em 
fora na terra firme. 

Vindo pola costa dereito até chaull, está asesegada e bem emficada^ 
e gram parte da terra vos pagaria trebuto, se lhe tivesees tomado a for- 
teleza de damda, a quall me nam pareceria errado comsellio tomar se e 
sosterse, porque he hua ilha tamanha como ho corpo dos vosos paços de 
lixboa; jaz solH*e campos e terras de sememteiras^ tem muitos tamqes 
d agua demlro em sy e muitos arvoredos, e cousa muito fresca; tem Rio 
sem barra, que com todo temporall na metade do imvemo podem emtrar 
demtro as nãos e estar amcora e pruiz : estaa esta ilha e forteleza pegada 
com ha terra, e atntre ela e a terra firme ha hy seis e sete e o menos 
cimeo braças, a milhor cousa he piqena que vy nestas partes: dizem que 
daquy começaram os turcos ha ganhar ho reyno de daqem, porque he 
tudo campos e vales sem nehfla serra: hp lugar que está logo hy e porto 
he tamanho como chavll, muito fermosas casas e muito abastada terra : 
as páreas e tributos que vos a terra pagaria, qeremdo vós aly ter forte- 
leza com oytemtomeens que ha bem poderyam defemder do mar, porquo 
da terra nam lhe podem fazer nehum nojo, poderíees bem soster qua- 
tro fortelezas, porque cbavll paga dous mill pardaos e pagaria seis, e 
damda e a terra pagaria dez; e que lá fortelezas alguém pareça que ho- 
brigam, se elas forem feitas a nòsa busamça e elas mesmas pagarem os 
soldos e mamtimemtos á jeftite, nunéã leyxees, senhor, de ha fazer nes^ 
tas partes em lugares proueytosos e de boonfi portos, porque nam ha de 
falecer jemte lá nesas partes, se vós tiverdes soldo que lhe dar: neste lu^ 
gar e porto de damda memtregaram a nao dos mercadores do cairo com 
toda sua especiaria que carregou em calecut : dabuU está em toda vosa 
obidiemcia e o çabayo senhor dela desejador de vosa paz e de ser toso 
servidor, porque perdemdo dabull, he de todo perdydo, que lhe nam 
pôde por outix) lugar emtrar cavalos, nem jemte bramca pêra reformar 
sen anrayall; goa he vosa; onor, ho rey dela pagauos páreas, e está á 
vò$a obidiemcia; batecala faz tudo ho que lhe homem mamda; elRey de 
niarsymga éreo que vola dará poios cavalos d arábia e persià que vem a goa 
hírem todos a seu reyno, porq^ asy mo espreveo gaspar ohanoca per t e* 
zes, que lá tinha mamdado; todos esoutrps lugares até momite ddiy tomam 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 137 

Yosas mercadarias e dam as saas, e alguns pagam alguns fardos d ar- 
roz. 

Cananor está como esteve sempre, emtra na liga e arayzade de Ca- 
lecut como vos alteza, e mamda embaxadores a elRey de cochim que ho 
faça asy, dizemdolhe que ho çamory he morto, e estoutro quer ser voso 
servydor e que pede paz; e que oulhe quamto mall e dano se recrece da 
guerra, e como os mercadores sam destroidos pola guerra que ha tamtos 
anos que dura; que nam qeira com armas e favor dos purtugueses fazer 
a guerra a calecut nem a nehua outra parte, pois que os desejos de 
vos alteza he ter paz com toda a terra do malavar, e que as jemtes da 
imdia naveguem seguras; que lhe roga e pede que se deça dese errado 
comselho e emtre namyzade de calecut e que sejam todos irmãaos, como 
damtes eram, domde se gasta muyta jemte com a guerra, e s escusam 
gramdes gastos e morte de jemte, e pedi me hum homem pêra mamdar 
per terra com os seus embaxadores, e eu lho dey: alguns purtugueses a 
que vos alteza tem dado credito nestas partes, emquamto fuy ao mar roxo 
tinham danado eses rex e Revolto tudo em tall maneira, que com traba- 
lho pude isto amamsar; punham lhes diamte a vimda doutro governador, 
e outro novo comselho ávido de vos alteza; apregoavam isto com peitas 
e dadivas dos mouros de cochim e cananor; se fora capitam comfiado, 
as cabeças deles lhe metera nos muros da forteleza de calecut, porque 
fora voso serviço, mas tem tamto credito e autoridade de vos alteza, e eu 
nestas partes dou lho muito mayor, e por estes respeytos lhe dam os rex 
e senhores nestas partes fé e credito ; e a cobiça desordenada que amtre 
nós amda, quaa fará por hum Roby fazer a hum homem quamto quyser: 
peçouos, senhor, por mercee que pagues aos homeens amtes dobrado seu 
serviço á custa de vosa fazemda que lhe dardes autoridade e credito quamdo 
lhe nam he necesareo pêra seus carregos : a comcrusam, senhor, he que 
elRey de cochim e de cananor emtrarãao nesta amizade com elRey de 
calecut, porque compre asy a voso serviço, porque sabem que calecut 
chama os Rumis, sabem' que calecut he escapola amtiga do cairo e de 
Veneza, e vêm qe estas duas cousas sam muy comtrairas ao serviço de 
vos alteza, asesego e todo bem da imdia ; e vêm que hila tam gramde cousa 
como elRey de calecut he, dá vos forteleza por sua própria vomtade, e 
meter se debaixo do jugo de vos alteza; qeremdo eles este feito emcom- 
trar e danar, mostravam se vosos deservidores, desejadores de guerra e 
precuradores de todo ho desasesego da imdia, porque estaa esta rezam 

18 



138 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

quaa viva diâmte dos holhos dos homeens e quamto voso serviço he aca- 
bar se ho feito de calecut com tam gramde fama de vos alteza e tam gramde 
credito de vosas cousas nestas partes. 

Coulam quer paz e quer pagar ho que tomou, e nam teuho tempo 
pêra lá poder mamdar e dar este noo: choromandell está á vosa obidien- 
cia, toma vosos seguros e trata em malaca; elrrey de ceilam he morto; 
avia hy dous filhos e devisam amtre eles sobre ho socedimento do rreyno ; 
diseram me que hum deles mamdara dizer a cochím que lhe desem ajuda, 
e se quysesem forteleza, que daria lugar pêra iso. 

Ho Rey das flhas pede vosa ajuda e quer estar á vosa obidiencia, 
e eu nam poso lá ir, nem mamdar, porque tenho pouca jemte e poucos 
navios: el Rey de pegu leva gramde comtemtamemto de vosa amizade, 
quer vosos tratos e vosa jemte e vosa ajuda; em seu reyno Recebe vosa 
jemte que vay de malaca, sam trazidos em amdor cubertos de panos douro 
e dá lhe gramdes dadivas. Desta maneira sam Recebidos os vosos homeens 
dei Rey de syam e tanaçary e sarnau: os bemgalas Recebem vosos seguros 
e desejam em seus portos vosas mercadarias e naaos: el Rey de çamatora 
farês dele quamto quiserdes; etodolos rex da imdya asy estam asombrados 
e asenhoreados do feyto de malaca: el Rey de campar e de menemcabo, 
onde está a mina do ouro, todos vem com suas mercadarias e ouro a ma- 
laca; el Rey de campar vos paga trebuto e amda na guerra em ajuda dos vo- 
sos: el Rey de pam, domde vem ouro a malaca, quer vos pagar trebuto e 
quer ser voso servidor: ho primcipall Rey de jaoa quer vosa amizade e 
a deseja, e esas pouoaçõees que hy ha em sua terra, ho seram de nece- 
sidade, ou com muy pyquena armada que vaa em ajuda deste jaao rey 
primcypall os destroyrees; as outras ilhas, segumdo me dise amtonio 
d abreu, fracas sam e ficam todas á vosa obidiemcia: os chins servidores 
sam de vos alteza e nosos amigos, e os gores farám ho semelhamte, como 
ouuerem conhecimento de nós : urmuz paga como soya, e está hum pouco 
mais forte do que soya com esta carapuça e adoraçam de xeqesmaell que 
receberam; nam me comtemta nada, queria amtès ver em poder de vos al- 
teza com hum capitam posto nela e jemte, porque ela por sy pagará bem 
os custos e despesas que aly fizerdes e quyserdes fazer. 

As vosas jemtesamdam seguras por toda a terra da imdia, asy pelo 
mar como pelo sertam; em toda a terra de cambaya lhe nam pregumta 
pêra omde vay, e em todo reyno de daquem e em toda a terra do mala- 
var compram e vemdem em toda a terra, e amdam tam seguros como neses 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 139 

regnos: os vosos capitães e naaos nam tomam nao, paguer, nem parao, 
nem lhe dam caça, nem arribam sobreles, quer tragam seguros, quer 
nam; os que aparto de mim, em seus Regimemtos levam a mesma deler- 
minaçam asemtada neles ; pregumte o lá vos alteza a eses que vam de ma- 
laca e o que foram descobrir ho cravo. 

Acabada a forteleza de div e de calecut, se a noso senhor aprouver, 
despejados ficamos pêra emtemder no mar roxo, porque, senhor, ho feito 
do mar roxo ha mester preposyto, e he necesareo ficar homem lá bua 
mouçam, que de necesidade pelas navegações de qá se gastará hum ane 
meyo. E desta maneira poderemos fazer fruyto demtro, e emtemder no 
porto de suez e qeymarlhe suas naaos e su armada, se a tem feita ou 
quyserem fazer, porque, como lhe ganharmos ho porto, com toda nosa se- 
guramça, três ou quatro navios que aly estêm, nam lhe deixaram botar 
nehua cousa ho mar, que lhe nam queymem, e será necesareo ter aly 
muita jemte ho soldam pêra lhas nam queymarem; e se nam acharmos 
nada, tersaa maneira como ho capitam da forteleza mamde sempre ve- 
sitar ho porto de suez, e avisar ho voso governador em quallquer parte 
que estiver: de cananor a xxx dias de novembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afomso dalboquerque, 

(In dorso, por lettra coeva) d afonso d alboquerque em que dá conta 
da disposisam em que estão as cousas da Imdia e no cabo, o que se deve 
fazer no mar roixo e o tempo que se deue gastar: — pêra vêr el Rey *. 



1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.', M. 13, D. 103. 

18 



140 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA XXVIII 



1513— Novembro 30 

Senhor. — Nam pode ser que me algua ora nam agrave dalgum ca- 
pitam, pois que tamtas sagrauam de mim: faço vos, senhor, queyxume 
de guomçallo pereira; elle veyo muito desejoso de vos servir quá; como 
chegou, dei lhe loguo a nao sam tome; mamdeylhe pagar seu desembargo 
em pimemta, comtra voso Regimemto, e fez seu proueyto ; os vinhos que 
trouxe, emtregouos hy na feitoria; mamdeio pelas páreas a chaul, trou- 
xe as; e tomou vim te cruzados de cada pipa, comecey de lhos nam que- 
rer levar em comta, e elle fez huas mostramças que queria chorar, e ale- 
goume morte de seu irmão e seus seruiços ; lleixei lhe tomar o dinheiro 
per força; fiz lhe sempre muyta homra, tratei o muito beem, e aimda hum 
pouco milhor que aos outros, por dar Resgardo ás cousas pasadas do 
viso rey, por nam lhe parecer que me lembrava algua cousa. Apartou se 
elle de mim jumto com dio quamdo viemos d adem, e veyo ter a chauU. 
E primeiro esteve nos baixos de cambaya em sequo, omde a nao abryo 
e fez agoa asaz: chegamdo eu a chaul, acheyo hy; ally me pedio licemça 
pêra se ir, dizemdo me que tinha molher moça e que era de pouco ca- 
sado, e que tinha muito que fazer em seu casamemto; eu lhe Respomdi 
que lhe lembrase que disera a vosa alteza, que vos serueria quá três an- 
nos, e que olhase o que fazia, que pareceria a vos alteza que nam viera 
quá senam pêra lhe pagarem bem seu desembargue e seus vinhos ; toda- 
via afirmou sua ida ; emtam lhe dey licemça. E porque tinha necesidade 
de leixar ally algQas nãos, ally lhe dey despacho, e dey a sua nao a fer- 
nam gomez de lemos, aimda que nam este em vosos liuros, porque tem 
hua perna aleixada de hua ferida que ouue em malaca, e ha muito que 
quá amda. E o navio que elle trazia, dey o amtam nogueira, que ha mui- 
to tempo que quá amda, e jouve cativo por voso serviço, o qual navio foy 
de caldeira e d outros casados de goa, que lhe tomey pelo erro que fize- 
rem. 

Partido eu de. chaul pêra damda, gomçalo pereira nam quis emtre- 
gar a nao, dizemdo que queria estar na sua nao asy atá ver se vinha ou- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 141 

tro governador, agravamdo se de mim, dizemdo que tinha parte n arma- 
çam de dioguo memdez, que como levava fernam perez a sua fazemda, 
pedi me hua das nãos, e nam lha dey , porque nam era Rezam que ha ty- 
rase a quem as trouxe de mallaca: chegamdo a goa, pregumtouUie Fram- 
cisco corvinel porque se hya. Respomdêlhe, porque os gastos da Imdia 
sam tain gramdes que nam ha ninguém que os sofra, e mais o capitam 
moor tem me hua espinha : desta maneira se vay de quá com muitos cru- 
zados e muito dinheiro, e aimda agravado de mym : sprita em cananor a 
XXX dias de novembro de 1513. 

(Por leltra de Albuquerque) feylura e servydor de vosa allteza 

Afomso d alboquerquc. 

(Sobrescripto) A ElRey noso senhor. 

(In dorso, por lettra coeva) dafonso dalboquerque sobre gonçalo 
pereira, de que faz queyxume a vosa alteza: — pêra ver*. 



CARTA XXIX 



1613— Novembro 30 

Senhor. — Per hua carta de vos alteza que no maço damrrique nu- 
nez vynha, vy da maneira que vos alteza era emformado dos quadrylhei- 
ros e tanadares e escrivães das presas, e como nam eram cometidos a 
pesoas dinas do dito carego*, nem de lall fieldade e recado quall devia 
ser por voso serviço, e bem asy pêra ^ o que toca ás partes; e que as pe- 
soas dos ditos carregos devem fazer seu oflcio com toda fieldade, em tall 
maneira que oulhamdo se voso serviço, as partes lenham * descamso, e ou- 
tras mais decr^rações que na dita carta vynham *: digo, senhor, que as 
quadrylharias de quaa eu as dey até gora algúas pesoas ^ criados vosos, e 

» Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.*, M. 13, D. 109. 

2 do dito carego — dos ditos caregos» As variantes que vamos notando, resultam da 
confrontação com outra via doesta carta, que se guarda no maço 13 do Corpo chranol, P. 
1.*, M. 104. 

' pêra — por 

* tenham— recííam 

* vynham — vem 

^ até gora alguas pesoas — ás pesoas até gora a 



142 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

outros que vos alteza nam pode escusar de lios tomar, asy poUo muito 
tempo * que ha que vos quaa servem, como por serem filhos de pesoas 
muyto homrradas, os quaes muytas vezes peramte meus olhos por seus 
asynados serviços vos tem merecido muita mercee; e estes taes nanos 
tem comtynuadamente, mas ora a huns, ora a outros, porque se ho' asy 
nam fizese, serya ho mayor escamdolo do mundo, que a estes taes nam 
poso dar as escrevaninhas de vosas feytoryas, porque as daa vos alteza, 
nem feitorias, nem capitanias, almoxeri fados, provedores dos defumtos, 
pubricos escrivães de todos estes carregos, capitanias de fortelezas, de 
nãos e navios, esprevaninhas de naoos e navios, álcaidarias mores, com- 
tadoiias, proveadorias de vosa fazemda, juizes da balamça, ^ e todo outro 
carrego que debaixo da governamça da imdia está; em tall maneira que 
desas * migalhas que lá escorregavam de vosos asynados, provia quaa al- 
gQas pesoas que tem merecimemto amte vos alteza, acutilados e ferydos 
muitas vezes por vos alteza^ diamte dos meus olhos, e veja os vos alteza, 
os quaes nomearey aquy depois que este carrego me foy cometido. E eu ^ 
creo e comfeso a vos alteza, que asy naqueles que de lá vem, como na- 
queles de que eu quaa comfio os ditos carregos, ahy ha alguns que ho fa- 
zem bem mall e sempre amdo com eles ás punhadas e lhe tiro os ofícios, 
e lhe faço tornar todo mall e dano que hasy fazem ; e isto toca somente ^ 
ao menear da fazemda. Recebimento e emtrega a voso feitor, porque da re- 
partyçam de que se as partes aqeyxam, niso nam tenho eu culpa, mas os 
vosos Feitores, que vemdem as presas e as despemdem em vossas feito- 
rias, e carregam em vosas naoos as especiarias e mercadarias delas am- 
tes de nos darem nosas parles, e quamdo vymos nam achámos parte ^ nem 
presa; e estas ^ sam as sospeições que se deste *^ feito pode ter, vos alteza as 
prezas gastadas, e nós nam termos ávidas nosas partes, porque nam dou 
eu ** armada e jemte lugar pêra iso, domde nos vos alteza deve sete ou oyto 

1 muito tempo — tempo muito * 

2 ho — ho eu 

3 da balamça — de balamças 

* desas — destas 

^ vos alteza — voso serviço 

« E eu— £tt 

' toca somente — somente toca 

* parte — partes 

* e estas — estas 
'® se áesie-^ deste 
** dou eu — dou 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 143 

miil curzâdos do alacar e mercadaríâs da nao mery ; das ^ Daos de pimenta 
e jemjivre e ferro que tomamos sobre balecala, Irazydas aly as espicia- 
rias em paraos de calecut ; as nãos carregadas d arroz que foram ás fei- 
torias de cochim e cananor; outras nãos das ilhas com panos e cayro; as 
naaos de goa e artelharia e a nao de meqa, de nada disto temos parle ^, 
tudo foy entregue aos vosos feitores; os quadrillieyros e esprivães que 
disto tinham cargo, nam duuido nada de se aproueitarem do que pude- 
ram, porque a jemte da imdia tem hum poucochynho a comciemcia gros- 
seta, e parece lhe que vam a Jerusalém em Romaria quamdo furtam : os 
quadrylheiros deste tempo foram jorje da silveira, aluaro vaz, criado de 
vos alteza, e antonio chaynho, criado de vos alteza, jorje botelho, criado de 
vos alteza, diogo fariseu, criado do duque de bragança, e diogo paez, criado 
de vos alteza, e antonio d abreu, que foy descobrir ho cravo, Ruy da costa, 
criado de vosalteza, bras vieyra, pajé meu, a que vos alteza já tinha to- 
mado por seu criado, bastiam de miranda e tristam degua^ e nuno vaz, 
criado do duque de coimbrã, e gomçalo afomso mealheiro, amo da filha 
de dom joão camareiro moor de vosalteza, emcarregado per carta vosa, 
bernaldo velho, criado de vosalteza, e gaspar machado, criado de vosal- 
teza, nuno martins, cunhado de diogo fernandez, criado de vosalteza, ja- 
mes teixeira, criado do duque de coimbrã: estes deles eram esprivães e 
deles eram * quadrylheiros, ora huns, ora outros, asy que as sospeiçoes 
que hy ha, que vosalteza tem a fazemda das partes, que nam nola mam- 
daes pagar, porque nam ha d estar a vosarmada aguardamdo repartiçam 
de hua nao, porque gastaria ho tempo e os mamtimemtos, e nam faria 
proueito nehum; e a ordem que daes na vosa carta na^ maneira em que 
se am de Repartir e emtregar ao voso feitor, iso ^ fiz sempre : as presas 
que fizemos emtregaranas^ a francisco corvinell, feylor de goa, delas em- 
tregaram ao feitor de cananor e delas ao feitor de cochim ; temos de tudo 
isto muy poucas partes; poderia ser que neste ^ Recebimento e emtrega 

* das — e das 

* parte — partes 

3 brás vieyra, pajé meu, a que vos alteza já tinha tomado por seu criado, bastiam 
de miranda e tristam degua — bastiam de miranda, tristam deguaoy brás vieyra^ pajé meu 
que ws alteza já tinha tomada por seu criado. 

* eram — falta esta palavra. 
^ na — da 

* iso — asy ho \ 
^ entregaran as — falta. 

* neste — nese 



{ 44 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

sempre^ lhe ficaria algua cousa pegado nas maãos; e delles tenho eu em 
comta domens de muy bõoas comciemcias e muy sãas*; mas ser feito 
boom Recado, nem mao recado nas mesmas presas, essa comta tome a 
vos alteza aos vosos feitoi^s^ porque imda até gora gastam as vosas nãos 
as colónias da nao mery em suas velas, e nós nam temos nehua parte: 
eses capitães que lá foram em tempo de garcia de sousa e jorje da sil- 
veira, eu lhe mamdey dar vimte cruzados a cada hum asy ás nam vistas; 
e as partes poucos ouueram sua paga, porque está tudo em poder de vo- 
sos oficiaes. E se hy ha algua sospeiçam diamte de vos alteza, mamday 
ás vosas justiças que apresentem ao pee de hua polé estes quadrylheiros 
e eles vos dirám a verdade. 

E posto que alguas pesoas de que vos alteza comfiava, tenham er- 
rado e feito ho que nam devam em vosa fazemda lá e quaa, nam pôde ser 
que amtre tamtos se nam ache hum justo, pêra perdoardes e terdes de 
quem comOar, e se ho nam achardes amtre aqueles que diamte de vos al- 
teza tem fama de vertuosos e homens de comfiamça, buscayo amtre os 
maaos e pela vem t ura ho achares. 

Hos quadrylheiros de malaca e feitor de vosas presas que hy fiz, 
foram estes: primeiramemte, feitor das presas joham de moraes, criado 
da senhora duquesa vosa irmãa, emcarregado per carta sua; quadrylhei- 
ros, lopo dazevedo, framcisco serrão, tristam deguaa, amtonio chaynho, 
criado de vos alteza, jorje botelho, gonçalo vieyra, criado do comdesta- 
bre, joham viegas, porque esteve cativo, afomso gomez, meu criado, que 
veyo CO viso Rey e tinha quaa servido tam bem que aqeryo omrra e bõa 
nomeada; frey Joham cono quatro partes pêra mos malsynar, ho quall 

1 sempre — se 

^ bõoas comciemcias e muy saas — bõa comciencia e muy sãos 
^ Depois (l'esta palavra falta mna passagem que apparece mais adiante; transcreve- 
mos tudo, notando em itálico as variantes de palavras: «feitores e s§ hy ha algua sos- 
peiçam dyamte de vos alteza mamday haas vosas justiças que apresentem ao pee de hQa 
polé estes quadrylheiros e eles vos dirão a verdade. E posto que alguas pesoas de que 
vosa (alteza) comfíava, tenham errado e feito ho que nam devem em vosa fazemda lá e 
quaa, nam pode ser que amtre tantos se não ache hum justo pêra perdoardes e terdes de 
quem comfiar, e se o nam achardes amtre aqueles que diamte de vos alteza tem fama de 
vertuosos e omeens de comfiamça, buscayo amtre os maaos e pola vemtura o achares; 
porque imda até gora gastam as vosas naaos as cotonias da nao mery em suas velas, e 
nós nam temos nehua parte: eses capitães que lá foram no tempo de garcia de sousa e 
jorje da sylueira eu lhe mamdey dar vinte cruzados a cada hum asy ás nam vistas, e as 
partes poucos ouueram suas partes, porque está tudo em poder de vosos oficiaes.» 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 141 

• 

Ih asacou cimqo mill falsos testemanhos, e jugou as punhadas com todos 
eles\ 

Outros quadrylheíros ouue hy, que foram higualadores da escala 
franca amtre as parles 'Joham piteira, irmão de diogo fernamdez que quaa 
veyo por mestre do cirne comigo, e pedraluarez froez, criado de vosal-^ 
teza, e Louremço da silva, hum cavaleiro castelhano que quaa amda dQ 
meu tempo. 

A maneira que com estes sobreditos tive, foy darlhe juramemto dos 
samtos avamjelhos. E porque niso nam podia emtemder meudamemte, 
fiz jorje da silveira quadrylheiro moor quaa das presas da imdia, que em^ 
temdesse em minha obrigaçam e em seus erros, o quall eu avia por hor 
mem saam ; e a lopo d azevedo 6z também em malaca quadrylheyro moor, 
que também emtemdesse e oulhasse por minha obrigaçam : ho que pre- 
sumo he que em malaca foy feito algum maao recado, asy pelo feylor 
como pelos quadrylheiros, e soube o quaa na imdia, primcipalmemte ho 
amtonio chaynho, que morreo e lhe acharam fora de seu teslamemlo mill 
e tamtos miticaes douro; e asy me diseram que ho afomso gomez, meu 
criado, e joham viegas algum maao Recado fizeram no jumquo que lhe 
emtreguey em guarda; e tamto que ho soube, mamdey lá tome pires, bo- 
ticairo do primcipe, por me parecer homem solicito, que ele e Ruy d aravjo 
e o capitam tirasem imquiriçam sobre todo este feito, porque com meu 
trabalho desordenado nam pude emtemder em nada, senam trabalhar por 
segurar maiaca, damdo pressa ás obras da forteleza; ho mais, eles tem 
seus livros e suas comtas, tome lha vos alteza. E pois gaspar pereira veyo 
com ho oGcio de provedor e comtador, devera logo d emtemder nas cou^ 
sas daquy desta costa, mas eu nam pude acabar com ele que fose comigo, 
mostramdo me bua fumda, dizemdo me que era quebrado e muito doemte. 

Os quadrilheiros que estano foram no estreito e em adem, foram 
estes: Francisco corrêa, filho damrique corrèa, persivall vaz, cristovam 
figueira, Ruy paez, aluoro pereira, Ruy da costa, valemtim de samta ma- 
ria, Louremço tavares, criado da rraynha nosa senhora, p pêro dalbor 
querque, quadrylheiro moor pêra oulhar meudamenle ho que faziam ; co- 
meçaran o de fazer tam mall, que jurey de nunca mais fazer quadrilhei- 
ros, e tireylhe os oficies a todos, e daly avamte todalas presas emtreguey 

^ eles — falta. 

* partes— parífí, e foy 

i9 



I4« CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

a manoel da costa, voso feitor das presasS e seu esprivam Ruy medeyros'; 
e parece me ho feitor boom homem e sam e Ruy medeiros seu esprivam, 
e por iso lhe dey ao feitor ho ofício de pagador dos soldos de vosa ar- 
mada, e esprivam deste ofício gill symõez, moço da camará de vos alteza, 
que veyo por esprivam de samtamtonio ho piqueno; ao feitor e seu es- 
privam, sem mais nada que o que tem, dá ' esa roupa que se toma, oa 
mercadarias que nam sam espiciarias, ho voso feitor per meu mamdado 
em pagamento de seu soldo ás partes, e he esprivam desta despesa ho gill 
symõez, porque tem ho Uvro de toda a jemte, e esprivam da receita Ruy 
medeiros e de outras despesas e emtregas a vosas feitorias per meu mam- 
dado. 

Esta he a maneira que se até gora teve, daquy em diamte se fará 
ho que vos alteza ordena, que sejam quadrylheiros o feitor da forteleza 
omde as presas forem ter, e diogo fernamdez e gaspar pereira; e quamdo 
nam forem todos três comigo, será o feitor da forteleza e o feitor das pre- 
sas e diogo fernamdez; mas eu toco poucas vezes vosas feitorias e mam- 
dolhe lá emtregar as presas, quamdo se podem a elas trazer; creo que 
nam poderá ser peramte mim, senam se fosse feito no mar ou em ^ lugar 
omde per voso mamdado acertasemos dimvemar: gaspar pereira he fei- 
tor de cochim, nam sey se poderá ser em todolos outros lugares comigo 
por bem de seu carrego, porque lhe vy hum pejo damdar d armada, nam 
temdo ele imda carrego da feitoria ; e porque ás vezes ha hy escamdolo 
de ho eu dar a buas pesoas e nam a outras, teria ^ em mercee a vos alteza 
prouelo de lá, porque quamdo forem postos por vos alteza, nam terey eu 
tamta culpa no mall qeles fízerem; porque, se por sospeiçOes os quadry- 
lheiros am de ser comdenados, ás vezes lhe vejo eu trazer peças, que lhe 
digo eu no Rosto que as tomaria polo custo, mas nam com seu emcar- 
rego ; e prouemdo vós, senhor, estas cousas a pesoas de comfiamça, pela. 
vemtura averám ^ mais medo e vergonha, e porém nam se lhe tolhe ^ quaa 
ho castigo a queno mall faz, imda que nam seja com aqele Rigor que 
eles merecem. 

^ das presas — falta. 

* 6 seu esprivam Ruy medeyros — e Ruy medeyros seu esprivam 
» dá— falta. 

^ ou em — ou lá em 

* teria — terey 

* averám — averá 
^selhe tolhe— 5^/o{fce 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 147 

AlgUDs oficiaes doutros oficios mamda quaa vos alteza, asy como' 
provedor dos defumtos e esprivam de seu oficio, e como quá foram, lam- 
çaram se a levar bõoa vida e nam curam senam de levar bõoa vida, e nam 
lhe lembra os carregos' que lhe vos alteza daa; e o lamprêa se leixou ficar 
em cochim, e o prouedor em goa; portamto, senhor, quem vos lá pedir 
oficio, avisayo que ho sirva. 

E asy mapomta vos alteza sobre os tauadares: digo, senhor, que da 
primeira vez e segumda que tomey goa, mamdey pôr homem ' nesas tana- 
danas, e comecey primeiro d apalpar a terra firme com capitães mouros 
e jemtios com piães da terra e co soldo pago per eses lugares da terra, 
que eles mesmos arrecadavam, por nam meter a vosa jemte na terra firme, 
omde os achase bua menhãa degolados ; o portam to quys primeiro tomar 
a salva com mouros e jemtios, os quaes nam podiam fazer mais mall que 
fogirem e hiremse e levarem alguns dereitos da terra que arrecadassem; 
6 este he o soldo que lá fizeram emtemder a vos alteza que eu dava^ aos 
mouros, sem vos dizerem ho respeito por que ho fazia, e sem vos darem 
comta que era de dinheiro que estava no mato, porque da vosa fazenda 
propia nam se faz nehua despesa senam a ordenada per voso rejimemto, 
e as extreordynarias, que ás vezes comvem fazer se por voso serviço, se 
fazem das escumas da imdia, que sam muy gramdes ^, domde se fazem to* 
dolos gastos de vos armada e se paga algua soma de soldos e mamtimem- 
tos e casamemtos, domde se dam dadivas e outras muitas meudezas que 
por voso serviço comvem fazer : depois que dey esta temta á terra firme, 
e ^ a jemte veyo á vosa obídiemcia tomar vosos seguros, mamdey emtam 
eses ^ homeens jeraes hum a cada tanadaria com cimquemta piães, e reco* 
Iheram eses dereytos da terra, os quaes se emtregavam ao voso feitor, e 
se despemdiam nesas obras da forteleza, quamdo nos começávamos de 
cercar: neste tempo arremdou timoja as terras e tomou a guarda delas 
sobre sy ; mandey emtam vir eses homeens que lá tinha e seus esprívães, 
e deram comta a francisco corvinell do que tinham recebido e do que 

1 asy como — como 

^ nam coram senam de levar bõoa vida, e nam lhe lembra os carregos— nam curam 
dos carregos 

^ homeia — homens 

^ dava — dava quaa 

5 muy gramdes — gramdes 

• e — falta. 

^ eses— ífeíéf5 , -...,. 

I9« 



448 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

entregaram: timoja como homem que nam tinha mais forças que pêra ar- 
mar quatro atalayas d onor e ir furtar, ganharam lhe os mouros a terra, 
e a sua jemte fogio pêra onor. 

Veyo a segumda tomada de goa, e eu mamdey logo ás tanadarias 
deses homeens valadis que por hy achey, a mayor parte deles degrada- 
dos, dous a cada tanadaria com cem piães da terra a cada hum, que cor- 
resem ho alcamce a eses mouros que fogiram da forteleza e cidade ^ de 
goa, e nam desem vida a nehua pesoa: íizerano eles muy bem; mata- 
ram e afogaram nese Rio mouros e mouras sem comto, e alguas alvas de 
boom parecer me trouxeram, que oje estam casadas em goa: estes da 
remda das terras pagavam estes piães que traziam, e todo outro dinheiro 
mais l^ue arrecadavam ^, vinha à mão de voso feitor, domde se faziam meu- 
damente as despezas ha jemte que trabalhava na forteleza, porque da 
rroupa baixa da nao mery e dos dereytos das terras de goa e outras des- 
pesas, todas faziamos daqay, porque emtam estavam á obediemcia vosa, 
e se fez a forteleza de goa ^ e outras despesas de noso mamtimemto e paga 
dalguns casamemtos; como vy a terra começar de tomar asemto, prouia 
logo doíidaees vosos criados: na tanadaria damtrus pus diogo camacho 
e diogo gisado por seu esprivam ; e tanadar * de caste * pus pere aluares, 
pajé que foy de dom lopo, e gaspar machado seu esprivam, criado de 
vos alteza, e mamdey viir joham salgado e pêro salgado presos; e em ou- 
tras em que hy avia menos asesego, mamdey outros homeens d outra 
sorte; diogo camacho mamdey o logo viir preso, porque soube pelos es- 
privães jemtios que cóm ele amdavam, que nam vinha todo ho dinheiro 
que ele Recebia á vosa feitoria, e que tomava muitos espravos e espra- 
vas, que ele vemdia secretamemte ; e asy mamdey viir preso diogo gisado, 
criado de vos alteza, seu esprivam^; outro tamto fiz a pere alvares e a 
seu esprivam, e a todos tomey espravos e espravas, e asy a outras pescas 
a que as eles vemdiam: este caminho levaram os primeiros que mamdey 



^ e cidade — falta. 

* arrecadavam— arrtfCoAiram 

' terras de goa e outras despesas, todas faziamos daquy, porque emtam estavam á 
obediemcia vosa, e se fez a forteleza de goa — tendas de goa que emkm e$ki9am á vosa 
obediemcia, se fêz a forteleza de goa, 

^ e tanadar — na tanadaria 

* caste — çaste 

^ seu esprivam— por seu esprivam 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 1 49 

correr a terra S que foy feraam vaaz do pimdo, joham galego, degradado, 
joham caldeira, degradado, jane memdez, meu criado, e gomçalo gill, 
criado do comde de fáram, brás \ieyra, criado de vos alteza, que foy meu 
pajé e estava' em cimtacorâ com trezemtos piães, e diogo de salas que 
foy criado do mordomo que foy ^ da raynha noss^ senhora, todos vieram 
presos, e tomados eses espravos e espravas que tinham, e tirado os oficios 
e todo ho mais que se lhe pode prouar : diogo gisado e diogo camacho ^, 
quamdo por eles mamdey á tanadaria damtrus, pedi me esta tanadaria 
giam nunez, vígairo que foy de cananor, e fazia o bem, e sempre acudia 
com dinheiro; e trazemdo dous miil pardaos comsigo, atraveson em cima 
de bum symdeiro soo de bua terra pêra a outra; saltaram com ele cimqo 
ou seis ladrOes e roubarano e matarano ^, e foy deixar cem piães que tra- 
zia em hGa aldêa damtrus omde ele pousava. 

Neste tempo veyo mel Rao, e eu lhe arremdey as terras, como já lá 
tenho esprito a vos alteza, e lhas emtreguey e me party de goa, pomdo 
ho Rosto em adem e no estreito, e a noso senhor aprouue de me levar a 
outro cabo, como vos alteza já lá tem sabido: deixey Rodrigo Rabelo por 
C2^itam per vosa carta, que lhe mamdaves dar batecala ou quallquer 
forteleza que se fízese; como volvy as costas, pôs ele tanadares nèsa ilha 
de goa, de divary e choram e outra ilha piqnena: em goa pôs Rodrigo 
aluares, casado, porque lhe parecia bem sua molher, e em divare e cho- ' 
ram pôs seus criados, e tirou os criados de vos alteza que eu hy leixey, 
e asy se meteo a fazer cavalgadas na terra firme e leixou de fazer fortQ 
ho paso de benastary com húa torre como lhe por mim fòy mamdado; e 
depois dele falecido, fogio pêra lá anitonio Rabellò, seu criado, que ele 
teve por tanadar, e se foy sem dar comta; com peita que deu a diogo 
memdez que emtam era capitam, e peita que deu á Ruy galvam, alcaide 
moor de cananor, que ho tinha preso por feito crime, peitou a lòuremço 
moreno que lhe deu o despacho sem meu mandado, paga de seu soldo e 
embarcaçam. Rodrigo Rabello e diogo memdez e pêro coresma e femam 
corrèa e o cemiche e o frade pregador que lá foy, como me viram par- 
tido, começaram logo de semear que eu que levara muito dinheiro das 

* terra — terra firme 

^ e estava — que estava 

' salas que foy criado do mordomo que foy da — salas criado que fay do mordomo da 

^ diogo gisado e diogo camacho — dto^ mrnatko e diogo gisaio 

^ e roubarano e matarano— émoAiriíh o é r&tímroMo 



156 CARTAS DE M^FONSO DE ÂLINJQUERQUE 

terras de goa, pêra darem que esprever aos puetas da Imdia^ que sem- 
pre esprevem suas cartas de poesia de cousas iimgidas^ e asy Rodrigo 
Rabelo como diogo memdez bem s aproueitaram do que poderam amtes 
que eu chegasse. 

Falecido RodrigQ Rabelo, tomaram a poer afomso pestana, que eu 
d amtes tinha posto por tanadar, quamdo souberam minha chegada a co« 
chim; este achey alevamtado com duas mill tamgas, e porque nam dava 
outi*a Rezam de sy senam que fazia cesam de seus beens, mamdey ao 
ouuidor que ho posese ao pee de bua polé; como saly vyo, emtregou logo 
as duas mill tamgas ao voso feitor : outro tamto fiz a nuno martmz^ cu- 
nhado de dic^o fernamdez: tomou setecemtos pardaosa bua nao dur- 
muz, nan os queria tornar e fazia cesam de seus beens, e o ouuidor apre- 
semtouo ao pee de hua polé e logo emtregou os selecemtos pardaos ao 
voso feitor; e todas estas emborylbadas se fizeram emquamto eu fuy a 
malaca. 

Asy, senhor, que nas cousas de voso serviço o de vosa fazemda, e 
asy em outras cousas que me de lá mamdaes que faça, nam mora em 
mim nehua cousa tam certa como a prestes execuçam^ de quallquer ne- 
gocio destes ; e se quiserdes que meta nestas cousas e outras mais a mão 
na chave do rrigor, poderá ser que me nam aguardará nimguem; mas 
abasta ememdarem se estas cousas e nam lamçar a perder os homeens 
com Vos alteza, e trazei os comtinuadaraemte nos trabalhos e furtunas e 
perygos a que nos ho voso rejimemto obriga: de cananor a xxx dias de 
novembro de 1513^ 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afomso d alboquerque^ 

(Sobretcripto) A EH Rey noso senhor. 

(In dorso, por lettra coeoa) dafonço dalboquerqde Resposta do que 
vosa allteza lhe espreveo ácerqua dos quadrilheiros e tenadares' — pêra 
ver*. 



^ a prestes exec<i{ain-*^a «avoíiféwi presd^» 

2 Torre do Tombo— G. Cbros. P. i.% M. l^.B. 110. 



CARTAS DE AFFONSG DE ALBUQUERQUE 1 51 



CARTA XXX 



1613— Novembro 30 

Senhor. — Per outra carta de vos alteza, que no dito maço vinha, 
me diz vos alteza que el Rey de cochim vos espreveo, pedimdovos por 
mercê, que pois ele continuava em fazer guerra a el Rey de calecut, 
que me mamdase vosaheza que lhe dese lodo fauor e ajuda que lhe com- 
prisse ; e mais diz na dita carta a maneira de que lha devo de dar, nam 
poemdo jemte em terra: dygo, senhor, que el Rey de cochim he ho mayor 
amigo que eu nestas partes tenho, e que em cousas de voso serviço e seu 
estado eu ho tenho aj.udado e posto na sela, como vos alteza mandou, e 
estaa Rey pacifico asemtado em sua cadeira, apesar de calecut e do ou- 
tro Rey a que ho reyno pertemcia de dereito, segumdo sua jemtilidade: 
a guerra que el Rey de cochim faz a calecut, he ajudar a hum gram se- 
nhor que está na serra sobre calecut e comfína com ele, e aly vay ao seu 
para cad anro á sua husamça ; e se ele quisera pôr ho fogo a crangalor e 
á terra de Repelym, muitos anos ha que lha tivera com nosajuda gua- 
nhada: isto que bagora mamda reqerer a vos alteza, nam sam senam ciú- 
mes da paz de calecut, que ele via ao çamorym em sua vida Requerer 
muy to Rijo : ele ouue buas cartas mynhas que hiam pêra o çamorym, em 
Reposta doutras, que me esprevera palavras desapegadas: hum pouco 
falou ele comigo e amostrou me as ditas cartas peramte gaspar pereira e 
louremço moreno e pèramte diogo pereira; Respomdylhe eu: esas cartas 
minhas sam ; e mais lhe dise : nam vos parece a vós rezam, que per bem 
de meu carrego, em nome dei Rey noso senhor, que Respomda aos ami- 
gos e imigos, quamdo me mandam cometer paz? nam vos vejo eu fazer 
muy bem vosos feitos com vosos imigos e amigos, e terdes moodos e ma- 
neiras com elleSj pêra que a seguramça de voso reyno e terra estèm se- 
guras, e achegúl os em amizade comvosco? pois como vos parece a vós que, 
aimda que ho çamorym seja noso imigo, nam aja eu de ver o que ele 
quer, Respomder lhe e dar lhe Rezam de mim? e jumto com isto fazer lhe 
a guerra e queymarlhas nãos, porque ha paz na mãao dei Rey noso se- 



1 52 CARTAI DE^ AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

* 

nhor está: ele Qcou comforlado e comtcmle, e parece lhe que por Rezam de 
meu oficio naiii podia deyxar de dar rezam de mim aos ímigos e amigos. 

Agora, senhor, ho çamorym he morto, ho mais maao homem e mais 
chêo demganos que as molheres nuoca pariram, e seu irmão ho nambia- 
dery sempre foy desejoso de vos servir; comete a paz e sojeiçam a vos al- 
teza, forteleza e tudo o que quiserdes; recolheo pêra sy ho alguazill ve- 
lho de cananor, voso verdadeiro e leall servidor, ho quall foy na peleja 
com Rodrigo Rabelo, e fez gramd estrago nos mouros ele e seus parem- 
tes, que hy vieram a meu chamado, desafauorecido dei Rey de cananor 
e perseguido do alguazill de cananor que soya a ser desejador de ho ma- 
tar. A meu rogo ho rey que agora he do calecut Uie deu ho alguazilado 
de calecut, por estar a terra mais asesegada em voso serviço. 

Sobre os apomtamemtos da forleleza eu dehey, quamdo me party 
pêra adem e pi r;i o mar Roxo, framcisco nogueira e gomçalo memdez, 
feitor que foy de cananor,^ que fosem falar co çamorym e co primcipe seu 
irmão, e nesle meyo tempo morreo ho çamorym; estes ambos de dous 
aviam de fazer a fort')leza no séu çarame, porque em lugar tam gramde 
nam se podia fazer com força de jemte nosa, que nam fosse gramd escam- 
dolo ; sey que foram lá duas vezes e vieram : quamdo embora chegar a 
cananor e falar com francisco nogueira e gomçalo memdez, saberey como 
este negocio pasou; dou a vos alteza esta piquena comta, porque vou de 
caminho pêra lá respomdemdo ás cartas de vos alteza: a vós, senhor, vos 
compre muyto averdes calecut á mão com paz e forteleza, pois que até 
quy com guerra lhe temdes feito muy pouco nojo, porque guanhaes gramde 
credito nestas partes e gramde fama lá nesas ; temdes escapola verdadeira 
pêra carga de vosas nãos em cochim e calecut, porque aquy jaz toda a 
carga da pimemta e do jemgivre, e alargay cananor de vós, que nam vos 
he proueitosa pêra carga, nem pêra nehua cousa; tirai vos das pemdem- 
ças de calecut, que ha dezoitanos que está em pee, porque, imda que 
ho podeses destruir, nan o devies de fazer por amor da carga do jemji- 
vre beledy e doutras muy tas drogoarias e muita pedraria do reyno de 
narsymga, e mais semdo duas cousas tam vezinhas e tam jumtas como 
he calecut com cochim ; amtes me pareceria rezam meter vos alteza a maão 
na paz amtre ele e o Rey que agora he, pois ho çamorym he morto ; e se 
tiverdes calecut e cambaya e goa, ainda gue venha lodo ho poder do sol- 
dam e todo o poder do turco, nam nos podem empecer, nem levjyr eapi'^ 
ciarias da imdia, se vosalteea quiser. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 153 

E pois ho çamorym he morto, que foy tredor e maao, estoutro que 
vos nam tem errado e * vos mele comsigo demtro em seu Reino, e vos dá 
forteleza, com que podees segurar as especiarias e mercadarias que vam 
de Calecut pêra o cairo, com oytemtomees na forteleza, e queremdoos 
trazer no mar em guerra, nam lhe podees tolher a carga, e se forem pou- 
cos navios, falosam afastar afora; espiryemcia, senhor, temdes tomado 
disto que vos digo; polamor de deus, senhor, crede me o que vos de quá 
esprevo: as cousas que se vos meterem na maao sem guerra e com for- 
teleza, aceitayas, pagamdo elas os soldos e mamtimemtos á jemte e semdo 
cousa proueitosa, ou pêra tf trato, ou pêra ^eguramça da imdia. 

Que releva aos vosos oficiaes e capitães das vosas fortelezas escre- 
verem vos sobre a guejra de calecut? eles nam amdam no mar, nem es- 
tam ás bombardadas com eles, nem tem cargo de lhe tolher a navegaçam 
de suas espiciarias e mamtimemtos, nem lhe daa mais quá que vemça ca- 
lecut que os purlugueses; e estes taes lembra lhe muy mall que ha de- 
zoytanos que vivemos em descrédito com esta guerra de calecut quaa e 
lá ,e nam dam outra Rezam senam que el Rey de cochim que ho ha por 
mall; tem vos alteza mais obrigaçam a elRey de cochim que ho soster em 
seu estado e fazei o Ryco e omrrado, e pagar lhe gramdes dereytos da pi- 
memta? mas que aimda suas gemlilidades e seus custumes de seus paras 
e de sua guerra ajaes de guardar com outros Rex e senhores, que que- 
rem ter paz e amizade comvosco? nam me parece, senhor, que vos com- 
vem terdes tamta pemdemça na imdia, mas quem abrir seu porto a voso 
trato e mercadarias, nam deixes de ho receber com seguramça de vosas 
jemtes e mercadaria, e asy hirês ganhamdo credito e fama na terra, e a 
imdia hirá tomamdo asemto, ao menos de cambaya até ceilam, omde as 
vosas nãos am de fazer sua carga: eu, senhor, vos certifico que ho feitor 
e esprivães de cochim vos nam am descrever isto, nem menos os de ca- 
nanor, nem os capitães das fortelezas de cochim e cananor, porque bem 
sey eu as emborylhadas que eles lem feitas sobre este comcerto de cale- 
cut, com peitas dos mouros de cananor e cochim e dei Rey de cananor e 
de cochim, e nam ouso de dizer a vos alteza cam ousados sam os homeens 
na imdia a fazerem hua gramde maldade, como lhe dam dadivas, e os 
vosos seguros nam amdam eles muyto metidos em ordem, porque ás ve- 
zes desimulo eu muytas cousas, por nam danar amte vos alteza tamtos 
homeens. 

^ Parece-nos que é dê mais esta conjuncçao e, 

20 



154 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Tomay, senhor, por fumdamemto que el Rey de cochim e el Rey de 
cananor nam guerem fazer a guerra a el Rey de calecut nen o querem 
destroir, nem mandar a voso capitam e vos armada pêra que ho destrua, 
amtes zcode^n Rijamemte ás suas necesidades e o sostem, por tall que 
$e nam venha meter em vosas maâos, porque sabem que he tam gramde 
o trato de calecut e tam abastado de mercadarias, que ficam eles dous * 
caymaaes muyto piqueninos; e a vos alteza com vem ho comtrairo, que ha 
carga de vossas naaos até fjm do juizo seja em cochim e em calecut, e 
que estes comservees e guardes como cousa muyto primcipall e necesarea 
a vosos tratos e despacho de vosas naaos, porque ha carga sortada de de- 
versidade d espiciarias nan as podees aver senam trazydas por estas for- 
migas de desvairadas partes gram e gram á sua terra, e aly comprar- 
des lhas por preço que se faça lá proveyto. E isto, senhor, digo, emquamto 
vos alteza nam mamda homeens por feitores á imdia que saibam dar avia- 
memlo ao negocio, porque eu ey vergonha do embaraço e pouco saber 
dos feitores que quá temdes na imdia, que asy me deus ajude, que ti- 
ramdos da carga, que fazem hy dous escreavês (sic) negros malavares, 
nam sam homens pêra saberem comprar dez réis de pam na praça, e por 
isto, senhor, nam deves* vos luzir vosos feitos e vosos tratos na imdia, 
mas amortalhados e escurycidos e chêos de mill desordeens; tudo Re- 
dumda em fazerem seu proueito, e falarem vos lá em nomes de tratos e 
d espiciarias, como fazem os buticairos nos nomes das drogoarias, e como 
quá sam, esqecelhe logo tudo ho que vos prometeram e diseram que fa- 
ryam, e lodo seu feito he escreverem vos como aves de governar a imdia. 
Digo isto, senhor, por descargo de minha comciemcia; valha quamto po- 
der valer; porque se em meu tempo tivesse mercadores que soubesem o 
trato e dar aviamemto a vosas mercadarias poios lugares do trato que te- 
nho amdados e asemtados, vos alteza louvaria mais meu serviço. 

Querees, senhor, ver se vos falo verdade? pregumtay aos feitores de 
cochim, se lhe tenho mamdado que mamdasem Roupa de cambaya pêra 
çofala? porque ho nam fizeram? se eles sabem mamdar nãos carregadas 
d espiciarias e mercadarias a dyo e a çurrete, como nam mamdam eles 
a vosa? 

Também lhe tenho mamdado que mamdasem Roupa de cambaya a 
malaca; porque ho nam fizeram? estes taes como mamdaràm eles nãos 

^ Aliás OAI01. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 155 

com mercadarias a urmuz e outras a pegu, e outras a bemgala e outras 
a zeila, a barbora e zeila, e outras a malaca e çamatara, e outras a tana- 
çarym, e outras a sarnao, e outras a cey/am trazer lodalas diversidades 
de mercadarias has vosas feilonos pêra carga de vosas naaos, pois que 
duas cousas tam piqenas, como acima digo, nam quiseram pôr em obra? 
nan o sabem faz^r; íornovos, senhor, outra vez a dizer, que vos esprevo 
isto por descargo de minha comcyemcia; e digo que devia vos alteza dei- 
xar se amt^s roubar a dons frolemlis, que ver tamanho descrédito em vo- 
sos Iratos e feitorias da Imdia e tam mazcabados, metidos em tamta des- 
ordem e tam pouco voso proueito, porque estes taes naceram no negocio 
e sabeno fazer: esprita em cananor a xxx dias de novembro de 1513. 
(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vossa allteza 

Afomso dalboquerque *. 



CARTA XXXI 



1513 — Dezembro 1 

Senhor. — Vosa alteza me culpa, me culpa, me culpa em algtluas 
cousas de quá da Imdia feitas comlra voso rrejimemlo, e creo que será 
por má emformaçam que vos de mim darám alguas pesoas, que com em- 
veja e dor de meus feitos e meus serviços vos servem agora quá, como 
meus compytidores, danamdo as cousas de voso serviço e de todo bem 
da imdia, cuidamdo que danefycam a mim; e crede mo, senhor, porque 
esta he a mayor praga que agora quaa ha na imdia, porque a vida que 
faço, meus trabalhos e minha limpeza, culpa todolos homeens e obrigos 
a muyto, e porque ha carga he muy gramde e nam podem com ela, nem 
podem sofrer a execuçam de vosos rejimentos e determinaçõees, que nos 
traz metidos a todos em tamto trabalho, perigo e fadiga, que nam ha oíi- 
ciall, nem capitam, nem homem na imdia, que me nam deseje morto mill 
vezes e destroydo ; e aqueles que com seus carregos me podem daneficar 
e empecer, por tall que dê maa comta de mim, nam cessam dé noute e 

1 Torre do Tombo.— C. Cbron. P. 1/, M. 13, D. 107. 

20^ 



1 56 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

de dia cuidar nesta matéria, e pólo em obra quamdo lhe vem á mão: es- 
tes taes que asy pasam sua bõoa vida oceosa, nam leram eles tempo pêra 
vos espreverem mill emganos e cartas chêas de poesia, íimjimdo mill cou- 
sas e mill emganos e cartas cheas de poesia, fimjimdo mill cousas que nam 
sam nem numca foram, por tall que os deixe outro bispo que vier, viver 
em sua oceosidade descamsados, e os farte de vosa fazemda, e façam tam- 
tos erros que emcubram suas maldades, e que tenham negócios e embu- 
rylhadas que vos esprever? porque certo e craro está que aquelas oficiaes 
deste oficio que vos estas cousas esprevem, nam amdam em minha com- 
panhia, nem me vêm ho Rosto, nem sam companheiros em meus traba- 
lhos, perygos e fadigas, nem vestem as armas, nem trazem diamte dos 
holhos a seguramça de voso estado na imdia e comservaçam de vos ar- 
mada nestas partes e credito, mas querem ganhar autoridade em vos es- 
preverem mill emganos e falsydades, e nam dam nada que se perca a 
imdia per este caminho, e que vos alteza traga em descomtemtamemto 
todolos boons servidores que quá trazes e que vos íielmemle servem, mos- 
tramdose chêos de dor das cousas de voso serviço, e amostram esas car- 
tas dagardecimemtos de vos alteza, ha quall os acemde em tall maneira 
que, quamdo nam tem que dizer, assacano, e cremlho; prenosticam e 
profetizam, falam com feiticeiras que lhe diga ho que está por vyr, e 
âjumtam toda esa masa, de que fazem ese pastell que lá mamdam a vos al- 
teza cadano; e prouuese a noso senhor que este emgano e dano tocase 
somemte ás partes a quem qerem faier mall, e nam trouxesem vos al- 
teza em tamta duuida das cousas da imdia e tam revolto, que vos nam 
deixam tomar verdadeyro asemto e sam nas cousas de voso serviço, nem 
vos acabardes de determinar ho caminho que qerês que leve ho negocio 
da imdia. 

Digo vos senhor, isto, porque se bem oulhardes vosos rrejimemtos 
e determinaçõees, cadano vem hum comtrairo a outro, e cadano fazes 
hua mudamça e avees novo comselho, e a imdia nam he ho castelo da 
mina, pêra cadano bulirdes com ela, porque ha nela muito gramdes rex 
e senhores de muitas jemtes de cavalo e de pee, e de muita artelharia, e 
que s esforça a vos defemder que nam segures voso estado nela, nem vos 
façaes forte na terra, nem lhe ganhees os lugares primcypaees; e estam 
comfiados que avees vós de leyxar a imdia, e mais qerem vos trazer nese 
mar, atá que hum dia se apague de todo vosas forças e armada e jemte 
toda que quaa trazes, com hua muy piqena trovoada ou desastre que 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 157 

muitas vezes acomtece; e vos alteza ajudos a seu preposito da maneira 
que hatrás dito tenho; porque hua ora pomdes hum emprasto pêra este 
feito vir a furo, outrora. lhe pomdes defemsyvos que nam crie matéria; e 
tamto pode vos alteza ir por esle caminho, que dares com todo feito no 
chão. E isto, senhor, vos faz fazer e^tas cartas dos puelas da imdia, que 
lhe nam dá nada, qer se perca a imdia, qer se ganhe, qer seja de mou- 
ros, qer de jemtios, qer de cristãos; correm atrás seus propios proueitos 
e omzenas, e ajudam se bem de vosa fazemda, quamdo podem; nam ves- 
tem as armas por voso serviço, Repremdem os feitos homrrados de qem 
vos bem serve, vestidos em camisas mouriscas, determynamdo em oceo- 
sidade os feitos da guerra e governamça da imdia, e o que comsygo 
mesmo determinam, aquele lhe parece ho mylhor comselho, e aquylo vos 
esprevem que façaes; e nam quero eu mayor synall pêra vos alteza ver 
quaam desapegado estaes na imdia, que as mudamças de voso comse- 
lho ; e este mall nace todo das cartas da imdia, que prouuese a noso se- 
nhor que vosalteza defemdese que nimguem vos nam esprevese, senam 
os capylães que sam esteos deste corpo, e aimda destes tiraria os das 
fortelezas, porque sam mortaes compitidores daqeles que navegam ho ca- 
minho de vosos Rejimemtos, e desejam de os ver desbaratados e perdi- 
dos, porque tenham que vos esprever, com sembramte de que se eles no 
feito foram, nam se acomlecera tall cousa ou tall, e que sua oceosidade 
tenha autoridade e merecimemto amte vosalteza. 

Estes qe vos asy esprevem o feito da imdia, ho primeiro pomtam 
que põem a seu preposito he falar vos em vosa fazemda, mostramdose 
muito chêos de dôr dela, doemdose dos vosos gastos e despesas, e per 
este caminho começam demtrar; nam lhes dá nimigalha, qer vos espre- 
vam verdade, qer nam, porque lhes parece que a este negocio acode 
vosalteza mais Rijo que a outro nehum, e com esta desimulação se aju- 
dam muy bem de vosa fazemda e a comem e Roubam e tratam com ela, 
e sam feitos gramdes Ricos, e vosos tratos daneficados e vosas mercada- 
rias abatidas, e os preços delas abatidos e sonegados; e tornaesme a mim 
a culpa, mamdamdo me que nam emtemda meudamente nas vosas fei- 
torias; e digo estas cousas por descargo de minha comciemcia; e prou- 
uese a deus que per cima de todo este emgano seu e má comciemcia fo- 
sem eles pesoas de saber e comfiamça pêra menear vosa fazemda, e a 
meter em caminho que íizese algum fruyto; mas eu, senhor, vos juro pola 
verdade que sam obrigado a vos dizer, que vós nam temdes na imdia ho- 



158 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

mem perâ que dele devaees comfiar vosa fazemda, nem que saiba que 
cousa he ser feitor, nem tralar, nem comprar, nem vemder, nem fazer ne- 
hum proveyto, nem fruylo ; lodos dam as velas a fazer seu proueito e aver 
ho que podem, bem ávido ou mall ávido: e se vos dos taes esprevo al- 
guua ora alguum bem, be porque me cboram tamlas lagrymas, que de 
piadade ho faço: oulhay, senhor, as nãos dos mouros de cananor e co- 
chim, que foram carregadas de pimemta e espyciaria adem com seguros 
desymulados dados pêra vrmuz: mamday ver os portos de cambaya, de 
dio até chavU, e de chavll até batecala, e achares lodolos mercadores 
chêos de cobre e pimemta e todalas doutras mercadarias e espiciarias, 
que vem da mao de vosos oficiaes e capitães e d outras pesoas que ha na 
índia, os quaes vos esprevem cartas culpamdo me a mim e minha lym- 
peza, fora de suas emborilhadas e companhias. Iam isemto e tam lympo 
que nam ousam eles de ter ho rosto dereito em mim. 

Diz me vos alteza que se eu isto vejo, porque lhe nam dou ho cas- 
tigo que merecem? Digouos, senhor, que numca estou na terra, nem so- 
bre vosas feitorias; e mais, senhor, que direy eu comtra Louremço mo- 
reno, que tamto credito e autoridade trouxe de vos alteza, tamta com- 
fíamça e tamta isemçam em vosa feitoria, fazemda e trato? e emtemder 
neste negocio mevdamemte temdesmo vós defeso, e per groso nam poso, 
porque me mamdaes que nam emtre na terra; somemte co asesego dos 
portos e lugares de fora e com as espiciarias aquerydas e ávidas por mi- 
nha negoceaçam e de vos armada carregam eles vosas nãos, ganhamdo 
autoridade amte vós á custa alhêa. Digam estes taes quamtas cartas tem 
eles espritas a vos alteza de tratos de vosa feitoria, aviso de preço de mer- 
cadarias, e de compras e vemdas e tratos, e em outros portos? eu creo, 
senhor, que poucas; todo seu feito hê esprever de mim e falar em. mim, 
Repremder meus caminhos e meus feitos, que amdam na estrada de voso 
Rejimemto, por tall que apegamdo se vos alteza a mim, se ajudem eles 
emtamto do voso movell, e os aja por justifycados: e posto que os eu nam 
repremda, nem vá com todo Rigor contra eles, sempre em minhas cartas, 
domde quer que estou, lhe mamdo avisos de suas culpas como qen as 
muy bem sabe. 

Digo lambem, senhor, por gaspar pereira, que agora veyo com trimta 
ofícios e nam quis servir nehum, os quaees lhe eu dourey, e lhe dey 
tamto favor e credito, que se ele outro fora, ele soubera aquerir autori- 
dade amte vos alteza e fama de boom ofyciall^ e trabalho doura vosos ofí- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 159 

ciaees, se me quiserem ajudar fíelmemte ; mas sam homes que desas cou- 
sas sabem pouco, e demborylhadas, sotilezas e revoltas, sabem mais que 
todolos outros homeens, pêra ler que vos esprever, e em vosa fazemda 
nam saberám dar hum noo a hum negocio proueitoso: e aimda, senhor, 
vos digo, que prazerá a noso senhor que viverá vos alteza cemlanos, e 
que numca veres outro proueito Resultar destes homeens que se lá mos- 
tram muyto gramdes servidores, chêos de saber de negócios e tratos e de 
feitorizar bem vosa fazemda, senam cartas de quá de comselhos sobre ho 
feito da imdia, e de Revoltas e emburylhadas que eles ordenam, fazem 
e desfazem; e tem niso lamto saber ,e tamta agudeza, que se quiserem 
danar dous arrayaes, faloam. Estes laes que castigo lhe poso eu dar, que 
eu numca estou omdeles estam? e mais mamdaesme que nam em^emda 
com eles mevdamemte, e no groso nam poso, que amdo sempre de fora; 
e se ele pêra iso vynha, como nam se nam hia ele comigo? porque de 
cochim até banastarym por força ho fiz ir; e qeremdo levar comigo, amos- 
trou huua fumda que trazia, e alguuas dores suas. E debaixo disto jaz 
escomdido os trabalhos de guerra e perygos do mar, de qe se os homens 
na imdia sabem muy bem escusar, se eu nam tivese ho leme em teso: 
nam crêa vos alteza que os homeens sam quá na imdia como seles lá 
pimtam amte vós; mas como se qua vêm, deixam toda sua obrygaçam 
por seu próprio proueito; e nam falo neste feito mevdamemle, por nam 
danar tamtos homeens hipócritas de voso serviço e vestidos em peles d ove- 
lha, que com suas danadas lemçõees e imcrinaçõees avees sempre daver 
muy pouco proueito de seus serviços: todo feito destes he danar quem 
podem, aproveitar a sy mesmos, e dizer mall e desdanhar as cousas que 
os obrigam a trabalho ou a guerra; e porque vem a preposito, ho quero 
aquy esprever a vos alteza: goa, quamdo estava cercada, nam dezia nim- 
guem bem dela, lodos desejavam de dar com ela no chão e de ha emtre- 
gar ós mouros, e nam dava outra rezam senam que goa gastava muytos 
mamtymemtos, e que se pagava a vosa jemte por mamtimemto: estes que 
isto deziam, nam sabiam eles que ha Jemte oceosa de cochim também 
recebiam cada mês seu mamtimemto, e que a jemte da imdia omde qer 
que estiver, ha de gastar seu ordenado de mamtimemtos e soldos? agora 
que pasou esta trouoada de benastarym, como dizem que he a milhor 
cousa do mundo, e que se goa nam fose, que se perderia a imdia, e que 
vymdo quallquer trabalho haa imdia, que goa soo he poderosa pêra a sos- 
ter e defemder atà fim do juízo? 



160 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

António Reall e o feitor, qé da justiça que lhe vós emlregastes? como 
semtemcearam e degradaram eles vosos cryados, nam temdo lall poder 
em seu mamdo de justiça? como mamdaram eles symam Ramjell em huua 
nao de mouros a cananor, ho qual! foy vemdido em calecut com hum ba- 
raço no pescoço e levado ao cairo, e diogo fernamdes, criado que foy do 
baram, pêra goa, e gomçalo fernamdez pêra ho castelo de cima, e isto 
emquaiíito eu fuy a malaca? premderam vosos esprivães, alymparam a 
terra dos homens avisados e sesudos, por tall que nam emtemdesem a 
masa e companhia do vigairo Diogo pereira, amtonio Reall e o feitor, seus 
tratos e morcadarias; e chêos desta bõoa vida e isemçam, fauor e credyto 
de sov alteza, tam bõoa semtemça dava ho vigairo no crime como no civell; 
e asy punha 3eu synall na semtemça como cada hum deles: pregumtay, 
senhor, estes por vosos tratos e mercadarias; pregumtay lhe, senhor, cu- 
jas eram as nãos tomou sobre tanor, eslamdo carregamdo pimemta, as 
quaes nãos eram de cochym e por iso as alargou; e pregumlaylhe cuja 
era a pimemta que aly estavam tomamdo; pregumtay, senhor, amtonio 
Reall polo cirne, samtesprito e o rey gramde, que derribou por eu nam 
estar na terra; pregumtay lhe pola galé de symam martinz e pola ajuda 
gramde, qe sem mar e vemto, correjidas daqela ora, da sua mão se fo- 
ram ho fumdo: pregumtay, senhor, amtonio Reall porque nam foy a ma- 
laca; damdolhe a capitania de dous navios c muy boom partido, e que 
fose dar ordem como se levamtasem e reformasem esas nãos que lá fica- 
vam, diseme que era quebrado e que nam era já homem pêra servir. 

Pregumtelhe vos alteza quamdo se híia nao das de goa, mamdam- 
doa passar a benaslarym, tiraram lhe arrombada de hCla bamda, foy á 
bamda e alagou se no Rio, mamdeyo chamar pêra a levamtar e nam quys 
vir; mamdeyo chamar pêra ir comigo ho mnr Roxo, como vos alteza mam 
dou, e nam quis vir; mamdeylhe sô pena do caso mayor hua e duas ve- 
zes, e nam quys vir; semdo homem que hatégora nam tem vestido as 
armas por voso serviço, sempre ho emcarregastes em açucares e pimemta 
e em cousas de seu proueito, de que sempre se ele soube ajudar, e sabe; 
os se^'uros que ele e Louremço moreno davam ás nãos pêra malaca, 
quamdo eu lá estava, como me nam esprevyam e davam Rezam de sy 
como a seu capitam mor: e sabees, senhor, ho castigo que lhe eu dey por 
este feito, e por outros que eu aquy nam digo, deyxeilhe a capitania da 
fortaleza, sabemdo certo que el Rey de cochim numca mais emtrou na 
fortaleza por aver por desomrra amtonio Reall ser capitam dela, e numca 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 16! 

volo quis esprever: tiveram sempre vosas feitoryas em casas de palha, e 
os seus cofres e seus vinhos e suas atafaoas em casas de pedra e call fe- 
chadas (sic) de chumbo: pregumte vos alteza amtonio Reall poios aparelhos 
e emxarcia de duas nãos e esqipaçam de poleames e todolos outros apare- 
lhos, porque os meteo em casas de palha e nam omde estava seus fornos 
de poya e suas amasarias? saltou ho fogo na casa e despachou tudo: pre- 
gumte também vos alteza amtonio Reall, se vós acudistes has vosas fei- 
torias e acrecemtamemto da forteleza, de se fazer tudo de pedra e call? 
quem lhe mamdou tirar os oficiaes da obra, defemdemdolho eu que nam 
emtemdese niso, e os levou a fazer as suas casas com a pedra da igreja e 
vosa call, pêra as vemder amtes que se vaa? pregumte lhe também vos al- 
teza porque leva aos capitãees espravos e espravas de peitas por lhe cor- 
rejer seus navios, e aos mestres e marynheiros pregumte lhe como se tem 
aproueitado de vosa fazemda mevdamemte per esa Ribeira e per outras 
cousas de voso almazem, com que ele ás vezes socorre has nãos dos mer- 
cadores por seu propio proveito, e nam de maneira que venha a bõa ar- 
recadaçam a vosa Fazemda? eses taes que tamtos anos ha que logram 
esta bõoa vida, e saproueitam de vosa fazemda, e se fazem pagos damte 
mão do voso cofre, e se sabem guardar dos imcomveniemtes da guerra e 
trabalhos da imdia, e tratar co voso cobre e pimemta e outras mercada- 
rias defesas por voso Rejimemto, pedi Ih a comta do feilorizar de vosa fa- 
zemda e da negoceaçam dela que fyzeram em seu tempo, que ha carga 
da pimemta amchecala e cidra, dous esprivães jemtios, ha fazem: e se 
eles tratam nas mercadarias defesas per vos alteza, nam fariam milhor 
esta negoceaçam de vosa fazemda, pois que recebem soldo de vós e o tem 
per Rejimemto? bem sabem eles que sey eu todas estas cousas, e nanos 
castigo, porque tem eles mor autoridade, poder e credito nelas que eu, 
amtes cad ano com lagrymas demtro na minha camará me pedem cartas 
pêra vos alteza, e porque se acerte milhor ho caminho, pedem mas por 
duas vias, e do que esprevo nelas tenho asaz comta que dar a deus e a 
vos alteza: ora, senhor, vede bem as cartas que vos eles esprevem sobre 
meus feitos e sobre ho negocio da imdia, e asy outras pesoas que agora 
nam nomôo, e vede ho que faço e omde estou quamdo vos dam suas car- 
tas, e vede vosos Rejimemtos, se sam comformes aos caminhos por omde 
amdo, e o que vosas nãos e jemte e cavaleiros empremde por voso ser- 
viço e mamdado, porque nam tenho outros compitidores na imdia senam 
vosos oficiaees. 

21 



1 62 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

E segurado ho que agora vejo nesle maço de Cartas que rae deu 
amrique nunez, m acusa vosalleza primeiramemle d acrecemlamemlo de 
soldos: nam he bem, senhor, quamdo mouverdes de culpar, que vejaes 
Yosos livros da feitoria e os meus mamdados que hy acharam asemtados? 
eslé he ho Rejisto da verdade, e nam as cartas dos caronistas da imdia; 
e acharam no hvro da vosa feitoria hum mamdado meu que diz, que 
vemdo eles despacho, ou mamdado, ou arrecadaçam pêra a feitoria, asy- 
nada per mim, comtra voso rejimemto, que ha nam cumpram; e pêra 
verdes, senhor, como eu guardo a osservamcia do estado da imdia e cre- 
dito de minha verdade e minha fama, mamdaylhe pedir os alvaraees asy- 
nados per mim que vem á feitoria comtra voso rejimemto; e asy poderá 
vos alteza ser mais certeficado da verdade, porque nam sam eu homem 
que aja demcher a imdia dalvaraes emganosos e palavras de pouca ver- 
dade, porque, senhor, eu sam pessoa pêra que, se me meterem doze rey- 
nos na mão, pêra os saber governar com muita prudemcia, descriçam e 
saber, bõa comciemcia e bõoa imcrinaçam ; aimda que nenhua destas cou- 
sas nam aja em mim, sam gramde leterado nelas e lenho hidade pêra sa- 
ber ho bem e o mall. 

Os acrecemtamemtos que sacharam, sam estes: vos alteza mamda 
quaa homeens de quinhemtos fs e deles de dous curzados; e algflas des- 
tas pesoas sam oficiaees pedreiros, ferreiros; se os qero mamdar servir de 
seus ofícios, a que eles nam sam obrigados, podes lhe vós tolher de bõoa 
comciemcia nam lhe pagardes ho soldo e partido ordenado aos outros que 
quaa vem com esa comdiçam, os anos, ou meses, ou dias, que vos servi- 
rem de seus ofícios? a mim me parece que nam: e portamto, quamdo ser- 
vem os ditos ofícios, lhe mamdo acrecemtar ho soldo a rezam de como 
os outros oficiaes quaa tem; se outra cousa achardes em' vosos livros, pa- 
gue se á minha custa. 

Vos alteza mespreveo que se pela vemtura os homeens se nam po- 
desem mamter co mamtimemto que lhe vos alteza tinha ordenado, que lhe 
acrecemtase mais alguuma cousa: nam boly com nehua cousa destas, so- 
memte esprevy a goa hum esprito a manoel de lacerda, capitam da for- 
teleza, em que ho mamdava avisar que nam travase escaramuça cos mou- 
ros de benastarym, nem sayse fora da cerqa da vila a repique, e lhe mam- 
dey que todo homem que quisesse ter besta e ser besteyro, ou espimgardeiro, 
lhe dava dobrado ho mamtimemto, e que estes mamdase sair fora em 
corpo com hum capitam, quamdo lhe viese correr jemte, e nehuum ou- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 163 

tro homem nam: fizeram se cem besteiros e cem espimgardeiros; deram 
tall varejo aos mouros que numca mais ousaram de vir correr a forteleza. 
Durou esta desordem e gasto de vosalleza ho imverno que imverney em 
cochim quamdo cheguey de malaca, que lá nam pude ir: outro tamto fiz 
em malaca, e os jaós s afastaram de virem mais a fazer nehriua samdice 
á pouoaçam dos chatins e quelins: digo mais, senhor, nam tem os vosos 
oficiaes hum capitulo do meu Rejimemto asemtado em seus livros, asy- 
nado por mim, em qu^í diz, os que forem escudeiros averám duus curza- 
dos, c os piães averám quynhemtos fs e os degradados nam averam soldo, 
e nem huuns nem outros nam averám quymteladas? se pasam voso mam- 
dado, mamdaylhe cortar ho pescoso, e se eu asynado despacho comtrairo 
a voso rejimemto, mamdayme decepar huua mão; mas na imdia nam ha 
hy despachos, nem ha hy pitiçõees, nem alvaraes: qem qer despacho e 
pagamemto de seu soldo, vai se á feitoria; da maneira que ho acham asem- 
tado, desta maneira he julgado, e desas cousa me lamço fora, porque 
sam asemtadas com leiras douro e asynadas per vos alteza: os despachos 
que os homens am mester de mim, he pêra pagamemlo de seu soldo e 
ida pêra purtugall; nam diz mais ho meu alvará, senam que seja despa- 
chado de seu soldo, segumdo ordenado de vos alteza; e eu cuido, senhor, 
que esta he hua das cousas por que gaspar pereira amda descomtemte 
da imdia, porque nam ha hy pitiçõees, nem despachos, nem negócios, 
nem percalços, nem Rejistos, nem nada das cousas pasadas. Duas regras 
minhas e o rejimemto da vosa feitoria e o despacho dos homeens, nam ha 
hy outra negoceaçam; suas armas e cortar ese mar com voss armada, e 
ir sorjir nos portos e lugares omde nos mamdaes: á primeyra Remdialhe 
este oficio mill curzados, e agora Remderlha bons xxb cruzados *: a jemte 
despacho a em damdolhe rezam de mym omde ma Reqerem, e se he cousa 
de vosa fazemda, vam se a esa feitoria com duas regras minhas pêra seu 
despacho: todo negocio da imdia agora está nos percalços de voss armada, 
despacho de soldos neles e prouedoria dos defumtos; destes dous carre- 
gos nam pude eu acolher gaspar pereira demtro na naao pêra husar de 
seus ofícios e carregos, nem ho prouedor dos defumtos que quaa veyo, 
nem ho lamprea, seu esprivam, porque ás vezes os percalços em taees lu- 
gares pagam se com boas frechadas e cutiladas e boas bombardadas; ho 
feitor das presas e seu esprivam somemte amdam comigo; estes recebem 

^ Vinte e dáco cruzados. 

21 



164 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

vossa fazemda e a despemdem per meu mamdado, e peleja muy bem por 
voso serviço: a jemte que quaa amda na imdia, que nam veyo do tempo 
deste esame d escudeiro e piam, se lhe guarda iso mesmo a comdiçam de 
voso rejimemlo sobre ho soldo, asy como agora esla ordenado per vos ai* 
teza lá na casa das imdias, pola decraraçam do capilolo de voso Reji- 
memto sobreste paso. 

Mais me culpaees nos quadrylheiros e presas, como ho nam fazem 
bem: certo, senhor, nese feito alguua culpa tenho, porque hy nam ha 
quadrylheyros que nam determine de furlar, e ás vezes acudo a iso; mas 
na imdia, emquamlo nela amdar, nam ey de mamdar justiçar nehum ho- 
mem por furto que faça, porque outras cousas ha hy de mais serviço de 
deus e voso, em que se eles empregam cada dia; dou lhe eses castigos 
que me bem parece; e demfadado já de ver quadrylheiros furtar, agora 
no mar Roxo os tirey e já nam faço quadrylheiros, mas tomada a presa, 
se emlrega ao voso feitor e esprivam tudo, e daly ponho lhe dous homeens 
de bem, que recebam a nosa parte; e depois que governo a imdia, lodalas 
presas que se fizeram, se emlregaram logo haas vosas feitorias; e quamdo 
vinha ho tempo de nosa tornada, achava tudo vemdydo e carregado ao 
voso feitor, por omde vosa alteza deve haas partes ha parte da nao de 
meqa e a parte da nao mery e a parte das nãos e pimemta e jemjivre que 
se tomaram através de batecala, e mais devees a artelharia e naaos de 
goa e bua nao que se tomou através do momte dely; e outras presas que 
m agora nam lembram, tudo foy a vosa feitoria, e até gora nam temos 
ávido partes: nam ouue a jemte partes senam das nãos de malaca; e creo 
que nam ha hy cemtomens na imdia cujos estas parles sam; e per aquy 
descarrego eu minha comciemcia, e o netefico asy a vos alteza. 

E asy me culpa voss alteza em alguuas desordeens que quá fazem 
capitães d armada nestas partes: qem a voss alteza estas cousas espreve, 
se vos disese a minha execuçam nese feito, nam teria logo de que fazer 
cartas; na imdia, desde ho tempo que ha comecey a mamdar até gora, 
nam he feito nehum agravo, nem tomadia, nem dano, somemte no tempo 
que fuy a malaca ho que fez ho cunhado de domingos fernamdez, guarda 
Roupa, e o fez ho caldeira, meu pajé, casado em goa, per estucia de diogo 
memdez, porque emtam estava por capitam, porque temdo os mouros em- 
trado a ilha, deu lugar aos homeens que fossem amdar de fora, temdo ele 
assaz necessidade deles, e posto que tivese huum asynado meu que po- 
dese ir d armada, com tall comdiçam que trouxese a presa ao porto de goa 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBÍIQUERQDE 1 65 

pera aprovar ho capytam de goa, se era bem tomada ou mall tomada; 
e crea vos alteza que diogo memdez lhe deu licemça a ese fim que agora 
veyo, porque tinha asynado meu, e a ele daria eu a culpa de em tal 
tempo com aqele comprir meu asynado : ho cunhado de domingos fernamdez, 
posto ao pee do tormemto, tornou os setecemtos pardaos que tomou ha 
nao durmuz; ho caldeira foy preso, e eu ho mamdava emforcar, nam po- 
ias presas que fez, mas polo seguro que mamdou pedir sobre a barra de 
goa, amtes que emtrase; porque diogo memdez, pera fazer mais feyo ho 
caso da minha licemça, achega o a sele amorar e alevamtar; porque, como 
já tenho dito, Diogo memdez tein saber pera saproveytar destas manhas 
e escomder seus erros: ho caldeira fojio co cacereiro pera a igreja por 
culpa damtonio Reall, que era alcaide mor, e a ele divera eu de tomar 
esta comia: per amtonio Raposo mamdey tirar imquiryçam sobrese feito 
a chaull, e ho mamdey lá com ele preso; pedio carta de seguro, e mam- 
dey lha dar ; crêo que ho auto de seu feito, que ho leva ho ouuidor a 
vos alteza: ache o culpado nam vir aprovar as presas a goa, como dezia 
no meu alvará, e vemdeo ho voso quinham ele e o espiivam que pus por 
vossalteza, sem licemça de voso feitor: todavia eu nam semty nehua cousa 
deslas tamto, como vir ele pedir seguro: e porém diogo memdez estauao 
ameçamdo na pousada, que dyvera de desimular isto e premdelo e mam- 
dalo emforcar: nam ha hy outra cousa feita na Imdia per purtugueses, 
depois que ha quá governo^ porque todalas nãos durmuz e de cambaya 
navegam com certidões de seu Rey, como lá tenho esprito a vossalteza; 
e as de cananor e cochim navegam cos seguros, porque os tem os Rex 
da terra, pera aver por eles dynheiro; e a diogo memdez com estas cou- 
sas taes que com suas estucias e lex que apremdeo em salamamca, ho 
sabe bem fazer, a ele se devia de dar ho castigo. 

Vossalteza me tocou em onor serem lhe feitos alguns agravos, e asy 
a timoja, e quamdo diogo memdez estas cousas ordenou que vossalteza 
soubese, porque apremdeo de lex em salamamca, soube o muy bem lá 
lamçar: onor nos faz a nós a guerra, que nam nós a ele, porque he hiia 
cova de ladrõees comtino, e os Rex e eses senhores da terra sempre ar- 
mam atalayas e tomam na metade das nossas barcas ' as nãos de chaull e 
todolos pagueres e paraos que trazem mamtimemtos e prouimemtos pera 
goa, porque diz que, se nam furtar no mar, que nam pôde pagar oitemta 

«A1ii»-òar»M(?). 



166 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

mill pardaos que paga pola terra a elRey de narsymga; e se voss alteza 
mamdava cadaao a voss armada, que viesem com as uaos de cananor até 
cbauU, com receo d armada de calecut, onor e goa, nam he bem que goa 
alympe esles ladrões furmigueiros, que nam deixam navegar nimguem e 
qebram vosos seguros? ha terra toda que recebe meu seguro, se aqeiwu 
deste feito, e eu também maqeyxey, por onor tomar as mercadarias que 
vynham pêra goa; e agora trago comtinuadamemtc seis fustas de goa, que 
os mouros tinham em benaslarym feytas, e omde qer que acho hatalaya 
armada, mamdo que haly omde os tomarem, que aly os despachem logo, 
sem mais apelaçam, nem agravo; e timoja por isto foy rreteudo de mim, 
porque estamdo em goa couHgo, armou as suas alalayas aly secretamemte, 
e as mamdou de fora e tomou duas nãos de chaull carregadas de beira- 
mes, e huua d urmuz de cavalos e aljôfar, e todas três traziam meus se- 
guros, e por iso laamcey mão dele: as nãos foram ter a onor, e elRey 
d onor lamçou mão delas; muitas vezes lhas mamdey reqerer e numca as 
quys dar; nem por iso lhe fiz mall nem dano, mas se lhe topara quatro 
ou cimqo nãos de seu porto, tomara lhas, e fizera restetuiçam a chaull e 
a urmuz, por serem lugares trebutareos a voss alteza, e navegarem com 
meus seguros: onor nam trata de mercadaria, todo seu feito he armar 
esas atalayas cadano e furtar; e assaz de dano fez a goa, quamdo estava 
cercada, porque nam ousavam de vir mamtimemtos a ela: estas cousas 
nanas avia lá de lamçar diogo memdez e seus companheiros com esta 
decraraçam, porque nam pareceram logo capitolos, mas calai as e escom- 
der os erros e desomrra que cometeo comtra ho estado da Imdia. 

De timoja vos tenho já lá dado comta, que quamdo melrao veyo a 
ser capitam das terras de goa em nome de voss alteza, eu lho emtreguey 
sobre fyamça: metido ele em pose das terras de goa, pelejou cos turcos, 
e tinha os desbaratados, se lhe nam mataram hum capitam seu: foi se 
pêra narsymga ele e timoja; morreo lâ timoja, e sua molher e seus filhos 
fogiram d onor pêra goa, omde agora estam bem tratados e omrrados de 
mim: ho rrey d onor que vos pagava as páreas, he morto e outro seu so- 
brinho que foy Rey ; e agora este que ficou por Rey, dizem que este Rey 
de narsymga ho tira e o dá a melrao: de nehuua destas cousas que eu 
aquy esprevo a vos alteza e tenho espritas, nam sabe diogo memdez tam 
pouco de lex, que estamdo ele presemle a tudo isto, nom soubese virar ao 
emvés; e fizeram vos emtemder que timoja era hum gramde senhor nesta 
terra, e que melrao era hum tredor e mao homem. Digo uos^ senhor, que 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 167 

timoja era hum estalajadeiro noso, que sempre nos agasalhava bem por 
seu proueito, e suas obras comnosco sempre foram cheyas de tirania; e 
se por tredor e mao ouuera de ser alguum homem comdenado, timoja ho 
ouuera de ser, porque ele tinha na ilha de goa três miil piães pagos das 
terras de goa, e deyxou emtrar ha ilha a trezemtos turcos emlameados, 
sem armas nehuas: é milrao he de linhajem de Rex, cavaleiro e homem 
de fama amlre os jemtios, e chêo de muita verdade e muito estimado e 
amado da jemte desta costa, e nunca nele achei emgano nem trayçam; 
e se ho eu tivera em goa, de fma força os turcos leixaram as terras de 
goa. E qeno a voss alteza pimtou doutra maneira, compriolhe fazei o asy, 
por virem as cousas todas a seu preposito : ache o mais verdadeiro e mais 
leall e reais desejador de morrer em voso serviço, que alguuas pesoas que 
eu aquy nam qero nomear; e asy nisto, como em todolos outros meus 
feitos, nam ha hy mastelada nem emborilhada; todalas cousas de voso 
serviço e de voso estado na imdia sam oulhadas e feitas com muy boom 
comselho, e noso senhor has traz a boom fim ; e melrao, que vos a vós 
dizem que era tredor, primeiro ele deu a batalha ós turcos e foy desba- 
ratado, que leixase as terras de goa. 

De cananor ao primeiro dia de dezembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A EllRey noso senhor \ 



CARTA XXXn 



1613— Dezembro 1 

Senhor. — A vós comvem fornecer a ymdia de mercaderias daquy 
avamte, porque a boca do streito, prazemdo a nosso senhor, çarrada está, 
porque a destroiçam que fizemos em nãos lá demtro, e ser lugar muy es- 
treito e serem elles certificados que nom avemos nós de leixar aquela em- 
presa, pois que, louvado seja noso senhor, todallas outras cousas estam 
asemtadas e asesegadas, nam ham d ousar de yr abocar lugar tam streito, 

^ Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.*, M. 14, D. 3. 



168 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

porque nos nam podem em nynhua maneira escapar. E sabem em todol- 
los portos da ymdia, que me faço éu presles pêra lornar lá; portamto, 
senhor, mamday muytas mercaderias das sorles que vos aquy aviso. 

Item: primeyramemte calecut pede grande soma de coral laurado e 
em rama, e o mais dele em rama; pede cobre, azougue e vermelham; bro- 
cados baixos, veludos crymyzins e pretos, gramde'soma; alcatifas, aça- 
fram, aguas rosadas, escarlatas e outros panos doutras sortes. 

Item: cambaya pede azougue, vermelham, escarlatas, brocados bai- 
xos e arrazoados veludos crymyzins e de graam ; veludos pretos gram soma, 
panos brancos e pretos finos; sedas rasas nem damascos nynhua cousa, 
porque vem muytos de malaca; pedem açafram, agoas rosadas, e se per 
via de levante poderdes aver cetins avilutados de cores, que cá chamamos 
veludos de mequa, fazen os em alepo, em bruça e torquia, nom será má 
mercadoria; alcatifas de leuamte poucas. 

Item: asy mesmo se gastará gramde soma de borcados e veludos na 
terra do preste joham. 

Item: em peeguu, em syom, se gastará gramde soma d azougue e 
vermelham, panos bramcos e pretos, veludos e brocados baixos alguns, e 
escarlatas de cá da ymdia. Roupa de cambaya. 

E pêra malaca veludos de toda sorte, escarlatas, borcados baixos; 
azougue, vei-melham em toda parle se gastará; açafram lodo este mumdo 
de caa o pede e o ha mester. 

Item: em urmuz soma de cobre se gastará e d azougue e verme- 
lham; pedra ume nom faz pêra lá. 

Em narsymgua e o Reyno de daaquem brocados e veludos gastaram 
8 cobre e azougue e vermelham e escarlatas e aguas Rosadas. 

Bemgala toda nosa mercaderia pede e tem necesydade dela. 

Çamatòra azougue e vermelham, cobre pouco, escarlatas, borcados, 
veludos prelos e crymysyns ; seda Rasa nem damascos nam os ham mes- 
ter, e mays o que vosa alteza lá verá per carta sua sobre a soma da seda 
que pedis. 

Também se gastaram caa azeites de purtugal e açuquares alguns 
boons, e muytas outras myudezas que desas partes quá emtram na yndia, 
a que non sey o nome, que tudo se gasta. 

E aynda, senhor, que o ganho nam seja tam groso dalguas merca- 
derias de lá, que aquy nam nomèo, deve as vosa alteza todavia de mam- 
dar, porque se fará proveito, e abastecer se ha a yndia daquelas cousas 



1 70 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

com quatro galés lhe tolheres que as nom lamccm ao mar, porque bem 
as podem fazer em torra; mas varando os cascos das nãos ao mar, quei- 
mai as ha hua galé sem comtradiçam, e quamtas mais lançarem ao mar^ 
tantas mais se perderam e lhe queymarám; de maneira, senhor, que 
aynda que todo o poder, do mundo o ajudase, como gaanhardes pose do 
mar Roxo, nunca mais pôde fazer armada, porque nom tem portos çar- 
rados asy defemsauees em que a crie, que lhe nós lá nom emtremos, e 
nom tem outro senom çuez, porque de todallas outras partes he muy 
longo camynho ao cayro. 

E tudo he Ribeira de mar e he muy curta navegaçam de meçuá e 
dalac e da terra do preste joão, de que vosa alteza deue fazer funda- 
mento. Ao porto de çuez navegaçam he de xij ou xiij dias, e se vos mais 
quiserdes chegar adiamle, ahy tendes a ylha de çuaquem, muy bom porto; 
e que hy nom aja agua, á hy cisternas que abastaram pêra a fortaleza, 
e da terra firme trazem muy la agua a vender; porém a meu ver, senhor, 
vós ganhares judá sem conlradiçam, porque he C/Ousa pequena e fraca, e 
querendo o soldam hy mandar gemle que a defemda de nós, ha de ser 
muy trabalhosa de bastecer de mamtymentos, porque he muy lomgo ca- 
mynho do cayro a judá: se nosos pecados nos deram logar que chegára- 
mos lá, com ajuda de noso senhor nom ouvera hy comtradiçam de a le- 
varmos nas mãos, porque nom era aymda cercada da banda do mar: o 
que agora avemos mester he muytos Remos pêra galés, panos de vila de 
conde, que nom venham podres, duas dúzias de carretas ferradas pêra a 
artelharia grosa e meiida. 

Tendo vós, senhor, feito asemto em meçuá e na terra do preste joão, 
ha se de despovoar de necesidade judá, porque nom lhe ham de vyr es- 
peciarias nem mercaderias, nem os mamlimemtos de fora; e querendo o 
soldam hí ter gemte de gorniçam, nom ha pôde bastecer de mamtimem- 
tos; e vosa alteza pode a soster cos provimentos da terra do preste jobam, 
que está defromte: ganhada judá, nom ha y casa de meça, nem quem 
ouse de morar nela, e de necessydade a ham de leixar os alfenados, por- 
que está hum dia de caminho de judá: a meu ver eu, senhor, hey o feito 
de meça por muy pouca cousa; sua destroíçam é leue cousa d acabar; 
asy, senhor, que de galees aves de fazer voso fundamemto; em cada lu- 
gar se podem correjer c empalmar, e em cada lugar podem emtrar, como 
este pejo da armada do cayro fôr seguro. 

E asy, senhor, nos deue vosa alteza mandar armas, porque a deva- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 171 

sidade àoò purtugueses nom ha armas nynhuas que a abaste, nem tem 
em comia soldo, nem as tomarem sobre seu soldo; e portanto, pois he á 
nosa custa, mande nos vosa alteza abastimemto delas, e agora vos com- 
pre mais que nunca, pois vosa alteza tem determinado de segurardes a 
yndia dos ymconvenyentes que podem sobrevyr. E asy vos compre, por- 
que temdelos ymygos aa porta: armas brancas de corpo nom as devia 
vosa alteza caa de mandar, porque sam mais trabalhosas de mamter que 
hum cavalo de cubertas, e perdem se todas; couraças sam muy bõaas ar- 
mas pêra caa, nom ham mester escamei nem corregimento nenhum, sal- 
uamte se se daneficam os couros per tempo; tomam os homens cravaçam 
e couros sobre seu soldo e corregenas, e amdam sempre em pee: pelou- 
ros de espera e de serpe nos deue vosa alteza de mandar, que nom ha 
caa nynhuns; ese castelo de madeira que me dizem que vosa alteza tem, 
se o tivéramos em adem, sem comtradiçam fora nosa, porque armaramolo 
castelo na agua de rubaça, que vos lá tenho esprito, e segura a agua, 
sem contradiçam tinhamos adem nas mãos; piques pêra a jente da orde- 
namça e lanças que tirem sangue aos ymygos, porque nolas mamdam 
asy como vem de biscaya, sem amolar, emcomendadas a hum barbeyro 
ynchado que cá ha na yndia, e armada nom pôde esperar por iso, porque 
eu nom tenho na yndia mays tempo, nom ymvernando nela e vymdo de 
fóra, que novembro e dezembro; em janeiro me convém partir pêra o 
streito, se nele ouver de fazer fruyto, e pêra urmuz em feuereiro, pêra 
malaca em abril : ora oulhe vosa alteza quam pequeno tempo tenho pêra 
me aparelhar pêra yr ao estreito, vymdo de fóra no mês de setemlro e 
outubro, como agora vym; portamto, senhor, emquamto trazes a obra 
quemt^, manday nesas nãos todo aparelho que mandaes fazer por voso 
Regimento, porque, louvado seja deus, aynda que seja homem velho e 
fraco, nom ha daborolecer nynhua cousa em meu tempo. E se vosa al- 
teza quer que a vosa armada este aguardando por iso, custar vos ha hum 
prego cem cruzados e hum machado ou alviam duzentos cruzados. E se- 
gundo a demora que a vosa armada fizer, asy fará as avalias. 

Também nos mande vosa alteza algua soma de chumbo, porque temos 
diso necesydade: esprita em cananor o primeiro de dezembro de 1513, 

(Por leitra de Albuquerque) feytura e scrvydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescrípto) A el Rey noso senhor *. 

* Torre do Tombo— C. Chron. Part. 1.», Maç. 14, D. 2. 

22¥ 



1 72 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA XXXffl 



1613— Dezembro 1 

Senhor. — Diz vos alteza que soes emformaado quel Rey de garço- 
paa he escamdilizado dallgnuns navios da vosa armada e jemtes terem Ibe 
feitas allguas tomadias e danos, e asi toda a terra com Rezam muito es- 
camdilizada: perdoe Deus a quem iso espreve a vosa alteza: qne danos 
e tomadias sam feitas em guarçopaa, e a onor qqe naaos lhe sam toma- 
das e mercadarias? sam feitos muy gram Riquos com duas tomadas de 
guoa, e muito dinheiro ávido dos portuguezes com Refresquos e cousas 
de nomnada que vem d onor: o Rey de garçopaa, que vos deu mirjeu, he 
morto, e he morto outro, e aguora está huum loguotemte por mel Rao, o 
qual nos tem. per muitas vezes posto em necesidade, por tomar estes bar- 
quos pequenos que vem pêra guoa com Refresquos, e tomam as naaos 
que trazem vosos seguros: este que haguora hy está por Rey, mamdou 
a guoa huns pouqos de fardos d arroz podre em paguo das páreas, e mam- 
dei lhos tornaar; e pior he que no tempo de guoa estar cerquada, e nós 
esperávamos ajuda de mamlimentos de sua terra, amdavam elles emtam 
tomando os que vinham com o provimento e mantymentos pêra guoa: 
onor he cova de ladrões, tem atallaias e fustas; pagua o Rey da terra 
hxx pardaos ' ha el Rey de narsimgua cadano, e a terra nam na pode 
suprir, e o Rey daa luguar que harmas e furtem, e partem com elle e desta 
maneira viucm ; e eu tenho mandado a esas fustas de guoa, que homde 
quer que hos hacharem armados, que hos castiguem mui bem, e havisado 
primeiro el Rey d onor que tall nam consynta, porque temos paz com toda 
a terra, e toda naveguaçam seguro de vosa allteza; a paz lhe foy sempre 
guardada muy imteiramente e toda verdade, asy a elle como a todos: e 
quero eu dizer a vosa allteza que comfiam tamto nossos imiguos de mym, 
que sem seguro sabem certos que se vem direitos omde eu estou, qoe 
hasy lhe guardo o seguro como se o tevesem asinado por mym ; e he muito 
estimada minha pallaura na Imdia e de gramde credito, e nam ha homem 

^ Oitenta mil pardaos. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 173 

que mamde chamar, que nam confye de mim: pregumte vosa alteza se os 
mouros que vieram a Calecut de demtro do cairo, se os mamdey chamaar 
a cochim, e se vieram cimquo ou bj ' deles? e se ha hy mercador ou pes- 
soa omrrada em toda a terra, se o eu mamdar chamaar, que nam venha 
a mym comfíamdo em minha pallaura, sem me pedir seguro? bem sabem 
os da imdia que numca fiz Riballdaria nem vileza, nem quebrey minha 
palavra nem meu seguro, E os nosos amygos muy quemtes e muy com- 
temtes de mym; e nam á ojeste dia mouro em toda a imdia, que se o 
mandaar chamaar, que nam venha omde eu estiuer; tam ystimada e tam 
dourada está minha pallavra. 

Na Imdya hos homens que ho comtrairo fazem, sam homes írogica- 
dores, e farám mill emganos e mill emvorilhadas por hum Roby, e que- 
braram .mill vezes minha pallaura por aver hum synabafo: homem sam, 
senhor, que guardo primor em meu carrego e o faço guardar aos que tra* 
guo per voso mandado á minha ordenança: scripta em cananor ao pri- 
meiro dia de dezembro de 1513. 

(Por lettra de Albuguerque) feytura e servydor de vossa allteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor*. 



CARTA XXXIV 



1513— Dezembro 1 

Senhor. — Eu mamdo llâ a vos alteza dous abexys que foram cati- 
vos imdo pêra a romaria de Jerusalém, no sertão da ilha de çuaquem; 
sam homes emtemdidos da nosa ley, e sabe hum delles esprever muy bem 
em sua lymgoajem: mamdo também a vos alteza hum mamcebo abexy, 
que sabia arsibia, e lamçousse com Ruy galvão em zeilla; foy espravo do 
feitor do solidão, que está em judá; e mamdo o pêra lymgoa dos outros, 
que nom sabem falar aravia, e ele sabe a muy bem e mais limgoajem de 
sua terra; e asy mamdo a vos alteza hum sobrinho do xeque e seohor de 



* Torre do Tombo— G. Ghroa. P. 1.% H. 14, D. 1. 



1 74 CARTAS DE A_FFONSO DE ALBUQUERQUE 

meçaá e senhor de dalaca, que me moreo vymdo pêra a Imdia, qae sabe 
a limgoajem do preste Joham e a de dalaca: mamdo a vos alteza hum Ru* 
bam do mar Roxo, que tem sua molhere filhos em judà; homem avisado 
he, saberá dar boa comta dos portos e navegaçam do mar Roxo, sabe bem 
seu ofycio: mamdo também a vos alteza hum ofyciall dos de goa, que fa- 
zem tam boas Espymgardas como as de boemea e asy lavradas com pe- 
rafuso; lá fará seus emgenhos; lá vos mamda pêro masquarenhas amos- 
tra delias: mamdo vos também hum mouro d adem, que sabe laurar afyam 
e a maneira de que se colhe. 

Se me vos alteza quyser crer, mamday semear dormydeyras das ilhas 
dos açores em todollos paiies de purtugall, e mamday fazer afiam, que he 
a melhor mercadaria que cobre pêra estas partes, e em que se ganha di- 
nheiro: por este açoute que dêmos adem, nam veo afyam á imdia, e onde 
valia a doze pardaos a faraçolla, nam se acha agora a oytemta: o afyam 
nam he outra cousa, senhor, senam leite de dormedeiras; do cayro, domde 
soyam a vyr, nam vem, nem d adem; portamto, senhor, mamday o semear 
e laurar. porque bua nao carregada se gastará cada ano na Imdia, e os 
lauradores ganharam tambcm muyto, e ajemte da Imdia perde se sem elle, 
se o nam comem; e meta vos alteza este feito em ordem, porque nam vos 
esprevo pouqo: esprita em cananor ao primeiro dia de dezembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afonso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor \ 



CARTA XXXV 



1513 — Dezembro 2 

Senhor. — Per outra carta diz vos alteza ser emformado que ley- 
xamdo ir tymoja e nam m aproueitamdo dele nas cousas de voso serviço, 
rrecolhera mel Rao, ho quall vos dyzem que nam he de fieldade nem pêra 
dele fazerdes fumdamento. Digo, senhor, ho que já díse em outras car- 
tas, qe qem vos estas cousas espreve, espera por outro governador: ho 

» Torre do Tombo— C. Chron; P. i.*, M. 12, D. 36. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 1 75 

que passa deste feito he isto: timoja estando comigo em goa, como já lá 
tenho esprito a vos alteza, apanhou iso que pôde das terras de goa; eesa 
jemte e eses piães da terra a qe ele pagava o soldo, fogyram logo como 
ouuiram dizer que vynham os turcos : veyo mel Rao a goa, como já lá 
tenho esprito a vos alteza, e emtregueilhe as terras de goa, avemdo ele 
de dar cadano quaremta mill cruzados delas: vieram os turcos, e ele lhe 
deu a batalha com quatro mill piãees que tinha e trimta de cavallo^ e des- 
barato os, e no alcamço lhe mataram hum capitam primcipall seu; morto 
ho capitam, os turcos se tomaram a fazer em corpo e o desbarataram: 
he homem de fama e de verdade, e cavaleiro, Rey d onor de direito, e 
nam qer tomar ho Reyno agora, porque lhe pede el Rey oitemta mill par- 
daos cadano: timoja he morto, boom homem e boom estalajadeiro de nós 
outros; sua molher e filhos fogiram d onor pêra goa, omde estam bem tra- 
tados e omrrados e bem emcavalgados: scripta em cananor a dois dias de 
dezembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor *. 



CARTA XXXVI 

1613 — Dezembro 2 

Senhor. — Vi outra carta que me vosa alteza spreve sobre diogo 
correya, o quall eu pus em cananor por capitam, atâ vassa alteza prouer 
quem lhe bem parecer; e nam ouve aqui mais Respeito que ser huum ho- 
mem caíyvo por vosso serviço e Roubado quanto tinha, e llá em portu- 
gall muy mall tratado em sua fazemda e em sua homrra, amdamdo elle 
quá servymdo; e também porque era homem mamso e sem pomtos pêra 
asesegar a comdiçam de cananor, porque el Rey nam pôde sofrer manuel 
da cunha: partimeu pêra mallaca, e quamdo vim, achey esta embrulhada, 
que eu aqui diser a vosa alteza: Joham serram escamdalizado delle, e 
nam sey porquê; e achey a massa de cochim, que era o vigairo, amionio 
Reall, Louremço moreno e diogo pereira, muy queixosos delle. E mexi- 

» Torre do Tombo— C. Cbron. P. l.% M. 14, D* 8. 



176 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

licaramno com e1 Rey de cochim, dizemdo que elle daua seguros a ca* 
lecul; que ho espreuese asy a vosa alteza: fizeram com o vigairo que po- 
sese amlredilo em cananor, e durou o amlredilo sete meses, e per espi- 
ciall privilegio deu o vigairo llugar algúiias pessoas que ouvisem misa em 
suas casas: o por que o vigairo pôs amtredito, dilloey aqui a vosa alteza: 
amdamdo hum espravo de hum homem da feitoria jugamdo as punhadas 
na cidade de cananor com hum naire, sayo hum naire cristão em hua al- 
madia a bordo da terra na praya da cidade, e acodio ao arroydo ajudar 
o moço da fortalleza e matou o naire dei Rey de cananor, e acolhe se á 
igreija: mamdey eu tirar imquiriçam; prououse como lhe diseram que 
hum naire dei Rey de cananor dava em bum moço da fortalleza, e como 
lho diseram, que tomara sua espada e adarga e sallara fura dalmadia, e 
chegamdo omde estaua o naire, que ho moço se metera coin elle ás coti- 
ladas e o matara: el Rey de cananor per muitas vezse se mamdou agra- 
var do mesmo feito, com muito escamdollo: tirada a iroqueriçam, prououse 
o propósito: mamdey tirar o naire fora da igreja, e por ser cristão nouo, 
e conhece aquela mercê e abrigo da igreja, mety homens que Rodeada- 
memte lhe pedisem a via a el Rá de cananor, e el Rey de cananor me 
mamdou dizer que lhe mamdase decepar bua mãao, e mais nam; mam- 
dey o assy fazer, e el Rey de cananor ficou mamso e satisfeito: o vygairo 
nam lhe parecia, segumdo o favor de vosa alteza com que chegou á im- 
dia, que avia outro governador senam elle, e foy pôr amtredito em cana- 
nor e pena de iiij^ cruzados ^ ao capitam, dizemdo que a elle pertencia 
aquela determinaçam e nam a mim : emtrou aqui também nesta embru- 
lhada ser gomçalo memdez, feitor, afilhado do vigairo; e porque gomçalo 
fnemdez tmú estaua bem com diogo correya, espreuia a cochim esta em^ 
brulhada destes seguros e todolbs mexericos que podia aver; e porque 
a masa de cochim eram determinados a fazer huns por outros e ajudar 
hum ao outro, e tinham joâo sarrão por amigo, Reuolviam tudo isto; e 
como homens que sempre amostraram emcontrarem minhas obras em to- 
dalas cousas de voso serviço, Iratauão asy diogo correya, cuidando que 
era posto da minha maão, e ás vezes lho Uamçavam em Rosto; e per com- 
selho desta massa de cochim veyo dom aires e cristovam de brito mostrar 
a diogo correya que elle nam era capitam nem tinha Regimemto, e que 
elles .eram capitães e podiam pôr capitães e tirar capitam, pois que eu alfi 

^ Quatrocentos cruzados. . ' 



UBXÃS BB AFPONSO DE ALBUQUERQIJE 177 

nitm «ra; e éea^Êrmi asy esta OMáam onienada por «ta massa e por o 
feitor de caoanor em tall maneira, qoe ho atguozal de •cmanor ve^ Inm 
dia dizer na metade do Rosto a diogo correya qoe eile nam era capitam, 
nem eu na» podia pôr capitam, e que dom aères «Bsera qoe aTia de vir 
aqaele ano ho almirante e que e« que me avia d ir 

Gou8as iia hy tamtas na imdia, que as nam poderia aioabar d<espreu€fr 
em mil anos a vosa alteza, somente diguo, senhor, que 8e diogo e6rre]fE 
fora tam velho com eu, quamdo dous cadiopos capifâes de ènas nãos, sem 
poder e s&m credito de vosa Alteza, vinham assy vytuperar vossa fortal- 
leza e voso capitam e o lleixavam em descrédito amtre os iMuròs com 
suas soberbas e pallauras desonestas, elle lhe correra a tramca e os ty- 
vera asy até minha vimda, pêra voUos eu mamdar em ferros e bem cas- 
tigados, e mamdara as nãos cos mestre^ e pilotos, que as levaram muy 
bem e a salvamemto a portugal, e pela vemtura lhes tomara a conta dou- 
tras travesuras que elles quaa fizeram; porque, selles foram pelo cartaxo 
e tomaram hua gallinha a hum morador, foram elles mui bem presos e 
arrecadados do juiz, que he hum omemzinho vestido em hum chapeyram 
àê kirei, com hum cajado debaixo do braço, e elles virem com dêsones- 
tidaáes e soberbas vetuperar hum voso capitam e hSa vma fortallexa: ás 
vezes seria boom Repremder vosa alteza Uá estes feitoe taes, porque nam 
na^ algum mal daqui; que diogo corrêa pelas desonestidades do al|M- 
zii e soberba criada e ordenada pelo feitor de cananor e masa de mtk*n 
dise ao ^dgiiozil que se mais fallase^ que ho mamdaria premder e netir 
em hfla torre. 

E se eu deste corpo e massa de cochhn espreuese as cousas que et- 
les tem feitas, e como se elles mostram cheos da dor das cousas de voso 
serviço e de vosa fazemda, e como elles tomam na m&o o esprevervos 
coitisdhos das cousas da Imdia pêra desemular e encobrir as cousas que 
elles fazem, espamtarsia vosa alteza; e se vós, senhor, soubeses com 
qoamta desordem tomam o credyto e favor que lhe vosa alteza daa em 
fwas cousas, per vemtura nam lhe metera autoridade de justiça e vosa 
(aoemda em poder; que com lagrimas muitas vezes na minha camará tra- 
balham elles por mamamsar e nam nos Reprender; porque potioos dias 
ha que eu vy dous espriu&es da feitoiia de cochim aver Rezões com Lou- 
remço moreno, porque espreuera cartas a vosb alteza sen títm « sem se- 
rem disso sabedores. 

Mandei tirar, senhor, «nquiliçani e nam ttcbey oiMftt diogo correia 

23 



178 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

nehiia cousa, amtes ho Repremdi domem froxo e pêra pouco e por elle 
acusar a dom aires e a cristovam de brito que por que nam ficavam el- 
les cos cercados e leixasem ir as nãos pêra portugall. 

Por isso apresemtaram laa seus seruiços desa maneira: acabou como 
cavalleiro em vosso seruiço, e creyo que lhe foy milhor que ir pêra por- 
tugall vivo, segundo suas cousas llã eram mall aviadas : sprita de cananor 
a ij dias dezembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosallteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A ElRey noso senhora 



CARTA XXXVn 



1618— Dezembro 8 

Senhor. — Eu mamdo Ha femam caldeira meu page, que foy casado 
em goa, mamdamdome vos alteza pydir nuno vaz, porque vy que este era 
o que lá culparam amte vos alteza, e a mym que lhe dera licemça: lá o 
mamdo com os autos dé suas culpas, que já Há temdes, leuados per pêro 
dallpoem; e depois mamdey aimda antonio Raposo ha chauU, e emtre- 
gueylho demtro no navio, que o leuase lá e que tirase Imquiríçam delle; 
e trouxe me esa imquyriçam que lá mamdo a vos alteza: todas estas dili- 
^emcias fiz amtes que mo vos alteza sprevese, e pellos autos se verá; por- 
que ssaiba vosa alteza que a meu próprio filho nam perdoaria a morto, 
se a merecese, por conseruar as cousas de minha obrigaçam e dar bõa 
comta de my: mas a diogo memdez devia vos alteza de dar o castigo^ 
porque lhe deu licemça em tempo que elle estaua cerquado de moros c 
tynha necesydade de jemte; e asy polia tomada da nao dormuz que ello 
mandou tomar, e pela nao dei Rey dé garçopa que elle mamdou tomar, 
semdo eu em malaca: sprita em cananor a ij dias de dezembro de 1513 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A.el Rey noso senhor', 

» Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.*, M. 14, D. H, 
* Tom do Tombo.-^G. Chron. P. 1.% H. 14, D. 8. 



CABIAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 1 79 



CARTA XXXVffl 



1513— Dezembro 2 

Senhor. — Outra carta no mesmo maço me espreneo vosa alteza so- 
bre o feito de limoja: certo, senhor, muito folguo eu de volos homes 
spreuerem de quá todallas cousas de vosso serviço, mas conueria que de 
tam lomje, pelo que toca a voso serviço, o fizeram verdadeiramemte, per 
as cousas serem corregidas per vosa alteza com tempo: neste feito de ti- 
moja eu tenho dado Rezam a vosa Alteza como passou, porque depois 
das cousas de vosso Reghnemto e mamdado^ de que vos eu dou sempre 
meúda comta, voUa dou também de todollos casos aquecidos e cousas da 
imdia. 

Laa tenho sprito a vosa alteza pelas nãos de dom gracia e doutra 
armada, que jumtamemte vieram â imdia, como timoja estamdo comigo 
em goa, armara demtro no Rio de goa sacretamemte três atallayas gram- 
des e sairam de fora sem no eu saber. E tomou huua nao durmuz com 
meu seguro e tomou duas nãos de chaul com meus seguros, e as suas 
atallayas as levaromaonor: elRei donòr lamçoumãao delias ;mamdei lhas 
Requerer per muitas vezes; numca mas quis emtregar; e os messajeiros 
de chaul vieram a goa fazer me queixume peramte timoja: mamdei em- 
tam poer tymoja em garia, e tinha huum capitam com vimte homens garda 
delle; veyo melRao, de que jaa Uá tenho sprito a vos alteza a goa, pedi mo 
e me leixou hum esprito, ficamdo por fiador que se tornaria toda a mer- 
cadaria das nãos: foysse o melRao das terras de goa quamdo o desba- 
rataram os turcos, os quaes elle tinha desbaratados, e como lhe mataram 
hum capitam seu, tomaram ^ver vitoria os mouros: foi se timoja com o 
melRao pêra bisnegar. E sua molher é seus filhos se vieram pêra goa, 
omde os tenho bem agasalhados e homrrados e bem tratados: deixo ou- 
tros Roubos e tiranias que elle fez nesas terras de goa emquamto estiue- 
ram â vosa obidiemcia e vos pagaram os trabutos das terras, que elle Re« 
cebeo como Remdeu*o, e nam pagou nada naquele tempo; saWamte al- 
guuns piães que trazia a soldo ; e por ser caso novo fórà de voso Regi- 
memto, tenho dado larga cómfá a vosb alteza, como teiàb por cdstume 

23^ 



de o fazer; e creyo que aimda que ho nam fizera, que diogo memdez e o 
cemiche e femam correya e pêro coresma e o frade pregador que Uá foy, 
teriam cuidado de voUo apre^eBitay, pQrcji]^ era no tempo em que elles 
homrraram bem o estado da imdia: sprita de cananor a ij dias dezembro 
de 15i3. 

(Por lettra de Albuquergiéi) feytwa e SMvydor de vosa allteza 

Afomso dalboquerque. 

(SiQÍbtewnpU^) A el Rey qmo. saobor ^ 



€ARTA XXXIX 



1613-— Deoexnbvo 8. 

Senhor. — Nesta ida do mar rroxo fizemos muito poucas presas^; QSr 
tM Q^Si qud^ imda hy estavam por descarregar de: Roupa de cambaya 
4iaiPAte> d^ejoft, Boubaramnas esa jemte d armada, sem lhe eu poder valr 
iQri^ per avainjelhos nem imquiriçDes nunca se descobre nemigalba: to- 
V^QS. huua nao com bekames e algiiua especiaria ; nunca pude valler á 
oaA qae os mesmos quadrilheiros e os bates que ha yam descarregar, a 
Qam roubasem gram. parte delia: vy tam gram desordem qne me foy for« 
fiadp^ tirs^ os quadrilheiros» e diso que ficou nam quis dar parte â jemte, 
somemte^ dise aos capitães que maoidasem tomar a Roupa daquela nao, 
SOoaim que lhe nam avia de dar partes: era pouca cousa o que leixaram 
(^< «slá». assy em poder de manuel da costa^ feitor das presas: vede se 
atffite p«r vosso» seuuiço disso que leixaram de tomar, mamdarlho>4ari quei 
emva^SQ poder está: d^poia nos emtregaram hCiua nao que» achamois em 
4{H«4ft Qanwgada de^cearia de calecut; esta oam sey se he presa e se 
^, 4^Ye^ disto dar parte â jemte; detremineo Uá V4>sa alteza e mande nps 
^ npMas. partets, e também por apagar s^ marmuraçaia e escamdoUo^ de 
dw)[)< j^ãQ deçat Q qu^» senhos, yos^ eu llâ mamdara, qenam fova danallo 
dft to^o»; ppnquei contra meu R^memlo e minha defesa^ fez hOa Qfia da 
c9ni]Mya.ir á coiS.ta amtre chaul e dabuU,. tomou mQUflCAealguua» meroít* 
dwiai 4í^JMp: tir^y imqioinçfaai ci mamdey \mm tudo» ás oioums e aoltav 

l 



GàBTAS de AFFONSO de ALRUQUERQíIJE i8l 

08 mouroa; e pela pet da da nao e polo* que fez, eu ho quisera lia mam- 
dar pêra Uie bomard^ mais* apertada comta, e depois ouue doo delie. 

Lá mamab, senhor, a vosa alteza os quadrilheiros e ^rivâes da qua- 
drjlikaffiai asy os de malaca, que de lá ¥ieram presos pela imqiiiriçam 
que lá mamdey tirar em que os acharam culpados, como os de quaa das 
presas da imdia em meu tempo: como vosa alteza for fóra das sespeições 
per elles, mamdainos pagar o nosso que nos devees: sprita em canaioor 
a ij dias de dezembro de i513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Aiomso dalboquerque. 

(Sobre$cripto) A el Rey noso senhor ^ 



CARTA XL 



1613— Dezembro 3 

Senhor. — Vosa alteza me spreveo hua carta gramde em capítulos 
apartados per sy de cousas de voso serviço, aa qual Respomdo a cada 
capitulo. 

Pnmeiramemte me diz vosa alteza ter Recebido pelas nãos de que 
era capitam dom ayres da gama e cristovam de brito, cartas e Recados, 
asy damtonio Real como de louremço moreno e dos ofíciaes de can^mor, 
eomo doutras pesoas, pelas quaes cartas diz vosa alteza ser sabedor da 
mynha yda a malaca e da gemte e armada que leuey, e o mais que no 
e^itulo diz. 

Digo, senhor, que a yso sam elles obrigados, avisar vos saammemte 
das cousas da yndia e dar vos verdadeira comta de tudo o que nela pasa. 
E segumdo as culpas que lá tive diamte de vosa alteza, como vejo per 
vosas cartas, eu creo que eles mouverom por morto e a armada perdida, 
porque asi ficava amtre elles asemtado aa mynha partida, diamte da barra 
âe*eodiym onde elles com elRey de cochim me vierom ver aa nao, e ai- 
gfla^ pratica tivenu)s sobre meu camynho e navegaçam. E aynda me pan 
roceo ysto deles que digo> lá em malaca, porque vy seguros seus dadp» 

1 Torre do Tombo— G. Cbron. P. l.\ Maç. 14.^ D. Si^ r 



182 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

aas nãos de chormandel pêra malaca, as quaes forom ter comygo, sem me 
leuarem cartas deles nem Recados, nem me darem comta do que faziami 
em que me pareceo que me aviam por morto e perdido, ou que me nom 
conheciam por seu soperior e governador das yndias. E tiro eu 'daqui que 
nom spreveriam elles a vosa alteza como eu deixava na yndia o cirne, 
sam tome, nao nova de cochym, a ajuda grande, a ajuda pequena, o Ro- 
sayro, a garça, estas em cochym ; E em goa a lionarda, o Rey pequeno, 
a Rumesa, a caravela samtesprito, bua nao nova de duzemtos tonees das 
de goa, hum navio pequeno que dey em casamemto a certos homens de 
bem que casey em goa, as duas galiotas de goa, e diogo fernamdes co 
Rey gramde e co navio sam cristovam, e bua nao nova das de goa, e 
J iij* homens * na yndia nas fortelezas e na armada, e ysto em tempo que 
me vosa alteza tinha mandado por meu Regimento, que apartando me da 
yndia, deixase dous ou três navios em guarda da costa: se vos esta comta, 
senhor, nom derom de mym, perdoe lhe deus- 

Em outro capitulo da mesma carta diz vosa alteza a maneira de que 
bam de ser chamados os capitães a comselho sobre o feito de goa, pom- 
dolhe diamte as Razões de pró e comtra, sobre sosterse ou nam, como 
no mesmo capitulo se contém, e asy outras Razões que me vosa alteza diz 
ter vos sprito per carta mynha sobre o feito de goa; e mays me diz vosa 
alteza as calidades das pesoas que neste comselho emtrarám^ fora osca- 
pítaaes, e com outras mays decrarações que no mesmo capitulo mandaes. 

Digo, senhor, que asy se fez tudo, como vosa alteza mandou p mas 
ter se comselho pubrico na yndia em tal feito, nom me pareceo voso ser- 
uiço, por ser cousa tam danosa e ympidosa ao aseseguo em que agora 
está a yndia, como por estar diamte dos olhos dos homens que goa per 
sy soo fez duas cousas muy grandes no feito da yndia, aseseguo e com-^ 
servaçam de voso estado. 

A primeira foy desfazer esta liga e determinaçam de nos botarem 
fora da yndia cambaya, os Rumes, goa e catecut, porque esta masa numca 
se desfez, nem abrandou de seu preposito e tençam, senom depois de ve- 
rem goa em voso poder, que era a primcipal cabeceira destes bandos, pol- 
los Rumes terem aly seu asemto e determynaçam de serem aly Recolhi- 
dos, e de se Reformarem aly^ e ajuda do çabayo ; a outra he ser tal porto 
e jazer em tal parajem que nom navegaria a yndia, nem navegaria can- 

^ Mil e tresentos homens. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 183 

baia, nem nynhum lugar destas partes, se ella nom quysese; ela per sy 
soo trouxe cambaya e calecut a se meter em vosas mãos ; sabemdo agora 
. os mouros da yndia que em tal feito se temtara conselho, nom á hy cousa 
na pdia asesegada que nom bulise comsyguo. E as que estam pêra to- 
marem asemto proveitoso nas cousas de voso seruiço, creo que nom aguar- 
dariam comcrusam, atá nom ver o fim que avia o feito de goa, e que mo- 
vimemto e conselho era este que avia amtre nós, porque esta dureza da 
pdia nom querer uosos tratos nem uosas mercadorias, vendo se Rouba- 
dos, acutilados cada dia e decepados, nom era outra cousa senom ve- 
rem nos muy desapegados na yndia e que nom faziamos fundamemto da 
terra, e que a armada que traziamos no mar, que se acabaria, e que nom 
poderíamos sofrer tam gram trabalho e despeza como era a do mar, por- 
que até gora nom vyrom eles asemto na pdia a que tivesem acatamento, 
senom a goa, nem nos ouverom por vezynhos e moradores perpétuos na 
yndia senom quando nos virom fazer fumdamento de goa. E aynda, se- 
nhor, vos digo que maliquacaz de diu me spreveo, espantando se de nós 
nom fazermos fumdamento da terra, nem ganharmos alguas cabeceiras 
prímcipaaes pêra segurança de noso feito. E tomou a comta a diogo py- 
reira do que se ganhava no trato da yndia, parecendo lhe que pela grande 
despesa que via fazer, os ganhos nom seriam taaes que per Rezam nom 
deixasemos a yndia cedo, afora ver que nom faziamos Âmdamento da terra, 
como homens que esperávamos de a deixar cedo ; e os aliceces de goa ti- 
rarom estes errados pemsamentos dos corações dos mouros da yndia, Reis 
e senhores dela ; e nom crea vosa alteza qbe aproveitou pouco este nego- 
cio vemos aperfiar tam Ryjo na guarda e defensão dela, que asy como 
deu gram credito na yndia nas cousas de voso seruiço, asy nos vieram já 
agora a tomar pello Rabo, se a nom asenhorearamos e nom fizéramos for- 
tes nela, porque ouveram logo de tomar a çarrar as portas de seus tra- 
tos e mercadorias, como damtes faziam, e escurecer a Riqueza da yndia. 
Nom tenhaes, senhor, duvida nysto que vos sprevo, porque duas ve- 
zes se desatou o asemto de cambaya; nom por ai senon por asacarem al- 
guns purtugueses que vynha outro governador, logo as cousas se Reteve- 
rom atrás, atá verem o comselho e novidade que o outro que vosa alteza 
mandava trazia, porque as cousas da yndia aynda estam muyto temrras, 
e qualquer movimento destes faz grande empresam no negocio, e cá ha 
alguas pesoas na yndia que sabem que danam estas cousas, e sabem as 
asacar e semear em seu tempo ; e crede me» senhor, que vos falo verdade : 



184 CARTAS DE AFFONSO M ALBUQUERQUE 

portanto, senhor, conselho pubrico em tal feito guarde nos deus dele, em 
tal tempo que as cousas de calecut e de cambaya estam pêra dar hum noo 
proveitoso; se a noso senhor aprouver que s acabem, comtra a vontade 
dos compitidores e emvejosos do voso governador das yndias que caa 
anda, tende, srahor, por certo que he acabado o mayor feito que eu numca 
cuydey, mays homrrado e mays proveitoso e que mays vos compria nes- 
tas partes pêra todo o bem e aseseguo da yndia, e daquy nace o escusar 
das despesas e obrígaçam delas. 

Mas neste negocio que queres saber, leuey este camynho : pus por 
ytem os capítulos de vosa alteza sobre este caso, e dey juramento aos ca- 
pitãaes que tivesem segredo, e disesem a vosa alteza cada hum per sy seu 
parecer asynado per sua mão e cos capítulos asynados por mym cosidos 
com seu parecer, e gaspar pyreyra lhe tomava juramemto que tivesem se- 
gredo nyso; desta maneira poderá vosa alteza ser mylhor enformado do 
parecer de cada hum. E se os chamara a conselho e lhes posera diamte 
algiias cousas que estam mays vivas diamte dos meus olhos por bem de 
mynha grande obrígaçam, poderá ser que a alguns lhe parecera bem, e 
os movera de seu preposito; e pelos ymconvenyemtes que dito tenho e 
por este Respeito nom me pareceo voso serviço ter conselho pubrico. 

E asy me diz vosa aheza que nom oulhe neste caso ao que tenho 
trabalhado em ganhar goa: nom me prezo eu, senhor, tamto dese feito 
que me cegue o boom juízo e saão nas cousas de voso seruiço, nem sam 
ornem vaão, porque seria cayr na cova que fiz: lembre se vosa alteza do 
que vos dise na camará de hxboa jumto co a baranda, estando hy a se- 
nhora Raynha e a senhora yfamte vosa filha junto da vosa cadeyra, que 
a yndia era a mays perigosa cousa do mumdo pêra homens vaãos e cheos 
de vemto, porque nom fundiriam nymygalha, e dariam com tudo a três ; 
poys, senhor, como credes vós que me eu avia dyr meter neste emgano 
6 vaydade senom per quatro conselhos de capitaães, amtes de lhe poer as 
mãos, asynados per elles, que lourenço de payva leuou? e provera a noso 
senhor que por meu soo conselho a tivera eu no pomto em que ela agora 
está, porque tam grande cousa e tam honrrada, de tam pouco gasto e des- 
pesa e de tam pouca obrigação, como tomar asemto, e que asy tem em- 
freada a yndia e a soberba dos mouros dela, eu me gabara bem deste feho 
a vosa alteza, e vola mandar muytas vezes pymtada. Mas pêra mynha vay- 
dade açaz tenho de que me louvar, e pêra mynha grande satisfaçam aças 
que alegaTi porque, senhor^ em madaca hum palmo de meredmemto te- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 185 

nho, em cochym outro palmo, em cananor outro palmo, quando trouxe o 
voso presente que me outorgarom a pomla e gomçalo gil começou logo 
abrir os alíceces, e em goa tenho outro palmo, em ormuz outro palmo. 
E aynda que na estampa de metal do visoRey, que está pegada em htla 
torre, em que se chama o pryraeyro fundador da forteleza de cochim, me 
queira tomar o meu, nom chegou aynda a vaydade a mym pêra a daly 
mandar tirar; mayores cousas de voso seruiço me logrará o estamago, se 
me nelas quyserdes meter, que a governamça da yndia nem a tomada de 
goa. E meu parecer sobre o feito de goa lá yrá a vosa alteza cos outros, 
verdadeiro e são segundo deos e mynha comciencia. 

Per outro capitulo da mesma carta diz vosa alteza ser emformado 
que no provimento das capitanyas das nãos e navios e asy ofícios nom 
guardo ymteyramente o que me tendes emcomemdado e mandado. Certo, 
senhor, bem poderey arar nese caso, porque vosa alteza dá as por mercê 
aos homens, e eu provejo caa alguns pella necesydade que deles tenho; 
porém os que trazem cartas ou vosos mandados, sam logo providos e com- 
pridos vosos mandados, porque quamdo os taaes nos cargos de que lhes 
fazes mercê fazem algum erro, nom sam eu culpado, e sam muyto obri- 
gado emcarregar cá taaes pesoas delles que me tyrem as barbas de ver- 
gonha, porque mais me fundo eu nyslo que digo, que em fazer meus crya- 
dos grandes e Ricos. 

Neste prouymento d ofícios e capitanyas vosa alteza nom está bem 
emformado, porque os vosos cryados andam caa tam mymosos de mym 
e tem tam certo o galardam e ylos chamar aas pousadas, que nom quer 
nynhum deles tomar spreuanynha de nao nem navio, nem meyrynhadego, 
nem almoxarifado ; todos pedem feitorias, sprevanynhas destes ofícios, al- 
caydarias, capitanyas de nãos e navios, e hy nom ha pêra todos destes 
que elles pedem; e dos outros que elles cá enjeitam, sey eu certo que an- 
dam elles em Requyrymemto primeiro que os elles ajam de vosa alteza 
hum anno: o almoxarife do álmazem de cochym que de lá veo, como cá 
chegou, nom quys o oficio; garcia coelho como cá chegou, nom quys mays 
seruir a sprevariynha da nao, e asy outros desta calidade que vosa alteza 
lá provee, como cá sam, muytos deles os alargam; porém, senhor, eu vos 
beijara as mãos tocardes me particularmente alguum, porque por aly me 
emendara e Resistira. E posto que seja hum pouco comprida a Reposta 
deste capitulo, darey eu Rezam d alguas cousas que pella vemtura nom 
pareceriam bem diante de vosa alteza acerqua destes provymentos^ 

24 



186 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Saiba certo vosa alteza que ataa vynda de dom garcia meu sobry- 
nho, e a armada em que veo jorje de melo e jorje da sylueira, aynda es- 
teve bem necesytada de bõos homens, em tal maneira que servy eu al- 
guas pesoas pela necesydade que tynha, bõos homens e homens de feito ; 
e digo, senhor, que aa mynha yda a malaca Ruy de brito emjeitou hum 
navio e joham lopes d alvym outro ; nom avia por entam outros homens 
de que se deuese comfiar mando de gemte, porque todollos outros esta- 
vam providos; cada hum destes me pedia hua capilanya de hua for- 
taleza, e emtam por mymgoa de bõos homens emcarreguey dynys fernan- 
dez do mestrado e capitanya da nao çabaya, que a leuase asy até malaca; 
nuno vaaz, cryado do duque de coymbra, deylhe hua nao de samguycar 
sem castellos e sem cuberta, que a viese correger a cochym ; gastou nela 
do seu próprio dinheiro cem cruzados, afora o que se gastou de vosa fa- 
zemda, e quando a trouve pêra goa onde eu estava, amtes que partise 
pêra malaca, tomou sobre taanor hua nao carregada de pymenta dos de 
cochym, por honde elle nom estava muito bem com amtonio Real nem 
com eses oficiaees, e creo que o acusariam lá: o ouvidor pêro dalpoem, 
cryado de vosa alteza, ouve outra nao das de goa, porque nom tinha 
nynhum hordenado com seu oficio, e tinha leuado muy grande trabalho : 
james teixeira, cryado do duque de coymbra, leuava cargo do navio dos 
mercadores, até ouvir de sua justiça baltesar da sylua. Esta he a desor- 
dem que cá he feita por mymgoa de hy nom aver homens cryados de vosa 
alteza e pola mynha determynaçam d ir a malaca, tendo pouca gemte; o 
fruyto que delles Recebestes, vosa alteza o saberá laa, e nuno vaaz e je- 
mes teixeira e dynys fernandez, se souberom elles apertar sua gemte e 
emtrar as tramqueyras e força de malaca; e ese dynys fernandez, asy ne- 
gro como o vosa alteza vee, em todollos homrrados feitos da yndia andou 
tam branco como hum papel, e a mym me nom pesaria nada de o trazer 
junto comigo com cem piães em tempo de hua afromta: o ouvidor pêro 
dalpoem he tal homem, que antre dous ou três homens homrados e fidal- 
gos que vynham nesa nao, que leuou per força e comtra suas vomlades, 
veemdome perder, arribou sobre mym, e se cada hum daqueles fora ca- 
pitam, perdera me eu e cemto e 1^ purtugueses' que vynham comygo. 

Estes que aquy apomtey a vosa alteza, outo meses lograrom suas 
capitanias, e as merecerom muy bem em goa e em malaca, porque os ho- 

^ Cento 6 ciotcoenta portugaezes. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 187 

mens em que ha esforço, sam muyto de estimar em tempo de tamta ne- 
cesydade, por honde aas vezes pasa homem por hum moço fidalgo, aynda 
que seja crasto ou atayde ; e a mym nom me pareceo mal o comde de 
borba no feito do alcaide tomar os bõos cavallos e dallos aos bõos ho- 
mens que tynha já cá esperimentados, e acabou por isso hum gram feito: 
acabado o feito de malaca e mynha necesidade, dey a nao de dynys fer- 
nandez e de nuno vaaz e de jemes teixeira a outras pesoas criados de 
vosa alteza, e cada hum destes avia oito annos que vos cá seruia, e creo 
que deles leuam muy pouco cabedal; e estes ofícios e capitanyas dados 
na yndia a cryados vosos, a quem comete vosa alteza a examinaçam de- 
sas pessoas, a mym ou a quem vos spreve? se ese cargo tem quem vos 
espreve, faça o, dê as elle, eu as comfirmarey; se a vosa alteza lá nom 
comtemta, tudo está aberto, emendayo como virdes que he voso seruiço. 

Item. Se o dizem pollos cargos de goa, esas cousas estam todas em 
aberto, aguardando por vosa determynaçam : a capitanya, alcaydaria e 
sprevanynhas da feitoria, sam dadas a vosos cryados, e a feitoria a fram- 
cisco corvynel; os outros ofícios tenos alguns omens de bem que casarom 
em goa, com muy pouco ordenado, até que os vosa alte«a proveja; alguas 
cousas deixo eu desprever a vosa alteza nesta carta sobre os escânda- 
los do dar dos cargos e capitanyas, que a jemte cá Recebe, e falohey 
por mynha letra, porque será voso seruiço saberdelo, porque todallas 
cousas da yndia sam dadas por voso mandado, e aynda as avagamtes de- 
las, e estas cousas nom tocam a mym de dous em dous anos hua vez 
que dou com a graça do gram mestre. 

Diz vossa alteza no mesmo capitulo, que nom soomente se syguyria 
nom comprir vosos mandados, que he cousa que tamto deuo fazer e em 
que primcipalmente nom deuo crear, mas escusar se ham muytos escam- 
dalos aos homens: a ysto, senhor, nom sey que Respomda, soomente com- 
prir vosos mandados ao pé da letra, sem me apegar ao que nese caso me 
tendes sprito sobre os provimentos que de lá daaes, dos quaes aluaraes 
e provymentos se ha vosa alteza mais cedo d arrepender de os dar a al- 
giias pesoas a que os daaes, que eu de os nom comprir, porque cá nesta 
terra nom se faz cousa senom justamente o que vosa alteza de lá hordena 
e manda; na eleiçam das pessoas poso algum ora errar; porque sam cou- 
sas somente Reservadas a vosa alteza, emende as como viir que he seu 
seruiço. 

Per outro capitulo da mesma carta me dá vosa alteza culpa sobre 

24 ¥ 



1 88 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

a guarda de calecut, dizemdo que vosa alteza he emformado que se nom 
fez asy como mo tynhes mandado, e que neste tempo pasarom muylas 
nãos carregadas d especiaria a judá e ao cayro. E posto, senhor, que já 
sejamos fora desas culpas, e o çamorym morto, e o Rey que agora Reyna 
estar a voso seruyço e a vosa obidiemcia, e dar fortaleza em sua terra, 
pagar a vosa fazenda, dar de trebuto ameatade da Renda dos seguros, 
todavia nom me quero eu esquecer de dar Rezam de mym a vosa alteza, 
como o faço per outra carta mynha que lá veres. E a este capitulo nom 
tenho mays que dizer, soomente que estas pesoas que asy emformarom 
vosa alteza mal de mym, e estas culpas que me dam, sam culpas domem 
morto, como me elles tynham festejado: a comcrusam destes homens he 
que mandes outro governador aa yndia que emtre em suas companhias e 
em seus partidos e em seus tratos com elles, e que os deixe viver em sua 
desordem. E parece, senhor, que pollo que vos elles tinham sprito de 
mym, esperavam elles este ano por outro, o qual, sendo eu no mar Roxo, 
tinham elles festejado e alevamtado e canonyzado na yndia, e quando che- 
guey a diu, esta he a prymeira nova que me derom da yndia: nom te- 
nho, senhor, mais que dizer a estas cousas, senom que se vier, que des- 
camsaremos ambos, elle e eu; e se eu nom ouvese medo de vosa alteza, 
bua dúzia destes danadores de todo bem vos mandaria metidos em hua 
gayola, porque o tem muy bem merecido a deos e a vosa alteza. 

Per outro capitulo da mesma carta me diz vosa alteza serem cá to- 
madas alguas nãos durmuz e cambaya, em espicial hfla que veo ter a 
cochym, que vosa alteza diz que mandey que se tomase, por outras duas 
que os durmuz tomarom, e o mais que no mesmo Capitulo diz. 

Digo, senhor, que a nao durmuz que se tomou em cochym, eu nom 
a vy, mas vy os mercadores dela que me forom ver a goa; a nao nem os 
mercadores nom eram durmuz, mas vynham durmuz com mercaderia, e 
eram mercadores do cayro; traziam hum seguro do ano pasado de híia 
nao que foy de balecala pêra ormuz; e per estas Razões que dito tenho, 
mamdey e ouve a nao por bem tomada, soltey os mercadores que fosem 
buscar outra, pêra lha tornar a tomar por aquelle erro: os feitores da vosa 
feitoria pediam partes, e ela nom foy tomada, mas veyo quasy aa costa 
sobre la barra de cochym; vyme tam apresado delles sobre as partes, e 
por me nom parecer justiça, lhes dey por escusa que ella nom era presa 
nem tomadia, senom Represaria polas nãos de vosa alteza que coja atur 
tomou em ormuz: quamto ao que vosa alteza me emcomenda que oulhe 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE i89 

como nas cousas semelhamles se faça justiça ás partes, quem se destes 
feitos taes agravar de mym, bõa fazenda mynha tem lá vosa alteza, mande 
lhe pagar á mynha custa; nem vejo nynguem agravar se disto que me vosa 
alteza spreve, nem tampouco m an de parecer tam bem as perlas alhêas, 
que tomadas por força a seus donos e sem justiça, vos faça ese seruiço 
em volas mandar; muyto dinheiro tem vosa alteza pêra vollas mandar 
comprar na yndia, quando com ellas folgardes. 

Item : quanto he ao que me vosa alteza diz, que nestas cousas m alem- 
braes a guarda da verdade, com verdade e com justiça se governa a yndia em 
voso nome em meu tempo ; e quem guarda as certidões e verdade dei Rey 
d urmuz e as certidões e verdade dei Rey de cambaya e as certidões e ver- 
dade de meliquacaz de diu, nom quebrará a sua, dada em voso nome e 
com voso poder e avtoridade; e aynda que este mal por nosos pecados 
ande muyto corruto amtre nós, que he falar pouca verdade, todavia, se- 
nhor, de mym comfiay que nas vosas cousas e de voso seruiço he guar- 
dada toda verdade e todo fauor e justiça aos que nestas partes sam vo- 
sos seruidores; e quanto ao que vosa alteza diz, que aynda que os mou- 
ros e as gemtes de caa as guardem mal, que sempre por ela bradam, e 
folgam muyto de lhe ser guardada, e que guardar se lhe ha vosa alteza 
por hum dos pryncipaes da comservaçam do bem da yndia, certo está 
que as jemtes destas partes pouca verdade falam comnosco, mas nom he 
bem que os tratemos nós por esta mydida, porque, como vosa alteza diz, 
a verdade ser a primcipal parte da conservaçam da yndia, e creo aynda, 
senhor, que de toda outra terra do mundo. 

Per outro Capitulo me diz vosa alteza acerqua das nãos da carga, 
vos parecer que se nom devem acupar em outra cousa algua, e que o fei- 
tor deuo leixar com ellas, e que asy vos parece que nom deuo ymvemar 
em cochym, pêra mais despejadamente se fazer a carregaçam das nãos: 
a ysto, senhor, Respomdo que as nãos da carga cá nom se ocupam em 
outra cousa, senom quando ahy nom ha cabedal pêra todas ; e quamto he 
a deixai o feitor com a carga, com verdade poso eu jurar a vosa alteza, 
que depois que eu sam governador da ymdia, que numca vy carregar nao 
nynhua, nem estive aa carga delas, saluante agora que me mandou cha- 
mar o feitor sobre a prata que vosa alteza mamdou sem ouro. E quamto 
he, senhor, ao nom invernar em cochym, e ter vos sprito que ese era meu 
propósito, asy o fiz sempre doyto anos pêra caa: nom ymvemê em co- 
chym senom duas vezes, bua quando mos vosos poderes, vosas menajes 



1 90 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

e fortelezas, vosos capitães e alcaides moores e vosas torres da menajem 
me premderom, e me metorom em liQa nao em poder dos homens de pee 
do visoRey, que andarom comygo tamlo por ese mar, até que se emfa- 
darom e depoys me forom meter em hua torre, e isto nom mo fez o viso 
Rey, mas as pesoas que dito tenho, e voso poder que me cá mandou ; ou- 
tra vez emverney em cochym quando vym de malaca, que me lançarom 
em terra com hum pao na mão e em camysa; todollos outros ymvernos e 
verãos bem saberá vosa alteza honde a vosa armada tynha as amcoras; 
nom se escuse nymguem comygo acerqua da carga, porque nynhua com- 
trariadade nem ynpidimento Recebem esas cousas de mym, amtes digo a 
vosa alteza que o meu fauor e ajuda de fora a doura, e vos vam alguas 
especiarias que vos lá nom soyam dyr. 

Item: diz vosa alteza em outro capitulo ser avisado de caa que, pêra 
aver efeito o Regymemlo das quyntaladas que tendes mandado que se le- 
vamtasem, devies mandar que leixasem yr de cá os homens das quymta- 
ladas que cá andam, e os que quysesem ficasem sem ellas: digo, senhor, 
que já vos lá tenho sprito que jiom á hy quymlaladas na ymdia: se me 
vosa alteza nom cree, crea os livros da feitoria; e se vos os vosos oficiaes 
o comtrayro sprevem, nom he ai senom que querem outro governador, e 
mais sabem que lhe nom ha vosa alteza de leuar cem cruzados de pena 
por cada carta que lhe achardes chêa de emganos. E quamto he ao que 
vosa alteza diz dos homens que cá andam, que pasados os três anos os 
leyxe yr, digo, senhor, que hy ha poucos homens na yndia que se quey- 
ram yr, a que eu nom dee licemça; pela vemtura parecerá a vosa alteza 
que os homens andam cá costramgidamente, polas cartas que sprevem a 
seus pays e a suas mãys e a suas molheres e a seus filhos, que os cha- 
mam de lá por muytas vezes, e elles nom querem yr, e fazem se forçados, 
e com esta Reposta se vam lá a vosa alteza a fazer estas excramações, e 
ham cartas pêra se yrem ; e como lhe chega a carta, vem se a mym com 
ella, fazendo me oferecimemtos que pello meu querem ficar na yndia, que 
vosa alteza me sprevia que o leiyase yr : nom á y outra meezinha pêra se os 
homens nam yrem da yndia, senom dar lhe escala franca que se vam. E te- 
nho ysto esperyniemtado; e alguuns que de cá vam escondidos, nom vam se- 
nom por alguas travesuras, e por terem seu soldo perdido e por suas culpas. 

Item : per outro capitulo diz vosa alteza que os doemtes e mal des- 
postos que os leixe e os mande yr; asy os mando, e os vosos capitãaes 
os nom querem leuar, e leuam outros por peitas escomdidos. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 191 

liem : per outro capitulo diz vosa alteza que cesem os casaraemtos, 
asy os de goa como os de cochym e cananor: per este capitulo e per ou- 
tra carta digo, senhor, que ha hum ano que ese feito está de cala, porque 
hy nom avia dinheiro; alguuns íizerom vosos oficiaes neste tempo, nom 
sendo eu na yndia, porque querem também governar e mandar ; agora 
que vosa alteza mamda que cese este feito, farseha. 

Item : per outro capitulo me diz vosa alteza serdes certeficado que 
saem de goa d armada per esa costa os que nela estam com autoridade e 
previlegio que pêra yso lhe dey : nom á y, senhor, tal cousa como essa 
no mundo, nem á hy tal previlegio nem vollo amostrará nynguem, por- 
que iso nom seria previlegio, senom abomynaçam e maldade: lá vos 
leuou a licemça que dey a quatro casados de goa, a que dey hum navio 
de goa de xxx ou R.*^ tones * em pago de seus casamentos, que anda- 
sem em guarda da costa; e se alguas presas tomasem dos ymygos sem 
seguro, as viesem alialdar ao capitam dé-goa, se as avia por bem toma- 
das ou nom. E pus lhe sprivão per vosa alteza. Diogo mendez, estando 
cercado, semdo eu fora, deu lugar a ese escândalo que se fez: a liberdade 
que elles tem de vosa alteza, he que posam tratar e vam per toda a costa 
tam seguros como de lixboa a samtarem; a liberdade que tem de mym, 
he que nom apousentem com elles, nem possam ser presos por casos ci- 
nes senom sobre suas menajeens, e que posam emleger juiz e almotacel, 
e todallas liberdades que a ponte de sor tem, e mays nam: as fustas da 
armada que cada ano manda o capitam de goa, he pêra nom deixar ar- 
mar onor e bacanor, que tomam as nãos durmuz e as de chaul e as de 
cochym, quando podem, e dam opresam e fadiga. E eu vy que mandava 
vosa alteza que viesem em guarda das nãos de cochym atá chaul, e as 
tornasem leuar: se mandaes que se alargue este feito, alargar se ha, e se 
mandaes que lhe ponha as mãos, merecido tem elles hum muy boom cas- 
tigo, porque tem tomadas muylas nãos com vosos seguros, muyto Ricas 
e com muyto grandes presas, e nom ha cá, senhor, na yndia homem que 
vos isto spreva; todo seu feito he culpar me a mym; e aa feitura desta es- 
tam hua galyota e duas fustas sobre la barra d onor, que hy mandou lan- 
çar pêro mazcarenhas per meu mandado, e que nom deixasem emtrar 
nem sair nynhua cousa no porto, até que me nom emtregasem as duas 
galiotas que ten, e mays que jure el Rey que nunca mais arme nem dee 

^ Quarenta toneis. 



192 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

licença pêra armar: mandou me el Rey prometer que me emtregaria as 
fustas e que nunca mais tornaria armar, e nysto estamos agora: esta he 
a armada que sae de goa cada ano. E se nom quyserdes que saya de 
goa, sayrá de cochym ou de cananor, donde vosa alteza quyser. 

Sobre os acrecemtamemtos de soldos diz vosa alteza ter me sprito 
por vezes, asy do tempo pasado do viso Rey, como do meu tempo, e que 
por mynhas cartas tem vosa alteza visto que fiz eu nyso o que me man- 
dou, que era alevantar tolollos acrecemtamemtos que eram poslos pelo 
viso Rey. E aynda alguuns que por voso Regimemto estavam, aproveitava 
em algua maneira, por me parecer que se podem escusar. E agora diz vosa 
alteza ser emformado que o nom fiz eu asy. Digo, senhor, que asy está 
asemtado nos liuros da vosa feitoria por capitulo do voso Regymemto asy- 
nado per mym, e por aquela determynaçam de vosa alteza se faz comta 
cos homens, e aly lhe fazem comprymemto de seu pagamemto, ou lhe dam 
arrecadaçam pêra a casa das yndias: se vosa alteza lá vee o comtrairo, 
manday tomar a comta a vosos oficiaaes porque o fazem, e manday leuar 
o Registo do voso liuro, e achares o capitulo de voso Regimemto aly Re- 
gistado e asynado por mym, em que diz que os escudeiros averam dous 
cruzados e os piaães b^ fs. S e os degradados nom averam soldo; e nem 
huns nem outros nom averam quymtaladas. Se pela vemtura vosa alteza 
chama acrecemtamemto de soldo vyr de lá hum homem d armas de 
b* rs S e ser muy boom pedreiro, ferreiro ou carpimteiro, e eu ter necesy- 
dade dele e mandai o seruyr de seu oficio, nom he Rezam que lhe dem 
o hordenado de vosa alteza: podem estes desta calydade ser na yndia atá 
XX pesoas. E quamlo he, senhor, a ter vos sprito que aproveitava em algua 
maneira aqueles que per voso Regymemto estavam, eu vos faley muy to 
grande verdade, porque os sprivãaes de malaca trymta myl tem cada hum 
atá que provejaes yso á vosa vomtade; os sprivãaes da feitoria de goa 
trymta myl rs. tem cada hum, e quando estavam cercados quorenta myl, 
pola careza dos mamtymemtos; o alcayde mor tem agora oytemta myl, 
sem quyntaladas, até que _vosa alteza proveja como vos parecer bem ; o 
alcaide de benestary tem xbj ^ sobre seu soldo de dous cruzados, com a 
alcaidaria da torre, até que a vosa alteza dee a quem lhe bem parecer; 
o alcayde da torre de pamgy tem cinquo ou seis myl fs. sobre sua mo- 

1 Quinhentos réis. 
^ Dezeseis mil. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 193 



radia, que sam per todos xxb réis *, sem quymtaladas, nem o de benes- 
tarym nom tem quyntaladas; manuel de sampayo tem a alcay daria de 
pamgy e he casado ; nuno freyre tem a alcaidaria de beneslary e he ca- 
sado; as sprevanynhas da feitoria, húa tem vicemte da costa, filho do fí- 
sico moor de vosa alteza; christovam de figueyredo, cryado que foy do 
marychal e ora he voso, tem a outra, e sam ambos casados em goa; spre- 
vanynhas de navios, pilotos, mestres postos por mym, todos tem menos 
soldo que aquelles que vem hordenados per vosa alteza; proveadores dos 
spritaaes postos por mym xbiij ^s.^ almoxarifes poslos per mym menos 
tem do que lhe vosa alteza hordenou; proveador dos defuntos da armada 
nom tem mais que seu soldo e seus percalços de quaremta por mylheiro, 
porque o hordenado per vosa alteza nom o quysyr seruyr. Duarte de lemos 
trazia lij*^ rs. e iij* quyntaes ^ com quatro navios; e manuel de lacerda com 
xbiij *, com que ficou na yndia, cl fs. e Ix quymtaes ^ a quarto e vynlena; 
fernam perez capitam moor de xij navios em malaca, cl rs. e quoremta 
quyntaes a quarto e vyntena: a comcrusam, senhor, he que todo oficio 
que eu provejo, atá o vosa alteza dar a quem lhe bem parecer, sempre 
lho dou com muyto menos do que lho vosa alteza daa. E a quem a vosa 
alteza spreveu o comtrayro, perdoe lhe deus; lá yrám os liuros dos feito- 
res que em meu tempo fomm, e neles achará vosa alteza o que dito tenho. 
Per outro capitulo da mesma carta diz vosa alteza ter ávido Recado 
como el Rey de cambaya me mamdara seu embaixador, o qual m achara 
em goa, e me mandara profertas e oferecimemlos pêra as cousas de voso 
seruyço, e procurava vosa paz e amyzade com toda eficácia: tudo isto, se- 
nhor, he asy, e eu voUo tenho já lá sprito. E eu mandey lá com certos 
apomtamenlos e avisos, que jaa damles tinha de vosa alteza per cartas, 
trystam degaa; e quando agora vym do mar Roxo, achey trislam degaa 
e o embaixador dei Rey de cambaya com cartas pcra mym e Reposta dos 
apomtamemtos, dizemdo que nos daria fortaleza em dyu, e se quysese- 
mos a ylha que dizyamos, que a mandasemos ver, que era despovoada 
por cobras e bychas que hy avia, e pellas grandes corremtes e nom teer 
porto pêra nãos : maym nos davam, e tristam degaa Respomdeo qu era 

* Vinte e cinco mil réis. 
^ Dezoito mil réis. 

^ Tresentos mil réis e tresentos quintaes. 

* Dezoito. 

^ Cento e cincoenta mil réis e sessenta quintaes. 

25 



194 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

lomge da cidade de cambaya, e que faryam grande custo as mercaderias : 
quamto he aa obrigaçam da soma do cobre, a yso Respomdeo que elle 
nom era jnercador, que os mercadores emtemderiam nyso : malecupy dise 
que até xx quymtaes ^ compraria cambaya cada ano, e meliquiaz de dia 
dez myl; as mercaderias de vosa alteza nom pagaram direitos, e as que se 
comprarem de sua terra pagaram; a justiça de vosas gemtes será de voso 
capitam, e das suas do seu: em páreas lhe nom mandey falar; de nom 
acolher os ymygos, dise que os nom acolheria em sua terra, porém se 
viesem tomar agua o Refresco a seus portos, que eram mouros, que lho 
nom podia tolher : ysto está asy asemtado ; o seu embaixador he comigo 
em cochym pêra leuar a nao meril, que elles tomam por preço do sua 
homra; com elle yrá diogo femamdez e se terá a bordem e maneira que 
vosa alteza de lá sprever, porque em lugares tam gramdes e de tamta 
gemte, quando dam fortaleza por sua vomtade, dous homens abastam 
pêra meter a obra a camynho, e asy se faz a de calecul: per outra carta 
dou mays largamente comta a vosa alteza deste feito e de melyquaeaz. 
Diz vosa alteza acerqua de mehqueaz de dyu, como vos diogo fer- 
namdez spreveo do acolhymemlo e homrra e gasalhado que o dito meli- 
queaz lhe fizera. E depois de diogo femamdez me ter emformado deste 
feito, eu lhe fiz gramdes profertas e oferecimemtos pêra as cousas de sua 
homrra e seguramça dela ; asy lhe sprevy como vosa alteza por carta my- 
nha era emformado dos desejos que elle tinha de vos seruyr, e que vosa 
alteza folgara muyto com yso, e Recebera sua bõa vontade e desejos de 
vos seruyr, e que sempre acharia em vosa alteza homrra e mercê e favor 
e ajuda pêra estar seguro de sua homira, e outras palavras e oferecimem- 
tos de mynha pesoa, que lhe asy mamdey ; e ysto lhe emviey dizer secre- 
tamente, asy por el Rey de cambaya nom ter coceguas de o ver tam me- 
tido comnosco, como pela compeliçam dele com melycupy nom trazer 
dano a noso comcerto, se diso tivese coceguas: agor i quamdo vym do 
streito, que vym por diu, meliquaeaz fez cousas domrrado homem e de 
gram prymor, asy na comfiança que teue em se achegar a mym e vyr fa- 
lar comygo a bordo da mynha nao, como em dadivas a mym e a eses ca- 
pitães, mamtymemtos pêra a armada, corregymento de bates e navios; e 
toda lyndeza e cortesya nos fez, e amostrou a eses capitãaes que em terra 
forom, toda sua artelharia e a mym toda sua fustalha; todo seu comcerto 

^ Vinte mil qointaes. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 195 

e todalas suas cousas me parecerom bem domem manyfíco; tamta arte- 
Iharia como elle tem, nom cuydo que averá em nynhum lugar de chris- 
tãos, e toda boa ; dyu parece me fraca cousa, grande cerqua e povoaçam 
pequena pêra o que eu cuydava. 

Per outro capitulo m avisa vosa alteza das penas que leuam os mey- 
rynhos, asy em cananor como em cochym; eu tudo deixey muy bem hor- 
denado e asemtado quamdo mapartey das fortalezas e me puz co a ar- 
mada em mar: averá xiiij meses, que sam fora de cochym e cananor, 
agora verey se á hy algum mao Recado feyto, e emendar se ha como vosa 
alteza manda; agora mandarey apregoar, que todos aqueles a que tem 
leuadas desordenadas penas, venham a mym, seram castigados aquelles 
que vosa determynaçam e mandado pasarom e consemtyrom pasar. 

Per outro capitulo diz vosa alteza ter sabido mynha yda a malaca: 
aquy nom cabe outra Reposta senom ser vosa alteza lá pellas nãos do 
ano pasado avisado do caso de malaca, e agora por estes capitães do que 
lá pasou depoys da mynha partida. 

Per outro capitulo me fala vosa alteza acerqua dormuz e da segu- 
rança delle; e do que sobre ese caso me tendes sprito, até agora, senhor, 
nom he nada feito, porqne tenho eu cartas vosas, que prymeyro que em 
nynhua outra cousa entenda no feito d adem, e asy o faço, porque nom 
leua vosa alteza errado conselho em segurar adem e o mar Roxo, e em 
buscar a amizade, companhia e trato do preste joham, porque sam gran- 
des aliceces pêra todo o bem de voso estado e de voso proveito : e prou- 
vese a noso senhor que por vosa soo determynaçam e comselho, sem ver- 
des nynhíla carta de caa senom a do voso governador, se íizesem as cou- 
sas de voso seruiço, porque elas mays avante hum pouco do que ellas es- 
tam: o que sobre este feito d adem e do mar Roxo tenho feito, per carta 
grande vay a vosa alteza: todallas outras Razões que vosa alteza dá acer- 
qua do feito d adem e do mar Roxo serem cousas muy primcipaes, e que 
muyto tocam a voso seruiço, e donde se pode Recrecer muy grande pro- 
veito e muyto seruiço a deos, tudo me parece asy, porque o tenho eu 
visto pollos meus olhos; e asy o que' agora per derradeiro mandaes que 
faça per estes capítulos desta carta, os quaes todos falam no feito d adem, 
tudo se asy compryrá ymteyramemte, até que vosa alteza seja eroformado 
do que sobre yso he pasado; e polo que nyso tenho feito, hey por Res- 
pondido a estes seys capitólios desta carta. 

Item: diz vosa alteza que feito isto d adem, posa emtender nas ou- 

25# 



196 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

trás quatro cabeças que ficam ; asy se fará como vosa alteza tem metido 
em bordem, e o tempo e as cousas, como socederem, asy vos amostraram 
o conselbo que nyso devaes tomar, e o que nos ouverdes de mandar que 
façamos: em quanto be da mynba yda a ormuz, da tornada do estreito, 
eu o quysera fazer, e as nãos que trazia de carga mo estrovarom e a obri- 
gaçam dos provymemtos de malaca, de que eu atá emtam nom tynba nova, 
porque o dia que party de goa camynbo do streyto cbegarom fernam pe- 
rez e amtonio dabreu a cananor, e nom leuey nynbua nova comygo, e 
tamfcem me desuyou deste camynbo e asemto de cambaya e calecut que tra- 
zia amtre as mãos; mas acerca d ormuz e de babarem tudo se fará com ajuda 
de noso senbor a seu tempo, porque as cousas grandes gastam sempre 
muyto tempo, e mays nestas parles em que ba certo tempo de navegaçam. 
Per outro capitulo me diz vosa alteza que feito isto d adem, que 
mandase algQa parte da vosa armada emtrar ao mar Roxo: peço vos, se- 
nbor, por mercê que nom dysemulês este feito da armada do soldam, por- 
que estam as vosas cousas na yndia em gram fauor e credito, e toda a 
yndia vos teme e vos tem grande acatamemto e obediemcia, e todollos 
Reis e senbores delia procuram vosa amyzade. E se por nosos pecados 
estes cãaes destes Rumes ouvesem algua vitoria de nós, era todo este 
feito, que atrás digo, emtornado e barelbado outra vez: agora, senbor, 
convém Regislir suas forças com dobrada armada, ylos buscar a seus por- 
tos e terra com força de gemte, e seguramça de tam gram credito e fama 
como temos gaanbado, poys que nom podêmoç nem deuemos descobryr 
esta cilada, e ver em que os ymygos tem sua comfiança ; com bõa armada 
e bõa gemte o deue vosa alteza de fazer, ao menos por esta primeira vez ; 
e mais agora que sabem que os fomos buscar, pella vemtura se poerám 
em bordem com suas forças pêra nos comtrariar nosa emtrada no mar 
Roxo, ou asemto, se bo by quyjermos fazer: portamto, senbor, agora be 
tempo de dobrar de llá gemte e armada, porque seguremos as cousas que 
nos ficam traias costas, nom bulam comsygo, acomtecemdo nos cousa que 
deos defenda; e como gaanharmos pee e asemto no mar Roxo, com muy 
pequena armada que vá visytar Suez, se se crya nelle algua cousa, lhe 
queymarám quamtas nãos botarem ao mar, amtes que as armem e apa- 
relhem. E quamto be ao que vosa alteza diz, que se tomaram lá presas, 
por nosos pecados hum gram golpe de Riqueza erramonós este ano, por- 
que arribarom mais de Ix nãos, delas com temporal e delas de demtro 
do cabo de guardafiium, onde ouverom novas de nós. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 197 

Item: per ouiro capitulo me diz vosa alteza que vos mande dizef a 
soma da mercaderia que se pôde gastar na yndia; e que vos he sobre yso 
sprito de cá per desvayradas maneyras: eu faley com mercadores de cam- 
baya, e faley com mehesamdely, homem voso seruydor, pryncipal merca- 
dor de chaul, e asy com outras pesoas, e polo que eu tenho visto e sabido 
de certa sabedoria, per outra carta o mandarey muy decrarado a vosa al- 
teza, porque tenho já tomada toda a emformaçam per yleens dese^ feito; 
e o que me parece he que se tendes mão no mar Roxo, que se gastará 
tanta soma de diversydade de mercaderias e marcerya, asy nesta parte 
da yndia como no golfão de ceylam pêra demtro, e em malaca e nos chyns 
6 jaaos, que as nom poderám as vosas nãos trazer, porque as vejo vyr 
avalumadas, chêas e abarrotadas com muy pouca mercaderia. 

Per outro capitulo da mesma carta diz vosa alteza que tenha muy 
grande e espicial cuydado daproveytar vosa fazemda, e de vos fazer Rico, 
como volo tenho sprito, porque sem fazemda mal se poderá obrar na 
guerra: quamto he, senhor, ao aproveitar de vosa fazemda, a que tendes 
em terra em vosas feitorias, vos alteza tem cometido o carrego dese feito 
a vosos oficiaaes, e a mym que nom emtenda com elles myudamemte, nem 
ynveme em cochym, por lhe nom dar trovaçam: eu, senhor, o tenho asy 
feito até aquy, e aynda lhe tenho todollos portos das mercaderias e trato 
abertos e asesegados, e a terra toda muyto mamsa e pacifica : em tal ma- 
neira pasa o negocio, que mandam os homens a bisnagua arrecadar di- 
nheiro de mercadores, e trazem lho; andam os homens por toda a terra 
do malavar, e nom lhe perguntam pêra bonde vay, nem donde vem; an- 
dam os homens por todo Reyno de daquem comprando e vendemdo, sem 
lhe nynguem falar; andam per todo o Reino de cambaya comprando e 
vendendo, sem lhe nynguem preguntar donde vem, nem pêra onde vay. 
Esta he a mynha obrigaçam, pêra se a fazenda que tendes em vosas fei- 
torias aproveitar; ponham elles a diligencia e o menêo, e saibam fazello, 
e darvosham muito proveito: mas eu soube que partira diogo pyreira este 
ano pasado de cochym com hQa nao de pimemta e cobre e seda, e foy a 
cambaya e a chaul, e trouxe xbj pardaos * em ouro, e nynhum deles pêra 
a vosa feitoria. E quamto he, senhor, aa vosa fazenda que a armada ga- 
nha no mar, e busca andando, e gasta e despende, desa vos darey muy 
bõa conta e o voso feitor das presas, a qual he tam grande soma aas ve- 

^ Dezeseis mil pardaus. 



198 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

zes, que se espamtará vosa alteza; e faz se em meu tempo com tanta lym- 
peza e cuydado que vosa alteza deue eslar muy descamsado; e comfyay, 
senhor, ysto de mym, poys que nom tenho outro penhor nem outro fia- 
dor senom vosa alteza, que me tem todollos anos de meu seruyço e meu 
trabalho, e toda esa myseria que me a furtuna deu. 

E diz me mays vosa alteza, se muytas especiarias vos emviar de cá 
e muyto ouro, como esperaes em noso senhor que o daquy em diamte 
farey, vosa alteza me emviará tamta gemte, com que nom soomemte toda 
a yndia, como, louvores a deus, está jaa sogygada, mas aynda a persya 
e esas outras partes do sertaam. Digo, senhor, que, louvores a deus, que 
leixou falar verdade e compryr o que vos sprevy, que pela vemtura pa- 
recerá lá ysto alboroço domem que desejava governar a ymdia: vosa al- 
teza aja por certo que os portos durmuz atá ceylam, e asy lodallas mer- 
caderias que nesta parajem jazem, estam prestes e abertos todollos tra- 
tos e portos pêra Receberem vosos feitores e o voso trato e vosas com- 
pras e vendas. E asy de ceilam pêra demtro todollos portos e mercade- 
rias e mynas d ouro e de prata estam co as portas abertas pêra Receber 
vosos tratos e mercaderias, visto pellas vosas gemtes e tratado com elles: 
preguntayo, senhor, a todas esas gemtes que da yndia vaam. E eu voUo 
mandarey per asynado de todos, ajuramentados aos samtos avamgelhos, 
se he isto verdade ou nam ; alé os chyns podem vosas nãos e mercaderias 
yr seguras e tratar. E que a noso senhor aprouve de eu comprir o que 
vos tinha prometido, cumpra vosa alteza com a esperança e confiança que 
eu tenho do grande galardam de meus seruyços, porque vos posa mais 
abastado e mais homradamente seruyr, se vos de mym esperaes aprovei- 
tar, porque hum homem velho e desagalardoado nom he bom pêra so- 

memte hua íiem pêra o mar nem pêra a terra: sprila em cananor 

a iij dias de dezembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afomso dalboquerque, 

(Sobrescrípto) A el Rey noso senhor *. 



* Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.', M. 14., Doe. 12. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 199 



CARTA XLI 



1613— Dezembro 4 

Senhor. — Despachadas e partidas as naaos da carga da Imdia per 
dom garcia, qe a iso foy, qe deu gram delijemcia e aviamemto, ficou asy 
em cochym aviamdo e correjemdo esa naao e navios que meses mouros 
de benastarym espedaçaram com sua artelharia, e asy outros navios da 
imdia que diso tinham necesidade; e parte da outra armada s estava Re- 
formamdo de mamtimemtos e doutras cousas, e espalmamdo em chavU; 
e outras estavam sobre a barra de dabull, e eu estava em goa damdo or- 
dem a se acabar ho castelo de sam pedro em benastarym, e asy a torre 
que comecey em pamjym; e alguas outras naaos tinha espalhadas, pêra 
fazer vir ao porto de goa todalas naaos durmuz com os cavalos, temdo 
tomado por determinaçam ser voso serviço os cavalos d arábia e da pérsia 
estarem todos em vosa mãao, e virem ao voso porto de goa, por dous 
Respeitos: o primeiro, por afauorecer ho porto de goa, e poios gramdes 
dereitos qe pagam os cavalos e tornar a pouoar a cidade como amtes era, 
e virem as cáfilas de narsymga e do regno de daqem com as mercadarias 
a goa em busca dos cavalos; a outra, por el Rey de narsymga e os do 
reyno de daqem desejarem e procurarem a paz e reconhecer estar em 
vossa mão sua vitoria, porqe sem comtradiçam vemcerá huum ao outro 
aqele qe ouuer os cavalos d arábia e da Pérsia, de qé sam muy necesita- 
dos, e dam muito por eles; a outra, por estarem sempre em goa pêra 
quallqér tempo de necesidade qe sobreviese, quatrocemtos, quinhemtos 
cavalos de mercadores, afora os das estrebarias de vossa alteza; a outra, 
por desfazer ho porto de J)atecala, ho quall nam he feito senam polo trato 
dos cavalos e mercadarias d urmuz, porqe nam tem porto nem barra pêra 
que possa emtrar huum batell, nem tem a desposisam da barra e porto 
de goa, em qe as nãos dos mouros emtram carregadas, imda qe demam- 
dem três braças d agua. 

Feita esta delijemcia, vieram ao porto de goa nãos durmuz, qe po- 
deriam trazer quatrocemtos cavalos muy fermosos e de muy gram preço : 
mandei lhe fazer estrebarias muy gramdes^ e trezemtos homeeos da terra 



> 



200 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

que comtinuadamente lhe acarretava a erva; e o mamtimemto pêra eses 
cavalos lhe daua ho feitor grãaos, carregamdos sobre os mercadores, a 
qe lhos daua pêra depois fazerem sua comta: mamdey dar aos mercado- 
res as milhores casas que hy avia pêra seu apousemtamemto, e todo boom 
trato e gasalhado e omra lhe foy feita: mamdey lhe dar cabrestamtes e 
madeyra pêra varar suas naaos, cairo, breu, e azeite de pescado; por seus 
dinheiros se lhe dava tudo ho qe lhe fazia mester, e mamtimemtos pêra 
suas pesoas e sua jemte, sobre seus cavalos e mercadarias; e bem asy lhe 
mamdey logo ordenar suas cargas de pimemta, jemjivre, noz noscada, 
arroz e cobre, qe mamdey vir das feytorias de cochim e cananor, e creo 
qe as nãos que daquy em diamte tomarem carga em goa, iram mais Ri- 
cas naaos qe partirem das imdias, pola carga das espiciarias qe aly to- 
mam, e lugar de as poderem levar a urmuz. 

Hos mercadores, capitãees e mestres das naaos, foram asy bem tra- 
tados e gasalhados e afauorecidos e ajudados, qe a mim me parece qe 
numca jamais leixarám ho porto de goa, e bem asy pola liberdade da es- 
peciaria e lugar qe pêra iso dou has naaos da imdia que a vierem tomar 
e carregar em goa, em qe cuido qe se fará muito proveito, e que góa se 
fará ho mais Rico porto e mylhor cousa destas partes: esta espiciaria qe 
ásy dou lugar, he sómemte pêra a escapola d urmuz e nam pêra nehuua 
outra parte. 

Haa fama destes cavalos vieram em muy poucos dias mercadores 
de narsymga, misijeiros delRey de vemgapor, sobre compra dos cavalos; 
e asy estavam hy dous misijeiros do çabayo, que vieram a mim com car- 
tas sobre ho comcerto de nossa paz, e qeriam comprar cavalos. 

Hos mercadores destas naaos traziam aljôfar, panos de seda, e porqe 
amtre nós avia homem de muy pouco cabedall pêra ho averem de com- 
}rar, eles me pediram licemça pêra ho irem vemder a batela (sic), e eu 
he dey lugar pêra iso. 

Nestas naaos destes cavalos foy achado cojamir, mouro mercador a 
qe emtreguey duas naaos da terra em goa a primeira vez que ha toma- 
mos, com algua mercadaria de voss alteza daqela qe se achou em goa de 
cimqo nãos de cochim e cananor que tinham tomadas, e com ho emba- 
xador de xeqesmaell e com os misijeiros qe a ele emviava, ho quall co- 
jamir foy bem despachado em vrmuz, e trazia cavalos em retorno da mer- 
cadaria; e vimdo á imdia, sabemdo como goa era alevamtada comtra nós, 
metesse em dabull, e levou os cavalos apresemtar ao çabayo: mamdey o 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQtJERQUE 201 

premder em ferros a ele e a hum seu filho, tomei lhe vimta tamtos cava- 
los, e alguuns destes cavalos e asy outros daneficados das vosas estreba- 
rias de goa mamdey vemder sesemta a pocaracem, mouro mercador, por 
dez mill oras douro, pêra se reformarem as estrebarias de vos alteza de 
milhores cavalos, daqeles qe novamemte eram chegados durmuz. 

Neste tempo dey tam gramde delijemcia, asy de fornos de call como 
de camtaría acarretada em barcas doutras partes da ilha pêra benasta- 
rym, e asy de pedra e camtaria qe os mouros tinham nos muros da vila 
qe tinham feita, qe em muy poucos dyas se fez obra tam fermosa e tam 
forte e tam bem obrada per mãaos de tomas fernamdez, qe pareceo qe 
noso senhor obrava nela com sua ajuda; asy crecia a obra em tall ma- 
neira, que ha minha partyda ficava pêra se defemder a todo mumdo qe 
viese sobrela, da torre como ha cerqa e baluarte; a torre de muy gramde 
altura e muy bem obrada de suas guaritas em cada quadra, de camtaría 
e de muy fermosa pedraria: e eu poso dizer a vos alteza com verdade, qe 
nas terras de crist^aos qe tenho amdadas nam vy mais fermosa peça nem 
mais forte: tomas fernamdez a quys asy fazer por sua memoria: pus lhe 
nome ho castelo de sam pedro, polo nome da nao qe primeiro aly che- 
gou, e cerrou ho paso: a torre he de quatro sobrados d altura, qe se vee 
dos muros de goa: ficou no primeiro sobrado huua torre pegada nesta, 
sobre a Ribeira do Rio, madeyrada sobre piares e cuberta ao modo d ei- 
rado; faz Rosto á terra firme, domde joga artelharia grosa; e a outra torre 
sobio sobrela três sobrados; tem hum poço de muyta agua ao pee da torre 
primcipall; lá ha mamdo pimtada a vos alteza: está asemtado ho castelo 
sobre ha Ribeira do Rio, que he terra de gramde altura ^obre a borda 
d agua, omde he a passajem da barca. 

E neste mesmo tempo despachey diogo fernamdez, adaill de goa, e 
com ele jóham navarro por lymgua, com os misijeiros do çabayo sobre 
os apomtamemtos da paz qe qeriam : mamdey a garcia de sousa, qe es- 
tava sobre dabuU, que alargase a navegaçam ho porto, nam semdo mer- 
cadarias defesas per vosa alteza, e qe se seguros qysesem, que mos mam- 
dasem pidir a goa, pois que ho çabayo qeria pazes; e mamdey com diogo 
fernamdez e Joham navarro ho filho de gill vicemte, e dei lhe emcaval- 
gaduras e vestidos, suas despesas: mamdey huum capitam da terra com 
IX piães pêra os aver de servir, e os misijeiros do çabayo bem despa- 
chados, e em nome de vos alteza lhe foy feita algua mercê segundo cali- 

dade de suas pesoas. 

86 



202 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Asy despachey logo ho misijeiro dei Rey de cambaya, qe veyo a 
mim com cartas, depois do seu embaxador despachado sobre a paz e 
comcerlo qe pede ; e porqe minha temçam era ir em pesoa a este nego- 
cio, e meu sobrinho dom garcia pola gramde acupaçam qe teve em co- 
chim nas nãos da carga nam podia já ir a tempo, pêra em pesoa ho ir 
acabar, qe nam perdese a navegaçam do estreito de meqa, emtam deter- 
miney de mamdar lá, tomamdo por determinação da sayda do estreito vir 
sobre cambaya, depois dei Rey de cambaya ter já sabido a determinaçam 
de vosa alteza, apomtamemtos e comdições com qe lhe daryees segura 
paz mamdey com ho seu misijeiro tristam degaa, e joham gomez por 
esprivam ; de tudo ho qe se niso pasase, levava em minha estruçam e apom- 
tamemtos, como dito tenho; e mamdey lhe ho presemte que vosa alteza 
mamdava a timoja, e alguuas outras cousas que pude aver; e partiram 
em bua nao de meliquiaz qe hy veyo com mamtimemtos e misijeiro seu 
com cartas pêra mim, e visitar me depois da vymda de malaca. 

Ao misijeiro dei Rey de cambaya e de miliquiaz mamdey amostrar 
a vila que os mouros tinham feita em benastarym, e os baluartes no mar 
e sua artelharia grosa, e ho arrabalde qe era mayor povoaçam qe ha vila, e 
as estrebarias dos vosos cavalos em goa, e as cubertas qe agora novamemte 
se fazem, e duzemtos besteiros e duzemtos espimgardeiros, porqe todo 
homem casado e solteiro fiz ter besta ou espimga (sic)j asy pêra goa como 
pêra armada, como pêra quallquer cousa omde comprise socorro ; e ór- 
deney aquy este corpo mais qe em outro lugar, porque hos homeens de 
goa comem pam de trygo e carne e muy boom pescado em gramde abas- 
tamça, e tem coor domeens; e asy Ih amostraram como as naaos de vos al- 
teza abalrroaram cos baluartes da sua artelharia grossa, e lhos ganha- 
ram, por omde me parece que miliquiaz terá pouca comfiamça nos seus, 
quamdo fízese alguum erro. 

E asy despachey gaspar chanoca pêra narsymga, ho quall á minha 
partida pêra malaca era lá: el Rey de narsymga me mamdava seu em- 
balador em Reposta dos apomtamemtos qe lhe mamdey e com joyas pêra 
vos alteza; nam m acharam e tudo se tornou: per chanoca lhe mamdey 
dar comta do feito de benastarym, e os cavalos qe vos alteza avia por bem 
virem todos ao porto de goa; e amtre outras cousas lhe mamdey dizer qe 
todolos Rex da imdia tinham dado em suas terras lugar a vos alteza pêra 
mercadarias e tratos; qe ele devia de dar a vosa alteza batecala; que dos 
cavalos qe viesem d arábia e da pérsia ao porto de goa, lhe seriam sem* 



V .., 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 203 

pre guardados aqeles de qe tivese necesidade, e outras muytas cousas qe 
neste feito amdam já movidas. 

Foy também despachado neste tempo ho misijeiro dei Rey de vem- 
gapor, o quall precura muito ser servidor de vos alteza e nosa amizade, e 
faz muito fumdamento diso : partem suas terras com as terras de goa, e 
oferece se com sua jemte e força comtra a guerra dos turcos; pedia que 
lhe leixasem tirar ca lano de goa trezemtos cavalos: sua amyzade nos he 
muito necesaria, por ser sua terra muy abastada de mamtimemtos, e ser 
a estrada verdadeyra e chaam pêra narsymga; e aimda me mamdou ofe- 
rycimemtos pêra governar as terras de goa, emtregamdo lhas eu, e damdo 
certa cousa por elas. 

Despejado d emtemder nestes negócios de fora, dey ordem á torre e ba- 
luarte de pamjym e cerqa de sua barreira de redor pegada no Rio^ a quall 
obra ficou sobre a terra ha minha partida, porque avia ahy muita camtaría 
e muitos fornos de call, e ha delijemcia de tomas fernamdez, que he mayor 
que ha minha: e asy pus na ilha de choram e dyvary huum cavaleiro ca- 
sado em goa, que se chama manoel fernamdez, ho quall tinha já muita cam- 
taría e muita casca d ostra pêra fazer call, e dado ordem pêra se fazerem 
as torres qe ordeney nestas ilhas, de pedra e call, como as obras de goa. 

Ghegamdose ho tempo da minha partida, Ruçalcam, capitam do ça- 
bayo, que estava em benastarym, precurou per vezes de me ver e falar 
comigo, e eu m escusei diso, porqe emtemdy que as terras boliam com- 
sygo, por lhe verem pouca jemte e fora da ilha de goa; e depois me pa- 
receo bem, pois qe tamto precurava nosa amizade, qe em quamto ho com- 
certo damlre mim e o çabayo amdava em apomtamemtos, qe nam trazia 
perjuizo ir lhe falar, aimda que ha terra tomase asesego com ele e lhe acu- 
dise com os dereitos, pois lhe nam avia de fazer a guerra; e ele com de- 
lijemcia acudia com mamtimemtos e servimtia da terra e todalas outras 
cousas necesareas a goa: fuyo vêr ao Ryo de benastarym: ho qe pasoa 
damtre mim e ele foy oferecimemtos qe me ele fez, e desejar de ser ser- 
vidor de vosa alteza, e a iso lhe respomdy cousas desapegadas, que nam 
sam necesareas sabei as vos alteza; e depois disto foram homens nosos a 
seu arrayall, e jemte sua vinha cada dia a goa, e os moradores e lavra- 
dores da ilha se tornaram todos a lavrar e aproueitar como damtes, jem- 
tios e nam mouros; e asy se tornaram todolos oficiaees dartelharia, de 
bombardas e espimgardas, as quaees se fazem de ferro em goa milhores 
que has dalemanha. 

26^ 



204 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Posta asy em ordem as cousas de goa, a mim me pareceo voso ser- 
viço mudar a ela pêro mascarenhas, e o mamdey chamar, e ele levou 
gramde comtemtamemto de halargar a capitania de cochim pola de goa; 
e mamdey ficar em cochim por capytam jorje dalboqerqe, e levey comigo 
maooel de lacerda; e pêro mascarenhas Ocou em goa por capitam, e lhe 
leixey huum rejimemto assaz largo de cousas de qe goa estava bem ne- 
cesitada, e eu conBo dele qe o fará em tali maneira que as cousas de goa 
sejam oulhadas e gramjeadas que tornem muy cedo ao qe eram, porqe 
os capitães pasados sempre folgaram de ha deslroir e danar, emchem- 
dolhe ela a bolsa de dinheiro. 

Neste tempo, amtes de minha partida, me chegaram novas como ca- 
malcam, capitam primcipall da casa do çabayo e governador de toda sua 
fazenda, era morto dos turcos, e que havia ahy devisam no arrayall do 
çabayo, os pérsios e coraçanes cos turcos, porque ho camalcam era pér- 
sio; e asy el Rey de narsynga era abalado com seus arrayaes sobre per- 
gumdaa, qe era alevamtado com ho outro que savia por Rey de nar- 
symga; e asy el Rey de cambaya com seu arrayall, depois da morte de 
seu pay, abalou comtra ho estremo do Reino de mamdao, que vynha 
elRey de mamdao sobrele: dou esta comta a vos alteza, porqe he bem 
que dos movimemtos e divisõees dos Rex e senhores da imdia vosa alteza 
seja sempre avisado, ho quall prazerá ao muy alto deus qe averá hy tamto 
descomcerto e guerra amtreles, que alguuns vos tomaram por valedor e 
vos darám parte de suas terras. 

Chegado meu sobrynho dom garcia no mês de feuereiro, ele e eu 
estivemos por espaço de quatro ou cimqo dias aimda em goa pêra des- 
pacharmos framcisco nogueira e gomçalo memdez, feitor qe foy de cana- 
nor, pêra o negocio de calecut, e embarcamos logo. 

Recolhidos todos os capitãees a suas naaos e jemte, os mamdey cha- 
mar e lhes dise, qe as cousas determinadas e mamdadas per rejimemto de 
vosa alteza nanas avia de pôr em comselho se as faria ou nam, salvamte 
vemdo tamtas comtrariadades ou causas por omde se nam divesse de fa- 
zer e comprise comselho sobre ese caso, somemle noteficarlhe vosa de- 
terminaçam e vomlade; e portamto lhe dezia qe per rejimemto e cartas 
de vos alteza me mamdava qe eu fose adem e emtrase ho estreito de meqa: 
se lhes parecia que havia hy imcomveniemtes a noso caminho e deter- 
minaçam de vos alteza, que cada hum disese aly per seu asynado; e a to- 
dos DOS pareceo que por emlam hy nam avia impidymemto a noso cami- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 205 

nho e fazer ho qe nos vosa alteza mamdava, e asynaram todos e se foram 
pêra suas naaos; e ao outro dia pola roenhaam lhe fiz synall acustumado, 
levamos nosas amarras e nos fizemos todos á vela com vemto largo de 
bòom viajem, que nos noso senhor deu. 

Fazemdo asy noso caminho via do cabo de gardafuy, no golfam 
achámos bonamças, por omde gastámos mais agua qe aqela qe me pare- 
cia qe nos poderia abastar até á chegada d adem; emtam determyney d ir 
tomar agua a çacotorá, porqe no cabo nam avia aguada pêra tamtas nãos, 
e também por nam sermos descubertos. E ouuemos çacotorá e fomos to- 
dos sorjir dyamle do coco, lugar omde soya d estar a forteleza de vosa 
alteza, e no lugar avia hy já cimquemta fartaquys, que começavam de 
correjer suas casas e ortas ; e forteleza e nehum modo de sua defemsam 
Ihachey: poseramse logo na serra lodos contra calacea, e nós tomámos 
nosa agua no mesmo lugar do coco todos, e lenha: aly nos vieram falar 
alguuns cristãos e cristãas da terra, aos quaes mamdey dar alguuns pa- 
nos e arroz, e se foram embora pêra suas casas, e mamdey derribar to- 
dalas casas dos mouros c por lhe ho fogo. 

No mesmo dia qe sorjy, mamdey logo correr a ilha até calacea com 
ha caravela, tememdome que alguum barco dos fartaquys estivese em ca- 
lacea e pasase haa bamda de fartaqe e dofar dar novas d armada, ou al- 
gtlua nao de mouros que fosse pêra ho estreito e estivese aly tomamdo 
agua. Joham gomez, capitam da caravela, ho fez asy como lho eu mam- 
dey ; e poios vemtos serem levamtes, pêra tornar a mim lhe com vynha 
balrravemtear hua volta hó mar e outra á terra: imdo huum dia na volta 
do mar, topou com huua nao de chavll, que hia pêra ho estreito, e ha to- 
mou; nam lhe fiz nehuum nojo, por ser de chavll e nam levar nehua 
espiciaria, porém leve a sempre comigo e aproueiteyme do seu piloto, qe 
até emtaiíi nam levávamos piloto mouro nem homem que soubesse adem, 
somemte martim memdez, piloto, qe fora já em canacany, que seria xx 
legoas d adem : quys logo ho piloto mouro que atravesasemos de çacotorá 
dereytos adem, que jaz na mesma altura de caçotorá leste oeste com ele: 
fazemdo asy noso caminho, saltou ho vemto ao susueste, e por ser hum 
pouco escaco e o tempo ser já tarde, determiney de meter á orça quamto 
podese, e aferrar a terra do cabo, por nos pormos a balravemto, e com 
todolos vemtos éramos senhores da boca do estreito: fizemolo asy, e o 
vemto ás vezes era susueste e ás vezes era sull, e deixou nos aferrar a 
terra per sotavemto dabedalcuría. 



206 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Aferrada a costa na mãao, a fomos asy perlomgamdo, porqe minha 
temçam era, e comselho de martim memdez, que de mete atravesasemos 
adem, e o piloto mouro asy ho dezia, e levámos asaz de vemto que dito 
tenho, per espaço de três dias, com mar asaz, porqe as aguas corriam 
comtra vemto; e fazemdonos per este caminho dez legoas de mete, de- 
termynamos datravesar adem; e posto que ho piloto mouro disese que 
hó noroeste hiriamos dar em adem, quis me eu ter a halravemto d adem, 
porque escorremdo adem, nam podia tornar cos levamtes a ele: e mam- 
dey fazer ho caminho do nomoroeste, e huum dia á noute leixey a costa 
e cortey aqela noute e o outro dia e a outra noute logo seguimte com 
pouca vela, e amanhecy sôbela costa no mesmo lugar em que ho piloto 
mouro disse que hia tomar por aqele Rumo, que he amtre canacany e 
hua serra que se chama darzina, e fyzemos aqele dia noso caminho ao 
lomgo da costa: quamdo veyo a noute, por nam escorrermos adem, lam- 
çamos has nãos de mar a través em pairo, e jouuemos toda aqela noute 
até pola menham qe nos fizemos á vela; e caminhamdo asy, ao sol posto 
ouuemos vista da ilha d adem, e parece nos que nam era bem irmos de 
noute sobrela, por nam sabermos ho porto e ser armada gramde, e ao 
sorjir de noute no porto nam darmos huuns por outros ; e amaynamos to- 
dalas velas, com fumdamemto daqela noute pairar: veyo pêro d alboqerqe 
á minha nao no seu batell, dizemdo que hachara fumdo de xxxb braças ^: 
cerramdose a noute, fiz synall ás naaos qe se fizesem á vela cos traqetes, 
e cos prumos na mãao fomos cortam do por aquele parcell atá tocar ho 
prumo em catorze braças jumto com ho porto d adem: éramos já semti- 
dos, e fizeram nos os mouros d adem foroll em outra pomta, cuidamdo qe 
ho iryamos nós demamdar e escorrer ho porto: estivemos aly surtos até 
pola menham, dia de sesta feira demdoemças, e nos fizemos todos á vela, 
6 postas em armas todalas naaos e jemte, cuidamdo que hachasemos hy 
outra jemte de fora; e tomamdo todalas nãos pouso, alguas nãos s emba- 
raçavam com outras ao surjyr; e polas nãos serem gramdes, e muitas as 
que bestavam em adem e terem tomado ho pouso abrigado do levamte, 
ficámos nós huum pouco de fora: e posto que ha jemte posta em armas 
quysera logo pôr as mãaos ha obra, a mim me pareceo por aqele dia boom 
coinselho segurar bem as naaos d amarra, desembaraçamdo se htluas das 
outras, por tall qe acudimdo alguum levamte Rijo nam se fizese algum 

1 Trinta e cinco braças. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 207 

mao Recado ; e alguuos foram neste parecer, e outros que l(^o se devia 
cometer a cidade; e eu folgara muyto, por ser sesta feira, dia da paixam 
de DOSO senhor^ senam fora ho segurar as nãos d amarra, em que tamto 
hia ; e depois sayo boom comselho, porque vemtou ho levamte Rijo ; e ai* 
guuas nãos surjiram três ou quatro amcoras hó mar, e pasou logo ho 
tempo. 

No mesmo dia de sesta feira me mamdou miramerjaam, governa*- 
dor d adem, dizer, qe era ho qe qeria, e mamdou huum mouro de cana- 
nor conhecer qem era; e eu lhe mamdey dizer qe era ho capitam jerall 
das imdias per mamdado de vosa alteza, e qe aqela armada eram nãos 
da ordenamça da imdia, que vinha em busca dos Rumis e da sua armada, 
e que os avia diir buscar até judá e suez, a ver será verdade ho qe de* 
ziam os mouros, que fazia ho soldam armada comtra nós em suez: tor- 
nou se ho seu misijeiro e deu lhe esta reposta minha, e tornou outra vez 
com hum presemte de limõees, laramjas, galynhas, carneiros, e eu duui* 
dey de ho aceitar, dizemdo qe nam era meu custume tomar presemtes de 
lugares e senhores com qe nam tinhamos paz asemtada: ele me Respom- 
deo que dezia miramarjam que ha cidade era de vos alteza, e qe tudo se 
avia de fazer ho qe eu quisese: emtam lhe respomdy que oulhase bem ho 
que dezia, que com aqela comdiçam lhe Recebia ho presemte, e qe disese 
a miramerjam que se ele estava á obediemcia de vos alteza, qe abryse as 
portas e recebese vosa bamdeira e jemte na cidade ; e asy mamdey dizer 
aos mercadores das naaos, poios tirar fora da cidade, qe eu lhe dava se* 
guro a suas naaos, poios tirar fora da cidade, e qe eu lhe dava iso mesmo 
seguro a suas pesoas qe se viesem pêra suas naaos: myramerjaam me 
respomdeo que era do xeqe; se eu algSua cousa qerya, qe ele me viria 
falar á Rybeira com ix homeens, e qe eu nam levase mais doutros vimte: 
eu lhe respomdy que era escusado vermonos ambos de dous em outro 
cabo senam demtro na cidade ; e asy se foram os misijeyros com esta re- 
posta, e nam tornaram mais a mim; e os mercadores me mamdaram di- 
zer qe as naaos eram já emtradas dos nosos, e qe nam ousavam de viir 
a elas. 

Sobre adem nam ouuemos pratica nem comselho do qe aviamos de 
fazer, porqe em çacotorá estive com todolos capitães sobrese feito, porqe 
em cousa tamanha como he adem, e qe tam prestes tem ho socorro, de 
lomje deviamos de trazer determinado ho qe ouuesemos de fazer; no quail 
comselho asynado por todos determinamos de lhe pomnos a& nmús, che^ 



208 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

gamdo sobrele, nam vemdo nós cousa que impidise noso comselho e de- 
terminaçam. E portamto oaqela sesta feira em qe chegámos, nam ouue 
hy outro comselho senam todos nos poermos em armas pêra vos servir 
com bOoa vomtade e com a obra; somemte ficámos em comcerto de ho 
combatermos por dous lugares^ e fazermos da nosa jemte três batalhas: 
dom garcia com certos capitães e jemte, e eu com outros tamtos, e Ruy 
gomçalues e joham fidalgo com a jemte da ordenamça, que haviamos d es- 
calar e combater ho lugar por duas partes: dom garcia pola parte da mão 
dereita, e eu com ha outra Jemte da bamda da mão esqerda, todolos ca- 
pytães com suas escadas, e a jemte da ordenamça com sua escada per sy: 
e recolhemos muitas barcaças pêra pôr a jemte em terra, porque os ba- 
tees nam abastavam; e dey á jemte da ordenamça duas barcaças gram- 
des, com qe se carregam as naaos em adem: levámos bamcos pimchados, 
pees de cabra, alviOees, picõees pêra derribarmos huum lamço de muro 
com pólvora. 

Pasado ho dia de sesta feira, quamdo veyo a noute mamdey cha- 
mar os capitães, porqe me pareceo pola necesidade d agua qe amtre nós 
avia, ganhamdo ha cidade, se nam tomasemos a porta da serra, qe todo 
DOSO feito era nada, e que de necesidade nos tornaríamos Recolher aas 
naaos; e ficamdo em qebra com adem, polo tempo ser já gastado, nam 
sabiamos por emtam domde nos Reformar d agua; e este impydimemto 
que mamim soo tocou, domde me parecia que armada e jemte se punha 
em comdiçam, me fez mamdalos chamar, e lhes dise a eles somemte, que 
a nós nos comvynha pelejar bem, e qe se nam ganhasemos ha porta, qe 
nam tinhamos nada feito, porque poderiam meter na cidade tam gram 
peso de jemte, que ho nam poderíamos nós sofrer; e asy lhe pus diamte 
ho pejo qe acima dyto tenho: a todos-lhe pareceo que ho feito se pode- 
ria acabar, e que as outras cousas noso senhor nos proueria, e algua agua 
se poderia na cidade achar, ou mercadores da terra firme a poderyam 
negocear pêra sy e pêra nós; e começámos amtre todos de nos comfiar 
huuns aos outros sobreste caso qe lhes pus diamte, por omde determiná- 
mos de hó sábado, em amanhecendo, pôr as mãaos e as escadas hó muro. 

Prestes todos e comcertados como tinhamos ordenado, semdo duas 
oras amte menhãa mandey tocar húua trombeta na minha naao, e toda a 
jemte se armou, e comeo e bebeo, até que começou de romper alva do 
dia, e embarcámos todos; e porqe me pareceo qe éramos pouca jemte e 
poucas escadas pêra escalar ho muro, e a cidade e pouo posto em ar- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 209 

roas, e qe escalamdo por duas parles, nam poderíamos poer jemte de huum 
golpe em cima do muro, pêra que ousase de correr ho muro e decer dem- 
tro, déterminey de todos jumtos darmos combate por hum lugar, por lall 
que ha jemte fose dobrada ho muro, e podesemos socorrer huuns aos ou- 
tros, e filo asy: jumtamemte fomos todos dereitos ho muro, e polo mar 
ser aparcelado tocaram hos nosos batees huum tiro de besta do muro, e 
a jemte desembarcou toda pola agua, que nos fez asaz de dano aos es- 
pimgardeiros, qe se lhe molhou toda a pólvora, e á jemte homrada, que 
sayo toda molhada. 

Desembarcados todos os capitãees, como valemtes cavaleiros e cria- 
dos de vos alteza, desejadores de vos servir, como se aly viram presemte 
vos alteza, tomaram suas escadas muy prestes e pôs cada huum a sua no 
muro, e foram eles os primeiros da escada, do qe me a mi bem pesou, 
porque eles fizeram seu dever como cavaleiros, e a sua jemte ficou logo 
desarramjada ao pee do muro ; e alguuns cavaleiros e fidalgos poseram os 
pees em cima no muro com seus capitães: joham fidalgo com ha jemte da 
ordenamça e seus cabos d esquadra, a qe eu emtreguey huua muito gramde 
e muilo larga escada que podiam ir seis homeens a par, fez também seu 
dever, porque Ruy gomçalvez era doemte, e pôs sua escada no muro, e 
sobio per ela primeiro sua bamdeira e jemte das picas com ela; e alguua 
outra jemte da ordenamça até cemtomeens atravesaram huua pomta de 
huua Rocha qe vem emtestar no muro, por omde lyjeiramemte poderam 
decer demtro á cidade, semdo capitam deles amryque homem, qe eu quá 
mety na ordenamça por capitam de certa jemte, e amda ha ordenamça 
de Ruy gomçalvez e joham fidalgo, ordenados por vosa alteza. 

Postas asy as escadas ao muro e a jemte com muy bõoa vomtade 
pegada no muro, desejosa de vos servir, e sobiram polas escadas, traba- 
Ihamdose de qeno faria primeiro: foy tam gramde ho peso da jemte nas 
escadas que qebraram as escadas jumtamemte todas, e asy ha da orde- 
namça, que era escada qe de cada vez podia lamçar cemtomeens em cima 
do muro, e foy socorryda per meu mamdado, quamdo vy tam gram peso 
de jemte sobrela, pola jemte das alabardas, que sam homeens da minha 
guarda, os quaees se poseram de htlua bamda e d outra com as alabar- 
das a pomtoala, e todavia qebrou, e fez em pedaços as alabardas, e fica- 
ram mall tratados hos homeens delas. 

Dom garcia, meu sobrinho, com os capitães que com ele eram perto 
de mim, naqele lamço de muro mamdou pôr suas escadas ; apertou com 

27 



210 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

sud jemte Rijamemte ao combate omde ôs mouros tinham toda sua força 
de jemte, porqe está naqele lugar está (sic) hua porta qe eles tem por pro- 
fecia que por aly se ha de ganhar adem, a quall porta dom garcia temtou 
de ha qebrar e achou a forrada de parede por demtro : tynham aly peso de 
jemte, e todavia lhe fizeram despejar ho alto de seu muro, qebrar as es- 
cadas CO peso da jemte, foy ferido dom garcia e alguua parte dos seus; 
por os mouros terem aly sua força, recebeu aquy a nosa jemie mais dano 
qe em outra parte: quamdo dom garcia vyo que aly nam podia aprovei- 
tar, correo ao lomgo do muro comtra omde eu estava, e asy ferydo e mall- 
tratado como eslava, nele esteve aqele dia depois d ajuda de noso senhor 
ho remédio dalguns fidalgos e cavaleiros que no cubelo ficavam; e o que 
me mais dele aqele dia pareceo, nano ouso de dizer, porque he meu so- 
brynho; somemte digo, senhor, que dom garcia he hua pesoa domem 
de qe vos alteza deve de comfiar em quallquer parte gramde peso de ne- 
gocio e jemte, porqe me parece homem pêra muito mais: he muito amado 
dos homeens, e tam conhecido dos Kex da imdia e tam estimado am- 
treles, que lodos lhe esprevem e ho mandam vesitar; e sobrele carrega 
agora ho negocio da imdia, de que vosa alteza deve fazer muy gram 
fumdamemto. 

Quebradas as escadas, ficaryam no muro até l** homeens *, capi- 
tãees, cavaleiros e fidalgos e jemte homrada; descomfiados de socorro 
poucos deceram abaixo do muro, amtes alguns se recollieram a huum cu- 
belo, fazemdose aly fortes; e eu mamdey destapar certas bombardeyras 
do muro e de huum baluarte, e mamdey tyrar huua bombarda dos mu- 
ros pêra fora, por despejar a bombardeira; e aly acodio a jemte muy pres- 
tes e muy Rijo a qerer emtrar polas bombardeiras, omde tive maão a nam 
dar lugar senam a besteiros e espimgardeiros quamtos podia, e joham de 
tayde e alguuns homeens de bem com ele. 

Viram os mouros a pouca jemte no muro, e vyram as nosas esca- 
das qebradas, e acodiram Rijo ao pee do seu muro a defemder as bom- 
bardeiras, e pelejaram bem sobre ese feito; e os nosos, porque os mais 
deles escalaram com espadas e adargas, sem lamças, nam poderam tolher 
que nam defemdesem as bombardeyras muy bem, omde morreram mui- 
tos despimgardas e setadas polas mesmas bombardeiras; e nisto decoram 
abaixo do muro jorje da sylveira, aires da silva, dom joham de lyma, vi- 

^ Gincoenta homens. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 211 

cente dalboqerqe, dom joham deça, Ruy galvam, joham de meira, Ruy 
palha, joham de tayde, manoel da cosUi, feitor das presas, joham gora- 
çaluez, criado de dom marlinho, Irystam de miramda, aluoro de crasto, 
louremço godinho, gill symõees, e deram nos mouros, e derybanm per 
hum terreiro bõoa soma deles, alé os meterem polas Iramqeiras das suas 
Ruas: os mouros qaamdo viram qe aqeles nam eram socorridos e as es- 
cadas eram j|ebradas, e a jemte da ordenamça que emcavalgara a serra 
nam decia abaixo, sayo ho capitam d adem a cavalo com hum golpe de 
jemte e deu nos nosos, e eses poucos cavaleiros e fidalgos qe se hy acer- 
taram, tiveram os Rostos qedos neles e pelejaram bem com eles per huum 
espaço, omde feryram e derribaram alguuns mouros, e feriram mira mer- 
jam; e creceo ho peso tam gramde da jemte. qe eles se Recolheram ao 
muro, semdo já ferido aires da sylva, dom joham de lyma, joham de meira 
6 o mestre da madanela e huum goromete e huum homem de húua pica 
da ordenamça, e jorje da sylveira que haly faleceo. 

Recolhidos asy estes fidalgos e cavaleiros ao muro, garcia de sousa, 
amtonio raposo, duarte de melo, gaspar cam, joham gomçalvez, diogo es- 
taco e dous homens, e diogo d amdrade e joham de sousa e amdré corrèa, 
se fizeram fortes em hum cubelo, e os mouros se achegaram Rijo ao pee 
do muro; e polo chão ser mais alto da parte de demtro que da parte de 
fora^ fycava ho amdar do muro muy baixo ; e por alguuns dos nosos nam 
terem lanças, por escalarem com espadas e adargas, e receberam assaz 
de dano de pedradas e de frechadas, e com alguns zagumchos se achega- 
vam ousadamemte os mouros: a jemte da ordenamça que no cutelo da 
serra estava, se reteve atrás, porqe acudio peso de jemte dos mouros pola 
serra, e com pedras os tratavam muy mall. 

Neste tempo nos trabalhamos dom garcia e eu por remedear o feito 
quamto fosse posivell, e com troços d escadas qebradas atadas huas nas 
outras podemos socorrer aos do muro com huua escada por omde se re- 
colheram; e recolhidos, ouue hy jemte qe qysera outra vez tornar ao muro, 
e foy tamta a jemte na escada, que quys sobir, que outra vez ha fizeram 
em pedaços, e eu dey volta sobre a jemte da ordenamça que deceo da 
serra, a fazei a outra vez volver, e nam pude acabar ese feito, tam desor- 
denada amdava já a jemte: volvy outra vez sobre dom garcia, ho quall 
já tinha remedeado huua escada e cordas aos do cubelo, e pola escada 
ficar huum pouco curta os do cubelo saproueitaram das cordas, e se sal- 
varam per elas; e atá emtam os mouros nos tinham feito muy pouco dano, 

27 



212 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

e nós a eles muita jemte morta e feryda de bestas e espimgardas e boas 
lamçadas e cutiladas; e alguum nojo nos fizeram com duas bombardas qe 
jugâvam ao lomgo do seu muro pelo resteiro, em tall maneira que nos 
afadigaram com elas ; e nam sabia se Remedease estes capitãees, cavalei- 
ros e fidalgos, e dom garcia que hy era pegado no pé do muro, damdo 
pressa ao combale, ou se acodise aos de cima do muro; e daquy recebe- 
mos alguum dano: durou ho combate dês da ora que posemos as escadas 
até quatro oras do dia, qe afastey a jemte do combate já càmsada, sem 
termos escadas, nem maneira de Ih emtrar ho muro, e gramde calma, e 
huum pouco comtra suas vomtades, desejosa de tornar ho feito, e embar- 
cámos em nosos batees muy de vagar, e a maré era já pegada comnosco 
no muro ; e por huum boom espaço fomos emtrar nos batees, polo mar 
ser aly aparcelado, e nam nos poderem vir tomar ao pee do muro ; e asy, 
senhor, que deste feito nam tçnho mais que sprever a vosa alteza, so 
memte que os mouros defemderam mall ho alto de seus muros, e os vo- 
sos capitãees, cavaleiros e fidalgos lho ganharam muy prestes, e defem- 
deram muy bem ho pe de seu muro, quamdo viram as escadas qebradas, 
e a jemte que avia de socorrer hua á outra, atalhada. 

Recolhidos asy aas naaos, outro dia mamdey jemte a terra sobre a 
torre e baluarte de molde qe tem feito, domde nos tiravam assaz de bom- 
bardas, polas nãos estarem pegadas com ela; e mamdey haas nãos que 
com artelharia grosa ajudassem aa nosa jemte, e tiravam ao alto da torre, 
e foy muy prestes ganhada, omde lhe tomámos xxxbj bombardas * gros- 
sas, delas de gramdura de pedra dos nosos camelos, e outras pouco me- 
nos, e a tivemos asy até nosa partida, e asy todalas naaos do porto que 
estavam cos proyzes no molde : he cousa muito forte ; se ho quiserem bem 
defemder, será trabalhoso de ganhar. 

Acabado este feito, os capitãees, cavaleiros e fydalgos quiseram dar 
outro combate á cidade, e quyseram qe leváramos artelharia grossa, bam- 
cos pimchados, pees de cabra, alviõees e pólvora, pêra lhe darmos com 
huum lamço de muro no chão, ou lhe qebrarmos as portas da cidade, e 
emtrarmos com eles per força; e eu nam quys por alguuas rezõees qe 
ma iso moveram, e a prymcipall, porqe eu estava mais cercado qe os 
d adem e em mayor necesidade por nam ter agua, e a mouçam dos le- 
vamtes ir se gastamdo^ e punha em comdiçam armada e jemte, se huum 

1 Trinta e seis bombardas. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 213 

soo dia mais estivese sobradem, porqe pêra tomar atrás, avia d aguardar 
dous meses e meyo, e pêra emtrar ho estreito estava já na &m dos levam- 
tes ; e posto qe lhe tivéssemos as portas do mar e porto cerrado, tinham 
eles muy abertas a do sertam, pêra lhe vir quamto socorro quysese. 

Ho qe poso dizer do feito d adem a vos alteza, he qe foy a milhor 
cometida cousa e mais prestes do qe ho vos alteza pôde cuidar; e todos 
eses capitãees, cavaleiros e fidalgos pegados no muro, e o emtraram tam 
ousadamemte e com tam to esforço e desejos de vos servir, como se vos al- 
teza em pesoa estivera aly e os vira; e a furtuna, emvejosa de suas hom- 
ras, quys qe qebrasem as escadas jumtamemte todas, porqe, sem comtra- 
diçam, com ajuda de noso senhor tínhamos ho feito acabado, qe na cidade 
nam avia jemte pêra nas Ruas delas ousarem de pelejar comnosco, aímda 
que avia já três dias qe éramos semtídos e vystos na costa em qe estaa a 
serra qe se chama Darzina, qe viemos demamdar, e comtudo nam lhe era 
vimdo imda peso de jemte de socorro, com qe bem nam poderamos, 
aimda qe nam éramos mais de mill e setec^mtos homeens brancos, e nam 
saymos todos em terra por mingua dembarcaçam; mas os desejos de vos 
servir nos faziam dobrada a jemte, e as escadas nam qebraram senam de 
peso de jemte, qe desejava de vos fazer asynado serviço aqele dia. 

Neste tempo vieram alguuas naaos da imdia demamdar o porto, e 
todalas recolhemos, e daly em diamte nos trabalhamos baas toas por sair 
pêra fora, e de demtro da cidade nos tiravam com tiros grosos e furyo- 
sos ; e postos asy de fora, eu me fiz á vela caminho do estreito, sem mais 
neste feito ter pratica nem comselho, porqe me pareceo por emtam asy 
voso serviço; e amtes qe me partisse, q^ymey toddas naaos d adem, e asy 
outras qe tomey de novo, qe seriam per todas vimta nove naaos muy gro- 
sas e muy gramdes, e dey primeiro lugar aos mestres qe s aproveytasem 
dos aparelhos e cousas de qe tivesem necesidade, e asy aos capitãees e 
jemte desa mercadaria que imda estava por descarregar nas nãos, que ha 
baldeasem nas suas : acabaram aly as nãos grosas do xeqe todas e outras 
doutras paites, e asy tomamos nãos de barbara e zeila carregadas de 
mamtimemtos muitos e boons, de qe tinhamos assaz necesidade. 

Neste tempo qe asy estive diamte d adem, mamdey ver a pomte qe 
está trás as costas d adem, e porto eycelemte de todolos vemtos cerrado, 
a qe os mouros chamam hujufu: foy a iso manoel de lacerda, symam 
damdrade, symam velho, pêro da fomseqa, e acharam huum esteiro muito 
estreito e de pouca agua de baixa maar, e todavia chegaram domde vi- 



214 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

ram os piares da pomte por omde pasam os camelos com mamtímemtos 
e agua da terra firme á cidade, posto qe de demtro da pomle por omde 
vem o cano d agua, estaa hua alverqa de cantaria feita, em qe o cano vem 
verter agua, domde ha os camelos levam pêra a cidade, e fizeram lhe com 
artelharia leixar o caminho que vay ter á porta da cidade; e os camelos 
rodearam hum cutelo de huua serra, e vynham sair á porta da cydade, e 
outros camelos vynham com mamtymemtos da terra firme, e faziam seu 
caminho por hum campo e per htlua estrada larga da terra firme qe vem 
por fora pelo campo, e vinham áqele mesmo caminho per detrás da serra, 
sem pasar a pomte nem agua nehuua, em tall maneira qe adem nam he 
ilha, porqe estamdo nós no porto pousados, vimos os batees da outra 
bamda da pomte, e jemte e camelos ir e vir pola estrada e campo da terra 
firme e emtrar pola porta da serra; e estes capilãees que aly mamdey, to- 
maram alguuas naaos de barbara e zeila carregadas de mamtimemtos, e 
tomaram os mamtimemtos e poseram ho fogo ás nãos e se vieram. 

Visto isto tudo, chegamdo capitãees, me fiz á vela caminho < a porta 
do estreito, e posto qe fose caminho de huum dia e huua noute, pus nele 
dous dias, por guardar ho custume de descobrydor ; porque toda esa costa 
per hy he limpa e parcell de boom fumdo pêra sorjir em quallqer parte; 
e chegamos ha porta do estreito e lhe fyzemos toda a festa d artelharia e 
trombetas e bamdeiras qe bem podemos: sorjimos de demtro da porta do 
estreito por aqele dia no pouso dos leuamtes, todos jumtos; e nós surtos, 
vem hua nao de mouros demamdar a porta, e qeremdo abocar a porta do 
estreito, ouue vista de nós que estávamos surtos, e teve se a orça, e sorjyo 
detrás da ilha qe estaa na boca do estreito, a qe os mouros chamam myvm ; 
e por estarmos a sotavemto e nam podermos ir a ela, se salvou ; e até 
emtam nam era diamte de nós senam huua soo nao de dabuU, todalas ou- 
tras eram atrás de todalas partes, que a judá aviam de vir com espicia- 
ryas; e nam ousamos aly esperar hum soo dia mais, que ho tempo e a 
necesidade d agua me tinha posto em gramde afromta, por ser terra nova 
que aviamos de descobrir co prumo na raãao, em terra em que hy nam 
ha agua, nem por entam nam tinhamos sabido outra senam dizerem os 
mouros que havia em camaram ; e nas nãos de barbara e zeyla tomámos 
pilotos do estreito, qe quá chamam Rubãees, homeens conhecedores dos 
baixos e dos pousos e dos portos, e comtudo huua nao de chavU que tra- 
zia tomada, que depois alarguey por nam trazer espiciaria nehuua e ser 
de lugar trebutareo de vos alteza, mamdey a com xx homens escomdidos 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 2 1 5 

diâmte de mim á porta do estreito^ pêra me tomarem buam Robam, porqe 
moram aly todos, e com buum dos judeos que trago por lymgua, que se 
já tornou cristão; e todalas nãos qe o nitram bo estreito os vem aly tomar: 
cbegamdo ba nao ba porta, emtrou logo buum Robam nela, e os nosos 
se alevamtaram logo domde estavam escomdydos, e lamçaram mãao dele, 
e após isto cbegámos nós, e era muy boom bomem e sabia muy bem seu 
oficio; moram aly na porta do estreito, e vivem per este oficio, e tomam- 
nos aly as nãos que navegam pêra o estreito, e levam xxb S xxx cruza- 
dos até judá. 

Daly nos partimos e fizemos noso caminbo polo mar a qe eles cba- 
mam largo, qe be a meyo estreito, vemdo sempre a costa da ilba d arábia 
e a costa de preste jobam ; e biamos demamdar bua ilba que se cbama 
jebelzocor, e jaz a meyo estreito, omde surjem as nãos qe vam pêra judá: 
nan a podemos aver aqele dia, e por sermos muy tas naaos e nam amco- 
rarmos de noute sobre ilha e terra qe nam tinhamos descoberta, pedy aos 
Rubãees qe me desem porto, e emtam arribamos sobre a terra d arábia, 
e aly pusamos em fuujdo doyto braças, dez braças, doze braças, detrás 
de buua pomta, qe nos abrigava dos levamtes, e aly istivemos aqela noute 
surtos todos jumtos, omde achamos certas nãos de barbara e zeila, que 
biam carregadas de mamtimemtos e moços e molberes da terra de preste 
jobam, qe biam vemder a judá e meqa: tomamos os mamtimemtos e mo- 
ços e molberes da terra de preste jobam qe bybam vemder a judá e a 
meqa, e os mouros se salvaram a nado, e mamdeilbe tomar os mamti- 
memtos e pôr bo fogo á^ naaos; e mamdey aly decepar as mãaos a cer- 
tos mouros da terra do xeqe d adem e cortar as orelhas e os naryzes, e 
lamçalos na terra d adem, e a todolos outros qe se tomaram de demtro do 
mar roxo, fiz bo semelhamte, tiramdo os de camaram, qe deses m espe- 
rava aproveitar em nosa navegaçam. 

E por meyo estreito, a qe os mouros chamam mar largo, vemdo sem- 
pre a costa da terra de preste jobam e da bamda da terra d arábia, fize- 
mos noso caminho via de camaram, e ouuemos vista da ilha de jebelço- 
cor, omde os Rubães deziam que fose sorjir; e case tamlo avamte com 
ela ouve por milbor comselbo arribar sobre a terra e sorjir, porque bo 
vemto era ao lomgo da costa, e como era noute acalmava, e arreceey bo 
pouso da ilba ser piqeno e nam podermos todos sorjir nele, e aly omde 

^ Yínte e cinco. 



2 1 6 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

estávamos surtos vyamos a ilha; e a mim me pareceo qe nam poderya- 
mos aver pouso da ilha de dia, e os Rubãees me levaram em fumdo de 
dez braças, omde jouvemos surtos aqola noute perto da terra da bamda 
d arábia. 

Quamdo veyo outro dia pela menham, nos fizemos á vela, e fizemos 
DOSO caminho via de camaram; alargando nos em mar, nos achegámos 
jumto com a ilha de Jebelçocor, e fizemos noso caminho dereito a cama- 
ram. Semdo duas oras amtes de sol posto, pedy porto aos Rubãees, porqe 
sempre áqelas oras hia tomar pouso, por nam fazermos algum mao Recado 
de noute, polas nãos serem muytas, e tomarem pouso de dia; eles me le- 
varam ha hiiua emseada de huum lugar qe se chama luya, qe tem hua 
pomta e hiiua Restimga ao mar, e detrás dela he boom pouso de levam- 
tes: arribamos ha terra has oras qe dito tenho, e huum Rubam deles huum 
pouco leve quis se vemder emtam por mais sabedor que os outros, bra- 
damdo qe fossemos á orça quamto podesemos, e hiamos com ho prumo na 
mãao, e nam dobrávamos por aqele caminho a Restimga; e dom garcia 
qe era diamte, levou o ho seu Rubam ao porto verdadeiro; e imdo nós asy 
somdamdo, ho prumo mimguava de cada golpe três e quatro braças, como 
fumdo dalfaqes e nam parcell: quamdo vy ho fumdo asy mimguar de 
golpe, bradey ao navio Rosairo qe fose diamte de mim e qe somdase imdo, 
e ele ho fez bem mall, porqe ho noso prumo tocou oyto braças, e ao ou- 
tro golpe locou quatro e meya; e o noso piloto, nam muito esperto, de 
nam oulhar qe nam era parcell mas eram alfaqes, deu lugar ao comselho 
dos Rubãees, por omde eu mamdey fazer ho caminho, e o prumo tocamdo 
quatro braças e méa, a nao deu três pamcadas em huum bamco, e demos 
himdo á amcora, e as velas demos com elas d alto a baixo, e a nao afilou 
' sobre amarra e cayo em cimqo braças e meya, e nisto acudiram os bates 
deses navios, qe soijiram derredor de mim, a saber, lopo vaaz de sam- 
payo, dom joham deça, pêro da fomseqa, symam velho, femam gomez de 
lemos : alguuas naaos conheceram noso trabalho, e coryam de lomgo to- 
mamdo ho pouso omde estava dom garcia, somemte manoel de lacerda e 
aires da sylva e symam damdrade, qe sorjiram em pego, e mamdaram os 
seus bates a me ajudar; e outros ouue hy que ho nam fizeram tam bem. 

Yemdo asy ir as nãos de lomgo, aqelas qe tinham batees gramdes 
pêra portar nosas amcoras, deyxey emcarregada a nao a lopo vaz e a pêro 
da fomseqa e eses capitãees que hy eram, e a diogo femamdez, que posto 
qe estivese muito ferydo de htlua espimgardada em adem» sayo acima e 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 217 

mamdou muy bem a nao, e trabalhou muyto pola sua salvaçam; e logo 
aly ouuemos comselho, quo damdo bua toa a madanela, alamdose a nao 
a ela, sayria em desaseis braças; e o piloto da nao ho fez como bom ho- 
mem, e trabalhou niso maravylhosamente, e saltou logo em hum esqyfy 
e somdou tudo de redor da nao, e achou bõoa sayda per aly, por acor- 
darmos de dar bua toa: emtam me mety em huum navio piqeno dos de 
goa e fiz lhe dar as velas, e alcamcey as naàos e filas sorgir e amaynar, 
dizemdo alguuas palavras aos capitães qe ao tempo comvynham, e nisto 
a nao s atoou, e nosa Senhora da guadelupe e nosa Senhora da serra a 
tiraram em muy pouco tempo e espaço em fumdo de catorze ou quymze 
braças, e ajuda de cavaleiros e fidalgos è jemte homrada qe nela hia, qe 
jumtamemte trabalharam lodos como homeens de bem e em qe avia es- 
forço e omrra, porqe os marynheiros naqele tempo todos vam buscar as 
suas caixas; e a nao nam fez s^ua nehuua, e ficou tam estamqe como 
quamdo partio de purtugall, porqe has três pamcadas nam foram senam 
muy piqena cousa, somemte quamto ha naao fumdiava ao pasar daquele 
bamco: dom garcia nam soube disto nada, porque era diamte, e estava 
no pouso verdadeiro, nem me poderá socorrer, aimda qe quisera, porqe 
ele estava surto a sotavemto de mim. 

Ao outro dia nps fizemos todos á vela, e viemos sorjir jumto com 
camaram, e estivemos aly aqela noute: tamto que surjimos, mamdey cer- 
tos batees armados e á vela, porqe via sair jelbas do porto de camaram 
á vela, e cuidamos qe era a nao de dabull qe vinha diamte de nós e hia 
a çuaqem com Roupa; e os batees tomaram alguuns barcos da mesma 
ilha que passavam a jemte da ilha ha terra firme, e tomaram hy certos 
mouros e mouras e alguuns Rubãees, e detiveram ahy hfla nao do soldam 
do cairo da feiçam das do mar Roxo, e outra nao gramde de mercadores, 
e duas novas, varadas em terra; e ao outro dia, depois de somdado ho 
caminho e o pouso pelos nosos pylotos, viemos surjir no porto de cama- 
ram, e ao outro dia nos leixaram os levamtes e começaram de vemtar os 
ponemtes. 

E posto qe fosse no cabo dos levamtes, os pilotos mouros que tra- 
zia, e os Rubãees de demtro do estreyto me poseram esperamça qe ave- 
ria hy levamtes que me levasem a judá, suez e ao tor, que trabalbase por 
tomar nosa agua ho mais cedo qe ser podese; e dey nese feito tam gramde 
presa e delygemcia, qe em sete dias tomamos todos nosa agua, e daly 
avamte nam bebemos agua das nãos senam sempre da terra; e com as 

28 



/ 



218 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

vergas dalto e nosas amcoras a píqe, aguardamdo a mercê de deus, aly 
ouueaios gramde abastamça de carne de cabras e camelos, que habastou 
a tod armada; e alguuns mouros e mouras que nam tiveram tempo pêra 
pasar á terra firme, se tomaram depois na ilha, amtre os quaees se tomou 
huum homem homrado, que foy xeqe e senhor da ilha de dalaca e de me- 
çuá e das ilhas da pescaria do aljôfar, e hum seu sobrynho: perdeo sua 
terra, porqe ho xeque d adem deu ajuda ao qe agora estaa por senhor da 
terra, que ho desbaratou e ho lamçou fora dela, e paga páreas ao xeqe 
d adem. 

Pasados asy alguuns dias que vy qé os levamtes nam vynham, certo, 
senhor, eu magastey bem, porqe até emtam pola mayor parte sempre 
vemtaram oestes, oesuduestes, e sôbela tarde volvia o vemto ao noroeste 
e ao norte; e parece me que os pilotos e Rubãees me tinham emganado, 
e que de fóia da ilha hiam outros veratos; emtam determiney de mam- 
dar a caravela de fora da ilha ver os vemtos que lá vemtavam fora, e 
achou os meamos vemtos, porque ha ilha de camaram he toda Raza case 
ao olivell do mar, e os vemtos qe de fora corryam, eses mesmos tinhamos 
aly; e daly alguuns dias começou de vemtar levamtes, e nos fizemos to- 
dos á vela, e saymos de fora per amtre huuas ilhas e coroas d areia, lu- 
gar asaz bem apertado pêra as nosas naaos, e fomos sorjir a hfluas ilhas 
que estam fora na sayda pêra o mar largo, e jaziamos amcorados em 
f umdo de xxx e xxb * e xx e xb * braças : os vemtos tornaram logo ao po- 
nemte, oeste, oesnoroeste, e sobre noute norte e nomoroeste, e aly esti- 
vemos surtos xxij dias, aguardamdo a mercê de deus: ás vezes nos vinha 
vemto Rijo á maneira de viraçam, qe durava três e quatro oras, e tornava 
logo a calmar, e por as nãos estarem em fumdo alio, alguuas comsemtiam 
d amara: nestes dias mamdey joham gomez na caravela ao mar e o piloto 
domimgos fernamdez, que fosem ver mar e vemto qe hia de fora, e che- 
gasem a htlua ilha qe chamam ceibam, qe está no meyo do estreito e na- 
vegaçam pêra judá e pêra suez e pêra todas aqelas partes, e fizerano asy: 
de huua volta na outra cobraram a ilha, e toTnaram somda derredor dela, 
e volveram logo omde eu estava, gastados os dias determinados por mym, 
e acharam as mesmas bonamças que nós tinhamos, e somda derredor da 
ilha, e nam acharam força d agua qe corresem pêra bua bamda nem pêra 



* Vinte e cinco 
^ Quinze. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 219 

a outra, que nos deu assaz esforço pêra nosa determinaçam, avemdo hy 
vemlo, pêra nua volta e na outra podermos cobrar judá, ou ao menos da- 
laca e meçuá e a terra e portos de preste joão, ou em quallquer outro 
lugar daqela costa e terra do preste joham, qe se chama arquyqo e jaz 
fromteira na ilha de dalaca e da ilha de meçuá. 

Gastados os dias qe dito tenho, nos faleceo agua e volvemos a ca- 
maram tomar agua, omde achamos duas nãos da feiçam das de cambaya, 
sem jemte e achegadas á terra firme, e pouco fato nelas: vynham de ji- 
zem, que he navegaçam de dous dias de camaram comtra judá, terra e 
porto de huum xerife daqela terra de jizem, e qeryam sair pêra adem; 
e tomamos nossa agua ho mais prestes qe podemos, e volvemos logo ao 
lugar que dito tenho, com huua bafujem de terrenho que nos lá pôs, di- 
zemdome os Rubãees e pilotos, que saymdo hflua estrela ao sull, a que 
eles chamam turia, viryam dous ou três dias de levamte, qe ao menos 
nos poeryam na terra de preste joham da bamda dalém, navegaçam de 
dous dias e bua noule; e aguardamos aly alguuns dias que nos vyese 
tempo pêra atravesarmos ; e estamdo asy naqele lugar surtos, comtra a 
terra de preste joham nos apareceo huum synall no ceo de bua cruz desta 
feyçam, muy crara e respramdecemte, e veyo bua nuvem sobrela; che- 
gamdo a ela, se partio em partes, sem tocar na cruz •nem lhe cobrir sua 
crarydade; foy vista de muytas naaos, e muita jemte se asemtou em jyo- 
lhos e hadorou, e outros com devaçam adoraram com muitas lagrymas: 
mamdey tirar imquiryçam per todalas naaos, e a mayor parle delas s afir- 
maram verem ho synall da cruz estar por huum boom espaço muy crara 
e da feiçam e amostra qe aquy vay; e eu tomey daquy que a noso se- 
nhor aprazia fazermos aquele caminho, e qe nos mostrava aqele spall 
pêra aqela parte por omde savia por mais servido de nós; e como ho- 
meens de pouca fee nam ousamos de cometer o caminho, qe creo que has 
nosas nãos de bua volta na outra o poderam aver : e pecou isto também 
por ser já homem velho, vadeado da comdiçam e incrinaçõees dos ho- 
meens, porque asaz de descomtemtamemto me ficou de nam cometermos 
aqele caminho, porque me pareceo que ouueramos todavia a terra de 
preste joão da bamdalem (sic), omde fizéramos a deus e a vosa alteza 
muy gramde e muy asynado serviço, porque vejo ho feito da imdia levar 
hum caminho como cousa emderemçada per deus. 

Estive asy mesmo naqele lugar surto asaz de dias, aguardamdo a 
mercê de noso senhor, até que agua se gastou, e o mês de mayo em qe 

28* 



220 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

tínhamos alguua esperamça de boom tempo, era já acabado, e volvemos 
a camaram, já que os vemtos eram oesnoroestes e noroestes de todo po- 
nemtes: emtam aparelhamos aly nosas naaos, e demos pemdores àquelas 
que diso tynham necesydade; tomamos nosa agua huum pouco mais deva- 
gar: fizemos redes com qe pescávamos, e he lugar que ha hy avomdamça 
de pescado, e alguuns camelos que imda amdavam montados pela rlha, 
diso nos mamtinhamos, e comyamos muy bem ; e de todolos outros mamti- 
memtos tinhamos asaz, porque tomamos muitas naaos de mamtimemtos, 
que hiam pêra judá e meqa; e alguns mouros e mouras da ilha de cama 
ram me vieram Resgatar por mamtimemtos, e nos trouxeram muitas vacas, 
cabras e galynhas, huvas, pesegos, marmelos, Romãas, tâmaras e figos da 
imdia; e pasamos asy ho mês de junho e julho sem nehiia chuva, nem tempo 
em que nam podese amdar muy bem huum batell per todo ho mar Roxo. 
Volvido a camaram a segumda vez, feito fumdamemto de haparelhar 
nosas nãos pêra no mês d agosto sayrmos fora, determiney de mamdar a 
caravela tora ao mar, ver se podia aver algua jelba, pêra sabermoi algua 
nova da terra, porque ho estreito todo ano se navega com estas jelbas pi- 
qenas ao Remo e á vela, e levou por determinaçam minha ver se podia 
aver a ilha de dalaca e meçuá, e lhe dey huum Rubam da mesma terra; 
e nam fiz mais preposito nem fumdamemto nisto que mamdar joham go- 
mez e a caravela asy gastar alguns dias, e descobrir terra por ese estreito 
omde podese ; e ele se deu a tam boom Recado, e o fez tam bem, que 
ouue a ilha de dalaca e alguas ilhas per hy derre.dor, omde pescam ho al- 
jôfar, e nam pôde tomar nehua, porqe sam navios sotís e lijeiros, e me- 
terano por eses bayxos e cabeças darêa em tall maneira, qe nam foy polo 
caminho da verdadeira navegaçam, e chegou a dalaca, sorjio no porto, de 
fora de huuns baixos que ho porto tem, foy ho esqify da caravela em terra 
á fala com a jemte; nam curaram de pergumtar qem eram, porque dias 
avia que per todo ho estreito era sabyda nosa emtrada e avisado lugar, 
em tall maneira qe certefíco a vosa alteza, que barco nem almadia numca 
navegou ho mar, nem as aves nam pousavam no mar, tam asombrado foy 
ho mar roxo com nosa emtrada e tam ermo; somemte lhe pergumtaram 
qe qeryam: diselhe joham gomez, que vynha aly por meu mandado, se 
qeryam comprar alguas mercadarias, que lhas vemderiam. Respomde- 
ramlhe que na terra nam avia mercadores, senam jemte de guerra; e asy 
se despedio deles, e correo a ilha e descobryoa muy bem; e por nam levar 
certa determynaçam minha, nam se achegou á terra firme do preste jo- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 221 

ham, qe se chama arquiqo, que estava asy á sua vista como Ribatejo de 
lixboa; e meçuá jaz lá mais lomje demtro em huua emseada ao longo da 
costa caminho de huum dia. 

Acabado de ter tudo visto, e descuberlo todas esas ilhas per hy der- 
redor, se tornou polo caminho largo e de gramde fumdo por omde as nãos 
dos mercadores navegam, e mais nam fez que ho que dyto tenho, porque 
nam levava rrejimemto nem determinaçam minha, somemte descubrir ho 
caminho, com fumdamento da nosa hida lá, se algum vemto nos viese 
pêra podermos navegar, porqe, se fora de todo descomfiado do tempo, 
mandara este feito milhor provido, e omeens (|ue tinha já ordenado com 
Rejimemto e cartas pêra mamdar ao preste joham, os quacs poseram na 
terra firme em poder de capitãees seus, qe os levaram, e eu creo que ele 
fizera tudo, como homem de bem que ele he; e trouxe me dalaca pimtada, 
ilhas e mar, ho milhor qele pôde: lá ha mamdo a vosa alteza esa amostra. 

Estamdo asy em camaram, determiney desprever ao xeqe d adem 
sobre os cativos que lá tem, que se perderam no bargamtym de duarte 
de lemos; e huum mouro que tinha cativo com sua molher, lhe dise que 
eu lhe daria sua molher, se me levase huua carta ao xeqe e outra aos ca- 
tivos cristãos, e amdase no Resgate dos cristãos: era hum mercador que 
já outra vez cativey, e a rogo de miliquyás ho soltey, e tinha já alguum 
conhecimemto de mim: mamdeyo pôr na terra firme com as cartas e des- 
pesa pêra sua ida a huua terra que se chama zebit, terra omde ho xeqe 
d adem está, jornada de sete dias d adem: ho mouro chegou a casa do 
xeqe, e lhe deu minhas cartas, e tornou e omens do xeqe com ele, os 
quaes numca mais ho leixaram (alar comigo, nem vir á mynha nao, nem 
falar com nehum homem que lá mamdase, somemte amostravan o de 
lonje, e ele mamdava prometer cem pardaos por sua molher, ora mam- 
dava prometer duzemtos: reposta do xeqe nem dos cristãos me nam trouxe, 
nem menos lhe comsemtiam dar me rezão de nehua cousa destas per pa* 
lavra; e deram lhe lugar que mamdase galynhas e carneiros e vacas e hu- 
vas e marmelos e Romãas e toda fruyta da terra, e nam pude emtemder 
este negocio, somemte nam poder aver mais nehum Recado dos cristãos : 
ho qe soube deles, he que começaram de fojir amtes de minha vimda, e 
semdo em mar em huua jelba, os tomaram, e deram lhe a comer hdua 
viamda com qe os embebedaram, e estiveram três dias sem darem acordo 
de sy, e lhe fizeram ho synall de mouros emquamto asy jaziam sem 
acordo, e mais nam pude saber: diseramme que eram quatro ou cimqo. 



222 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Neste mesmo tempo que estive em camaram, mamdey fazer espe- 
ryemcia de cail aos pedreiros que trazia comigo, e achamos pedra em 
abastamça pêra a fazer, e das casas e mezquitas e adefycios amtigos muita 
camtaria e pedra: na ilha ha pouca lenha, somemte em hua terra alaga- 
dyça do mar em que ha mangues piqenos, nato, arvoredo disto; despo- 
sysam e lugar pêra forteleza, a mylhor do mumdo ; porto morto de todo- 
los vemtos, boom fumdo e booa temça das amcoras: a terra firme está 
tam perto como dalmada a lixboa; agua muita e em muitas partes da 
ilha, que em todalas outras ilhas do estreito nam ha, somemte em hilua 
ilha chegada mais a judá dous dias de camaram ha hy agua e alguns mo- 
radores: he do senhorio do xerife jyAím: na ilha de camaram ha gramde 
avomdamça de pescado boom ; em todas as outras ilhas nam ha hy agua 
por todo ho estreito, somemte em dalaca, nem menos em meçuá á hy 
agua; da terra firme do preste joham a trazem, que está tam perto da 
terra que pôde huum homem bradar e ouvilo na outra bamda: quamdo 
chove, recolhem agua em cizternas : a rezam por que nam fiz forteleza 
em camaram, em houtra carta ho direy a vos alteza mais largamemte. 

Em cumaram^ da primeira vez que chegámos, achámos quatro nãos 
gramdes: duas em mar, que eram do soldam do cairo; ho feitor seu, que 
está em judá, tratava fazemda do soldam nelas ; e outras duas, que esta- 
vam em terra correjemdose, como já dise: e asy achámos alguua merca- 
daria de Roupa do cairo, veludos, brocados, peças de pano de lynho com 
ourelas de seda, panos azuees de lynho com bamdas, outros panos de 
seda que chamam tafeciras, e panos de laam azuees e vermelho, cobre 
feito em pãees, gramde e mall feito: diseramme estes judeos do cairo que 
trago comigo por lymguas, qe era cobre fumdido no cairo de moeda do 
cairo, e que lhe mesturam chumbo pola qebra que ha na fumdiçam, por- 
que nam podem aver cobre no cairo, por nam virem as galés e nãos, como 
soyam, pola espiciaria. 

Aly em camaram tomámos mouros de judá, Rubãees e marynheiros, 
qe sabem a navegaçam e portos do mar Roxo ; deles avia dous meses que 
partiram de suez, e outros que emtam chegavam de judá e outros do tor; 
e de todalas partes tive nova: ho qe soube de judá, he qe ela he cercada 
da bamda da terra firme de muro e torres que lhe fez mira ocem: he lu- 
gar piqeno, a mayor parte casas de palha; tem hy ho soldam huum fei- 
tor qe terra vimte mamalucos; arrecada os dereitos da espiciaria; e os de- 
reitos de todalas outras mercadarias e mamtimemtos sam do xerife par- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 223 

cate, senhor de meqa, bo quall amda sempre em temda com eses alarves 
que vivem derredor da cidade de meqa; nam se fia da jemte do soldam, 
quamdo vem a cáfila, porque ho levaram já preso hua vez ho cairo; vem 
poucas vezes a judá: ho porto de judá he abrigado de todolos vem tos, 
cercado d arrecifes de pedra á maneira d ilhotes, aparcelado hum pouco 
pêra o lugar, em tall maneira que todalas nãos estam hum boom pedaço 
afastadas do lugar: de judá a meqa ha huum dia de caminho de huum 
homem a cavalo; e a pé e de camelos de carga he jornada de huum dia 
e meyo: em judá nam ha hy mamtimemtos, nem lhe vem da terra; todo 
provimemto he de zeyla.e barbara e de dalaca e de meçuá e dalguns lu- 
gares desa costa d arábia, terra do xeqe d adem; e de judá se mamtem 
meqa: foy posta judá e meqa em gramde necesydade de mamtimemtos 
com ha nosa emtrada do mar Roxo, porque lhe nam acudio mamtimem- 
tos nehuuns de nehua parte, e alguua jemte mevda se foy dela, pola ca* 
reza dos mamtimemtos; e alguns moradores se partiram haja dias dy, 
polas espiciarias e mercadarias nam acudyrem como nos tempos pasados; 
e eses que hy ficaram, estam comfiamdo, que lhe dise ho soldam que fa- 
ria tam gramd armada pêra a imdia, que tornase abrir ho caminho e trato 
como damtes era; mas eu comfio na myserycordia do muy alto deus, qe 
eles nam qereram Romper as lamças sobresa qerela cos vosos cavaleiros 
e vosa armada. 

As verdadeiras e certas novas de suez e d armada do soldam sam 
estas, comtadas per mouros que de lá chegaram avia muy poucos dias, 
pregumtados hum apartado do outro, e todos comcertaram na mesma 
cousa^ dizemdo que algua fustalha meúda avia hy feita até xb peças S 
aguardamdo pola madeira das nãos que lhe lá tomaram em Rodes ; e que 
depois da ida de mira ocem de quá da imdia, a cousa sesfryara, e nam 
lavraram mais nehua cousa, somemte avia ahy em suez trymta homens 
que as guardavam nanas qeymasem os alarves, que ás vezes hy vynham 
correr; e a nova que se lamçava daver hy muitas nãos, era por se nam 
desfazer ho porto de judá, mas qe a verdade era aquela que eles comta* 
vam: diseramme mais que estes xxx homens que haly estavavam em 
guarda, que Ih aguavam os costados cada dia pela menbam, polo soU nanas 
abrir, e que nam avia hy mais nehua nao, nem madeira, nem carpim- 
teiros, nem mastos, nem velas ; e asy me diseram que as nosas nãos po- 

^ Quinze peças. 



224 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

diam ir até suez, que avia hy muy boons portos, bomeamdos por seu 
nome, e he muy piqeno caminho de judá a suez, e muito mais piqueno 
de camaram a judá; e de judá ao tor piqueno caminho he, porqe ho tor 
está amtre suez e judá; he lugar todo de cristãos da cimtura, sojeito ao 
soldam: suez foy huua grande cidade; despouoada, adeGcios gramdes to- 
dos derribados, he synall de ser naqele tempo gramde pouoaçam, e aly 
me pareceo que devia de ser syamgaber, de que ha brivia fala. 

Ho senhor e xeque de dalaca e de meçuá, que tomey em camaram, 
me dise que hum seu primo com irmão que ele matara ho pay, com ajuda 
do xeqe d adem ho lamçou fora de senhorio e da terra, e per este respeito 
tem ho xeqe d adem por capitam hum seu espravo na ilha de dalaca, e o 
xeqe está na ilha de meçuá, e nam tem mais que ho nome, porque este 
espravo tem tudo e recolhe tudo e da lhe o qe quer: este xeqe que asy 
tomey em camaram, me deu larga comta da ilha de meçuá e de dalaca, 
e como o senhor daqelas ilhas asenhorea pescaria do aljôfar toda, e que 
a eje pagam os dereitos as jelbas que de muitas partes da costa d arábia 
e doutras partes ho vem aly pescar, e afora os dereitos lhe dam, logo 
como vem, os primeiros dous dias da pescaria pêra o senhor da terra e 
os derradeiros dous dias, quamdo se qerem partir; e me dise como os 
mercadores do cairo, de judá e adem vem aly no tempo da pescaria a 
huua ilha que está chegada com dalaca, que se chama nura, omde os 
pescadores todos vam tirar ho aljôfar, e que levam dinheiro e mercadaria 
e mamtimemtos, e que compram gramde soma d aljôfar, e pagam a estes 
pescadores que ho amdam pescamdo, e muitas vezes lho dam damte mão 
liado; e que ha hy aljôfar groso, e que he muito fino ho que se aly pesca. 

E asy me dise como meçuá he hila ilha jumto com a terra do preste 
joham, qe tem ho lugar pouoado de mouros, de muy bõoas casas e muy 
fermoso lugar: nam ha hy agua nele senam de ciztemas; he muy boom 
porto de todolos vemtos : ho porto de preste joham qe está defromte, cha- 
mam lhe os da terra dacanam, e os mouros chamam lhe zeila a velha: as 
nãos da imdia vem primeiro a dalaca, e de dalaca vam a meçuá, e aly 
Resgatam suas mercadarias por ouro, marfym, cera, mamteiga e alguuns 
escravos abexins furtados na terra; as mercadarias que levam, saro estas: 
espicíarias de toda sorte, e a mayor soma pimemta, brocados e sedas e 
perfumes, cotonias dalgodam, teadas dalgodam, roupa baixa doutras sor- 
tes: pagam dereitos ao xeqe de meçuá, e pagam iso mesmo no porto de 
preste joham, qe estaa da outra bamda da ilha de meçuá: diz qe vem aly 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 225 

frades dos âvitos de sam domimgos; trazem laramjas, limões e buvas a 
vemder, e compram alguua Roupa pêra ho moesleiro, que será per es- 
paço de quatro jornadas daly: diz qe averá mill frades naqele moesteiro: 
tem o preste joham sobre aqela terra hum governador e capitam de jemte 
de cavalo e de pee: a terra qe estaa fromteyra de dalaca, he bua cabila 
de mouros sojeita ao preste jobam, jemte pouca, e vivem na Ribeira do 
mar, e a qe está fromteira de meçuá, qe se cbama dacanam, be toda de 
cristãos: na soma do ouro me nam soube dizer certeza do qe se cadano 
por aly tira, somemte me dise qe se fosem cem nãos cad ano carregadas 
de pimemta e de cotonias e teadas, Roupa dalgodam baixa, que todas le- 
variam seu Retorno em ouro; que na terra do preste jobam ba gramde 
soma douro e gramdes minas dele, e que se gastaria gramde soma de pi- 
memta, se ba levasem. Dise me mais que bo preste jobam se trabalbara 
por muitas vezes por ganbar a ilba de meçuá, e qe nam tinha com que 
pasar a ela, e qe temtara já de tapar ho braço do mar que vay amtre a 
ilha e a terra firme, e nam poderá; e qe a terra de preste joham be muito 
necesitada de roupa grosa dalgodam da imdia: dise me mais qe tmha 
gramdes desejos de nos ver e de nosa comversaçam e trato, e que lhe pare- 
cia qe se aly chegase capitam de vos alteza com armada, qe viria bo preste 
jobam em pesoa a velo, e ver as naaos e armada de vos alteza; e qe tinha 
gramdes desejos de destroir a casa de meqa, e qe lhe parecia que damdolbe 
vosa alteza embarcaçam, qe pasaria gramde soma de jemte de cavalo e de 
pé e alifamtes: e eu ho creo verdadeiramemte, por emformaçam que tenho 
doutras muitas pesoas; e os mesmos mouros tem que ho preste jobam ba 
de dar de comer a seu6 cavalos e alifamtes na mesma casa de meqa, e está 
asy asemtado amtreles como porfecia: prazerá noso senhor que lhe dará 
vos alteza ajuda pêra o tall feito, e qe seram vosas nãos, capitães e jemte 
no mesmo feito, porqe a travesa he de dous dias e buua noute. 

Dalaca he huua Ilha gramde posta com ba terra firme do preste jo- 
bam: averá nas aldêas da ilba setecemtas casas de jemte de trabalho: bo 
lugar primcipall será de duzemtas casas; terá aqele capitam do xeqe qe 
aly está, cemtomeens; terá dez ou doze cavalos: a ilba he de gramde crya- 
çam de gado; ba by nela poços d agua, ciztemas muitas; e na ilha de 
meçuá nam ha by jemte d armas senam mouros naturaes d adem e dou- 
tras partes, e xb * ou xx homens qe terá ho xeque daqelas ilhas, tem ca- 

< Quinze. 



226 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

sas de pedra e call, he lugar muy fermoso : outra ilha que chamam nura, 
terá até xxx casas: alguuas ilhas piqueuas per hy derredor de dalaca, as 
qe tem agua, tem alguuns moradores, pescadores e jemte mizquynha, e 
todas sam senhoreadas deste dalaca e de meçuá. 

Ávida toda a emformaçam de todalas cousas de demtro do mar Roxo, 
alguas vistas per mim e joham gomez com a caravela que per meu mam- 
dado foy a dalaca, e bem asy portos, ilhas e lugares, qe desposisam po- 
deriam ter pêra nela tomarmos asemto, e nos fazermos fortes, eu tomey 
por determinaçam, se a noso senhor aprouuera de me leixar chegar lá, 
fazer forteleza em meçuá e asemto, por ser boom porto pêra nosas nãos, 
e por estarmos pegado na terra do preste joham, porto primcypall de sua 
terra, abastada de mamtimemtos e de jemte de socorro, se nos comprise, 
e de todalas outras cousas de qe podesemos ter necessidade, e qe asenho- 
rêa a pescaria do aljôfar, e a tem toda debaixo de seu mamdo, e por 
omde vos alteza poderia aver todo ouro da terra de preste joham, e gas- 
tar gramde soma de pimemta e doutras muitas mercadarias; e sam tam- 
tas. outras cousas de serviço de deus e de vos alteza qe se aquy poderam 
fazer, que se nam podem escrever: e digo isto a vos alteza, porqe vy ho 
mar Roxo, e vejo como -noso senhor vay despoemdo as cousas da imdia 
a todo bem, e asy as do acrecemtamemto de voso estado e fama e nome, 
como as de toda a Riqeza, e ouro quamto poderdes desejar, sem nehua 
comtradiçam: e quamto ás fortelezas da ilha de camaram e ilha de mevm, 
que está na boca do estreito qe se agora chama da vera cruz, e doutras 
partes de 4emtro do mar Roxo de qe nam fíz fumdamemto, por emtam, 
de fazer hy forteleza, per outra carta darey diso rezam a vos alteza mais 
largamemte; somemte digo, senhor, que façaes força no mar roxo, que 
nam se poderá crer a Riqeza que averees, e como todo ouro qe emtra na 
imdia da terra do preste joham estará todo na vosa mãao, sem nehuua 
duuida, afora ho gasto de cobre e mercadarias deses Regnos, de que se * 
pode aver gram soma de dinheiro na imdia. 

E porqe vos alteza tenha emformaçam verdadeira das cousas da boca 
do mar roxo pêra demtro, dilasey aqy ho mais em breve qe poder, e as 
miudezas poderá vos alteza saber per muitas pesoas que lá forem; so- 
memte digo, senhor, qe a porta do estreito, a qe os mouros chamam ba- 
belmamdem, he lugar muy to estreito; da huua bamda vay a terra do 
preste joham, a que os mouros chamam ajem, e da outra bamda vay a 
terra d arábia, a que os mouros chamam a ilha d arábia: nesta boca do 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 227 

mâr Roxo está huua ilha a qe os mouros cbamam mium^ como dito te- 
nho; jaz atravesada neste estreito da bamda da terra d arábia, terra do 
xeqe d adem; amlre ela e a terra firme vay huum canal de largura menos 
hum pouco qe dalmada a lixboa, e por aquy pasam todas as nãos dos 
mouros que vam pêra judá e pêra todas esas partes, porqe vem com le- 
vamtes, e pousam da bamda da terra d arábia, terra do xeqe d adem, qe 
he boom porto de levamtes; e defromte da ilha de mium, no mesmo pouso 
e porto de levamtes, está huua ilheta, qe de baixa mar pasam a pé emxuto 
pêra ela, e nesta ilheta estam as casas dos Rubães, que sam pilotos de 
demtro do estreito, e as nãos surjem aly, porque leva cada huua seu Ru- 
bam daqeles pêra sua navegaçam, lugar e porto pêra omde qer fazer seu 
caminho, de demtro do mar Roxo: ha no mêo deste canall amtre a terra 
dos Rubãees e a ilha de mium doze braças, e no pouso dos levamtes oito, 
nove, sete, e a porta do estreito em altura de doze grãos e dous terços: 
desta bamda da terra omde está ha ilha dos Rubãees comtra adem, am^ 
tes que emtrem a porta do estreito, está huum boom pouso de ponemtes, 
e tem agua huum pouco afastada da Rybeira do mar; no lugar omde os 
Rubãees estam, nam ha hy agua, nem no pouso dos levamtes ; trazem lha 
ahy em camelos. 

O outro canall qe vay da outra bamda da terra do preste joham, 
amtre ha terra firme e a ilha de mium, ha gramde fumdo de xxb S xxx 
braças ; tem de largura da terra firme á ilha como de lixboa a barra a 
barra (sic); per este canall navegam poucas nãos, polo que dito tenho, 
mas he mais alto e mais largo que ho outro. 

Partimdo da porta do estreito até suez, fazem os mouros três repar- 
tições no mar roxo pêra sua navegaçam, e tomam por fumdamento que lar- 
gura do mar Roxo ha hy xij jemas, que sam três symgraduras das nosas 
nãos, que poderá hy aver xxx legoas no mais largo do estreito, e repar- 
tenas nesta maneira: quatro jemas, que he huua symgradura de mar 
cujo d ilhas, baixos e parcees, ao lomgo da costa da ilha d arábia atá suez; 
e outras quatro jemas de mar cujo ao lomgo da costa da terra de preste 
joam até coçaer, porto que está case norte suU co tor, no cabo do mar 
Roxo perto de suez; e dam outras quatro jemas de mar lympo per meyo 
do estreito: os Rubães que tomam na porta do estreito nam sam pêra na- 
Tegaçam do mar largo e limpo, que he a meyo estreito, senam pêra quamdo 

^ Vinte e cíboo. 

%9* 



228 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

hy ha tempos comtrairos e as nãos qerem vir buscar hua bamda e outra, 
saberem lhe dar portos amtre aqelas ilhas e baixos, porque a meyo es- 
treito nam mamda nimguera as nãos nem ho caminho senam os pilotos 
que levam da imdia: este meyo estreito, a que eles chamam mar largo, 
tem de fumdo, xxbS xxx braças, e de quaremta e cimqo pêra cima nam 
sobe ho fumdo em nehuum lugar do estreito; polo mar a que eles cha- 
mam cujo, sam dez braças, oito, nove, e sam parcees, que co prumo na 
mão se podem achegar a terra quamto quiser, e afastar, e sorgir omde 
quiser: per este mar largo navegara as nãos que vam pêra judá, e pasam 
per buas ilhas que jazem à meyo estreito, que chamam jebelzocor, e alem 
delas comtra judá está outra ilha que chamam ceibam; surjem nelas 
quamdo lhe vem bem; todas estas vimos nós; porém, com todos estes 
beocos de mar cujo qe eles dizem, de huua bamda e doutra podem as 
nosas nãos seguramemte navegar com boom Resguardo de dia e nam de 
noute, e a meo estreito de dia e de noute sem nehum pejo; e podem sor- 
jir a meyo estreito com boons avstos, e nas ilhas que jazem a meyo es- 
treito podem nelas surjir: nam ha hy agua doce, nem ha hy eses pene- 
dos debaixo d agua, que diziam, nem eses medos que nos punham, nem 
tempestades, nem tormentas, nem tempos travesões, nem trovoadas; e os 
vemtos naturaes do estreito ou sam levamtes ou ponemtes, e algiiua ora 
terrenho, somemte he terra qemte por ser mar d amtre terras, e naqele 
tempo estar ho soll achegado ao trópico. 

As terras da boca do estreito pêra demtro de huua bamda e d outra 
direy aquy a vos alteza os senhores delas e a qem obedecem: primeira- 
memte, partimdo da porta do estreito ao lomgo da ilha d arábia, jaz a 
terra do xeqe d adem, que dura desde adem até camaram; ao lomgo da 
Ribeira do mar jazem aldôas e nehuum lugar primcipall; nam ha hy por- 
tos primcipaes, somemtes pomtas que habrigam, delas de levamte, e de- 
las de ponemte: de camaram por diamte jaz a terra de hum senhor que 
se chama o xerife de jizem; estende se a sua terra até perto de judá: judá 
e meqa sam do xerife parcate, e alguns alarves que vivem neses desertos 
e areaes de redor de meqa: da terra deste xerife parcate atá o tor vyvem 
alarves: ho tor he hua cidade de cristãos, como já dise, e no sertam do 
tor e daly até suez tudo sam cabilas d alarves, e duram estes alarves e 
estes desertos atá cerqa de Jerusalém, vam se lamçamdo polas costas da 
serra de momte synay amtre ho mar da persya e o do mar Roxo. 

^ Yinte e cinco. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 229 

De judá pêra o tor ao lomgo da Ribeira do mar está hum porto que 
se chama lyvmbu ; daly três jornadas pêra o sertam jaz medina, hua ci- 
dade em qe está ho malvado corpo do seu profeta; esta cidade e estoutro 
lugar, que se chama lyvmbu, eram senhoreados de huas cabilas que se 
chamam benybraem ; estas cabilas Roubaram a cáfila da romaria de meqa, 
e correram ha cidade e Roubaram a Casa de meqa: mamdou ho soldam 
jemte sua de cavalo, mataram e premderam muitos deles, e pôs em mi- 
dina hum xeqe de sua mão. 

Ho xeqe d adem terá até mill e quinhemtos cavalos e mais nam; 
jemte de pé muita, se quiser. 

Ho xerify de jizem he homem de vj* cavalos * e mais nam ; ho xe- 
rify parcâte, senhor de meqa, terá trezemtos cavalos e mais nam, e des- 
tes alarves que lhe obedecem cavalgados em camelos; ha jemte de cavalo 
sua sam espravos seus; a jemte destas partes da terra firme he de pou- 
cas armas, e sam homeens ousados e nus da cimta pcra cyma e descalços. 

Da ilha de mivm á terra que está defromte da terra de preste jo- 
ham, he de hum senhor mouro, que se chama azaly, he senhorêa per 
costa dez ou doze legoas, piquena terra, e pouca jemte; e dy por dyamle 
ao lomgo da costa jaz outro senhor alarve mouro, que se chama Dam- 
caly; asenhorêa até cerqa de dalaca, e he trebutareo e está á obediemcia 
do preste joham, e daquy de dalaca até meçuá e até cerqa de çuaqem se 
chama a terra arquiqo; he asenhoreada do preste joham: os mouros e 
abaxis chamam ao preste joham elaty, nome demperador, e nam lhe cha- 
mam preste joham. De çuaqem até coçaer vivem cabylas dalarves e jemte 
de cavalo, e armados alguuns deles: coçaer he porto no mar Roxo; he 
hua cidade gramde despouoada, com adeficios de pedraria e igrejas der- 
ribadas com synaes de cruzes, nas pedras litreiros de letras gregas: ca- 
minhamdo deste coçaer, que está no cabo do mar Roxo, pelo sertam até 
ho nilo, está hum casall que chamam cana, caminho de três jornadas, por 
omde agora os judeos de purtugall e de castelã fazem ho caminho pêra a 
imdia e vem tratar nela, porqe por judá e meqa nam podem: neste ser- 
tam de coçaer e cana vivem certos alarves, jemte de cavalo e de pee, e 
ás vezes por lhe peitarem do cairo Rompem hõ crecimemto do Rio nilo, e 
espalhano por alguuns vales de sua terra: mamda ho soldam muitas ve- 
zes sobreles, e ás vezes com a lamça e ás vezes com dadivas os trás ase- 

1 Seiíee&tos CAvalloi. 



230 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

segados, que nam façam aqele dano, porqe se deixam de Regar algumas 
terras mais altas daqelas qe semeam de redor do cairo do crecimemto do 
nilo, quamdo os alarves cortam ho crecimemto por outra parte: a jemte 
do preste joham, quamdo vay em romaria a Jerusalém, fazem este cami- 
nho ; vam se ao lomgo da Ribeira do mar Roxo polas costas de çuaqem e 
de coçaer e polas costas de suez, e dy atravesam a Jerusalém, fícamdolhe 
momte synay á mão dereita, e nam be gramde caminbo : bum destes que 
lá mamdo a vos alteza, foy cativo ele e outro nua cáfila que bia pêra Je- 
rusalém no sertam de çuaqem, e daly foy vemdido com outros adem, e 
estamdo sobradem da sayda do mar roxo, se lamçaram ele e seis ou sete 
outros comigo. 

A terra do preste jobam be muy gramde; estemdese polas costas do 
sertam de magadaxo comtra çofala, e destoutra bamda estemdese comtra 
bo cairo pela Ribeira do mar roxo atá çuaqem, e pelo sertam diz que 
sestemde e comfina com nuba, a que nós cbamamos tiopia, e com ba terra 
d uns mouros que se cbamão ajaje, domde veno ouro a çuaqem em pe- 
daços quadrados como dados ; e asy se vay estemdemdo a terra de preste 
jobam comtra manicomgo e terras da Ribeira do mar daqela bamda lá, e 
costa que vem ter ao cabo de boa esperamça: ba na terra de preste jo- 
bam muitas minas douro: a meu ver ho ouro que vay ter a çofala, be da 
terra que obedece ao preste jobam, e asy a magadaxo e a mombaça: bo 
çadady, senbor de zeila e barbora, be muyto piqena cousa, nam será bo- 
mem de duzemtos cavalos; d esmolas do sertam d adem e daqelas partes 
se mamtem, porque faz guerra sempre aos cristãos do preste Jobam; leixa 
de ser destroydo do preste jobam, por aver by pouca agua na sua terra 
por aqela parte por omde ba jemte do preste jobam Ibe vem ás vezes cor- 
rer: zeila nam be destroyda do preste joam, pola necesidade das merca- 
darias da imdia que Ibe por aly vem. 

Da ilha de mevm a duas legoas pêra a bamda da terra do preste 
jobam está buum porto, que tem bõoa agua e muita; estam by buas ca- 
sas de palha de pescadores ; averá da ilha de mivm a este porto três legoas. 

Neste tempo qe asy istivemos na ilha de camaram, per vezes me 
Reqereo buum homem qe foy mouro e se lamçou em azamor cos cristãos, 
que iria per terra per judá e meqa, tor e suez, e dy ao cairo e a purtu- 
gall ; que fazia isto por serviço de vosa alteza ; veyo de lá desas partes 
por homem d armas nesta armada: vemdo eu seus desejos, ho mamdey 
lamçar no sertam defromte de camaram, terra do xeqe d adem» e per pa- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 23 1 

lavra lhe dise ho que avia de fazer, e o caminho que avia de levar; dei lhe 
alguum dinheiro e pulo com huua braga de ferro e em hua almadia, como 
espravo que fogia. 

Neste mesmo tempo qe asy emvemamos em camaram, nunca nos 
choveò, e dizem nos as jemtes daqelas partes, que de maravilha chove no 
mar Roxo ; e estamdo asy hCla noute, vimos correr polo ceo hum rayo de 
gramde comprimento e largura^ nam d estrela, mas ha maneira de hum 
Rayo de fogo, e sayo da bamda da terra de preste joham, estemdemdose 
polo ceo d espaço, e foy cair sobre a terra de judá e meqa. 

O mar Roxo chamam lhe os mouros per sua lymguajem bahar qey- 
zum, e na nosa mar emcerrado; e mar Roxo he mais naturall nome, e 
soube lho muy bem pôr queno primeiro asy nomeou, porque no mar Roxo 
ha muitas malhas d agua vermelhas como samgue; e estamdo nós surtos 
na porta do estreito, desembocava pola boca do estreito huua veya de mar 
muy vermelha, e corria comtra adem, e estemdiase per demtro do mar 
Roxo quamto hum homem bem podia vêr do chapiteo da nao : pergumtey 
aos mouros que era aquylo; diseramme que era do revolvymemto debaixo 
d agua das marés, porque no mar roxo nam ha hy corremtes d agua, se- 
nam momtamte e jusamte, que emtra pêra demtro e say pêra fora; e por 
bem do mar ser aparcelado e de pouco fumdo, hum pouco corre agua co 
vemto, quamdo vejnta teso ; se sam ponemtes, say bum pouco mais rija 
pêra fora do estreito, e se sam levamtes, corre comtra judá e suez hum 
pouco mais Rijo: do cabo do mar Roxo, que he porto de suez, ao mar de 
levamte he muito curto caminho: a voz dos mouros he que alixamdre 
quamdo comquystou a terra, quisera Romper este mar no outro: e vay 
ter este caminho per desertos dareaes amtre Jerusalém e o cairo, e cha- 
mam lhe os mouros á terra deste caminho samyla. 

Vymdo ho tempo de nossa partida de camaram, aos quimze dias de 
julho saymos fora do porto, e caminhámos caminho da porta do estreito : 
pasando a porta, sorjy logo detrás da ilha e as nãos todas comigo; e 
huua amtemenhaam me mety em hum batell com alguuns pilotos, e três 
ou quatro capitães em seus batees, e fomos a huum porto que a ilha tem 
da bamda da terra de preste joham, e emtramos nele: ho porto he bua 
emseada que emtra demtro na ilha, e faz demtro em sy três emseadas; 
como fomos demtro, cerrou se a boca por omde emtramos, que nam vi- 
mos mais mar nehum ; poderám caber duzemtas nãos demtro ; fiimdo de 
dez, doze bragas, oito e sete, e seis a lugares, abrigado de todolos vem- 



<.- 



232 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

tos : decemos em terra, e corremos gram parte da ilha, e achamos hua 
cizterna do tempo amliga, descuberla á maneira de taraqe, atupida gram 
parte dela, sem agua: amostrarão me os Rubães hum poço atupido de 
terra e pedra, vimos a boca dele, e mais uam: a terra da ilha he serra de 
pedra solta gramde e piqena, sem arvore nem erva; tem hum vale darêa, 
testa comtra o mar Roxo ; pus huua cruz d um masto gramde na boca do 
estreito no moro que está sobre ha emtrada, e nos viemos hos batees, e 
daly nos tornamos pêra as naaos, e posemos lhe nome a ilha da vera cruz. 

Ao outro dia pela menhãa mamdey Ruy galvam no seu navio e jo- 
ham gomez com ele na sua caravela descobrir zeila, e ter pratica cos da 
terra, e ver ho modo e maneira do lugar, jemte e trato dele; e tomada 
toda a emformaçam qe bem podese, posesem fogo a todalas nãos que hy 
achase, e volvese em minha busca adem, omde m acharia. 

Fizeram tudo muy bem, e com muy boom Recado descobriram ho 
porto, emtráda e sayda dele ; qeremdo ter alguua pratica com eles, foram 
lamtas as escaramuças de jemte de cavalo e de pee em terra, que a Ruy 
galvam lhe pareceo e asy a joham gomez que nam qereryam ter pratica 
com eles: emtam lhe qeymaram todalas naaos muy gramdes e muy gro- 
sas, e se lamçou hum abexym com eles, que lá vay a vosa alteza; foy es- 
pravo dum feitor do soldam, que está em judá, e o espravo estava em 
nura com seu filho compramdo aljôfar. 

Partido Ruy galvam e joham gomez caminho de zeila, me party eu 
camynho d adem, e daly a poucos dias veyo Ruy galvam e joham gomez 
de zeila: surtos diamte d adem vimos na ilha de eira mais torres e mais 
muros que d amtes tinha, e todavia lhe tornamos a ganhar ho molde e a 
torre e baluarte dele, e achámos hy muy gramdes nãos e muitas; mam- 
dey em duas delas poer dous camelos e na torre outro, e mamdey che- 
gar os navios piqenos perto de seu muro com booas arombadas; com 
aqueles camelos lhe derribaram os bombardeiros gram parte das casas da 
cidade; e no alto da serra daqela ilha, que se chama eira, tinham armado 
hum trabuco, que tirava arrezoada pedra, e vynha sempre dar no terrado 
da torre omde ho noso camelo estava; e joham luis, fundidor, lhe rompeo 
ho trabuco duas vezes co camelo da torre, até que fizeram hua parede 
por emparo: avia na cidade muyla jemte, e tinha milhor artelharia e mais 
da qe lhe leixamos, de gramdura de pedra que tornavam a tirar com as 
pedras dos nosos camelos: os mercadores da cidade me mamdaram co- 
meter Resgate das nãos, eu lhe respomdy que per nehum preço s aviam 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 233 

de dar as nãos senam poios cristãos que tinha bo xeque d adem cativos, 
senam, soubesem que nam avia d escapar nehua que se nam fizese em 
carvam, e nam me tornaram mais Reposta nehua: eses dias que hy estive, 
me trabaihey por saber bem as emtradas e saydas d adem, e se era ilha 
ou nam: e saiba vos alteza por certo que adem nam he ilha, e que na 
mais estreita terra qe tem, he tam gramde largura como do tejo á pomte 
dalpiarça; ha agua que say por debaixo da pomte, nam vem quá sair ao 
mar da bamda domde estávamos amcorados, mas estemdese por hum 
campo abaixo em alagoas, e por este campo vem bua grande estrada de- 
reita â cidade, sen pasar ha pomte; a pomte se fez naquele estreito, por- 
que he caminho daquelas partes de zebit, domde o xeqe mais vezes 
está; e agua vem por junto daqeste caminho per canos, e passa por 
hum cano posto na ilharga da pomte, e vem dar agua em hum gramde 
tamqe que está da bamda d adem, omde os camelos vem por agua, he 
acerqa de htla legoa da cidade; e se os caminhantes, ou os camelos qe 
trazem agua, nam tiveram a pomte por onde pasar, em hum dia nam po- 
deram arrodear as alagoas e vir á cidade, e nam Ozeram mais de hum ca- 
minho d agua em huum dia e hua noute, e os camynhamtes fizeram 
gramde volta em^ arrodear as alagoas pêra vir á estrada que dito tenho; 
e asy , senhor, que adem nam he ilha ; mas se hy nam ouuese força de ca- 
melos, e se cortasc ho cano da pomte, valerya htla carga d agua trazida 
per derredor das alagoas hum serafim douro, porque, por piqena opre- 
sam que agora receberam de nós, valia pouco menos hua carga d agua 
trazida do tamqe jumto com a pomte: agora faziam novamemtc huua ciz- 
terna em cyma da ilha de eira, e se ha acabam, tirar nos am dum trabalho, 
e será toda destruyçam per elles, que cimquemta purtuguezes a defende- 
riam a todo restamte do mumdo, avemdo hy agua, e lhe destroyryam seu 
porto e sua cidade, sem terem Remédio. 

Sobradem istivemos dez dias despois da tomada do mar roxo, aguar- 
damdo a lua nova d agosto, e depois quatro dias, que he ho verdadeiro 
tempo pêra ir daly demamdar a imdia; e mamdeilhe qeimar todas esas 
naaos muy gramdes e muy fermosas e novas; tomamos huua carregada 
de pasas; e alguuas jelbas piqenas e nãos piqenas que tinham pegadas 
no muro, pareceo a todos que avemturar hum homem por tam piqena 
cousa comaquylo, que nam era bem qeymarlhas, porque tinham asestada 
sobrelas muita artelharia ; alguuns pareceu ho comtrairo; e por alguuns im« 
comvenyemtes qe punham a nan as qeymarmos, que m amym parecia bo 

30 



234 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

comtrairo, quys eu tomar a espiriencia diso, e mamdey cem mareamtes 
com certos mestres e pilotos, e saltai;am de noyte em terra, e poseram ho 
fogo a três nãos, e por nam levarem abastaraça de pólvora, as léixaram 
de qeimar todas; ardiam mall, porque as tinham mêas d agua; correram 
toda a Ribeira, e obra de xxx mouros que hy durmiam, mataram a mayor 
parte deles, e recolheram se todos a seus batees, e eu fuy no meu esquify 
com as minhas trombetas pêra os pôr em ordem e os afauorecer: feio aly 
muy bem femamdafomso, mestre que emtam era de samta maria da 
serra, e domimgos femamdez, piloto da mesma nao, que he boom homem, 
e bertolameu gomçaluez, mestre que emtam era de sam jiam; e outros 
mestres e pilotos e marynheiros, homeens de bem, todos ho fyzeram ousa- 
damemte e apagaram eses mouros que per hy acharam: recolhidos a seus 
batees muy bem, se vieram ás naaos, e o outro dia aparelhamos nosas nãos 
e nos afastamos pêra fora do porto: e alguuns capitãees quyseram sair 
todavia em terra, e a mim nam me pareceo bem, e filos asy ter, porque 
todos desejavam de pôr as mãaos ho feito, aimda que por emtam lhes 
parecese ho comtrairo ; e creo qe se os deixara sair, que ho feito s aca- 
bara de todo, e a Ribeira ficara despejada. 

Ho que me parece d adem, diloey aquy a vosa alteza: adem he huua 
cidade tamanha como beja, muito forte, e as mais fermosas casas que cá 
vy, muyto altas e todas acafeladas de call ; a sua cerqa será mayor que 
ha devora; os castelos que tem pola cumiada da serra, nam me parece 
qe podem defemder a cidade, nem ofemdela quamdo quyserem; sam tam- 
tos e tamtas torres, que parece mais feito por fermosura que por cousa 
proveitosa; he mais forte da bamda da terra firme que do mar; per al- 
guns lugares se pôde emtrar perá o roubar e destroir, e nam pêra o sos- 
ter,. porque nam tem agua; nam ha nele jemte pêra poder defemder tam 
gramde cerqa como tem, e tantos castelos, senam vymdolhe por espaço 
de dias do sertam: tem huum morro de serra talhado a piqe no mar, em 
que ho muro da cidade vem emtestar, e este morro está ametade sobre a 
cidade: ganhado este morro, nam se pôde defemder adem, porque os dous 
lamços do muro que vem emtestar nele da bamda da cidade, nam ousa- 
ria nehuum homem chegar se ao muro de demtro pêra o defemder, que 
escapase com artelharia que estivese no muro: este morro está sobre hum 
porto que os mouros chamam focate, e tem duas torres e huum baluarte 
com artelharia muita nele, e hum trabuco ; tem mais a ilha desapegada 
da cidade sobre o porto, aque eles chamam eira: fizeram hum molde desta 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 235 

ilha atravesâmdo ao porto que Ih abriga suas naaos de levamte, e no cabo 
do molde hua torre com hum baluarte muito forte: na ilha nam ha hy 
agua; cercavana agora toda de muro, e tem muitas torres feitas nela: ho 
muro que está diamte sobre o porto do mar, por omde nós escalámos, he 
piqeno lamço; será como da porta doura á porta da Ribeira de lixboa: 
parece me, senhor, se tivera visto adem, qe ho nam cometera por omde o es- 
calámos ; e comtudo, senhor, digo que adem se ganhara com pouco traba- 
lho e perygo, nam temdo necesidade d agua, porque partimdo armada da 
imdia, vimdo tomar agua a çacotorá, por pouca gemte que leve, nam pôde 
estar sobradem mais que quymze dias, e se fôr no tempo em que eu fuy, 
cinqo e seis dias, porqe lhe comvem logo pôr cobro sobre sy, e emtrar ho 
mar Roxo amtes que se gastem os levamtes, buscar agua, que pêra tor- 
nar atras nam ha hy tempo : ha serra d adem he toda de pedra sem nehuum 
arvore nem erva; faz se logo dous ou três anos que nam chove nela; al- 
guua agua, se vem alguum ora, he de trovoadas : a primeira vez que ha com- 
batemos, nam vy nela jemte pêra nola defemder, e se aprouuera a noso 
senhor que todos emtraramos demtro, nam avia hy duuida de ha levarmos 
nas mãos; sostela parecia me cousa duuidosa, pola necesidade d agua, 
que nam avia na cidade nem nas naaos: a maneira que se deuia de ter 
pêra se ganhar adem e soster, he a qe aquy direy a vos alteza: adem tem 
hum porto que se chama hujufu, porto abrigado de todolos vemtos, boom 
fundo pêra nosas naaos; este porto está trás as costas da cidade e serra 
d adem, daqela bamda domde a pomte está, he defromte desta serra d adem 
da bamda da terra firme estam quymze ou dezaseis poços d agua, e está 
hy hum palmar e huuas poucas de casas palhaças, em qe vivem pescadores 
e jemte pobre; chama se ho lugar omde estes poços estam, Rubaca: da 
serra d adem a eles ha acerqa de duas legoas per mar : ganhada aqela 
agua, com alguua força feita nela nam ha hy nehua comtradiçam a se nam 
ganhar adem, cortamdolhe a pomte, e achegando nos cos navios pyqenos 
perto da porta da cidade qe vem pêra o sertam, que será espaço de hnum 
tiro de berço da borda do mar á porta da cidade; e neste lugar seria 
meu comselho fazer a forteleza por sua vomtade ou comtra sua vomtade, 
por amor do porto pêra as nosas naaos e d agua dos poços de Rubaca, 
qe se pôde segurar da maneira que dito tenho, e abastecer d agua armada 
e jemte que fyzese fumdamento de ganhar adem e o soster: tomada adem, 
desta maneira se pôde soster: na fortaleza que neste lugar se fizese, deve 
de ter ciztemas em abastamça pêra a jemte que nela fôr ordenada, e quamdo 

304^ 



236 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

hy nam ouuer chuva, se podem Reformar dos poços que dito tenho; e esta 
fadiga e trabalho pôde durar até dous anos, porque ho xeqe de necesidade 
ha de fazer ho que vos alteza quyser, porque toda sua Remda he a do porto 
d adem, e da Ruyva de sua terra, que cadano aly carrega, que sam vimte 
mill fardos, e ás vezes xxb*: nana pôde ningdem comprar e carregar 
senam ele; paga aos lavradores a seis serafins ho fardo, e vemderá em 
cambaya a xxij serafins ; toda a outra Remda de sua terra he muy pi- 
qena; e nam duuidaria, por nam perder este trato e remda, fazer a vosa 
alteza quallquer partido que quizer, semdolhe feita força. 

Adem se fez grande porto, depois que vosa alteza tem emtrada a 
imdia, porque a vosa armada nam deyxa navegar em seu tempo verda- 
deiro as nãos do estreito, de judá e meqa; e por partirem tarde, nam po- 
dem emtrar ho estreito, e descarregam suas mercadarias em adem, e vem- 
denas, e compram outras que aly trazem de judá, de lá desas partes, e 
os mercadores d adem mamdanas depois em suas nãos ajuda: ha em 
adem muitos estamtes e mercadores do cairo, he gramdes fazemdas suas 
demtro em adem ; e sam vimdos muitos mercadores de judá viver adem, 
por as nãos nam poderem alcamçar em seu tempo ho porto de judá, e 
per esta causa se emnobreceo mais adem do que soya a ser; tem fama de 
mais Rico lugar de quá destas partes; toda a força do ouro de preste joham 
emtra em adem e todalas mercadarias da mesma terra do preste Joham. 

Adem está sobre a boca e navegaçam do estreyto, e per jumto com 
adem pasam todalas naaos das imdias que vam pêra judá, no mês de no- 
vembro, dezembro, janeiro e feuereiro, e as qe partem da imdia no mês 
de março aferram a costa do cabo de gardafu, e vam sempre á vista da 
terra de barbara e zeila, por amor dos vemtos qe naqele tempo sam já 
sull e susueste, e estas nam am vista d adem. 

Vosa alteza ha de saber que do dia que posemos as escadas adem 
a quymze dias, foy a nova no cairo em camelos corredores, mamdada polo 
xeqe d adem, em qe lhe fazia a saber que os cristãos tinham emtrado ho 
mar rroxo e cortado o camynho da romaria de meqa: a Reposta qe lhe 
veyo foy, que se os cristãos eram emtrados, que guardase ele muy bem 
seus portos e sua terra, que ele guardaria a sua; e nam lhe respomdeo 
mais, porque estam de qebra, que lhe mamdou pedir ho soldam adem, 
dyzemdo que fora sua: per este correo mais nova que judá se despejara 

,. 1 Tinte 6 cmoo mil. ,;; ., ,^ 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 237 

de toda a jemte com medo d armada, e que avia gramde revolta no cairo 
com fama de virem os cristãos desas partes sobre alixamdrya, e serem já 
chegadas nãos d armada sobrela, e que xeqesmaell era vimdo jumto com 
alepo com seus arrayaes, e a vosa armada e jemtes eram no porto de judá; 
e que aho soldam parecia que era comcerto sobre sua destroyçam ; e que 
ho governador de damasco era alevamtado, e nam viera a seu chamado, 
com medo, porque ho soldam tinha morto emir quebir e devdar quebir e 
mircelaa, três gramdes capitãees, e que sõcedem ho Reino quamdo ho sol- 
dam morre, e ás vezes tomam a cadeira por força: esta mesma nova que 
achey nos mouros d adem, me deram judeus purtuguezes e castelhanos 
que neste tempo vieram do cairo á imdia. 

Ho que me parece do mar Roxo e de nosa emtrada laa, he que 
vos alteza tem dado ho mayor açoute na casa de mafomede do qe ouue 
de cemtanos aquá, porque lhe chegastes ao vivo e lugar de toda sua com- 
fiamça, porque judá e meqa nam tem^ mantimentos, senam ho qe lhe 
vem por mar, e huua nao de carga de xij quintaes^ a qe os mouros cha- 
mam mucumary, pregadiça, qe cadano vem de suez com mamtimemtos 
d esmolas e remda que lá tem meqa, he desfeita judá e meqa, é de todo 
perdida: mais me parece, qe se vos fazeis forte no mar Roxo, qe tem- 
des toda a Riqeza do mundo nas mãaos, porqe todo ouro de preste joham 
está nas vosas mãaos, he tam gramde soma qe nam ouso de falar, por 
espicyarias e mercadarias desas partes ; e mais tolherdes qe per via do 
cayro nam emtre mercadarias nas imdias de lá desas partes, senam as 
qe trazem vosas naaos, qe he huua tam gramde soma de Riqeza que ey 
medo de falar niso, porqe vejo a fome qe na imdia ha das mercadarias 
de lá, que soyam d emtrar nestas partes em gramde abastamça cad ano ; 
e mais todo aljôfar qe se pesca no mar Roxo, e todo ouro qe vem a çuaqem, 
qe dizem os mouros qe vem de nuba, porque eles chamam á etiopia nuba, 
nem he lonje o mar Roxo do mar de guinee, porque atravesamdo do mar 
roxo a manicomgo per terra, nam averá hy seiscemtas legoas a meu vér. 

Nem he piqeno serviço que farieis a noso senhor, em lhe destroirdes 
a sua casa dabominaçam e de toda sua perdiçam. 

Pela ventura vos quis noso senhor dar as imdias com tamta fama e 
riqeza, pêra lhe fazerdes este serviço: eu nam duuidaria que ha fee e com- 
fyamçajdas cousas da imdia, que sómemte ficou a vos alteza depois de 

■ 

^ Doie mil qnintaes. 



238 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

tamtas comtrariadades e duuidas de muitos coraçõees, fose espicyall graça 
de deus: ouso, senhor, descrever isto a vos alteza, porque vy a ymdia alem 
do gamje e aquém, e vejo como noso senhor vos ajuda e vola vay metemdo 
nas mãaos: gramde balamço e gramde asemto fez a imdia depois qe vosa 
alteza ganhou goa e malaca, e mamdou emtrar ho mar Roxo, e buscar 
armada do soldam, e cortar ho caminho da navegação de judá e meqa e 
tirardes lhe as mercadarias e migas do ouro de preste joham, que he huua 
tam gramde soma que se não pôde crer. 

E porqe vos alteza veja mais craro a maneira de que deuees segurar 
ho mar roxo, por agora he poerse em obra ho feito d adem e forteleza na 
ilha de meçuá, porqe tenas costas postas no poder do preste joham, e 
he terra e lugar em que a forteleza per sy soo obrará muito, porque he 
senhora da pescaria do aljôfar, qe jaz toda de redor dela, e fará seu trato 
e mercadaria na terra firme; e vimdo a ela comtrariadade dalgua parte, 
nam lhe he necesareo socorro de vosas armadas, abasta a jemte do preste 
Joham e sua terra e sua ajuda e o amor qe nos tem, e o desejo qe tem 
daliamça e amizade com vos alteza, desejadores de pelejar e morrer pola 
fee de cristo, verdadeiros cristãos. 

E quamto ao feito d adem, lijeira cousa he destroir e levar nas 
mãaos; mas eu qerya que fose de maneira que saproueitase toda a Ri- 
qeza dela, que he huua gram soma: e porque as nosas nãos tem aly muy 
maravilhoso porto e çarrado de todolos vemtos, forteleza nele he cousa 
muito sostamciall e proueitosa ; e por agora nam buleria com mais : nes- 
tes dous lugares me faria forte, e aquy poerya minha armada; e do ne- 
gocio da imdia que nos fica atrás, goa vola terá asesega^a e mamsa, como 
até quy fez, asy comtrariada per muitas vezes, como foy, porque ela soo 
per sy amamsou a imdia sem nehuum trabalho de vosas armadas, e em- 
freou aqeles que ha perseguiam, e aimda bem receosos e bem cheos de 
temor delas. 

Torno uos, senhor, dizer outra vez qe em adem e na ilha de meçuá 
vos devees de- fazer forte, e por agora d adem pêra demtro nam vos espa- 
lhardes mais, até que estas duas cousas tomem asemto, e o façam tomar 
a toda a terra; e qe este feito seja comtrariado dalgua parte, nam alar- 
guees mão destas duas cousas em nehua maneira que seja, mas resesty 
com força e jemte, quamto pêra iso fôr necesarea: guarde se vos alteza 
de comselhos d omeens emfadados, que he o mor perygo que quaa ha, 
porque este feito nam lhe vejo nehua comtradiçam dos da terra, nem dos 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 239 

que navegam ho mar da imdia, nem das forças e nãos de demtro do mar 
Roxo, porque tudo he pouca cousa: alguum pejo, se ho hy, deue de ser 
do soldam ; e pois que este feito nam pôde acudir senam per mar, eu es- 
pero na misirycordia do muy alto deus que lhe apagaremos suas forças» 
e que numca mais tornaram a ese feito, porque ho soldam nam fica a sua 
eramça a seu filho, nem pôde ficar; espravo comprado ha de ser ho que 
soceder a cadeira do cairo: os seus mamalucos nam emtram no mar; com 
jemte asoldadada e frbsteira de muitas partes faz suas armadas, a quall, 
como recebe seu soldo e pôde aver terra, desesquypa logo sua armada: 
oulhay, senhor, ho feito de goa, que foy bem comtrariado, como cousa 
primcipall e gramde, e agora que tomou asemto, fica senhora de todo ho 
negocio da Imdia, obedecida e temida: e como começarmos de trilhar ho 
mar Roxo, e chegar a suez, três jornadas do cairo, com vos armada, mo- 
vimemto gramde ha de fazer no cairo, porque ho poder do soldam nam 
he tam gramde como volo fazem emtemder; terá xb até xbj de cavalo *, 
comprados por dinheiro, arrenegados; com estes sojiga a terra; ho seu 
pouo he sem armas e sem nehum exercicio de guerra: hoyto mill ma- 
malucos ha mester ho cairo pêra o senhorear e ter sojeito; vimdo força a 
outra parte, pêra qe comprise acudir lá, nam lhe obedeceraa ho cairo, 
nem lhe pagará as peitas e pedido que lhe cada dia lamça, porqe as rem- 
das sam piqenas, e ele paga cada mês de soldo Ixxx cruzados^ de soldo; 
e per Respeito dos Roubos e tiranias que faz, he fojida gramde parte dos 
mercadores do cairo mouros e judeos, e sam emtrados na imdia, porque 
do trato da especiaria nam tem já nehum proueito; e os mamalucos hum 
soo dia que lhe nam pagase, era logo morto, e por este respeito matou 
ele os três primcipaes capitãees seus, e deu os oficios a espravos seus : ho 
feyto do soldam he muito fraca cousa, porque, afora ter pouca jemte, nam 
ha de sair a resistir em pesoa a nehuua parte fora do cairo, nem numca 
say de huua fprteleza fora, e tem xeqesmaell ás portas, que ho ha de 
persiguir rijamemte, 

A quatro dias d agosto partimos todos diamte d adem e fomos aver 
vista do cabo de gardafum, e daly vyemos aver vista de divlcimdy; e 
corremdo a costa de lomgo, viemos ter a mamgalor e a cimunate, portos de 
cambayá, e dy a div, porto de mihqiaz, omde correjemos nosos bates, e 

1 Quinze até dezeseis mil de cavallo. 
* Oitenta mil cruzados. 



240 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

fomos bem recebidos de miliquiaz e bem festejados de dadivâs e mamtí- 
memtos e muito gâsalhado ; e mamdey desembarcar aly espicyarias e co- 
bre de vos alteza, e deixey por feitor daqela mercadaria fernara martins 
avamjelho, e escrivam jorje corrêa; e acabado de gastar aquela mercada- 
ria, se aviam de vir ; e deixey hy emxobregas descarregamdo as mercada- 
ryas e tomamdo outras. 

Partido de div^ mamdey diamte amtonio raposo no seu navio a goa 
fazer lhe saber minha vimda, e mamdey a cananor e a cochim Ruy gal- 
vam e jironimo de sousa nos seus navios, e eu me vym dereito a chavU, 
omde ho voso feitor das presas descarregou algílua espiciaria e mercada- 
ria que trazia de presas; e dey ordem pêra me fazerem hy duas carave- 
las, e mamdey dy levar soma demxofre e salitre e de lynho e arroz e trigo: 
fomos bem recebido de chavU com muitos mamtymemtos e Refrescos, e 
todalas outras cousas de qe tinhamos necesidade nos deram com muita 
delijemcia em abastamça. 

Chegamdo a chavll, achámos ho embaxador delRey de cambaya, e 
tristam degaa e joham gomez seu esprivam, que lá tinha mamdado sobre 
os apomtamemtos e comcerto de paz : deram me as carias dei Rey de cam- 
baya e a reposta dos apomtamemtos da paz e asemto de feitoria em sua 
terra, e cartas de miligupy, que vos alteza já lá conhecerá per fama, ho- 
mem primcipall de sua terra, desejador de vos servir; outorgou nos forte- 
leza e asemto de feitoria em div, e que se gastaria cadano em sua terra 
quaremta mill quintaes de cobre polo preço que de vimtanos a quá ti- 
vese, que sam novemta serafins ho babar, que do peso velho sam cimqo 
quintaes, e todas as outras mercadarias de lá desas partes que se pode- 
sem gastar em seu Rey no, e pêra vosa alteza todas as que de sua terra 
quisese; e me mamdou dizer, que me rogava que lhe mamdase a nao 
mery, a quall eu tenho metida no Rio de cochim, correjida de novo e com- 
certada pêra lha mamdar: mamdou me hum cavalo e huuas cubertas 
daceiro e huua adaga de sua pesoa e huua sela; e mamdou a vos alteza 
huua adaga douro: tristam degaa, misyjeiro que a ele emviey, foy bem 
recebido dele e agasalhado e bem tratado e feita mercee; tristam dega ho 
achou achegado ao estremo do reyno de mamdaao, em guerra com gramde 
arrayal de cavalos e de muita jemte e artelharia e todo aparato de guerra. 

Na carta dei Rey de cambaya nam falava nada disto, somemte dezia 
que se faria tudo ho que eu pedia, referimdose á carta de miligupy, que 
mais largamemte mespreveria tudo, na quall vynham todas estas decra- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 241 

raçõees que acima dito tenho, e asy mesmo ho trazia trístam dega na re- 
posta de sua estruçam, dizemdo mais que qeria mamdar bum estamte dos 
guzarates a malaca, e suas uaos que navegasem lá seguras; praticaram 
em maym e na ilha que está no canall de goga, que me davam da pry- 
meira: maim dise tristam dega que era lomje de cambaya, e que fariam 
as mercadarias muito custo : a Ilha dise el Rey que ha daria de bõoa vom- 
tade, mas que nam era proveitosa pêra nosas nãos, que era huua ilha em 
que avia muitas cobras e bichos, e que ha mandase ver primeiro, e de (sic) 
se dela fose comtemte, que ha tomase, e que por iso nam era pouoada; e 
que em diu poderia fazer ho asemto e forteleza; que os Rumis nam aga- 
salharia em sua terra. Respomdy logo de chavU a suas cartas com agar- 
decimentos, dizemdo lhe como vos alteza, polo amor e amizade e trato que 
com ele folgava de ter, numca mamdara fazer guerra a sua terra, nem 
qeymar seus portos e lugares, nem lamçar pedra de bombarda em suas 
fortelezas; e se alguum dano tinham recebido has nãos e jemte de sua 
terra, que eles eram os culpados, porque nos mares e portos dos Rex com 
que vosa alteza tinha guerra, suas nãos e jemte os ajudavam comtra nós 
com sua artelharia e suas armas, como fizeram em adem e em malaca e 
em outros muitos lugares; mas qe ho mar de sua terra e de seus portos 
atá ho dia doje numca foram qebrados nem emtrados, e outras palavras 
que hao caso e tempo comvynham: a miligupy esprevy mais mevdamemte, 
agardecemdo lhe da parte de vosa alteza folgar ele tamto de fazer bem as 
cousas de voso serviço, pomdolhe algua esperamça de galardam de setis 
serviços, por asy tomar cuydado das cousas de voso serviço: ho embaxa- 
dor mamdou as cartas a el Rey, e se foy comigo pêra trazer a nao mèry, 
e eu dar ordem a se fazer ho asemto e forteleza em dyv. 

Em todaa esta costa me pediram seguros pêra nãos de malaca, e a 
todos os dey, e outros pêra nãos e portos durmuz, com tall comdiçam 
que os cavallos tragam a goa, porque asy fica asemtado por toda esta 
costa nam emtrarem cavalos d arábia e da pérsia em outro nehum porto 
senam em goa; e creo que ho farám, polo boom despacho que as nãos 
do ano pasado levaram : foram a salvamemto a vrmuz, muito Ricas e bem 
carregadas, do porto e cidaáe de goa; e as de todolos outros portos que 
hiam pêra vrmuz, tornaram com gramde temporall e cos mastos qebra- 
dos e desaparelhadas ha costa da imdia, e asy as naaos de calecut como 
dos outros lugares que hiam pêra ho estreito, e perderam se muitas delas; 
e he, senhor, cousa muito pêra espamtar, aver três anos que a mayor 

31 



242 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

parte que hiam pêra adem, judá e meqa se tomaram atrás cadano, per- 
demdose muitas delas, e a mayor parte delas de çamatora e de ceilam 
pêra demtro; e sam muitos mercadores da imdía desfeytos e derribados 
de três anos aquá; e esta foy a causa por qe estano nam tomámos cem 
nãos no mar Roío, e amim, senhor, me parece que, afora serem ajudas 
de noso senhor em todalas vosas cousas, que he pola vosa armada amdar 
tam viva sempre cortamdo os golfãos, caminhos e lugares por omde eles 
navegam*, e nam ousam de partir atá nam saberem a citaçam qe a vosa 
armada leva, e depois que ho sabe partem, semdo já no cabo de sua na- 
vegaçam, e acham já tempos comtrairos, que os faz volver atrás, por que 
eu fuy espamtado nam virem cometer a boca do estreito cem nãos. 

Chegado a div, soube como as nãos de calecut arribaram com tem- 
porall, e jaziam por estes portos de cambaya até momte dely, e huua en- 
trou em damda, terra de chavll : chegamdo sobre o porto de damda, pedy 
qe me emtregasem a nao, que era de meceris do cairo, nosos imigos, car- 
regada d espiciaria, e emtregaram me a nao e perto de três mill quintaes 
despicyaria, de pimemla e jemjivre: aly me detive alguuns dias, e reco- 
Ihy a espiciaria, e varey a nao ho mar : emtregaram me toda sua artelha- 
ria, amcoras e velas e toda sua emxarcia; he huua fermosa nao da fey- 
çam das do mar roxo, a que os mouros chamam moruazes: partido daly, 
vym sobre dabuU e çamgiçar, e pedy duas que hy estam demtro em da- 
bull e hua em çamgiçar: começaram de qerer amdar em pratica comigo; 
leixey hy emtam lopo vaz com três nãos em guarda delas, e que nam dei- 
xase emtrar nem sair nehua nao até qe as nam emtregasem : creo que to- 
davia m emtregaram as naaos e espiciaria. 

Soube também qe emtrara outra em batecala; mamdey emtam am- 
tonio raposo com huua galeota de goa lamçar sobre o porto, e pidir qe 
ma emtregasem, e parece me que todavia ma emtregaram: mamdey tam- 
bém lamçar fernam gomez de lemos com huua fusta de goa sobre mam- 
galor, omde estam metidas duas, com determinaçam de nam deixar na- 
vegar o porto ataa que maas nam emtreguem : foy desdita nosa tornarem 
atrás estas naaos com temporall, porqe tomáramos huum mundo de Ri- 
qeza. 

Chegado a goa, achey huum presemte de panos da pérsia e huum 
anell com huum diamam, que me mamdou ho embaxador de xeqesmaell 
que veyo ao Rey de daqem, e ao filho do çabayo, e alguuns oferecimem- 
tós seus de parte de xeqesmaell, e se tomaram pêra homd estava ho em- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 243 

baxador, quamdo my nam acharam, e deixaram dito, que vimdo eu do 
mar roxo, ho embaxador me veria ver e falar comigo cousas de xeqes- 
maell, amtes de sua partida pêra a pérsia. 

Achey mais em goa huuas comtas e huua campaynha, qe me mam- 
dou ho guardiam de Jerusalém, qe era vimdo ao cairo a chamado do sol- 
dam, e achou hy huum judeu purtuguês morador em Jerusalém, que vy- 
nha pêra a imdia, e per ele me mamdou este presemte, dizemdo que as 
comtas eram tocadas em muitas rehquias^ e que ha campaynha era da ca- 
pela de nosa seuhora, com qe se sempre tamjia á misa: mamdo lã esta 
joya do guardiam a vos alteza; prazerá a noso senhor que s abrirá este ca- 
minho e romaria per quá per estas partes por omde estas joyas vieram: 
esprita em cananor a iiij dias de dezembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afomso dalboquerque^ 



CARTA Xm 

1613— Dezembro 16 

Senhor. — A jemte da imdia ha mester pagamemto de soldo, porque 
ás vezes se pagava á custa dos imigos gram parte dele, e agora navega 
ho mumdo todo seguro, qer tragam seguros, quer nam; nem temos guerra 
senam com adem e com ho estreito de meqa e jemte do cayro, os quaees 
creo que emtrarám poucas vezes a imdia, porque viram ho açoute que lhe 
dey estano, e o credito em que estam as vosas cousas na imdia, e como 
está tudo someti lo á vosa obediemcia, e vos emtregaram as nãos deles 
com toda sua mércadaria por eses portos por omde jaziam. 

Alguuas nãos qe se tomaram sem vosos seguros, vy tamtas amea- 
ças de vos alteza, que já gora qer traga seguro, quer nam, nam lhe pre- 
gumtam pêra omde vay nem domde he; estas nãos, se s agora tomaram 
dos mercadores do cairo, emtregase toda a espiciaria a vosos ofíciaes; pe- 
dimos lhe dinheiro pêra pagamemto de soldo, dizem que nono ha hy; pe- 
dimos lhe mércadaria, dizem que nona ha hy: asy, senhor, que compre a 

^ Torre do Tombo— G. Chron. P. i.% M. i4., Doe. IK. 

314^ 



244 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Yosa alteza mamdar de lá mercadarias pêra o pagamemto da jemte, panos 
e armas qe também tomaremos sobre nosos soldos; e se qerees ter a jemte 
comservada na imdía, mamde vos alteza haas vosas nãos que tragam mui- 
tos yinhos pêra as vosas feitorias, porque os homeens tomano sobre seu 
soldo ; e alem de vos alteza fazer seu proueito, daa vida aos homeens, e 
asy pêra os doemtes como pêra os sãos e jemte de trabalho esforça muito 
a compreysam dos homeens quá nesta terra. 

Nam he, senhor, nada meterdes na imdia cemto e duzemtos mill cm*- 
zados de mercadaria, porqe nam vem cobre nem mercadaria de nehua 
outra sorte que soya a vir; pregumtey aos judeos mercadores qe vem do 
cairo, e asy a outros mercadores, porque nam vynha cobre; diseramme 
qe valia tam caro lá como na imdia, e nam vir de veneza nem de turqya 
polas guerras; e polas espyciarias e mercadarias da imdia, que eram muito 
caras no cayro, que por iso nam vynha cobre. 

Eu, senhor, qeria saber savees voos por voso serviço deixar amdar 
na imdia estes judeos castelhanos e purtugueses qe vem per via do cairo, 
ou se qer vos alteza que os apague hum e huum por omde qer qe os po- 
der aver: de cananor a xb dias de dezembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosallteza 

Afomso ddboquerque. 

(Sobrescripto) A ElRey noso senhor. 

(In dorso, por lettra coeva) D afonso d alboquerque. Pede merca- 
daria pêra os soldos, porque, louuores a deos, nom ha presas de que se 
paguem, por tudo estar a voso seruiço e nom terem guerra senom com 
adem e o mar roxo. — ij*" cruzados * de mercadaria: — falia: — Judeos cas- 
telhanos e portugueses que entram na índia por via do cairo, quer saber 
a maneira que vosa alteza ha por seu seruiço que se tenha com elles *. 



^ Duzentos mil cruzados. 

* Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.*, M. 14; D. 27. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 245 



CARTA XLffl 



1613— Dezembro 24 



Senhor. — Eu quys saber domde naceram estas culpas que me vosa 
alteza punha, d acrecenlamentos de soldos e de quym taladas que aynda 
nom eram alevamlados, e soldos postos pello visoRey: ymdo por este 
camynho, achey que os vosos oficiaes, queremdo gaanhar fama falsa e 
credito amte vosa alteza, tinham aynda asy os liuros em pee, e cada ano 
vos spreviam de hua forma, e nom proviam mynha determynaçam segundo 
forma de voso Regimento, porque o capitolo do meu Regimento está Re- 
gistado no liuro da vosa feitoria pêra este feito. E porque a vosa gemte 
está espalhada per desvayradas partes, e cada hum destes no tempo do 
viso Rey tinham desvayrados soldos, quando vem a lhe fazer final despa- 
cho de seu pagamento e sua comta verdadeira, que he na feitoria de co- 
chym, emtam lhe fazem a comta e paga segundo forma de voso Regimento, 
tirando lhe os acrecentamemtos postos pello viso Rey, porque em todalas 
outras feitorias nom he necesaryo saber se o soldo que cada hum tem, e 
todavia saben o, porque aos taes nunca lhe fazem pagamento de seu soldo, 
mas dam lhe sobre seu soldo tamto ou tanto, e cada ano vam os cadernos 
das feitorias ao tempo da carga a cochym pêra lhe fazer sua comta e fi- 
nal pagamento aas partes, omde estam os cadernos que vem de purtugal 
com as pesoas nomeadas e co o soldo que cada hum ha daver^ homde está 
a determynaçam de vosa alteza asynada por mym, sobre os acrecemta- 
memtos do viso Rey e sobre os spravos asemtados em soldo : se elles que- 
rem fazer pagamemto aas partes todavia pellos soldos acrecemtados do 
.viso Rey e pelos liuros que aynda estam em pee co titulo de cada hum e 
soldo que soya d aver, esa culpa nom tenho eu ; nem tinha a vosa gemte 
jumta, pêra a cada hum por seu nome lhe mandar tirar seu acrecemta- 



246 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

mento ; nem âchará vosa âltezâ mandado meu nem asynado em que con- 
firmava o tal acrecemtamento a nynhiia pesoa, nem eu nom creo que 
o elles fizesem; e se o tem feito, foy por me danarem a mym á vosa 
custa. 

E^ta mesma maneira se tem nos soldos que se pagam na vosa ar- 
mada por onde quer que amda; dá se sobre o soldo de cada pesoa certo di- 
nheiro: nom diz no titulo do liuro, ouve pagamento de seu soldo de tanto 
a rezam de tamto por mês ; mas diz no titulo, deram lhe sobre seu soldo 
tamto ; porque os cadernos dos soldos que de lá vem e ordenados das pe- 
soas que cá emviaes, está tudo em cochym, omde vam sempre acabar de 
fazer sua final comta. 

Porque, senhor, pêra se fazer ymteyro pagamento a qualquer pesoa 
que anda na vosa armada, nom abastara saber se o soldo verdadeyro que 
de vosa alteza tinha, porque aynda avia d amostrar certidões de todaUas 
vosas feitorias do que nelas tinha ávido sobre seu soldo per meu man- 
dado, ou se tinha posta algua verba, ou se devia na feitoria alguua outra 
cousa; e amdamdo eu per tam desvairadas partes e tam lomge das vo- 
sas feytorias, domde a gemte nom poderia asy ligeyramente aver as pro- 
visões pêra lhe averem de pagar seu soldo, lhe mando dar certa cousa 
sobre seu soldo a cada hum, temdo sempre o Resguardo que nom aja 
mays que aquylo que lhe poderia ser devido e menos ymda: quamdo a 
vosa armada chegua, vay logo o sprivãao co lyvro aa feitoria de cochym, 
e lançam logo no titulo de cada hum o que asy Recebeo. 

Esta mesma maneira tem a feitoria de cochym; nom fazem final 
comta aos homens, nem lhe dam seu despacho, atá que nom trazem cer- 
tidões das feytorias e do liuro da armada: ysto he o que eu mando e or- 
deno ; e porque hy ha muytos mandões e muytos que tem poder de man- 
dar pagar soldo, poderá ser que farám eles o que quyserem, e tomaram 
toda a culpa a mym : mande nos vosa alteza levar lá todos presos, e cada 
hum dará Rezam do que fez, porque por meus pecados nom me tem a 
mym muyto amor estes vosos oficiaaes, e deos sabe que eu lho nom te- 
nho merecido, senom, quando vier de fora, Receberem me com Ramos nas 
mãos e com grandes precisões, porque sempre nos noso senhor dá pro- 
veito que trazermos a este corpo que tendes na ymdia, e proveito aas vo- 
sas feitorias, aynda que aas vezes seja com trabalho e periguo de nosas 
pesoas. 

Quanto he, Senhoii aas quyntaladas, já vos diguo, senhor, que se 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 247 

nom dá nem carrega quymtaladas a npguem por meu mandado da vynda 
de louremço moreno pêra caa; a alguns homens fizerom pagamento de 
suas quymtaladas segundo vosa ordenança, atá que me derom os maços 
da armada de dom garcia, em que vosa alteza mandava que nem huns 
nem outros nom ouvesem quynteladas, sem mandardes que todavia ouve- 
sem os três anos de pagamento, como na prymeyra tinhees mandado, de 
suas quymtaladas; e portamto se nom paga jaa aguora a nynguem, sal- 
vamte algum que aynda ahy ha dos tempos pasados, que vosa alteza he 
obrigado a pagar e carregar. 

Agora, Senhor, que o exame do soldo se faz de escudeiro e pyam, 
como ordenastes, esa maneira se tem nos que cá estavam na ymdia, que 
os que de lá vem, eixaminados vem: bem pôde agora, senhor, cuydar o 
que está em malaca, que tem os dous cruzados que tinha em tempo do 
visoRey; porém vymdo aa feitoria de cochym buscar seu despacho, do 
tempo determynado de vosa alteza lhe nom será feito pagamento, senom 
segumdo a calidade de sua pesoa e a comdiçam de voso eixame, do tempo 
da vosa detremynaçam em diamte: diguo eu agora, senhor, estes taes que 
vem de malaca aa feitoria de cochym e diserem aos vosos oficiaes, eu ti- 
nha tamto soldo do visoRey, e os vosos oficiaes vos spreverem ysto, logo 
eu sam culpado: façam eles sua comta segundo vosa detremynaçam asy- 
nada por mym, e nano vam buscar aos lyvros do visoRey, mas busquenos 
nos lyvros dafomso dalboquerque, e vejam vosa detremynaçam. E se eu 
dou mandados comtra vosa detremynaçam, porque vollos nom mandam? 
mas os homens querem gaanhar autorydade amte vosa alteza com enga- 
nos, porque sabem que em yr lá hum Recado e viir, tem elles primeiro 
acabado os três anos. 

E portamtOí senhor, os que o comtrayro fizerem do que vós de lá 
ordenaes acerca destas cousas que acima tenho dito, nom lôem poios lyuros 
da mynha ygreyja, senom pelos liuros do viso Rey : eu yrey a cochym e 
mandarey a vosa alteza o Registo dos provymemtos que acerca deste caso 
estam Registados, asynados por mym na feitoria; e avisay vos, senhor, dos 
homens da ymdia, que tem as comciemcias danadas e amdam a toda Roupa, 
e aves d achar em muyto poucos verdade; e a vosa alteza nynhua cousa 
vos he mays necesaria que vos falarmos todos verdade, porquê a ymdia 
se comquysta per voso mandado e Regymento ; as pazes e comcerto cos 
Rex per voso Regymemto se fazem ; o provymento de vosa fazenda, des- 
pesas e carregua per vosa detremynaçam se faz: se vos emformarmò^ mal 



248 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

e vos nom sprevermos verdade, daremos com tudo no chão : sprita de ca- 
nanor a xxiíij de dezembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor. 

(In dorso, por lettra coeva) D afomso d alboquerque acerqua dos acre- 
centamentos e outras cousas de repostas K 



CARTA fflV 

1613— Dezembro 24 

Senhor. — El Rey de calecut mamda seus embaixadores a vosa al- 
teza com alguas Razões de «e desculpar de o presemte nom ser como sua 
gramdeza, e manda algua especiaria, pouca cousa, nesa nao, asy pêra 
despesa de seus mesejeiros, como pêra lhe trazerem de lá algum brimco: 
o que deseja he mandar vosa alteza a elle soomente dirigido hum homem, 
ou dous, que mostre comíirmaçam de paaz, e sua terra e seus vasalos to- 
mem mays aseseguo e sejam fora de duvidas, porque açaz de trabalho 
leuou em asemtar os gramdes de sua terra emsystidos na dureza e deter- 
mynaçam do çamory Rey pasado, e trazellos a todo asemto e aseseguo 
de paz, e lançai os mouros stramgeyros de sua terra, e os naturaes muy- 
tos delles feytos em pedaços diamte dele por este mesmo caso. 

A si. Senhor, que vosa alteza devia de fazer muytos comprymemtos 
com Calecut, nom porque o elRey peça, mas porque compre a voso ser- 
uiço muyto afavorecer este Rey, sua pessoa com homras, e seus portos 
com muitas mercadarias deses Reynos, porque elle me parece homem 
abalado em outras mayores cousas de voso seruyço que fazer pazes com 
vosa aheza, segundo suas praticas comyguo e sua determynaçam em que 
se pôs comlra todo comselho de seu Reyno e comtra todallas duvidas dos 
mouros: mande lhe vosa alteza alguas joyas deses Reynos, e a sua mo- 
Iher e a sua yrmãa, porque elle nom tem o custume dos outros Rex; hua 
soo molher tem, e seus filhos cryados como próprios seus. 

1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1/, Maç. 14., D. 32. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 249 

Soa molher e suâ yrmãa fizerom muyto na paz e asemto; Receba lhe 
vosa alteza suas boas vomtades e faça lhe mercees, e asy ao alguzyl ve- 
lho que foy na peleja com Rodrigo Rabelo, e vos seruyo nese feylo como 
purtuguês e nom como gemtio, e ele começou esta paz e pocaracem como 
voso seruydor; ambos e dous amdarom nela; faça lhe vosa alteza mercê, 
qae vol a merecem. 

Seus embaixadores sejam bem despachados, e maridelhe vosa al- 
teza fazer mercê: douray, senhoi:^ este feito de calecut, e day graças $ 
noso Senhor de vol a asy meter nas mãos, porque se vosa alteza vise o 
aseseguo da ymdia coro este feito de calecut e o esmayo dos mouros e 
o sometimento e sogeiçam delles, parecer vos hya espicial mercê de deos. 
O Retorno de sua aspeciaria deve vosa alteza de deixar trazer a seus 
embayxadores no que quyserem, que ele nom manda lá yso a que lhe eu • 
dey lugar, senom por mostrajr mays seguramça e aseseguo de sua vom- 
tade. 

Quer carta aselada de voso selo pendemte, feita em purgamynho; 
mande lha vosa alteza fazer a mylhor feita que poder ser, e o selo nom 
seja de chumbo, senom de prata ou douro, comtirmandolhe suas pazes, 
segurando lhe seus portos e suas terras, porque elle faz caa hua douro 
pêra vosa alteza: he homem verdadeyro e tymydo muyto em sua terra e 
muyto amado; afavorece muyto os naturaes seos, e estima pouco os es- 
tramgeyros, aynda que elle diz que na ymdia numca navegou nynhum 
ôstramgeyro dos chyns atee o cayro, senom em seu porto, e diz verdade. 
Lembre vos, senhor, que vos dá pimenta a troco de mercadarias de 
toda sorte, que he a mayor cousa que se na ymdia acabou, e com esta 
compitiçam volla ha de dar cochym quanta quyserdes. 

A fortaleza me derom homde a eu pydy, pegada na povoaçam dos 
mouros, e da outra parte ós chatyn§ sobre o porto e pouso de suas nãos, 
de demtro do Remamso do arrecife: parecem já sobre a terra as duas 
torres que estam no mar e o lanço do muro de torre a torre; o corpo da 
fortaleza he tamanho como a cerca do apartado de cochym e hum pouco 
mais esforçado; bate o mar nas duas torres que estam nos dous camtos 
da fortaleza no Rosto que faz ao mar; fiz lhe fazer duas torres neste hi- 
gar, porque queremdo dar socorro aa fortaleza, desembarque a gemte 
amtre hua torre e a outra, sem contradiçam nem peryguo nynhum da 
força do lugar, porque o corpo das torres estam de fora do muro ; a torre 
da menajem está no meyo deste muro amtre estas duas torres de demtro 

ã2 



250 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQDERQUE 

no corpo da fortaleza; outras torres ficam hordenadas nos outros lamços; 
tem hum postiguo no muro pêra o mar, pêra Receber o socorro; e a porta 
principal da fortaleza se ha de fazer a hua ylhargua dela, guardada com 
seu baluarte; nom lhe pus o nome, porque nom tem aynda as portas car- 
radas. 

Crea vosa alteza que este ano deu vosa alteza três açoutes grandes 
na casa de mafamede e descrédito do gram soldam e de todollos merca- 
dores do cayro: o prymeiro foy emlregaremvollos Rex mouros as nãos e 
espiciarias que hyam pêra o cayro nos portos omde se acolherom; o ou- 
tro foy a fortaleza e asemto de calecut, e o outro a emtrada do mar Roxo: 
praza a noso senhor que vos conserue este negocio : sprila de cananor a 
xxiiij de dezembro de 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor. 

(In dorso, por lettra coeva) Outra tall dafonso d alboquerque sobre 
callecut e seu embaixadora 



CARTA XLV 



1613— Dezembro 24 

Senhor. — Bem sabe vos alteza como elRey* de calecQt he ho mór se- 
nhor de toda a terra do malavar, e seu porto ho mayor de todalas imdias, 
de trato e mercadarias e de muitos mercadores Ricos e homeens primci- 
paes e de gramdes^ fazemdas; e pois que a noso senhor aprouue que 
vos alteza fizese asemto e paz com elRey, e ele, semdo primcipe, precu- 
rase sempre vosa amizade e as cousas de voso serviço, vos alteza deve de 
folgar de calecut tornar a seu credito primeiro e a seus tratos e a suas 

1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1/, M. 14, Doe. 33. 

^ eIRey — ho Rey. As variantes que vamos notando, resultam da comparação doesta 
caril com outra semelhante, mas datada de cananor a 4 de janeiro de 1514, que existe 
no C Chron., P. 1.*, M. 14, D 46. 

' e de gramdes — e gramdes. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQDE 251 

grandezas ' como era da primeira, porque ho Rey com que vos alteza teve 
guerra, he já falecido, e eIRey que hagora he, nese tempo sempre pre- 
curou a paz e nam tem nehua culpa nas cousas pasadas. 

Depois que Reynou, meteo em paz toda sua terra: eu lhe niamdey 
falar no comcerto de nossas pazes per bo ^ alguazill que foy de cananor, 
e per pocaracem, vosos servidores, e elRey folgou de fazer pazes e ami- 
zade com vos alteza, e vos deu forteleza e feitoria em seu porto, e alguuns 
mouros comtrairos ha paaz lamçou fora de sua terra; e aimda que ^ ouve 
senhores de seu reyno comtra ha paz, e elRey de cochim e cananor ha 
estro vasem, ele sempre comsemtio na paz com muita verdade e segu- 
ramça, comfiamdo que vos alteza folgará * muito com ha paz, e o qererá ler 
por amigo e servidor, e que fará seu porto gramde, e mamdará a ele muy- 
tas mercadarias, porque hasy lho tenho eu dito que ho vos alteza fará ^ 
porque ele sabe que com voso poder e autoridade asemtey as pazes com 
elle, e deu fee a minhas palavras, as quaees lhe fizeram emtemder elRey 
de cochim e elRey de cananor e alguuns purtugezes danados que era 
tudo'falsydade e emganos; e por seu coraçam ser limpo, sempre me creo, 
e sempre me fez tudo ho que lhe eu Reqery, e me deu ho lugar pêra a 
forteleza omde lho eu pedy, com todalas abastamças de pedreiros e jemte 
de trabalho, pedra e call e todo ho necesareo, e isto com muita verdade 
e muito amor e com muito bõoa vomtade, e recebeo os vosos homeens e 
vosa jemte debaixo de sua seguramça e de sua verdadeira palavra. 

Oulhe vos alteza estas cousas, que sam muito gramdes, e que as de- 
vees destimar em muito, porque* huum tam gramde Rey como he elRey 
de Calecut, folgou de vos dar parte em sua terra e asy ametade dos car- 
tazes e toda carga de pimemta e espiciaria ^ que quyserdes por mercada- 
rias deses Regnos \ . 

Quer, senhor, de vos alteza, que* por este serviço e bõoa vomtade 
com que asentou a paz e amizade com vos alteza, que em synall d amor 

« 

^ suas grandezas — íua grandeza. 

• per ho — pdo. 
' que— jTuy. 

^ folgará— /biparta. 

^ TOS alteza fará — fará vos alteza. 

• porque— potí que. 

^ espiciaria — especiaryas. 

^ por mercadarias deses Regoos — a troco de mercadarias que quixerdes. 

• que — iálu. 

32« 



252 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

e verdadeira paz yos alteza mamde hum homem ou dous derejidos a ele 
com a reposta de seu Embaxador e suas cartas; e quer que has nãos que 
ouuerem de vir a seu porto» venham dereitamente a ele, e as mercadarias 
que vierem a seu Porto, que^ se nam descarreguem em outro porto pri- 
meiro; e^ quer que lhe mamdees abastamça de mercadarias, quamtas se 
em sua terra posam gastar; e quer que vos alteza lhe mamde tudo isto 
comíirmado^ e tudo ho que com ele asemtey, per carta vosa, asynada e 
aselada do voso selo, que dure a paz pêra sempre, porque ele vos me- 
rece isto e muito mais, por desejar sempre vosa paz e amizade e dar for- 
teleza a vos alteza * em su,a terra. 

Mamda seu embaxador a vos alteza com joyas que vos leva: peço a 
vos alteza por mercee que seja despachado ^ e agasalhado quamto he rezam ; 
e lhe emvie vos alteza presemtps e dadivas, e asy ha Raynha sua molher 
e sua irmãa, que falaram muito na paz e trabalharam muito no comcerto 
dela. 

Pêra todas estas cousas Ihempenhey minha verdade, que vos alteza 
as despacharia e comfirmaria como ele merece e he rezam, porque deixou 
ho trato dos mouros do cairo por tomar hó de vos alteza; deixou as mer- 
cadarias do soldam por Receber as de vos alteza em sua terra; deixou a 
guerra que ho outro Rey tinha, por folgar com ha paz e por imrriquecer 
sua terra: oulhe vos alteza por estas cousas, que sam gramdes, e Rece- 
beeas ® com giamde amor e bõoa vomtade; e amostray a elRey de calecut 
com bõoas obras ho amor e amizade que com ele folgaes de ter, aprovei- 
tamdolhe sua terra e muitas mercadarias desas partes de que Receba al- 
guum proveito, e nãos que carreguem em seu porto e dem saída haas 
mercadarias e espiciarias de sua terra, pois que deixou as dos mouros do 
cairo que lhe cadano vynham. 

ElRey de calecut he gramde senhor, homem muito verdadeiro; tem 
muita jemte e muita terra; iodolos Rex e senhores do malavar sam cai- 
maes pêra ele e de pouca força diamte dele, e todalas naaos da imdia na- 



* qae — falu. 
*e— fallA. 

t' comfirmado — firmado. 

* vos alteza — êua alteza. 

* seja despachado— Séf;a bem despaekadot 
' Recebeeas—A^ceto 01. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 253 

vegam em seu porto; toda a pedraria e aljôfar ha nh cidade de calecut, e 
todalas Riqezas^ e bõoas cousas sacharam' nela. 

Seu embaxador leva algflua espícíaria pêra sua despesa e pêra tra- 
zer alguuas cousas com que ele folgar; mamdeo vos alteza bem despa- 
char e cedo, e dele' lugar que traga toda mercadaria e todallas cousas 
que lhe eIRey mamda trazer, e traga ha carta e comfirmaçam do asemto 
que fiz com el Rey, qu& vos ele mamda ^ pedir, e Receba sua joya ^ e seu 
presemte bom aqele amor e bõoa vomtade que elle amostra ter bas cou- 
sas de voso serviço. 

E á Rainha sua molhar e a sua Irmãa esprevalhe vos alteza agarde- 
cimemtos do que nesta paz fizeram, e lhe mamde ^ alguuas dadivas de lá, 
e asy alguuns ^ aceitos a ele, e ao alguazill e a pocaracem, que no comcerto 
trabalharam bem, e imda agora no fazer da forteleza eles ten o cuidado 
de dar aviamemto a todo negocio com as pesoas^ que elRey também or- 
denou pêra amdarem nese feito. 

Diz também elRey de calecut, se vos alteza quiser fazer nãos, ga- 
lés, caravelas, navios, que no seu R o e porto de chalea ha muy gràmdabas- 
tamça de toda madeira e muito de barato, que pôde vos alteza mamdar fa- 
zer quamlas quiser. 

Torno vos, senhor, a lembrar quam ^ estimado deve de ser este feito 
de calecut amte vos alteza, e quam gramde qredito deu a todalas vosas 
cousas da imdia, afora os Rex e senhores desas partes lá, mercadores, 
tratos, companhias demfiees, perderem ^® de lodo a comfiamça e esperamça 
daverem ** as cousas da imdia; e tudo isto fez elRey de calecut com ha paz 
e amizade e forteles^ que Recebeo em sua terra. Rezam he que vós alteza, 
onlhamdo todas estas cousas que tamto tocam a voso serviço, com bOoas 
obras comservees sua paz e amizade, e guardees seus portos e seus tra^ 

todalas Riqezas— forla a Riquexa. 

s acharam -s adiam, 
iéle^délhe. 

vos ele mamda — vos WMnda. 

soa }oya — tuas jcyat . 

e lhe mamde — e mamdelhe. 

asy alguuns — asy a algtmm. 

as pesoas — alguas peíoas. 

lembrar quam — lembrar atrtra vez quam. 

perderem — perd^om. 

daverem— de f^Mi. 



254 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

tos como cousa muito vosa. e lhe qeyra vos alteza comprazer e outorgar 
todalas cousas que vos mamda Reqerer: sprita de cauanor a xxiiij de de- 
zembro de 1513^ 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Aiomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor. 

(In dorso, por lettra coeva) D afomso d alboquerque sobre a paz de 
Calecut '. 



C4RTAXLVI' 

1613— Dezembro 28 

Senhor. — A vós vos comvem fornecer a Imdia de mercadarias daquy 
avamte, porque a boca do estreito, prazemdo a noso senhor, çarrada está, 
porque a destroyçam que fizemos em nãos llá dentro e ser lugar muy es- 
treito e serem elles certeficados que nam avemos nós de leixar aquela em- 
presa^ pois que, louuado noso senhor, todallas outras cousas estam asem- 
tadas e asesegadas, nam ham d ousar d ir abocar llugar tam estreito, por- 
que nos nam podem em nebua maneira escapar, e sabem em todollos por- 
tos da Imdia que me faço eu prestes pêra tornar llá; porlamto» senhor, 
mamday muytas mercadarias das sortes que vos aqui aviso. 

Item: primeiramente calecut pede gramde soma de coral laurado, 
em Rama, e o mais dele em Rama; pede cobre, azougue, vermelham, 
borcados baixos, velludos cremesys e pretos gramde soma, Alcatifas, aça- 
fram, agoas Rosadas, ezcarllatas e outros panos doutras sortes. 

Item: cambaya pede cobre, azougue, vermelham, ezcarlatas, borca- 
dos baixos, e arrezoados velludos cremesyns e de graam; veludos pretos 
gramde soma; panos bramcos e pretos finos; sedas Rasas nem dainascos 



^ sprita de cananor a xxiiij de dezembro de 1613 — spriia êm eodiim a iiij Has d$ 
janeiro de 1614. 

* Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.*, Maç. 14, D. 34. 

' Esta carta é semelhanteà que fica transcrípta sobo oum. xxxna pag. 167; tendo 
porém diversa data, e ofTerecendo algumas variantes, entendemos que não a devíamos 
omittir. Preenchemos com itálico os legares em que o originai está deteriorado, aprovei- 
tando o texto da carta já referida. 






CAUTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 255 

nehaua cousa, |7or^ vem muitos de malaqua; pedem açafram, agoas Ro- 
sados, e se pela vemlura poderdes aver cetins avellutados de cores, que 
quá chamamos veludos de mequa, fazem nos em lepo, em bruça, em tor- 
quia, nam será maa mercadaria; alcatifas de levamte poucas. 

Assy mesmo se gastaram gramde soma de borcados e velludos na 
terra do preste joão. 

Em peguu e em siom se gastará gramde soma dazougue e verme- 
lham, panos bramcos e pretos, veludos e borcados baixos alguns, e ez- 
carllatas; de quá da imdia roupa de cambaya. 

E pêra maUaca veludos de toda sorte e ezcarlatas e borcados bai- 
xos, azougue e vermelham, e em toda parte afyam, porque todo este 
mundo de quá o pede e o ha mester. 

Em urmuz soma de cobre gastará e dazougue, vermelham; pedra 
ume nam faz pêra llaa. 

Em Narsimga e o Reino de daquem borcados e veludos gastaram, 
cobre, azougue, vermelham, agoas rrosadas, e ezcarlatas. 

Bemgalla toda nossa mercadaria pede e tem necessidade delia. 

Çamolora (sic), Azougue e vermelham, e cobre pouco, ezcarlatas, 
borcados, veludos pretos e cremesys ; seda Rasa nem damascos nam nos 
ha mester; e o mais, o que vosa Alteza llá verá per carta sua sobre a soma 
da seda que pedis. 

Também se gastaram Azeites de portugal e açuqueres alguuns boons 
e muitas outras meudezas que desas partes quá emtram na yndia, a que 
nom sey o nome, que tudo se gasta: e aynda, senhor ^qw o ganho nam seja 
tam groso dalguas mercadarias de laa, que aqui nam nomeyo, deve as 
vosa alteza todavia de mamdar, porque se fará proueito e abastecer se á 
a imdia daquelas cousas que a ela soyam de vir per outro caminho, e 
escusares mamdardes dinheiro de llá, amtes se vosos tratos amdarem bem 
aviados, vos yrá de quá muito ouro, como mo vosa alteza screpve. 

Sobre o Azougue que quá mamdaes, será bem que saiba vosa hU 
teza que queria eu amtes o que se perde cadano por más vasilhas, que o 
que me vós daes com a gouernamça da imdia: os mouros da imdia o tra- 
zem quá em duas cousas, em coquos e em canudos de canas curtos, que 
sam tam gordos como a perna de hum homem do giolho pêra baixo; fa- 
zem hum buraco no meyo do estremo do canudo, çarramno com allaquar, 
e está seguro, numca se vai; asy mesmo fazem ós cocos, abrem lhe hum 
daqueles olhos, çarram no com alacar, e numca semtoraa. 



256 CARTAS DE AFPONSO DE ALBUQUERQUE 

Também, senhor, aviso vosa Alteza dos panos que quá mamdaes, 
que deviam de vir muy empresados e embrulhados e metidos em sayos 
de ilooa, çarados muy bem e metidos em arca pregada, breada e pricym- 
tada, que lhe nam emtra uehuua agoa, e nam nos meter em poder dos arru- 
madores das nãos, mas em lugares escolhidos e amtrambalas cubertas, 
arrumados á popa omde lhe nam toque nehuua agoa, por muita que chova, 
porque ha ally cuberta e alcáçova e tolda e nam pasa agoa abaixo. E as 
ai*mas e Uonas que quá mandaes, desta maneira aviam de ser arrumadas 
e bem tratadas; asy, senhor, que n arrumação da nao Recebe ás vezes vosa 
mercadaria gramde quebra, e asy se faz no azougae e nas armas; os mes- 
tres metem tudo a granel, os arrumadores por hondelhe bem vem; os feito- 
res das nãos quer a emireguem ca podre, quer nam, nam lhe Releva nada; 
os feitores delia nam tem mais obrigaçam que de as emtregarem demtro 
nas casas, pesadas e comtadas; mamde vosa alteza olhar por estas cou- 
sas, porque por buscarem huua pipa de vinho boom, amdam logo todallas 
mercadarias de boombordo a estribordo e per ese emsaees desas nãos; e 
toda outra mercadoria, tiramdo cobre e chumbo. Recebe dano na viajem 
de Há pêra caa. 

. Senhor, acerqua do prouimiemto dalguuas cousas de que quá temos 
necesidade, aviso vosa alteza, e diguo prymeiramemte, que se a noso se- 
nhor apraz que nós façamos asemto no mar rroxo e descobrirmos estes 
biocos de Suez e dârmada do soldam, que vosa alteza se devia de tirar 
das nao6 e trazer vosa armada em gallés, e aimda que amtre ellas am- 
dem três ou quatro nãos, nam he senam bem; e como huua vez formos 
seguros d armada do soldam que ha nam ha hy no mar, aimda que de- 
pois se fizesem mil velas e sajuntasem todollos Reis mouros do mumdo 
a fazer nãos, com quatro gallés lhe tolhes que as nam lamcem ao jnar; 
porque bem nas podem fazer em terra, mas varam do os casquos das nãos 
ó mar, queimallasha huua gallé sem comtradiçam, e quamtas mais lam- 
çarem ó mar, tantas mais perderam e lhe queimaram; de maneira, senhor, 
que aimda que todo ho poder do mundo o ajudase, como ganhardes pose 
do mar rroxo, nunca mais pôde fazer armada, porque nam tem portos 
çarrados assy defemsaues em que ha cryee, que lhe nós llá nam emtre- 
mos, e nam tem outro seiíam çuez, porque de todallas outras partes he 
muy lomgo caminho ho cairo. 

E tudo he Rib^Va de m^r e he muy curta navegaçam de meçuá e 
dalloc e da terra do preste joão, de que vosa alteza deue de fazer fu$á2L- 



\ 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 257 

memto: ao porto de çuez naveguâçam he de xij ou xiij dias. E se vos mais 
quiserdes chegar adiamte, ahy temdes a ilha de çuaquem, mui boom 
porto; e que hy nam aja agoa, ha hy cisternas que abastaram pêra a for- 
taleza, e da terra firme trazem agoa a vemder; porém a meu ver, se- 
nhor, vós ganhares judá sem comtradiçam, porque he cousa pequena e 
fraca, e queremdo o soldam hy mamdar jemte que ha defemda de nós, 
ha 'de ser mui trabalhosa de bastecer de mamtimemtos, porque he lomgo 
caminho do cairo a judá; e se nosos pecados nos deram Uugar que che- 
gáramos llaa, com ajuda de noso senhor nam ouvera hy contradigam de 
a levarmos nas mâaos, porque nam era aimda cerquada da bamda do 
mar: o que agora avemos mester, he muytos Remos pêra gallés, panos de 
vila de comde, que nam venham podres, duas dúzias de carretas ferradas 
pêra artelharia grosa e miúda. 

Temdo vós, senhor, feito asemto em meçuá e na terra do preste joão, 
hase de despouoar de necesidade judaa, porque nam lhe ham de vir es- 
pecearias nem mercadarias nem os mamtimemtos de fora. E queromdo o 
soldam hy ter jemte de garniçam, nam na pôde bastecer de mamtimem- 
tos, e vosa alteza pôde a soster com os prouimemtos da terra do preste 
joham, que está defromte: ganhada judá, nam ha hy casa de mequa, nem 
quem ouse morar nella, e de necesidade ha ham de leixar os alfenados, 
porque está hum dia de caminho de judá: a meu ver, senhor, hey o feito 
de mequa por pouca cousa; sua destroiçam he leve cousa d acabar ; assy, 
senhor, que de gallés aves de fazer vosso fumdamento; em cada lugar se 
podem correjer e espalmar, e em cada llugar podem emtrar, como esta 
armada do soldam fôr segura. 

E assy, senhor, no^ deue vosa alteza mamdar armas, porque á de- 
vasidod^ dos portugmses nam ha armas nehuuas que abastem, nem tem 
em comia soldo, nem tomarem nas sobre seu soldo, e portamto, pois he á nosa 
custa, mamde nos vosa alteza abasti mento delias, e agora vos compre mais 
que numca, pois que vosa alteza tem determinado de segurardes a imdia 
dos imcomveniemtes que podem sobrevir; e asy vos compre, porque te- 
moUos^ imigos á porta: armas bramcas de corpo nam nas devia vosa al- 
teza quá de mamdar, porque sam mais trabalhosas de mamter que hum 
cavallo de cubertas, e perdem se todas : couraças sam mui boas armas pêra 
quá, nam ham mester escamei nem outro coregimemto nehum, salvamte 
se se denaficam os couros per tempo, tomara os homens crauaçam e cou- 
ros sobre seu soldo e correjemnas e amdam sem^;re em pee: pelouros 

33 



258 Cartas de affonso de Albuquerque 

d espera e de serpe nos deve vosa alteza de mamdar, que nam ha quá 
nehuns: ese castelo de madeira que me dizem que vosa alteza tem, se o 
tyueramos em adem, sem contradiçam fora nosa, porque armáramollo 
castello nagoa de Rubaca, que vos lá tenho sprito; segura agoa, sem 
contradiçam tinhamos adem nas mãaos; piques pêra a jemte da ordenamça 
e lamças que tirem samgue aos imigos, porque nol as mamdam assy como 
vem de bizcaya, sem amolar, emcomemdadas a hum barbeiro imchado 
que quá ha na imdia, e armada nam pôde esperar por isso, porque eu 
nam tenho na imdia mais tempo, nam emvernamdo nela e vimdo de fora, 
que novembro e dezembro; em janeiro me convém partir pêra o estreito, 
se nele ouver de fazer fruylo, e pêra vrmuz em feuereiro, e pêra mallaca 
em abril: ora olhe vosa alteza quam pequeno tempo tenho pêra m apa- 
relhar pêra ir ao eslieito, vimdo de fora no mês de setembro e outubro, 
como agora vim; portamto, senhor, emquamto trazes a obra quemte, 
mamdai nesas nãos todo o aparelho que mamdaes fazer por voso Regi- 
mento, porque, louvado seja deus, ainda que seja homem velho e fra- 
quo, nom ha daborelecer nehuua cousa em meu tempo. E se vosa alteza 
quer que a vosa armada este aguarádimào por isso, custar vos ha hum 
prego cem cruzados, e hum machado ou alviam duzemtos cruzados; e se- 
gumdo-a demora que vosa armada fizer, asy fará as avallias. 

Também nos mamde vosa Alteza alguua soma de chumbo, porque 
temos diso necesidade: sprita em o porto de calecut a xxbiij dias de de- 
zembro 4b 1513. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A cl Rey noso senhor *. 



» Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.*, M. 14, D. 36. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 2&9 



CARTA XLVn 

1514— Janeiro 1 

Senhor. — Lá mamdo a vos alteza os pareceres de todoUos capitães 
sobre o feito de goa; delles leua dom joham e delles joham de sousa, e 
outros antonio d abreu, porque hos tinha espalhados per desvairadas par- 
tes, nom nos pude ajumtar todos: goa fica asy agoardamdo vosa detre- 
minaçam, as sprevaninhas das feitorias dadas a criados vosos, casados 
hy; framcisquo corvinel feitor, pêro mazcarenhas capitão, alcaide mor 
joham dataide; os almoxarifes, posto que nora sejam vosos criados, sam 
homens de bõoa linhajem, e pêra o serem, casados ha y com muy pou- 
qua cousa sobre seus sólidos cos ditos carregos, e asy os alcaides das 
torres de pamjym e benastarym ipuy pouqua cousa tem ou nada sobre 
seu sólido: nam boly com nenhua cousa destes, nem dey estes carregos 
alguuns criados vosos, por duas rezões: a primeira, porque ho nom quy- 
seram tomar com tam pouqua cousa, porque tem tamto de moradia e 
solido como os, ordenados dos ofycios; dey o a homens casados, porque 
no tempo da guerra podesem milhor mamter suas casas e suas pesoas.. 
Está aimda asy tudo agoardamdo a detreipinaçam de vos alteza. E á fei- 
tura desta me spreveo francysqo corvinell, que has terras das ilhas estauam 
todas arrendadas por doze mill e oytocemtos e 1^ pardaos S afora as Em- 
tradas e saydas das mercadarias e o trato dos cavallos: pode vos alteza 
agora Repartir tudo como vos bem parecer, e dardes vosos ofícios a quem 
quyserdes. 

Amtonio de sousa e joham teixeira que vieram de narsymga, pella 
Emformaçam que delles ouue, aja vos alteza, por certo que se o trato dos 
cavallos está em vosa mão, se os nom comsintirdes yr a outras partes se- 
nam a goa, que vos á elRey de narsymga de pagar páreas e todo o Reino 
de daquem; nem deue vos alteza de comsymtir que has nãos dormuz 
venham ao porto de batecalla, senam a goa: os de batecala me comete- 
ram que me pagariam os direitos dos cavallos, e que hos leixase yr a ba- 
tecalla, e eu, senhor, nom quys, porque se fará goa a mayor cousa des- 

1 Cincoenta pardaus. 

33* 



260 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

tas partes e mate Riqua, como antigamemte soya de ser, porque batecala 
nom tem barra nem porto, e todalas mercadarias que soyam de vyr a 
goa, vem agora a batecalla; e esta escapoUa dos cavallos fará vyr todal- 
las mercadarias a goa, e sam tam desejados e tem tamta necesydade del- 
les, que ham de fazer tudo o que vos alteza pedyr. Afora isto ter ssabido, 
antonio de sousa e joliam teixeira o viram per espiriemcia: o direito dos 
cavallos e o ganho do trato delles he hua muito gramde cousa, e nom 
toqua outra paga senam dinheiro na mão: troueram três mill pardaos 
dallguuns cavallos, que ficaram dos que eram vemdidos a pocaracem: os 
outros que se perderam, verey per justiça quem nos ouuer de pagar, e 
pagarseam, porque, ou pocaracem, ou o capitão e oficiaps de cananor 
que ho premderam, huuns destes hos am de pagar. 

Eu, senhor, me espamtey á primeira mamdar vos alteza ter comse- 
Iho publico sobre o feito de goa, e agora que descobry esta mina de car- 
tas que vos de quá spreviam, nam me espamlo senam como nom mam- 
daueis pôr o fogo a tudo, porque hos vy tam ousados no modo do spre- 
ver, que pareceo ter vos alteza nelles toda a comfiamça das cousas de quá, 
e terem elles já ávido per muytas vezes aprouaçaui de todas ^uas cartas 
e do que nellas vos spreviam, porque em carta doyto folhas de papell de 
marqua mayor nom se achar huua só verdade que vos sprevesem, e agora 
antonio Reall pelo juramemto dos samtos avamjelhos negar tudo, e com- 
fesar que todas aquellas cousas que na carta yam, eram falsydades e em- 
ganos, e diogo pereira danado desa maneira que vos alteza lá verá, tudo 
per estucia e comselho de gaspar pereira. 

Deste feito de goa tenho largamente sprito a vos alteza, e destes tur- 
quos que asenhoream o Reino de daquem, e da jemte bramqa que vem 
per mar buscar seu solido, e asy os cavallos que lhe vem d arábia e da 
persya; e aimda avisey a vos alteza dos embaixadores de xequesmaell, 
que este ano emtrararn na imdia, e asy lhe vem fundidores desas partes 
e fazedores dartelharia: vem me muytas vezes estas cousas ha memorea, 
porque cuydo sempre os emcomvinyentes que podem sobrevyr ao negoceo 
da imdia, e de nenhua cousa tenho tamanho Receo como destes turq>ios e 
Rumis que hasenhoream o Reino de daquem, porque ha divisam que han- 
tre elles ha comtínua, os faz nom emtemder em noso feito, e peíla vem- 
tm*a, se vos alteza desymulase huum pouquo este feito da imdia, fazemdo 
se elles em huua poder vos yam obrigar a muito, porque já sam na Ri- 
beira do mar, e sam homes comquystadores e sabem bem na guerra, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 261 

e sam mais d arrecear que hos Rumis, porque heses vem per mar, e os 
do Reino de daquem demtro na Imdia tem seu poder e sua força; e pello 
que daquy pode nacer em alguum tcinpo, ha mim me parece, senhor, que 
vós lhe deves de tolher a jemte bramca e toda a reformaçam que lhe vyer 
de fora, e os cavallos que estêm na vosa mão; e per derradeiro leuarlhe 
os lugares primcipaes que tem na ourella do mar, e cortar lhe todollos 
gouernos, c pella vemlura os lamçarês a perder sem comtradiçam: sua 
terra he desde chaull até cimlacora, tiraindo goa, que está nas vosas 
mãos: chaull, se o asenhoreardes, á vos de pagar as despesas e gasto que 
hy fizerdes e o solido á jemte, e damda outro tamto, e dabull e camgicar 
asy o farám. 

Lá sprevy a vosalteza como damda he huum lugar bom e porto 
prymcipall pêra lodalas carraquas entrarem nelle, e tem huua Ilha muy 
pequena, em (pie hos mouros tem huua forteleza muito fermosa, de gramde 
arvoredo e muytos tamques dagoa: será a ilha tamanha como os paços 
de hxboa; ha seis braças dagoa antre ella e a terra fyrme; parece me, 
senhor, que a deuemos dasenhorear, porque chaull e damda vos dará 
quamto vós pydyrdes, ou ao menos metellos no sertão, que he gramde 
vitupério deixados aly estar ; mas ella he hua das boas cousas que quá vy 
nestas partes: aquella foy a primeira cousa que os turquos ganharam 
nestas partes, e daly começaram de comquystar o Reino de daquem. Jaz 
esta forteleza sobre campos de lauoyras d arrozes e linhos, e jaz antre 
dabull e chaull; he porto de cambaya: lugar he desejado de todos nós 
outros que ho vimos, e nom ha y gasto nem despeza, porque ella pagará 
o solido a cemto homes que hella á mester, e a mill, se mill quyserdes 
nella ter, e nom vos pôde obrigar, porque está no mar: a elles lhe pesou 
muito de a eu ver, e se agastaram muito quamdo viram amdar o prumo 
de rrador da ilha: aly em damda me emtregaram a nao do cairo carre- 
gada despiciaria, sobre que llá sprevy a vosalteza: sprita em cochim ao 
primeiro dia de janeiro de mill e quynhentos e quatorze anos. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alUeza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescrípto) A EU Rey noso senhor. 

(In dorso, por lettra coeva) D afonso d alboquerque sobre o de goa e o 
que fallou em amda (sic), que parece muita proueytosa pêra voso seruiço *. 

» Torre do Tombo— C. Chron. P. L\ Maç. 14, D. 40. 



262 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



C4RTA XLVm 

1514— Outubro 20 

Senhor. — Per huaa carta de vos alteza em reposta doutra que es- 
prevy acerqa das^ culpas dos homes que no Rio de goa oulharam mall as 
cousas de voso serviço e comfirmidade de vosa jemte e armada, e a re- 
zam e comta que dey a vos alteza dese feito, peço a vos alteza por mercê 
que lhe perdoe, e que me nam aja por homem que faço o que nam devo, 
em acusar alguuns fidalgos e cavaleiros que vos quá fizeram alguuns ser- 
viços, e que ho que faço he comtra minha naçam (?) e comdyçam ; por milhor 
m estaria a mim dar lhe duzemtas dobras e hum ginete e salvai os de voso 
castigo, e os trazer em descontentamento de vos alteza; mas eu, senhor, 
vos juro pola verdade que sam obrigado a vos dizer, que nem destes nem 
de vosos oíiciaes, nem de nehua pesoa que na imdia amde debaixo de 
meu governo, vos ouuera desprever deles suas tachas e seus erros, se 
nam fora dar Rezam de mim e das cousas falsas que de mim esprevem 
e dizem, porque nam poso eu dar rezam de mim e mostrar me sem culpa, 
que eles nam íiqem culpados, porque vos alteza he bõoa testemunha de 
como vos sempre esprevy bem dos homeens, e de muitos que agora he 
forçado dizer suas culpas e seus defeitos, por mostrar minha verdadeira 
justiíicaçam; e se por outro modo e maneira ho eu poderá fazer, deus sabe 
que eu nam amdo em lugar pêra nam perdoar a morte de meu pay e 
quamtos erros me tiverem feitos, se eu alguum conhecimemto tenho de 
deus: acabada em goa a xx dias d outubro, amtonio da fonseqa a fez, 
de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Áfomso d aJboquerque. 

(Sobrescripto) A ElRey noso senhor ^ 



» Torre do Tombo— C. Chron. P- l.\ M. 16, Doe. 61, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 263 



CARTA XLIX 



1514— Outubro 20 

Senhor.— Vy a carta que me vos alteza espreveo sobre as cartas das 
partes que quá mandaes metidas nos maços, e a maneira que vos alteza 
quer qe se niso tenha, e que elas sejam todavia dadas, porque asy com- 
pre a voso serviço, e que em outra maneira seria voss alteza muito deser- 
vido. Digo, senhor, que quem esprever comigo, terá cuidado por meu 
mandado de fazer o roll, e receber asynados das partes a qem sam da- 
das as cartas, e irá asynado por mim e cerrado cadano a vos alteza; nem 
tenho eu criaçam nem comdiçam pêra fazer o comtrairo, nem sam ceoso 
de minha vida e meus custumis; em praçaa vemdo e em praçaa remato, 
como dizem os porteiros, pêra que emtre em mim duuida por omde se 
deixem de dar as cartas cerradas haas partes a que as mandaes; nem 
qero saber mais segredos que baqueies que me vos alteza revelar; e aimda, 
senhor, vos digo mais: que sabemdo certo que vinha carta á imdia pêra 
eu receber algum castygo ou dano de minha omrra, nana abryria por 
ser senhor do mundo; e se eu fose homem desas cozquilhas, nos maços 
que vem de lugar a lugar omde eu estou, abriria as cartas das partes» 
como se soya a fazer nos tempos pasados, e nam espreveria nehum ho- 
mem a outro sem minha licemça, como achey por husansa na imdia. 

Nam fora pouco voso serviço as cartas que vieram amtonio Reall de 
seus provymemtos, virem a mim, e a notefícaçam a ele, e ouuera ele a 
mercê que lhe vos alteza dava em seu tempo, e nanas apregoara e lera 
diamte de quamtos cavaleiros e fidalgos vinham d adem com as pernas 
qebradas por voso serviço, imdo se ele pêra eses Regnos. Deixou semeado 
este comtemtamemto nos coraçõees dos homeens, que aimda agora nam 
poso amamsar, e nam m espamtaría escreverem os homes de quá ese re- 
cêo, por tall que amdasem sempre escuras as cousas que vos de quá es- 
previam de mim: nam peço a vos alteza outra mercê neste caso, senam 
que ha liberdade que ho direito daa a hum pobre lavrador, seja guardada 
a mim, a quall he nam se dar semtemça sem ouuir as partes» e eles se 



264 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

emendaram de seus erros. De goâ a xx dias d outubro, amtonio dafom- 
seqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vos alteza 

Afonso d alboquerque *. 



CARTA L 

1514— Outubro 20 

• 

Senhor. — Acerqa do que me vos alteza per outra carta escreve do 
feito de babarem, e da maneira que se nisso deve de ler pêra se segurar 
e asenhorear, e arremcar daly o nome de mafomede, digo, senhor, que 
esas cousas taes sam muito leves d acabar, nem estam asy desatadas e 
fora de vosa sojeiçam, senam por duas cousas: a hClua, polo corregimento 
das nãos, que nam podemos meter dous dedos d estopa sem serem vara- 
das em terra, poUo fraco reconhecimento das marés nas partes daimdia, 
o quall feito gasta o tempo, que nam pôde homem chegar a tempo que 
cure tamtas cousas; a outra he a empresa do mar Roxo e adem, que sam 
cousas novas e que comvem serem trilhadas de nós a meude; mas com 
ajuda de noso senhor, seguro vrmuz, nam ha d estar nehua cousa daque- 
las partes fora de vosa obidyemcia, nem pôde, imda que qeira, porque 
tem por seu emparo e por sua cabeça primcypall a cidade d urmuz, e por 
seus comtrayros e imigos os arábios, em cuja terra estam: babarem, se- 
nhor, he cousa muito grosa e muito Rica; ha Pescaria do aljôfar nam he 
nada d asenhorear, porque sam homeens que ho pescam jemte de traba- 
lho e mizquinha, que vem aly ganhar sua vida cadano, e parece me que 
pescamdose com Rastos de lá desas partes, que se dobraria o proveito: 
o em que, senhor, fico neste feito, he este, como já digo em outras car- 
tas, que vos alteza tem ávido boom comselho em asenhorear vrmuz, e nesa 
determinaçam fico, porque, aimda que estas cousas pareçam grandes e 
trabalhosas de soster, como tomam asemto, sam muito pouco custosas e 
n^uito proveytosas; e os mouros destas partes, como homeens que has 
ganharam e asenhorearam sem lhe ficarem da eramça de seus avoos, alar- 

1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.% M. 16, D. 83. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 265 

gan as de sy muy cedo, se lhe fazem força e lhas defemdem beai : ganhado 
vrmuz, ó baharem seguro e todalas cousas do mar da pérsia, e nam he 
joya pêra deixar em poder dos mouros, ao menos pelo trato das espycia- 
rias que qerês tirar a meqa e ao cairo, e comvem a vos alteza de necesy- 
dade dardes lhe sayda per outra parle : acabada em goa a xx dias d ou- 
tubro, antonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vos alteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor *. 



CARTA LI 



1614— Outubro 20 

Senhor. ^^Vy a carta que me vos alteza espreveo sobre a soma do 
cobre que quá mamdaes, e a maneyra que vos alteza queria que se tivese 
logo chegamdo as nãos, mamdamdo que logo se baldease da nao em ou- 
tra, e que ho mesmo feitor ho levase carregado sobre sy, com esprivam 
que lhos vosos ofíciaes poriam pêra as compras e vemdas, fícamdo o co- 
bre carregado em Recepta sobre o feitor de cocbim; o quall feitor que asy 
levar o cobre, levará de vosos ofíciaes regimemto do prece por que ho ba 
de dar, e dy pêra baixo o nam possa abaixar senam alevamtar, e d outras 
mercadarias que levar: digo, senhor, que eu mamdo logo esta carta aos 
ofíciaes de cochim, que cumpram imteiramemte ha determinaçam de vos ai-* 
teza, e que se ponha logo em obra; e acerqa.da vemda do cobre nam ha 
hy duuyda, que chegamdo a dyu ou a cambaya se vemderá lo^o ; e ao 
que vos alteza diz, que ho dito feitor que asy levar ho cobre sobre sy 

avi . . « no doutras mercadarias^ venha ; . feitor 

c(wo cousa emderemçada em tall maneira que nam aja by 

• Recepta e bua despesa e hiHia comta, aquall ....... por bem 

que seja a do voso feitor em cochim, e asy se fará como vos alteza or^ 

dena. 

E porque na nao sam migell em que vinha luis damtas, que chegou 

Torre do Tombo.— C. Chron. P. 1.', H. 16, D. 48. 

34 



266 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

após framcisco pereira sobre a barra de goa, trazia bj^ quintaes * de co- 
bre e certa soma de marfim de moçambiqe, a mamdey logo partir daquy 
a gram pressa camynho de cambaya, asy pêra vemder as mercadarias, 
como pêra trazer alaqueqas e anill, que mamdaes levar nas nãos, porque 
abaixamdo se a cochim e tornar a cambaya, poderia ser que acharia já as 
nãos da carga partidas, e vay da maneira que vos alteza ordena em vosa 
carta: ho mesmo feitor que trazia o cobre sobre sy, ho vay vemder co es- 
}rivam da mesma aao, e am de lornar co retomo á feitoria de cochim, e 
li ha de ser Receitado ho cobre sobre o feitor de cochim, e o mesmo fei- 
tor, que se chama jorje rodrigues, dar comta do que vemdeo e comprou 
ao feitor de cochim, por hy nam ver senam bua Recepta e hflua despesa 

e bua comta. vemda do feitor da nao se o peso 

sobre o feitor de cochim. 

E asy, senhor, lhe mamdey trazer soma de Roupa pêra çofala, e 
mamdey pêro sobrynho, esprivam que foy de çofala, com eles, porque 
conhece a roupa que çofala ha mester; fiz esta dilijemcia, porque alcam- 
çasem estas cousas ás nãos da carga, e por^ nam ser aimdà vimdo chris- 
tóvâo de brito mamdey luis damtas na mesma nao. 

Quamto he, senhor, ao Regimemto de christóvâo de brito, tamto 
que ele chegar lho darey na maneira que me parecer mais voso serviço, 
aimda que toda força do Regimemto está neste capitulo em que vos alteza 
mamda que lhe seja posto em seu Regimemto, que he nam fazer presa 
nem tomadia, salvo naquelas pesoas e lugares que lhe der per Regimemto. 
E quamto he ao trelado do regimemto que lhe der, porque respomdo a 
esta sem ele imda ser chegado, que sam xxbj dias ^ de setembro, ho nam 
ponho aquy nesta mesma carta; quamdo lho der, hirá ho trelado a vos al- 
teza. 

Quamdo aquy chegou framcisco pereira, nós estávamos em asaz ne- 

c e comveo tirarmos da nao asy pêra boso mamti- 

memto, com jemte tocar soldo, que ho pidia asy 

pêra se comprar algum arroz pêra armada, porque nam padecia o tempo 
aguardarmos que fose a cochim, aimda, senhor, que a nao vay tomar carga 
a Calecut; e se elRey de cochim nam tem maneyra pêra se negocear a 
carga da pimemta pelo preço que me vos alteza avisou per. outra carta 



^ Seiscentos quintaes. 
' Vinte e seis dias. 



• • 



• • • • 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 267 

que a jam serrão ouuera, a mim me parece que emquamto se nam fizer 
soma de dinheiro, que ho partido de calecut he milhor que ho de cochim, 
que he dar pimemta pelo preço e peso de canauor a troco de mercada- 
rias de toda sorte; e porque no cobre se perde muito, parece me, senhor, 
que he muy gramde partydo gastarem se doutras mercadarias, e do co- 
bre m^y pouca cousa; imda que em cochim nem em outra parte se dése 
a pimemta a vos alteza a troco de cobre pelo preço da feytoria, nam se 
devia de dar em nehua maneira, porque se perde muito nele ; e damdo se 
per outra sorte de mercadarias, como calecut tem asemtado, parece me, 
senhor, cousa proueitosa: julgue o lá vos alteza, porque eu nano emtemdo 
quá milhor; e comtudo, senhor, digo que se se a carga da pimemta fizer per 

dinheiro, que avees d aver a pimemta muito de barata eito ha 

mester que de vos alteza cabedall, mas ele imda se. 

scarrega das nãos, logo he . . . . las a mayor parte dele, e o quô fi- 
homens qerem pagamemto de seu soldo ; quamdo vem o outro ano 
desta maneyra se hade fazer a carga: aguardam pelo cabedall que de lá 
vem pêra começarem a carga, porque eu nam vejo quá hum soo Reall 
nem hum soo quintal de mercadarias nas vosas feitorias, nem vejo des- 
pesas tam desordenadas de que mespamte; tudo he fazer hua galé, que 
custa bj*^ cruzados *, e fazer huas poucas de_^paredes das vosas feitorias e 
acrecemtamemto da forteleza, que custa iij crusados^; o corregymento 
das nãos d armada pouco gasto fazem; soldo tem e mamtimento os car- 
pimteiros e calafates, tonoeiros e ferreiros: a despesa da imdia, como per 
muitas vezes tenho dito a vos alteza, tudo Redumda em mamtimentos e 
soldos; as armas dos homeens boom dinheiro lhe custam: e pois senhor 
daes escala framca aos mouros, que pisem ese mar ha sua vomtade, e hy 
nam ha percalços pêra que a jemte toqe soldo, nam he nada a mercada- 
ria que mamdaes á imdia, pois lhe vedaes ho mar Roxo. 

Nem a mercadaria vemdida cambaya nam pode vir a 

tempo ga haas nãos. Duum ano pêra de ser o 

dinheiro feito pêra a carga da; digo, senhor, que ha carga 

feita nam seria senam cousa proueitosa, porque de janeiro por diamte 
a dinheiro se poderia aver a pimenta muy de barato, e naquele tempo 
pôde vir ho retorno das nãos do trafego de cambaya ; e por iso digo, se- 

1 Seiscentos cruzados. 
* Três mil cruzados. 

34 ¥ 



268 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

nhor, que no tempo que as mercadarias chegam de purtugall e se am d ir 
vemder a cambaya e com aquele dinheiro se ouuer de negocear a carga, 
que nam podem as nãos aquele ano ir a eses Regnos; feito ha d estar ho 
dinheiro dum ano pêra ho dinheiro (sic), pêra se negocear a carga pelo 
preço que desejaees, e per mão de vosos oíiciaees nesa terra ondeia nace: 
acabada em goa a xx dias d outubro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 
(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afonso d alboquerque *• 



CARTA LII 

1614— Outubro 20 

Senhor. — Vy a carta que me vos alteza espreveo sobre as nãos da 
carga que estano chegaram â imdia, dizemdome que péla ymemta da 
carga da imdia, do lotamento das cargas das espiciarias que mandaes que 
levem, e que pelo mesmo lotamento viria as sortes e soma das espiciarias 
que na dita carga am diir. Digo, senhor, que damdome pêro dalpoem 
ho maço, que foy a primeira nao que chegou a imdia, mamdey logo hua 
fusta de goa^ omde m acharam, cos cadernos da carga, avisando ha feito- 
ria de cananor e de calecut e de cochim da espicyaria que mandaes le- 
var; e porque hy ha muy gramde deferemça do jemjivre de calecut ao 
de cananor, mandey ao feitor de cananor que nam comprase nehum jem- 
jivre senam aquele que já tinha Recolhido em pagamento das mercada- 
rias que já tinha fiadas aos mouros, ho quall nam avia por voso serviço 
carregar se pêra eses Regnos, mas que ho emviase a goa pêra se vemder 
has nãos durmuz, quamdo viesem cos cavalos. 

E asy avisey logo ho feitor de calecut, que do jemjivre beledy com- 
prase mill e quinhemtos quintaes pêra a carga destas nãos, que era a soma 
que vos alteza mandava levar. 

Feita esta dilijemcia, chegou a nao em que vinha luis damtas, que 
trazia seiscemtos quintaes de cobre, pouco mais ou menos, e bem asy 
trazia soma de marfim de moçambique; e por ter sempre gramde valia 

> Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.% M. 16, D. 47. 



CARTAS DE AFFONSÕ DE ALBUQUERQUE 269 

na imdia, mandey logo a nao a çurrete a gram presa, e o mesmo feitor 
dela que feilorizase a mercadaria e comprase a soma d anill e alaqueqas 
que mamdaves levar, e bem asy trouuese Roupa pêra çofala e pêra ma- 
laca. 

E quamto he, senhor, ao que vos alteza diz, que asy estas que agora 
mandaes, como outras que quá estam, volas mande carregadas, Res- 
pomdo, senhor, que emquamto hy ouuer cabedall, que nam ha de ficar 
nehua naao na imdia das ordenadas ha carga, carregadas estas deste ano, 
se ficar nas feitorias dinheiro e mercadarias que abaste pêra a carga de- 
las, deixamdo alguum Resguardo pêra mamtimemtos desas fortelezas: 
aquy tenho a nao sam pedro e a nao emxobregas corregidas do estaleiro 
e muy bem aparelhadas, que quá ficaram, por lhe os vosos feitores gas- 
tarem seus cabedaes, e nam por minha culpa, como eles lá espreveram, 
as quaes iram carregadas. 

E quamto he ha necesidade que delas quaa pôde aver, quamdo o 
vir pelo olho, emtam m aproveytarey delas, mas em outra maneira nam. 

E quamto he ao que vos alteza diz, que as nãos vam bem carrega- 
das, tudo se oulha qá como compre a voso serviço, e sobre esse feito se 
faz sempre dylijemcia: acabada em goa a xx dias d outubro, amtonio da 
fomseqa a fez, de 1514. 

(Por letíra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor ^ 



CARTA Un 

1614— Outubro 20 

Senhor. — No que me vos alteza espreve sobre o acrecemtamemto 
do soldo do arell, eu ho pus naquelo quamdo se tomou christão; agora 
que lhe vos alteza faz esta mercê, tudo he nele bem empregado, porque 
ele he verdadeiro servidor de vos alteza e seus irmãos e toda sua casa 
sempre sam chamados pêra todallas delijemcías e trabalhos que compre 

1 Torre do Tombo— C. Chroiu P. 1.% M. 16, Doe. 80. 



270 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

em cochim, e ele serve bem e tem muita jemte e mando na terra, porque 
todos eses macuas, pescadores e raarynheirus e barqeiros, tudo he debaixo 
de sua jurdiçam e mamdo; e aimda me parece que ha de trazer todolos 
ares seus paremtes, asy o de calecut e o de porca e o de caecoulam, a 
serem christãos, e já mo a mim mamdou cometer o de calecut: eu ho 
achey hum pouco de qebra com elRey de cochim, quamdo vym d adem, 
e pola omrra e gasalhado que lhe fazia, ho chamou elRey, e lhe desco- 
brio em gram segredo que íizese comigo que ho fose eu vêr a sua casa, 
e eu asy por comtemtar elRey de cochim, como por soldar suas quebras 
com ele, ho fuy ver, domdele ficou muy muy aceito a elRey e em gramde 
amor seu. 

Quamto he ao dinheiro da divida dei Rey de travamcor, ela era de 
fazemda sua. Louremço moreno, amtonio Reall e diogo pereira, vieram lhe 
três alifamtes em retorno, gramdes e muy fermosos, e dous deles prim- 
cipallmente de gram trabalho e de gramde força; faley eu com ho arell, 
se qeria vjemder ho seu quarto; alargou o por bj^ pardaos *; os dous quy- 
nhões d amtonio Reall e diogo pereira, lamceilhe mão deles; mamdey os 
alifamtes a goa pêra se vemderem, cmtregues ao voso feitor; tem hy Lou- 
renço moreno hum quarto, e vos alteza os três, se eses homéens que lá 
sam merecem algum castigo por seus emganos e falsydades. 

Quamto he, senhor, aos palmares que diz da pouoaçam, ele husou 
sempre do huso e fruyto deles, sem lho nimguem comtradizer: alevam- 
touse o fogo no lugar, qeymoulhe as palmeiras, e asy se faz muitas ve- 
zes em cochim e em outros lugares; parece me que lhe nam tem vos alteza 
obrigaçam a iso, porque hy avia povoaçam damtes, e jeralmente vivem 
por eses palmares quem quer, imda que as palmeiras nam sejam suas: 
tomarey porém milhor a emformaçam deste caso, como chegar a cochim, 
e sele tyver justiça, pagar lho am: acabada em goa a xx dias d outubro, 
da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A JEl Rey noso senhor *. 



1 Seiscentos pardaus. 

« Torre do Tombo— C. Chron. P. l.«, M. 16, D. 49. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 271 



CARTA LIV 

1614— Outubro 20 

Senhor. — Per huua carta de vos alteza vy a determinaçam sobre a 
seda e estanho, e em comprimemto de voso mamdado mamdey logo a 
mesma carta ha feitoria de cochim, e mandey que se Registase no livro 
da feitoria, e que se comprise imteyramente o que voss alteza mamdava; 
e asy mamdey os trelados delas, hum á feitoria de calecut, outra ha fei- 
toria de cananor; se vos alteza ho comtrairo lá vir, saiba que nam sou eu 
na terra. 

E asy vy outra carta de vos alteza sobre a carga das camarás que 
vos alteza de lá ordena, e sortes despiciarias que ajam de levar nelas os 
capitãees a que delas fazees mercê ; e em comprimento de voffo mamdado 
mandey logo os trelados haas feitorias, pêra que se comprise imteira- 
memte o que vos alteza mamda. 

E asy mamdey aos oficiaes que oulhasem bem huua decraraçam que 
vinha no caderno da lotaçam da carga sobre a qebra da pimenta, ha quall 
nacia do desemparo do peso, emcomemdado ao feitor da nao que ha rre- 
cebia,^ e aos dous esprivães malavares, e pela receita do feitor da nao se 
fazia a paga aos mercadores e pela ememta dos esprivães malavares ; e 
neste feito, senhor, nam digo mais, senam que se vos alteza quer em vo- 
SOS tratos ser bem servido e vosa fazenda aproueilada, nam ponhaes nela 
homeens que ha mamdem como fernam Louremço, mas que se prezem 
das vosas chaves na cimta, e d estarem co olho no fiell da balamça, e de 
ás vezes ajudarem a emfardelar è desemfardelar e de meudamemte proue- 
rem estas cousas per sy e per seus olhos, e este que estas comdyçõees 
tiver, oulhará a pimemta se he molhada e se traz muita çujidade, e ou- 
Ihará os pesos peso por peso, e velaá meter na barca e levar dereita- 
memle á nao: vejo, senhor, quá isto por outras cousas de meu carrego, 
que se as nam prouejo meudamemte com minha pesoa, nam vay nada 
avamte; e eu sey isto do peso e vy o peso, e comtudo nam deixo ás ve- 
zes de dar bõoas repremsõees a vosos oficiaes deste feito e doutros; e 
asy lhe mamdey o capitulo da carta acerqa da determynaçam de vos alteza 



272 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

sobre o preço da pimemta se comprar por menos do que agora está asem- 
tado: asy, senhor, que saiba vos alteza que em meu Regimemto e cartas 
nam vem cousa determinada que se aja de fazer em vosas feitorias e em 
vosa fazemda, que logo nam seja imviada a vosos ofyciaes e registado no 
livro da feitoria: se eu estou no mar Roxo ou em malaca, e o eles nam 
querem comprir, nam tenho eu culpa nese feito: acabada em goa a xx 
dias d outubro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afonso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A El Rey noso senhor. 

(In dorso, por lettra coeva) dafonso d alboquerque sobre a defesa 
da seda e estanho — sobre a carega das camarás — sobre a lotação da 
carga — sobre a limpeza da py menta — sobre o peso delia — sobre o preço 
deUa *. 



CARTA LV 

1614— Outubro 20 

Senhor. — Per outra carta de vos alteza vy a lembramça que me 
mamdaes que tenha da mina do ouro que está jumto com malaca, e asy 
da esperamça que dou a vos alteza do dinheiro da pimemta e cobre e ou- 
tras mercadarias que se podem gastar em cambaya e em urmuz: Res- 
pomdo, senhor, que ho que vos tenho esprito, eu volo farey boom; e de 
vos alteza dizer, que com o de quá se fornecerá todo o cabedall do di- 
nheiro da carga da pimemta, e asy pêra outras despesas que se quá fa- 
zem, a isto, senhor, Respomdo que ha culpa nam he minha de se este 
feito nam meter em ordem, porque ha feytura desta as vosas feitorias es- 
tam varridas ha vasoira; chegaram as nãos da carga no mes de setem- 
bro, tem outubro e novembro pêra sua carga; como se podem levar as' 
mercadarias que elas trazem pêra sua carga ordenada, a cambaya, e vçm- 
deremse e tornarem co dinheiro a calecut e a cochim pêra aviarem sua 
carga? porque neste tempo, pom as aguas que correm ao suU, e os vem- 

» Torre do Tombo— C. Cbron. P, l.«, M. 16, D. 48. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 273 

tos que sam oesnoroestes, nam põem bua nao menos de cochim a cam- 
baya menos dum mês, semdo muito curto caminho: asy digo, senhor, que 
as nãos que cad ano vem á imdia, am de trazer demtro em sy o cabedall 
de suas carregas, nam podem mais fazer que descarregar e fazer payoees 
e tomar logo sua carga, e da maneira que vos alteza diz que se ese feito 
meta em ordem, ha mester cabedall apartado, que tenha o dinheiro feito 
para o tempo da carga. 

E mais digo, ãeqhor, que quamta mercadaria já gora derdes poios 
preços que lhe temdes postos, a troco da pimemta, em toda perdees o 
dobro, pola istima em que já gora êstaa, afora o preço da pimemta ser 
mayor dò que será, pagamdo se per dinheiro. 

Dos ganhos do trato de quá, se os vos alteza bem soubese e os qui- 
sese crer, mayor fumdamemto faria vos alteza do trato de quá que do de 
lá; e de vos alteza dizer que de quá esperaes de vos ir muito dinheiro e 
muito ouro» niso nam tenha vos alteza duuida nehua, nem creaees, senhor, 
que isto sam cousas domem que está na imdia, porque ha cousa de me- 
nos istima na imdia he dinheiro, ouro e prata, e nam chegam mercada- 
rias a cambaya que logo o dinheiro nam seja na mão, nem a vrmuz, nem 
a malaca, nem a çamatora, nem apegu, nem a nehSa parle; nem os 
mercadores que estas mercadarias compram, nanas compram per mevdo, 
senam por groso e soma gramde, .porque nam he nada irem cem mill 
cruzados de cobre a cambaya, e vemderem se todos em hum dia em oom- 
tante ; nem he nada ir huaa nao carregada de pimemta a vrmúz, e vem- 
derse toda em bua ora em comtamte: mais, senhor, vos digo, e tomo deus 
por testemunha^ que todolos portos de tratos e mercadarias sam abertos, 
e o de preste joam, co ajuda de deus, desta vez sasemtará: se vos alteza 
quer que homem faça obra, mamday cabedall, que nam amde tam afo- 
gado cpmo he o da vosa carga, porque esas migalhas que de lá escapam» 
beno á mester os mamtimemtos da jemte e das fortelezas e alguum pa^ 
gamemto de seu soldo; e pêra terdes carga negoceada per dinheiro e por 
boom preço, diamte am d achar as vosas nãos da ordenamça da carga o 
dinheiro pêra averem de carregar, ou carga feita por dinheiro ; e tamtas 
mercadariaspoderiees meter na imdia, que em cada viajem vos poderiam 
ir XXX ou R^ miticaes * douro metidos em hum cofre, ou 1 pardaos*, ou 



1 Trinta ou quarenta mil miticaes. 

' Cincoenta mil pardaus. i 

35 



274 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

serafins, ou tamgas, per como a moeda istivese na vosa feitoria: isto, se- 
nhor, que vos eu esprevo, nam tem comtradiçam nem duuida: gramde lago 
de mercadarias he a imdia, e gratide soma d ouro e de prata ha nela, e 
gramdes sam os ganhos: o marfim que se das vosas casas de lá mamda 
a framdes, he lamçado a lomje, e quá tem muy gram preço: nam me pesa, 
senhor, senam porque vejo vosos tratos e feitorias amdar em poder domeens 
cortesãaos: apegai vos, senhor, cos mercadores que tiverem imtilijemcia e 
saber, e terees mayor tisouro na imdia do que temdes em purtugall, e deus 
sabe que eu vos esprevo estas cousas sãamemte, porque me doy a carne 
de as ver em mato maninho, e vejo a vosa jemte quá com hum barco d um 
palmo em alto serem homeens de muito dinheiro, e os capitães que tra- 
zem suas companhias, também tocam dinheiro e o sabem bem dobrar, e 
nam vos vejo feitor na imdia que vos saiba mamdar hum avyso destas 
cousas, porque vejo cadano nas cartas de vosalleza falar me neste feito, 
como cousa nova que mandaes apalpar e de que nam temdes nehua em- 
formaçam nem aviso; e eu, senhor, nam mespamto diso, porque nam ha 
demtemder pedromem tamto na mercadaria como bertolameu. 

Torno, senhor, a dizer a vos alteza, que se qerees que as vosas cou- 
sas na imdia façam proveito, que as metaes em ordem, e se vos alteia 
quer que ho eu faça, mamdayme as achegas; e se hy ha que ememdar 
sobre os avisos que vos neste caso mamdo, venham em voso regimemto, 
e faloey, porque nam sam tam comfiado no meu saber, que vos alteza 
nam tenha pesoas que ho milhor emtemdam e saibam meter em ordem. 

Hos ganhos das mercadarias de malaca na imdia lá vol os tenho es- 
prito e esprevo, e os ganhos das mercadarias deses Reynos em cambaya 
e em vrmuz lá vol os tenho espritos ; os ganhos e proveito que se pôde fa- 
zer dum porto a outro, dado tenho já muitas vezes a vos alteza comta; 
os lugares e portos homde s elas podem gastar, e o retorno que dy pôde 
vir, largamemte vos tenho dado diso comta, porque ho vejo quá pelo olho: 
acabada em goa a xx dias d outubro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza. 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A El Rey noso senhor *. 



1 Torre do Tombo— G. Gbron. P. L\ Maç. 16^ D. 52. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE ,275 



CARTA LVI 

1614— Outubro SO 

Senhor. — Vy a carta que rae vos alteza espreveo sobre gaspar pi- 
reira ter vos escrito que eu nam qeria fezer seus oficies com elle: se vos al- 
teza achar que tall he verdade, dome aquela pena que eu merecer, como 
homem que nam cumpre vosos mamdados; e se eu, senhor, prouar que 
eses dias poucos que istive na imdia e ele em minha companhia, nam sér- 
vio seus oficies imteiramemte, e imda com mais credito e mais honra do 
que trazia per seu aluará, mamdailhe, senhor, dar de mynha fazemda 
quamta ele quyser: lá, senhor, tenho esprito como ele de sua mão pôs os 
tabaliãees, e lhe arremdou os ofícios e ouue muy boom proueito deles; 
amtonio dafomseqa e fernam pimintell e fernam moniz que esprevíam os 
despachos do negocio da imdia, ele os recebeo, e lhe daua certa cousa 
do que ganhava: dise que era doemte e que nam podia amdar espós mim; 
diselhe que vise elle os despachos, e que lhe posese a vista nos que lhe 
bem parecese, e que eu os asynaria; punha lhe a vista, e asynavaos eu, 
porque, senhor, se quysera despachar as partes em dias aprazados, e 
momtes de pitiçõees, nam poderá nunca sair da imdia, porque meu cus- 
tume he, omde me dam a pitiçam, aly a leyo, e aly dou logo despacho á 
parte: durou isto àsy até que fuy a cananor: quysera ele aly ficar e eu 
nam quys, eleveyo comigo a goa; como tomámos benastarym, tomou se 
logo a cananor e a cochim, dizemdo que hia arrecadar seu fato; pidime 
hum navio, e deilho, e nam quys vir; pidime hua nao, dei lha, e nam quys 
vir: depois de partido, dyseramme que s agravara, porque lhe nam dera 
a capitania da minha nao própria em que eu hia, e ele nunca ma pedio: 
sam homeens, senhor, que qerem viver desa maneira que vedes; qerem 
ficar retraydos a boom viver, e poios vos alteza nam culpar, esprevemvos 
lá eses achaqes: deixo eu aquy as cousas que ele fez, de que já lá tenho 
dado comta a vos alteza e dou per outras cartas ; somemte digo, senhor, 
que ele esteve comigo mês e meyo em cochim, e que daly atá jninha par* 
tida pêra o estreito nam ouue senam armas e ganhar benastarym, e em- 
barcar e partir; e eu, senhor, vos beijo as mãaos por me nomeardes logo, 

35«^ 



276 GARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

que gaspar pereira vos escrevera este agravo de mim, porque, se mo asy 
vos alteza Domease todolos outros que vos lâ esprevem ha sua vomtade 
de mim, seria muito voso serviço, porque vos saberia dar mais verdadeira 
rezam de mim, e eles por iso nam am daver castigo de mim nem Reprem- 
sam; e pela vemtura, senhor, vos nam ousaram hos homens d«sprever 
senam verdade, quamdo souberem que ha vos alteza quer saber; e pêra 
vos alteza vêr quem he culpado em gaspar pereira nam servir seus ofícios, 
se €a em lhos tirar, ou ele em nanos qerer servir, nem amdar comigo, 
vos mamdo, senhor, duas cartas suas, que ele fez justamemte pêra mim, 
quamdo vos espreveo esoutra comlra mim : crede, senhor, que ey de fa- 
zer sempre ho que me vos alteza mamda atá ora da minha morte, e os 
que vos espre verem ho comtrairo, mamdemos vos alteza nomear, e serees 
logo emformado da verdade : a nao que trouxe diogo pereira, que ele toca 
na sua carta, vinha carregada de pimemta e de cobre, e era de Lourenço 
moreno, amtonio Reall, gaspar pereira e diogo pereira; desymuley eu a 
nao, e fiz que ha nam via, e peçouos, senhor, perdam diso; omrey e tra- 
tey diogo pereira como ele na sua carta diz, e ele acabara aquela ora de 
tirar a pena da mão com que vos espreveo a carta d amtonio Reall : fo- 
ram vemder suas mercadarias, e vieram carregados de pardaos, e de- 
ram me ese galardam que vos alteza tem visto per cartas suas, assacam- 
dome mill falsidades; e noso senhor que vee todas estas cousas, as hirá 
fazemdo craras amte vos alteza pouco a pouco, e os conhecerá vos alteza 
cedo quem eles sam, porque eu vos certifico, senhor, que daquela note- 
ficaçam pubrica que fiz diamte de todo pouo, lemdolhe a carta que vos 
tinham esprito amtonio Reall e diogo pereira e gaspar pereira de mim, 
nam ouueram outra repremsam, somemte lhe dise que m espamtava deles 
serem tam imigos das cousas de voso serviço e tam emvejosos de as ve- 
rem com dilijemcia e boom cuidado acabadas, que trabalhavam com seus 
emganos e falsydades de danarem hum homem que com tamto desejo e 
amor vos servia na imdia, e nam lhe dise mais, e estava hy joham de 
sousa e amrique nunez. 

Depois da vimda do mar Roxo soube que gaspar pereira fora o que 
amdara prouocamdo os capitãees a escamdolo, dizemdolhe, que como 
alargara eu os mouros de benastarym sem comselho deles? é eu, senhor, 
tynha já a temçam de cada hum, quamdo fuy correr as estamcias da jemte, 
e ver s estavam todos cos capacetes nas cabeças e as lamças na mão, pêra, 
fazemdo hartelharía obra, pêra lhe darmos hum combate e os emtrar- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 277 

mos, sem aver hy outro comselho senam ter eu lomado a vomtade de 
cada hum ; e ueste escamdolo que amdava semeamdo, disé que os mouros 
me deram huum cofre douro, e que meu sobrinho ho recebera, e que por 
iso os alargara, e pólo ele por capitolo quamdo amdava temtamdo hos 
homeens repremdidos de mim, alegando certos capitães que tinham asy- 
nado nos capitules, como já lá tenho esprito a vos alteza, e asy o fez me- 
ter na carta damtonio Reall. 

Outra, senhor, fez em cananor, quamdo pubryquey a todos a carta 
damtonio reall e seus parceiros tinham espríta de mim, cuidamdo alguuns 
que quisese eu emtemder em castigar quá amtonio Reall ; parece que ti- 
veram descomtemtamemto do que viram na carta, e escreveram sobre iso 
huua carta a vos alteza, e quyserana meter no maço de vos alteza, e eu 
nam quys: mamdey eu gaspar pereira a goa, e começou lá de semear 
amdamdo, como ele fizera fazer aquela carta aos capitãees, nam pêra a 
mamdarem a vos alteza, mas pêra eu quá nam ter amtonio Reall, e que 
os capitães que a nam mamdaram; pareceolhe que desta maneira me po- 
deria milhor comtemtar com jorje de melo, dom joham deça, lopo vaz, 
femam gomez e joham gomez, e outros que m agora nam lembra: esta 
he, senhor, ha prouedoria de vosa fazemda que ele quaa amda ordenamdo, 
danar os capitães comigo^ como fez no tempo do viso Rey: acabada em 
goa a XX dias d outubro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(In dorso, por lettra coeva) dafonso dalboquerque sobre gaspar 
pereira. 

(Sobrescripto) A el Rey noso senhor *. 



> Torre do Tombo-^G. Ghron. P. 1/, Maç. 16, D. 46. 



278 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA LVII 

1614 — Outubro SO 

Senhor. — Posto que pel armada em que veyo Joham de sousa, te- 
nha avisado vos alteza de todo feito do mar Roxo e muy mevdamemte de 
todalas cousas de demtro dele, e asy d adem e do negocio como pasou, e 
dos rex e senhores que jazem na Ribeira do mar Roxo, e seus poderes de 
jemte de pee e de cavallo e a quem obedecem, e asy das ilhas e navega- 
çam de demtro do mar Roxo, dos portos e terra do preste Joham, daque- 
les lugares em que hy ha aguua, doç vemtos e temporaees que lá achey, 
e de todo este feito muy mevdamemte; como creo que já lá estará diamte 
de vos alteza, e alem de tudo Rubam e pyloto do estreito, homem mara- 
vilhoso pêra vos alteza ser milhor emformado^ tocamdolhe as cousas que 
daquelas partes vos esprevy, por omde me parece que vos alteza deve de 
ter verdadeira emformaçam das cousas que me apomtastes em certos ca- 
pitolos duua carta gramde, e aimda agora me parece bem tornar a falar 
neste feito, em alguuas cousas de que vos alteza deve de fazer fumdamemto : 

Primeiramemte, senhor, digo que adem se deve todavia dasenhorear 
com forteleza, posto que feito o asemto demtro no mar Roxo em meçuá 
e descuberta esta danosa e pyrigosa cilada e fama dos Rumis pêra ho 
asesego da imdia, nam ha hy hadem, nem qem trate nela, nem nao que 
ha ouuese de vir oulhar: porém, senhor, tolhemdo ha imdia ho trato 
d adem, da Ruiva, passas, amêndoas, afiam, cavalos, tâmaras, ouro, e 
gasto das mercadarías de qá da imdia, a saber, Roupa branca, outra 
Roupa de toda sorte, espiciarias, drogarias, arrozes, algodões, panos de 
seda, era destroirdes a imdia de todo, e s emcherem nos amigos e imygos 
descamdolo, quamdo lhe tolheses ho trato que a vos alteza nam traz per- 
juizo; mas pêra segurar adem, que se nam criye nela força que bula com 
ho asesegò e asemto da imdia, e asy pêra vos alteza receber proueito e 
trebuto, adem se deve d asenhorear com forteleza, porque temos porto 
morto de todolos vemtos, em que as nosas nãos podem imvemar ; e nam 
vejo nehum imcomveniemte a ese feito senam agua, que nam ha naque- 
les lugares e sytio em que me parece que estaria bem a forteleza; e esta, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 279 

senhor, he a mayor força que adem tem; porém, como já tenho larga- 
memte esprito a vos alteza, ho porto de vjufu, que está trás as costas 
d adem defromte na terra firme, estam certos poços d agua, os quaees se 
deviam primeiro de segurar, asy pêra se ganhar adem, como pêra a for- 
teleza aver o provymemto d agua daly daquela parte, porque se faz ás 
vezes dous anos e três que nam chove em adem. 

De se ganhar adem nam tenha vos alteza nehua duuida : verdad está 
que adem, se nosos pecados nam foram, esa pouca jemte que éramos, 
se poderamos emtrar demtro nela, todavia a leváramos nas mãos; agora 
já ha mester iiij ou b homeens *, porque, as cousas avisadas na imdia, tem 
todo emjenho e saber e força que ha mester pêra sua defemsam, como 
em todalas outras partes; e com tudo isto, senhor, que digo, se hy nam 
ha agua, todo feito he nada 

A ilha de eira, que está no porto e pouso das nãos, qen a ganhar 
tem adem na mão : parece me, senhor, que tem milhor combate pelas cos- 
tas que por omde o cometemos, porque a maré que bate no muro, nam 
deixa fazer asemto dartelharía, nem estancias, e se a queremos cometer 
de baixamar, com força d escadas ha de ser ganhada; e destoutra bamda 
das costas dela tem o lugar pêra fazer estamcias, e podemos lhe tolher o 
caminho da porta e o prouimemto daguua e mamtimemtos, e ganhada a 
porta da serra, temos ganhada a cidade. 

E asy, senhor, me parece milhor combate pelo porto que se chama 
focate, que está da outra bamda de eira, polo mar nam chegar de todo 
ao muro, que per estoutro lugar por omde o cometemos; porém, senhor, 
a mim me parece que adem se deve de cometer cos ponemtes e nam cos 
levamtes. 

As novas que ao presemte tenho d adem sam estas : derribou a torre 
que tinha no molde, alevamtou os muros da coiraça e baluarte que aly 
estava, e está tudo sojeito ha serra omde estava o trebuco; e ouueram 
boom comselho, porque a torre nos era abrigo das bombardas e pedras 
de cima da serra, que está a pique sobre ela. Dizem que alevamtou mais 
os muros da bamda do mar, foi lhe muita artelharia grossa de quá da im- 
dia, e primcipallmemte de miliquyaz^ aimda que ele cuida que o nam sey 
eu, porque a este toca muito a destroyçam d adem, que aquele ano que 
emtramos ho estreito, nam ouue hum soo serafym de dereitos, por nam 

^ Quatro ou cinco mil homens. 



280 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

virem nãos d adem, que be o primcipall trato de seu porto: alguuns di- 
zem que está o filho do xeqe com jemte duas jornadas d adem, outros di- 
zem que nam: pasaram de cem oaos as que estano foram adem, e vie- 
ram d adem áimdia seno podermos comtrariar, por nam termos harmada 
aparelhada, e porque nos estamos comcertamdo pêra nosa determinada 
viajem omde nos mandaes ir. 

Forteleza na porta do estreito nam pôde ser, porque hy nam ha 
agua, nem deves, senhor, fazer fumdamemto diso, porque na parajem em 
que adem está, três symgraduras da porta do estreito, eu haveria por 
mais chave do estreito que ha mesma emtrada. 

De barbara e zeila nam deve vos alteza fazer hy trato, nem asemto, 
em trebuto as deves de pôr e em obidiemcia a vos alteza, o que eu creo 
que eles receberam, porque nam podem ali fazer, se as nosas nãos cada 
mouçam ouverem de trilhar aquele caminho : as mercadarias e ouro da- 
quelas partes tudo vem da terra do preste joham em cáfilas : como vos al- 
teza fizer o asemto na terra do preste joham, emtam vos poderees milhor 
determinar o que qerès fazer de zeyla: pela vemtura qererá ho preste 
joham que ha mamdees estruir, e temdo nós forteleza em adem, de zeila 
e barbora nos convém prover de mamtimemtos, porque daly se provê 
adem de trigo, mamteiga, carneiros, milho, mell e de todolos outros li« 
gumis. 

Acerqa, senhor, da ilha de camaram, aquy ha novas que fazem 
forteleza nela, huuns dizem os Rumis^ outros dizem que ho xeqe d adem : 
tirar nos am dum cuidado, porque he ilha cerqada d agua, e se nos nam 
poderem comtrariar harmada, sam tomados has mãaos; e que nos tenham 
ganhada esta ilha, outra temos mais adiamte dous dias de navegaçam 
comtra judá, que se chama farçam; está defromte do porto de jizem, tem 
muita agua, e he boom pouso pêra »s nosas nãos : temos tam6em dalaca, 
que podemos levar nas mãos lijeiramemte, em que hy á agua. 

Ho asemto primcipall e primeiro que devemos de fazer, he em me- 
çuá, porque a nós nos comvem segurar o prouimemto dos mamtimemtos 
em lugar e terra que nos nam ponha em necesidade; e pois em meçuá 
ha de ser o primcipall porto da terra do preste joham pêra vosos tratos, 
e pêra hy ter ho ouro toda a sayda, como agora levam os mouros, aly 
devemos dasemtar primeiro, e pêra toda ajuda e fauor que nos da terra 
de preste joam comprir, e asy pêra emtender no feito de judá e meqa e 
suez, se vos alteza quer que ho cairo tenha atalayas e se vejie; porque 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 281 

certefico a tos alteza que com toda a gramdeza do cairo e com toda a 
força do gram soldam, se hy ouuer hiia fòrteleza em suez desta bamda, 
e desoutra bamda lhe ganharem alii^amdría, que ho ponham em gramde 
comfusam, porque gramde cousa sam as emtradas dos dereitos dalixam- 
dria e dos tratos da imdia que ho soldam tinha, porque paga tam gram- 
des soldos e tam desordenados, que se nam aleyamtara a moeda e nam 
husara de tirania no cairo, nanos poderá pagar nem tivera a jemte que 
tem; em tamta necesydade o tem posto as Riqezas da imdia no cairo, que 
lhe já gora nam vam senam algua cousa furtada que ha terra pôde gas- 
tar: e as fortelezas á nosa husamça feitas nanas podem sofrer os mouros 
pegadas em sua terra, nem yivem descasados ; e mais, senhor, termos nós 
ho poder de preste joam em nosa ajuda, que sam homens muy ousados 
e que tem fama nesta terra, e do que os mouros fazem gramd estima po- 
ios conhecerem por valemtes homeens, e tem muita jemte de cavalo e de 
pee, e a nos de dar toda ajuda que lhe pidirmos ; e pela vemtura, se lhe 
der embarcaçam, passaram em judá e em meqa, a quall nam pôde ter 
guamiçam de jemte, porque nam pôde ser prouida de mamúmeôoytos se- 
nam com muy gramde trabalho, porque judá nunca mais teve que até xb 
mamalucos S e meqa nunca mais teve que até xx ou xxb; toda a outra 
jemte de meqa sam homeens fracos, que estam hy como Irmitaees sem 
armas. 

Estas sam as cousas primcipaes de demtro do mar Roxo, e que nos 
mais compre e mais proueitosas: dalaca e meçuá, porque sam jumta huua 
com outra pegadas na terra de preste joham, tena pescaria do aljôfar ase- 
nhoreada, escapola da mercadaria que vem á terra do preste Joam; tem 
formosas casas e gramdes pouoaçõees de mouros, e creo que faremos bua 
Riqa presa neles; estam case tamto avamte como judá navegaçam de dous 
dias e bua noute até três; estam a balravemto dos ponemtes que Reinam 
sempre no estreito do mar Roxo; tem perto de sy çuaqem, que está na 
mesma costa. 

Asy digo, senhor, que destas duas cousas devees logo de fazer piim- 
cipall fumdamemto, e daly s emtemder a judá, meqa e suez ; e pois que hy 
ha muitos e muy boons cavalos na terra de preste Joam, co ajuda de 
noso senhor lijeira cousa he quynhemtos purtuguezes a cavalo embarca- 
dos em bõoas taforeas e caravellas desembarcarem da outra banda de ju- 

' Quinze mamelacos. 

36 



282 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

dá, e correrem a meqa, que he hum dia de caminho, e a qeimarem e fa- 
zerem na em cimza; e parece me, senhor, tam leve cousa d acabar, que ha 
ey por feita, quamto mais qeremdo o preste joam pasar, ou força de 
jemte sua em nosa companhia, e ea poer toda vosa jemte a cavalo; e 
aimda, senhor, mais m afirmo que ganhamdo se judá, meqa se despouoa- 
rá, e nam poderá viver, soster, nem mamter; e pois alarves em cima de 
camelos ousaram de ha cometer e Roubar, parece me que nam he ele lu* 
gar pêra se defemder a purtugezes a cavaflo e a jemte abexia, porque 
meqa nam tem nehum socorro, se lhe nam vier do cairo, que o xerife par- 
cate nam he homem mais que de tresentos valalos ' ; e em todos aqueles 
areaees, de meqa até samta catarina de momte synay e. até Jerusalém, nam 
ha hy senam alarves em cima de camelos, jemte nua e sem armas, sem 
cabiceira primcipall e sem Rey, repartidas em cabilas: todalas outras ilhas 
de demtro do mar Roxo sam esterles e cousa sem proueito: da bamda 
da terra de preste joam devemos de fazer fumdamemto por todalas Re- 
zoes que tenho apomtadas; e as outras que sam da bamda do xeqe d adem 
e de meqa destroylas, e pólas em sojeiçam e trebuto, nau os deixar na- 
vegar, nem pescar, nem comer. E temdo nós tomado asemto da maneira 
que dito tenho, nam he nada d acabar ho que digo. 

Ho socorro que ho soldam pôde mamdar ha meqa^ nam he muito 
gramde, porque ele tem sete mill de cavalo de demtro da sua forteleza, 
que he mayor cerqa quevora; destes nam ha d apartar nehum deles de 
sy, porque sam guarda de sua pesoa, e ás vezes ha hy alguazis deses que 
socedem a cadeyra, que os cometem e os pimcham fora; os seus emires, 
que sam capitães seus primcipaes, nam am de tirar sua jemte de sy, nem 
am de sair do cairo: ho senhor de damasco, nem dalepo e doutras for- 
telezas que comfínam com xeqesmaell, nam am de desemparar a terra: asy 
que me parece que até mill cavalos poderá mandar, e estes am mester 
pêra o prouimemto do camynho mais de x camelos ', e ha mester conti- 
nuadamente mamtimentos de demtro do cairo, que será muy desordenado 
trabalho de prouer, polo caminho ser muy lomje; e digo, senhor, que se- 
jam dous mill de cavalo; quynhemtos ou seiscemtos purtugueses nam pe- 
lejaram eles hum boom dia e nua boa ora com dous e três mill mouros 
de cavalo, e os desbarataram e levaram nas mãaos? e quamdo nos pare- 

^ Evidente lapso em vez de cavaUos. 
* Dez mil camellos. 



CARTAS DE AFFONSO DE AXJBUQDEROUE 283 

cese que se niso avemturava alguua cousa, pois hy ha tamtos cavalos na 
terra de preste joam, lijeira cousa será pôr mill purtugeses a cavalo, boons 
homeens, e mais, senhor, semdo a travesa tam piqena : mayores cousas que 
estas que digo^ me revela o espríto, se fazemos asemto e liamça co a terra 
de preste joam, e segurarmos mamtimemtos e boom porto pêra nosas nãos. 

E porque doso asemto com forteleza averá mester tempo, minha de- 
terminaçam he, ajudamdo nos noso senhor, ficar aquele ano demtro no 
mar Roxo com parte darmada, e com outra parte dela mamdar dom gar- 
cia meu sobrinho ha imdia. 

Ho que destas cousas, senhor, me parece, he que pêra voso prepo- 
syto e determinaçam de se qeimar e destroir meqa, que vos comvem ga- 
nhar judà em toda maneira, e sostela, se tiver agua demtro em 3y, por* 
que hy nam ha outra cousa demtro no mar Roxo que tenha nome amtre 
os mouros, senam judá, e mais he a porta de meqa: daly se pôde vos al- 
teza melhorar em suez ou no tor; poderemos ser hy visitados dos frades 
de samta caterina de momte synay, que estaam na serra ã vista do mar 
Roxo, e de cartas e recados de vos alteza, se por esa via nol os quyser imviar. 

As daas cousas outras de demtro do mar Roxo, que sam meguá e 
dalaca, duas ilhas que agora estam em poder da jemte do xeqe d adem, 
estas debaixo do mamdo da nosa forteleza que fizer em meçuá, estará 
tudo e a pescaria do aljôfar que jaz aquy de rredor. 

Quamto he á ilha de çuaquem, que jaz mais adyamte comtra co- 
(aer ao lomgo da costa, esta será proueitos^ pêra o resgate do ouro que 
p^ aly say, e de cimquemta omeens pêra cima ha terám a boom recado: 
este çuaqem jaz defromte de judá, e creo aimda que hum pouco mais 
adiamie comtra o cabo do mar Roxo ; mas estas duas cousas, meçuá e 
dalaca, que agora estam asenhoreadas do xeqe d adem, e tem senhor per 
sy, co a pescaria do aljôfar que está de redor delas, he das proveitosas 
cousas que ha naquelas partes, porque ha ilha de meçuá he a primcipall 
escapola da terra do preste joam, que os mouros tem. Dalaca he muito 
^amde ilha, tem muito gado, muitas aguas^ e a pescaria do aljofi^ he 
gramde soma a que se aly pesca cadano: acabada em goa a xx dias d ou- 
tubro, amtonio da fomseqa a fez^ de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) íeytaTdL e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque K 

. i Tom do Tembo/^C. (?iiiu). P. L% IL 1% D^^ ^ : : 

3«* 



284 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA LVffl 

1614 — Outubro 20 

Senhor. — Vy a carta que me vos alteza espreveo sobre gaspar pr- 
reira, e sobre seus carregos e ofícios com que a estas partes veyo, e bem 
âsy deixa vos alteza em meu parecer, se ho dyto carrego de secretareo he 
necesareo pêra as cousas de voso serviço, ou se se em algua maneira po- 
deria escusar, e que nam oulhe neste caso haas paixOes dos homens, se- 
nam ao publico serviço uoso, confíamdo vos alteza de mim a determina- 
çam deste feito, asy como em outras mayores ho faz. 

Quero primeiro que saiba vos alteza ho que eu tenho feito a gaspar 
pireira, e a obrygaçam em que me he; e digo, senhor, que me quys deus 
fazer tamta mercê que, semdo eu ho somenos sobrynho que meu tio o 
príoll, que deu^ aja, tinha, m acertase á ora de sua morte pêra alguum 
bem de sua comciemcia e pêra omrra de sua sepoltura, e pêra lhe pagar 
huua piqena de mercee que dele tynha cad ano, procurando sempre que 
ho pryolado socedese dom Diogo d almeida: deixo, senhor, de tocar nes- 
tas cousas, porque ha hy homeens que amdam co mundo, e mais sam já 
falecidos; e digo, senhor, que depois de dar sepultura a seu corpo, com 
esa pobreza que tinha empenhada por esas casas desa cidade, e com 
ajuda da minha pobre moradia, me ficou dele bua lembrança de seus 
criados, amtre os quaees hia gaspar pereira, que . era seu moço da ca- 
mará: tomou elRey, que deus aja, gram parte deles, e nam emtrou neste 
comto gaspar pereira; torney eu per muitas vezes e por espaço duum 
ano ou dous de requerymento com elRey, que deus aja, em tall maneira 
que, estamdo em hueiras, ho tomou, e eu sempre lhe tive afeiçam e amor, 
e neses carregos que bielRey, que deus aja, cometia pêra mamdar fora 
alguuas pesoas por seu serviço, sempre folgava de as emderençar a ele, 
e lhe mamdava dar boas emcavalgaduras desa estrebaria pêra seu cami-^ 
nhar, e algftaa ora lhe pidia alguua mercê ou vestido desa guarda tloupa. 

Pásiado isto, qúe tim ter á imdia per voso mamdado em poder do 
viso rey , omde achey gaspar pereira, e em seu modo de falar e em suas 
praticas e.em alguuas éousa» a^ué Áè )|6na moter, «le kné namí éom- 



♦ ;t 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 285 

temtou, e nano quys esprever a vos alteza, amtes creo que todo bem que 
lhe nese caso pude fazer, lho fiz: pela vemtura, se meu comselho tomara, 
nam fora perseguido do visoRey, nem eu: alguuas cousas escomdo aquy 
de suas culpas, porque nam qero danar nimguem, mas aproueitar amte 
vosalteza quamto eu bem poder. 

Partido o visorey, que memtregaram ho gouemo, gaspar pireira 
husou de seus ofícios comigo, e na emvolta de seus ofícios suas manhas, 
e quis me meter alguuns aluaraes ou palavras neles comtra voso regi* 
memto, pêra ter de que fazer livro de mim, e eu Rompia lhos ousada- 
memte: ele, como homem ofano, tomava em caso domrra Romper lhe eu 
os Aluaraees diamte dos olhos: asyney eu huum de framcisco de tauora 
sobre a carga de sua camará do Rey gramde; lemdomo ele, nam locou 
nuum pomto que dizia: «e nano carregamdo vós, per este lho ey por car- 
regado nos direitos da pimenta»: quamdo francisco de tauora me veyo 
pidir a carga de sua camará, que me amostrou bo aluará, apartei me com 
gaspar pereira, e diselhe que daquela arte esperava ele d usar comigo; 
que eu lhe Rogaua que deixase todalas cousas do tempo do visorey, e 
que emtrase em caminho comygo', que aquela palaura nam ma lera ele 
no aluará, e mais que era contra o rregimento de vosalteza, e que fran- 
cisco de tauora primeiro avia de dar o dinheiro pêra carga de ^a camera 
que lhe fose carregada, como vosalteza mamdava: nam fícou daquela pra- 
tica muito comtemte, nem da maneira que avia de ter comigo acerqa dos 
despachos de voso serviço e fazemda. 

Nem menos ho contemtou ho modo de meu despachar as partes, o 
quall era, aly omde me dava a parte a pitiçam, aly Recebia logo sua re- 
posta: ele quisera feixees de pitiçõees cometidas a ele, o despacho delas 
e saco delas e porta fechada, e outras cousas que ho breve tempo da im- 
dia 6 as acupaçõees dela nam sofrem, porque ás vezes deste modo de 
despachar nacem mais percalços que da espritura. * 

Agastou se também com a ordem que levavam as cousas da justiça, 
repremdemdo me ás vezes em pubrico, nam lhe parecemdo bem o modo 
que tinha na justiça, porque vio alguuns homeens jugar as cutiladas, ou 
alguuas travesuras, e qeria que sem mais serem ouuidos, fosem logo des- 
orellmdos e açoutados, e com aquele desordenado Rigor e per seu com- 
selho, como se amtes fazia; e destas cousas que eu emtemdia, ho hia 
desapegamdo mamsamemte e metemdo o em meu caminho. 

Agrauouse também haaquele tempo, nam esprever eu com elle pêra 



286 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

vos alteza, nam fazemdo ele letra pêra iso, nem temdo eu aquele despejo 
e sultura com elle, pêra verdadeiramente vos dar rrezam de mim e comta 
das cousas de voso serviço, que poderia ter com quallquer outro hoe^m 
com que tivese jeito ou despejo, e, afora iste, ser pesoa meneavell e que 
eu mamdase chamar á mêa noute e amtemenhãa^ e a que ás vezes dese 
huua maa Reposta ; que ho ver ele as cartas e a rrezam que dava de mim 
a vos alteza, iso lhe nam tolhia eu, amtes ho chamava, e as mamdava ler 
peramtele, e lhas amostrava todas. 

Agrauouse também naquele tempo por eu guardar alguum pomto 
de segredo das cousas da Imdia pêra mim, porque eu certefíco verdadei* 
ramemte a vos alteza que huua das cousas, e mais neoesareas ao bem e 
gouerno da imdia, he guardar ho gouemador dela segredo em muitas 
cousas; e eu, senhor, nam tinha naquele tempo, nem tenho gaspar pe- 
reira por homem de segredo, amtes escamdaloso e chêo de zizania e dem- 
borilhadas; as deses capitães do tempo do visorrey lá as terá vos alteza 
sabidas; as que quys temtar e fez em meu tempo, lá volas tenho mamda- 
das e mámdo. 

Nem nas cousas de vosa fazemda naquele tempo nam lhe achey sus- 
tamcia, nem saber pêra o meneo dela nem pêra o comselho dese feito, e 
ache o neste caso hum homem atalhado de todo ; e cuidado S senhor, que 
tiramdo huuns momtwtes d agudezas de falar que ele tem, se vos alteza 
H^ter a mâo nele, e o meter em negocio de vosa fazemda, que nam sa- 
berá dar hum noo nela proueitoso, nem receberees dele nehum proueito. 

Naquele tempo, senhor, me quis também meter em desordem e des- 
comoerto com jorje bdi*reto, que estaua por capitam da forteleza e da 
terra, e quis me fazer valedor de suas emborilhadas com ele, e de tudo o 
lamcey fora de mim : deixo aquy os comselhos que m ele dava aceiqa do 
mamdar da terra e feitoria e vosa fazemda, eslamdo o visorey em. pose 
da imdia e nam roa queremdo emtregar^ e semdo aos Rumis, porque avia 
mester gr amde soma de papell pêra este feito. 

Porestas cousas que acima dito tenho, que gaspar pereira vio que 
nam faziam asemto em mim, se foy de quá da imdia nam muito comtemte 
do modo de meu gouernar as cousas de voso serviço; agora, penhor, t{ue 
tornou, eu ho receby omrradamemte e bem, e asy me deus ajude, senhoTi 
que v^s laio verdade, que eu folguey muito com ele, e me pareçeo que 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 287 

> 

ele vinha asemtado em conhecer já ho istilo e modo que levava nas cou- 
sas do gouerno da imdia, e por me já ter conhecido e tomada a espi- 
ryemcia de minha comdiçam e maneira do despacho e prouimemto de vosa 
fazemda; e creo, senhor, que ele me nam achou mudado daquela ordem 
que as cousas de quá recebiam ao tempo de sua partida, e pois que nam 
eram desaprovadas per vos alteza, que ele as nam estranharia, e se ama- 
saría em tudo comigo, em maneira que as cousas de vòso serviço se fi- 
zessem bem, e asy as suas próprias de sua omrra e proueito, comfiamdo 
eu que de mim a ele seria seria (sic) rrepremdido dalguuas tachas spas. 

Ghegamdo ele á imdia, nen o comtentey eu nem ho modo de meu 
gouemar, nem a ordem das cousas de voso serviço e vosa fazemda, 
nem o meu despacho nem a minha comdiçam, nem o meu segredo nem 
pratica, nem comselho que com ele estreitamemte tomase; nem lhe pa- 
receo bem o asesego em que achou a imdia, e os coraçõees dos ho- 
meens fora d emborylhadas e mixiricos e maas pratycas em suas pousa- 
das; nem lhe pareceo bem o comtemtamcmto que achou nas jemtes de 
mim ; nem lhe pareceo bem a minha domestica comversaçam e trato cos 
cavaleiros e fidalgos e ser companheiro deles; nem lhe pareceo bem a 
dada dos oficies e capitanias que dava aos homeens per seus próprios 
Requerymentos, sem pitiçõees e despacho vimdo per ele ; nem lhe pare- 
ceo bem chamar eu voso criado e pregumtarlhe se qeria ele tall oficio, e 
dar lho; nem lhe pareceo bem dar eu rrezam de mim haas partes, omdele 
nam istivese presemte, nem ouuir rrecado nem mesajem de ninguém, seno 
primeiro mamdar chamar; posto que todo negocio cometese a ele, queria 
que lhe guardase aquela oservamcia ou sojeiçam.e acatamemto de meu 
ayo, e nam de secretareo das cousas de voso serviço, que ha sempre d an- 
dar pegado á minha ilharga e comygo, sen o eu mamdar chemar (sic), 
vemdo a maneira de meu despacho, que era em todo lugar e em todo tempo 
que pêra iso tinha lugar, ou m achase desacupado d outros trabalhos. 

Seus oficies, senhor, que lhe vos alteza deu isemtamemte, lhos dey 
e com muy gram credito, porque ele pôs todolos tabaliãees pubricos de 
sua mãao, e lhe arremdou os ofícios: de seu oficio da proueedoria em- 
temdo que se lhe pregumtarem, e como se ha de fazer, que saberá dar 
pior Rezam diso da que amtonio Reall deu, quamdo lhe pregumtey, pe- 
ramte quamtbs fidalgos estavam na casa, que cousa era caso mayor, e me 
Respomdeo que ho nam sabia. 

Todo feito de gaspar pereira era vaidades; apregoar mores carre- 



288 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

gos dos que lhe vos alteza deu; danar os homeens comigo; descobrir lhe 
as cousas do segredo da imdia e aquelas que com ele falava estreitamem- 
te; poer casos amteles sobre o meu Regimemto; amdar determÍDando por 
suas pousadas o fim que averia tall negocio ou tall que começava dem- 
deremçar; qererme pôr fora, Repremder e emmendar como homem ina- 
bell, e que nam era pêra governar dous grãaos de mostarda; e com es- 
tas cousas amdava emcemçamdo esas posadas e todo o pouo, e aimda ese 
Rey de cochim e de cananor, que pôde aver á mãao; e aly logo omde 
dava Rezam destas cousas, determinava logo o que vos alteza averia por 
bem e por malL 

Despois destas mevdezas do tempo do vysorrey e d agora, nam quis 
ir comigo ao estreito, nem quisera vir comigo a benastarym, e quise fa- 
zer omiziado comigo e descomtemte de seus carregos, pêra onesta ficada 
sua, comfíamdo na vimda doutro governador, e apregoamdoo pubrica- 
memte, e secretamemte a eses embaxadores ou misijeiros que comigo ti- 
nham alguua pemdemça; e ficou na imdia com esta emganosa opiniam, 
soltamdo isto amtras jemtes, com jeitos e modos de vos alteza falar com 
ele secretamemte neste feito, pêra desasesegar os corações dos homeens 
e metei os em novidades, e nam avia cousa de voso serviço que se falase, 
que ele logo nam alegase a maneira de que vos alteza comsultara com ele 
sobre aquele negocio: aqemtou ele tamto esta obra, que nos seus jeitos e 
modos de falar pareceome homem abalado de seu siso; e porém, com- 
tudo^ sempre o tratey homrradamemte, e sempre fiz as cousas de voso 
serviço com elle ataagora que vym do mar Roxo, e achey tamtas cousas 
danadas de sua mãao e per ele, e^amtas cousas executadas e preegadas, 
asy na justiça como na fazemda como em todo ali, e tam abalado elRey 
de cochim e elRey de cananor e de calecut, e tam Revolto cochim e esa 
jemte quy fycou, e os que vieram de malaca, e asy o que agora come- 
çava de fazer com alguuns capitaees abalados dalguas rrepremsOees mi- 
nhas ; e prouue a noso Senhor que mo descobrio amtonio Raposo, e gas- 
par pereira nam mo negou, nem me comfesou que toda a pratica que ele 
tiuera com amtonio Raposo fora daquela maneira e com capitules feitos 
per elle, nomeamdo outros capitaees que eram neste feito, nam semdo 
asy; e com estas oniOees qeria que falasem as jemtes nelle e com gabar se 
tinha Regimemtos de vos alteza e cartas de vos alteza, e determinamdo o 
que vos alteza .averia por bem e por mall, e tamtas destas cousas, que se 
volas ouuese desprever, nam cal)eryam em dez mãos de papeU, porque 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 289 

he homem que se o vos alteza deixar viver nestas vaidades, sem soldo o terá 
vos alteza cem anos omde quer que quiserdes; e destas emborylhadas e 
oniõees sabe as fazer milhor que todolos outros homeens, e meterá todo hum 
arrayal em Revolta, e sabe se milhor tirar dela que nehuua outra pesoa. 

Toruo agora ao que vos alteza quer saber, se he necesareo ho oficio 
de secretareo da imdia: digouos, senhor, que sy, e que ha mester homem 
zeloso de todo bem, e de toda virtude e de boom comselho e bõoa imcri- 
naçam, chéo de todo segredo, porque todolos homeens que agravos ou 
descomtemtamemtos tem de mim, todos vem buscar voso secretareo^ e to- 
dos lançam nele seus descomtemtamemtos, ou despachos que ás vezes nam 
saem á sua vomtade; todos lhe comtam suas paixõees, e todos me mam- 
dam dizer por ele seus rrecados, em tall maneira, senhor, que todo ne* 
gocio em que jaz ho asesego da jemte, está nas mãaos de voso secreta- 
reo, porque s estou no campo, aly está ele comigo; s estou na casa, aly 
está ele comigo; s estou metido em hum camto, aly está comigo, e aly es- 
tou com elle praticamdo e falamdo nas cousas de voso serviço e no des- 
pacho das partes: se este homem tall me quyser lamçar a perder e tra- 
zer em descomtemtamemto toda a jemte comigo, pode o fazer, porque nam 
pôde soltar palavra, nem dizer cousa alguua que lhe nam seja crida e 
dado fee, por camta parte tem de mim e de todo negocio da imdia: e mais, 
senhor, ha mester homem çesudo e avisado, e que dee rrezam por mim 
ás vfzes haas partes verdadeira, e que lhe mitigue suas paixõees, e os 
traga em comSamça de seus boons despachos, e que ás vezes sofra seus 
desarrazoamemtos, e com bõoas palavras os meta em comfiamça de mim 
e de minhas bOoas obras; e que tenha muy gramde segredo em todallaç 
cousas que lhe eu descobrir, e asy nas cousas de vosos rregimemtos e 
cartas; e que ás vezes tome as culpas da dilaçam do despacho dos ho- 
meens sobre sy ; e que nam seja tirano, nem leve mais á jemte que aquylo 
que á bõoa memte lhe podem dar; e que em seus comselhos, quamdo me 
dele forem necesareos, sejam chéos de bõoa temçam, e que ás vezes mos 
dee, sem lhos eu pedir: este he ho homem, senhor, que eu ey mester, e 
nam pesoa que me faça sempre amdaf atalayado do que faz e do que diz, 
e do que com ele falo e despacho, e que alguum ora qeira executar sua 
comdiçam com meu mamdo e com meu synall. 

E se eu sam ávido por menencorio, que obra poso eu fazer com 
gaspar pereira, e que comselhos me podele a mim dar, amdamdome 
sempre ha orelha, senam aqueles em que se criou em cochim? 

37 



290 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

E asy digo, senhor, que pera testemunha de meus feitos, e porque 
he pesoa que ha daradar sempre comigo, e que vos pela vemtura dará 
milhor emformaçam de minha vida e custumis que amtonio Reall e diogo 
pireira e gaspar pireira, e todolos outros que estam oilocemtas legoas de 
mim, e vos dam emformaçam de minha vida e meus trabalhos desa ma- 
neira que os vos alteza lá vio na carta d amtonio Reall, devees sempre de 
trazer huum homem de bem e omrrado e chêo de virtude e dasesego e 
de lodo boom comselho, e que tenha zelo de vos servir íielmemte, os quaees 
vos alteza achará com soldo de cem mill reis e oitemta e daquy pera baixo, 
com seus percalços, e nam duzemtos mill reis a gaspar pireira, homem 
danado e de danada comdiçam, e que nam meterá hum pee em bua naao 
comigo, porque ho matem, nem poerá ho Rosto em nehuum trabalho, nem 
levará maa vida, porque lhe dem a governamça da imdia, o quall toma 
por sua escusa e ficar comemdo seu gramde soldo em sua oceosidade, ale- 
memtaçõees de mim que vos lá espreve, e dizemos que nam qero eu fa- 
zer com ele seus ofícios, e ele nam deixaará a castelhana que trazia am- 
tras mãos, por lhe darem a milhor nao da minha companhia: oulhe vos al- 
teza lá como se os homeens sabem curar das cousas em que os vos alteza 
ha de culpar, amtes que ho saiba; e quá, senhor^ trazem me tam afagado 
e tam cirymoniado, e mostram me tamtas dores suas, e que nam sam já 
pera trabalhar; e depois de me terem bem mamso e bem seguro de nam 
esprever eu a verdade deles a vos alteza, emtam vos esprevem lá, senhor, 
esas cartas, que vos deixam de servir por minha culpa: sirvam vos eles, 
senhor, muylo bem em seus ofícios, e culpem ma mim quamlo quyserem, 
porque asy o devem eles de fazer; mas eles qerem levar bõoa vida, e 
querem se escusar dos trabalhos de seus carregos e comer voso soldo em 
chêo, e eu dou lhe pera iso quamto lugar eles qerem, e calo me, e eles 
por detrás emformam lá desa maneira vos alteza: amtonio Reall com mui- 
tas lagrymas nos olhos me pedio cartas pera vos alteza, dizemdo, que se 
aquele ano se fose, que era perdido, porque tinha sua fazemda espalhada, 
6 também por segurar nam esprever eu a v. a. suas culpas e defeitos, 
pidime duas, pera irem por duas vias: como me party de cochim, gaspar 
pireira, diogo pireira e ele fízeram esa ornada puesia que de mim mam- 
daram a vos alteza, chêa das verdades da imdia; peço a vos alteza por 
mercê, pelo que compre a voso serviço, que me creaes, que havees d achar 
em poucos homens da imdia verdade, e tome vos alteza a espiryemcia 
diso, e achará o que vos digo. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 291 

Nam dou comta aquy a vos alteza do que me fez, chegamdo a co< 
chim, acerqa do que faley com elle, quamdo me dise que garcia de sousa 
vinha com a capitania de malaca, que eu lhe respomdy : gramde cousa he 
malaca, porque íicam lá muitos cavaleiros e fidalgos que nam am de so- 
frer garcia de sousa, e por força os leixey com Ruy de brito: descobrio 
logo a garcia de sousa, e eu nano podia amansar, tam danado ho trazia: 
disto esprevy já lá a vos alteza; nem vos dou, senhor, comta como arre- 
bataram aquela molher a seu marydo, e ha meteram em hua nao de mou- 
ros, e deram com ela em malaca, semdo eu no eslreyto; nem comto a 
vos alteza aquy, como lhe eu defemdy, quamdo fuy pêra o eslreyto, que 
nam fose a cochim, polas deferemças damtrele eLouremço moreno; nem 
comto a vos alteza ho que me dise cidy ale, embaxador deíRey de cam- 
baya, que lhe dise que nam Bzese nada comigo acerqa da paz de cam- 
baya, e que aguardase, que avia de vir huua pesoa primcipall muito aceito 
a vos alteza, que se chama tristam da cunha, e que com ele acabaria ho 
comcerto da paz de cambaya; nem conto a vos alteza como danou jorje 
de melo, nem as emborylhadas que fez em moçambique, pêra fazer des- 
avir jorje de melo e dom garcia; nem comto a vos alteza como tinha im- 
dinado elRey de cochim comtra mim; nem comto a vos alteza como des* 
cobrio amtonio rreall e a lourenço moreno, como mamdava vos alteza 
prender o caldeira, e como ho avisaram; nem comto a vos alteza como 
danou manoell de lacerda haa sua partida, e pregumte vos alteza a jo- 
ham de sousa, se me dise a mim gaspar pereira peramte ele em hua casa 
soos, dizemdo lhe, gaspar pereira, vós fizestes isto e isto, rrespomdême 
com hum dedo muyto comprido, e muito soberbo, negouos eu jesa (sic); 
e eu lhe dise que bem podia ele dizer daquylo quamto quisese, pois eu 
era capitam mór das imdias, e nam lhe Respomdy mais. 

Quamto he aos seus ofícios, ele vay lá co auto de suas culpas diamte 
de vos alteza, por me parecer muito voso serviço ; e nam he nada na im- 
dia, neno cabo do mumdo, gaspar pereira, com voso fauor e cos carre- 
gos que lhe vos alteza deu, fazer todas estas cousas, e ser eu tam aga- 
chado que as nam ouso de castigar: acabada em goa a xx dias d outu- 
bro, antonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afonso d alboquerque. 

(Sobrescripío) A EU Rey noso senhor *. 

1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1/, M. 16, D. 116. 

37* 



292 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA LIX 

1614— Outubro 23 

Senhor. — Eu toco em âlguuas cartas minhas a vos alteza no desor- 
denado trabalho de meu esprever de noute e de dia, primcipalmemte de 
noute mais que de dia, que muitas vezes amanheço no esprever, porque 
dia nam poso, pola rezam que de mim dou haas partes, e outras cousas 
de voso serviço a que he necesareo acudir, e acho milhor esprever de noute 
que de dia por esta rezam, e o desordenado trabalho que he, dias ha que 
ho vos alteza teraa sabido. E asy toco a vos alteza lías ditas cartas em 
amtonio da fomseqa, que vos prouue tomar por voso escudeiro, como com 
ele faço todalas cousas de segredo que a vos alteza imvio, e asy vee lo- 
dalas vosas, pola sultura e despejo que com ele tenho, e ser homem de 
gramde segredo ; e certefico a vos alteza que ho acho tam verdadeiro em 
tudo, que nam poderia escrever com outra nehua pesoa senam com elle; 
e porque ho vos alteza agora tomou por seu escudeiro, em que Receby eu 
symgular mercê por minha parte, elle vollo tem bem merecido por seus 
serviços, porque afora me vos alteza fazer mercee en o tomar, amtre isto 
vos tem ele merecido quallquer mercê que lhe fizer em seu acrecemta- 
memto d omrra e fazemda, que ele tem tam pouca, por aver ha seis anos 
que amda em minha companhia e trabalhos^ que nam sey com que lha 
ajude acrecemtar sem ajuda de vos alteza, pola catyva comdyçam que te- 
nho, de nam ousar de meter a mão em vosa fazemda: ele foy em todos 
eses omrados feitos que se qá fizeram em meu tempo, em que muitas ve- 
zes foy ferydo, e husou tam bem do oficio de cavaleiro, que amostrou bem 
merecer a omra e mercê vosa que lhe vinha por caminho : ele, senhor, 
amda em minha companhia, e porque dos homeens que vos fielmemte 
quá servem, eu sam obrigado a vos dizer delles o que symto, beijarey as 
mãaos de vos alteza aver por bem fazer lhe mercê, porque alem dele vola 
ter merecida, a mim fará asynada mercê: espríta em goa a xxiij dias d ou- 
tubro de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afonso dalboquerque ^ 

» Torre do Tombo.— C. Chron. P. 1.% M. 16, D. 86. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 293 



CARTA LX 

1614— Outubro 23 

Senhor. — Vos alteza mespreveo, em coúio imviavees quá alguuas 
pesoas, emcomemdamdomas que sejam por mim prouidas daquelas cou- 
sas e carregos que neles couber: digo, senhor, que eles serám satisfeitos 
e comtemtes de mim, polo cuidado que me diso daa, porque todos sam 
taes pesoas e de tamto merecimemto amte vos alteza, que os mesmos car- 
regos em que vos quá qerees servir deles, trazem por parte de sua satis- 
façam de seus merecimemtos ; e porque tudo isto asy está visto e conhe- 
cido por mim, se o outro mumdo podese aver ás mãaos, todo lho daria, 
porque bem vejo como os galardoes da imdia vos tiram de muita obriga- 
çam: prazerá a noso senhor, que dará lugar haas cousas destas partes 
tomarem asemto, e nos abrirá outros mundos e outros caminhos, por 
omde vos alteza se aja por bem servido, e as vosas jemtes por suas mãaos 
ganhem gramdes Riqezas, com que vos milhor posam servir; e algfiuas 
pesoas tenham tamto comtemtamemto da terra, que qeiram asemtar nela, 
e tirar do poder dos mouros tamtas cidades, vilas e lugares, e tamtos de- 
reitos e tamta Riqeza como logram, jemte que nam tem mais força que a 
multidOe deles sem comto em comparaçam dos cavaleiros purtuguezes; 
nem m esqecerá a lembramça de vosos criados, nem das outras pesoas 
homrradas, que por sua lynhajem e serviços ho deviam de ser, serem 
prouidos das cousas de quá ataa vosa aprouaçam, ou dada a qem vos 
bem parecer, porque asy semtemdem todallas cousas de quá: acabada 
em goa a xiiij dias d outubro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor *. 



1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.% H. 16, D. 68. 



294 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA LXÍ 

1514— Outubro 23 

Senhor. — Em huua carta de vos alteza vy a omrra e mercê que me 
fizestes, em averdes por bem que até oito mili cruzados cadano posa dar 
e fazer bOoas obras e graças em nome de vos alteza haaquelas pesoas que 
vos quá bem servirem, gastos fizerem de sua fazemda com jemte, e asy 
polo merecimemto de seus serviços e trabalhos de sua pessoa, como per 
outras quaesquer obras dinas de louuor, e lhe ser com bõoas obras dado 
comtemtamemto delas, semdo isto, porém, cadano, nam lhe fícamdo em 
temça nem em Remda. Respondo, senhor, que vos alteza me fez gramde 
mercê niso; e pola fama que quá chegou dese feito tam cedo como a 
carta, pareceo á jemte que tinha eu milhor Rosto e milhores olhos, e com 
mais amor e bõoa vomtade e dilijemcia correm já gora has cousas de voso 
serviço omde os mamdo: e comtudo, senhor, digo que como eu seja de 
cativa comdiçam nas cousas de vosa fazemda, nam sey se meterey as 
mãaos nese feito, nem sey se nacerám dy alguuns escamdoUos, porque a 
comparaçam (sic) dos homens he muito trabalhosa cousa de comtemtar e hi- 
gualar, e ás vezes nace isto de dadivas, outra ora de nam dar nimigalha; 
e o meyo que se nisto deve de tomar e satisfazer, sam cousas Reaees: per 
estes Respeitos tenho a carta asy guardada, sem praticar nela» e a fama 
que de fora amda na jemte, nam me pesa nada com ela; e se alguua ora 
comprir fazer se alguua cousa destas por uoso serviço, será vos alteza avi- 
sado, pêra verdes se as cousas desta maneira levam ordem de voso com- 
temtamemto: acabada em goa a xxiij dias d outubro, amtonio da fomseqa 
a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor *. 



1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.*, M. 16, D. 60. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 295 



CARTA LXII 

1514— Outubro 23 

Senhor.— Depois de ter esprito a vos alteza em outras cartas a de- 
terminaçam em que íicava acerqa das galees, de nam fazer mais que as 
duas que estavam feitas, e galeota de goa, me pareceo voso serviço me- 
ter em ordem fazerem se três: duas em cochim, e hua em calecut, asy por 
virem mestres pêra iso e levarem gramde soldo, como também polo feito 
do mar Roxo, se nos noso senhor deixar tomar asemto nele, como espero, 
comservalo com harmada de galees, por ser o mar e portos e navegaçam 
própria pêra iso, e também por serem navios que se espalmam de pem- 
dor, e nam obrigarem a tamtos calafates e carpimteiros e ferreiros, como 
fazem as nãos, por ser terra nova, nam sabermos imd agora omd espalma* 
remos nosas nãos, e omd espalmaríamos hum navio, se diso tivese necesy- 
dade, e asy também pêra o feito de babarem e do mar da persya, se vr- 
muz istiver em voso poder; que pêra todas estas partes sam muito prouei- 
tosas galees: porém eu queria ver primeiro com boas nãos suez e armada 
dos Rumis; que dizem lá, senhor, na minha terra, a madeira peleja no 
mar; e eu poso isto dizer, pela pouquydade de jemte e mall armada que 
ha na imdia. 

E se de galees vos alteza faz fumdamemto e de jemte da ordenamça, 
que nos a nós quá he bem necesarea, ha mester que vos alteza proveja 
este feito bem, em tall maneira que nam venham qá cousas sem proueito: 
os remos de galés nam sam de comto de galees, e aimda pêra galeotas e 
fustas sam curtos, vistos per os olhos dos comitres e desas pesoas que ho 
milhor emtemdem qeu; pano de vila de comde pêra velas delas, ferro de 
purtugall pêra suas gouernaduras, porque ho de qaa he vidremto hum 
pouco; que as galés governam sobre agulha e levam gramde força: os 
comitres que vos alteza mamdou, sam espiciaes homeens. 

Quanto he, senhor, ha jemte da ordenamça, os piques nam valem 
nada que quá vem pêra ela; sam de faya e arrebemtam, e nam sam da 
sorte daqueles que ha ordenamça lá traz nesas partes, e gastam muito 
sem obra; amdam mall armados de maas armas e poucas, porque mam- 



296 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

dam de lá piastrOes podres e velhos, comidos da Roda, com bua folha 
d estanho por Riba; e eles compranos muy bem sobre seu soldo, e du- 
ram lhe muy pouco : as milhores armas que ha pêra a imdia, sam coura- 
ças, porque as alevamtam com bua pouca de cravaçam e hum par de pe- 
l3s; já gora, louuado seja noso senhor, quá temos vazadores de cravaçam 
e alguuns deles casados; e porque vos alteza este ano nos nam proueo 
d armas, ganharam eses capitães e jemte que estano vieram de purtugall, 
muito dinheiro nelas, porque lhas compravam os homens a peso douro 
sobre seu soldo; vemdeo cbrislovão de brito as suas coiraças de maa seda 
a XX crusados, e as adargas a cimqo crusados, e as espadas da feira de 
medina a mill e duzemtos fs., e punhaes de castelã a seiscemtos i^., e 
asy framcisco pereira e todolos outros ofyciaes desas nãos, e todalas ou- 
tras cousas que traziam, de que eu tenho avisado vos alteza que nos pro- 
veja sobre nosos soldos; porque estas nãos de portugall levano dinheiro 
desta pobre jemte cadano na mâo, e os homens quaa prezam se damdar 
milhor vistidos e armados que lá nesas parles, porque ha comdiçam da 
imdia he poor homeens muy bayxos em omrra e em preço e dinheiro, que 
os homrrados quá se prezam mais de suas pesoas e de suas homrras que 
lá nesas partes, porque as cousas da imdia sam muy grossas, e naquilo 
em que se os homees qerem pôr, podeno sosler: e eu se vejo homeens 
que tem opiniam de serem homrrados, ajudo os a ese feito, que no oficio 
da guerra a opiniam da jemte he a que faz fazer homrrados feitos, por 
omde eu qeria que ha jemte baixa achase sempre sobre seu soldo vistido 
e armas; e sabe vos alteza porque eu digo isto? porque fazemdose proueilo 
na vosa fazemda, amda a jemte bem vestida e bem aiinada e comtemte 
de sy: e pela vemtura podei*aa lá parecer que gastaram mais dinheiro, e 
se poderám ver em mais necesydade : a jemte solta da imdia nam tem em 
comta dinheiro, e gastano framcamemte em cousas muy vãas e de pouco 
proueito; vestem se de panos dalgodam na imdia e de cotonias, de seda 
e chamalotes, que he Roupa ie muy pouca dura, e outros panos de seda 
de quá da terra. 

Afora este proueito, nam he bem que se achem sempre nas vosas 
feitorias b* ou mill * covodos de veludo preto? a mór parte porque ho de- 
sejam qá os rrex e senhores desta terra, e comprano os mercadores muito 
Rijo, e pregumtam por ele; seda rrasa nem cetins de malaca vem quamto 

1 QainhentQS ou mil 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 297 

abaste; brocados baixos de pelo e Raso^: e que estas cousas nam dem 
carga de pimemta, afauorece as feitorias e dá lhe credito, e põem os Rex 
e senhores e mercadores em comfiamça, que quamdo lhe falecerem as 
mercadarías pelo estreito de meqa, que as acharam nas vosas feitorias, 
vimdo deses Regnos. Digouos, senhor, isto, porque vejo na imdia muita 
marcaria de demtro de veneza e muitas cousas destas: e asy beijarey as 
mãos de vos alteza, mamdar a eses oficiaes vosos que mamdem mea dúzia 
de foroes de galees. 

E asy, senhor, beijarey as mãaos de vos alteza mamdar nos hua dú- 
zia de carretas dartelharia do campo, porque nos vèm estes cães destes 
mouros tam poucos, que nos vam perdemdo ho medo e a vergonha, e 
achegam se muy bem a nós; e qeria sempre levar hartelharia em terra, 
pms que levamos jemte da ordenamça, que ha nam desemparará, e 
fialosemos afastar de nós hum pouco mais: acabada em goa a xxiij dias 
doutobro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por Uttra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Na margem superior da ultima pagina, por lettra coeva) D afomsó 
dalboqudrque sobre piques, carretas, e galés que mais fez K 



CARTA LXin 

1614— Outubro 26 

Senhor. — Per huua carta de vos alteza vy a determinaçam que que» 
rees que tenha sobre os casados que morrerem sem filhos, e asy as mo- 
Iheres que morrerem sem erdeyros; e bem asy como aqueles que bem- 
testados forem ou casarem ao diamte, se fôr d escudeiro pêra cima, omde 
arrecadará seu casamemto: e vy também nesta carta a lembramça que 
me vos alteza deu do que me tinhes esprito sobre nam casarem mais ho- 
meens na imdia. Respomdo^ senhor, que acerqa dos casados defumtos, 
que habemtestados morrerem, e as molheres que sem erdeiros falecerem, 
que se guardará aquela ordem que vos alteza mamda; e acerqa dos casa- 

1 Torre do Tombo— G. Chron. P. 1.% Uâf. 16, D. 61. 

S8 



29S CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

dos, que lá avees por bem que quá nam casem mais, nem se dee mais 
casamento da vosa fazemda a nimguem, digo, senhor, que tudo se guar- 
dará em gram maneira, somente alguuas vehuvas que tinham arrezoada 
fazemda e casamento, dey lugar que casasem, sem lhe ser dado da vosa 
fazemda cousa alguua, por nam amdarem ao huso dos homeens, e por dar- 
mos aos imigos boom emxempro de nós e de nosas vidas e custumis; nem 
averá daquy em diamte outra mudamça neste caso, senam o que vos al- 
teza tem ordenado. 

E quamto he á fazemda dos que morrem abemtestados ser dos ca- 
tivos, por mais obra miritoria averia eu dar se a tall a fazemda pêra cria- 
çam destes mininos orfaaos, filhos de vosos naturaees, nacidos na pia do 
bautismo e criados nos olhos dos ymygos, que aimda am de tomar as ar- 
mas e ganhar a terra aos mouros, que tirar cativos de terra de mouros ; 
e que tudo seja verlude e bem, esta ey que tem diamte de deus mayor 
merecimemto, porque noso Senhor que Ih aprouue semear quá esta se- 
memte pêra seu serviço, nam ha de qerer que os espynhos ha afoguem e 
apaguem: acabada em goa a xxb dias d outubro, amtonio da fomseqa a 
fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A Eli Rey noso senhor K 



CARTA LXIV 



1514— Outubro 26 

Senhor. — Acerqa da igreja de cochim, que me vos alteza espreve 
que se faça, por ser aquela piqena e nam tall como a que vos alteza fol- 
garia que fose, qero, senhor, dar comta do que nese negocio pasa: quamdo 
nosos pecados quyseram que do negocio de calecut viesemos asy descom- 
temtes, delerminey de tudo o que s aly tomou, ser pêra as obras da igreja, 
e pus por recebedor disto fernamdeanes, hum escudeiro homem de bem 

» Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.% Maç. 16, D. 66. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 299 

de samtarem, e por seu esprivam gomsalo afomso mealheiro, amo de dom 
joham, que deus aja, voso camareiro moor, os quaes receberam quatrocem- 
tos curzados, e ajuntaram gramde soma de call e pedra; deixey o lugar 
omde se avia de fa^er, asynado, e com as medidas tomadas, afastadas mais 
da forteleza, defromte damcoraçam das naaos que de fora estam surtas: 
deixey este feito emcomendado amtonio Real e a Louremço moreno, em- 
carregamdolbo muy muito: nunca niso poseram mais mão. Gomo me par- 
ty, tomou lhe amtonio Reall gram parte da call pêra o muro da forteleza, e 
dela pêra as suas obras, e da pedra também tomou soma dela, e algua 
furtaram: amdey acerqa de dous anos fora de cochim; quamdo vim, nam 
achey nada feito, nem pedra, nem call, nem dinheiro: faleceo femandea- 
nes em cochim, e achamos lhe menos pela comta certo dinheiro, e tynha 
todo seu soldo gastado, e nam podemos aver o que devia: a pedra e call, 
delia está nos muros de vos alteza, e dela nas paredes e cisternas de trigo 
das casas que amtonio reall começava de fazer, em que agora mamdo fa^ 
zer ho espitall, e a igreja logo alem do espitall hum pouco; e porque os 
alemães qerem fazer huua capela sua, também deixey o lugar determi- 
nado homde ha aviam de fazer ; e pois que ho vos alteza agora mamda, 
apertai os ey, e obrigai os ey em tall maneira que ha façam, aimda que 
seja comtra suas vomtades, como foram as casas das vosas feitoryas: lam- 
bem está nas mãos do padre vigairo quynhemtos cruzados, que em goá 
se tomaram per comfisQes, de fazemda Roubada a vos alteza desas presas 
que se ás vezes fazem, ou fizeram já em alguum tempo, os quaes estam 
determinados pêra a igreja de samta caterina de goa, porque também 
tenas partes aly qupham, e por iso ordeney que fose todo pêra a igreja; 
e este padre vigairo que agora quaa estaa, he homem de boom cuidado, 
e parece me que se quer desviar do caminho dos outros: ele, senhor, me 
comtemta em todalas suas obras, se o a terra nam apalpar: acerqa da 
limpeza da igreja, e todo ali que vos alteza ordena, se guardará imteira- 
mente; ela tem creligos c abaste, e pregador e boons ornamemtos deses ve* 
ludos e procados (sic) que trouxemos do estreito, e outros que lhe vos alteza 
tinha dados; e nam faleceriam quaa cáleses, vistimemtas e tudo o que 
fose necesario, se vos alteza ouuese lugar do padre samto, ou dos bispos 
e arcebispos, que podese quá ho vigairo comsagrar, porque muitas pe- 
soas ha quá, que por suas devaçõees sempre partiraam do que lhe deus 
daa com as igrejas, porque he muito lomge mamdar por um cales a pur- 
tugall, e mamdar la comsagrar htía visthnemta, ou outras cousas sece- 

à8^ 



300 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

sareas ao ofício divino: acabada em goa a xib dias d outubro, amtomo 
da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senbor *. 



CARTA LXV 



1614— Outubro 26 

Senhor. — Acerqa de çofalla e moçambique a mim me parece que 
ese Resgate e proueito de çofala vay hum pouco de vagar, que ho cabe* 
dali e o ganho todo he dos moradores da forteleza ; e asy , senhor, me pa* 
rece que ha escala das naaos da carga, quamdo partem da imdia, danam 
çofalla: e digouos eu, senhor, isto, porque este feito qâ nam amda muito 
escuro. Symam de miramda aqueixase do Rio damgoja, e doutro Rio 
que está mais achegado a çofala que este ; diz que lhe vem aly a roiq)a de 
milímdy e mombaça, brava, patê e lamo e magadaxo, omde as nãos de 
cambaya vem cadano carregadas de Roupa: diz que pasava a Roupa em 
barcos piquenos ho lomgo da costa, e vam emtrar em amgoja e no outro 
Rio: mamdoume pedir hum bargamtim, e mamdeilho fazer; mas a mim, 
senhor, me parece que as caravelas deviam amdar sobre mombaça e so- 
bre aqueles lugarees daquela costa, e fariam dous proueitos: tomariam a 
rroupa que vem pêra aquelas partes, e tolhei a yam hos mouros, que nam 
fosem danar ho Resgate de çofala : duas nãos destas tomou pêro d albo- 
querque ao cabo de guardafam, que arribaram com tempo; em outra ma- 
neira nam se pôde vedar a Roupa, que todavia nam emtre em barcos pi- 
quenos nestes Rios. 

Já lá tenho esprito a vos alteza como os mouros de çofalla espalha- 
dos por ese sertam tem danado ho trato, e torvano ouro que nam venha 
haa forteleza. E a mim me parece que seriam menos danosos rrecolhelos, 
e fazer lhe gasalhado e omrra; e asy, senhor, digo que os mamtimemtos 

» Torre do Tombo — C. Ghron. P. 1.% Ifaiç. 16, D. 67. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 30i 

se Dam deviam pagar haa jemte per panos, senam por mamtimemtos. E 
digo mais, senhor, que vos alteza devia mamdar que hametade do ouro 
que çofala Remde, devia cadano vyr á imdia, e meter se este feito em 
huso, e a esa jemte asoldada, se lhe nam acabarem de fazer seus paga- 
memtos, demlhe despachos pêra a imdia; porque nam poso eu, senhor, 
crer que ho trato de çofala ha damdar sempre tam yguall, que numca 
mais creça nem mimgue que aquilo que abasta pêra pagar ordenados á 
jemte: e pella vemtura, se vos alteza mamdar viir ametade do ouro á im- 
dia, do que ficar se pagará a todollos moradores seus ordenados, e lhe 
sobejará ímda dinheiro. 

A mim m escrevam (sk) os oficiaes de çofala, como tinham nova do 
homem que mamdámo descobrir aquela cidade de benamotapa, domde ho 
ouro vem, que vimdo no caminho, adoecera, e fora amtreteúdo dos mou- 
ros; e creo que deste feito terám eles lá dado larga comta a vos alteza: 
acabada em goa a xxb dias d outubro, amtonio da fomseqa a fez, de 
1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e seruydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerqne. 

(Sobrcicripto) A Eli Rey noso senhor \ 



CARTA LXVI 

1614 — Outubro 26 

Senhor. — Vy a carta que vos alteza espreveo sobre silvestre corço, 
dizendo me que eu lhe nam tinha dado a capitania da gallé gramde que 
ele fizera, dizendo me vos alteza que ho avia por muy mall feito: certo, 
senhor, nam poderia ser pior, seu nam fezesse imteiramemte o que vos al- 
teza de lá ordena e mamda; e a pena que eu niso merecia, devia a vos al- 
teza de dar a quem tal cousa vos ousa dyzer ou esprever, porque se 
fosem cousas feitas em samtarem ou em symtra, nam era nada de per- 
doar, mas aver vos alteza d estar hum ano e an e mêo emformado de hum 
homem que vos amda servimdo fiellmemte em lugares tam lomje domde 

1 Torre do Tombo — C. Gbron., P. 1.% Haç. 16, D. 88. 



302 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

vos alteza está, domde vos mais necesareo he falarem os homens verdade 
a vos alteza, e vol a espreverem ; e afora esta outra deste teor muitas vejo 
eu per cartas de vos alteza, que vos sam ditas de mim, e espritas de quá: 
peço a vos alteza que mé crea, que ho que vos eu nam esprever, nem der 
comta da imdia, que nam he vivo no mumdo, porque sam homem muito 
mevdo nas cousas de minha obrigaçam e de meu prouimemto; e na re- 
zam que cada viajem a vos alteza dou de mim, veres se vos falo verdade, 
porque na imdia nem demtro em mim nam fica nehua cousa por vos es- 
prever, senam meus pecados, e estes, se nam ouuese vergonha, escre- 
ver vol os hia, porque crêo que vos alteza me teria boom segredo neles; 
nem se faz na imdia imteiramemte senam ho que vos alteza mamda, sal- 
vamte se ha hy casos taes, pêra que ás vezes soltar ha ley será comprila 
de todo, e quamdo isto fôr, sempre ey de dar Rezam a vos alteza do por 
que se nam acabou imteiramemte o que mamdaes fazer : a galé que amda 
em malaca, que vos alteza mandava dar a sylvestre corço, se aquy istivera 
o dia que ele chegou, lha dera, e ha tirara a meu irmão, aimda que fora 
capitam delia. 

Emquamto fuy ao mar Roxo, elle fez a galé gramde, e logo lhe dey 
a capitania dela, e sempre foy capitam, e he, e será atá que o vos alteza 
desfaça, porque nam he meu custume aos estramjeiros que vem servir 
vos alteza, fazer lhe nehum agravo, mas gasalhado e omrra, e em nome 
de vos alteza mercee, e aimda hum pouco mais que ha hum purtuguôs seu 
iguall, porque os purtugueses por sua criaçam e natureza da terra sam 
has vezes milhor de comtemtar: pus lhe aquele soldo e quimtladas que 
tem o milhor capitam que ha na imdia: ho bragamtim ele deu a capita- 
nia a seu irmão mais moço, e eu ho ouue por muy bem feito: amdava a 
galé gramde em guarda desta costa, quis elle ir a cochim, e deixar outro 
seu irmãao por capitam, e eu ho ouue por bem feito: a galé emvemou 
aquy em goa em bua fossa que aquy está derredor da forteleza; ficou a 
galé dereita em suas ymeas; como foy baixamar, mamdeilhe dar hum 
cerqo do velado; nam emtrou mais agua demtro nela: parece me que bus- 
camdose toda a imdia, nam se achará hum tall lugar pêra metter galés, 
porque pela mayor parte todalas galees que varam, alqebram, por serem 
navios compridos; aly a mamdey correjer, porque tiramdo a galé bua 
bombarda grossa, saltou o fogo por hum escutilham na pólvora, e lam- 
çou lhe a cuberla do mastavamte pêra cima, e Rompe lhe x ou xij latas, 
e foy mercê de deus ficar a galé ()or baixo toda sãa. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQIMIQDE 303 

A gallé he muito fermosa e muito bem feita e muito forte, e joga 
sete bombardas grosas, afora artelharia meuda; he gramde navio de 
?ella: hapelaçam que trouxe silvestre corço, era de bua sua gallé piqena, 
e era lhe hum pouco curta, e nam se podia esperememtar do Remo; po- 
rém he galé que botará quatrocemtos homeens d armas fora em terra; he 
comitre dela o comitre das galees dei Rey de framça, que vos alteza de lá 
mamdou, ao quall tenho feita muita homrra, asy como veyo emcomem^ 
dado per vosaJteza: hum carpimteiro de galés, que vos alteza quaa mam^ 
4ou, e veyo com foham de sousa, he maravilhoso homem; tem feita ou- 
tra em cochim, muito fermosa peça, creo que será menos duas bamcadas 
que esta de sylvestre corço ; desta ten a capitania vasco fernamdes couti* 
nho : outra galé das que os Rumis tinham em goa, se corregeo agora de 
çDOVo, e estaa muito forte e muito bõoa peça, e asy bua fusta das de goa 
muito bem comcertada, e muito bem aparelhada; estas três se correjeram 
aquy em goa, a outra se fez em cochim. 

As duas caravelas que se fizeram em chavll, sam maravilhosas pe- 
ças ; a capitania de húa delas tem femam de rresemde, que as foy fazer, 
e sam feitas co as escumas da imdia, que sam ás vezes tam gramdes como 
ho cabedall que vos alteza quaa mamda pêra a carga; e tomay, senhor, 
por boom synall fazerem se navios de novo pelos portos dos mouros da 
imdia, 6 correjeremse outros seguramemte nelles. 

Fiz outra caravela em cananor, e fiz três em cochim, e outra que 
já estava feita^ sam sete, a quall he em que.amda joham gomez; e por 
agora estou bem de fustalha meuda pêra o estreito, onde tive assaz ne- 
Cj^dade de fustalha, porque poderá deixar ho corpo d armada em ca- 
maram, e com estes navios poderá trilhar gramde parte do mar Roxo de 
hua baíqda e doutra. 

Mais, senhor, digo a vos alteza, pêra verdes camanho atrevimemto he 
o dos homens que ousam de vos esprever o que não nam he: a galé se 
começou no tempo que as nãos em que foy amtonio de Saldanha, parti- 
ram pêra purtugall, e creo que muita parte dela estava imda no mato, 
semdo eu no estreito, partido de cochim no mês d outubro ; e nam tomey 
a cochim senam no mês de janeiro daquele que vinha a hum ano, que 
por minha comta sam xb mezes, e nam vy silvestre corço em todo este 
tempo, nem a galé : nam sey quall he ho homem que ousa d escrever a 
vos alteza o que está por vyr: muito voso serviço seria pregumtar vos al- 
teza a hum destes pubncamemte, porque vos nam falam verdade; e po- 



304 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

dera ser, senhor, que farês nisto muito voso serviço e serviço a deus, por- 
que arrecearam os homens de apresemtar amte vos alteza cousas falsas e 
emganosas, è nam danaram os homeens suas comciemcias por danar oo^ 
tros amte vos alteza, senam com muita verdade. 

Silvestre corço he muito mimoso de mim e muy bem tratado; hum 
pouco se arrufou quá de mim, porque me pidio duzemtos curzados quá, 
que dise que gastara na galé quamdo ha fizera, por alguuas cousas que 
lhe tam lijeiramemte nam davam pêra acabar; e eu lhe Respomdy, que 
se os gastar ele peramte os escrivães da feitoria ou do ahnoxarife do ai- 
mazem, e que lhos mamdaria pagar, mas que asy sobre sua palavra nam 
era rezam que dese a fazemda alhêa, que da minha lhe faria com bOoa 
vomtade o que podese, damdo lhe esperamça que alguua cousa averíamos 
nese mar, e sempre partiria com ele: esprita em goa xxb dias doutobro^ 
amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servidor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A EURey noso senhor ^ 



CARTA LXVn 



1614~Oatataro S6 

Senhor. — Per outra carta de vos alteza vy largamemte ha emfor- 
tnaçam que vos alteza tinha de todolos meos caminhois, via de malaca, e 
das cousas aquecidas, asy de presas que no ipesmo caminho foram feitas, 
como na tomada da cidade huua e duas vezes, e [todo mais que hahy pa- 
sou amtes e depois, e muy comprídamente todalas forças da carta gramde 
e todolos nosos feitos e seruiços daquela viajem, por omde nos pareceo a 
todos que nosas obras estavam vivas diamte de vos alteza, e aprouadas 
por bõoas e feitas como homens de boom Recado^ e de que vos alteza 
tinha tamto comtemtamemto, como o feito o rreqere; e de asy serem 
istimados nosos trabalhos e serviços diamte de vos alteza, vos beijamos, 
senhor, jumtamemte todos as mãos, e estimamos em muito a lembramça 

1 Torre do Tombo— G. Ghron., P. 1.% Maç« 16, D. 69. 



CARTAS DE ÀFPONSO DE ALBUQUERQUE 305 

que vos alteza de nós tem, que nos esforça a todos a poel as mãaos em 
mayores cousas de voso serviço, como leaees criados e boons servidores : 
acabada em goa a xxb dias doutnbrOi amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A Eli Rey noso senhor K 



CARTA LXYin 

1514— Outubro 26 

Senhor. — Em outra carta raemcomemda vos alteza framcisco no- 
gueira e seus filhos: framcisco nogueira está bem agasalhado, porque ho 
emcarreguey das obras da forteleza de calecut, e lhe dey a capitania, co- 
mo a torre da menajem foy em dous sobrados e a porta da forteleza cer- 
rada, m ordenado que vos alteza já lâ sabe: com ele e com gonçalo men- 
dez acabey esta forteleza, e nam quis deste negocio emcarregar outras 
pesoas, porque me pareceo que destes naceria menos escamdoUo ; e até 
gora ho tem muy bem feito, e merecido ho ordenado que hagora tem, e 
comservaram com sua mamsydõe e seu boom saber as maldades dos mou- 
ros de Calecut e as comtraryadades d outras pesoas que de fora vinham a 
danar tudo, e foy tam persyguido este feito de jemtios e purtugueses e 
mouros, polo fazerem falso como ho embaxador de preste joham, que 
sespamtara vos alteza: seus filhos amdam comigo, sam agasalhados e bem 
tratados de mim, como he Rezam: acabada em goa a xxb dias d outubro, 
antonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Par lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobretcripto) A EU Rey noso senhor *. 



» Torre do Tombo— C. Chron., P. !••, Maç. 16, D, 70. 
* Ibi. Id.— Doe. 71. 

39 



306 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA LXIX 

1614— Outubro 26 

Senhor. — Vos alteza mespreveo sobre cidra, que está agravado por 
amchecala ter ^oze mill fs, e que ele nam avia mais de xb fanões por 
mês: digo, senhor, que chegamdo eu a cochim, prouerey iso como seja 
voso serviço ; porém, se as nãos am de tomar carga omde ha acharem 
mais de barato, e se vos alteza estaa comtemte do comcerto da pimemta 
de Calecut, parece me que nam podem ter tamto trabalho, que se nam 
comtemte de ter o dobro, que lhe elRey de cochim daa cadano: falarey 
com Louremço moreno, e tudo se fará bem: acabada em goa a xxb dias 
d outubro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosaalteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sohrescripto) A EU Rey noso senhor K 



CARTA LXX 

1614— Outubro 26 

Senhor. — Per outra carta me diz vos alteza que ha por sem duuida, 
metemdose em huso de os christãos da terra e asy jemtios navegarem, e 
comprar e vemder, se tirará de todo ho trato das mãaos dos mouros; e 
por ser cousa que tamto importa a voso serviço, me mamda vos alteza que 
me trabalhe por que asy se faça. Digo, senhor, que os jemtios em toda 
parte sam fauorecidos de mim, e bem tratados suas pesoas, nãos e mer- 
cadarias, omde qer que sam achadas; mas os jemtios sam homeens de 
fracos cabedaes, e eses christãos da terra pouca fazemda tem pêra apa- 
garem tam cedo a força do trato e companhias dos mouros da imdia, por- 

1 Torrt do Tombo.— C. Ghron. P. 1.% M. 16, D. 73. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 307 

qoe sam homeens Ricos e de gramdes fazemdas, e tratam muy grossa- 
memte e com gramde namero de nãos; porém sempre ese feito dos jem- 
tios foy faaorecido de mim, e será, e prímcipallmemte os chiistãos da 
terra; mas a mim, senhor, me parece que nam he ese o caminho pêra 
tam cedo se apagar ho trato dos mouros, porque, se os mouros istivesem 
em terras per sy, e os jemtios em terras e portos per sy, parecer mia que 

aproueitaría o fauor e boom trato nese feito, mas eu 

os mercadores moaros terem seus asemtos e pouoações nos milhores por* 
tos dos jemtios, e tem muitas nãos muy gramdes, e tratam muy grosa- 
memte, e os Rex jemtios muy abraçados com eles, poUo proueito que lhe 
trazem cad ano : os baneanes de cambaya, que sam os primcipaes merca- 
dores jemtios destas partes, a companha de suas nãos toda he de mou« 
ros: esprita em goa a xxb dias d outubro, amtonio da fomseqa a fez, 
de 1514. 

(Por lettra de Albuguerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor *. 



CARTA LXXl 

1614 — Outubro 26 

Senhor. — Per hiiua carta de vos alteza vy que avees por muito voso 
serviço saber o que vali a despesa que se faz na imdia, em hum ano, nos 
soldos que se quã pagam e moradias, e asy mesmo em mamtymemtos de 
toda a jemte que quaa trazes, asy n armada como nas fortelezas, em tall 
maneira que muy certo saiba vos alteza o que em cada hua destas gas- 
taes em hum ano com toda a dita gemte. Digo, senhor, que acerqa do 
soldo se poderá certeficadamemte saber pelo numero da jemte, com de* 
c»*araçam dos criados de vos alteza que tem seu soldo e moradias, e asy 
outras pesoas que deses Regnos trouueram mayor soldo que ho do exame 
ordenado per vós; e de tudo isto que digo, vos iram Roees e cadernos, 
com a decraraçam que vós alteza pede. 

Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.*, M. 16, D. 74. 



30$ CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Quamto he aos mamtimemtos que se pôde gastar cadaDO, vos irá 
na verdade; mas ho que gastamos, nam se pôde saber, porque apidamos 
fora^ xij e xuj meses, e ás vezes oito e nove; e todos eses mamtimemtos 
que lã podemos' aver, asy nà terra como no mar, comemos e gastamos, 
seim emtrar em Repartiçam de partes: este ano que imvemamos na imdia, 
poderá vos alteza saber o que se gastou, e de tudo lá irá com bõa decra- 
raçam, porque ho mamdey asy aos oficiaees, aimda que pelo numero da 
jemté sé põdé lá bem saber: esprita em goa a xxb dias d outubro, amtonio 
da fomseqa a fez, de í 51 4. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afonso dalboquerque. 

(SobrescriptoJ A EU Rey noso senhor *• 



CARTA LXXn 

1614— Outubro 26 

Senhor, — Vos alteza me Respomde ha carta que vos esprevy sobre 
as quimtladas, que eram já de todo espididas, senam as dos capitães 
das fortelezas e nãos: eu, senhor, vos falo verdade; se lá achar vos alteza 
ho comtrairo, saiba se he por mamdado meu: as quymtladas da jemte 
d armas, da vimda de louremço moreno por diamte, nan as ouue hy mais, 
e se começaram de pagar per vosa ordenamça alguas poucas pesoas; se 
lá vos alteza achou ho comtrayro, mamdaymo nomeado por nome e muito 
bem decrarado, e saberey domdiso nace: tamto que ha determinaçam de 
voç alteza veyo, que nem huns nem outros nam ouuesem quimtladas, e 
nam tocastes em lhe todavia serem pagas, cesou a paga daly em diamte. 

E quamto he has quimtladas de vosos criados, fidalgos e cavaleiros, 
que vosos aluaraes tinham, eu lhe alarguey aquele ano de carga, da vimda 
de lôuremOo moreno, mostramdolhe que lhas leixava aquele ano pelo feito 
de goa e malaca, que acabaram em onze meses; e que esta rezam, se- 
nhor, parecese bem, nam me apeguey eu a ela pêra lhe dar as quimtla* 
das, mas porque lhas nam podia tirar por bem de voso Regimemto; por 

1 Torre do Tombo— C. Chron. P. i.\ M. 16^ D, 75. 



CARTAS DE APFONSO DE ALBUQUERQUE 309 

que me mâmdastes que comtratase com eles a seu prazer e comtemta- 
memta, e que imda alguns temtase com dadivas pêra as alargar, e esta 
he a verdade. E quamto a me amostrar haa jemte forçado deles, e lhe 
carregar pelos ditos serviços as quimtladas daquele ano, mostramdo 
ser me defeso em voso Regimemto, foy por eles receberem bem a tirada 
delas ho ano que vinha; e iste aproueitou, porcpie tiveram já tempo pêra 
fazerem sua comta, e saberem que as nam aviam daver, e isto, seiúior, 
pasa asy na verdade. 

As quimtladas devidas amtes de vosa determinaçam se carregaram 
aos solteiros que as qeriam carregadas, e os que queriam pagas, paga- 
vam lhas, e aos casados pagaram lhas; e ainda agora amdam alguuas pe- 
soas na imdia a que sam devidas quimtladas ; mas vos alteza apertou 
tam Rijo com este feito, que lhe nam dou lugar que as carreguem, e 

^mamdolhas pagar; porém, senhor, he disto muy pouca cousa: deste feito 

^dou mais mevda comta em outra carta a vos alteza. 

E quamto he, senhor^ ha carga de joham machado, dei lhe aquele 
lugar de carregar per voso mamdado, porque vos alteza mespreveo que 
dése da vosa fazemda alguua cousa haaqueles que amdasem cos mouros, 
pêra se tomarem haa fee de noso senhor; e joham machado se veyo na 
mayor afromta de goa, e trouxe oito ou nove comsygo, emprestou seu di- 
nheiro ha feitoria pêra as necesydades que hy avia, lamçou se em tempo 

^que vos fez serviço, e por todos estes Respeitos e por mo vos alteza mam- 
dar, lhe dey lugar pêra carregar esa mêa camará, e aos outros nam dey 
nimigalha: acabada em goa a xxb dias d outubro, amtonio da fomseqa a 
fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afonso dalboquerque. 
(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor *. 



1 Torre do Tombo— G. Chron. P. 1.*, M. 16, D. 76. 



310 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA LXXIII 

1614— Outubro 26 

Senhor. — Vy a caria que me vos alteza espreveo sobre Amtonio 
Reall, e a maneira de que mo emcomemdaes e emcarregaees; e segumdo 
a carta que vos ele de quá espreveo de mim, e a comfiamça que vos al- 
teza nele tem, a ele me divera demcomemdar vos alteza, e nam ele a mim; 
e pêra vos alteza ver a manha que quá custumam hos homeens, como os 
mamdaes servir em algum trabalho e perigo de sua pesoa em minha com- 
panhia, eles trabalham por s escusar, e disimulam ese feito muy bem ; e 
eu, senhor, como sam pouco dador dopresam aos boons homeens, dou lhe 
lugar has vezes husarem de suas condiçõees ; e por serem cousas de que 
vos alteza ha de saber parte, esprevemvos lá, e fazem se omiziados de 
mim: provo isto a vos alteza por muy bõoas testemunhas: a primeira he 
a carta d amtonio Reall^ a quall vos alteza leo e vio: nam achares, senhor, 
nela qeixume de mim, nem mall nem dano que lhe fizese, senam culpas 
minhas e vicios meus e cousas feitas comtra voso serviço, e chamou me 
nela ladram e mouro e covardo, e homem que nam fazia o que lhe vos al- 
teza mamdava, e mais, senhor, me desafiou nela peramte vos alteza, e isto 
fez quamdo o eu mamdey chamar, que fose ho estreito comigo per voso 
mamdado. 

A outra testemunha, senhor, he em cananor, quamdo lhe pubriqey 
os autos d amtonio Reall, que lá mamdey, e as pregumtas pelo juramemto 
dos samtos avamjelhos que tomou, acerqa dos capitulos da carta; perante 
todoUos capitães, cavaleiros e fidalgos, vygairo e creligo e moradores de 
cananor, estamdo hy joham de sousa, amrique nunez, capitães, mamdey 
ler tudo em pubrico, porque fosem sabedores da maneira que de qaa em- 
formavam vos alteza de minha pesoa e de seus serviços, e também porque 
todos visem minhas imfameas, e cada hum em seu tempo disese o que 
soubese a vosalteza; e aly pubricamemte peramte todos dey juramemto 
dos samtos avamjelhos hamtonio rreall, dizemdolhe que se lhe tinha eu 
feito ou dito algfiua cousa: polo juramemto que tQmou, dise que nunca 
lhe fizera nehua cousa, amtes lhe tinha feita muita mercê e omrra, e que 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 31 1 

lhe dera a capitania de cochim, e que esprevera a vos alteza sempre bem 
dele, e que fora sempre bem tratado e omrrado de mim. 

A outra testemunha he ho agravo e escamdollo de Louremço moreno, 
de fazer eu mais homrra amtonio Reall que a ele, e de o deixar com po- 
der de capitam omdele estava. 

A outra he as duas cartas que mele pidio por duas vias, quamdo 
ele fez esoutra, que todas chegaram em hum tempo : outra testemunha 
he o juramemto falso que tomou per muitas vezes, como se verá pela rre- 
posta sua aos capitulos de sua carta, os quaes pelo juramemto negou 
todos. 

Naceram estas cousas, senhor, porque se quis amtonio Reall fazer 
omiziado de mim, pêra escomder ha ida do estreito, omd ele nam quis ir 
por voso mandado, e escomder o caso mayor em que cayo, e escomder 
fazer se qebrado, quamdo ho mamdava a malaca socorrer has nãos que 
se nam perdesem; e porque ho eu nam forcey a nehua destas, e sabia 
que ho avia de saber vos alteza, emtam se amostrou descomtemte de mim. 

Outro tamto me fizeram os durmuz, deixaram me e vieram se, e quaa 
na imdia faziam se omiziados de mim, e cada hum me tinha guardada sua 
especia de morte, como homeens que ouuera amtre nós pemdemças ou 
bamdos. 

Asy digo, senhor, que parecera muy bem mandai o vos alteza levar 
de quá preso em ferros, e nano mandar ficar quaa, visto sua carta; e 
pois que a vasqe anes, voso veador, ho nam comtemtou ha sua carta^ e 
o mandava Repremder por iso muy Rijo, castigo merecera ele, e boom, 
que he outra bõoa testemunha pêra me vos alteza fazer justiça, pois que 
eu com voso medo ha nam ousey quá de fazer, e por serem cousas to- 
camtes a minha pesoa, as quaes eu deixo a determinaçam delas a vos al- 
teza. 

De amtonio Reall, senhor, vos esprever esa carta, nam mespamto 
muito, porque amdava já cevado nelas, segundo os trelados das do visoRey 
que ele lã tinha escritas, e agora amdava quaa cada dia lemdo as polas 
pragas, com comtemtamemto do que tinha dito nellas, e teve sempre Mua 
bOa maneira neste caso pêra seu proueito : asacava sobre sy mill imjurias, 
e pidia logo a vos alteza a paga delas; atrebuya a sy os serviços que vos 
qá fazem muitas pesoas, e pidia vos logo satisfaçam deles, e asy foy ele 
pouco a pouco acrecemtamdo seu soldo e suas quimtladas, e aquerímdo 
mercê amte vos alteza; salvou se amte vos alteza, porque nam tinha com- 



312 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

jntídor 4|Qe iverdadárâmemte tds amostrase qm nâm avia nele cousa p^a 
prestar, porque. oaiii ibe dérees, senbor, de comer: sirvase Tosalteza dele 
per %f BOOf smí aver h^ qeno mamde, e toos, senhor, ho conhecerees; 
mas, como pér outra carta tedio dito a vos alteza, ho voso fauor correje 
alguuas pesoas, e outras dana: esprita em goa a xxb dias d outubro, am- 
tonio da fòmseqá a fez, de 1514. 

(Por leUra de Albuqu^que) feytnra e servydor de vosa alteza 

Afonso d alboquerque ^ 



CARTA LXXIV 

1614— Outubro 26 

Senhor. — Vy a carta que me vos alteza mamdou neste maço de pêro 
dalpoem, em que me vosalteza deu largamemte comta de todo feito do 
embaxador do preste joham, e digo, senhor, que a mim nam comvem exa- 
minar os embaxadc»^ dos Rex e primcipis destas partes, que vos vem 
buscar, nem lhe abrir suas cartas nem suas extruçOees, sem vosa espiciall 
carta asynada e aseelada, em que me daes comisam pêra o tall feito; por- 
que nam seria Rezam ir hum embaxador com recados a vos alteza escam- 
dilizado e agravado de mim, senam bem recebido e despachado e segura 
pasajem. 

Na pratica que com elle per vezes tive, e bem de dias em goa, al- 
gSuas pregumtas ibe fiz acerqa de sua vimda: que caminho fizera? por- 
que nam viera hum dos cristãos com elle, que ele nomeava serem lá ím- 
vyados per vosalteza? se trazia alguum Recado per palavra? de tudo me 
deu a Rezam e comta que lá deu a vosalteza; somente me dise que aquele 
dia e ora que ho preste joham determinou de ho mandar, lhe metera 
uquela carta na mãao, e o mandara partir: pregunteilhe como fora sua 
vimda apresada daquda maneira, sem ter mais pratica com ele? dise me 
^e se os mouros souberam que ele vinha a ese negocio, que nam ouuera 
úe pasar, e eu lho creo, porque hy nam ha nehuua sayda da terra do 
preste joham, que nam venha em nãos de mouros e per mãos e lugares 

1 Torr« do Tombo— G. Cairon. P. 1.% M. 16, D. 77. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 313 

de mouros: se qerem sair per zeila, zeila he de mouros, e nam he debaixo 
da obidiemcia de preste joham ; se qerem vir por meçuá, meçuá he de 
mouros, ilha píqena pegada na terra firme e porto de preste joham que se 
chama dacanam, e a terra se chama arquiqo; se qerem sair por Dalaca, 
que he hua ilha pegada na terra de preste joham, Dalaca hè de mouros; 
se qer sair per çuaqem, a ilha de çuaqem he de mouros, e está pegada 
na terra firme de preste joam, e o sertam de çuaqem de mouros he, mas 
sam sojeitos ao preste joam ; e estes mouros que aqui estam ém çuaqem, 
comem os dereitos das mercadarias que vem pelo nillo ter a coçaer, porto 
do mar Roxo: lá tenho dada larga comta diso per outras muitas cartas a 
vos alteza: asy digo, senhor, que ho embaxador me parece que diz bem, 
que se se avemtara amtre os mouros ser ele embaxador do preste joam, 
nam escapara de ser tomado em hum destes portos, ou nas nãos dos 
mouros omde passara, ou em adem, ou no Reino de càmbaya; e nam, 
senhor, pelo temor que tenham de noso ajumtamemto sobre sua destruy- 
çam, mas pelos civmis que tem do trato do ouro e mercadarias da terra 
do preste joham, de que eles estam muy ceosos e arreceosos; que nam 
sam eles tam barboros no emtemder, que nam vejam que afora ser vos al- 
teza comquistador, que vos nam trabalhaes d asenhorear os portos das 
mercadarias e tratos deles, e que os nam is desapegamdo deles pouco a 
pouco; e portanto, senhor, eu nam ey por cousa duvydosa vir a vos alteza 
embaxador do preste joham, e conhecido nos olhos dos mouros, que nam 
seja morto ou cativo; e o dia que ho idalham seube que ele era embaxa- 
dor do preste joham, e da maneira que ho alargaram em dabull, quisera 
mamdar cortar a cabeça ao capitam de dabulL 

Deses abexins que se lamçaram comigo em adem, que foram cati- 
vos no caminho da romaria de jerusalemi hum deles que sabe esprever, 
me dise que ho conhecia, e que era homem que muitas vezes elRey mam- 
dava a muitas partes. 

Nem sey, senhor, de que serviria ser este homem emculca ou espia, 
como ho quiseram fazer, do soldam, porque comtinuadamemte amdam 
comigo de demtro do cairo, e cada dia vem per terra e per mar com suas 
mercadarias, e vêm vos armada, e vêm vosas fortelezas e tudo ho da imdia, 
porque neste caso nam se pôde ter qá nestas partes mais guardas, poios 
mercadores terem liberdade de amdarem seguros per toda parte, vem- 
demdo e compramdo. 

Digo mais, senhor: se o soldam quiser saber o comselho ou deter- 

40 



314 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

minaçsmi de vos alteza sobre ho feito da imdia, oa despacho de vosas ar- 
madas, nam amdam em purtugall vimte venezeanos, ytaleanos, frolemtis, 
Jenoeses e outras jeraçõees de jemtes, que comtinuadamemte tratam em 
alixamdria e no cairo, os quaes saberám muy bem o negocio deses regnos, 
e darám muy bõa comta ao soldam dese feito, cada vez que ho quyser 
saber? 

Mais digo aimda, senhor: ese homem, se fora falso, nam sabe elle 
que ha de vir ter á minha mãao, e que comigo ha d ir demtro ao porto 
de preste joham, e que primeiro que saya com vosa Reposta, que am d ir 
e vyr com recado ao mesmo preste? pellas quaees Rezões acima ditas a 
mim me parece que nam trazia nehum proueito alevamtar se hum homem 
com ese ardill^ e pasar tamta furtuna, ata chegar a eses Regnos ; abastara 
com seus emganos chegar a mim. 

Deste negocio que pasou ho embaxador em cananor, eu nam soube 
parte, senam em camaram ; dom garcia meu sobrinho e diogo fernamdez 
que arrimcaram per derradeiro de cochim, vyeram per cananor, e soube- 
ram tudo o que hy pasara, mo diseram, de que eu fiqey o mais espam- 
tado homem do mumdo. 

Quando torney á Imdia, quis emtemder neste negocio^ e achey que 
eram cousas de gaspar pereira e d outra pesoa que qois segir sua opi- 
niam e seu comselho, os quaees emtraram na Imdia por mamtedores na 
imdia, e quá se fizeram ávemtureiros, e danaram ese embaxador e o 
delRey de cambaya, e agora per derradeiro ho de mihquiaz de dyv, e 
outi*as pesoas da imdia e outros capitães que lá sam, e o feito de calecut, 
e nom lhe pôde escapar nehum negocio na imdia em que nam metam a 
lamça, se podem: danaram se estas pesoas desta maneira que digo a vos al- 
teza: hum nam quis vir a benastarym comigo, e depois de noso senhor 
nolo dar com tamta omrra e vitoria dos purtugueses, quis amostrar que 
por descomtemtamemto que de mim tinha; leixara lá diir; outro nam quis 
ir ao mar Roxo, e quys ficar com huua molher casada que tinha tomada 
a seu marido, afora ser homem que lhe nam apraz muito com estes percaU 
ços que agora quaa ha na imdia, porque nam se criou nellas (sic)^ senam 
na ouceosidade pasada; e aimda desa hida dos Rumis se soube ele muy 
bem escusar, e quys por detrás de mim esprever a vos alteza que eu nam 
fazia com elle seus ofícios. 

Soube mais deste negocio, que as duas espravas abexis que eu com- 
prey, e dey ao embaxador, que mas pedio, seus senhores falaram com 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 315 

f 

elas depois em cananor, e per estucia falaram com ellas, porque nam mas 
vemderam muito per sua vomtade ; daly naceo e do comselho de cananor 
dyzerem as espravas que husava imdividamente com eUas, e acomselha- 
vam a molher delle que o disese também asy, e que se o eu soubese, que 
ho mamdaria qeimar, e que a ela que a casaria muito homrradamente 
com hum purtuguês: veyo ho embaxador a qerer dar em sua molher ou 
sua esprava; acudio a ese feito jorje de mello, gaspar pereira e framcisco 
pereira, e fizeram eses exames e eses asemtos, e o canonizaram por truam 
e por cujo, e apartaram ho moço dele, e as escravas, pêra husarem de- 
las per ese caminho â sua vomtade ; e alevamtaram iso ao embaxador, e 
o danaram, e bernaldim freire com ele, cuydamdo que danificavam a mim 
niso, e tomavam vimgamça de seus desarrazoados despeitos, parecemdolhe 
que era huua tam gram cousa e de tamto louuor e groria de vos alteza, 
que nam podia deixar de ser gramde comtemtamento meu, e vos alteza 
mo ter em gramde serviço; e foram co iso ^o cabo, e fizeram o que vos al- 
teza vÍ0| e examinarano per seus comselhos e per seus testemunhos; e 
nam m espamto fazer iso framcisco pereira, pois lhe eu quaa pasey as 
cousas que ele fez em quilua; quis se agravar de mim, porque lhe nam 
dey ho soldo da nao livnarda, posto que ele istivese eib quilua, e dizia 
que aimda que a nao estivese e amdase em poder de duarte de lemos 
nesa outra costa; afora, senhor, ser hum bem trabalhoso homem, e que 
pela vemtura foy ele causa desas nãos nam pasarem a purtugall; nam 
m espamto de bernaldim freire, porque he moço, que ho danará quem 
quiser. 

Quiseram, senhor^ também dizer que eu ho sabia que era truam e 
maao; e segumdo o que me vos alteza espreve, diz bernaldim freire que 
nam tive eu tempo pêra saber a verdade: perdoe lhes deus estas duas 
cousas : e digo, senhor, que pela pratica e pregumtas e modo de sua vimda 
e seu caminho, como acima dito tenho, eu ho festejey e omrrey como a 
verdadeiro embaxador de tam gramde Rey e Senhor, como ho preste 
joham he nestas partes, e o emtreguey a bernaldim freire, por ser cousa 
vosa e omem que parece que tem descriçam e saber pêra nam danar as 
cousas de voso serviço; pois que vos alteza lhe mamdou emtregar huua 
nao de setecemtos tonees carregada douro, nam me parecia que errava 
comfiar dele ho embaxador. 

Quamto he, senhor, ha vera cruz que levava com gramde acatamento 
e com aquela solenidade e devaçam, foy Recebida com persisam, ado-^ 



316 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

rada e ofertada, tocamdo nela oosas joyas, comtasi como cousa muy ver- 
dadeira, e como se viramos estar noso senhor posto nella: se eses ho- 
meens de pouca fee quyseram iso danar ou ydolatrar, sem temor de deus 
nem de vos alteza^ poderá ser que Receberam a paga de noso senhor, 
quamdo de vosas mãos escaparem ; porque aquele verdadeiro senhor que 
está nos ceos^ sabe que toda esta desordem que se criou em cananor, foy 
cuidamdo que me acertavam em chêo, porque os homes sesudos e que 
nam forem danados, mais se devem espamtar de hum Rey cristão, que 
está XX dias de nauegaçam de nós e tem verdadeira fee de jesu cristo 
noso senhor e salvador, nam mamdar saber ha Imdia que jemte éramos, 
se tínhamos verdadeiramente a ley de deus, e se éramos verdadeyros cris- 
tãos, e de mandar hum embaxador desymulado e escomdido, vistido em 
tragos de mouro com cartas e embaxada a vos alteza. E mais digo, se- 
nhor: os que vós lá mamdastes^ nam foram eles em tragos de mouros, e 
hum deles nam se circumdoii (sic) em milimdy primeiro? nom os lamcey 
na costa de gardafum, como mouros mercadores Roubados de nós? nam 
guardavam todallas círymonias de mouros, por nam serem conhecidos 
nem tomados? e agora diz este embaxador os nomes deles verdadeira- 
mente: e estes dous judeos nam viram eles joham gomez e o mouro que 
com eles hia, em çuaquem, porto do preste joam? 

E como nos espamtamos nós, homeens de pouca fee e de pouco te- 
mor de deus, ser esta vera cruz vimda de demtro de Jerusalém ao preste 
joham, se nós sabemos certo que vam cadano muy gramdes cafillas e muy 
gramde soma de jemte a Jerusalém em Romaria, e que lhe levam gram- 
des esmollas, e que ho preste joam lhe mamda muitas joyas douro e 
muyta Riqeza, e que está muito vizinho de Jerusalém, se o padre samto 
e muitos Rex cristãos tem ho lenho da vera cruz, e o aprovam por ver- 
dadeiro? e nanos vejo ter em huso mamdarem esmolas a Jerusalém, e 
pella vemtiira he vos alteza soo ho que se sabe em noso tempo visitar a 
casa samta com vosas esmolas: como nos espamtamos tela ho preste, que 
tamta devaçam tem na casa samta e tam visitada he delle e das-jemtes 
de sua terra? E se este embaxador viera de bemgala, ou de pegu, ou de 
narsymga, ou de xeqesmaell, ou do Reino de dely, ou de mamdao, que 
sam provemcias (sic) muy alomgadas de nós, deramo lhe fee? creo eu que 
sy ; e por ser embaxador de Rey cristão noso vizinho e muito perto de nós, 
que tem ho verdadeiro Rito da nosa fee, e se carecem dalguua cousa, 
nam he por sua culpa, avemolo por falso e por cousa muy dunidosa, e 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 317 

tem o imygo de deus cuidado dalevâmtar este redemoynho amtre nós, e 
de oos fazer obrar esas cousas vimgativas. E aimda, seubor, vos digo 
mais, que se o embaxador se posese em juizo com aqueles que ho vitu- 
peraram e quiseram dele fazer truam, como Ibo poderiam prouar? que 
buscamdo pêra iso testemunhas falsas, trabalhosamente o poderiam cul- 
par, porque avia mester gramde proua pêra ese feito: e se isto asy he, 
como ousaram de meter as mãos nelle? se alguua cousa simtiam, nam 
fora bem dizereno a vos alteza, e ser ele tratado com toda sua homrra? 
e se nese feito mostravam ser eu culpado, nam sabiam eles que nam sou 
eu homem vãao, nem minhas cousas, com ajuda de noso senhor, nam sam 
pimtadas nem falsas? e que me nam espamto muito mamdarvos ho preste 
joham embaxada, mas que espero na misericórdia de deus, que amtes de 
muitos anos virâjn gramdes embaxadas de Rex mouros e jemtios, que 
nam tem fee nem ley e sam nosos imigos mortaes; e quamdo de minha 
casa ouuese de pôr alguua cousa, nam avia de ser mais que ho que faço: ' 
se a copa que vos mamda elRey de syam, se quebra, mando uos fazer 
outra, porque vaa ho serviço e presemte que vos mamdam, imteiro; se vos 
elRey de cambaya mamda bua adaga douro, mamdoa muy bem corre- 
jer; se a vera cruz vem èm hum pano velho por mais desymulaçam, semdo 
achada, mamdolhe fazer Ma caixa douro; se as cartas de preste joham 
vem em hum pano emcerado, mamdolhe fazer bua cayxa douro pêra elas, 
porque todas estas cousas Redumdam em voso estado e em voso serviço, 
e nam sam falsas, mas verdadeiras e chèas de comprimemtos, porque asy 
he bem que as cousas de voso louuor, pasamdo por omde istiverem vo- 
sos capitães e vosos vasallos, sempre sejam festejadas e bem tratadas, até 
chegarem diamte de vos alteza; mas fazerem embaxador falso, eu nunca 
ho ouuy dizer que ho ninguém fízese, nem creo que hy ha oficiall maca- 
nico no mumdo que ho saiba fazer; e nam digo, senhor, mais, senam que 
somos mãos, que a piadade com que nos vos alteza castiga e Repremde 
nosos erros, he causa diso. 

Quamto he, senhor, ha maneira que se terá co preste joham, che- 
gamdo a sua terra e a seus portos, e asy a jemte e maneira com que ho 
devo de mamdar visitar, emcavalgada e armada e bem aparelhada, e to- 
dollos mais comprimemtos e avisos que me vos alteza sobr ese caso daa, 
a mim me fyca a carta por extruçam minha, pêra quamdo fór tempo se 
guarde a ordem que mamdaes que se nese feito tenha; c na dilijemcia 
que qerees que se faça sobre ho embaxador, se terá aquela maneira que 



318 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

vos alteza ordena, mas ha voz de toda a jemte da imdía he que ho preste 
joham mamdou embaxador a vos alteza: espríta em goa a xxb dias d ou- 
tubro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servidor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A EURey noso senhor*. 



CARTA LXXV 

1614— Outubro 26 

Senhor. — Partidas as naaos pêra eses rregnos d armada de Joham 
de sousa, torney outra vez de cananor a calecut, e hy istive alguuns dias 
asemtamdo alguas cousas, e asemtado ho coraçam delRey de calecut, 
chéo de duvidas de muitas partes d omeens danados, e fuy em terra ver 
a forteleza, e primeiro ho mamdey dizer a elRey: ajumtey mais jemte so- 
bre mim que hum alifamte, e vy toda a obra e ordem da forteleza, e pa- 
receome bem: tornei me a rrecolher ha caravella, e parti me dy caminho 
de cochim, e elRey me veyo ver com todo seu aparato d estado, e por 
emtam nam falamos nada; tudo foy pratica de seu comtemtamemto e pra- 
zer, e se foy por aquele dia pêra sua casa. 

Pâsado isto, me trabalhey por despachar a nao d amtonio d abreu e 
lhe dar ho maço da terceira via, e se foy muyt embora, aimda que me le- 
vou hum solorjyam, que me de qá fogio, que se chama mestr afomso, que 
veyo com diogo memdez e foy despachado per vosos oficiaees sem meu 
mamdado, e levou cem mill reis darrecadaçam, fogimdomelle das nãos 
pêra goa, omde ficou quamdo hia pêra o estreito, que foy causa d alguuns 
homeens feridos em adem padecerem á mimgua de solorgiam, que fiqey 
asaz descomtemte pela sua fojida, pola necesidade que amtre nós ha, e 
muito mais por lhe vosos oficiaes darem despacho sem meu mamdado : 
estamos asy sem solorgiam de verdade; de barbeiros e emxalmadores te- 
mos muitos. 

Dahy per espaço d alguuns dias veyo elRey lia forteleza, e despejei 

1 Torre do Tombo— G. Ghron. P. 1.% Maç. 16, D. 78. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 319 

a casa, que nam ficou comigo senam os capitães e vosos oficiaees, e co- 
meçou de falar no feito de calecut, hum pouco mais bramdo e mais ache- 
gado haa Rezam do que ho dom garcia achou, porque foy diamte alguuns 
dias de mim: tinha lhe já dado três cartas de vos alteza, e do que se aly 
pasou da primeira e segumdá* vez, creo que foy avisado vos alteza pelo 
maço damtonio d abreu: todavia o quis eu culpar, mostramdo gramde 
descomtemtamemlo dele praticar, nem falar, nem tomar comselho nas 
cousas de meu carrego com Louremço moreno, gaspar pereira, diogo pe- 
reira e amtonio Reall, porque estes taes nam tinham Regimemto, nem po- 
der, nem autoridade, mais que fazerem sua carga da maneira que lhe eu 
ordenase, e ele queria com eles determinar ho negocio da imdia, os quaes 
ho tinham emformado mall de mim e trazido em descomtemtamemto, e 
asy lhe tinham feito emtemder, que comtra mamdado de vos alteza e com- 
tra seu Regimemto fizera paz com calecut, e Ih acomselharam que cha-* 
mase alguuns capitãees descomtemtes de mim, pêra com eles fazer corpo, 
e espreverem todos a vos alteza, e emtam lhe nomeey hum ou dous que 
foram apalpados dele. 

E asy, senhor, lhe dise que boom galardam dava elle aos capitães 
e cavaleiros que eu deixara em guarda de seu estado, e que em siía carta 
a vos alteza lhe Roubara seus serviços, e os atribuyra a Louremço mo- 
reno, amtonio Reall e diogo pereira; se sabia elle bem quem desbaratara 
ho outro Rey que quyria emtrar, e lhe tomara ho sumpreiro e amdor é pren- 
dera o mamgate cai mall que vinha com elle? Respondeu me que tall nam 
escrevera a vos alteza, com jeito de culpar ho esprívam que fizera a carta 
em purtuguês: e asy lhe dise, que era o que ele esprevera a vos alteza so- 
bre o feito de goa per comselho damtonio Reall, Louremço moreno, diogo 
pereira, gaspar pereira? dise me que sobriso nam esprevera a vos alteza. 

Acabado meus agravos amtele, falamos no feito de calecut, e em- 
tam lhe dise as palavras que me vos alteza tinha mamdado que lhe disese 
sobre o feito de calecut, asy e pela maneira que no capitulo da carta vi- 
nha no maço que trouxe pêro mascarenhas, e com outras palavras e rre- 
zões que por emtam faziam ao caso, e ele se fez hum pouco mais bramdo 
e mais mamso, damdolhe Rezam como vos alteza tinha bem comprido a 
obrigaçam em que lhe era, de lhe defemder seu estado e seu Regno, do 
quall nam faleceria hum palmo de sua terra, que primeiro se nàm per- 
desem os purtugueses todos; que ha pemdemça que tinhamos com cale- 
cut, era pola trayçam e maldade que fyzera a vos alteza ho çamorym, ho- 



320 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

mem tredor e maao, o quall era já morto; e vos alteza avemdcr piadade 
dos mercadores, e depois de lhe ter morta muita jemte e destroydas mui- 
tas nãos e gram parte da sua terra, ouuerees piadade com eles, e lhe per- 
doarees seus erros, e rreceberes este Rey, que agora he, em voso serviço 
e obidiemcia, por nam ser culpado naquele feito, e prometer dar forte- 
leza em sua terra, e tributo, que era metade do que Remdiam os segu- 
ros, e dar a carga da pimemta a troco de mercadarias ; e que nam era 
piqena cousa acabada na imdia, meter se calecut em vosas mãos, Rey tam 
gramde e de tamta jemte como ele sabia, escapola amtiga do cairo, e asy 
ter ele bem sabida a temçam de vos alteza, que era nam fazer guerra aos 
jemtios, nem lhe tomar seus lugares e portos, mas guerra comtinua cos 
mouros, como elle tinha visto per obra, e termos lhe tomado seus lugares 
e portos; e que outro tamto mamdares que se fizese a coulam, vimdo ele 
em obidiemcia e Reconhecimemto de seu erro e de suas culpas. 

Imdo asy por esta pratica adiamte, o comecey hum pouco d obrigar 
a elle, por voso serviço, dever de meter paz em toda a terra com vos al- 
teza, precural a e buscai a, que bem via elle que ho preço da pimemta de 
cochim» e os custos que ela fazia até chegar a eses Regnos, nam abram- 
gia as desordenadas despesas da gramd armada que vos alteza trazia, pola 
obrigaçam da gerra. Respomdême que bem via tudo, porém que ele avia 
de ter guerra com calecut, porque asy qeria seu custume: eu lhe Re- 
spomdy que ele tinha pouca obrigaçam a ese feito, pois que ho çamorym 
era morto, com quem ele tivera sua pemdemça; e mais que pareceria já 
gora comtrariar as vosas cousas, porque bem via elle quamta parte vos al- 
teza tinha já gora ein calecut. 

Falou me na carga das nãos omde se faria; eu, senhor, lhe Res- 
pomdy que naqueles lugares omde achasemos a mercadaria mais de ba- 
rato ; apertou se hum pouco co isto : emtam lhe dise que nam queria elle 
que a mercadaria de vos alteza tivese aquela liberdade que tinha a de 
cherima mercar, ou mamalle mercar, que hiam comprar e vemder omde 
achavam as mercadarias mais de barato, e tratavam em calecut e em to- 
dolos portos de seus amigos e seus imigos? amtes vos alteza esperava que 
elle abaixase o preço a suas mercadarias, e íizese o que os outros Rex 
seus vyzinhos fazem, os quaes se trabalham, como homeens sesudos, por 
chamar ho trato de vos alteza a seus portos e a sua terra, quamto mais 
que elle tinha bem visto como a sua terra estava chêa douro e Rkpfôa, 
que lhe dese Regno vinham cadano; e que a mercadaria e o trato era li- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 321 

vre de per sy, aly omde se fizese mais proueito, se devia de feitorizar; e 
mais obrigada estavele mamdar aos mercadores que desem a pimemta a 
Yos alteza a troco de mercadarias de toda sorte, que eIRey de calecut; e 
que todas estas cousas lhe dizia como seu amigo, e homem que vistira as 
armas, e pelejara por seu serviço, como elle tinha bem visto. 

Pasada esta pratica com elle, daly a dias quys que ho fose eu ver a 
sua casa, e eu fuy lá, e levey ho feitor e esprivães comigo e nos mete- 
mos em hmn çarame seu: aly lamenXon a morte de seus paremtes, e eu 
aleguei lhe a ele a morte do marichall e de muy boons fydalgos, e lhe 
amostrey o meu braço ezqerdo, que ho nam poso bem alevamtar, e o cul- 
pey nese feito, por nos ele nam querer ir ajudar: deixada esta pratica, 
me pidio seguros pêra el Rey de taanor ; eu lhe Respomdy, que bem sa- 
bia que elRey de taanor era vasallo dei Rey de calecut» alevamtado com- 
tra ele ; que se tall cousa com esa fízese, qebrava a paz e minha verdade, 
e que ele per ese Respeitos (sic) me pidia os seguros pêra el Rey de taanor, 
o que eu nam esperava que ele fizese, quamto mais que elRey de tanoor 
numca ouuera os seguros per cochim, e sempre os ouuera per cananor, 
e per mim quamdo na terra estava: e o que Louremço moreno aly dise, 
nano quero eu esprever a vos alteza, mas diverao eu muy bem de casti- 
gar, porque a minha determinaçam neste caso, bõa ou maa, diveraa elle 
de soster e defemder, e nam mo estranhar peramte elRey de cochim, nam 
semdo cousa asemtada com ele, nem eu lhe estar nesa obrigaçam ; mas 
eu vos poso, senhor, dizer com verdade, que Louremço moreno ha mayor 
medo ao asemto de calecut que elRey de cochim^ e lhe doy mais ver fei- 
toria nelle que elRey de cochim, e parece me que está comforme no pa- 
recer dei Rey de cochim, que he numca elRey de calecut ter verdadeira 
paz comnosco, nem nos dar pimemta a troco de mercadarias de toda sorte, 

e pois que ho milh emtemdo nam he de culpar, porém, senhor 

de Louremço moreno nam pode sofrer na imdia feitoria, nem trato na im- 
dia, nem lhe vejo com esta emveja obrar obras em vosa fazemda como ho- 
mem que qer apagar os serviços dos outros. 

Pasadas estas praticas, el Rey de cochim ficou mais mamso, e Re- 
cebeo daly em diamte mylhor este feito de calecut. 

Este imvemo, estamdo eu em goa, jemte dei Rey de cochim trauou 
guerra com jemte dei Rey de calecut em cramgalor, e aimda diseram a 
elRey de calecut que purtugueses emtraram nese feito; e a mim, quamdo 
mo diseram, nan o deyxey de crer, porque estas cousas gramdes, que noso 

41 



322 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

senhor asy acaba sem trabalho, os homens danados da imdia tem tam 
gramde door diso, que numca cesam enas estorvar e danar, se podem^ 
e isto, senhor, que vos eu digo, fez ao embaxador do preste joham fazer 
eses feitos que nele fizeram, porque ficaram tam espamtados de ver em- 
baxador do preste joham pêra o contemtamemto de vos alteza, e pêra no- 
sos feitos quaa na imdia e vosa empresa no mar Roxo, que ho nam pôde 
sofrer a carne dos homeens danados da imdia : peço vos, senhor, por mercê, 
que me creaes isto que vos digo, porque ho deixo quá de rrepremder, e 
outras muitas cousas desa calidade, pola jemte da imdia nam emtemder 
que ha amtre nós comtramdades em noso comselho e parecer: esta guerra 
dom garcia que em cochim estava, ha apagou, e a elRey de calecut com 
cartas lhe fez certo como jemte portuguesa nam fora no tall feito. 

Agora, senhor, amigos e comcertados estamos elRey de cochim e 
eu, e parece me, senhor, que ho posera acerqa da carga da pimemta no 
comcerto dei Rey de calecut, se Louremço moreno nam tivera tam gramde 
door dese feito nam ser acabado por elle, e o culpar; e aimda, senhor, 
vos qero eu dizer húua cousa como homem avysado, que pêra temtardes 
novo comcerto, novo feytor deveres de mamdar, porque estes que quá 
estam, querem vos vemder seus serviços muy caros, e nam querem ver 
ememdada sua maa negoceaçam em seu tempo, e sempre o am d escure- 
cer, e trabalhar por nam aver efeito ; e se vós nam mudaes estes vosos 
oficiaes, vos alteza verá o que eu dygo, e quam trabalhoso este feito ha 
de ser d acabar, porque sempre qerem amostrar que nam ha hy mais que 
ho.que eles fazem; vi o eu nas obras da feitoria de pedra e call; como 
sacharam culpados de terem toda vosa fazemda em casas de palha, em 
meu partimdo de cochim, mudaram logo a sostamcia das obras, e nam 
foy mais nehúua cousa avamte, atá que mamdey pagar çem crusados 
amtonio Reall de pena, e a pêro mazcarenhas que emtemdese niso: e sabe 
vos alteza porque os Aomeens fazem isto? porque lhes parece que os nam 
vê vos alteza, e que eu, que^amdo tam lomje deles, que os nam ey d em- 
temder: aimda, senhor, vos eu torno outra vez a dizer, que este nego- 
cio do preço da pimemta nam ha de ter outra comtraryadade senam a 
dos vosos oficiaes, e na pratica e comselhos que com eles tiver sobreste 
negocio, será vos alteza emformado de sua temçam, e do que eles neste 
caso am dobrar. 

Pasadas estas praticas com elRey de cochim, e ele fora do mao com- 
selho em que ho tiiúiam posto homeens danadores das cousas de voso ser- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 323 

viço, emtemdy n armada, em me aparelhar e ver se podia sair de fora; e 
polas Daos todas fazerem muita agua, e ser forçado vararem Das em terra, 
e as nãos da carga nos deixarem com todo este negocio no mès de janeiro, 
chamey os capitães a comselho e o voso feitor e oficiaees, e pus lhe diamte 
a necesydade em que estávamos, asy de nam termos que comer, como 
também nam termos nãos pêra poder navegar, e alguas palavras de Re - 
premsam dise aly peramteles ao feitor polo seu desprouimemto e des- 
cuido, em que posera a imdia nesta necesydade em que nos viamos to- 
dos, dizemdolhe qeno mandava elle dar tamta mercadaria fíada aos mou- 
ros pelo preço da feitoria, em ... . que se ganhava per outros portos o do- 
bro nela. .nam era serviço de vos alteza trazerem os mercadores três anos 

a vosa mercadaria em suas mãos, e se fazerem gramdes Ricos 

CO voso cabedall, que no tempo que parecia bem darem lha fiada pêra 
logo ho outro ano ha pagarem em pimpmta; e asy, senhor, ho asombrey 
hum pouco d omem que parecia ter companhia com eles, por asy deixar 
esqecer vosa fazemda nas mãos dos mouros : nam deu rezam nehua que 
vos, senhor, posa esprever: emtam me trabalhey com elRey de cochim 
que nos fizese pagar ; e hum pouco me pus em determinaçam de nam 
deixar navegar as nãos, atá que nos nam pagasem : nunca podemos tirar 
das mãos dos mouros senam bua pouca de pimemta, que mandey em 
èmxobregas e lopo fernamdez com ela a vemderse a dyo, como per ou- 
tra carta dou mais larga comta a vos alteza. 

No comselho que asy tivemos, asemtamos imvemarmos em goa, e 
somemte dom garcia ficar hy pêra dar aviamemto lia armada, e se podese 
mandar alguuns navios de fora, que ho devia de fazer: avydo noso com- 
selho, e visto como nam podíamos navegar, pus em obra nosos parece- 
res, e me fuy a goa com a jemte, e daly mamdey pêro d alboquerque com 
quatro navios fora, asy por alijar a jemte, como por fazer algum proueito, 
e ir arrecadar as parias durmuz. 

E daly despachey também diogo fernamdez sobre os concertos de 
cambaya, bem acompanhado de criados de vos alteza, jemte limpa e bem 
vestida, e jemes teixeira com ele, companheiro no mesmo negocio, poios 
emcomvinientes das doenças e casos que ás vezes acomtecem: do que se 
niso pasou, mevdamente vay a vos alteza, porque mamdey que fizesem h- 
vro diso; outro tall mamdey fazer aos que mamdey a elRey de syam: 
manoell fragoso, que era o esprivam do Recado que mamdey a elRey de 
syam> fez livro; chegou a cochim, semdo eu no mar Roxo; faleceo de 

41* 



324 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

doemça em cochim. Louremço moreno e amtonio reall, como homens com- 
servadorès das cousas de voso serviço em minha ajuda, mamdaram am- 
dar em leilam as estruçõees e rrepostas e Uvro de todo o que lá pasaram ; 
amtonio Reall comprou ho livro, Louremço moreno ouue os outros pa- 
pees: quamdo ho soube, estava amtonio reall pêra partir; mamdey que 
ho tomase, deu a nao as velas, e foi se com elle. 

Outra tall com esta me fizeram; trazia me afomso pessoa hum maço 
de cartas de malaca; faleceo afomso pessoa em cochim de doemça, abri- 
ram as cartas todas e leranas: joham viegas e louremço moreno mamda- 
ram o trelado delas a Ruy de brito, porque avia asaz de culpas nele ne- 
las, por omde Ruy de brito tomou vimgamça d alguuns, e eu numca mais 
ouue as cartas. 

Chegamdo a goa co a jemte, como dito tenho, chegaram as carave- 
las que se fizeram em chaull, e as mamdey varar e asy o navio. ..... 

e nesa terra firme mamdey cortar mastos e madeira, fiz húua taforea de 
trimta cavallos, e aparelhey, estamdo, eses navios, e em toda parte tive 
em que emtemder com eses rrex e senhores desa terra firme, os quaees 
me mamdaram seus Recados e oferecimentos, e eu outro tamto a eles, cou- 
sas de pouca sostamcia, que nam sam pêra esprever: neste imvemo ouue 
cartas de calecut e cartas de cochim e de cananor, e asy lhe mamdey tam- 
bém minha Reposta, e asy pasamos este imvemo em goa, trabalhamdo 
de se cercar ha forteleza gramde dos mouros de pedra e call, com ese di- 
nheiro que deram pêra iso os moradores das ilhas. Fica húua fermosa 
cousa pêra ver, porque a cava dos jemtios e altura em que fica a mota 
da terra e muro, sam obras pêra serem louuadas em toda parte, e em 
poucos lugares jde cristãos vy cousa tam forte. E asy me vieram cartas 
de diogo femamdez e dei Rey de cambaya e deses seus gouernadores e 
de miliquyaz, e ouueram minha Reposta: acabada em goa a xxb dias 
d outubro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e seruydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A Eli Rey noso senhor *. 



1 Torre do Tombo— C. Chron. P. L\ Maç. 16, D. 79. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 325 



CARTA LXXVI 

1614— Outubro 26 

\ 

m 

S^enhor. — Eu tenho em outra carta avisado vos alteza a determina- 
çam em que fico^ e pêra omde, com ajuda de deus» será meu caminho, 
via de suez e do mar Roxo, fazemdo fumdamemto de fazer asemto em 
meçuá, porto do preste joam, e ganhar dalaca, que he tudo dum senho- 
rio, e apalpar judá, ver o que poderemos hy fazer: fico asy asemtado 
nesta determinaram, posto que hy aja outras rezOes pêra eu dever d ir a 
vrmuz e haaquelas partes, por ser cousa proveitosa e rrendosa, e de que 
logo poderíamos aver fazemda e soldo pêra soster harmada e a jemte, 
porque nam somos quaa tam bem prouidos de vos alteza, que nos nam 
cumpra has vezes buscai o por omde o podermos aver; e asy pêra este 
feito, como pêra o rreceo que homem tem de xeqesmaell, parece bem fa- 
zermos este caminho, e asy pêra termos omde espalmarmos nosas nãos, e 
as pormos a momte, e outras cousas que se nestas partes podem acabar 
de muito voso serviço e proueito, pois que am de ser pesoydas e asenho- 
readâs per vós. 

E asy a hida do mar Roxo proueitosa he pêra a estima e valia das 
espiciarías lá nesas partes, e pêra as mercadarías que deses Regnos vem 
cadano ha imdia terem grande precio e vaha, e asy por apagarmos est ar- 
mada dos Rumis, como também por tomarmos conhecimemto de preste 
joham, trato e amizade, e daly persiguirmos a destruyçam e perdiçam da 
casa de meqa, a quall m a mim parece que ha muy poucos dias de durar, 
tomamdo nós asemto no mar Roxo: oulhamdo estas duas cousas, tomey 
por determinaçam emtrar ho mar Roxo primeiro, porque harmada do sol- 
dam obriga a muito, ao menos a primeira vez que os homem vay buscar 
a suas casas, em tempo que as colisas de vos alteza estam em credito, e 
tomaram asemto per força, tirado este recêo d armada do soldam, a que 
se deve de dar gramde Resguardo quaa nestas partes ; ho mar Roxo nem 
sua força nam he nada dasenhorear, e vrmuz, por serem cousas que vos al- 
teza ha de pesuir, comer e defemder, demamdam mais jemte e mayor ar- 
mada, e am mester dous anos de minha pesoa; dá se seguro na terra, até 



326 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

tomar asemto, por serem cousas que estam asenhoreadas buas das outras, 
que nam pode vrmuz estar em vosa mão, que as outras vos nam obede- 
çam logo como cabeça primcipall. 

Nesta determinaçam do mar Roxo em que fico, meu caminho ha de 
ser desta maneira: as galees e caravelas espero de mamdar diamte pri- 
meiro alguuns boons dias, que vam aferrar ha costa de curiamuria, far- 
taque, dofar e xer, porque no começo da mouçam as nãos da imdia fazem 
este caminho, e nam podem deixar, com ajuda do muy alto deus, de fa- 
zer muy gram presa; e porque eu tenho pilotos daquela bamda, que me 
nomeam quatro ou cimqo portos primcipaes, e alguuns deles bem ache- 
gados adem, em que ha Rios cabedaes d agua doce, que vem verter ao 
mar, de que nós temos mais necesydade naquela parajem que de nebua 
outra cousa, lhe mamdo que os descubram mevdamemte, e verám muy 
bem tudo, e co as nãos das presas vam surjir diamte dadem, e aly me es- 
perem, e acabem desquypar as galees de mouros aferrolhados a bamco: 
após este pedaço d armada espero eu de partir com todalas outras nãos, 
e aver çacotorâ: porque os levamtes sam imda frescos, nam sey se me 
deixaram tomar agua nela: quamdo nam poder, aferrarey as aguadas do 
cabo de gardafum, e se hy nam poder tomar agua, correrey a costa de 
lomgo, e aferrarey barbara crara, ou barbora jezira, porque ambos de 
dous me dyzem estes Rubãees que teremos agua em abastamça, o que eu 
da primeira nam cuidava: daly virey demamdar adem em busca das ga- 
lees e caravelas, e verey adem ; e o que hy faremos, aimda agora o eu nam 
sey: se o tempo fôr curto, comtemtarmey de Iheqeimar esas nãos que hy 
tiver, e trabalhar mey por aver suez, amtes que se gastem. os levamtes. 

E se pela vemtura a noso senhor apraz que tomemos asemto no mar 
Roxo, a mim, senhor, me parece que eu ficarey laa até outra mouçam que 
viraa, e mamdarey dom garcia á imdia com parte d armada, porque este 
feito e asemto tempo ha mester. E pêra esta determinaçam comvem com 
tempo segurar ho prouimemto da jemte e d armada, o que espero, com 
ajuda de deus, temdo nós pratica e fala com ho preste joham, nam nos 
falecer nehuua cousa, e as cousas de^voso serviço se acabarem proespe- 
ramemte e como desejaees. 

Em quallquer tempo que sair do mar Roxo, virey a vrmuz aquele 
ano que dom garcia volver sobre mim ao mar Roxo, em tempo que com 
ajuda da paixam de noso senhor termos já tomado asemto, e feito todo 
mais que per voso Regimemto e cartas mamda vos alteza que faça. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 327 

E na imdia, senhor, bõoas cousas ha que fazer: primeyramemte o 
comcerto delRey de narsymga, que nam pôde deixar de ser cousa de 
muito voso serviço e muito proueitosa, porque ha feitura desta estou es- 
peramdo por seus misyjeiros, que vem com gaspar fernamdez, que la 
mamdey: a outra he ò asemto de cambaya, que aimda está em aberto, e 
de necesidade se ha de fazer bem : a outra he comservár ho asemto de 
Calecut, e aquemtal o com minha pesoa na terra, porque estes mouros de 
Calecut aimda eles fizeram outra pior que ha primeira, se nam acharam 
os muros da forteleza em bõa altura, e isto pelo feito que fez manoel de 
melo; porém lembra me ho que me vos alteza escreveo, que hacabado ho 
feito do mar Roxo, todas estas cousas se fariam mais mamsas, e a mim, 
senhor, asy mo parece ; porém eu symto nos mouros da imdia, que se me 
podesem torvar este caminho, que ho fariam. De goa a xxb dias d outu- 
bro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque K 



CARTA LXXVn 

1614 — Outubro 26 

Senhor. — No que me vos alteza espreve sobre o acrecemtamemto do 
soldo do arell, eu ho pus naquilo, quamdo se tomou christão: agora que 
lhe vos alteza faz esa mercee, tudo nele he bem empregado, porque ele he 
verdadeiro servidor de vos alteza, e seus irmãaos e toda sua casa sempre 
sam chamados pêra todalas dilijemcias e trabalhos que compre em co- 
chim, e ele serve bem, e tem muita jemte e mamdo na terra, porque to- 
dos eses macuas, pescadores e marynheiros e barqeiros, tudo he debaixo 
de sua jurdiçam e mamdo ; e aimda me parece que ha de trazer todolos 
arees seus paremtes, asy o de calecut, como ho de porcaa e de caecou- 
lam, a serem christãos, e já mo a mim mamdou cometer ho de calecut: 
eu ho achey hum pouco de qebra com elRey de cochim, quando vim 
d adem, e pola omrra e gasalhado que lhe fazia, ho chamou elRey, e lhe 

1 Torre do Tombo — C. GhroD. P. l.\ Maç. 16, D. 80. 



328 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

descobrio em gramde segredo que fizese comigo que ho fo&e eu ver a sua 
casa, e eu asy por comtemtar elRey de cochim, como por soldar suas qe- 
bras com elle» ho fuy yer, homdele ficou muy aceito a ellRey e em gramde 
amor seu. 

Quamto he ao dinheiro da divida delRey de travamcor, ela era de 
fazemda sua. Louremço moreno^ amtonio Reall e diogo pereira, vieram Ibe 
três alifamtes em Retomo gramdes e muito fermosos, e dous deles prim- 
cipalmemte de gramde trabalho e de gramde força; faley eu com ho arell, 
se queria verader ho seu quynham, que era hum quarto, dise que sy, e 
alargou o por bj^ pardaos ^; os dous quynhOes d amtonio Reall e diogo pe- 
reira lamceilhe mão deles; mamdey os alyfamtes a goa pêra se vemde- 
rem entregues ao voso feitor ; tem hy Louremço moreno neles huum quarto 
e vos alteza os três, se eses homeens que lá sam, merecem algum castigo 
por seus emganos e falsydades. 

Quamto he, senhor, aos palmares, que diz, da pouoaçam, ele husou 
sempre do huso e fruito deles^ sem ho nimguem comtradizer: alevamtouse 
ho fogo no lugar, qeymoulhe as palmeyras, e asy se faz muitas vezes em 
cochim e em outros lugares: parece me que lhe nam tem vos alteza obri- 
gaçam a iso, porque hy avia pouoaçam d amtes, e jeralmemte vivem por 
eses palmarei qem quer, imda que as palmeiras nam sejam suas: toma- 
rey porém milhor a emformaçam deste caso, como chegar a cochim, e se 
elle tiver justiça, pagar lho am: acabada em goa a xxb dias d outubro, 
amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque, 

(Sóbre^cripto) A EllRey noso senhor '. 



^ Seiscentos pardaus. 

* Torre do Tombo— C. Chron. ?• 1.', Maç. 16, D. 81. 

Esta carta é outra via da de vinte do mesmo mez e anno, impressa já n'este vo- 
lume, sob o num. uii. Transerevemol-a aqui, porque além da differença da data, apre- 
senta algumas variantes, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 329 



CARTA LXXVffl 

1614— Outubro 26 

Senhor. — Vos alteza mespreveo sobre a pimemta, que joham ser- 
rão onue por menos preço, queremdo que se meta em hoso e custume 
aversí* por menos preço e negoceada daquela maneira, posto que ho al- 
miraiTite tivese asemtado ho preço dela: digo, senhor, que ho asemto do 
almiramte foy muy boom na primeira que homem nam tinha mais conhe- 
cimento da terra nem do traio e mercadarias, senam aquelas que das 
mãaos dos mouros Regatãees que vivem na ourela do mar podyamos aver: 
agora, já que os purtugueses navegam a terra com tamta seguramça como 
ho mar, Rezam seria que vosos oficyaees tomasem as abas na cimta e a 
negoceasem per sy, pois que ho sabem muy bem fazer pêra sy: de vos al- 
teza cuidar que ha hy d aver escamdolo nese feito, nano creaees, senhor, 
porque tamta pimemta se compra agora no peso aos mercadores jemtios 
da terra omd ela nace, como aos mouros mercadores que niso tratam com 
vos alteza: estes mercadores jemtios que ha agora trazem. Recebem o pa- 
gamemto segumdo a ordem da vosa feitoria, e tomam logo aly vemder ho 
cobre por menos preço do que lho vos alteza daa em pagamemto : este co« 
bre comprava ha masa de cochim, e o levavam a cambaya, e ganhavam 
muito nelle, e asy hiam ao sertam comprar pimemta, e a traziam ao peso 
pelo preço da feitoria, em que ganhavam arrezoadamemte : creo que disto, 
senhor, vos tenho já lá avisado per cartas se ho aviees por voso serviço ; 
e aimda, senhor, vos esprevy que esta negoceaçam e proveito, pois co- 
miam voso soldo, que pêra vosa alteza devia de ser; e o que dise joham 
serram a vos alteza, dise verdade, porque eu creo que os vosos oficiaees 
tinham parte na carga da nao, e que ha pimemta se negoceou desta ma- 
neira pêra ela. 

Este negocio pêra se meter em huso, ha mester dinheiro em dinheiro, 
porque os mesmos mouros mercadores ha dam por menos, se lhe pagam 
em dinheiro. 

No que vos alteza diz, que metemdose isto em huso com a jemte da 
terra, se arremcará este trato das mãaos dos mouros, fora estaa ele todo 
das mãaos dos mouros ho dia que vos alteza mamdar pagar a pimemta 

42 



330 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

por dinheiro, porque os mesmos naturaees da terra a trarám hy, quamta 
vos alteza quiser, por menos preço, como dito tenho; e negoceamdoa lá 
nas terras omdela nace, se ayerá imda por muy menos preço, seja a paga 
huua vez em dinheiro, porque os naturaes da terra domdela vem, nam 
tem nehua maneira de dar sayda ao cobre, nem navegam nem tratam em 
nehua parte, que sam bramenes jemtios. 

Esta negoceaçam no sertam ha de ser feita por duas maneiras pêra 
dar carga has vosas nãos, que he muy gram soma: a bua ha de ser por 
dinheiro, se a qerees apresada e gramde soma pêra breve despacho das 
nãos; a outra ha de ser per Roupa, dinheiro e arroz, e esta ha de ser 
mais de vagar, porque ha de ser negoceada pelos lavradores mevdamemte, 
que era de muy mais baixo preço; mas desta maneira era tam curlo tempo 
como as vosas nãos tomam carga, nam se poderia mais aver que pêra a 
nao de joiíam serrão, porque a carga que vos os mouros dam, meuda- 
memte a vam negoceamdo pellos lavradores, como dito tenho, <* os bra- 
menes da mesma terra omd ela nace, desta maneira a negoceam pelos la- 
vradores, e a trazem ho peso; e asy digo, senhor, que se qerês que se 
isto meta em huso, que ha de ser por dinheiro a compra da pimemta, 
pêra averdes força dela no tempo da carga das naaos ; e se a vos alteza 
qer ter negoceada damtemãao, ha de ser da maneira que dito lenho, mas 
vosos oficiaes nam am de ser tam fidalgos como sam : este dinheiro que 
saa de dar por esta pimemta, ha de ser trazido daqueles lugares domde 
a vosa mercadaria tiver mayor despacho, primcipallmemte cambaya: eu, 
senhor^ ha feitura desta estou em goa, que sam xxj dias de setembro, 
agaardamdo por poro dalboqnerque com as nãos de sua companhia, que 
mamdey ao cabo de gardafum, e dar vista adem, e dy vyr imveinar a vr- 
muz, e descobrir baharem, e o mais que per outra carta dou comta a 
vos alteza: chegamdo a cochim, terey pratica com vosos oficiaees sobrese 
caso, ea determinaçam que tomarmos, espreverey a vosalteza; mas cui- 
dar vos alteza que hy ha d aver escamdollo na terra, qeremdo a negocear 
por menos preço, estay, senhor, seguro diso, porque husamça he dos 
mercadores nesta terra aver as mercadarias por menos preço que podem, 
e creo também, senhor, que asy ho he em toda outra parte. 

Hum pejo soo, senhor, tenho eu aquy, se desta pimemta negoceada 
pelos vosos oficiaes em terra que nam he delRey de cochim, vimdo pelo 
Rio abaixo dereito a vosa feitoria, aveeslhe de pagar dereilos ou nam; se 
lhos pagardes, nam será nada, mas se lhos nam pagardes, e lhe tirardes 



. CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 331 

eéta mama, pela vemtura. trabalhará por estorvar esta dilijemcia: quamto 
elle nisto poderá obrar ou nam, pola terra nam ser sua, aimda o eu agora 
nam sey: e nesta compra da pimemta que vos alteza agora ordena, vede, 
senhor, se vos vem milhor ho asemto de calecut, ho quall he pimemta a 
troco de mercadarias de toda sorte polo preço e peso de cananor, que he 
mayor bahar que ho de cochim: acabada em goa a xxb dias d outubro, 
amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A EllRey noso senhor *. 



CARTA LXXIX 

1514— Outubro 25 

Senhor. — Eu mamdey pidir a vos alteza valadores pêra fazerem em 
goa hua fosa pêra as gallees, por hy aver lugar e desposisam pêra iso 
muito bõoa; nam vy Resposta de vos alteza, nem os valadores: as galees, 
se sam varadas em terra, sam navios compridos, e alqebram has vezes; 
e esla galé de silvestre corço, que imvernou em goa, emtrou no esteiro 
de preamar, e de baixamar ficou asemtada nas ymeas muito direita e 
muito bem: e se tlvese valadores, he lugar desposto pêra estarem hua dú- 
zia de galees, e poderia ser que faríamos fosa pêra navios piqenos; e se 
vos alteza nam quyser mamdar tamtos quamtos sam necesareos, logo vos al- 
teza podia mamdar dous pares domees pêra aviar a obra, que qá averá 
a jemte da terra de trabalho que babaste pêra o mais; mas todavia ha mes- 
ter homem que tenha conhecimemto da obra, e que ha meta em ordem : 
acabada em goa ^ a xxb dias d outubro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A Eli Rey noso senhor \ 

» Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.', Maç. 16, D. 82. 

^No mesmo maço em que existe esta carta, ha outra via (D. 72), que em logar das 
palavras ^acabada em goat offerece a seguinte variante : cespritaem goa a xxb dias d ou- 
tubro de 1514. )> 

3 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.', M. 16, D. 83. 

42* 



332 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA LXXX 

1614— Outubro 26 

Senhor.-^ Per outra carta vy como vos alteza mamdava qaa Joham 
serram, por eu esprever dele e de sua pesoa muito comtemtamemto: certo, 
senhor, eses poucos dias que tive pratica com elle, me pareceo boom ho- 
mem, e que emtemde bem as cousas da imdia; eu folgara dele qaa ficar 
comigo, quamdo veyo, e pois bo vos alteza mamda, eu vos beijo, seuhor, 
as mãos, porque ele he cavaleiro e homem de boom Recado pêra se dele 
comfiar jente; ha mester husamça e omees que outra ora desem boom Re- 
cado, ho que creo que tudo se achará em joham serram: ele será tratado 
e omrrado de mim como vos alteza mamda: acabada em goa a xxb dias 
d outubro, amtouio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afonso daiboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor K 



CARTA LXXXI 

1614— Outubro 26 

Senhor. — Depois da chegada de diogo fernamdez e james teixeira 
de cambaya, chegaram quatro atalayas de miliquiás a goa, as quaes vy* 
nham a çurrete em busca de diogo fernamdez, pêra o trazerem a goa: 
trouxe me cartas de miliquyás; vinha nelas por capitam cidiale ho torto, 
a que vossa mercê mamdou duas cartas, e nehila a miliquyaz, de que me 
eu espamtey: este cidiale he mao homem, e porque sabe a nossa lymgua- 
jem, recolhe muitas cousas damtre nós, que eu nam qeria que os mouros 
soubesem; porém ele achou ho teor da nova que de lá veyo, e outra mu- 

1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.% M. 16, D. 84. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 333 

damça nos lugares que diso ouueram uotycia, e outro asemto nos cora- 
ções das jemtes; e na pratica que com elle tivemos, diogo fernamdez e 
eu, sobre a forteleza em dio e sobre miliquiás, a mim me parece que mi- 
liquyás tornará a mudar ho comselho, porque ficou rouy espamtado e muy 
asombrado quamdo vio a determinação de vos alteza sobre o fumdamemto 
e asemto da imdia: douuos, senbor, comta disto, porque saiba vos alteza 
o asynado servyço que vos niso faço, e como mesqecy de todalas cousas, 
e vos quys servir e acabar omde vy que vosa alteza podia ter mais nece- 
sydade de mim ; portamto, senhor, nas cousas da imdia day sempre fee 
ao que vos esprever, porque desta chaga sou eu arrezoado solorgiam, e 
imda que careça da teórica, da pratica sey eu mais que muitos outros ho- 
meens, poios muitos anos que ha que trago esta masa antre as mãos; e 
digo, senhor, que de necesydade.vos darám div com todas suas Remdas, 
ou asemto e forteleza em div, ou omde vós quiserdes, se temdes mão no 
estreito: partido diogo fernamdez co despacho que vos alteza lá veraa, foy 
logo chamado miliquiás por elRey de cambaya, e he sobre este feito de 
div, porque miliquiás nam cesa de se defemder quamto ele pôde, que se 
nam faça ahy forteleza, e elRey nam pôde ali fazer senam dar vos asemto 
omde o pidirdes. 

lifiliquiaz, senhor, me ms^mdou esta joya que lá mamdo ao prím- 
cipy, porque he cetro reall das imdias; tomeyo por bõoa pernóstica ter a 
feiçam de cetro ; prazerá a noso senhor, que quando lho vos alteza emtre- 
gar e o senhorio das imdias, que será com muitos Regnos, cidades e vilas 
ganhadas ; e pois que vem do regno de cambaya, este he o primcipall que 
avemos dasenhorear; todavia, senhor, eu ho ouue por bOoa prenostica e 
boom synall : na carta de miliquiaz dezia, que me pidia que lhe mamdase 
dizer se avia eu d ir ao estreito de meqa, pêra salvar sua fazemda, e nan 
amamdar laa: eu lhe Respomdy que eu começara tam gramd armada 
pêra apagar os Rumis, se na imdia emtrasem, que nam sabia se a pode- 
ria acabar; mas que se lá fose, ou mamdase, que eu o avisaria da ver- 
dade: mamdoume também dizer, que as nosas atalayas arribaram sobre 
huua nao que traziam três misijeiros delRey do cairo, hum pêra o çamo- 
rym que morreo, outro pêra o çabayo, outro pêra miliquyaz : eu lhe dise, 
que de tall nam sabya parte; que se ahy ouuera cartas pêra ele, que lhas 
mamdara de muy bõoa vomtade, pêra me ele avisar das cousas de laa; 
mas que éu ouuira dizer que ho çabayo estamdo sobre calbergate, fim- 
giram hum misigeiro delRey do cairo, apregoamdo a vimda dos Rumis, 



334 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

com medo de lhe eu Dam fazer alevamtar as terras de goa, e lhas tomar ; 
e que deste feito nam sabia mais: despache o e tofnbus embora; e mam^ 
dey a miliquiaz veludo preto pêra hum sayo e veludo de gram pêra outro. 

Nestes dias chegou ho outro cidialle, embaxador que foy delRey 
de cambaya, tam mao homem como estoutro, ho quall deu com a nao 
mery atravees, matou hum homem que vinha em sua companhia muy 
aparentado em cambaya, e espreveo a elRey de c^mbaya e a codamerham 
seu governador esas cartas que diogo fernamdez mamda a vos alteza : es- 
tes dous cidiales sam muito maps bomeens, sabem a nosa hmguajem, sam 
mais danosos amtre nós que purtugueses danados ; mamdan os quá amtre 
nós por misijeiros, e também por saberem de nós mais cousas das que eu 
queria que eles soubesem ; e porque sabem a nosa limguajem, dizem ás 
vezes lá bua verdade e mea dúzia demganos misturados com ella, a que 
lhe dam fee: este embaxador nam ousa d ir a cambaya: a mim m espre- 
veo codamerham, governador de cambaya, que lho mamdase ; mamdey lho 
nas atalayas de mihquyaz. 

As novas que agora per derradeiro vieram de demtro do mar Roxo, 
sam estas: primeiramemte que ho soldam viera a suez em pessoa pêra 
despachar ha armada, e estamdo asy, lhe vieram novas que xeqesmaell 
era vimdo sobre alepo, e desemparou tudo, e se recolheo ao cairo; dizem 
que miravcem está em judá cercando a da bamda do mar; e asy me di- 
seram que quâmdo emtrara no mar Roxo, que judá se despouoara, e se 
recolheram todolos mercadores a meqa: as novas d adem, que se fazia 
forte, e alevamtara mais alto seus muros; e asy, senhor, me troixeram no- 
vfts de div, que era chegado hy hum judeu que viera pélas terras do preste 
joam, e ^ue trazia cartas pêra mim, e diz que foy Roubado no caminho: 
deu novas dese embaxador que lá he, afirmamdo que era mamdado pelo 
preste joam: de goa a xxb dias d outubro, amtonio da fomseqa a fez, de 
1514. 

(Por leítra de Albuquerque) fey tura e servydor de vosa alteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A Eli Rey noso senhor ^ 



1 Torre do Tombo— G. Chron. P. 1.% M. 16, D. 85. 

N*esta serie de cartas de 26 de outubro ha uma (C. Chron. P. i.% M. 16, D. 66) 
que deixamos de transcrever, por ser outra via da carta de 20 do referido mez, já im- 
pressa a pag. 264 doeste volume sob o numero L. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 335 



CARTA LXXXn 

1614— Outubro 28 

Senhor. — Per outra carta de vos alteza vy a mercê que Recebeo ho 
homem que foy com ho embaxador pêra o aver de servir; eu ho mam- 
dey com ho embaxador, pollo comlemlamemto que dele tinha e cuidado 
das suas cousas; e de lhe- vos alteza fazer mercê creo que ho embaxador 
levará diso comtemtamemto; e eu, senhor, beijo as mãos de vos alteza por 
essa mercee e por todalas outras que me fazees, em minhas cousas terem 
alguum credito e istima amte vos alteza, porque, asy me deus salve, se- 
nhor, quo nos maços que vieram n armada de joham de sousa, vy tamtas 
culpas minhas sem porquê, e tamto descrédito de minhas verdadeiras 
cartas e. verdadeira emÍQ^maçam das cousas da imdia e verdadeiros ca- 
minhos por onde ando, que tudo nacia das cartas damtonio Reall e dou- 
tras taees de quaa destas partes, a mim me cayram os espritos na meta 
do chão \ e me tomey mais bramco duas vezes^ do que era, e m ouve por 
hum homem pimtado has vesas e todalas minhas obras; e comtudo, se- 
nhor, niguem nano emtemdeo em mim, nem as vosas cousas nam deixa- 
ram de receber ordem, e dou muitos louuores a noso senhor, que me nam 
deu mais sotileza nem mais emjenho pêra as minhas obras e meus ser- 
viços serem amte vos alteza alomeados que ha verdade e limpeza deles : 
e pois que noso senhor, sem lho eu merecer, he em minha ajuda, nam 
ey de temer os homeens danados de suas comciemcias, e que nam guar- 
dam verdade ao seu Rey e senhor: acabada em goa a xxbiij dias doutu^ 
bro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A Eli Rey noso senhor *. 



^ Parece-nos que a phrase deverá ser: cçu^ a mim me cayram os espritos na meta 
do châo.i 

2 Torrç do Tombo.— C. Ghron. P. i.% M. 16, D. 88. 



336 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA LXXXin 



1614— Novembro 4 

Senhor. — O que vos tem dito de guoa, cpie se fazem gramdes des- 
pesas nella, creaho vos alteza, porque de soldos e mamtimemtos, este 
tempo que aguora estiue nella, se gastarão mais de setemta mill pardaos. 
E nom emtrou aquy do voso cabedall que de Há vem, mais de duzentos 
e quymze quimtaes de cobre, e todo o mais foy pimemta e gemgiure 
das nãos que me empregaram de dabull, e direitos de caualos, Remdas 
da terra, e presas que fizeram as nãos durmus. Asy, senhor, que doge 
em diamte ho primcipall gasto aquy ha de sejr, porque nom temos nós 
outro descamso na ymdia nem otro prouimemto pêra nosos mamtimem- 
tos senám guoa, primcipallmeemte pella moeda de cobre em que nos 
pagua, correr na praça e na terra, ho que nom temos em nenhua outra 
parte da terra da imdia, porque, como em cochim e em cananor nos fal- 
lece moeda douro ou prata, nom ha hy Remédio de podermos vyyver. E 
a mim parece me, senhor, que vay vos alteza cortamdo ho caminho do di- 
nheiro que quá soyes de mamdar, sem primeiro vos alteza mamdar força 
de mercadarías pêra se aver pêra bua cousa e pêra outra. E pella vem- 
tura, senhor, se nom fora ha compitiçam dei Rey de calecu com el Rey de 
cochim, nom leuaram as nãos carga este anno da imdia; portamto, se- 
nhor, quamdo vos alteza acordar bom comselho, da lhe logo a emxuqu- 
çam prestes, como compre, porque vos alteza determina de nom mamdar 
dinheiro á imdia, fazemdo fumdamemto que das mercadarías deses Re- 
gnos que se quaa vemderam, e do trato de quaa, se fornecerá carga e as 
mais despesas da imdia: he verdade, senhor , que asy se fará; mas qué de 
esa negocyaçam e esas mercadarías? porque a mim me parece que chrís- 
tovão de brito nom ha de ter que depenar, seguumdo ho pouquo cabe- 
dall que de Há veo e quaa ha: aviso de tudo vos alteza verdadeira- 
memte e do que vejo, se as cousas hordenadas per vos alteza nom soce- 
derem a voso comtemtamemto, saybaes que nom sou eu cullpado nese 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 337 

feito, nem lhe fallece dilligemcia e bom menôo qiiaa nestas partes : feita 
em guoa a iiij dias de nouembro de 1514. 

(Por letíra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescrípto) A Eli Rey noso senhor *. 



CARTA LXXXIV 

I 

1614 — Novembro 4 

Senhor. — Posto que eu seja pouquo cyoso de minha vida e meus 
cuslumes, por amdar tudo no campo e nos olhos dos homens, eu hei ho 
mundo por Iam mao, que me parece que todo o que os homens diserem, 
se á de crer. Diguo, senhor, yslo pello que amtonio Reall e diogo pereira 
e gaspar pereira e seus parceiros na sua carta que vos llá mandaram, 
que vosa alteza vio, vos espreueram, dizemdo que eu vemdia as espravas 
aos homens pêra casarem com ellas, e tinha esta maneira de fazer meu 
proueito; c emtraquy o ymmiguo também ter cuydado de danar algum 
bem, se ho homem quer fazer e dallo ao mundo, porque vee que nosas 
obras pella maior parte a este fim sam emderemçadas. E ymda que eu 
tenha por muy certo que vos alteza he sabedor de como eu guardo gram 
primor na obrygaçam de meu carguo, com tamia limpeza como eu sam 
obrygado e he Rezam nestas cousas e em outras maiores, todavia, se- 
nhor, nom ouue por pejo de fazer esta líembramça a vos alteza, e me ga- 
bar do que tenho feito, e com esta emvio a vos alteza huua emquiryçam 
tirada pello ouuidor acerqua das esprauas minhas próprias que casey, as * 
quaes ,me vieram per alguas vezes de minha joya e partes, todas moças 
é de muy gram preço e valya nesta terra, que poso com juramento afir- 
mar a vós alteza que valiam mais de dous mill cruzados, afora outras 
muitas que tenho dadas graciosamemte a eses caualeiros e fidalguos, por- 
que nom he de meu cargo e oficio vemder, nem troquar, nem fazer par- 
tidos nem emburylhadas nem nehum outro proueyto, senam aquelle que 
me cabe de minha solidada, porque asy ha de fazer ho homem que quer 
dar bomha comta de sy a deus e a seu Rey e ao mundo. 

1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.% H. 16^ D. 98. E outra via, D. 100. 

43 



338 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Quamto he, senhor, ás que eram de vos alteza, que daua aos homens 
que se delias comtemtauam pêra casarem com ellas, destas taes será 
vos alteza per vosos oGciaes sabedor da uerdade: alguas mamdey Há á 
senhora Raynha, otras lleuaram este caminho que diguo; e porque vos al- 
teza seja sabedor da uerdade, a pesoas dey ajuda de vosa fazemda pêra 
forrarem outras de pesoas que as tinham, e casarem com ellas: pasa ysto, 
senhor, asy na verdade como vos espreuo, porque eu nunqua tiue deua- 
çam de casar homens com estas molheres malauares, porque sanl negras 
e mulheres currutas em seu viuer per seus custumes; e as molheres que 
foram mouras, sam aluas e castas e Retraydas em suas casas e no modo 
de seu uiuer, como hos mouros desta terra tem por custume, e as molhe- 
res de bramenes e filhas delles também sam castas molheres e de bom 
viuer, e sam aluas e de boma presemça; asy, senhor, em quallquer parte 
homde se tomaua molher bramqua, nom se vendia, nem se Resgataua, 
todas se dauam a homens de beem que quyryam casar com elas. 

Alguas pesoas a que quaa dey casamento hum pouquo maior do 
que vos alteza de llá hordenou, que poderyam ser até três pesoas, houue 
ahy causa pêra yso, sem serem paguos na vosa feitoria, posto que tudo 
seja fazemda de vos alteza, que ás vezes na guerra se catiuauam molhe- 
res e seus marydos com ellas e suas filhas, e lhas tomaua christãs, e do 
Resgate deles partia bem com suas molheres e filhas, quamdo casauam ; 
e posto que vos alteza tenha hordenado de nom dar casamemtos, nem se 
casarem quaa mais pesoas, a gemte está muito aballada em casar na im- 
dia, se lhe eu dese lugar a yso, e sem casamemtos; e a mim, senhor, 
nunqua me pareceo mall este comselho: verdade está que quamdo hos 
homens querem danar hua bõa couusa, nom lhe mimgoam Rezões que 
dem : estes que sam casados, proueto teiíi feito até guora, porque nos 
holhos das gemtes da ymdia está asemtado fazermos nós fumdamemto da 
terra, pois vém aos homens pramtar aruores, e fazer casas de pedra e call, 
e casar, e ter filhos e filhas, como espreuo per outra a vos alteza: feita em 
gttoa a iiij dias de nouembro de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servidor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor *. 






> Torre do Tombo— G. Ghron. P. 1.% Haç. 16, D. lOi. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 339 



CARTA LXXXV 

V 

1614 — Novembro 8 

Senhor. — O junquo que de malaca partyo per mamdado de vosos 
feitores carregado de mercadaryas lia choromandell, carregou no porto de 
paleacate; Joham aluares de caminha esteue com elles, que ha feitura 
desta chegou de llá; vemderam suas mercadaryas, em que fizeram dezaseys 
myl cruzados; carregaram no junguo (sic) de roupa, que custou doze myll 
cruzados, e am de partyr nesta mouçam dabryll: parece me, senhor, que 
se o cabedall de malaca hamdar bem aviado, que lhe nam será necesareo 
provymemto da vosa fazemda, antes mamdarám cadano soma despicia- 

rias ha cochim, ha trato de malaca pêra ha imdia que he mayor. .. 

— que ho da y mdia pêra eses Regnos ; malaca at bem feito 

em soster seus gastos e despesas co .... lhe ficou e mais sempre quá 
mamdou especiaryas e mercadaryas: nam he nada ha imdia em compa-- 
raçam de mallaca e das ryquezas daquellás partes: esprita em goa abiij 
dias de novembro de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor *. 



CARTA LXXXVI 



1614— Novembro 8 



Senhor. — A torre da menajem de cananor he de pedra e barro, 
como vosa alteza sabe, e abrio per tamtas vezes, que dos botareos e Re- 
pairos que lhe fizerom, tem acupado toda a fortaleza, e agora per derra- 
deiro com todo este Repairo abrio per dous ou três lugares: parece me, 

1 Torre do Tombo— C. ChroB. P. 1.% Maç. 16, D. 106. 

43* 



340 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

senhor, que nom tem oulrô Remédio senom dar cojm ela no chaão, e fa 
zela de pedra e cal, c parece me que o apartado da forlaleza e torre da 
menajem que se devia de fumdar sobre a borda do mar c desembarca- 
doiro, pêra Receber socorro, porque a asemtaram no raeyo da fortaleza 
no pior lugar do mundo: o que vosa alteza determynar, mande mo dizer, 
e farseha: sprita em goa a biij dias de novembro de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor *. 



CARTA LXXXVJI 



1514 — Novembro 27 

Senhor. — Aos biij dias de novembro estava pêra partir de goa pêra 
cochim, a jumtar ha armada pêra me poer em caminho: chegaram os eno- 
baxadores dei Rey de narsymga, os quaes me trouveram esas manilhas e 
joyas que mamdo a vos alteza, e alguuns panos que por me nam parece- 
rem tam boons, nam foram laa. 

Sua extruçam era comcerto de paz e amizade dei Rey de narsymga 
com vos alteza, pomdose em determinaçam de fazer guerra aos turcos do 
reino de daqem; e asy traziam em sua extruçam falarem me nos cavalos 
d arábia e persya, de os deixar ir a seus portos. 

A primeira cousa em que praticamos, foy sobre a guerra que avia 
de fazer aos turcos do reino de daqem, em que lhe dey alguuas Rezõees 
de gramde obrigaçam, pêra sele dever de determinar em lhe pôr as mãaos, 
e que Receberia de mim ajuda pêra este feito, pomdolhe diamte como os 
turcos lhe tinham ganhado parte de sua terra, que agora que estavam de- 
visos amlre sy, e avia amtre eles gramdes pemdemças, era tempo pêra ele 
ir sobreles; e que ele era em gramde obrigaçam a vos alteza, que depois 
que voso poder emtrara na imdia, numca os turcos mais foram avamte, 
nem lhe ganharam mais terra nem lugar, nem lhe fizeram mais a guerra; 

> Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.% M. 16, Doe. 107. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 341 

qae oulhasem bem como os turcos amdavam comtinuadamemte em ar* 
rayaees, e que elRey de narsymga estava repousado em sua casa, e que 
pella vemtura que esta occosidade fora causa de Ibe os mouros ganharem 
alguns lugares; pomdolhe diamte como os cavalos estavam todos em vosa 
mãao, e que mamdamdolbos vos alteza dar a ele, e nam aos turcos, nam 
seria duuida ganharem lhe a terra em muy pouco tempo; que a jemle 
bramca eu lha tolheria que nam viese mais a seus portos ; e asy lhe dise 
que oulhasem bem co miliquyaz, capitam do idalham, que está em cim- 
tacorá, fazia a guerra a elRey donor, e que eu esprevcra ao idalham, que 
mamdase ao seu capitam que cesase da guerra, que eIRey donor era voso 
tributareo, e que de necesydade o avia d ajudar: ho idalham Iheespreveo 
logo, que cesase de sua guerra, e que nam emlemdese mais niso. E asy 
com outras RezOes, afora estas, os hiaacussamdo e obrigamdo ha guerra: 
eles Receberam bem tudo, e lhes pareceo bem o que lhe dizia, e se afir- 
maram todos elRey de narsymga estar abalado pêra este feito. 

Quamlo aos cavallos em que me tocaram, aos leixar ir a seus por- 
tos, a iso lhe Respomdy, que mespamtava muito delRey de narsymga co- 
mer a Remda de sua terra e de seus portos, e nam querer que vos alteza 
comese os dereitos dos seus; que eles sabiam bem que vos alteza tinha ga- 
nhado vrmuz, e que os cavallos D urmuz vinham emderemçados per elRey, 
que era voso vasalloj ao porto de goa, que vos alteza tinha ganhado aos 
mouros; que estes dereitos dos cavallos eram de vos alteza: se os ele que- 
ria comprar, que lhos daria amtes que aos turcos, temdo ele aquela paz 
e amizade com vos alteza, que ele muito devia distimar, e fazemdo aquele 
partido que fose bem : os embaxadores logo na primeyra se lamçaram do 
comcerto dos cavallos, dyzemdo que nam traziam comisam pêra iso, aper- 
tamdo que fosem a seus portos: sempre adiaram em mim que vos alteza 
comia os dereitos de vosa terra e portos que tinhees ganhado aos mouros, 
asy como ele comia os da sua terra; que se cavallos queria, que mam- 
dase por eles ao porto de goa, que sempre lhos dariam amtes que aos 
mouros. 

Pasados asy dous dias, vieram temlar comcerto sobre averem os ca- 
valos, dizemdo que dariam cadano por dereitos de mill cavallos sesemta 
mill pardaos, e que os viryam comprar a goa; somemte lhe dese huua 
fusta que fose com eles sempre até o porto d onor : eu lhe Respomdy, que 
me nam parecia boom partido^ porque eles viam bem que eu alargara aos 
mercadores dez pardaos de cada cavalo, e semdo os dereitos de goa de 



342 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

cimqaemta pardaos por cada cavallo, lhos abaixara em coremta, de ma« 
neira que de miil cavalos quytava dez mill pardaos aos mercadores, por 
fazer ho porto gramde, e que agora eles me davam mais dez mill por mill 
cavalos pêra destruir o porto e os mercadores, porque já os cimquemta 
pardaos eu tinha de cada cavallo ; que eles me davam agora mais dez de 
dereitos, e que punham por comdiçam que se nam vemdesem os cavallos 
senam a eIRey de narsymga; e que se tall comcerto com eles asemlase, 
ganhavam eles em cada mill cavalos cem mill pardaos, porque nan os po- 
demdo os mercadores vemder senam a eles, seria forçado darem Ihoos 
mercadores por aquylo que eles quysesem, em que nam podiam ganhar 
menos de cem pardaos em cada cavallo e centa cimquemta e duzemtos^ 
e eu lamçaria a perder os mercadores, e destruyria o porto e o trato; e 
asy me lamccy de seu comcerto, dizemdolhes que seles leixasem vemder 
aos mercadores á sua vomtade, e a qem quysesem, pela vemtura me com- 
certaria com eles, mas averem os mercadores costramjidamemte de lhe 
vemder os seus cavallos, que iso nam era Rezam nem Justiça. 

Eles partiram bem atribulados, por nam tomarem comcrusam co* 
migo, porque ho partido de darem a vos alteza sesemla mill pardaos po* 
los dereitos de mill cavallos, com as comdiçõees que apomtavam, era da^- 
nar se o trato de todo, e ganharem cemtacimquemla mill pardaos cad ano 
neles, o digo pouco; e sy se partiram bem despachados de mim de dadi- 
vas e mercês em nome de vos alteza, e levaram a elRey de narsymga doas 
cavallos de preço de bij*' pardaos * cada hum, e xxbij couodos de veludo 
preto e xxx de damasco e mea dúzia de barretes vermelhos: mostreilhe 
as galees que aquy estavam em goa, has fortelezas e artelharia de goa, 
as estrebarias dos cavallos e alifamtes, e tudo amdaram apalpamdo com 
preços; nam se comcertou ho feitor com elles: metiam também por com- 
diçam de nos darem todallas mercadarias que soyam de vir ao porto de 
batecalla, pelos preços que ahy valiam no porto: creo, senhor, que nos 
am de fazer quallquer boom partido que quysermos, por aver estes ca- 
vallos: prazerá a noso senhor que asemtamdose as cousas durmuz, va- 
lerá ho trato dos cavallos e dereitos delles mais de cemto e cimquemta 
mill pardaos pêra vos alteza, afora o ganho das mercadarias e espiciarias 
que as nãos am de 4evar de seu Retorno, que he outro ganho, porque já 
nós temos cimquemta pardaos de dereitos por cada cavallo que emtra em 

1 Setecentos pardaus. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



343 



goa, os quaees pagam todolos homeens de guerra, e os mercadores pa* 
gam R** pardaos*, e quyteilhe dez, por outras mercadarias que sempre 
trazem. 

Hanos ha qbe me vos alteza tocou no trato dos cavallos estarem em 
vosa mSao ; e porque goa he hum dos primcipaes portos de trato dos ca* 
vallos, asy pêra o Reino de narsymga^ como pêra o reino de daqem, e a 
necesydade gramde em que põem narsymga os cavallos d arábia e per- 
sya, nam duuidariá ser tam bOoa empresa, e milbor que ha mina, por- 
que nam emtra hy cabedall nem trato de vos alteza, somemte os derei- 
tos dos cavallos emtrarem no porto de goa, e parem (sic) ^ cada hum que 
os vem comprar cimquemta pardaos; e os moradores do lugar, se os com* 
prarem, soyam de pagar xxxb^ e agora pagam xxb, e qem nos vem com- 
prar de fora, paga os mesmos cimquemta, porque asy está em custume 
amtigo: parece me, senhor, que igualimemte se podem pôr cadano mili 
e duzemtos cavallos em goa, e se semtemder por vos alteza no trato de- 
les, sempre se porám mill e quynhemtos cavalos, ou mill e seiscemtos; e 
vedamdose bem a todolos outros portos, igualmemte podem emtrar na 
imdia cadano dons mill cavalos d arábia e persya; e tomamdo asemto as 
cousas durmuz e babarem, se segura este trato pêra sempre, que he 
muyto gramde cousa a meu ver, e muy certo proueito, e nam duuido que 
elRey de narsymga dee boom preço poios darem a ele e nam a outrem, 
afora comprai os a comtemtamemto dos mercadores: espríta em cananor 
a xxbij dias de novembro, antonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A Eli Rey noso senhor l 



^ Quarenta pardaus. 
* Pagarem (?) 



» Torre do Tombo.— C. (3iron. P. 1/, M. 16, D. 120, 



344 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA LXUVÍII 



-•*. 



1614— Novembro 27 

Senhor. — Eu apertey hum pouco dabull em lhe cerrar o porto de 
todo, e nano deixar navegar atá mo idalham me nam emtregar todos 
eses bragamtes que se lamçaram com elle: dabull, como já lá tenho es- 
prito a vos alteza, memtregou logo dous, que já hy estavam casados, que 
lá mamdo por francisco pereira; os outros que amdavam no arrayall do 
Idalham, foram logo presos pcra mos emtregarem: como me poseram 
nesta comfiamça, e me deram arrefeens, alarguey o porto: como as nãos 
navegaram, desymularam comigo a emtrega dos homeens, porque a so- 
berba destes turcos e seus pomtos nam ha homem que ho érea ; todavia 
o idalham lhe nam quys mais dar soldo, nem de comer: quamdo eles ti- 
ram que eu me trabalhava pelos aver, tomaram por milhor xomselho vi- 
rem se por sua vomtade, e sam vimdos ha feitura desta quatro, e espero 
cada dia pelos outros, que seram seis ou sete, e asy irey seguramdo de 
m estes calaceiros lá nam culparem em seus mãos Recados, aimda que, 
graças a deus, nano ãzeram omde eu estivese, nem com mao trajo (sic) 
que lhe fose feito em minha campanhia : esptita em goa a xxbij dias de 
novembro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Par lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor *. 



1 Torre do Tombo — C. Chron. P. 1.*, Uaç. 16, D. HL 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 345 



CARTA LXXXIX 

1614 — Novembro 27 

Senhor. — Nestes maços que estano partem da imdia, achará vosal- 
tiza cartas em que vos dava comta de minha delerminaçam, e do cami- 
nho que esperava de fazer, cemformamdome cos vosos mamdados e co ne- 
gocio da imdia, na maneira em que agora estaa: como o cargo da imdia 
S3Ja muy pesado, e se deva doulhar muy mevdamemte todalas necesy- 
dades, prouimemtos dela, e casos que podem sobrevir; e semdo de tudo 
isto avisado per vos alteza, que maimda quá mais esperta os semtidos de 
minha obrigaçam, alguas Rezões que aquy apomtarey nesta, me fizeram 
mudar o comselho de minha determynaçam, a quall está aimda escura 
aos capitães de vos alteza e jemtes da imdia. 

Digo, senhor, que depois de minha determinaçam ser demtrar ho 
mar Roxo, oulhey a necesydade das vosas feitorias e o pouco prouimemto 
que nelas ficava, depois de as nãos receberem sua carga; oulhey ho soldo 
devido ha jemte. e o mamtimemto que de necesydade se lhe avia de dar 
cada mês, se á imdia tornase a imvernar, ou saimdo do mar Roxo vir 
buscar a imdia, e comprir prouela de seus soldos e mamtimemtos, como 
digo, e verme no trabalho em que me vy o ano pasado, por nam poder 
navegar, e hy nam aver nas feitorias hum soo Reall pêra o prouimemto 
da jemte: também oulhey a paz vniversall e segura navegaçam que os 
mouros da imdia tem ao presemte, domde nos soyamos a Reformar ha 
custa dos imfiees, por omde a vosa jemte amda bem gastada e agastada, 
e nam tem por omde tirar, senam por seu soldo e mamtymemto, porque 
nam ha hy já percalços: também, senhor, pus diamte de mim a maneira 
de que se vos alteza deste feilo vay esqecemdo, e como depitro no mar 
Roxo nam ha hy cousa de que nos posamos aproueitar e soster, salvamte 
ser fecho de toda a imdia, domde nace mais proueito do preço e istima 
das mercadarías desas partes na imdia, por nam virem pelo mar Roxo, 
que da pimemta e especyarias que destas partes vay cadano pêra eses 
rreinos; e que isto, senhor, seja muito doulhar e istimar, e a destruyçam 
da casa de meqa e o comcerto do abexy e armada dos Rumis apagada, 

44 



346 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

que nam deixa cad ano d abalar a imdia : acabado este feito, avetnos de 
vir buscar as vosas feitorias e vosa fazemda, e eu nam vejo ficar hum soo 
Reall nelas, e pêra nos acudirdes a esta necesydade ha mester dous anos, 
e eu tenho a imdia e a obrigaçam dela ho pescoço, e comvemine de pro- 
ver huua cousa e outra, e mudar cada dia ho comselho: portamto, senhor, 
eu estou determinado cometer ho caminho Durmuz pêra termos que co- 
mer, ajudamdonos noso senhor de ho asenhorear e asemtar, como espero 
em deus que seja, e poderemos aly ter larga despesa pêra nosas necesy- 
dades e despesa d armada e soldo de jemte, e melhoramos emos hum pouco 
mais na imdia, e poderey espalmar harmada, e aguardar os Rumis em seu 
tempo verdadeiro, e lhe pôr as mãaos, e fica mais azo e desposysam pêra 
se d aly cometer o mar Roxo, e temos com que fazer todos estes gastos e 
despesas, e aguardar a mercee e prouimemto de vos alteza, quamdo nolo 
mamdardes, porque por agora nam vejo eu na imdia tisouro domde este 
feito saya, senam damdo nos noso senhor vrmuz e suas terras e T) trato 
dos cavallos nas mãaos, pêra logo comermos dy. 

Também, senhor, he muito doulhar o trato dos cavallos, que deste 
feito se pôde asemtar, domde nacerá, se elRey de narsymga daasesemta 
mill pardaos poios dereitos de mill cavallos, que dará cemta vimte, e nam 
parecerá bem dar lhos; e do que eu tenho esprito a vos alteza que tapamdo 
o mar Roxo, vos convém dar sayda has espiciarias per vrmuz, domde ave- 
rês muy gramdes dereitos, essa espiryemcia tomada a tenho já: ho ano 
que emtrey o mar Roxo, foram a vrmuz sesemta nãos carregadas; ho ano 
após este, que mamdey poro dalboquerque ao cabo de gardafuny, e que 
dese vista adem, como symtiram lá nãos, arribaram mais de L^ nãos a 
vrmuz, e os que lá foram com ele todos se afirmam estarem varadas mais 
de cL^ nãos na Ribeyra d urmuz, e ser muita imfimda ha mercadaria de 
Roupa que hia e espiciaria pêra adem e pêra o mar Roxo, que abateo 
hum pouco nas mercadarias das presas que ele tomou; afora isto, senhor, 
porque nos a imdia vee já persygír o mar Roxo, gramde soma de nãos me 
pedem cad ano seguros pêra vrmuz: tiro, senhor, daquy, que se vrmuz 
está em voso poder, e persigimos ho mar Roxo com muy poucas naaos, 
que saa de fazer o moor trato do mumdo em vrmuz, mais Rico e mais 
proueitpso a voso serviço do que será nehua cousa da imdia, e poderá ser 
que se nam virá pidir ho soldo da jemte has feitoryas da imdia, afora o 
trato das vosas mercadarias da feitoria durmuz e do trato dos cavalos na 
imdia, que já nos outros anos pasados me tocastes em vosas cartas. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 347 

Assim, senhor, que a obrigaçam de minhas neccsydades me pôs nesta 
determinaçam, porque via diamte dos olhos que m avia de poer em gramde 
trabalho e fadiga a necesydade do mamtimemto e soldo da jemte, e afora 
isto xeqesmaell emtemder nela, e terem tomado sua carapuça e sua maa 
e perversa oraçam, e ser Rex noredim persyo de naçam, homem velho e 
cobiçoso, e que tem GIbos comsygo, e estar ho tisouro delRèy e sua fa- 
zemda nas suas mãos; e mirabuçaqa, capitam de xeqesmaell, que está 
em Rexer, Ribeira do mar da persya, começa de picar com guerra a vr- 
muz; e pêro dalboquerque com suas nãos chegou a esta terra omde ele 
eslava, e tynha tomado a vrmuz vimte terradas d armada, e fez lhas tor- 
nar. E asy todos estes vosos capylães e jemte que de lá veyo estano, 
lhes pareceo que vrmuz estava em comdiçam, se lhe nam acudisemos com 
tempo. E ainda, senhor^ me fez mais duuida neste caso os embaxadòres 
de xeqesmaell, que comlynuadamente emtram na imdia a falar com os 
Rex e senhores dela, e Ibe trazem presemtes : prazerá a noso senhor que 
se acabará este feito como vos alteza deseja, e se fará huua muy prouei- 
tosa cousa em vosa fazemda, e terees alguua cousa na imdia vosa e ase- 
nhoreada per vós, que tenha nome, que tamtos anos ha que trylhamos a 
imdia sem irmos avamte senam muy pouco ; e já deste feito nam pôde 
nacer senam todo bem, pois elRey de narsymga promete sesemta mill 
pardaos poios derátos de mill cavalos cadano. 

Hy nam ha outra Resposta á carta que me vos alteza escreveo so- 
bre vrmuz, senam que ela me fica por extruçam e rrejimemto deste ne* 
gocio ; e a casa de nosa senhora da comceiçam se fará na milhor mes- 
quyta e mais manifica obra que na cidade se achar: ho embaxador nam 
he sabedor de minha determinaçam : as nãos da imdia tomaram seguros 
pêra lá e licemça de levarem espiciarias; cananor lá mamda tresnaos, 
com a comdiçam de meus seguros, que venham cos cavalos a goa, e ou- 
tras doutras parles, que arreceam barmada de vos alteza, que se come- 
çam dajumtar, e lhes parece que nam tem outra asitaçam senam pêra o 
mar Roxo e adem, e am por segura navegaçam a d urmuz^ e tiram laa esta 
escapola muitas nãos e espiciarias: o que daquy, senhor, nacer, vos al- 
teza ho saberá em seu tempo; senam, comfio em noso senhor, que tem 
cargo das vosas cousas, que em seu tempo as traga ao fim que desejaees. 

Fez me vos alteza lembramça na mesma carta durmuz, que partimdo 
eu da imdia, ficasem as cousas seguras e prouidas em tall manen^a que 
nam Recebesem nehum trabalho, que a conservaçam do ganhado era mais 

44^ 



348 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

que ganhar oulras de novo. Digo, senhor, que asy saa dcmtemder ese 
feito., e minha partida com ese Resguardo ha de ser; e pêra vosalleza vér 
como ese feito fica prouido, cochim, cananor e calecut parece me que es- 
tam dasesego e seguros com sna jemlc e artelharia e prouimemto de seus 
raamlimemlos, e os Rex da terra a voso serviço e muy mamsos, e paz em 
toda a terra do malavar, como mamdastes, chêos de dereitos e de vosos 
tratos; nam temos aquy que oulhar e dar Resguardo, senam a goa e ma- 
laca. Foy prouido malaca ho ano pasado de jemte, nãos e capitam c ar- 
mas, alcaide mór e esprivâees, como mais largamemte em outras cartas 
dou comta a vos alteza, e até gora em calma está tudo o daquelas partes 
despois do desbarato d armada dos jaós, e nam ha hy^ ajumtamemto em 
jaoa nem em nehua outra parte sobre malaca: goa nam duuido nada de 
ser persyguida dos mouros, porque, tenha vos alteza por cousa muy certa, 
que Rodes nam atormemta mais o turco do que goa tem feito aos mou- 
ros da imdia, f reo e cutelo he sobre seus pescoços ; dor tem de nol a ve- 
rem em poder; se algum ajumtamemto se òuuese de fazer na imdia, so- 
bre goa avia de ser, pêra nol a tirarem das mãos e a eles de sojeiçani, 
mas eu vejo os mouros da imdia estar dasesego. E crea vos alteza que 
se meles podesem torvar ho camhiho do mar Roxo, e me fazerem tornar 
atrás, e nam partir da imdia, que eles o fariam, porque, asy pêra seus 
tratos e sua seita e sua casa de perdiçam e sua Romaria, gramde açoute 
Receberam em lhe emtrarmos o mar Roxo, e se eles deixam este ajum- 
tamemto de fazer, nam he por ali senam porque nam podem fazer corpo 
pêra se defemderem de mim que hos nam destruya, e podem se ajumtar 
pêra me fazerem entreter minha ida; mas nehuua cousa destas nam vejo 
na imdia, quamto mais que goa he gora mais forte cousa que ha na cris- 
timdade; fica lhe bõoa jemte, cem cavallos, gramde abastamça de mamti- 
memtos; fica na costa christóvão de brito e o navio Rumy com ele, e ficam 
sete galeotas de goa, e eu a balrravemto com toda armada, omde poso 
aver Recado da imdia até fim de mayo; junho e julho podem estar sem 
mim, na fim d agosto sam logo na imdia; se vem Rumis, amme d achar 
na costa de div e cambaya em corpo e jumto com harmada toda, e se 
nam vierem, creo que nam bulyraa nehua cousa comsygo, e tudo, com 
ajuda de noso senhor, estará dasesego; todavia, neste caminho que faço, 
mamdarey nãos sobre adem, e que venham imvernar comigo a vrmuz, e 
creo que sempre fararo proueito. 

Toca me também vos alteza em se nam destroir vnnuz: nam he peça 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 349 

vrmuz senam pêra a comer e defemder, e esa foy sempre minha lemçam 
e será. E imda, senhor, torno a dizer a vos alteza o que vos esprevy o ano 
que vim de malaca, que vrmuz ha de ser tam gramde escapola na imdía 
que sespamtem as jemtes, e avees daver mayores dereitos das espicia- 
rias do que o soldam avia das que hiam a judaa, porque, como tirarmos 
a navegaçam d adem e judá, que com ajuda de noso senhor se acabará 
muy cedo, nam tem os mouros outra sayda que dar has espiciarias e mer-- 
cadarias da imdia senam per vrmuz: pegai vos, senhor, bem com noso 
senhor que acabe estes feitos como Ih ele deu os começos, non o desviem 
nosos pecados por outras partes, que a imdia, segumdo a pouca jemte 
que tem, ajuda á mester de noso senhor, e aimda que ha tenha, mester 
ha que trabalhemos por lhe ganhar ha vomtade: esprila em cananor a 
xibi] dias de novembro, amtonio da fomseqa a fez, de 1514. 

(Por lettra dé Albuquerque) feylura e serv}'dor de vosa alteza 

Âfomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A Eli lley noso senhor *. 



CARTA XC 

1614— Novembro 27 

Senhor. — Bem he que fale a vos alteza na devasidade dos vinhos 
das naaos da carga, asy dos das partes como dos vosos, porque se tenha 
laa tall maneira daquy em diamte, que se nam faça o que se até gora 
fez: as partes a que vos alteza laa dá licemça que tragam vinhos, a ma- 
neira que tem he esta: carreganos seus sobre cuberta ou já por derra* 
deiro; os capitães mamdamlhos dar a beber na viajem, dyzemdo que se 
lhe pagaram qá na imdia dos vosos, e bebem lhe suas pipas atestadas, c 
quaa pagam lhas desa maneira, e as de vos alteza chegam qá meãs e mui< 
^ tas delas vazias^ que se se bebesem na viajem, pela vemtura nam averia 
hy tamta quebra neles, afora beberem o vinho das partes, que sam de 
muy baixo preço, e quaa põem lhe nome dos postos e lugares domde eles 
querem, e asy aos capitães acho lhe suas pipas todas atestadas, e a louça 

1 Torre do Tombo— C GbroQ. P. 1% M. 16, D. m. 



350 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

das vosas nãos todaa vazia; e nam abasta nam emlrarem has avalyas com 
vos alteza, mas aimda querem suas pipas cheas e dos milhores vinhos que 
ha nao traz; has vezes Releva isto quynhemtos curzados e ás vezes mill 
em hua armada: as pipas, senhor, das partes deviam de vir marcadas per 
vosos oGciaees c asemtadas no livro dó esprivam da nao cada hua com 
sua marca; na imdia seu dono, se as achase vazias, que vazias as levase, 
e se as achase cheas, asy também ; esta determinaçam está quá na imdia 
no testemunho do despenseiro, que por dez curzados que lhe dem de 
peita, dará quynhemtos de ganho a hum homem, em quem nam está mais 
que dizer estas pipas atestadas e de boom vynho sam as de foam ou de 
foam, e asy, senhor, se paga ás vezes quaa vynho ás partes, porque dam 
testemunhas de como ho hy meteram, sem virem asemtadas no livro do 
esprivam ha emtrada na nao; a despeza, has vezes lho acho nos livros;' 
has vezes está na fé do capitam que lhos mamdou beber, este feito : es- 
prita em cananor a xxbij dias de novembro de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e seruydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A Eli Rey nosso senhor *. 



/ 



CARTA XCI 

1614— Novembro 28 

Senhor. — Nam se despachou quaa ho feito de gaspar pereira, nem 
se emmendaram na imdia seus erros, pelo credito e carregos que trouxe 
de vos alteza: lá mamdo o auto de suas culpas, e ele que se vaa livrar 
ante vos alteza, pois lhe eu quaa parecy juiz sospeito: lá tenho esprito a 
vos alteza o que até gora fez na imdia em dano do asesego delia e das 
cousas de voso serviço, cuidando que poderia danar a jemte e capitães 
comigo, seno ninguém poder emtemder, porque destas manhas husava ele 
no tempo do viso Rey : nam he, senhor, homem pêra este carrego, porque 
nele nam ha segredo, c he cheo de todolos mixiricos e emburylhadas do 
mundo; tinha me danado parte dos capitães, como fez no tempo do viso 

1 Torre do Tombo —a Cbron. P. 1.% Mtj. 16, D, 123. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 351 

Rey; danou diogo pereira, que lá foy, e o fez íiazer a caria verdadeira- 
memle; danou amtonío Realí e Louremço moreno, elRey de cochim, jorje 
de mello e elRey de cananor e o embaxador dei Rey de cambaya, e ci* 
diale tnisijeiro de roiliquyaz, e chegou a sua voz até cidade d urmuz, que 
aimda agora diziam que queriam esperar se vinha outro governador: he 
homem, se vos alteza meter a mão nele, nam achará nele sustamcía pêra 
nehua cousa senam pêra danar dous arrayaes, e nisto sabe mais que to- 
dolos outros homeens: ese embaxador que de cananor foy examinado, 
elle foy o que ordio essa teya; peço a vos alteza per mercee que aja por 
muito voso serviço tirallo da imdia, porque segredo nam ouuera de fiar 
delle: qeria senir seus ofícios nam como oficiall, mas como senhor dei- 
les; descobria todos vosos segredos, quamdo me queria culpar diamte 
dos homeens; fazia hum rrejimento de vos alteza ha sua vomtade; fazia me 
aluaraes cheos demgano, pêra ver se os passava eu; he homem que tem 
a comciemcia grossa, gramdisimo arrenegador» homem muy pirygoso pêra 
amdar ha orelha de ninguém. 

Lá verá vosaheza suas cartas que mespreveo, quamdo a vos alteza 
espreveo que nam qeria eu fazer seus oGcios com ele; he homem des- 
cortees e mal imsynado; joham de sousa será bõoa testemunha do que 
m ele dise peramt elle : crea vos alteza que foy espiciall mercê de deus nam 
querer ele ir comigo d armada, porque me danara ele quamtos capitães e 
jemte tinha: mamdeilhe carregar todo seu ordenado e camará; lá a des- 
pache vos alteza e sua vida como vir que he seu serviço: estou muy pres- 
tes pêra rreceber quem vos alteza mamdar, e de qem comfiar as cousas 
de seu serviço e de seu segredo : por agora tenho provido pêro d alpoem 
dos ofícios que ele trazia, tiramdo prouedor de vosa fazemda, pesoa com 
que descamso e de segredo e de que coihfío cousas de voso serviço e se- 
gredo e de minha obrygaçam, e em outros muitos carregos ho emcarrego 
mevdamemte de cousas de vosa fazemda e doutras mevdezas muy muito 
necesareas, porque sey que he pessoa que me nam ha demganar: tem 
bua voz na justiça no despachar dos feitos e nas cousas de voso serviço, 
em que mevdamemte ho emcarrego, leva muy desordenado trabalho, por- 
que hy nam ha ora dia em que nam aja hy que fazer nas vosas cousas. 

Dei lhe com estes trabalhos coremta mill rs. mais sobre o que tra- 
zia, e os quintaes que lhe vos alteza ordenou; e o mais que ele merece que 
ho ponha de minha casa, tudo he voso, eu ho ey por muy bem empre- 
gado, porque sey que ha de fazer com muy espicial cuidado as cousas 



352 CARTAS DE AFPONSO DE ALBUQUERQUE 

que Ih encomendar, e que. ha ás vezes de tomar minhas culpas sobre sy, 
e que me nam ha de danar os homeens : he homem com que tenho des^ 
pejo, e com que muito comfio : toda a mais mercê que lhe vos alteza fizer, 
vos beijarey as mãaos por ella : por agora nam m ousey mais d alargar 
com elle que ho que dito tenho: fica por ouuidor o que ho era, hum ho- 
mem homrrado e de bem, que se chama vasco de vilhana e te m o a vito 
de christos, homem latino e de boom entemder e delijemte; tem xbiij rs^ 
CO oficio, eslaa ho despachar dos feitos comigo, e dom garcia meu sobri- 
nho, sesta oriíde eu eslou, e quallquer cnpilam de forteleza, omde quer 
que eu isliver: se mall fizermos o feito da justiça, será pelo nam enten- 
dermos milhor. 

Nam se danou gaspar pereira na imdia senam porque ho fauor gramde 
que lhe vos alteza deu pêra ele husar bem de seus carregos, e as cousas 
de voso serviço se fazerem com milhor cuidado e rrecado, empregou este 
fauor em suas manhas e custumis e husar de sua comdiçam; e eu, se- 
nhor, fauorecia seus oficios e o fauor e omrra que de vos alteza trouxe, 
por omde a vosa jemtc e asy a da terra tinha credito nelle, em tall ma* 
neira, senhor, que nunca lamçou palavra pela boca que nam pegase, e 
que me nam fizese muito dano e muito mall ; e desta maneira se danou 
Lourenço moreno, amtonio Reall e Diogo pireira e outros alguuns desta 
masa, cheos de carregos de voss alteza e de favor e credito, pêra com ele 
se fazer milhor as cousas de voso serviço, e eles atribuyam tudo a suas 
pessoas e suas comdiçõees e presumções e famtesyas, e nas cousas de 
voso serviço e vosa fazemda e proveyto que eles tem feito, quamdo lhe 
vos alteza tomar a eomta, se verá o que acrecemtaram em vossa fazemda 
com seus carregos e omrras, mercês e fauor que de vos alteza tem, e mi* 
nha ajuda de fora, que numca lhe faleceo. 

Qem vos nestas parles bem ouuer de servir, o credito, omrra e fa* 
uor que lhe vos alteza der, ha o d empregar nas cousas de voso ser\'iço e 
proueilo de vosa fazemda, pêra se tudo fazer com dilijemcia e boom cuy- 
dado e boom Recado, e saademtemder o fauor e credyto e omrra que 
vos alteza dá a vosos oficiaes; mas eles corrompem e danam tudo e com- 
verteno em suas fazemdas e omrras, e em suas paixões vimgativas a jus- 
tiça, o poder de dar os seguros, as chaves dos vosos cofres, poder de pa- 
gar soldos, isemçam no meneo de vosa fazemda: as pessoas a que vos ai- 

> Dezoito mil réis. 



CABTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 353 

teza isto cometep com poder e licemça de tratarem na imdia» mais se 
aproueitaram eles destas cousas pêra se fazerem Bicos e de gram fazemda 
que de dobrarem voso cabedall na imdia: veja tos alteza os seus livros e 
sua comta, emtam se verá se sou homem em que ha verdade, e se em- 
temdy eu bem este jogo; portamtOi senhor,, oulhe bem vos alteza a quem 
daees voso credito e fauor, porque eu trago quá tudo isto muy vivo diamte 
dos olhos dos homeens, por homde bua muy piquenina palaura ou carta 
de vos alteza que quá emtra, faz logo dar quatro voltas ha imdia, tam es- 
pertos U*ago os espritos dos homeens nas cousas de voso serviço ; e no 
acatamento e obidiemcia de vosos mandados nam sam as cousas de vosa 
determinaçam duras demtrar na jemte, como nos tempos passados: agora» 
senhor, ordenay as cousas de voso serviço como vos milhor parecer, mi- 
nha obrigaçam he avisar vos somemte de tudo o que pasa, e dos emcom- 
viniemtes que as vosas cousas podem Receber, e dos danos e perygos que 
se dy rrecrecem, e do trabalho e fadiga que ás vezes por este rrespeito 
Recebe minha pesoa e as cousas de voso serviço e fazemda e minha obri- 
gaçam: esprita em caoanor a Tohn] dias de novembro, amtonio da fom* 
seqa a fez, de 1514* 

(Por kttra de Albvquergue) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor *• 



CARTA XCn 1 



r 



1614— Dezembro íi 

SenhiH*. — Eu tenho tanta necesydade de mem paremtes vos falarem 
por mim, e Reqererem minhas cousas amte vos alteza, que n^m sey como 
ouso de i^er por nimguem, porém eu ey de fazer meu dever; beijarey 
as mãaos de vos alteza rrecebermo como obra de minha obrigaçam, que 
neste caso tenho a minha irmãa e a meus sobrinhos e a meus paremtes: 
o por (jpie isto digo a vos alteza he por pere aluares meu cunhado, casado 
com minha sobr^^nha, filha de minha irmãa, criada de vos alteza e da se- 

i Torre do Tombo^G. Cbion. P. 1.% í^^. 16, D. 124. 

45 



354 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

nhora Rainha; eu fay o que comcerley e ordeney este casamento, e lhe 
fiz dar da fazemda de minha irmã e de meu cunhado dom femamdo mais 

em casamento do que seu movell e rraiz podia abastar, e que 

pere era muy boom fidalgo e merecedor disto e cousa mayor, 

todavia se teve Respeito a e omrra e credito que vos alteza linha 

de sua pessoa e o comtemtamemto de seus seruiços e de sua bomdade e 
cavalaria, e davermos todos por muito certa sua medramça e galardam 
de seus serviços, e ser elle tall pessoa e asy aceito a vos alteza e emcar- 
regado por vos alteza em carregos omrrados, que nos pareceo que nam 
podia deixar daver de vos alteza omrra e mercê, por sabermos que era 
cavaleiro, homem avisado, e que ha de dar em todo tempo e em todo feito 
bõoa rrezam de sy , como vos alteza já dele tem tomado a espiryemcia : 
agora, senhor, vejo esta qebra sua amte vos alteza durar muitos dias, em 
tempo que vos alteza se serve jeralmente dos cavaleiros e fidalgos de voso 

Reino e comquista os quaes Recebem mercê, Remdas 

segumdo cada hum faz e merece por cu- 
nhado pere aluares, homem desejador em obras, e em dito 

e em feito ser sempre seruidor de vos alteza e feitura e obra de vosas mãos 
apartado asy de vosa vomtade e prazer, que nam poso saber que descom- 
temtamento he este que vos alteza de sua pesoa tem, que asy o temdes 
lamçado de voso serviço ; e quamto me a mim mais parecese que a culpa 
deste feito era sua, tamto mais má de parecer e ey de crer que ele certo 
o perdam e galardam de vos alteza, como vimoos per espiryemcia em ou- 
tras pesoas, serem lhe seus erros perdoados e feita omrra e dado Remda 
e mercê, e aceitos a vos alteza; e porque a comdiçam dos purtugueses he 
criamos vos alteza e nos castigar, fazer mercê e nos chamar e desagra- 
var, e se servir de nós, e nos tirar de nosos arrufos e errados comselhos, 
como jeralmente cada dia vos alteza faz, por omde tomamos logo a pôr 
nosas vidas ho cutello como noso Rey e senhor verdadeiro, e cada hum 

se trabalha por vos merecer devia pere aluares de ser por muitas 

Rezões e huum destes ; e se minha pessoa e valia amte vos al- 

de isto merecer, eu, senhor, vos beyjarey as mãaos por ele ser 

chamado de vos alteza, acomselhado e rreprendido e tornado em vosa 
graça e serviço, porque he homem que eu sey certo que tem vos alteza 
comtemtamemto de sua pesoa e de todalas cousas homrradas que nele 
ha, pêra allgtluas necesydades de voso serviço que Ih emcarregardes; e 
esforço me, senhor, a dizer, porque sey que tem vos alteza tomado a es- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 355 

piryemcia de sua pesoa e de seus serviços, e que em todollos feitos em 
que ele poser as mãaos, que vos ha de merecer mercee: beijarey as mãaos 

de vosa alteza lembrar se das alemem mãa sobre mim 

pelo falecimento qua em minha companhia e ajud 

. . e perder o escamdolo que de mim tem sem tel a pere al- 
uares apartado de voso ser vosa corte e sua filha como da morte de 

seus filhos: acabada em calecut a ij dias de dezembro de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey nosso senhor *. 



CARTA XCffl 

1614— Dezembro 2 

Senhor.— Manoell de sousa se quis ir, ao quall eu dey alcaidaria 
moor de goa, de que ele Recebeo asaz proueito : quamdo vym do estreito, 
ache o preso de pêro mazcarenhas, que era capitam; creo que hy avia al- 
guuâ Rezam pêra iso : alargou ele halcaidaria, e eu provy dela a jam de 
tayde: quamdo pêro mazcarenhas esteve pêra ir amalacá, esteve jam de 
tayde pêra ir com ele, e vicente dalboquerqe ficou n alcaidaria moor: 
agora quise vicemte dalboquerqe ir comigo, e eu provy dalcaydaria 
mor a dom Samcho, e manoel de sousa quysera tomar halcaidaria des- 
pois que dom joam ouue a capitania, e dom samcho estava já provido 
dela; e manoel de sousa me Reqereo bua nao, hy nana avia: Roguei lhe 
que ficase qá por estano, que éramos pouca jemte, e parece me que nam 
quis pagar a imdia o bemfazer que dela Recebeo em muy poucos dias: 
pidio me carta pêra vos alteza e eu lhe Respomdy que ha notase ele, e que 
eu hasynarya; porém comtudo ele he boom cavaleiro, e sérvio bem no 
cerqo de goa, merece a vos alteza toda omrra e mercê que lhe fizer: es- 
prita em calecut a ij dias de dezembro de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor '. 

1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.*, Maç. 17, D. 1. 
* Torre do Tombo— C, Chron. P. 2.* Maç. 53, Doe. 86. 

45 ¥ 



356 CARTAS DE AFPONSO DE ALBTOJERQUE 



CARTA XaV 

1614— Dezembro 5 

Senhora. — Ha carrega ordenada de vos alteza vay nestas nãos, da 
milhor mercadaría que avia nas feitorias, seguindo mandado de vos alteza; 
e na outra viajem pasada esprevy a vos alteza como eu tinha emjenho pêra 
eu feitorízar mayor fazemda, se vos alteza esforçase ho cabedall: lá mamdo 
a vos alteza alguuas cousas de quá, que me deram, porque na minha fa- 
zemda nam ha hy outro cabedall senam a delijemcia e boom cuydado 
com que syrvo vosas altezas, e asy mamdo ha senhora ifamte dona isa- 
bell duas meninas, e ao príncipe alguuas cousas de qá: tudo vay decra- 
rado no Roll que vay no maço das cartas de su alteza, omde vay a decra- 
raçam de todalas cousas, as quàes leva jemes^teixeira na nao samta maria 
d ajuda: esprita na galé gramde a b dias de dezembro de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) servydor de vosa alteza 

boquerque. 

(Sobrescripto) Aa Rainha nosa senhora K 



CARTA XCV 

1614 —Dezembro 10 

Senhor.-— Per outras cartas tenho esprito a vos alteza como lais dam- 
tas e a nao sam miguell chegou á ímdia primeiro que christovão de brito, 
e como mandey logo a nao e seiscentos quintaes de cobre que nela vi- 
nham, e oitenta de marfim que trouue de moçombiqe, a dyu, tamto que 
chegou sobre a barra de goa: após isto veyo christovão de brito^ e por 
dar aviamento a sua fazenda, e lhe mandar entregar a nao, lhe dey hua 
caravela, em que se foy a dyu em basca da nao, em que levou toda sua 

^ Torre do Tombo— G. Ghíoa. P. 2/, llaç« 53, Dút^W. 



CÀRTAâ DE APFONSÔ DÉ ALBUOUEÍlOUE 357 

mercadaria e de seu irmão, e lhe dey hum mandado pêra lhe luís dam- 
tas entregar a naõ, como vos alteia ord^ava e mandava! partio christo- 
vão de brito de dya, e o áeu piloto acoroouse tamto com a terra jumfo 
com chMíll, que íoj dar em hua baixa, vimdo co prumo na mão, per 
cimqo braças de notte a surjir: perde se a naó e salvou se o dinheiro que 
trazia de dyu; não trazia alaqeqas nem anill nem Roiípa pêra çofala, por- 
que, se foram a cambaya, ouueram d achar as nãos da carga; e seja isto 
que digo aviso a vos alteza, que as mercadarias que aquele ano vem des- 
ses rreinos, nam podem ir a cambaya e serem vemdidas pêra darem carga 
ás nãos per dinheiro, que a voss alteza muito comvem, se qerês fazer 
proueito; mas este negocio ha mester cabedall e dinheiro dun ano pêra 
o outro. 

Salvou se cobre que aimda vynha na tiao, e artelharia que hanao 
trouxe deses Reinos: parece me, senhor, que vos comvem fazer hfla ley 
sobre a pilotajem dos pilotos e obrigaçam deles e de seu oficio, porque 
não vejo as nãos voteas perdidas com furtuna no mar, nem per distamcia 
de caminho ou emlheo de marynharia, mas parece me cousa feita acimte: 
se voss alteza isto nam põe em obra, a dardes est alçada e sopirioridade 
ao almh*amte, e pordes em ordem que se livrem por justiça, parece me, 
senhor, que nam am de leixar de fazer has vezes algum dano a vosa fa- 
zenda; e se neses Reynos emforcam hum homem por furtar hua mamta 
dalemtejo, como se nam fará justiça dum piloto que tamta fazemda lamça 

a perder sem guardar as comdiçOes do mar e da marynharya e os 

resguardos que os pilotos tem e am de ter em seu oficio? certo, senhor, 
que se me vos alteza pêra iso der lugar, estreita comta Ih eápero eu quá 
de tomar. E seles souberem que ho voso almiramte tem este poder, e 
Ih á de ser tomada estreita comta, eles vijyarám milhor seu carrego e sua 
pilotajem^ porque o piloto que deu com a ]lao galega através sobre as 
ilhas de quylua, dous dias avia que amdava amtras ilhas, vemdoas nos 
olhos, e cortou aquela noute com todalas velas e cevadeira pêra escom- 
der milfaor a vista dos que vijyavam no castelo da proa: este que deu com 
a nao sam miguei através per cimqo braças, vynha ele de noute co 
prumo na mão vendo chauH e a jlha que está jumto com chaull; que Re- 
zam pôde este tall d^ a deus e a vos alteza de tamanho mall e tamanho 
dano como este? que Rezam podem dar os pylotos que partiram do monte 
deely demandar os baixos de padua, navegaçam de dous dias e hua noute, 
e deram com duas naois nmy graiides e muy Ricas através na meta dos 



358 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

baixos de padua que hyam demamdari que he imda pior? mete, senhor, 
este feito a caminho, e faça lhe vos alteza mercê quamdo vola merecerem, 
e mandayos castigar por justiça quamdo os taes feitos fizerem. Doe me, 
seuhor, no coraçam e n alma a perdíçam desta nao, porque estava em ca- 
minho de minha partida, e deixava a na imdia pêra Resguardo de muitas 
cousas e se comprir o que vos alteza mandava, e asy pelo de christovão 
de brito, ser homem casado e fydalgo, que vem ganhar sua vida nas cou- 
sas de voso serviço ; e mais hua tam boa nao como aquella era, tam bem 
armada e tam bem aparelhada derribai a asy aquele piloto com venta popa 
e mar bonança, vemdo a terra e o mar e o porto de chauU e tudo I nao e 
nãos pêra o trafego de qaa, com ajuda de noso senhor, apagando a fúria 
destes Rumis e o asombramento deles, nam falecçrám, e christovam de 
brito ser agasalha (sic) e aproueitado em sua homrra o mylhor que eu po- 
der: esprita em cochim a iO dias de dezembro de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Âfomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A Eli Rey noso senhor *. 



CARTA XCVI 

1514— Dezembro 10 

Senhor. — Per outras cartas' dou comia a vosaheza de como mili- 
quiás torvava quamto podia darem nos asemto em Dyo, e que eu desy- 
mulava este feito, e sempre o obrigava com nosa amizade e co as bõoas 
obras que tinha rrecebido de mim, e cos desejos que mostrava de servir 
vosaheza: agora per derradeiro Ihesprevy huua carta, que eu despachava 
as nãos da carga pêra eses Regnos ; que lhe Rogava e pidia que me mam- 
dase dizer sua vomtade, pêra a esprever a vos alteza, porque nehua cousa 
fizera a vos alteza pidir asemto em dyo, senam a comfiamça que vos alteza 
tinha nele, e vosa fortaleza, feituria e jemte ser milhor tratada e oulhada 
dele, e outras palavras em que me alarguey mais, acusamdo o e obrigam- 
doo a nosa amizade, e amor que lhe vos alteza tinha e comfiamça de seus 

VTorre do Tombo— C. Cbron. P. 1.% Maç. 4, Doe. 125. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 359 

serviços. Respomdê me esa carta que lá mamdo a vos alteza, e parece me 
que se agasta muito, que he synall de nos el Rey querer dar forteleza em 
dyo, e eu nam duuido ser ele chamado a isto (sic) fim. 

na carta, que lhe dey palavra das suas nãos navegarem com 

seu seguro; nam tem de mim mais lugar que pêra zambucos pequenos 
virem á costa do malavar e a batecala com sua certidam ; e no que mais 
diz na carta, que lhe dise daria seguro pêra balrraharaf, diz verdade, 
mas logo lhe nomeey os lugares da costa d arábia, e ele pede me que posa 
mamdar adem e a judá, é acomselhame que tome todalas nãos que vem 

d adem e de judá: nam digo mais, senhor, neste feito, senam que 

os olhos em miliquyaz, que ho emtemdy, e o que, senhor, vos esprevo . . 

porque mavees d achar muito verdadeiro, e esta he a mi- 

Ihor mercadaria que vos de qá pôde ir, falarem vos verdade: pidy a noso 
senhor que me dee vyda e savde, porque compre muito a voso serviço, 
que segundo a comdiçam e imcrinaçam dos homeens a que vos alteza daa 
fee, ey medo que vos façam mudar o comselho de muitas cousas em que 
vejo vos alteza estar asemtado e seguro, como mo quá mostram vosas car- 
tas e Recados. 

A carta ... em parse que mele mamdou, e vay hum trelado em pur- 
tuguês CO ela: foram me dadas a ix dias de dezeoibro em cochim; estas 
leva jemes teixeira, e outro trelado vay no maço da segumda vya: esprita 
em cochim a x dias de dezembro de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripío) A EU Rey noso senhor*. 



1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.% Maç. 17, Doe. 8. 



360 CARTAS DE AFFONSO DE ÂLBUQUE{\ÚUE 



CARTA XCVn 

1614— Dezembro 11 

Senhor. — Vy a cârta que me vos alteza mamdou sobre meus galar- 
dõees e satisfaçam de meus seruiços e outras muitas esperanças e con* 
fianças de meus trabalhos: eu, senhor, creo niso, e confio em deos e em 
vosa alteza, e na justa querella que tenho pêra me fazerdes graaoKle mercee 
e me dardes honrra e nome honrrado, por algúas rrezOees que aquy 
apontarey a uosa alteza: a primeira, senhor, he ter me vos alteza esprito, 
anos ha, que me lembrase das cousas de vosa estado^ fama e nome, e de 
vosa conquista em tall maneira que as cousas da imdia fosem soadas e 
louvadas em toda parte. Gomprio noso senhor vosos desejos, e satisfez 
vosa vontade, e pôs as cousas de uosa alteza na fama e nome que agora 
tem : nom duvidey minha fraca pesoa polia aos trabalhos e pingos por 
voso mandado e rregimento, em compaiiliia diB vosos cavaleiros, que com 
suas espadas honrrados feitos acabaram nestas partes, oomo seu capitam 
moor per voso mandado, com voso poder e autoridade: a outra rrezam^ 
senhor, he meus seruiços desagalardoados de dous Rei pasados, vosos 
anticesores, os quaees me deixaram com hum paao na mãao e hum pe- 
daço de tença que comprey por meus dinheiros, os quaees seruy com 
minha seruiçall condiçam em s^uiços escoymados de suas pesoas, e de 
fora com todo outro Restante : a outra, senhor, he ser a imdia tam gramde 
cousa e tam principall no mundo, que ella per sy obriga vosa alteza fa- 
zerdes grande quem hasy conquistou, trilhou, e a someteo a conhecimento 
de uoso poder e nome e em sojeiçam: a outra he nom ser nova cousa no 
mundo aos grandes príncipes, como vos alteza he, fazerem em seus Re- 
gnos e senhorios grandes os fidalgos e caualeiros que fazem seruiços asy« 
nados, e põem suas vidas em piriguo por Receberem galardam e mercê, 
se lhe deus daa vida; e alguns desta obrigaçam, carecidos de linhajem, 
lhe dam novas armas e novo linhagem. Desta obrigaçam tiraram vosa al- 
teza meus avoos, os quaees me leixaram boons costados e bQa haçam, 
pêra vosa alteza armar em mim tamanho fundamemto quyserdes: a ou- 
tra, senhor, he meus c^as e inigha fazepda $9 gastarem em vpsp sçruiço, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 361 

como o mondo vee: a outra he o primor e línpeza com que uso de voso 
poder e mando, e siruo meu oficio e meu cargo: a outra, senhor, he, con- 
fiando em vosos mandados e poderes vim á india, e com elles me ataram 
e me prenderam, e me poseram em prisõees e torre de menajem, guar- 
dado e vellado, e villmente arrebatado de minha casa e levado : a outra, 
senhor^ he a feitura da fortelleza de cochim, asemto e concerto de coul- 
lam, e lyvrar hum capitam de vosa alteza das mãaos dei Rey de calecut; 
por meu conselho provii em todo e per todo a armada de duarte pacheco, 
que desbaratou o poder dei Rey de calecut; e levou me noso senhor a sal- 
uamento diante de vosa alteza, onde achey minha fama e meu seruiço 
asignado e meu boom rrecado apagado diante de vosa alteza, escondido, 
dado a cujo nam era, sem ser ouvido, nem ousar de rrequerer minha 
justiça: prouve anoso senhor de ma dar, sem nehum provimento vmano, 
como vos alteza sabe; fostes sabedor da verdade, e veo vosa alteza em 
conhecimento de meu seruiço, e me fezes tes homrra e mercee, e me pôs 
vos alteza em tam gramde poder e mando que o nom tem nehum vasallo 
de vosos Regnos e senhorios maior: a outra, senhor, he desarrufarse lou- 
renço de brito em purtugall a custa de minha honrra: a outra he vencer 
e desbaratar Rex de muita jente nestas partes, e algum poor em trabuto, 
e outro lançado fora de sua terra e Regno: a outra, senhor, he pôr vosa 
gente a cavallo nas imdias, lavrar moeda em voso nome nas cabeças de 
Regnos principaees, que oje estam debaixo de uoso senhorio: a outra, 
senhor, he muy gramde e muy asignado seruiço que vos faço, na deter- 
minaçam em que me pus de acabar na india, esquecendo me de minha 
própria natureza, de meus parentes e amigos, e de todallas cousas que o 
mundo e a carne continuadamente traz diante dos olhos aos homens: a 
outra, senhor, he a grande confiança que esta minha determinaçam daa 
ao negocio da india, asento e aseseguo nos coraçõees dos homens duvi- 
dosos no feito delia, e outras muyto grandes cousas e muy proueitosas 
pêra quá e pêra Uá, de que já quá começamos de tomar esperiencia, de 
hua pequena de fama que quá chegou dese feito: a outra he espreveruos 
senpre verdade, e seruiruos neste feito fiellmente. 

A outra, senhor, he os trabalhos e perigos que minha honrra e o 
galardam de meus seruiços pasaram antre pesoas cheas de credito, auto- 
ridade e cargos, emvejosos de meus feitos, os quaees me senpre ajudaram 
como meus compitidores, e vos enformavam de quá como homens dana- 
doFos de minha honrra, qw foy singullar mereee de deus poder vos fazer 

46 



362 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

hum bocado de boom seruiço, cerquado de tantos ymigos, mais perigosos 
que aquelles com quem temos contynua guerra per voso mandado. 

Deixo^ senhor, aquy d apontar os perigos comtinus da guerra e per- 
calços delia, minha aleijam^ andar nese mar pegado em hua tavoa; e se 
atrás quisese tomar, rrevolvendo os anos pasados, que pasam de trinta e 
oito que comecey de tomar armas, senpre me acharia em todos os traba- 
lhos e seruiços do Regno muy continuo em vosa corte: a outra, senhor, 
he o estado da india e a segurança delia, crear tudo pello poder de deus, 
como vosa alteza pôde desejar, naquelles lugares principaees e proveito- 
sos que seguram o estado da imdia, e põem vosos feitos em gram credito 
e fama; e prouvese a noso senhor que o podese vos alteza ver, e a bor- 
dem das cousas o caminho que levam, pêra me vos alteza fazer grande, 
e ter em muito gramde estima. 

As outras cousas geeraees de merecimento ante vossa alteza sam 
tantas que as escuso aquy d apontar a vosa alteza, porque sey que está 
tudo em vosa lembrança; abasta os serviços principaees e asygnados, os 
quaees sam de tamanho merecimento que bem pôde vosa alteza obrar em 
mim obra de vosas mãaos e de voso poder: lenbrovos, senhor, que se fa- 
zes fundamento da india, e minha pesoa acabar nella, que me deves de 
fazer muito grande mercê e muyto rriquq, porque, quando ás vezes me 
de Há nom vir socorrido, e me vir quá em algua necesidade, posa abrir 
o meu cofre, e achar nelle cinquoenta ou cem mill cruzados, com que 
conserue as cousas de uoso estado e de voso seruiço e minha obrigaçam ; 
e nom diguo isto por desejar dinheiro, mas porque he hua das cousas 
que vos mais compre obrar na india, porque, mercês a deus e a vos alteza, 
dinheiro tenho jaa, e ás vezes o gasto francamenti nas cousas que acima 
apomto, porque se nom pôde ai fazer, e quanto mais crecer o estado da 
india, tanto mais me poerá em mayor obrigaçam. E pois que eu tamanho 
peso e carga tomo ao meu pescoço, onde eu ponho minha vida por voso 
seruiço cada ora, da fazemda me quero ajudar pêra este feito, quando 
me conprir. 

Quanto he, senhor, ao credito, honrra, estima de minha pesoa antre 
vosos capitãees, caualeiros e fidalgos, gente d armas, ofeciaees, Rex e se- 
nhores destas partes, de que vosa alteza aprouve de me prover, e asy a 
este corpo da india, que antre as cousas de vosos Regnos e senhorios he 
a maior cousa, eu, senhor, vos beijo as mãos por iso, e me fezestes muito 
grande mercee, e senpre tiue confiança em noso senhor, que abreria a 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 363 

carreira da verdade, e seriees em conhecimento de meãs linpos seruiços; 
e afora o que diguo, esforçastes as cousas de voso seruiço, posestelas em 
credito e autoridade e estima que a vosa alteza muy muyto compria, por 
tall que as cousas de voso seruiço nom Recebesem senpre força: nom fez 
este feito pouca mudança nos coraçõees de vosas gentes e nos Rex e se- 
nhores desta terra e na openiam da india e conseruaçam do ganhado em 
paz. E afora tudo isto que acima diguo, nom se trabalharam os homens 
tanto por se danarem ante vosa alteza, espreuendovos de mim e das cou- 
sas da india o que nom devem, e o que nom he. 

Quanto he, senhor, ao que poso bem dar de vosa fazemda aaquellas 
pesoas que por seus seruiços o merecerem, beijo as mãaos de vos alteza 
por tanta honrra e mercee como esta he; e posto que eu seja de catiua 
condiçam nas cousas de uosa fazemda, aas vezes comprirá por voso ser- 
uiço darem se alguas dadyvas com aquella onesta temperança que seja 
bem; e com esa fama que quá chegou, sem a eu rrevellar aa jente, lhes 
pareço já agora mais fermoso, e se trabalham mais por me comprazer, e 
alguns se esforçam fazerem seruiços asynados a uosa alteza quá nestas 
partes por meu mandado, e outras branduras e masiezas que acho na 
jente. 

E asy, senhor, me fez vos alteza muy grande mercee nas cartas que 
vos alteza de llâ mandou pêra prover alguas pesoas de cargos, ofícios e 
capitanias, e eu o fiz aaquelles que me pareceo que vos alteza e o Regno 
tynha mais obrigaçam d agasalhar e dar de comer, desas poucas cousas 
que se acertarão estarem vagas; e folgaria muito de acertar neste feito o 
querer de vosa alteza: esprita em cochim a xj dias de dezembro de 1514. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e seruydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescrípto) A El Rey noso senhor *. 



1 Torre do Tombo— C. Chron. P. 1.', Haç. 17, D. 11. 

46* 



364 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA XCVffl 

1514— Dezembro 15 

Senhor. — Eu privey do oficio a garcia coelho, e o serve pêro bar- 
reto, e a rrezam por que, he esta: eu vy que nos provimentos mevdos da 
casa e gastos se compravam as cousas por mais hametade do que valiam, 
comprado tudo aos Regatáes, e os mesmos Regatães eram vosos oficiaes, 
que traziam arroz, trigo, sahtre, cairo, ferro, lynho, mamteiga, azeite: to- 
das estas cousas levavam a cochim, e o tinham em casas, e daly o mam* 
davam vir ha feitoria, e s emtregavam de mui boohs cruzados do voso co- 
fre; asy, senhor, que todo seu trato era co a vosa feitoria: parece que 
achavam aly milhor paga e mylhor despacho a suas mercadarias: mam- 
dei lhe por Rejymento meu, que negoceasem ho provimento das casas de 
fora em nãos da terra, e que esprevesem a francisco corvinell, e que lhe 
mandaria tudo menos meyo por meyo, e que nam comprasem a nehum 
Regatam mais nehua cousa. 

Como me party de cochim, semdo lopo femandez em dyo com mer- 
cadaria de vos alteza em emxobregas, garcia coelho lamçou em despesa 
ao feitor três mill cruzados de compra destas cousas, fazemdo cabeça e 
autor desta vemda a janaluares de caminha, comtra meu Rejymemto e 
determinaçam. 

Item: asy a dous homeens que acutilaram o meirynho, e o aleija- 
ram dambalas mãaos, e se acolheram á igreja, achei lhe pago gramde 
parte de seu soldo depois d estarem na Igreja, semdo contra voso Reji- 
mento, e tendo eu deixado per Rejimento ao feitor, que nam pagase soldo 
a nimguem, pela desordem que nese feito achey, quamdo vym do mar 
Roxo, porque achey muy gramde dyvida de soldo a carpimteiros, cala- 
fates, ferreiros, tanoeiros e aos casados, e seus aliados e criados todo seu 
soldo pago. 

Item: achey a garcia coelho dous anos damte mão pagos de seu 
soldo, e nam me pareceo isto bem, porque ele era ho que lamçava em 
despesa, e fazia toda esta desordem: lopo femamdez nam era neste feito, 
e quamdo veo de dio guardou meu Rejimento, e nam lamçou ao tótor es- 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 365 

tas compras em despesa: preguntey a garcia coelho se vira ele comprar 
ao feitor aquelas cousas que Ih ele lamçava em despesa, diseme que nam, 
mas que ho feitor lho disera: tomando esta comta a garcia coelho, me 
dise que lhe perdõase, que era homem noYO, e que ho nam emtendia mi- 
Ihor. E achei lhe dados quatro bahares de vermelham pelo preço da casa. 

Acudy, senhor, a vosa fazemda e a vosas feitorias com boons ho- 
meens e de bõoa comciemcia e de boom saber no trato da mercadaria, 
porque amda tudo muito curruto e muito danado, e tomam Rija vimgamça 
de seus despeitos na vosa fazemda; portamto, senhor, quamdo bulirdes 
co ordenado dum feitor, tirayo primeiro do oficio; e o mais, senhor, nam 
quero dizer, nem obrar neste caso, porque sam homes de muito credito 
e de que comfiastes vosa fazemda, e eu nam ouso asy lijeiramente de me- 
ter as mãos neles, e mais ora estou em malaca, ora no mar Roxo, ora em 
vrmuz, ora em goa, e prouejo estas cousas de tarde em tarde, que nam 
poso mais fazer: esprita em cochim a xb dias de dezembro de Í5i4. 

(Par íettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A El Rey noso senhor *. 



CARTA XCIX 

1614— Dezembro 18 

Senhor. — A cheguada de luys damtas aa yndia foy em muy boom 
tempo, e a segunda nao que surgio na costa da yndia; e porque já em- 
tam tinha o maço da primeira via, que veyo per framcisco pereira, e sa- 
bia a determinaçam de vos alteza, e como a nao sam myguel vynha hor- 
denada pêra o trafegue de caa, o mamdey loguo a dio vender ese cobre 
que de lá trazia e marfim de moçambique, como já tenho dado comta per 
outra a vosa alteza: chegou a dio, e comprio o meu Regimento ynteira- 
mente com todolos Resguardos que nele hiam, e miliquiaz mo espreveo 
asy, louvando me muyto o boom Recado que tinha na jemte e em sua nao, 
a qual eu Reformey de mays gemte e artelharía, pela nova quemte que 

» Torre do Tombo— C. Chro». P. !.% M. 17, D. 18. 



366 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

emtam avia dos Rumes, porque, se viesem empeeçar nela, que dése luys 
damtas boa Razam de sy. 

Nom tardou muytos dias que christovam de brito chegou, e na ver- 
dade, senhor, eu quysera deixar estar a nao asy, e elle aguardar a tor- 
naviajem dela, e alememtou me tamtas vezes a sua perda de suas quyn- 
taladas e da venda de sua mercadaria, que socedy a seu querer, e lhe dey 
hua caravela em que levou toda sua mercadarya, e seu yrmão e elle fo- 
rom em busca da nao, a qual lhe luys damtas entregou sobre dio, quasy 
toda a mercadaria despachada, com todo boom Recado e provymento asy 
da vosa gemte e mercadaria e mamtymemtos, que lhe muyto emcarreguey 
a guarda dela: tyrou de tudo huum asynado, que lá leva, e se veyo na 

caravela, e me trouxe cartas de meliquaeaz 

nem toma / em Ricas 

companha E que elle veyo 

por vese a vosa alteza o comtem dele ficava e de 

seu boom Recado e como vos sérvio nesta yda de dyo, no tempo em que 
os outros fyzerom o emprego de suas fazendas á sua vontade, que já, 
quando veyo, a nao era quasy carregada, em que Recebeo açaz de perda, 
e baratou mal sua fazenda por feitorizar bem a de vosa alteza, como fez : 
feito em cochim a xbiij dias de dezembro de Í5i4. 

Item: senhor, vyndo elle na caravela, depois de emtregar a nao, a 
topou perdida sobre chaul, e salvou dela muyta mercadaria e artelharia 
e outras muytas bOas diligemcias que nese feito fez, de que ele dará comta 
a vosa alteza. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A El Rey noso senhor. 

(In dorso, por lettra coeva) dafonso dalboquerque sobre luis dantas ^ 



1 Torre do Tombo — G. Chron. P. 1.*, Mi^. 17, D. 23, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 367 



CARTA C 

1614— Dezembro 20 

Senhor. — Faley a elRey de cochim ácerqua de se tornar christãao, 
como me vos alteza spreveo; era hi duarte barbosa por lingoa, e pêro 
d alpoem e eu, e lhe toquey todalas palavras da carta e outras RazOes de 
meu fraco saber, ajnda que nom fosem tam fumdadas como as de garcia 
monyz pêra tomar hum homem gemtio aa fee de noso senhor, depois de 
lhe teer dito o amor e bOa vomtade com que o vosa alteza chamava pêra 
sua salvaçam, tendo lhe já feito tamta homrra e mercê, e asemtado em seu 
estado e defendido doutras pesoas a que o Reyno pertemcia de direito, 
como elle muy bem sabia; elle me Respomdeo, que lhe parecia aquylo 
cousa nova ; que vosa alteza lhe sprevera per muytas vezes, e nunca lhe 
em tal tocara: emtam lhe amostrey a carta de vosa alteza, e lhe dise, que 
se leera elle as cartas que lhe aquele ano vieram? Respomdême que 
aymda as nom tinha lydas; após isto me dise que noso Senhor asemtara 
aquy esle pedaço de terra do malavar debaixo destas serras, e quysera 
que todos fosem gemtios, e vivesem por seus custumes: emtam lhe Res- 
pomdi, que se aquylo era asy, quem trouvera aa terra do malavar o nome 
do noso senhor ihesu christo e a sua cruz e tamtas pavoaçOes de chrís- 
tãos e ygreyjas feitas como as nosas, padecendo elle por nos Reemyr e 
salvar em iherusalem tam lomge da yndia? que bem sabia elle que noso 
senhor por seu poder emviara sam tome apostolo e dicipulo seu a estas 
partes, e convertera muytos gemtios aa sua fee, e jazia soterrado na yn- 
dia: confesoume que era verdade: faleylhe em seus custumes, em que 
viviam tam cheos de erro e de vicios, asy pêra a vida deste mundo e 
comtemtamento dos homens como pêra salvaçam da alma no outro: que 
bem sabia que nom avia homem malavar que soubese qual era seu filho, 
nem seus filhos nom erdavam suas fazemdas; que parecia mays custume 
d alimárias que domens cheos de Rezam e de syso como eles eram. E 
que nom tinham letras, nem fundamento, nem ley, senom que se lava- 
vam como mouros ; e que elle sabia bem que nós tinhamos ley dada por 
deos, falada por sua boca no monte synay, que era muy perto domde 



368 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

nós estávamos: comfesoume que era verdade, e me dise que, fazemdo 
elle tal cousa, a gemte o nam poderia sofrer. Eu lhe Respondi, que mes- 
pamtava delle dizer tal cousa como esa; que bem via elle que contra seus 
custumes era elle Rey de cochim, e comtra seus custumes era obidicido 
e temydo da gemte, e ysto per mandado de vosa alteza, e por voso que- 
rer eslava asentado na cadeira de seu estado, obidicido e temydo dos seus 
e acatado doutros muytos amygos e aliados; asy que quem duvidava, 
sendo elle christãao^ o nam fose mais, e nam tivese mais força, e aynda 
sabendo as gemtes que sua eramça e suas terras aviam de ficar a seus 
filhos? Hl se lhe lembrava a elle que seu tio hia comnosco aa ygreija, 
adorava ao noso deos, tinha acatamento ao noso altar e a cruz, e lhe fa* 
zia sua Reverencia, estando elle hi presemte? dise me que era verdade. 

Depois de pasada muyta prategua sobre este feito, conforme aa carta 
de vosa alteza e a vosos desejos, elle me Respondeo, que esta cousa era 
grande, e era necesario dar lhe lugar que cuydase nyso« porque cousa 
tam nova, que nunca fora cometida senom agora, nom podia logo asy li- 
geiramente dar Razam do que faria. E mais me dise, como nom come- 
tera eu aquylo a elRey de cananor e a elRey de calecut? eu lhe Res- 
pondi, que vos alteza me mandara que a elle falase primeiro, como a pe- 
soa a que tinha mays amor e afeiçam, e depois a elRey de cananor, e 
lhe amostrey a carta ; e no cabo de nosa fala estava já mais brando hum 
pouco, e Recebia mylhor alguas Razões que lhe punha diamte, e a tudo 
me Respondeo, que elle era seruydor de vosa alteza e feitura de vosas 
mãos, que esta cousa era muy grande, que era pêra elle cuydar muyto 
nyso; eu lhe Respondi que era muy bem. 

O que me pareceo dei Rey de cochim em suas Repostas, he o que 
direy a vos alteza: ele anda hum pouco picado desta paz de calecut, muy 
Receoso do outro Rey, porque ora o amyaça que se tornará christão, e 
que lhe emtregarám o seu Reyno, outras vezes lhe diz que alargará parte 
dos direitos e da terra a vosa alteza, e que lhe dará seu Reyno: pare- 
ceo lhe, quando lhe isto cometi, ser cousa fundada sobre este alicece, e 
posto que o eu emtendese muy bem, nom lhe quys eu tirar esa duvida, 
nem lhe toquey nada nese feito, soomemte lhe dise per derradeiro, que 
quando elle nom quysese ser christãtf, que nos deixase cryar o primcipe 
antre nós, e tornar se christão, como vos alteza o desejava e queria: a tudo 
me Respondeo, que queria cuydar nyso. E pois que já agora isto fica 
movido per mandado de vos alteza, sempre me trabaJharey, quando o 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 369 

tempo der lugar, polo mover a ese feito e asy a elRey de cananor: pra- 
zerá a noso senhor que seram tocados da sua graça, e os meterá em ca- 
mynho de sua salvaçam: estes malavares gemte sam que ligeiramente se 
comvertem todos aa fee, e continuadamente se bautizam, e pesoas hom- 
radas e de bem: sprita em cochim a xi de dezembro de 15i4. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque, 

( Sobrescripto) A El Rey noso senhor*. 



CARTA Cl 

1516— Setembro 22 

Senhor. — Pelas naaos do ano pasado tenho dado Rezam a vos al- 
teza da mudamça de meu comselho e determinaçõees, as quaes me fa- 
zem fazer as necesydades da imdia, e outras vezes as nãos da carga, que 
gastano tempo da navegaçam, como já per muitas vezes tenho esprito a 
vos alteza; e pela vemtura quer has vezes noso senhor, que traz ho feito 
da Imdia nas mãaos, mudar vosa determinaçam em outras cousas de mais 
voso serviço e proveito: vy isto que digo, pela minha vimda a vrmuz, 
temdo asemtado e determinado na minha vomtade emtrar outra vez ho 
estreito: vemdo as necesydades do pouco mamtimemto e pouca jemte que 
tinha, determiney vyr a vrmuz, como vos alteza já lá tem visto per cartas 
'minhas, e que crecese mais em fustalha mevda; tudo era com fumda- 
memto de ha leixar em quallquer forteleza que fizese demtro no estreito, 
e asy em vrmuz, omde agora estou. 

E porqe dee a vos alteza huua peqena e breve comta dos mamti- 
memtos com qe party da imdia, eram cimqo mill fardos d arroz e certas 
pipas de mamteiga, hum pouco de bizcoito e bem podre, e huuns poucos 
de caçQees de cananor, e hua bõa soma de vacas de goa; a gemte seria 
mill e quynhemtos purtugueses e seiscemtos malavares archeiros, e alguus 
gorometes, trezemtos galeotes cativos em duas galees e hua galeota, e co* 
remta e oito canarins, homeens cristãaos novos de goa em dous bragam- 
tins, Remeiros, e cimquenta malavares Romeiros dos quatro caturis. Per 

'Torre do Tombo— C. Ghron. P. i.*, Maç. 17, D. 28. 

47 



370 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

esta comta, ajudâmdome noso senhor, podia ter mamtimemto pêra dous 
meses: emtramdo com este prouimemlo ho estreito, pela me vira^ em 
gramde necesidade e afromta, nam tomamdo lugar em que fornecese ar- 
mada de mamtimemtos; e este Receo me fez mudar ho comselho, como 
já dito tenho, porque a vimda durmuz debaixo de voso mamdado e Re- 
jimemto está, e semdo cousa tam primcipall, nam estar já bem atada e 
segura em poder de vqs alteza, parecia mimgua gramde, pois que, graças 
a deos, com este feito acabado nam temos já outra pemdemça na imdia 
senam a do mar Roxo e adem, a que nós nos achegamos muy perto com 
este feito durmuz, que deu gramde credito e comfyamça haas cousas da 
imdia, afora segurai a vos alteza dos imcomviniemtes que vos já lá lenho 
escrito, e o mais que vrmuz per sy pôde dizer e alegar. 

Vrmuz nam levou ho caminho determinado per vos alteza, por al- 
guuas rrezõees, das quaes largamemte darey * per outra a vos alteza, quamdo 
Respomder aos maços das nãos que estano seram na imdia, e isto se as 
cousas durmuz derem lugar que eu toqe as nãos amtes que se elas vam 
pêra eses Reinos, porque bua tam gram presa como temos nas mãaos, 
nam he pêra alargar asy , sen a primeiro segurar em tall maneira, qe nam 
obrigue depois a muito, porque seguro, seguras estam todallas ou- 
tras debaixo de seu mamdo e senhorio, e eu creyo . . . el Rey fi- 
cará seguro e a cidade e todo mais .... seu senhorio e terra, ataa que as 
necesidades em ... me vejo de pouca jemte e outras cousas dem lugar 
a se executar vosa determinaçam : aja o vos alteza asy por muito seu ser- 
viço e cousa muito proueitosa, porque craramemte, senhor, nam se po- 
derá mais fazer pêra vrmuz tomar asemto e asesego, e a jemte e merca- 
dores conhecerem nosa justifícaçam e verdade, e as emtradas e saydas 
das mercadarias navegarem, como agora fazem, debaixo do seguro de 
vos alteza e com fíamça; e este asombramemto dos Rumis m acharem sem- 
pre em corpo jumto, ou algua necesydade que sobreviese a esoutras par- 
tes da imdia, porque vrmuz nam he a fortelezã de cananor e cochim, que 
se ha de guardar com oitemt omeens, mas ha mester peso de jemte, e 
boom comselho que a goueme e tenha a dereito, porque ela pagará tudo, 
e asy como obriga a muito, asy Remde muito, e he bua muy primcipall 
antre todalas da imdia e muy gramde: nam he pouco, senhor, chegar- 

^ Julgamos que por lapso do secretario falta a palavra ventura, devendo ler-se: 
cpela ventura me vira.» 

2 Yé-se que faltou a palavra conta. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 371 

mos nós com hum paao na raãao, e damos vrmuz cemto e vimte mill se- 
rafins em dinheiro com as páreas que nos eram devidas, e com huua 
pouca de mercadaria que trouuemos da imdia, e isto sem mdita fadiga. 

A saída das espiciarias durmuz já lá ho tenho escrito a vos alteza^ 
que he por baçará, fim do mar da pérsia, dezaseis jornadas de damasco; 
outra sayda tem pela persya e per todas esoutras terras e senhorios de 
xeqesmaell até turqia; todalas espiciarias tem aquy bõa valia, e a de ma- 

laca tem aquy mayor que nehíia das outras: tome agora alteza esta 

brebe comta desta materea, porque os tra sam muy gramdes das 

obras da forteleza. . . .gocios do Rey e do Regno e doutras muitas. . . 
tes que sempre sobrevem. 

Minha determinaçam, senhor, he, se as cousas d urmuz me nam obri- 
gam a muito, tocar a imdia todavia, ver vosa determinaçam e recado, e 
ver se me mamdaees jemte e ajuda pêra emtrar ho mar Roxo, e daquy 
durmuz ha minha partida mamdar quatro ou cimqo navios sobre adem 
amdar naquela travesa, e tomar esas naaos dos mouros que diamte de 
mim forem e m aguardarem laa: tocamdo a imdia, nam temdo força pêra 
emtrar o estreito, volverey sobre estes navios com quallquer jemte e na- 
vios que m acertar na imdia, e jumtos todos, virey imvernar a vrmuz, 
porqe da jemte e armada parte dela ha de ficar em vrmuz. 

No feito de cambaya nam he mais passado que ho qe vos alteza já 
lá tem visto: estou nesta amyzade simjela com elRey, tratam lá as vosas 
jemtes, e se lhe acho nãos nos caminhos defesos per vos alteza, levo lhas 
nas mãaos, e com este feito durmuz prazerá noso senhor que lhe nam 
pydirey já forteleza era div, senam qe me dem div com todalas suas Rem- 
das; e nam duuido daremvollo e todo mais qe lhe vos alteza pidir na Ri- 
beira do maar, porque, ter vos alteza vrmuz nas mãaos, e estarmos no 
caminho de sua navegaçam pêra o estreito, e avermolo sempre de fazer 
comtenuadamente, nam tem cambaya nehum Remedeo senam perder se 
de todo, ou se fazer tudo o qe vos alteza reqerer e pidir: alguuas naaos 
de caunbaya partem ao presemte daquy pêra a imdia, e deixam vrmuz de 
feiçam que daram boom desemgano a elRey de cambaya e ao perverso 

de miliqueaz, qe só capa daqela falsa e nosa amizade qe tem com- 

nosco, emcheo darlelharia, e agora adem, porqe bem vem. . .nãos 

e jemte de cambaya que ho rrey e o Reino e cidade está em poder de 
vos alteza, e qe se nam. . .senam o que eu mando e ordeno. 

Depois da partida de meu sobrynho durmuz me pareceo bem prouer 

47* 



372 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

çofala de Roupa de seda, qe lá tem valia, e asy dalgua Roupa de cam- 
baya^ e mercadarias pêra laa, porqe eu sey qe os vosos feitores tem muy 
pouca lembramça deste negocio, e nam por lho eu nam ter muy estreita- 
mente emcarregado e mamdado, senam porqe me nam vêm o Rosto se- 
nam muito poucas vezes. 

Mamdo daquy diogomem, qe conhece a Roupa, com mill curzados 
empregados aquy em vrmuz em Roupa de seda com seus cadilhos d ouro 
e betas douro, como ele sabe qe tem lá sayda em çofala: vay em huua nao 
delRey durmuz a cambaya; leva dous mill serafins pêra s empregarem em 
outra Roupa mais baixa; leva dinheiro pêra sesemta quintaes dalaqeqa, 
e vai se pêra eses Reinos, porqe me pidio hcemça pêra iso, e leva emcar- 
regado toda esta mercadaria pêra çofala, e a emtregar a Louremço mo- 
reno, e dy a tornar a Receber, e a emtregar em moçambiqe aos oficiaees. 

Per dom garcia mamdey á imdia cimqo mill serafins pêra se com- 
prarem em arroz, asy pêra noso mamtimemto e prouimemto d armada, 
se ouuer demtrar ho estreito, como pêra a forteleza durmuz: leva este 

dinheiro hum irmão do feitor emçado per ele e por seu esprivam 

aires de magalhãees, criado de vos alteza. E quamdo de vos alteza nam 
tiver ajuda pêra emtrar ho estreito, emtam virá por mercadaria a vrmuz, 
omde tem muy gramde valia o arroz. 

Todo outro dinheiro se ha de dar em pagamemto do soldo ha jemte, 
mamtimemtos e despesas das obras : no livro das vosas feitorias se verá 
a Receita e despesa dele. 

Depois d estar em vrmuz me vieram novas da imdia, qe todallas cou- 
sas estavam asesegadas, e da vimda do capitam qe estava em malaca, 
espiciarias e mercadarias que de lá vieram de vos alteza e partes, e que 
eram emtrados em goa de nãos durmuz setecemtos cavalos, novas de 
francisco serram, que era vivo e estava em poder das ilhas do cravo, e 
gouernava o Rey e a terra toda, e qe viera á ilha de bamdam falar com 
os navios de vos alteza, e que se tomara outra vez a maluco: estas novas 
nam mas espreveo a qem eu tinha emcarregado ho aviso deste negocio, 
mas veyo per huua carta de goa a diogo fernamdez da guarda Roupa; 
e depois de eu ser chegado a vrmuz, chegaram nove nãos, que carrega- 
ram em goa d açucares, ferro e arroz e Roupa bramca e alguua espicia- 
ria de vosa feitoria, afora duas qe se perderam no maar. E asy mesmo 
mamdey aviso a todalas fortelezas da imdia do que era pasado em vrmuz, 
per três vias. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 373 

Nãos d adem e mercadarias de laa vieram a vnnuz, estamdo eu aqy, 
e lhe dey seguro, e nam lhe fiz nehum mall, por asesegar os mercadores 

e o trato. As novas d adem: que se faz dos Rumis, a qe sempre 

temos qe vem fazem prestes su armada: as nãos qe vieram de laa, 

foy na fim de mayo e emtrada de junho. 

Da ordem que Receberam as cousas durmuz ácerqa do capitam, 
alcaide moor, armada, jemte e artelharia e oficiaees, nam me dam os tra- 
balhos e negócios das obras e cousas que atrás digo, lugar que cuide 
niso; quamdo o fizer, será vos alteza diso avisado; somemte deixo aqy 
por feitor manoell da costa, feitor das presas, que já gora serve seu ofi- 
cio ; esprivãees, manoell de syqeira criado da senhora duqesa vosa irmãa, 
emcarregado per carta de vos alteza, e o outro, diogo damdrade criado 
de vos alteza; almoxarife dos mamtimemtos e almazem, pêro de tauora 
que vinha por almoxarife do almazem de cochim, e nano quys qá mei- 
rynho, hum criado de dom pêro, que vinha ordenado per vos alteza nos 
tempos pasados ; parece me hum pouco doemte pêra tam gramde cidade 
damdar, haa quall nam abastam cimqo meirinhos que agora trago nela: 
o feitor tem de seu ordenado cem mill fs., e os esprivães coremta mill 
cada hum. 

Depois d estar em vrmuz, elRey de Iara me mamdou visitar e ver, 
e me mamdou hum cavallo: Iara está três jornadas durmuz, hua cidade 
grande da pérsia e obidiemte a xeqesmaell; tenho lá mamdado fernam 
martins avamjelho com betilhas e outras mercadaryas de vos alteza pêra 
vemder, e empregar em cavalos e em quallquer outra mercadaria prouei- 
tosa: após este veyo outro misijeiro de mirabuçaca» capitam do xeqes- 
maell, qe está em Rexeer, Ribeira do mar da persya, e me mam- 
dou vallo e esa carta que lá mamdo a vos alteza .... grandes ofe- 

recimemtos pêra ser em todo feito comigo qe m a mim comprise, dizemdo 
qe toda . . . ilhas dese mar da pérsia, lugares e portos que . . . emtregar, 
pagará trebuto^ e será fiell seruidor de vos alteza: he homem muy vizinho 
e muy perto durmuz, domde vem todo trigo, e os mais cavallos qe em- 
tram em vrmuz. 

De babarem e catife e de baçará e das ilhas do cabo do mar da pér- 
sia nam esprevo a vos alteza, porqe nam emtemdy aimda nas mevdezas 
deste feito, somemte que babarem he mayor cousa do que homem cuida, 
e que ha muitas nãos nela que navegam pêra a imdia, e muitos cavalos 
que dy saem pêra laa, e muito aljôfar, leve cousa de levar nas mãaos e 



374 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

segurar, se a noso senhor aprouuer, e o tempo der lugar: tudo senborea 
e governa esta cabeça primcipall durmuz, somemte babarem, qe, morto 
cojatar e elRey ceifadym, vieram os arábigos e a tomaram a ganbar, e 
botaram a jemte delRey que by estava, fora: ba da babarem e calife a 
meqa xbj jornadas de camello, qe be muy piqeno caminbo. E vay hum 
Rio que está hum dia e meyo de caminho avamte de babarem, emtra pela 
terra e vay ter a laça, terra da bamda d arábia, qe vay ter mais perto de 
meqa, domde saem muitos cavallos. Á feitura desta be chegada buua 
gram cafíla da pérsia, traz muita seda e outras muitas mercadarias. 

Do aljôfar qe me vos alteza emcarregou pêra o pomtefícall de nosa 
senhora, se trabalha por saver quamto pôde. 

ElRey durmuz nam ouue nada de vos alteza, somemte buua cadèa 

douro, que teria cemto ta curzados, esmaltada, e tirala do poder 

de. . *amed: be homem mamcebo de dezoito anos barba, nam tem 

filho nem fílha, nem ba by agora, .bua pemdemça na casa durmuz se- 
nam do. . .filhos delRey ceifadym seu Irmãao, que matar. . .e irmãaozi- 
nho delRey, filho de seu pay e dua escrava: ele me veyo ver outra vez 
a minha casa depois de pasado o feito de Rex amed, e me deu hum ca- 
vallo selado e correjido, e hum traçado e buua adaga e bua cimta, tudo 
gomecido douro, e aos capitãees muitas peças de brocado e de seda. 

Eu mamdey fazer na metade da praça hum pilourinbo com suarca 
forrada de chumbo por cirna, com suas pomas e grimpa com as armas de 
vos alteza, e com nove degraos de pedraria: aly mamdo fazer a justiça, e 
elRey nam faz justiça de nehuum homem da terra, sem mo primeiro 
mamdar dizer; as cartas e rrecados de toda parte sempre mamde dar 
comta de tudo: nam tem por agora mais de Irezemtos archeiros per toda 
sua jemte, nam trazem arcos nem frechas, como sempre custumaram, 
nenos am de trazer nunca na cidade. 

Desta uez estaram todolos cavalos da pérsia na mãao de vos alteza, 
e os da terra d arábia qe saem pelos portos delRey durmuz desde ca- 
layate até babarem ; em todolos lugares está ordenado á& nãos qe dos di- 
tos portos sayrem com cavallos, darem fiamça de cem cruzados por cada 
cavallo, de os nam levarem a outro cabo senam a goa. E com este noo 
me parece qe dará já gora elRey de narsymga Ixxx *..... .pellos derei- 

tos de mill mill cavallos já lhe eu emjeiley Tx* que mellemamdou 

1 Oitenta mil. 
^ Sessenta mil. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 375 

prometer â goâ pelos seus embaxadores, como já lá esprito a vos al- 
teza; e quamdo as cousas se meterem em ordem, segumdo a determina- 
çam de vos alteza cada lugar terá hum alcaide voso. 

As cartas de xeq esmaell que vinha pêra vos alteza, e asy a minha, 
por minhas acupações m esqeceram de as emtregar a meu sobrynho dom 
garcia, que pêra eses Reinos se vay, e agora as leva diogomem pêra as 
lhas (sic) emtregar, e as levar a vos alteza: vam os trelados, tirados de 
quá, quamdo lá nam ouuer qenos nam saiba tam bem emtemder. 

Niculao fereira tem soldo delRey durmuz, e eu também lhe dou 
soldo de vos alteza; fez lhe dar a el Rey durmuz jemte da sua capitania; 
dorme demtro nos paços dei Rey: tenho o aly metydo demtro pêra alguuns 
avisos; parece me homem desejador de servir vos alteza, e asy o fará sem- 
pre, e eu lhe faço toda homrra e gasalhado que posso. 

Na imdia, em cochim, deixey ordenado fazerem se duas galees, huua 
do tamanho da de sylvestre corço, pêra eu amdar nella, e outra mais so- 
menos, e outras duas em calecut, as quaes se fazem á custa d uns cha- 
tins dy, mercadores, porque elRey de calecut apertou Rijo comigo, que 
lhe dése licemça pêra mamdar duas nãos adem estano: eu mescusey diso 
por muitas vezes, dizemdolhe qe eu avia lá d ir, e que avia de fazer por 
ese caminho samgue nos mouros e toda guerra; que pêra que mamdava 
ele lá as suas nãos? e mais qe era comtra noso comcerto: quamdo deter- 
miney de vir a vrmuz, emtam fiz da necesidade virtude, e lhe dise que. . 

sem os mercadores delas duas galees gr e que eu lhe deixaria ir as 

naaos: outorgaram. . .isto, o que eu nam cuidey e ficaram as quy. . . . 
armadas já, e duarte barbosa por feitor e negoceamte delas, e hum car- 
pimteiro pêra as fazer com os carpimleiros da terra: se a noso senhor 
aprouuer de as achar acabadas, temos três galees grosas e huua ga- 
leota. 

Eu mamdey sylvestre corço á Imdia com dom garcia pêra as ter apa- 
relhadas e correjidas; leva de Resguardo pêra o feitor de calecut e de co- 
chim dous mill serafins pêra o prouimemto delas, tememdome dos vosos 
ofíciaees, qe sey qe nam am d empenhar a capa por dar aviamemto ho qe 
mamim comprir: silvestre corço e estes comitres e sotacomitres todos sam 
pagos de seu soldo, e trago os muito mimosos; mas sylvestre corço nanos 
pôde sofrer com imveja, nem eles a ele: seria boom escrever lhe vos alteza 
hHua carta, Repremdemdolhe vos alteza este feito, porque, se ele este ca- 
minho leva^ será necesareo mamdall o pêra eses Regnos, amtes que lhe 



376 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



comsemtir tratar tam mall eses estramjeiros: leva também cuidado de va- 
rar a nao belem qe qá ficou, e se ir carregada pêra eses Reinos. 



Capitãees das nãos e navios da Imdia. 



Item — dom garcia. 

Item — pêro d alboquerque, capitam da nao bastiaina. 
Item — lopo vaaz de sampayo da nao samta cruz. 
Item — Vicente dalboquerque da nao em que eu ando. 
Item— Diogo femamdez da nao frol da Rosa. 
Item — . . . .silva da nao bota fogo. 

Item — damdrade da nao emxobregas. 

Item— . . .te de melo da nao madanela. 

Item — . . .isco femamdez do navio garça. 

Item — antonio ferreira do navio samta maria d ajuda. 

Item — fernam gomez de lemos da nao sam tome. 

Item — amtonio Raposo do navio ferros. 

Item — Ruy galvam do Rosairo. 

Item — Jorje de brito da nao samta ofemea. 

Item — jironimo. de sousa da galé sam vicemte. 

Item — sylvestre corço da galé gramde. 

Item — manoell da costa da fusta samta cruz. 

Item — Pêro ferreira, irmãao de duarte de melo, da taforea. 

Item — jam pereira de hua das caravelas que se fez em chavU. 

Item — fernam de Resemde da outra que se fez em chavll. 

Item — francisco pereira, neto de frey payo, da outra que se fez em 

cananor. 
Item — jam gomez da qe se fez em cochim. 
Item — jam de meira da outra que se fez em cochim. 
Itera — Nuno martins Raposo da outra qe se fez em cochim. 
Item — do bragamtim sam pedro hum irmãao de sylvestre corço. 

Destes capitães foy fernam gomez de lemos ao xeqesmaell, e ouue 
a sua naao Ruy galvam, e a de Ruy galvam ouue amtam nogueira, que ha 
muito que . . . serve, e foy cativo por voso serviço em camb .... deixou ho 
navio Rumy de que era capitam, a de brito na imdia. 



378 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

E da Roupa qe vem de malaca de drogoarías pagam de seis hum, 
e das outras cousas, asy como samdalos e outras cousas que de laa vem, 
pagam de dez huum. 

Dos cavalos pagam o dizimo e mais sua corretajem, quando se vem- 
dem, hum serafim. 

Do aljôfar está arremdado, e pagam os arremáfiw/ores cemto e vimte 
lacas, que sam seis mill serafins cadano e mais sua corretajem. 

Ãs moedas durmuz douro prata e cobre diogo homem as leva; e 
nam lavrey moeda em nome de vos alteza, atá se nam comprir vosa de- 
terminaçam, que, prazemdo a deos, será da volta do estreito; e he seis 
serafins, seis meyos serafins douro, seis tamgas de prata, seis çadis de 
prata, seis faluzis e seis dinheiros de cobre. 

Com estas forças e cabeças primcipaees da imdia que vos alteza vay 
ganhamdo aos mouros, esforçaees muito voso feito na imdia e o segu- 
raees, e cada hum per sy paga suas despesas, e pôde ajudar a outras mui- 
tas; e por qué vrmuz, ela pagará as despesas que fizer, e poderá dar pêra 
outras muitas mais de duzemtos mill serafins cadano: e se se cerra bem 
a porta do estreito e adem, vos alteza averá mayores dereitos da sayda das 
espiciarias e mercadarías per vrmuz, do qe o soldam avia no cairo: goa 
pagará suas despesas, e aimda ajudará a outras com alguua parte de di- 
nheiro : malaca ten o bem feito até gora, e acodio com muitas espiciarias 
a cochim, que vos lá sam hidas e vam, sem serem compradas do voso ca- 
bedall ; e sam cabeças primcipaees e chaves da imdia, lugares de fama e 
qe tem nome amtre os mouros e muito istimados deles : calecul cos meyos 
direitos dos seguros das nãos ajudará também a suas despesas, e prazerá 
a noso senhor que, se fizermos asemto em meçuá porto do preste joham, 
que nos ficará a pescaria do aljôfar que está per hy derredor e em da- 
laca e. . .trato do ouro da terra de preste joham, e pouqe pouqw syram 
alivamdo as despesas da imdia e . . . . outros Reinos e senhorios pela vem- 
tura mais Ricos e mais proueitosos que os de lá dessas partes, e já gora 
isto que digo, tem nome e corpo : . . . . s alteza vise a imdia, as fortelezas, 
nãos e . . . ees todo o negocio da maneira que amda a . . ado, e os cterei- 
tos e percalços que cadano se qá daa, e a terra ejemtes que temdes ase- 
nhoreado cora estas três cabeças primcipaees, que estam já em voso poder. 

E se na terra firme vos alteza determina de pôr as mãaos, ho reino 
de cambaya he o primeiro em que avees de começar, asy por ser jemte 
fraca, inda que seja muita, como por ser terra chãa, em que ha jemte 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 379 

pôde trazer carretas com artelbaria, muito abastada de mamtimemtos, e 
o pouo de toda a terra ser toda sem armas e sem nebum aparato de 
guerra, somemle eses tiranos que ha lem asenhoreada^ que amdam com 
seus arrayaees, jemte lijeira de vemcer e de levar nas mãaos; mas este 
feito ha de ser depois do estreylo de meqa ser bem fechado. 

Vrmuz ao presemte fica limpa de todolos Rumis e turcos qe nela 
estavam; e asy fiz lamçar fora toda esa desordem deses mouros cujos e 
mãos: todo modo de tirania he fora lamçado, e se nam busará jamais: 
alguuas cousas a bem destas sam necessareas, asy como os dereitos de 
qe vos alteza tocou em voso Rejimemto e cartas, como doutras cousas ne- 
cesareas e todo bem da terra, pêra ser a mayor cousa de trato destas 
partes: farsa tudo em seu tempo, qe por agora nam me pareceo voso 
serviço bolir com iso. 

A nosa forteleza per aqela parte e cerqo que entra nas casas dei Rey, 
fica lhe o muro sobre o potiso dos ponemtes; e porqe ás vezes as marees 
da^uos vivas sam gramdes, e a porta prímcipall da forteleza está na 
praya, fiz outra porta contra a cidade, e abry as casas velhas dei Rey, e 
iaço hum caminho e servemtia per aly pêra a cidade em tall maneira que, 
afora a nosa forteleza, todo lamço do seu muro que eles tinham da bamda 
do ponemte, fica comnosco e bua porta gramde de sua servemtia que hia 
pêra o mar, e jumto com a porta buas casas muy gramdes e bem obra- 
das que cojatar fez, em que espero dasemtar a vosa feitoria: fica por 
agora de servimtia a elRey huua porta que vay pêra a cidade, e outra 
qe vay pêra o pouso dos levamtes: se o negocio dera lugar que ha poderá 
mamdar pimtada a vos alteza, poderá estas cousas symtir doutra maneira: 
meu custume nam he mamdar pimtados a vos alteza nebuns lugares, nem 
feitos, senam aqueles em que nos dam muitas bombardadas, frechadas e 
cutiladas, e omde sam mall tratado, por tall que me dee vos alteza força 
pêra me tomar a vimgar: esprita em vrmuz a xxij dias de setembro de 
1515. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor*. 



1 Torre do Tombo— G. Chron. P. 1.% Maç. 18, D. 101. 

48« 



380 ' CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



CARTA CIl 

1616— Outubro... 

Senhor. — Dioguo homem seruio quá oâ imdiâ muito tempo vosa al- 
teza, e depois de acabar seu tempo em çofalla veo ter a cochim comiguo. 
Eu o detiue alguns dias, por ter necesiàdiàe de sua pesoa: elle se achoD co- 
miguo no cerquo de benestery e na emtrada do mar rroio e no poor 
das escallas nos muros de hadem : em todas estos empresas deu muy bOa 
comta de sy, como homem de boom esforço que elle he e cavaleiro; 
E também se achou comigo no trabalho do fazer desto /brtelleza dor- 
muz, onde elle per seu cabo ajudou muy bem nos dias que lhe couberam 
de seu trabalho: tenha lho vosa alteza em seruiço, porque he dur^ cousa 
aos cavaleiros e fidalgos, depois de ganharem os Regnos e cidades, mor- 
rerem amasados debaixo da padioUa acarretamdo pedra peras fortelezas, 
como aqui aconteceo a garcia coelho, criado de uosa alteza no fazer desta 
forteleza no dia de seu trabalho: esprita em vrmuz .... d outubro de 1515. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor *. 



CARTA Cffl 



1616— Dezembro 6 



Senhor. — Eu nam espreuo a vos alteza per minha mão, porque, 
quando esta faço, tenho muito grande saluço, que he sinal de morrer: 
eu, senhor, deixo quâ ese filho per minha memoria, a que deixo toda mi- 
nha fazemda, que he asaz de pouca, mas deixo lhe a obrigaçam de todos 
meus seruiços, que he mui grande : as cousas da india ellas falaram por 

1 Torre do Tombo— G. Ghron. P. I.\ Maç. 19, Doe. 26. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 381 

mim e por elle: deixo a india com as principaees cabeças tomadas em 
Yoso poder, sem nela ficar outra pendença senam cerrar se e mui bem a 
porta do estreito; isto he o que me vosa alteza encomendou: eu, senhor, 
vos dey sempre por comselho, pêra segurar de lá india, irdes uos tirando 
de despesas: peço a vos alteza por mercee que se lenbre de tudo isto, e 
que me faça meu filho grande, e lhe dê toda satisfaçam de meu seruiço: 
todas minhas confianças pus nas mãos de vos alteza e da senhora Rainha, 
a elles memcomemdo, que façam minhas cousas grandes, pois acabo em 
cousas de voso seruiço, e por elles vollo tenho merecido; e as minhas ten- 
ças, as quaes comprey pela maior parte, como vosa alteza sabe, bei- 
jar Ih ey as mãos polias em meu filho: esprita no mar a bj dias dezem- 
bro de 1515. 

(Por lettra de Albuguerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A EU Rey noso senhor *. 



CARTA aV 

1618— Dezembro 6 

Senhor. — Despois de me tomarem ho embaxador de preste joham 
e o terem cativo em dabull, como lá tenho esprito a vos alteza, determi- 
ney de ir sobre dabul e pôr lhas mãaos, se mo nam entregase, porque era 
já conhecido e sabido por toda a costa ser embaxador do preste joham e 
enviado a vos alteza; e por ter alguas cousas de despadiar em goa, mam- 
dey garcia de sousa diamte, e com ele pêro da fomseqa, duarte pireira 
num navio e lopo vaaz de sampayo, que se fose lamçar sobre a barra de 
dabull, e hy maguardasem, e após eles mamdey jorje da silveira, pêro 
d alboquerque, dom joão deçaa, e asy mesmo fosem sorjir sobre a barra 
de dabull; e surto garcia de sousa e esoutros navios que chegaram dyamte, 
dabull lhe mamdou alguns Recados e alguns presemtes, dyzemdo que qe- 
rya pazes comnosco e pagar páreas: garcia de sousa lhe respomdeo ho 
que levava por minha estruçam, em que lhe mamdey que pedise certos 

1 Torre do Tomlic-Gav. IB, Maç. 17, N.* 33. 



382 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

homeens e cartas que me mamdava miliquiaz, nam lhe nomeando ho em- 
baxador de preste joam: nesta pratica que asy tiveram, lhe mamdaram 
arrefeens, que mamdase hum homem em terra; e eu tinha mamdado com 
garcia de sousa hum homem cativo em cambaya, que me elRey de cam- 
baya mamdou, e estevam de freitas, e vieram de dyv em companhia do 
enibaxador até chavU, como já em outras cartas tenho dado comta; e gar- 
cia de sousa mamdou ese homem, que lá vay com ho embaxador em terra, 
e conheceo ho embaxador e pidioo logo ao capitam de dabuU: ho capi- 
tam pregumtou logo ao embaxador: que homem és tu e domde veens, que 
te os cristãos pedem? Respomdeo ho embaxador, nam memtregues, por- 
que os cristãos nam me pedem senam pêra me matar, pêra mais desimu- 
laçam, e tinha a vera cruz soterrada e escomdida, porque todo ali lhe ti- 
nham tomado. 

Ho capitam de dabuU ho soltou logo das prisõees e o mamdou a gar- 
cia de sousa, pedimdolhe seguro: garcia de sousa lho deo ataa ver minha 
determinaçam, e nas páreas nam falou, nem lhas aceytou, nem lhe mam- 
dou nehua Reposta, porque eles fizeram logo prestes dous turcos pêra vi- 
rem a goa falar nas pazes por mamdado do çabayo, e tornaram todo ho 
dinheiro, cartas e cousas que ho embaxador trazia, sem lhe falecer bua 
agulheta: tamto que ho embaxador foy nas nãos com todo seu fato asy 
como ho cativaram, partio logo pêro da fomseqa com ele e com os misijei- 
ros do çabayo caminho de goa e cartas do capitam de dabuU. Recebemos 
ho embaxador com persiçam, e viemos atá igreja com ele, e aly pregou 
hum frade pregador, e nos amostraram a vera cruz e nola deram a beijar 
a todos, e tocamos muytas Joyas nela ; e acabado aquilo, fuy com ho em- 
baxador á sua pousada, omde ho mamdey muy bem agasalhar e servir, 
e Ibe dey duas espravas moças de sua terra pêra serviço seu e de sua mo- 
Iher, e lhe dey dous moços de sua terra que sabiam já falar nosa limgua- 
jem, e lhe dey vestidos pêra ele e pêra sua molher de brocados e panos 
de seda de quaa da imdia, beírames e betilhas, e lhe mamdey dar alguns 
portugueses e curzados, e porque nam eram muytos, mostrey que lhos 
mamdava por mostra da moeda de vos alteza: todo o outro prazer, gasa- 
Ihado e boom trato que lhe pude fazer, ho fiz, como embaxador de tam 
gram saihor: garcia de sousa com eses capitãees que com ele hy eram, 
negocearam este feito muy bem com toda desimulaçam e aviso que de mim 
levavam, e noso senhor, que afauorece vosas cousas em gram maneira, 
Ihaprouue de me fazer esta mercee» que cobrase este homem, que tam 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 383 

atroada fica a imdia com sua hida e embaxada a vos alteza: ho mais que 
pasou em seu cativeiro ele ho comtará a vos alteza. 

Creo, senhor, segumdo a mesajem do çabayo, que ele deseja em 
gram maneira ha paz com vos alteza e estar a voso serviço, e por segurar 
dabull e samguiçar, que já nam tem outros portos na Ribeira do mar, 
todavia nos dará as terras de goa, ou ao menos cem mill oras d ouro nas 
milhores terras que goa tem : isto he ho que me parece : estamos agora 
em paz, e os mercadores da terra e mamtimemtos, mercadarias e jemte, 
vay e vem á ilha como soya; a torre de benastary está já no primeiro so- 
brado, muy forte, e obra que tomas fernamdez faz muy fermosa de cam- 
taria e call: feita a torre, lhe faram sua barbacaa de rredor, e fica lhe ho 
poço demtro, e o paso de benastary seguro ; e com ajuda de noso senhor 
a mim me parece que deste feito goa tomará asemto proueitoso ás cousas 
de voso serviço, e segurará pêra sempre, porque em todas as quatro pa- 
sajeens da ilha faço quatro torres, que estaram asy vejiadas por dez ho- 
meens em cada bua, pêra quamdo hy ouuer necesidade porem jemte ne- 
las, aimda que me parece que nam ousaram nunca d emtrar a ilha jamais, 
porque deste feito de benastary ficaram os turcos muy asombrados; e 
mais, senhor, seguro ho paso de benastary, nam entrará jemte na ilha 
que se nam perca, porque nam tem lugar em que se façam fortes e por 
omde metam prouimento na ilha, que lho nam tolham dous batees. 

Meu sobrynho dom garcia ao presemte he em cochim dar gram presa 
a se correjerem esa nao sam pedro e esoutros navios que m espedaçaram 
e desaparelharam em benastarym artelharia dos turcos, pêra irmos omde 

vos alteza deseja, ajudamdonos noso senhor: esp xbj dias de 

dezembro de 1512. 

Este embaxador que lá vay, he homem avisado, irmãao do patryar- 
qua que os abexis tem no cairo : diz que sua molher he paremta do preste 
joham, e ese moço irmão dela. 

Este moço he paremte dei Rey d abexia, e he embaxador como estou- 
tro, porque he seu cryado, e este embaxador diz ele que vem com o selo 
destroutro, porque he imda moço, e que elRey mamda este moço como 
cousa de sua casa e sua feitura: ambos devem de ter bua iguall omrra 
amte vos alteza, e o moço e sua molher muyto estimados por serem pa- 
remtes do Rey: diz que as cartas que nam sabe em que letra vem, por- 
que elRey e seu irmão as espreveram sem lhe darem nehua comta do 
que vem nas cartas: foy cativo em zeila e roubado; foy cativo em dabull. 



384 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Diz também que elRey lhe mâmdou que nam descubryse sua vinda quá 
aos Dosos crístãaos que lá estam, porque nam fose sabido sua vinda dos 
mouros, polo nam torvarem ou matarem, porque, se vos alteza vise ho 
que vay na imdia depois que souberam que este era embaixador do preste 
joham, parecer Ih ia prenostica dalgtla mudamça gramde; tam asombrada 
está a jemte da imdia: prazerá a noso senhor que será começo da des- 
truyçam da casa de meqa, que ma mym parece muy piqeno feito d aca- 
bar, porque he terra muyto fraca, sem jemte d armas; os alarves vivem muy 
lomje ; na cidade de meqa nam ha senam jemte de comtas de rrezar na 
mãao, e alienados sem nehua arma: em judá averá hy cemto e cimquenta 
mamalucos que ha senhoream e colhem eses direitos: diz que morreo lá 
ho valemceano que foy de quaa da imdia, que vos alteza tomou lá a mam- 
dar: diseme que se fose a dacanam, que elRey me viria aly ver, tamto 
deseja e precura a destruiçam dos mouros, e tamto folga de ver cristãos 
desas partes: he homem moço, chama se davy; ha pouco que he casado, 
e sua mãy ilena dá Rezam das minas do ouro, e domde vem a çuaquem, 
e domde veno ouro a çofala: diz que nam emtraram jumtos os dous ho- 
meens que trystam da cunha mamdou, e eu lamcey no cabo de garda- 
fum; diz que joham gomez foy co mouro, e ho outro foy per sy; e asy 
dizem estes dous judeos que quaa trago, que em çuaquem toparam joham 
gomez CO mouro. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afonso dalboquerque. 

(Sobrescripto) A EURey noso senhor. 

(In dorso, por lettra coeva) dafonso dalboquerque sobre ho embai- 
xador do preste Joham. 

Vieram todas na nao de bernaldim freire ^ 



X 



^ Torre do Tombo— Gav. 15» Maç. 19, N."" 23. Por circumstancia imprevista dei- 
tou esta carta de ser collocada entre as de 1512. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 385 



CARTA CV 



Senhor. — Voss alteza deu tam pequeno ssoldo a rniy gomçaluez e 
a joham íidalguo que he hílua pyadade de ver, porque os gastos da imdia 
sam muy grandes: sse lhe vosa alteza ordenase alguuas quymtaladas, nam 
seria^ senam muyto voso sseruiço, porque elles o merecem, e sam dous 
homes muy necesareos pêra mim e pêra cousas de voso seruiço, e ssam 
cavaleu^os e de seu oficio muy bons oficiaes, porque eu os vy pegar a sua 
jemte e as ssuas bamdeiras nos muros de benastarjm e nos muros d adem, 
e as ssuas escadas com as prymeiras postas no muro: vejo aos mouros 
da imdia ter gramde acatamento á jemte da ordenamça, e parece me que 
nehua jemte desta terra ousará de rromper trezemtos ou quatrocemtos 
omees ordenados; afora isto, senhor, eu me esforço, com ajuda de noso 
senhor, se quatrocemtos omes da ordenamça trouuer na imdia, que numqa 
seja desbaratado em nehum feito; poderá ser que esa jemte solta que 
ás vezes viram acotilados e feridos buscar a minha bandeira, mas que 
meus immigos me ponham em fugida eu o dovidaria, se quatrocemtos 
homes tiuer bem ordenados em campo, e que em quallquer afromta sem- 
pre os ymiguos nos deixaram vir embarquar á nosa vomtade. 

Verdade está, senhor, que eles sam quá bem emvejados e comtra- 
riados, porque os tenho eu quá naquela istima e comta que mos vossa 
alteza mamdou, e os capitãees nom podem sofrer ver lhe tamta jemte de 
capitania; e quamdo vem a lhe emtregarem sua jemte, que está Repar- 
tida pelas nãos, sempre vem mall tratada dos capitãees, seus piques que- 
brados, suas armas mall aparelhadas e cujas: agora queria ver se lhe 
pudia dar nãos em que trouxesem sua jemte apartada e ordenada: peço 
a voss alteza por mercê que afauoreça de lá este feito com piques e boas 
armas, e alguns homees que os ajudem e amdem á sua ordenamça, por- 
que a meu ver, se trazemos jemte em ordem e artelharia co eles, acaba- 
remos ás vezes onrrados feitos com pouqua jemte. 

Parece me, senhor, voso seruiço fazerdes lhe mercê dos quintaes que 
os outros capitãees tem, e serem de lá afauorecidos cotn cartasse mercês, 

49 



386 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

porque eu os tenho quá em gramde istimai e ornes pêra acabarem quall- 
quer feito em que poserem as mãos. 

(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa allteza 

Afomso d alboquerque. 

(Sobrescripto) A El Rey noso senhor. 

(In dorso por lettra coeva) Dafonso dalboquerque — sobre Ruy gon- 
çalvez e joão fidalgo que diz tem pouco e que seruem muito e sam enveja- 
dos de quam bem o fazem — que devem aver as quintaladas dos outros 
capitães ^ 

CARTA CVl 



• • • • # 



Senhor. — Per outra carta esprevo a vosa alteza como as nãos que 
hiam pêra judaa e mequa arribaram a esta costa com temporalli e asy vos 
espreui os portos homde jaziam metidas, e a maneira que tiue, vimdo do 
mar rroio, pêra as aver; e já tenho dado conta como me emtregaram 
huua no porto de damda com toda sua especearia e artelharia: as duas 
que estavam em dabull, o çabayo me espreueo sobre ellas, pedimdo me 
que lhas allargasse, e posto que elle precura muito por minha amizade, 
eu lho nam quis fifazer, porque me nam pareceo voso seruiço: tomou me 
outra vez espreuer, dizemdo que era direito seu, que viera â costa, e em- 
traram com fortuna em seu porto: eu lhe Respomdi, que se as nãos vie- 
ram á costa, que era mui bem o que dezia, mas que emtraram seu porto 
com mercadarias, como fazem todallas outras nãos; que os direitos bem 
os podya levar, se quisese, mas que as nãos e especearia eram de nossos 
imigos; e pois elle desejaua nossa amizade, nam devia de Receber nossos 
imigos em seu porto : tornou me outra vez a espreuer sobre elles^ que lhe 
fízese algum partido, e entam me comcertei com os mercadores nesta ma- 
neira: deram me ametade da especearia e a outra metade lhe pagase per 
mercadarias; e estando asy lopo vaz e vicente dalboquerque com elle na 
bastiaina de seu primo pêro d alboquerque, veyo ter com elles htlua nao 
de magadaxo, e a nao, como os vio, emcalhou, e ouueram toda a merca- 

» 

^ Torre do Tombo— Cartas do3 nce-reís da índia, ete. Maço onioo, N."" 79* 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 387 

daria dela, porque vinha carregada de marfim e cera: llopo vaz pagou a 
outra metade da especearia aos mouros per marfim da nao que se tomou, 
e á feitura chega a bastiayna com parte da especearia; e a outra nao so- 
bre' que estaa antonio nogueira, emtregam lhe também ametade da es- 
pecearia, e está tomamdo carga: fiz lhe este partido, porque he porto tam- 
bém do çabayo: ha de batecalla memtregaram toda; dei parte dela a 
elRei de calecut, que me dise que era sua, e asy lhe dey a de mamgal- 
lor, a qual especearia se veyo toda descarregar em calecut: em muita es- 
tima deve vosa alteza de ter emtregarem vos as nãos dos mercadores do 
cairo os Reys e senhores da Imdia, que he sinal dobidiemcia, e aimda lhe 
podemos chamar sojeiçam : fiz este partido nestas nãos de dabuU a rogo do 
çabayo, e porque* me parece que nos ha de ffazer qualquer boom partido. 
(Por lettra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alleza 

Afomso dalboquerque*. 



CARTA CVn 

Carta dafonso ddbuquerque, capitão e guouemador da Índia 
ao xeque Ismael^ Rei das carapuças Roxas. 

Muito grande e poderoso senhor antre os mouros xeque Ismael. 
Afonso dalbuquerque, capitão moor e guovemador das índias pello mui 
alto e muito poderoso Rei dom manuel, Rei de portugual e dos alguarnes 
d aquém e d alem mar em africa, senhor de guinee e da comquista e da 
naveguação e comercio de ethiopia, arábia, pérsia e da índia e do Reino 
e senhorio de hurmuz e do Reino e senhorio de guoa, vos faço saber como 
guanhando eu ha cidade e Reino de guoa, achei nella vosso embaixador, 
ao qual fiz muita homrra e tratei como embaixador de tam gram Rei e 
senhor, e olhei todas suas cousas, como se elle fora emviado a estas par- 
tes por elRei nosso senhor: e porque eu sei certo que elRei nosso senhor 
folgará de ter conhecimento, amizade e prestança comvosco^ vos emvio 
este messageiro per nome femam guomez de lemos, homem fidalguo, 
criado dei Rei nosso senhor, homem emsinado na guerra e criado nas ar- 
mas de nosso custume, o qual creo que uos dará bõa Rezão de todalas 

1 Torre do Tombo— Cartas dos vice-reis da índia, etc. Maço unico, N.* 186. 

49^ 



388 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

cousas dâ guerra da nossa vsamça, das armas e caualos dos dei Rei nosso 
senhor, das suas comquistas e da terra que tem guanhada aos mouros, 
da Riqueza e abastança de seus Reinos, de quam poderoso he no mar e 
na terra, e de suas armadas como cerquam os mares da índia e de costan- 
tinopla e o mar mayor que confina com vossos Reinos e senhorios, onde 
se sempre acharam nãos do Reino de portugual, que elRei nosso senhor 
lá manda cad ano : bem sabeis como guanhei ha cidade e Reino de hur- 
muz por mandado dei Rei nosso senhor, e dali me trabalhei de ter co- 
nhecimento de vosso estado, poder e mando, e vos quisera mandar mes- 
sageiros, se as cousas de hurmuz se nam danaram, as quaes espero em 
deos que cedo tomarão assemto, porque espero de ir laa em pessoa, e dy 
me trabalharei por me ver.comuosco na Ribeira do mar e portos de vos- 
sos Reinos; porque o poder que traguo de nãos e gente dei Rei nosso se- 
nhor he no mar pêra destruir e lamçár fora as nãos do soldão que na ín- 
dia emtrarem e quiserem nella tomar assento; o qual feito com ajuda de 
deos temos acabado, porque o seu capitam e armada foi desbaratado em 
dyo, e tomaram lhe todas as nãos e mataram toda sua gemte e depois na 
cidade de guoa os desbaratei e lamcei fora e guanhei ha cidade e toda sua 
armada, como vos dirá vosso embaixador : e porque eu tenho sabido que 
elle he vosso imiguo e vos faz guerra, uos mando esta noua, e vos offe- 
reço contra elle minha pessoa e armada dei Rei nosso senhor pêra ho aju- 
dar a destruyr e ser contra elle cada vez que me pêra isso requererdes ; 
porque posto que a grandeza de vossos Reinos, Riqueza e abastança de 
jente, caualos e armas tenhaes, o soldam tem ho mar Roxo desta banda 
da índia, e da banda do mar de leuante tem alexandrya e ho mar delia 
omde faz nãos; e querendo o vós destruir per terra, podereis ter dei Rei 
nosso senhor grande ajuda d armada per mar, e creo que com mui pouco 
trabalho senhoreareis seu Reino e cidade do cayro e toda sua terra e se- 
nhorio: e assi uos pôde elRei nosso senhor dar grande ajuda per mar 
contra o turco, de maneira que com muito trabalho se poderia defender, 
e sendo conquistado dei Rei noso senhor per mar e de vós per terra com 
uossa jente de cauallo e grande poder, pois confinaes com elle e tendes 
guerra com suas jentes e terras: no mar da índia traz elRei nosso senhor 
grandes armadas com que uos pode ajudar pello estreito de meça atee 
soyça ^ e o toro que he mui perto do cairo : assi que amizade e prestança 

^ Assim está do códice donde copiámos esta carta, mas entendemos que se deve 
lôr stiez. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 389 

de hum tam gram Rei como el Rei nosso senhor per mar e per terra deueis 
de querer aver e lhe emviar uossos embaixadores, e podem hir per Con- 
stantinopla ou per hurmuz e seram bem Recebidos ; e folguará el Rei nosso 
senhor de saber atee omde se estendem vossos Reinos e senhorios: e se 
deos ordenar que este concerto e amizade se faça, vindo vós com uosso 
poder sobre a cidade do cairo e terras do grão soldão que confinam com- 
vosco, elRei nosso senhor com todo seu poder passará em Iherusalem e 
lhe guanhará toda ha terra daquella banda, e de necessidade perderaa o 
soldão seu estado: comvem pêra isto serem messageiros vossos com vossa 
vontade e determinaçam emviados do que neste neguocio quereis, e per 
elles avereis Reposta dei Rei nosso senhor do que assi neste feito quererá 
fazer. E emtanto seja eu avisado do que quereis que faça, ou em que parte 
pode a armada dei Rei nosso senhor arribar que faça mayor nojo e damno 
aa terra do soldão \ 



O Regimento que deu a femam guomez de lemos e a gU simoens 

que mandou ao xeque hmml. 

Esta he a maneira e Regimento que vós fernam guomez de lemos te- 
reis em vossa ida e vinda e estando onde uos ora mando por seruiço de 
deos e dei Rei nosso senhor, e vós gil simões por escriuão da embaixada, 
o seguimte: 

Item. Vossa ida será per qualquer modo e maneira que poderdes di- 
reitamente omde €stever o xeque Ismael, ao qual com toda Reuerencia e 
acatamento lhe fareis aquella Reuerencia que a huum tam gram Rei he 
díuida. 

Chegando uós a hurmuz. Requerereis coje atar ^ que vos mande dar 
quatro emcavalguaduras pêra vossas pessoas e dos que uão comvosco e 
ho mais que per minhas cartas leuais pêra vossa despesa e despacho de 
vossa viajem. 

Item em vosso caminho que fizerdes, estareis sempre aa ordenança, 
conselho e determinação de braim benatee seu embaixador, nam com- 
prando nada sem elle e sua licença, nem o provimento pêra vossas neces- 

^ Bibl. Nac. de Lisboa. — Códice n.® 475, de Alcobaça, foi. 170. Tem por titulo: 
Collecção de cartas e papeis curiosos , e é escripto em papel com letra do fim do século xvi. 
^ No Códice d'onde copiamos lé-se aojeatar, o que é visivelmente erro de copia. 



390 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

sidades, nem vos apartareis delle a hir ver cidade, praças, lugaares, Ricas 
festas, Joguos, nem outro caminho senam ho que elle fizer, tudo seja per 
sua ordenança; porque bem sabeis como os mouros naturalmente dese- 
jam de nos fazer todo dampno que podem. 

Direis a xeque Ismael de minha parte que eu ho mando visitar pella 
grandeza de sua fama, senhorio e esforço e toda bondade e grandeza que 
ha d aver em huum princepe, e porque aguasalha os christâos e os homrra 
e fauorece. 

Item lhe direis como elRei nosso senhor folguaria de ter conheci- 
mento e amizade com elle, e que ho ajudará contra a guerra do soldão e 
destruição sua : e que eu em seu nome e de sua parte lhe ofereço armada, 
gentes e artelharia que traguo, e as fortalezes, loguares e senhorios que 
tem na índia. 

Item sabereis dos christâos daquellas partes se tem oratório de nossa 
fee e crem verdadeiramente que nosso senhor naceo de nossa senhora 
maria virgem, morreo e padeceo em cruz por nos saluar e resurgyo ao 
terceiro dia. 

Item mais vereis se alguns destes christâos, sendo deferentes algua 
cousa da fee de nós, os podeis trazer comuosco ou ordenardes como vão 
a Roma, ainda que melhor seria ir por via de portuguall. 

Item vereis suas Igrejas, ornamentos e altares delias, imageens de 
santos e se tem nosso senhor na cruz e ha imagem de nossa senhora; e 
assi os deriguos e frades, e ho modo de seu viuer e trajos; e assi dal- 
guns corpos de samtos, mártires, apóstolos, se jazem seus corpos nessas 
partes. 

Item vos mando que leaes a meude ambos este Regimento e vos con- 
formes ambos e bem assi ha limguoa, por tal que nam aja deferença nas 
cousas, e quando alguas cousas contardes das que vos pergumtarem, sa- 
beyas dizer sem vos desdizerdes, que vos achem em toda verdade ^ 



1 Bibl. Nac. de Lisboa.— Citado Códice n."* 475, de Alcobaça, foi. 171. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 391 



Do caminho gue fizeram e ho que fizeram os embaixadores 
que foram ao xeque Ismael e o presente que lhe leuaram. 

Era de mil e quinhentos e quimze estando jaa afonso dalbuquerque 
em a cidade de hurmuz, que já tornara a comquistar, e sendo Recebido 
com muita cerimonia e festa huum embaixador do xeque Ismael), que a 
elle com grandes presentes emviou, mandou ao dito xeque Ismael outros 
embaixadores com seus presentes, que era o dito femam guomez de lemos 
e gil simões, moço da camará dei Rey, por escríuão da embaixada com ou- 
tras pessoas homrradas atee xb pessoas \ e com seu Regimento, como vis- 
tes, em caso que elle foi feito pêra outras duas pessoas, as quaes ambas 
faleceram em hurmuz e por isso não se cumpryo, e foi dado a fernam guo- 
mez de lemos com a carta que vistes ; e todos em companhia de braym 
benatee, capitão da cidade de dragel, partiram durmuz hum sábado á tarde 
cinco dias de mayo do dito anno ' e leuaram aio xeque este presente que 
se segue: 

Item primeiramente dous tiros de metal com sua poluora e seus apa- 
relhos, a saber, huum falcão e hum berço. 

Item seis espinguardas com sua poluora e aparelhos. 

Item buas armas bramcas do pee atee cabeça com sua fralda de malha. 

Item dous corpos de couraças postos em veludo cremesim com suas 
escarcelas â Redonda. 

Item bua espada guarnecida de ouro, punho e bocal e conteira, bay- 
nba de veludo preto com huns botões de fio d ouro e emxarrafas de Re- 
troz verde e suas cintas guarnecidas douro. 

Item huum punhal guarnecido douro, punho, bocal e conteira, e 
anilado, com hua archama (sic) d ouro. 

Item quatro beestas com seus atauios e almazem e cordas de sobre- 
salemte. 

Item duas lamças com aluados e contos ferradas douro abatido. 

^ Qainze pessoas. 

2 Os Commentarios de Albuquerque, assígnam a data de 10 de agosto de 1K15 (PaPt, iv, 
cap. XL, in fin,) e Gaspar Correia parece dar a entender qae a partida foi em junho (vid. 
l^enda$ da hdia, tom. ii, pag. 442). 



392 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

Item bua carapuça de veludo preto da feição das do xeque Ismael» 
guarnecida douro com cento e oitemta e huum Robys. 

Item duas manilhas douro, hua muito grande e outra mais pequena: 
a grande com hum Roby muito grande e seis pequenos e vinte e noue 
dyamães, e a pequena com huum olho de guato grande e dous Robys 
meãos e vinte e três Robys pequenos d arredor delia e sessenta e dous 
diamães pequenos com três esmeraldas e bj pequenas *• 

Item quatro anees douro anilados, os três delles com três Robys 
grandes em perfeiçam, e outro com hua çafira é xxbij Robys ^ ao Redor. 

Item hua joya de pescoço com hum Roby grande no meyo da sorte 
dos anees e três Robys meãos e xx pequenos com duas turquesas e três 
perlas da feição de perilha na joya e huua muito gramde. 

Item hua pêra d âmbar com cem Robys e sessemta diamães peque- 
nos com hua cadêa douro darelhana. 

Item cimquo portugueses e b cruzados^ douro, e b católicos douro 
de moeda de malaqua de mil e R R*. cada huum ^, e b manoees d ouro 
da moeda de guoa de iij*" R. rs ^. e b tostoens. 

Item XXX quimtaees de pimenta, xx quintaes de gingiure, x quintaes 
de crauo, b quintaes de canela, xx quintaes daçuquar, hum quintal de 
cardamomo, x quintaes d estanho, x quintaes de cobre, duas farculas^ de 
beijoy, bj peças ^ de beatilhas. 

Ao domingo pella menhãa cheguaram ao porto de bandar, que estaa 
na terra firme três leguoas de hurmuz, omde avia hum logar de cem ve- 
zinhos e sua mezquita. E ali veo ter com elles abraym beça, capitão daquella 
terra pello xeque Ismael, que lhes tinha já prestes R camelos ^ pêra as 
carguas, de que paguaram loguo damte mão c. xxxb serafins e meio ^ de 
hurmuz, que vai cada hum da moeda do xeque três pães (sic) e meio por 
sarafim, as quaes carguas se obriguaram os almocreues de as poer em dra- 
gell, terra do dito abraym beça. 

* Seis pequenas. ^ 

* Vinte e sete robins. 
3 Cinco cruzados. 

^ Mil e quarenta réis cada um. 

5 Tresentos e quarenta réis. 

^ Parece-nos que se deveria lôr faraçolas em logar de farctdas, 

'^ Seis peças. 

* Quarenta camellos. 

' Cento e trinta e cinco xerafins e meio. 



CARTAS DE AFFONSO DÊ ALBUQUERQUE 393 

Partiram de bandar a xj de mayo á tarde e andaram toda Doite 
quatro leguoas, e em amanhecendo se foram alojar em hua Ribeira muito 
bSa e gramde sem pouoação, bõa terra e caminho. 

Ao outro dia seguiram seu caminho ás vezes boom, e outras mao e 
sem dp:uoa: a ib de mayo' choguaram a huum hibeiro que nacia dhi mea 
leguoa; e a loguares per caso das sobidas vinha aguoa per canos de paao: 
aqui avia huua casa de huum laurador, que hi uiuia com sua molher e fi- 
lhos e tinha grandes lauoiras de triguo, milho e cominhos. 

A ibj de mayo ' partiram, e tendo andadas três leguoas donde par* 
tiram, duas oras da noite emcontraram os frecheiros de pee que hiam em 
busca de braym beça, os quaes lhe manrlaua mizapiabudarra, Irmão da 
molher dei Rei durmuz, senhor de franguo longuo, porque ouvio dizer que 
se juntaua certa jemte, irmãos e parentes de certos ladrões que o dito 
abraym beça mandou emforcar, pêra ho irem malar ao caminho; e dali 
por diamte se vigiaram mui bem e seguiram seu caminho per amtre ser- 
ras estreito e áspero com temor de ladrões, que sam ali muitos: e saydos 
das s^ras emtraram em hum campo grande onde avia huum Rio de moen- 
das, e loguo dhy hua leguoa hua aldeã de L^ vezinhos ^ de muitas lauou- 
ras de triguo, ceuada e milho e ortas com muitas amores de fruto. 

Partiram dali, e foram ter a outro luguar grande, onde o senhor delle 
per nome mirgeladim lhes fez muita homrra, e os aguasalhou e deu de 
comer e mantimento pêra dous dias : será homem de Ix anos ^ bem des- 
posto, tem três filhos homens; e o luguar ha nome taurom, cerquado de 
muro com seus cubelos e caua ; dentro da cerqua averaa iij^ vezinhos ' e 
de fora ij^: as casas de taipa e adobes e terradas; aguoa lhe vai de lomge 
per canos; luguar viçoso de muito pão e fruitas, ortas, vinhas e tâmaras e 
muitas moendas debaixo do chão por caso das aguoas que nam tem queda. 

Ao sábado xix dias de mayo partiram de taurom seguindo seu ca- 
minho: ao dominguo cheguaram a porção, loguar de braym beça, e foram 
apousentados em hum seu laramjal grande que tinha duas borrachas de 
casas e hua grande vinha e tâmaras e outras frutas e grande criação de 
caualos e guado; será de R.^ uezinhos ^ e derredor deste muitos loguares 

' Quinze de maio. 

* Dezeseis de maio. 

' Cíncoenta vizinhos. 

^ Sessenta annos. 

^ Tresenios vizinhos^ e de fora duzentos. 

* Quarenta vizinhos. 

90 



394 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

seus mâyores que este: ali estiueram atee a terça feira que partiram e 
cheguaram a outro loguar de braym beça de iij® vezinhos ^ com muitas al- 
deãs d arredor e gente de pee e de caualo, que os vieram receber atee ij* 
de caualo' que trazia comsiguo: dali foram a hum loguar também seu, 
muito perto de mil e quinlientos vezinhos pouco mais ou menos, e foi jaa 
muito grande: diz que Renderá com suas terras cem mil cruzados, ame- 
tade pêra elle, a outra pêra o xeque Ismael ; terra muito singular de grande 
criação e pomares: nelle estiueram per dias, porque adoeceo o embai- 
xador. 

A b de Junho ^ partiram e foram donvir duas leguoas dhy, e ao ou- 
tro dia amdaram oito leguoas e ao outro amdaram seis, e cheguaram a 
hum luguar grande per nome paca, de muitas sementeiras; e seguindo 
seu caminho per estes luguares cheguaram a hum campo de hum Rio 
daguoa salguada, omde estaua a molher de braym beça: o Rio era de duas 
leguoas em larguo: a molher do braym beça os Recebeo mui bem: aqui 
estiueram alguuns dias em tendas e lhes morreo hum christão de febres, 
e eram sessenta e duas tendas do dito braym: neste campo estauam os 
caualos do xeque Ismael só poder de braym em guarda; de noite paciam 
e os recolhiam aas tendas: aqui expedio o nossa embaixador os camellos 
e tomaram outros ^. 



^ Tresentos vizinhos. 

^ Duzentos de cavallo. 

^ O 6, significando 5, e o algarismo 6 confundem-se muitas vezes de tal modo que 
é quasi impossível distinguil-os; foi o que nos succedeu no presente caso. Decidimo-nos 
comtudo pelo (, isto é, 6, por vermos n*este diário usada unicamente a numeração ro- 
mano-lusítana. 

^ Depois d*este § acham-se pela mesma tinta e lettra as duas seguintes linhas que 
estão riscadas: cNam se achou escrito mais desta viajem e Recado omdeo sobredito es- 
taua e por isso se nam escreueo mais.»—- Bibliotbeca Nacional de Lisboa* citado Có- 
dice de Alcobaça n.* 476^ foi. 171 v. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 395 



CARTA CVni 



Carta dafonso dalbuquerque guovernador da índia a duarte guduão. 

Em tempo estamos que por nossos pecados Reina mais a imreja 
amtre os portugueses e desejos de destroirmos huns aos outros e damni- 
ficarmos e Roermos as homrras alheas, que obrarmos neste feito ho que 
nossos avoos sempre fizeram : sohya nos tempos passados antre os portu- 
gueses de serem louuados diamte da pessoa de nosso Rey os seruiços e 
feitos homrrados que lhe os caualeiros faziam, e nam lhe estranhauam nem 
lhe hiam á mão, querendo lhe elle agualardoar os grandes feitos que os 
homens cometiam, e punham sua vida a todo periguo por acrecentamento 
e estima de sua pessoa e fama; e como aguora fazem, nam creo eu que o 
conde nunalurez neste tempo posera sua casa no estado em que ha elle 
leixou, nem consentira a emveja dos portugueses começar se nelle nouo 
linhagem, por mais honrrados feitos que acabara: e portamto, senhor, nam 
m espanto aver muitos juyzos e dizeres que a índia era já perdida, por- 
que a estes taes nam lhe minguariam Rezões afiguradas pêra isso poder 
ser: e o que me v. m. escreue em sua carta, dezer sempre a elRei ho con- 
trairo e vol o parecer assi, avendo as cousas de quâ por fora do nosso po- 
der e saber, e poder da mão de deus mais que nossas, diguo, senhor, que 
nam tenho eu o mundo por tam perdido que ainda hi nam aja hum justo, 
pêra que nos nosso senhor perdoe; nem falecerá sempre a elRei hua ver- 
tuosa pessoa d arredor de si, como uós, senhor, sois, que lhe fale verdade e 
lhe ajude a soster ha opinião dos bons caualeiros que ho desejam seruir; 
é os vertuosos homens e zelosos de todo bem dá lhes deos esprito de 
profecia pêra saberem verdadeiramente os casos aquecidos; porque as 
cousas da índia, como vós, senhor, dizeis, sam das mãos de deos diuinal- 
mente achadas e diuinalmente sostidas, e a mim, senhor, mo parece mais 
verdadeiramente, pello que tenho passado e visto, de que ás vezes Recebo 
huum pouco de guosto pêra minha conciencea e pêra conforto de meus 
trabalhos, e se isto nam fora, dias ha que leixara ha barca e as Redes: e 

50^^ 



396 . CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

por isso, senhor, leuo grande guosto em ver vossas cartas; folguo muito 
de as ver e aas vezes lamço mea dúzia de lagrimas com ellas: de minha 
ida a malaca vos quero, senhor, dar hua pequena de conta, pêra què ve- 
jaes mais craro como nosso senhor traz ho neguocio da índia na mão^ 
como diz a vossa carta: sendo me mandado per elRey nosso senhor mui- 
tas vezes, que todauia com sua armada entrasse ho mar Roxo, acabando 
o feito de guoa e me fazer forte, em poucos dias com ajuda de nosso se- 
nhor deixei aquella jente que me bem pareceo e grande soma e abastança 
de mantimentos e artelharia, assi da que tomamos aos mouros, como da 
nossa quanta foi necessária. Recolhido aas nãos e posto em mar diante 
da barra de guoa com todolos capitães e jente, me mandou dizer o feitor 
que os mantimentos eram muitps, se paguara por elies ho jornal aos tra*- 
balhadores por se nom damnarem? eu lhe Respondy que esse era o abas- 
tamento da fortaleza ho que se lamçaua a lomje, defendendo lhe que em 
nenhua maneira nam paguasse aa jente o jornall per mantimentos: noti- 
fiquei aos capitães o dia da minha partida, no qual lenamos nossas amco* 
ras e nos fizemos á uella caminho do estreito de meça, leixando provido 
as fortalezas segundo a determinação dei Rei e com mais Resguardo: per 
espaço de oito dias que cometi ho mar de hua uolta na outra, nunca pude 
dobrar os baixos de padua; e por ser hum pouco tarde, os ventos nam 
deram lugar a meu caminho, tendo mandado dioguo fernandez da guarda 
Roupa com Ires nãos diante de mim que derribasse ha fortaleza de ça- 
matra e me aguardasse atee certo tempo: ali nosso senhor, em cujas mãos 
estaa o neguocio da índia, como vós, senhor, dizeis, volueo nosso caminho 
e nossa naueguação ao feito de malaca: dali tomei arribar sobre guoa e 
deixei nella mais nãos e jentes, e fui a cananor e deixei lhe mais jente, e 
fui a cochim e deixei lhe nãos e jemte, a principal e as melhores nãos, man- 
dando me elRei em seu Regimento que, naueguando aos luguares que me 
tinha mandado, deixasse dous ou três nauios em guarda da costa, que por 
Rezam poderia nelles ficar cento e cincoenta homens; e eu leixei mil e 
duzentos homens e dezoito velas, a saber, em cochim ho cirne e a nao 
sam thomé que se hi fez, e quatro navios; em guoa a lionarda, a Ramessa \ 
o nauio sancto esprito, o Rei pequeno, hum nauio dos de guoa, hua nao 
noua de guoa acabada que tícaua em picadeiros, de duzentos tonees, três 
gualeotas, e dioguo fernandez da guarda Roupa com o Rei grande e hua 

^ ABsim está no Códice, mas deve ler-se Rumew. 



i, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 397 

nao nouâ das de guoa e o nauio sam christouão, as fortalezas com muito 
mantimento e bons cabedaes de presas de mouros. 

Fiz meu camiuho via de malaca, pois a dosso senhor aprazia, e da 
armada da índia leuei soomenle frol de la mar em que hia minha pessoa, 
e a taforea e as naos dos mercadores, e ha nao emxobreguas que era de 
cargua, e quatro naos nouas das de guoa: éramos por todos setecentos 
homens brancos e trezentos malauares; toda a outra jente e capitães fi- 
caram na índia: per esta conta, senhor, que vos eu dou verdadeiramente, 
deixei eu ha índia, nam como me el Rei mandaua, mas como homem que 
avia de dar Rezâo delia neste mundo e no outro, em tal maneira que pe- 
riguando minha pessoa ou a armada que leuaua, fícaua a índia perá dar 
de si Rezão aos imiguos ie pêra aguardar quatro anos por outro guover- 
nador : em tal maneira ficou ho neguocio prouido e fornecido de jente e 
naos e boas torres de menagem nas fortalezas, que achei eu assessegua- 
dos os mouros da índia quando a ella tomei de malaca, e muito dosasses- 
seguo nos portugueses. 

Esta mesma maneira tiue com a conseruação de malaca: deixei to- 
dalas náos nouas d armada e toda a gente que tinha nella, e vim me ca- 
minho da índia na frol de la mar, nao podre que ha hum balamço que to- 
mou, arrancou bua cinta do costado e tauoas com as cadêas da enxarcea, 
de podre e velha, e fui me apousentar na Ilha de çamatra, onde a nosso 
senhor aprouve de me liurar por seu diuinal juizo: este Resguardo que 
dei a malaca, olhando mais a minha obriguação que a minha própria pes- 
soa e vida, leixandolhe todas as naos nouas e toda a jente bõa que tra- 
zia commiguo, aprouve a nosso senhor de os ajudar, e desbarataram mui 
grande e mui poderosa armada dos Jaós, jente esforçada e de mui boas 
armas, e lançaram fora da terra huum Jao aleuantado contra nós: aguora, 
senhor, pergunto eu aos pronosticadores, que desprouimento acharam eiles 
de meu saber ou de minhas forças, pêra dizerem que era a índia perdida? 
nam sam eu homem tam esquecido e desprouido de minha obriguação, que 
h&a Iam grande cousa, como he a índia, ponha em condição; minha pes- 
soa pôde ser, a qual falecendo em seruiço de deos e dei Rei, nam me fa- 
lecerá* o paraíso, e a elRei nam lhe falecerá homem que ha saiba melhor 
guovemar que eu : dou vos, senhor, esta Rezão de conta, atee que me nosso 
senhor lá leue a dar conta com entregua verdadeira. 

Ao que v. m. diz em vossa carta sobre a destroyçam de meça, fim e 
acabamento da seita de Mafamede, discórdia e diuisam amtre os mouros 



398 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

sobre ha opinião de suas seitas, muito mais craro he esse feito quá na 
índia, e mais tomado ás mãos do que lá pode parecer; porque em muitas 
partes, afora turquia, ha hi essa deferença e desconcerto antre os mouros 
quá na índia; porque na terra do xeque d adem, a principal cidade e terra, 
que se chama huto, desta seita, tendo a guanhada o pai deste xeque, aguora 
e dentro na cidade ho mataram os mouros delia, nam podendo sofrer se- 
rem guovemados por mouros de contrairá opmião da sua ; depois por es- 
paço de muitos anos ha tornou este a guánhar e ha tem sobjuguada por 
força; e na índia pouoações ha hi desta opinião e jentes da mesma seita. 

O ano passado foram emtrados dous embaixadores do xeque Ismael 
na índia: hum no Reino de cambaya e outro no Reino de daquem, com 
cento emcavalguaduras cada hum, vestidos de sedas e brocados, espadas 
guarnecidas de prata e ouro, e muitas azemalas, suas tendas antretalha- 
das e muito ricas e prata do seruiço de sua mesa: as estoreas de suas 
embaixadas foram que Recebessem sua carapuça e liuro de sua oração: 
foram bem Recebidos e mal despachados : o que veo ao Reino de daquem 
me mandou visitar e trazer panos de seda e de brocado: nam me achou 
' hi, por ser já partido caminho do mar Roxo, e leixou hi ho presente que 
pêra mim trazia: o que achei em guoa delle, era que o xeque Ismael fora 
certificado como lhe eu emviara messegeiros e Recado e foram tomados 
em Vrmuz, o qual aguora nouamente Recebeo ha carapuça e seita do xe- 
que Ismaell, e pesa me a mim mui bem, porque Vrmuz, se cayr nas suas 
mãos, será trabalhoso de guanhar, e eu nam queria ver na índia metido 
huum tam grande senhor, ainda que fosse nosso amiguo. 

Quanto he, senhor, ao feito de meça e de suas forças e poder do preste 
Johão e do mar Roxo, posto que neãtas cartas dei Rei nosso senhor lhe 
dei largua conta, algua Rezam uos darei disso, como quem de lá vem : 
meça he destroyda sem contradição, assi por ser terra esterill e sem man- 
timentos e todo seu prouimento ser pello mar, como por o senhor delia, que 
se chama xarife parcate, ser homem de pouca jente, alarues nuus e sem 
armas, e força nam tem mais que atee trezentos de cauallo, escrauos seus: 
como vem a cáfila do cairo, fogem loguo pêra esses alarues que andam 
nesses areaes, porque hão medo d algua gente de caualo que hi vem do 
soldam, pello leuarem já preso bua vez ao cairo: nam foi poderoso pêra 
Resistir á cáfila d alarues que veo Roubar ha casa de meça pouco tempo 
ha: outro xarife jaz nesia terra da banda de meça contra adem, que se 
chama xarife de guizee, hum loguar porto que estaa na Ribeira do mar 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 399 

Roxo perto de camarão; será homem de seiscentos caualos; jaz logno ao 
lomguo da Ribeira do mar Roxo atee adem \ o quall he homem de jb'' atee 
jb]"" caualos' nam mais. 

Item. Fronteira de judá e meça e desta tena jaz a terra do preste 
Johão, trauesa e naueguação de dons dias e bua noite por amor dalguns 
baixos, Ubás e Resguardos: esta terra se chama arquiquo, a costa da Ri- 
beira do mar maçuá, que na vossa carta diz que he bua Ilha senhoreada 
de mouros, loguar pequeno e de mui boas casas ; estaa tam peguada na 
terra firme que se ouve huum homem a outro de bua banda a outra: o 
porto que estaa na terra firme chamasse dacamau (sk): as nãos da índia vão 
com especiarias e mercadorias a esta Ilha de maçuá ; aU Resguatam ouro, 
marfim, cera e outras mercadorias da terra do preste Johão e mantimen- 
tos : ao longuo da Ribeira do mar atee çuaquem, Ilha e bom porto que vós 
nomeaes em vossa carta, he terra do preste Johão: jazem alguns mouros 
sobjeitos seus ao longuo da Ribeira do mar, pouca jente; junto com a Ilha 
de maçuá estaa a Ilha delaca senhoreada de mouros ; he da terra firme 
como dalmada a lixbõa: d arredor desta Ilha pescam ho aljôfar em grande 
quantidade: estam aa obediência do xeque d adem: maçuá e dalaqua tem 
xeque por si, o qual se fez tributário do xeque d adem, por lhe dar ajuda 
pêra botar fora outro que eu achei na. Ilha de camarão, ho qual trazia 
pêra mandar a elRei; era bOa pessoa d homem e bOa presença; faleceome 
no caminho da índia; ficou hum seu sobrinho que lá mando a elRey. 

Estando na Ubá de camarão, guastados já os tempos dos leuantes, 
aporfiei duas vezes pêra hir avamte e pus me quatro dias da naueguação; 
desejando ho caminho, aperfíei per duas vezes e os tempos contrairos ho 
nam consentiram: estando assi surto nesse mar, nos apareceo hum sinal 
no ceo contra a terra do preste Johão, htla grande cruz e muito crara e 
muito bem feita e muito Resprandecente: vi hua nuvem sobre ella e ache- 
guandose, partioha em partes e nam ha cobrio: esteue assi por hum bom 
espaço no ceo, adorada e vista de muitos, e alguns com deuação lançaram 
muitas lagrimas, mostrando nos nosso senhor aquelle sinal pêra aqueUa 
parte do preste João omde se avia por mais seruido de nós ; e como ho- 
mens de pouca fee nam ousamos de cometer aquelle caminho; e porque, 

^ Parece-nos adulterada esta passagem, e que em logar de aatee adem» se deve- 
ria ler «o xeque de adem» , leitura a que nos auctorisa a compan^So com outros legares 
das cartas de Albuquerque, em que se falia do mar vermelho. 

^ Mil e quinhentos até mil e seiscentos cavallos. 



km CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

ainda que os ventos fossem contrairos, era tam perto qae de bua volta a 
outra me parece que fôramos laa, mandei amtonio guomez na carauela e 
cheguou a dalaca e veo a terra, tendo determinado de mandar Rui gual- 
uão com alguns nauios do preste * Johão ; vio amdar barcos pescando^ ali 
falou com os da Ilha de dalaca, que já sabiam parte dias auia. 

O preste Johão chamasse elayre, que he nome de emperador; o seu 
nome, dauid Rei de Israel; tem muita jente de caualo e muitos alifantes: 
estendesse seu senhorio contra çofala e contra as costas de maguadaxo 
e mombaça e melinde, e d estoutra banda confina com nuba, a que nós 
chamamos ethiopia, e vai lá ter contra manicomguo e contra aquelle mar 
da banda da terra: tem sem conto jemte, caualos e alifantes; sua morada 
mais continua he dez ou doze jornadas do mar Roxo: quer muito grande 
mal aos mouros, deseja muito nosso conhecimento e amizade e muilo mais 
passar á casa de meça e destroyla: sua terra carece de madeira e nam ha 
hi nãos nem maneira de as fazer; se tiuera embarcação pêra sua embarca- 
ção, tudo fora seu : os mouros tem por profecia que elle ha de dar de co- 
mer aos alifantes e aos seus caualos da casa' de meça, e que per meyos 
d elle ha de vyr sua destroyção e nossa ajuda, e foi mui grande açoute 
pêra elles a emtrada do mar Roxo: nom fiz fortaleza em camarão, pare- 
cendo me bem por algúas Rezões que sam larguas de contar, e fizera em 
maçuá e despejar de mouros pella ajuda do preste Johão e por termos as 
costas nelle, atee irmos criando mais forças e segurar nosso feito ; e tam- 
bém assenhoreara com este assento ha Õha de dalaca, que estaa loguo 
ahi a pescaria do aljôfar, e as nãos dei Rei nossos senhor virão loguo ali 
com especiarias, e lançaremos loguo mão do ouro do trato do preste Johão, 
que fae mui gram soma, porque se guasta na terra firme muita pimenta; 
e dês da boca do mar Roxo ao lomguo da Ribeira do mar atee çuaqoem 
he tudo terra do preste Johão. 

O mar Roxo chamam lhe os mouros nesta terra mar emçarrado per 
sua linguoa, e nós chamamos lhe ho mar Roxo, porque o Reuoluimento 
dos mares ' faz buas manchas vermelhas n aguoa, e sae pella boca do 
estreito em hfia espadana d aguoa tam vermelha como samgue, quando 
vem a Jusante, e quando toma a montante perlomgua per esse mar 
adeante per longuo espaço de vista assi vermelho : no mar Roxo nam ha 

< Entendemos que «e deve ler €ao prestet, 
' É visivelmente erro, deve ler-se tna caiais, 
' Dos mares, oa das tnarisf 



CARTAS DE APFONSO DE ALBUQUERQUE 401 

hi curso daguoa; ha hi montante e jusante, ho mar aparcelado, de pou* 
cos ventos. 

Zeilão^ he luguar de mouros fora da boca do mar Roxo; lá mandei 
vosso filho, fez hum feito mui homrrado, meteo muitas nãos no fundo e 
mui grandes, e queimou muitas, e descobrio mui bem ho porto: he mui 
bom caualeiro e por tal ho deue ter elRei, e foi elle com os primeiros 
que subiram no muro d adem e no feito de benascary ^ e ousadamente ho 
fez, em ambos os luguares foi ferido: he grande guastador e prodiguo, e 
cheo de ajuntar a ssi homens trauessos e guastar com elles ho que tem; 
ás vezes ho Reprendo pello vosso: como tomar assento de homem, leixaraa 
essas cousas e ficará muito homrada pessoa: leixayo assy andar curando 
ao aar. 

A determinação, senhor, em que fico: eu m aparelho, e ho melhor que 
posso, pêra emlrar ho mar Roxo, ainda que o feito do mar Roxo, pêra se 
fazer fundamento d asemto lá, ha mester propósito, e nós nam temos quá 
os almazens dei Rei: a fortaleza nam se faz com as armas ao pescoço e 
com huum alforge e hum pouco d arroz nelle, e mais cm tal luguar: de 
nos ajuntarmos com o preste Johão nam tenhaes nisso nenhua duuida, por- 
que vinte dias estamos de naueguação de sua terra e de seus portos, e elle 
deseja muito de nos ver: a deslroyção da casa de meça por leue feito ho 
hei, com ajuda da paixão de nosso senhor; hum dia de caminho estaa de 
Judaa; todo provimento lhe vem de barbora e zeilão ^ e daquella costa da 
terra do xeque d adem. 

Judaa pequena cousa he, fraca e leue de leuar nas mãos com pouca 
jente: o que me deste feito de meça parece he que, surta hua armada 
diante de Judaa, sabendo que sam chrislãos, nam ficaria viua pessoa em 
meça: he pequena cousa, nam tem jente d armas, todos sam de contas na 
mão e de vnhas alfenadas, e se lhe tirarem ha Roupa branca e especiaria 
que vai da índia cadano, nam virá a cáfila nunca a meça: se elRei nosso 
senhor daa maneira doficiaes, esses que cortam as aguoas pellas serras 
da Ilha da madeira, que lancem no crecimento do nillo per outro cabo, que 
nom vá Reguar as terras do cairo, em dous annos he desfeito o cairo e a 
terra toda perdida; e se daa maneira de passajem ao preste Johão na terra 



^ Aliás Zeila, 
^ Aliás Benastary. 
' Aliás Zeila. 

51 



402 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

de meca^ nam ha hi nada que fazer, porque os abexis sam valentes ho 
mens: vejo as cousas estar armadas pêra todo bem, se me el Rei ajudasse 
e nam me desconfortasse \ 



CARTA CIX 

Carta dafonsso dalbuquerque guoveimador da índia a duarte galuao. 

Eu vos tenho sempre escrito mui larguamente todo meu neguocio 
de quá da índia e Respondido a vossas cartas, e se as, senhor, nam ten- 
des ávidas, sam o mais mofino homem do mundo, porque bem sei quanto 
perco em vos nam dar conta mui larguamente : na minha fazenda vos nam 
hei d ousar de falar, porque ho que vós fazeis por vossa própria virtude, 
nam no quero eu meter em neguociação; abasta saber que quem me deu 
ho seu, como vós, senhor, sempre fizestes, nam me lamçará ho meu alomje; 
e mais eu vos cerlefico que nam sei ho que tenho, nem cuido nisso, nem 
me lembra: se a nosso senhor aprouver de me leuar a esses Reinos, sei 
que tenho tam certa a minha fazenda como a vossa, e portamto, senhor, 
nam me culpeis que uos ás vezes nam escreua meudamente neste feito: 
eu, senhor, tenho vista ha conta que me sempre destes dessa pobreza que 
lá tenho, da qual uos nam quereis aproueilar, e pesame a mim mui bem, 
porque nam tenho eu molher nem filhos nem pai nem mãi nem irmão, 
senam vós soo, de que me eu muito prezo; e portamto dessa miséria que 
laa tenho, vos terei em mercê aproveitardes vos delia em cousas de vossa 
homrra e em todalas cousas que vos cumprir; e se me esta mercê fizer- 
des, tornar me es atrás vinte anos de idade e contentamento, e crerei neste 
amor e amizade que me tendes, e será grande conforto pêra saudade que 
me nmilas vezes quá toca de vossa amizade e conversação e irntandade 
verdadeira, que me quá daa mais saudade e mais trabalho que a lembrança 
de cousas de portugual, porque tudo tenho esquecido, que doutra maneira 
nam se poderam sofrer os trabalhos desordenados da índia, e as despesas 
e guastos dessa pobreza minha, que por bem de meu carguo nam posso 
leixar de fazer, que sam mayores que o proueito de quá nem o ordenado 

^ Bibl. Nac. de Lisboa.— Códice de Alcobaça n/ 475, foK 176. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 403 

que me sua alteza daa, porque algua cousa que me sostinha nessas joyas 
e partes das presas, já hi nam ha nada disto na índia, porque se nam toma 
nao nem barco, todalas cousas tenho assosseguadas, chãs e mui mansas. 

Vy ha carta que me vossa mercee aguora escreueo, e todo o que 
nella dizia: folguei daver amtre nós algum homem vertuoso e que es- 
creuesse verdade a elRei, como me dizeis que ho dioguo fernandez fez: 
moor mal lhe tem a elle feito as cartas da índia que esse, porque ho nam 
leixam tomar verdadeira determinação do que quer fazer da índia, e faz me 
cadano tomar hum caminho contrairo do outro, e trás todo ho feito da 
índia tam desassesseguado, que nem os mouros da índia nem os jemtios 
nem os corações dos portugueses tomam assemto: prouvesse a nosso se- 
nhor que elRei nunca visse carta da índia, porque esses de que elle tem 
confiança, tem lhe dado tamto credito, poder e autoridade nas suas cousas 
da índia como a mim, e com este fauor sam tornados meus competidores 
e nunca escreuem em tratos de mercadorias proveitosas a seu seruiço, nem 
da maneira que se a Riqueza da índia poderaa aver e leuar pêra esses 
Reinos, nem nos tratos de quá ha maneira que se poderia ter pêra se fa- 
zer proveito na sua fazenda: todo o feito destes he aconselhar el Rei como 
ha de guovernar ha índia; culpar meus caminhos feitos pello Regimento 
dei Rei, damnar meus feitos e minhas consas, desejar toda minha destroy- 
ção, e diguo uos, senhor, per a malicia da índia, porque minha limpeza culpa 
os homens muito; e os ofSciaes com os quaes nam tenho nenhua compa- 
nhia nem parçaria, nem taco nenhua mastelada com elles, culpo os tam- 
bém e obriguoos a muito: nam queriam ver ha índia assesseguada, como 
aguora estaa, nem os portos em tratos abertos ; e as mercadorias ás mos- 
cas e ao ar, e as minas do ouro, pescarias d aljôfar e minas de pedraria 
tudo estaa espado* e em mortorio, e estes que tem carguo da fazenda 
dei Rei, nam lhe vejo fazer nenhum fruto, nem lhe vejo tratos com esses 
portos, nem os vejo vsar de seus ofícios e carguos como homens que ho 
sabem fazer: vejo tudo hermo e quatro quintaes de cobre e dous dazou- 
gtie nas feitorias delRey; e eu tenho apertado na mão com ajuda de deos 
todo bem da índia. 

Estes guovemadores da índia, sendo eu em malaca, escreueram como 
eu deixara ha índia desemparada e soo: e sua alteza me tinha mandado 
que, partindo eii desta costa pêra omde me mandaua hir, deixasse em 

^ Aliás esperado* 



404 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

guarda delia dous ou três nauios; e eu deixei estes que uos aqui direi: 
ho cirne, a nao noua sam Ihomé que se fez em Cochim, as duas ajudas, 
o Rosairo, a gnarça, estas em cochim: em guoa leixei ha lionarda, aRu- 
mesa, hua nao noua de guoa de duzentos tonees, ho Rei pequeno, o nauio 
sancto sprito, o nauio que deram em casamento a quatro casados de guoa, 
hua gualeota e duas fustas, e dioguo fernandez que veo de hurmuz, com 
o Rei grande, sam cristouão e hua nao noua das de guoa, e mil e duzen- 
tos homens na índia: e eu fui a malaca e leuei da armada da índia duas 
nãos de cortiça comestas do gusano, era frol de la mar e ha taforea: o bre- 
tão e emxobreguas que leuei, eram nãos de cargua; leuei alguas nãos nouas 
das de guoa ; leuaria atee quatrocentos homens bramcos da jemte da ín- 
dia: estes guovernadores que dito tenho, fizeram me morto e perdido, es- 
creueram de mim como de homem morto que nam esperauam que desse 
Rezâo de si, e nosso senhor por seu diuinal juizo mostrou ho seu poder, e 
emleuounos a todos com o feito de malaca. 

Ás vezes escreuem estes a el Rei alguas cousas, e pêra lhas crer o 
primeiro pomtão que põem a seu propósito, he falar lhe em sua fazenda e 
que guasto muito de sua fazenda, porque a este feito acodiraa el Rei mais 
asinha, e emtamto aproueitamse da sua fazenda, fazem sse paguos do seu 
cofre, tratam grosso, e amdam tam ceguos neste feito que lhe nam lem- 
bra nenhua outra cousa: dam essa pobre cargua de pimemta quando as 
nãos vem; se lhe nom buscam de fora outras mercadorias, nam nas sabem 
elles buscar nem aviar, nem ho entemdem nem sabem fazer, e vai sse todo 
o bem da índia a perder, porque quer elRei ter feitores, escriuães de fei- 
toria, homens que nam sabem contar dez Reaes, nem sabem que cousa 
sam tratos, nem sabem emderençar as mercadorias omde façam fruto, nem 
ho mamaram no leite, nem nunca ho aprenderam, e assi está tudo como 
em mato maninho ; e vos certefico, senhor, que sam tam grandes os gua- 
nhos dos tratos de quá e tam grossa a mercadoria e Riqueza da índia, que 
he Riso falar no guanho da pymenta; e eIRei comete este neguocio a dous 
moços da camará que vem de três em três anos, boçaes, que úam sabem 
que cousa he trato nem mercadorias nem compras nem vendas nem far* 
dos de mercadoria: lá tenho escrito a elRei que creia mais no escritório 
de bertolameu com lionardo soo nelle, que em quantas feitorias e quantos 
feitores quá tem na índia: diguouos, senhor, que mayor he o guanho das 
especiarias de malaca á índia do que he da índia a portugual: assi, se- 
nhor, que me creaes^ que o neguocio dei Rei neste feito nam pçrde senam 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 405 

de nam ter homens mercadores cadimos, cosidos na mercadoria e no sa- 
ber delia, porque destes que quá tem, nam pôde receber senam mexeri- 
cos e emburilhadas: mostram se muito cheos de dor de sua fazenda, pêra 
se poderem melhor ajudar delia e saber feitorizar ha sua: estaa tudo pen- 
durado em hua escapula com hua tea d aranha por cima, e escreuem M 



C4RTA CX 

Carta de Affonso Dalbuquerque a Dom martinho '. 

Tomo esta lisença de v. m.^, que he não vos escreuer por minha le- 
tra, porque he tão maa que hei tudo por lansado a lonje quanto uos es- 
creuer: e eu, senhor, não tenho outra escora nem outro bem laa senão 
nossas vertudes, porque quiz v. m."^ tomar esta carga sobre uós tão pesada, 
tão contrariada e tão enuejada, a qual he sosterme v. m/^ diante S. A.; e 
portanto, senhor. Recebo das mãos de Deos fazerdes me. tanta mercê; e 
como já, senhor, por ueies uos tenho escritto, dá uos nosso senhor o ga- 
lardam de uossa vertuosa tenção com que o fazeis, porque lhe apraz pro- 
cederem as cousas da india a todo uosso conselho, pois que por elle vim 
á india, e por elle estou na india, e por elle faso meus caminhos, e por 
elle me goarda elRey até lhe dar Rezam de mim, porque, segundo os con- 
trairos laa tenho, dias ha que fora maltratado, se me v. m.^ não ajudara; 
ainda, senhor, que obrigado tenho eu S. A. a tomar armas por mim con- 
tra esses taes, porque eu não ando seção nos caminhos de seo Regimento, 
deixando todalas cousas prouidas milhor mylhor (sic) e com mais Res- 
goardo do que me elle ainda manda: se ás uezes as cousas não socedem 
como elle quer, logo eu ey de ser culpado diante de S. A. dos enuejosos 
e danadores dos homens? 

Não he lembrado S. A« que me mandou em meu Regimento^ que 
apartando me desta costa aos lugares honde me mandar hir por seu ser- 
uiço, que deixace dous ou três nauios em goarda da costa? e eu dáxá 

1 Bibl. Nac. de Lisboa. — Códice de Alcobaça n."" 478, foi. 180 v.* 

* Deve ser D. Martinho de Castello Branco, vedor da faxenda, e depois conde de 

Yilla Nova, grande amigo de Afiottso de Albuquerque^ segando Gaspar Correia. Yíd. 

Lmdoi da Indêa, u, 463. 



406 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

dezoito vellas, a saber: em cochim o cirae, a nao S. thomé, ajuda grande, 
ajuda pequena, o Rosairo; e em goa leixei a lionarda, a Rumesa, o Rei 
pequeno, a nao santo spiritu, o nauio pequeno que dei en cazamento a cer- 
tos cazados de goa, hua nao noua das de goa de dozentos tonees, três ga- 
leotas ; ficaua também díogo fernandez da goarda Roupa com o Rei grande 
e com sam christovão e com bua nao das de goa, e leixei na india mil e 
duzentos homens, e as fortalezas cbeas de mantimentos e boa artelharia; 
deixei por capitam do mar manoel de lacerda: desta maneira deixo eu 
prouido as cousas de minha obrigasam, e não com três nauios que goar- 
dem a costa: asi, senhor, que se v. m/* lá não falase por mim até dar Re- 
zam de mim, já fora derribado, segundo a malicia dos homens e a enueja 
Reina agora mais que nos tempos passados. Digo agora, senhor, também 
«obre o ffeito de nialaca o que depois de minha partida sobreveo: leixei 
todos os caualeiros e fidalgos de minha armada; leixei todalas nãos e 
nauios de minha armada nouos e sãaos, e parti me só com dous homens 
meus e dous mossos escrauosen frol de la mar, podre e velha; e asi me 
salue Dosso senhor, que eram sesenta escrauos, bombas duas, que nunca 
de noite e de dia deixauam de dar a ella: prouue a nosso senhor que o 
bom prouimento e bom Resgoardo que deixei a malaca, venceo e desba- 
ratou a armada dos jaós mui grande e de muita gente, e lançaram os jaós 
fora da pouoasam de malaca aleuantados contra nós: asi, senhor, que 
olhando mais que todas as cousas do mundo a obrigasam e conta que sam 
obrigado de dar a Deos e a elRei, da india que me entregaram com qua- 
tro nauios podres metidos na uasa e duas fortalezas emprestadas em terra 
alhêa, meti minha pobre pessoa, e auenturei minha uida em hua nao po- 
dre, por tal que as cousas de minha obrigasam ficasem Reformadas en 
tal maneira que, perdendo se mynha pessoa, a india dése sempre Rezam 
de sy. 

Agora, seuhor, ueiamos porque me não defende el Rey daquelles que 
querem danificar minha honrra ante S. A., pois que eu ando em seus ca- 
roynhos, goardando sua detirminasam : bem sei eu, senhor, que me não 
ha a my de conhecer elRei senão depois que elle quá liuer outro gover- 
nador, porque, como lhe eu escreuo, bastou *■ sempre para as cousas de 
seruiço antre os honrrados e vertuosos que de Redor deíle amdam, pes- 



í Assim ealá no Códice de Évora; mas entendemos que se deve lér hucou em lo- 
^ar de ÒMtou, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 407 

soas de que confiou sua fazenda, e agora o vejo bem carguado de penden- 
ças delles, e a my buscou me antre os mãos e visiosos: poderá ser que 
achou homem, e não digo, senhor, mais, porque v. m."^ tem laa cuidado 
de dizer o mais por mim, sem uollo eu merecer; queruos nosso senhor 
dar essa vertuosa incrinasam por se fazer algum bem na india por uosso 
meio; não ten necessidade de bom homem, que jpor vintura o tem em mim, 
mas falece lhe fauor e creditto de S. A., com que as cousas de seu seruiço 
acabam sem Rigor e escândalo da genle; e asy como seu fauor e credyto 
cura as cousas da india, asy as cura laa ante elle, porque averaa hi pou- 
cas pessoas que ousem de lhe hir a mão, quoando virem que meus serui- 
ços e mynha pessoa estam en grande estima dyante de S. A., como he 
Rezam, porque, sigundo a maldade e enueja Reina entre os portuguezes 
ao presente, não cuido eu que o conde nunalurez neste tempo puzera 
sua casa e fama no estado em que a elle deixou, por maiores feitos que 
acabara. 

Mais, senhor, escreuo a S. A., que os capitains dos Reis seus vezi- 
nhos não se fizeram elles neste tempo illustres, senão porque lhe deram 
quanto fauor, credito e autoridade quizeiam, porá os carguos que lhes fo- 
ram cometidos; e ao coitado de mim leuame logo a boa ^ debaixo dagoa 
quoalquer carta domem oucioso de quá da india, desses que cada anno 
escreuem a elRei sobre o gouerno da india, e o querem -aconselhar, sem 
lhes elle pedir conselho, e eu não ouso de lho dar, tendo me elle feito do 
seu conselho: e ainda, senhor, uos digo, que não sei como S. A. não olha 
quoam perigosa he hua carta sua d agradesimentos a quoalquer homem 
destes que lhe de quá escreuem da india, os quoaes nunca entraram na 
sua goarda Roupa, porque asi uelho como eu sam, pouco aluorosado, 
ainda não sam homem pêra me ter a hua carta d agradesimentos dei Rei, 
que me enche de vaidade com ella. 

Digo uos, senhor, isto, porque sendo meu sobrinho dom gracia hfla 
tal pessoa e que elle tanto deue estimar, não lhe escreuer hua carta, nem 
lhe pedir Rezam das cousas da india! não folga de o contentar e fauore- 
cer; e aos capitains que comigo andam, esteios deste corpo, do conselho 
e gouerno das cousas de seu seruiço, não lhe escreuer hua carta a cada 
hum, nem lhe mandar que juntamente todos lhe escreuam cada anno o 
que passa, e o que procede da india, pois que cada anno tentamos cami- 

^ Aliás baia. 



408 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

nhos nouos e cousâs nouas por seu mandado! não vee S. A. que grande 
escandolo he dos capitains que continuadamente andam com as armas 
nas cousas de seu seruiso, ver escoirar^ todo o negossio da índia sobre 
António Real e lourenço moreno e gaspar pereira e outras pessoas bai- 
xas e de vil condisam, que lhe cada anno escreuem cheos de trosidade ^, 
sen nenhum saber, senão aquillo que ouuem em pratica a homens muito 
auizados: que hão de saber estes taes'do negocio da india ençarrados em 
cochim e em cananor, cheos de betele, de negras e a destro e a sestro, 
pêra S. A. dar creditto a suas cartas, e escreuer cartas de agradesimento 
de seus consselhos e pareseres da india? e os capitains e caualeiros que 
as andam praticando, e as trazem nas mãos, não lhe tomar a conta disso, 
nem lhe escreuer cartas pêra seu contentamento, pois que com as quin- 
taladas que elle tem tirado, e o soldo que agora tem não hão de leuantar 
caza com sobrado ! e ainda senhor, pêra contentar estes fidalgos que quá 
andam acutelados e feridos por seu seruiço, semeou agora que foram ^ á 
sua partida hum bom descontentamento, que por consselho de foão quiz 
leer em pubrico das mersés que lhe eIRey fizera, e lhe mostrou hum 
aluará que pudese fazer hua nao, e que lhe dese ajuda d aparelhos pêra 
isto^ e a outra lhe daua a capitania de cochim, acabando pêro mascare- 
nhas seu tempo; estas mersés e o mais entre muy especiaes fidalguos, 
que lhe tem leito muito boas fortalezas de pedra e cal, e feridos por seu 
seruiço, os quoaes não podem auer a capitania d um nauio I e foão, sem 
proueito e que nunca uestio as armas, nem pelejou por seu seruiço, por- 
que sempre andou com asuquares pêra ueneza e fraudes, fazendo seu 
proueito, estante em cochim, enchendo se de pimenta e dos cruzados de 
seu cofre, auello d encher de tantas cousas nos olhos de* tantos bons ho- 
mens que lhas merecem, não quero nisto mais falar. 

Alguas cousas, senhor, tocarei nesta carta a v. m.**: pois que nosso 
senhor tanta parte uos quiz dar no bem delia. Rezam he que escreua ho- 
mem a y. m.*^ o bem e o mal, e digo, senhor, primeiramente, que a india 
ao presente com ajuda do muy Alto Deos tem tomado tam grande asento 
e tão proueitozo ao seruiço dei Rey nosso senhor e a todo o bem de seu 

^ Párece-nos que se deve lér escorar. 

^ Aliás í atrocidade (?). 

' Parece-nos que a phrase semeou agora que foram, etc., foi mal transerípta no Có- 
dice de Évora, e que estaria no original semeou agora qud foam d sua partida hum bom 
descontenUmento. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 409 

estado e seguransa delle, que serto ser aquelle paresem cousas ordena- 
das por Deos, porque todolos portos e lugares de mercadorias de or- 
muz até a malaca estão abertos e suas mercadorias no campo agoardando 
por nossos tratos, e os Reis e senhores das terras e dos portos com muita 
obediensia precuram os tratos e amizade dei Rey nosso senhor, desejando 
ser seus seruidores en todo o lugar, e nossa gente e mercadoria Recebida 
e fauoresida e bem tratada, e nos dão as suas por onestos preços: por 
toda a parte do sertão da terra andão os nossos homens, sem lhe ser feito 
nenhum danno ; nesta parte de Diu até zeilão estamos tão fortes e tão se- 
guros, se a nosso senhor apraz de se acabar a fortaleza de Diu e a de 
Calecut, tendo nós asenhoreado goa, que jaz neste meio, que eu duuida- 
ría, uindo o poder do soldam nem de todolos mouros que haa no mundo, 
podesem jaa tomar asento na india, nem na india auer mudansa, posto 
que a jente delia de sua condisão seia bolisoza, porque temos as prínci- 
pães cabeças que jazem nesta paragem, na mão, a saber, diu, goa e Ca- 
lecut. 

Calecut por morte de çamori, homem mais maluado que jogurta, 
tomou asento com este Rei que agora he, o quoal antes, sendo principe, 
tinha conhesimento e amizade comigo: os apontamentos laa os mando a 
S. A.: os principaes e mais proueitosos sam três: o primeiro he darem 
dez mil babares de pimenta cada anno a troco de mercadoria de toda a 
sorte, que he maior cousa que se ainda fez na india: outro he que pagão 
a fazenda que se tomou a elRei, e outrosi dam de tributo cadanno ame- 
tade da Renda dos siguros das nãos, pageres e paraos, que he bua gram 
soma que vão ahi, que paga dous mil fanões, delias três mil: a fortaleza 
me deram onde eu quiz de dentro do arrecife e perto do seu serrame, 
pegada na Ribeira do mar, pouso principal das suas nãos ; fel a thomás 
fernandez, tendo delia cargo francisco nogeira e gonsalo mendez, e pe- 
dreiros com gente da terra; estaa no corpo da sidade: calecut *, senhor, 
he a maior cousa que nunca vi; hee tam chea de pedraria e aljôfar e Ri- 
queza, cômo era de primeira e tão pouoada; ha nella infindos mercado- 
res gentios e mouros : segundo a fama das mercadorias que pedem, pa- 
reseme que ha de ser hum lago de mercadoria: eses dias que hahi es- 
tiue dando ordem á fortaleza, e asentando nossos asentos com elRei, vie- 

^ Eitaa (a fortaleza) no corpo da sidade de Cdeeuty senhor, he a mator, etc. Assim 
está DO códice; mas entendemos que eliminando a preposição de antes da palavra Co- 
lêcut, e pontuando como pontuamos, fica o sentido corrente. 

S2 



410 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

ram gram soma de nãos de toda a parte ao porto: a fortaleza de diu vai ha 
fazer diogo femandez da goarda Roupa, segundo elRei manda em seu 
Regimento. 

Goa tomou asento com ho sabaio, o quoal deu a goa as ilhas que es- 
tam pegado com elle ; mas já lhas eu não agardeço» porque estam tam 
fortes, que uindo elRei de daquem e elRei de narsinga, não na poderiam 
emtrar: andamos em apartamentos de nos dar a terra firme que estaa de 
Redor delia, que he mui grande Renda de trinta e sinco mil cruzados 
cada anno : o sabaio tomou agora todalas terras de goa com nossa paz 
com trezentos piães da terra ; todo o bom partido nos ha de fazer, por si- 
gurar dabul e samguitar *, e por lhe darmos cauallos, e leixarmos uir gente 
branca de fora a seu soldo : as ilhas se pouoarão em gram maneira., Ren- 
dem já agora perto de doze mil pardaos os direitos das terras ; a entrada 
dos cauallos d anno passado Rendeo sinco mil pardaos; d agora que meto 
em uzo os caualos a goa e o trato delles todos todo na mão dei Rei nosso 
senhor, Renderam mais de trinta mil pardaos, afora o ganho que se pôde 
fazer na primeira compra, que o senhor da terra faz sempre primeiro que 
os outros mercadores: o trato dos caualos he hum ganho desordenado, 
porque se ganha trezentos por sento e 400 por 100 e 500 por sento 
dormuz e da costa d arábia a goa, afora os direitos que pagam os caua- 
los na Índia, que sam muy grandes. 

Sobre este feito, senhor, de goa, segundo o que quá ui, alguas pe- 
soas que querem Reuoluer o ifeito da india, cuidando que empeciam a 
mi, emformárão mal elRey aserca de goa; e sabey, senhor, que faz todo 
este mal os mimos com que granjeo as cousas dei Rei, e as palauras que 
ás uezes solto por indinar os corasõis dos homens ao trabaUio e conser- 
uasam das cousas: isto faz aos bons inclinar a todo bem e ajudar me, e os 
corasõis danados querem tomar vingança nas couzas em que me vêm leuar 
maior gosto, cuidando que as hei por mais minhas que outras. 

Não cuidei que goa que estaua desta maneira com S. A., antes me 
pareceo que a tinha dentro na sua Alma pella mais principal couza das 
Índias, porque não creo eu que S. A. queira escorar a conseruasam da 
india e siguransa delia sobre a fortaleza de cochim com cem homens da 
sua Hordenamsa, e cananor com oitenta; e se este fundamento he feito, 
e lho asi parese, quoal foi o homem que lho ouzou de dizer, sendo eu fora 

^ Aliás Sanguiçar. 



J 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 4 1 1 

por seu mandado, com todo o outro restante, que a india era perdida e 
que a deixara dezemparada e me fora, deixando eu nella dezoito uellas e 
mil e dozentos homens? tiro logo daqui que a confiansa da india não na 
ten logo elRei senão na sua armada: e bom conselho vos parece a vós, 
senhor, este, que se ponha todo o negocio da india a hum dia de trauoada 
ou a hua hora minguada? não uejo eu os príncipes laa nessas partes si- 
gurar eses estados senão com boas fortalezas e boas torres de menagem. 

Mais, senhor, uos digo: não sabe S. A. que goa e cambaia, calecut 
e os Rumes eram todos em hua masa, e goa era cabiceira principal desta 
openião de nos botarem fora da índia, e como leuaram {úc) goa nas mãos, 
logo todalas outras cousas uierão pedir pazes e misericordi^? digo uos, 
senhor, que não entendo este negosio; cuidei que tinha elRei goa emgas- 
toada em hum anel, e que ha aueria por tam grande cousa, que perden- 
do se a india, delia se poderia tomar a ganhar e si gurar: e mais goa jaz em 
tal parajem e he tam gram cousa, que as nãos da carga não ouzaram de 
vir á india senão em corpo, e não í)óde a india tomar asento nem asosego, 
se ella estiuer em poder dos turcos : eu tomei ha por seu mandado e por 
quantos conselhos asinados pellos capitains, e a tomei a ganhar, e me fíz 
forte nella; tenho a por companheira e ajudadora minha, e ponho as cos- 
tas nella, como couza em que nom tenho outra confíansa: acabaram se 
neste feito de goa duas grandes cousas: a primeira foi tirar se das mãos 
dos mouros, que criauam nella grande força de nãos, jazia sobre o pes- 
coso de toda nossa nauegasam, asy das nãos da cargua como do socorro 
das nossas fortalezas ; a outra he termol a em nosso poder, e asosegarmos 
a india; com ella siguraremos as nãos da carga que venhão hfia e hua 
demandar a india e enfrear os portos principaes delia, e a poderemos daqui 
socorrer no inuemo e no veram as nossas fortalezas, terra e porto ase- 
nhoreado por nós: não se ham de queixar candaguora nem o algozir com- 
nosco, nem han de dizer que não toquemos as meiras ^; nem el-rei de co- 
chim ha de querer que matem hum portuguez por matar hua uaca; mais, 
toda a terra he dei Rei e a jurdiçam, afora o baraço da justiça dei Rei: 
mais, senhor, he porto he barra principal anlre todalas da india, escapula 
de todalas mercadorias do Reino àe daquem e do Reino de narsinga. 

Ho que agora pareceo nas cartas dei Rei he o que aqui diser a v. m**.: 
os homens quoando querem danar hua couza de seruiço dei Rei, e que- 

^ Aliás mo\Ta& (?) 

52# 



412 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

rern escreuer de quá a S. A., o primeiro pontão que opõem a seu prepo- 
sito he fallarlhe na sua fazenda, dizer lhe que se fazem grandes gastos e 
despezas, porque lhes parece que acudirá elRei mais azinha: desta ma- 
neira escreuem de quá a S. A., dizendo que fazia grandes despezas goa: 
deuera S. A. de preguntar a estes que lhe escreueram, quoaes sam estas 
despezas que goa faz? porque eu não nas uejo, senão mantimento á gente 
e seu soldo: tirando esta gente daquy, e pondo a em hua ilha despouoada, 
ou em hum monte, não lhe dará elRei seu soldo, ou em quoalquer outra 
parte que a sua gente estiuer, nam lhe pagaram seu hordenado? pregunto 
eu agora a S. A., quem faz maiores gastos agora, cochim ou goa? cochim 
que tem mil e seissentos homens, e se estaa corregendo a armada pêra hir ao 
mar Roxo : e pêro mascarenhas quoamta gente tem agora em goa? duzen- 
tos homens: por esta carta (sic) deuião de deixar d achar que gasta muito. 

Se pella ventura el Rei se queixa de lha sercarem tantas vezes os 
turcos pêra lha leuarem nas mãos, e se agasta com isso, leixelha; e se 
S. A. cuida que ha de ganhar as couzSts tam grandes tomadas por forças 
de armas a Reis mui poderozos e de muita gente, e sen lhas defenderem 
e contrariarem e serem muitas vezes aprefiadas, se lho asy parece, deixe 
. india, porque nSo ha de tomar ntahOa cousa jâ gora J Lia que nSo 
custe muito sangue, e que lhe não seja muitas vezes contrariada e bem de- 
fendida, porque já hi não ha laurador tam fraco que leixe tomar o seo 
por força, se o pode defen4er. 

E quanto mais goa não se deuia de soster e defender a todo o po- 
der do mundo, senão porque a uemos cobiçada e dezejada dos turcos, 
homens muito cobisozos, poderozos e de muita artelharia, e que sabem 
fazer nãos á nossa usansa, imigos nossos, dezejadores de toda nossa de- 
stroisam, cheos de espingardeiros e bombardeiros e de mestres de ar- 
telharia tão boa como a nossa, e de mestres de fazer nãos tam boas como 
as nossas, ferreiros e carpinteiros e calafates tam boons como os nossos: 
os danadores de todo bem da mdia, por estas mesmas Rezoens por bonde 
ha S. A. ha deue de soster e defender athé o dia do juizo, lhe fazem en- 
tender que he bem derriball a ; sem nenhua vergonha nem temor de Deos 
lhe ouzão de escreuer isto. 

Ainda, senhor, que se me S. A. defende que não entre en cochim, 
nem en canan*or, nen enueme em cochim, porque não pregunta a estes 
seus conselheiros bonde irey Reformar minha armada e gente? cochim 
não tem pêra dar de comer a 500 homens, nem ha hi pescado, nem carne, 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 413 

senão galinhas que custam a xxij í5., e em goa dezembarcando dous mil 
homens, não nos sentem, e ha hi sempre muito pão trigo na praça e dous 
talhos de uaqua continuadamente e pescado grande milhor de toda a m- 
dia, fruitas, vinhos da terra e orfalisas em grande abastança, e temos ho- 
mens de la cor de homens; e mais fazemos todalas despezas por moeda 
de cobre, que en terra de senhorio lhe não leixam amoedar, e esta he htla 
tam grande cousa, que não sei como S. A. pasa por isto, saindo o quin- 
tal do cobre a uintaquatro cruzados: agora ueraa S. A. o que lhe laa es- 
creue o feitor de cochim, que me escreueo qte tirase a gente de cochim, 
porque pagava os mantimentos por cruzados que estauão pêra a carga; 
e eu Respondi lhe que agora saberia S. A. que cousa era goa, e o que lhe 
elles tinham escrito de lá. 

Arreceaua também S. A. as despezas de goa, e o que ella pode obri- 
gar: quanto ás despezas, goa, em paz, demanda duzentos portuguezes, 
que pagos a dous cruzados de soldo e hum de mantimento sam sete mil 
e duzentos cruzados; e se tiuer gerra, quoatrosentos homens, que são qua- 
torze mil e quatrosentos cruzados ; pagos por moeda de cobre .de uinte e 
quatro cruzados o quintal, vede, senhor, onde chega, e pagos a quinhen- 
tos rs., que he o soldo da india, olhe v. m^. o cuysto que pode fazer: e 
ella agora asim mal gouernecida como estaa, Rendeo quatorze mil par- 
daos, *e os direitos dos cauallos o anno passado ualeram sinquo mil par- 
daos: quanto he o que S. A. cuida que obriga goa muito, de maior obri- 
gasam me parese a mim bua fortaleza em terra alhêa, que aquelle ^ que he 
terra asenhoreada por nós; e que obrigaraa mais cochim ou diu que goa, 
porque a nossa gente em terra alhêa não pode cortar hum pao sem o se- 
nhor da terra, e se vai á praça e non paga bem o que compra, ou se toca 
bua moura, ou se acutela hum homem da terra, ou faz algum desmando, 
logo as espadas vem nas ancas delle, e a fortaleza fecha logo suas por- 
tas, e estas cousas não nas ha de auer em goa, porque a jurdisam he 
delRey e a terra dei Rei e as Rendas dei Rei, e os agrauos ante seu gouer- 
nador acabam; e hua fortaleza estaa con as portas abertas, e se quer 
dous mil homens de trabalho, não os uai pedir a candaguora nem ao al- 
goazil de cananor; se quer calafates, pedreiros e carpinteiros, mestres de 
fazer nãos e galees, na sua terra os tem ; se quer mestres de fazer espin- 
gardas e bombardas tam bem Seitas como as nossas, em sua terra os tem: 

^ Parece-nos que se deve 16r a^llo, ou aquillo. 



414 CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 

quoando a sercarem, quer socorrç como a fortaleza de cananor e cochim 
e como arzila e tangere. 

Diguo mais, senhor, que goa não he anjadiua, nem quiloa, nem ça- 
cotorá, mas he cabeça e porto principal, que jaz na paragem onde se 
elRá quer fazer forte, e sigurar sua carga e as couzas de seu seruiço; e 
elRei por cartas dos feitores e escriuães das feitorias e de alguas outras 
pessoas quer bulir com goa: tam pequena cousa be goa na india, e tam 
pouco necessária â conservasam e siguransa da india e asosego delia, que 
por cartas de homens ii\uejozos e competidores meus, que não olhão a 
nenhua couza senão a tomarem vingança de mim, e escreuem que não 
sostenho eu goa senão porque a ganhei, e que faz grandes despezas, sem 
dar outra Rezam maa nem boa, sabendo o mundo todo que se não deu 
fortaleza em calecut nem cambaia nem diu, senão porque vio goa en nosso 
poder? não digo eu, senhor, pêra se soster goa ou não, mas soo pêra se 
sostenlar conselho sobre este feit(^, deuera S. A. primeiro de mandar quoa- 
tro homens principaes do seu conselho ver goa, e saber o que ella soo por 
si tinha obrado no feito da india, e então poer en conselho se se alarga- 
ria aos mouros ou não: não sabe S. A. quoão danossa couza fora pêra a 
india saberem os mouros que auia entre nós conselho de largar goa, sa- 
bendo quoam bolisoza he a gente da india e quoão maa d amansar, que 
soo por asaquarem os portuguezes que vinha outro gouernador, se Reteue 
elRei de cambaia, e atee minha uinda não quiz dar Reposta, porque 
gente mansa por força sempre estaa agoardando o tempo pêra tirar o laço 
fora do pescoso. 

Do feito de goa, senhor, não digo mais, senão que laa veraa v. m"^. 
meu escreuer com o dos outros senhores; que se a elRei mandar desfa- 
zer, eu serei o primeiro que lhe porei barril de poluora debaixo da torre 
da menagem; e se a quizer uender a elRei de narsingua ou ao sabaio, 
que lhe darão muito dinheiro por ella: e porém quem deixar goa, não 
quer ter asento na india, nem uer asosego nella; e se eu fór portuguez 
da condisam dos d agora, depois que me de quá fôr, dezejarei de a uer 
derribada, porque se torne o jogo ha baralha: porém goa tem tomado 
asento, asim como eu laa escreui a S. A., e ainda elle veraa que goa por 
si, sem gerra nenhSa, ha dauer todalas terras com suas rendas que de 
rredor delia jazem *. 

cm 
^ Bibliotheca publica de Évora, Códice ^—zi foi. 73 a 80 v."" Este códice é de lettra 

3i— So 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 415 



CARTA CXI 

1613— Dezembro 1 

Senhor. — Manuell de llacerda ha tamtos anos que hamda camo eu * 
justamente, e em todallas cousas de vosso seruiço em meus trabalhos foy 
sempre, e foy muitas vezes ferido por vosso seruyço : homem he, senhor, 
esperememtado, pêra em qualquer cousa em que ho encarreguardes, daar 
boa comta de sy ; tenha o vossa alteza em comia de cavaleiro : he homem 
que poerá as mãaos em qualquer cousa que ho mamdardes ousadamente; 
eu lhe dey a capitania de guoa, e temdo esperança em nosso senhor nos 
daria luguar de fazermos asemto no maar Roxo, o levey comiguo, porque 
he tall pesoa de que comíiaria cousa de gramde obriguaçam e afromta; e 
aguora que vim, nam no pude agasalhar como elle merecia, por serem 
todallas cousas dadas por vosa alteza: provede o, senhor, se vos cá qui- 
ser seruir, dallguum asemto honrrado destes, e dos gallardões de Há nam 
se esqueça vos alteza delle e doutros que vos cá tem seruido muy bem, 
porque has comemdas tam bem as merecem cá os cavaleiros como em 
çafím e em arzilla. Escrita em cananor ao primeiro dia de dezembro de 
1513. 

(Por letíra de Albuquerque) feytura e servydor de vosa alteza 

Afomso dalboquerque^ 



do século xYii, segundo a informação do sr. Gabriel Y. do H. Pereira, o qual se prestou 
obsequiosamente a conferir a copia doeste documento, feita pelo sr. A. F. Barata. 

^ Parece-nos lapso, e que devará lêr-se: «anda cá como eu.» 

^ Torre do Tombo— C. Chron. P. 2.% Maç. 43, D. 105. Por lapso vaf esta çart^ 
fora do seu logar. 



m CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



Soffimario de todas as cartas qne vieram dá Indía a eIRey nosso senhor e 
doutros Recados qoe também vieram nas nãos de qne veo capitam mor 
antoDio de saldanha e na nao de cíde barbudo que veo depois dele^ 

Outra carta sua de bj de feuereiro de 1507 

Item : O que pasou com o capitam mór sobre sua yda a sam Lou- 
renço, e como lhe dise que se avia de tomar. E que se nom fora por tanto 
comprir ha voso seruiçó, nom aceitara cargo de frota tam desbaratada. 

Item: que proueja vosa alteza sobre çufalla, porque está muy desor^ 
denada e o ouro anda muito solto^ e que pois os caferes tem asentado com 
vosas gentes, ho aja vosa allteza por seguro. 

Item : como nuno vaaz foy emviado ha çofalla por capitam e o que 
diso lhe parece, e que aja vosa alteza por mayor cousa que ha myna, e a 
detryminaçam em que estaua manuel femandez. 

Item : como pasou furyoso nuno vaz com poderes do viso Rey e como 
ho sofreo e desymuUou, e porém que leuou da frota gente escondida e 
engalhada. 

Item : sobre a vinda de dom Lourenço a ormuz e as nãos da sua ca- 
pitanya Repartidas. 

Item : pede o hordenado da capitanya de dom afonso seu sobrinho, 
leua somente sua moradia e ordenado como os outros, e que elle cuida 
que vosa alteza tem com elle a maneira que tem com os capitães das for- 
telezas da índia. 

Item: pede que mande vosa alteza pêra ele dom garcia seu sobrinho 
e com nauyo. 

Item: que lenbra a vosa alteza que fez ha forteleza de cochy; pede 
que mandando vyr dom aluaro, faça delia mercê a dom antonio seu so- 
brynho. / 



^ O caddrno que tem este titulo guarda-se na Torre do Tombo— Gav, ÍO, Haç. 4, 
N."* 15. Aproveitamos somente o que pertence a Albuquerque. 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 41 7 



Outra sua de bj de feuereiro 1507 

Item: o caminho e yda que fez o capitam mor em busca da terra de 
sam Lourenço e o que se llá fez. 

Desta carta nom he necesario mais, porque somente diz como se foy 
tristam da cunha e elle ficou com ha outra frota, e como pasou nuno vaz 
pêra çofalla. 

E como mandou mantimentos a çofalla pella carauella que hia com 
a nao de laguos, etc. 



Outra dafonso dalboquerque de xiiij dia$ de feuereiro 1507 

Item : como tomou a topar tristam da cunha yymdo da terra de sam 
Lourenço e lhe entregou a frota, e tornaram a moçambique. 

Item : como nom foram recebidos seus conselhos, e que tinha Recéo 
de o nom largar o capitam moor e ho leuar á índia, e se lá pasa, que nom 
he posyuel tornarem as naaos ao cabo de gardafune. 

Item: que até emtam nam vio poher o conselho (?) no que mandas- 
tes, etc. 

Item : lenbra outra vez çufalla que ha mande vosa alteza poer em 
bordem, que averês quanto ouro quizerdes, etc. 



Dafonso dalboquerque de x de nouembro 1507 

Item: daa conta da partidjt de beziguiche. 

Item: como leuauam em propósito de tomar a boca do mar Roixo. 

Item: que tem sabido que em çufalla tratauam mais naaos no ouro 
que na espiciaria. 

Item: que todauya os mouros de çofala vãao fora e que pêro danhaya 
nom morrera ; acharam eles as Ix (eoooo) dobras que vosa alteza mandaua 
leuar, e que pêro d anhaya leuaua o caminho verdadeiro e os outros fol- 
gam aly com eles por seu proueito. 

53 



UB 



CARTAS DE AFFONSO DE ALBUQUERQUE 



Item: que das pouorações que sam Ires, daly de çofalla dos mouros 
se poderó aver muito ouro e ficará ho trato com os da terra. 

Item : que compre çofalla ser fauorecida de cá de portugal, porque da 
Imdia nom se poderá asy fazer. 

Item: capitam na costa d arábia que governe e proueja a dita costa, 
porque estas cousas por allguum tempo ham mester bem trylbadaá, e se 
averá muito ouro e marfim; e que mombaça se torna a Reformar e tjue be 
porto morto e pêra grandes naaos, e que serya muito voso áerviga aly hãaa 
forteleza, e na costa braua abasta fazellos tributaryos. 

Item :, o que se fez na terra de sam Lourenço, e que segimdo a enfor- 
maçam que tem be cousa grande, e que o gengyure be muyto mais groso 
que bo da índia, e que segundo seu entender parece que deue ser este o 
que se cbama mequym. 



':r/ 



Cartas de âffonso de Albuquerque m 



Primeiras das nãos firimeiras 



Sopirío daseirtis daronsodalboperqDe qoe este anno de blj/^iij víeran 
da ymdia. e asy doolras a que eIRe