(navigation image)
Home American Libraries | Canadian Libraries | Universal Library | Community Texts | Project Gutenberg | Biodiversity Heritage Library | Children's Library | Additional Collections
Search: Advanced Search
Anonymous User (login or join us)
Upload
See other formats

Full text of "Decadas da Asia"

This is a digital copy of a book that was preserved for generations on library shelves before it was carefully scanned by Google as part of a project 
to make the world's books discoverable online. 

It has survived long enough for the copyright to expire and the book to enter the public domain. A public domain book is one that was never subject 
to copyright or whose legal copyright term has expired. Whether a book is in the public domain may vary country to country. Public domain books 
are our gateways to the past, representing a wealth of history, culture and knowledge that's often difficult to discover. 

Marks, notations and other marginalia present in the original volume will appear in this file - a reminder of this book's long journey from the 
publisher to a library and finally to you. 

Usage guidelines 

Google is proud to partner with libraries to digitize public domain materiais and make them widely accessible. Public domain books belong to the 
public and we are merely their custodians. Nevertheless, this work is expensive, so in order to keep providing this resource, we have taken steps to 
prevent abuse by commercial parties, including placing technical restrictions on automated querying. 

We also ask that you: 

+ Make non-commercial use of the files We designed Google Book Search for use by individuais, and we request that you use these files for 
personal, non-commercial purposes. 

+ Refrainfrom automated querying Do not send automated queries of any sort to Google's system: If you are conducting research on machine 
translation, optical character recognition or other áreas where access to a large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the 
use of public domain materiais for these purposes and may be able to help. 

+ Maintain attribution The Google "watermark" you see on each file is essential for informing people about this project and helping them find 
additional materiais through Google Book Search. Please do not remove it. 

+ Keep it legal Whatever your use, remember that you are responsible for ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just 
because we believe a book is in the public domain for users in the United States, that the work is also in the public domain for users in other 
countries. Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we can't offer guidance on whether any specific use of 
any specific book is allowed. Please do not assume that a book's appearance in Google Book Search means it can be used in any manner 
any where in the world. Copyright infringement liability can be quite severe. 

About Google Book Search 

Google's mission is to organize the world's Information and to make it universally accessible and useful. Google Book Search helps readers 
discover the world's books while helping authors and publishers reach new audiences. You can search through the full text of this book on the web 



at |http : //books . google . com/ 



Digitized by VjOOQIC 



Digitized by LjOOQ l(^ 



Digitized by VjOOQIC 



Digitized by VjOOQIC 



Digitized by VjOOQIC 



"T^gjCd^y HpOg le 



Digitized by VjOOQIC 



DA ÁSIA 

DE " 

DIOGO DE COUTO 

D05 PEITOS , QUE OS PORTUGUEZES FI^^ERAM 

NA CONQUISTA y S DESGUBRIMENTO 

DAS TERRAS, E MARES DO OrIENTE. 

DÉCADA DECIMA 

P A Rt E SEGVNDA. 




LISBOA 
Na Regia Officina Typogkapica 
^ akno m.dcc.lxxxviií. 

Cff/if iieeiíÇa éa "RíúI Mcíuí da Com mi f são Geral feire o 
ExariH « ê Cinjurê dos Livroi » e Privilegio RuL 



Digitized by VjOOQIC 



Digitized by VjOOQIC 



índice 

DOS capítulos, QJTE se CONTE» 
NESTA PARTE SEGUNDA 

DADECADAX. 



c 



L I V R O VI. 

AP. I. De com D. Duarte de Me- 
nezes^ Senhor da Cafa de Taro», 
ca, fot eleito por Fifo-Rey da /»- 
j '' 5 ^'!^^c^' qife lhe ElRíifegi^ 
tda Jrmada ^ue partio : e do aue lhe 
Juccedeo na v/agem até Cochim \ e das 

CAP^IÍ "is ^*' ^'1" ^'^"'' P«g- I. 

n íí' •^'^^ '■'^/^ em que o yiPhRey 
D. Duarte froveo : e do modo que teve 
no negocio da Alfandega comaquelles mo- 

CA? m 'i?''' "^. ^^^ conced/ram, 13. 
n íí ^''^/''^ras em que o Viro-Riy 
D. Duarte de Menezes provêo aites de 
Partirem as nãos: e da viagem que o 
^ D. Francifco Mafcarenbasteve 

Jfr^j ?"" • / '*'' ^'^""^Sos que nejia 
-^^^ fe embarcaram a requerer deC- 
fachos pelos fervi f os que tinham fL 

^^D «ÍY: ^^' '^^'/ ^*' acontecêrafÍ\ 
-y. J eronymo Mafcarenhas noMalavarx 



Digitized by VjOOQiC 



II ; I N D t C 5 . ' 

edeeomftvh com oC^martm^ ejurau 
as pa&e^ : e de como dejlruio o Naique 
de Sanguicer. J-7» 

CAP. V. Das pazes que o Naique de San- 
guicer pedio ao Vtfo-Rey : e de como en- 
tregou o corpo de D. Gileanes Mafcare" 
nbas : e dos Capitães que o Fifo-Rey àej- 
pachou.perafára. 33- 

CAP. VI. Das couCas que aconteceram ent 
Maluco : e dofoccorro que veio das Ft- 
lippinas : e de como a Armada de -Ew^Of 
de remate tomou duas fragatas deHef- 

. panboes : e da grande batalha que teve 
com outras três. ,^ , "^^^ 

CAP. VII. De como chegou a Maluco o 

. Galeão da carreira', e da razão por que 

Diogo de Azambuja não quiz entregar 

a fortaleza a Duarte P<^"ra:'^ «^**- 

tro Coccorro que chegou das Mamlbas , 

. de que veio por General João de More- 

CAP. VIU. De como os nojfos partiram 
pêra Ternate: e de como defembarcaram 
m terra : e do que lhes fucce^o -até 
ajfentarem feu campo naquella tortaie- 

'Za. , * 

CAP. IX. De como os nofos cemeçarem a 
. bater a Fortaleza de Ternate : e áas 
coufas que fuccedêram no cerco até ox 
mjfosfe alevantarem delle. f^ 



Digitized by VjOOQIC 



boi CA^PITlfLOá. rii 

CAR X. Das coujas que aconteceram em 
Ormuz , fendo Capitão Matbias de AU 
huquerque : e de como os Niquiliis que^ 
bráram as pazes , e o Capitão mandou^ 
fobre elks alguns navios que Je perde-- 
ram. 6^. 

CAP. XI. De como o Turco mandotífazet^ 
bum Forte fobre a Cidade de Tabriz : 
e das côUfas aue alli Juccèdêram entra 
os Turcos , e Perfas. 72. 

CAP. XIL Dofítiò da Cidade de Tàbriz^ 
e dos defpiedofos ^ e cruéis facos que 0^ 
Turcos lhe deram : e dos ajf altos que o 
Vrincipe da Perjia deo nos Turcos , em 
que lhes matou muitos^ 8r, 

CAP. XIIL De como oi Turcos fe leijantd-* 
ram de fobre Tabriz : e de como o Prin^ 
cipe da Perjia deo fobre elles : e da fa»' 
mofa vitoria que alcançou : e da morte 
de Ofman Baxd. 91. 

CAP. XIV. Que dd conta de quem são 
í>yns Cafres ^ que fe chamam Ambios ^ 
e Macabires : e de huma paragem que 
os cafados de Moçambique fizeram d 
Mra banda pêra aarem em hum Forte 
pe Id tinham , no qual foram mortos 
todos os nojfos. 98. 

CAP. XV. Das revoltas que efte anno hou-^ 
^^ no Reyno de Nizamoxã : e de como 
alguns Capitães daquèlle Reyno fugiram 

Couto. Tom. VI. P.íi. ♦* pe- 



Digitized by VjOOQIC 



Vf Índice 

pêra o Mogor , e mettêram feus CapU 
' tães no Reyno de Ver ar a. 109, 

CAP. XVI. Vas mvas que chegaram ao 
- VifthRey d9 Norte : e de como mandou 
lá Ruy Gomes da Gram com buma Ar^ 
mada : e de outras que mandou pêra o 
' Sul ^ e pêra Malaca. 115'. 

LIVRO VIL 

CAP. I. Da Armada que ejle anno de 
\^%^. partio do Reyno ^ de que era 
Capitão Mor Fernão de Mendoça : e do 
novo contrato que ElRey fez ejie anno 
da pimenta : e do que aconteceo a todos 
na jornada : e de como Fernão de Me^ 
doca fe perdeo nos Baixos da índia. 121. 

CAP. II. Da defcripção dejie baixo , em 
que a náo deo : e das peffoas que fe fal* 
varam em o batel : e ao que lhes aconte^ 
ceo até chegar a terra. 129. 

CAP. III. Do que aconteceo aos que ficd-- 
ram nos baixos : e das jangadas que or-^ 
dendram ! e de hum efpantofo milagre 

' que fez o Lenho da Cruz de Chrijlo : e 
do que aconteceo a Fernão de Mendoça , 
e aos do batel até chegarem a Moçam* 
bique. 137. 

CAP. IV. De como o Vifo-Rey D. Duarte 
tratou de mandar buma Armada ao ep^ 

treU 



Digitized by VjOOQIC 



DOf G AÍITULOS. V 

* tretto: e d9 fegredo que nijfo teve: e de 
amw ordenou faa^r huma Fortale%a em 
Pananc , e foram nomeados pêra Capi-^ 
ties Ruy Gonf alves da Cantara da tefy^ 
ra^eD. "^eronymo Mafcarenhas do mar : 
t ioque aconteceo a Ruy Gomes da Gram 
no Norte y e a JÍntonio de AsneDedo no Co^ 
morim* I4j. 

CAP. V. De algumas differenças que bouvè 
entre Ruy Gonfahes da Camará , e Dé 
Jeronymo Mafcarenhas: e dt como Ruy 
Gonf alves par tio pêra Panane ^ e fe via 
com o Çamorifn : e de como fez a rortik- 
leza em Panane. I5'4. 

CAP. Vi. De como JD. Jeronymo Mafcare^ 
nbas fe defaveo com o Vifo-Rey fobre 
à ida a Panane : e de como foi por Ca^ 
pitão Ruy Gomes da Gram a lóf. 

CAP. VII. Da grande Armada com que 
R»y Gonfalves da Cantara partio pêra a 
eftreito de Meca : e de como o Vtfo-Rp 
Mandou por Co/me Faya lançar na cojía 
ia abadia João Baptijia Briti , e que 
homem era ejle : e dos Capitães que fo-^ 
^«m entrar em fuás Fortalezas. 170* 

CAP. VIIL De como huma Galé deTurcos 
foi ter d Cofia de Me linde : e dos damnoí 
pe por eUa fez : e de como cativou Ro^ 
pe de Brito. 178. 

w. IX. Doquefez Ruy Gimes daGraní 



Digitized by VjOOQIC 



VI I N D I C K 

em Panane , e tornou de novo a fortiji^ 
car aquella Fortale%a\ e de comofe foi 
ver com o Çamorim. iS6. 

CAP. X. Do que aconteceo a João Caiado 
de Gamboa em Surrate fobre huma náo , 
que Caliche Mahamede queria lançar 
pêra fora fem cartaz. 193. 

CAP. XI. Dos Capitães que foram entrar 
nas Fortalezas : e do que aconteceo a 
Bernardim de Carvalho até Panane: e de 
como Ruy Gomes da Gram proveo as ef- 
t anciãs. 199. 

CAP. XII. Das coufas que aconteceram 
em Malaca , depois aue João da Silva 
tomou pojfe daquella Fortaleza até cbe^ 
gar lá D. Manoel Pereira : e de como o 
Kajale determinou jazer guerra áauella 
Fortaleza: e do foc corro que o ViphKey 
mandou. 205^. 

CAP. XIII. De como o Rajti matou o Ma- 

duhch feu pai: e da Cidade nova que fez 

fobre o rio do Canale : e do cerco que co^ 

nieçou a pôr d Fortaleza de Columbo. 

213. 

CAP. XIV. Das coufas que aconteceram 
em Ceilão até chegar ejíe provimento : e 
da grande viSíoria que os nojfos houve^ 
ram da gente do Rajtí dia da Exaltação 
da Cruz : e de hum cafo efpantofo que 
aconteceo em humjobrinbo doRajú. 218. 

CAP. 



Digitized by VjOOQIC 



DOS CApiTxrtos. vn 

CAP. XV. De como Cofme Faia foi morto 
na liba de Gamaram com todos os que 
com elle hiam: e do que aconteceo a Ruy 
Gonfalves da Camará no eftreito^ 226* 

CAP. XVI. Do que aconteceo a Francifca 
de Soufa Pereira , e a Trijião Vaz da 
Veiga y indo fazer aguada : e de huma 
hriga que tiveram com os Turcos : e do 
que aconteceo aos navios da Armada que 
andavam defgarrados. 0^3. 

CAP. XVII. Do que mais aconteceo a Kuy 
Gonfalves da Camará y e a D. Francifco 
Mafcarenbas , que ficou no Eftreito :. e 
de como Ruy Gonfalves chegou a Mafca* 
te y e defpedio Pedro Homem Pereira 
com a Armada de remo pêra Ormuz, 
240. 

CAP. XVIII. Da Armada que Ruy Gon- 
falves da Camará mandou contra os 
Nequilús , de que foi por Capitão Mor 
Pear o Homem Pereira : e do que Ibeacon-^ 
teceo na jornada : e de como def embarcou 
na fua Cofia , e foi desbaratado com 
morte de quafi todos os Capitães , e mais 
de trezentos homens. 247. 



Lí- 



Digitized by VjOOQIC 



Tíir í »r D l C E " 

LIVRO viri. 

CAPf I. D9 que efte anm aconteceo na 
Pérfia: e de como mataram o Prin^ 
cipe Mizhazem Mirta : e de como o Tur-^ 
CO mandou Serat Baxd a prover o For^ 
te de Tabriz ^ e fasz^r outro em Gasi^at y 
e do que o Xá fef6. 160. 

CAP. 11. De como chegaram a Malaca os 
navios dà índia : e de como D. Jerany^ 
mo de Azevedo fè foi pêra o ejireito de 
Sincapura : e do que Ibe aconteceo , ejlan^ 
do nelle com a Armada do Jor. 268. 

CAP. III. De como Artur de Brito chegou 

• a Maluco : ç do que lhe aconteceo naquela 
las Ilhas : e da Embaixada que deo a 
ElRey de Ternate fobfe a entrega da-^ 
quella Fortaleza : t do que fobre ijfo fe 
pajfou. 274. 

CAP. IV. De como Duarte Pereira veio 
das Manilhas , e tomou poffe da Capi- 
tania de Tidore: e das coufas que mais 
fucçedêram : e do diabólico ejíratagema 
que ElRey de Ternate ujou pêra matar 
o Principe Mandraxa. 285', 

CAP. V. Do que aconteceo d gente da náo 

Sant^Iago depois de fer em terra até 

chegar a Moçambique : e de como fe par^ 

firam pêra a Indín. 292, 

- ^ CAP» 



Digitized by VjOOQIC 



DOS CAíITUtOS. nj 

CAP. VI. Da Jrmãda que efit anno de 
586. partio do Reyno : e d& nervo arren- 
damento queElBjty mandou jazer da Ca- 
fa da Índia-, e de como Galeão Reys 
Magos , que bior pêra Malaca , pekijou 
com os Inglesas : e do grande naufrágio 
que pajfou a ndo S. Lourenço , indo pêra 
o Reyno : e de como chegou a Mofamèi- 
que. 295'. 

CAP. VIL Da Armada que o Fifo-Rey D. 
Duarte mandou a Surrale , de que foi 
por Capitão João Barriga Simões : e do 
que lhe aeonteceo com huma nao de Me- 
ca y e com Caliche Mahamede Senhor, de 
Surrate. gof. 

CAP. VIII. Das Armadas que o Fi/ihRey 
lançou fora : e do que fuccedeo ás n4os 
do Reyno até chegarem a Goa i e da mu- 
dança que ElRey mandou fa^er nas epu- 
fas de j u/l iça , e ordenou Cafa da Rela- 
ção em Goa, 314. 

CAP. IX. Das coufas, em que o Fijb-Rey 
mais proveo : e de como as ndosforanf 
tomar a carga a Cochim , e o Arcebifpo 
D. Fr. Vicente fe embarcou pêra o R^ey- 
no: e de como fe perdeo a nao Relíquias 
na barra de Cochim ^ e o Draqu^ tomou 
a ndo S. Filippe , indo pira o Reyno. 

CAP, X De como o Fifo-Rey n§andou hu- 
.1 ma 



Digitized by VjOOQIC 



Digitized by VjOOQIC 



índice 

DOS capítulos, QPE se OOKTEIt 
NESTA PARTE SEGUNDA 

,' DADECADAX. 
L I V R O VI. 

CAP. I. De como D. Duarte de Me^ 
nezes , Senhor ia Cafa de Tarçu-' 
ca , foi eleito por ViphBjey da Z»- 
dia : e das mercês que we EÍBjsy fez , 
€ da Armada que partio : e do que lhe 
fuccedeo na viagem até Cochim , e das 
coufas em que logo proraeo. Pag. i. 

CAP. II. Das coufas em que o VtphRey 
D. Duarte prameo : e do modo que teve 
no negocio da Alfandega comaquelles nuh 
radares ^ por onde lha concederam. 13. 

CAP. III. Das coufas em que o VtphRey 
Z). Duarte de Meneses provêo antes de 
partirem as ndos : e da viagem que o 
Conde D. Francifco Mafcarenhas teve 
até ao Reyno : e dos Fidalgos que nejia 
Armada fe em barcáram a requerer def 
fachos pelos fervifos que tinham fei- 
to. 23. 

CAP. IV* Das coufas que aconteceram a 
D. J eronymo Mafcarenhas no Malavar : 



Digitized by VjOOQIC 



xn r l V Dl c ir - 

CAP. 11. Dofoccarro aue o Alferes Màr 
mandou d cofia de melinde : e do que 
mais aconteceo a Martim Affonfo em 
Mombaça : e de como foi alli dar a não 
Sahadar dejiroçada ^ e perdida : e de co^ 
mo Martim Affonfo a levou a Ormussi , 
€ elle foi com a Annada ao EJireito de 
Baçord , e faleceo de doença : e de como 
fe começou a Fortaleza de Mafcate. 398. 

CAP. III. Do que ejie anno aconteceo na 

. Perfia : e de como Abax Mirza prendeo 
ElRey feu Pai , e os irmãos , e fe fess 

- Rey : e de como os Husbeques entraram 
na Provinda de Coboraçone. 409. 

CAP. IV. Dos grandes apercebimentos que 
o Rajfí fez pêra contra Columbo : e de 
como Capitão João Corrêa fe fortifi- 

, cou. 416. 

CAP. V. De como o Rajú fe fortificou , ir 

' começou a efgotar a alagâa : e de alguns 
ãffaitos que os noffos lhe deram y em que 
fempre loe fizeram damno. 426. 

CAP. VI. Do que aconteceo d Armada de 
D. Paulo de Lima na jornada : e de co- 
mo fizeram aguada na terra do Achem: 
e de alguns navios que tomaram no mar j 

^ com hum Embaixador que o Rajalè man- 
dava ao Achem. 43^* 

CAP. VIL Do que nefte tempo aconteceo em 

. Malaca : e de como os naviof da compa- 

. . nbia 



Digitized by VjOOQIC 



BorCA-^piruIos. xm 

" piiã de D. Paulo fe joram a Jor: e ãe 
como D. António de Noronha de/hnbar^ 
cúu em terra , e ganhou a Fortaleza dà 

Íraia. 447. 

P- VIIL De como D. António de Noro- 
nha tratou de commetter a Cidade , e 
foi contrariado dos Capitães da Arma- 
da de D. Paulo : e de como contra pare- 
cer de rodos defemharcou : e das coujas 
que lhe aconteceram. 456. 

CAP. IX. De arnio chegou D. Paulo de Li^ 
ma : e do confelho que tomou fobre a dej^ 
embarcação : e do Jitio da fortificação 
da Cidade de Jor. 466. 

CAP. X. De como os noffos defembarcdram 
na Cidade de Jor , e de como a entrd-* 
ram : e da efpantofa , e duvidofa bata- 
lha que dentro nella tiveram com os ini- 
migos : e dos cafos que nella fuccedê-^ 
ram. 473. 

CAP. XL De como a Cidade de Jor foi entra- 
da : e do grande , e perigo/b conflito ení^ 
que os nojos fe viram : e dos cafos que 
paffdram até os inimigos ferem de to^ 
do vencidos , e defpejarem a Cidade. 

487- 
CAP. XII. De como fe arrematou a viSío- 
ria^ e fè dejlruio , e ajfolou a Cidade to- 
da: e aos defpojos que nella tomdramx e 
dos mortos^ e cativos que houve de am^ 

bas 



Digitized by VjOOQIC 



xir . I H D r c í 

bas as partes : e de coma D. Pauh foi 
recebido em Malaca. 504* 

CAP. XIII. Dascoufas que fuccedêram em 
Maluco : e das intelUgencias que Duarte 
Pereira teve com Cacbiltulo pêra lhe en* 
tregar a Fortaleza de Ternate , e de ou- 
trás coufas. 5ii. 

LIVRO X. 

CAP. L Do que aconteceo emGeilão\ de^ 
pois da alagôa ejgotada : e do pri-^ 
metro foccorro que de fora chegou : e de 
alguns ajfaltos aue os nojTos deram em 
os inimigos : e dos apercebimentos que fe 

• fizeram pêra efperarem o primeiro com-- 
bate que o Rajú determinou de dar d 
Fortaleza. $i2. 

CAP. II. Do muito grande , e apertado 
combate que o Raju deo d nojfa Forta- 
leza : e do que nella aconteceo. 5:24. 

GAP. III. Do damno que houve da parte 
dos inimigos : e de alguns foccorros que 
de fora chegaram : e de como o Capitão 

. reformou os baluartes , e ejlancias. 5*43. 

CAP- IV. De como a Cidade de Cochim 
mandou de Joccorro a Ceilão huma Ar^ 
mada : e de como o Rajú tratou de com- 
fnetter a Fortaleza por mar y e por ter^ 
ra: e do que mais fuccedeo. 5*5: !• 

CAP. 



Digitized by VjOOQIC 



DOS Capítulos. xv 

CAP. V. De alguns foccorros que mais t/>- 
ram de fora d Fortaleza de Columbo: 
e dos ajj altos que os nojfos deram nas 
tranqueiras dos inimigos : e de como a 
nojfa Armada peleijou com a do Bmjií. 
S&o. 

CAP. VI. De como o Fifo-Rey mandou Ber- 
nardim de Carvalho a Ceilão : e da Ar^ 
mada que e/ie anno de \^%j* partio do 
Reyno : e do contrato que ElRey fez das 
ndos da carreira : e do ejianco que fez 
do anil: e da altercação que na Cidade 
de Goa houve fobre ijjo^e outras coufas. 
S69. 

CAP. VIL De como Bernardim de Carva- 
lho chegou a Columbo : e das coufas que 
mais aconteceram no mefmo tempo : e das 
minas que o Rajú mandou fazer , que 
foram fentidas , e os nojfos lhas desfize-- 
ram. 580. 

CAP. VIII. De alguns foccorros que mais 
partiram pêra Ceilão : e de como Filipa 
pe de Carvalho foi de foc corro em huma 
não de provimentos : e de como Thomé 
de Soufa de Arronches peleijou com a 
Armada do Rajtí^ e do que lhe fuccedeo. 

^ 5-93- 

CAP. IX. Dos tratos que o Rajú teve 

com os Naiques da cojia de Negapatão^ 

pêra lhes tolher os mantimentos que não 

paf 



Digitized by VjOOQIC 



aVI I K D I C E 

• p^JF^ffem a Columbo : e dosfoccorroí que 
chegaram de fora : e de alguns ajfaíto^ 
que os nojfos deram no Arraial : e d0 
ffrande combate que o Rajú deo d Forta-^ 

• le%a. 6o !• 
CAP. X. Do outro recado que o VtphRey 

• teve do aperto de Columbo : e de canio 
- mandou de foccorro "João Caiado de Gam- 

boa em. huma não com cento e fincoenta 
homens : e de como D. Francijco Ma/ca-- 
renbas partio com duas Galés pêra o 
Malavar. 6 ir. 

.CAP. XI. Do que aconteceo na jornada a 
JD. Francijco Mafcarenhas : e de como 
Manoel de Soufa foi com huma Armada 

V d Cofia do Norte : e do que aconttceo na 
jornada a João Caiado de Gamboa até 
chegar a Columbo : e das coufas que mais 
aconteceram naquella Fortaleza. 6i^. 

.CAP. XII. Da revolta que em Malaca hou- 
ve com hum Aniouco : e de como D. Fe^ 
dro de Lima foi aos Efireitos de Sinca^ 
pura , e Sabão : e do que lhe aconteceo : e 
de como D. Paulo mandou Simão de A- 
hreu de Mello cem recado da viSioria 
ao Fifo-Rey: e de como fe perdeo na cof- 
ta de Ceilão : e dos trabalhos que pajfou. 

• 624. 

CAP. Xni. Das coufas que nefte tempo 
aconteceram em Columbo : e dos ajf altos 

que 



Digitized by VjOOQIC 



cos Capítulos. xvii 

^e o Rajú deo dqudla Fortaleza : e do 
que nelle fuccedeo. 635'. 

CAP. XIV. Das coujas em que D. Pauh 
proveo em Malaca antes de fe partir 
pêra Goa : e de como o Fifo-Rey mandou 
Manoel de Soufa a Ceilão : e do que fez 
Tbomé de Soufa de Arronches naspovoa^ 
çSes do Rajú. 642* 

CAP. XV. Dos grandes ajfaltos que Tbo^ 
mé de Soufa mais deo por aquetla Cojla : 
e de como dejlruio a Cidade , e Pagode 
de Tancuarem. 648. 

CAP. XVI. De como Manoel de Soufa Cou- 
tinho chegou d Cofia de Ceilão : e dos 
grandes ejlragos que foi fazendo por eU 
la até chegar a 'Columbo. 6$y. 

CAP. XVII. De como o Rajú fecretamente 
fe def alojou , dando fogo ao arraial: e de 
como os noffos lhe fahiram : e do que 
lhes aconteceo no alcance , e do que mais 
pajfou. 664^ 

CAP. XVIII. De como Ruy Gomes da Sil- 
va andou na cofia do 'Éorte o refio do 
verão : e de como chegaram a Goa Ma- 
noel de Soufa , e D. Paulo de Lima : e 
dos Capitães que o Vifo-Rey defpachou 
pêra fora. 676. 

CAP. XIX. De como faleceo o Vifo-Rey -D. 
Duarte de Menezes de humas febres : e 
das partes y e qualidades defuapejfoa. 6S0. 

DE- 



Digitized by VjOOQIC 



Digitized by VjOOQIC 



Pag.x 






# * ' 



?> W^«^S>fif ^ 



DÉCADA DECIMA 

Da Hiftoria da Tndk. 

LIVRO VI. 



CAPITULO I. 

De como D. Duarte de Menezes , Senhor 
da Cafa de Tarouca , foi eleito por FiPh 
Rejy da índia : e das mercês que lhe EU 
Rey fez , e da Armada que partio : e do 
que lhe fuccedeo na viagem até Cocbim^ 
e das coufas em que logo proveo. 

AvENDo tres annos que o Con- 
de D. Francifco Mafcarenhas 
governava a índia y e vendo 
ElRey com quanta lealdade , 
e amor todos o receberam , e 
ferviram naquelles portos ^ determinando 
de o mandar ir , e prover em feu lugar 
Couto. Tom. VI. P. Ir. A ou- 




Digitized by VjOOQIC 



1 ÁSIA DE Diogo de Couto 

outro , mandou pedir ao Coníellio de Por- 
tugal que lhe apontaíTeni alguns homens , 
de que fe pudeíle fervir naquelle negocio ; 
e mandando-lhe de Poi^tugal huma Oonful- 
ta, em que hiam alguns nomeados , e en- 
tre elles D. Duarte de Menezes , Senhor 
da Cafa de Tarouca, do Confelho deEfta- 
do , Capitão , e Governador da Cidade de 
Tangere^que então eftaVa por Governador 
no Reyno do Algarve , fez eleição ElRey 
fó delle ^ fem o pôr em Cònfelno , pelas 
muitas, eboas partes, e qualidades de fua 
peílba , e pelas muitas que de feu esforço , 
fabef , e prudência tinha dado no tempo 
que eftevé por Capitão, e Governador na 
Cidade deTangere, em que alcançou mui- 
tas , e famofas vitorias dos Capitães , e 
Alcaides do Rey deFéz, e Marrocos, que 
são de obrigação das Chronicas do Reyno 
do teitipo de ElRey D. Sebaftião. 

Feita a eleição ao gofto de ElRey , 
logo lhe efcreveo huma carta honrada, em 
que lhe mandava fignificar o gofto que le- 
vava de o ir fervir á índia , e que no Con- 
felho de Pol-tugàl requerefle feu defpacho , 
é fez feus apontamentos , em que pedio 
còufas muito honeftas , e licitas , e que elle 
muito bem merecia , fegundo nos cá dilfe- 
ram ; e indo a Confulta a Madrid , foi re- 
fpondido com as coulàs feguintes. 

)i Que 



Digitized by VjOOQIC 



Década X, Cap. L 5 

^ Que lhe dâva o Titulo de Conde de 
91 Tarouca 9 que elle não quiz acceitar por 
]» lho nao darem de juro , e de herdade, 
» como pedia : e que pudefle logo pôr no 
9 filho mais velho a fua Commenda de 

> Albufeira ; e que da do Sardoal , que fo- 
n ra de D. Duarte de Almeida, que rende 
9 fetecentos mil reis, lhe fazia merc^ pêra 
» feu filho fegundo D. António de Mene« 
» zes , e da Capitania de Malaca , e de 
» homa viagem de Japão ; e lhe dava mais 
j vinte mil cruzados de mercê pêra ajuda 

> de pagar fuás dividas ; e qcre pudeíTe 
B prover os cargos todos da índia de Fei<» 
» tortas abaixo por huma íó vez cada hum 
n ás peíToas que elle quizeíTe , fendo aptas y 
n e lufficientes pêra iflb ; e que lhe dava 
» féis hábitos de Ca valia rias de Portugal , 
» dous de cada huma, pêra elle poder dar 
3» na índia is peíToas que quizeíTe , e oU-^ 

> trás muitas coufas que deixamos por nos 
n não pareceran necelTarias. n Com ifto co- 
meçou logo D. Duarte de Menezes a cor- 
rer com as coufas da Armada que havia 
de levar ,' e com os defpachos das coufas 
da índia , e tratou de cafamento de fua fi- 
lha mais velha Dona Maria de Vilhena com 
D. Francifco da Gama , Conde da Vidi- 
gueira , que fe eflFeituou í e como a recebeo 
fegunda leira da femana Santa y dia de N. 

A ii Se- 



Digitized by VjOOQIC 



4 ÁSIA dlE Diogo de Couto 

Senhora dá Encarnação á 25*. de Março* 
Efte anno proveo ElRey em. muitas coufas 
pêra o bom governo do Eíbdb da índia , 
aíQm da Guen^ , Juítiça , como da Fazen* 
da ; fobre o que deo grandes regimentos y 
^ inftrucç6es a D. Duarte de Menezes , e 
a principal. foi acudir a aleumas defordens 
dos Vifo-Reys , e mandar-Thes na índia ti- 
rar fuás refidencias primeiro que fe embar* 
caíTem , pêra pagarem , e fatisfazerem ás 
partes o que llies deyeíTemi e pêra outras 
muitas coiifas* 

E |>orque queria começar logo, man- 
dou iigniiicar a D. Duarte efta fua tenção j 
fogando-lhe ^ue havia de haver por bem 
começar por elle huma coufa tanto do fer- 
viço de Deos , e feu , porque não ficaíTe 
aòs mais jugar de fe efcandalizarem. A ií* 
to lhe refpondeo D. Duarte , que antes 
lhe fazia, naquil^o mercê mui grande ; por* 
que elle eíperava de viver tão juftific^o , 
que não houveíle de que lhe porem culpas. 
E fobre ifte mandou ElRey novos regi- 
mentos, que não vimqs na Torre do Tom- 
bo , onde.iílo havia de ellar , nen^ até ago- 
ra nenhuma outra coufa das que ElRey 
manda que nella fe lancem , pelo que ou- 
vimos , por onde. não nos devem pôr cul- 
pa na falta das informações, antes nos de- 
vem agradecer quanto temos efcrito , e ca- 
va- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. I. f 

Tado á pura força , e trabalho noflb, {em 
nenhuma ajuda , nem favor dos Vifo-Reys ,' 
pois nos Fidalgos da índia achámos me- 
lhor negocio ; porque havendo-nos elles 
de peitar , e trazer apontamentos de fuás 
coaiks pêra lhes continuarmos na hiftoria y 
aíEm euam efquecidos de não haver na In-- 
dia quem efcreva nada por ordem de El- 
Rejr , que não fei fe nos fabem o nome, 
nem fe nos tiram o barrete ; mas façam to- 
dos o que quizerem , que nós lhes fegura-» 
mos que o que fizer feitos dignos de efcri-. 
tura , que elle os não perca , e que fempre 
tenham nella o feu lugar , porque nos não 
moveo a efte trabalho mais que o zelo da 
gloria , e honra dos noíTos naturaes , e de 
não ficarem em perpétuo efquccimento ;; 
porque pêra fatisfaçao difto nos bafta as 
muitas honras y e mercês que ElRey nos 
foz , e grande gofto que nos moftra ter de 
íè tirarem á luz os feitos de feus vaíTallos ^ 
o que elle todos os annos tanto nos en^ 
commenda : em fim deixamos efta mate-i 
ria> em que tínhamos bem que dizer. 

Ás náos que haviam de ir para a ín- 
dia , que eram féis, foram^fe fazendo pref^ 
tes } e como foi tempo , embarcou-fe o 
Vifo-Rey , mas nâo teve tempo pêra dar á 
vela, fenâo a lo. dias de Abril defte anno 
de 1584, em que andamos. Hia o Vifo-Rey 

em- 



Digitized by VjOOQIC 



6 A S I A DE Diogo de Couto 

embarcado na náo Chagas , de que era Ca- 
pitão Gonfalo Ribeiro Pinto i as outras 
náos eram o Bom Jefus , por outro nome 
Caranja , de que era Capitão João Paes , e 
nella hia embarcado D. Jorge de Menezes 
do Confelho de ElRej , Alferes Mór do 
Reyno de Portugal , que hia pêra entrar 
Aa Capitania de Sotala , e Moçambique y 
de que era provido ; a náo Boa Viagem > 
Capitão Lourenço Soares de Mello y a náo 
N. Senhora das Reliquias , que foi de D. 
Miguel da Gama j Capitão Gomes Henri- 
ques i Santa Maria , Capitão Mathias Lei- 
te , em que vinha João Alvares Soares por 
Veador da Fazenda , e o Galeão Sant-Iago , 
Capitão Affbnfo Pinheiro , que havia de ir 
a Malaca , vieram nefta Armada muitos , e 
muito honrados Fidalgos , e aiCm deipa- 
chados com as mercês , e os mais delles 
na náo do Vifo-Rey ; e os que nos lem- 
bram são : D. João Pereira , que depois 
foi Conde da Feira , que levava a Capita- 
nia de Ormuz , de que lhe ElRey fez mer- 
cê no próprio tempo , em que a tinha D. 
Nuno Alvares Pereira feu Tio , que lhe 
cabia após João Gomes da Silva , que nella 
eftava; D.Nuno Alvares Pereira feu irmão , 
Ruy Gomes da Gram y defpachado com a 
Capitania de Ormuz ; Duarte Moniz Bar- 
reto deíi^achado com a meíma Capitania ^ 

que 



Digitized by VjOOQIC 



DscADA X. Ca?. I. y 

qoe o Governador António Moni^ feu Pai 
tinha 9 Aires da Silva , e Luiz da Silva , ^^ 
lhos de Lourenço da Silva , e fobrinhoc 
do Vifi>Rey D. Duarte , fillios de fua ir* 
ma Dona Ignez de Caftro ; D. Diogo Cour 
tinho y fillio de D. Francifco Coutinho de 
Santarém o Marialva \ D. Miguei de Caftro , 
filho de D* Álvaro de Caftrp , Veadpr da 
Fazenda que foi do Reyno , e Neto do 
bom Governador , que foi Vifo-Rejr IX 
João de Caftro ; Bernardino de Carvalho , 
Capino, e Governador que foi da Cidade 
de Tangere; D. Manoel de Almada, filho 
de D. Antão d' Almada , Capitão de Lis- 
boa ; João da Silva , filho de Fernão da 
Silva , que então era Regedor ; Fradique 
Carneiro de Aragão , e leu irmão Martim 
AíFoníb Carneiro , filhos de Francifco Car- 
neiro , irmão de Pedro de Alcáçova , Con- 
de das Idanhas ; D. Gileanes de Noronha ^ 
e D. Leão de Noronha irmãos , filhos de 
D. Thomaz de Noronha ; D. Francifco de. 
Noronha , irmão do Conde de Linhares i; 
Simão de Mendoça , Arthur de Brito , que 
levava as viagens de Maluco , e hia por 
Embaixador ao Rejr de Ternate , e com 
cartas de fatisfações que ElRey mandava 
ibbre a morte de feu rai, e outros muitos 
Fidalgos , e Cavalleiros que hiam , aílim 
nefta náo^ como nas outras. £feguindo fila 

via» 



Digitized by VjOOQIC 



S ÂSI A i>£ Diogo d^ Coirro 

víaj^em , por acharem contraftes , fizeram 
differentes caminhos ^ Caranja , e Boa Via* 
gem paíTáram por dentro í^m tomar Mo- 
çambique , e foram a Goa de 20. de Se^ 
tembro por diante ; o Galeão paflbu a Ma- 
laca muito bem , as outras náos foram to- 
mar Cochim por fóra. O Vifo-Rey D. Duar- 
te chegando á Ilha de S. Lourenço em 
Agofto , teve na cabeça delia tempos rao 
contrários , que andou mais de quinze dias 
ao pairo ; e eftando elle em cama tão en- 
fermo que fe receava fua vida , e vendo 
os Officiaes o tempo gaftado ^ foram-fe ao 
Vifo-Rey, e lhe diíTeram, que aquillo era 
muito tarde pêra paílar a índia por dentro ; 
c que pêra irem por fóra de S. Lourenço , 
era a viagem muito arrifcada, que lhe ha- 
via de morrer muita gente , e que nem a 
faude delle Vifo^Rey cumpria a iflb , que 
/eram de parecer que foíTem tomar alguns 
dos portos da Ilha de S. Lourenço que 
havia da banda de fóra , e muito bons ^ e 
que fe deixaíFem ficar até o Vifo-Rey con- 
valefcer, e que de alli iriam a invernar a 
Moçambique ; e o Vifo^Rey lhes diífe , que 
trataífem do que mais foíle do ferviço de 
ElRej , que era paíTar aquella náo á ín- 
dia , e não de fua faude , porque por elle 
arrifcaria muitas vidas y fe as tivera ; e com 
jllo aíTentáram todos que tomaífe a derrota 

por 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. L 9 

por fóra ; e favorecendo Deos noflb Se* 
nhoT ambos os intentos de D. Duarte de 
Menezes , lhe foi logo dando faude , e tão 
boa viagem , que não tiveram contrafie, 
nem fobrefalto algum , e lhe morreo pouca 
gente na náo , e a 20. de Outubro Foram 
haver vifta da Arvore de Porca , quatro 
legoas aífima de Cochim y aonde eftiveram 
furtos finco , ou féis dias até lhes entrar o 
tempo y com que foram íiirgir na barra de 
Cocnim. Na òdade onde já havia nova do 
Vifo-Rey , porque lhas mandou elle de 
Porca , houve grande alvoroço pela fama 
que havia de fua Chriftandade , zelo , e 
pouca cubica, partes principaes que ha de 
ter o que governar efte Eftado. O Vifo-Rey 
fe embarcou logo, e fe apofentou em ter* 
ra , e tratou em Confelho do modo que 
teria pêra mandar alevantar a homenagem 
do Eftado ao Conde D. Francifco Mafca» 
rnhas y pêra que lhe ficaíTe tempo de fe 
ir embarcar pêra o Reyno; e aíTentando-íe 

3ue foífe a iilo o Doutor Duarte Delgado 
e Varejão , oue vinha provido de Juiz 
dos Feitos da Fazenda da índia , lhe deo 
papeis , e procurações baftaqtes , e trasla* 
dos da Patente , e Alvará de Guia pêra o 
Arcebifpo D. Fr. Vicente , e os mais De- 
putados tomarem entrega da índia pelo 
modo que no Capitulo atrás temos contado» 

Par-' 



Digitized by VjOOQIC 



IO ÁSIA DE Diogo pe Goirro 

Partido Duarte Delgado , ficou o ViC>* 
Rey entendendo no defpacho das náos, 
porque poucos dias depois delles chegaram 
aquella oarra a náo N. Senhora das Reli* 
quias , e Santa Maria , que também foram 
por fora da Ilha de S. Lourenço ; e na 
carga delia começou a- entender Pedro Co- 
chim 5 que veio o anno atrás de 5:83. pro- 
vido do cargo de Veador da Fazenda de 
Cochim, e da carga das náos. OComorím 
tanto que foube da chegada do Vifo-Rey y 
foi a confirmar as pazes que tinha feitas 
com D. Gileanes , que o Vifo-Rey reccbeo 
mui bem , e lhas confirmou ; ao que fe fi* 
zeram muitas feftas, e foi alin^ua fiel del- 
ias D. Pedro Real , Arei Mór de Cochim , 
que tem jurifdicçao de Cochim fobre todos 
os Marinheiros da Armada. 

E porque os foldados das náos anda- 
vam deiagazalhados , c padeciam necefiíida- 
des , ordenou o Vifo-Rey dar-lhes duas 
mezas , pêra o que fe offerecéram D. João 
Pereira , e Ruy Gomes da Gram , que cor^ 
réram com elles abaftadamente , em quanto 
o Vifo-Rey alli efteve. Chegado Duarte 
Delgado a Gqa v foi-fe ver com o Conde 
D. Francifco , eftando prefente o Arcebifpo 
D. Fr. Vicente , c o Capitão da Cdade » 
Veador da Fazenda , Secretario , e Fidal- 
gos velhos , e moíbrados os papeis , patenr 

tes. 



Digitized by VjOOQIC 



' Pecada X. Gap. I. ii 

tes , e cartas de guia , que tudo leo em 
alta voz o Licenciado João de Faria , Se- 
cretario do Eftado ; e achando-fe folemnes ^ 
logo alli fez o Conde entrega da índia nas 
mãos do Arcebifpo D. Fr. Vicente , que 
havia de ficar governando ; e com dl^ o 
Capiâo da Cidade y Veador da Fazenda^ 
Ouvidor Geral. Feito ifto , logo Duarte 
Delgado , por bem de huma inftrucção que 
levava y nomeou por Veador da Fazenda a 
Fernão Gomes Cordovil, e por Secretario 
a Rodrigo Monteiro pêra ncar correndo 
em Goa com aquelles cargos até chegar o 
Vifo-Rey ; c mandou que Diogo Corvo , 
que fervia de Veador da Fazenda , e o Li- 
cencbdo João de Faria Secretario ^ fe fof- 
fem ver com elle a Cochim pêra oade lor 
go fe embarcaram. 

O Conde D. Francifco, depois de ti- 
rar inftmmentôs , e certidões das Fortale- 
zas, Armadas, artilherias, munições, e de 
todas as mais coufas que deixava entregues 
ao ViforRey D. Duarte , embarcou-fe , dei- 
xando pofto feu retrato na cafa em que os 
Vilb-Reys dormem , por não caber (como 
já diifemos) na outra , em que eftavam os 
mais retratos : e a 22. de Novembro deo 
á vela pêra Cochim na Galé baítarda, indo 
cm companhia D. Jeronymo Mafcarenhas 
com toda a Armada , e juntamente foram 

mui- 



Digitized by VjOOQIC 



II AS TA OE Diogo i>e Couto 

muitos Fidalgos , parentes , e amigos do 
Vifo-Rejr D. Ehiaíte pêra o virem acom- 
panhando , que em chegando as novas a 
Goa , fizeram preftes navios pcra partirem 
pêra Cochjm com grandes , e exceflivos 
gaftos, e defpezas; e os que nos lembram 
são D* Jorge de Menezes , Alferes Mór , 
com dous navios feus , hum em que elle 
hia, e do outro fez Capitão Garcia de Mel- 
lo , feu cunhado ; João da Silva outros dous 
navios y Ruy Gonfalves da Camera Tio da 
Vifo-Rejr três ; Ayres Falcão , Pedro Lopes 
de Souía, Guterre de Monroi, com quem 
hia embarcado D. Fernando de Caftro , aue 
fe havia de ir pêra o Reyno na fua nao, 
que tinha já em Cqchim , e outros Fidalgos 
com quem hia toda a frol da Índia ; e na 
companhia do Conde tornou a voltar Duar* 
te Delgado com os papeis da entrega da 
índia. Chegados a Cochim ,* foi o Conde 
ver o Vifo-Rey , e depois fe recolheo ás 
fuás cafas , e começou a tratar da fua em* 
barcajâo , e correndo o Vifo-Rey D. Duar« 
te muito pontualmente com elle , poíto que 
não deixou de haver quem defejaíTe de clles 
quebrarem , e de os atiçarem pêra iíTo. 



CA. 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. II, ' ij 

CAPITULOU. 

Das coufas em que o FifihRey D. Duaríi 
frtveo: e domado que teve nomgocioda 
Alfandega cem aquèlles moradores y 
par onde lha concederam. 

QUando o Vifo-Rey D. Duarte deMc* 
jiezeschçgou aCochim, achou oemo* 
radòres da Cidade utíidos todo^ em 
hum corpo (como no derradeiro Capitulo 
do Livro IV. diffemos) tào determinados 
a fe defenderem pelas armas , que não bafr 
tou pêra os mover , e abrandar moitas 
amodbçóes de Letradoa, muitas prégaçôça ^ . 
e pulpipos , em que lhes lembravam a fide- 
lidade Portugueza, trazendo grandes exeiaorr 
pios pêra iflo ; antes aos FLeligipíos ^ qud 
pregavam íbbre iíTo, não q.uizerâm depois 
(ní compoíiçao que fizeram com o y ifo- 
Rey) ouvir , nem que correífem comcpiH 
ia alguma ; e em todos os prpteftos com 
que fe^fempre feguravam , declaravam í^uô 
em nenhuma coufa daauellas perturbavam ^ 
nem enconrravam ap íerviço de*ElR.ey de 
Portugal 5 porque por elle eftavam toíiofi^ 
preftes , e apparelhados pelra p^rem áte vi- 
das , e as fazendas ^ ma^ que ao Rey dô 
Cochim não deviam nadft , nem .por eilç 
haviam dç confentir coibia algvuna nas lin 

ber- 



Digitized by VjOOQIC 



X4 ÁSIA DE Diogo de Couto 

berdades antigás , em que havia tantos an-* 
nos eftavam de pofle , e (Jue ElRey D. Fi- 
lippe lhes tinha confirmadas pelos muitos 
fenriços qtie aquella Cidade tinha feito aos 
Reys de rortugal. Eftando as coufas neftes 
termos, e os moradores namefma conftan- 
cia , chegou áquella Cidade a Galé de An« 
tonio de Azevedo y/ e o Vifi>Rey reicebeo 
muito bem aos Religiofos , e a Heitor de 
Mello , que nella hiam ao negocio da Al- 
fandega , e lhes encommendou muito que 
trabalnaíTem por moderar aquellas couías y 
c ver fe podiam reduzir aquelles morado- 
res a algum bom modo de compoíição , en- 
commendando primeiro aquellas couías a 
Deosj e fabendo António de A2evedo co- 
mo a Cidade de Goa não confentira que o 
Conde D. Francifco Mafcarenhas o provef- 
fe da Armada do Canará , fobre o que elle 
trabalhou muito , porque pelos contratos 
que tinham feitos com ElRey , quando el- 
les concederam o hum por cento pêra as 
Galés , e fortiíicaç6es , foi com condição 
que de aquelle dinheiro ordenariam huma 
Armada pêra andar na Cofta do Canará 
pêra -dar guarda ás cáfilas , que vam tra« 
zer delia mantimentos pêra aquella Cida- 
de ; e que o Capitão Mor delia feria apre- 
fentado-peloVeador, e que fempre prefen- 
tariam hum Fidalgo ^ cafado neUa : pelo 

que 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. IL tf 

que vendo o Vifo-Rey que era necefiario 
pmver com que a Cidade não ficaíTe falta 
de maotimentos ^ deipedio logo ao mefmo 
António de Azevedo pêra fe ir a Goa a 
levar a João Alvares Soares , que tínha 
vindo com elle por Veador da Fazenda 
da índia , e efcreveo aos Vereadores huma 
carta de muitos mimos , em que lhes ro* 
gsiva quB fem embargo de clies haverem 
de aprefentar Capitão Mòr pêra a Armada 
do Canará ^ confentifíem em António de 
Azevedo andar aauelle verão nellâ, porque 
nem por iflb fe lhes tirava a poíTe em que 
cfiavam, antes lha havia fuftentar em todo 
o feu tempo mui inteiramente ; e deo por 
regimento a António de Azevedo que de 
paíTagem demandaífe D. Jeronymo Mafca- 
renhâs , a quem efcreveo que lhe déífe 
quatro navios dos feus pêra andarem aqucl- 
fe vetâo na Cofta do Canará , por cumprir 
âffim ao ferviço de ElRey. António de 
Azevedo chegou a Goa , e deo a carta da 
Vifo-Rey em Camará aos Vereadores ; e 
fera embargo de já terem nomeado Miguel 
de Abreu de Leiria pêra aquella Armada ,* 
íjuizeram dar gofto , e fazer aquella corte* 
lia ao Vifo-Rey, por fer em fua aufencia: 
e concederam a António de Azevedo a Ar- 
amada, dando-Uie quatro fuftas , que já ti- 
nham armadas pêra elln , de que eram Ca- 

pi- 



Digitized by VjOOQIC 



j6 as ia de Diogo de Coítto 

pitíles JoSo Borges Corte-Real, Joáo dePai' 
va , Damião Pacheco , e Duarte Teixeira ; e 
defpedidos os navios que D* Jeronjmo lhe 
nnba dado de paíTagem , todo efte verão 
gaftou efta Armada nefta cofta , e levou , e 
tornou a trazer três vezes grandes cáfilas 
de mantimentos y com o que aquella Ci- 
dade ficou bem provida. 

Agora tomaremos a continuar com a9 
coufas de Cochim , porque quizemos con- 
cluir com as do Canará , "por nâo pejarmos 
depois outro lugar. Os Padres Relígiofos, 
Fidalgos , e peOToas , a quem o Vifo-Rey 
tinha encommendado o negocio de abran- 
darem aquelles moradores , puzeram pri- 
meiro as coufas nas mãos deDeos, encom- 
mendando-lhe as difpuzeíTe como fofle feu 
ferviço , e bem , e quietação daquelle po- 
vo y pêra 6 que lhe offereciam facrificios , 
orações, jejuns , e diciplinas , e outros fuF- 
fragios , e com ifto começaram a tratar cora 
os. moradores, aílim em particular , como 
em geral , perfuadindo-os a quietação , e 

Eaz , com muitas , e Tantas amoeítaçóes , e 
umildades , pondo-lhes diante dos olho9 
aquella antiga lealdade Portugueza , em que 
todos fe extremavam de todas as mais Na- 
ções do mundo , e lembrando-lbes as obriga- 
ções que todos tinham a feu Rey , que com 
tantos gafiQS , defpezas > rifcos ^ e trabalhos 

de 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. II. 17 

de (cus Vaflallos defcubrira efte eftado , e 
trabalhava pelo fuftentar, com outras mui* 
tas coufas que elles mui prudentemente Uie 
leprefeatáram ; e tanto debateram nifto , e 
tantas vezes o encommendáram a Deos^ 
que começou elle a obrar em feus coraçóe» 
novos accidentes , e movimentos , e vieram 
a refponder, que elegeriam hum certo nu* 
mero de homens pêra em nome de todos 
tratarem aquelle negocio , e comporem-fe 
de maneira, que nemElRey dePortuga^ íi- 
cafle defervido , nem elles padecendo de* 
trimento em fuás liberdades ; e aílim íize* 
ram huma eleição deíincoenta, ou feíTenta 
dos principaes , e ainda deites tornaram a 
fazer outra , e reduzilia ao numero de vin« 
te e quatro ; e porque ainda era numero 
grande , tiraram ametade , e ficaram em 
doze , a que deram poderes baftantes em 
nome de todos pêra correrem com aquelle 
negocio , e aíTentarem o que fofle fervico 
de ElRey de Portugal , e bem daquella (Ji- 
dade ; mas que nao fe refumiriam em na* 
da y fem darem conta de tudo a Cidade ^ 
que todos os dias fe ajuntariam em Carne* 
ra a fe concluir efte negocio , e adim o fi- 
zeram 'y porque eftes eleitos fe ajuntaram 
em huma caía , onde ouviam os Procura* 
dores , e peíFoas que o Vifo-Rey elegeo 
pêra tratarem com elles os negócios todos ^^ 
Cotíto.Tom.VI.P.Ii. B e 



Digitized by LjOOQIC 



t8 ÁSIA DE Diogo de Çoirro 

e de alli íe hiam áCamera^ e davam conta 
do que fe paíTava , e do que o Vifo-Rey 
pedia , que por muitas vezes o8 amoeftoii , 
e lhes pedio quizeffem fazer aquelle ferviço 
a ElRey, eque confiaílem que com outras 
honras , e mercês fatisfaria , a que ellcs 
não fícaíTem perdendo nada : em fim de- 
batido o negocio, vieram a concluir, que 
feElRey fe compuzefle cora elles, efizeíTe 
alguma moderação , que lhe concedeflem a 
Alfandega , pois tanto * puxava por iíTo. 
Com efta refoluçao fe foram os Vereadores 
aonde o Vifo-Rey fe agasalhava com os 
Padres de S. Francifco , e lhe diíferam que 
a Cidade de fua livre vontade queria fazer 
ferviço a ElRejr de.confentir na Alfande- 
ga y mas com condição que tivefle elle com 
ella alguma equidade , e bom meio , pêra 
que de todo não fícaíTcm desfraudados nem 
em fuás fazendas , nem cm fuás liberda- 
des. O Viíb-Rey os abraçou a todos com 
grande alvoroço , dizendo-lhes muitas , e 
graves palavras cm louvor da fua lealdade , 
promettendoJhcs da parte de ElRey hon- 
ras , e favores , e lhes diííe que era muito 
contente de fazer com elles toda a honella 
compofição , e que deíTem elles com os 
Officiaes de ElRev o talho que lhes pare- 
ceíTe; mas que pelas muitas differenças que 
piodia haver entre os Officiaes de ElRey 

de 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. IL 19 

de Portugal , e os de ElRey de Cochim á* 
cerca da t>ertenção que entre ambos havia 
Ibbre os direitos , por pcrtenderem havei* 
los cada hum por jufto titulo : que por eC- 
cuíar alguma quebra , fe a podia haver en«- 
tre tao antiga amizade de ambqs , lhes pe- 
dia que tomaiíem naquelle negocio algum 
termo jufto y pêra que efta amizade fe não 
viefle a perturbar , porque eíTe era o inten- 
to de ElRey D. Filippe, e o m(Sr ferviço 
que naquella matéria lhe podiam fazer ; e 
oue cambem ElRey de Cbchini daria a or- 
dem que melhor pareçeíTe* ' 

Coocluido ifto , ajuntáram«-fe os Depu- 
tados hum dia de Santo António., e com 
elles Diogo Corvo , Veador da Fazenda, 
João de Faria , Secretario , Jorge, dç Quei- 
rós y que vinha pêra Provedor dos Contos 
de Goa , o Doutor Duarte Delgado do Va- 
lejão. Juiz dos Feitos da Coroa, qUe tamr 
bem fervia de Ouvidor Geral ; e por parte 
de ElRey de Cochim Itacanacamena feu 
Regedor , e Capitão Geral , c Jão Gara- 
mena Lingua* Juntos todos , prefente o Vifo- 
Rey D. Duarte , difleram aos Procuradores 
da Cidade que elles de fua livre vpntade 
concediam , e faziam ferviço a ElRey de 
confentirem fazer-fe naquelle feu porto Al- 
fandega com as condições declaradas nos 
apontamentos que alli aprefentáram , do 
B ii que 



Digitized by VjOOQIC 



ao ÁSIA DE Diogo de Coxtto 

que fe fez logo hum Termo , em que todos 
aíEnáram. E Togo pelos Officiaes de ElRey 
de Cochim foi dito que elles tomavam a 
deíiftir em nome de ElRey de Cochim , e 
de todos os feus fucceflbres que ao diante 
forem , de todo o direito , e acção , e per- 
tençâo que até então tinha , e podia ter , 
aílim por bem de hum Alvará que tinha de 
EiRey D.João, como por huma Carta que 
ElRey D. Filippe lhe efcrevêra , em que 
lhe confiniiava tudo , como por qualquer 
outra via Quefofle, porque elle tivefle di- 
reito nas fazendas dos Portuguezes , a que 
chamam Solteiros , que fam todos os não 
irafados em Cochim ; e que o direito , pof- 
fe , e au^o que até alli ncllas tivera , re- 
nunciava ,' e trafpaíTava em os Reys de Porr 
tugal, pêra que pudeflem haver , e arrecadar 
por íeusOâSciaes todos os direitos que até 
então lhe pertenciam y com as condições , 
e contratos que alli aprefentavam , que nuns, 
e outros são os feguintes : 

m Qjie todos os cafados de Cochim , 
31 e Mouros , e Gentios , e Judeos pagaráó 

> a ElRey de Cochim os direitos fegnin- 

> tes : os cafados a três e meio por cento 

> de entrada fomente , e que todas as fa- 
3» hidas foífem francas, e libertas, fem pa- 

> gar coufa alguma. 

» Que todos os mais Portuguezes , que 

» não 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. II. 21 

vão foíTem caiados naquella Cidade , R^ 
lhos de Portuguezes , meítiços , e Chri- 
Qios da terra pagariam os direitos a El* 
Rey de Portugal , affim de entradas , como 
de fahidas , a féis por cento , e as lagui* 
mas aos Oíficiaes , aífim como fe paga- 
vam na Alfandega de Goa : e que aíEm 
mefmo pagariam hum por ce.ito pêra as 
obras da fortificação da Cidade de Co« 
chim , e que os cafados não pagariam. 

» Qye todas aspefibas de jurifdicçao^ 
e obrigação de Cochim , como fam Moq- 
ros , Gentios , e Judeos , pagariam a EÍ- 
Rey de Portugal as fahidas de fuás fa- 
zendas pêra fora. 

9 Qi^e fendo cafo que todas as náos 
que vem da banda da China y Malaca , 
Maluco y e mais partes , a que chamam 
do Sal y em que vinham fazendas dos 
cafados de Cochim, acertando por cafo 
fortuito de defgarràrem , e irem a Goa , 
ou a qualquer outra Fortaleza , em tal ca- 
fo nao feriam obrigados a pagar direi- 
tos y antes livremente defembarcariam fuás 
fazendas y e iriam defpachallas a Co- 
chim. 

» Que o Vifo-Rey proveífe aos Oífi- 
ciaes da Alfandega pela ordem da de 
Goa ; è que ElRey de Cochim proveria 
hum dos Contadores , e o officio de Lin- 

j gua 



Digitized by VjOOQIC 



11 ÁSIA DE Diogo dí Couto 

51 gua em quem elle bem quizeíTe , ou Por- 

> tuguezes , ou Naires j e que o Licencia- 

> do Francifco de Frias , a quem ElRey 

> de Cochim tinha prefentado pêra Juiz da 
n Alfandega , não ferviria tal cargo pelo 
j efcandalo que aquella Cidade tinha deile^ 

> mas que poria em feu lugar huma peíToa 

> á vontade do Vifo-Rey , com outros a- 
n pontamentos mais , que nos não parece- 
31 ram neceíTarios trazer aqui. )i 

Difto tudo fe fizeram autos em públi- 
ca fórma , em que fe aíEnáram todos , e fe 
trasladaram cm os livros da Feitoria , e 
Fazenda de Cochim. Todos eftes papeis 
fe continuaram , fem fe fazer menção do 
Conde D. Francifco Mafcarenhas , que ti- 
nha primeiro tratadas eílas couías da Al- 
fandega 5 de que elle fe houve por aggra- 
vado, e tirou papeis do que tinha feito pê- 
ra levar ao Reyno. O Vifo-Rey D. Duarte 
de Menezes ordenou logo na praia hum lu- 
gar pêra fe fazer a Alfandega , e nomeou 
osOíEciaes delia, e lhes deo toda a ordem 
pelo modo de como a Alfandega de Goa 
corria. 



CA- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X* Cap. IIL a; 

CAPITULO IIL 

Das côufas em que o Fifo-Rey D. Duarte 
de Meneses provêo antes de partirem as 
nãos : e da viagem que o Conde D. Fran^ 
cifco Mafcarenhas teve até ao Reynà : e 
dos Fidalgos que nefta Armada íe em*, 
b arcaram a requerer de f fachos pelos fer^ 
viços que tinham feito. 

DEfejava o VifoRey D.Duarte deMe-? 
nezes defembaraçar-fe das coufas de 
Cochim pêra fe partir pêra Goa , primeiro 
que entraffem osNoroeftes, porque lhe da* 
riam trabalho j pelo que mandava dar a 
mór preíTa que podia á carga das náos que 
fe não faziam com tanta como elle queria^ 
por correr a pimenta ao pezo muito de va- 
gar , com o que andava muito enfadado ; e 
em quanto íe ifto fazia , deo defpacho a 
muitas coufas neceíTarias , e na entrada de 
Janeiro foi defpedindo as náos , aílim co- 
mo hiam tomando a carga , e a priuieira 
foi a náo Chagas , em que hia embarcado 
o Conde D. Francifco Mafcarenhas , e to-^ 
das as mais fe partiram até os lo. de Ja*- 
neiro, e a derradeira foi a náo deD.Franr 
cifco de Caíb-o , de que o anno paííado 
dêmos conta que tinha arribado. Foram-fe 
nefia Armada muitos Fidalgos a requerer 

feus 



Digitized by VjOOQIC 



!^4 ÁSIA DK Diogo de Couto 

feus ferviços , e dos que pudemos faber os 
nomes, fam os feguintes: 

IV^noel de Souía Coutinho, que tiaha 
lido Capitão de Ceilão; Fernão de Miran- 
da de Azevedo , que o fora de Damão ; 
André Furtado de Mendoça , D. Manoel 
Henriques , filho de D. AiFonfo Henriques , 
cafado em Baçaim ; Coime de Lafetar, Fer- 
não de Caftro , D. João Rolim , D. Diogo 
Rolim feu Primo , D, Manoel de Mene- 
zes 5 filho de D. Pedro de Menezes o Rui- 
vo, e outros Fidalgos, e Cavalleiros. Def- 
tas náos a do Conde foi ter a Cezimbra 
vefpera de S. João , e a náo Relíquias , e 
Caranja foram depois : a náo Santa Maria 
invernou em Moçambique , e partio dalli 
cm Dezembro, e a náo Boa Viagem defap- 
pareceo no caminho fem delia le faber na- 
da : perdéram-fe nella Fernão de Miranda 
de Azevedo , D. Manoel Henriques , D. 
Manoel de Menezes , D. João Rolim , e 
D. Diogo Rolim , e o Padre Fn Simão da 
Conceição da Ordem de Santo Agoftinho , 
Provincial que fora: levava hum Embaixa* 
dor do Rey da Perlia , aonde elle tinha ido 
por ordem de ElRey , e do Summo Pontí- 
fice fobre coufas contra o Turco , como 
melhor fica dito na Década IX. 

Partidas eftas náos , embarcou-fe o Vi- 
ío^Key D. Duarte logo na Galé baftarda. 



e 



Digitized by VjOOQIC 



' Década X. Cap. III. 4f 

e com elle Heitor de Mello y Knj Gome» 
da Gram , D. Manoel de Almada , FranciP 
CO da Silva de Menezes , Bernardim de 
Carvalho , IX Jorge da Gama , Guterre de. 
Monroi de Beja, D. Manoel Pereira, e o» 
mais Fidalgos , que foram buicar o Vifo^ 
Rey nos mefmos navios <me levaram de. 
Goa ; e armou mais a D. Jeronymo Maf-. 
carenhas, primeiro que fe embarcaíTe, três 
oavios y de que eram Capitães Garcia de 
Mello, Triftao Vaz , e rernâo Gonfalvea 
da Càmera ; e o navio de Lopo de Atou-í 
guia , que fe foi pêra o Reyno , deo a Nu- 
no Álvares de Atouguia , e o navio de 
João Barriga Simóes a Gaftão Coutinho , fi- 
cando eUe por feu foldado ; e aflim foi D« 
Jeronymo com toda a fua Armada acompa^ 
nhado do Vifo-Rey até Mangalor , donde 
o defpedio pêra fe tornar a Calecut a jurar 
as pazes com o Çamorim , como eftava aí^ 
feniado , que ficaífe com ordem naquella 
Coôa todo o refto do verão até recolher oe 
navios da China , Malaca , Maluco , e Cofta 
de Coromandel , e S, Thomé. 

Chegado o Vifo-Rey a Goa, deteve-fe 
no CoUegio dos Revs Magos em Berdez a 
rogo de toda a Cidade alguns dias até fe 
lôe preparar feu recebimento , e aflim lho 
facram mui grande , e com muito alvoroço 
<ic tpdo o povo pelas muitas efperança^ 

que 



Digitized by VjOOQIC 






16 ÁSIA DK Diogo de Coitto 

que tinham todos de governar mai bem ; & 
entrando nos negócios , do primeiro que tra- 
tou , foi fobre o caftigo que merecia o Nai- 
que de Sanguicer , onde matámm D. Gilea- 
nes , porque defejava de toou^r huma gran- 
de latisfação delia , e dar-lhe hum muito 
exemplar caftigo ; e tendo já informação 
de como aquelle Naique não obedecia ao 
Idalcáo , e corria todas aquellas aldeias por 
força , communicou aquellas coufas com 
Coge Fatadim , Embaixador do Idalcão , 
que reíidia em Goa , e perfuadio a que elle 
trataffe com os Capitães do Idaixá que fof- 
fe contra a(^uelle Naique por terra, porque 
elle mandaria o Capitão Mòr do Malavar 
)or mar, e que a deílruiflem de todo, fem 
he ficar coula alguma em pé, e que tiraC- 
fem de alli aqueíla ladroeira^ O Embaixa- 
dor tomando aquillo á fua conta, efcreveo 
a Ruftricão , hum Capitão que eftava em 
Fondá , e andava viíitando todo o Canean ^ 
e lhe deo conta das coufas que o Vifo-Rey 
tratara com «lie , a(Hrmando--lhe que feria 
hum muito grande ferviço que fe fazia ao 
Idaixá. O Ruftricão confiderando aquelle 
negocio, vendo quanto importava, oíFere- 
ceo-fe a fe achar nelle com quatro mil ho- 
mens , e mandou poderes ao Embaixador 
pêra em feu nome aflentar com elle o mo* 
do que naquillo fe havia de ter , e o Embai* 

xa- 



Digitized by VjOOQIC 



D&acADA X. Cap. III. 1^ 

lador fe havia de ver, como fe vio , cooi 
o Vifo-Rejr ; e concluíram que no fim de 
Marjo fe acharia D.Jeronymo na barra de 
Sanguicer, eque fe foííe dh caminhando^ 
pêra ao mefmo tempo fe achar fobre elle -y 
e que ao dia que lhe deífem recado , da^ 
riam ambos hum por mar, e outro por ter- 
ra, pêra oue lhe não pudeíTe efcapar coufa 
alguma : aifto fizeram feus papeis , em que 
o Embaixador fe obrigou por fi , e por 
Ruftricâo. Feito ifto , avifou o Vifo-Éejr 
logo de tudo a D- Jeronymo , e lhe man- 
dou ordem do que havia de fazer ; e que 
Quando foíTe tempo , acharia na barra de 
dajiguicer mais navios , e mais gente pêra 
fe acharem naquella jornada com elle. 

CAPITULO IV. 

Das coufas que aconteceram a D. Jerofíy* 

mo Mafcarenbas no Malavar : e de 

como je vio com o Çanwrim , e jurou 

as pazes : e de como deftruio o 

Naique de Sanguicer. 

A Fartado D.Jeronymo Mafcarenhas do 
Vifo-Rey , voltou pêra o Malavar ; e 
fendo avifado de caminho que no rio do 
Canharoto fe negociavam alguns navios de 
coíTarios pêra fe irem a rouoar ^ chegando 



Digitized by LjOOQIC 



1& ÂSIÂ DE Diogo de Coxtto 

áquella barra , deixou fobre clles féis , ou 
fete navios , de que eram Capitães D. Fran- 
cifco Mafcarenhas, Francifco Barbofa , Pfr- 
dro Rodrigues, e outros , dando-lhes por 
regimento que fe não apartaíTem de aili até 
feu recado ; e por ter novas que tambcm 
no rio de Bandegar havia outros navios , 
Capitães Pedro Veiofo , que ficava por ca- 
beça , Gafpar de Carvalho de Menezes , 
Nuno Alvares Pereira, Francifco de Soufa 
Rolim , João Rodrigues Cabral , Fernão de 
Macedo , e outros , elle com a mais Ar- 
mada paíibu a Calecut , e da bahia tratou 
com o Çamorim o modo como fe haviam de 
ver pêra jurarem as pazes ; e aífentou-fe 
aue foíle na praia , onde depois de dar 
íeus reféns, defembarcou D.Jeronymo com 
os principaes Capitães , e Fidalgos c^ue com 
elle Andavam , e alli veio o Çamorim com 
todos os feus Regedores , Bramenes , e Pani- 
cães , e ambos a feu modo juraram as pa- 
zes com grande folemnidade; e dos Capí- 
tulos delias , e do juramento mandou o Ça- 
morim paíTar fuás Ollas , e Alvarás em to^ 
lhas de prata aíllnados por elle , e pelos 
do feu Confelho y e nas meímas Ollas , e 
folhas fe affináram os principaes de Tanor , 
que eftavam prefentes , e nellas fe- pbriga^ 
vam, e oíFereciam por jangadas da Forta* 
leza , que fe havia ae fazer em Panane , e 

pc- 



Digitized by LjOOQIC 



Década X. Cap. IV. 29 

pêra ferem guardas do catnpo pêra fegu* 
Tsmçi dos que nas obras trabalhaíTem ; o 
que tudo 9 além de efcríto, e alEnado, foi 
jurado por elles pêra mais firmeza , e alli 
aflentou o Capitão Mór logo com o Çamo* 
rim o iQodo de como fe haviam de ajuntar 
as achegas que oÇamorim havia de dar por 
dinheiro , que no verão feguinte começou 
a pôr mãos á obra» AíTentado tudo , deo o 
Capitão Mór preíía ao Çamorim , e aos Re» 
gedores principaes , e fe defpedio com 
grande fatisfaçao de xodós ; e fendo tudo 
cpncluido , deixou-fe andar peia coíb até 
recolher asnáos de Malaca 5 emais partes ^ 
a que deo muita preíía , porque fe havia 
de achar no negocio de Sanguicer ; e re^ 
colhendo-le com ella , foi levando os na* 
vios de fua Armada , que deixou fobre á« 
quelles dous rios , que em ambos os por» 
tas , e por aquella cofta tomaram pôr ve- 
zes féis Cataculdes , e outras embarcações 
pequenas , e lhe deram em algumas povoa^ 
ç6es que lhas queimaram ^ e deílruíram , e 
cativaram algumas peífoas , que fe mettè- 
ram nas Galés. 

Nefte caminho achou o Capitão Mór 
cartas do Vifo-Rey , em que lhe mandava 
que fe apreíTaíTe pêra o negocio de San*- 
guicer : e que naquella barra acharia mais 
ngvios, e gente 9 e ordem .do que havia de 

fa- 



Digitized by VjOOQIC 



30 ÁSIA DE Diogo de Couto 

fazer ; e após eftas cartas defpedio o VI« 
fo-Rej féis navios , e fete manchuds ^ en 
que mandou embarcar duzentos foldados , 
e quatrocentos e fincoenta Peães da terra , 
« fez Capitão Mór a António de Azeve- 
do, que íe fez á véla entrada de ^bril, e 
lhe deo cartas pêra o Capitão Mích* , em 
que o avifava do que havia de fazer. 

Os Capitães que nefta jornada foram 
com elle, são os feguintes : Diogo Soares 
de Mello , Miguel Dias Picoto y Fernão 
Pegado , Affbnto Ferreira da Silva , João 
Caiado de Gamboa , e outros. D. Jerony^ 
mo chegou á baita de Sanguicer a 4. de 
Abril , e achou já huma embarcação com 
recado do Ruftricão , em que lhe fazia fa- 
ber que ficava já nos matos , e que o dia 
íeguinte no quarto da Lua commetteíTe a 
defembarcaçoo , porque ao meímo tempo 
elie havia de dar pçla banda do Certao* 
D. Jeronymo deo recado a feus Capitães 
pêra eftarem preftes ; e tanto que o quarto 
da Lua começou ^ mandou entrar treze na- 
vios de. remo com Pilotos que já pêra iíTo 
levava , e elle deixou-fe ficar na fua Galé ^ 
porque lho mandou aífim oVifo-Rey. Eftas 
chegando á povoação, antes de amanhecer^ 
puzeram as proas em terça , e faltando 
nella com muita determinado, commettê- 
ram logo huma tranqueira y que eílava na 

en- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caí/ IV. 31 

entrada da povoação y onde tinha muita 
gente , e artilhería ; e pofto que nella ap 
cJiáram grande reíiftencia ^ dia foi entrada 
com morte de muitos inimigos , e ^ arti* 
Ihería foi tirada logo delia ^ e embarcada 
nos navios pdos marinheiros, Náo fe fez 
iíb tanto a laivo , que na primeira commet- 
tida não feriíTem alguns dos noíTos , e que 
não mataíTem Nuno Alvares Barreto , fo- 
brinho de António Moniz Barreto. Ruftri^ 
C20 quaii ao mefmo tempo entrou pela ban* 
da do Certão , deftruindo , aálblando , « 
queimando tudo fem perdoarem nada ^ e 
aflim entraram pela povoação 5 onde já os 
noíTos andavam viéloriofos , e pondo tudo 
a ferro , e fogo ; e os moradores com mu- 
lheres, e filhos, que fen tiram ò incêndio, 
e damno , foram fugindo pêra o Certão ^ 
onde encontraram com a gente de Ruihri^ 
cão, que fez nelles hum muito grande ef* 
trigo : e ò Naique vendo-fe perdido, lar* 
gou tuda , e á efpora feita fe acolheo aos 
mais efpeflbs matos que alli havia , cujas 
entradas , e fahidas clle fabia muito bem. 
Feito tudo á vontade dos noifos ^ . pofta a* 
quella povoação por terra, e feita toda em 
cinza, recolhéram-fe os noflbs aos navios, 
e Ruftricão foi deftruindo todas as aldeias 
do Certao , fem lhes deixar coufa alguma 
«m pé. , . 

Ao 



Digitized by VjOOQIC 



3^ ÁSIA DE Diogo de Couto 

Ao outro dia defembarcou D. Jerony^ 
«o em terra com toda a gente da Arma-* 
da : elle por huma parte , o Ruftricão pela 
outra i acabaram de desfazer em pó , e cin* 
za todas as aldeias , e povoações daquelle 
alevantado , -e nem aos matos perdoam , 
porque até eíTes arderam muitos dias ; e em 
quanto fe ifio fazia , mandou o Capitão 
Mòr lançar ao mar os dous navios que lá 
ficaram entre as pedras , quando foi da deí^ 
aventura de D. Gileanes que eftavam era 
leftaleiro, e outros alguns navios que foram 
dos Portuguezes , que aquelles corfarios 
Sanguiceres tinham tomado , e mandou quei- 
mar todos os navios da terra que achou, 
^ue foram muitos , que a nada íe perdoou. 
Feito ifto 5 mandou D, Jeronymo cha- 
mar outro Naique feu vizinho j chamado 
Arcepe Naique , e lhe entregou aquella ter^» 
ra toda , pêra que a poíTuifle , e a lografle , 
em quanto o vifo-Rey da índia não man- 
daffe o contrario ; com condição que dei- 
xaíTe fahir por aquelle rio , e pelos mais de 
fua jurifdicção toda a pimenta , madeira , 
mantimentos , ferro , e outras coufas que z 
terra dava, que os moradores de Goa fol- 
iem bufcar pêra levarem ' áquelia Cidade. 
Deita entrega mandou D. Jeronymo fazwr 
feus autos , e papeis , em que o Nai(^ue , e 
alguns dos feus fe aíEnáram^ e com ifto fe 
. . re- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap, IV. 35 

recolheram os noflbs ; e quaado já o fa* 
ziajD, chegou AntcHiio de Azevedo com o 
íoccorro de Goa , porque nâo pode chegar 
mais cedo ^ e o Capitão Mór deípedio 
Affonfo Ferreira da Silva, que em fua com- 
panhia chegou com recado ao Vifo-Rejr 
do que tinha feito, e elle fe foi pós elle^ 
e a IO. de Abril ch^ou áquella. Cidade. 

CAPITULO V. 

Das pazes aue o Naique de Sanguicer pe^ 
dio ao VífihRey : e de como entregou, o 
corpo de D. Gileanes Majcarenoas : 
ô dos Capitães que o Fijà-Rey def- 
p achou pêra fora. 

PArtida a noíTa Armada , e recolhido o 
KuftricHO, acudio o Naique de Sangui- 
cer á fua povoação , e a achou poíTuida de 
Arcepe Naique , que o não quiz recolher , 

I)eIo que lhe foi neceííario mandar a Goa 
ogo algumas peíToas , e que encommen- 
daíTem lá a outras pêra èm feu nome pe- 
dir ao Vifo-Rw perdão de fuás culpas , e 
que lhe quizeile fazer pazes com todas as 
condições que houvefle por bein \ porque 
pêra tornar a povoar , c negociar as fuás 
aldeias , e povoações , havia de mifter mui- 
to tempo, e muita quietação , e á princi-* 
^Quto. tom. jn. P. ti. C . pai 



Digitized by LjOOQIC 



{4 ÁSIA DB Diogo de CotiTo 

pai peíToa a que fe encommendou , foi a 
Miguel Dias Picoto , Capitão do Paço da 
Madre de Deos , de que tinha muito co- 
nhecimento , mandando-lhe procurações 
baftantes pêra tudo iíTo ; e aílim elle, co- 
mo outras peíToas travaram efte negocio 
com o Vifo-Rey , que tomando conlelho 
fobre ifto , lhe veio a conceder o que pe- 
dia, com eftas condições: 

X Que elle Naique entregaria logo o 

> corpo de D. Gileanes Mafcarenhas y e to- 
» dos os Portuguezes cativos que em íiias 
j» terras houveíTem , com toda ai^artilheria ; e 

> que nunca já mais em feus portos fe fa- 

> riam navios de remo , nem confentiria 
31 recolherem-fe a elles Malavares , nem 

> outros alguns corfairos ; e que toda a 
» pimenta , ferro , madeira , e mais coufas 

> que fuás terras deflem , as venderia aos 
7è moradores Portuguezes , e Chriftaos pêra 

> levarem pêra Goa , com outros pontos 
j que não são muito fubílanciaes, e de tu- 
3» do ie fizeram autos , e papeis x e com 
ifto deípedio o Vifo-Rev logo a D. Fran- 
cifco Mafcarenhas , irmão de D. Gileanes , 
em huma Galé pcra ir trazer o corpo de 
feu irmão , e com elle o mefmo Miguel 
Dias Picoto em hum catís a confirmar com 
aquelle Naique as pazes y e a entregarem- 
Jhe as terrâs Que eftavam em poder do 

Ar- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. V. 35^ 

. Arcepe Naique. Efta Galé partio a 14. de 
Abril; e chegados a Sanguicer, foi-fe Mi- 
guel Dias ver com o Naique , e confirmar 
as pazes , e logo fez entrega do corpo de 
D. Gileanes , que eftava já todo comido, 
fomente o braço direito com todo o hom- 
bro eftava ainda são , e inteiro , que pare- 
ce que quiz Deos noílb Senhor referrallo 
da corrupção pelas muitas vezes que com 
elle peleijou por fua Santa Fé Catholica, 
até por ella , e peio ferviço de feu Rey 
morrer : entregáram-lhe mais quatorze Por- 
tuguezes , quatro Falcões , fete Berços , tudo 
de metal. Feito ifto , botaram pêra Goa , 
aonde chegaram já alguns dias andados de 
Maio , e o corpo de D. Gileanes foi defem- 
barcado no cães de Goa , aonde o Vifo- 
Rev o efperou com todos os Fidalgos , e 
Ciaadâos vcílidos de preto , e o Cabido , e 
todas as Freguezias , e Religiões , e com 
grande pompa , e aparato ^ dor , e fenti- 
mento de todos os Fidalgos , e mais povo 
foi levado a S. Francifco ^ e no Capitulo 
foi depofirado , e âlli lhe fizeram feus Qf- 
iicios com muita folemnídade , como era 
jufto fe fízeíTe por hum Fidalgo de tantas 
partes , e de tantos merecimentos , e fer- 
viços , ficando de três irmãos que neftas 
partes andaram fó efte D. Francifco MaC« 
carenhas; porque D. Filippe ji que doRejr- 
C ii no 



Digitized by VjOOQIC 



36 A S I A DE Diogo de Couto 

no veio com o mefmo D. Gileanes , foi 
também morto pelos Malavares na cofta 
do Norte , como na Década IX. fica dito. 
E nem efte D. Francifco efcapou ao revés 
da fortuna , porque também na índia aca- 
bou em tempo de Mathias de Aibuquer- 
gue da mais miferavei morte que fe vio. 
Éftando já defpachado com a Capitania 
de Ormuz , como também a tinha feu ir- 
mão D. Gileanes , cujas partes , e inclina- 
ções do ferviço de feu Key dava a todos 
efperanças de maiores honras , e fatisfa- 
ções que a ventura lhe atalhou com tão 
jnfelice morte, poilo que também vingada 

Í)or outro Fidalgo tanto feu parente , e do 
eu appellido , c por hum próprio irmão , 
que foi D. Franciíco Mafcarenhas , que a- 
cjuelle dia da defembarcaçâo em Sanguicer 
foi dos primeiros que delía tomou mui boa 
fatisfaçao. 

Deixando eílas coufas , continuaremos 
com os Capitães que o Viíb-Rey defpedio 
pêra fora antes difto , que deixamos por não 
tirar a mão das coufas de Sanguicer , e 
por não mifturarmos humas comias outras. 
Em quanto o Vifo-Rey tratou eftas coufas 
de Sanguicer y não fe defcuidou das mais 
a que era necellario acudir , pelo que en- 
tendeo nos provimentos de Malaca, e Ma- 
luco , e deipachou Artur de Brito pêra ir 

a 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. V/ ^7 

a Tidore por Embaixador a coufas quéEI-' 
Rej maadava ; e pêra ver fe com mimos , 
e dadivas queria aquelle Rey tornar a fa-' 
zer entrega daquella Fortaleza : e ordenou 
Jiam preidnte pêra lhe dar a elle , que era 
de duas peças de veludo de cores , e hu- 
ma de elcarlata y huma pipa de vinho , e 
hum fombreiro alto de tomar o Sol de 
tafetá com feu peão dourado ; dando-lhe 
por regimento , que feElRey não quizefle 
entregar a Fortaleza , lhe não déíTe nada , 
e defpachou pêra ir em fua companhia 
hum Hefpanhol chamado Fernão de Pran-' 
da : que ElRey mandou naquella Armada 
pêra lhe mandar recado por via das Filip- 
pinaSy e da Nova Hefpanha de tudo o que 
paflaíTe : e efcreveo o Vifo-Rey cartas de 
muitas fatisfaçôes áquelle Rey , e com el- 
Ias lhe mandou outras que ElRey D. Fi^* 
lippe lhe efcrevia muito honradas , em 
que lhe promettia toda a fatisfação jufta 
que pudeíTe fer de fuás queixas , e aggra-» 
vos ; e no mefmo tempo defpachou o Vifo- 
Rey a João da Silva pêra ir entrar na Capi- 
tania de Malaca , e lhe notificou huma m- 
ftruc^o de ElRey D. Filippe , em que de- 
fendia ^ue nenhum Capitão daquella For- 
taleza tiveíTe Feitor no porto de Jor pelo 
grande damno que a Alfandega de Malaca 
diJo recebia > porque á conta daqíielles 

Ca^ 



Digitized by VjOOQIC 



jS ÁSIA DE Diogo dk Couto 

Capitíes terem naquella Cidade feus Feitc^- 
res pêra fe comprarem as drogas pelos pre- 
ços de Malaca por hum concerto que ti- 
nham iobre ifto leito com o Rajale , acar- 
retavam todos os Juncos de Jaoa a feu 
{)orto,.e contenta va-le com os direitos del- 
es , e deixava aos Camtães de Malaca com- 
prar fuás drogas pelos preços que difle- 
mos , porque não per tendia mais aquelle 
Rey que acreditar , e continuar feu porto ; 
e os Capitães porque tinham na fua Cida- 
de feus Feitores , e lhe hiam ás mãos todas 
as drogas ^ como em Malaca , dava-lhes 
pouco da perda da Alfandega , e o Rajale 
engroíTando com os direitos que perten- 
ciam a ElRey de Portugal , e os Capitães 
nas reiídencias que lá lhe mandavam tirar 
com pedras de bazar y com peças de ouro , 
e prata y ficavam fazendo o campo franco , 
c fe hiam foltos , e livres , e que requeref- 
fem ferviços das grandes perdas , e damnos 

3ue deram a ElRey , e ao grande defere- 
ito em que puzeram aquella fazenda. 
Pela mefma maneira mandou EIRey 
D. Filippe outras Provisões , porque fob 

graves penas defendia que nenhum Cafte- 
lano foíFe de Manilha aos portos da Chi* 
na pelo grande perjuizo que niflb recebia 
oEftado da índia todo, poroue com muito 
dinheiro que mettiam em luas feiras por 

com- 



Digitized by VjOOQIC 



I 



Década X. Ca^. V* j^ 

comprarem tudo , alteravam os preços em 
exceíGyo modo ; e os mercadores todos da 
índia ficavam perdendo niíTo tanto , qua 
onde fe ganhava aíincoenta, efeíTenta por 
cento, veio a menos de vinte e finco. El- 
Rey perdia em íiias Alfandegas muita co- 
pia de dinheiro, porque toda a feda, e fa- 
zendas que osCaftelhanos levavam, lhe fal- 
tavam. Efta Provisão entregou o Vifo-Rey 
a Domingos Monteiro , (|ue hia fazer a via-i 
gem de Japão que comprou , pêra que a 
niandaife pregoar em Malaca, e China. 

Defpachou mais oVifo-ReyD.Manoel 
de Almada , Capitão de Lisboa , e fobrinho 
de D. João da Silva , filho de fua irmã pêra 
ir por Capitão Mòr dos mares de Malaca , 
e Ine armar duas galeotas , cujas Capitanias 
deo a Diogo Pereira Tibao , e a Simão de 
Almada pêra com a mais Armada , qtie em 
Malaca houveíTe , andar no eftreito pêra fa« 
zercm vir os Juncos a Malaca; e chegando 
áouella Fortaleza, lha entregou Roque de 
Mello , e o Rájale Rey de Jor o mandou 
logo vilitar, ecommetter com grandes pro- 
meíTas y que mandaífe feu Feitor áquella fua 
Cidade , o que elle não quiz fazer pelas 
notificações que oVifo-Rey lhe tinha reito. 



CA- 



Digitized by VjOOQIC 



'40 AS I.A DR Diogo de Còxrro 

CAPITULO VI. 

J)as coufas que aconteceram em Maluco : 
e do foccorro que veio das Filippinas : e 
de co}no a Armada de ElRey de Ternate 
tomou duas fragatas de nefpanhoes : e 
da grande batalha que teve com outras 
três. 

TEmos deixadc; as coufas de Maluco 
em Diogo de Azambuja ter mandado 
pedir ao Governador das Manilhas foccor- 
ro de gente, e mantimentos por feter ido 
D. João Ronquilho ; e vendo aquelle Go- 
vernador as neceilidad.es em que aquella 
fortaleza eftava , mandou logo negociar 
quatro fragatas cheias de mantimentos , e 
muniçâes , e ncllas mandou embarcar oiten- 
ta Hefpanhoes , e por Capitão delles Pe- 
dro Sarmiento, Eftas fragatas paíTando pela 
Ilha de Montei , que he do Rey de Ter- 
3Qate, onde efteve por Governador Maj apor 
Sangage , cunhado de ElRey , cafado com 
fua irmã , que nâo eftava ao prefente na 
Ilha , do que foi avifado Pedro Sarmiento , 
defembarcou em terra com todos os Hef- 
panhoes , com tendão de dar hum falto á« 
<juella Uha de paflagem ; e fendo já em 
terra , acudiram os Regedores principaes 
com bandeiras de paz \ e chegando i íalU 

com 



Digitized by VjOOQIC 



Década X, Cap. VI. 41 

com Pedro Sanniento , trataram com elle 
de pazes , porque não deftruiíTe a terra , e 
fe ftzeram vaííallos deElRey de Portugal, 
e logo juraram vaíTallagem , e fizeram au- 
tos , e papeis , em que fe todos aíHnáram , 
e de alli lez eleger num daquelles pêra Go- 
Fernador daquella Ilha > a quem todos ju« 
láram de obedecer. 

Feito ifto , deram á vela pêra Tido- 
re y onde foram muito bem recebidos dq 
Diogo de Azambuja , e de todos pelo bom 
fucceíTo de Moutel. Manjapor, Governador 
da Ilha , tanto que teve avifo do que lOS 
Heípanhoes fizeram na fua ilha , ajuntou 
muita gente y e entrou por ella , e caíligou 
todos os Regedores , e fortificou a Ilha o 
melhor que pode fer ao Rey de Ternate , 
o que elle fez; e chegando a Moutel, que- 
rendo defembarcar, como em terra devaf- 
fallos deElRey de Portugal, lhe defendeo 
o Sangage a defembarcaçao , e com alguns 
feridos o fez embarcar affrontado , pelo 
que lhe foi forçado ir-fe refazer a Tidore. 

Diogo de Azambuja lhe armou algu- 
mas canoras , EIRey lhe deo outra com 
gente fua ; e voltando com toda efta Arma- 
da , defembarcou naquella Ilha , pofto que 
achou grande reíiftencia ; mas por força ar- 
rancou do campo aquelle Sangage , e o fez 
recolher a hum forte , em que o cercou , e 

man- 



Digitized by VjOOQIC 



4t A S I A DE Diogo êè Cbxrro 

mandou recado a Diogo de Azambuja que 
o foccorreíTe, porque determinava de nâo 
fe apartar dalli até haver o Sangage ás 
mãos. Diogo de Azambuja havendo que 
nâo tinha poíTe pêra o foccorrer , por ter 
com elle o mór cabedal daquelia fortaleza , 
pedio áquelle Rey quizeíTe ir em peflba á- 
qucUe negocio , o qu<: elle fez com muita 
preíTa ; e embarcando-fe com a mais gente 
que podia ajuntar, foi-fe a Moutel , e fe 
ajuntou com Pedro Sarmicnto; e aíTeíUndo 
â artilheria que lhe pareceo neceíTaria , co- 
mijaram a oater a Fortaleza por eípaço 
de quatro dias com tanta importunação, e 
damno dos de dentro , que nouveram por 
feu partido preitearcm-fe com Pedro Sar- 
xniento , valendo-fe pêra iíTo de ElRey, 
debaixo de cuja fé fe entregaram , e o 
Sangage tornou a jurar vaíFafiagem a £1- 
Rey de Portugal com certos babares de 
cravo de páreas cada anno. 

Feito ifto , fe recolheo ElRey , e o 
mefmo fez Pedro Sarmiento ; e porque fal- 
tavam mantimentos na Fortaleza, mandou 
Diogo de Azambuja três daquellas fragatas 
a Bacháo a bufcallos , e nellas por Capitão 
Paulo de Lima , Manoel Ferreira de Villas 
Boas, e o Alferes Guerreiro da Companhia 
do Sarmiento. Defta ida foi avifadoElRey 
de Ternate ^ que eftava affrontado ^ e ma^ 

goa- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VI. 43 

goado das coufas de Moucel ; e defejando 
de & fatisfazer , armou doze corocoras , e 
mandou á Ilha de Naquien por outras do* 
ze que lá tinha ; e provendo*as de muita 

Í^ente , e muniçóes , mandou Cachiltulo 
eu irmão que tofle efperar as fragatas á 
Yolta que fizeífem de Bachâo , e as tomaf- 
fem. O Cachiltulo as foi efperar ; e an- 
dando na paragem por onde haviam de 
vir y foram cahir-Ihe nas mãos duas fraga- 
tas , que vinham das Filippinas pêra Tido-» 
re carregadas de mantimentos , e muniçóes 
pêra a nofla Fortaleza , em que vinha hum 
Hefpanhol de alcunha o Duerias que vio 
aquella Armada -, e como lhe não podia 
fugir j poz-fe em armas , e foi-a inveftir, 
pondo o Duenas a proa na Capitânia , e 
da primeira pancada a metteo no fundo ^ e 
a gente delia fe falvou jias outras coroco- 
ras , que todas juntas ferraram nas fraga- 
tas , em que nao hiam mais de doze Heí^ 
panhoes , que peleijáram valeroíiíllmamen- 
te j matando muitos inimigos ; mas como 
o numero era deíigual , foram todos mor- 
tos y e as fragatas tomadas. Diogo de 
Azambuja teve logo recado de como pelei- 
javam ; e porque as fragatas do Sarmiento 
eftavam varadas , elle (fegundo diziam) 
poz pouca diligencia em as lançar ao mar, 
e mandou embarcar Fernão Boto Machado 

no 



Digitized by VjOOQIC 



44 ÁSIA DE Diogo ue Couto 

i)o batel do feu Galeão com íincoentá ho^ 
mens , pêra que lha foíTe foccorrer, e le- 
vava o batel por proa hum falcão , e dous 
berços. Sahido Fernão Boto da Bahia af- 
faftado hum pouco da terra , teve Diogo 
de Azambuja recado que as fragatas eram 
rendidas ; e receando acontecer algum def- 
aftre a Fernão Boto Machado , mandou 
huma corocora ligeira com hum homem , 
que lhe requereo da parte de ElRey , fob 
pena decaio maior, que fetornaíTe, o que 
elle fez ; e pofto que depois o Governador 
de Manilha prendco o Sarmiento por efte 
cafo , e alguns lhe punham culpa de pouca 
diligencia , o calo foi bem differente , 
porque hum foldado que aquella noite fe 
achou na vigia , nos aSirmou que toda a 
noite trabalhara pêra lançar as fragatas ao 
mar, e que não pudera. O Tulo irmão de 
ElRey de Ternate ficou foberbo com efta 
vitoria , e deixou-fe ficar efperando pelas 
fragatas com os mantimentos que haviam 
de vir de Bachão, repartidas as corocoras 
em duas paragens , porque lhe não pudef* 
fem efcapar ; e andando aíEm , voltando as 
fragatas com os mantimentos que foram 
buícar, que eram as de Maquien, e com- 
mettendo-fe huns aos outros , travaram 
hum fermofo jogo de bombardadas , c eC- 
pingardadas , de que de ambas as partes 

nou- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VL 45: 

houveram bem de damno i e paflada efta 
primeira fornada , inveftíram huns com os 
outros , c de bordo a bordo começaram 
huma afpera briga , cm que todos os nof* 
fos peleijáram valerofamente i e o Alferes 
Guerreiro andando na mór força da briga, 
quiz a defaventura que fe ateaíTe o fogo á 

Ijolvora 5 e oue a força delia déíTe.tom el- 
e , e com toaos ao mar abrazados , e quei- 
mados. Os outros Capities das duas fraga- 
tas vendo aquelle delaftre, pofto que eftar 
vam travados com os inimigos , acudiram a 
recolher os companheiros que andavam no 
mar , e o fizeram a pezar dos inimigos; 
Durou illo até que anoiteceo , que fe apar- 
taram deftroçados todos , porque os immi* 
gos ficaram com mais de duzentos mortos, 
e os mais todos feridos , e iflb meímo os 
noíTos, pofto que fenão perderam mais de 
oito. O Cachiltulo vendo-fe daquella ma- 
neira , houve por feu partido recolher-fe a 
Temate pêra fe curar , c os noíTos deram 
á vela pêra a nofla Fortaleza , onde foram 
muito reftejados de tcdos , e com os man- 
timentos que trouxeram fe remediarão. A- 
conteceo ifto em o fim de Novembro paf» 
lado de 1^84. 



CA. 



Digitized by VjOOQIC 



46 ÁSIA DE Diogo de Couto 

CAPITULO VIL 

De como chegou a Maluco o Galeão da car^ 
reira : e da razão por que Diogo de A-' 
zambuja não quiz entregar a tortaleza 
a Duarte Pereira : e ao outro foccorra 
que chegou das Manilhas , de que veia 
por General João de Morenes. 

POuco depois difto furgio naquelle por* 
to de Ternate o Galeão da carreira, 
de que era Capitão Fernão Ortiz de Tá- 
vora , em que hia embarcado Duarte Pe« 
reira de Sampaio, provido daquella Forta- 
leza , como já atras diíTemos no Livro V* 
Diogo de Azambuja fendo avifado de fua 
ida , lhe mnndou notificar que não defem- 
barcaíTe , e que fe tinha algum negocio 
com elle, IhomandaíTe requerer, e moftrar 
feus papeis , e Alvarás. Efta notificação lhe 
foi fazer hum Notário público , porc^ue Du- 
arte Pereira lhe mandou dizer que hia pro- 
vido daquella Fortaleza por ElRey D. Fi- 
lippe, e mandou notificar a todos os Oífi- 
ciaes cafados , e moradores que ao outro 
dia pela manhã fe achaíTem todos á porta 
da Fortaleza, porque prefentes elles feque» 
ria ver com Diogo d' Azambuja, emoftrar- 
Ihe fuás Patentes, e Alvarás. Efta notifica- 
rão não quiz Diogo de Azambuja oue o 



Digitized by VjOOQIC 



l 

01 



Década X. Caf. VIÍ. 47 

Notário fizeíTe , porque lhe pareceo união | 
peJo que tanto que Duarte Pereira foube 
}&o , efcreveo hunia carta a ElRey , em que 
lhe fazia faber de íua vinda , e de como 
era provido daquella capitania por Provi« 
soes de ElRejr : que Uie pedia quizeíle ao 
dia feguinte achar-fe á porta da Fortaleza 
►era diante delle moílrar a Diogo deÁzamr 
QJa feus papeis* Dada eila carta aElRev, 
embarcou-íe logo em huma corocora , e foi 
ao Gal^o , e, tomou comiigo a Duarte Pc^ 
reira, e o Jevou pêra terra; e prepaíTando 
pela fragata de Pedro Sarmiento , o tomou 
também comiigo y e foi defembarcar á por-» 
ta da Fortaleza , donde mandou a Diogo 
de Azambuja recado que lhe vieiTe dar hu- 
ma palavra. Diogo de Azambuja fe veio 
logo pêra ElRey, e Duarte Pereira lhe dií^ 
fe que ElRev U. Filippe lhe tinha feito 
xnercê daqueíia Capitania por virtude da- 
quella Patente que alli aprefentava , e que 
trazia aquella carta de guia doVifo-Rey da 
índia pêra lha entregar , e elle ficar defo- 
brígado da homenagem que delia tinha da* 
do! que lhe pedia mandaíTe ler os papeis, 
e lhe déíTe polTe da Fortaleza conforme a 
clles ; e querendo mandar ler a Patente, 
e Carta por hym Official , diflTe Diogo de 
Azambuja que não era necelTario, que èlle 
pvnha tudo na fua cabeça ; mas que elle 

ti- 



Digitized by VjOOQIC 



"48 ÁSIA DE Diogo de Couto 

tinha quatorze mezes perafervir pêra cum^ 

Erir o tempo de três annos , de que ElRejr 
). Filippe lhe tinha feito mercê por huma 
Carta lua , de que acabado o feu tempo ef- 
tava preftes pêra entregar-lhe a Fortaleza, 
e que eíperava pelo foccorro que tinha 
mandado pedir ás Filippinas pêra tomar a 
Fortaleza de Ternate , o qual nSo tardaria 
muito , fe que não queria que elle lhe levai- 
fe a honra do que elle folicitára ; e com 
ifto virou as coftas , e fe metteo na Forta- 
leza , deixando ElRey , e Duarte Pereira 
fora. Vendo Duarte Pereira aquillo, man- 
dou ler a fua Patente , e Carta de Guia 
por hum Official , pêra que todos os ou- 
viíTem ; e depois de lida , requereo a El- 
Rey que lhe entregaíTe aquella Fortaleza^ 
c que pedifle as chaves a Diogo de Azam- 
buja: difto fe cfcufou ElRey , porque vio 
aquelle negocio de má feição pelas defcor- 
tezias aue com elle ufou Diogo de Azam- 
buja 5 de que ficou como aíFrontado ; e to- 
mando comíígo Duarte Pereira , o levou até 
a cafa dos Padres da Companhia , e Ihó 
entregou por hofpede , e depois mandou 
tomar cafas, e defembarcou fua mulher, c 
familia que comíJgo levava. Com ifto co* 
meçáram a haver proteftos de parte a par.- 
te, e alguma alteração entre os criados de 
hum ^ Q, outro > com o que mandou Diogo 

de 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VIL 49 

de Azambuja notificar Duarte Pereira 9 que 
logo fe cmbarcaíTe pêra Bachâo, ou aAm« 
boyno até lhe caber feu tempo y porque não 
era íerviço de ElRej eftar naquella terra 
pelas UDi6es, e alvoroços que podia haver. 
Duarte Pereira tojnou a refponder á notí-i 
ficado 9 que era provido porElReydaquel* 
la Capitania , onde vinha entrar , e que não 
era bem fefoíTe neia terra de Mouros com 
fua mulher , e nlhos , e que eftava quieto 
em iiia caía fem bolir comílgo , que o bom 
feria cumprir as Provisões de ElRey , e do 
Vifo-Rey da índia, e aílim ficaram as cou^ 
fas em bem ruim eftado. Tratando Duarte 
Pereira de fe metter na Fortaleza por todaa 
as vias que fe pudeiTe , até fe determinas 
a prender Diogo de Azambuja , eftando 
hum dia ná Igreja y de que elle foi avifa-^ 
do , e fe precatou , determinou de o ir 
prender a elle ; e parece certo qué nefta» 
ilhas do Maluco andava ' o diabo, foi to, 
porque entre os Capitães aue foram del- 
ias , tem acontecido . as mores roturas y e 
diifensóes que em todas as da índia. De* 
terminado Duarte Pereira y ajuntou toda a 
Çente que pode , e lhe foi commetter a ca- 
la y que elle defendeo muito bem até acu«» 
dir EiRey, efeu fobrínho Cachilmale , que 
era o herdeiro , e fe mettéram em meio , e 
levaram Diogo de Azambuja pêra fua ca* 
£9Uto. Tom. n. P. li. D . fa , 



Digitized by VjOOQIC 



jo ASIÂ DS Diogo de Couto 

£à y ficandorfe temendo hum do outro rlja^ 
mcate. 

Eíjtando ai$m a coufa ^ chegou áquel* 
k porto huma Armada de vinte e finco fra- 
gatas , e hum harchote, e huai. junco , de 
eue era Capitão Bartholonseu Vax Landei^ 
ro Fortuguez , com ouem vinham outras 
quarenta , cjue naquelie tempo fe acharam 
na Manilha , e vinha feparado de João de 
Morenes y aue vinha por General defta fro« 
ta, Hefpannol, homem esforçado, mas de 
pouco governo , e trazia quatrocentos HeP- 
paohoes ; e deíembarcando em terra , foi 
muito bera recebido , e apofentado/ com to- 
dos os feus ; e tratando da jornada de Ter* 
nat« , dizem que achou frio a Dioso de 
Azambuja , a cujo requerimento vinha, e 

Sue já lhe não convi^nha deixar aquella 
br^aleza , porque eftava certo metter^fe 
jiella Duarte Pereira ; e também porque 
£)lRey,'que era a principal parte naauelle 
negocia, andava delgoftofo, e enfadaao de 
Diogo de Azambuja , com o que o More- 
nes fe não fabia determinar. 

Vendo Duarte Pereira as coufas em tal 
caio , i^o querendo, que por razoes parti- 
culares fe perdefle o ferviço de ElRey , 
er<;reveo- huma carta áqueUe Rey , em que 
Ihç pedia que deixaíle aggcavos , e one íe 
fvataiTe do^e importava ao ferviço ae El- 

Rey 



Digitized by VjOOQIC 



Dbca©a X. Caf, vil ft 

Rej de Portugal » e que fe foíTe ver com 
Diogo de Azambuja , e fe lançaíTe com el* 
le y e tratafle daquella jornada ^ peni que 
foi mettido tão grande cabedal y e oue elie 
fe offerecia pêra o acompanhar nelia com 
vinte homeu$ i fua cuâa ; com condição 
que elle Diogo de Azambuja nas coufas 
daqudia guerra não faria y nem determina- 
ria nada lem feu confelho > por autiioridade 
de hum homem uue vinha pêra fer Capií- 
lão daquella Fortaleza , e entre tantos Mou^ 
ros 3 e tão inimigoa do nome Chriftão. Com 
eíla carta ièfoi aquelleRey ver com Diogo 
de Azambuja y e lha moúrou , e fez com 
elle amizade , e trataram ambos da fornada ^ 
e dos oferecimentos de Duarte Pereira^ que 
elle lhe não acceitou y e lhe mandou dizer 
lae o melhor feria embarcar-^fe no Galeão 
e Fernão Ortiz de Távora , que havia de 
ir na jornada com fó dous criados feiís , o 
que Duarte Pereira acceitou, e £e fez preí^^ 
tes ^ra fe embarcar y porque logo aíTentoa 
Diogo de Azambuja com o Morenes , Ca* 
pitão dos Hefpanhoes y de irem cercar Ter<» 
nate ^ e não íe alevantarem de fobre tyjuei^ 
la Fortaleza iem a tomar.^ 



D ii CA- 



I 



Digitized by LjOOQIC 



y j A S I A DE Diogo de Couto 

CAPITULO VIIL 

De com0 es nojfos partiram pêra Temate : 

e de como defembarcdram em terra z e do 

que lhes fuccedeo até ajfentarem ftu 

campo naquella Fortaleza. 

EM quanto fe negociavão as coufas pe* 
ra o cerco , mandou Diogo de Azam- 
buja a Fernão Boto que fe folie pôr fobre 
fl Fortaleza de Ternate , e a comecaífe a ba- 
ter até elle chegar , o que elle fez , e foi 
furgir junto do arrecife de pedra , e entre 
elle, e a Fortaleza puderam, navegar coro- 
coras , e fur^íram defronte da praia : affaP- 
tados hum tiro de falcão , e aa banda de 
fora , onde os GaleÒes furgem , quando 
chegâo á carga da índia , anda o mar de 
continuo tão cruzado, edelevadia, quepo> 
não poderem eíbr alli á carga , fc paílam 
ao porto de Talangame meia légua da For- 
taleza ; e depois que ElRey Babti tomou 
aquella Foitaleza , como fica dito na Dé- 
cada IX. porque entendeo que osPortugue* 
ses haviam de trabalhar pela tomar a haver 
ás mãos , a fortificou de novo jnui bem ; e 
a povoação que foi noíTa , que fazia a roda 
delia , mandou cercar , e fazer huma pare- 
de coufa mui groíTa com feus baluartes , e 
guaritas ^ que vai com duas pontas fechar 

no 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VIIT, 5^ 

Bomar, quanto diz adiftancia do arrecife/ 
com o que fica huma Cidade murada , e a 
Fortaleza com feu cafteilo fobre o mar; e 
fabendo aquelie Rey os apercebimentos que- 
em Tidore faziam contra elle , fortificou-^ 
fc de novo , e proveo os baluartes , e cu- 
bellos da cerca da artilheria que havia na 
Fortaleza , que era mui groíTa y por eftar 
nella quaíi toda a da Armada de Gonfalo 
Pereira Marramaque , e repartio por élles 
a melhor gente que tinha , em que entra- 
ram os Jaós de mais de trinta juncos , que 
eftavam naquelle porto tomando carga , que 
defpejou , e mandou metter pelo canal y e. 
abicar á Fortaleza , e porque não pndef* 
km entrar as noíTas fragatas , e corocoras. 
do arrecife pera dentro. 

E pera lhos nao queimarem , nem def» 
embarcarem naquella parte esnoíTos, man-* 
doa entulhar efte canal com muitas embar- 
cações de pedra , com que ficou fechado 
por todas as partes. Fernão Boto fe poz á 
pateria com os juncos* , que lhe ficavam 
mais em barreint ^ e arrombou alguns , e na 
terra fez bem damno. Vendo ElRey o mui* 
to que lhe fazia de alli , mandou fazer ha- 
ma grande jangada de materíaes pera fogo. 
pera ver fe com ella podia queimar o Cía- 
leaQ y e huma madrugada a mandou levar 
por embarcações pequenas ^ e perto do Ga-*. 

leão 



Digitized by VjOOQIC 



ff 4 ÂdlA »£ Diogo i>e Cocto 

Idki lhe deráo fogo , e a largaram ; e cx>« 
mo ella trazia muitos materiaes , a/Hm era 
ofogo medonho que parecia fogo infernal ; 
e porque a agua hia ef palmando pêra fóra , 
foi ella cahir fobre as amarras do Galeão , 
com o que todos fe acharam embaraçados , 
4 acudiram logo os Officiaes á proa com es- 
peques f c entenas pêra defviarem a janga- 
da; e fe cahíra no coftado do Galeuo, iem 
<iúvida o abrazára» Os officiaes trabalharam 
todo o poflivel fem poderem fazer coufa al« 
guma, nem defviar a jangada ; o que villo 
por hum foldado , fem dar conta a peíToa 
alguoia y foi-fe ás amarras pela banda do» 
efcurvos , e lhe deo pique ; e o Galeão co« 
mo fe fentio defamarrado , foi-*fe defcahin* 
do contra o arrecife pêra onde corria a 
agua y ao que acudiram os officiaes , e foi* 
taram o traquete , e foram-fe fahindo pêra 
o mar, e por ficarem fem ancoras, foram 
a Tidore tomar outras. 

Diogo de Azambuja hia-fe fazendo preí^ 
tes com grande cabedal, e tinha mandado 
chamar ElRey de Bachâo , grande amigo 
dos Pormguezes , que fe tinha tomado á 
Lei de Mafamede, e aBlRey dosCelebes, 
também amigo , pêra o virem ajudar naquel* 
h guerra, o que eíles fizeram, e chegaram 
áquella Fortaleza em fuás embárcaçòes , e 
com fua chegada fe embarcara^ os oofibs . 
• El- 



Digitized by VjOOQIC 



DÉCADA X. Cap. VIIL ^f 

ElRev de Tidore em fuás corocoràs conl 
a melhor gente que tinha y e íbratti furgir 
/bbre aquelle porto. 

Os GaleÓes de Fernão Boto, e Fernão 
Ortiz , e outro que alli eftaya pêra ferviço , 
e guarda da noíTa Fortaleza , de que era 
Capitão António Carneiro ^ furgít*am ao 
longo do arrecife peta de alli baterein a 
Fortaleza* Diogo de Aíambuja tanto oue 
furgio y mandou recado a ElKey de Ter=> 
nate a requerer-lhe que entregaíTe aquei* 
la Fortaleza , que era de ElRcjr de Portu^ 
gal , pois fe lhe tinha feito juftiça da moi> 
te de ElRey Ahiro feu Avò: que ficaíTenk 
amigos , e tornaíTem a correr com feu com- 
mercio , e que ElRey D. Filippe o fatisfa- 
ria muito baftantemente em iuas queixas y 
com muito amor, e largueza. Pêra efte re- 
cado elegeram a Pedro Sarmiento , que foi 
mui bem recebido daquelle Kef , que o 
^uvio com muita attedçâo , e diuimulação , 
e lhe refpondeo que elle eftava muito préf- 
tes pêra fenrir a ÈlRejr de Portugal em tu- 
do , como feu vaffallo que era , e que elle 
efperava por recado de Portugal pêra rer 
a conta que com elle fe tinha ; que em 
quanto tardaíTe , elle eftaria alli cohi o fen 
Cafteilâo , e Alcaide Mòr guardâiido* aquel^ 
la Fortaleza ; e que fe entre tanto qtiizeí- 
fem que correflem «ta amizade, e páz, el- 
le 



Digitized by VjOOQIC 



5'6 A S I A DE Diogo de Como 

Ic fe obrigava a dar carga pêra os Gaieôes > 
como fempre dera , em quanto foram 
amigos , e com ilto outras palavras de cum« 
primento. 

Dada a refpofta , entenderam todos fer 
aquilio entretenimento , e defengano > com 
o que fe tratou logo da defembarcaçáo , e 
do lugar em que leria. Praticado entre to- 
dos , aífentáram que o Capitãb Morcnes foP- 
fe notar a parte em que melhor fe poderia 
fazer ; e que achando lugar commodo , e 
decente , nzefle logo final pêra açcommet- 
terem primeiro que aquelleRey a mandaífe 
fortificar. O Morenes foi em algumas em- 
barcações pequenas , e rodeou de huma 
parte , e outra , indo reconhecendo á fua von- 
tade tudO) e.da banda do Sul achou huma 
aberta , onde havia humas arvores , a que 
chamam Capa tas » e em fima delias eftavam 
alguns negros com efpingardas que lhe ati- 
raram bem de efpingardadas ; e chegando- 
fe bem á terra , aifparáram nas arvores al- 
guns arcabuzes com que os fizeram affii- 
gentar y e pondo a proa na terra , fizeram 
Snal á Armada. Diogo de Azambuja como 
eftava já pofio em armas com todo o po- 
der embarcado nas corocoras , fizeram que- 
rena de accommetterem a Cidade pela fa- 
ce, aque acudio ElRey com todo o poder 
pêra lhe defender a defembarcaçáo ) c co- 
mo 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VIII. 5*7 

mo o teve alll embebido , virou o remo 
cm puaho , e chegou áqueila parte , onde 
oMorenes eílava já em terra , onde defem- 
barcáram todos os noíTos fem acharem re- 
íiílencia y e logo ordenaram fuás bandeiras , 
dando a dianteira ao Capitão Morenes com 
todos òs Hefpanhoes y è Diogo de Azamr 
buja com a bandeira de Chrifto , com os 
Portuguezes na retaguarda , e de huma , e 
de outra banda os Reys Bachão , e Tido- 
re , e Celebes y e neíla forma começaram a 
marchar pêra a Fortaleza. ElRey de Ter- 
oate, que tinha acudido com todo o poder 
i praia , cuidando que os noíTos defembar* 
calTem nella , tanto que vio arrancar as co- 
rocoras pêra aquella parte , lançou fora 
muitos Jaós , e Ternates com feu irmão Car 
chiltulo pêra lhe ir defender a defembarca* 
^o ; e quando chegaram hiam os noíTos 
marchando em muito boa ordem ^ c toda* 
via houve entre os dianteiros algumas efca- 
ramuças , de que os inimigos ficaram tão 
mal que fe recolheram. Em todo efte tenv- 
po foram os Galeões continuando a bate- 
ria com grande eftrondo, e terror: os Ca- 
pitães chegaram á vifta da Fortaleza , e da 
parte que lhes melhor pareceo aflentáram 
ieus exércitos , e foi em huma das portas 
do muro da povoação , que hia dar no 
mar, ealli fe fortificaram ae cavas > vallos, 

e 



Digitized by VjOOQIC 



^8 ASIÂ DE Diogo db Couro 

e trincheiras á fua vontade , o que fe en« 
carregou ao Morenes , que naquelle dia fe 
fechou todo com muita ordem ^ e trabalho* 

CAPITULO IX. 

'De âomo os nojfos começaram a iater a. 

Fortaleza de Ternate : e das coufas 

que fucceàêram no cerco até ôs noj^ 

fos fe alevantarem delle. 

EM quanto fe fortificaram , defembar- 
cáram naquella parte a artilheria quê 
lhe pareceo , fem lho poderem eftorvar , e 
o Morenes aíTentou na parte que vio íer 
mais a orof^oíito, porque lhe toi commet- 
tido o Officio de Mcftre de Cannpo ; e pref- 
tes tudo, começou a bateria aífim dós Ga«^ 
]e6es por parte, do mar , como das eílan- 
cias, o que fe fez com tanto eftrondo que 
atemorizava quem o ouvia : os de dentro 
liâo eftiveram também ociofos , porque re« 
fpondéram também com fua artilheria , com 
o que mettéram muitos pelouros tU3s Ga* 
leóes, que ficaram mais perto da Fortale- 
za , e por muitas partes os desfizeram , e 
arrombaram , principalmente o GaleSb de 
Fernío Ortiz de Távora • que lhe deram 
com hum pelouro ao lume d' agua que o 
•varou todo^ e deixou huma porteabola de 

hum 



Digitized by VjOOQIC 



£>£CADA X. Cai^. IX; 3r<> 

hum palmo , e quatro dedos de altura , e 
e&eve arífco de fe metter no fundo > fenâo 
fora a diligencia do feu Capitão , e de 
Duarte Pereira que nella eftava y que mann 
dáram acudir com pailas de chumbo » com 

Sue remediaram aquelie damno. Ao outro 
ia , andando os noíTos em terra occupado9 
ainda na obra da fortificação do exercito y 
fahio Cachiltulo irmão de ElRey com qui* 
nhentosjaos, eTernates avenmreiros^ efo-r 
iam conmietter os noíTos com tanta deter^ 
minado que chegaram até os vallos. O Ca<^ 
pitão Morcnes vendo aquelie delavergonha* 
mento , lhes fahio com huns poucos de 
Hefpanhoes , e Portuguezes mui oem orde- 
nados , e travou com os inimigos huma af» 
pêra batalha , em que houve mortos , e fe^ 
ridos; e todavia os noíTos apertaram tanto 
com elles y que os arrancaram do campo » 
t os levaram de vencida , e elles fe deíviá^ 
ram da Fortaleza , e fe foram recolhendo 
pera o certão: e porque oMorenes hia de 
reiçâo que parecia querellos feguir , lhes 
mandou Diogo de Azambuja recado , pêra 
que fe recolheife , porque parecia aquiUo 
^guma cilada, o que elle fez. 

Çs noífoe foram continuando a bateria 
i^ parede , porque pêra o fazerem á For-» 
^eza era neceíTario fazer-fe por ella entra* 
^i ecomo ella era muito groíTa^ nenhum 

da- 



Digitized by VjOOQIC 



6õ ÁSIA DE Diogo de Couto 

damno lhe fizeram em treze , ou quatorze 
dias que fe bateo. Vendo o Capitão More- 
nes aquillo , diíTe a Diogo de Azambuja , 
que fe fenâo tomaíTe por aflalto , que por 
bateria náo poderia íer , e que eftaria alli 
gaitando o tempo fem fazerem nada , e que 
elie fe oíFerecia com os feus Hefpanhoes a 
commettella á efcala vifta , e que fe fizeC- 
fem pem iíTo as efcadas neceíTarias , por- 
que aífim Iht parecia que feria melhor a 
todos. Pareceo bem aquillo, e fó a ElRey 
de Ternate não , que foi de contrario pa- 
recer, aífirmando-lhe que aquillo a que fe 
oflFerecia era coufa muito arrifcada , por ef* 
tar dentro muita , e boa gente , e tão de-- 
terminada , como eram os Jaós , que fe fa- 
ziam logo amoucos ; que pêra fe commet^ 
ter aquelle ne;gocio com nfcos , e ganha* 
rem-fe as paredes a troco de muitos que 
nella lhe haviam de matar , que mais fe 
poderia chamar diíparate queviâoriai por^ 
que com iíTo não fe concluía o negocio da- 
quela guerra ; pois o fubílancial delia era 
a Fortaleza que elles haviam de bater , e que 
pertendiam tomar, e era muito mais forte 
que aquelias paredes , e eftava muito pro* 
vida de artilheria, e com todo o poder, e 
cabedal daquelleRey, pêra o que fe Havia 
de miftcr todo o poder á força inteira , o 
que já; não podia haver , porque focçado 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. IX. '. 6i 

haviani de ficar diminuidos com a perda 
dos que fe arrifcaíTem nas paredes (a feu 
damiio) e os que efcapaíTem haviam de Ur 
ar tão quebrantados , e canfados que não 
poderiam fazer nada , e feria forçado tor«r 
nar a largar as paredes a feu dona y e re^ 
colherem-fe todos envergonhados , e def* 
acreditados , com que os inimigos cobra-r 
riam mais brio y mas que fe por íima de 
tudo lhes parecia bem commetter-fe aquelle 
negocio y que elle eftava preítes pêra fe 
achar também nella , e fer dos dianteiro5# 
Eftas razoes de ElRey pareceram a alguns 
que era de homem que lhe não vinha oem 
tomar-fe aquella Fortaleza , nem que fe 
{omaífem os Portuguezes a fanear com os 
Ternates pela perda que lhe veria de fe 
mudar outra vez o commercio pêra aquella 
Ilha , e deixar a fua , o que feria caufa de 
tomar á fiijeiçao paiíada , de que fe tinha 
livrado com o braço , e favor dos Portu- 
guezes, e enriquecido com o feu. commer- 
cio; mas bem pôde fer que fe enganaíTem 
os que ido cuidavam , pofto que Mouros 
fempre tiram o feu proveito ; e fem em- 
bargo de parecerem a todos muito bem 
aquellas razoes , não deixou o Moreaes de 
requerer a jornada que lhe concedeo , e 
aflentáram que. ao dia feguinte foífe P^ra 
Sanniento com çentq e fincoenta Hefpan 

nhocs 



Digitized by VjOOQIC 



6% ÂSIÀ DK Diogo de Goxrro 

dhoes a reconhecer primeiro as paredes, e 
que levafle algumas efcadas , pêra que fe 
achaíTem alguma parte defcuidada , e ac« 
commodada, commetteíTem porella afubi- 
da , e que os Capitães , e Reys com todo 
o poder ficaíTem no campo pêra acudiremi 
]ogo com muita preíTa; e o Sarmiento ao 
outro dia fahio-fe com os Toldados que eA 
colheo , e mandou levar duas efcadas , e 
foi cingindo as paredes de Iqngo a longo ^ 
notando-as , e vendo-as de vagar ; e chegan- 
do a huma P^rte que lhe pareceo mais fa«^ 
cil pêra íe íubir , arremetteo a ella , e com 
muita preíTa lhe encoftou as efcadas , e co« 
meçáram alguns a fubir por ellas. Os de 
dentro , que eftavam á lerta , vendo arre- 
metter os noíTos pêra aquella parte , acu- 
diram lá , e puzeram-fe em defensão ; e 
poílo que os Hefpanhoes com grande esfor- 
ço , e determinação trabalharam por fe po- 
rem em ílma , todavia os de dentro os re- 
bateram com morte de dezefeis , e muitos 
feridos , pelo que lhe foi forçado ao Sar* 
miento affaftar^íe pêra fora pelos muitos 
inftrumentos de morte que de íTma cahiami 
fobre todos. Os noíTos Capitães ao tempo 

Sue viram arremettcr os Hefpanhoes, acu* 
iram com todo o poder, e encontraram já 
o Sarmiento recolhendo-fe com tanta prella y 
^ue nio puderam trazer os corpos dos mor» 

tos 



Digitized by VjOOQIC 



DicAPA X Cap. IX, ■ 6^ 

tos pêra os fepultar: com ifto cahíram to? 
dos em grandes defcoafianças deter aquelle 
aegocio bom fim ; mas o$ Capins nâo dei* 
liram de otiaodar cootinuar na bateria* 

Já neilo tempo faltaTam mantimentos 

a ElRey de Teroate , e os tinha mandado 

bttfcar ao Maro , e a outras lihaa > e cada 

dia efpcrava por elles ; e i^eceando-fe que 

lhos mandaíFem tomai* fe ofouheíFem, quis 

embaraçar os nqffos , e lhes mandou pediv 

que fobreediveíTe naqueile negocio ppr e& 

paço de féis dias y que queria neUes to« 

mar confelho com os feus fobre a eitrega 

daquella Fortaleza , porque aquellas; cou&s 

náo fe faziam com pouca coníidexa;$lo: os 

Capitães lhe concederam aquillo y porquo 

nâo fabiam os intentos da^quelle Rey y e 

affim ficaram em tregoas os feisdiae^ emtque 

chegaram huma madrugada mais d;e qua^ 

renta navios de mantimentos ^ que logo fo* 

ram recolhidos , e após elles oLdo corocorai 

carregadas de muita gente y que lhe- Tinha 

de foccorro da Ilha deMaquien: eftaa pré- 

pairaram pelos noíTos Galeòes a boga arran^ 

cada, e foram defembarcar naface dai For* 

taleza , onde os juncos efiavam abicados y fent 

receberem damno algum pdia preiTa com que 

EaíTáram. Vendo os Capitães aquilha, e fa^ 
endo das embarcações dos mantimentoa 
que eram chegados y entenderam logo que 

as 



Digitized by VjOOQIC 



'<54 ÁSIA DE Diogo de Couto 

as tréguas foram manhas daquelle Rey pe* 
xa nos embaraçar , e reformar , e prover de 
gente , e mantimentos ; e ajuntando-ie a 
confelho com os Reys , aíTen taram todos 
oue aquella Fortaleza fe não podia tomar , 
íenão por hum cerco muito prolongado , e 
com tomarem todos os portos daquelia Ilha , 
e defendendo-lhe as entradas aos foccorros ; 
que fe deixailem por então daquelle nego- 
cio , pois também o Capitão Morenes ti^ 
nha dito que não vinha pêra de vagar , por-^ 
que não trazia ordem do Governador pêra 
mais que até á monção em que fe navegava 
pêra as Manilhas, que era já chegada, ealli 
no confelho o tornou a notificar, e pedio 
o efcuíãífem , porque queria acudir ás coufas 
de Manilhas que eftavam frefcas , e (^ue pê- 
ra o anno feguinte tornaria com maior ca- 
bedal pêra concluirem aquelle negocio. Com 
ifto começaram a embarcar a artilheria , e 
elles fe recolheram aTidore, elogo o Mo- 
renes com toda a fua Armada fe partio , e 
Duarte Pereira fe foi em fua companhia 
com fua mulher , e cafa ; porque já que ha- 
via de efperar hum anno , quiz tirar-fe de 
enfadamento , e defgoftos , que fe não po- 
diam efcufar entre elle , e Diogo de Azam- 
buja , fe ficaíTe naquella Itfaa«. 



CA- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf. X« éf 

CAPIttJLO X. 

Das cauTas que aconteceram em OrmifH^ 

fendo Capitão Matbias de Albuquerque : g 

de como os Niquihís quebraram aspa^ 

zes , e o Capitão mandou fobreelhs 

alguns navios que Je perderam^ 

NAtf tratámos até agora das coufas otut 
Mathias de Albuqueraue fez em Or«» 
maz 5 porque nos pareceo bem gUârdallatf 
pêra o fazermos a todas juntas^ Chegado 
efte Capitão i fua Fortalez;a ^ entregou^lhé 
D. Gonfalo de Menezes a poíTe delia , e 
depois tiveram grandes quebras , e deía-* 
venças por caufas que não he neceíTario 
contar; e querendo remediar algumas cou-» 
fas que andavam desordenadas ^ e prover 
na boa guarda , e vigia daqueiia Fortaleza ^ 
por eftar , como já diíTe ^ em braços com 
os Turcos ) que quali eftavam feitos fcnho^ 
res daquelle eftreito ^ cuja vizinhança era 
muito pêra recear j pelo que mandou re« 
novar , e reformar á Fortaleza por dentro ^ 
e por fórâ nas partes que lhe parscéfaai' 
neceíTarias ^ e o mefmo fez aos armazéns ^ 
e ás vaíilhas em que a pólvora eftava ^ por-^^ 
que tudo eftava muito damnificado ^ e deí^ 
baratado ; e porque os foldados da obriga- 
do daquellarortaleza fe agazalhavam t^Oí 
Couto.Tm.VI.P.li. £ ddl- 



Digitized by VjOOQIC 



f(S AS IA 9E DiOGQ DE Cotrro 

delia efpalhadps pela Cidade , fem os Cã^ 
pitâes os poderem obrigar nem por força , 
Mm por mimos a fe recolherem dentro , 
n^vendo neUa g^zalhados , que P. Antão, de 
Noronha , fendo Capitão daquella Forta- 
leza , tinha feito ao longo dos muros ^ quaíi 
como .çellas dos Frades fobradadas, e com 
ferventias pêra o muro pêra no tempo das 
falmas ^ que sao muito grandes , podereM 
dormir em íima, e tudo o mais que cahia 

fiela. banda de fora fobre o mar pêra maior 
impeza d^ Fortaleza } e parecendo a Ma«» 
fliigs de Albuquerque que era coufa muito 
frrifcada eíbr.en\ fora , porque podia fuc- 
cçder huma> alteração na Cidade , ou hunt 
iqbrefalto de Galés, que de noite lançaíTea» 
gçnte enj terça tão depreíTa, que não hou- 
"V^íTe tempp pêra os toldados acudirem á 
l^qtrulçza» ^e, feria, caufa da perdição de 
l^os , ç. da Fortaleza , que de noite ie fe- 
dera com fós os criados dos Capitães , e 
aiiida deíTeç ficavam à,e noite fora , tratoi% 
de 09 recolher dentro ^ no aue fazia duat 
çouC^. mui neceíTarias , huma legurar a For-? 
ttalçza, e a outra evitar muitos defmanchos^ 
ç i^fultos ouexada dia fuccediam com an<? 
d9XW\ ^fpalhados por. taes modo9 ;• eoon» 
tantas afQoeilaçées , rogos^mimo^ ^ ^ h^% 
pMfts., ( que he o. que leva a. todos d»k i&l 
«jSwroiEfimn «m mor» jierigot da nà^} 



Digitized by VjOOQIC 



1 



Decaída X* Ca?* Xé 167 

iue fe lh« rendêran;!, eJCeibram r/ecolj^/ejj» 

lo poucos e foucòs pêra a íòrtalçM ^ ^ 

aHim recolheo até duzentos fi,dla , c/om 

Í[uein correo tao pontualmente na pijg^ ap . 
eus foldos , c manrin^entos ^ que ao à^fn^ 
deirp dia do niez íe tocay;a tanib^ ^j^r^ik o 
outro dia fe lhes pagar « cqm ò que já q$ 
inais buscavam adnereqcias pêra çis recplhç* 
rem dentro» 

Feita eíla obra , cntendeo na agua daa 
cifternas ; e pofto que era baftante per^ prij- 
vimento da Fortalèisa em gualauer <jercp , 
receava-fe que iíavendp hum traoalhp ^ qye 
com o jogar da anilheria fe abriíTem as^çif» 
temas , -e fe lhes foíle a agua , quíjs prpy.çr 
nifto com ordenar vinte plete tanquçs grai- 
des^ como ps que andayam.nas nácis ) p.eça|e 
recolher nejles a agua , e efta oleira fçi dOtCoâ- 
de D. Francifcp AÍafcarenhàs que jtá.qép 
por regimento j quap4o o delpaçIiQp^llÇra 
aquelia Fortalèyja : .e aífiin dêp. tanta ^reíia 
a ellçs tanques, (me ao .m|inçiró|fçju jàtipp 
os acabou -tQdps ae páo Teçai jçnu^íó.tó 
.tc8,e.!beip^.?C(9ndicionados , .e.os^rpçpl^^o 
jodos em:9in3azens fecl^a^ps , .é^^qs.jq^i^ç^ 
fÇnçikÇT , de ,agua ; ,e .aílirtuârje . qjie^^ev^çafi 
'feiccentas çipas .delia ,*ei.c9^^n\0!U ,€m^^uén- 
-to foi:Çapit|p,.^vi(itar, eft*«s/frça^çs^,g\j^ 
Jtodos ,. os me?5çs.per.a yçr^çoçno^.Qs tanqufs 

£ u quelr 



Digitized by VjOOQIC 



68 ÁSIA D£ Diogo de Couto 

Guella Ilha todo o eftrangeiro que vinha it 
fora entregar as armas aos Xabandares 
Portuguezes , que as guardavam em huma 
cafa cue tinham á borda d^agua , onde por 
hum larim que lhe davam lhas tornavam a 
dar pêra as alimparem ; e que fe iíTo fora 
em huma alteração , não tinham mais que 
chegarem á porta d? Xabandaria , e que- 
brarem-na , e tomarem fuás afmas. 

Parecendo a Mathias de Albuquerque 
que ifto era defordem , mandou fazer den- 
tro da Fortaleza huma cafa feparada pêra 
fe recolherçm eftas armas , e as chaves 
delia mandou que fe entregaíTem ao Alcaide 
Mór, e deo por regimento ao Xabandor, 
que affim como os eftrangeiros lhe entre- 
gaífem âs armas na praia, as mandaíTe lo- 
go metter neíta cafa; e que todas as vezes 
Í|ue feus donos as quizeífem alimpar y o 
oíFem fazer alli poucos e poucos, 

A^ volta d eftas coufas que tinha ordenado , 
chegou logo áquella Fortaleza informação 
"das coufas daquelle eftreito, efoi informa- 
ndo que osNiquilús tinham quebrado aspa« 
zes que fizerapi com D. Jeronymo Maíca- 
'renhas , e que em fuás terradas falteavam 
. as que hiam de Baçorá pêra Ormuz , que 
coftumavam furgir entre àquellas Ilhas de 
Lara , onde efles davam nellas , e' as roú- 
' bavam , o-^que era em itiuito xlamno da Al- 

fan- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cav. X. 69 

fandega daqueila Gdade , e em defcredito 
do Eitado ; peio que determinou-lhe armar 
pêra ver fe podia tomar algumas ferradas , 
e pêra ifto mandou armar huma Galeota que 
deo a Capitania ao Galvão , e pagou vinte 
foldados , e lhe deo por regimento aue fé 
fofle lançar nos xranaes da Uha de Lazão 
pêra ver fe lhe hiam cahir nas mãos algu- 
mas daquellas terradas dos Níquilús , e 
pêra dar guarda ás que vieíTem de Baçorá. 
Partio eíle Galeão , e foi-fe pôr na- 
quella paragem y e de dia esbombardeava 
a povoado dos Niquiltís , e de noite fe 
tornava a feu pofto , fem nunca o mudar. 
Sabido ifto pelos Niquilús , e avifados dos 
moradores de Lara do defcuido com que 
os noíFos eftavam armando algumas terra- 
das , no mòr íllencio da noite deram fobrc 
a Galeota , e achando todos dormindo , os 
mataram á efpada y e a Galeota com fua 
artilheria, e todas as armas foi recolhida^ 
e varada na fua praia. Eftas novas, chega- 
ram logo a Ormuz , que o Capitão fentiò 
muito ^ e logo armou outro navio, de que 
fez Capitão o Patrão da Ribeira , e lhe deo 
ibldados, ehum regimento pêra ver fe po- 
dia colher alguns ríiquilás. A efte navio 
lhe deo naquefle eftreito hum tempo tama- 
nho , que fe foçobrou , e alFocaram-fe to- 
dos os ibldados y e o Patrão com iinco ma- 

ri- 



Digitized by VjOOQIC 



70 ASIÂ DE bioGd hi Couto 

lenheiros éfcànoa ^ e pofto gae ifto foràní 
jefaftres , nao deixou Máthias de Albu-^ 
duéhjue de os fentir muito; é íehdo infor* 
Itiado que óé moradores dá Uhá de Lara , 

?*'iuè eram vaiTallòs de ElRey dé Ormuz , 
écólhiam os Niquilús , e òs favoreciam 
6os féus iroubòs , e que felles Foram caúfa 
dâ tômadà daGaleotà, peio^avifo qufe dei* 
fe deram , deteVminou de os mandar cáfti- 
^r , *e pêra iflo armou quatro i^avios , de 
jjiie Ifez Capitão Mór Lucas de A!tneida , e 
ináhdou que fòíTe dar niquella liTta , e íi^ 
^íPb nella todo ó damno què.^udefle , è 
òãe vríTe fç^oàia queimar asTerradas dos 
SNiqailús. ^ 

^ Eftes fiavios 'fe foram làiiçír fobre a^ 
cjucfta Ilha até paíTarem. as terradas de Ba* 
Jorá , e logo ^otiCo depois chegaram ou* 
tros dous navios , de que era Capitão Mór 
'làívaro de Avelar, que õ Capitão de Or«- 
tíiui máhiiavia a Báharém, levando por re- 

f" imerito que, 'vííTe fe dè paíTagehi podia 
ár ^l^tn caftigo aòs -de Lara , e lhe deò 
Sodéres 'fobfe os outros líavlõs do-Almei- 
a; c ajuntando-fe totíos, fõiíam a Lara, 
e deram ém a pbvoaçao , e mataram á e& 
^ada toda a coufa viva que ^ cháráhv; h dei** 
xánío%íto grandfedeftrulçSo', ^ífe -éhlbdiw 
cáram i e o Avelar fói-fe damiríhàtido pçs 
« BaKâreai> -etísmah iiavíds^-dõ ^AláiêKfti 

tor* 



Digitized by VjOOQIC 



tom^ram-fe a pAr fobre o porto ^ dos Ni- 
qQÍlús; è eftanao junto dós dá Ilha, anda- 
lâsi viá y e lhes deo hum tempo t^ dfférw 
tado , que fcni fe poderem recolhei, foçobrou 
lodos os navios, femdeiles efcaparent mais 
de onze peflbas; Com ifto ficaram os Ni« 
quilús tão foberbos , que tornaram a feus 
foubos y e aiErma^fe que depois tomáraoi 
muitas terfadas, e algumas que importava 
cada buma quarenta mil cruzados carrega^ 
das de dinheiro , e Mercadores de Baby^ 
lonia 2 e outras partes que hiam pefa Or» 
muz comprar fazendas. Mathias de Albu^* 
querque lentio muito eftas perdas y e deíè» 
jando tomar delias grandes fatisfac&ès nos 
Niquilús , pedio ao Vifo-Rey que lhe mahi 
daífe trezentos homens pêra caftigar aúé^ 
íes coíTarios ; porque fe lhe tíió acodilTém^ 
impediriam de todo a navega^aa dfe Bá^ 
^á pêra Ormuz ,« que he coufa muito 
importante. 



CA- 



Digitized by VjOOQIC 



.[ 7» ÃSLft DB Dio&o DE Côirro 

C A P I T U L O XI, 

J)e eamo o Turco mandou fazer bum For^ 

te fobre a Cidade de Tabriz : e das 

eoujas que alli Juccedêram entre 

PS Turcos y e Perfas. 

JÁ que eftamos defta parte de Ormuz em 
o tempo do inverno , pêra onde deíxá-* 
mos as couíàs alheias , fera razão que de* 
mos relação das que efte.anno fuccedâram 
no Império da Perfia , por não quebrarmos 
a ordem que até agora guardámos» No hw 
vro V. Çap. II> demos raaião de como Fo* 
rat Baxá íe apartou da Cidade de Glifca 
do fenhorio do Mamichiar, aíFrontado , ç 
quafí forçofamente , que fe lhe alevantáram 
os feus foldadost Chegando depois a Coní^ 
tantinopla , deo v^zto ao Turco das cQufas 
que na jornada lhe fucçedêram » e dos Foiv 
tes que deixava providos ; e como lhe n^Q 
fabia do animo , de mandar fazer outro 
Forte fobre Tabriz , porque por alli fe 
poderia fenhorear de toda a Porfia ; e ven^» 
do agora que as coufas daquelle Reyno f0 
difpunham pêra elle poder dar á execução 
feus defejos , aílim como a morte do Èr^ 
fnixão que o Xá matou por fufpeito nas 
coufas de Forat Baxá , como no Livro IV* 
Capitulo II. fica 4itp ^ com quem os Tur-i 

<jui^ 



Digitized by VjOOQIC 



Dbcada X. Cap. XL * 7j 

tíuimóes fe tinham amotinado , como por 
Abaz Meria feu filho eftar no Cobora^one 
muito apertado de huns Beques que aquelld 
anno entraram com grandes exércitos por 
aquella Provinda , governados do Amo- 
micham filho de Âdidacâo , fenhor do Ioh 
perio com Arcante , com que fe prefumia 
que o Turco fe confederou contra o Perfa ^ 
com o que aquelle Príncipe oâo podia foc« 
correr leu pai y porque perderia aquelle 
Eftado , determinou efte anno em que an« 
damos de metter hum muito grande cabe^ 
dal naquella em preza , pêra o que mandou 
ajuntar hum groílb exercito , e elegeo pêra 
aquella jornada Ofmâo Baxá de Nação Cir« 
caífo , que eftava por Governador na Pror 
vincia Xervâo , como já diífemos , homem 
de grande confelho , de muito esforço , e 
muito experimentado na milicia , o que lhe 
mo tirou fer também dado ao efludo da 
Filofofia , ao que era muito inclinado ; é 
mandando^ chamar , o fez Baxá da pri- 
meira porta , entregandoJhe o feu fêílo, 
e logo lhe deo o cargo de General da em* 
preza de Tabriz com fupremo poder em 
^odas as Províncias » e thefouros delias pe^ 
ra poder formar os exércitos que quizelíe. 
E fendo tempo pêra a jornada , foi-fe 
por Exzecut , aonde ajuntou a mafla do 
exercito que formou de ceato e íiQcoenta 

mil 



Digitized by VjOOQIC 



74 ÁSIA DU BiÓGo ©« GíuTo 

mii cayallos , tirados das Pnovlncias da SU 
ria , Bitinia , Natolia , Caramonia > e da 
Grécia , a fora a gente de fenriço ^ gafta^ 
dores , fervidores , camelos , bois y e car« 
retas , qtie era hum numero infinito ; C fa- 
%ia tudo hum exercito tamanho que nto 
parecia fer a^ueila potencia de hum fòRe7, 
lenio de muitos juntos ; e nefte Junho em 
quê andamos , fe abafou , feni faber pêra 
que parte era aqudla expedição , alEm po^ 
caufa de fua gente que havia de haver por 
duvidofa , como por Oxá nlio íe precatai 
commetter em Tabriz ; mas depois deitou 
fama que hia pêra a Cidade de Nafiman y 
porque tinha por novas que eftava pêra 
acudir a Nativam pêra elle dar volta , e 
meiter^fe em Tabrix ; e aílim foi tomando 
o caminho de Sanqualas , e Cahars , e de 
alli jpaíTou aos campos Calderanes , onde 
já límaei, eCelim tiveram aquella fermofâ 
batalha. Aqui mudou o caminho que leva** 
vz y e tornou ao de Tabriz , que leria jor* 
nada de vime léguas , fobre o que no exet^ 
cito houve alguns motins, for Inenãoteren^ 
declarado a jornada de Tabriz j e foi a 
coufa de feição que checaram a dizer ptl- 
jblicamente palavras mutto affrontofas a« 
Baxi , o que elíe diffimai tou , e apaniguou com 
razl^y e dinheiro, que h^ o que abrandu 
Cttda ) porque tinha evimáidío qiae coift 

mãos 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap* XL - ff 

ftâM eftreitu , e palavras araras nío pôde 
Jium Capitão commetter coufa honrofa ; por^ 
que o Capitáo fecco de palavras y e tacar*^ 
nbo de condição^ peleja contra dous exer« 
eitos , o feu , e o do inimijpo ; e ainda bj^ 
vemos pof mais perigofo íoldados defcon- 
tentes , que eiercitos poderofos , porquê 
a eftes cada dia rompem , e desbaratam; 
Toldados a quem o bom termo de feus Ca« 
pitâes obriga a perderem as vidas nos ca^ 
íbs de fua nonra. E tomando ao fio , apa« 
tiguando o exercito , começaram a mar- 
char pêra Tabriz com tanto gofto pela e£» 
perança que o feu Capitão lhes deo oo groí« 
fo dçlpojo daquella Cidade, que todos os 
inconvenientes de caminho lhes pareceram 
muito pequenos. Dalli foram rer a Vaor , 
que efta em meio de TabrÍ2S , e da alagÔa 
Marcian , e alli fe refizeram o$ foidâdos 
de todas as couiâs que quizer^m : daqui 
paíTáram a C07 , que foi a «miga Aita^ 
^ata de Ftolomeo , e depois a Amarat , Ci^- 
dades já do Eftado da Períia : ^alli forani 
a Sofran , hum lagar pequeno , «donde 00^ 
meçáram a defcubrir a fermofa Cidade d^ 
Tabriz » ^ja vifta foi j>era todos ide mòr 
-gofto 9 e alegria que íe podia imaginar. A 
vanguarda tanto 'que defctlbrio a Cidade^ 
vendo a frefcura de feus campos , ejardins , 
'p pbimdaneia idos ínttos delles ^ t«di«psti- 

ram- 



Digitized by VjOOQIC 



j6 A S IA BE Díoiío DE Côtrra 

Tam-fe a colhellos , e a recrearem*fe na» 
ribeiras de que fe todos regam ; e o Baxá 
foi aflTentar o exercito no longo de hum 
pequeno ribeiro y que chamam Agua falga* 
da. 

EIRey da Perfia tanto que teve novas 
do exercito Turquefco ^ correndo a primeira 
fama que hia contra o Nacivan, ajuntando 
feíTenta e quatro milPerías, foi-fe pór não 
mui longe de Tabriz pêra efperar onde o 
inimigo arrebentava ^ porque parece que 
arreceava já a fua determinação » e dal li 
lançou muitas efpias por todos os cami-* 
nhos , de que cada dia tinha recados , até 
fer ayifado que o Baxá voltava de Coy pê- 
ra Tabriz, pelo que lhe foi forçado p6r-fe 
affaftado daquelia Cidade trcs léguas » Por 
náo ter gente pêra dar a batalha aos Tur^ 
cos, e oalli mandou Aligelican com quatro 
inil cavallos , pêra que fe fofle jnetter em 
Tabriz t e a Mirarem Mirza feu filho mais 
velho com dez mil dos efcolhidos que fe 
fofle lançar nos^ campos daquelia Cidade 
eax alguma embofcada , oorque eftava certQ 
algum defmando nos Turcos por aquellas 
hortas, eque poderia fazer huma boa pre- 
za. Eftando alli o Príncipe embofcado , teo- 
do lançado fuás efpias , foi avifado que oa 
Turcos da vanguarda eíUvam alojados ao 
longo de humas ribeiras ^ paíTando a fé%L 

bem 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caí. XL '77 

I>em deícuidados. Com eftas novas íe alé- 
vaiitoa o Príncipe donde efiava , e deo nos 
Turcos com tanta preíTa, que primeiro que 
os vifiem já era íobre elles , e em brere 
efpaço lhes matou fete mil , e fe recolheo 
a feu falvo carregado de armas , e cavai* 
los y tambores , bandeiras , e de outros deP* 
pojos , e muito contente pelo bom íucceíTo. 
Oénan Baxá foi logo avifado do negocio , 
e defpedio com muita preíTa Âfeman Baxá , 
e a Mahamed Baxá deCaeremit com qua*- 
torze mil aventureiros , pêra que foccorreíTe 
os outros; e tanta prelTa federam, oue che» 
gáram a tempo que o Príncipe Pería hia já 
com a vitoría nas máos , e logo arremettô- 
ram a elle mui determinadamente. O Prín- 
cipe vendo que não podia efcufar a bata- 
lha y virou-fe com muito animo aos Tur* 
cos , e travou-fe com elles , ficando todoB 
mifturados em huma muito afpera , e cruel 
batalha ^ em que de ambas as partes houve 
aíTás de damno ; mas grandes façanhas da 

farte dos Perfas , principalmente do fea 
rincipe , por fer muito esforçado cavalleiN 
ro y e era já ifto fobre a tarde ; e como a 
noite começou a cubrir a luz , foram-fe 
apartando huns , e outros com féis mil ho 
mens menos ; e fe o dia fora maior , maior 
fora o damno pelo furor com que os Perfas 
peleijavam^ de quem fe perderam poucos» 



Digitized by VjOOQIC 



7* A SI A ©E Diogo ©í Couto 

OPciiictpeTflco]J»o& yitorioSo pcraopaív 
^ue o recdbeo com jnuita feifta , e Oímaa 
saxá Qom -bem gi:^Qdf trift^tza 9 e fentimen-^ 
to pela perda ;^e emiuini íò ^dia recebeo , 
yendo qae á yifta idaqueU^tCidad^ .que elle 
<0fii tão potcote exercito yjinha buCcRr y feta 
^aiada iter :pQfto as tnãos jem coufa alguma., 
«pacdéra ireze mil ^hctmens 5 e çftes ainda 
jOQs ^olbtdos., :e que «odo .acuelle eftrago 
ibora ifeito jpúr tão poucos Perlas , ao outro 
•dia alfivantou jd campo , :e foi snacchanda 
^era Texrhegar mats á^Cidadeé Aligeliohamy 
^ne £iRe7 da Beríia :n>andára ineticr detn 
ftroiem l!^tÍ2 , .rendo vir^íè chegando o 
inimigo >pem !elle., íahio fóra como bum 
'tmv&Oy '£ deo na «vanguarda com. tamanho 
•ímpeto, jque com. maLScdettes mil) mortos 
«fez recolher 'Oíman até á fua.artilheria, e 
sBL :ícu £í1to :êUe .0 :f c2 .pêra a . Cidade. Ifío 
Aoabou jde.in3elaocolizaT:de.todorO'JBa3íá , ^ 
tcomicAa .toágoa .foi^aíTentar íeU . eserdtp 
iaieta.'l^;iia da.Qdadc., e alli feifoni^CQp 
á:íua irofiDade. .ÂlÂ^elich^im ificouutãp ^^aup 
•«om ^o :^om £icceíto , que ; deíqjou ?de < dar 
jhos .Turcos oúrro toque ^ e pêra iflb & 

SrepatQu.oiMBoifoijaiMte.i «e^ lendo i^arto 
a. medoniQ > .fahk)/ dacÇidade , e commçf- 
teo o .eoceiciío ; por husna parle ,:que; luajs 

Scrto .^nai delia , que* trz ^efianoia dp 
tià fole iMixis^i t^ xiomaado lOs Tu^^cqs 

can* 



Digitized by VjOOQIC 



Dbcada X. XIaTb XI. ' 71^ 

canfados y e defcuidack^s > matou O Baaá 
com quatro mil , Tem receber damno al^ 

Srm , e com eíle fettodo íocceflb fe teoo* 
eo a ElRej , e nao quíz mais entrar aa 
Cidade ^ porque ]á tra avifado qiie ao wh 
tro dia o baviam de coimnctter y e que eUe 
com quatro mil hcimeM a não podia defeiH 
der. Os m(Kadores deTabfiz. Yendo-ítf d«& 
ampanidos de Alú^eikfaam , determinárafli 
de defender a fua Cidade y. mulheres , filboa ^ 
e fazefidas até morrttem todos > e repartia* 
do entre fi as mas ^ asfortificáramr o melhoc 
que puderam ; ^ poftos em armas y efpeii^ 
vam a determiaadk> dos Turcoe. Ao outro 
dia pek manliâ (devia ler fem ordem do 
Baxá) commettèram a Cidade os de:pé^ 
que eram de ferriçoE, todos de couraças ^ e 
malhas y porque quixeram levar aquelle 

1)rimeirQ cevo;, e os moradores deram nel«* 
es com tanto valor y c^e a. ntór parte dai» 
quella vil canalha ficou feita pedaços. 

O Baxá foi logo avifado ; e pondo-íe 
em armas y foi commetter a Cidade com 
todo o cabedal ; e não podendo os mora- 
dores efperar tamanha íuria , recolhéram-fe 
a cafas fortes , e a becos eftreitos , e ás 
Mefquitas y onde fe fizeram fortes , ma- 
tando de fima dos terrados muitos Turcos 
que hiam entrando pelas ruas ; mas como 
os inimigos eram tantos y entraram as ca« 

las. 



Digitized by VjOOQIC 



8o ÁSIA BK Diogo de Coxrro 

ÍM y e Mefquitas ^ e mataram á efpada tCH 
dos os Gue acharam ^ tomando as muthe^ 
res , e nlhos com quem ufáram inhumant- 
dades nunca víftas 5 e fazendo outros da^ 
innos y e eftragos que eftes bárbaros em fe* 
nielhantes facos coíhimam fazer. O Baxá 
foi logo avifado daquellas cruezas , e man-* 
dou os mais Baxás que acudiflem áquella 
deshumanidade , e que não fizeífem mais 
damno naquella Cidade do que já eftava 
feito , o que fe fez pela melhor ordem que 
ibi pofliTel. Feito ifto , foi o Baxá rodean- 
do a Cidade pêra a reconhecer a que. par- 
te feria bom levantar o Forte ; e achando 
o fitio qual elle defejava , aífentou nelle 
feu exercito , fortalecendo-o muito bem, 
e logo tratou de pôr máos á obra , e co- 
meçar a ajuntar as achegas : alli lhe fo- 
ram os moradores da Cidade dar obedien* 
cia^ e elle os recebeobem, e fegurou. 



CA- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XIL 8i 

CAPITULO XIl- , „ 

Dõfitio da Cidade de Taèriz, e dos dej^ 

piedofos y e crués fatos que es Tureos 

lhe deram \ e dos ajf altos que òPrin^ 

cipe da Perfia deo nos Turcos^ em 

que lhes matou muitos^ 

A Cidade de Taurii ^ ft que cx)iTapta^ 
mente chamam Tabriz ^ os Hèbreos 
práticos nas Províncias da Periía a mettem. 
fla Arménia maior ^ c á tem pela .antiga 
Suza, ainda que Joveo diz quê he Torva j 
mas os Geógrafos modernos a inettem na 
Média) e querem alguns que íeja aHecba» 
tana de Ptolomeu , e aíHm o -parece ènten^ 
der Marco Pollo Livro L fc be verdade 
que aProviíicia Hirac, em que a elle met* 
te, he a mefma Média ) coma muitos cui^ 
dam; e outros aSirmam fer Doza a Cidade 
edificada por Ariazes ^ e efta .prefumpção 
tomaram da frefcura, e fertilidade de íeus 
campos , e jardins : em fim qualquer qúè 
feja , ella fempre foi muito famofa ^ e Cor* 
te dos antigos Reys da Perfia*^ eftáiituada 
nas raizes do Monte Ofonte;:^ que Ptolo* 
meu mette na Pfovincia dâ 'Média '^ é d 
meio delia eiti 30* gráos d^elathade ^ è 
S8* de longitude^, \.'..\ ^ '■* 

Eftes mtmtes chaínam os .natura es ~d« 
Qouto. Tom. VI. A lu F Cor- 



Digitized by VjOOQIC 



íl ÁSIA DE Diogo de CouTa 

Còrcoo , e alevantam-fe da parte do Norte 
oito jornadas apartadas do mar de Aba- 
€um , ott Cafpio , pofto que Jovio o nãa 
ÍM tMLiè de finco pêra a banda .do Auílro, 
ou do Sul, fallando tnannhaticamente. Tem 
a Períia pêra o Pooente os montes Cafpios , 
e pêra o Nafcente a Parthia , ou Cohora- 
cone ; he eft^a Cidade muito fujeita a ne* 
^res, e a ventos frios, mas de ares fadios, 
c muito frefca y e abundante de todas a$ 
coufas neceíTarias á vida humana ; he ri-^ 
quiíBaia peio grande jconcurfo de IVlerca^ 
dores que: de todas as parte do Levante , e 
i^onente OMcorrem a ella , com o que he 
Juvida pcn-haima das maiores feiras de todo 
41 Oriente ; ^e por fer efta , tiveram muito 
tempo nella os Reys da Perfia fua Cadei- 
ia, e. Corte-; mas depois que a mudaram 
jieoa a Qdafile de Casby pêra ficarem etn 
meio. dflqneile Império^ ficou desfalecendo, 
e ainda agora era das mores coufas doMun* 
úa^ e tinha em fi mais de cem milpeifoas* 
Ofman Baxá (como atrás diíTemos) efcolheo 
mquelle fitio , em qoe aífenteu leu exercia 
to, que era nosjardms que foram dosReys 
da Perfia ^ que ficavam a hnma parte da 
Cidade (pêra a banda do Súl , que era cour 
ia ,miìo grande , e fermofa^ , e com; tml 
diverfidades de arvores , todas de froícA 
tiMUcnto > com rnsitas fortes de xofas , 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca#. XII- 8j 

bMiinas , jafipins , lírios ^ violetàà j é òutral 
floies fuaves ao cheiro ^ e muito alceret 
aos olhos , o que tudo era regado de £iim 
bra^o de hum dos rios que dèfcem dos 
montes Orontes y e atravçfsao aquelles cam<< 
pos , cujo braço dividido em muitos ramog 
eítendia por entre aquellas plantas 5 e bo« 
ninas dé feição que parecia hum Paraifb 
terreal , e alum lhe chamavam os Perfas 
Sequifne^er, que quer dizet oito Faraifos) 
efles ramos dos rios que regavam eftes jaiw 
dins , fahiam delles , e tornavam-fe a ajun^ 
tar em hum braço ^ que cercava a Cidade 
por aquella parte a modo de cava^ 

Aqui nefte lugar mandou logo O fiaxá 
abrir os alicerles perá a Fortaleza , e cer« 
cou todos êftes jardins á roda de hum mu'^ 
ro de trinta palmos de largo com íiins a^ 
meãs , e guaritas ^ e no meio alevantou hu-* 
ma torre fortiílima ^ e baftante pêra a guai^ 
niçâo que alli determinada pòr^ eeíb obr:» 
acabou em trinta e féis dias pela muita di-^ 
ligencia , e gralide cópia de fervidores, é 
gaftadores que nella trazia | e em quanto 
efla obra durou , hiam os Turcos á Cida^ 
de a rccrearem-fe nos banhos delia ^ que 
sáo muitos, e fermoíiílimos ^ eeíbiid&huntf 
poucos , hum dcUes parece que devia á^ 
ter efcandalizado alguns naturaes (parquicr 
não são tão foffridos^iatte entraffcm Acohuma: 
F u Ci* 



Digitized by VjOOQIC 



Ç4 A S I A DE Diogo de Couto 

Cidade tão proípera , e rica , fem ufarem 
d.e fua natureza) ajuntaodo-fe alguns , de- 
ram nelles , e os mataram a todos. Ifto foi 
logo íàbldó no exercito , de que indigna- 
dos os Genizaros , foram-fe ao Baxá com 
grande ira , e lhe pediram licença pêra 
vingarem a morte dos fcus , que lhe elle 
deo , e com aquella braveza brutal entra- 
ram a Cidade , e começaram a matar to- 
dos os que acharam á efpada , fem per- 
doarem a fexo, nem a idade alguma , efr 
J)edaçando os innocentes nos peitos das mi- 
leras mais , violando as donzellas , deshon-r 
rando as cafadas á viíla dos triftes efpoíbs, 
a cujos prantos elies não podiam fer bons 

Í)or eílarem amarrados , roubando , aíTo- 
ando , e deftruindo as cafas , • Templos , 
€ tudo o que fe lhes parava diante : em fim 
por não recitarmos as laílimoías miferias, 
lagrimas , prantos, clamores de meninos, 
c mulheres , velhos , e moços , foi a coufa 
tão çriíel 5 e deshumana , que os mefmos 
bárbaros puderam apiedar-íe de tamanha 
defaventura , fe a ira , e furor brutal os não 
cegara de todo pêra ainda haverem que li- 
oliaiTi feito pouco ; e fartos , e canfados de 
tantas cruezas , e de outros avílos torpes, 
^ nefandos , fe recolheram carregados de 
riquezas pêra o outro dia tornarem , como 
iGi:^eram^ e ainda ao ten:eiro profeguindo 

com 



Digitized by VjOOQIC 



l 



Década X. Caf; XII. 85* 

com tanta braveza y e deshumanídade em 
fuBs brutalidades , que não ha penna, qiie 
fe não encolha com a mágoa , e dor de 
tanta defaventura ; e depois de já não terem 
jue roubar, nem que matar , recolhêram- 
e com o mór deípojo que fe podia ima^ 
ginar , por eftar aquella Cidade com todo o 
feu recheio. • 

Eílas noras foram dadas ao Rejr da 
Períia , e ao Príncipe feu filho , que elles 
oavíram com tanta aor, que eftiveram pêra 
arrebentar de pezar das mágoas , e aefa^ 
vcnmras que lhe contaram dos miferos Tau* 
riãnos. Indignado o Príncipe de tamanhas 
cruezas , determinou de amfcar a vida por 
ver fe .podia vingar feus vaífallos ; e com 
licença de feu Pai efcolheo vinte e quatro 
mil homens de cavallo y a quem períuadio 
cora muitas palavras a irem tomar vingan* 
ça das cruezas feitas a feus naturaes , de 
que todos tinham tamanho dt;fejo como 
elle , e aílim fe foi o Príncipe lançar erxi 
huma embofcâda , légua e meia do exerci* 
to , e defpedio quinhentos de cavallo os 
mais ligeiros , pêra que foffem dar vifta 
aos inimigos , e viffem fe podiam provocar 
a fahirem dos vallos, eque efcaramuçando 
com elles , trabalhaíTem pelos, levar pera^ 
aquella parte ; e affim o fizeram. Os Turcos 
em vendo-aquella gente ^ cuidaram que. eram 

cor- 



Digitized by VjOOQIC 



M AS IA' DE Diogo -de Coitto 

cprredoreis da companhia do Príncipe, quo 
^ía pêra lhes dar oatalha , e deram conta 
<iií!p ao Baxá OAnan , que eftava enfermo , 

3ue defpedio logo os tiaxás Qgala , e o 
e Çaeremit , pêra que com fua gente , e 
toda a da Grécia foílem aprefentar batalha 
fto Príncipe. 

* Poftos eftes Baxás em campo com qua^ 
rènta mil de cavallo , foram commetter os 
Perfas, que como eram muito ligeiros, nâo 
duvidaram eí^erallos , e travaram huma boa 
efcaraniufa com os dianteiros , e de volta 
era volta os foram levando pêra a emboC» 
cada» O Príncipe tanto que teve rebate , e 
^ue foube eftarem perto , e quaíl á vifta, 
lahio da embofcada , e como hum raio dea 
nos Turcos com tanta força que os fez ter. 
Os Baxás rendo o Príncipe , puzeram-fe 
em ordem ^ e aprçfentáram^lhe batalha , que 
elle não recufou , que fe affirma que foi a 
mais bem peleijada que fe vio entre os 
Turcos , e Perfas ; mas como eftes entraram 
na batalha coni o defejo de vingança de 
íèus naturaes, de fatisfazerem as aíFroutas 
feitas £)os parentes , e amigos , foi á vonta^ 
de oomque peleijáram tamanha, quécomo 
leóes fe mettiam nas armas dos inimigos, 
derribando , e matando nelles como en^ 
ovelhas , fazendo o Príncipe aqui por feu 
l^r^ço tantaa coDÍas que paimou a rodoa^ 

Qs 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XII. tf 

Os Turcos vendo-fe tão efcandalizados , 
carregaram de novo fobre os Perfas ; o, que 
vifto pelo Príncipe , fez final aos feus de 
recolher ; e parecendo aos mimigos quo 
aquillo era fugida, osTorani feguiiKlo hum 
bom efpaço , derribando muitos dos Perfas 
quaíi com algum defarranjo , cuidando c^ue 
levavam a vidtroria nas mãos ; mas o Prin« 
cipe como era conhecido dos cafos da guer* 
ra , tornou a voltar aelles com tamanha 
ira , e braveza , que fem ver o rifco a que 
fe punha , merteo-fe pdoí Turcos , e foi 
encontrar com o Baxá deCaeremir, que o 
conheceo pela divifa , e o ferio de tantos , 
e ráo pezados golpes que lhe fez virar as 
cofias , deixando os feus no mór pezo da 
batalha; e affirma-^fe que tão efcandalizado 
ficou eíle Baxá das mãos do Príncipe, que 
de medo não parou fenão no exercita ; com 
finaes de deixar tudo perdido : o Baxá Ci'» 
gala fuftentou o pezo aa batalha com muito 
valor , animando os feus , e acudindo ás 
panes mais neceírarias , como Capitão cx* 
perto ; mas o Príncipe além de com feu 
esforço , que era grande , peleijava com 
tanta ira , e mágoa , que fem lhe dar dos 
pefígos da batalha , nao fe aprefentava fe« 
não aonde via maior perigo, com que met* 
teó efpanto em os Turcos , fazenao tam»# 
iiiió eftrago nelles , que de o nãa poderehi 

atu- 



Digitized by VjOOQIC 



8? ÁSIA' DE Diogo de Coura 

aturar fe foram retirando. Cigala vendçfiía 
perdição , recolheo o reftante do exercito , 
c foi-fe recolhendo pêra o arraial , aonde 
chegou roto, fem bandeira, nem infignias 
de guerra , porque o Príncipe da Per fia 
lhe foi no alcance, tomando tudo; ecomo 
fe fartou , recolhecH-fe viétoriofo , deixando 
mortos perto ;de oito mil Turcos , perden- 
do elie pouco mais de mil. 

Efta viéloria do Príncipe poz ao Baxá 
cm taLeftado de nojo , ç pczar , que foi 
peiorapdo , e deo tanto animo aos Perfas 
que já os não eftimayam em nada. 

Vendo o Príncipe o animo dos Teus , 
mandou hum cartel de defafio ao Baxá^ 
cuidando que eftava são , em que o defa«r 
fiava pêra hum a batalha geral em campo 
larga : pêra todas as vezes que quizelTem, 
Ofman lhe acceitou o defafio,- e lhe man-.- 
dou dizer, que ao outro dia fe veria com 
clle em campo , ou elle , ou outrem em 
feu lugar, e defpedio aos Baxás Cigala, e 
de Caeremit pêra irem com todo o exer* 
cito bufcar q Príncipe , que eftava dalli a 
três léguas , e chegaram á fua vifta nefta 
prdem ; o lado direito levava q Baxá df 
Caramania com toda a gonte de Suría : 
efquerdo o Baxá de -Na-tolia com a gwt^ 
da Grécia : o 3axá de Gaeremit levava a 
diwtçira^ ç no meio o9ax4 ÇigaU.çoKn.» 



Digitized by VjOOQIC 



Decapa X. Cap. ^L* 89 

gente da Bitinia , e Syria , e havia no. cor« 
po dcfte exercito feueata mil de carallo 
efcolhidos , fícancío com o Baxá os mais 
todos , e os Genixaros , e a mais gente que 
havia em guarda da artilheria. 

O Príncipe da Perfia ellava efperando 
os Turcos com quarenta mil Perfas : do la^ 
do direito tinha a gente da Hircania , e da 
efquerda a da Parthia , e Antopatra , e elle 
com todos os Perfas em meio. Os Baxás 
vendo a ordem em que o Príncipe eftava ^ 
fem fazerem termo algum , o foram de* 
mandar pêra travarem batalha ; mas o Prin* 
cipe fem querer romper, foi fazendo huma 
grande volta pelo campo pêra aílim poder 
melhor reconnecer a ordem em que os 
Turcos vinham , pêra ver por onde os com* 
metteria mais á fua vontade. Os Turcos 
vendo aquillo , recearam que foíle alguma 
manha do Principe, e que quizeíTe voltar 
fobre o alojamento do exercito , onde fica- 
va a artilheria, e que fe fizefle fenhor del«- 
la; pelo que aífim como o Príncipe anda*, 
va, o faziam elles na níefma volta , e em 
outras , que foi fazendo por aquelle cam- 
po, que era largo: ifto deo tanto cuidado 
aos Baxás , que fe foram retirando pêra as 
fuás eftancias , pêra que também o Príncipe 
os feguifle , e elles íe pudeíTem aproveitar 
d4 fua urtijhcrk: o Príncipe bem entendeo 



Digitized by VjOOQIC 



fO ÁSIA TfE Diogo ooe Couto 

o defenho dos Baxás ; e porque fe nâa a« 
proveitaílem delle, tomou a fazer volta , e 
mveftio os Turcos pela tefta do 'exercito, 
onde hia o Baxá de Caeremit , que encon* 
trou de meio a meio , e o derribou , e com 
muita preíTa lhe cortou a cabeça, e a man- 
dou arvorar em huma lança ; e com o im« 
Í)eto .com que os feus também romperam 
ogo , desfizeram aquella dianteira com mor» 
te de muitos Turcos. Os mais Baxás tanto 
que viram a cabeça do outro arvorada , co« 
bráram tamanho medo aos Perfas , que co* 
meçáram a aflFroxar de feiçáo que o fentio 
o Príncipe ; e apertando com elles com 
aquella ira eme a lembança das crueldades 
de Tabriz lhe fazia levar, romperam nel- 
les com tanta braveza que foi eípanto , fa- 
zendo nos Turcos taes cruezas , que bem 
fe puderam haver por fatisfeitos das que el-- 
)es tinham ufado, O Príncipe metteo-fe na 
batalha acompanhado dos principaes ; e fez 
taes coufas , que parecia leão faminto ; e 
foram tantos os mortos, que já eftorvavam 
aos cavallos : aqui mataram ao Baxá de 
Trapizonda , o Sangraço de Burfia , e a 
outros íinco Sangraços , e muitos Clauzes , 
que sÍD outras dignidades militares , e fin- 
cou oativo o Baxá de Caramania, e outros 
muitos. Os Turcos vendo-fe perdidos , e 
4esbaratados , foram-íe recolhendo pêra o 

exeiv 



Digitized by VjOOQIC 



Dbcada X. Câb. XIL 9X 

nerótó , indcM>s feguindo os Terias até 
perto de fua artilheria , e por anoitecer fe 
recoUieo o Príncipe pêra onde eftavaJliRejr. 
Com eíU tamanha vitoria perdéram-fe na 
batalha alcance de vinte mil Turcos dos 
melhores. 

CAPITULO XIII. 

De iomo os Turcos fe levantaram áe fobre 

Tabriz : e de como o Prinche da Per^ 

fia deo fobre elles: e dajamoja w- 

toria que alcançou : e da morte 

de Ofman Baxd. 

VEndo os Turcos tamanha perda ) e 
tanto damno , requereram ao Baxá 
que fe recolheíle, eprovefle aquelle Forte, 
porque eftava muito mal , e que fe morreífe 
nâo fe efcufavam diíTensóes no campo , o 
que feria caufa de fe perder. tudo ; e com 
ilTo lhe affinnáram os Médicos que eftava 
mal, e elle o fentia , pelo que começou a 
dar ordem áscoufas, eproveo aquelle For- 
te de Capitão , que foi Tafer Eunuco Baxá 
de Tripoli , a quem deo o titulo de Baxá 
de huma das portas do Turco , e lhe affinou 
doze mil foldados com as vitualhas , man- 
timentos , e munições pêra todo hum aiv» 
00, e pipveo o forte* de muita, e fermoâ 



Digitized by VjOOQIC 



^% ÁSIA DE Diogo 0e Couto 

artilheriâ de bronze. Feito iâo, alevantou 
feu campo, e começou a marchar até San- 
cozan y (|ue he jornada de diias léguas , ha-^ 
vendo oitenta e fete dias que dera princi- 
pio á Xua jornada. O Príncipe da Períia -y 
que trazia grandes vigias nos Turcos , foi 
logo avifado da fua retirada ; e vendo que 
lhe levavam o recheio daqoella profpera 
Cidade, e que lhe deixava lobre ella huma 
força feita,- determinou de lhe dar hum to- 
que, porque fenâo foíTe louvando de todo 
aquelle feito , e ver fe lhe podia aquella 
jornada cuíbr ainda mais cara do que o 
tinha feito ; e efcolhendo vinte e oito mil 
cavallos , foi feguindo os Turcos coni o 
olho na bagagem , em que hia a riqueza dó 
faço de Tábriz com os mantimentos , e 
munições; etalprefla fe deo quehoxive vif- 
ta delles a tempo que chegavam a Cancã- 
zan , e começavam a alojar ; e fem fazer 
termo algum , os inveftio logo com tanta 
preíTa , que quaíi não lhes deo tempo pêra 
toparem as armas ; e dando-lhes na bagagem , 
o rompeo de todo , e lhe tomou dezoito 
mil camellos carregados , a maior parte 
dos thefouros , e jóias de Tabriz , e quaíi 
todas as munições , e mantimentos , e tudo 
ifto entregou a hum Capitão Perla com féis 
mil cavallos, pêra que lliefoíle dando guar* 
da , e. com a mais.gente commetteo o CQi*po 

de 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XIÍI. 93 

de exercito , e fez nos Turcos tamanha def- 
trui^o, que foi efpanto : e como naquelld 
tempo fe eftavam alojando , viram-íe em 
hum mefmo tempo cahirem tendas , e pa- 
vilhões , foltarem-fe cavallos , e fugirem os 
Turcos de huma pêra a outra parte , fem 
acabarem de fe pôr em ordem, nem fefa^ 
berem determinar y com o que ficou lugar 
ao Príncipe de fazer a íua vontade em tu^ 
do o que deíejava. Efte foi o dia em qué 
os Perlas moftráram todo o feu valor , met- 
tendo-fe fem nenhum temor no meio dé 
tanto úumero de gentes tâo bellicofas^ £cn^ 
do tão defiguaes em numero. Cigala , qtiè 
governava todo o exercito por ordem do 
Baxá, acudio á artilheria; e porque fenãò 
perdeíTe tudo, a mandou difparar porfima 
dos feus , que também a fentíram ; o que 
ouvido pelo Pfincipe , foi-fe recolhendo 
com algum damno , porque os pelouroi 
levaram os amigos, e inimigos tudo de eh-* 
volta: os Gregos, os de Natolia j e natu- 
raes de Conftantinopla fahiram do exercito 
apôs o Príncipe com ten^o de o feguirem: 
até lhe tornarem a tomar a preza ; mas fo* 
breveio-lhes a noite que os obrigou a fe .re- 
colherem, e o Principe fe foi pêra ElRey 
carregado dos defpojos dos inimigos, dei** 
xando vinte mil delles mortos , com os 
quaes, e com. o que lhe matou nos recon-; 

tros^ 



Digitized by VjOOQIC 



94 AS IA DE Diogo de Coxrro 

tros , chegaram a fetenta mil homens. Veii^ 
do-fe os Turcos fem os defpojos de Ta- 
briz y e com tantos amigos ^ e parentes mor^ 
tos , diziam mal do feu Re^ , blasfemavam 
de Mafamede ^ e fallavam injúrias publicas 
ao Baxá , que eftava já no cabo , e com ò 
nojo defte lucceíTo acabou de todo naquelle 
mefmo dia , deixando nomeado em feu lu^ 
gar a Çigala , o qual teve em fegredo fua 
morte , porque como hia em carros fecha- 
dos y deixou-o aíTim ficar em poder de pef« 
ibas de confian^ y correndo elle com as 
coufas do exercito^ como fe o outro fora 
vivo. 

E porque não fique por dizer á caufa 
da morte defte Baxá , o faremos brevemen^ 
te ; pelo que fe ha de faber que o Baxá ti« 
nha hum moço fermofiílimo , de que não 
ufava bem:, o qual o Baxá Ofman defcjou ^ 
e lhe pedia , e ainda lho tomou , do que 
elle aírrontado teve modo com que o mef« 
mo moço lhe déíTe peçonha em fegredo; 
e tanto que a teve no corpo , logo lhe de- 
mm febres, e humas dyfentérias de fangue 
que emvinte dias o averiguaram. Não dei^ 
xou elle de fufpeitar acaufa da fua morte, 
mas diíflmulava ; nem ella pode fer em fan-^ 
to fegredo , que os da fua camerà o náa 
iufpeitaírem , e começou a haver entre elles 
alguns aivora$06« Ccmi efta occafião fc ajun^ 

V . tá- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XIIT. 9f 

tíram treg moços nobres , em oue entrara 
o que foi do Cigala , os quaes lhe tinhani 
toda a fua recamera em poder ; e acbnfe* 
Jhados entre íl y tomaram todos as jóias , e 
pedraria , que era huma coufa de brande 
valor ; e poftos' de noite em fermoios ca« 
vallos^ fugiram pêra o Príncipe da Perfia^ 
que os recolheo, e feftejou muito ^ e conl 
elles foube a morte doBaxá, que dêo mui-» 
ta alegria a toda a Perfia^.Com ifto deterá 
minou o Príncipe de toinar a provar amãò 
com as relíquias do exercito , porque a fal-^ 
ta de Ofman o faâa já menos forte pelo 
íeu grande esforço , e confelho ; e efcolnen-» 
do quatorze mil de cavallo y tornou a voltar 
febre os Turcos, e os alcançou não muito 
longe de Sancazan junto do rio Salgado » 
eflaodo alojados ; o Príncipe também fe 
alojou d^eltoutra parte do rio com tenção 
de dar aó outro dia no exercito ao levar 
das tendas ; e eftando com. efta determina^ 
ção , parécè que fdi aquelia noite tomada 
alguma efpia pelos Turcos , da qiial fou^ 
beram o que o Príncipe determinava , poN 
que ao outro dia nSo fe alevantou o cxer-^ 
cito, como coíhimava, antes mandou p6i^ 
a todos em ordem de batalha , tendo a ar-» 
tilheria leftes^e cevada, e depois mandoU 
levar tendas y e carregar a fardage. O PriíH 
cipe.qiie.xião íabia dwo^ eoína foram Jitf^ 

ras^ 



Digitized by VjOOQIC 



96 ÁSIA DE Diogo de Cotrro 

ras , pafloQ-fe da outra banda do rio psfâ 
inveftir os inimigos ; e cuidando que eíli' 
veílem occupados na carga , já os achou 
poAos èra armas , de que ficou trifte , por-> 

J[iic entendeo que fora o Baxá avifado de 
eus deíenJios ^ e porque já os nâo podia 
commetter como llie pareceo , foi dando 
huma volta ao campo , iium pouco deívia;^ 
do do exercito , e tornou a dar nelle por 
huma parte , que ficava deíviada da arti- 
Ihería. E pofto que pêra aquéila parte tam^ 
bem havia ^;lgumaa peças que difparáram ^ 
vendo os Pems , foi o Principe tão apref- 
fado no romper, oue ficou amparado com 
os mefmos Turcos aa artilheria que nenhum 
nojo lhe fez. O Baxá vendo os Perfas in^ 
yeftirem os feus , lançou muita gente fora 
pera peleijarem com o Priocípe ; mas elle 
í'e contentou dodamno que líiefez daquel-^ 
la pancada , c fe recolheo pêra huma par-* 
te , onde havia hum lago fedorentiílimo 5 
do qual fahia huni ar peftilencial , que Í9 
não fabia fenâo dos práticos da terra; por-^ 
que fe os Turcos os feguíflem , e deíTem 
naquelle fedor , fe embaraçaflem pêra elle 
ter tempo de os desbaratar; mas Maxatcan ^ 
e Dautbeo arrenegado (qik eram dos que 
fahiram com os Turcos) entendendo a tenção 
do Principe j como homens que fabiam mui^ 
to bem aquelies paíTos ^ mandaram zriío 

ao 



Digitized by VjOOQIC 



DÉCADA X. Ckf. xníi . ^ 

to baxá Cigala . o qual dcfpedio outro e& 
quadrao de cavallàHa , pêra què foiTe com* 
mctter os Perfas pút outro Ifldo^ O Princi^ 
pc vendo aquelle foccorro .^ e que lhe fa- 
ziam roAo ; e por outra parte também tn^ 
tendeo que aquillo fora avifo dos arréoe-^ 
gados, fez final ao8 íeasj eibi*fe retrahin^ 
do, o que oâo podk fer tanto á feti falvo 
que na alagôa , e atroj>elado8 não perdeíTel 
três mil Perfas. Os Turcos tornáram-fe a 
feu exercito, e foram fegiiindo fencaihinhó 
até Salmas , dalli paffáram a Van , aonde 
o fiaxá fez alardò da gente , e adiou oi-» 
tenta e finco mil de carallo menos : de 
Van fe.foi ã Arftcúe ^ donde defpedlo ó 
exercito ^ e fe foi a Conftantinopia , e o 
Turco o fez Baxá da primeira Porta , o 
depois o caiou com humi filha fua«^ 



C0êto.Tm.Vl.P.h. C CA- 



Digitized by VjOOQIC 



9$ ÁSIA DB Diogo de Couto 

CAPITULO XIV. 

^M dd ca9ta àe quem sãe hum Cafres^ 

- que ft úhêmam jAmhios ^ t Macééires : 

* $ »de bwma fMffagem que os csfaios de 

Moçambique fis^^rsm a outra tanda pe* 

r a datem em bum Forte que Id tmham^ 

MO qutti finram mortos todos os uqf* 

M 

POrque nefte inverno cm que andamos 
aeoateceo hum caio defaílrado aos car? 
iâdoi de Moçambique, indo dar em huma 
Tranqueira que os Cafres tinham da outra 
banda , fera bem darmos razio deftes Ca- 
fres pêra melhor entendimento da hiiloria : 
pelp ^ue fe ha de faber , que pelos annoa 
de i$'70b fendo Capitão de Moçambique 
D. Fernando de Monroy , fahíram do co« 
raçSo defta Ethiopia interior mui grandes 
exércitos de Cafres barbariílimos , e cruéis , 
os qúaes como bandos de gafanhotos arre- 
bentaram pelas terras de Monomotapa de 
longo daquella grande alagâa , donde fa* 
hem os rios de Cuama , Zaire , Rapto , e 
Nilo y de que também particularmente te- 
mos dado relação na noíTa Década IX. e 
aflim entrou eíquivo , e cruel efte açoute 
bárbaro, que aílolavam tudo por onde paf- 
favam y e por eítes caminhos le lhe ajunta* 



Digitized by VjOOQIC 



nm outias duas caftas chateadas Mac^bi^ 
res , e Âoibios ; eftes eram os mais deslm* 
manos, por fer ofeu mantimento ordinário 
carne de homens , e porque nunca fc íbu» 
be de que parte fahíram ^ por íerem tSo 
bárbaros que de nada davam raíSo : dei* 
tando noílo juizo , nos parece que defcé» 
ram deíTa banda vizinha ao Império dê 
ÁbaíCa 9 de hum Reyno chamado Ambea ^ 
do qual o mefmo Imperador faz tnth^o 
naquelia Carta , que eícreveo a ElRej D« 
Manoel , que fe verá na fua Clironica feita 
por Damião de Góes ; e pela grande feme* 
íhança que eíles Ambeos tem no nome^ 
fem dúvida parece daquella Provinda* Oi 
M acabires , e Cabires , por abbreviar , de« 
vem de fer vizinhos , pois eftas Naç6es fát 
fahíram juntas , e confederadas com mtt« 
iheres, c filhos, como aoucUes que de uto 
caberem em fuás terras faníram a conquiftaf 
as alheias ; as mulheres d eft es fervem a&L 
maridos como as dos Sorfos , acarretando» 
lhes feus fardeis, armas , e mantimentos $ 
são todas muito robuftas ^ muito feias ^ • 
de grande trabalho ; e ufam também ^ qual!* 
dohe neceífario, dos arcos i edeaaagaias^ 
em que todas são déftfat como os maridos^ 
foram caminhando devagar^ comoaqU^Uei 
que thaziam comíigo tudo o que tinhaiti j 
e tantos , que no War em qtt# fir alHeiít»» 
G ii Tara 



Digitized by VjOOQIC 



too ÁSIA PE Diogo db Couto 

vam deixavam os matos defpoyoadòs , cam^ 
{>os , e fontes , e em fò dous dias tão fec^ 
cos 5 e efcaidados todos , como fazem os 
gafanhotos -, e a principal coufa de que por 
^ftes caminhos fe fuftentáram , foi de carne 
humana , porque por muito povoada que 
foíTe huma aldeia , não bailavam todos os 
ieus moradores pêra doiis dias ; e depois 
que comiam toda a creatura racional , toiv 
figvam-fe aos brutos , e não lhes efcapava 
boi , vacca , bufara , tigre , cobra , cão , e 
todas as mais fevandilhas da terra, de ma-r 
neira , que da aldeia donde fahiam , não 
deixavam nella memoria que alli foíTejá 
povoação , fenão nos montes de ofibs , e 
caveiras que alli ficavam ; e ainda paíTa fua 
bruteza a mais ^ que fe lhes falta defte man-^ 
timento por algum deferto , comem-fe huns 
90» outros ; e pôde bem fer que pais a fi« 
lhos , ou filhos a pais , porque fempre en- 
cetam os mais velhos , e enfeimos ^ e quem 
oao pôde caminhar bem. 

A fua ordem militar he efta : no lu^ 
gat) onde fe hão de deter, fazem em mui* 
to breve efpaço pela multidão delles mui* 
fos , e grandes, vallos de pedra , terra , e 
arvores , e tâo fortes , que podem fuftentar 
^alquer bateria que lhe derem ; ao cami* 
nhar ti^azem grandes padezes , como 09 
ÍJngaros^^ que os cobrem todos ^ p quando 

r r " . . fe 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf^ XlV; tòt 

lê querem fortificar ^ pòem pot força todoá 
eftes apadezados, eiàzem delles huma cer-» 
ca tamanha , que todos os mais ficam dellsl 
pêra dentro amparados das frechas , ç msl^ 
gaias dos inimigos : nefta ordem entraram 
pelas terras do Monomotapa da banda da 
Borroro , que he aquella que fica entre o 
rio de Cuamá , e o Rapto , que vai íahir 
aMelinde, onde ha muitos > e grandes Rey^ 
nos , como na defcripçáo daqueilas pártet 
da Cafraria fe verá na noíTa Década IX. e 
aífim foram ter até ás terras de Teti j onde 
cftá o Forte ^ de que eftava por Ótfióú 
Jeronymo de Andrade , muito valente Ca^ 
valleiro , e muito temido de todos aquelies 
Cafres j o qual íabendo que alguns daquel:» 
las companhias andavam defmandados por 
aquellas terras ^ defejando de os enxotar ; 
mandou alguns Portuguezeâ de efpingardas i 
e com elles. alguns Cafres da terra, os quacis 
deram nelles ás efpingardadas , coufa tio 
nova pêra elles y que quando viram cahir 
os feus mortos , íem. os noílbs chegarenl 
a elles , houveram que era algum grande 
modo de feitiçaria , com o que fe deshara? 
taram , e foram fugindo , ficando alguns 
nortos, e cativos. Pouco depois difto, fá« 
bendo o mefmo Jeronymo àfi Andrade quQ 
pelas terras de hiim fenhor chamado Váda^r 
oQçOi amigo do9 Portugueses , que eftani 

jun- 



Digitized by VjOOQIC 



19% A SI A 9E Díofio DE Coirro 

junta. 4o rio Maoga^a ^ andava hutna ca^ 
Víida de dez ^ ou doze mil h(Hnens deftes 
Cafres , deftruifido , comendo » e aíToIanda 
tttdOf ajuntando cem.Porcuguezes, e perto 
de<)aatn> mil Cafres botongas , que osKeys 
rixinhoa lhe deram, fahio em bufca delles 
Oiui bem apercebido; e checando áiua vif» 
ta, achou«e8 dentro naquelTas fortificações 
que fazem , a que elles chamam Chumbo , 
t fóvot commetter com grande determina* 
f Í0« O Capitão dos Cafres , que fe chama** 
«k Souza o Buço , venda a pouquidade doa 
«oflos , diíTe pêra os feus : ínbamã f ^ue na 
4iia língua he aqui temôs carniça , cuidando 
«|iie Qos .nòíTos tinham mataiotaje pêra a« 
^luelle dia« Jeronymo de Andrade arremet* 
teo oom os Cafres , e lhes deo algumas fur* 
liadas de arcabuzaria, de que Ihesderriboa 
inuiios dentro das fuás terças , de que to« 
dos ficaram pafmados verem oahir osfcus, 
ffttndo os noflbs rio longe ; .e largando 
todo, puzerami^fe em fugida , e daili logo 
lhas ft>i dar em outro Forte , em que e(ni« 
vam outros, nosquaes fez grandes deftrui« 
ç($as a lhes mataram finco mil ; e afilm eftea 
l^ue, aaui efcapáram , como os mais que 
adiante niain , (bram atraveflando as terww 
»té chegarem ao Certão de Moçambique > 
e todas as Povoações que por aíli haviam 
èeUmlram ^ o desQzeram , nHo licando me« 

mo* 



Digitized by VjOOQIC 



' Década X» CAf« XIV. tO| 

mori» de couía alguma , o que os de Me» 
jambique fentírain bem ^ porque Ioga och 
meçáram a faltar ^$ ^Uínhas , frar>gáoe^ 
ovos , e mais cóufas , de què fe todos fof* 
tentam^ que daquelia parte Ihesiiia; epartf» 
cendo bem a terra a efl;es barbaioe, delxé» 
ram-fe ficar nella huma cabiida de finco i 
ou féis mil , de que era cabeça hum Cafre 
chamado Mambeca , que fez povoações t;riiv>» 
ta léguas pelo Certio, e começou a grati^ 
gear aquellas terras ^ que ficaram delertas 
de feus naturaes , e daUí foram dcfcendo 
até ás praias de Moçambique , e duas leu 
guas hoCertâo ordenaram villar, e povoa^ 
çdes ^ e ficou ãlli hum fobrinho do Manit« 
beca , chamado Maarvea y comendo todas 
aquellas terras ; e hum Capitão feu qhamaf 
do Odéburi com buma cabiida fe chegou 
maiá^ ás fazendas dos Portuguezes » que fe 
eftendem por aquella fralda do mar cia ou«^ 
tra baoda , e alli fez hum forte , em que 
fe agazalhon , recomeçou a comer as terras» 
e a totalmente faltar tudo em Moçambi* 
que ; e porque dahí fahiam á dar aíTaltos 
oaa fazendas dos moradores nefte amio de 
58^. em que andamos , ajuntáran^fe a mór 
parte delíea y fendo Nuno Velho Pereira ^ 
oue era Capi^ em Cuamá , e paíTáran^fe 
a outra banda oera irem deitar dalli aquela 
lea Cafres paUados de quarenta com feue 

ef-f 



Digitized by LjOOQIC 



|04 A&rA;'i>E Dkoãò /de CáVro 

efcravòs , e qutooa tqiie da outra banda fa 
lhe ajuntaram ) çom que fif^eram hum arra^ 
^oado corpo degcatç ^.e clegâram porCa-r 
pitão hum foldado chamado António Ro^ 
crimes Pimentel » homem esforçado, mas 
deícabeçado , e de pouco governo ; e dan-t 
do na tranqueira de Bury , a entraram^ 
fendo o primeiro António Rodrigues, quo 
logo foi morto ás azagaiadas ; mái tãmbeoi 
Odebury o pagou çoai a vida , e com 
as demais de cento dos fisus , que lhe os 
ooílos mataram, e os. roais largando oFor-^ 
te fe acolheram : os noíTos queimiáram tu* 
do , e fe foram recolhendo bem defcuida^ 
dos dos Cafres poderem voltar fobre çlloB , 
como logo fizeram ; e como não levavam 
guias , foram achaúdoros divididos pób en-r 
tre os milterís ; e dando fobre elles , os 
foram n^atando ás azagaiadas , feoi elles fe 
poderem defender , não efcapando .delles 
tnais de três, ou quatro i que fe embrenhá«f 
ram , os quaes fbram ao outro dia a Mó? 
çambique , e logo fefouhe a defa ventura ^ 
com o que fe poz a povoação em hum ge^ 
tal pranto , porque acabaram alli a .mór 
parte dos feus moradores^ Os Cafres. de* 
pois de matarem todos, recolheram os- cor-» 
pos , e foFam comellos da outra banda de 
Moçamhique , onde depois fe acharam as 
fn^s^ pés^ e cabeças y, de que fd comeoi 



\ 

Digitized by VjOOQIC 



- . DscADA X. Capv XIV; ' tof 

os iniolos y bem diFerentes nifto dós antn 
go8 oaturaes de Jucacan , e de outras na- 
pes da nova Hdpanha , quando fe defcu^ 
brio que. o melhor bocado pêra elles eram 
os pés , e mãos , fecundo conta Valdez na 
fua Hlftoría Gerál das índias Occidentaes. 
Com efte açoute bárbaro íicou Moçambi*» 
que padecendo falta de tudo , porque da 
outra banda da terra iirmè y que he muito 
profpera , lhe hia tudo y nias depois tornou 
a feu fer. ' ' 

Ha daqoella banda nas fazendas que 
lá tem os cafados as meihorqs frutas <le cA 
pinho da Europa, e mais viçpfa hortaliça 
que fe p6de ver ; tem romans , . limas , la^ 
ranjas , abobaras , mel6es , patecas , toda a 
caça de porcos y veados , tigres , bufaros , 
e vaccas do mato y gazelas , zeveras y infini<^ 
tos elefantes , muitas gaUinhas , fraagáos y 
070S y muitos legumes , e o principal muita 

!|uantidacie de. milho, de que toda a terra 
e fuftenta: dáo aquelles matos o páo prè^t 
to tão prezado na Europa pelas ^obras^quâ 
delle fe fazem , porque em fua efpocie .são 
^o lizos , polidos , e fermofos , cotio as 
de marfim na fua : sío eftaa arvores mui 
altas y e frondofas , as folhaa éão pequenas ^ 
e quali que querem pareóer ás aos noíFoj 
pereiros , dam huns frutos redondos , e 
^equeaosi çomú íbrva$^. quq fe náo comem h 



Digitized by VjOOQIC 



totf kSlX OB D1060 o|B Gqítto 

toda eftâ arvore de pé até^^ma he tílo cheia 
de efpifihos , que parecf coufa impoíCyel 
poder-fe cortar , e pem iíTo íàiem humas 
foices roíTadouras mui compridas, com aa 
quaes os cortam 9 e tom elia oa ailTaftamí 
pêra chegarem acortif a arvore, enaquelle 
lugar nunca inais no/ce outra. Ha tambeoi 
outras arvores , qqe dam o páo muito ama-^ 
rello , dè que G^z^m muitas obras : acor^ 
tica da arvore pio preto he delgada , e tem 
tal natureza que qualquer pequena faifca 
que |hè toca accende tamanha lavareda, 
còoio em hiima muito fubtil ifca , e he baf^ 
taiite pêra q«eimar toda huma arvore , fe* 
gundo algmis caiados dalli nos aíErmáram ^ 

Sue o vKf m fazer , por onde parece que 
eve de (er muito boa a cortiça pêra fazer 
polrora : acha-fe na ponta de Tintagone 
Mauw excellente ^ o qual aqaelles mora^ 
éorea de Moçambique vieram a conhecer 
pf lo effeito 4 porque os feus Cafres , que 
(iam lá bafcar agua , achando aquella coo« 
ia branca , ou loura, como elia he , pof 
lima das arvores pequenas, a comiam , e 
com elta lhe davam grandes d^fenterias, 
é enfaeãndo iAo , mandaram trazer a que lá 
comiam , e acharam fer a Mauna ; mas na 
Ilha Amifa , huma das do Cabo Delgado 9 
ha muito boa , e em muita quantidade ^ 
nào he cão «Iva , como a que vem por vii| 
-o. da 



Digitized by VjOOQIC 



' DâADA X Cap. XIV/ ' lÒT? 

áa' Perfil de muitas partes, e a trazem emr 
fiaicos, embrulhada em farinha de cevada 

1>era vir confeitada , mas he hum pouco 
oura y roais groíla , e mais doce ; e quem 
ler Hiopocrates , onde trata das differençai 
dos Maunas , fatiando na da Calábria , o 
Magna Grécia , que diz fer melhor que to» 
das as maia , trata também de huma Mat»4 
na loura , fem di-^r donde he^ por onde 

Sarece que já em feu tempo havia noticia 
ella. Alguns Mfedicos què foram a Mo^ 
çambique , que viram com experiência feus 
effeitos y a achavam melhor que a outra 
de Onnuz ; e affirmávam que huma onça 
delia fazia mais operação que huma e meia 
da outra. 

E porque nío paíTemos pelos Tuba-^ 
f6es do rio de Moçambique , diremos delr 
Ics algumas coufas notáveis que alli foube^ 
mo6 de Mouros muito práticos, e antigos 
na terra. Eítes monftros do mar sâo em 
todas as partes tão nocivos, é cruéis,, como 
os Cocodrílos do Nilo , e aqui em MoV 
çambique fe notou ifto ; mas pelo grand* 
eftrago que tem feito por entre aquellas 
terras , porquâ nâo apparecia peíToa i bof# 
da da agua , uem lançava- a mío fóra da 
Atmadia , indo pelo mar , que logo n&o 
fofle tragada y e hum Mouro velho nos &f« 
€niioa que em Teus di^s . Ar tòmém. dentuQ 



Digitized by LjOOQIC 



io8 Â SI A DB Dioéo UE Coxrro 

naquellá bahia hum Tubarão em húns k^ 
Ç08 , que era a mais façanhofa coufa qutt 
fe vira , o qual trazia a$ orelhas furadas 
com humas argolas de ouro, por onde j fé 
aíEm foi > lançando noflbjuizo , deviam 
de ter tomado aquelle Tubarão algum dia ^ 
e encantarem^no com algupias palavras^ a 
feitiços pêra lançar os Tunx>s fdra daquella 
bahia : e coufa he poffirel , porque tcídos 
aqueiles Cafres communicam com os dxa^ 
bos , e sâo mui grandes feiticeiros , e en^ 
cantadores. £ quaíi outra lènelhante a lefta 
fe conta dos Cocodriios - tio Nilo y còrad 
affirma hum Arahio douto , chamado Me-i 
thuda^ em hum Tratado que fez das <:cm^ 
fas admiráveis dos tempos modernos y no 
qual diz y que quando (Humeth filho de 
Thauim , que foi Liigar-Ténente dò EgTpto 
da mão de Gisbara Mutanihil ^ Fohriíicef 
de Bagdad , o anno da Legira de Mafa-f 
mede de 270. que sao da noíTaRedempçao 
de 863^ que fe achara hum Coeodrilo nos 
fundamentos de hum templo dos antigos 
Gentios Egípcios , com humas letras feitas 
debaixo de certas conftellaçóes contra o mè& 
mo Coeodrilo , o qual o Lugar-Tenente 
mandou fundir, e desfazer, eque daquella 
hora em diante começaram os Cocodrilos 
áo Nilo a fazer grande eftra^o em toda à 
gente que .achavam pelaa.ribci]jaa> havmido 
V. : mui* 



Digitized by VjOOQIC 



Década X« Ca.?. XIV*! ' 109 

fliuitos annos que andavam domefticos , e 
qué não faziam damno a ninguém , por onde 
parece eftarem até então encantados. He 
também muito averiguado que eftes Tuba* 
i6es de Moçambique não fazem damno ás 
mulheres , porque todos os dias andam 
pela agua muitas apefcar, enâo entendem 
com ellas, acontecendo já alli levar humt 
hum filho macho no colo , e o Tubarão 
Jevallo , e deixalla a ella ; as razoes diibo 
nos não fouberam dar aquelles Mouros^ 
nem nós as queremos difputar , fique pem 
CS Filofofos pêra terem em que fe occupan 

CAPITULO XV. 

Das revoltas que ejle antio houve no Reynt^ 

. de Nizamoxd : a de como alguns Cafu : 

tães daqUelle Reyno fugiram pêra ú • 

Moger y. e nietieram feus Capitães 

na Reyno de Verara. 

NÀ Década IX. temos contado largai 
mente como oAcendichâm trazia fe^ 
chado ElRej Nizamoxá , e mettido ent 
carros , por fer doente do mal de S. La** 
zaro, ficando etle governando abiblutamcni^. 
te tudo y conta fe fora Rey ^ o que duroic 
muitos annòs , fem os vaífallos faberem fe 
o feu Rey .£ca Jtiva y . ou. m^to , vivenda 

to- 



Digitized by VjOOQIC 



«IO AS^T A DC Diogo db Cotfto 

^odos debaixo do mando , e fforerno da* 
iquellt tyranno. Ifto foi tâo mao de foffrer 
a alguns Capitães , que ajuntando fuás gen^ 
tts j foranwíe á Foruleza de Junor , onde 
cftava prezo Barambá irmão de ElRcy ^ 
como na Década VII L melhor fe verá , e 
o foltáram^ e fe lhe oíFerecéram ao acom« 
canhar naquella jornada 5 pedindo^lhe que 
tbfle de Amadanager y e que obrigaife ao 
Acedeclian a moítrar^lhe ElRe^ feu irmão ; 
fi que fendo morto , como ie fufpeitava y 
que logo o alevantariam por Rey ^ jpoAo 
que o irmão tireiTe filho. Chegado Bota* 
moxá aos campos d' Amadanager com três 
mil cavallos , e dez mil de pé j mandou 
dizer ao Acedechan que vinha alli, fò pêra 
ikber fe ElRey -fea irmão era vivo , e fa- 
zer-lfae ítni acatamento y como a feu Rey« 
O Acedechan , fem lhe mandar refpoila , 

J)oz ElRey affim enfermo em hum caval« 
o , e fahio ao campo com toda a gente 
da Cidade pofta em armas , e com os Ca* 
pitâcs que fegniam o feu bando, e foi ar- 
femettendo ao Baxá Moxa , que conheceo 
ElRey y e vk) que era^ vivo ; e entendendo 
es penfameiítos do Acedechan , quiz dar 
lugar á Jva jxa y e £cn«íi>Ifce recolhendo , 
moftrando níílo grftnde obcdieada aElRejr 
kuhméó ; e como tile fe foi retrahindo 
< akkIo de &gur y iodos os ^Sms ied» ra^ 
-,;; má* 



Digitized by VjOOQIC 



c DtcABA X. Caf« XV. \ Itt 

tnárain , porque o Âcedechan mtndòu fe^ 
guir oaJcance* OBonmoxa por recear ton> 
nar a caliir nas mãos do iritiao , íe palToa 
ao Rerno do Mogor y t alguns Capitilea 
fe paifáram ao Idalcão ; mas a mòjr parte 
veio defcendo a banda deBaçaim, eCjiaitL 
Defte desbarate foi avifado D. Paulo de 
Lima , Capitão dacpielJa Fortaleza » e dfe 
como defciam militas gentes pêra baixo t 
receando que aquillo foíTe alçum ardil ^ 
Âcedechan j ou dos C^táes tugidos pêra 
lhe tomarem á Cdadé, acudio a fonini^ai^ 
la , e a propelia de guardas , e viciais ^ e 
lançou cfpias pêra faber ó que aquillo era i 
mas os que Tieram abaixo chegaram tfio 
perdidos , e desbaratados , que era mais 
pêra haver dó delles que pêra os recear^ 
porque pelos palmares , e hortas deChaal» 
e de Ba^o morreram .muitos de fome ^ e 
outros íe paflaram a Camba)ra. Paflado cfla 
negocio y tomou o Âcedechan por càiii]p» 
nheiro a Calafaatecam , o qual como era ía<- 
gaz» e prudente , reinou logo a tynnnia) 
e tal manha fe deo , que prendeo o -At» 
dechan, e iiooo iò com o governo, e.com 
o pobre Rey doudo , e laaaco fechado de>- 
baiio de lua diave ; e-nào parando nifib 
fiia ambiçlo , tratou de fe fôser He^ ^ e 
pêra iflo prpveò as Fortaledas principaei 
de^C^itaea deifisa obrigaf^a^ f créaçlo^ 

eneL* 



Digitized by VjOOQIC 



XII À SI A ím Diogo vk Cdvfo 

« nellâ metteo mantimentos , muniçòes \ e 
gente baftante pêra tudo ; e porque em to» 
ao oRe^no não ficava de quem íe poder 
temer, íenão deZaideMortaza, que eftava 
por Governador no Reyno de Barata , tra<> 
tou de o tirar dalli , e de pôr outro de fua 
cevadeira , e prover as Fortalezas daquelle 
Reyno em outros Capitães de fua obriga-^ 
^o. Difto foi avifado o Zaide Mortaza 
com todos os Capitães daquelle Rerno; e 
aconfelbando^fe todos , aíTentáram ae irem 
i Corte y e faberem de ElRey o que de^ 
terminava delles; porque fe abuilio era fó 
por ordem do Calabatecan , elles não efta-^ 
▼am obrigados a lhe obedecerem } eaprom^ 
ptando quinze , ou vinte mil dccavallo , fo-^* 
;^ai-fe a Amadairager ^ e aíTentando fora o 
iea arraial ,. mandaram dizer a ElRey que 
vinham a obedecer , e a faber fe os man^ 
dava eUe depâr de feus cargos^ porque fe 
«quiilo era ordem de Calabatecan , que era 
bem o foub^lTe eile* O Calabatecan toman^^ 
do fóra o recado pêra ElRey, rcceando-fc 
que por alli fevieífe adefcubrir fua tyran.* 
iria , ordio outra tea muito mars bem in» 
trincada , qoe £qí fazer crer a ElRey que 
aqoelles Capitães vinham alterados y e com 
tenj^o de o depor do Reytio, oue o bom* 
ÍKkí mandar-lhe dar batalha pe|o Príncipe 
feu filho i ^o, qiie^ ellc canfentio' y p iàhla 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. XVí iij 

e Príncipe fóra com as infignias Reaes , o 
com ellc o mefmo Calabàtecão ; e fem ei^ 
perarem razão , nem os outros faberem o 
que papavam ) remettêram a elles pêra lhe 
dar baralha. Vendo aquelles Capitães o 
Príncipe y e as infignias Reaes , não quÍ7e« 
ram defender-fe delle , e foram-fe pondo 
em desbarato , e como pouco havia o fize* 
ra o Boramoxa , e alguns fe paíTáram ao 
Idalxá, e o Ceide Mortaza com outros pe-- 
ra o Mogor , onde eftava o Boramoxa , e 
lhe tinha dado terra , e rendas pêra fe íuf- 
tentar ; e aíGm deo outras ao Ceide Mor- 
taza , e aos mais Capitães. Magoado oCei-^ 
de Mortaza da tyrannia do Calabàtecão , 
offereceo-fe ao Mogor ao metter de pofle 
dos Revnos de Decan ^ e que pêra entrar 
ncUes lhe era forçado tomar o Rejrno de 
Verara, que elle lhe entregaria facilmente* 
E como o Mogor era cubíçofo , e trazia 
ha muitos annos os olhos neftes Reynos, 
acceitou-lhe os offcrecimentos , e mandQU* 
com elle a Gccorcan feu colaço , e Na- 
ranchan feu Primo co-irmáo com dez mií 
cavalios pêra irem Com o Ceide tomar o 
Reyno de Verara , e com elle poder ehtri* 
ram pêlo Reyno do Mirâo , que efa da 
cafta dos antigos Reys de Cambaya , ò 

3 uai acudio a defender os paíTos y e depdis 
e terem muitos çncontros , entráram-lhe 
Cêut9.Tm.FLP.Ií. H o» 



Digitized by LjOOQIC 



114 A S I A DE DiòGO DE Coxrro 

os Mogores as terras , e lhe tomaram miu« 
tas Cidades y c Villas , e paíTánim ao Reyno 
de Verara , do qual íe mettêram de poíTe ^ 
deftruindo , e roubando todas as Qciades ^ 
e Villas. Efias novas chegaram ao Calaba-^ 
tecâo j que logo defpedio todos os Capi-^ 
tães que tinha em Madánagor pêra irem 
favorecer aquelle Rcyno , c deitar os Mo- 
gores fóra , o que não puderam fazer , por-* 
que já eftavam muito poderofos. D.Paula 
de Lima, Capitão de Chaul, que não eíta-^ 
va naqueíla Fortaleza defcuidado^ tere lo- 
go recado de todas eftas coufas ; e enten- 
dendo bem quão grande mal feria mette- 
rem os Mogores pé do Reyno de Verara , 
porque depois fer*lhes-hia muito fácil con- 

Íuiítar alli todo o Decan y defpedio hum 
torreio muito apreífado ao Calabatecâo, 
pelo qual lhe efcreveo, oue aquelles Capi- 
tães que defpedia pêra Verara não era de 
parecer que os apartaíTe de íl , e que tra- 
ta ífe de ddFender o Reyno de Amadana- 
gor, que era o principal, e que mandaífe 
convocar todos os mais Reys do Decan , e 
que fe ajuntaíTem todos pêra contraftarem 
aos Mogores ; porque fe fe defcuidavam, 
que lhe fazia a laber como Capitão velho , 
e experimentado , que fe havia o Mogor 
dê fazer fenhor de todos aquelles Reynos^ 
porque era hum íeahor muito poderofo, e 

am- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XV4 iij^ 

ambiciofo , e qxie náo havia de perder occa-* 
íiâo nenhuma ; e que fe para defensão da^ 
quelle Re^nò lhe foile neceíTario feu fa^ 
vor , e aiuda , que elle íe partiria loro 
com quinhentos Portuguezes , porque aflim 
o haveria por bem o Vifo-Rey da índia pe* 
la amizade gue entre ElRej de Portugal , 
e o feu havia. A eftes cumprimentos re^* 
fpondeo Cabalatecão com roncas , dizendo 
que elle Cá bailava pêra ir tomar o Mogor 
pela barba ; e aifim como D. Paulo o adi^ 
vinhou , aflim fiiccedeo ^ porque eftes Mo* 
gores deram pelo tempo em diante ao EA 
lado da índia muitos trabalhos , e enfada^ 
mentos pelo defcuido com que aquelles 
Reys fe deiráram eftar. Deita vez nío fi* 
cáram aqui os Mogores y porque os man* 
dou chamar ElRey , pelo que fe recolhe* 
iam carregados de deipojos, e riquezas. 

CAPITULO XVI. 

Das novas que chegaram ao Viíb-Rey d$ 
Norte: e de como mandou lã Kuy Go- 
mes da Qram com huma Armada : 
e de outras que mandou pêra 
o Suly e pêra Malaca. 

DE todas eílas coufás fuccedtdas Mqiíe^ 
les Reynos do Decan avxfou D. Paulo 
de Lima ^ Capitão 4^ Chaul ^ ao Vifo-Rejr 

H ii na 



Digitized by VjOOQIC 



ii6 ÁSIA D£ Diogo de Couto 

na força do inverno ; e depois entrada de 
Agofto lhe efereveo como o Agicorá fe rc* 
colhera do Reyno de Verara viétoriofo , « 
que ficava em Baroche com quinze mil 
homens de cavallo , feift faber o que de- 
terminava : e que eftar aqueile Capitão com 
tanta artilheria tao perto de Damão , qu^ 
era vizinhança fufpeitofa ^ e muito pêra fe 
recear , por quão mal era de foffrer ao 
Heebar navegarem fuás náos com ialvo 
condu<flo de outro Rey , havendo eile que 
no mundo era hum fiS , como o feu nome 
o declarava. Efte mefmo avifo teve o Vifo- 
Rey do Capitão de DaHião , pelo que lhe 
pareceo neceíFario acudir ao Norte com 
íiuma Armada bóa pêra aquentar aquellaS 
Fortalezas , e acudir aonde lhe foífe neceA 
fario i e juntamente com ifio teve cartas 
de Negapatão por terra ^ pelas quaes fou* 
be invernar naquelle porto hum Junco da 
China , e que os Mercadores deíle trata- 
vam de logo em Setembro baldearem as 
fazendas delle em navios de rerno ^era as 
levarem a Goa a pagar fe\is direitos , do 
que já havia aVifo nò í^âlavar ; e que no 
rio de Cunhale fe armavam alguns navios 
de coflariõs pêra oá irem efperar. Com eí^ 
tas mefmâs cartas teve outras de Malaca 
pelo mefmo Junco , nas quaes o certifica- 
vam que o Rajale Kef de Jor bulia com« 

íi- 



Digitized&y Google 



Década X, Cap, XVL 117 

figo y que fazia preftes humas Armadas ; pe- 
lo que foi forçado ao Vifo-Rey acudir a 
todas eftas coulas , porque lhe não aconte- 
ceíTe hum defaftre pordefcuklo : e affim 
clegeo pêra mandar ao Norte Knj Gomes 
da Gram com dezoito navios , e António 
de Azevedo com dez pêra fe ir pôr no 
Cabo de Comorim , e efperar as fazendas 
do Junco , e dar-ilie guarda até Goa. Eftas 
duas armadas defpedio em hum dia a 16. 
de Agofto y e a Ruy Gomes deo grandes 
poderes , cotno Capitão Mòr do mar , em 
quanto andaíTe por aqudla cofta. do Norte , 
e a qualquer outpa que paíTaífe por aquela 
la cofta do Norte ; e os Capitães , que fo^ 
ram em fua companhia , são os feguintes : 
Ayres da Silva , D. Miguel de Caftro, 
D.Gileanes de Noronha , Triftão Vaz da 
Veiga , Fradique Carneiro , Francifco de 
Soufa Rolim , Chriftovâo Rebjello , João 
Gayado de Gamboa , Francifco -Pereira , 
Gafpar Fagundes , Pedro Vaz , Domingos 
Alvares ; e os quatro navios que faltavam 
pêra a copia dos dezoito , levavam Provi- 
sões pêra em Chaul os armar , e pêra fa-r 
zer Capitães U. Luiz Lobo , António Gon- 
falves de Menezes , Diogo Rcinofo de 
Soto-maior , e Francifco Finto Teixeira. 
António de Azevedo levou fó quatro naf- 
vios y Capitães João ^ Paiya , Fernão Pe- 



Digitized by VjOOQIC 



1 1 8 A S I A DE Diogo de Couto 

gado , Alberto. Homem da Cofta , e o feu , 
e Provisão pêra em Cananor tomar outros 

?uâtro que alli invcrnáram , de que era 
lapitão Belchior Barbofa j e hum genro 
feu , a que não fabemos o nome , Pedro 
Rodrigues , e Manoel Caldeira Malavares ^ 
e pêra armar em Cochim mais dous na^ 
vios pêra prcfazerem o numero dos dez. 
Defpedidas eftas Armadas , entendeo o 
Vifo-Rcy na que havia de mandar a Ma- 
laca , e alFentou-fe em Conielho que foíTen^ 
dous Galeões pêra andarem no eítreito.de 
Sincapura , porque eftes bailavam por en^ 
tSo ; e que fe era Março ubouveíTe novas 
certas de alguma alteração, então fe podia 
prover melhor; c pcra efta jornada elegeo 
P. Manoel Pereira , e com elle Jeronymo 
Pereira , hum Pidalço bâftaido feu paren- 
te , e mandou o ViForRey pagar duzentos 
homens , e embarcar nos GaíeÒes muitas 
muniçâes , e mantimentos ; e cpmo lhe o 
tempo deo jaiego , fe fez á vela , e da fua 
viagem adiante daremos razão ^ porque he 
neceíTario continqaimos com Ruy Gomes 
án Gram , e com António de Azevedo. 

Partido Ruy Gomes da Gram de Goa 
com regimento que fefbffe pôr n^ enfcada 
de Cambaya , onde fe deixaria cftar com 
efpias em terra pêra faber da determinafão 
éè$ Mogores , e p^ra efperar ai nios dç 

Me- 



Digitized by LjOOQIC 



Década X. Cap. XVL X19 

Meca fem cartazes; e que fentindo algum 
movimento nos Mogores, fe iriam metter 
em Damão » ^ dalli o avifaíTe cpm muita 
preíTa das coufas que fuccedeífem* Ao pri- 
meiro dia da fua jornada , por fer ainda 
muito cedo , e o tempo fcr muito verde , 
lhe deo hum Oes-Noroefte tao rijo , que lhe 
foi forçado voltar em poppa pêra o Sul, e 
correo com elle até á cofta do Canará ; e 
achando^fe nella , pareceo-lhe bem vilitar 
aquellas Fortalezas , como fez , e nellas fe 
deteve em quanto o tempo lhe não deo 
lugar pêra tomar a fua viagem , da qual 
adiante daremos razão. 

António de Azevedo , por lhe fervir 
o tempo ,. foi correndo com elle até Cana- 
flor, onde fe deteve, em quanto os quatro 
navios que havia de levar , fe negociavam ; 
e por efpias que mandou ao rio do Cunha- 
le , teve recado certo como fe tornaram a 
defarmar os pardos , por haver já lá novas 
da vinda daquella Armada , com o que lhe 
pareceram aquelles quatro navios efcufa* 
dos , e os deixou fobre a barra do Cunha- 
le pêra defenderem a fahida a alguns cof- 
fairos , fe quizeífem fahir a roubar as em- 
barcações que naquelles portos vam carre- 
gar de arroz , e aos portos do Canará , em 
quanto as noíTas Armadas não fahem de 
G04 , coin o quç fe provêm pêra todo o 

an- 



Digitized by VjOOQIC 



I20 ÁSIA DE Diogo de Gouto 

anno. E paíTando António de Azevedo a 
Cochim , tomou os dous narios que levava 
por regimento , e foi-fe na volta do Cabo 
de Comorim a efperar os navios de Ne- 
gapatão , e de outras partes pcra os reco- 
lher ; e do que lhe ac^ui fuccedeo adiante 
fiaremos razão* 




P& 



Digitized by VjOOQIC 



IIT 

DÉCADA DECIMA 

Da Hiftoria da índia. 

LIVRO VIL 



CAPITULO L 

Da Armada que efle anno de \^%^. partio 
do Reyno , de que era Capitão Mor Fer^ 
não ae Mendoça : e do novo contrato que 
ElRey fez ejle anno da pimenta : e do 
que aconteceo a todos na jornada : e de 
como Fernão de Mendoça fe perdeo nos 
Baixos da índia. 

POrque efte anno de fS^. fe acabou o 
contrato da pimenta , que ElRey D# 
Sebaftiâo tinha feito com Diogo de 
Caftro , e outro por tempo de três annos , 
mandou EIRey D. Fiiippe fazer outro de 
novo com João Baptifta Ravelhafco , como 
Procurador dos Bolfares d' Alemanha , o 
qual contrato fe fez por tempo de íinco 
annos, com cilas condições. 

Que os contratadores feriam obriga- 
dos a mandarem todos os annos cabedal 
pêra na Ipdia ie comprarem trinta níiil 

quin^ 



Digitized by VjOOQIC 



p 



122 ÁSIA DE Diogo de Q)uto 

auintaes de pimenta , e que ElRej lhe m^n* 
ária dar por empreftimo a valia de finco 
contos de juro na Alfandega de Lisboa ^ 
e que a quarenta mil cruzados por conto, 
como então valia, montavam duzentos mil. 
Que os contratadores dariam a ElRey a 
pimenta pezada na cafa da índia por en- 
trada a doze cruzados o quintal ; e eíie lhes 
agaria quatro de fretes por cada hum , e 
hes daria dous e mero por cento de que* 
bra« 

Eque além deftas coufas lhes daria El- 
Rey, em quanto duraíTe o contrato , tre- 
zentos quintaes de drogas forros dos direi- 
tos ; e porque ainda o contrato da$ náos 
corria por Manoel Caldeira , mandou elle 
correíTe depreíTa com as que eftc anno ha- 
viam de partir pêra a índia , que eram fin^ 
CO 9 conforme o contrato das quaes cabia 
a Capitania Mór a Fernão de Mcndoca , 
e a dez de Abril fe fizeram á vela » o Ca- 
pitão Mòr na náo Sant-Iago , e os mais 
Capitães Diogo Tavira em S, Francifco, 
Miguel de Abreu na náo Salvador , André 
Moreira em Santo Alberto , c Fernão Cot- 
ta Falcão em S. Lourenço. Foi mais neíta 
companhia o Galeão S. Pedro , Capitão Joáo 
Gago de Andrade , que havia de ir carre-^ 
gar a Malaca. Deftas náos arribou logo 
João Gago de Andrade ao Refao y e as 

mais 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. L 123 

mais foram fua derrota até paíTarem o Ca- 
bo da Boa Efperança : a náo Capitânia a 
II. de Julho, e as outras mais cedo: a náo 
Salvador arribou , e chegou o derradeiro 
de Agofto : a náo S. Francifco foi tomar 
Goa : a náo Santo Alberto foi ter a Manar , 
como depois diremos : a náo S. Lourenço 
foi tomar Cananor em ai. de Novembro , 
c cm Dezembro chegou a Goa. A Capitâ- 
nia, tanto que paíTou o Cabo da Boa Efpe- 
rança , tomou derrota por dentro , e na 
terra do Natal achou tantos contraftes , e 
tormentas , que os deteve até 1 ^. de Agofto , 
quando as outras partem de Moçambique 
pêra a índia , de que todos começaram a 
defconíiar ; e fendo quinze de Agoilo , lhe 
deo hum vento em poppa , bonançofo, 
com que foram fazendo fua viagem com 
grande alvoroço , e aos i8. do mez toma- 
ram o Sol , e acháram-fe em vinte e hum 
gráos e hum terço na altura dos baixos da 
índia , o qual o Piloto , que era Gafpar 
Gonfalves , fazia vingado por noite ; por- 
que como o meio delle ellá em ai gzios 
e meio , o que íicava do dia ( por levarem 
vento tezo, e em 'poppa) haviam que baí^ 
tava pêra o deixarem por ré ; mas como 
fó Deos he o que fabe tudo , nSo fó fe 
enganou o Piloto em feu Sol , e em fua 
eMmativa^ mas ainda enfurdeceo pêra não 

ou- 



Digitized by VjOOQIC 



114 ASIÂ DE Diogo de G^uto 

ouvir os brados de hum marinheiro , hOi* 
mem havido por experto no Sol , que bra- 
dou muitas vezes que o baixo eftaya por 
J>roa , poraue eile tomara mais altura : que 
o bom feria que aquella noite tomaíTem o 
rumo por outra via, e que governaflem a 
jquarta de Lefte pêra fe aftaftarem da Ilha , 
porque vento levava nas velas pêra tudo ; 
ecomo os Pilotos defta carreira íe tem por 
deofes do mar, e cuidam que fabem mais 
que todos os homens nobres , e paíTagei- 
ros , a quem a natureza deo melhor enten-f 
dimento que o feu , e carteam , e tomam 
o Sol bem como elles , por ventura que 
alguns melhor, pofto que fe não nega que 
no curfo dos tempos , e na arte da marea- 
gem fejam elles mais expertos pelos muitos 
annos que tem de curfo defta carreira ; aC? 
fim efte , por muito que o marinheiro bra-r 
dou , c gritou , não foi ouvido , nem o Ca- 
pitão Fernão de Mendoça fez niflb nada 
por não aggravar o Piloto , que pela ven- 
tura , fegundo elle o trazia mal acoftuma-f 
do , lhe refppndêra , como todos fazem , 
que não faliam no feu governo , e affim fe 
deixou ir ao t'umo em que hia ^té á noite , 
cm que cuidou ter deixado abaixo a Luef- 
te , fendo obrigação fua tomar as velas, 
como lhe alguns pediram , o que elle não 
quiz fazer de confiado » oa de teimofo ; 

mas 



Digitized by VjOOQIC 



Decâda X. Cák L 12; 

tnas d Meftre da náo , que era bem atten* 
tado 5 e muito vigilante , tanto que anoi- 
teceo y mandou a alguns marinheiros de 
mais confiança que le foflem ao goropés 
da náo , e que vigiaíTem o baixo , como 
clles fizeram; e fendo meio quarto de pri- 
ma rendido^ viram por proa hum femblan* 
te ; iB como a noite era efcura , não fe fe- 
guráram no que viram , e na detença que 
fizeram em praticar huns com os outros , fe 
feria aquillo nuvem , fe baixo , foi a náo 
afiSm infunada com todas as velas dar nelle 
de meio a meio ; porque como Dcos tinha 
determinado que leperdeíTem nclle, tapou 
a boca a todos pêra não bradarem em ven** 
do o femblante, porque ao primeiro bra-^ 
do arribara a náo, e affaftara-fe de baixo; 
mas os peccados de alguns , ou os juftos 
juízos de Dcos , elle fabe o porque, orde- 
naram que fe detivefiem os marinheiros 
aquelle breve intervallo que houve entre 
ver o balcão , e a náo varar ; e como a- 
quella parte onde deo he cortada a pique 
pêra baixo , deo a náo lio beiço do baixo , 
que era de pedra , e com a força com que 
hia , que era muito grande , aílim a foi 
cortando , como fe a ferraram com huma 
ferra , ficando o porão com a derradeira 
cuberta em baixo , e tudo o mais que he 
pêra fima ficou fobre a terra com os maftro^ 

cm 



Digitized by VjOOQIC 



126 ÁSIA DE Diogo de Couto 

em pé 9 que também fe cortaram como de 
ferra, e com a força do veato correo por 
iuna daquella penedia por comprimento de 
oito braças , e alli encalhou ; e porque o 
tnaflro grande fe entortou , acudiram ao 
cortar, porque lhe não eípedaçaíTe tudo o 
mais que da náo ficava : o fobrefalto da 
gente toda em a náo foi de feição , por 
eftarem repoufando , que fem faberem o 
que faziam , acudiram aífima , e aílim alie* 
nados , e muitos a quem lembrou mais a 
alma que o corpo, recorreram aos Padres 
de S. Domingos , e da G)mpanhia , que alli 
vinham, a íe confeiTarem i e houve nomem 
que o deiàttento , c temor da morte fe che- 
gou a hum Padre , que eitava confeiTando 
outro , e por não faber fe lhe faltaria tem* 
po pêra ie confeiTar , fe começou a accufar 
dos feus peccados em alias vozes , a que 
o Padre lhe foi á mao. Aqui exercitaram 
todos os Religiofofi as obras de caridade 
com os próximos (confolando , e confeiTan- 
do brevemente a todos os que os hiam 
bufcar) tendo-fe eiles também reconciliado 
huQs aos outros com a brevidade que a 
neceflidade do tempo requeria* 

Efta perdição , e deikveatura parece 
que foi anteviila , e quaít profetizada por 
algumas peflbas ; hum pairageiro daquelles 
parece que aquelia meíma ooite íe deitoti 

ador- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf. L 127 

a dormir com a imaginação no8 brados que 
deo aquelle marinheiro ao Piloto que hiam 
por aquelle rumo dar íobre o baixo ; e to*- 
mando o primeiro íomno, íbnhou que dar 
vam nelle ^ e que fe perdiam : e com efte 
íobrefalto acordou , e dahi a pouco tor* 
nou a tomar o fomno , e no mefmo inftan- 
te tomou a fonhar o mefmo; e defpertan^ 
do , diíTe a hum companheiro que eihiva 
perto delle : Por certo que fonbava agora 
que dávamos fohre o baixo ; e ainda náo 
tinha acabado de pronunciar eftas palavras , 
auando a náo deo a pancada : hum menino 
de fete annos , que eftaya na cama com 
feu pai ) hum pouco antes da náo fe per* 
der 9 acordou num pouco fobrefaltado , e 
difle ao pai , que a náo fe fazia em peda- 
ços. Diogo Rodrigues Caldeira , cunhado 
de Manoel Caldeira, que ainda hoje vire^ 
que faia na náo , foi a^uella tarde ao Y\\k^ 
to, que eftava na cadeira mandando avia, 
e indo pêra lhe perguntar quando falvariam 
o baixo , lhe perguntou auando varariam 

Çdo baixo , íem levar niilo a imaginação. 
odas eftas coufas pareciam annuncios , e 
arifos de Deos pêra efte Piloto fe prevê* 
nir, e defviar; mas ospeccados o cegaram 
pêra llit dar pouco de tudo \ e tornando 
ao noífo fio, em dando a náo , foram tft» 
Qunhos 08 gritos, vozes, c alaridos, e mi» 

fe- 



Digitized by VjOOQIC 



128 ÁSIA DE Diogo de Couro 

fericordias que íe pediam a Deos , que era 
hum efpeâaculo eípantofo, e huma confu* 
são , que fe não entendia. Nefte confiifa 
eftiveram até amanhecer ; e vendo o Meftre 
anáoaííentada no baixo, tendo mais acorda 
que o Piloto , que eftava como pafmado » e 
não fabia o que via , lançou o efquife aa 
mar, e metteo-lhe remos , e marinheiros, 
e embarcou-fe nelle com o Capitão Mór : 
aqui acudio o Padre Fr. Thomaz Pinto dar 
Ordem dos Pregadores , Meftre em Sagrada 
Theologia , Varão douto nas fcicncias Di- 
vinas , e Humanas , o qual ElRej mandava 
por ínquiíidor da índia , e pedio a Fer-^ 
não de Mendoça que o tomaíte no efquife 
comíigo , o que dle não quiz fazer , di- 
zendo que hia ver fe huma coufa que ap-^ 
parecia ao longe fe era Ilha , em que pu- 
delíem pôr os pés : e que o foífe , ou nao y 
que lhe dava fua palavra de tornar á náo,' 
e tomar os Religiofos que pudeíle , porque 
também lhe pedia o mefmo o Padre Pedro 
Martins da Companhia, Vaiao bom , Re» 
llgiofo , e bom Theologo , que hia por 
Provincial da índia com outros Padres. C!om 
efta palavra ficaram confolados, e o efqui« 
fe foi correndo todo o baixo , e defcubrin- 
do o mar pêra todas as panes , fem ver 
Uha , nem terra alguma ; e receando o C^ 
pitão Mòr de tornar á nàp ^ porque no ef^ 

qui» 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. Í. 129 

quife não podia falrar a todos, aconfelhadá 
ou quaíi forçado do Meftre , quiz pôr fua 
peíToa em laivo , porque lhe dava a elle 
pouco que elle cumpriíTe fua palavra ; e 
dando á vela , foram demandar a cofta da 
Cafraria , levando pêra feu fuftcnto hum 
pouco de bifcoutO) e hum barril de agua, 
c em féis , ou fete dias foram tomar terra 
duas léguas do rio de Quilimane , onde os 
deixaremos até feu tempo , porque he ra-^* 
zão continuarmos com os que nos efperam 
no baixo^ 

CAPITULO IL 

Da ãefcripção defie baixo , em que a ndo 

deo : e aas pejfoas que fe falvdratn em 

o batel: e do que lhes aconteceo 

até chegar a terra* 

PRlmeiro que paíTemos adiante , fera 
bom que demos razão deite baixo , é 
moftrarmos a feição delle pêra as duvidas 
que depois havemos de tratar, fobre fe he 
efte da índia , ou não* He efte baixo de 
forma ovada, e de três léguas de comprif> 
do da banda do Ponente y aonde a náo 
encalhou : tem huns quatro y ou finco. picos 
mui grandes 5 que ao longe parecem arvore^ 
do , e por efta caufa^ fe enganaram alguns 
Couto.r0m.FLP.Ii. l Pi- 



Digitized by VjOOQIC 



13Ò As IA DE Diogo de Couro 

Pilotos que os viram , paflando de longe ^ 
e affirmàram verem arvores , como nós 
também nos enganámos , quando os vi*» 
mos , vindo pêra a índia o anno de 5*71. 
na náo Chagas com o Vifo^Rey D.Anto-> 
nio de Noronha ; e he tanto aífim , que 
com a gente defta náo perdida eftar no 
mefmo baixo, também fe enganaram: pêra 
a banda do Levante também tem outros 
picos mais pequenos ; e aífim elles ^ como 
todo o mais baixo he de coral ; porque 
em quanto os homens andavam trabalhan* 
do no batel ^ como logo diremos , e todos 
os que fe mettiio na agua , e punham os pés 
em baixo , fahiam com grandes cutiladas } 
tinha aqoella baixia toda em roda como 
huma faixa que a cercava , de largura de 
hum tiro de efpingarda , e no meio fc h* 
zia hum lagamar ^ que de baixia poderia 
ter duas bra<^s , e de preamar mais de 
três : aqui fe notou que o coral nafciá 
branco , e molle , como fe fora de cera , e 
depois fe vai fazendo pardo , e endurecen-» 
do , € depois diífo preto , e dahi fe faa 
vermelho , com o que fica em fua perfei- 
ção de côr, e dureza. E tornando aos que 
eftavam na náo , partido Fernão de Men«« 
doca' 9 trataram todos de buicarem remédio 
pêra as vidas , e trabalharam tudo o que 
puderam pêra tirarem o batel, que hia na 

fe- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. IL 13Í 

fegunda cuberta ; mas não foi poíEvel ^ pe«* 
lo que deixando-o , recorreram ao derra« 
deiro remédio , que era ordenarem janga** 
das , e começaram a ajuntar páos , taboas ^ 
e outras coulas defta forte , no que traba-" 
Iháram todo aquelle dia 9 e parte do outro; 
e como Deos noíFo Senhor traz fempre a 
mifericordia atrás do caftigo , permittio, 
pêra fe fal varem muitos , que déiíe hum 
mar na náo , o qual foi tamanho que a 
foblevou no ar, e pario o batel com quaíi 
liuma quarta parte de menos pêra a banda 
da poppa , e a proa com os camarotes de 
taboado que fobre ella fe fazem , que he 
o gazalhadp do Meirinho da náo , e de 
outros OíEciaes , e as teftas ou vão de ban« 
CO a banco dos criados de ElRey; e tanto 
que a náo o lançou fora , o foi a agua ro« 
lando pêra o mais fecco do baixo ^ como 
que o guiava Deos pêra a parte ^ onde fe 
pudefle concertar , como logo fizeram ; & 
acudindo a elle huqn eftrangeiro^ chamado 
Scipiao Grimaldo , homem eitperto $ de 
animo , e muito nobre de fangue , eftev6 
notando fe eftava em difpoíiçáo pêra o re- 
mediarem 'j e achando que um , ajuntou-fs 
com o carpinteiro , c outros ^ e começou 
a pór as mãos á obra , e pela banda de 
poppa o foram fechando com o taboado 
das caixas que pêra iílo quebraram , e 

I ii ca- 



Digitized by VjOOQIC 



132 ASlA deDiògo de Couto 

calafetaram , e concertaram o melhor que 
por então podia fer , ordenando-lhe logè 
feu malto, verga, vela, leme, e remos de 
maneira aue Ine não faltou nada : a ifto 
tudo afliftiram os Padres Fr. Thomaz Pin-^ 
to , Pedro Martins , e os companheiros 
€om os Fidalgos que na náo hiam , que 
logo nomearemos ^ trabalhando huns , e 
animando os outros z todos com palavras 
de muita confiança , e confola^o; e por^ 
qae nras coufas em que não ha ordem , e 
cabeça he tudo confusão , elegeram todos 
por Capitão hom Fidalgo, chamado Duar-^ 
te de Mello , natural de Baçaim , filho de 
Heitor de Mello , e de Dona Margarida ^ 
filha de Manoel De fia , o qual vinha na 
náo defpachado com a Capitania de Dio ^ 
e com o habito de Chrífto , Fidalgo de 
muito boas partes , e que ainda vive, ca- 
fado em Baçaim com Dona Catharina , fi- 
lha de D.Jorge Tello ; e elegeram pêra 
Meftre do batel o co^trâ-Meltre da náo, 
chamado Manoel da Silva , graiKle traba* 
Ihador , mas homem arrebatado , e fem 
humanidade, e por Piloto oMeílre da náo 
chamado Gafpar Gonfalves ; e recolhendo 
no batel algum provimento , e agua , ca* 
ineçáram*fe a embarcar por rol ^porque 
não era poflivel poderem tomar todos , e 
ailim^ recolheram íincoenta e fete pefloas 

que 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. IL 133 

que couberam , ainda piedofamente ; e a9 
conhecidas , e de nome sâo as feguintes : O 
Capitão Duarte de Mello , Fr.Thomaz Pinto y 
Fr. Adriano feu companheiro , o Padre Pe? 
dro Martins, e finco companheiros mais, o 
Padre Çapata , Pedro Alvares , Pedro Gour 
falves , Manoel Dias , e^ outros , todos Va^ 
r6es virtuofos , e de muito boa vida , le* 
trás , e doutrina ; D.João de Menezes , D. 
Fradique de Alarcão , D. Rafael de l^oror 
nha , D* Duarte de Mello , Jorge Soeiro Do- 
rea, Henrique Pinto , fobrinho do Inquifidor 
Fr.Thomaz Pinto, dous irmãos Gafpar, e 
Fernão de Menezes, mercadores honrados , 
c de credito , Dil%o Rodrigues Caldeira , 
e Fernão Rodrigues Caldeira , feu irmão 
mais velho, cunhado de Manoel Caldeira, 
Duarte Gomes de Solis , mercador ; todos 
os mais eram OíHciaes da náo , e marir 
nheiros ; houve muitas peílbas que quando 
▼iram defamarrar o batel , fe lançaram a 
elle a nado , pedindo com grandes brados 
que os tomaílem , fobre o que houve ex- 
ceffo de cruezas da parte dos marinheiros, 
deitando huns vivos ao mar , cortando as 
mãos a outros que apegavam do batel , e 
recolhendo nelle quem elles queriam ; por- 
que como eram muitos , ficaram como fe- 
nhores do batel , fem ninguém oufar a lhes 
ir á mão : em &m chegou a coufa a tanto , 



Digitized by VjOOQIC 



134 ASIAdeDíogo de Couto 

?ue vindo a bordo hum mancebo filho de 
). Luiz Telio de Menezes , irmão de D. 
Dioco de Menezes , que foi Governador 
da índia , o qual nos parece houve fendo 
Capitão de Dio , o não quizeram os mari« 
nheiros recolher , indo o batel cheio de 
gente menos importante y e neceflaria ; e 
ainda diremos mais , que de hum efcravo 
índio que alli metteo hum Fidalgo , em 
cujo Jugar foi*a melhor hum mancebo , filho 
de hum Fidalgo tão honrado , em fim o 
pobre , e paciente mancebo fe tomou a na-^ 
do aos penedos , aonde a mais gente efta- 
va ; e não deixamos também de lhe pôr 
culpa I pois foi tão coylado , que nem no 
batel , nem em nenhuma das jangadas fe 
foube metter a tempo. Viriam nefta náo 
quatrocentas peflbas , em que entravam al- 
gumas peíToas , cujos prantos , e laftimas 
Ímderam abrandar aquelles duros penedos 
obre que ellas eftavam aífentadas , com os 
olhos nos Ceos pedindo miferícordia a 
Deos ; e primeiro que o batel partiíTe dal-* 
li , tomaram ps Officiaes da náo y e os mer- 
cadores todo o dinheiro que traziam em 
feales , que fe aflSrma ferem de redor de 
quatrocentos mil cruzados , e o deitaram 
em humas poças fundas , que no baixo fe 
laziam em pedra viva , donde a maré o 
íAb podia urar, niem mover porfeu pezo> 

pe- 



Digitized by VjOOQIC 



DfiCADA X. Cap. IL 135' 

pêra depois o irem tirar , e em cujo lugar 
ainda hoje devem eílar , e eftarâo muitos 
ânuos , e porque agua não gaíla prata, 
nem alli ha aréa pêra arearem as coufas» 
Feito ifto , foi*fe o batel fahindo do bai- 
xo , que foi aos vinte e dous de Agofto , e 
todavia hia mui pezado ; e tanto y que 
houveram os Officiaes que feria neceífario 
deitar ainda algumas pelfoas fora , porque 
não fe poderiam marear : e efta eleição fí-r 
zeram os marinheiros , mas nâo de nenhum 
dos feus , e quizeram começar pelos irmãos 
Ximenes , e lhes difleram que hum delles 
havia de íicar , qiie yiífen) qiial havia de 
fer : o mais moço chamado Fernão Xime* 
nes vendo aquella determinação , adiantou? 
fe , e diíle que foífe eile , e que ficaíTe feu 
irmão mais velho, que tinha mais çommo? 
do pêra remediar fuás irmans (porque vi* 
nha com grande negocio entre mãos) e 
que nelle ficar fe perdia pouco *, e fem 
aguardar que os mannheiros fi^eífem aquel- 
la execução , elle mefmo fe lançou ao 
mar y mas como ainda não tinha alli feu 
termo acabado , tanto aue foi no mar, 
voltou a nado após o batei qqe hi^ a remo ; 
e Gafpar Ximenes vendo o que o irmão 
fizera , tantas mágoas diíTe aos marinhei* 
ros , tantas piedades lhes pedio, tantas la- 
grimas chorou , que ps i^piçdou,' e movi* 

dpa 



Digitized by VjOOQIC 



136 ÁSIA DE Diogo de Couto 

dos de compaixão o tornaram a recolher, 
Hia também ao mefmo tempo nadando 
após o batel hum mancebo de dezeíeis 
annos , chamado Diogo do Couto , o qual 
a grandes brados chamava pelo batel , que 
hia Já a remo , e lhe requeria que o to- 
xnaífem da parte da Virgem noíTa Senhora, 

3ue elie da fua parte lhes fegurava que to«- 
os fe falvariam ; e tantas coufas difle fo» 
bre ifto, e tantas vezes o repetio, fjue pa- 
recendo áquelies Religiofos que aquiUo fe- 
ria algum Anjo que fallava naquelje moço , 
rogaram aos marinheiros que o tomaíTem > 
como fizeram : e aílim o moço foi depois 
cm terra grande parte, pêra estirarem de 
hum cativeiro em que cahíram , como a-r 
diante fe verá. Sanido o batei do baixo ^ 
foram ièu caminho ao rumo do Noroefte, 
e quarta do Norte pêra tomarem a cofta 
da Cafraria no mais perto , e aos 29. de 
Agofto foram varar em huma praia entre 
dous rios chamados Quefungo , e Loranga , 

5UC jazem entre Guilimane , e as Ilhas de 
.ngoxa , entre dezefeis , ç dezefete gráos , 
que são os que nas cartas de marear cha-» 
mam as Barreiras Vermelhas , pelas haver 
alli. Pofto em terra, forain logo falteados 
dos Cafres que os defpíram , e depois fo- 
ram ter a huma Aldeia de outros Cafres , 
áo outro dia que foram ^o* dç Agoilo ^ 

aon? 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. II. 137 

aoiíde foram cativos , e aqui os deixarei 
JBOS até feu tempo. 

CAPITULO III. 

Do que aconteceu aos que ficaram nos hai^ 
xos : e das jangadas que ordenaram : e 
de bum eípantofo milagre que fez o Le^ 
nbo da Cruz de Chrijio : e do que acon- 
teceo a Fernão de Mendoça , e aos- do 
batel até chegarem a Moçarnbique. 

VEndo os que ficaram no baixo que 
nâo feria poíTivel fdlvarent-fe todos no 
batel , trataram de fazer algumas jangadas 
o melhor que puderam , e fó de duas que 
íe foube daremos razão , e de huma delias 
foi author Rodrigo Migueis Sota-Piloto* da 
náo , muito bom homem , e bom Official > 
na qual depois de acabada fe metteo com 
quarenta peflbas , entre as quaes foi hum 
Simão Moniz da Camera , homem Fidalgo 
dos da Ilha da Madeira ; e antes de fe a- 
partarem do baixo , deram com hum cai* 
xão , que era do Padre Fr. Thomaz Pinto , 
e abrindo-o pêra tomarem alguns pannos 
pêra vela , acharam hum Relicário , que ti- 
nha dentro o Lenho da Vera Cruz , que o 
Padre trazia em muita eftima , o qual hur 
ma peífoa daquellas tomou .^ e l^you go 

pef- 



Digitized by VjOOQIC 



138 ASIÂ DE Diogo db Cottto 

pefcoço ; e dando á vela , indo feguindo 
leu caminho, tiveram hum tempo , em que 
o mar engroííou muito : o que vifto pelo 
que levava o Relicário , o amarrou a huma 
corda por poppa , e o lançou ao mar , fem 
íkbér o que dentro hia , lÒmente por ver 
que deviam fer Relíquias , e que quaes- 
quer que foíTem baftavam pêra por ellas 
Deos noíTo Senhor lhes applacar aquelie 
mar; e tanto que anoiteceo , ouviram to- 
dos os da jangada muito claramente huma 
grande harmonia, e muíica fuaviílima, que 
os foi feguindo por poppa , cantando cla- 
ramente aqueiles verios , que os Padres da 
Companhia fizeram pêra eníinarem a dout 
trina aos meninos , que dizem aíllm : Todo 
o fiel Cbrijião ferd obrigado a ter devoção 
de todo o coração d Santa Cruz deCbrijlo , 
Õ*c. Efta fuavidade , e muíica hia paflando 
por íima da Jan£;ada , e fe adiantava , como 
que híamoftranao o caminho; e antes pou- 
co de amanhecer fe calou , e fe não ouvio 
mais, eiíbo fe continuou, em quanto durou 
a viagem, todas as noites , que foram no- 
ve, ou dez, com o que todos hiam muito 
confolados , e confiados em Deos noífo 
Senhor os levar a terra : no cabo deftes 
dias chegaram a elia, e foram varar entre 
o rio de Quilimane , e Luabo , que são as 
duas bocas que faz o grande rio de Cua-^ 

má^ 



Digitized by LjOOQIC 



I 



Década X. Ca?. III. 139 

iná y como fe verá melhor na novena De* 
cada na defcripçao de toda efta Cafraria ; 
e querendo recolher o Relicário , o não 
acharam , coufa maravilhofa , e milagrofa 
pêra edificar , porque de crer he que os 
Anjos , que acompanharam aquella Santa 
Relíquia , a recolheriam , e levariam comíi- 
go pêra a Gloria , aonde deve de eftar até 
o dia do Juízo pêra fe ajuntar com as mais 
Reliquias do feu Santo Lenho , que pelo 
Mundo andam efpalhadas , pêra fe tomar a 
arvorar aquella bandeira da nova Redempçâo 
ue aquelle dia com triunfo da morte ha 
e afliftir diante daquella MageAade Iinpe-* 
rial naquelle efpantofo , e muito pêra re« 
cear Juízo univerfal , onde todo o vivente 
fera julgado pêra fempre , e alli ficará eter- 
namente , e como infignia de tamanha vi* 
dória , como com ella alcançou o unij^enito 
Filho de Deos contra a morte , e interno ; 
porque aífim como fobre as fepulturas dos 
Imperadores, eReys fe penduram fuás ban* 
deiras pêra finaes de fuás viélorias ; afiSm 
diante daquella Divina Mageftade eftará eíla 
bandeira da Cruz , com que fe libertou to- 
do o género humano , arvorada , e defen- 
rolada pêra os bemavenmrados fe eftarem 
revendo na bandeira de fua Redempção. 

Deite tão raro, einfigne milagre, def- 
ta mufica ^ c deíla Santa Relíquia tirou o 



Digitized by VjOOQIC 



140 Â S I A DE Diogo de Couto 

Padre Fr. Thomaz Pinto , cujo ella era, 
em Moçambique huma inquirição por to-^ 
dos os daquella jangada , em que confor- 
mes teftemunliáram todos , aílimcomo o te- 
mos contado. 

Outra jangada foi aportar junto de 
Çofala com fòs dous marinheiros , e hum 
delies era o que aquelle dia gritou que fe 
afFaftaflem do baixo , que chegaram a terra 
como mortos, e os Cafres os recolheram, 
e com papas de milho tornaram em íi : efr 
tes contaram depois em Moçambique que 
fe acharam com eiies mais de vinte pef- 
íbas , e que todos lhe morreram pelo ca- 
minho de fome , e fede, por levar muito 
Eouco mantimento, porque o mar fobre o 
aixo tinha já desfeito tudo ; e fe houve 
mais algumas jangadas , deviam de fe per- 
der por eíTe mar : a mais gente que ncou 
no baixo, que eram mais de duzentas pef- 
foas , dizem os das jangadas que ficavam 
por íima dos penedos , e que hiam cada 
dia á náo bufcar alguma coufa pêra come- 
rem, e alli haviam de acabar todos de fo- 
me , e fede mirrados áquelie Sol ; o que 
havia de fer a todos degrandifllma agonia , 
e defconfolaçao , e pêra os que ifto cuidar 
rem grande mágoa , e dor , e muito pêra 
temerem , e arrecearem todos os que an- 
dam por eílâ carreira 4a Iqdia , aoqde cada 

dia 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. III. 141 

dia acontecem eftes defaílres, e defaventu* 
ras : pelo que feria bom ao embarcar le» 
varçm taboas de boas obras , a que fe ape- 
guem y e não pezos muito carregados de 
bens mal adquiridos , e contra-pezos do 
alheio , que logo os leve ao fundo do In- 
ferno. 

Eile baixo em que efta náo íe perdeo , 
aiHrmava aquelle Piloto , que não era o da 
índia , mas que era outro , que eítava mais 
a Lefte , que nunca fora viílo , nem andava 
nas cartas de marear , e ifto clamou em 
Moçambique ) epera fatisfaçáo dafua con- 
tumácia , ou engano , pedio ao Padre Fr. 
Thomaz Pinto que inquiriíTe fobre ifto os 
Pilotos das náos de viagem , que depois 
chegaram , dando-lhes luas razoes por ef- 
crito i e huns afErmáram que íim , e outros 
que não; mas quanto a nós, havemos que 
efte fae o meímo baixo , por três razoes : a 
primeira , fe houvera outro baixo a Lefte 
daquella mefma altura, nao pudera deixar 
de fer fabido , porque em diftancia de pou- 
co mais de fetenta léguas que ha do baixo 
da índia á Ilha de S. Lourenço , nâo podia 
deixar de fer defcuberto de alguma nioy 
e mais náo fendo por alli tâo certa a na- 
vegação 5 que forçado haja de ir por huma 
efteira , e por huma paragem , porque al- 
jg;umas náos foram á vii& dos baixos da 

In- 



Digitized by VjOOQIC 



14^ A S I A . DE Diogo de Couto 

índia y e outros da Ilha de S» Lourenço , e 
muitos nem viram os baixos , nem a Ilha 
por navegarem a meia boroa ^ como os 
mariantes dizem y por onde forçado ou hu* 
mas , ou outras haviam de haver viíla de£^ 
tes baixos. 

A fegunda razão : fe eíta náo fe per« 
dera em outros baixos na altura da índia 
a Lefte delles , forçado o efquife ^ ou ba- 
tel 9 ou as jangadas houveram de haver viír 
ta dos baixos , ou iínaes delles , e os bar* 
ris y quartos , pipas , e caixões que o mar 
levou direitos á cofta de Sofala , aonde os 
Cafres os achiram y como a agua alli corre 
direita a Loefte pêra aquelie parcel y fé 
partiram de outro baixo que eflivera a Leí^ 
te do da índia y forçado eílas çoufas hou* 
veram de ir encalhar nelles y e alli fe hou* 
yeram de desfazer. 

Terceira razão : fe efte efquife , c ba- 
tel partiram de outro baixo a Leite defte, 
como haviam de pôr tão poucos dias na 
caminho , como foram fete y com poucos 
remos , e com poucas vélas , e tão pezados 
como hiam , que ainda foi muito por ma^ 
rts tão groíTos, andarem perto de cem le« 
guas ) que ha dos baixos a Quifungo, aon- 
de o batel encalhou ; por onde, ouanto a 
nós y falvo outro melhor juizo > eiie baixo 
he o da índia « e não outro* Fizemos efta 

de- 



Digitized by VjOOQIC 



DscADA X. Ca?. III. 143 

declaração , porque não haja confusão em 
couíà y em que nunca houve , pela fesuran» 
ça com que todas asnáos tem paílaoo por 
aquella paragem ^ fem ver outro baixo; 
mas o melhor feria fe fe pudeífe acabar com 
os Pilotos > ou darem-liies . por regimento 
com grandes penas ^ que como fe fizeífem 
com baixo ^ ou mudem rumo , • ou tomem 
velas de noite , poraue muito pouco vai 
em perderem doze noras de viagem por 
íâlvarem tantas vidas , e tantas fazendas ^ 
de que os Pilotos teimofos devem dar larga 
conta a Deos. 

CAPITULO IV. 

De como o Vifo-Rey D. Duarte tratou dt 
mandar buma Armada ao ejlreito : e dio 
fegredo que nijfo teve : e de como orde* 
nou fazer buma Fortaleza em Pa0tane , 
e foram nomeados feta Capitães Kuy 
Gonfalves da Camera da terra , e Vi 
Jerotymo Mafcarenbas do mar : e do 
fue aconteceo a Ruy Gomes da Gram no 
Norte ) e a António de Azevedo no Co* 
morinu 

EM muitas coufas que ElRej mandou 
prover neftas náos , foram as princi^' 
paes que fe mandaíTe fazer Portaleasa* alént 
^ • de 



Digitized by VjOOQIC 



i44 A S I A DE Diogo de Cúvto 

de já oVifo-Rey o trazer por Regimento^ 

feio muito que cumpria aoEftado terhuma 
ortaleza naquelle rio , que era a maior ^ 
e mais importante do Comorim , pelo ter 
com ella enfreado , e defender a navegação 
do mar Roxo , pêra onde todos os annos 
daquelle rio fahiam muitas náos carregadas 
de pimenta.; e a outra era, que mandaíTe 
huma Armada grande ao eftreito do mar 
Roxo pêra divertir com ella ao Turco das 
coufas da Perfia , porque era muito em 
damno da Chriftandade as vidlorias que ti^ 
nha havido do Xá , com as quaes fe fazia 
muito poderofo; porque como o Eftado da 
Períia íempre foi num grande obftaculo pê- 
ra o Turco deixar de entender com a 
Chriftandade , feria muito . grande dan>- 
no feu fe o Turco fe fizeíFe fenhor daquel- 
le Império , em que já tinha mettido ta- 
manho pé , como pelo decurfo da hiíloria 
temos contado , ficando de todo aíTombi^a- 
da a Chriftandade com a Fortaleza que ef- 
te anno prefente fe fez cm Tabris , fobre 

Sue o Sununo Pontífice defpedio hum João 
aptifta Vaauete com huma carta pêra o 
Xá , cuja iubftancia não foubemos ; mas 
prefume-fe gue devia de fer a perfuadillo 
a que defendl^efle feu Império , e a oflFerè- 
cer-lhe ajuda da Chriftandade , do qual 
João Baptifta^ adiante daremos mais partia 

CUr 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. CAp. IV. 14^ 

eiilar razão ; do Mer tambcm movido EU 
Rey D. Filippe , eícreveo ao Xá neftas náos 
huma carta , que devia de (cr fobre o meP 
mo negocio , maadando ao Vi&y^Rej que 
logo o deípediíTe pêra a Periia. 

Eftas coufas todas prarkrou o Vifo-Rey 
com Ruy Gonfalves da Camera ^ que era 
o homem que mais governava que todos ; 
e como era muito cubiçòfo de honras , o 
perfuadio a mandar a Armada, dtú eílreito ; 
e aíDm pêra o eflFeito que ElRey perien- 
dia , como porque tivera o Viíb-Rey reca* 
do por via de Dio de como em Monça fe 
faziam galés preftes , que íicayam de ver-" 
ga de alto ^ fem faber pêra ojide feriam ^ 
pedindo-lhe aquella jornada y que lhe elle 
deo ; mas porque defejava também de fe 
achar na de Fauane , aífentáram que fe ti- 
veífe em fegredo a do eftreito , e fe não 
puzeíFe em parecer dos Fidai^os , porque 
a haviam de contradizer, e que íe tratafie 
de Panane, ordenando entre elles o modo 

5ue fe havia de ter nçfte negocio, eçi qué 
.uy Gonfalves queria itambem fer. à prÍ0<> 
cipal peífoa. Calando-fe as coufas que ent 
tre ambos eftavam em fegredo^ fez oVifo* 
Rey chamamento dos Fidalgos do,G)nfeIhò ; 
lenda-liies o ^Regimento que fobre a Fofi- 
talcza de Panune ElRey lhe dera , no qi^l 
lhes- n|o deixava lu|;ar aberto per^ yo^ 
C$ut9. Tm. Fl. P. If. K rem 



Digitized by VjOOQIC 



146 AS IA DE Diogo de Covto 

rem outra coufa , parque expreflamcntó 
lhes. mandava fizeffem htinia Fortaleea na-* 
quelle. rio , a que todos votaram que íe 
cumpriíle o. Regimento de ElRey , e mais 
agora que ellava o tempo melhor diípofto 
pêra iíTo pela obrigação que o Comorim 
tinha t>eIo oqntrato das pazes, que o Viío- 
Rey IJie con^fmbu de dar naqueile rio.lu^ 
gar pêra ôlla , e todas as mais ach^as , t 
ajudas de fervidores que foíTem necefla* 
rios ; e no modo da fortificação ficou o pa* 
ircer repartido 5 porque huns diíTeram qua 
pois o Eâado não eftava pêra tamanhas 
defpezas , pêra por então íe fazer Fortale-^ 
za de pedra , e cal , que feria bem tornai^ 
fe pode do lugar , ^ em que fe havia de fa-- 
zer y com huma tranqueira de páos de te* 
ca, que por então bailava, pela fcgurança 
da terra- que com as novas pazes tinha y e 

3ue depois fe fizeíTe muito forte , e maÍ3 
e vagar ; outros diíTeram que não cum^ 
Eria ao ferviço de ElRey faizer-fe Forta^ 
iZ2i por eífe modo , porque como ^ ami^ 
zadc do Comorím nunca fora fegura , pelas 
muitas vezes que quebrou as pazes y não 
era bem que fe arrifcaíTem homens , e zr* 
tiJheria detrás de páos y em terra de hum 
Rey tão poderofo, que todas qs horas aué 
quizeíTe poria de redor dellss cem mil no^ 
mens y e^mais de cem'peçasi4e artillusria 
^.. ^ .. 1 . . / grof- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf. IV. 147 

groílas , e poíTantcs pêra bater grandes 
muros y quanto mais páos de teca muito 
fracos ; e que pelo menos havia de miP 
ter mais de dous mil páos , que trazidos 
do Norte y e poftos em Panane , haviam de 
cuftar íeis , ou fete mil cruzados y os quaes 

E)r tempos ]>odiam vir a fervir aos JV^a* 
var^s de navios contra nós y como depois 
vieram j pelo que eram de parecer que fe 
fizefle a Fortaleza de pedra y e cal muito 
defeoíàvel ; e que fenão fe pudeíTe fazer 
logo , fe fizeíTe depois , e entre tanto fe 
ajuntaíTem os matenaes pêra iífo ; mas co« 
mo os mais dos Viib-Reys da índia an« 
dam a tapar buracos , como lá dizem , e 
engrolando as couiàs , como homens que 
eílam pêra pouco , e de caminho y foi-fe 
com o parecer dos que fe fizefle por entre 
unto huma tranqueira de madeira , porque 
os mais eram puentes > e que tinham fuás 
pertençòes com o Ruj Gonfalves da Ca^ 
mera y que era feu Tio , primo co-irmâo 
de feu pai , a quem tinha em fegredo pro« 
mettido a Armada perá. o eftreiro , que ha- 
via de partir em Fevereiro , não lhe con- 
vinha a elle fazer-fe a Fortaleza fenao de 
madeira pêra lhe ficar tempo pêra a fua 
jornada ; porque eftava aíTemado entre am- 
bos , que acabando a fortifica^ y tomaíTe 
aÂrmaoa, e osnavio&.que quÍAelTe^ efoíTe 

K ii fa- 



Digitized by VjOOQIC 



14^ ÁSIA D£ Diogo de Còutò 

f&zer íua viagem , o que não podia fer ^ 
fazendo-fe de pedra , e cal , porque força- 
do havia de gaftar aquelle verão , e outro 
pêra pôr a Fortaleza em eftado defenfa^ 
vel y as quaes coufas eftavam em fegredo 
entre ambos , fem fe por fora jíaber nada ; 
e pòrqtie feria aggravo grande que fe fi- 
íeífe a D.Jeronymo , pois elle foi o que 
interveio nas pazes , e as foi jurar a Cale- 
cut (pofto que o author delias foi D.Gi- 
leanes Mafcarenhas em tempo do Conde 
D. Francifco Mafcarenhas Vifo-Rey ,• a quem 
he razão que demos a honra delias) aíTen-. 
tou-fcf que fe repartiífe por ambos a cmpre- 
za de Panane ; e mandando-^os chamar y on- 
denou com elles que foíTem ambos a efte 
negocio 5 e que ambos concorreífem com 
a obra da Fortaleza ; e que como eftiveííe 
em eftado defefifavel y a entregaífem a D. 
Jeronymo pêra ficar por Capitão nella , c 
que elle Ruy Gonfaives tomaria toda a Ar- 
mada ^ e andaria por Capitão Mór do Ma- 
lavar ^ encubrindo por então a ida do ef" 
treito que (como dilTe) entre oVifo^Rey, 
c Rujr Gonfaives eftava era fegredo- D. Je- 
ronymo , que já fabia o pêra que era cha- 
mado , pofto que alguns parentes , e ami-» 
gos lhe tinham dito que lhe nãò-<onvinha 
a jornada por aquelle modo , porque fe nãa 
eJcufavam entre elles ^ e Ruy Gonfaives. 

dif. 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap« IV. 149 

diflPerençaSy por muitas razões que pêra iíTo 
ihe deram , levado do zelo do ferviço de 
BlRey, acceitou a Jornada poraquelle mor- 
do com Ruy Goníalves alli diante do Vir 
Íb-Rey ; e depois de com elie parti cularr 
mente ter muitas palavras de cumprimenr 
tos , dizendo que o muito parentefco , e 
antiga amizade que entre ambos havia 
eram bafiantes pêra lançarem o baífêo en- 
tre algumas diirerenças , fe as houveíTe, 
quanto mais que elle fiava de fi que nunca 
entre ambos as haveria , mas antes muito 
iguaes, e conformes procederiam no fervL- 
50 de ElRey com igual mando , e jurifdicr 
$ao , fem hum mandar em huma palha 
fem confentimento , e parecer do outro; 
e aífim fe começaram a fazer preftes. O 
Viíb-Rey defpedio logo recado a todas as 
Fortalezas do Norte a negociar dinheiro, 
madeira , e mais coufas neceíTarias , aílim 
pêra a fortificação de Panane , coqio pêra 
a jornada de Kvty Gonfalves da Gram , Ca- 
pitão Mór do Norte , ^ue mandaíTe dar 
guarda á cáfila de Baçaim , donde todas 
eftas coufas haviam de vir; e porqui? ago- 
ra nos cabe dar razão do que lhe aconter 
ceo na jornada, o faremos brevemente. 

Partido elie da cofta do Canãrá , aon«- 
de arribou com tempo , como atrás diíTe- 
iQOS y íbi cprrendo a cofta do Norte até 

Ba- 



Digitized by VjOOQIC 



I yo ÁSIA DE Diogo db Couto 

Baçaim , e alH foube ferem recolhidas at 
náos de Meca , por que cm Surrate fe efpe^ 
rava , e que Jiuma naveta eftava naqucUc 
rio pêra fahir pêra fóra, e o Agioza ainda 
eftava em Baroche fem faber fua determi- 
nação. Com ifto defpedío Cafpar Fagundes 
com quatro navios pêra irem dar volta á 
enfcada em bufca de alguns ladroes , fe oS 
houveíTe , c João Cayado de Gamboa com 
iinco navios pêra levar a caííla que eftava 
preftes pêra Goa , e elle com os mais na* 
vios fe foi pôr fobre a barra de Surrate > 
e deitou efpias em terra pêra faber dadc^ 
terminação do Agio'i:a , e eftava naquelle 
tempo em Surrate Miram Sultão , irmão 
do Caliche Mahamede , o qual tanto que 
foube eftava aquella Armada fobre a barra-^ 
mandou viíitar o Capitão Mòr com grandes 
oíFerecimentos de amizades , aos quaes ellè 
refpondeo com as mefmas , mandando-ihe 
dizer que era alH vindo por mandado do 
Vifo-Rcy da índia pêra fervir o Hecbar 
com aquellai Armada em tudo o que lhe 
mandaflc: que fe havia ^ elle que eftava mui- 
to preftes pêra tudo. O Mouro Uie mandou 
os agradecimentos , e com ifto fe deixou 
Ruy Gomes alli ficar: aqui foi avifado que 
ao Ilheo de Chaui andavam alguns Coíiai- 
ros roubando as embarcaçòes que vam de 
ordinário de Taná pêra Gnaitl , onde todos 

os 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. IV. \ 15-1 

os annos faziam gvtixles damnos , pelo que 
logo com muiti preíTa defpedio Pedro Vaz 
com quatro navios pêra os ir bufcar, dan* 
do-liie por recimento (como dea a todos 
os mais Capitães que deípedio de fi ) que 

B>r todo o Outubro o foíTem efpcrar em 
amão y ficando elle com íás quatro nar 
vioBi as efpias que trazia em terra Ibecer^ 
tificáram que o Httcbar mandará chamar 
o Agloza com toda a fua gente pêra o 
mandar pêra a parte do Deli acudir a air 
guns EíUdos que fe lhe rebelaram, com o 
que houve que nao tinha alli que fazer , e 
fe partio pêra Daoiao , aonde ajuátou os 
navios que tinha efpalhados : dalii fe foi a 
Baçaim , onde lhe deram cartas do Vifot 
Rey 9 em que lhe mandava déíle preiTa ás 
coufas pêra a fortificação dcPanane, e que 
mandafle logo a cáfila : o que eUe fe2 , e 
defpedio Gafpar Fagundes , a qupn deo 
finco navios )>era ir a Dio dar guarda a 
Balthazar de Siqueira > Veador da Fazenda 
do Norte , que havia de trazer dinheiro 
daqueUa Fortaleza -pdra as defpezas da Ar-r 
mada dePanane. EíWs navios torriáram em 
poucos dias comellesy eeftando jáa cáfila 
preftes y que era dç muitos Tauris de ma^ 
deita> remos, pez , cotonias , muniçóes, 
mantimentos , e outras coufas, o que tudo 
defpedio em companhia de JoaaiGayado 

de 



Digitized by VjOOQIC 



lya A S I A BE DtoGo • de Couto 

de Gamboa com íinco navios , e por elie 
cfcreveo ao Vifo-Rej as novas do Norte, 
e de como o Agioza era recolhido ; que 
pois lá não havia que fazer , lhe déÓe li-» 
cença pêra. fe recolher; e após cfie recado 
foi com os mais navios á cofta do Norte 
até Carapatão pêra ir efperando pelo reca« 
do do Vifo-Rey , e nefte tempo paflbu por 
ella D« Dinis de Almeida , filho do Con* 
tador Mór , que hia entrar na Capitania 
de Dio y e levava comfigo D. Dio^ Cou- 
tinho feu primo co-irmão , filho de D. Fran- 
cilco Coutinho o Marialva , pêra Capitão 
Mór da Armada daquella Fortaleza , na 
quai eftava Manoel de Miranda, que tinha 
acabado feu tempo. 

Agora continuaremos com Antónia de 
Azevedo, por não occuparmos comelleou-;* 
tro Capitulo , porque temos delle pouco. 
Chegado ao Cabo do Comorim, como dif- 
íemos , defpedio dous navios a Negapatáo , 
aonde o junco da China eftava, pêra darem 

Í)re(ra aos navios que haviam de trazer a 
àzenda^ porque foubeíTem que os efpera- 
va pêra lhe dar guarda , e elIe ficou no ca-f 
bo com £ió$ quatro navios : os que foram a 
Negapatão deram tal preíTa á cáfila , que 
em poucos dias ajuntaram huma grande 
copia de navios com que fe partiram ; e 
fendo ^já dQS baixos de Chilao pera^ den- 
tro. 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VI. jj^j 

CTO y houveram viíla de hunui formofa náo ^ 
que vinha com todas as velas infunadas de- 
mandando o baixo ; e indo os navios a eU 
la, os primeiros que chegaram foi António 
de Soufa, que vinha de S.Thomé em bum, 
navio feu , e Alberto Homem da Cofia ; e 
conhecendo fer do Reyno , porque era a 
náo Santo Alberto , lhe bradaram que a- 
mainaíTe , como fez , e furgio logo : o Pi- 
loto delia tinha aquelle dia viíto a terra ; 
e cuidando fer de Cochim , hia de frecha 
a ella ; e quando já furgio , foi em fei; bra* 
ças : e fem dúvida que fe Deos náo trou^ 
zera aqueiles navios , fe perdera. Surta a 
náo, lançou grandes rageiras , e ás toas a 
foram as fuftas tirando pêra fora, e lhe fi- 
zeram dar á vela , e com ella , e com a 
mais cáfila chegaram ao. cabo- , aonde An-r 
tonio de Azevedo efperava por elles ^ e 
fazendo vela, foram tomar Cochim^ edahi 
partiram pêra Goa , aonde chegaram todos 
9 ialvamento em fim de Novembro. 



CA- 



Digitized by VjOOQIC 



1^4 ÁSIA DE Diogo de Gouto 

CAPITULO V. 

De algumas iifferenças que houve entre 
Ruj Gonfalves da Camera , e D. Jero^ 
nymo Mafcarenhas : e de ctnm Ruy Gon- 
falves par tio pêra Panane , e fe vio com 
o Çamorim :. e de como fez a Fortaleza 
em Panane. 

CHegadas as coufas do Norte ^ porque 
fe efperava pêra a jornada de Panane ^ 
começou Kuy Gonfalves da Camera a £ar 
zer preiles a Armada ; e fem parecer » nem 
confclho de D. Jeronymo (como eftava 
entre elles aíTentado) a nomear os Capitães 
das Galés y e mais navios : de que D Jero* 
njrmo tomado lhe efcreveo huma carta apai^ 
xodada/ na .qual fe yinha a refumir que o 
não; tiirefle por amigo y- porque ò nâo^ era , 
nem fe fallaífem mais ; com o que ficaram 
as coufas entre cftes Fidalgos de má fei* 
ção } porque D. Jeronvmo (}uafi que fe da^ 
ra por efcandalizado aos ruins termos com 
que Rujr Gonfalves correra com elle , fen^ 
ao tanto ao contrario do que entre ambos 
eftava aífentado por ordem do mefmoVifo-^ 
Rey , o qual quiz acudir a efte negocio, 
e moderar a paixão de D. Jeronymo por 
termos muito honrados a elle *, mas como 
o efcandalo eílava tão frefço , não pode 

aca- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. V. i^f 

acabar nada y de forte que foi forçado meu 
ter nefte negocio o Padre Alexande de Va-« 
nignano , Viíitador dos Padres da Compa* 
nhía. Varão muito grave, e a quem todos 
tinham mui grande j-eípeito, o qual como 
muito avifado que era , fallaiido com D; 
Jeronymo , e com todos os parentes , fe 
houve de tal maneira que os reduzio á pri^ 
meira amizade com meios muito honeftos; 
c por efcufar outras defavenfa^, feaífentou 
que foffe Ruy Gonfalves fazer a Fortaleza 
de Panane ; que como a tircíTe em moda 
defenfivcl, ina elle D- Jeronymo , e Ruy 
Gonfalves lha entregaria , e no inefmo dia 
fe embarcaria na fua Armada, e andaria na 
cofta : e comr ifto fe deo mais 'preíTa á Ar- 
mada , porque queria o Vifo^Rey que fof- 
fem novas a ElRey naquellas néos de como 
fe ficava procedendo na obra da Foital^ 
za , coula multo acoftumada em muitos 
Vilb-Reys fazerem mui grandes apercebi- 
mentos , e lançarem fama de grandes jor- 
nadas , em quanto as náos de Portugal eíram 
na índia , por chegarem com aqueila fama 
ao Reyno , e depois de partidas arrefecer 
tudo , e ficarem coufas mui importantes 

{3or fazer , e lançarem depois o gato (como 
á dizem) nas barbas ao que lha vem fuc- 
ceder. Em fim deixando efta matéria, em 
que havia bem que dizer , taato que a Ar* 

ma- 



Digitized by VjOOQIC 



lyé ÁSIA DE Diogo de Q>uto 

mada foi preftes , fahio pela barra fora a lé, 
de Novembro, a qual era de quatro Galés 
a em que hia o Capitão Mór, e nas outras 
Joio Furtado de Mendoça, Bernardino* de 
Carvalho , e Pedro Hoiçem Pereira ; as fuC- 
tas foram trinta efeis, cujos Capitães eram 
D. Francifco Maícarenhas , D, Jorge d^ 
Gama , D. Francifco Telio de Menezes y 
P. Manoel de Lima , André de Soufa o 
Maltez , Simão Moniz da Camera , Duarte 
Moniz Barreto, filho de António Moniz ^ 
Governador que foi da índia , Ferftâo Gonr 
íalves da Camera , e Chriftovão de Mello ^ 
Peiro da Silva , Gafpar de Carvalho de 
Menezes , Luiz Falcão , Luiz de Spinola , 
Roque da Fonfeca , Eftevão Valladares, 
Lopo de Pina , Jopge de Mello Pereira y 
António da Coda, João Rodrigues Cabral ^ 
António Fogaça de Brito , Gonfalo de Sour 
fa de Mendo^a , André de Negreiros , João 
do R^go Fialho , Paulo Pedrofo , Gaf{)ar 
Tavares , Simío Ribeiro , AflSdnfo Ferreira 
da Silva , Duarte Mafcarenhas , D. Pedro 
Real Malavaf , Manoel Paes , João Baptifta^ 
Engenheiro Mor que hia pêra traçar a For^ 
taleza , Julião Pereira , Francifco de Sir 
queira , Nuno Alvares de Atoucuia , Ruj 
Gomens Arei de Tanor , Fernão Pegado, 
Chriftovão da Veiga em hum Galeão de 
mantioientos ^ e João Soares em huoià na^ 

ve- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. V- 15:7 

Veta com coufas pêra a Fortaleza : levoíi 
mais duas barcaças , Capitães Ruy de Sá^ 
e António Madeira , e outras muitas em- 
barcaçòes do carga com telha , madeira > 
officiaes , e outras coufas neceíTarias. 

Com efta Armada foi o Capitão M6r 
lurgir em Calecut , e mandou logo riíitar 
o Çaraorim , e faiet-lhe faber em como era 
neceífario verem-fe pêra tratarem o modo 
como, e onde fe havia de fazer a Forrale- 
xa em Panane , conforme aos Capítulos das 

Eazes , e o Comorim lhe mandou os oara^ 
ens da fua vinda , e aue mvrito ceco fe 
Teriam ; e como todos eáes Reys não fazem 
coufa notarei , fem os feus Aftrologos , e 
Brâmanes lhes fazerem eleição de dia , e 
hora pêra Êiberem fe lhes luccederá bem y 
ou mal naquillo que querem fazer, n6que 
as mais das vezes 0^ demónio os engana 
fm fua fciencia , aílim adháram eíles do 
Çamorim em fuás calculaçòes taes Unaes, 
Que três dias fe paifáram fem o Çamorim 
íe querer ver com elle , do que enfadado 
lhe mandou dizer, que pois dle tinha im* 

Íedimentos pêra lhe fallar , que elle fe 
ia , e que na praia de Panane, onde elle^ 
havia de começar a Fortaleza , o efperava. 
A iilo lhe mandou ElRey refponder què 
iê náo enfadaífe , que aquillo era coftume 
de Gentios não fazerem nada lem eleição^ 

dos 



Digit^ed by VjOOQIC 



ifS. ÁSIA R» Diogo de Couto 

dos dias , que como achaíTe hum bom , lo* 
go fe veria com elle : com o (}ue o Capi- 
tão Mór fe deixou eftar , e quiz abbreviar 
efta eleição dos Brâmanes com lhes man* 
dar peças aílim a elles , como aos Reg&* 
dores , e mulheres de EIRey , e aos prin- 
cipies do Confelho ; porque como eftas 
gentes são cubiçofas. , e incereíTeiras , ne« 
nhuma coufa pôde com elles tanto como 
dadivas , as quaes montariam pouco mais 
de dous mil pardaos , com o que os Brâ- 
manes acharam logo hum dia bom ^ porque 
nio ha outro melhor pêra ellês que aquel- 
le^ em que lhes dam alguma coufa; e af* 
fim mandou o Çamorim retrado a Ruy 
Gonfalves da Camera que ao outro dia íc 
veria com elle na praia , pêra o oual fe fez 
preftas y e ás horas limitadas delembarcou 
muito ricamente veílído y rodeado de quaíl 
cem homens y Fidalgos , e Capitães y oue 

Será iíFo efcolheo y reftidos todos á foi-' 
adefca, 'muito luftrofo&, e por baixo fuás 
armas fecretas ; a Armada, mandou que eír 
tiveífe toda eftendida longo da bahia com 
os efporóes em terra muito embandeirada , 
c elle fe deixou. eftar na praia hum pouco 
afiaftado da borda :d^agua com as coitas na 
Annada« : O Çamorim como teve recado y 
«balòU de fua cafa acompanhado do Man* 
g^te Achem &u Regedor MóT) e de todos 






Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. V. lyj 

08 fcus Panicaes » e Regedores» e de mui« 
ta gente de armas , que íe foi pondo em 
fileiras de longo da praia pêra o Çamo- 
rim paflar por meio delles ^ o qiial tanto 
que foi viílo da nofla Armada , o falvárani 
com muitas bombardadas, e grande fomma 
de efpingardaria y e depois. com sndtas 
charamellas y trombetas > e outros in&ivh 
mentos de guerra. Q Capitio Mòr deixou 
chegar o <^morim como )mm tiro de pe- 
dra donde elle eftava y então abalou a eU 
le y e Ibe fez as cortesias deridas a bum 
Rey tamanho» e elle o recebed com muito 
agazalbado » eaíEm em pé praticaram f» 
bre as coufas da Fortaleza , que todas lhe 
o ^amorim concedeo » confirmando nova^ 
mente as pazes , derpediudo^^o ciue fe foSjt 
pêra Panane , que logo apô^ elle iriam os 
íeua Regedores ^ aflinar-^fe o lugar da For* 
taleza , e dai^lhe poíle delia , e todas a9 
mais ajudas que foíTem neceiliarias. O Ca^ 
pitão Mòr muito fatisfdto fe defpedio 
delle 9 e fe embarcou » deixando em terra 
Amador Tabordo ( que hia nomeado perá 
Feitor de Panane ) pêra nogociar com oís 
Regedores aleiunas coufas » e perai os iàier 
logo ir», e eUe fe foi metter logo no rio 
fem bulir em nada , até chegar o Mangam 
Achem » a quem :0 Çamorim commetteO 
eâr aegodt) ^om outiôa a^u Regedoreal 

Ruy 



Digitized by VjOOQIC 



x6o A S I A DE DiòGO Dfi Couto 

Ruy Gonfalvcs da Camera fe veio a ternr^ 
e com cUes , e com o Engenheiro Mór 
andou elegendo íirio mais accomixKxlada 
pêra a Fortaleza ; e porque da banda do 
Sul junto da barra fe fazia huma ponta á 
feição de hutpa cabeça de tubarão , cer-^ 
cada toda de mar , cujo pefcoço , que feria 
diítancia de trezentos paílos , fechando-fe 
com huma tranqueira , ficaria toda a cabe- 

g. fobre a agua , fegura dos iniínigos : pe- 
que com confelho dos Fidalgos , e Ca-" 
pitáes , e Engenheiro Mòr ordenou de fa-» 
zer aqui a Fortaleza , porque pela preflà^ 
e brevidade do tempo fe podia com me- 
nor cuflo , e trabalno fortificar ; e que* 
rendo pòr as mãos á obra , achou muitos 
grandes inconvenientes da parte dos Mou- 
ros naturaes 9 e dos mefmos Regedores^ 
que eflavam peiti^dos de Cunhale Marca , 
que tudo * o que pWia , eftorvava aquella 
obra, aílim por recear que como foíle fei- 
ta fe lhe derrubaife a fua Fortaleza y como 
eftava capitulado nas pazes , como por 
Uie ficar alli hum freio grande ás fuás la- 
droices , pelo que fe negociava com os 
Regedores ^ pêra que foifem dilatando o 
tempo y ajuntando dle da fua parte nore^ 
ou dez mil Mouros pêra ver fe. com aífal- 
tos podia eftorvar a obra. Entendendo o 
Opitao Mór as dilações dos Regedores^^ 

e 



Digitized by VjOOQIC 



* Década X Caí. V- i6t 

e fendo avifado da gente que o Cuiihalé 
Marca tinha ajuntado j determinou (fem 
embargo de todos os inconvenientes) come^ 
^r a obra còm parecer de Mangate Achem i 
que fó achou nefte negocio fid dafua par^ 
te } e porque além das achegak que elle le^ 
rara tinha chegado João Cajado de Gam*^ 
boa coiii a eafila que trouxd dt Baçáim , o^ 
qual tanto que chegou a Gòa ^ ò iHandoU 
o Vifo-Rey logo a Panane , pòz logo mão» 
á obra , e deo a primeira ehxadada no ali-^. 
cerfe a 21. de Dezembro, dia do Apoftòlo 
S. Thomé , Patrâò de toda a Indiâ , qué 
com razão houvera de fer tão Veilerado nel-* 
la y como 8i Marcos em Veneza , defcuido 
muito pêra fe reprehender a todos osVifo-^ 
Reys paflados 3 que havendo de teí ria Ci-» 
dade de Goa, como Metrópole defteEftado 
da índia, o maior, emais fumpttiofo Tem^ 
pio delia, dedicado aoBemavénturadoSan-* 
to 5 foi tão pouco venerado que em nenhu-* 
ma das Cidades noflas houve Câfa ^ Capela 
la , ou Invocação fua até o tempo dò Vifo-* 
Rey D* Conílantino ^ que no campo átSé 
Lazaro lhe começou hum muito fumptuofd 
edificio de pedraria lavrada de alínofadi-^ 
Bhas ao modo dos Paços íióvòs, queElRey* 
D. Jtfão o IIL de gloriofa memoria co-* 
meçou emXobregas, o qual deixou imper* 
feito : dahi.a muitos anaoa fe fez hum» 
C(fufo.Tofa.FI.P.Iu L po- 



Digitized by VjOOQIC 



tit ÁSIA DE Diogo de Covro 

pobre caík nos arrabaldes da mefma CIda* 
de , indo da rua de Sr Paulo pêra S. La-r 
«aro , a qual o Arcebifpo ordenou em Fre^ 

giezia , e ainda eftava y e efieve até ao pre^ 
nte quaíi hum alpendre , e já Deos inf» 
pirou nos freguezes que lhe fizeíTem hum 
arrazoado Templo , como fe vai fazendo : 
f em nenhuma Cidade da índia fabemos 
4eCafa, ouCapella fua; mas parece que o 
quer elíe allim , porque já que a Aia pró- 
pria Cafa , que eftá na Cidade de Malia- 
por , onde eile jaz , e que delie tomou o 
i^ome , he lá mais venerada do próprio gen- 
tio idólatra que dos Portuguezes y e Chri-^ 
ftáos , porque ^de muito longes terras le 
lhe vem offerecer com muita devoção , e 
cada dia faz entre elies muitos , e grandes 
9iilagres , parece que não quer eftar em 
parte, onde feja menos venerado. 

Fizemos efta digrefsão pêra confusão 
dos Portuguezes defte Oriente ; e porque 
pôde fer permitta o Senhor que lendo al« 
gum Rey de Portugal , ou algum Vifo-Rey* 
da índia devoto defte Santo , nefta noíla 
hiftoria tamanho defcuido , fe mova a lhe. 
fazer alevantar Templos fermoíiifimos em 
todas as Cidades da índia , como he ra^o 
€}ue tenha , porque he feu Patrão , e Advo» 
g^do* E tornando ao noíTo fio: pofto Kuy 
Gonfdlvet da Camera em terra com toda a 



Digitized by VjOOQIC 



r Década JC. Cap* Vt 165 

^ííte em armas , começou a abrir os alicerfet 

por aquella parte que comparámos á gain 

ganta do Tubarão^ efoí cortando^a de xnár 

amar, trabalhando dedia^e de noite fetor^ 

liava â recolher á Armada , deixando ^cxx 

homens em terra repartidos em três quar^ 

tos pêra vigiarem y por ter por novas qud 

a gente do Cunhale eftava menos de légua, 

Deíles quartos eram Capitães João Furtado 

de Mendõça , Bernardim de CafvalHo , é 

Pedro Homem Pereira ) e a outra noite fi4 

cavam outros jToo* homens debaixo da mc& 

ma bandeira ^ e aílim coi^ría toda a genttf 

da Armada aos quartos , e aos dias limita* 

dos ; e com tanto rèíguardo faziam eíteé 

Capines Tuas vigias , que com hum reba*^ 

te faifo que ò Capitão Móf itiatidou dar^ 

achou todos eni ordem de batalha ^ é tâa 

efpertos , que líão hbuve perturbado eoi 

coufa alguma t aífinl como fe hia abrindo 

f cava, fe hiãm mettendò os pios de teca 

em diftancia hum do outro j que pudeífe^ 

mos defender paflar huma peíToà por ehtrd 

elles ; e tanta preíTa fe deo , aúe em pôU'- 

cos dias fechou aquella parte aèmar^ cònl 

que os hoflbs ficavam já feguros ^ é repai« 

fados 5 fem em todo elle fempò os Mou-^ 

fos i nem os Naires 5 que eftávam peitados 

do Cunhále , bulirem comíigo , porque Man** 

gate Achem trabalhou tudo 6 <^u«Kj)odc 

- ? L ii por 



Digitized by VjOOQIC 



f 64 ÁSIA CE Diogo de Couto 

por nao vir o negocio a rompimento. Fe-^ 
chadas as tranqueiras , mandou o Capitão 
Mór prover de artilherla neceíTaria , c ef^ 
ereveo ao Vifi>Re)r do modo em que a 
íbrtificaçáo eftava, engrandecendo*a tanto, 
que llie dizia na carta c[ue quem vieíTe to* 
Inar poíTc delia > podia dar homenagem 
como do Caftello de Santo Angelo , ou do 
Burgo de Meuria , pedindo-lhe que man- 
daíle logo as coufas neceíTarias pêra a via-^ 

Sem do eftreito , porque era tempo , e le 
cava fazendo preftes João Cavado deGam-* 
boa , que não levava ordem do Vifo-Rey pêra 
mais , oue pêra pôr a cáfila em Panane , e 
yoltar« Fello affim , gaftando alH três dias; 
ep^rtindo-fe com osfeus navios pêra Goa, 
^ncontroiu em Mangalor ílnco Manchuas 
da Rainha de Olaia, que eftava alevantada; 
e commettendo-as , as fez varar, e agente^ 
Sc recolheo á terra y ficando-lhes as vazi-^ 
lhas nas mãos com todas as armas ^ e com 
efta preza chegou a Goa* 



CA- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X* Cap. VI.. ' 16 f 

CAPITULO VI. 

De como D. Jerommo Mafcarenbas fe defi 
avtio com o Vtfo-Rey fobre a ida a 
Panane : e de como foi por Capi- 
tão Ruy Gomes da Gram. 

TAnto que o Vifo-Rey teve cartas de 
Ruy Goofalvcs da Caxnera , logo tnan*^ 
dou dizer a D. Jeronymo Mafcareníias por 
João Alvares Soares , Vedor da Fazenda, 
que fe fizeflfe preftes pêra fe ir a Panane; 
e como elle tinha muito diíFerente inforr 
mação da fortificação do <jue efcrevéra 
Ruy Gonfalves, porque lhe tinham efcrito 
de lá alguns amigos , que não eííava feitc]^ 
mais que alguns páos de teca mal mettir 
dos na terra , muito largos, e als[uns cor« 
tados pelo meio , que com a enchente d4 
maré , que cubria grande parte da tran-r 
queira , fe arruinava ; e juntamente com 
iílo tinha fabido como Ruy Gonfalves ti-r 
nha tratado em fegredo com o Vifo-Rey,* 
que tanto que lhe entregaíTe a Fortaleza j 
tomaíTe a Armada que quizeíTe pêra ir ac^ 
cftreito de Meca , o que até então fc lhe 
incubria pelos empreftimos que oVifo-Rey 
pêra iíTo pedia i Cidade , que lhe elU 
não concedeo , tendo-lhe dito que Ruy 
Gonfalves havia de ficar na coila do Ma- 
la- 



Digitized by VjOOQIC 



t66 A ST A 0B* Diogo de <!buTo 

lavar com, toda a Armada , do c^ue já D, 
Jeronypto andava como tomado , porque 
«íhiva entendido levar Ruy Gonfaíves pcrã 
p eftreito os melhores navios , os melho-r 
res Capitães, e a melhor foldadcfca,e ar- 
tilheria que lá havia ; e que o que pqdia 
deixar em Panane feria o engdtado aelle, 
pom o que aquella nova fortificação ficaria 
flefabrísada da Armada do mar , e não 
muito legura, com a^arni^áo que lhe po- 
dia ficar 3 com o que fe poria a rifco de. 
fe deshoaran Coniideradas eftas coufas , 
refpondeo ao Vedor da Fazenda que fe 
nconfelharia naauelle negocio com feuspan 
rentes \ e que Ib elle foífe a Panane , não 
íe havi4 de obrigar á Fortaleza , fcnão da 
maneira que a achaíTe , porque eftava infoi^ 
mado que a fortificação de que Ruy Gon-^ 
falves fazia t^nto cabedal , não era mais 
que huns páos efpalhados pela terra , como 
CS dentes de cão: que como fe aconfelhaí^ 
fe , elle mcfmo lhe levaria a refpofta ; e 
como p.Jeronymo fe queixava já publrca^f 
snente do Vifb-Rey o enganar , não lhe 
faltou quem lho contaíTe , e lhe aíFrmaíTâ 
que D, Jeronymo lhe havia de engeitar a 
jornada ^ o que elle quiz atalhar, e ganhar^ 
lhe por mão , por não chegar com elle a ra-» 
26e9 de rofto a rofto , e Ihp efcrcveo huma 
carta , em que lhe dizia , que primeiro quç 



Digitized by VjOOQIC 



Década X, Cap» VI. í6f 

lhe refpondeíTe á ida dePananc, elle o ha- 
via por defobrigado delia, e da palavra^ e 
cocti ido mandou com muita prefla cha* 
mar Ruy Gomes da Gram , que eftava em 
Carapado » pêra o mandar a Panane« D* 
Jeronymo ficou ággravado daquclle termo 
que o Viíb-Rej com elle teve , e publica- 
mente fe começou a queixar delle , e dizia 
a refpofta que tinha pêra lhe dar fobre 
dquelle negocio , já que lha elle não quize^ 
ra ouvir : e aílim ficaram defgoftofos hum 
do outro y e ambos fe queijíavam ^ e falia* 
yam^ 

A Almadia aue foi chamar Ruy Ga» 
mes chegou em dous dias a Carapatâo ; e 
achando-o alli , lhe deo a carta do Vifa» 
Rey ^ com o que fe fez logo á véla perá 
Goa, e chegou pelas oitavas do Natal, è 
fe yio com o Viíb-Rey , que o commetteo 
com a Capitania de ranane , fazendo-lhd 
grandes promeíías , e vantagens , encare- 
cendo-lhe , c certiíicando-lhe que aguella 
«ra a coufa de que por então Elkey íe ha- 
veria por mais fervido de todas , e a em* 
5 reza mais honrofa da índia. Ruy Gomes 
leacceitou a jornada, deixando pontos de 
honra , e não tratando de D. jeronymo 
Maícarenhàs lha engeitar , bicos mui ordi^ 
narios entre os Fidalgos da índia , pelos 
quaes muitas vezes fe perde o ferviço do 



Digitized by VjOOQIC 



f68 ÁSIA DE DiÓGO DK COUTO 

ElRey ^ que fe houveram muito de eíha^ 
nhar entre homens , que sãò no Mundo ha- 
vidos por exemplo de lealdade. OVifo-Rcy 
lhe paíTou logo fuás ProvisÓes , e Ihç deo 
todos os poderes no mar , e na terra de 
Capitão Mór do mar , como lá tinha Ruv 
Gonfalves da Camera ; e com a mór brevi* 
dade que pode o defpedio em hum Catur 
ligeiro a S^ de Janeiro defte ^nno de 15*86; 
em que entramos , levandp em fua compa-^ 
nhia fete navios ^ de que eram Capitães 
D, Migael de Caftro , Avres da Silva , TriC- 
tão Vaz da Veiga , Fradique Carneiro i 
FrancifcQ de Soufa Pereira , Francifco de 
Soufa Rolim , Gafpar Fagundes , que os 
mais delíes hiam pêra a jornada do eíbei^ 
to, tendo oVifo-Rey mandado diantcuhum 
GaJeão , de que era Capitão hum Diogo 
Lopes da obrigação de Ruy Gonfalves, 
com bifcoutQ , mantimentos , munições , c 
outras cpufas pêra a Armada do eftreito, 
c logo apôs Ruy Gomes, defpedio oViíbr 
Rey huma Galé , Capitão João Barriga Si?» 
QfiÒes Gom as vias pera o Reyno , nas 
quaes novamente efcreveo a ElRey as mu* 
danças que houve nos Capitães , abonan-:* 
do-íhe muito o ferviço que Ruy Gomes 
da Gram lhe fazia de acccitar Panane : e 
nefta Galé mandou doze mil pardaos pera 
os gaftos da Armada de Ruy Gonfalves 4. a 



Digitized by VjOOQIC 



f DfecADA X, Cap; Vt* \ 169 

hum quartão muito fermofo guarnecido de 
veludo, c prata pêra apcíToa doÇamorim. 
Ruy Gomes deo-fe tanta preíTa , que chie^ 
gou a Panane a 15'. dias do mez de Janei- 
ro , e Ruy Gonfalves logo lhe entregou a 
Fortaleza , e fe embarcou pêra Cochim 
com toda a Armada que havia de levar 
pêra fe aviar , e partir de lá. João Barriga 
Simões, depois. cue entregou o que levava 
em Panane ^ paílbu a Cochim pêra dar as 
vias, e já nao achou mais que duas náos 
S. Francifco , e S. Lourenço , porque o 
Santo Alberto era partida já : eftas duas 
vias , e a outra que havia de levar Santo 
Alberto, tornou a levar ao Vifo-Rey, que 
deo a Diogo Távora , Capitão da náo S» 
Francifco , numa Provisão , em que o Vifo- 
Rey o nomeava por Capitão Mòr das náoe; 
Jt porque Fernão Cotta Falcão , que veio 
na náo S, Lourenço , ficava na índia , foi 
nella por Capitão Reimão Falcão , filho 
de Simão Gonfalves Preto o Chanceller 
Mòr do Reyno ; e da náo S. Lourenço z^ 
diante daremos razão do que lhe iuccedeo 
pa viagem* 



CA* 



Digitized by LjOOQIC 



I^ ÁSIA VE DiOGd BE COUTO 

C A P I T U L o VII. 

Dã grande Armada com que Ruy GonfaU 

ves da Camera partio pêra » eftreitô 

de Meca : e de como o J^phRey mandou 

por Co/me Faya lançar na cofia da AiaJ^ 

fia "João Baptifia Èriti , e que homem 

. era efie : e dos Capitães que foram en^ 

, trar emfiias Fortalezas. 

NK6 pode fer do bem encoberta a jor* 
nada de Ruv Gonfalves , aue logo 
em fe praticando le vAo vieíTe a laber , e 
eflxanhar , por fe haver por coufa deínecef* 
faria , e que fe nao fazia fenâo fó pêra fe 
fazer a rontade a Ruy Gonfalves , o que 
foi muito murmurado , e quaii fe profeti* 
%oa o defaftrado fim que veio a ter ; por» 
que hum certo Fidalgo noa contou que ef* 
taúdo em huma Igreja áMiífa, ouvira pra* 
ticar nellá dous Cidadãos velhos ; e lança* 
da a orellia , diife hum delles : » Sabei que 
» 9(Iim como não pôde vir á índia Arma- 
» da de Turcos que fe não perca , aíEm 

> não pôde ir nenhuma noíla ao eftreitd 

> de Meca que não tenha o mefmo fim » 
trazendo exemplo das vezes que os Tur- 
cos paíTáram i índia , e das noflàs Arma« 
das que foram ao eftreito,'aque aconteceo 
tantas defaventuras , como fe venio na IL 

• í c 



Digitized by VjOOQIC 



r Década X. Ca?. VL * ty.! 

t in. Década de João deBaiTos; e fe qui- 
serem perguntar , e tomar conta de quem 
teve a culpa das defavenças ençre o Vifo-* 
Rev , e D.Jeronymo, e do defaftrado fim 
deUa jornada , acharemos toda fobre Ruy 
Gonfalves da Camera , que de foffrego de 

Suerer ambas as jornadas , as fez fem or-*" 
em , e fem tempo ; porgue fendo elle 
foldado velho na índia , oem entendida 
tínha que fe hia com tamanha Armada a. 
balear Galés, que elías fahemfóra ^laquellç 
eílreito em começando os levantes , que 
he entrada de Novembro , como já tinha 
lahido huma pêra a cofta de Melinde , d<r 
que logo daremos razão ^ e fe tornaram a 
recolher por fim de Abril , tempo em quo 
as m>íra8 Armadas j4 alU não podem eftar : 
e na verdade que efte Vifo-Rey nâo teve 
culpa na Armada , pois ElRey lha mandai 
ya fazer , como diziâo , nem na eleição de 
Ruy Gonfalves , que era hum Fidalgo ve-* 
lho , e bom cavalleiro ; mas fó teve a cul* 
pa de fe governar tanto por elle , Qué 
çommetteo aquella jornada fem confelho aot 
Capitães da índia, porque nem a Cidade^ 
pcm elles lhe foíFem á mão , o que lhe veio 
de muito bom coração , e de multa bonda« 
de , pela qual fe tinha entregue a parentes ^ 
]p na mais pureza com que. governou eíté 
pilado ^ fever4 bem a 4?faSeiçãa que ícca^ 



Digitized by VjOOQIC 



t/t ÁSIA DE Diogo »b Couto 

pre teve as coufas , que podiam pór hurnst 
muito pequena nódoa em fua confciencia , 
e fidalguia: e muito antigo he de algumas 
defordens que alguns Vifo-Revs , e Gover- 
nadores fizeram , terem a culpa os paren- 
tes , que muitos tratam mais do feu parti* 
cular , que de honra dos Vifo-Re/s ; e nâò 
deixaremos (pois cahe a propofito) de 
oontar hum cafo efpantofo que aconteceo 
a hum Vifo-Rcv , homem victuofo, e bem 
prudente. A efte fazendo-lhe hum^ parente 
fta ai&nar huma Provisão , fegunda di^ 
ziam^ injufta, bem contra fua vontade, di- 
sem que diflera ao aífinar : Mão que tal 
sjjina , bem merece cortada ; e aí&m fe vio 
depois ) o que pareceo permifsâo Divina^ 
porque indo pêra o Re^no , falecendo no 
mar , mandou que lhe cortaífem o braços 
direito , e que mo levaflem a Portugal , or 
que feu corpo foífe lançado ao mar; e por 
certo que pela caftidade , juftiça , piedade , 
c mais virtudes que efte Vifo-Rey teve, 
fe pôde crer que eftará na Gloria , e que 
fatisfaria com Deos o cortar do braço ^ 
com que lhe fez aquelle ferviço , do qual 
depois faria emenda ; e efta era a razM, 
por que os Romanos , em quanto florecd^ 
Tam , não confentíram levarem os Confules 
ás guerras nenhuns parentes , fegundo Ai% 
Júlio Ceíàr em huma Epifiola a Athico , 

por 



Digitized by VjOOQIC 



e Dbcada X. Cak VII. \ Í7% 

fòr evitarem eftes exceíTos , e defordens; 
que algumas vezes faziam : e daquelle fa- 
mofo Cleon fe lé , que quando entrou no 
governo de fua Republica , fe defpedio 
dos parentes , porque entendeo que não fe 
podia confervar aquelle Re^no , quando 
elles andaíTem de permeio ; e tomando ao 
Boífo fio , o Vifo-Rey antes de defpedir 
Ruy Gomes pêra Panane , o fez a hum na« 
vio muito ligeiro , que já tinha preftes ^ 
do qual era (!apitão Cofme Faya , homem 
muito prático . nos eftreitos pêra ir ao de 
Meca efpiar as Galés , pêra que em che« 
gando Ruy Gonfalves com fua Armada^ 
achar na boca daquelle eftreito novas do 
que lá hia ; e com elle mandou embarcar 
jfoâo Baptifta Briti , pêra de caminho o 
lanpr em Macua pêra dahi paíTar ao Im« 
peno de AbaíEa a negócios a que o Papa 
o mandou ; e porque ierá bem faber^fe que 
homem era eíte , e ao que hia , daremos 
;iqui brevemente relação delle. Succedenda 
na Silha Pontifical por morte do Papa Pio 
V. que faleceo pelos annos do Senhor de 
ifSi. , o Pontifice Gregório XIII. Clérigo 
Cardeal que foi de S. Sifto , que de zn^ 
tes fe chamava Hugo Bomcampanhú Bolo^ 
nhez j o qual não fe defcuidando de fut 
obrigação , Quiz mandar ao Império àe 
Abafiia hum Patriarca ^pera iníbiiiraqiidlfi 

Chri- 



Digitized by VjOOQIC 



ff4 ÁSIA DfB Diogo óECatrro 

Cbriftandade nos coftuines Romanos^ ptH 
inftancia com que por algumas cartas Uio* 

Sedia aquelle Rey , e a fazer-lhe a fabei* 
e fua fuccefsâo, e aconfolar aquellaChrw 
ftaudade tão remota , e apartada da Igreja* 
Romana , e a tomar inrormctçâo de fuasf 
coufas pêra as prover , como tinha por obri-» 
gação ae feu oíficio, ordenou que efte Pa<* 
triarca fofle cm trajos mudados , e como 
forafteiro , pelo perigo que èorria fe fofler 
de outra lorte , nem feria poflivel poder» 
paflar lá ; e praticando com os Cardeaes , 
o de Medice lhe inculcou efte João Baptif*. 
(a Briti , que era de fua obrigação , Frade 
de S. Francifco , namral do Reyno de Na-*. 
polés j varão de muito boas letras , grande 
^ilofofo, e de muito vivo entendimento; e. 
juntamente com efte homem mandou o Sum-^ 
mo Pontiíice outro chamado João Baptifta 
Vaquete Florentino y da mefma obrigação 
dos Medices (que he de que já atrás ral-» 
lámos) pêra a Perfia com cartas ao Xá 
mui importantes á Chriftandade , que no$ 
cá i^o fouberam dizer; mas deviam de fer 
a perfuadillo que fe defendeíTe bem da 
Turco , e que fe lhe fizeífe toda a guerra 
^e budeíFe , porque aíTombrou muito a 
Clhriícandade de verem o pé que ellc ti-i 
fiha naqueile Reyno com aqueuas Fortal&« 
itt> e muito mais agora com a dcTabrlz^ 

qw 



Digitized by VjOOQIC 



r Década X. Cap. VII. * x>r 

que lá efpantott a todos. Eftes homens am«- 
bo$ defpachou o Santo Padre com fuás ca]> 
tas , e mftrucçóes , e em trajos de Merca- 
dores fe paiTáram a Tripoli de Suria , e dal-» 
li fe apartou o Joáo BaptiAa Vaquete pêra 
a Períia ^ e foi recebido do Xá mui bem ^ 
e lhe deo as cartas y e tomou a refpofta ^ 
com que efte veiáo paífado chegou a efta 
Cidade de Goa , e fe embarcou pêra oRey^ 
no nas náos paíTadas , e o Vifo^Rey D; 
Duarte lhe deo gazalhados , e dinheiro pe^ 
ra fuás defpezas, ejoáo Baptlfta Briti apar« 
tou-fe delle na Suria , e metteo-fe em huma 
cáfila pêra Baçora j e dalli em huma Ter-» 
rada pêra Ormuz , e no caminho foi íaU 
teado dos Niquilús , e roubado ; e a hum 
companheiro que trazia, grande fundidor ^ 
aue o Sanjco Padre mandava ao Prette João ; 
Ine cortaram as mãos , e os deixaram : af« 
£m foram ter a Ormuz eíte verão , donde 
o companheiro das mãos cortadas fe tor« 
nou pcra a Europa, eelle veio a Goa, on^ 
de deo cartas do Cardeal de Medices pêra 
o Conde D. Francifco Mafcarenhas , que 
ainda quando elle partio governava a ln« 
dia, nas quaes lhe encommendava da par^ 
te do Santo Padre déífe ordem com que 
^queile homem paíTaíTe á Àbaflia , porque 
hia a negócios que importavam, Èftas cari* 
us deo elle ao Vifo-Rey D« Duarte (^ as 
i çf- 



Digitized by VjOOQIC 



tyS'' A SI A DE Díodo ue GoVto 

^imou muito , e lhe deo dinheiro perá fe 
fazer preftes , e fe agazalhou em cafa de 
Filippe Safete , Feitor dos Baifares ,- pêra 

2uem trazia cartas, oode nós o fomos vi«^ 
tar 9 e foubemos de íua jornada , e por 
pfta razão o Vifo-Rey D. Duarte o nego^ 
fiou pêra a Abaffia , e por elle cfcreveo 
cartas ao Imperador , e o mandou embar-> 
car com Cofme Faya , como diflemos. Efte 
navio partio de Goa a 15'. de Dezembro 
de ifSy, e de fua viagem adiante dare- 
mos razão ; e porque acoíh do Norte fi- 
cava íem Arniada com a vinda de Ruy 
Gomes daGram, defpedio oVifo*ReyJoãa 
Cayado de Gamboa , que tinha chegado de 
levar a caíila a Panane , como atrás diG* 
femos j com finco navios , de que eram 
Capitães D. Gileanes de Noronha , Diogo 
de Reinofo de Souto-maior , D. Luiz Lo- 
bo , Domingos Alvares , e Jorge Nunes ; e 
d,o que lhe aconteceo adiante daremos ra-^ 
zão« Ruy Gonfalves da Camera , tanto que 
chegou a Cochim , deo preíTa á fua Arma- 
da , e a ro. de Fevereiro fe fez á vela : le* 
vava quatro Galés, dous GaleÓes, e vinte 
navios : os Capitães das Galés , a fora el- 
le y que hia em huma , eram D. Jorge da 
Gama , irmão de D« Francifco da Gama , 
Conde da Vidigueira , Pedro Homem Pe- 
reira y e Simão Moniz da Camera v- do& Gar« 

leões 



Digitized by VjOOQIC 



btcADA X. Cap. VI1< 177 

íeèes D. FraiicifcoMafcarenhas, Chriftovãd 
da Veiga , e dáá t^uftas D. Antorfio Ma- 
noel , irmão do. Conde dá Atalaya ^ D.v Mi- 
fuel de Caftra , Duarte Moniz Barreto ^ 
). Atitonio Manoel de Santarém ^ D. Ma- 
noel de Lima , P. Jorge de Almada , Ayres 
da Silva , João da Silva , Fernão Gonfalves 
da Càmera , filho do Goqde da Câlhietá^ 
Diogo Vaz da Veiga ^ e Triftão Vaz da 
Veiga feu irmão j Roque fia Fonfeca , ir- 
mão do Arcebifpo D* Fr. Vicfentc da Fon- 
feca , André de SQufa Coutinho , joãò Ra* 
drígues Cabral ^. Francifco de Soôfa Perei* 
ra , Fadriquc Carneiro ^ António Coelho j 
D. Gaftãd Coutinho ^ António Gonfalves de 
Menezes y e hum Foão Pinheiro , que hia 
na Manchua do íerviço do Capitão Mòn 
Dada á vela , forao feguindo fua viagem | 
de que adiante daremos razão« No mefmo 
tempo partio o Alferes Mór D. Jorge de 
Menezes com du^s náos fuás pêra ir entrar 
na Capitania de Moçambic^ue j por acabar 
feu tempo Nurio Velho Pereira, que lá ef» 
tava ; e foi também entrar na Capitania ác 
Ormuz João Gomes da Silva , por ter aca* 
bado feu tempo Mathias de Alouquerijue^ 



Couto.Tm.FI.P.Íi. M CA- 



Digitized by VjOOQIC 



178 A S I A J>t, Diogo vis. Couto 

CAPITULO YIII. 

J>e ama buma Galé de Turcos foi ter ã 
, Cofia de Melinde : e dos damnos que 
por ella fez : e de como cativou iC^* 
que de Brito. 

HUma das couías que o Turco defeja- 
va muito ) era mecrer pé na còfta de 
Melinde pela muita copia que lhe diziam 
havia por toda ella de madeira y de que po* 
<lia fazer Galés , náos , e todos os mais 
navios qbe quizeíTe com o que ficaíTe fe- 
nhor do mar da índia ^ porque efte era hum 
olTo que não podia engolir , como lá dizem , 
ver os Portuguezes fenhores de tpdo elle , 
e que nem de dentro do eftreito deMcca, 
nem de toda a cofta da índia podiam en« 
trar , nem fahir náos fem falvo condu(flo 
feu , com o ^ue além da perda que niíTo 
recebia , o havia por aíFrohta , e meno8-ca« 
bo de fua grandeza ; e mandando nefte tem- 
po por Vifir das Arábias (que he aquella 
terra , a que os Perfas chamam Avmáo ) 
Amirafenaii , de nação Albanez , liomem 
mm bem inclinado, e amigo deChriftãoS) 
por feus pais o ferem , o qual era muito 
acceito ao Turco • e como tal o fez Super- 
intendente de todos os Baxás , que elle 
tínha por todas aquellas partes delde Me- 
ca 



Digitized by VjOOQIC 



Decàda X. Cap. VIIL 179 

ca até Adem, e mandou quereíidifle naG« 
dade de Hanaá , que eftá íiruada em meio 
da Arábia Feliz em deriedor de vinte « 
dous gráos da altura do Pólo Artico , feí« 
fenta léguas pelo certâo da Cidade de Ju« 
dá a Norte, e outras tantas da Cidade de 
Far , de manisira aue fazem todas três hum 
triangulo» Efte Mirafenaii ^ domo hiamog 
fallando , trouxe por ordem do Tui-co teu-» 
tar eíta viagem ^ a que logo quli2 dar exe-^ 
cuçao ^ e praticou fobre mo com Mouros 
práticos naè coufas do mar , t que já ti^ 
niiam navegado pêra aquella cofta de Mé- 
linde , os quaes fizeram a joriíada fácil ^ t 
lhe feguráram delia grandes thefòuros, Conl 
o que movido da cubica ^ mandou ein Me^ 
ca negociar duas Galés 3 e elegeo peta a 
jornada hum Mouro chamado Alibeç ^ ho^ 
mem^ efperto lias coufas do mar, fobefbo, 
arrebatado 3 mas de pouco goyemo ^ e Ibé^ 
deo poí regimento que foíTe notar os fi- 
tios j e portos de toda a cofta de Melinde ^ 
e qual delle feria melhor pêra fe nelle fa-^ 
zer hum Forte , e que apalpaífe todos aquel- 
les Reys ^ e trabalhaíle pelos fazer aò feU 
ferviço com promeíTas grandes 5 e que lhe» 
affirraaíTe que logo havia de maridar cabef* 
dal baftante pêra lançar os Portuguezes fá^ 
ra dalli , e ainda de Moçambique , e das 
Minas de Cúamá« O Mlr Alebec doo tân« 

M ii ta 



Digitized by VjOOQIC 



i8o ÁSIA DE Diogo de Couto 

ta prcíTa ás Galés , que em começando of 
levantei) , fahio fora do eftreito , e como 
deo nos mares largos , abrio a Galé de fua 
companhia de feição , que lhe foi forçado 
tornar-fe a recolher , e elíe foi fó fazendo 
fua viagem com bom tempo , c a primeira 
terra que tomou, foi a Cidade deMogada- 
JLO y e da barra mandou recado aos Rege- 
dores em que lhes fazia a faber de lua 
chegada, e que partira com huma Armada 
groíla , que vinha atrás , por mandado do 
Grão Sennor , pêra metter debaixo de fua 
fujeição todos osReys, e fenhores daquel- 
la cofta : que o8 que logo quizeíTem obe<- 
decer, feriam recebidos bem, e lhes fariam 
muitas honras , e mercês ; e que o que fof- 
íe contumaz , feria aíTolado , e deilruido 
de todo. Com efte recado acudiram os prin- 
cipaes da Cidade a lhe darem obediência ^ 
e lhe levaram huma quantidade de dinhei- 
ro pêra as defpezas da Armada , porque 
lhes não faqueaíTe a terra : alli armou al- 
guns pangaios , em que fe embarcaram 
xnuitos Mouros pêra o acompanharem , pro- 
mettendo-lhe parte das prezas. Dalli foi 
ter ás Cidades de Brava , Jugo , Patê , e ás 
mais , as quaes logo lhe obedeceram , e fe 
iizeram os feus Reys , e Governadores vai?- 
fallos do Turco , e em todas lhe deram di- 
nheiro: çm Fate^ que foi a derradeira da- 

quel- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X; Cap. VIIL i8i 

2Qellas , achou huma naveta do Capitão da 
>ia, que teria dez, ou doze Portuguezes, 
e a tomou , fem fe lhe defenderem. As no- 
ras dos Rumes (que aífim chamam em to- 
da a índia os Turcos) foram logo corren- 
do por toda a cofta abaixo até chegar a 
Ruy Lopes Salgado , Capitão da coita de 
Melinde ; e chegando aquella voz de iò/- 
mes , Rumes tão arreceados de todos , fem 
dizerem o numero das Galés , aílun aíTom- 
fcrou a todos , que ajuntando-fe os Merca- 
dores y e Chriimos que havia por aquella 
coita y fe recolheram a Melinde , aonde 
com o favor daquelle Rey fe fortificaram o 
melhor que puderam; e embarcando-fe de 
feição , que não lançaram efpias pcra fa« 
berem de que fe recolhiam , e pêra man- 
darem avifar as náos de Chaul , e Baçaim y 
3ue cada dia fe efpcravam , que por efte 
efcuido lhe foram cahir nas mãos ; e tal 
andou efta Galé , que á mingua fe perdeo^ 
porque fegundo a fegurança , e dcfcuido 
com que fe deixou andar por todos aquel- 
les portos , facilmente fora tomada com 
quaesquer embarcações, porque não trazia 
mais de 8o. homens de peleja, fem 'ordem, 
e fem vigia , como fç andaram por fua ter- 
ra. Roque de Brito , que acabara de fer 
Capitão daquella cofta , eftava áquelle tem- 
po na Ilha de Lanço ; porque indo pêra a 

In- 



Digitized by VjOOQIC 



i8z ÁSIA DE Diogo de Couto 

índia em Setembro em huma naveta , ú^ 
pha-fe perdido , e em outra embarcarão fe 
íalvou com toda a fazenda que alli tinha^ 
Chegando-lhe novas dos Turcos eftarem em 
Patê , não fe dando pòr feguro na Ilha ^ 
paíTou á terra firme á Cidade de Luziva 
cora feguro daquelle Rey , que o recolheo 
em fua cafa com a gente de fua compa-i 
fihia , que feriam quinze peíToas entre Por^ 
tuguezes, e meftiços. OAlibec foi avifado 
delie pelos Mouros , que lhe affirmáran\ 
eftar mui rico ; e indo^fe pôr fobre aquella 
barra , tratou com ElRey por recados que 
}ho entregaífe , que lhe não buliria na ter- 
' ra, fenão que foubelTc que o havia de defi 
truiR. Era eftçRcy hum Mouro muito ve-i 
lho , e cego , que tinha tomado aquelle 
Reyno a hqma fenbora , cujo era de direi- 
to , da Qual adiante daremos razão ; e tal- 
manha le deram os Aiouros de Patê , que 
findaram nefte negocio , aue perfuadíran^ 
4)s principaes da Cidade a fazerem comEl- 
Rey qi^e fizefTe aquella entrega dos Portu- 
gueses , pêra com iíTo^fegurar fua peffoa, 
e terra ; e tanto fi'{eram com ElRoy, que 
lhe mandou dizer que fahiíTe elle em ter-i 
ra 9 e os íbíTe tomar , que elle lhes dana 
pêra iíTo ajuda, c favor. Com ifto lançou 
oAlibec trinta Turcos em terra com huma 
companhia dos Mouros que o fegui^m , e 

for 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?, VIII. iBj 

foram commetter as cafas de ElRey » fem 
Roque de Brito faber parte deites tratos ^ 
fenáô quando ouvio o reboliço no pateo 
em baixo , com o que não teve mais tem^ 
po que de tomar huma efpada , e rodela , 
e fahir ao pateo com os companheiros com 
as armas que puderam ; e achando os Tur^ 
cos, os commettèram mui determtnadamen* 
te , esforçando eile aos que o íèguiam , e 
fazendo maravilhas ; mas como eftavam 
vendidos y foram logo falteadot dos mef» 
mos da terra , e tomados ás mãos y entra-» 
das as cafas de ElRey , e faqueadas todas 
as fuás fazendas , que fó a de Roque de 
Brito oiontav^a perto de vinte mil cruzados 
em ouro , e em ambre > entre o qual ha« 
via hum pedaço muito alvo y que tinha de 
pezo três mil cruzados , com o que fe rç* 
colheo y e os Portuguezes foram mettidos 
a banco. Feito ifto , tomou o Âlibec huma 
fíifia que alii tinha Roque de Brito y e a 
armou , e negociou , e lhe metteo Mouros 
da terra y e com ella^ e com os pangaios 
que foi armando por aquelies portos y já 
trazia derredor de vinte embarcações y e 
dalli fe tornou a Patê pêra fe ver com 
aquelle Kcj , de quem fazia mais cabedal 
pêra a íua pertençao. Succedeo que poucQ 
antes que chegaífe y tinha entrado huma náQ 
do Capitão deChaul carregada de fazeiKiay 

com 



Digitized by VjOOQIC 



!Í4 ÁSIA DE Diogo de Couto 

com mais de trinta Portuguezes ; e como 
eram cliegados de tão pouco , não tiveram 
ainda tempo de faberem da Galé , nem 
quem os avifaíTe , porque não tomaram ou-r 
tra terra. EAando bem defcuidados, appa^ 
receo a Galé com aquella Armada de pan-» 
gaios , com o que ficaram fpbrefaltados , e 
todavia puzeram-fe em armas , e fizeram a 
náo leites , e concertaram algumas bom-r 
bardinhas com tenção de íe defenderem z 
o Mir Alibec os foi commetter i c achanr* 
do-os tao determinados , houve que lhes 
não havia aquella *náo cuíbr tão barata , 
como a de Dio, pelo que perfuadio aRo-t 
que de Brito que mandaíTe recado áqueiles 
homens , que não quizeíTem morrer par-» 
voamente , que fe entregaíTem , que elle 
lhes faria mercê das vidas,. e liberdade da? 
peíToas, fenão que foubeffem que havia do 
metter todos á efpada. Sobre aquillo lhes 
efcreveo elle huma carta , em que lhe acon- 
felhou que fe entregaíTem , pois nâo perr 
diam mais que as fazendas ; porque pofto 
qqe os Turcos eram poucos , que todavia 
traziam todas aquellas embarcações cheias 
de Mouros que os ajudavam. Lida efia 
carta pelos da náo , ficaram divididos em 
dous pareceres : huns que pois lhe aflegu» 
ravam as vidas , e liberdade , que fe enr 
tregaíFem j outros que pois perdiani as fa? 

zen-- 



Digitized by VjOOQIC 



DicADA X. Cap. VIII. líj 

sendas , perdeffem fobre ellas* as vidas , e 
fe defcndeíTein até acabarem. Em fim de- 
batido o negocio , houve de vencer o defejo 
da vida, e mandaram dizer aRoquedeBri* 
ro que acceitavam a condição , que alli efta- 
va a náQ,'e as fazendas : o AUbec mandou 
trazer o Capitão , e os Portuguezes ; e que- 
brando-lhes a palavra , os metteo a banço^ 
e a náo foi faqueada y e roubada , e com 
ella. andou atoa por todos aquçlíçíi por- 
tos , refgatando as fazendas-^ ,^nchendo-fe 
de ouro , âmbar , marfim , e efcravos , em 
que gafteu até todo Abril , 'e tratou com 
todos aquellès Reys que mandaflem oiFe- 
recer vaíTallagein ao Turco , o que os de^ 
mais dellies ^eram ; e os de Mombaça , 
Calife 5 Patê , e outros ordenaram ^mbai» 
xadores perá mandarem çQtix o Alibec , 
pelos cjuacs mandaram ofFerecer ao Turco 
recolhimento riaquella Ilha. Com ifto fe 
recolheo o Alibec, e chegou ao eftreito a 
tempo que já era partido Ruy Gonfalves 
4a Camera dalli ; ç como a Gale era velha , 
chegando ao porto de Moca , fe lhe fez 
em pedaço^ , e elle fe partio com os car 
tivos peja a Cidade de Saaá , e os entre^ 
gou ao Bgxá que os eftimoU qiuito , e logo 
mandou Roque de Brito de prefente. ao 
TTurco , e os mais metreo ena num jardim 
j)çra trabalhareu) nelle y qnde qs tratos mui 

hun 



Digitized by VjOOQIC 



1Í6 ÁSIA DE Diogo de Couto 

humanamente , depois fe refgatáram poo* 
cos e poucos , e Roque de Brito morreo 
em Conftantinopla , eftando já refgatado 
em dous mil cruzados. 

CAPITULO IX- 

Do que fez Ruy Gomes da Gram em Pa^ 

nane , e tornon de novo a fortificar 

aquella Fortalezas e de como fe foi 

ver com o Çamorim. 

ENtregue Ruf Gomes da Gram da For- 
taleza de Panane^ e partido RuyGon^ 
falves pêra Cochim , fez alardo da gente , 
« navios que lhe fícavam , e achou huma 
Galé , de que era Capitão Bernardim de 
Carvalho , e vinte e quatro navios , Capitães 
D. Nuno Alvares Pereira , lilho do Conde 
da Feira , D. Bernardo Coutinho , Luiz Fal- 
cão , Gafpar de Carvalho de Menezes , Fran- 
cifco de Soufa Rolim , Chriftovão de Mel- 
lo, Duarte Mafcarenhas, Jorge de Mello, 
Jorge Barreto , Gafpar Fagundes , Eftevâo 
de Valladares , Pedro Vaz, Luiz deEfpino* 
la , André de Negreiros , António da CoC- 
ta Berrique , Manoel Carneiro , Ruy de 
Sá , Miguel da Maia , D. Pedro Real , Ma- 
noel Caldeira , Francifco Pinto Teixeira» 
Pedro Velofo, Domingos Alvares, Manoel 

da 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cai». IX. 187 

áa Veiga, Pedro Rodrigues Malavar, e ou* 
íros Fidalgos , e Cavalheiros fem navios, 
c trezentos e fincoenta foldados ; t achan^ 
do Ruy Gomes que o que eftava feito nâo 
lera nada , mais que páos mettidos na ter« 
ra , e tâo largos que por partes podiam 
£ntrar , e fahir , e que nÍo podiam foíFrer 
entulho , por eftarem mal mettidos , com o 
parecer dos Fidalgos , e Capitáes tornou a 
tirallos fóra y e enterrallos mais juntos , 
e tanto debaixo do chão , que pudeíTem 
fuftentar o pezo do entulho , que havia de 
fcr muito largo , e allím foi correndo com 
o tapigo de duas faces , o qual hia logo 
entulhando, andando elle com todos osFi* 
dalgos , Opitâes , e foldados na obra , e af» 
fim a foi acabando com muita preíTa ; e na 
ponta que ficava fobre o rio ordenou hum 
Baluarte com feus revezes, que refpondia- 
dalli ao bafar dos Mouros, e varejava todo 
o campo , e efta obra encarregou a Gafpar 
Fagundes , q«e havia de fer Capitão del- 
le , o qual acabou com muita induftria , o 
trabalho feu ; e no melo da face , ou tefta • 
do muro fez outro Baluarte muito fermo- 
fo, e no meio delle fe abrio hum fermofo 
poço de ama pêra gafto da obra ; e nefte 
Èaiuarte /e apofentou o mefmo Ruy Go- 
mes da Gram ; e na ponta do muro , que 
)iÍ9 f^har no mar, fe fez outro Baluarte; 

e 



Digitized by VjOOQIC 



fSS ÁSIA DE Diogo de Couto 

e quanto a maré de baixa mar de aguas 
vivas podia cubrir , correram com huma 
couraça de entrar no mar, porque como a 
maré alli efpraiava muito , deixava hum 
grande lugar aberto por onde fe podia en- 
trar, e no Baluarte nzeram algumas guari- 
tas com feus andaimes em roda ; e todas 
eftas eftancias guarneceo com FaIcÓes , e 
Berços dos navios ; e porque aquella par- 
te que ficava fobre o rio , que corria do 
Baluarte de Gafpar Fagundes pêra a barra , 
era huma grande diftancia, que ficava deí^ 
abrigada y aonde os navios náo podiam 
chegar , por fer tudo baixia , mandou o Ca* 
pirão Mòr fazer feus Baluartes pequenos 
em igual diftancia , e de hum a outro fe 
correo com huma tranqueira de madeira 
íingeta que baftava pêra aquella parte ; e 
polro que o Capitão teve nefta fortificação 
muito trabalho , o maior de rodos , e que 
mais lhe pezou foi curar as defconfianças 
dbs homens , porque havia muitos que lhes 
parecia que não eftavam feguros naquelle 
* Forte , pela pouca fé que o Çamorim colhi- 
mava guardar aos Portuguezes por induzi- 
mentos dos Mouros , mortaes inimigos dos 
Portuguezes , contra cujo parecer , e von- 
tade deo o Çamorim efte lugar pêra efte 
Forte , e receavam que com peitas , e com 
dadivas oviefiem ainda atranítornar^ eco^ 

mo 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?* IX. 189 

mo elle era ainda por natureza falfo , e 
fementido , não lhe daria nada de quebrar 
a palavra , antes folgaria muito de harer 
aquella preza ás mãos ; e que como en-* 
traíTe o mverno , em que lhe não podia 
vir foccorro de fora, osfofle cercar, elhes 
déíTe grande trabalho. Com eftas coníide* 
raçóes, e defconfianças havia fi;rande$ mur- 
murações , e ajuntamentos dos loldados fepa* 
rados , que não fallavam em outra coufa , a 
que o Capitão acudio pêra atalhar aquellas 
unióes , e fez algumas falias a todos , em 
que os perfuadio atirarem aquellas imagi-. 
nações , fegurando-Ihes que da parte do 
Çamorim nunca haveria falta na te , dan- 
do-lhes pêra iíTo muitas razoes y que Ihed 
não fatisfizeram, enão deixaram de remor- 
der todos os dias naquella matéria , é de 
fe moftrarem defcontentes , e defgoftofosj 
e ainda quaíi alterados. Vendo Ruy Gomes 
aquellas defordens, não achou já outro re- 
médio que ir ver-fe com o Çamorim , pêra 
que vendo os foldados a confiança que nel- 
le tinha , com fe ir metrer em leu poder j 
perdeflem o receio em que eftavam , e fi- 
caíTem com mais fegurança , e menos te- 
mor j c embarcando-fe na Galé , tomando 
alguns navios comfigo , foi-fe pêra Calecut , 
deixando a Fortaleza entregue a Bernar- 
dim de Carvalho ^ e chegando á bahia ^ 

man- 



Digitized by VjOOQIC 



ijío ÁSIA DÊ Dioâo DK Couto 

mandou pedir licença ao Çamorim pêra ú 
ir viíitar a fua caía , não querendo aguar-« 
dar as ceremonias y e pontos dos outro» 
Capitães Mores ^ pêra com iíTo o obrigaf 
a mais : eiie moftrou muito contentamen*» 
to da fua vinda y e lhe mandou a licença 
que lhe pedia , mas que fe deixaíTe eftat 
até lhe elie mandar recado y porque não 
havia de fazer negocio algum , fenão no 
dia que os Bragmenes lhe deíTcm ; e aílim 
efperou até que elles em feus ílnaes y e cal^^ 
culaçóes acharam bom dia y no qual Ru/ 
Gomes defembarcou rodeado dos feus Ca-* 
pitâes , e foldadefca , e diante dez alabar* 
deiros , e efpingardeiros de fua guarda com 
feu tambor , pifano , e trombetas ^ e na 
praia achou Mangate Achem feu Regedor 
Mór , c outros Regedores , e Parricaes , 

Í|ue o receberam muito bem , e lhe apre- 
entáram hum andor muito rico da peíFoa 
do Çamorim, e o quartão que o Viío-Rey 
lhe tinha mandado com a guarnição de ve* 
ludo carmezim pêra efcolher qual delles 
quizeíTe pêra fua peífoa ; e porque lhe pa- 
receo mais foldadefca o quartão , cavalgou 
nelle , e os Regedores , e Mandadores , e to- 
dos os Fidalgos , e Capitães a pé de redor 
do quartão y e detrás hnma grande quan- 
tidade de Naires Parricaes , e outfos oíE- 
ciaes de ElRe/« Chegadas aos Paços y to« 

mou 



Digitized by VjOOQIC 



Dkcada X. Ca?. IX. 191 

mott o Mangate Achem o Capitão Mòr pe- 
la mão y e entrou com elle pelos pateos i e 
á porta das cafas , que eram fobradadas^ 
acBOU ElRey , que o efperava com feus 
Bragmenes. Kuy Gomes tanto que o vio^ 
fez-lhe íua cortezia a noíTo modo , e o Ça- 
morim o recebeo graciofamente ^ e alli em 
pé lhe mandou Ruy Gomes dizer que elle 
eftava por Capitão na Fortaleza de Pana* 
ne y e que a tinha fortificado » e acabado^ 
que pois aquella terra era de fua Alteza , 
que também a Fortaleza o era , e que da 
íua mão eftava nella , que lhe vinha dar a 
homenagem , porque entendia que ElRey 
D. Filippe díílo havia de levar muito goC- 
to ; porque fendo aílim , fegurava o animo 
dos feus foldados , e dos vaífallos de fua 
Alteza com verem todos que elle tomava 
aquella Fortaleza á fua conta , e que o fa- 
zia delia Capitão : ifto tudo ouvio ElRey 
muito prompto , e eftimou muito aquelles 
cumprimentos tão públicos ^ por ferem dian- 
te dos do feu Confelho , que foram contra 
o parecer de fe dar naquelle porto Forta- 
leza aos Portuguezes , porque lhe tinham 
dito que elles eram muito alterados , e que 
como eftiveíTem fortificados , lhe não ha- 
viam de guardar fé , nem lealdade , antes 
de alli lhe haviam de fazer muita guerra ; 
€ a ifib lhe mandou refponder ^ ^ue elle 



Digitized by VjOOQIC 



1^1 A S I À DE Diogo de Còurd 

acceitava aquelles cumprimentos : que à 
Fortaleia , e a terra eram de ElRey de 
Portugal , que eile a tomava á fua conta 4 
e debaixo da fua protecção , e que dallt 
por diante lha entregava a elle Capitão pe*' 
ra a ter i e que além diíTo o fazia Rege-» 
dor de Panane , e lhe dava em toda aquella 
jurifdicçâo feus próprios poderes fobreto-* 
dos os naturaes. Ruy Gomes fe humilhou , 
e acceitou a mercê com palavras de gran-» 
des cumprimentos : difto tudo mandou elle 
logo a íeus Oâiciaes que lhe paíTaflem ftia» 
Provisões , e dalli ferdefpedio ElRey , e 
Ruy Gomes ficou no pateo , e foi levado 

Eor todos aquelles Regedores a cafa dt 
um Mercador rico Gentio , que agazalhou 
a todos , e os banqueteou a feu modo mui-^ 
to honradamente y e alli efteve três dias y 
em quanto lhe fizeram os Alvarás em Olas , 
os quaes lhe foram entregues aflinados pelo 
Çamorim, com o que íe mandou defpedir 
delies y e o fez dos Regedores y que o acom« 
panháram até á praia y e embarcado , par« 
tio pêra Panane y aonde chegou ao outro 
dia , e com eftas coufas fe leguráram os 
foldados ; e porque pêra o inverno , que 
fe vinha chegando y eram neceíTarias muitas 
coufas y de que a Fortaleza eílava falta , pa-' 
receo bem a todos que foífe Bernardim de 
Çaivalho a Goa a dár razão ao ViforRey 

do 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap* HC* 193 

Àt> que eftava feito, e do que tinha pafla-í» 
do com o Çamorim , e a pedir-lhe provi-* 
mentos, gente 5 e dinheiro, e lhe mandou 
o traslado das Olas ^ que o Çamorim lhe 
mandou paíTar $ e em quanto Bernardim de 
Carvalho não tornou ^ ficou Kuy Gomes 
dando ordem pêra fe fazerem caías i e aga^ 
£alhados pêra homens, e pêra armazéns. 

CAPITULO X. 

Do que aconteceo n Juão Caiado de Gami 

boa^ em Surrate fobre buma não , que 

Caliche Mabamede queria lançar 

per d fora fem cartaz^ 

PÂrtido João Caiado de Gamboa peta 
o ílorte , como atrás diffemos , foi 
dando guarda a huma cáfila de navios , qud 
hiam pêra aquellas Fortaleza^ , e no caml-^ 
nlio tomou hum Catacoulâó de ladrões queí 
levou comfígo^ e em Chaul o armou pêra 
o acompanhar ; e depois de deixar a cafi-^ 
la fegura , foi correndo a coita até á en-^ 
feada de Cambaia em bufca de ladrões^ 
e atraveílbu a Dio a fazer negocio ; e vol-^ 
tando pêra a cofta do Norte , lhe deram 
huma darta do Vifo^Rey D* Duarte , na 
qual lhe mandava fe fofle pôr na barra dd 
Surrate , porque era aviiado Que o Calh» 
Cêuto.tòm.Vl.P.Ix4 N che 



Digitized by VjOOQIC 



jt94 ÁSIA DE Diogo de Couto 

ehé Mahamede tinha huma náo á carga 
pcra Meca, fem querer pedir cartaz : que 
relevava muito ao credito do Eftado , e á 
fua honra delle Vifo-Rey impedir-lhe a 
lahida , porque entendeíTe o Caliche que a 
refpeito doLílado não haviam fuás náos de 
navegar , porque tinha dado a entender ao 
Mogor que o havia de fazer aílim , e que 
jiâo havia de tomar falvo condudlo dos Por- 
tuguezes ; e ainda dizem , que eftando com 
elle em praticas fobre efte negocio , pu- 
wra a mao no traçado , e diíTera : ÈJle 
he o cartaz que as minhas náos hão ^e /*?- 
lar. Com efta carta fe fez logo João Caiado 
na volta da cnfeada deCambaia, fem em- 
bargo de entender que não levava Arma- 
da pêra eftorvar a fahida áquella náo , que 
eftava certo fahir muito provida de gen- 
te , e petrechos de guetra ; e como o.Vifo- 
Rcy Inenão deixou nenhum poftigo aberto 
pêra fazer o que entendeíFe , quiz antes 
obedecer , e arrifcar tudo , que tomar 
aquelle negocio fobre íi, e de caminho foi 
tomar Damão pêra fazer a faber aquillo a 
p. Luiz de Menezes , Capitão daquella Ci- 
dade , e faber delle as novas que tinha da 
liáo. Difto foi logo a Cidade avifada , e 
acudiram os Vereadores com grandes pro- 
tcílos •, c requerimentos , pêra que deíiftif* 
fe da joroada ^ porque eftava certo fe acon^* 

te*- 



Digitized by VjOOQIC 



t)EèADÀ X* Cap. X« i^y 

t&céíte defaftrc á náo , pagarem-no as ter- 
ras de Damão , como já fizeram havia tre^ 
tmnos por outra que Ferhâo de Miranda 
tomou ; mas Jòâo Caiado como hid ata^ 
do ao que o Vifo-Rey lhe mandava > fec> 
camente refpondeo á Cidade , que elJe fa-' 
2ia o que lhe mandavam : que quanto a 
feus protdtes ^ que o Vifo*Rey tinha em 
Goa Confelho de Fidalgos, e Capitães ve* 
lhos , a que não havia de ficar por enten<« 
der aqucUas coufas 5 e que elle nãò podia 
deitar de obedecer ; e provetido*-fe de agua ^ 
c arroz , íoi*fe pêra Surrate ; e chegando 
équella barra ^ achou no Poço huma nád 
á carga , a qual era do Rajii Governador 
de Cambaia, hum Baneane muito má cou^ 
fa ; e depois de furgir , mandou perguntai! 
aos da náo ^ fe tinham cartaz pêra pode» 
i-em navegar ^ que lho mandaflem mo& 
trar j porque tendo^^eftava prcftcs perá 
com aquella Armada lhe ajudar a tarregaf 
a náo , e rebocalla até fe fazer i Vela. Os 
da náo refpondêrain qiie tinham cartaz ^ t 
que logo lho levariam ^ e affim lho trou^ 
xeram ao óutro dia ; €f vcndo-o foleínné^ 
lhes mandou que cárregaíTem ^ é fe fòflem 
embora ^ e iJie poz o cumprâ^fe , e com i& 
to fe deixou alli ficar ^ favorecendo osXtiè 
rÍ9 que lhe ttaxiam as fazendas pêra a Oiv 
1^ j e porque íÍMibe qjâc km embàr^. á^ 
t N ii cl- 



Digitized by VjOOQIC 



1^6 ÁSIA DE DioGò DE Couto 

elle eftar naquella barra , o Caliche fazia 
dentro preftes a fua náo pêra a lançar fora 
nas primeiras aguas , lhe mandou requerer 
que náo quizeíTe quebrar os contratos das 
pazes , e que fe defenganaíTe que nenhuma 
náo fua havia de navegar fem cartaz ; e que 
aquella que dentro tinha , que lha havia de 
tomar, porque pcraiíTo efperava porhuma 
náo de Chaul pêra com ella a abordar , e 
que de todos os damnos que fuccedelíem, 
feria a culpa delie Caliche. De tudo iílo 
lhe deo pouco , e diílimulou com os pro* 
teftos que lhe fegundou , dando carga á náo 
á mór prelTa , e mandando armar dez na* 
rios , em que fez embarcar muitos Mouros , 
e Maiavares que alli eílavam em Pagois pê- 
ra irem favorecendo a náo , porque a fua 
tenção era mandar peleijar os navios que 
armava j com João (Zaiado , pêra naquella 
revolta a náo dar á vela , e ficar-lhe o 
cartaz pêra outra náo , quando de todo em 
todo a nâo pudeíFe lançar fóra por força. 
Deftes defenhos foi João Caiado avifado , 
e defpedio logo recado a D. João Couti* 
nho , Capitão da Armada de Dio , que eí^ 
tava em Gòga , que lhe mandaíTe alguns 
navios pêra aquelle negocio , o que elle 
feZ) mandando*lhe dous mui bem negocia* 
dos j e cheios de bons foldados. Com eíles 
navios íicott João Calado mui folgado ^ por^ 
. .-u * * que 



Digitized by VjOOQIC 



DÉCADA X. Ca?. X. 197 

que já ficava com Armada capaz depeleijar 
com toda a que fahiíTe de Surrate ; e toda* 
via trabalhou com diílimulaçòes de eftorvar 
a jornada á náo , e tornou a renovar os 
requerimentos com o Caliche , e bufcou 
modo com que o mandou dizer aos Mer« 
cadores da náo , que não fahiíTem a arrif- 
car fuás fazendas nella , porque ou elle liar 
via de perder aquella Armada , ou havia 
de queimar aquella náo. Tantas coufas dei- 
tas fez y e tantas lembranças mandou fazer 
ao Caliche , e Mercadores , que não faltou 
quem aconfelbaíTe aflim ao Caliche que não 
mandaíTe a náo , como aos Mercadores que 
nâo arrifcaflem as fazendas , e aue traba- 
IhaíTem por peitar a João Caiaao , pêra 
aue fe folTe dalli , porque por muito que 
liie deíTem , mais perdiam em não fazer a 
viagem. Efte alvitre trouxe hum Baneane 
a João Caiado , e lhe prometteo três , ou 
quatro mil Venezianos , de que fe elle 
nâo moftrou efcandalizado por fegurar o 
Baneane , e Caliche , e levar aquelle ne^ 
gocio por invenção , porque lhe niam fal- 
tando mantimentos , e poderia iíTo obrigallo 
a illos bufcar a Damão , e entre tanto fa-- 
bir-fe a náo : e pêra mòr diflSmulação fe 
apartou com o Baneane , e fez grandes ef- 
carceos fobre o fegredo daquilio , e em fim 
de raz6e9 sUTentáram que lhe íoíTe trazer 

"^ qua- 



Digitized by VjOOQIC 



1^9 ASIA^ DE Diogo db Couto 

quatro mil Venezianos , e algumas embar^ 
cações de mantimentos , e agua , porquo 
pêra diílimulaçâo com os Ibus foldadoí 
tnoílraria fer neçeffario ir a Dio , e que 
g^aíbaria lá até a náo ter agua pêra fe par^ 
tir , e que affim ficaria a çouía fem o Vi-» 
Íb-Rey lhe poder pôr culpas , nem ois da 
Armada entenderem o negocio. O Baneana 
foi dar conta aoCaliche, o qual logo mànv 
dou negociar alguns mantimentos, eagua, 
c deo dinheiro ao Baneane pêra lho levar j 
è com efta fegqrança defarmou os navios y^ 
t mandou dar preiTa á carga da náo : d 
Baneane chegou com tudo aquiilo á Ar«r 
mada , e entregou os Venezianos a João 
Caiado, os quaôs bem puderam fazer the^ 
fouros a alguns ; mas elie tomou os man-r 
timentos , c agua , e repartio tudo pelos 
Jiàvios ; e como fe vio provido por aiguns 
dias, tomou o dinheiro ao Baneane, e lho 
diíTe que o levafle aoCaliche: e IhedifieCr 
fe que náo cuidafle que era tão nefcio , que 
lhe affirmava que nem pela valia de toda 
a náo havia de largar aquella barra , nem 
â fua náo havia de fazer viagem , que não 
quizcra mais que prover-fe á fua cufta do^ 
?iguâ , e mantimentos , dç que a fua Ar-» 
mada ficaya abaftada , os quaes ellc lhe 
agradecia muito, O Caliche ficou com a-^v 
quclie negocio emhaçado , e o teve pel;^> 

<n4r 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap, X. 19^ 

tnór affronta que fe lhe nunca fez. Os Meri» 
cadores da náo fabendo aquillo , não quir 
^eram embarcar iuas fazendas, com o que 
a náo fe defarmou , e a que ellava no Poço 
com cartaz fe fez á vela. João Caiado ten^ 
<lo avifo de tudo, e não havendo alli mais 
Que fazer , por ferem paíTadas as aguas ^ 
ioi-fe pêra ir ajuntando a cáfila das Fortar 
lezas , o que fez , e a levou pêra Goa a 
falvamento. 

CAPITULO XI. 

Hos Capitães que foram entrar nas Forr 

talezas : e do que aconteceo a Bernar-- 

dim de Carvalho até Panane : e de c(h 

mo Ruy Gomes da Gram fro^ 

veo as ejiancias. 

POr^ue o inverno fe hia acabando , e a« 
mais idas Fortalezas da índia vagavam 
«ra Abril , defpachou o Vifo-Rey os Capir 
táes pêra ellas , que eram Miguel de Abreu 
de Lima pêra Baçaim , por acabar feu ten^ 
po Thomé de Mello de Caftro , que nclla 
efliava , e Manoel de Lacerda pêra Chaul 9 
aonde eíUva D.Paulo de Lima 9 e Aire? 
Faltí^o pêra Dio , por virem novas fer far 
lecidÀ D. Dinis de Almeida, que havia poi>^ 
CO qtiV entrara naquella Capitania ; e pocr 

que 



Digitized by VjOOQIC 



itoo ÁSIA PE Diogo de Góura 

que nefte temp^ tinha chegado a Goa Ber^ 
nardim de Carvalho a bufcar provimentos 
pêra o inverno de Panane , ordenou o Vit^ 
Ib-Rey que elle mefmo foíle invernar nat- 
quella Fortaleza com mais trezentos ho^ 
mens , dos quaes , e dos Fidalgos , e Ca«- 
pitâes que hiani em fua companhia , havia 
de ficar feparado da jurifdicçao de Ru^ 
Gomes da Oram ; m^s que todavia nas 
coufas da guerra nâo fe faria coufa algut- 
ma fcm fua ordem. Negociado tudo o que 
havia de levar de dinheiro , e mantimentos, 
e munições *, embarcou-fe na entrada de 
Maio , levando doze navios , de que , a fór 
ra elle , eram Capitães D.Diogo Couti- 
nho , o Marialva, que tinha vindo deDio, 
D.Nuno Alvares Pereira , D. Gileanes de 
Noronha , Diogo Reinofo , Madiias de 
Piamonte , Domingos Alvares, Jorge Nu- 
nes , o Jamá , cunhado do Arei de Tanot 
Malavar , Pedro Velofo , Pedro Rodrir 
guês , e outros ; e indo fua viagem , lev^an*- 
do alguns navios de Mercadores , e indo 
entre Cola , e Merifeu , amanheceo a Fufta 
de D.Diogo defgarrada ao mar , e perdi- 
da de toda a Armada , fem ver nenhum 
dos navigs ; e fazendo^fe na volta da ter- 
ra , vio duas embarcacO.es grandes que á 
vela o hiam demandar ; e cuidando ferem 
4a Arn^ada, os foi também hufcar j ç fenr^ 

dq 



Digitized by VjOOQIC 



DfecADÁ X. Cap. XL tot 

do perto , conheceram ferem de Malava*- 
res y que já o tinham reconhecido , e o 
hiam demandar poítos em armas. D. Diogo 
Coutinho vendo*íe com os para os quaíi ás 
lans , fo:-fe pondo em armas , e mandou 
endireitar a elles pelos embaraçar ; e toda«- 
via trabalhou por lhes tomar o balraveor 
to y como fez , e já nefte tempo começa* 
▼am a apparecer alguns navios da Arma* 
àz,y huns a vante, e outros á ré, os quaes 
também já tinham viílos , e reconhecidos 
os paráps y e Bernardim de Carvalho , que 
hia á terra , foi-fe adiantando pêra lhe to^ 
mar huma ponta , pêra elles a nâo vinga^ 
rem , fc viellem fugindo. D. Diogo tanto que 
vio os navios da Armada , e que tinha to* 
xnado o balravento aos paráos , defandou 
fobre elles com tenção de os inveftir ; c 
ao tempo que já elles faliam volta pêra fe 
acolherem , porque viram os outros navios ^ 
todavia como D.Diogo levava navio mui- 
to veleiro , alcançou hum , e dando-lhe a 
primeira furriada de arcabuzaria , o inveítio 
á vela ; e lançando-fe dentro com os feus 
foldados , em breve efpaço axorou o na- 
vio y matando a mór parte dos Mouros á 
efpada , e os mais fe lançaram ao mar, 
onde foram tomados ; e dando toa ao na** 
vio , o levou comílgo. O outro coíTairo cq- 
TOP ÇW inuitQ ligeirp , foi tgmandp o haXr 



Digitized by VjOOQIC 



lOX ASl A DE DiOGÒ DE CÕTJTO 

Tavento aos navios que o feguiam , e (bi-fe 
«adiantando 9 deixando os noflbs ir, porque 
entenderam que o não podiam alcançar. 
Bernardim de Carvalho roi Teu caminho , 
e paífou por Cananor fem o querer tomar , 
e fem fua licença fe deixaram ficar alli três 
navios pêra tomarem alguma coufa; e fen- 
do tanto avante como o rio de Cunhale , 
deixou-fe ficar efperando pelos navios que 
Tinham atrás , porque teve avifo que o 
Cunhale tinha negociadas quatro Galeotas 
inuito fermofas pêra ver fe podia fazer ah- 
^ma preza nos navios que ficaíTem de^ 
trás , porque já fabia daquella Armada , e 
«ftas Galeotas eftavam fora do rio cozidas 
com a terra. Bernardim de Carvalho tanto 
que houve vifta delias , poz-fe em armas , 
e ajuntou a fi os navios da fua Armada , e 
deixot^fe ficar atrás , e mandou os navios 
da cáfila que fe adiantaíTem a todos ; e co- 
mo os levou diante , deixou-fe ir íeu ca- 
minho muito feguro , fem fazer cafo dos 
paráos , os quaes pela confiança com que 
os viram ir, não oufáram de ocommetter; 
e fe o fizeram , houveram de lhe dar mui- 
to trabalho , porque as quatro Galeotas 
eram «luito poAantes , e levavam de van- 
tagem de cento e fincoenta homens de p^ 
ieja cada huma , e os nòífos navios hiaiti 
defapercebidos de tudo ^ e íÒs dous tinham 

fal- 



Digitized by VjOOQIC 



' Década X. Cak XI. aoj 

falcòes. Bernardim de Carvalho foi devagar i 
efperando pelos navios que ficavam em Ca* 
nanor, os quaes voltaram logo ; e por fe 
recearem da barra do Cunhale , foram-fe em- 
marando até haverem vifta da Armada , e 
Bernardim de Carvalho delles , e defpedio 
a manchua de Ruy Gomes Arei , que Ihe^ 
foi capiando , fem elles darem por iíTo ; p 
stíTím nuns ao mar y outros á terra chegá<* 
ram a Panane a hum mefmo tempo , e Ruy 
Gomes da Gram , depois de recolher os 
provimentos , tratou de repartir as eftan^ 
cias i e porque houve mudança em al« 
guns 5 fera neceffario dixermos a ordem 

3ue niflb teve. No baluarte grande da ban-^ 
a do rio , que Gafpar Fagundes fez , ficou 
elle mefmo ; no revéz delle da band? dá 
terra ficou Gafpar de Carvalho de Mene-» 
zes ; nas duas guaritas , que corriam deile 
até á eftancia de Ruy Gomes y que era o 
Baluarte do meio , ficaram Pedro Real, ê 
Domingos Alvares ; e na outra guarita ^ 
que ficava dá outra banda , logo pegada ao 
Baluarte , poz D, Bernardo Coutinho , e 
Francifco Pinto Teixeira ; no Baluarte da 
ponta fobre o mar , e no lanço dos páos 
tofcos , que corriam delia até fe metterem 
no roar, ficaram D.Nuno Alvares Pereira, 
D. Pedro de Lima , irmão de D. Paulo de 
Lfima, e Dio^o Reinofo ^ Jios íeis Cubelf 

Ips, 



Digitized by VjOOQIC 



-KX4 ÁSIA DE DioGa be Couto 

los, que ficavam nabaixia da banda do rio ^ 
que guardavam aquella parte, no primeiro 
junto de Gafpar Fagundes pez D. Fernan- 
do de Souto-maior ; no fecundo Pedro Vaz; 
no terceiro Eftevao de Valladares ; no 
quarto Jorge Barreto ; no quinto Duarte 
da Guerra ; no fexto António da Cofta Be- 
nique ; e em huma guarita de madeira, 
que foi a primeira que nefta' parte fe fez 
abaixo dos Cubellos , poz Ruy de Sá que 
a fez ; e na ponta da iingua da terra , que 
ficava bem fobre cabada , fe apolentou D« 
Diogo Coutinho com outros Capitães , por^ 
que aqueiia parte era mais arrifcada , por 

Í)oderem navios pozar nella ; e pêra maior 
brtiíicaçâo fua , poz o Capitão alli duas 
barcaças atracadas iiuma á outra com gran- 
des y e fortes vigas com fuás mantas , e 
arrombadas , as quaes jogavam hum leão, 
hum camelo de marca maior , hum came- 
lete , quatro falcões , dous meios falcóes , 
.c dous berços , e delias era Capitão Mi-^ 
guel da Maia com trinta foldados arcabu^ 
zeiros. Com ifto eftava a fortificação tão 
fechada , que não podia fer commcttida 
por nenhuma parte. Ruy Gomes > e Ber* 
nardim de Carvalho ficaram de fora pêra 
acudirem onde folTe neceíTario y trazendo 
grandes intelligencias 3^ e efpias noCunhale 
pêra faber fe Jiavia alguma alteração nos 

Mou- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X» Ca?. XL lof 

Mouros y porque andavam mui aíTombra* 
dos com aquella Fortaleza pela obrigação 
que havia pelo contrato das pazes de fe 
derrubar a de Cunhale ; mas como eileg 
entendiam da namreza do Çamorim , que 
fó dadivas tinham com elle mais força > 
que todas as outras obrigações , foram-fe 
antecipando , e neTOciando com elle , e to- 
davia os noíTos eíiiveram quietos tiodo o 
inverno, 

CAPITULO xir. 

• 

Das cúujas que aconteceram em Malaca ^ 
depois que João da Silva tomou pofíe 
daquella Fortaleza até chegar Id D. Ma^ 
noel Pereira : e de como o Rajale deter^ 
minou ja%er guerra dquella Fortaleza : 
e do foccorro que o Vtjo-Rey mandou. 

DEixámos atrás D. Manoel Pereira par- 
tido pêra Malaca com aquelles dous 
Gale6es ; e porque não temos dado conta 
das occafiões que teve o Rajale pêra que- 
brar as pazes , fera razão fazermo-la agora 
pêra não ficarem as coufas ás efcuras. Tan- 
to que João da Silva tomou poffe da For- 
taleza de Malaca , logo ordenou huma Ar- 
mada pêra aquelles cftreitos pcra fazer vir 
os juncos dos Jaós áquella Fortaleza y e 

ai- 



Digitized by VjOOQIC 



7o6 ASlA deÍ)iògo dk Couto 

4dguns bantins pêra correrem a cofia até 
o Cabo Rachado a fegurar as embarcações 
que de ordinário vem de Muar , de Chegar , 
e de outras partes com as nipas , que sãa 
os vinhos daquelias partes, Defta Armada, 
que foi de duas náos , duas Puítas ^ c ai-* 
guns bantins , fez Capitão Mór feu fobii- 
nho D. Manoel de Almada y a qual an*^ 
dando correndo a cofta pêra a banda do 
Cabo Rachado , encontrou hum balo carre- 
gado de Calaim , no qual vinha hum Achem ^ 
homem honrado , com alguns criados feus , 
que havia muitos annbs vivia emjor, vaP 
íailo do Rajale ^ cujo diziam que o bala 
era , o qual trazia cartaz do Capitão , paf* 
fado com as condições com que todos fef 
paífam ^ cujo principal Capitulo era , que 
não trariam Achens , por ferem inimigos* 
daquella Fortaleza. D. Manoel de Alma- 
da fabendo que aquelle homem eia Achem ^ 
pofto que morador de Jor , e vaífallo da 
Rajale , o mandou a João da Silva, pêra 
que elle determinaíTe o que fofle juftiça* 
Vindo a Malaca , poz o Capitão aquelleí 
negocio em Confelhp , e houve pareceres 
differentes , porque huns diziam que o balo 
era perdido por trazer Achens; t que poí^ 
to que aquelle morava em Jor , por natu- 
reza era iaímigo de Malaca , como todod 
o eram , que o bom feria daar-lbe fundo 
- , por 



Digitized by VjOOQIC 



Década X* Cap. XII. ^07 

por terem menos inimigos ; outros foram 
de parecer que felargafle o balo, pois tra- 
zia cartaz, e aquelie homem havia muitos 
annos que vivia em Cidade de Kej ami- 
go , e vaflallo feu ; mas como entre eftea 
dous pareceres fc mettia no meio a cubi- 
ca do Caiaim , que era 50, ou 60 Bares» 
que ficavam perdidos ; e condemnando*fe 
o balo , julgou o Capitão que era de pre-^ 
za , e que deíTem fundo a todos os Acnens 
por não apparecerem mais ; e aílim foram 
todos amarrados , e dentro no mefmo balo 
lhe deram fundo , entre a Ilha das náos, 
e Malaca ; e permittio Deos ( a quem não 
ha coufa que mais lhe aborreça que fem 
juftiças) que debaixo d'agua fe defamarraí- 
fe hum , e foíTe a nado tomar hum Junco 
de Jaós que alli eftava , onde contou tudo 
o que era paíTado , e difto foi logo o Ca- 

{utao avifado, e o mandou tomar, e dar« 
he outra vez fundo ; e como elle tinha já 
contado tudo aos Jaós , de boca em boca 
foi a nova a Jor , com o que aquelie Rey 
defpedio logo hum Malaio muito honrado i 
chamado Neiradam , pêra que foíTe a Ma-> 
laca com queixas ao Capitão das fem juf» 
tiças que fizera a fcus criados , e a pedir^ 
lhe o Caiaim aue era feu. João da Silva 
teve com efte nomem grandes defcargas, 
e logo defpedio D. SebaAião Xamugio poi 

ra 



Digitized by VjOOQIC 



10% A S 1 A DE Diogo de Couto 

n ir a Jor ter defculpas com o Râjale^ 
e ouiz que em quanto elle não tornaíle, 6r> 
caíie alli o Neiradam como em reféns. EP 
te homem chegou a Jor, e teve com aquel-» 
le Rey muito grandes Íatisfaç6es , lançando . 
toda a culpa do balo aos Capitães da Ar^ 
mada , dizendo-lhe que por cuidarem ferem 
do Achem lhe deram rundo , e o rouba- 
ram 'y e que depois que fouberá^ fer de Jor ^ 
e feu vaíFailo , o fentíram muito ^ e dera 
bufca ao Calaim , c fó vinte bares achara , 
que eftes eftava preftes pêra entregar pelo 
preço daquella Fortaleza ; e que pois da' 
liia patte não havia culpa , e o cafo fora 
acciacntal , que foffem amigos como dan- 
tes y que elle caftigaria os Capitães mui. 
bem ; e que lhe lembrava que era fobrinho 
de D. Leoniz Pereira , de quem elle fora 
tamanho amigo , que por duas vezes o fo- 
ra viíitar áquella Fortaleza y e que fe aca-« 
baífem as queixas, e que correíle com el-' 
le em amizade , porque havia de fer ta^ 
manho feu fervidor y como feu Tio o fora^ 
O Rajale ouvio bem eftas defculpas ^ mos- 
trando por então que íicára fatísfeito com 
ellas ; mas lá calou no peito outra coufa ^ 
e defpedio o Tumugão com fe moftrar le- 
ve naquelle negocio y mandando dizer ao 
Capitão que era feu amigo , e que o paí^ 
íkdo pauado. £fla diílimulasâo que inó£» 
• . trou , 



Digitized by VjOOQIC 



n ' I>ÉCADA X. Gap. OCir. * -^09 

ífou , c prieíTa com que defpedio o Tumur 
gão , foi por lhe dar^m novas que a Ar-^ 
niada. de Di Manoel Pereira era cbegada 
a Malaca, comd de fado era aíEm y por*^ 
^ue poucos dias depois do. Capitão man- 
car o Tumugão i furgio elle naquelie porto 
com os dous Galeões ^ e com outras náoS 
de Mercadoi;es , que faziam httma grande 
Armada* Chegado o Tumugão á Malaca 
<:om aquella refpofta i havendo João da Sil-^ 
va que o Rajale eftava fatisfeito , deípedid 
o JNeiradam com muitas honras , e com 
a paga do Calaim i e porque D. Manoel 
Pereira levava por regimento cjue fe as 
coufas de Malaca eftiveíTém quietas i fe 
«tornaíTe pêra a índia , pedio pêra illb lit' 
cença a João da Silva , a qual lhe elle deo^ 
e quíz que ficaífe Jcronymo Pereira com 
ja íua Galda^a^ O Rajale .pei^a mais diíli'^ 
mulação deixou correr perá Malaca tòdo9 
os Juncos i e eilibarcaçóes dos JaOs con^ 
mantimentos j e. fazendas pêra com iflb, fe-» 
f;urar mais o. Capitão; e depois deB.Mas 
aoel Pereira fe partir pêra a Ind>a em.Ja- 
áneiro paíTado, tornou João ila Silva a man-? 
dar feu fòbrinhq D. Manoel de Almada ao9 
isftr eitos 60133L hum Galeão i e huma Galeo* 
jta , de que era Cantão Diogo Ratibao , 4 
óKíve bantinsj^de que foi. Capitão Míó* 
Jjium .i^mpuBD^de. Aíiclw.i fiJJiQ ^s J\tíilaçjií j 
JSiufo. Tm. FI.P. li. O mui- 



Digitized by VjOOQIC 



%tò ÁSIA DE DíOGO DE Couto 

fnuito bom cavalleiro , e com efta Armada 
fe foi D.Manoel pôr na. barra de Jor pêra 
fazer correr as embarcações a Malaca. O 
Rajdle tanto qne tío partido D.Manoel pê- 
ra Goa , e todas as mais náos , como ti- 
nha peçonha no peito , logo a começou a 
iançar pêra fora -, e negociando huma Ar- 
mada de íincòenta velas , a mandou pôr 
no eftreitO'pera fazer arribar os Juncos de 
Jáo a Jor ; e o eftreito de Sincapura , que 
he o continuado de noíTas náos , mandou 
entupir com certos Juncos velhos , e pa- 
taias de madeira , a que mandou dar fun- 
4ào no meio do canal cheias de pedra pê- 
ra impedir aquella paflagem ás náos , que 
tfperavàm da China. Ddlas coufas foi logo 
fivifado Joio da Silva , e com muira brevi- 
dade defpedio outra vez a Armada , que já 
eftava recolhida, pêra fe pôr fobre a barra, 
flé Jor, pêra fazer ir os juncos a Malaca; 
mas o Rajale como trazia fora a fua Arma- 
da, que era mais poíTante, fa2ia ir todos a 
Jbr fem D.Manoel os poder eftorvar ; e ven- 
do que totalmente eftava o eftreito impedido 
com os Juncos no fundo, mandou os Éantins 

;[Wfc fe metteflem entre aquellas Uhas , e viP- 
em fe achavam outro algum canal por 
ftnde pudeíTem paíTar as n^os oue efperava 
taGhhia, eMaraco; e chegaifao eftes-Baii- 
tiiis ao canal da Varela , que affim fe chsH 



Digitized by VjOOQIC 



r>ECÁI>A X, CaP. XÍL. 211 

inà o continuado que efiara impedido (a 
que commumxnente chainam de Sincapura) 
£ dobraiido ^queUa Ilha pêra o Sul , acha- 
ram outro canal , que não fora tratado ; e 
entrando por elle , o foram fondando , e 
jiotando. devagar, ,e acharam por elie 7. 8. 
e 9, braças de fundo, o qija.l nâo feria de 
comprimento mais que de íium tiro.,deCar 
inelete, e no mais largo ddje iog. braças, 
< na entrada , e no meio -delle nao tem 
de largura mais que 14. braças ^ e aíTeiv-^ 
{aram que podiam muito };>em francamen- 
te paflar por ^lii as fláos.j elhe puzeram 
o nome O canal . da Santa Barbara. 
Com ííIq metteo .pj. Manoel de Almada 
^or alli piguns Juqços ^ mas o5,.mais fez a 
Armada de Jor arribar ao feu rio, .fem lho 
fKxler defender ^ noíTa Armada,^ com o 
xjue ,a Fortaleza ;e;paieçoa a padecer falta 
.de mantimentos \ e chegou a tanto aperto 
de foiHe., que poz a todos em militas ne« 
ceíHdades ,, ainda que os ricoô recolheram 
jOs mantimentos ; ma$. os. pobres de totais 
mente lhe faltarem , morriam ji por effaff 
ruas á mingua. O Capitão vendo- aquiílo, e 
•entendendo então que tudo odoRajalc fo- 
^am diflimulaçô^s , ^9^4^^ neceflaíio avrífar 
âo ViíbrRey .; ^ ^l<^ ^s náós. eram tpdag 
f artidââ , negooiou hyma d^ampaoa^ , em 
^ue mandou tmb^t^j^, hum. io\à\,9ÁOs:í^e úr 

O ii Wr 



Digitized by VjOOQIC 



i i i AS T A DE Diogo de Couto 

içunha o Trovifcado , homem valente j è 
determinado, e por elle efcreveo ao Viío^ 
Rey o trabalho em que ficava , pedindoF- 
Ihé o foccorreíTé. Efte homem deo tanta 
preíTa por achar bons tempos , que em 
poucos dias foi ter á cofta de Coroman- 
del , ou de S. Thomé ; c tomando o camí^ 
Hho por terra , chegou a Goa já em fim 
de Abril ; e dando as cartas , o Vifo-Rejr 
Vio por ellas o trabalho em que ficava ; e 
porquê já não havia mais qiie partir pêra 
•Malaca , que D. António de Noronha , que 
Ília fazer a viagem de Maluco , e as mais 
tiáos da China , e Malaca eram partidas; 
tnandou tomar huma náo de partes cue 
jeftava na barra, e em dous dias a manaoU 
negociar , e carregar de mantimentos , c 
itiuniçóes , e embarcou nella D.Jeronymó 
de Azevedo , e lhe deo Provisão de C^api^ 
tao Mór daquelles eftreitos ; e porque D. 
António de Noronha eftava ainda na bar* 
Ta , fem embargo da Provisão- que tinha 
^alfado a D.Jeronymó, deo hum regimen* 
to a D. António de Noronha , em que di- 
^ia que fe Malaca eftiveffe emneceífidades; 
*e fe entendefle que era neceíTario ficar 
elle na^uella Fortaleza , que em tal cafo 
'mandafle fazer a viagem por quem qui- 
«elTe, e elle affiftilTe por Capitão Mór da- 
"quelles- eftreitos^ e que D.Jeronymó ficaíTe 
•*^ *• ^ com 



y Google 



r Becada X. '^Ca». XH. ii j 

com €lle , do oual Regimento não foi fa-, 
bedor , e em alguns dias de Maio deram 
ambos á vela , mandando o Vifo-Rcy. a 
D. Jeronymo que até Malaca obedeceílt 
a D. António. 

CAPITULO XIII. 

JDe como o Rajil matou oMaduncb feupaii 

e da Cidade nova quefezfobre o rio 

do Canale : e do cerco que come-* 

çou a pôr d Fortaleza de 

Columbo. 

REcolhido o Rajá do cerco qiie poz 
fobre Columbo , fendo Capitão Ma- 
noel de Soufa Coutinho , como íica dito 
na Década IX. havendo*fe por muito af^ 
froatado de não tomar aquella Fortaleza ^ 
como era de copdiçao fòberba, e ambicior 
fa , determinou de matar o pai , e levan- 
tar-fe comaquellçReyno, pêra comçReyi 
e com o poder que dle ordenafle , tornar 
ibbre aquella Fortaleza pêra fe defaíFron* 
tar; e não querendo affaíiar-fe pêra longe ^ 
em paíFando o rio Calane , começou a Riut 
dar huma nova Qdade y duas léguas e mei^ 
da nofla Fortaleza y a, qual acabou em bre- 
ye tempo , e lhe poz o oome Biagão \ ç 
|)ofto qucelle^ como Capitão Geral de fei^ 

'pai. 



Digitized by VjOOQIC 



«4 ASf A DE DiOGÒ DE Couto 

pai , mandava tudo , fem três irmáos 'què 
tinha legitimes , e hum dellcs herdeiro na- 
tural, entenderem com elle em nada , to^ 
davia era-Ihe mui grande fobrcflb pcra fua 
tyrannia ter feu pai vivo : peio que detei^ 
minou àp o ma.tar pêra ufurpar o Reyno , 
c haver os irmlos ásniãos pêra os acabar 
a todos ; e concertando-fe . com algumas 
peflbas de que nefta parte fe podia fiar, é 
pof quem aquelle negocio podia correr, 

Í)or ferem de portas a dentro de pai, lhe 
ez dar peçonha , de què em poucos dias 
morreo em idade de oitenta annos , perr 
mittindo a Juftiça Divina que o que foi ho- 
micida de feu pai , morreffe á mão de feu 
{)roprio filho ; e que aífim como matou feus 
rmáos pêra lhes tomar o Reyno , lhe ma- 
hffe outro feus filhos pêra lhe tomar o feu* 
Morto aquelle infolente , e foberbo Mar 
3unch y que tanto trabalho deo aos PortUr 
guezes , logo o Raju alevímtou o feu exer- 
fcito , e foi aCeitavaca, e fe apoderou dos 
paços, t thefouros do pai ; e havendo os 
irmão? ás rnaos , os matou , em que entra- 
vam 6 herdeiro do Reyno chamado Pale 
Paiídar , a que commumraente chamavanl 
oBarbinhas, p qual era grande amigo dos 
Pòrhiguezes ; e como os teve mortos , a-» 
|evantou-fe por Réy \ è começou a ufar q 
dfiicio de todos tos tyrannois 3 quê he matííç 

Í9' 



Digitized by VjOOQIC 



Década X, Cap. XIIL iif 

todos , de que fe podia temer , e entre elles 
hum filho de Tribuli Pandar , que era meio 
innâo de ElRey D. João da (Jota , a que 
também pertencia o Reyno , e depois de 
fe defalivar de todos os perteofores , .quiz 
também fegurar-fe dos Grandes ; e de to- 
dos os que lhe podiam fazer hum pequeno 
pezo , mandou matar diante de íi pelos feus 
efgrimidorcs , entre os ouaes foi tambent 
Biera Matiga , Modiliar Maior , e feu Mef- 
tre de Cauipo, que o inftruíra na arte Mi- 
litar, e de quem tinha recebido mui gran« 
des fervidos por efpaço de trinta annos, 
por cuja induitria tinha alcançado o fenho- 
rio em que eftava , fartando lua crueza na- 
quelle fanguinofo efpeílaculo ; e porque já 
não ficava de quem fe temer m^is que de 
Necheramy , mulher que fora de feu pai , 
e mãi dos filhos que elle matara , Se- 
nhora muito grave , e muito honrada , a 
Sial pôr fer baixeza entre elles matar mu^ 
er , a mandou levar diante de fi , e a fez 
defpir até a deixar em hum pobre panno y 
-e depois a degradou pêra huma ferra muito 
longe. Dalli eíla trifte mulher íahindo do 
Paço naquelle miferavel ellado , fendo , ha- 
via tão pouco, Rainha, e Senhora', ven- 
do-fe então , como fe fora malfeitora , eoi 
trages tão baixos , e vis ^ qyeixando-fe da ^ 
fortuna ^ e da crueza que com ella uíára 

hum 



Digitized by VjOOQIC 



Il6 A^l^A m DioGd de CéuTo 

hum* ^Iho de íeu marido , que elfa creirt 
como feu próprio , e pondo as mãos nd 
rofto pêra alimpar as lagrimas que porellé 
abaixo corriam , acertou de dar com ella^ 
nas orelhas ; e achando ainda hum^s ore^ 
Iheiras de ouro , e pedraria , que parece 
Uie nao vira o tyranno , tirando-as muito 
de preíTa , lhas mandou por hum dos Mi> 
niftros que a levavam , dizendo-lhe , que 
alli lhe mandava aquella pobreza , que pa? 
rece lha deixara pela não ver : que fartaír 
le a ambição quanto pudeíTe : que tambeni 
Jhe mandaria á volta diíTo a vida , fe lhe 
não fora tachado de pouco animo, onde as 
mulheres como ella o haviam de moftrar 
melhor; mas que todo o tempo que davi*- 
da lhe reftava , gaftaria em chorar a morte 
ào velho Rey Madunch feu marido , e Set 
iihor , com pedir juíliça a Dèos de tão 
cruel , e abominável tyranno , que huma 
fraca mulher, que ocreára como filho, e a 
que o fora de feu pai , tratara daquella ma- 
jieira; e pondo os olhos no chão, foi atra^ 
veíTando aquella Cidade , ém que ella tan- 
tos annos fora tão venerada , e fenhora, 
•por não ver nada nella. Pofta ho lugar do 
•degredo , durou depois pouco , porque por 
fim morreo de puro nojo. Vendo-fe o Ra>- 
ju feguro , começou a preparar achegas peí- 
íra o cerco que determinou pêra ^ Fortalo^ 



Digitized by VjOOQIC 



' Década X. CAF.-XIITr ^ ivp 

ca de Columbo , com determinação de oit 
morrer na demanda , ou deitar delia o» 
Portuguezes. Difto tudo foi logo avifado 
João Corrêa de Brito , Capitão, daquelia 
Fortaleza , e de como o Rajá determinava 
em fc acabando o verão defcarrcgar toda 
9 fua fiiria com a potencia do Ceilão fobra 
aquelles fracos muros : e por eftar aquella 
Fortaleza falta de- tudo , avifou com muita 
preíTa o Vifo-Rííy , é defpedio hum Trit 
tão de Abreu da Silva com cartas pêra 
elle , em que lhe pedia o foccorieíTe. Dei 
prcíTa efte homem fe embarcou em huni 
Tone , e paíTou á outra xofta da pefcaria , 
e de longo delia foi até Cochim , onde 
achou embarcação pêra Goa , em que fç 
pieiteo 5 e chegou áquella Cidade já ç* 
entrada de Abril ; e vendo o Vifo-Rey às 
cartas , e as heceíBdades era que a Fqrta» 
leza ficava, e que forçado fe lhe havia de 
acudir, como tinha grande coração, e ani-t 
mo , não lhe lembrando quantos trabalhos 
havia por todas as outras partes , e as ne^ 
ceífidades do eftado , mandou logo carre-» 
gar de mantimentos , e munições huma 
náo , que fretou a hum Domingos dei 
'Aguiar , porque eftava na barra de verga 
d' alto , na qual fez embarcar Simão Bote-f 
lho com quarenta foldados \ e porque pof 
.tleri^ íti quç não pHdeífç pafl>r a Ceilâq, 

piaa* 



Digitized by VjOOQIC 



2i8" ASl Ds Diogo de Couto 

mandou negociar dous navios de remo 
com munições , e muiro dinheiro pêra a pa* 
ga dos Toldados , e provimentos daquella 
Fortaleza , e os defpedio em companiiia da 
náo , e em hum foi por Capitão o mefmo 
Triftão de Abreu , e no outro Pedro da 
Cofta , e aílim foram ícguindo fua viagem y 
a que logo tornaremos. 

CAPITULO XIV. 

Das èoufas que aconteceram em Ceilão até 

' chegar efie provimento : e da grande vi^ 

, Horia aue os noffos houveram da gente 

ãú Raju dia da Exaltação . da Cruz : e de 

hum cafo efpantofo que acovteceo em bum 

fobrinto do RaJú, 

DEpois de João Corrêa de Brito , Ca- 
pitão de Ceilão , defpedir Triflâo de 
Abreu com o recado ao Vifo-Rev , e pe- 
idir ofoccorro, receando-fe que Ine tardaC* 
fé y e eftando muito certificado que o Ra^ 
jii lhe havia de pôr o cerco aquelle InveiH 
no , por fe não arrifcar a huma defaventu* 
ra por falta de mantimentos , mandou a 
Cochim algumas peíToaa de recado com 
credito feu , pêra que tomaflfem dinheiro a 
partido , não abaftando algum feu que U 
çftava ) ç que £ç foíTçm i çQÍta 4^ Peícaria » 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caí, XIV. «5P 

« compraíTem todo o mantimento que pu-^ 
delTem , e que com a mòr pre0a foflem 
com elíe, Eftes homens fe deram tanta 
preíTa , que em breves dias foram a Co- 
chim , e ajuntaram huma fomma de dinhei- 
ro; e voltando pela cofla da Pefcaria, deír» 
xáram comprados mantimentos, e fretada» 
embarcações pêra os levarem , e cUes fe 
apreíTáram , c foram ter a Manar , donde cnj 
dous Tones fe puzeram no caminho do 
Ceilão ; e chegando já á vifta da Fortaier? 
za, acháram-fe em meio de muitos navios 
do Rajií , os qiiaes elle tinha lançado fora 
cera tolherem os provimentos que elle ia- 
biaque íeefperavam. Hum dos Tones, que 
hia diante, ficou tão apertado dos navios j> 
e tanto debaixo dos efporões que fe houve 

Í)or perdido ; mas hum homem , a que não 
bubemos o nome , que era de ammo , e 
de esforço , mandou ter os marinheiros ao 
remo a ponto , pêra que em elle fazendo 
final o apertaífem , e que foflem deman- 
dar affim como fracos os navios dos iniv 
migos , como fizeram. Os inimigos vendx> 
ir affim aquelie Tone , havendo que fe híà- 
entregar, levaram o remo pêra elle cliegar;- 
e fendo emparelhados com é!Ies , que eC* 
tavam parados , tanto que lhe vingou os, 
efporòes , apertou o remo ; c coíno eri le^ 
?e, e ligeiro, paflou por todo» tão preftej| 

que 



Digitized by VjOOQIC 



a«i ASI A Djs D10.G» DE Cotrro 

que primeiro que voitafle já lhes h ia hum 
bom efpaço í^longado, e aífím e&apou mU 
lagrofajnente , e fe foi metter na Fortaleza , 
e o Capitão iabéndo o rilco em que o ou- 
tro Tone ficava , mandou-lhe foccorrer por 
algumas Fuftas , que eftavam na bahia cheias 
de muita gente. Fernão Soares , que vinhi^ 
BO outro Tone, que era muito prático na^ 
quella cofta , tanto que vio os navios do 
^jiiy eque fehiam eftendendo pêra o mar 

Eera o cercarem , atirando-lhe muitas bom* 
ardadas pêra o embaraçar, pondo a for-r 
$a , e o remédio no remo , trabalhou tudo 
o que pode por lhe tomar o balra vento , e 
a fez com muito trabalho , e lhe foi fugin- 
do tudo o que pode : a noíTa Armada , que 
ipi a foccorrello , houve logo vifta dos ini-* 
migos ; e yenda que elles também traba* 
Ihavam , em os vendo pçra fe porem a bal* 
xavento , temendo-fe que lhe toíTe tomar a 
barra, voltaram pêra ella, ficando com if-* 
to fôlego ao Tone pêra fe recolher á fua 
vontade , e aífim foi feftejado na Fortaleza 
como aquelle que lhe trazia a mòr parte do 
dinheiro de que fe haviam de prover aqueU 
j[e inverno , do qual o Capitão começou a 
fazer hutnas pagas aos foldados , e a ncr 
gocear-fe pêra o cerco que efpcrava ; e 
porque a gente do Rajú já chegava , la&r 
^u4liç fora aigups Modeliares , os quae^ 

íem- 



Digitized by VjOOQIC 



' ÚÈCADA X. CàP. XIV/ !lil 

íeínpre trouxeram algumas cabeças dos inl* 
migos ; € fendo avifado que o Paliconda 
Arache Mòr do Rajú andava com muita 

Sente fazendo alguns aíTaltos , mandou os 
íodeliares Diogo da Silva , Manoel Perei- 
ra , Pedro AíFonfo , e outros em compa- 
nhia de Francifco Gomes Leitão , Capitão 
do C^mpo , com alguns Portuguezes pêra ve- 
irem fe podiam travar com eile ; e pêra a 
banda de Viras mandou outros Laícarins 
com feus Araches pêra fe embrenharem^ 
e dalli darem alguma pancada nos inimi^ 



gos. Foi iílo em fim de Abril ; e quando 
foi a 2, de Maio , dia da Exaltação da 
Cruz de Chrifto , acabada a prégajâo., em 



que delia diíFe o Padre grandes maraví- 
Inas y encontraram os noíios com Palicon^ 
<]a , que trazia dous mil e feiscentos ef co- 
ibidos ) e commettendo-íe huns aos outros ^ 
travaram huma muito afpéra batalha , na 
qual os da noífa parte fizeram grandes ma^ 
ravilhas , e mataram logo a Paficonda com 
outros Araches , e muita gente da fud. Oft 
tn^is vendo aquelle eftrago, e í) feu Capi* 
tão morto , foram-fe recolhendo , jicandò^ 
lhe no campo de redor de feiscentos efti« 
Tados , e alguns cativos , com que os noífoft 
fe recolheram ; e como o dia era todo dd 
mercês deDeos, naquella mefma conjuoçãd 
^io acahir outra ^caíbilda 4ç inimigosioaís 
-- ^ xnãoi 



Digitized by VjOOQIC 



'%^% ÁSIA i>E DiôGo DE Couto 

titios dos que eftavam em Veras , lançaddf 
(em filada i e dando nelles, fizeram numa 
grande mor Wíidade; e desbaratando de to- 
do os inimigos , foram-fe recolhendo cora 
algumas cabeças em íinal da viéloria , c 
entraram pela Fortaleza juntamente com 
'Prancifco .Gomes Leitão , e com os mais 
-que cambem vinham cheios de prezas. Foi 
icfta viíloria tão frftejada de todos *, que 
muitos dias andaram os meninos pelas ruas 
^cantando louvores. á Cruz de Chrifto ; e 
porque efta viiloria foi em dia tão aílina- 
uado ) fe ordenou fazef-fe nelle todos os 
jaonos huma Joleiíme procifsâo. Poucos dias 
idepois chegou o provimento que o Vifo- 
^«y D. Du;irte mandava, com o que fica* 
•ram todos defalirados do receio com que 
«eíbvam por falta de mantimentos : o Ka- 
jú ifenuo muito á perda dos feus , e ella 
ihe,fez apríífer mais as coufas pêra o cer- 
«CPique pertendía , porque efperava tomar 
jhuma grande vingança i e porque nefte mef- 
nxiD .tempo aconteceo hum caio efpantofo 
x:om hum fobrinho feu , que não ne pêra 
•deixar no tinteiro , . nos parecço bem dar- 
mos mzâo delfó^ o qual roi defta maneira. 
Dehura irmão , que efte tyranno matou , fi- 
cou. hum filho chamado Reigáo Pandar ^ que 
fs acoUteo ahuma aldeia efcand^lizadiiEma 
daxQotte.do pai ^ c oâq poii^^OiXt^eofo d^ 
k^y. <;rue- 



Digitized by VjOOQIC 



Pecada X. Cap. XIV. 223 

cràeza do tio» Com efte Príncipe fe car- 
teava João Corrêa de Brito em fegredo, c 
o perluadia rijamente a tomar vingança 
da morte do pai , oíFerecendo«ihe pêra iíTò 
toda a ajuda, e favor, e nifto metteo mtii*- 
to cabedal ; e porque quando por alli não 
pudeíTe ordenar a morte ao Rajú , ao me- 
nos urdiria taes ódios entre elles que os 
ínquietaíTe. O Rajú ou fòíTe por ter deite 
caio algum avifo , ou porque lhe não fo^ 
fria fiia crueza deixar com vidai aquelle po- 
bre Príncipe , defejando de extinguir toda 
^ coufa que. procedeffe, do langue dos an- 
tigos Reys, mandou diflitouladamente ch*- 
mallo , como qtie era pêra negocio ; ili^s 
clle como fe' temia do Tio , não lhe pare- 
ceo bem aquelle chamamento ; e diíSmii- 
lando com a ida , íingio-fe enfermo , -e aí^ 
lira fe raoftrou no leito a quem o foi cha- 
mar. Difto tomou o tyranno motivo de 
deíbbediencia , pelo que defpedio algiwis 
Modeliares com muita gente, pêra que lho 
levalTem, porque não fofiria íua bratalida*- 
<ie que o mataflem lá , porque queria vô" 
t:om os feup olhos verter aquelle innocen- 
te fangue pêra ferrar fuafede. Chegada ef- 
ta gtme áquella aldeia , cercáram-ihe aí 
cafas, e lhe mandaram diler-que fe fizeC- 
'fe preftes pêra ir a «Ceitavaca a ver-fe cok 
ikú Tio^ ^ Aãe faltou na companhia quetn 

Q 



Digitized by VjOOQIC 



ra24 ÁSIA dí Díogo de Couto 

arifaãe do pêra que Dado ò recadaj 
entreteve elle os Modeliares com lhes di- 
:eer que fe liia fazer preftes ; e recolhendo* 
^fe a numa camera y chamanído fuás mullie-» 
-resi filho9) e mais família, lhes diíTe : n 
*» Bem vedes o eftado em que efte cruel tem 
-» poAo todos os Príncipes de Ceilão , c 
ji que de todos não há mais qvie eu , com 

01 que não ha de defcançaratéban^íar as 
^ mãos neftè* innocente fan^e ) porque nem 
•31 perdoou a feu propric^ filho: que fe pó^ 
;» de efperar delle? Éu fou de parecer que 
'ji lhe não demos goíbo de feus olhos ve^ 
-9 rem o que tanto defeja; e que pois fois 
01 todos tão parentes , filhos , e mulheres 
>^ delle fem ventufa Reigáo Pandar , me 
^. queirais .feguir nifto , e fazerdes o que 
jl eu faço í> ; entornando hum vafo de pe- 

Íooha cruclillima , a poz na boca , e bebeo 
um grande trago, e.a(Iim.foi dando a tor 
^os os que alli eftavam , qs quaes bum e 
Jium foram cahindo , e em breve efpáçó 
deixaram todos as vidas nas mãos da criítC 
peçonha. . Os criados vendo aquelle piedor 
ib efpedlaculo , fizeram hum pranto fobre 
^quelles corpos muito pêra internecex até 
AS coufas inienfivçis. Os Modeliares que o 
iiiam bufcar, ouvindo Q.ck>ra<, entraram 
jdentro , e acharam aquQllefacrificio, o qual 
iQS aírçmbrou_4ejai^pij;a Ç^}» é(^€úi c§t 



Digitized by VjOOQIC 



- ÔÉdAbA Xi CAt. XIV. iijr 

ftío pafmados , :€ fe foram com aóuellas titía 
vas ao Rajú , com as quaes fe elie nâo en^ 
trifteceo. Efte Príncipe efteve muitas vezcà 
abalado -pêra fe ir pêra a nòílá Fortaleza^ 
c João Corrêa teve fobre iíTo algumas 
Cias iuas , e com efte cafo teve elle aJgú^ 
ma occaíiâo pêra tentar o Rajú com algum 
modo de pazes , porque lho fencommenda^ 
va o Vifo-Rey muito ; e tratando-fe efte 
negocio , mandou a iíTo hum António Guer^ 
reiro , cafado em G^lumbo , e hum Duarte 
Ribeiro com licença do Rajú pefa o trata- 
rem com elle , e por elles lhe mahdou hum 
prefente de coufas que lhe pareceo eílima-^ 
m : eftes homens fe viram com elle , e 
concluíram em tréguas , e nãò por tempo 
limitado , mas com condição <iue primeiro 
Que o Rajú as quebràíFe ^ avifaria dlíTo ao 
Capitão , o qual pofto qUe hem fe eiiten** 
deo que eftava com o animo d^mnddo , 6 
que tudo era diílimulação per» nâquellcí 
tempo das tréguas fe píDvef de muitas 
coulas^ que também foram neceííarias aoa 
noífoS) porque naquelles dias mandou João 
Corrêa recolher na Fortaleza madeira, pa-* 
lha , junco 5 e outras coufas perà ctíbríf^ 
e reformar as cafas perá a invernada , 
de fe fortificar o melhor que pode pêra ú 
cerco que efperava , do qual ãviíou dd 
410VO ao Vifo*Rev i -e as tréguas íicárafiA 
Cçut0.T(m.VI.P.lu i cor- 



Digitized by VjOOQIC 



^4 AS I A Dp Diogo de Couto 

^eorrendo até fe quebrarem, como adiaste 
í« verá. 

; C A P I T U L O XV. 

J)e como Cofme Faia foi morío na Ilha iê 

i Çamaram com todos os que com ellt 

hiam : e do que acontçceo a Ruj 

Gonfalves da Camera no 

preito. 

DE propofito guardámos pêra efte lu** 
gar todas as coiiíâs faccedidas a.Rujr 
jGonfalv'es da Camera no eílreito pêra as 
contarmos todas juntas y pelas muitas que 
^ mett^ram no meio. 
, Partido Cofme Faia de Goa , como 
atrás diíTemos > foi tomar Chaul , onde 
mudou navio :^ porque o que levava , era 
bum pouçò^pezado ; e partindo dalli em 
Janeiro cotnoom tempo^ tomou outra co^ 
ta da Arábia , e de longe delia foi bufcar 
O eftreito de Meca , no qu?l entrou fera 
eontrafte > e determinou paíFar á Ilha de 
Ornaram » aflim pêra fazer aguada primei^ 
ro c^ue paflaífe a Macua a lançar a João 
B^ptifta miti , como pêra tomar falia da 
trrrt' y e das Galés , pêra tornar a avifar 
iLuy Gonfalves , e efperallo no eftreito ; e 
tjií^ de chegar, a jCamaram ^ encontrou 

-i.J • ' ^ c ... hU:» 



Digitized by VjOOQIC 



DêcAbA X. Ca?. XV. ^if 

Jiumá Almadia de pefcadores , quê lhe nâel 

]>ode fíigir ^ e a tomou , ú dos Arábios dei* 
a foube como Míralibeé era paíTadò a 
Idelinde com huma Galé ^ e como a outra 
arribara ; e levando os Arábios comfige, 
jchegou a Gamaram ^ e larg(»i a Armadiy 
com dous dos Arábios , pêra que lhe fo& 
fem trazer alguns mantimentos da terra Sr^ 
me 9 íicando^he outros em reféns pêra lhe 
«noílrarem a aguada da Ilha ^ e aili ficou 
«fperando pelos mantimentos , e fòeendo 
água y e lenha. Efta Ilha de Gamaram eílá 
«m altura de 15« gráos de Norte affaftadt 
da terra firme da Arábia Feliz y pouco maií 
de quatro léguas: a íua feição iie de hum 
meio corado cortado ao. comprido y e a 
boca lhe fica pêra a banda da terra 4^ Ara? 
bia^ onde faz huma bahiá , e foa íua íitua^ 

gio parece a Ilha que Ptolemèu chama 
ardemene (fefgúndo Luiz VertemSo) , a 
4|ual elle mette em i6« gráos do Norte nà 
íua fexta Taboa da Aíia pegada á mefma cofta 
da Arábia ; e tornando aos Arábios da AU 
madia , que Gofme Faia mandou por man«» 
timentos , foram-fe direitos á ferra â huma 
Cidade que fe. chama Teis ^ aue eftá from 
ceira á Uhâ, éomo Almada de Lisboa, zoá* 
de reiidia html Xeque poílo da mão doBa*» 
%i y aâ qual deram ás novas do. navio Poi^ 
taguez^ eisomo ficava entCâmarâmeTpfirtii^ 

P ii (to 



Digitized by VjOOQIC 



"iit A si A DE Diogo de Cotm> 

do que Ihelevaílem mantimentos. OXeqilè 
|)areceo-lhe aquillo lanço pêra náo fe per- 
der , e arniou logo duas Gelvas grandes , 
«ias quaes mandou embarcar cem homens 
4e armas em cada huma , alaftrados todos 
por baixo , e mandou cubrillos de vigas y 
« por fima muitos carneiros , gallinhas , e 
outras coufas y e defpedio a Almadia com 
^Uas: eftas' embarcações chegaram a Cama* 
ram á vifta da Fufta ; c tanto que delia ví-^ 
iram os carneiros , e gallinhas / e a Alma-^ 
dia que tinham mandado a bufcar manti^ 
nentos , e fem fazerem coníideração , efpe« 
«-aram as Gelvas com grande alvoroço pêra 
ihe comm^rem aquellas coufas; e chegan- 
do á Fulta , faliiram debaixo os Mouros 
^obre os noflbs ; e como os tomaram fem 
ermas , e defcuidados , foram todos met* 
eidos á efpada , acabando alli João Baptif- 
ta , que elcapou dos Niquilús , e a Fufta foi 
logo levada ao Xeque de prefente, e elW 
â mandou de prefente ao Baxá de Moca 
<jue a fidlejou muito. Outro cafo lemelhan* 
te a- efte aconteceo á outra Fufta noífa em 
outro lugar vizinho a efte , donde fahíram 
t&2is Gelvas, cliamado Ceiiife. Eftando o 
Governador Lopo Soares nefta Ilha de Ga- 
maram , quando entrou até á Cidade de 
Judá o anno de 1516. que indo áquellc 
Ibgar de Ceiiife huma Fufta > de que era 
. . Ca- 



Digitized by LjOOQIC 



r DfecADA X. Cap, XV» : ti^ 

Capitão hum Bafiiâo Rodrigues a refgatat; 
algumas coufas , alli foi tomado cativo , ,e 
dle com todos os Portuguezes , por duas 
Gelvas com negaça de mantimentos , e dcr 
pois foram mandados de prefente ao Tur-» 
CO Seli , por terem chegado novas que ma- 
taram em batalha Turno Bejo , Soldão do 
Egypto , que fenhoreava todas as Arábias , 
os quaes lhe mandou Rax Solimão ^ Capi-t 
tão da Armada do Soldâo , que eítava deí^ 
ta banda do eftreito mandando dar obedienr 
cia ao Turco , como primícias daq^uelle fe-^ 
nhorio que de novo ganhara. 

Agora continuaremos com Ruy Gon-* 
falves da Camera , o qual deixamos parti-^ 
do (^Cochim-, efeguindo fua viagem com 
levantes tendentes , foi tomar Socotorá,, 
onde fez asuada , e dizem que alli achou 
novas da Galé dos Turcos fer paflada a 
Melinde : dalli foi demandar as partes do 
cftrcito, onde cuidou achar Cofme raia com 
avifo do que hiá dentro ; e entrando den- 
tro, virando logo aponta da banda da Ará- 
bia , furgio em a enleada que alli faz fete j 
ou oito léguas da ponta da garganta; e dc% 
pu doze da Cidaoe Moca , que elle levav;^ 
por regimento que queimaíTe com as Galés , 
gue diziam eftarem em eftaleiro , não lhe 
faltando de fua companhia mais que o9 
Galeões que feguíram owtr» derrota , e í^ 

apar- 



Digitized by VjOOQIC 



5j(J ASfA DE DiogÍ) r« Cótrra 

apartaram logo da Armada. Aqui fedcP 
Xou Ruy Gonfatves ficar por efperar que 
yieffe Cofme Faia , deitando efpias em ter- 
ra , pêra fabcr o modo de como a Cidade 
de Moca eftava provida , e da gente que 
tinha , porque determinava de a queimar* 
Eftá eíla Cidade de Moca da garganta da* 
quelle eftreito pêra dentro na cofta da Ara* 
bia , virando logo a ponta daquella terra pe« 
ra dentro , que parece aquella que Pto« 
}emeu chama Polindromos em ii. gráos e 
dous terços , o qual hoje anda verificado 
em 12. e dous terços; e a Cidade de Mo* 
ca também parece fer aquella , que elle 
chama Ocelis Imperium , a qual Eftrabâo 
nomea por Acyla, que íempre foi grande 
efcala, e ainda hoje o he de todas as náos 
de Levante , aonde o Turco manda ter 
guarnição de Galés por caufa da Cidade de 
Adem , que eftá fóra daquelle eftreito em 
13. gráos efcaços , a qual o Douto Jovio 
fa2 haveila de Oceli , qufe deve de fer o 
mefmo Acyla de Eftrabâo , no qual foll 
reverencia he notável erro , porque Oc^U 
eftá da boca do eftreito pêra dentro 18. le* 
guas , e ha de ficar da banda da barra ^fn ) 
e fegundo Michael Miravolano , que tra& 
ladou as obras de Ftolemeu 4^ Grego 
ém Latim , a Cidade de Adem , e a que 
f K)|çii)e4 cham4 Arabid^ Emporijim y 9^4 



Digitized by VjOOQIC 



D£CAt)A X. tkf. ^/ ' IJf 

inctteitt em ri. gráos c meio , jurttò «d 
Promontório Meian , a que os Arábios ho^ 
je chamam ferra de Arzera ,^ o itiefãia 
tem pêra li Ludovico Vartomano Liv. IV 
Cap. IV. Jeronymo Rufeili , e outros CôPí 
mografos. £ tornando á Armada, que eí^ 
tava furta naquella enfeada, como hiamo^ 
dizendo , ao terceiro dia houreram viftá 
de huma fermofa náo , que entrava peraf 
dentro infunada com todas as velas y e comi 
o vento Levante muito efperto; e em a ven- 
do , mandou ò Capitão Mór Pedro Hometit 
Pereira com alguns navios, perà que afoP 
fe commetter; e chegando a ella, lhe ati-^ 
rou a amainar , o que ella nâo fez , antes. 
fe deixou ir leu caminho muito fegura , 
como aqtíeila aue levava nas velas vento ^ 

Sue a havia ae livrar de tudo» D. Joi^e 
a Gama também fe ievou com á fua Ga^ 
lé , e foi feguindo a hio ^ e apAs ella òi 
mais navios poucos e poucos , ficando o Ca-^ 
pitão Mór com fó finco , ou féis ; e che^ 
gando á náo , a foram esbombárdeando 
Krmofamente , varando-a por algumas par« 
tes , e desfazendo-lhe as ooras por fima to^ 
das , fem ella deixar- feu caminho , defen- 
dendo-fe também com mais bombardadas; 
e dando moílra de muita gente que levava 
poftos todos em armas , os noíios nunca 
puf^ram abalroarcin-na > per ferem os mir 



rcs 



Digitized by VjOOQIC 



15* ÁSIA PE Dioeo de Coxrro 

tes mui groíTos , e o vento mui rijo , e at 
fim a foram feguindo até á noite , por ve^ 
rem íc Ihç dava o tempo lugar pêra 9 
çommetterem i mas o vento era cada vez 
maior , e a noite vinharle chegando , pelo 

3ue lhes foi forçado deix^rem-na j equereni- 
o tornar a feu podo , já não puderam » 
porque em todo aquelle eftreito , que he 
snuito perigofo debaixias em tempo de le^ 
vantes , que são mui forçofos , e defgar-r 
róes , eip que he neceíTario não largar as 
enfeadas , e as calhetas , nem fe aífa^rem 
da terra , onde as tenham 4 l^ão ; e quanr 
do os noíTos a^ quizeraq:i ir demandar , 

Í*á não puderam ; e porque ao pôr do Sol 
he foi crefcendo o tempo , com muito 
rifco , e trabalho foram correndo com vét 
las peauenas pêra onde cada hum pode^ 
fem faocrem pêra onde hiam. RuyGonfalr 
ves da Cameta , quando vio que ap outro 
dia não vinham os navios, e que o tempo 
crefcia, ficou enfadadiífimo , e receou-lhes 
grandes defaftres *, e porque não podia a|* 
fazer , deixou-fe aUi ficar efperandp pq^ 
elles. 



CA^ 



Digitized by VjOOQIC 



CAPITULO XVI. 

J)o que aconteceo a^^Francifco deSoufa Ped- 
reira , e a Trijiõo Vaz da Veiga , indo 
fazer aguada : e de brnna briga que ti-^ 
veram com os Turcos : e do que acqnte-^ 
ceo aos wvios da Armada que andavam 
defgarrados. 

EM quanto Ruy GonfalTes náo recolhia 
os feus navios , de que nao havia no* 
vas, determiDou mandar fazer agua, porque 
eftava muito falto delia ; e porque por ú^ 
li não havia outra fenão meia legu^ pela' 
terra dentro , mandou a tr.es Capitães ào9> 
/lavios , que com elle ficaram , que, eram 
Francifco deSoufa Pereira, TriftãoVaz da 
Veiga , e Diogo Vaz da Veiga , irmãos í 
çom a gente de fuás companiiias , que á 
foffem fízer , e eftes homens levaram, fetí 
iènta foldados , e muitos marinheiros , e 
mouros com vaíilhas pêra agiia ; e cami-. 
nhando pêra o lugar da aguada , e indo^ 
ji perto delia , arrebentaram perto de tre* 
zéntos Turcos de pé , e trinta de cavallo 
acubertados ; e acnando diante alguns fol^ 
dados que fe defmandáram , mataram íin**. 
CO , e cativaram hum , e todavia fizeram 
cftes feu dever primeiro, e venderam fuás. 
vida? bem çav»s. Fr^nciÍQO d^ Soufa Perciw 



Digitized by VjOOQIC 



»34 ASt A DE Diogo d8 Co^to 

ra , c Triftâo Vaz da Veiga que hiam jun- 
tos, ranto gue viram os inimigos, ajuntan- 
do os feus (oldados , que feriam quarenta'^ 
1>uzer^m-fe em hum tezo , onde os caval- 
os lhe não podiam checar, por fer íngre- 
me , e pedregofo , e dalli íe defenderam 
do9 dè pé com muito animo } e esforço. 
Diogo Vaz da Veiga , que ficou na praia 
com os feus foldados efperando por enxa- 
das y e machados , indo já caminhando , 
chegaram a elle al^ns Mouros da compa- 
nhia dos que peleijavam , e lhe deram re- 
cado do que paíTava^ e vendo elle que não 
tinha gente pêra os foccorrer, voltou pêra 
40 Capitão Mór, a quem deo conta do ne- 
gocio; pelo que elie com muita brevidade 
defpedio Simão Moniz com Diogo Vaz da 
Veiga , e oitenta foldados , no que fizeram 
detença. de quatro horas ; e querendo-fe' 
fòr a eaminho , chegaram outros Mouros , 
í^e também vinham fugindo , e difleram 
ao Capitão Mòr que todos os Pormguezes 
trani mortos ; pelo que mandou (iazer final 
a Simão Moniz que ie recolhefle , porque 
já hira caminhando ; e pofio que eilc , e 
jE)iogo Vaz da Veiga ouviram amiudar as 
iMimbar^^das , não deixaram de W avante , 
porque quiz Deos. aífim pêra livrar os ou- 
tros: os que peleijavam com osTurcos tra-* 
taram ião mai aos de pé, que foi ncceíTa^ 

rio 



Digitized by VjOOQIC 



' Década X. Ca?. XVT; ' ijjr 

rio aos de cavallo defcerem-fe pêra averi- 
guarem aquelle negocio , e foram commeN 
ter os nolíos com muita determinação ; e 
como elles eílavam apoftados a venderem 
as vidas muito caras , receberam huns , e ou* 
tros com grande animo , defendendo-fe , e 
offendendo-o$ , como fe foram muitos , e 
muito sáos y eftando a mòr parte delles fo 
ridos ; e tendo já eíbrados no campo maia 
de trinta -Turcos de pé , e três dos de ca-* 
vallo , e entre elles hum de traje differen^ 
te dos mais que parecia Capitão y porquo 
mandava ^ e governava na briga : e certo 
que efta foi huma das mais bem pelei* 
jadas que fe viram peta deíigualdade da 
gente, porque já os noíTos eram menos do 
quarenta , e os Turcos mais de cem , por« 

S|ue recrefcêram depois , e todavia os noíToa 
empre moftráram hum aninu) , e esforço 4 
liâo afracando nada , tendo razio pêra ei^ 
tarem bem canfados , por haver mais' do 
oito horas que peleijavam , porque cornei 
çou a briga^ ás lete de pela m^nhá y e ifta 
em já depois de duas noras , fem em toda 
efte tempo tomarem hum pouco de repoii« 
fo , nem huma refeição de agua , ou outra 
coufa alguma ; e já alguns foldados de fe« 
riqos, e canfados náo podendo mais oom^ 
íigo , deixaram-fe cahir alguns , e outros 
ww&xSYsm d^íooafian^ , ^ Fiancifco do 
- ' Sou» 



Digitized by VjOOQIC 



^3* A ST A DE Dioisò 'Bb Couto 

Soufa i e Trifôo da Veiga , que ambôf 
efte dia tinham bem moftrado o valor de 
feus corações, os não animaram, e esforça- 
ram com bradarem muitas yezes que fo 
«iegraíTem , que já apparecia foccorro ; e 
tantas vezes os foram enganando com ifto , 
até que apparecêram Simão Moniz, eDio-* 
go Vaz, os quaes vendo os noíTos naqucl- 
k rifco , e multidão dos Turcos , que os 
tinham cercados , fazendo-lhes a honra , e 
o amor de irmãos , e amigos , defprezar 
todos os perigos , arremettéram de longe 
com huma grita grande , tocando os tam- 
bores, com o que animaram os que pelei- 
javam, e defcorçoáram os Turcos de feição, 
que não fazendo confideração , foram fu- 
gindo , e deixando o pé do monte cheio 
de corpos mortos , que ás efpingardadas 
{lerrubaram : os do foccorro chegaram aos 
outros , que eftavam banhados de fangue, 
c fuor , e todos fe abraçaram com tama- 
nho alvoroço que o cafo requeria ; e por- 
que havia muitos feridos , e todos eftavam 
pêra efpirar de fraqueza , e canfaço do tra- 
oalho paíTado , porque como arrefeceram 
da fúria , fez a natureza feu officio , encom- 
mendando os feridos aos sãos do foccorro 
pêra os ajudarem, foram-fe recolhendo pê- 
ra a Armada , á qual chegaram ainda de 
tUa^ e foram tão bem recebidos, e fefteja^ 

dos 



Digitized by VjOOQIC 



' Década X. Ca?. XVI. 237 

dos do Capitão Mór , como homens que 
havia por mortos , c logo fe curaram 09 
feridos com muito refguardò , e a todos os 
roais deram refeição , com que tornaram 
a recobrar alento y e com grande gofto de 
todos contaram da batalha , que foi muito 
pêra iíTo. Partidos os noíTos do porto da 
origa, arrebentaram de redor de dous mil 
de cavallo y que o Baxá de Moca defpe** 
dio , porque logo teve rebate , e acharam 
os feus desbaratados , e perdidos, porque 
o modo que levavam os fez efpalnar ; é 
cuidando eftes que os Portuguezes tornai^ 
fem a bufcar agua , que daq^uella vez não 
levaram, embrenháram-fe ; mas íabio-lhet 
em vão fua efperança. [ 

Ruy Gomalves da Camera ao outro 
dia que itlo íe paíTou , Levou ancora pêra 
ir bufcar a fua Armada, de que não havia 
novasf ; e indo á vela , vio entrar pelo efr 
treito outra náo com vento muito frefoo ; 
e voltando a ella , a foi commetter poc 
emendar a defgraça que Iheiaconteceo com 
a outra ; e chegando perto , lhe atirou a 
amainar, o que ella não quiz fazer , peloí 
que a foi feguindo ás bombardadas y e tan^ 
to apertou com ella , que amainou , e mof- 
trou bandeira de paz. O Capitão mandou 
levar diante de li o Meftre , e Piloto , é 
delles foube que.aqueUa.náo e^a deElReyt 

de 



Digitized by VjOOQIC 



«38 A SI A DE Diogo db Couto 

4e Pegú, e que não levava cartaz; e ttiztié 
dando íurgirr a náo , o fez elle também 
hum jpouco aiFaftado ; e tanto que anoíte^ 
ceo ) lobrevioido hum temporal grande , foi 
fioceíTario ao Capitão Mór levar-fe, e pôi^ 
lhe a poppa , e a náo fez o mefmo , e fo« 
ram cx>rrendo tormenta bem grande ; e a 
náo em amanhecendo , vendo-fe perto de 
Moca y metteo^fe dentro : a noíTa Armada 
foi em traquete pelo eftreito dentro , por<« 
que era levante 5 e chegou até á Ilha de 
Camarão y onde íurgio , e o Capitão Móv 
mandou por Simão Moniz , e por Francif* 
CO de Sottfa> e Diogo Vaz da Veiga (que 
£&. eftes cheira Qi) que foíTem queimat a 
povoação da Ilha , a qual fe deipejou , e 
a queimaram toda: allifizer^ todos agua^ 
da , e lenha cm abaftança , no que gaftáram 
três dias ; n Icvando-fe pêra tornarem afeu 
porto 9 paíTando por huma coroa de aréa , 
qoe eftava no mar da Ilha , ouviram nella 
huma bombardada ; e acudindo as fuftas a 
fila , acharam o navio de Ayres da Silva , 
^ue era hum dos defapparecidos , o qual 
kavia três dias que alh eltava encalhado, 
porque vindo correndo com aquelle tempo ^ 
wi de noite varar naquella coroa , na qual 
eftava com o fato em terra, e com agente 
bem éefconfiada de podetem concertar a 
fipfta pof .jeíUf toda abcria. Os nofibs em ^ 
.^ " vca- 



Digitized by VjOOQIC 



r Degapa X, Cap. ^CVL \ t j^ 

tendo f com grande alvoroço fe lançaram ai 
terra com todos oa marinheiros , e com 
muita preíía remediaram a fufta o melhor 
que puderam, e a lançaram ao mar ^ e fize- 
ram embarcar nella o feu Capitão , e foi- 
dados , qtie eftavam todos como mortos do 
trabalho paflado ; e tomando a fuíta no 
meio de outras duas , pela muita agua que 
hia fazendo » a foram, levando com muita 
vigia y e dalli a dous dias faleceo Ayres da 
Silva dehuma& febres que deram em o bai- 
lo , do grande Sol , e jtrabalho , do que 
lodos receberam muita dor y por ícr hum 
mancebo de muito grandes penfameotot., 
€ efperanças , c que procedia muito bem 
no íerviço deElRey: era elle Fidalgo filho 
do Regedor Lourenço da Silva , e de Do-* 
na Ignez de Caftro fua mulher: o Capitão 
Mòr foi demandar a boca do Eftreito pêra 
9IIÍ ajuntar a fua Armada y e pelo cammho 
foi encontrando asfuftas defgarradas^ bc^e 
três y i manhã quatro , até. fe ajuntarem 
todas fem perder nenhuma ; mas todas tão 
deftroçadas da tormenta , e tão faltos d;e 
agua , e mantimentos , por fe lhes terem da« 
mnado , que vinhatn quafi defefperados do 
remédio. Comefte trabalho chegaram ás 
portas do Eftreito y onde acharam o Galcãa 
de D» FrancHco Mafcarenhas y do quat 
todos iè provésam y m qni» Dms Uvaik| 

ai' 



Digitized by VjOOQIC 



'Ufy A SI A OE DíoGO í)É CoÃo 

alli , pibrque íem dátida que fe perderam 
á mingua. 

! C AP I TU L O XVII. 

Do que mais lacMteceo a Ríh Qonfalvef 
• da.Catnerãy e a D. Francijco Mafcare^ 
nbasy que fitou m Eftreito : e áe como 
. Kuy Gonfkhes chegou a Mafcate ,. e dei-* 
. pedio Peara Homeni Pereira com a Ar^ 
- fkada de remo pêra Ormuz* 

T. Anta que R.uy GoixfaiTes da Camera 
tert juQta toda a fua Armada , e que 
era tempo de fe acabarem os ierantes , fez-* 
fe. á iréla pêra Ormuz , onde. lev.aya por 
regimento que invernaíTe peta a jornada 
dos Niquilús, fobre que Mathias de Al-< 
buquerque támo puchára , e deixou na bo^ 
ca do eftreito D.Francifco Mafcarenhas, 
poraue não teve tempo o Galeão pêra fa- 
zer-ie á véla ; e fendo o dia da Pafcoa da . 
Refurreição , pela manhã chegaram a huma 
enfeada , que fe chama dos Mordexis y feÍ9 
léguas da boca do eftreito pêra fora , já 
tão faltos de agua , que não tinham que 
beber ; e como aquclle dia era todo de 
mercês , fez4he alli tantas , que cayanda 
ao pé de huma palmeira j em quafi. dous 
palmos ihe xebeatou huma fonte jde a^ua 



Digitized by VjOOQIC 



bETsÁuA X. Capí XVIL \ «41 

íêreDiflima ; e em quantas (Hitras partes ca^ 
yáram , em tantas lhe rebentaram outras / 
nas quaes fizeram fua aguada com grandd 
feíla , e alvoroço ^ dando todos multas gra*« 
jas a Deos nono Senhor por tamanha mer^ 
cé , e por ella puzeram o nome áquelle lu-i 
gar a jfígua da rafcoa ; e certo que não foi 
menor milagre efte que aquelle , que Deos 
fez pelos filhos delírael,* paíTáhdo por efta 
mefma Arábia ^ quando ílie abrió fontes 
de agua na pedra ^ indo todos pêra perece^ 
rem , como agora eftés hiam. Aqui paíTáram 
iodas as Oitavas ^ em que tiveram alguns 
rebates de Turcos , que em terra mataram 
alguns marinheiros ^ e hum Piloto Mouro 
que fe defmandáram« Daqui partiram , ain^ 
da que fartos de agua , muito faltos dd 
mantimentos pelos não haver já; echegan-^ 
do defronte de Adem , acharam furto a 
Galeão de Chriftovão da Veiga , da qual 
fe refizeram ; e a Fortaleza como rio a nolfa 
Armada 5 que lhe foi paíTando de longo / 
atirou*lhe muitas bombardadas , fem os noí> 
£>s fazerem cafo delias ^ deixando-fe ir feii 
caminho muito feguros cont darem muitos 
pelouros entre os navios, eaflim foram fe-r 
guindo fua derrota com ventos ponteiros , 
que IhcUs deram muito trabalho, e os deti« 
veram tanto , que lhes tornou a faltar a. 
9gua de todo ; e chegou a Armada a tantfn 
CautQé Tm. Kl* P* U4 % aper-» 



Digitized by VjOOQIC 



14^ A S I A DE Diogo de Couto 

4iperto por falta delia , que fe vio de todo 
perdida ; e Roque da Fonfeca y que havia 
três dias que no feu navio não bebiam 
agua y chegou á Galé do Capitão Mór , e 
lhe pedio o foccorreíTe y e fenâo que já não 
havia outro remédio , fenâo varar naqueila 
terra , porque antes querião morrer con\ 
os pés nella peleijando , que no mar de 
pura fede. O Capitão Mór hia tal que neta, 
a íi podia valer , e com grande pezar lhe 
diffe y que fizeffe de fi o que quizeíTe , que 
cUe também eftava tão neceilltado como 
elle. Roque da Fonfeca como defefperado 
áeo toda a véJa y e mandou endireitar 
com a cerra pêra varar nella ; e indo já 
muito perto , vio huma aberta, pela qual 
fahia huma fermoXa ribeira a defcarregar 
iuas aguas no mar ; e vinha tão profpera y 
e com tamanha força , que mais de hum 
tiro de béíla ao mar era tudo doce* Os 
marinheiros como hiam efpirando i fede, 
acertaram de provar a agua do mar , e a« 
ehando-a doce y deram todos cpmiigo no 
mar , como acontece ao que vai ardendo 
tm vivo fogo , que em vendo agua fe ar- 
yemefla a ella , com aqueila fúria que lhe 
£fíz levar as flammas em.. que vai ardendo; 
• tanto que fe yé na agua que fe lhes apa-* 
gam as lavaredâs y resfolega , e parece que 
«pmeça a viver ; aífim os foidados fe lan« 



Digitized by VjOOQIC 



bEtADA X. Ca*. XVtL ft4j 

çáram ao mar apôs os marinheiros com ai 
bocas abertas , havendo que nem todo ««• 
quelle mar lhes mataria a fede que leva» 
ram ^ e não lhe efaueceo com todo aquella 
alvoroço a neceíTidade em que toda a Ar-» 
mada hia » porque logo mandou Roque da 
Fonfeca atirar buma bombardadà , pêra que 
acudiíTe , como fez i e chegando alli qud 
viram aquiIlo> houveram que era obra de 
Deos que os foccorria na mòr neceflldadd 
em que nunca fe viram, como fez em ou^» 
tros muitos trabalhos que lhes acontecérarti 
naqucUa viagem; e dando-^lhe todo^> muitas 
graças , fizeram muito baflantemente fua9 
aguadas y e fe recrearam , e lavaram , eA 
quecendo-lhes logo o trabalho em que vi-» 
nham , porque o alvoroço do gofto prefen- 
te lhes varreo da memoria todo o perigo 
paiTado. Partidos dalii , foram tomar Que« 
xumes y que eftá na coita da Arábia ante? 
do Cabo de Fartaque , em altura de i6* gráod 
do Norte y ao qual Ptolemeu chama 'Sea« 
gro, quemette nafua fextataboada daAíiá 
na mefma coíla em 14^ gráos t aqui em 
Quexumes fe apercebeo toda a Armada dô 
coufas que havia de miíler y e o Capitãa 
Mórdefpedio os navios pequenos perairem^ 
efperar em Mafcate , e fez Capitão Mòr 
de todos o Pinheiro y que hia na faa maiV» 
chua : eítes navios, fe fizeram á vela > eco0í 



Digitized by VjOOQIC 



^44 A S I A DS Diogo ds Cotrro 

o tempo qae era rijo , fe apartaram de noi- 
te i e fomente os navios de D. António 
Manoel de Santarém , e o de Fernão Gon- 
falves da Camera fe compaírámm com a 
manchuá, eíbram fempre leguindo o farol ^ 
indo demandar a enfeada da Macieira an«* 
tes do Cabo Rofalgate ; e foi o vento cref» 
cendo da banda do Ponente com tamanha 
cerração , que nem aquélle dia , nem outro 
(que foram correndo á vontade dos ventos) 
pode o Piloto , que hia na manchua j to* 
mar o Sol ; e o terceiro que o tempo foi 
abrindo 9 que lhe deo lugar pêra tomarem 
a altura y achárám-fe 8o. léguas aíFaftados 
da terra ^ do que foi caufa as grandes cor- 
rencea das aguas , que faliiam da boca de 
Sinu Perfico ; e não lendo poílivel tornarem 
pêra Ormuz , por fer o tempo groíTo , e 
os navios pequenos , que não puderam fof- 
frer o lá y houveram por melhor confelho 
fazei^fe na volta de Dio , e com o ponente 
que era rijo , em quatro dias foram haver 
vifta do Pagode de Jaquete , no qual por 
ler de noite ^ e a terra raza, houveram de 
varar , e eftiveram com as proas em terra , 
je ao mefmo tempo fe não accendêra hum 
farol que o Pagode tem; e em vendo , fe 
foram affaftando , e ao outro dia foram a 
Dio > onde invernáram. Os mais navios , 
4|iie logo íe.apartáram deftes ^ foram-fe che- 



Digitized by VjOOQIC 



DECAbÀ X. Caí. XVn. Í4y 

gando á terra , e de longo delia com pou« 
ca vela navegaram com menos trabalho , 
tendo tento na terra fem a quererem lar* 
gar ; e paíTados os dias da cerração , foram 
mais folgadamente , e paíTáram o Cabo 
Rofalgate , e dalli foram efperar a Armada 
a Maícate : o Capitão teve o tempo em 
Quexume furto ; e como lhe paíTou , deo 
á vela com as Galés ; e pofto que gaftou 
muitos dias , foi tomar Mafcate ; e primei-» 
ro que contemos o que mais fuccedeo^ fe- 
ra bem que continuemos com D. Francií^ 
CO , e com outro Galeão y que ficaram ef- 
perando tempo , e porque ao Galeão de 
Chriftovão da Veiga não aconteceo coufa 
notável, e foi ter a Mafcate a falvamento^ 
onde o deixaremos , por continuarmos com 
D. Francifco Mafcarenhas. Âpartando-fe o 
Capitão Mór delle , ficou alli furto efpe^ 
rando por tempo » que lhe não entrou fe« 
não dalli a mais de vmte dias ; e tanto que 
lhe deo lugar pêra fe poder fahír , deo á 
vela , e foi fazendo fua viagem de vagar; 
e por lhe faltar agua y a foi fazer a Monte 
de Félix , onde foi com elle dar huma náo 
muito fermofa que hia pêra Meca ; e fá** 
zendo-a furgir , mandou levar o Capitão, 
que era hum Abexim y homem de milito 
bom entendimento y o qual D. Francifco 
recebeo mui bem» e delle foube fer a náo 

de 



Digitized by VjOOQIC 



>46 A.S IA DE Diotso DE Couto 

de Hccbar Rey dos Mogores , e què le* 
yava cartaz que lhe moftrou, Efte Abexim 
cm praticas que terç com D* Francifco 
Mafcarenbas y fabendo que era da compa^ 
nhia da Armada de Ru7 Gonfalves da Ca^ 
siera, perguntou-Ihe pelo Capitão Mór, e 
pelo quo fizera no Eureito , porque pela 
fama > e terror que efta Armada metteo em 
toda a índia y houve que elle pelo menos 
deixaria Moca queimada , e a mór parte 
da cofta da Arábia : fabendo o pouco qua 
fizera , e os defaftres que lhe aconteceram y 
apertando as mãos , e dando á cabeça , co« 
mo magoado , diffe pêra D. Francifco : 
NãofizeJleT mais com ejla vind^ , que a^ 
cordar o cão que ejld dormindo ; e aflim 
foi por certo , porque logo em fahindo a 
Armada , mandou o Baxá de Suez reformai* 
Adem , fazer Fortaleza em Gamaram , e ou* 
iras no porto de Arquico , e Macua na 
coíla da Abaífia , provendo-tos de guarni^ 
j6es baftantes , e efcreveo ao Turco pela 
pofta daquella Armada , o^^qual com muita 
preífa mandou lavrar madeira pêra Galés ^ 
e defpedio hum Baxá a Suez com os Oífi^ 
ciaes pêra zfi levantarem , o que começoii 
a fazer çom muita preffa; e por haver dif- 
jFiprenças entre o Baxá que foi , e o <yit lé 
eildva, ficaram imperfeitas , tendo ]i AH 
Cgl^$ »l«vaW4das , porqw O Bwá de Sue* 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XVIL 147 

efcreveo ao Turco que não eram nçcefla-» 
rias tantas Galés pelos grandes gaftos que 
faziam , e que aquellas fe fe acabaíTem baf- 
tavaoi pêra guarda daquelle eftreiró ; e iota 
ifto efcreveo mexericos do outro Baxá, com 
que fez mandallo o Turco logo chamar. 

D. Francifco Mafcarenhas defpedio o 
Capitão da náo do Mogor , e elle foi feu 
caminho, em que o deixaremos até tornar 

CAPITULO XVIIL 

Da Armada que Ruy Gonfahes da Catne^ 
ra mandou contra os Nequilás , de que 
foi por Capitão Mor Pedro Homem re^ 
reira ^ e do que lhe aconteceo na jorna* 
da \ e de como def embarcou nafua Cof-^ 
iay e foi desbaratado com morte dequajl 
todos os Capitães y e mais de trezentos 
homens. 

CHegado Kxxj Gonfalves da Camera a 
Mafcate , onde os navios da Armada 
eftavam já efperando por elle , tratou de 
defpedir dalli os que havia de mandar a 
Nequilús , como levava por regimento ; e 
pelas cartas que alli achou de Mathias d^ 
Albuquerque , e de Jpão Gomes da Silva ^ 
<que ja eftava de pofle da Fortaleza de Ort 

mu&t • 



Digitized by VjOOQIC 



%4t AS IA DE DiòGo DE Como 

snuz , íe houve Que feria melhor partirem 
dalli y porque nao foubefle da Armada, 
fenâo quando déíTe fobre elles ; porque Ce 
foíFç a Ormuz y logo haviam de fer avifa^ 
dos , e eftariam precatados j foccorridos de 
Lara ; e mandando prover pêra vinte dias 
dos navios que haviam de ir , os defpe- 
dio, elegendo pêra Capitão Mòr daquellt 
jornada redro Homem Pereira , que logo 
fe fez á vela. Os Capitães que com elle 
fpram, $ão çs feguiqtes: D. Jorge daGam^ 
|ia fuaGalé, D.An tonlo Manoel , irmão do 
Conde da Atalaia , D. Miguel de Caftro , 
£lho do D.Alvaro de Çaílro , D. Manoel de 
Lima , Puarte Moniz Barreto , filho de An* 
tonio Moniz Barreto , Governador que foi 
da índia , e Triftao Vaz da Veiga , e Diogo 
Vaz irmãos, Roque daFonfeca, André de 
Souía , João Rodrigues Cabral , Francifco dç 
SoufaPereira , Fadric^ue Carneiro , filho de 
Francifco Carneiro, irmão de Pedro de Al- 
cáçova , Conde das Idanhas , António Gon- 
fafves de Menezes , e António Coelho iriaqi 
neftes navios de redor de quinhentos folda- 
dos dos m^elhóres da Armada : levava Per 
dro Homem por regimento que £6ffe fobre 
Ds Nequilús , e os deftruiífe , ç caítigaífe 
pelas aíFrontas que tinham feito á noíFa 
Fortaleza de Ormuz , e que não tocaíTe 
yeâa Fortalei^a ^ porque nao tivcíTem o| 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf. XVHL ^0 

kiimigos primeiro avifo delles , que os vifr 
fem defembarcar em fuás praias. Efta Ar^ 
inada foi feguindo feu caminho com ten>* 
pos ponteiros , em que gaftou quafi todos 
os dias de provimentos que levava por R^ 
gimento ; foi-Iiie faltando o mantimento^ 

£elo que lhe foi forçado arribar á Ilha de 
areca perto de Ormuz, donde não mandou 
recado ao Capitão daquella Fortaleza por 
lho defender o feu regimento. João Gomes 
da Silva mandou negociar os mantimentos 

Eera lhe mandar ; e pela detença que niífo 
ouve , chegou Ruy Gonfalves da Camera 
primeiro que foíTem , e defembarcando em 
terra, praticando fobre aquellas coufas com 
Mathiafi de Albuquerque , e com João Goíp 
mes da Silva , jDareceo bem a todx>s ir a 
Armada prover-le a Ormuz , e pêra a re* 
forçarem alEm de gente , como de navios ^ 
com o que mandaram chamar Pedro Ho» 
xnein ; e dandorfe preíla aos provimentos ^ 
e navios da obrigação daquella Fortaleza ^ 
que mais haviam de ir , os defpedíram em 
breves dias , levando Pedro Homem mais^ 
íinco navios da obrigação daauella Portai 
leza, dos quaes era Capitão Mòr Paulo da 
Silva parente dç João Gomes da Silva \ o 
por ordem de Mathias de Albuquerque ^^ 
foi também Álvaro de Avellar em hum 
f^ylq com B^egimento a Pedro Homem ^ 



Digitized by VjOOQIC 



aso ÁSIA DE Diogo de Couto 

Í[ue não fizeíTe nada fem feu confelho , por 
er hum homem muito prático naquelle es- 
treito y e muito bom cavalleiro : levavam 
eftes navios da obrigação da Fortaleza 
•cento e lincoenta homens , cx)m o que pr&- 
faziam o numero de feiscentos e fíncoenta* 
Partida efta Armada , foi entrando o 
leftreito , e no caminho teve o Capitão Mór 
avifo de como os Nequilús eftàvam foccor« 
ridos da gente de Lara , e que no feu por- 
to não havia que fazer, porque não tinham 
|>ovDaç6es , nem embarcações pêra fe lhe 
poderem queimar, que tudo eftava deferto 
em fuás terradas , enterradas debaixo da 
aréa , de aue toda aquella praia era ; e 
Informado oem difto , efcreveo ao Capitão 
JAóv Kvj Gonfalves da Camera , e ao Ca«- 
pitão de Ormuz , e a Mathias de Albuquer- 
que o que fobre ido achou , e que todavia 
hia efperando por refpofta pêra lhe fazer 
D que mandaíTe, Vifta a carta por todos , 
C notados os inconvenientes que lhes elle 
apontou y lhe refpondeo Ruy Gonfalves da 
Camera , que foíTe aonde o mandavam , e 
c|tte déíTe em Nequilús , e que não arribaf* 
le tantas vezes. Efta carta os tomou já fo» 
bre o porto de Nequilús , o qual (como 
5á diíTemos ) eftá na cofta brava naquella 
íparte , onde chamam de Leitão y fronteira 
a Ilha de Cães , que tudo são medãos de 

aréa 



Digitized by VjOOQIC 



' DÉCADA X. Caí. XVIIL ijr 

aréa folta ; e como ventão ós Stidoeftes 
que alli cursáo muito , e ficam travefsões , 
fazem naquella parte os mares tamanhos 
efcarceos que mettem medo ; e pofto que 
ao tempo que alli chegou a Armada ven^ 
tava pouco , e o itlar dava lugar , e jazi-- 
go, todavia bem pareceo a todos ^ e ven- 
do a cofta , e aquelles medâos de aréa, 
fem verem povoação , embarcação , nem 
coufa que le pudeíTe queimar , qile não 
deixaria de fer fua defembarcação muito 
arriícada , e fem fruto nenhum , e aflas de 
pouco confelho em commetterem-fe coufas , 
em que o perigo eftá muito certo , e a 
honra , e proveito nenhum ; e efta era a 
razão, .por que Sandanes Lidio aconfelhou 
aCreflb, quando quiz conquiftar osPerfas, 
que nunca fizeffe guerra a gente que be^ 
bia , e veftia pélles , pois em os vencer não 
podia alcançar gloria , nem proveito , ca* 
mo com eftes Nequiliís fenão podia alcan^ 
çar , por ferem homens que fe fuftentavam 
de tâmaras , e peixe fecco ao Sol , e be» 
biam aguas falobi^as , e veftiam pélles y e 
trajes afperos. 

E tornando ao noffb fio , dada a carta 
a Pedro Homem Pereira , vendo a fequídãa 
delia , deram*lhe tamanhas defconfianças , 
que fem embargo de ver claro fua perdia» 
1^0 ^ determinou dçfembarcar > e fazer o 

fjue 



Digitized by VjOOQIC 



ijT* ÁSIA DE DiQGO DE Còtrro 

2ue lhe mandavam* Chamando todos os 
lapitães , moftrando-lhes a carta , e decla- 
i-ando-lhcs a fua tenção , que era defem- 
barcar em terra , votaram todos qur alli 
Bâo havia que fazer ; e c[ue fem embargo 
lio que o Capitão Mòr dizia , íenao com* 
metteíTe coula tanto fem fruto , e de tanto 
rifco, comoaquella, pois tudo o que viam 
não eram mais que medâos de aréa folta ; 
.e que ir bufcar os inimigos ao Certão, 
iíTo lhe não .mandava o ku Regimento ^ 
nem era fervico de ElRey , fe o fizeífe : 

?ue o bom leria tornar-íe pêra Ormuz; 
edro Homem Pereira bem entendeo que 
aquillo era o bom; mas como eftava cheio 
de defconfíanças , pareceo-lhe que fe defa-- 
creditava em não .defembarcar , pofto que 
mais não fizeífe que pôr os pés em terra ; 
/e tratando iíTo com oAvellar, pareceo-lhe 
bem aquillo , fó porque viíTem os Nequi* 
lús que lhe podia deíembarcar nas fuás ri* 
beiras, eque não fizeífem mais* que encher 
hum facco daquella aréa pêra final de co* 
mo puzeram nella os pés , e pêra o leva* 
rem de prefente a feus Capitães , não lhe 
lembrando quando ElRey David eftranhou 
áquelles valentes mancebos , trazerem-ihe a 
agua que elle defejou da cifterna de Be^ 
thelém com tanto rifco feu , pelo que não 
qui? bebçr j e a derramou pelo chão> por«» 

que 



Digitized by VjOOQIC 



DÉCADA X. Cap, XVIIL 15'j 

que 08 rifcos em que fe tão aventura a ga» 
nhar muito , são temeridades mui aborre^ 
cidas a Deos , e aos homens. Em fim aír 
fentados os noíTos naquella indifcreta de- 
terminação , puzeram em ordem o modo 
dadefembarcação, erepartio-fe toda agen- 
te em duas bandeiras : da primeira leria 
Capitão D. Jorge da Gama , e a outra fi- 
caria em guaroa da Bandeira de Chrifto 
com o Capitão Mór , e que cada huma dei- 
tas companhias deíembarcaría em cada hum 
feu pofto pêra divertirem os inimigos , fe 
lhe vieíTem defender a defembarcação. Pof- 
to tudo em ordem , mudáram-fe os Capi- 
tães das Galés , e fuftas pequenas nas ba- 
teiras y e em outros vaziliias menores , e 
foram juntamente commetter a terra , e 
puzeram nella as proas , poíbo que o mar 
andava de levadio. D.Jorge da Gama com 
fua companhia defembarcou na parte que 
k lhe limitou , e na primeira barcada lan- 
çou em terra de redor de feífenta foldados 
com a fua bandeira , ficando-ihe pêra na 
outra batelada fe defembarcar com todos 
os mais ; e tendo dado ordem ao feu Al- 
feres que fe não apartaíFem da borda da 
agua até elle fer em terra com toda a mais 
gente; e elle, e os mais de foíFregos , ou 
de haverem que não havia nada , pois não 
apparecia gente alguma , foram logo mar- 

chan« 



Digitized by VjOOQIC 



15*4 ÁSIA DE Diogo de Couto 

chando fem efperarem pelo feu Capitão ^ 
e encaminharam pêra os medâos de aréa 
que eftavam aíFaftados da agua quaíi hum 
tiro de berço , os. quaes cingiam a praia a 
modo de meia Lua , e de huma á outra íi^ 
caya huma fermoCíIima , e grande praia ^ 

Íue era aquelia em que dcfembarcárara. 
>• Jorge da Gama delembarcou na outra 
batelada ; e vendo ir a fua bandeira pêra 
o nfionte^ foi feguindo-a, e chamando pe- 
los feus que o eiperaíTem y e que fe deti« 
veflera , porque receou que lhe aconteceíTe 
algum defaftre ; mas como todas as defar 
venturas que na índia tem acontecido fo« 
ram por grandes defarranjos dos Toldados 
pela falta que nelles ha da difciplina mili* 
tar^ não guardando eftes a ordem que es- 
tava dada de fe não apartarem da agua, 
nem obedecendo ao feu Capitão que os foi 
chamando, foram defatinadamente pêra fe 
porem em ííma dos medãos , fem lhes dar de 
nada. D. Jorge da Gama vende que toda- 
via os feus foldados lhe levavam a bandei- 
ra , foi-fe com os mais foldados após ella 
até fubir a cabeça dos medãos. Os Niqui- 
Ilis 9 que eítavam já prefte^ ( porque tanto 
que fouberam da Armada chamaram foc- 
çorro de Lara) vendo defembarcar os noP 
fos , deitáram-fe da outra banda dos me- 
dãos em íilada pêra darem jazigo ao$ noA 

fos 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XVIII. 25*^ 

fos de defembarcarem á fua vontade ; é 
vendo a bandeira de D.Jorge da Gama em 
íima y arrebentaram mais de quinhentos de 
cavallo , e muita gente de pé ^ e dando em 
D.Jorge, pofto que fedefendeo mui bem, 
no primeiro encontro encarou hum Foão 
Carvalho a efpingarda, e difparando-a em 
hum Mouro , que vinha diante , que pare* 
cia o Gapitâo , deo com elle de pernas af« 
íima ; e lançaudo-lhe a mão ás rédeas do 
cavallo 9 faltou em íima delle ; mas como 
os Mouros vinham de tropel , deram nel* 
le , e em todos , e alli os mataram : alli 
andou D. Jorge peleijando valerofamente , 
mancebo de quem todos tinham muito^ran-^ 
des efperanças. Desbaratados eítes, foram 
os ihimigos defcendo abaixo á praia , aonde 
já eílava o Capitão Mór com toda a fua 
companhia , pondo a fua gente em ordem ; 
e como levava muitos mancebos Fidalgos 
de pouca experiência , que fe nãó tinham 
viílo em nenhum perigo , não lhes dando 
do feu Capitão, tirou cada hum por onde 

3uiz y e quando os Mouros arrebentaram 
e íima , achando todos eítes derramados , 
deram nelles, e os começaram a matar, e 
atropelar: o feu Capitão Mór acudio com 
o corpo da gente pêra os recolher ; e fe 
Queria valer a eíbs , via de lá vir outros 
aefmandados fugindo , c de maneira qu0 



Digitized by VjOOQIC 



^^6 ÁSIA DE Dioâo DE CoWo 

ficou tudo huma confusão , que não fe eti^ 
tendia , nem nenhum fabia o que fizefle; 
Os Mouros vieram com aquelie tropel ^ 
trazendo diante de íi alguns y e deixando 
os mais já atropelados ; e os que puderani 
cfcapar fe acolheram ao mar , no qual com 
o medo fe arremedavam , fem verem qutf 
por fugirem de hum perigo davam em ou^ 
tro maior. Pedro Homem vendo tudo def' 
baratado , chegou-fe á borda da agua , e 
com as coitas nella efteve recolhendo os 
que pode, e oâ Mouros de foíFrcgos che^ 
gáram até á borda d^agua^ e todavia achá-^ 
ram alguns que fe lhes puzeram diante ^ e 
lhes ti>eram aquella fúria ^ como foram 
Francifco de Soufa Pereira ^ os Veigas y 
Duarte Moniz ^ e outros ^ que com fuás 
alabardas fe atraveíFavam , porque os Mou-^ 
ros não acabaíFem de romper tudo : e por-^ 

Sue não achaíFem ao Capitão Mór ^ aqui 
>i a confusão grande; porque aílim os que 
vinham fugindo y como os outro» que eua-' 
vam da borda d^agua , fe lançaram ao mar 
pêra fe faivarem nas embarcações que efta-* 
yam de largo , por caufa da quebrança da 
agua ; e como hiam carregados de armas y 
c alguns não fabiam nadar ^ aíFogáram-^fe a 
mòr parte deli es ^ fem as iuftas favorece^ 
rem os noflbs com a fua artilheria , porquo 
fud^ fel mal ordenado, e tudo defarranjo.^ 

Vett^ 



Digitized by VjOOQIC 



Década X* Ca?. XVIIL ^$7 

Vendo-fe o Capitão Mór perdido , e aper- 
tado dos Mouros , recolheo-fe a algumas 
embarcaçóes cx)in os que o puderam fe- 
guir, tudo com muito rifco, trabalho , e 
defordem : efte foi o mais piedofo efpeíla- 
culo que fe podia imaginar, porque quanto 
fe via em terra , eram homens por baixo 
dos pés dos cavallos , c corpos efpaihados 
por lima da aréa ; quanto apparecia do mar 
eram homens , huns já afogados , outros 
trabalhando por chegarem aos navios : huns 
chamando pelo nome de Jefus , da terra ; 
e outros pelo de noíTa Senhora por debai- 
xo das ondas , de maneira que efte foi o 
mais miferavel cafo , e maior defaventura 
que ouantas aconteceram aos Portuguexps 
nefte Èftado , porque em menos de huma 
hora fe vio tamanha matança , e deílruição 
em huma Armada ^ que nao tinha menos 
gente oue outras com que fe a índia toda 
conquiltou , e com que le tomaram fortiíli- 
mas , e poderofiífimas Cidades , e desbara- 
taram potentes , e foberbas Armadas de 
Turcos , e de outros inimigos ; e acontecer 
ifto em parte , que nem honra ^ nem pro- 
veito dava ao Eftado da índia , podemos 
cuidar que tudo procedeo de peccados , 
que quizeram caíligar ,os Portuguexcs com 
cegar tantos homens , quantos foram de pa<» 
recer que fe &Ld!it efta jornada , a que xÁo 
CoutQ. Tom. VL F.Iu R fa- 



Digitized by VjOOQIC 



25^8 A S I Â DE Diogo de G>uto 

£aibeino8 dár fundamento; porque peta caf- 
tigar aquetles bárbaros , baftáyam íuftas no 
mar , que lhes defendeílem a navegação al«- 
guns annos , com que náo fizeíTem roubos ; 
p.orque como lhes faltaíTehi , muito certo 
eftaya não fe poderem fuftentar, nem vin* 

fir defta affronta , com a qual Já ficou o 
ftado fem tomar fatísfa^o. Ém fim re« 
colhidas aquellas relíquias da Armada com 

{grande dor , e pezar dos que efcapáram, 
e fizeram á vela pêra Ormuz , aonde che^ 
cáram perdidos y e deftroçados de todo : 
»;z ifto hum grande abalo em toda aouella 
Ilha ; e o aue foi mais pêra fentir , ae fer 
entre os Eurangeiros Perfas , CoraoDnes^ 
Arábios , e outras NaçÒes., oue alli elbvam 
com fuás Esizendas, que fe liaviam de glo« 
riar da morte de tantos Fidalgos, eCaval- 
leiròs , dada por mios da mais barbara 
gente do Oriente, fem nenhum cuílo feu; 
e fe acafo acontecera na Cidade de Moca, 
que Knj Gonfalves da Càmera levava por 
Regimento de queimar , pudera-fe fentir 
menos. Efte infeliz fucceíTo , no que final- 
mente fe perderam perto de duzentos e ftn- 
coenta homens , em que entrava a flor da 
Jndia , affim da Fidalguia , como da folda^ 
defca , deixando eíla , que fe náo pôde con-* 
tar , nomearemos ós Fidalgos que i noíFa 
noticia vieram: D.Jorge da Gama ^ D.Mi- 
guel 



Digitized by VjOOQIC 






Década X. Cap. XVIII. ^jrj- 

^ d de Caftro, D. António Manoel d^Ata- 
aja, Paulo da Silva, Duarte Monis^ Barre- 
to , D. Mataoel de Lima , D. António de 
Lima feu irmão , António Gonfalves de 
Menezes^ /Triflão Vaz , e Diogo Vaz da 
Veiga feu irmão , Manoel de Anhaia , Mar- 
tim Affbnfo de Mello Pereira , Pedro Car- 
valho , e outros muitos. O mefmo dia que 
efta Armada chegou a Ormuz, furgio tanv- 
bem D. Francifco Mafcarenhas com o feu 
Galeão. 




u 



DE. 



Digitized by VjOOQIC 



%6o 

DÉCADA DECIMA 

Da Hiftoria da ladia. 

LIVRO VIIL 



CAPITULO I. 

Da que 'ejle anno aconteceo na Perfia : e 
de come mataram o Príncipe Mizbazem 
Mirta : e de como o Turco mandou Serat 
Baxd a premer o Forte de Tabris , e fa^ 
zer outro emCazat^e do que oXdfizt. 

JÂ que eftamos defta parte dç Ormuz, 
e temos entrado no inverno , que fem* 
t>re guardámos pêra as coufas alheias, 
fera bem continuemos com as da Períia por 
demais perto. \ 

Atrás deixámos o Forte feito em Tabris , 
e morto Ofman Baxá j agora continuaremos 
com as coufas que depois aconteceram. 
Recolhido Ofman Baxá de fobre Tabris , e 
fentindo o Xá que o Turco trabalharia de 
mandar fazer logo outro Forte na Cidade 
de Ganjar , que fera apartada de Tabris 
algumas dez léguas , peta fegurança delia , 
c pêra os foccorros , e provimentos que 

Uie 



Digitized by VjOOQIC 



DscADA X. Cap. L 261 

IhemandaíTe, poderem irmais feguros: pe- 
lo que ordenou que o Príncipe feu filho 
foíTe invernar emGanjar, dando^llie ordem 
pêra fe concertar com todos os Senhores 
da Geórgia pêra fe unirem 9 e ajuntarem 
contra o Turco. Fera ifto Úie deo vinte 
mil cavallos , e An^elichan , é Ifmatichan » 
Capines de QuexiiBaxis por homens de 
grande governo , e confelho , e ElRey com 
o mais exercito fe foi pôr fobre a Cidade 
deXabris pêra cercar a Fortaleza dos Tur- 
cos , e lhe defender não fahiílem pêra fora 
a fazer damnos pela terra. Aqui paflbu o 
Xáiodo o inverno , tendo os feus muitos 
recontros com os Turcos , em qu(? houve 
damnos , principalmente da parte delles, 
porque os Perfas como homens que eftavam 
em luas terras , aílim apertaram coih elles ^ 
que 08 encurralaram de todo na Foruleza , 
onde começou a haver falta de tudo , por 
fe lhes irem gaitando os mantimentos que 
lhes ficaram , principalmente carnes ; em 
fim chegaram a eftado que valeo huma 
gallinha três cruzados y huma medida de 
arroz ^ hum pâa de finco reis ^ dous ; vac- 
ca 9 nem carneiro já totalmente não havia, 
e fuftentavam-fe de carne de cavallos , e 
de afnos y de que hum arrátel valia hum 
veneziano; e ainda chegou a coufa amais , 
que houve muitos qi|e comeram carne hu* 

ma- 



Digitized by VjOOQIC 



^6^ ASIÂ de Dioâo de Couto 

iitana dos mefmos oue tnorriam á fomê^ 
e aflim os poz o Xa no doradeiro extre*' 
mo : de tudo ifto avifáram ao Turco por 
muitos correios ^ pedindo^he mifericor» 
dias y fenâo que por força fe havia de cn-»» 
tregar a Fortaleza aos Ferias* O Principe 
Mirhazem Mirta foi-fe f)ór na Cidade de 
Ganfar , donde defpedio Hiroagoiíchan^ 
Capitão daquella Cidade , homem TalerqM» 
fo , e de grande entendimento y e conf»» 
lho peni ir á Geórgia perfuadir a Simão 
Hombel , e a feu cunhado Manuchiar y o 
outros Potentados a fe ajuntarem com eile 
pêra defenderem a paragem aos Turcos*, 
pêra que náo pudeífem prover Tabrís^ 
porque niflb eftava perder-le aquella For- 
taleza. Efte homem fe poz a caminho, 
ficando o Principe em Ganfar , efperando 
pelo recado ; c como era mancebo dsn 
do ao peccado da luxuria , como todo» 
são y fabendo que o Hiitiagolichan tinha 
huma filha donzella muito fermofa y co* 
mo as mais das Perfas são y pelas quaes 
dizia o grande Alexandre que eram todas 
mágoa dos olhos , e dor dos coraçòes,; 
começando o amor , e o defejò de a ha- 
ver a fazer em feu peito o que coftuma 
fazer nos mancebos de fua idade y princi* 
palmente nos que tem pofle como eftei 
tanto trabalhou ^ e tal modo teve , que 

hou- 



Digitized by LjOOQIC 



Década X. Cap» I. 26^ 

liouve a moça 5 e fe logrou delia , ainda 
que pouco , como logo fe verá» Ifio não 
pode íer tanto em fegredo y que fe não 
vieife a faber de alguns amigos do pai,, 

2ue logo o avifáram pela poíta ; e dando* 
le as cartas y é fabendo o que , palTou > 
fentio muito em feu peito a injúria que o 
Príncipe lhe fizera ; e diíEmulando ifto o 
melhor que pode , abbreviou o negocio a 
que hia y e acabou com aquelles ioihoros 
tudo o que o Xá pertendia , porque n^o 
quiz largar o fcrviço de feu Rey pela cul- 
pa do máo filho, e logo voltou pêra Gan^. 
jan Chegando áquella Cidade , fez-fe de> 
novas 9 e dco conta ao Príncipe 'do que ti- 
nha feito , e como^ aquelles íenhores le ar- 
cavam fazendo preftes pfera fe irem ajun- 
tar com eile: depois ajuntou-fe conl muito 
fegredo com Angelichan , e Ifmaelchan,, 
dos quaes eca muito aipigo , e deo^lhes 
conta de fua mágoa y fazendo-lhes fobre iíTo 
huma falia muito fubftancial , que toda vi- 
nha a redundar em vingança de fua aíFron« 
ta , aífirmando-lhes que fe diffimulaífe com 
aquelle negocio , que quando elle fendo 
Príncipe 9 e em vida fendo pai fazia aquel- 
le aggravo, e injúria a hum VaíTallo Como 
clley nâo fe podia efperar fendo Rev, fe- 
não que tomaífe as mulheres , e filnos a 
todos y com o que aquelle Império da Per- 

fia 



Digitized by VjOOQIC 



2^4 ÁSIA DE Díooo BE Coxrro 

iia fe vieíTe a perder ^ d qifê elles cemoí 
peíToas tão príncipaes eram obrigados a 
luftentar. Tanto os moveo , e' com tantas 
razoes os perfuadio ao que queria , que os 
renceo , e aíTentáram de matar o Príncipe y 
pois ElRey tinha outros filhos , que pode- 
riam íerReys, eque os não aáFrontaiTe na 
honra. Confultado o negocio , deram conca 
delle a hum Barbeiro do Príncipe ( o qual 
coftumava a ficar com elle na Camera pêra 
o abanar , coufa muito ordinária em todos 
o8 Reys defte Oriente ") e o peitaram pêra 
aue o mataíTe , dando-íhe logo mil tomâos 
de Laris 5 e cada tomão tem vinte cruza- 
dos ; e indo o Príncipe bum dia a folgar 
junto do rio Curatchai y que eílá fora da 
Cidade, eftando dormindo aféAa, e o Bar- 
beiro abasando-o y vendo-fe fó , levou de 
hum punhal fecreto ^ e taes fétidas lhe deo 
Ibbre o coração que o matou, e todavia o 
Príncipe com a dor da morte déa alguns 
brados , a que acudiram alguns familiares 
'de cafa a tempo que o Barbeiro hia fngin* 
do i e lançando mão delle , o fizeram Ioga 
em pedaços , fem lhe perguntarem quem 
}he mandara fazer tamanna traição , logran» 
do elle bem pouco o dinheiro que lhe de- 
ram ,^00 Príncipe a filha alheia, por onde 
devem os Príncipes do mundo de fc fujei- 
tarem nefta matéria j e não injuriarem em 

cou- 



Digitized by LjOOQIC 



Degada X, Caí. I. í6s 

coufa que tanto doe a valTallos táo; honrai 
dos , por lhes nâó darem occafiâo de tra^ 
tarem contra elles deslealdade , coufa tãot 
aborrecida até entre bárbaro». Morto a 
Príncipe , não fe foube por então doodé 
lhe viera o mal. Ifto chegou logo z6. Tur* 
CO , e juntamente os correios de Tabrís > 
que lhe iigniíicáram o aperto em que 
aquella Fortaleza ficava , pelo que Ioga 
com muita brevidade defpi^dio Ferat Baxá , 
pêra que fe folTe pôr em Erzeruiji , e con- 
vocafle o mór poder que houveffe , e foc- 
correíTe os cercados y e fizeíTe hum Fútrtc 
em Gani ar (onde o Xá bem o receava) 
porque houve o Turco que já aquelle ne- 
gocio lhe ficava mais fácil com a morte 
do Príncipe , que os Turcos tanto recea-^ 
vam. O Baxá defpedio logo recado a todos 
os Baxás das Províncias » pera que fe foP 
íèm a^ntar com elle em Erzerum ^ o que 
elles fizeram em poucos dias ; e os que fe 
alli ajuntaram são os feguintes : Murat Ba- 
xá de Alepo , Chedor Baxá filho de Portu- 
guez , que foi cativo em menino , epão 
pudemos cá faber de que terra , nem cujo 
filho era , p qual foi Baxá de Raivan , quan- 
do os Turcos o tomaram , e depois o foi 
de Naichivan , huma Fortaleza que eftá ao 
Tope dos montes , aonde fe aflentou a Arca 
de Noé i Belchiogliafan Baxá de Cuflá y 

Àr- 



Digitized by VjOOQIC 



i66 ÁSIA DE Diogo de Couto 

Arménio y que reíidia emRaivatv^ Delacha* 
dar^ Baxá de Maras , Mahamede Bazá filho 
de Eícander Baxá , cafta Georgiano , que 

Í;overnaya a Provinda de Xum , junto de 
êrtiíàleni, Homar Baxá deErzeni, Haidar 
Baxá deSaivas, Ahebrai Baxá deAmidna, 
Arménio. E feita a mafla do exercito y que 
era de cento e feflenta mil homens de ca- 
tallô 9 e hutna grandillima fomma de baga** 

§e y e ãrtilheria y munições , mantimentos , 
inheiro , e outras couíàs pêra os provi- 
mentos de todos aquelles Fortes^ come- 
çátám a caminhar com a mòr preíTa mie 
puderam pelo rifco , e perigo em que eua- 
ram os de Tabrís y e em breves dias en- 
traram pelos Eftados da Períia. O Xá tan- 
to que teve avifo daquella Potencia , não 
fe atrevendo a efperalla, mandou recolher 
os lavradores de todos os campos á roda 
com feus gados , e mantimentos pêra der- 
redor da Cidade de Casbi y aonde elle fe 
foi metter , deixando Tabrís , e todos os 
lugares circumvizinhos defertos , e defpo- 
voados , porque os Turcos fe não refizet-, 
fem nelles. Ferat Baxá chegou áquella fer- 
mofa Cidade de Tabrís , na qual achou. 
huiis poucos de mefquinhos , fem por todos 
aquelles campos achar huma peífoa de 
quem pudeíTe faber o que hia pela terra,, 
aem a que parte fe recolhera o Xá , o que 



íh 



e 



Digitized by VjOOQIC 



Degada X. Cap.' Ti • ' ik6f 

Uie deo muito trabalho 5 porque flSÍò áclioã 
palha ^ n«m heíva pêra os cavallôs , poé 
deixar o Xá tudo abrazado, e fôito dn2a; 
e entrando no Forte de Tabfí«j o provôo 
baftan tem ente , deitando fóra M.frados ^ é 
doentes*, ç reformando aquí^íte píefldiô t4^m 
outros sãoR , e de pefrefdo^, e tdmoulògo* 
d voltar pei-a Ganjâr pêra lévâfttar a For- 
taleza que o Tiírco mandava. He efta Ci- 
dade huma das ie^mofsfs^^ e grandes da Me* 
dia , 51 qual divide da Pttyfindd de Xét*^ 
vão o rio Liro; a; que oé Tj^èitoó^ cltímátA 
Cur , a qual também eítava defpejada *; é 
feus campos efcaldados , porque não achaC- 
fe alli o Baxá*;boúfa que lhe aprdveitafle : 
aqui traçou logo a Fortaleza em huma 
parte da Cidade /' que lhe pareceo mais ac^ 
commodada , e que tinha mais agua ; e 
tanta preíTa lhe deo , que em merfos de' 
dou6 mezes a poZv em altura defMfíivet / e 
a proveo de artilheria y muniçóes , e manti- 
mentos muito abaftadamenie , e deixou 
nella por Capitão ChedarBaíá , Portuguez> 
com finco mil homens. Feito Ifto , voltou 
pêra Erzerum , e desfez o exército , e foi 
dar ao Turco ra^ão do que deixava feito 
naquella jornada. * 

Nefte eftado ficaram as coufas da Per- 
íia , e com grandes alvoroços pela mdrte 
do Príncipe , e o Rey Codabanda cego ,- 

fó. 



Digitized by VjOOQIC 



%6Z ASTÂ D£ DiÓGO DE GÒUTO 

^ » e fem^iilho, que Ihé ajudava a íúStúá^ 
tar aqudle Risyno y t que íe fora vivo, 
^o fe houvera de recolher Ferat Baxá tach 
to a feu fabor , e o Reyno da Períia com 
aquelles crilhóes das Fortalezas , quef o 
Turco nelle tinha , e tudo entregue ás ca-; 
l>e$as dos QyixU Baxis , que muitos perten* 
diam alevantar por Rey ao filho deElRey 
mais moço , chamado Thomaz Mirza , que 
feria de dezoito annos , de que o Abax 
Mirza , que eftavà no Cohoraçone , foi lo^ 

JfQ avifado^ e acudio a iíTo., como adiante 
e yerá. 

CAPITULO II. 

De como chegaram a Malaca os navios da 
Índia : e de como D. Jeronynio de A&e* 
vedo fe foi pêra o ejireifi de SincaMrai 
e do que lhe aconteceo ^ ejiando nelíe eom» 
a Armada do Jor. 

DEixámos atrás o Rajale Rey de Jor 
com aquella má inclinação contra a 
Fortaleza de Malaca ; e com ter o eftreito 
de Sincapura entupido , porque não pudef- 
fem paílar as náos da Oiina , e Maluco, 
agora como foi tempo lançou a fua Arma- 
da no mar , que tomou a^ bocas dos eftreí- 
tos y dondp iez arribar todos .os Juncos da 

Jaoa, 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap« II. 269^ 

Jaoa , c outras partes ao feu rio de Jor :* 
com o que poz os da Fortaleza em tanto 
aperto de fome, que começaram a morrer 
os mefquinhos por eíTes campos de come- 
rem hcrva , e raizes peçonhentas , que lhes 
corromperam a natureza ; e pofto que D. 
JMinoel de Almada andava daquella banda 
com a fua Armada , nÍo era ella baftante 
pêra eftorvar a do inimigo o recolher os 
Juncos y e embarcações que paíTavam pêra 
o feu porto ; e algumas vezes que , fe en- 
contraram , fe faiváram de longe fem poder 
fcr mais, porque a Armada do inimigo era 
ligeira, e chegava., ou fe affaftava quando 
queria» Nefte eftado eftavam as coufas , 
quando chegou a Malaca D. Jeronymo de 
Azevedo , que fe adiantou de D. António , 
c pelas Provisões que levava o defpachou 
logo o Capido João da Silva pêra ir d'Ar^ 
siada aos eftreitos no mefmo Galeão , em 

Sue chegara , porque a mais Armada tinha 
í. Manoel comfigo ; e para fe elle vir, 
mandou negociar huma náo , e deixar o 
Galeão a Diogo Pereira Tibao , que havia 
de ir na mefma náo pêra andar nelle por 
Capitão, Chegado D, Jeronvmo aonde ef* 
tava D. Manoel , entregou-ihe elle logo a 
Amiada, ficando muito aggravado doVifo- 
Rey D» Duarte por prover aquelle mar de 
Capitão Mór , andando file nellçt P. Je« 

ro- 



Digitized by VjOOQIC 



vjo AS IA DE Diogo de Couré 

ron/mo tanto* que tomou polTe , fez Capi- 
tão M6r dosbantins, que eram oito, a Pe- 
dro Velho , porque António de Andria, 
que andava nelles , queria-fe vir çom D. 
Manoel pêra Malaca ; e a primeira coufa 

J|ue fez, foi mandar a Fedro Velho com os. 
eus bantis que foíTe queimar huma povoa* 
ção de ElRey de Jor , que eftava pouco 
roais de três leeuas do eilreito de oinca* 
pura i o que elle fez ; e dando nella , a 
queimou, e aíTolou de todo, e fe*recolheo. 
com muitos que cativaram ; e vindo-fe re- 
coUiendo com efta viâoria , quatro horas 
da tarde á vifta da Armada fe fahio a do 
inimigo , que era de duas Galés , quatro 
fuítas , dez lancharas , e nove bantins ; e 
efpalhando-fe , tomaram os noíTos bantins 
em meio ; e pofto que houve huma grande 
briga mui bem defendida da parte dos nof- 
fos , como os inimigos eram tantos mais , 
ficaram desbaratados , perdendo o Pedro 
Velho três bantins , que os inimigos lhe to^ 
máram , e hum que deo á coita em huma 
Ilha daquellas ; e dos noíTos GaleÒes bem 
viram a briga , mas não puderam foccor- 
rer-lhe por fer entre Ilhas , e reítingas , em 

?ue os Galeões cornam rifco ; e todavia 
edro da Cunha Carneiro , que andava ppr 
Capitão de humaGaleota» náo lhe foíFren- 
à^ o animo ver aquillo , foi foccorrer os 

noP 



Digitized by VjOOQIC 



Dbcada X; Caf# iL t7i 

noflbs; e mettendo-fe no meio da Armada 
do inimigo a rifco de fe perder, fez entre 
cUes maravilhas, e peleijou tão esforçada* 
mente , que foi caufa de fe fal varem os 
outros bantins, porque aflim puderam efca- 
par aos inimigos , que também fe recolhe-» 
ram bem efcalavrados. Pouco depois defte 
liicceíFo chegou Diogo Pereira Tibao com 
a náo, na qual fe embarcou D. Manoel de 
Almada , e fe foi pêra Malaca , e o Diogo 
Pereira ficou no Galeão , em que elle anda* 
va. Poucos dias depois chegaram á Arma-* 
da hutúa náo de Solor , e hum Junco de 
Paneruca , aos quaes D« Jeronymo mandou 
dar guarda por Diogo Pereira Tibao , o 
qual chegou com elles até ao llheo de Pu- 
lopizâo, dezoito léguas de Malaca, aonde 
achou a Armada do Rajale , pela qual paf- 
fou , e foi com as náos até o porto de Ma- 
laca fem os inimigos o commetterem. Já a 
efte tempo era chamaâo D. António de No- 
ronha, e as mais náos da índia ; João da 
Silva tornou a defpachar Diogo Pereira 
Tibao pêra tornar a D. Jeronymo , o qual 
fe foi pôr fobre a barra de Jor , por fer 
avifado que o Rajale reforçava a fua Ar« 
mada , e que determinava ae elle em peC» 
foa embarcar-fe nella. O Rajale como teve 
toda a Armada preftes , embarcou-fe , e 
íahio pela fua barra fora, dando huma boa 

Ikl- 



Digitized by LjOOQIC 



f;! ASIÃ 0B Di^Go t)E Couto 

falva de artilheria á noíTa Armada , e ella 
também o fervio á Aia vontade. PaíTado o 
Rajale , foi com toda a Tua Armada dar 
huma vifta a Malaca á maneira de fobran^ 
$aria , pêra fe mQÍlrar que alidava fenhor do 
mar, eaífim appareceo iium dia com todas 
38 fuás embarcações eftendidas por todo 
aonelle mar , porque eram cem velas , dez-* 
cieis Galés grandes , e outras pequenas , e 
tudo o mais lancharins , e bantins ; e che* 
gando-fe perto, falvou a Cidade com toda 
a fua artilheria , e delia também lhe re- 
fpondéram arrazoadamente. O Capitão , Bif- 
po , D. António de Noronha acudiram á 
praia pêra pArem cobro nas náos , e D. 
António fe embarcou no feu Galeão , e fe 
negociou huma Galeota , em que fe embar* 
cou Jorge de Figueiredo , e quatro bantins 
mais , e por as outras náos fe repartio a 
gente neceifaria; porque fe os inimigos os 

2uize{rem coimnetter* as acbaiTem providas. 
í Rajale depois de falvar a Cidade , man« 
dou viíitar o Capitão , quaíl que o defaíia* 
ya , ao que lhe elle refpondeo que fe eí^ 
peraífe, que hum Galeão fó daquelles bai^ 
tava pêra peleijar com elle: depois por eí^ 
paço de quatro dias que o Rajale andou á 
vifta da Fortaleza, em todos elles mandoa 
dizer que queria pazes, a que lhe não re- 
fpondêram a piopoiito , porque hiam dando 

pref- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. II. 17J 

préíTa ás embarcações aíEma, pêra D« Ati^ 
tonio fahir a peleijar com elki PaíTados oú 
quatro dias , voltou logo o inimigo j e foi 
paliando pela Ilha da redra , que he huma 
légua de Malaca : levou delia alguns ca«^ 
Touqueiros com gado do Capitão ^ que alli 
andava pafcendo. Di António de Noronha 
deo-fe tanta preíTa 1 que o mefmo dia que 
o inimigo fe recolheo ^ íahio apôs elle , e 
foi-o feguindo) e no caminho encontrou o 
Galeão de Diogo Pereira Tibao , qtie poif 
fer tempo contrario fe foi detendo 5 e com 
todos os navios fe foi ajuntar, com D. Je^ 
ronymo, e ambos entraram emjor, aondef 
já eftava recolhido o inimigo , e ainda o 
alcançaram á vifta da fua Cidade , e p.elei-« 
járam com elle , e lhe deftfuírairf alguns 
navios, e lhe fizeram outros damnos. Cotu 
côa vlítoria fe fahír^m pêra fórá , 6 Dl 
António fe tornou pêra Malaca , e D* Je-» 
ronymo ficou com a fua Armada em guar- 
da dos eftreitos ; e Vindo hum jtinco de 
Chincheos dar com elle^ o abalroou^ e to* 
mou, matando-lhe quafi toda a gente , dqr^ 
que em Malaca hoUvè tamanhos alyòroçoá 
contra D. Jeronymo , que requereram o 
mandaífe vir ^ e elle ficou aguafdaii<Ío pe« 
las náos da Ghina , e Maluco, aò tAreitò 
de Sabaó ; e andando por alli , foi dar coítt 
o Galeão de Maluco , : Capitão F^pÁéOtxh 



Digitized by VjOOQIC 



|74 AS IA DE Diogo de Couto 

4e TâTor9> o qual eftava encalhado fobre 
liuma coroa de aréa y e com muito trabalho 
O tirou do perigo > e ajuntando as náos , 
por que eípcrava , fe rccolheo com todas 
pêra Malaca ; e poroue a terra eftava falta 
4e mantimentos > deípedio o Capitão huma: 
tmbarcaç^ , e nella hum Embaixador pêra 
ÊlRey d^ Pegú com hum bom prefente , e 
ibe mandou pedir o quizeffe foccorrer com 
^guns mantimentos , que fe lhe pagariam 
hem. Efta Embaixada recolheo bem aquelle 
í^ey , ç por ordem de António de Soufa 
GodiohQ y qw. ainda âlli eftava , mandou 
alg^^m^S iiáos carregadas de arroz, asquaes 
(hei^ram a Malaca , e fartaram a terra. 

CAPITULO iir. 

Jíi namoí Artur de Brito chegou a Malucar 
• .f <fe fue^ ibe acon^ceo naquellas Ilhas i 
. < da^ Eníbaixada que deo a ElRey de 
: T^PMte fobre a entrega daquella Fort a-- 
^ lefoi :. â d^ que fobre tjfo fe pajfou. 

NO Capitulo V. do Livro VI. defta De- 
oaria A. tomos . contado de como a> 
pLfiíieiyft QOU& eraaue o.Vifo-ReyD. Duar- 
ta pfOveo , foi delpedir a Qaleâ© ée Ma-i 
l»co. , Çr Artur de. Brito nelle cqm a Em-* 
1m»^« áí^uelle KfPf y e ag oca continttare^ 
; ^ v^ . >. . mes 



Digitized by VjOOQIC 



< UicAOA X. Cap. ííli •■ - iff 

ft»òô Com elle, porque nís cabe aqui. Pár^ 
tido efte Galeão de Goa ^ foi fua derróttf 
pela via de Borneo , e em Outubro faffá-^ 
do chegou* á vitta das Ilhais de Maluco^ & 
por defcuidò do feu Piloto foi tònlai' Omòr^ 
1» , e metteo*fe na uònta da banda á& 
Norte entre infinitas lllias quê dlli ha« An*^ 
dava naquelle tempo CáchilSuguo , Tio dtf*, 
ElRey de Ternáte ,• com huma Armada de' 
Corocoras por dqúella cofta i e tendo te*- 
bate do Galeão, acudío lá com muita prel^* 
ia ; e dando-lhe cabos ^ o tirou Com' mnitd* 
rrabalbo dos bai^toSj e o levou a-ftli^ir em' 

Êarte feguva etltre as Ilha» de Chàu ^ e* 
.au, que eftav^am da ponta do morro pêra 
dentro em altura dedous gráos eícàçosdéP 
tas Ilhas j fó a dõ ChaU anda- nas Cartas dé- 
marear , e he hum ponto vetmelho* muito* 
pequeno , que fica ao Sul } e a de Rati,^ 
cfiie difta da outra meia kgua , e cbubè-' 
aquella virtude em Cachil Suguo, dom fei« 
inimigo , e eftar efcandalízado pela moi^tíí- 
de EÍkey Abim ; e peta viíiittij-à que fe et»; 
le não fora ,*nâo ftihíra aquelle Galeíò da-* 
quelle perigo , fobre o que Artut- de BritO^ 
teve com elle muitoâ cumpriíTíeititCrs. A ri(W 
vo dcfte Galeão chegou a Diogoí de Astam-»^ 
buja , fem Ihefaberem di2ef q^uai erti, p^'^ 
lo aue pedib a ÈlRey de Tidom títiisfeíT*» 
acudir com fuj» 4:QMcoráÈ , o^ que^ éue- fèi^^ 

S ii . ia« 



Digitized by VjOOQIC 



VfS ÁSIA DE Diogo BE Cowo 

indo em fua companhia Paulo de Lima , e 
al^ns Portuguezes^ e rogou aElRey, que 
pois hia em peíToa áquelle negocio , não 
entendeíTe em outra coufa , nem fe emba* 
raçaíTe em dar em alguma terra de ElRejr 
de Ternate , porque não era tempo pêra 
iíTo : ifto lhe jpedio , porque lhe fentio in- 
clinação de fc vingar da aíFronta que El* 
Rey de Ternate lhe tinha feito em lhe ne- 
gar fua irmã , tendo-lha promettido ^ coma 
atrás diflemos. Partido ElRey, fem lhe dar 
pelo que Diogo de Azambuja lhe pedio , 
foi dando , e deftruindo todos os lugares 
daquelle Rey , fem perdoar a ooufa algu* 
ma ; e chegando ao Galeão , entrou dentro , 
c vio-fe com Artur de Brito y que lhe fez 
muitas honras, e recebimentos, e trataram 
tirallo dalli. O Cachil Suguo , que ainda 
alli andava com a fua Armada , tanto que 
teve rebate da Armada de EiRey de Ti* 
dore , recolheo-fe a hum porto do mar, 
por fe fegurar dellc. Artur de Brito entre 
as coufas que alli tratou com ElRey de 
Tidore , foi pedir-lhe muito <fUe fe viíFem 
ambos com Cachil Suguo , e que lhe def- 
fem ambos os agradecimentos do foccorro 
que lhe deo , e trataíTe com elle fobre o 
negocio da fua Embaixada , pêra o perfua* 
dir a fazer com ElRey feu fobrinho que 
l^^entregaíFe a Fortaleza, e que tornaílem 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf. IH. ' Í77 

^ correr na amizade antiga ; porque como 
elJe tiveíTe grangeadas as vontades dos Tios 
de ElRey , havia o feu negocio por acaba- 
do. A ElRejr lhe pareceo bem aquillo ; à 
mettendo-fe Artur de Brito no batel com 
alguns Portuguezes , deixou o Galeão en* 
tregue a João Varella Boto , que hia por 
Efcrivâo delle , e lhe deixou encommenda^- 
do que fe houvefle vifta da Armada dè 
ElRejr de Ternate , que fe fufpeitava que 
fe negociava pêra fahirem á bufca de £I«- 
Rey de Tidore , lhe fizefle iinal com algu- 
mas bombardadas pêra fe recolher. Parti* 
dos do Galeão , ElRey nas fuás corocoras ^ 
c Artur de Brito ao leu batel , mandaram 
diante recado aó Cachil Sugtíò ^ne os qul^ 
^efle ver, porque tinham^ negócios quetra^ 
tar, o que elle concedeo , e o efberou na 
praia, aonde houve grandes cumprimentos ^ 
e Armr de Brito lhe àeo a carta da Em^ 
baixada , que ElRey D. Filipptí de Portu* 

fal mandava aElR^ feu fobnnho, pedin* 
o-lhe muito ique nzcíTe com elle que fé 
efqueceíTe das paixões paíladas, poisKlRey 
lhe promettia* tantas fatisfaçóes de fuad 
queixas , e que lhe fiíeíTe entregar a Forta-^ 
leza pêra tornarem acorrer naquella antiga 
amizade, e commercio; eeílamlo e!lé pra4 
ticando fobre efte negocio , ouvírani bom- 
bardadas no Galeão y porque viram delle 

ap- 



Digitized by VjOOQIC 



^ppardcer a Armada de l£Í9^y de Ternas 
fSy que era de doze corocoras, o qtial hU 
jnui defçjofo de fe encpfttcar çom ElRcjr 
í^e Tidore, pêra fe faijisfazer dos damnoe 
fl;ue lhe fora fazendo pjorfqa? terxas, Artur 
iie Brito eyn ouvindo o final » deixou o nes- 
^ocio em <3ue eítava , e recolhco-fe ao ba^ 
Xel pêra neli^ íe^ rcaolher ^p<^aleao y o quj^ 
^IRey de Tidpre não.confentio pelo riícQ 
^Ue jcarria , e qují ppr f^a o recoJheò 
na l^a coToçora, ^^ue er4 omito ligeira:; e 
jaffaí^afi^Orfp per^ fç^ra , hpwer^m logo vi& 
íSi df Anjiii^d;^ dj9 T^rnat^. £) enten^en4# 
Elfiwcy d^Tidj^re jqup ji jpã.opMeriaai pafr 
jí^ir í^ ft enc^níraFfm , ^0llOU At. longo 
do mftrr». , fÇ fiQ^V 4períaji<í/(íi <p remo tudo 
x> :<H? í^é? • 9 f^lí^íPf 4ç Twiatp apôs d-? 
JcÇ ; í»W f9i©í> -^s^ c^rpetvaa. de Tixiore eram 
pfMâ.Uft^irf») ^áa(94â..kiaii]i fugindo ^ depois 
Bo ^§y df Torneie 4í fegvir toiio © diajj^ 
tprp^P .^ voitgr ^ .eic^iQ i^o ceve o batel 
tpmp^ de f^i r^pliíeir ap õali^la» que efta^ 
ira em zftt^^^ pêra p^. qu^ fo^e ncceiíarioi 
Àp PUtr^ dia chegou ElB^^ de Ternate a 
fl\p , ft dê fárã perguníoy por iV>yA9^ , .ái 
qiiaes l|he iptee^ a bordo Frajneifeo- de Liina^ 
«ue. í>lli;hiA dpfpíielíado com a Capitaaíá 
4k Tfmàw.< o qsal ÊiR^ foJgou cte yer^ 
perqu? e«}«ii gr jmdç8 amigos , e aífím moft 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. IIL ' zff 

Filippe aauella Embaixada , e querer tev 
com eHe íatisfaçâo da morte de leu avA^ a 
com iíTo lhe mandou dar algum refrefco^ 
c fc lhe oflFcreceo pêra dar toa áquelle Ga* 
leão até o porto de Talangane , em quanto 
tardava Artur de Brito , o que elles accei* 
taram , e elle lhe deo toa com a fua coro^ 
cora , e a elle todas as mais , e levou o 
Galeão ao porto de Talangane, onde fut^ 
gio á fua vontade, fempre com muito rei^ 
guardo , e vigia todos , fem largarem at 
armas , porque por derradeiro aquelle erâ 
inimigo ) e íe os viíTe deícuidados , poderia 
reinar malicia. Surto o Galeão » recolheo-fíl 
ElRey , e de terra lhe mandou tudo o de 

Sue tinha neceífidade. João Varella BòtO 
efpedio logo recado a Diogo de Azambuja 
de tudo o que era.paíTado y pedindo-lhô 
mandaíTe mais alguma gente , porque tinht 
pouca, e eftavam em porto de inimigo fift-» 

fido , o que elle fez , e lhe mandou vintd 
omens, com o que. o Galeão ficou feguro* 
E tornando a ElRejr de Tidore , foi 
dando volta a todo o morro , e fahio pela 
outra parte da banda do Sul pelo boqueia 
rão de Gane , que eftá junto das Ilhas dd 
Bachão , e por entre as Ilhas de Ambulato i 
que eftam em hum gráo e meio do SuK 
na qual volta gaftou vinte e hum dias , e jà 
es do Gal^o eftavam bem defconfijidos^ 



Digitized by VjOOQIC 



%9o ÁSIA DE Diogo de Couto 

e Diogo de Azambuja não muito contentai 
com tal tardança , e já os de Tidore anda-» 
yam pafmados , por não faberem novas de 
feu Rey , fenão quando elle aportou com 
Artur de Brito naquella Ilha , a que todoa 
acudiram com grande alvoroço ao recebe» 
rem » e feílejarem. E) praticando Artur da 
Brito com Piogo de Azambuja o negocio 
a que bia , lhe diíTe elle que fem embargo 
do regimento qae levava pêra não dar o 
prefente a ElRcy , fe lhe não entregaffe a 
fortaleza , que não deixafle de lho dar , 
poisf ni/lp hia pouco ; e João Menua pela 
favor que dço ao Galeão, e o atoar, e le^ 
var a ieu porto , quanto mais que era obri-t 
ga^ão darem-lJie o que EIRey mandava j 
^ílim porque de fua grandeza não fe podia 
cfperâr que ^ tentaíle.por aquelia pouqui-r 
llade , como. porque quando elle viflfe a 
conta qué EIRey com elle tinha , por ven-f 
tura o moveria a dar aForuleza , ainda que 
não fòíTe logo. E porque tvz necelíario a A 
íiftir . no feu Galeão , foirfe logo pêra elle 
3ia$ corocoras de EIRey , e mandou recado 
a EIRey de Ternatc a pedir licença pêra 
dar fua Embaixada , e ordem, pêra lua def« 
embarcação , pêra o que lhe mandou EU 
Rey. reféns baftantes , que ficariam em o 
(jaleco , e ao outro dia defembarcou elle. 
^ÇpmpanhadQ ^^Jpao 4e Banha» Francifco 
L 4ç 



Digitized by VjOOQIC 



t Década X» Cap. III. ' aít 

de Lima , c o Hefpanhol Aranda , aue comi 
^go levava pêra teftemunha daqueíle nego- 
cio , e alguns outros Toldados ; e fem em-* 
l>argo de Diogo de Azambuja lhe ter dada 
as razoes que dizemos ,. pêra liaver de dat 
o prefeate áquelleRey, determinou de lho 
não dar , íèaão viíTe nelle rootade de en* 
tregar a Fortaleza , c.por iíTo o não quis 
}evar comíigo« ElRey o mandou receber na 

I)raia pelos Tios , e eom muita honra foi 
evado ^Fortaleza, onde ElRey oefperava 
com 09 feus príncipaes , ejoirecebeo com 
grandes gazamados ; e depois de palladâa 
as palavras gêraes da viíitaçao , Jhe deq 
imma carta de ElRey, eouirado Vifo-Reji 
D. Duarte , as quaes logo atii mandou lev 
com moftras. civis , e de amizade \ e vendo 

Sue na do Vifo-Rey lhe dizia que Artur de 
irito lhe daria hum prefente de çoufas do 
Rcyno , lhe perguntou por jelle ; ao quo 
Artur de Brito diíCmulou , è íbi dando fiia 
jEmbaixada y cuja fubftancia era , que EiRey 
D. Filippe. lhe mandava pedir que fe hou-» 
veíTe por íâtisfeito de fuás: queixas , pois 
da fua parte eíbeve , e eftava lempre preftes 
perá correr com elle em muita amizade , q 
fatisfaçóes ; e da dos Vifo^Reys da índia 
cftava feito tudo o que lhe. requereo , que 
era fazer-fe juftiça do matador de feu avóy 
1^ ^u^l indo feoteiiciadQ peia .Relação dá 
-, / In-* 



Digitized by VjOOQIC 



iSa ÂSIA oe Diogo de Couto 

lodia pêra, fer degoUado naquella praia dè 
Teroate á viila Uia , e de feus vaflatlos » 
acontecera aqnelié defaftre na cofta de Jaoa ^ 
onde o aggreíTor morrera ás lançadas ; que 
fe 100 nao bailava , elle eftava preftes pêra 
o ikttsfazer em tudo o mais , entregando-» 
lhe elle logo aquella Fortaleza ; e tornando 
a oorrer com :elle em muita amizade , e 
amor , como tantos annos havia feus avós , 
t pais dnhám corrido .com os Reys de 
Fortagai ^ feus TxedeceírQre& . ElRey oavio 
tudo com muica atçençâo ; msá ficou muito 
tomado de Artur de Brito lhe não levar q 
prefente , pormie todos eftes Reys Mouros ^ 
e Gentios da índia eftam fempre com o 
olho nas mãos ; e enfadado diíTo , lhe tor«» 
oou a Carta do Vifo-Rey , disendo^^lhe que 
aiquella não rinha pêra elle , pois lhe não 
dava o que .nella lhe dizia ; e fem tomar 
conclusão, odefpedio, e mandou agazalhar 
cm terra : depois . fe tornou Artur de Brito 
a ver com elle por efpaço de três dias ^ 
diffimulando fempre com oprefeme, o' que 
todos 4he eftranháram muito ; e que pofto 
que por então, não dava moftras de entre-» 

534" a Fortaleza, lhe dííTeram^que poderia 
epois tomar mdthor confelho , (juando vií- 
fbque ElRey D. Filippe o obrigava com 
palavras , e com obras* No cabo dos trea 
dias o deípedioElRej , dizendo-lhe ^u« 
-ru " " ve- 



Digitized by VjOOQIC 



r Decaba X: Cm. HE \ ; á»3 

•YeHa feu Tio Cachil Suguo ocra com dlc^ 
:c com os. mais do feu Contelbo tomar ro- 
foJuçâo naqucUas cotifas ; e que em quanto 
£ç iuio não fazia , Jiie pedia quizeíTe eftar 
naquelle porto ; e porque as coufas fe fo^ 
^m diJatando muiio , efperaodoElBLey fem^ 
•pre que lhe inandaíTje o preicáte , do que 
JVrtur de Brito eftava fora , o qiial .vendo n 

ruça conclusão que ElKey tomava naqueU 
negocio 9. começou a tratar de pazes ^ tof 
guando por terceiro ElRey de Tidore,..oi| 
^luerendo. qiifi elie também cntiraíre nelias.{ 
^quenendcvJha&coDceder, ajunráram-fe^W^ 
ibos os Rie]rs\ Diogo de Azambuja^ ArtQ9 
ile Brito, e oiuras peíEoas priucipaes, e M 
-víftas foram em corocorae 20 iongo do Ga^ 
Jeão 9 alli fe abraçaram todos ^ eaífentiraiq 
ns pajes , proiBettendo Elíley de Tcfnate 
àc refponder á Embaixada' , e que dari» 
carga pêra o Galeão , e que íbflem^òs Poiv 
fuguezes livremente ^á fua Cidade afazerem 
feus negócios , e que daria a Irmã' a ElRejr 
de Tidore , como eftava^ entra cUes affen- 
tado em v&da, do pai ; eaffitlados eftes aponi^ 
lamentos, recolluSram^fel todos ^ ç ficáràni 
correndo em amizade ^ qse não durou niui^ 
to, porque veio ElRe3rv>a^ faber que lèvav» 
Artur de^ Brito por regimento , que ffenio 
fefftiíTe nelle moftras de entregar a Forrai 
kza> lhe não déíle o preieste, de jqoe £it 

elle 



Digitized by VjOOQIC 



ÍÍ4 ÁSIA BE DioGõ DE Couto 

elle ria ; e dizia zombando , que a Aia For- 
taleza a não entregava por quatro peíTas : 
e porque defejou logo de romper a paz , 
quiz que foíTe por parte dos Portuguezes ; 
«porque nâo achou outra coufa de que elles 
inais pudeíTem tomar occaiiâo pêra iíTo, 
ique pontos de opinião y mandou lançar huni 
pre^o , que todos os Portuguezes que fof- 
lèm: a Temate defcalçalTem na praia os ça- 
pHtos , fob pena de ferem prezos. Defle pre- 
gão rfoi logo Diogo de Azambuja avifado ; 
fxiaé. dií&mulou , e não defendeo aos Porta* 
gMzes a. ida a Temate, porque lhe pare* 
ceo que nãó queria BlRey executar nelles 
aquella Lei , por não fer o primeiro que 
4|ikbraíre a paz. E aíEm o primeiro Portu* 
guez que lá foi, em pondo os pés em ter- 
sa, lhe fizlsram. defcalçaros çapatos, cooi 
o que Diogo de Azambuja derendeo logo 
aidà de íTérnáte a todos , porque entendeo 
e.animò; de ElBue^r , e amm foram outra 
Tez rotos. /" . . 

- Armr de Brito^ fempre ficou no porto 
de. Talangâne eíperando a refpofta da Em* 
baixada v a qUal EIRey diífimulou , e de 
tòdo itiroii feus í papeis , e inftrumentos ^ 
que^feo a Fernão de Aranda pêra por via 
das. Filippioas fe ir pêra Hefpanha , e em 
£xa companhia tnaudou as peíTas do pre« 
fántc peta ^nas Manilhas íe venderem , e 
^/j tra* 



Digitized by VjOOQIC 



Decaua X. Cap, IIL ' tS^ 

trazerem do procedido mantimentos pera^ 
o Galeão ; e defenganado da refpofia , e da 
carga pêra o Galeão , fe recolheo a Tido* 
re y como adiante fe verá» 

C A P I T U L O IV- 

De cmo Duarte Pereira veio das Mani^ 
lhas , e tomou pojfe da Capitania de Ti^ 
dore: e das c ou f as que mais fuc ceder amz 
e do diabólico extratagema que ElBxy 
de Ternate ufou pêra matar o Príncipe 
Mandraxa. 

NO Capitulo IX. do Livro VI. deiíámog 
ido Duarte Pereira pêra as Filippina» 
a efperar que Diogo de Azambuja acacaíTe 
feu tempo , e lá efteve até Janeiro paíTado 
de 1586. em que lhe cabia entrar naquella 
Capitania, que fe embarcou emhuma náo^ 
c foi ter a Tidore ; e defembarcando em 
terra , foi-fe agazalhar em cafa do Vigaria 
da Fortaleza. Diogo de Azambuja 9 que já 
efperava por elle , e tinha ordenado furtar- 
Jhe o corpo , porque fe não quizeíTe fatit 
fazer , mandou logo embarcar no Galeão 
que aÚi eftava ( que era o mefmo em que 
âle tinha ido ) toda íua fazenda , artilne- 
rla , munições , e tudo o mais que lhe pa« 
receo neceUario ^ e todos os feus criados , 

e 



Digitized by VjOOQIC 



2*&: A S rJt DTE- Dioòo ' DÊ Couto 

c gentr de obrigação j porque lhe não &^ 
caíle couía eoi terra em que Duarte Perei-- 
M lhe pudefle empecer ^ e como revê tuda^ 
preftes , e negociado^ msfuk>tt chamar EU 
key , e o Padre Vigário , e lhe fez entre- 
ga da Forrai ezu, por fe não ver còmDuar* 
te Pereira , e Jogo fe embarcoiu Duarte 
Pbreira taota ' qtie* o foube , foi*-fe com o^ 
Officides tnecctv na Forraleza , a qual lhe 
Elfl^ entregCHi, e logo alli mandou fazer 
hum autxy de como Diogo de Azambuja 
làc deixwra a >Fortaleza , e que embarc^a 
a artilheria , e munições , e tudo o que 
quizera , e que levava os foldados , e dei- 
xava á Fortaleza fó ; e com ifto mandou 
ao' GaleaO' hum Ofiicial a fazer-lhe protef- 
tos, e requerimentos, que mandaffe defem-^ 
harcar a artilheria da Fortaleza , gente , e 
todas as mais coufas que levava , porque 
ficava de guerra ; e que fe algum defalxre 
poc ifla aconteceíTe , elle daria conta diíTo 
aíEl&e;^. Aeftes requerimentos não defirio 
Diogo de Azambuja , antes logo fe fez á* 
vela pêra Amboino. Duarte Pereira come- 
çoa logo a entender na carga do Galeão 
da carreira ,. de que era Capitão Fernão 
Boto Machado , porque âquelie era o an-« 
xkQ da iiovidad;e emoue Haváa muito cravo ^ 
e- porque: Artur detírito -^ftava ainda em 
T<miatr ^eiperanda por pefpoíbi> ,. eícrevai ^ 
;^ hu- 



Digitized by VjOOQIC 



r Década X. Ca?. IV. '. 487 

]Mjma carta áquelle Rcy , na ^ual lhe fazia 
a faber de fua fuccefsao , pedindo-lhe mui* 
to quizeíTe entregar a Fortaleza , como e& 
tava obrigado pelo contrato das nazes que 
ièu pai tinha reito ; e que pois £lRey D; 
Filippe fe nâo defcuidava de íaas confas^ 
antes em íliccedendo no Reyno , tratara 
delias: , e lhe mandira Embaixada de SaúP 
£aç6es y e os. Governadores da índia ú* 
nham cumprido comafuaobrigacáaerofen*. 
tenciar o aggreflor y pêra que dliante delle 
ihe cortaflem a cabeça y fe havka de harer 
por íatisfeito ;. e que lhe kmbravs que 
mais lhe importara a amizade,. e commer-< 
cio dos Portuguezes que a mefma Fortde« 
za ; e com ifto efcreveo também a Cachil 
Suguo Tia de ElRe^ , -perfuadindo^Jiue , e 
rogando-lhe fizeíle com ElRey feií fobri- 
nho que lhe entregalTe aquella Fortaleza , 
pois elle também eftava amgnado no con- 
trato que ElRey feu irmão fizera com Nu« 
no Pereira de Lacerda , no qual eile fe 
obrigava a tanto , que fizeííe juftiça de 
quem matara feu pai , fazer com feu irmit» 
que tomaíTe aquella Fortaleza ao8< Portu^ 
guezes aífim , e da maneira que elies lha* 
entregaram. A eftas cartas refpondeo El^* 
Rejr , que elle queria efcrever a ElRe]^ 
H Filippe a refpofta da fua carea ^ e pi^ 
éir-Jhe algiimas. couías. em Êivor de fe» 

Rey. 



Digitized by VjOOQIC 



^88 ÁSIA DE DiòGo DE Couto 

Reyno ; e por náo poder acabar nada coni 
aquelle Kcy , lhe commetteo pazes , as 

Suaes fe concluíram com condição , que 
le daria carga pêra o navio de Fernão 
Boto , (jue elle deo : e em Fevereiro fe- 
guinte le fez á véla com perto de mil ba^ 
res de cravo , dos quaes lhe deo ElRey der 
Ternate a mór parte , fem embarg» de ter 
tomado dinheiro aos Mercadores de vinte 
juncos de Jaoa que alli eftavam , do que 
ie elles efcandalizáram muito. Deíhs pa- 
zes , e do cabedal aue ElRey D- Filippe 
mettia , como o de Ternate andava com o 
de Tidore muito ciofo , e fcntia muito ef' 
tar o Galeão de Artur de Brito no porta 
de Ternate , de que andava defcoaiiado 
pelo muito que lhe* importava o commer-* 
cio, e amizade dos Portuguezes ; e não po^ 
dendo diílimular ifto , requereo a Duarte 
Pereira que mandaíTe vir aquelte Galeãa 

Í)era o feu porto : e que lhe lembraíTe que 
e não podia fiar de ElRey de Ternate y 
inimigo tamanho dos Portuguezes, que ca-» 
da vez que pudeíTe lhe havia de fazer to- 
do o damno que fe Uie ofiFereceíTe ; e mais^ 
que por cartas o palpara muitas vezes , pe^ 
ra que lançaíTe os Portuguezes fora da íua 
Ilha , a que elle nunca dera orelhas pela 
muita amizade que com elles: tinha , e p^" 
la lealdad^e que lhe defejava guardar ^ 'í> 

que 



Digitized by LjOOQIC 



■?l*í»-»á~^^.. 



Década X. Cap. IV. 189, 

iqiie não havia de fazer ElRey de Ternat© 
pelo grande ódio aue a todos tinha. Duar4 
te íereira pareceo^lhè bem aquillo , e logo 
efcreveo a Arthur de Brito que fe devi^ 
de paíTar pêra Tidore ^ porque entrava 9 
Quarefma s e que não era bem eftar naquel-f 
le porto em converfação de tantos Juncos 
Jaós , dos qúaes fe não podia eí^erar bo^ 
TÍ2Ínhança ; o que Arthur de Brito logo 
fez , e os Juncos fe foram efcandalizado^ 
de ElRey , por lhe não dar cravo ^ tendm 
lhe tomado fua Fortaleza. Defta maneira 
ficaram as coufas daquellas Ilhas efperan-^ 
do cada dia ElRey de Tidore que o de 
Ternate lhe déíle fua irmã ^ como eílava 
aíTentado no contrato das pazes , do que o 
outro eílava bem fora ^ antes por lha nãq 
dar, urdio o mais diabólico cafo que nun-^ 
ca entrou ha imaginação deiíeiihum viven^ 
te , o qual foi efte. Já temos contado mui^* 
tas vezies como Cachíl Mandraxa , Tio do 
ElRey de Ternate , era o verdadeiro her-* 
deiro daquelIeReyno^ porfer filho daRai-* 
nha daquella antiga Cofta l donde os legi-< 
timos herdeiros hão de proceder, Efte an^i 
dava naquella Ilha com iníignias de Prin-« 
cipe herdeiro , e muito aíFeiçoado á Infan-« 
ta fua fobrinha Irmã de ElRey , aquella 
que o de Tidore pertendia por mulher ^ 9 
i^eceando-fe aquelle.Rey que o Tio íe con« 
Çw/^- Tom. Ví. P. lu T cer- 



Digitized by VjOOQIC 



a^ ÁSIA DE Diogo dk Coura 

certaiTe com os outros irmãos , e que o de-^ 
puzeiTem do ^^no , ordenou de fe fegu^ 
rar como pudeíle , e hum dia mandou cha* 
mar o Príncipe fcu Tio , e fós ambos lhe 
áiíTe, que muiro bem fabí a quanto aflPeiçoa* 
dio andava á Infanta fua iimã , a qual elle 
defejava por mulher ; e porque a tinha 
promettido a ElRey de Tidore , queria 
que fizeíTe huma coufa com que elle ncaíTe 
defculpado , a qual era , que elle huma noi- 
te era muito fegredo entraíTe na Fortaleza, 
e levaíTe a Infanta efcondida , e lá fe ca« 
iàJOfe com ella, pêra o que lhe daria geito, 
porque então ficaria elle fazendo-lhe a von- 
tade, e defculpado com ElRey de Tidore, 
quando foubeíte aquelle negocio ; e ficando 
«mboB concertados nifto , fem fe dar conta 
á Infanta de nada , huma noite aprazada 
«ntrou o Cachil Mandraxa na Fortaleza , 
€ tomou a fobrinha por força , e a levou 
eõmiigò pêra huma Aldeia da outra banda , 
aonde a teve , e fe defpofou com ella. Ao 
eutro dia , que fe achou a Infanta menos , 
fezendo-fe ElRey de novas , mandou tirar 
grandes devaíTas , e inquirições , chamando 
•s Tios , e Grandes do Reyno , e diante 
delles esbrabejou , dizendo, que feu Tio 
Mandraxa lhe entrara na Fortaleza por for- 
fa , e lhe tomara a Infanta fua irmá , como 
Moftava pelas devaíTas , rogando^hes que 



Digitized by VjOOQIC 



Í)ecaí)A X. CAí. IV. 491 

r 

ihe ajudaíTem a fazer juftiça daquelle cafo ; 
e tratando com elles o modo dè caftlgo^ 
tonio elles não fabíam o ardil com iqiie élítf 
tinha feito aquillo, ailim fé èfcancíalizárQm 
daquelle negocio 5 que aíTentáram que o 
cafo era de morte ; ^^^ que pois era feu 
Tio, e verdadeiro herdeiro daquelle Rey- 
tío , que lhe todos tiraram , haftaria^-prenr» 
dello pêra fatisfaçao de EiRejr de Tidore^ 
Com lílò o mandou levar diante defi , e o 
fez embarcar eih humá corocora ^ dizendo 
aos que o levavam que o tiveflem ho maí 
hum pouco á vifta de EIRey de Tidore 
pêra o elle faber, ever que não tinha cul-* 
pa em lhe náó dar âirma que lhe promet-» 
têra* Mettido o Mandraxa tia corocora , e 
aíFaftada ella da terra , como ElRey tinha 
fallado em fegredo com osgue neIJahiáííi, 
mataram o pobre Prihcípc áá crizadas , de 
tiue todos os Tios , e Grandes do Reynò 
le efcandalizáram muito ^ e em Tidore fcí 
ibube o cafo, que âquelle Rey fentió niui-» 
to , porque defejavà de cafar èóm aquella 
Infanta : ifto tudo fuccedeo néfte Julhodè 
586. em que andamos ; e rteftè cftado déW 
sUremos as coufas tieftas llhasi 



T ii CAff 



Digitized by VjOOQIC 



apa ÁSIA de Diogo de G)ura 

C A P I T U L O V. 

Do que aconteceo d gente da ndo Sant^Iagê 
depois de Jer em terra até chegar â 
Moçambique : e de como Je parti- 
ram pêra a Indta. 



D 



Eixámos a gente da náo Sanr-Iaga aue 
fe falvou no batel roubados dos C^a- 
fres ; e levados todos pêra huma Aldeia do 
Certáo , alli eítiveram quinze dias , onde 
paíTáram muitas fomes, frios, e trabalhos, 
porque os deixaram niís , fem coufa que os 
CubriíTe : os dous homens , que fe tinham 
apartado delles , que eram Fernão Rodri- 

fues , e João Soeiro , foram ter ao rio de 
raranga , e deram conta áquelles Cafres , 
que eram amigos dos Portuguezes , daquel- 
la gente que alli ficava, e do modo que os 
levavam , fem faberem ainda pêra onde. Os 
Cafres pelo intereffe que efperavam do feu 
refgate , foram-fe logo huns com alguns 
panos , e por inculcas os acharam em huma 
aldeia , como reteudos , e cativos ; e refga- 
tando-os por poucos panos , os levaram 
comfigo pêra Laranga , aonde eftiverani 
dous mezes padecendo também fomes , e 
frios , e deíaventuras bem grandes , com 
o que de puro trabalho morreram os Pa- 
dres da Companhia Pedro Alvares ^ o Padre 



Digitized by VjOOQIC 



DÉCADA X. Cap. V. apj 

Çapata , João Gonfal ves , e outros , os quaes 
tinnam moftrado nefta perdição mui grande 
exemplo de virtude , e efpantofa caridade 
com os pobres. Eftando aqui todos bem 
defconfoíados , - apartou-fe aquelie moço 
Diogo de Couto, que de piedade tomaram 
os do batel , e foi-fe fem difcurfo , nem 
faber pêra onde hia , ou pêra onde o le- 
Taffe a fua ventura , e ella o foi encami- 
nhandaaté o rio chamado Quefungo , aonde 
achou lium pangaio do Capitão de Mo- 
çambique Nuno Velho Pereira , do qual 
era Capitão André Colaço ; e dando-lhe as 
novas da gente que ficava em Laranga, 
partio*fe logo no feu pangaio, efoi tomar 
aquclle rio , que ficava ao Norte de Que- 
fungo fete , ou oito léguas , e alli achou 
todos os perdidos em poder dos Cafres, 
que os foram refgatar ; e concertando-fe 
com elles , lhes deo hum golpe de roupa 
por todos , e os tomou comíígo no pan-^ 
gaio, e os levou aCuama, e dalli a Sena, 
aonde eftava hum Forte , onde acharam já 
Fernão de Mendoça , e os da fua compa- 
nhia , e os da jangada Simão Moniz , qiiè 
havia dias eram chegados. Os cafados ,^na 
moradores daquella povoação vendo aquel- 
las peíToas daquelle modo , os repartiram 
entre íi , e os agazalháram com muita ca^ 
ridade^ 4ando*lhes de veíUr ^ e calçar , e 

em- 



Digitized by VjOOQIC 



j(94 ÁSIA DE Diogo de Couto 

f mpFeftando o feu dinheiro a muitos, Alíi 
tiveram até efte Janeiro paliado , que fe 
embarcaram pêra Moçambique , tomando 
Puarte de Mello á fua conta a mór parte 
4aquelles Fidalgos, e lhes fez os gaftos; e 
em Moçfimbique recolheo Nuno Velho Pe- 
reira , que alli eílava por Capitão , parte dei-? 
íes , e outpos ficaram com Duarte d,e McU 
lo , e os mais foram providos , e remedia? 
ÀQ9 , alTim da Mifericordia , comp daquel- 
les moradores que acudiram ás fuás neceífi* 
íladçs coni muito amor. Pouco depois diftô 
chegou áqudia Fortaleaa D. Jorge de Me^ 
pezes , Alferes Mór do Rçyno', e tomou 
poflTe delia , e proveo a todos qs da per- 
dição mui bem 9 e deo muito dinheiro aos 
Padres Fn Thomaz Pinto , Inquifidor , o 
f edro Martins , Provincial da Companhia 
lâa índia ; e porque Duarte de Mello j e 
jiquelles Fidalgos quizeram ir invernar i, 
ladia , lhe deo o Alferes Mór- huma naveta 
(ua com todas as defpezas, gaílos , e ma-* 
falotagens á fua cufta , e deo dinheiro a 
fluçm lho pedio ^ e era Duarte de Mello 
4U\o de Heitor dé Mello , que foi ca fado 
cm.Baçaim fegunda vez com Dona Maria >. 
filha de D. Roque Tello , e de fua mulher 
Cana Filippa, dç que não houve filhos, e 
a primeira vez com Dona Margarida , filha 
4? Manoel de Sá , da qual nafceo eíle Duarte 

Í9 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap.. V. ajjr 

de Mello, eDona Filippa , que depois ca^ 
ibu com Ruy Gomes da Silva , e outros 
três , ou quatro filhos mais , que morreram 
na índia em ferviço de ElELey* 

C A P I T U L O VL 

Da Armada que efte anmo de f 86. partia 
do Reyno : e do novo arrendamento au€ 
ElRey mandou fazer da cafa da InJua : 
e de como o Galeão Reys Magos , qne 
bia pêra Malaca , peleijou icom os Ingle-^ 
%es : e do grande naufrágio que paffou a 
náo S. Lourenço , itâo pêra o Reyno : € 
de como chegou a Moçambique. » 

CHegada a monção , em que no Reynoi 
fe começaram a negociar as náos pêra 
a índia , começou Manoel Caldeira , qut 
corria com o íeu contrato a negociar ; e 
em quanto fe hia dando ordem aos dcfpa^ 
chos , tratou ElRey (por lhe dizerem fer 
affim mais proveito da íua fazenda) de ar« 
rendar a cafa da índia ^ e fez delia hutn 
novo contrato por tempo de fete* annos 
com Jacome Gomes Gallego , Jeronymo 
Duarte, Manoel Martins , Francifco Roí» 
drigues de Elvas, e Manoel Jorge por pre* 
ço , e quantia de cento e trinta e lete con« 
tos de reis cada iium anno ^ com o que fe 

& 



Digitized by VjOOQIC 



%^6 ÁSIA DE DioQo DE Couto 

ficou fechando o favor aos pobres , que da 
índia vaai com tantos rifcos , e perigos , 
com os quaes fe diílimulou fempre com o 
feu caixão , e com o feu quintal de canela 
la , e cravo , e com o feu brinco , e cane- 
qui, que a ElRey montava pouco', e a el- 
les muito pêra as defpezas de fens requeri- 
mentos , o que com ifto ficou bem diffbe 
rente , porque os rendeiros aílim efpremetrt 
tudo , que não paíTa panno pêra camizas , nem 
arrátel de canella pêra dar , que não pague 
feus direitos ; e aeftas , e ae outras cem 
mil coufas nunca os Reys são avifados^ 
porque não lhes dizem o que he em prol , 
c accrefcentamento de feus vaíTallos po- 
bres , fenao aquillo que he em favor , e 
bem de fuás rendas j porqae fempre houviç 
nas cafas dos Reys homens tão zelofos , e 
amigos de íuas fazendas , que trabalháratri 
de dar alvitres pêra as fazer crefcer á cufta 
dos pobres vaífallos / porque também com 
iífo accrefcentam em fuás commendas , e 
morgados > e aillm de ordinário o favoF 
que fe tira aos pobres , vem a dar a eftes 
de que nunca informão aos Keys , porque 
elles são pais de pobres , e nunca feram* 
contentes de os apertarem tanto. E tornan-. 
do ao noíTo fio , andándo-fe fazendo prefi 
tes; as náos , foi ElRey avifado que em In- 
glaterra fe negociava Ixuma Armada , feai 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf* VI. * 197 

faber pêra onde ; e porque pela ventura 
x]ue quereriam paíTar á índia pêra as par* 
les de Malaca , quiz avifar ao Capitão da-- 
queila Fortaleza , pêra que eftiveíTe preftes , 
e ao Vifo-Rey da índia, pêra que o foc- 
correíTe : pêra o que mandou dar preíTa ao 
Galeão Reys Magos , que fe negociava pê- 
ra Malaca , do qual eftava nomeado por 
Capitão João Gago de Andrade , homem 
Fidalgo y e muito antigo da índia , e em 
5. de Janeiro de I5'86. fe fez á vela , e 
mandou ElRey embarcar nelle Eftevão da 
Veiga com cartas pêra o Vifo-Rey D. Duar^ 
te , e huma pêra o Capitão de Moçambi-* 
que , na qual lhe dizia que em chegando 
alli aquelia náo , logo negociaíTe alguma 
embarcação pêra nella paíTar Eftevão da 
Veiga á índia por cumprir aífim a feu fer- 
viço. Nefta náo fe embarcaram alguns Pa-* 
drcs de St Domingos á fama da grande 
Chriftandade que os Padres da fua Religião 
faziam nas Ilhas de Solor , os quaes fe o& 
ferecêram a feus Prelados pêra fe acharem 
naquella conquifta efpiritual , com grande 
delejo de também merecerem o jornal doí 
obreiros da vinha de Deos* 

Dada efta náo á vela , foi feguindo 
fua jornada , a que logo tornarem os. 

A mais Armada, oue havia de ir pêra 
g ladia y partio por todo o Março > e hia. 

por 



Digitized by VjOOQIC 



^yS ÁSIA DE Diogo de Couto 

por CapitSo Mòr delia D. Jerormno Coil-> 
tinho , que fe embarcou na náo Á. Thomé y 
os mais Capitães da fua companhia .eram 
António Gomes do Galeão Bomjefus, por 
outro nome Caraoja , onde ie embarcou 
Manoel de Soufa Coutinho cheio de hon* 
ras , e mercês , porque trazia a Capitania 
de Malaca , e Imma viagem de Japão , e a 
Capitania de Baçaim, de que havia annoâ 
era provido pêra caíàmento dehuma filha , 
e habito de Chriílo .com boa tença ; e pelo 
que depois fe íbube vinha na fegunda fuc^ 
cçfsâo da Governança da índia , em que 
logo fiiccedeo por morte do Vilb-Rey D* 
Duarte , como em feu lugar diremos , coufa 
poucas vezes acontecida na índia. As mais 
aios eram o Salvador , Capitão Miguel de 
Abreu , da Reliquias Francifco Cavalleiro y 
e de S. Fiiippe João Trigueiros , e todas 
juntas foram fua derrota com grande ref- 
guardo , e vigia pela fama que havia dtí 
Inglezes ; e em quanto vam leu caminho y 
tornemos ao Galeão que hia pêra Malaca : 
efte indo feguindo fua derrota, fendo huta 
grão e meio antes da linha da banda do 
Norte , aos 14. dias de Fevereiro , antes 
dò Sol nafcer , houveram vifta de huma po- 
derofa náo, e de bum patacho, que já os 
vinha demandar ; e conhecendo íerem In- 
glezes ^ fizeram leiles a artiiheria ^ e prepa** 

rá- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VI. 299 

riram mui bem a náo , mandando pôr nas 
gavias marinheiros valentes homens com 
algumas efpingardas, zargunchos , e mui-» 
tos calhaos , e algumas panellas de pólvora» 
O Capitão João Gago , que era muito ve* 
lho , e gotofo , aíTentou-fe em fima do pro-» 
pao na poppa em huma cadeira pêra dalli 
ver tudo, e governar, e encarregou ocon*^ 
vés aEftevâo da Veiga com trinta homens r 
a proa encarregou a António de Vilhegas y 
que hia defpachado com a Capitania de So-' 
lor, e a Rodrigo Leitão , ambos cafadoa 
em Malaca , mui bons Cavalleiros : iriam na 
nio duzentos homens entre marinheiros , e 
Ibldados. Preftes tudo , fendo dez horas ^ 
chegaram oslnglezes a tiro de bombarda , 
e falváram o Galeão , e os noíTos fizeram o 
mefmo com a efpera que lhes foi zonindo 

Íeias orelhas , porque viíTem o com que os 
aviam dehofpedar. Os Inglezes como mais 
ligçiros , tomaram o balravento , e come-i 
çáram a bater a náo com grande fúria , e 
o mefmo fizeram do Galeão por efpaço de 
huma hora , na qual fe mettêram em ambas 
as partes muitos pelouros dentro em huma y 
e outra náo , os quaes na noíTa feriram ai* 
guma gente , e na fua não havia de haver 
menos perigo. Os Inglezes vendo que da 
bateria não paliavam melhor , determinaram 
dç abordar o Gal^o ^ como logo fizeram y 

e 



Digitized by VjOOQIC 



30Ô ÂSIÁ DE Diogo de Couto 

e ás lançadas fe começaram a combater to* 
dos com grande animo, e determinação por 
efpaço de duas horas. Os noíTos fizeram 
grandes coufas , principalmente António de 
Vilhegas , Eftevão da Veiga , e Rodrigo 
Leitão : os Padres de S. Domingos toma- 
ram o oíficio de animarem a todos , e de 
acudirem aonde havia neceilidade , e de 
trazerem o olho nos que fe tiravam dos 
i&is lugares pêra os fazerem tornar a eiles* 
Os marinheiros y que eftavam nas gáveas, 
fizeram dentro na náo Ingleza grande deí^ 
truiçâo ; e aíllm os trataram por todas as 
partes , que tomaram elles por partido deP- 
s^>ordarem , e aflFaftaram-fe pêra fora ; e 
ao paíTar peia proa do Galeão deram ta- 
manha pancada em huma unha da ancora,' 
pela qual foram roçando, que feindireitou 
toda. AíFaftada a náo , e o patacho, que 
todo aquelie tempo ficou de fora ás bom- 
bardadas , foi elia fazendo-fe em hum , e 
outro bordo , dando querenas , como que 
hiam tapando buracos que lhe fizeram com 
a artilheria do nofib Galeão , e foram-fe 
feu caminho. Prefumio-fe que eftes navios 
feriam da reçaga dos trinta Galeòes que 
nefte tempo foram faquear Santo Domin- 
go , que foi a Armada de que ElRey teve 
avifo ; no Galeão ficaram muitos feridos, 
e hum fó morto , e efte foi hum marinhei* 

IO, 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. VI. 301 

TO , que efteve toda huma hora ao leme ; e 
entregando-o a outro , fubio affima pêra 
ver a briga contra vontade de alguns que 
lhe diíTeram que não f ofle ; e chegando ao 
convés , lhe deram huma efpingardada pela 
teíla y de que logo cafaio morto. Os noíTos 
tanto que foram defapreflados , foram fe^ 
guindo lua derrota, e em fim de Abril paf* 
iáram o Cabo da Boa Efperança ; e indo 
feu caminho na demanda de Moçambique , 
houveram vifta de huma náo tanto á vante 
com a terra do Natal , a qual hia toda deí^ 
troçada fem maftareos, gorupés, mezena^ 
aem varanda , e parecia que etbva em gran* 
de trabalho. E pofto que o Galeão hia cor- 
rendo com pouca vela , com hum temporal 
grande foi guinando pêra a reconhecer; e 
vendo-a tão deftroçada , e que delia lhe 
capiava com muitas coufas , entendeo que 
eftavam em trabalho, e que não feria poí^ 
livel foccorrer-Ihe , e por caufa da muita tor- 
menta não fe quizeram embaraçar , e fo- 
ram feu caminho , deixando os da náo mui- 
to defconfolados : era efta náo S. Lourenço » 
em que hia por Capitão Reimão Palcao , 
filho do Licenciado Simão Goníalves Pre-. 
to , Chanceller Mór do Reyno , a. qual 
com o tempo , e tormentas que teve delap- 
parelbou daquella maneira , e abrio por 
multas partes^ pelas quaes começoa afazer^ 



Digitized by VjOOQIC 



301 A SI A DE DiodO Ce Couto 

«gua , c)ue já as bombas a não podiam veíi* 
cer, antes crelceo tanto que chegou a dez* 
oito palmos , com o que lhe foi forçado 
alijarem ao mar toda a fazenda que hia 
em íima , e nas bocas das efcotilhas orde- 
naram hims andaimes , fxcios quaes come- 
Siram a coiTer barris de féis almudes de 
ous em doas , e toda a fi;ente da náo re- 
partida por elles, e pelas bombas, de que 
nunca levaram as mãos , com tanto trabalho 
do corpo , e dos efpiritos , que já não po- 
diam comíigo ; e pela muita diligencia que 
o Capitão punha , ajudado de alguns Fi**- 
dalgos y e Cavalleiros que hiam na náo , a 
fotam fuftentando , e voltando pêra Mo- 
çambique; e affirmáram que todos os dias 
deitavam ao mar novecentas pipas de agua 
pela conta dos barris que laboravam , e já 
oãa havia braços , nem forças pêra nada ^ 
e tanto qtie houveram vifta do Galeão , que 
kia pêra Malaca, foram<^fe a elie, elargan-> 
do todod com alvoroço as bombas , come^ 
f áirafn â capiar , cuidando que os foccorref- 
iem pêra fe falvarem nelle ; e vendo que 
íè Ibe hia ^ tornaram ao trabalho , e naquela 
le pecpieno efpaço crefceo a agua na náa 
úxè vinte e dous palmos; e vendo que lhe 
são ficava outro remédio mais que o de 
Bros , e do6 br^os , laboraram com os 
hnrris^ e boflívbas, e com infiaico trabalho» 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf. VI* joj 

fe foram fuftentando fempre nos vime ô 
dous palmos de agua mais de quarenta dias' 
até noíTo Senhor os levar a Moçambii|ue^ 
aonde já eftava o Galeáo de Malaca havia 
dias y o qoal tinha chegado aos 4. da Ju«4 
nho. Entrada a náo dentro, deiembarcáram 
todos em procifsao , e foram a N. Soihora 
do Baluarte tão fracos , e debilitados que 
cão podiam comíigo. A náo foi logo deí^ 
pejada da pimenta de ElRey , e da fazcn-» 
da que hia por baixo; e porque fònâo foí^ 
fe ao fundo no canal , porque impediria O 
furgidouro ás náos do Reyno , a foram 
encalhar da outra banda , aonde fe desfez^ 
Chegado o Galeão de Malaca a Moçam^ 
bique , deo Eftevão da Veiga a Garra àe 
ElRey ao Alferes Mór, o qual logo man- 
dou comprar hum pangaio grande , pof 
não haver no porto outra embarcação ^ e d^ 
mandou concertar , e nelle fe embarcou» 
Eftevão da Veiga antes de Sant-Iago y dan- 
do-lhe o Alferes Mór por regimento que 
fe não pudcíTe ferrar a barra de Goa por 
ainda ler lá o tempo groflb , que varaíle 
na terra mais perto que pudelte , e que 
falvaíFe fua peíToa , e as cartas de ElRey , 
e que por terra fe foífe pêra Goa. Efte 
pangaio achou os tempos tao fortes » que 
pelos não foffrer, arribou á Ilha de Pomba 
na cofta de Melinde y onde achou hum Ga- 

leo- 



Digitized by VjOOQIC 



504 ÁSIA DE Diogo de Coxrro 

léoto do Alferes Mòr ^ que tinha vindd 
de Mafulepatáo carregado de fazendas ; e 
reprefentando Eftevão da Veiga ao Capitão 
delle a importância do ferviço de EIRe^r 
a que hia á índia , e o muito que o Alfe* 
res Mór eftimaría dar4he aquelle navio , 
lho deo muito concertado , e nelle foi fa-» 
zendo íiia viagem com tempos bem rijos, 
e por fim de Agofto furgio na barra de 
Goa , onde o Viío-Rey D. Duarte mandou 
Jogo Pilotos que o metteflem dentro , e Ef- 
tevão da Veiga deo as cartas ao Vifo* 
Rey y e o que nelias lhe mandava fe nãa 
foube ; e nas náos que eftavam pêra partir 
pêra Malaca mandou embarcar alguma gen-f 
te , e muniç6es« O Galeão de Malaca y que 
deixámos em Moçambique , partio dalli a 
6* de Agofto , e chegou áquella Fortaleza 
a I5'. de Outubro , como adiaate melhor 
diremos. 



CA- 



Digitized by VjOOQIC 



Dbcada X* Ca?. VII. 30^ 

CAPITULO VÍI. 

Í)a Amiàdã fue o Vif^Rey D* Duarte 
mandou a Surrate ^ de que foi por Capi^ 
tão João Barria Simões i e ao qke Ibi 
aconteceo cont %uma não de Meta , i 
com Calitbe Mabamede Senhor de Sut^ 
rateé 

POr cartas que o Vifo-Rey teVe de Da-i 
mão 5 foi avífado como o Caliche Ma« 
Jiamede , Capitão de Surrate , efpèrâva pot* 
liutna náo de Meca , aue no Abril paíTado 
de 585^. tinha lançado fora fetn cartaz j; 
poraue j cií^nio muitas vezes diíTeitiõir ^ av 
€ou(as que éfteMogor mais feiitia ^ era pe<- 
dillos pêra as fuás náos , pelas muitas re^ 
zes que tinha, feito crer ao Hecbar qul; ha^ 
viam fuás náos de navegar fem elles á de& 

}>eito dos Portuguezes , por naturalmente 
er homem foberbò ^ e o tnais arrogante 
que havia entre os Mogores \ e porque eP 
tava aíFrontado do que o Abril pãllftdò lhe 
tinha acontecido xom João Cayado de Gain<> 
boa 5 tinha mandado que aquella náo f que 
era muito grââide^ deílaíTt; toda a falendâi 
repartida pelas náos dè cartares /edtie lhe 
nietteife muita artilhería ^ e munições ^ e 
duzentos homens de peleja dos efeolhido^^ 
e foíTe demandar Surrdte ) e ^u^ adbanda 
Couto. Tom. VI. P. //- V 4 



Digitized by VjOOQIC 



jo6 A.SIA DÊ Diogo de Coxrvo 

a Armada Porrugueza,peleiiaíre cpm ella. 
O Vifo-Rey tanto que foube as novas , 
Jpgo efcreveo por terra a João Barriga SU 
snòes y que eftava em Baçaim, que com a 
mór brevidade que pudefie íe palTalTe a 
Pamão , e negociafle dous navios , e com 
^ 4e P.Gaââo Coutinho, D. António Ma- 
noel, e Fernão Gonfalves daCamera, que 
eftavam em Dio , como atrás diíTemos ; e 
com i Armada , que de lá havia de vir 
ajuntar-fe com eíle , fe foíTe pôr fobre Sur- 
jrate ^ e que tomaílem todas as náos que 
TieíTem de Meca fem cartaz , e pêra ifta 
paílbu Provisões y e cartas , ailim pêra os 
OíHçiaes dç Damão , e Dio armarem os 
flavios , como pêra os Capitães da compa«» 
obia de Ruy Gonfalves da Camera , que 
aífima nomeámos, feirem ajuntar com João 
Barriga Simões em Surrate. Com eftas car- 
tas fe foi elle pêra Damão, e defpedio as 
outras pêra Dio , e elle ficou alli negocian- 
do as duas fuftas, que foram as mais poí^ 
fentes que achou , e hum^^ tomou pêra li, 
e outra deo a João Hoavrm , cafado na- 
íjuella Cidade. As cartas dbVifo-Rqr che- 
garam a pio a tempo que já Luiz Falcão , 
filho ^ «Ayres Falcão , Capitão daqueila 
Fortaleza , era partido pêra Goga com fin- 
co navios y pêra dar guarda á cáfila de 
f^imb.SLyji ; p.eJo quie logo defpedio huma. 



Digitized by VjOOQIC 



«irit)ftfcaçao ligeira com cartas a feu filho | 
í^m que lhe inaodava fe paíTalTe logo a Da^ 
mão, e fe ajuntafle a João Barriga Sim 6es; 
e as cartas do Vifo-Rey deo áquelles Ca* 
}>itães que alli invernáram , com as quaes 
deitaram os navios ao mar ^ e fe negocia* 
ram pêra fe partirem ; c porque naquella 
tempo tinha chegado huma naveta de Me* 
ca , que dava novas que no eftreito fe ne* 
gociavam Galés , não quiz Ayres Falcão 
que fe partiíFem aquelles Capitães até vi* 
rem as mais náos pêra faber a certezai 
com o que fe deixaram ficar, João Barri* 
ga aos io« de Setembro poz os navios no 
mar.^ e aos i^. chegou a Armada de Dio^ 
com a qual fe fahio pêra fora \ e porqua 
o tempo era ainda verde ^ e as corrente^ 
jnui grandes , deo o navio de Luiz Homem 
á cofta, pelo que lhe foi forçado deixallo^ 
e com a mais Armada fe foi pôr fobra 
Surrate« Os navios que ficaram em Dio^ 
chegando logo outras náos ^ que affirmá* 
ram não haver Galés ^ deram a vela pêra 
Surrate ^ e no mefmo dia lhe deo iium 
tempo rijo 5 com o qual fe apartou o na* 
vio de D* António Manoel , que conendo 
largo , foi tomar Baçaim : os outros doud 
indo tanto avante , como Madre Faval y 
houveram viíla de huma fermofa iiio , aua 
era a que €> Caliche efperava > a qugl ni^ 

V ii coflt 



Digitized by VjOOQIC 



3oS ÁSIA t>E DíOGo bE Coittò 

com vento frefco fem traquctes ; os navio» 
<:hegáram a ella , e lhe perguntaram que 
náo era , e pêra onde hia ? Os de dentro 
lhes refpondéram que era de Dio de Nuco 
Demorgi , hum Mercador muito conheci-» 
do naquelia Cidade , que trazia duas , oa 
três náos na carreira de Meca : os dos 
navios lhes diíTeram que fe era de Dio , 
como levavam aquella derrota , que fe fi« 
eeíTem na outra volta , que elles o acom* 
panhariam até Dio ; mas elles dando-lhe 
pouco daquillo , deixáram-fe ir feu cami* 
nho. Os Capitães dos navios tomando pa* 
recer fobre o que fariam , aíTentáram que 
a feguiflfem até Surrate , onde já havia de 
eftar João Barriga ; e que podo que não 
levaíTe Pilotos , que a mefma náo os guia- 
ria. E porque a náo largou todas as velas ^ 
o fizeram elles também , e a foram feguin- 
do , hum por huma banda , e outro pela 
putra , esbombardeando-a muito tezamen- 
te , e aflim a levaram até Surrate, onde a 
noíTa Armada eílava. João Barriga tanto 
que ouvio as bombardadas , poz os navios 
todos em armas , e logo houve viíla da 
náo, a qual fahio pêra a tomarem no mar 
largo ; e chegando a ella , a rodeou , e a 
começou a bater rijamente , do que ella 
fez pouco cafo , e fe deixou ir muito fe- 
£ura 9 difparando também a fua artilheria 
í por 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap^ VII. 309* 

por todas as partes ; e como os feus Pílo*^ 
tos fabiam muito bem todos aquelles ca<* 
naes, c furgidouros, defviando-íe de ordi- 
nário por o^de a noíía Armada eílava , foi 
demandar hum canal da banda do Norte > 
mas eilreitcf y e por elle foi até encalhar 
junto da primeira ponta da barra , onde 
faz huma reftinga de lama y que lança hum 
bom efpaço ao mar ; e como deo nella ^ 
ficou logo envafada , e no mefmo inftante 
lhe cortaram os maftos , porque nâo abrifle* 
João Barriga vendo a náo varada , chegou* 
fe com os 'navios o mais perto que pode, 
e começaram a batella por todas as partes ; 
0ias como a náo era forte , e os falcóev 
não baíbvam pêra a desfazer y defpedia 
João Barriga hum navio daquelles a Damão 
a pedir mais três navios com dous Came^ 
Ictes , eftes negociou D. Luiz de Menezes , 
Capitão daquella Fortaleza , e o defpedia 
logo : com eftes foram João Homem , que 
já tinha concertado o feu navio y D.Anto* 
nio Manoel , que tinha vindo de Baçaim 
havia pouco , e do outro Capitão não fou- 
bemos o nome y os quaes ao outro dia» 
chegaram á Armada , que nunca deixou a 
náo y antes foi continuando a bateria com 
muita importunação , e com a chegada del« 
tes navios a apertou mais. Caliche Maha--» 
siede como lhe importava muito aguillo,; 

por 



Digitized by VjOOQIC 



^ro ASlA DB Buooo de Coíjto 

^r honra , e opinião mandou negociar 
quarorze navios pêra irem peleijar com a 
noíTa Armada ; e em quanto fe ifto fazia , 
acudio elle em peíToa á ponta da Barra 
com 5*00. de caTàllo , e com algumas peí^ 
ias de artilheria pefa favorecer a fua náo ^ 
e varejou de terra mui bem os navios ; mas 
nem com tudo deíiftio João Barriga da ba^ 
teria , antes a foi amiudando mais. O Ca^ 
liche determinou de entreter os noíTos com 
algum engano , em quanto os feus navios 
ie negociavam pêra lhes fahirem , e deipeF. 
dio numa Almadia com hum Baneane , ^ 
^ous Mog&res , os quaes fazendo íinai 
com huma bandeira branca, foram chamai 
dos ao navio do Capitão Mór João Barria 
ga Simões , que mandou ceifar a bateria*. 
Chegada a Almadia a bordo , diífe o Banea-^ 
pe ao Capitão Mòr , que C^Iiche lhe maiw 
àava dizer que aquella náo não tinha fa« 
zenda que dèveíTe nada ás Alfandegas de 
ElRey de Portugal , e que eftava alli en^ 
calhada , e alagada , aue parecia que nãa 
tinha que fazer com ella -, que lhe pedia a 
deiraíle , e não quizefle . pela opinião dei 
accrefcentar em feus ferviços mais huma^ 
certidão , que tomara huma náo de Meca y 
ftrrifcar as terras de Damão , e todos os renw 
fiimentos de fuás aldeias , que importavam' 
mais qi«e- féis oáos '49^9Uas ^^ além^ ^« 

mui' 



Digitized by VjOOQIC 



Década X, Ca?. VIL * 511 

muitos vaíTâllos mortos , e cativos : quS 
lhe fazia a faber que já tinha defpedidô 
mil de cavallo pêra ellas , os quaes fe não 
haviam de recolher lem fe vingarem da-* 
quella teima. João Barriga ouvio mui bem 
o Baneane , e notou aos Mogores que af» 
fim nas peílbas , como em tudo o mais pa^ 
reciam homens honrados , e que á conta áà 
acompanharem o Baneane hiam a efpiar, é 
com muita fegurança lhe refpondeo qué 
diffeíTe ao Ciaiiche <jue por nenhum cafó 
ie havia de apartar de fobrç aquella náO) 
fem lhe moftrar fe tiíiha cartaz pefa nave* 
gar ; e que tendo-o , elle trazia póT regi- 
mento do Vifo-Rey , que onde encontraffã 
náo do Hecbar , ou fua delle com cartaz 9 
as revocaífe , acompanhaffe , e favoreceíTô 
até furgir em feu porto , que alli eftavà 
preftes pêra o fazer áquella , fe tinha car-* 
taz , e que logo a tiraria dalli , rebocaria i 
c daria toas até a pôr debaixo de fua For- 
taleza ; mas fe o não tinha , que fe defen- 
ganaile , porque fe fíão havia de affaftar de 
alli bum palmo até a desfazer Mfi p^ 5 ^ 
cinza ;- e que quanto á honra da «certidão , 
iffo em pêra os Fidalgos , e grandes Ca^i- 
tíes , que elle não era mais que hum fol- 
dadò ; e que a gente que tinha defpedido 
contra Damão, lá eftava D.Luiz de Mene- 
zes j-que era Capitão daquella Cidade > 
/ que 



Digitized by VjOOQIC 



^it ÁSIA DE Diogo de Couto 

quo agazalharla a todos , como o coftuma« 
ira fazçr a todoe os inimigos nas partes 
em que k achara i e que como elle con<« 
cluiíle com aquella náo, iria ajudar a hoA 
pedar 03 Teus que lá mandara , e com ifto 
ps defpedio ; e indofe o Bançane já em^ 
tareando , apparj^ceo a Armada do Cali- 
çhtj qi}e era de quatorze navios, carrega-i 
dos de armas , e gentes y que vinham com 
{tenção de commecrer a noiía Armada : o 
Baneane em os vendo 1 diíTe â Joáo Barri-^ 
ga í J4 q^f affini queres , vigia-te daquela 
les nfivios que Id vem \ c entendendo João 
Barriga quí? aquillo era com modo de ron-» 
ca , Q que lho mandara, dizer hum daquelles 
^ogoçes ^ lhe rçfpondeo , que fe os Ca-t 
pitães da quelles navios eram como aquelles 
Jeiís companheiros , que niíTo havia pouca 
que fazer , pqrque no mar os Portugueze^ 
pram huns fós , e qué elies lá por terra 
em feus fendçiros fçriam valentes çom gerv» 
te coutada, Defpedido o Baneane , poz 
João Barriga a fiia Armada em ortjem oe-» 
ra peleijjkf con^ 9 do inimigo \ a qual ene* 

Írando á boca da barra na ponta , 9nde a 
ua artilheria eft^va , fiirgio , porque era 
já tarde , e acertou de fer aquella noitp 

Suarteirãq da Lua , e logo em aaoi tecem* 
o começou a ventar Sul , que naquella. 
çgfçadft hç nayitQ perigofQ, epoqcQe.pqu^ 



Digitized by LjOOQIC 



Década X. Cat. VIL 313 

CO foi crefcendo de feição que nao o pu- 
deram aguardar os noflbs navios , e foi-lnes 
neceffario levarem-fc , e irem-fe furgir nó 
poço , onde eftava a Armada inimiga , e 
alli fe deixaram eAar toda a noite com as 
armas na mão , e com grande vigia. O Ba- 
jieane do recado chegou com a refpofta a 
Caliche ; e vendo elie a determinação de 
Joáo Barriga , não q\úz arrifcar a íua Ar- 
mada y nem a gente da náo , peio que lo« 
go em amanhecendo o tornou a enviar 
com cartaz y que João Caiado tinha paíTa*^ 
4o a outra náo y que partio em Abril , que 
parece que lhe ficou em terra, João Barri- 
ga em o vendo y poz-lhe o paíTe y e man-» 
dou-fe ofFerecer ao Caiiche pêra revocar 
a náo y e tiralla do baixo ; mas o tempo 
lho não deixoii fazer , porque durou dous 
dias com tamanha braveza, que efpedaçou 
a náo em muitas partes , e a gente delia 
fe falvott nos navios. João Barriga tanto 
que o tempo lhe deo jazigo y deo á vela* 
pêra Damão , e Luiz Falcão com os feus 
navios pêra Dio , e os da companhia de 
Ruy Gonfalves da Camera pêra Goa , fi- 
cando o Caliche perdendo a náo, e a opi« 
díSIq qu« fentio fobre tudo* 



CA* 



Digitized by VjOOQIC 



314 A S I A DE Diogo ds Couto 

CAPITULO VIII. 

Das Armadas que o VifthRey lançou fora : 
e do que fuccedeo às nãos do Reyno até 
chegarem a Goa : e da mudança que El-^ 
Rey mandou fazer nas coufas dejufiiça , 
e ordenou Cafa daRelafão em Goa. 

S Ao tantas ascouiãs que fuccedéram jan^ 
tas^ que não fe pôde guardar a ordem 
do6 tempos pelas nao deímancharmos , e 
affim as iremos Ordenando pelo melhor 
modo qtie pudermos por connnuar todas ^ 
conto faremos agora com as Armadas que 
oViíb-Rey ordenou. Tanto que o inverno 
deo jazigo , a primeira foi buma de fínco 
navios ligeiros , de que fez Capitão Mór 
FraiicifcoEfcorcioy pêra fe ir lançar fobre 
a barra de Sanguicer, donde em todos os 
yeróes fahiam muitos ladrões formigueiros 
aro^ifaar , os quaes por ferem muito fub- 
tis , e pequenos , fogem ás noífas Arma- 
das ; e de alguns annos a eíla parte tem 
feito grandes eftragos pelo mar nos navios 
de Mercadores. Os Capitíes que fe acha- 
ram, nefta companhia, foram Joáé Soares^ 
Diogo Nunes de Sepúlveda , Sebaftíáo Bu-* 
galho , e Ru7 Gomes Arei Malavar , os 
quaes aos finco de Setembro fahíram pela 
barra fora , e foram furgir fobre aquelle 
' J rio. 



Digitized by VjOOQIC 



• Década X. Cap. Vllt ' 31^ 

fio 5 conforme ao regimento que o Capitão 
Mór delles levava. 

A fegunda Armada que fe fez, foi de 
oito navios maiores , de que foi por Capi- 
tão Mór Gafpar Fagundes , foldado velho; 
qoe tinha vindo de Panane , e lhe deo o 
Vifo-Rej por regimento aue fe foíTe lan-i 
çar fobre a barra de Cunnale pêra defcn-* 
der que não fahiffem os navios, quenaquel- 
le tempo coftumavam ir carregar de arror 
á cofta de danará , onde fe deixaria eftar 
até chegar a Armada , que havia de ir aa 
Maiavar. Eftes navios deram á vela a 20. 
de Setembro, e os Capitães delles, a fora* 
Gafpar Fagundes , foram D. Duarte MaC*' 
«renhas Arelde Tanor, Domingos Alva-' 
res , Gonfalo Martins de Cáceres , Pedro 
Rodrigues Maiavar , Jorge de Mello Perei-» 
ra , Manoel Fernandes , e outro ; e porque 
á partida deftes navios foi o Vifo^Rey avi* 
fado que o Çamorim , por alguns aggravos» 
que teve do Cunhal e, tinha mandado gen- 
te fobre elle pêra lhe pòrem cerco , deo- 
por regimento a Gafpar Fagundes que fe^ 
effereceífe ao Çamorim , e o ferviííe na-» 

3uella guerra , e em tuBo o que elle man- 
aífe, Neftes navios mandou o Vifo-Rey* 
dinheiro , e provimentos pêra a Fortaleza 
de Panane y 'e indo feu caminho , lhe deo 
bum temporal ^ com que fe apartaram o4r 
- na- 



Digitized by VjOOQIC 



3i6 ÁSIA DE Diogo de Cotrro 

navios y edous delles foram tomar G^chim, 
e Gafpar Fagundes Panane , e entregou a 
Bernardim de Carvalho os provimentos que 
levava , porque Ruy Gomes da Grã havia 

E>uco era partido pêra Goa ; e querendo 
afpar Fagundes voltar pêra o rio de Cu- 
i)hale y foi Bernardim de Carvalho avifado 
que eftavam dentro algumas Galeotas de 
Malavares , as quaes á fama daquelles na- 
vios fe armaram muito apreíTadamente pêra 
fahirem a peleijar cora dles ; e por não fe- 
rem os navios de Gafpar Fagundes baítan« 
tes pêra iíTo , negociou a Galé y e a deo a 
Gaíjpar Fagundes pêra com ella , e os mais 
navios fe ir pôr íobre aquelle rio , como 
£ez. Havendo poucos dias que alli eftavam^ 
correo D. Duarte Arei huma Almadia , a 
qual era do Cunhale y e vinha de levar al<^ 
gum refrefco , e outras coufas a ElRey de 
Tanor , que lhe elle mandava pêra o ter 
da fua parte nas coufas do Çamorim ; e 
alcançando-a o Arei . fabendo dós Mourog 
que nella achou donde vinham., por corte^ 
lia daquelle Rey lhe não qúiz fazer mal , 
è lhos levou amarrados ; e entrando em 
Tanor com elles , fabendo o? Mouros da- 
quelia povoação o que paífava , indignados 
contra o Arei , deram nelle , « o mataram ^ 
c ao Naire , que levava por fua jangada^ 
couía até então não acoatçcida na índia; 

e 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. Vin. 317 

^ tão inviolável, como já em outras partes, 
diflfemos , fobre o que fe fez tão pouco y 
que fe tízo fallou niíib y nem da nolTa par- 
te y nem da dos Naires , diílimulando-fe em 
huma coufa tanto pêra caftigar ; e porque 
ficava o fcu navio vago, o deo Gaípar Fa- 
gundes a Jorge Dias Pinto; e ao melmodia 
que ifio paíTou , ao outro no quarto d'alva 
foram duas Galeotas de Malavares deman-* 
dar aquella barra, as quaes tinham íkhido 
ás prezas em principio^ do verão , e vinham 
abarrotadas de fazendas mui ricas , e elias 
bcm«defcuidadas de^poderem achar naquel- 
le tempo Armada Portugueza. Os noíTos 
como tinham grande vigia , havendo vifta 
delias, fahíram-lhes de fupito, embaraçan- 
do-os de feição , que não fizeram mais que 
virarem , e fugirem , fem tomarem as ar- 
mas , e aílim fe foram acolhendo com ta« 
manho medo dos noíTos navios que as fe« 
guiam , que huma delias de fe ver atrope* 
lada não pode mais fazer que varar na praia 
de Varejarem fobre huma pedra , onde fe 
fez em pedaços , e a gente fe lalvou em 
terra : outra foi correndo mais de largo ; 
mas o navio de Jorge Dias Pinto , que era 
muito ligeiro , chegou a ella , e poz-lhe a 
proa , deitando-lhe logo algumas panellas 
de pólvora : ehum foldado , por nome Luiz 
JFragofo ^ que hia no efpoxão y lançou*fe la« 



Digitized by VjOOQIC 



jiS^ A SI A DE DroÊo de CotTo 

go dentro no navio dos Mouros com hiimA 
pfpada , e rodella ; e como a pancada que 
o navio deo foi grande , tornou^fe logo a 
nffaftar a fuíka de Jorge Dias hum efpaço 
grande , ficando o Luiz Fragofo fó dentro 
no outro ás cutiladas com os Mouros ; o 

Í[ue vifto pelos noílbs , lançaram-fe alguns 
oldados á Almadia que tinham tomado , 
que levavam por proa pêra o irem focçor- 
rer, o que nao cuiz aguardar hum chama*» 
doAgoftiiiho Velno, e com aquelle furor de 
ver o companheiro naauelle rifco , lançou- 
fe ao mar com huma lança na boca » e a 
nado foi tomar o navio , e metteo*fe den* 
tro , e ajudou a defender o outro até che* 
gar a Almadia com os foldados de foccorro ^ 
os quaes ás lançadas , e cutiladas fizeram 
lançar os Mouros ao mar ; e quaíi ao mel* 
mo tempo chegou o navio de Gonfalo Men- 
des de Cáceres , que hia aviado do remo , 
e poz a proa em o navio , ainda que dizem 
os foldados que nelle eftavam , que lhe 
gritaram que não chegaffe, que já nâo ha- 
via que fazer ; mas de huma maneira , ou 
da outra elle chegou , e ficou a Galeota axo* 
rada , e rendida cheia de fazendas , e os 
Mouros aílim na fufta, como no mar met-« 
tidos a mòr parte delles á efpada ; e feito 
cfte negocio , tornáram-fe ao rio de Cunha- 
le^ aonde eíliyerdm até chegar Kuj Gomei 

da 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VIIL gxy 

^a Grã y como logo diremos. Poucos dia» 
depois delia Armada íe partir de Goa> 
furgíram na barra quatro náos do Reyno. 
das finco que atrás diíTemos tinham parti-» 
do 9 e delias fó a náo & Filippe íÁmu^ 
com a aual depois continuaremos. Vinham 
tpdas euas náos profperas , e ricas , nellad 
mandou ElRey prover em muitas coufas da 
juíUça que lhe pareceram neceíTarias , e or^^ 
denanído na Cidade de Goa Cafa de Rèla^ 
çao, como a da Supplicação em Portugal ^ 
porque a malicia dos homens, e do tempo 
aflim foram accrefcentando trapaças , e de*^ 
mandas (confusão de Reynos , è inquieta- 
ções de Impérios) que os negócios da In* 
dia, a que tantos annos deo expediente hum 
fó Ouvidor Geral , não baftam hoje dezDef- 
erobargadores , tantos Ouvidores , Juizes , 
e outros Miniftros de juítiça, que nos pa- 
rece que elles fós occupao a terça parte 
4efta Republica Oriental ; e allim como^ 
com os peccados dos homens fe foram ac« 
crefcentando cftcs males, e diminuindo no 
valor , e esforço , aílim as coufas da milícia 
yiernm tanto ameno&, que quafi imos per- 
dendo a reputação com os vizinhos ; e tor- 
nando á noífa ordem , no novo regimentoi 
cpxe ElRey mandou neftas náos fobre as> 
coufas. (b jufttça , que houveíT^ dez De£ettp< 
bargadores jnx Relação de Goa , féis OfiU' 

cioa 



Digitized by VjOOQIC 



320 Â SIÂ DE Diogo de G>oTd 

cios de propriedade , que sáo Chanceller^ 
Ouvidor Geral do Crime y outro do Ci vel ^ 
Juiz dos Feiros da Coroa , Procurador del-^ 
la , e Provedor Mór dos Defuntos , e ob 
outros cjuatro Extravagantes ; e porque tanw 
bem foi ElRey informado pòr cartas dad 
Cidades da índia das grandes deftruições, 
que havia nos Ouvidores das Fortalezas , 
que fempre eram idiotas havidos pelos va« 
lidos dos Vifo-Rcys ; e que além diíTo os 
Capitães das Fortalezas j com quem elles 
defpachavam os feitos , lhes faziam fazer 
mmtas injuftiças ^ e algumas vezes os aãron-^ 
tavam , avexavam ) e prendiam ^ no que da-« 
vam aos Mouros , e Gentios grande efcan- 
dalo pelo pouco refpeito que viam ter aos 
homens que adminiftravam juftiça. Proveo 
também efte annò que os taes cargos não 
andaíTem fenâo em Letrados , e logo neftas 
náos mandou alguns pêra todas as Forta- 
lezas com duzentos mil reis de ordenado ^ 
e com jurifdicçao feparada dos Capitães^ 
pêra que não entendeíTem com elles , nem 
os acompanharem ; no que também teve 
ElRey refpeito a ter fempre na índia Le- 
trados pêra quando fe quizeífe fervir delles 
aa Relação da índia , eftarem já refolutos , 
e correntes em todos os negócios , em que 
ícmpre os novéis fe embaraçam ; mas co^ 
mo eíles Bacharéis acham fempre età feua 

tex- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X; Cap; VIIL 321 

textos mais ordens pêra o que Ibes rçlcvz ^ 

aue os idiotas pela grande jurifdicdio oua 
le deram , «viveram alguns deftes ôuviao- 
res tão efcàndalofamentô , é ehriquecêrani 
tanto , e tão deprefla , que houveram osl 
povos que pediram nelles mofcas; e alliifi 
depois reclamaram a ElRejr fobre ilTo , e 
elle os proveo com mandar levar mão def- 
te negocio de Ouvidores , como em feu lu- 
gar diremos ; e por evitar ElRey muitos 
efcandalos , e damnos nas Alfaiidcgas da 
Iixlia , que podiam p^cedér da commiHii-' 
cação , e commercio dos Hefpanhoes das 
Filippinas pêra o Porto de Macao na Qii- 
Jia , os quaes pelo muito dinheiro que á« 
<i|uellas feiras levavam ^ alteravam ôs preçoá 
das fazendas ^ com o que os mercadores 
da índia receberam grandes perdas , e não 
podiam comprar nada ; e ás fazendas que 
elles levavam , arrancavam os direitos delias 
das Alfandegas de Cochim j e Goa : man- 
dou EIRef neftas náos huma Provisão , pe«< 
la qual defendeo fob graves penas quef 
nenhum Caftelhano dalli em diante foífer 
mais ao porto de Cantão pelo perjoiza 
que havia em fuás Alfandegas ^ como tm 
os vaíTallos moradores nas Cidades da In*' 
dia , a qual Provisão também mandou 
ElRey por via da nova Hefpanha , por-^ 
Que le publicaíTe nas FiJU^pioas y como 
Coutà.T(nh.Vl.P.Ií. X le 



Digitized by VjOOQIC 



g2a A S I Ã DE Diogo de Couto 

fe fez lá , e cá , pêra que foíTe notoríd 
a todos. 

CAPITULO IX. 

Das ceufas , em que o FlphRey mais prth 
veo : e de como as nãos foram tomar a 
carga a Cochim , e o Arcebifpo D. Fr. 

• Vicente fe embarcou pêra o Reyno: e de 
como fe peràeo a não Rjtliquias na bàr^ 
ra de Cochim^ e o Draque tomou a ndâ 
S. Filíppe , indo ^a o Reyno. 

DEfpachadas pêra fóra as Armadas que 
atrás diíTemos, defpachou logo o Vi- 
fi>Rej huma Galeaça pêra Ceilão , na 
fual mandou embarcar oito mil pardaoa 
em dinheiro, quinhentos candís de arroz, 
centeio , trigo , pólvora , chumbo , mur- 
ftíes , e outras coufas neceíTarias^ e man- 
dou embarcar Thomé de Soufa de Arron- 
ches , que o Abril paíTado tinha vindo de 
Ceilão, pêra tornar afervir ocargx) de Ca- 
pitão Mór daquella cofta ; e todos eftes a- 
percebimentos mandou o Vifo-Rey , por- 
que pelas cartas que teve de Ceilão em 
Agofto, em que o avifavam de tudo o que 
era paflfado com o Rajú , e das tréguas 
qtte eílavam feitas , as quaes fe entendia 
ipie elle concedeo por diflimula^âo pêra fe 



Digitized by VjOOQIC 



Década % Cap. ÍX. ' 5Í5 

aperceber mui i fua Vontade das còufas 
que haria de miíter pêra o cerco que efpe^ 
i^ava de pôr áquella Fortaleza , e que aa 
tréguas naio durariaoi mais que em quantd 
elle quizelTe , pofto que por entáo ficara 
doente, e pfefumia^fe que de peçonha que 
os feus llie deram* Efte Galeão foi em bre» 
ves dias a Columbo ^ com o que aquella 
Fortaleza ficou defalivada , e provida, O 
Vifo-Rey ficou intendendo no dcfpacho 
das náos do Re/rio pêra irem tomar a car»* 
ga a Cochim , fem outras coufas que ha-» 
viam de ir pêra o Reyno ; e porque em 
Moçambique eítava a carga da náo S; LpU'* 
renço , e era noceflTario mandar pôr cobro 
ncifa, porque fe não perdeíTe, comprárani 
os Prociiradores de Manoel Caldeira, Con-t» 
tratador das náos , huitia niuito formoía a 
lium Manoel Caiado ^ cafado em Coa , a 
qual fefe^ emCoulão, e- tinha já feito hiH 
ma viagem a Japâp ^ e eftava concei^adá ^ 
e renovada pêra poder logo fazer viagem ^ 
a qual dettirminaram mandar éntfada de 
Dezembro a Moçambique perá tomar ^|)i-* 
menta , e caixaria que alli eílava ^ da Mo' 
S. Lourenço , e partir pêra a Reyfio j tor- 
naram haver outrâ Confelho , pofque fal- 
tou por todo o Novembro a náo S. Filip- 
fç , que logo prefúmíram qtie poderia eftar 
<m Moçanoibique y porcjue, fot chegar á^ 
X li qucl* 



Digitized by VjOOQIC 



324 ÁSIA DE Diogo de Couto 

quella Fortaleza tarde , aíTentáratn os Offi« 
ciaes ficarem alli , e tomarem a carga da 
náo S. Lourenço , e partir-fe pêra o Rey- 
no , o que tudo fuccedeo , como adiante 
fe verá ; pelo que aíTentáram que foíTe a 
náo nofla Senhora da Conceição (que aíEm 
fe chamava a que tinham comprado) car* 
regar a Cochim , e fez o Vifo-Rey mercê 
da fua Capitania a Fernão de Mendoça , 
que eftava em Goa perdido , como diffc- 
mos , o qual a vendeo a D. Jeronymo Maf- 
carenhas , que fe fazia preíles pêra o Rey- 
no; e por fer náo nova, ebem apparelha- 
da y fe embarcaram nella as principaes pef- 
foas que aquelle anno fe hiam pêra o Rey*' 
no , entre as quaes foi também o Arcebifpo 
D. Fn Vicente da Fonfeca por alguns ar- 
rufos , e defgoftos que teve com o Vifo- 
Rey fobre coufas das JurifdicçÔes , fem o 
poderem remover de íua tenção muitos re- 
querimentos da Cidade , muitas admoefta- 
ç6es de Prelados, Religiofos grayes, nem 

Erovarem-lhe que não podia deixar fuás ove- 
las fem licença do Summo Pontífice , nem 
outras muitas coufas que nefte negocio cor- 
reram ; e a razão que a todos dava , era 
dizer que a confciencia o remordia como 
Paftor nos exceflbs , e defordens que na ín- 
dia havia , aílim no Ecclefiaftico , como fe- 
cular ^ fem em tantos annos fe pôr niífo 

emen- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap, IX. 325' 

emenda : que queria ir dar conta deftas 
coufas ao Papa , e a ElRey , pêra que acu- 
diflem com o remédio, por fe não perder 
tudo , e tirou muitos inftrumentos , papeis , 
e certidões pcra aprefentar a ElRey ; e 
bem pode fer que aproveitara aquelle zelo 
milhirado com numa pequena de teima ^ fe 
a morte o não atalJiára no caminho* As 
mais peíToas que neíta náo fe embarcaram ^ 
foram Guterre de Monroi de Beja , João 
Furtado de JMendoça , e Mathias de Aibu- 

2uerque , que acabara de fer Capitão de 
>rmuz > e levava comíigo hum filho , e fi- 
lha do Guazil de Ormuz, que elle naquel* 
la Fortaleza fez Chriilãos , e ao macho poz 
nome D. Affonfo , em memoria de AfFonfo 
de Albuquerque , que ganhou aquella Cida- 
de/ e á fêmea D. Filippa, por ElRey D. 
Filippe de Portugal , a qual o Vifo-Rey D. 
Duarte por fua ordem cafou com António 
de Azevedo , e lhe deo a Capitania de Or- 
muz, que ElRey depois lhe confirmou , e 
por feus ferviços lhe mandou mais huma 
viagem de Japão , e o habito de Chrifto 
com boa tença , e trezentos mil féis de enr 
tretenimento , em quanto não entrafle* nos 
feus defpàchos. Muito trabalhou^ o Vifo- 
Rey de eítrovar á ida de Mathias de Al- 
buquerque , porque parece fufpeitava que 
eftava na primeira fuccefsâo da governan- 
ça 



Digitized by LjOOQIC 



3*6 ASIA &£ DiOGô BB Couto 

fa da índia , fe elle falecefle ; mas nao 
pode. 

Defpachádas as nios pcra irem tomar 
9 carga , com a qual correo Pedro Cochi- 
no , Vçador da Fazenda ; e lendo tempo 
de as fazer á veia , as foi defamarrar , co* 
ino fez ; e chegando a náo Relíquias j que 
fftava cercada de embarcações, e tio peja-r 
^a y que não era poílivel poder^fe marcar ^ 
inandou cortar os cabos a todas as embar-» 
ca$6es , e largar a amarra por mio , com 
lhe o Meftre , e Officiaes requererem aue 
a náo nâôeítava pcra navegar; efazendo-lho 
dar á vélâ , deo a náo hum , t outro balan-r 
ço , e ao terceiro adornou , e foi-fe metf 
tendo no fundo ; e qui^ Deos que eftiveí^ 
íem á bordo muitas embarcações , em que 
a gente fe falvou : alguns quixeram pôr 
culpa a António Caldeira , e diziam que 
tirara o laftro, e mettéra canela, e todavia 
#ile andou omiziado muito tempo \ ao Pe-« 
dro Cochiqo o fnandou ElRey depois ir 
pêra o Reyno desfavorecido , e eftas náos 
tiveram boa viagem , e o Arcebifpo D, Fr, 
Vicente morroo antes de chegar ao Reyno* 

Agora nos f^lta continuar com a náo 
g. Filíppe déftá Armada de D. Jefònymo 
Coutinho , a qual por chegar i Moçambi^ 
f}ue tarde , aífentou-fe que íicafTe alli á car^ 
^ft 4* aáp S. Liouren^o , como ^z , e eai 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. EC. * 327 

Dezembro partio pêra o Reyoo, e toda a 
viagem levou muito bom tempo ; e fendo 
na paragem das Ilhas dos Açores , ..encoop 
trou o Inglez Francifco Draque com^tiove 
navios , que o commetteram , e tiveram 
todos huma afpera batalha , que durou 
muitas horas y na qual feriram a mòr parte 
dos noílos , e mataram o Meftre , que era 
mui grande ofEcial , com ò que os marinhei- 
ros efcoroçoáram logo ; e porque a náo já 
eftava defapparelhad^ , e desfeita por íima , 
e feip haver quem a mandaíFe , e os inimi- 

f;os muitos , e mui grandes artilheiros , pe- 
o que andava fem acudirem á mareagem , 
nem a nada. Vendo João Trigueiros , Ca* 
pitão da náo , aquelle deftroço , e que não 
podia deixar de fer mettido no fundo , hou^ 
vc por menos mal render-fe , como fez , e 
o Draque entrou na náo , e fez muitos ga«- 
zalhados aos Portúguezes , e lhes deo no* 
ma Naveta com agua , e mantimentos , e 
algumas coufas que lhes deixou > na qual fe 
partiram pêra Lisboa , aonde chegaram rour 
bados y e pobres. Francifco Draque levou 
a náo a Inglaterra com muita fazenda , e 
riquezas» 



CA^ 



Digitized by VjOOQIC 



3x8 ASIÀ DE Diogo de Coxrro 

CAPITULO X, 

De como o Plfo-Rey mandou buma Arma^ 
da a Melinde , d(^ que foi Capitão Mar-» 
fim Affoojo de Mello 2 e da Fartalesíã 
que mandou fazer em Mafiate : e dk 
como Ruy Gonf alves da Gram foi par 
Capitão Mor de Malaca. 

ELRcy de Melinde ^ que fe prezava do 
muito leal vaffallo , e fervidor de El-r 
Rey de Portugal , tanto que os Turcos fe 
recolheram pêra Meca , defpedio hum Pan-r 
gaio com hum Embaixador , chamado 
Chaadepadeiro , pêra ir á índia a dar ncH 
>as ao Vifo-Rey de tudo o fuccedido na-r 
quella Cofta , e do eftrago que os Turcos 
por ella andaram fazendo , e de como os 
mais daquelles Reys fe confederaram com 
os Turcos , e que o de Mombaça mandara 
otferecer ao Turco Fortaleza naquella fua 
Ilha , o que feria total dellruiçâo da índia , 
fe fe lhe nâo atalhaíTç , porque dalli fc ha- 
viam logo de fazer fenhores das Minas de 
Cuamá , e Sofala , c ainda da Fortaleza de 
Moçambique , onde podiam efperar as 
náos do Reyno , e tomallas. Efte Embai- 
xador foi tomar Baçaim cm Agofto, e dalli 
paílbu a Goa , e deo relação ao Vifo-Rcy 
dç tudo o que paíTava , o que elle fentiq . 

ín^i-t 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. X. 329 

muito; e pondo aquellas coufas etn confe- 
iho, aíTentou-fe que fe niandaffe huma boa 
Armada áquelia Coda , aifim pêra caftigar 
os revéis , e conjurados com os Turcos, 
como por evitar que eUes não metteflem 
alli o pé. Com eáa reíbluçâo mandou o 
Vifo-Rey logo negociar a Armada, que lhe 
careceo neceíTaria , e nomeou por Capitão 
Mór daquella empreza a Martim Affonfo 
<le Mello , (iiho do Abbade de Pombeiro , 
que acabara de fervir a Capitania de Da«- 
inâa , ao qual deo todas as honras , e pon- 
deres em tudo , e lhe nomeou dous Ga- 
leões , três Galés , e treze fuftas : os Capi- 
tães que elegeo , foram Duarte de Mello ) 
irmão do mefmo Martim Affonfo , na Ga« 
leaça Santa Catharina , e Gonfalo de Soúfa 
no Galeão Santo Efpirito ; nas três Galés 
o Capitão Mór em numa , Simão dç Brito 
de Caílro , que hia por Almeirante , em 
outra , e D. Francifco Mafcarenhas na ter- 
ceira : das fuftas eram Capitães Francifco 
de Soufa Rolim , André de Soufa Maltez , 
Belchior Calaça , Pedro Vaz , D. António 
Manoel de òantarem , Fernão Gonfaives 
da Camera , Mattheus Mendes de Vafcon* 
cellos , João de Paiva , Sebaftião Bugalho , 
D.Jeronymo Velez , Julião Pereira , Ma- 
noel Pires , Francifco Vaz , que hia por 
Fçltor da Árwada, ç o Embaixador deEIr 

Rejr 



Digitized by VjOOQIC 



3^0 ÁSIA DÊ Diogo de Couto 

Rcy de Melinde , a quem o Vifo-Rey f« 
muitas honras , e mercês ; e porque além 
do Vifo-Rey trazer por regimento guc 
mandaíle fazer huma Fortaleza em Maíca^ 
te , porque os Turcos não commetteíTcm 
fortificar-fe alli ^ porque impediriam todo 
aquelle eftreito , lho tomou ElRey a em- 
commendar efte anno : e porque era aífim 
neceíTario , e fe entendia que os Turcos 
traziam o olho naquella povoação , orde- 
nou o Vifo-Rey que fe fizefle logo aquella 
Fortaleza , e contratou-fe com Belchior 
Calaça , que hia por Capitão em hum da* 
quelles navios , mie como acabaífe a em- 
preza, paíTaífe a Ormuz, e que com o Ca- 
pitão daquella Fortaleza João Gomes da 
Silva negociaíle as coufas pêra ella , pêra 
o que lhe paflfou todas as Provisões que lhe 
pedio , e applicou o terço dos direitos que 
aquelle Xeque tem naquella povoação pêra 
aquellas obras pelos elle mandar oíFerecer 
pêra iíFo de fua livre vontade , os quaes 
montaram feiscentos pardaos cada anno; 
e porque foi o Vifo-Rey avifado que havia 
muitos annos andavam fobnegados os di- 
reitos de todas as dix>gas de Malaca , que 
fe alli defembarcavam , as quaes perten- 
ciam á Alfandega de Ormuz por Certidões 
que nos Contos fe paíFáram , os quaes o 
Xeque trazia ufurpados pêra & , paííbu Pro^ 

vi- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. X. 331 

visão , pela qual mandava que dalli em 
diante fe arrecadaíTem os taes direitos pcra 
as obras daquella Fortaleza , em quanto 
cilas duraflem , e aue dailí por diante fe 
carregaíTem pêra EIRey de rortugal , os 
quaes montavam cada anno mil e quatro* 
centos pardaos , que com os terços que o 
Xeque oíFereceo pêra aquellas obras , vi-» 
Ilha tudo a dizer dous mi] pardaos. Sobro 
ifto çfcreveo a EIRey de Ormuz , Guazil , 
e Capitão, e áquelle Xeque, pedindo-lhe, 
e mandando lhe fizeíle dar aouillo á exe* 
cuçâo, pois era pêra as obras daquella For« 
taleza, que mandava fazer pêra feguranca 
de todos; e a traça da Fortaleza feita pelo 
Engenheiro Mór deo a Belchior Calaça , Ca«» 
pitão daquella Fortaleza , que fizeffe por tem* 
po de três annos com fetecentos e trinta 
pardaos , de íinc:o laris o pardao de orde« 
nado, o qual deo depois ElSLey aos Capi^» 
tâes que após elle proveo ; e apparelhada 
a Armada de Melinde , deo á vela a 9* de 
Janeiro defte anno de 15" 87. em que cem 
ô favor Divino entramos , e deÍTalla*hemo8 
agora por hum pouco , porque he neceíTa** 
rio continuarmos com outras coufas , qu9 
íuccedéram no mefmo tempo. Defpedida 
cfta Armada , tratou o Vifo-Rey logo da 
do Malavar, pêra a qual elegeo Ruv G&» 
mes daGcâ com hi)ma Galé ^^ e vinte navios 4 

e 



Digitized by VjOOQIC 



33a ÁSIA de Diooo de Coitto 

c Ihedeo por regimento qucfefoffepÔT em 
Panane ; e que Bernardim de Carvalho fe 
tornaíTe pêra Goa , e que dalli repartiíTe a 
Armada pela cofta do Canará , è pêra o 
Cabo Comorim : huma parte pêra dar guar« 
da á cáfila dos mantimentos , que havia de 
ir pêra Goa ; e outra pêra ir recolher os 
navios de Bengala , S, Thomé , Negapatão , 
^ e das mais partes daqueila cofta. Elta Ar-* 
mada partio de Goa a 7. de Fevereiro ; os 
Capitães que foram em os navios, são os 
feguintes : D. Nuno Alvares Pereira , filho 
do Conde da Feira , Luiz da Silva , D* 
Gaftao Coutinho y Gafpar de Carvalho de 
Menezes , Manoel de Macedo , Pedro Ve- 
lofo , Manoel Cabral da Veiga , Affonío 
Pereira Coutinho , Francifco Pinto Teixei* 
ra , Duarte da Guerra , Belchior Barboía , 
Belchior Ferreira , Pedro Fernandes Mori- 
cale , Manoel de Oliveira , Alberto Ho- 
mem da Cofta, Chriftovão Rebello, e ou- 
tros. Efta Armada foi fua derrota até o 
rio de Cunhale , aonde eftava Gafpar Fa- 
gundes , que tinha dentro encurralados os 
inimigos , fem oufarem a fahir pêra fora ; 
e tomando o Capitão Mór comfigo , o le- 
vou j>era Panane , onde fe mudou pêra a 
fua fufta , e a Galé tomou-a a Bernardim 
de Carvalho , e nella fe partio pêra Goa, 
c em fua companhia mandou o Capino 

Mór 



Digitized by VjOOQIC 



DscADA X» Caf. XI 333^ 

M6r alguns navios pêra ficarem na Cofta 
Canará, e recolherem a cáfila , e irem-lhe 
dando guarda até Goa : os Capiraes deftes 
navios foram D. Gafiâo Coutinho , D. Nu- 
no Alvares Pereira y Luiz da Silva , Manoel 
Cabral , Duarte da Guerra y e por Capitão 
Mór delles Amador Taborda , bom Cavai- 
leiro y c pratico nas coufas do Malavar. 
Eftes navios andaram todo o verão dando 
guarda ás cáfilas , que hiam pêra Goa ; e 
porque lhes não fuccedeo coula notável , a- 
cabaremos aqui com ellcs. Ruy Gomes da 
Grã ficou em Panane com fua Galé , e os 
mais navios , e algumas vezes fe embar- 
cou , e foi dar vifta por aquella cofta ,.fem 
lhe acontecer coufa digna de memoria. 



CA- 



Digitized by VjOOQIC 



3[34 A S T A DE Diogo t>c Covta 

CAPITULO XI. 

Dã Armada que o Cunhale lançou fora : ê 
dos navÍ9i que o Vifi^Rey mandou armar 
no Norte , de que veio por Capitão Mor 
D. Ruy Gomes da Silva , dando guarda 
d cáfila : e dos navios que mandou o 
. Vifo-Rey apôs buns pardos , que pajfã^ 
• ram tor Goa com buma ndo tomada : e 
de alguns cafos graves que aconteceram 
a alguns cativos na FortaksM de Cu^ 
nbale. 

POr muito grande refguardo , e vigia 
que hou?e na cofta do Malavar nas nof^ 
ias Armadas , nem por iflo deixaram de 
fahir de todos aquelles rios mais de vinte 
e finco navios de CoíTairos Armadores , que 
fe dividiram , e apartaram huns pêra a 
cofta do Norte , e enfeada de Cambaia , e 
outros pêra o Cabo Comorim. Difto foi o 
Vifo-Rev Wo avifado , e mandou adver- 
tir as Fortalezas do Norte , porque efta- 
vam muitos navios de mercadores carre- 
gados de fazendas pêra Goa ^ e efcreveo 
áquelles Capitáes que armaíTem alguíTs na- 
vios pêra virem dando guarda aos merca- 
dores , e que foíTe Capitão Mór D, Ruy 
Gomes da Silva , a quem efcreveo foíTe a 
CJiaul ajuntar a cáfila. Com eílas cartas 

ar- 



Digitized by LjOOQIC 



Década X. C AP. XI. 33^ 

armaram os Vereadores de Baçaim dous 
navios, e os deChaul quatro , pagando os 
foldados , e fazendo todas as delpezas do 
hum por cento , os quaes navios le foram 
ajuntar em Chaul , aonde a cáfila toda fe 
ordenou ; e fendo tudo preftes , deram á 
yéla , indo D. Ruy Gomes com os finco 
navios , dando-lhe guarda ; e indo pêra Goa ^ 
encontraram dous Paráos , com os quaes 
D. Ruy Gomes peleijou , e tomou, ínetten- 
do todos os Mouros á efpada , e com efta 
viâoria chegaram a Goa a falvamento , e 
o Vifo-Rey mandou a D. Ruy Gomes que 
fe fizeíTe preftes pêra ir bufcar a cáfila á 
cofta do Canará. Partido D. Ruy Gomes 
do Norte , ficando toda aquella parte fem, 
guarda , ajuntáram-fe féis paráos pêra an- 
darem ás prezas ; e na paragem de Aga- 
caim foi dar com elles humanaveta delinm 
Manoel Cbriftovão y cafado em Goa, que 
tinha fahido de Baçaim carregada de ar^ 
Toz j e madeira pêra a Fortaleza de Maf- 
cate j que fc havia de começar no inverno : 
os paráos em havendo vifta delia , a foram 
commetter ; e pofto que nella náo havia 
fenão finco , ou féis Portugueze^ , defendê- 
ram-fe tãovalerofamente, que nunca os ini- 
migos os puderam entrar até nâõ derruba- 
rem todos á efpingarda , ficando fá dous, 
e mal feridos^ eaífim foi anav^ta mtrzà^i 

e 



Digitized by VjOOQIC 



336 ÁSIA DE DíÓGO DE CõUTd 

e entregue a dous navios pcra a levarem 
pêra o rio de Cunhale , os mais navios fo- 
ram feguindo fua fortuna 9 ajuntando^íe com 
outros; e andando defronte do rio de Ca- 
rapatâo vinte e quatro léguas de Goa, foi 
dar com elles huma náo de João Gomes 
da Silva, Capitão de Ormuz, a qual leva-^ 
va oitocentos candis de arroz , e havia 
mais de hum mez que partira de Ba^im 
pêra Ormuz ; e lendo já do eftreito pêra 
dentro tanto avante com Mafcate , lhe deo 
hum temporal por proa , com que lhe foi 
forçado voltar em poppa íinco , ou fek dias 
que lhe durou com grande braveza \ e foi 
tal o defacordo dos Officiaes , que vinda 
já fora do eftreito , não íouberam chegar«> 
le ao cabo de Rofalgate , e furgir abriga- 
dos com elle , onde o tempo lhe não po^ 
dia fazer nojo^ mas deixáram-fe ir á yoo^ 
tade dos ventos , que foram tão forçofos , 
que no cabo de féis dias foram haver vifta 
da cofta da índia na paragem de Carapatâo 
já com o tempo quebrado; e certo que pa- 
receo que a fortuna dos que alli hiam os 
foi levando pêra o fim que alli fe lhes ef* 
perava. Os CoíTairos em vendo a náo , a 
foram commetter por todas as partes ; e pof- 
to que os que nella hiam fe defenderam bem , 
foi entrada, e com ella fe foram recolhen- 
do peta o Malavar ^ e foram paílanda^ i 

vif- 



Digitized by VjOOQIC 



Dègada X. Ga?* XL iif 

ViAa áe Goa. O Vifo-Rejr foi logo aVifadd 
de como hiamí com humà tiio ; e indò^fd 
pôr no cães ^ mandou fazer {)refteâ huma 
Galé, e tomai" alguns navios depai-tès, quA 
eftavam mais preites , e nlaháòu embarcaf 
nelles alguns Capitães que primeiro che* 
gáram , que foram Gáfpar Fa^undeí j Joãd 
da Fronteira , e Diogo dè Mitaridá , filhtt 
de Maiioel de Miranda ^ e Bàlthazar de Si« 

3ueira t a que deo a Capitania mòr de to* 
os, e da Galé ^ de que fti Capitâd Ma^ 
noei Rebello , e mandou a D. Ruy Gomed 
da Silva que com os feUs navios fabiflenl 
também todos âpòs ttquelles navios j huns 
á tefra ^ outros ao már ^ porquê lhe nâò 
pudeífém efcapar ^ e afllm todosí íahíram 
aquella noite pela bafra fóra 3 cheios ot 
liavlos de muita $ e muito luftrofa fòldadeí^ 
ca , que não fiteram mais que chegar ao 
cães 5 áilim comO andavam paíTeàndd } i 
mandando pelas armas ^ fe embârcáraiii coixl 
as camizas nos torpòSi D Vifo^^Rey ded 
por regimento a D* Ruy Gomes que dà 
torna^viagem vokaíTe pelo Canará , € íe-^ 
colheíTe a caíila que alli eftava carfe^atídtf 
de mantimentosi Partidos eftes íiavibs ^ che^ 
gáram até aos llheos de Bucafiòt^ fem ha^* 
Terem vilta da náo} e porque lhe comedou 
aíkitár ó mantimento ) potque nSo lévá^am 
jnais que o refrefco , começou a hatet en^ 
Couto.tini.VÍ,PJi^ t trf 



Digitized by VjOOQIC 



•^3^ AS IA DB Diogo de Couto 

tre 08 íoldados alguma borborinha , por- 

3ue logo fe enfadaram ^, e todavia pertcn- 
endo os Capitães de paíTar avante , deram 
com hum navio , que vinha de Cochim y 

3ue lhe afiirmou que a oio era já recolhi-» 
a no rio deCiuihale^ com o que voltaram 
todos pêra Goa , ficando D. Ruy Gomes 
|io Canará recolhendo a cáfila , com a qual 
poucos dias depois chegou a Goa , fem lhe 
acontecer defaftre« Alguns dos paraos , que 
fe apartaram pêra o Cabo de Comorim , 
lindando naquella paragem y fizeram muitas 
prezas com Que fe recollilram carregados , 
deixando- fe lá ficar hum íó y que fe nâo 
itoure por muito fatisfeito do que rinha 
roubado ; e andando por aquella cofia , foi 
dar com elle huma fuua^ que vinha deNe- 
gapatao carregada de roupas finas , da qual 
«ra Capitão hum Manoel de Oliveira , mo* 
rador de Chaul , e trazia comfigo trinta 
Portuguezes ; e conhecendo o paráo , puze« 
ram-fe em armas , e íbram demandallo« Os 
Mouros vendo aquella determinação , não 
oufando a efperallos, largaram a vela , e 
foram fugindo , e o Manoel de Oliveira 
os foi também fcguindo á vela; e como o 
feu aavio era muito veleiro , alcançou o 
Baráo V e os noífos de acordados, porque 
lhes não efcapafie o ladrao y em quanto to- 
maíTç a rela , puzeram*lhe a proa y aífim 

com 



Digitized by VjOOQIC 



í)ECAt>A % CÁt. XL 339 

éoiii eila em iima $ e o navio ficou adorna'^ 
do« Os Mala vai eâ como homens itíiúto a^ 
cordadot ^ veiido os noíTos tão embaraçai 
dos y riráram a elles; bondo-lhes a proa^ 
detam4he5 huma furriada de arcabuzaria^ 
e de panellâs de pólvora , é após ella ftf 
lançaram em o navio ; é tomando todoA 
embaraçados com a vela 5 os mettéram á 
efpada ^ não efcapando mais que Manoel 
de Oliveira 5 e com eíla preza fe recolhe^ 
ram pêra Cunhal e , e a fua mafmorra fò 
eiicheo de cativos , que poucos e poucod 
foram refgatados por ordem da Milericon« 
dia de Canairor ^ è porque neile cativeiro 
acoiBtecéram cafos milagrofos y líão jcos p»* 
teceo razão paliar por elles ^ porque nos 
ferviráô de dar graças a Deos , e cototaren^ 
mos íó dotts : o primeiro ^ eíbndo efte» 
cativos nefta mafmorra padecendo neceí&i 
dades pela pequena ração que cada dia 
lhes, davam^ ^ pelo que vieranr a cahir emf 
muita fraqneza -y e como Deos não defam«: 
para aos que fe Uie encommeadàm de co>« 
raçáo ^ toma efles trjiK;es faziam toidos ot 
dtas^ ordenou elle Que hum rato es faften^ 
talTe y úm quanto alli eítiveram , por efta) 
maneira^ Ettacafã^ cm que eftavaor prezou ^ 
tinha a Inuma* ilharga hum ceEeiri^ ^ a qatei 
elles chamam fartaia ^ que sâor convo cirfas( 
dè tal»oado> e viga*^ cpie fe amua febrti 
^. . ^' Y ii ef. 



Digitized by VjOOQIC 



340 ÁSIA DE Diogo db Couto 

efteios por caufa dos ratos , e eftava anna-^ 
da de feiçáo que entrava neila cafa mais 
de ametade , e a ferventia lhe ficava pela 
outra parte de fora com portas fortes , e 
cadeados grolTos. Eftava efta Pataia cheia 
de arroz ; e quando fe elle recolheo alli , 
devia de entrar dentro algum rato , que os 
ha alli muito grandes , o qual parece que 
encaminhado por algum Anjo , fez hum 
buraco no taboado, que cabia pêra a ban- 
da da mafmorra , e todas as noites y fem 
faltar huma £6 , abria dle rato os fardos 
que eftavam encoftados pêra aquella parte ^ 
c com os pés lançava o arroz pêra trás 
pêra onde eftava o buraco y o qual cahia 
em baixo , onde os cativos eftavam , e to* 
dos os dias em amanhecendo o achavam , 
e recolheram de redor de íinco medidas 
delle , que mandavam cozinhar por huma 

Íieflba que de fora os fervia , e com ifto íe 
uftentáram a mór parte do ^mpo , que 
alli eftiveram* Outro cafo foi de mór con- 
íbla^o, e exemplo pêra os^que forem per* 
feguidos nos traoalhos , e c|ue os quizerem 
martyrizar pela Fé de Cfanfto , morrerem 
com grande animo , e esforço ; e foi efte. 
$itocedendo neftes dias huma fefta dosMous» 
ros, a qual elles celebram com grandes ce* 
remonias, mandou o Cunh^le levar os ca* 
tivos diante deíi, e lhes perguntou £e havia 

eu- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. XL ^41 

«Dtre elles algum ^ que fe quizeíTe matar 
em campo com hum daquelles feus Mou- 
ros ; ao que acudio Manoel de Oliveira » 
^ue foi tomado no Cabo do Comorim , co- 
mo agora acabo de dizer, e diíTe, que lhe 
snandaíTe elle dar as fuás duas efpadas, 
'que na fufta lhe tomaram ( poraue jogava 
bem delias) que elle fe mataria aianre del« 
le com os mais esforçados dous Mouros 
que alli houveífe ; e que fe os venceífe, 
lhe déífe liberdade ; e gue fe elles o ma- 
taífem , ficarião com a nonra da vidloria. 
Ifto tomou o Cunhal e tão mal ^ que logo 
determinou de o matar, e aílim dahi a al- 
guns dias o mandou levar diante de íi , e 
o perfuadio a que fe fizeífe Mouro , pro- 
mettendo-lhe muitas honras , e dinheiro ; 
mas o bom Manoel de Oliveira com gran- 
de animo , e conftancia lhe refpondeo , que 
não queria fuás honras , nem o feu ouro : 
que elle era Chriftão, e que a fua Lei era 
verdadeira , e a de.Mafamede falfa , tor- 
pe , e mentirofa. AíFrontado o Cunhale 
daquella oufadia , o mandou metter ao tor- 
mento , no qual elle fempre fe pegou com . 
as Chagas de Chriílo , e com as melhores 
palavras que foube engrandeceo a verdade 
da Fé Catholica. Depois difto foi outra 
vez tornado ao tyranno , que o quiz áíFa- 
gar com mimos ^ e promeflfas , pêra ver fç 

o 



Digitized by LjOOQIC 



34^ ÁSIA DE Diogo be Covro 

o podia render ; mas fempre o achou mui-' 
to inteiro , e firme , e lhe diíTc coin muita 
fegiirança , que pêra que perdia tempo na^ 
quelle negocio , que elle eftava muito preA 
fes pêra receber todos os tormentos , e 
morte que Ihequizeííe dar, e que a todoB 
p acharia fempre tão firme em ÍUaFé, co- 
|no então eivava* Indignado o Cunhale da- 
quillo , o mandou recolher, e depois em 
hum dia daquelies folemnes o mandou le^ 
var 4 pi'âi3 acompanhado de grande con* 
curfo do povo pêra façrifícar a Mafamede 
por honra de fua feíla i e fabendo elle quan- 
do o foram tirar o pêra que ew , difp&r 
dio-íb dos companheiros muito alegre , e 
com grande confiança em Deos noflb Se^ 
lihor de lhe elle dar esforço pêra morrer 

Sor fua Fé , pedindo a todos o encommen- 
aíTcm a nofla Senhora. Na praia foi ou<v 
tra vez tentado poraqueile malvado perfe-í 
cuidor ; mas o esforçado foldado de Chri^ 
So fempre refpondeo , que fizeífem o quç 
queriam , que elle eftava muito contente , e 
muito alvoroçado pçra morrer pela verda- 
de de fua Lei : com ifto lhe cortou o Cu* 
nhale com fua própria máo a cabeça , rece^ 
bendoelle o golpe com o coração em Deos, 
C os olhos no Ceo , chamando muitas ye^ 
xes pelo nome de Jefus até fe deipedir 
g^DçUa ditofa alma ^ a qual cfmaltada dQ 

fref. 



Digitized by LjOOQIC 



Década X. Cap. XI. ' 34J 

frefco fangue , fe foi aprefentàr díant6 dff 
Divina Mageftade , por cuja honra recebecr 
com tanta conftancia tão glorioío nlarty^ 
rio; e do fangue defte, e da outras Mar^ 
tyres de Chrifto eftam aquellas ^faias dú 
IVIalavar todas tintas , e fiiolhadas , chamati-» 
do a Deos por vingança , que nao deve dd 
tardar , porque permittirá elle que por to* 
das aauelias partes fe vejam ainda fermofotf 
Templos aievantados , nos quaes êile feja 
fervido 9 e adorado, porque o fartgue dod 
innocentes não ha elle de querer que fcjâ 
por alli efparzido em vão* A relação deftesi 
cafos nos deo Manoel Chriftovão, e alguni 
outros cativos que fc alli acharam* , que dc^ 
pois foram refgatados. 

CAPITULO XIL 

j 

DêS achaques que o RajU tomou perã quâ^ 
br ar as pa&es^ i e de alguns Cbingalaã 
que fugiram pêra ^n mjfa Fortaleza : B 
das grandes cruezas que o Rajú ujòu 
com os f eus : e do modo que João Corres 
de Brtto teve em fe fortificar. 

COm as tregoas que f)or diílnnuloçãd 
fez o Rajú com o Capitão de Colum<» 
bo , fe for elle apercebendo de muitai 
f oaátt pêra o grande cerco que determinai 

va 



Digitized by VjOOQIC 



§44. ÁSIA B« Diogo de Covfo 

ya pôr á Fortaleza ; e coroo ei? tyranno \ 
c tinha fçiro huqia tamanlia cntçidade , co« 
{ao a que ufou com o velho pai , não iè 
acabava defegurar dos Grandes doReyno: 
condição natural dos tyrannos dormirem feta^ 
prç çom fpbrefaltos ; e aíEm não fò por 
mexericos, mas ainda por fonhos, e ima^ 
ginaçóes mandava eíle tyranno matar todos 
os que fip lhe reprefentavam em que podia 
ter pejo , pelo que muitos fe lhe efpalbá- 
ram pela Uha ^ fugindo á fua furia« Entre 
eftes foram huns Fidalgos principaes , que 
fe acolheram á noíTa Fortaleza , os quaes 
Jpâo Corrêa agazalhou , e feftejou muito : 
ifto foi fabido do Rajii ; e tomado dilTo y 
os mandou pedir ao Capitão , ora com 
brandura , ora com ameaças , e roncas y km 
Joáo Corrêa de Brito lhe deíirjr a nada , 
do que fe elle houve por aíFrontado , e foi 
dando mcir preífa ás coufas pêra o cerco y^ 
de que tinha junto huma grande quantida* 
de, e eftava cada dia efperando por huma 
náo, que tinha mandado ao Achem a buf» 
car pólvora , oiiiciaes , e bombardeiros , 
pêra o que mandou muito dinheiro. De 
todas as coufas que elle paífava, era logo 
João Corrêa avifado ; e por haver por ave^ 
riguado o cerco , foi^fe repairando , e for- 
tificando o melhor que pode, porque anão 
fgn^fle defcuidado, quandq te aprefenta& 



Digitized by VjOOQIC 



DscAnA X. Caf, XII. 345* 

fe com fua potencia derredor dos muros da-» 
quella Fortaleza : e porque o Baluarte S. 
João não tinha fora dos alicerfes fobre a 
terra mais de huma braça , e delle até á 
praia diftancia de cento e vinte paíTos ef- 
tava tudo rafo , mandou logo tapar efta 
parte , que era mais arrifcada de todas ^ e 
tal preila fe deo , que em auinze dias pu- 
zerâo o Baluarte em altura dcfeníivel, por« 
que chegou afinco braças , e correram com 
o muro até á praia , trabalhando nifto to* 
dos os da Fortaleza , fem os Relij^iofos de 
dia y e de noite tomarem repoufo. Toda 
cila fortificação das bombardeiras pêra fima 
fe fez de taipas mui groíTas com fuás a* 
meias , e muitas conteiras , e proveo de 
boa artilheria tudo , porque aquelle Baluar- 
te guarda por huma parte a bahia , e por 
outra defcobre muito o campo. Feito iico ^ 
mandou o Capitão rodear o Baluarte de 
huma cava, que continuava com a antiga , 

aue foi fechar no mar , e pelos vallos man* 
ou metter muitas vigas pregadas com ta* 
boóes , e atraveíTadas d^ longo a longo 
com huoias embarcaç6es pequenas , a que 
thamam Padas , que ficavam fervindo de 
parapeitos aos noífos , pêra dalli defenderem 
aos elefantes que não chegaíTem a lançar 
as trombas nos pios; e o Baluarte S. Tno* 
S19 9 <|ue eflâva muito damaificado ^ o te^ 

for* 



Digitized by VjOOQIC 



34^ A S I A DB Diogo de CSvto 

formaram por dentro com huma taipa mu?^ 
to groíTa, e na batente das ondas do mar 
fe fez buma guarita de madeira , pêra que á 
fombra do baluarte S. João defendelFe a 
praia. O baluarte Santo Ellevâo tinha João 
Corrêa de antes mui fortificado > porque 
era o mais importante de todos , e delle 
fe defcobrc o campo de S. Thomé , a 
Pedreira , a Chapada , a Ilha de António de 
Mendoça, e o Calapate, e por huma ban- 
da fa7orece dou9 baluartes , e por outra 
quatro : antes difto tinha o Capicáo feito 
Jboma cava com feus vallos , e cebes de 
páos groíTos da ponta da alagóa, peio pé 
ao monte da Pedreira até o mar , com 
doas portas , huma pêra a Pedreira , e ban- 
da da Cota , a qual encarr^ou de guarda 
a D. António Modiliar, e repartio por ef» 
tes doas todos os Araches pêra vigiarem 
as tranqueiras de fora , e as de dentro en- 
carregou a Portuguezes , como em feu lu^ 
gar diremos. 

O Rajá hia continuando aífim nos a- 
percebimentos , como em fuás crueldades, 
porque não paííava dia que não mandaflfo 
matar algum dos Grandes; e já tinha feita 
nelles tamanha carniçaria , que havia poo- 
cos de quem fe poder recear ; e affim era 
tão odiado de todos , que lhe defejavam 
a morte; e porque nem compegouba^ nem 

com 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. XIL * 347 

<:t>m armas lha podiam dar ^ pelo grande reA 

guardo que fobre fí trazia , deitáram^he 

dentro em feus apofentos ta es feitiços , e 

-de tamanhas forças , que fe começou o ty» 

ranno a feccar , e a mrrrar fem iabcr de 

que , e aíTim veio a cahir de cama entreva*» 

do. Os principaes defta conjuração foram 

deus parentes feus, Reigâo Pandar, e Cu* 

rale PetraPandar, e o i^fu Sangatar maior ^ 

que he o facerdote fupremo , como entre 

nós o Arcebifpo ; mas o diabo que tecit 

todas eftas meadas , eífe mefmo as defcu« 

brio , pelo que os parentes foram logo 

mortos, e o Sacerdote apedrejado, e fei« 

to pedaços. Ifto o fez acabar dè defconiiat 

de todos os Nobres , c os foi matando 

diílimuladamente , quer tiveílem culpa ^ 

quer nio , fem lhe fícar huma fó peíToa da 

cafta dos antigos Chingalas nobres. Os fei-* 

ticos nâo deixaram de obrar , antes hiam 

crefcendo cada dia mais , e chegou a coufa 

a elle íufpeitar o que era ; pelo que man- 

dou desfazer todos os feus apofentos na quel* 

]a parte de que elle fe fervia , pêra ver fe 

achava os feitiços ; mas nada fe defcubrio 

por mais que fe bufcáram , e por muitos 

tormentos que deo a peflbas , pêra ver fe lhe 

diziam alguma coufa ; e com eftar daquella 

maneira, não ceifava fua crueldade y por* 

^e o 4emonio o atiçou de feição neUa , 

que 



Digitized by VjOOQIC 



34' ÁSIA DE Diogo de Coirro 

oue dava a entender o tyranno a feus vaA 
íallos que tudo o que fazia era por ordem 
dos Deofes , e que feus ídolos o admoef- 
taram ; e para lho fazer crer , inventou ef- 
te modo. Tomava certas peflbas enfaiadas 
do que haviam de fazer, e em grande fe- 
gredo as mettia em huma caia , onde li- 
nha os Ídolos j e depois mandava chamar 
todos aquelles que defejava de matar , em 
prefença de outros , que queria fícaíTem por 
teftemunhas pêra cobrar com todos autho* 
ridade , e depois fazia certas ceremonias aos 
pagodes , e lhes perguntava pelas peíToas 
que Uie tinham dado feitiços y e os que ti- 
nha dentro éfcondidos refpondiam y como fe 
foram os idolos , Foão , FoSâ , FoSo , e af- 
fim hia nomeando alguns dos que eftavam 
prefentes , aos quaes o Rajú logo alli maii« 
cava efpedaçar , e entre eftes roram certos 
facerdotes , coufa muito abominável entre 
elles na fua lei ; outras vezes tomava al- 
guns moços de oito , e nove annos , e os 
enfaiava muito bem , e fingia que zs almas 
dos que mandira matar fe trafpafsáram nel- 
les y cque o avifavam de tudo , os quaes 
moços ÉlRey niandava chamar em públi- 
co , e elles em nome dos mortos dizião : 
Senhúf y Foão , e Foão te mandaram en^ 
terrar feitiços em taly e tal t arte ; e co- 
mo fempre os que nomeava eítavam pjefen* 

tês. 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. XIL 349 

te» ) eram logo alli mortos , e neftas cruel* 
dades gaftou todo o verão ; e porque fabia 
que João Corrêa fe fortificava , lhe mandou 
dizer por algumas vezes , que porque def- 
coníiava de lua amizade, e gaitava naquel- 
las obras o dinheiro de EiRey , e o feu ? 
que não fofle com o trabalho por diante g 

}>orque elle era feu amigo i e outras vezes 
he mandou commetter que matafle ElRe/ 
D. João y que eftava na Fortaleza , e que 
lhe daria huma fomma de dinheiro. A eP 
tas coufas todas lhe refpondeo fempre João 
Corrêa em forma muito honradamente , 
ufando também de cautelas , e entretém-* 
mentos ^ como elle também fazia ; e porquo 
era tempo de vir a náo que elle eiperava 
do Achem , mandou Thomé de Soufa de 
Arronches com os navios que havia na For- 
taleza y pêra que a fofle efperar , do que 
o Kajii logo foi fivifado, elhe mandou pedir 
que nâo mandafle a Armada fora ; e por« 

3ue o entendeo , lhe refpondeo que a man« 
ava efperar alguns Malavares , que era 
avifado ferem paflados áquella cofta ; e pê- 
ra mór diflimulaçao lhe mandou pedir car- 
tas pêra em todos os feus portos darem 
agua y e lenha aos navios da Armada, os 
quaes lhe elle mandou com grandes offere- 
cimentos y porque efperava pela náo. Tho- 
mé de Souíâ aadou por aquell^a cofia efpe* 

rao* 



Digitized by VjOOQIC 



jfd AStA D£ DroGo de Couto 

rándo por eila até chegarem algumas etil-» 
barcaçòes , que deram por novas que fe 
perdera oa cofta do Achem » fem fe falvar 
nada delia , o que o &a}á fentio em ex^ 
tremo ^ mas fem embargo de lhe faltar tu^ 
do o aue com ella efperava ^ determinou 
de íe declarar na guerra , c quebrar ás pa- 
«es } ma9 quia primeiro rer íe podia tomar 
09 navios qne andavam da Armada , pêra 
O que mandou recado a todot os portos 
por onde dia andava , que lite não defleoi 
agua j Eem lenha , e que aroiairem algum 
navios ^ pêra ver fe os podia tomar cm al^ 
ffum rio defcuidados : o que Thomé de 
bouía logo fentio , porque em alguns por- 
toa logo lhe começaram a negar o que 
pedia y e mandava fazer agua , e lenha por 
almadias porefcufar enfadamentos y porque 
entendia muito bem as manhas , e nature^ 
«a do Rajú ; e elle querendo-fe declarar de 
todo y mandou alguns Lafcaríns a modo de 
ladroes , pêra que foíTem dar nos mefqui^ 
ithos , e gente do ferviço da Fortaleza,. 
que andava no mato fazenda canella , o 
4ueJoSo Corrêa entendeo; mas diffimuloii 
pêra ver fe o Kajii o mandava avifar pri:' 
meíro que quebraíTe as tréguas , como eit- 
tre elle» eftava aíTentâdo^ Nefta tropria 
confusão fi^iram oito panicaesr ,, nomensf 
Fidalgos > todo» poentes ^ pêra a .ooflk 

For- 



Digitized by VjOOQIC 



c Dbcada X. CAf. XII. jyx 

Fortaleza , porque os mandou o Rajú cha- 
mar a humas aldeias , aonde viviam ; e 
como já todos fe temiam deftes chamamen- 
tos , fugiram huma noite ^ e como não po- 
diam paflar pêra Columbo , fenão pela 
tranqueira grande , chegando a ella muito 
de noite , como gente, de caía , achando as 
guardas dormindo, mataram todos, e. pal- 
iaram da outra banda. O Capitão da tran- 
queira acudindo á revolta , e fabendo o 
que paílava , receando-fe que o Rajú o man^ 
daíTe matar por aquelle defcuido , queren^ 
do-fe fegurar , tomou a mulher, c filhos i 
fugio logo pêra a noíTa Fortaleza com tan« 
ta preíTa , que com levar a mulher prenhe , 
ç com dores de parto , chegou a ella jun* 
lamente com os oito Panicaes , os quaes 
João Corrêa recebeo com muita honra , e 
mandou que fe correflc com feus provi- 
mentos cada mez. Chegadas eftas novas ao 
Rajú, quizera morrer de pezar, e metteo 
muito grande cabedal com todos os da 
Fortaleza pêra os haver ás mãos ; mas fi-* 
cou com lua mágoa , e com fua ten^o 
declarada , e com as tregoas rotas. João 
Corrêa avifou logo ao Vifo-rRey de tudo , 
e lhe aífirmou que o cerco não tardaria 
muito, pedindo^lne o foccorreíTe. 



CA- 



Digitized by VjOOQIC 



^jt ÁSIA DE Drocx> os ConM 

CAPITULO xni. 

Dâ que ãconteceo a Diogo de AsMnbuja , 
depois de entregar a Fortaleza a Duar» 
te Pereira : e de como foi a Banda , e 
carregou pêra Malaca : e dos juncof 

Íue o Rajale tomou : e da cruel fome ns 
lidade de Malaca. 

DEizamos Diogo de Azambuja partida 
de Malaca) depois de entregar a For-» 
taleza a Duarte Pereira ^ fem fallarmos mai» 
nelie, agora continuaremos com o cpie lhe 
íuccedeo. Partido elie de Maluco » deixou 
a derrota de Amboino , e tomou af da* 
Ilhas de Banda ; e chegando áqueiíe porto ^ 
achou alguns juncos de Mercadores Por-^ 
tuguezes de Malaca , que eftaram carfegan-^ 
do de nòz , e maça } e como elle levava o 
Galeão vaíio y e hia pobre , tratou de ver 
fe podia levar dalli alçum frete ; e ajun* 
tando aquelles Mercadores , lhes pedia 
qutzeíTem embarcar fuás fazendas no feil 
Galeão , que lhas poria feguramente eoi 
Malaca , porque o Rajale andava fora contB 
fua Armada y e que os juncos corriam ri& 
CO de ferem tomados todos ; e pofto que 
todos lhe refertáram y e andaram defvian^* 
do y por lhe não darem nenhum frèie , to- 
davia elle teve tal manha com elles ^ que 

Ifce 



Digitized by VjOOQIC 



Bie deram aI|;uiDa fazenda dos Mefcâdoret 
eftantes em Malaca ^ concertando^fe cotxt 
elles a dezoito bares por cento de fretes ^ 
deixando fuás fazendas pcra levarem em oa 
juncos i por lhe ficar aífim mais baratcu 
Diogo de Azambuja depois de carregar fe 
fez á f éla , eferevendo aos Mercadores dar 
fazendas que hiam no Galeão , como el« 
le lhes fizera força} e que lhes levava fuás 
fazendas pelos fretes que elle mefmo lhes 
poz^ que lá fe negociaíTem^eom elle. Dio« 
go de Azambuja foi feguindo fua viagem 
até paífar os Eftreitos ^ e dizem que tivea^ 
ra vifta da Armada do Rajale , e foi furgijf 
a Malaca ^ aonde houve nos Mercadores 
que alli levavam fazendas alj^ma alterai 
'^o ^ por fer o frete mui delcompâírado) 
jnas logo ceíCau ifto , porque chegaram no» 
vas que os jUôcos , que ficaram em Ban^ 
dá , depois de Diogo dè Azathbuja partí« 
do,, tomaram fua carga , e partífam pêra 
Malaca , e nos eftreitos foram todos toma^ 
dos da Armada do Rajale : houve liellei 
mais de ceni mil cruzados ^ pelo que á 
força que Diogo de Azambuja lhes fez^ 
Jiouveram elles por dita fua os que lhes 
yúo fâzendá 5 ainda que pagaram mais fre« 
tes do que elle. pedia i o Rajale rinha tâó 
impedida a navegado ^ que hâo paflavs 
coufa alguma pêra. aqaieÚa FprialeiSj cDi4 
Caut0.tQm.FI. Fé Iié Z o 



Digitized by VjOOQIC 



jjf^ A^ I A m Diogo de C5uto 

que t fome hia crefcendo de fei^o qiie 
morriam muitos pelas ruas i porcjue ainda 
p$ moradores que podiam fuppnr a falra 
deftes pobres , fe nao podiam valer a íi j 
])orque fuás familias já oáo tinham mais 
^ue hum poueo de arroz , de que faziain 
canjas , que são papas > de que daTam hu- 
ana fá vez ao dia a cada pcíToa , e ainda 
llifio pouca ; e até ent cafa do Capitão to«» 
das as peíToas da fua obrigação não ca* 
aniam mais , c ^algum arroz pouco : fe ha^ 
yía em alguma caía pêra vender , valia dous 
«rrateif hum cruzado , huma gallinha finco , 
«huma m^o de bifcouto quinze , hum coca 
hum toftáo i e ainda ifto como era pouco , 
«veio^fe a acabar, e faltar de todo , com 
p que não fó os pobres , mas ainda os ri->' 
«os vieram a padecer neceíGdades grandes ; 
m toda a outra gente mefqotaiia , que era 
huma grande copia , fuftentavam-fe de rai- 
les de hervas do mato , gatos , caos y ra^ 
aos y e outras coufas peçonhentas que os 
forrempiam , .e morriam por eflfas ruas > a 
Siatos y como doentes de mal contagioíb; 
p chegou a coufa a tanto , que acharam huns 
f^ucos ddtes comendo outros , que acabai 
ram de efpirar alli a par delles também 
de fome ; e houv^ .mulheres , que deita* 
wtm feus filhos no tio por não ter leite 
que l|ici dar ^ nem couía a^ma pêra co« 
w . -» » . . - me* 



Digitized by VjOOQIC 



lí)ÉcÁíJÀ X. Cá»í JCllí. $yf 

íAttem ^ é outrai que os deixaram pdoi 
inatos ) e pelas, ruas ; por onde huhs ^ ê 
outros acabavam tniferavelmente ; r foi 4 
coufa em tamanho crefcimento ^ que hoo* 
ve dia de cem peíToaâ mortas, e aindt ef^ 
tas das que íe alcançaram pelos roes dad 
confifs6es que o Blfpo liiandou examinai 
com muita diligencia : o Capitáo y t ú Bií^ 
po acudiram a muitas neceífidades defta^ 
com o leu mantimento y e dinheiro com 
muita caridade , no que gaitaram muitoi 
Neib extfemo grande eftava aquella mife« 
ravel Cidade ^ quanda por fim de Outubro 
chegou áquelle Porto o Galeáo Reirs Ma* 
gos , que vinha do Ikeyno , o qual ainda 
trazia vinhos , azeites, biícoutos, e alguma 
carne ^ ainda que pouco de tudo : t toda^ 
ria já foi algum íocCorro , e coníbla^o ^ 
com que os moradores , que compraram 
deftás coufas a pe^o de ouro « fe ficáramt 
remediando) epetaDeòs^ òsconfoíaf mais^ 
chegou logo huma fermoía náo de Coro» 
mandei , que éra de hum António át Ma« 
galhães , e vinha a fazer nella aquella via-* 
gem hum Maiióel Mendes Monteiro ^ na 
qual vinha huma boa quantidade de arro* 
com que íe remediaram mais a$ neceffid»% 
dcs : c porque D, António de Norôíiha fd 
negociou pêra partir pêra Maluco pela tia 
4e Jaoa^ por Ihr ier paiTáda a inaofSb dè 

Z ii Sor« 



Digitized by VjOOQIC 



^5*6 ÁSIA DE Dioéo de Cotrro 

Bonieo , que havia de fer em Âgofto paf^» 
iado y acudiram o Bifpo , e a Cidade ao 
Capitão João da Silva , e lhe requereram 
<|ue o não deixaíTem partir daquella For^ 
taleza pela neceifidade que delle havia pe* 
las novas que corriam de fe fazer preues 
liutna groíTa Armada pêra fe ajuntar com 
o Rajale contra aauella Fortaleza. Com 
ifto requereo Jc^o da Silva a D. António 

Sue cumpria ao ferviço de ElRejr deixar-fe 
car y e que mandaíle fazer a viagem por 
quem quizeffe , porque aquelle era o tem* 
po y cm que delle fe tinha neceifidade. Ven* 
no elle as obrigaçóes em que o punham, 
diiTe que pêra o lerviço de ElRe7 eftava 
muito preftes ^ e que dalli deíiilia* da via* 
gem, ^que fe podia mandar fazer porcon-^ 
|a de Elkey. Com iflo aíTentoa o Capitãa 
com o Veador da Fazenda Jorge Felim de 
Almeida, que fe arrendaíTe aquella viagem , 
o que fe fez a António de Mae^alhães pe^ 
ra a ir fazer na fua náo , e nella deram a 
D. António de Noronha cento e tantos ba« 
Tes forros de terços , e choças , que eram 
es mefmos que elle levava por Provisão 
do Vifo-Rey. Feito eíle contrato , negocioa 
António de Magalhães pêra fe partir , e 
João da Silva mandou embarcar na fua 
náo os provimentos de rouna, e mais cou* 
las pêra a Fortaleza de Maluco ^ e en^ 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caí. XIII. 3^7 

Dezembro fe fez á véla , ficando D. Aiíto^ 
nio correndo coin as obrigações de Capi« 
tão Mór do mar , e ordenando a Armada 
que havia. 

CAPITULO XIV. 

3)e como Diogo de Azambuja foi dar em 
buma povoação dos Manacambos , e a 
defiruto : e da grande Armada com que 
o Achem fe fazia prejies pêra ir contra 
Malaca y a qual não houve ejfeito pele 
matarem* 

NÂo baftava ainda as perfeguiç6e8 , a 
neceílidades que os noflbs paíTavam 
por caufa da guerra do Rajale , mas ainda 
fe levantou outro enfadamento j que não 
deixou de dar trabalho , e efte foi , alevan«» 
tarem-fe os Manacambos , que eram amigoa 
da Fortaleza , e virem pelo certão abaixo 
queimando ^ e deftruindo todas ás hortas , 
pomares , e fazendas que havia de longo 
do rio de Malaca , o que fe fentio muito 
Jia Cidade , porquê dalli vinham pelo ria 
abaixo alguns legumes y frutas , betcre , co- 
cos , e outras coufas que no tempo de ta- 
manhas neceílidades eram muito eltimadaa 
de todos , e começaram-fe a achar menos ^ 
porque íò iAo não podia o Rajale dcfenf 
; . " der. 



Digitized by VjOOQIC 



ff 8 A S I A DB Diogo bb Couto 

(ler. Ven4o Joâo da Silvg que até aquellá 
pouquidade começava já a faltar y ajuntou 
O Bifpo y e Capitães a confelho ; e prati* 
cándo fobre aquelle negocio , aíTentou-fe 
que era neceflario ir caftigar aquelles ini«» 
migos , que eftavam em huma povoado 
chamada Nam , fete , ou oito le^as pelos 
natos dentro , pofto uue não deixaram dQ 
fe apontar grandes dimcqldadcs por caufa 
do caminho que era muito intratável. Diogo 
áe Azambuja fe oíFereceo logo alli a João 
da Silva ptera aquella jornada , a qual lo-; 
go fe determinou de pôr por obra ; e por* 
que receou o Capitão que refufalTem mui-í 
tos a jornada por çaufa do caminho, aue 
era muito intratável y mandou ter ppeltes 
lodos osbantins, e embarcações pequenas^ 
e hum dia a íiaoo y ou féis de ^íovembro 
fe foi o Capitão ao campo de N. Senho^ 
ra y e alli mandou ajuntar toda a gente 
que havia na Fortaleza , e dalli defpedio 
9 Diogo de Azambuja, e com elle D; Ma^ 
jioel d' Almada com cem Portuguezes , que 
pêra iflb apartou , e derredor de feiscen^ 
tos homens <k terra, e*ntre os c^uaes havia 
ijuatrocentas eípingardas , e deitando-lhea 

Emdes bênçãos , k recoiheo, Diogo d^ 
ambuja çom toda aquella gente ie em-t 
rou nas embarcações , que alli já efla<» 
Timj, e nelo rip ^ÍE^^ fo4 algumas legua^ 

«t4 



Digitized by VjOOQIC 



^ Década X. Caí. XIV." ' $^f 

até huma paragem , donde haviam de maiM 
char por terra , e alli fizeram os noíTo» 
huma tranqueira , em que deixaram algu^ 
zna gente de guarda com as embarcações y 
e elles foram marchando pela terra dentro 

Í>or onde as efpias os encaminhavam , o 
émpre foram por matos afperiffimos , pof 
ribeiras, e fapaes, em que fe viram mut» 
tas vezes perdidos , e embaraçados ; ^ dia 
de S. Martinho Papa , que he a 12 do mez, 
chegaram á viâa da Povoação , aonde 09 
inimigos tinham hum Forte. Diogo de A-« 
zambuja ordenou alli a íua gente | 6 deo 
a dianteira a D. Manoel d? Almada , e cotit 
elle Gonçalo Martins , morador de Malaca f 
Pedro da Cunha Carneiro, António d^ An«* 
dria , António de Paiva , António Maia , e 
outros i que feriam fincoenta , e duzentos 
Lafcarins , e com elles dous Padres da Com<« 
panhia , o P. Diogo Pinto , e o Irmão Gon-' 
calo Teixeira , e Diogo de Azambuja ficôa 
na reta-guarda com toda a mais gente. D# 
Manoel de Almada adiantou-fe com a fua 
companhia ; e antes de chegar á povoação :^ 
achou os inimigos , que o efperavam em 
campo , os auaes ferião perto de dous mil > 
€ remettendo-fe a elles , travaram humaf 
muito fermofa batalha , á qual chegou lo^ 

50 Diogo de Azambuja , que fez o oíEcia 
e Capitão ^ c ipldado»* D. Mainoel de Ahê 
« ma* 



Digitized by VjOOQIC 



ffo ÁSIA DB Dioaò BB Co<rro 

vtada com a fua companhia peleijoú nar 
dianteira com muito ¥âlor , e esforço ; e 
tanto apertou com os ininugos , que os pos 
em desbarato porcaufa da arcabuzaria aue 
lhe derrubou muitos , e a/Em os foi feguin** 
do até o forte , o qual commetteo com 
grande determinação , e á força de braço 
o eqtrou com grande eftrago dos inimi^ 
gos ) e fem da noiTa parte fe perderem 
pais de três homens , e quatro feridos ^ em 
que entrou Pedro da Cunha Carneiro de 
huma zagunchada no braço direito. Dioga 
d' Â^acpbuja vendo acabado aquelle feita 
com do J30UCO perigo , mandou queimar 
a povoação de Nam ^ e outras á roda , e 
cortar, e talhar todos os campos, fem lhe 
deixar nada em pé ; e fendo avifado que 
«m outro lugar bum dia de caminha , que 
£c chamava Rombo , eíbava hum Capitão 
do Rajale chamado o Nadoi , o qual tinha 
nelle hum forte de guarni^o , determinoi^ 
de ir dar nelle , e de o deftruir de todo« 
Eílando pêra caminhar , chegaram os mora^ 
flores daquelle lugar, e lhe pediram lhes 

J^erdoaífe , e lhes fizeíTe pazes ^ porque ek 
es nao faziam ^erna a Malaca ; e que o 
Capitão do Rajale que alli eftava , tanto 
^ue foubera de fu? chegada , largara o 
forte , e fe recolhera pêra Muar. Dioga 
li' Azambuja lhes perdoou ^ e çonccdeo ad 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caí. XIV/ 361 

fmzes y e fe foi recolhendo a feu falvo , tor« 
jaando a atraveíTar aquelles inatos até on^ 
de deixou as embarcações , e ncllas fe re^ 
collieo a Malaca, onde foi muito feftejado; 
c poraue era tempo de fe efperarem as 
náos aa China , e o Rajale andava no mar 
com a fua Armada y receando o Capitão 

3ue lhe aconteceflfe algum defaftre , mao^ 
ou negociar D. Jeronymo de Azevedo pê- 
ra fe ir pôr no eítreito , que havia pouco 
era chegado de lá , pêra ir recolher aquela 
las náos ; e pela falta que havia de man«^ 
timentos não fe pode prover mais que o 
feu Galeão, e huma Galeota , de que fe3^ 
Capitão Pedro da Cunha Carneiro , e do« 
%e bantins , de que fez Capitão Mór Pe^ 
dro Velho. Com efta Armada fe foi D. Je- 
ronymo pôr na ponta da Romania pêra ver 
íe podia fazer algumas prezas y em quanta 
não fe fazia tempo das náos chegarem , e 
aqui o deliraremos , por contarmos o que 
^efte tempo aconteceo no Achem. 

As novas do grande aperto em que 
Malaca eftava de fome correram por todaa 
aquellas partes ; e chegando ao Achem , 
como elle era inimigo mortal dos Portu« 
guezes, e tinha ódio antigo áquella Forta^ 
leza , e defejava de os lançar dalli , e fa^ 
yer-fe fenhor de todos aquelles Reynos, 
Vçndo ^ye o tempa lixe abria tamaiiha oc^ 



Digitized by VjOOQIC 



362 ÁSIA DE Diogo bs Còtrro 

caílao y determinou de ir em peíToa^ con^ 

Suiílar aquella Fortaleza , e pêra iíTo man- 
ou pâr no mar toda a fua Armada , que 
era ae dez náos , íincoenta Galés , cento e 
íincoenta fuftas , a fora muitas lancharas , e 
bantins , por tudo feriam trezentas velas , e 
fez chamamento de todos os Capitães , e 
gentes de feus Reynos , e mandou embar** 
car huma fomma de mantimentos y muni-* 
ç6et , e petrechos de guerra , e muita , e 
groíTa artilhería pêra bater a Fortaleza ; e 
andando com efta fede , e ajuntando efte po^ 
der, e fabrica , a que Malaca náo pudera 
efcapar , acudio a mão de Deos , e orde^ 
aoo que hum Capitão Geral do Achem ^ 
que já fora feu efcravo y e que elle fizera 

frande , chamado Mora RatiíTa , mataflo 
JRey ás crizadas , porque havia dias que 
andava com aquelles propoíitos pêra fe ale* 
Tantar com o Reyno , porque era o mais 
poderoíb delle. Morto ElRey , metteo-fe 
o tyranno de poíTe dos Paços , e quiz ca-i 
fai^fe com a Rainha , o que ella não con* 
fentio y do que elle tomado a matou. Tam^ 
bem alguns quizeram dizer , que a Rainha 
entrara tambcm nefta conjuração y e que 
por fua ordem o matara aquelle tyranno ; 
e cllc como eftava já preftes , e era pode-» 
rofo, intitulou-felogo porRey do Achem ^ 
9 começou a matar nos Capitães , de quf 

ic 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. XVI. 3^5 

Ce podia temer , fobre o que hoave gran* 
das alterações no Reyno , e fe efpalháram 
todos y fugindo delle , e por fim elle ficou 
B.ey , e por cfta caufa fe desfez aquella po« 
tente Armada, que pudera aíFombrar outra 
Fortaleza mais profpera, e muito mais pro« 
vida do que eftava Malaca , na qual não 
ceifava o mal da fome , do que cada dia 
hiam morrendo infinitos pobres > e meft 
quinkos. 

C A P I T U L O XV^ 

J)e como o Rajale foi com buma poder ofa 
. Armada contra Malaca : e dos recaaop 
que pajfdram entre elle , e o Bifpo : e d» 
como alguns Capitães pus defembarcd'* 
ram em terra : e da batalha que tive^ 
ram com os nojTos , em que elles ficdé 
ram desbaratados. 

NEÍle mefmo tempo , que era da en-» 
trada de Janeiro defte anno de ijS/. 
dia dosReys, appareceo á vifta de Malaca 
o Rajale com numa Armada de cento e 
vinte velas , em que trazia finco , ou feia 
mil homens com propofito de defembarcar 
cm Malaca. O Capitão João da Silva ven-* 
do aquella Armada , e que enchia todo 
^^uelie mar» e coAhecendo cuja era, acu*^ 

dio 



Digitized by VjOOQIC 



^^ ASIÃ pe Dioòo D£ Cotrro 

dio á praia acompanhado do Bifpo , FP 
dalgos y e Capitães , e mandou embarcar 
D. António de Noronha no feu Galeão, e 
lhe encarregou todas as náos oue eftavam 
no porto , e lhe diíTe que manaaíle os ba- 
téis dos Galeões com alguns falcóes pêra 
eftarem da banda de Malaca encoítados ao 
snuro , pêra defenderem a dcfembarcaçao 
naquella parte , e dalli fe paíTou o Capitão 
a prover em outras coufas. D. António em* 
barcou-fe no feu Galeão , e Diogo Pereira 
Tibao em outro, e nos de Diogo deAzano- 
buia, e Fernão Ortiz de Távora puzeram 
^lles feus Capitães , e foldados , porque ai>« 
davam com o Capitão provendo na forufi- 
cação da Cidade ; e na náo do Reyno ie 
embarcaram os ofÉciaes , e marinheiros , e 
tudo negociou com D. António muito bem ^ 
e poz os Galeões nas paragens que lhe pa- 
receo. O Capitão João da Silva poz na tran- 
queira de Ilher D. Manoel de Almada com 
alguns foldados , e toda a gente daquella 
parte , e da banda de Malaca poz D. Hea- 
ríque Bandarra com muitos, e bons íblda* 
dos, e alli acudiram , porque fe entendeo 
que fe EJRcy quizefle defembarcar, havia 
de fer alli , e mandou alguns foldados pêra 
fe irem metter na Ermida de N, Sennora 
do Monte, onde os Padres Capuchos reíi- 
diam. Q Rajale deixou-íe eítar á vifta d% 

For- 



Digitized by VjOOQIC 



• Década X. Cãt. XV* ^Ff 

Fortaleza finco dias , e em todos tratou com 
o Capitão entretenimentos , e enganos y e 
210 cabo deiles mandou alguns Portuguezes 
que trazia cativos y e entre elles hum Fran* 
cifco Ramalho nafcido em Malaca , filho 
de hum Cidadão y Cavalleiro da Ordem de 
SantJago , de prefente ao Bifpo com huma 
carta, cuja fubftancia era , que dos traba* 
lhos que aquella Cidade tinha , de que o 
Capitão João da Silva havia de dar conta 
a Deos y ^e ao feu Rey , porque elle de to<» 
dos tinha a culpa : que bem entendeo. 
Guando logo chegou áquella Fortaleza y que 
TOra com animo de quebrar com elle, nã<^ 
tendo dado elle da fua parte occafiâo ai-* 
guma ; que elle eftava preftes pêra fazer 
pazes com elle Bifpo , fem o Capitão niíTo 
intervir ; e que lhe relevava muito fallar 
com o Capitão do Reyno , porque fe que* 
ria mandar queixar por elle a ElRe^ de 
Portugal, de quem era irmáo, e fervidor> 
das fem-razães que lhe tinha feitas , e que 
elle eftava preftes pcra mandar dar todos 
os mantimentos que lhe foflem neceflarioa 
pêra a viagem. Éftes cumprimentos , e fa« 
tisfaç6es quiz ter o J^ajale com o Bifpo; 
porque como eftavam as náos pêra fe par- 
tirem pêra a índia , e fabia que haviam de 
nandar pedir foccorro , e Armada , que eí» 
çreveíTem que ficavam ibbre concerto d^ 



Digitized by VjOOQIC 



3 W A St A 1» Diogo d« Coxrfo 

pazes pêra com iflb fe defcuidar o VíÍch 
Kcj de lhe mandar foccorro. Dada a carta 
ao Bifpo , íbi^fe com ella a cafa do Capn 
do; eprefente aspeflbasprincipaes, aleo^ 
€ affentáram que lhe refpondeíTe que ofeu 
ofiicio não era tratar de pazes com Rejs 
infiéis , que aquella FortaIe2a tinha Capitão ^ 
Fidalgo muixo honrado, que mandaíle tra-» 
tar com elle aqiielles negócios y que dile 
lhe refponderia. Com efta refpofta ficou a 
Rajale atalhado y porque por ella ^entendea 
que tinha alcançado fuás manhas , e artiS*» 
cios ; e atiçado dos feus , determinou de 
defembarcar em terra , e prorar a mão com 
os noíTos ; e quando não fízeíTe mais , já 
ficaria com aquella honra de pòr os pés na 
praia de Malaca com mão armada ; e divi-^ 
dindo o feu poder em duas partes , deo 
huma delias a Ginga Raxa , e lhe mandou 
fbíTe defembarcar da banda de Malaca , e 
queimaife toda a povoação ^ e elle com a 
outra foi demandar a banda de Ilhez com 
tenção de defembarcar nellar e encarregou 
a Raja Macotta que com duzentos Ma^ 
laios foíFe atraveíTando o campo de S. João, 
C fe embrenhaífe de noite ; e que quanda 
ao outro dia vieíTe commetter a terra , déíTe 
cíle cm cafa dos Padres^ e lhos levaue to- 
dos vítos. Ginga Raxa foi commetter a deí^ 
embarcação na parte que Ihef aí&náram ^ 



Digitized by VjOOQIC 



^ DiôADA X. Cap. XV. ' 167 

• ás onze horas do dia com a maré toda 
a gente poufou em terra com fuás embar<" 
caçoes y e lançou nella toda a gente , ef* 
bombardeando íempre as Galés pêra ajpar«» 
tarem osnoíTos da praia. D. Henrique Éan« 
darra vendo deíembarcar os inimigos , fe« 
chou as portas da tranqueira , pêra que os 
DoíTos nao fahiíTem fóra , porque logo qui^ 
zeram trarar com elles > e lhes diífe qud 
fe quietaflem , que os deixaíTem cerar at6 
a maré vafar ; que tanto cue fofle efpraian«» 
do, elie lhes fahiria, e lhes promettia de 
penhum efcapar, porque então já eftariam 
os inimigos canfados, e longe das embar* 
cações por efpraiar alli a maré muito , e 
que forçado fe haviam de perder. A efte 
tempo chegou o P. Diogo Pinto da Com^ 
pannia acompanhado de Bartholomeu Fer^ 
mandes Mulato ^ Meftre de huma náo , c de 
outro ; e vendo que não fahiam os noífoa 
aos inimigos , qúaíi menencorio^ lançou ar 
Biâo ao ferrolho , e abrio a porta , e fahia 
pòr ella acompanhado de muitos, e omef* 
no fez. D. Henrique Bandarra ; e dando 
Bos inintigos com aquelle impeto , w fo* 
nm levando , e matando nelles com gran^ 
de furon O Capitão da Qdadc teve reba* 
te da def embarcado dos Mouros, e man« 
dòu Diogo de Azambuja com huma coou 
pàahia à» Toldados^ pêra. que Ihe^ eUe f6c4 
c i cor* 



Digitized by VjOOQIC 



ç68 ASIÃ tm Droâo m Coúr» 

correíTe, o que eilc fez mui aprefladamèú» 
te , e achou os noíTos cm huma afpcra ba« 
talha com os inimigos ; e dando de refreia 
CO nelies ^ os foi levando de vencida j fst* 
ftendo nelies grandes deítruiçòes. Sinfi;aRa<« 
ja , e hum filho feu y e hum Embaixador 
deElRej de Paò, que peleijavam nadian^ 
teira, fizeram mui grandes cavallarías , o 
tiveram muito efpaço o pezo dos noíTos ^ 
mas como elles liiam com aquelle Airor^ 
miíluraram-fe com elles , e os mataram de 
feras cutiladas ; e dizem que Diogo de 
Azambuja matou SinçaRaxa^ ou ao filho ^ 
c lhe tomou hum criz com huma bainha 
douro , e algumas pedras de talia , que le^ 
vou pêra o Re/no. Morreram nefta dian« 
teira muitos UlobadÒes , que he huma cafta 
daquellas gentes grandes cavalleiros, eoiK 
tros Malaios , que não quizeram deixar a 
Seu Capitão. Desbaratada a batalha , foram 
os noílos no alcance dos inimigos ás em-« 
barcaçòes , matando nelies até dentro na 
agua y onde morreram também muitos afltH 
gados : o Capitão efiava na porta da Foni 
taleza com o Bifpo , e os Fidalgo j , e Ca« 
valleiros que eftavam de fora , e dalli man^ 
dava y e provia em tudo com muito cuida<* 
do , e começaram a ir a elle muitos folda^ 
dos com cabeças de inimigos que na praia 
«látáram^. e aíluii como chegava»» mcm^ 



Digitized by VjOOQIC 



Década Xí Cap. XV* 369 

tnão na bolfa ^ e lhes dava a dez , e a yin<» 
te cruzados : as peíTòas principaies que fe 
aflinaláram nefte feito , foram D* Henrique 
Bandarra ^ D. Pedro feu filho ^ Diogo de 
Azambuja , Belchior Pinheiro Peixoto , An* 
tonio de Paiva ^ Manoel da Rocha , Anto* 
nio Rodrigues de Abreu , António de Le* 
mos , e Jorge de Figueiredo : eftes dous 
caiados naquella Cidade , que a cavallo íi-^ 
^eram gfandes damnos nos inimigos ; Bar-»* 
tholomeu Fernandes , o Mijlato Lourenço 
Froes , Manoel Ferreira de Villas-boas , e 
outros cavalleiros; O Rajale foi paíTando 
còm a fua Armada pêra a banda de Ma* 
laca , hum pouco affaftado das náos , das 
quaes o falváram 5 e hum pelouro da nió 
de Diogo de Azambuja deo em huma Ga^ 
lé, que adeílroçóu^ edefapparelhòu de to* 
do, e do Galeão de Diogo Pereira Tibao 
deram outro na Galé do Rajaitáo ) filho do 
Rajale^gue lha metteo no fundo ^ e agen* 
te toda íe falrou nas embarcações peque* 
nas» O Capitão rendo que a Armada do 
Rajale voltava pêra a banda de Malaca^ 
mandou gente de foccorro á D^ Máúoel dé 
Almada , t ficou ef{)erando perã ver o que 
o Rajale determinava j mas elle teve por 
agouro raetterem-lhe a Galé do filho no 
fundo 5 e deixou<-íe ficar de longo da terra ^ 
jfem bolir comiigo ; e ao mefmo tempo que 
CoutQ.tom.FI.F.lu Aa if- 



Digitized by VjOOQIC 



370 A ST A DE Diogo de Couto 

ifto fuccedeo , acabavam os Padres Capn^ 
chos na Madre de Deos de jantar , e ti* 
nham-fe fubido á torre a ver a briga ; e 
<]QÍz Deos que o Padre Fr. Marcos , que 
em foldado íe chamoQ Marco António, 
levou huma efpingarda ; e eftando embebi* 
dos em ver a briga , fahiram os da com* 
panhia do Raja Macota, que eftavam em^ 
brenhados , e deram de fupito em o Mof* 
teiro , e o entraram , encnendo-fe logo a 
igreja , e o Clauftro dcUes com grandes 
eitrondos , e motinadas , ás quaes acudiram 
os Padres á porta da torre , que fe fervia por 
huma efcada levadi^ , e a recolheram aífi* 
ma y e viram os inimigos andarem pela 
Igreja de huma- pêra outra parte. O Padre 
Fr. Marcos , que tinha a efpingarda ceva- 
da , a difparou nelles , e derrubou hum : os 
mais vendo os Padres em íima da porta , 
ficaram como pafmados de verem aquelles 
homens veftidos naquelles trajos que nunca 
viram , e como allienados ficaram hum bom 
efpa^o olhando pêra íima ; mas o que fe 
preíumio foi , que viram o Bemaventurado 
Padre S. Francifco que os ameaçava ; e paf- 
íado aquelle termo , foram fugindo como 
defatínados ; e depois delles recolhidos fe 
foube de hum cozinheiro, que feefcohdeo 
detrás do Altar, oue eftando a Igreja cheia 
de inimigos , i^tara de iima do Coro hum 

Pi- 



Digitized by VjOOQIC 



Pâárc fobre eíles com grande cftrondo , è 
que logo defappareccra. O Rajale vèíidã 
o desbarato dos feus, ajuntou a fua Ârtna-^ 
da j e foi*fe recolhendo pêra Jòr^ esbrabe^ 
. jando cohtra os quê aconfèlháram que fi* 
isefle aquella jornada^ 

CAPITULO XVL 

Dp que úconttccò à D. Jei^onymâ de Aze^ 
vedo Ho ejireito í e dt como fnleteo Joãá 
Crago , e Diogo de Azambuja foi peta 
Capitão da nao do Heyno : ê do que lhe 
ãconieceo na viagem : e do grande Jòccàr^ 
TO qUe a Cidade de Cocbtm mando» 4 
MalacUi 

DJeronymo de Azevedo ^ qtie deixámo* 
• na ponta da Rcmanca , fez alli mui-» 
tas prezas ; porque como todas as etnbar-* 
caçoes que vinhatn da outra coftá deman-^. 
dar aqúelle cabo 5 virando de eftoutra ban* 
da 5 davam com a lua Armada^ fahiatii^lhe. 
os bantins , e tomavam todas , íem \Yit ei^ 
capar nenhuma ; fó huma ^ etn que vinha^ 
hum filho deElRey de Paó pêra íe ir mefc* 
ter etti Jor, lhe fugío* e varou em terra ^. 
énde fe falvou. Ndftas embarc;aç6es que faz 
aqui tomaram, fe cativou muita gertte, que. 
por nao haver com que a íulle&tar, deram,; 
Aa ii fuil« 



Digitized by VjOOQIC 



^2 ÁSIA DE Diogo de 0)uto 

ftindo a mais de oitenta peíToas ; e fazen-*' 
do-fe tempo de ir efperar a náo da Chioa , 
fbi-fe pôr no eftreito de Sabão , por onde 
haviam de paíTar, e as primeiras que che* 
gáram , foram a náo de Francifco Paes , e 
Jium junco de hum Jeronymo Rodrigues 
Monteiro , e aílim após ellas outras , as 
quaes encaminhou pêra Malaca y e fez Ca- 
pitão Mór de todas a Francifco Paes, pe* 
ra que foífe dando guarda, e no caminha 
encontraram a Annada do Rajale , aue* fe 
hia recolhendo desbaratada, e em tal efta* 
do , que não quiz entender com elles , e 
D.Jeronymo ficou efperando por duas náos 
^ue lhe faltavam. 

João da Silva tornou a avifar aoVifo- 
Rey deílas coufas todas, e o mefmo íez o 
Biípò , e a Cidade , aifirmando-lhe todos 
que ficava no derradeiro eltado. Eftas car« 
tas levou hum Jeronymo Rebello , cafado 
em Malaca , homem nobre , bom cavallei- 
ro, e que faberia bem reprefentar ao Vifo- 
Rev as miferias dacjuella Cidade , o qual fe 
emoarcou nas primeiras náos que partiram ; 
e porque era tempo da náo do Reyno fa- 
zer viagem , e por ter falecido João Gago 
de Andrade , deo João da Silva a Capita- 
nia delia a Diogo de Azambuja, o qual o 
jtielhor que pode , pofto que com trabalho , 
praveo 9 n^ de alguém pouco de arroz , e; 
' :. . ... de ' 



Digitized by VjOOQIC 



Década X, Cap. XVr. 373 

úe hum junco , que veio naquelles dias de 
Jaoa, de peixe, manteiga, e de outras cou« 
fas. Efta náo por achar tempos contrários ^ 
por partir tarae , arribou a Moçambique, 
donae partio em Novembro, e 1 e foi per- 
der em Angola por ir aberta , e com mui* 
tas aguas , e alli tomaram algumas cara* 
vellas , em que paíTáram as razendas , e 
foi Diogo de Azambuja pêra o Reyno, 
onde foi prezo , por íe ir fem reíídencia , 
até fe lhe mandar tomar , e depois fe li*p 
yrou , e fe fervio ElRey delle em coufas 
muito honradas. 

E tornando-fe ás coufas de Malaca , 
D. Jeronymo de Azevedo , depois que re* 
colheo as náos que faltavam , foi-fe com 
«lias pêra Malaca , onde já eftava determi^^ 
nado que D. António de Noronha fica (Te 
por Capitão Mor daquelle mar , conforme 
a feu regimento , do que tomado D. Jero* 
jiymo , e por outras coufas de entre elle,- 
e o Capitão , fe embarcou nas mefmas náos 
pêra a índia. 

Os primeiros recados que João da Sil- 
va mandou ao Vifo-Rev , chegaram a Qh 
chim em breves dias. Sabendo aquella G-» 
clade o extremo em que aquella Fortaleza: 
ficava , trataram os Vereadores de a foccor-» 
rcr , com confentimento de todos os mo* 
f adores , do dinheiro do hunci por cento., 
\ . ' que 



Digitized by VjOOQIC 



{74 ÁSIA PB Diogo dk Coirra 

que elles pagam pêra as obras da forriBca* 
^o daquella Cídadç , o que efta , e todas 
fis mais da índia fempre fizeram , quando 
jfe offereceo o ferviço de ElRe/ , não pou- 
pando pêra ellas fuás peílbas , e fazendas , 
como leaes vaíTallos : pelo oqe tomando 
fnuito dinheiro , compraram numa grande 
cópia de arroz , trigo , munições , e outi as 
poufas neceílkrías , o que tudo embarcaram 
fim huma nio de Luiz Martins Pereira, no 
q\ie gaftáram vinte mil pardaos , e a deP» 
pedírjm pêra Malaca com muita prt^lía, 
indo o mefino dono por Capitão delia ; e 
favoi^ecendo Deos noíTo Senhor efta lealda-^ 
de, e bom zelo, deo tdo bom tempo a e(^ 
ta náo, que dentro no mez dejineinp che- 
gou áquella Cidade , com o que ella pare% 
ce que refufcitou , e afUm foi fua chegada 
(ao te^ejada, como aqucila que lhe trazia 
o remédio pêra todos : tudo o que nclla 
vinha fe recolheo em armazéns, efe repara 
tio por todos com muita ordem , porque 
lhe baftaífe até vir o provimento da índia; 
€ aíHm nelte tempo adoecco João da Silva 
de humas n^eienconías , de que veio a en^ 
dondecer de todo ; pelo que o Bifpo go» 
▼ernava tudo , por eile não cftar pêra iflo j 
f porque era neceífârio fazer vir a Malaca 
^s juncQS , começou a negociar; e por faU 
\^ dli|lieiiQ> o éimprçAou o Biípo dp feii^ 

Ç 49 ' 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf. XVI. 37J 

C de outros que tomou fobre fi , e com 
muito trabalho poz a Armada no mar» e 
defpedio nella U. Antomo de Noronha^ 
que fe fez á vela pêra Jor ; e os Capitães ^ 
e relas que levava , são os feeuintes ; elle 
em hum Galeão , D. Manoel de Almada 
cm outro , e Luiz Martins Pereira na fua 
aáo ; duas fuftas , de que eram Gipitaes 
Jorge de Figueiredo , e outro , e alguns 
bandns mais. Com eíla Armada fe foi pór 
fobre Jor , com o que logo começaram a 
correr alguns juncos da Jaoa , e do Pega 
carregados de mantimentos , com o quê 
aquella Cidade começou a tomar em íL > 

CAPITULO XVIL 

De como chegaram a Goa as novas de Ma* 
Uca : e do foccorro que o Vifo^Rey ne- 
gociou : e da grande Armada cem 
que D. Paulo de Lima partio 
pêra aquella Fortaleza. 

S náos que partiram de Malaca che^ 
_ _.gáram a Goa em fira de Março ; e 
Jeronymo Rebello , que levava as Cartas 
do Capitão , Bifpo , e Cidade pêra o Vifo^ 
Rey y lhas deo , e reprefentou a miferia 
daquella Cidade, e o grande rifco em que 
ficava ^ affirmaiKlo-lke que fe lhe não foc* 

co- 



Digitized by VjOOQIC 



A 



^7$ ASIÀ DB DíOQO BE CotTTO 

Cúria áç prefla , e com muito cabedal ; 
Que punha aquella Fortaleza a perigo de 
le perder í porque fe o Rajale fe confede* 
raíie com o Achem , fó a mão de Deos 
lhe poderia valer. Ifto deo tanto em que 
cuidar ao Vifo-Rey, que fem fazer dexen* 

Ía , mandou logo chamar os Fidalgos , e 
Capitães a Confellio , e nelle moftrou as 
Cartas todas , e lhes deo relação do que 
paíTava , pedindo-lhes que fe votaíFc no 
que convinha pêra bem , e defensão daquel-- 
laFortaleza, e mais ainda pêra lançar aquel«- 
le inimigo daqucUe rio dejor, porque era. 
auanto alli eítiveífe , havia de ler molefto 
aquella Cidade ; e que o cabedal que fe 
havia de metteF por pedaços todos os an- 
nos , fe metteíTe logo junto pêra de huma 
vez fe acabar defegurar aquella Fortaleza , 

3ue era a prinoipai da índia , e a chave 
aquellas partes , donde vinha o priqcipal 
rendimento, de que o eílado fe fuítentava. 
AíTentado ifto , começou o Vifo-Rey a pòr 
em ordem a jornada , e mandou negociar 
os navios pêra ella , recolher mantimentos , 
ordenar muniçóes , e ajuntar todos os mais 
petrechos neceíTario? pêra aquella jornada ^ 
e porque oEftado eftava pobre de dinhei- 
ro, e de quaíi todas as coufas neceífarias» 
principalmente de navios , e foldados , quiz 
valer«fe de todas as partes pelo miúto que 

im- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X, Cap, XVlí. ' 377 

•importava foccorrer-fe aquella Fortaleza, 
porque não fe perdeíTe á mingua : e deC- 
pedio Manoel Rebello feu Capitão dá guar* 
da , e çom elle Jeronymo de Lima com 
Cartas pêra as Cidades de Baçaim , e 
Chaul , e pêra Balthazar de Siqueira , que 
andava por Veador da Fazenda naquellas 
partes , e pêra peíToas particulares , nas 
quaes lhes reprefentava as neceflidades do 
«ítado y e o trabalho , e rifco , em que a 
Fortaleza de Malaca eftava , pedindo-lhe» 
c foccorreíTem com dez , ou doze mil par- 
ilaos de empreítimo , dos quaes fe paga-* 
riam em íi próprios dos foros de fuás ai* 
deias , pêra o que elle mandou logo pro* 
pisoes muito largas , e alfim fe valeo da 
Cidade de Goa , que fempre efteve offere* 
cida a eftcs fucceíTos do íerviço de ElRey 
^m fatisfação, dos quaes lhe não guardam^ 
iquafi todos os Vifo-Reys fuás liberdades, 
que muitas vezes tem nas eleições , que 
cão tão livres , que fe não faz ienâo o que 
elles querem , e deitam d^ íi as culpas aos 
Defembargadores , fobre o que fe tem ela* 
-mado muitas vezes a ElRey , e mandado 
a Portugal Procuradores , fem terem mais 
refpofta que tornarem a metter nas mãos 
dos mefmos Vifo-Reys o jogo , os quaes 
«lunca hão de largar a mão da jurifdicção 
-ene fQbre aGdade tem tomado j e deixais 

do 



Digitized by VjOOQIC 



378 ÁSIA Dx Diogo db Couto 

do efta matéria , o Vifo-Rcy maodoti chac- 
inar os Vereadores , e lhes reprefentou com 
muitas palavras a grande neceflidade em 
que a Fortaleza de Malaca eftava , e quão 
importante era fer foccorrida de preíTa, 
porque nella eftava o remédio de todo o 
Eftado ; e aue fe por defcuido lhe aconte- 
ceíTe hum aefailre , perder-fe-hia o com- 
mercio da China , Japão , Maluco , e todas 
tqucUas partes de que o Eftado , e todos 
os moradores da índia fe fuftentaram ; e 

Sue pois por então não havia com que lhe 
>ccorrer pelas neceífídades em que o Eír 
tado eftava pelas muitas guerras que fe lhe 
abriam em outras partes , que quizeíTem 
elles acudir a tamanha obrigação com aquel- 
le feu tão antigo zelo, e lealdade, porque 
feria dcshumanídade verem perder á min* 
gua huma tamanha Cidade , tão importan* 
te , em a qual todos tinham parentes , 
amigos , naturaes , e fobre tudo tantos Tem*- 
plos de Religioros , e innocentes : que lhes 
pedia em nome de EIRey , a quem elle 
rcprefentaria aquelle tamanho ferviço , pê- 
ra que lho fatisfizeflfe com honras , e mer- 
cês , que lhe empreftaffem vinte mil pardaos 
pêra com elles , e com os i:nais qíie pudeir 
fe ajuntar fúpprir a coufa tão urgente , e 
neceflaria , e que delles fe pagariam logo 
nas rendas de oalfete 9 as quaes logo dal^ 

li 



Digitized by VjOOQ IC 



^ Dbcada X. C^?. XVII. 379 

li por diante coníignava em feu poder*^ 
até ferem pagos comcffeito daquella quan* 
tia, e que febre iílb lhes daria todas asfe» 
gu ranças que mais quizeíTem. Os Vereado* 
rcs, que eram Francifco Peixoto, Chrifto* 
vão da Cofta , e Francifco de Andrade , lhe 
diíTeram que muito bem viam o eftado das 
coufas , e a neceíGdade de Malaca , que fa^ 
riam chamamento do povo , e o perfuadi*^ 
riam tudo o que pudeflem a que empreP 
taífem o que elle lhes pedia , e que ao oa« 
^ro dia lhe dariam a refpoíla; e ajuntando^ 
fe logo em Camera , chamaram os cafa-» 
dos, e lhes reprefentáram os trabalhos em 
que Malaca citava, e a obrigação que to» 
dos tinham de a focçorrer , . e a falta aue 
no E^ado havia pêra iíTo : que naquillo na-» 
viam de moftrar a grande lealdade Port^-» 

§ueza, empreftando aElKey vinte mil par-» 
aos pêra remediar coufa tão neceífaria , e 
importante ; e depois de muitos debates, 
vendo as fegiranças que o Vifo-Rey lhes 
fazia, concederam no empreftimo , e logo 
fe fez rol, e fe lançou aquella quantia pe- 
lo povo , conforme ao quç cada hum ti- 
nha de feu : ao outro dia foram os Verea- 
dores ao Vifo^Rey , e lhe differam que os 
moradores daquella Cidade tinham fervi* 
do a ElRejr naquelle negocio , como fem- 
pre p fizçr^^a , ç faiíam em as coufas da« 



Digitized by VjOOQIC 



380 ÁSIA DE Diogo de Couto 

<}uella qualidade : <jue elles , e todo o p(v 
yo faziam com muito gofto o empreftimo 

3ue lhe pedira, e que lhe pezava a todos 
e não eftarem em eftado pêra o fervirem 
com mais ; e que da parte de todos lhe 
pediam huma mercê , a qual era , que pê- 
ra aquella jornada elegeíTe D. Paulo de Li- 
ma , porque tinham confiança de feu esfor* 
ço y e boa ventura , e que daria muito bom 
nm áqueile negocio, e a tantos trabalhos , 
quantos Malaca cada dia paflava com tão 
ruins vizinhos. O Vifo-Rey ficou fobrefal- 
tado naqueile negocio , porque fegundo fe 
prefumia , tinha em feu peito feita a eleição 
em feu Tio Kuj Gonfalves da Camera, 
aíEm por fer hum Fidalgo velho , como 
por lhe pertencer aquella jornada por Capi- 
tão Mór, e conquiilador do Achem, cujos 
ordenados elle comia ; mas vendo o que a 
Cidade lhe pedia, eque aMíilaca, Bifpo , 
e Capitão lhe apontavam dous homens , ou 
ao mefmo D. Paulo de Lima, ou Mathias 
de Albuquerque , pareceo-lhe que viria 
aquillo por Deos j e fem fazer outro dif- 
curfo, diíTe que pois á Cidade lhe parecia 
bem aquella eleição , que era muito con* 
tente de niflb lhe fazer a vontade, porque 
D. Paulo de Lima era Fidalgo muito pêra 
tudo , e no qual concorriam as partes, e 
qualidades pêra huma empreza de tanta 

im- * 



Digitized by LjOOQIC 



DECADà X. Ca?. XVII. 38r 

importância : e com iíbo fe começou a tH 
rar pela Cidade o empreftimo pelo rol que 
fe entregou aos Ofiiciaes , no que elles ex« 
cederam o modo ; porque al^ns que logo 
são contribuíram com o que lhes coube , e 
pela ventura que o nao tinham á mão , fo^ 
ram prezos , e executados ; e ainda ifto fe 
foffrêra bem , fe fe pagara aos homens o 
que empreitam , como fizeram em outras 
jornadas , e neceílidades paíTadas , e que 
ficaram por pagar com lhes empenharem 
as rendas d^ Salfete , as quaes fe lançou 
outra vez a ríâo delias, de que ainda no« 
je ha multo dinheiro por pagar , porque 
nenhum Vifo-Rey paga as dividas do ou- 
tro , pofto que foíTem pêra coufas tão ne-/ 
ceíTarias como eftas : por onde fe fe os ho- 
mens fecharem , nao devem de lhes pôr 
c^lpa fenão aos Vifo-Reys , que pêra paga- 
rem eftas dividas lhes falta dinheiro ; e 
pêra mercês a quem querem , lhe fobeja ; 
€ fe efte Vifo-Rey deixou de pagar -todo 
efte dinheiro , feria por falecer , porque 
era Fidalgo , Chriftão , e pontual. Com ef- 
te empreftimo , e com dez , ou doze mil 
pardaos , que as Cidades de Baçaim , e 
Chaul empreftáram com muito gofto , fi- 
cou o Vilo*Rey pondo as mãos na Ar^ 
Hiada y e mandou chamar D. Paulo de Li- 
na y e com palavras muito honradas, lhe. 

com- 



Digitized by VjOOQIC 



5^2 ASIÂ DK Diogo tní Couto 

cominetteo aquella jornada ^ dizendo-Ihé 
que fizeíTe rol^ e apontamento da Armada, 
e mais coufas que lhe pareceíTem necefla** 
rias , nomeando-Ihe lego fetecentos ho« 
mens y com os quaes ; e com feti esforço , 
e boa fortima eíperava cm Deos deíapref* 
far-fe aqueUa Fortaleza 5 e que tirafle de 
tao perto delia tão ruim vizinho. D. Paulo 
acceitou a empreia , por lhe parecer que 
quem tanto tinha fervido , nao era bem eP 
cufar^fe no de tanta importância ^ e fex 
{eus apontamentos ^ nos quaes pedio três 
Gale6e8 ^ duas Galés y quatro Galeotas , e 
íète fuftas com munições y e coufas neceí^ 
farias pêra tão comprida via&em y e outras 
coufas que deixamos por nao fer proluxo^ 
Declarada a viagem pela Cidade , acudiram 
muitos Fidalgos a fe offeiecerem ao Vifo^ 
Rey y e os primeiros dizem que foram Ma- 
noel de Soufa Coutinho , D. João Pereira , 
herdeiro da Gafa da Feira , Francífco da 
Silva de Menezes., e outros, que logo no- 
mearemos , o que o Vifo*Re7 eftimou mui-» 
to , e acceitou os ofFerecimentos ; fó â Ma** 
Boel de Soufa efcufou , dizendo-^Ihe (\ue a 
tinha guardado pcra outra coufa grande^ 
como le o coração lhe adivinhara qucmui^ 
to fedo lhe havia de fucceder naquelle lu- 

£r: e tal he o mundo ,\ que elle fuccedeo- 
( ^ c D« Paulo morrra de fede nos bai« 

xos 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XVIL jÍ j 

xos da Judia com tão grandes ferviços fei« 
tos y e tanto á cufta de feu Tangue, como 
adiante fe verá. EUe foi dando preffa á 
Armada j c como o Vifo-Rcy nomeou os 
Capitães que havia de levar, e porque hU 
tava gente em Goa , e não acudiam folda* 
dos á paga , efcreveo o Vifo-Rcv com mui-* 
ta prefla a Ruj Gomes da Grã , Capitão 
de Panane , que lhe mandafle quatrocentos 
foldados dos oue tinha comíigo , porque 
não tinha donae fe valer naquella neceíli- 
dade, fenão delJe; porque fegundo ascou^ 
fas da parte do Çamorim eftavam quietas ^ 
bailavam outros tantos que lhe poderiam 
ficar, e mais fendo elle Capitão ; porijue 
por Malaca , que era a chave da índia , 
fe havia de deixar tudo , e aílim lhe pedio 
alguns navios com fuás chufmas , os quaes 
logo lhe apromptou , porque pela preífa 
não havia tempo pêra fazer outros. Ruy 
Gomes com eftas Cartas defpedio o oue 
lhe o Vifo-Rey mandou pedir , que ene* 
gou a muito bom tempo , e porque todo 
aquelle verão faltou , que. até lanças pêra 
a jornada de Malaca faltavam, nem havia 
no armazém o que fe coftumava mandar 
todos os annos em abaftança : e até difto 
fe valeo o Vifo-Rey da Cidade , e anda- 
ram os Vereadores peias cafas tomando» 
lhas dos íeus cabides , a quem duas , a 

quem 



Digitized by VjOOQIC 



3^4 ÁSIA t»E HíoGo DE CoúTd 

4]uem três , com o que fe ajuntou huntt 
cópia arrazoada , que náo podia fer mais 
miíeravel eílado que efte, eftando com ta- 
manhas duas obrigações , coroo de Alala* 
ca y e Ceilão , que neftes mefmos dias ti^ 
nham chegado as Cartas de João Corrêa 
de Brito , em que pedia ao Vifo-Rey foc- 
corro de gente, dinheiro, e mantimentos^ 
porque fem dúvida teria no inverno hum 
apertado cerco , o que deo bem que ci^ 
tender ao Vifo-Rey ; mas como era de gran- 
de animo , e coração , e não fe acanhava 
ÍL nada, antes com muita brevidade á vol* 
ta da preífa em que eftava com as coufas 
de Malaca negociou huma náo, que man^ 
dou carregar de mantimentos , munições ^ 
c dinheiro que pode : e efcreveo ao Capi- 
tão que fe remediaífc , porque por então 
não podia mais , que como deipediíle a 
Armada de Malaca , o proveria melhor ; e 
aíBm deo tanta preífa ás coufas de Mala- 
ca , que aos 28. de Abril a fez fazer á ve- 
la , e a defpedio com grandes bênçãos de 
todo o povo j por ir naquella Armada o 
remédio da índia. Os Capitães que neíla 
jornada acompanharam a D. Paulo de Li- 
ma , são os feguintes : D. João Pereira , e 
Francifco da Silva , cada hum em feu Ga- 
1^0 ; D. Bernardo de Menezes , e Matliias 
Pereira de Sampaio em Galés : nas quatro 

Ga- 



Digitized by VjOOQIC 



DfeCADA X. Ca?. XVit 3?^ 

Galeôtaí Fraíícifco de Sodfa Pereira . Dio- 
go Soares de Mello , António Coelno , e 
Balthazar Froôs : dos Capitâed das fete 
fiiftas D.Pedro de Lima , irmão de D.Pau- 
lo , D. ííuno Alvares Pereira , Siinao de 
Abreu de Mello , Fernão Pegado , Gafpar 
de Valladares , Gafpar Dias , e outro era 
hum cafadb dê Chaul y á (\uè não foubemod 
o nome j cjue foi armado á fua cufta. D# 
Paiila de Lima ao fahir da barra fez alár^ 
do dá eente ; e cuidando que levava fete-> 
centos homens que lhe tinham proroettido ^ 
ãchou-fe com quinhentos , do que não ficou 
fatisfeito , por fe ter penhorado com o Vi- 
fo-Rey j é tom òs Vereadores na defthii^ãd 
de Jor 5 e efereveo-lhe dalli cartas y nas 
quaes lhe mòftrava alguma defconfian^a da 
jornada pelo pouco cabedal ^ue levava* 
Dada á véla y foi feguindo fua jornada y a 
que depois tornaremos. 

Nette Abril foi também D* João da Ga- 
tíí2L ^ que eíiavd em Cochim ^ fazer a via« 
gem de Japão de feu irmão D« Miguel da 
Gama em numa náo fua^ 



Couto.Tom.FI.P.li. Bb DE- 



Digitized by VjOOQIC 



^6 

DÉCADA DECIMA 

Da Hiftoria da índia. 

L I V R o IX. 

1 , ' . I ' ■■ ■ !■ 

CAPITULO L 

• Da au€ aconteceu a Martim Jff^anfo de 

Millo fki viagem de Melinde: e de 

C9ma dejiruso as Cidades de Am- 

paza y e Mombaça. 

PArtido Martim AfFonfo de Mello com 
roda a fua Armada jnnra pêra Melin-» 
de, foi feguindo fua jornada com os 
levantes em poppíi , e em menos de yiote 
dias foi haver vifta do deferto de quatro 

{)era finco gráos do Norte ; e correndo pe- 
s coíla abaixo , foi tomar falia na primei- 
ra terra que achou povoada, pêra íaber fe 
bavia Galés , e lhe affirmáram não ferem 
paíTadas pêra a Cofta de Melinde , pela 
que fe deo a mór preíTa que pode pêra 
chegar a Ampaza , primeiro que aquelle 
Rey tivelTe novas deile , porque efte era 
o primeiro que levava por apontamento 
que caftigafle , por mais comprehendido 
no negocio dos Turcos ^ e defejava de o 

to- 



Digitized by VjOOQIC 



toihdr de )bbrefaho pêra o colher istoios^ 
o que nao pode fer , poroue primeiro che-^ 
gáram lá as novas que etle , alguns dias ^ 
nos quaes aquelle kej , cotno fe tetnia . fs 
começou aibrríficar^ e a ajuntar gente lua^ 
e dos vizinhos, eineiteo dentit> Dá fuaCi^ 
dade quatro mil homens de armas , e fe^ 
fuás cercas ^ cavas 5 e tapou todas as ruas 
com tranqueiras fortes , com o que ficou 
tão foberbo , que lhe não deo nada da Ar» 
xnada , quando a vio furta diante da fua 
Cidade; porque depois de Martim AÀFon* 
fo furgir á viila delia , deixou-^fe eftar três 
dias fem em todos elíes aquelle Key Ih d 
mandar huma viíitação , fatisfação ^ nem 
defculpa das coufas paliadas /cotno homem 
que com elle não queria nenhum concerto 5 
e que eftava confiado no feu podcf t todi^ 
via o Martim AiFonfo nos três dias não 
eíleve ociofo , porque nelle^ çndou notando 
o fitio da Cidade, e pela parte por que fe 
poderia commetter , e em íaber a difpoÍH 
çao em que aquelle Rey eftava, e que po- 
der tinha , e de tudo ie informou muito á 
fua vontade^ PaíTados aquelles dias , cha^ 
mou os Capitães a Corifelho , e lhes fepre- 
fentou o eftado da Cidade , e as culpas 
daquelle key , e o regimento que levava^ 
pelo que lhe mandava o Viío-Rey que o 
caitigaíFe ^ e que fobre tudo ifto elle efta- 
Bb ii va 



Digitized by VjOOQIC 



3S8  S l DÉ^ DrOGO DE G>UTO 

ya tal , que nenhum cafo tinha até então 
feito daquella Armada j c debatido entre 
todos aquelle negocio , refumíram-fe em 
que cumpria ao credito do Eíbído quebrar 
^ foberba áquelle Rey ; porque fe diífirou* 
laíTe com elle , todos os mais fe haviam de 
alterar , e feria perda notável , porque lo- 
go haviam de metter Turcos naquella colr 
ta. AíTentado ifto , fizeram-fe todos preftes , 
e o Capitáo Mór fez de toda a gente deus 
efquadróes : hum delles deo a Simão de 
Brito pêra ir pelo eílreito , que corta a 

Eraia até á face da Cidade , onde éftava 
um cães ; e a outra tomou pêra & pêra 
defembarcar em outra parte, e ir commet* 
ter a Cidade pela banda do certão: e hum 
dia pela manhã , que foi aos quatro que 
alli chegiram , commettêram a defembar* 
cação* Simão de Brito foi em todas as em- 
barcações pequenas fubindo pelo eftreito 
adima até ao cães , onde defembarcou , fazen- 
do franca a paíTagem com a arcabuzaria, que 
foi laborando de huma , e outra parte : na 
ponte acharam ElRey, que fe chamava Eí- 
tombei, com quaíi todo o poder, e come- 
çaram huma muito fermoia batalha , em 
?iiie começou a haver damno ; mas os noí- 
os como hiam com aquella fúria , foram 
arrancando os inimigos daquella parte , e 
mettendo-os pela Cidade dentro , e de en- 

voi- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. L 38^ 

volta com elles , entraram pelos val]os , e 
trancnieiras , fazendo nelles grande deftrui- 
ção. ElRey , e hum fobrinho fcu herdeiro 
do Reyno , acompanhados dos mais prin- 
cípaes dos feus , foram fempre tendo o en« 
contro aos noíTos , fazendo muito grandes 
çavallarias; e como ElRey era conhecido, 
perfeguíram-no muitos ; mas como elle pe^ 
ieijava em defenfa da fua Cidade, não re« 
ceando golpes , metteo-íe tanto pelos nof- 
fos que veio abraços com hum António Ma*» 
chado , * cafado em Goa , e alli foi morto : 
dos que acudiram , D. Duarte de Mello, 

Sue fempre foi dos dianteiros , fez nos 
louros mui grande eftrago, e com aquel-^ 
le furor , como o defejo da honra o leva- 
va , fe foi metter entre os inimigos , onde 
fez temeridades até o matarem ás cutiladas ; 
porque o cercaram muitos Mouros4 Fran- 
cifco de Soufa Rolim , que também foi 
dos dianteiros , não fez menos que elle , 
porque fempre paflbu á vante , pelcijando 
com os Mouros denodadamente , até que 
lhe deceparam huma mão , e foi recolhido 
de alguns dos noíTos , e mandado aos na- 
vios , onde depois morreo. Vafco de Fi-* 
gueirò , que fempre foi dos primeiros , met*» 
teo-fe fó em meio dos inimigos , peleijan- 
do com muito valor ; e quando algum dos, 
noífos chegaram a elle ^ tinha a feus pés 

mor- 



Digitized by VjOOQIC 



1^ A S I Al de Diogo bs Couto. 

mortos féis , ou fete Mouros , andando elle 
com huma fi^échada pelos peitos , de quo 
€aml>em morreo ; cm fim outros Fidalgos , 
€ Cavalleiros , que femprç ibram os diaivr 
teiros» fizerasa tanto ^ ({uc acabaram depor 
PS inimigos ccn desbarato , aadando eíles 
com 4 morte de feuRey (juaíi perdidos; 
e depois que mataram o Príncipe , que £•* 
cou ib , fuftentando o peio da batalha , fe 
acabofi de perder tudo , e os noflbs os le* 
varam até o meio da Cidade. A efte tem-* 
po rinha entrando o • Capicao Mor peia 
panda do cer tao , feoi achar com auem pei» 
leijar , poraue eftaTa todo o poaer defta 
parte ; e acaando os Mouros , que iiiam 
fitgmdo de Simão de Brito , os iizeraai 
Tòltap com grande ímpeto ; mais de mil 
tornaram a dar mos qoe b»m viâoriofi^a 
çom tão grande íuria , que puzeram osnoA 
ibs quaíi em desbarato , e fe começaram 
aefpalhaT, e a recolher de má fciçào, Veíw 
do Simio de Brito tao fupita , e deíorde* 
nada mudança sos ieqs ^ tirou o murrião 
da cabeça 9 e couk) doudo de ver aquelle 
defbiancho , começou a gnitar : jib JSScmbo^^ 
res Fiããig^ , e Cavalleimf , c$m9 affm 
fuereis perder èmma hmra , fiáe tmdes gm^ 
phãdâ áforfs de txo^x kraçBS í cmw ^ 
)fff| quereis defamf arejar tfias ^attPÍ Ecom 
kaaa dsíeáperada d^ç:^^tsnii\ai^ fe j|rreme« 

jou 



Digitized by VjOOQIC 



Decaída X. Cap. 1 . 391 

çott entre osMooroe , elez ettín dln la^s 
maraviiiias ^ue fei eípaotD.; e coitando 
mui&as ao a4aidar\^ o achii^am ferida» em 
meio dos inimigos , fxzcnào tamajtho eí^ 
tnago , como kum leão magoado ; e dâo- 
do de reírefco nos Mouros , 4» puzeram 
em desbarato. O Capitão Mór .chegou a 
Simão de Brito « iqiie hia entrando apâs 
os iiiimigois , que Sé recoiiiéram pelas ca- 
ías, '«apôs os quaes entraram 06 naíTos, e 
mettéram á eípada mulheres, e meninos, e 
toda a coufa viva x]ue acharam : alguns iCe 
recolheram em humas caías de terrado, a- 
pSs os quaes foi hum íbldado ; e diegan-> 
do á porta , metteo a cabeça de dentro, 
•c hum delles lhe àeo com hum traçado ta- 
isiaoiía cutilada pelo rofto de meio â meio , 
t]ue lhe deitou os queixos em baixo , ao 
t^ut elle acudio com zs mãos ao6 ajuntar , 
e [e foi recolhendo f)era Simão ife Brio»., 
tpte em extremo fencio veLlo daqudla ma- 
neira , porque vinha nxuito disfbriBe ; e £i- 
i^ndo delie onde lhe fizeram jaaafliUo , acu- 
dio lá com hum godpe deitbldados, ^e com- 
tnettêram as caías ^ trabalhando pelas en- 
^trar; mas os Mouros lhas defenderam com 

fraode* valor, e erforço. Veado Simão de 
rito aquillo , mandou trazer ^eácadas , qiie 
ie encoááram aos temidos ; e Aibindo em 
£ma alguns dos sioiTos com picóes , fizeram 

bu« 



Digitized by VjOOQIC 



59*^ ÁSIA DE DicMSo db Couto 

buracos pêra baixo , por onde lhe lançaram 
tantas panelas de pólvora , que abrazáram 
todos o Moaros ^ íem ^fcapar hum fò ; e 
porque não houveíTe outro deíaftre , como 
o daquçlle foldado , parque havia muitos 
Mouros mettidos pelas cafas , mandou o 
Capitão Mór dar togo á Cidade , o qual 
fe ateou tão bravamente , que arderam a 
mór parte das cafas com toda a gente , e 
fazendas que nellas havia. Osfoldados cor 
meçárani a faquear , depois do fogo acabai^ 
do , e ainda acharam algumas coufas de 
fubftancia com que fe recolheram: a Cicia? 
de ficou toda deferta , e abrazada , e fe 
affirmou que morreram dentro nella duas 
mil peíToas , a fora muitas que fe cativar 
ram : o Capitão Mór defcançou aquelle 
dia , e ao outro tornou a defembarcar, e 
mandou talhar os palmares, e fazendas que 
havia de redor da Cidade , que era xoufa 

grande , porque durou iíto por efpaço de 
ez dias contínuos , nos quaes fizeram os 
noíTos grandes eftragos , e fd de palmeiras 
talháragi dez mil , e além díílo mandou 
queimai* huma ndo , e quinze , ou vinte 
embarcações , que eftavam no porto ; çdei^ 
xando tudo feito em pó , e cinza i • embaiv 
cáramtfe- todos , fem fe perderem na jorr 
liada mais de quatro homens , ainda que 
houve dcrredqr de oitenta feridos que não 

per 



Digitized by VjOOQIC 



Década X, Ca?.' I. ' 393 

férigáram. Dalli fe paíTou toda a Armada 
Cidade de Patê, onde furgio; e aquelle 
Rey maniou logo vifitar . o Capitão Mòr 
com grandes defculpas , efatisfaçôes, di-t 
zendo que nunca fe apartara do ferviço de 
ElRey de Portugal , cujo vaíTàilo era ; e 
aue íe algum trato tivera com os Turcos ^ 
fora por remir fua avezaçâo. O Capitão 
recebeo as defculpas , e lhe concedeo per- 
dão , <e pazes , e o fez váífaiio com cem 
cinizados de páreas cada anno, e elle paP 
fou diífo Carta. Daiii fe foi á Cidade, de 
Lamo y cujo Key era mais culpado , por^ 
que foi o que entregou Roque de Brito , 
o qual por ter já fabido d:o caftigo de Am<4 
paza , tinha defpejada a 'Cidade , e eftaya 
recolhido no certâo , porque não quiz e& 
perar a fúria dos Portuguezes. Tinha efte 
tvranno tomado aquelie Revno a huma 
Senhora , que fora mulher ao Rey palía^r 
do , e ficara por morte do marido de pof* 
fe doReyno, e vivia privadamente em hu- 
ma aldeia apartada, a qual fabendo avinda 
do Capitão Mór , o mandou viiltar , e dar^ 
lhe conta de fuás coufas , e a pedir-lhe que 
a ouvifle de fua juftiça, e lha fizeífe, poi» 
era mulher, c fempre em quanto governa-» 
ra fora fervidora de ElRey de Portugual , 
e muito grande amiga dos Portuguezes. O 
Capitãp a mandou cooíblâ^,. e Jhe deo. fe^ 



Digitized by VjOOQIC 



394 ÁSIA DB Diooo xm Couto. 

Eiro pêra fe ir rer com dle , affinnando- 
e que lhe fana jufliça , e affim eíperas 
aa Una de Lamo , com toda a gente da 
Anmada pc^ em armas ; e qnaado etta 
paflau o rio da ontra banda , a fbi receber 
a borda delle y e lhe fez muitas honns , e 
a lerou pêra humas calas , que pêra iflb 
tinha concertadas : alli preíeatts todos os 
Capitães a ouvio , e elia lhe deo conca de 
inas ooofas muito particnlarmeote , c d^ 
pms lhe pedio que a reftitmfle a feu cfta- 
do , pois o tyranno qne lho tomara , fora 
tmidor ao ferviçò de ElBLejr de Pormgal , 
e «dia fcmpre íè siioftrára muito leal em 
todas as couíàs : o Capítáo a confolon , e 
a delzoa aUi apofeatada naqoeUas caías ; e 
lomamdo informa^ do caio por pefloas 
qae alli acudiram á obediência , ibabe que 
eUa fallava verdade , e qsie tinha juftiça ; 
? mandando icguro aos Regedores , e pnn« 
(ãpaes da Cidade ^ prefentes eUes , e a 
Çm aprazhnentò , a cornou a metter de 
pofle do Re^no , e dep fen tença contra o 
aietantado^ emqoe o declarou ]K>r traidor 
contra á Coraa de. Portugal , cojo vaflallo 
era ^ e que perdeíle todos os íeus bcns^ 
DxAo fe fizeram autos , e papeis^ e a Rai« 
nha juniu dé fer íètnpre ád Taflalla de 
£1R^ de iPontugal por ii^ e fyor iodos os 
Regedores ^ e Grandes do .Refno 9 e liie 
• \j poz 



Digitized by VjOOQIC 



Dbcada X. Ca?. L 39; 

vot de partas cem cruzados cada anno» 
Feitas eftas coufas , defpedio-fe da Rainha ^ 
c foi-fe pêra Melindc , onde fe vio coin 
at}i3elle Kcy , oue lhe fez graildes receba 
mentos , e elle lhe deo da parte de ElRejr 
os agradecimentos de fua muita lealdade , 
e lhe aprefentoD as cartas que o Vifo-Rey 
lhe mandava cheias de honras , e algumas 
peças , e brincos curiofos. Aqui ne&si Cl'* 
daae fe deteve alguns dias , nos oiiaes foi 
fempre muito bem fervido daqueíle Kej , 
que fabendo aue havia de paílàr a Mom* 
baça , fe lhe oírereceo pêra o acompanhar ^ 
o que lhe o Capitão Mór acoeitou pela 
vontade que Ihç fentío , e porque com dl-» 
le faria todas as coufas melhor ; e pêra 
fua paííagem lhe deo huma fufta muito 
bera concertada , e elle mandou negociar^ 
alguns pangaios pêra a fua geate. Aqui 
chegou huma itifia y de que era Capitão 
Miguel Coelho , que o Vilb-Rey mandou 
com cartas a Martim AíFonfo j nas quaes^ 
lhe maodou que cotno acabaífe o negocio 
da cofta , fofle invernar a Ormuz , pêra faw 
voreçer as coufas de ElRey da Penia conv 
tra o Tiirco , porque poderia fcr que^en* 
do.eUes lá aquella Armada , acudiifem 4 
Baçorá, edeixaíTem aempneza daPerfia, o 
que Martim Affbnfo eíHmou tnuito , e déo 
preíE» 4 fqa partida pêra Monâjbaça ; e. áe^ 

pois 



Digitized by VjOOQIC 



39^ ÁSIA DE DfOGo DB Couto 

Íois de preftes , e negociado tudo , deram 
vela pela coda abaixo até chegarem a 
Mombaça , onde furgíram da banda de fo- 
ra , pêra o Capítáo Mór tomar faila da ter- 
ra , e faber o modo de como a Cidade ef- 
tava fortificada. Elftey de Idombaça efta- 
vafobre avifo , porque tinha novas do 
caftigo de Ampaza ; e temerofo de outro 
tal, fortificou muito bem a fua Cidade, e 
£e proveo de todas as coufas neceíTarias, 
e dentro na Cidade tinha perto defere mii 
homens com muitas efpingardas, e armas, 
com o que eftava tâo confiado , que lhe não 
deo da Armada. O Capitão Mór defcan- 
çou aquelle dia, e ao outro tomou parecer 
com EIRey de Melinde , e com os Mou- 
ros principaes de fua cafa , e com os Capi* 
taeis da Armada o modo que teria na def- 
embarcação, e commettimento da Cidade ^ 
e depois de praticado tudo muito bem, 
vieram a rcfumir-fe , que. fe aquelle Rey 
déíTe de fi grandes fatisfaçòes , fe lhe ac* 
ceitaífem ; e que quando náo , fe commet^ 
teife a Cidade com todo o poder junto, 
e que (e deílruiífe de todo. Com iílo man- 
dou o Capitão Mór fazer preftes as coufas 
neceífarias , e deo a ordem aos Capitães 
do que haviam de fazer , e ao outro dia 
foi entrando a barra com toda a Armada; 
o paliando por dous baluartes pequenos ^ 

que 



Digitized by VjOOQiC 



Década X. Cap. L 397 

que tinha logo á entrada , indo pegado com 
a terra nas fuftas de Sebaftiâo Bugalho , e 
de feu Irmão , vendo que delles lhe atira- 
vam algumas bombardadas , faltaram em 
terra , e remettêram com os baluartes , 08 
quaes logo entraram, fem acharem dentro 
alguma peíToa ; porque, os Mouros tanto 
que difparáram as bombardadas , e que ví^ 
ram faltar os nolTos em terra , logo os lar- 
garam , e fe acolheram pêra a Cidade ; e 
não achando quem lho impediíTe , embar- 
caram os dous irmãos as bombardinhas dos 
baluartes, e fe foram pêra o Capitão Mór, 

3ue furgio com toda a Armada defronte 
a Cidade, onde logo foi vilitado da par- 
te de ElRey , e lhe mandou pedir licença 
pêra fe ir ver com elle, e dar-lhe fuás fa- 
tisfaç6es. O Capitão Mór lha concedeo, 
e ficou efperãndo por elle aquelle dia , e 
o outro , fem elle vir , mais que querer de 
recado em recado ir entretendo o Capitão 
Mór , em quanto defpejava a Ilha , e fe 
paífou a terra firme ; porque tanto que vio 
a Armada, mudou confelno, eaífentou de 
não efperar os noíFos , nem quiz ficar á 
corte/ia do Capitão Mór pela culpa que 
em fi fentio, Martim Affonfo foi logo avi- 
fado do defpejo da Cidade , e fem aguar- 
dar mais , defembarcou com toda a gente , 
e commetteo a Qdade^ a qual entrou fem> 

achar 



Digitized by VjOOQIC 



398 A S IA DE Diogo de Covro 

achar reíiftencia y q mandou que fe lhe pif* 
'/eíTe fogo por algumas partes , o qual fe 
ateou com grande braveza ^ mas nem por 
iflb deixaram os Toldados de dar buica ás 
cafaSy onde ainda acharam algumas couías , 
como roupas^ marfim, e outras fazendas, 
de que alguns ficaram ricos : o Capitão 
Mór mandou derrubar os Paços deElKey, 
e cortar todas as hortas , e fazendas que 
na Uha havia , que eram mpitas , e muito 
importantes. 

CAPITULO 11. 

Dofoccorto ffM€ ú Alferes Mór mandou à 
cofia de melinde : e do que mais acoute^ 
ceo a Mariim Affonfo em Mombaça : e 
de como foi alli dar a ndo Salvador def- 
troçada , e perdida : e de como Mariim 
JIffonfo a levou a Ormuz , e elle foi com 
Armada ao Efireito de Baçord ^ ^ fa^ 
leceo de doença : e de como fe começou a 
Fortaleza de Mafcate. 

AS noras da checada da Armada aMe^ 
linde correram logo a Moçambique, 
ande cftava o Alferes Mòr D. Jorge de 
Menezes por Capitão , o qual como zelofo 
do ferviço de ÈlRey , mandou negociar 
dotis pangaios y em que mandou embarcar 



Digitized by VjOOQIC 



■ 1 ii^l^ - ■■ 



DfcADA X. Cap. IL J99 

a mór parte dos Toldados que alli ficaram 
da náo S. Filippe , que era gente muito 
liaipa , aos quaes deo feus mantimentos , 
como fez todo o inrerno. Eftes pan^aios 
foram tèr a Mombaça , e Martim Aftonfo 
de Mello repartio aquelles Toldados pelas 
fufias , e galés ^ que foi huma muito boa 
comjpanhia , e no mefmo tempo defpedio 
o Alferes Mór hum Galeoto íeu , de que 
fez Capitão hum Jorge Corrêa , pcra levar 
á índia o Padre Nuno Rodrigues da Com- 
panhia y e os JapÒes que foram a Roma ^ 
e efcreveo ao Vifo-R^ todas as novas da 
Cofta , e o que por ella tinha feito Mar* 
tim Affonío. Efte navio partio a lo. de 
Março ; e por achar grandes calmarias ^ 
pez oitenta dias no caminho até á barra 
de Goa, aonde chegaram por fim de Maio. 
Martim Affbnfo, depois de deílruir a G- 
dade de Mombaça , deixou-fe ficar alli vin^ 
te dias pêra prover em muitas coufas da^ 
quella Ilha , eftando ElRey fempre da ou- 
tra banda da terra firme vendo o incêndio , 
e deftruiçao de fua Cidade ;. e depois que 
TÍo aquellas lavaredas , fe arfependeo bem 
do erro que tinha commettido contra o fer- 
vido de ElRey de Portugal ", debaixo de 
CUJO amparo , e favor aquella cofta efteve 
tantos anncfS , fem ninguém avexar aqaei^ 
ks Reys, e Senhores, como os Turcos &* 

ze- 



Digitized by VjOOQIC 



400 ÁSIA DE Diogo de CòtrTO 

zeram de huma fó vez que allí tocaram} 
c cahindo na conta , mandou com grande 
humildade pedir ao Capitão Mór que lhe 
perdoaíTe a culpa que tinha commettido, 
da qual eílava mui bem caíUgado , e que 
houveíTe por bem de o tornar a receber á 
graça , e vaíFallagem de ElRej de PortU'* 
gal , como de antes , . porque eftava muito 
preftes pêra obedecer , e fervir em tuda 
o que Ine mandaíTem ; e que fe houveíTe 
por fatisfeito de tantos damnos , dos quaes 
muitos annos ficariam os finaes naquells 
Ilha , e tomou por terceiro a ElRe7 de 
Melinde , a quem efcreveo huma carta 
muito piedofa. O Capitão Mór pox aqueL-* 
las coufas em Confelho ; e aíTentou-fe que 
pois elle moftrava tamanho arrependimeo-- 
to , e promettia tamanhas fatistações , e 
fobre tudo eftaya baftantemente caftigado, 
que lhe acceitaíTe fua razão , porque era 
melhor fazer do ladrão fiel , que deixallo 
aílim efcandalizado , pêra fe os Turcos tor-» 
naíTem áquella cofta , recolhellos com me- 
lhor vontade , e cumprir com elles o que 
lhe tinha promettido , que era dar-lhe For- 
taleza naquella Ilha , que o bem era tor- 
nallo a receber á graça y e fazello de no- 
vo vaíTallo com o tributo mie foffe honef' 
to ; e porque ElRey de MeMnde tratou 
tão bem aqudle negocio por parte daquela' 

le 



Digitized by VLjOOQIC 



Década X. Cap. 11: 401 

Ití Rejr, Ihi deo o Capitão Mór a entender 

3ue por lhe fa^ier ferviço o ouviria , per^^ 
oaria , e tornaria a receber na grande Si>* 
bre iíto correram tantos recados ^ fem sf 
queile Re/ chegar á razão , que depois de 
haver vinte diaâ que alli eftavam , deMio 
do óegocio j e tratou de fe ir pêra Ormuz } 
c porque era necelTario avilar aoVifo-Rey 
de todas aquellas couías , lhas efcreveo 
niuito largo ^ e defpedio Miguel Coelho 
«m o feu navio com as cartas 5 e lhe deo 
a cabeça de ElRey Eftombel de Ampaza^ 
que levou falgada pêra lha aprefentàn Par- 
tido efte navio ^ logo o Capitão Mór fel 
embarcou ; e eftando pêra dar á vela , ehe- 
gbu ááuella bahia a náo Salvador da Ar<f 
mada ae D. Jeronymo Coutinho y da auàí 
€ra Capitão Miguel de Abreu , itiui deuro^ 
^da, desbaratada , e com muitas aguas ^ 
que fe lhe abriram com os tempos rijos ^ 
que achou antes de chegar aoCabo da Boa 
Éfperança) donde arribou; e por não poder 
tomar Moçambique , foi paíTando de longo 
a bufcar alguma terra daquella cofta, ondat 
pudeílem falvaf-fe , porque o feu intento 
era vararem nella } porque com os traba<« 
lhos , e infortúnios niam tae9 os homens | 
que de não poderem já mais j determina- 
vam falvar as pelToas ^ guc da náo , neta 
das fazendas ninguém fazia c!onta ; mz% 
Couto.Tom.Ft.F*Ií. Ce quiz 



Digitized by VjOOQIC 



J\p^ ÁSIA DE DioQo DB Coxrro 

quiz Deos noflfo Senhor encaminhalla alli 
áquelle tempo , onde achafle o remédio pe* 
ra fe não perder tudo ; o que fe tardara 
mais dous dias , não fó perderam náo , e fa* 
tendas , mas ainda as vidas ; porque áquel- 
le Rey , que eftava efcandalizado , não ha* 
via de perdoar a nenhum. Martim Afibnfo 
de Mello em vendo a náo , foi-fe a ella , 
e achou os homens todos tão pafmados , e 
debilitados , oue paredão já mortos. Sa« 
bendo do trabalho que paíTáram , e do pro- 
poíito em que hiam de vararem em terra , 
os confolou 5 e quietou , e fez tornar de 
bom animo , oíFerecendo-fe pêra lhes falvar 
as peíloas, c náo, a qual tez logo furgir, 
e Ihemetteo dentro muitos marinheiros da 
Armada pêra darem ás bombas ; e por mui« 
to que trabalharam , não puderam vencer 
a agua ; mas todavia foram fuftentando-a 
Bo eftado em que hia , que era mais de 
dez palmos de agua ; é entendendo Mar- 
tim Àffonfo que íe deixaíTe aquella náo por 
aquella cóíla, forçado fe perderia, e ficava 
arriícada toda aquella fazenda , gente , e 
artilheria a vir a poder de inimigos , e 
perder-fe tudo , houve que feria grande fer- 
viço de Deos , e de ElRey levar aquella 
iiáo a Ormuz , aonde íe poderia negociar , e 
concertar , pêra poder fazer fua viagem ; 
eque quando não eitiveíFe pêra iflb jâ , ao 

me- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X* Cai»* ÍÍ. 405 

tnètloâ fe não perderia de toda a náò huinà 
fó taboa j c praticando ifto com ò Capi^ 
tão j e officiaes ^ oflFereceo^fe aòô acom<« 
panhar com toda aquella Armada , e quê 
elle tomaria a náo á fua conta ; e fe foífò 
iieceflario metter-fe elle êm peíToa dentro ^ 
o faria , e que pêra as bombas revelaria os 
marinlieiros de toda aquella Ai*mada 3 e 
ainda os Capitães , e foldados aos dias até 
Ormuz 5 onde teriam o remédio mais cfer* 
to 5 e fe llie poria toda a diligencia nd 
concerto dá náo pêra poderem tornar áfuâ 
viagem \ e quailao não , que falvariam as 
fazendas , e a6 vidas , de que tão defconfia-> 
dos eftavam j e com eftes offerecimentos 
lhe mandou também fazer feus proteftos ^ 
nos quaes dizia tudo o que fe tinha offe^ 
recido , e que elles dariam conta a EIRey 
daqueila náo , e ás partes de toda a faíeiv^ 
da que nella hia. Tanto trabalhou íieíle 
negocio ) que os rendco , e tirou do pro^ 
põfito em que hiam , ainda que contt-a von-» 
tade dos mais ; poixjue era ò medo que 
traziam tamanho j que defejavam de pòt 
os pés em teria ^ é deixar a náo com todo 
o feu recheio* Tranftornadôs difto, chegá^ 
ram a Melihde, aonde EIRey proveo' todi 
a Armada de refrefco, e carnes emabáftan-* 

S} e defpedidos delle, deram á vela pêra 
rmuz y tomando o Capitão Mór tanto i 
Ce li náo 



Digitized by VjOOQIC 



404 ÁSIA DE Diogo de Couto 

náo á fua conta , que fe não affaílou nunca 
dèlla bum tiro de pedra , levando-a fem^ 
pre rodeada de todos os navios , por cujos 
Capitães repartio aos dias o trabalho das 
bombas, os quaes quando lhe cabiam y fe 
fnettiam em a náo com a mor parte dos 
marinheiros , Toldados , e efcravos , e aíEm 
traballiáram , que. foram fuftentando a náo 
muito bem ; e chegando a Socotorá, fur- 
giram com a náo em meio , e fizeram to« 
dos aguada , e tomaram refrefco , e dalli 
defpedio o Capitão Mór dous navios , de 
que eram Capitães Mattheus ^Mendes de 
Vafconcellos , e outro com as cartas pêra 
ElRey de Caxem de grandes ofFerecimen- 
tos , por fer muito amigo do Eílado , pe« 
dindo-lhe que lhe mandaíTe novas do ef- 
treito y e fe fe negoceavam Galés nelle , e do 
que fe dizia pela terra; edeo por regimen^ 
to áquelles Capitães que foíTem efperar a 
Ormgz. Eíles navios cnegáram a Caxem , e 
os Capitães fe viram com aquelle Rey, e 
lhe deram as cartas , e perguntaram por 
novas , e delle fouberam fazer-fe preíles o 
Mi» a Alebec com quatro Galés , que cor* 
ria fama ferem pêra a cofta de Meiinde, 
e que fem dúvida no verão feguinte iria 
fazer Fortaleza em Mombaça, como eftava 
concertado com aquelle Rejr ; e fabendo 
dle as novas do que Martim Affbnfo tinha 
". . fei- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X, Cap. II. 40^ 

feito na cofta, e dos caftigos que dera áos 
Rcbeis, eftimou-as muito, e Iheefcreveo o 
gofto que difto recebera , e o que corria 
pela terra y e a voltas diíTo muitos cum- 
primentos , dizendo que era vaflallo , e fer- 
vidor de ÉlRey de Portugal, e que por tal 
merecia de feus Capitães todas as honras 
que IhefizeíTem, eque elle recebera aquel- 
la villtaçâo por huma das maiores da vida ; 
c provendo-fe os navios de muitos refref- 
cos , que ElRey lhes mandou dar , fizeram 
véla pêra Ormuz , e na cofta da Arábia en« 
contráram duas Gelvas do eftreito , as quaes 
tomaram , e a gente delias mettida á efpa* 
da, e as fazendas recolhidas em os navios 
as deixaram, e fizeram fua derrota; e che- 
gando á aguada de Teive , acharam junta 
toda a Armada com a náo , a qual o Ca- 
pitão Móp vifitava todos os dias pêra ver 
o eftado em que eftava , e como todos tra- 
balhavam; e dando cartas , c as novas ao 
Capitão Mór, fentio-as muito, porque en- 
tendeo que fe lhe não atalhavam , rorçado 
jnetteriam o pé naquella cofta , e fariam 
Fortaleza em Mombaça , fegundo aquelle 
Key ficava efcandalizado. Dalli partio a 
Armada , e chegou a Ormuz , e a náo do 
Reyno defcarregou fuás fazendas ; e por 
aífentarem os offíciaes que não eftava pe- 
ia poder fazer viagem^ ordenou João Go« 

mes 



Digitized by VjOOQIC 



4o6 ÁSIA DE Diogo db Couto 

ines da Silva , Capir^p dacjuella Fortaleza ; 
4e mandar hum^ náo por fua conta ao 
Reyno , e çomprqu huma muito fermofa , 

Sue ^lli eftava , que era de hucn António 
erreira de B^çaim , a qual fe chamava 
NoíTa Senhora do Rofario , ç fe negociou 
muito bem , e em Novembro feguintç fe 
fez á yéla com a carga d^ náo Salvador, 
ç con) 09 mefmos oíHciaes j e por achar 
também çontraftes no Cabp da Boa Efpe* 
rança ^ tornou a arribar a Moçambique , 
aonde eíleve p inverno de ij88« e no mez 
de. Dezembro féguinte parrio pêra o Rey-r 
no y aonde chegou ^ e foi tomar Peniche 
em Maio de i5'o9, e fabendo-fe as novas 
em Lisboa, mandou o Cardeal Alberto as 
Galés , e muitas bar-cas pefcadeiras pêra q 
mettercm dentro, como fizeraip; enâo ha- 
vendo vinte e quatro horas que tinha en-t 
trado , appareceo aquella grande Armada 
Ingleza , em oue vinha o Prior do Crato , 
da qual Deos NoíFp Senhor a liyroq mila-r 

froíamente ; e depois de furta defronte dos 
açQS , mandou o Cardeal metter nella An^ 
tonio de Abreu e Soufa , que tinha anda-f 
do alguns annos na índia pêra a defender ^ 
(e os Inglezes entraífem dentro* 

Martim A^onfo de Mello , depois de 
defçançar algpns dias , proveo de novo a 
(uà Armada ^ ç com ella fe jo^rtip pêra c| 



Digitized by VjOOQIC 

- : ^ J 



Década X. Cap. II. 407 

eftreito , como lhe o Vifo-Rey manejou, 
pêra que foubeíTem os Turcos que andava 
elle por alli; e eftando na Ilha de Quexu- 
me, adoeceo elle de humas febres , pelq 
que lhe foi forçado recolher-fe a Ormuz , 
e deixou por Capitão Mór de todos os na- 
vios de remo a Diogo Nunes Pedrofo , que 
era Feitor da Armada. Em Ormuz creícê* 
ram as febres a Martim ÁíFonfo de feição 
que em ílnco dias faleceo, e foi enterrado 
em NoíTa Senhora da Efperança com mui- 
to fentimento de todos, por fer muito bom 
Fidalgo. Foi filho do Abbade de Pombeif 
ro , e cafado na índia com Dona Violante 
da Cofta, filha de Simão da Cofta, avalea- 
dor da Alfandega de Ormuz , que fervio 
muitos annos o cargo de Veador da Fa- 
zenda, homem muito honrado , e de boa 
peíToa : teve de fua mulher hum filho , cha- 
mado Gafpar de Mello , a que ElRey deo 
pelos ferviços de feu Pai a Capitania de 
Chaul : teve mais duas filhas, numa cha^ 
mada Dona Maria de Mello , cafada com 
D.Francifco Mafcarenhas , filho de D. Fer- 
nando Mafcarenhas de Santarém , a qual 
elle mandou pêra o Reyno em companhia 
de feu irmão D. Vafco Mafcarenhas, e no 
mar defappareceo a náo em que hia : a ou- 
tra filha fe chama Dona Branca , que efti 
cafada em Bacaim com D. Francifco Tello > 

fi- 



Digitized by VjOOQIC 



4oS A SI A DE Diogo de Couto 

filho de D. Roque Teilo. A Armada de 
Martim AíFonfo andou no eftreito até Se-» 
tembro , porque fe aíTenrou Ibr aflim nc* 
ceíTario , tanto pêra favorecer os vaflallos 
de EIRey da Perfia , quanto por tirar os 
Ibldados de Ormuz , por não haver brigas , 
c defmanchos , e em Setembro fe foi pêra 
Ormuz ; e Simão da Coda , fogro de Mar- 
tim Affonfp , tomou entrega da Armada , 
e fe embarcou nella pêra Goa , aonde che- 
gou em Outubro. 

Belchior Calaça , tanto que chegou a 
Ormuz , começou a correr com as coufas 
pêra a Fortaleza de Mafcate , conforme ao 
tegimento que levava ; e dando-lhe o Ca* 
pitão todo o aviamento , partio-fe pêra 
Mafcate , e começou a pôr as mãos na 
obra da Fortaleza no próprio lugar em que 
efteve a antiga, e lhe poz o nome S. João ^ 
e a acabou em Aia perfeição , e a proveo 
de artilheria, e fez clfterna capaz de recot 
Iher agua pêra toda a gente , e per^ mu|« 
to tempq, 



CA- 

Digitized by VjOOQIC 

J 



Década X. Cap. IIT. 40^ 

CAPITULO HL 

Do que tjie anno aconteceo na Perfia : e 
de como Abax Mirza prendeo ElRey feu 
Pai , e os irmãos , e fe fez Rey : e de 
como os Husbeques entraram na Provin^ 
cia de Cohoraçone. 

QUando o anno paífado dêmos conta 
das coufas fuccedidas na Períia^ e da^ 
morte do Príncipe Amirhazem , dei- 
scámos aquellas coufas em alguns Grandea 
do Rcyno pertenderem fazer Rey a Tho- 
xnaz , iilho mais moço de ElRey , que fe- 
ria de idade de oito annos , fazendo conta 
de Abax Mirza , que eftava no Cohoraço- 
ne , a quem o Reyno pertencia , porque o 
tinham por muito valerofo , e que lhe não 
havia de confentir terem tanta parte no 
governo daquelle Reyno , como elles per- 
tendiam ter , fendo Rey o Thamaz , que 
era menino , havendo Aligolicham , e If* 
maelchan, que eram as peíToas principaes 
entre todos , que depois da morte de El- 
Rey , que era muito velho , lhe ficaria o 
moço debaixo da fua Tutoria , com cuja 
cAr elles governariam abfolutamente tudo. 
Deftas coufas foi logo avifado Abaz Mir- 
za no Cohoraçone por Cartas de outros > 
^UQ defejayam de 6lj[e fer Rey , o qual lo* 

go 



Digitized by VjOOQIC 



4IO. ÁSIA DE biOQo DB Couto 

go fe carteou com Mahamcde Chan , Go- 
vernador de Caxam , de quem quiz fiar 
aquelle negocio por obrigações que lhe ti- 
nna , e lhe defcubrio como pertendia fa- 
zer-fe Rey da Perfia , e prender a feu pai , 
rogando-ihe que eftiveíle preftes com a mais 
gente que pudeííe , e que tomaíTe logo fua 
voz , porque já hia pelo caminho ; e pro- 
vendo as Cidades de Heri , Maxat , e ou- 
tras de guarnições por cauía dos Husbe- 
quês feus vizinhos y de quem fe receava ^ 
por haver por novas que eftâvam carteai 
dos com os Turcos pêra contra a Períia ; 
e ajuntando a mais gente que pode , foi 
caminhando com tenção de dar logo no 
pai , e o prender. Mahamede Chan y tanto 
que lhe deram as Cartas do Príncipe , logo 
tomou voz por elle , e o appeilidou Rey 
da Perfia y e fe fortificou na Cidade de 
Caxam, que era muito forte. Ifto chegou 
logo a Eikey , que o fentio muito ; e jun« 
tando fuás gentes , fahio eip peíFoa de Caf- 
bi ^ e foi cercar Maliamede , e lhe deo 
muito afperos combates , dos quaes fe elle 
defendeo com muito valor , confiado em 
não tardar nada o Principe , o qual tanto 
que entrou pela Perfia , e que foube eftar 
ElRey fobre Caxam , deo volta , e foi-fe 
metter em Casbi , e fe apoderou dos pa** 
ços y e thefouros do pai y e logo lhe acu* 

dí- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. HL '• 41X 

dirâm muitos de fua valia , com quem já 
cftava carteado , e ajuntou hum arrazoado 
exercito pêra ir foccorrer Caxam. Eílas no- 
vas correram logo a ElRey , com as quaes 
os Grandes , que tinham outra pertençao, 
ficaram atalhados, e perfuadíram a ElRey 
que caftigafle aquillo, e acudiíTe logo com 
todo o poder ; e tanto fizerao nefte nego- 
cio , que o fizeram alevantar de fobre Ca- 
xam ; e checando á Cidade de Cucí fete 
dias de caminho de Casbi , deixou^fe alli 
ficar , e defpedio o exercito com todos os 
Capitães , pêra que lhe foíTem trazer o fi- 
lho, CJiegados todos a Casbi , aíTentárao o 
feu exercito fora ; e fabendo do modo de 
como o Principç eftava fortificado , e pro- 
vido de gente , determinaram de o haver. 
^ ás mãos por manha , e aílim lhe manda- 
ram, recado como eram alli chegados pêra 
lhe darem obediência , e o alevantarem por 
Rey , por feu pai aflim o mandar , porque 
por velho , cego , e enfermo não eftava ji 
pêra tamanha carga, como o governo da-» 
quelles Reynos , c mais em tempo que era 
neceíTario humRey moço de animo, como 
elle tinha , pêra le oppôr ao Turco , que 
tamanha fede moftrava daquelle Império : 

3ue fe foíTe pêra elles pêra o levarem 
iante de feu pai , e lhe fazerem as cere- 
pionis^s 9ÇQ](um<(4as na Porfia ;^ porque feus. 

vaf- 



\ 

Digitized by VjOOQIC 



411 A SI A DE Diogo de Couto 

▼aíTallos xrom mór gofto o recebeíTem l e 
ièryifletn > fabendo que feu pai renuncia^ 
ya nellc os Eftados , e dífto grandes pro- 
mettimentos pêra o acolherem ás mãos , e 
matarem-no logo , fem o pai faber, pêra 
aíEm ficar fua ryrannia mais livre. Nlo fal* 
tou quem aviíaíFe o Príncipe de todas a- 
quellas coufas ; porque fe ilio não fora , o 
ardil dos Capitães era diabólico , e de que 
o Príncipe táo pudera fugir ; e vendo as 
invenções que com elle queriam ufar , quiz 
também por outros havelios ás mãos ; e 
pêra vir ao eíFeito do que logo imaginou, 
mandou dizer áquelles Capitães , que elle 
não queria o nome de Rey , em quanto 
feu pai foíTe vivo ; mas pois queria defcar- 
regar fobre elle o pezo do Império , que 
elle o acceitaria com nome de Governador 
pêra com elle juntamente governar , e .aju- 
dar a defender aquelle Rey no ; mas que 
por fima difto como a elles Sultões pare- 
cia bem que elle acceitaíTe o que o pai 
lhe oíFerecia , que foffe hum delíes ver-fe 
com elle pêra aífentarem o modo que nif- 
fo havia de ter , e que depois de pratica- 
do fe met teriam em fuás mãos , pêra que 
fizeífem o que feu pai ordenava, Uada ef- 
ta refpoíba aos SultÓes , houveram o feu 
negocio por acabado ; e pêra fegurarem 
mais o Príncipe, foram a elle Aligelichao , 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. III. 413 

e Ifmaelchan , que eram os principaes dl 
conjuração , pêra que vendo cUes aquellà 
facilidade , fe íiar depois delles ; e entran^ 
do em Casbi, foram aos paços, c fe apre- 
fentáram diante do Príncipe j e como ellc 
tinha já imaginado o que havia de fazer, 
os recolheo em huma camera , e lhes fez 
efcrever cartas a outrois dous Sultões mais 
principaes , nas quaes lhes diziam que ti- 
nham feito o negocio que defejavam , que 
relevava muito irem lá pêra q acabarem 
de arrematar. Os Sultões em lhes dando 
as cartas , logo fe foram a Casbi : o Prin^ 
cipe os recolheo em outra cafa , e fez ef- 
• crever afllm a eftes , como aos outros ou- 
tras cartas aos outros dous , em que os 
mandavam chamar , e por efia maneira a^ 
carretou dezoito Sultões , em que eftava 
a força do exercito do pai , e a todos 
mandou cortar a cabeça , e os corpos man** 
dou metter em faccos cozidos , e os fez 
levar ao arraial de prefente aos mais Sul- 
tões , e com elles foram alguns pregoeiros > 
^ue por todo o arraial andaram apregoan* 
ào Abaz Mirza por Rey , e que todo o 
que por iflb o nao conheceflc , feria logo 
morto , e efpedaçado com fua mulher , e 
£lhos , e fuás fazendas perdidas. Tanto que 
no exercito fe viram aquelles corpos , e 
ouviram a graveza dos pregões , ajuntado* 

fe 



Digitized by LjOOQIC 



4t4 ASIÂ t>E Diogo bs Cotrro 

íe todos os SultÓes , houveram entre (i con^ 
felho , e aíleniárain obedecer ao Príncipe , 
poroue por derradeiro havia de herdar a- 
quelle Reyno , e deoois fe j>oderia fatisfà^ 
zer de todos. Refolutos niíto , lhe mandá^ 
ram a obediência pelos principaes , e o 
alevantáram por Rey com as ceremonias 
acoftumadas naquelle Reyno , e elle tomou 
poíTe logo do Exercito. Tanto que ifto 
chegou a ElRey na Cidade de Cuba ^ aon^ 
de eílara , receando-fe que o filho o cui^ 
2eíre matar , largou tudo , e foi^fe a Cas-^ 
bi com dous filhos que tinha o Thamaz 
Mirza y que os outros queriam alevantar 
por Rey , e Abei Falop Mirza , que eram 
meninos; e entrando pelos Paços, aprefen^ 
tou-fe ao filho com os outros pela mâo, 
c huma efpada pendurada ao pefcoço de 
liuma touca , e lhe diíTe , que alli fe lhe 
ofiFerecia, que fe o qulzeíTe matar 5 que al^ 
li trazia pêra iíFo aquella efpada; mas que 
lhe alembrava que era feu pai y velho , e 
doente , e que não tinha de que fe temer 
delle j nem daquelles irmáos meninos 5 que 
eram innoccntes em tudo , os quaes elle 
lhe encommendava muito. Abaz Mirza 
vendo o velho pai daquella maneira y dei-' 
tou-fe pelo chão , e o alevantou com mui-' 
ta humildade, dizendo-lhe que elle era fett 
pai , e feu fenhor , que nunca Deos qui« 

zef- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. III. 415^ 

«eíTe que em quanto foíle vivo , clle fe ap^ 
pellidaffe Rey ; mas que por fer velho , e 
canfado , e fem difpoíição pêra os traba- 
lhos daquelle Império > acudiria a lho aju- 
dar a governar , e atalhar a tyrannia que os 
Sultões mortos lhe queriam ordenar ; que 
elle dalli por diante tomava fobre fi a de- 
fensão daquelle Reyno , que defcançaíTe 
elle , e fe foíTe pêra a Cidade de Cacala 
( que era muito rrefca , e féis dias de ca- 
minho de Casbi ) e que alli eftiveffe com 
o titulo de Rey , e como tal governaífe, 
c mandaíTe tudo , e creafle feus filhos , e 
que elle como feu Capitão Geral correria 
com as coufas da guerra , e acudiria aos 
eftragos que os Turcos tinham feito naquel- 
le Império. ElRey eftimou muito aquillo , 
que o filho ordenou , e fe recolheo a. Ca- 
cala , onde viveo fempre obedecido por 
Rey , e o Príncipe Abax Mirza ficou go- 
vernando as couias da guerra , e fempre 
deitara os Turcos fora da Períia , fe lhe 
não fora necelTario acudir á Província de 
Cohoraçone , por lhe virem novas que d 
Príncipe Amonechan , filho d' Abdulachan 
Rey dos Husbeques , e Senhor do Impé- 
rio de Camurcant , lhe entrava com groA 
fos exércitos por aquella Província Coho- 
raçone pêra divertir o Abax Mirza , e ellé 
ter tempo mais folgado pêra mandar pc^r 



Digitized by VjOOQIC 



41 6 ÁSIA DE DiôGo BE Cojrro 

li fazer todos os fortes que quizeífe íiâf 
Provindas da Períia ; e aílim entrou efte 
Príncipe Husbeque pelo Cohoraçone com 
poderofos exércitos ^ e ganhou por força 
ce armas as Cidades de Heri , e Maxat ^ 
que sáo as principaes daquella ProTincia , 
algumas ficaram muitos annos em feu po« 
der. Abax Mirza tanto que foube as no- 
vas , defpedio alguns SultÒes com exerci* 
tos a proverem , . e fortificarem as mais Cí* 
dades até elle em pefToa lhe poder acudir} 
;e nefle eftado deixaremos as cou£is daPer* 
íia. até tornar a ellas.^ 

CAPITULO IV- 

Dos grandes apercebimentos que o Raj4 

fez pêra contra Columbo : e de co^ 

mo o Capitão João Corrêa 



Cap\ 



fortificou. 

DEclarado o Rajd na guerria ^ e tendo 
já juntas as acnega>s necefTarias , fez 
chamamento de todas fuás gentjes ^ e na 
Cidade de Biagão poz toda a maça do 
exercito pêra fe pôr logo a camhnho. Dií^ 
to teve João Corrêa avifo ) e porque tar* 
dava o recado de Goa , e receava achar-fe 
em huma grande neceíTidade , defpedio dous 
homens com cartas de credito ^ lium pêra 

ir 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. TVé ^tf 

ir a Manar kvar todb o arroz que pudeí^^ 
fe ; e o outro , que era o Modeliar Diogo 
ila Silva 9 pêra Negapatao» Eftes homens fe 
deram tanta preíTa ^ que quando chegou a 
na veta de Domingos aeAguiai-j que o Vi-^ 
fo-Rey mandou com provimentos (como 
atrás íióa dito ) já na r ortaleza hâVia tan-« 
to, que todo o Inverno valeo a fet^ xara^ 
iins o candil , valendo em Cochim a doze | 
e em Coulâo a quatorze ; e com o dinhei-^ 
ro que o Vifo^Rev mandou na náò j pagou 
hum quartel gerai, com o que ficou a For* 
taleza muito bem provida ^ tirando de gen^ 
te que tinha pouco ; e com todos èftes tra^ 
balhos não le defcuidoii o Capitão dè Í6 
ir fortificando por onde lhe parecia maid 
neceíTário ; e porque a fortificação que dit* 
femos que tinha feita do Baluarte S. João 
até á praia lhe pareceo fraca , mandou fa-* 
zer huma taipa groíTa de duas braças dô 
altura da banda de dentro com huma cou^ 
raça de madeira na praia ,^ e entre ella^ e 
o Baluarte fez huma guarita com feus an<« 
daimes pêra os que peleijaflem delia , e 
neíia obra trabalnáram até os Religiofot 
de S. Francifco, que fempre em todas ad 
neceflidades foram os primeirosé 

O Rajú logo fe poz em campo ^ é fess 
alardo de toda a gente , e da fabrica , e 
petrechos de guerra « e achou as coufas fe« 
Co0u.Tom.Pl4P.iu Dd guln- 



Digitized by VjOOQIC 



4x3 ÁSIA DB Diogo de Cotrrô 

guintes : gente de peleija lincoenta mil ho^ 
Qiens ; de gaftadores , e fervidores feílenta 
Siil i e de elefantes ^ aíEm de peleija , cch 
910 de ferviço, dous mil e duzentos ; de 

Í>eça8 de artilheria de bronze , entre groP 
as , e miúdas 9 cento e íincoenta; de bois 
de carga quarenta mil ; de machados dez 
mil y de alavancas três mil ; de fouces vin« 
^e mil i de picòes ( a que na índia chamam 
Codelís ) dous mil ; de enxadas féis mil , 
Siuitas armas de fobrecellente de todas as 
ibrtes ; quatrotentos ferreiros pêra faze* 
rem ferros de frechas , e outras ferramen* 
tas j mil carpinteiros y quatrocentos bom- 
bardeiros Jaós y Cafres , e de outras Na* 
ç6es y que a mór parte foram de Portugue* 
zes y muita madeira groíTa y e miúda , de 

2ue fez dous carros a modo de Caftellos 
)bre nove rodas cada hum , e eJlas da ai- 
fura de hum homem , canas pêra efteiras 
infinitas , grande quantidade de enxofre, 
£ilitre , e pólvora , muito chumbo , e pe« 
louros de toda a forte, e em certos portos 
4a Ilha mandou feíTenta e íinco fuftas , e 
catures y e quatrocentas embarcações peque* 
B9S de íerviço y e todas as mais coufas que 
lhe pareceram neceíTarias pêra o cerco que 
efperava pôr y do qual tinha determinado 
xâo levar mão até tomar a Fortaleza ; e 
primeiro que fe abalaífe com toda eila pof* 



Digitized by VjOOQIC 



jtfencia y qtiil fazer alguns facriíiçioé ã feuÉ 
idolos y e applâcallos $ pêra quê lhe deíTdn 
viéloríà dos Portugueze^ ; e pêra iiTo fit 
foi a hum pagode , e lhe deo dadivas , ò 
ofiercceo oiFertas groílas ^ e oâ màndoa 
coiifultar por feus Sacerdotes , é feiticeiros ^ 
pêra faber delles fe havia de alcançar vÍ4 
ciofia naquellá jornada ; 't como. a coufa 
de que ò demónio tem mais fede he dâ 
fatigue humano y refpondèo que fe queriam 
entrar em Columbo ^ e haver viÃoria dos 
bfan^o^ , que lhe haviam de dar fangue dé 
innocentes pêra beber , e fe banhar neiie. 
Com efta reipofia mandou ajuntar auinhen^ 
tos níeninos machos , e fêmeas até á ida^ 
dt de dez annos , d diante dos Ídolos os 
tiíandou degollar^ e recolheo o fangue em 

Írrandes caldeiras , t Ihaâ aprefentòu ., c 
eus Sacerdotes os borrifavam todos com 
aquelle fangue. Foi efle êfpeâaculo o mais 
inhumanò , e cruel que nunca fe vio j por* 

aue fe fe2 diante dos olhos dos pais , a 
as mais daquelles innocentes , ou marty«» 
tes do demónio ^ cujas lagrimas mifturadat 
com ò quente fangue dos filhos também 
foram facríiicadas. Feita efta abominável 
fuperfticao , querendo animar todos os feus 
petz eáa Jornada , lhes metteo em cabeça 
que Os ídolos lhe tinhão promectido quê 
lhes lançaria agua xias bombardas dos Por» 

Dd ii tu« 



Digitized by VjOOQIC 



4^ A SI A Ds Diogo de Couto 

tuguezes , pêra que não tomaíTem fogo, 
sem lhes fízeflera damno y e que lhes tí« 
nháo fegurado tqpiar daquella feira a Ch 
dade de Columbo , e de lhe enrregar nas 
mSos ElRey D. Joío , que nella eftara ; e 
com iíto mandou lançar pregoes por todo 
o Exercito , que elle dava aquella Cidade 
a faço a todos os Toldados , e que delia 
não cjuería mais que a prata das Igrejas , 
e artilheria ; e pêra que foíTe tido dos feus 
por fanto , e lhe crerem tudo o que dizia , 
fingia inyenç5es diabólicas , e efcondia peP- 
foas detrás dos ídolos , que davam as re- 
ípoftas que elle queria , e de que os tinha 
enfaiados ; e com illo , que aquelles rudes 
não entendiam , o tinham por fanto > e o 
adoravam; e chegou o fcu dcfatino a tan« 
to , que mandou fazer muitas figuras de 
ouro em feu nome , e as mandou repartir 
por todos os Reynos , e poUos entre os 
ídolos pêra lhe fazerem também adoração , 
como a elles. Feito ifto , começou a pôr 
a fua gente em ordem , e repartio a feu 
modo y dando a dianteira a Vijacom Ma« 
delca y e a Gafanaita Arache, e começoa 
logo a caminhar , e aquelle dia fe foi alo* 
jar em Maleriava ; e ao fegundo chegou a 
Calane , onde fe deteve dou; dias , e dalU 
fe foi apofentar na vargea de Matugare, 
cnde eíteve féis dias^ nos quaes fez numa 

pon- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. IV. '411 

ponte fobre hum efteiro de Nacolagão , pe* 
ia qual paíTou todo o exercito , e paflba 
até á viíU da Fortaleza aos 4. de Junho y 
e aíTentou o arraial na parte que efcolheo , 
c da Fortaleza o falyáram algumas peíTas 
de artilheria, com que lhe derrubaram aU 
guma gente , o que eile teve por ruim agou- 
ro , e o demónio lhe moílrou que era men« 
tirofo , e aue não podia cumprir nada do 
que liie tinha promettido , que a artilheria 
não tomaria fogo. Aflentado o arraial , ro« 
deou*fe logo de huma fermofa cava , e por 
dentro fe fortificou de tranqueiras de duas 
faces forradas de efteiras , o que tudo fe 
fez com muita prefla pela grande fabrica 

aue trazia ; e porque no cerco de Manoel 
e Soufa lhe fizeram muito damno pela 
parte da alagóa por caufa dos caftellos , e 
niftas que nella trouxe , determinou de a 
efgotar y aílim por lhe não fazerem delia 
outro damno , como por comroetter por 
aquella parte a entrada da Fortaleza, por 
ferem por alli os muros mais fracos , e 
pêra a poder bater toda á roda , porque 
eíla alagóa cerca mais de meia Cidade, o 
que a fazia fer mais forte , e neíb . obra 
poz logo as mãos ijrimeiro que .tudo. João 
Corrêa eítava já tao fortificado , e prepa* 
rado , que lhe não deo do poder que na^ 
ria , e tinha já desfeitas todas as hortas 

que 



Digitized by VjOOQIC 



Ht% A SI A peDióÒo de Couto 

ique da banda de fora efiavam, e a madei^ 
xa que era muita , recolhida dentro , com o 
que ficava o campo mais defcuberto ;. e 
porque a Ilha de António de Mendoça , 
que eftá dos muros pêra fora , e que no 
cerco de Manoel de Soufa deo muito tra« 
balho em a fuftentar pela gente que nella 
tinha occupada , e pelo rifco em que fem-t 
pre efteve por efcufar os damnos que alli 
tinham receoido , e pêra não ter gente fó* 
ra da Fortaleza , com o parecer de todos 
a largou > e mandou cortar todas as pai-» 
meira§ que feriam feiscentas , e as reco-» 
Iheo dentro pêra os andaimes das cer<« 
cas y e as folhas pêra cuberturas das guarí^i 
tas y e eftanoias : tinha a Cidade pela partp 
do Certao cento noventa e duas braças do 
circuito com muitos baluartes , e guaritas ^^ 
e não havia mais que treaentos Portugue^i 
f os velhos y e moços , em que entravam 
fnais de cento inúteis , e Lafcaríns da terra 
com moços de Porruguezcs havia de redoc 
de fotecentos , goqte muito pouca pêra de^ 
fensão de tamanha cerca, e com ella fere^ 
mediou o Capitão o melhor que pode , e 
repartio , e proveo as eftancias por efta ma^ 
lieir^: no Baluarte S*Joao, que 9ra o maia 
fmpoitante , poa Thotné de Spufa d6 Am 
fonches ; e na Couraça de febre o mar Dio^ 
fQ Goaíal?9S y i^^xq Jioipeni nltiOr^ cur4 



Digitized by VjOOQIC 



t^BCADA: Xi Ca?.' IV* ' 415 

díáo na guerra ; na guarita do meio Diogo 
da Silva Modeiiar y e havia também d^ 
guardar a taipa nova ; João Garcia no Ba^ 
luarte S. Thomé ; Eftevão Gomes no de 
Santo Eftevão ; no lanço do muro defte 
Baluarte até á guarita Santa Anna poz Mi- 
ei Vaz com hum Portuguez , e os oito 



K 



lingalas y que fe vieram cio Rajú pêra a 
Fortaleza ; no Baluarte S. SebaíUão ficou 
Luiz Corrêa da Silva; e no lanço do mu«<- 
fo , que corre delle até Santo António , a 
D. João de Auftria » Modeiiar de Cândia , 
que depois fe levantou com aquelle Rey- 
no y como em feu lugar diremos. No Ba* 
luarte Santo António ficou Luiz da Cofia ^ 
e no da Madre de Deos Eftevâo Corrêa y 
ambos caiados na terra : no lanço do mu» 
roy que corre até S. Gonçalo, le poz Ta- 
vira Arache , e Mattheus Gonfalves Mo* 
cheria com feus Lafcarins : a Profpero To& 
cano lhe coube o Baluarte S. Gonçalo , e 
a China Puli y e a Sebaftião Bayâo o lanço 
do muro , que vai delle até S. Miguei ^ 
e nefte Baluarte ficou Domingos Marques ; 
' e no lanço que vai delle até o Baluarte 
Conceição y poz o Capitão alguns Doriaa 
com feus Pacnas y que he gente baixa em 
fangue , mas esforçada na guerra : no Ba-* 
luarte N. Senhora da Conceição poz An« 
tonio Pereira . e outro cafado na terra ; 



Digitized by VjOOQIC 



4^4 ÁSIA DB Diogo de Couto 

Pedro Afibnfo Arache no lanço que de(» 
le corre até á guarita S. Paulo , e até ao9 
canos i e Gurapu Arache no lanço que dal* 
]i vai até o Baluarte S. Paulo , e neíbe Ba« 
Juarte ficou Thomé Pires. Dalli até o Ba* 
luarte S. Jeronymo ficou Sinia Arache com 
ieus Pachas; e no Baluarte Efteváo Dias» 
e delle até á guarita Santa Catharina Ge- 
ria Arache, ç na guarita António Tinoco, 
e nar de S. Martiiãio AíFonfo da Silva , e 
dalU até á guarita do canto Salvador Mar-« 
tins y e na Guarita Silveílre Manco com 
alguma gente da terra ; no Baluarte Sant^ 
lago y que guarda a porta , e o campo de 
Mapano , ficou António Guerreiro ; e delle 
até ao mar , que contém três cortinas do 
taipa com duas guaritas , Manoel Pereira 
Arache , tudo o mais da Fortaleiui ficava 
fobre a coíla brava até á ponta de S. Lou-t 
renço , aonde a braveza das ondas naquella 
parte y que tudo eram rochas , faziam gran-t 
des terremotos , com o que tudo por alli 
licava mais forte que todas as mais ; da 
ponta do S, Lourenço até á ponta do Tron-» 
CO , que he a bahia , onde fe recolhem os ' 
Bavios y ficou Manoel Gomes Rapoufo ; e 
do Tronco até á Couraça velha , que he 
do Baluarte SantJago , e delle até á gua-> 
ri ta nova , que tudo era defendido das on-^ 
4»? ^ Qucanegou a Diogo Gonfalves. A&xa 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caí. IV. 41^ 

JGcou com a pouquidade da gente que havia 
provida toda a Cidade á roda , o melhor 

2ue pode fer , ficando o Capitão de fóra com 
ncoenta Toldados de fua obrigação pêra 
acudir a todas as neceffidades ; e pêra re« 
médio delias , ordenou tros fobre^roldaa 
pêra de continuo roldarem a Cidade , e o 
avifarem de tudo o que fticcedia > e o que 
fe havia de mifter ; e porque a alagôa era a 
coufa mais importante á defensão da Cida- 
de que todas, e delia íe podia fazer maior 
damno aos. inimigos , mandou o Capi^ 
xnetter nella huma Galeota , de que fez Ca>« 

Sitão Manoel Pinto , homem iimi nobre , e 
omCavalleiro , com alguns con^anheiros , 
e humaFufta mais, de que era Capitão An* 
tonio Quarefma , e hum Balão , em que pòz 
António Mialheiro : eftes navios com léus 
falcões , e berços fizeram na guerra de Ma* 
noel de Soufa tantos damnos aos inimigos , 

3ue de efcandalizado o Rajú , determinou^ 
e efgotar a alagôa ; e porque não ficaíFe 
alguma coufa por fazer, defpedio Belchior- 
Nogueira, e Gonçalo Fernandes , cada hum 
cmfeuTone, hum pêra ir aGoarpedir foc* 
corro , e outro pêra ir dando avifo de Ma* 
sar até Cochim do aperto em que ficava 
aquella Fortaleza , pêra que a foccorreffem ,. 
os quaes partiram a 12. de Julho ; e o dia' 
f^ue fahíram de Columlío^^^ihe corrécam vi» 



Digitized by VjOOQIC 



4xâ ÁSIA DE Diogo db Couto 

gumas embarcações do Rajú até féis legnaS 
ao mar que os deixaram , e em dous dias 
paíTáram á outra cofta > e o Nogueira to* 
mou o caminho por terra pêra Goa ; e o 
outro foi dando recado pêra todos aquel* 
les portos do«aperto em que Columbo &* 
cava y com o que fe começaram algumav 
pefloas a negociar pêra o foccorrerem* 

CAPITULO V. 

De câtfw o Rajú fe fortijicM , e cêmeçam 

a efgotar a alagôa : e de alguns aJfaU 

tus que es neuos lhe deram ^ em que 

femfre lhe fizeram damno. 

fOfto que o Rajú eíbva já a tiro de 
camello da noífa Fortaleza, enrenden* 
do que pêra o negocio da alagôa, aue era 
p primeiro que queria começar , lhe era 
aeceiTarío eftar inais perto pêra feguramen« 
te o poder fazer , mandou abrir por baixo 
da cerra caminhos muito largos com feus 
repairos por onde os feus pudeíTem chegar 
á obra com menos rifco, e com iíTo man* 
dou cortar os matos que hiam da caya até 
o lugar dos Fachas fobre a Ilha que fe 
largou (e ha«fe de entender que todas as 
vezes Que fe nomear a Ilha, he efta de An* 
ttuio ae Mendoça) e por detrás do Mon« 

te 



Digitized by VjOOQIC 



te da Pedreira fe fizeram algumaa tranquew 
ras pêra Nacalogoão , as quaes foram cor- 
rendo a Lefte pdo valle abaixo 9*e fefabio 
pela outra banda defronte do Baluarto 
Santo Eílevão , onde fe fee hum famofor 
Baluarte pêra mòr fortaleza , com o qual 
ficou fechada toda aqueila parte , e peU 
mefnm ordem correram com outra tranquei- 
ra naquella P&fte do padrafto , que defce fo^ 
bre o que divide a Ilha da terra firme , e 
ainda defcéram com ella mais abaixo , e 
a tornaram a fechar com- a de íima ; e por* 

Sue eila tranqueira ficava muito perto da 
brtalexa, em (juanto fe nella trabalhava, 
mandou o Capitão dar nella por algon» 
I^afcarins , os quaes a entraram , e com 
muitas panellas de pólvora abrazáoam a to* 
dos os que nella andavam, e á efpada ma«. 
taram muitos , e tomaram hum vivo com' 
que fe recolheram com muita madeira. au9. 
eftava pêra a tranqueira ^ e os mais^dosL 
dias lhe davam eftes aflaltos , dos quaes ot. 
Laítarins fempre vinham com as efpadat 
tintas, e com alguns cativos.. 

O Rajú tanto que efteve fortificado 
em baixo junto da Una , tratou logo de eíV 
gotar a alagôa pela cava que no outro cer«. 
CO tinha feita ^ a qual mandou acabar de 
abrir ztè entrar na alagâa ^ e nefta obra. 

metteo todw os officiaes^que trazia r^ ^^. 

. te* 



Digitized by VjOOQIC 



14^8 A SI A os Diogo i>e Cotrro 

tes de chegarem á agua , deram com ha^ 
ma pedreira tão dura , que não havia pi- 
coes que por ella pudeíTem entrar ; o que 
vifto peio Rajú , mandou trazer muito lei- 
te azedo, a que chamam Dain, e muito vi- 
nagre , e tudo lhe lançaram em fima , e lhe 
mandou depois pór o fogo , com o qual 
fe desfez aj)edTeira de feiçáo, que muito 
facilmente ie foi abrindo , e cortando ; pe* 
lo que fe pôde ver quão grande Capitão 
era o Rajú y pois lhe nâo faltou aquelle 
grande ardil , que em Ânibai fe nota de 
abrir os caminhos pelos Alpes , quando 
paíTou á Itália com vinagre , e fogo : nefta 
obra foram os inimigos continuando com 
tanta preíTã , que em menos de vinte dias 
ebegáram com a cava á alagôa , pela qual 
eomeçáram a .e^otar , largando*a pelas 
varfeas ; e foi i&or de feição , que logo as 
&flas o fentiram , porque lhes começou a 
âdtara agua ordinária , pelo que fe reco« 
ttiéram á fombra dos Baluartes S. Gonça- 
lo , e S. Miguel y onde a agua era mais; 
e tanta preíía deo o inimigo a efta obra 
que totalmente faltou fundo áGaleota; pe- 
lo que o Capitão 9 mandou varar á íbm- 
kra daquellesBaluartes, e o Capitão delia 
eom feus foldádos fe poz nos canos pêra 
guarda daquelle paíTo , que era muito im- 
portante j ficando . jua alagôa a fiiíta > e o 



Digitized by VjOOQIC 



Dec&da X. Cap. V. 429 

Balão y que ainda tinham agua pêra paíTa* 
rem abaixo da Ilha , e aflim andaram até 
de todo fe efgotar a agua. Em todo efte 
tempo 9 que leria hum mez , nâo deixou 
<le haver grandes , e efpantofos jogos de 
bombardadas , e muitos aflaltos 9 dos quaes 
os inimigos fempre ficaram efcalavrados , 
principalmente huma noite , oue Diogo da 
Silva o Modeliar com os léus Lalcarins 
foi dar em huma tranqueira , que ejftava 
fronteira á alagôa, a qual entrou vaIerofa« 
xnente, e matou amor parte dos inimigos^ 
pondo os mais em fugida , com que teve 
tempo pêra lhe pôr fogo y em que tcda fe 
confumio. O Rajú andava já aíTombrado 
com aquelles aíTaltos ; porque quando on- 
de menos o efperava , achava os noíTos com 
huma determinação efpantofa em íeus vai* 
los , e tranqueiras , cortando , derrubando , 
queimando , e aífolando tudo ; e o que 

1)eior era , fazendo os oráculos dos feus ido- 
os mentirofos , porque nunca tão bem to- 
naram fogo as bombardas da Fortaleza » 
nem tamanho damno fizeram no exercito 
como então. Com a perda defta tranquei- 
ra , que Diogo da Siiva queimou , ficou o 
Rajú enfadado ; mas logo mandou correr 
com outra muito forte adiante de todas 
as que tinha feitas , com a qual chegou 
9té á banda do efteiro que cerca a Uha , è 

4 



Digitized by VjOOQIC 



'43© AS TA BÊ DiÓGo de Couto 

« começou a mandar entulhar pêra entti» 
tem nella , e em ambas as partes do eftei* 
TO mandcu o Rajú fazer duas tranqueirat 
pêra defenderem as fabidas aue os noíToi 
neíTem pelas portas dos Baluartes S. Se- 
baftiio , e Santo António , e nefta obra 
também deram os noflbs , e lhes mataram 
multa gente ; e pofto que diíTemos que o 
Capitão largou a Ilha, todaria não foi tan- 
to de todo , que nào deixaíTe ficar nella 
alguns Lafcarins pêra fua guarda , quef tan« 
to Gue os inimigos paíláram o efteiro , Io* 
go le recolheram i Fortaleza ^ e o Cápi^ 
tio mandou tapar de pedra , e cal aquel* 
ias duas partes, pornâoternellas os olhos, 
« por não occupat em fua guarda gente 

Sue náo tinha , e deixou fó as portas de Sé 
ebaftiio , e S« João , e a de Mapano ; 6 
porque o inimigo nio tinha dado moftra 
fie todo o feu poder , a quit dar hum dia , 

3ue foi a 19. de Julho ^ efahio pelo campo 
e Mapano com todos os elefantes eften*« 
didos aiante , e a gente neíla ordem : na 
dianteira ofeuAtapato^ que he Capitão dai 
guardas, com féis mil homens efcolhido^^ 
três mil efpiíigardeiros , mil rodeleiros, e 
dous mil lanceiros , que são da guarda de 
iua PeíToa , como os Janizaros do Turco , 
e a huma parte de campo Canahara , .qu< 
he Capitão Geral com £n€0 mil homens, 

c 



Digitized by VjOOQIC 



DscADA X. Cap. V. 431 

^ a peíToa doRajú com o reftante do exer« 
cito efiendido por íima da pedreira y de 
forte que quanto os olhos alcançavam pê- 
ra todas as partes eram campos , e montes 
cubertos de gente de armas, que reluziam, 
de elefantes, e de outras muitas coufas que 
ameaçavam a morte a quem a não receava 
tão pouco , como os Portuguezes que aquil- 
lo viam , nâo fendo duzentos os que fe ha<* 
viam de defender daquella potencia infer« 
nal y que com tantas carrancas fe queria fa- 
zer temer. 

E pêra lhe darem a entender quão 
pouco o eíHmavam , lhe fahíram alguns Ca-* 
pitães de eftancias , que foram António 
Pereira , e António Guerreiro com os feus 
foldados, e com elles os outros Chingalas 
Fidalgos , de que atrás falíamos , os quaes 
defejavam de moftrar aos Portugueses fua 
fé , e amor , empregando-fe nas occafí6e9 
de feu ferviço , por lhe pagarem em par- 
te as honras que em feu recolhimento fize- 
ram : eftes todos deram na dianteira do 
Rajú , e travaram huma arrazoada briga , 
cm que os noflbs os cortaram mui bem, 
e os oito Chingalas fe mifturáram tanto 
com os inimigos com o defejo que tinham 
de fe vingarem do Rajú , que cuidaram 
CS noflbs que aquillo era traição , e que 
le tomavjm pêra os feus j mas elles coi^' 

tan- 



Digitized by VjOOQIC 



43^ ÁSIA DE DiõGO DE Couto 

tando nos outros , foram derrubando mni-« 
tos ; e aíEm ajudados dos noflbs apertaram 
tanto com a dianteira , que os fizeram reco- 
lher ao corpo do Atabata , que vinha atrás^ 
O Capitão João Corrêa eftava fóra pêra aca« 
dir aos feus , fe lhe foíTe neceíTario , o qual 
vendo aquelle começo da viftoria , fez fi- 
nal a recolher , o que fizeram a feu falvo ; 
e nefta envolta teve lugar de fugir pêra os 
noíTos hum Portuguez , que lá andava cati- 
vo havia onze annos , o qual o Capitão 
feftejou muito 9 porque o avifou de muitas 
cou/as mui importantes. Não ficou o Rajii 
muito fatisfeito defta moftra que deo y por- 
que lhe cuilou muito caro , e mandou con- 
tinuar com a obra da fortificação , e cor- 
reram com huma tranqueira pelo meio da 
Ilha ; e pela outra parte , aue vai ter aa 
baluarte S. Sebaftião , fioi-fe eítendendo com 
outra muito forte. Já nefte tempo eflaya a 
alagôa efgotada, e asfuftas varadas delon- 
go dos baluartes, as quaes o Rajú defejou 
de mandar tomar , e deitou pêra iflb hum 
corpo de gente no quarto de prima ; e pêra 
náo ferem fentidos , lançaram diante al^ 
gumas bufaras (porque coftumavam ella» 
andarem de contínuo na alagôa) e de en- 
volta com ellas chegaram eUes , e lançárara 
alguns arpeos que levavam comgroíTos vi- 
radores na fufta do Q^areíma , que eftava 

cn- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caí. V* 433 

encoílada ao baluarte S. Miguel ^ e corne** 
çáram a puchar por ella em tanto filencio ^ 
que alguiis foldados ^ que vigiavam na 
niefma fufta ^ o nâo fentíram ^ fenao a alguns 
falavancos que a fuíla deo^ e vendo ferem 
inimigos 5 largaram as camas ^ e fe recolhe* 
ram ao longo do muro. Os do baluarte 
fentindo o rumor ^ paíTáram palavra ^ á 
qual acudio o Capitão com a gente que 
trazia ^ e perguntando o que era ^ lhe re^ 
fpondéram que os bufarôs , quô andavam 
na agua > e mandando4hes que vigiaíTem j 
acabaram de enxergar a fufta ^ que já Jhia 
mais perto da Ilha que do baluarte^ oiiàto 
eftava ; e dizeildo^^fe a certeza ao Capitão , 
mandou elle abrir huma porta falia quò 
alli havia) e lán^u alguma gente fora pe* 
lâ banda de Colapate ; e lançando^fe eftes 
á agua ) remettéram com os inimigos ^ que 
eftavám aíferrados na fufta ^ e tiveram com 
elles huiTia muito crefpa briga ^ em que 
por fim lhes iizer;3tn largar a fiifta com 
morte de muitos ^ e os levaram até ás tran*- 
queiras da Ilha com metito valor, e honra* 
Os que fe finaláram nefte feito , foram 
António Colaço , Fernão Alvares , Diogo 
Galvão , António Dias 5 filho de Ceilão j^ 
Jorge Rodrigues o Amouco , e outros , e 
com o anodamento de irem matando no9 
inimigos , não tiveram tempo de cortar, oâ 
CêMtQ. Tom, n. í • Ii. ^ Ee vi- 



Digitized by VjOOQIC 



434 ÁSIA lÍK Dioao de Couto 

viradores , e recolhêram-fe , deixando-oi 
guarnecidos na fufta. Os inimigos tiveram 
rebate 9 e recearam todos os da guarda do 
Rajá , e ao recolher acharam-fe cercados 

})ela banda de Colapate ; e vendo^-fe naquel* 
e perigo , arremettêram a hum efquadrao 
dos inimiTOS que acharam mais perto , e 
deram nelíes com tamanha fúria , que foi 
eípanto , travando-fe entre todos huma 
RHiito afpera batalha. Aqui acudio o Pa« 
dre Pedro Dias , Clérigo , bom Letrado , com 
alguns companheiros que trazia, o qual fe 
metteo em hum balão com algumas lanças 
de fogo , e féis efpingardas , e chegaram 
á fuíta , que os inimigos hiam levando , 
dando nelles de forte que os abrazou , e 
queimou á fua vontade, e lhes fizeram lar* 
gar a fufta ; mas porque acudiram muitos 
em feu favor, tornou-fe a recolher, deixan^ 
do £eito hum grande eftrago nos inimigos ; 
c como os viradores da Fufta eftavam da 
outra banda guarnecidos dos cabreftantes, 
e com muitos elt;fantes , que puchavam por 
outros cabos , foi ella levada por força , e 
a fizeram cavalgar pêra fima de huma co- 
foa de aréa , e da outra banda deo em fun- 
4o , em que nadou , e aíHm ficou em feu 
poder com hum falcão , e com hum berço ^ 
e as armas dosfoldados que nella vigiavam. 
António Colaço y que eftava da parte do 

Ca-f 



Digitized by VjOOQIC 



Oecíadà X. Cà#. Ví 43jf 

Calapáte cercado da guarda do Rajú, pe» 
leijou côm feus foldados , como leòes fa- 
mintos ^ fazendo tal eftrago nos inimigos^ 
que com morte de muitos fe defavio del-^ 
les > e fe recolheo com todos os ibus feri-» 
dos. O Capitão João Corrêa , que eftava 
pêra acudir aonde foíle neceíTario -^ rendo 

3ue por aquella parte eftava a niòr força 
o exercito occupado , lançou coin muita 
prefla os Lafcarins , e Pachás fora , e lhes 
mandou que por outra parte deflem no 
arraial , os quaes o fizeram de fei^o quô 
mataram muitos , e tomaram hum elefan*» 
te , com que fe relsolhêram pêra a Forta- 
leza , e com alguma^ cabeças nas mãos, 
com o que , pofto que os inimigos levaram 
a fufta , e o Capitão o houve por defgra-» 
ca , ficou por então huma coufa pela outra* 
Nefte eftado ficaram as coufas alguns dias ^ 
nos quaes fempre houve aíTaltos , de que 
Ds noíTos fe recolheram a feu falvo ^ e com 
as eípadas tintas em fangue. 



£e ii CA- 



Digitized by VjOOQIC 



43^ ÁSIA DE Diogo de Couto 

CAPITULO VI. 

Do que aconteceo d Armada de D. Pauh 
de Lima na jornada : e de comofizttram 
aguada na terra do Achem: e de alguns 
navios que tomdram no mar , com bum 
Embaixador que o Rajale mandava ao 
Achem. 

POfto que as coufas de Ceilão , e Malaca 
fuccedéram juntas , e são muitas , infial- 
las-hemos o melhor que pudermos por não 
deixarmos humas por outras. Partido D. Pau* 
]o de Lima de Goa , como diíTemos , foi fe- 

Êuindo fua derrota , e a 27. de Maio chegou a 
aver vifta da terra do Achem , a qual foram 
cofteando aquella noite , na qual fe aparta- 
ram os navios de Pedro Alvares de Abreu, 
c do Froes , e Coelho , que perderam o 
farol. D. Paulo foi com a mais Armada de 
longo da cofta , fem a largar , com tanta 
falta de agua , que na Galé de D. Bernardo 
havia dous dias que não faziam de comer , 
c pêra beber lhe tinha foccorrido Diogo 
Soares de Mello com a que pode; e foi a 
neceílidade tamanha , que ordenou D. Paulo 
fazer aguada namefma cofta, onde melhor 
pudeíTe , pofto que fe entendeo que havia 
de cuftar fangue, mas não havia outro re- 
médio y e alum defpedio os navios de re- 
mo. 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VI. 437 

mo, nomeando cm fegredo por huma car- 
ta a Simão de Abreu por Capitão Mór de 
todos , por fer hum Fidalgo velho , e muito 
bom Cavalleiro , por efcufar entre os mais 
Fidalgos pontos de opinião , arrufos , e 
defmanchos , que a inveja foe caufar ; e in- 
do eftes navios bufcar a terra , houveram 
vida de huma embarcação pequena, a qual 
feguio D. Nuno Alvares Pereira , e já perto 
da terra a tomou fem gente, porque toda 
fe lançou a ella a nado. Ao outro dia , que 
foram 8. de Junho , indo correndo a ribei- 
ra , deram com hum riacho pequeno , que 
Tinha por huma praia muito chã a esbo- 
çar no mar por entre duas pontas baixas 
cheias de arvoredo ; e por lhe parecer fe- 
ria agua doce , ordenaram marinheiros com 
vaíilhas pêra as irem encher , e foram-lhe 
de guarda Diogo Soares de Mello , e Mat- 
theus Pereira nas bateiras das Galés com 
vinte foldados de efpingardas cada hum, 
e chegando-fe todos os navios da Armada 
o mais perto que puderam pêra o favore- 
cer ; e indo aífim bufcar terra , viram já 
nelia alguma gente , e elefantes que acu- 
diam , receando-fe que os noflbs defembar- 
caífem em alguma parte ; e todavia os nof- 
fos faltaram em terra na boca do rio com 
agua pela cinta , deixando cada hum feu 
Toldado na fua bateira pêra lhas terem no 

ro- 



Digitized by VjOOQIC 



438 ÁSIA DE Dioao de Couto 

rolodo mar, fe fe ofFereceíTe huma neçeP* 
íidade , e em terra fe puzeram os nolíoa 
dous Capitães, cada hum com os feus foi-» 
4ados defcuidados pouco , e com as cofias 
}ium no outro pêra aíTim fe favorecerem 
melhor, e já aefie tempo começava acho- 
Ter fobre elles muitas , e mui aprefladas 
efpingardadas da outra banda do rio, que 
era pçrto , onde eftava hum corpo de gen-. 
te com os elefantes. Os Marinheiros que 
hiam com as vaíilhas , foram pelo rio afln 
fna com agua pelos peitos a bufcar bem 
^ílima a doce, porque toda alli era falga^ 
da , por caufa da enchente da maré , e 09 
noífos com a arcabuzaria os foram fempro 
favorecendo , e esforçando-os com tama-^ 
nho animo , que lhes nao lembrava eftarem 
na terra do Achem , com as armas nas mãos 
tão poucos , onde fe não podia defembar-v 
çar íem grande poder , e mais vendo vir 
engroífando cada vez mais o fio da gente 
que acudia , e recrefcerem mais os elefan-» 
tes. Os marinheiros por muito qye entra-» 
ram pelo rio , não puderam achar agua do- 
ce , porque a maré tinha entrado muito 
por ella; eachando-a falobra de feição que 
lerviria pêra huma grande neceflidade , en- 
cheram as vaíilhas , e viraram , recolhendo-» 
Jfe fempre favorecidos da noíTa arcabuza-» 
ria s e checados á boca do rio , foram^fe^ 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf. VL '4391 

a nado com os barris pêra as fuftas que el« 
tavam perto , e os que eftavam em terra 
fe recoinéram nas bateiras íeis e féis , fi- 
cando fempre os Capitães em terra , que 
foram os derradeiros. Nefta mefma ribeira 
mandou Afibnfo de Albuquerque , indo pe« 
ra Malaca , fazer agua por D. João de Li- 
ma , António de Abreu , e Nuno Vaz de 
Caftello^branco em feus batéis ; e indo os 
dous com o primeiro caminho da agua , 
ficou fó Nuno Vaz com a fua gente , que 
(sram oito foldados , ao qual fahio hum 
grande corpo de Mouros, e elle fez buma 
tranqueira de pipas vafias , que alli ficaram ^ 
c amparados com ellas fe defendeo até 
chegarem os outros Capitães , que os reco- 
lheram já feridos os mais delles ; e tor- 
nando ao noíTo fio , com huma , pouca , e 
não boa agua fe remediaram os noíTos , e 
foram feu caminho , porque os Galeões lo- 
go fe fizeram na volta da outra cofta. In- 
do aflim feu caminho á vifta da terra, vi- 
ram duas embarcações, huma de dous maf^ 
tros , e outra mais pequena , ás quaes Dio- 
go Soares foi dando caça , e a grande de 
apertada varou em terra, aonde logo actH 
dio muita gente , e com alguns elefantas, 
os quaes Diogo Soares esbombardeou mui- 
to á fua vontade , e deitou ao mar alguns 
marinheiros com cabos pêra os irem amar** 

rar 



Digitized by VjOOQIC 



'44^ ÁSIA DE Diogo de Cotrro 

rar no navio j e tirallo pêra fóra y e com 
elles fe lançou hum Toldado chamado Dio« 
go da Silva, Francez de nação, mas crea* 
do no Reyno , que os foi animando , e os 
fez chegar fem os eílorvarem muitas efpin- 
gardadas que lhe atiravam ; e deitando os 
cabos ao navio, o tiraram pêra o mar, o 
que Diogo Soares quiz fazer , pofto que 
era velha , e eftava vaíia , fó por quebran^ 
tar os inimigos , e lhes moítrar que po^ 
diam os Portuguezes acabar tudo o que' 
commetteíTem ; e pêra mais os magoar ^ 
mandou pôr fogo ao navio ; e como ifto 
era de noite , e efcuro , pareceo aos da 
terra que fe queimavatn mais embarcações. 
Toda aquella noite foram os noílos navios 
navegando ; e tanto que amanheceo , fe 
chegaram bem a terra pêra verem , e nota<* 
rem alguma parte , em que pudeíTem fa- 
zer aguada , porque a neceíEdade da fede 
quê os apertava , era tal , e o perigo da fal« 
ta delia tamanho , que o haviam por ma-* 
ior que as efpingardadas , e frechadas que 
em terra pudeíTem achar. Indo muito per- 
to delia , viram huma ponta , que lhe pa- 
receo Ilha, e aíTiqa o era, porque hum pe- 
queno efteiro a apartava da terra ; e che- 
gando a ella , mandaram ver fe tinha agua ; 
c achando^a deferta , a neceflidade lhes en- 
sinou a cavar na praia ao pé de algumas 

ar- 



Digitized by V^OOQlC 



Década X. Caf. VI. 441 

•nrores , e a poucos palmos deram com 
agua excellentimma ; e notou^fe aqui huma 
coufa maravilhofa , que em duas poças jun- 
tas acharam huma delias doce , e a outra 
muito falgada. Aqui fez toda a Armada 
fua aguada , e todos fc lavaram , recreá-» 
ram , e refrefcáram , e puzeram fogo a hum 
junco que acharam no efteiro vaíio , poílo 
oue da terra acudio muita gente , pelo de- 
fender, Nefta Ilheta acharam humas arvo- 
res com huma fruta quaíi como amexar 
brancas^ e os pés compridos como peras ^ 
da qual comeram alguns , e fupitamente 
lhes deo grandes dyfenterias com acciden^ 
tes mortaes y e neftes entrou D. Bernardo 
de Menezes , em quem obrou mais aquella 
peçonha , ou por ter a natureza mais mi- 
mofa y ou porque comeria mais ; mas tor- 
nou depois a u com muitas triagas , como 
os mais , fem perigar nenhum. Sahidos def* 
ta Ilha fartos de agua , e fói'a dos trabalhos 
em que hiam , foram feu caminho , largan- 
do logo a terra , e no mefrao dia viram 
hum navio, ao qual D. Nuno Alvares deo 
caça ; e por fer tarde , c fe armar hum bul- 
cão grande , o marcaram pela agulha , e 
fem o verem pelo rumo , foram dar çom 
elle , e pondo-lhe a proa , o entraram , e 
axoráram os que dentro hiam , fó vivos 
tomaram quatro > ficando dosnoíFos outros 

qua* 



Digitized by VjOOQIC 



44^^ ÁSIA DE Diogo de Gduto 

quatro feridos de crizadas , porque eram 
todos Jaós , gente bellicofa , e esforçada , 
c com eftcs cativos fe foi D. Nuno Alva* 
res pêra a Armada , e dos Jaós fouberam 

Sue Malaca eftava quieta , e D. António 
e Noronha com huma Armada em Jor, 
e que nenhuma Armada do Achem era fa- 
hida fora , com o que todos os noíTos fe 
alegraram. 

Ao outro dia pela manhã houveram 
vifta de três lancharas tão compridas , co- 
mo Galés, duas ao mar, e huma á terra; 
indo-as feguindo , foram elias feu caminho 
muito feguras , por cuidarem que os noífos 
eram Achens ; e já quando os conheceram 
foi a tempo que Simão de Abreu , e D. Nu- 
no Alvares eram com huma das duas que 
ficou atrás , porque as outras foram aper- 
tando o remo : os noíTos em chegando a 
efta , lhe deram com huma fomma de pa<* 
Bellas de pólvora , das quaes fícou abraza- 
da ; e porque as de diante fe hiam efcoan- 
do , e as mais fuftas vinham perto , deixa* 
ram aquella , e foram feguindo as mais. 
D. Pedro de Lima chegou a efta lanchara , 
e a acabou de a abrazar , e com a força 
do fogo fe lançaram todos ao mar , fican- 
do dentro hum fó , que com hum criz fc 
defendeo de todos , depois que defpendeo 
o feu armazém de frechai y de que tinha 

fe- 



Digitized by VjOOQIC 



Dbcada X. Cat. VI. 443 

feridos quaíí todos. Os que andavam a na- 
do , que eram mais de fetenta , vendo 
ouão pouca gente tinha o navio de D. Pe» 
aro , o foram demandar com os crizes nas 
bocas , e lhe pegaram nos remos , traba<« 
Ihando pelo entrar ; e fempre o fizeram, 
fenão chegara a Galé de Mattheus Pereira , 
e a fufta de Diogo Soares , que ás efpin«« 
gardadas os fizeram outra vez lançar ao 
mar , e na agua foram mortos muitos , e 
outros cativos , e fó Mattheus Pereira com 
a íua bateira tomou vinte e quatro , em 
que entrava o Capitão Mór de certas vé^ 
las , que o Rajale mandava ao Achem a 
perfuadillo que o ajudaffe na empreza de 
Malaca, o qual era hum homem de tanta 
authoridade entre elles , que já havia fido 
Embaixador na Corte do Turco : e aflim 
fe tomaram na lanchara três moças , em 
oue hia huma muito nobre a vifitar a mu* 
Iner do Achem da parte do Rajale , com 
quem ella fe creou ; os outros navios fo* 
ram em feguimento das duas lancharas , 

Íjue fe foram dividindo , c de apertados 
oram varar em terra , porque ao tempo 
. que houveram vifta das lancharas , levava 
P. Nuno Alvares por poppa a embarcação 
que tinha tomada ; e querendo feguir as 
lancharas, alargou com alguns mocos den* 
tro , ç lhe mandou que furgiíTe até tornar 

por 



Digitized by VjOOQIC 



444 ÁSIA DE Diogo t>£ Coxrro 

por elles , porque não queria Içvar aquelle 
impedimento } e porifto fer perto da terra, 
e 08 Mouros delia eftarem vendo a caça 

2ue os noíTos davam ás lancharas y vendo 
car aauella embarcação fá , e furta , met* 
téram-le hum mangote deli es emhuma em- 
barcação , e indireitáram pêra tomarem a 
outra} mas foi a tempo que Diogo Soares 
apparecia; e vendo vir aquella embarcação 
da terra , mandou apertar o remo pêra che- 
car a ver o que aquillo era ; e porque via 
já chegar perto da embarcação que eftava 
furta y lhe foi atirando algumas fal coadas 
pêra os embaraçar, como fez; porque os 
qoe vinham da terra vendo aquella fufta , 
não fe quizeram penhorar com a(jueila em* 
barcação , e voltaram pêra a praia , e Dio- 
go Soares chegou á embarcação , e lhe deo 
toa , e a levou até a entregar a D. Nuno 
Alvares. Simão de Abreu tanto que vio as 
duas lancharas varadas , foi feu caminho , 
c mandou levar perante fi o Embaixador 
que hia ao Achem , e delle foube ao que 
hia, e de como oRajale ficava preftes com 
grande poder pêra cercar Malaca , e lhe 
entregou huma Carta , que levava pêra o 
Achem, a qual mandou abrir, e fe achou 
fer efcrita em Arábio , e tudo o que nella 
dizia era por metáforas , como todos eíVcs 
Reys do Oriente coftumam a efcrever por 

ef. 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cat. VL 445 

cfbi maneira : Malaca be como buma femen» 
tetra ; fe lhe j alta agua , fécca-fe^ fera ij^ 
Jo jaze-te prejies , e vem-te que eu com mi* 
nba Armada te acompanbarei pêra a to* 
marmos. Dizer elle que Malaca era como 
femenceira , fe lhe faltaíTe a a£ua , feccaria ^ 
entendia pelos íoccorros da Índia, o qual 
elle havia que lhe nâo podiam ir aquelle 
anno, eque faltando-lhe , náo poderia dei- 
xar de fe |)erder pela grande neceífidade 
em que a tinha poíla. 

Daqui foi a Armada caminhando de 
longo da Coíb do Achem , pela qual fo* 
ram vendo muita gente de pé , e de ca- 
vallo , que hia foccorrer a Fortaleza de 
Pace ^ que a tinha hum vizinho de cerco , 
da qual elles também houveram vífta j por- 
que paífando pela boca de hum rio , fobre 
a qual ella eftá fundada , a foram notando 
de vagar , e Francifco de Soufa chegou 
mais a terra pêra ver fe podia tomar nu- 
ma lanchara , que hia perto delia , a qual 
lhe varou na praia, e ao fom de hum tam- 
bor acudio logo muita gente a ella em feu 
favor , a qual elle fervio de falcoadas á 
fua vontade ; e indo aílim fua derrota , aos 
74. dias de Junho encontraram féis lancha- 
ras grandes pêra a banda da terra , e ou- 
tra bem ao mar , as quaes eram da copi* 
panhia da Armada ^ que levava Embaixa- 
dor 



Digitized by VjOOQIC 



44^ ÁSIA DE Diogo dk Covró 

dor de Jor ; e poílo que Simão de Albu* 
querque quizera não fe embaraçar com el-^ 
la, porque relevava chegar a Malaca, fon 
lhe torçado commettellas , porque lhe fica-* 
va atrás o navio de Fernão Pegado, c re-» 
ceou que deíTem com elle , e aíTim as foi 
feguindo , até que appareceo o navio que 
ficava atrás que recolneo, e foi fua derro^ 
ca ; e paflando pela Ilha Polvoreira , na 
qual fizeram aguada, e daquella parte em 
oue houveram vifta da primeira terra do 
Achem até alli havia quarenta léguas , nas 

3uaes a nofla Armada fempre foi á viíla 
eila, e foram achando fundo pêra navios 
de alto bordo poderem furgir hum tiro de 
berço da terra , e tudo muito limpo, fem 
baixo, nem reftinga alguma: dalli atravef» 
fáram á outra Cofta , porque por aquella 
corriam muito as aguas , e ao outro dia 
foram dar em humas Ilhas pegadas a outra 
terra , as quaes eram nove , e por entre 
ellas entrou toda a Armada á fua voncade , 
e de longo da Cofta foram até Malaca , 
aonde chegaram a 5. de Julho, ejá láachá^ 
ram os navios de Pedro Alvares de Abreu , 
c os de Froes e Coelho , que fe tinham 
apartado o primeiro dia que viram a Cofia 
do Achem , e não acharam novas de D. Patf« 
Io 9 do qual logo daremos razáo« 

CA-^ 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caí. VIL 447 

CAPITULO VIL 

Do que nefte tempv aconteceo tm Malaca''* 
e de como os navios da companhia de D* 
Paulo fe joram a Jor : e de como D. 
António de Noronha defembarcou em íer* 
ra y e ganhou a Fortaleza da praia. 

A Trás deixámos D. António de Noro^ 
nha com a fua Armada partido pêra 
Jor ; e por elle não fer baftante pêra de- 
fender aquella barra , que era muito larga ^ 
foi-fe pôr na ponta da Romania , aonde fe 
deixou eftar, porque todas as embarcações 

aue^vam demandar Jor, alli haviam de ir 
emandar , e forçado lhe haviam de cahir 
nas mãos. O Rajale vendo o eftado em que 
a Fortaleza ellava , parecendo-lheque da ín- 
dia não lhe podia ir fenâ# o foccorro or« 
dinario > o qual lhe não podia eftorvar ef» 
feituar íua tenção , que era pôr-lhe hum 
grande cerco , e não fe alevantar de fobre 
ella fem a tomar , ou por armas , ou por 
fome, pêra o que fe começou a aperceber, 
e lançou fora fua Armada pêra fazer arri- 
bar todas as embarcações a feu porto , a 
qual chegou á vifta de D. António de No- 
ronha, que lhe não pode fazer nojo, por 
ter Galeões , e avifou logo ao Capitão de 
Malaca , pédíndo^lhe Aitnada de rema^ 

por- 



Digitized by VjOOQIC 



44^ ÁSIA DE Diogo de Couto 

}>orque fem ella náo fe podia defender á 
erventia do Rio Jor , nem aos inimigos 
deixarem áe levar a feu porto todos os 
juncos dejaoa. Efte recado quando chegou 
a Malaca , achou João da Silva muito en^ 
fermo de humas melenconias , que o tinham 
alienado , e o Bifpo com os Vereadores 

Sovernavam tudo i e vendo elles as cartas 
e D. António , e quanto importava acu^ 
dir-fe áquelie negocio , ordenaram huma 
Armada de dezoito bantins , pêra cujas dcf- 
pezas o Bifí)0 empreftou dinheiro , P^o 
não haver de ElRey , e elegeram por CÍapi- 
tão Mòr António de Andria ; e pofto que 
a Fortaleza eftava falta de tudo , proveram-* 
fe eftes navios o melhor que pode fer. O 
Rajaie hia fazendo fuás preparações , econ^ 
vocando os vizinhos pêra fe acharem com 
elle naquella jdlnada , entre os quaes en^* 
trava o Achem , o qual mandava acuelle 
Embaixador que os navios da Armada de 
D. Paulo tomaram ; e fegundo o grande ca^ 
bedal que todos tinham pêra efte negocio ^ 
e aquella Fortaleza eftava neceífitado detih» 
do y parecia que fe ameaçava a fua ruina, 
fe Deos nao acudira com aquella Armada ; 

B>rque na prefteza , com que o Vifo-Rey 
• Duarte a negociou, eftando todo o ef* 
tado apertado por todas as partes , clara* 
mente fe vio que Deos nofib Senhor tinha 

feus 



Digitized by VjOOQIC 



DEíAbA X. Cai». Vil* 44^ 

feuá olhos nclks , e tiao queria que ftutf 
fagrados Templos foíTem proftnados , nem' 
tantas donzellas violadas > e mnto innocen- 
te maltratado ^ encaminhando aquella Ar^ 
úiada de D. Paulo por todo aquelle cami- 
nho lem coíitraílc , deparando-Uie por el- 
le tantas viftorias j como atrás contámos ^ 
porque aflim troca Deos os penfa mentos 
vãos , que fez ferltir aO Rajale fobre fua 
Cidade o que elle cuidava que faria fentir 
a Malaca ) eqUe as armas que ajuntava pe> 
ra fua ruina ^ lhe foíTem depois necsíTaria^ 
pefa fua defensão. 

Preftes os bántins ^ |)artiram-fe pêra 
Jor ; e pôr acharem o tempo contrario, 
tornaram a arribar^ e acharam já a/Ârmadx 
de Simão de Abreu , como atrás diílemos i 
c vendo o BifpD , e Vereadores que tarda- 
va D. Paulo 5 pediram áquelles Capitãeà 
que foíTem a D. António , que eftava fobre 
Jor, efizcíTe arribar todos Os juncos aMa-» 
Jaca , e fariam recolher a Armada do ini- 
migo , que andava mui folta , porque não 
tinha Dé António navios ligeiros com que 
Os aíFrontaíIc ; e parecendo bem a todos ^ 
na mefma ordem em que hiam y deram á. 
véla pêra Jor j levando em fua companhias 
a Armada dos bantins que tinha arriba-' 
do ; e aquella noite lhes deo hum tenlpo«' 
ral que apertou a Armada^ e os bantins í& 
Couto.TméFLP.Ii. Ff xc- ' 



Digitized by VjOOQIC 



4jrâ ÁSIA DB Diogo de Côxrro 

fccolhéram ao rio de Muar , e os outrof 
navios foram correndo com os traquetes 
em poppa ; e indo a fuíla de Diogo Soa* 
res de Mello , fe ouviram peio mar gran* 
des, e piedofos brados } e governando ao 
tom delíes , acharam huma embarcação pc* 

Suena , a que chamam ba^a , quaíi aIaga-> 
a , e dentro nella hum homem , que foi 
tomado na fuíla y e diíTe que era ChriflSo , 
e que havia muito tempo que eftava cati- 
vo ctíçí Padâo; e que vendo a Armada, an« 
tes que anoiteceíle , tivera modo pêra fu- 
gir ^ e fe mettêra naquella embarcação pe* 
ta a vir bufcar , e aílim efcapou efte pobre 
de dous perigos grandes , cativeiro , e 
morte 9 que fe lhe não efcufava, fenão fora 
ouvido. 

Paífado o tempo , ajuntou-fe a Arma* 
da, e foram paíTando o eilreito de Sinca- 
pura; e pofto que eftava entupido com as 
pataias , todavia eftavam de feição que bem 
podiam por elle paíTar as náos , fenão fof* 
fem muito carregadas; e por todo efte ef- 
treito foram achando muitas embarcações 
de pefcadores , a que chamam celetes , aos 
quaes compraram peixe em abaftança. Che« 
gada toda efta Armada ao rio de Jor , fo« 
ram-fe todos aquelles Capitães ao Galeão 
de D. António a fe lhe ofterecer , e Simão 
de Abreu deliftio do cargo de Capitão Mdr 

da- 



Digitized by VjOOQIC 



fifiCAíiA X. Cá?. VÍL 45't 

dáqiidiés naviois , e detí à obediência à Di 
António^ fobre o que houve muitos cumpria 
inentos de parte a pafteé Áo outro dia de4 
ram as fuftas toáâ aos Gaieóes y e foram 
entrando pelo riò dentro ^ porque já òt 
noíTos fenâo còntentátam de lhes ter toma«* 
do a barra ^ fenão de lhes ir faxer guerra 
á fua Cidade. O Rajale tanto que tev* 
fivifo que á Armada hia entrando ^ mandou^ 
lhe fahif huma Galé y e vinte navios cbeioi 
de muita y e boa gente pêra a iretn com« 
metter y o que fizeram cotn grande, deter** 
ininaçáo; e chegando já perto do Galeão^ 
quô hiá diante , o qual Fernão Pegado le^ 
VaVa á toa 5 largou elle o cabo , e endirei« 
tou com a Galé que vinha diante ^ e lhe 
deo huma falva còm a artilheriá , e arcabu*' 
abaria , de que lhe matou algtima gente ; e 
querendo inVeftir^ foi-lhc ella fiigindò, e 
o mefmo fez toda a mais Armada 5 porquê 
os noíTos navios de remo tinhàth largas ai 
toas y e hiam diante pêra peleijarem^ Osr 
Galeões tanto que lhe largaram as toas^ 
forgíram 5 e deixáram-ft ficar vendo a eA 
caramuça dos noíTos que hiám apôs os ini« 
migos i aos quaes perfeguíram tanto ^ que 
já muito perto da Cidade os alcançaram 
os liaviosí de D. Nuno Alvares Pereira ^ e 
Pedro Alvares deAbreii^ osquaés lhe ptt2te» 
ram as proas cada hum em feu navio , • 

Ff ii oi 



Digitized by VjOOQIC 



4^2 ÁSIA DE Diogo de Couto 

os axoráram em breve efpaço, lançando-fe 
toda a gente delles ao mar , ficando-lhe os 
navios nas mãos. Fernão Pegado foi fe« 

fuindo a Galé até fe metter debaixo de 
umas caías grandes , aue eítavam armadas 
fobre o mar , a que cnamam Pangoes , e 
da terra lhe atiraram muitas bombardadas , 
de que lhe fizeram algum damno. 

D. António de Noronha tanto que fur- 
gio , e que vio ir a Armada apôs a dos ini- 
migos, metteo-fe em hum bantim ligeiro, 
e foi recolhellos , e os achou ás bombarr 
dadas com os da terra , e com hum Forte 
^ue tinham na praia , que lhe chamam Cor- 
ritao , que tinha trinta peffas de artilhe- 
Tia , ao qual os falcòes dos noíTos navios 
derrubaram alguns páos (porque era de 
madeira ) e Ibe mataram tantos , e fizeram 
tal dellruição, que o largaram os que den-^ 
tro eftavam , que feriam duzentos homens , 
e fe acolheram pêra hum palmar que alli 
havia perto. Ifto foi villo por António de 
Andria , Capitão Mór dos bantins de Ma- 
laca ; e fallando com os feus , fem dar con- 
ta a D. António de nada , defembarcou 
«m terra , e entrou no forte de Corritão , 
c mandou pelos marinheiros embarcar a 
artilheria ; e depois que recolheo o que 
nelle achou , lhe mandou pòr fogo y que 
coofamio muita parte delíe. Feito ifto , 

em- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VH. 45^3 

wnbarcou-fe, efoi de longo da praia, quan- 
to diz a face da Cidade , ou do feu arrabal- 
de, dando fogo a tudo, aílim ás embarca- 
rdes commuas , que eram muitas , como ás 
caías y nas quaes , por ferem de palha , e 
de madeira , fe ateou foberbiíllmamente de 
huma em outra até darem em humas tere- 
cenas muito grandes , cheias de drogas , e 
outras fazendas , nas quaes elle tomou tan- 
ta poíTe , e fez tamanho damno , que pa^ 
recia arder o mundo. Fernão Pegado , D. 
Nuno Alvares , Simão de Abreu , Pedro 
Alvares de Abreu , e outros mettêram-fe 
debaixo deftas caías armadas fobre o mar , 
e lhe deram fogo por muitas partes , com 
que íe coníumiram muitas , e faltou no ar- 
rabalde , onde fez outro femelhante eftra- 
go. Em todo eíle tempo , aífim da terra , 
como do mar, era tudo huma confusão do 
eftrondo da artilheria , cuja fumaça cubria 
o Sol , e cujo terremoto eníurdecia a to- 
dos ; e com efta confusão tiveram tempa 
alguns Portuguezes , que eftavam prezos no 
Tronco do arrabalde , de íe foltar, e fu- 
giram pêra os noífos, íem os inimigos da- 
rem fé diíFo , porque andavam occu pados em 
acudirem ás luas fazendas. 

Feito efte damno , recolhêraçi-fe os 
noífos com efta primeira vidloria , com a 
qual não fò deixaram feito nos inimigos 

gran- 



Digitized by VjOOQIC 



45'4 ÁSIA DB Diodo de Couto 

grande efirago , mas ainda ficaram tão aaie« 
drontados, que andavam como paíhiados; 
porque o primeiro dia que fçnríram o fer- 
io dos aoíTos , aíEm lhes foi cruel , e el^ 
{)antafo , que fe commettéram a Cidade, 
em dúvida lha ganharam. Aqui aconteceo 
^um cafo que íe teve por milagrofo , e foi , 

Jue eftando o arrabalde ardendo na mór 
)rça do fogo , fe armou hum chuveiro 
(como foe acontecer os mais dos dias nsh 
quella terra , por eftar tão chegada á Equinoc-? 
ciai) o qual fe desfez em hum diluvio de 
tgua, que fe alagavam os navios, e o meC» 
pio aconteceo dentro na Cidade ; mas no 
arrabalde , que ficava em meio ardendo em 
^go y não cahio huma fò cota de agua^ 
com ò que queria Deos moftrar aos inimi^ 
gos que favorecia aos feus fieis. 

Qs que andavam em terra recolheram? 
fe carregados de defpojos , e cativos ; e foi 
tal , que não deixou de caufar inveja nos 
que ficaram de fora, porque os peitos Por^ 
tuguezes o que menos foffrem he verem 
outros mettidos em perigos , em que eiles 
são fejam companheiros , fenâo quanto lhes 
ifto entr9 mais aos feitos que obram , não 
fomente feus naturaes, mas ainda feus pro^ 
prios pais , e irmãos , o que nap he tanto 
com os eftranhos , e Naçóes differentes ; por* 
Que aífim cpmo Deos noílo Senhor lhes deQ 

tum 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VIÍ. 4jrjr 

hum valor tão conhecido no Mundo , tam- 
bém lhes deo confiança pêra prefumirem 
oue nenhuma outra Nação pôde commetter 
leito tio arrifcado , aue a eíles lhes não foí« 
fe muito fácil de acabar : e não not enver- 
gonha dizer iíto dos noíTos naturaes , por- 
que he verdade mui fabida , que t>eIos e£> 
tranhos lha não poderem negar , lha diíE- 
snulam , e encobrem em muitas coufas , co* 
mo fe calar louvor alheio náo foíTe hum 
furto manifefto. 

Recolhidos os nolTos , ao outro dia 
chegou-fe a Armada mais perto da Cidade 
pêra a bater com mòr fiiror. Âconteceo ef^ 
te fucceíTo aos 21. de Julho a hum Domin- 
go , e eftimou-fe a perda das fazendas , e 
embarcações em mais de du2entos mil cnn 
zados , com o que o Rajale ficou muito 
quebrado, e quebrantado, porque nunca lhe 

Í)areceo que os noíTos commetteíTem aquel- 
a defembarcaçâo tão ai3reírada , e aflim o 
caio foi accelerado, eíem confelho algum* 



CA* 



Digitized by VjOOQIC 



45'6 ÁSIA DE Diogo de Couto 

CAPITULO Viri. 

J)e c^mo Z). António de Noronha tratou de 
commetter a Cidade , e fid contrariada 

. dos Capitães da Armada de i). PauJoz 
e de como contra parecer de rodos dtjem^ 
harcou : e das coufas quç Ibç acontece^ 

- ram. 
• 

Toda aquella noite paffáram o? da Ar- 
mada em grande rigozijo ; e porque q 
feito foi dos hpmens de Malaca , ficdram 
elles tão gulofos , que aconfelháram a D, 
António , que pois Ihç Deos dera tamanho 
principio da vitoria , feguifle fua fortuna , 
e commetteíTe a Cidade ; porque fegundo 
os inia^gos ficaram atemorizados , íer-lliq 
hia muito faeil entraUa ; e pois que a occa-» 
liâo , e a ventura lhe offerççia liuma tama-i 
jiha vitoria , não quizeíTe guardalla pêra 
P. Paulo, p. António como era ambicioío de 
honra, e. bom Çavalleirp, fpirlhe façil dç 
fe perfuadir daquelle negocio , e determinou 
de o tentar, pofto que o feito era arrifca-i 
do ; mas como os fins de tamanha gloria 
não fe podem pertender fem rifcos de gran-i 
de ventura , quiz ver aonde a fua chegava j 
poraue fe pcra elle ellava guardado hum 
negocio tão importante , vindo a ter fim 
j>ór fuás ^iiãos ;, não lhe fiçí^ya mais quq 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca^. VIII. '4^7 

defejar. Com efta rcfoluçâo mandou cha- 
inar todos os Capitães a confçlho , c lhes 
propoz aquellç negocio , e os perfuadio a 
flue feguiílem fua fortuna , pois ella lhes 
começara a dqr linaes certos .de vitoria, 
porque os inimigos eftayam medrofos , e 
^quebrantados da perda paflada , e elles 
com as armas ainda tintas no freíco Tan- 
gue , e com o furor , e animo alvoroçado , 
e quente: que lhe parecia bem não deixar 
arrefecer aquelle brio , e commetterem a 
Cidade , a qual efperava em Peos que mui- 
to facilmente havia de fer entrada , c def- 
truida de todo ; porque íe a tamanho da- 
inno , como elles receberam o dia de an-» 
tes , fora fó pelas mãos de quatro bantinei- 
ros de Malaca , que fe efperava, quando 
tantos , e tão esforçados Capitães , e vale- 
rofos foldados , como alli eftavam , puzel- 
fem os pés na terra, e qs hombros áquel- 
les muros de maneira , que por fem dúvi- 
da jtinha quç tudo fe lhes renderia. Os Ca- 
jDitães da Armada de D. Paulo , que já 
Jiiam refolutos no quç haviam de dizer,* 
porque ftbiam o pêra que os chamavam , 
votaram todos conformes , que não era bem 
que fe arrifcaíTe aquella gente daquelJa Ar- 
jnada em coufa dcfigual , como eram me- 
jios de trezentos homens , que alli poderia 
fc}ver ^ çommetterçm Jiuína Cidade cheia 

de 



Digitized by VjOOQIC 



4^9 ÁSIA DB Diogo de Couto 

de muitos ,' e fortes baluartes, e provida 
de muita , e muito bafta artilheria , e com 
dez, ou doze mil homens de armas muito 
determinados a defenderem fua Cidade , 
fuás cafas , fuás fazendas , e fobre tudo 
fuás mulheres , e filhos ; porque fe aconte- 
ceíTe algum defaftre , ficava D. Paulo fem 
Armada , e fem Capitães , e fem foldados 
pêra o eíFeito , pêra que o Vifo-Rej o 
mandava ; e o que peior feria , que tendo 
o inimigo (o que Deos náo permittiria) 
vitoria delles , eftava muito certo morre- 
rem no feito todos os Portuguezes de hon- 
ra , e que ficaria o inimigo tio foberbo> 
que tomando aquella Armada , iria com el- 
la pAr cerco a Malaca ; e que fegundo 
aquella Cidade efta?a piedofa , fó Deos lhe 

Soderia valer *, e que dado que Deos lhe 
éfle a elles vitoria, teriam que dar conta 
a Deos , a ElRev , e a D. Paulo ( de quem 
todos eram foldados ) da honra que lhe 
furtaram, que o negocio eftava em termos 
que fe não perdia a occafião , nem havia 
perigo na tardança , porque o inimigo já 
não podia fer íoccorrido de fora : e que 
fe erperàíTe por D. Paulo , e entre tanto 
batcíle:n a Cidade, e que fe quebrantaíTem 
os inimigos com aífaltos *, e que depois 
vindo D. Paulo , e fazendo-lhe Deos mer- 
cê de lhe dar aquella Cidade j a honra era 

de 



Digitized by VjOOQIC 



Década X^ Cap. VIIL 45^9 

ãe todos 9 e a elle D. António não pode« 
riam negar a mór parte delia : fó D. Bcr- 
Dardo de Menezes , cjue era parente de D. 
António, foi de parecer que Te commetref- 
fé a Cidade logo ; porque, fegundo a fra- 
i]ueza que os inimigos moftráram na defen^ 
são do feu arrabalde , e no Forte de Cor- 
ri tâo , elles eftavam tao niedrofos , que 
fem dúvida a tomariam ; e quando a vito^ 
ria eftava então certa , que dilatalla pêra 
depois , não era bom coufelho, e o me& 
mo votaram os Capitães das fuftas , e ban« 
tins de Malaca; mas como os Capitães dst 
Armada de D. Paulo eram roais , ficaram 
os outros votos vencidos , e aíTentáram que 
(e bateíTe a Cidade até vir D. Paulo , 9 
com ifto fe recolheram. Ao outro dia, que 
foram 23. de Julho, paffou D. António em 
hum bantim por todas as iuftas , e deo re- 
cado aos Capitães quo fe chegaffem a ter-- 
ra , e commetteíTem a bateria , o que 
elles fizeram , e os GaleÓes , e toda a mai» 
Armada começaram adifparar aquella tem* 
peíladc de efperas , camellos , e de outras 
peífas groíTas com tanta fúria , e terremo- 
to , que parecia fundir-fe o mundo ; a Cí* 
dadetamoem fez feuofficlo, moftrandoque 
por toda ella em roda nío havia palmo de 
murp que não tivelle fua peffa de artilheria 
fçr* fe defeadeF , e ^ffim com o eílrondo 

dç 



Digitized by LjOOQIC 



460 ÁSIA DE Diogo db Couto 

de hutna , e outra parte pareceo o dia to^ 
do huma carranca infernal , por fe não ver 
em todo elie outra couíà que fumo j e fo* 
go , e não fe ouvir mais que trovões , e 
terremotos. D. António de Noronha an- 
dava no bantim acompanhado - de toda a 
Armada de remo de Malaca , muito perto 
da terra : ou foíFe que o furor o levalTe, 
ou foíTe fobre determinação que depois do 
çonfelho geral tomaria com os feus y poz 
os efporóes cm terra y e faltou nelia com 
huma bandeira , em que trazia pintada N» 
Senhora do Rofario , de quem era muito 
devoto , e com elle D. Manoel de Alma- 
da , e toda a mais gente da fua Armada , 
c começou logo a marchar , e tomar hum 
caminho, que hia por huma fubida Íngre- 
me dar em huma porta , que a Cidade ti- 
nha pêra aquella face; e hia tão foíFrego, 
e ciofo daquella honra de commetter a Ci- 
dade , que não fez cafo dos Capitães da 
companhia de D. Paulo , os quaes vendo-o 
em terra tocados da defconfiança , indirei- 
táram com a praia , e faltaram nella , e os 
primeiros foram D. Nuno Alvares Pereira, 
Simão de Abreu de Mello , e Pedro Alva- 
res de Abreu , porque os fçus navios eram 
mais maneiros , e todos juntos foram mar- 
chando pêra onde D. Antonio*hia ; e che- 
gando a elle já no caminho Íngreme , lhe 

per- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cak VIIL 461 

perguntaram que lhe mandava que fizcflem. 
D. António fein lhe refponder a propofito , 
lhe uergunrou fe viram Pedro Velho, que 
era num homem da terra Bantineiro , na- 
vido por Cavalleiro , o qual parece tinha 
com elle praticado aquella defembarcação , 
e o levava por guia , por faber muito bem 
as entradas daqueila Qdade , do qual lhe 
elles não foubçram dar razão , porque de- 
via elle de ter tomado outro acordo pelos 
muitos pelouros que foram zunindo pelas 
orelhas de todos : e lhe tornaram a pergun- 
tar o que fariam ; e nem affim lhes refpon- 
deo mais que tornar-lhes a perguntar por 
Pedro Velho , do que elles defconfiados 
foram-fe adiantando , e tomaram o cami- 
nho da Cidade com fetenta , ou oitenta 
foldados que os feguiam , e foram pelo te- 
zo aíllma jogando as eípingardadas com 
hum magote de inimigos , que tinha fahi- 
do da Cidade, pêra lhes defenderem a def- 
embarcação : os mais Capitães da compa- 
nhia de D. Paulo foram defembarcando em 
terra como melhor puderam , e indireitá- 
ram pêra onde viram ir D. António , o 
Gual já não apparecia ; e o Froes , e Coe- 
llio , Capitães de dous navios , tanto que 
defembarcáram , vendo que os inimigos 
recrefciam, mettêram-fe no Forte de Cor- 
xitão ^ que ainda eítava a mór parte eai 



Digitized by VjOOQIC 



461 ÁSIA DK DtoGO DE Coura 

pé , jpera defenderem dalli que não arrtf» 
bentaliem os inimigos pela praia , porque 
feria total perdição dos noílbs. Mattheus 
Pereira de Sampaio, c Fraíicifco de Soufa 
Pereira foram tomando o caminho do pai** 
mar , a tempo que da banda do Forte da 
Corri tão fe levantou huma voz de Mou^ 
ros na praia com mie tomaram a voltar 
peraelia, porque fclhesnâo foffem apode^ 
rar das embarcações que ficavam fós. Os 
três Capitães D, Nuno Alvares Pereira , Si- 
mão de Abreu , Pedro Alvares de Abreu ^ 
e António de Figueiredo , Capitão de hu-» 
ma das fuíbs , e D. António foram pelo 
tezo aíCma , aonde os deixámos , cami- 
nhando pêra a Cidade, e chegaram a deí^ 
cubrir a porta , c a tiro de efpingardá del- 
ia a viram abrir pêra recolherem hum eP 
quadrão de inimigos que hiam fugindo ^ 

?ue parecia hiam daquella parte por onde 
>. António peleijava ; e em le a porta abrin- 
do, gritou num Frade de S^ Francifco Lei- 
go, homem virtuofo, que levava hum cru- 
cifixo arvorado em huma aftea , que deílbni 
Sant^Iago , e que accommetteíTem aqaella 
porta pêra entrarem de envolta com osini^» 
migos , o que os Capitães não qúizeram 
fazer , antes pararam , por lhes parecer te- 
meridade commetterem aqueíle negocio fós> 
ttas o Figueiredo da companhia de D. Aih 

to- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VIIL j^$ 

tonio em o Frade bradando , appellidou 
éíle Sant-Iago y efoi arremettendo adiante, 
do que os três Capitães defconíiados foram 
endireitando com a porta , rompendo por 
tantas nuvens de pelouros que choviam fo- 
bre elles , que os fizeram parar , porque 
viam defmandar alguns de íeus foldados , 
e aflim a pé quedo travaram huma fermo- 
ia batalha com os inimigos , da qual hou« 
ve alguns efcalavrados , e Pedro Alvares de 
Abreu de huma efpingardada , que lhe paf* 
fou hum braço , de que muito tempo foi 
aleijado ; e foi a coufa de fei^o por re- 
crefcerem muitos dos inimigos , que foi for-* 
$ado aos noíTos recolherem-fe , e já o fize« 
ram com muito trabalho , poraue carrega- 
ram os Mouros muito fobre elles. D. An- 
tónio de Noronha foi por outro caminho 
com tenção de commetter a Cidade pela 
mefma porta ; mas achou hum grofib efqua-> 
drão de Mouros , que acudiram áquella 
parte , por verem alli a bandeira , e o com« 
mettéram com grande determinação, e en- 
tre todos fe travou huma afpera batalha, 
em que houve bem damno de ambas as 
partes ; mas como os Mouros erao muitos , 
apertaram tanto com os noífos , que fe co* 
xneçáram a defmanchar , e muitos a fe reco« 
Iherem pêra a praia , ficando D. António , 
c D. Manoel de Almada com alguns Fidal-% 

«os. 



Digitized by VjOOQIC 



464 A SI A DÊ D/oGõ Dê CõtíTd 

gos , e Cavallciros de honra , que todos ef' 
te dia a ganharam bem grande ; c todavia 
vendo-fe D. António tão apertado, e com 
tão pouca gefiro 5 foi-fe recolhendo pêra 
a banda da praia, fuftentando o pezô dos 
inimigos , que carregavam fobre elles até 
chegarem a huma tranqueira de páos tof- 
cos , que eílava da banda do arrabalde ; e 
por ir jd muito apertado , pot as coftas 
nella , e alli fe dcfendeo com muito valor i 
vendo-fe muitas vezes perdido^ Diogo Soa- 
res de Mello , Francifco de Soufa Pereira , 
Fernão Pegado , e outros Capitães foram 
feguindo leu caminho , e mettendo-fe por 
hum palmar , por não faberem por onde 
hia D. António, nem o que lhe tinha acon- 
tecido , e foram encontrando alguns Tolda- 
dos , que vinham donde elles eftavam , huns 
efcalavrados , e outros sãos , que todos de 
envolta fe hiam recolhendo pêra o navio, 
e todos tão medrofos , que perguntando* 
lhes Diogo Soares pelo Capitão Mór, lhe 
refpondeo hum , que ficava desbaratado , e 
toda a fua gente morta; e entendendo elle 
fer aquillo medo , bradou com elle muito 
afpero , e lhe diíTe que voltalTem com el- 
le , e lhe foflem moftrar onde ficava , o 
que alguns fizeram , ainda que contra fua 
vontade. Indo affim eftes Capitães reco- 
lhendo alguns defmandados ^ acliáram hum , 

que 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. VIIL 46$^ 

que lhe diíTe , que acudiíTem a D. AntCH 
nio , que eftâva muito apetcado ; e toinan« 
do efte comílgo , foram-fe encaminhando 
pêra onde os guiou até os pòr á viila dos 
inimigos y que tinhâo D» António encurra* 
lado na tranqueira , aonde por entre os 
páos fe defendia com muito valor , e es* 
forço , e já não era mais que elle , e D» 
Manoel de Almada , c dez, ou doze Tol- 
dados , que efte dia fizeram mui grandes 
cav^Iiarias , e derredor da tranqueira efia- 
vam já mortos alguns finco , ou féis com- 
panheiros. Vendo elles o Capitão Mor na- 
quelle perigo, determinaram-fe a morrer, 
ou ao livrarem j e arrancando todos em 
hum corpo com grande eftrepito , e bra- 
dos^ chamando por Sant-Iag9j deram em 
os Mouros, e da primeira íurriada de ar« 
cabuzafia derrubaram alguns , e puzeraitl 
todos os mais em desbarato y e cnegando 
a D. António , o recolheram comfigo , e 
a todos oè companheiros que com elles eC« 
tavam, todqg bem feridos, e efcalavrados , 
e aílim o foram levando diante , ficando 
Diogo Soares na retaguarda tendo o encon- 
tro aos Mouros , que hiam ladrando apôs 
jelles , até que chegaram ás embarcações; e 

}>oflo que vinham com eíte trabalho , não 
e defcuidáram de pór o fogo a quatro 
Galés novas , que elbivam no eftaleiro y as 
Cêuto. Tom. FL F. li* Cíg quaes 



Digitized by VjOOQIC 



466 ASIA tt Diogo dé Couto 

fquaes ardéraitl todas. Chegados aos na^ 
Vios , fe embarcaram todos , e tornaram a 
Continuar na bateria , mandando D. Anto^ 
hio dar alguns aíTaltos nas povoações dos 
Mouros pelo rio aífima , em que lhe fize- 
ram muito damno. 

CAPITULO IX. 

De ctmo chegou D. ^aulo de Lima : e dê 

Cúfífelbo que tomou fobre a defembarca^ 

fão: e do Jitio da fortificação da 

Cidade de Jor. 

D Paulo de Lima , depois que fe apar* 
• tou ha terra do Achem da Armada de 
remo , foi feguindo fua derrota com tem- 
pos tâo contrários , que quando chegou a 
Malaca , era já em Julho ; e furgindo na 
Ilha das Náos , foi vifitado do Bifpo , c 
Cidade , que lhe deram informação do ef- 
tado em que as coufas eftavam, e do fuc- 
ceífo da fua Armada, e de como eftava em 
Jor a companhia de D. António ; pelo que 
logo determinou de fe partir , e mandou 
dar preíTa i aguada , e ás coufas que mais 
eram neceflarias. , as quaes o Bifpo nego- 
tioli com dinheiro feu , e de parentes , que 
pêra iíTo tomou empreitado ; pofto que João 
da Silrâ , ainda que alUm doente , e enfer* 
• - ma. 



Digitized by VjOOQIC 



Decaída X. Caf* iXé '4Í7 

tnò i empreftou â mór parte ddle ^ e neftaí 
couías gaftou D. Paulo todo o mez de Ju^ 
lho , e na entrada de Agofto fe fez á vela 
pêra Jor , aonde chegou a féis de Agofto^ 
€ ás toas foi levado pelos navios da fua 
Armada até.furglr defronte da Cidade no 
poufo cm que eftavam os outros Galeões , 
e dalli fe poz a notar ò íitio da Cidade ^ 
que fe defcubria muito bem^ por eftar na 
alto ; é pofto que nâd vio grande magefta-^ 
de de edifícios de pedraria , muros , torres^ 
coruchéos , nem outra alguma fermofura 
das Cidades da Eufopa , vio todavia huma 
muito fermofa Cidade , eftendida de longo 
daquella ribeira ^ ainda que os muros eram 
de madeira , e as cafas cubertas de folha 
de palmai também vio outtas torres, ou-» 
tros baluartes , e Outras arquitedturas de 
mais fermofura , e fortaleza , que era grof* 
fo povo , e gente muito luftrofa, que en- 
chia os lugares altos , e baixos , e tanta» 
etão bafta artilheria^ que até por íima da^ 
arvores femoftravaj e por todos os baiuar-, 
tes 5 guaritas , e eftancias muitas , e diíferen« 
tes bandeiras de cores de fedas defprega- 
-das ao vento , e com divifas das tenções 
conforme aos feus Capitães. Tudo ífio no^ 
tou D« Paulo de vagar ^ e mandou a toda 
a Armada que falvâííe a Cidade com an* 
tilheria fem pelouros , aíEm pot bizarria | 
Gg ii CO-' 



Digitized by VjOOQIC 



468 ÁSIA D£ Diogo de Couto 

como jicra moftrar aos inimigos o alvoro- 
ço com que os hia bufcar , o que fe fez 
com tanto terror , e efpanto, que parecia 
reprefentar o final juizo, afuzilando fogo, 
vaporando fumo , atroando os ares , e ef- 
curecendo o dia de forte , que tudo era 
huma confusão ávifta da Cidade, que bem 
fabiam que toda a fúria daquella Armada 
havia de ir quebrar em fuás tranqueiras. O 
Rajale, poílo que aquillo fez emfeu peito 
hum grande abalo , todavia não fe lhe 
entendeo , antes muito inteiro , e feguro 
mandou que fe falvaíTe também a Armada 
fem pelouroé , pêra moftrar que nâo eftava 
com menos brio do com que os noífos vi- 
nham ; e elle em peífoa andou correndo 
«s eftancias , e provendo nas coufas que 
lhe pareciam neceífarias ; e porque não te- 
mos dado relação do íitio defta Cidade de 
Jor , fera razão fazermo-lo aqui pêra fe ver 
fua fortificação , e pêra que fe eftime em 
mais a vitoria que os noíTos alcançaram. 
Efta Cidade eftá na ponta daquella lin- 

fua da terra de Malaca fora de todos os 
aixos em altura de gráo emeio de Norte, 
duas léguas por hum rio dentro, muito lar- 

fo na Doca, e muito eftreito dentro, e to- 
o tão limpo , e de tão bom fimdo , que 
-hum pouco aíF^ftado da praia podem iur- 
gir grandes náos ^ e por toda elía póem os 

na- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. IX. 469 

navios de remo os efporões em terra : eC- 
tende-fe a Cidade fobre hum alto de lonr 
go da praia hum tiro de falcão de diftan- 
cia , cercada de muros de madeira mui 
groflbs de duas faces com outros atraveíTa-p- 
dos , e rodeados de andaimes pêra a gen- 
te de peleija ; e no meio defta face da Ci- 
dade, que fica fronteira ao furgidouro, fe 
fazia hum baluarte com o cavalleiro mui- 
to alto , que jogava huma ferpe , e hum 
camello ; e logo abaixo delle , onde eftava 
huma arvore , tinha hum leão mourifco; 
c por íima da arvore , que era grande, e 
frondofa , havia muitos chicorros , peças 
que são abaixo de meios berços : defte for- 
te aílima pêra a banda do mar eftá outro , 
a que chamavam Cotobato , que he o meír 
mo que fortaleza de terra , por fer de tai- 
pas mui groíTas , foalhado de vigas mui 
grandes , por lhe ficar debaixo hum arma- 
zém , e por fima jogava hum camello , dous 
camelletes , e hum falcão : e porque nefte 
Forte eftava a força da Cidade, eftava mui 
fortificado , e repairado ; e pêra mais for- 
taleza fazia a primeira banda de fora hu- 
ma couraça , que o cingia todo das met 
xnas taipas , e dentro ficava huma praça 
com terecenas á roda pêra gazalhado dos 
Toldados da fiia guarda , e pela parte de 
dentro da Cidade rodeava efte Òotobato 

hu- 



Digitized by VjOOQIC 



470 ÁSIA Ds DioQó De Couto 

liuma tranoueira de páos mai groiTos com 
huma efcada , e porta pêra fua fcrventia , 

3UC hia fahir á ma , que vai dar nas caías 
eEIRey: da parede, que eíl^ pêra aban* 
tia do primeiro baluarte, fe enfiava outra 
cont feus travézes da mefoia taipa , a qual 
hià dar em hnma guarita do revéz , antes 
da qual havia huttia grande , que era a 
principal da Cidade , que hia também dar 
nos paços, a qual atraveíTava toda a com« 
pridSo da Cidade , a qual fera de hum ti^ 
ro emeio de falcão; e porfima deíla pare^ 
de de taipa havia huma tranqueira de páos 
mui groílos com feus travefsôes pregados; 
daqui avante pêra a mão direita corria hu-* 
ma tranqueira de maftros , e páos groflbs 
mettidos em vallos de terra altos , c gran* 
des, epela parte doCertão não tinha mais 
que huma tranqueira íimples fem torre , 
Tiem baluarte algum , porque daquella parte 
fe não temiam -, e pela face da Cidade da 
banda do mar era toda cercada de huma 
boa cava , toda cheia de agudos , e peri- 
gofos eftrepes ; e o que fazia a Cidade mui- 
to mais forte era ficar como Ilha , porque 
lie ambas as partes era rodeada de efteiros 
que o rio alli fazia , e a Cidade por den- 
tro tinha as rqas tapadas nas entradas com 
'trartqueiras de madeira groíTa , e de longo 
^o mar corria p arrabalde ,^ ^uç çr^ a^ud-. 

Í6 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. IX. 471 

le que D. António queimoy : em fifn a Cit 
dade toda, vifta de fora, eftava a mais íb- 
berba coufa que podia fer , porque por 
todas as partes por onde fe via , le lhe enxer^ 
gava muita artilneria ; eoq^e era mais pêra 
temer, muita, e fermofa guarnição de foi* 
dados Malaios , Manancabos , Jaós , e ou^ 
trás nações fortes , e bellicofas , de que q 
Rajale fe foi apercebendo de vagar , q 
convocando ajudas dos vizinlios , e amigos 
que dentro tinha ; porque parece que q 
coração lhe adivinhava os m^Ies que fo-t 
bre u vio , e que havia de mifter ajuda d^ 
todos , e ainda de outros Reys de mai^ 
longe, fe os pudera acarretar: aílim fendo 
elle dantes o que fem ajuda , nem favoc 
deiles por algumas vezes affrontou MalaT 
ça , e fe aprefentôu com groífas Armadaa 
i fua vifta , e com groffos ejcercitos ao re-i 
dor de feus nuiros , agora parece que en^^ 
tendeo que nâo fó havia derefiftir a buma 

groífa Armada guarnecida da melhor Fi-t 
alguia , e foldadefca da índia, mas que 
tinha contra íi hum Capitão sn>iito vbntu* 
rofo nas coufas da guerra , p^^rque.a bon 
fortuna he começo da vitoria i pelo que fe 
qui2 valer de tudo, e tinha mettido naCir 
dade doze mil homens efcolhidos com al<« 

Íuns Reys amigos , como o de Tringal , de 
>ranguir , de Campar , a fora outros ftw 

nho" 



Digitized by VjOOQIC 



47* A SI A DE Diogo de Couto 

nhores amigos , e vaíTallos , com que lhe 
parcceo eftava feguro, 

D. Paulo ao outro dia, depois que ai* 
li chegou, chamou a confelho todos os Ca- 
pitães , e tratou fobre o modo da defem- 
Darcação , porque determinava de pôr lo- 
go as mãos áquella obra y porque fe lha 
os inimigos viÍTem dilatar , cobrariam ani- 
mo , cuidando que of receara ; e depois 
de debatido aquelie negocio , aflentáram que 
fe commetteíle a Cidade pelo canto que yai 
defronte doCorritão direito aífima , porque 
por alli fó não tinha cava. Refolutos niíbo y 
mandou o Capitão Mor que fechegaíTem os 
Galeões a terra tudo o que pudeílem , e 
que bateíTem a Cidade pêra terem quebran- 
tados os inimigos ; e indo-fe continuando 
a bateria, o primeiro dia fahíram do rio, 
que corre pela ilharga da Cidade huma có^ 

Í)ia de navios cheios de gente luftrofa , e 
oram commetter as noflas íòiftas fó por 
divertirem a bateria , e metterem a Arma- 
da em revolta ; mas os noíTos em vendo 
aquella Armada , remettêram a ella , mas el- 
la lhe foi fugindo pêra a terra , a fim de irem 
mettet^ os navios nas bocas das bombarda» 
que tinham pêra aquella parte ; ao mefmo 
tempo appareceo huma Armada de quaren- 
ta velas com osmefmos intentos deinquie« 
tàXQtsx os noflbs , os quacs lhe íahír^m , o 



Digitized by VjOOÇIC 



Decaixa X. Ca>. IX. 47 j 

©s fizeram voltar. O Capitão Mór cntendeo 
íeus defenhos , mandou que fe continuafle 
a bateria , e que não iahiíTem mais os feus. 
savios aos inimigos, fe appareceíTeau 

CAPITULO X- 

De como os nújfos àefembarcdram na Cida^ 

de de Jor , e de conto a entrdram \ e da . 

. ejpantofa , e duvidofa batalha que 

dentro neJla tiveram comosini" 

migos : e dos cafos que neU 

la fuccedêram. 

ERa D. Paulo de Lima muito devota 
da AíTumpçao de N. Senhora , que ca-^ 
lie a i5r. de Ágofto , e tinha determinado 
de commetter a Cidade em feu dia : foi 
dilatando a bateria , e dando ordem ás 
coufas , defembarcáram , e informando-fe 
da terra , e do modo da Fortaleza , e aos 
13. dias do mez mandou armar da outra 
banda de Jor hum altar , e defembarcoii 
com toda a gente, e fe Ihediffe huma de- 
vota MiíTa , na qual tomaram a mór parte 
dos da Armada o Diriniíli.no Sacramen-- 
to, porque fe tinham já confeíTado , fendo 
os primeiros os Capitães , porque quia 
D, Paulo regiftar primeiro com Deos aquel- 
las coufas y por quanto elle quer que fe 

en- 



Digitized by VjOOQIC 



474 ÁSIA DE Diogo de Coxrvó 

entenda que todo o bem vem delle , e qua 
nos homens não ha poder pçra nada -, e a 
gente que faltou por confeflar , e commun- 
gar , . o fez ao outro dia , que era veipeia 
de N. Senhora , e aíEm fe gaftáram eftes 
dous dias neíkes exercícios chriflaos y nos 
quaes todos moftráram bem grandes exte- 
riores de arrependimento y e ao outro dia 
no quarto d' alva começou toda a Armada 
a diíparar aquella tempeitade de artilheria , 
e de bater a Cidade com grande terror , e 
efpanto , e o Capitão Már fe mudou aos 
navios de remo com toda a gente da Ar- 
mada , deixando encarregada toda a frota 
a Luiz Martins Pereira , que fe paífou á 
huma Galé , e com todo o poder commet- 
téram oa noíFos a terra , e ao fom de mui-« 
tas trombetas , tambores y e pifanos , le^ 
vando o Capitáo Mór ordenado de toda 
a gente três batalhas , que nunca quiz fa-> 
zer delia alardo , por fe não faber o pouco 
poder que tinham, e todavia paífavam de 
leiscentos Poroiguezes : a primeira batalha 
encommendou a D. António de Noronha, 
e a D. João Pereira , que haviam de fer 
a dianteira , e com elles feu irmão D. Nu-t 
no Alvares , D. Manoel de.Alraada , D. Fer- 
nando Lobo , Sebaftiáo de Soufa ^ Marrim 
Affonfo de Mello, e outros muitos Fidal- 
gos y mancebos aventureiros | que defeja^ 

vam 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. X. ' 47^ 

Vám de ganhar honra , e toda a gente de 
Malaca: afegunda batalha deo aMattheus 
Pereira de Sampaio , e com elle D. Ber* 
sardo de Menezes , Sebaftião de Miranda y 
^ outros Fidalgos , e Cavalleiros , e a gen^ 
te dos bantins de Malaca ; e a terceira ba*-' 
talha tomou o Capitão Mór pêra íí , e conof 
cUe ficaram Francifco da Silva de Mene* 
zes y D. Pedro de Lima , Diogo Soares da 
Mello, Francifco de Soufa Pereira, Pedro 
Alvares de Abreu , e os dous Capitães 
Froes , c Coelho ; e commettendo a terra i 
o primeiro que nella poz os pés foi Dv 
João Pereira com a fua bandeira , e lo^o 
D. António de Noronha com a de N. oe* 
jihora do Rofario , e em terra acharam huni 
efquadrâo de inimigos , de que era Capi* 
tão Raja Macota , que o Kajale mandou 
defender a defembarçação , com o qual D. 
João Pereira travou logo com grande de-í 
terminação , e o levou de arrancada hunrr 
bom efpaço até além do Forte do Corri* 
tão; mas chegou logo outro grande efqua- 
drão de inimigos de frefco , e ajuntando-» 
fe todos , tornaram a voltar íbbre D. João ; 
e como o poder era grande , foi-lhe ten-^ 
do o encontro até fe recolher no Forte do 
Corritão até chegar D. António de Noro* 
nha com toda a dianteira ; e ajuntando-fe 
todos , deram em os inimigos, e os fize^ 

ram 



Digitized by LjÓOQIC 



3^7* ÁSIA DE Diogo dk Couto 

ram recolher pêra hum palmar , aue fe h^ 
zia da banda do mar , e antes delle fica* 
ram os noíTos efperando pelo Capitão Mór , 
que hia defembarcando de vagar. Tudo o 
que nefte tempo fe ouvio eram corifcos , 
e trovões , aíEm da Armada , como da Ci* 
dade , que efte dia difparou com todas as 
fuás carrancas ; porque como fe guardava 
pêra então , que navia de fer o ultimo dos 
feus trabalhos y toda a força , e reíiftencia 

Í^era a fua defensão , e nos noíTos todo o va- 
or y e esforço y que era neceífario pêra 
cominetter huma Cidade tão forte, e fceoi 
provida , a(Em fe desfazia tudo em tro- 
vões , e terremotos y que não havia quem 
fe pudeflfe entender, já nefte tempo era 
manhã clara , e a gente não acabava de 
defembarcar pelo impedimento das eftaca* 
das , em que alguns dos navios fe emba-- 
raçáram ; e muitos foldados delles vendo 
O feu Capitão Mór em terra, fe lançaram 
á agua , por lhe não poderem chegar. O Ca- 
pitão Mór depois de poílo em terra , man- 
dou a Diogo Soares que lhe fofle recolher 
alguns foldados, que vio andar defmancha* 
dos , o que elle não pode fazer fó , e o 
foi ajudar Francifco de Soufa Pereira , os 
quaes recolheram com trabalho , por anda-* 
rem já travados com os Mouros , e alguns 
já bem efcalavrados ^ eporque oRaja Ma* 

CO- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. X* 477 

cota fe titrha recolhido ao palmar , e af« 
frontava dalli os noflfos com fua arcabuza* 
ria , mandou D. Paulo metter hum daquel- 
les Capitães no Forte doCorritâo pêra dal- 
li »fazer aíFaftar os inimigos , o que elle 
fez com morte de alguns. Defembarcada 
toda a gente em terra , poz-fe o Capitão 
no campo com hum fermofo efquadrao ; e 
fobre aparte, por onde fe havia de accom- 
metter a Cidade, tornou a haver difFeren- 
tes pareceres ; porque os bantineiros de 
Malaca que aquillo fabiam bem , andavam 
já alguns como areados , de que o Capitão 
Mòr fe enfadou tanto , que mandou que 
marchaífe a dianteira , e que foíTe commet- 
ter a Cidade ; e algumas peças de artilha- 
ria de campo , que eftavam encommenda- 
das a Fernão Pegado , não quiz que fe le- 
vaffem , e as houve por efcufadas por al- 
guns inconvenientes que fe offerecêram. Os 
da dianteira foram caminhando , e logo 
«pôs elles D. Paulo com todo o poder , e 
foram tomando o caminho , onde o Raja 
Macota eftava recolhido , e todos com hu- 
ma determinação , e furor Portuguez , que 
fe não contenta de menos feitos , que daqueU 
les que na imaginação dos homens são ha- 
vidos por impoífiveis , eaífim foram paífan- 
do avante , fem temerem os eftronaos in-f 
fernaes de tantos pelouros , quantos lhes zn-* 

niam 



Digitized by VjOOQIC 



47^ ÁSIA DE Diogo m Covra 

niam pelas orelhas , como fe todos elTe^ 
foram nafcidos debaixo de alguma conftel- 
laçáo , que lhe não pudeflem impecer : os 
da dianteira ibram tomando o caminho 
•que diíTemos ^ e D. João Pereira com ítni 
irmão y e toda a fua companhia apartaram* 
fe logo com o feu guião , e todos aflim 
huns com outros foram peleijando com o 
Raja Macota , o qual apertou tanto com 
os da dianteira , que duas vezes os fez tor* 
nar até o Forte de Corritão ; mas como 
elies não puderam confentir incurralarem* 
nos , tornaram fobre elles com grande fú* 
ror , e deram em os inimigos com tanta 
braveza , que com morte de muitos os fo-' 
ram levando até ao palmar. D. Paulo de 
Lima acudio áquella parte ^ onde já osnof' 
fos andavam travados com os inimigos em 
huma afpera batalha de efpingardaría ; e 
foram os pelouros tantos , e tão baftos, 
que aflirmaram alguns que fe encontraram 
«m o ar huns com os outros , e aífim fo« 
ram em huma contínua efcaramuça , levan*- 
do fempre os inimigos diante de íi até os 
deitarem fóra do palmar; e ficando já hum 
pouco folgados , foram os da dianteira tO' 
mando hum tezo aílima , por onde fazia 
hum caminho 9 que hia dar ao canto da 
Fortaleza naquella parte que ficava fem ca*- 
va^ por onde eftava aíTentado que fe com^ 

met- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. X. 47^ 

mettefle a Cidade , e por ellc foratn até 
chegarem aos muros, indo fempre na dian- 
teira D. João Pereira com a fua bandei* 
ra ; e chegando todos á tranqueira , abar- 
cou-fe D. António de Noronha com bum 
tlaquelles páos , como quem o faudava, 
ou tomava pofle delle , e começaram logo 
todos a abalar a tranqueira , gritando por 
machados que fe não acharam ; não porque 
a D. Paulo faltaíTe a lembrança pêra os 
mandar repartir pelas bandeiras , fenão 
porque os que os levavam a cargo , não eram 
ainda chegados ; e eftando os noíTos com 
as mãos trabalhando pêra aíFaftar algum 
páo , não lhe foíFreo o coração a hum Ma- 
noel Peftana , foldado de D. João Pereira , 
aquelle vagar , fubio por hum daquelles 
páos aíHma, e com aquelle furor fe lançou 
«m baixo fobre os inimigos , onde logo foi 
«fpedaçado , e lhe cortaram a cabeça. A 
efte tempo com a força que os noíTos pu- 
tzeram quebrou hum daquelles páos , por 
cuja abertura fe metteo Francifco de Sá , 
foldado conhecido, ealli entalado foi traf- 
paflado de muitas lançadas , de que cahio 

Í)era fora , e foi levado á fua fufta , onde 
ogo morreo , e ficou D. António trabalhan- 
do tudo o que podia pêra arrancar mais al- 
guns páos pêra fe pôr de dentro com todo 
o feu poder. D. João vendo os noffos alU 

em- 



Digitized by VjOOQIC 



460 ÁSIA DE Diogo dk Couto 

embaraçados y foi-fe affaftando pêra a 11^ 
direita por bufcar outro algum lugar por 
onde pudeíTe entrar, e poz todo o feu po« 
der por derrubar hum daquelles páos ^ por^ 
que defejava de fer o primeiro que fe met- 
teíTe na Cidade, a qual aíEm naquella par- 
te , como na em que D. António eftava , foi 
tão bem defendida dos inimigos , como 
úuem nella tinham fuás mulheres , feus fi* 
liios , e fuás fazendas , obrando maravilhas 
efpantofas ; mas nada lhes baftou pêra os 
noflbs não infiíUrem na entrada , antes fo- 
bre ella obraram altiílimas cavallarias y des- 
prezando todo o género de morte que o» 
ameaçava , fem terem dever com a grande 
multidão de lanças , e por entre os páos 
lho defendiam, olFendendo elles os inimi- 
gos de feição , que tinham ao pé da tran* 
queira da oanda de dentro feito hum gran- 
de entulho de mortos, porque alllm íe of- 
fereciam elles a ella tão determinadamente, 
que no lugar em que fe hum punha , ai li 
lhe tirava a vida o pelouro que o traípaf- 
fava , e a lança que o traveíTava , fem fa- 
zer pé atrás , e nefte trabalho os deixa re- 
inos , porque he neceflario continuarmos 
com D. Paulo de Lima. Apartada a dian- 
teira, foi elle caminhando pelo palmar den- 
tro guiado de hum daquelles cativos que 
fugiram ^ quando os noíTos queimaram jq 

ar- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Capí Xé j^2í 

^itôbâlde j o qual fabia muito bem áquellâ 
terra ; e por ir o Capitão Mòr muito caiH 
fado do trabalho ^ e do pezo das armas ^ 
íe aíTentou huiíi pouco íobre huma pedra ^ 
e perguntou fe lábia alguém novas de D^ 
António de Noronha ^ porque o não vio^ 
quando fe apartou delle ^ as qiiaes lhe ded 
r>iogo Soares de Mello ^ que áquella hora 
chegava onde elle ellava , e lhe diíTe qud 
ficava pegado na tranqueira da Cidade em 
batalha com bs inimigos; pcrqiie tanto qtid 
vio ir D. António por aquelle tezo alllma ^ 
os foi feguindo com muito trabalho 5 poi^ 
ir jTempre ás efpingardadas com os Mou«« 
ros y até chegar a defcubfir òs noíTos na 
tranqueira ^ e voltando coín muita prefla^ 
dco aquellas novas ao Capitão Mór, cont 
as quaeá elle folgou muito , porque recea*^ 
va que lhe tivèíle acontecido alguih dcfaf» 
tre. Com ifto fe levantou o Capitão Mór^ 
e começou a marchar pêra onde t)iogo 
Soares os guiou 5 e no caminho acharam 
hum Capitão Malaio com mil e quinhen-» 
•tos efcolhidos ^ que vinham em foccorro de 
^aja Macota , e vinham já juntos ambos ^ 
e commettéram os noííos còm tamanha de« 
teiiniiiaçãO) que tomo homens offerecidos 
a morrer ^ fe metdam pelas lanças ^ e che« 
gavam á efpada ^ e âiddà muitos de punha* 
das j travandô^fe. a pé quedo , e de roilo a 
Qwt0.fom.FLP.Ii. Èlh rof- 



Digitized by VjOOQIC 



48» ÁSIA vt Diogo de Coirro 

tx>ilo huma moiro cruel , e arrifcada bata^ 
lha ; mas como os inimigos eram tantos, 
começaram-fe a defordesar alguns dosnof- 
fos, que peleijaram na dianteira. O Capi- 
tão Mór Ycndo aquillo , entendendo (}U€ 
náo citava em mais perder-fe que em íe 
começar a defconcertar ^ arrancando de hu- 
sna formofa eipada , paíTou-fe adiante , c 
lançou^fe em meio dos inimigos com eila 
levantada em alto, dizendo: Aqui ^ Cavai- 
leitos de Cbrifi^ : ah CavaUciros esfrrça* 
dês^ fegui-me , porque aqui ejld o negocie 
da vistoria ; e com aquelle furor deo em 
os inimigos , a quem fez bem fentir os fios 
da fua efpada. Vendo os Capicáes , e todos 
ot mais o feu Capitão Mór naqueile rifco, 
fompendo como lefies por tudo , foram-fe- 
}he pôr diante , e aili obraram tao altas 
cavailariías , fazendo nos Mouros tal eílra- 
go , que de o não poderem foffrer , fe fo- 
ram recolhendo pêra o palmar , indo já o 
Raja Macota ferido , e o outro Capitão, 
que lhe veio de foccorro ficar cftirado no 
Campo morto com muitos dos feus. Os noi^ 
fos os foram feguindo ; e como logo adian^ 
te havia hum mato , receando D. Paulo 
que nelle eftiveíTe armada alguma cilada, 
tocou a recolher , e eil^ fe afientou hum 
pouco , de muito canfado ; e depois de ajun** 
tar 09 feus , vdmoa o caminho pelo tezo 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. X* 48J 

firtlmá ; e com fer muito íngrcmç , foi pof 
ellc tão aprcílado 5 e animofo ^ corno fenâõ 
tivera paíTado traballio algum ^ daii4o a 
alegria de feu rofto (que era muito gentil) 
huma muito certa efperança da viâoria^ è 
aílim chegou a D« António a teiúpo qu^ 
tinha tirados dous páos ^ e feito caminho 
pêra entrarem : efta chegada foi hiim ef* 
pantofo efpcftaculoj e que pudera mettet 
medo a muitos , porque acharam aquell^ 
campo cheio de mortos , e feridos , c 09 
Padres confeíTando os que podiam , e.no' 
tneando o nome de Jefus ao outro que efta* 
va alli pei^to já efpirando; huns gemendo^ 
outros bradando por panellas de pólvora # 
por lanças de fogo ^ por machados , poi* 
enchadas ^ e pelo Capitão Móf^ de forte 
que tudo era huma confusão , e labyrinthoè 
Os inimigos eftavam da banda de dentro 
defendendo fua Cidade tambedi coin fuat 
gritas , e clamores ^ chamando por feus Ca^ 
pitâes , e pedindo também o que lhes era 
necelTario : em fim efte foi o dia dos mais 
aílinalados, e eni que òs Portugiíeaes mais 
jnoftráram os quilates de todo o feu esfor» 
(o^ e valentia* Chegado D. Paulo áquella 
parte , a tempo que dolis páos fe acabáràni 
de arrancar, domeçou a favorecer a todos ^ 
e appellidar Sant-Iágo ; e o pritneiro qu« 
£ppoz da banda de dentro, foiSebaftiâo de 
Hh ii Mi- 



Digitized by VjOOQIC 



484 ASIÂ DE DiOQO DE CoTTTO 

Miranda , e loeo hum Foâo Froes , e ou- 
tros , e apôs eftes o Alferes de D. Anto* 
iáo j que em hum valente cavalleiro , com 
a bandeira de N. Senhora do Rofario , e 
logo com elle entrou D. António de Noro- 
nha , D. Manoel d' Almada , e todos os 
tnais Fidalgos , e companheiros de honra , 
recebendo todos muitos golpes , e feridas 
mortaes , e perigofas , de que alguns cahí* 
ram. D. Paulo chegou-fe aos que hiam en- 
trando, e os animou, e louvou com pala- 
vras muito honradas , as quaes dando-lhes 
nas orelhas , aílim íe animaram , que íe 
mettéram pelas lanças dos inimigos y ma- 
tando , e aerrubando neiles tantos , que de 
os outros não poderem aturar aquelie eílra- 

Íjo , defampararam tudo , e foram-fe rcco- 
hendo. O Capitão Mór entrou da banda 
de dentro com o reíto do poder , e fez aos 
feus huma breve exhortaçáo , em que lhes 
lembrava a obrigação de Chriftáos ; e Ca- 
valleiros , e que já ellavam em parte que 
ou todos haviam de acabar alli efpedaça-- 
dos , ou haviam de ganhar aquella Cida- 
de, que era o íim de todos os feus traba- 
lhos : e aíEm encommendando-íe a Deos , 
foi entrando por ella. D. João Pereira , que 
deixámos rodeando o muro pêra bufcar 
outra entrada , chegando a huma parte que 
lhe pareceo mais fraca ^ mandando-lhe pât 

os 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?. X. 485* 

os peitos , o que os mais dos feus fizeram ; 
ainda que da banda de dentro eftava hum 
grande cardume de inimigos, que traballiá-^ 
ram por lha defender ; e tanto trabalharam 
todos y que derrubaram alguns madeiros y e 
fizeram a poder de lançadas hum arrazoado 
caminho por onde foram entrando , e dos 
primeiros D. João , e feu irmão D. Nuno 
Alvares , e alguns Fidalgos , e Cavalleiros 

aue os feguiam , rompendo todos por gran« 
es baftidas de lanças , e por outros inftru- 
mentos mortaes , com que os inimigos tra« 
tavam de defender a fua Cidade; e efiando 
os noíTos já da banda de dentro , chegou 
hum daquelles Reys de íbccorro em uma 
de hum elefante com hum grande tropel de 
Mouros y que parece vinha fugindo daquel** 
la parte , por onde o Capitão Mòr vinha 
entrando ; e vendo aos da companhia de D. 
João dentro na Cidade , por aquella parte 
remetteo com os feus pêra os lançar Fora; 
mas D. Nuno Alvares Pereira fe atraveflbu 
diante do elefante, e lhe difparou no roG- 
to a efpingarda com que hia peleijando, 
e quiz a fua ventura que o tomaíTe aíEma 
datroniba, e que o efcandalizaííe de feição 
que o fez voltar pêra trás , dando grafides 
urros ; e todavia os Mouros apertaram 
tanto com os noíFos , que não podendo el- 
les foffrec tamanho pezo ^ tornaram a re- 
cuar 



Digitized by VjOOQIC 



4^6 ÁSIA DE Diogo dk Couto 

çuar até ú trancjueira , fâhindo-fe alguns 
delU pêra fora , ficando D. João , e fea 
irmáo , e outros Cavalleiros , e Fidalgos 
yalerofos com as çoftas nos páos , fufterw 
tando aquelle ímpeto com muito grande 
valor , ç rifço , fazendo todos obras de 
immortal memoria. Neíle tranfe o Alferes 
da bandeira de D. João foi derrubado de 
)mm golpe ; mas hum foldado , de alcunha 
e Trovílcada , levantou logo a bandeira 
no ar ) e com grande animo fe poz com 
ella arvorada diante de todos , appellidando 
Santriagoj Aqui fez D. João Pereira nâp 
fó o omciO' de muito bom Capitão , mas 
ainda de vaierofo foldado, ficando fempre 
CQcoftado á tranqueira, pofto que vio que 
alguns o deixavam , e com os poucos que 
lhe ficaram, defendeo mui bem aquellapar* 
te com grande damno , e eftrago dos ini^ 
xnigos, fem perder nada delia, peleijando 
cada vez. mais arrifcadamente , fem efpe« 
rança àt foccorro , e fem faber o que çr* 
fçito do Capitão Úát, 



CA^ 



Digitized by VjOOQIC 



Decaba X. Caf. XI. ' 487 

CAPITULO XI- 

De como a Cidade de Jor fii entrada : € 
do grande , e perigojo capito em que os 
noffos fe viram c e dos cafos quepa^ár4ím 
até os inimigos ferem de todo vencidos ^ 
e defpejarem a Cidade. 

TAnto que D. Paulo de Lima oAtrou a 
Cidade , como diíTemos , foi pela rua 
adiante por onde D. António de Noronha 
hia pelei] ando com os Mouros ; e após el- 
le a fegunda batalha , de aue era Capitão 
Mattheus Pereira , e com elle D. Pernardo 
de Menezes , Francifco de Souía* Pereira, 
8ebaftiáo de Miranda, e outros Fidalgos, 
è Cavalieiros^ que todos hiam por aqueU 
ta rua , que era eftreita , e cheia de lama > 
levando os inimigos fempr^ diante',, com 
os quaes foram peieijando muito vaierofa*- 
mente , fendo os noíTos bem perfeguidos 
de íima das janellas , e guaritas de infini»- 
tos dardos de arremeflb , de frechas de pew 
çonha , e de outros muitos • i^iftrumentos 
morraes, que todos fe empregaraip ,. por 
irem os nolfos muito aplnhoados^ pda e& 
treiteza do lugar, dos quaes alguns cahíram 
mortos , e feridos. Vendo Mattheus Perei;- 
ra que aquella rua hia iraíliça com os da 
dianteira , ç que ^lífira de fima das janel> 

las^ 



Digitized by LjOOQIC 



488 ASIÀ DE Diogo de Couto 

Ias y como d^s bocas da$ trayeíl^s , que 
hiam fahir áquella ma , eram todos muito 
tnal tratados , e quê ainda que fe quizeflem 
defender, não podiam , achando humcami* 
nho, que hia poríima do muro, foram fu*- 
bindo por elle até fe porem em íima dos 
andaimes , donde hiam peleijando com os 
inimigos mais á fua vontade , e mais deíaf^ 
fogado8« D. António de Noronha foi paíTan* 
do avante, e rompendo por todos aquelles 
perigos mortaes, que fobre todos cahiam, 
paífando por íima de corpos dos inimigos, 
que tinham denoibados , o que também lhe 
náo foi pequeno impedimento, e fe viram 
guitas vezes pqrdidos; mas á força debra^ 
ço paífáram por tudo , fazendo todos tão 
^Iras cavailarias , que íe não podem partia 
cularízan Indo a/Hm nefte trabalho y e to^ 
davia levando Xempre os inimigos diante , 
chegando ao cabo daquelia rua ^ a qual 
hia dar em outra muito grande , que era 
« de ElRev , foram os inimigos recrefceiH 
do 9 por eáar alli todo o poder , e a peíToa 
de EIRC7 ; e apertaram tanto com os noPr 
fos , que efteve a coufa muito arrifcada a 
fe perder tudo ; mas todavia o esforço do 
D. António ) e de D^ Manoel de Almada, 
e de todos os mais Capitães , Fidalgos , 
cavalleiros de honra, que fcmpre foram na 
dianteira foftentanda áqueUe pe;(o á Gu(U 

dç 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XI. 489 

de muitas feridas , e das vidas de muitos , 
o que foi muito pêra fentir , que também 
entrou aqui D. Bernardo de Menezes , a 
quem deram huma cfpingardada pelo pef» 
coço , de que logo cahio morto , indo arma- 
do de armas , que os pelouros não podiam 
oíFender por todas as mais partes do feu 
corpo, tendo elle primeiro moftrado o va- 
lor, e esforço que fempre nellc fe achou: 
efta morte parece que o coração lha tinha 
antes adivinhado; porque eftando-fe arman- 
do pêra defembarcar, diíTe akum feu ami- 
go , que já tomara fahir daquelle negocio 
com huma perna menos , e ao defembarcar 
lhe deram logo com hum pelouro de mof* 
quete na rodella, que o derrubou ao mar; 
p depois em pondo os pés em terra , o vi- 
ram os inimigos tão trifte , e malenconi- 
zado, que elle mefmo fentio em íi outros 
differentes aíFeâos dos dias paíTados , que 
parece que iá fe lhe reprefentava a trifte 
morte que lhe haviam de dar , a qual foi 
muito íentida de todos pela perda que na^^ 
quelle tempo fazia fua peflba , por fer mui- 
to bom Cavalleipo ; e em todas as coufas 
em que na índia fe achou, que foram mui- 
tas, fempre deo muito grandes moftras do 
feu esforço ; e porque nos pareceo que não 
£ra bem paíTar por hum cafo efpantofo que 
flqui IJje açonteçeo , o coqtaremQí , porquç 

fer- 



Digitized by VjOOQIC 



4^ AS TA DE Diogo ob Couto 

fervirá de exemplo pêra o6. mancebos 1100 

Èerigos , como efte , fazerem conta com 
leos , pois arrifcáo tanto as vidas pelas 
coufas delia ; e o cafo foi efte. Era efts 
Fidalgo nafcido , e creado na índia , e dado 
ás delicias , e lafcivias delia, como man* 
ccbo , pofto que já o nno era. Parece que 
íàbia outro Fidalgo feu amigo , que anda- 
va por confeíTar ; e como os que tem efte 
nome, e fangue o háo demoftrar mais nas 
coufas que pertencem á alma , que náo nas 
do corpo , o perfuadio o outro a fe con- 
feíTar ^ e ainda o levou comíigo a huma 
fufta, onde hia hum Religiofo , e o deixou 
a feus pés. Succedeo na mefma noite, et 
tando na camera da fua Gale , querer fazer 
feu teílamento ; e eftando^ começando j 
paífou^lhe hum rato por íima do papel por 
linco , ou íeis vezes , que tantas começou a 
quereUo continuar ; e tantas coufas fez o 
rato , e arranhou , e tanto o amofinou , que 
deixou o teftamento , e fe deitou a dor- 
mir ; e em tomando o fomno, lhe roeo o 
mefmo rato hum pé , pelo que mais pare- 
ceo aquillo tentador que rato. 

E tornando ao noflb fio , D. António 
cfteve no cabo daquella rua perdido de to- 
do , e diante delle lhe mataram muitos dos 
feus , e a elle lhe deram huma efpíngarda* 
da pela fralda do capacete , fe«i receber 

da- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XI. 491 

áamno algum; mas não ficou fem elle de 
huma frechada de peçonha que lhe deo era 
huma maçã do rouo, da qual fe lavou to- 
do emfangU€L; mas todavia femprefoi paf- 
fando á vante, epeleijando com muito va- 
lor. O Capitão Mór depois que Mattheus 
Pereira tomou por íima dos andaimes , fi- 
cou na retaguarda de D. António , e fem- 
pre foi cevando com gente de rcfrefco , e 
notando tudo o que íuccedia pêra prover, 
€ acudir ao que foíTe neceíTario : em fim 
tanto trabalharam os da dianteira , que fa- 
híram á rua grande de ElRey , onde eftava 
todo o poder com a pelToa do Rajale , e 
os Revs da Liga com toda a froi dos íèus 
Cavallciros, osquaes arremettêram com os 
AoíTos , por fe moftrarem diante' dos feuí 
"^ejs ; e com tamanho ímpeto deram na 
dianteira , que fizeram parar todos , derru- 
bando alli alguns , e ferindo muitos. Aqui 
foi o mór perigo em que fe os noflbs vi- 
ram, no qual eftava o fim daquelle nego- 
cio, e em que não havia mais que vence* 
rem , ou mon^erem todos , porque não ha* 
ria donde os foccorreflem , nem outro fa» 
vor mais que o de Deos , e o de feus bra- 
ços , a que elles fe encommendáram , ale- 
vantando os olhos ao Crucifixo , que hia 
em meio delles arvorado , e na figura da 
Virgem N, Senhora , que íe via na bandei- 
ra 



Digitized by VjOOQIC 



49^ ÁSIA DE Diogo de Goxrro 

ra de D. António de Noronha , encommen* 
dando-fe-lhe de todo o coração , e menean- 
do as mãos em fua defensão ; mas como 
alli acudio o poder todo , e os Reys en- 
traram também na batalha , animando aos 
feus a defenderem fua Cidade , ficou a con- 
la tão fufpenfa, earrifcada, que de ver D, 
Paulo quaíi perdido tudo , mandou alguns 
Fidalgos da fua companliia que foifem íoc- 
correr D. António, que eftava diante com 
D. Manoel de Almada , fazendo todos do 
altas cavallarias que era efpanto ; e apre- 
fentando-fe os de refrefco diante , fuftentá* 
ram aquelle impeto dos Mouros hum pou- 
co , e todavia pararam y porque elles eram 
muitos , e de todas as partes cahiam fobre 
os noíFos corifcos, e todos os mais inílru- 
mentos , que pêra noífa offenfa lhes en finou 
feu engenho. D. Paulo de Lima vendo o 
feito tão arrlfcado , receando que alguns 
dos de diante fe defmandaflem no que fó 
eítava fua perdição , p^ífou por todos com 
a efpada na mão , e aprefentou-fe diante 
aos inimigos, acchmzndo Sant-Iago ^ e di« 
zendo aos feus : Eia , Cavalleiros de Cbri-- 
Jio , avante \ e dando em os inimigos , co- 
meçou a cortar por elles com tamanho ani- 
mo , e fegurança , que nunca o furor da 
batalha lhe fez perder a obri^a^o de Ca- 
pitão i porque meneando as mãos em damno 

dos 



Digitized by Lj'OOQlC 



Década X. Caí. XI. 493 

dos Mouros , mandava , e governava tudo. 
Os Fidalgos, e Cavalleiros da fua compa- 
nhia vendo o feu Capitão Mòr mettido no 
maior perigo , paíTáram-fe-lhe por em dian- 
te , fazendo todos obras memoráveis , e aC» 
íinalando-fe diante de todos Diogo Soares 
de Mello , que ganhou aqui muitas honras. 
Mattheus Pereira , que hia pelos andaimes, 
foi por elles pelcij ando com todos os Mou- 
ros do Cotobato , e das guaritas que fahí- 
ram ao receber , nos quaes achou tamanhas 
reíiftcncias , que como homens determina- 
dos a morrer, fe mettiam pelas armas dos 
noíTos fem temor da morte , ferindo , e der- 
rubando alguns de muitos , e perigofos ti- 
ros que choviam fobre elles ; mas paflando 
íempre por tudo , foram avante ferindo , e 
matando em os inimigos , que não deixa- 
vam o lugar fenão com a vida. Mattheus 
Pereira foi fempre diante de todos fuften- 
tando o impeto dos Mouros , fazendo-fd 
temer a todos pelo eftrago que lhe viram 
ir fazendo , porque era hum homem muito 
grande, membrudo, e fobre tudo de gran- 
de animo , e forças , e como leão feroz foi 
fempre pondo o peito a todos os perigos , 
bradando pelos léus que o feguiflem , e 
que ganhaííem o GDtobato , que niíTo efta* 
va o remate de toda a viftoria , indo nefte 
tranfe emparelhando com a rua de£JRey, 

on- 



Digitized by VjOOQIC 



494 A SI A DE DiOGo ofi Cotrro 

onde os noíTos ^ayam naquella perígoílí 
batalha em que os deixámos , fem fc de- 
clinar a viétoria a nenhuma parte ; e como 
hiam por íima dos andaimes , deícubriam 
toda a rua , e viram muito bem o rifco 
em que o Capitão M6r eftava , e a con* 
fusão em que todos fe viam ^ e levado 
Francifco de Soufa Pereira de hum hon- 
rofo furor , vendo a efcada que deícia do 
muro áauella rua , defceo^fe por ella com 
alguns dos feus foldados , e foi^^fe metter 
naquelle perigo ; e paíTando^fe diante del« 
le , chamando Sant^lago , começou a fa- 
zer brabofidades em companhia daquelles 
Fidalgos y e Cavalleiros ^ que fuftenráram 
todo aquelle pezo. D. Paulo de Lima mof- 
trou nefte dia o remate de feu valor , e 
prudência ^ porque também aquelle foi o 
oiòr perigo em que fe nunca vio , em que 
todos fe acharam em tanto aperto , e rif* 
CO que teve muitas vezes a coufâ por du-» 
vidofa ; e D. Manoel de Almada , que hia 
na dianteira fazendo façanhas , e dando-fe 
a conhecer aos inimigos , que hia aífinalan- 
do com os fios da fua efpadá j depois de 
ter feito tudo o que fe podia efperar de 
hum efpirito defejofo de honra , lhe de* 
rão com dous zargunchos de arremeíTo ^ 
ham delles que o loitiou por baixo da bar-» 
riga^ do qual logo cahio mortal \ sias co« 

mo 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XI. 49 j 

mo o animo eftara ainda prompto, traba- 
lhou por fe levantar , .e fatisrazer-fe dar 
quella injúria, o que não pode fazer, por- 
que a ferida era mortal, e tornou a cahir 
iem fallar ; mas D. António de Noronha, 
oue eftaya junto delle , fe lhe atraveílbii 
aiante , pêra que tivcíTc tempo de fe ale- 
yantar , cuidando não feria a ferida tão 

Íierigofa ; mas rendo que era acabado , foi 
ázendo feu officio, peleijando, e animan- 
do 08 feus com muita fegurança , e gran* 
de mágoa , e dor da morte daquelle Fidal- 

Í[o , o que em todos aquelles trabalhos lhe 
ora fempre companheiro , e no qual fe 
perdeo muito peias efperanças que tinha 
dado pêra couías muito grandes. D. Paulo 
de Lima efteve muitas horas fufienrando 
aquelle impeto, porque os inimigos acudí*- 
ram alli todos , e como huma arrebatada 
torrente , rinham arrebentar em os noíTos , 
como foe a força . da agua fazello em ai* 
guma dura rocha , fe fe lhe atraveífa dian* 
te. Eítes encontros efperavam os noíToa 
tão firmes , e feguros , que nâo haria cou- 
fa que os abalaíle , fendo o partido tão 
differente ; porque além do numero fer tão 
deíigual , que. havia vinte pêra cada hum ^ 
andavam os noíTos canfados , carregados 
de armas , afibgados de calma , maltrata^ 
dos das ferido > e fem eíperança de mai» 

foc- 



Digitized by VjOOQIC 



4^6 AS I A DÉ Diôao rm Couto 

foccorro , o que tudo tinham os ioimi^ctf 
tanto de vantagem , porque andavam foi-» 
gados , e em Tuas caías diante dos olhos 
dos feu^ Re^s ^ e em defensão de fua Ci« 
dade y de iuas mulheres ^ filhos ^ e fazen^ 
das ) o que rudo ifto os obrigava a faze* 
rem maravilhas , e a defprezarem a mone< 
A efpingardaria dos Mouros era tanta ^ que 
íe os mais que andavam na dianteira op^ 

Í>oílos á fua fúria , não trouxeram armas 
òrtes , fem dúvida tudo fe desbaratara^ 
porque ficaram poucos que não recebeifem 
efpingardadas : fenão quando D. Franciíco 
Lobo y que peleijava nos mais dianteiros f 
e rinha dado grande prova de fua peflba , 
recebeo quatro juntas , e htuna delias lhe 
foi rompendo a ponta da orelha ^ de que 
andava todo banhado de fangue } e como 
era mancebo fem barba , e muito gentil ^ 
aquillo o fazia parecer tanto mais ^ que 
bem puderam todos os derredor ter4he in-» 
veja , fe elles também não andaram pêra 
ferem invejados de todo o mundo. Aqui 
deram também huma zargunchada em Fran^ 
cifco da Silva de Menezes (que todo aqu cl- 
le dia trabalhou por igualar a todos os quo 
piais fe ailinaláram) da qual cahio , mas 
tornou-fc a levantar com grande anima 
Nefte paíTo houve alguns que bradaram que 
deíFem fogo á Cidade > o que o Capitáo 

Kár 



Digitized by VjOOQIC 



Década Xí Caf« Xt« 497 

Mor Duvio, e bradou alto: Avante ^ CavaU 
kiros y ganhemos ^a n)i£iorta por nújfos 
braços : mo queiramos que a gloria delis 
nos leve o fogo ; e com ifto foi dando ai» 
guns paíTos adiante , e ferindo nos inimi» 
gos y aos quaes não havia força humana 
Que fizeíle mover ^ porque eftara a rua map> 
fiíTa) e fò aquelles faltavam contra os tioP* 
fos y os quaes elles derrubaram ^ e còm os 
pés em íima delles peleijavam com os ini*» 
migos ) porque naò havia lugar pêra mais* 
Neíb grande conflidio em que a coufa ef> 
tava fufpenik , e fem fe declarar , fe abrio 
huma porta ^ que hia por huma ilharga do 
Gotobato fanir á praia ^ pela qual fe fo^ 
ram recolhendo alguns dos noíTos^ porha^ 
verem tudo por acabado 5 e perdido; mas 
quiz Deos que os que eftavam fervorofos na 
batalha tíao attentaíTem niílb > poroue co-> 
mo os mais eftavam canfados , e delconfia-* 
dos , pudera tudo correr rifco , e pôr-le 
em desbarato. Mattheus Pereira foi por íi-* 
ma dos andaimos levando os Mouros até 
òB recolher nô Cotobâto > e de fora ficou 
peleijando com elles valerofamente ; e pon- 
do os olhos na rua em que o Capitáo Mòr 
eftava , vendo aquella confusão , e poder 
dos inimigos , teve aquelle negocio por 
muito duvidofo , pelo que determinou de 
morrer , ou entrar o Cotobato ^ porque 
Couto. Tom. FL P. //• li met- 



Digitized by LjOOQIC 



49^ ÁSIA DE Diogo db Couto 

ihetteodo^fe nelle , que era o principal for- 
te da Cidade , poder-fe-hiam recolher to- 
dos dentro , e de alli fe remediarem , o que 
foi coniideraçâo de Capitão muito exper- 
to , e a principal occauão da vi«floria ; e 
com eíte difcurfo , como fe fora hum leão 
bravo, arrcmetteo com o Cotobato acom- 
panhado de alguns esforçados foldados^ e 
Cavalleíros , que nunca o deixaram ; e pon- 
dò-lhe os peitos, trabalharam pelo entrar, 
fazendo alli todos coufns efpantofas aos 
inimigos, as quaes elles fentíram bem em 
fiias carnes. Aqui aconteceo outro caio, 
que também houvera de fer perdição de 
todos , e foi , que vendo alguns dos íeus 
aberta aquella porta que diíTemos , e ven- 
do fabir pêra fora alguns foldados da com- 
panhia do Capitão Mór , havendo mdo por 
acabado , foram-fe efcoando pêra baixo , e 
làhíram-fe também pêra a praia; e outros, 
a que o medo não deo tanto vagar, fe lan- 
çaram dos andaimos abaixo pêra a banda 
de fora , e cahíram dentro na cava , onde 
fc encravaram nos eftrepes de que toda ejF* 
tava cheia ; e chegou o negocio a tanto, 
que não ficaram com Ma tth eus Pereira mais 
de quinze peflbas , tendo clle entrado pe- 
h)S andaimos com mais de cento e lincoen-^ 
ta , em que entravam algumas cem efpin- 
gardas j e vendo-fe elle tão fó, houvc-fe 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca#. XL 4^^ 

pôr perdido ; e êncommendaiido-fe a Decí 
com grande confiança nelle , arremetteô 
«cm o Corobato com os que com elle fi^ 
cáram pêra morrer dentro nelie; mas achoU 
tal defensão, que muitas vezes o rebateram 
pêra fora. Nefte paíTo tão arriícado bradou 
fium Toldado da companhia por Mattheud 
Pereira \ e pondo os olhos em lima y não 
vio nada ^ e todavia com grande confiança 
arreitietteo com o Cotobâto^ bradando pe^ 
ia Senhora que lhe vaieíTe ; e rom^^endo 
pelas armas dos inimigos , ^ dizendo '. Ab 
companheiros , Jegui-me 5 arremcçou-fe den« 
tro com alguns que o feguiram , e o pri-» 
melro que dentro poz os pésfoi humRuy^ 
Martins , natural de Monte Mói* o Novo , a 

2ue ficou fempre o fobre alcunha oCotobatOé 
h inimigos vendo os noíTos dentro ^ lar^ 
gáram o Forte , e le recolheram pêra outro i 
que eftava diante } e vendo-fô Mattheus Pe* 
reira defaíTogado, deo gradas a í)eos por 
tamanha mercê ; e de já fe não poder fuí^ 
ter nas pernas de canfadc do trabalho , o 
do efpirito, aíTentou-fe pêra cobrar algum 
alentOé 

áO Capitáo Mór ^ que deixamos na-» 
quelte conflito, fez tão altas cavallarias , e 
D. António de Noronha , com todos os 
que peleijavam na dianteira , que a poder 
de muitas mortes dos inimigos os arranca^ 

li ii ram 



Digitized by VjOOQIC 



jroo A SI A Dl Diogo db Couto 

ram da rua hum efpaço. Vendo D. Paulo a« 
quelle termo , teve-o por final de vidloria j c 
não fe cfquecendo de fua obrigação , char 
mou Francifco de Soufa Pereira , e lhe dií- 
fc , que fe foiTe pêra Mattheus Pereira , de 
que ainda não fabia novas; o que elle Fez, 
e já o tomou dentro no Cotobato aflfenra* 
do fem fe poder bollir; e perguntando-Ihe 
o que faria, lhe diíTe, que viraíTe algumas 
peças de artilheria pêra o outro Baluarte 
pêra onde os inimigos fe recolheram , e 
outros pêra a rua direita , por onde o Ca- 
pitão Mòr hia , aflim pêra fe fegurar alli , 
onde eitavam os Mouros do outro baluar- 
te y fe os tornaíFem a accommetter , como 
pêra favorecerem os noífos que peleijavam 
na rua. Francifco de Soufa com os compa- 
nheiros que com elle foram fez logo aqucl- 
la obra , mandou difparar algumas bom- 
bardadas no Baluarte , com que os inimi- 
gos odefamparáramdetodo, e fugiram pê- 
ra a rua grande, onde o Capitão Mór pe- 
leijava, e as^ outras peças que apontou pê- 
ra aquella parte , aievantando-lkes o pon- 
to , porque fobreievaffe os noffos , foram 
dar em os inimigos , que eftavam lá pela 

gorta do Paço, e pelos que eftavam no ca- 
o da rua, nos quaes fizeram grande eftra- 
go ; e com ifto , e com verem que o Co- 
tobato era tomado^ foram deixando a rua 

aos 



Digitized by VjOOQIC 



Década X, Cap. XL 501 

aos noíTos , que já hiam levando os Mouros 
de arrancada mais defaíFogadamente. 

As novas da tomada doCotobato che- 
garam ao Capitão Mór, as quaes aílim pê- 
ra elíe , como pêra todos foram de muito 
grande alegria , porque niíTo fe acabava de 
arrematar a viftoria. 

Em todo efte tempo não deixou a Ar- 
mada de bater a Cidade, fem faber o que 
nella hia, ouvindo hum -grande efpaço ceí^ 
íàr os tambores , e o Còtobato , em que 
todos tinham os olhos , fempre com as 
bandeiras inimigas arvoradas nelle, com o 
que eftavam em grande confusão , até que 
Mattheus Pereira, depois de cobrar algum 
alento, as mandou tirar, e alevantar afua: 
-o que da Armada fe feftejou com grandes 
grilos , e alvoroços , e logo deixaram a ba- 
teria ; e havendo-fe aquelles Reys por per- 
didos , puzeram-fe em elefantes com fuás 
mulheres , e coufas mais eítimadas , que de 

1)á{ragem puderam tomar , foram-fe reco- 
hendo por huma porta do Certão , por onde 
fe começaram todos a vafan Osnoflbs com 
o alvoroço da viftoria puzeram por algu- 
mas partes fogo á Cidade, o qual fe ateou 
com tanta braveza , por ferem as cafas de 
madeira , que não foi poíFivel aguardarem 
os noflbs dentro , pelo que o Capitão Mór 
tocou a recolher, e fowe fahindo pêra fo- 
ra 



Digitized by VjOOQIC 



yot ÁSIA DE Diogo db Couto 

ra das tranqueiras até lhe tomar o fogo a 
dar lugar pêra a poderem os Toldados fa^ 
quear , fe IheficaíTe alguma coufa porquei* 
mar j mas ellc como andava braviífimo , e 
achou matéria dlípofta , pegou até nos páos 
da tranqueira , os quaes arderam duas bra^ 
jas debaixo do chão , ainda os mefrnos 
vallos em que elles eftavam mettidos i eia 
ifto já a horas do meio dia , quando fe fa- 
híram pêra fóra. • 

D. João Pereira , que deixámos pela 
outra parte , foi também ganhando a rua 
aos inimigos, fazendo elJe, e feu Irmão, e 
os mais Fidalgos , eCavalleiros defua com* 
panhia coufas muito dignas de maior efcri'. 
(ura, deilruindo, matando, e ataíTalhando 
cm 08 inimigos , e fazendo nellçs tal eftra-> 
go que foi efpanto ; ifto durou até que a 
Cidade tomou fogo , o qual o obrigou a 
fahirpera fóra fcm faber o que dentro hia, 
nem o que tinha fuccedido ao Capitão Mór , 
c de longo do muro foi bufcar a porta 
por onde D. António entrou , onde achou 
o Capitão Mdr com todo o poder , o qual 
o recebep com grandes honras , e palavras 
de louvores feus , e de todos. Alli chegou 
hum recado de Mattheus Pereira , em que 
mandou a pedir gente , por eftar com pou- 
cos foldados ; porque fe fe ajuntaífem os ini- 
migos ;, correria rifço j e veado ô Capitão 

Mór 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XL * ^03 

Mór fer aquillo o mais importante de tu- 
do , tornou a entrar a Cidade com to- 
do o exercito , è recoiheo-fe no Cotobato^ 
que por £er de taipas não lhe tocou o fo- 
go, e deixou na porta alguns Capitães de 
guarda delia : o fogo foi tomando tamanha 
poíTe da Cidade , e .com tanta braveza y que 
parecia hum diluvio delle , por cílar toda 
recheada de fazendas de muito valor, que 
todas fe confumíram , e dentro nas cafas 
muitas mulheres, e meninos, que não pu* 
lieram fugir , do que pezou muito ao Ca- 

})itão Mór , porque defejou deganhar aquel» 
a Cidade pelos fios da elpada pêra dar 
nella hum rico faço a feus íoldados ; por- 
que já que elles por feus braços, e valeis 
tes corações diante delle fizeram tão altas 
cavallarias , quizera vellos cevar nas couías 
^ue elles tanto á cufta de feu fangue comr 
práram. 



CA- 



Digitized by VjOOQIC 



jro4 ÁSIA DK Diogo dk Couto 

CAPITULO XII. 

J)e como fi arrematou a viãoria , e fe def- 
truto , é ajfolou a Cidade toda : e dos 
defpoJQs que ntlla tomaram : e dos, mar^ 
tos j e cativos que houve de ambas as 
fartes : e de como Ds Pauh foi receado 
em Malaca. . 

POfto D. Paulo no Cotobato , deitou lo- 
go efpias fobre os inimigos pêra faber 
dclles , o foi avifado ferem mettidos por 
eífe certáo ; pelo que em o fogo abrandan* 
do , mandou pôr guardas nas portas todas , 
e ao outro dia pela manhã largou a Cida* 
de aos foldados , pêra que a faqueaíTem , 
dcixando-fe elle ficar no Cotobato , e man* 
dou embarcar a artilheria que era muita ; e 
porque não paíTemos pelos favores, e mer- 
cês dp Deos , e da purillima Virgem fua 
Miíi pêra edificação dos que peleijareoi por 
fua Fé , e pêra çomtnetterem todas as cou- 
fas com grande confiança nelle , fe ha de 
faber, que tanto que Mattheus Pereira en- 
trou no Cotobato , quedefçançou hum pou- 
co, perguntou pelo íoldado que vira a Vir- 
gem N, Senhora , que lhe bradou que en- 
traííe no Cotobato , que ella os chamava j 
e entre todos os*que fe com elle acharam 
não houve quem tal viíTe, nem depois quQ 

o 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf. XII. ^05^ 

o contou a D. Paulo , que mandando por 
todas as bandeiras inquirir deli e , nâo fe 
achou tal Toldado , por onde fe prefumio 
que aquillo fora algum Anjo, que da par* 
te da Senhora o viera esforçar pêra entrar 
naquelle forte, em que eitava o ganhar-fe 
a Cidade ; mas achou-fe hum foldado , que 
trouxe ao Capitão Mór hum retrato de N« 
Senhora , do tamanho de quarto de papel , 
de óleos muito bem obrado , e muito for* 
snofo em fua guarnição, e pintura, e diíTe 
que o achara no palmar em baixo , auando 
andaram ás mãos com os inimigos , íem fa« 
ber donde viera. D. Paulo o tomou nas 
mãos com muita veneração ; e pofto de joe- 
lhos , o adorou , e mandou logo armar hum 
Í>equeno altar , em que poz a Senhora pêra 
er adorada de todos; e querendo faber do 
retábulo , não achou em todo o exercito 
cujo fofie , antes houve algumas peífoas que 
amrniáram que da parte dos inimigos fe 
atirara com elle aos noíTos : e quanto a nós | 
devia de fer de almun dos companheiros ^ 

2ue em baixo mataram, que o traiia comi- 
go , por fer muito feu devoto , a que ella 
não podia deixar de valer á hora da fua 
morte pelo efpecial cuidado que tem de 
feus fervos. Efte retábulo levou depois D. 
Paulo pêra o Reyno , aonde não chegou , 
que fo iílb guardou pêra íi dos defpojos 

da- 



Digitized by VjOOQIC 



5ro6 ÁSIA DE Diogo de Couto 

daquella Cidade, cujo faço durou kis dias 
condnuos , e fe acharam muitas minas de 
fazendas , ouro , prata , cobre y calai , dro- 
gas de todas as fortes , em que os íblda- 
dos fe cevaram bem á Aia vootade , e mui- 
tos ficaram ricos. Acháram-£e em hum troo* 
CO alguns Portuguezes ferroihados , todos 
queimados, mas ainda inteiros, e iem ne- 
phum deiles ter máo cheiro: enao conten- 
tes do que acharam na Cidade , fahíram 
delia alguns defmandados , e mettéram*fe 
pelos matos a bufcar os embrenhados com 
oem rifco de fuás peíToas , e trouxeram hu- 
ma grande cópia de gente, fem acharem 
quem os fobrefaltaíTe , donde fe inferio que 
foram os inimigos tão desbaratados , e me- 
drofos , que não pararam fenâo dalli duas 
léguas } e foube-fe em certo que depois do 
Rajaie ir desbaratado , deram os Jaós nel- 
le , e lhe roubaram tudo o que acharam , 
ainda mataram pêra iflb todas as peíloas, 
ç mulheres que hiam com feus fatos á ca- 
beça ; e fe affirma que affim por fua mâo , 
como aíFogados no rio, morreram três mil 
na batalha grande, e nos outros recontros 
morreram a ferro portuguez perto de qua- 
tro mil ; e as peflbas conhecidas, e Capi- 
tães principaes que lhe mataram, são osfe- 
fuintes: Sirinárá, Serimadaraja , Serian- 
ra, Serimará , Jadella, Giailate, Seribi- 

dra- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. Xlt. ^07 

drâja , Chengala , Mimalaté , Serimamba» 
ca , Ária, Draja, Capitão de Sabão, Bo- 
zedera , todos eftcs Capitães daquelles 
Keys , a fora outros muitos , a que nâo 
ibubemos os nomes. Da noíTa parte em 
toda a jornada morreram oitenta, homens , 
em que entraram D, Manoel • de Almada , 
D. Bernardo de Menezes ,• e. feridos algum 
cento. Os defpojos que fq toitiáram , foram 
mais de mil peças de bronze , em que en- 
trava hum bauliico mourifco , huma ferpe de 
yinte e três palmos de comprido , hum 
leão y e hum camello de marca maior , to^ 
das as mais cameletes , falcões y. edahi abai« 
xo até chicorros , a fora muitas peíTas^ 

Íiue fe derreteram com o fogo , tomaram* 
e mais de mil e quinhentas efpingardas , t 
mór parte fem coronhas por fe queima^ 
rem , e outras muitas armas : embarcações 
entre grandes , e pequenas , queimadas , o 
tomadas , foram derredor de duas mil , em 
que entravam galeões , galés , galeotas y 
lancharas , bantins , balóes y fomas , e Jun^ 
cos. Concluídas as coufas de Jor, mandou 
D. Paulo as novas á Cidade de Malaca em 
huma embarcação com todos os feridos pe« 
ra os curarem; e depois da Cidade aíToIa- 
da , e deftruida , feita em pó , e cinza , em- 
barcou-fe o Capitão Mór , e fiirgio com 
toda a Armada no porto de Malaca y on« 

de 



Digitized by VjOOQIC 



yoS ÁSIA DE Diogo oe Couto 

de logo foi vifitado do Bifpo, c Vereado- 
res ^ que lhe deram os parabéns da viélo- 
ria, e muitos, e públicos louvores, e lhe 
pediram fe detiveíle alguns dias , em quan- 
to lhe preparavam coufas pêra feu recebi- 
mento , que eftava alTentado fazer-fe-lhe o 
melhor que pudeíTe fer , porque de tão pros- 
pera , e glorioík* vidloria aquella Cidade » 
que elle libertara , defejava de lhe fazer. D. 
Paulo não pode refufar aquellas honras, 
que lhe offereciam, attribuindo tudo a N. 
Senhora , que ella fora authora daquella 
vidVoria , pois em feu dia lhe fez tao aHina- 
lada mercê ; e aíCm aflenrou que ao íab- 
bado feguinte , que eram íinco de Setem- 
bro , por fer aquillo já em fim de Agofto , 
fe fizeíFe a fua defembarca^o ; e aimn foi 
á Cidade , ordenando feu recebimento , tra- 
tando fer o mais Iblemne que pudeífe fer; 
e D. António de Noronha , fendo avifado 
de como haviam de receber D. Paulo com 
Pállio, como elle tinha naquella viâoria ta- 
manho quinhão , mandou-lhe pedir cjue o 
quizeíFe levar junto comfigo no triunfo, 
pois elle também o merecera , do que D, 
Paulo fe efcufou, refpondendo com aquel« 
las palavras de Chrifto : Gloriam meam ai* 
teri non dabo\ e que não era ordem repar- 
tir-fe o triunfo que elle merecia por Geral 
daquella empreza , que em todas as mais 

cou- 



Digitized by VjOOQIC 



DtcADA X. Cap. XII. jrc9f 

coufas confentiria de muito boa vontadei 
Difto ficou D. António muito tomado ; e 
fâllando-fe com os Capitães da Armada de 
Malaca , pêra que convocaíTem feus folda* 
dos , determinou de fazer pêra fi íua def* 
embarcação , e triunfo , já que lho nega- 
vam; e aíTmi o dia de antes partio do leu 
Galeão em huma fufta , e todos os bantins , 
e embarcações dos amigos que tinha con* 
vocados derredor deile , ^embandeiradas to^ 
das, tocando muitos inftrumentos , e di& 
parando muita artilheria , e mofqueteria ; e 
endireitando com o cães que ellava feito 
pêra D. Paulo , def embarcou nelle , e em 
pondo os pés em terra , fe adiantaram mui- 
tos dos feus foldados ; e tirando as capas 
dos hombros , lhas eftendêram pelo chão 
pêra elle paíTar por fima , e affim foi leva- 
do á Igreja com grandes regozijos , e lou« 
vores de todos aquelles, D. Paulo de Lima 
foi avifado daquillo, de que lhe deo pou-^ 
CO ; e ao outro dia defembarcou com top 
dos os feus Capitães , e foldados armados ^ 
aflim como entraram na batalha; e pondo 
os pés em terra com a bandeira de Chri- 
ilio diante ^ e as dos inimigos arraílrando- 
fe a feus pés , difparando-fe naquelJe tem- 
po , aílim da Armada , como da Cidade ^ 
acjuella tempeftade de artilheria , que pare- 
cia tremer o mar, e a terra. Pofto D. Pau- 
lo 



Digitized by VjOOQIC 



5 IO A S I A D« DíoGo Bt Couto 

lo no caeB , deixou defembarcar todos ò§ 
feus Capitães , e mandou ordenar os eA 

2uadr6e8 , aílim como entraram em Jor, 
>. João Pereira na dianteira , e logo Mat« 
theus Pereira , e o Capiíáo Mór na reta* 
guarda ; e poílo tudo em ordem , foi en« 
trando pelo cães , no qual citavam todas 
as Religiões, eClerezias com fuasCiiizes, 
osquaes começaram a cantar Te Deumla»^ 
damus ; e á meia ponte eftava huma alça-* 
tlFa eftendida com numas fermofas almofa^ 
das 9 em que eftava encoftado hum devoto 
Crucifixo , e a feus pés huma fermoía ca^ 
pella de rofas , t boninas , e derredor o 
Bifpo , e Vereadores com todo o povo^ 
Chegado aqui D. Paulo , proftrou-fe pelo 
chão , e adorou a figura do Senhor , e o 
Bifpo tomou logo a capeUa, e lha poz na 
cabeça , e depois o abraçou , dizendo-lhe 
poucas , é breves palavras de louvores , e 
o mefrao fizeram os Vereadores ; c apôs if* 
fo lhe fizeram huma breve oração em lou- 
vor de tamanha vidoria ; e acabada , eften- 
dêram hum fermofo Pállio , e o levaram 
aflim á Igreja fempre com a coroa na ca- 
beça, a qual os Romanos chamavam Civi^ 
ca , ou Mural , que fe dava a qualquer Ca« 
pitão que livrava , ou deícercava alguma 
Cidade. Neíka ordem entrou D. Paulo na 
Igreja maior ^ onde ouviram MiíTa , e de« 

ram 



Digitized by VjOOQIC 



DícADA X. Ca?. XII. fii 

patn todos as graças ao Altiflimo Deos pe^ 
ias mercês que liies fez, e depois fe reco* 
Ihêiam a fuás cafas. 

CAPITULO XIII. 

Das coufas qmt fucce deram em Maluco : i 

das intelii^ncias que. Duarte Pereira 

teve com.CachiftuIo pêra lhe en- 

tregar a Fort atesta de Ter^ 

nate , e.de outras toufas. 

JÁ que eflamos deíla banda de MaJaca^ 
nâo nos faiamos delia , fem continuar- 
mos com as de Maluco , que o anno paf» 
fado deixámos com a morte do Principe 
Maudraxa, que feu fobrinlio ElRey Baou 
liie deo pelo modo que dtílemos y da qual 
todos aqiielles Príncipes fe. efcandalizáram 
muito , principalmente ElRey Gapebaguma 
de Tidore-, por lhe negar a irmã que lhe 
tinha promettido , o qual depois da morte 
daquelle Principe pêra .defenganar o Rey 
de Tidore de lhe dar fua: ifrná , a cafou 
com o Rey de Geilalo ^ de que o Tidore 
fe houve por muito affrontado. Vendo Duar- 
te Pereira, Capitão daquella Fortaleza, a» 
coufas travadas daquella maneira , e que 
porellas eftava o tempo difpofto pêra pai- 
'par os Tios de, ElRey de Teraate fobre a. 

en- 



Digitized by VjOOQIC 



fzi ÁSIA DB DioGo DE Couto 

entrega daquella Fortaleza , lançou peflToaf 
de confiança a Cachiltulo , R egedof do Rey** 
no , pelas quaes llie mandou dizer ^ que 
pois as couías eftavam daquella maneira , e 
ieu fobrínho Boiai matara o Príncipe Man- 
draxa feu irmão , herdeiro verdadeiro dos 
Reynos de Maluco , por ficar fendo Rej , 
nâo lho pertencendo a elle , por fer baftar- 
do, que devia de fe aprovdtar do tempo, 
pois todos os naturaes eftavam efcandaliza^ 
dos da morte do feu Príncipe, e Tutor do 
Rejno, que lhe pertencia a elle por direis 
to, e juftiça, pêra o que aífim elle, como 
ElRej de Tidore lhe dariam toda ajuda, 
c favor até o mettcr no Reyno que era 
feu. A ifto deo Cachiltulo orelhas, e con-* 
tinuáram os recados de parte a parte com 
grande refguardo até concluírem de fe ir 
ver a Tidore com elles , pêra de rofto a 
rofto communicarem aquellas coufas : pêra 
ifto bufcou elle tempo ; e huma noite , fem 
fe fiar de ninguém , foi a Tidore , e em cafâ 
do Capitão , efbndo prefente o Vigairo^ 
e o Alcaide Mór , lhe fez o Capitão eíbi 
breve falia : c Tem pofto a cubica humana 

> nefta coufa de reinar hum nao fei que, 
» que pêra o virem a goftar , chegaram 
Ji muitos a matar filhos, pais, e irmãos, a 

> outros fobrinhos a tios , e ifto não Cá 
9 entre Mouros 9 e Gentios^ mas ainda en« 

» tre 



Digitized by VjOOQIC 



t)ÈCADA X. Cap. XIII. flj 

li tre Chriââos , a quem ifto houvera defet 
> muito aborrecido; e fe quizerdes exem« 
lê pios y fenhor Cachilmlo y não temos ne* 
» ceílidade de revolver muitos livros ^ 9 
9 defcubrir muitos tigres , nem buícaUos 
yè muito longe , entre mãos os tendes , ho^*» 
n tem ouviltes a injufta , e tyrannica mort^ 
» que EIRej voíTo fobrinho dco a volío 
n irmão Gaciíil Mandraxa , cujo efte Reyno 
9 era de direito , por fer íilho legitimo do 
9 voílo pai Gachil Ahiro , o qual por íet 
:à ainda menino, por morte de voíTo pai fi^ 
n cou voflb irmão Babu governando oKcf^ 
9 no, como feu Tutor; e goftando elle do 
9 mando , não fe contentou de lhe tomaf 
j» o Reyno em fua vida , mas ainda por 
31 fua morte fe concertou com ElRey de 
31 Tidore pêra inveftir no Reyno a íeu fi-» 
31 lho Bonas ^ que hoje reina ^ o qual por-» 
31 que lhe ficava fua tyrannia muitb defeu^ 
31 berta Cota o tio viro , lhe ordei30u a 
31 morte atraiçoadamente ^ como fabeis , a 
31 qual aíCm efcandalizou todos ôs Reys 
31 aeíle Archipelago ^ que cuido não eftá 
31 em mais a vingança delia , que em haver 
31 hum que a folicite , porc]^ue todos a fa^ 
31 voreceráó. Ifto carrega mais ^ fenhor^ íb« 
31 bre vós , pois aquelle keyno já agora vos 
3» pertence de direito por filho mais velha 
31 de ElRey Ahiro ^ o qual não ho razão 
CoutOé^tmiFLFélié Kk Jiper-» 



Digitized by VjOOQIC 



fi4 ÁSIA DE Diogo de Couto 

percais , acites he jttflo feliciteis por to-* 
dos os meios ; porque ainda que queirais 
facudir de vós efta car^a de reinar por 
pezada , o não podeis tazcr , por tirar- 
des o Reyno avoíTos filhos, aquém por 
voíTa Hiorte pertence , no que eu , e El- 
Kej de Tidore vos favoreceremos , pois 
hc ráo jttfto que fe vos dé o voflb ; e pê- 
ra ifto poder fer , he neceíTario bufcar- 
des meios pêra nos tornarmos a metter 
de poITe da Fortaleza de Ternate , a que 
vós eílais tão obrigado no auto que tez 
da entrega daquella Fortaleza Nuno Pe- 
reira« de Lacerda , no qual elle y e vós 
vos aíliúaftes > e prometteftes com jura* 
mento de a tornar a entregar a ElRey de 
Portugal , tanto que vos fizeflem juíliça 
de quem matou voflb pai , do que já cf- 
tais bem fatisfeito , pois mandara o Go- 
vernador da índia o delinquente em fer* 
ros , pêra em Ternate , onde fez o cri- 
me y lhe cortarem a cabeça , o qual os 
Jaós ínatáram no caminho y por onde pa- 
rece baftava mandar fazer cumprimento 
de juftiça de quem matou voflb pai , que 
náo chegarem a verem-no os Temates 
com feus olhos, não tem o Governador 
culpa , poroue o fim da vida como , on- 
de , e quanao , eftá fó nas mãos de Deos , 
bafta que o aggreíTor também pague a 

31 mal^ 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ckf. Xitté yif. 

n^ maldade quecommetteoí pelo cjue eftava 
)i ElRey Babu obrigado a cumprir o jura^ 
^ mento que tinha feito da entrega daFor-* 
)i taleza , e que já o tinha cumprido tao^ 
n mal : a vós , Senhor Cachiltulo , fica a£0^ 
>i ra a ob.rigação de o cumprirdes porelTe^ 
)i pois também o juraftcs ; e já que o tem-* . 
)» po vós ofFerece occaíiões tamanhas , de^ 
1» veis de vos defobrigar, e trabalhar por* 
» que aquella Fortaleza torne a ElRey di 
» Portugal, cuja he : e eu me obrigp, tan* 
n to que tomar poííe delia , a vos fazer 
» jurar por Rey, e entregar-vos oReyno^ 
» no qual ElRey de Portugal vos fuften-* 
y^ tara com muitas honras, juftiça ^ e ver^i» 
)i ddde. » f 

Cachiltulo efteve mijíto âttentò a todad» 
aquellas coufas , e lhe tefpoiídeo qiie benl' 
via o quanto ElRey de Portugal tinha fa*> 
tisfeito da fua parte com fua obrigação , e 
a em que elle dftava , pelas razoes que lhe 
dava : que lhe agradecia as lembranças in- 
cumprimentos que lhe fazia : e ai li logo« 
praticaram fobre o medo ,què teriam na 
entrega da Fortaleza , de que elle moftrqui 
muita vontade ^ e aíTentáram que foíTe Duar-^ 
te Pereira com todo o poder que tivçíTe fo-^ 
bre Ternate, e commettefle a defembarca- 
o; e que como ElRey andaíle occupado 
'óra na defenfa da defembári:ação ^ ellj? Caih 
Kk ii chil- 



i 



Digitized by VjOOQIC 



jritf ÂSIA D£ Diogo de Cooto 

diilnilo com (incoenta , ou feíTenta homenl 
de Aia obrigação , de que fe mais fiaíle , fe 
metteria na Fortaleza, e fe fecharia nella, 
é appellidaria a voz de Portugal ^ e que 
como elle defembaFcaíTe , e elle viíTe os 
Portuguezes ao pé da Fortaleza , elle lha 
abriria , e recolneria dentro j e ifto com 
condição , que depois de elle eftar de poP- 
k y o alevantaria ipor Rey de Ternate , aA 
fim como o fora leu Pai ; e que EIRey de 
Portugal lhe confirmaria o Reyno pêra feus 
filhos, e defcendentes , em quanto foflem 
leaes vaflallos feus ; e que ou foíle por ei- 
ta via , ou por qualquer outra , que a For- 
taleza foíTe ás mãos dos Portuguezes , dan- 
do elle ajuda pêra iflb , lhe cumpririam as 
condições aílima. Difto fe fizeram autos af- 
finados por todos , de que hum traslado íè 
deo a Cachiltulo pêra lhe ficar por obri- 

!;ação do contraio , e o próprio ficou no 
ivro dos regiftos daquella Fortaleza; eju- 
to\x o Capitão com todos os Officiaes de 
cumprir a Cachiltulo tudo o que fe nos 
aiutos continha , e o mefmo jurou elle no 
feu Mocafo , de que também fe fez auto 
aos 20. de Maio de i^^7. annos; c o Ca- 
pitão , acabado ifto , lhe deo pefTas , e brin- 
cos com que fe recolheo muito contente. 

Tudo ifto efcreveo logo ao Governa- 
dor de Manilha, e lhe mandou o traslado 

de 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XIIL 5^17 

de todos os papeis pêra os mandar a EI- 
Rey por via das Fiiippinas y e lhe pedio 
lhe mandaíTe alguns navios , e gente na pri- 
meira monção pêra fe acharem com elle 
naquelle negocio, o que tudo fe tratou em 
fegredo , que nunca EIRey de Ternate fou- 
be. Nefte tempo começou a carregar o Ga- 
leão de Arthur de Brito pêra fe partir na 
monção 9 que era em Fevereiro. 



-^^ 



DE- 



Digitized by VjOOQIC 



DÉCADA DECIMA 

Da Hiftòria da índia. 

LIVRO X. 



CAPITULO I. 

JPo que aconteceu em Ceilão , depois da aht» 
goa e/gotada : e do primeiro Joccorro que 
de fora chegou: e de alguns ajf altos que 
os nojfos deram em os inimigos : e dos 
apercebimentos que fe fizeram pêra ejf^ 
per arem o pr metro cmHtute que o Bmjú 
determifíou de dar d Torttaje^a. 

DEixámos a Fortaleza de Columbo com 
a alagôa efgotada , que era o que o 
inimigo pertendia , pêra dar o aíTal- 
to áqueila Fortaleza por todas as partem, pa-t 
recendo^lhe que não liie poderia eícapar , por 
fer por aquella parte que cingia a alagôa 
( que a fazia forte ) muito fraca , e depois 
diíTo ficaram continuando em alguns aíTal^ 
tos leves de parte a parte , que por não 
ferem de fubftancia , deixamos. E porque 
tardava arefpofta dosfoccorros que tinham 
mandado pçdir aflin^ aq Vifo-Rejr ^^ como 

a 



Digitizedby LjOOQIC 



Década X. Cap; I. jtç 

« Cocbim y e oefgote da alogôa |ios aquei- 
la Fortaleza em neceifidade de mais gente 
pêra defensão daquella parte , defpedio o 
<Dapitáo Mòr com muita preiía António 
Corrêa Travaços , Ouvidor daquella Forta- 
leza , com cartas ao Vifo-Rej pêra lhe ir 
reprefcntar as neceflidades em que ficavam, 
o qual fe paíTou em hum tone á outxa coir 
■ta , e tomou o caminho por terra ; ^ P^h^ 
'Goníalo Fernandes, e Belchior Nogueira*, 
^ue tinham ido com o primeiro recado , o 
deram em Manar a João de Mello , Capi- 
tão daquella Fortaleza , que armou logo 
huma Galeota , em aue mandou embarcar 
feu fobrinho Fernão ae Mello com quaren- 
ta foldados , e muitas muai^Óes j o qual 
4::om muito trabalho , e rifco chegou a Ck>- 
iumbo vefpera do Apoftolo Sant-Iago. Eír 
te foccorro foi feftejado , como era razão ^ 
•por fer o primeiro ; e o Capitão pelo ag»- 
zalhar bem , o poz em huma parte por oa- 
de a alagôa eftava toda fecca , por fer a mais 
orriícada , e perigofa , e por hoara da fei^ 
ta do Apoftolo Santiago , oa por feftejar 
os novos hofpedes ; e pêra mollrarem aos 
inimigos que os arreceavam pouco , man- 
dou ao outro dia , que era do Apoftcdo , dar 
nas tranqueiras dos inimigos por Manoel 
Mexia y e Pedro Arache com alguns Lafc»- 
rins y os quaes no quarto d^alva fe foram 

em- 



Digitized by VjOOQIC 



yiD A S I A DB Diogo dv Couto 

embrenhar detrás de hufnas balças que ej^ 
tavam defronte da Ilha de António de iVleiH 
doca , ficando o Capitão no Baluarte da 
Madre de Deos pêra acudir a tudo o que 
íucceddTe ; e fanindo eftes da Fortaleza 
ao romper da luz , deram com grande icn- 
«peto na tranqueira , que fíca pêra aquella 
parte , e a desfizeram toda em muito bre* 
^e efpaço y porque levavam pêra iílb muii- 
tos machados , e com a mór parte da ma- 
deira fe recolheram muito afeu falvo. Dio<* 
go da Silva Modeliar eftava lançado em 
cilada no monte da Pedreira com os ieui 
Lafcarins , fem em todo efte tempo bulir 
<omÍigo,. e á grita da tranqueira acudiram 
muitos inimigos de foccorro , e chegaram 
ji atempo que os noflbs eram recolhidos, 
pelo oue fe eftendéram pelo pé do monte 
da peareira até fç virem metter nos noíToi 
irallos. I)iogo da Silva Modeliar, que fica«» 
-va já nas coftas , fahindo da embufcada 
com grandes gritos , deo tão de fobrefalto 
DOS inimigos , que primeiro o fentíram nas 
carnes que os viíTem y e mataram logo aí* 
guns , e cortaram as cabeças a quatro , ar^ 
vorando huma em huma lança , porque era 
de hum Modeliar feu muito coníiecido. Os 
inimigos comefte fupito aíTalto fepuzeram 
HBm desbarato , e os noflfos fe recolheram a 
feu falvo ^ e eftas du^s coufa$ juntas ^çont 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap; I. ç^l 

teceram á vifta do Rajú , que bramava de 
paixão , e diíTe aos ieus y que lhe foflfem 
trazer a cabeça daquelle Mouro , porque 
fiíffim chamava elle a Diogo da Silva , que 
Jbi logo conhecido , e era muito temido de 
todos. Os feus vendo*-o tão agaftado > mais 
com vergonha que com vontade y defcéram 
iium cardume delles ao campo ás efpingar* 
dadas y e frechadas após os nofibs y que fe 
vinham recolhendo ; e como ficavam em 
defcuberto, e o dia era já daro^ fez a ar- 
tilheria da Foitaleza nelles hum muito ar- 
razoado emprego , de que muitos ficaram 
por alli eftirados. João Corrêa pêra mais os 
deter y em quanto fe tornava a carregar a 
«rtilheria > mandou-lhes fahir pela porta de 
S. João huma companhia de íbldaaos pêra 
travarem com elles de longe, e os entrete- 
f em ; e todavia o negocio chegou a virem ás 
mãos y e travou-fe numa batalha muito a& 
pêra , na qual os noffos fizeram em os ini«- 
xnigos grandes eftragos ; e f oi a coufa de 
feijão, que tocou oRajii a recolher, epe^- 
Jeijou com os feus , e os aflVontou , e en- 
vergonhou , dizendo^lhes que mais fazia fó 
o Mouro, que elles todos juntos^ efoi fua 
paixão tamanha , que mandou lançar pre- 
goes por todo o exercito , que a peflba 
que lhe trouxefle naquella guerra a cabeça 
4o Mouro Diogo d* SUva, Ibe faria hon^ 

ras 



i 



Digitized by VjOOQIC 



jTia ÁSIA DE DioQo db Couto 

ras , e mercês avantajadas de todos os qoe 
naquella jornada fizeíTem feitos famofos. E 
por (c fatisfaeer daquella quebra , ordenoa 
de dar muito cedo o primeiro combate com 
todo o poder , havendo que nelle averí* 
guaría aquelle n^ocio, e mandou preparar 
pêra iflb as coufas neceíTarias , e repartindo 
pelos feus Modeliares , e Araches as eftan- 
xuas , e baluartes que cada hum havia de 
commetter , por fe não embaraçarem huns 
com os outros , com o qu^e fe fizeram to- 
^os preftes <do -que lhes pêra iíTo pareceo 
neceflario , e aífim fervia o exercito em pe^ 
trechos de guevra , e em apercebimentos 

?)era o combate* O Capitão João Corrêa foi 
o^ avifado por efpias de mdo o que fe 
oxiienava ^ e de como determinavam de o 
•commetter derooite: pelo que logo mandou 
negtKriar todas as coufas neceíiarias pêra 
fita defensão ) e prover as eftancias, e bah 
luartes de pólvora, *e munições , e de ou- 
tros muitos petrechos militares , pêra que 
•tudo ti veffem todos ámão naauelle tempo; 
-c porque aqoella parte da alagôa que fe 
éfgotou , em que poz Fernão de Mello', 
era fraca , repartio pelos lugares mais ne- 
ceifa rios i>s ifoldados da obrig^âo dos fo- 
bre roídas , e fobre elles defcarrçgou a 
guarda , e defensão daquella parte. Os Ca- 
pitães dos Baluartes mandaram fazer mâh 

to$ 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. L yaj 

Tos cftrepes, e os efpalháram por derredor 
ádos muros , c fe embandeiraram fermofa- 
mente. Domingos Marques , Capitáo d© 
Baluarte S. Miguel , tanto que foi noite , 
poz por elle á roda muitos fpgareos , e o 
mefmo fez Pedro Tofcano no feu Baluarte 
S.Gonfalo, o qual, porfer muito rafteiro, 
vigiava com todos os fous Toldados da ban« 
da de fora , fahindo , e entrando pelas 
bombardeiras 5 pêra aflim defender quando 
foffe o combate, que lhe não chegalTem m 
cUe com as efçadas , e os mefmos appare* 
Jhos fe fizeram por toda a Fortaleza á ro- 
da , negociando-fe todos dante mão do que 
tinham neceílidade , por o Rajú lhes ir es- 
paçando o tempo pêra poderem fazer tudo 
.mui bem feito; e os melhores, e mais io*- 
portantes apparelhos que o 'Capitão ord^ 
nou pcra a defensão daquella Cidade , foram 
Miítas , Oraç6es , Ladainhas , e outras pre^ 
ces pêra terem propicio o Altiifimo Deos,^ 
c a gloriofa Virgem fua Afâi. 



CA- 



Digitized by LjOOQIC 



5ra4 ÁSIA de Diogo de Coimt 

CAPITULO 11. 

Do muito ffranie , e apertado combate qus 
o Rajú aeo d noJTa Fortaleza : e da 
que ueíía aconteçeo. 

EScoIheo o Rajú pêra dar o prímeirt) 
combate o dia mais próprio aos Portti- 
guezes que podia fer , que foi o de N. Se- 
nhora das Neves, que cahe a 4. de Agofioi 
«ia qual ella coftíimava a encher o mundo 
todo de favores , e mercês fuás , e no qual 
todos os Chriílaos tem tamanha devoção; 
e fendo paífado o c^uarto dante alva / come- 
çou o Rajú a fahir das fuás eíiancias na 
ordem feguinte. Diante lançou muitos ele- 
faútes de p^eija repartidos em três partes, 
e entregues a três Modelíares , que naviam 
de commetter os Baluartes S. Miguel ^ S* 
Goníalo , e S. Francifco , detrás dos ele- 
fantes os tanoeiros, e logo os rodeleiros, 
e detrás deites os frecheiros , detrás de 
todos toda a efpin^ardaria ; e pela alagóa, 
por partes que tinham ainda agua , deitou 
muitos ca tapunes, que são embarcações pe- 
quenas amarradas numas ás outras , feita 
huma grande jangada carregada de ^ente» 
Nefta ordem começou a abalar o Rajú pe- 
la ponta da Ilha pêra a alagôa , deixando- 
fe eUe ficar na ponta^ e mandou os Capi« 

tães 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. II. 515^ 

^es que foíTein commetter os baluartes que 
lhes eftavam limitados : o que cada hum fez 
<m tanto íilencio , que fe os noíTos nâo ti* 
^eram tamanha vigia , bem pôde fer que os 
não fentíram , fenâo em os baluartes , por 
fer a noite muito efcura ; porque os que 
vigiavam , viram huma maneira de bulcão , 
como nuvem muito efpeíTa , que fe lhes pu- 
sera diante da vifta , e em meio delia prin- 
cipiaram a defcubrir os murròes em tanto 
numero , que parecia alguma grande arri- 
bada deAes bichinhos que de noite luzem ; 
e tocando á arma , puzeram-fe todos com 
as fuás nas mãos , e acudio João Corrêa de 
Brito , e foi correndo todos os baluartes , 
e eftancias , e achou já todos preftes , e 
muito animados pêra efperarem os inimi- 
gos. Chegados elles aos baluartes , arre* 
mettéram comaquella muhidáo confufa , fe- 
gundo o coíhime de todos os Mouros , e 
Gentios dclle Oriente, que não he peleija- 
rem em eíquadróes ordenados, e em filei- 
ras diftinâas , nem a fom de tambores, 
e pifanos concertados , fenâo com aquella 
barbara multidão, a quem mais pôde che- 
gar ao fom de humas confufas pancadas 
de huns malenconizados , etriftes atabales, 
de que usão : aífim eftcs com aquella bar- 
bara determinação chegaram aos três ba- 
luartes S. Miguel, S. Gonfalo, e S. Fran- 

cif- 



Digitized by VjOOQIC 



t 



^6 ÁSIA DE Diogo t>E Cotrro 

cifco , nos quaes logo encofiáram multaf 
efcadas , pelas quaes começaram a fubir , e 
por baixo mais de dous mil cabouqueiros, 
que pêra ifib levavam > a picar , e a rom- 
per o muro com grande eftrondo. Os nof- 
los , tanto que ientiram os inimigos aos 
és dos baluartes, difpáráram nelles aquel^ 
a tormenta de artilberia , e arcabuzaria, 
de que muitos ficaram pelo campo fem par- 
tes dos corpos , e outros voaram por efles 
ares feitos pedaços ; e aos que commetiê- 
ram afubida, moftráram logo nosfaçanho* 
fos golpes, que lhes deram, e nas coufas 
que fobre elíes derrubaram que lhes mo 
havia decuftar tão barato, como elles cui-> 
davam , aquella Cidade. Pedro Tofcano, 
Capitão do Baluarte Santiago , que coftu-> 
mava a vigiar da banda de fora , teve aquel^ 
le bárbaro encontro com muito valor , c 
esforço , fazendo em os inimigos hum gran- 
de eltrago , porque hiam defcuidados de 
acharem da banda de fora algum impedi- 
mento , nem ainda dos que eftavam de den* 
tro poderem efperar fua fúria ; mas allím 
como fe enganaram em fua opinião , affim 
pagaram bem feu atrevimento , porque os 
mais foberbos que chegaram , fentiram logo 
em fuás carnes em quão diíFerente pro- 
poíito os noíTos eftavam. Travada a bata- 
lha , começou*fe logo pela Cidade hum 

gran- 



Digitized by VjOOQIC 



rtecADA X. Ca?. IL 5^27 

grande borborinho de mulheres, meninos, 
e outras peflbas inúteis , que andavam pe- 
las ruas pedindo miíericoraia : e aílim tudo 
o que fe ouvia de dentro , e de fora eram 
gritos , vozerias , retinir de armas , com o 

Jue tudo era tornado huma confusão. O 
Capitão acompanhado dos Religiofos foi 
correr todos os baluartes, detendo-fe pou- 
co em cada hum , vendo , e provendo em 
tudo o neceíTario, e animando a todos, e 
louvando-os com palavras de obrigação, o 
que pêra elles era pouco neceíTario , por- 
que todos podiam empreftar animo , e es- 
forço ; e chegando ao baluarte S. Gonfalo t 
mandou bradar a Pedro Tofcano , que pe- 
leijava de fora , que fe recolheífc , o que 
elle fez com muita ordem pelas bombardei- 
ras ; e entrando por ellas huns , e peleij an- 
do outros, fem fe recolherem, e nas bom- 
bardeiras , deixou dous valentes foldados, 
cada hum com íua chuça , e outros com 
lanças de fogo, e algumas efpin^ardas , e 
elle com os mais foldados fe fubio ao ba- 
luarte , onde fe poz em defensão , peleijan- 
do com muito valor , porque foi commet- 
tido com o mór pezo da gente , e com a 
mór força dos elefantes , que chegados ao 
muro , trabalharam por alcançar com as 
trombas as bordas das taipas pêra as der- 
rubarem } mas os noífos os efcandalizáram 

de 



Digitized by VjOOQIC 



52S A&IA t>H Diogo de Cout<> 

de feição que com grandes urros , e brá' 
xnidos 08 fizeram voltar pêra trás. Naauel* 
la parte ^ aonde os elefantes trabalha raní 
por chegar ^ eftayam os Araches Manoel 
Gonfalves , e Tanavíra , que foffrérain mui^ 
to grande trabalho ^ por fer alli o muro 
muito baixo , parte mui fabida dos inimi-' 
gos 5 ^3^6 elles de propoíito foram buA 
car , e aflun apertaram por alli , que os La(^ 
carins de não poderem foíFrer aquelle ím- 
peto , largaram tudo , e fugiram j ficanda 
fò os dous Araches , que fizeram maravi^ 
lhas nas armas* A efle tempo que os Laf- 
carins fugiram da eftancía ^ chegou a elia 
o P. Pedro Dias Clérigo ; e achando-os com 
aquelle medo , os animou , e esforçou y e 
fez fubír aílima , dizendo que já o Capitão 
Tinha de foccorro ^ e elle ficou com elles 
naquella parte , aonde os Araches faxiasi 
mui grandes cavallarias, e elle os ajudou y 
e animou , fazendo peleíjar os Lafcarins^ 
e defpcdio dalli recado ao Capitão dò pe- 
rigo em que aquella paite eftava , o qual 
voltou pêra ella ; e achando os Lafcari^s tíú 
defcorçoados , fe metteo entre elles ^ e co« 
meçott a pelerjar mui animcrfamente y esfor-^ 
çando a todos ^ e engrandecendo as obras 
dos dous Araches , que tinham feito mara« 
vilhofas coufas , com o que todos cobraram 
novo animo , e tornaram a renovar os goU 

pes. 



Digitized by VjOOQIC 



ÒkcAtoA X. Caí. lli ^2p 

ptÈ , arremeçando íohtc os inimigos panei* 
las de pólvora com que abrazáram muitos^ 
c fizeram parar aos elefantes; Alli chegou 
a fama dò perigo em que aquella parte eí* 
tava j e Pedro Francifeo, Capitão de huma 
das Roídas , fubindo-fe aos andaimos , efpa- 
Ihou aos feus foldados ^ e Lafcarins pelas 
fetteiras do muro , donde com fuás efpin* 
gárdas fizeram grande deftruição nosininai* 
gos , com o que muitos foldados cobrando 
novo animo , já não fe contentaram de pe* 
leijar amparados ; ma^ cavalgados em fimá 
do muro , lançaram fobre os inimigos mui*- 
tos tiros mortaes , allim de ferro , como de 
fogo , com que abrazáram muita parte dos 

Í)edreiros que picavam a parede , e a pezar 
eu os fizeram aíFaftar perafóra; mas coma 
a multidão dos inimigos era tanta , e por 
muitos que Ihesmataflem não fe enxergava 
nelles a perda , nem aos feus Capitães lhes 
dava nada diflb , antes acudiam áquella par^^ 
te, e dobravam aífim os da pcleija, como 
os que haviam de arruinar as paredes, o que 
elles tornaram a fazef , e os outros a fu-» 
bir pêra cavalgarem o muro , fobre o que 
fé tornou a renovar o eftraço , e os gritos : 
e por fer já o Capitão recolhido , que acu-* 
dio a ver as outras partes ^ fe houvera tudo 
de perder, pofto que os Araches , e o P* 
Pedro Dias, e outros foldados, e Cavai lei^ 
C6Mo.Tom.FI.P.Ii. L\ ros 



Digitized by VjOOQIC 



V 



f jo ÁSIA DE Diogo de Couto 

ros fizeram temeridades , fenao chegárata 
alguns de foccorro , que acudiram á voz 
que correo do aperto em que aquella parte 
eftava , e aprefentáram-fe á defensão delia 
com grande valor , e esforço , meneando 
todos tanto as armas., e as mãos em damno 
dos inimigos , que fubiam pelas efcadas, 
que nenhum perdeo o golpe , nem lançca 

Ííanella de pólvora em vão , e o Capitão 
oão Corrêa tornou a acudir áquella parte, 
5>orque lhe deram rebate; e aprefentando- 
je diante de todos , nomeando-fe a íi pêra 
esforçar os noffos , como pêra defanimar os 
inimigos , começou a peleijar mui denoda- 
damente , porque a coufa eftava arriícada , 
« os inimigos tinham lançado em íima do 
tnuro muito fogo pêra alfaftar os noíTos; 
mas como neftes perigos o que menos fen- 
tem os Portuguezes amigos de honra he o 
género de morte que for mais cruel , atra- 
veffaram-fe diante Fernão d' Alvares , Pe- 
dro Gonfalves Cananor, e outros Toldados 
valerofos , e em meio daquellas lavarcdas 
com as armas nas mãos fizeram tudo quan- 
to fe podia imaginar por defenderem a en- 
trada aos inimigos , íbbre a qual elles ti- 
nham mettido lua potencia. O Capitão fez 
aqui muito bem o feu officio , porque fem- 
pre peleijou , c fe aprefcntou na maior for- 
^ dos perigos y e juntamente proveo nas 

COUr 



Digitized by VjOOQIC 



U 



ebuías que lhe pai*ecêram neceflariaíé N<| 
Baluarte S* Gonfalo fe fentia a mefina aí^ 
fronta > porque todo á roda foi cercado dcj 
efcadas entulhadas de inimigos , e as bom* 
bard eiras por onde osdaquelle terço fefer* 
viam commcttidas com muita determina jãoj 
e fobre os que eftavam em baixo em fua 
defensão carregou ó pezo das aífrontas^ 
Dorque as frechas > e o fogo que por el-* 
es entrava era pêra abrazar toda a Cida** 
de , e aíGm fizeram recolher oá noflos pe-* 
ra dentro abrazados ^ e quaíi cegos do fi}-* 
mo , porque eíle foi o mor perigo em qud 
fe viram a efpeflura delle , pela qual os 
inimigos fe determinaram a entrar as bom^ 
bardeiras ; mas os de dentro aífim con| 
aquelles impedimentos lhas defenderam va-* 
lerofamente, e chegaram a cortarem aslan* 
ças aos noíTos , que depois de muitas ve-» 
zes as enfoparem no bruto fangue dos ini-* 
migos j fe Valeram das efpadas , em qu0 
fizeram outra nova deílruiçao , e prova-* 
ram com ellas as forças de feus valente^ 
braços , que depois íe vio nOs façanhofos 
golpes dos que fe acharam y acabante o 
combate nos que ao pé das bombardei- 
ras ficaram efiiradoSé Os que fubiam peld9 
efcadas trabalharam mdo o que puderam 
or fe pôfem em fima y fera lhes dar pe* 
)S que da par delles cahiaoi feitos pe« 
LI ii da« 



Digitized by VjOOQIC 



£í 



^^i ASiX DE Diogo de Coirro 

daços em baixo , antes engroíTando-fe o nu- 
mero dos que fubiam , deitiram em Uma 
tanto fogo que ficou o baluarte feito hu- 
ma labareda; e osnoflbs affaftando-fe hum 
pouco peta fora , hum foldado por nome 
Gafpar Dias, quenefte dia tinha feito gran- 
des coufas y vendo o fogo , e que no Ba- 
luarte eftava huma quantidade de pólvora , 
que alli tinham, pêra que fe fofle neceíFa- 
rio , vendo que fe llie chegafle o fogo fe 
acabaria tudo , deteritiinou-fe ou a mor- 
rer , ou a livrar a todos daquelle perigo, 
e affim tomou huma cama , e humas euei- 
í-as , e com tudo fe lançou fobre a labare- 
da , em que a abafou, e matou , e com a 
fnefma prefteza fearremeçou em huma jar- 
ra de agua que alli eftava, e a vafou toda 
fobre o fogo , e apagou de todo , com aue 
os do baluarte ficaram mais defaíFogados 
pêra fe defenderem, tornando-fe a feus lu- 
gares, nos quaes fizeram maravilhas. Va- 
leo , e ajudou muito aos noíTos os muitos 
fogareos que o Capitão daauelle baluarte 
ínandou accender por todo elle , os quae$ 
tm quanto durou o combate , íempre ar- 
deram , e os foldados viram muito bem 
fionde era neceíTarlo acudirem ; e foi obra 
muito importante efta , porque de vergonha 
fe deixaram os Lafcarins eftar nos lados, 
onde peleijavam, o que pòdefer nâo fize* 

ram 



Digitized by VjOOQIC 



Decai>a X. Gap. TI. ^^j 

ram fe fora efcuro, e elles fe puderam re-r 
fundir fem os verem , pelo aperto grande 
em que muitas vezes fe viram. Os inimi- 
gos foram com fua porfia avante traba- 
lhando por entrarem aífim por efte baluar- 
te, como pelos lados do muro, que hiaiu 
fechar nelle , em que eftavam os Araches 
Manoel Gonfalves , e Tanavira ; e com ve- 
rem quão bem fe defendiam os noífos , e 
o eftrago que era feito nos feus , não de- 
/iftiam daempreza, antes cada vez mais a- 
porfiavam, mettendo todo o cabedal pelo 
«ntrarem , fazendo chegar os elefantes até 
^s taipas a poder das pancadas com as 
trombas alevantadas pêra pegarem delias; 
mas os noíFos com muitas lanças de fogo 
os fizeram aifaftar, difparando nelles muita 
fomma de arcabuzaria , e panellas de pól- 
vora , que foi o de que mais fe os noíTos 
/ervíram , com que abrazavam os pedreiros 
que fe chegavam a picar as paredes ; e co- 
mo os elefantes eram mui grandes , e fe 
enxergavam mui bem dos noflbs com a 
claridade , não perdiam tiro nenhum , e af- 
fim os efcandallzáram quç fe não íabiam 
determinar; porque os feus cornaças, que 
são os que os governam-, dando-lhes pan- 
cadas, e aflFrontando-os pela lingua de co- 
vardes , e os noífos efcandalizando-os , e 
maltratando-os^ fe checavam , davam tama- 

jihos 



Digitized by VjOOQIC 



f 34 A S I A DE Diooò bfi Couto 

lihos urros , que com a Cidade toda em 
toda eftar occupada cm fua defensão com 
gritos de todas as partes , e com o eítrepi--» 
to , e eftrondo das armas , e das bombar-^ 
dadas que faziam tíido hi^mia cohfuiFsão , to- 
davia não deixavam de caufar em todos ef- 
Í)anto ; e no lanço do muro que vai do ba- 
uarte S, Gonfalo ao de S. Miguel pelei-» 
javam Chinapoli , e Sebaftião Bayao , Ca-» 
^itães de certas companhias, os quaes el^ 
forçadamente defenderam aquello Terço , 
em cuja companhia peleijavam os Mourcs 
naturaes deCeilam, que feriam alguns qua- 
renta cafaes, com tanto animo, e vontade, 
como os próprios Portuguezes , chamando 
ôos inimigos que chegaífem , que elles lhes 
fariam efcadas com fuás lanças pêra fubi4 
remi eftes Mouros naturaes de Columbo 
«ío como miftiços de alguns, quealli achá^ 
ram os noíFos , quando fe ftuidou aduella 
Fortaleza , os quaes fe deixaram alii ficar , 
cfervíram fempre com muita lealdade, da 
qual fe elles multo prezão , por ferem el-» 
les fós os da índia, em que nunca achámos 
engano. 

Adiante pêra o baluarte S. Miguel pe- 
ieijâva António Dias da Lomba , e Anto-» 
iiio Lourenço , CapitSes da Roída , com a 
gente de fuás obrigações, ambos Cavallei* 
TOS 3 em que o Capitão tinha muita çonfian* 



Digitized by LjOOQIC 



Década X. Caí. 1L yjj 

ça. Fernão de Mello , que foi o primeiro 

que veio ao foccorro , deixando os folda* 

dos era feu terço com alguns que efco-» 

Iheo , foi correndo as partes aonde havi^ 

mór perigo , favorecendo-as , e ajudando* 

as em tudo ; e chegando ao baluarte S. Mi« 

guel, por lhe dizerem que eftava em aper^ 

to , vendo o esforço com que Domingos 

Marques^ que era feu Capitão, peleijava^ 

perguntando-lhe fe tinha neceffidade de ab* 

guma coufa , refpondeo-*liie que não : foi 

paífando pelo lanço do muro até o baluar* 

te Conceição, de que era Capitão António 

Pereira , o qual achou mui foberbamentc 

petrechado , peleijando feus foldados por 

iiuma ordem maravilhofa com muito ani<» 

mo , c esforço : havendo-o por feguro , foi 

adiante até o baluarte S. Pedro , de que 

Thomé Pires era Capitão , o qual achou 

muito fortificado , e elle com todos os com* 

Í banheiros mui animofos , peleijando mui es-* 
brçadamepte , fendo mui commettido dos 
inimigos , por fer menos de cem paíTos á 
outra banda, e aalagôa ellar por alli toda 
fecca , peia qual parte foi commettido mui- 
to determinadamente , rebatendo muitas ve- 
zes os inimigos com muito damno feu: pe- 
lo que vendo que alli não tinha que fazer , 
foi correndo ás outras eftancias, nas quaes 
iempre fe oifereceo ^ e aprefentou a. todof 

08 



Digitized by V^OOQIC 



53^ A SJ A PÉ Djogo de Couto 

os trabalhos que nellas achoiL No Baluar* 
te da Madre de* Deos , era que eftava Efte- 
vão Corrêa , receberam os inimigos mui 
grandiíEmo damno ; porque ellaudo fron- 
teiro á parte , por onde os inimigos ha-- 
viam de fahir ao combate, tendo a artilhe- 
ria aíTeftada nelle , em os fentindo , os teA 
tejou de feição, que primeiro quefentiíTem 
que os fentiam , fentiam a fúria dos feus 
pelouros , de que muitos ficaram efpedaça-* 
dos > e no commettimento que lhe fizeram, 
muito defen^anados , porque aflim lhe de-r 
fenderam a lubida á cuíla de outros , que 
já a tratavam com mais defconfiança ; o 
pofto que em todas as partes çra o aperto 
muito , todavia no Baluarte S. Miguel q 
havia mui grande, porque carregaram nel-r 
le as forças principaes do inimigo com 
muitos elefantes , muitas panellas de pólvo- 
ra, e outros inftrumcntos, trabalhando por 
calvagarem em finia ; mas defendendo-fe-» 
lhe com muito animo , o qual o Capitão 
Domingos Marques moftrou em todos eP» 
tes trabalhos , e perigos ajudado do Coih 
deftavel Mór da Fortaleza , chamado Pedro 
Gonfalves , homem aíFamado em feu oifi* 
cio, do qual ufou mui defembaraçadamen-r 
te , fazendo muitos , e mui acertados tiros , 
que fizeram em os inimigos grande carnin 
faria j e na mór forç^ do perigo , eftaada 

PS 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap, IT. * 5^37* 

ts ipimigos abordados , acudio ao muro ^ 
defcbdendo-o valerofaménte , lançando meio 
çorpò de fora pelas bombardeiras pêra fe-» 
rir, e matar nos quefubiam, lançando-lhes 
muitas panellas de pólvora , o que fézr^fpaf 
algumas vezes com tanta deftreza , que 
nunca o puderam os inimigos ferir , d efe-» 
jando vingar-fc delle da ofFenla que rece- 
biam , e os elefantes trabalhavam por lan- 
çar as trombas ás peíTas de arcilheria pêra 
darem com ellas abaixo ; mas com lanças 
de fogo foram também rebatidos. António. 
Dias da Lomba , que peleijava da ilharga 
deite Baluarte , que tinha a feu cargo a 
pólvora y e as panellas , vendo a affronta 
que fe paílava no Baluarte , c que os foi-* 
pados depois de quebrarem nos peitos dos^ 
inimigos as lanças acudiram á bufcar par 
nellas de pólvora, deixando os lugares va- 
fios , com que o Baluarte corria rifco , acu- 
dio com muita prefteza , trazendo cefto» 
delias , fazendo-ds pôr em feus lugares , e 
elle porfua máo não fazia outra coufa que 
correr a todos , e cevallos com ellas , por- 
que não fiava ifto de outrem , por arrecear 
que com o medo lhe aconteceífe algum 
defaftre, com que o Baluarte tomafle fogo, 
o que feria a total perdição , e defta ma- 
neira proveo a todos muito bem , e não 
f4ltav4m munições aos que as pediam. Du-» 

icu 



Digitized by VjOOQIC 



fjí A ST A DB DiÓGO DK CotJTO 

rou efte aperto por todas as partes pem> 
dehuma hora, mi que elles perderam mui- 
ta gente , e a confiança com que chegaram , 
porque cada vez achavam os noifos mais 
encarniçados ; pelo que lhes foi forçado af- 
fa(tarem*fe pêra fora alguns vinte pafTos; 
e como eram muitos , e ficaram mais api- 
nhoados, a noíía arcabuzaria fex nelles tal 
eftrago , que era efpanto. O Rajú que eftava 
na ponta da Ilha, dando-lhe recado que os 
feus fe afFaftáram desbaratados, quando el- 
le efperava que lho deíTem pêra ir entrar 
jia Cidade , quizera morrer de paixão ; e 
pofto que lhe diflerâo o grande eftrago que 
era feito na fua gente , mandou com mui- 
ta ira a feus Capitães que com todo o po- 
der tornaíTem a commetter as eftancías , 
fazendo final a todos com finco pancadas , 
aue mandou dar nosatabales, quehe o que 
íe faz , quando fe ha de arrifcar toda a po- 
tencia. Os Modeliares arremettêram aos 
baluartes com tamanho eftrondo , fúria , e 
confusão , que pudera aquelle bárbaro ala- 
rido metter medo a quem não lho tivera 
ji perdido , como os noíTos que eftavam 
em fuás eftancias tão promptos pêra lhas 
defender , como fe eftiveram muito folga- 
dos. Os da guarda de ElRey , e outro» 
muitos aventureiros , que entraram de re- 
frefco , chegando aos muros, e baluartes, 

en- 



\ 

Digitized by VjOOQIC 



' Década X. Cai?, li. ^ f 

encoftáram grande numero de efcadas , pe^ 
las quaes começaram a fubir , nomeando^ 
Í€ , como fe os noflos os conheceram , nãa 
entendendo oue quanto mais esforçados , e 
nomeados foíTem , tanto com mais gofto , t 
vontade lhes haviam de defender fuás eftan- 
ciaá , e os haviam de oíFender a elles ; 
porque já o animo de qualquer delles fe 
não contentava fenao dos maiores perigos r 
onde elles mais carregaram , e onde com 
tttaií força porfiaram , foi no baluarte S, 
Gonfâlo , fendo os primeiros que tentaram 
fentrarem nelle , os da guarda de ElRey , 
ique hiam armados de peitos, malhas, ca- 
pacetes , e murriáes, e com muitos mon- 
tantes , com que cortaram muitas lanças 
ftos do baluarte , os quaes primeiro com 
elles derrubaram muitos dos feus , paíFados 
de parte a parte. Os pedreiros tornaram' 
á fua obra , e foram picando o muro , e 
os elefantes commettêram com as trombas^ 
por fima das eftancias , trabalhando poi* 
chegarem á artilheria pêra darem com el- 
la abaixo ; mas como ella eftava carregada 
com íèus cartuxos , difparandò nelles , fize^ 
tam huma grande deftruição , e os elefan- 
tes com a dor das feridas , e com os terrc- 
tnotos da artilheria viraram por detrás , e tri-- 
Iháram grande copia dos fcus , fobre os 
iquaes carregaram de todas as partes tam 

tas 



Digitized by VjOOQIC 



. f 40 A S TA DE D1Ô60 DE CdTJTd 

tas coufas dos doíTos pêra lhes empecerem, 
que todo o campo por baixo ficou junca- 
do de corpos efpedaçados , os quaes fica;- 
ram fendo grande impedimento pêra os 
vivos. Alguns Chingalas mais affamados , t 
que defejáram de ganhar grandes honras 
diante doRajú, trabalharam muito por ar- 
vorarem algumas bandeiras , que traziam 
em íima do baluarte S. Gonfalo , o que lhe 
os noflbs defenderam tanto á fua cufta, 
que de envolta com ellas voltaram pêra 
pairo feitos pedaços; mas como aaui eíb* 
ya o mór pe^o do poder do Raju , e os 
mais efcolhidos , e folgados , viram-íe os 
noíTos em muito grande aperto» A^quelle 
tempo chegou o Capitão ; e vendo eni ta- 
manho rifco aquelle baluarte , deixou-fe 
ficar nelle , e mandou chamar Thomé de 
Soufa de Arronches ) que ainda que até ago- 
ra não fallaíTcmos nelle , não foi por eftar 
ociofo , antes igualmente com o Capitão 
andou fempre provendo, e remediando as 
partes mais neceífarias , eftando-Jhe encom- 
mendada toda aquella parte defde o fea 
baluarte até ao da Madre de Deos , por- 
que quiz o Capitão defcarregar fobre elle 
parte dos trabalhos, que elle tomou á fua 
conta ; e em quanto o combate durou , e 
ainda todo o cerco , não fó fez o officio 
de Capitão , mas ainda de valente foldar 



do,* 



Digitized by VjOOQIC 



Decaia X. Cap. IL 5:41 

do 5 e de muiro experto bombardeiro , apon* 
tando elle as bombardas , e difparando-as , 
e ordenando muitas coufas importantes á 
defensão daquella Fortaleza ; e dando-Ihe o 
recado do Capitão , encarregou o Baluarte 
ao Modeliar Diogo da Silva ; e tomando 
alguns companheiros comfigo , foi-fe met- 
ter no baluarte S. Gonfalo , onde a confu- 
são era muito grande , e alli pofto diante 
fez obras de grande merecimento , e de 
muito damno pcra os inimigos. O Capi- 
tão vendo-o alli , foi acudir a outras par- 
tes pêra ver tudo com o olho , e chegou 
ao baluarte S. Miguel , que também efta- 
va rodeado dos inimigos de refrefco , que 
com grande porfia trabalhavam fobre quem 
feria o primeiro que fe puzeíTe em fima. 
Efte commettimento foi muito rijo , e paf- 
fáram nelle muitas coufas , que não fe po- 
dem particularizar , porque de qualquer 
dos noíTos fe podia fazer hum Capitulo 
particular ; porque o que menos fez , foi 
tudo o que fe podia efperar de hum ani- 
mo valerofo , e incanfavel : e aíGm fizeram 
todos tanto , que com morte da mór parte 
dos inimigos os fizeram retirar , havendo 
já outro tanto efpaço que peleijavam , co- 
mo houve no primeiro commettimento. O 
Rajii 5 que tinha a cada momento rebate 
do que fe paíTava ^ fabendo que os tae^ 

tor- 



Digitized by VjOOQIC 



54^ AS I A DE DiOdo DE Couto 

tornaram a fer desbaratados com muitd 
maior damno que de primeiro , ficou co- 
mo doudo, e mandou que fe perdeflcai 
todos , ou ll^e tomaflem Columbo , e tor- 
nou a fazer o fínal da batalha, ao qual tor- 
naram por todas as partes com tantos bra- 
dos , e alaridos 3 como homens que fehlani 
otferecer á morte , a qual acharam logo 
com tanto género de coufas, que antes de 
meia hora ie retiraram a hum íinal que o 
Rajú mandou fazer , por lhe dizerem que 
fc acabava tudo. Já nefte tempo efclarecia 
a manhã , que foi pêra os noíTos tamanha 
alegria , como acontece aos que em al«* 
guma tormenta fe viram perdidos pela ef- 
curidade da ncite , quando o dia lhes ama^ 
jahece claro, e íereno. 

Recolhidos os inim-gos, ainda foram 
após elles infinitos pelouros , que ao longo 
os efpedaçárara ; e aflim em todo o arraial 
do Rajú houve hum geral pranto por ta- 
manha perda , igualando com differente 
fentimento a dor , e a triíteza de huma 
parte com a alegria , e prazer da outra, 
porque na noíTa Fortaleza houve todo cílc 
dia muito grandes feitas , as quaes fe fen- 
tiram no aiTaial , o que fazia fua dor fer 
maior ^ porque aillm correm as coufas do 
mundo , que as mefmas que dam prazer, 
a outros o fazem perder ^ mas no que oa 

aof- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. IL 5^43 

fioíTos mollráram mòr alegria , e alvoroço 
xla viéloria , foi nas muitas graças, e louvo- 
res que deram aoAltifljmo Deos, e á Vir- 
gem das Neves fua Mâi , em cujo dia re* 
cebéram tão aílinalada mercê , oírerecendo* 
lhe os que puderam dons , e romarias» O 
Capitão acudio a ver os feridos , os quaet 
mandou curar com muita diligencia. 

CAPITULO IIL 

Dô damno que houve da parte dos initni* 

gos : e de alguns foccorros que de fora 

chegaram : e de como o Capitão re^ 

formou os baluartes , e eftancias. 

MUito dcfejou Q Capitão de faber o 
que paíTava no arraial do Rajú de- 
pois defte combate , e do numero dos mor- 
tos , pcra o que lançou fuás efpias , as 
quaes lhe trouxeram a cabeça de num Laf- 
carim , e hum cornaca vivo , que não foube 
dar razão de nada. Na mefma conjunção 
fugiram pêra a Fortaleza três homens Chi- 
Jias , que eftavam cativos , que fe perderam 
em huma náo , em que também vinha o Pa- 
dre Pedro Dias , a qual deo á cofta , e o 
Padre com alguns fe falváram no batel , e 
os mais foram cativos em terra. Eftes tam- 
htax não fouberam dar razão do que oCa«f 

pi- 



Digitized by VjOOQIC 



^44 AS TA t)fe DiõGô de Covro 

pitão defejava j mas depois vieram ouiní 
efpias , que a fouberam dar de tudo , e af- 
íirmárain perder o Rajii perto de quatro^ 
centos homens ^ os mais eícolhidos do exer- 
cito , em que entravam muitos Arachcs , e 
osModeliarcs deTanavaca, e o da Corna- 
ria do Gale , e da vantagem de dous mil 
feridos, mataram-lhe mais dous elefames) 
e feríram-lhe féis. O Rajú affrontado do 
fucceílb , determinou de pôr a Cidade em 
tanto aperto , e de cançar os noíios de fei- 
ção que os puzeíTe em defefperação , e Jc^ 
go com muita prefla mandou correr com 
as tranqueiras até muito perto dos muros 
da Cidade; e nas pontas delias fez alevan-» 
tar alguns baluartes de madeira tão altos, 
que chegavam á artilheria dos baluarte^, 
que cahiam pêra aquella banda , e correo 
com algunj entulhos pelo lugar da ala- 
gôa , e mandou por toda a Ilha fazer cha* 
mamento de gentes , e trazer mais fabrica , 
porque determinava abarbar-fe com os mu- 
ros , pêra que de feus valos pudeíTem paflar 
a elles. O Capitão que fe não defcuidavá 
das coufas da fua obrigação , mandou re* 
formar os baluartes , e outras partes mais 
neceíTarias ; e no de S. Miguel , por fer 
mais raftciro , e em que os inimigos tinha'n 
o olho , mandou fazer hum íobrado de 
madeira com as traves de palmeiras gro£^ 

las , 



Digitized by VjOOQIC 



CicAfeA X. Ga»; IÍI; . }^ 

ias , e mandou entulhar as bombardeiras j 

Í>orque lhe occupavam os foldados , que el^ 
e havia de mifter pêra lima ; é át redor dó 
ibbrado que alôvarttou , fez léus andaimos ^ 
c parapeitos pêra os noflbs pcleijarem mais 
-cncubertos ; e no fobradò pòz alguns fal-^ 
coes , e berços pêra Varejarem a Jlha qud 
fe largou ^ na qual os inimigos fe andavam 
fortificando j porque lhes èftorvaffem a obra j 
e porc^ue o baluarte S. Gonfalo tàínbetri 
era m.iiito rafo , fiibio com bs parapeito* 
aliima ^ e o entulhou de maneira , que já 
íicava mais deferifavel ; e defde o Baluar- 
te Santo Eftevão até á guarita de Manoel 
Borges maridòu pela banda de fora abrii* 
huma cava de cres^ palttios de largo ^ e dd 
duas bradas de altura perá nâo poderem 
chegar os Elefantes ao muro , que era dd 
taipa* e porque tardava recado dos foccor-* 
ros que mandou pedir ^ toríioti à defpWit' 
hum BarrholomeU Rodrigues com cartasí 
pêra o Vifo-Rey , fem que lhe dava novaí 
do combate 5 e Ihottiandou debuxado coní 
todo o exercito dó inimigo , e dõ mòdtf 
de fuás fòrtificaçóes 5 pferâ que pôr alli viP 
fe as iieceffidades em que Colutíibd ficava^* 
Efte homem paíTou a Maftar em hum Tò-* 
jie, c dãlli á cofta deNegapatão, e tortou; 
o caminho por terra pêra Goa ^ e a^ora^ o^ 
deixaremos v^ por continuarmos eomGon-^ 
Coutú.TméP2.F.lu Mm fa* 



Digitized by VjOOQIC 



f4^ ÁSIA pE Diogo de Couto 

pilo Pfrnftndes , que tinha partido diaBte 
delle. Efte , depcis que deo eui Manar re- 
fgd? do c^rço y e que deixou oegociado 
l^i^KQ^Q de Mello pêra ir de focçorro , paA 
fott-fe 9 Negapatão , aonde efpalhou as no- 
y^p do aperto em que Columbo ficava, 
fi^ a6 quaea hum Diogo Fernandes PeíToa , 
Cernem pobre, e bom C^valleiro , comprou 
hutna Qaleor» , e pagou a vinte e quatro 
fqldados i e pnchçndo o navio de manti* 
Rientos , e munições , tudo de leu dinhei- 
ro, partÍQ-fe logo de focçorro; e invejofo 
de aquillo huip António de Aguiar de Vaf- 
çonçellos, porque as çoyfas delia quaJida- 
de efpertâe myiro aos amigos de honra, 
tomou logo hum calemute , e negociou 
^uin?;e foidados , com que fe partio Jogo 
4pd9 o outro , e o fpi ainda alcançar na 
cofia da Pefcaria ; e en^olfando-fe ambos 

Íerç atraveíTarem a Columbo , lhes deo 
ma temporal tão rijo, que çftiveram pcr- 
4ide8 , com o aual Antopio Fernandes PeP 
fea arribou a Manar, por ter o navio inais 

Eezado; mas o calemute de Aguiar foipaf> 
indo por diante ; e requerendo-lhe os foi* 
<}ados por muitas vezes que arribaífe , o 
^116 elle náo quiz fazer, dizendo-lhes que 
eile não partira de focçorro á Fortaleza de 
í^lR^y pêra deixar de chegar a ella por 
Bmhuai inconveniente : que ou havia do 
' che^ 



Digitized by VjOOQIC 



thegar lá i QUc morrer na éétxiaoda ^ <» qiMt 
nâo quízeflem eJles mais glonofa morte ^ 
Qem mais honrada rida ; e affiín foi paf^ 
fando por aqueUa tempeftade alagado y d 
fubmergído muitas vezes , [tm lhe mettcur 
medo o perigo emquè taijtas rèxe» fevw:: 
e favorecendo Deos tao honrados peofemon^ 
los y chegou a Columbo o próprio dtia qué 
^artio BarUioloiseu Rodrigqes , que foi a 
j^é de Âgofto » dia da glofioia Mum]p^Qi 
da Virgem N^ Senhora* O Capitílo > fc tq^ 
do Q poYO acudiram á praia a feftejar eílâ 
foccorro ; porque he muito natural em Ioa 
dos os cercados parecer-lhes que em todas 
as coufas que de fóra lhes chegam , Ihe^ 
vem feu remédio j e.defembarcanda Anto-* 
nio de Aguiar > o kvou o Capitão , e ok 
ãpofentou em hum lanço de muro > qu^ 
entçíla com o Baluarte S. Sebaftíãjo y pot feç 
lugar muito perigofo, e arrifcado ^ o qual 
elle começou a governai, é aguarMcer, e^ 
fortificar muito bem* 

Defte Ibccòrro , e da partida d^ Bai^ 
tholomeii Rodrigues foi logo avifado Q 
Rajú } e porque òs. noffos fe defcuidaffera. 
por entre tanto , determinou de eotreielloa 
com fingimentos , e moftrar de nâo pro^ 
guir mais nò cerco, e n^aiídou. bradar aoi 
do Baluarte S. Sebaftiâoi que diíTeíTem açh 
Capitão da parte doRaju 4^e IhemandalTe 
Mm ii lá 



Digitized by VjOOQIC 



^48 ASÍA DE Diogo de Couto 

tá Jeronymo Bajâo , ou outrà peíToa de 
refpeito , porque tinha que praticar com 
clle coufas que importavam a elle Capitão. 
Dado o recado , e entendendo elle logo 
os feus defenhos, mandou aos do Baluarte 
que lhe diíTeflem , que fizefle ao que vinha , 
c foíTe com fuás obras por diante , e que 
fe pêra ellas haria de mifter ajuda , lha 
daria ; c que bom feria fortificar-fe bem, 
porque muito cedo havia lá de fer com 
elle, e aíCm ficou acoufa, fem mais fallar 
nada. Foi iílo omefmo dia em que chegoa 
o Aguiar , e ao outro mandou o Rajú fa- 
hir Sias gentes ao campo , e da noífa For- 
taleza lhe fahíram alguns que travaram com 
clies ; e pofto que tiveram huma efcaramu- 
ça , que durou hum bom efpaço , todavia 
náo foi fangrenta , e defta maneira havia 
quaíi todos os dias outras. O Rajú foi cor- 
rendo com fuás tranqueiras até fepôr trin- 
ta paffos do Baluarte S. Sebaftiâo , mandan- 
do correr ainda mais adiante com as obras, 
ao que lhe mandou fahir o Capitão o Mo- 
deliar de Cândia D.João deAuftria, Capi- 
tão da gente da terra , e o Arache Pedro 
Affonfo com feus Lafcarins , e alguns Por- 
tuguezes comelles, pêra que foíTe defman- 
char aquella obra , porque não paífaíTe com 
ella avante. Efta companhia fahio da For- 
taleza no quarto d'alva ^ e deram na obra 

com 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ga?. III. . $'49 

com muito filencio , indo os Portuguezes 
diante, os quaes commettêram as tranquei- 
ras ; e lançando-lhe dentro muitas panellas 
de pólvora , entraram apôs cilas , e tiveram 
com os que a guardavam , aue eram muitos 
efcolhidos , huma grande batalha ; e em 
ouanto ella durou , os Lafcarins occuparamr 
íe em desfazerem por força a tranqueira , 
como lhes era mandado , e outros em re^ 
colher a madeira pêra a Fortaleza, fuften- 
tando os Portuguezes dentro no Baluarte a 
batalha, e aífim apertaram que com morte 
de muitos lançaram todos fora ; e desfazen- 
do-fe a tranqueira de todo , recolhêram-fe 
os noífos muito a feu falvo , perdendo hum 
fò , pote que alguns vieram feridos , mas 
todos os mais carregados de armas , e def- 
pojos dos inimigos , de que morreram triur 
ta. ÀíTmalou-fe nefte aíTalto hum foldado; 
por nome Jofé Fernandes , o qual com hu-* 
ma lança de fogo foi o dianteiro que en- 
trou a tranqueira , e fez caminho aos mais ; 
e depois da lança gaftada , arremettia abra-* 
cos com os inimigos , porque era muito 
torçofo ; e como alcançava hum , o lançava 
pêra trás aos companheiros , que o mata- 
vam, e affim o fez a muitos, e fobre iflb 
recebeo oito feridas, ejiuma delias morral ; 
e recolhendo-fe por feu pé , depois de fer 
fora , achou menos o chapeo , e hum lenço 
. • com 



Digitized by VjOOQIC 



^fo ASIÂ BE Dio(M i>E Coin«o 

Çom novie bazarocos amâirsdos fielle , qoe 
^rec^ et^ todo o feu cabedai , q^c lhe fí- 
<K)a M tranqueiíQ, e quizera voltar a buí* 
Calloj maç nio pode, porque fe valava ror 
^o em fongae. Feito foi efte pêra lhe da- 
tem pdr cada baxaraco muitos cruzados ; 
-mas elle ficoa fem elles , t fem os hazaru- 
«cos ; e fe viveo depois (que nâo o (biibe* 
mos) çida ventura que morreria de fome, 
^ 4iufKa lhe Híberiam o nome ; mas tello-ha 
«icita efciitura, e aflim todos os mais deila 
qualidade, poilo que os favores do tempo 
iht negaflem o galardão de feus mereci- 
tnentos ; e pela ventura que por defcuidos 
de alguns , qUe fe hum pequeno feito deft^e 
fòrk obrado pcM- <iiialquer parente f ou che^ 
^ado , lho -houvera ae engrandecer com 
•»ercés áflinnladHS, que por derradeiro tem 
limite eterno com a vida; mas eftes efque* 
Tidos , e defpnezados do mundo , em quem 
feitos ta^ famofos ficaram apagados peU 
fàita deíavores, eftes o não ferio nunca na 
TUinha efcritura, fem Ihesdar o galardão li*, 
mirado ; mas huma fama fem termo , e que 
^ure , em quanto o Mundo for. 

E tornando á noíFa ordem , o Rajú li- 
tpou affrontadiífinw deite fucceíTo , e não 
deixava de bufcar todos os meios , e ardis 
perá fe fatisfazcr , e ver fe podia haver ás 
inãos a Fortaleza , e raandou logo abrit 



Digitized by VjOOQIC 



DfeCADA X. Ca?. IIT. fyt 

liuma mina da fua tranqueira áté o Baluai*-* 
te S. Sebaftiâo , e de altura de braça ; • 
continuando-fe , foram dar em do\xs tan« 
quês de agua , que eftavam em ambos oê 
lados , pelo oue fahio com ella aífima da 
terra vinte pálios do Baluarte , onde fábri^ 
cou outra tranqueij^a de madeira muito fof-^ 
te 5 e entulhada , cuja fabrica vinha por 
baixo das minas , por caufa da artilheria ^ 
que por fua fortaleza nenhum damno lh« 
fazia. 

C A P I T U L O I V. 

De como a Cidade de Cocbim mandúU ái 

foccorro a Ceilão buma Armada^: # de 

como o Rajtí tratou de commettèr a - 

Fortaleza por mar , e por terra : 

e do que mais fuccedeo. 

TÂnta preíTa fe ded Belchior Nogueira^ 
que partio pêra Goa com recado ào 
Cerco , que em poucos dias chegou á Cida-^ 
de de Cochim , e deo as cartas que levava 
de João Corrêa a D. Eftevâo de Menezes i 
Capitão dâquella Fortaleza , e outras aos 
Vereadores , nas quaes lhe pedia o foccorreCí 
fem 5 porque ficavam no derradeiro extreK 
mo ) e oue foíTe o mais apreíTadamentd 
^ue pud^fuem ^ porque o inimigo tinha vinW 

do 



Digitized by VjOOQIC 



jrjri A ST A de Diogo de Couto 

do coih toda a potencia da Ilha dè Ceilâtf 
contra aquelia Fortaleza , na quaj não ha^ 
via trezentos homens. Vendo elie efta iie- 
ceíEdade, ajuntou-fe o Capitão em Camen 
çom os Vereadores , e moradores princi- 
paes , e praticaram fobre aquella matéria; 
e como aquella Cidade collumava acudir 
com grande zelo de ferviço do feu Rey a 
Semelhantes neceífidades , fem perdoarem 
e gaftos , nem a rifcojs de fuás peíToas , af- 
fcntou-fe que logo fe negoceaflem fels na-s 
vios cheios de gente , e munições , cujas 
defpezas haviam de fé fazer do dinheiro do 
hum por cento , que eftava applicado pêra 
as obras , e fortificação daquella Cidade» 
porque em nenhuma coufà fe podia elle 
defpendicr melhor, nem de mais importân- 
cia: elogo começaram a pôr os navios no 
mar, e a pagar os foldados; e porque era 
chegado naquelles dias áquelle porto Nu- 
ÇQ Alvares de Atouguia ém huma Gáleotaí 
^ue vinha de Couláo , onde invernou por 
mandada do Vifo-Rey , lhe commettêram 
efta jornada, a qual elle accçitou com mui- 
to gofto , e logo fe começou a embarcar , 
e em iinco dias fahio pela barra fora com 
ièis navios, em que levava cento e oitenta 
íbldados pagos , e os navios armados por 
três mezes com muitas munições : os mai$ 
Çapitíea., a fora Nuno Alv^rw 4^ Atpu-i 



Digitized by VjOOQIC 



Década X.'Caf- IV. ' yyj 

^ia , foram Adrião Nanes de Manccios> 
I)omingos Alvares , Simão Leitão , Pedro 
Kodrigues , e António Coelho , que acaba- 
rá de fer Capitão de Coulâo ; e correndo 
a cofta , dobraram o Cabo Coitaorim , e fo- 
ra» demandar Tutocori pêra atraveflarem 
a Columbo i e ailim o deixaremos até tor^ 
jiar a elles. 

O Rajii vendo o verlo entrado , que 
era tempo 4e começarem » vir os foccor- 
TOS de fora, qujz, antes que lhe vieíTem, 
jtornar a provaf a mão , e coipoiertep a For- 
taleza por mar, e por terra, poraqe aquel- 
le pouco poder que tinha, fedividiíTe, e fi- 
çaííem as partes , e baluartes mais fracos, 
e para iíTo mandou negociar a fua Ârma- 
fda, elançalla no mar, e mandou embarcar 
nella alguns Modeliares com muita gente , 
e lhes dêo ordem do que haviam de fazer. 
Preftes tudo , e' o exercito a ponto , aos lo, 
de Agoílo fobre a tarde desfraldaram na 
eftancia do Rajd duas bandeiras , huma 
branca , e outra vermelha , e logo começa^ 
ram a tocar confufamente todos os ataba*^ 
les , e trombetas ; e todos eftes íinaes , e 
cada hum per íi íigniíicáram fer a noite 

3ue vinha triíle , e perlgofa pêra os cerca-» 
os , e que fe havia de metter pêra elie^ 
todo o reuo da potencia. O Capitão gaíloii 
l(quçU4 t9i:de çm correr todos. 09 Baluartes» 

ç 



Digitized by VjOOQIC 



^$^4 AS l Dk DiOGô BB Couto 

e rftancias, eemprovellM de muitas nmai* 
ç6e9) e ontia6) lêtnbraado a todos osCapi- 
c&es fuás obrigaç6es , pondo-lhes diante o 
dtrago que havia táo pouco fizeram ns- 
^uellcfi inimt^oé ^ e que nefta vez eftava 
mellos defe^erar de todo daquelle cereo; 
c fendo avífado da Armada que fe fazia, 
e que determinava o Rajú commettello por 
mar , mandou embarcar Domingos de A- 
guiar na fua naveta com alguns foldados, 
c o mefmo fez a Diogo de Mello da Cu- 
nha , e Joio Fernandes o desbarbado em 
duas fuftas , que eftava na barra com a 
gente que lhe parecia neceíTario , e mari- 
nheiros baftantes , provendo-as de muniç6es, 
de maneira que nao lhe ficou nada por fa- 
zer ^ achando-fe em todas eftas couíàs com 
cUe os Religiofos todos da Cidade , que, 
como diflbmos , orando , e peleijando fe 
achavam nos perigos , e nece(Edades maio- 
res y tomando os Prelados efta noite as ef- 
tancias á fita conta. O Padre Fr. Duarte 
Chanoca , Commiífârio dos Menores daqueU 
las partes , tomou a feu cargo da banda de 
Mapano com hum companheiro leigo , va- 
lente homem , e alguns familiares da cafa 
com fuás efpingardas , e armas : o Padre 
Fr, Luiz da Conceição , Guardião , e o Pa- 
dre Ff. Manoel dejefus ficaram foi tos pêra 
acudirem 4 todas as partes ás neceílidadea 

ef- 



Digitized by VjOOQIC 



Dêcaqa X. Cak IV. ff^ 

jefpirituaes , e corporacs. Nu portft àe S» 
H^ourenço eftara o Padre Francifco Vieira j 
Vigário da terra, com trinta e dua$ efpiíi- 
•gardas, qiae ajuntou de amigos, e achega^ 
4Íos : do Babarte S. Miguel até o de S. 
João , que era a parte mais perigofa , an^r 
dava o Padre Pedro Dias com âlEViiis com^ 
panbeiros, eefcravos. Provido tiwío, deixa- 
ra m-fe eftar eni tanto íiíendo , que por toda 
a Cidade fe não ouria mais qoe oiino dasv»^ 
gias ; e no quarto d'antealva , fafhindo a Lua , 
ouviram grande rumor nas eftancias iniini*» 
gas , e logo darem*fe as finco paiKradas nM 
ataíbales , iinal de commetrerem , com o 
ijue fe levantaram por todo o exercito gran- 
des alaridos, e gritos, a q(ie elles chamam 
Coquiados , porque a mór parte dos gen* 
tios da índia pdeijam tanto cotn a lin^ua» 
como com as máos, A armada do inimt^ 
go , que eftava a ponto , ouvindo o final , 
começou a fahir do rio , e pelo Matual^ 
Pedieira , Mapano , e Capelete fe fentío 
muita gente , e a Armada veio com mai-* 
to filencio commetter huma calheta que 
ha na cofta trava por detrás de S. Pran*- 
cifco , ondeeílam os armazéns das mtini^ 
ç6es; porqile, como di fiemos , poralli não 
liavia muro mais que os rochedos braves^ 
!p as ondas que nelles qwebram , porque 
{^ te9i$4o M^ra ver ^ podiam á^íkmbmM 

por 



Digitized by VjOOQIC 



ff 6 A S TA 1» DióGo DE CduTo j 

poríima do8 penedos pêra darem fogo aoi 
armazéns. Nao foi ifto feito em tanto ílieaJ 
cio , que náo foíTe fentido das mulheres, 
que vigiavam dasjanellas, que cahiam p^ 
ra aquelia parte, asquaes deram tamanjii; 
gritas , que foram fentidas dos inimigos; 
com o que fe deixaram ir efcorrendo a por- 
ta de S. Lourenço , atirando muitas bom* 
tardadas , que eram íinal que haviam è 
fazer ao chegar áquelia parte , pêra os àt> 
exercito com todo o cabedal commettercE 
as eftancias pêra fe defcuidarem daquelli 
parte. Ouvido o final , difparou-fe toda a 
artilheria das eftancias , que eftavam mais 
abarbadas com as noíTas, apôs a qual ac- 
commettêram todos a Fortaleza com mui- 
tas gritas, arvorando nellas muitas efcadas, 
pelas quacs fubindo com grande determi- 
nação , checaram a pôr as mãos nas a- 
meias do Baluarte; mas como os noílbs ci- 
tavam alerta pêra fe vingarem daquelb 
affronta , que os mais dos que lha fizeram 
pagaram com as vidas, cahindo abrazados, 
e feitos pedaços fobre outros que commet* 
tiam a fubida, que levavam .corafigo, cora 
que ao pé dos Baluartes , e eíUncias havia 
huma fçUada de vivos , e mortos , e feri- 
dos , huns fobre outros , que fe nao enten- 
diam , porque fobre todos cahiam tantas 
panellas de pólvora ^ e tantos artifícios dç 

fo- 



Digitized by VjOOQIC 



DkcAôA X* Ca?- IV. ' jr5'7 

Fogo 5 otie parecia hum efpeftacolo infer- 
nal : a Armada vinha já entrando a barra y 
e as fuftas , gue eftavam preftes , foram-fe 
chegando ao íocairo da náo pêra fe favoreci» 
cerem huns aos outros ; e recolheram ós 
inimigos com huma falva de artilheria tão 
bem empregada , que Ihe^ fizeram perder 
o orgulho com que vinham , deftroçando-os 
com morte de muitos : e todavia como hiam 
de arrancada , foram paflando adiante pela 
parte de S. Lourenço , onde eftava o Vi- 
gário da terra , que com a fua arcabuzaria 
os fuftigou 5 e *eícalavrou mui bem ; e co- 
mo os inimigos eftavam já do banco pêra 
dentro , e tão perto que todos os empre* 
gos , aflSm da náo , e fuftas , como da ter- 
ra fe faziam nelles a muito cufto feu , de- 
tiveram-fe elles , e puzeram-fe ás falcoadas , 
e ás efpingardadas pêra a terra , de forte 
que era huma batalha porfi muito travada, 
c pelas eftancias todas , em que os noflby 
peleijavam com muito esforço, e fe ouvia 
a batalha do mar/fem faberem o que era, 
O Capitão tinha provido a tudo com mui- 
ta ordem ; e pofto que havia a parte da 
bahia por fegura , todavia tinha enviados 
apreflados , que amiudadamente lhe tra- 
ziam recado do que lá paflava ; os inimi- 
gos por fima dos mortos , e feridos paP- 
favam a commetter os baluartes , e eftan-* 

cias ^ 



Digitized by VjOOQIC 



55r* A S I A PB Diogo be Coirro 

cias i fKMrfiando íubÀrem a eUas ^ e choTes^ 
do de lodaa as partes ídbre os noflbs c- 
iuvios de pcdoU(rf)s » e fettas ^ que íbbrcI^ 
vavam íempre por não damuarem aos íeus, 
qye commetúan» a entrada dos muros , e 
baluartes ^ que não eílavao» ocioTos i por- 
que com a fua ariilheria ^ que nunca dd^ 
eaa$QU, tinham feito huoia grande deftni:- 
çâo no exercito. Fez neite dia mui bera o 
leu officio o Condeftavel Mór Pedro Gob- 
iàlve9 5 que náo parando em nenhuma par- 
te, corria todas as eftancias ^ e boraea?a, 
e apontava as peçaa mais neçeflariaa ^ eef* 
pertava m bombardeiros ; e eftando oo h^ 
íuarte S. SeUaftião aponcacido hwm peâa^ 
deo-lhe hum pelouro por hum braço que 
lho fex em p^aaços ^ oque foi grande per- 
da pela falta que ficou fazendo, ã Lua aP 
fim como hia íubipdjO , aflim hia dando mór 
claridade , com que os noíTos já defcubriaro 
o campo todo ^i e peleijavam mais á íoa 
vontade , e com menos receio , porque yiam 
Qs inimigos mui bem, os quaes com ^do 
o feu poder , e animo trabalhavam por en^ 
trar os baluarte^ ^ nos quaes era a confia 
fâo tamanha i que cuidava o Rajú que jj 
os Teus eilavam de pode delles. A fua Ar^ 
mada^ que peleijava nabahiá com aneiTa, 
aifim osfuíHgou aartilheria, que de já oao 
poderem au&rar ^ Tendo^^fe deftro^ados , e 

£om 



Digitized by VjOOQIC 



Dbcaoa X. Cap. IV» fS9 

com tantos mortos que Já a claridade d% 
X^ua os defcubría de todo^ pêra os noflba 
poderem empregar melhor léus tiros^, Í3ft* 
2Lendo íinal a recolher , o 6xeram bem cor^ 
tados , e efcalavr^dos. Os que commcttiam 
^s eftancias em ouvindo o fioal da Arma* 
da a recolher , o fizeram também ,, por lhie$ 
ier aíQm mandado , e deixa^ado os pés da$ 
eftancias , e dos baluartes coalhados de cor-» 
pos mortos , que elles nâo puderam levar 
çom a preíTa. Dos noíTos houve alguns fe^ 
ridos y mas nae perigofos , íòmeqte o Con- 
deftavel , que faleceo da bombardada. Q 
Kaju ficqu esbravejando contra os fcus, 
porque havia que por aquella maneira lha 
não podia efcapar a Cidade ^ pondo a cul- 
pa á Armada por fahir mais tarde do quQ 
elle tinha ordenado, e mandou correr com 
a fortificação pêra chegar , e fe abarbar 
com 08 nofles muro8« 

PaíTadQ efte commettimente , logo a 
%^. de Agofto çhejgou a Armada de Nuno 
Alvares d^ Atouguia , que atraveíTou aquel- 
le golfo com mqito trabalho 9 e rifco de 
fua peflba , fomente o navio de Adrião 
Nunes , que de não f>oder foi&er os mares 
arribou a Manar, Foi efte foecorro fcfteja- 
do de todos , por fer já de maior cabedai» 
€ chegar a tão bom tempo.' O Capitão deo 
a Nuno Alyares d' Axouguia qI^u era que 
• d- 



Digitized by VjOOQIC 



*j6õ AS Ta de Diogo De Couto 

dle eftava , que era o terço de S. C7onT>-: 
lo, e a Pedro Rodrigues com a fua gerre 
poz iK> baluarte Santo Efievao, e Antcric 
Coelho no de S* João, em que eftara '11 o- 
mé de Soufa d' Arronches, Capitão Mòr do 
mar de CeilSk)» ao qual mandou o Capita 
lançaflfe a Galé ao mar , e provefle a íua 
Armada pcra artdar nelle , porque com o 
foccorro de Cochim ficava a Cidade íègu- 
ra : o que elle fez , provendo os navios de 
Capitães, que eftavam nas íuftas da bahia, 
e iepaíTou pêra aeftancia do Alcaide Mòr, 
que era o terço de Mapano ; e o Alcai- 
ae Mór fe paliou pêra a Feitoria , tendo 
huma Galeota negociada com gente íua pe^ 
ra fe embarcar neila ^ quando fofle necel-* 
fario. 

CAPITULO V. 

De alguns foccarros que mais vieram defi^ 
ra d Forta/eza de ColumSo : e dos ajfal^ 
tos que os nojfos deram nas tranqueirai 
dos inimigos : e de como a nojfa Jirmada 
peleijou com a do Rajti» 

AS novas do cerco de Columbo fe eP- 
tenderam por toda a cofta de Nega- 
patão até chegarem á Cidade de S. Tho- 
ifié, com a qual fe alvoroçaram muitos ho« 
mens ^tmi^ps de honra pêra Ihd irem foc<* 

• cor- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. V» yÃi 

«ofrér ; e os que primeiro fe negociaram 
«m navios feus , foram Fernão de Liitia ^ 
Oayalleiro da Ordem de Chrifto , muito bom 
ibldado , e amigo de João Corrêa de Bri« 
^o , Manoel de Amaral , que alli chegou 
^or Capitão de huma Galeota de Bengala ^ 
Rodrigo Alvares meio irmão deThomé de 
Soufa de Arronches com os mais , e me^^ 
Ihores Toldados que puderam achar ; e dan* 
do-lhes bom tempo , em breves dias chegin 
ram a Columbo já na entrada de Setembro» 
O Capitão osrecebeo com muita honra ^ 
agazalhando a Fernão de Lima no Cavai* 
leiro do baluarte S. Sebaítião y e Manoel 
de Amaral em outra parte neceífaria, eRo* 
drigo Alvares fe foi pêra a ellancia , que 
fora de fea irmão. Qyaíi nefte tempo, ou 
pouco antes que eftes chegaíFem , feofiere* 
ceram alguns aventureiros ao Rajú pêra 
queimanem as guaritas que hiam entre o 
baluarte Madre de Deos , e S. Gonfaloi 
por ferem mais rafteiras que todas , que era 
o lanço que guardava Manoel Mexia ^ o 
qual como era prático na terra , e trazia 
também fuasefpias, foube da determinado 
dos inimigos ; e tomando alguns foldadot 

?ue pêra o negocio efcolhco , e com feus 
.aícarins , dando conta . ao Capitão do que 
Ííaífava , e determinava fazer , fahio-fe pe- 
as bombardeiras , e deitou-fe em cilada 
Cwíp. Tm. FL F. Ii. Ka pc^ 



Digitized by VjOOQIC 



f6% ÁSIA DE Diogo de G)uto 

pcra ver fe podia fazer algum bom feita 
Era ifto de madrugada , quando os inimir 
gos vinham em muito íilencio pêra con> 
mettcr aquella parte , ficando todo o exer- 
cito em armas pêra acudir, fazendo-Ihes el« 
)es final que eftavam em fima das guarí* 
tas ; e vendo diante hum Arache muito va- 
lente homem , que na guerra paflada de 
Manoel de Soula Coutinho tinna levado 
vinte e nove cabeças de Lafcarins de Co- 
lumbo ao Rajú y homem mui conhecido, 
€ mui temido , e odiado de todos ; e dan- 
do na filada do Mexia, lhe fahio com hu- 
ma lança nas mãos , e arremetteo com elle 
com tanta preíTa , que não fentio fenão 
quando fe vio atraveíTado de parte a par^ 
te ; e ao mefmo tempo que nelle ençopou a 
lança 9 aterrou com elle ^ e o levou nos bra- 
ços , e chegou á bombardeira que eíbva 
perto, e o entregou por ella aos Lafcarins 
que dentro eftavam , os quaes vendo-o , e 
conhecendo-o hum delles chamado Maro- 
to, a quem devia de ter bem cfcandaliza* 
do y lhe deo huma cutilada fobre o coração , 
qúe o abrio todo, e por três vezes lhe to- 
mou o fangue com as mãos , e bebeo por 
fartar a fede do ódio que lhe tinha ; e os 
noífos quehiam também em companhia do 
Mexia, ferrando também com os que com 
clle vinham ^ derrubaram alguns ^ e a artilhe* 

na 



Digitized by VjOOQIC 



Decao\ X. Caí. V* j^Íj 

jria das guaritas ao final defcarregou neU 

les , e fex grande deftruiçao : em fim os 

mais fe foram recolhendo bem envergonha^ 

dos , e efcalavrados > e os noflbs viélorio^ 

ibs , e contentes. Deftas coufas andava o 

Rajú tão aâFrontado , que fe não fabia dac 

a confelho , bufcando todos os meios de 

empecer aos noífos até mandar lançar pe« 

çonha no poço de Mapano, de que toaos 

os noífos bebiam , em que fe tinha muita 

vigia y e tanta , que fendo fentidos os qud 

a iflo vinham , efcozendoos mui bem , lar4 

gárara a peçonha , e fe arrecolhéram ; e por 

cuebrantar os noíTos, dava todas as noitet 

íinaes de aíTaltos , com qne os fazia eftar 

todas ellas com as armas nas mãos , rhan^ 

dando algumas vezes alguns aventureiros 

em Tones , em muito filencio , pêra corta* 

rem as amarras á náo , e a lançar fogo nas 

cmbarcaçíies ; mas em tudo eftava tão oro* 

vido , que todos os feus defenhos ficaram 

baldados, efempre fe recolhiam aífinaladoS 

das mãos dos noífos ; e offerecendo-fe-lhe 

alguns dos feus pêra irem peleijar com a 

noífa Armada , mandou negociar a íua , que 

eram dez navios mui cheios de gente efco* 

Ihida ; e vindo pela banda do Matual na 

força do meio dia , encoftando-^fe á terra, 

íizeram querença dedefembarcar nella com 

iuas bandeiras ^ que traziam defeoroladas» 

Nn ii Tho- 



Digitized by VjOOQIC 



j64 ASJA DÈ Diogo de Coirro 

Thomé de Soufa de Arronches , Capitio 
Mór daquella cofia , que eftava na Tua G^- 
lé, mandou levar a amarra, e os foi coizi- 
metter , indo já com elle em buma Fuíta 
Francifco da Silva , Álcáíde Mór , e Simão 
Botelho em outra , acudindo á praia os Ca- 
pitães dos navios da companhia de Nuno 
Alvares de Atouguia com a fua gente pen 
fe embarcarem nos feus. Thomé de Soufa, 
que fahio aos inimigos, difparou nellcshtt* 
ma peça de coxia , e tomou huma pela 
rabada, que lha desfez toda com o leme, 
e lho matou alguns marinheiros das vogas: 
o Capitão Mór dos inimigos inveíUo com 
t Galé , e lhe poz a proa de meio a meio , 
c comuietteo lançar-lhe gente dentro , fe- 
bre o que fe travou huma afpera briga ; e 
todavia aíCm o efcandalizáram os noífos, 
que houveram elles por feu partido defaf- 
ferrarem-fe , e irem-fe acolhendo. Thomé 
de Soufa por algumas refiingas que tinha 

Eor diante , deo fundo , e as fuftas o foram 
^guindo ; e tomando-lhe a dianteira , fe lhe 
atravefsáram no canal , por onde haviam 
de paíTar , porque já trás clles vinham os 
navios de Pedro Rodrigues, Domingos Al- 
vares , e Simão Leitão , que os hiam alcan* 
5:ando grandemente , e pondo-os em necef- 
idade de commetterem a reftinga , que ri- 
^ha pouca agua j e rodando por £ma del^ 

la. 



Digitized by VjOOQIC 



DicADA X. Cai?. V. s^f 

■ la y foram á outra banda , porque todos ol 
íeus navios são de Patana , e demandam 
^ pouco fundo : alguns dos noíTos prefumiraai 
ler aquillo ardil do mefmo Rajú , porque 
. entendia do animo dos noíTos que indo trás 
; os feus , não foífreriam fugirem-lhe, e af- 
: íim fcm recearem a reftinga, os feguirian^ 
! por íima delia , em que eftava certo pert- 
: der-fe algum navio , que elle eftimára mui- 
: to, pofto que fe perdefle toda a fua Arma- 
da ; mas os noíTos antes quizeram vellos 
recolher envergonhados , e tugirem nas bar- 
bas do Rajú y que os eftava vendo , que 
tomar-lhe alguns navios, João Corrêa de 
Brito , pêra que não fícafle aquella oufadia 
fem paga , em quanto andavam embaraça- 
dos no mar , lançou-lhe o Arache Pedro 
Affonfo com feus Lafcarins pcra irem def- 
manchar huma ponte , que o Rajú tinha 
feita no caminho da Cota pêra o Calapate , 
o que elle com muita brevidade fez , re^ 
colnendo-fe com alguma madeira. Todas ef- 
tas coufas o Rajú fentia muito, e o magoa- 
vam bem ; porque quando veio fobre aquel- 
la Fortaleza , não lhe pareceo tiveífem os 
noífos oufadia de apparecerem fora de feus 
muros , quanto mais dar-lhes tantas veze^ 
aíFaltos em fuás próprias tranqueiras conn 
tanto damno dos feus. 

Paífâdo ifto aos fete defte mcz de S^ 

tem- 



Digitized by VjOOQIC 



^€ ÁSIA ©E DiOQo DE Couto 

tembro, mandoir o Rajú lançar alguns An- 
ches com mil liomens no Mapano em úh- 
da pêra faltearem os noíTos Mainaros , que 
são os Que lavam a roupa pêra fazerem a 
preza neíles ; e em amanhecendo y fahíram 
os QOÍTos , como fempre coílumavain , a deP 
cubrir campo; cindo perto dos vallos qua- 
£ mettidos na filada, efpantou-fe huma va- 
ca , que andava no campo , e veio fugindo 
pêra os noíTos ; coufa ordinária nellas , tan- 
to que fentem gente no campo , fugirem , 
pêra a Fortaleza ; e os noíTos entendendo 

3ue fentíra a vaca gente , detiveram-fe. Os 
a filada cuidando ferem fen tidos ^ vendo 
os noíTos perto, lhes fahíram com grande 
fiiria : os de diante em os vendo fe vieram 
recolhendo á bandeira do Arache Manoel 
Pereira , que era o defcubridor do campo 
aquelle dia, o qual eftava com alguns Laf- 
carins alguns duzentos paíTos do baluarte; 
e vendo elle vir os inimigos efpalhados, 
arrcmetteo , appellidando Sant-Iago , e tra- 
vou com elles huma briga mui teza. Do ba* 
luarte foi viíta eíta efcaramuça por Antó- 
nio Guerreiro , Capitão d elle , o qual Ihefa- 
hio com a fua gente , e junto a Manoel 
Pereira tiveram com os inimigos hum arrif* 
cado jogo de lançadas, no qual foram tam- 
bém íbccorridos de Thomé Pires , Capitão 
do baluarte S« Pedro I c^ue pelas bombardel- 



y Google 



Década X. Ca?. V* ^Sj 

Tas fe lançou fora aos ajudar y e chegou a 
tempo que os noíTos éllavain em grande aí> 
perto pela gente que dos inimigos recreia 
cia ; e' dando com muito animo , fizeram 
hum grande eftrago y e arrancando-os do 
campo , foram matando nelles até perto 
das tranqueiras do Rajú , aonde elles tor* 
náram a voltar fobre os noíTos com outros 
que recrefcéram y e fe travou entre todos 
huma batalha muito arrifcada , a que acu« 
dio o Capitão fora a cavallo y e alguns Ca^ 
pitães com fuás companhias , mandando to- 
car a recolher , o que os noíTos fizeram com 
muita ordem , deixando o campo femeado 
de corpos nK>rtos , trazendo pêra final da 
vi(íloria algumas cabeças y iem da noífa 
parte haver mais damno que dous Laícarint 
pouco feridos ; e no mefmo dia mandou 
o Capitão os Âraches Manoel Pereira y e 
Pedro Affonfo, e o Amouco> e Luiz Go- 
mes o Mulato > e hum filho da índia cha- 
mado o Mourinho com a gente da fua roí- 
da pêra desfazerem a tranqueira , que o Ra- 
já tinha fabricada vinte paíTos do baluarte 
S. Sebaftião , porque não era bem confen- 
tir-lhe vizinhança de^ tão perto , porque 
tratava elle de paíTar adiante com outra 
até fe abarbar com o baluarte , e mandou 
eílarpreftes no campo alguns Capitães com 
fua gente pêra lhe acumrem« Sabidos ot 

Ara- 



Digitized by VjOOQIC 



5'68 ÁSIA DE Diogo de Couto 

lAraches ^ levando alguns barris de alcatrão , 
e muita pólvora pêra lhe lançarem , primei- 
ro que chegaíTem , foram viftos pela parte 
da Ilha ; e dando íinal com íbas coquia- 
das , e gritos , foi correndo de tranqueira 
em tranqueira ; mas os noíTos concio era a 
diftancia de fó vinte paíTos , onde a tran- 

aueira eftava , chegando a ella com grau- 
e determinação , lhe puzeram pela parte 
de fora encoftados aos páos os barris de 
alcatrâo , e muita pólvora , a que deram 
fogo da parte do balravento , o qual fe 
ateou com tanta fúria, e braveza, que lo- 
go começou a arder por todas as partes , 
e a/Hm fe apoflbu delia , que nao foi poí& 
vel poderem-no apagar os de dentro que fa- 
hiram ao campo , e travaram com os nol- 
fos huma grande briga ; e por recrefcerem 
os inimigos, fe recolheram , deixando mais 
de trinta delles mortos , e fcm perderem 
nenhum ; mas quiz a fortuna que eftando 
vendo a briga Fernão de Lima em íima do 
cavalleiro do baluarte S. Sebaftião , que 
rieíTe huma efpingardada perdida , que o 
tomou pelas queixadas , de que logo cahip 
morto , .tendo eile efcapado tantas vezes 
de perigos muito grandes em muitas fahidas 
em que fe achou, aílim no mar, como na 
terra , ncfta ,* e em outras guerras ; e agora 
detrás dos muros ^ e em fima dp mais alto 

ba- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. V* ^6^ 

baluarte de todos, o foi pefcar o pelouro, 
3ião vindo ferido nenhum dos que fe acha- 
ram no campo ás mãos com os inimigos: 
ifto são juizos de Deos , a quem fe não pô- 
de pedir razão deitas coufas. Foi fua mor- 
te muito fentida, porque era mui bom ca- 
valleiro , e não deixou de metter efpanto 
o modo delia. 

A tranqueira a que puzeram o fogo ar- 
deo quatro dias, por fer de madeiramento 
groíTo •, e deftes , e de outros aflaltos hou- 
ve muitos , e mui contínuos , em que os 
noflbs femprc levaram o melhor, pelos quaes 
paíTamos por ferem muito miúdos; e affim 
deixaremos por hum pouco eftas coufas , por- 
<jue he necòíTario continuarmos com outras. 

CAPITULO VI. 

De como o Vifo-Rey mandou Bernardim ãe , 
Carvalho a Ceilão: e da Armada, que ej^ 
te anno de 15' 87. par tio do Reyno : e do 
contrato que ElRey fez das nãos da car^ 
reira: e doejianco que fez do anil-, e da 
altercação que na Cidade de Goa houve 
fobre ijfo , e outras coufas. 

DEpois de Belchior Nogueira dar em 
Cochim o recado do cerco de Colum- 
bo, partio pcra Goa^ e dco ao Vifo-Rey 



Digitized by VjOOQIC 



570 ÁSIA DB Diogo de Couto 

98 cartas de João G)rrea de Brito » nas 
quaes lhe relatava o cerco , e lhe dava coo- 
ta do eftado em que aquellas couíàs fica* 
vam. O Vifo-Rey vendo aquella neceíEda- 
de , foi-fe logo pôr na ribeira , e mandoa 
lançar ao mar huma Galé , e íeis navios, 
e pagou gente, e mandou embarcar muni- 
çòes , e elegeo pei*a efta jornada Bernardim 
de Carvalho , e aos quatro dias de Setem- 
bro deo á vela : os Capitães que o acompa- 
nharam, foram D. Bernardo Coutinho^ D. 
Luix Mafcarenhas , Gafpar de Carvalho de 
Menezes , Vafco de Carvalho , Affonlb 
Ferreira da Silva, e o mefmo Belchior No- 
gueira. Levavam neftes navios 25'o homens ; 
e lem fe embaraçar em coufa alguma , fo- 
ram feguindo feu caminho, a que logo tor- 
naremos, 

O Vifo-Rey foi dando muita preíTa ao 
Galeão, que havia de levar os provimentos 
pêra Ceilão , e ajuntando mantimentos , 
munições , e dinheiro pêra lhe mandar, e 
logo a 12. de Setembro furgíram na barra 
de Goa quatro náos de finco que partiram 
do Reyno em Março paflado , das quaes 
era Capitão Mór Francifco de Mello , ir- 
mão de Manoel de Mello , Monteiro Mór 
de ElRey , que vinha na náo Santo Antó- 
nio -, as mais eram Santo Alberto , Capitão 
António de Barros , de S. Francifco Gafpar 

de 



Digitized by VjOOQIC 



r Dkcâda X. Ca?. VL ^7» 

de Araújo, da náo Nazareih Heitor Velho 
Barreto , e a náo Santa Maria , de que era 
Capitão Álvaro de Paiva , que arribou ao 
Reyno. Nefta Armada vieram muitos FidaU 
gos, affim defpachados , como a requerer; 
e dos que nos lembra são os feguintes : Pe^ 
dro de Anhaia defpachado com a Capita* 
nía de Dio pêra entrar logo ; iX Fernan- 
do de Menezes, filho de D. Simão de Me- 
nezes, que trazia a Capitania de Cananor, 
em quanto não entraíle em hum a viagem 
de Japão , que também trazia D. Luiz da 
Gama , filho do Conde da Vidigueira ; D. 
Vafco da Gama, D. Fernando Lobo, filho 
de D. Rodrigo das Sarzedas , e outros ; e 
porque fe tinha acabado o contrato das náo8 
que ElRey tinha feito com Manoel Caldei- 
ra o anno de 5^83 , o contratou efte anno a 
Jacome Gomes , Jeronymo Duarte , Manoel 
Martins , Francifco Rodrip;ues d' Elvas , e 
outros , que foram os mefmos a que o an- 
no nadado fe contratou aCafa da índia de 
LisDoa , como atrás temos dito : efte contra- 
to das náos fe fez por tempo de finco 
annos com as condições feguintes : 

» Que os Contratadores armariam to- 
)i dos os annos féis náos , finco pêra a In« 
» dia , e huma pêra Malaca, 

31 Que poriam todos os annos mil ho« 
n mens de armas á fua cuíta. 

> Que 



Digitized by VjOOQIC 



57^ A S 1 A Dí DiOfiO DE COUT0 

9 Que em lugar dos oitenta mil cniza^ 

> dos , que ElKey dava cada anno a Afa- 

> noel Caldeira pêra ajuda da fabrica das 
)i melmas náos , lhes concedia o eftanque 
^ do anil , pêra que nenhuma peiloa o pu- 
9 deíTe levar pêra o Reyno, nem mandar 

> fazer a Cambaia , fenao os Contratado* 
» res. 9 

Chegadas eftas náos^ e declarado efle 
contrato , houve logo alteração nos mora- 
dores de Goa pelo proveito que EURey 
niíTo lhes tirava pelo dar aos moradores de 
Portugal/, que engroflavam com os provei- 
tos delia , fem eftarem ofFerecidos , como 
os moradores da índia, aos groílbs foccor- 
ros , e empreftimos com que fempre foc- 
corrêram as Fortalezas cercadas , porque 
pela induftria deites homens lhe tinham já 
todos os portos tomados , e entupidos com 
groíTos cabedaes , fem ficar aos cafados da. 
índia nenhum buraco, nem poftigo aberto 
por onde fepudeíTem fervir, nem remediar 
com o feu pouco. Declarado o contrato do 
anil , como hiamos dizendo , começou a 
haver entre os cafados de Goa grande 
união, e alteração contra os Contratadores ; 
porque como tinham recolhido em fuás ca- 
fas muito anil , e viram que ninguém lho 
podia comprar, fenão os Contratadores por 
virtude do feu contrato y que Uie poderiam 



Digitized by VjOOQIC 



Década X» Caí. VI. $'7) 

Ipôr os preços que elles (juizelTem , e qtte 
além diíTo lhes vinham tirar aquelle boca-* 
do da boca , foi tamanha fua paixão , que 
eftiveram arrifcados a huma grande defaven- 
tura , fe o Vifo-Rey D. Duarte não a ata- 
lhara com fua prudência, faber, e chriftan* 
dade , o qual tanto que foi avifado defte 
negocio , metteo a mao nelle por meio de 
Religiofos 5 e peflbas graves , mandando 
dizer aos cafados que os refpondentes lhes 
compratiaiú os feus anis por preços tão ho- 
neftos que ficaíTem elles fatisfeitos , e que 

£era o mais , elie efcre veria a ElRey fo- 
re aquelies negócios , e lhe íigniiicaria a 
grande perda que aíEm fua fazenda, como 
feus povos recebiam com o efianco do anil ; 
e tanto trabalhou nifto , e tantas fatisfaçóes 
deo aos moradores que os quietou , e man-^ 
dou aos Contratadores que no preço do anil 
fe compuzeíTem com algumas peílbas que 
pêra illo elegeo , o que tudo fe fez a gofto 
do Vifo-Rey fobre aquella matéria , lem- 
brando-lhe os merecimentos , e ferviços dos 
vaíTallos que na índia tinha , os quaes em 
todas as neceffidades delia eram os primei- 
ros com fuás peíToas , com feu dinheiro, 
e com tudo o mais que delles queriam , co-* 
mo havia pouco o fizeram na jornada de 
Jor , que fem iíTo fe não pudera emprender ,* 
'dando4he fobrc eftas coufas muitas, eboa^ 

ra- 



Digitized by VjOOQIC 



f74 AS TA' DE Diogo ©b Cóxjto 

razoes , como muito zelofo do bem com* 
mum, ao que ElRey refpondeo, que fatiA 
faria aos moradores da índia j mas todavia 
o eftanque do anil durou os finco aonos 
do contrato ; porque quem deo o alvitre ^ 
parece que o acreditou. Muitas couías man- 
dou EIRe/ prover nefta Armada acerca 
de juftiça ; e porque lhe diíTeram haver al- 
guma defordem nella , efcreveo ao Vífo- 
Rey que elle em peíToa devaíTaíTe de ro- 
dos os Capitães das Fortalezas /e dos De£- 
embargadores da Relação pelas muitas quei« 
zas que lhe cfcrevéram de huns , e de ou- 
tros. Efta devaíTa tirou oVifo-Rey em tan- 
to fegredo , que foi elle o Inquercdor del- 
ia, e o Deíembargador Rujr, fobrinho de 
Mefquita , Inquilldor Apoftolico na índia, 
o Eícrivão , e foi mandada ao Reyno nas 
mefmas náos , na qual havia culpas bem 
grandes; mas nós não vimos ocaftigo dei- 
las , nem mais emendas em muitas defor« 
dens ; e porque também foi informado da 
groílidão das Minas de Sofala*, e Cuama, 
e de como os Capitães fc logravam delias 
infolidum , fem correr nenhum refgate por 
conta de fua fazenda , e que ainda faria 
deípezas das ordinárias de Moçambique , e 
Sofala , que montavam mais de vinte mil 
cruzados; eftando aquelles Capitães depoA 
St das minas havia muitos annos^ elogran» 

do- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X, Cat. VL S7f 

do-fe das riquezas delias , não tendo por regi- 
mento mais que dez bares de fazenda cada 
monção, e os Feitores, e Alcaides mores 
quatro , Efcrivão da Feitoria dous , e aífim 
todos os mais oífíciaes fegundo fe lhes al« 
vidrou pelo Regimento que fez Vicente Pe- 
gado , lendo Capitão de Moçambique , o 
Íjual ElRey manda que fe guarde , o que 
e fazia tão mal , que não entravam naquel* 
las minas por íua conta mais que aquillo 
que moderadamente baftava pêra as ordina* 
rias , e que ainda efte cabedal fahio do ren- 
dimento da índia, que tinha outras necef- 
iidades muito urgentes ; e que fe vieram 
a trocar tanto eftas bolas , que ficava ElRey 
quaíi com os dez bares de fazenda , que 
eftavam limitados aos Capitães, eelles met« 
tendo tão groílos cabedaes , que tiravam da^ 
quellas Fortalezas duzentos mil pardaos: 
no que havia tantas defordens , que ainda 
cffe pouco fe mandava por conta de ElRey 
pêra as defpezas daquellas Fortalezas , man« 
dou com os Capitães por feus Feitores fe- 
char nas minas até fe refgatar fua fazenda ; 
e que chegaram ainda alguns Capitães por 
feus Feitores fechar nas minas até fe re& 
gatar fua fazenda ; e que chegaram ainda 
alguns Capitães a trocarem fua fazenda com 
a do Rey , fe era melhor j e tinha chegado 
a deshumanidade a tanto, que oão £onfen« 

tian» 



Digitized by VjOOQIC 



y 



57^ ÁSIA DB Diogo de Caxrro 

tlam ao Feitor , e Alcaide Mòr metter ntf 
minas mais cabedal do que tinham por Re« 
gimento , fobre o que faziam tantos eza^ 
mes y que fe lhes achavam mais hum pac- 
J10 y lho tomavam por perdido pêra íi y coih 
fa que nos confundio , quando a vimos , 
mais que todas as da índia; porque tendo 
os Capitães dez bares da fazenda pelo Re- 
gimento , como dizemos , mettiam 400. ^cc* 
600. e os Feitores que andaflem atados ao 
Regimento que não metteíTem nas minas mais 
hum fò panno ; e tendo nós fobre iílo hu* 
ma pratica com hum Capitão , eftranhando- 
Ihe efta deshumanidade y nos refpondeo» 
que na fua porçolana de mel ninguém ha- 
via de molhar copa fenão elle , nao haven^ 
do regimento , lei , nem razão pêra a por- 
çolana fer mais fua que de outro y e a que 
dam os Capitães de todas as mais Forta- 
lezas da índia das muitas , e grandes def- 
ordens , e tynmnias que usão com os vaf- 
fallos de ElRey • e inda mal , porque del- 
ias vemos tão depreíTa o pago pela mão 
de Deos , já que tarda a do Rey , como 
o vimos nefte , com que tivemos cftas pra- 
ticas , que o vimos njiorrer tão pobre , que 
lhe faltou lençol perá o mortalharem , vin- 
do da fua Fortaleza muito rico. Deixando 
ifto , e tornando a continuar com a nolTa 
ordem ^ fabendo ElRey as grandes deípezai 

que 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. Vt ^7^ 

ique fazia com aquellas Fortalczac , fcm tef 
-âlgum proveito de fuás minas por conta 
de fua fazenda, e que os Capitáes não ti^ 
veífem mais que o que lhes dava o Regi« 
mento; e todavia porque tinha muito ref- 
peito aos merecimentos do Alferes Mòr,' 
oue eftava por Capitão naquella Fortaleza ^ 
Ineefcreveo huma carta, na qual lhe dizia ^ 
oue toda a mudança oue o Vifo-Rey D. 
Duarte fizeíTe naquellas Fortalezas , em que 
cUe eftava por Capitão , a houveífe pof 
bem , porque cumpria aflim a feu ferviço» 
Ifto mandou ElRey fazer; porque vendo os 
outros Capitães providos que em tempo 
do Alferes Mór tornava a refervar as mi- 
nas peraíi, naotiveíTem poc matéria deag- 
gravo , quando fobre aquelle negocio reque- 
reíTe não fe lhe refponder , porque anda« 
vam outros deípachados com aquella For* 
taleza , requerendo já que lhes deixaífeni 
fervir como os paflados , fobre o que não 
foram ouvidos. O Vifo-Rey D. Duarte ven- 
do o que ElRey lhe mandava fobre aquel« 
la matéria , a poz em confelho com os o& 
£ciaes da Fazenda ; e debatido o negocio ^ 
apontáram-íe inconvenientes pêra por en*- 
tao fe não bolir nas minas , e os princi- 
pães foram , o pouco cabedal que ElRey 
por então tinha , e as neceflidades em que 
o Eftado eftava por caufa dos cercos de 
Outo.Tm.FLF.Ií. Oo Cci- 



Digitized by VjOOQIC 



57t A SI A DE Diogo de Couto 

Ceiláo , e Malaca , pêra cujos foccorras 
eftava tão empenhado, que andava o Vifo- 
Kej pedindo dinheiro aos povos da índia, 
€ outras coufas que deixamos pêra feu tem- 
po ; c o Alferes Mór refpondeo a EIRej 
/obre aquella matéria, que íe havia por mui- 
to dítolb mandar em leu tempo bolir com 
as coufas daquellas Fortalezas , e que cor- 
reífem os refgates por conta de fua fa- 
zenda , pêra o que eftava muito preítcs, 
porque o tinha por Rey tão Catholico , e 
de tanta juftiça , que lha não negaria quan- 
do lha requerefle ; e aílim ficaram por en- 
tão aquellas coufas fem bolir nellas , por- 
que teve o Vifo-Rey^^ refpeito ao Alares 
Mór, que era, hum Fidalgo de merecimen- 
tos , e que eftava no meio do tempo de 
fua fervenria; e porque cada dia chegavam 
recados apreílados do cerca de Columbo ^ 
querendo o Vifo-Rey tomar reíoluçao na- 
quellas coufas , ajuntou os Capitães a con- 
fclho , e lhes leo as cartas , e propoz as 
neceíEdades , e apertos em que aauella For- 
taleza eftava , e que fe trataíFe foore o mo- 
do de como fe defcercaria ; e votando fo- 
tre iflb , depois de muitas altercações de 
parte a parte , vieram a refumir-íe que o 
Èftado não tinha pêra acudir áquellc nego- 
cio mór cabedal que D, Paulo tinha em 
Makca , de que nao havia novas : que fc 

ira- 



Digitized by VjOOQIC 



1)ecada ^. Cap. VÍ* 5*7^ 

trataíTe de fe defeader a FortaleM , poN 
que pêra fua fcgurança bailava agente que 
tinha ) porque com a chegada de Bernar? 
dim de Carvalho haviam de ficar paíTadoa 
de mil Portuguezes : que fe elegeíTe hum 
Capitão com o poder que oEilado poren-» 
tão pudefle dar de fi , e que foíTe a Co-* 
lumbo , e que o Vifo-Re^ efcreveíCe a t)* 
Paulo que com toda a fua Armada foffe to- 
mar aquella Fortaleza ^ e que junto o feu 
poder com o que foffe , e com o que já lá 
eílava , baftava pêra darem batalha ao ioi^ 
migo 5 e lançallo dalli , como já no cerco 
paffado de Manoel deSouía fizeram. Com 
dia refolução efcreveo o Vifo-Rey a D. Pau-» 
lo que fe apreffaffe o mais que pudeffe 
por chegar a Columbo , e que alli acharia 
regimento do que havia de fazer , e defr 
pachou as náos pêra Malaca , aonde mau* 
doa prover em muitas coufas< 



Ooiii CÃ^ 



Digitized by VjOOQIC 



580 A S I Â DE Diogo de Couto 

CAPITULO vn. 

De como Bernardim de Carvalho cbtgm 
a Columbo : e das coufas que mais acon- 
teceram no mefmo tempo : e das mi- 
nas que o Rajú mandou fazer , qu 
foram fentidas , e os nojjos lhas desfist- 
ram. 

PArtido de Goa Bernardim de Carvalho 
com a fua Armada toda junta , achan- 
do bons tempos , pofto que rijos , tanta 
preflfa fe deo , aue em onze dias chegou a 
Columbo , que foi aos onze dias defte mez 
em que andamos de Setembro. A vifta dcf- 
ta Armada foi pêra o inimigo mui efpan- 
tofa , mas pêra os noíTos de muita alegria , 
c alvoroço , acudindo á praia a feftejarcm 
os novos hofpedes , que defembarcáram 
logo armados de muito boas armas. O Ca- 
pitão João Corrêa os levou a agazalhar, 
aílim como vinham , em huma eftancia per- 
to do baluarte Madre de Deos pêra cfaHi 
por ordem do feu Capitão Mór acudirem 
a todas as coufas mais neceífarias. Com 
efte foccorro ficaram os da Fortaleza mais 
defalivados , e os inimigos mais receofos, 
porque bem fabiam que não foffriam os 
peitos Portuguezes eftarem encurralados, e 
que haviam de arrebentar em feu damno. 

Nef. 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VTT: fSi 

Nefte mefmo tempo foi avifado o Ca* 
pitão que o Rajú vinha correndo com a 
mina daquella parte quediffemos, que veio 
a fahír em lima da terra y por caufa ilos 
tanques de agua, direita ao baluarte S. So* 
baíliao pêra vir arrebentar debaixo delle , 
a qual já vinha muito perto , ao que foi 
neceíTario acudir, e mandou metter humas 
eítacas pela cava na parte em que a mina 
havia de vir arrebentar até chegarem áagua 
que alli eftava perto , pêra que tanto que 
a mina chegaíTe aellas tòíTem fentidas d!^el- 
les, jpera pela mefma cava lhe furtarem o 
entulho, e a terra que porílma trazia, quç 
lhes fervia de vallos , com que fe entran- 
queiravam ; e aílim como corriam com a 
mina adiante , corriam com os vallos , que 
eram grandes; mas como o Capitão nâofa* 
bia a altura em que vinha a mina , mandou 
António • . • e António Dias , Capitães da 
fua roída , que com a fua gente fe metteíFem 
na cava com os officiaes , e foíTem defcu- 
bríndo abaixo as minas , abrindo a terra ^ 
e aos Arachcs Pedro Aftbnfo , e Manoel 
Pereira mandou foílem queimar hum peda- 
ço de baluarte , do que lhe tinham quei- 
mado, que o Rajú tornava a reforçar, os 
quaes com feus Lafcarins o foram commet* 
ter com muita determinação , e lhe puze- 
ram o fogo ^ e fizeram affiigentar os que 

nel- 



Digitized by VjOOQIC 



ff» ASTA iTE Dicxso DE Couto 

fielle* eftayam , com o que tiveram òs noi- 
fos , que eftavam na cava , tempo pêra dei- 
cubrirem a mina, que já entrava por debai- 
xo da cava, e vinha de meio a meio fahix 
ao baluarte^ e acharam que a altura delia 
por dentro era hum grande homem , e a lar- 
gura de braça e meia , folhada por íiroa de I 
grofla madeira , e pelas ilhargas de largo ' 
taboado , pêra ter a mina que não arrumaP 
fe pêra dentro , porque nâo pertendia o 
Rajú mais que levar os feus encubertos da 
nofla artilheria até chegarem ao baluarte, 
ou ao muro , e picarem-no , fem lho pode- 
rem defender , nem faberem o que deter- 
minavam, e a terra que tiravam lançavam 
por ííma , que lhes ficava fervindo ( como 
diífemos ) de vallos , a ciijo amparo fe vi- 
nham chegando pêra o baluarte com outras 
maquinas , c baluartes de madeira , que 
hiam fabricando , aílim como a obra hia 
crefcendo. Os noflbs , que eftavam já na 
mina , vendo os inimigos que vinham ao 
trabalho , contra o regimento que levavam 
fe lhes defcubríram , e. tiveram dentro hu- 
ma arrazoada briga , na qual mataram al- 
guns inimigos ; e por recrefcerem , fe fa-? 
Jíram , ficando morto hum bom foi dado 
noíTo , chamado André de Queirós , ao 
qual os inimigos cortaram a cabeça , e a 
Içráran^ ao Rajii^ que foi o primeiro proi 



Digitized by VjOOQIC 



' Década X. Cap. VH, ' jrSj 

-fente que daquelle Forte lhe fizeram , de* 
pois do cerco começado até então. O ini* 
xnigo já chegava á cava com a mina , c 
ficou fendo fenhor delia y com o que o Ca* 
pitão fetemeo muito que lhe picaíTem por 
baixo o baluarte, ou lhe delTem fogo , o 
que quiz atalhar , ainda que fe arrifcaíTe 
muito ; pelo que lançou a gente de fua roí- 
da ha cava pêra commetterem a mina 
com muitas lanças de fogo , e panellaç de 
pólvora , e trabalhadores pêra a desfaze- 
rem y e mandou fahir ao campo hum cor* 
po de gente, e os Araches com os Lafca* 
rins favorecidos dos noffos , pêra que fof- 
fem commetter a tranqueira por onde a 
mina fe começou a abrir , ficando todos 
poftos em armas pêra lhe foccorrerem , 
tendo diíTo neceílidade. Os que haviam de 
commetter a mina péla banda da cava hu- 
ma hora antes de pôr o Sol , a foram en- 
trando com lanças de fogo, com que fize- 
ram caminho , lançando aos inimigos mui- 
tas panellas de pólvora , que os abrazi- 
ram , e aílim tiveram huma fermofa briga 
dentro que durou muito ; os que foram 
commetter pela outra parte , deram de fu- 
pito nos inimigos , e mataram alguns , e 
com ifto tiveram os outros tempo de lan- 
çarem na boca da mina algumas panellas 
de pólvora^ con\ que os inimigos que pe^ 

lei- 



Digitized by VjOOQIC 



584 ÁSIA DE Diogo DE Cotrr<^ 

leijavam de eftoutra parte da caíra com of 
noíTos ^ cuidando ferem entrados pela ou- 
tra banda , viraram pêra fe recolherem y t 
os noiíos apôs elles matando-os á fua too* 
tade; e foi a mortandade tanta, que ficoa 
a mina cheia de feus corpos y e com iib 
tiveram os obreiros tempo pcra deíman- 
charem a mina , e recoinerem a madeira 
delia. Nefte tempo andava por todo o 
campo travada de ambas as partes hiuna 
perigofa briga de arcabuzaria , coufa me* 
donha, e efpantofa, porque carregou quaíi 
todo o poder do inimigo , e os baluartes 
fizeram feu oíHcio , difparando aquella tro- 
voada , que fez nos inimigos huma grande 
deftruiçao ; e fendo já huma hora de noi« 
te, fe recolheram os noíTos, deixando fei- 
to hum bravo eftrago. 

Recolhidos os noífos , avifáram ao Ca* 
pitão que naquella parte onde acharam os 
tanques de agua , fe dividia a mina em duas , 
e que a outra tirava caminho das eftancias 
de António de Aguiar , e guarita de Ma- 
noel Borges ; e informado difto , querendo 
atalhar a tudo , mandou fazer huma cava 
de dezefete palmos defde o baluarte S. Se* 
baftiâo até á guarita de Manoel Borges 
pela banda de dentro , e huma tranqueira 
com pipas entulhadas , porque fe o inimi- 
go IhQ rompeíTe a outra , ou picaife o ba« 

luar- 



Digitized by LjOOQIC 



KgS: 



Década X. Ca?. VIL ySj- 

luarte , achaíTe outra cava pêra os elefan- 
tes empecerem. Andando nefta obra , fiigio 
pêra a Fortaleza hum Lafcarím feu , que 
deo por novas que na briga das minas lhe 
mataram muita gente , aílim dentro nellas , 
como no arraial , e os mais de efpingar^ 
dadas pela cabeça; e que o Rajú determi- 
nava de commetter com todo o refto , e 
dar dous combates á Fortaleza , e metter 
gente na Cidade pelas minas , e que já por 
debaixo de S. Sebaftião fe vinha chegando. 
Com efta certeza mandou o Capitão loco 
tirar-lhe a artilhcria , e defentulhallo , e ta- 
zer-lhc algumas efcutas pêra fe faber por 
onde vinha a mina , o que fe fez com mui 
grande trabalho , na qual fe acharam to- 
dos os Capitães , e Fidalgos , e mais gen- 
te da Fortaleza, e todos os Keligiofos. A 
efte tempo eftavam já os inimigos tâo Ife- 
nhores da noífa cava , que dos feus altos 
nas canteiras , andaimos , e cavalleiros da 
noíTa parte , tanto que hum homem appa- 
recia , logo era peícado com muita arca- 
buzaria que tinha , como fizeram a hum 
Fidalgo chamado D. Domingos , filho na- 
tural de D. Martinho de Caftelío-Branco , 
que foi Capitão de Ormuz , e feriram ou- 
tros, O Capitão ficou tendo mui grande 
vigia nas elcutas por caufa das minas , e 
negociando-fe pêra os combates , que o 

. Ra- 



Digitized by VjOOQIC 



yll6 ÁSIA »B Diogo de Couto 

Rajú pertendia dar. Nefte meímo tempo 
chegaram humas efpias noíTas , que havia 
vinte e quatro dias que eram idos a e£- 

fiar, e cAava a ver fe podiam trazer hmzi 
òrtuguez y que lá eftava cativo , o qaai 
trouxeram ; e por fer calo de muito ardil y 
c invenção , e que o Rajú fentio muito ^ 
daremos delle razáo. 

Havia alguns annos aue na cofta de 
Ceilão fe tinha perdido numa champana 
de hum Diogo Gonfalves , homem Portu- 
guez y o qual levava comfigo hum fobrinho 
menino , chamado Cuftodio da Ronda , que 
logo foram cativos , e levados ao Rajú ; e 
io Cuftodio da Ronda , que era moço, 
mandou o Rajú furar as orelhas , e a enfi- 
nar os coftumcs dos Chingalas , e o trazia 
em fua cafa em feu ferviço ; e vindo o mo- 
ço acreíber, eafer mimofo do Rajú, hou- 
ve delle mercê que refgatafle o tio , como 
fez contra fua religião , e leis , o qual fe 
veio pêra Columbo , onde em todos os 
cercos paflados fervio ElRey muito bem, 
fazendo grandes damnos ao Rajú. E porque 
nefte cerco tinha feito muitas coufas de ho- 
mem esforçado em damno dos feus , por 
fe vingarem delle , mandou levar o fobri- 
nho Cuftodio da Ronda pêra o pico d' A- 
dão y e que lhe enfinaflem o officio de la- 
vxador, porque em nenhum tempo pudef- 

fe 



Digitized by LjOOQIC 



Década X. Cap. VII. ^'87 

Ic dalli fahir , nem o tio ter efperanças de 
o ver. Defte moço deo razão hum Miguel 
Ferreira Baracho , que no principio do cer- 
co tinha fugido pêra nós y com as quae9 
novas o tio trabalhou por ver fc havia mo- 
do pêra o tirar dalli ; e fallando com hu- 
mas efpias , homens de muito recado , e que 
fabiam muito bem a terra , fobre efte ne- 
gocio, fazendo-lhes luas promeíTas , favore- 
cendo o Capitão niflb muito, deo-lhes ar- 
dis de que haviam de ufar, que eram hu- 
ma carta falfa em nome do Rajii , a oual 
mandava aos homens a que o Ronda fora 
entregue, que tanto que aquelia viíTem, o 
deíTem logo á peíToa que aquelia lhe apre- 
fentaíTe , tomando-lhe o eftilo , e coftumea 
dos feus mandados , o que pode muito bem 
fazer , porque efte tyranno era tão falfo , 
einjuftiçofo , que nunca paíTava Alvará fel- 
lado com feílo algum fcu , pêra depois ter 
razão de não cumprir algum, quando qui- 
zefle ; e com efta carta lhe deo Diogo Gon- 
falves hum aílinado feu de fua letra , e pa- 
pel noflb pêra moftrarem ao fobrlnho , pê- 
ra que foubeíTe irem por feu mandado. Par- 
tidos eftes homens, chegaram aCeitavaca , 
aonde acharam por novas que o Rajii man- 
dava matar dozefete Portuguezes que tinha 
cativos , e de que fe mais fiava , que dos 
mçfmos Chingalas , porque a fugida de Mi* 

guel 



Digitized by VjOOQIC 



$%% ASIÂ DE Diogo m Coxrr^ 

guel Ferreira Baracho pêra Columbo , co- 
mo diflemos, de que feelle fiava íbbre ro- 
dos ^ o efcandalizou de maneira que fe quiz 
TÍngar delia em quantos Portuguezes tiniia 
cativos , mandando-os matar a todos ás pan- 
cadas , que he o eenero de morte pêra el- 
les mais affrontoía que todos, que Te nao 
dá fenáo a trédores ; e fabendo eftar o mo- 
ço no pico d' Adão , foram-fe lá , e deram 
a carta do Rajú aos que delle tinham cui- 
dado , os quaes vendo neila como logo man- 
dava entregar aquelle homem , o cumpri- 
ram , dando-lhes com elle feíTenta Lafcarins 
de armas pêra o acompanharem ; e vindo 
caminhando, fendo já perto de Ceitavaca, 
fingiram os efpias que tinham que fallar 
com o Ronda em íegredo , dizendo aos 
Lafcarins que fe affaftaflem , requerendo-lhe 
da parte do Rajú, porque tinham huma di- 
ligencia que fazer com aquelle homem , a 
qual o Rajú mandava fazer antes de en- 
trar em Ceitavaca. Os Lafcarins cuidando 
que feria maadallo matar , como fizeram 
havia poucos dias aos Portuguezes, de que 
já elles fabiam , afFaftaram-fe , e os efpias 
fe mettêram com o Ronda pelo mato, cui- 
dando elle (que até^entâo não fabia nada, 
nem elles fe lhe tinham defcuberto ) que 
era pêra o matarem , ficou trafpaílado. Os 
efpias IJie deram conta de tudo , moftran- 

do* 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. VIL $2^ 

^o-lhc o allígnado do tio , dizendo-lhe, 
c]ue fe encominendaíre ao Grande Deos 
dos Chriftãos , que podia quanto queria, 
pêra aue os favorecefle naquclle negocio, 
e os livraíTe a todos das mãos do Rajú; 
e mertendo-fe pelo mato , que elles muito 
bem fabiam , tomaram hum caminho mui 
pouco trilhado pêra Columbo , dando-fe 
nelle muita preíTa , embrenhando-fe de dia , 
e caminhando de noite , paíTando por três 
tranqueiras, que tantas ha de Ceitavaca a 
Columbo , com mui grande rifco , e peri- 
go ; e por invenção , e ordem das efpias 
no cabo de doze dias ao quarto da mador- 
ra chegaram a Columbo , e atraveíTando o 
exercito doRajú, fe foram á porta da Ci- 
dade; e dando recado aos guardas, foram 
pela manhã recolhidos , e levados ao Ca- 
pitão com grande alvoroço do tio, e con- 
curfo da gente , que acudio a vellos. O 
moço Ronda vendo-fe naquelle lugar , ef* 
tava como pafmado , porque os rifcos que 
paíTou , o traziam aíTombrado , e vinha 

Jjuaíi alienado. O tio fallou com elie , e o 
egurou de feição , que tornou em íi ; e 
como homem que defpertava de algum 
fonho trabalhofo , vendo-fe em parte fe- 
gura , dava muitas graças a Deos , e delle 
fonbe o Capitão algumas coufas ; mas não 
que revelaiíe muito , porque ellava fora do 

Ra- 



Digitized by VjOOQIC 



^ço A S I A DE Diogo de Couto 

Rajú havia muito. E tornando a continnaf 
com o cerco , vendo o Rajú que íe lie 
desfizera aquella mina , mandou continua' 
com outras duas bocas , que hiam ferir an- 
tre as eftancias de António de Aguiar , e 
a guarita de Maneei Borges, de que <xCa- 
pitao também foi avifado, fem faber a que 
parte viriam arrebentar , de que na Cida- 
de andava hum ^eral medo , e tão público, 
?ue mais trabalho tinliam ó Capitão , e 
*idaigos a que elle nuo chegava em o 
quererem tirar, que em defender a Forta- 
leza ao Rajú, moftrando-fe muito alegres, 
€ leves neftc negocio ; porque os mais ven- 
do o pouco cafo que elles faziam, houve- 
fe que não era tanto o perigo , quanto ti- 
nham concebido pela fama que andava el- 
palhada pela Cidade. O Capitão poz to- 
do o feu cuidado , e metteo todas as fuás 
intelligencias pêra faber onde aquelJas lui- 
Has haviam de refponder, pêra ver fe po- 
dia remediar o damno que fe delias arre* 
ceava ; mas não pode alcançar nada por 
totalmente eftarem todos aperrados por ro- 
das as partes , que não digo fahirem fora 
das poitas , mas nem podiam apontar as 
feteiras que não foíTem logo peicados da 
arcabuzaria inimiga , coula que os tinha 
poâo em grandes cuidados. Thomé de 
Soufa de Arronches ^ fobre que em todo 



Digitized by VjOOQIC 



f 

11 



Década X. Ca?. VII. yçi 

t> decurfo do tempo carregaram , como 
dlílemos , iguaes obrigações, como Capi- 
tão Mór da Armada defua obrigação, não 
fc defcuidou nada , trabalhando, vigiando, 
aconfelhando , dando ordem a muitas coU'- 
fas mui importantes , correndo as eftancias , 
e muros com muito cuidado ; e andando 
hum dia de longo do muro , que vai da 
guarita de Manoel Borges pêra o baluarte 
S. Scbaftião , que era de taipa, parte que 
mais fe receava , chegando-fe a hum lu- 
;ar , em que enxergou hum agulheiro , via 
um buraco dos que ficam dos páos da 
taipa , que parece que Deos o defcubrio 

f)cra aquelle eíFeito ; e pondo os olhos nel- 
e , vio da outra banda que era face da 
cava , que o Capitão tinha mandado fazer 
vir , arrebentando a mina áquella parte de 
fora da terra pêra faliirem com eíla á ca- 
va ; e aflegurando-fe , trouxe o Capitão 
mui diíliniuladamente alli , e lha moftrou. 
Vendo elle aquillo , mandou chamar pe- 
dreiros , fem dizer opera que, c lhes man- 
dou abrir liuma bombardeira por efqua- 
dria , que refpondeíTe ao meio da boca da . 
cava , a qual não varafle de todo fora por 
fe não ver , deixando groíTura pêra a outra 
banda , que em dando com a boca de hum 
camello , que alli queriam aíTentar , fe 
abriíTe , lavrando-fe a pedra alli logo pc; 

ra 



Digitized by VjOOQIC 



59* ÁSIA DE Diogo de Covro 

ra a bombardeira. O buraco aberto co0 
muita prefia , e pofto nella hum camdlo 
carregado com fua carga , e pelouro , ft 
hum cartucho de pedras mui bem negocia- 
do 9 ao outro dia peia manha mandou o 
Capitão lançar fora alguns Araches com 
feus Lafcarins pêra pucharem os inimigos 
aos virem demandar, o aue elles fizeram; 
c como viram os noffos fora , cubríram-fe 
os campos , e enchêram-fe as minas. Tho- 
mé de Soufa , que eílava cavalgado em £- 
ma docamello vigiando peio buraco, man- 
dou apontar a peça pelos bombardeiros; 
e tanto que vio os inimigos baralhados, e 
fentio a cava cheia , fez que fe abocaíTe o 
camello aílim como eftava ; e tomando-Ihe 
a pontaria na boca da mina , lhe deram 
fogo ; e como era perto , tomou o cartucho, 
e pelouro de meio a meio , e foi fazendo 
de longo tamanhos terremotos , e defirui- 
çóes , ate que cançou de todo , deixando 
as minas cheias de corpos mortos. Os ini- 
migos fe recolheram , e deram recado ao 
Rajú do damno que era feito. Aílim por 
nós não fabermos o muito que lhe nze- 
mos 5 nem os feus o grande damno que re- 
ceberam , por não efcorçoarem , mandou 
que fe desnzede a mina , e lançaíTem fo- 
bre ella toda a terra que por íima traziam 
pêra os vallos por çncubrir com ilFo a def* 

trui-» 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca?, VIL 5^93 

truiçâo , e multidão de corpos , que dentro 
ficaram , feftejando-le da noffa parte mui* 
TO , e fentindo-o o inimigo em extremo, 
accrefcentando-lhe o feito o ódio , e de- 
fejos d e tomar huma grande fatisfação delle» 

CAPITULO Vllt 

X>e alguns foccorros que mais partiram pê 
ra Ceilão: e de como Filippe de Carva^ 
lho foi de foc corro em huma não de pro^ 
isimentos : e de como Tbomé de Soufa de 
Arronches peleijou com a Armada do Ra^ 
jú , e do que lhe fuccedeOé 

COm as novas que a Goa chegái^am da 
aperto da Fortaleza de Columbo , de- 
Í)OÍs de Bernardim de Carvalho fer partido, 
e negociaram alguns aventureiros pêra irem 
de foccorro ; e o primeiro que partio foi 
António de Brito em huma Galeota com 
foldados amigos, que pêra iflb bufcou , e 
foi feguindo fua jornada, a que depois tor- 
naremos. O Vifo-Rey fex dar preíTa a Jm* 
manáo que tinha fretada pêra levar ospro-* 
yimentos áquella Fortaleza , na quâl man- 
dou embarcar quatrocentos candís de ar« 
Toz, cem de trigo, íinco mil e quinhentos 
pardaos em dinheiro , itiuitas muniçâ^es,. 
pelouros , pólvora , panellas 5 lanjas de fo- 
Cwto. Tom. FI. F. Ii. Pp go , 



Digitized by VjOOQIC 



594" ÁSIA DE Diogo de Couto 

go, e todos os demais petrechos de guer- 
ra^ e a Capitania defta náo deo a Filippe 
de Carvalho de Vafconcellos , homem Fi- 
dalgo, que eftava provido daquellas Capi- 
tanias das viagens : e acceitou efta por fer 
do ferviço de ElRey ir de foccorro áqud- 
la Fortaleza ; e o Vifo-Rey lhe deo íincoen* 
ta Toldados 9 e os fez á vela em fim de Se- 
tembro ; e em quanto elle não chega , tra- 
taremos das coufas que neíte tempo fucce- 
déram em Ceilão. 

Affrontado o Rajú dos fucceíTos pafla- 
dos y traçava todos os modos pêra fe fa- 
tisfazer, e empecer aos noíTos, até querer 
ufar de peçonha , e feitiços pêra iíTo : pêra 
o que lançou alguns Chingalas grandes fei« 
ticeiros, como íugidiços, os quaes foram 
ter a Columbo , e fe reprefentáram muito 
efcandalizados , e medroíos do Rajú ; e em 
algumas perguntas que o Capitão lhes fez, 
aíum fe embaraçaram , que nouve por fuf- 
peitofos , e lhes mandou dar tratos , nos 
quaes confeiTáram a verdade ^ e foram mor- 
tos y e juítiçados : e neites tratos que lhes 
deram , aconteceo hum cafo que contare- 
mos y pera que fe veja a força que o de- 
mónio tem poílo em palavras pera enga-* 
nar a eftes malditos ; e o negocio foi eíte. 
Eivando os Miniftros dando tratos a hum 
ddks alli, nas perguntas diíTe hum delles 
c . cer- 



Digitized by VjOOQIC 



- DÈcAtoA X* Cap. VIIL ^9f 

certas palavras , as quaes deviam de fef 
pronunciadas pela boca do demónio y por* 

3ue nenhuma peíToa as entendeo ; e em as 
izendo, logo deimprovifo quatro daquel- 
les y que eílavam pegados ^ ficaram como 
alienados , e começaram a vomitar com ao* 
cidentes mortaes , o que lhes durou vinte 
e quatro horas ; e pafladas ellas , tomaram 
a ieu juizoà 

Difto foi também o Rajú avifado , a 
que fentio em extremo , porque houVe que 
o Capitão não poderia efcapar ; e foram 
eftas coufas pêra elle maiores tormentos^ 
e tratos do que os que deram aos feus : e 
com efta ira fez ajuntar por feus portoí 
todos os navios que havia y e os mandou 
armar , e negociar da melhor artilheria , e 
gente que tinha, e prefez dezoito deefpo- 
rão , quatro calemutes , dezoito tones gran* 
des , e encarregou efta jornada aos Mode* 
liares que tinha de mór confiança ^ encom« 
jnendando-lhes foífem peleijar com a Ar- 
mada da Fortaleza , e trabalhaíTem por to?* 
mar a Galé. Efta Armada appareceo á vif« 
ta da Fortaleza aos 4. dias do tnez de Ou^* 
tubro 9 dia do Seráfico Padre S. Francifco f 
e fahio pela banda do Matual repartida 
em três efquadras t na direita vinham fei^ 
navios , e quatro calemutes ; da efquerda 
CS dezQuto tones ^ e o Capitão JMòr coiâ 

Pp u dch 



Digitized by VjOOQIC 



^^6 ÁSIA DE Diogo t>£ G)Trra 

idoze navios os melhores , e mais apercebi-^ 
dos ; e tudo quanto nefta Armada fe via^ 
era gente de que todos os navios hiam 
ínaíElíos; armas que de todas as partes re- 
luziam , ioftrumentos que atroavam , muitas 
bandeiras que com o vento fe encreíbavam. 
O Capitão da Fortaleza, que já tinna avi« 
{o daquella frota , mandou Thomé de Sou* 
fa de Arronches , Capitão Mór do mar, 
que lhe fahiífe com os navios de íua obri- 
gação , e com os da de Bernardim de Car* 
valho , e Nuno Alvares de Atouguia , que 

£or todos feriam doze , em que entrava 
uma Galeota , de que era Capino Fran^ 
cifco da Silva , Alcaide Mór da Fortaleza. 
Keftes navios fe embarcaram todos os fol^ 
dados de foccorro com grande defejo de 
fe encontrarem com os inimigos , e na 
Galé com Thomé de Soufa muitos amigo» 
feus , e todos com muito boa ordem fahí- 
ram ao mar aos inimigos que os vieram 
demandar ; e chegando a tiro de bçrço , 
difparáram fua artilheria com tamanha fu^ 
ria y e efpanto y que fe paífou hum muito 
bom efpaço , que da Fortaleza não viram 
a nofla Armada , por ficar efcondida entre 
a efpeífura do fumo ; e como hiam huns pe* 
ra os outros voga arrancada , logofe invefti* 
Tam , e o Alcaide Mór Francifco da Silva 
ibi o primeiro que ferrou de hum navio 
' . j graa* 



Digitized by VjOOQIC 



Decaôa X. Cap. Vm. 5^97 

|;rande , que jogava hum camelete pela 
proa , e outras peças miúdas , e tinha em 
li feíTenta foldados efcolhidos , e três Ca- 
pitães , hum da poppa, outro da proa, ou* 
tro dacoxia, ordem em que todos os mais 
vinham ; e ferrados hum , e outro , come-* 
çou-fe entre todos huma crefpa briga de 
lançadas , e cutiladas , e muitas panelTas de 
pólvora. Francifco da Silva trabalhou tan-» 
to , que por força fe lançou com feus foi-» 
dados na Galeota inimiga , e á efpada , e 
rodella averiguaram o negocio , não lhe fi« 
cando de todos mais que doze vivos , que 
penduraram f)ela verga , como bandeiras. 
AfiFbnfo Ferreira da Silva ferrou de outro 
savio ; e depois de defpender a primeira 
carga, lançou-fe logo dentro com os com<* 
panheiros , que peleijáram tão esforçada- 
mente , que paíláram todos os inimigos 
pelos fios das efpadas ; os mais Capitães 
mveítíram os navios que puderam alcançar , 
com os quaes tiveram fuás refertas , por 
fim das quaes os inimigos deílroçados , e 
perdidos , fe foram defaferrando. .0 Capi- 
tão Mór no meio da Armada com a Galé 
andou favorecendo os que peleijavam , e 
deftroçando por fua parte tudo o que podia 
alcançar : e aífim fe viram os inimigos 
açodados , perfeguidos , e desbaratados , 
que foram fugindo . por £ma daqucUas ref* 

tin* 



Digitized by VjOOQIC 



jrçS ÁSIA DK Diogo vb Cólrro 

tingas com fabcrem que o Kajú não liavia 
de perdoar aos que efcapaíTem ; e antes 

auixeram arrifcar afua ira, que aos golpes 
os «oíTos , que deixaram de os feguir por 
não vararem nasreftingas, e o Capitão Mor 
com o receio delias furgio pêra recolher os 
feus navios , que foram após os dos inioii* 
TOS até os fazerem varar. Perdêram-fe dei- 
les quatro navios , dous tomados , e outros 
dous mettidos no fundo ; mortos houve 
mais de trezentos , e maior numero dos íc* 
ridos ; e cativos vinte e íinco , com que fe 
os navios embandeiraram. Dos noíTos hou^ 
ve dous mortos dos Laícarins , vinte e tre$ 
feridos j a Galé que eftava furta na reíUnga 
foi tão perto, que fe não pode aíFaftar tão 
de preíla , porque começou a ventar o No^ 
roefte , que aiíi chamam cachão , que he 
travefsão , e naquella cofta venta os mais 
dos dias, o qual veio defcahindo tão rijo 
que logo os mares fe começaram a empo- 
lar de feição que houveram todos a Galé 
por perdida ; e por eftar muito perto da 
reftinga ,• como diífemos , não fe oufou a 
levar , por não defcahir fobre ella , e o 
mefmo deixaram de fazer os navios de Ro- 
drigo Alvares , irmão de Thomé de Soufa i 
ç o de Simão Botelho , que furgíram jun*» 
to da Galé , porque todos os mais ficaram 
ÚQ d« Urgo , que puderam recolher-fe jt 

Co? 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf. Vm. " jr^ 

Columbo y e toda a noite ficáram-fe furtot 
naquella paragem a Deos mifericordia , por- 
Gue o tempo cada vez esbravecia mais i e 
foi fua força tamanha , que quaíi o não pu- 
deram foírrer as amarras , é cada vez fe 
viam chegar mais pêra as rcftingas , porr 
<jue o vento as levava á caça. Os inimigos 
eftavam em terra efperando quando haviam 
de varar pêra tomarem a todos ás mãos, 
e ficarem-lhe os navios com toda a artilha- 
ria, da qual elles já fe faziam conta; mas 
os noíTos fe encommendavam do coração 
a Deos, e trabalharam tudo o que podiam, 
lançando outras fateixas , e com grande 
refguardo nas amarras. Da Fortaleza bem 
Te via o trabalho , e rifco em que todos 
eftavam , e haviam que fó Deos os poder;^ 
livrar , e affim andavam todos pelas ruas 
com as mãos alevantadas aos Ceos , oedia- 
do os foccorreífe naqueile trabalho« ôs Re- 
ligiofos toda a noite gaftáram em oração ^ 
e em diciplinas , encommendando aquelle 
feito a Deos , e a noíTa Senhora , que pa- 
rece que ouvindo feus fervos , na mór tor- 
ça da tormenta acalmou o vento , e o mar 
ficou brando , e fereno , com o que a Ga- 
lé, e os navios tomaram o remo com mui- 
ta preífa; e affim o apertaram, que emef- 
paço de duas horas chegaram á bahia de 
Columbo i e ainda bem não eram dentro > 

quaa- 



Digitized by LjOOQIC 



feô ÁSIA OE Diogo de Couto 

«quando o tempo toroou a enfoberbecer-íe J 
como dantes , e mais : no que clarameâte 
inoílrou o AÍtiíIimo Deos fer aquella mer* 
cé particular fua , e que não defamparava 
aquella Cidade , porque o remédio delia 
eíiava naquella Armada. 

O Rajii fentio muito o desbarato dos 
feus ; e foi fua paixão tanta , que mandou 
cortar as cabeças aos Capitães que efcapá* 
ram , e andava como doudo dos ruins íuc- 
ceíTos que tinha tido em todas as fuás cou- 
fas , e não defcançava de bufcar modos , 
-e ardis pêra empecer a Fortaleza, até ter 
tratos com hum Lafcarim , por nome Joan- 
Jie , muito conhecido deíle , e que já lá 
andara , ao qual mandou por peífoas de 
fegredo apalpar com grandes promeífas ; 
e vieram a aílentar com elle , que em hum 
certo dia em que o Rajú lhe faria íinal , fc 
ajuntaíTe com alguns amigos , e déíle fogo 
•á Cidade , pêra em quanto os noflbs andaf- 
femoccupados em o apagar, commetteífem 
elles os baluartes com todo o poder, e que 
adim lhe não efcaparia: e com ifto mandou 
hum Chingala Chriftâo , por nome Marcos , 
que lá andava fugido , que fingííFe vir-fe 
pêra a Fortaleza de medo feu , e que na 
Cidade lançaíTe peçonha em todos os po* 
ços , a qual elle lhe deo tão fina de tal 
^Qmpera , que todos os que bebçíTem d^U 

la 



Digitized by VjOOQIC 



< Década X. Ca?. VIIT. ' 6ot 

Ia não yiviriam mais que féis dias* Efte 
JMarcos vindo fugido pêra a Fortaleza , foi 
tomado de alguns peâes em Mapano , e lo* 
go fe tornou de maneira que bem moftrou 
vir mal inclinado : pelo que foi bufcado , 
e achando-lhe a peçonha , foi levado ao 
Capitão , que lhe mandou dar tratos , e 
nelles confelTou fua culpa , e defcubrio as 
intelligencias de Joanne com o Rajú , o 
cjual também confeíTou tudo, e foram juf- 
tiçados. Dalli por diante fe tinha muito 
reíguardo nos que fugiam pêra a Fortale» 
za , e os mandavam iegurar , porque não 
fabiam de quem fe haviam de guardar» 

CAPITULO ix: 

Dos tratos que o Rajú teve com os Naiques 
da cojia de Negapatão , pêra lhes tolher 
os mantimentos que não pajfajfem a Co^ 
lumho : e dos foccorros que chegaram àe 
jóra\ e de alguns ajfaltos que os nojfos 
deram no Arraial : e do grande comba^ 
te que o Rajú deo d Fortaleza. 

DE todas eftas coufas foi avifado o tr- 
ranno Rajú , c que foram pêra elle 
infofFriveis ; e ficou tal , que não oufava 
iienhum dos feus ao coníblar de nada : em 
nenhuma outra coufa imaginava fenão co* 

mo 



Digitized by LjOOQIC 



t6òl ASIÂ DE Diogo DE Cour^ 

mo fe Tintaria de tanta aílronta ; e ò dl^ 
bo que nraas coufas anda fempre prompto ^ 
e lhe não faltam novos ardis pêra males ^ 
lhe reprefcntou hum , que fe viera a effei- 
to j puzera aquella Fortaleza no ultimo ex- 
tremo ; e foi efte. 

Sabendo oRajú como o Capitão tinha 
mandado á coita de Ne^apatão a bufcar 
mantimentos , e que dalli fe provia Ma- 
iiar y e Columbo todas as vezes que lhes era 
neceífario , e donde a todo o tempo lhes 
podiam vir mantimentos, defpedio homens 
de recado com dinheiro, e cartas pêra os 
Naiques , e fenhores daquella cofta , nas 
quaes os perfuadia , que pois eram Gentios 
como elles, quizeífem favorecello naquel- 
la guerra contra os Portuguezes , e acudi- 
rem por honra de feus idolos ; e que por 
«ntâo não queria delles mais que nao con- 
fentirem fahirem de feus portos mantimen- 
tos nenhuns , e que todo o que houveíTe 
ihe vendeífem a elle por maior preço do 
que os Portuguezes lhe compravam , e que 
por iífo lhe mandava muito dinheiro ; e al- 
guns delles acceitáram aquelles partidos, 
e fe lhe obrigaram a vender-lhe todo o ar- 
roz de feus portos por hum certo preço, 
c outros diífimuláram. Difto avifáram logo 
ao Capitão João Corrêa , que foi a couia 
que mór cuidado lhe deo de todas ^ porque 

por 



Digitized by VjOOQIC 



pof alli o poderiam pôr em .defefperação i 
porque guerra contra fome não havia po^ 
4er humano aue a pudeiTe aturar j e toda^ 
Tia teve aquillo em fegredo , e affim por 
não caufar medo nos homens ^ como por« 
que os que tinham arroz o não encerraíTem 
de feição ^ que vieíTem os mefquinhos a 
perecer , mandou comprar todo o que po- 
de por mãos alheias, e o enterrou nos ar^ 
mazens pêra prover o povo delle até vir 
o navio dos provimentos da índia , pelo 
qual efperavam por horas , porque íabiam 
que havia de partir por fim de Setembro 
o mais tardar. 

O Rajú não quietava no odió, e pai^ 
xão com que eftava , o qual era tal , que 
com ver o muito refguardo que na Forta-^ 
•leza fe tinha nos fugidiços , e que todos 
quantos tinha mandado com ardis , foram 
tomados , e atormentados , nem por iíTo 
deixou demandar hum feiticeiro aíFamado , 
o qual fe lhe offereceo pêra enfeitiçar a 
artilheria, e os Capitães das eftancias. Efr 
te foi também commetter efte negocio em 
trages de Lafcarim fugido ; mas como o 
diabo tem por natureza fer defcubridor dos 
males que elle ordena , chegando efte á 
Fortaleza , logo nas primeiras perguntas fo 
turbou , e deo a entender a peçonha que 
trazia no peito , e mettido a tormento 5» 

con- 



Digitized by VjOOQIC 



í5o4 ÁSIA DK DroGo ok Còttto 

çonfeíTou tudo , e moftrou a botica que trah 
eia pêra effeituar fuás promeíTas , a qual 
foi hum livro de muitas figuras de homens , 
animaes , arvores , e letras a feu modo , em 
que trazia palavras encantadas , com que 
cnamava o demónio pêra obrar o que que* 
ria : e affim mefmo lhe acharam num en- 
voltório , em que tinha huma cabeça , e ca- 
bo de cobra de capeilo fecca , hum peda- 
ço de víbora , fete pedaços de cafcas de 
arvores peçonhentas , numa pedra de confei- 
ções y que em chegando ao fogo lançava 
raios , e fazia o ar de côr de enxofre ; cer- 
tos grãos de pimenta gengivre, e açafrão , 
e outras fementes, humas penas de paváo, 
c humas contas de jogue. Tudo iíto foi 

aueimado, e o feiticeiro cfpedaçado, fem 
le o diabo valer ; porque como ifto szo 
artes illicitas , e damnofas , nâo tiveram 
poder por meio de feus encantamentos pê- 
ra livrarem efte feiticeiro , e todos os mais 
que delias ufaíTem, de perigos , erifcos; 
porque o demónio depois que os mette 
nelles , os defampara , porque não tem po- 
der pêra mais. Nefte eftado eftavam as cou« 
fas de Ceilão com grande refguardo em 
tudo , não deixando de haver muitos reba* 
tes , e aflfaitos , em que os noíTos fempre 
^fcandalizáram bem aos inimigos, quando 
^os 23« de Outubro chegou huma Gúeotd. 
- j de 



y Google 



i 



Década X. Cap. IX. í5o)f 

de António de Brito , que tínhamos deixa^ 
do partida de Goa, o qual navegando com 
bom tempo , foi demandar a Una de Cei^ 
Ião ; e por ventarem os ventos cachoes ri-* 
los , defgarrou pêra fora da ponta de Ga-* 
lé , e deo volta a toda ella , fazendo pelo9 
portos do Rajú da outra cofta alguns aíTal-' 
tos, e prezas, aílim no mar, como na ter<« 
ra ; e voltando á outra banda , foi tomar 
Manar , aonde achou o navio de Adrião 
Nunes da companhia de Nuno Alvares de 
Atouguia , que diíTemos aue com tempo 
arribara , o qual eftava preítes pêra fe par-* 
tir , e Manoel de Macedo em hum coraço^ 
ne , em que partira da outra cofta pêra fe 
ir mctter em Ceiláp com alguns compa- 
nheiros , os quaes em companhia de Antó- 
nio deBriro chegaram ao porto de Colum- 
bo, aonde foram mui feftejados dosnoíTos^ 
e agazalhados pelas eftancias mais perigo- 
fas« 

Depois defta jornada mandou o Capi- 
tão dar na tranqueira grande do Rajú por 
António Lourenço , Francifco Gomes Lei- 
táo , D. João Modeliar , e os Araches Ma- 
noel Pereira , e Pedro AflFonfo com feus 
Lafcarins , os quaes em huma madrugadar 
deram de fu pito no primeiro forte com mui* 
tas lanças de fogo , e muitas panellas de 
pólvora y com que fizeram caminho pêra- 

enr 



Digitized by VjOOQIC 



6o6 ÁSIA 6e Diooo de Cotnro 

tDtrarem dentro y onde tiveram huma ttná 

{erigofa batalha , que durou [>or efpaço de 
ora e meia , matando-lJie muita gente , e 
três Capitães , e dous bombardeiros , e re- 
€olhêram*fe femdamno maisaue depeque* 
nas feridas. PaíTado ifto y fanio Francifco 
Gomes Leitão com trinta Toldados ; e dan- 
do no baluarte dos inimigos , o entraram 
a poder de muitas lançadas y e cutiladas, 
c lhe mataram muita gente ; e por virem 
recrefcendo os inimigos , fe foram recolhen- 
do fem perigar , e ao recolher foram por 
huma bombardeira hum e hum -, e o derra^ 
deiro de todos , a que parece a ventura ti^ 
nha chamado pêra aquella hora y depois 
de eftarem dentro , tornou a fahir fora por 
os inimigos virem perto ; e fazendo huma 
arremettida a cUes , tornou-fe a recolher 

5 era dentro; e como a morte o chamava, 
iíTe aos companheiros : ^nãa bei de tor* 
nar a fahir fora ; e aflím. o fez em hora 
que lhe deram huma efpingardada , de que 
logo morreo : e dia de Todos os Santos 
a outra fahida aue os nofibs fizeram , re^ 
crefcêram os inimigos no campo , e fe ca* 
meçou a atear das noíTas eftancias huma 
fermofa briga de bombardadas y e arcabu« 
uria y os quaes fizeram nelles muito bom 
emprego, poreftàr todo o campo cuberto. 
Paliadas eftas couíàs y e outros alTakos mui^ 

tOÍ > 



y Google 



J 



Década X. Cap. IX. \ €ot 

tos y que cada dia lhes os noíTos davam 
com perda dos inimigos, chegou aColum-* 
bo aos 4* de Novembro a náo , em que 
hia Filippe de Carvalho com o provimen* 
to, e trazia hum Galeão, que da Pefcaria 
partira carregado de arroz , o aual achou 
na outra cofta quaii perdido, e Ineacudio, 
e o favoreceo íempre , e o trouxe comligo 
até áquelle porto lem o largar, c ávifta da 
cofta de Ceilão eitiveram ambos perdidos 
com o vento cachão , que lhes deo muito 
rijo ; e como alli he travefsão , fobre amarra 
o aguardaram com muito rifco. Foi efte 
foccorro como vindo do Ceo pêra todos , 
e João Corrêa de Brito mandou pedir a 
Filippe de Carvalho não defembarcaíTe a-» 
quelle dia , porque efperava aquella noite 
por hum combate do Rajú , e <jue ficaíTe 
elle fegurando o porto com os mais navios , 
porque a Armada do inimigo não vieíTe 
commetter as embarcações , e a náo em que 
vinha o remédio daquclla Fortaleza ; e por^ 
que eftava avifado que o Rajú havia de dar 
aquella noite combate, çrcparou-fe pêra o 
elperar; mas elle lhe deixou de o dar por 
chover muito ; e em a noite feguinte no 
quarto d' alva mandou commetter a Forta- 
leza por aíTaltos , o que fizeram, levando 
diante mais de lincoenta mantas feitas de 
çfteiròes groíTos pêra fe chegarem ao tou^ 



Digitized by VjOOQIC 



6oS ÁSIA DE Diogo de GÍuto 

TO pêra os pedreiros , que eram mais de 
mil , picarem as paredes , e outros com eP 
cadas pêra commetterem a entrada toda 
em roda. Os noíTos como eftavam íbbre 
avifo j em fentindo os inimigos , cada hum 
fe achou em feu lugar com fuás armas y def* 
carregando fobre os de baixo muitas pa-* 
nellas de pólvora , com que os abrazáram ; 
e onde o negocio foi commettido com 
maior força , foi no baluarte Santo Anto* 
Bio j de que era Capitão Luiz Dorta , onde 
a arcabuzaria era mais bafia , e fe puzeram 
mais efcadas ; mas os noífos aílim os efcal^ 
dáram com fogo , e os efcalavráram com 
toda a coufa que á mão acharam , que o9 
fizeram deixar a contenda. Bernardim de 
Carvalho, e os Fidalgos defua companhia, 
c Nuno Alvares d' Atouguia com os Capi^ 
tâes da fua Armada acudiram ás partes que 
lhes pareceram mais ncceíTarias , esforçando 
os que peleijavam , e fazendo*o elles com 
muito animo ; e o Capitão que eftava na 
baluarte Madre de Deos com os Capitães 
da roída , mandava dalli ver , e faber as 
neceífidades onde as havia pêra prover nel-- 
las : no baluarte S. Sebaftião ^ de que era 
Capitão Luiz Corrêa da Silva , também 
houve grande commettimento , e nclle fe 
achou Vafco de Carvallio , que de Goa £ói 
«mbarcado com Bernardim de Carralho, 

no 



Digitized by VjOOQIC 



Tit) qual peleijou como muito bomíbldado{ 
e no baluarte Santo Eftevão foi o trabalho 
grande , e no lanço de mUro pegado com 
elle , porque fentiram aili mór pezo do$ 
inimigoB y e picarem a parede ; pelo que 
acudiram com muito fogo , mas cava Da9 
mantas^ enao empecia aos debaixo: o que 
vifto por hum foldado, por nome Luiz de 
Pina ) cavalgando^fe em íima da cumieira 
da taipa com o corpo lançado fora, deitou 
fobre os inimigos muitas panellas de pol-« 
vora , com as quaes fez muito damno ; e 
depois comhuma lança de fogo virada pe^ 
ja baixo , por fer aquella parte baixa , fez^ 
tanto , q^ue abrazando os pedreiros com eU 
la, os fezaíFaftar , e deixarem a obra. A. 
igrita , alaridos , e urros dos elefantes eram 
mais pêra recearem que fuás armas 3 por-4 
que por todas as partes era difto tanto; 
que pudera metter medo ao que lho não 
tivera tão perdido > como os noílos que 
conheciam , quanto mais os Cbingalas pc» 
leijâo com a lingua que com as mãos ; o 
todavia nas mulheres , e gente mefquinhA 
xnettia ifto hum efpanto ^ que cuidam que 
a Cidade era entrada 5 e das janella^ com 

É ri tos 5 e prantos ao Ceô pediam o favor 
divino , que não faltando aos noíFos 5 aíEm 
*efcandalizáram os inimigos, que depois de 
^or todas as partes coounettereix\ muitaff 
<:êutç.T4fm.FI.F.Iié' Qa. ^ ve- 



Digitized by VjOOQIC 



6ÍÒ A SI A DE Diogo de Couto 

yezes á fubida , e os elefantes de derrobar 
as taipas , e os pedreiros de as picar por 
baixo até efclarecer de todo a manhã , dei- 
xaram de todo o aíTaito , indo bem efcala- 
vrados , ficando-lhes com a prefla todos os 
petrechos que traziam pêra efcalarem os 
muros ; porque como foi de dia , acharam- 
fc ao pé delles muitos picões , alavancas, 
enxadas , e muitas mantas , e efcadas , que 
tudo fe recolheo pêra dentro , e prefumio- 
fe que lhes mataram muitos; porque como 
os que ficavam vivos são obrigados a levar 
os mortos , não fe foube entre os noíTos 
mais que o que depois diííeram os efpias, 
a quem liefta matéria , e em outras tenho 
por muito fufpeitofos, porque ás vezes fal- 
iam á vontade dos Capitíes , que folgam 
de engrandecer fuás coufas , principalmente 
pas certidões que pafiam , em que fempre 
ha números certos , como fe os elles foram 
contar; mas todavia o Rajú perdeo muita 
gente, e os feus comelie muito credito, e 
eile as efperanças de tomar Columbo , que 
fcem entendia que não o havia de fazer por 
aflaltos , pois fabia que os feus não eram 
pcra efcalar muros que Portuguezes defen- 
deffem ; mas quiz canfar os noíTos com re- 
bates , ainda que foíTem á cufta dos feus , 
porque o feu intento era chegar com as mi- 
aa^ aalgttflu parte por onde fizeífe aigunu 
^-/ ^;> • . rui- 



Digitized by VjOOQIC 



ÔÈcAbA X. Caí. ÍIL 6tt 

ttiiDâ ^ pêra entrar por ella a fazen>llies al^l 
gum íkial. 

CAPltULO 2t* 

Da outtò recaãú que o VlphRey ten)t da 
aperto de Columbo : e de como mandot^ 
de foc corto João Caiado de Gamboa enk 
hmnã tido com cento e Jtncoentà homens i 
e de como D. Francifco Mafcarenhai 
partio com duai Galesa peta o Malavatk 

DEpois de partido o Galeão da carrew 
ra com os provimentos 3 chegou a Goa 
Baftholomeu Rodrigues ^ que o Capitão dô 
Columbo tinha mandado com outro reca-^ 
do ao Vifo-Rey dò primeiro aílalto que o 
Rajú deo áquella Fortaleza , que lerava 
debuxado , pêra quê viffe modo da for-» 
tifícação do inimigo 5 c o poder que tinha 
fobre aquella Fortaleza > e vendo 5 Vifo-» 
Rey aquella potencia , mandou fazer pref* 
tes hum Galeão ^ elegendo peta Capitão 
daqudle fodcorro ^ que havia de fer de 
cento e (íncòenta homens ^ a João Caiada 
lie Gamboa 5 o qual dando preíTa á fuá 
embarcação > fe itt á vela a 7 de Outu-^ 
bro ) embarcando^fe com eíle muitos í^i-* 
dalgòs ^ e CaValleiròs amigos de honra ^ 
jque dos. que pudemos. faber oi^ i|oiheft s&c|^ 



Digitized by VjOOQIC 



6já a si a de DrõQo de Couto 

mi fegúintes : IX Gilianes de Noronha , e 
D. Leão feu irmão , D. AíFonfo Henriques ^ 
Jeronjrmo de Caftro , Pedro Botelho , João 
Sobrinho/, Ruy Vaz Pinto, D. Fernando 
de Menezes , Simão da Silva, Chriftovão 
Blebeiio , Paulo Pimenta de Bulhão , Ma« 
thias da Fonfi^ca , Manoel Pereira do La- 
go , Domingos Leitão Pereira , Balthazar 
de Freitas , e o melmo Bartholomeu Ro- 
drigues , que veio pedir o foccorro j e le- 
vando dez mil pardaos em dinheiro , e o 
Galeão carregaclo de mantimentos , e muni- 
ções , foram feguindo fua viagem. Partido 
eftc foccorro , porque por razão das pazes 
do Malavar eftava tudo quieto , e porque 
oEftado não eftavapera tanto, determinou 
O Vifo-Rey de dilfimular efte verão com 
a Armada pêra aquella cofta , porque real- 
mente não havia vazilhas pêra cUa ; e por- 
que em Cochim eftava huma nío da Chi- 
na, que havia devir pagar direitos a Goa, 
6 aífím fe efperavam por outras náos de 
Cochim , . como coftumam todos os annos , 
com fuás mercadorias pêra o Norte , quiz 
o Vifo-Rey mandar-lhe dar preíla á fua 
vinda , por caufa dos direitos que fe ha- 
viam de pagar , de que tinha neceílidade 
pêra as defpezas da guerra, fem embargo 
4e ter mandado grandes Provisões ao Oi- 
pitão. daqiueUa Qdade ^ e ás jufti;a9 delia 
ci . . pç* 



Digitized by VjOOQIC 



f Decaba X. Cat.' X.' '^ ^.6i^ 

.^era as fazerem partir de li entrada de 
Outubro , qoiz apreflar iflb mais , e man- 
<dou fazer preftes duas Galés pêra efte en- 
feito , cda Capitania deo a D. Francifco 
Mafcarenhas , que hia em huma , e na ou- 
tra Luiz da Silva , íilho do Regedor Lou- 
renço da Silva , e fobrinho do Vifo-Rey, 
dando regimento a D. Francifco , por que 
lhe mandava foíTe a Cocbim'^ e trouxeíTe 
comíiTO as náos de paíTagem , e viíitaíTe a 
Fortaleza de Panane , da qual era já vin« 
do Ruy Gomes da Grã a fe ver com o V^- 
fo-Rer. Eílas Galés íizeram-fe á vela a 20. 
dias defte mez de Outubro, e o Vifo-Rey 
ficou entendendo no negocio de Columbo^, 
•porque eftava aíTentado em CónfeIJio , co- 
mo já diíTemos , que fe ordenaífe huma 
Armada grande , e que o Capitão Mór, 
que nella foífe , efperaífe em Columbo por 
D« Paulo de Lima , que havia de vir de 
Malaca ( como lhe tinha o Vifo-Rey efcri- 
,to) pêra que ambos juntamente com todo 
.o poder , que era o maior que a índia ti- 
nha y déífe no inimigo., e o defalojaíTem»; 
e porque já não havia tempo pêra poder 
fer fenâo em fim de Janeiro feguirite , coh 
^eçou a preparar as coufas neceífarias pê- 
ra aquella jornada , nomeando a Manoel 
de«Soiifa Coutinho pêra eíla empreza com 
o titulo de Capitão jMór do mar da índia , 

por 



Digitized by VjOOQIC 



Ê 



í6t4 AS TA DE Díòoò db Coxrro 

or fer tmiito prático nas coufas de Cei^ 
io , como aquellc que eftivera por Gapitao 
€m G)lunibo havia íinco , ou íeis annos, 
't fuftentára aquclle grande cerco ^ que lhe 
poz o mçfmo Rajú^ dô qual.fahio quebra^ 
ao y e desbaratado ; e em quanto fe faziam 
.preftes as valilhas pêra efta jornada , def- 
pachou o Vifo-Rey as náos pêra irem lo* 
mar carga a Cochim , na qual fe embarcou 
.Ri^ Gonfalves da Camará pelo mandar 
ElRey aíGm pelo tirar da índia , pelas 

Í grandes defpezas , que nella fazia de fua 
azenda , por eftar comendo os ordenados 
4e Capitão Mór do mar da índia , e da 
empreza do Achem, dos quaes cargos arn^ 
|>os tinha alguns oito mil pardaos , como 

Eelo cafo , e negocio de Nequilu , de que 
* não houve por ferviço , pela qual razão 
pareçeo bem a Pedro Homem Pereira ir-fe 
também pêra o Reyno a moftrar-fe fem 
culpa daqudla jornada ; porque fe B^uy 
.Gonfalves appareceífç lá fó, e fe livraíTe, 
liaviam todos de ficar cahindo fohre ^lle^ 
e aíBm fe embarcaram ambos , como foi 
tempo^ Eílas náos tiveram boa viagem , e 
no ca^minho faleceo Ruy Gonfalves da Ca^ 
mara, e Pedro Homem chegou a Portugal, 
e fe livrou daquelle cafo , em que teve 
irahalho, coniQ em outra parte diremos, 

CA- 



Digitized by VjOOQIC 



r Pecada XrCAí. ^r '. Tfáf 
C A P I T U L O XI. ' 

. J 

Do que aconteceu na jornada a D. Francifi 
CO Mafcarenhas : e de como Manoel. . do 
Soufa foi com buma Armada d Gqfta do 
Norte : e do que aconteceo na jornada 4 
João Caiado de Gamboa até cbegar a 
Columbo : e das coufas que mais ãconto^ 
ceram naquella Fortales^^a. 

y 

PArtido de Goa D. Francifco Mafcare- 
nhas com a fua Galé » e a de Luiz dá 
Silva , foi derrotí pêra Cochim em bufe* 
da náo da China , a qual com outras achou 
por Cananor , e com eilas voltou Luiz da 
Silva , e lhe foi dando guarda \ e D. Fran-* 
cifco paífou a Panane a viíitar aquella For^ 
taleza , e provella , como levjiva por regir 
mento ; e porque efta jornada não foi de 
mais eíFeito, paífaremos por ella> e conti? 
nuaremos com outras couías. 

Andando o Vifo-Rey occupado em fa<» 
zer preftes a Armada, que havia de man- 
dar a Ceilão , teve por novas , que pêra a 
Coíla do Norte eram paíFados alguns na« 
vios Malavares ás prezas ; e porcjue aqueU 
la cofta eftava ÍÒ , e cada dia vinham na^ 
vios Portuguezes de todas aquellas Forta^ 
lezas , quiz , em quanto nao chegava s| 
flK>ngão9 em .que Manoel d$ Soufa fe ha*t 

via 



Digitized by VjOOQIC 



tÇrt ASTA.Tm^DiÓGD CEE Couto 

via de partir, que era por fim ckjaneiro; 
^uegaftáíTe a(][uelle teoipo poraquellaCof- 
ta , com o que ficava cumprindo com: à 
lobrigaçâo da Armada , aue havia de maD- 
idar a ella , porque o refto do verão tinha 
mandado armar em Baçaim D. Ruy Go- 
toies da Silva com alguns navios, pêra an* 
dar dando guarda ás cáfilas : e aflim man^ 
dou Manoel de Soufa , e os Capitães jque 
eftavam nomeados pêra irem com elle de 
foccòrro a Ceilão , e que fe embarcaíTê 
logo, em quanto fe faziam preftes as cou- 
fas pêra a jornada , e qtie gaftaíTem aquel-* 
les dous mezes na Cofta do Norte de Goa 
até Dabul. Efta Armada partio -por meiado 
de Novembro , e por aquella cofta gaitou 
até Janeiro , em que fe recolheo pêra fo 
negociar a jornada de Columbo ; e porque 
não aconteceo coufa notável , contamos ai» 
£m em fumma ifto« 

Tornando a João Caiado de Gamboa^ 
fioii fôguindo fua viagem , e em breves dias 
paífou o Cabo Comorim ,' e da outra ban* 
da achou ventos contrários, pêra poder 
atravaffar Columbo , por fer ja tarde ; é 
tomando parecer com o Piloto, eOffiçiaes, 
homens práticos naquella cofta , aífentá^ 
ram todos que feria grande rifco naquelle 
tempo querer atraveíTar com oGaltío: que 
m^lnor remédio feria defem^arcar íâlx^tst^ 

te. 



Digitized by VjOOQIC 



f . DÉCADA X. Or. XI. 6tf^ 

te , « caminhar por terra áté Remanacor; 
e dalli atravçíTar a Manar , aonde acha- 
riam navios pêra paíTarepi a Ceilão : e que 
nillo pofto que houveíTe mais alguma de^ 
tença , era mór fegurança pêra quem hia 
foccorrer Fortaleza , que cftava cercada. 
Com efta refoluçao defembarcáram em Tu-* 
tocorí; e vendo-fe com .os Padres da Com-» 
panhia , debaixo de cuja adminiftra^o no 
«fpiritual eftá toda aquella coita , lhe aconr 
feibáram o mefmo , offerecendo-lhe a da« 
rem todo o aviamento de embarcações , e 
marinheiros que lhe foíTeaí neceíTarlos pe« 
ra paíTarem a Manar. Com illo fe difpoz 
João Caiado pêra a jornada , e ordenou 
deixar o Galeão com vinte Toldados de 
guarda , por haver novas de algumas Ga^ 
leotas de Malavares ; mas nenhum delles 
quiz ficar , dizendo que hiam de foccórror 
pêra a Fortaleza de EIRey , e que havian» 
de lá chegar. João Caiado vendo que era 
forçado ficar aquelle Galeão guardado , por 
ter em fi muita artilheria , e provimentos , 
CS levou por invenção , e boas palavras, 
acabando com elles que era forçado ficar 
aquelle Galeão guardado : que os que fa- 
hiffem por fortes , eíTes ficaíTem ; e neftas 
teve elle tal modo que não fahíram fenão 
os que a elle pareceo que mais podia eC- 
cui^r, e nomeou por Capitão Bartholomeu: 



Digitized by VjOOQIC 



éiA^ A S r A 0B DióGO DE Couto 

Kodrigues : e deo por Regimento aos O^ 
ficiaes que foíTem pêra Goa ; e defembar^ 
cando o dinheiro , e muniçóes que pode» 
foram marchando por terra pêra R emana* 
cor j aonde os Padres haviam de ter as 
embarcações pêra paíTarem a Manar. Os 
do Galeão ficaram defconfolados , e enfa* 
dados; e querando os Officiaes voltar pê- 
ra Goa , acudio o Bartholomeu Rodrigues » 
e os foldados , e lhe não deixaram levan* 
tar as amarras , dizendo-lhes que fe encom* 
mendaflem a Deos ; porque ainda que fe 
arrifcaíTem a fe perderem , que elles hariam 
de trabalhar por ir a Columbo a foccorrer 
a Fortaleza ae ElRey , que eihva em ne- 
ceílidade , porque nelle cftavam os provi* 
mentos , e muniçòes que o Vifo-Rey lhe 
mandou de foccorro : que mais importa- 
ra áquella Fortaleza ficar com elles , que 
o arrifcar-fe o Galeão : e que Deos havia 
de permittir dar-Ihes muito bom tempo , e 
levallos a falvamento , pois hiam a couík 
tanto de ferviço feu , e aflim fe deixaram 
ficar alli fobre a amarra com vento norte 
muito rijo, que lhes durou três dias. Paífa- 
dos elles , fe lhe niudou, e abonançou, e 
Bartholomeu Rodrigues fez dar ávéla con- 
tra vontade dos Omciaes , no que fizeram 
fuás exclamações , e proteftos , e foram cor- 
rendo a coita até á Uha dos Jogues » e 

achan- 



Digitized by VjOOQIC 



acháado: tempo profpero , atravclTáram lo» 
go á outra banda junto do rio Cardiva , e 
de longo delia com o vento mais largo 
foram furgir em Columbo com grande al- 
voroço de todos , por chegarem primeiro 
que João Caiado, éartholomeu Rodrigues 
ilefembaixTou , e deo conta ao Capitão da 
jornada de Jt>ão Caiado , e que cada dia 

{íodcria fer alli , com o que os da Forta-* 
eza começaram a alentar-fe , e a fartar-f^^ 
com os mantimentos que vinham no Ga* 
leão , lançando o Capitão fama que vinhaai 
«n poder de João Caiado vinte mil cru* 
zados, alfim pêra quebrar com iíFo o ani- 
mo dos inimigos , como pêra alvoroçar ot 
foldados , que com o lhe pagarem , e oi 
fartarem , não fentem os trabalhos , nem 
«rreceam os perigos da guerra , por gran-* 
des que fejam. 

João Caiado , depois de chegar a Re** 
manacor , ajuntou os Cara^nes , que lhe 

})arecêram neceíTarios pêra paíTar toda aquel« 
a gente , e fabrica , o que fez brevemente pe- 
jo grande aviamento que os Padres da Com« 
panhia lhe deram ; e porque ficava da pon-* 
ta de Remanacor, que he a derradeira dos 
baixos y diftancia de hum tiro de béfta , 
•mandou paíTar por terra os Caraçones , pc* 
xa içar da outra banda de fora delles , o 
^uefez facilmente ^ ainda que com trabalho , 



Digitized by VjOOQIC 



^2b A SI A. 0B Diogo de Obuvo 

€ alii fe embarcou ao outro dia , e Toí ter 
a Manar , aonde J(mío de Mello lhe nego^ 
ciou humaGaleota, em que elie fe embar* 
cou com os que puderam caber , e o mais 
repartio por algumas embarcações deman- 
timeiítos que alii eftavam pêra Columbo; 
c em huma champana grande , que alii tam* 
bém eítava carregada de arroz , mandou 
embarcar Chriftovâo Reb.ello com alguns 
foldados , e com todos eftes navios fe fez 
João Caiado á veia , levando comfigo Dio^ 
go Fernandes PeíToa em fua companhia ^ 
que , como diíTemos , no primeiro foccoí^ 
ro partio de S; Thomé j e tinha arribado 
alii y onde até então efteve fuftentando os 
feus fpldados , fem ter tempo pêra fe par- 
tin Com toda efta frota furgio João Caia- 
do na barra de Columbo aos 4. de Dezem- 
bro ; e á champana grande ao furgir , por 
culpa do Piloto 'y foi tão perto da terra y 
aue ao virar deo com a poppa neila , e fe 
fez em pedaços ; e quiz Deos que a mòr par- 
te da gente fe falvaíTe em terra , e a outra 
fe perdco , por fer de noite eícura : perdê^ 
ram^fe nella mil candís de arroz , roupas y 
manteigas, e outras coufas, o que além de 
fer perda notável pêra os donos , que Je- 
vavam tudo pêra vender, o foi pêra aqael- 
ia Fortaleza , porque com aquillo ficava 
farta de tudo i mas nem cqol iflb deixem 

de^ 



Digitized by VjOOQIC 



DifeCADA X. Cat. XI. ' 6lí 

iíe fe feftcjar muito aquelle foccorro , pof 
fer de tanto Fidalgo , c Cavalleiro , e de 
tanto mantimento como aquella cáfila leva^ 
va ; c porque fe fazia tempo pêra a náo dá 
viagem fe tornar pêra a índia , Filippe de 
Carvalho , Capitão delia , que até ent3o af- 
íiftíra naquella Fortaleza com todos os feus 
foldados , a que deo meza , e fe achou em 
todas as coulas que naquelle tempo fucce^ 
deram , difle a João Corrêa que proveíle á 
náo de Capitão , porque elle havia de ficar 
naquella Fortaleza com todos os feus foi* 
daaos, em quanto o cerco duraífe, que por 
iífo acceitára aquella viagem. João Correà 
lhe não quiz acceitar o cumprimento , e 
Ihediífe que era neceíTario tornar-fe ánáo, 
aífim pêra fegurança da artilheria que nella 
hia , como pêra ngnificar ao Vifo-Rey o 
eftado em que aqueila Fortaleza ficava ; e 
pofto que elle repetio fobre iíTo , o não 
confentio , e o fez embarcar , e dar á vela 
a ly. de Dezembro , ficando aquella For- 
taleza já em eftado , que não fó fe podia 
defender do Rajú , mas ainda ofFendello , 
« bufcallo no campo , e mandar-lhe fazer 
guerra por toda a fua coíb , e pêra iífo 
;nandou armar finco fuftas , dous charato^ 
nes , e dez tones pequenos , e fez Capitão 
Mór a Pedro Affonfo Arache , homem mui- 
40 prático em toda aquella cofta , e lhe deb 

trin- 



Digitized by VjOOQIC 



6n A SI A »B Diogo de Cótrro 

trinta Portuguezes , c cento e íincoenta Lai* 
carins , e iTie mandou foíTe pela banda de 
Gale , e deftniiiTe , e aíTolaíTe todos os por-* 
tos do Rajú daquella parte. Partida efia 
Armada de Columbo , foran>fc á ponta 
da Galé deftruindo tudo o mie acharam^ 

Í)rincipalmente os lugares de Berbcri, Be- 
icote , e outros ; e voltando a ponta de 
Gale pêra fdra, defembarcáram na Cidade 
de Beligâp , onde fizeram grande deftrui- 
^o , e mataram , e cativaram muita gente , 
e os Lafcariíis fizeram mui grandes cruezas 
em mulheres, e meninos, porque por lhes 
tirarem as arrecadas , e braceletes 5 Iheâ 
cortaram as orelhas , e as mãos ; e deixan^ 
do tudo abrazado y e roubado ^ paísáram a 
outros lugares , que foram aílolando , e 
deftruindo : e aíTim gaitaram todo o tempo 
dos provimentos ; e como fe lhe âcabá« 
ram, voltaram pêra Columbo carregados de 
prezas , e com cento e oitenta peííoas cati** 
vas. ORajd tanto que ofoube, blasfemava 
de ira , e furor, vendo que tendo os tioí* 
fos cercados, faziam tão pouco caio delle^ 

3ue lhe hiam deftruir fuás Villas , e Cida^ 
es y com o que fe não fabia determinar; 
^ receando outra jornada como aquella, 
mandou bradar hum dia aos da Fortaleza , 

?ue dilíeííem ao Capitão que lhe mandafle 
edro Baião > porque tinha coufas queJoH 

por- 



Digitized by VjOOQIC 



f Década X. Ca?. XI, ' ^613 

fK>rtayam pera tratar com elle j a que lhe 
não refpoudêrain a propoíito , porque logo 
foi entendido que aquilio eram entretenif- 
mentos pera embaraçar os noíTos. Nefta 
xnefma occaíiâo , que era em Dezembro , 
poucos dias depois da náo da carreira parti- 
da , deo huma doença nova , e cruel , a qual 
foi geral na gente da terra ; e foi tâo ef- 
pantofa , que pelos muitos que morriam, 
cuidaram que era peçonha que lhes tinham 
lançado nos poços , com o que todos an- 
davam aíTombrados: o mal começava pelos 
pés com huma inchação , que hia fubindo 
as pernas , e dalli á barriga , e aos peitos ^ 
aonde tanto que tocava , logo matava , fi- 
cando aquelles corpos disformes ; e como 
a doença era nova naquella terra , e não 
conhecida , nem vifta nunca dos naturaes^ 
fizeram os Fyficos anatomia em hum da- 
quelles corpos pera verem fe lhe podiam 
entender o mal pera fe lhe acudir, porcjue 
hia em grande crefcimento , e morriam 
muitos ; e viftos os inteftinos , acharam os 
figados aposentados , e fe aflirmou proce- 
der aquilio da quentura , e humidade por 
caufa da grande fecca que houve , por não 
ter chovido todo aquelle anno , coufa de 
que fe não acordavam os velhos ; e pera 
crefcer mais o mal , fuccedeo defcarregar 
a Tara de Choromandel com tanta agua 

g.ue 



Digitized by VjOOQIC 



<24 ASlÀ Bi DiÒGõ DÊ Coxrrô 

ique parecia hum diluvio; t aquemufa qãè 
eftava do fígado com aquella humidade da 
terra , que ficou eníopada^ vieram os cop* 
:pos a apoftemar daquella maneira ; e en^ 
tendido o mal , applicáram-fe^hes remédios 
•de coufas frias , e feccas , como vinagre, 
icom que o mitigavam ; e por faltar elle, 
ufavam de huma fruta , a que chamam 
frorfas , que tem a mefma virtude , e com 
outras algumas hervas ; mas como ainda 
ifto veio a faltar , não deixaram de morrer 
muitos ; mas quiz Deos que foíTe gente 
«nefquinha , e coitada , e o mal duraíTe 
,pouco^ porque logo ceílbu. 

CAPITULO XIL 

Da revolta que em Malaca houve com bum 
Amouco : e de como D. Pedro de Lima 
foi aos EJir eitos de Sincapura , e Sabão : 
e do que Ibeaconteceo: e de como D.Pau-^ 
lo mandou Simão de Abreu de Mello 
com recado da viãoria ao Vifo-Rey : e 
de como fe perdeo na cofifi de Ceilão : o 

- dos trabalhos que pajfou. 

POrque ha muito que deixámos as cou* 
fas de Malaca, fera razão tornarmos a 
ellas , porque quaíi aconteceram no mefmo 
tempo que as de Ceilão^ em que até agora 

noa 



Digitized by VjOOQIC 



Décaua X. Cap. Xlt 6±f 

nos detivemos , porque nos pareceo tnelhof 
ordem náo as mifturarnlos pelas nao con^ 
fundir. Deixámos D. Paulo em Malaca vi-* 
âoriofo, e dando ordem a muitas eoufas« 
Havendo poucos dias que era chegado , fuc-* 
cedeo hum cafo , que alvoroçou toda a Ci-» 
dade^ e foi efte. Entrarido humjao Merca-» 
dor na Fortaleza em hum baluarte, em qu6 
poufava D* António de Neronha a pergun-* 
tar por fazendaâ pêra comprar ^ levando 
hum crís na mão , como todos trazem , hum 
daquelles homens lhe lançou mão dellepe-* 
ra lho tomar , e pagar , porque lho não 
quiz elle vender. O Jao airfontado daquil-» 
lo , levou a mão de huma meia catana , 6 
deo com ella no Veador de D. António^ 
e o matou. Os Toldados que alli eftavam 
levando logo das armas , mataram o Jao« 
Com ctte reboliço fe alevantou na Forta-* 
leza huma voz de Amoucos , a qual correo 
por toda a Cidade ^ que he couía que mais 
aflbmbra que todas j pofgue como naquel-» 
le porto eftavam muitos juncos de Jaós , e 

f)ela terra andavam muitos , e eftes éomo 
e determinam a fazer Amoucos ^ sSo co- 
mo doudos, efuriofos^ e andam pelas ruas 
matando todas as peflbas que acham , pa* 
receo que poderia- fer aquillo alguma trai-* 
ção. Tanto que efta voz de Amoucos che-» 
gou aos Toldados da Armada de D. Paulo j 
Cout$.T$m.FLP.lu Rr fem 



Digitized by VjOOQIC 



<26 A S I Â DE Diogo ds Cotrro 

(em perguntarem o que era , tomaram as 
armas , e foram acudir á Fortaleza ^ e to- 
dos os Jaós que pela rua encontraram , que 
andavam pacificamente fazendo feus negó- 
cios , mettêram i efpada ; e foi a revolu 
tamanha , que parecia que fe aíToIava a ter- 
ra. D. Paulo de Lima acudio com muira 
preíTa a apaziguar o negocio , fem faber 
o que era , nem donde nafcêra aquelle mo- 
tim 'j e quando chegou aos foldados , já ti- 
nham mortos fetenta Jaós , e com lua au- 
thoridadc atalhou aquelle damno o melhor 

J|ue pode ; e porque lhe difleram que os 
aos fe acolhiam ás embarcações y e que 
alguns Jaós fe faziam á vela , mandou al- 
guns Capitães de fuftas que os foífem de- 
ter , e que os quietaíTem , e lhes levaíTem 
Qs feus dapitâes pêra os fegurar. Eíles Ca- 
pitães chegaram aos juncos 9 que eram mais 
de vinte ^ que haviam jpouco que tinham 
chegado carregados de fazendas, e manti- 
mentos, dos quaes os mais hiam largando 
as velas , e com muitas branduras , e pala- 
vras os fizeram furgir , mandando-lhes rallar 
por fua lingua ; e entrando nelles , fizeram 
embarcar os Capitães nas fuás fuftas com 
mimos , e o Embaixador de Jaoa , que o 
dia atrás tinha chegado , e com todos fe 
foram a D. Paulo , que recebeo o Embaixa* 
4or com muitas honras > eteve comelle, e 

com 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cai^; XIL éif 

tbtú todos os Capitães muitas defcarga^ dó 
cafo acontecido , mandando-ihes dizer quel 
fe quietaíTem , c fizeflem feguramente fuaí 
faxendas \ porque fe os que tinham a cul^ 
pa daquette negocio eile o vieíTe a íabcr^ 
que lhe affirmava os caftigaria muito rija^ 
mente. Os Jaós lhe refpondêrara mais def» 
aliyados do que chegaram ; e elle conti-» 
nuou, dizendo, que bem viam que o ímpeto 
dos Toldados não havia poder nenhum Ca^ 
pitão prover j e que não feria polEvel po-* 
der averiguar quem tivera a culpa da-» 
quelle cafo , pelo que melhor feria diílimu^ 
lallo, eque lhe não pezava fenâo dos que 
morreram fem culpa*) mas queniflb já não 
havia que fazer. O Embaixador lhe man-* 
dou dizer , que elle vinha tratar negociou 
com elle , e com o Capitão da Fortaleza^ 
que depois o faria de vagar: que lhe déffe 
licença pêra fe recolher; e que lhe certifi-* 
cava que nenhum pejo lhe ficava pefa dei- 
xar de o fazer, porque as coufas acciden- 
taes não eítavam na mão do homem, qud 
elle faria logo defembarcar as fazendas aoà 
juncos, e que fe não trataflfe mais do paí» 
fado. D. Paulo o abraçou, e quietou a to^ 
dos , e os defpedio pêra feus juncos , e el« 
les começaram a defembarcar ás fazendas. 

Efte negocio como fuccedeo na Forta- 
leza entre os foldado$ de D. António ^ fou» 

Rx ii be« 



Digitized by VjOOQIC 



éiS ÁSIA DE Diogo de Covro 

Iteram poucos o como paíTou , antes por cu* 
brirem a força que o morto fizera ao Jao , 
4eitáram fama que elle fe fizera Amouco 

Í)era matar a D. António , e que dera no 
eu Veador ^ oue tinha muito boa peflba , 
cuidando fer eíle , e aílim ficaram muitos 
crendo , e aífirmando que o Rajale o man- 
dava matar de efcandalizado delle. PaíTa- 
da efta revolta , pedio a Cidade a D. Pau- 
lo que mxmdaíTe alguns navios aos eftreitos 
de oincapura , e Sabão pêra favorecerem 
os juncos dos Jaós, que começaram a vir, 
porque a Armada do Rajale lhe nâo impe- 
diíle apaíTagem : pelo que elle mandou feu 
irmão D. Pedro de Lima com duas Galés, 
elle em huma , e Sebaítião de Miranda na 
outra , e féis fuftas , de que tinha provido 
novos Capitães, porque tinha traçaaos mui- 
tos , e melhorados alguns , como Francifco 
de Soufa pêra a Galeaça , que vagou por 
morte de D. Manoel de Almada , e a feu 
irmão D. Pedro a Galé de D. Bernardo; 
e nas fuftas que eftes deixaram , Martim 
AíFonfo de Mello, e Francifco de Miran- 
da, filho de Martim Atfbnfo de Miranda, 
que tinha ido por foldado. Com efta Ar- 
mada partio D. Pedro a 15^. de Outubro; 
c em entrando emjor, achou ainda tudo af- 
folado , como deixaram , e no rio tomou hu- 
ma embarcado pequena com alguma gen- 
te. 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XII. €tp 

te ', da qual foube aue efperava ao outro 
dia por ÈlRey lá pelo rio aí&ma em hum 
certo lugar , onde eítava aíTentado fazer hu- 
ma nova Cidade pêra a traçar , e começar. 
D.Pedro defejou de haver ÉlRey ás mãos: 
foi*fe pelo rio aílima , levando os homens 

Íiue tomara por guia , e por elle encontrou 
ete navios , de que era Capitão Mór hum 
Malaio , chamado Queinadáo , homem 
principal entre eiles , o qual levava aíHm 
fua mulher, e filhos; ecommettidas asfuf- 
tas , tiveram com elle huma arrazoada ba«* 
talha ; e por fim o renderam , e o tomaram , 
fem lhe efcapar peflba alguma , e com efta 
preza fe fizeram na volta deBintão, e deí^ 
embarcaram naquella Cidade , por fer do 
Rajale ; e como todos os feus moradores 
eftavam amedrontados do caftigo dejor^ 
vendo a Armada , deípejáram.a Cidade, 
e fe mettêram nos matos. Os noífos nâo 
achando refiftencia , lhe puzeram fogo , e a 
abrazáram; e paflando-fe ao eftreito de Sa- 
bão , andaram por elle todo o mez de No- 
vembro , dando em muitas povoações que 
deftruíram , e alToláram , e cativaram mui- 
ta gente, e tomaram boas prezas, e fizeram 
arribar a Malaca todos os jupcos que alU 
foram ter ; e acabado o tempo do íeu pro- 
vimento , fe recolheram pêra Malaca. D. 
Paulo em quanto eftas coufas paflavam , pa* 

re- 



Digitized by VjOOQIC 



0y^ ÁSIA DE DroGo de Couto 

feceo-lhe bem mandar avifar ao Vifo-Rcy 
4a mercê que Deos lhe fizera, porque ha- 
via o Eftado da índia eftar dependurado do 
fucceflo daquella jornada , e elegeo pêra 
iíTo Simão de Abreu de Mello , pelo qual 
efcreveo ao Vifo-Rey , e á Cidade de Goa 
breves cartas das grandes mercês que noA 
ib Senhor fizera , portando<-fe em todas as 
coufas que fuccedéram ao mefmo Simão de 
Abreu , como homem que fe achou nellas , 
€ em todas teve tamanno quinhão , o qual 
foi oa Tua Galeota com trinta e três folda« 
4os, pedindo^lhe D.Paulo muito fe apref- 
íalTe pêra tomar as náos do Reyno em Co- 
diim , pêra repartir por ellas as vias que 
efcrevia a ElRey , e na entrada de Dezem* 
bro fe fe?; á véU > e foi feguindo fua via* 
^^m , a quo logo tornaremos. 

E porque a náo do Reyno , de que era 
Capitão Francifco de grito do Rio , havia 
^e tomar a carga, fe a houveíle, determi^ 
jK>u O.Paulo de mandar a ElRey algumas 
pc^as de artilheria de bronze mui grandes^ 
ç lermofas , das que tomou em Jor , pêra 
qiAe vilTem na Europa que não peleijam os 
rortuguezçs neíles LlUdos da índia contra 
g-entç falvagem , e com páos , e pedras , fe- 
nlio com outras tão politicas como todas ^ 
ç contra tão fiiriofos , e medonhos bafilif- 
ÇQ9 y ç c^Qes ^ reforços coiuo todos os 

da 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XII. ' 63 í 

da Europa. A' náo do Reyno foMhe fal* 
tando a carga ; e porque não fe efperava 
poder já vir de fóra , aíTen taram os Con* 
tratadores delia com o Bifpo , e Veador 
da Fazenda de ficar alli invernando pêra 
fahir no anno feguinte. 

Simão de Abreu de Mello partio de 
Malaca , e em finco dias foi tomar as llhaá 
de Nicubar, e alli fegurou a Lua cheia, e 
fez aguada ; e tomando feu caminho , foi 
feguindo fua derrota ; mas como o tempo 
era ainda muito rerde y acharam tamanhos 
contraftes , que eftiveram muitas vezes per- 
didos , e alagados , e fete dias continuei 
paíTáram muitos tormentos tamanhos , qutf 
não havia quem fe lembraíTe já mais que 
de Deos y nem comiam fenão alguma cour 
fa pouca ; e como homens areados , e que 
já não faziam conta de fi , hiam cada hora 
efperando que a Galeota fe fubmergiíFe; 6 
indo affim nefte tranfe , e defconfianças ,' 
vefpera de Natal ás onze horas do dia vi- 
ram terra, a qual o Piloto cuidou fer Ne^ 
gapatâo y com que fe fazia , e aílim a fo- 
ram demandar , porque hiam em eftado 
que houveram que mais feguro Ihéá era 
vararem em qualquer que foífe, que paífa- 
rem avante; e pondo a proa em terra, fo-í. 
ram encalhar nella com mares tão^ groíTos ; 
que na praia o rolo da agua os encapelou 

lo- 



Digitized by VjOOQIC 



'63S ÁSIA z>E Dioào DE Couto 

logo y e as ondas deram com os que tive^ 
ram mais acordo em terra , onde fe hoo* 
veram de efpedaçar, e outros de eícorçoa- 
dos nâo fouberam falvar-fe , e aífim fe per* 
deram dez Toldados com alguns moços. 
Poftos os mais em terra , ajuntando-ie 
com os marinheiros , que eram quarenta , 
todos huns , e outros nâs , e delpidos ^ e 
fem terem que comer , começaram a cami^ 
jihar de longo do mar , cuidando que hiam 
pêra Negapatão » conforme ao ponto do 
filoto ) e toda aquella noite nâo defcan^ 
çáram, e fempre caminharam ; e amanhe^ 
cendo , acharam alguns negros y de quem 
tomaram falia , e fouberam eftar no Reyno 
de Jafanapatâo no Cabo da Ilha de Ceilão , 
porque fe perderam finco léguas . de Trin^- 
quimalp pêra Jafanapatâo; e fe adim como 
tomaram eftas finco diante , as tomaram 
atrás , não efca paria huma íó pefiba , por- 
que tudo aquillo çra do fenhorlo do Rajii; 
e dando graças a Deos pelos livrar das 
mãos daquelle tyranno, foram caminhando 
cora muito trabalho nus , e defpedidos , 
porque o melhor negociado era Simão de 
Abreu , que a huma eíteira velha que achou 
lhe fez huni buraco no meio y e a metteo 
pela cabeça» fícando-lhe pomo fambenito , 
e em todo eíbe tempo não comeram mais 
%^ç feçrvas , ftiitas da i»4tç , fçpa. íerpm 



Digitized by VjOOQIC 



Década X Caf. XIL ' 63^ 

jmais gazalhado pêra repoufarem que ocatn-« 
po , e a terra enfopada de muita agua , que 
cada dia chovia , com o que hiam todos 
^-ão debilitados , que fenâo fora o animo ^ 
e natureza de Simão de Abreu , os mais 
dclles pereceram por aquelle caminha, por- 
que aífim acudia aos trabalhos de cada hum ^ 
como fe elle não os paíTára também , es« 
forçando^os , animando^s , e ajudando^os 
tanto , que cabindo^-lhe hum comnanheiro 
de já não poder comíigo , pedindo4he com 
as máos erguidas que o deixaíTe ficar , lhe 
ordenou huma padiola de quatro páos atra* 
veílados > e pedio aos marinheiros que o 
levaíTem , c elle foi o primeiro que ferroa 
delia , e a tomou aos hombros. O que deo 
muito trabalho a cftes perdidos , foram 
muitas , .e grandes alagôas , que atraveâ^^r 
ram , que os detiveram muito , e ainda a& 
iim hum dia lhe ficou atrás , como já moi^. 
to , hum foldado , que alli levava num ir- 
mão, que também não podia comfigo : o 
que íabido por Simão de Abreu , fez parac 
todos , e voltou elle fó com alguns mari^ 
jiheiros , e o confolou, e confortou, lenn 
brando-lhe fe encommendaíTe a Deos , e 
aífim o fez levan PaíTados oito dias deíla 
defconfolação , chegaram a humas aldeias, 
pnde os naturaes os detiveram , e os trata- 
ram btm^ e mandaram recado a Eifley d« 

Ja- 



Digitized hy \jOOQvC 



6f4 ÂSIÃ DB Diogo ms Couro 

Jafaoapatão , que logo mandoa por elles, 
c os recebeo mui humanamente , mandan- 
do-os prover de tudo em muita abaftança; 
e depois de cobrarem alento , fe foram pê- 
ra Manar ; e João de Mello , que era Ca- 
pitão y lhe deo hum navio , em que íe fo- 
ram pêra Cochim , e chegaram áquclia Ci- 
dade a 8. de Janeiro , onde ainda citavam 
fl9 náos do Reyno , e nellas eícreveo a EI- 
Rey o fucceíTo de Jor, e de fua perdição , 
e o mefmo fez o Capitão daquella Cidade, 
dizendo^Jhe o mefmo em fuás cartas , das 

3uaes elle depois teve refpofta , porque to* 
as as náos chegaram ao Reyno a falva- 
mentó. ElRey eftimou muito as novas do 
deísbarato , e deftruicão de Jor, e agrade- 
ceo a P. Paulo aquefle ferviço nas primei- 
ras náos com honras , e mercês , e. lhe man- 
dou, a Capitania de Malaca ^ e huma via- 
gem da Cnina. Simão de Abreu de Mello, 
depois de dar as cartas pêra o Reyno , 
partio-fe pêra Goa , e deo ao Vilb-Rey , e 
á. Cidade as novas da viéloria , com que 
Q yiío-Rey , e todos fe fobrefaltáram pe- 
los receios com que eftavam : e logo fe 
ordenaram grandes feftas , e houve muitos 
repiques y e alvoroços , e o Vifo-^Rcy diífe 
á Cidade que preparaíTe hum grande rece- 
bimento a D. Paulo y e que fe lhe fizeíFe 
SUdo quanto foíFe poÉvel y tirando recebei- 
lo 



Digitized by VjOOQIC 



f DtcADAcX. Caf. Xtr. K^^ 

Io com Pállio, que cra do Vifo-Rey; nua 
que tudo o mais íe lhe preparafTe da mae* 
neira aue a Cidade quizeíie. Com eftas boas 
novas hcou o Vifo-Rey defalivado pêra acu*- 
dir melhor ás coufas de Ceilão : logo mani- 
dou dar prefla á Armada de Manoel de 
Soufa , que havia de ir de foccorro. 

CAPITULO xni. 

Das coufas que nejle tempo aconteceram em 
Columbo : e dos ajf altos que o Rajú 
deo áquella Fortaleza : e do que 
nellefuccedeo.. . . 

ENtendendo João Corrêa de Brito que 
o Kajú fentia o pouco que tinha feito 
naquclle cerco , e o grande damno que ti-* 
nha recebido dos noflbs , tratou de o aca^ 
bar de quebrantar , e. de o pôr emdefefpe^ 
ração com lhe fazer guerra por todos os 
feus portos , pêra o que maindou a Tho^ 
mé de Soufa de Arronches com féis navios, 
€ quatro tones, que foífe da ponta de Ga*- 
le pêra fora , e deílruiOfe toda a cofta da 
outra banda , fem deixar nada em pc. O 
Capitães que o acompanharam nos navios 
foram Diogo Alvares , fcu içfnão , Diogo 
Gonfalves , Miguel Ferreira Baracho , Bel- 
fhioiRebeUo, e André Botelho. Hiam ne£. 

tes 



Digitized by VjOOQIC 



ííjí ASIA DE Diogo db Côuroí 

tes íeis líavios cento c dex Portuguezes, c 
nos tones feflenta Lafcarins, e era Capitão 
delles Diogo Pereira Arache. Deita Arma- 
da foi logo avifado o Rajú ; e receando-le 
que lhe fízeíTe por feus portos grandes da- 
mnos , e também porque na verdade efia?! 
enfadado da guerra , quiz apalpar o Cap 
tâo por ver íe lhe commettia pazes , dele- 
jando-as. elle muito ; e como eftes Gentios 
todos vivem de opinião, havendo que era 
squebrafua, entrando nòfeu arraial Binbai- 
xadores de alguns Reis feus amigos , com 
os quaes defejava de fuftentar feu credito > 
fem dar conta do que determinava , fenáo 
a huma peíToa , de que não havia de fahir 
rO' fegrèdo daquelle negocio , mandou por 
•ella lançar algumas olas na Fortaleza com 
frechas y nas quaes pedia ao Capitão lhe man- 
<laíre Jeronymo Bayão , porque tinha nego- 
cio de importância que tratar com elle. Vir 
to tratou nefte fegredo , porque fe lhe o 
Capitão mandaife efte homem fazer crer 
aos Embaixadores , que elle lhe mandou 
•pedir pazes , e lhe pedia mifericordia ; e 
íe o Capitão deizaíTe de a fazer , por alli 
fe abriria caminho pêra iíTo. Eftas olas fo- 
ram achadas , e levadas a João Corrêa, 
o qual não deixou de entender a invenção 
^o Kajú , e pelo quebrantar lhe não re- 
Xpondeò a propoíito : do que elle afirontado, 

de- 



Digitized by VjOOQIC 



Dbcada X. Caf. XIIL 637 

determinou dar hum aíTalto geral á Forta* 
leza , pêra o qual fez preftes todo o feu 
poder , c mettco todo o cabedal aue po- 
de , e aos 10. dias de Janeiro deite anno 
de 588. em que com o favor Divino en- 
tramos , no quarto da Lua appareceo em 
muito filencjo fobre a nofla Fortaleza , e 
a rodeou toda , tendo repartido os baluartes , 
e eftancias pelos feus Modeliares , que já 
fabiam as partes que haviam de commet-^ 
ter ; e aílim a hum mefmo tempo chegaram a 
encoftar as efcadas nelias , porque a intenção 
do Kajú foi ver fe achavam os feus alguma 
eftancia tão defapercebida , que pudeíTem 
por ella entrar a Fortaleza : e illo fe fez 
com tão pouco rumor , que não foram fen- 
tidos , íenão quando já fubiam pelas efca- 
das, epela parte em que fe fentiram, que 
foi na eftancia de João Caiado no Baluarte 
Santo Eftevão , e na couraça, onde eftava 
D. Luiz Mafcarenhas. Eftes efpertando, to- 
maram as armas , e acudiram á defensão 
atempo que já os inimigos lhes tinham lan- 
çado dentro algumas panellas de pólvora : 
e bem o pagaram , porque eftes Capitães 
os efcandalizáram , e lhes fizeram perder a 
vida a muitos , e o orgulho aos mais : pe- 
las outras partes por onde também foram 
fentidos, acharam já os noflbs com as ar- 
mas nas mãos pêra lhes çmpecerem. A re-^ 

Yol- 



Digitized by VjOOQIC 



6^% ÁSIA DE Diogo de Coxrra 

Tolta ouvio4e logo por toda a Fortaleza i 
e acudio o Capitão ao balaarte Madre de 
Deos pêra daiU prover a tudo ; e Bemaf 
dim de Carvalho com íeus foldados foram 
acudindo ás partes que lhe pareceram mais 
fieceíTarias y e o meímo fez Nuno Alvares de 
Atougula , e aíEm fizeram os nofibs íentir 
aos inimigos aquelle atrevimento , que a 

Eoucos golpes os lançaram das eícadas a^ 
aixo feitos pedaços, e tão efcandalizados 
todos , que não oufáram a commetter a íih 
kida , e fe recolheram , deixando muitas 
mortos, eabrazados aos pés dos baluartes^ 
e eftancias. O Rajú fentio muito ifto , e 
determinou de bater a Fortaleza ^ e demn 
bar os muros todos em baixo, pêra o que 
mandou trazer muitas peças de artilheria 
de bronze, e algumas que lançavam pelou* 
ros de ferro coado de quarenta e quatro 
arráteis *, e aíleftando^as contra o baluarte 
Sk Gonçalo , e S. Miguel , os começou a 
bater com grande iliria por três dias conti^ 
nuo8 , fem fazer mais que derrubar todo o 
teélo do baJuartc S. Gonçalo. Efta tormen- 
ta metteo medo á gente mefquinha , que 
nunca tinha viílo outro tal terremoto, roi 
efte derradeiro dia da bateria aos 15'. de 
Janeiro, e até 27. fe preparou pêra dar ou- 
tro geral aíTalto , no qual determinava met- 
ter todo o poder : e aífim aquelle dia ao 

quarr 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XIII. 6^^ 

^arto d' alva mandou commetter os balu* 
artes S. Gonçalo , e S. Miguel pela parte de 
Mapano , «e os mais pelas outras partes: 
efta arremettida foi de grande determinação ^ 
e com tamanhos terremotos , alaridos , e 
alvoroços dos elefantes , que parecia que 
fe aíTolava o Mundo. Os Capitães das eftan* 
cias em fentindo o eftrepito y logo fe pu<« 
zeram com as armas nas mãos pêra rece« 
berem os inimigos. Os elefantes chegaram 
aos muros do baluarte S. Gonfalo , que eram 
de taipa , e lhe lançaram as trombas pêra 
o derrubarem ; mas os noíFos arremeçaram 
fobre elles tanto fogo que os fizeram aífaf- 
tar. No baluarte S. SebaíBâo foi o coiih 
mettimento maior, porque o tomou á fua 
conta o Capitão da Atapeta , ou guarda 
de ElRey , com toda a gente de fua obri- 
gação y que era efcolhida y e com as bandei- 
ras do Rajú. Aqui foi o trabalho grande , 
porque os noíTos Lafcarins em vendo junta 
do baluarte aquellas bandeiras , e divifas, 
logo efcorçoárão , e fe foram recolhendo. 
A^quella hora aportou por lá Nuno Alvares 
de Atouguia com os feus foldados; e ven- 
do aaífronta em que aquelle baluarte efta- 
va , metteo-fe nelle , e o fegurou , pelei- 
jando com muito valor , e esforçando a to- 
dos a fazerem o mefmo. O Capitão da For^ 
taleza trazia os Capitães das roídas repara 

tir 



Digitized by VjOOQIC 



640 ÁSIA DB Díodo DE Cotra 

tidos por todas as partes pêra o a^iíareot 
do que paíTava ; e a tudo o de que era 
avifado provia logo com muito cuidado^ 
3ernardim de Carvalho 5 e João Caiado de 
Gamboa com todos os Fidalgos , e Capi- 
tães que com elle foram , acudiram a ieus 
lugares os que os tinham , e os outros aon« 
de fentíram mór neceíTidade. No baluarte 
S. Gonfalo fe peleijava mui apreíTadamen- 
te , porque carregava alli o poder dos ini- 
migos , e dos elefantes j e quiz Deos que 
diiparaflem hum falcão do baluarte , que 
foi tão bem encaminhado, que matou três 
elefantes , e ferio féis muito mal , porque 
levava hum cartuxo de feixos , de forte 
que em todas as partes efcandalizáram os 
inimigos , aílim com armas , como com o 
fogo , de feição que já de vergonha , e te- 
mor do Rajú fe não aífaftavam do baluar^ 
te Sant-Iago , de que era Capitão António 
Guerreiro ; e no rebelim , que eftava íbbre 
a ponta y em que eftava raulo Pimenta, 
houve mui grande prcíTa, porque carrega- 
ram alli alguns Modeliares com groíTo po- 
der ; mas elles fe defenderam muito vale- 
rofamente , pofto que o rebelim eftava em 
grande aperto , e correo a fama que entra- 
ram por elle os inimigos , a que acudio D. 
Gilianes de Noronha com osíeus foldados, 
e pozrfe fobre as portas ^ por eftarem nel^ 



h 



Digitized by VjOOQIC 



Décaba JC, Cap* XIII; «41 

la algunis elefantes , pondo-Ihes as teílas 

f^era as lançarem dentro^ e com lanças de 
ogo os abrazáram os noíTos , e os fizeram 
affaílar , e virar fobre os feus , que foraiA 
atropelaíido com a dor do fogo i e por não 
particularizarmos tantas coufas , nem no-> 
mearmos particularitiente todos os Capi- 
tães ) fi foldados , que fizeram feitos heroi^ 
cos , porque todos fizeram tanto , que havia 

5[ueelcrever Ij^m delles , paíTaremos porif- 
o > porque a gloria foi de todos , e todos^ 
fizeram tanto y que depois da batalha durar 
mais de duas horas , fizeram affaftar os 
inimigos perdidos , desbaratados ; e como 
a manhã efclareceO) de todo viram os nof* 
íbs o campo todo juncado de corpos mor^ 
tos > e fe affirmou ferem perto de mil os 
que fe perderam na batalha , a fora os fe- 
ridos ^ íjue haviam de fer muitos. AfFafta- 
dos os inimigos , mandou o Capitão em- 
bandeirar os baluartes todos , e diíparar a 
artilheria , e repicar os finos em íinal da 
vidloria , porque fó hum homem perdeo. 
Com ifto ficou o Rajú de todo defefpera- 
<lo , e houve que os Ídolos eílavam oiFeU'* 
didos delle: e logo tanto que amanheceo^ 
acharam os noíTos dentro na Cidade , e em 
fima das cafas grande quantidade de panei» 
las com os murrôes accftos , fem fe que- 
brarem com darem no chão duro > o que 
Cêuto.Tom.VI.P.Ii. Ss íb 



Digitized by VjOOQIC 



64± ÁSIA DE Diogo de Couto 

fe notou a milagre : e íiffim por iíTo , como 
pela viftoria , foram todos dar muitas gra- 
ças a noíTo Senhor. 

CAPITULO XIV. 

Das coufas em que D. Paulo proroeo em 
Malaca antes de fe partir pêra Goai e 
de cemo ú Vifthlíey mandou Manoel de 
Súufa a Ceilão : e do que fez Tbomé de 
Saufa de Arronches nas povoações do Ra- 
jíí. 

PElas náos que partiram de Goa em fim 
de Setembro paíTado , como já diíTe- 
mos , que chegaram a Malaca entrada de 
Novembro , teve D. Paulo de Lima cartas 
do Vifo-Rey , em que lhe pedia fe apreíTaf- 
fe , e defembaraçaiTe das coufas daquella 
Fortaleza o mais de preífa que pudelfe , 
t Que com toda a fua Armada foffe tomar 
Columbo, pêra com o Capitão da Cidade, 
t com o que mandafle a íbccorro , darem 
nos inimigos , e que em Columbo acharia 
largos regimentos do que havia de fazer. 
Chegada a monção , foi D. Paulo concluin- 
do as cfoufas daquella Fortaleza , principal- 
mente ha Armada que havia de deixar em 
guarda daquelles ^ítreitos , de que a rogo 
ãà Qdade ^ e do Bifpo ^ que tinna elegido 

por 



Digitized by VjOOQIC 



Dêcaoa X. Ckf, XIV» <4j 

poi* Capitão Mór Francif<ío de Soufa Pc* 
i-cira , liuni Fidalgo Cavallciro da Ordem de 
noflb Senlior Jefu Chrifto , de muito boaí 
qualidades , e que nefta jornada o fez cm 
tudo muito bem, como em algumas partes 
temos dito , ao qual deo a Galé , que fora 
de Mattheus Pereira , e deixou mais féis 
navios com munições , foldados , e Capi- 
tães que ao diante nomearemos ; e dando 
expediente a todos os mais negócios, deí^ 
pedio-fe da Cidade a 24. de Janeiro , em 
que andamos , e fe fez á vela , dando por 
Regimento a todos os Capitães de fua Ar-» 
mada, que fe apartaíTem delle, e o foflem 
efperar a Columbo > aonde havia de ir, pof 
lho mandar aífim o Vifo-Rev, e foram fe- 
guindo fua viagem , da qual adiante dare- 
mos razão }5or tornarmos áscoufas de Goa» 
Sendo recolhido Manoel de Soufa Cou- 
tinho da Cofta do Norte, como diífemos, 
logo o armou o Vifo-Rey pêra ir de foc- 
corro a Ceilão > e o defpedio com largos 
Regimentos que lhe deo , e o principal 
era , que tanto que chegafle a Columbo ^ 
efperaíle pela Armada de Malaca pêra com 
o Capitão da Cidade , e com D. Paulo de 
Lima , de cujo entendimento , c esforço , 
e boa fortuna tinha -grande confiança , da- 
rem no inimigo, edefcercarem aquella Ci- 
dade ^ fem haver entre elles precedência 
Ss li ne« 



Digitized by VjOOQIC 



^44 ÁSIA DE Diogo de Covr9 

nenhuma , guardando-fe todos os decoros 

3ue fe deviam , a hum por Capitão Mor 
aqueile foccorro , .e o outro por Capitão 
daquella Gdade ^ o que tudo deixava na 
prudência delles , porque de outra manei- 
ra perdia-fe huma tamanha occaiiao, como 
a que fe efperava daquella jornada y em 
que eftava o remédio daquella Fortaleza^ 
e de toda a índia. Preftes , e negociado 
tudo , foi o Vifo-Rey fazer Manoel de 
Soufa á véla aos 4. de Fevereiro com duas 
Galés, huma em que hia o Capitão Mór, 
e na outra D. Jeronymo de Azevedo , c 
dezefeis fuftas , de que eram Capitães Dio- 
go de Soufa , Clemente de Aguiar ^ Am- 
broíio Leitão , Nuno Alvares rereira , Si- 
mão Rolim y Fradique Carneiro , Manoel 
de Macedo , Simão Brandão , Pedro Vello- 
fo y João de Soufa , Manoel Cabral da Vei- 

fa , Miguel da Maia , e Manoel Froes , 
rancifco Martins Marinho, Gonfalo Fer- 
nandes Coutinho , D- Filippe Príncipe de 
Cândia : iriam em todos eítes navios feis- 
çentos homens , toda foldadefca efcolhida 
da índia , e muitos mancebos Fidalgos rei- 
noes. Dada á véla , foram feguindo fua jor- 
nada com bom tempo , na qual es deixa- 
mos por continuarmos com outra coufa. 

Partido Thomé de Soufa d' Arronches 
4e Columbo com os feus navios , e quatro 

to- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X* Cat; XIV* 645* 

^oncs pêra fazer toda a guerra que podeí^ 
fe por toda a Cofta de Ceilão , o primei-* 
ro lugar em que defembarcou, foi em hum 
chamado Cofcore , o qual queimaram y e 
cativaram onze peflbas , entre as quaes foi 
hdma moça Chingala , cafada de douco ; e 
depois de deixarem tudo feito , le embar- 
cáram. Eítando pêra fe aífaftar , chegou 
muito apreíTado hum homem Chingala ro- 
bufto y e que parecia montezinho , e fem 
efperar nada, fe metteo em hum daquelies 
navios , em que aquella Chingala eftava^ 
e remettendo a ella y fe abraçaram com 
grandes lagrimas y e pranto , ao que acu-» 
dio o Capitão do navio ; e perguntando 
o que aquillo era , lhe diíTe hum que falia- 
ya a lingua , que aquelle homem era mari- 
do daquella mulher , e que não eftava na 
aldeia quando a cativaram ; e que acudin- 
do a ella, fabendo que os Portuguezes lhe 
levavam a mulher , arremetteo como dou- 
do ás embarcações y e metteo-fe naquella, 
em que a vio , e com ella fez fuás fauda-» 
des. O Capitão do navio contou a Tho-» 
mé de Soufa , o qual como era notável y o 
foi ver com feu olho , e achou-os ambos 
aíFerrados a dizerem laftimas ; e pergun- 
tando a hum Chriftão Chingala , que os ef- 
tava ouvindo , o que aquillo era , e ò que 
lhe dizia , lhe dille elle , que em chegan^ 

do 



Digitized by VjOOQIC 



6^6 ÁSIA DE Diogo de Couto 

do aqucUc; homem a fua mulher ^ fe aíFer- 
rara daquellc modo com ella , e lhe dil^ 
fera eílas palavras : » Nunca Deos oueira 

> que vindo vós cativa , fique cu livre, 
^ mas que ambos tenhamos huma rocfma 

> fortuna : fede vós cativa dos Portugue- 

> ZC8 , e eu cativo volfo , e por amor de 
H vós , porque aflim fera o cativeiro de 

> ambos mais fofFrivel , porque o amor 

> nos aliviará os trabalhos delle; » c que 
ella com muitas lagrimas lhe refpondeo: 

> Agora que vejo iíto, me tenho pela mais 

> ditofa de todas as Chíngalas : puzeftes 
) hoje huma coroa em vós , c em mim hu' 

> ma braga muito forte de amor , ç leal- 

> dade , que em quanto viver , me terá 

> preza. » Thomé de Soufa ficou interne^ 
çido do .que lhe o Lingua diíTe que lhes 
ouvira f e em vor que cftavam eftes dous 
amantes tâo embebidos em fuás faudades, 

3ue nem viam o Capitão Mór , nem lhe 
ava nada delle ; e admirado o Capitão da« 
quella firmeza ^ e çonilancia de amor da-* 
queUes dous bárbaros ; e entendendo bera 
oue aquillo nao o fazia fazer qualquer amor , 
fen^o huma força mui grande delle , que 
era o que fazia a hum livre por fua pró- 
pria vontade oíFerecer-fe ao cativeiro , mo- 
vido a piedade daquelle aílo , os fez ale- 
vantarí e tomando-os peias mâos^ Ihesmaa^ 

dou 



Digitized by VjOOQIC 



Década X, Cap. XIV. (S47 

dou dizer : Tè Que nunca Deos quizeíTe 

> aue dous tão bons ca fados , e que tanto 
21 le amavam , foíTem já mais apartados, 
)i nem. tiveíTem mór cativeiro q\ie a obrir 
» gaçâo em Que o amor os tinha poílo; 

> que elle os libertava , que fefoíTem mui-^ 

> to embora , c viveflem em quanto Deos 
y^ quizefle naquella conformidade : e elieg 
» entendendo pelo Lingua aquillo , Jlan^^ 
3» ram-fe-lhe aos pés , e lhe diíTeram , aue 
» já que elle ufava com clles aqtielia hu- 

> manidade, que também fe náo queriam 
9 moftrar ingratos a tamanha oíercê : que 
^ elles de fuás próprias vontades íe que- 

> riam ir viver a Columbo , pêra ambos 
}» o fervirem lá , e dahi a toda a parte aon- 
3» de mais fofle, ]i Ò Capitão o mandou 
ficar no navio , e encommendou muito ao 
Capitão delle os trataífe bem , e depois fe 
fervio do marido de efpia , em que fem^ 
pre o achou muito fiel , aíBm em quanto 
aili efteve , como depois em Columbo > on- 
de fempre viveo. 

Agora fabulem os Poetas quanto quir 
zerem pêra moftrar ao mundo as grande? 
provas de amor que muitos fizeram , porr 
que eftes dous bárbaros pafláram por cur 
do quanto elles pintaram ^ e por quantos 
jnetteram no inferno, penando por amor: 
e o cafo quando no-lo coatárasn nof caur 

íou 



Digitized by VjOOQIC 



648 ÁSIA DC Dioeo de Coxrro 

íbu tamanha inveja ; e ainda depois quan- 
do ido efcrevemos, a lingua emcnudeceo, 
a penna fe encolheo , e o entendimento fe 
embaraçou pêra o não podermos realçar 
tom aquella gravidade , e eftilo que tama- 
nho, e tão defufado amor merece: e afltm 
deixamos pêra os tocados de amor fabe* 
rem melhor feijtir ifto , do que nós eíçre* 
vello, 

CJVP I TU L O XV. 

Dos grandes ajf altos que Tbomé de Souja 
mais deo por aquella Cojla : e de como 
dejlruio a Cidade , e Pagode de Tan^ 
íuarem^ 

PArtfflo Thomé de Soufa de Arronches 
defte lugar de Cofcore , foi dar em ou- 
tro mais abaixo defte chamado de Mada*- 
ma , o qual deftruio , e poz a fogo , e a 
ferro , e lhe queimpy dous Pagodes que ti- 
nha de muitas romagens entre elles. Daqui 
yoltou pêra Gale , e defembarcou em hum 
lugar chamado Guidurem no quarto da ma^ 
don-a pêra dar em Gale , que he povoação 
principal do Rajú, e dalli defpedio feu in- 
mão Rodrigo Alvares , Diogo Gonfalves, 
Miguel Ferreira com oitenta foldados , e 
çQiP elles o Arache Domingos Pereira com 

Íeu8 



Digitized by VjOOQIC 



Dkcada X. Caf. 3CV- 649 

leus Lafcarins , e lhes mandou fe foíTem 
embrenhar junto do forte de Gale ; e que 
como ouviíTem hum ílnal > que lhes elle 
havia de fazer do mar , commetteíTem o 
Forte. Eftes Capitães foram guiados pof 
dous efpias que tomaram , os quaes leva- 
vam amarrados ; e antes de chegarem ao 
forte, embrenháram-fe , e fe deixaram eftar 
a muito íilencio. Thomé de Soufa foi-fe 
logo com fua Armada lançar fobre a pon- 
ta de Gale; e hum pouco antes da manha 
romper , defembarcou em terra com toda 
a mais gente que levava , e fez final com 
algumas bombardadas aos que eftavam em- 
brenhados , os quaes em ouvindo o final ^ 
commettêram a tranqueira pela banda do 
Certão, e Thomé de Soufa commetteo ou» 
tra, porque as tranqueiras são como dous 
baluartes , que fe correm de*hum ao outro ; 
c tomando os inimigos de fobrefalto , pol^ 
to que achavam nelles grande refiílencia , as 
tranqueiras foram entradas , e muitos dos 
inimigos mortos , e todos os mais fugiram 
por onde puderam , ficando as tranqueiras 
em mãos aos noflbs , que fe deixaram ficar 
nellas três dias , nos quaes queimaram a 
)ovoaçao, que era muito grande, na qual' 
!iavia alguns armazéns de fazendas: e aíCm 
ihes cortaram todas as hortas, e palmares 
ijue tinha por derredor , e todas as embar- 

ca- 



Digitized by VjOOQIC 



íjò ÁSIA DE Diogo de 0)ut<^ 

caçoes que eftavam varadas , deixando tudo 
deftruido , feito em pó , e cinza , desfizeram 
as tranqueiras, e as queimaram, c fe reco- 
lheram ás embarcações carregados de pre- 
zas; o que tudo fizeram fem lhes cu^ar mais 
que algumas feridas. E poraue determinou 
o Capitão Mór de dar na Cidade de Beli- 
gào , que he dalli quatro léguas , mandou 
Miguel Ferreira com feus foldados , e os 
Araches com feus Lafcarins que foífem dal* 
li de Gale por terra do longo da agua fem- 

Í>re á vifta dos navios ; e Thomé de Soufa 
bi feguindo a ribeira ató chegarem á Ci- 
dade no quarto d' alva ; e commettendo-a 
os que hiam por terra, e Thomé de Soufa, 
<jue logo defembarcou pela face da praia, 
t tomando os inimigos defcuidados , foi a 
Cidade entrada , e poíla a fogo logo , por- 
que não fe embaraçaíTem os noífos , o qual 
confuraia a mór parte delia , e feus mora- 
dores defprczáram , e fugiram pêra o Cer- 
tão. Alli ficaram os noífos aqueíle dia dan- 
do bufca na Cidade, na qual acharam algu- 
mas prezas. De noite mandou Thomé de 
Soufa ao mefmo Miguel Ferreira que foíTe 
no feu navio pelo rio allima , e déífe de 
noite em huma povoação , pêra onde fe re- 
colheram os que efcapáram de Bélico. 
Chegado Miguel Ferreira , foi pêra com- 
metter j mas coiiK) eftavam já fobre aviíb , 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XV. 6ft 

è alli havia alguns Mouros , achou tal rcr 
íiílencia de bom bardadas , e elpingardadas » 
que lhe foi forçado recolher-íe á Armada* 
Thomé de Souía foi ao outro dia com to- 
da ella pelo rioalfima, e no quarto d^alva 
commerteo a dcfembarcação , dando a di* 
anteira a feu iimão Rodrigo Alvares , e 
aos Araches ; e poftos em terra , ainda que 
houve muitas bombardadas , commettêram* 
huma tranqueira , oue tinha á entrada da 
povoação , na qual eftavam os Mouros ; 
mas os noíTos ás efpingardadas , e cutila* 
das a entraram , e os Mouros íe recolhe* 
ram a huma ponta que faz fobre o rio pê- 
ra defenderem a paUagem aos noflbs, que 
os hiam feguindo , na qual tiveram huma 
briga mui arrazoada , em que foram mui* 
tos dos inimigos mortos^ e a pezar delles 
os lançaram dalli y e lhes ganharam a pon- 
te , e lhes foram feguindo o alcance por ef- 
paço de meia légua. Desbaratados elles de 
todo, entraram os noífos na povoação, na 

?!ual acharam três caias , huma cheia de 
erro, que lançaram no mar, e as outras de 
falitre, e amarras, e cordoalhas, a que tu- 
do puzeram fogo , porque não aproveitai 
fem os inimigos. Aqui eíliveram alguns dias , 
nos quaes deram alguns aíTaltos pelas al- 
deias vizinhas , em que fizeram grandes 
damnos ^ e feito ifto ^ íe paíTáram ao rio d^ 

Me- 



Digitized by VjOOQIC 



<y^ ÁSIA DE Diogo de Còtrro 

Melifeu , que era adiante , no qual defenw 
barcáram , e tomaram huma tranqueira, e 
deram fogo ao lugar, aue fe lhe defpejou 
todo ; e porque a Cidade de Mature , que 
era pelo rio aílima meia légua , e eftava 
muito profpera de Mercadores , e fazen- 
das , quíz dar hum cev^o aos Toldados , e 
hum dia no quarto d' alva a foi commet- 
ter ; e poíto que acharam grande reíiften- 
cia , a entraram com morte de muitos dos 
inimigos , e o Capitão Mór lhe mandou 
pôr togo por algumas partes , no qual fe 
confumio a mór parte , depois dos íblda* 
dos faquearem o que melhor lhes pareceo , 
e dentro nella arderam três Pagodes mui* 
to fermofos , e huma cafa cheia de canei* 
Ia , e cativaram cento e dez peflfoas y e 
queimaram huma embarcação de trezentos 
candís , que eftava no rio. Feito ifto, re- 
colhéram-ie ás embarcações , fem lhes fal« 
tar mais que hum foldado, de que nenhum 
da Armada dava razão , nem fe fabia fe 
o mataram, ou fe ficara mettido pelas ca- 
ias a roubar ; e como os noíTos andavam 
viâoriofos , não queriam que efcapaífe o 
Pagode de Tanaverem meia légua defta 
Cidade , o mais célebre , e de maior roma« 
gem que todos os da Ilha ^ tirando o do 
rico de Adão , o qual na fabrica reprefen- 
tava huma fermofa Cidade, por ter decir- 

cui- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Ca>. XV. 65^5 

tvíito huma arrazoada légua. O corpo àcC- 
te Pagode era mui grande y todo em íima 
da abobada , mui lavrado 9 e á roda mui<- 
tas capelias fermoíiíEmas , e fobre a porta 
principal tinha huma torre muito alta , e 
torte com o telhado todo de cobre dou- 
rado em muitas partes y a qual ficara no 
meio de hum crailo quadrado mui fermo- 
fo j e bem obrado com fuás varandas y e 
eirados y e em cada quadra huma fermofa 
porta pêra a fua ferventia , e toda era á ro^ 
da cheia de alegretes , de boninas y e her« 
vas cheirofas pêra o feu Pagode fe alegrar , 
quando por alli o tiram em procifsão. Tem 
efte Pagode da cerca pêra dentro ruas mui 
fermofas , nas quaes vivem officiaes de to- 
da a mecânica , e a principal delias he de 
mulheres dedicadas ao ferviço do Pagode. 
Pela fumptuofidade defta obra, e pelo qiie 
anda de Doca em boca nos antigos y amr- 
mam fer feita pelos Cherins , e que naquel- 
la Cidade fe apofentou hum Chim , que 
foi fenhor de toda aquella cofia pela banda 
de fora , e aílim o Pagode tem a feição da9 
varellas da China y e por caufa ^ delle he 
efta Cidade muito povoada , e continuada 
de eftrangeiros , pelo que prefumíram os 
noflbs eftar muito rica. O Capitão Mór íe 
embarcou na Armada y e foi de longo da 
terra pêra a ir commetter : e o mefmo dia 



Digitized by VjOOQIC 



6f4 ÁSIA DE Diogo de Couto 

que fe embarcou fe armou huma trovoada ^ 
a qual deícarregou com o vento traveíião, 
e tão íuriofo > que eftiveram os navios 
quafi perdidos ; e fclhes durara muito ( por- 

3ue não pkíTou de duas horas) fem dúvi- 
a que nao puderam efcapar. Os Lafcarins 
Gentios, que hiam embarcados com o Capi- 
tão Mòr no feu navio , e alguns que fervíram 
de efpias , em quanto durou a tempeftade ; 
puzeram-fe a fallar huns com os outros , 
e por tal modo , que attentou o Capitão 
Mór nelles , e perguntou o que faltavam , 
ao que humChriílâo IhediíTe, que eftavam 
aquelles Gentios ledos , porque o fcu Pa- 
gode acudira por fua honra ; e que faben- 
do que os Portuguezes fe hiam pêra o of- 
fender, mandara aquella tormenta pêra os 
caíligar. E^a abusão era muito antij?a en- 
tre clles j porque como aquella cofta fica 
ao travefsão defronte , -c alli de continuo 
anda o mar foberbo, e fe armam algumas 
trovoadas , aconteceo algumas vezes andar 
por alli Armadas de Portuguezes , e fer 
cm conjunção que davam eftes tempos , 
com que ellas fe aftaftavara da terra , e fe 
recolhiani , por onde lhes ficou aquella 
imaginação de terem pcra li que o rago^ 
de ordenava aqui Ho , porque as Armadas 
Tortuguezas não pudeíTem chegar a terra ; 
e ifto foi caufa de fe povoar tanto aqueU 

ia 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf. XV- 6^^ 

Ia Gdade y cuidando que ficavam alli fe« 
guros dos aílaltos das noíTas Armadas* 
Thomé de Soufa tanto que os Lafcarins 
Chriftãos lhe deram conta difto , jurou do 
deftruir aquelle Pagode , por tirar aquellá 
abusão da imaginação dos Gentios , pêra 
que vlíTem quão enganados efiavam , e o 

Í)ouco que o feu ídolo podia; e aílim paf» 
ada a tormenta > ao outro dia pela manha 
chegou-fe a terra, e faltaram nella, dando 
a dianteira a Rodrigo Alvares , e com el** 
les Miguel Fernandes Baracho, e Domin- 
gos Pereira Arache , e a primeira coufa 
que fizeram , foi commetter huma tranquei-^ 
ra que tinham na praia fobre hum tezo ^ 
a qual os noíTos ganharam a poder de gol^ 

Çes em damno dos inimigos ; e deixando 
'home de Soufa em fua guarda alguns foi- 
dados , foi marchando pêra a Cidade , a 
qual commettêram com grande determina- 
ção ; e não fe fiando os moradores na guar- 
da do feu Pagode , em fentindo os Portu-» 
guezes , largaram a Cidade , - e fc recolhe- 
ram pêra o Certão. Os nolfos- foram en- 
trando por ella fem acharem rcfiílencia, 
e chegaram ao Pagode , e arrombaram as 

})ortas , e o entraram fem acharem quem 
he refiftiffe, e o foram rodeando todo por 
verem fe achavam alguma gente ; e venda 
que tudo eftavadefpcjado, entregou-o Tho- 
mé * 



Digitized by VjOOQIC 



é$6 ÁSIA DE Diogo de Cóurd 

mé de Soufa aos Toldados , pêra que G^^í^ 
fem feu officio : e a primeira coufa em que 
entenderam , foi em derrubar os ídolos, 
que eram mais de mil de diverfas figuras ^ 
huns de barro , outros de páos , outros de 
cobre ^ e muitos delles dourados. Feito iP 
to , defpezáram toda aquella máquina in-' 
fernal de Pagodes y den-ubando^lnes fuás 
abobadas , e craftos , fazendo-lhes tudo em 
pedaços , e depois foram faquear as terce^ 
nas , em que acharam muito marfim , rou- 
pas finas , cobre , pimenta y fandalo , jóias , 
pedraria , e ornamentos dos Pagodes y e de 
tudo tomaram o que quizeram 5 e ao mais 
deram fogo , em que tudo fe confumio ; e 
pêra móraffronta do Pagode, mataram den« 
tro nelle algumas vacas , quehe couía mais 
immunda que pôde fer, pêra cuja purifica* 
çâo fe ha de mifter muito grandes ceremo^ 
nias : e afQm puzeram fogo a hum carro 
de madeira feito a modo de cafa torreado 
de fete fobrados y todos de grandes , e fer^ 
mofifCmas lacriadas de diverfas cores y e 
dourados por muitas partes y obra cuftofa , 
e foberba , que fervia de levar o idolo 
principal a ejíparecer pela Cidade , a que 
também puzeram o fogo, em que tudo fe 
confumio. Com ifto recolhêram-fe os noí^ 
fos cheios de prezas y e dalli fe tomaram 
j>era Beligão y aonde foi ter aquelle folda^ 

do 



Digitized by VjOOQIC 



Dègada X* Cap. XV* 657 

Ã0 que diíTemos atrás que Ihe.defappareN* 

cera. em Mature , o qual contou que an« 

idan^ío na Cidade , fe perdera , que indo 

•bufcar as embarcações ^ já as não achara, e 

'.que até então eítivera embrenhado de dia , 

e de noite caminhara em bufca da Arma-* 

.da. Efte homem foi feftejado de todos > 

porque o tinham por morto, e por alli fe 

tdeixou Thomé de Soufa andar, até que o 

Capitão de Ceilão o mandaíTe recolher» 

CAPITULO XVL 

De canto Mamei <le Sòufa Coutinho chegou 
4 Cofia de Ceilão : e dos grandes ej^ , 
tragos que foi jazendo porella até 
chegar a Columbo* 

PArtido Manoel de Soufa Coutinho de 
Goa , como diíTemos , foi fazendo fua 
-Viagem fem fe embaraçar em nada , at(^ 
paffar o Cabo de Comorim , e longo da coí^ 
ta até á Ilha. de Jogues , donde atrareífou 
,á outra banda, c foi tomar de Manar pêra 
^Cardiva: dalli defpedio huma embarcação 
ligeira ao Capitão de Columbo com hum^ 
carta , em c^ue lhe pedia lhe mandaflls 9 
Modeliar Diogo da Silva , e o hj^^^ P^r 
dro AflFonfo com os feus L^fc^riniS èm to- 
nes , porque efperava por elles no rio 4^ 
Çmt0.TonuVI.F.li. Xt Cár- 



Digitized by VjOOQIC 



%^% ÁSIA BE DioGò DE Couto 

Ordiva pêra dalli até Columbo ir deftmin* 
'do tudo. A carta chegou a Columbo em 
dous dias : e logo João Corrêa negoceou 
liuma fufta , e nove tones , em que iriam 
oitenta Portuguezes , e os Modeliares , que 
elle mandou pedir; e fahidos de Columbo ^ 
^oram tomar o Ablláo dos Jogues y e def- 
embarcáram em terra , e entraram o lugar, 
<e o deftniíram , e abrazáram de todo , e 
daqui fe foram á barra deChilâo, onde eP 
tava gente de guarnição doRajú; e queren- 
do dar ^m terra , viram três bandeiras com 
muita gente , pelo que diflimuláram , e pal- 
iaram adiante a hum lugarejo , onde def- 
embarcaram , e tomaram três negros , dos 
quaes fouberam a difpoíiçâo do lugar de 
Maripo , qut eftava perto » e da gente que 
havia , porque defejavam dar-lhes hum gran- 
íie caftigo , pelo máo tratamento que fizeram 
i gente de huma Armada que íe alli per- 
deo em tempo do Conde D. Luiz de Ataí- 
de y que' hia de foccorro a Ceilão , de que 
era Capitão Mór Diogo Lopes Coutinho ; 
ic fabendo que fe podia commetter fem rif- 
CO , o fizeram , e a pezar dos moradores o 
entraram, e faqueáram, matando alguns^ 
t tomando vivos quarenta e oito pelloaS| 
e fete eihbarcaçòes carregadas de fal , que 
tinham já preftes pêra levar aos poftos do 
Kajú , onde yale muito , porque em toda a 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cai?. XVL • iÉlyi| 

Ilha não o ks^. Daqui foram dando em al^ 
gans portos até chegarem ao mar fundo ^ 
onde encontraram a Armada , e deram ratão 
ao Capitão Mór das coufas de Coiumbo^ 
e do que tinhanri feito pela cofta , ecomo^ 
Cidade de Chilão eftava guarnecida , e forte« 
JManoel de Soufa foi logo furgir fobre feq 
porto , e mandou D* Jeronymo de A2ev£«f 
jdo com quatrocentos homens > e os Ara-r 
ches com feus Laícarins que delemí^arcaA 
iem , como fizeram , commettendo du^s traiv* 
queiras que os inimigos tinham , com tama^ 
nho Ímpeto , que logo lhas largaram com 
jiiorte de alguns, que fe mçttêram quatra 
Jeguas pelo çertáo, fazendo* nelles grandes 
eílragos ; e como os enfacáram áç todo^ 
tornaram a voltar, dando de caminho em 
muitas aldeias, e povoações^ que .queima^ 
ram , e deftruíram até chegarem á Cidadç 
iie Chilão, a qual mettêram a ferro, e £o^ 
go , não perdoando a coufa alguma, fem 
culhr tudo iílo mais que dous Lafcarind 
noilos. No rio havia mais de íincoenta pa* 
gueis , e muitos tones , e outras embarca**» 
^óes a que puzeram fogo , fem deixarem 
pada em pé , queimando-fe gfiim na Cidar* 
de , como nas; embarcações muita fazenda i 
e deixando tudo deftruido , carregados d^ 
prezas , fe embarcaram , andando o Capi<f 
tio Mór na.fi)a bgtçira 4e longo da praia^ 
:....i Tt ii por* 



Digitized by VjOOQIC 



66o A-S I A DE Diogo de Coura 

poraue não houveíTe algum defarranjo ao 
recolher. Parti ndo-fe daqui , chegárajn a 
Columbo aos i8. de Fevereiro , entrando 
a bailia com a fua Armada toda embandei- 
rada ferttiofamenre , e falvando a Cidade 
com toda a artilheria, e depois com a ar- 
cabuzaria por algumas vezes , com que pof- 
to que o numero parecia mui grande , mui- 
to maior appareceo nas orelhas do inimi- 
fo, que vendo chegar aquella Armada, 
em vio que fe lhe apparelhavam traba- 
lhos , porque já começavam a vir também 
navios da Armada de D. Paulo , porque 
havia dous , ou três dias que eram chega- 
dos os Galeões de D.João Pereira, e Fran- 
cifco da Silva , e as fuftas de D. Nuno Al- 
vares Pereira , e a Galé de D. Pedro de 
Lima 3 e o dia de antes a Galeaça de Mat- 
theus Pereira de Sampaio, fendo já avifa- 
do que fe efperava por D. Paulo de Li- 
ma , que já fabia vinha tão vidoriofo de 
hum tamanho Rey , com o que andava 
affombrado , e o ficou de todo , depois que 
vio tamanhas Armadas, tantos rcgozijos, 
e falvas , porque a Cidade difparou toda 
a artUheria por fettejar Manoel de Soufa, 
que logo defembarcou com todos os Capi« 
taes , e foldados , fendo recebido na praia 
do Capitã^ , Fidalgos , Prelados , e todo 
O povo çom muito alvoroto ^ moftrando-fe 

QOS 



Digitized by VjOOQIC 



1>BCADA X. CAtP. XVI. \ 66l 

nos abraços o gofto que todos levavam da^ 
quelle foccorro : foi levado Manoel de 
Soufg a feu appfenco, e os feus Capitães , 
e Toldados foram repartidos por eílancias , 
e cada hum bufcou feu gazalnado. Ao 0U7 
tro dia fe ajuntaram Manoel de Soufa , ç 
João Corrêa pêra tomarem refolução nas 
coufas do Rajú , e mandaram recado a to- 
dos os Capitães que eílav^m naquella Ci- 
dade y Prelados , e Religiofos que acudi- 
ram ;^ fomente D. João Pereira, que fe ef- 
cufou com lhe mandar dizer, que elie era 
foldado de D. Paulo de Lima , que não fe 
havia de achar no Confelho em que fe elr 
le não achaíTe y e juntos todos , lhes fez 
Manoel de Soufa huma breve falia , cuja 
fubftancla era: % Que elle pela muito gran- 
Y de experiência que tinha do Rajú de fua 
lÈ malicia, e fraqueza, entendia muito bem 
lÊ que não havia de efperar o golpe de ef- 

> pada; e que quando fenão precataíTem, 
31 o haviam de achar menos dalli^ e reco- 
» Iher-fe fem o caftigo que merecia : qué 

> o bom feria dar-lho logo , e tão grande , 

> que ficafle por exemplo a todos osReys 
» de Ceilão pêra mais não tentarem trai^ 

> ção contra aquella Fortaleza, a que elle^ 

> deviam obediência , e vaíTallagem ; e que 

> lhes fegurava com o favor Divino huma 
)i tamanha vidoria^ que ficaífe por efpan- 

» ta 



Digitized by VjOOQIC 



€6\ A&ÍÃ ryt Diogo 6s Couto 

9 ta na memoria de todos os Re^s do 

> Oriente, com o que fe enfreariam , efe- 
n riamos fempre temidos , c refpeitados 
31 delies': e que alevantando-fe elle dalli 

> fem o caftigo que merecia , não fó fe- 
51 ria muito grande rtiágoa , e dor pêra 
51 todos que com tamanha vontade vinham 
y pêra ft verem ás mãos com elles , mas 

> ainda huma vituperofa affronta , porque 

> já íe havia de dizer que de medo dei- 
y xáram de dar rielle , e diífimulára com 

> liia ida. 9 Bem fe entendeo que Manoel 
de Soufá defejava muito de fe achar na- 

Í|uelk rifegbcio fem D. Paulo , por ficar 
endo a honra toda fua , porque íe lhe não 
|)odia negar inveja a tamanha viftoria , co- 
mo Deos lhe dera do Rajale : e aue fe lhe 
Deos défle a elle a do Rajú , feria toda a 
gloria fua , porque naturalmente era efte 
Fidalgo ambiciofo de honras , e defejava 
de fe ver em occaíiôes de as poder ganhar. 
João Corrêa de Brito tomou a mão a fal- 
lar naquelie negocio , e diíTe que o Viíb- 
Rey além das inftrucç6es , em todas as 
Cartas lhe mandava que fe não fizeífe 
aquelle negocio fem D, Paulo de Lima : 
que fenão fobia o que elle poderia tratar; 
jnas que elle também entendia que o Ra- 
jú não havia de efperar a batalha^ , antes 
Tratar de fe recolher ; «que elle era de pa* 
^ * re* 



Digitized by VjOOQIC 



, Década X. Ca^ XVIí 66 j 

1'ecer de Manoel de Soufa , que primeiro 
que elle fe levantaíTe , deíTem nelle, por-" 

?ue iem dúvida a viéloria eílava na$ mãos. 
areceo efte parecer affeiçoado ao de Ma« 
noel de Soufa ; mas João Caiado de Gam-> 
boa refpondeo , que fobre hum de dous 
prefuppoftos fe. havia de votar , ou que fe 
Iiavia de alevantar o Rajú , ou não ; por- 
que fe a coufa eílava duvidofa de fua de-. 
terminação , bom feria efperar-fe por D* 
Faulo y que não poderia tardar mais que ató 
ao outro dia, pois o Vifo-Rey o mandava 
aífim y e que por iíFo mefmo andava efpe- 
rando por elle Thomé de Soufa de Arron- 
ches, que trazia na fua Armada muito boa 
gente : que fe trouxeífem efpias de con^ 
fiança : e que quando houveífem novas cer- 
tas , que o inimigo fazia mudança de íi, 
então fe podiam quebrar todos os regi- 
mentos. Gfe mais dos Capitães , e Fidalgos 
que alli eftavam, votaram pelo mefmo pa- 
recer , principalmente os da companniff 
de D. Paulo , que falláram fobre aquelle 
negocio mais largamente i porque como 
eram de fua obrigação , e entenderam que 
tudo o que fe tratava era afim de fe tomar 
aquella lionra a O. Paulo , debatido o ne- 
gocio , veio-fe a refumir que fe efperaífe 
por elle , e que fe trouxeflem intelligen-^ 
cias i e que havendo avifo qu« o Rajú; tr^-t 

ta- 



Digitized by VjOOQIC 



664 A S I Á !>E Diogo »b CotJto 

tava de fe alevantar, então fe déíTe nelle; 
porque ahi lhe ficava lugar pêra alcançar 
delle huma grande viftoria , com que a 
honra ficaffe fendo de todos , e aífim fe 
levantaram, encarregando ao Capitão asin- 
telligencias y o qual lançou fora fuás ef- 
pias , fazendo-fe todos preftes pêra em 
tendo rebate fahirem ao inimigo , delpe- 
dindo logo recado a Thomé de Souía , 
que tanto que D. Paulo chegaffe , o tomaf- 
íe nos feus navios ligeiros ., e fe foíFc pêra 
Columbo. 

CAPITULO XVII. 

De tomo o Rajú Jecretameníe fe def alojou , 

• dando fogo ao arraial : e de como os 

nojfos lhe Jabíram : e do q$fe lhes 

aconteceo no alcance , e do 

que mais pajfou. 

VEodo o Rajú chegado Manoel de Sou- 
fa com tantos navios , e parte da Ar- 
mada de D. Paulo de Lima , por quem ca- 
da dia fe efperava , o qual vinha viftorio- 
fo de hum Rey tamanho como o de Viantana , 
deixando-lhe deftruida huma Cidade râo po- 
tente, forte , e cheia de tanta gente , e artilne- 
ria , é paflando pela memoria o damno que 
tinha recebido dos noífos , antes de virein 

ta- 



Digitized by VjOOQIC 



DíCADA X. Cap. XVn. 66f 

tafnanhos fpccorros y e a deftniição que lhe 
fizeram por huma , e outra coua as Arma- 
das de Manoel de Soufa , e Thomé de Sou- 
fã de Arronches; e que tanto poder como 
lhe tinha chegado , náo era pêra eftar fe- 
chado na Fortaleza, reprefentando-lhe fua 
total deftruiçáo , fe alli efperaíTe os noíTos , 
poz em fua vontade o recolher-fe , fem dar 
conta a ninguém : e pêra maior diifimnla- 
ção , determinou de enganar , e entreter os 
noífos , pêra mais a feu falvo fe poder re^ 
colher : e aílim logo aquelle dia mandou 
lançar huma carta na Fortaleza com huma 
frecha , na qual pedia aos Capitães que lhe 
deíTem licença pêra lhe mandar Embaixado* 
res a tratar negócios de importância , por- 
que eftava dcfenganado que aílim como el- 
]es lhe não podiam tomar Ceitavaca , aflim 
elle não podia tomar Cochim , por não di- 
zer Columbo. Foi levada efta carta aos Ca- 
Í)itâes ; e ajuntando-fe todos a Confelho , 
òi debatido o negocio , e alfentáram que 
fe ouviífem os Embaixadores , que ao me- 
nos ferviria de entretenimento até chegar 
D. Paulo de Lima. Com efta refpofta lhe 
vieram logo três, ou quatro Embaixadores 
acompanhados , que foram bem recebidos 
dos Capitães; e a primeira coufa que pedi- 
ram foi , que não fe atiraífe da Fortaleza 
com artilheria > em quanto elles alli eftivei^ 

fem} 



Digitized by VjOOQIC 



666 ÁSIA DB Diogo de Couto 

fem ; e ddndo foa embaixada ^ prefentcs 
todos os Capitães dos foccorros , difleram 
que o Raju feu Senhor lhes mandava di« 



zer que elle tinha huma fefta mui grande , 

Íjue lhe fahia dalli a três dias , a qual era 
orçado ir celebrar a Ceitavaca , e que den^ 



tro nefte tempo acceitaria pazes ; e quan- 
do não , que não tinha neceílidade de fal« 
kr niíío. Èílando niíTo > antes de lhe rerpon* 
derem , chegaram alguns efpias , que os 
noflos traziam entre os inimigos, e diíTe- 
yam que o Rajú fe defalojava , como de 
feito allim era ; porque tanto que os Em- 
baixadores eftiveram dentro, fendo já per- 
to da noite , mandou recolher a fua bagagem , 
edeo recado aos feus Modeliares que ale- 
vantaílen o campo, começando elle a cami* 
nhar, deixando encommendado aretaguar* 
da a Vifacon Modeliar , Capitão general 
do feu campo , com a gente da fua guarda. 
Com eila nova começou a haver tal reboli- 
ço entre os noíTos , que ficaram os Embai- 
xadores como aífombrados , porque não 
fabiam a determinação do Rajú. Os Capi- 
tães fem tomarem conclusão , por fegura* 
rem os Embaixadores dos foldados , por fe 
não quebrar a fé que fe deve aguardar a to- 
dos , os mandaram embarcar em hum tone , 
pêra que os puzeífem da banda do Calapa- 
te , porque le qs mandailem. pelas portas^ 

cor- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cãv. XIVL' 66^ 

corriam muito rifco pela união que já ha-< 
Tia. Deípedidos elles, ajuntáram-fe todo» 
os Capitães em Confelho pêra fe determi^ 
narem no que fariam , e aíTentáram todo» 
^ue fe lançaífem efpias fora ; e fe o Rajú 
fe abalaífe , deífem logo nelle , porque fo 
não foíTe fem o caftigo que merecia j e ar- 
mando-fe todos , puzeram-fe em fom de ba- 
talha 5 pêra que fe fofle neceíTario , fahit 
fem a dar no inimigo , e ordenaram fuás 
bandeiras , e Capitanias por efta maneira* 
Manoel de Soula Coutinho com toda a 
gente da fua Armada , e a de Nuno Alva* 
res de Atouguia , que ferião mil Portugue- 
zes, e todos os Araches,eModeliares com 
feus Lafcarins , c por feu Capitão Francit 
CO Gomes Leitão, que fahilTe na dianteira 
pelo campo de S. Thomé , e fofle logo occu- 
par a Pedreira; Bernardim de Carvalho com 
a gente de fua Armada, e outra que fe lhe 
ajuntou, com que perfez trezentos homens, 
que tomaíTe o caminho da alagôa, pêra fe 
ir pór na ponta da Ilha ; e o Capitão da 
Cidade João Corrêa de Brito com a bandei- 
ra de Chrifto com toda a gente de fua roí- 
da, e a que veio de foccorro de Manar, e 
S. Thomé, e a de João Caiado de Gamboa, 
€ toda a Armada de D. Paulo (por quere- 
rem os fcus Capitães ir com elle ) que paC- 
iariam de quinhentos homens , havia de ir 

na 



Digitized by VjOOQIC 



668 ÁSIA DE Diogo de Couto 

sa reta-guarda, O Alcaide Mór Franciíco 
da Silva havia de ficar em guarda da Cidar 
de com trezentos homens cafados velhos , e 
outros que fe pêra ido efcoihêrani: e logo 
repartiram as munições por todos em abas- 
tança , entregando as panellas de pólvora, 
e lanças de fogo a folaados forçofos , e de 
animo , pêra terem o encontro aos elefan- 
tes , dando ordem ao Alcaide Mór pêra ter 
preítes muitas munições pêra mandar á for- 
miga , vaíilhas de agua , e coufas neceflarias 
pêra foccorro dos canfados , e que tiveíTem 
pannos , ovos , e mais coufas pêra cura 
dos feridos , que fe vieíTcm recolhendo pê- 
ra não faltar nada. Por todas as bombardei- 
ras fe repartiram os Prelados , e Religiofos 
com Crucifixos pêra esforçarem os que pe- 
leijaflfem , e pêra confeífarem os que diflb 
tiveífem necelfidade ; e tendo dado ordem 
tudo , fendo fabbado ii. de Fevereiro 
^s nove horas da noite , viram no arraial 
do inimigo grandes fogos : e foi » que tan- 
to que fe defalojoú , o mandou dar em 
todas as tranqueiras que arderam com gran- 
de braveza. Muitos foram de parecer que 
logo fofahiffera; mas os Capitães arrecean- 
do que affim como aquillo podia fer fugi- 
da , pudeífe também fer cilada pêra aco- 
lherem os noíTos defordenados , mandaram 
fechar as portas , lançando fora algumas 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Caf. XVII. 66^ 

cfpias , pêra verem o cjue hia no campo, 
e o Capitão João Corrêa fe foi com a gei>- 
te de íua batalha pêra a porta de S.Joío^ 
donde defpedio o Modeliar Diogo da Sil- 
va com os feus Lafcarins , e trinta íolda^ 
dos efcolhidos bem armados , pêra que foí^ 
fem occupar á tranqueira do monte ; e ft 
achaflem ncUa gente do inimigo, Ihefizeí- 
fem íinal com três efpingardadas : e man- 
dou a D. João Pereira que com os-^ fe*í« 
foldados , e de feu irmão D. Nuno Alva^ 
Tes , com o feu Guião , fe puzefle no cani*- 
•po da bandi de fora pera os favorecer : ^ 
Modeliar Diogo da Silva foi caminhandí> 
pêra a tranqueira do monte ; é achando-H 
ainda occupada dos inimigos , fizeram o 
íinal que lhe o Capitão mandou , o qual 
fendo ou^vido de D. João Pereira , por of^ 
dem que pêra iíTo tinha , foi abalando pe- 
ta elles : e Diogo da Silva com feus Lai- 
carins commettéram a tranqueira com mui- 
to animo , fentindo em feu favor a geme 
de D. João Pereira , que logo chegou , 'e 
a poucos golpes foi entrada , porque òí 
jnimigos a lar^ram. Os noíFos Capitão 
que eftavam preftes , ao final das efpingardá^ 
das fahíram da Cidade na ordem que efta^ 
va aíTentado , levando a dianteira Mãiioet 
de Soufa Coutinho, que chegou átranqu^i^ 
ta da primeira cava ^ onde ainda aftara 

hum 



Digitized by VjOOQIC 



éyo A S I A DB Diogo de Cotrro 

^um grande corpo de inimigos, que com* 
anettêram com grande fúria ; mas como el- 
Jes eftavam aievantados , puzeram fogo á 
tranqueira , e a tudo o que nella havia , e 
ibram fugindo , e o mefmo fizeram os das 
4nais tranqueiras , indo Vifacon Modeliar 
na reta-guarda recolhendo toda a gente. 
JFrancifco Gòme$ Leitão , c o Modeliar 
Diogo da Silva lhe foram feguindo o ai* 
caoce,. levando ^nas coftas D. Joãp Pereira, 
jq.ue femprç .foi tocando huma trombeta 
líaftarda pêra os favorecer.. Vefacon Mo- 
deliar canto qu^ chegou á poi^te da Mata- 
(Çore , fabendo que o hiam feguindo os 
jOOÍTos , dct^ev^-fenieUa da outra banda , man- 
idando-a com muita preíTa desfazer , per^ 
i>$. noíTos o m<^ poderem feguir. Os da 
4ianteira em chegando á ponte ^ em que 
acharam aquelie poder do Atapata do Ra- 
jii , tocaram os at^bales y ao que lhe re- 
ipondeo a tromb^eta , de D. João Pereira > 
^. cujo íinal Manoel de Soufa Coutinho fc 
^preíTou , adiant^ndo-fç alguns aventureiros » 
ícomo João. Oiddo de Gamboa com tre- 
zentos , ou quajtnooentos homens foldados , 
« cavaileiros , , em que entrava Manoel Pe- 
xeira do Lago^ Pomingos Leitão Pereira ^ 
t outros , a quí; não foubemos os nomes , 
«chegarem á ponte , na qual acharam Fraii* 
ipiíco. da Silva Caftelhano ^ caiado em Cor 



Digitized by VjOOQIC 



r Decada' X. Cap. XVn. 6i\ 

4umbo , Francifco Gomes Leitão , Pedro 
^a Silva Modefíar , tendo o encontro ao6 
inimigos com glande valor, e esforço v 
fendo o dianteirq Francifco -da Silva, qui; 
como hum leão èílava nâ ponte ás cutila»- 
das com os inimigos , e tinha mortos dons 
Chingalas dos principaes foldados do IU«7 
jú , homens agigantados. O Capitão geral 
do Rajú tomou a voltar fobre os noíTos 
com tanta foria ,• que derrubando , e feriíí- 
ào dez , ou doze , os tornou a lançar da 
t>onte ; e foi itto atempo , que chegava Dl 
João Pereira, e os mais delira companhia; 
e dando nos inimigos , tornaram a ^anbat 
a ponte , a 'qual paíTáram , e foram leguirit- 
do os inimigos , que hiam em desbarato 
até o rio de Calane, que he "perto de hu- 
ma légua , por caminhos mui ruins , e in^ 
trincados, matando, e fazendo nelles gran*- 
de eftrago. Os Capitães com o refto do 
exercito foram até á parte , onde fe de ti- . 
veram ; e fabendo que os noflbs levavarid 
os inimigos de arrancada , e que João Caia- 
do hia diante, mandáram-ihe dizer que ft- 
zeife ó officio de Capitão da dianteira por 
^ntão , porque não houveífe algum deímai»- 
cho ; ao que lhe mandou refponder , que 
clle hia fazendo o officio dc^ íbldado, maí 
que faria o que niífo pudefle. Manoel dfc 
doufa defpedio logo D. Jeronymo de Acidr 



Digitized by VjOOQIC 



tyt A S I A i>E Dioáo de Côtrro 

redo que foíTe em favor dos que hiam pc 
leijando comos inimigoSé Braz de Aguiar , 
^ feu irmão Ambrouo Leitão 4 e outros 
foldados , e cavalleiros f que fe adianta- 
ram , indo no alcance dos noíTos que íe* 
guiam os inimigos , chegaram a hum lu- 
•gar , aonde fe apartava o caminho em dous > 
c pareceo-lhes melhor deixarism-fe ficar na- 
quella parte , porque não arrebentaílem os 
inimigos por qualquer daquellcs caminhos ^ 
e foílem dando nas coftaa aos noíTos que 
hiam diante , o que £bi mui bem coniicie' 
rado : e a/Iim ficaram ajuntando todos os 
foldados , que aUi hiam ter , até fazerem 
imm arrazoado- corpo delles» Neíte tempo 
chegaram ao porto de Columbo Thomé de 
•Soufa de Arronches com fua Armada , e 
Diogo Soares de Albergaria , que vindo 
de longo da cofta, vendo fogo no arraial 
doRajii, parecendo-lhes o que era, apref- 
í^ram^fe de maneira, .que chegaram áquel- 
ias horas com fua gente pofta em armas, 
-e chegaram os Capitães, qué eftavam com 
«do o poder na ponte , tendo mandado 
Tecado a Francifco Gomes Leitão , Capi- 
tão do campo , que não paíTaíTe das Var* 
seas de Vagore , como fizeram , por já nãa 
naver inimigos coin quem peleijar , por 
ferem de todo recolhidos : feria ifio ás três 
Jipras depois da meia noite > e deixaram-fe 



Digitized by VjOOQIC 



Dkgaba X* Caf. XVII. 67J 

ftcar , apanhando pôr todos os caminhos 
muitas armas ^ que os inimigos foram lar-» 
gando na fugida; e chegados á ponte ^ on-» 
de eftavam os Capitães , deram conta dâ 
como o Rajú hia de todo desbaratado: 
com o que todos deram muitas graças a 
Deos noflb Senhor por tamanha mercê ^ 
como lhes fez. Dalli fe tornaram pêra o 
arraial , que eftava entre as duas caras ^ 
que o Ra)ú mandou abrir pêra efgotar a 
alagóa ^ Onde andaram vendo os fortes^ 
baluartes , revezeis , fbíTos y tranqueiras ^ 
ruas 9 e caminhos que tinha feitos pêra fua 
defensão , que era coufa de efpanto^ por-^ 
qu6 a obra parecia exceder á induftria hu-* 
snana. Âlli eíUveram até o meio dia , man^ 
dando dar fogo nas tranqueiras j e por te-» 
jem neceíTidade de rtípoufar ^ fe rccolhêrant 
á Cidade viftoriofos* Ficou o Rajú mui 
desbaratado defte cerco , porque lhe cuf-r 
tou muito , e perdeo pór aifcurfo da guer- 
ra mais de íinco mil homens,, e ílnco Ci-» 
dades ^ e muitas Villas ^ e aldeias , e deí^ 
truidòs muitos navios^ tomados, e queima- 
dos , e muita artilheria , e fazendas , e fobre 
tudo quebrada , e abatida fya foberba , cre-» 
dito 3 e reputação ^ que com os Reys vizinhos 
tinha, coufá qiie mais fentio detodas. Al- 
gumas peíToas que efcrevêram efté cerco 
accrefcentáram ^ e engrandeceram xtiuitaa 
Couto, Tom. FI. F. Iié Vy cou- 



Digitized by VjOOQIC 



674 ÁSIA DE Diotío de Cotrro 

coufas mais do que fuccedéram, cuidando 

Jue com iflb grangeavam ao Capitão João 
lorrea de Brito , que era tâo bom Cavai* 
leiro , que fe náo fjtísfaziâ íenâo do que 
na verdade paíTou. Hum deftes aíHrma per- 
der o Rajú mais de dez mil homens , e 
grande numero de cativos: muitos houve, 
mas não tantos como diíTe. Da noíTa pane 
pelo difcurfo todo morreram vinte e qua- 
tro Fortuguezes , e oitenta Lafcarins na 
guerra , e foram mais de quinhentos da 
genre da terra mefquinha que morreram 
de doença. 

Ao outro dia , depois de recolhido o 
inimigo , chegou D. Paulo de Lima , e deC» 
embarcando em terra , foube dos Capi- 
tães o fucceflb paíTado , o que cm extremo 
feftejou ; e porque tudo era feito , e fe fa- 
2ia tempo de fe irem pêra Goa , trataram 
dos provimentos daquella Fortaleza , e da 
guarnição que lhe haviam de deixar; por- 
que como o inimigo eftava tão perto , e 
em elles virando coftas , poderia voltar , e 
dar-lhe outra vez trabalho: pelo que foram 
continuando no desfazer dos entulhos , e 
baluartes, cavaa, e todas as mais fortifica- 
res do inimigo y o que tudo fazia humar 
máquina de huma arrazoada Cidade « na 
^ue fe detiveram oito dias , nos quaes con- 
tinuadamente trabalharam todos até os Ca« 

pi- 



Digitizedtoy VjOOQIC 



Década X* Cap. XVlI. éjf 

pítães , e Religiofos. João Corrêa dê Bri-s 
to trouxe efpias na Cidade de Ceitavaca, 
que cada dia o avifavam do que lá pafla- 
va , e foube que o Rajii eftava tão anoja- 
do , é envergonhado 5 que não havia quem 
QufaíTe de lhe ver o rofto. Desfeito tudo, 
e dado ordem ás mais coufas , entraram 
em os provimentos daquella Fortaleza , é 
aíTentáram que ficaíTem feisceíitos homens 
debaixo das bandeiras dos Capitães feguin- 
tes : D. Luiz Mafearenhas , D. Gileane^ de 
Noronha , feu irnião D. Leão , João de 
Soufa Coutinho , Simão Rolim , Ruy Pe-* 
reira deSande, Francifco da Silva, eTho- 
mé de Soufa Arronches por Capitão do 
rrtar com liuma Galé , e íeis fuítas; Dada 
eíla ordem , e deixando todos os provi- 
méntos , munições , e dinheiro que lhes 

Careceo neceíTario , fizeram-fe todos á Yé«5 
\ pêra Goa. 



Vv il tif 



Digitized by VjOOQIC 



676 ÁSIA DE Diogo de Cotrra 

CAPITULO XVIII. 

'De como Ruy Gomes da Silva andou ns 
cojla do Norte o refio do verão : e de 
como chegaram a Goa Manoel de Soufa , 
€ D. Faulo de Lima : e dos Capitães 
que o Vifo-Rey defpacbou pêra fora. 

REcolhido Manoel de Soufa Coutinho 
da Cofta do Norte , como diflemos, 
ficando ella fem guarda , ordenou o Vifo-Rey 

Sue o refto do verão andaíTe nella D. Ruy 
lomes da Silva , que tinha vindo com a 
cáfila dos portos do Canará , e pêra ifto o 
tornou a prover de novo 5 e lhe armou al- 

§uns navios mais , e partio de Goa a i6. 
e Fevereiro defte anno de 1588. levando 
por Regimento, que depois que deixaíTe hu- 
ma grande cáfila , que levava pêra as For* 
talezas do Norte , voltafle ate Cacapado» 
c fe deixaíTe andar por alli o refto do vc- 
lâo. Os Capitães que o acompanharam neP 
ta jornada foram D. Luiz de Noronha , Fer- 
não Lobo de Brito , António Colaço , Pedro 
Barbofa, Jorge Dias Pinto, e Ruy Gomes 
Arei , e com efta Armada andou D. Ruy 
Gomes todo o verão , fem lhe acontecer 
coufa notável , e por iíFo concluimos com 
clle. O Vifo-Rey eftava por horas efperan- 
do novas de Ceilão ^ aonde tinha os olhos, 
• por- 



Digitized by VjOOQIC 



Década X Cap. XVIII. f^jy 

Í)orque era a coufa que então mais o can- 
ava ; porque já de Malaca lhe tinha Deos 
tioíTo Senhor trazido melhores ainda do que 
fe efperava : eftas de Ceilão não tardaram 
muito , porque em breves dias chegou hua^ 
navio ligeiro,. que aquelles Capitães defpe- 
díram comellas. Sabendo o Vifo-Rey pelas 
cartas a mercê que Deos fizera , deo-lhe 
muitas graças , c mandou repicar os finos, 
porque a Cidade fe alegraíTe, e logo efcre- 
veo a todas as Fortalezas do Norte aquel« 
Ias boas novas , pelas quaes fe feftejárani 
muito. Vendo-fe o Vifo-Rey defalivado do 
que tanto o trazia pejado , começou a en- 
tender nos provimentos de Malaca , e Ma- 
luco > a que mandou dar muita preíTa, e fi« 
cou efperando por aquelles Capitães pêra 
os receber, efeftejar, como era razão, en- 
commendando aos Vereadores que lhe fizet» 
fem todo o recebimento , principalmente a 
D. Paulo , a quem mandou que tirado Fál- 
lio , que era do Vifo-Rer , que tudo o mais 
fe lhe fizeífe , porque tuao merecia. Manoel 
de Soufa , que vinha em Armada ligeira , 
chegou a Cochim , e deixou naquella Cida- 
de D. Jeronymo de Azevedo na fua galé , 
e duas fuftas mais pêra recolher as náos da 
China , e lhe ir dando guarda até Goa, e 
elle foi vifitando as Fortalezas deCananor, 
e do Canara ^ e chegou a Goa em fim de 

Mar- 



Digitized by VjOOQIC 



67Í AS IA DE Diogo db Couto 

Março, onde entrou embandeirado , c en- 
ramado , e a Cidade o recebeo com muitas 
iFeftas , e muitas falvas de artilheria com to- 
das as náos , e galés fermofamente emban- 
deiradas ; e em meio dos Vereadores , e acom- 
panhado de todos os Fidalgos que em Goa 
íiavia , foi levado ao Vifo-Rey que o efpe- 
rou na fala , e alli o recebeo com muitas 
Jionras , gaftando algum efpaço em louvores 
feus 5 e de todos os que fe acharam naquelle 
jFeito. Dalli fe recolheo a fua cafa acompar 
nhado de grande concurfo de Fidalgos , e 
foldadps, e depois fcftejou oVifo-Rey avi- 
ftoria , e correo as carreiras , levando á fua 
ilharga M?.noel de Soufa. 

D. Paulo de Lima depois de chegar 
a Cochim , por ferem os Noroeftes grandes , 
pareceo-lhe melhor mudarem-fe aos navios 
de remo , e em breve tempo chegou a 
Goa, alguns dias depois de Manoel de Sou- 
fa, e foi recebido com grandes feftas, c alvo- 
roço de todo o povo , que acudio ao ver, 
p acompanhar , principalmi^nte de muitos 
fftrangeiros que andavam na Cidade , que 
o foram ver como por pfpanto , e andavam 
como aíTombradps deverem tantas viélorias , 
como Deos nollb Senhor tinha dado aos 
Portugezes. O Vifo-Rey efperou D, Paulo 
fora das portas dos Paços, onde o abraçou, 
ç lhe dilfe muito graves , e muito honrada^ 

■ ■" ' ?^' 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XVIIL 679 

palavras em feu louvor, e o defpedio pêra 
íiia cafaaté onde foi acompanhado de todos. 
Depois doVifo-Rey reílejar eílasvidqí- 
TÍas,logo defpachou os provimentos pêra 
fora y c D. Diogo Lobo pêra ir entrar na 
Fortaleza de Malaca , por lhe caber , e en- 
trar apôs João da Silva , e levou em fua 
«companhia outras náos , e hum a delias pê- 
ra Japão , do qual era Capitão Roque de 
Mello, provido daquella viagem; e porque 
nefte tempo eftava a Cidade falta de man- 
timentos, ordenou o Vifo-Rey huma galé, 
e iinco fuftas pêra ir dar guarda á cafíla 
-dos navios dos Mercadores que eftava preí- 
tes , e dcfta Armada foi por Capitão Mdr 
D. Francifco Mafcarenhas ; e os Capitães 
de fua companhia eram Leão de Andrade, 
Francifco de Almeida , Sebaftião Bugalho., 
Ruy Gomes Arei, Jorge Dias Pinto, ambos 
eftes da companhia de D. Ruy Gomes da 
Silva , que havia poucos dias eram chega- 
dos , por elle fer já recolhido em Baçaim , 
onde era cafado. Efta Armada levou huma 
grande cáfila de navios , e na entrada de 
Maio fe recolheo com ella carregada de 
mantimentos, com que a Cidade ficou far- 
ta , e abaftada. 



CA- 



Digitized by VjOOQIC 



Í6$<» ÁSIA DB Diogo de Coirm 

CAPITULO XIX, 

J)e como faleceo o FlphRey D. Duarte d^ 

Menezes de humas febres : e das par^ 

tes ^ e qualidade f de Jua peffoa^ 

ANdando oVifo-Rcy occupado no dei» 
pacho das coufas de Maluco , e Ov 
lumbo , pêra onde defpedio huma galeaça 
carregada de mantimentos , munições , e 
áez ) ou doze mil pardaos em dinheiro , da 

3 uai foi por Capitão Pedro Vaz, que parcio 
e Goa aio. de Abril, pouco depois adoe» 
ceo o Vifo-Rey de huraas febres , que pa^ 
Teciam aao ferem perigofas , e de que fe 
fez logo pouco caio ; mas como eram mor«> 
tacs , ao fetimo faleceo defta vida prefente 
aos 4t dias do mez de Maio de ifoS. Ou-? 
viram todos que fora fobegidão defangue, 
e que fora poucas vezes fangrado, por fer 
lium homem cheio de carnes , e liavido 
por continente; mas são achaques da mort- 
te , que foi fentida com grande dor , má«> 

§oa , e efpanto de todos , porque foi fua 
oença tão pouca na opinião dos homens, 
Gue em dizendo que adoecera , logo fe di£- 
íe que era falecido. Foi grande mágoa ver 
iium Fidalgo tão honrado , e virtqofo aca-» 
|)ar aifini entre as mãos em quatro dias : e 
fçrto ^qe parece jfoi^ho ^ e fe fe|)<54c dizer ^ 



Digitized by VjOOQIC 



Decadíi X. Cap. XnC 68r 

iqiie era efte Fidalgo tal , que antes de faa 
morte precederam íinaes , como em morte 
de grandes , póde-fe com razão affirmar 
delle y porque aquelle verão três , ou qua« 
tro mezes antes nefta Cidade de Goa huma 
noite no quarto da prima rendido , appareceo 
no Ceo aquelle íiiiaJ ,a que os Gregos chamam 
Cafma , que quer dizer abertura , porque fe 
vio abrir o Ceo com tanto refplendor , e 
claridade, que alumiou quaíi como de dia; 
e alguns Religiofos da Ordem de Santo A- 
jgoítinho y que o notaram bem ^ nos aífirmá^ 
ram que fora tamanha a luz , que lhes en«» 
trou pelas freftas , que lhes alumiou toda$ 
as cellas ; e houve peflbas que affirmáran^ 
quQ viram no ar tochas accezas. Algumas 
vezes fe tem vifto femelhantes finaes , prin- 
cipalmente em tempo de Romanos no Con- 
fulado de Cayo Celio , e de Cneo Papirio. 
Hum Fidalgo honrado nos contou , que eí« 
tando o dia feguinte converfando o Viío- 
Rey , praticando nefta matéria , que diíTera 
elle que vira o ílnal , e que fempre apôs el- 
les fuccediam mortes de Reys , e Príncipes ; 
mas que aquelle final , porque durara pou- 
co , lhe parecia denunciar morte de pef- 
foa menor que o Rev , por onde podemos 
dizer que efte final de falecer peíToa de me- 
por eftado que Rey , os Vifo-Reys da índia 
«baixo de Reys tem o maior eííado da terr 

raj 



Digitized by VjOOQIC 



68 1 ÁSIA DE Diogo de Couto 

ra ; e além diíTo pela antiguidade de fet 
illuftre fangue fe pode contar entre os Gran- 
des de feu tempo , e porque era fenhor da 
cafa de Tarouca, Bifneto daquelle valerofo 
Capitão D. João de Menezes , filho herdei- 
ro do mcfmo D. João , Capitão , e Gorer- 
nador da Cidade de Tangere , e que foi 
Governador da índia. Foi o Vifó-Rey D. 
Duarte cafado com Dona Leonor da Silva, 
£lha de Diogo da Silva , filho mais velho do 
Regedor João da Silva , que faleceo era vi- 
da de feu pai , e de Dona Antónia de Vi- 
lhena, irmã do Barão de Alvito , da qual 
houve três filhos , e outras tantas filhas ; D« 
João de Menezes , e mais velho , que inor- 
reo na batalha com ElRey D. Sebaftião, 
cftando naquelle tempo vencendo huma 
Commenda em Tangere em companhia de 
feu pai , que era Capitão , e Governador 
daquella Cidade ; o fegundo filho heD.Luiz 
de Menezes, que herdou fua cafa, a quem 
depois ElRey D. Filippe deo o Titulo de 
Conde de Tarouca , o qual foi cafado com 
Dona Joanna Henriques , filha deBaftião de 
Sá de Menezes , irmão do Conde de Ma- 
tozinho, e de Dona Luiza Henriques , filha 
de O. Francifco Pereira de Santarém , da 

3 uai viuvou , e lhe ficou huma filha chama^ 
a Dona Juliana ; o terceiro filho foi D. 
António de Menezes , Commendador do Saiv 

doal^ 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XIX. * 6^ 

jdoai , e tem a Capitania de Malaca , e via» 
gem da China : as filhas , a mais velha cha^ 
xnada Dona Maria de Vilhena , que foi ca-^ 
fada com D. Francifco da Gama , quarto 
Conde da Vidigueira , e ViforRey que foi 
da índia, que houve filhos, e filhas i e Do<r 
naLuiza, nue ainda vive; e Dona Antónia , 
jque já he falecida. Foi D» Duarte de Me-? 
nezes Capitão , e Governador da Cidade de 
Tangere; e na defaftrada jornada deElRey 
D. Sebaftião á Africa foi Capitão Geral dô 
feu campo , depois foi Governador do Al- 
garve duas vezes , falçceo de idade de fin^- 
coenta e hum annos , era pequeno de cor- 

Í)0 , muito bem feito , de muito bom con-? 
elho , e de grande authoridade , e tão bom 
latino , que podia julgar de entre eftilo a 
cftilo : era grande Italiano , muito affeiçoa- 
do á poezia , e fazia muito bons fonetos , 
e outros verfos : foi pouco cubiçofo , por- 
que fe lhe não acharam peíTas , curiofidades, 
nem fazendas de quem governara a índia 

Í)erto de quatro annos : havia-fe por cafto : 
òi tão zelofp da juftiça , que dizia que ne- 
nhum gofto tinha maior que quando a fa-? 
zia ; e tão folFrido , que pedindo-lhe hum 
foldado mercê , defculpando-fe elle que não 
tinha dinheiro , lhe diíTe o foldado : Bem 
parvo he o homem que em tempo de V. Ser 
1?^prí^ T^n;^ a. ElKey j ao que . elle conv 

muV- 



Digitized by VjOOQIC 



^4 ÁSIA DE DioGd DE Couto 

muita brandura refpondeo : Dizeis veria* 
de , foldadikfois muito parvo , não firvais 
a ElRey. Achou-fe-Ihe entre os feus papeis 
hum memorial y em que tinha aíTentado por 
itens muitas coufas pêra a jornada do A- 
chem , que ElRey pertendia mandar Fazer 
por elle \ e porque ifto eram coufas que 
correram em fegredo , e os feus papeis , e 
cartas foram pêra o Reyno , não foubemos 
a realidade defte \ íbmente ouvimos dizer 
que lhe tinha ElRey efcrito , que fe prepa- 
raffe pêra ir fazer a empreza do Achem , e 
que levafle toda a Armada , e gente que lhe 
pareceíTe , e que deixaíTe a índia entregue 
a Mathias de Albuquerque , que ficaria por 
Governador ; e não eftando na índia , dei^ 
xaria a quem lhe pareceíTe. Tinha no me* 
morial os GaleÓes que havia de levar com 
feus Capitães , e os mefmos os navios de 
remo , os meftres da artilheria de bater , e 
CS petrechos todos , que mais lhe parecef- 
fem neceíTarios , porque aílim como lhe hia 
lembrando a coufa , a hia logo pondo no 
memorial ; e eíperava-fe que o anno feguin- 
te lhe mandaíle ElRev gente , e dinheiro 
pêra profeguir naqueila conquifta , como de 
teito dizem que lhe mandou oitenta mil 
cruzados em reales , que fe deram ao Go- 
vernador Manoel de Soufa. Foi em fua vi- 
da tirado pelo natural hum painel > e poíb 



Digitized by VjOOQIC 



Década X. Cap. XIX* 62f 

na fegunda cafa , onde eftava o retrato do 
Conde D. Francifco Mafcarenhas ; eeftá tão 
natural , que parece vivo , e aílim o deve 
eílar fua alma na Gloria , porque era jufti^ 
çofo , piedofo , virtuoío , continente , e te- 
mente a Deos ; e conforme a noíTa Fé , de- 
ve fer dos feus efcolhidos nelle. Seu corpa 
foi enterrado na Igreja dos Reys Magos, 
conforme a feu Teítamento ; depois foram 
levados feus oíFos á Capella Mór do Con- 
vento da Trindade de Santarém. 

Com ifto temos concluído efta Decima 
Década á gloria , e louvor de Deos noíFo 
Senhor, que vive, e reina in fécula feculor 
rum. Amen* 

Diogo de Couto. 

Fim daDecada Decima* 




Digitized by VjOOQIC 






Digitizedby Google \ V^ i 



Digitized by VjOOQIC 



Digitized by VjOOQIC 



Digitized by VjOOQIC 



Digitized by VjOOQIC 



NOV 2 r> 1545 



yGoo^Ie