(navigation image)
Home American Libraries | Canadian Libraries | Universal Library | Community Texts | Project Gutenberg | Children's Library | Biodiversity Heritage Library | Additional Collections
Search: Advanced Search
Anonymous User (login or join us)
Upload
See other formats

Full text of "Diccionario historico e documental dos architectos"

This is a digitai copy of a book that was preserved for generations on library shelves before it was carefully scanned by Google as part of a project 
to make the world's books discoverable online. 

It has survived long enough for the copyright to expire and the book to enter the public domain. A public domain book is one that was never subject 
to copyright or whose legai copyright term has expired. Whether a book is in the public domain may vary country to country. Public domain books 
are our gateways to the past, representing a wealth of history, culture and knowledge that's often difficult to discover. 

Marks, notations and other marginalia present in the originai volume will appear in this file - a reminder of this book's long journey from the 
publisher to a library and finally to you. 

Usage guidelines 

Google is proud to partner with libraries to digitize public domain materials and make them widely accessible. Public domain books belong to the 
public and we are merely their custodians. Nevertheless, this work is expensive, so in order to keep providing this resource, we bave taken steps to 
prevent abuse by commercial parties, including placing technical restrictions on automated querying. 

We also ask that you: 

+ Make non-commercial use of the file s We designed Google Book Search for use by individuals, and we request that you use these files for 
personal, non-commercial purposes. 

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort to Google's system: If you are conducting research on machine 
translation, optical character recognition or other areas where access to a large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the 
use of public domain materials for these purposes and may be able to help. 

+ Maintain attribution The Google "watermark" you see on each file is essential for informing people about this project and helping them find 
additional materials through Google Book Search. Please do not remove it. 

+ Keep it legai Whatever your use, remember that you are responsible for ensuring that what you are doing is legai. Do not assume that just 
because we believe a book is in the public domain for users in the United States, that the work is also in the public domain for users in other 
countries. Whether a book is stili in copyright varies from country to country, and we can't offer guidance on whether any specific use of 
any specific book is allowed. Please do not assume that a book's appearance in Google Book Search means it can be used in any manner 
any where in the world. Copyright infringement liability can be quite severe. 

About Google Book Search 

Google's mission is to organize the world's Information and to make it universally accessible and useful. Google Book Search helps readers 
discover the world's books while helping authors and publishers reach new audiences. You can search through the full text of this book on the web 



at |http : //books . google . com/ 




Acerca de este libro 

Està es una copia digitai de un libro que, durante generaciones, se ha conservado en las estanterias de una biblioteca, basta que Google ha decidido 
escanearlo corno parte de un proyecto que pretende que sea posible descubrir en linea libros de todo el mundo. 

Ha sobrevivido tantos anos corno para que los derechos de autor hayan expirado y el libro pase a ser de dominio pùblico. El que un libro sea de 
dominio pùblico significa que nunca ha estado protegido por derechos de autor, o bien que el periodo legai de estos derechos ya ha expirado. Es 
posible que una misma obra sea de dominio pùblico en unos paises y, sin embargo, no lo sea en otros. Los libros de dominio pùblico son nuestras 
puertas bacia el pasado, suponen un patrimonio histórico, cultural y de conocimientos que, a menudo, resulta dificil de descubrir. 

Todas las anotaciones, marcas y otras seilales en los màrgenes que estén presentes en el volumen originai apareceràn también en este archivo comò 
testimonio del largo viaje que el libro ha recorrido desde el editor basta la biblioteca y, finalmente, basta usted. 

Normas de uso 

Google se enorgullece de poder colaborar con distintas bibliotecas para digitalizar los materiales de dominio pùblico a fin de hacerlos accesibles 
a todo el mundo. Los libros de dominio pùblico son patrimonio de todos, nosotros somos sus humildes guardianes. No obstante, se trata de un 
trabajo caro. Por este motivo, y para poder ofrecer este recurso, hemos tomado medidas para evitar que se produzca un abuso por parte de terceros 
con fines comerciales, y hemos incluido restricciones técnicas sobre las solicitudes automatizadas. 

Asimismo, le pedimos que: 

+ Haga un uso exclusiv amente no comercial de estos archivos Hemos diseilado la Bùsqueda de libros de Google para el uso de particulares; 
comò tal, le pedimos que utilice estos archivos con fines personales, y no comerciales. 

+ No envìe solicitudes automatizadas Por favor, no envie solicitudes automatizadas de ningùn tipo al sistema de Google. Si està llevando a 
cabo una investigación sobre traducción automàtica, reconocimiento óptico de caracteres u otros campos para los que resuite ùtil disfrutar 
de acceso a una gran cantidad de texto, por favor, envienos un mensaje. Fomentamos el uso de materiales de dominio pùblico con estos 
propósitos y seguro que podremos ayudarle. 

+ Conserve la atribución La filigrana de Google que vera en todos los archivos es fundamental para informar a los usuarios sobre este proyecto 
y ayudarles a encontrar materiales adicionales en la Bùsqueda de libros de Google. Por favor, no la elimine. 

+ Manténgase siempre dentro de la legalidad Sea cual sea el uso que haga de estos materiales, recuerde que es responsable de asegurarse de 
que todo lo que hace es legai. No de por sentado que, por el hecho de que una obra se considere de dominio pùblico para los usuarios de 
los Estados Unidos, lo sera también para los usuarios de otros paises. La legislación sobre derechos de autor varia de un pais a otro, y no 
podemos facilitar información sobre si està permitido un uso especifico de algùn libro. Por favor, no suponga que la aparición de un libro en 
nuestro programa significa que se puede utilizar de igual manera en todo el mundo. La responsabilidad ante la infracción de los derechos de 
autor puede ser muy grave. 

Acerca de la Bùsqueda de libros de Google 

El objetivo de Google consiste en organizar información procedente de todo el mundo y hacerla accesible y ùtil de forma universal. El programa de 
Bùsqueda de libros de Google ayuda a los lectores a descubrir los libros de todo el mundo a la vez que ayuda a autores y editores a llegar a nuevas 



audiencias. Podrà realizar bùsquedas en el texto completo de este libro en la web, en la pàgina lhttp : / /books . google . com 



r L 3 L 1% ^ L 



v5?>fi 



'^ — <- ^: 











^ 




^J^- 






K , 







/»' 



<^^ 



r- 



f/. 



\ ^ 



Al 



/\ll t 



^XiAi 



ECTOS. E^ 



Luì J\j 



DICaONARIO 

DOS 

ARCHITECTOS, [NGEKHEIROS E CONSTRUCTORES 

PORTUGUEZES 



J 



DICCIONARIO 

HISTOUCO I DOCmNTAL 

DOS 

ARCHITECTOS, ENGENHEIROS 



CONSTfiUCTORES PORTUGUEZES 

OC 

A SERVP DE PORTUGAL 

COOBDBNADO POH 

SOTJSA. "VITEI^BO 

E 

PUBLICADO POR INDICAgiO DA COMMISSiO DOS MOMMENTOS 



VOL. Il 
H— R 



LISBOA 

IHFBEK8A HACIONAL 
1904 






HMVMBOOLUaEUIMif 
COUNT OF SANTA EULMJà 

ceuEcnoN 

eiFTOF 
«MN II tTETWNi 1» 

MAY 28 1924 



INTEODUCgiO 



ENSINO DA ARCHITECTDRA 

Àniigamenta o ensino da architectura e das outras belias-artes nio era 
ministrado em estabelecimentOB publlcos, de organiza^So officiai, corno os 
que existem em nossos dias. As officinas, de caracter inteiramente pratico, 
é que exerciam as funcySes de escola, com resultado nSo menos proficuo, 
corno attestam as nnmerosissìinas obras-primas, em todos os generos, 
produzidas por tantos povos e durante tantos seculos. É incontestavel que 
havia entre nós, de longa data, o cargo de architecto ou mestre de obras, 
assim corno outros de designagào differente, mas esse titulo nSo envolvia 
o dever do professorado, tal qual se comprehende actualmente. Foi no 
comedo do periodo filippino que entre nós se criou urna cadeira de archi- 
tectura, dando o Estado uma tenga aos aprendizes, que nella se instruis- 
sem. Depois de a frequentarem, ou ainda durante a sua frequencia, devi- 
damente habilitados, eram promovìdos a outros logares em que exercessem 
as funcfSes da sua especialidade. 

Parece que o primeiro mestre encarregado de ensinar està materia 
fora Filippe Terzo, que viera para Portugal no reinado de D. SebastiSo, 
a quem acompanhou na segunda jomada de Africa, ficando prisionciro 
na bataUia de Alcacer-Kibir. O empenho e presteza, com que foi resga- 
tado, mostram bem a valia em que era tido. NSo encontràmos o diploma 
que nomeou para tal cargo, mas um alvarà de 24 de setembro de 1598 
designa Diego Marques Lucas para um dos tres logares, que ora ordenei 
de peasoas naturaes d'esie reino, para haverem de aprender architectura 
com FUippe Tereio. Os pensionistas recebiam de ordenado annual vinte 
mil reaes, e, além da cadeira de architectura, eram obrigados a fre- 



VI 

quentar a de geometria, regida pelo cosmographo-mór, que naquelle tempo 
era o celebrado JoSo Baptìsta Lavanha. Necessariamente, ter-se-ia for- 
mulado algum regìmento, regulamentando este assmnpto e determinando as 
obrigaQSes dos professores e aliimnos, mas nXd encontràmos o seu re^sio, 
nem noticia delle. 

A Filippe Terzo succedcu Nicolau de Frias, segundo se deprehende do 
alvarà de 11 de jiinho de 1598, que nomeou Francisco de Frias para 
aprender com elle architcctura. 

E difficil estabelecer a lista chronologica, rigorosamente ezacta, dos 
professores de architectura, nio so porque nao apparecem os respectivos 
diplomas, mas tambem porque nSo veem designados os seus nomes nas car- 
tas dos pensionistas, nas quaes se diz que elles aprenderiam com o mestre 
de obras que Ihes fosse designado. No alvarà de 16 de fevereiro de 1647, 
nomeando Matheus do Conto, diz-se que elle continuarla aprendendo com 
seu tio, do mesmo nome. Daremos agora uma nota dos aprendizes de archi- 
tectura, com as datas das respectìvas nomea9oes: 

Diogo Marques Lucas — 14 de setembro de 1594. Succedeu-lne Matheus 
do Couto, 

Francisco de Frim — 11 de junho de 1598. Succedeu-lhe Henrique 
de Franja. 

Henrique de Franca — 10 de maio de 1602, Sucoedeu-lhe Eugenio de 
Frias. 

Eugenio de Frias — 27 do abril de 1611. Succedeu-lhe Theodosio de 
Frias Pereira. 

Antonio Simoes — Nao encontràmos a carta da sua nomea9ao. Sabe- 
mos, porém, que em 1604 fora substituido por Pero Nunes Tinoco. 

Pero Nunes Tinoco — 20 de setembro de 1604. Succedeu-lhe Diogo 
Paes. 

Diogo Pctes — 1624. O respectivo alvarà nao traz o mès. 

Matheus do Conto — 20 de setembro de 1616. Succedeu-lhe André Ri- 
beiro Tinoco em 24 de fevereiro de 1629. 

Theodosio de Frias Pereira — 9 de setembro de 1631. Succedeu-lhe 
^lanuel Martins Cavalleiro. 

Manuel Martins Cavalleiro — 4 de fevereiro de 1641. 

Antonio Torres — Nomeado a 20 de novembre de 1647, em substitui- 
gSo de Theodosio de Frias Pereira, promovido a mestre das obras dos pa- 
90S da Ribeira. 



VII 

André Ribeiro Tinoco — Filho de Pero Nunes Tinoco. Nomeado em 
24 do fevereiro de 1629, em legar de Matheus do Conto, que f8ra premo- 
vide a mastre das obras dos mestrados de S. Bento e S. Tìago. Succe- 
dea-lhe Joao Nunes Tinoco. 

Joào Nunes lìnoco — Irmào do antecedente, a quem sacceden em 20 
de dezembro de 1631, por aquelle ter entrado na Companhia de Jesus. 

Diogo Tinoco da SUva — Sobrinho do P-* Francisco Tinoco da Silva, 
architecto dos pa^os da Ribeira, com quem aprendia. Nomeado em 10 de 
outnbro de 1690, em substituigSo de Manuel do Couto, promovido a ar- 
chitecto dos pa$os de Salvaterra, Àlmeirim e Mosteiro da Batalha. 

Manuel do Couto — NUo encontràmos a sua carta de nomea9lo, mas 
no decreto de 8 de outubro de 1686, que o incumbe de assistìr na forti- 
ficacuo de Pcnicbe, se diz que elle era discipulo da aula. 

Luis Nunes Tinoco — Succedeu-lhe Manuel Lopes da Silva. 

Manuel Lopes da SUva — Nomeado em 6 de junho de 1691. 

José Rodrigues Ramalho — Em 10 de abril de 1707, foi encarregado 
da horta dos pagos da villa de Salvaterra de Magos, e na respectiva carta 
se diz que scrvia ha quatorze annos urna das pra9as de aprender archi- 
tectura, sob a direc$ao do P.® Francisco "nnoco da Silva. 

JoSo Aniunes — Nao encontràmos a carta que o nomeia aprendiz de 
architectura, mas em 29 de junho de 1699 foi promovido da praga de 
aprender architectura civil a pra$a de architecto, que vagirà por falleci- 
mcnto de Francisco da Silva Tinoco. 

Fedro Raincdho — Era aprendiz dos pa^os da Ribeira e suc<!edeu-lhe 
])or sua morte Antonio Carlos Andreis. 

Antonio Carlos Andreis — Foi nomeado para substituir o anterior em 
carta de 20 de julho de 175^J. 

II 
OS ARCHITECTOS DA RATALHA 

O Mosteiro de Nossa Seuhora da Victoria, ou da Batalha, comò vul- 
garmente é conheeido, é um dos monumentos que surgem mais mtilantes 
do solo portuguès e de que mais nos podemos orgulhar, porque, além de 
ser rana joia artistica de inestimavel valor, synthetiza um dos feitos e urna 
lUs épocas mais gloriosas da nossa historia. Dir-se-ia a armadura de pedra 



vm 

de um paladino gigante, que ficou immorel, no campo do tomeio, noma 
serenidade heroica, patenteando aoB seoulos a pennanencia do sen trìnmpho. 
O voto de D. Joao I foi sincero e ardente, e, se n8o devemos estranhar 
a sinceridade numa era de fé tao viva, nSo póde deixar de snrprehender 
a extraordinaria presteza com que o vencedor de Aljubarrota traton de 
dar cumprimento i saa promessa, pois os euidados da guerra, no mais 
acceso da lucta, nio o desviaram do seu firme proposito. A obra corno 
que tem a caracteriz4-Ia està energia de vontade, e na unidade da sna con- 
cep9ào e na pureza do seu estilo se revelam a harmonia e intensidade do 
pensamento primordial que Ihe deu o ser. O architecto que a delineou, 
e que, se nio a levou a cabo, Ihe deu grande impulso na execuglo, soube 
merecer a confian9a do monarcha, traduzindo a sua bella ideia em todo 
esplendor da fórma. 

E extensa a lista dos archìtectos da Batalha, prolongando-se ella, du- 
rante um perìodo, mais ou menos laborioso, de cérca de dois seculos, mas 
a actividade de cada um è bem differente, reconIiecendo*se sem difficul- 
dade que a obra teve um impulso vigoroso durante o primeiro quartel da 
sua inicia^àOy contrìbuindo està circumstancia para que nào appare9am ano- 
malias de estilo nos seus membros prìncipaes. O plano primitivo foi res- 
peitado, sem que o capricho de um mestre tentasse modificar o que reali- 
zira seu antecessor. Ha um ar de parentesco leg^timo entro a igreja, 
a capella do fnndador, o daustro real; a casa do capitulo, e ainda outras 
dependencias que parecem fundidas de um jacto, no cadinho da mesma 
inspirasse. 

Dada a natureza do nesso caracter, cuja tendencia é duvidar da va- 
lidade de tudo o que seja nacional, nSk> admira que o edificio da Batalha 
apparerà comò um grande ponto de interrogagSk) na historia da arte por- 
tuguesa. Os incredulos, os que suppSem que o genio esthetico portuguès 
seria incapaz de tamanho esforgo, baseiam a sua theoria ou a sua hypo- 
these na circumstancia de que antes da Batalha nSLo havia outro edificio 
que denunciasse tao vigorosa genese. Semelhante assergSo nSto nos parece 
todavia nem irrefutavel, nem tJo pouco ainda comprovada. Construc98es 
importantes, jA no estilo gothico, jà no estilo romanico, se effectuaram du- 
rante toda a primeira dynastia, e là està Alcobasa, bem perto da Batalha, 
a defrontar-se com ella. 

Contemporaneos d'està ultima, tres outros edificios ^eligiosos poderiam 
servir de termo de comparaslo, revelando o estado da architectura em 



IX 

Portugal naquelU època. S2o elles: o convento de Santa Clara, no Porto; 
^OBsa Senhora da Oliveira, em Gnimarles, e o convento do Carmo, em 
Loaboa. Do primeiro talvez so existam da fimdagZo primitiva alg^ons restos 
do claostro. Nossa Senhora da Oliveira soffiren modernamente nma refonna 
vandalica, qne a detorpon vergonhosamente. O convento do Canno mia 
com o terremoto, mas «nda se conserva a sna ùchada e a sua absyde, 
tendo està de incontestavel belleza. É conveniente, porém, advertìr-se qne 
na Batalha se concentron todo o poder da iwjignAiiiinìiìsyio real. 

Indnbitavelmente, o primeiro architecto da Batalha era portngads, igno- 
rando-se qnal fòsse a escola em qne aprendesse on officina em qne prati- 
casse, sendo certo qne escola e officina, synonimas naqnella època, eram 
nma e a mesma coisa. Se o plano da Batalha, em vez de ser tra^ado por 
nm portugnés, viesse de procedencia estranha, parece qne devia oorres- 
ponder mais directamente ao estado da architectnra gotidca ìi fora, qne 
ji tinha chegado ao sen altìssimo perìodo de exnberante florescencia. O go- 
thico da Batalha, podendo ser ji o gothico flammejante (fianAojfoni) ainda 
se contém noma grande sobriedade, compensando pela elegancia a rìqaeza 
extrema dos omatos. 

Em Lisboa, em Coimbra, em Evora e Thomar, a actìvidade archite- 
ctonica e artistica nacional teve extraordinarìo desenvolvimento, mas em 
nenhnma parte a tradijlo dos grandes mestres sq conserva e perpetua tio 
harmonicamente corno na Batalha. O monumento de D. JoSo I póde con- 
siderar-se pertanto corno ama officina modelo, corno am viveiro de artiatas, 
comò ama escola de prìmeira ordem, onde os architectos mostravam a al- 
teza da sua concep^So na altivez elegante das linhas, onde os canteiros 
desabrochavam a sua phantasia e revelavam a sua perìcia no rendilhar do 
calcareo, onde os pintores das vidra^as cobriam de transparencias fulgu- 
rantes, rìcas de imagens e de outros ornatos, as frestas e janellas do gran- 
dioso edificio. Seunir, portante, piedosamente, os nomes de todos os col- 
laboradores da vasta obra equivale a preencher ama das mais glorìosas 
paginas da historia da arte e prestar um tributo de homenagem à memoria 
de algam dos seus mais ìnsignes cultores. As pedras da Batalha entoam, 
num coro mysterioso, os louvores de quem as aprumou e cinzelou; jnsto 
è qne jnntemos a nossa voz a essa symphonia qne so os iniciados na re- 
I^gì2o do bello sabem ouvir com respeìto e comprebender com admiragSo. 
Fai Fr. Francisco de S. Luis (Cardeal Saraiva) o primeiro que esta- 
belecea a lista dos architectos da Batalha, servindo-lhe de base os do- 



oomentoB que se oonsenravam no cartono do mosteiro, prìacipalmeate at 
escrìpturas em pei^gaminlio, que hoje se podem consultar no Archiro Na* 
cional. N2o sei se ao tempo d'aquelle illustre prelado ainda existìriain outros 
elementos que pudessem servir de elucida9So mais ampia, comò, por ex- 
empio, OS cademos de contas, mas, se existiam entXo, extraviaram-se e nSo 
fbram recolhidos na Torre do Tombo. A nossa suspeita a este proposito 
talvez pare9a infundada, pois de outro modo o Cardeal Saraiva nAo desa- 
proyeitaria t&o valiosos subsidios, mas ha um facto que nos deixa vacil- 
lante e que concorre a demonstrar que nem todos os veios da mina foram 
entto exploradoB. Referimo-nos à existencia de urna espella, de que nin- 
guem até hoje se lembrou, desorevendo-a ou investigando-a. E ella urna 
espede de necropole ou pantheon dos artìstas da Batalha, e pena é que 
descuido com que foi tratada, o estado de ruina a que chegou, nSo per- 
mittam que aproyeitemos na sua totalidade e na sua inteireza os monu- 
mentos epigraplucos que continha, alguns dos quaes decerto se perderam, 
achando-se os existentes bastante mutilados. Ainda assim estes restos nXo 
sto de todo inuteis e alguns dados interessantes nos fbmecem. 

É possivel que està capella, que nSo observàmos, fòsse talyez a antiga 
igreja, da qual tantas yezes se fala nas escrìpturas conventuaes. E nSo 
se deixe em esquecimento està drcumstancia, pois é indispensavel e curioso 
saber-se que se construiu um edificio provisorio, onde os primeiros frades se 
alojaram. Resta, porém, saber, e talvez hoje seja impossivel averiguar-se, 
se a obra grande e definitiva se comegou depois da provisoria, ou se urna 
6 outra oomegaram a par e a passo, simultaneamente. 

A lista de Fr. Francisco de S. Luis nSo é absolutamente exacta e com- 
pleta, que nSo admira, sabendo-se que elle nSo rocorreu ao Archivo Resi. 
Tambem nto a trouxe até aos tempos modemos, julgando, e com razlo, 
que depois do terceiro quartel do seculo xvi o titulo de architecto da Ba- 
talha tinha mais de honorifico que de real, pois as obras apenas se limi- 
tariam a concertos e reparos, quando nSo a commetter nessas repara^Ses 
algum attentado de lesa-arte. Darei aqui em primeiro legar a lista do Car- 
deal Saraiva, restringida aos nomes, publicando em seguida, ampliada e 
recttficada, a que pude coordenar. 

AiFonso Domingues. 

Huguet. 

Martìm Yasques. 



XI 

Femio de Evora. 
Ifatheus Fexxumdes. 
Matheas Femandes, 2.^ 
Antonio Gomes 
Antonio Mendes 

Fr. Francisco de S. Lniz nAo conseguiu determinar rigorosamente o 
periodo da elaborasse de cada um d'estes mestres. Pela nossa parte e quanto 
em nós caiba, procoraremos preencher essas laconas chronologicas. Eis 
agora o nesso traballio: 

L AfEbnso DominfiriiBS — NSo se conhece a sua carta de nomea^So 
para mestre de obras da Batalha, nem tSo pouco qualquer outra que Ihe 
diga directamente respeito, e em que se Ifae conceda qualquer mercé cu 
se fa^ ailusSo aos seus servi^os. Ezistem, porém, dois documentos em 
que se faz darà referencia ao seu nome e ao seu officio. Um d'elles, en- 
contrade por S. Luiz no cartono do mosteiro e publicado por nós na in- 
tera (voi. I pag. 288), é um emprazamento a Gonzalo Anes de tres talhos 
de vinha, um dos quaes pertencia a Margarìda Anes, ama que fai de 
Affamo Domingues, mestre da óbra do duo mosteiro. Tem a data de 27 de 
dezembro da era de 1440, iste é do anno de 1402. Ora tendo prinoipiado 
a obra dezaseis annos antes, e sendo ji fallecido Affonso Domingues, nSo 
é multo de presumir que anteriormente a elle tivesse havido outro, con* 
jectura que o silencio dos documentos oonfirma. No citado diploma apparece 
corno testemunha mestre Huguet, designado corno mestre da obra, de onde 
se yé que succederà a Affonso Domingues, tendo até talvez trabalbado 
jnntamente com elle. 

O seg^do ducumento, que S« Luis desconheoeu e que so encontràmos 
depois de publicado o primeiro volume, inserimo-lo no segundo, no artigo 
consagrado a Huguet. É urna carta de D. JoHo I fazendo mercé a Ruy 
Garcìa de duas moradas de casas junto da Magdalena, em Lisboa, uma 
das quaes entestava com a que trazia Jo2Lo Femandes, selieiro, e a outra 
com a casa da molker que fai de Affonso Domingues, mestre da obra da 
BataXha. É datada de 9 de junho da era de 1444, iste é do anno de 1406. 
Muito provayelmente foi ella que serviu de base a Fr. Manuel dos Santos 
para iuffirmar, na vin parte da Monarchia Lusitana, que Affonso Domingues 
em naturai de Lisboa, freguesia da Magdalena. 



Estes dois documentos nao s&o de urna extraordinaha rìqaeza biog^a- 
phica, mas fomecem alguns subsidios, que n&o bSo de todo despreziveis. 
Vé-se por elles que Affonso Domingaes nSo devia ter morrìdo Teiho, por- 
quanto, além de deizar viava, ainda depois da sua morte era viva saa ama. 
Està circumstancia deità por terra, crémos nós, a suppo8Ì9So que se padesse 
formular de que Affonso Domingues era estrangeiro, tendo-ae nacionalizado 
seu appeliido, corno succedeu com outros, comò por exemplo, com Va- 
lentim Fernandes, o impressor, que ninguem dirà que seja allemSo. Emitte 
Vilhena Barbosa a supposigSo de que Affonso Domingues tivesse ido aper- 
feÌ9oar-se ao estrangeiro. É plausivel, n%o havendo todavia nenhum argu- 
mento ou facto que a confirme ou invalide. Diz-se tambem que o busto que 
està na Casa do Capitulo, e que sem duvida representa um architecto, é o 
de Affonso DomingueS| e sobre iste baseou Alexandre Herculano uma das 
suas mais formosas Lendas. Està opinilo nSo é todavia partilhada por todos, 
havendo quem se incline a que o busto representa mostre Huguet. O que 
nos parece racional é que so entro os dois póde ser disputada a gloria. 

II. HugU6t. — Tambem nSo é conbeoida a sua carta de nomea9So para 
mestre das obras da Batalba, cargo que elle jà desempenbava em 1402, 
corno se viu no artigo antecedente. Em 12 de setembro de 1436, D. Duarte 
Ihe fez mercè, para elle e seus descendentes, de uma casa, no mesmo mos- 
teirO; cm que costumava residir. No anno seguinte fazia-lhe igual mercè 
de um Corrado. 

Os frades n2o consentiram, depois do fallecimento do mestre, que sua 
viuva, Maria Esteves, continuasse na posse dos bens que D. Duarte conce- 
derà a seu marido. Ella resistiu, forte no direito que Ihe provinha das cartaa 
regias, mas o pleito, trazido à cdrte, foi decidido centra ella, com a clan- 
Bula de nEo pagar custas, visto a razlo que tinha para litigar. A sen- 
tenza foi lavrada por D. Affonso V, na cidade de Evora, a 13 de margo 
de 1450. Dois annos depois, a 28 de novembre de 1452, os frades do 
mosteiro emprazaram a Martim Pires, pedreiro, e a sua mulher, Inés Al- 
vares, umas casas em que costumava morar mestre Huguet. Este, muito 
provavclmente, casdra-se em Portugal com Maria Esteves, cuja naciona- 
lidade portuguesa està caracterizada no seu nome. 

Nem OS frades nem el-rei respeitaram a memoria de mestre Huguet, 
que decerto grangeàra direito à merecida considerarlo, por ser um dos 
mcstres mais eminentes da obra e que por mais tempo a dirìgiu. Nio 



xm 

deixa de impressionar a cìrcnmstancia de ser am estrangeiro qae sacedesse 
a AfEonBO Domingues. Mestre Huguet falleceu por 1438, pois neste anno 
hi nomeado para Ihe sacceder, por seu fallecimento, Martim Vasques. 

ni. Martim Vasques. — Era apparelhador da obra da Batalha, onde 
se edncon sob a direcsSo de mostre Huguet, a quem succedeu, .por sua 
morte. D. Duarte, fianào do seu saber e dUcreQào, o nomeou mestre e divi- 
sador da obra em carta de 1438, a qual foi confirmada por D. AffonsoV 
a 8 de jonho de 1439. Em 1 de junho d'este mesmo anno el-rei Ihe pri- 
vìIegioQ urna azenha, que tinba junto do mosteiro, isentando-o de pagar 
direitos. Em 1448 j& era fallecido, pois nesso anno, a 18 de agosto, sua 
viuva; Beatrìz Lopes, e seus filhos, cujos nomes se nSo declaram, vendiam 
mnas casas a mestre Kicolau, picheleiro. Ao acto assistiu Fem3o de Evora, 
sobrinho do fallecido. 

Na chancellarìa de D. AffonsoV (liv. 35, fol. 54 v) acha-se registada 
uma carta de 31 de outubro de 1439, concedendo perdio a um Pero Anes, 
lavrador, residente na dos Palmeiros, termo da villa de Leirìa, de quem 
Martim Vasques querelerà pelos damnos que Ihe causira, com seus gados, 
em pio e vinho, e por ter, além d'isso, espancado e fendo gravemente, 
pondo-o & morte, um JoSo Martius, do mosteiro da Batalha, por certo 
officiai ou servirai das obras. Pela mesma època, poucos annos depois da 
sua morte, apparece outro Martim Vasques de Evora, pedreiro e residente 
na Batalha, o qual, se nSo era seu filho, talvez fòsse seu parente. A elle 
e & mulher, Aldonga Martins, aforaram os frades hUa herdade ù campo 
que jaz acima do dito moesteiro no Ribeiro de freixJieai, A respectiva es- 
criptora foi lavrada, na crasta do mosteiro, a 19 de fevereiro de 1459. 

TV. Femfto de Evora* — O seu appellido, certamente patronimico, 
revela a terra do seu nascimento. Succedeu a seu tio Martim Vasques, na 
direcfSo das obras da Batalha. NSo encontràmos, porém, a carta que 
o nomeia, mas comò tal se ve designado em differentes documentos. Em 
16 de novembre de 1450, D. Alfonso V Ihe fez mercè de umas casas, na 
qualidade de mestre da obra, da qual era bom servidor. Fern3o de Evora 
era casado com Maria Anes, segundo se ve de uma carta de 13 de Ja- 
neiro de 1453, pela qual Beatrìz Dias Ihes vendeu uma vinha situada a 
par da da Faniqueira. Em 1467 Femio de Evora arrematou os bens de 
Fernando Anes da Cranguejeira« 



XIV 

FernSo de Evora devia ter falleoido por 1477, pois neste anno, a 21 
de outubro, nomeoa D. Affonso V, mestre das obras da Batalha a meatre 
Guilherme, aay e peUa guisa que o aiee quyfoy Femào deuora, que o dito 
oficio de nos tinha e se ora fnou. 

V. GuiUielxne. — Depois de dois artistas portugueses, intercalamos 
um estrangeiro^ cuja procedencia ignoramos, mas sendo provavebnente 
francès. Fr. Francisco de S. Luiz nSo teve d'elle coiilieciinento, enume- 
rando, em compensasse, mn seu homonymo, mestre das vidragas. Sfto, 
porém, distinctos e n%o se deve confimdir o architecto com o pintor. A sua 
carta de nomeasSo, assignada por D. AifònsoV, é de 21 de outubro de 1477. 

Mestre Guilhelme casou-se provavelmente em Portngal. Sua mulher 
jaz enterrada na capella, a que atràs alludimos, n3o sendo comtado possìvel 
interpretar exactamente o seu nome. Da parte do epitaphio, cuja leitura 
nSLo deixa duvidas, colhe-se qne ella era mulher de Ghiilherme mestre que 
fai d'estas obras, pas de Isabel, mulher de Matheus Femandes, 

VI. Matheus Femandes.— 1/ — Fr. Francisco de S. Luis salta 
de FemSo de Evora, de cuja actividade so tem provas até 1473, para 
Matheus Femandes, que principia de Ihe apparecer por 1503. Neste lapao 
de trinta annos outros individuos teriam preenchido o cargo, comò effecti* 
vamente succedeu, e corno j& yìmos com rela$fto a mestre Guilhelme. A la* 
boriosidade d'este nSo se prolongou todavia por tanto tempo. Pareoe que 
o seu immediato sucoessor foi Matheus Femandes, seu genro, cuja carta de 
nomea^Io nSo appareoe, nSo podendo, por conseguinte, dissipar oertas du- 
vidas que nos occorrem em face de outros documentos. Em carta de 15 
de agosto de 1480 nomeava D. Affonso V a JoSo Rodrigues mestre das 
obras do Mosteiro de Santa Maria da Victoria, assy spella guisa que o era 
McOeus Femandez que a dito oficio tinha e Iho tiramos pera o darmos 
a este por conhecermos que o fard melhor que eBe. 

Està clausula é multo importante por mais de um motivo. Em prì- 
meiro logar por nos mostrar o aprono em que se tinha o mestre das obras 
da Batalha e as condi^Ses technicas que d'elle se exigiam; em segundo 
logar por vir modificar sensivelmente a noticia que até agora se tinha 
de Matheus Femandes. Ter-se-ia elle rehabilitado ou justificado para ser 
reìntegrado no cargo, exercendo com brilho as iìmogSes, para as quaes 



XV 

D. Affonso y jolgira menos proprio? Eis um problema para a soIuqIo 
do qual nSo nos julgamos por emqaanto sufficientemente babiUtadO| pare* 
cendo-nos, porém, mnito plaasivel a bypotbese qae apresentamos. 

VIL JoSo Bodrigaes. — Como YimoB no artigo anterior, foi nomeado 
em carta de 1480. Parece ter exeroido ponce tempo o cargo, porque em 
1485 j& vémos oatro dirigindo as obras. De 1455 esiste nma carta de 
D. Affonso y , em qne se faz referencìa a um JoSo Rodrignes, mostre das 
vidra^as. Estes dois ìndivìdnos so devem ter de commum o nome. 

ym. JofiO de Airada. — Fr. Francisco de S. Luis nSo se lembra 
d'este artista, pois d'elle nXo enoontron nenbnm documento no oartorio 
do convento da Batalba. O mesmo nos succedeu percorrendo as ohanoel- 
larìas de D. Affonso y, D. JoSo II e D. Manuel, yimos, porém, a seu 
respeito nma importante referencìa na carta de doario de umas casas i 
infanta D. Beatriz, m2e de D. Manuel, em Beja. Està carta è de 17 de 
mar90 de 1485, e nella se le que D. Jolo II mandàra avallar as sobre- 
ditas casas por Joham daruda, nosso mestre das obras do nosso musteiro 
da BatcHha* 

9 

A mulher de Jolo de Arruda chamava-se Catharìna Louren^^ e jaz en- 
terrada na capella do mosteiro, a que por mùs de urna vez nos temos refe- 
ndo. Faileoeu a 10 de fevereiro de 1511. A leitura do epitaphio offerece 
difficuldades no tocante ao nome do mando, que parece poder interpre- 
tar-se JoSo de Arruda. Emquanto i data talvez tambem se possa lér 1502. 

IX. Matlieas Femandes. — 2.® — É possivel que seja o mesmo cujo 
nome ji se registou, tendo side agora reintegrado no officio. O documento 
mais antigo que encontràmos, nesta segunda època, a seu respeito, é urna 
carta de D. JoXo II, de 8 de julbo de 1490, fazendo-lhe mercé de um 
moio de trigo. Matbeus Femandes nSo esteve sempre occupado nas obras 
da Batalba, antes por vezes era envìado a examinar dìversas obras e talvez 
a dirìgir algmnas. Na sua ausencia, substìtuia-o seu filho, do mesmo nome, 
que Ibe succedeu no cargo. Fidleceu a 10 de abrìl de 1515, segundo reza 
o epitaphio que està na campa, no corpo da igreja, lego k entrada. Com 
eUe se sepultou sua mulher, Isabel Guilhelme, que Ihe sobreviveu. O epi- 
taphio nSo deolara, porém, o anno em que ella deixou de existir, podendo 
levantar-se a suspeita se ella chegarìa a ser sepultada com seu mando. 



XVI 

Isabel Guìlhelme era filha de mestre Guilhelme, o architecto e nSo o vi- 
dreiro, sen homonyxno. A Matheas Femandes attribae Vilhena Barbosa 
a parte das CapeUas imperfeitasy em que se principiou a modificar o singelo 
esilio primitivo por outro muito mids embrincado. Resta, porém, averìguar 
se a responsabilidade d'este facto cabe unicamente a Matheus Femandes, 
on se teria por coUaborador e participante a Boytac, que pelo mesmo tempo 
trabalhou na Batalha, onde veiu a sepultar-se com sua mulber, jazendo 
na capella a que nuus de uma vez nos temos refendo. Infelizmente, a ma- 
tila9SLo do epitapbio nSo nos di a època do seu fallecimento : especificando 
apenas que elle era mestre das obras do reino e n%o mestre das obras da 
Batalha. Por este motivo nSo o relacionimos nesta lista, embora estojamos 
convencido que prestou valiosissimo concurso, exercendo grande influencia 
na direc9So da obra, independente do titulo officiai de mestre d'ella, que 
outro, talvez com menos direito e merecimento, estivesse usufruindo. Sua 
mulher, Isabel Henriques, descanga ao lado d'elle, tendo fallecido a 23 de 
abril de 1522, e talvez antes do marido, visto nSLo dedarar que eia viuva 
ou mulher que foi de mestre Boytac. 

X. Mailxeus Femandes. — 3.^ — Era filho do antecedente, cujo of- 
ficio de mestre das obras da Batalha jà exercia em vida do pae, todas as 
vezes que este tinha de se ausentar por motivo de qualquer serviQO. A carta 
regia que o nomeou é de 22 de abril de 1516, nfto podendo haver, em 
vista d'ella, a menor duvida acérca da sua filia9So. Além do ordenado 
inherente ao cargo, foram-lhe concedìdos vinte jomaes de ^a9a durante 
aimo, para elle poder ausentar-se da obra a tratar dos seus negocios. 

Era fallecido por 1528, anno em que foi nomeado para o substituir 
JoSo de Castilho. 

XI. Jo&o de CastilliO. — Por fallecimento de Matheus Femandes 
foi JoSo de Castilho nomeado para o substituir em carta de 4 de junho 
de 1528. Castilho foi um dos principaes e mais activos architectos do seu 
tempo, sondo o principal monumento da sua gloria o mosteiro de Nossa 
Senhora de Belem. Devìdo talvez à grande diversidade de trabalhos, é 
que elle nfto se demorou muitos annos na superintendencia das obras da 
Batalha, onde todavìa nSo deixou de assignalar a sua passagem nas CapeUas 
imperfeitoB, podendo comparar-se o que ali fez com as obras que executou 
em Belem e em Thomar. Cardeal Saraiva nfto encontrou vestigios 



xvn 

docmnentaes acérca de Castilho no cartono da Batalha e por isso nSo 
o relacionou entre os demaìs. Vilhena Barbosa detnrpoa-lhe o nome, 
chunando^ Antonio de Castilho, erro que jà passou para outro escrìptor. 
CastìUio renunciou o officio em Miguel de Arruda, corno se yeri no artigo 
seguinte. 

XII. ÌSigViel de Arrada. — Nomeado em 25 de junho de 1533, 
pela renmicia que fez do officio Jo2U> de Castilho^ com licen9a de el-rei, 
em Thomar, a 17 de maio de 1532. Arruda tambem foi empregado na 
construc^ao das fortalezas da costa de Africa. 

Xm. Antonio Qomes. — O Cardeal Saraiya coUoca-o immediata- 
mente depois de Matheus Femandes. NSo encontrimos, porém, a carta da 
soa nomeagSo ou qualquer outro documento que Ihe diga respeito. 

Transcrevemos o que diz aquelle escrìptor: 

cVem mencionado Antonio Gomes, mastre daa ohras, em documento 
de 25 de agosto de 1548, e sem duvida he o mesmo, que em outro do- 
cumento de 1551, se nomèa Antonio Gomes, pedreiro, mestre das ditas 
obras, donde parece conduir-se, que jà entSo nfto havia no mosteiro obras, 
para cuja dircelo nSo bastasse hum mestre pedreiro. 3 

Està observa$IU) n3o nos parece absolutamente exacta, porquanto muitas 
vezes mestre pedreiro ou mestre de pedrarìa eram synonimos de architectos. 
Boytae, por esemplo, é designado numa carta regia corno inestre da nossa 
pedraria, 

XIV. Dionisio de Arruda. — Sobrìnho de Miguel de Arruda, por 
cuja morte foi nomeada para o substituir em 25 de outubro de 1563. 

XV. Antonio Mendes. — Em carta de 7 de dezembro de 1576 foi 
nomeado mestre das obras da Batalha, asy e da maneira que o die deve 
ser e corno o foi Miguel Darruda e Dionisio Darruda por quem o dito 
mestrado vagou. 

Pelos dizeres d'està carta parece dever deduzir-se que nSo houve soIu$&o 
de continuidade na direcgSo das obras entre Miguel e Dionisio de Arruda, 
devendo talvez considerar-se a nomea^Jo de Antonio Gomes temporarìa 

OQ interina, nos intervallos em que qualquer dos dois deixasse de exercer 

MS snas fancfSes. 



xvm 

Antonio Mendes acompanhou D. Sebastilo na segunda jomada de 
Africa, ficando captivo na batalha de Alcacer-Kibir. Fallecen poaco tempo 
depois, e, em atten^So a està circumstancia e aos seus outros servigos, 
OS Govemadores do Beino^ em 26 de abril de 1580, ooncederam i sua 
viuva, Antonia Vicente, a tenga annual de vinte mil reaes. 
^Fr. Francisco de S. Luiz dà d'elle a segainte noticia: 

ff£m documento do anno de 1578, que he huma carta de compra, 
figura corno comprador Antonio Mendes, eavcdleiro Jidalgo da eaza de eZ- 
Bei nosBQ eenhor; e na certidSo de siza, que ahi vem copiada, se dìz ser 
comprador Antonio Mendes, mestre das obras de el^Rei noseo eenhor: nova 
prova, ao que parece, de que o cargo de meetre das obras de nada jà entSo 
servia, senSo de titulo para vencer o ordenado, que Ihe andava annexo. » 

Perd3e-nos a memoria do illustre prelado, mas a sua deducgSò, embora 
seja verdadeira, nSo nos parece absolutamente logica, pois o archìtecto 
podia accumular mais de um cargo, sem que diminuisse a importancia 
das obras que Ihe estavam confiadas. No emtanto nSo nos repugna ad- 
nùttir, antes acceitamos com a maxima plausibilidade, que depois de JoSo 
de Castilho o titulo de mestre de obras da Batalha era mais uma prebenda 
do que um encargo, limitando-se a superìntender na conservagSo e reparos 
do edificio. 

XVI. Balthasar Alvares. — M090 da camara de el-rei. Foi archi- 
tecto de merecimento e de grande actividade, tendo side eseolhido para 
exercer differentes cargos da sua profissSo. Em 1581 foi nomeado, por fal- 
lecimento de Antonio Mendes, para os cargos de mestre das obras dos pagos 
reaes de Santarem, Almeirim e Salvaterra e mestre das obras da Batalha. 

XVII. Matheus do Oouto.— Por alvarà de 1 de julho de 1631, foi 
nomeado mestre das obras dos pagos de Almeirim e Salvaterra, Mosteiro 
da Batalha e comarca do Alemtejo, que vagou por faUeeimento de Bai- 
tÌMsar Alvares. 

XVni. Manuel do Conto. — Por alvarà, com forya de carta de lei, 
de 15 de desembro de 1689, foi nomeado architecto e mestre dos pa^os 
da villa de Almeirim, Salvaterra de Magos e do Beai Mosteiro de Nossa 
Senhora da Victoria da villa da Batalha e da provincia do Alemtejo, cargos 
que exercia seu pae Matheus do Conto, e que nelle os renunoiàra jpor dei- 



XIX 

xa^So^ corno o dis o documento. Nelle se dedara tambem que Matbens do 
Conto servirà ha mais de vinte annos com toda a satisfagSo, nio podendo 
agora continaar por caasa dos sens achaqaes. 

Deve-se notar qne este Matheus do Conto nSo póde ser o mesmo que 
o antecedente, qne foi nomeado em 1631. Se o fosse, o periodo dos sens 
8ervì$08 nSo seria sómente snperìor a vinte annos, mas sim a mais de cin- 
coenta. No primeiro volnme d'este Diecùmario tratimos de dois Matheus 
do Conto, tio e sobrinho. Natnrahnente este sneceden ao tic, seguindo-se-lhe 
depois Manuel do Couto. N2U> encontrimos, porém, a carta nomeando o so- 
brinho para a Batalha. Este documento viria dissipar as dnvidas qne natu- 
ralmente surgem. 

XIX. Oastodio Vlelra. — Em carta.de 2 de agosto de 1734, foi 
nomeado mostre de obras do Mosteiro da Batalha, cargo qne vagàra por 
fallecimento de Manuel do Couto. Pelo mesmo diploma Ihe foram con- 
cedidos ontros cargos de architectura, vagos tambem pela morte de JoSo 
Antnnes e P.* Francisco Tinoco da Silva. 

XX. Oarlos Mardel. — Por fallecimento do anterìor foi nomeado para 
o sobstitnir neste cargo a 22 de fevereiro de 1747. 

XXI. Kiguel Angelo Blasoo.— Fez unportantes servÌ90s no Brasi], 
tendo side por isso promovido a elevados postos comò militar e engenheiro. 
Sendo marechal de campo foi nomeado mostre das obras da Batalha por 
decreto de 30 de Janeiro de 1764. 

XXn. Pedbro Onalter da Fonseoa.— Em carta de 4 de jnlho de 
1772 foi nomeado architecto geral das obras dos reaes pa90S e do convento 
da Batalha, que se aohava vago, sem se dizer o motivo porqné. 

XXm. José Manuel de Carvallio e Negrelros.— Por morte de 
Fedro Gnalter da Fonseca, sncceden-lhe nos dois cargos mencionados no 
paragrapho anterìor. A respectiva carta é de 11 de dezembro de 1804. 
De todos OS architectos da Batalha so nm d'elles, Martim Vasques, 
é qne, sendo apparelhador sob a direcj^Lo de mestre Hnguet, foi promo- 
vido, por morte delle, a mestre da obra. E possivel todavia que iste suc- 
cedesse com mais alguem: oom FemSo de Evora, sen sobrinho e sucoessor, 
por ecKomplo. Temos notioia de mais algnns apparelhadores, a saber: 



XX 

Jofto Afibnso. — Figura em 1450 numa carta de prìrilegio de D. Af- 
fonso V, concedida em favor de um sea caseiro. 

Jofto Pires. — Succedea ao anterior, sendo nomeado por D. Manuel, 
nEo sabemos em que data, e confirmado por D. JoSo III em 7 de outubro 
de 1522. Nesta carta se diz que elle servirla o cargo corno JoSo Affonso, 
que se finàra. Seria; porém, este JoSo Affonso o mesmo que j& figura no 
reinado de D. Affonso V? 

Franoisoo Ntmes. — Foi nomeado para succeder ao antecedente, por 
sua morte, em 27 de novembre de 1527. 

Femao Pires era mestre de carpintaria na regencia do infante D. Fedro 
e acompanhou-o com as suas hostes à batalha da Alfarrobeira. 

Ili 
ARCHITECTO DA SÉ DE LEIRIA 

Na capella sepulcral dos artistas da Batalha acha-se tambem enter- 
rado um Moreno, que parece ter side estranho às obras do mosteiro, igno- 
rando-se motivo por que obteve ali jazida. O epitaphio dà-lhe o titulo 
de mestre da Sé de ... muito provavelmente Leiria. É pena que o estado 
da lapide nSo fomeja melhor nem mais completa leitura, dando-nos por 
inteiro o nome do artista e o nome da Sé por elle construida. Ainda assim 
fioava por nos explicar a causa por que veiu a alcangar sepultura ali, 
quando o locai mais adequado era a propria Sé. 

A cathedral de Leiria foi edificada no reinado de D. JoEo UI, come9ando 
as obras pelos annos de 1551. Do primeiro bispo d'està dìocese, criada 
por aquelle monarcha, D. Fr. Braz, que foi conego regrante, existe urna 
carta de 15 de julho do predito anno, em que elle se refere ao comej^o das 
obras da Sé, sem indicar todavia o architecto. È curiosa a circumstancia 
por elle apontada de el-rei ter examinado e corrigido o plano da edificagSo. 
A carta, até agora inedita, merece ser conhecida, e por isso aqui a repro- 
duzimos: 

«Sòr. — Àfonso Àlaarcz chegaou a està cidade ontem que forS quatorze dias desto 
mes de iulho e me dea a carta de Y. À. e o debuzo qae mandou ordenar pera se fa- 
zer a noua see, o qaal vi o mo deu logno a enteuder e ole pela menha2 o fomos con- 



XXI 

Coniar com o sitìo e acodio tam bem per todas a« partes e vem em todo tam resg^ar- 
dado qae nom ba bi em elio qne replicar; o qae todo foi pera mi grande con8ola9So, 
mormente XK>r està madan^ de sitios ser feita depois de Y. A. ver todos os qae baa 
em està cidade, e nd menos por a innen^ da obra ser correità e tambem enmen- 
dada per Y. A. Hua soo pesar me fiqua qae nom posso nem he razS de calar, qae he 
de me nom ver com idade e for9as por qae do mais nom me enfadara de andar com 
a padiola e cesto seroindo a Deos e a Y. A. em està obra; e isto abaste pera o qae 
Y. Jl manda qae Ibe serena asi do sitio comò da tra^a Agoora Y. A. mande £iLzer 
08 deboxos do alto e os apontamentos comò mescrene e ea come^arei entretanto de 
me &zer mais fiuniliar a ambas estas coasas pera qae possa dar melhor razam delas 
a Y. A. dandome o Senhor dispo8Ì9lLo pera qae antes qae se parta de Saatarem Ihe 
ir beijar os pes por o caidado qae tem dos edificios do Senbor Deos, ao qaal praza as^ 
pò/ està obra corno por todas as oatras tam santas qae ùolz Ibe dar malta vida e saade 
e em firn a soa gloria amen. De Leyria em os .15. de jalho de 1551. — Frei bras bpo 
de Ijeiria.» 

(Torre do Tombe. — Coiyo Chrwoloffico, parte 1.*, ina^o 86, doe. 80.) 

IV 

OS ARCHITECTOS M SÉ DE MIRANDA 

A diocese de Miranda foi crìada approxìmadamente pelo tempo da de 
Leirìa, por conseguinte contemporaneas as daas respectivas catbedraes. 
Està circiimstancia é multo importante para a historìa da architectura no 
noaso pais, pois o seu estudo comparado nos póde comprovar se ellas obe- 
deceram aos mesmos prìncipios technicos, se havia entSo mn estilo predo- 
minante ou se OS mestres que as construiram seguiam escolas differentes. 
No primeiro volume deste Diccionario, no artigo relativo a Jorge 60- 
mes, aventàmos a opinilo de que elle seria primeiro architecto da obra, 
mas temos de reconsiderar e de emendar a mSo. De 15 de dezembro de 
1547 existe uma extensa carta assignada pelo bispo e dirig^da a Sua Àlteza, 
em que Ihe accusa a recepgSo de uma carta sua com debuxo da obra, 
mna e outra cousa trazidas por Gonzalo de Torralva, que parece ter sido 
o auctor d'esse debuxo e pertanto seu primeiro architecto. O bispo enea- 
rece-o maito e recommendarO a el-rei corno competentissimo para ser en- 
carregado da direc;3o da obra. Se D. Jo3o III accedeu effeotivamente ao 
pedido do bispo n3o sabemos, pois na correspondencia episcopal nio tor- 
nimoa a encontrar vesti^^os d'elle. Em carta de 18 de margo de 1548 par- 
ticipa o bispo a chegada de Jorge Gomes com os mestres de pedra e cai 
e cavouqueiros. Seria aste Jorge Gomes architecto que em 1559 estava 



XXTT 

tiruido a pianta de Tanger? D'elle falimos no prìmeiro volarne d'eate Dio- 
donarlo. 

Quem era Gongalo de Torralva? Muito proyavelmente irmSo de Diego, 
que foi mastre das obras do mosteìro dos Jeronìmos, em Belem, e cena- 
tructor do bello claustro deThomar, erroneamente denominado dos Illìppes. 
£m 1572 era elle mestre das obras da fortaleza da Athoogoia, segando 
se Té d'ama carta de perdio a om sea filho de nome Diogo^ accasado de 
ter morto am homem naqaella villa. Em 16 de margo de 1562 fSra elle 
com Francisco Esteves e Dinis Carvalho avaliar omas obras ao mosteiro 
de Chellas. No respectivo aato da avalìaylo os dois primeiros sXo desi- 
gnados pedreiros e o terceiro medidor das obras da cidade. 

Em 1560 era mestre empreiteiro da obra da Sé de Miranda, Francisco 
Velasqnes oa Velbasques, muito provavelmente espanhol, a quem foram 
concedidas duas cartas de privilegio com relayfto aos mantimentos e ape- 
sentadorias para elle e para os offidaes, que com elle trabalhassem. 

N&o encontrimos mais nenhum documento que Ihe diga respeito, e é 
està a primeira vez que o seu nome apparece nos annaes da arte porta- 
guesa. 



VOLUME II 



H-R 



408— Bavelle (JoSo Bariholomeu). Contratado, oom outros 
officiaes estrangeiros, para ir servir na America. Em 4 de julho de 1750 
era passado em sen nome o seguinte decreto: 

«Hei por bem fazer merce a JoSo Bertolamea Haaelle do Posto de CappitSo 
Engenheiro com o soldo dobrado: o Conselho de Guerra o tenha assim entendido 
e Ihe mande passar os despachos necessarios. Lisboa s qaatro de Jolho de mil sette 
eentos e cincoenta. K.» 

(DeeretM mnettldoi «o Oonielho de Guam, mAfo 109, n.* S9.) 

Por decreto de 30 de dezembro do mesmo amio era elle nomeado, jnn- 
tamente com Blasco, Schwebel, Crowsfeld, Reverend, Galuzzi, Cavagna, 
Hetskoi Gotz, Hatton e Rorich para irem aos estados portugaeses da 
America tirar cartas geographicas das suas demarcasSes. 



469 — Heahea on Tlialiea. Carpinteiro monro, a quem D. JoSo II 
mandava entregar para sea uso diversas pe^as de vestuarìo. 

J& tratàmos de nm artìfice da mesma procedencia ethnica e da meema 
epoca, e adeante tratàmos de outro, Jnfez, que vivia no reinado de D. Af- 
fondo V. 

O mandado de D. JoSo II em &vor de Heahea é de 29 de junho de 
1493 e do teor segointe: 

«Bay Gilly mandamosaos que dees a Heabea, monro, noso carpenteiro, buu capoz, 
pelote, call9as e carapn9a dÀntona e jnbam de fnstam prete, e bufi par de camisas de 
pano da terra, que Ibe numdamos dar pera sen vestido, tudo feito e tirado de custura, 
e asemtaj o em vose cademo pera volle depois assinaimos. Feito em Torres Vcdraa 
a zxiz dias de jnlbo — P.* da Mota o fez — de mil iiij* IBiij. Sey*-*» 

Ao fìmdo: 

«Capoz, pelote, cal^as e carapu^a dAntona e jubS de fusti e bufi par de camisas 
de pano da terra a Ybabea» 

(Tonr« do Tombo. — Coiyo ChronologicOf p«rt« l.\ mafo S; doc. 40.) 
TOt.a 1 



2 

4TO— Henriques ou Anriquez (Filippe). Era um dos mestres 
qne trabalhavam em Belem em 1517. No rol das obras li se acha mencio- 
nado em segoìda a JoSo de Castilho com l'^ qaSios, AU se 1§ ainda a se- 
guìnte nota: 

«Fillype Amrriquez trara cada dia Ib (55) ofyciaes e avera por mes saaenta 
e cito mil rs.» 

Cremos qne este Filippo Henriqnes era filho de Mathens Femandes. 
Ào menos vd-se assignado este nome em um recibo relatiro ao mostre 
da Batalha. Vide Mathens Femandes. 

Raczynski, no Dictionnaire, equìvocadamente diz qne elle trabalhara 
na Batalha, mas, remettendo o leitor a pag. 344 das snas Lettre», nella 
so trata dos constmctores de Belem. 

Um Filippo Anriquez, que amda sera o mesmo, foi empreiteiro, con- 
j untamente com Pero Anriquez, de quem abaixo se trata, das obras de 
pedraria da Sé da Guarda, no periodo decorrido de 1504 a 1517. Vide a 
interessante quitajSo que publicam^os no artigo relativo a Pero Henriquee. 



4rVL — Henriques (Luiz). Carpinteiro de casas, morador a S. Ho- 
que, na ma dos Calafates. Em 2 de maio de 1597 se lavrou, no convento 
de Chellas, termo de Lisboa, escriptura de qnita(Xo, pela qual Luis Hen- 
riques se deu por pago e satisfeito da quantia de 506:740 reaes, impor- 
tancia de diversas obras que executou no mesmo convento. 

SaibSo qnantos este estromento de quita9So virem que no anno do nacimento de 
Koso Senhor Jesu Christo de mil e quinhentos e novanta e sete aos dous dias do 
mes de nu^o no mosteiro de Chellas termo da cidade de Lisboa no Uocutorio do dito 
mosteiro estamdo ahi presente Luis Anriques carpinteiro de casas morador na dita 
cidade de Lisboa a Sam Boque na ma dos Callafates e loguo por elle foi dito peramte 
mim taballi&o e testemanhas ao diante nomeadas que hera verdade que elle fizera 
no dito mosteiro de Chellas todo o fbrro do dormitorio que se ora fez de novo o qual 
fbrro se obrignon fazer bemfeito e bem asentado com todas as gnamisois pellas cos- 
turas do dito forre, e asim o emtaboUamento delle com boas mulduras simalha firizo 
e alquitrane tndo justo e bem preguado e por teda a dita obra Ihe darìa o dito mos- 
tejro cento e cito mil reis e o mostejro Ihe mandarìa dar teda a madejra que fosse 
necesaria pera a dita hobraa, e asim teda apreguadura e serador e pellos ditos cento 
e oito mil reis, o dito Luis Anriques darìa tado acabado de suas mSos semente, comò 
tudo iste e outras cousas multo mais llarguamente se contem em hom centrato qne 
elle Luis Anriques fizera com [o dito convento diguo] Guaspar de Carualho da 
Costa que Deus tem sen procurador o qual centrato se fizera per hum asinado, e asim 
mais que elle Luis Anrìques fizera outras muitas obras no dito mosteiro de carpimta- 
rìa, nas quais todas entrando nellas as do dito comtrato se montarfto quinhentos e seis 
mil e setecentos e quarenta reis e iste com suas mftos feitio e acheguas que pos [nas 
ditas reguas diguo] nas ditas obras e officiais que nellas pos e preguadura de que 
se fes avalliasSo de tudo e se montarSo conforme a dita avallias&o os ditos quinhentos 
e seis mU e setecentos e quarenta reis entrando nelles os ditos cento e oito mil reis 



do dito comtr&to da dita obra do dunnitorìo dos qnais quinhentoB e Bei« mil e sete- 

centos e quarenta reis elle Luis Aniiques comfesa e de feito comfésou peramte mim 

tabaUilo e testemiuiliafl ao diante nomeadas estar pagno emtre^e e satisfeito do dito 

eonkTento em dinheiro de contado qne dìse estar pagno emtregne corno dito hee doa 

qnais qiunhentos e aeis mil e setecentos e quaremta reis elle Luis Anriques pasca 

asinadoa sena ao dito mostejro em hom liuro sen de paguamentos que fizera a oficiais 

qne fixerSo obraa no dito mosteiro os quais conhecimentos Ihe forSo mostrados a elle 

Lnis Aniiques por Bras Dias d'Abrea qne presemte estaua procurador do dito mos- 

tejro e elle Ltois Anrìqnes reconheceo os ditos asinados por seus de modo qne elle 

Lnis Anrìqnes estaa pagno e satisfeito do dito comvento, de toda a dita contia de 

qninbeiitos e seis mil e setecentos e qnarenta reis eomo dito hee, com os qnais se daa 

por pagno e satisfeito, do dito conyemto de todas as obras qne fizera no dito mosteiro 

e asìm da obra qne fisera no dito dormitorio e de todas as achegnas, pregnadnra, e 

officiais qne nas ditas obras fizera e de snas m&os pelle qne dise elle Lnis Anrìqnes 

qne elle daa e de feito llogno den pelenissima e goral qnitasSo deste dia pera todo 

sempre ao dito convento e religiosas delle presemtes e futnras de toda a obra qne fes 

no dito dormitorio e de todas as mais obras que no dito mosteiro avia feito atee oie 

e achegnas e officiais que nellas tìnha posto e pregnadnra, e snas mSos e feitio e do 

todos OS ditos quìnhentos e seis mil e setecentos e qnarenta reis que nas ditas obras 

se montarlo qne o dito commento Ihe tem paguo, a elle Luis Anrìqnes comò dito hee 

sem o dito comyemto He dener nem fiquar deremdo consa algnma porque tndo Ihe 

tem paguo e satisfeito jmteiramente, e os ditos asinados nSo teram yiguor porque 

todos entrSo nesta quita^So e qne està qnìta^fto e os ditos asinados hee tudo huma 

mesma contia e huma mesma cousa, e prometeo e se obrìguou elle Luis Anrìqnes de 

comprìr e manter e iàzet boa està quita^So e nSo jr comtra ella em parte nem em 

todo, nem de pedir nem demandar ao dito comvento cousa algnma do dito dinheiro e 

obras porque de tudo estaa paguo e satisfeito comò dito hee; sob pena de Ihe pagnar 

todo com todas as perdas e dannos que o dito comvemto polla dita rezSo receber e 

custas e despezas que fizer obrignon elle Luis Anriques todos seus bens ayidos e por 

aver, e em testemimho de verdade asim o outorguou e mandou fazer oste estromento, 

e OS que comprìrem que eu taballiSo aceito em nome. dos absentes comò pesoa pu- 

brìqua estepuUante e aceitamte, testemnnhas qne forSo presemtes Luis Baixo mora- 

dor na dita ddade a Mourarìa, e Bertolameu da Silua familliar do dito mosteiro que 

conhecer&o ao dito Luis Anrìques sor o propio e foi mais testemunha Luis Antunes 

morador na ma das Mudas em casa do dito Bras Dias d'Abren, que asinou pollo dito 

Luis Anrìques a seu regno por nSo saber escreuer e eu Miguel da Cruz tabaliSo o 

escreuj, e asim decllarou que nesta quita9So entrio todos os mais asjnados que elle 

ajaa dado ao dito comvento das ditas obras asim no dito comtrato comò fora delle, 

testemnnhas as sobreditas eu Miguel da Cruz tabaliSo o escreuj £u Mygnell da Cmz 

quo airro de taballi&o pubrìco de notas por ehrey nesso Senhor na ddade de Lysboa 

e seus termos quo oste estonnento tomej em mjnhas notas e dellas o fiz tresladar e 

eonsertey sobescreyy e jMmay de meu pubrìco S7nall.^Pagou deste com nota 

dose reis. 

(McMtelro de ChelUf, ii.« IM.) 



^T'S— Henrlqnes (Luiz Uendes). Naturai de lisboa, fillio de 
Francisco Gongalves Henriqnes, casado com D. Franoisca de Miranda, filha 
de Francisco Bebello de Miranda, viava de Alraro de Aguilar Osorio. 

Foi officiai activo e prestimoso, de qne den provas exnberantes no8 
mnkos Borrisos qne fes ao Estado, no reino de Angola, durante 14 annos. 



desde 12 de setembro de 1680 até 12 de outubro de 1694, j& nas cousas 
de gaerra propriamente ditas, corno soldado, j& no reparo das fortifica$3eSy 
corno engenheiro. Como era muito habilidoso, preparon por suas proprias 
mSos OS apparelhos necessarios para restaurar grande porgSo de polvora 
que ostava damnificada e construiu diversos artefactos de fogo, que foram 
multo uteis na gaerra centra o gentio. Tra9oa tambem um mappa goral do 
reino de Angola. 

Em attengao aos seus servì(os, e aos de ontras pessoas de sua £funilia, 
foi-lhe concedida, em 1701, a tenga vitalicia de 30(91000 réis annuaes, tendo 
jà sido promovido a sargento-mór do reino de Angola em carta regia de 
4 de margo de 1700, registada na Chancellaria de D. Fedro II, a fol. 305 1; 
do Ut. 53 de Doa^es. Em 1686 havia sido confirmado no posto de capitSo 
engenheiro de Angola por fallecimento de JoSo Ribeiro. 

«Dom Fedro etc. fa^o saber aos que està minha carta patente yirem que tendo 
respeito a Luis Mendes Henriques me ter seruido no posto de capp.*'' emjinheiro em 
reino de AngoUa por patente do gonemador delle JoSo de Silua e Senza por ser 
pessoa de prestimo e suficiencia necessaria pera o ezercitar com satisfiEi^&o e se 
caresser de emgenheiro naquelle Reyno pera o reparo das fiirtifica^òes, que por 
fallecimento de José Ribeiro se achSo arruinadas, tendo a tudo considera^ao e a boa 
informa9So que o gouemi^dor Luis Lobo da Silua deu do dito Luis Mendes Henri- 
ques, bey por bem fazeribe merce de o confiimar no dito posto do capp.*" engenbeiro 
do reino de Angolla, com o qual yencera o mesmo soldo que vencerSo seus anteces- 
sores, e gozara de todas as bonras, preuilegios, liberdades, izen95es e franquezas, que 
em rezfto do dito cargo Ibe tocarem, pollo que mando ao meu gouemador e capp.** 
geral do reino de Angolla deixe seruir e exercitar o dito Luis Mendes Henriques 
o dito posto debaizo da posse e juramento que se deu ao tempo que nelle entrou 
a fazer as obras e fortifica99es necessarias e bauer o dito soldo comò dito be que 
por firmeza de tudo Ibe mandei passar està carta patente por duas vias por mim 
assinada e cellada com o sello grande de minbas armas. Dada na cidade de Lizboa 
aos sinco dias do mes de m.^ M.«^ Pinbeiro de Afonseca a fez anno do nassimento 
de nesso Senbor Jesus Xp.^ de mil e seis centos e outenta e seis. O secretano Andre 
Lopes da Laura a fez escreuer. ElRey.» 

(Torre do Tombo.—OhajicelUrla de D. Fedro n, J)oa^, Ut. 9S, fol. S5S «.) 

«Dom Fedro, por gra^a de Deos Rey de Fortugal e dos Algarues etc^fia^o saber 
aos que està minba carta de padrSo virem que tendo respeito aos serui^os de Luis 
Mendes Henriques, filbo de Francisco Gon9alyes Henriques, e naturai desta cidade, 
feitos no reino de Angola por espa90 de quatroze annos e bum mes efectiuos, desde 
doze de setembro de seis centos e oitenta tbe doze de outubro de seis centos nouenta 
e quatro, em pra9a de soldado e de capitfto emginbeiro, e no refendo tempo se em- 
barcar a principio deste reino de socorro com que ao de Angolla foy JoSo da Silua 
e Souza, fazendo no discurso da viagem sua obriga^fio e cbegando a Emgolla seruir 
de soldado tbe ser prouido em capitio emginbeiro, que ezereitou acudindo com prom- 
ptidlo as obras e reparos das fortalezas do conserto dos armazens que se fizerSo 
e sondo encarregado de fazer bum mapa daquelles reinos e presidios a obrar com 
muito aserto, gastando nelle largo tempo e acbandosse nos armazens multa poluora 
perdida e sem actiuidade nenbua para poder seruir na artelbarìa se oferesser para 
refiuo della, Cazendo todos os aparelbos por suas mSos com pouco dispendio da &• 



venda real, pondoa de maneira qae mostrou a ezperìencia ficar redozida a seu primeiro 
estado, ultimamente fiuer algum fogo artificial, que seruio de intimidar o gentio, man- 
dando tambem carregar duzentas granadas que se aproaoa ÙLzer bom efeito, e em tudo 
o de qae foy emcarregado &zer ena obi«ga92o, e a pertencerlhe por sentenza do juiz 
das joBtifica^òes a a^So dos seroi^os de seu sogro Francisco Rabello de firliranda por 
via de sua molher donna Francisca de Miranda e os de Alaoro de Aguillar Osorìo, 
prìmeira mando da dita donna Francisca de Miranda sua molher, os de Francisco 
Rabello de Miranda, que hera filho do doutor JoSo de Oliueira de Miranda e naturai 
desta cidade, obrados no dito reino de AngoUa por tempo de seis annos, oito mezes 
e dous dias efeitiuos continuados de trinta de outubro de seis centos sessenta e deus 
the dona de julho de seis centos sessenta e none em pra9a de soldado e cappitfto do 
forte de sSo Filljpe do Penedo, e antes do refendo tempo hauer seruido na cidade 
de Bargan9a e villa de Chaues em pra^a de soldado imiamte desde o anno de seis 
centos sincoenta e sete the o de seis centos e sessenta, achandosse na dita prouincia 
nas ocasides que se oferecerfto com o inimigo e particularmente na entrada que se 
fes nas suas terras pella parte de Monte Rey, prosedendo com satisfa^&o os de Alnoro 
de Aguillar Osorìo, que hera filho de ChrìstouSo Osorìo e naturai do Rio de Janeiro, 
f eìtos despois de despachado pellos primeiros the seis centos quarenta e seis no mesmo 
reino de AngoUa por espa90 de none anncs onse meses vinte e quatro dias, desde 
vinte e dous de Janeiro de seis centos quarenta e oito the treze de junho de seis centos 
sincoenta e sete, embarcandose a prìncipio no de seis centos quarenta e sete por 
capitfto de infantarìa paga que foy de socorro ao Estado do Brazil a desalojar o ini- 
migo olandes, que estaua fortificado em Taparìca e citiada a cidade da Bahia e pas- 
sando com sua companhia ao Rio de Janeiro ser emcanegado pelle general Saluador 
Coirea de Sa no i^iresto da armada com que passou a restaura9So de Angolla, e 
hanendo bua grande tormenta se perder o galiio em que hia e andando animando 
a gente do mar rcbentar bua amana e o leuar a rastos, donde o tirarSo ferìdo e com 
risco de vida e chegando a cidade de Luango ser ocupado pelle general nos postoa 
de maior perìgo achandosse na expugna9So do forte de SSo Jozeph, na auan9ada que 
se deo as fortifica95es daquella pra9a, em que se ouue com grande vallor, o de seis 
centos e sincoenta hir por almirante de bua armadilha a correr aquella costa por an- 
darem inìmigos impedindoa e roubando aos nossos, e vindo a Benguella socorrer o ca- 
pit&o mor della na guerra que tene com o gentio intimidandoo de maneira que o fes 
seder da mareha que vinha fazer a dita pra9a fazendolhe hua rezenha e dandolhe 
muitas cargas e ultimamente sendo refonnado seruir os cargos da republica do juia 
dos or£los e prouedor da &zenda real por tempo de trez annos em satÌ8£a9&o de tudo, 
bey por bem e me pras fazerlhe merce, alem de outra, de trìnta mil rs de ten9a efe- 
ctiuos cada anno em vida assentados em bum dos almozarifJEulos do reino em que con- 
berem sem prejuiso de 3.« e nSo houuer prohibÌ9&o e o vencimento delles de vinte 
e tres de Janeiro do anno de mil e sete centos, em que Ihe fiz està merce the o dia do 
assento sera na forma qui eu for seruido resoluer na consulta que se me fes pelle Con- 
selho de nunha fazenda, com declara9So que do tempo em que o dito Luis Mendes 
Henrìqnes n2o tiuer cabimento dos ditos trinta mil rs de ten9a nos almoxari&dos ou 
casaa dos direitos reaes aonde os asentar ou depois de os ter asentado em algum ou 
mais annos Ihe ficarem por pagar por feJta de seu rendimento se Ihe nfto hÌo de passar 
prooisffes para o thesoureiro mor do reino nem produzirSo obriga9ào de diuida mais 
que naqnella casa ou almoxari^o, em que forem assentados, comò ordenei por de- 
creto de dezasete de Janeiro de seis centos oitenta e nove. Fello que mando aos ve- 
dores de minha fazenda que na forma referìda Ihe {sLqUo asentar nos liuros della os 
^taa trinta mil rs de ten9a e leuar cada anno em foiba do assentamento de bum dos 
almoxarifadoB do reino, em que conberem, sem prejuizo de 3.<» e nio houuer prohibÌ9So, 



em nome do dito Luis Mendes Henriques para Ihe serem pagos corno dito he, e pagoa 
de noaos direitos quinse mil rs qae se carregarfto ao thesoureiro In.<* Correa de Moorm 
a fls 86 V. do liyro 2.« de sua receita corno constou por conbecimento registado a fls 62 v. 
do L.<* 2,^ do registo geral, o qual foi roto ao asinar deste padrSo, qae por firmeza do 
qae dito he mandei passar ao dito Lois Mendes Henriqaes por mim asinado e sellado 
com mea sello pendente e do contheado nelle se pora yerba no registo da portarla, 
por vertade da qaal este se obroa. Jo2o Cardoso o fes em Lizboa a vinte e qoatro de 
nouembro de mil e sette centos e ham annos. Martim Teixeira de Caraalho o fes es- 
creaer. ElBey. Marqaes de Alegrete. Por portarla do secretario das merces Fedro 
Sanches Farinha de vinte e seis de feaereiro de mil e sete centos. Francisco Moazinho 
de Albaqaerqae. Pagoa sete mil e qoinhentos rs aos officiaes qainhentos e catone. 
Lisboa 20 de dezembro de 1701. Dom Francisco Maldonado.» 

(Torre do Tombo.~ChuiceIUrU d« D. Fedro n, Doa^, 1Ì7. 17, ibi. ti «.) 



^'T'S— Henriqaes (Pero). No primeiro quartel do secolo xvi, 
governando a Sé da Guarda o bispo D. Fedro, importantes obras de re- 
construc$So se fizeram neste edificio, a ajuizar pelos qnatro contratos 
de empreitada celebrados com os empreiteiros, mestres de pedraria, Pero 
Henriques e Filippe Henriqaes, nos annos de 1504, 1510, 1514 e 1517, na 
importancìa de 5:273|$674 reaes, somma valiosissima para a epoca. As obras 
prolongaram-se de 1504 a 1517, treze annos, se nSo erra a nossa arithme- 
tica. A respectiva carta de quitaglo, qae transcrevemos, diz onze, certa- 
mente por equivoco, a nSo ser que tivesse havido dois annos de interrup92lo. 

«A qnamtos està minha carta de qmta9am virem fa^o saber qae eu mldej tornar 
cdta em meus oontos a F.^ Amrrjqnez e a Felipe Ajnrriques, pedreyros e empreyteiroi 
da obra que se fez na minha see da Guarda, por bem dos qnatro cdtratos demprey- 
tadas que hambos fecerS com dom P.* bispo da Guarda, e com Bertolameu de Payua, 
meu amo, os annos de V iiij, \y x, b^ xiiij e b" zbij e acharse terem recebido os ditos 
€preyteiro8 per sy e seus precuradores pera obra que herSo obrigados fazer poUos 
ditos contadores em todoUos xi annos que durou que come^aram em b« iiij e acabarS em 
b« xbij, cimquo comtos e dozemtos e satemta e tres miU e seis cemtos satemtaequatro rs 
das p.** abaixo declaradas e polla maneira seguinte — s — qnatro cStos ìy lEbiij iiii<> Ixx 
iiij rs dafomso aluez, conego da dita see e recebed or do <]Unheiro do bispado que Ihes 
pagon OS dez annos primeiros por est à guisa — s — ij** b iii^ Ixxbj ho anno de b^ iiij e 
iij« Ib e e*» lij anno de b« b e iij® lE ii* Rj o ann o de b« bj e iiij« xiij e** Ib o an nodo 
b» biij e y« Ibiy ìm^ y ann o de b » ix, e iij* Ixbij Eiij rs o anno de b * x, e bij» xxxix 
ii^ zbij anno de b" xi,_e ij« LRiiij hìj^ Ixiiij o anno deìy* xiiij e iiij* Ixxij iij« Izzij o 
anno de b" zb e os biij* ii biij* xiii o anno de xbj e c^* Ix que recebeo de P.* Botelho, 
recebedor do dinheiro do dito bispado, do rendimento delle do anno de b* xbj, o qual 
pagamento Ihe fez no anno de b* xbij, e iiij* j e** rs que receberS de Diego dosouroi 
almoxarìfe da Guarda, do dinheiro do dito bispado o dito anno de xbij e y* xxiij de 
G.<* de Tanora, recebedor do dito dinheiro do bispado o dito anno de b* zbij, e I que 
receberft por descdto das achegas que Ihes den Bras Afomso pera a dita obra e Bj 
que receberS por descdto da parede e portali que ouuerft de &zer atraves da see nova, 
que nelles foy aualiada pellos oficiaes que ha iso mftdamos, e x por descdto da pe- 
drarya das igrejas que se derribaram que elles ouuer&, e 1 por descdto do legea- 
mento de cima da dita see que se nom fez pollo asy auermos por bem e os B que re- 



e6)>erl poUot e&m crnzados qne haniun daaer damte mSo per yertade do primeiro 

ecmtrato que se «chon terem recebidos, posto qae hoB lìuros de sua r ecept a o nom 

dedaTase, aa qnaea dedara^des fsaem a dita cj^tia dos ditos b cfitos ii* Ixxiij bj* In e 

qaatro ra, os qaaes se moatrS pela arrecada92o de sua cdta que foy vista em minhar 

faienda e reg:ÌBtada em meas c5to8 do Regno e casa terem os ditos empreiteyros todas 

as despesas merecidos e semidos por dinheiro e descdto nas ditas obras segmido 

fexeri certo por certidoes dos oficiaes qne per meu mandado as virS e medirft e valiarS 

deelaradas na dita recada9So e a ella acostadas, pollo qoal eu polla presemte quita^S 

deste dia pera todo sempre dou aos di tos em preyteiros e a seus erdeiros e fiadores 

por quytes e liores dos ditos b cotos ij<> Ixxiij bj* Ixxiiij rs que asj receberS e merecerS 

nas ditas obras e porem m£do aos veadores de mìnba ^Sda e prouedor de mens cStos 

a todoUos meos oficiaes e pesoas outras a que està for mostrada e o conhecimento 

della pertemcer que maj ìmteiramente a capra e guardem e fa9& coprir e guardar, 

a qual pera sua guarda e minha lembrS^a Ihe mftdey dar per mym asynada e asellada 

do meu sello pemdemte. Dado em SStarem a bj dias de mayo. Y.^ do Porto a fez anno 

de miU b* xxbi.» 

^ (Tocre do Tombe. — ChanoelUrU de D. Joio IHi i)oag0tt, Ut. IS, fot. 56.) 



^V4: — Heredia (Manuel Gtodinho). Mais propriamente cosmo- 
grapho e descobridor, corno elle a si proprio se denomina, por isso nos 
occnpamos d'elle nos nossos Trabalhoa Nauticos» 

Merece todavia ser aqui registado o seu nome, pois (][ae nSo se entregpa 
miìcamente à especolasSo mathematica e às cousas naaticas. Desempenhou 
tambem o papel de engenheiro militar, desenhando e construindo forti- 
fica^Ses. A pag. 61 t; da sua obra, pubiicada posthoma, Dedaro/^m de 
Mcdaca e India Meridional, vem a pianta da fortaleza de Muar, fundada 
por elle. 

A pag. 57 e segnintes da mesma obra deixou-nos elle alguns trajos 
da sua auto-bìographia, qne passamos a transcrever: 

•Tambem el Bey Nesso Senhor Dom Philippe III, por sua instru9So escritta em 
Lisboa, em 14 de fevereiro do anno 15d4, manda se fa9So os descobrimentos da India 
Meridional por Manoel Grodinho de Eredia, Mathematico, o qual em nome de S. M., pelle 
yisorey Dom Francisco da Gama, conde da Yidigueira e Almirante do Mar Indico, foi 
provido pera està empresa no anno 1600. E confirmado por outro VisoRey successor 
Àyres de Saldanha, e foi despachado com habito de Chrìsto e com titulo de Adelan- 
tado da India Meridional, com a vintena dos rendimentos daquelle estado; com que 
passoa da corte de Goa ao porto de Malaca, onde estando prestes pera passar ao Sul, 
pera efectnar a viagem da India Meridional a terra de euro, socedeu as altera^5es 
de guerras da fortaleza de Malaca com Malaios pera a gente soldadesca da empresa 
fiear em Malaca, pera defens&o daquella fortaleza e per os Olandezes ter impedido 
00 boqneirdea e caaaes de Baie e Soler, com que se nSo pode eflfectuar està felice 
YÌMLgpn no ditto anno de 1601. 

Mas com as infoima^es da certeza da India Meridional e Lucaantara ficou reser- 

Tsda està empresa, pera quando se offerecer pax e tranquilidade no Sul, pera entSo 

ir tornar posse daquella terra pera se encorporar na corea de Portugal e franquear 

tratto e coomiercio de Lucaantara pera Malaca, pera bem dos rendimentos das Al- 

ftnd^gas. 



8 

£ ditto Manuel Godìnho de Eredia, emqoanto se deteve na fortalesa de ICilaea, 
86 occupou no 8eryi90 de armadas: e mormente fundon a fortaleza de Maar,AO em- 
bareadooro do Byo, por ordem do Viso-Bey Ajres de Saldanha, e do genesi André 
Furtado de Mendo^a em 2 de fevereiro do anno 16Q4, e mais dea ordem pesi se fìondar 
outras fortalezas pera de£fens0£o daquelles estreitos de Sincapnra e Sabbiò (ou Sab- 
bio?), e foi tornar posse e senborear aquelle citio de Cottabato, corte antigadeMalayos, 
conquistado por aquelle dunoso capitfto Dom Paulo de Lima Pereyra w anno 1588, 
com outras diligencias do Bervi90 real, com toda aquella armada de renx> do sul de 6 
paleottas de cuberta com 60 embarca^des bantis comò e bargantis du navios pe- 
quenos de remo : com que tomarSo prezas e fizerio muyto dano aas povoa^Sea 
e grangerias e nas embarca^Ses em que mattarlo mujtta gente de Mialayos. 

£ emquanto esteye na fortaleza, se occcupou na foi-tifica^fto e defensSo, acodindo 
ao serrilo necessario de cavas, entulhos e palizadas, e continua veg^a e guarda. 
E mais tempo se occupou no descobrimento do sertào de Malaca, que todo foi visto, 
e reconhecido pollo dito Manuel Godinbo de Eredia, em forma de descobridor, de que 
elle fez plantas e discripsoes chorograpbicas.» 

Urna carta d'el-rei, esenta do Pardo a 22 de Janeiro de 1622, e di- 
rì^da aos goyemadores do Reino de Portugal, accasa a recep$Ìo de 60 
Consultas de materìas da India, entre as quaes OtUra sahre a Rdagào que 
ha de f<xzer Manod Oodinho Heredia. (Torre do Tombe. — CoUec^ào de 
S. VicenUj liv. 19, foi. 12). 



4Tff— Hllbradt (Jofio Baptista). Em 1822 Antonio Manuel da 
Fonseca pintou a fresco, nama das salas do palacio do conde de Farrobo, 
(largo do Quintella) o Rapto das Sabincu. A um dos cantos esti o seu re- 
trato, e neutro, proximo da janella, o do architecto JoSo Baptista Hilbradt 
encarregado das transformas^es e embellezamentos que, por aquella epoca, 
se executaram no mesmo edificio. 

Colbemos este apontamento no Dictìonnaire de Raczynski, no artigo 
consagrado a Fonseca, 

O palacio do largo do Quintella é hoje propriedade do Dr. Antonio 
Augusto de Carvalho Monteìro. 

-A'T'O— HoUanda (Pranolsoo de). Sem ter a pujanja de Miguel 
Angelo, Francisco de Hollanda é todavia um artista de elevado merecimento, 
dotado comò aquelle, de variadas aptidSes. Pintor, architecto, miniaturista, 
so Ihe faltou manejar o cinsel. Em compensasse, manejou a penna e se 
nZo revelou em primorosas estrophes o seu estro poetico, manìfestou o seu 
talento de critico, de escrìptor e de archeologo, de modo a occupar o prì- 
meiro legar na nossa litteratura artistica. 

As suas obras, tanto as litterarias comò as technicas, permaneceram 
manuscriptas e so ha poucos annos, tres seculos aproximadamente depois 
da sua morte, é que sairam & luz, gragas &s diligencias do sr. Joaquim 
de Vasconcellos, que as publicou, prefacìando-as e annotando-as. A Fa^ 



9 

hrica quefaUeee d cidade de Lisboa, iato é, a resenha dos edificioB que a de- 
viam ennobrecer, estava ji prompta e licenceada para a impressio em 1576, 
oito annos antes da morte do autor, nXo sabendo nós explicar o motivo 
por que a empresa nSo foì por deante. 

É està obra o melhor titulo para dar entrada neste Diccionario a Fran- 
oìbco de HoUanda, mas sabe-se por confissXo propria, que elle, se nZo di- 
TÌgia nenbuma conBtracjZo arcbitectonica, dea para algtunas os desenhos, 
corno para a fortaleza de MasagSo. Infelizmente, o livro da Fabrica nio 
sain na impressSo, acompanhado das respectivas estampas, oonservando-se 
tambem inedita, na qoasi totalidade, a coUec^fto de desenhos que existe no 
Escarial. 

Francisco de HoUanda era filho de um artista de valor, sobretudo na 
miniatura, em que foi eminente, chamado Antonio de HoUanda* O seu 
appellido denuncia-lbe a patria. O filho, apesar de se cognominar da mesma 
sorte, nascen todavia em Lisboa, em 1518. Tendo partìdo, ainda mo^o, para 
Italia, onde se foi aperfeÌ9oar na sua arte, viajon tambem por Hespanha 
e Franga, mas Roma é qae foi o principal ponto de permanencia, tendo 
ensejo de conviver, na intimidade de outras pessoas illastres, com Miguel 
Angelo, com o qual teve a ventura de estreitar relagSes. Gragas a este 
commercio artìstico, mais ainda talvez que &s suas proprias obras, é que 
Francisco de HoUanda goza hoje de merecìda reputasse europeia. 

Antonio de HoUanda, à semelhanga de Joio de Castilho, era muito bem 
acceito na cdrte, conseguindo um e outro dar boa coUocasZo officiai a seus 
filhos. Ha todavia urna dìfferenja a notar entre os dois : Castilho nZo deixou 
perpetuados nos seus descendentes a tradisse artistica. Cada um d'elles 
teve um filbo, que seguiu a carreira das letras e vestiu a toga: — o doutor 
Antonio de Castilho e o licenceado JoZo Homem de HoUanda, que foi juiz 
em Obidos e exerceu outros cargos de justiga, acabando por desembar- 
gador do pago. 

Na esperanga de um dia elaborarmos uma monographia especial, em 
que mais desenvolvidamente tratemos da vida e escritos, devidamente 
correlacionados com a epoca, de Francisco de HoUanda, limitar-nos-hemos 
por agora a pubUcar os documentos officiaes que Ihe digam respeito e ou- 
tros acérca de sua funiUa. 

Os biographos de Francisco de HoUanda attribuiam-lhe apenas dois 
irmios: Miguel e JoSo Homem, ao ultimo dos quaes j& nos referimos. 
D'onde Ihe viesse este appelUdo Homem nfto o sabemos. Ha todavia a ac- 
crescentar mais uma innS, D. Maria, matrimoniada com JoSo de Azevedo, 
a quem D. SebastìXo fez mercé em 1567, por este casamento, dos cargos 
de feitor e thesoureiro de Cochim. 

Miguel de HoUanda talvez fosse o primogenito, pois jà em 1527, se- 
gando se yé de um mandado de pagamento, era mo$o da camara da rainha 
D. Catharìna. 



10 

Em 1542 era nomeado iheaonreiro das rendas da oidade de Goa, por 
se casar oom Izabel de Bojas, oreada da Infanta D. Izabei, mas pareoe 
nXo ter ido entSo exercer o cargo, pois em 1557 recebia mandado de pa- 
gamento de 20 crozados, que a rùnha Ihe mandava dar comò sen aposen- 
tador. De 1555 ha nma nova carta de D. JoZo m, em qne diz que elle 
ia ora servir nas partes da India comò thesooreiro das rendas de Gh)a, 
mas so em 1559 é que o vemos exeroendo effectivamente esse cargo. 

Miguel de HoUanda era cavalleiro da Ordem de S. Tiago. Foi tambem 
escrìvSo das moradias dA casa da Rainha, pois em 1544 se pagaram 600 
reaes do casto de nma escrivaninha para servir aqnelle officio. 

De 13 de mar90 de 1582 existe urna carta de D. Filippo nomeando xmi 
Miguel de Hollanda, attendendo aos servi^os que por mais de doze annos 
prestara na India, na capitania de Manar. NZo nos parece que seja o 
mesmo, de que vimos fallando: talvez seu fillio ou sobrinlio. No mesmo 
caso julgamos estar Jeronymo de Hollanda, cavalleiro fidalgo da casa real, 
que em 1558 foi previde por D. Sebasti&o )dlos cargos de feitor, 'alcalde- 
mór, provedor dos defuntos e veder das obras de Chaul. Em 1619 o mesmo 
ou outro de igual nome fora despachado corrector-mór de Diu, tendo de- 
pois disse voltado ao reino, onde prestou igualmente servì^os. Era ji fal- 
lecido em 1631, pois nesse anno era concedida a sua viuva, Catherina 
de Scusa, a tenga de 12f$000 reaes por anno. 

Francisco de HoUanda nio foi decerto dos menos acariciados do favor 
real, pois as mercés, que recebeu, e de que se conservam registos, nSo sXo 
poucas nem multo insignificantes. Deve-se todavia observar que algumas 
d'ellas nXo passam de confirmagSes das anteriores, sendo-lhe concedidas 
de tres em tres annos, até que se converteram finabuente em vitalicias. 
Pode-se todavia ajuizar da cifra total d'essas pensSea pelo que tocou a sua 
mulber Luiza da Cunba de Sequeira, de cujo matrimonio parece nZo terem 
restado filbos, de outro modo assim se teria declarado na respectiva carta. 
O que ella ficou recebendo, por morte de seu mando, foram 100^91000 reaes 
e tres moios de trigo. Francisco de HoUanda faUecéra a 19 de junho 
de 1584. 

Eis agora a serie de documentos que se referem a Francisco de Hol- 
landa e a sua familia, a maior parte dos quaes sSo dados pela primeira vez 
na integra, sondo outros totalmente desconhecidos até agora. 



Verba de pagamento de 6t000 réU a Antonio de HoUanda^ 
pae de FrancUoo de Hollanda 

«bj r* de merce a Amtonio dolamda per mandado em xz bij de Janeiro do b* ^j 
e 06U conhecimento em b^ de mar9o do dito anno que vai a tinta.» 

CToiTt do Tombo.— Iiivro dot dttfuoi da roinha JD. CtUhaHinm, fi>l. UÈ «.) 



11 



n 

Cartas de D. Joào HI, de 80 dejuUio e 18 de agotto de 1668, 

mandando salUfazer por tua realfazenda 

ai tengas que Franmeo de HoUanda reoebia do it^fante D. Lum 

«Dom Jobft etc A qaamtos està minha carta virem fa(0 saber qne ea concedy ao 
Ifante dom Luis, meu irmSo, que santa gloria aja, de per sen falecimento fazer merce 
as pesoas qne delle tiaesem tengas em yida Uias mandar dar das rendas que delle 
yaguasem pera mym, e porque Francisco dOIanda, caualeiro fidalguo de minha casa, 
tinha do dito ifemte dez mil rs de ten^a em vida per bum padrfto feito a TÌmte cinquo 
diaa de setembro do ano passado de mil b« cinquoenta e cinquo, Ibe mandey dar està 
carta de padrSo, pella qual, por nìsso Ibe feizer merce, ej por bem e me praz que elle 
tenba e %ja de minba ùtzenda de tenga em cada buù ano, do primeiro dia de Janeiro 
que passou deste ano presente de mil b^ cinquoenta e seis em diante, em sua yida, os 
ditos dez mil rs, e mando ao barao dAluito, yeedor de minba fazenda que Ibos faga 
asentar no liuro della e despacbar em cada bum ano pera luguar onde delles aja bom 
paguamento, e o padr2o que o dito Francisco dOlanda tinba da dita ten^a foy roto ao 
asinar desta, que pera firmeza de todo Ibe mandey dar, por mym asinada e asellada do 
meu sello pendente. Francisco deVarguas a fez na cidad e de Lixboa aos dezoito dias 
dagosto ano do nascimento do nesso Senbor Jbù Xpo de mil b* cinquoenta e seis. 
E en Aluaro Pires a fiz escreuer.» 

«Dom JobS etc. A quantos està minba carta yirem ùl^o saber que auendo respeitò 
aos serui90s que Francisco dOlanda, caualeiro fidalguo de minba casa, fez ao ifante 
dom Luis, meu irmSo, que santa gloria aja, e a obrigua^S^ em que por elles Ibe bera, 
e querendolbe por iso fazer merce, em satìsfa^ft delles, tenbo por bem e me praz que 
elle tenba e ly'a de minba fiEizenda de tenga, em cada bum anno, deus moyos de triguo» 
que come^ara a yencer de Janeiro de quinbentos cinquoenta e seis em diante, e por- 
tanto mando ao barSo dAluito, yeedor de minba fazenda, que Ibe fiiga asStar os ditos 
dona moyos de triguo no liuro della e leuar em cada bum anno na foiba do asenta- 
mento pera luguar onde delles aja bom pagamento. £ pera firmeza de todo Ibe mandey 
dar està, por mym asynada e asellada do meu sello pendente. Dada na cidade de Lizboa 
a tri nta dias de jnlbo — JobS Aluarez a fez — ano do nascimento de nesso Senbor Jbfi 
Xpo de mil b^ cinquoenta e seis. E eu Aluaro Pirez a fiz escreuer. • 

(Torre do Tombo. — GbanceUarU de D. Jo&o m, Xha^, Ut. 59, toh S61.) 



m 

Mvarà da rainha D. Catharina, de 9 de outubro de 1660,fa»endo meràè 
a Francièoo de HoUanda de 60 crtutado$ 

«Aluaro Lopez, mandouos qne deis a Francisquo dOlanda yinte e cinquo cnuados, 
de que Ibe fii^ merce, e per este, que nfio pasara pella cbancelarya, com seu conbeci- 
mento, yoa serSo leuados em conta. Antonio dAguiar o fez em Lizboa a ix dias dou- 
tubro de mil b^ 1. Pero Femandez o fez escreuer. Raynba. 

B.** Fran.*^ dOl.'" do tbezoureiro Aluaro Lopez os yinte e cince cruzados con- 
,iendo8 neste alnara. em Lizboa a ziij doutubro de J b« e l'* -Diogo ìiartins Fr.** 
dOUandft. 



12 



Em baixo. 



xzb cruzados de que V. A. hz merce em AUiuuro Lopes a Fr.** dOlanda e qne Ihe 
n5 passe pella chancelarìa.» 

(Torre do Tombe. — > Corpo Chnmologko, parta l.*, ma^ 85, doo. 80.) 

IV 

Carta de D, Joào III, de 10 dt $etembro de 1551, concedendo a Francisco de HoUanda 
a tenfa an$ntal e vUalicia de vinte mil reaea 

«Dom Job& etc. A qnantos està minha carta virem fa^o saber que auendo en rea- 
peito aos 8erai908 que tenbo recebidos de Francisquo dOlanda, escudeiro fidalgao de 
minha casa, querendolhe por iso fazer merce, tenbo por bem e me praz que do prì- 
meiro de Janeiro qne passou deste ano presente de mil b<> 1*« e bmn em diante, elle i^a 
de mym de ten^a em cada bmn ano, em dias de sua vida, vinte mil rs, os quaes ey por 
bem que Ibe sej&o asentados e paguos per carta goral no meu tisonreiro moor ou em 
quem seu carguo seruir, ao qual mamdo que Ibos pague aos quarteis do ano per in* 
teiro e sem quebra, e per o trelado desta, que sera registada no liuro de sua des- 
pesa pelle escriuSo de seu carguo e seus conbecimentos mando aos contadores que Ibos 
leuem em conta. E mando ao barSo dAluito, do meu conselho e veedor de minba fa- 
zenda, que Ibe fa^a asentar os ditos vinte mil rs nos meus liuros della no titolo do 
dito tisoureiro moor e leuar em cada bum ano na foiba do asentamento que Ihe vay 
da dita fazenda. E pera firmeza de todo Ibe mandey (/alta dar) està minba carta, por 
mym asinada e asellada do meu sello pendente. Dada em a villa dAlmeirym aos dez 
dias do mes de setembro — Aluaro Pirez a* fez ano do nascimento de nesso Senhor 
Jbft Xpo de mil b" P* e bum.* 

(Torra do Tombo. — CbanceUaria de D. Jo&o III, Doa^, Ut. 66, fol. M6 9.) 



ApostiUa, de dO de Janeiro de 1567, concedendo por mais tres annos 
a Francisco de HoUanda a mercé de tres moios de trigo por anno 

«Trelado de bSa apostila que estaua ao pee de bu aluara de Francisco dOlanda. 

E por &zer merce ao dito Francisco dOlanda ey por bem que elle tenha e ^ja 
cadano os tres melos de triguo por tempo de tres anos mais alem dos tres anos porque 
Ibe tinba deles feyto merce, que hio dacabar na fim deste ano presSte de Jb» Izl^ e os 
tres anos se come^arfto do primeiro dia do mes de Janeiro do ano que vem de j b** Iz 
bg em dìante, e mando aos veedores de minba fazenda que Ibos fa^So asentar no li- 
yro della e està apostilla vallerà comò carta sem Sbarguo da ordena9So em contrario — 
JoSo Alv8z a fez em Lixboa a xzx de Janeiro de j b^ Ix bij. E eu Aluaro Ptz fiz es- 
creuer.» 

(Torre do Tombo.^-ChanceUarla de D. SebaatiEo e D. Henriqae, Doa^, ìly, 19, fol. S88 v.) 

VI 

Alvarà de D. SebasUdo, de 11 defevereiro de 1568, concedendo a Francisco de HoUanda, 
por tres annos, a tenga annual de ISfOOO reaes 

• Eu elBey ùk^o saber a vos vedores de minba fazenda que por fazer merce a Fran- 
cisco dOlamda, ey por bem e me praz que eie tenha e aja de mynba fazenda dezaaeia 



13 

mil n cada anno por tempo de tres anos somente, qne comesario da feytora deste em 
diSte. Noteficonolo asy e mando qne Ihe fa^aes asdtar os ditos xbj n no linro de mynha 
fiuenda pera Ihe serem pagos pelo dito tempo de tres anos no men theBOureiro mor 
oa em quem o dito oficio serair e este alaara ey por bem qne yalha e tenha forsa 
e yygor corno se fose carta feyta em meu nome, per mym asinada e pasada per mynha 
cbancelaria sS Sbargo da ordena^So do segundo livro, t.* xx, qne o contrario despoem, 
Lnb de Seixas o fez em Lixboa a xbij de feuereiro de j b« Ixbiij. Bastiam da Costa 
fez escrener.» 

(Torre do Tombo.— ChaneelUria de D. Sebutilo e D. Hemiqae, Doa^, liv. SI, fol. 43 9.) 



vn 

Carta de D. Sebcutiào, de 11 de novembre de 1568, 

iransformando em mercè permanente a que tinha Francisco de Hollanda, 

por tres anno», de tre» moios de frigo 

«Dom Sebastyam &c. aos que està minba carta virem fa^o saber que auendo res- 
peito aos seruÌ90B de Francisco dOlamda, ey por bem e me praz de Ihe fazer merce 
de tres moyos de tryguo de tem9a em cada huu ano em sua yyda, do primeyro dia 
do mes de janeyro do ano que vem de b<> e setemta em diante, a quali merce de tres 
moyos de triguo Ihe en fazia merce de tres em tres annos, de que os deradeiros tres anos 
acabSo per firn do ano que vem de b» Ixix, pelo que mamdo aos vedores de minha 
fiuemda que Ihos fa^Io asemtar no linro della e despachar em cada hQ ano do dito 
janeyro do ano de \fi Ixx em diamte pera luguar homde delles aja bom paguamento. 
E por firmeza de todo Ihe m&dey dar està, per mim hasynada e asellada com ho meu 
sello. Dada na cydade de Lixboa a xj dias de n ouembro — Dominguos deVarcg&o 
a fez — ano do nacimento de Noso Senhor Jhii Xpo de j'b^ Ixbiij, e eu Aluaro PZz o fia 
espreuer.» 

Ao lado: 

« ElBey noso sòr fez merce a Francisco dOlamda, comteudo neste padrSo, per h& 
seu aluara que per seu fallecimento ficas6 os tres moios de trigo, que por este hauia, 
a sua moìher Luisa da Cunha de Sequeira, a qual se ade fazer padrSo delles : por tanto 
se pos est% yeerba per despacho dos veadores da &zemda. Feito em Lixboa a x:g 
de julho de 158Ì, a qual pus eu CrìstouSo de Benauente, escriuSo da Torre do Tombo, 
em Lixboa a biij de agosto do dito ano. Xpou&o de Benauente.» 

(Torre do Tombo. —ClMuieelUrU de D. SebastUo e D. Henrlqne, Dott^, Ut. M foL SM.) 



vin 

Alvarà de D. FUippe I, de 1588, fazendo mercé a Franeiico de Hollanda 
para, por sua morte, treapaasar nta$ ten^ em sua mvlker 

«Eu elBey &^ saber aos que este aluari virem que eu ey por bem e me pras 
fiwer merce a Francisco dOlamda que por sua morte fiquem a sua molher os cem mil 
T8 e tres moyos de trìgoque diz que tem de tem^a em sua vida e nSo gozaudo ella da 
dita tem^a tres annos depois do j&llecimento do dito seu marido, ey por bem que corra 
a dita ten^a por ella depois da sua morte mais deus annos pera pagar as diuidas que 
dia que tem, pollo que mando aos yédores de minha fazenda que apresentandolh^ 



14 

depoÌB do falecimento do dito FrancÌBco dOlamda os padiols por qne elle tem a dita 
ten^a, mandem passar ontros em nome da dita soa molher, em qne ir& este mea ali- 
Tara tresladado, pellos quais teri e aaerà os ditos cem znil rs e tres moyos de trigo 
de ten^a assi e da maneira qne os tinha e aoia pellos ditos padrois o dito Francisco 
dOlamda seu mando, e pera sua guarda e minha lembran^a Ihe mandei passar este, 
que inteiramfite se compriri ao tal tempo comò se nelle contem. JoSo de Torres o fez 
em Lixboa a quatro de Janeiro de mil b° Izxziilj. £ eu Diego Yelho o fiz escreuer.» 

(Tom do Tombo. — duuDLcellurU de D. Flllppe I, Doo^, Ut. 5, fol. 66.) 



IX 

Carta de Filippt I, de 9 de ago»to de 1684, 
concedendo d viuva de Francisco de HoUanda cu tengat que tinha se» mando 

«Dom Filipe &c. A quantos està minha carta yirem fa90 saber que por parte de 
Luiza da Cunha de Syqneira, molher de Francisco dOlanda, defumto, me foi apresem- 
tado hiia carta de padrSo do Snflor Bey don Sebastiio, meu sobrinho, que este em 
gloria, per que tinha e aula de sua fazenda, de ten^a, cada anno, em sua yida, trez 
moyos de trigo e asy me apresentou mais hum meu aluara, per que fazia merce ao dito 
Francisco dOlanda que per sua morte ficassem a sua molher os ditos trez moyos de 
trigo, da qual carta de padrfto e aluara o theor tal he. (S^/ue-ee o padrào de 11 de 
novembre de 1S68, e o aluara de 4 de Janeiro de 1668.) Pedindome a dita Luiza da 
Cunha de Siqueira que por quanto o dito Francisco dOlanda, seu marido, era fale- 
cido, comò constaua da certidSo de justiffica9&o do doutor Buy Brandfto, fidallgo de 
minha casa e do meu conselho e desembargo e juiz de minha fazenda e qne per com- 
missfto a elle feita conhece das justiffica90lB della, que apresentaua, e cfiforme ao 
alluara atras tresladado, a ella pertendSo os ditos tres moios de trigo, que o dito 
seu marido tinha em sua yida, ouuesse por bem de Ihe mSdar passar padrSo delles 
em forma, e visto por mim seu requerimento, ey por bem e me praz de Ihe fazer 
merce dos ditos tres moyos de trigo de ten9a em cada hu& anno em sua yida, que 
comegarà a yencer de xiz dias do mes de junho pasado deste presente anno de Izzxiìji 
em diante, que he o dia em que o dito seu marido faleceo, e que Ihe scrjSo as^tados 
e pagos por està carta nas jugadaa do campo da yilla de Samtarem; pelle que mando 
ao allmoxarife das ditas jugadas que de e pague a dita Luiza da Cunha os ditos tres 
moios de trigo em cada hum anno em sua yida, e ho trellado desta que sera registada 
noe liuros do dito allmoxarifado pello escriufto de seu carego com conhecimentos da 
dita Luiza da Cunha mando aos contadores que Ihos lenem em conta e aos yedores de 
minha fazenda que Ihe fa^a {aie) assentar nos liuros della os ditos tres moios de trigo 
e leuar em cada hu& anno na folha do assentamSto do dito allmoxarifado, e n&o go- 
zando a dita Luiza da Cunha da dita ten^a tres annos depois do falecimSto do dito 
seu marido, ey por bem que corra a dita ten^a por ella depois de sua morte mais deus 
annos pera pagar as dyuidas que o dito seu marido dizia que tinha, que he cSforme 
ao alluara neste tresladado e o registo da dita carta de padr&o neste incorporado, que 
estaua nos liuros de minha chancellaria com o as6to dos liuros da fazenda se riscarSo 
e se pnserlo nelles yerbas comò o dito Francisco dOlanda era falecido e que se aula 
de passar padrSo dos ditos tres moyos de trigo a dita Luiza da Cunha, sua molher, 
pera os auer em sua yida e nSo se riscou dos liuros do dito allmoxarifado, onde esta- 
uSo asStados os ditos tres moyos de trigo, por a dita carta nSo estar nelles regis- 
tada, come se tudo yio por certiddes dos officiais a que pertècia riscar os ditos registos 
e asfito e por as taìs yerbas qne com a dita carta, alluara e a dita certidSo de job- 
tiffica^fto fin tttdo roto ao assiiuir desta, que por fìrmeza de todo Ihe mandei dar por 



16 

miin Assinada e asellada do mea sello pédente. Dada na cidàde de Lixboa aos iz dias 
do mes dagosto. Antonio dAragSo a Ibz — anno do naeimento de nesso Benhor JìA 
Xpo de mil b" Izzxiiij. Mateos Pirez o fes escreaer.» 

fTorre do Tombo.— OSumMlUrift de D. FQippe I, Dcoigfié», Uv. 11, fol. AS.) 

X 

Verba iumt IwroB da Ordem de Santiago relativa a Joào Homem de HoUanda 
cJoham Homem, filho de Antonio dOlanda, tem iiij« 1 r." (450 réis) por met 

e Cenada por dia /4 .» ^^^^ ^ Tonbo. - Orim d* SmUUgo, Ut. 86, toh 8t.) 

XI 

Carla de D. Joào lU, de 6 de Janeiro de 1561, fwmeando Joào Homem de Holanda 

juiz de fora de Ohidos 

•Dom Jo2o etc. ùlqo saber a yoob, vereadores e procorador, fidallgos, caaaleiros 
e escudeiroB e peno da villa dObidos e a qnaes qaer oficiaes ontros e pesoas, a qne està 
minba carta for mostrada e o eonhecimento della com direito pertemeer, qae comfiando 
en da bomdade, letras e saber do lecemceado Joam Homem dOlamda, qne o &ra bem 
e corno compre a 8erm90 de D." e meu e bem da terra, tenho por bem e o emayo ora 
a esa vUla por jaiz de fora della. £ porem vos mamdo qne ao dito L.^<> Joam Homem 
obede^aes e compraes sens joicos, semten^as e mamdados, segando forma do Regimento 
de seu oficio, poder e aU^ada qne de mim lena e todas outras coosas qne yos da minha 
parte por bem de jti8tÌ9a mamdar, saymdo com elle e sem elle, de dia e de nonte, a ca- 
naiio e a pee e a qual qaer ora qae vos eie reqaerer oa mamdar reqaerer pera se tsaeT 
qae compre a bem de jasti9a, comò dito hee, o qoal L.^* Joio Homem joraraa em 
a minha chancelarìa aos samtos eyamgellios qae bem e verdadeiramente e sem nenhafia 
afei^aom B3rraa o dito oficio, gardando maj inteiramente o 8ervi90 de D.* e mea e as 
partes sea direito, e por certeza Ihe mamdey pasar està minha carta, o doator JoSo 
de BarroB a fez em Almeirym aos bj dias do mes de Janeiro de mil b» Ij. anno». » 

(Toxre do Tonibo.— CluuieelUria de D. Jolo III, VooqSti, Ut. S9,fol« 1S9 v.) 

xn 

Carta de ISfOOO reaea de ten^a a Joào Homem de HoUanda^ 
do desembargo de D. Séboftiào 

m Dom SebastiSo etc. Aos qae està mynha carta yirem fa^o saber qae aaendo res- 
pdto aos 8erai90s qae o L.^« Joam Homem dOlamda me tem feytos nos cargos de jas- 
ti^ de qae por m^ fby Scarregado, e por Ihe fazer merce, ej por bem e me praz 
qae eie tenha e ija de minha fazemda qaymze mill rs. de tem9a % cada haii ano em 
diaa de sua vida, de Janeiro qae yem de b<* Ix biij em diamte e mftdo aos yedores . . . 
Loia de S eixaa a fez em Lixboa a xziui} de noySbro ano do nacymento de noso sfior 
JhoS Xpo de j b<* Ixbij e porqae ea fiz merce ao dito L.^ dos ditos xb rs de temga a xzj 
dias deste mes de noaembro e por vertude desta carta os adaaer de Janeiro qae yem 
de b* Ix biij Ihe mSdej pagar em Yr.^ Serfto, qae seme de thesoareiro dos dinheiros do 
Bejno, j b^ Ixij rs qae Ihe montarS aaer dos ditos xxj de noaembro até fim de dezembro 
deste dito ano e o dito L.^^* J.» Home he do mea desSbargo. Bebastifio da Costa o fei 
espreuer.» 

(Tom do Tonbo. -^Chiaeeitoria de D. flebMtlio t D. Benrifae, DeofSw, Ut, 17, foL Wl.) 



16 



Carta de 8 de Janeiro de 1667, fouendo mercè a Joào de Azevedo doe eargoe de fiUor 

e theeoureiro de Cochim 
jpelo eeu eaeamento com 2>. Maria, filha de AtUanio de HoUanda 

«Dom SebafltiSo etc. aos que està minha carta yirem fa^o saber que aySdo en res- 
peito aos seroi^os de J.^ dAzeuedo e a Ihe serem prometidos nas partes da India os 
cargos de feitor e thesooreiro de Coch^ em casamSto com dona Maria filka dAntonio 
dOlanda, ey por bem e me praz dC' Ihe Eazer merce dos ditos cargos por tempo de 
tres annoB e com o ordenado'cada anno contiudo no Begimento na uagante dos prò- 
nidos por prouysois feytas antes de vinte dias do mes de dezembro do anno p.'* de 
mil b" Ixbj, em que Ibe fiz a dita merce, e pertanto o notefico asi aoYyso Bey. . . Dada 
em Allmeirim a iij dias de Janeiro — Alluaro Femandes a fez — de mil b« k bij. Ma- 
noel Soarez o fez escreuer.» 

(Torre do Tombo.— Gbancellaria de D. SebMtlio e D. Henriqne, DoaqUa, Ut. SO, toh SSt.) . 

Em data de 23 de julho de 1557 foi feita mercé a Joio de Azevedo, 
mo9o da estante, de urna escrìvaninha de urna das naus da carreira da India. 
(D. Sebasti&o, liv. 10, fol. 98 v.) 

NSo sabemos se om e outro serZo o mesmo indivìduo. 

XIV 

Mandado de pagamento, em favor de Miguel de HoUanda, de 1 de outubro de 1527 

«Nono MIz da Silueira, do conselho delBey o mordomo mor da Rainha nosa se- 
nhora, mando a vos Diego Qalema, seu thesooreiro, q^e des e pages a Migell dOlamda 
mo90 da camara da dita senhora, oyto mill e cernie e cimquoemta e sete rs qne Ihe 
montam e adauer do primeiro dia de nouembro do ano pasado de V xzbj (1526) 
anos até o derradeyro dya doutubro do ano presemte a rezS de quatrocemtos e seia 
reaes que tem por mes da moradia e tres quartas de ceuada por dia, o quali tempo a 
dyta senhora a por bem que aja, posto que n&o sima e fyca posta verità em seu asSto 
comò ouue pagamento em vos; e per este, com seu asynado, mando aos cdtadores da 
dyta Senhora que volos leuem em comta. Feyto em Coymbra o primeiro doutubro — 
Antonio TrigueyroB o fez — de b^' zxbij. Nuno Miz da Silueira.» 

Segae-se o recibo : 

« B.* Miguel! dOlamda do thesoureiro os oyto mill e cemto e cimquoemta e sete rs 
comtheudos neste mandado do mordomo moor acima nomeado. Feito em Coimbra aos 
biy dias doutubro de quinhemtos yimte sete anos. Mygell dOlamda. Francisco Do- 
minfiTuez.» 

° (Torre do Tombo. — Corpo ChronologUo, parte 1.% m»/^ 91, doc 81.) 

XV 

Carta de 12 de novembro de 15^, nomeando Miguel de HoUanda, 
tkeeoureiro daa renda» da cidade de Goa 

«Dom Joham etc. A quamtos està minha carta vìrem £a^ saber que auemdo eu 
respeito ao serui^ que Miguell dOlamda, éscudeiro fidallguo de minha casa, fes a 



17 

Bainlìaf minha sobre todas maito amada e prezada molher, eujo crìado foy, e asy por 
ora casar com Isabell de Bojas, criada da Ifamte dona Izabell, oodiiha moito amada 
e prezada innaft, ey por barn e me praz de Ihe fiiuer merce do oficio de tesoareyro de 
minhas rendas em a cidade de Gaoa, asy e da maneira qae ho elle deue de ser e corno 
o tene e serviu Bay Gaom^aluez de Caminba, qae do dito oficio foy prouido pelo Viso 
Eey dom Graarcia de Noronha, qae D." perdoe, do qaal oficio Ihe asy £090 merce por 
tempo de cimqao anoe, posto qae por mea Begimento oaaesem de ser tres, e com ho 
hordenado qae ao dito officio pertence, asy corno oaue dito Bay Gaom^alaes de Ca- 
minha e as oatras pesoas qae depos elle o serairam e emtrara dito Migell dOlamda 
a serair o dito officio acabamdo sea tempo oa yagaamdo as pesoas qae delle sSo prò- 
aidas por minhas prooisòes feitas antes desta. Noteficoo asy ao mea capitSo mor. . . 
Pero Amriqaez a fez em Lizboa aos zLj dias do mes de noaembro do amio do nasi* 
mento de Nesso Senhor Jhii Xpo de mill b* Bij.» 

(Torr« do Tombo. — duncelUrU d« D. Jolo m, Doa^5e$, Ut. 6, fol. It *.) 

XVI 

Verha de pagamento a ARgud de HoUanday'Como escrivào daa moradùu da rainha, 
de 15 de dezembro de 1544 

«bj* rs a Migell dOlamda, espriaSo das moradias, pera haSa escrevaninha pera 
serair o dito oficio o anno de b° Biìij per mandado 6 xb de dezembro do dito anno 
e sea conhecimento em xz do dito mes e anno.» 

^onre do Tomba. -^lÀvro das dttpuoè da BoMm D, GaAaHiM» foK 100 *.} 



xvn 

Mandado de pagamento da rainha D, Catharina a Miguel de HoUandc^ 
corno 8€u apo9etUador, de 3 dejtdho de 1551 

« Àlaaro Lopez, mandoaos qae deis a Migel dOlanda vinte crazados, de qae Ihe 
fa90 merce pelo 8erai(o qae me fez de mea apoasentador, e por este com sea conhe- 
cimento yos seram ìeaados em conta. Pero Femandez fez em Almerym a iij dias 
de jonho de mil b' Ij. Baynha.» 

Segae recibo todo do pnnho de Miguel de Hollanda: 

« B* do thesooreiro Ala.*" Lopez os vinte crazados cStendo neste m.<*® (mandado) 
e fiz en o conhecimento por nSo estar aqai Diego Matz, escriuSo do tisoaro por man- 
dado de Sua A. qae pera iso tenho oje bj de janho de 1551. Migel dOlanda.» 

(Torre do Tombo ~ Corpo Chronologieo, parte 1.*, mft^o 86, doc. 67.) 



xvm 

Alvaro de 2>. Joào ÌIT, de 11 de mar^ de 1555, relativo d nomea^o 
de Miguel de HoUanda para theaoureiro das rendas de Goa 

«Ea elBey fa^o saber ao mea Viso Bey e gnoaemador qae ora he e ao diante 

for nas partes da India qae ea ey por bem e me praz qae Migael dOlanda, caaaleiro 

fidalgao de minha casa, qae ora me vay serair a essas partes, no carguo de tesoareiro 

de Guoa, possa trespassar e renunciar em bua pessoa anta deus annos do dito cargao 

toIm n s 



18 

do8 cÌBquo de que diz qae he pronido. E por tanto yollo notefico asy e mando qne 
apresentandouos a dita pessoa a renuncia^So do dito Miguel dOlanda e a pronisS da 
dita merce, Ihe mandeis fazer outra em foima do dito cargao, sendo auto, comò ^to 
he, pera o seruir pello dito tempo de dous anos e aaer o ordunado contheudo no Be- 
gimento asy corno bade leoar o dito Miguel dOlanda do tempo que o seruir. Adri&o 
Lucio o fez em Lizboa a onze de mar90 de mil b" cinquoenta e cinque. André Soare« 

fez escreuer.» ^^^^^ ^^ Tombo.— CaumccUarU de D. Jolo in, DoagSta, Uv. 58, fol «OS.) 



Proviaào do Viso-Rey Z>. CorutofUino para o (kesoureiro da ddade, 

Miguel de HcUandaf arrecadar para S. A, a renda da» hoHcae dos chamalotet 

e sedas que nào fot arrematada 

«0 Viso Bey da India etc. Fa90 saber a vós, Miguel de Olanda, thesoureiro desta 
cidade de Goa, que porquanto a renda das boticas dos chamalotes e sedas della, sendo 
trazida em preguSo muitos dias, nunca chegou ao pre(o do anno passado, nem foi 
posta em contia per que se deva arrendar, pelo que ej por servilo de ElRej meu 
senhor que a dita renda se arrecade para Sua Alteza, e vos mando que fa9ais ayen9a8 
com todos OS botiqueiros e pesoas que quiserem ter boticas e vender as cousas per- 
tencentes 4 dita renda, sem as quaes avenyas nenhuma pessoa poderi vender as ditas 
cousas sob pena de as perder pera Sua Alteza e aver a mais pena que eu ouver por 
bem, e as ditas aven^as ser&o feitas per vós com ho escrivSo do vesso cargao, e se 
assentar&o em bum cadérne que pera iso averaa, pera por elle se arrecadar a dita 
renda; e cheguando as taes aven^as ao pre^o e contia por que as fizer&o os rendeiros 
do anno passado as fareis lego assentar no dito cadérne e carregar sobre vós no livro 
de vessa receita, e da contia se fiirà declara9lo no dito cadérne no titulo de cada 
aven^a, e n&o chegando 4 dita contia do anno passado, as nfto fareis sem me fazer a 
saber, pera eu mandar nisso o que for servi90 de Sua Àlteza; e oste se registari no 
dito cadérne e no livro de vessa receita e fareis apregoar pelos lugares acostomados 
que nenhuma pesca venda as ditas cousas sem se concertar comvosco sob as ditas 
penas; pera que venha 4 noticia de todos, e de come asy for apregoado se far4 assento 
nas costas delle. Antonio Pires e fez em Groa a xxx de outubro de 1559. Manuel Nunes 
o fez escrever. £ posto que diga que se r^gi8tar4 no livro de vessa receita, registar- 
•eha no livro do registo da fazenda semente. Viso Bey.» 

(RÌT«r», Jrchivo Poriugvm OrimUA, fMe. 6.*, ptff. 4M.) 



XX 

Summario de urna carta do Viso Bey da India, del de setembro de 1560, 
wi^rmando Miguel de HoUanda no cargo de thesoureiro da cidade de Goa 

«Carta do Y. Bey em nome d*ElBey fazendo saber que ElBey seu avd, que santa 
gloria haja, fez mercé 4 Infante Dona Izabel, sua muito presada e amada irmS, por 
Alvar4 de 10 de mar^o de 1556, para a pessoa que ella nomeasse na India por seu 
procurador, do officio de thesoureiro de Groa por tempo de 5 annos, posto que pelo 
Begimento houvesse de ser 3 annos somente, na vagante dos providos por suas pro- 
visdes feitas antes de 20 de julho de 1555, em que Ihe fez a dita mercé. E por quanto 
Jorge Yaz, casado e morador em Gba, come Procurador da dita Infante, pelo poder 
que ella tem, nomeou ao Y Bey da India pafa e dito cargo a Miguel de Olanda, ca- 



19 

Taleiio da ordem de Santiago, qae ora tambem eatk sermdo, e o renimeioii nelle, 
lia Sua Alteza por bem fasermerce ao dito Miguel de Olanda do dito cargo de the- 
Boureiro pelo tempo de 5 annot, corno se contem no dito alyarà. Goa 1.* setembro 1560.» 

(BiTtt», Jréhfioo PmUttguu OriMfoI, ftac. 6.% ptff. 468.) 

Carta de D. FiUppt I,deBO de mar^ de 1682, nomeando um Miguel de HoUanda 

para eargoa na India 

«Dom Filipe &c. fa^o saber aos que està minba carta yirem qne bauendo reapeito 
aos aerai^os de Migel dOlamda, caualejro fidallguo de minba casa, que naa partea da 
Imdia tem fejtos por eapa90 de maia de doze anos, ey por bem e me pras de Ibe faxer 

merce da capitania de Manora por tempo de tres anos na yaguamte dos prooidoa 

com declara^am qne iraa oste ano ba Imdia e, nfto imdo, està merce n2 bauera a efei to. 
Jobfto de Torres a fez em Ldxboa a zxx de mar9o do ano de Noso Senhor JbQ Xpo de 
JV Ixzxij. £ ey por bem qne bo dito Migel dOlamda n& pague direitos na cbance- 
laria qne desta carta dener a minba fuemda, porquSto Ibe fa^o dellea merce.» 

Tem ao lado a segointe verba: 

« Ao pe da carta aqoi registada se pos apostilla, peUa qual sua magestade ouue 
por bem qne a capitania de que por ella tinba feito merce ao sobredito %ja efeito sem 
embargo de nSo bir os anoa passados a India, e som fibargo de quaes quer prouisOea 
OH aenten^as dadaa no caso e do sobredito se pos aqoi està verba 8 Lz.« a xb de 
mai^o de 1589 anos.» 

CToxre do Tombo» *- QkUMlQuU de D. Fillpp« I, Dot^/Sm, Ut. 0, ft»L 15.) 

XXTT 

Carta de D. Seboitiào, de 2 de/evereìro de 1668, nomeando Jeronymo de EoOanda 

para cargoe na India 

«Dom SebastiSo ftc. A qnamtos està mynba carta yirem fa^o saber qne anendo 
en respeito aos semi^os que Jeronimo dOlamda, canaleiro fidalgo de minba casa, tem 
feytos a eìRej meu senbor e ano, que santa gloria aja, ey por bem e me apras de Ibe 
faaer merce dos cargos de fejtor, alcayde mor, prouedor dos defomtos e yedor daa 
obras de Cbanl pollo tempo e com o ordenado c5tbendo no Begymento na yagSte dos 
pronidos por proajsdes feytas amtes de yymte diaa dabril do ano pasado de b* Iby, 
em qne o dito senbor Ibe fez a dita merce, on yagSdo per qnall quer maneira que Seja, 
e portamto o notefiqno asy ao meu gonemador mas ditas partes da Imdia, que ora be 
e ao diamte for, e ao yedor de minba faz8da em elaa. . . . Dada em Lixboa a ìj de fé- 
nereiro — Aluaro Feznandez a fez — ano do nacymento de noso Senbor Jbd Xpo da 
j b* Ibiij. Amdré Soarez a fez escpreuer.» 

(Totre do Tombo. — D. SebMtiao e D. Cenrliiae, Doa^, liy. 6, foL 198.) 

XXTTT 

Alvaro de D. FUippelH, de 28 de mar^ de 1631, concedendo urna tenga 
à viuva de Jeronymo de HoUanda 

« £a elBey 6190 saber aos que oste aluara yirem que auendo respeito aos semi^ 
qoo JerCMoimo de Olanda, jà fiJecido, que foi caualeiro fidalgo de minba casa, me fez 



20 

nas partes da India por efipa90 de onze annos nas armadas e firotalezaa fronteinu, 
pollos qaais foi despachado o anno de mil seis centos e dezanone com o eargo de cor- 
retor mor de Dio, de qae nSo tirou portaria, e aos que depois me fes neste Beino, ei 
por barn de fazer merce a Caterina de Souza, sua molher, de doie mi! re de ten^acada 
anno em sua vida, pagos nas obras pias, qne comesara a yencer de seis de setembro 
do anno pasado de mil e seis centos e trinta em diante, em qae delles Ihe fiz merce, 
em satisfa^So da metade da an9&o dos serui^os do dito sen mando, que Ihe pertenceo; 
pello que mando aos vedores de minha faaenda qae Ihe fa^fto asentar no liaro das 
ditaa obras pias os ditos doze mil rs de ten^a e despachar cada anno na foiba do 
asentamento dellas para os auer em sua vida dos ditos seis de setembro do dito anno 
pasado en diante, e este ei por bem que valha comò carta feita em meu nome sem em- 
bargo da ordina^&o em contrario. Pero Cardoso o fes em Lixboa a vinte oito de mar^o 
de mil e seis centos e trinta e bum. 8ebasti&o Perestrello o fez escreuer.» 

(Tom do Tombo.— duuicollarla de D. Filippo m, Doaifl5u, Ut. 19, foL 18 e.) 



XXIV 

FacsimUes das auignatuTOM de Frandtoo de HolUmda e Miguel de HoUanda, 
que se acham stUnerevendo ob doe. Ili e XVII 

^W — Heldes. Tenente de engenheiros. Por aviso de 10 de jnnbo 
de 1758y foi enoarregado com outros, sob a direcySo de Francisco Joaquim 
Polchete, de proceder ao estudo e melhoramento da barra de Aveiro, mas 
parece que nada se consegaiu. Vide A. F. de Castilho, nota 32 (pag. 58) 
do seu. poema — A faustissùna exahagSo de Sua Magestade Fidelissima 
Senhar D. JoSo VI, Lisboa 1818. 

^l'T'S— Homem (Manuel). Em 18 de abrìl de 1628 foi nomeado 
engenbeiro das partes da India, com o ordenado de 200f$000 réis annuaes 
e nas condi^Ses com que fSra igoalmente nomeado Fedro Massu. Saccedea- 
Ihe Valentim Jarge. 

cEn elRey fe^o saber aos que este alyar& yirem que eu ei por bem de fazer merce 
a Manoel Homem do officio de emginheiro das partes da India, com qae avera de orde- 
nado cada anno duzentos mil rs, emquanto o servir, asi e da maneira qae tenho feito 
merce de entro semilbante a P.^ Massai: pello que mando ao meuYiso Rei ou goyer- 
nador das partes da India, que bora he e ao diante fbr, e ao veder de minba £&zenda 
geral dellas que dem posse do dito officio de emginheiro ao dito Manoel Homem e Iho 
deizem servir e Ibe fa^So asemtar o dito ordenado em parte donde delle iga bom paga- 



21 

mento, e pelo treslado deste autentico com seu conhecimento serSo os ditos duzentos 
mil rs levados em conta ao officiai que Ihos pagar, e este se comprira corno se nelle 
comtem, o qual yalera corno carta sem embargo da ord'ena^&o do 2.^ livro, titolo 40, 
que dispoem o contrario. Francisco dAbreu o fez em Lixboa a dezoito de abril de 
mil e seis sentos e vinte oito. Diogo Soares o fez escrever.» 

(Torre do TomlM. — Clumcellaria de D. Filippo in, Dooffle», Ut. 2S, foL 85 v.) 



4rVO — Hngnet (Mestre). TZo Tarìadamente encontramos ortogra- 
pliado o seu nome nos docomentos que Ihe dizem respeito, que muito dif- 
ficil se toma acertar com a escolha do verdadeiro. Anguete, Abguete, 
Haete, Huet, Hirgete, Huguete. Esoolhemos o que adoptou Raczinsky no 
seu Diccionario. O cardeal Saraiva, na sua Memoria sobre as obras da Ba- 
talha, considera-o corno segundo mestre logo depois de Àffonso Domingues, 
apparecendo corno testemunha num documento de 1402, em que aquelle era 
jà fallecido. É possivel, todavia, que elle jà fosse director da obra conjun- 
tamente com Affonso Domingues. Baczinsky considera-o inglés, mas nZo 
nos diz as razSes em que se baseia para Ibe dar està naturalidade. O nome 
tanto pode indicar procedencia ìnglesa comò francesa ou allemZ. 

Depois de publicado o volume i do nesso Diccionario encontr&mos outro 
documento relativo a Affonso Domingues e que vem aclarar aquelle que 
dèmos a pag. 557. 

É urna carta de D. JoSo I fazendo mercè a Ruy Garoia de duas mo- 
radas de casas junto da Magdalena, urna das quaes entestava com a que 
trazia JoSo Femandes, selleiro, e a outra com a casa da mx>lher que foi 
de Afonso Domingues^ mestre da obra da Batalha. 

Està expressZo qtie foi n2Lo significa que ella jà nSo existisse, mas sim 
que era vìuva de seu marido. E assim se deve entender em casos iden- 
ticos, julgando portante infundamentada a duvida que se nos offereceu 
acérca da ama de Affonso Domingues. 

O documento, que passamos a reproduzir aquì antes dos que se refe- 
rem a mestre Huguet, é de 9 de junbo da era de 1444, iste é do anno 
de Christo de 1406. 

Em 1436 e 1437 D. Duarte fez mercé a mestre Huguet de umas casas, 
no mosteiro da Batalha, em que elle vìvia, e de um cerrado. Os frades 
n3o levaram a bem està doa92Lo, que julgaram contraria a seus direitos, 
e moveram demanda à viuva do mestre, para que largasse ',quellas pro- 
priedades, indevidamante doadas. Chamava-se ella Maria Esteves. A de- 
manda veiu à córte e D. Affonso V julgou-a em favor dos frades. Nem 
estes nem o rei se mostraram agradecidos à memoria e aos servÌ90S do 
seu architecto. O interesse prevaleceu à gratidSo. A sentenza é de 13 de 
mar^o de 1450. 

Encontramos ainda um instrumento de 1452, em que o mosteiro em- 
prazava a um Martìns Pires, pedreìro, e a sua mulher Inés Alvarez, mora- 



dores no dito mosteiro, mnas casas em que soia de morar mestre Huguet« 
ABBignam oste diploma, entro outros, mestre RodrigO| cavalleiro e yedor 
das obras, e FernSo de Evora, rnettre daa obra» do dito mosteiro. 

« Dom Joliain pella gra^a de Deus Rey de t^ortugal e do Algarve a todos quantos 
està carta mem fazemos saber qae nos em sembra com a Bainha dona Filipa, minha 
molher, e com o ifante Ednarte, nesso filho primeiro, herdeiro, yeSdo e consirando os 
moitos e grandes 8ervÌ90s que nos e nesso regno recebemos e entendemos de receber 
ao diante de Buy Garcia, mercador, morador na cidade de lixboa, nesso servidor e 
querendo Ibe nos conbecer e galardoar, com mercees os seryi^os que nos assy fez e 
ÙLZ comò a nos cabe fazer e aaquelles que nos bem e leabnente servem, e querendo 
Ihe fiizer gra^a e mercee, de nesso mouymento proprio e certa siencia e poder abso- 
luto sem nello pedindo o dito Buy Garda deste dia pera tede sempre Ihe datnos e 
doamos e Ibe &zemos livre e pura e irrevogayel doa9am simplez antro os yivos yala- 
doyra de duas casas nossas que Nos avemos na dita cidade de lixboa acerca da Ma- 
dallena .s. huma que de nos traz Joam Femandez, selleiro, de que nos paga em cada 
huu allo de foro xbj libras da moeda antiga e parte com outras casas que foram 
nossas que o dito Joham Femandez tragia e com Bua publica e de outra casanossa que 
parte com està que traz a molker que fin de Àf<rMo DomingeSf mtstre da obra da Ba- 
talka, e paga della de foro cada afio y libras e z soldos da moeda antiga e parte com 
outras nossas casas que traz Joham Femandez e com rua publica e com outras con- 
fironta95es com que de direito deyem partir com todas suas entradas e saidas e per- 
ten^as assy come as nos ayemos e deyiamos dayer e milhor se as milhor puder ayer 
£ queremos e outorgamos e mandamos que o dito Buy Garcia e seus herdeiros e suc- 
cessores aiam daqui endiante as ditaa casas e perten^as dellas comò dito he E que 
as possam yender dar e doar escambar e fazer dellas e em ellas o que Ihes prouyer 
come de sua cousa propria e pormetemos em nossa fo real por nos e por todos nossos 
Bucessores nunca reyogar està doaQam nem hir centra ella em nenhuma maneira em 
parte nem em tede a qual doa^am Ihe fozemos nom embargando os direitos que dizem 
que se nom possa fazer doa9am dos be(is que pertencem a corea do regno nem todos 
OS outras direitos canonicos e ciyees e openiooes de doutores leis custumes fa^anhas 
hordena9o£8 e todallas outras cousas que contra està doa9am seiam ou possam em 
alluma cousa embargar em parte ou em todo os quaaes nos aqui ayemos por ezpressoa 
e dedarados e repetidos e so a clausuUa geeral caladamente compprendidos E que- 
remos que nom aiam lugar em està doa9am e se alguma clausulla ou outra cousa 
algnma fallece, que nom scia posta em està doa^am pera firme e yalledoira seer Nos 
de nossa certa siencia e poder absoluto ayemos por posta especificada e suprimos 
todo falimento que em ella he de facto ou de direito e mandamos que seia firme e 
stayel pera todo sempre por quanto nesso tallente e ten9om he fiizermos està doa- 
9am ao dito Buy garcia e mais firme e stayel que se pode fazer e logo que per està 
presente doa^am tiramos e tolhemos e quitamos de nos e de nossos sucessores teda 
a posse e propiedade das ditas casas e a poemos e Syestimos em e dito Buy garcia 
e seus herdeiros e sucessores E mandamos a todollos corregedores e meirinhos e jui- 
zes e justicas e a outros officciaes e pesoas dos nossos regnos que cumpram e guardem 
e £a9am cumprir e goardar està doa9am bem e cumprìdamente e nom yaSo nem con* 
aentam hir centra ella em nenhuma maneira E mandamos outro %sy ao yeedor almo- 
zarìfe e escripyam do nesso almazem da dita cidade que fa^am registrar està doa^am 
no tombe das posisdes que nos ayemos na dita cidade pera daqui endiante non seer 
posto nenhum embargo nem duyida sobre as ditas casas ao dito Buy garda nem aos 
seus herdeyros e sucesores ; unde al non fa9ades E em testemunho desto Ihe mandamos 
dar està nossa carta assignada dos nossos nomea e seilada com nossos aeelloB dante 



23 

«m santarem a dias de janho el rrey o mandon — Goncallo Caldeira a fez era de mil 
iiij" B iiij aaos £ esto Ihe fazemos corno dito he com condi^am qne pera està nom 
&^ peijuizo ao0 emprazadoree qae ora tem as ditas casas emprazadas mais que os 
prazos qae dellas tem Ihe sejam comprìdos e agoardadoB comò em eles for conteudo 
e deapois qae os ditos prazos forem acahados que emtam o dito Ray Garcia e seaa 
herdeirot e eoceseores ^'am aa ditas casas corno en està nosa carta he conteudo.» 

fToire do Tombo.— dutnodlaxi» de D. Joio I, Ut. 9, foL 66, v.) 

« Dom Edaarte etc. a qaamtos està carta virem fazemos saber que nos queremdo 
fazer gra^a e mercee aabgaete, meestre da obra do nesso moesteyro de Santa Maria 
daYitoria, de nosso moto proprio liare absoluto : Teemos por bem e fazemoslhe merce 
tiare e para irreaogavel doagam amtre yiaos yaUedoyra, deste dia pera todo sempre, 
de haoas casas que nos auemos em o dito lego do moesteiro, em que ora eli viue, qae 
partem com casas de Joham Bramdam e com huù ^arrado do dito Joham Bramdam, 
pera eU e pera seas filhos e todollos outros herdeyros que delles descenderem per 
linha dereita na forma e maneyra de qae ^emos mercee doutras cousas semelhantes 
qae perteecem aa corea do rregno. £ porem mamdamos aos veedores danoesafazemda 
e comtadores e almozarifes juizes e jasti9as officiaes e pessoas e a outros quaesqaer 
que esto ouuerem de veer, a que està carta for mostrada, qae Ihee leizem teer e auer 
e lograr e pessuir as ditas casas, por quanto nos Ihe fazemos dellas mercee e doa^om 
mais firmemente que seer pode pella guisa suso dita sem outro alguG embargo 
que Ihe a elio ponham em nenhufia maneyra que scia. Damte em Torres Yedras doze 
dias de setembro — Martim Gill o fez — era de mill e iiij* xzxyj annos.» 

(Torre do Tombo.— Llvroi dA Extremadiirai 10, oozb, e GhanceUMiit de D. Buarte, fol. SOT.) 

« A auguete mostre da obra da batalha doa^am de hu ^arrado de herdade qua 
he no dito moesteiro per suas comfromta95es declaradas. 

Dom Edaarte etc. A qaamtos està carta virem fazemos saber que nos queremdo 
fazer gra^a e mercee aabguete, mestre da nossa obra do nosso moesteiro de samta 
Maria da Viteria, de nosso moto propio liure vomtade certa sciencia poder absoluto 
Ihe damos e doamos e fazemos liure e pura doa^am deste dia pera todo sempre de hS 
nosso 9arrado de herdade que he no dito moesteiro, o qual parte comtra o aguiam 
com vinha dos frades e da trauessia com pinhal dos sobre ditos, e ao soaSo com,pu- 
mar e erta dos sobre ditos frades assy comò vay Stestar nas casas da morada do dito 
mestre Abgnete. £ com hu chaào em que estam os hulmeiros que he comtra ho vem- 
daual pera elle e pera seus filhos e pera todos seus herdeiros que delle decemderem 
per linha dereita etc. na forma e maneira de que fazemos mercee doutras cousas se- 
melhantes que pertencem aa corea do Begnno. £ porem mandamos aos veedores da 
nossa fazenda, comtadores, almuxariflfes, juizes e justi9as e a outros quaaes quer que 
esto ouuerem de uer, a que està carta fer mostrada, que Ihe leixem ter e auer, lograr 
e pesuir o dito ^arrado por quanto nos Ihe fazemos delle mercee e doa^am o mais 
firmemente que ser pode pella guisa suso dita sem outro nhii embargo que Ihe a elio 
ponham. Dante em Samtarem quatro dias de mar9o — Martim Gii a fez — era de mil 
e quatrocemtos trimta e sete annos. » 

(Tonre do Tombo.— Llvroi da Bitrenuidium, 11, fol. 117.) 

«Dom Afonso per gra^a de Deus Bey de Portugall e do Algame e senhor de 
Copta. A todollos corregedores juizes e justi^as dos nossos regnos, a que o conheci- 
mento desto pertencer per quallquer guissa que seja e està carta de sentenza for mos- 
trada, saude *, sabede que dante Lionardo Femandez, yigairo geerall em a yyUa de 



24 

Leyrea, por o prioll de sita cruz de Coimbra aa nossa corte veeo bufi feito per remisom 
que era antro os frades e moesteiro de sam DomXgos de SSta Maria da Vitoria da 
Batalha per frey Joham Martinz, meestre em theolisya,proulciall da dìtahordem, comò 
autores da bua parte, e Maria Estevez, molber qùe £07 de mostre Haete, morador no 
dito moesteiro (apagada està pcUavra) ree da entra, dizendo o dito pronlciall autor 
centra a dita ree que elRey dom Jobam meu auoo, cnja ahna Deus aja, dera« dotara 
ao dito moesteiro e frades delle a quttaa que foy a Egas Coelbo e de sna madre Maria 
Femandez de Meira com todas suas perteen9a8, entradas e saydas, asy e polla guissa 
que a dita quitafi era e perteencia ao dito Egas Coelbo e a sua madre, a quali qulta& 
era teda sua propia isenta som outro alguù em a dita quitaS e perteenQU della 
auer parte nem quinhom e que feita asy a dita doa^om de teda a dita qultai e per- 
teS^as della per a guissa susso dita ao dito moesteiro e frajres, dito senbor man- 
darà logo fazer e asituar e fundar o dito moesteiro dentro na terra que era da dita 
quitaS e que a ella perteencia e aos direìtos della e que asy ouuera logo o dito moesteiro 
a propiedade e possisom de teda a dita quitaS e suas perteS^as e que elles viam ora 
possuyr e estar de posse a dita M." estSz Ree de buas cassas de morada em que ella mo- 
raua e de bfia berdade, as quaes cassas e berdade eram todo dentro na terra e per- 
te^^as da dita quitafi que asy fora dEgas Coelbo e da dita Maria Femandez de Meira 
sna madre, de que o dito senbor fezera doa^d ao dito moesteiro e que per elle dito 
prouinciall e moesteiro fora requerido comò ainda era aa dita ree que abrisse maSo 
e leizasse as ditas cassas e berdade que asy perteenciam ao dito moesteiro e connento, 
e ella recusara sempre comò ainda recusaua de o fazer porem pidiam centra ella que 
per senten9a finali fosse julgado a dita Maria Estevez ree Ibes abrir malo das ditas 
cassas e berdade pera as dito moesteiro auer e as lograr e posuyr corno suas e Ibes 
pagase mays daluguer des o tempo que as asy teucra depoys que dito mostre Hueett 
se finara quinbentos reaes brScos por cada buii ano e mays as custaa segundo mais 
compridamente em sua au^d se contynba, a quali o dito yigayro julgou que procedia 
e mandon aa dita ree que a contestasse e porque a dita ree a nom quis contestar 
pero Ibe muytas vezes per o dito yig^ayro fosse mSdado elle ouue a dita slvl^Ò por 
contestada por nega9om e julgou logo que contestaua quanto auddaua e mandou aos 
ditos autores que fezesem certo da sua au^S, os quaes deram em prona della certas 
scripturas, antro as quaes foy biia carta delRey dom Jobam meu auoo, cnja allma Deus 
aja, per que se mostraua que elle comprara a quinta! do pinball, que fora de Egas 
Coelbo e de Maria Fernandez de Meira sua madre, em a quali fezera edificar dito 
moesteiro de sam Domingos de Sita Maria da Vitoria e porem fazya liure e pura doa^o 
pera todo sempre ao dito moesteiro da dita quintal com todas suas berdades,mòtes e ar- 
uores e auguas e perteen9as della segundo se na dita carta mays compridamente con- 
tynba, dizendose da parte da dita ree que ella tynba as ditas cassas per justo titollo, 
seendolbe dadas per elRey dom Eduarte meu senbor e padre, cuja alma Deus aja, das 
quaes ella e dito meestre Haete, seu marido, ostavi de posse multo aula sem contra- 
dÌ9om dos ditos frades e seu moesteiro, polla quali razom perteenciam a ella de direito 
e nom aos ditos autores, apresentandose logo da sua parte della dita ree a dita carta 
de mercee e doa9d do dito senbor Rey dom Eduarte meu senbor e padre, cuja alma 
Deus aja, per a quali se mostraua que dito senbor, querendo fazer gra9a e mercee 
a Hugete, meestre da obra do dito moesteiro de Sita Maria da Viteria, tynba por bem 
e Ibe ^ya mercee, liure, pura e irreuogavill doa99 pera todo sempre de buù seu 
9arrado de erdade que era no dito moesteiro, quali partya da bua parte centra bo 
aguyam com vinba dos frades e da trauesya com pinball dos sobreditos e do soaò 
com bu8 pomar e erta dos ditos frades asi comò bya cntestar com as casas da morada 
do dito mostre Huguete e com buu cbalo onde estauam bulmeiros que era centra 
vendauall pera elle e pera todos seos filbos e todoUos outros berdeyros que delle 



25 

descendesaem, segando maya compridamente per a dita carta de mercee e doagom se 
mostraua, apresentandose esso mesmo da sua parte da dita ree outra carta de mercee 
e doa^om feita per o dito senhor Bey dom Eduarte meo senhor e padre, ciya alma 
Deus sga, per qae se mostraua fazer mercee ao dito Hugnete e pura irreuogayili doa9om 
pera todo sempre das cassas, em que o dito mestre Huguete yiuya, que eram em o 
dito logo do moesteiro que partiam com cassas de Joham Bramdom e com hnù 9ar- 
rado do dito Joham Bramdom, segundo se per a dita carta de mercee mays compri- 
damente mostraua. E yysto todo per o dito Lionardo Femandez, yigayro, e yistas 
as Bcripturas e cartas e doapòes per as ditas partes apresentadas e por serem con- 
trayras huSs aas outras remeteo o dito feito a nos que o determinasemos corno fosse 
nossa mercee. qnal visto per nofs em BoUa^om com os do nosso desembargo, pre- 
sente huu requeredor do dito moesteiro e aa reueria da dita ree acordamos que visto 
em comò o principe nom pode dar coussa que seja de igreja e dandoa tali doa^om 
nom vàU e corno per a doà^om que elRey dom Joham meu auoo, cuja alma Deus aja, 
fez ao dito moesteiro da quintaS que foy dEguas Coelho e de sua madre Maria Fer- 
nandez de Meira com todas suas perten9as a dita quintali foy feita do dito moesteiro 
e comò de dentro nas confrdta95es da dita quinta^ jaz a dita cassa e ^arrado per o 
dito moesteiro pedidos, mandamos que o dito moesteiro aja a dita cassa e ^arrado, 
segundo em seu petitorio he contheudo, sem embargo da doa^om feita por elRey 
dom Eduarte meu senhor e padre, cuja alma Deus aja, a mestre Hugnete, e seja sem 
custas, vista a i^azom que a dita molher tynha de letigar. Porem nos mandamos 
que compraaes e fa^aes comprir e aguardar em todo està nossa senten9a comò per 
nos he acordado e mldado : unde ali nSLo fa9ade8. Dada em a cidade dEuora xiij dias 
do mes de mar9o~ElBey o mSdou per Lopo Goncalvez doutor em lez seu vassallo 
do seu desembargo e juiz dos seus feitos. Joha m de Lixboa scripuam dos feitos do 
dito senhor a fez — ano de nosso senhor Jhù Xpo de myll e iiij.*®' e cinquoeenta anos. => 

Lopus doctor le^um.» 

"^ ° (Torre do Tombo. — Dociimentoi da Batalha, Ut. 4, perfamlnho It.) 

« Sabham quantos este estormento de prazo virem que a os vinte e oito dias do 
mes de nou6bro, anno do nacimSto de nosso Senhor Jhu Xpo de mill e quatro centos 
e cinqoSta e dous anos, em ho moesteiro da Yitoria, termo de Leirea, dentro na igreja 
pequena de s&ta Maria, estando hy o mestre frey Joham Martinz, prouenciall, e o ba- 
charell frey Nuno, prioU, e o doutor frey Louren9o, e o doutor frey Joham Tinoco 
e doutor frey Aluaro de Ponball e frey Joham da Vitoria e frey Joham Jusarte e 
outros frades conuentuaes da dita ordem, todos jnntos per campaa tanguda, pera esto 
que se adiante sege, em presen9a de mym Joham Eanes Cuitelynho, vasallo delRey 
e seu taballiam em a dita villa e as testemunhas que adeante som spritas logo os 
ditos prouenciall e irades diserom que elles émprazauam comò logo emprazarom a 
Martim Pirez, pedreiro, e a sua molher Ines Àluarez, moradores em o dito moesteiro, 
huas casas que o dito moesteiro e ordem ha em o dito moesteiro, em que soia de mo- 
rar mestre HugeU e parte com a tore que foi das ditas casas e com caminho, as quaes 
casas diserom que Ihe emprazauS com todos seus direitos e perten9as entradas e sai- 
das con sua ante porta comò a dita casa perteence tS Bellamente em dias de sua vida 
delle dito Martim Pirez e da dita sua molher e doutra pesoa depos elles quali o pus- 
tumeiro delles nomear a ora da sua morte com tali preito e cddÌ9om que elle e a dita 
sua molher e pesoa depos delles adubem e coregam as ditas casas bem e sem nèhua 
malicia e de todo caso fortuito em tali gisa que em fim da pustumeira pesoa as ditas 
casas fiquem ao dito mosteiro e ordem sem cdtenda ngnhùa milhoradas e nom pejo- 
radas com todas bemfeitorias e que dem e pagem de fenda e pensom elle dito Martim 
Pirez e a dita sua molher e pesoa depos elles em cada hum ano ao dito moesteiro e 



26 

ordem em paz em saluo em o dito moesteiro cinquoenta reaea brancos e hoa galìnlia 
pagados em cada hnm ano por sam migell de setèbro e faeerem a piimeira paga por 
«un Migell de setembro qne vira no ano do na^ìmento de N08O 8enhor Jbu Xpo de 
mill e qoatrocentos e cinqoenta e tres anos e asy em cada hmn ano pollo dito dia 
obrigardse os ditos proninceall e prioll e frades de Ihe defenderem e Spararem o dito 
prazo das ditas casas asy elle dito Martim Pirez e a dita sua molher e pesoa depoa 
elles de quem quer que Ihes Sbargar qniser e nom Ihas defendendo qne Ihe pagem 
todas castas e despesas e perdas e danos qne elles dito Martim Pirez e a dita sua 
molher e pesoa depos elles por a dita rezom receberem e mais com vinte rs. brancos em 
cada hmn dia de pena so obriga^om dos beSs e rendas do dito moesteiro qne o dito pro- 
uenciall e prioll e frades pera elio obrigarom. £ dito Martim Pirez que presente 
estaua recebeo logo em sy o dito prazo das ditas casas por sy e em nome da dita 
sua molher e pesoa depos elles se obrigou de o terem e manterem e fazerem e refa- 
zerem e comprirem em todo bem e pagarem a dita renda e pensom e foro em cada 
bum ano comò dito he e nom o fazendo elle e as ditas s^a molher e pesoa depos 
elles asy que pagem todas custas e despesas e perdas e danos que os ditos prouen- 
ciall e frades e moesteiro por a dita razom receberem e mais com outros vinte reaes 
brancos em cada hum dia de pena so obriga9ào de seus be^s e de seus erdeyros 
que dito Martim Pirez pera elio obrigou, as quaes cousas as ditas partes louuarom 
e outorgarom e pedirom senhos estormentos. Fectos no dito logo, dia e mes e era suso 
sprita; testemunhas mestre Rodrigo, caualeiro e veder das obras do dito moesteiro 
e Femà dEvora, mestre das ohras do dito moesteiro^ e outros, e en Joham Eanes sobre- 
dito tabaliam que este estormento pera a dita ordem espreuy e em elle meu synall 
fiz que tali he. Pagoa deste e doutro dito Martim Pirez Ix rs. » 

(Torre do Tombo— >DociimentOB da Batolh», llv. 4, pergunlnlio 1S9.) 



4rSO — Isepe (Joflo). Hjdraulico italiano. Por aviso de 2 de agoBto 
de 1780 foi encarregado da execnsXo do plano da barra de Aveiro, mas 
depois de enormes despesas, todas em yZo, qne até peoraram a barra, 
mandou Sua Majestade snspender as obras por avìso de 24 de novembre 
de 1791, despedindo o dito hydraolico e os seus. Vide Antonio F. de Cas- 
tìlho, Poema d ExaltagSo de Joào VI, nota 32, a pag. 59. 



4181— Italiano (Alexandre). Mais propriamente devia ir sob 
a rubrica de Alexandre, pois Italiano ou Itilìano, corno diz o docmnento 
Olirai, nSo é por certo o sen appellido, designando simplesmente a sna 
procedencia nacional. Em 16 de mar^o de 1588 foi nomeado para exercer 
o cargo de fortìficador no Brasil, indo na companbia do govemador Fran- 
cisco Geraldez. Tinba de ordenado trezentos cmzados por anno, comesan- 
do^ a vencer desde o dia qne cbegasse & Bahia de Todos os Santos. 

«£a éìRey &90 saber aos qae este aluara virem qne ea ey por bem e me prax 
qne capit&o Alexandre Itiliano, qne me ora vai semir de fortificador ao Brazil com 
Francisco Giraldez, do meu cdselho, qne Snio por gonemador daquelas partes, tenha 
e aja em cada hnm anno qne me nellas seruir no dito cargo trezentos cmzados de or- 
denado, 08 qnais come^ara a TScer do dia que chegar a Bahia de todos os santos em 
diante e Ihe serio pagos no thesonreiro de minhas rendas da cidade do Saluador, ao 
qnal mando Ihe fa^ delles pagamento ao6 qnarteis do anno por este so alnara e pelle 
trellado delle, qne sera registado no liuro de sna despesa pello escrìnfto de sen cargo 
e conhecimento do dito capitSo Alexandre sera lenado em conta ao dito thesonreiro 
o qne Ihe assj pella dita maneira pagnar com certid&o do dito gonemador em comò 
elle seme dito cargo, a qne mando Ihe &9a fazer bom pagamento dos ditos tre- 
zentos cmzados dordenado e por firmeza do qne dito he Ihe mSdei passar este men 
alnara qne ey por bem qne valha, tenha for^a e vigor comò se fosse carta feita em 
men nome por mym asinada e sellada do meu sello pSdente sem embargo da orde- 
nagio em contrario. Im.® de Torres fez en Lixboa a xbj de mar^o de j b" Ixxxbi^, 
e en D.^Velho fiz escrener.» 

(Tom do Tombe.— Cluuie«lUria do D. Vilippo I, Doa^, Ut. 17, foi. 164.) 



4&3 — Jacob (MifiTuel Luiz). Era capìtZo de infantarìa com ezer- 
oicio de engenheiro. A Biblìotlieca Publica Monicipal do Porto possue d'elle 
a seguinte obra mannscripta: 

7Vacto(2o de fortificcigSo regular e irregvlar. 

É em formato grande, (P,34 X (P,48, e tem desenhos a tinta da China 
e a cdres, demonstratiyos da formarlo oa construcjlo da Tenallia, etc., 
de Vauban. 



4t83 — Jeronymo (Gaetano). Em 15 de julho de 1764 foi avisado 
o Senado da Camara para vistorìar os palanques oonstroidos no Campo 
de Oorique para os festejos daa corrìdas de tonros. Nessa vistoria sena 
acompanhado pelos mestres Caetano Jeronymo e Domingos da Costa. 

« S. Mag.* he semdo que o Senado da Camara amanhaS, que se hSo de contar 
16 do corrente mez, pelas nove horas da manhafi, y& com os mestres da cidade &zer 
a yestOTÌa na forma do estylo nos palanques em qne se ha de &zer o festejo do com- 
bate de tonros no sitio de Campo de Oorìqae, onde o mesmo 8/ ordenon se achassem 
OS mestres Caetano Jeronimo e Domingos da Costa para tambem averiguarem com 
a major ezactidSo a 8egaran9a dos referidos palanques, e no caso de parecer aos so- 
breditos mestres, ser preciso mais alguma obra para major seguran^a, se mandarà 
fazer k cnsta de quem pertencer a pra^a, dandome Y. S.* conta para ser presente 
a 8. Mag.* Deus guardo a Y. 8.* Pa90 a 15 de junho da 1764. Francisco Xavier de 
Mendo(a Furtado.» 

(Torre do Tombo.~^piMf do Mlnisterio do Beino, 176S-1764, Ur. 9, fol. UL) 



4S4, — Joannes (Mestre). Por escrìptura de 1446 celebroa o 
goardiSo Fr. Bodrìgo de Moraes um contraete com mestre Joanes para 
a oonstmcfZo da abobada do convento dos Franoiscanos de Chaves, (Es* 
peranja; Hùtaria Serafica, t. u, pag. 629.) 



30 

48S — Jofto (Mestre). — 1.*^ — Carpinteiro de carros, morador na 
Circeìra, termo de Santarem. Indo servir no seu officio o mosteiro de Nossa 
Senhora das Vìrtudes, D. Affonso V, por oste motÌYO| Ihe passou oarta 
de prìvile^o a 25 de julho de 1451. 

«Dom Affonso &c. Aos joizes de Santarem e a todallas ontras nossas ja8ti9as 
e oficiaaees e perssoas, a que està carta for mostrada e conhecimento della perteecer 
e ao adiante perteS9a per quali goissa que seja, sande, sabede qne nos qnerendo &zer 
gra^a e mercee a Johà, carpSteiro, meestre de hzer cassas, morador na Circeira, 
termo dessa villa, por esmolla aa honra de Santa Maria dasYertades, por quanto ha 
de sendr nas hobras do dito moesteiro, teemos por bem e preuiligiamollo, e queremos 
e mandamos que daqui em diante pague em nSnhGas peeitas, fintas talhaa, pididos 
emprestidos, que per nos ou per esse concelho som ou forem lan^ados per quali quer 
guissa que seja nem yaa com perssoa nem com dinhelros nem seja thitor nem curador 
de nenhuas perssoas que sejam saluo se a titoria for lydima, nem aeja posto por 
besteiro do conto se ataa ora posto nom he, nem sirua nem vaa seruir a outros ne- 
nhuiis emcarregos do dito concelho. £ porem mftdamos a vos sobredictos juizes e jus- 
ti9as e oficiaaeez e perssoas que assy Ihe comprees e aguardees e fa9aees comprir 
todallas ditas conssas comò em està nossa carta he contheudo por nossa mercee 
e voontade he de Ihe ser comprida e gardada comò dito he sem outro enbargo que 
huus e outros a elio ponhaaees Unde ali nom. Damte na cidade de Lixboa xzb dias 
de jolho — Estend Louren^o a fei — ano de iiii« Ij.» 

(Torr« do Tombo.^GlutnoaUArU de D. AflòiuoV» Ut. 11, ft>l. lOA.) 



4180— Jofto (Mestre).— 2.«— Urna carta do cardeal infante, di- 
rì^da em 4 de junlio de 1537 a Fedro deVideira, nos revelou a existencia 
de um mostre JoZo, que arrematou a obra de carpintaria e marcenarìa 
do novo dormitorio que se fazia no mosteiro de Alcobasa. Ignoravamos 
quem fosse oste mostre Jole, quando percorrendo o livro 6.^ dos Prazos do 
mesmo mosteiro, que se arcUva hoje na Torre do Tombe, encontràmos um 
documento, que nos veiu elucidar a questSo, pondo em luz a personagem. 
É a carta de emprazamento da propriedade da Alvominba a mostre Jo8o, 
allemSo, carpinteiro de marcenaria e morador no mesmo convento. A es- 
crìptura tem a data de 20 de dezembro de 1533. Cremos que nSo poderà 
haver duvida sobre a identidade de um e de outro. A quinta da Alvomi- 
nba devia ser uma rendosa propriedade a ajuizar pelo fòro imposto de dois 
porcos, cito gallinhas e seis capSes, afóra o quarto e o dizimo de todos 
OS fructos. O fòro porem deixaria de ser pago em vida de mestre JoXo, 
attendendo aos servij^s que elle prestira ao convento. 

A carta do infante é muito interessante, porque se refere tambem a 
obras que entXo se andavam fazendo no castello de Alcoba^a e a outras 
nos moinhos de AlfeizerZo. Aqui damos os dois documentos: 

«Pero daVideira, nos ho eardeal iffante ftc, vos Suiamos muito saadar; vimoa 
ha carta que nos escreuestes e deboxo do donnitorio e cellas que queremos mUar 



31 

faxer na solnrecrasta desse mosteiro, e qaSto ao pre90 de quatro mil re por cada cella 
em que has toma mestre JoS nos parece honesto fàsendose comò deue e obra limpa 
com seiis leitos e escrìptorìos e has cellas è sua perfei^S, corno dizeis, e a elle arre- 
matae ha obra por esse prego com has mais cddi95e8 qae vos parecer pera segorS^a 
da obra e se fazer corno cupre. £ porem qaeriamos qae se comodasse logo e vos assi 
ho ordenae. 

It. QaSto aa repartigft das cellas nos parece bem qae se fa^S nos doas Issqos 
da sobrescrasta qae mSdaes no deboxo com has clarìdades e na maneira qae diceis 
somente que no canto òde se ajStS hos doos I&90S das cellas se n& fa^a camara nem 
repartimento algom, mas qae fique em yfto com hSa jenella oa doas esqoinadas pera 
mais claridade do cSto : hda oa daas, segando laa TÌrdes que se pode fiuer, e assi ho 
mSdae fìizer. 

£ porqae tSdo este dormitorip nono senrfitia pera velho polla porta qae jaa 
nelle estaa ficarS 2bos deaassos nos pareceo milhor qae se faga hùa porta pequena 
neste dormitorio nono pera velho acrecetSdo se mais hfia cella assi e da maneira 
qae yae agora no debaxo. Vos vede bem com mestre Jofto e ordenae qae se fa^a 
assi comò dizemos. Porem se oauer algam incSaeniSte oa impedimento por se abrir 
està porta qae dizemos de hùm dormitorio pera outro nello escreaereis primeiro 
qae se abra. £ praticalloheis com ho prior e Ihe dareis cOta de tado, porqae a nos 
parece assi bem por que desta maneira ficft eates doas doimitorios, .e. nono e ve- 
lho ibos mìsticos com hafia soo serafitia e mais guardados e honestos. £ corno di- 
zemos daé logo ha obra a mestre Joft e fazei qae ha comece logo e vaa por ella 
em diSte. 

It. nos escreaei se hee jaa acabada ha obra desse castello dalcoba^a de todo oa 
ho qae Ihe fidta por acabar e por qae se n£ acaba. £ &zei que se acabe e nam ftde 
tanto tempo em mSos de officiaes sem Ihe darem cabo. £ assi tSbem facci prosegair 
nos moinhos dalfteizirft qae folgarìamos qae se acabassem eate verSo, pois se nA 
fizerS no oatro passado em qae se oaaerft dacabar ; e de tado nos escreaei largamente. 
Seripta em £aora a iiij de jonho— ho secretano ha fez— de 1687.— Cardeal Iff.«» 

fTom do Tombo. — Corpo OkronologhOf parto 1.*, ma^o 68, do«. lOS.) 

«Em nome de P.' Amem Saibham qaamtos este estormento da nono éprazamento' 
em Vida de tres pesoas virem qae no ano do nascimento de noso senhor Jhfi xpo 
de miU e qainhemtos e trimta e tres annos, aos vimte dias do mes de dezembro do dito 
ano, em o lagar do moesteiro dallcoba^a demtro no dito moesteiro a porta de Sam- 
tiagao delie, lagar acustamado pera os semelhantes aatos de qae abaizo farà men^fto, 
eatamdo hi os reaerendos padres — s — prior, soprior, moiges e oomuemto todos jamtos 
em cabido e a cabido chamados per som de campaft tamgida segando sea bom e am- 
tigao castame de saa ordem, e bem asy estamdo hj Afomso Diaz sacretareo do car- 
deall Ifìunte noso senhor e proaedor do dito moesteiro e saas remdas qae bora per 
raa espiciall comisSo tem caregao destar presemte ao fazer dos prazos e aforamentoe 
qae se oaaerem de fazer no dito moesteiro e se deoSo de &zer pello comaento delle 
e pera yso seja chamado e qae elle £a9a todoUos Sprazamentos e diligemcias qae 
per comisSo de saa alteza mandaaa qae fizese frey Amtonio de Saa segamdo na dita 
comisSo amtre outras coasas hera comtheado peramte os sobre ditos prior, comaento 
e proaedor, em presem^a de mim tabelliam e das testemonhas ao diamte nomeadas 
pareceo mestre J.* alem&o carpimteiro de mar^anaria e morador neste moesteiro 
e logo per elle foj apresemtado ham al^ara do cardeal noso senhor e com elle htls 
aatos de diligemcias de pregòis e lam^os qae forSo feitos na qaimtam dalaoniinhai 
qoal alaara he segainte: «Nos cardeall Ifamte fazemos saber a vos A.* Dias 



32 

noBO sacretareo que bora temdes careguo de proaedor das remdas deste noso moes- 
teiro dallcoba^a, que a bob apraz que se fa^a eprazamento em yida de tres pesoas 
a mestre J.^ alemSo da nosa quimtaam daluorninha com snas pertem^as pella ra^S 
de quarto e àìz.^ com os outros foros que se conthem no auto da remata9£ per que 
a dita quimtaS Ihe foy arematada e asy nos praz por algus respeytos de Ihe quitarmos 
OS foros que della pagua em sua yida semente e pagara o dito quarto e diz.« semente 
em sua yida e as pesoas que apos elle yierem pagarS o dito quarto e àìz,^ e os ditos 
foros na maneyra que Ihe foy arrematada a dita quintaS, e per este cometemos ao 
padre frey Amtonio de Saa, yisytador e ao prioll e comuento do dito moesteyro que 
no dito modo Ihe fa^S escritura demprazamento em yida de tres pesoas. Feito em 
AlIcoba9a aos z dias do mes de junho — Jorge Femandez Correa por o secretareo 
a fez de mil e quinhemtos e trimta e deus.» E apresemtado asy o dito aluara com elle 
OS ditos autos, nos quaes amtre outras cousas se comtinha que ha dita quimtam fora 
trazida em pregu&o neste moesteyro e na yylla dAluominha por multo e8pa90 de 
tenpo e por se nSo achar quem nelle maior Uam9o fizese que ho dito mestre J.^ Ihe 
fora por Vasco de Pina, que ao tali tenpo era prouedor neste moesteiro arematado 
por està maneyra, que paguase o quarto e diz/ de toda a nouidade que D.' dese na 
dita quimtaft — s — de pfto, yinho, azeite e legumes, e de foro e pensSo em cada bum 
ano deus bòs porcos e oyto galinhas e seis capòes todo bom e de receber e mais que 
gastase na dita quimtft e bemfeitorias della e nas terras della yimte mill rs, segnmdo 
que todo esto e outras cousas mais largamente nos ditos autos eram comtheudos. 
£ apresemtado asy todo comò dito be loguo pelos ditos prior e comuento foy dito que 
elles erft requeridos per muitas yezes pelle dito mestre J.^ que Ihe mandasem fazer 
sua carta demprazamento e por o elles terem muitas yezes fallado e consultado sobre 
yso em seu cabido e por o semtirem ser serui^o de D.' e proueito do dito moesteiro, 
auemdo respeyto ao multo serui^o que o dito mestre J.* tem feito ao dito moesteiro 
e esperarem delle que ao diamte farà diserà que elles tinhft e auiam a dita quimtaS 
na dita yylla daluorninha e que auiam por bem de Iha emprazarem, comò de feito 
lego Sprazaram em tres yidas— -s — que elle mestre J.* seja a primeira pesoa e elle 
por sua morte nomee a segumda ou amtes quamdo elle quiser, e a segumda nomee 
a terceira, as quaes nomea^òes seram feitas por escrìturas pruuicas e n2o ho semdo 
que perca o dito prazo, e este com tali preito e comdi^lL que elle mestre J.« e pesoas 
depois delle darft e paguarSo de foro e pensSo ao dito senhor e seu moesteiro deus 
porcos bòs e oyto galinhas e seis capdes, e mais de toda a nouidade que D.' na dita 
quimtft der dar& e paguarfto ho quarto e diz.* ao dito moesteiro — s — do pSo na eyra 
e do yinho o quinto a bica e da fruita ao pe daruore ho quimto segumdo custume e os 
mais legumes pollo coseguimte e mais farà bemfeitorias na dita quimtft em terras que 
bem yalhft yimte mill rs estimados per homSs bds que ho digft que has ditas bemfeito- 
rias yallem os ditos yimte mill rs, as quaes seram feitas da feitura deste prazo a tres 
anos primeìros seguimtes e nfto ho semdo que percft o dito prazo. quali foro e pemsfto 
de porcos, galinhas e capdes o dito mestre J.® em sua yyda nft paguara por quSto 
Ihe sua alteza delle fez merce em sua yida semente as pesoas duas que depois delle 
yierem, e o dito mestre J.** e pessoas delle farà e corregerft as casas da dita quintam 
e herguerlo e amanharfto de todo o que Ihe for necesareo~-8 — de pedra cali madeira 
telha e pregadura a suas propias custas e despesas; e semdo caso que cahift ou pere^ft 
por algum caso fortoyto, per fogo ou tremor ou outro qual quer caso fortoyto que ho 
dito mestre J.** e pesoas depois delle as herguft, amanhem e correguS a suas propias 
custas e as tomem ao ponto e estado que damtes estaufto e estS sempre melhoradaa 
e aproueitadas e as terras e matos e yìnhas e pumares e oliuaes todo corregido e 
aproueitado a seus tempos e sazois — s — as terras lauradas e sameadas e os matos 
^rotos e as yinhas amergnlhadas e abaceladas de nono e os bacelos postos nas ditas. 



,33 

a quali quimtaft ob ditos prior e cduemto e prouedor diserS emprazaaao e dauSo de 
nouo ^prazamento ao dito mestre J.® e pesoas depois delle com todas suas Stradàé 
e sajdas, logradoaros e sememtias asy corno ao dito moesteiro ha e tem e o dito 
mestre J.® sempre pesuio e milhor se a mìlhor com direito poder auer com a comdÌ9& 
acyma escprita de pagarem ho foro e pensSo as pesoas que depos o dito mestre J.^ 
vierem de doos porcos e galinhas e capoes e bemfeitorias e o quarto e o dìz.^ de toda 
a nouidade que D.* na dita quimtaft der — s — pSo e do mais fruita, yiuho e legumes 
o quimto, a quali elle mestre J.** nem pesoas depois delle nSo serfto ousados a vender 
sem mandado e autoridade do dito senhor e seu moesteiro e damdolhe pera yso auto- 
ridade e poder emtao a vemderfto e queremdoa vemder Ihe farfto primeiro saber se 
aquer e queremdoa Iha darft menos a quarta parte do que outrem por ella der e nfto 
ha queremdo a vSderft a quem quiserem e do pre90 por que vemdida fot darS e 
paguarSo de teradiguo ao dito moesteiro a quarta parte e esto por qnamtas vezes 
vemdida for, a quali nfto vemderSo a nenhua pesoa das defesas em direito nem de 
maior estado e cddÌ9ft que o dito en&tiota e pesoas depois delle e recrecSdose asy 
sobre o primcipall comò sobre o acesorìo algum preyto ou demanda que os ditos fa- 
tiotas sejft obrigados a virem respomder j)erante o juiz deste mosteiro e per suas 
cartas serem citados e chamados e per suas senten^as ezcequtados e asy posam ser 
citados peramte outras quaes quer justÌ9as asy eclesiasticas comò seculares peramte 
quaes o dito moesteyro quiser os demandar nfto Ihes vallemdo pera yso juizes de seu 
foro nem liberdades que pera yso posam ter nem alegar posSo e cQtradizemdo elle 
e pesoas depois delle a respomder peramte o dito juiz que em tali maneyra perquSo 
o dito prazo a quali pagua de foro e pensfto as duas pesoas as que depois do dito 
mestre J.® vierem que o dito foro de dous porcos e oyto galinhas seis capÒes ham de 
paguar farft suas paguas por dia de natal e nfto pagamdo no dito tempo outrosy 
perqufto o dito prazo e o dito mestre 3.^ a todo este presemte em seu nome e das 
ditas duas pesoas aceptou o dito prazo com todallas clausolaa e comdi^òes, penas 
e obriga9de8 neUe comtheudas sob obriga9S do dito prazo e de todos os mais seus 
beés moues e de raiz e das ditas duas pesoas a todo ter manter e comprar comò no 
dito emprazamento he comtheudo e os ditos prior e comuemto e prouedor obrigarft 
OS bes e rendas do dito moesteiro em seu nome e do dito senhor ha fazerem o dito 
prazo bom e de paz ao dito mestre J.® e pesoas depois delle quem quer que Ihe em elle 
ou parte delle algua duuida ou Sbarguo poser e em fé e testemunho de verdade asy 
o outorgarft e mftdaram fazer o preffemte estormento e pera cada hum seu de hum 
teor : testemunhas que presemtes forfto J.^ aluSz capateiro e Jofto fìramces pedreyro, 
moradores no dito moesteiro e outros, e eu Jorge Femamdez Correa pubrìco tabaliam 
no dito moesteiro por autoridade delBei noso senhor por J.^ A.® tabaliam que esto 
espreuy e asyney de meu pubrìco synall que tali he. » 

(Torre do Tombo. — iVosof do Conyento de Aleoba^, 1iy. 6, fol. 98.) 



4r8'y — Jofio (Adri&o). Mestre pedreiro do convento de Nossa 
Senhora de Penila de Franga, de Lisboa. 

A 27 de setembro de 1616 lavrou-se um instrumento de medis&o das 
obras por elle execntadas. Foram avaliadores: Manuel Coresma, medidor 
das obras da cidade e Diego Vaz, mestre pedreiro. 

Era architecto Theodoro de Frias, architecto de Sua Majestade. 

(Torre do Tombe. — Livro do Tombe das Escrìpturas do convento de 
Penha de Franj^.) 

TOL. n 9 



34 

488— Jofio (Bartholomeu). Era filho de Jeronymo Jorge, car 
valleiro fidalgo da casa real e architecto. Por morte de sen pae foi nomeado 
para o substituìr na dìrecgSo das obras de fortificajSo na ilha. O respe- 
ctivo alyarà calla o nome da ilha, mas sabe-se que é a Madeira, corno se 
ve nos documentos relativos ao pae, no artigo que adeante publicamos. 
E quando pudesse ainda subsistir alguma duvida, està desappareceria em 
presenja da seguinte citava (estrophe 57 do livro x) que Manuel Thomaz 
Ihe consagra na sua Imulana. 

A Maritima Praya deflfondendo 
Veràs as tres, em quem Neptuno bate, 
E a de Piqux) soberba promettendo, 
Ser defiensa à Cidade no combate. 
Bertolameu Jolo com estupendo 
Engenho, que o de Archytas vivo abate, 
A tra$arà com lineas t%o subidas 
Que às de Nicon cederam vencidas. 

A margem a seguinte cota explicativa: «Bertholameu JoSo famoso mes- 
tre de obras.» 

Bartholomeu JoSo era o filho mais velbo, sendo>Ihe o officio dado, além 
da sua sufficiencia, por motivo de acudir ao sustento de sua mSe e irmSos. 
Tinha outro irmSo por nome Jolo Falcato, os quaes acompanharam ambos 
pae quando partiu para a ilha da Madeira. A um e outro ensinava o pae 
architectura. 

Bartholomeu JoSo foi nomeado a 10 de novembre de 1618. 



«En elBei fa90 saber aos que este Aluara Yirem que hauendo respeito aos ser- 
11Ì908 de Jeronimo Jorge, que foi caaalleiro fidalgo de minila cassa e meu arquiteto, 
e me ter seruido muitos annos nas obras da forteficasSo da Cabesa Sequa e mais for- 
talezas em que foi ocnpado, seruindo o dito officio, e a boa informa^So que se teue 
no Conselho de minha fasenda das parttes e suficiencia de Bertolameu Jolo seu filho 
mais velho que ao prezente està semindo a mesma prassa de mestre das obras da 
fortifica9Slo da dita ilhà, ey por bem fazerlhe merce da dita prasa para a sentir asi 
e da maneira e com o mesmo ordenado que tinha dito sen pai por quem vagou para 
ajuda de sustentar sua mai e irmSos, que estfto na dita ilha, qual ordenado, que sSo 
cem mil rs, Ihe serSo asentados e pagos no dinheiro das imposi^Ses que està aplicado 
para despesa da fabrica das ditas obras, e os comecarà a vencer do dia em que por 
este aluara Ihe for dado a posse em diante : pello que mando a Pero da Silua, do 
meu conselho e capittSo geral e gouemador da dita ilha que tanto que Ihe este for 
apresentado pelo ditto Bertholameu JoSo Ihe de a posse do dito officio e Iho deixe 
ter e seruir e com elle auer os dittos cem mil rs de ordenado em quanto durarem as 
obras da fortifica9&o e asistir a todas as que se fizerem da dita fortifica9So em quanto 
durar as obras da fbrtifica9&o sem Ihe a isso ser posta duuida nem embargo algum, 
porque assi he minha merce, e ao tisoreirò das ditas impossÌ9Òe8 que ora he e ao 



35^ 

disnte fbr qne do dito dinheiro deUas pagne ao dito Bertolamen Jofto ob dittos cem 
mil rs de ordenado cada anno aos quarteia, corno dito he, com certidSo do dito gouer- 
nador de corno serae, e pello treslado deste que sera registado no L.« de sua receita 
e despesa pello escrìuSo de seu cargo e coBhedmento do dito Bertholameu JoSo Ihe 
sera leoado em conta o qne Ihe polla dita maneira assi pagar, e outro ssi mando ao 
prouedor de minha fasenda na ditta ilha qae cunpra este alnara corno se nelle con- 
them, o qnal vallerà corno cartta. sem embargo da ordena^So do 2.* L.* em contrario. 
Diego de Soasa o fez em Lixboa a dez de nouembro de seis centos e desoitto. Luis 
do Figeredo o fez escreuer. » 

(Torre do Tombo.— CluuicelUxift de D. FUippe n, Doo^, Ut. 48, fol. 154 «.) 



4oS& — JoSo (Manuel). Era architecto cu mastre de obras da ci- 
dade de Coimbra, e por seu fallecimento Ihe succedeu no cargo Antonio 
Tavarea. Vide este nome. 

Foì o mestre qae dìri^u a obra da monumentai sacristia da igreja 
de Santa Cmz, de Coimbra,. comò se pode ver pelo seguinte artigo de 
Joaqoim Martins de Carvalbo, inserto no CanirrAricense, de 4 de abril 
de 1893, Bob o titulo de A sacristia de Santa Cruz: 

cUma das principaes sacristias qae eadstem neste paiz é incontesta- 
yelmente a da igreja do antigo mosteiro de Santa Cruz, d'està cidade. 

Vamos hoje d^ur algumas informa^Ses acgrcà da constrac9ao da gran- 
diosa abobada d'està monumentai sachristia. 

Ko tombe 20 de notas, do mesmo mosteiro, esistente na reparti(&o de 
fazenda d'este districto, se encontra a escriptara, com a data de? de agosto 
de 1623, celebrada entre D. Antonio da Cruz, prior do mesmo mosteiro, 
e Jorge Gaspar, cabouqueiro, da villa de AngS. 

Por essa escriptara o mesmo Jorge Gaspar ficava obrigado a fornecer 
ao dito mosteiro, toda a pedraria necessaria para a abobada da sacristia, 
que ora novamente fazem. 

Està pedra seria muito boa, macia, alva, e bem desbastada, tudo a con* 
tento do mosteiro, e do padre Domingos Fedro, camarario d'dle, e comparecer 
dos officiaes, mestre Manod Joào, e apardhadores; e isto até todo o mez 
de novembro que vem do presente anno. 

Estipoloa-se ahi qae cada chave e bcd^or seria a prego de 850 réis 
e qae as meias chaves, e cada dois cruzeiros e rompantes em cada carrada 
seria a pre^ de 160 réis cada duas pegas dos cruzeiros e rompantes. 

Declaroa-se mais que, comò as chaves e balgores davam grandes carradas 
para carros de fora, o mosteiro ficava obrigado a mandà-Ios buscar c(mi 
OS seus bois, 

Jorge Gaspar ficca mais obrigado a dar toda a pedra para os arcos, 
a prego de 160 réis cada pedra dos dvtos arcos, conforme o rol e medida, 
que para tudo Vie for dado pelo mestre Manoel JoSo. 



36 

Por està forma fica-se sabendo, sem duvida alguma, que o material 
para a constracgSo da abobada majestosa da sacristia de Santa Cruz, 
tomada para os entendedores um modelo de arte, veiu de Anjà; bem corno 
a data.em qua foi feita; e qne foi feita por artistas portagueses. 

Em confirina9S,o d'està ultima referencia; temos a declarar que em lodo 
contrato n2o ha urna unica indica^So relativa a artistas estrangeiros.» 



400— JoSlo das Ohaves (Domingos). F6ra o carpinteiro da 
obra da ponte sobre o Mondego, no termo do concelho de Tavares, e fa- 
zendo nella dois arcos, viu-se que a obra nSo fica va perfeita, tendo de se 
ampliar mais. Attendendo a uma representa^&o dos officiaes da camara 
d'aquelle Qoncellio, elrei mandou tomar informajEo do caso e em seguida, 
por uma previsto de 6 de setembro de 1602, mandou langar uma finta 
para conclusSo da obra. 

«Eu elBey fa90 saber a vos prouedor da coinarca da cidade deViseu qne os offi- 
ciaes da camara do concelho de Taaares me SuiarSo dizer que a pomte doB barcos do 
Bio Mondego, que estaua em o termo do dito concelho, fora arematada a hum Do- 
mingos Joào das Chans, o qual tinha feito na dita ponte dous arcos, com a qual obra 
tinha satisfeito com a obrigagio de seu contrato, e tinha gastado mais do qae por 
elle era obrigado, com que nSo flcaua a dita obra firme nem segura e hera necessario 
fazeremse mais dous arcos, hum de cada parte de dezoito palmos de altura cada hum 
e de vimte e tantos de largura e outras fortifica9de8 e paredes que faltauSo pera ficar 
a dita obra firme e segura, me pedino mSdase ver a dita obra que estaua feita e o que 
faltaua e seria necessario pera se acabar e Ihe cdcedeòse pera isso a refinta c5uiniente 
com que se pudesse acabar, e visto seu requerimento, antes de outro despacho mUdei 
tomar do sobredito informa9So e soubesseis quantos arcos herfto feitos na dita potè 
e que obriga9ào era a do impreiteiro que a fez, e a mais obra que hera necessario 
fazerse na dita ponte fora da dita obriga9So, ao que satisfeito por constar da dita in- 
forma^ào ser muito importante e necessario acabarse a obra da dita ponte por ser 
de muita passagem pera diuersas partes de meus Reynos asi de Portugal comò de 
Castella, e que nella estaua feita obra de mais de dous contos de reis que os mestres 
asy do primeìro comò do segundo cdtrato fizerSo em que o conto por que primeiro 
foi arematada e quinhentos mil rs que depois disse se Ihe passarào de refinta estauSo 
gastados na dita obra, e que herào necessarios pera se de todo acabar mil quinhentos 
cruzadoB, conforme ao que declarauSo os officiaes que a virao, pollo que ey por bem 

e vos mando fa9ais lan9ar a dita finta VicenteVaaz Bamos o fes em Lixboa 

a seis de setembro de mil e seis centos e dous. » 

(Torre do Tombo.— ChanceUarU de D. FlUppe n, DooqSw, Uy. 10, foi. 173 v.) 



<lr01 — Johnston (Jo&o). Como o seu nome o*^ indica era inglès. 
Ignoramos, porém, as circumstancias em que viera para Portugal, onde 
trabalhou por largos annos na qualidade de mostre canteiro, acompanhando 
ao Brasil a familia real, com quem depois regressou ao reino. Estando 



37 

occupado na obra do palacio da Ajuda foi d'ali despedido sem razSo, pelo 
que se queixa no seguinte reqnerimento: 

«Serenissimo Senhor. — Diz JoSo Johnston que elle tem tido a honra de servir 
aV. A. S. ha 16 annos na qualidade de mestre canteiro das Obras Beaes, e corno elle 
fora snspenso a 9 do corrente pelo Intendente das Obras Pablicas José Sento Fava 
e ao depois despedido por Ayizo do secretano d'Estado dos Negocios do Beino, em 
data de 17 do dito mez, o supp.* ficon no maior dezarranjo sem ter de que subsistir, 
nem elle nem sua familia. 

Assim recorre & Piedade de V. A S. implorando submissamente se digne fazerlhe 
a merce de o mandar impregar, ou em mestre de^canteiros na obra da Ajuda, ou em 
alguma outra queV. A S. for servido. 

P. aV. A S. haja de condoerse do supp.« e &zerUie a gra^ que supplica.— 
£. B. M.-B 

Appensa a este requeiimento est& a seguinte informa^ &o, em que se vd 
compendìada a biographìa do artista inglés: 

«He Vessa Magestade servido mandar que eu informe sobre o requerimento de 
JoSo Jonhston, Mestre Canteiro das Beaes Obras Publicas, que se queixa de o terem 
despedido de seu ixercicio naquella repartÌ9So, e pede para ser admitido nesta Beai 
Obra. 

Cumpreme informar a Vessa Magestade que conhe^ multo de perto o mencio- 
nado requerente, pelos trabalbos em varios annos que fez nesta Beai Obra corno 
prova a escada que ha no Beai Palacio, intitulada a escada do Inglez, e em todo 
este tempo deu sempre provas n3o equlvocas da sua habellidade, merecimento e 
honra, por cujas quallidades, que erSo bem notorias e conhecidas, chegou a merecer 
a distinta Honra da Grande aten^So que com elle tinha Sua Magestade Imperiai 
e Beai o Senhor Dom Jo&o 6.^ de Saudosa Memoria. 

Passando o mesmo Beai Senhor aos Estados da America, o supp.* igualmente 
o fez, e constame que Sua Magestade Imperiai o emcumbio de grandes obras na costa 
do Bio de Janeiro e que a tudo deo S0IIU9S0, o que me nSo admira, attendendo ao 
seu grande merecimento, conforme ja levo dito, e logo que Sua Magestade Imperiai 
e Beai regre90u para este Beyno, o Supp.* o fez igualmente e foi entSo nomeado 
Mestre Canteiro das Obras Publicas, aonde se tem concervado, ignorando qual fosse 
o motivo da sua despedi^So, attendendo ao seu bom caracter e talento; porem Beai 
Senhor, para ser admetido Supp.* nesta Beai Obra, nSo tem Ingar, pelo grande pezo, ' 
que vem a fazer à mesma seu yencimento, attendendo as circonstancias em que se 
acha, e que na reallidade nSo pode, visto a pequena Consigna9So qne tem semana- 
riamente, tanto assim que hoje mesmo sou obrigado a detreminar a todos os oppe- 
rarios a trabalharem so cada semana 5 dias por me parecer ser mais coarente a falt 
de bum dia a cada opperario, do qne fazer despedi^So de 200, ou mais, e por tanto 
fazer de8gra9ados bum nnmaro tal de endevidos e em huma ocaziSo tSo critica em 
que ninguem tem em que empréguem opperarios, e he este so motivo, àliàz forte, 
e o mais asencial por que nSo pode ser admetido requerente. 

He quanto posso informar a Vossa Magestade em cumprimento do mencionado 
reqnerimento. 

Secretarla da Sub-Inspec9lo da Beai Obra do Palacio dAjuda 3 de Maio de 
1828. — Antonio Francisco Boza.» ,„ .*.,.«.._, ^ « i . 

(Mft(o >8S do Minlfterio do Beino.) 



38 

4LOS— Jorge (Jeronymo). Architecto e engenheiro, fidalgo da 
casa real e morador em Lisboa. £m 10 de fevereiro de 1595 foi nomeado 
por tempo de tres annos fortìficador da ilha da Madeira. Em 15 de fere- 
reiro de 1611 vemo-Io nomeado para o mesmo cargo, em substituigSo de 
Matheus Femandes, que o exercia. No respeotìyo alvarà se diz que elle 
servirà de fortìficador da ilba da Madeira, o que nos faz crer que, passados 
amios depois da prìmeira nomeagSo, regressàra ao reino, ficando-o snbstì- 
tuindo o tal Matbeus Femandes. Tinha lOOyjKXX) réis de ordenado com 
accrescimo de nm tostSo por dia, e a serventìa de nmas casas para sua 
residencia. Levàra por essa occasiSo, em sua companhia, a seus filhos, 
Bartbolomeu JoSo e Jo%o Falcato, que com elle aprendìam architectura. 
Neste sentìdo se deve sem duvida entender a phrase que emina a archi- 
tectura^ que, talvez por ignoranoia de quem redìgiu o alyarà ou por erro 
de quem o registou, està* ambiguamente esenta. Devia ter morrido por 1618 
pois neste anno Ihe succedeu seu filho Bartbolomeu JoSo, de quem ante- 
cedentemente se fez men^So. 

O forte da Cabe^a SSca, em que trabalhou tambem Jeronymo Jorge, 
era na barra de Lisboa. Para o substituir nesta obra foi nomeado Antonio 
SimCes, por alvari de 15 de fevereiro de 1611, por promojSo de Jeronymo 
Jorge qiLe me kora vae servir por mestre das óbras de fortificarsi) da ilha 
da Madeira. 



«Ea elBey fii^o saber aos que este alluara vyrem que hauemdo respeito a imfor- 
ma9So que tyue da soficiencia de Jeronimo Jorge, morador nesta cidade, na arte de 
archytetura, ej por bem de Ihe fazer merce do carguo de fbrtjficador da Ilha da Ma- 
deira, que seruiraa por tempo de tres anos e averaa com eie de ordenado que tynerSo 
as peioaa que amtes delle seruirSo o dito carguo e Ihe seraa paguo no oficiall que 
ate ora ho pagnou, a quem mando que pague em cada huii dos ditos tres anos ao dito 
Jeronimo Jorge o dito ordenado «os quarteis pelo regysto deste que seraa regystado 
no liaro de sua despesa pelo esprìuSo de sea cargo e conhecimentos do dito Jeronymo 
Jorge Ihe seraa leuado em comta o que Ihe pela dita maneyra asy paguar com cer- 
tid2o do capitio na dita Ilha de comò serue, o qual Ihe darà por si do dito oficio 
e carguo e primeyro juramento que syrua bem e verdadeiramente per este que 
valha comò carta sem embarguo da ordina9fto do 2.^ liuro em contrario. Diego de 
Scusa fez em Lixboa a z de feuereiro de IRb (595) Pero Gomes Dabreu o fis es- 

preuer. » 

'^ (Torre do Tombo. — Ohanoellaria de D. Filippe I, Doa/^, Ut. ÌB, foi. S02.) 

«£u elRei fa^o saber aos que este aluari virem que auendo respeito a suficiencia 
que Jeronimo Jorge, caualeiro fidalgno de minha caza, tem mostrado nas cousas da 
profissSo de emgenheiro e arquitecto de que foi emcarguado e ter semido annos de 
forteficador da ilha da Madeira e depois de assistente das obras do forte de Sam Lon- 
ren^ da Cabesa Seqna; bey por bem fazerlhe merce do oficio de mestre das obras 
da é)rtefica9&o da dita Uba da Madeira que servirà em quanto ellas dorarem e asis- 
tira a todas as ditas obras que se fi zerem de fortificasào nela e auera com o dito 
carguo sem mil rs de ordenado em cada bum anno, que he outro tanto comò tinha 
e avia Mateus Frz que o seruio e asim mais bum tostSo por dia de que Ihe fa^o 



39 

merce, alem do dito oidenado, que tudo Ilie sera paguo no dinheiro das impocisdes 
qae est&o aplicadas para despeza da frabiqua das ditas obras e come9ara a vencer 
bua eousa e outra do dia em qae partir desta ddade para a dita ilha em diente, que 
JDStificara la pelo capitSo e mostre do navio em qne for e do primeiro vemcimento 
do dito ordenado Ihe serSo descomtados simcoemta mil rs que Ihe mSdei pagnar 
neste Reino adiantado no thezoureiro dos terpos por outra minha prouis&o e asim 
ei por bem que para viuenda do dito Jeronimo Jorge Ihe sejfto dadas huas cassas 
das qae onuer na fortaleza oa em outra parte que nSo estejlo ocupadas e leuamdo 
comsiguo a seus filbos Bertolameu Joào e JoSo Falcato, qtte emaina a arte de arqui- 
teturoy e seruindo autualmente se Ihes de o jomal que merecerem cofbrme ao seruiso 
em que esliuerem ocupados e cousas que fizerem; pelo que mSdo a dom Manoel Pe- 
reira do meu conselho, capitào geral e gouemador da dita ilha que tanto que Ihe 
este for apresentado pelo dito Jeronimo Jorge Ihe de a pose do dito carguo e deize 
ter e sercir e com elle aver os ditos ordenados de sem mil rs per anno e tostào mais 
per dia ceseontandolhe do dito ordenado os ditos sincoenta mil rs que ouue dante 
mSo no tìezoureiro dos termos comò dito he, e asistir a todas as obras que se fizerem 
de forti£ca93o na ilha, fazendolhe dar as casas e o jomal que merecerem os ditos 
seus filhos, tudo na forma e com as declarasois asima referidas sem Ihe por a isso 
duuida nem embraguo algum, porque asi he minha merce e ao thezoureiro das ditas 
impodcois que ora he e ao diante for que do dinheiro dellas pague ao dito Jeronimo 
Jorge 3 dito ordenado aos quarteis do anno e tostSo per dia, comò dito he, e pelo 
treslado deste que sera registado no L.« da despeza do dito thezoureiro pelo escriuSo 
de set carguo e com conhecimento do dito Jeronimo Jorge Ihe serSo leuados em cdta 
que Ihe pela dita maneira asim paguar com sertidào do dito gouemador da ilha, que 
ora ha e ao diante for de comò seme nas ditas obras de fortificapSo e outro sim mfido 
ao pmaedor de minha fazenda nella que cumpra e fa^a inteiramente cumprir e guar- 
dar erte aluara com todas as declarasois delle, comò dito he, o qual yalerà comò carta 
sem 3mbraguo da ordena9&o do 2.^ L.<^ em contrario. Dioguo de Souza o fez em Lixboa 
a qa Jize de feuereiro de seiscentos e onze. Luis de Figueiredo o fèz escreuer. » 

(Torre do Tombo. — CluuioeU«rU da D. FUlppe II, Doai^, Ut. 16, fol. ìli «.) 

Devia ser fallecido por 1618, pois neste anno Ihe succedeu sen filho 
Bariholomeu JoSo. Vide este nome. 



403 — Jorge (Salvador). Pedreiro, residente em Thomar. Con- 
tratin com o convento de Chris to,. da mesma villa, fazer todas as arcas 
ou pas para a obra das fontes. 

rAos vinte e none dias do mez de mar^o de 1593 se obrigou Salnador Jorge, pi- 
dreiri, morador nesta villa de Thomar, aos multo reuerendos padres frei Lopo Salgado 
e frei Grondalo de Besende a Ihes dar feitas, e acabadas, postas ao pee da obra das 
fontes, todas as arq.** necessarias para a dita obra ate a passagem dos pegSes de 
maneka que tambem farà as arq.*' que ouuerem de vir por sima dos ditos pegdes, as 
quais arq.** bade ter cada bua tres palmos de v&o em quadrado e bum palmo abaixo 
do caio tudo muito bem scodado, limpo, e acabado, por pre9o e contia de quatro- 
centos e simq.** r. a arq.* com sua lagea per sima que a bem cubra e por verdade 
e 8egaran9a fiz este termo que o dito Salnador Jorge assinou requerendome que 
o fezec) corno escriuS das ditas obras, e sondo caso que depois de chegar a obra aos 
ditos p«g5e8 e quiserem os ditos padres dar as mais pias a outros officiaes o poderfto 



40 

fazer, fiquando elle dito Salnador Jorge sempre obrigado a continuar comu ditaa 
pias : qual termo fiz eu dito li.*** escrìuS &c. e o assinei com os ditos padies e com 
o dito Salnador Jorge que se obrigou ao comprìr per si e sua fazenda e a serconstran- 
gido por as custas deirei nosso senhor quando o assi nSo comprir. Frei Lopo Sal- 
gado — Frei G.*« de Resende Saluador Jorge ••• * 

(Torre do Tombo. — Cwtorlo da Ordom de GhtUtOyllv. 1S4.) 



4r&4, — Jorge (Valentim). Em 20 de niar9o de 1640 fo. nomeado 
engenheìro do Estado da India, na vaga de Manuel Homem, qie talvez 
tivesse fallecido. 

«Dom Philipe &c. fa^o saber aos que està minha carta virem que eu eypor bem 
de &zer merce a Yallenty Jorge do officio de meu engenheiro do estado ìb, India, 
que vagou por Manoel Jorge, digo que yagou por Manoel Homem, assy e damaneira 
que elle o tìnha, e com os mesmos quinhentos cruzados de ordenado de quepagara 
a mea annata na India comò a fez o dito Manoel Homem, pel lo que mando lo meu 
Vizo Bey ou gouemador das partes da India, que ora he e ao diante for, e ac vedor 
geral de minha fazenda em elles dem posse do dito officio ao dito Valemtim Jorge, 
constando primeiro por certid&o do officiai a que pertencer de comò pagou \ mea 
annata que deuer dos ditos quinhentos cruzados de ordenado e dos emulumentoadelle, 
• em minha chancelaria Ihe sera dado juramento dos santos avangelhos que bem, 
e yerdadeiramente sirua guardando em tudo meu semino e o dereito as partes di que 
se farà acento nas costas desta carta que se cumprirà tS inteiramente corno ielle 
se comthem sem duuida algua e sera registada nos liuros de minha fazenda e !!asa 
da India da data della a quatro mezes primeiros seguintes, a qual se Ihe passoupor 
. duas vias, hua comprida, a outra nào hauera efeito. Manoel Antones a fez em Lii)oa 
a vinte de mar^o do anno de mil e seis centos e quarenta. Affonso de Barros ofez 
escreuer. Margarida. » 

(Torre do Tombo. — Ohaiieellarlft de D. Filippo m, Doa^Sét, liy. 40, fol. 879.) 



4L&S — Judice (Gaetano Alberto)- Discìpulo da Academia Kili- 
tar offereceu-se para ir servir na provincia de Mo^ambique, sendo nomeido 
por essa occasi&o capit2o engenheiro. O decreto, de 13 de m^do de l'i52, 
nomeia mais tres collegas com o mesmo destino e publicamo-lo quando 
tratàmos de Francisco José Fedro de Mollo. 

A seu respeito lè-se o segninte no Catalogo dos govemadores de Mo- 
^ambigue, pag. 18 : 

«Urna expedÌ9&o, composta de duas corvetas e algumas embarca^Ses 
de menor loto, commandada por o Tenente Coronel Gaetano Alberto Judce, 
partiu em 1769 de Mo9ambique para Momba9a com o firn de retomaresta 
fortaleza, qne^ por intelligencia havida com alguns naturaes, devii ser 
entregue aos portuguezes; porém no anno seguinte regressou a expeiijXo 
sem outro resoltado mais do que a perda d'algomas embarca(3es meidas, 
e a nSo pequena vantagem de se ter salvado d'uma traigSo qne Ibi pre- 
paravSo os mouros na refenda fortaleza.» 



41 

« Dom José etc. £190 saber aos que està minlia carta patente virem que atendendo 
ao servisso que me tem feito na pra^a de Mosambique Gaetano Alberto Judici com 
o posto de capitSo de in&nteria com exercicio de engenheiro e ao que me vay &zer 
a'mesma pra9a para onde embarca na prezente mon9So, Hey por bem fazerlbe merce 
do posto de sargento mor de infanterìa com o mesmo exercicio de enginheiro, e com 
o de sargento mor da refferida pra^a e soldo dobrado, que se regnlarà pollo que 
yencem semelbantes officiaes neste reino, cujo posto ezercitari por tempo de seis 
annos, findos os quaes voltando ao dito reino se Ihe farìi nelle bom o dito posto e para 
▼encer com elle o mesmo soldo que compete aos mais sargentos mores que me senrem 
no refferìdo reino para que fuy servido ordenar se Ihe asentace pra^a na yedoria 
desta corte e com o sobredito posto gozarà etc. Dada na cidade de Lisboa aos 16 
dias do mes de mayo. . . de 1761. ElRey.» 

(Torre do Tombo.— Chancellarta de D. José, Ut. 27, fol. 855.) 



^00 — Judioe (Jofto Antonio). Nmn officio que govemador 
e capitSo general dos Agores, D. AntSo de Almada, dirìgiu ao respectivo 
ministro de estado, em 19 de outubro de 1768, diz que manderà examinar 
as fortalezas por Jofto Antonio Judice, sargento-mór com exercicio de en- 
genheiro. 

Este officio vem publicado a pag. 407 do voi. v do Archivo dos A^eè 
e em segoida o BelcUorio de Judice sobre a commìssSo de que f5ra in- 
onmbido. 



^r&V — JufìlZ. Carpinteiro monro, ferro. documento, em que ap- 
parece a sua pessoa, està um pouco amphibologicamente redigido, de modo 
que se nSo sabe bem se é a elle se ao pae, que se deve attribuir aquelle 
officio. O pae, por nome Alle, tinha um pleito com um cerieiro ohamado 
Jofto Gomes, e comò era yelho e pobre, filho é que tratara da demanda. 
Este tendo ido a Evora para tal fim, atravessando acaso, diz elle, a man- 
cebia, teve questfto com um officiai da justi^a, em cujas mftos deixou capuz 
e barrete, e com mede de ser accusado, homisiara-se. D. Affi)nso V Ihe passou 
carta de perdSo a 21 de julho de 1456. E documento curioso para a bis- 
tona dos costumes e das relaQSes entre chrìstftos e mouros. 

cDom Àfonso &c. A todollos juizes e justi^as dos nossos regnos a que està carta 
fbr mostrada, saude, sabede que Jufez, filho dAlle, carpenteiro mouro, forre, morador 
em està cidade de Lixboa, nos enujou diser que o dito seu pay auia bum feito com 
bum Jobam (^omez, cirìeiro, perante os nosos desembargadores do agrauo e que es- 
tamdo agora acasa em a uosa cidade dEuora, amte que pera aquj partise, elle 
andana alla requeremdo dito feito porque o dito seu pay nom podia requerer por 
seer yelho e cansado e por ser pobre e teer ja mujto despeso na dita demanda e que 
por nom teer que comer nem que dar ao procurador nem espriuSl lauraua de dia 
com bum oleiro aa porta dAlconchell e aa noute hia requerer o dito feito a Gomez 
Louren90 ou ao doutor Lopo Vaaz, que pousaua acerqua da porta de Moura per ja 
seer tarde e vìindo hi! dia em se cerramdo a noute de casa do dito Gomez Lourenpo 
e por se ir mais aginha pera a Mourarìa atrauesara pella mancebia e que indo por 



42 

- ' . 

ella npm com teen^S nem semtido de roimdade nem mail allgail fazer, soomeate por 
pera alli ir mais aginha cayra ir hiia homem do noBso meirinho e com cobi^a de bua 
espada qne leuaua por que se temya, se enoiara a elle pera o auer de prender ou 
tornar a dita espada e o tomara pelle capiu que leuaua uistido e que el com medo 
que ouuera de o premder ou tomar a espada Ibe leixara o dito capnz nas ma&os e buu 
barrete que Ibe cajo no cbaào e se espedira delle e fogira pera a mouraria e que em 
outro dia Ibe fora dito que fugisse por que o queriam prender dizendo que o cullpavom 
que aobavom na mancebia e que bla ala pera dormir com bua daquellas molberes 
solteiras que hj estavam e eli com medo de seer preso por elio se amoorara e an- 
dana ora ainda amoorado e nom ousaua ainda de aparecer pollo que Ibe asj era dito 
pedindonos por mercee que Ibe perdoasemos alguua cullpa se a em elio tinba por asj 
seer acbado na dita mancebia e nos yeendo o que nos asj dizer e pidir enviou, se 
caso tali be comò reconta, e bi mais nom ba, e querendolbe fazer gra^a e mercee, 
teemos por bem e perdoamoslbe a uosa justÌ9a a que nos elle polla dita razom era 
tendo comtanto que elle pagase quinbentos reaes brancos pera aa obras da nossa re- 
la^m, e por quanto elle lego pagou os ditos dinbeiros a Jobam do Porto, porteiro da 
nossa Rela9om que tem carrego de os receber segundo dello fomos certo per asy- 
nado de Pero Yaaz scpriuSo dante os ouuidores da nosa casa da 8uprica9d que os 
sobre elle pos em recepta, vos mandamos que daqui em dyante o nom prendaaes nem 
mandees prender, &c. Dada em Lisboa zzj dias de julbo — elRey o mandou pello 
doutor LopoVaaz e Gomez Louren9o &c. — Diego Afonso a fez ano do Senbor Jesu 
X.* de mill iiij° Ibi.» 

** ** (Torre do Tombo. ~- Gbanc«IUrift de D. Alfonso Y, Ut. IS, ft>l. S v,) 



4,0& — Juvara (D. Filippe). Cyrillo Volkmar inscreve, apag. 179 
daa Buas Memori<x9^ o seguìnte artigo, sob o titulo de O Abbade D. Filippe 
Juvara: 

«Nascea em Messina, de urna familia distincta mas muito pobre, e ap- 
plieott-Be ao desenho de figura, à pintura, à gravura e à architectura: tomou 
habitoeccleflìastioo e foi a Roma para estudar na escola do cavalleiro 
Fontana; mas achando-se falto de meios, um certo machinista, seu patricio, 
induziu a pintar algumae decoraySes tbeatraes, o que elle n2o so fez, 
mas tambem as gravou a agua forte. O Duque de Saboia, sendo rei de 
Sicilia, acceitou para seu architecto com 600 escudos de pensSo e deu- 
Ihe mais em Turim a rica abadia da Selva. Ali fez a escada sem palacio, 
assim cbamada pelo vulgo, porque o edificio nSo correspondia à grandeza 
e magnificencia que ella tinba; a bellissima rotunda sustentada sobre cito 
columnas ; e outras obras. Victor Àmadeo, para condescender com os de- 
sejos do Senbor D. JoSoV, que o pertendia para arcbitecto de Mafra, o 
enviou a Portugal. Aqui fez os desenbos para uma Patriarchal e para o 
Palacio, Convento e Basilica Mafrense, que se nSo executou, apesar da sua 
magnificencia e elegancia, porque os Jesuitas fizeram dar a preferencia 
ao Frederico {Ludovice). N%o obstante, o rei Ihe deu babito de Obristo 
e a insignia d'elle cravejada de ricos brilhantes, com uma pensSo de 6:000 
cruzados. Morreu em Madrid, comejando o palacio real, em 1735, tendo 
50 annos.» 



_43_ 

No Elogio Funebre e Historico de D. JoSo V, por Francisco Xavier 
da Silva (Lisboa, 1750), encontramos a pag. 90 o segnìnte trecho: 

cideon Sua Magestade fazer hum Tempio, que servisse de Igreja Pa- 
tiiarclial, digno da Divindade, que nelle havia ser adorada, e correspon- 
dente à grandeza do Bey, que o edificara. Fez-se o risco, demarcar2o-8e 
08 sitìos, junto à Bibeira de Alcantara: mas' dizendo o Architecto D. Fi- 
lippe a ElRey que, alem de hama consideravel somma de milhSes, se pre- 
cisava do decarso de trinta aonos para a sua constrac(8o: elle respondeo, 
que se Ihe nSo dava do dispendio e que so Ihe causava difficuldade o tempo, 
porque a tanto se nSo estenderla a sua vida: ficando sem effeito a obra, 
porque faltou a Sua Magestade o gosto em nio a ver lego completa^ e à 
nossa Cidade mais està sumptuosa fabrica, que a condecorasse. Porem 
nSo be multo, que tendo os Principes tSo grande authorìdade nos seus 
Reynos, se nSo contentem com vencer aquellas cousas que sSo possiveis 
a qualquer dos seus Vassallos, e queirSo mostrar alguma qualidade mius 
no seu poder. A pianta e a situarlo demarcada bem mostra qual seria 
edificio, e ainda quando nSo posta em execu(So, sobrara para gloria da 
grandeza de Sua Magestade, sòr obra so intentada.» 

Pelo testemunbo d'estes dois escriptores, se vd que as obras principaes 
delineadas por este artista, a Patrìarchal e o Convento de Mafra, ficaram 
apenas em projecto. NSo sabemos comtudo se elle seria auctor de mais al- 
guma, de Bomenos importancia, que se obegasse a realizar. 

Na cbancellarìa de D. JoSo V nSo encontramos ainda o regesto de ne- 
nhum documento que Ihe diga directamente respeito. 

No reinado de D. Jo&o V vieram para Portugal, convocados por elle, 
muitos artistas e sabios estrangeiros, principalmente de Italia, musicos, 
astronomoB, pintores, architectos, etc. Vgorse o artigo relativo a Canevari. 

Entro OS livros de 8ervÌ90 reli^oso da capella de S. JoSo Baptista 
da igreja de S. Boque que vieram de Boma com as demais alfaias, ha 
lun com seguinte titulo: 

Canon missae pontificalis, Bomae apud Joannem Mariam Salvioni Joa- 
chinium et Jo: Josephum filius typographus pontificios. mdccxlv. 

E um volume in-folio contendo 17 estampas do mesmo formato, sondo 
3 duplicadas, de gravura em cobre, e assim tambem diversas vinhetas, 
das quaes a primeira tem a seguinte assignatura: 

Silvestro Pomarede incis. D. PhUippas luuara inv. et del. Maximir 
liannuB Limpach scvlp. Bomae. A ultima vinheta diz: D. PhUippus lu- 
uara Maxim, Limpach. 



IC 



4L&& — Eorrodi (Emesto). A le tra E nfto faz propriamente parte 
integrante do alphabeto portugués, mas, apesar d'isso, nSo quisemos dei- 
xar està lacuna no nosso Diccionario, embora sob està inicial fique in- 
scripto apenas o nome do Sr. Emesto Eorrodi. Qùebramos assim a lìnha 
do nosso plano primitivo, deixando para mn traballio complementar a ena- 
mera$So dos artistas modemos e contemporaneos. A excep^Io pareceri 
k pnmeira vista determinada por nm motivo futil, mas nem ella significa 
urna tic singular distincsSo, que possa offender a modestia do Sr. Eorrodi, 
nem tSo pouco, e ainda muito menos, se poderi traduzir em falta de aprego 
para os excloidos em igualdade de circumstancias. A todos, e a seu tempo, 
se as vicissitudes da nossa existencia o permittirem, se farà justiga, e se 
prestarà a devida homenagem. 

Tendo solicitado do Sr. Eorrodi uma nota pormenorìzada da sua vida, 
distincto professor dirigiu-nos uma carta, que entendemos dover repro- 
duzir na integra, por ser uma bella pa^na auto-biographica, poupando-nos 
assim ao trabalho de dar d'ella um pallido extracto. O Sr. Eorrodi pho- 
tograpbou-se aqui; téve a bondade de abrir-se conmosco, communicando- 
nos intimamente o seu estado de alma e oste Uneamento psychologico vale 
bem por qualquer apreciagSo ou crìtica scintillante. Accresce a circum- 
stancia de n2o conbecermos pessoalmente o Sr. Eorrodi e, por isso, qual- 
quer esbogo, que tentassemos fazer da sua individualidade physica ou mo- 
ral, perderla muito pelo lado da fidelidade. Seja, pois, o Sr. Eorrodi que 
faga a sua propria apresentagSo ao leitor. Antes porem diremos que o seu 
appellido é de orìgem italiana, muito frequente em Zùrich, aonde, no tempo 
da cReformagSo», numerosas familias de buguenottes, vindas do cantSo do 
Tessine, procuraram asylo. Eis agora a carta do distincto artista suisso: 

«Leirìa, 9 de julho de 1901 — Ex."" Sr. — É para mim tudo quanto ha de mais 
agradavel e lisoi^jeiro o desejo qne V. £z.* manifesta de conhecer a minha biogra- 
phia, a firn de incloi-Ia no seu Diccionario do$ ArchUeetos; parece-me, porem e iato 
]i2o é por modestia, pois em assumptoa de estatistica historìca seria bem disparatado, 
mas por algomas razòes, que a V. Ex.» vou expor, nSo mere^ està dÌBtinc(fto. 



46 

1.* Porqne botx autodidacto e ob meus diplomas de ftrchitecto resumem-se noB ea- 
tudoB feitoB principalmente dorante a minha eBtada em Portugal. 

2.^ Porque n&o poBsuo nem medalhaa nem premios, a n&o ser urna conunenda de 
merito industriai, que seria um tanto difficil de relacionar corno premio de actividade 
de um architecto, se nSo fosse dada comò recompensa do nosBO estado hiatorico- 
artistico sobre o Castello de Leiiia, e que em tempos, subsidìado pelo Governo, 
appareceu à publicidade. 

S/* Porque, ezcluindo alguns trabalhos que, attendendo ao acanhado meio em que 
viyemoB, nSo offerecem interesse artistico, nada absolutamente temos feito até hoje 
que nos recommende a passar i posteridade corno arcìdtecto constructor. 

É verdade que com afan e febril interefise nos entregamos desde muitoB annos 
ao estudo dos monumentos antigos do pais, dispondo jà hoje de um apreciavel ma* 
terial de estudo methodicamente collùdo por apontamentos, muitos estudos completos 
de recon8tituÌ95es de igrejas, castellos ou palacios, material perfeitamente dispensavel 
ao architecto que fax vida para ganhar, mas n2o para desprezar num meio aonde, em 
assumptos historìco-artisticos, ainda n2o se chegou ao ponto em que o pais vizinho 
se encontrou ha meio seculo. 

£ assim procuramos, artista ignorado no meio artistico portugués, compensar-nos 
da 8Ìtua9£o manqui de professor de arte decorativa numa escola de terra da provincia, 
continuando na Bombra colhendo no passado, sempre com a mesma persistencia, seguro 
de vermoB compensados ainda os fiructos do nosBO trabalho, quando um dia outros go- 
vemos animados de um sentimento de piedade e de verdadeiro patrìotismo comprehen- 
derem em toda a sua realidade a importancia doB estudos historico-artisticos e a ne- 
cessidade absoluta de conservar e resp citar a heran9a artistica dos seus antepassados. 

£ Bomente na ezpectativa de nesta occasiSo entSo podermos prestar verdadeiros 
servi^OB ao pai s, no que ainda n2o desesperamos, attendendo i nossa idade, se justifi- 
caria Y. £z.* me incluir corno architecto no seu Diceionario. 

Os nosBOS trabalhos, ezactamente pela orienta9So que Ihes imprimimos e dada 
a naturai consequencia de aqui por emquanto nSo podermos esperar auzilio officiai, 
nSo tem passado do papel. Yeremos se, no que respeita ao castello de BarcelloB, 
noB é dado vermos realizado o nesso projecto. 

£is, pois, a minha biographia, Sr. Scusa Viterbo; ella encerra tudo quanto diaria- 
mente preoccupa o men cerebro de artista desegoso de assignalar, por pouco que seja, 
a passagem por este mundo, e em especial deixar rastos num pais que considero 
a minha segunda patria. 

£mquanto i minha vida anterior à vinda para Portugal, ella 6 tudo quanto ha 
de mais simples. 

Nascido em Zttrich (Snissa) em 80 de Janeiro de 1870, filho de JoSo Henriqne 
Korrodi, professor do Lyceu cantonal, passando pelas escolas do 1.^ e 2.<* gran de 
enfiino, entr&mos para a £BCola de Arte Industriai aos 15 annos, concluindo, no firn 
de nove semestres, o curso de esculptor decorador juntamente com o de professor 
de desenho, para o que frequentàmos paralellamente as cadeiras especiaes. 

Depois de uma curta estada de alguns meses na Italia em viagem de estudo, o 
que mais nos desperton o apetite de conhecer a vida dos paises meridionaes, accei- 
timos um legar de professor de desenho para o qual o Governo Portugués tinha aberto 
concurso pela respectiva lega9So em Berne. Assim entrémos ao BervÌ90 do Governo 
Portugués ainda nSo tinhamos concluido os 20 annos. 

Despachado para a £scola Industriai de Braga ali noB conservàmos cince annos 
num relativo estado de inactividade e mal-estar, tempo que noB foi preciso para nos 
orientar no meio (officiai, bem entendido) que se noB apresentou tfto estranhamente 
differente de tudo quanto a nossa imagina9So podia architectar. 



47 

Hoje, ligadoB a Portagal por la^os matrìmoniaes, noe vamos conservando, nSo 
obstante a nossa PO8Ì9&0 officiai noe recosar obsiinadamente nm futuro que nos de 
ensejo de garantir a nossa posi^&o pelo trabalho, que hoje nSo nos succede por 
moUvos independentes da nossa vontade. 

A franqueza com que escrevo estas linhas Y. Ex.* a desculpa, habituado de certo 
ao convivio de artistas e, portante, prompto a perdoar que momentos de fraqueza 
nos ditam. 

Deizo, pertanto, perfeitamente ao arbitrio de Y. Ex.* se nSLo mere^o figurar no 
sen DiccUmario; nfto deixando em qualquer dos casos de agradecer a sua amavel carta, 
pondo-me de futuro k sua disposÌ9SLo, sempre que possam ser uteis os resultados das 
minbas investiga9Òes bistorico-artisticas. — De Y. Ex.*, admirador e obrigado=2{7r- 
ntato KorrocU,» 

Agradecendo està carta, cumprìndo assim um dever de delicadeza e de 
reconhecimento, aproveitàmos ensejo de solicitar novos esdarecimentos 
complementares, a que Sr. Korrodi amavelmente accedeu, corno se ve 
pela carta que segue: 

«rLeiria, 18 de julho de 1901— Ex."» Sr.— Ji que Y. Ex.» entende que mere^o a 
. subida bonra de figurar corno tal entro os arcbitectos portugueses nSo posso atten- 
dendo i sua extrema amabilidade recusar os dados que Y. Ex.* me pedo. 

O trabalbo sobre Castello de Leiria, a que Y. Ex.* se refere, foi editado em 
ZCbicb (Suissa), no Instituto Polygraphico, em 1898, sob titulo de Estudos de reeon- 
strucgào sobre o Castello de Leiria (Beconstitui^ graphica de um notavd exenyplo 
de construoQOO dvil e militar portuguesa), 

Contém 26 estampas, de reproduc9des photolithograpbicas dos desenbos orìginaes 
(plantas, perspectivas, apontamentos do estado actual, etc). 

Apenas texto foi impresso em Lisboa, na Typograpbia Castro Irmfto. 

A edÌ9So, numerada e rubricada pelo auctor, é de 200 exemplares apenas, dos 
quaes fieou o Grovemo, para distribuir pelos estabelecimentos de instruc^fto e bi- 
bliothecas, com 120 ao pre90 de 5^000 réis cada um. Formato 47Xdd; paginas soltas, 
das quaes algumas de formato duplo em numero de 35, excepto prefacio. 

A communica98o a que Y. Ex.* se refere e que era acompanbada de varios dese- 
nbos, dos quaes alguns vieram publicados no Boletim dos Architectoa Cfivis e Areheo* 
logos Portugueses (anno de 1898, tomo nn, n.^ 1 e 2), sto os resultados de uma curiosa 
inve8tiga9So sobre os restos ainda existentes de uma igreja bjzantino-latina, hoje 
capella lateral do extincto convento de S. Francisco, nos arredores de Braga. Bepro- 
duc9oes de capiteis, pilastras e piso estfto depositadas na Escola Industriai de Leiria, 
aonde mandei fazer segundas reproduc^des de tSo interessante vestigio bistorico- 
artistico, que figura dignamente ao lado de poucos outros que d*esta epoca se co- 
nhecem na Hespanba. O referido artigo é intitulado Um monumento byzantino-UUino 
em PortugaL 

E, finalmente, àbi vae o'nóme da minba esposa, irmS do actual parocbo da fre- 
guesia de Leiria, Conego Maia; cbama-se Quiteria da ConceÌ9So Maia. Realizou-se * 
o matrimonio na morada do meu actual cunhado, nSo podendo ser na igreja por nSo 
baver paridade de culto. 

E boje vou vivendo, ker^e que sou na opiniSo do povinbo, na melbor paz conjugal 
na bellissima vivenda do meu cunhado, àa portas mesmo da Sé de Leiria; e, quando 
ao8 domingos ou dias santos todos os habitantes da casa se dirigem i missa pelo ma- 
j estoso claostro que communica com a nossa casa, ahi fico eu isolado conversando ao 



48 

som do orgSo com as gotteiras que li do alto do gigante me visam com ares de poucos 
amigos. 

E, assìm sosinho, nestes momentos de contemplacelo, penso neste mysterioso 
destino que aqoi me trouze, pianta duplamente exotica; e, todavia, sem sentir-me 
yerdadeiramente feliz, um sorriso me escapa dos labios concordando que tudo isto 
nada tem de banal ! 

£ vou, terminando està carta, pedindo que desculpe mais estas confidencias de 
um telhudo. '* 

E, apresentando a Y. Ex.* os meus respeltos, creia-me seu admirador sincero = 
Emesto KorrodL» 

A semelhan;a de Boytac, de Diego de Castiiho, de JoSo de RuSo, de 
Nazoni e de ontros artistas ' estrangeiros, o Sr. Eorrodì matrimoniou-se 
no nesso pais, cem senhora pertuguesa, tirando assim a melhor carta 
de nacionaIìza$&o. Alguns dos artistas cìtados deixaram filhos, alguns dos 
quaes Ihes perpetuaram as tradi(3es artìsticas, seguindo outros nSo menos 
nobres e vantajosas carreiras. 

Tendo nós publicado, no Diario de Notìcias, um artigo advogando a 
vantagem da cria^&o de Museus Municipaes, k semelhan9a do que se os- 
tava effectuando na Italia, o Sr. Eorrodi acudiu ao rebate, defendendo e 
elevando o procedimento da Camara Municipal de Barcellos, que o encar- 
regou da restaurarlo dos pajos ducaes para nelles estabelecer um museu 
e urna bibliotheca. E, a este proposito, endere^ou urna carta à redac$So 
do Diario de Notìcias, que està foiba inserìu no seu numero de 1 de julho 
de 1901 e que é do teor seguinte: 

«Sr. redactor. — Sob este titulo (os museus civicos e municipaes) lemos ba dias 
no jomal de Y. um interessante artigo de fundo, cujo auctor exalta, as vantagens que 
advìriam da criacSo de museus de arte applicada comò melo admiravel de democra- 
tiza9&o do gesto pela arte ; e, citando o que succede noutros psdses e nomeadamente 
na Italia, aonde, apesar dos escassos recursos dos municipios, sempre sobra algum 
ceitil para organiza9&o e sustento de tfto uteis instituÌ9Òes, lamenta que em Portngal 
as entidades locaes nio seguissem t£o nobre comò util exemplo. 

Tambem a nós, que conhecemos os importantes museus estrangeiros, se nos offe- 
rece tamanbo o contraste pelo que cà vemos, e considerando tSo espantosa rìqueza 
de preciosidades artisticas que possuiu Portugal e ainda possue, ridiculamente mes- 
quinbo se nos afigura o proprio museu de Lisboa, que, corno exposi^ào retrospectiva 
de artes applicadas, nSo passa de uma boa collec9So particular de abastado amador 
de artes. i 

Està impressfto sentimo-la vivamente quando, ainda nSo ha um azmo, em compa- 
nhia de alguns illustres portugueses, visitàmos o novo museu nacional suisso inaugu- 
rado ha pouco em ZUrich, museu que no seu feliz conjunto corresponde talyez mais 
que nenhum ao seu £im ideal. 

Ahi, quaes paginas de um precioso livro illustrado, se desenvolve deante dos 
nossos olhos num nunca acabar de salas e sal5ea provenientes de abbadias, edificios 
publicos ou casas de patricios, o mais completo quadro que imaginar se pode do des- 
envolvimento das variadas manifesta9Òes de arte de um povo e transforma9&o do seu 
gesto através dos seculos. 



49 

Sente-se a gente yerdadeimmente transportado para longinqaas epocas do pas- 
aado, ora respirando o ar da idade media, na contenipla9So de urna sombria sala 
de sessào de algom vellio burgo, ora admirando opnlencia e bem-estar de ama resi- 
dencia de patricio dos tempos da reforma^&o. 




Tot. 



50 

JnntamoB a este intennmayel quadro de rìquezas a decora^So e o gosto architecto- 
nico do proprio edificio qae, corno um rico estojo, concebido e executado de proposito 
para guarda de tantas preciosidades, as envolve e completa num feliz e harmonico 
coi:\junto, representando na essencia a expressio nacional e locai da arte de construir 
através dos seculos, e temos urna IÌ9S0 sublime de corno se educa um povo, fortifi- 




candolo no seu espirito patriotico, mostrando-lbe de quanto foram capazes ob sena 
antepassados e dando-lhe assim confian9a e vontade de no futuro conservar digna- 
mente pelo trabalho os louros até hoje alcan^ados. 

NSo ha, de certo, IÌ9&0 de ìustoria mais proyeitoaa, mais ao alcance de todas aa 
intelligencias do que a contempla^ao e estudo dos productos de actividade e engenho 



61 

ào§ nosBOS antepasfiados. ABflim o comprehenderam os povos qae hoje t2o na van- 
guarda do progresso e qne, gTa9as a està orì6nta9So, ydem florescer e progredir as 
suas artes e industrìas; e bem pena é que em Portngal o Governo, criando o ensino 
profissionai artistico, n2o tiyesse sido gniado por està norma, desprezando tSo por 
completo orna das bases fnndamentaes em que for90samente este ensino devia assen- 
tar para produsir mn orientado e rapido renascimento das artes indnstriaes, outr'ora 
t2o florescentes no pais. 

Mas jÀ que os recnrsos do poder centrai nSo chegam a tndo, seria tanto mais para 
desegar que as corpora9oe^ locaes tomassem a sr a iniciativa, emquanto é tempo, pois 
de certo o €U)Yemo nSo Ihes rcjjeitarìa anzilio maral e financeiro. 

Assim entenden a Camara Mudcipal da villa de Barcellos, qae, alliando a ama 
nitida con^rehensSo das necessidades de om municipio moderno um legitimo senti- 
mento de piedade e orgulho pela bistoria unica do seu castello, ber^o da actual casa 
reinante, resolveu restaurar està ruina, destinandola e apropriando-a a um museu 
e bibliotheca municipal. 

Como arcbitecto, auctor d'este estudo de reccmstitui^So, nSo se podia offérecer-nos 
melbor occaaiSo de citar o patriotico ezemplo de um municipio portuguds que, reali- 
sandò està id^a, nSo so ennobrece a sua terra criando t2o util instituto de instnic9So, 
mas reconstituindo no seu brilbo primitivo o interessante solar dos Condes de Bar- 
cellos offereceri ao pais uma instructiva IÌ9S0 de bistoria de arte. 

Enviando a Y. estas linbas, que noe surgiram pela leitura do referido artìgo, per^ 
mittimo-nos juntar dois croquis representando perspectivas do futuro museu de Bar- 
cellos, croquis ciga publica^lo, pela actualidade do assumpto e para bem da causa, 
y. de certo nSo nos recusari, assim corno a inser92o d'este artigo, que desde j4 
agradecemos. 

De y. obxìgadoaJETmeito Kórrodi, professor da Escola Industriai de Leiriai» 

O Dia fez algims reparos ao plano de restaurasse aqni esbesade, e a 
estes repares respendea e Sr. Eerrodi cem entra carta, publicada ne Diario 
de Notìeias de 11 de jnlhe, a qnal yames reprednzir tambem: 

«O obsequio de um amigo cbamou a nossa atten9So a um artigo publicado no 
Dia a respeito do nesso projecto de restaurarlo do Castello de Barcellos, artigo que 
termina por uma critica ìnjusta e deprimente para os nossos conbecimentos profis- 
sionaes o que, dada a nossa obscuridade no melo artistico portngués, nfto nos pode 
ser indifferente. 

Se a simples publica9&o dos nossos oroquii, que ninguem de boa fé pode attribuir 
i mio de algum curioso, neutro meio seria garantia sufficiente para nfto nos attingir 
tfto leviana critica, aquì pelo contrario constituiram elemento bastante para qualquer, 
com area de entendedor, depreciar os resultados de aturado e consciendoso estudo. 

Quexìa e articulista do Dia um castello de Barcellos de typo caracteristìcamente 
portngués I Nds francamente nfto àlcan9amos a significa^fto d'està ezpressfto, dada 
a circumstancia do solar de Barcellos datar de uma epoca que em Pertugia tudo 
se &zia menos arte nacional, come provam i evidencia as babita^oes nobres, igrcjas 
e mosteiros de construc9fto anterior ao seculo xv. 

£, para nfto irmos multo longe, citaremos uma e^ca^fto contemporanea do cas- 
tello de Barcellos e pertencente à mesma &milia nobre — e palacio dos Duques de Bra- 
gan9a, em Guimarftes, de que em tempos fizemos identico estudo de reconstìtuÌ9fto. 

Estamos a gozar e seu gesto de indignasse se, porventura, Ibe fòsse dado deparar 
no amplaste normando com que brindimos o palacio augmentande ainda e seu aspe- 



52 

cto, jà prontmciadamente francés, por una floresta de chammés, mab de 20, qae ahi 
ezistiam e que ao dosso ver representam no clima do Minho om notavel conforto mo- 
dernamente desprezadOi nSo sabemos se por ferir a caracterìstica nacional do «home» 
mas Sem duvida em sensiyel detrimento do bem-estar dos sens habitantes. 

£m Barcellos, comò em Guimar^es, a primitiva forma da cobertnra esti darà- 
mente indicada pela desasada eleya9So das chaminés ainda ezistentes em parte, e a 
sola93o do problema seria das mais elementares, e havia feitalmente de ser està para 
qualqner architecto dado a estudos historìco-artìsticos, ainda que nio ezistisse para 
a confirmar om desenho do castello datado do secolo zti e que no-lo representa assim. 

Nao vem ahi para o caso se està forma é on nao portngnesa ; o que é certo to- 
davia qne historicamente elle exprime perfeitamente nma epoca em que a fidalguia de 
nm pais, ligado À tradÌ9So e arte francesa jà pelo sangue do seu prime irò rei, diffi- 
cilmente havia de guiar-se pelo gosto de um poro que era seu inimìgo figadal e que 
ainda restava a ser aniqnilado por completo. 

De resto veja os panoramas antigos de Lisboa, Santarem e outras cidades ainda 
conservados, e convencer-se-ha que està forma de cobertura, qne tanto o irrita, é um 
velho conhecido dos constructores de outros tempos. 

À medida, porem, qne os processos de sambladuras engenhosas se foram perdendo, 
e a arte do carpinteiro se reduzin à ezpressSo mais simples, pouco a pouco a rotma 
que iguala tudo substituiu o chapeu alto, distinctivo de habita^o nobre, pela forma 
mais democratica «à Mazzantini» que, no entender do articulista, é a sjnthese da 
esthetica nacional. E para convencé-lo de comò, independentemente de razòes clima- 
terìcas, o telhado primitivo no decorrer dos seculos se foi achatando on nacionalizaodo 
se quiser Ihe apresentamos ezemplos que talvez desconhece, comò as igrejas de Al- 
coba^a, S. JoSo de Alporio em Santarem ou o refeitorio da Batalha, etc., etc, que, 
tal qual edificios incendiados, mostram as empenas pairando sinistramente no ar comò 
testemunho da forma primitiva da cobertura. 

Por isso, seja qual for o seu ideal, em questSes de esthetica dos seus antepaasa- 
dos seja de futuro mais tolerante nas suas apreciafoes-, de contrario, gulando-se por 
este ezagerado «anachronismo» podia confnndir o veneravel edificio da Universidade 
com algum chalet de brasileiro abastado. 

£ jà que falou em «chaletecismo», visando talvez a nossa natnralidade, ficarà de 
vez convencido que nSo fizemos esthetica de importarlo, procurando impingir k Ca- 
mara de Barcellos enzertos da nossa lavra nacional, pela simples razSo que a sua 
theoria de relacionar a forma de cobertura das edifica9oes com as condi9oes climaterì- 
cas nSo se sustenta no que respeita & Suissa, onde o angulo de obliquidade do telhado 
de habita9&o rustica dìminue justamente à razlo que nos vamos elevando para a zona 
de neve etema, chegando a ser inferior a do telhado mourisco onde justamente é 
destinado supportar enormes camadas de neve. 

E multo mab havia que dizer sobre este assumpto «tee tonico* que seria um in- 
teressante ponto de dissertammo para algum candidato a lente de Historia de Arte, 
mas que vae tomando proporroes de massador num jomal dÌBXÌ0.= Ernesto Korrodi.» 



«500— Laborfto (José Fedro de Barros). Filho do esculptor 
Joaqaim José de Barros LaborSo, nasceu em Lisboa a 5 de Janeiro de 
1803. Diz Volkmar (pag. 275) que elle ajudara seu pae nas estataas que 
fizera para o palacio da Àjuda. 

Em 1827, por decreto de 13 de novembro, tendo concloido, com Gae- 
tano Alberto Maria e Luiz Herculano Ferreira, os seos estados na Real 
Academia de Fortifica9So, foi promovìdo a alferes para infantaria, para de- 
pois passar ao Beai Corpo de Engenheiros. (Decretos, ma$o 182, n.^ 76). 

Estava na Serra do Filar, no cérco do Porto. (Archivo de engenbaria). 

SOX — Lagardat. Em 1642 escre^a El-Bei D. JoSo IV ao bidlio 
Braz Brand&o sobre negocios de fortificasse de certa cidade, que nSo no- 
meia, dizendo-lhe que evite conflictos com os officiaes da camara e que 
aproveite os elementos que tem ao seu dispor, emquanto nSo Ihe envia 
engenbeiro-mór Lagardat, que se achava àquelle tempo no Alemtejo. 

Cremos, todavia, que oste Lagardat n&o é outro senio o engenheiro 
Lasard de quem adeante se trata. 

e Balio Bras Brandito, amigo. Et elRey uos enuio molto saudar. BecebeoBse a 
nossa carta de 2 do prezente, em que me destes conta das desauen^as que tiuestes 
com 08 officiaes da camara dessa cidade e caosas de que proceder&o, e auendo ea 
uisto tudo me parecco dizeruos que para se encaminharem melhor os effeitos do in- 
tento com que nos enuiei a essa cidade bade se procurando com manha e industria de 
modo qae assi a cidade corno os demais lugares obrigados de bom modo e brandora 
se disponhSo com melhor animo a ajadar no trabalho das fortifica95c8 e ao exercicio 
das armas comò se {rie) nos aduirto aqui e assi uolo tomo a encomendaruos de nouo e 
que procureis quanto for possivel que n&o se dee causa de que os officiaes da camara 
se queixem de que se Ihes quebra seus preuilegios e nas juntas que se fizerem se guar- 
dare mesmo estilo que se guardaua no tempo do Conde de Penaguifio e gouema- 
dores passados, e assi o mando tambem aduertir a camara e encomendarlhe que de- 
pondo duuidas uos assista e ajude para milhor se fazer o que tanto importa comò he 
ganhar o tempo perdido na fortifica9ào e defensa dessa marinha e lugares yezinhos ; 



54 

engenheiro mor Lagardai se cLcha de prezenU em Alemt^o, em tornando te enuiara ahi 
para que se foga e desenhe o que for necessario, e entretanto aos oalereis dos que la 
achardes praticos nesta arte, e fio de aossa pradencia e do zelo com que aos empre- 
gals em meu serui^o qae tudo o que tocar a elle e correr por aossa conta terà o lazi- 
mento qae conaem. Escrita em Lisboa a 11 de abril de 1642, Bey.» 

(Torre do Tombo.— Lìtto primeiro doB RegUtoa doB papeit toc«ateB aot tor^oB 
qoe se mandio leaantar. . . fol. 168 «.) 



S02 — Lainbreolxts. Admittido em 1736 no exercito portagués 
com posto de sargento-mór de ìnfantarìa com exercicio de engenheiro, 
juntamente com Jacquez Bobitt Spalaci e Adrìen Joseph Gavanz. Vide 
estes nomes. 



SOS — Lamberte. Carpìnteiro francds. Em 10 de jonho de 1452 
D. Affonso V Ihe den carta de privilegio. Residirìa talvez em Evora, pois 
ahi foi passada a respectiva carta, a qual està re^stada muito em resmno 
em segoida a outra, por extenso, a mestre Qrìs, serralheiro allemSo. (Chan- 
ceUaria de D. Affonso V, Uv. 12, fl. 94). 



S04r — LamegO (Gtonyalo de). Era pedreiro e carpinteiro de 
El-Rei D. Duarte, o qaaJ, aos 26 dias do més de dezembro de 1435, Ihe 
dea carta para que pudesse trazer armas. Besidia em Montemór-o-Novo. 

cDom Edaarte etc. A qaantos està carta virem fazemos saber qae nos qaerendo 

fazer gra^a e mercee a Gon9allo de Lamego, nesso pedreiro e carpenteiro, morador em 

Monte Moor o nono, teemos por bem e damolhe licenza e lagar qae el posa trazer 

saas armas conthinaadamente per todos os nossos regnos, asj de noate corno de dia, 

sem enbargo da nossa bordena9am e defesa. E porem mandamos a todollos nossos 

corregedores e alcaides e merinhos e jasti9aj» e oatros qaaes qaer qae esto oaaerem de 

aer qae Ihas nom coatem nem mandem contar nem Ssilbar (?) nem £azer por elio oatro 

nenham desagaisado contanto qae elle nom seja acbado com ellas de noate oa desoras 

oa de dia fazendo o qae nom deaa ande al nom fa9adeB. Damte em Àlmeirìm zzbj dias 

de dezenbro elBei o mandoa — Loaren90 de Gaimarftes a fez. era de mil iiij° zzxb 

anos«» 

(Torre do Tombe. —GhaaeelUrU de D. Diurte, Ut. 8, fol. 8 «.) 



SOS— Laudi (Antonio José). Era bolonhSs e architecto. Veiu 
de Italia, contratado por D. JoSo V, juntamente com os Drs. Angelo Bru- 
nelli e Miguel Ciera e o desenhador Ponzonì. Volkmar Machado refere-se 
incidentalmente a elle e aos outros expedicionarios, quando fala do archi- 
tecto José da Costa e Silva. Baczjnski no seu D{ctìonnai(re p3e Lani por 
Landi e por ama troca de letra fiirlo polaco: polonaU em vez de bolanais. 
Diabruras de um erro de caixa! 



65 

Lftadi foi para o Brasil adjanto & commiBsSo de delimita^So de fron- 
teiras, «xercendo a sua actìvìdade prìncipalmeiite no Pari, ji corno dese- 
nhador naturalista, ji corno arcliitecto. A Bibliotheca Pablica Municipal 
do- Porto f ossne um codice manuscripto, que revela a prìmeira forma da 
sua aptidiU. Intìtola-se: 

14 — Descrissioni di varie Piante, Frutti^ Animali, etc., della Ccqpitania 
del Oran-Paró. 

È UBI Tólnme em 4.^, oom IT&pa^nas, e pelo indice se y3 que o auctor 
descreve 154 especies oa productos. A obra é dedicada a e Sua Ecclz/ 
el Sig/* Luiggi Pinto de Scusa, Cavaglier di Malta, é Governatore del 
Matto Grosso, il quale con somma fatica e deligenza investigò moltissime 
cose appartenenti alta storia naturale, e delle quali si potrà formare un 
grosso volume in vantaggio della Republica Letterariai. 

No codice 629 da CollecsSo Pombalina, a fol. 112, encontranse: 

Boi do que he nessJ* para eontinuagào da htstoria naturai das jlania» 
eementes e outros productos da America, 

Occupa urna pagina e é assignado por Jozé Lande desenador. NXo 
sabemos se é autographo. 

- Nos ciuco volumes de registo da correspondencia de Francisco Xavier 
de Mendonga Furtado, govemador e capitSo general do Estado do Grlo- 
Pari e MaranbSo, encontram-se referencias a Laudi e copias de cartas 
que Ihe eram dirigìdas. 

No officio dirigido ao tenente Diego Antonio de Castro e Menezes 
18-se seguinte periodo : 

cPelo que teca ao remate do Poleirinbo (Pelourinho?) José Antonio 
Laudi vae para essa villa com a sua familia, elle o levari e mais algSas 
cousas que sSo precisas palese principiar a Igrcji^.e Caza da Camara, e 
V. M. Ibe tori mandado cortar as madeiras de 40 palmos de comprido 
para aquellas obrasi. 

Este officio é datado de Marini a 2 de maio.de 1756, e acha-se re- 
gistado a fol. 36 do codice pombaliuo 161. 

No mesmo codice e seguìntes achamos diversas cartas dirigidas a Laudi 
e que demonstram o apreso em que elle era tido pelo govemador, que se 
offereceu para padrinbo d^ um seu filbo. Por ellas se ve tambem que Laudi 
fdra roubado e abandonado pela esoolta. Aqui damos a transcripjSo d'essas 
cartas: 

«A Ant.^ Landy— Quando dezejo a v. m. as mayores fortunas, bem deve v. m. 
crer o ff^ sentina vellas inteirompidas com o grande ronbo q a ▼. m. fijserSo essea 
levantadoB, porem corno D.« Sr. Nesso foy servìdo que Ibe deixassem a yida, tado 
o mais tem remedio e pode v. m. estar certo, q quanto couber dentro dos termos da 
pocebilid* da justi^a e da razSo, bey de fazer por favorecer a t. m., e a sua casa, 
espero qne v. m. recompense o beneficio § ezprimentar rendendo a S. Mag.* todo 



66 

servigo q puder, concorrendo para os sollidos EstabelecimentoB do Estado A q es- 
tamoB dando principio. 

Pellas Beaes ordens q aqoi chegaram de Lz.* no principio de Fev.*, me he pre- 
cizo dilatarme algum tempo nesta Cidade, e o maiz cedo, ^ poderei chegar a esse 
aquartelamento, seri athe meado de Novembre; e corno nfto he raz2o qne a saafan^So 
se dilate tanto tempo, mando ordem ao sarg.^ mor Gabriel de Sousa, para § em meu 
nome asista a ella, e ja q nSo tive o gesto de a prezenciar me convido daqoi p.* o Ba- 
ptisado do pr.* filho p.* contrahirmos parentesco m^ cox\jimcto § o da prezen9a do 
matrimonio, cnjo Padrinho nfto passa de hùa Test* 

Fello P.* Commissario hirSo j4 alguas providencias, q diglo respeita a poder 
y. m. reparar em algmna parte a grande perda q teve, e nfto continuando em forma 
a qne y. m. se recobre della e fique melhorado. 

Sempre y. m. me tem certo "para Ihe dar gesto com o mais fiel e sincero affecto. 

D.« g.**» a y. m. m.^ annos. Para 25 de Abril de 1757. Pr.«o X • de Mendoija Pur- 

tado— Sr. Antonio Landj.» ,^ ^. .^^ ^ , ^ . 

'' (Oodlee 162, fol. M «.) 

«A Antonio José Landy. — Ainda qne sem hu instante de meu na occaaSo em 
que me acho de ezpedir huma embarcacAo para Lz.* ; furto &s obriga^Ses do officio 
o pouco tempo q basta para segurar a y. m. nSo so o quanto estimo que se Ihe con- 
aerye nn^ perfeitissima saude mas repetirlhe o q.^ sinto que y. m. tivesse o desgosto 
de roubarem esses insolentes, e ja sigurei a y. m.<^ que podia estar certo q eu hayia 
de concorrer quanto fosse possivel para y. m.^ se ressarzir daquella perda, e pode 
y. m.«* estar certo na m.* yontade, e q tudo o que nSo for perjudicar a terceiro heide 
fazer para que y. m.^ consiga aquelle firn. 

Por humas canoas ^ daqni hSo de partir breyemente escreyerei a y. m. com mfus 
largueza, e sempre dezejo mostrar a y. m.^ o aflPecto com q dezejo darlhe gesto. D.' 
g.*» a y. m.** m.^ annos. Para 15 de Majo de 1757. Pr.«» Xayier Mendon^a Furtado— 
Sr. Antonio José Landy.» ^^ ^, ^^^ , , .„ » 

'' (Codice 16S, fol. 87 v.) 

«A José Antonio Landy. — Como me nfto esquece nunca concorrer p.* tudo que 
for reparar o damno que y. m.«" teye com a fhgida dos soldados e da mesma sorte 
para tudo o que poder ser fortuna sua, yay a carta incluza p.* o S argento mor co- 
mand.* dar a y. m.** huma esquipa9So boa p.* mandar fazer o seu neg.**, e estimarci 
que seja nella bem succedido. 

A minha yiagem ja nSo poderi ser sen&o depois da partida da frotta, e se D.* 
me conseryar a yida terSo ent&o o gesto de yer a y. m.^, e corno o susto que teye 
com a deser9§o dos d.** soldados fica mais distante, ja o acharei entSo mais succegado. 

Estimarci que y. m.** tenha huma completa saude e q me dd repitidas occazi5es 
de Ihe dar gesto, nos quaes me empregarei sempre com a mayor yontade. D.* g.'* 
a y. m.- Para 5 de julho de 1757. Fr.«» Xayier de ÌL^ Furtado.— Sr. José Antonio 
Landy.» 

^ (CkMUee 16S, fòL 7S v.) 

«A José Antonio Landi. — Apenas tenho tempo na occasiSo em que me acho p.* 
dizer a y. m.** o q.'<* sinto que tenha tido as perdaa que me diz, e come sSo bens da 
fortuna Deos os dà e os tira corno he seryido, e e q posso tornar a segurar a y. m.<* 
he q em tudo que couber no possiyel heide concorrer para q y. m.^ restauro aquelle 
damno. 

Aqui tiye a noticia de q a sua canoa yiera a salyam.** com 500 e tantas arrobas 
de cacao, e na de Moca dos Abacazis Ihe yirào tambem a y. m.*^ 95 que me dizem 



57 

que tado se entregoa ao Proc.^ do Coli.*» qae tinha ordem de v. m.'» p.* o receber com 
q està ajnda de custo ji pode em alguma parte ressarsir aquelle prejuizo. 

Como esperò em D.* breyem.^ ver a v. m. nesse Arrajal nSo tenho mais que dì- 
zerlhe do que sempre me bade acbar certo para Ihe dar gesto com a mayor yontade 
!>.• g.*» a ▼. m.** uu^ aimos. Pari 2 de Agosto de 1757 — Fr."* Xavier etc.— Sr. José 
Antonio Landi.» ._ ^, ,^^ , , «^ » 

(Codice 16S, foL 84.) 



Por estes documentos se ve a diversidade oom que era escrito o nome 
do nosso architecto, mas estamos convencìdos que so se tratava de urna 
unica pessoa. 

Num volume de estampas desenhadas na midor parte por Codina e 
Freire, e que era resultado da explora^So do naturalista Rodrigues Ferreirai 
ha alguns desenhos de igrejas e edificios devidos a Laudi. tìtulo geral 
d'està collecjSo é: 

Progpectos de Cidctdes, VUlas, Povoagdes, Fartalezas e Edificios, Bto$ 
e Cctchoeiras da Eocpediqdio Philosophica do Fard, Rio Negro, Moto Qtobbo 
e Cuiabd. 

Acba-se descrìpto no voi. m, pag. 331 e seguintes, dos Annaes da 
Bibliotìieca Nacional do Rio de Janeiro. D'ahi tiramos as seguintes indioa- 
(Ses relatìvas aos trabalhos de Laudi: 

a) Retabulo da Capella mór da Igreja Cathedral da Cidade do Para. 
Liventou-o, gratis, o CapitSo Antonio Joseph Laudi, Architecto Re^o, 
e deu-o para o Real Gabinete da Historia Naturai. 30 X 17. 

b) Frontaria da Igreja Matriz de S. Anna da Cidade do Pari. 21 X 17. 
e) Espacado do interior da Igreja Matriz de S. Anna. 17 Yi X 29. 

d) Espacado pelo qual se ve o retabulo da Capella mór da Igreja Matriz 
de S. Anna. 

e) Sacrario da Capella mór da Igreja Matriz de S. Anna. 

f) Pianta da Igreja Matriz de S. Anna. 

g) Frontaria da Capella de S. JoSo da Cidade do Para. 
h) Espacado do interior da Capella de S. JoSo. 

t) Retabulo da perspectiya da Capella mór da Capella de S. JoSo. 

j) Pianta da Capella de S. Jo2o. 

k) Frontaria dos Armazens, ^ tinha ordenado que se fizessem na Cidade 
do Para a Companhia Geral do Commercio. 

I) Prospecto da Pintura q fez o CapitSo Antonio Joseph Laudi na Ca- 
pella mór da Igreja Matriz da Villa Capital de Barcellos no anno de 1785. 

m) Prospecto da Pintura, ^ fez o CapitSo Antonio José Laudi, Archi- 
tecto Regio, aos lados da Capella mór da Igreja Matriz de Barcellos. 

Todos estes tìtulos sSo do punho de Rodrigues Ferreira. 

A Bibliotheca Nacional de Lisboa possue hoje na sua CoUecjSo Pom- 
balina um importante manuscrìpto ou album, encademado em pastas de 
cameira yermelha e dourada, o qual contém 27 desenhos e plantas de 



58 

Landi. O formato é de folio. A 1/ folha contém nom .grande escado orna- 
mentai titolo, que é d'este teor: 

15 — Débuxos pertencentes ao jxdaeio que o lU,^ e ExJ^ Sr. Fernando 
cZa Costa de Ataide Teive, Oovemador e Capitam General da Cidade de 
BeLem do GrSo Para mandou neUe edificar por ordem de 8- Magettade, 
1771. Antonio José Landi Bolonhes ArchUecto fecit, 

A follia representa um portico cu arco triumphal, rìcamente omado, 
de estylo corìnthio, tendo na parte superior està in8orip9So : 

JOSEPHO I 
POBTUQALIAE RbGI 

Magni Parì 
Resta vBATORi Beneficiektissiuo 

VlRTVTE, AC OMNIBYS 

Lavdibus Pbedito 

qvi summo popvli gavdio 

ioanni v dignus pat£e 

ivlius 8vcb88it 

Anno a pabtv Vibginis 

1750. 

No portico centrai, sob urna estatua: 

Ebit illi 

Gloria 

Eterna 

Antonivs Landi 

Architegtvs fecit Dica. 

As outras estampas sSo: 
Pianta do Palaciò. 

Prontaria principal do Palacio — Prontaria interior do pateo. 
Frontaria pela parte do jardim. Elevasse pela qual se tS tanto a parte 
exterior corno interior de todo o Palacio. 

ElevajSo da frontaria do pateo com sua cocheira. 

Pianta da escada principal do Palacio. 

Eleva9So da escada vista por hum dos lados. 

Prospecto principal qne dà ingresso na escada do Palacio. 

Tecto da escada. 

Pianta e tecto da Capella. 

Frontaria exterior da capella do palacio. 

Eleva^So interior da Capella do Palacio com seu ret^bulo. 

Eleya(So interior da capella com vista da tribuna. 

Porta principal do Palacio com huma das janellas adjuntas. 



69 

Porto qne introdnz na sala prinoipalv — Hama das janellas snperìores 
da frontarìa prìnoipal. — Huma das partes collateraes que introdozem nas 
cazas terreàs. 

Janellas pertenoentes i frontarìa do palaoio na parte superìor. 

Pianta terrea do hospital real. 

Frontarìa interìor do hospital real. — Frontarìa exterìor do mesmo. 

Qoarteis dos soldados. 

Pianta sem designagSo. 

Landi é tambem auctor de nm monnmento a D. José I, que se erìgiu oa 
tratara de erìgir na -pra^a da cidade de Belem do Gr&o-ParA. Sobre a soa 
constracQSo snscitaram-se algmnas duvidas entre elle e Reinaldo Manuel 
dos Santos, às quaes respondeu Landi, acceitando apenas urna d'essas 
observagSes. Nnm officio da camara d'aquella cidade, dirìgìdo ao goyer^ 
nador Francisco Xa^er de Mendon^a Fortado em data d^ 10 de Janeiro 
de 1770, encontrAmos os dois papeis em qne cada nm snstenta o sen pa- 
recer. Aqni os trasladamos, dando primeiro legar ao de Beinaldo. Eil-o: 

«lUiifitrìsamo e Excelen.^ Snr.— O Pedestal para a Beai Estataa de Sua Ma- 
gestade Fidelissima qne se pretende colocar na Pra9a da Cidade de Nossa Senhora 
de Bellem do GrSo Par&; tem algomas circiimstaneias que aem a rezoln^io deV. Ex.* 
se n&o pode entrar na sua construc^So. > 

A prìmeira he qne as lages notadas na Pianta com a letra C devem ter de gro^o 
o menos palmo e quarto, porqne tres quartos que as ditas tem no Bisco nSo corres- 
^pondem i propor9&o da gròndeza da mais obra. 

Segunda os colunellos qne sent&o em sima das dittas lages devem ser despresados, 
e me parece se devem fazer pera o Ingar dos dittos, onto pilares em que as grades 
de fèrro que Ihe pretendem por se segurSo, por n£o serem os colonelos para este firn 
t&o proprios. 

Terceyra nSo deve o Pedestal sentar socintamente sobre a ditta lage, mas sin 
sobre bum degr&o que deve andar bum espasso dbtante dos dittos pilares. 

Quarta pede rigorosamente o ditto Pedestal para seu primeiro acento sobre o ditto 
degrào bum seco, de tres palmos de alto, sobre que cento, pois sem elle nSo fica o Pe- 
destal completo. 

Quinta parece nSo seri defeito levar em huma das frentes do ditto Pedestal as 
Aimas Beàis, que a levilas, bamde ser na firente oposta aosTroféos e as duas tabélas 
que ficSo ligas nos outros deus lados ficSo servindo para a Inscrip^So dedicatoria 
queVossa Ezc* for servido. 

Sendo iste do agrado de V, £zc* podese fazer a obra do ditto Pedestal com todas 
estas circumstancias por sete centos e secenta mil reis. 

£ sendo executado rigorosamente pelle risco que vejo podese fazer por seis 
centos e quarenta mil reis. 

A Estatua que se pede de onze palmos ao menos de alto sendo feita ca podera 
emportar quinbentos mil reis. (Com attira letra) Beynaldo M.<> dòs 8.*^» 

A este arrazoado oonteston Landi pela seguinte maneira: 

flIllustrissuDO e Ezcelentissimo Sur.— Satisfazendo aobonrosopreceito deV. Ex.* 
respondo as sinco circumstancias ou duvidas que se offBrecerfto a Beinaldo Manoel 



60 

dos Santos na constrac^ao do Pedestal em que deve pozar a Beai Estatua de S. Mag> 
Fidellissima que se pertende erigir na Pra$a Principal desta Cidade de N. S. de Belem 
do Grào Para. 

Na primeira duvida devo dizer que o que na pianta he notado com a latra C 
nSo sSo lages, mas sin hum plinto ou soco, sobre o qual nSo somente assenta o Pedistal 
mas tamben os Colonellos ou pilares : e corno este mesmo plinto ha de pozar sobre 
outro plano de pedra do Paiz que para os lados tenha declivio, neste caso me parece 
niko se deva ter proporrlo. 

Emquanto a segunda circumstancia he certo que os Colunellos nSo sSo tSo agra- 
daveis a vista corno os Pillares notados na pianta com a l9ttra ; e neste caso aprovo 
o parecer do Eeinaldo : digo porem, que se facendo hum dos dous Pilares PP bastfto 
OS quatro nos angulos, porque os outros intermedios por ser mais alto dos colunellos 
poderio servir de obstaculo a IÌ9S0 das inscrip^òes : e comò do vivo d'um a outro pe- 
distal nSLo bavera mais distancia de treze palmos, as grades de ferro feitas na forma 
que eu entendo, ficarSo bastantemente fortalecidas e vira a escnsarse os ditos quatro 
pilares intermedios. 

£m terceiro lugar devo dizer que Pedestal nSo assenta sucintamente sobre 
a lage em que assentSo os colunellos ou pilares, mas assenta sobre Plinto B, que 
nào he e nunca sera parte do Pedistal comò diz Reinaldo -, e nSo acho nessesario 
degrao que dito apunta nesta terceira circumstancia. 

Em quarto lugar comò athe o prezente se nio achou Autor Antigo ou Moderno 
que determinasse a propor9ào que os Plintos devem ter nos Pedestaes ou outras 
partes de Arquitettura nft so nà approvo ter soco tres palmos de alto mas antes ab- 
baizeria o vivo do Pedestal tres quartos depalmo para totalmente ficar livre da du- 
vida que se me offerece de que plano em que deve pozar a gloriosa Estatura (aie) 
do Nesso Augustissimo Monarca nSo seja tam alto que se venhSo a perder os linea- 
mentos mais delicados da mesma. 

Emquanto a ultima duvida digo que nSo irei porque os Gregos e os Romanos 
comò tambem muitos Modemos nunca tiverSo por costume de usarem de armas corno 
se pode ver em Seilio e outros Auttores. Pois pelas mesmas Estatuas e inscrip^òens 
he que mais dar amente se conhe^&o athe o prezente todos aquelles Eroes aos quaes 
se dedicarlo esses felicissimos Monumentos. 

A Estatua que pedi de onze palmos a dezejarei de doze, sendo isso de agrado 
deV. Ex.*<= Antonio José Laudi.» 



SO0 — Landim (JoftO de). Mestre de carpintarìa e artilliarìa de 
D. JoSo I, a quem serviu nas guerras, em que andou empenhado este 
monarcha. Vivia ainda no reinado de D. Duarte a quem serviu igual- 
mente, qual a 31 de dezembro passou carta de privile^o a um seu 
criado Affonso Pires. Em 1442 era jà fallecido, comò se declara na earta 
de privilegio passada no Porto por Infante D. Fedro, regente na mino- 
ridade de D. Affonso V, em favor de Alvaro Eanes, seu filho. Em 1449 
Ihe foi passada nova carta, inteiramente identica. 

« Dom Eduarte etc. A quantos està carta virem fazemos saber que nos querendo 
fazer gra^a e mercee A.» Pirez creado de JohS de Landj, carpenteiro, morador na 
cidade do Porto, por quanto anda cotinuadamSte em nesso BeruÌ90 e nos seruia na 
nossa carretagem em conpanha de JohS de Landj, mestre de carpentaria, e adandar 
em outras obras nossas quando còpra, temos por bem e preuiligiamollo e mSdamos que 



61 

eU daqny em difite seja escttsado de pagar peita e fintas e talhas e pedidos nexn em- 
prestidos eie. Dada em Sanctarem oo derradeiro (?) de dezembro — EIRej o mSdou 
por Afom Giraldez e Luis Mart^z, seus uasallos e do sen desenbargo Esteue Anes 
a fez spriuom por Filipe Affon — era de mill e iiii* xxziij.» 

CTorre do Tombo.—ChanoellArl* de D. Daarte, Ut. $,^, fol. S7 v.) 

«Dom AffoiiBO etc. A uos juizes desta cidade do Porto e a todollos outros juizes 

e joBti^as dos nossos regnos, e apousentadores e officiaaes e pessoas a qae o conheci- 

mento desto perteecer per qnal quer guisa que seja, a qae està carta for mostrada, 

Bande. Sabede qae sgaardando nos os muìtos serui^os qae Joham de Llandim, car- 

penteiro, morador em a dita cidade, seendo uiao, fez nas gaerras passadas e em outras 

partes a elltey dom Joham mea auoo, cuja alma Deas aja, em obra de carpen tarla e ar- 

telbaria, de qae tijnha cargo, e querendo por esto galardoar sea serttÌ90 a Aluareanes, 

sen filho, teemos por bem e preoillegiamoUo e qoeremos e mandamos qae daqui em 

deante seja scosado de pagar em peytas nem fyntas nem talhas pididos nem empres- 

tidoB nem em todollos oatros encarregos qae per noa nem per os concelhos sejam 

llan9ados per qaal quer gaisa que seja, salao das sisas, e oatro sy de vallar e roldar 

e dhijr com presos e com dioheiros e em todollos oatros encarregos do dito concelho. 

E porem yos mandamos qae o nom costrangaaes nem mandees costranger pera elio 

em nSnhaua guisa que seja, por qaanto nossa mercee he que per o dito serui^o que 

assy dito seu pay fez ao dito meu auoo seja de todo scasado. E outrosj mandamos 

e deffendemos que nom seja nenhuu de qual quer stado e condÌ9om que seja que 

Ihe pouse em suas casas de morada nem adegas nem canallarices nem Ihe filhem 

roapaa nem palha nem pS nem yinho nem bestas nem gaados nem galinhas nem outra 

nenhuSa coosa do seu contra sua voontade sob pena dos nossos encoutos de seis mil 

Boldos qae mandamos que pague qual quer que Ihe contra esto for e em caso que Ihe 

alguu contra esto queira hyr mandamos yos que Iho nom consentades e Ihe fa^ades 

todo correger comò achardes que he direito. E outrosy mandamos que nom seja cos- 

trangido pera hyr em armada de gallees nem de naaos senom quando Ihe nos man- 

darmos. Dante em a dita cidade do Porto, primeiro dia dagosto, per autoridade do 

, senhor Ifante dom Pedro etc, — A.« Uasquez a fez — ano de iiij» Rij.» 

(Torre do Tombo. — CbaneelUri* de D. AJfoiìBoY, Uv. 28, fol. 73 v.) 

«Dom Afomso etc. A yos juizes da nossa cidade do Porto e a todollos oatros 
juizes e justi^as dos nossos regnos e apoussentadores e oficiaaes e pessoas e a oatros 
quaees quer que esto ouuerem de yeer per quali quer guisa qne scia a que està carta 
for mostrada, saude, sabede que esguardando nos os muitos serui^os que Joham de 
Landim, carpenteiro, morador em a dita cidade, seendo yiuo fez nas gaerras passadas 
e em outras partes a elRei dom Joham meu ayoo, cuja alma Deus aja, em obra de 
carpentaria e artelharia, de que tynha carrego, e querendo por esto guallardoar seu 
semigo a Aluare Anes sseu filho, teemos por bem e preuilligiamollo e queremos 
e màdamos que daqui en diante seia escusado de pagar em peitas, fintas, talhas, pe- 
didos, emprestidos nem em todollos outros encarregos qne per nos nem per os con- 
celhos sejam lan^ados per quali quer guissa que seja, saluo das sisas, e outrosi de 
vellar e rroldar e de hir com pressos e dinheiros e em todollos outros encarregos 
do dito concelho. Porem yos mSdamos que o nom costrangaaes nem mandees cos- 
tranger pera elio em nenhùua guissa que seja, por qaanto nossa mercee he que por 
o dito 8erai90 que assy o dito sea pay fez ao dito mea auoo seja de todo escusado. 
£ outrosi mandamos e defendemos que nom seja nenhufi tali nem tam oussado de quali 
quer estado e condigom que seja que Ihe pousse em ssuas cassas de morada, adegas 
nem caaallarì9as nem Ihe filhem roupa nem palha, pam, yinho, bestas, gaados, gali« 
ohas, nem outra nenhufia coussa do sseu contra ssua yontade sob pena dos nossos 



62. 

encoutofl de seìs mil soldoB que mandamos qae pagne quali qner qne Ihe contra esto 

foT, e em casso qae Ihe algaem contra esto qneira hir mandamos a nos jnsti^as qne 

Ihe nom conssentaaes e Ihe fa9aae8 todo correger corno achardes qae he direito. 

Oatrosi mSdamos qae nom seja costrangido pera hir em aimada de gallees nem de 

naaios sse nom qaando Ihe nos mandarmos. Dada em a Gk)Ilegaa ziz dias de setenbro. 

Grondalo de Moara a fez ano de nesso Senhor Jhesii Xpo de mil iiìj* Biz. Bay GalaS 

a fez escpreuer.» 

'^ (Tom do Tombo. — OhineellArU de D. Affonio Y, Ut. S4| fot 14t «.) 



SOV — Langres (Nioolau de). Era firancés de na^So e compa- 
nheiro de trabalhos de CcBmander, com- quem teve certas desaveusas em 
1644. Um decreto de 14 de miuo de 1647 ordenava que o oonaelho de 
guerra tomasse proYÌdencias acérca de urna representasSo qne de Campo 
Maior tinha feito o engenheiro Langree, pedìndo.cousas de qne uecessitaya 
para continuar o trabalho de fortificasse da pra^a, e mnnisSes de que tinha 
igualmente fsdta. Em 6 de novembro de 1648 ordenava ao conselho de guerra 
que escrevesse ao Conde de S. Lourenso, para este mandar logo à cdrte 
engenheiro Langres, a firn de asBistir ao desenho que se havìa de fazer 
para a fortificasse do castello de S. Jorge e muros da cidade de Lisboa. 

Numa consulta do Conde do Prado, approvada pelo conselho de guerra, 
de 28 de junho de 1657, lè-se o seguinte: 

«E qae deveV. Magestade ser sorrida mandar ao GU)yemador das armaa do Alem- 
t^o qne Ihe remetta o engenheiro Nicolao de Langres por tres oa qaatro dias pera 
qua assista na janta qae hade f^zer-se sobre o melhor asserto e eleÌ9So da fortificasse 
das cidades de Evora e Beja, porqae de semelhantes plantas e despezas se nSo fa- 
serem oom todas as adyertencias conyenientes tem prosedido acharem-se com as 
continaas madanaas as prasas do Beino eom a fortifica9So imperfeita, e consomido 
mais dinheiro em tresdobro do qne fora necessario pera a por em sua perfebSo.» 

Num manuscrìpto da bibliotheca da Ajuda conserva-se a seguinte carta 
regia, que se prende com este assnmpto: 

«Jeanne Mendes deVaseoncellos, amigo, Eu El-rei vòs envio moito saadar. Pelo 
molto qne cenaem a meu serai^ e deffensa do Beyno, fortificarensse as Cidades de 
Evora e B^a, mandei assistir nellas o conde de Prado de mea Conselho de Guerra, 
e mea Estribeiro-mór; e porqae hade fazer h&a jonta sobre e melhor acerto e elleÌ9So 
das fortifica95es d*aqaellas Cidades: vos encommendo, e mando que Ihe remetais 
e Engenheiro Nicelau de Langres por tres eu qaatro dias, para alli assistir na mesma 
jonta, e em e mais qoe o Conde Ihe ordenar. Esenta em Lisboa a 17 de agosto de 
1657. Bainha.» • 

Junto a um decreto de 20 de julbo de 1660 relativo i fortificaslo 
de Beja: 

« a fortificasse de Bega parece ao conselho qaeV. Mg> deoe mandar qae 

a pianta qoe o Conde de Prado fes e tem em seo poder feita por Nicolao de Langres 
e aprovada pellos mais engenheiros do" exercito feita sobre e mesmo terreno com 
todaa as considerOes (sic) convenientes se deve remeter ao Conde datoogoia, ordenan- 



63 

dolhe V. Mg> mande fonuar hnS jimta qne consto do governador de Be^a, do Pro- 
vedor, corregedor e mais os offieiais da Camara para qne todos &9S0 Imm regimento 
de que hlo de ser ezecutores pelo qual se cobre e despendSo os effeitos para a forti- 
fica92o qne Conde de Prado ali impos e da forma dos oificiaes necessarìos para 
a aasistencia da dita fòrtifica^So, e viato este Begimento pelo conde da Touguia se 
remetera aV. Mg.^ com sen parecer paraV. Mg *• o mandar apiovar sondo servido.» 

(Deeretoi remettldo§ «o Oonaelho de Gnenm, m«fo 19, n.* 60.) 

Nos preciosos manuscrìptoB da livraria do Marquez de Castello Melhor 
havia urna importantissima collecsSo de 57 desenhos e plantas de todas 
as pra^as do reino de Portugal pelo tenente general Nicolai de Langres. 
Eram pèrfeitamente executados, sendo a follia de roste omada com em- 
blemas a claro-escnro. Entro os desenhos notava-se um projecto de re- 
fonna para as linhas de làsboa, outro para castello de S. Jorge e outro 
para a torre de S. JuliSo da Barra. Este manuscripto acha-se descrìpto 
no respeotìvo catalogo sob n.^ 80, e foi adquirìdo pela Bibliotlieca Na- 
cional de Lisboa pelo pre^o de GOi^OOO réis. 

Nicolau de Langres, i semelhanga de Cosmander, passou-se tambem 
para o inimìgo, mas, comò elle, soffireu a mesma sorte. Acabaram os seus 
dias no assedio de Villa Vinosa, em seguida i batalha de Montes-Claros. 
Eie comò D. Luiz de Menezes narra tragico episodio no sen Poriugàl 
Begtaurado. 

«Os valerosos sitiados nSo baviam estado ociosos o tempo que durou a batalba; 
porqne ficando os aprocbes gaameddos com mil e oitocentos infantes à ordem de Ni- 
colan de Langres, qua ingratamente havia paasado de Franca ao 8ervi90 d*el-rei de 
Castella^ esquecido dos beneficios quo recebera de Portugal, e persnadindo-se a que 
po£a conseguir a gloria de render a cidadella, qne todo o exercito nAo padèra ayaii9ar, 
mandou fazer nma cbamada, e persnadir ao governador ChristoySo de Brito, qne se 
rendesse, por nfio ezperimentar, yencida a batalba, o castigo da sua contumacia, 
e descolffindo-se dos aprocbes, para insinuar osta persoaslo com mais efficacia, Ibe 
protestaram da mnralba qne se retirasse : conselbo qne 4 sua ensta nSo quia tomar, 
e esfor^ando-se a £uer nova instaacia, recebeu nma baia pelos peitos, que ao dia 
aegpinte Ibe tirou a vida e n'ellà a oecasilo de noyos desacertoe.» 

Este successo, quasi epilogo da gloriosa campanha da Independencia, 
effectuon-se no anno de 1665. 



ff08— Lane (José). Engenheiro. Professor na Aula de Forti* 
fica^So. Tradnzin a Architectvra de Antoni. 

ffOO — Larre (Mr.) Volkmar Machado consagra-lhe, a pag. 180 
das snas Memorias, o segoìnte pequeno artigo: 

cOnvimoa dizer a Fernando de Larre, xdtimo Provedor dos Arma- 
zens, que era neto d'este Architecto, e que elle fizera portico da Fun- 
di^So e sen palacio a S. SebastiSo da Pedr^a.» 



64 

No artìgo JoZo Grossi refere-se-lhe ainda incidentalmente: 
cNo tempo do architecto Larre esteve aqui Salla, e Bill, que fizeram 
algons estuques no seu palacio chamado volgarmente do Provedor. . . » 

fflO — Lasart (Carlos). Indubitavelmente francés, on de orìgem 
francesa. Era engenlieiro-mór. Em fevereiro de 1642, tendo conduido 
com a YÌstoria e tra9as da fortìficagSo maritìma vizìnha a Lisboa, foi en- 
viado ao Porto, para esaminar as obras que naquella cidade e nos logares 
da costa se tomavam necessarias. Feita a pianta, deveria deixar um offi- 
ciai pratico correndo com as obras. Està commissSo seria desempenhada 
sob as ordens e direc92o do bùlio Braz BrandSo. 

O decreto que o nomeou engenheiro-mór tem a data de 22 de margo 
de 1642. 

A commissSo que elle devia desempenhar no Porto, ou nSo teve se- 
guimento, ou se effectuou com demasiada rapidez, porque um decreto de 
27 de mar$o do mesmo anno o mandava examinar e emendar as fortifica- 
jSes do Alemtejo. 

Em 1643, tanto elle comò o seu collega Gilot se tinham retìrado 
da fronteira sem ordem nem licensa, e por isso el-rei ordenara, em 22 
de novembre, ao conselho de guerra que os chamasse à sua presenta 
e OS mandasse em direitura & cidade de Elvas, onde assistìriam nas forti- 
fica93es com D. Jofto da Costa, que estava encarr^gado d'ellas. 

Parece que se retìrou por algum tempo de Portugal, onde voltou de 
novo, pois em 1657, reinando j& D. Affonso VI, se ordenava ao conselho 
de guerra, em data de 31 de julbo, que se ajustasse com o engenheiro 
Lasart, segundo a capìtulasSo com elle realìzada, quando seryìu neste 
reino, e o fizesse partir para o Alemtejo com o Conde do Prado, indo 
depoìs servir no exercito, logo que o desocoupasse. 

« Joaxme Mendes de Vaaconcellos amigo. Ea ElBey aos enuio m.^^ saudar. Ja tinha 
mandado ajnstar o centrato de Lasart, e passar ordem, p.* se hir logo a esse exer- 
9Ìto, agora com està nossa carta de 28 o tornei a mandar ordenar, ha de hir em 
comp.' do Conde do Prado apronar a pianta da fortifica^ào q mando £azer nas Cidades 
de Evora, e Beja, e dalj passari logo a seruir nesae exercito, ^Sjlte tambem mandei 
passar oThenente geral da artilharia da Beira SSo poi; por engenheiros de fogos, 
petardeiros, e mineiros, tenho mandado fazer deligen^ia, e a mando agora ùaer 
de nono, os que se acharem vos hirSo com teda a breuidade. Escrita em Lx.* a 31 
de julho de 1657. — Baynha — (Logo por baixo): ^Sohie o Centrato de Lasart 4 ha 
de uir seruir ueste Exercito. — (No firn): ?.■ Joanne M.*" de V.**.» 

(BlbUothe4Mt da AJncU. — Mi te d ì o M a, m«iiucripto§ In-foL, toL SS, toh SS.) 

ffll — Leal (JoSo). — 1.® — Era carpinteiro, residente em Lisboa, 
e inventira um engenho especial para fabricar aseìte e vinho. D. Jo&o II 
Ihe passou carta de privilegio a 5 de maio de 1489, nSo permittìndo que 



> 65 

nin^ein mais constmisse ou mandasse constrnir aquelle sem primelro pagar 
ao seu ìnventor mìl reaes por cada uin. É talvez està a mais antiga, ou pelo 
menos urna das mùs antigas cartas de privilegio artistico no nesso pais, 
Bendo portante um precioso elemento para a historìa da proprìedade in- 
dastiial. É <£gno de nota o fundamento d'este dij^loma: D. JoZo n nSo 
so concede o privilegio a JoZo Leal corno premio a seu traballio, mas para 
quo isto sirva de incentivo a outros que fa9am cousas proveitosas ao povo. 

«I>om Joham etc. a qaamtos està nossa carta vìrem fazemos saber que esgaar- 

damdo nos o gramde proueito comom que se pode seguir e segue hy aver emgenlios 

proneitossos ao dito pouoo de moer azeites e fazer vinhos e corno ora Jobam Leali, 

carpimteiro, he morador em a uossa cidade de Lixbooa, se trabalhou e fez tali emge- 

nho, de que ho dito pouoo, avemdo hy muytos, pode receber gramde proueito e nom 

serya rezS pois elle nelle leuon trabalho que nom ouuese galardS e queremdolhe fazer 

gra9a e merce por a outros darmos emzempro a fazerem cousas proueitosas ao cumum 

pouoo, teemos por bem e nos praz que daquy em djamte nem huùa pesca de quali 

quer estado e condÌ9om que seja nom posa fazer nem mSdar outro emgenho tali fazer 

corno o que asj ora nouamente fez pera fazer azeites nem vinhos sem primeiramente 

Ibe dar e paguar a elle dito JohS Leali mill reaes bramcos de cada bufi en\jenho que 

fizerem ou mamdarem fazer per sy nem per qnaaes quer outras pesoas que seja e 

porem mSdamos, e defemdemos a todos em gerall e cada huft em espyciall que nom 

fa9am nShuù dos ditos emjenhos sem pagar delles primeiro os ditos mill reaes por 

cada huu emjenho que asy fizerem dos sobre ditos, ora seja pera fazimento dazeite, 

ora seja pera fazimento de vinho. E por està hyso mesmo mSdamos a todollos corre- 

gedores, juizes, justi9as que tamto que per o dito J.^ Leali forem requeridos Ihe fa9S 

dar e paguar os ditos mill reaes na sobredita maneira per aquelle ou aquelles que 

OS fizerem e Ihe pagar nom quizerem e Ihe cumpri e guardem e fagam comprir e 

guardar està nossa carta asy e tam compridamente corno em ella he comteudo por 

que asy he nossa merce. Dada em a villa de Beja a b dias do mes de mayo— Gill 

Femandez a fez ano do nascimento de nesso Snfior Jhesufi Xjlo de mill iiij« Ixzadz.» 

(Tono doTondK). — GhaaeeUsrift de D. Joio n, Ut. M, fol. 8.) 



fflS — Leal (Jofio). — 2.® — Era mestre das obras da Mina, onde 
prestou servilo alguns annos, e achando-se no Axem foram-lhe encontrados 
diversos objectos defesos, apresentando, alem d'isso, corca na cabesa. Por 
estes delictos, que hoje nos parecem insignificantes e trìviaes, foi con- 
demnado a tres annos de degredo em Africa e a perder os ordenados 
de cince annos que servirà na Mina. Assim entregue ao bra90 da j Ustica, 
implorou a demencia de D. JoZo III que Ibe passou carta de perdio em 
maio de 1555, tendo o supplicante pago 50 cruzados ou vinte mil reaes 
para as obras da igreja de Almehim. É curioso que o perdio se refira 
simplesmente ao degredo e nSo fale no perdimento do ordenado comò 
mestre das obras da fortaleza da Mina. 

«Dom Joham etc. a todolos corregedores, ouuidores, juizes e justi^as, ofidaees 
e pesoas de meus Reynos e senhorios, a que està minha carta de perdam for mostrada 

TOL.a ^ 



66 

e conhecimento della com direito pertemcer, sande, fit^onos saber que Joam Leali, 
mestre que diz que fbj das obras da Mjna, me Svion dizer per sua pyty^am que elle 
fora preso e acusado por o p.^^' (procurador ou provedor) dos meus feytos na fazenda 
por se dizer que estamdo eie sapricamte em Axem Ihe forào achados em seu poder 
ojto fafoB de cailhe e quatro capas yermelhas, que nam podya ter nem Ihe for&o 
dadas as ditas cousas na casa da Mina quando fora pera a Mina nem elle podja leuar 
senao o que Ihe na dita casa fora dado e que quamdo ho premderSo fora achado com 
corca aberta, por as quaees cullpas por sentenza finali sayra cddenado em tres anos 
de degredo pera Afriqua com preguao em audienci a e que perdese pera mim todo o 
soldo e mamtimemto que no tempo que estiverà na Mina yemcera e que Ihe nSo fose 
paguo e semdolhe ja paguo ou dallguù tempo do que na Mina estjuera que ho tor- 
nase, o qual soldo e mamtimento era de cimquo anos que estyuera na Mina, em que 
se podja momtar quynhentos cruzados, dos quaees elle supricamte tynha recebidos 
cem mill rs, e por que eie supricamte era homem multo pobre, com molher e filhos 
e fora preso porto de tres anos que sayra multo desbaratado e tynhame feyto muitos 
0erui9os na Mina, comò farla certo se fose necesario, e corno era notorio, pello que 
me pjdja ouuese por bem de Ihe fazer merce do dito soldo e m&timemto em que era 
condenado por a dita senten9a pera que nSo fose obriguado a o tornar e Ihe seja 
paguo que ainda Ihe fose deuido, e asy Ihe fizese merce de Ihe perdoar os tres anos 
de degredo, em que polla dita sentenza fora cAdenado pera Afriqua, no que receberja 
merce, e eu yemdo o que me elle sapricamte asy dizer e pydir Cuiou e queremdolhe 
fazer gra9a e merce, se asy he comò elle diz e hy mais n&o ha, avemdo respeito a huu 
meu alluara de que Ihe fiz merce, de que ho trellado de verbo a verbo he o seguimte : 
«Desembarguadores do pa90, amyguos, eu ey por bem e me praz perdoar e releuar 
a Joham Leali os tres annos de degredo, em que diz que fby comdenado para cada 
bum dos luguares dalem pello caso de que na dita pyty^So faz men9&o, comtamto 
que pague 1.'* (50) cruzados pera as obras da igreja de sSo Boque da villa dAllmeyrym : 
mftdouos que Ihe paseis carta de perdam em forma dos ditos tres anos de degredo 
mostramdo primeyro conhecimento de Pero Guomez Madeyra, meu capelSo que tem 
careguo de receber o dito dinheiro das ditas obras de comò recebeo os ditos L.^* cm- 
zados e ficam sobre elle carreguados em recepta pello scprivam de seu cargao. 
O bacharel Luis Lopei o fez em Lixboa aos xlrj dias do mes de mar^ de jb« Ib anos.» 
quali alluara era per mim_hasynado e pasado pella minha chamcellaria, e visto 
comò tem satysfeyto os ditos zx rs em que Ihe sayo o perdam pera as obras da igreja 
de si Boque da vylla dAllmeyrym a Pero Gk>mez Madeira, meu capello, recebedor 
que he do dito dinheiro, segando dello fuy certo per bum seu asynado e per oatro 
de Beltesar da Costa scprivam do dito careguo que os sobre elle, carregou em re- 
cepta, tenho por bem e me praz de Ihe perdoar os tres anos de degredo, em que diz 
que foy comdenado pera cada huù dos luguares dalem pello caso de que em sua py- 
ty^am fez mem^So; portamto vos mido que daquy em diamte o nam premdaees nem 
mftdes premder nem Ihe fa9aee8 nem comsymtaees fazer mail allgaii nem outro ali- 
gnu desaguisado quamto he per rezSo do contheudo em sua pyty^am e em està mynha 
carta declarado, por que minha meree e vomtade he de Ihe asy perdoar e o releuar 
dos tres anos de degredo, em que diz que foy comdenado, pella gysa que dito he, 
que asy compry bus e outros e al nS fa^aees. Dada na cidade de Lisboa aos'^zxby 
dias do mes de mayo e feyta na mesma cidade aos zxbiij® dias do dito mes, elKey ho 
m&dou pello doutor Francisco Coelho, chamceler da ordem e mestrado de Samtiaguo 
e pello licenceado Francisco Diaz dAmarall, chamceller da ordem e mestrado de noso 
Senhor JhesaU Xpo ambos do sea comselho e seus desembarguadores do pa90 e pity- 
(Sees. Luis Felgueira a fez ano do nacimento de noso Senhor Jhesuù Xf^o de jb* Ib 

annos.» 

(Torre do Tombo.— ObiuicoUaito de D. Jolo HZ, L t^t im *^ 9ftr4St$, Ut, n, fol. 809.) 



67 . 

ffl3— Leal (Malaqulas Fenelira). Era architecto do senado 
em 1820. Vide Almanack de Lisboa, d'este azmo. 



S14— LeSo (IgnaoiO José). Vide Guilheniie Elsden. 

B%XS — Ledo (JoSo). Nomeado mostre da oarpintaria real da cidade 
de Evora, a 26 de Janeiro de 1451, por fallecìmento de EstevZo Looren^o. 
A respectiya carta de nomeasZo é conjuiitamente carta de privilegio. 

Devia ser fiillecido por 1480, pois neste anno nomeou D. Affonso V, 
para o mesmo cargo a Lonren90 Chm^alves. Na carta, porem, nSo se de- 
clara a qaem succedesse, podendo, por conseguinte, dar-se a hypothese 
de ter side nqpieado outro entro os dois, ou de ter estado o officio algom 
tempo por prover. Vide pag. 453 do voi. i d'este Dicdonario. 

«Dom Affbmso etc. A quantos està carta virem fazemos saber qne nos tomamos 
ora Joham Ledo, por meestre da nossa carpentarìa em a cidade d£aora, pera nos 
semir em as nossas obras segando o fazia Esteuam Loiiren90, qne o dito oficio tijnha 
e se ora finou, e qaeremos e mandamos que daqui en diante por assj teer o dito car- 
rego seja escussado de pagar em nenhufis pedidos, peitas, fintas, talhas, qne per nos 
nem per o concelho da dita cidade som ou fòrem lan^ados, nem poussem com elle 
em suas cassas de morada nem Ihe filbem dellas ronpa nem Ihe IScem armas nem 
eanaUos nem beesta. de garrucha nem de pollee, nem sirna nem vaa seruir per mar 
nem per terra eom nenbuuas pessoas, salno indo nos on cada bau de nossos filhoa, se 
OS oauermos, ou com meas thios. E porem mandamos a qaaees quer nossos correge- 
dores, juizes e josti^as e contadores e almozarifes e aos nossos poassentadores e da 
raìnba mìnba molber, qne sobre todas amo e pre90, e coudees e anadees dos bees- 
teiros, e a outros qaaees qner qae esto onaerem de veer, que ajam o dito Joham 
Ledo por nosso carpenteiro e Ibe compram e gaardam as ditas liberdades e Ihe nom 
vaio nem conssentam bir centra ellas em parte nem em todo, sem entro algait enbargo 
que Ihe sobre elio seia posto, e se Ihe alguii centra elio for, mandamos a qoaU quer 
tabelliam, a qae està nossa carta for mostrada, qae o emprazé qae a qainze dias pri- 
meiros segaintes pareva perante nos per pessoa a dizer qnall he a razS por qae nom 
conprio nosso mandado, e de comò o emprazar e do dia do aparecer assj nello fa^a 
saber por espritora pubrica pera veermos e tomarmos a elio comò nossa mcrcee for. 
Dante en Estremoz xxbj dias de Janeiro — Gonzalo Cardosso a fez — ano de nosso 
Senhor Jbesìi X,^ de mil iiij« Ij.» 

(Torre do Tombo. — OluuieelUrU de D. Affonso V, Ut. 87, fol. 88.) 



SXO — Lesool (Mieraol)* Igaalmente francés, comò Nicolaa de 
Langres, e exercendo a sua actividade por largo espayo em Portogal. 

Vemos seu nome ortographado de diversos modos, mas parece-noe 
qne todos se referem ao mesmo individuo. 

prìmeiro documento, em qne o achamos mencionado, é nm decreto 
de 11 de dezembro de 1653 mandando recolher do Algarve Miguel de 
EscoU, a qnem el-rei fizera mercè do posto de engenheiro com titulo de 



68 

tenente de artìlharìa. Conde de Val de Reis, govemador da provincia, 
mostrava-se-Ihe pouco favoravel. Noma informa$So adjnnta de Ruy Cor- 
reia Lacas, chama-se-lhe Miguel de Lasoola, e diz que j& aervìra em 
Trà8-os-Monte8. (Chaby, Synopse, tomo i, pag. 227). 

Na campanha de 1661, sustentada entro Dooro e Minho pelo Conde 
do Prado, mandou oste general empregar o exercito na fabrica de um 
forte que cobrisse Valenza. Escreve a oste proposito D. Luiz de Menezes: 
cDeu ordem a Miguel de Lescol, que o desenhasse, e feita a elei^Io do 
sitio, se come90u a traballar em um forte de quatro baluartes, entro 
Valenza e o quartel que os gallegos haviam occupado. Teve prìncipios 
a 23 de agosto; a tres de setembro estava posto em defesa». 

Miguel de Lescol n2o so foi empregado em obras militares, mas em 
outras de utilidade publica. Assim o comprova um documento do archivo 
da camara de Coimbra com respeito & construc$Zo do caos. Tendo-se en- 
contrado na admini^ra^So d'està e de outras obras um descaminho passante 
de 22 contos — a ladroeira é de todos os tempos! — veiu a resolu^So regia 
de 8 de outubro de 1672 tirar k camara a administrasSo do real de agua 
que era applicado a oste firn, ordenando que a obra do caos continuasse, 
comquanto fosse de nenbuma utilidade, despendendo-se nella os 297^91150 
réis, em que fóra or^ado pelo engenheiro Miguel Lescol. (Ayres de Campos, 
Indices e Summarios, pag. 13, nota). 

Em 20 de outubro de 1684 era mandado o mostre de campo Miguel 
de Lescol examinar a fortaleza da barra de Villa de Conde e p6-la em 
estado defensivel. 

O mesmo engenheiro trabalbou na fortificagSo de Chaves. Em 1691 
e 1700 foram presentes ao conselho de guerra diversos pareceres sobre 
modifica$3es a executar numa pianta de liGguel Lescol. sr. Chaby 
{St/nopse, voi. ni) publica um desenho d'este ultimo. 

Na carta patente de Thomé Pinheiro de Miranda diz-se que este dese- 
nbara e obrara as fortificasSes que Ihe ordenara o mostre de campo Miguel 
Leschol. 

Lè-se no Archivo Vtannense, voi. i, pag. 110 que Miguel de Lescolle 
està enterrado no convento de S. Domingos, de Vianna. 



BiW — Lila (Nioolau de). Engenheiro. Por seu fallecimento sue- 
cedeu-lhe Miguel de Lescoli. Vide este nome. 

«£u elEei fa^ saber aos que este aluara virem qua anendo respeito ao que me 
reprezentou Miguel da Escola, frances, naturai de Paris, e a imformacSo que sobre 
elle deu o prouedor doB almazeis, aproua^&o do ingenhciro mor francez Carlos de 
Lasar, pelle qual foi examìnado o dito Miguel da Escola na arte de inginheiro, que 
aprouou por ser capas e sufficiente, ei por bem de Ihe fazer merce ao dito Miguel 
da Escola da pra^a de ingenheiro que vagou por falecimento de Niculao de Lila 



m> ^ 



69 

firances, que faleceo na prouincia da Beira, com o qual anera o mesmo soldo quo tinha 
e anìa o dito Nicalao de Lila, que Ihe sera asentado na alfandega desta cidade corno 
sSo as mais pTa9a8, que comesara a vencer de dezoito de abrìl deste ano prezente 
em diante : pelle que mando aos veedores de minha fazenda Ihe fa9SLo asentar o que 
montar na dita pra^a de ingenheiro de soldo ao dito Migael da Escola no liuro do 
asentamento dalfandega desta cidade pera auer pagamento pronto com decIara9&o 
que thesoureiro della entregara o dito soldo que montar ao thesooreiro dos alma- 
zeis, aonde se ade asentar e matricular para da sua mSLo ser pago o dito Miguel da 
£scola, do qual soldo o dito thesoureiro dos almazeis pasara conhecimento em forma 
ao da dita alfandega pera sua conta, e outrossi mando ao prouedor dos meus almazeis 
fasa asentar pra^a de ingenheiro e matricular ao dito Miguel da Escola, e este se 
cumprira corno se nelle comtem, e valera comò carta sem embargo da ordena9ào em 
contrario. Manoel dAzeuedo o fez em Lisboa a uinte seis de abril de mil e seis centos 
quarenta e tres. Gaspar dAbreu o fez escreuer. Rei.» 

(Torre doTombo.— Chancellui* de D. Jolo IV, Doa^, Ut. 12, fol. 816. 



fflS — Lima (Antonio de). Carpinteiro e um dos juizes do seu 
officio em Lisboa. Em 1594 foi elle e mais mn seu collega encarregado 
de avallar nmas obras de carpintaria executadas no Mosteiro de Chellas, 
de que passaram a certidSo, que adeante vae. O mestre da obra foi muito 
provayelmente um Luiz Hemiques, atràs mencìonado. Vide este nome. 

«Senhor — Dizem a prioresa e freiras do mosteiro de Cbelas que a ellas Ihe be 
nesesario aualiar serta obra que mandarlo fazer no dito seu mosteiro pede a Vessa 
Magestade mande aos juizes do oficio de carpimteiro ha aualie e R. J. M. 

Passe mandado pera os juizes do officio auallarem a obra que a petÌ9Slo diz e do 
que acharem que vai Ihe passem certidUo, 20 de outubro 94 — Atayde. 

lecenceado Diego da Tajde cydadS he juis do cjuell nesta cydade de Lisboa 
e sseus termos etc. mando a vos juyzes do hofisyo de carpynteyros desta cydade que 
vysto este pelle jnramento de vossos ofysyos vejaes a obra contheuda na pety9So atras 
e do que hachardes nella o avallieis e passeis certydà nas costas deste per vos 
assynado muyto declaradamente conforme a dita pety9ll e meu despacho cumpiy o 
assi feito em Lisboa aos vynte dias do mes de outubro de myll quynhentos e nouenta 
e quatro anos paguesse deste yynte reaes e quatro reaes dassjnar. £u Cosmo Caruallho 
sobrescreuy — JoSo da Tayde. 

Senhor — Satisfazemdo ao mSodado de Vosa Magestade dizemos nos Amtonio 
Lima e Guaspar Lopez carpintcgros e juizes que servjmos do dito ofisyo a saber : 
este prezemte ano Amtonio Liaia e Guaspar Lopez ho ano pasado de novemta e 
tres em auzemsja do parsejro do dito Amtonio Lima nesta sjdade de Lixboa e seu 
termo que nos fomos ao mostejro das frejras de Chelas pera uermos a obra que nele 
estaua fejta de carpemtarja a quali nos fbj mostrada pelle senhor Guaspar de Car- 
ualho procurador das ditas frejras pollo quali nos foj dito que nos visemos e com- 
tasemos teda a madeira e tauoado que achasemos preguado na dita obra e asym a 
madeira que estaua por guastar e a madejra uelha que estaua guastada e asym mais 
yisemos ho .que uallja de fej^o ho tauoado que estaua aparelhado e mullduras asym 
laurado comò debruado e moUduras desbastadas no estado em que estau&o ho que 
por nos tudo foj uisto e comtado asym o madeiramento do dromjtorjo comò na caza 
das secretas com bum pedaso de sobrado trauejado do dito dromjtoijo e o madejra- 



70 

mento da nora ho quo depois de tudo comtado achamos estar gaaatado nesta obra 
decrarada quatro semtos e coremta caros de madejra e asjm acliamoB gaastados yjmte 
e ojto caros de madejra velha e asjm achamos mais dezanoue caros de madejra que 
estaua por guastar ho que todos £ELzem a djta comtja dos qnatro semtos e coremta 
caros de madejra e asjm achamos valer ho fejtjo do tauoado e mulldoras de bordo que 
està aparelhado vjmta sjmquo mjll e sete semtos reaes e asjm dizemos quali o brSo- 
quear da madejra e pranar e foro de pinho da caza das secretas alem do que se comta 
sjmquo mjU e qujnhemtos reaes e asjm achamos estar guastado de tauoado de pinho 
no foro destes madejramentos sjmquoemta e quatro duzias de tauoado seradiso e no 
soalhado do sobrado da caza das secretas duas duzias e mea ho que tudo decraramos 
ser asjm pelle juramemto que de noso carguo nos foj dado e por tudo asjm pasar na 
verdade pasamos està sertjdam por nos fejta e asjnada hoje yjmta sjmquo dias do mes 
de outubro do ano de mjll e qujnhemtos e nooemta e quatro =^Amtomo Lima=sGuaspar 
Lopez.» 

^ (Mosteiro de CheUu, n.<» 1704.) 



fflQ — Lima (Manuel de). Mestre da pedrarìa, morador na cidade 
de Angra na Ilha Terceira. Tendo servido, por espa^o de 21 annos, com 
milito zelo e sufficiencia, corno mostre pedreiro de cantaria e alvenaria 
nas obras da Sé d'aquella ilha e em outras, foi nomeado effectìvamente 
para mostre de obras da dita ilha, por fallecimento de Antonio Rodrignes 
Madeira, seu proprietario. Referendon a respectiva carta D. Fedro II, 
sendo regente, a 20 de maio de 1581. 

«Dom Fedro etc. comò regente e govemador etc. fa^o saber aos que està minha 
carta uirem que tendo respeito a Manoel de Lima, officiai de pedreiro, morador na 
cidade de Angra, Uba 3.'*, me hauer seruido uinte e bum annos com teda a satisfatelo 
no ofissio de Mestre pedreiro de cantaria e aluenarìa das obras da see da dita liba 
e de todas as mais que eu fui seruido mandar fazer em teda ella e assistir as mais 
que da minha parte Ihe forSLo emcarregadas com* teda assistencia, bom procedimento, 
inteira uerdade e boa imforma^ao que delle ouue e por folgar de Ihe fazer merce 
estar uago o dito ofissio por falecimento de Antonio Rodrigues Madeira: Hey por 
bem della &zer da propriedade do dito ofissio asi e da maneira que hauia [o ultimo 
digo] dito ultimo proprietario, porque em o dito ofissio uagou e haueri com elle de 
ordenado cem mil rs cada anno, e Ihe serSo pagos por està maneira, a saber: sin- 
coenta mil rs no recebedor do dinheiro da imposi^ào da mesma liba, que he impli- 
cado digo aplicado as ditas obras, e sincoenta mil rs a conta do dinheiro das obras 
da dita see, que he o mesmo que tinha o dito Antonio Bodrigues Madeira, e os proes 
e precal^os, que direitamente Ihe pertencerem, e iste seruindo bem e nSo mandando 
eu contrario e come9ara a seruir e uencer o dito ordenado do dia em que Ihe for 
dada a posse em diante e sere, o mesmo Manoel de Lima obrigado a ser contìnuo nas 
obras, fazendo nas da see o que Ihe ordenar o bispo da dita liba, a quem tenho en- 
carregado a superintendencia dellas, e, em sua ausencia, a quem tiuer a dita «upe- 
rintendencia, com declara^^ que tirandoselhe ou extinguindose este ofissio p<Mr qual- 
quer cousa que scia Ihe nSo ficarà minha &zenda obrigada a satisfa^So algua. Felo 
que mando ao Prouedor das obras dos meus Fassoa dd a posse do dito ofissio de Mestre 
das ditas obras ao dito Manoel de Lima e juramento dos santos euangelhos que bem 
e uerdadeiramente o sirua, goardando em tudo meu serui90 e o direito aspartes, de 
que se farà asento nas costas desta carta, que por firmeza de tudo Ihe mandei dar 
por mim asinada, selada com o sello pendente da dita ordem, que sera registada nos 



71 

Ciuros da &zenda della e meiees qne €190, e pagon uinte e sinco mil rs de nonos di- 
reitos que os reoebeo tbizonreiro del^ea, Jeronimo da Nobrega de Azeaedo, e Ihe 
for2o carregados em liuro de sua receita a folhas trezentaa e trinta e sinco, e a outra 
tanta quaatia dea fianca no liuro dellas a fl." setenta e smco, corno se uio por conhe- 
oimento feito pelo escriuSo de seu cargo e asinado por ambos, que se rompeo ao asinar 
desta carta, que se pasou por duas vias, bua so baneri efeito e està be a primeira. 
Dada nesta cidade de Lixboa aos uinte dias do mes de maio — Francisco Bodrigues 
Nugueira a fes — anno do nascimento de nosso Senbor Jeza Cbristo de mil e seìs 
centos e ontenta e bum. Manoel Ferreira Bebello o fes escreuer. Principe.» 

{Torre doTombo.— Chancellaria d* Ordem de Chriato, Ut. 73, fol. 101.) 

B20 — Lisboa (JoSo de). Pedreiro, residente em Lisboa, no 
tempo de D. Affonso V, em casas foreiras a el-rei. 

Vide Tornio das casas d'drrei, fl. 50; no Real Archivo. - 



S2\ — Lobato (Luis de Sousa). Nomeado ajudante engenheìro 
da provincia do Alemtejo, por decreto de 18 de setembro de 1704. 

ffSS— Lobo (Qaspar Pinheipo). Vide Diogo Paes. 

S2S — Lobo (JoSLo Jorge). Era ajudante engenheìro e fez em 
Lisboa, a 23 de agosto de 1778, a Carta Geographica da Capitania do 
Rio de Janeiro j cujo orinai existe no Archivo Militar da mesma cidade. 

S24: — Lopo de Araujo (Fillppe). — Nomeado capitBo engenheiro 
do Rio de Janeiro e Coionia do Sacramento por carta regia de 28 de Ja- 
neiro de 1682, a qual se acha registada no livro vi dos Officios (119 do 
Inventario) do Consellio Ultramarino, fol. 272. É concebida nos segointes 
termos: 

«Dom Fedro etc. corno regente e gouemador dos ditos reynos e senhorios fa^ 
saber aos que està minha carta patente virem, que tendo respeito &s partes e suffi- 
ciencia que comcorrem na pesoa de Phelipe Lobo de Araujo : Hej por bem de Ihe fazer 
mercé do posto de capitào emgenheiro do Rio de Janeiro e colonia do Sacramento, 
pera onde me yaj seruir, com o qual hauerà desaseis mil reis de soldo por mes que 
he o de capitào de infantaria e o mesmo que tem o emgenheiro do MaranhSo e gozarà 
de todaa as honras e prenilegios, franquesas 7sen9oes e libardades que em rezSo do 
dito posto Ihe tocarem. Fello que mando ao meu gouemador da capitania do Rio de 
Janeiro Iho deixe exercitar e fazer as obras e fortifica9Òes necessarias e hauer o dito 
soldo, e por firmeza de tudo Ihe mandey passar està carta por my asinada e sellada 
com o sello grande de minhas armas, a qual se comprirà inteirameute comò nella se 
conthem sem duuida algua. Dada na cidade de Lisboa aos vinte e oito dias do mez 
de Janeiro Manoel Rodrigues de Amorim a fez anno do nascimento de Nosso Senhor 
Jesus Chiisto de mil seiscentos e oitenta e dous. Secretario Andre Lopes de Lavra 
a fez escreuer. Frìncepe.» 



72 

ffSff— Lopes (Franoisoo).— 1.^— Era apparelhador das obras 
do Convènto de Chrìsto, de Thomar, sendo nomeado mostre das mesmas 
obras, por D. JoSo 111, a 11 de outnbro de 1604, com o mesmo ordenado 
que tìnha conio apparelhador, isto é SfjOOO reaes por anno. £m 1578, por 
alvarà de 15 de abrìl, D. SebastiSo o isentava do cargo de escrivZo da 
companhia da ordenanga da fregnesia da Magdalena, termo da dita villa, 
provavelmente terra da sua natoralidade, ou pelo menos da sua resi- 
dencia. 

«Frey F.% dom prior do comueto de Thomar e geral da ordem de nosso Senhor 
Jhu x<^, ta90 saber aos que està certidSo virem qae Francisco Lopez, mestre e apa- 
relhador daa obras deste conuSto, seniio a obrìga9am do dito cargo, de Janeiro de 
1564 ate este Janeiro que come90u de 1566, que sam dous annos, em que se mOtSo 
dezasseis mil r.*, a biij r." por anno, por yirtude da prouisS que està regìstada no 
liuro do anno de 1562 a fls. 306, o que certifico assy passar na verdade. Frey Fran- 
cisco a fez aoB z dias do mes de Janeiro do dito anno. — fr. Fedro dd Prior.» 

(Lima dA Ordem de Ohriito, Ut. 108, fol. S88.) 

«Eu elBey corno gouemador e perpetuo admiatrador que sam da ordem e caua- 
laria do mestrado de nosso Senhor Jhu z.^^ &90 saber a vos B.^^ padre dom prior do 
conuSto de Thomar da dita ordem, que eu ey por bem e me praz que Francisco Lopez, 
que ate ora seruio de aparelhador das obras que se fiftzem no dito conuSto, syrua de 
mestre das ditas obras è quSto eu ouuer por bem e nam mfidar contrairo, e isto com 
o ordenado que ate ora leuou do dito cargo daparelhador semente, qual Ihe vos 
mSdareys pagar no Becebedor de dinheiros dos 4.<>* do dito conuento aos quarteis do 
anno assi comò fbr seruindo com vessa certidSo de comò serve, e pollo treslado deste 
alluara que sera registado no liuro da despeza do dito B.^<» pollo escriuam de seu 
cargo com conhecimento do dito Francisco Lopez e a dita certidam mando que Ihe 
seja leuado em c5ta o que Ihe assy pagar do dito ordenado: E mSdo outro si ao 
dito 'R.^^ que dele Ihe fa9a bom pagamento na maneira sobredita: E ey por bem que 
este aluara valhe comò se fosse carta per mim assinada e passada pella chancellaria 
da dita orden, posto que este per ella nSo seja pasado sem Sbargo de qualquer regi- 
mento ou prouisam que en contrairo aja. Diego Femandez o fez em Lixboa a zi 
de outubro de 1564. Beltesar da Costa fez escrever.» 

(Livroi dA Ordem de Ohriitoi !!▼. 108, fol. 940.) 

Segae-se nma Apostilla acérca do mantimento, que era de 120 reaes 
por dia. 

«Eu elBey faQO saber aos que este aluara yirem que avendo respeito ao que na 
petÌ9&o escripta na outra mea fblha atras diz Francisco Lopes, mestre das obras do 
conuento da villa de Thomar, e vista a èforma9&o que por meu mftdado se ouue acer- 
qua de sua idade e imdeBpo8Ì9fto pelo capiti mor da gente de orden&9a da dita villa 
e seu termo, ey por bem e me praz que o dito Francisco Lopez n£o seja obrigado 
nem constrftgido a seruir o carguo de scprivft da companhia da fregesia da Madanella, 
termo da dita villa nem a hir nos emxercisios da ordenS9a por quanto ho ey por escuso 
dambas estas cousas e em seu lugar se Slegera lego outra pesoa que sirua o dito carguo 
conforme ao Begimento. E mando ao dito capitfto mor e aos capitftis e mais offidaes da 
ordenS^a da dita villa que o nS obrìguem nem constranguam a seruir o dito carguo 



73 

nem a hir nos ditos ezersisiofl da ordenS^a e ciimpr2o e guardem inteiramente està 
aluara corno se nelle contem, o qoal ey por bem qne vaUia corno carta &c Gkuipar 
de Sdzas o fez em Lixboa a xb dabril de jVlxxbiij* Jorge da Costa o fez escpreuer.» 

(D. SebMtlio • D.;Hairiqiie, PtMUgw, Ut. 11, fol. 189 «.) 

B2G — Lopes (Franoisoo). — 2.® — A igreja de Santa Catharina 
do Monte Sinay, em Lisboa, de qne hoje nZo existe o menor vestilo, 
foi come^ada a edificar em 1572 sobre os restos da primitiva igreja cu 
ennida. Fez a tra^a, segando todas as probabilidades, Afibnso Àlvares, 
mestre das obras de el-rei. A constracjSo da obra foi dada a Pero Nnnes, 
de qaem adeante se tratari. 

£m 1586 resolvera-se fazer de madeira a abobada da igreja, sendo 
dada a con8trac9So a Francisco Lopes, mostre das obras do hospital, 
segando o rìsco do architecto Nicolaa de Frias. 

«Àofl Tinte tres de feu.'^* de 1586 nesta Igreja de santa Catarina do monte sinai, 
estSdo jutos 08 srs. Dieguo Yelho Jniz desta còfrarìa e os mais oficiais e Irmlos abaixo 
asinados sobre o asèto 4 se deue ter no fazer a nane do meo desta Igreja, de abobeda 
cu de madr.% asdtarS os ditos snors e cdforme aos pareseres dos snr5r fellipe terdo, 
ÌMdthazar aluéz, mateos ptz e dos mais oficiais da certidSo aqni acostada e do s.* gp.*' 
Coelho Unix glz se &9a a nane do meo de madr.*, visto o citio desta casa està t&o 
prigoso por caso da baroq.' corno ja coreo os tSpos pasados e ser de baro solto e por 
outros empedimentos qae acharSo nfto poder ser dabobeda p*° prigo q niso coria e 
asgtarSo todos fose a dita nane do meo de madr.*, q cSRespondese as nanes qae es- 
tanSo feitas. feito p' mim JulIiSo paaez dalbo desta còfraria esprìuSo. Gaspar Coelbo, 
Felippe tercio, JulliSo paaez dalho.» 

«Aos catorze dias do mez dabril de 86, estftdo jGtos em casa do s.* Diego Yelho, 
Jniz da cofrarìa de sSta e." de Monte Sinai, os ofi9Ìais da dita c5fraria abaixo asinados, 
se tratou sobre a qaem se avia de dar a obra de carpentaria da nane do meo da dita 
Igreja, de qne se apresentarào asinados de m.'^^ oficiais dos pre90s qne cada h& a 
qneria fazer, e pelo voto de todos abaixo asinados se asStoa se dose a dita obra para 
se faser, pela tra^a qne Nicollan de Frias dea, a Francisco Lopez, mostre das obras 
do ospitai, p' pareser mais em prol da dita cifraria dos presos e por sea asinado aqai 
acostado se declara estSo dedaradas abaixo deste tonno e por disto serem contentes 
£2 ea JaUiSo paaez esprìafto da c5firarìa oste termo asinado p' todos e pelo dito Fr.«® 
Lopez, q isto aseitoa e se obriga &zer esprìtara deste c5serto cada bora q os oficiais 
qaizer6 da meza.» (Seguem cu amgnatura8.J 

OST— Lopes (Pranoisoo).— 3.®— Pedreiro, morador no legar das 

y Lapas, termo da villa de Torres Novas. Arrematoa, em 1612, pelo preso de 

68i9000 réis a constrncsSo de ama ponte entro as rìbeiras Branca e Raiva 

no termo da mesma villa e a reconstracsSo de am pegSo da ponte velha. 

«Ea ElBey fa^o saber a vos proaedor da comarqaa da villa de Samtarem qae 
por mo emniarem pedir por soa carta os officiaes da comarca da villa de Torres 
Noaas e aisto aossa imforma9So por qae constoa da moita necessjdade qae aaia 
das pontea qae determmaoS fazer no termo delle amtre as rìbeiras Branca e Raiaa 



,S 



74 

e de se reformar bufi pegSo da pomte nellia por estar arminado e amdamdo estaa 
obras exn pregfto para se feizerem poUos segnndos apomtamentos que se ordenarSo 
fora menor lango de sesemta e ojto mil r.% que fizera Francisco Lopes, pedreiro, 
morador no legar das Lapas, do dito termo, e que o dito lam9o era acomodado e justo 
por ser a obra muita e para se calear se aai2o mister mais dez mil r.', ey por bem 
que a elle se arrematem aa ditas obras etc. JoSo Soares o fex em Lisboa a desaseis 
de jonho de mil e seiscentos e ojto. Pero de Seizas o fez escreuer.» 

(Torre do Tombe.— ChanoelUria de D. Fillppe III Doa^, Ut. SO, fòl, 5S.) 

S2S — Lopes (Gonoalo). Mestre de obras, constructor de dois 
chafarìzes em GuimarSes, cuja agaa era conduzida da serra. A camara 
contratou com elle o concerto dos chafarìzes e respectivos canos pelo pre^o 
annual de cem cnizados. D. Filippe II approvoa o respectivo centrato por 
alvarà de 20 de outubro de 1601. 

Tinba am genro, por nome JoSo Lopes, que, por seu fallecìmento, 
o substituiu neste cargo em 1620. Vide Jo2o Lopes (3.^) 

«£a EUtei &^ saber aos qne este alnara virem que hos oficiaes da camara da 
iiilla de GnimarSes me enviarSo dizer per saa petigio que por na dita villa aaer deus 
chafarìzes a que vinha o agoa de bua serra mea legoa della por canos, em ciga fabrica 
e repaìro se gastana cada ano muyto, fizerào bum concerto per acordo solene com 
Gron^allo Lopez, que foy mestre da obra dos ditos chafarizes, para que tiuesse cuidado 
de repairar e concertar os ditos canos de maneira que andassem sempre bem concer- 
tados, e que por isso Ihe darisLo cem cmzados cada ano da renda da ympossi^So, que eu 
Ihes concedi para a dita obra dos chafarizes, e por que este concerto era em proueTto 
da dita obra, em que se gastaria multo mais se se concertasse per ordem delles oficiaes 
da camara me pediSo o ouuesse assi por bem, e antes de Ihes dar despacho mandey 
acerqoa disse fazer delligencia pelle prouedor da comarqa da dita villa de GuimarSes 
e^ que me escreuesse o que achasse, e vista a infbrma^So que o dito prouedor me 
enuion e seu parecer, ey por bem e me praz que os ditos officiaes da camara poss^ 
dar da renda da impo8sÌ9ào que Ihes tenho concedida para a fabrica das obras dos 
ditos chafarìzes cem cruzados cada ano ao dito Gon^allo Lopez, visto obrigandose 
elle a reparar os canos da agoa que a eles vem na forma do acordo que os ditos ofi- 
ciaes da eamara tem feito com elle, e mando ao dito prouedor^ que ora he e ao diante 
for, que c5standolhe comò os canos per bende vem a agoa aos ditos chafarizes andSo 
tSo concertados e ordenados comò convem, lene cada ano em conta os ditos cem cm- 
zados aos ditos officiaes da camara e ao thesoureiro da dita impossigSo, que por sua 
ordem os pagara ao dito Gon9allo Lopez, e cumpra e fa^a cumprir este sluara comò 
se nelle cdthem, o qual me praz que valha e tenha for9a e vigor, posto que o efeito 
dele aja de durar mais de bum ano sem embargo da ordena^So em contrario. Luis 
dAbreu o fez em Lisboa a zz de outubro de jbj« e huù. JoSo da Costa o fez escreuer.» 

(Torre do Tombo. .-Filippo n, PHcUegio», Uv. 8, fol. S7.) 

esso — Lopes (JoSo). — 1.^ — Mestre de pedrarìa, morador na cì- 
dade do Porto. 

Assim assìgna, corno testemunha, num centrato de emprazamento feito 
em S. Vicente de Fora a 13 de maio de 1529. (Torre do Tombo— CoIlec9ao 
especial, caixa 143). 






75 

Foi oste por certo o empreiteiro da obra de pedrarìa do convento das 
relìgiosas benedictìnas do Porto, mandado edificar por D. Manuel. 

empreiteiro do tìjolo foi Pero Anes e o da carpintaria Bartholomeu 
Dias. 

Vide OS docmnentos do respectìvo convento na Bibliotheca Nacional 
de Lisboa. 

JoZo Lopes era morador em Lamego. 



SSO — Lopes (Jofto). — 2.® — Mestre de pedraria, provavelmente 
residente em Lisboa. D. JoSo m Ihe deu carta, a 4 de setembro de 1530, 
para poder andar em mula ou faca. 

«Dom JohS &c. A qaamtoB està minha carta TÌrem fa^o saber quo por faser merce 
a Joh2L Lopez, mesùre da pedrarya, a mim praz Ibe dar logar e licenza que elle posa 
amdar em malia cu foca, ainda que nom seja da marca, com sela e fìrejo, posto qae 
nom tenlia canaio. . . Dada em a cidade de Lixboa, an iiij* dias do mes de setembro 
Guomez Eanez a fez ano do nacimSto de Noso Senbor JliesuG x.® de mill b^^xzx.» 

(Torre do Tombo.— Cbancellwi* de D. J<4U> m, Doa^, Ut. 5S, foi. 106 «.) 



CS31 — Lopes (JoSo). — 3.^ — ^Mestre de obras em GuimarSes, genro 
de Gonzalo Lopes, a quem, por seu fallecimento, ficou substituindo no con- 
certo dos chafarìzes e canos da mesma villa. Foi o constructor da ponto 
sobre o rio que passa junto da honra de Ovelha. D. Filippo II auctorizou, 
em 10 de dezembro de 1611 o levantamento de mais de 200i9IOOO réis 
de finta para acabamento da obra. 

Por està epoca apparece tambem em GuimarZes um architecto, ora 
designado simplesmente JoZo Lopes era Jolo Lopes de Amorim e cuja 
especialidade parecia ser a construcfSo de pontes. Adeante damos noticia 
d'elle. Seria o genro de Gonzalo Lopes? 

«Eu ElRey &90 saber aos que oste aluara vyrem que auendo respeito a no amio 
de seis centos e bum per os offissiaes da camara da Tilla de QuimarSes mo emuiaiem 
pedir por sua carta Ihes ter consedido que pudesem dar das rendas das imposisSes 
da dita viUa coreuta mil r.' a Gomsalo Lopez, que foi mestre das obras dos chafarìzes 
da agoa que de fora uem por canos a dita villa pera ter cuidado da fìibrica, comserto 
e repairo delles por se emtemder por imfbrma9So que disso mandey tomar do proue- 
dor da comarca da dita villa que com se Ihe darem os dites coreuta mil r." cada ano 
era de menos despesa que se os dites ofisiaes da camara temasem a sua comte £abri- 
caremos e pagarem as despesas que nisso se fizessem, e por falleser o dite Gonsalo 
Lopez e ficar por seu falesimento JoSo Lopez seu genrro, mestre de obras, e assem- 
tarem com elle que tornasse a sua conta fabrìcar e corer com o comserto dos dites 
canos e cha&rizes assim comò o fazia o dite seu sogro e pollo mesmo presso dos ditos 
corente mil r." cada ano e elle o aseitar e nSo auer outra pessoa que milhor os possa 
fazer, ey por bem e me praz que na forma per que foi concedido ao dite Gonsalo 
Lopez ter cuidado da dite fabrica a tenha dite Joào Lopez seu genrro e com 



76 

meamo ordenado dos corenta mil reis pagos a custa das rendas das ditas impo8Ì05es, 
08 qaaes Ihe serSo pagos constando per certid£o do jais de fora corno elle compre 
inteiramente com o comserto e limpeza dos ditos canos e chafarizes corno he obrigado 
e màodo ao dito prouedor e jais e ofisiaes da camara qae Ihe camprSo e gaardem este 
alaara corno se nelle còtem, posto qae o efeito delle %ja de darar mais de hum anno 
sem embargo da ordena9So em contrario. Miguel dÀzeaedo o fez en Lizboa a dez 
de noaembro de mil e seis centos e uimte. Joào da Costa o fez escreuer.» 

p. Fillppe n, Doa^, Ut. 44, fol. S45.) 

«Ea ElEey fa9o saber a vos Corregedor e Prouedor da comarqoa da villa de Gai- 
marais, qae hauendo respeito a informasse qae me enoiastes da maita necessidade qae 
ha de se &zer bua ponte no rio qae passa janto da bonrra de Oaellia, e comò pondo a 
obra da dita ponte em pregSo nSo acbastes oatro lan9o mais baixo e segare qae o que 
nella fez Jo§lo Lopez, mestre de obras, em contia de deus contos e seiscentos mil r.% 
e qae alem delles erSo mais necessarios trezentos mil r." asy para a recada^So da dita 
quantia comò para oatros gastos, qaebras, sellarios, caminbeiros e mais despesas, ei 
por bem e uos mando qae na forma da ordena^ào fa9ais langar finta da dita contia 
nas ditas comarqaas na vessa informasse declaradas com declarasSo qae a comarqaa 
da cidade do Porto pagara para a dita obra dazentos sesenta mil r.% qae sSo qaarenta 
mil r.* mais alem do qae por aos me foi limitado qae se pagasse para ella, os qaaes 
se abater&o a comarqaa de Goimbra da contia em qae ibi or^ada e o dinbeiro da dita 
finta senSo podera dispender em entra algua coasa mais qae na dita obra para se 
fazer e acabar com breoidade e deligencia qae be necessaria, e por està mando aos 
prouedores das ditas comarqaas qae fasao com effeito arecadar a parte qae cada hiia 
dellas hSo de pagar para a dita obra sem daaida nem embargo algam e para o dinbeiro 
qae se cobrar da dita finta fareis fazer h&a arca de tres cbanes, qae estara em poder 
de bua pessoa malto segara e abonada e della se nSo tirara dinbeiro algvm senSo por 
vessa ordem e o qae fdr necessario para se ir pagando ao dito JoSo Lopez. E este com- 
prireis e fareis coprir come se nelle contem e enaiareis o treslado aos ditos proaedores. 
£ este ey por bem qae valba &c. SebastiSo Pereira o fez em Lixboa a dez de dezem- 
bro de seis centos e onze. JoSo da Costa o fez escreaer.» 

(D. FiUppe n, Doa^, Uy. SI, toh SOS «.) 



S32 — Lopes (José). Na Relagào diaria da expugna^ e rendi- 
mento da praga de Bicholym em 27 de Mayo de 1726, escrita por André 
lUbeiro Coutinho, e publicada em Lisboa em 1728, ha a seguinte referencia 
ao engenheiro José Lopes: 

cO sargento mor Engenheiro Joseph Lopes, cuja honra se deyxou 
sempre ver por todas as partes do bom soldado». 



ff 33— Lopes (Lourengo). D. JoSo III o nomeon, a 18 de no- 
yembro de 1534, mestre das obras de carpìntaria dos pa^os ou casas 
de aposentadoria real, exoepto em Lisboa, Santarem e Almeirim e outros 
quasquer logares onde ji houvesse mestre especial das obras. 

Devia ser fallecido por 1560, pois neste anno nomeou D. SebastiSo, 
para o substitnir a sea filho Luiz Lopes. 



77 

NSo sabemos se antes de Loiz Lopes jà exìstirìa o cargo, oaja serie 
aqui apresentamos: 

1534 — Lourengo Lopes. 
1560 — Luiz Lopes. 
1578— Balthasar Luiz. 
1616 — Balthezar Rodrìgaes. 

«Dom J.*^ &c a quantos està minha carta virem fa^o saber que comfiamdo eu de 
Lonren^o Llopez, carpemteiro, que me serviraa bem e fiellmente corno a meu Berni^ 
compre, queremdolhe fazer gra9a e merce, tenho por bem e o don ora daqoi em diamte 
por mettre daa hobroB da carpemtaria do8 pa^ ou casaa de meu apouBemtamento e da 
Bainha minha sobre todas multo amada e prezada molher, das cidades, villas ott 
lagares omde quer que esterer nS semdo em Lisboa, Samtarem, AUmeirim ou em 
quali quer outro llugar omde ouver mestre das ditas obras de carpemtaria per mi- 
nha prouÌ8& com ho quali cargo averaa de mantimento em cada huu amio iiij r.* 
pagos em Eytor Mendez, allmoxarife das ditas obras, de Janeiro que vem de b'xzxb 
em diamte e gozara de todollos preyilegioB lyberdades que gozS os outros mestres 
das minhas obras e mamdo ao dito Ejtor M6dez, ou a qusllquer outra pesoa que ho 
dito cargo tever que do dito Janeiro em diSte em cada huu anno pague ao dito Lou- 
ren9o Lopez os ditos quatro mil r.' de seu mStymento per està soo carta sem mais Ihe 
mostrar outra prouisS nem mSdado da fazemda e pelle trellado della que seraa regis- 
tado no liuro de sua despesa pello espcriyam de seu cargo e seu conhecimento mamdo 
aos comtadores que Ihes leuem em c5ta e mSdo a todos meus officiaes, juizes e Jus- 
tifas, a qen està carta £or mostrada e o conhecimento della pertemcyr («te) que em 
todo a cumprS e guardem comò nella he contendo. Domtgos de Faina a fez em Evora 
a zbiij dias de noyembro de jb'zzziiij<» annos, e o dito cargo serviraa asy nas obras dos 
ditos apousemtamentos comò em quais quer outras que mftdar fazer nos ditos lugares.» 
(Torre do Tombe. —GhanoeUArU de D. Jo&o m, Doa^, Ut. 7, toh ÌM). ' 



S34r — Lopes (Luiz). Filho do antecedente, a quem succeden, 
a 20 de mar^o de 1560, no cargo de mestre das obras dos pa^os e casas 
de aposentadorìa regia, onde nSo honvesse mestres especialmente nomeados 
para esse firn. Succedeu-lhe em 1578 Balthasar Luiz. 

«Dom Sebastiam etc. fa^o saber a quamtos està minha carta yir6 que cSfiando 
en de luis lopez, carpinteiro, que me seruiri bem e comò a meu semino cumpre, tenho 
por bem e o don por mestre das obras da carpintaria dos pa908 ou casas de meu 
apousentamento das cidades, villas, lugares, onde quer que eu estiner, nSo sendo 6 
Liizboa, SantarS, Almejrim, ou em qualquer outro lugar onde ouuer mestres das obras 
da carpintaria per mioha prouisSo ou delBey meu sefinor e avo, que santa gloria %ja, 
o qual carguo vaguou per &lecimento de L.^ (Laurent) lopez, seu pay, e averà o dito 
Inis lopez cÒ o dito carguo de mantimento ordenado em cada h& anno quatro mil reis 
paguos na sjsa e SposysSo dos yìnhos desta cidade de lix.", que he outro tanto manti- 
mente comò o dito Louren^ Lopez seu paj tinha com o dito carguo e pertanto mando 
aos veedores de minha fazenda que fa9fto asentar ao dito Luis Lopez os ditos iiij r.« 
de mantimento na dita sisa e SposÌ9So dos yinhos e leuar cada ano na fblha do asS- 
iamfito, e ey por bem que o dito luis lopez guoze e use de todos os preuilegios e 
liberdades de qjie guoz2o e usSo os outros mestres de minhas obras e seruira o dito 



78 

cargno asy nas obras de mena apotuStamentos corno è quaesqaer outras obraa qne 
mandar ùaer nos ditos lugoares. E o dito loia lopez jurarà na chaacelarìa aos santoa 
ayangelhos qne bem e verdadeiramente 8iraa o dito carguo e pagon dordenado delle 
na chancelarìa mil e quinhemtos r." qne forSo carreguados em receyta ao recebedor 
della aos jxxj dias do mes doutubro de jb^lbiij nicnlao lois a fez è lix.* a qninse dias 
de jnlho do anno do anno do nacimSto de nesso sennor Jhesn zpso de Jb^lx anos e eu 
e eu aluaro pires a fiz escreuer. Ey por bem que a carta acima escrita pase pela chan- 
celaria posto qne o tempo em que oauera de pasar seja pasado e pagliara cbancelarìa 
direitamente somente. £ mando a graoiel de moara que asSte està carta no L.« das 
merces postoque outro sj o tempo 8fi(ja pasado. niculan luis a fez 6 lix.* a xz dias 
de margo de jb«lx.» 

(Tom do Tombo.— duneellariA de D. Bobaatllo e D. Heiui(|ae| Doo^, liy. 7, toL 199.) 



ffSff — Lopes (Pero).— 1.* — Pedreiro, biscainho, que em 1513 
andava lavrando na obra do castello de Freixo de Espada-érCinta. Sabemos 
da Bua existencia pelo alvari de perdSo que el-rei Ihe concederà por se 
achar enyolyìdo na prislo de um Lourenso Alvares, accusado de moedeiro 
falso, ìsto é, de ter feito o cunho para o tostXo, nio que Pero Lopes fosse 
cumplice no crime, mas por o accusarem de se intrometter, por este motivo, 
nas oompetencias e rìvalidades das justi^as da terra. 

Publicamos este documento, nIo so pela originalidade do caso e por 
assignalar a epoca, em que se andava trabalhando no castello de Freixo, 
mas por nos revelar tubìb uma vez quanto era numerosa a colonia de 
pedreiros biscaìnbos, que frequentava Portugal no primeiro quartel do 
seculo SVI, comò se pode ver nos artìgos relativos a Francisco Danzinho 
e Pero Femandes. 

£Ì8 a carta de perdSo de Pero Lòpes: 

«Dom Manuali &e fazemos a saber qne Pero Lopez, b3rzcunho, bomem estram- 
gdro, pedreiro, morador em a ujUa de Freixo, nos emayon dizer per sua pity^am que 
na dita villa fora preso bufi Looren^o Aluarez por se dizer qne fez e mamdara fazer 
o cnnbo do tost&o da nossa moeda e o corregedor Femam Gon9alvez mamdara a buu 
Martym Afònso e Pero Esteaez, juizes ordenaytos^ que Ibo m&dasem por quamto 
era seu jniz, e pera elio elle mamdar por o dito preso a bau Amtonio de Cepeda e 
oatros e os ditos joizes, visto seu mamdado tTraram o dito preso da toro domde estana 
e lenaram pera o emtregarem ao dito Amtonio de Cepeda e imdo com elle na na 
ma das Eiras bau Esteuam Martioz vereador da dita villa pareceo Ibe qne era em 
qaebramtamento dos preujlegios saltara com os ditos juizes e per fbr9a Ibe tomou 
o dito preso e o tomou a tore e prisam, omde estana, e que elle soprycamte estamdo 
lanr&do na obra do noso castello por cbamarem da nosa parte qamdo se o dito preso 
tomara elle acodira ao aroido e por eie sopricamte aly achegara o cnlparam e elle 
Bopricamte andana por elio amorado em temer de nosas jnsti^as o por elio premderem 
e amdamdo asj amorado elle oauera perdam de bau dos ditos juizes por outro ser 
finado segumdo o ver poderyamos per bau pubrico estormento de perdam qne nos 
apresemtar emviou que recomtava ser feito e asynado per Femam Pirez publico tabe- 
Uam em aVylla de Freizo deapada cymta aos ib diaa do mes doutubro de 1513 ano» 



79 

em o quali se eomtTnlia antre oatraa coosas que per o sobredito Martym Afonso joiji 
fora que elle perdoaua ao dito sopricamte quali quer consa que Ihe elle por a dita to- 
mada era obrigado asy cryme corno ciaell e por elld o nam queria acosar nem demandar, 
segnndo em o dito estromento mais comprìdamente era conteudo. emuyamdonos elle 
sopricamte pedir por mercee que Ihe perdoasemos a uosa justi^a se nos a ella por 
resS do sobredito casso em algnua guisa era teudo e obrygado, e nos vemdo o que 
nos elle asy dizer e pedir emujou, se asy he corno elle dia e recomta e hy mais 
nom ha, visto o perdam da parte e huii parece com ho noso pase e querendolhe nos 
faser gra^a e mercee temos por bem e nos apraz de Ihe perdoarmos uosa justi^a a 
que nos elle por rezft do sobredito caso era teudo e obrigado, se a outra he Àlecyda 
comtamto que elle pagase quinhentos reaes pera a piedade e por quamto elle loguo 
paguou OS ditos dinheiros a Aluaro Bodrìgues noso capelam que ora tem careguo de 
hos receber segundo dello fomos certo per huu seu asynado e per outro de Marcos 
Esteuez outro sy noso capellam espriu& do dito careguo que hos sobre elle pos em 
recepta, vos mSdamos etc. em forma. Dada em a uosa YÌUa de Samtarem a x dias 
de dezembro — elBey ho mandou per o bispo da Guarda, etc e pollo vigairo de Tornar 
&c, ChrÌ8tou2 Lourengo a fez — ano de 1513 anos.» 

(D. Xuioel, UgUima^, 1, follo t79.) 



S30 — Lopes (Fedro). — 2.* — Serviu por seis meses o officio 
de mestre das obras do Real Convento da Batalha. Alvarà de 30 de de- 
zembro de 1705, no livro do registo dos alvaràs do provedor das obras, 
fol. 14. 



ff 37"— Lopes de Amorini (Jofto). Architecto, residente em Gai- 
marSes, por 1630. A sua especialidade parece ter side a construc^io de 
pontes; pelo menos é o que se deprehende dos documentos que enoontra- 
mos a seu respeito. Nom d'elles é apenas designado por JoSo Lopes, mas 
di-se-lhe a qnalidade de architecto. Jà atris perguntàmos se elle nSo seria 
o mesmo JoSo Lopes, mestre de obras de GnimarSes e genro de Gonzalo 
Lopes. 

«£v ElBey &90 saber a uos conregedor e prouedor da oomarea da uilla de Gima- 
ries que auendo respeito a informa9&o que me envìastes aserca da licenza que os 
officiaes da camara da villa de Santa Cruz de Riha Tamega me enuiarft pedir por sua 
carta Ihes consedese {licenza) para poderem redeficar as pontes de que trat&o, assy 
a que està junto ao logar de Villa Meam dos destritos da dita villa, corno outra no legar 
de Sellas (?) junto à villa de Amarante, e cal^adas que dellas se contenuSo, pelle cami- 
nho estar multo trabalhoso, de maneira que se nSo podia passar por elle, e corno polla 
dita nossa informalo consta que andando a obra das ditas pontes e cal9ada8 em 
preg&o todo o tempo nesesarìo nSo ouuera nenhum lanso menor mais que de sinco 
mil cruzados menos sento e uinte mil r." e que neste preso se arematara a Jole Lopes, 
arquiteto dessa villa, bei por bem e me praz que da dita contia fagais lego lansar 

finta Antonio de Moraes fez en Lixboa a vinte e bum de agosto de mil e seia 

centos e viate nove. G^par da Costa de Maris o fez escreuer.t 

(PUIpp6m,iJMg8M,UT.S5,fol.87v.) • 



80 

•£y ElBey fago saber a uos corregedor e prouedor da eomarca da villa de Qi« 
marlUs, qne anendo respeito as uifi)niia90is quo me enniastes aserca da nesecidade 
qne aaia a se fiizer no concelho de Gesta^ a ponte de pedra do rio de Larìm, por 
padeserem os pasageiros na pasagem do dito rio, por falta della moitos trabalhos, 
perdas e perigos de nìda, e oisto corno pelas ditas mforma90Ì8 consta que andando a 
obra da dita ponte em pregam todo e tempo nesesario nfto onue noilinm laa^o menor 
qne de sete mil e qoinhentos cmzados e qne neste preso se rematara a dita ponte a 
JoSo Lopes de Morim, arquiteto morador na dita Tilla, bey por bem e me pras qne 

da dita contia fa^aes logo lamsar fimta Antonio de Moraes o fez em Lisboa a 

tres de jnlbo de mil e seis centos e trinta. Gaspar da Costa de Maris o fez escrener.» 

(FUlppe m, Doo^Bet, Uy. 85, fol. 99 v.) 

«Ev ElBei fa^o saber a nos, pronedor da eomarca da villa da Torre de Moncomo, 
que bavendo respeito a imfbrma^So qne me enniastes sobrc a obra da ponte do rio 
Tua (?) para que os officiaes da camara da villa de Mirandella me enniario pedir por 
sna carta prooisào de finta polla necessidade qne bania de se fazer com toda breui- 
dade e visto constar pela dita informa^So comò a dita ponte era molto antiga e em 
si multo grande e de grande fabrica, e mais (sic) necessaria por ser passagem para 
muitas partes deste reìno e estrada para todo Emtre Douro e Minbo e Tras os Montes 
e reinos de Galiza e Castella e comò ania noue anos pouco mais ou menos que comes- 
sarà arruinar e fiazendosse finta de noue mil cruzados e sendo rematada a obra a bum 
mostre por nome Pero da Fonceca, o quoal indo continuando com ella viera a fidlecer, 
tendo elle ja a maior parte do dinbeiro cobrado, com o que ficara a obra por acabar 
atbe que oste prezente ano aruinara, n&o so pela parte que dantes estaua, mas ainda 
por outras, de maneira que toda tinba necessidade de se refazer, antes que de todo 
viesse a cair, e visto outro ssi constar pela dita informasse que andando està obra em 
pregfto todo o tempo necessario e n&o bauer lan^o mais seguro que de dose mil e quì- 
nbentos cruzados, em que foi arematada ao mostre JoSo Lopes de Morim, Hej por 
bem e me praz que da dita contia de doze mil e quinbentos cruzados fasais bgo 

lan9ar finta Jo&o Nunez de Sequeira a fez em lizboa a vinte e qnoatro de 

nouembro de mil e seis centos e trmta e coatro. Gaspar da Costa de Maria a fez 
escreuer.» ^„. ,„ ^ . „ «« ^ , *.. . 

(FUippe m, Do9^, Ut. S9, fol. 254.) 



ffÒS— Lopes de Barros (Antonio). Partìdista da Academia 
Ifilitar do Rio de Janeiro. Redazia a maior ponto a carta topographica 
da capitania do Rio de Janeiro, levantada por Manoel Vieira LeSo. Vide 
este nome. 

Era capitSo da 6/ oompanbia graduado em sargento-mór do segando 
regimento de infantarìa de linha da oidade do Rio de Janeiro, e foi prò- 
movido a sargento-mór effectivo do mesmo regimento, por decreto de 11 
de agosto de 1802. (Livro 2 das mereSs de D. JoSo VI,Joì. 271 v.) 



ff30— Lopes de Sepnlveda (Diego). Em 2 de jolho de 1736 
foi promovido ao posto de sargento-mór, em attenjSo aos seas mereoi- 
mentos e servisos, e principalmente pelo grande zelo e trabalho, qae em- 
pregara na reedifica9So da pra^a de Campo Maior. 



81 

«Tendo concidera^So ao merecìmento e serrÌQOS do capitSo engenheiro Diogo 
liopes de Sepulveda, e especialmente aos que me tem feito na reedìfica^ào da pra^a 
de Campo Maior com grande zelo e trabalho : Hej por bem fazerlhe mer9é do posto 
de sargento mor com o mesmo exercicio de engenheiro, por o qual foi consultado. 
O Conselho de guerra o tenha assim entendido e Ihe mandare passar os despachos 
necessarios. Lisboa Occidental a dous de jolho de mO sette eentos e trinta e seis. — 
Com a rubrica del rei.» 

(Decretot remettldoa ao Conselho de Guerra, mago 95, a." i4.) 



ei4rO — Lopes da Silva (Manoel). Por alvarà de 1691 fez-lhe 
el-rei mercé da propriedade da pra$a de aprender architectura, que va- 
gara pela promo92o de Luiz Nunes Tinoco. 

«Ev ElRey fa^o saber aos que oste meu aluara yirem que tendo respeito as boas 

partes que coxncorrem na pessoa de M.** Lopes da Silua para bem me poder seruir 

na architetura ciuci, bey por bem de Ihe fazer merce da propiedade da pra^a de 

aprender a dita architetura, que vagou por promosso de Luis Nunes Tinoco a pra^a 

de architeto e mestre do Real Mosteiro de Sam Vicente de Fora, e hauera com a dita 

propiedade vinte mil r.' de ordenado cada anno, que Ihe serSo asentados na alfandega 

desta cidade e he o mesmo que com ella tinha o dito Luis Nunes Tinoco, com obri* 

ga^So que aprendera a dita faculdade com o padre Francisco Tinoco da Silua, mestre 

architecto dos meus pa^os da Ribeira desta cidade e farà tudo o que pollo prouedor 

de mÌTìhas obras Ihe for mandado de meu semino e o mais a que pollo mesmo regi- 

mento da caza das ditas obras he obrigado: pollo que mando a yos, prouedor de 

minha» obras, Ihe deis a posse da dita propiedade e o deixeis della vsar e aprender 

a dita faculdade, comò dito he, dandolhe primeiro o juramente dos sanctos euangelhos, 

e aos vedores de minha fazenda Ihe fa^I asentar nos liuros della os ditos vinte 

mil r.* de ordenado e leuar cada anno nas folhas de meu asentamento da dita al&n- 

dega para nella Ihe serem pagos, comò dito he, com certidfto do ditto prouedor 

de minhas obras de comò cumpre com a sua obriga9&o, e pagou de nouos direitos 

des mil r.", que se carregarSo ao thezoureiro delles JoSo Ribeiro Cabrai a fl. 21 v. 

4o liuro primeiro de sua receita comò constou por conhecimentos, o qual foy registado 

a fl. 335 do liuro 1.^ do registo goral dos ditos direitos, e se rompeo com a portarla 

por onde este foy passado ao asinar delle, o qual se cumprira t&o inteiramente comò 

nelle se conthem, e valera corno carta, posto que seu effeito haja de durar mais 

de hum anno som embargo da ordena9&o do l.^ em contrario, e no registo da dita 

portarla se pora verba do contheudo neste dito aluara. Miguel de Abreu de Freitaa 

o fez em Lixboa a soie de junho de mil e seis eentos nouenta e hum. Martim Teizeira 

de Carvalho o fez escreuer etc. Rey.» 

(ClianoelUrlA de D. Fedro H, Doa^Se», Ut. 19, fol. SSS.) 

No ZHcdonario Oeographico, manuscripto existente na Torre do Tombe, 
lè-se a seu respeito o segainte: 

«Desta freguezia (Bencatd) flore^eo o capitSo engenheiro Manoel Lopes da Sylva, 
que ainda que filho de paes humildes, foi multo grande nas armas, engenho, e prendaa 
na guerra prozimo passada; e por tal muito bem conhecido e estimado dos mayores 
officiaes da mesma milicia; o qual ha poucos annos fìdeceo nesta freguezia; estando 
reformado, com soldo inteiro de capitSo.» ^^^ ^^ ^ , , ..^ » 

^ '^ [Ob, dL, tomo tu, foL 730.) 

TQL.n 



82 

S4.X — LourenQO (Esteyfto). — 1.^— Era mostre àa, caxpintarìa 
real em Evora no tempo de D. Dnarte, e por certo aìnda no tempo de 
D. JoSo I. Numa carta de privilegio de D. Affonso V, passada em 29 de 
julho de 1440, declara el-rei ter visto outra de seu pae em que o tomava 
por seu carpinteiro para as obras que mandasse fazer em Evora. Este 
documento, registado a fol. 152 do liv. 20 da chancellaria de D. Affonso Y, 
n%o damos na integra por jà se nSo poder ler todo, tendo sido lavado 
com tintura de galha. 

Em 1450 era j& fallecido, pois nesso anno, a 15 do Janeiro, passou 
D. Affonso V carta de privìle^o a sua viuva Beatrìz Ajres. 

Em carta de 26 de Janeiro de 1451 era nomeado para o substituir 
Jolo Ledo. Vide este nome. 

«Dom Afomso &c. A quantos està carta virem fazemos saber que noe querendo 

&zer gra^a e mercee a Brìatiz Aires, molber qua fby dEstenam Louren^o, mestre 

que foy da carpentaria delBei mea senhor e padre; cuja alma Deus aja, teemos por 

bem e queremos e mandamoB qae nom pague em os nossos pedidos nem peytas nem 

em nenhuuB encarregos que per nos nem per db concelhos forem lan9ado8, outrosi 

queremos e maadamos que nom poussem com ella em ssoas casBas de morada nem 

adegas nem Ihe tomem dellas rroupa de cama nem al&yas de cassa nem outra nenhuua 

eouBsa do Bseu contra sana vontade. £ porem mandamoB ao nosBO poussentador e ao 

da rraynha mìnha molher que Bobre todas pre^o e amo e ao desta ddade dEnora, 

honde ella he morador, e aos contadores e Bacadorea dos pedidos della é a quaees 

quer outras pesBoas que esto ouuerem de veer e a todoUos juizes e juBtÌ9a8 e pesBoas 

a que esto perteencer que Ihe compram e gaardem e fa9am conprir e guardar està 

nossa carta assy comò e pella gaisBa que em ella he conthenda por que assy he nossa 

mercee Bem outro noihuu enbargo, onde huils e outros al nom fo^ades. Dada em 

a cidade d'Euora xb diaa de Janeiro — Aluaro Vieira a £sz — ano de noso Senhor 

Jhesii xpo de mil iìiì^l.» 

^ ^ (Toire do Tombo. — CSiaaeeUarlft de D. Affonso Y, Ut. M, f6L 8.) 



ff4S— LourenQO (Estevfto).— 2.^— Do mesmo nome quo o an- 
terior e comò olle residente em Evora^ sondo, porem, mostre do pedrarìa 
e oxorcendo a sua actividado no reinado de D. ManooL 

Foi elle empreiteiro quo construiu, por mandado de el-rei duas quadras 
da crasta ou claustro do convento de S. Sento d'aquella cidade, sogundo 
toor ordonajSo das outras duas quo ji ostavam feitas. 

O rospoctivo centrato, quo em seguida publicamos, foi colebrado a 
29 do novembre de 1520. E documento curioso, nSo so para a historia 
do edificio, mas para a terminologia da arto. 

Treslado da despesa — 8 recibos de EstevSo Looren^o na importancia de luxb r." 
a aaber xzx r." a ix de nobr.^ de b^'zx (1520) e os Ib (55) por duas adi^Oes— • 

«Os Izbj reaes que Ihe pagaram segando fonna do comtrato que o Amoo fes c5 
dito EflteuSo Louren^o da pximeira empreitada corno se per eie vera 



83 

Os ui reaes qne Ihe mais momtou dontra hobra qne fez alem do dito cotrato qtie 
o dito sfior mamdou fBoet no dito moestebro corno parece per hu&a certidam do dito 
Amoo, asynada per eie que adiamte vaj aquy cosyda e nela certefica a hobra ser teda 
vista e acabada pelo dito EsteuSo L.*^ e todo o que hera obrigado e asy per outra 
certidam dabadeea do dito moesteiro que adiamte vay coejda corno a dita hobra foj 
toda feyta e acabada corno dito he. 

E assy gaston os ditos Izzzb reaes. 

Tytollo da despessa e entrega do dii^heiro e pagamento que se fez ao Spreiteiro 
das obras da crasta do mosteiro de sam bento desta cidade dEyora.» 

{OorpQ Okronolcgieo, parte 2.*, iiut90 86, do«. 74.) 

No Indice està errada a data 1512 por 1519. 



CarUrato doB Ixbf rtaes dai obraa de aà bemto 

•AoB xzix dias deste mes de novembro deste presente ano de b*zz se comcerton 
o amo do principe per mandado delSej noso senhor com Esteuam Louren^o, pedreiro, 
morador nesta cidade dEnora sobre o &z7mento das doas quadras da crasta que ora 
que ora (ne) sua allteza manda fazer no moesteìro de sam Bemto desta cidade. 

Item elle dito Esteuam Louren90 se obiygou de fazer as ditas duas quadras 
pollo teor e hordenS9a das outras duas que estam fejrtas, as quaes eie fechara de 
suas abobadas repartidas em outras tamtas capellas comò tem as outras duas e averam 
seus cruzeiros de t^goUo chi(£rado dallvenarya e os ditos cruzeiros mouerSo (?) das 
paredes. 

Item mais asStara outros tamtos pegòes comò sam os outros, os quaes serft de 
pedrarya e teram de testa tres pallmos e de sacada cymquo pallmos fora da parede 
ou aqujllo que se achar que tem os outros e amtre pjllar a pjllar avera dous archetes 
da gramdnra dos outros com seus cfiebretes da parte da crasta e com suas colunas 
e vasos e capitees pollo teor dos outros e da parte dos pegdes avera seus buSes de 
tyjollo da grosnra das colunas e com suas meas vasas e meos capytees tudo pollo 
teor dos outros e os ditos pegòes serS fìmdados no firme com seus aljceces daluenarya 
ate o amdar do chaSo e dalj para cima serft tambem de pedrarya e o pojall que agora 
tem a dita crasta se estiuer forte e seguro sobre eie asemtara as vasas e colunas, 
semente elle o repayrara e refimdara homde necessario for de maneira que fique forte 
e seguro, e asy o guamecera muy bem, e as lageas que agora tem asStadas elle 
as repayrara e alimpara descoda e Ihe farà seus chamfros da maneira dos outros. 

It. As colunas velhas que agora tem as ditas duas quadras sobre que està 
asStada a madeira, eie as lanrara e alympara muy bem que pare9am nouas e amtre 
todas esoolhera as que mylhores forem e iso mesmo das vasas e capitees que agora 
tem e de escolhera os mayores e mylhores que hy ouver e os laurara da mylhor ma- 
neira que posa ser pera que fiquem conformes aos outros nouos posto que seja doutro 
lauramento e mymgoamdo allgus que nSo S€rj& pera iso eie Ihe poera outros nouos. 

It. Mais elle respaUdara as ditas abobadas por cima com seus etulhos e com 
suas corrCtezas pera a parte do pateo de demtro e as guamecera e apincelara por 
demtro com toda a mays obra que ouver dauer guamy9am e a pedrarya muy bem 
cintada e asy se obrigou telhar as ditas abobadas a roda da maneira das outras e 
darlhes a telha qne agora tem as ditas quadras e a que fiJecer eie a poera. A quali 
obra eie se obiygou de &zer boa, e forte, e segpira naquella bomdade e perfei^am que 
està a outra e a pedrarya muy bem laurada e lympa e escodada e bem as^tada em 
maneira que tudo sega bom e de receber a vysta doficiaes e avera polla dita obm 



y 



84 

jnntamaite, poemdo toda Ub achegas e mlos e semjdores, Bessemta e seis myll r.' 
e obrjgon se de a dar fejrta e acabada per todo o mes de sam Joham qne Tyra do ano 
de qnynhetofl e Tjmte e ha e £arlbeam seas pagamétos em tres pagos — a. — Ihe 
daram lego vjmte e cymqiio mìll r.' e corno tener oe pegòes aaétadoe Die daram 
ontroe yjrmte e cìnco mill r." e corno as abobadaa forem fechadas Ihe daram oe dexa- 
sejs mill r.% qne fycam pera comprimSto do pago, o qoall ooaitranto onrera por bom 
e firme e valyoso e por verdade asynaram aqnj. E ea Baatìam da Costa escryram 
do8 contratos daa obras de sna allteza que este escreny. 
Bertolamen de Pajma — o amo. EstevI L.<*« 

(Torre do Tombo. — Corpo GknmUofiieo, pute ^*, matfo 16, doc 108.) 

Nas cartas o alvari de el-rei approvando o contrato é de c4 de de- 
zembre de mill bcxx». 



S4r3 — Lonrengo (Jofio). Pedreìro, morador no termo da villa 
de Thomar. Tendo-se encarregado de fazer de empreitada urna obra na 
villa de Domes, foi preso e encarcerado na cadeia de Thomar por causa 
de 9S000 reaes qne estava devendo ao conseiho, que Ihe encarregoa o 
trabalho. 

Tendo-se evadido da cadeia, com cumplìcidade do carcereìro, ao qne 
se dizia, por gra^a regia foì-lhe -perdoada a fnga, pagando o rea 4f$000 
réis para as despesas da Mesa do Desembargo do Pa^o. JoSo Lonren(o 
fóra recolhido à cadeia em novembre de 1573 e a carta de perdio é de 
11 de Janeiro de 1574. Por outra carta identica em favor do carcereiro 
Domìngos CarSo, accnsado de complicìdade na fuga, se apnra a qualidade 
da obra, quando declara ò motivo da prisSo de JoSo Louren^o . . . por 
culpa de dinheiro que devia ao conselho de Domes sobre a obra da igreja 
que tinba tomado de empreitada. 

Està carta acha-se registada a fol. 116, do liv. 11 de Legitimagdes 
de D. SebastiXo e D. Henrique. Damos aqui unicamente a que se refere 
ao mestre pedreiro. 

«Dom Sebastiam etc. fa90 saber que JoSo Lourem^o, pedreiro, morador em 
termo da vUIa de Thomar, me Saiou dizer per sua petÌ9ao que estando preso 
na cadea da dita villa por noue miU r.' que diziSo deuia aos vereadorefi da villa 
de Domes de certa obra que Ibes £Eizia dSpreitada e sendo Stregue ao cacereiro hua 
noite ou dia de nouembro do ano pasado de Ixziij, se sayra pela porta da cadea soo, 
sem quebrar ferro nem romper parede, e algus queriSo dizer que quamdo se eayra hya 
cacefeiro com elle a auiar o dito dinheiro que se dÌ2Ìa deuer o sup.'* pera o depo- 
sitar em juizo e pelo caso Sdaua amorado, e era pobre que ordinariamente sen& podia 
alliniar, pedimdome Ihe perdesse a cullpa da dita fogida e receberia merce, e eu vemdo 
qne me elle sup.** asi dizer e pedir Suiou e querendolhe fazer gra^a e merce, visto 
huQ prazme asinado pelo doutor Antonio Vaaz Castello etc, ej por bem e me praz, 
sendo comò o sup.** diz, de Ihe perdoar a fogida da cadea pelo modo que declara, 
vistas as causas que allega, e pagara iiij* r.* pera as despesas da mesa do desSbar- 
ffOLO do pa(0, as quaes ja pagou a TrìstSo do Caraalhal, corno se uio por seo cojsheci*- 



85 

mento e por ontro de JoSo de Seixas qae Ihos caregon em R.** {receita) etc. na forma, 
e porem o sup.^* sera obrigado a tornar carta de segoro &. Dada em Almeirim a xi 
de Janeiro — ElBej noso senhor ho mandou pelos doutores Antonio Vaas Castello 
e Panilo Afbnso etc. Diogno Femandez a fez — Ano do nascimento de noso sSr. 
Jbesa zpo de jb^buiiij. Roqile Vieira a fez escreuer.» 

p. SebMtiio e D. Henriqne, Ltgitima^f Ut. 17, fol. Sid.) 



S4r4r — LourenQO (Manoel). Volkmar Machado dà-nos d'elle a se- 
guinte biographia: 

«Manoel Louren9o nascido tambem nesta Capital, sobrinlio do Padre 
Fr. Rodrigo, Franciscano famoso, que com o seu peditorio, liberalidade, 
e boas maneiras fez o Convento de Xabregas, e o que està feito na Igreja 
de S. Francisco da Cidade. Aqui foi discipulo da Aula do Rocha, em 1787 
mandou-o seu tio a Roma, aonde no sabado desenhava a Academia tSo 
perfeitamente corno os mais em toda a semana. Por morte de seu tio fal- 
tarSo-lhe os subsidios, e conseguio entrar para o Collegio dos pensiona- 
dos: quiz casar e frequentava pouco os estudos, nXo era bum crime, mas 
D. Joao de Almeida mandou-o prezo para Lisboa em 92 : esteve na Torre 
de S. GiSo aonde se aplicou à Engenharia. Entre tanto desenbou a olho, 
com grande perfeÌ92o, todas as vistas da Barra para o coronel de artilharia 
Negar, com quem foi para Evora em 1804 com pra9a de Sargento, tendo 
33 annos.» (Memorias, pag. 240). 

Foi discipulo de Antinori (Idem, pag. 241). 

S4rS — LoiirénQO (Martim). — 1.® — A 23 de maio de 1514 o no- 
meou D. Manoel mestre das obras de pedraria que se fizessem na cidade e 
pajos reaes de Evora. Foi-lhe ordenado o mantimento de 6^000 reaes por 
anno, entrando nesta conta os quatro que jà recebia. Effectivamente em 
alvaré, ou mandadq de pagamento, de 26 de setembro de 1507, ordena 
el-rei ao recebedor das obras de S. Francisco, da mesma cidade, que Ihe 
de 4j5000 reaes, de que Ihe fazia mercè. Ahi é designado por mestre das 
ditas obras. Em 1513 a 25 de abril, celebrava elle um longo centrato 
com el-rei para o pagamento de dìversas obras no mesmo convento. 

Em 27 de outubro de 1508 mandara el-rei a Alvaro Velho que Ihe 
pagasse o ordenado que vencia na obra em que andara e mais o aluguel 
de urna besta a fim de ir inspeccionar em Almeida, a obra que alli fizera 
Francisco Danzilho ou Danzinho. A importancia da despesa foi de 2:930 
reaes, sendo 1:680 reaes por 28 dìas que là andou a razào de 60 reaes por 
dia e 1:250 reaes pelo aluguel da besta. A obra de Almeida fìSra igual- 
mente vistoriada por Matheus Fernandes. Vide voi. I d'este Diccionario, 
pag. 270, artigo DanzUho ou Danzinho. 

Martim Lourengo tambem foi dos mestres de obras, architectos e en- 
genheiros que exerceram a sua capacidade technica nos logares de cUem, 



86 

iato é, nas pra^as do norie de Àfrica. Em 1509 achava-Be elle em Alcacer, 
de onde escrevìa a el-rei, em 13 de junho, oontando-lhe o que se passava 
acérca da constrncgSo da torre sobre a casa da atafona. Nella tambem se 
queìxa de Diego Barbudo, que o ameajara de Ihe dar com nm pan na 
cabe9a, por causa de umas setteiras que elle abrìra no muro, que Ihe pa- 
reciam ser muìta defensXo da fortaleza. 

Martim Louren^o devia ser fallecido nos prìmeiros dias de Janeiro 
de 1525, ou fins de 1524, pois a 8 de Janeiro d'aquelle anno D. JoSo IH 
nomeava a Diego da Arruda para Ihe succeder corno mestre das obras 
dos pa^os reaes de Evora. Vide voi. i, pag. 53. 

«NoB £1-Bey fiuEemoB saber a quantos oste nesso alvari de concerto virem qne 
nós fiazemofi ora concerto com Martim Lonren^o, mestre de nossas obras, morador em 
està nossa cidade de Evora, sobre slgumas obras que ainda estam por &zer neste 
moesteiro de Sam Francisco da dita cidade pera ser acabado, as quaes eie tomou 
dempeitarda pela maneira e condÌ95e8 adiante dedaradas. 

It. £ELr& o dito Martim Louren^ na casa por onde se ora servem as cellas dos 
frades do dito moesteiro bua casa pera dormitorio dabobada de tijollo qne seri de 
cem covados de comprido e de vinte e oito covados de largao fecbada em quarteiròes. 

a qnal abobada fundarà sobre os pegÒes qne fbrem necessarios e abastarem pera 
a terem, os quaes seram de pedraria, e os capiteis e cimalhas e ha bellsoria e arqnos 
seram de tijollo com a dita abobada, a qual abobada sera daltora de vinte palmos, 
e OS arqnos snbirSo clnqno pera ser dos ditos vinte palmos. 

E 08 pegnòes que esteverem encostados às paredes por qne nam ham de ser 
se n5 meos seram de tijollo. 

It debaixo da dita abobada no andar da crasta se ùai bua casa naquella parte 
qne està na mostra pera capitello, que seri de trinta covados de comprido e vinte 
e oito de largao, e por ser casa quo sèmpre bade parecer, a abodada della seri 
de melhoria da outra, e os me5s peguòes das ilhargas seram da dita pedrarìa, e des- 
entulbarà o dito capitolo da terra que tiver em tal maneira que fique mais alto 
que o andar da crasta bum palmo, o qual terà bum 4sgr4o de pedrarìa pera subirem 
a elle. 

E na metade da parede da dita casa da parte da crasta segonda £ar4 bum aitar 
segando comprir o qoal terà dous degraos em roda e seu taboleiro e nas ilhargas 
do dito aitar se &ram duas firestas de pedrarìa com saas chapas, que come^aram 
sete palmos acima do andar do ch&o, e seram t&o altas comò for abobada, e de tres 
palmos de largo em vafto, os quaes degràos ser&o de focinho. 

li da parte da crasta do melo se &rà hom arquo pera sua serventia, e de cada 
parte do dito arquo se farà bua fresta compassada em tal maneira que fique no melo 
dos espagos que houver antre o dito arquo e os cantos da dita casa que serSo taes 
e tamanhos comò os outros e iso mesmo come9arSo sete palmos sobre o andar do chào. 

It. tirarà o portai que està junto da nossa capella que vai pera a dita casa 
do dormitorio, e farà nelle outro mais pequeno de pedraria. 

It. debaixo da dita abobada na parede da crasta segunda se fiirSo tres frestas 
pera Ihe darem craridade, e isso mesmo £EtrSo dous portaes de sete palmos cada bum 
dalto e dahy pera cima pera serventia da dita crasta. 

It. as paredes que ora estam no dito dormitorio velho./ a que entesta na crasta 
segunda, e entra em que as cellas que ora tem os frades, as portas se tirarSo em todo, 
e OS ditos botareos tambem e Harseba outra parede de novo sobre o alicerce da que 



87 

ora està na dita crasta segonda se fpr tal qne a Bofra, e se nom for tal faneha ontro 
de novo, e na dita crasta segunda se faram una meioa botareos pera oa arquos come- 
^arem a mover, e estes meoa botareoa aeram oa meoa pegnoea qne hamde ir de dentro 
pera oa arquoa come9arem, porque ha parede pela parte defora ade ir toda limpa, 
a qaal parede aera daqnella groaanra qne vir que he bem pera a obra aer aegura e ao 
menoa aeri ate abobada de trea palmoa e dahy pera cima de doua palmoa e meo, 
e se pera aegiiran9a da dita obra parecer qne deve de ter maia groaanra, que aay o fEt^a 
e da abobada pera cima aobira em alto treze palmoa, oa quaea ae come9arSo do la- 
diìlhado pera cima. 

It a parede qne ora eati da parte da aamcreatia qne entolha a caza do dormitorio 
ae tirarà e ferselheha entra maia adiante centra a casa do capitolo, a qnal nom aobirà 
maia alta que a abobada. 

E antro a dita parede e a do cmaeiro ae fari bua eacada com degràoa de pedraria 
de dei palmoa de larguo e va&o pera aerventia do dito dormitorio de cima, a qual 
ae lan9ara per aquella parte que milhor parecer. 

£ a dita eacada tera hnma aerventia pera bum portado que ae fis^a pera a craata 
aegnnda pera oa fradea irem por eia ao coro, o qual aera de pedraria e da grandura 
que bem Ihe parecer e for neceaaario. 

It em cima daa ditas abobadas &ra o dito Martim Lourengo duaa paredea ao 
longo a&atada huma da entra vintaquatro palmoa de vaSo, e aera em tal maneira 
feita que a dita rua venha pelo meo do dito dormitorio, a qual aera trinquada de 
pahno e meo de groaao e aerSo de deaoito palmoa d*alto. 

£ antro cada parede deatas e aa daa craataa fEureia quinae cellas de cada parte 
repartidaa com parede franceaa que aeri tio alta comò comprir e Ihe for neceaaario, 
aa quaea cellaa aerfto de aete covadoa de comprido pera ha parte daa craataa e aeis 
de larguo, e ao longo do dito dormitorio em cada bua deataa cellaa farà bum portai 
de pedraria de sete palmoa dalto e vaSo, e de longo doua e meo, e aay tera cada bua 
janella de quatro pedraa de doua palmoa e meo de larguo e trea palmoa dalto, e teram 
auaa repreaaa pera bua porta e bum aaento da outra parte, e a parede de dentro aera 
vaao pera ficar em peitoril. £ naa janellaa que cairem na craata aegnnda ae faram 
cravelroa que aejam de comprido tanto corno aa janellaa e maia meo palmo de cada 
parte, e naa cellaa que cairem aobre a noaaa capella e enteatarem com aa caaaa do 
apouaentamento daa Infantea fiuram aa freataa que ae poderem fazer pera Ihe dar lume. 

Il no cabo deate corredor que bade ir por ho meo deate dormitorio no topo 
delle ae flEura huma janella de pedraria enferrada que aera de quatorze palmoa de 
larguo e dalto o que comprir aegundp a dita largura. 

£ teri Ben peitoril de pedraria, e aera eata janella de quatorze palmoa, e dalto 
dezaaeìB. 

It. aa neceasarias que neate cabo eatam ae £aram no andar do dito dormitorio, 
e ha aerventia que bora eata debaizo ae taparà. 

It a aancreatìa ae farà dabobada e aera tSo alta que venha no andar do dito 
dormitorio, e tiraraelheha a eacada que tem por dentro e por ae ha antro a capella 
major e a dita samzpia debaixo da dita eacada ficara bua caainha pera ae meter 
ha prata do moeateiro, a qual caainha ae &ra bum portai pequeno de pedraria que 
fique dentro na dita aamzpia. 

It tiraraelheha bum botareo grande que bora tem a dita aamxpia na crasta 
aegunda, e faraelheha entro mais pequeno ae for neceaaario pera aeguran^a da parede, 
e ae Ihe meter alguna arcoa de tijoUo por cima farseha e 9arrarBeham aa gretaa que 
tem as paredea da dita aamzpia. 

It. capitolo e cellaa e corredor e aamzpia aera ladrilhado, e a entrada em que 
a eacada tem o pee tambem, e argamaaaara ha outra casa que for debaizo alem da 



88 

casa do cabido, e toda està obra sera guamecida e apainellada e telhada e cintada 
e acabada toda de dentro e de fora e acabada em toda perfeigam com suas cimalhas 
segundo a tal obra pertence. 

It. farà mais sobre o refeitorio huuas paredes que sejam em alto do ladrilhado 
dabobada do dito refeitorio desoito palmos e da grossora que for necessario, e levarà 
bum repartimento no lugar onde o houyermos por bem pera ficarem duas cazas bua 
pera enfermaria, e outra pera livraria, as quaes terSo cada boa sua porta depedraria 
que venham sobre as varandas da crasta, que serSo de quatro palmos e meo de largo, 
e dalto que for bem, e em cada casa terà bua janella de pedraria com seu peitoril 
e asentos. 

E a dita enfermaria terà mais bum portai que venha sobre o eirado que està 
sobre a porta principal do moesteiro, no qual eirado farà naquella parte que Ibe 
diserem bua casinba que caibam dous frades com buma fresta na parede do dito 
moesteiro. E na dita enfermaria se farà bum portai pequeno pera a dita casinba, pera 
que se alguns frades da dita enfermaria quizerem ir yér dees à dita casinba bo poderà 
fazer, e estas casas serSo guamecidas e apainelladas e ladrilbadas e telbadas e aca- 
badas de dentro e defora em toda perfeÌ9So com suas cintas sobre as telbas. 

It. bo eirado dcdiante da porta principal seacabara o que se ora nelle faz 
naquella maneira que vai come9ado que venba bbj comò o que j4 està feito, e sera 
todo ladrilbado, e bo tavoleiro que està por lagear diante da porta principal seacabara 
de lagear da maneira que vai come^ado, e farUo bus degraos no que està aberto 
no dito tavoleiro asy corno està debaizo do arquo que se ora faz, e no dito tavoleiro 
todo em roda farà bum poyal. 

It. toda a obra velba e nova que estever por guamecer asy dedentro comò defora 
entrando tambem o que falece por guamecer da parede que vai da crasta segunda 
pela ma abaixo com todo bo mais guaraecera e cintara e acabara em toda ba perfeÌ9ao. 

It. a crasta toda àroda da parte de dentro repicarà e guamecerà pera se pintar 
de fresquo e bo cbSLo da crasta &.rà que fique ao olivel do cbSo asy de terra comò 
concertarà as campaas em tal maneira que todo fique igual. 

It. se farà na camara da Rainba minba sobretodas multo prezada e amada molher 
honde està a janella da cruz bua janella de pedra destremoz que està no dito moes- 
teuro, e se algua fallecer tomara da que a dita janella tever. 

It toda a pedra dalvenaria e pedraria de toda a sorte lavrada e por lavrar, 
tijollo, cai, area, telha, e pedra, que das casas sair sera do dito Martim Lourengo pera 
se della aproveitar, e padiollas, e cestos, e cantaros. 

E toda madeira que ora anda na dita obra tal qual for, e assy a que sair das 
casas que nom sair tal pera que possa servir em outra obra, toda Ihe sera dada ao 
dito Martim Louren^o pera se della aproveitar na dita obra, e no que mais bouver 
mister, e fazer della comò sua. 

E se Ibe entregarem algumas entenas, ou prancbas, e banquos pincbados tomarà 
a entregar. 

E alem de todas as ditas cousas nós Ibe daremos por nos &zer e acabar todaa 
as ditas obras em toda a perfei^am oitocentos mil reis pagos de quatro em quatro 
mezes os quaes Ihe serUo entregues a elle em sua mito dentro nesta cidade dEvora, 
o qual Martim Louren9o aprouve de tomar a dita obra por ho dito pre90 dos ditos 
oitocentos mil reis na forma sobredita, e se obrigou per sy e seus beens moves e 
deraiz avidos e por baver de todo fiizer e comprir e dar as ditas obras feitas e aca- 
badas na maneira sobredita em toda perfeÌ9lo deste mes de Janeiro que ora vem a 
om anno que vem de b.« XIin.° a bum anno comprido dandolhe o dito dinbeiro aos 
tempos atras decrarados e tanto quanto bo dito dinbeiro mais tardar tanto mais 
tardara a dita obra alem do dito anno. 



89 

qual visto por nós por bem detodo ho houvemos asy por bem, e llie damos e 
nomeamos a dita obra no dito pre9o, e per as condÌ9des atras decraradas, e Ihe man- 
damos dar o dito dinheiro aos ditos tempos, e porem mandamos a Alvaro Yelho quo 
logo Ihe entregne o telheiro e toda ha pedra, quali {c<d) e tijollo e area, e todo ho 
mais que pera as ditas obras tiver segando atras he decrarado, e mais Ihe entregne 
as casas em qne elle as ditas consas e madeiras tem pera elle se de toda aproveitar 
e se dalg^a das ditas casas ae pagax alga alugaer elle dito Martim Louren^o ho 
pagara, e porqne asy de todo noe proavo e elle disse foi contente Ihe mandamos dar 
este por nós asynado pera o ter pera saa resguarda de que ho trelado fiqua em uosa 
fazenda asynado per elle por honde fiqua obrigado, e posto que ao dinheiro que Ihe 
for entregue nom de fian9a todavia Ihe sera dado, porque nós ho avemos por abonado 
em sua fazenda a qual pera asy o obrigou. Feito em Evora ha xzb dias dabril. — Andre 
Pires fez de quinhentos e treze. — £ faxa mais na enfermaria bua chamine.» 

(Torre do Tombo. — Corpo Ckronologico, parte 2.*, ma^o 38, doc. 73.) 

NSk) traz assignatura alguma. 

«No8 ElEey mandamos a vós Alvaro Yelho, veedor e recebedor das obras do 
mosteiro de Sam Francisquo dEvora e ao escripvam de vose careguo que entregues 
a Martim Louren^o que bade faser dempreitada a obra do dormitorio do dito moesteiro, 
e as outras que com elle concertamos, a cadea com os cubos e roldana com que tiram 
agoa do po^o, e todas as enzadas, rodos, paas, e alferees, e sacholas, e carrancos, e 
carranquinhos e os cestos, e bara90S, drandas, e jueiras, e peneiras, e huma cyranda 
de ferro, e as padiolas, e capa9os, e cordas de guindar de linho grossas e delgadas 
e asy as desparto, e as escadas grandes e pequenas, e a tyna em que se lan9a agoa, 
que estaa a borda do P090, e himi marram grande com suas cunhas de ferro, e os 
outros marròes, e piquSes, que hy ouver; as quaes cousas todas sam aquellas que 
serviram nas obras do dito moesteiro, de que vos tinheis carrego; e nos pras que se 
girva dellas nas obras que agora bade faser, posto que por beem de sen contrauto 
nom fòssemos a yso obrigado, e soomente elle ouvesse daver as couzas nelle con- 
theudas. E de todo o que das ditas cousas Ihe entregardes cobrares seu conhecimento 
pera quando elle acabar as obras que hade £aser tomardes tudo a recadar delle, e 
aquellas que vos n2o entregar nos farees saber pera vos mandarmos a maneira que 
nisso teenhaees, e averdes provisam pera vosa conta, e entregae-lhe logo asy tudo 
por que ho aveemos asy por noso 8ervÌ9o. Bcrip.'<^ em lixbda a primeiro dia de maio 
secretarlo o fes 1513. Rey. 

As cousas que Alvaro Yelho hade entregar a Martim Louren90 as quaes hade 
tornar a receber no fim da obra.o 

(Torre do Tombo. — Corpo CfhronologicOf parte 1.% mafo IS, doc. 78. Arch. M. Ebor. coU. Blvara.) 

«Nos elRey mandamos a vos Alu.<^ Yelho, noso escudeiro e recebedor das obras 
de sam Francisco deu.* (d'Euora), que de quallquer dinheiro nesso que teuerdes 
dees a Martim Louren9o, mestre das ditas obras, quatro mill r.% de que Ihe fazemos 
merce, e vos faze Ihe muy boo paguameuto, e per este noso m&dado com seu conhe- 
cimento vos serào leuados em comta. Feito em Abramtes a xxbj de setembro — Jorje 
Diaz fez — ano de mill e b« e sete. E eu Joham dafonseca o fiz sprever e aqui sob- 
escrevy e este sera pasado pelos oficiaes da uosa chancellaria da camara. Rey.» 

(Torre do Tombo. — Corpo Chronologieo, parte l.\ mafo 6, doc. 59.) 

Nas contas tem o conhecimento, cu recibo, passado a 24 de dezembro 
de 1507, e assignado por Martim Lourenjo. 



90 

«Dom Manuell & a qoamtos està nosa carta virem £u6mos saber qne qnerendo 
nos fazer gra^a e merce a Marty Lonren^o, pedreiro, por sabermos delle qne he tali 
oficiall de seu oficio qne nesto nos serayra bem e corno a noBO semino compre, temos 
por bem e o damoa ora daquy em diamte por mostre das nosas obras da pedraria 
que se em a nosa cidade deuora e pa^oe della fizerem, asi e per a maneira quo o elle 
deae ser e o eram os outros mestres das obras nos semilbantes Ingares, qaom (tic) o 
qoal oficio queremos qne aja de mamtimento em cada bufi aono seys miU r.' — b — 
iiij qae ate ora tinha per nosa carta e os dona mill que Ibe ora nouamente acrecem- 
tamos. £ porem mandamos ao nesso prouedor em a dita cidade e a quais (sic) ontros 
oficiais nosos a qne està nosa carta for mostrada e o conhecimento pertencer qne o 
%jam daquj em diamte por mostre da pedraria comò dito he e entro algnm nam, e o 
metam log^o em pose do dito oficio e Ibo leizem semir e vsar e aver o dito mamti- 
mento, proees e percal^os que Ihe de direito pertencem sem dnnìda nem embargno qne 
Ihe a elio seja posto por qne asy he nosa merce e a carta que tinha do dito oficio e 
com OS ditos iiij r." foj rota ao asynar desta, o qnal jurou em a nosa chancelaria aos 
samtos avangelhos qne bem e verdadeiramente obre e vse do dito oficio gardamdo 
a nos noso semino e as partes sen direito. Dada è Lizboa a zxiij de mayo amt.* 
eomes a fea amo de mil e b'xiij.» _ ., , . . 

^ ^ (D. Manosi, Ut. 41, foL 51.) 

«Allnaro YeUio mamdamos vos qne deis a Martim Lonren^o em qnamto for e amdar 
omde o bora emvyamos sen jomall comò o aqnj yem9e na obra e mais Ihe pagnareis 
o allugner qne Ihe cnstar hnua beata de jda e de vymda e compri o lego asj feito em 
Evora aos xzbij dias dontnbro — Affonso Mezia o fez de j b.« biij^Bej •• — £ o qne 
njao montar aaente ho vose eacprivam e por aen aaento voa aeram lenadoa em conta, 
dom Fedro de Castro. 

Allnaro Velho qne em quanto liartim Lonren^o fbr e amdar omde o emviaea Ihe 
deia aen jomall e Ihe pagne o alngner de hnfia beata de jda e yymda. 

No terceiro linro da conta d*Allnaro Velho aa ij^ Ixzbiij folhaa ficam lan9ado8 
em deapeaa pelo acprivam dona mill ìxP zzx reaea qne deapendeo com eate pedreyro 
quando foy a Almejda per mandado de sua alteza a ver a obra que hj fez Francisco 
Danzina a saber J hy Ixzz por zzbiij dias qne là andon a Ix por dia e oa J ij« 1 reaea 
dalnger da beata qne o lenon e tronxe oa quaea Ihe ey de leuar em deapeaa per eate 
mandado por quanto oa nam leuey pelo linro — Yoam de Barroa.» 

(Obrpo Chnmologtco, parte l.\ mi^o 7, doe. 60.) 

8enhor — Martim Lourem90 meatre daa voaaa obraa qne ora eatou em a noaa vylla 
d'Allca9er fa9o aaber a nosa Alteza que per Aires de Sonaa e pollo capitam e per 
Diego Barbudo que eati aquy em nome deVosa Allteza e per allguns homens am- 
tygos da nylla se acordon fazerse a torre sobre a casa da Tafona aquall saberaa vosa 
Allteza que estaa jaa chea ate ho sobrado primeiro e a causa por qne Uogno sepos 
nella mafto rjjo foy porque asy hera mais semygo de Deus e de nossa Allteza e de- 
femaam da nylla de coyra^a e menoa deapeaa mjll cmzadoa e agora custon de se fazer 
a obra na torre por vertude de hnua caarta que Tosa Allteza mandou qne fi)y feyta 
aos soia diaa de mayo e na entra obra ae faz quanto maya ae pode fazer e maia ae 
farya anendo aemjdorea em abastam^a e nom sey porque Vosa Allteza os nom manda 
pois he tamto sen aemy^o e nom boa mandando nom sey comò ae a obra poderaa 
acabar ao tempo que me Vosa Allteza tem esprito e encomendado e nom espreno 
tamtas vezea a noaa Allteza comò beo meu deaejo polla grande sojey^am qne tenho 
que a feytura desta saberà Vosa Alteza qne Diego Barbudo perante ho capitam he 
dona mogos destribeira da nosa alteza me dyse que me quebrarya bufi paao na 



91 

eabe^a por ea fiiser huGaa Boteiras neste moro qae me parecja ser maita defémBam 
da fortellexa e 8era790 de Yosa Alltesa e nesta qaebra fyqao eom Diego Barbudo 
ate ver rrecado de yosa allteza nom Ileixando de fazer todo com ho mayor despacho 
qne ser pode — d'Allca9er a ziy dias de julho de qnìnhentoB e nove annos. Seraydor 
de uoga AUtezassMarlym Looremco.» ,^ r». , ^ ^ .^ «^«.v 

"^ * (Cbfyo OkirmcUogito, parte l.*, nut^o 8, doo. tt.) 



S4:0 — Lourengo (Hartim). — 2.^ — Mestre de oarpintarìa da Casa 
da India. Saccedeu-lhe Rodrigo Alvares, a quem D. Jo2o III nomeou por 
carta de 18 de Janeiro de 1525. 

Observaremos agora aqui, j& que o n2o fizemos no legar competente, 
qua nSo noe deixa de causar sorpresa que D. Manoel tiyesse tambem 
nomeado para o mesmo cargo a nm Rodrigo Alyares em 1520. Vide os 
artigos respectiyos a pags. 23 e 498 do voi. i d'este Diccwnario. 



B4tV — Lourenoo (Pero). Mestre da obra do convento de Palmella 
em 1738. {Ordem de 8. Thiago, liv. 32, fol. 17 v.) 

Vide Lniz Santos, entro mestre da mesma obra. 

Sobre obras no mesmo convento, vide no mesmo Uv. 32, fol. 10, 11, 
14 t;. e 18. 



S4:& — Lonrengo (Bny). Pedreiro, residente em Àlcacer do Sai. 
Tendo tido qnestSes com um barbeiro, do glorioso nome de Nonalvares, 
den-Ihe com mna espada na cabesa, fazendo-lhe mna ferida qne o teve àa 
mSos de cimrgiSes. ferido qneixou-se i justija, e Rny Lburen90 homi- 
siou-se, acolhendo-se ao perdio geral, quando D. Àffonso V partiu para 
a tomada de Arzilla e Tanger. NÌo contente de prestar os seus servi90s 
militarmente, ficou em Alcacer seis annos, sob o commando do Conde 
D. Henrique, capitZo, corrigìndo, come bom officiai que era do seu officio, 
08 muros da villa. Regressando ao reino, e sendo ha muito tempo morto 
o quereloso, requereu carta de perdSo, que Ihe foi passada em Evora 
a 21 de abrìl de 1473. 



«Dom Afonso &c. A todollos jaizes e jnsti^as &c que Rny Loaren90, pedrebro, 
morador em Alcacere do Sali nos Suiou dìzer que poderia ora auer none onos ponce 
mais ou menos que buù Nunaloarez, barbeiro, ja finado, qnerellara delle aas nossas 
jii8ti9as dìzemdo que eUe ouuera com elle razdes de proposito e Ihe dera com huùa 
espada na cabepa buua fenda de que esteuera a maSo de mestre algaos dias, polla 
quali razom se elle amorara e amdamdo amorado diz que se segira aarmada que 
fezeramos peia a tomada da uosa uilla dArzilla e cidade de Tanger, em a quali nos 
elle fora seruir e se escpreuera no liuro dos omizados per nos hordenado segundo 
veer poderiamos pollo assentamento e certidom do dito liuro, o quali peramte nos 
apresemtou, e que despois da filhada dos ditos lugares diz que o conde dom Anrique, 



92 

capita por nos em a dita uìlla, por elle soprìcamte seer boo pedreiro éiz que o teucra 
Ha por nos80 Berui^o barn per espa90 de seys meses com outroB pcdreiros a correger e 
repairar ob muros e cubelloB della e que por o dito querelloso auer grande tempo que 
era fiuado amte de nos fazermos a dita armada e destes regnos partLrmos elle nom 
curara de tirar sua carta de perdam do dito malefì90 por nos bordenado segundo o 
veer poderìamos per testemunbas dinas de fé corno se o dito querelloso finara e era 
ja morto amte muito tempo que nos a dita armada fezessemos pera a tomada dos ditos 
lugares, Ifuiamdonos elle sopricamte pidir por mercee que em gallerdom do 8eruÌ90 
que nos elle asj em a dita armada e tomada dos ditos lugares fezera e por bem do 
perdam jeerall per nos outorgado aos omiziados que nos em a dita armada forom 
seruir e por o dito querelloso asj seer finado amte da dita armada e por elio gouuir 
do dito perdam pera todo tempo elle poder viir tirar a dita carta sua de perdam e a 
bomra da morte e paixS de nesso Senbor Jbesu X.*^ Ibe quizesemos perdoar a nossa 
jnsti^a se nos a ella per rezom da dita querella e malleficio della em alguua gisa era 
tbeudo, e nos vemdo o que nos asj dizer e pedir Suiou, se asj he comò elle diz e hj 
mais nom ba, e visto comò o dito Nuno Aluarez barbeiro querelloso era morto ao 
tempo que elle sopricante diz e asj se prona per testemunbas que peramte nos forom 
apresemtadas de comò era morto amte da dita armada e visto o perdam geerall per 
nos outorgado aoB omiziados que noB em a dita armada e tomada dos ditos logares 
forom seruir e comò nos elle sopricamte em ella seruio segundo dello fomos certo per 
dito liuro dos omiziados, em que se asj escpreueo, e queremdolbe fazer gra^a 
e mercee aa bomra da dita morte e pajzam de nesso Senbor Jbesu X.'^ temos por bem 
e perdoamoslhe a nossa juBtÌ9a a que nos elle por razom da dita querella e maleficio 
della e feridas que asj deo no dito Nuno Aluarez era tbeudo. E porem vos mandamos 
que daqui em diamte o nom premdaes &c. Dada em a nossa cidade dEuora zzj ìlias 
dabrill ElEej o mSdou per ob doutores P.<> da Silua e Jobi Teizeira & Jobam Jorge 
a fez ano de nesso Senbor Jbesu x.® de mill iiij<> Izxiij.» 

(Torre do Tombo. — Chancollarl» de D. Affonso V, Ut. 33, fol. 111.) 

Vide Vasco Martins e Aflfonso Gongalves. 



S4t& — Lourengo de Sampaio (Luiz). Innooencio, no seu Die- 
donano, biographa-o concisamente, dizendo que elle seguirà a carreira 
militar, cbegando a Mestre de campo. Accrescenta que era naturai de 
Beja, ignorando-se as datas do seu nascimento e morte. Descreve d'elle 
seguinte opusculo, nada vulgar: 

Discurso politico-milUar emblema, que mostra com evidencia advertidos 
acertos para a conservagào do Principe e seu Esiodo, quando preciso seja 
muover a guerra defensiva e offensiva, com suhsistencia contra outro, posto 
que mais poderoso. Lisboa, Antonio Craesbeeck de Mello, 1670, 4.°, vm, 
19 paginas. 

A este Luiz Lourenjo dedicou Alexis CoUot de Jantillet um epigramma 
latino, que yem a pag. 368 da sua interessante obra em latim Horae Sub- 
cessivae, publicada em Lisboa em 1679. É do teor seguinte: 



93 

In librum de Architectura militari, 
formandisgue exerdtibus Aloysio Laurentio scriptum 

Expngnas celeber Laurent!, atque oppìda munis, 

Tarn varia proecipis arte modos. 
Miles & armatus per te formatur, in hostem 

Sive acie certet, sive capersat iter. 
Quicquid & Euclidea, Vegeti vel pagina docte 

Continety egre^à tua ration'e doces. 
Nempe tuum quisquis librum leget omnia habet. 

Quae Mars antiquus, quaeque hodiemus. 

NSo sabemos se este elogio se referirà & obra anteriormente descrìpta, 
se a outra, em que mais propria e explicitamente tratasse da Architectura 
militar e que ficasse inedita. 

Effectivamente Barbosa Machado diz que elUe compusera e deixara 
manuscrìpta a seguinte obra, dedicada ao Conde de Castello Melhor: Di- 
ctames de M$rte e acertoa de Bellona, 

«Dom Fedro etc. ùl^o saber aos que està minha carta de padrSo virem que tendo 
respeito aos semisos de Luis Louren90, filho de DomingOB Femandes feitos na pro- 
uincia de Alemteio por espaso de quatorze axmos em pra9a de soldado de alferes de 
ajudante de capitani de ìnfantaria de gonemador de pra9a6 e de sargento mor achan- 
do-se na campanha do anno de seis centos e quarenta e tres em todas as fausoens 
que exsercito obrou aquelle uerSo nalgnas uiUas e lugares de Castella na innestida 
de badajos nos asaltos das uillas de Ancinasola e aronches nos socorros de mourio e 
noudar em safra e Santo aleixo o anno de seis centos e quarenta e quatro a companhar 
o exsercito na entrada que se fes em maio na uilla de Albuquerque ajudando adesba- 
ratar e pdr o fogo em uillar de Bey poebla e montijo e na batalha daquellas campa- 
nbas em dia de Corpos Christi fazer sua obTÌga9So e em agosto do mesmo anno ajudar 
a socorrer monra com Algum trabalho e perigo por o inemigo ter tomado os postos 
donde ajudou a fazello por em fdgida ficando naquella pra^a tres mezes até ir de 
Bocorro pera oliuen^a em culo prezedio preceuerou sete mezes e o mais tempo até o 
anno de seis Bentos e quarenta e seis seruir nas leuas e recondu^oens de soldados e 
se acbar no ataque do forte de telena E emcontro de pasagem dagudìana ao uoltar 
da empreza E em tudo o mais que se Ihe ofereceo com pra9a de ajudante reformado 
no qual foy comtinuàdo até o anno de seis centos e quarenta e none e asestir por 
mandado de sua magestade meu pay e senbor que santa gloria baia ao porteiro mor 
Luis de mello na lena que fes de in&ntarìa e cauallaria na comarqua de Beia e mar- 
cbar bar {sic) com bua das companbias que della se formarlo pera uilla uicoza onde 
ficou de guamÌ9ao até que com ordem do gouemador das armas tomou a marcbar 
para o exsercito agregado ao ter9o do mestre de campo Dom cbancho manoel e asim 
mais prender nas uillas do torrSo e ferreira no anno de seis centos e qnarenta e sete 
atres irmaons a que cbamauSo os filbos da uelba por publicos salteadores liurando 
aquelles pouos da opre9So que padeci&o em que me fes grande seruiso e ajudar 
a fazer outras leuas de que se Ibe escreuerào cartas de aguardesimento pelle com- 
selbo de gaerra Beruindo mais sinco annos de capitam no ter9o do mestre de Campo 
Manuel de Mello e aaistir nas fortificasoens da aidea de santo aleixo por ser asim 



94 

ne^eBarìo e por ordem do donde de sam Lonrengo goaemar tres meses a pra9a 
de noudar saindo por yezes apeleiar com o inemigo qne niiilia roubar os gadoe qne 
sempre Ihe empedio recebendo hua ferida na pema esquerda nas mesmas saliidas 
e ultimamente no tempo qne semìo de sargento mor prender algons leoantados e mal- 
feitores qne infeetauSo a comarca ìntimìdando as jnsti^as e por cartas do mesmo 
Comselho de guerra ser emcarregado do anno de seis centoB e sincpenta e sinco 
do gouemo da pra9a de 8ini8 em quanto durou a aosencia de alcalde mor sebastiSo 
de Saa de meneses e proceder em tndo comò bom Boldado Henne por bem facer-lhe 
merce alem de outras de qnarenta mil reis de Renda efetina pera a ter com o abito 
de Christo qne Ibe tenho mandado lan9ar de que se Ihe pason portarìa em seis de 
fenereiro de seiB centos sesenta e dois e por reprenzentar auer se Ihe perdido antes 
de en todo se fEuser obra por ella se Ihe deu segunda com salna polla qual se obron oste 
padrSo na parte em que estinese por comprir e nisto o mais que me representon Hey 
por bem fazer merce a Luis Louren90 de sampaio comteudo a sima de que os qnarenta 
mil reis efetiuos de que neste se fes men^So se Ihe asentem em hum dos almoxarifados 
em que oouberem sem preiuiso de terceiro e nSo ouuer proibi^So pollo qne mando aos 
nedores de minha fazenda Ihe &9S0 asentar em hum dos ditos almoxari&dos e na forma 
refenda estes qnarenta mil reis e leuar cado anno na fòiba do asentamento para serem 
pagos ao mesmo Luis Louren^o de Sampaio os ter com o abito de Chiisto cuio uen- 
cimento delles Ihe comesara a eorer de uinte e quatro de julho do anno prezente 
de seis centos e setenta e hum anos e por fizmeza disc Ihe mandey dar està carta 
por (tic) asinada e selada com o sello pendente da dita ordem que sera registada 
nos liuros da fazenda della e merces que fa^o e pagon uinte mil reis que deuia dos 
tres quartos desta merce que os recebeo tesoireiro delles Antonio do conto franco 
e Ihe foram carregados em liuro de sua receita a folhas trìnta e cito uer90 comò 
se nio por oonhecimento em forma feito pollo escrìuSo de seu cargo e por anbos asi- 
nado que foy roto ao asinar desta carta e nfto pagon nono direito pollo nSo deuer. 
Dada nesta cidade de lisboa aos uinte e quatro dias do mes de nouembro — ChristouSo 
peixoto a fes— Anno do nasimento de noso senhor iezns christo de nùl e seis centos 
• setenta e hum annos — Gaspar de abreu a fis escrener — prìnsepe.» 

«Porquanto o censimento qne se dea em uinte e quatto de julho de seis centos 
e setenta e hum a Luis Louren^o de sampaio comteudo neste padrfto a tras esento 
de qnarenta mil reis de ten^ foj do dia en que Ihos mandey a sentar em hum dos 
àlmoxarifEKlos em que oouberem Hey por bem declarar que o uencimento destes qna- 
renta mil reis Ihe comesara a corer de ninte e seis de jandro de seis centos e sesenta 
e doiS) dia em que fhy seruido &zer Ihos efetiuos e com està apostìUa se cumpra oste 
padrfto — Christou2o peizoto a fes em lisboa aos ninte e dois dias do mes de dezembro 
seis centos setenta e hum annos — Luis teueira de Carualho a fis escrener — prìnsepe.» 
fToire do Tombo. — GhaneeUArU aallfa da Ordem d« Ohilito, Ut. 4A, foL 4à2,) 

«£u ElBey tendo respeito aos semigos qne Luis Louren9o de Sampayo, naturai 
de Beja e filho de Domingos Femandez, me fes depois de despachado pellos primeiros 
por portaria de 6 de fèyereiro de 662 por espa^o de none annos trez meies sinco dias 
desde 22 de outnbro de 657 athé 26 de Janeiro de 667 no posto de sargento mór dos 
termos de Moura e Beja mostre de campo dos auxilliares da mesma cidade a qual 
gonemon algum tempo no empedimento dos proprietarios achandose no i^untamento 
das fortifica90ins de Enora e Beja Eluas Campo Major e as mais pra9as da prouincia 
na espuna9&o de Mour2o fortefica90ins e reparo da pra9a defen^a della nas comarcas 
de Beja campo do ourique leuantar quatro oompanhias de infimtaria e toda a cauai- 
laria dellas com a qual passon a estremos facendo sempre soldados de nono pera re- 
eneher os tressos na prouincia da pra^a de Eluas asistir de gaaniÌ9fto ostando 



95 

nosao exersito Bobre badayos e agregandosse ao sen terso a gente da oomaroa do 

eampo de ourìqae Villa Yifloza e coimbra se Ibe emcaregar o goaemo de toda ella 

para gnamecer o forte de Santa Lnzia depois de ficar sitiado em elnas espondosse 

aos majores perigos que oane naquelle tempo tendo jnntamente a sen cargo o ter^o 

de Dom Fedro de Almeida e do sea sargento mor e nas ocazioins das Batalhas do 

rompimento das linhas se haner comparticullar yallor e com o sea ter90 socorer as 

prasas de monra mourSo e outras com os mab petrechos de guerra e baaendo noticias 

qne o inimigo intentaaa ennadir a Cidade de Beia e sua comarca ser emcaregado no 

gouemo della acudindo lego aos reparos fortificagoins qne tene a sen cargo e man- 

timentos e haner muito corno denia e da mesma maneira na cobran^a de dinheiro para 

a lena da gente qne se mandon de gnamÌ9&o a nàllen9a e no prouimento das prasas 

de Serpa e Mertolla e a lojamento de Beja e nindo o inimigo fazer hna emtrada Ihe 

sahir ao emcontro com o sen ter90 com bua canallaria da terra pellejando tam yalle- 

rosamente qne Ibe fez largar bua presa comcederanel tomando Ihe desaseis canallos 

ficando mnitos castelhanos mortos feridos finalmente em ontras deligencias particnl- 

lares qne se Ibe encaregarSo e recondn90in8 de soldados fortefica90ÌnB de pra9as e 

bauer com tanto aserto e despeza de sna fazenda qne por deplicadas cartas minbas 

o Gonemador das Armas se Ihe agradeceo o sen cnidado zollo e Ibo pertencer por 

8emten9a de jastifica9Ìo os BeraÌ908 de sen sobrinbo Francisco Dias qne naqnella pro- 

nincia semio de soldado quatro annos sinco mezes e sete dias dez 24 de dezembro de 

648 athe 30 de Mayo de 658 em satÌ8fa93o de tudo Hey por bem fEuser-lbe merce alem 

de ontras por conta dos oitenta mil reis e£Petiuo8 comò qne pellos mesmos respeitos foi 

tambem respondido da capella qne pollo Santo Officio se comfiscou a Bento nas em 

Serpa da qnantia de trinta e tres mil reis com obriga^So de fazer os emcargos 

della fiizer tombe registar a carta nas partes em qne fot nessesario e numdo aos mena 

Dezembargadores do Passo Ibe fa9So pa9ar carta em forma da dita Capella na qnal 

se trelladara oste Alnara qne se cnmprira comò nelle se comtbem e pagon de nonos 

direitos trinta reis qne se caregarfto ao Thesonreiro delles a folbas 276 — Mignel 

Yieira o fez — Lisboa 20 de Mayo de 684=sFrancÌBco Pereira de Castello Branco o fez 

eacreuersaBey.» 

(Torre do Tombo.— OhanMUAria da D. Affonio TI, Doa^jStB, Ut. 4Sy fl>l« tiS v.) 



Luoas. Vide Marqnes Lncas (Franoisoo). 



SSO— LndOYioe (Jofto Frederioo). Este é o nome italianizado 
do celebre architeoto do conyento e real palacio de Mafra, o edificio de 
maior grahdeza qne esiste no nosso paia e que é digno de riyalizar com 
Escoriai, embora nSo possaa no sen interior as riqnezas artìsticas que 
opnlentam a soberba machina architectonìca mandada constmir por Fi- 
lippe n. 

Mafira é o monumento que melhor synthetiza e symbolìza o faustoso 
reìnado de D. JoSo V, dando-se com elle a singular partìcularìdade de 
estar completo, tendo sido construìdo a bem dizer de um jacto, pois quasi 
se acabou de todo naquelle reinado, ficando apenas para os reinados se- 
guintes alguns accessorios e partes omamentaes, comò os retabulos em 
marmore das capellas. A ornamentasse d'estes altares deu legar i cria^lo 
de uma escola de esculptura, de que foi chefe Giusti e que se prolongOQ 



96 

aie ao reinado de D. Jolo VI. Foi là que se educou Machado de Castro. 
A igreja é realmente bella e a parte mais notavel de teda a gigantesca 
edificasse. 

NSo foi està a unica obra de Lndovice, em outras muitas empregou 
a sua activìdade, devendo estremar-se entro ellas a capella-mór da Sé 
de Evora, quo se afasta, pelo sea estylo classico, do resto da igreja, impo- 
nente no seu archaismo gothìco. Antigamente os archìtectos, quando eram 
encarregados de alguma reconstruc(2o, nSo ligavam importancia & unidade 
do estylo, edificando a seu gesto e segundo o capricho e a corrente do- 
minante da epoca. É por isso que se encontram tantas vezes d'esses ana- 
chronismos frisantes, corno na igreja de Belem e na Sé do Porto, cujas 
capellas-móres sofirem da-mesma anomalia da de Evora. 

Ludovico era ourives e metallista e foi nesta qualidade que veiu para 
Portugal, nos ultimos annos do seculo xvii, tendo side contratado em Roma 
pelos jesuitas para que viesse fazer o sacrario da sua igreja de Santo AntSo 
e trabalhar nas demais casas da Ordem, exceptò no Ultramar. centrato 
era por sete annos, a razSo de quinhentos escudos por anno, de dez julios 
por escudo, nio podendo neste decurso empregar-se em outras obras que 
n2o foBsem as da Companhia. As despesas do transporte, tanto da sua 
pessoa, comò do material da sua officina, seriam por conta dos jesuitas. 

Em 30 de agosto de 1701 jà elle se achava em Lisboa, pois nesta 
data procurador do reitor e collegio de Santo AntSo appareciam em au- 
diencia, requerendo para que elle cumprisse fielmente o seu contrato, 
nXo se distrahindo da obra do Sacrario e trabalbando na officina do Col- 
legio, e, nSo se sujeitando a iste, repor o que tinha levado, pagando todas 
as perdas e damnos. 

Adeante damos o texto do contrato e da peti(&o. 

Apesar d'estes desconcertos com os jesuitas, cujo desenlace desconhe- 
cemos & falta de documentos elucidativos, diz-se, nSo sabemos com que 
fundamento, que foram elles que o protegeram, que o introduziram e pa- 
trocinaram no Pa^o, fazendo com que, na escolfaa do risco para o convento 
de Mafra, Ihe fosse dada a preferencia, ficando prejudicado o Juvara. 

Ludovico gozou de grande favor na c6rte, tanto no tempo de D. JoSo V, 
comò no de D. José, nomeando-o para os mais elevados e honrosos cargos 
da sua especialidade. D. José deu-lhe uma prova de subida considera- 
selo, agraciando-o com o tìtulo de architecto-mór do reino, patente e soldo 
de brigadeiro de infantaria, com a clausula d'este cargo se extinguir por 
fallecimento do agraciado. Està mercè Ihe foi feita por decreto de 11 de 
setembro de 1750. Como resultado da munificencia regia e producto dos 
seus numerosos e prolongados trabalhos, Ludovico accumulou bens de for- 
tuna, tendo construido um palacete ao cimo da Caljada da Q-loria, que 
ainda hoje existe, e uma ermida e casa na sua quinta da Alfarrobeira 
em Bemfica. 



97 

Falleceu em Lisboa na madrugada de 18 de Janeiro de 1752, sendo 
celebradas as suas exeqiiias na igreja da Encama^So, com grande assis- 
tencia da nobreza. Morava, quando falleceu, na Rua Larga de S. Roque, 
e foì enterrado na mesma igreja, segundo o assento obituario, que adeante 
publicamos e que devemos à amabilidade do digno prior. 

O Sr. Visconde de Sancbes de Baena publicou em 1881 um opusculo, 
intitulado Apontamentos acerca da liographia do notavel architecto da Ba- 
silica Realj Palacio e Convento da ViUa de Mafra, onde trata principal- 
mente da genealogia do grande artista, baseado sobretudo no processo 
de habilita^Zo para familiar do Santo Officio. Alem de alguns documentos 
que saem aquì pela primeira vez k luz, transcreyemos de Volkmar Ma- 
chado a nota biographica de Ludovico e mais dois trechos de escriptores 
acèrca dos seus merecimentos e trabalbos artisticos. 

«Era AlemSo, posto que a sua familis fòsse de origem italiana. Bario de 
Schomberg em 1787 disse aos seus parentes que era seu patricio, nascido em Ratis- 
bona, onde o conhecera Militar Engenheiro e que cessando o seryi90 por occasi&o 
da paz foi-a yiajar na Italia, aonde adquirira grande aproyeitamento na Arte, corno 
em litteratura; porque, ou fòsse entào ou que nos seus primeiros annos se applicara 
à Jorisprudencia, ha na livrarìa de seu neto alguns livros de Direito annotados por 
elle, e muitas yezes consultados pelo doutor Garcia e por ontros letrados. A sua eru- 
di^ào na historia, fisica, mathematica e historia naturai Ihe grangeou a amisade dos 
Jesuitas, a qual Ihe yaleu multo (diz a fama publica) para na direc9&o da Obra de 
Mafra ser preferido a Filippo Juvara e a Antonio Canevari. Teve tambem amisade 
com OS Padres do Oratorio, aonde professou bum de seus filhos do seu mesmo nome, 
que falleceo em 1755. 

Frederico chegou a Lisboa no principio do seculo e em 1707 foi empregado comò 
Architecto por D. Jofio o h,"^ para a factura da Obra de Mafira, cuja 1.* pedra se lan90u 
em Novembro de 1717. Està grande Obra, ci\ja. Basilica foi sagrada em 22 de Outubro 
de 1730, he digna de hum D. JoSo, e foi fortuna para tanta magnìficencia, encontrar 
bum Architecto habil, e com espirito proporcionado ao seu. primeiro ordenado que 
teve fòi de l:000|iOOO r*, quantia assàs avultada naqaelle seculo de curo. Foi tambem 
gratificado com a Cruz da Ordem de Christo, menos Tulgar entào do que he agora 
Além de muitos desenhos que delineou para Obras Beaes, alguns dos quaes nio se 
executàrSo pela morte do Rei, outros nao se acabàrSo pela parlezia de que elle mesmo 
foi atacado. Fez a Capella Mór de S. Domingos, que foi acabada pelo Padua; a 
Capella Mór da Sé de Eyora, que he sumptuosa e bella; a sua ermida em Bemfìca, 
notayel, ainda que em ponto pequeno; a porta da Capella Beai, que està hoje na 
Igreja de S. Domingos, e o seu palacio no cimo da cal9ada da gloria. Faleceo em 
Janeiro de 1752 tendo 80 e mais annos de idade. Casou duas yezes, a 1." em Napoles 
com huma formosa e honesta Senhora, que morreo de parto do seu filho JoSó Fedro 
Ludoyice, pae de José Joaquim Ludovice, EscrivSo da Camara no Desembargo do 
Pa90. A 2.* em Lisboa em 1720 com D. Anna Maria Yemej, de quem teye seis filhos, 
deus dos quaes tiveram grande engenho para a Arte. l.<> Caetano Ludoyice, que 
morreo na idade de 27 ou 28 annos; e o 2.® José Joaquim Ludoyice, que fez o risco 
para a Igreja e Conyento dos Padres do Espirito Santo, e morreo nas Caldas em 22 
de julho de 1803, sendo jà septuagenario. 

JoSo Frederico n2o so foi bem acceito ao Senhor D. Jo2o o 5.^, mas tambem ao 
Senhor Bei D. José, o qual por Decreto de 1750 declarou que pela grande capacidade 



98 

com que servirà por tempo de 48 annoB ao Senhor Rei D. JoSo, desenhando e ÒLzeado 
modelos com tal acerto que ezecutados deixSo bem vèr a magnificencia de quem os 
mandoa por ém ezecn^&o, e instruindo os operarios empregados em taes obras com 
tanto zelo que à sua doutrina se deve o grande adiantamento em que se achSo as 
Artes nestes Reinos, o dedara Architecto Mór do Reino com Patente, soldo e gra- 
duafSo de Brigadeiro de Infantarla, na 1." plana da Corte etc. 

Este Artista benemerito modelava, esculpia em prata e outros metaes, e desenhava 
omatos e figuras com grande magisterìo. Quem olhar para a sua obra de Mafra com 
atten^So e intellìgencia vera o quanto era sàbio em perspectiva. Na Architoctura 
seguio estylo dos Seiscentistas, quero dizer, de Bernini, de Borromini e principal- 
mente de Fedro Pozzo, moderando -se mais nas liberdades que elles tomarlo. modo 
de lavrar bem omatos de pedra data do seu tempo, e bem se deiza vèr nos capiteis 
e omatos da Porta da Igreja de S. Yicente, nos do Collegio de Santo Antfto, nos do 
Menino Deos, de Nossa Senhora da Lnz, e em todos os outros edificios mais antiigos 
que OS de Mafra, que a pedra era mal cortada e toda a mio d'obra poueo elegante.» 

(Volknuur MachadOi CoUào^ de Mmoriatf pag. 176 e segointes.) 

tO anteparo da Igreja se cobrìa com bua obra de singular pincel, debuzo do ce- 
lebre Federico. Mostrava bum pavilhSo corride por dous Ai^jos descobrindo bum 
retrato do B. P. Jo&o Francisco Regis, obra do afamado D. Julio, ciga mSo se n2o 
pintou dirigìo o pincel de toda a obra, assàa louvor de seu Autbor ter side discipulo 
de tal Mestre.» 

{aOagSo doi/etku na htaHfiea^ do Padn Jò8o Frandteo BtgìM, Lisboa, 1717, pag. 18.) 

Fr. Manoel de Si, descrevendo a capella-mór da igreja do convento 
do Carmo de Lisboa e as suas alfaiaé, diz o seguinte: 

«0 ornato do Aitar be tSo precioso, que nSo ba outro melbor, nem mais curioso 
nesta Corte. frontal e banqueta sfto de prata, de ezcellente lavor. Alem dos seis 
casti^aes e Cruz da mesma, que servem commumente, tem outros, que sondo iguaes 
no numero, sio tfto singulares, que o feitio de cada bum custou duzentos e vinte mil 
reÌB, e todos seis importar&o dous contos trezentos e quarenta e tres mil quinbentos 
e oito reis, conforme o rol da despeza e recibo da dita importancia, feito pélo insigne 
JoSo Federico, que foy o artifice delles, que tem os pés triangulares; em buma face 
a Imagem da Nossa Mfty Santissima: em outra a do nesso Patriarcba o grande Elias ; 
e na outra as Armas da Ordem, com bum letreiro que diz : Sendo Saeristdo o Padre 
PreserUado Passos. A primeira vez que se puserao no Aitar, fby a 15 do mez de Julho 
de 1718.. 

(Fr. Manoel de BL^^Mmorioi Rtiorieoè da Ordem de Nòeea Sahora do Oarmo, tomo i, pag. 100.) 

t Jeronimo Lamporelly, caualleiro professo da bordem de nosso senbor Jesus 
Christo, fiunilliar do Santo Officio, publico Notarlo Appostolico, escriuSo do Tribunal 
da Legacia e da Camera appostolica, certifico e fa90 fé que por Antonio Gromes me 
foy apresentado bum papel em lingoa italiana, ciga tradu9&o nesta portugueza, de 
verbo ad verbum, be a seguinte : Deuendosse fazer pera nosso semi 90 bua obra de 
prata e metal nos mosteiros, collegios ou outros lugares dos padres da Companhia de 
Jesus em Portugal, ezcepto nas eomquistas, e querendosse valler da obra do senhor 
Jofto Federico Ludouisi, natine em Suecia {ite, por Suevia) na cidade de Ala, nos temos 
com elle ajustado e tem prometido vir a Portugal quando por nos fiquem aprouados, 
retificados e compridos os infrascriptos pactos, capituUos e condÌ9Òes, os quaes por 
nós bem conciderados os aproaamos, retìficamos e prometemos, tanto em nome proprio 



99 

corno do8 noBSOfl na dita cidade ezistentes, e obrigamos nossos benos e delles pera o 
to^ comprìmento nas solitas e autenticaB formas da reuerenda Camera Appostolica e 
de aqnella Real em todo o milhor modo que podemos e denemos com nosso juramento 
tacto pectore. Prometemos de Ihe dar pella obra por sette annoa ao menos oa nosso 
ou de outroB e por todo o discorso de sete annos, que se hfto de principiar o dia que 
partirà de Roma de Ihe manter o sallario ou seja conhecimento de escndos qoinhentos 
de jnlioB dez por escado annnos que se Ihe h&o de pagar de tres em tres meses ante- 
cipadamente com dedara^Ao porem que no tempo da yiagem athe que principio a 
obra de Ihe dar somente a rezfto de sette jnlioB por dia porque assim: que se Ihe darà 
gentar e cea por cada dia pera elle somente cosido por conta doa ditos Padres, ou era 
conforme se ajustar com ob Padres, ou se quizer se poderSo ajustar em moeda contante 
(oarrentef) em Lisboa durante ob sete anos porque assim nSo faltarlhe durante ob 
sete annoB de Ihos sommenistrar, em caso que se Ihe falte que per qual quer rezSo nfto 
se quisesse ou se nSo podesse proseguir e continuar a obra Ihe seja permittido partir, 
com Ihe ficar firme a au9fto de pedir o conhecimento ou sallarios comò se foBse ficado 
inteiramente por sette annos, tendesse aasim estabelecido de Ihe dar cada anno o dito 
conhecimento durante hum settenio ainda quando nSo ficasse nem trabalhasse nas nos- 
saa obraa ou de outros ao praaer dos Padres e nfto de entra aorte acabado o settennio se 
quiserem continuar a obra ou que nSo seja totalmente reduzida a perfeÌ9So se denerSo 
outros patoB, capituloa e conuen^dea aegundo o parecer de qnem diaao tiuer o cnidado 
aeja porem a elle liure de se deter ou largar comò a elle Ihe parecer e quizer nfto 
obligandosse mais que por um settennio com dedara^fto porem que ficando o dito ae- 
nhor Federico em Portugal depois do aettennio nfto poderà trabalhar em outras obraa 
mais que no serui90 dos Padrea, quando oa ditos Padres o quizerem e Ihe farSo nonoa 
pactoa e nfto de entra aorte. Deuera trabalhar a jomadaa correntea aa auaa horaa ae- 
gundo se eatilla em Lisboa em lugar capas e nfto humido nem deacuberto, maa que 
tenha boa Ina na nossa caza e nfto de outra aorte nem em outro legar nem tempo porque 
assim. Os homens que forem necessarios pera o trabalho se hauerfto de proner a nossa 
custa ou a jomadas ou de outra sorte e nisto o mesmo nfto terà nenhnma cousa. Os ferros 
que se requerem pera o exercicio de prateiro e de bronse e outro metal os deuerà ter 
dito Federico a sua custa sempre capaaes pera a obra e nfto de outra sorte. Os ferros 
e tudo o nuda neceasario pera a obra deuerà aer prouido a noaaa custa semente elle 
darà ordem pera o que conhecer Ihe sera necesaario pera a obra que aasim. seu 
eatudo que tem em Roma com sena ferrea e tudo o mala neceBsario bade conduzir pera 
Lisboa se Ihe farà condusir a todo nosso custo de tal modo que tudo recebera franco 
e liure de todo porto e alfandega e o mais em Lisboa e porque se nfto percfto se &rfto 
segurar, e caso que se perdessem (o que Deos nft<vpermita) se Ihe pagara por anno 
escudoa pelle vallor dellea ou se Ihe reintregarfto conforme se poderà gustar e todo 
dito estudo e ferros sera obrigado e dito Federico de os entregar aquy em Roma aos 
Padrea que oa mandarfto pera Lisboa por cau9&o do dinheiro, que ae Ihe dà aquy em 
Roma e nfto de outra sorte. Deuerà fazer a obra conforme e molde, ae ajustarà no me- 
Ihor modo segundo chega a arte e usar toda a dìligencia obrando christamente de tal 
modo que seja yniforme ao molde e o dito molde sera ajustado primeiro com os Pa- 
dres e ao depois, se o dito Federico nft fizer semelhante a obra ao molde, sera obri- 
gado a fìizer a noua obra errada a propria custa de Federico, e tambem ae deue en- 
tender o mesmo pacto se a medida nfto fosse jnsta e nfto de outra sorte se Ihe darfto 
treaentoa eacudoa antecipadamente aquy em Roma no auto de partir a conta da Pro- 
uisfto do primeiro anno doa quaea darà recibo porque aasim. Se Ihe darà eacudos pera 
o sustento de Roma athe Gknoua e a seje a nosaa custa e nfto de outra aorte. Chegando 
a Genoua correrà por conta dos (eie) de o prouer do necessario embarco athe Cadix 
ou outra parte a nosaa costa aaaim pera o necesaario comò matalotagem pera a aua 



100 

pessoa e pera bum mo^o obreiro que comsigo deue trazer qae assim. Se em Lisboa 
durante o settennio cabisse enfermo (Deus o conserae) on que por algua indisposi^So 
nào podesse trabalbar onto dias semente de tempo, serfio os nossoe obrigados, alem 
do sustento, de Ibe sommìnistrarem o necessario de medicos, botica, e tado o mais 
nem retardarlbe o costumado sallario ou conbecimento, e dorando a doen9a mais de 
outo dias, sera obrigado o dito Federico a cnrarse a sua custa e os Padres nSo scrSo 
obrigados a nada nem menos o sallario athe que nSo commence de nono a trabalbar. 
N3o acbandosse bomens capases pera trabalbar se deae a nossa casta buscar e se 
por està causa faltasse a obra e se nio pudesse trabalbar sera a nesso prejuizo corno 
tambem de o prouer de quanto sera necessario pera a obra, de tal modo que por nossa 
culpa nSo Ibe falte o trabalbo durante os sete annos e nSo de outra sorte. Acabada 
a obra e sondo de satisfa^So dos Padres, Ibe darSo bum reconbesimcnto a arbitrio dos 
Padres conforme a satisfafSo que tiuerem e bom modo do dito Federico. 

Pera obserya9So de quanto se contbem por nossa parte nos obrigamos os nossos 
bens presentes e ^turos e os dos nossos em Lisboa na mais ampia forma da reuerenda 
camera Appostolica e Real com juramento tacto pectore e se asina o Beuerendissimo 
Padre Manoel Correa assistente em Roma pellas prouincias de Portugal e para ob- 
^erra^So de quanto se contbem por minba parte eu abaizo assinado com juramento 
me obrigo na mais ampia forma da Eeuerenda Camara Appostolica e Beai e em f é 
este dis. Se dedara no Capitolo que o senbor Federico sera obrigado a trabalbar 
tambem em logares fora das nossas casas e conuentos donde Ibe for ordenado com- 
tanto que sej&o a proposito pera o seu trabalbo. 

(Seguem a» agn^naturas.) 

Julgo a notificammo por sentenza e mando se cnmpra comò nella se contbem 
e pague o Reo as custas. Lisboa des de Setembro mil setecentos e bum. SebastiSo 
Gomes LeitSo.» 

Petigào 

«Dizem Padre Reytor e mais Relligiosos do Colegio de Santo AntSo da Com- 
panbia de Jesus desta cidade que elles se contratarfto com Federico Ludouicio pera 
Ibes &zer a obra do sacrario à sua igreja por tempo de sete annos com as dausullas 
e condÌ95e8 ezpressadas no seu centrato, buma das quais be trabalbar continuada- 
mente na officina que est& dentro no Collegio sem se poder diuertir pera outras obrai^ 
e porque o suplicado nSo trata de continuar com a assistencia na forma do seu cen- 
trato e se ocupa com outras obras differentes em notarlo prejuizo dos suplicantes. 
Pedo a uossa merce Ibe fa9a merce mandar que o suplicado seja notificado para que 
lego yà continuar com a obra dos suplicantes, nSo se ocupando com outra algua com 
comina9So de repor o que tem leuado e pagar todos as perdas e dannos que resultarem 
aos suplicantes e recebera merce.» 

(Toxre do Tombo.^Doonmentos JesnitlcoB vlndos do Tribunal de Contas, ma^ 66.) 

cDom JoSo por gra^a de D." etc Fa90 saber aos que està minba carta virem que 
£u Hey por bem fazer merce a JoSo Federico Lodoyice da propriedade do officio de 
Mestre Arcbiteto das obras do Real Mosteiro de Sio Yicente de fora para o servir 
assi e da maneira que o seruirSo seus antecessores emquanto eu o bouuer por bem e 
nSo mandar o contrario, com declara9So que tirandolbo on eztinguindoo em algum 
tempo por qualquer causa que seja, minba fazenda Ibe n&o ficard perisse obrigada a 
satisfa^fto algua, com o qnal officio bauera de mantimento a elle ordenado em cada 
bQ anno sessenta mil reis pagos pelo dinbeiro aplicado As ditas obras e assi mais todos 
08 proes, e percalgoff que direitamente Ibe pertencerem assim e da maneira que os bauia 
Luis Nunes Tinoco seu antecessori Pollo que mando ao Prouedor de minbas obras e 



101 

Pa^OB Ihe de posse etc. Felix de Azeuedo a fes em Lisboa occidental a des de De- 
sembro de 1720 aonos. £ a carta de seu antecessor Luis Nnnes Tinoco se rompeo 
tambem ao asignar desta. Belchior Felix Rcbello a fes escrever ElRey.» 

(Torre do Tombo. — Cluuicellarla de D. Jo&o V, Qffkiot • Merci$, liv. 59, fol. 71.) 

«Tendo considera9&o & grande capacidade, intelligencia e prestimo com que ser- 
YÌo de Àrchitecto a ElSey meu senhor e Pay pelo tempo |de quarenta e tres annos 
JoSo Federico Ludovici, debuxando plantas, profiz e omatos e fazendo modelos para 
as principaiz Obras que o mesmo Senhor mandou fazer assim neste Beino corno fora 
dele nSLo so com aprova^So e louTor dos maiores Artificis da Europa, mas com tal 
acerto e explendor que executadas mostrSo bem a magnificencia e grandeza de quem 
as mandou fabricar, e instruindo nas que se fizeram nestes Reinos com tal direc^So 
e actividade aos operarios que à sua doutrina se deve o grande adiantamento com 
que neles se acbSo prezentemente as Artes, e a continuar o mesmo exercicio no meu 
Servilo, que confio dele cumprirà multo à minha re al satisfa^^, e porque a muitos 
Arcbitectos ciyeis em que nSo concorrerlo as mesmas circumstancias nem servirlo 
tanto, nem com tanto prestimo corno o dito JoSo Federico Ludovice, se tem dado 
Patentes de postos militares sem que houvessem scrvido militarmente, e ser da minba 
real intonalo bonrar e adiantar os bomens que se distinguem relevantemente nos 
empregos do meu Real Servi90, Hey por bem fazer Ibe mercé de o nomear Àrchitecto 
mór destes Reinos com Patente e Soldo de Brigadeiro de fn&nteria, que baveri na 
primeira plana da Corte, e que todos os mais Architetos civeis Ihe sejam subordi- 
nados, obede9So e guardem suas ordSs no que tocar a meu servilo, com declara^So 
que Mlecendo b dito Jo&o Federico Ludovici se extinguirà o dito Cargo de Architeto 
mór, sem que h^'a de servir de exemplo a outra algua pessoa. Conselho de Guerra 
tenha assim entendido e pela parte que Ihe teca o fa9a executar. Lisboa a onze de 
Setembro de mil setecentos e sincoenta.» (Com rubriea de Sua Magutade.) 

(Torre do Tombo.»Deoretof remettidof ao Oonaelho de Ouerra, nM9o HO, n.^ 8.) 

«Na madrugada do dia 18 do corrente (jaTieiro) fialeceu com todos os Sacramentos 
Joam Federico Luduvici, naturai da cidade de Halla do circulo de Suevia em Ale- 
manha; Yaram insigne nas artes de Pintura, Escultura, e Architetura, Cavaleiro pro- 
fesso na Ordem de Christo, Àrchitecto mór destes Rcynos^ e Brigadeiro de Infanta- 
rla, a que fby promovido por especial Decreto do Rey N. Senhor de 11 de Setembro 
de 1750; havendo respeito nam so ao esplendor da grtmde e magnifica obra de Mafra, 
e de outras, que se deveram 4 sua vasta idèa e aos seus debuxos, mas ao beneficio, 
que fez è, na9am Portugueza de aperfeÌ9oar os seus artifices. Foi exposto na Parochia 
de N. Senhora da Encama9am, em que se oficiou e sepultou no dia seguinte, com 
grande assistencia da Nobreza, e MinistroB da Corte.» 

(GfoMte de lÀèloa, «imo de 1752, pa^. 72, nomerò oorrespondente « 85 de Janeiro.) 

No livro 4.^ dos obitos, a fl. 285, encontra-se o seguinte : 

«Aos dezoito dias do mes de Janeiro de mil setecentos cincoenta e dois falleceu 
com todos OS sacramentos na rua larga de S&o Roque JoSo Federico Ludovici casado 
com Dona Anna Maria Yemey Loduvici, foi sepultado n'esta Igreja e nSo fez testa- 
mento. cura Paschoal da Costa». 

«No dia 8 de Janeiro fiillecéo, com todos os Sacramentos, em Lisboa, na idade de 
setenta e sete annos, JoSo Pedro Frederico Ludovici, naturai da cidade de Halla do 
circulo da Succia («te) em Alemanha, varSo insigne nas Artes de Pintura, Escultura e 



102 

Architectnra, Cavalleiro Professo na Ordem de Christo, Architecto Mor destes Beinos 
e Brigadeiro de Infanteria, a que foi promovido por especial Decreto do Senhor Rei 
D. José, de 11 de setembro de 1750, havendo respeito nSo so ao esplendòr da grande 
e magnifica Obra de Mafra, de que tracta o Tomo viir, e de outras, que se devérào a 
sua idèa, e aos seus debuzos, mas ao beneficio, que fez à Na^So Portugaeza de aperfei- 
9oar OS sens Artifices. Foi esposto na Parochia de Nossa Senhora da Incama9&o, em 
que se officiou e sepultou no dia seguinte, com grande assistencia da Nobreza, e Mi- 
nistros da Córte. seu Retrato estava, onde muitas vezes o vi, no seu Palacio da 
Quinta da Alfarrobeira, Freguezia de Bemfica, em poder de seu Neto, José Frederico 
Ludovici, de que fallei ilo tomo xi a foi. 40. Neste Palacio se restablecéo da sua mo- 
lestia, conseguindo conhecidas melhoras, a Serenissima Senhora Infante Regente, 
D. Isabel Maria, noVer&o de 1827.» 

(QahiiuU Bùtorieo, tomo zn, pag. 180 e aegi. Beferente ao anno de 176S.) 



C5C51— Ludovico (José Joaqtdm). Era filho do antecedente. 
Volkmar Machado dà-nos d'elle os seguintes tra^os biographìcos: 

f Jose Joaquim Ludovìce que fez o rìsco para a igreja e convento dos 
Padres do Espirito Santo, e morreo nas Caldas em 22 de julho de 1803, 
Bendo jà septuagenarìo». (Ob. cU., pag. 178). 



BS2 — Llliz (André). Era mestre pedreiro e D. Filippe o nomeou 
mestre das obras da igreja de S. Vicente, de Villa Franca de Xira, per- 
tencente à Ordem de Christo. (ProvisSo de 22 de ontabro de 1618). 

«Dom Phelipe per girala de Deus Key de Portugual e dos Alguames daqnem e da- 

lem mar em Africa senhor de Goiné &c., corno gouemador e perpetuo administrador 

que soa do mestrado, caualaria e ordem de noso Senbor Jbesus Christo, fa90 saber que 

auendo respeito ao que na peti^So atras esenta dis Andre Luis, mestre pedreiro, e 

yistas as cousas que alegua, ey per bem e me pras que eie seya mestre das obras 

da igreja de sao Vicente de Villa Franqua de Xira da dita ordem, emquanto o eu onuer 

per bem e nfto mandar o contrario, pelo que mando a todas as pesoas, oficiaes, justi- 

9as a que o conhecimento disto pertencer o %j&o por mestre da dita obra aaìm e da 

maneira que nesta prouisSo se comtem, que em todo cumprirSo sem a iso porem 

dnvida nem contradÌ9ao algua e yalera comò carta posto que o efeito della aja de durar 

mais de bum anno sem embargo de qualquer prouisSo ou regimento em comtrario sendo 

passada polla chancelaria da dita ordem. Elrey noso senhor o mandou pellos depu- 

tados do despacho da mesa da comsiencia e hordem. Dom Antonio Mascarenhas 

e Francisco Pireira Pinto— SimSo de Lemos de Carualho a fes em Lisboa aos uinte 

e deus dias do mes de outubro de mil e seiscentos e dezoito — Gaspar Ferreira a fes 

escreuer.9 

(Torre do Tombo. — Chanoellaria da Ordem de Chilsto, Ut. li, foi. 161.) 



SS3 — Luiz (Balthasar). M090 da camara do cardeal-reì D. Hen- 
rique, qne, em 22 de setembro de 1578, nomeou mestre das obras de 
carpintarìa dos pa^os ou casas de sua aposentadoria das cidades, villas e 
logares onde quer que estìvesse, nSo sendo Lisboa, Santarem, Àlmeirim 



103 

ou em qualquer outro logar onde houvesse mestre de obras de oarpintaria 
nomeado por provisfto re^a. Succedeu neste cargo a Luiz Lopes, e foi 
seu successor, por seu fallecimento, em 1616, Balthasar Rodrìgues. 

«Dom Anrìqne &c. Aob que està minha carta yìrem fa90 saber que confiando eu 
de Balteear Luis, meu 111090 da camara, que nas coosas de que Scaregar me servirà 
bem e fielmente, corno a meu servigo compre, e por Ihe fazer merce, tenho por bem 
e don ora daquì em diSte por mestre das obras de carpitaria dos pa^os ou casas de 
mea apoasStamento das cidades, yillas, lugares, onde quer que eu estiuer nS sendo 
em Lizboa, Santarem, Almeirim ou em qualquer outro lugar onde ouuer mestre das 
obras de carpStarìa por minha prouisSo ou delBei dom JoSo meu senhor e irmilo, que 
Deus tem, ou do senhor Rei meu sobrinho que Deus tem, qual carguo yagou por 
fallecimento de Luis Lopez, que tinha por carta, e avera o dito Baltesar Luis de 
m&timento e ordenado com o dito carguo em cada bum anno quatro mil rs. pagos na 
impo8Ì9So dos vinbos desta ddade de Lisboa, que he outro tanto mStimento corno 
tinha o dito Luis Lopez, e por tanto mftdo a Aluaro Pirez, fidalgo de minha casa, que 
tem carguo de prouedor de minhas obras que Ihe de a posse do dito carguo e dahi 
em di&te Iho deixe seruir e auer dito m&timento, de que se farà asento nas costas 
desta, e aos veadores da minha iazenda que Ihe i&^^ asStar os ditos quatro mil 
no lh9 das ordinarias della e leuar cadauno na foiba do asStamento da dita casa, 
e eu ey por bem que dito Baltesar Luis goze e yse de todos os previlegios, liberdades 
de que gozào e vsS os outros mestres de minhas obras, e seruira o dito carguo asi nas 
obras de meus apousStamentos corno em quaes quer outras obras que mftdar fazer 
nos ditos lugares, e jurara na minha chancelaria aos santos euag^lhos que bem e ver- 
dadeiramente sirua dito carguo guardando em tudo meu serui90 e as partes seu 
direito. Dada em Lixboa a xzij dias do mez de dezembro — JoSo Aluarez a fez, ano 
de j b" Izx biij (1578). £ eu Aluaro Pirez a fiz escreuer.» 

(Torre do Tombo. — Ghancellarla de D. Sebaftilo e D. Henriqne, Doa^f Itr. 48, fol. 145.) 



SS4L — Luiz (Estevfto). Komeado, em 18 de novembro de 1702, 
ajudante engenheìro para aseistir na praja de Feniche. 

«Hei por bem nomear a EsteuSo Luis por Ajudante engenhr.<^ para assistir na 

praQa de Peniche com o dito posto em quanto eu o houuer por bem e nSo mandar 

o contrario, e yencerà o soldo que Ihe pertence. conselho de guerra o tinha assim 

entendido e Ihe mandarà dar os despachos necessarios. Lz.* 18 de Noyr.» de 1702. — 

BeL» 

(Torre do Tombe. ^Decretoc remettldoe ao OonieUko de Oueir», ma^o 61, n.* 61.) 



BBS — Luiz (Francifloo). Mestre de obras de pedrarìa. Nomeado 
para ir exercer este cargo no reino de Angola por alyari regio de 19 de 
dezembro de 1609, indo na companhia de Antonio Gon9aly6S Pita, fidalgo 
da Casa Beai, capitSo-mór da gente branca residente no Congo. Tinha 
de ordenado yinte e quatro mil reaes. 

«Eu ElRey ia^o saber aos que este alyarà yirem que pela boa informa9&o que te- 
nho de Francisco Luis, mestre dobras de pedreiro, e necessidade que delle ha no Beino 
de AmgoUa para as que sSo necessarìas faaerse nelle e outras que mando que se fa9So 



104 

naqnellas partes que vSo a cargo de Antonio Gon^alves Pila, fidalgo de mìnha can 
qne Svio por capitSo mor da gente portagaesa que reside no reino do Congo, ey por 
bem e me praz de Sncarregar de mestre das ditas obras ao dito Francisco Luìb, e qne 
elle aja de ordenado em cada hii anno, em quanto là semir, vinte e qoatro mil rs., 
08 qnais cooie^arà a vencer do dia qae desta cidade partir em diante, a qnal partida 
justificarà pelos officiaes e gente do navio em qne for, e Ihe serio pagos no meu feitor 
do dito Reino de Amgolla aos quarteis do anno por yirtude deste semente com certi*, 
d3o do gonemador do dito Beino ou do dito Antonio Gon^alves Pita de comò seme 
e vsa seu officio, com o qual e treslado deste alvara qne sera registado no liuro da 
despesa do dito feitor pelo escriuSo de sen cargo e conhecLmento do dito Francisco 
Luis se Ihe leuarà em conta o que pela dita maneira Ibe pagar e isto anera éffeito 
Sbarcandose o dito Francisco Luis deste Beino em c5panbia do dito Antonio Gon^al- 
yes Pita, de que outrosi là o£Perecera certidSo, e Ibe serSo descdtados nos primeiroa 
vencimentos doze mil rs que neste Beino Ibe midey pager adiantados à cota do dito 
ordenado. NoteficoQ asi ao men gouemador do dito Beino de Amgolla qne ora be e ao 
diante for e Ibe mSdo e ao dito Antonio Gron9alyes Pita e a todos os meus feitores, 
officiaes, justÌ9as e pessoas a que pertencer cuprao e guardem oste da maneira que 
nelle se cotcm, o qual valerà comò carta &c. SimSo Luis o fez em Lixboa a zix de ju- 
nbo de mil bj.« e none (1609) ; eu o sectetario Antonio Viles de Cimas o fiz escreuer.» 
(Torre do Tombo.— CbancelUrU de D. Fhillpe II, Dqo^, Ut. SS, ffoL 165.) 



SS0 — Luiz (Jofto). — 1.** — Pedreiro, morador em ^afini- D- Ma- 
noel nomeou mastre das obras de pedraria da mesma cidade com dois 
mil reaes de mantimento por armo, que era outro tanto quanto tinha o 
mestre de obras de Arzilla. Carta de 3 de junho de 1513. 

Devia ser fallecido por 1524, pois a 14 de novembro d'este amio no- 
meou D. JoSLo in, para o substituir, a Luiz Dlas. Vide voi. i, pag. 280. 

Ou Luiz Dias nSo foi exercer este cargo, por exercer outra missSo, 
ou pouco tempo là se demorou, porque em 1526, a 15 de novembro, no- 
meava D. JoEo III a Garcia de Bolonha, dando-se a curiosa partìculari- 
dade de se dizer na respectiva carta que ia substituir a JoSo Luiz. Vide 
voi. I, pag. 115. 

«Dom Manuell &. A quantos està uosa carta virem fazemos saber que querendo nos 
fazer graca e merce a Jobam Luis, pedreiro, morador em a nosa cidade de Qafim, 
comfiamdo nos delle que nysto nos sentirà bem corno compre a nesso seruÌ90, temos 
por ben e o damos ora nouamente por mestre das obras da pedraria da dita cidade, 
asy corno elle o deue ser e o sam os mestres das obras dos outros nosos lugares dalem; 
e porem mandamos ao nesso capitam em a dita cidade e ao nosso contador em ella e 
a qualquer outro noso oficial ou pesoa a que bo conbecimento pertencer que bo ajam 
daquy em diante por mestre das ditas obras em a dita cidade e Ibe leizem seruir o 
dito oficio e auer o dito mantimento a eie bordenado, o qual jurou em a nossa cban- 
celaria aos santos evangelbos que bem e verdadeiramente sirua e vse do dito oficio, 
guardando a nos noso servilo e as partes seu direito. 

Dada em Lixboa a iii dias de junbo DiogoVaz a fez anno de mill e b" e xiii anos 
com qual oficio auerà de mantunento dous mil r." èm cada bii anno que be outro 
tanto quanto bam (sic) bo mestre das obras dArzilla.» 

(Torre do Tombo. — CbaneeUari« de D. Mimoel, liv. 42, fol. 46.) 



105 

SSV — Luiz (Jofto). — 2.® — Pedreiro, morador na vUla de Cintra. 
Foi mestre de obras do forte do Seixal, na villa de Alcacer, em Africa, e 
trabalhou no despejo e entulfao do rio, assistindo com o capitSo Bemaldim 
de Carvallio e com a gente qne trazia nas ditas obras aos rebates do ini- 
migo, pelo qne o mesmo oapitZo Ihe passou alvari de cavalleiro a 20 de 
mar^o de 1550. D. JoSo III confirmou esté alvarà a 22 de agosto do mesmo 
anno. 

Pela mesma epoca tambem foi mestre de obras do Seixal nm Braz jSo* 
drigìjbes {vide adeante este nome) a quem o capitSo Bemaldim de Car- 
valho concedeu igaal alvari de cavalleiro. 

«Dom JobSo etc. A quantos està minha carta virem fa^o saber quo por parte 
de JohSo Luis, pedreiro, morador na villa de Sintra, me foy apresentado hun aluara 
de Bemaldim de Caruaiho, fidalguo de minha casa, que foj capitfio da villa d Alcacere, 
feito a vinte de mar9o do ano presente de b* 1.^* (1550), pelle qual se mostraua que 
per dito JohSo Luis me seruir de mestre das obras do Seinall, que se na dita villa fa- 
zia, e no despejo e entulho do ryo della, e por se achar com o dito capitSo com a gente 
que trazia nas ditas obras com todolos rapiques e o merecer, o fizera caualeiro, se- 
gundo mais inteiramente hera contbeudo e declarado no dito aluara; pedindome por 
merce que Iho confirmase e mandasse que Ihe fossem guardados os prìvilegios e liber- 
dades dos cauàleiros, e visto seu requerimento, e querendolhe £etzer gra^a e merce, 
ey por bem e me praaz de Ihe confirmar o dito aluara, e per està Iho ej por confir- 
mado. . . Dada em Lisboa a xxn de agosto — Balltasar Femandez a fez — ano do nas- 
cimento de nesso Senhor Hu Xpo de mil b*' L^ Johio de Castilho a fez escreuer.» 

(Torre do Tombo.— dumcellarla de D. Jofto m, PrMl»gÌo$, Ut. 4.®, foi. 190.) 



SSS — Luiz (Jofto). — 3.® — ^Talvesreste seja o mesmo que o ante- 
rior, pela circumstancìa de um ser.de Cintra, e o entro trabalbar nas 
obras dos mosteiros da Pena e de Penha Longa, comò mestre d'ellas. 
D. SebastiZo Ihe passou carta para gozar dos prìvile^os de cavalleiro, 
embora nSo tivesse armas nem cavallo, de qne n2o podia servir-se por 
estar doente de paralysia. A respectiva carta é de 11 de novembre de 1562. 

«Eu elRei fa9o saber aos que este alluara virem que vj^stas as causas que allegua 
na piti^So atras scripta na outra mea folha Joham Luis, mestre das obras dos mosteiros 
de Nosa Senhora da Pena e de Pera Longua ey por bem e me praz que elle goze dos 
priujlegios de caualeiro, sem embàrguo de nSo ter cauallo e annas, vista sua idade 
e corno pela emformaQ&o que se tomou pelle corregedor Manuel Aluarez se mostra ser 
dito Joham Luis doente de parlesya e amtes de o ser ter sempre armas e cauallo, 
e mSdo as justipas e oficiaees, a que este alluara for mostrado e o conhecimento delle 
pertencer que Iho cumprSo comò se nelle contem, o qual ey por bem que valha comò 
se fose carta por mim hasynada e pasada pela chancelaria sem embàrguo da ordena- 
9Ì0 do segundo liuro titulo zz que diz que as cousas cujo efeito ouuer de durar mais 
de hum ano pasem por cartas e pasSdo por alluara n&o valhSo. Dyogus Femandez 
o fez em Lisboa a zi de novembre de jb<^ Izij Balltesar da Costa fez escpreuer.» 
CTorre de Tombo.— GbaaoelUurU de D. SebMtlio e D. Henriqno, PriviUgiot, Ut. S.«, foi. 45 v.) 



106 

SS& — Ltiiz (Jofto). — 4.® — Carpinteiro que traballiava nas obras 
do mosteiro de AIcoba9a. E de crer qae fosse mais que simples officiai, 
de outro modo nSo seria eleito para procurador do conseiho, cargo de 
que D. JoZo III o isentou por alvarà de 17 de mar90 de 1551. 

«£u elRey fa90 saber a quantos este men aluara yirem que ea ey por bem e me 
praz que Joam Luis, carpemteiro, que seme nas obras do mosteiro dAlcoba9a, n& seja 
obrjgado nem costramgido a seruir o oficio do procurador do concelho da dita vjla. 
pera que foy eleyto este ano presente de b"lj (1551) nem ao adiamte outro alguu 
oficio nem cargo do concelho équamto seruir nas obras do dito mosteiro posto que 

pera yso seja elegido, e mando aos juizes, vereadores JoSo de Seizas o fez 

em Almeirim a xbij de mar9o de jb< bj. Manuel da Costa o fez escpreuer.» 

(Torre do Tombo.— QunoelUrU de D. JoSo m, PrimUgios, Uy. 4, fol. 5S.) 



SGO — Ltiiz (Jofto). — 5.® — Era simples officiai de pedreiro, e foi 
com outros artifices servir nas obras da fortaleza da Mina de que era 
mostre Maroos Gomes, de quem tratàmos a pag. 435 do volume l d'este 
ZHccionario. 

«Outra tali prooislo comò a acima scprita nem mais nem menos a Jofto Luis, 
pedreiro, morador nesta cidade, pera seruir de pedreiro, asynada pelo dito senhor 
e feita e sobscrìpta pelos ditos scprivaes a zznj dias do dito mes dontubro do anno 

em cima COntheudo?» j^orre do Tombo—Chancellari» de D. Jolo ÌH, Ut. 95, fol. 149.) 

Outro tal para Alvaro Pires pedreiro — Item para Jofto de Oeiras carpinteiro. 



SOJL — Llliz (Manoel). Mestre dos canoe dos pa^os da villa de 
Cintra, a quem succedeu, por seu fallecimento Manoel da 8S/va. Vide este 
nome. 

RG2 — Lulz (Fedro). Era medidor das obras da cidade de Lisboa 
e nesta qualidade nos restam d'elle diversos termos de avaliajSo de obras 
relativos aos annos de 1519 e 1521. 

Nfto sabemos se se referìrà ao mesmo a carta de el-rei a seu primo, em 
que falla de mnas obras que Fedro Luiz executara e em que diz que per- 
derà 20)9[000 reaes. A carta é favoravel a este. É datada de Lisboa a 22 
de setembro de 1530, mas nSo indica onde sejam as obras. 

«Ho deradeiro dia do mes de mayo de mill e V ziz anos fhy eu Pero Luis, me- 
didor das obras desta cidade de Lisboa, medir ho muro que fez Diego Femandez 
a porta da Crus, que cayo, ho quali muro eu medy perante Aluaro Yieyra escprìuao 
das hobras e asy achey no dito muro cj^<^: (101) bra9as em que se amdta coreuta 
mill e iiii rs a rezft de iiii rs (400) bra^a e por certidom dello Ihe dei este por mim 
asynado. Feito no dito mes era. P.<* Luis.» 

(Torre do Tombo.— Coiya Olmmtiìlogko, purta S.*| nut^o 89, doo. 98.) 



107 

«AoB deB di88 do mes de majo de mill e b.« xiz anoB ftiy eu Pero Loìb, mididor 
das obras desta cìdade de Lixboa, fdy mydir o ladiylhamento qua fez Joio Gon^aluez 
em Barn FrancÌBco nas varandas, em que achey cento hiia bra9a e zzzij palmoB meo 
com que se amdta zzziiij mill e iiii® e b rs a rezam de ìii'zz rs bra9a e per certidom 
dello Ihe dey oste per mi asynado, feito no dito mes e era. Pero Loìb.» 

(Torre do Tombo.— Obrpo Okronóloffkù, parte 8.% miifo 81, doe. 150.) 

«Aos zbiij dias do meB de janeyro de mill e bc zig anos fiiy eu Pero Luis, mididor 
das obras d*esta cidade de Lisboa, fìiy midir buas mSgadoras nos Estaos, qae fez 
Fem&o da Serra, as quaes m^'adoras eu midi perante Afonso Monteiro, almozarife 
e perante Alnaro Yyeira esprinfto das ditas obras e ahi achei nas ditas miyadoyras 
que sobre dito fez Riig bra^as, em que se amdta oyto miU e iii^ Izrs a rezS de cento Ir 
(190) por bra^a e per certidam dello Ihe dei oste per mym asynado e feito no dito 
mes e era. Pero Luis.» 

Tem janto mais a seguinte avalia^So do mesmo: 

«Aos zbj dias do mes de janeyro de mill e bc xxj anos fay eu Pero Luis, mididor 
das hobras desta cidade de Lixboa, fiiy midir huas magadoras que fez GiU Femandez 
nos Estaos nas estrabaiyas de elRey noso Senhor, a quali midida eu midi perante 
Afonso Monteyro, almozarife e perante Aluaro Yieira, espriuSo das ditas obras e asy 
achey nas ditas mSgadoiras zzziz bra9as e mea, em que se amdta bij bc e cynco r.* 
a rezi de cento Ir (190) r.' braga e per certidom dello Ihe dey oste por mi asinado 
e feito no dito mes e era. Pero Luiz.» 

(Torre do Tombo.— OlMye Ohinmàlogioo, parte B.% iiia90 98, doe. 188.) 

A respeito de obras nos Estaos veja-se avaliasSes de André Hres e con- 
certo feito com Braz RodrigueS; pedreiro. 

«Honrado mostre, primo, amiguo, eu elBey yob em^yo muyto saudar comò aquelle 
que muyto amo e prezo. Bertolameu de Payua, do meu conselho e meu amo, me disc 
a delygScya que mandamos fEizer poUos off^ciaes que de ca foram acerca davalya^am 
que se fez na obra dempreytada de carpyntarya da camara em que Pero Luis alegaua 
que perdia e asy vy avalyagam e dilygemcya que fezera os ditos ofiycyaes que de ca 
foram na qual se mostra oste empreyteiro perder na dita obra vynte e hu mill rs. que 
mays fez alem do prego de Spreytada que com de fora feita. 

E por eu ter dele boa Sfbrmagam asy de bom off^cyaU comò tambem as obras que 
fez hyrem bem feitas, ey por bem que os ditos vymte e hu mill rs. Ihe sejam pagos, 
posto que a épreytada nò foro de mays que symcoéta mill rs. poys na dita avaliagS 
que se fez se achou a obra valer setéta e hu mill, os quaes vynte e hu ftiill rs. 
Ihe fares pagar da maneira que Ihe foy paga a mais contya. Bastiam da Costa o fez 
em Lizboa a zzij de setembro de jb«zzz. Bey.» 

(Torre do Tosàbo.— Corpo C^ronologieo, parte 1.*, ma^ 46| doe. U6.) 



SG3 — Liiiz Antonio (lUcardo). Nomeado para o mesmo posto 
jmitamente com José Antonio Baposo. O respectivo decreto é d'este teor: 

«Tendo considerammo às diligentes e uteis applica95eB, com que Joseph Antonio 
Raposo e Ricardo Luis Antonio se tem empregado nos dLfférentes trabalhos da fìm- 
di^fto da artilharia, debayxo das direc9oenB do brigadeiro Bartholomeu da Costa: 



108 

Hey por bem nomea^los i^udantes de infantarU com exercicio de engenheiros, pan 
o terem tambem, debayzo das ordens do marechal de campo Manoel Gomes de Car- 
valho e Silva, tenente general de artilharia do reyno. O conselbo de guerra o tenha 
assim entendido e Ihes mando passar os despachos necessarìoe. Palacio de Nossa 
Senhora da ^uda, em trez de jonho de mil e setecentos e setenta e sinco.» {Com 
a rubrica de Sua Magestade.) 

Um decreto de 29 de maio de 1779 fez urna promoQSo geral de offi- 
ciaes empregados no Arsenal do Exercito, attendendo n&o so ao servilo 
por elles preetados, mas & necessidade de que se conservasse no arsenal 
um corpo de officiaes bem instruidos na pratica das fondi^Ses e constrac93e8 
de artilharia. Entre elles, foram promovidos a capitles José Antomo Raposo 
e Bìcardo Luiz Antonio. Em 1786, por decreto de 21 de agosto, foram 
idnda conjuntamente promovidos os dois capit&es ao posto de sargento- 
mór de infantarla com exercicio de engenheiro, attendendo & cuidadosa 
applicando e prestimo, com que, sob a direcgXo e ordens do brigadeiro Bar- 
tholomeu da Costa, se empregavam no importante servilo do Arsenal Seal 
do Exercito. 



SG4f — Lupus (O. Sevivs). Arcbitecto militar, naturai de Eminio 
ou Coimbra, na Lusitania, na dominagSo romana. 
Vide Hùbner, InscripUanes. 



isjs: 



SOS—ìHajoedo e Sa (Honorato José Correla de). Volkmar 
Machado consagra-lhe o seguinte artigo a pag. 246 da sua CoUecgào de 
MeTnorias: 

«Nasceo em Lisboa a 22 de Dezembro de 1754, e tendo 9 annos de idade foi ad- 
mittido na Casa do risco do Arsenal Real do Exercito, onde seu pae Ignado Correia 
de Macedo era empregado corno entalhador e abrìdor de relevos. Foi alli sea Mestre 
Manoel Ferreira, que tambem era entalhador e layrante do dito Àrsenal, e depois de 
estudar com elle 9 annos, passou a aperfeÌ9oar-8e no desenbo de Blstoria com Jo&o 
de Figueìredo e com seu pae Ignacio Correia, até que em 1772 entron por aprendiz 
de canteiro de relevo de JoSo Ferreira Cangalhas, Mestre Geral das Obras Publicas, 
e conclnindo o tempo de 5 annos da Lei, passou a ser discipulo de Francisco Antonio 
Cangalhas Architecto Geral da Cidade e Aguas Livrea, de quem fizerSo Ajudante 
com o ordenado de 150JI000 réis por anno. 

Se fizessemos men93o de todos os Biscos, Plantas, Al^ados, Cortes e Betabulos, 
que este Artista tem feito para Predios, Palacios e Templos, iriamos muito longe do 
que pede a brevidade d'estas Memorias ; por isso s6 diremos que em 1785 fez o risco 
e pianta geral desta Cidade, ccgos desenhos ezistem naT7pographia Regia. Em 1812 
o£fereceo & Regencia do Reino huma memoria para ser colocada na Pra^a do Rocio 
com OS retratos de Sua Magestade o Senhor D. Joao VI e Jorge IH Rei da Grft- 
Bretanha, o qual risco ficou no Governo. Por 1819 deu o pensamento em deus diffe- 
rentes gostos para o Retabulo da Capella Mór de Santa Engracia e o anno passado 
prozimo perterito, fez o risco para o Chafariz da Cordoaria, o que se està feizendo 
neste presente anno de 1821. 

llonorato José foi promovido ao lugar de seu Mestre Francisco Antonio Can- 
galbas, mas s6 com 300^000 réis de ordenado por anno.» ' 



SGG — Maoliado (Lopo). No reinado de D. JoSo III partiu para 
o Brasil, corno mostre de obras, na companhia do governador D. Duarte 
da Costa. Ali nSo so prestou servijos corno homem de seu officio, mas 
corno homem de armas, largando os instrumentos do trabalbo e empu- 



110 

nhando os da guerra. Estando revoltado o gentìo das pro:dinidades da 
Bahia de Todos os Santos, o govemador mandou contra elles seu filho 
D. Alvaro. Mais de urna vez se organizaram expedÌ98es neste senlìdo, 
sendo a principal a que foi contra Porto Grande, em que foram 60 homens 
de pé e 51 de cavallo, trazendo, na volta, prisioneiro o principal dos in- 
digenas. SimSo Machado bateu-se valentemente em todas essas pelejas, 
pelo que o govemador o armou cavalleiro, passando-lhe a respectiva carta 
em 10 de fevereiro de 1557. D. SebastiSo Ih'a confirmou em 10 de margo 
de 1559, tendo elle voltado ao reino e residindo^ em Thomar. 

Depois d'isto foi nomeado mestre das obras da fortaleza da Mina e 
tendo perdido na viagem, por Ihe cair ao mar, a carta de cavalleiro, 
D. SebastiSo Ihe passou outra a 26 de novembre de 1563. 

Na Mina veiu eUe a fallecer anteriormente a 1579, pois a 15 de Ja- 
neiro d'esse anno concedia o mesmo monarcha & sua viuva Beatriz Fer- 
nandes a ten^ annual de oito mil reaes. 

«Dom Sebaalìam etc fa^o saber aos qae està minha carta virem qua por parte de 
Lopo Machado qae seruio nas partes do Brasyll de mestre das obras per mandado 
delRey mea senhor e avo, qae s3ta gloria aja, morador na villa de Tornar, me foi apre- 
sentado hom allaara de dom Daarte da Costa, do meu conselho que foy gouemador 
nas ditas partes feito a dea de fevereiro do ano de b* Ibg (1557), pelo quali se mos- 
traua que por o gymtyo da Bahya de Todolos Samtos estar aleuamtado e faaer gaerra 
m&dou a dom Àllaaro seu filho oom Ix (60) homSs de pee e Ij (51) de cauallo dar na 
alldea de Porto Ghrande, qae tynha muita jemte e estaua muito forte com tranqueiras 
he couas que tinhSo feytas, sobre a emtrada da quali pelejou e tene grande regis- 
temcia e a emtrou per fbr^a darmas e trouze catjuo o primcipall dos jemtios e que 
outras YexeB que mandou o dito dom AUuaro a destroyr e queymar muitas alldeas que 
elles tynhfto domde fezyam muito perjoizo aos lugaares he jemtios das ditas partes 
e a derribar allgliaa tramqueyras e couas que tynhfio feytas, domde se faziam fortes 
e pelejaufto reamente o dito Lopo Machado fora com suas harmas e se achara com 
elle e que em tado o fezera muito bem de sua pesoa, comò se esperaua, o armou e 
fez caualeiro, segumdo tado mais inteyramente hera contheudo e declarado no dito 
allaara. Pedymdome por merce que Iho confirmase e mamdase que Ihe fosem guar- 
dados 08 preailegyoB e liberdades dos caualeiros. E visto seu requerymento e por fazer 
certo da calydade de sua pesoa e qaeremdolhe fiizer merce, ey por bem e me praz de 
Ihe confirmar o dito allaara comò de feyto confirmo e ey por confirmado e quero que 
elle goze e vze daquy em diamte de todolos preuilegyos, liberdades, gra9a8 e firam- 
quezas de que goz&o e de direito devem de gozar e vsar os caualeiros por mym con- 
firmados e elle sera obriguado a ter armas e cauallo segnndo forma da ordena^So e 
mftdo a todas as justÌ9aa, oficiaees e pesoas, a qae està carta for mostrada e o conhe- 
cimento della pertemcer que a cumprSo, guardem e ùl^Sm imteiramente cumprir e 
gaardar corno se nella conthem. Beltesar Femandez a fez em Lisboa a x de mar9o ano 
do nacymento de noso Senhor Jhesu xpo de jb« lix (1559) Jo3o de Castilho a fez 

espreuer.» ^ SebMUa© o D. Henrique, PrMUgloif Ut. 1, foi. t».) 

«Dom Sebastiam etc. fa^o saber aos que està minha carta virem que Lopo Ma- 
chado, que ora por meu mSdado està por mestre da obra da fortaleza da ddade de 
Sft Jorge da Mina me Suiou dizer que estamdo elle nas partes do Brasyll dom Duarte 



Ili 

da Costa, do mea conselho, qne foy goaernador nas ditas partes, o annara caualeiro 
pelo elle merecer, de qae Ihe pasara alluara, que Ihe eu confirmey per minha carta 
asynada e paaada pela chancelarìa, a quali carta elle perderà ou Ihe cayra ao maar 
imdo daqay pera a dita cidade, pedimdome que Ihe mSdase pasar outra tali pelo 
trellado da propia que ofrecia tyrado do recato do Livro da chancelaria asynado 
per Amtonio Yieira scprioam della que o pasou per yertude de hum despacho do 
doutor Sym&o Gon9alye8 Cardoso do meu couBelho e mea desembargador do pa90 
e chanceler da Casa da Soprica9So que seruio de chanceler mor de meus ReTnos e 
senhorios, o quali trellado da dita carta he o seguinte: (segue-se a carta acima) 
Pelo qne mando que ha dita carta de confirma93o de caualeiro em todo se cnmpra 
e guardo ao dito Lopo Machado pela maneyra e forma que se nella contem. Balltesar 
Femandez a fez em Lisboa a xxbj de novenbro, ano do nacimento de Koso Senhor 
Jhestt Xpo de jb*' bdij. Jofto de Castilho a fez scpreuer.» 

(D. Sebastilo e D. Henrique, PHvOtgio; Ut. 8, foL 100.) 

«Eu èlBei &90 saber aos que oste aluara virem que eu ey per bem de &zer 
merce a Breatiz Femandez, molher que foi de Lopo Machado, mostre que foy dae 
obras da fortaleza de sSo Jorge da Mina, de biij rs cada anno que Ihe serS pagos no 
recebedor do hum por cSto e obras pias, os quaes come9ara a yemcer do primeiro dia 
de Janeiro que pasou deste anno presente de b° Izziz em diante. £ por tSto mando 
ao recebedor que ora hee e ao diante for do dito huu por cSto e obras pias que dee 
e pague ha dita Breatiz Femandez os ditos biij rs aos quarteis do anno por este 
aluara semente e por o trellado delle, que sera registado no L.<> de sua despesa pollo 
escriuSo de seu cargo e seus conhecimentos mando aos contadores que leuem em 
conta ao dito recebedor os ditos buj rs, que Ihe asy pagar cada ano, e este ey por 
bem que valha comò carta feita em meu nome etc. na forma. Diego Yieira fez em 
Lisboa a xb de junho de b" Ixxix; o que asy ey por bem avemdo respeito aos ser- 
UÌ90S do dito seu marido e a fallecer na Mina. £ eu Aluaro Pirez o fiz escreuer.» 

(D. Sebastiio e D. Henrìque, Doa^, Ut. 48, fol. 187 v.) 



SOT" — MaoliadO (Manoel). Escudeiro da casa real; mostre das 
obras das oapellas das ilhas dos Ajores. D. JoSo III Ihe dea de emprei- 
tadai a constrnc9So da fortaleza de S. Braz, na cidade de Penta Delgada, 
ilha de S. Miguel. Por alvarà de 30 de ontubro de 1557, o mesmo monarcha 
recommenda ao ouvidor d'aqaella ilha que Ihe acate e fa^a comprir certas 
regalia» e privìle^os que ihe concede acérca da pedra para cai, do corte 
de madeiras para a obra e do fabrico da cai, da pastagem dos bois empre- 
gados na obra, etc. 

No volume ix do Archivo dos Agores, s^u um estudo historico sobre 
Castello de 8. Braz em Ponta Ddgada e nelle, a pag. 170, lé-se o se- 
guinte: 

•Foram tres os engenheiros que no principio assistiram à con8truc9So do Castello 
de S. Braz — Manoel Machado, Pero de Maeda e Thomaz Benedicto. 

Dos dois ultimos se encontra referencia no Alvard de 8 de mar90 de 1567, acima 
citado. O primeiro foi quem levantou a pianta do terreno onde se erigio o Castello, e 
foi a làsboa apresental-a a D. JoSo HI, corno se ve da carta de 23 de mar^o de 1551, 
que adma tranacrevemoe. 



112 

Foi elle tambem o encarregado de dar comedo i obra peloB annos de 1552 a 1553^ 
corno se ve da carta regia de 12 de dezembro de 1558 dirigìda ao capitfto donatario, 
o conde de Villa Franca, Manoel da Camara, que diz : «Manoel da Camara» amigo, 
£a El-rei vos envio milito saudar. Vi a carta que me escreyestes, em que me daes 
conta dos inconvenientes que os officiaes e moradores da cidade de Penta Delgada 
dessa ilha punham a que se fa^a a obra do porto de S. Braz e ahi (deve ser osi) vi 
a carta e autos qne sobre o dito caso os officiaes da camara da dita cidade me envia- 
ram, o que tudo visto por mim e as mais infbrma9des que sobre isso mandei tornar e 
ouve por meu servilo que a dita obra se fizesse por ser mui necessario ao nobre- 
cimento e fortificammo da dita cidade, contanto que se recolhesse o molhe que se faz 
no dito porto mais para dentro do que ia assinado na tra^a que levou Manoel Machado, 
mastre da dita obra, do qual recolhimento mandei fuor tra^a que bora leva o dito 
Manoel Macbado, pela qual dareis ordem comò a dita obra se fama com a deligencia 
e brevidade que for necessaria. £ porque sou informado que a gente que andava na 
obra do dito porto nSo querem muitas vezes trabalhar nella e alem disse sio desobe- 
dientes ao dito Manoel Machado, no que por ser elle o mandado, por onde se a dita 
obra nSo pode fazer com a deligencia que é necessario houve por meu servimo, pois 
vós nio podeis ser presente ao fazer da dita obra, por a ocupam&o que baveis de ter 
por causa do negocio que vos mando fazer na dita ilha, que o Ucenceado Jorge Cor- 
rela, ouvidor della, tenha cuidado daqui em diante de visitar a dita obra emquanto 
ella durar todas as vezes que for necessario e fazendo o que pelo dito Manoel Machado 
Ihe for requerido que fizer a bem da dita obra, corno vereis pela provisSo que com 
està vos envio. Segue o mesmo documento participando a nomeamSo de Gabriel Coelho 
para Thesoureiro e Almoxarife, etc. — E mandando fazer urna estancia de pedra en- 
Bonsa para guardar a artilheria à Ponta de S. Braz. 

Yé-se pois que em 12 de dezembro de 1553 jà as obras estavam em andamento e que 
dellas era mostre Manoel Machado, o qual nesta data se achava em Lisboa e apro- 
veitara o ensejo d'està sua segunda viagem i córte para se queizar e pedir providen- 
cias centra a falta de obedienda da parte dos trabalhadores empregados nas mesmas 
obras. 

Encontramos ainda outro documento a respeito de Manoel Machado. É o Alvarà 
de 15 de julho de 1555 dirigido ao Ucenceado Jorge Correa, ouvidor, mandando pagar 
200 rs. por dia a Manoel Machado, eecudeiro de minka cciea, mestre da obra do porto 
da Ponta de S. Braz em Ponta Delgada, tendo em considerasse o trabalho e tempo 
que teve em ir a Lisboa da dita ilha de S. Miguel.» 

O artigo, de que acabamos de transcrever alguns trechos, é subscripto 
por A. Cesar Supico. 

cEu elrey fa90 saber a uos Licenceado Jorge Corea, ouuydor na ilha de SS My- 
gel, e a pesoa que ao diamte o dito cargo seruir, que eu ouue por meu serui90, por ser 
necesario pera goarda e defemsSo desa ilha, de mSdar fazer na cidade de Pomta Del- 
gada, na pomta de Sfto Bras^ bua fortaleza, a obra da quali mSdey dar dempreytada 
a M.«* Machado, escudeiro de minha casa, mestre das obras das capelas das ilhas dos 
A90res, e pera que eie posa fazer a dita obra cdforme a seu cotrato, ey por bem que 
équanto durar a dita obra teda a pedra de cali que fi)r ter a dita ilha nSo imdo 
cdprada destes Beynos pera pesoa certa da dita ilha, a tomeis e a deis ao dito M.«^ 
Machado, que eie lego pagara pelos pre^os que ao tempo que ha tomardes valer polla 
tera, e asy que posa cortar e tirar toda ha madeira e lenha de que tiuer necesydade 
pera a dita obra e pera cozer a dita pedra de quali quer parte que quiser da dita ilha 
que vos a vos parecer que menos dano pode fazer, e asy ey por bem Ihe dar lycemsa 



113 

pera que ob bois que eie trouxer no semino da dita obra posSo pastar de redor da dita 
cidade, posto que seja em teras defesas e em que se acoimem os boies que nelas pas- 
ta© e OS ditos bois que asy trouxer nao serSo acoymados, e fazendo dano dalguas teras 
aproueytadas pagara somente o pre90 em que for avaliada a perda que fizer a seus 
donoB, e avendo na dita cidade ou ao redor dela algus pastos que se custumem 
aremdar e aremdamdose algum deles, e queremdo o dito M.'^ Machado alguu pera 
pastarem os ditos boies vos Ihe fareis dar pello propio pre^o por que se aremdar a 
outrem. E asi Ihe fareis dar pera eie e pera todos os oficiaes e seruidores que com 
eHe amdarem na dita obra todos bos mStymentos de que tiverem necesydade, que 
pagarlo pelos estados da tera, os quaes poderao trazer de quali quer lugar da dita 
ilha pera a dita cidade sem Sbargo de quaes quer posturas que em contrairo diso ouuer 
nas camaras deles, o que todo vos e a pesoa que ao diate o dito cargo de ouuidor 
seruir comprires e fareis cumprir corno neste meu alvara he declarado, o qual quero 
e me praz que valha corno se fose carta feyta em meu nome per mym asynada e pa- 
sada pela m3mha chancelaria sem embarguo das ordena95es em comtrario. JoSo AluSz 
fez em Lixboa a xxx doutubro de jb'^ Ibij. E eu Aluaro Pirez o fiz esprever.» 

(D. Jolo ni, Privilegio, Ut. 6, fol. 184.) 



SG& — MaohacLo (Manoel). — 2.** — Carpinteiro, morador em Villa 
Franca de Xira. Filippa III o nomeou, a 8 de maio de 1639, mostre das 
portas das lezirias reaes, officio que vagara pela morte de Vioente Camello, 
que nSo deixara filhos. Como viesse a restaurarlo do reino no amio 
de 1640, p. Jo2o IV Ihe passou nova carta a 20 de novembro de 1641. 

«Dom Fhellippe &c. £a^ saber aos que està minha carta virem que hauendo res- 
peito a estar uago o officio de mestre das portas de minhae lezirias por falecimento 
de Yicente Camello, a que nSo ficarSo filhos, e Manoel Machado, carpinteiro, morador 
em Villa Franca de Xira, ter as partes que se requerem para o seruir comò constou 
pella imforma9&o que por ordem do conselho de minha fazenda se mandou tomar pello 
prouedor Miguel de Quadros, ey por bem fazer Ihe merce da propriedade do dito officio, 

o qual dito Manoel Machado tera e seruira Antonio de Bairros a fez em Lisboa 

a oitto de maio de seis centos trinta e none annos. Fernao Gomez da Gama a fez es- 
creuer.» 

(D. FiUppo m, Doa^, liy. 28, fol. 856 v.) 

Dom JoSo &c. ù^ saber aos que està minha carta virem que hauendo respeito 
a estar vaguo o officio de mestre das portas de minhas lezirias por falesimcnto de 
Yisente Camello e a que nSo ficarao filhos, e Manoel Machado, carpinteiro morador 
em Villa Franca de Xira, ter aa partes que se requerem para o seruir comò constou 
pella imfonna9So que por ordem do Conselho de minha fazenda se mandou tornar pello 
prouedor Miguel de Quadros, Hey por bem e me praz fazerlhe merce da propriedade 

do dito officio Manoel Soares a fez em Lisboa a vinte de nouembro de seis centos 

e quarenta e bum anos* Fernao Gomes da Gama a fez escreuer. Eirei.» 

(D. Jo&o IV, Doa^, Uv. 13 fol. Ii7 o.) 



SOO— Maoombo (Manoel Alves). Fez o risco e diri^u a con- 
struc95o do Observatorio Astronomico de Coimbra. 

Vide SimSes de Castro, Quia do Viajante em Coimbra, pag. 179« 



114 

S^O — Madeiira (Aflbnso). Mestre das obras de pedraria de Sua 
Alteza na cidade de Gda na prìmeira metade. do secalo xvi. À 25 de se- 
tembro de 1548 o mandou chamar o goYemador Garcia de Sa para que 
elle, Bob juramento, deolarasse o pre$o por que se faria, no tocante a obra 
de pedra, o convento de firades de S. Domingos, que naquella cidade se 
pretendia erigir por ordens de el-rdi. Visto e exanùnado o debuxo que Ihe 
apresentaram, declarou que o custo seria de 40:000 pardaus de curo, afora 
a carpintaria. Para avaliar està foi chamado o respectìvo mostre Francisco 
de Resende que, em 5 de outubro, or90u a obra em 20:800 pardaus. Veja-se 
adeante, sob o seu nome, a declara9lo que assignou. 

A obra effectuou-se com rapidez extraordinaria, pois a 4 de Janeiro 
de 1549 jà os mesteres e vinte e quatro do povo de G8a felicitavam el-rei, 
e dando-se a si proprios os emboras por estarfeita a casa, em que de pre- 
sente eetUo 08 frades de sSo Dominguos. É possivel todavia que o edificio 
nXo estivesse de todo concluido, e so sim uma parte em que se pudessem 
abrigar e exercer as suas func^Ses. Està supposi^So nos parece tanto mais 
plausivel quanto é certo que frei Diego Bernardes, em carta diri^da a 
el-rei e do anno de 1549, fala das difBculdades que se encontravam na 
oonstrucfSo, no toc^te ao sitio. 

Affonso Madeira ji estava em Oda anteriormente ao governo de D. Gar- 
<M de SA. Em 1546 mandou-o D. Jo2lo de Castro numa caravella em soc- 
corro a Diu, com diversos officiaes e munijdes.Vè-se, portante, que escapou 
dos trabalhos do cérco e que regressou & capital da India. Do soccorro 
a Diu dà, Gaspar Correia a seguìnte noticia: 

«Partido Vasco da Cunlia, lego o Gouemador mandou partir huma caranella com 
Afonso Madeira, meetre das obras, e com elle muytos pedreiros e cabouqueiros, ho- 
mena da terra, com muytos petrechos de seu mester : a saber, picÒes, enzadas, ala- 
uancas, pas de terra, paoiolas, gamellas, cestos, vaTuens, escadas, e muyta madeìra, 
poluora, pilouros, e carpinteiros com mestres portugueses, e mantimentos.» 

{L m d ai da Andia, tom. ir, pag. 628.) 

Em 1535 Nuno da Cunba passava carta de cavalleiro a um Affonso 
Madeira, que o ajudou em algumas armadas e pelejas. D. Jo2o III a con- 
firmou a 26 de mar90 de 1544. (CSumcellarìa de D. Jole lU, Doag8e$, 
liv. 41, foL 13.) NSo sabemos se se referìri ao mostre de obras, pois a 
carta nlo di mais nenhuma indica9So pessoal. 

Em 1550 era nomeado mestre da polvora um Affonso Madeira, bom- 
bardeiro, residente em Lisboa. Publicamos a respectiva carta a pag. 33 
do nesso opusculo — fabrico da polvora em Portugal, 

«Na cidade de Gtoa aos xzb diaa do mes de aetembro do ano de J b« zlviij foi pergun- 
tado pelo senhor govemador Garcia de Saa, Afonso Madeira, mestre das obras destas 
partes da Indea, ao quoal foi dado juramento dos santos avanjelhos e so cargo delle 
Ihe mandou q«e deeranuMe quanto eostaria a &zer o moesteiro que se queria ora nesta 



115 

cidade fsizer per m&dado delBei nosso senfaor cftfonne ao debozo que Ihe foi mos- 
trado, pera os padres da orden de sSo Dominguoa, e per elle foi dito e decrarado que 
a obra de pedraria custaria a fazer quorenta mil pardaos douro, afora a carpentaiia, 
e que menos o nSo faria, auendoo de tornar denpreitada, e o senhor govemador mSdou 
de todò hzer este asento e que elle o asinate; testemunhas que preseiites estau^o 
don Antonio de Noronha, Francisco de Saa e Antonio Pereira e eu Licenceado Fran- 
cisco Alnares qne a escrevi.» (8eguem-9e aa auignaturaB.) 

{Corpo (nirmoUtgUo, parte l.\ ma^o 81, doc. 58.) 

ffPrimeiramente com ajutorio de noso Silor he de Y. reali A., que muitos anos he 
bòs viua, he feita a casa em que de presSte est2o os frades de sSo Domynguos, de 
que està cidade e pouo ge^ralmemte recebem gramdes e espici aes comtemtamemtos, 
he por belo damos gra9as a noso Sfior he a vosa reali alteza muitos louvores, porque com 
a vimda dos ditos padres todos os dias temos muitas doutrinas e yspiritoaes imsinam9as 
em suas pregua95es e còfi^oes he comtinoadamemte nos fazem per todas as igrejas he a 
toda ha ora os achSo pera as necesidades dos homds pobres he riquos. He estaa foi a 
obra que multo compria pera a comserua9So das allmas dos que qua vos seruem, pola 
qual V. R. A. allcamsara amte nosso senhor gramde merito. £ alem das suas pregua- 
9oe8 serem de gramdes beneficios ao gerall do pouo da Imdia, sSo os padres de lou- 
uadas virtudes he a toda bora nS falecem nem os estorua os seus solemcios (silen- 
cios?) nem as institoy^des de seus perlados pera todo o serui90 necesario que deles 
compre, e ternario jaa algus filhos destes que qua nacerfio, polo quali com muito bom 
amor deuemos e temos obrigua9flo. £ porque estes yirtuosos padres nos derSo paz 
e boas amizades he partem com nosas almas das gra9as ispiritoaes de sua religiSo e 
tomSo amtre si nosos filhos, danios delo gramdes louvores a noso senhor Jhesu xpo, he 
aV. R. A. ficamos em gramdes he muy maiores obrigua^oes pera rogarmos a noso Senhor 
por sua yida he saude, e que seu reali estado seja peraa sempre pospero de altos 
estados sobre seus jmigos amS.» ,„ ^ , ^ ^ ^ . «« . , . 

*' ^ {Carpo (^roTulofico, parte 1.% mafo 88, doo. 5.) 

trechoy que se acaba de ler, é o capitalo de urna carta dos mes- 
teres e -nnte e quatro do povo de Gda, a el-rei, em 4 de Janeiro de 1549. 

«Alfonso Madera, maestre das obras deV. A. tomo las medidas del sitio qne se ha 
tornado conforme a la traza q v. a mando no cabe por cierta parte el debuxo em este 
sitio sin tornar vn pedazo de ynas casas de yn Pero Godifio. 

Mando Y. A. lo primero ql edificio sea conforme a la traza y que para esto se tome 
todo lo nec.^ Alfonso Madera escriye mas largo acerca desto a y. a. no se olvide y. a. 
destes sns pobres Religiosos debazo de cuio amparo y fabor despucs del de Dios yi- 
yimos nosotros corno sieryoa agradecìdos tenemos continua memoria de encomendar 
a dio la yida y estado de y. a. £1 por su infinita mia (misericordia) le prospere 
siempre y guardo en su sancto seruicio amem.» 

Ko sobrescrìpto: 

Para el-rey noso S*^ 

mais a baìxo: 

dos padres de sam domingos. 

em noiAé 

1549 

De firey Dioguo bermadez. 

{(hrpo ChronotogieOf parte 3.',ma^ 17, doc. Sf.J 



116 

STI — Madeira (Antonio Bodrignes). Morador na cìdade de 
Àngra, da ilha Terceira. D. JoHo IV o nomeou mestre das obras da Sé 
e das demais, que, por ordem real, se effectuassem na dita ilha. O cargo 
ostava vago, tendo-o servìdo anteriormente Bartholomeu Femandes. Ro- 
drigaes Madeira foi nomeado, nSo so em attengUo & sua snfficiencia, mas 
em attenjSo aos servìgos quo prestara na accIamagSo de D. Joao, laudando 
a sitiar o castello da dita ilha. A respectiva carta é de 3 de setembro de 
1653. Sucedeu-lhe em 1581 Manoel de Lima* Vide oste nome e Bartholo- 
meu Femandes. 

«Dom JoSo por gra9a de Deos Bei de Portogaal e d<A Algarues daquem e dalem 
mar em Africa, senhor de Guine e da coquista, nauegasSo, comersio da Ethiopia, 
Arabia, Fresia, e da India etc, corno gouernador e perpetuo administrador que sou 
do mestrado, caualaria e ordem de dosso Senhor Jesu Xpo, £9.90 saber aos que està 
minha carta yirem que eu bey por bem e me pras de faser merce a Antonio Rodrignes 
Madeira, morador na cidade de Angra da ilha Treseira, do cargo de mestre das obras 
de pedraria e aluenaria da see da dita ilha e de todas as mais obras, que eu for ser- 
nido mandar fSetser em teda a dita ilha asi e da maneira que o tinha Bertolomeu Fer- 
nandez por quem dito cargo vagou, auendo respeito a informasAo que se ouue de sua 
sufisiensia e uerdade e a me ter seruido no tempo de minha felise aclamasao no sitio 
que se pos ao castello da dita ilha e auera com o dito cargo de ordenado cem mil rs 
cada anno, que Ihe serào pagos por està maneira, a saber, sincoenta mil rs no rese- 
bedor do dinheiro da imposìsSo da dita ilha que he aplicado as ditas obras e sin- 
coenta mil rs a custa do dinheiro das obras da dita see, e Ihe serSo pagos do dia 
que constar por sertidlo autentica da carta que tinha do dito carguo e asi auera os 
mais proes e percalsos que direitamente Ihe pretenserem, e sera o dito Antonio Ro- 
drignes Madeira continuo nas obras, fasendo nas da Sé que Ihé ordenar o bispo da 
dita ilha a quem tenho encarregado da ^supretendensia dellas e em sua ausensia 
a quem tiuer a dita supretendensia, qual cargo tera e seruira emquanto eu ouuer 
por bem e nSo mandar o contrario com declarasSo que tirandolhe ou estenguindose 
por qualquer causa que seja Ihe nio fjcara por isso minha fasenda obrigada a satis- 
fasSo alg&a. Fello que mando ao prouedor das obras dos meus pasos de a pose do 
dito cargo de mestre das ditas obras ao dito Antonio Rodrigues Madeira e juramento 
dos Santos evangelhos que bem e uerdadeiramente sima, g^rdamdo em tudo meu 
seruido e direito das partes, de que se farà asento nas costas desta carta por ambos 
asinado qual por frimesa de tudo Ihe mandej dar por mim asinada e sellada com 
sello p($dente da dita ordem, que sera registado no livro da fozenda della e merces 
que fa90, e se Ihe pasou por duas vias; hùa s6 auera efeito. Dada nesta cidade de 
Lixboa a uinte tres dias do mes de septembro — Antonio Ueloso Estaso a fes — anno 
do nasimento de nesso Senhor Jesu Xpo de mil seis sentos e sincoenta e tres annos. 
E pagara nono direito e os direitos uelhos que deuer na forma do regìmento. E eu 
JoSo Pereira de BetScor fis esc^euer. ElRei.» 

(CTianceOoria da Ordem de C^rieto, Ut. 41, toh 880.) 



G'T'S— Madeira (Gonzalo). Medidor da cidade de Coimbra no 
primeiro quartel do seculo xvi. Foi o avaliador dos bens de Marcos Rres 
e, na opinilo de Fedro Anes, mestre das obras da Batalha; era bom sa- 
bedor do seu officio. Vide Marcos Pirea, 



I 117 

ST3 — Madeira (SimSo). Nama ìnfonna^So do Conselho de Guerra 
de 28 de junho de 1657, acérca da fortificagao das cidades de Beja e 
Evora, lè-se refereneia honrosa a respeito de dois homens que se acha- 
vara no exercito sem occupajao de engenheiros: um d'elles é Antonio 
Brandito, o outro SimSo Madeira, ajudante do tergo de D. Fedro de Al- 
meida. «Em amìBos estes sujeitos — diz o parecer — ha particular scien- 
cia das fortificagBes e actividade e modo mui conveniente para o intento: 
e assim, assistindo um em Evora outro em Beja, sendo continuamente visi- 
tados de Luiz SerrSo, serSo de grande effeito». 

Em 1661 vemo-lo examinando com Luiz SerrSo Pimentel, e este o 
qualifica de homem bem intelligente das fortificaqies. 

O decreto de 13 de julho de 1660 nomeou o capitSLo de cavallos Jero- 
nymo de Mendonga Furtado para o posto de mestre de campo do tergo 
que governava o sargento-mór Manoel da Silva da Horta. 

Està neste decreto uma declaragSo de 17 de julho, rubricada por Sua 
Majestade, em que se diz que o tergo, em que f8ra previde Jeronymo 
de Mendonga, era entSo govemado pelo sarg^nto-mór SimSo Madeira. 

De um manuscripto da Beai Bibliotheca da Ajuda transcrevemos as 
seguintes : 

THESES DA ARCHTTECTONICA MILITAR 

Offerecidas a ElBei tiosso tenhor no consdho de guerra. Preside Luiz Serrào Pimentel^ 
lente de fortificagào par sua Magestade; defende Simào Madeira, ajvdante do tergo 
do mestre de Campo Bui Laurent de Tavora 

These 1.* 

«1. N3o ha arte em uma republica mais necesBaria qua a fortificagSo. 2. Sem ella 
nSo pode principe algum segarar seu estado. 8. Nem por respeito della deizar de o 
ter arrìscado. 4. Os principaes fins da architectora militar sào dois ; o primeiro per- 
manecer segare no lugar fortificado; o segando resistir com menos gente e menos, 
perda, a multa do inimigo, e £azer-lhe grande damno. 5. N&o pode haver bom forti- 
ficador sem algoma pratica. 6. Mas nanca sera bom sem multa notlcia da theorla. 
7. A ezperlencia semente nSo ùlz o fortlficador. 8. qae nSo for bom geòmetra e ari- 
thmeticOy errarà aa obras sem conhecimento dos erros, sen&o depois de executados; 
e bavera moitos que ainda entào n^o conhecer&o. 9. que nào for bom geòmetra 
e arltbmetlco nào conhecerà os enganos, que os medidores podem fazer nas medidaa 
das muralhas, fossos, reparos e outras partes de fortificammo contra a fazenda do 
principe. 

Tbese 2.* 

1. Ab pra^as fortificadas por natureza e arte sio mais firmes que so pela natoreza, 
ou pela arte. 2. Mais segura é a fortaleza em lugar eminente, que em lugar baixo. 
3. Porem està segura mais o estado que aquella. 4. Elegemos por de melhor sitio o 
que estÀ em lugar moderadamente levantado sobre o Uvei da campanha raza. 5. sitio 
de Lisboa é muito comodo para se fortificar. 6. O da fortaleza de S. Julifto tem as 
mais das propriedades que se querem para um sitio bom. 7. de Setubal tem algumas 



118 

comodidades, se bem Ihe nfto faltam incomodos notaveis. 8. É preoiiamente neeesBarìo 
fortificar-se. 9. As pra^SLB de circuito demaziado dSo podexn ser bem defendidas (ainda 
que tcDham muita gente) scm incommodos. 

These 8.* 

1. A fortaleza ou pra9a fortificada deve ser por tal modo tra^ada que nSo hija 
& roda, ou junto della lugar algui^i que de muitas partes n&o seja descoberto e flaa- 
queado. 2. Os muros e torres antigas nSo sSo defensaveis centra a arte expugnatoria 
moderna. 3. A pra9a regular serd mais forte quantoB mais balaartes tiver até doze. 
4. Passando de ahi toma a enfraqnecer. 5. As obras interiores devem dominar as 
extcriores sucessivamcnte por scas gràos. 4. As obras ezteriores deyer ser descobertas 
pela banda interior-, ou ao mcnos com tSo tenue reparo que lego se possa desfazer. 

These 4.* 

1. As cortinas de 36 yergas, ou de 482 pés rintUandicos que hoje costumam 
praticar os holandezes, sSo curtas para fbrtifica9So real. 2. Como tambem a linha 
de defensa fixante de 60 vergas, ou 720 pés. 3. Determinamos a nossa fixante 8, 
determinamos a nossa fixante 900 pés rinthlandicos. 4. mesmo quazi (ao largo) dlgo 
ao lado do polygono (r)-48 vergas) que fazem 576 pés, ou pouco mais assignamos às 
cortinas. 6. Tcmos por melhores os baluartes com angulo flanqueado agudo, que com 
recto. 7. Com este por melhores que com obtuzo. 8. Nào deve porem o agudo ser 
menos que de 60 gràos ; se bem podendo ser se nUo deve fazer tSo agudo. 9. Admi- 
timos baluartes de angulo flanqueado recto. 10. NSo os admitimos obtuzangiilos, salvo 
obrigados de incomodo do sitio. 11. baluarte acutangulo é mais forte que o rcct an- 
gulo. 12. Este que o obtuzanguto, comò tambem o primeiro mais capaz que o segundo, 
e este que o terceiro. 13. Mais facilmente pode ser cortado o corpo incluzo entre 
as linhas que formam o angulo agudo, quo o incluso entre as que formam o recto. 
14. Porem nSo mais facilmente o que se inclue entre as linhas do obtuzo. 15. Kenhum 
angulo faz pouca ou muita rezistencia. 

These 5.« 

1. As linhas de defeza devem ser a tiro de mosquete, e nSo de artelharia. 2. Ne- 
nhuma fortaleza se pode defender so com a artelharia, ou so com a mosquetaria. 3. Sfto 
ambas precizamente necessarias, e cada urna mais util que a outra em compara^&o 
a diversos effeitos. 4. Se bastam ambas? Respondemos que nSo. 5. NSo admitimos 
pra^a fortificada sem fiancos secundarìos, salvo, se nos obrigar a necessidade do sitio, 
por nSo incorrer em outro maior inconveniente. 6. Approvamos às dimìgolas maiores 
que 08 flancos. 7. NSo as admitimos menores, sofremol-as iguaes. 8. O fianco deve 
formar angulo recto com a cortina. 9. NSo approvamos os que o lan^am em angulos 
obtnzos. 

These 6.* 

1. As fortalezas de terra boa e tenaz, sem serem rcvestidas de muralha de pedra 
e cai, sSo mais seguras e defensaveis que as revestidas. 2. Antes as muralhas servem 
mais de damno que de utilidade para a defensa. 3. A razao por que se revestem è so 
por mclhor se perpectuarem sem ser necessario continuamente repararem-se, e nSo 
pode haver outra razSo de utilidade. 4. Na occaziSo, em que brevemente se pode es- 
perar inimigo, de nenhum modo convinha fazerem-se revestidas. 5. Nas que o forem 
oa houvercm de ser, nSo admitimos baluartes sem orelhoes ou espaldas, ncm sem 



119 

pla^as baixas, ainda que os balaartes fiqaem na campanha raza. 6. S6 no cazo que 
da parte do fianco va correndo o fosso ladeira acima, se podem ezcuzar as pla9a8 
baixas. 7. Maa aaprime-se em oatra forma que apentaremoe, por qae as temos pela 
pnneipal defiBn9a da fortaleia. & Fraferimos os oraliiofia As espaldas. 

Defonde-se 5.* foira 22 de mar^ todo o dia a. . . costomada na aula de mathe- 
matica na Bibeira das néos». 

(Copia de outra quo etti nnm Tolume manuscrlpto da Roal Blbliotlieea da AJQda, 
oora o tltnlo (ao Terto da capa) : Uvro de governo polUho do BUotmdn de VSUa 
Jfovc da CWMfrti, fot SO.) 

Na Torre do Tombe existem tambem estas theaes num volume de Mis- 
cellanea, manuscrìpto n.^ 1104, cella M. 



S^4r — Maeda (Pero de). Um dos primeiros engenheiros que 

assistiram & constnicgao do Castello de S, Bras, na Ilha de S. Miguel. 
{Archivo dos Agores^ voi. ix, pag. 170). 

Vide Manoel Machado. 

Na Torre do Tombo encontra-ae nm documento, contendo urna peti^So 
de Pero de Maeda para que se Ihe passe oertidlo do dinheiro despendido 
na cava e obras do cérco novo, para o fazer sciente a el-rei, mostrando 
por oste motivo que nio é pago do que despendeu nas obras do Castello 
de S. Braz, que nSo ficaram concluidas. A petig&o, com os respectìvos 
despachos, é do teor seguinte: 

«Saibam coamtos este pabrico estromento pasado hem pabrica forma por autori- 
dade de justi^a com ho teor de bua peti^So despacho della serttdao de Guom^alo 
Jorge hescrin&o da forteficasSo desta cidade decUarasIo do tiaoureiro Baltesar £a- 
beelo que todo he ho segoimte : 

Senhor prouedor das fortefieasois. Diz Pero de Maeda mostre das fortefieasois 
que elSei noso senhor mamda fazer nesta jlha que a ellle Ihe he neeeeario faser serto 
a elBey noso senhor comò na cava e hobras do serco novo qae ho dito senhor mamda 
fazer nesta cidade de Pomta Dellgada sam gastados ate oje qae sSo simco dias am> 
dados do mes de fouereiro mais de hoito mil cruzados do dinheiro dos lamsamcmtos 
e dona por semto que estauSlo apricados pera as obras da fortalleza pola coal canza 
eie Pero de Maeda nSo he pago da obra que tem fcita nem a dita fortaleza està haca- 
bada ho qae he maito prejuizo do seryiso de sua alteza e por ora o dito senhor apricar 
catorze mil cruzados pera as hobras do serco nouo e de nesesidade se hauer de pagar 
dos ditos catorze mil cruzados a comtia que se tomou pera o serco nouo pera se 
pagar ho que se devese a obra da fortalleza e pera se acabar a obra d^lla Ihe lie 
nesesario saber ho que do dito dinheiro dos lam^amemtos e deus por semto e gastado 
na obra do serco nouo pede a vosa morse mamde ao escriuSo do carego e tizoureiro 
que Ihe pasem hfia sertidào dos Uinros do que he gastado do dito dinheiro e résebera 
Justi9a e morse.» 

Despacho do proticdor 

«Biamdo ao hescriaSo e tizoureiro que dem ao soprycamte as sertidois que pedo 
comfoime ao que se achar hem seus lliuros—Almeida.» 



120 



Strtidào 

«Satia£izeiDdo bea Gromealo Jorge e ho tizooreiro Baili tesar Rabelllo ao despadbo 
do senlior prouedor Chrutoaam dAlimeida qne bob yìiiios lio IHuro da despeza qae 
Ile feita na obra da cava he sereo nono qae se £u nesta ridade da Pomta Dellgada 
e pello dito liuro eosta serem gastados he despemdidos de foiUhMa hoSa volta ate folhaa 
sctemta he sete volta tres comtos e hoito semtos e sìmeo mQ e trezemtos Timte e tres 
reaes corno se mostra pelas quitasois das partes qne ho reseberao hemtTamdo nesta 
dita soma semto e trìmta mill si-tost'mtos TÌmte e hom reaes qae no lliaro dos ck2os 
e cazas hos reseLcrào bas partes a qae se tomari corno todo coeta dos ditos lllxroa 
qae nos reportamos ho coal dinbeiro e dos lamsamemtos e doos por semto hemtrando 
nesta comtia setesemtos e boitemta he coatro mili reaes qae dea ho feitor ao Uto 
tizoareiro por comta dos catorze mill crazados qae EIlEei noeo senhor mamda dar 
pera a dita forteficasio a fora os min crazados qae ho dito feitor tem dadoa qae nao- 
darS ao Beino pera cai e por verdade ho asjnamos oje sete dias do mes de feaereiro 
de mill e qoinhemtos setemta e sete anos bea Gromealo Jorge ho e8preay=sGrom9ilo 
Jorge == Bai tezar Rabello. 

Hemtramdo hos mil crazados que sam miodados ao Beino pera cai faz soma todc 
coatro comtos e dozcmtos e simco mil e trezemtos e yimte e tres reaes na coal som^ 
•emtra bum comto semto e boitemta e coatro mill reaes que tem dados o feitor a 
comta dos catorze mjìì crazados qae bellBei noso senhor mamda dar e ficao despem- 
didos do dinheiro dos doos por semto e lamsamemto na dita cava tres comtos vimte 
e bam mjU trezemtos yimte tres reaes e asj ho acbo por minba conta e liaros a qae 
me reporto do bescriaSo e ho asjnei=Baltezar Babello.» 

o coal cstromemto com o treslado da dita petlslo he despacho sertidio he de- 
cllarasa beu Amtonio das Poaoas taballiao pabrico he do jadisiall por ellBei noso 
senhor na sidade da Pomta Dellgada e termos della desta jlha de SSo Biìgell pasei 
da propia pctisS despacho sertidio he decllaras2 que fica em poder de Pero de 
Maeda e ho pasey na verdade comsertado com ho Lecenciado Gaspar Leit£o jais 
de fora nesta cidade e com ho taballiao babaixo asjnado oje vimte e bum dias do mes 
de feaereiro do ano de myll e qoinhemtos setemta e sete anos e ho asjnei de meu 
pabrico sjnal qtfe tali he /com ce respamsados qae dizem/vimos/tre/que todo 
se fes por verdade. 

£ boutro tali treslado corno este me fica em meu poder tirado da propia que se 
dea a parte comsertado com ho dito jois de fora e taballiSo babaixo asjnado e com 
està decllarasao ho asjnei de meu pnbrico sjnall que tali be=:Pagoa nadassLogar 
do signal publico ss Gaspar LeitSo — conccrtado comiguo Francisco Lobo.» 

(Torre do Tombo. — Corpo Chranologieo, parte S.*, ma^o 2i$, doc. 80.) 

n'T'S— MagaUiaes (Germano Antonio Xavier de). Volkmar 
Machado dà-nos d'elle a seguinte biographia: 

«Professor de Arcbitectura civil na Aula publica de desenbo, de que pcrccbc 
de ordenado 450:000 réis annuaes; naturai de Lisboa, da edade de 56 annos, o qual 
tem dado diversos descnbos para muitas obras de particularcs e tambem para reedi- 
fica^So da egreja da Sé de Guìmarftes, por cujo servÌ90 foì renumcrado com urna 
ajuda de costo annual de 120 mil réis, por decreto de 14 de junho do anno de 1796. 
Foi varias vezes consultado com outros arcbitectos pelo ill."*^ inspector da obra 
do real palacio o conselheiro Joaquim da Costa e Silva nos annos de 1819 e 1820 
sobre problemas de arcbitectura conccmentes ao dito palacio (da Ajuda).» Memorias, 
pag. 244 e 245. 



121 

Saczynskì jnlga-o severamente, mas com justiga, no locante à reedi- 
ficaQSo da igreja da CoUegiada de GuimarSes, dizendo que elle, por tal 
servilo, era digno nio de urna pensSo, mas de um severo castigo. 

Volkmar Machado fatava de cadeira, quando se referia às conferen- 
cias celebradas pelo ìnspector das obras do Palacio da Ajuda, Joaquìm 
da Costa e Silva, pois urna d'essas conferencias, pelo menos, foi celebrada 
em sua propria casa. O mencionado inspector, por causa d'aquelle cargo e 
de otttros que exerceu, viu-se obrigado a rija polemica, publicando alguns 
opuscolos apologeticos, entre os quaes a Eesposta comprovada que o Conse- 
Iheiro Joaquim da Costa e Silva apresenta para mostrar e eonvencer afalsir 
dade do que escreveo Antonio Francisco Roza, Architecto da obra do Palacio 
da Ajuda Lisboa, na Regia Typographia Silvìana, 1822. Este opus- 
culo é multo interessante para a historia do Palacio da Ajuda, e, entre os 
documentos comprovativos que encerra, conta-se, sob o n.*^ 27, o seguinte: 

CÀOS vinte e sete dias do mez de Julho de mil oitocentos e vinte, neàta Cidade 
de Lisboa, e nas Casas da morada de Cyrìllo Wolkmar Machado, na rua direita de 
8. José, e na minlia presenta, corno Escriv&o da obra do Beai Palacio d'Ajuda; se 
ajuntàrào o Conselheiro Joaquim da Costa e Silva, Inspector do dito Real Palacio ; 
indicado Cjrillo Wolkmar; Germano Antonio Xavier de Magalhaes, Lente da Aula 
de Desenho; e os dois Arqoitectos do mesmo Palacio, Antonio Francisco Boza, e Ma- 
noel Gaetano da Silva QaySo. E pelo referido Conselheiro Inspector, foi dito aos 
acima declarados, que visto nào se ter feito Teimo do que se assentou nas muitas 
Conferencias por elles praticadas, sobre Projectos, Riscos, Plantas, Al9ados, e Espa- 
catos tudo pertencente ao Edificio do mencionado Palacio, appresentados, e inventados 
moitos delles pelo referido Arquitecto Antonio Francisco Roza, Encarregado da so- 
bredita Obra, se fazia necessario deserever as Decisdes, e Pareceres, que sobre este 
objecto se tem dado, a fim de se cumprir o que El-Eei Nosso Senhor Ordenou ao re- 
ferido Inspector, em cuja observancia derSo cada hum dos ditos os seus primeiros 
Pareceres, que se guardSo na Casa do Risco do dito Palacio em poder do indicado 
Arquitecto Roza. E estando nisto concordes todos os sobreditos, declaràrao o que 
se segue : Que posto fosse por todos elles approvado em goral o Eisco Nùmero hum 
da Fachada do dito Palacio do Lado do Nascente, corrigido, e melhorado no tempo 
do actual Inspector, e antes de ser appresentado nestas Conferencias; com tudo jul- 
gàrSo elles que ao remate do Centro era conveniente augmentar mais algum estudo 
para o fazer mais nobre, e elegante; e por isso que so na cupula do SalSo do Centro, 
ou Elitico admittiria o principal ornamento do sobredito remate, appresentou o dito 
Arquitecto Bosa, o Projecto, que leva o Nùmero dois, e o Espacato delle com o Nù- 
mero tres que forSo approvados. E concordarlo que o Projecto appresentado para 
a decora9ao do referido remate pelo sobredito Cyrillo Wolkemar, nào tinha lugar 
de praticar-se visto o adiantamento em que se achava a Obra, e por outros motivos 
que se expozerSo; mas nSo obstante iste o indicado Inspector ordenou que o Projecto 
do dito Cyrillo se reduzisse a Modello, corno de facto se estÀ reduzindo para ser 
guardado na Casa do Bisce do mencionado Palacio para de futuro se Ihe dar uso 
quando assim convenha. Que o projecto dos Aticos dos Torredes, e scus competentes 
Or9amentos da Fachada da Pianta Nùmero hum, corrigidas pelo dito Arquitecto Boza 
forao approvados, e igualmente mereceo a approva9ào a distribuÌ9ao das Plantas 
Geraes, e Escadas principaes do dito Palacio projectadas, e ultimadas pelo indicado 
Arquitecto Roza, achando-se serem de muito engenho, e sumptuosidade ; pedindo todos 



122 

a ooQAtruogfto, e eoncloBSo do modello do Centro do dito Palacio, qae o dito In^pector 
ordenoa se fizesse logo que entrou neste Cargo, a firn de melhor mostrar-ee a abnn- 
dante luz que radiarà em todas as ditaa Escadas, e seuB competentes Yestibnlos : 
NSo tendo lugar a ]embran9a que houve dos 8àbio8 Arquitectos da Corte do Rio 
de Janeiro de se formarem em Colnmnatas simplea, on dobrados ob grandes BÓlidos 
que indic&o os necessarios encontros éa ditas Escadas, os qaaes devem ter teda a pos- 
sivel solidés, pai'a susterem o multo maior pezo, corno he a divìsfio que determina 
Centro no Plano superior com os apartamentos Bégios. Que se approva o Projecto 
que dito Arquitecto Roza fez para a decora^^ da Sala da Tocha, Projecto que he 
indispensavel para ficar distruida a di8propor9fto que ha do seu comprimento & sua 
largura. Que se approva o modello ultimamente appresentado pelo dito Arquitecto 
Rosa das Rampas do dito Palacio pelo lado do Sul, que foi o resultado das Discussòes, 
Pareceres, e Emendasi que se fizer&o Às quaes por parecer geral de todos se unto 
hnma Escalinata comò se mostra do mesmo Modello. Que tendo appresentado pelo 
mencionado Arquitecto Roza, a Fachada do lado principal do Palacio para a banda 
do Sul que diz ser feita pelo Arquitecto fiiUecido Francisco Xavier Fabri, em que 
prcjectava diversos Aticos, que sobrefazerem moroso, e multo mais dispendioso o pro- 
gresso do Edificio fariSo pezado ; appresentou o dito Arquitecto Roza outro Projecto 
sem OS ditos Aticos. E sendo tudo ezaminado, e visto com a maior atten^fto, e disvello, 
e depois de corrigidas diversas cousas no Projecto do dito Arquitecto Roza, appre- 
sentou elle ultimamente bum com o Nùmero quatro, que foi pienamente approvado. 
Que tendo algnns dos sobreditos que este assignàrSo declarado nos Pareceres que 
derfto por escripto, de que no princìpio deste Termo se falla, que os Projectos, e Riscos 
presentes os suppnnhfto ser da inven^fto do Arquitecto José da Costa e Silva, reclamou 
dito Arquitecto Roza, e allegou que era persuasSo mal fundada, pois alguns dos 
ditos Riscos tinhfto side da inven^fto do dito Fabri, e a inven^fto de outros, e a cor- 
recfXo dos primeiros da delle Roza, comprovando isto na presen9a do Arquitecto 
Manoel Caetano da Silva GaySo, que tinha noticia do refendo, por ser contemporaneo 
do dito José da Costa, e achar-se na Obra do mesmo Palacio, desde o seu principio. 
Quo para nnnca se entrar na divida sobre a identidade das Plantaa, que se appre- 
sentàrfto propoz o dito Conselheiro Inspector que fossem por elles rubricadas, e por 
todos assignadas ; a fim de ficar tudo guardado na Casa do Risco do dito Palacio, para 
so proceder na fórma das Ordens, e fiaculdades que Sua Magestade concedeo ao indi- 
cado Conselheiro Inspector, circumstancia em que todos convierfio. E de todo o refendo 
mandou o dito Conselheiro Inspector fìizer este Termo, para firmeza, e lembran9a, que 
todos comigo assignàrSo no sobredito mez, e anno. =Jba^tm da Costa e Silva.^^Ber- 
nardino de Sena Lemoe da Rocha.^^ CyriUo Wolkemar Machadcrs Germano Antonio 
Xavier de Magalhàes,^ Antonio Francisco Bota. ^Manoel Caetano da Silva Gayào,» 



fSVO — MagalMes (Jofto de). Jorge Cabrd e JoSo de Maga- 
IhSeS; porfeitos architectos, Assim os denomina D. Joao de Castro numa 
oarta dirigida a seu filho D. Alvaro, a proposito da feitura de urna for- 
taleca. (Manu$crvpto$ da Casa de S. Louren^o, iiv. iv, foi. 234). 



Cy 7" —Magno dos Santos (Luiz). Sendo primeiro tenente da 
armada real, foi nomeado, em 1806, sargento-mór de engenharia do Rio 
Grande de S. Fedro do Sul, para ali servir nesta arma e nas demais com- 
mÌB83eB| de que foise enoarregado pelo govemador da mesma capitania. 



128 

«Hey por bem hzet merce a Luis Magno dos Santos, primeiro tenente da annada 
real, de o nomear sargento mor de engenharia do Bio Grande de SSo Fedro do Sul, 
para ali servir nesta arma, e nas mais commissòes, de que for encarregado pelle go- 
yemador da ditta capitania. Consellio Ultramarino o tenha assim entendido e Ihe 
mande passar os despachos neeessarios. Mafra em 18 de julho de 1806. Com a rubrica 
do Piincepe Begente Nosso Senbor. Despacbo do Conselbo : «Cumprase e registesse. 
Lisboa 26 de julbo de 1806. Com 4 rubricas dos ministros do dito Conselbo.» 

(ArchiTO do GoumUio UltramArino, DteniM, Ut. 1, toh 198.) 



SyS — MagriQO (Jofto Afibnso). Era simples pedreiro, criado 
de JoEo de Alverca, mostre de obras, de quem tratàmos no voi. i. Damos 
aquì breve noticia da sua pessoa, nSo tanto pela sua importancia profis- 
sionai, que era pouoa, mas por algumas particularidades da sua vida, que 
sXo curìosas, e até pelo seu appellìdo, que faz lembrar o tendano defensor 
das damas inglesas cantado por CamSes. Magrìgo era de gemo irrequieto 
e dado a rixas. Em Setubal o tìnbam culpado na morte de um homem, 
e por oste motivo, apesar de se dizer innocente, se homisìara, apresen- 
tando-se ao Conde de Ourem, ao qual acompanhara e servirà nas contendas 
entree Infante D. Fedro e D. Affonso V. Por tal motivo el-rei Ibe passou 
carta de perdSo a 23 de Janeiro de 1450. O mesmo monarcha ainda Ihe 
passou outra carta de perdSo por causa de umas cutiladas que dera em 
JoSo Gon9alves, pescador. 

«Dom A.<> etc A todollos juizes e justi^as dos nossos regnos, a que està carta for 
mostrada, saude, sabede que JobS Afonso Mag^Ì9o, pedreiro, criado de Job& da Al- 
uerqua, morador na cidade de Lisboa, nos emuiou dizer que em Setuueil fora morto 
bu& Fernando, em cuja morte a elle cnlparom e que comò quer que della fosse sem culpa 
e com temor de seer presso sse ausentara e que andando por elio omesiado nos uiera 
seruir na gorra que ouuemos com o iùmte dom F.® em companbia do conde d Ourem, 
meu muito amado primo, que porem nos pedia por mercee que em remunura9om de 
sseu 8erui90, pois da dita morte era ssem culpa, que Ihe dessemos uosa carta que 
nom fose por elio presso, e nos uisto seu dizer e pedir, e ante que Ibe sobre elio des- 
semos outro alguu liuramento por sabermos quanto era em culpa da dita morte fe- 
zemos perante nos perentoriamente viir a SquirÌ9om deuassa que per rrazom della fora 
filbada, a quali vista per nos, e comò se per ella nom amostra o dito Joyi A.^ seer 
em tali culpa per que Ibe deua de sseer dada pena, e querendolbe fazer gra9a e mercee 
visto comò nos na dita gorra servio, sse a dita morte foy ante do mes dabrill de iiij^* 
Riz, teemos por bem e mandamos que elle nom seja presso por a morte do dito Fer- 
nando e se algnem por ella^quiser demandar que o uenba acussar e demandar pe- 
rante nos : porem mandamos a nos e a nossas ju8tÌ9as que daquy adiSte o nom pr6- 
daaes nem mandees prender nem Ibe fa9aaes nem consentaaes fazer mail nem outro 
alguu desaguissado quanto he polla dita morte e Ibe comprie e guardaaes e fazee 
conprir e guardar està nossa carta comò em ella he contebudo sem Ihe poerdes em elio 
outro alguu gbargo. Unde nom fiEUsades. Em Lisboa xxiij de Janeiro — eirei o mandou per 
doutor LopoVaaz de Serpa, sseu uassallo e do desscnbargo e peti95ee8 e per Gomez 
Louren9o outrossy sseu uassallo e do dcss(!bargo. Fillipe A.<* a fez ano de mil ìiij« 1.» 

(Torre do Tombo. ^ChancelUrift de D. Affoiiso V, Uy. 16» fol. 19.) 



124 

A fi. 157 do mesmo livro esti outra carta de perdSU) ao meamo Joham 
Afonso Magn{o, pedreiro, viorador em a nossa cidade de Lisboa^ por causa 
de umas cutiladas que dera num JoSo Gongalves, pescador. A carta é de 
13 de inarco ou maio de 1455. 



syo— Mala (Oaetano Alberto). 

Vide Luiz Herculano Femandes e José Fedro de Barros LaborSo, 



5580 — Maia (Manoel da). A carreira laboriosa d'este illustre en- 
genheiro e professor comefou nos ultimos annos do seculo xvn (1698) e 
prolongou-se por mais de metade do seculo seguinte, sem que afrouxasse 
um momento a sua actividade nas variadas manifestajSes da sua profissao. 
Oriundo de familia obscura, soube todavia elevar-se pelos esforgos proprios, 
pelo seu merecimento e pelo seu estudo. Nasceu na cidade de Lisboa, sondo 
filho de Francisco da Maia, Inveirò. Os avós paternos eram pessoas hu- 
mildes e viviam do seu traballio; os matemos haviam side mestres de 
meninos. Està ascendencia, sobremodo plebeia, ia-o inhabilitando de re- 
ceber habito de Christo, com que a munificencia're^a o galardoara 
pelos serviQOs prestados & nagSo e ao pa90. Foi necessario que elle re- 
queresse dispensarlo de impedimentos, obt^ndo despacho favoravel em 7 
de novembre de 1720. Transcrevemos em seguida a informarlo da Mesa 
de Consciencia e Ordens, merecendo annotar-se a teimosia do arcipreste da 
Santa Igreja Patriarchal, que so se rendeu perante a circumstancia de Ma- 
noel da Maia haver side professor do principe real. Todos os mais serviros 
eram improprios,. senSo indignos, da prosapia de fidalgo! Eis documento: 

«Das prcuanras que se mandarlU) fozer a Manoel da Maya p.* haner de receber 
hab.® da Ordera de xpo de que V. Mg> Ihe fes m.«» constou que Beo Pay fora luueyro 
OS Avos paternos pessoas humildes q uiuìSo do seo trab.^ e os matemos for2o mestres 
de meninos e por estes impedim.'°* se julgai-a bSo estar capas de entrar na ordem de 
que dandose conta aV. Mag.*"» pella Cons." inclusa foi V. Mag> seruido mandar res- 
ponder que estaua bcm. 

Becorreo aV. M. com bua peti^So em que pede Ihe fasaV. Mg.'*^ merce querer dis- 
pensalo nos sobrcditos impedimentos de falta de qualidade alegando serlhe feita a 
dita merce em remunera9So de seos sera.*»' que constauao da copia da portaria incluza 
em 08 postos de capp.*" the de Coronel, e costumar V. Mg> conceder semelbantes 
gra^as q.'** se requer com sera.®" proprios. 

E por V. Mag.**» mandar que a dita petÌ9So se veja neste Tribunal, e se consulte 
o que pareser sem embargo das ordens em contrario. 

Pareseó a Mesa, queV. Mg.*^*» dcue conceder a dispensa por as mecbanicas que 
Ihe resultar&o das prouanpas nSo serem das sordidas, e sup.« se achar com a honra 
de Mestre do serenissimo Princepe Nosso S/; por cujo respeito, alem do sera.*» proprio 
por q y. Mag.*** Ihe fes a merce do habito se fas digno da dita grasa de dispen9a. 



125 

Ào Àrcipreste da S. Igr.* P.**, que corno o Pay e todos os Auos forSo mechauicos 
e OS Sem.*" do Sup.*' nSo serem dos de qualidade, que por elles se Ihe conceda a dis- 
pen9a, Ihe parese nSLo ser meresedor desta gra9a e que a qualidade de Mestre do 
Principe Nosso S/ a nao alegou o Sup.* para por ella ser despachado em aten9ao da 
qual podera V. Mg> deferirlhe corno for seruido. Lx." oc.** 30 de 8bro. de 1720.= 
O Dnque Estribeiro Mor=D. Lazaro Conego de S. Ig. Patr.e^ Àrcipreste de S. Igr.* 
Patriarchal. Miguel Barbosa Camr.<»» 

Despacho ao lado: 

«Hey por bem despensar o supp.** Pedroussos 7 de O.*»"» 1720 — Bey.» 

(HabilltA95e8 da Ordem de Christo, ma^o, 43, n.^ 60.) 

Nem todos os diplomas relativos aos diversos cargos, para que Manoel 
da Maia foi nomeado, chegaram a ser registados nos Livros das Cbancel- 
larias. Alguns d'elles encontram-se no Archivo do Conselho de Guerra, e 
é de crer que existam «dada outros disseminados pelos cartorios de outras 
repartiySes. Em 1718, depois de 20 annos de tirocinio, era elle promovido 
a coronel de infantarìa com exercicio de engenheiro, em atten^ao aos seus 
servÌ90s em geral e em partlcular ao levantamento da pianta de Lisboa, 
orientai e Occidental. Este despacho foi lavrado no requerimento do inte- 
ressado, que ahi deixa apontados os principaes marcos miliarios da sua 
carreira publica. Transcrevendo na intrega a peti^So do nosso engenheiro, 
julgamos superfluo estar a destacar os factos que elle enumera. 

«S.^ Bis Manoel da Maya Sargento mor de Infanteria com o exercicio de enge- 
nbeiro que elle serve a Y. Mag.*** ha vinte annos no dito exercicio principiados de 
26 de majo de, 1698 occupando os postos de ajudante e capitSo the o anno de 1710 : 
e no decorso do dito tempo assistio ao marqués de Alegrete na repartÌ9So de marinha 
de que foi govemador de 1701 : passou & provincia do Alemtejo a fazer as plantas 
dos dezenhos e emendas da pra9a de Estremoz e forte de S. Jozeph, conduzio hum 
regimento olandes 4 provincia da Beira; acompanhou a ElUey D. Pedro, que està 
em gloria, à mesma provincia servindo naquella jomada e campanha de quartel-mestre 
da corte, e aqnartelando o mesmo Senhor the està cidade : de onde foi assistir 4 for- 
tifica9ào de Abrantes, e medir as suas obras ; e elleger assim na dita villa comò na 
de Tancos sitios para armazens de manÌ9oes, e fazer plantas para elles : e tornando 
& provincia do Alemtejo sahio com o exercito que foi sitiar Badajoz, em cujos ataques 
assistio, e fabricou os fortes que segurarSo as pontes no Guadiana: foi occuppado 
pella Junta dos tres estados na traduyao dos dous livros militares Govemador de Pra* 
gas, e Fortifficagào Moderna, a que tambem fez as estampas, e correo com as impres- 
sòes, nSo Ihe dando a dita Junta mais que huma limitada ajuda de custo de sincoenta 
mil reis por cada hum: e ultimamente tem feito por ordem de Y. Mag.^* a pianta 
de toda està corte por se Ihe intimar da parte de Y. Mag.^* que seria muyto de seu 
real agrado a conseguisse, e porque espera da real grandeza de Y. Mag.'^* remunera9So 
ao mais excessivo trabalho, que com ella teve : 

P. a Y. Mag.*'* Ihe fa9a mercé por seu real decreto do posto e soldo de coronel 
de infanteria com o exercicio de engenheiro, visto se acharem occuppando o mesmo 
posto, nio so engenheiros do seu mesmo tempo, comò silo Jo&o Thomaz Correa e 



126 

Jozepb da Silva Paes, mas tambem ontros mais modernos c<nno FraneÌBCO Cordeiio 
Yinagre e Miguel Pereira da Costa: e attendendo a V. Mag.^ tambem ao grande 
traballio que teve Ibe mande dar boma ajuda de costo competente a elle : — £. R. M.«*» 

Este requerìmento teve o seguìnte despacho: 

«Tendo considerammo ao merecimento do sapp.* e a estarem adiantados outros 
engenbeiros em o posto de coronel sendo do mesmo tempo, corno tambem ao particnlar 
0ervÌ9O que ultimamente fes de ordem minba da pianta geral das cidades de Lisboa 
Occidental e orienta^ Ibe fa^o mercé do posto e soldo de coronel de infÌEmtaria com 
o exercicio de engenbeiro. conselbo de guerra assim o tenba entendido. Lisboa 
Occidental a 8 de norembro de 1718.» (Com a rubrica de sua tnageOadc.) 

D. Jo3lo V nSo se contentou em o promover: fez-Ihe tambem merce 
de mna tenga effectiva de 108f$000 réis amiuaes, alem dos 12f9iOOO réis que 
havia de lograr com o habito de Cbrìsto, que Ibe mandara laudar. A res- 
pectiva carta de padrSo tem a data de 17 de setembro de 1719 e acba-se 
registada na cbancellaiia d'aquelle monarcba, liv. 52, foL 234 v. É comò 
segue: 

«Dom JoSo por gra^a de Deos Bey de Portugfd &c. Fa^o saber aos que està minba 
earta de Padrfto virem que tendo respeito aos semi^ de Manoel da Maya, filbo de 
Francisco da Maya e naturai desta cidade feitos ]M>r espa^o de vinte e bum annoa 
quatro mezes e bum dias nos postos de Apontador das fortefica^oens, ajudante inge- 
nbeiro, cappitam, sargento mayor, e no de coronel de infantaria com o mesmo exer- 
cicio de ingenbeiro desde vinte e sete de Mayo de seiscentos nouenta e cito atbe 
vinte e sette de Mayo deste anno de mil sette centos e dezanoue, no de mil sete centos 
e bum asistir às obras da marinha e das baterias da banda dalem, tornando as alturas 
e examinando os materiaes, e fazer o risco das plantas das ditas obras com multo aserto 
e laudando em todas ellas ao Lente das Fortifica^dens Francisco Pimentel, com o 
qual foi a Eztrcmos para examinar o que faltaua à fortefica^So da pra^a: No de 1704 
conduzir para Abrantes bum regimento de olandezes, e depois de voltar tornar para 
a dita villa asistir a obra de Fortefica^So fkzendo a medÌ9So e pianta do armazem e 
a imfonna9So do que convinba para o de Tancos : Na campanba do dito anno acom- 
panbar ao Conde Apozentador mor que foi aqnartellar a ElBey meu Senbor e Pay 
que està em gloria, seruindo de quartel mestre da corte. No de mil sete centos e sinco 
ser mandado para Elvas, e sabindo no exerdto asestir a obra de buns reductos que 
se fizerfto a borda de Guadiana para guarda da ponte de barcas binde muitas vezes 
vizitar OS ataques e batarias: Por ordem do mesmo senbor tradnzir dous Hnros 
francezes quo tratSo da fbrteflea^So, que forSo recebidos com geral aceita93o pelle 
estillo e fee da tradu9So, e pelle seu bom prestimo e inteligencia ter side muitas 
vezcs ocnpado em varias deligencias do real serui^o e por ordem espeeial fazer a 
pianta de ambas as cidades de Lisboa occidental e orientai com teda a indiuldua^io 
do pra9aB, pallacios, templos, mosteiros, freguezias, bermidas, mas e tranessas com 
OS nomes de todas estas couzas em tSo boa forma e tSo ajnstada ao terreno qtte 
acreditou o seu estudo e trabalho de sinco annos : £m Bati8fa9So de tndo Hey por 
bcm e me pras fazerlhe merce de cento e oito mil r.' de ten9a eifectinos cada anno 
em Vida alem de doze mil r."mai8 de que tambem Ibe fiz merce para os lograr com 
babito do Cbristo que Ibe tenbo mandado lan9ar, de que se Ibe bade passar padrSo 



127 

pela reparti^io óm ordens a que pertenoe, oi quaes Ihe serS asentados em hum do6 
Àlmozarìfeidos do reino em que couberem Bem prejuizo de tereeiro e nSo hoauer pro- 
hibÌ9ào e o vencimento delles de dezacete de seteinbro deste anno prezente de mil 
Betecentofl e desanoue em diante dia desta merce the o do asento sera na forma eto, 
Ba&el da Silaa de Oliaeira a fes em Lisboa Occidental a desaoete de ontubro 
de mil sete centoe o dezanoue annos. Jorge Luis Teixeira de Camalho o fos escreuer. 
ElRey.» 

"^ (Tone do Tombo. — duuiMUarUi de D. Jofto Y, Qffleiot e Marci», Ut. 58, ft>l. S84 v.) 

Em 1718 foi Manoel da Maia promovido, corno vimos, a coronel de 
infantarìa, depois de vinte annos de servigo. Foi preciso passar ontro 
perìodo igual para que tivesse novo accesso, ^endo entSo promovido a 
brigadeiro de infantarìa com exercicio de engenbeiro. É curiosa està suo- 
cessSo de epocas. Para obter està nova mercé dirìgìa tambem a ei-rei um 
requerìmento em que repete, quasi pelas mesmas palavras, a enumera9So 
dos servigos que fizera nas duas primeiras epocas. É uma especie de auto- 
biographia e por isso o vamos reproduzir na ìntegra. Eis o seu contexto: 

«Senbor — Diz Manoel da Maya que elle serve aV. Mag.<^« ha quarenta annos no 
exercicio de engenheiro continuados de 26 de mayo de 1698, the o corrente mez de 
mayo de 1738| conseguindo nos primeiros vinte annos occupar o posto de coronel, 
comò consta de sua patente passada em 11 de novembre de 1718 na qual se relata 
que occupou os postos de ajudante e capitSo com o exercicio de engenheiro servindo 
jnntamente de apontador das fortiffica^òes da Corte, e sua marinha, quando se for- 
tifficou no anno de 1701 e snbsequentes; e no anno de 1703 ter passado à provincia 
de Alemtejo &zer as plantas dos dezenhos e emendas das praQas de EstremÓz e forte 
de S. Joseph : e no anno de 1704 condozir hum regemento olandes à pra9a de Abrantes, 
e acompanhar ao Senhor rej D. Fedro na jomada que fez à provincia da Beira, ser- 
vindo naquella campanha de quartel mestre da corte; ter assistido na fòrtifiea^&o de 
Abrantes e medido as suas obras, e elleger assim naquella villa, comò na de Tancos 
sitios para armazens de muni95es, fazendo as plantas para elles ; e passando & prò 
vincia do Alemtejo sahiu com o esercito que foi sitiar Badigoz no outono de 1705, 
em cujos ataques assistio, e fabrioou o^ fortes que seguravSo as pontes do Guadiana, 
por c^ja cauza foi promovido ao posto de sargento mor; e sondo enearregado pela 
Junta dos tres estados da tradu^So de alguns livros militares, deo i impressSo os 
dous intitulados Fortificammo Moderna e Govemador de Pramas com grande satisfamSo 
do dito trìbmial, e tendo dado boa conta do particular serviyo, que por ordem de 
V. Mag.^" Ihe foi cometido da pianta geral das cidades de Lisboa oceidental e orientai, 
que apresentou aV. Mag.^^* completa no anno de 1718, foi V. Mag.'* servido mandar- 
Ihe passar a patente de coronel em 11 de novembre do mesmo anno ; e pelo despacho 
de mercés aos ditos vinte annos de 8ervÌ90 a do habito de Christo com cento e vinte 
mil reis de tenma, tudo antes das ocupafSes interiores do pa^o, nas quaes entrou 
em 28 de jonho de 1720 : E porq nos segmidos vinte annos tem continuado tambem, 
no mesmo exercicio de engenheiro oom a diligencia que a Y. Mag> he bem presente, 
dando inteira satisfallo de tudo quanto se Ihe tem enearregado, oa foste naextiac^lo 
de desenhos no sitio de Buenos Ayres, de que i^resentou a Y. Mag> hfl modelo €aa^ 
oto de iodo aquelle terreno irregnlar, e suas oiroumvesitthaii9as, do que por està 
cauza se faz mny ardua a sua execu^So ; ou fosse na preparamio, que o marquez de 
Abrantes levou para Madrid, de que o suplicante fez tambem todos os desenhos ne- 
eessarios; ou na ellei^fto do terreno pira a oonduo^Ao daa Agoaa livrea, em qae tra- 



128 

balhou desde o anno de 1728 the o de 1734 de sorte que nio so desembara^on a grande 
confuzio, em que aqueUa materia se achava, mas a reduzio ao mais verdadeiro, se- 
guro, e conveniente methodo de conduzir as agoas, de que n^ lia outro ezemplo, 
nem ainda advertido, ou ponderado nos authores : ou fosse proximamente na indaga9ao 
das agoas para a real obra de Mafra, a que nSo b6 demarcou o caminbo, e fez a sua 
rcpresenta^fto, al^ados e pondera95es ; mas tambem descobrio um novo modo de re- 
pucbos, em que se salySo todos os inconyenientes dos repucbos ordinarios para evitar 
as grandes despezas das arcadas; o que com grande proveito se poderi imitar daqui 
por diante em semelbantes obras; nSo falando nas multiplicadas occaziòes de tradu^So 
das lingoas latina, inglesa, italiana e franceza; de desenbar mapas geograpbicos e 
militares, de viveres, muni^es e gente de guerra; £emì turar indeces de bibliotecas, 
sinalar meridianas aasim em Ma&a, corno em outras partes, balizar estradas em linba 
recta, e inquirir dos fùndidores estrangeiros os seus metodos para os communicar aos 
nacionaes, fazendo todos os desenbos por sua propria mSo sem necessitar, nem cos- 
tumar valerse de desenbador nacional ou estrangeiro, para com mais segaran9a poder 
dar conta de suas opera^oes, posto que & custa de multiplicado trabalbo : por tanto 
P. a y. Mag.<^' queira ser servido attender a que no tempo dos segundos vinte 
annos, em que elle suplicante tem servido a Y. Mag.'* com o posto de coronel e com 
mayor conbecimento das materias, em t&o continuadas diligencias, tem sido outros 
engenbeiroB servindo com muyto mais descan^o, melborados de posto, nSo so buma^ 
mas muytas vezes, e alguns com soldos dobrados; e que & imita9&o destes parecia 
justo fizesse Y. Mag.<^* mercé ao suplicante do posto immediato de brigadeiro de in- 
fanteria com ezercicio de engenbeiro e soldo dobrado, pois que ha tio largo tempo 
serve com bum mesmo posto, e com o continuado ezercicio, que a Y. Mag.*^* be pa> 
tente. £. B. M.» 

O despaclio lavrado neste requeiimento é concebìdo nos seguintes 
termos: 

«Tendo considcraQ&o ao merecimento e 8ervi908 do supplicante e ao mais que me 
fbi prezente: Hej por bem &zerlbe merce da patente de brigadeiro de infantarla 
com mesmo ezercicio de enginbeiro e soldo dobrado em satÌ8fa9So de seus serviyos. 
O Conselbo de guerra o tenba assim entendido e Ibe mandarà passar os despacbos 
necessarios. Lisboa Occidental a sette de agosto de mil sette centos trinta e outto.» 
{Com a rubrica de Sua Mageetade.) 

(Deeretos remettldoa ao Conselho de GhnerrA, ma^ 97, n.* 65.) 

Em 1745, a 12 de fevereiro, era nomeado Manoel da Maia guarda- 
mór da Torre do Tombe*. Em data de 17 de junho do mesmo amio era 
assignado o alvarà que delimitava o seu ordenado e marcava outras des- 
pesas do mesmo estabelecimento. Aqui o inserimos: 

it£v ElRey fa^o saber aos que oste meu Alvaro virem que tendo respeito a bauer 
feito mercé a Manoel da Maya por carta de 12 de fevereiro do anno prezente de 1745 
do cargo de Guarda mor da Torre do Tombo Hey por bem e me pras que elle tenba 
e baja em cada bu anno com o dito cargo 240/000 r." a saber 200/000 de seu ordenado ; 



^ Este alvari acba-se registado na Cbancellaria de D. JoSo Y, liv. 110, fol. 79 1\ 



129 

20|;000 r." para dous guardas; 12/000 r/ para o porteiro e 8/000 para ìm escraao 
yarrer as cazas, e que oatro sim hi^a mais 40/000 para concerto de liyros, papel, tinta, 
pennas, area, obreias, agoa, ba90iras, concertos de vidrassas, e delles 8/000 r.* para se 
darem todos ob annos a hom ofecial para estar pompto para treslladar os papeis que 
se pedirem do meu rea! seroi^o de que se Ihe remetem ae copias asignadas pelle dito 
guarda mor; os quais Ihe seriLo asentados pella maneira seguinte, a saber os 240/000 
na Alfuidega desta cidade e os 40/000 no Almozarifado da Casa da sisa do Pescado, 
e OS comesarà a yencer de 22 de feyereiro deste dito anno presente de 1745 em diante 
dia em que tomou posse do dito cargo. Fello que mando aos yedores de minha £Eizenda 
etc. Lisboa 8 de junho de 1745. A Rainha.» 

(Torre do Tombo.— Ohaneelliuria de D. Joio V, liv. 108, fol. 310.) 

Manoel da Maia exerceu condignamente o legar de guarda-mór da 
Torre do Tombo, e ainda hojè ali se observam e admiram os ìnapagaveis 
vesti^OB da sua activa e sabia direc9So. 

Por ordem regia foi Manoel da Maia encirregado das obras do Hos- 
pital das Caldas da R^nba, corno se ve do seguinte documento: 

«Ey ElBey Fa90 saber aos que eate meu Aluarà yirem que sendo seruido encar- 
regar ao Brigadeyro Manoel da Maya a obra que mando fiuer no Hospital da Villa 
das Caldas e sen aqneduto nomeando-o superintendente dellas, e por que para estas 
se findarem com a breuidade que he conyeniente Ihe serSo percizos officiaes. Hey por 
bem &zerlhe merce de Ihe conceder faculdade para que possa nomear hum, ou mais 
Meyrinhos por quem mande execntar as snas ordens em tudo o que pertencer as ditas 
obras; pelle que mando as JustÌ9as, etc. Dado em Lisboa aos 12 de Janeyro de mil 
setecentos quarenta e none annos. Baynha. Por decreto de Sua Magestade de desoyto 
de Dezembro de mU setecentos quarenta e oyto annos.» , 

(Torre do Tombo.— ChanceUarift de D. Jo&o Y, Offhtoè < Mtreia, Ut. 1S6, fol. 870 0.) 

D. José^ nSo foi menos reconhecido que seu pae aos servigos de Manoel 
da Maia. Em 1754 nomeava-o mostre de campo general com exercicio 
de engenheiro-mór do reino. Diz assim respectìvo decreto: 

«Tendo considera9So aos merecimentos, e seryi90s de Manuel da Maya sargento 
mór de batalha dos meus exercitos, e multo principalmente aos que me fez, sendo eu 
prìncipe, na assistencia junto da minha real pesca, que pelo amor, cuidado prestuno 
com que foram feitos, s&o mais dignos da minha regia e reconhecida lembran9a : Hey 
por bem e por gra9a especial fazerlhe mercé, sem concurso e sem prejuyso da antigui- 
dade dos que a tiyerem mayor, do posto de mostre de campo general, d« que se Ihe 
passata patente para ezercitar com o emprego de engenheiro mór do reyno. Con- 
selho de guerra tenha asshn entendido. Bellem a dezaseis de julho de mil sette 
centos cìncoenta e quatro.» {Com a rubrica de Sua Magestade.) 

(Deoretos remettidos ao OoiueUio de Onexra, nut^o 118, n.* 08.) 

AGgael Angelo Blasoo sncoedeu-lhe em 1769 no cargo de engenheiro- 
mór. 

Manoel da Maia escapou felizmente aós terrìveis effeitos oausados pelo 
terremoto de 1755, e multo nos deyemos congràtular por tal facto, pois 

TO^. n 9 



130 

B6 nSo fóra'elle e as acertadas provìdencias qae dea por oooaùSo do pa- 
voroso abaio, talvez o Real Archivo, se nto se tivesse de todo consumido 
ou extravìado, teria soffirido, pelo menos, multo maiores estragos. As duaa 
oartas que em seguida publicamos, sondo tuna do Marqaez de Fombal, 
esenta logo em seguida ao terremotOi mostram a dedicasSo que elle tinha 
pelo seu cargo e o interesse qae inspirava a sua pessoa aos mais altos 
ministros. 

«Fiz prezentes a £1 Bey N. S.* as duas cartas qae boje recebi deV. Ex.* E sondo 
sempre muito agradayeis aY. Mag.* os eflcritos de V. Ex.* recebeo estes que Eu agora 
tive a bonra de Ihe aprezentar com muito especial allegria porque confirmaram au- 
thentleamente as noticias que antes haTiam chegado de terV. Ex.* ficado salvo das 
Boiiias qae ficeram tio grande estrago em Lisboa. 

do Real Arcbivo da Torre do Tombe dava tambem ao mesmo Senbor o jasto 
cuidado, que agora cessou pela certeza, que Y. Ex.* deo, de que a Buina do Edificio 
nSo envolveo a dos Papeis : para cuja seguran^a fa9a logo Avizo ao Marqnes Estri- 
beiro-Mór que com toda a promptidfio mande postar os Dous Bentinellas continaos 
nos Lugares que Ihe forem determinados por Y. Ex.* 

Quanto a caza de Madeira para interinamente se gnardarem os LivrQs, 8. Mag.* 
he Bervido que Y. Ex.* a mande Edificar; nomeando os Engenheiros; fitzendo comprar 
08 materìaes ; e empregando os Artifices que Ihe parecer : porque para tudo o referido 
Ihe concede por este a ampia, e illimitada Jnrisdi^So que Ihe for necessaria, e no caso 
de nfto se acharem madeiras em outra parte, pode Y. Ex.* mandar fallar ao Consol de 
Dinamarca por que Ihe apontari logo differentes Navios dellas que estio neste Porto. 
Pelo que teca a meyos com aviao de Y. Ex.* se Ihe flirà prompto o Dinheiro que por 
agora for preciso. E bem creyo que Y. Ex.* se perssuadiri de que o meo cordialissimo 
affecto se alegrou inexplicavelmente com a certosa de nos ter Deos N. 8. consenrado 
a importante vida de Y. Ex.* 

Deos Guardo a Y. Ex.* Pa^o de Bellem a 6 de Novembre de ITòòasSebastifto Jo- 
seph de Carvslho e MelloasSn/ Manosi da Maya.» 

(AnUfo Nsdmal.— JfffMf • OnlM^ m^o S, a.* IS.) 

«Sondo presente a 8. Mag."** a Bepresenta^So de Y. Ex.* para haver de se accom- 
modar nos dous Quartos alto, e baixo das casas Contiguas ao Mosteiro de S2o Bento 
da Saude, chamadas dos Bispos, o Beai Arcbivo da Torre do Tombo, e na casa, que 
està defironte da Portarla do dito Mosteiro, a Academia Militar : F07 mesmo Senhor 
Servido oonformar-se com Parecer de Y* Ex.* E ordena, que Y. Ex.* ajuste com Ab- 
bade do dito Mosteiro aluguel das referidas Casas, para 8e mandar satis^Euser pelas 
Partes, a que pertence : E que entregando a Y. Ex.* as chaves do Quarto alto, e dan- 
do-se tempo que se Julgar competente, para Commendador desoccupar as do Quarto 
de baixo; mande Y. Ex.* faser logo a mudan9a do mesmo Beai Arcbivo para as sobre- 
ditas Casas, com aqnella arrecada9So, que 8. Mag.^* confia do Zelo, e actìyidade de 
Y. Ex.*; e ùl^a entregar as chaves da Casa fronteira & Portarla do dito Mosteiro, ao 
8argento M6r Filippe Bodrignes de Oliveira, para nella se estabelecerem as Sessoens 
da Academia Militar, tanto que estiver prompta. E ao Marquez de Tancos se avisa, 
para que p Destacamsnto, que assiste de guarda ao mesmo Beai Archivo na Fra^ 
de Armas do Castello, execute as Ordens que Y. Ex.* Ihe der a este respeito. 

Deos guardo a Y. Ex.* Pa^o de Belem a 19 de Agosto de 1757. — Dom Luis da 

Cunha— Sn/ Manosi da Mava.» 

(ijaiToKMtauU-^Jitow* Orimi, i&Ho S, ii«*l04 



131 

Manoel ds MaiA era membro da Academia Beai de Historia, tendo en- 
tralo para està corpora^to, em logar do falleoide Dr. Gaetano José da 
Silva Souto Maior, a 10 de dezembro* A Qazeta de Lisboa, de 7 de Janeiro 
de 1740, dando conta da respeotìva conferencia, diz o geguinte; 

«No mesmo dia fez o padre Estacio de Almeida o elogio do Doutor Gaetano José 
da 8ilTa 8outo Maior corregedor do criine do bairro do Bocio e ùÀ eleito para ocupar 
o logar deste defunto academico o brìgadeiro Manoel da Maia, cavalleiro da ordem 
de Cbristo, guarda-mór| e cartorario do Arcbivo da SereniBsima Caaa de Bragan9a, 
mui conhecldo pela sua eminencia em multa sciencia e arte.» 

Volkmar Maehado nSo conflagra nenhom artigo espeoial a Maaoel da 
Maia e iq>ena«, sob a rubrìca Carla Mardd, traz estas séooas paiayraa: 

«Por aquelles tempoB fbrào tambem estimados corno booB arohitectas Hanuel da 
Maya, que foi marechal general, Engenheiro mór do reino e teve em 56 de dar a 
pianta de Lisboa de que incumbio o Tenente Coronel Carlos Mardel, o Capit&o Eu- 
genio dos 8antos, o Capitfto Elias Sebastifto Poppe, Antonio Carlos, José Carlos da 
Bilya, etc.» 

Fr. Clandio da ConoeisSo, no bou GabineU Hùtarieo, toI. xvi, pag. 256, 
dÌ2 que Kanoel da Mua fallecera a 17 de setembro de 1768 e fÒra en- 
terrado na casa do capitulo do conyento de 8. Fedro de Alcantara. 



£$@1— ICalha (FranoiMO Quarte). Era sargento-mór gradutfdo 
de artilharìa, em eervì^o no Brasil. Attendendo i infbrma^&o do Conde 
dos Arcos, yice-rei e capitSo-general de mar e terra d'aqnelle estado, foi 
nomeado coronel gradnado do Beai Corpo de Engenheiros com o venci- 
meato do aoldo de tenente-coronel em 17 de desembro de 1806. 

«ConfomuuidoHna com a informasse do conde dos AreoSf vice-rey e ct^itam ge- 
neral de mar e terra do Estado do Brasil, Rey por bem foaer mercé ao sargento mór 
graduado de artilharia Francisco Duarte Malha, de o nomear coronel graduado do 
real corpo de engenheiros, com o vencimento do soldo de tenente coronel. Conselbo 
ultramarino o tenha assim ^itendido e Ibe mande passar os despachos necessarios 
Mafra em 17 da dasembro de 1806. Com a mbrìca do Principe Begente N. S/ Dea- 
paebo do Conselbo: «Cumprasse e registesse. Lisboa 19 de desembro de 1S06». Com 
5 rubricas dos ministros do dito Con£elho.» 

(InhiTO do Oonaelho UltnourlBO^Itocrclof, Ut. 7, foi. SOS v.) 

osa — Mallo (Jofio). Ezerceu a engenharìa no Brasil, no primeiro 
qoartel do secolo XJX, tendo attingido o gran de brìgadeiro* 

O Archivo Militar do Bio possne d'ella o segointe trabalho ori^nal| 
a agnarella: 

Pianta Ydrograjlea da Bahia de Todos o$ Banioe com a maior parte do 
eeu recoficaoo, tendo ettuadapoueo detriro da sua mUrada a Oidade do 8al* 



132 

vador. . . Lisboa anno de 1802. Pianta da Oidade da Bahia tal guai a 
devou no tempo do Vice Reinado do Marquez de Angeja D. Fedro de No- 
Tonha, Brigadeiro Engenhevro Joào Molle, Prospetto da Cidade da Bahia, 
ou do Salvador, eituada na costa do BrasU. 



SSa — Manoel (Pero). D. Jorge, mestre da Ordem de S.Tiago, 
tomou por seu officiai por alvarà de 20 de dezembro de 1546. Morava 
no Torr3o e servìa de pedreiro nas obras do castello da mesma villa. 
(Ordem de S. Tiago, liv. xxni, fol. 140). 

Outro alvarà de 4 de fevereiro de 1550 mandava ao prior da igreja 
do Torrao que Pero, mestre pedreiro, tivesse dentro da dita igreja urna 
cova para elle, sua mulher e herdeiros, sem pagar premio. (Ordem de 
S. TÙxgo, liv. XXVI, fol. 20). 

S94e — Maroos de Abreu (Joaqulm). Fabri fol o arcUtecto do 
palacio do Marquez de Castello Melhor, que recentemente foi conduido 
pelo seu novo proprietario o Sr. Marquez da Foz. Pela morte de Fabri, 
diz Volkmar Machado que ficaram encarregados das obras Antonio Fran- 
cisco da Rosa, Joaquim Marcos de Abreu, Manoel Gaetano da SUva GirSo, 
Martinho José Peìxoto e Pedro Antonio de Oliveira. (Memorias, pag. 231, 
artigo Francisco Xavier Fabri). 

Volkmar Machado diz QirSo, mas deve ser GaySo. Veja-se o artigo 
que a este consagrimos no voi. i. 

SSS — Mardel (Oarlos). Frìncipiamos por dar a nota biographica 
que Ihe consagra Volkmar Machado nas suas Memorias (pag. 193) e que 
Raczynski reproduziu abreviada no seu Dictionnaire. É do teor seguinte: 

e Era naturai da Hungrìa; veiu para Portugal no anno de 1733 com 
patènte de capitSo engenheiro, e serviu depois o posto de coronel, que 
conservou até ao mez de setembro de 1763, tempo em que falleceu, ven- 
cendo sempre soldo dobrado, alem das extraordinarìas gratificaj^Ses, que 
recebia corno architecto das Aguas Livres (seu primeiro logar), da Casa 
das Obras, do almoxarìfado do sai de Setubal, etc. Fez o palacio de Sai- 
vaterra, o convento de S, Domingos, o Collegio dos Nobres, o palacio 
do Marquez de Pombal em Oeiras, o chafariz da Bua Formosa e o da 
Esperan9a^ o convento de S. JoSo Nepomuceno, a sua propria casa a 
Santa Isabel e o rìsco para o palacio que o senhor rei D. José quiz fazer 
no Campo de Ourique, etc, etc.» 

Por fallécimento de Custodie Vieira, Carlos Mardel foi nomeado archi- 
tecto dos pa90s reaes (da. Bibeira, Sintra, Salvaterra e Almeirim) e do 
convento da Batalha» Carta de 22 de fevereiro de 1747. 



133 

Por urna apostilla a està carta se ve que elle era tambem architecto 
das tres Ordens Militares e medidor das obras das fortalezas da barra. 

Sendo architecto do Serenissimo Estado de Braganga, foi-lhe ordenadO| 
em 24 de Janeiro de 1763, que convocasse o architecto Matheus Vicente 
e que com elle ou outro qualquer da sua escolha esaminasse as ruinas 
do pago do duque, que se nSo remediavam so com os pontSes por elle 
primitivamente indicados, e que informasse quaes as obras indispensaveis. 

Mardel, se nSo foi o ultimo, foi um dos ultimos architectos dos pa^os 
reaes de Almeirim, o qual j& estava em grande mina, sendo de todo man- 
dado arrasar e extìnguir a 25 de outubro de 1792, comò se v6 da seguinte 
provisSo regia: 

«Sendo-me presente o estado de nuna a que tem chegado o Pa90 de Almeirim, 
sendo infractnoza a despesa que se possa fiuer em urna total reedificsffto delle; Sou 
seniida extingnir o dito Pa9o, mandando-o demolir de todo, dando-se aos materiaes, 
que do desmancho resultarem o uso que £u fot servida determinar ao Conde de Sonre 
provedor das obras dos meus Pa^os Beaes : Simillm^temente Hei por extinctos, corno 
se nunca houTCSsem existido, os Lugares de Almozarife, EscriTSo, Homem das obras, 
e Belojoeiro do dito Pa90 de Almeirìm, com todas as suas incumbencias, quaes quer 
que ellas fossem. E por um effeito da minha Beai Piedade ordeno que aos que actual- 
mente se aduun seryindo os ditos empregos se ihes continuem, emquanto tìyos forem, 
OS mesmos ordenados, qne Ibes estavam estabellecidos, e que Ihes serSo pagos pela 
mesma Foiba, e do mesmo modo, que até agora o tem side. 

mesmo Conde de Soure, Preveder das obras dos meus Beaes Pa^os o tenba assim 
entendido, e o fa^a exeeutar com as ordens necessarias. Palacio de Queluz em vinte 
e sinco de outubro de mil setecentos noventa e deus.» (Bubrica do Princ^ SegenU.) 

Eate documento foi-nos communicado pelo nesso amigo o Sr. Rodrigo 
Vicente de Almeida, que o transcreveu de um codice, que fazia parte da 
livraria particular de El-rei D. Luiz, o qual tem na capa o seguinte tìtulo: 
ManuscriptoB originai, 1769, n.^ 11. 

Seguem-se os documentos, que dizem respeito directamente a Mardel: 

«D. JoSo ete. fa90 saber aos que està minba carta yirem que tendo respeito a se 
acharem vagas as propriedades dos offieios de Architeto dos Pa90s da Ribeira desta 
cidade, Pa^ da villa de Cintra, Salvaterra e Almeyrim, e do convento de N. S.* 
da Victoria da villa da Batalha, os quaes offieios vagarSo por falescimento de Custodie 
Yieyra, e a Gonfiar de Carlos Mardel que de tudo o de que o emcarregar me servirà 
bem e fielmente comò a meu serviQo cumpre Hey por bem e me pras fiuser merce ao 
mesmo Carlos Mardel da propriedade vitalicia dos ditos offieios de Architeto das obras 
dos Pa90s da Bibeira desta cidade, Pa^os da villa de Cintra, Salvaterra e Almeyrim 
Salvaterra de Magos e das mais partes onde nSo houver Mestre e do Beai Mosteiro 
de N. S.* da Yietoria da villa da Batalba, e da provincia de Alemtejo que assim 
vagarSo por falescimento de Custodie Vieyra, os quaes offieios tera e servirà em sua 
Vida emquanto eu o houver por bem e nSo mandar o contrario com declara^So que 
tirandolhes ou extinguindoos por qualquer causa que seja Ihe nfto ficarà por isso 
minha fiusenda obrigada a satisfa^So algua e com os mesmos offieios de Architeto 
hanera de ordenado em cada hù anno 50^000 r.' assentados e pagos no Almozarifado 



184 

da cftcfl dito eamei desta cidade que lie o metino qne tiliha e haiiia seti antecessor 
Caatodio YieTra e com o de Architeto das obras doB Pa^os da Bibeira desta cidade 
e das mais partes onde nSo houuer Mestre hauera o dito Carlos Mardel GO^OOO r.' 
de ordenado mais assentados e pagos no dito Almoxarifado da casa das cames que 
he o mesmo qtte tinha o refferido seu antecesor, e com o officio de Arcliiteto e Mestre 
do8 Pa90S das villas de Almeyrim Salvaterra de Ma^s e do Beai ConTento de N. S.* 
da Tictoria da rilla da Batalha e Prorincla do Alemtc;)o hanera lOfOOO de ordenado 
assentados no Almoxarifado das cisas da villa de Santarem e tres mojoi de trigo 
pagos no Almoxarifado das jogadas da mesma villa que he o qne tinha e hauia sen 
antecessor e hauera mais com os ditos officios todos os proes e precal^os que direi- 
tamente Ihe pertencerem assim comò os tinhSo e hauiSo os Architetos seos anteces- 
sores, etc. —Lisboa 22 de Feuereiro de 1747^ A Baynha.» 

(Torre do Tombo. — ObanoellarU de D. Jolo Y, Ut. tlHt ibi. MS 9.) 

Convem advertir qne niuna paasagem d'este docmnento rem repetida 
a looalidade de Salvaterra, ora simplesmente Salvaterra ora Salvaterra de 
MagoSy que faria auppor a existenoia de duas terras differentesi o que 
dAo ó aanm^ deyendo'Se talyez attribuir o engano ao descuido do copista 
quo regnatoti o documento. 

«Forqiianto Carlos Hardel contheudo na carta de propriedade asima me repre* 
sentou que por morte de Custodie yiejra fora £u seruido fazerlhe merce de Ihe nomear 
OS oficios de Architeto de minhas obras e Pa908 Beaes do mesmo modo que os tene 
dito Castodio vieyra de cujos officios tinha tirado carta e os ostava exercitando 
com todo cuidado e zdlo, e em rertude da mesma tinha feito assentos em sen nome 
para cobrar os ordenados respectiuos as mesmas ocupa^oens e so Ihe faltaua fiuellos 
do que Ihe tocaua comò Architeto das ordens que tem seu ordenado no Almoxarifado 
da Menza Mostrai de Setnbal, e comò Architeto e Medidor das obras das Fortalesas 
da Barra que tem ordenado na foiba da Thesooraria das Terras que tinha execntado 
para ci^o effeyto era preciso faserse Apostilla na sua carta em que assim se deda* 
rasse: Key por bem deelarar quo o dito Arohiteto Carllos Mardel o he tambem daa 
ordens militares e das obras das Fortalesas da Barra, os quais officios ter& e semirà 
em sua vida na forma e com declara95es mencionadas na carta antecedente e debaxo 
do mesmo Juramento que Ihe fol dado, e hauerA de ordenado com o de Architeto das 
ordens Millitares 80^000 r.* que Ihe serfio assentados e pagos no almoxarifiido da 
menaa mostrai da ordem de Santiago da villa de Betubal e com o de arohiteto e me- 
didor das obras das Fortallesas da Barra e Castello de Sfto Jorge 73^900 rs. na foiba 
dos Termos. Pollo que mando etc. Lisboa 82 de mayo de 1749 annosMA Bajnha.» 

(Torre do Tombe.— OhaiieellarU de D. Jote V, llv. 11S| Ibi. IS e.) 

tCoronel Carlos Mardel Architeto do Ber.** Estado de Bragan^a ftc. Por constar 
por vessa informatilo que as minas do Pa^o do Duque se nSo remediavflo s6 com os 
pontoens que desiels, mas que precisava mayor obra, vos ordeno qne convocando a 
vos Architeto Matheus Vicente ou outro qualquer que vos parecer de melhor inte- 
ligencia fa^aes bum exame espeoifico da obra, que he precisa para evitar a mayor 
ruina do dito Pallacio dando de tudo conta na Junta do dito Estado digo do mesmo 
Estado para asim me fazer presente e dedarando a quanto poderi chegar o dito 
reparo, nSo foltando porem a acodir com as prevenyoens inteiinas em quanto se nSo 
detremina amais eficàs seguran^a e està deligencia vos bey por multo recomendada, 
para que com teda a brevidade a executeis o que nesta ordem vos encarrego. ElBey 



186 

00880 Senhor o mandou pelo8 Miniitros Ddpatadot da Janta do mesmo Estado abaixo 
asaiiiados. José Antonio Marques a fes em Lisboa a vinte e quatro de Janeiro de ndl 
Bete oentoB e sessenta e tres. José Antonio Correa da Fran9a a fes escrever, Diogo 
de Baiìgel de Ahneida Castelbranco« Antonio José de Affonseca Lemos.» 

(Torre do Tombo. •» Pi^U do Hinlsterlo do BelnOi ma^ 686.) 



580 — Mardel (José). Cremos que filho do antecedente. Premo- 
vide ao posto de ajudante de infantaria com ezercicio de engenheiro em 
15 de marso de 1762. 



S8T— UargOllllO (OtongalO Vaz). Era aem dnvida simplea offi- 
ciai de pedreiroi mas nXo davidamos p8r aqui o seu nome pela circom- 
staccia do documentOi em que vem apontado, nos dizer que elle trabalhaya 
nas obras do mosteìro de S. Francisco, que se andava facendo na villa 
de Monra. 

Luiz Salgado e Antonio Vieira tinham-lbe odio e foram & obra, onde 
Ihe deram espadeiradas, de qae resultou urna fenda num bra^o. Os ag- 
gressores andavam homiziados e requereram perdio a el-rei, allegando em 
set favor que o querelloso estava sSo e sem deformidade e Ihes tinba per- 
doido. A carta de perdio foi feita a 15 de mar$o 1552 e é do teor se- 
gointe: 

«Dom Jolo &c. A todoloa corregedores, ounidores, jnises, ja8ti9a8 officiaes e pe* 
soaa de meos Beinos e Seiioryos a que està minha carta de perdfto for mostrada e o 
eonbeeimento della eom dereito pertoncer, saude, fa9oao8 saber que Luie Salguado, 
eriado de Manuel dOliueira, e Antonjo Vieira, mancebo soltoiro, morador em Moura, 
me enuiarfto dizer per sua piti^fto que elles andauSo amorados por delles querelar 
e fazer tirar deuassa bum Gk>n9allo Yaz Marguilbo dalcunba, pedreiro, disendo que 
areria tres meses pouquo mais ou menos que andando elle queizoso trabalhando naa 
obras do mosteiro de sSo Francisco, que se ora nouamente fezia na dita yillaf de dia, 
que elles sopricantos se for&o laa por Ibe torem odio e andarem deferentes e que tra- 
uarSo com elle palauras e arrancarSo das espadas e o f erirllo de bua ferida em bum brayo 
com bua espada, aberta e sangoenta. E por que o dito quereloso bera sfto e sem aleijio 
nem desformidade e Ibe tinb&o perdoado comò se mostraua do perdfto junto, me pedia 
ouuesse por bem de Ibes perdoar a culpa que no dito caso tinbfto da maneira que 
disifto e receberifto merce, e eu vendo o que me elles sopricantos asy dizer e pedir 
enuiarSo, e querendolbes &zer gra^a e merce, se asj be comò elles dizem e aby mais 
nfto ba, visto bum prazme asinado pollo doutor Xpoufto de Farja do meu conselbo 
e meu desembarguador do pa90 e piti^Òes, a quem pera elio tenbo dado poder, tenbo 

por bem e me apraa de os perdoar e releuar da culpa e pena que merecem Dada 

^ na cidade de Lizboa aos cito dias do mes de mar90 e feita aa dita cidade aos quinze 
dias do dito mes ElBey nosso Senbor o mandou pollo doutor Xpoufto de Farya e 
dom €km9alo Pinbeiro, bispo de Tanger, ambos do seu conselbo e seus desembargua- 
dores do pa90 e pitÌ9Òes. Antonio Aranba o fez anno do nascimento de nosso Senbor 
Jbesus Cbristo de mil b^ cinquoenta e dous anos. Luis Felgueira o fez escreuer.» 
(Torre do Tombo. ^OhanoeUzrla de D. Jofto m, LegiHmé^, Ut. 80, fol. 60.) 



136 

S^S — Marinilo (Balfliasar). Era meatre de cantarìs. Em 10 
de julho de 1593 mandara el<rei que se desse por arremata^So a obra das 
casas da camara da villa de Abrantes a Balthasar Marìnho e a Per> An- 
tunes, mestres de cantaria, qae foram os que se offereceram executi-A por 
menor lan^o, isto é de 2:000 cruzados. 

Em 1603 era j& fallecìdo. A 8 de julho d'este anno, mandava «I-rei 
que se pagasse & sua viuva, Maria Machado, a quantia de 256^263 réis, 
que se ficaram devendo a seu marìdo pelas obras da crasta do Convento 
de Christo de Thomar, obras que fizera de empreitada juntamente com 
Simlo Gomes. 

•Eu elRei fa^o saber a vos, prouedor da comarqua de villa de Tornar, que avodo 
respeito as causas qua oa oficiaÌB da camara da villa de Abrantes alegSo no captolo 
que entre outroB vejo em bua carta que me foi escripta da dita camara, de qie o 
treslado he o atras esento, e vista vossa informa9fto aqui junta, que vos matdei 
tornar e me inviastes acerqua do que no dito capitolo requerem e o de que oda 
ella consta com uosso parecer, ei por bem que remateis a obra das casas da ca- 
mara da dita villa de Abrantes a Baltesar Marìnho e a Pero Antones, mestres de 
cantaria, que sSo os que nella fixerSo menor lan^ de dous mil cruzados na fbma 
das tra^as e apontamentos ha este juntos, nfto entrando na dita contia o madeirameito. 
£ mando que a dita obra se fii^a com teda a deligencia para o que se tomarSo cida 
anno das rendas do concelho da dita villa de Abrantes qnatro centos cruzados san 
nisso entrar minha ten^a por importarem mais de mil cruzados as ditas rendas afoa 
a dita ten^ e para as ordinarìas e gastos do dito concelho bastarem os seis eenx>6 
cruzados que sobejfto e os ditos quatrocentos cruzados se nSo despender em onta 
cousa mais que na dita obra e cada qnartel se apartarfto pera o dito efeito cem cn- 
zados e vos dareis ordem para que os procuradores do dito concelho os dS lop 
de maneira que nSo %ja nisso dila^So algua nem no pagamento dos mestres coi- 
forme a seu centrato e se entregar&o ao recebedor do dito dinheiro, e assim ne 
praz que os quatro centos cruzados que tendes feito depositar pera a dita ob» 
se entreguem ao dito recebedor pera se despacharem nella: E nomeareis duis 
pesBoas de boas conciencias e da goneman9a da dita villa de Abrantes, que tenhio 
qualidades e as mais partes que se requerem, pera que bum sima de recebed«r 
de todo dito dinheiro e de o despender e outro de escrìu&o da receita e despeaa 
delle còm liuros numerados e assinados por vos com sens emserramentos na forma 
da ordena^So, nos quais assentem tudo per adÌ9deB, e por este trabalho nfto leuario 
consa algfia, e nos tempos que vos parecer tomareis conta do dinheiro que for 
tirado pera a dita obra e do que se despendeo e estiuer por gastar vendo os ditos 
liuros e procedereis no que a isso toquar comò per vesso Regimento e minbas 
ordena95es o podeis fazer e leuareis em conta o que for bem despendido e na dita 
obra e asi aos ditos procuradores do concelho todo o dinheiro que por assinados 
do dito recebedor virdes que deles recebeo per este soo aluara e os ditos assinados 
sem mais outro mandado nem provisSo e o cumprìreis e &reis inteiramente cumprir 
e guardar e dar em tudo a execu^fto corno nelle se contem. E quero que valha 
e tenha for9a e vigor, posto que o efeito delle aja de durar mais de bum anno sem 
embargo da ordena^So do 2.^ liuro em contrario. E as ditas informa9des, tra9as 
e apontamentos vSo assinados por Pero de Seizas, meu escriuSo da Camara. Pero 
de Seizas o fez em Lixboa a dez de julho de j b« IRiij.» 

(Torre do Tombe.— dumceDarU de D. Filippe I, DoagHu, Ut. 87| fol. 106 •*.) 



137 

«Maria Machado nenua de Balthesar Marinho, fez petÌ9&o a V. Mm*'* nesta mesa 
dìzendo que o dito Ben marido com outro officiai por nome SymSo Comes tornarlo 
por impreiiada a obra da craata do conuento da villa deThomar, e que tendo acabado 
a dita obra, mandara V. Bfm*'* que pera a dita obra ficar perfeita se fisesse mais al- 
*gaas coosas alem do que pello centrato erSo obrigados, as qnaes coosas fiserSo e tem 
acabado a dita obra com a perfei^So que conninha e requerendo satisfa^So do que 
mais tinhio feito mandara Y . M> qne Felippe Tercio uisse a dyta obra e o centrato 
ao que se satisfizera com outros officiaes iuntamente e constara ser necessaria e prò- 
ueitosa a dita obra e se Ihe aluidrou em duzentos cincoenta e seis mil e duzentos sa- 
senta e tres rs. Fede a Y . M.**' que auendo respeito a ser muyto pobre e ter gastada 
sua pobreza na dita obra e ter filhas e filhos pello que padesse necesidades Ihc fa^a 
merce mandar pagar o que se Ibe està deuendo e ao dito SymSo Gomez. Pareceo que 
nista a certidio do dom Prìor do conuento de Tbomar e a emforma9So do contador 
pellos quaes consta estarsse deuendo aos berdeiros de Belthesar Marinho e SjmSo 
Gromez duzentos sincoenta seis mil duzentos sesenta e tres rs das obras que se mais 
fizerSo no conuento de Thomar fora do centrato que per dìligencias se mandarlo fa- 
zer constar serem vtiles e necessarias deve Y. M> auer por bem que se passe prò- 
uisSo para Ihes pagar a dita contia. Lixboa 8 de julho de 603.» 

(Becisto de GoBBoltM da Meta de GoiuelenelA e Ordeai— Annoi de 15SS a 160S 
ConsnlU 26S, fol. 258 «.) 

/ 

Balthasar Marinilo vem mencionado na interessante obra do Sr. Vieira 
GuìmarSes, Ordem de Christo, a pag. 241, onde tambem se menoiona o 
nome de SimXo Gomes. D'este SimSo Gomes aìnda se fala a pag. 244 
da mesma 'obra, corno tendo retocado urna ìnscrip9So tumalar. 



esso — Marques (Agostinlio). Architecto. Por fallecimento de 
Jorge Tavares, engenheiro e mestre das obras da cidade de Tanger, foi 
nomeado para o snbstituir, no exercicio d'este cargo, por alvarà de 10 
de novembro de 1634. 

•Ey ElBei fa^o saber aos que este Aluara virem que avendo respeito a vagar por 
fàlecimento de Jorge Tauares o officio de emginheiro, e mestre das obras da cidade 
de Tangere, e a sufisiencia e partes que concorrem no Architecto Agostinho Marquez, 
Hei por bem e me praz de Ihe fazer merce do dito officio, com o qual auer& o manti- 
mento a elle ordenado e todos os proes e percal90s que Ihe direitamente pertencerem 
asim comò o tinha e hauia o dito Jorge Tauares e as pessoas que antes delle o ser- 
nir&o, que Ihe sera paguo na mesma forma e comesarà a yencer o dito ordenado do 
dia que Ihe for dado a posse do dito oofficio em diante. Pello que mando etc. Jhiro- 
nimo Correa o fez em Lisboa a x de nouembro de mil e seiscentos e trinta e quatro 
annos. Gaspar da Costa o fez escreuer. Bei.» 

(Torre do Tombe. —OluuioeUarla de D. FUlppe ni, liv. SS, fol. 408.) 



SOO— Marques (Antonio). Pedreiro. Foi-lhe dada de arrema- 
ta(So a construcQXo da ponte de pedra sobre o rio Alva, junto de Villa 
Cova, à Coelheira, pelo prejo de 1:500^5(000 réis, que nella lanyon. Pro- 
visSo de 25 de outubro de 1602. 



188 

Oemos set o mesmo que em 1627 arrem&ton a ccnutnicsSo da igreja 
matiiz de Santa Maria da CovilBl pelo pre^o de 5:000 crazados. No ai- 
vari regiO| que aactorìza a dita obra, dix-se que Antonio liarques era mo- 
rador na villa de Avd. Alvarà de 19 de Janeiro de 1627. 

cEv £lBéy twfo saber bob que eate aluar a virem qae avendo respeito ao que me 
enutarSo dker por bubb cartas e peti^ftes os officlaes da camara, mesterea, elero e peno 
da tiilla de Conilliaft acerca do estado em que estaiia a igreja matrls da dita villa 
de sancta Maria e da necessidade que avia de ae fkaer de nono, e visto o qne aleguflo 
e enfonnafoes que se ottuerfto pelio dotitor Vasco Freire Ferreira, desembargador 
da casa do Porto, e pello prouedor da comarca da cidade da Guarda, e o qae por 
ella constOQ, e seti parecer, ei por bem e me praz de Ibes condor (conceder) qne a 
obra da dita igreja se aremato no lango de clnco mil cnuados qne nella lan^on An« 
tonio Marqnes, morador na villa de Avo, para qne se fa^a e acabe na ferma da tra^a 
e appontamentos qae com esto alnara se apresentarflo asinados por Joam Trana^os 
da Costa, meu escrlnfto da camara, e de obra dorica paredes e tectos, tado acabado, 
entrando a pedra e madeira que tiver a igreja, e mando qae aya empo8Ì9flo por tempo 
de dona annos pera a obra della assi corno se fea pera a i^^a de sam Migael da villa 
de Castello Branco, e pera a cadea e camera da mesma villa de Conilliaft na carne 
e vinbo bum real mais e os sobejos gne se acharem da obra da dita cadea entrarfto na 
copia dos ditos cince mil croaados, os qaaes deus annos da dita emposi^fto come^arfto 
de correr do dia em qne se come9ar de dar a ezeca9So o cOtondo neste Alnara qae 
constarà por oertidfto do escrìufto da canoura da dita villa, feita nas costaa delle, a 
qaal aremata^So das obras da dita igreja fari o pxovedor com todas as olansollas 
eto. Francisco Ferreira o fez em Lizboa a deaanove de Janeiro de mil aeis centos 
e vinta sete. Jofto Traoa^os da Costa o fes escrener.» 

(Tonre do Tombo. — Qhanfllfcrift de D< PIII|»po m, Dt^, Ut. 17, WL 7S«) 

«Eu elBej fa90 saber a vos proaedor da comarca da cidade da Guarda, ou a qnem 
vesso cargo seruir, que avendo respeito as deligemcias que por meu mandado foHLo 
fejtas acerca da obra da ponte, que ora se quer fazer de pedra no rio dAlua junto 
a villa de Villa Coua a coelheira, sobre que os oficiais da camara da dita villa mescre- 
uerSo, e vistas as causas que alegfto, e ora vltimameto os autos e informasse que me en- 
niastes, polla qual constou ser muj necessario fazerse a dita ponte e o parecer que destes 
acerca della, ey por bem e vos mando que, tanto que vos està prouisflo Ibr dada, 
arematois lego a obra da dita ponto a Antonio Marquez, pedreiro, na quantia do conto 
e quinbentos mil rs que nella lan^ou, sondo com às condi^Ois e obriga^Ois necessariaa 
para firmeza do centrato, a qual ponte se farà còforme aos apontamentos e tra^a 
sobre ella fejrtos e onde està assentado fi» erse, do qual dinbeiro fareis lan9ar finta 
na forma da ordenajfto pellas cidades, villas e lugares declarados nos rolles, que com 
està vos serflo dados asjmado no firn delles por Pero da Costa, meu escryuSo da 
camara e lego se passarSo mandados e precatoryos com o treslado desta prouisfto 
para os ofloiais das camaras e mais justi^as das ditas cidades, villas e lugares nos 
ditos rolles declarados, o que Ibe fa^ab saber comò ey por bem, e mando que a dita 
ponte se fìt^a com brevydade, vista a necessidade que della ba, e repartSo e fintem 
em cada bfla dellas a quantia que Ihes couber e arecadem o dinbeiro della som du- 
uyda nem dila^fto algfla para que com breuydade se %jnnte e se enuie para pagamSto 
dos oficiais da dita obra, e tomareis conta se se lan90u a dita finta de mais cdtia que 
a dos ditos conto e b^ mil rs, e acbando que se fez nisso o contrario e que se fintou 
fìOI^Ì9 dinbeiro procedereis centra os culpados corno fbr justija, dando appela9So e ag- 



189 

grano nos cftflos em qtie couber e tanto qiié a dita ponte se cotoe9ar de faseif, fkreii 

corret com a obra della ate com efeyto se acabar de todo, e està prouÌBSo comprireii 

e as mais ju8tÌ9a8, oficiais e pessoas, a que for mostrado e o conhecimento della per- 

tencer inteiramente eomo se nella cdtem, a qnal ey por bem que yalba &c. Francisco 

Ferreira o fec em Lizboa a zzb de ontabro de mil bj« e dous. Pero da Costa o fec es- 

creaer.» 

(Tote do T«ttbo.-01uiMèUtfU i* D. nippt n, iVMtefiot, Uv. 1, lU. 11.) 



ffOl— MarcLues ou Marctnes Luoas (Diogo). Em 14 de se- 
tembro de 1594 era nomeado para um dos tres logares, entSo crìados, de 
aprendiz de archìtecturai a qual aprenderìa com Filippo Terso. 

Nnm litro daa oonaoltaa da Mesa da Conscienoia ha urna provisSo de 
el-rei, do anno de 1625, dirigida ao Beitor do Collegio das Ordena de 
S. Tiago e S. Bento, em que se trata da oonatracfSo de um oolle^o, que 
se nio diz onde é (talvez em Coimbra), e ahi se £az referencia ao parecer 
de Dìogo Marques, meu arehUecto. 

Pero Femandes de Torres, mestre das obras do convento de Thomar, 
renunciou este cargo, sendo nomeado para o substituir Diego Marques 
Lucas, a 24 de dezembro de 1616.1 

Julgamos que Diego Marques, que appareoe nos dois primeiros do- 
cumentos, 6 o mesmo Dìogo Marques Lucas, de que se faa menylo no 
teroeiro. 

Na Quia do Porto, de Alfiredo Aires, pag. 27, se dia que o arohitecto 
da igreja dos frades bentos do Porto fèra Diego Marques. Està mforma$So 
colheu-a elle, sem indicar a origem, na Lieta dos artiitoi, de firei Fran- 
cisco de S. Luiz, que consagra a Diogo Marques o seguinte artìgo: 

cFoi arohiteoto de el*rei, e vivia pelos fins do seoulo xvi. Fez riscos 
para alguns mosteiros benedictinos e entre elles para o de S, Bento da 
Victoria do Porto, que é de boa architectura, e tambem para o Collegio 
de Coimbra. Consta das Aetat Capitularei da CongregofSo de S. Bento, 
Junta de 13 de junho de 1600.» 

Diz Vilhena Barbosa, sem citar a origem da noticia, que Diogo Marques, 
arohiteoto de el-rei, trabalhou no aqueducto da Amoreira em Evora. {Mo- 
numentoB de Portugal, pag. 331.) 

t£a el Bei fa^o saber aos que este alaari uirem que eu ej por bem de fazer 
merce a Diogo Marquez de huu dos trez lugares que ora ordenei de pessoas natorais 
deste Reynao para auerem daprender Architectura com Filipe Tercio, mestre de 
minhas obras, e asistirem sempre com elle on qualquer outro mestre de minhas obras, 
que Ihe for mandado, e aprenderà geumitria de JohSo Bautista Labanba, cosmografo 
mor destes Beinnos e averà de ordenado cada anno emquanto estiuer no dito lugar 
vinte mil reis, que Ihe serfto pagos com certidSo do prouedor de minhas obras de corno 
he contino no dito estudo e asistencia, e mando ao Tedor de mlnha fazenda que ora 
he e ao diante for que Ihe fa9a asentar os ditos vinte mil r.* no Livro das ordinarlas 
della, e despachar cada anno para lugar onde deles t^a bom pagamlto com declara^So 



140 

que Ihe serfto pagos com a dita certid2o do pronedor das obras, e este ei por bem 
que valha &c. Jo3o Aluarez o fez em Lx.* a xiiij de setembro de mil b^ Iriiij (1594). 
8ebaeiUU> Perestrello o fes escreuer.» 

(Torre do Tombo. — CluuiMlUrU do D. FO^po I, Dom^fit», Ut. SI, IbU 11 v.) 

Sucoedeu-lhe neste logar, em 1616| MatheuB do Conto. 

«Dom Philippe por gra^a de D." Bey de Portagal e dos Alganies daqnem e dalem 
mar em Africa senbor de Guine &c corno Gouemador e perpetuo administrador que 
Bon do8 mestradoB caualaria e ordem de Santiago e Barn Bento de Auia fa^ saber 
a noB frej F,^ Netto Beitor do colegio daB dittas ordens, que en yi a yoBBa carta de 
18 do proBente, em qne me lembraes a necesBidade qne ha de se tomar rezoln^fto sobre 
o Bitio em que esse collegio se ade fimdar e conaideradas aB inibrma^eB qne aobre 
ìbbo tenho e a que me dea Diego MarqneB, men archittetto, me pareceo conneniente 
tratarBe da compra das caias que elle apontou Bobre qne tenho mandado tsaet dilli- 
gencia com o senhorio dellas, e porqne pode Bucceder que Bela ia partido para easa 
cidade, tratareis com elle da compra das casaa e unido uìbbo tratareia do pre^o 
procurando Bempre o qne for mala vtil para OBse collegio e me avizareis do qne liisto 
fiaerdcB com toda a breuidade para conforme a ìbbo bo tomar asBonto na compra daa 
dittaa casaB, ou bc fazerem aB obraa qne apontaoB neaae citio, e porqne tenho por 
informasse que ha algum dcBcuido em se nSo dizer miBsa neBse collegio todos ob diaa 
no tempo das fereaB, ordenareia que nSo falte a està obriga9&o inda que no colegio 
n&o fique maiB que um bo colegial de miasa, e se uìbbo ouuer fiilta da parte doB cole- 
giaeB, me auizareia para prouer nÌB80 com o rigor que me parecer no em qne multo 
uoB encarrego a conaciencia e ordenareis por voBBas cartaB aos colegiaes qne for2o 
ter aa fereaa fora deaBC colegio que dia de 8. Lucaa b^So nellcB presentes para se 
fiizer a elleÌ9fto doB officiaoB na forma doB statutos, declarandoBse de minha parte 
que nSo Bendo no tal dia prezenteB hey por condemnadoB a cada bum que faltar em 
Binco cruzadoB em Bua ueatiaria, qne Ihe nflo paguareis, e alem disso me anizareis 
doB que faltarem para se tomar em lembran^a na minha mesa da conaciencia e ordens 
e BO couBÌderar ao tempo das perten95eB que ob coUegiaes tinerem de boub pronimentos, 
e todoB OB annoB antea qne nenhSo ob collegiaoB ter as feriaB fora dcBBC collegio Ihe 
fareiB peBsoalmente a ditalembrftss qne agora mando Ihe &9aes per carta, de que 
Be farà termo pelle Becretario do ditto colegio, e procnrareiB qne ob eetatutoB se 
guardem com o rigor dellcB, e de minha parte dedarareiB aoB colegiaes Ber està minha 
ten9&o que en tndo ob cnmprfto e o que Ihe mandardes com a obediencia e respeito 
qne nos he denido, e dos que assi o nSo fizerem me auizareis para Ihes mandar dar 
castigo qne me parecer e se ter em lembransa na ditta messa da ponciencia o pro- 
cidimento de cada bum e para que elles assim o ajSo entendido Ihe mandareis ler 
està carta em capella pelle secretano do ditto coUegio. Comprio assy. ElBey, nesso 
senhor, o mandou pelloB deputados do despacho da mesa da conciencia e ordens Ant2o 
da Misquita e Diogno de Brito Domingos Camalho a fez em Lisboa a 20 de agosto 
de 1625 Jorge Coelho a fez escrener.» 

(Meta de Oonicleneia e Ordeu. — OonnUa», de 1688 a 1609, fol. 175.) 

tDom Felipe comò goyemador &c fii^o saber aos que està minha carta yirem qne 
anendo respeito a Pero Femandez de Torres meo arquiteto, mostre das obraa do com- 
nento de Thomar, por certa indesposi^So e jdade nSo poder seruir o dito carguo e o 
renuciar em minhas mSos para o prouer em quem for seruido come se yin na mesa da 
comciencia e ordens por bum seu asinado de renucia^fto feito emVisen emo prìmeiro 



141 

dia de setembto pasado deste ano de mil seis centos e quiiuse, a qoal reniÌcia9So Ibe 

aceitey e pela coiifiaii9a que tenho de Diego Marqnes Luqoas, meu arquiteto, por ser 

pesoa benemerita e de muita satisfa^So e nista a boa emfonna92o que delle se ouue 

na dita mesa, ej por bem de Ibe fazer merce do dito cargo de mostre das obras do 

dito comuento de Tomar com declara^So que Pero Femandez de Tores acabe as obras 

das fomtes do dito comuento que elle comecou e trasou porque sera grande emcom- 

ueniente sendo està obra de tanta emportancia e custo e estando na ultima conclusfto 

emcareguarse a outrem que a nSo prencipiou, e com o dito cargo auera elle dito Dio- 

guo Marques Lucas o ordenado que tinha e aula o dito Pero Femandez de Tores, que 

Ihe sera pago asi e da maneira que se pagana ao dito Pero Femandez, e mando ao 

presidente e deputados do despacbo da mesa da Comciencia e ordens dem a pose do 

dito cargo de mestre das obras do dito comuento de Tomkr ao dito Diego Marques 

Lucas e Ibo deize seruir e delle usar na maneira que dito be, dandolbe juntamente 

juramento dos santos anangelbos que bem e uerdadeiramente o sirua, e està carta 

se comprira inteiramente corno se nella comtem, que por firmesa de todo Ihe mando 

dar por mim asinada digo sellada com o sello da dita ordem. Dada na cidade de Ljxboa 

àos uinte e quoatro dias do mes de dezembro — Sebasti2o Denis a fez — ano do naci- 

mento de noso Senbor Jbesù Xpo de mil e seiscentos e dezaseis. Gnaspar Ferreira 

a fes escreuer.» 

(Torre do Tombo.— OhancelUrla da Ordem de Cliristo, Ut. 15, fol. 161.) 



S&3 — Martini. Mestre de carpìntarìa da igreja de S. JoliSo de 
Setubal, tendo succedido a Pero de Moraes, que fallecera. A prìmeira 
verba que no livro da respectiva despesa ^ encontramos a seu respeito é 
do teor seguìnte: 

«Item aos in dias dò mes de junbo de b" zbj anos deu o dito Diego de Vera, re* 
cebedor, deus mill quinbentos rs a mestre Martim que obrigado he fazer a dita igreja 
em parte de pago do que hadaver por hacabar a dita igreja, de que tem mandado. 
Femam de Baboredo o escpreuj.» (Fol. i v.) 

Mestre Martim nSo cumprìra o sea contrato, tendo fìi^do para Cas- 
tella, onde ohegou a reoeber intimajSo para vir concluir a obra: 

«Item aos bij dias do mes dabrill de \fi dezanoue pagou o dito Diego de Vera re- 
cebedor a Marcos Diaz por bir com bua carta precatoria a Castela ba Torgos citar 
e requerer mestre Martim carpinteiro que viese acabar a dita igreja de que tem man- 
dado e conbecimento e Ihe pagou buù mill quinbentos rs. Femam de Baboredo ho 
fez.. (Fol. 18.) I 



603 — M£trtlns (Aflbnso). Mestre carpinteiro, devariada aptidSo. 
Trabalhoa durante doze annos nos estaleiros ou tercenas da cidade do 
Porto e, quando andava neste serviso, dea urna queda de um bergantìm. 
Foi tambem dezoito annos mestre de carpìntarìa do mosteiro de Santa 



^ Arcbivo Nacional, ma90 n.<* 149. 



142 

Clara, e oranhador e carpinteiro da Caaa da Moeda, tiido da mesma d- 
dade. Aohando-se com mais de sesaenta annos, doente e fidto de for]^| 
D. Affonso V aposentou em 1443 pela segointe carta: 

«Dom AffoniBO &c. A quantoB està carta mrem &semo8 saber qae Affomso liartìiuB, 
carpinteiro, e enmhador em a noea moeda do Porto nos Saio deaer qne eli he aellio 
e qne pa«a de hidade de Baeemta anos e adorado de hSa qneda que tene nas tereceoM 
de hxA brangantim e qne ìèo meamo £07 dose anos mostre da eaipantaria daa tere- 
cenas da dita cidade e dezoito meatre da carpentarìa do moesteiro de Santa Crara 
da dita cidade e cranhador e carpinteiro na moeda della dose {rie) e seia anos e qne 
por quanto he ja mnito firaco e deaposado qne noa nom podia ja aeruir no dito oficio de 
cmnhador e carpentaria da dita moeda qne noa pidia de mercee qne por bem do aer» 
ni^o qne aaj fes e de ana door mandaaemoa aponaentar com ana onra, e uiato per 
noa aeu recrimento ante qne Ihe deaemoa entro deaembargo mandamos aobre elio 
tirar 6qnere9omf a qnall niata per noa e corno ae por elio prona aer da dita idade e 
doente da dita ceda qne saj caio do dito brangantim a faser oa ditoa aemi^oa corno 
alega e aer ja fraeo e deapoaado e qnerendolhe fazer gra^a e mercee, posto que nom 
chege a idade por que denesae seer ponaentado por oa aerui^oa que aay fez, temoa 
por bem e aponaentamoUo eom ana onra: E porem mandamoa ao thesonreiro e alcaide 
e oficiaaea da noaa moeda em a cidade do Porto e a todoUoa juis^a e juatÌ9aB de noaoa 
reinhoa e a outroa quaees quer oficiaeea e peaoaa a que o conhecimento deato pertencer 
que Bji daqui em ^ante o dito Afonao Martine cranhador por ponaado eom ana onra 
comò dito he e Ihe conprft e gnardem e fa^om bem conprir e guardar todallaa onrraa 
prenilegioB, libardadea e franquezaa que hS e guardom aoa noaoa crnnhadores da uosa 
moeda da dita cidade que per hidade de aatenta anoa e aerui^oa aejft pouaadoa e ihe 
nom nom nem conaento hir centra elle em nenhua maneira aem entro fibargo, onde 
hnfia e outroa ali nom fa^om. Dada em a cidade de LixbOa zxbj dias de mar^o por 
ontoridade do aenhor I&nta dom P.«, titor e cnrador do dito aenhor Bey, Begedor e 
com ^nda de Dena defensor por eli doa sena Beinoa e aanhorio. Rodrigo Anca a fez 
ano do Senhor Jheafi zpo de miil e iiy« BiiJ anoa. En Lopo Afonao a àst eaeprener*» 

(Tom do Tool». — CBuHMoUiiri* é» P» AflNUoY» Ur. ti, Col. M.) 

Em 1445 era mastre da carpintarìa do moateiro de Santa Clara om 
Gonzalo Martina, de quem adeaate demos notìciai pablieando a oarta de 
privilegio qne nesso anno Ihe foi concedida. 

Parece-xuNi opportuno e curioso inserir neste legar a oarta pela qual 
D. Aflbnso Vfes mercé, em 29 de maio de 1448, i abbadessa e mais donas 
do mosteiro, dos residuos do arcebispado de Braga e adxmnistra$lo de 
Tuy, para a oontinaajto das obras do mesmo convento: 

«Dom Affòmao &e. a qnantos està carta nirem fezemoa saber qne nos qnerendo 
fazer gra9a e mercee a abadeasa e donaa e conaento do moeateijo de Santa Crara do 
Porto por eamolla pera ajnda de se acabar e correger ho dito moesteiro teemos por 
bem e fazemoalhe mercee de todollos resaidos qne se onnerem e tirarem da feltora 
deata noaaa caria atee trea anoa primeiroa aegointea em todo areebiapado de Bragaa 
e admniatra^ de Tnj; e porem mandamos a todolloi jnizea e nereadorea e bopnea 
boSs da nossa cidade uilas e lugarea do dito arcebispado e administra95 qne leizem 
mandar recadar e tirar, demandar e receber a dita dona abadeasa e donas oa ditoa 
reaiidoa per sena precuradorea e recebedores qoe pera eUo bordenarem e poaerem e 



% 



143 

OB dwpcùdetem com a obra do dito moetteiro Bem ìhe sobre elio poerem ootro en* 
barge nem duuida, e està mercoe Ihe faiomos contanto qoe nom UgA peijuiso algua 
ontrofi a que teohamoa dadoa oa feaiidoa dalgfia lugarea do dito areebiapado e admi^ 
niatra^I pera alg&aa obraa, ea aj he noaaa mercee sem oatro enbargo» unde al n9 fi^ 
fadea, Daote em laxboa nix diaa de majo per aatoridade do aeolior Ifiwte Dom P«* 
Ergente &c» Bodrigo Anea o fea, ano da noao Benhor de mill iuj* Biy.» 

(Tom éo Tombo.— ObanceUirU de D. Aifonio V, Ut. 87, fot 95.) 



fi 04— Uartina (Antonio). Moatre de obras. Eia o que a aeu rea- 
pàto se IS no Diceionairio Oeographieo, manoscrìpto da Torre do Tombe: 

tNSo he pequena grandeaa deata villa e deata firegaeaia e de seua naturaea aer 
qnem deacobrìo toda a pedra para a grande fabrica de Ma£ra bum nacional della, o 
mala insigne meatre de pedreiroa em conbecimento de pedras foi o famoao Barambilba, 
naturai desta terra, ebamaya-ae eate Antonio Martina o Barambilba, pérspicaz agaia 
em ver aa pedraa e snas bellas còrèa debuxo da terra. Todaa aa nuiia preoiosaa, quo 
se admirfto na magnifica obra de Mafra forSo deacnbertaa pelo engenbo e ezperiencia 
deste aabio meatre. A branca, a preta, a acni, a amarela e ontraa de yariaa e admi- 
raveis còrèa mistnradas, que tudo ae deve ao conbecimento e aciencia deste destro 
descobridor da natnreza. mundo o admira naquella outaya marayilba do orbe, porem 
Caaeaea o celebra neate aea unico filbo com qoe ae honraf • 

(O Betior da Igrcja matrii de Oueao«, Kuioel lUr^ da Bilveira, ut dewsrìpf io 
da meona Taia, no DmkmaHo Qto^r^g kim, «anaceri^ da Tona do TvnhOf 
ToL a, pag. 1199. Anno de 1768.) 



SOS — MartinB (Braz). Mestre pedreiro. AchamoSy por attestados 
de Diego de Arruda e André Pires, que elle, no anno de 1521, fizera di- 
versaa obraa na Caaa do cobre e no Pafo dea £«tAo«. Vide oe d^umentoa 
reapectiToa aob aqnellea doia nome*. 



£SQ6— Martina (Femfto). Mestre de pedraria do Arcebispo de 
Braga* D. Duarte Ihe paaaou carte de prìyilegio a 13 de dezembro de 
1433, tendo. oonfirmada por D. Affònao Vem 30 de maio de 1489. A carte 
abrange ainda outros artifices, alem de Affonao Anea, meatre da carpin- 
teria do mesmo arcebispo. 

«Dom Afbmao &c. A qnantoa asta earte birem Cuemoa aaber qoe a noa foy nea- 
trada bna carta do muj alto e muj ecelente e eomprido de muitas uertudes da escla- 
recida memoria ElBey meu senbor e padre, ci\ja alma Deus iga: Dom Edbuarte pella 
gra^a de Deus Bey de Portagal e do Algarue, senbor de Copta, a uos juizes e justiyas 
da cidade de Bragaa, aaude, sabede que, pollo do arcebiapo de Bragaa, noaao aobrinbo 
e do noaao conselbo, nossa mercee be que daqui em diante afomso Anes, mostre da 
earpentaria dea amaa atow, e P.* Olla e Diegue Anea e Qil Uaaa earpenteiros e Fer- 
nam ìfartios, meatre daa snas obraa da pedraria, a Jakan Glia, ptdraifo, i 



144 

dos de poasarem com elles nem Ihe tomarem suas roapas de cama nem os fazerem 
beesteiros de conto se postos nom som nem seroirem com presos nem com dinheiros 
nem nas obras das torres que se fazem em essa cidade e qae nom pagnem em fintas 
nem talhas nem enprestidos que per esse concelho seiam lan^adas nem sernirem em 
ontros nSnliuQs encarregos desse concelho. £ porem uos mandamos que pera nenhuS 
das ditas consas nom costrangaaes nem mandees costranger os sobre ditos, por quanto 
nossa mercee e uoontade he pelle db dito arcebispo serem asy scusados e rellenados 
comò dito he sem outro nenhuu enbargo, unde al nom fa9ades. Dante em Curuche xiij 
dias de dezen bro EIBey o mandou — Afomso de Beja a fez ano do nacimento de nosso 
Senhor Ihesfi xpo de mil iiij^e zxziii anos. £ os tres destes tynham ja noosos aluaraaes, 
OS quaaes mandamos que se goardem segundo està nosa carta faz meen9am. Pidìndonos 
por mercee o dito arcebispo que Ihe confyrmasemos a dita carta, e visto seu requeri- 
mento a nos praz dello. Porem uos mandamos que Iha compraaes e gnardees e fa^aaes 
conprir e guardar asy e pela guisa que em ella he contendo sem outro nenhuii enbargo 
que huùs e outros a elio ponhaaes unde al nom fa^ades. Dante em a uilla dAlmadfta 
xzx dias de mayo ElRej o mandou com autoridade da senhora rainha sua madre e 
titor e curador que he e com acordo do Ifante dom P.*, seu tio, e defensor por el de 
seos regnos e senhorio — Lopo Fexnandez a fez — anno do nacimento de noso 8enhor 
Ihesu X.<* de nul e iiij" zzzix anos.» 

Croire do Tombo. — OhaacellarU de D. Afllosuo V, Ut. 19| foL 18 v.) 



S&V — M£trtlns (Franoisoo). Mestre dee canos do aqueducto 
da Amoreira, em Elvas. Foi nomeado para aste cargo em 20 de junho 
de 1702, por fallecimento de JoBo Moniz. 

Vide JoSo Femandes Cordeiro, que Ihe succedeu, Diego Marques e José 
Ramaiho Bogado. 

«£y £lBe7 ^^^ saber aos que este aluara yirem que Francisco Martins, oficial 
de pedreyro de alvenaria, morador na cidade de £luàs, me emyiou dizer por sua 
peti9am, que por foUecimento de Manoel Moniz, mestre das obras dagoa da Amoreira 
da dita cidade, uagara a dita ocnpa9am, e porque nelle comcorri&o as partes neces* 
sarias para bem a ezercitar, me pedia Ihe fizesse merce da propriedade do dito officio, 
e uisto o que alegon e o que constou da emforma9am que se ouue pelo corregedor da 
comarca da dita cidade, ouuindo aos officiaes da camara della; Hey por bem de fazer 
merce ao dito Francisco Martins do officio de mestre das obras e canos da agoa da 
Amoreyra com ordenado de doze mil r.* cada anno pagos pelos efeitos applicados aos 
ditos canos e o seruira assim comò seruio o dito Manoel Monis, por cuja morte uagou, 
comprindosse este aluara comò nelle se contem, o qual vallerà, posto que seu efeito 
biga durar mais de bum anno sem embargo da ordena^ao em contrario ; e pagou de 
nouos direitos seis mil r.« que se carregar&o no thesoureiro delles e se registou no 
Begisto goral fl. 2^. Thomaz da Silua o fes em Lisboa a vinte de junho de mil sete- 
centos e deus. Francisco Galufio a fes escrevér. Bej.» 

(Torre do Tombo.— CSuuicelUrU de D. Fedro n, Doa^, Uv. 64, fol. S61.) 



608— llartins (Gtomes). Mestre da obra do Conde D. Nudo 
Àlvares Pereira. Com este titolo assigna um contrato de escambo entre 
Conde e o Àlmirante Misser Carlos. 



145 

(Vide Chranica do Carmo, de Pr. José Pereira de Sant'Anna, voi. i, 
documento a pag. 803 e 804.) 

O centrato é feito em Lisboa, em agosto da era de 1437 (1399). 

Neutro documento (pag. 812 da mesma Chronica) veem mencionados: 
Louren9o Gongalves, Estevlo Basques, Louren90 Affonso e JoXo Lou- 
ren^o, pedreiros que lavravam na obra do Convento do Canno. 

£SQO — llartins ((Pongalo). Mestre de carpintarìa do mosteiro de 
Santa Clara da cidade do Porto, mandado edificar por D. JoSo I, tendo-o 
transferido do seu primitivo locai, que era em Entre-ambos-os-rios. D. Af- 
fonso Vlhe passou carta de privile^o, incluindo nella mais alguns officiaes 
do mesmo officio, a 23 de junho de 1445. Em 2 de outubro de 1450 era- 
Ibe passada outra carta de privile^o na qualidade de requeredor dos re- 
siduos do mesmo convento. 

Induimos aqui neste artigo dois documentos multo interessantes para 
a Ustoria d'està casa religiosa. O primeiro é uma carta de D. JoXo I, 
em que toma sob sua guarda o dito convento e na ^ual narra com bas- 
tante minudencia a cerimonia, em que tomaram parte, com o infante D. Fer- 
nando, varios fidalgos, altos titulares da igreja e derezia, do langamento 
das pedras fundamentaes do convento no sitio denominado entXo Carvalhos 
do Monte. Està cerimonia comp6s-se de uma solemne procissSo, e de missa 
nSo menos solemne, cantada pelo bispo de Marrocos e na qual pregou 
bispo de Mayorgas. 

O segundo documento é uma carta de privile^o de D. Affonso V, de 
3 de abrìl de 1450, concedendo ao convento de Santa Clara o privilegio 
dos residuos dos testamenteiros dos bispados do Porto e Lamego. 

«Dom À.^ a quaiitOB està carta nirem fasemos saber que nos querendo ^er gra9a 
e mercee a Qt.^ Mtz, mestre da carpentaria da obra do mosteiro de Santa Clara, que 
se ora faz na cidade do Porto, e Aluare Anes e a Jobam da Maja e Jobam de Bairros, 
carpenteiros que a dita obra hi de lenar, teemos por bem e quercmos e mandamos 
que em quanto laararem na dita obra, eles sejam preniligiados e eecusadoB de todolos 
encarregos e seruiddes nossos e dos concelhos e de pousarem com eles, e de semir 
per mar nem per terra conosco nem com outras nenbuas pesoas. £ porem mandamos 
a todolos corregedores, jnizes e justi^as, oficiaes e pesoas e apnradores de jentes e 
a ontros quaaes quer que esto ounerem de yeet, a que està carta for mostrada, que 
nom costrangaaes nem mandees costranger os ditos G.*^ Mìz nem Aluare Anes e JohS 
da Maya e J.* de Bairos, carpenteiros, pera nenhuas cousas nem encarregos 6 quanto 
asy laurarem na obra do dito mosteiro, por quanto nosa mercee he serem delo scusados, 
comò dito he e se Ihe algS nom quiser guardar està nossa carta en todab estas cousas 
ou cada hSa delas per elas m&damos a quali quer tabeliam dos nosos Reinos que 
empraze, que do dia que emprazado for a zb dlas pare9a per pesca perante nos 
a dizer qual he a razft por que iha nom guardaaes unde al nom fa^ades. Dada em 
Coimbra xxiij dias de junho per autoridade do senhor Ifamte dom F.^ Begente &c« 
P.<* de Lizboa a fez anno do Senhor de mil iiij« Bb.» 

(Torre do Tonibo. — ChAnceUaria de O. AiToiuo V, Ut. U, fol. 88.) 
▼OL. n 10 



146 

«Dom Àfonso &c. A qnantofl està carta virem faiemos saber qne nos querendo 

fazer gra^ e mercee a G.^ MZz, carpenteiro, meestre dae obras do moesteiro de Santa 

Clara da nossa cidade do Porto, em quanto for solteiro e tener carrego de reqnerer 

OS resydoos pera as ditas obras, teemos por bem e preuillegiamoUo qne daqui en 

diante nom pagne em nenhufts pedidos qne per nos forem'lan^ados per qnall quer 

gnissa qne ss^a. £ porem mftdamos aos jnixei e oficiaaea da dita cidade e a ontzos 

qnaees quer a qne esto perteencer e eita nossa carta for mostrada qne daqui en diante 

nom costrangaaes nem mandees costranger qne pagne em os ditos pedidos, por 

quanto nossa mercee e yontade he seer dello escnssado ssem outro algnfi embargo 

que Ihe sobre elio sega posto. Dada en a nossa v illa d e Sintra ij dias dontnbro Oon- 

9alo Nogueira a fex ano de nesso Benhor Jbesft Xpo de mil iiy« L Bni Galn& a fez 

escpreuer.» 

'^ (Torre do Tombo. » GluuiMUarU de D. AÌEìdiuo V, Ut. S4, faiL T.) 

De corno e qvMo fot tdificoào o moutaro de $cta darà danire omJboUo$ Rm 
na cidade do Paria 

«Dom Jobam pella gra9a de D." rey de Portugal e do Àlgame e senbor de Copta, 
a qa&tos està carta yirem fiuemos saber que stando nos na cidade do Porto, o meestre 
frey Jobam Xira frade da bordem de sam Francisco noso confesor nos reqnereo e 
podio de mercee que bedificasemos na dita cidade o moesteiro de s6ta Clara dantre 
ambos os Rios pera que tijnba licenza do padre sSto e nos veendo esto e lembrandonos 
qne a R.* dona Filipa minba molber a qne D." crecente em sua gloria ante de seu 
finaxnlto nos Scomendou e podio de mercee que o mandasemos foier mamdamos cba- 
mar dom Femftdo bispo da dita cidade do Porto nesso sobxinbo e com elle hordenamos 
que fosse feita bua precÌ9om solempne, a qual se fez zxbiij dia« do mes de mar90, indo 
em ella o dito bispo e Dom Louren^o bispo de Mayorgas e dom frej Jobam bispo 
de Marrocos e todoUos conegos e meos conegos e frades de sam Francisco e de sam 
Domingos da dita cidade reuestidos e nestidos em sobrepelizas comò se custuma de 
fìtser £m a qnal procisom nos fbmos e o iffante dom Femftdo e o conde dom Afonso 
de Barcellos meus filbos e Jobam Gfomez da Silna nosao alférez moor e do nesso 
conselbo e Gii Uaasquez da Cunba e Jobam Aluares Pireira e Jobam Roti de Saa 
nesso camareiro moor e outros muitos caualeiros e todollos cidadaftos e donas da dita 
cidade e fomos assy com a dita procifom ao Ingar que cbamft os carualhos do monte, 
qual Ingar e campo aprono e foe dado per aqueUes a que o dito campo pertencia 
dar e per nesso ontorgamento e outorgamento (ne) e per a dita cidade ao dito con- 
uento pera se em el edificar e fazer o dito moesteiro. £ féita a dita perciaom mui 
solépnemSte comò dito be, foe hi apresentada e lyda e pruuicada per dom frey Martim 
Airas abade de Sctotiso de Ribadaue bua litera do papa Jobam na qual se continha 
que el auendo por semino de D' daua lugar e despensaua que o dito moesteiro de 
asta Clara dantre ambos os Rios se treladase e se edificase e se fizese dentro na dita 
cidade no campo e Ihe outorgaua e daua certos priuiUegios e liberdades e perdodes 
segnndo na dita litera todo maia compridamfite se contynha e lenda a dita litera e 
pubricada e acabada a dita precisom e feitas todallas ben9o88 e cirimonias que se 
auiam de fazer nos per nossa mftao pusemos lego e asentamos no canto direito do dito 
moesteiro bua pedr§ e o dito i£fante entra no outro canto e o dito conde em bQa parte 
do clnzeiro entra e o dito bispo do porto entra na entra parte do duzeiro e esto feito 
foe hi dita hGa missa cantada per o dito bispo de Manrocos e bua pTega9om per o dito 
bispo de Hayorgaa. £ em testemnnho desto por seer uerdade e sem duuida mandamos 
dar està carta aabadesa e conuSto do dito moesteiro asignada per nossa mafto e 
seelada com nesso sello do chumbo, e osta carta Ihe mandamos dar por momoreal 
pera sempre da guarda do seu direito e dessy pera os que despois de nos yierem 



147 

e deaceoderem anerem e receberem o dito moe6teiro enti sua guarda e defendimento 
B»Bj corno nos recebemoa por qoftto por noa foe BMgy corno dito he fundado e edificado. 
Dante em Bintra zzdiaa de majo elrrej o mandoa ^Femà BoXz a fes— era de mil 
ÌL\j< e liiy anoa.» (Tom do Tombo,— Oh^neellarU «• D. Jolo I, Ut. 8, fòL 190.) 

Segae-ae Carta de guarda e eneomtda do moesteiro de $ita Clara da 
eidade do Porto. 

«Dom Afonao &c. A yos Jaizes da eidade do Porto e da eidade de Lamego e a to- 
dolloa ontroa juizea e joati^as doa bispadoa daa ditaa cidades e pesaoas a que desto 
eonheeimento perteencer per quali quer goissa qae seja, a que està carta for mos- 
trada, aande, sabede que nos entendendo qae era bem e semino de Deus hordenarmos 
corno OttuesBe de seer feito em eaaa eidade do Porto bufi moesteiro de santa Clara, 
pera o quali aom mudadaa aa donas de Santa Clara Dantranbos os Rios, e por quanto 
o dito moesteiro nom he ainda acabado, a abadessa e donas dell nos enuiarom pedir 
por mercee que o mftdassemos acabar, e nos yeendo o que nos assj diaer e pedir en- 
uiarom e por que a nos praseria de seer o dito moesteiro acabado, porem querendo 
noa ora fazer graja e merce ao dito moesteiro por esmolla, ^Eizemoslhe mercee e doar 
9om de todollos rresydooa dos ditos bispados de todoUos testamentos feitos e outorgados 
tee dada desta nossa carta. E porem mandamos a uos e a cada huù de noa em uossas 
oillaa e julgados que fa9aaes parante uos uijr os testementeiros contheudos nos tes- 
tamentos ou partes a que perteencer e presente elles com o procurador dos ditos 
reaydoos tomedea conta dos (titos testamentos, segundo a forma daa bordena9odea 
feitas acerca de comò sse ham de tirar e demandar e tirados os legados nos ditos 
testamentoa contheudos, e as outras despesaa que sse sobre elio feaerem que todo 
aquello que per direito achardes que he denudo e ficar em resydoo yos o fazee lego 
dar e entregar per conto e recado ao ueedor da dita obra ou a sseu certo recado 
pera se despender em a dita obra presente o esepriuam delia e sse per rraz& dos 
dìtoa resydooa rrecrecerem algufis prejrtoa e demaadas qne a elica perteen9am yos 
tomaae delles eonheeimento, fazendo perante uos Y^r as partes a que perteencem per 
nossas cita^ea custumadas e ouuindeoa cada huu em seu julgado honde for theudo 
reaponder, e liurandoos o mais ssem delonga e custas das partes que o fazer poderdes 
comò achardes que he direito, dandolhes apella^es e agrauos nos cassos que aegundo 
direito e lez do regno deuees de dar e por quanto nas terras chaas os juizes conthi- 
nuadamente nom £uEem audienciaa e ainda som homSs simplezes, porem per està carta 
mftdamos aoa corregedovea daa comarcaa que ponham certos homSa boos honde enten- 
derem que £ara mester que tomem conhecimentoa dos ditoa resydoos e feitos corno 
dito he, &zendo cada bufi dia audiencia aas partes nnde al nom fa9ades. Dante em 
a nossa eidade dEuora iij dias do mes dabrìll — ElBei o mandou per os doutores 
BxLj Gomez dAluarèga e F.^ Lobato aaeus uaaaalloa e do sseu desenbargo e peti^odes* 
B.* Anes por Bras Afonao a fez — ano de noaao Senhor Jeahu Xpo de mil wj"* 1.» 

(Tom do Tonbo. — duuieoIUrU de D. ìlAhmo Y, Ut; H, Ibi. 7.) 

Vide docomento ìdenticOi que atris publioamoa aob o nome de Afifonao 
Martina, mestre dà oarpintaria do mesmo moateiro. 



OOO— Hartins (Gtongalo).— 2.®— Morador em Lisboa. Fora 
mestre da carpintarìa do Infante D. Fernando. D. Affonso V Ihe paaaou 
carta de privilegio a 4 de novembre de 1471. 



148 

«Dom Afbnso &c. A qaantos està carta virem fazemos saber qne nos, qnerendo 
fazer gra^a e mercee a GK>n9alo Martini, morador em a noesa cidade de Lixboa, 
meestre qne foj da carpyntarya do ifiiBte dom Femftdo meu ixmafio, quo Deus aja, te- 
mos por bem e prenelegiamoUo e queremos que daqui em diante nom pagae em nmihfiaa 
peitas^ fintaa, talhas, pedidos, seroi^os nem emprestidoB qne per os concelbos bende 
morar sam on forem lan9ados por quali qner guisa qne sejft e nem vaa eom preaoa 
nem com dinbeiros nem seja titor nem curador de nenbuas pessoas, saluo se as titorìas 
£>rem lidìmas, nem seja po^to por beesteiro do conto se atee ora posto nom be, nem 
siraa em outros algus encarregos nem Beroidòes do dito concelbo nem i^a nenbnoa 
oficios delle centra sua vomtade nem seja acontiado em cousa alguG, posto que pera 
elio aja contia nem pere^a em allardo. Outro si nom ponssem com elle nem Ibe tomem 
roupa de cama, palba, lenha, gallinbas nem outra cousa algGa do seu contra sua yen- 
tade nem Ibe tomem seos barcos nem batees pera nenbflas seruentias. Item Ibe damos 
llcen9a e lugar que elle possa trazer armas por todos nossos regnos assi de noute 
comò de dia sem embargo da nossa defessa e bordena^om feita em contrairo. £ porem 
mandamoB a todollos nossos correjedores, juizes e justi^as e ao nesso coudell moor 
e ao alcaide do mar em a dita cidade e a outros quaesquer oficiaes e pessoas» que 
esto per qual quer guisa ajft de ueer e està nossa carta for mostrada que igft o dito 
Grondalo Martinz por preueligiado escussado e releuado das sobre ditas cousas e o nom 
costrangft pera nenbua dellas e Ibe compram e guardem e fa^om comprir e guardar 
em tede està nossa carta asj e pella guisa que em ella be contbeudo e Ibe nom vSo 
nem conssenUl bir contra ella em parte nem em todo em maneìra algfla por que assi 
be nossa mercee. Dada em a yilla de Sintra cinquo dlas do mes de nouSbro. Pero 
liouren^o a fez— ano do nacimento de nesso Senbor Jbesu X.^ de mil ii^'* bog.» 

(Tom do Tombo.—Cluuicftll«rU de D. Affouo Y, Ut. 81, foL 60 v.) 



OOl — llartins (Oonyalo). — 3.^ — Pedreiro de que se £ala num 
documento de 1521. Era cunhado de Ignea Dias, viuva de Marcos Pires. 
Vide aste nome. 



©03 —Martina (Gtongalo). —4.® —Pedreiro da villa de Baroellos. 
A elle foi adjudìcada, pelo lan90 de 250^000 réis, a reedìfioasSo de duas 
pontes, urna no rio Cavado, junto de Barcellos, e outra no Aye. A pro- 
yìbSo re^a auctorìzando a obra é de 17 de agosto de 1628. 

«Ev ElBey fa^o saber a uos corregedores e prouedor da comarca da uiUa de Uiana, 
Foss do Lima, que auendo respeito a imforma92o que me emuiastes acerca da licemsa 
que OS officiaes da comarca da uilla de Barsellos me enuiarfto pedir para poderem 
rebedeficar a ponte do rio Cabedo jumto a dita yilla e outra no rio Ane e uisto comò 
pella dita uosa imforma9So consta que o mais balzo e seguro lan9o que ouuera para 
as ditas obras fora de dusemtos e cimcoenta mil rs, que lanQou Gon9alo Martins, pe- 
dreiro da dita uilla, o qual tinba dado fianca segura e abonada, e que comuinba muito 
ao bem publico della fazeremse os ditos consertos com toda breuidade pello danno e 
despeza que do contrario poderia restdtar, Hej por bem e me pras que cada bum de 
uos fa^ais lego laudar por cresimento no cabesfto das sizas de todas as yillas e lugares 
dessa comarca cm que emtrardes por obrigacSo de uosos cargos os duscntos e cin- 
coenta mil rs que sSo nesesarios pera concerto das ditas pontes de Barcellos e rio 
Aue, qual lansamento se farà comforme a ordena9&o e o dinbeiro delle se nSo pò- 



149 

dera despender em ontra algaa coosa mais qn6 no re&simento dellas, o qnal se em- 
tregara ao dito Gk)n9alo Martins pera poder faser a dita obra e se acabar com a 
brenidade e deligencia quo he necessaria com declara^So que corno se acabar de tirar 
a dita qoantia sessara logo o dito lan9amento £ por està aos mando que tomeis conta 
do ^to dinheiro e saibais o corno se despendeo e em tndo cumpraes e fa9aes inteira- 
mente cumprir e guardar està prouisSo corno se nella eomtem posto quo o effeito della 
aja de durar nuds de huft anno sem embargo da ordenasfto em contrario. Antonio de 
Moraes a fes em Lisboa a desasete dagosto de mil e seis centos e uinte e oito Gaspar 
da Costa de Maria o fes escreuer.» 

(Torre do Tombo. ~ GhaooeUarla de D. Flllppe HIi PrMUgioi, Ut. S, fol. 145 v.) 



003 — Martins (Manoel). Era filho de Boque Martins, mestre 
das obras da carpintaria da Sé da oidade de Aiigra. Falleoendo seti pae, 
foi nomeado para o Bubstituir no dito cargo por alvarà de 14 de outnbro de 
1592. 

c£u elBej fa^o saber aos que este alluara virem que ayemdo respeyto a imfbr- 
ma9&o que tiue de Manuel Martine, filbo de Hoque Martinz, que foj mestre das obras 
da carpimtarìa da See da cidade dAmgra da ilha Terceira, e por confiar delle que 
no de que bo Ccareguar me seruiraa bem he fielmente comò a meu semino cumpre, 
ey por bem e me praz fiazerlhe merce do dito cargpio e ofi(iio de mestre das obras da 
carpimtarìa da see da dita cidade asy he da maneira que o elle deue ser e comò o foy 
dito seu pay, per cujo falecimento vaguou, o qual oficio de teraa e seruiraa Squamto 
eu ouuer por bem e nio mSdar o contrario e averaa com elle de mStymento ordenado 
em cada hutl ano cimcoenta mìll rs. que be outro tamto comò tinba e avya o dito seu 
pay, 08 quaees Ihe ser2o paguos a custa do dinbeiro aplieado pera as hobras da dita 
See pello que mftdo ao recebedor do dito dinbeiro, que ora he e ao diamte for que do 
dia em que per certidfto de dom M.^ de Guouuea, bispo de Amgra, do meu conselho, 
constar que o dito Manuel Martina come^ou a seruir em dyamte Ihe dee e pague os 
ditos r r* cada ano de seu mfltimento e Ihe fa^a delles bom paguamento aos quarteis 
per este soo alluara gerall sem mais outra prouia&o, e pello trelado delle que seraa 
regystado no liuro de sua despesa pello escpriySo de seu cargo e conhecimentos do 
dito Manuel Martina mando que Ihe s^&o os ditos f rs leuados em comta cada ano 
que Ihoa haaj pagoar e asy mando a Gonzalo Pirez Camalho, fidallguo de minha 
easa e proiiedor de minhas obras e pa^s, Ihe dee a pose do dito oficio e Iho deyxe 
seruir e aver o dito mfttimento, proes e precal^os que Ihe direitamente pertencerem, 
e elle jurara em minha chancelaria aos samtos eyamgelhos que bem e verdadeiramente 
o syrua, guardamdo em tudo meu serui^o e o direito as partes, da qual pose e jura- 
mento se &raa asemto por elle assynado nas costas deste alluara que se cumpriraa 
comò se nelle conihem, e ey por bem que yalha, tenha for^a e yygor &c na fonna, 
o qnal se hasemtara no liuro da fazenda da hordem de noso senhor Ihesii zpo e os ditos 
L rs Ihe serSo paguos com certid2o que cada ano presemtara do dito bispo de comò 
serue. Manuel Franco o fez em Lixboa ha quatro de outubro de f b* IRiJ, e eu Buy 
Diaz de Meneses o fiz escreuer.» 

(Torre do Tombo. —CluuiceUAria de D. Flllppe I, Doa^, 1ÌT. SS, fol. 49.) 



G04: — Martins (llanoel).— 2.® — Mestre empreiteiro das obras 
do SenadO) Deposito do Senado e reedifica^So das casas de D. AntSo de 



160 

Almada. Em 11 de Janeiro de 1764 Ihe era mandado fazer pagamento 
de 26:OOOi91000 réis que se Ihe deviam pelas referìdas obras, corno nuda 
meadamente consta do documento qne passamos a transcrever: 

ftP." Antonio Yelho da Costa — 8endo presente a S. Mag.* por parte de Bfannel 
Martina, mestre impreiteiro^ que foi das casas do Senado, Deposito Publico, e re- 
edifica^dens das casas de Dom Antfto de Almada, adiarse gravissimamente vezado 
e opprimi do por alguus credores de materiaes, que tomou para as referidas obras, 
ao mesmo tempo que pelo Senado da Camara se Ihe deyiam mais de vìnte e seis 
contOB de reis das referidas obras e quando por Aviso de 18 de agosto de 1751 se 
Ihe tinhSo aplicado para seu pagamento o acrescimo que o centrato dos reaes da agoa 
e do Tìnho tiveram na arremata9&o daquelle triennio, e ordenando que a sobredita 
applica9So se vereficasse sem embargo de quaesquer pinhoras que os particularcs 
credores do Senado tiyessem feito ou houvessem de fiuer no referido acrescimo, 
e subsistindo assim as pinhoras semente para o sobredito acresoìmò ficar por ellas 
a£fecto sem prejuiso da refenda obra, e para ter e£feito depois que fossem pagas as 
M** do preyo que ella importasse, e o que o mesmo senhor mandou observar em reso- 
lu^Io sua de 18 de setembro de 1754, tomada em consulta do dito Senado para o 
triennio que se seguio* E porque as ditas con8Ìgna95es se suspenderam com a ocea- 
sifto do Terramoto do primeiro de novembre de 1755, ordena S. Mag." que o sobredito 
mestre sega pago do que se Ihe deve pelas referidas consigna^òens o que constar 
deverselhe, e q.^« os ditos contratos nSo tenham actualmente acrescimos pelo produto 
das rendas do Alqneidfto, que se acharem vencidas e se vencerem por constar se 
acham desembara^adas, e por serem findas no anno de 1762 as aplica^oens a que se 
destinaram. que Y. S* farà presente no mesmo Senado da Camara para que assim 
se ezecute. Deos gj^ a V. S.* Pa^o a 11 de Janeiro de 1764. Gonde de Oeyras.» 

(Torre do Tombo. — JfliM do MliiUtctio do Boiao do 1761 a 1764, Ut. 9, Ad. 1S6.) 



OOS—ìtLsTtinH (Miguel). Era o architeoto ou mestre de obras 
da Sé de lisboa alii peloB annos de 1281. Apparece corno testemunlia 
nmna carta de 22 de mar{^ da era de 1319, e ahi yem designado da se- 
gaìnte forma: cMiguel Martins, que tem a obra da see». 

Està carta é um centrato de venda que JoXo Cavall^rOi yigario e ole» 
rigo de Santa Cnu (Santa Cruz do Castello) fes a Estevam Pires Curvo 
e Vìcente Martins Carrasqueiro, execntores do testamento de^D. Susanna, 
de todo campo ferragial que tinba em Lisboa a cabo de S. Gens, o qual 
fòra de JoSo Soares Alfetoc. Entro outras confronta^Ses, oste campo partia 
com a oourella de Santa Cruz, que f8ra de D. Marcos, com o almocavar 
dos judeus, com o rocio que o conceiho dora aos frades de Santo Agos- 
tinbo e com o ferragial de 8. Tiago. 

«In nomine Domiiy amS. Està e carta de yendi^om e de perdurami firmidoe a qua! 
acomendo a fazer eu Johft caualeiro vigairo e clerigo de Santa Crux a uos Steuft 
Pirez Curuo e a uos Vicente Martinz Carrasqueiro eisecutores do testamento de dona 
Snsana de todóó canpo do ferregSal que eu ey en Lizbòa Cabo San G6es o qual foy 
de Johft Boariz Alfetoz assj corno parte cono portai nono e cena queirela de Santa 
Cnu que fby de dom Marcos e cena almocouara dos Judeus e com Mafomade filho 



151 

Daacem e conA vinha -de Feni& Piiix o amo e cona queirela do monro do arranalde 

e cono ressio quo o concelho deu hoas frades de Santagostto e corno parte cono fer- 

regSal de Santiago yendo e houtorgo a uos o dito canpo com entradas e saidaB e com 

todoB seufl dereitoB e pertén9a8 auas por pre90 nomeado que de uos receby conuen 

a Bsaber een libraa da hasaail moeda nelha de Portugal c&i m j e a uos tanto aprougue 

e nem hfia ooosa do pre90 ficon onde apres de uob por pagar deB 07 mais aiades uos 

e todoB voBBOB BOBBeBoreB o dito canpo e ferregfial e fa9adeB ende todaB aquelas couaas 

qne a uob aprouguer assy come da uoBBa propia poBSÌBon. £ sse pela uentara alguil 

uSer assy dos meuB propincoB come doB eBtranhoB que este meu feito queira bijtar 

bou tentar nom Ihi Beia houtorgado nem apraaiael mais pela M tenta9om quanto 

a UOB demandar tanto a uob en dublo componha e ou Senhor da terra boutro tanto 

e quanto en cbbc legar for melborado. £ eu boutroBÌ Bcmelhauilmente bc a uob o dito 

canpo de ferreglal en concelho houtorgar bou defender nom poder bou nom quiser 

per cBBa méésma péa Beia condanado — ffeita a carta en Lixb5a zxg dias de mar90. 

£ra mil ccc* lix* e eu Petro £aoeB dito ferreiro publico tabelliom de Lisboa rogado 

danbalas partee a CBta venda presente fuy e està carta ende con mba maSo propia 

esercì^ e meu Bsinal que tal e -f- 01^ eia pussy en testemftiho de yerdade e en meu registro 

arreacreuj e eu de buso nomeado que està carta mandej faser eia dantas testemftibafl 

que aqui adeante som eBcritas per mbas maSos propias arreuorej e boutorguey tcB- 

temunbas Migael Martinz que ten a obra da Séé=JobS Nunct— Marti UeSgasn 

Job2 Fijn2 alfaihate=Job2 Steualz alfa7ate= Marti Joanes carpenteiro dArruda» 

Soeiro £anea clerigo de Santa Cruz^aDomingos Martine olerigo de Santa Cruz = 

Pero Domingos Palazim.» ,« „ . ,, , ^^ 

^ (Collec^to eipociftl, ealxft 66.) 



000— Martlns (Roque). Foi mestre das obrAs da carpintaria 
da Sé de Angra e pae de Manoel Martins. Vide este nome. 



OOT" -^Martina (Vasoo). Era carplnteiro em Santarem, e D. Af- 
fonao V, a 2 de Janeiro de 1471, Ihe passou carta de privilegio, emquanto 
andasse concertando as caaas de D. Beatm, viuva de D. Diogo da Sil- 
veira. A respectiva carta é do teor segainte: 

«Dom AfbmBO àc. A quamtos està carta virem fazemos saber qne nos queremdo 

faser gra^a e mer9ee a Vasco Martjnz carpimtciro morador em està nosa villa de 

Samtarem. Temos por bem e nos praz que em quamto elle tener carreguo de prouer 

e correjer as casBas de dona Briatrjz molher que foy de Diogo da Silueira qne Deus 

^a que estam em a dita villa nom sqja acomtiado em armas nem em cauallo nem 

em beesta de gtfrrucba nem de polle nem em outra couaa alguua posto que pera elio 

i^a comtia nem pare9a em alardo. £ porem mandamos a todolloB.nossoB corregedores 

juizcB e juBti^aB e ao nosBO coudell moor e ao da dita villa e a outros quaesquer ofi- 

9ÌaeB e peBsoaa a que osto ouuerem de veer que ajom dito Vasco Martinz por es- 

cuBBado e relleuado das sobre ditas coussas e nom costrangam pera nenhuua dellas 

comò dito be e Ihe compram e guardem e fa9am bem compryr e guardar està nossa 

carta asy e polla guissa que em ella he contebudo e Ibe nom vaào nem comsemtam 

byr comtra ella em maneira alguiìa por que asy he nosa mer9ee. Dada em a dita 

villa ìj dias do mes de Janeiro. — Pero Louren90 a fez ano de noso Senhor Jhesuu 

Christo de mjl iiij» Lzsd.» ,^ « ^ ^ •. .«_ « ,. •**.*.» 

-^ V V (Ca»BaeelUri»deD. Aì«mimV|11v. J6,fcl. I.) 



152 

008 — Uartlns (Vasco). — 2.° — Pedreiro, morador em Idsboa. 
D. AiSonso V Ibe passoii carta de privìle^o a 8 de julho de 1463 pelos ser- 
vigos que prestara na tomada da villa de Alcacer, nos dòis cercos que el-rei 
de Fez pos à mesma villa e no fazimento da cooraja da mesma fortaleza. 

«Dom Afonso &c. À quantos està carta virem fazemos saber qae nos querendo fiizer 
gra^a e mercee a Vasco Martina, pedreiro, morador em està cidade, por quanto somos 
certificado que em seu oficio nos seruio na tomada da villa dAlcacere e no cerqno 
prìmeiro qne elrey de Fez sobre ella veeo e assy no cerquo segundo e no faser da 
co7ra9a da dita villa, temos por bem e queremoa qne daqny em diante gouva e aja 
todoUos prenillegioB, liberdades e franquezas, que por nos som outorgadas aos nossos 
besteiros de cauallo, posto que ho elle nom seja. E porem mandamos a todoUos nossos 
corregedores, jnizes e jnsti9as e qoaees qner ontros nossos oficiaes e pessoas a que 
esto pertencer e està carta for mostrada que comprem e guardem e fa9am em todo bem 
comprir e guardar ao dito Vasco Martìnz todoUos preniUegios e liberdades e franquezas 
que barn e deuem de auer os nossos besteiros de cauallo e Ibe nom uafio nem consenti 
ir centra elles em todo nem em parte por que assy he nossa mercee. Da^ em Lisboa 
biij<* dias de Julbo — Garcia Gllz a fez — anno de nesso SHor Ihesù Xpo de mUl e iiij« 
Ixiij annos.» j^orre do Tombo. - ChaaoeUaria de D. Aifenao V, Ut. 9, fol. 116.) 



OOO — Uartins da Costa (OamiUo). Nomeado sargento-mór de 
engenheiros em 11 de dezembro de 1797, para ir servir por cito annos 
na Paraiba, Eis o respectivo decreto: 

«Por decreto da data desta fili servido fazer mercé ao prìmeiro t^ente do corpo 
de engenheiros Camilo Martins da Costa, de o nomear sargento-mor do mesmo corpo, 
para me ir servir na capitania da Paraiba por tempo de cito annos, findos os quaes 
poderi voltar a este reino, onde se Ihe fari bom o posto, de que eu a esse tempo Ihe 
possa ter feito mercé. Conselho de Guerra o tenha assim entendido, e Ihe mando 
passar os despachos necessarios. Palacio de Queluz em 11 de dezembro de mil sete- 
centos noventa e sete.» {Com a ruòrioa de sua magestade,) 

(Doeretoa remettidoa ao Coxueiho de Chierrs, ma^o 155, n.^ Si7.) 

OlO — Massay (Alexandre). Engenheiro ao servilo do Governo 
Portuguès na construc9So do forte da iiha do Pecegueiro, segundo o do- 
cumento que segue: 

«V. Mag.<^ mandou passar bua portarìa per CxpouSo (ChristovSo) Soares seu se- 
cretaire pera os fbrtes do Pexigueiro na forma seguinte : 

ElRey nesso Siior ha por bem que na ilha do Pexigueiro estem mais quattro sol- 
dados alem dos seis que nella est&o pera que ao todo seijfto dez e que todos estem 
debaixo do governo de Alessandro Massay pera defensSo do forte que Ila està, de que 
elle està emcarregado e que se Ihe dee e mantimento e soldo que os outros que alli 
estSo tem, e que està hordem se guardo em quanto S. Mag.^ nSo mandar o oontrairo. 
£m Lisboa a 20 de julho de 1601. Cxpu&o Soares. 

E requerendo eu muitas uezes se assinase o soldo que auiSo de ter os des soldados 
por quanto a obra nSo corna que podia ser comfòrme aos 25 de Sines nSo tyie re- 
posta Pelle que por algum tempo forSo pagos das ter9as come trabalhadores e por 
que assi corno a obra cessou tambem de sette mezes a està parte os nSo ouue ficarSo 



153 

estes fortes dezenparadcMS e eu juntamente qne todo este tempo nelles rezido com 
mìnha casa e fEunilia com muto risquo de Cossairos assi della corno da artilharìa 
moni^is e fabriqoa o que tenho segnificado por muitas uezes ao Yizorrej a meza da 
fazenda mandando Enstromentos do Estato em qne estaua e ao prouedor da comarca 
de Orique e athe oje me foi dada hotdem algua. Fello que pe^o aV. Mag."** qne aaendo 
respeito a meiu 8erai908 e ao rìsqao apontado ma mando dar e qne corrSo os dez 
homéis corno antes e seijSo pagaos das ter^as ou confonne aos 25 soldados de Sines, 
OH comò mais fbr 8eniÌ90 deV. Mag.^ athe se oner outra re8ola9So nesta obra. Da Ilha 
do Piziguero a 14 do maio de 1603. Alexandre Massay.» 

(Torre do Tombe. ~ Cvrfo Chnmoloffieo, parte 1.*, ma^o 114, doe. 74.) 

Em 1630 Alexandre Massay ainda vivìa, mas estava entrevado. Era 
casado com Vìcencia de Frìas, moito provavelmente da parentela dos ar- 
chitectos do san appellido. Residiam em Sines, no Algarve, e tìnham um 
filho, qua servia a profissSo das armas e qua ficou captìvo na defesa contra 
turcos de mna naa do BrasìI, sendo levado a Argal. Saa mSe, allegando 
nobreza e pobreza, pediu auxilio para o san resgate, e sondo seu reqaa- 
rìmento levado & consulta da Mesa da Consciencìa, està foi de parecer 
que se desse o auxilio de 100^9000 rais. 

«Yeo remetida do gouemo a oste tribunal com ordem que se ueja nelle e consulte 
que parecer bua peti^So de Yicencia de Frias molher de Alexander Massai enge- 
nheiro de Sua Magestade, moradores na villa de Sines em que diz que em dezembro 
do anno passado Ibe catiuarSo os turcos no porto da dita villa bum filbo de idade de 
vinte e cince annos binde por mandado do cappitfto daquella fortalesa a socorrer bfia 
nao do Brasil que os turcos estau&o combatendo e bo leuarSo a Argel donde padese ' 
cruel catiueiro e por que be nobre, mui pobre e nSo tem com que o resgatar, e o dito 
seu marido a n2o pode ajudar por estar entreuado ba mais de quoatro annos. Pedo 
a Vessa Magestade que uisto catiuar em seu seruigo, e ser nobre, e nSo ter fazenda 
de que se possa ualer para ter liberdade, Ibe fa^a merce por esmola de Ibe dar com 
que se possa resgatar. — Com a dita peti^&o offerece Yicencia de Frias bua certidSo 
do cappitSo da fortaleza de Sines em que debaizo do juramento affirma ser uerdade 
todo refendo, e acresenta que na occasiSo da pelleja, cumprio Paulo Massai com 
sua obriga9So, em tanto que elle e outro companbeixo forSo os que ultimamente fica- 
rSo na nao, e forSo uistos fazer todo o possiuel polla de£fender e que tambem ba sette 
annos que seme de soldado com satbfa^So. A Paulo Massai por soldado comò bora 
na ocasi&o em que catiuou Ibe cabe de esmola por regimento noventa patacas, que 
sSo 28^800, e por nobre algua cousa mais, mas a sua nobresa, nSo està justificada, 
porem tendo respeito a catiuar seruindo, e se be merecedor de Tossa Magestade Ibe 
fazer mais e uantejada mercé para seu resgate parece que Vessa Magestade Iba fa9a 
de cem mil reis pagos na rendi^So entrando nesta quantia a esmola que por regi- 
mento Ibe cabe— -Lixboa, 18 de junbo de 630 — Por carta de Sua Magestade de 24 de 
julbo 630 — Outra sobre bua peti^So de Vicencia de Frias a qual se darSo cem mil 
reis para o resgate de seu filbo Paulo Massaj, pagos na rendÌ9So dos catiuos entrando 
nelles a esmola que por regimento Ibe tooassMascarenbas. 

(Beglsto de Conraltaa dA Mesa da Consciencto e Ordens de 16S8 % 16S0, n.* 19, foi. 172 v.) 



611— Massay (Pero de). Engenbeiro para a India. Vide Manoel 
Homem. 



164 

OIS — ^Massé (Jofto). Como oapitSo de engenheiros serviti no exer- 
cito alliado qae marchoa de Portagal sobre Madrid em defesa dos direitos 
e aspira93es de Carlos IIL Vemo-lo figurar em 1705 na rendìfXo de Alba- 
querque, tendo vindo do sìtio de Gìbraltar. Veja-se a este proposito a obra 
intitolada La conduUe'du camU de QàUoway m Espagne et en Portugalj 
pag. 15. É traduc^Slo do inglès e foi pnblicada em Rotterdam em 1711. 

Parece-nos curioso acoresoentar que o voi. il do Engenheiro Partuguez, 
de Azevedo Fortes, tem mn ante-rosto gravado em 1729 por Rochefort, 
representando o alto da estampa a pra^a de Albuquerque e vendo-se na 
parte inferìor tres generaes a cavallo; P. Carle, que dirìgiu principalmente 
assedio, o Conde das Galveias e o Conde de Villa Verde. 

Em 1712 passou com o posto de brigadeiro ao Brasil para examìnar 
e reparar as fortifioa(3es d'aquelle Estado. A carta regìa que Ihe incumbe 
està commissSo é do seguinte teor: 

•D. Jofto fa^o saber aos que està minha carta patente virenti que por ser conve- 
niente a meo servilo o fortificarse o estado do Brazil em forma que fique com teda 
a defensa necessaria, e na pessoa de Jofto Masse concorrerem os requisitos que se 
requerem para darem boa conta d'està incumbencia; Hei por bem que eUe passe com 
posto que tem de brigadeiro de infantaria ao Rio de Janeiro para examinar e re- 
parar as fortificagdes daquella capitania e ficizer as maes que fbrem necessarias para 
defensa e conserva9fto della; e feita està deligencia passarft a fìuser a mesma na Bahia 
e Fernambuco e emquanto estiver no Brazil vencerà noventa mil reis de soldo por mez, 
que he dobrado do que Ihe compete com o dito posto de brigadeiro; porque assim o 
hei por bem; e que Ihe seja pago desde o dia em que partir deste Beino, até nelle 
tornar a entrar pelos effeitos da fazenda real; em que assistir. Fello que mando ao 
meu govemador e capitSo goral do estado do Brasil, etc. Dada na cidade de Lisboa 
aos 17 dias do mes de junho Manoel Gomes da Sylva a fez anno de N. de N. S. J. C. 
de 1712. secretarìo Andre Lopes de Lavre a fiz escrever. ElBei.» 

(ArchlTO do OonseUio Ultramarinoi Ut. 18 de QffMo; fol. S86 v.) 

Diz Francisque Michel que elle construira o forte de S. Fedro na Bahia 
de Todos os Santos. {Lee Partugaie en France et Uè Franqaie en Portugal, 
pag. 66.) 

José da Silva Paes, num seu requerimento, allude a um JoSo Masse. 

Em 1727 achava-se elle em Lisboa, pois a 29 de abril d'esse anno era 
tun dos censores, por ordem de el-rei, da obra de Azevedo Fortes acima 
citada. 



613 — MatlieilB (Qongalo). Pedreiro, morador em Alcacer-Ceguer. 
D. Manoel em 5 de julho de 1520 o nomeou mestre de todas as obras de 
pedraria d'aquella vìHà. 

«Dom Manoell &c. A quantos està uosa carta virem fazemos saber que queremdo 
nós làser gra9a e meroe a G«* Mateus pedreiro, morador em Aloaoer Ceger, que elle 
seja daquy em diamte mestre de todas obras de pedraria que mamdamos faser uà 



166 

dita Yilla e ontro allgnfi nSo e Mi tenha e ig'a todalas onras e gra^aa e Hberdadea 
qne tem e de que gosSo oa outros mastres daa semelliaiìtes obras doB oatroa noaos lu- 
gares dalem, com o quali oficio qaeremoe e noe apras qae elle aja o mantimento 
ordenado a elle em cada bufi anno B$g> se oontem e eataa afl«Btado no Begimento 
qne banda no8 eontoa da dita villa e uj nos apras qne elle v^'a todaa aa obraa qne 
tem a dita villa e fiierem noeaa se vam taees qoaees devem de ir eompcido nesso ser- 
11Ì90 e segnrydade da dita villa e as fa^ coreger e emendar n8o indo cono devem de 
ir pera a dita segurydade corno dito be e posa tornar e apenar pera elas todos ofi- 
ciaes e pesoas qne pera elas comprir serem tomadas e sem Ibe a elo ser posta eontra- 
di^So alguQa, por qae o avemos asj por bem. 

£ porem mandamos ao noso eapitfto comtador e oficiaees da dita villa qne bo metto 
em pose do dito oficio e Ibo deixem servir e Ibe onnq>raees està carta comò se nela 
contem e Ibe fa^So pagar o dito mantimento na maneira qne està decrarada no dito 
Begimento e a ontro algnu n&o e ao noso almoxarìfe qne Ibe paga por està nosa carta 
e terlado della que se regista» no linro da despesa do dito almoxarife e sen conbe- 
cimento mandamos que Ibe sej& leuados em conta, qnal Q.* matens jnron em a nosa 
cbancelaria aos samtos avamgelbos qne ben e verdadeiramente sima e vse do dito 
oficio gardamdo a nos noso 8erai90 e às partes sen direito Dada em Evora aos b dias 
de jnlbo Aluaro Noto a fea de myll e b« xx e o dito Q.^ matens sera mostre dalvenaiya 
corno da pedrarja e se bj ouner entra algniia pesoa qne tenba oste mantimento asem- 
tado qneremos que nSo baja salvo tendo per nosa carta e aselada e pasada per nosa 
cbancelaria e osto se bo sobredito pedreiro tee agora sobre està carta per nos que ba 

^^^^'^ (Tom do Tombo.— OhMOeUarto de D.lfuiool, Ut. 89, Ibi. T6 «0 



014ir— Matheus (Manoel). Em 26 de fevereiro de 1593 foi no- 
meado mestre das obras de carpintarìa da fortaleza de S. Jorge da Minai 
por falleoimento de Sim&o de Abreu, qne o dito cargo tinlia. 

«Ett elBey &^ saber aos que aste allnara vyrem qne eu ey por bem e me pras 
qne Manuel Matensi que estaa na fbrtaleaa de Sfto Jorge da Mina, syma o earguo de 
mestre das obras da caipimtaria na dita fbrtalesa pollo tempo e com bo bordenado 
eomtbendo no Begymento, por ser fiillecido BymSo dAbreu, pello que mamdo ao capitAo 
e ofioiaaes da dita fortaleza que Ibo deyxem seruir e aver bo ordenado, proees e pre- 
call^os que Ibe pertemcerem e Ibe dem a pose do dito carguo e juramento dos samtos 
bevamgelbos que syma bem e uerdadeiramente, de que se farà asemto nas costas 
deste allnara, que seraa regystado na casa da Imdya demtro de quatto meaes e valera 
comò carta, sem èbarguo da bordena9&o do 2.<> lluro titulo 20 em contrario, e oste se 
Ibe pasou por duas vias, de que oste be a primeyra comprirseba bua; a entra nSo 
bavera befeito. Luis Figueira o fez em Lisboa a xxbj de feuereiro de IRiij. Pero de 
Payua a fea espreuer.» 

(Torre do Tombo. ~ GhancelUrift do D. Filippo I, Doa^, Ut. 86, fol. 86.). 

O Anteceasor de Manoel Mathens ponce se goeou do sen cargo, pois 
tinha side nomeado apenaa doia annoa antea corno se v6 do aegointe alvarà: 

«En elRey fa^o saber aos que este aluara virem que ey por bem que Sim&o 
dAbreu, oarpinteiro, va seruir de mestre das obras de carpentaria da fi>rteleaa de Sfto 
Jorge da Mina e o tempo que assi seruir averà o ordenado contendo no Regimento, 
pello qne mando ao prouedor e offioiais da casa da India que Ibe dem a posse do dito 



156 

officio e embarca^So segundo a ordenan^a, e ao capitSo e officiaes da dita fortelesa de 
SSo Jorge que Iho deizem eeruir e aver com elle o dito ordenado e oa proea e per- 
cal90s qae Ihe pertencerem e elle jorara na chancellarìa aos santos eyangellios qae 
bem e yerdadeiramente o sirua, de que se farà assento nas costas deste alloara qae 
ser& registado nà casa da India dentro de qnatro meses primeiroe segointes e yalerà 
corno carta ftc. Diego de Scusa o fez em Lisboa a zij de dezembro de IBj. Fero 
Gomea dAbreu o fez escrener.» 

(Tom do Tombo.— GhuicelUiiA de D. Filippo I, Doa^, Ut. Sé, lòL 128 v.) 

«En elBej fa90 saber aos qae oste allaara virem que ej por bem e me praz que 
Maaael Mateas, caxpimteiro, synxa o oficio de mostre dos eaipimteiros da fortaleza de 
sSo Jorge da liina por ser fidecida a pesoa qae delles estaoa proaido e o tempo que 
sentir areraa o ordenado contheudo no Begymento, pelle que mSdo ao capitSo e ofi- 
ciais da dita fortaleza que Ihe dem a pose do dito oficio e Iho deyzem seruir e ayer com 
elle dito ordenado e os proees e precall90S que Ihe pertemoerem e Ihe dem juramento 
dos s2to8 évamgelhos que bem e yerdadeiramente syroa, de que se fiura asemto nas costas 
deste alluara que seraa regystado na casa da Mina demtro de qnatro meses primeyros 
seguintes, e yalera cpmo carta &e. na forma Luis Figueira o f ez em Lisboa a x don- 
tubro de b" Utii^ (1594). SebastiSo Ferestrello o fez espreyer.» 

(Tono do Tombo.— Ohanoellarla de D. FYUppe I, Doai^, Ut. SS, Ibi. 184.) 



61ff— Mafheua (Slmfto). Cavalleiro da Ordem de Christo, te- 
nente-general da artilharia, tenente de mestre de campo-general e enge- 
nheiro das fortifica$3eB da cdrte e provincia da Estremadura. Em todos 
estes cargoB, jà come militar, j& corno homem tedmico, no campo de ba- 
talha e no levantar e correger das fortalezas, deu excellentes provas da 
sua valia desde o anno de 1662 até jandro de 1676 em que falleceii. A stia 
foiba de seryigoa vem exarada na carta em que D. Fedro II concede a 
ten^a de 28i9K)00 réis a seu filho JoSo Mathens, alem de 12^91000 réis qua 
terìa com o habito de Chrìsto. Carta padrSo de 28 de outnbro de 1676. 

Em alvari de 11 de abril de 1654, concedia el-rei a Simlo Matheus 
privilegio para um moinho de vento com casa fixa e trabalhando com todos 
OS ventos, inventiva sua, e no qual moia polvora. privilegio nSo partì- 
cnlariza nenhoma qualidade individuai, mas parece-nos que este Simlo 
MatheuB se poderi identificar com o engenheiro, de quem se fala neste 
artigo. SimSo Matheus era irmSo de Manoel Matheus, polvorìsta; e em 
1673, por morte do ultimo, Ibe foi conoedida a fabrìca de Barcarena. 
O alvari de privilegio publicimo-Io no nosso opusculo Ofàbrico da polvora 
em Portugal, e ahi poderi o leitor consultar o que conseguimos saber acèrca 
dos polvoristas de appellido Matheus, esclarecendo-se e reformando-se o que 
ali dissemos acérca de SimSo Matheus em presenta da carta de 29 de ou- 
tnbro de 1676, que damos em seguida. 

«Dom Fedro ftc. fago saber aos qae està minha carta de padrfto virem, qae tendo 
respeito aos sernissos qae SimSo Matheos, caaaleiro qae fby da Ordem de Christo, 
me fez com o exercissio dos postos de thenente general da artilharia, thenente de ■ 



157 

mestre de campo general e ingenheiro das foriifica^òes desta corte e prouincia da 
Estremadora desde o anno de mil e seis centos sessenta e dons, em que foy despa- 
chado pelloB primeiros seniissos athe Janeiro do presente anno de mil seis centos 
setenta e seis, em que falleceo, na assistencia das fortifiica9Se8 desta cidade, Cascaes, 
Feniche, Santarem, Berlenga e mais fortalezas da barra se haner com o cuidado qne 
deoia, no anno de mil e seis centos sessenta e' tres passar a Alentejo e se achar na 
recapera9So da pra^a de Suora, na de Setnael vencer por meyo de sua industria aa 
defecoldades que se offereciSo sobre o effectnarse a sua fortifica^So emmendando 
mnitos erros que nella hauia e dispondo o que para ella hera nuda util; no gonemo 
da pra^a de Feniche, que por uezes se Ihe encarregou se hauer com aserto e desuello, 
e passando a cidade de Euora o anno de mil e seis centos sessenta e sinco ajuatar a 
fortificasse da mesma na forma que mais convinha: em variaa ocasides faaer leuaa 
de mannheiros para as armadas com a promptidXo que era necessaria, e a tndo o mais 
que se Ihe ordenou, dentro e fora da corte, sobre o exercissio dos postos que ocnpaua 
acudir com diligencia e sello, vltimamente acompanhar o marquez de Fronteira na 
visita que fez nas fortalesas e pra^as da costa, e da jomada yir tfto grauemente 
doente que fidleceo em poucos dias, e no testamento com que falleceo deizar a ac^So 
de seus semissos a seu filho JoSo Matheus, e a esse respeito Ihe ser julgada por sen- 
tenza do juis das justificazOes, em satisiazfto de tudo e do mais que por sua parte 
se me representou, hey por bem e me praz de fazer merce, alem de outras, ao dito 
JoSo Matheus de vinte e cito mil r." de tenza cada anno por conta dos qnarenta mil 
r." effectiuos, com que foi respondido, por quanto os doze mil r." que ùAì&o para 
comprimente delles os hadauer com o abito da ordem de Christo, de que se Ihe bade 
passar padrSo a parte, os quais Vìnte e oito mil rs. de tenza Ihe serfto assentados em 
bum doB almoxarifados do Beino, em que couberem sem peijuiso de terceiro e nfto 
ouuer prohibi^So aonde os oomessara a vencer de vinte e oito de maio deste anno 
presente de seis centos setenta e seis em diante, em que se Ihe deu o ultimo despacho, 
Fello que mando aos vedores de minha fuenda etc. Antonio da Silua a fez em Lisboa 
a uinte e noue de outubro de seis centos setenta e seis annos. Luis Teixeira de Oar- 
ualho a fes escreuer. Frincepe.» 

(Torre do Tombo.— dumeeUarU de D. Affonio VI, DooglMi liv. 81, fbl. STO.) 



OlO— Mattos (Manoel Antonio de). Frequentara durante cmco 
annoB com aproveitamento a aula de fortifioa^So. Em 17 de agosto de 1709 
foi nomeado engenheiro das fortifica^Ses da c6rte. O decreto que o nomeou 
é concebido nestes termos, tendo sido exarado à margem do requerìmento 
do interessado: 

«Hey por bem nomear ao Supp> no posto de Ajudante engenheyro das forte- 
fica^Ses desta Corte com o Soldo, que peUo mesmo posto Ihe compete, e nSo estando 
vago ficari Ajudante Supra numerario, e passando para o posto de igual, ou maior 
gradua9So, ficar& supprimido oste, em que sou seryìdo nomealo. Con8.<> de Guerra 
o tenha assim entendido, e Ihe passe os desp.^*' necessr.»* Liz.« 17 de Agosto de 1709.» 
(Coffi a rubrica de tua magestadc) 

Agora requerìmento: 

«Sfir. — Diz Manoel Antonio de Mattos, discipulo da Aula de Fortifica^fto, em que 
tem continuado por sinco annos, e assim tem mostrado bòa sufficiencia p.* servir a 



168 

V. Mag> no exerdcio de Engenbeyro, corno pode informar o Lente da Aula, demaù 
dUto he Ajodaate do n.<* de hii doi Ter90B da Ordenan^a da Corte, de q he Coronel 
Conde de YnhAo, tendo Bervido aV. Mag.^* por maia de sinco annoa, nSo faltaado 
ao q se Ihe tem encarregado, corno foi o assiatir por doaa Tesas naa mesas q se levan- 
taram nesta Corte para faser soldados, hindo liatrar o districto do Corregedor de. 
Al£una, qne compreliende Vnhos, Sacavem, Olivaesi Chameca &.* TIo bem foi a con- 
dnnr hiia lera de Franceaea aViana do Mmho, de $ den boa 8atis€ii9fto, e por ordem 
do aeu coronel foi a Caievel, Alcanede, Pemea, &.* p.* a condnc^fto dos soldadoa, doa 
quaea trooxe hiia leva p.* està Corte; e juntam.** porque parece conTeniente hayer 
quem aaeiita àa fortifioa^Ses desta Corte, e sen termo, yiato Manne! do Conto ter 
mnitaa occnpa99ea em dlTersaa partes distantee desta cid.* e andar continuamente 
nellaa, nio podendo som.** o Capit&o Manoel da Maya aasistir a tndo. Portante 

P. A V. Mag> Ibe fa^a m.** de mandar por Ben Beai Decreto que o snpp.* aeja 
proYido no posto de Ajndante engenheyro desta Corte, e sea termo com o soldo 
qne Ihe eompetir o d* posto. E. B. M.« 

(Deoretofl remettidoi «o Ooniellio de Goffra, nu^o SS, v.* é9,) 

No codice 105 da ColUegSo PombaUna, ezbte nm Compendio de To^ 
etica Militar, incompleto, por Manoel Antonio de Mattea. Segae-ae um 
Compendio de Ea^^nagllo de Pronai, e um indice geral doa dois com- 
pendioa. prìmeiro é datado de Lisboa, aetembro de 1705; o aerando, 
de maio de 1707. 

Maya (Manoel da). Vide Moj/a. 



eiT'— Mazzonesolli (Vloente). Romano. Archltecto oonstructor 
do Theatro de S. JoSo, do Porto. Em 1798 achaya-se em Lisboa e, tendo-se 
despedido do Theatro de S. Carlos, offerecia ao pnblìco os seas servinosi 
comò se ve do seguinte annuncio: 

«Yicente Maszoneschi, Bomano, Arqoitecto e Pintor pesspectivo, havendo por 
8 amios dado proras da sua habilidade pela conBtrac9&o do Theatro do Porto, e de 
ontraa obras naquella cidade, e na de Lisboa, pelas decora^Oes do Beai Theatro de 
8. Carlos, qne dirigio por muitos annos ftc comò por jostos motiyos tÌTesse de deizar 
o dito Theatro, roga aos PoTÌugw»af pelo multo que amfto o rerdadeiro merecimento, 
que queirSo empregallo nos deus ramos da sua profissflo, na certeza de que hade des- 
empenhar as obras de que for encarregado, quer seja em Lisboa, ou em qualquer 
outra parte do Beino : o que &r& com tanto maior empenho pela affei^So que tem 
a oste Paia. Intenta elle dar à luz 12 Mappas desta Capital, do que a seu tempo 
&rà aviso ao Publico. Mora na Pra^a do Theatro de' 8. Carlos.» 

(S.« Svpplenento i Qwia dt XMoa, de S6 de joBia de 1801.) 



OIS— Meirelles (Manoel Antonio). Engenheiro na India. Vide 
Innocencio da SUva. 

«Por me ser presente que no Esttado da India n2o ha actnalmente o numero de 
offociaes engenheiros, que sio precisos : sou servido nomear ao laudante Pedio Ticente 



159 

Vìdal e a Manuel Antonio de Mejrrelles; diacipnlo da Aula militar deata corte, para 

pasBarem ao dito Esttado na prezente mon9So, e nelle aeryirem por tempo de outo 

annop completoe, e atendendo ao Beryi90 qne espero me fit^io: Hey por bem fazer 

merce ao dito Fedro Vicente Yidal da pattente e soldo de sargento mor com o exer- 

cido de engenheiro, e ao dito Manuel Antonio de Meirelles da pattente e soldo de 

capittam com o mesmo ezeroicio. ConselhoVltramarìno o tenha assim entendido e 

Ihes mande passar os despachos necessarios. Lisboa a 13 de mar^o de 1744.» {Com 

rubrica de tua magtètadt.) 

(ÀrchiTo do Ckoflelbo Ultramarino, ÌTmtiCm, Ut. 8, fol. 668 v.) 



OlO — MellO (Antonio José de). Nomeado engenheiro para Mo- 
Saml>iqae jantamente com Francisco José Fedro de Mallo e oatroS| em 
1752. Vide Francisco José Fedro de Metto. 

Do emprego de Antonio José de Mello em Mosambique, encontramos 
a seguinte informa9So a pag. 6 da obra intìtulada Catàlogo chronologico 
e historico dos CapitSes-generaes e govemadores da Provincia de Mo^amr 
hique, desde 1762, epoca da sua sqparagSo do Governo de Oca ató 1849: 

c£m 1758, Officiaes Engenheiros, ou para isso habilitados, marcbarSo para todos 
OS pontos da Provincia encarregados de concertar o que encontrassem arruinadOf 
e de constrnir obras novas onde fossem precisas. Engenheiro Antonio José de Mello 
partio para as Ilhas de Cabo Delgado, incumbido de formar a carta hydrographica 
desde o Cabo d'aquelle nome até Mo9ambiqu6, e ao mesmo tempo de &ser construir 
um forte na liba de Matemo e terminando a carta hydrographica qne mais tarde se 
remetteo para Lisboa, mas nfto continuando a construc^ do forte, em consequencia 
de se estabdecer a Capital d*aquellas Uhas na do Ibo. 

8So mui interessantes as Instruc95es que Francisco de Mello e Castro den para 
oste, servilo, e zuw quaes, se bem que nfto multo exacto pelo que boje se conbece, fi» 
urna descrip^fto da costa que jaz entro Mo^ambique e Cabo Delgado. 

Terminado oste trabalbo, foi o mesmo Engenheiro construir a celebre fortaleia 
deTamgalam na barra do rio Zambeze, em que se consumio immenso capital sem 
proveito algnm, porque a fortifica^ ostava em ruinas no flm da sete annos.» 



OSO— Mello (Franoisoo José Fedro de). Discipulo da Aca- 
demia Militar. Fromoyido em 1752,- a capitSo engenheiro, para ir, elle e 
nuus outros, prestar servilo por cince annos em MoQambiqne. O respectìvo 
decreto é assim redigido: 

«Attendendo a que Francbco José Fedro de Mello, Antonio José de Mello, Cae- 
tano Alberto Judice, e Gregorio Thaumaturgo de Brito Decipulos da Accademia Me- 
litar, se offeresserfto para me hirem servir em Mossambique, sou servìdo faserlhes 
merce aos tres primeiros de os nomear Capitaens Engenheiros, e ao quarto Ajudante, 
para me servirem em aquella Fra^a por tempo de sinco annos. Conselho de guerra 
o tenha assim entendido, e Ihes mande passar ae Fatentes. Calharis treze de Mayo 
de mU sette centos sincoenta e deus.» (Com rubrica de sua mageetade.) 

(Ps w i t pi rw—tttdof »o Oaai»tto 4t Ontrrft» nsfo lU, d,* 18.) 



160 

6S1— Mello e Araujo (Sento Femandes de). Era tenente 
de engenheiros, segando declara na seguìnte pianta, esistente no Archivo 
Militar do Kio: 

Pianta (e perfis) do forte da Ponta Grossa da Hha de Santa Caiharina. 
Leoantada de Ordem do Govemador da meema Eha por Sento Femandes 
de Metto e Araujo Tenente do Beai Corpo de Engenheiros. Anno de 1810. 

Originai, a agaarella. 

Na Torre do Tombe nZo encontramos regìstado nenhum documento 
qne Ihe diga respeito. 

63S— Mello de Oastaro (Manoel de). Depois de ter servido 
perto de cince annos na cOrte, depois de haver side nomeado ajudante 
engenheiro da fortificasSo da cidade do Porto, foi nomeado em 1703 ca- 
pitlo engenheiro da oapitania do Rio de Janeiro, onde prestou relevantes 
sendsos, tanto na prìmeira come na segonda invasSo francesa, o que consta 
sobretudo da segonda carta das duas que em seguida pnblicamos: 

«D. Fedro etc^ fii^o saber aos que està minha carta patente virem, qne tendo 
respeito a haver ordenado por decreto do presente mes e anno que na capitania do 
Bio de Janeiro haja, maes hmn engenheiro; e na pessoa de Manoel de Mello de Castro 
concorrerem os reqoisitos necessarios para ezercitar està occnpa^io, pella boa infor- 
ma^io que honve de seo prestimo, e me haver servido nesta corte por espa^o de 4 
annos, 9 meses e 27 dias em pra^a de soldado e cabo de esquadra, hayendose em- 
barcado na fragata nossa Senhora das ondas que esteve anchorada no porto desta 
cidade donde saio a correr a costa, no qne tudo procedeo com satisfìt^fto, e ultima- 
mente haver nomeado ajudante de engenheiro da fortificammo da cidade do Porto, e 
por esperar delle que da mesma maneira me serviri d'aqui em deante em tudo o de 
qne for encarregado do meo servilo, conforme a confian^a que fa^o de sua pessoa; 
Hei por bem fuerlhe merce de o nomear, comò por està nomee em o posto de capitSo 
engenheiro da capitania do Rio de Janeiro, com o qual baveri o soldo de 25f 000 réis 
por mes pago na forma de minhas reaes ordens, è gosar& etc. Dada na cid.* de Lx.* 
aos 19 dias do mes de setembro. M.«^ Philippe da Sylva a fez, anno do If. de N. S. 
J. Ch. de 1707. Secretarlo André Lopes de Scusa a fez escrever. ElBei.» 

(Ll7.U»fol.l64v.) 

«Dom JoSo fa^o saber aos que està minha carta patente virem que tendo respeito 
a Manoel de Mello de Castro me hauer seruido em o posto de sargento mor com o 
- czercicio de engenheiro na capitania do Rio de Janeiro ha mais de onze annos e se 
ter nelles havido com bom procedimento, zello e vallor, tendo corride pela sua direc9So 
todas as obras que se fizerSo naquella pra^a no decurso de vi^te e sinoo annos que nella 
tem exercitado os postos de engenheiro em qne foi por mim prouido e na primeira 
invazSo que os francezes fizerSo na dita capitania se achar nella com tal acordo para 
serem recha9ados que se Ihe deueo muita parte do bom sucesso e na segunda se des- 
tinguir dos mais votos, sendo de parecer se n&o desemparase a cidade buscando para 
isso ao govemador no seu quartel e protestandolhe nao fizese a retirada sem embargo 
de n&o puder vencer e chegando Antonio de Albuquerque das Minas se incorporar 
com elle the se recuperar a pra^a tratando logo de a por em termos de deffensa e com 
a prizSo do thenente general Joseph Yieyra Soares ser encarregado do governo 



161 

da artilharia e o faser com tanto acerto que foi muito louvauel, e tendo a tudo consi- 
d6ra9So e a os exemplos qne tem a seu fauor, e por esperar delle que em todos os postos 
em qne for prouido se hauerà com a mesma satisfa^ao com que athegora o tem feito 
Hey por bem &zerlhe merce do posto de tenente general com o exercicio de enge- 
nheiro na capitania do Rio de Janeiro, com o qnal haaerà semente o soldo qne tem 
de sargento mor e gosari etc. Dada na ddade de Lisboa occidental aos qoatro dias 
do mez de noyembro Manoel Gomes da Sylva a fez ano do N. de N. S. J. C. de 1728. 
secretano André Lopes de Lavre a fez escreyer ElBej.* ,, . .^ * , „., » 

*^ " (Lir. 16, fol, 214.) 

«Manoel de Hello de Castro filho de Luis Femandes Lobo, naturai de Sam Mamede^ 
termo da villa de Obidos, conta bauer seroido aV. Magestade neste Beyno e na Gap- 
pitania do Rio de Janeiro por espa^o de trinta annos 4 mezes e 26 dias continuados 
de trinta de setembro de 1698 the 4 de jalbo de 1729 em pra9a de soldado a cabo de 
esquadra Ajudante Engenheiro cappitam sargento mor e thenente general Engenheiro, 
que cupa ha perto de none annos tudo por Patentes de Y. Magestade e no dÌBCur90 
do refferido tempo servindo neste Beyno, se embarcar de guarda costa na Nao Nossa 
Senhora das Omdas e passando em 1704 ao Bio de Janeiro com posto de cappitam 
Engenheiro &zer aly sempre a sua obriga9&o com bom procedimento, zello e vallor, 
correndo polla sua d6rec9So todas as obras que se fizerSo naquella pra^a e fora della 
no decur90 de mais de 26 annos, tendo a intendencia de procurar todos os offeciais 
serventes materiaes carros barcas e tudo o mais que foi necessario para o ezpediente 
das ditas obras, sondo tambem encarregado da thenencia daartelharia daqueliapra9a 
acudir a tudo com muito credito e reputa9So da sua pessoa, hindo em companhia do 
general Ayres de Saldanha de Albuquerque vezitar as fòrtalezas da pra^a de Santos 
em distancia de mais de sincoenta legoas, acodindo com todo o cuydado as obras que 
por ordem de Y. Magestade dezenhou naquella pra9a do Bio de Janeiro JoSo Masse 
e na primèira invazSo que aly fizerfto os Francezes com aeìz Naus de guerra ser man- 
dado pello gouemador a reformar a artelharìa das Fòrtalezas daquella pra9a de re- 
paros nonos e montar seis pe9a8 de calibro de 86 na Fortaleza de Santa Cruz, o que 
fez com grande trabalho pello m4o desembarque da mesma fortaleza, na qual fis hun 
armazem para poluora que o n&o tinha, e querendo as ditas Naus entrar a barra o 
supplicante mandou laborar a artelharìa de sorte que as obrigou a dar fundo, e vol- 
tando para a cidade se ocupou nas defen9as da marinha e das mais fòrtalezas man- 
dando fazer na da praia vermelha a &zina bua muralha de pedra seca oom a qnal se 
fechou com a cortina de pedra e cai e ficou cuberta polla parte do mar, e deitando 
OS Francezes gente em terra acodir com toda a presteza e cuydado a aquella parte 
aonde se entendeo.acometeriSo, e vendo que por aly o nSo faziSo voltou com a mesma 
presteza a cidade a tempo que ja os inimigos se hiSo rendendo, e o dito gouemador 
encarregou dos prezioneyros para os por nas partes convenientes, o que executou 
com todo cuydado. Na segunda invaz^ que os mesmos Francezes fizerSo a dita 
pra9a se hauer com todo o zello e vallor tratando logo da fortefica9So da marinha 
fòrtalezas della, conduzindo artelharìa para alguns outeyros e fazendo fechar as bocas 
das ruas com pranxSes e fachina com incansavel trabalho e na Junta que o govemador 
Francisco de Castro de Moraes fes a respeito de se retirar da cidade, o suplicante o 
impugnon de maneira que rompeo no excesso de pegar de bum bra^o ao dito gouer- 
nador dizendolhe publicamente n&o cometesse tal absurdo, e que o seu voto bera que 
se defendesse a cidade the a vltima gota de sangue e assim nesta ac9So comò em todas 
as mais de que foi emcarregado do serui90 de Y. Magestade mostrou sempre o ardente 
desejo com que nelle se emprega. 

Fede a Y. Magestade Ihe fa9a merce em remunera9&o dos ditos serui908 Ihe fa9a 
merce do habito de Christo com cem ndl reis de ten9a effectiuos, doze delles a titulo 

TOL. n 11 



162 

do mesmo habito e o mais para sea fillio Ajit.<* de Mello de Castro qae se acba ser- 
uindo a Vosa Magestade^nesta corte, ao qual està asestindo com todo o necessario 
e luzimento qoe pede a sua pessoa. 

Aprezentoù eertid&o do registo das mercés, pella qaal consta nlo se Ihe bauer 
feito algSa por conta deste serui^ e folbas corrìdas, porqne se mostra nfto ter crime. 

E dandose destes papeis vista ao D.' Belebior do Rego de Andrade Fiscal dellas 
respondeo qne se podifto decretar por estarem correntes. 

Ao Conselbo parece qae atendendo V. Magestade a gradaa9&o do Posto quali- 
dade de semino e muitos annos que fi supplicante tem do mesmo Benii90 Ihe fa9a 
V. Magestade merce do habito de Christo com doze mil r." de ten^a e de sessenta e 
onte mil r." de ten9a para seu filho Antonio de Mello de Castro na forma qae o sap- 
plicante pede. 

Aos conselbeiros os D. D. JoSo de Scasa e Joseph de Caraalho Abreu parece qae 
a ten^a b^2o sesemta mil r.% dose a titolo do habito, e os quarenta e cito para seu 
filho. Lz.* Occid.*' hun de Julho de 1782. Abreu» Scasa B.yarga8<sGaly So = Me- 
tello.» 

(ConaeUio Ultmnarino.— Jfcrste, Ut. 10, fol. 48 v.) 



083— Mendea (Antonio). Em 10 de Janeiro de 1565 foi nomeado 
mestre das obras dos pagos da villa de Almeirim, de Santarem e de Salvar 
terra, cargo em que sucoedeu a Sfiguel da Arruda, por fallecìmento d'este. 

Em 7 de dezembro de 1576 foi nomeado mestre das obras da Batalha, 
em substìtuisSo de Miguel da Arruda e Dionisio da Armda. Nesta carta 
é qualifioado de cavalleiro-fidalgo da casa real. 

Por alvarà de 11 de junho de 1573 Ihe foi concedida a penato annaal 
de qninse mil reaes, havendo reepeito aos sena aervigoa por muitos annos nas 
obras e fortifiicagSes do reino. Està penalo era oobrada no officio de es- 
crìvio dos corregedores do civel da cidade de Lisboa, cargo em que havìa 
sido nomeado Affonso Dias de Ravoreda. 

Fora mestre das obras da fortaleza de S. Gilo ou JuliXo, foi a Arzilla 
por mandado de D. Sebastilo e acompanhou-o na jomada de Africa, onde 
ficou captivo, fallecendo depois. Em atten^Zo a estas oiroumstanoias, todas 
ellas tlo recommendaveis e dignas de condigna satisfa9So, os govemadores 
do reino concederam à sua viuva, Antonia Vìcente, a tenja de vìnte mil 
reaes, em carta de 26 de abril de 1580. 

•Ea ElRey £190 saber aos qae aste allaara airem que confiamdo ea de Amtonio 
mendes qae no qae dcaregaar me seraira bem e fielmente e por Ihe faser merce 
ey por bem e me pras qae elle seja daqay em diamte mestre das obras dos meos 
pa^os desta villa dalmegrnm e dos pa90s das vìllas de samtarem e sallaaterra asj e da 
maaaira que o tofj migel d armda per c^jo fiJlecimento o dito ofycio vagooa qaal 
o dito Amtonio mendes teraa e serairaa emqaanto o ea oaaer por bem e nio mamdar 
o eoDtrario e com elle teraa e avera de mantimento e ordenado em cada hu ano 
emqaanto o seniir doos moyos de trìgao pagaos nas jagnadas de santarem e portamto 
mando a Joham caraalho fidallgao de minha casa proaedor de minhas obras qae meta 
de posse do dito eargao ao dito antonio mendes e dahy em diamte Iho deize serair 
6 «ver o dito mantimento pfoees e precall^os qae Ihe direitamente pertenoerem e aos 



163 

veedorea de minha fazenda que Ihe fa9&o assentar os ditoB doos moyos de trigo no 
liuro das hordinarias della e leaar cada ano no cademo do assentamento daa ditas 
jngoadaa com declara9am qne Ihe sejfto pagos com certidSo do dito Joham Caraalho 
de corno seme o dito oarg^o e o dito Amtonio mendez jnrara na minha chancellarìa 
aoB Bantos evaingelhos que bem e verdadeiramente o sirua e este me praz qne yalha 
corno carta fejta em men nome per mim hasynada e pasada pela chancelarìa sem 
embargno da ordena^flo do 2.^ livro titulo 20 que ho contrario dispSe Joham alnes 
fez em allmeirìm a dez dias do mes de Janeiro de b.* ìxb eu aluaro pirez o fis 

espreuer.» p^ SebMtlIo e D. Henrique, Doa^ Uv. 14, fol. 46d v.) 

«En eli Bey fa^o saber a vos JohSo carualho fidalgo de minha casa prouedor de 
minhas obras que eu ej por bem e me praz de fazer merce a Antonio mendez canal- 
leiro fidalgo de minha casa do cargo de mostre das obras do moesteiro da batalha 
asy e da maneira que o elle deve ser e comò o foi miguel darmda e dionisio dar- 
mda por quem o dito mestrado vagou com o qual cargo avera de mantimento em 
cada huii anno huu mojo de trìgo, que he outro tanto comò tinha miguel darruda, 
do qual eargo o dito Antonio mendez vsaraa e guardaraa conforme as prouisdes e re- 
gimento que forilo dados ao dito miguel darruda, asy e da maneira qne dellas ysaua 
e guardaua o dito miguel darmda mandouos que o metaes de posse do dito officio 
dandolhe primeiro juramento dos sanctos euSogelhos que bS e verdadeiramente sima 
guardando em todo men servilo e as partes seu direito, do qual juramento fareis assento 
nas costas deste asinado por yoos para se saber corno o asi destes e elle seruiraa o 
dito cargo emquanto o bem fizer ou eu nSo mandar outra cousa em contrario e queren- 
dolhe eu tirar ou extinguir per qualquer maneira que seja o poderey fazer sem por 
isso minha fazenda Ihe ficar obrigada a satisfa9&o algiia. E mando aos yeedores de 
minha fazenda que Ihe fa^&o asemtar e pagar o dito moyo de trigo cada anno honde 
se pagana ao dito miguel darmda e este me praz que valha comò carta etc. em forma. 
JoSo de Caatilho a fez em Lisboa a bij de dezembro de b* Ixx bj.» 

(D. SebMtiao e D. Henriqae, Doof^, Ut. 89, fol. 108 e.) 

«Eu elRey fa90 saber aos que este aluara yìrem que avSdo respeito ao semino que 
me tem feyto por muitos anos Amtonio M6dez, mostre de mynhas obras, nas obras e 
fortifica^Òes do reino, ey por bem e me praz de Ihe fazer merce de qninze mill rs de 
pems&o em cada bum ano em diaa de sua yida no ofido de sprìyfto d&te os corege- 
dores do cyuel da cydade de Lixboa, de que ora fiz merce Afomso Diaz de Ranoreda, 
men mo90 da camara e por tamto mSdo ao dito A.<* Diaz e a quali quer outra pesoa 
cujo dito oficio for ou o seruir que Ihe de e pague os ditos zb rs de pemsSo em cada 
hOm ano e Ihe fa^a deles bom pagamento ^jo^ quarteis de maneira que o dito Am- 
tonio M8dez seja s6pre bem pago e nSo tehha rezio de se agrauar e nSo o comprindo 
dito A.<* Diaz asy ou a pesoa que ao diamte tiuer on semir o dito ofioio mando a 
quallquer dos ditos corregedores do cyuel que o soapemda do dito oficio e ponha nele 
entra pesoa que o syma e do remdimento dele pague ao dito Amt.« M^dez o que asy 
Ihe for deuido da dita pemsSo, o que o dito corregedor asy comprira todas as yezes 
que ho propytarìo do dito oficio ou a pesoa qne ho semir n&o quiser pagar a dita 
pems2o ao dito Amt.<> MSdez na maneira que acyma he dito, E este aluara me praz 
qne yalha, tenha fer9a e yygor corno se fose carta feyta em men nome per mym asy- 
nada e pasada per minha chancelaria sem èbargo.da ordena9&o do 2.<* linro, titulo xz, 
que diz que as consas cujo efeyto ouuer de durar mais de huù ano pasem per cartaa 
e pacando per alnaraa nSo yalhào. JoSo da Costa o fez em Eyora zi de junho Jb* 
Ixziij. Jorge da Costa o fez scpreyer.» 

(Torre do Tombo. — D. SebMtiio e D. Henrlqmo, Doa^, Uv. 89, fol. 808.) 



164 

«Os governadores eie. Aos que està carta virem &zemo8 saber que avendo ElBey 
dom SebastiSo, qae D* tem, respeito aos 86x01908 de Antonio Mendes, mestre das obras 
da forteleza de S&o GiSo e ao mandar a ArzUa, onae por bem de por seu falecimento 
&zer merce a sna molher de vinte mil rs. de ten9a corno se vio per hiia portarla de 
don Manne! de Portogal feita em Lìxboa a zxui de Janeiro de b* Izzbj. £ por quanto 
nSo tiron carta da dita merce corno se vio per certidlo de (mc) Diaz e Antonia 

Vieste sua molher nos pidir que por quanto dito Antonio Mendez seu marido fora 
na jomada de Afryca com dito siior Rej e morrer estando catino, ouuessemos por 
bem de Ihe mSdar passar carta da dita ten9a, e avendo respeito ao que assi diz e ao 
dito Antonio Mendez ir na jomada de Afryca e a morrer estando catino avemos por 
bem que a dita Antonia VicSte sua molher tenha e aja da fazenda do Reynno os ditos 
vinte mil rs de tenpa cada anno em dias de sua vida, os quais Ihe serSo assentados e 
pagos no aUmoxarifodo de Leyria pera os aver do primeiro dia de Janeiro do anno 
que vem de b° Izzx e hum em diante. £ portante notificamos assi a dom Duarte de 
Castello Branco, meirìnho mor destes Beinos e veder da fazenda para que Ihe fa9a 
asStar os ditos zz r.* de ten9a nos L.^* dela no dito allmozari&do de Leiria e leuar 
cada anno na folha do asStamento pera Ihe serem pagos segundo ordenan^a e Ihe 
cumpra e fa9a inteiramente c5prìr està carta comò se nella contem, a qual pera fir- 
meza dello Ihe mSdamos dar, per nos asinada e sellada do sello pSd6te. Dada em 
AUmeirim a zxb j de abrill. Baltesar de Scusa a fez, anno do nascimento de noso se- 
nhor Jhesu Xpo de j b<> Izzz e por quanto se deu despacho a dita Antonia Vicente pera 
se Ihe fazer carta desta tenya a xb dias dabril deste anno e asStamento era cerado 
por onde Ihe n&o pode ir este anno na folha do asStamento Ihe mandamos passar 
prouisSo para SebastiSo Pires de Gavi Ihe dar treze mil trezentos e vinte r.' que 
Ihe montou aver dos ditos xb dabril até fim de dezembro deste anno. Eu BertoUameu 
Frois a fis escreuer.» 

!»*.*« w* p SebMtiio e D. Henriquc, Doa^, Ut. 45, toh 6S.) 

No Archìvo Manicipal de Coimbra ezistem duas cartas do Cardeal 
D. Henrìque, na sua regencia durante a menorìdade de D. SebastiSo, en- 
derejadas à Camara, a proposito de obras no rio Mondego. A primeira 
é de 26 de julho de 1565 dando-lhe parte que, para ver a obra da ponte 
e do encanamento do Mondego, mandava ^à cidade seu mestre e mo^o 
da sua oamara, Antonio Mendes, qmd, deixando as ditas obras entre- 
gaes a mn officiai idoneo, deverìa trazer a pianta do rio, debuxado e medido 
coni mas voltas em todo comprymento que Ihe a elle parecer necesaryo. 

A segunda oarta, de 16 de novembro de 1568, refere^se ao mesmo 
assumpio. 

Esiste ainda outra carta de 25 de outabro de 1567, agradecendo & 
Camara a sua boa vontade para se levar a effeito encanamento do rio 
e cane da Raa da Sophia, segundo plano do mestre Antonio Mendes; 
e dando parte de haver ordenado as provisSes para a finta d'està obra^ 
havendo-se entretanto por emprestimo do cofre dos orphios a quantia de 
-quinhentos cruzados de que ternaria conta Diogo de Castilho, trazendo 
dito Mendes debuxo dos maracliSes, e tratando Antonio Teixeira de 
fazer ptestes as achegas. 

Veja-se Indices e summarios dos livros e documerUos mais antigos e im* 
portantes do archivo da Camara Municipal de Coimbra, pag. 58 e 59. 



Yeedora de miiiki menda crje ir 
jmgnàm eam àec ÌAiwmm ime iir^ < 

ti fPT& BLSeZ JUL ^ 






•Jkf^ 



afj « à ■■■ I sz^ 



*«BÌ 





4UO 

lam 

hule, 

ino de 

iiiihoiro 

♦lo renili - 
iifiì e culto 

je rnceV^eo tìo 

^iii' rtìcebeo di^ 

i r (1.1 de que foy 

IjUQi conto liij'' 

ll>trcmox, do di- 

rjnr reeebeo do 

LCLebe^t de Jorge 

I ijfi;;, tlìOìinuréiro da 

'♦ pnfra, qitr tuaim sìa 

-s — xsbiij" r;^ cin quo 



n 




166 

foram ayaliadas ui* xìj barcadegnat de pedra, qne sairS da dita ^rreira yeUia de 
Oliaemfa, que se deram ao dito Jorge d Alluito no dito pre^o, e os R rs que me devia 
por OS ther recebidos pera as obraa da porta da Cruz da cidade de Lixboa e os nam 
ther despesos nella e iij'bj iz« rs qne recebeo de Framcisquo Pereira, recebedor do 
dinheiro do Regno, e os IR rs, qne recebeo emprestados de Amtonio Pegado do di- 
nheiro dos orfaàos pera as obras da cadea da dita cidade d Elnas, e mais se mostroa 
que recebeo de pano de Lomdres iij conados e meo (?) e de ladrilhos doos mill oito 
cemtos sasemta pe^as e darcas emcoiradas hSa pe^a, e de pregos gramdes ii^^ e de 
pregOB relhdes cem pe^as, dos qoais sete eomtos oito cétos novemta e bum mill sete 
cemtos yimte e sete rs e consas ontras qne recebeo dea orai boa cdta com Strega sem 
cousa allgna ficar devemdo corno mais compridamSte se mostron pella recada9ft de 
sua conta, pelle quali o don por quìte e linre deste dia pera sempre a eie e a todos 
seas berdeiros e ssobcessores que nomqna por Resam da dita conta posam ser citados 
nem demandados em Jnizo nem fora dele £uenda nem contos nem pelle yeador moor 
das obras do regno residos e ter908 delles porqne de todo o don por quite e liure 
comò dito be. E porem mando aos veadores de minba fasenda e yeador mor das ditas 
obras de mens Regnos e a todollos Corregedorea, Joises, Josti^aa officiaes e pesoas 
a qne bo conhecimento pertemeer que hzsy o compri e goardem e fii^am comprir 
e goardar na maneira qae dito be. E por sua goarda e minba lembran9a Ibe mandei 
dar està carta de quitagam asynada por ngm e assellada do meu sello pendente. Dada 
em Evora a ix de setembro — P<* Allyarez de LSdym a fea— anno do nacimento de 
noso Senhor Ibesu X.« de J b' zxjdij.» 

(Tom do Tombo.— OhancelUrìa de D. Jolo m, Doa^, liy. i6, fol. 71.) 

A respeito de obras em Oliven^a veja-se o artigo qne adeante publi- 
camos sob o nome de Affonso Mendes de Oliveira. 



OSO— Mendes (Luiz). Em 27 de fevereiro de 1608 foi nomeado 
mestre das obras de pedraria e alvenaria da Sé da cidade de Angra, na 
Uba Terceira, assim corno o fóra Luiz Gongalves Cotta, por ciijo falleci- 
mento vagara o dito cargo. 

Snccedeu-Uie Bartholomeu Femandes. 

cDom Felipe &c. comò gouemador &c. fii^o saber aos que està minba carta yirem 
que auendo respeito a inibrma9So que se ouue da suficiencia e yerdade de Luis Mendez, 
morador na cidade de Angra da ilha Terceira, bej por bem e me praa de Ibe faaer 
merce do officio de mestre das obras de pedraria e aluenaria da see da dita cidade 
e de todas as mais obras que eu mandar faaer na dita Uba, asj e da maneira qne o 
tynha e seruia Luis Qon^alyes Cotta, por eigo falecjmento yagou o dito ofiycio, com 
quoal auera o mantymento a elle ordenado e os proes e percal^os que Ibe direita* 
mente^ pertencerem asj e da maneira que os tynba e ayia o dito Luis Gon9alye8 
o quoal mantymento comecara a uScer do dia que por prouimento de Gonzalo Pirez 
Camalbo, do meu conselho, prouedor de minhas obras come^ou a seruir o dito officio 
em diante; pelo que mando ao dito Gonzalo Pirez Carualbo que de a posse delle ao 
dito Luis Mendez e Ibo deyxe seruir e delle usar e ayer o dito mantymento e os proes 
e percal908 que Ihe direitamente pertencerem, e elle jurara na diancellaria da dita 
ordem aos santos auangelhos que bem e uerdadeiramente sirua o dito officio, goar- 
dando em tudo meu seruico e bem das ditas obras e ser contyno nellas fazendo nas 
da dita See o que Ibe ordenar o bispo da dita cjdade, a quem eu tenbo emcarregado 



167 

da soperemtenidepoia daa obraa ds dita See, de que se farà asento nas oostae detta 
carta, que se asentara no Lìtto da £uenda da dita cidade, a qoal por finnesa diso 
mandei dar ao dito Luis Mendel por mim asinada e sellada do sello pemdente da 
dita ordem digo della. Dada na cidade de Lixboa aoe ointe e sete de feuereiro— 
Liiiis Alnares a fes^anno do nacimento de noso Benhor Ihesu Xpo de mil seis centoe 
e oitto £ ea Boi Dias de Meneses a fia esereuer.» 

(Torre doTomlM.— Chancettuia da Ordem de Chrlito, Ut. 17, Ibi. M.) 



G89^ — Mendes (Pero). Carpinteiro e marceneiro. Em 28 de abrìl 
de 1605 foi nomeado mestre dos repairos do armazem do reino, cargo que 
estava vago por fallecimento de Pero Dias. 

«£a elBej £e^o saber aos que este aloara vìrem qne avendo respeito a informarlo 
que se tene pelle prouedor de meus almasSs da sufficiencia e abelidade de Pero 
Mendez, carpinteiro e marcineiro, ey por bem e me prai de Ihe fiuer merce do ofBtio 
de mèètre dos repairos do almazem do Beinno qne yagou por falecimento de Pero 
Dias, com o qual officio averi o ordenado, prois e percal^os qne tene e cune o dito 
Pero Diaz, e Ihe aera pago no thesonreiro dos almasSs aos quarteis do anno eom cer- 
tidao do prouedor deUes de corno seme e he contino no dito officio, pelle que mando 
a Vasco Femandez Cesar, fidalgo de minha casa e prouedor de meus almazSs, que Ihe 
de a posse do dito officio e Iho deixe seruir e aver o ordenado proes e percal90S qne 
tene e ouue o dito Pero Diaz e Ihe seri pago no thesonreiro dos almazSs aos quarteis 
do anno com certidfto do proaedor delles de corno seme e he c5tino no dito officio; 
peUo que mando a Vasco Femandez Cesar, fidalgo de minha casa e prouedor de meus 
almazGs que Ihe de a posse do dito officio e Iho deixe seruir e auer o ordenado proes 
e percal^os que Ihe pertencerem, corno dito he, e elle jurara em minha chancelaria 
aos sanctos evangelhos que bem e verdadeiramente o sima, guardando em tudo meu 
semi^, de que se farà assento nas costas deste aluara, qne quero que valha &c Fran- 
cisco do Avelar a fez em Lixboa a xxbig dabril de bj' e cinquo. Janalnares Soarer 
fez escreuer.y 

(Torre do Tombe, —Filippo n, Do9^, Ut. 17, ft>l. H,) 



GS8 — Mendes Henriques (Luiz). Prestou valìosos servi^os du* 
rante quatorze annos no reino de Angola, sendo officiai de variadas apti-> 
d5e8| j& no fabrìoo da polvora, jà na oonstrucySo de apparelhos, jà na 
feitttra de mappas. A 3 de mar^o de 1700, foi promovido a sargento-mór 
engenheiro de Angola. 

A respectìva carta de nomea^So, qne passamos a trasladar, é, para bem 
dizoTi a Boa antobiographia: 

«D. Pedro fa9o saber aos qne està minha carta patente virem que havendo res- 
peito aos servÌ90S de Luis Mendes Henriqnes feitos no reino de Angola por espago 
de 14 annos e hnm mes effectivos desde 12 de setembro de 680 ate 12 de outubro de 
6d4 em praga de soldado e de capit2o engenheiro e no reftrido tempo se embarcar a 
principio deste Reino no soccorro com que ao de Angola foi Jofto da Sylva e Sonsa 
fazendo no discurso da viagem sua obriga^fio; e chegando a Angola servir de soldado 
até ser provido em capitfto engenheiro que exercitou; aocodindo com promptidlo as 
obras e reparos das fortalezas, do concerto dos armasSes que se fizerlo; e sendo en- 



168 

carregado fàxer hnm mappa daqaélle reinOf e preBidios obroa cmn minto acerto, gas- 
tando nelle largo tempo; e achandose nos annasCes mnita polvora perdida, e sem 
actividade nenliiima para poder servir oa artUbarìa e se offereceu para o refino d'ella, 
£uendo todoa oa apparelhos por snas mSos com ponco dispendio da faienda real, 
pondo-a de maneira que mostrou a experìencia ficar redasida a seo primebo estado ; 
e ultimamente faser algom fogo artificiale qne Servio de intimidar o gentio mandando 
tambem carregar duzoitas granadas qne se ^proooa faser bom effeito e em tado de 
que foi encarregado fiizer sua obriga^So; e por esperar delle qne da mesma maneira 
se bavera daqui em diante conforme a confianga que fa^o de sua pessoa; Hei por bem 
fazerlhe merce de o acrescentar do posto de sargento mor engenbeiro do dito reino 
de Angola com sinco mil reb maes de soldo por mez, alem dos 20 com que serve 
e gosara de todas as bonras, etc. Dada em Lisboa aos tres dlas do mes de mar9o 
Hanoel Pinbeiro da Fonseca a fes anno do K. de K. S. J. C. de 1700. O secretarlo 
Andre Lopes do Lavre a fez escrever. ElBei.» 

(Coniélho mtnMarino.— LIt. 10, fol. 876.) 

Vide D. Fedro II, liv. 63, fol. 305 v. 
Vide José Bibeiro. 



0SO— Mendes de Olivelra (Aflbnso). Era mastre de obraa 
oa architecto militar, no primeiro quartel oa na primeira metade do se- 
calo XVI; nio podemoB precisar com teda a exactidSo, nem a epoca do sea 
florescimento, nem o officio qne exercitoa, por isso qne o docomento, qne 
nos revela a saa exìstencia, nem traz data, nem é sofficientemente claro 
com respeito ao oatro ponto. É ama carta, enderesada por elle a el-rei, 
em qae dA conta das obras a qae estava procedendo nas maralbas de Oli- 
venga, praga que deixou de pertencer ao nesso dominio desde a ìnvasSo 
das hostes napoleonicas. Affonso Mendes relata os trabalbos qae executara 
para fazimento da cai. Queixa-se da falta de pedra, qae nSo a havia na 
villa, devido isto aos carreteiros nSo cumprirem com a obrigasSo de tra- 
zerem carregados d'ella os seus carros i villa. Befere tambem que o juiz 
de Elvas o mandara chamar para ver am lango de muro arrainado: pro- 
pSe a el-rei que se trate quanto antes de se fazer o competente reparo. 
Num dos itens da sua carta allude a Montemàr, Estremoz e outros lugarea 
onde obroa Jiz. Està passagem nos capacita que elle era effectivamente 
mostre de obras, e nSo simples vedor d'ellas. Eis agora a sua carta: 

«Senbor — Afomso Mendes £090 saber a vossa alteza comò eu vim a oljaen9a asy 
corno me vossa alteza mandou e acbej estes muros moj danjfiqnados de fora alguns 
lan90s derrabados e grande parte de ontro sem peytorjU e ameas e por dentro muj 
danefiquado em grande manejra e logo pus maSo pera se fazer e repayrar e por qne 
aqoi a cali be muyto cara en determjney de a fazer por n\jm o menos bum par de 
fomadas pera ver que costa e ver quaJl be mais poraeTto se £uella se compralla 
e logo mandey cortar lenba e arramquar pedra e ter meam cortados dons mjU feyxes 
de lenba e postos j4 a boqua do forno e ouge que sam xxiiy djas de mayo tenbo buma 
fomada fejta e des emfomada e come9am a emformar forno pera se logo cozer està 
▼ez e entra por que tenbo e pedra pera todo. 



169 

Item. nesta njlla nom acho nenhtima pedra pera a obra qne he rnuyto cnstossa 
dauer por que yem de lomge e eu disse a vossa alteza corno em està njlla estana bum 
aluari damtigamente per que todos os careteyros que de fora vem a tornar cargas 
yenham caregados de pedra pera os muros por que està ujlla estaua neste foro de 
muyto tempo a està parte e por està obijga^am a yilla Ibe tem sempre buma coutada 
aporpiada pera elles comerem eom sena bois em quanto tomam suas cargas e por que 
jsto se nom guardaua bem en o disse a yossa alteza e yossa alteza me mandou dar 
outro aluarà pera os jujzes e oficiaes per que Ibes mandamos que ho compryssem 
e gnardassem e som embargo disse até gora nunpaa trouueram nada nem se guarda 
comò eu aqui nom estou de maneyra que quando ora yim nom acbej nenbuma pedra 
notìfiquo jsto a yossa alteza pera me mandar o que njsso fa^a por que oste anno 
yjeram as mais caretas que a grande tempo que yyeram e todauja comem sua coutada 
comò Ibe he ordenada comò que se trouzessem a pedra e asj senbor por bj nam ayer 
pedra aqui^ a nesta njlla buma bareyra yelba que yay da porta que cbamam da Pra^a 
até porta do postigo e desta bareyra cayram deus lan^s e jazia a pedra dentro na 
caua e eu por mais brjbydade e menos custa a mandey tyrar e a tenbo tyrada teda 
e muyta parte da calj^a della bareyra e parecemo que com està pedra se rrepayrar& 
està obra e tenbo a ca]J9a pera della &zer area que tambem be menos custa e be 
muyto booa masa por que asy mo dizem os mestres e desta maneyra tenbo aprouey- 
tada teda a pedra e calj^a quanto pude. 

Item. eu disse j& a yossa alteza algumas yezes comò estas canas asy a cbapada 
do castello comò as da ujUa teda em roda estam perdidas e se perdem cada yez mais 
com ^ugidades que nellas lan9am estroqueyras (ne) cafis e asnos mortos todo geytam 
dentro e outras muytas ^ugidades que alem da perda e dano que be das cauas be 
grande mail a yiUa tanto que yem o yeram be o fedor tam grande que mata a gente 
e yossa alteza me deu outro aluarà pera os jigzes e oficiaes per que Ibes mandaua 
que logo as fizessem aljmpar em especiall a cbapada do castello a quali està bem xiga 
com muytos caSs dentro e eu ibes dey o aluarà e os requerj por yezes em este tempo 
bum Jorge Yaaz escudeiro morador nesta ujUa apresentou aos ditos oficiaes outro 
aluarà de yossa alteza em que Ibe daua cargo dalmotacé da Ijmpeza da m'Ha e ditas 
cauas e neste tempo eu me fuy daqui e quando ora yim que as asy acbey perguntey 
Ihe por que as nom mandara aljmpar e elle me disse que a ujla o nom quigera con- 
sentyr que semysse o dito cargo e que por jsso o nam fizera e jsto Senbor fby por 
que be certo que o dito Jorge Yaaz ho auja de Buser bem e comò comprysse a seruj^o 
de yossa alteza e porueyto das cauas e t^Ua yeja yossa alteza o que njsto manda por 
que se se jsto asy nam £u5 nunca seram Ijmpas e perder se am as ^tas cauas e a 
ujlla eom xugidade que nella ba. 

Item. nesta ujlla à quatro portas as quaes nenbuma dellas nom tem portas em 
especiall tres dellas e nam digo a ujlla (sic) a ujlla de dentro que tambem tem outras 
quatro portas sem nenbuma dellas ter portas màa nem booa porem estas da ujlla de 
fora pare9em mail estarem sem portas yeja yossa alteza se a por bem que as mando 
fazer pois sam tam necessaijas e asy o castello tem mas portas todas rotas e que- 
bradas. 

Item. em està iglla ba muytos preuiljgiados a saber cristaòs nouos espigardeyros 
e outros preueljgiados muytos e eu nam guardo nenbum pera a seruentia da dita obra 
segundo me yossa alteza tem mandado em meu regjmento per que me manda que nom 
guardo nenbum preujle^o gerall nem especiall notifiquo todo a yossa alteza por que 
se Uà fi>rem agrauar se de mjm que sayba yossa alteza a yerdade por que dizem os 
caualeiros e omens omrados desta i\jlla que tam pouquo nampag^ram por que tambem 
sam elles preujljgyados eu Ibes notifiquey o mandado de yossa alteza e mostrey corno 
em mate (no) mor e em Estremoz e os outros Ingares onde obras fiz todos pagarom' 



170 

fem nenham ser esciiMO fidilgos nem emaleiiM e preueligUdos flem nenhiim se es- 
eof ar parece-me Senhor qae som be necesaijo eaciisar se nenlmiii por qoe estam estoi 
marot moj daajficados. 

Item. Jais d'Elnu me fex nber qae na dita igDa eataoa no maio da ojlla de 
dentro hnm lam^ de imiro grande eom daaa oa tres toirea pera cayr qoe lio foee Ter 
jfto aoeri j4 ieerqoa de dona mesea ea o foy yer eem oficiaea e o vy bem e pazeee- 
not oa jais e oficiaea e a mjm ter oeeeasaqo eorregerae e aer repayrado ante qoe eaya 
por qae agora se eorregera com pooqoa deapeaaaa em leqpeyto do qae €uré ae cayr 
por qae se oam fari com doaa ngllides vga Toaaa aitexa se qaer qae Ilie aeada lego 
em eate aeram ante qae venha o emTemo por qae està perigoiao e em eaaio qae aade 
nesta obra d'oljaen9a emtre tanto mandarey Hi dar alzamento aa aebegaa pera ae 
£uer por qae se pode bem fiuer fw^ saber todo a Yossa altesa por qae aam oooaaae 
de TOSSO semJ90 e a qae se logo deue acodyr mando me vessa altesa a repoata de 
todo pera saber o qae ey de £aser, esprita em O^aenfa a zziiij 4JM do mes de Mayo 
(a) Afomso Mendes do\jaeira.» 

(Torre do Tombo, CartM Miatfraa, nAfo video, a.* S85.) 



OSO— Mendo OU Mem. Em janho de 1218 den D. Afibnso II ao 
pedreiro de Lisboa Mendo, a sua mulher D. Josta e a todos seus sacces- 
soreS) a vinha qae o mesmo pedreiro fisera no campo qae o rei D. Sancho I 
Ihe dora em préstamo. A vìnha fioava jonto da ribeira de Alcantara no 
Campo Pequeno. É asaim qae se deve interpretar a phraae do documento 
circa torrentem minoria Alvaladu 



«In Dei nookine. baee est carta donationis et perpetue firmitadinis qoam lassi 
fieri Ego Alfonsas Dei gratia Portugalensis Bex ana cam axore mea Begina domina 
Yrraca et filiis meis infantibas domino Sancio et domino Alfonso et domino Fernando 
et dofia Alionor tibi Menendo petrario et axori tae domine Joste de Illa aìnea qaam 
fecisti in campo ilio qaem pater meos Bex dominus Sancias excellentissime memorie 
dadit tibi Menendo petrario in prestimoniom, qaae oinea est circa torrentem minoria 
Alaaladi. Hanc aineam damos aobis et oonctia suceessoribas yestris in perpetaam ha* 
bendam atqae possidendam. Et ooncedimns ut eam habeatis atqae possideatis et fii* 
eiatia de Illa qaicqaid facete volaeritis tanquam de vestra propria hereditate. Hoc 
aatem ftusimas prò amore Dei et beate oirginis Marie et prò malto bone seraicio qaod 
ta Menende petrarìe fecisti patri meo e mihi. Quicomqae igitor nostrum factum aobis 
et cunctis successoribus yestris integrum et illesum obseruaverit sit benedictos a do- 
ttino. Amen. Qoi aero illud infringere att^ptauerit iram dei omnipotentia incarrat 
et qaicqaid fecerit ipae aacceasor ejas totum inirrìtum deduoat Facta fait baco carta 
apud Obedos m6se Junio in era M.* CC* L.* ^.« Noe supranominati qui hanc cartam 
fieri precepimns coram subscriptis eam roboranimus et in ea haec signa fecimus. Qui 
affiaerunt Dominus Martinns Johanis aignifer domini Regie confirmat. Dominus Petrus 
Jobanis maiordomus curie confirmat. Dominus Lanrentius Suarii. Dominus lohanea 
Femandi confirmat Dominus Femandus Femandi Conf. Dominus Egidius Ualasquis 
conf. Dominus Gomeciua Suarii con£ Dominus Bodericus Menendi conf. Dominus 
Pontina Alfonai conf. Dominus Lopua Alfonai conf. Dominus Stephanus bracarensis 
archiepisoopus conf. Dominus Martinus portugalensis episcopus conf. Dominus Petrus 
colimbriensis episcopus conf. Dominus Suarius ylixbonensis episcopus conf. Dominus 
Suaritts cborensis episcopus conf. Dominus Pelagius Lamecensia epiacopua conf. Do- 



171 

miniu Bartolomeas TÌaienaÌB episcopiu coni Dominiu Martiniis EgitameiuiiB episc. 
conf. Magister PelagioB cantor portugalensis test. Petrua Garsie test. lohanes Petri 
test. VincentiuB Menendi test. Martinus Petri test. Petrus Petri test. CancellarioB 
Curie. FemandoB Soarii scrìpsit.» 

(Torre do Tombo. — ChaneelUrU de D. Alfonso m, nutfo IS de Fo/mn AatUfo; n.* 9, toh 41.) 

Tem ao lado Carta de MeS pedreyro. 

031— Mesqulta (José de Anohieta de). Era ajadante de in- 
fantaria com exeroicio de engenheiro, e em 1783 achava-se na Bahia, onde 
execatou o seguìnte: 

Pequeno Mapa Topografico do Lugar (do rio MamucaboJ em q foi 
axctda a massa de coire nativo, dezenhado em ponto grande, para nelle se 
poderem ver disHnctam.** todae cu svtas parte» retratadas fidm.**, e medidae 
com exacgSo: fetta pJ ordem do lUustrissimo e Excellentiasimo Senhor 
Marquez de Valensa Govemador e Cap."^ Oen^^d'Cap.^^ da B.^ José de 
Anxieia de Mesq."^ Ajud.^ d'Infantr."^ com exerc."* dEng.% o fes na J5.« no 
anno de 1783. 

Orìgmal, a aguarella, no ÀrchiTO Militar do Rio. 



032 — Mesqulta (Fr. Simfto de). Mestre das obras do mosteiro 
de TibSes, no anno de 1713. 

Actas dos capitulos geraes da Ordem Benediotina, manuscrìpto da Bi- 
bliotheoa Publica Municipal do Porto. 

033 — Merla da Silva (Jofto). Foi nm dos engenheiros enviados 
na expedÌ9So destinada a recuperar Moniba9a, empresa que .nSo chegou 
a realizar-se. outro seu collega era Francisco da Silva Albemas. 

leitor curioso, se quiser ler os motivos por que a ezpedÌ9So enviada 
de Portugal nSo logrou o seu destino, leia o capitulo ix do estudo que Ri- 
vara publicou no Chroniata de Tiamary sob o titulo de A India no governo 
do Vice-Rei Conde de VUla Verde. 

A carta que nomeou JoSo Mexia da Silva é d'este teor: 

«D Pedro etc. &90 saber aoB que asta minha carta patente virem que tendo res- 

peito aos seryi^os, merecimentos e maes partea que concorrem na pessoa de JoSo 

Mexia da Sjlva %judante engenheiro na provincia do Alentijo e ao que na presente 

mongSo vai òaer ao estado da Ihdia em soccorro da pra9a de Momba^a: Hei por 

bem fazerlhe merce do posto de sargento mor engenheiro do presente soccorro que 

vai i pra9a de Momba^a com qnal posto bavera o soldo de 26^ r* e gozarà de todas 

as honras, etc. Dada na cidade de Lisboa aos 20 dias do mes de mar^o Manoel Gomes 

da Sylva a fez anno do N. de N. S. J. C. de 1699 secretano Andre Lopes de Lavre 

a fea escrever. Bei,» „, ,^ ^, ^^^ ^ 

(LlT. 10, Ibi. M8 «.) 



172 

034 — Merla da Silva (Manoel). Nomeado por decreto de 22 de 
setembro de 1681 ajudante de engenheiro das pra9as de Setubal e Feniche 
com soldo mensal de seis mil réis. O decreto de 26 de maio de 1687 
augmentou a elle e a outros ajudantes de engenheiros mais dois mil réis 
de vencimento mensal. 

Um decreto de 11 de Janeiro de 1707 determinava que o engenheiro 
Manoel Mexia fosse mudado da prisSo, em que estava, para a praga de 
Almeida, onde poderia tratar, por procurasse, de justificar-se do crime da 
entrega de Castello de Vide, em que estava culpado. 

Descrevendo a fortificasse de Lisboa relata JoSo Baptista de CastrO| 
no seu Mappa de Portugal, tomo n, pag. 880: 

e Quando o nosso engenheiro Manoel Mexia, sendo chamado a està 
cSrte, intentou tirar para dentro aquella fortificasse, que vay de Nossa 
Senhora dos Prazeres até o arco do CarvalhSo, achando a difficuldade 
de cavar os fossos, e enterrar os reparos, logo mudou de parecer, e ap- 
provou que estava executado; por isso no dito arco se nota a boa col- 
locasSo, que tem no terreno naturai, pois nelle esti bem mettido, por cuja 
causa baluarte ficava da parte do Norte quasi a nivel com o seu imme- 
diato para a mesma parte, i 



03S — Hiolielotti (Joseph Tlierezlo). Era lente de hydraulica 
pratica na* Beai Academia de Fortificasse, Artilharìa e Desenho, e por 
decreto de 24 de junho de 1807 foi promovide a sargento-mór de Real 
Corpo de Engenheiros. 

Vide Castìlho, Elogio de D. JoSo VI, pag. 61. 



030 — Migaeis (José Fedro). Discipulo do numero da Academia 
Militar da Fortificasse da Cdrte, foi-lhe feita mercè, a 22 de outubro de 
1770, de peste de capitSo de infantaria com exercicio de engenheiro, por 
ir servir por 6 annos no reine de Angola. 

«D. José faso saber aos qua està minha carta patente Tirem qua En Hej por bem 
faser merce a Joseph Fedro Migueis, discipulo do numero da Academia militar de 
fortificasse desta corte do posto de capitSo de infanteria com exercicio de engenlieiro 
para me hir servir por tempo de seis annos no Beino de Angolla,'como prasa asan- 
tada na primeira plana da mesma corte, para que findo o dito tempo, possa ter exer- 
cicio nas tropas deste Beino, e venceri no refferido Beino o soldo que tiverSo os seus 
antecessores, e gozar& etc. Dada na cidade da Lisboa aos 22 da outubro de 1770. 

^^^•* (LÌT.41,lbl.i4.) 



037" — Miranda (Jofto Carlos de). Bacharel em mathematica 
pela Universidade de Coimbra, alnmno da Academia Beai de Fortifica^So, 



173 

Artilharia e Desenho, teve em 16 de fevereìro de 1803 o posto de 2.° te- 
nente do Real Corpo de Engenheìros. 

A Bibliotheca Publica Municipal do Porto possue d*elle, em manu- 
scripto, urna dissertarlo intitulada Memoria sabre a fortificagào regular 
do Cavalheiro de Antoni. 

«Hey por bem fazer mercd a Jofto Carlos de Miranda, bacharel em mathematica 
pela Universidade de Coimbra, e alomno da Academia real de fortifica9So, artelharia 
e desenho, do posto de segando tenente do real corpo de engenheiros. Conselho 
de Guerra o tenha assim entendido e Ihe mande ezpedir os despachos neccessarios. 
Palacio de Salvaterra de Magos em deseseis de Fevereiro de mil oito centos e tres.» 

(Decretos romettidos ao Conselho de Guerra, m»90 169, n.® 18.) 



038— Miron de Sabione (Jofto Victoria). Por decreto de 29 

de dezembro de 1766 foi-lbe feita mercd condicionalmente do posto de 
I sargento-mór do regimento de artilharìa da oidade do Porto. Era entSo 

capitSo com exercicio de engenheiro. 
! Em 1768 era tenente-ooronel e lente da aula do regimento de artilharìa 

, da pra9a de Valenza. Vemos isso de um decreto de 28 de julho prpmovendo 

cadete de ìnfantaria Luiz AbrahXo Hollart a tenente de artilharìa para 

ter exercicio naquella aula. 

Um decreto de 20 de novembre de 1796 promovla diversos coroneis 

ao posto de brìgadeiro, e entre elles José Victoria Miron de Sabione. 

«Monseigneor. — Je snis entré dans Almeida apres 18 heures de marche continile, 
la mesme ntiit, qae les ennemis ont para aoz environs ; je me sois propose d*etadier 
le fort et le fbible de cette place e j'ay commnniqaé mes reflexions et mon projet de 
defense an gonvemeur homme plein de coorage et an colonel Petro Vincenti excellent 
officier 80U8 qne je sois charme de servir, ces denz militaires interrogés por vòtre 
excellence TasBoreront sans doute qne nnit et joor je sois a leors ezemples toat action, 
ponr le bien da ftrvice, noas noas proposons toas troia, si le cas echoit, de defendre 
le terrain pied a pied, de conserver aa Boy, one place si importante, qui couvre toat 
le pajs entre le Tage et le Doaro, e de vivre oa de mourir dans le champ dlionnear. 

Mais me seroit-il permis de presenter a votre excellence one tres homble reqneste; 
si je ne la croyois jaste et raisonnable, je me donnerois bien garde de la presenter. 
Son objet ne conterà rien aa roy, il concoar au bien da senrice, comm'aa mien; et 
cette grace de Sa M^jesté et cette favear de votre Excellence devra m*engager a de 
grandes choses. 

Petro Vicenti peat venir a manqaer par maladle ou par accident. Seroit il jaste 
àlors, Monseignear, qae je fiisse sabordonné a mes inferiears, les aatres capitaines 
ingeniears de cette place ont da meritte, mais je sais le seal qui me sais troavé dans 
. la defense de plasiears sieges, je prend la liberté de demander a Votre Excellence 
nn grado saperiear avec les mesmes appointements qa*aaparavant Don Hello me 
promit a Londre qa*on me placeroit relativement a ma capacitò. L'honnenr me toache 
plas qae l'inteirest. J*ay re9a la noavelle qae ma famille m'accordo une pension : les 
lamieres et le coarage ne me manqaeront pas, mais la consideration reqnise me manqae 
encore. Je ne demando qn'an simple grado saperiear, mais si votre excellence voaloit 



174 

me combler en m'attachant a la lientenance colonelle da regìment de 8.' Feniando 
da Costa Attayde Almeida avec exercisse dlngenieor ime de mes fanctìoiiB ne m*em- 
pecheroit paB de serYìJt l'antre et de contrìbaer a foimer ce corp : il n*y a point de 
major injeniear daiis cette place ni de colonel en second dana ce regiment: votre ex- 
cellence m'a promiae sa protection; j'ay Hionneur de m'y recommander et demeore 
avec le respect le plus profond. 

Monseigneor. De Votre excellence — Almeida le 17 jnin 1762 — Le tres hmnUe, 
tres obeissant et tres devoué serviteur. — Jean Yictoire Miron de Sabianne Gap. in- 
ffenieor.» 

" (Torre do Tombe. — Papeis do Ministerio do ReinO| n.* 6S3L ) 



030 — Moniz (Jofto da Silva). Vide Rwposta comprovada de 
José da Costa e Silva, documento a pag. 7. 

Foi um dos architectos que examìnaram ob rìscos do Palacio da Ajuda. 
Vide Grand Jean de Montìgny^ 

0<4rO — Moniz (Manoel). Mestre do aqnedncto da Amoreira em 
Elvas. Saccedeu-lhe Francisco' Martins. 

«Eu ElBey fa90 saber que Manoel Monis, da cidade de Elnas, me enuiou a dizer 
por sua petÌ9So que por £alecimento de Francisco Ferreira vagara o officio de mestre 
das obras dos canoa da agoa d Amoreira, e pelle corregedor da comarca e superin- 
tendente da dita fiibrica achar a elle supp.** perito na aluinaria e ter os requezitos 
necessarìos o prouera na seraentia do dito officio, qae estaua esercitando com toda 
a satisfa^fto : Pedindome Ihe fiaesse merce da propiedade do dito officio oom o orde- 
nado de doze mil rs que he o que se daua a seus antecessores, e uisto o mais que 
alegou informa^ que se ouue pello corregedor da comarca da dita cidade de EInas 
e resposta que der2o os officiaes da camara, sondo ounidos sobre este requerimento, 
nfto tirerio a elle duuida: Hey por bem de Ihe fazer merce ao dito Manoel Monis 

do officio de mestre das obras dos canos da agoa d Amoreira Thomas da Silua 

o f es em Lisboa a trinta de mar^o de seb centos e outenta e none. Pg. de feitio 
dozentos rs Frandsco Pereira de Castello Branco o fes escrener. Bey.» 

(Tom do ToBbo.— dutaceUttift de D. Fedro II, lir. SO, fol. 61 v«) 

041rl— Montanha (Alexandre José). Em 1765 foi promovido 
a oapitSo com exercicio de engenheiro para ir servir por seis annos no 
Rio de Janeiro. 

Do anno de 1763 encontramos ainda doìs documentos que Ihe dizem 
respeito: 

«Dom José eto. £0190 saber aos que està minha carta patente virem que por decreto 
de 88 de julho do presente anno fuy servido fazer merce a Alexandre José Montanha, 
fondante de infeuiteria com exerdcio de engenheiro do posto de capitao com mesmo 
exercicio de engenheiro, para com elle me ùr servir ao Hio de Janeiro por tempo 
de seis annos com o soldo de 24^000 r." por mez, qual Ihe sera pago na forma 
de minhas ordens, e com dito posto gosarà etc Dada na cidade de Lisboa aos 18 
dias do mes de setembro. . . de 1765. ElBey.» „, .. ^, ,^ , 

* (LlT. 88| ibi. 199 V.) 



175 

«P* Antonio Lopes DorSo— S. Mag.* he seryido qne V. M. fa^ a conta ao que 
se deue ao ajudante de infanteria com exercicio de engenheiro Alexandre Joseph 
Montanhas e Ihe satisfarà tudo o que se Ihe dover até o prezente, porque se acha 
destinado para hiia deligencia do real 8ervi90. Deos g.* a Y. M^ Pa^ a 16 de setembro 
de 1763. Conde de Oeyras.» 

«Para o barSo conde de Orìola. HI .■• e Ex.""» 8.' — S. Mag.* tem ordenado que 
o ajadante de infanteria com exercicio de engenheiro Alexandre Jozeph Montanhas 
parta immediatamente para a villa de Abrantes para dali fazer conduzir para os ar- 
mazens a que se achSo destinados os materiaes e generos que estlo nos armazens 
daquella villa e nos de Thomar, na conformidade das ordens que tem recebido a oste 
respeito. que o mesmo 8/ manda participar a V. Ex.* Deos guardo a Y. Ex.* Pa^o 
a 16 de Setembro de 1768. Conde de OeTras.» 

(Torre do Tombo.— Atìbos do Ministerio do Relno, 1762-1764, llv. 9, fol. 188.) 



04:2 — Monteiro (Domingos). Tenente do Real Corpo de Enge- 
nheiroB a servijo de Portugal no Rio de Janeiro em 1819. 

043— Monteiro de Oarvallio (José). Era capitSo dos privile- 
giadoB da ReligiSo de Malta e frequentara a aula da esfera no Collegio 
de Santo AntSo e a Academia de fortificagSes, quando foi nomeado aju- 
dante de infantarìa oom exercicio de engenheiro para a Provincia de Tràs- 
os-Montes. Assim reza o respeotivo decreto : 

«Attendendo a aplica^io com que José Monteiro de Carralho, Capit&o dos Fri- 
vilegiados da Beligi&o de Malta, frequentou a Aula da Esfera do Collegio de Santo 
Antfto, e a Academia das Fortifica95es desta corte, e as infòrma^des que tive do pro- 
gresso que fes nestes estudos, Hej por bem nomealo Ajudante de Influitarìa com 
exercicio de Engenheiro na Provincia de Tras os Montes. O Conselho de Guerra o 
tenha assim entendido e Ihe fa^a expedir os despachos necessarios. Lisboa a yinte 
de Dezembro de mil sette centos cincoentai e hum.» 

(Deeretot remettidoi «o CoueUio de Gaem, nuifo 110^ a.® 78») 

«Para o barSo de Oriolla.— Ill.-« e Ex.** Sr.^8. Mag> he sorrido queV. Ex.* 
mando marchar seis soldados de infimtaria & ordem do capitfto engenheiro Joseph 
Monteiro de Carvalho, que se acha encarregado do deliniamento do Bairro de Ai- 
fama. Deos guardo a V. Ex.* Pa^o a 2 de Abril de 1766. Conde de Oejras.» 

(Torre do Tombe. - Atìsos do Mlnlsterio do Kelno, 1705-1767, liy. 11, fol. 71.) 

K3o conhecemoB nenhiun documento officiai por onde se prove qne este 
engenheiro estivesse na America; vimos, porem^ em poder do Sr. Marquez 
de Niza, um mappa que nos poderia fazer suspeitar a sua estada ali: Este 
trabalho tem o seguìnte titulo: 

Mapa dos confins do Brasi! com as terras da Coroa de Espanha na 
America Meridional pelo AjudanJte Engenheiro José Monteiro de Carvalho. 
O jue està de amardlo he oque oeoupSo os Porùugueses, O que està de cor 
de rosa he o que tem oceupado as Espanhoes.^E o que JUa em branco athe 
agora nSo se acha oceupado* Anno de 1762. 



176 

Fetìpé de legaas portuguesas. Comprìmento 60 centimetros; largura 
51 centimetros. 

NSo custa todavia admittìr que este mappa fosse elaborado em Porta- 
gai com elementos vìndos da America. 

Por decreto de 1 de setembro de 1760, era Monteiro de Carvalho no- 
meado architecto das obras do conselho da fasenda, cargo anteriormente 
exercido por Eugenio dos Santos de Carvalho. Referem-se a este facto os 
dois documentos que inserimos a seguir: 

«£y ElBey Fa90 saber aos que este Àlvara yirem que £u houve por bem por meu 
real decreto do primeiro de Setembro do preiente anno nomiar ao Ajudante Engi- 
nheiro José Monteiro de Carvalho para Architeto dàs obras do Conselho da Fasenda, 
de que se achava encarregado o capitSo Eugenio dos Santos de Carvalho e por me 
reprezentar o mesmo Conselho em consulta de onze do dito mes e anno nSo constar 
que por elle tivesse exercicio algum o dito Eugenio dos Santos de Carvalho nem per- 
cebece ordenado com o emprego de Architeto e semente se achar que na foiba da 
Al&ndega levava cento e oitenta mil reis por mercé minha e nSo corno de Architeto 
me servia dedarar o em que se devia verificar o meu rcal decreto. Fnj servìdo por 
minha real rezolu92o de vinte e quatro do dito mes e anno, tomada na refenda con- 
sulta, se praticasse com este Architeto o mesmo que se praticava quanto aos emo- 
lumentos e exercicio o mesmo que com o dito capitSo Eugenio dos Santos de Carvalho, 
Pelle que mando aos vedores etc. Lisboa oito de Novembre de mil settecentos e ses- 
senta annos. Hey.» 

*' (Torre do Tombo. — QuiicelUria de D. José, Ut. SO, toh 968 v.) 

«Porquanto pelle Alvarà antecedente Fuj servido fazer merce a José Monteiro 
de Carvalho Ajudante Enginheiro de Architeto das obras do Conselho de minha Fa- 
zenda de que se achava encarregado o Capitlo Eugenio de Santes de Carvalho fale- 
cido e que com elle se praticace com o dito Eugenio de Santos de Carvalho e ser a 
minha real inten^ fi^er merce ao dito Ajudante Enginheiro José Monteiro de Car- 
valho dos cento e oitenta mil reis que o dito capit2o lograva na Alfandega desta 
cidade e se n2o expressarfto no dito Alvadi: Hej por bem que digo por bem e me 
pras que elle tenha e haja em cada hum anno os ditos cento e oitenta mil reis assen- 
tados e pagos na mesma Alfandega, aonde os principiarà a vencer do primeiro de 
Setembro do anno presente de mil settecentos e sessenta em diante, dia do decreto 
desta merce : Pelle que mando aos vedores etc. Lisboa vinte e hum de Dezembro 
de mil sette centos e sessenta annos, Hej,» 

(Torre do Tombo. — OhaneeUwia de D. José, Ut. 6S, toh SOO.) 

Em 1780 era jA fallecido, pois nesso anno foi nomeado para o substi- 
tnir no cargo anteriormente designado Joaquim de Oliveira. Tinha entSo 
posto de sargento-mór de infantaria com exercicio de engenheiro. 

Na Bibliotheoa Nacional de Lisboa existem alguns mappas seus das 
provincias da Beira e do Alemtejo. 



04lr4— Monteslnlio (Antonio Rodrigrues). Era segundo tenente 
de bombeiros do regimento de artilharia da praja do Bio de Janeiro, sondo 
confirmado no posto de ajudante engenheiro por despacho do Conselho 



177 

Ultramarmo de 29 de outubro de 1784. respectìvo diploma acha-se regis- 
tado na chancellaria de D. Maria I, liv. 85, fol. 245 1? e é do teor segainte: 

«Dona Maria etc. Fa90 saber aos q està minha carta patente de confirma^So 
virem : Qne tendo con8Ìde^a9fto ao segundo tenente de bombeiros do regimento da 
artilharia da pra9a do Bio de Janeiro Antonio Roiz Montesinho se achar proyido 
por Luis deVasconcelloe e SoisaV. Bey e Capitani general de mar e terra do Estado 
do Brasil, em virtade da real ordem de vinte e doos de jonho do anno prozimo pas- 
sado, no posto de laudante engenheiro : Attendendo As circumstancias que no sobre- 
dito concorrem por esperar delle qne em tudo que respeitar ao meu real servÌ9o se 
bavera com a ezac^So que deve ter: Hej por bem £Eizer-lhe merce de o confirmar 
corno por està confirmo no posto de ajudante engenbeiro, com o qual bavera o soldo 
que Ibe tocar pago na forma de minbas reaes ordens, e gosarà de todas as bonras prì- 
vilegios, liberdades, izen9Òe8 e franquesas, que em razSo delle Ibe competirem : Pelo 
que mando ao meu V. Bey e Capitam General de mar e terra do Estado do Brasil 
conbe^a ao dito Ant.<» Boiz Montezinbo por ajudante engenbeiro e comò tal o bonre, 
estime, deixe servir e ezercitar o dito posto debaixo da posse e juramento que se Ibe 
deo quando nelle entrou, e baver o soldo comò dito be, e aos officiaes e soldados seus 
subordinados ordeno tambem que em tudo Ibe obede^So, cumprio e guardem suas 
ordens por escripto e de palavra no que pertencer ao meu real servi90 corno devem 
e bSo obrigados. £ por firmeza de tudo Ibe mandei passar a prezente por mim asi- 
guada e sellada com o sello grande de minbas armas. Dada na oidade de Lisboa aos 
vinte e dois de novembro, anno do nascimento de Noeo Senbor Jezus Cbristo de mil 
setecentos oitenta e quatro.s=A rainba.»Conde da Cunba.=sPor Despacbo do Con- 
celbo Ultramarino de 29 de outubro de 1784. »0 secretano Joaquim Miguel Lopes 
de Lavre a fez escrever. Gaetano de Brìto e Macedo a fez. José Bicalde Per.* de 
Castro. Pg. quinbentos e quarenta rs. e aos officiaes dois mil cento trinta e cito r." 
Lisboa 7 de julbo de 1785 e nfto pagou o melo dobro por se baver demorado na Beai 
assinatura. Dom Sebastiam Maldonado.» 

A Secretarla àos Negocìos Eetrangeiros dos Estados do Brasil possue 
seguinte: 

«Mapa Corografico da Capitania de S. Paulo que por ordem do. . . Senbor Ber- 
nardo José de Lorena, Gor.. . . da mesma Capitania, levantou o Ajudante Engenhebro 
Antonio Boiz Montezinbo, conforme suas observa^des feitas em 1791 e 1792.» 

Montesinbo foi ajudante de JoSo da Costa Ferrdra. Vide oste nome 
e mais Francisco de Oliveira Barbosa. 



O^ff — Montlgliy (Orandjean de). NSo sabemos se este arcbi- 
tecto estere em Portugal, acompanhando depois a córte portagnesa para 
o Rio de Janeiro, ou se foi dos artistas directamente convidados para a nova 
capital portuguesa. Num officio de 26 de outubro de 1819, dirigido pelo 
arcbitecto Antonio Francisco Rosa ao inspector do palacio da Ajuda, lèse 
seguinte perìodo: 

«0 Arcbitecto actualm.*^ encarregado por V. B.* na ezecu^So dos riscos e obra 
do real palacio de N. Senbora da Ajnda, tem a bonra de representar que sende 
voli, n lÈ 



178 

por V. 8." determinado a responder ìb dovidas offerecidas palos sabioi arehiteetoa 
Mr, Grand Jean de Montigny e Jofio da Silra Moniz, prodosidas do ezame qae S. lla- 
gestade ElBei nosso Senhor mandou fazer Aa plaatas deste real palaeio « 

(JoAquliiì da Gotta e SUt», Bupotia Cbtyr p w rf a , doe. 1&) 

Na Rdagào dos festqos no Rio de Janeiro à acclamarlo de D. JoXo VI, 
esenta por Bernardo Avelino Ferreira e Sonsa, desoreve-se o arco trìmn- 
phal mandado levantar pela Junta do Commercio e aocresoenta-se: 

«0 risco deste monumento he de Mr. Groftdfean de ManUgny, e a pintnra de 
Mr. Debret, artistas pensionados de Sua Magestade.» 

Den tambem o risco para o arco da Rua doe Pescadores/ descripto 
a pag. 7 do mesmo folheto. 



04:0 — Moraes (Antonio). Mestre de obras do pa(o de Cintra, 
corno se deprehende da seguinte insorip^lo numa lapide tumular na igreja 
de Santa Maria da piesma villa: 

Agvi %a$ Al^.^ de Morali mutre das obra$ de èva Mctgestade doe jM^oe 
deeta villa per cuia cdma ee dira netta Igr.^ pera eipre Iwa mieea era 
B 1689. 

A qval S."" H! B SU F.^ Breatrie B Moraie q eUa cSprov com l^ 
do ordinario E qer ee nSo entere moie peeoa algva. 



04cV — Moraes (FranoiSOO de). — 1.* — Castelhano, residente em 
Lisboa. Carpinteiro e marceneiro, bom officiai do seu officio. D. Jo&o III, 
em 12 de maio de 1538, Ihe passou carta de privilegio, dando-lhe auctori- 
za(So para lavrar em teda a qoalidade de madeiraa e isentando-o de certas 
obriga93eB do regimento do seu officio. 

Tendo ficado por fiador, na valia de 40 cruzados, por urna Catherina 
Alvares, de Cintra, condemnada a degredo para Africa, el-rei o relevara 
d'està fianca; mas comò nào registasse a carta, era perseguido pela jus- 
ti^a, pelo que el-rei Ibe tomou a perdoar. S2o curiosas as noticias da ex- 
cusa. Francisco de Moraes nSo registara a carta por ter ido a Castella, 
ora em miss2o regia, ora por negocios de familia. Ko prìmeiro caso foi 
portador do bergo que el-rei mandava a sua filha, e no segundo caso 
para tratar do casamento de duas sobrinbas suas, que trouxera a Lisboa. 

£Bta carta de perdSo é de 17 de setembro de 1548. 

«Dom 3.^ &c. a quantos està mynha carta vyrem fa^o saber que por ser emfbr- 
mado que Francisco de Montes, castelhano, carpimteiro, morador nesta cidade de 
Lixboa, he boom oficiall do sèu'oficio e faz majtas obras de macenar7a e oatras obras 



179 

sotys, e qneremdolhe fuer gra^ e merce, ey por bem e me pras qne elle posa daqnj 
em diante vsar de todo oficio de laurar madeyra de qaal quer sorte qae seya, posto 
qae pera cada oficio de que asy vsar em obras que fizer nam seja ezsaminado segundo 
hordenam^a e bem asy me praz qae nam seya obrygado nem costrangido a pagar 
pera aa festae com os carpymteiros de £uer arcas poeto qae fose ezsaminado pera 
o dito oficio das arcas nem pagae asy mesmo com nenhom dos oatros oficiaes de 
laarar madeyra, posto qae asy vse de seos oficios. Notefico o asy aos yereadores 
pOT e procaradores dos mesteres desta cydade e aas jasti^as e oficiaes della e a qaaes 
qaer oatros a qae o conhecimento desto pertencer, e mando qae Ihe camprS e fa^am 
inteyramente comprir e gaardar està miidi^a carta comò se nella contbem sem Ihe 
nyso ser posto dayìda nem embargo algafi por qae asy he mynha merce. Dada em 
Liiboa a zìj dias do mes de mayo. J.^ de Seizas a fez ano do nacimento de noso 
Senhor Jhesa Xpo de mill b« zzzbiij.» „^ , . «r ,. .^ * , o« » 

'^ ** (D. Jolo m, Ut. Uj fol. 88.) 

«Dom JoSo &c. A todoUos corregedores, oaaidores, jaizes e jostigas, oficiaaes e pe- 
soas de meas Beinos e sénhorios, a qae està minha carta de perdam fòr mostrada e o 
conhecimento della com direito pertencer, saade, fa9oaos saber qae Francisqao de 
Moraaee, cazpimteiro, morador nesta cidade de Lisboa, me emayoa'dizer por saa pi- 
tÌ9So qae hnfia Caterina Alala morador em Symtra, fora comdenada em doas annos 
de degredo pera cada hafi dos lagaares daalem com pregaSo na aadiencia, e semdo 
nela feita a ezeca9fto do pregafto por ser mayto pobre e desemparada nSo aver qaem 
a fiase elle sopricamte ficara por sea fiador de coremta cnuados a ir comprir o dito 
degredo demtro em tres meses, qae Ihe pera yso lorSo asynadoe, demtro do qaall 
tempo ella oaaera pérdSo de mim do dito degredo, pollo qae elle sopricamte ficara 
Ilare da fiam9a, comò todo c5staaa da aemten^a qae apresemtar me emaioa. E por 
elle soprìcante neste comenos ir a Castella por mea mamdado a leaar o ber^o a minha 
malto amada e prezada filha primcesa de Caatella, qae Deas tem, e oatras daas vezes 
a casar daas sobrìnhas saas qae troazera a està cidade nSo fizera registar o dito 
perdSo e asy emcorera em perdimento da fiamma, e por asy ser finra ora demamdado 
e comdenado nos ditoa coremta crazados pollo Jaiz das fiam^as e estaa por elles pe- 
nhorado, pollo qae me pedia, avemdo respeito ao sobredito Ihe perdoase e oaaese 
por bem de o releaar da dita comdenagSo, no qae receberia merce. E ea vemdo o qae 
elle sopricamte asy dizer e pidir emaioa e yisto hail parece com hafi mea pase, tenho 
por bem e me apraz se asy hee comò o sopricamte dia e hy mais n2o haa, de Iho 
perdoar e o releaar do perdimento da fiamma oomtheada em saa peti^So em qae diz 
qae tem emcorrido pollo modo qae nela decrara, e pagaaraa qaimhentos rs pera o es- 
pritall de todoUos samtos, os qaaes pagaaraa da dada deste perdSo a trimta dias, 
e nSo comprimdo assy, oste perdio Ihe nfto yaleraa. E por qaamto o dito sopricamte 
pagoa OS ditos qainhemtos rs pera o espritall de todoUos samtos demtro nos ditos 
trimta dias segamdo fhy certo per hai! as3mado do padre Diogao de Samta Maria, 
recebedor do dito espritall e por oatro de Diogo Lobo, escriafto do dito carego, qae 
08 caregaoa sobre elle em recepta, portamto vos mando qae daqay em diamte nSo 
premdaaes ao dito sopricamte nem mamdeis prender nem Ihe fa^aes nem comsymtaes 
serlhe féito maall nem oatro allgafi desagaysado qaamto hee por rezlo do perimento 
da dita fiamma comtheada em saa pitÌ9&o e em està minha carta decrarado, porqae hee 
minha merce e yomtade Ihe asy perdoar polla gaysa qae dito hee. Comprìo asy haiis 
e oatros e ali nSo fa^aea. Dada em osta cidade de Lizboa aos zbij dias do mes de se- 
tembro e feita aos iiy* dias do mes doatabro, elRey o mamdoa pelos doatores Joam 
Momteiro e Gaspar de Caraalho, ambos do sea conselho e seas desembargaadores 
do pa^o e pitÌ9oeB. Manael Martina a fez anno de jb° Ebiij annos. Antonio da Gaama 
a fes escreaer.. p. ,^ n^ u^mma^. Ut. 4, foi. 94 •.) 



180 

04S — Moraes (FranoiSOO de). — 2,** — Mestre das obras de car- 
pintarìa da cìdade e Universidade de Coimbra. Seus antepassados, pae, 
tio, avd, bisavd, SimSo de Moraes, José SimSes, Sim&o Affonso e Joio 
Affonso, tinham exercido o mesmo cargo, o qual andava asBun em familia. 
Francisco de Moraes havia 14 annos que servia a Universidade, com o or- 
denado de trcs mil reaes e pedia para que se Ihe desse carta corno aos seus 
antepassados. Està effectividade Ihe foi concedida a 9 de maio de 1660, 
mas parece que nSo se Ihe satisfez completamente, pois so foi confirmado 
no logar da Universidade. Leia-se o documento que segue que é muito 
interessante. 



«Dom JoSo &c. Como protetor que soa da uniuersidade de Coimbra, fct^o saber 
aos que està minha carta uirem que Francisco de Moraes, morador na cidade de 
Coimbra me reprezentou por hua sua petÌ92o que elle era mestre d^ obras de caipin- 
taria na mesma cidade e vniuersidade della e que seu pai SimSo de Moraes, e seu tio 
Joseph Simdes, seu avo SimSo Affonso e seu bisavó Jo2o Affonso, todos fòr&o mestres 
das obras da carpintaria nos meus pa^s e uniuer^idade da mesma cidade e em todas 
as mais obras minlias na dita cidade, a quem o senhor Bei Dom Sebastiam, que santa 
gloria h^ja, e os mala senhores reis meos antepassados derio a propried.* do dito offi- 
cio com ordenado de seis mil rs em cada bum anno, comò constaua da carta que apre- 
sentaua, exercitando todos sempre o dito officio com teda a inteireza e cuidado, e o 
mesmo fàs e tem feito elle supplicante na mesma yniaeisidade de quartoie annos 
a està parte com muita satisfa^So, aonde tftobem estaua aseito por mostre das obras, 
e porque elle supp.* hera grande officiai do dito officio e pessoa benemerita e christào 
velho e que na dita wuersidade serue ha os ditos quatorse annos e tem quatro filhos 
e nSo he rico, antes pobre, me pedia que haaendo respeito ao que allegaua ihe man- 
dasse passar alaara e prouisSo para em sua vida poder seruir o dito officio de mestre 
das obras da carpintaria assi nos meus pa908 e uniuersidade comò nas mais obras to- 
cautes a meu serui^o na mesma cidade com ordenado de seis mil rs que se pagaafto 
a seus antepassados cada anno, na conformidade da dita carta, e uista a dita peti^fto 
mandei por meu despacho que iaformasse o Beitor da dita vniuersidade com seu pa- 
recer, o que satisfes, dizendo que tudo o que o supp.* dizia na sua peti^Xo passaua na 
uerdade e que seus antepassados tiuerfto o officio de mestre de roinhas obras da car- 
pintaria naquella cidade com seis mil rs de ordenado que se Ihe pagauSo no Almoza- 
rifado della, os quaes nSo tinha oje e semente a uniuersidade Ihe daua tres mil rs cada 
anno pellos consertos que nella fazia quando nio chegaufto a bum dia de jomal, que 
hera bom officiai antigno na yniuersidade e pobre e assim Ihe parecia o mandasse eu 
conffrmar no officio que tmha de mestre da carpintaria da vniuersidade c<»n tres mil r." 
que ella Ihe daua e que o fòsse tftobem das obras que naquella cidade ouuesse minhas 
e que quando eu fosse seruido de Ihe mandar dar os seis mil rs de minha real fazenda 
tudo nelle seria bem empregado e esmolla, e uista por mj a dita petÌ9&o e informa9fto, 
Hey por bem e me pras de confirmar ao dito Francisco de Moraes, comò por està con- 
firmo no officio de mestre das obras de carpintaria da dita vniuersidade e que com elle 
^a o ordenado de tres mil r." cada anno na forma da informa9&o refenda e os mais 
proes e precal90B, priuilegios. . . Dada nesta cidade de Lisboa aos none dias do mes 
de maio — Manoel Panilo a fes — anno de mil e seis centos e sincoenta. Pantalefto 
Figueira o fis escreuer. ElBey.» 

(Tono do Tombe— CluuioeU«ria de D» Jolo IV, Ut. 2i, foL 249 v,} 



181 

G4rO — Horaes (Pero de). Era em 1516 o mestre da carpintaria 
da igreja de S. JnliSo de Setnbal, aegundo se ve pela seguinte yerba ex- 
trahìda do cademo das despesas d'aquella obra: 

«Item no dito dia acima escprito (24 de abrìl de 1516) o dito Diogo de Vera re- 
cebedor sete mill rs a Pero de Moraees carpinteiro em parte do que hadavccr por fazer 
e acabar a dita igreja de que tem mandado com conbecimento. Femam de Raboredo 
o escpreny.v (Fol. 2 v.) 

Pero de Moraes n2o durou multo tempo depois d'està data, comò nos 
in^ca a segointe verba: 

«No dito dia acima escprito (17 de maio de 1516) deu o dito Diogo de Vera rece- 
bedor cemto ojtemta rs a Bodrigue Anes e a Eodrigo Afonso carpynteiros que foram 
ayaliar a obra de carpentarya que era féita da dita igreja que per falecimento de Pero 
de Moraaes fiquou, o quali era obrigado faser a dita igreja de que tem mandado. Fer- 
nam de Baboredo o escrepuy.» (Fol. 8). 

Snccedeu-lbe Mestre Martini. 
Vide eete nome e Faivctcho JoSo. 



OSO — Horaes (Simfto de). Mestre da carpintaria das obras da 
cidade e universidade de Coimbra. Pae de Francisco de Moraes. 
Vide artigo acérca d'este. 



OSI — Morales (Benito de). Architecto italiano que se achava 
em Lisboa em 1577. 

Vide artigo relativo a Olmo. 



OS3— Horera (Francisco). 
Vide Theodosio de Frias. 



Off3— Horeira (Antonio José). 

Vide Pedro Celestino Soarea e Innocencìo da Silva. 

E auctor das Regras de Desenho, eto. 



Off4 — Horeira (Manoel). Era pedreiro, morador no Pago do 
Lumiar e mestre das obras do convento de Chellas nos fins do secalo xvi. 
Em 27 de agosto de 1597 passava elle urna qmtagSo publìca & prioresa 



4 



9 



182 

e religiosas do dito mosteirOi na mportanciA de 606:500 reaes, valor das 
obms por elle effectnadas. Damos em segnida a respectìya quitaglo com 
auto de avalìa^Xo do medidor Alyaro Oomes: 

«Baybam qnantot este eitormento de qi^ta^am ^rem qae no anno do Naadmento 
de Nofso Benhor Jheras Chruto de mjU qnynhemtoa noyenta e sete ao6 vynte a Mie 
dju do mes de agnosto na cidado de Lisboa no pafo doe taballiftet paraceo ahy pre* 
sente Manoell Morejra pedrejro morador no pa^ do Lomear tenne desta ddade 
mestre qtie foj das obras do Mostejro de Chellas setoado no termo desta cydade 
logno por elle Manoell Moreyra foi dito perante mym taballiam e testemnnhas ao 
diante nomeadas que hera verdade qne elle em companhia de Femam Dinis entro 
sj pedrejro fizeram hnm comtrato com ho dyto mostejro de Chellas em qne se obry- 
guaram a fazer no djto mosteiro hnm dormjtoryo com ontra mais hobra pelloe precos 
dedarados no dyto oomtrato de qne se fez escretnra pnblyca per mym taballiam ao 
diante nomeado aqnall obra aviam de faser de penneio e por bem do dyto comtrato 
elle Manoell Morejra fisera no dito dormitorio ametade delle e asy fiiera alem do 
dyto dormitorio no dyto mostejro ontras mais hobras nas qnais obraa e asy da metade 
do dyto dormitorio se montaram seyscentos e seys mill e qnynhentos reaes eomforme 
aos precos dedarados no dyto centrato aqnall hobra se medyo pellos medidores das 
obras desta ddade e comfbrme a medy^am que se achon e precos do dito comtrato se 
achou caberem a sna parte dele Manoell Morejra da ametade qne fez no dyto dormy- 
tono e ontras obras mais qne fes no dyto mostejro hos dytos seyscentos e seys myl e 
quynhemtos reaes dos qnoais elle Manoell Morejra comfeson perante mym taballiam 
e testemnnhas ao diante nomeadas ter em ssy recebido do dito mostejro quynhemtos 
sesenta e seys mill e quinhemtos reaes em dynh^ro de contado de qne dysse estar 
entregue e satysfeito dos qnoais quynhemtos e sesenta e seys mill e quynhemtos reaes 
elle Manoell Morejra pasou asynados sena asy no linro que e mostejro tem come em 
asynados que den de fora que todos se ajuntario e per elles se fez a dita soma dos 
dytos quynhemtos sesenta e seys myll e quynhemtos reaes de que elle Manoell Mo- 
rejra està paguo e satysfeyto e os coreuta mill reaes que faltam pera compiymento 
dos dytos seyscemtos e seys myll e quynhemtos reaes die Manoell Moreyra recebeo 
perante mym taballiam e testemnnhas ao diante nomeadas do senhor Bras Dias de 
Abreu procurador gerall do dyto mostejro em dinheyro de contado per moedas de 
prata das correntes deste Rejno que elle Manoell Morejra comtou e recebeo e depois 
de contados e recebydos comfeson aver nas ditas moedas hos dytos coremta mill 
reaes sem minguoa nem fallta allgfbi os qnoais coremta mill reaes elle Bras Dias 
d Abreu emtregou a elle Manoel Morejra em nome da muyto Jlustre Senhora Joana 
da Coluna pryoresa do dyto mostejro e per està maneyra dysse elle Manoell Morejra 
que està pagou e emtregue dos dytos seyscentos e seys mill e quynhemtos reaes com 
hos quoais seyscentos e seys mill e quynhemtos reaes que elle Manoell Morejra tem 
em sy recebido do dyto mostejro corno dyto he dysse que se daa por paguo emtregue 
e satysfeyto a sua vontade do dito mostejro de todas as obras que nele tem feitas ate 
oje asy ametade do dyto dormy torio que fez comò quais qner ontras hobras de quali- 
quer calidade que sejam que no dyto mostejro fez e asy das acheguas que pos nas 
ditas obras e suas milos e outros guastos e ofeciaes que pos pollo que disse elle Ma- 
noell Morejra que elle por este publyco estormento daa e defeyto legno deu plenicima 
e goral quyta9am deste dia pera sempre ao dyto mostejro e senhoras pryoressa e re- 
legiosas presentes e fnturas de todos os ditos scgscentos e sds myll e quynhemtos 
reaes e das ditas obras e prometeo e se obrygou elle Manoell Morejra de comprjr 
e manter està quyta^am em todo e por todo comò nella se comtem e nam jr comtra 
dia em parte nem em todo por nenhfla via que seja nem de pedjr nem demsadar ao 



183 

djto nMMteyio eousa allgfia per reiam do lobredyto por quanto de tiido eati pagao 
I e eatisfeyto jmtejramente corno dyto he Bem ho dyto mostejro Ihe dever nem ficar 
dovendo eonm aUgiU de todaa m obras qae nele tem fejtas ate ojo e aoheguM ofe- 
ciaei e mloe qae nelUi pos e oatros gnaatot e deapeaaa qve fei por qae tado Ihe tem 
o dyto mott^ro pagao e satiafeito corno dito he e os asynadoa qae elle M anoell Mo- 
rejra tem pandoe nio terfto vyguor allgam por qaanto todoa emtram nesta qay ta^am 
e ftnecimento de contas e uj mais elle Manoell Morejra recebeo da dyta senhora 
pryoreMa per mio do dyto Braa Dyaa dAbrea tres miU reaes polla guaniy^am que 
fes nM botareoe qae eitam a coatadoa ao dyto dormytoryo noyo com boa quaia tres 
myll reaea elle Manoell Morejra se daa por pagao e satisfeito de toda ha gorny^am 
que fei noe dytoa botareoa daquall gomy9am daa por quyte e livre ao dyto moateyro e 
pento asy oomprjr com todas as cuatas despesas perdas e dannos que o dyto comvento 
pelli dita resam receber e fiaer obrygou elle Manoell Morejra todas teus bens avydos 
e por aver e em teatemunho de yerdade aay ho outorgoa e mandoa fkser oste estor- 
menx) e oa qae compryrem que o dyto Braa Diaa dAbrea que presente catana podio 
e aesitoa e en taballiam o aceyto em nome do dyto moatejro e senhoraa pryoresa 
e rdegioaas e mais peaaoaa a que teca oa tocar possa corno pesca publyoa estepu- 
lants aceitante testemanhaa qae fbram prescntes Bertolameu da Sylva familliar do 
dyt# mostejro e Francisco Dinis morador em Caasa do dito Bras Dyaa dAbreu e ea 
tabiUiam doa fee que conheceo ao dyto Manoell Morejra sor o propio contendo 
nesie eatormento e fòy mais teatemonha Jeronimo da Guerra filho do dito Manoell 
Morejra qae asynou por elle a seu rogo por nam aaber escrever e ea Mjgadl da Crus 
qa€ ^rvo de taballiam pablyco de notaa por drey Nosao Benhor na eidade de Lisboa 
e gens termos no ofloio de Amtonio Pinhejro qae oste estormento tomey em mynhas 
notas e dellas o tjrey e o ooneertey escrevy e ajqney de mea publyco ^nall.» Le- 
gar do signal pablicc^Pagou deste com nota doaentos e oorenta reaea.» 

(Hoateiro de OheUM, B.« 1M6.) 

cAloaro Gomes medydor das obras desta sidade de Lixboa fuy ao mosteiro de 
Chellas a medyr as obras que Manoell Moreyra mostre pidreiro tinha feito a sua 
pute so no dyto mosteiro as quoays obras me fòrfto mostradas polla senhora prioresa 
asystindo em tndo o senhor doctor Amtonio da Crns e por que nas djtas obras 
&aya allgaSs feytas sem comtrato tomar&o por llouaados .s. Amto^jo Vysemte por 
parte da fasemda do dito mosteiro e Denys AUuarec mostre pidreiro por parte do 
dyto Manoell Morejra e medydo tudo por mym achey ter feyto de paredes feytas de 
pedra e cali emtrSodo aa dos botareos que ficar&o medydas comò acabadas os quoays 
t obrygado a acabar vimte e none brasas e bua quarta de brasa que a preso de n\jll 
e quoatro semtos reaes a brasa comfòrme ao comtrato fksem soma de coremta n^ll 
'e none semtos e sjmcoenta reaes e de outra parede que tftobem fes de pedra e cali 
no muro da erta achey auer coremta e none brasas e tres quartas de brasa que 
a preso de myll e quoatro semtos reaes a brasa corno a^m fbj aualyada pellos <ytOB 
louuados com decllarasSo quo a pedra que o <yto mosteiro Ihe deu pera està dyta 
parede se descontase a dynheyro e ao dyto preso fasem soma de sesemta e none 
myll e seys semtos e sjmcoemta reaes e de paredes de pedra e barro que fes sobre 
està dyta parede he na caza de galynhas e na que fes sobre hila parede jumto a dyta 
caza de galynhas achey auer dose brasas e mea que a preso de none semtos reaes 
a brasa comò asjm foy aualyado fazem soma de omze myll e doientos e sjmcoenta 
reaes e na ametade dos telhados do dormjtorjo que forfto fejtos de ordem mouiysca 
e furadas as telhas e pregadas achej auer semto e treze brasas e mea que a preso 
de seys semtos reaes a brasa comò asjm foj aualyado fazem soma de sesemta e onte 
myll e sem reaes e na ametade do Uadrylho rosado que fes por sua comta no dom^j- 



184 

toijo achey aucr sjmcoemta e scys brasas e trcs quartas de brasa que a preso de 
myll e duzemtos reaes a brasa comforme ao comtrato fazem soma de sesemta e outo 
myll e sem reaes e nas guamysojs que tjnha fejto por sua comta so achey auer da- 
semtos e coremta e tres brasas e mea que a preso de duzemtos e uymte reaes a brasa 
comforme ao dyto comtrato fazem soma de setemta e tres myll e qnynhemtos e se- 
tenta reaes e de fromtall de forcado que fes nos repartimentos das sellas achey auer 
tijmta e bua brasa e mea que a preso de seys semtos reaes a brasa comforme ao 
comtrato fazem soma de dezojto mjU e noue semtos reaes e de telhado ualadyo que 
fes nas cazas de galynhas e coredor da orta achey auer noue brasas e mea que 
a preso de semto e uymte reaes a brasa corno asjm foj aualyado fazem soma dtmyU 
e sento e ujmte reaes e de rebocos asemtados que fes pellas cazas das gal^has 
e muros de pedra e baro achcj auer dezaseys brasas e mea que a preso de sento e 
sjmcoemta roaes a brasa corno asjma foj aualyado fazem soma de dous mjU e qucatro 
semtos e setcnta e simco reaes e de bocas de telhas que guamesem asim as bcfras 
comò as sobeyras achey auer trjnta e bua brasa que a preso de outenta reaes a brasa 
comò asim foj aualyado fazem soma de dous mjU e quoatro semtos e outenta idaes 
e de pallmos de pedrarya que tjnha llaurado e asentado no portali que asentoi na 
orta djgo pumar aonde fes o muro achey auer nelle yjmte e outo pallmos que a p*eso 
de sento e coremta reaes o pallmo comforme ao comtrato fnzem soma de tres njll 
e noue sentos e uynte reaes e de enxlharia que tjnha laurado e asentado nos cous 
botareos que tem comesados e ade acabar com sua enxlharia por que Ja Ihe fica 
tSobem medyda achey auer sjncoenta e sjnco uaras e mea da medyda de sjnco piU- 
mos em comprydo e pallmo e meo de alito conforme ao contrato que a presode 
quoatro sentos e sjncoemta reaes a uara conforme ao dyto contrato fazem soma de 
ujnte e quoatro mjU e noue sentos e setenta e sjnco reaes e por este modo fes sona 
ysto ate aqig que e couza de medysSo semente de trezentos e outenta e sjnco njll 
e quoatro semtos e nouemta reaes e asjm ujrSo mays os ditos Uouuados e aualyailo 
as uynte e seys Janelynhas e frestas do dorm3rtorjo que tinha fejto e asentado le 
pedra e a Janella grSode do meo do dormjtorjo teda de pedraija e propjanhae 
forrada comò està e bum allmarjo de pedrarya na sella da senhora pryoreza e dus 
pedrjnhas de resfryar agoa e os sento e tijnta e outo buracos que abijo e atochoi 
no sobrado do dormytoijo e o ascnto de tres quoadrados de ferro que pos nos frechayi 
dos cSU)tos do dormytoijo e tudo por elles miyio bem uysto e enyemynado migto ben: 
achar§Lo em suas comsjemcjas ualer tudo o atras decUarado de que nSo oue medysfi* 
dnzentos e xjnte mjU e quynhemtos e outenta reaes e estes Juntos aos trezentoi 
e outenta e sinco myll e quoatro semtos e nouemta reaes que s2o as couzas de me- 
dysSo fas soma bum e outro e todo juntamente de seys sentos e seys mjll e setemta 
reaes dygó que somSo — 606^070 — e por tudo asjm ser pasej està sertydio em que 
OS dytos lounados asjnarSo em Lizboa oje bj djas de dezembro de J~b.« IBbj anos. — 
AmtonioVysemte^Dinjs Aluarez « Aluaro Guomez. 

Leuej que me pagou Manoell Morejra desta certidS qujnhentos reaes o 9 de 
dezembro de 96 — Amtonio Visemte. 

Pagou desta medysSo e camynho tres mill e quinhemtos reaes de que vem a cada 
parte a mctade e Jsto ao medydor semente.» ,,, . . ^^ „ . _ , 

^ ^ (Hostelro de CbeUM, n.« 168S.) 

OffS— Uorelra (Manoel Rodrigues). Mestre de carpintarìa no 
Rio de Janeiro em tempo de D. JoSo IV. Inventou um engenho para moer 
cannas e fazer assucar sem necessìdade de boìs ou de agiia. Foi-lhe pas- 
0ada carta de privilegio a ò de Junho de 1649. 

(Tono do Tombo. — ChaacelUriA de D. Joio lY, Ut. 19, fol. 821 v.) 



185 

OBO — Moreno (JoSo). De Salamanca. Foi chamado para recon- 
struir a sé de Vìsea. A este proposito fbi-nos fomecida a segointe notìcia, 
cuja aathenticidade nSo podemos garantir: 

Na vacancia da Se qne honre por obito de D. Miguel de Castro saccedeu armi- 
nar-se e vir ao chio a torre dos Sinos, o firontespicio, a porta principal e una parte 
da abobada qne estava sobre o choro, ficando o resto da abobada multo abalada e em 
risco de vir a terra. 

Os concgoe tractaram logo da reconstmc^So & costa dos bens da mitra. 

«E porque, diz o manuserìpto (documento do cabido) d*onde extractamos està 
noticia, he darò que semelbantes obras se nJU> come^So nem podem come^ar sem pri- 
meiro serS consnltados officiaes e architectos e se escolher o modo mais conveniente 
para a tal reedifica^io e seguran^a. . . elles Reus (os Conegos) mandaram vir um ar- 
cbitecto de Coimbra para ver as ruinas e sitios e dar a sua tra^a do que se devia 
fitzer, e porque o parecer d*este foi que se devia laudar no chfto toda a torre do car- 
tono (a que n2o bavia cùdo). . . e fez uma tra9a muito custosa, pareceo ao cabido que 
n2o se seguisse seu parecer, e pela £una que bavia de um Jofto Moreno, morador na 
oidade de Salamanca e mandarlo vir ver a obra e se Ihe deu o salario em qne com 
elle se concertarSo, e os Beus Ibe encommendaram que fisesse comò de ieiio se fes 
pela sua tra^a com o menos gasto que foi possivel das rendas do Bispado, que a se- 
melbante sSo e fbrSo sempre obrìgados.» 

Superintenderam nas obras o arcediago JoSo de Almeida do Looreiro e o Reve- 
rendo Conego JoSo de ilgueiredo Castello Branco, pessoas muito graves, auctorizadas 
e vistas em obras de semelhante qualidade, ciga presen9ae superintendencia foi muito 
necessaria e muito proveitosa à dita obra. 

Na pedreira assistiu sempre o mostre das obras, Manoel Femandes e em sua 
falta Manoel Martina, tambem mestre de obras, do logar de Mondio. 



Off'y— MorgadO (Jofto Jorge). Em 1604 arrematou por 76:000 
reaes a constmcsIU) da ponte de Laiagoa. 

«Eu elBey &90 saber a vos corregedor da comarca da villa d'Alemquer, que por 
mo emuiarem pedir por sua carta os officiaes da villa de Cascaes, e vista vossa 
conforma9So, por que constou ser muito necessaria a pomte de Laiagoa (?) que 
comuinha £uerSse de pedra e cai e semdo posta em pregio para se arrematar com- 
forme ao debuzo e anttos que me emuiastes e com este recebereis depois de feitas 
as diligemcias necessarias se rematou no menor e mais seguro lam90 a bum Jofto 
Jorge Morgado em pre90 de setemta e seis mil rs que deuiSo pagar os dos lugares 
e termos dedarados nos ditos autos nas comtias que nelles a cada bum vai repartida 
por serem os mais cbegados em que emtraua a dita villa de Cascaes e seu termo 
e que as remdas do comcelbo della nSo bastando aimda para as despesas ordinarias, 
ey por boa arremata^fto que da obra da dita pomte fezestes ao dito JoSo Jorge 
e mSodo que se fa9a logo com toda deligemcia de pedra e cai cdforme ao que no 
dito debuxo e auttos se cStem semdo com as clausullas e obrìgi^Ses que se cos- 
tumam porse em semelbantes obras e se fimtem para este efejto os ditos lugares 
na dita comtia e na fonna da ordena9So e a dita fimta e recada^So do dinbeiro della 
correrà per uossa ordem e assj tudo que mais tocar a dita obra, posto que seja 
fora de uossa jurisdÌ9So e dito dinbeiro se nSo podera despemder em outra algfia 
cousa, e màodo aos officiaes das camaras e justi9a8 dos ditos lugares qne sem dilafSo 



186 

algua emiiiem o dinbeiro qae a cada hmn awy ccmber pagar de maneira que por falta 
delle 86 n2o deize de fazer a obra da dita pomte « as pesoas qae Bemirem de rece- 
bedor e escriuio da reseita e despesa do dito dinbeiro qae aezio por uos nomeadas 
e da dita ailla de Cascaes abonadas e de confian^a dareia joramento dos samtoa evam- 
gelbos qae o fa^So bem e aerdadeiramente e nSo aaerSo por iaeo coaaa algSa somente 
ficario escuBos por respeito dos ditos cargos de pagar na dita fimta e uos tomareis 
comta de todo o dito dinbeiro pollos lioros e mais papeis qae bade aaer e prece- 
dereis nisso corno soes obrìgado por bem de aosso regunento e de minbas ordena^s 
e de todo o cdteado neste aloara se comprira imteiramente .fistf els fiizer aatos neee- 
sarios qae estarSo em boa goarda e qaero qae oalba ftc na fonna. Pero de 8eizas 
o fez em Lixboa a dezasete de mar9o de mil e seis cCtos e qoatro. £ oste dinbeiro 
se metera em bfia arca com tres chaaes, as qaais terSo as pesoas qae nomeardes 
e sobre bila dellas, qae sera recebedor, se carregara em reseyta.» 

(D. FOlppe n, Jkm^, Ut. U, M. 136 v.) 



Off 8 — Mota (Antonio da). Mestre pedreiro, a qaem foi adju- 
dioada a obra da constrao^fto da ponte da rìbeira de Aleube, pelo pre^o 
de 95:000 reaes. Alvari de 31 de agosto de 1612. 

«£a elRey hi^ saber aos qae oste alaara Tirem qae vista a Sfòrmafam qae midey 
tomar do proaedor e oaaidor da conuuroa da villa de Setaael qae elles me iaiarào 
por ambos asinada, a reqaerimento dos officiaes de camara della sobre a obra da ponte 
da rìbeira de Alcobe e comò polla dita informa^fte constoa da necessidade qae ayia 
de se lealtar a dita ponte qae estaoa calda ayia porto de deus annos por ser de malta 
continaa passagem e a seraStia ordinaria de todas as pessoas e eaaalgadaras qae 
▼inhiSo da dita villa e do Algarae e AlStejo pera osta cidade, e a leaarem as cbeias 
do inaemo e tanto tempo avia que polla dita ponte n& passaaa nenb&a pessoa nem 
caualgadara e por os officiaes da dita camara remedearem està necessidade fiser&o 
por onde agora a gente que caminba se seruia qae era pasagem arrisoada e obra qae 
a primeira chela qae viesse leaaria lego e sSdo posta de mea mSdado em pregSo, 
fazMosse prìmeiro tra^a e apontamentos della e avfido deferStes ]an908 se rematara 
a bum Antonio da Mota, mostre pedreiro, qae se obrìgara a fazella em pre90 de noaSta 
e cinqao mil r.* em confbrmidade da dita tra^a e apontamentos por sor o sea lan^o 
mais barato, ey por bem quo a elle se arremate a obra da dita ponte e m2do qae 
&9a com teda a diligencia conforme a dita tra9a e aos ditos apStamentos e aatos 
qae sobre isso sfto feitos e com todas as fian^as segurft^as, obrìga^des, declara^des 
e mais claasullas que pareserem necessarias ao proaedor e oaaidor da dita comarca 
e qae se castamfto por em semelbStes obras e no tempo qae elles virem quo c5uem 
pera bem desta, e se fintem pera esse effeito na dita c((tbia e na forma da dita or- 
dena9So a dita villa de Setaael e as villas de Cezimbra, Couna, Almada, Palmella, 
Alcacere, Gr&dolla, TorrtU), Viana, Alaito, Alca9oaas e a cidade de Beja e por serem 
OS lagares qae mais frequentilo a passagem da dita ponte e qae he justo e rezfto qae 
cOtribaam nesta finta corno se vio da dita informa^fio e com mais quinze mil rs pera 
se pagarem os caminbeiros qae forem leaar as cartas da dita finta e pera os custos 
dos aatos e precatorìos e c((tas qae se bio de faser e tomar, e assy pera as qaebras 
e falbas do dinbeiro e pera outras despezas qae sempre ha em semelhantes obras, 
em quo ao todo se montSo cento e dez mil rs, e por tambem constar da dita infor- 
ma^fto qae todas as cal^adas qae hifto da dita villa de Setaael a dita ponte qae era 
dlstanci^ de mais de bQa leg^a estaoftq destruidas e quebradas e tais qae ja w Ì0* 



187 

nenio se nfto podiSo caminliar por ellaf e malto mais em particular bum pedalo de 
caminho por ellas e cal9ada qae estatia antes qua se chegasse aa dita ponte indo 
da dita villa de Setuuel porque com aa augoas do inuerno se fora comendo a terra 
de maneira qae em prestes leaara a cal^ada e fizera grandes caaoucos e era muito 
for^ado lan^ar o caminho e cal^ada por outra parte e fazella de nouo porque corno 
Tiesse o inuerno nenhùa pessoa poderia passar pello dito caminho e cal9ada velha 
pellos mnitos caaoacos e qaebradas qae tinha e indo elles proaedor e onuidor os dias 
atras com doas vereadores da dita villa de Setuuel ver o dito caminho e vSdo as 
qaebradas e cauoucos que tinha asStarft que era muito necessario fazerse a cal9ada 
de nono e lancarsse por outra parte onde a tera fòsse mais fisa e segura e aver pera 
isso finta que serue requereria Juntamente com a finta para a obra da dita potè da 
ribeira de Aleube e depois tornara elle proaedor a ver o dito caminho com o escriuAo 
de seo cargo e com hum calseteiro que leuaua cSsigo e acbara que a cal^ada que 
ora se aaia de fazer nas ditas qaebradas e caaoucos erSo quinbStas sesSta e tantas 
bra^as qae avifto de costar ao redor de dusStos mil rs, 07 outro si por bem que a obra 
da dita cal^da se ponha logo em pregam por ordem dos ditos prouedor e ouuidor 
e se remate a quem por menos a fizer sondo seu lan90 mais seguro, e com as 
segura^as e declara95es acima referidas que amde cocorrer na obra da dita ponte 
e pera ^uda de se faier a dita cal9ada se lance finta de trezetos mil rs entrando 
nelles oe ditos cento e dei mil rs etc. Pero de Seixas f ez em Lisboa a trinta e hum 
de agosto de mil seis centos e dose.» ^,„ „ ^ . „ .^ - , «. . 

^ (Fillppe n, Doa^, Ut. SS, fol. 61.) 



OffO — Mota (DomlngOB da). Nomeado arcbitecto regio, oom 
60^000 réis de ordenado por anno, em carta de 28 de julho de 1601. 
Theodosio de Frìas sucoedeu-lhe em 1603. . 

c£u elRej fafo saber aos que oste aluara virèm que avemdo respejto a imfor- 
ma^&o qae me foy dada da suficiemcia e abelidade que Domingos da Mota tem na 
arquetetura e me poder logo seruir no que se Ihe emcarregar, ey por bem de Ihe fazer 
meree de tomar por meu arqueteto e que tenha e aja de ordenado cada anno sin- 
quoenta mil rs., os quais come^ra a vemcer do dia em que comodar a servir em diamte, 
e Ihe serflo pagos com certidSo de Gonsallo Pirez Camalho, do meu conselho, pro- 
uedor de minhas obras, ou de quem o dito cargo seruir, de comò serue e comtinua 
com estudo de arquetetura, e mfiodo aos vedores de minha fazenda que Ihe ùl^H as8- 
tar OS ditos sinquoenta mil rs. de ordenado no liuro das ordinarias della, e despachar 
cada anno pera lugar, onde delles aja bom pagamento com declara9So que Ihe serao 
pagos com a dita certidSo e assy m&odo ao dito Gon9alo Pires Carualho que ao 
dita Domingos da Mota de a posse do dito cargo e juramento dos sSotos evamgelhos 
que bem e verdadeiramente sima, de que se farà asSto nas costas deste, que ey por 
bem que valha &c. JoSo Alues o fez em Lixboa a vimte cito dias de julho de mil seis 
centos e hum. Sebastiio Perestrello fez escreuer.» 

(Torre do Tombo.— CfhAncelUrla de D. FUlppe II, Doa^, Ut. 6, foL Ì69 o.) 



OOO— Mota (Francisco Thomaz da). Pedreiro. A Gazeta de 
Lisboa, de 16 de setembro de 1788, falando da ponte de S. Gongalo que 
atravessa rio Tamega em Amarante, diz: cÉ para louvar a habiiidade 
do mentre pedreiro Francisco Thomaz d» Mot» por qae nSo podendo fir- 



188 

mar o simples do arco (que tem 90 palmos por 130 de diametro) no cen- 
tro do rio, por causa da sua profundidade, e rapidez^ o dito mestre segurou 
està grande maquina nos lados dos pilares com admiravel arte.» 



661 — Houro. No Castello do Alandroal, constnic^So do tempo 
de D. Diniz, ha urna inscrip9So, em que se 16: Mauro me fez. 



663 — Houro (Antonio Femandes). Mestre das obras e forti- 
fica(8es da provincia do Alemtejo. Preston bons servÌ9os, tanto profissio- 
naes corno militares, nos primeiros annos da guerra da independenciai 
acompanhando o exercito que no verSo de 1643 invadiu Castella, assis- 
tindo ao sitio e tomada de diversas poyoa{8es. Ahi foi morto de um tiro 
de arcabuz. Deixou viuva e filhos. Chamava-se ella Maria Martins e em 
carta de 29 de Janeiro de 1644 Ihe concedeu D. JoSo IV a ten^a annaal 
de 20^000 réis, assentados no almoxarifado de Elvas. Està circumstancia 
indioa-nos porventura que elle era naturai od pelo menos residente naquella 
cidade. 

«Dom Jofto &c. Ao8 qne està minba carta virem ò/^o saber que tendo respeito 
ao8 8erai908 de Antonio Fernandes Mooro, mestre das obrai e fortifica95e8 da pro- 
uincia de Alentejo, continuados nellas ate o anno de seis centos quaranta e tres, e 
nos sitios e ezpugna98o das pra9as qne se remderSo ao enimigo dentro de Castella 
o uerfto passado, e acompanhar o exercito, obrando com coidado e deligemcia em 
tudo que toqnaua a sua perfidio ate ser morto de hfia balla de arcabns asestando 
elle & artelbaria de bum posto qne tinba tornado o mesmo esercito, e ficar a au^io 
de seus senii90s e mortte a seus filbos e molber Maria Martins, ey por bem de Ibe 
fazer merce a ella de vinte mil rs. de ten9a cada anno, assentados no almozarifado 
de Eluas, os quais come9ara a uencer de Tinte sinco de Janeiro que Ihe fis està merce 
em diante. Pelle qne mando B." Ferreira a fes em Lixboa a vinte noue de Ja- 
neiro de seis centos quarenta e quoatro annos. FemSo Gk>me8 da Grama a fes escrener. 
ElBey.» 

'' (Torre do Tombo.— Chraeellula de D. loto IV, Ut. 16, fbl. 186 v.) 



35r 



003 — Nazonl (Nioolau). Àrchitecto italiano quo fixou a sua 
residencia na cidade do Porto nos meados do secalo xvui, onde constituiii 
familia e onde falleceu. 

Ali exerceu com actividade a sna profissSo, sendo bastantes as obras 
que realizoa; mas a principal é a dos Cierìgos, podendo p8r-se-lhe a par, 
ainda que em gran inferìor, a igreja da Misericordia. As fachadas dos 
dois templos apresentam o mesmo typo, nSo podendo negar a sna com- 
mum patemidade. Ambas s&o bastante omamentadas, provando quanto 
naquelle tempo a arte de canteiro ostava desenvolvida no Porto, pois o 
granito, material empregado, é difficil de lavrar. 

O edificio dos Cierìgos é o monumento mais consideravel que nos 
legou Nazoni, e bastona elle a perpetuar honradamente o seu nome. Com- 
p3e-se de tres partes: a igreja, cuja fachada se mostra sobranceira k 
antiga cal9ada da Nativìdade, hoje dos Cierìgos; o corpo centrai, des- 
tinado a hospicio e reparti^Ses da.irmandade; e a torre, no outro extremo, 
deitando sobre o largo da Cordoarìa. É a edificarlo mais alta que existe 
no seu genero no nesso pais e que se impSe pela sua solidez, eleganoia 
e bem lanrado. 

Num artigo do nesso amigo e conterraneo, illustrado sacerdote e pré- 
gador, Francisco José Patrìcio, publicado no n.® 94 do Commercio Por- 
tuguez (Porto 1885) sob o titulo D. Nicolau Nazoni, vem a resp^to d'este 
àrchitecto os seguintes dados biographicos: 

cFoi casado com D. Antonia Mascarenbas Malafaya e d'este matrì- 
monio ficou urna filba, por nome Margarìda, que foi herdeira do pouco 
que àrchitecto deixou & bora da morte. 

Nazoni declara no testamento que era naturai do Qran Bucado da 
Toscana. 

Falleceu aos 30 de agosto de 1773 na viella do Mendes, da Rua do 
ParaizO; da freguesia de Santo Ildefonso; e depois de se Ihe cantarem os 
respectivos officios, foi enterrado na proprìa igreja que havia construido. 



190 

Àpesar de ter feito teBtamento, deprehende-se do livro dos obitos, 
que se conserva no archivo da Irmandade dos Clerìgos, qae o illustre 
architecto morreu pobre.» 

Da igreja dos Clerìgos publicou, em 1885, o ji citado escriptor urna 
interessante descripjSo num opusculo de 16 pa^nas. Ahi dìz que os ali- 
cerces principiaram a ser cavados a 23 de abril de 1732, e que no dia 2 
de junho se lan^ara a pedra fundamental, depois de solemne procissSo. 
Na vespera tinha havido vistosa illumina9So, a gesto italiano, por desenho 
do proprio architecto. As obras da igreja duraram 17 annos^ tendo side 
mestres pedreiros Antonio Pereira que abandonou a obra a 22 de dezem- 
bro do mesmo anno, e Miguel Francisco que corrìgiu alguns erros do 
primeiro. A torre, de elevada altura, e que até serve, dizem, de balisa 
aos navegantes, foi comegada em 1748 e concluida em 1763, corno reza 
a inscrip^So gravada na parte anterior entre a ultima varanda e os ultimos 
oampanarios. 

Nazoni pediu para ser sepultado, quando morresse, na igreja que 
erigìra, e assim succedeu. 

Damo» em seguida os trecboa de duas cartas, que o mesmo illustrado 
amigo fez o obsequio de dirigir-noS| a proposito do aasumpto, em data 
de 22 e 29 de maio de 1901: 



«Com està yae o artigo qae em tempo fiz acérca do N. Nasoni— dix a data da 
morte e lembro-me que fui ver à irmandade e tambem aos liyros findos na oamara 
ecclesiastica o assento de obito. 

Kos cinco annos em que fai mesarìo na Irmandade dos Clerìgos revolyi o arcbivo 
e revolyi tambem parte da igreja (deixa-me assim dixer) porque fui da commiss&o 
das. obras que se realisaram na minha gerencia de 1881 e seg^ointes, pois nSo achei 
o sitio onde foi enterrado o Nasoni. Qaerìa colloc&-lo em urna cineraria e pór-lhe ins- 
crìp^So : foi impoBsivel dar com elle. Viu-se o jasigo da capella sabterranea que fica 
voltada para a Boa dos Clerìgos e o cameiro principal que ha debaixo da capella 
mór. Mexen-se nas sepoltaras do pavimento da igreja para a soalhar de novo e nada 
se encontrou.» 

«Agora vamos ao caso Nazoni. 

Fui hoje i Miserìcordia e pus-me a ver na igr^a onde é qae estava a assigna- 
tura do Nasoni que alli vi gràvada na pedra e n&o a encontrei. 

2Sangado com iato, porque tenho bem presente que j& a 14 yi e fui ao archivo 
da casa. 

que là encontrei é o seguìnte : 

A igreja foi bensida a 18 de dezembro de 1559 bem comò o legar do adro para 
a construc9So. 

Em agosto de 1584 encontra-se iste : 

Deram-se 8#000 réis a Manoel Laiz, mestre de obra de pedraria por vir de Ama- 
rante ao Porto tra9ar a obra da capella de D. Lopo. (Ora é sabido que a primeira 
esmola que D. Lopo, passando no Porto, deu & Miserìcordia, foi para a constrac9So 
do tempio e desde entfto ficou sympathizando com a Misericordia). 

Fedro de Figueiredo fez as molduras dos qnadros e o sacrario, e Diego Teixeira 
plntou-os em 1590. Eram 4 quadros da capella mór qua hoje estSo na secretarìa. 



191 

Em 1610 cometa o tempio a mostrar mina e a mesa procede a vìstorias. 

£m 1748 chama architectos e cariosos em obras de constrac^io (ne) e reconhece 
que é preciso fiuer de novo o tempio. 

É està obra desde o arco enueiro até 4 frontaria, que eu creio ser a de Nasoni 
pois estylo 6 o mesmo da torre dos Clerigos. Nazoni esteye na consulta e assignou 
o parecer de que era precisa a reedificaf So, e ahi yae a assignatura d'elle. A mesa 
decide a reoonstmir e cometa a angariar esmolas. tempio tem por sobre a porta 
urna inscrip^Io, que é um texto biblico referente à Virgem, e a data mdool. 

Ora que en acbo singular 6 no liyro das contas da igreja ver isto : — A Bfanoel 
Alvares, engenbeiro, por levantar a pianta e medÌ9fto, 19||200 réis ; 10 de setembro 
de 1749. — A D. Nicolao Nasoni pela pianta, direc^Ao e visitas que fez à obra, réis 
24^000; 5 de novembre de 1749. — Isto 6 que me pde em duvidas e n2o encontro ho 
livro das lembras (que 6 o que boje se designarìa liyro de actas) esdarecimento 
algum.— Gusto de toda a obra 7:919#928 rAis. 

archivo nfio dà mais nada. 

A respeito da quinta da Prelada sei so que està pouco mais ou menos comò era 
e com as duas p3rramide8 à fronte. A casa parece moia construc92o, pois o resto nSo 
chegou a faxer-se. You procurar informes, pois o D. Francisco unico possuidor, yiuvo 
e sem filhos, é raro apparecer e pouco accessivel. Verei e direi. 

Da quinta do Conde de Besende sei eu que ba no museu de S. Laiaro dois qua- 
dros antigos com o palacio e quinta, curiosos; foi desfeita a quinta para se abrir 
a noya Rua Alyares Cabrai.» 

Deu rìsco para os jardiàs e casa da quinta de Samalde, nas cer- 
canias do Porto, pertencente a B. Antomo de Noronha Meneses Mesquita 
e Mello. E a ohamada quinta da Prelada. Hoje està dentro de barreiraa. 
É no principio da estrada que oondaz a Villa do Conde. 

No Dìccionario Geographico, manuscripto, existente na Torre do Tombe, 
vem urna longa desorìp^So d'està quinta, quando trata de Ramalde. 

Beproduzimo-la aqui por a jnlgarmos interessante, por isso que nos dà 
urna ideia das construcgSes das quintas e casas de recreio d'aquella epoca: 

«No lugar da Prelada ba bua Quinta, que passa pella melbor destas Proyincias; 
a sua entrada principia no lugar do Canralbido, freguezia de Cedofeita, aonde faz 
bum largo de tresentos, e cesenta pes de cumprimento, e quarenta e tres de largo 
falò de pez portuguezes e desta medidanizarei : no fim delle se eleySo duas Piramedes 
de figura triangular assentadas sobre tres bolas de pedra, ellas tem de altura trinta 
pez, e dois termos, acabSo em penta aguda com bua Torre em sima, que sfto as armas 
dos Noronbas, as bazes, que as sustentào tem de alto dez pez. Pegado as Piramedes 
comesa a primeira entrada, que tem de cumprimento sete centos e «incoenta e seis 
pez, e pouco mids de dois termos, de larg^a trinta e sinco pez, e bum ter^o, oste 
caminho, que corre bastantemente do Nascente para o Norte, està bordado de Aryores 
Silyestes postas ao niyel, no fim desta primeira entrada se leyantfto dois Pedrastais 
de dea péa de alto e tambem aeabSo com a figura de bua Torre, a aqui retrocede o 
caminbo para o Nascente, aonde hz bua carreira atbe a porta de seis centos e setenta 
e oito pes de cumprido, e yinta e sinco de largo, tambem copado de Aryores Silyestes, 
no fim desta entrada, e bum pouco apartado da porta, ba duas grandes meyas laraa^'as 
de pedra Layrada com seus assentos. A porta be de releyo, e tem oito pez de largo, 
e pouco mais que treze de alto, mas o escudo das armas que sobe oito pes, Ibe serye 



192 

do remate. Dentro faz hum pateo de cento e vinte pez de fondo, e cento e ireze e 
hnm ter^o de largo, elle tem em hum dos lados bua fonte. As cazas est^ comesadas 
com risco de Nazoni Pintor Italiano, qae vive na eidade do Porto, e bó a galaria, 
que fica para o mar està acabada, com haa Torre, qne franquearfto no canbal da parte 
do Poente, e qae faz vista para o pateo. Tem as easas de alto athe a comige dezoito 
pez e hnm terQo, a Torre se eleva maia cito pez, e hum ter90, ella he de abobeda 
para dar ozo a hum eirado cercado de balaustes de pedra e com oìto Piramedes nos 
angulos ; està obra ha de ter a largura do pateo e defundo quarenta pez com Torres 
quadradas nos cantos. Nas escadas que des^em para a Quinta, tem em hum dos 
seuB pateos bua fonte, que &z a figura de um bruquel com a cabesa de Meduza, Lan- 
9ando agoa pella Lingoa, e cabellos, que t^ranformadoa em cobras, deitSo pellos olhos 
a agoa. Para a parte da quinta e debaixo da galaria das cazas ha bum Jardim de 
Arvores do Norte e de espinho, a sua figura he ovai e no mejo tem hum grande tanqae 
redondo de agoa; em correspondencia deste Jardim, ha entro irregpilar, mas de bom 
risco com Arvores de boa vista, e bem tratadas. Tem bum tanque oitavado com huma 
estatua da Aurora sustentando em hum dos bra^s hua comocopeja por onde sahe 
alguns rezistos d'agoa. Està figura està sentada em hum Delfim, pegandolhe na cauda 
com hua mam. Para o Nascente fica hum pomar de finita de espinho doce, nelle ha 
hum tanque para as Aves Amphibias, e em hum dos lados, hua caza de pasaros; 
Pegado ao segundo Jardim ha hum Labarintho de buzo, que tem setenta e dois pez 
e tres quartos por lado, a arte Ihe fez com algoas figuras do mesmo buzo, mais vistosa 
a simetria: No fim das escadas sahe pelle mejo dos dois Jardins hua rua, que tem de 
cumprimento mil duzentos e noventa pez e de largo dez e dois termos ; Grande parte 
desta carreira he cuberta de madeira em oitavo, e assentada em colunas de pedra da 
mesma forma, ella he copada de vides e bordada de buxo de quatro pez de alto com 
Arvores por um e outro lado, Na quarta parte desta rua ha hum tanque oitavado de 
agoa e na volta delle corre a largura da mesma rua, elle tem no mejo hua Piramede, 
que lan^a por dois rezistos agoa para o ar e no assento do mesmo tanque hum jogo de 
agoas; Neste sitio ha alguns assentos de pedra pintados a fresco e por elle corre para 
hum e outro lado hua rua com o mesmo ornato as espaldaa dos assentos sfto guar- 
neoidas de Azereiros para ficuserem sombra; mids adiante, e quando se acaba està 
abobeda de Arvores, para hum dos lados, ha outra fonte com mas de limoeiros, e 
larangeiraa ; seguese hum oitavado donde sahe duas roas guamecidas de Aveleiras, 
fechadas em volta redonda; Nestas ruas ha assentos de laurestins; Seguese hum mi- 
rante donde nas^em duas ruas guamecidas com Arvores de fruta de caroso; A ma 
principal acompanhSo por hua e outra parte quartos de Hortalisas, e pomares bor- 
dados de buzo : As ruas que ficSo incostadas aos muros sSo guamecidas de alecrim 
salva e outras ervas cheirosas, e os mesmos muros tecidos de limoeiros que cobrem 
parte de hua dellas. Vai a ma principal ter a bum pateo aonde se forma bua escada 
de dois Lan908, no meyo do pateo està hua fonte que he hum cagado que lanca agoa 
pella boca e ella cahe em hua grande conxa, serve de ornato Aquella figura dois ra- 
pazes com semilhancas de monstros e este sitio he de obra Moyzaica. Subindo pellas 
escadas se dà em hua planicie inregular, por que o seu fnndo he de duzentos e des 
pez e a largura na parte por onde se entra de trezentos e trez pez e hum ter^o ; 
Nella ha hnm lago artificial, e perfeitamente redondo, o seu diametro he de quatro- 
centos e cesenta e sinco pez a agoa tem quatro e meyo de fundo. No meyo delle està 
hua Uba aonde se levanta hua Torre de dois corpos, a sua figura he retunda, a pri- 
meira tem em volta oitenta e sinco pez e de altura vinte e sinco e hum quarto, nas 
Ameyas segue a forma mourisca o segundo corpo sobe dezoito pez e tres quartos 
agrosura he de quarenta e quatro pez e hum quarto ; o mastro aonde se poem hua 
bandeira he de quarenta e seis pez e dois teryos da penta do lago à Uba ha quarenta 



193 

e oito pez, na testa deste terreno ha bua fonte bruta com a figura de Polifemo ella 
tem na cabe^a bua grande pedra e dos pez Ibe nas^e bum golfo de agoas que vào para 
lago, defronte desta figura, e no meyo do lago està bua estatua, que reprezenta, Àsis, 
està lan9a agoa pella boca e yeas dos bra90s, e na Uba ba outra estatua de Galatbea; 
todas às figuras que sSo de pedra estào multo bem cortadas; nos dois lados do lago 
que fazem para a quinta vista estio duas cazas de campo e todo o mais terreno tem 
Platanos cedros, Àciprestes, e ontras Arvores e os muros cobertos de Limoeiros;Para 
a parte do Nascente no mesmo sitio ba bum Portico com duas janellas, por onde se entra 
para a mata que està Quinta tem, ella be capaz ainda para casa grossa; Deste Portico 
nas^em trez grandes ruaa, que por si mesmo se vào separando e a do meyo vai ter 
a bum Portico de figura ovai, que està na estrada de Vianna e Galiza, e deste mesmo 
Portico nas^em outraa trez mas que vSo ter as portas da Quinta, algua dellas tem 
defundo mil cento e cesenta e seis pez e dois ter906 e de largo qnarenta pez, outras 
quinbentos e vinte e sinco pez de cumprimento e trinta e tres e bum ter90 de largo, 
todas ellas sSo guamecidas de Arvores silvestes; a Quinta terà de ambito quarto e 
meyo de legoa e della be senbor Dom Antonio de Noronba Menezes Mesquita e Mollo 
Fidalgo da caza Real. 

No lugar doVizo desta freguezia ba outra Quinta que tambem passa pellasboas 
que tem as vezinban^as da cidade do Porto, tem bum grande pateo regular com bua 
grande caza de campo, e no meyo della bua Torre quadrada de bastante altura; be 
diametro da Quinta grande tem bum bom Jardim e Labarintbo de buxo, grandes 
taboleiros bordados do mesmo, figuras multo bem lavradas, be senbor della Jeronimo 
Leite Pereira Ptnto e Gnedes, Fidalgo da caza Beai.» 

{DiùdonttHo Geogrt^co, tom. 81, fol. 85.) 

Publioamos em seguida a copia da certid&o de obito que se acha regia- 
tada no livro competente archivado hoje no cartono da Camara Ecclesias- 
tica do Porto, copia que obtivemos pela amavel media(2o do nesso bom 
amigo e antigo condiscipulo Dr. Moreira Freire, digno e illastrado abbade 
de Santo Udefonso. 

«Niculan Nassoni (sic) viuvo que ficou de Antonia Mascarenbas Malafaia jà de- 
fucta, morador na Yiella do Mendes, rua do Paraiso desta freguezia de Santo Ilde^ 
fonso do Porto, faleceu com todos os Saoramentos em os trinta dias do mez d'Agosto 
do anno de mil setecentos e e setenta e trez annos, fez testamento, ficou sua testa- 
menteira sua filba Margarida solteira moradora na dita rua e casa e foi sepultado na 
Egreja dos Clerigos pobres da sua Irmandade desta freguezia de Santo Udefonso, de 
que fiz este assento que assignei dia, mez ^ anno era ut supra. Declaro que o dito 
defuncto acima Nicolau Nasoni {sic) é italiano de na9fto, do Gran-Ducado da Tos- 
cana. — Coat^utor P.* Luiz Antonio dos Santos.» 

fac-simile da assignatura de Nazoni é d'està forma: i 




194 

064— Negrelros (José Manoel de Oarvallio e). Principia- 
remos por transcrever a sua biographia, que vem a pag. 242 das jlfemo- 
rias de Volkmar Machado : 

cFilho de Eagenio dos Santos; nasceu em Lisboa e vìajoti muitos 
annos em reìnos estrangeiros para se aperfei^oar nos estudos da archite- 
ctura; tornando i patria pelo anno de 1776, foi empregado corno 2.^ archi- 
tecto da casa das obras; e passou a 1.® em 1803 por morte de Fedro 
Gualter da Fonseca, tenente-coronel engenheiro; venoendo de ordenado 
850/$000 réis, proes, precaijos e privilegios; foi casado com D. Maria 
Ignacia Xavier de Antas e Negreiros. 

«Em 1804 abriu a subscrip^lo para urna obra periodica intitulada o En- 
genheiro civil portuguez, em dialogos. Foi empregado em concertos dos pala- 
cios reaes, e no recenseamento, oa cadastro do reino e teve corno premio 
a patente de major engenheiro com o habito de Christo. Diego Luiz Velloso 
de Barros, fidalgo da Casa, attesta que elle era sexto neto de Christovam 
Fernandes de Carvaiho, capitSo-mór de S.Vicente da Beira e desoendente 
de D. Gii Fernandes de Caryalho, mestre da Ordem de Santiago, que se 
achou na batalha do Salado com D. AfFonso IV. A Senhora D. Maria I 
decretou que usasse das armas dos Carvalhos, Ferreiras, Sàs e Negreiros. 
Em 1684 Francisco Luiz Ferreira Portugal, rei d'armas, deu licenza aos 
seus ascendentes, em nome de D. Fedro II, para as usar. Era architecto 
geral dos pa(os e do senado. Morreu em Lisboa a 8 de Janeiro de 1815, 
de idade de 64 annos. O tribunal da Real Casa das Obras é tSo antigo 
corno reino e manda que o architecto ensine quatro aprendizes e iste 
foi confirmado por alvarà em 1754. prìncipe D. Jole mandou a José 
Manoel fazer para isso um curso de architectura civil, o qual parou por 
sua morte, indo jà no principio do 8.® tomo.» 

Na Bibliotheca da Torre do Tombe ha um manuscripto intitulado: 
ReflexSes aobre os alicerces da obra do novo erario regio, dedicadas ao 
Marquez de Fonte de Lima. Numa carta preliminar, em que dedara ter 
enviado um livro com outras materias a Sua Majestade, diz que era filho 
de Eugenio de Santos de Carvaiho e neto materno de Manoel da Costa 
Negreiros. Confessa estar sujeito ao peso de uma familia numerosa. 

No catalogo dos manuscriptos do Marquez de Castello Melhor acha-se 
descripto seguinte sob o n.^ 144: 

Jornada pdo Tejo, dividida em doze dias, em cada um dos qua£8 se 
tractam varias materias concementes d architectura civU e seuspertences, etc. 
For J. M. de Carvaiho Negreiros, capìtSo engenheiro architecto dos reaes 
Fajos de S. Mag. e do Senado da Camara desta cidade de Lisboa. Anno 
de 1793. Autographo e inedito. — Ms. in 4.^, 25 fls. 

Eis agora o resumé dos documentos officiaes que encontràmos a seu 
respeito: 

Em 24 de julho de 1788 foi-lhe dada a propriedade do officio de me- 



195 

didor das obras de todos os reaes pajos, qae vagirà por fallecimento do 
Bargento-mór Elias SebastiSo Pope. 

Tendo cedido este legar, foi nomeado 2.^ architecto doB pajos reaes. 

Foi recebido na Ordem de S. Sento de Avis em 1795. 

Em 11 de dezembro de 1804 foi nomeado architecto geral das obras 
dos pajos reaes^e do convento da Batalba, por fallecimento de Fedro 
Gaalter da Fonseca. 

cHonve Sua Magestade por bem por sea real decreto de 24 de julho de 1778 
faser mercé ao dito Jose Manuel de Carvalho Negreiros da propriedade do officio 
de Medidor das obras de todos os seus reaes pa908, que vagou por fallecimento do 
sargento mor Elias Sebastiam Pope ultimo proprietario que delle foi; com o qual 
bavera de ordenado em cada bum anno 144^000 r.* pagos pelo almoxarife da caza 
das obras dos payos reaes desta corte na conformidade do alvar& de 8 de agosto 
de 1754 e assim mais baveri os proes e precal^os que direitamente Ibe pertencerem. 
De que se Ibe passou està carta com a clauzula geral em 21 de outubro de 1788.» 

(Torre do Tombo. — D. HtfU I, StgUto de MérUt, Ut. 6, foi. 78 v.) 

«Sua Magestade tendo respeito ao que Ibe reprezentou José Manuel de Carvalbo 
Negreiros, e ceder do officio de medidor das obras dos pa^os reaes, de que era pro- 
prietario e confiar delle que de tudo o que for encarregado servirà bem e fielmente 
corno ao seu servilo campre: Ha Sua Magestade por bem fazer Ibe mercé da pro- 
priedade do officio de segundo arcbitetò da caza^as obras, dos ditos pa^s e dos 
mais e quintas fora delles, tudo na forma do primeiro arcbitetò, que vagou por fal- 
lecimento de Matheus Vicente de Oliveira, ultimo proprietario que foi do dito officio, 
o qual terà e servirà emquanto Sua Magestade o bouver por bem e nSo mandar o con- 
trario. Està mercé Ibe faz com a clauzula geral e com o dito officio bavera de seu 
ordenado em cada bum anno 425i|000 r.* pagos pelo almoxarife da caza das obras 
dos pa9os de Lixboa na forma declarada no alvarà e regimento de 8 de agosto de 1754 
e assim mais bavera os proes e precal90s que direitamente Ibe pertencerem. De que 
se Ibe passou carta em 4 de mar^o de 1788.» 

(Torre do Tombo. — D. lUrU I, Btgitio éU MtrUt, Ut. 6, foi. 78 v.) 

«D. Maria por gra^a de Deos Baynba de Portugal &c comò govemadora e per- 
petua admnistradora que son do mestrado, cavalleria e ordem de S. Bento de Aviz, 
fa90 saber a v6s prior do mosteiro de Nossa Senbora da Incama^So desta cidade 
da dita ordem, que o capitSo José Manoel de Carvalbo e Negreiros Me podio por 
mercé que por quanto dezejava e tinba devo9So de servir a Nesso Senbor, e a mim, 
na Ordem, bouvesse por bem de o receber e mandar prover do babito della. £ por 
en baver por babilitado para receber o dito babito da ordem na conformidade da 
minba carta de ley de 19 de junbo de 1789 e decreto de 20 de julbo do mesmo anno, 
£ por esperar que nella poderà fazer muitos servi 90S a Deos N. Senbor e a mim; 
Hej por bem e me praz de receber à ordem : £ por està vos mando e dou poder 
e commissSo para que Ibe lanceis babito de noviyo della na igreja do dito mosteiro 
com todos 08 actos e cerimonias que a regra dispoem, para ter com 12if 000 r.* de 
ten9a, de que Ibe tenbo feito mercé. Lisboa 20 de agosto de 1795. Principe com 
guarda. Por decreto de S. Mag.* de 3 de mayo, portarla do ministro e secretarlo de 
estado dos negocios do reino José de Seabra da Silva de 8 do dito mez e despacbo 
da Mesa da Consciencia e Ordens de 8 de agosto, tudo de 1795.» 

(Torre do Tombo.— D. Maria I, EegUto de lùrdt, Uy. 19, fbl. 197 r.) 



196 

«Dom Jo&o eie. Àiendeudo aos bona servi^os quo me lem feito o sargento mor 
José Manoel de Carvalho Negreiros e de seu paj, bey por bem fiizer Ihe mercé da pro- 
priedade de arcbitecto goral das obras dos meus reaes pa90s, e do convento da Batalha, 
qae vagou por falescimento do Tenente Coronel Fedro Oualter da Fonseca, o qual 
servirà emqaanto ea o Hoaver por bem e n&o mandar o contrario, com declara9&o qae 
tìrando-lho qq extingoindo-o por qnalqner eausa que seja Ihe n&o ficarà por bso minha 
fazenda oubrigada a satisfia^So alguma, e com o dito oficio baveri de seu ordenado 
em cada bum anno 8501000 r.' pagos pelo almozarife da casa das obras dos meus reaes 
pa^os desta corte, na forma do meu alvarà com for^a de lei de 8 d'agosto de 1754, e 
assim mais baveri os proes e precal90s e privilegios que Ibe pertencerem : Pelo qua 
mando ao preveder de minbas obras e pa90s reaes Ibe d6 pose do dito oficio e o deixe 
servir e dele uzar e baver o dito ordenado, proes e precal90s, comò dito be, dando-lbe 
prìmeiro o joramento dos Santos £vangelbos para que bem o sirva, guardando em tudo 
meu 8ervi90, de que se fari asento nas costas desta, que se cumpriri comò nela se 
contem. Pg. de novos dircitos 212if 500 r.* semente por pasar de segundo arcbitecto a 
prìmeiro, que fbrSo carregados ao tbesoureiro deles a fi.* 25 v do L.* 33 de sua receita, 
comò constou de bum conbecimento em forma do escrìvio de seu cargo, registado 
a fis. 182 V e roto ao asignar desta minba carta, que por firmeza de tudo mandei dar 
ao dito José Manoel de Carvalbo Negreiros, por mim asignada e selada, com o solo 
pendente, qua seri registada nos L.»* de registo das mercés, minba cbancelarìa e fa- 
zenda, e no registo da portarìa por onde està se obrou, se pera a verba necessaria. 
Lisboa em 11 de dczembro de 1804. Principe. Conde de Vila Verde. Antonio Pereira 
de Miranda a fes. P. por decreto de 10 de novembre de 1804 e portaria do preveder 
das obras e pa^os reaes de 11 de dezembro. do dito ano. Diego Ignacio de Pina Ma- 
nique. Pg. 200 r.' e de avalia9So 42^500 r.' e aos oficiaes 2if 450. Lisboa 26 de Janeiro 
de 1805. D. Miguel José da Camara Maldonado.» 

(forre do Tombe— ChimceUArf* de D. Mari* I, Ut. 71, fol. 298 v.) 

A Bibliotheca Nacional de Lisboa possue a seguiate obra: 
Copia da r^ezentagào que offereceo a Stui AUeza Beai, em abril de 
1797 Bar genito Mar Engenheiro ArckUeto Supranumerario dos Beau 
Pagos, e da Camara de Za?.*» Jozé Manoel de Carvalho Negreiros, acom- 
panhada com o Index geral do que continMo os cinco volumes da Jornada 
peUo Tejo, comentcuìa. Manuscripto in-4.^ de 32 pag. 



OOS— Negreiros (Manoel da Costa). Volkmar Machado, nas 
suas Memorias (pag. 205), dà-nos a seguinte nota biographioa: 

cEra irmXo do pintor José da Costa Negreiros, e ambos entraram 
na irmandade de S. Lncas em 1745. Sabia a perspectiva e fez profissSo 
de architectura. Fez a ermida do Senhor Jeans da Boa Nova, juAto i 
FandifZo, que é da ordem jonica, e tem urna pianta assàs regular. Tambem 
é sua a molto elegante torre do relogio da Graja, a qnal tem columnas 
nichadas nos angnlos. Foi naturai de Lisboa e arcbitecto da Casa do In- 
fantado, corno seu pae. Morreu, sendo casado, em 1750. Fez a porta 
do Sacramento e o palacio de Barbacena.» 

Era avd materno de José Manoel de Carvalho e Negreiros, de quem 
se traton antecedentemente. 



197 

OOO— Niemayer (Oonrado Jacob de). Era coronel de enge- 
nheiros ao servirò de Portugal no Brasil. NSo oncontramos nos nossos 
archivos nenhom documento que Ihe diga respeito. Existem d'elle os 
segointes trabalhos no Archivo Militar do Rio de Janeiro: 

Pianta do Reconhedmento feìto nas Capitanias de PemanJmco, & Ala- 
gom, para servir ao prqjeeto do estabekcùnento da Estrada Militar, Defeza 
da Costa, e Correspondencia Tdegraphica entre a VUla de Santo Antonio 
do Becife, e a eidade de S. Salvador na CapUania da Bahia, que por 
ordem do ExJ^ Sr. Luiz do Bego Barreto, Govemador de Fernambuco 
levantou o Capitào do Beai Corpo d'Engenheiros Conrado Jacob de Nie- 
fMyer. 1819. 0^,666 X 0r,587. Copia de 1824, a ag. A. M. R. 

Pianta hydrographica do rio Béberibe, e terrenos adjacentes, para servir 
aos projectos de encanam.** e navegaglb do dito rio, com aproveitamento 
dos terrenos actualmenie alagados, segundo as diverscut observa^ks e exames 
feitos entre os annos de 1818 a 1866 pelo coronel engh. Conrado Jacob 
de Niemeyer, Lithographado no Rio de Janeiro em 1885. 



OOT" — Nobre (Vioente Luiz). Architecto das reaes fabricas. 
Vide Almanack de Lisboa, de 1802. 



008— Nogar (Sebastifio). No artigo das Memorias deVolkmar 
Machado relativo a Manoel Piolti e José Carlos Binheti, lè-se a seguinte 
passagem: 

cEntretanto desenhoù a olho (Manoel Lourenjo) com grande perfei(Xo 
todas as yistas da barra para o coronel da artilharia Nogart, com quem 
foi para Evora em 1804 com praja de sargento, tendo 33 annos. SebastiZo 
Nogart tambem esteve em Roma, pensionado pela Jntendenoia, e appli- 
coa-se i architectura na escola de JoSo Antinori; yeio em 97 com José 
da Cunha Taborda, quando Roma estava jà amea^ada pelos francezes.» 
(Pag. 240.) 



OOO— Nognielra (JoftO Raphael). Era cabo de esquadra da 
oompanhia de mineiros do regimento de artilharia da córte, e em 30 de Ja- 
neiro de 1799 foi promovido a primeiro tenente de engenharia afim de ir 
servir por cito annos na capitania do Cearà, segundo consta do seguinte 
decreto: 

«Por Decreto da data deste Fui servida promoyer a Jo2o Rafael Kogaeira, cabo 
de esqnadra da oompanhia de mineiros do regimento de artilheria da córte ao posto 
de primeiro tenente do real corpo de eogcnboiros, para ter exercicio della na capi* 



198 

tania do Cear&, onde servirà por tempo de oito annoS) e o mais que en for servìda. 
ConBelho de guerra o tenha assim entendido e Ihe mando passar os despachos 
necessarìos. Palacio de Queluz em trinta de Janeiro de mil sete eentos noventa e 
nove.» 

(Doeretos rwnettidoi ao OoiiBelho de Guerra, ma^o 16T, m.^ 7.) 

«Hey por bem fazer mercd a JoSo Rafael Nogueira, capitam do real corpo de enge- 
nheiroB, de o nomear govemador da pra^a de S&o José de Macapà. Conselho Ultra- 
marino tenha assim entendido e Ihe mande passar os despachos necessarìos. Mafra 
em vinte e hum de outubro de mil oitocentos e cince. — Com a rnbrìca do Princepe 
Regente Nesso Senhor. Cumprase e registese. Lisboa 12 de Nobembro {tic) de 1805. 
Com cince rubricas dos ministros do Conselho.» 

(ArchiTO do Conselho Ultramarlno, Decr§to9, Ut. T, fol. t71| v.) 



OT'O — Nogueira (José). Mestre de oarpìntarìa dos pa^os reaes. 
Succedea-lhe Thadeu Oiiverì. Vide oste nome. 



OT^l— Nogueira da Oama (Manoel Jaolnto). Era capit&o 
de fragata da armada real, e em'9 de feyereiro de 1802 foi transferìdo 
para o real Corpo de Engenheìros no posto de tenente-coronel. 

«Por jastos motivos, Hej por bem conceder passagem a Manoel Jacinto Nogueira 
da Gama, capitSo de fragata da armada real, para o real corpo de engenheìros, no 
posto de tenente coronel que Ihe corresponde, sem prejuizo da antiguidade daquelles 
que a tiverem maior, continuando no ezercicio das differentes commissoes do mea 
real servi90, de que se acha encarregado. Conselho de Guerra o tenha assim enten- 
dido e Ihe mande expedir os despachos necessarìos. Palacio de Queluz em nove 
de fevereiro de mil oitocentos e dois.» 

(Deoretoe remettidoi ao Conaellio de aaerra, nutfo 161, n.* 19.) 



OT'S— Novaes (Joaquiin Fortunato de). Foi um dos tres pen- 
sionistas que a Intendencia mandou em 1785 estndar bellas-artes a Roma. 
Novaes era pensionado em architectura. Vide Cyrillo, Memorias, pag. 31. 

OT'S— Novaes Campos (Antonio de). Em 28 de abril de 1664 
foi mandado assistir por ajudante de engenlieiro nas fortifica^Ses das pra9as 
do Alemtejo, com o soldo de 8|$(XX) réis mensaes, que Ihe seria accrescen- 
tado em abril do anno segoìnte, conforme o seu merecìmento. Na mesma 
data foi nomeado para igual commissSo G-regorìo Pacheco de Mornee. 
(Decretos remettidos ao Conselho de Querra, ma9o 23, doc. 87.) 

OV4r — Nnnes (Franoisoo). D. JoZo in, em carta de 27 de no- 
vembre de 1527, nomeou apparelhador das obras da Batalha, em legar 
de. Jo&o Pires, que havia fallecido. 



199 

«Dom Jo2 eie. a qnamtoa està minha carta yirem fìi^o saber quo qneredo ea faser 
gra^ e merce ha Francisco Nones, pedreiro, morador em o termo de Leiria, o dou 
ora por aparelhador das obras do mosteiro da Batalha asy corno o ate qy foy Jo£ 
Pirei, qne se finon, com o qual oficio eie avera trezétos e satenta e none ireaea, que he 
outro tanto comò tjnha o dito Jo2o Pires, a ciuta de minha fazenda, e asy avera os 
proes e percalle hordenados em meu Begymento ao dito oficio, e porem mSLdo ao 
veder das obras e a quaaesqner oatros oficiaais a que osto pertencer que ho meta em 
pose dele e Iho leixem seruir e vsar e aver o dito mantimento proes e percallpos comò 
dito he e eie jarara em a chancelaria que ho syraa bem e verdadeiramente e pagon 
dordenado dozentos reaes. Dada em Coinbra a zzbij dias de novembre— elRey o madou 
per dom Bodrigo Lobo do seu conselho e veder de sua fiftzenda — Andre Diaz a fez — 
de mill b^ zxbiì.» 

'' (Torre do Tombo. — ChaiicellAriA do D. Jofto HI, Ut. 90, Ibi. 190 v.) 



GVK — Ntuies (Jofto). Era mostre das obras da oidade de Tanger, 
cargo para que D. SebastiXo o nomeara, por fallecimento de Jorge Gomes 
em alvarà de 13 de maio de 1577, sendo-lhe accrescentado, em 10 de 
Janeiro do amio seguinte, mais um tostSo por dia. 

JoSo Nmies foi i jomada de Africa com D. SebastiSo, e nella ficca 
captivo, resgatando-se depois & sua casta. Em Marrocos Ihe morreu captivo 
am filho, qaal por certo iena ido com elle na mesma jomada. Em 
attensXo a estas circamstancias, D. Filippe Ihe fez mercS, em 26 de outabro 
de 1587, de 12^000 reaes de ten9a por anno. 

Jorge Tavares saccedea-lhe no cargo da fortifica^So de Tanger em 29 
de maio de 1617* 

Alem de JoSo Nanes temos noticia de mais tres architectos militares, 
que aoompanharam D. SebastiSo na sua desastrada campanba de Africa: 
Kicolaa de Frìas e Antonio Mendes, dos quaes jà fioou feita mengSo neste 
Dieeionario, e Filippe Terzo, de quem se tratarà adeante no respectivo 
legar. 

«En elKey £1190 saber aos qne este aluara yirem que en ey por bem e me praz de 
fazer merce a Jofto Nunez do officio de mostre das obras da cidade de Tamgere, 
qual teraa e seruiraa emquanto ouuer por bem e nfto mandar comtrario e avera com 
elle de ordenado em cada hnQ anno a rezfto de doz6to8 r." por dia e bua ^ga de trigo 
por mes e podera ter deus homfis assentados na ditas obras em soldo de iz« r." e bua 
fEuiga de trigo cada bufi, que he outro tanto comò tinba e aula Jorge Gomez, por cigo 
£iillecimento dito officio vagou, quftdo o come^ou seruir, pelo que mftdo ao capitfto, 
contador e officiaes da dita cidade que Ihe dem a pose do dito officio e Iho deizem 
seruir e aver dito ordenado e sayfto a rol com que yemcer elle e os ditos seus 
homèB seruindo nas ditas obras pera aver pagamento pellos roes de cada mes segundo 
ordenan^a e elle jurara em minha chancelaria aos sfttos evftogelhos que bem e ver- 
dadeiramente o sirua guardamdo em todo meu servi90, e este valleraa comò carta 
posto que efeito delle %ja de durar mais de huS anno sem embargo da ordena9£o 
do 2.« linro em contrario. Domingos de Seixas o fez em Lixboa a xnj de maio de 
b" Izx by. Gaspar Bebello a fez escreuer. 

£7 por bem por fazer merce a JoSo Kunez mestre das obras da .cidade de Tam- 
gere declarado 00 alvarà atras esento de buu tostfto mais por dia em quXto 9Qrair 



200 

o dito (Mao alleni dos dosCtos r.» qae pelo dito aloAia teai e mty qoe 1 
huft horoem ajsStado nas dìtas obiaa e soldo de ix.« r.' por mea e li3a fuga de Ingo 
qoe be ootro tato eomo ae» acreeétoa a Jorge Gomes, aqo o dito oiicio §aj. E asta 
apof tilla rallera corno carta & n» fivma. Domingoa de Seizaa o fi» eoi Liaboa a dea 
ile Janeiro de mill e b" Izx biij. Gaapar Bebello o ia eaerener.» 

(Tom do T<Miibo.--ClMne«Il«ri* d« D. Bclw«tiio « D. Ha|rlip«f AMfite, Ifv. 9», M. »4 vl) 

«Dom Filipe 6c. aoa qae està carta virem ùiqo aaber qne arendo en leqieito aoa 
femì^of qne até ora tem feitoa Jo2o Nnnez, meatre daa obraa, e a ir eom o aenhor 
Bei dom BebantoSo meu sobrinho qne eatà em gloria na jomada de Afryca e a catinar 
na batalha de Alcacer e a deapeza qne fez em aen reagato e a Die morrer ha& filbo 
em Marrocoa citando catino, ej por bem e me praa de Ihe £uer merce de doze mil r.* 
de ten^a cadano em aua yida asemtadoa e pagoB em boa daa caaaa da ddade de Lisboa 
nAo aendo na alfarodega dela, oa qnaia cometari a vencer de dona diaa do mea de 
Jnlho dei to anno presCto de b* Ixzx by em diante em qae Ihe dellea fia merce, a qoal 
Ibe aai fa^'O alcm daa maia qae pelloa ditos reapeitos Ihe t2obenlfiz,peUoqnenumdo 
a dom Fernando de Noronha, conde de Linhares^do meu còaelho do eatado e vedor 
de mSnha fazenda, qne Ihe fa9a ascntar oa ditos xn r." de ton9a noe lioroa della e doa 
ditoa dona de Jnlho em dianfe deapachar cadano pera daa ditas caaaa em qae milhor 
poaaa Btr pago dellea e por firmeza do qae dito he Ihe mandai dar eata carta de pa- 
drSo )>or mym aatynada e aaellada do mea sello pendente. Balteaar de Sonaa a fez 
em Madrìl a abj do oatubro ano do nacimento de noso Sr. Jhesa xpo de mil b« bzzx bij. 
Hf^baNtifio Tcrcitrello a fez escreycr.» 

{Torro do Tombo— ChAneelUrU de D. Pilippe I, Ut. 18, foL 49.) 



OT€f — Nunes (Pero). Em 11 de dezembro de 1504 D. Manoel 
nomeou meatre de pedrarìa daa obras doa pa$os de Santarem e das 
outraa obraa que na mcama villa mandava fazer, com o mantimento an- 
nua! de um moio do trigo. 

De IS de maio de 1518 ha um mandado de pagamento do dito moio 
ih trigo. De 1519 (2 de maio) ha outro mandado igualmento por nm moio 
iUi trìgo, maa ahi 6 declarado meatre daa obraa de Almeìrim. Em 2 de 
maio de 1510, outro mandado para Ihe aerem dados dois moios de trigo. 

Voro Nune» tinha um genro, o qual, em 16 de mùo de 1516, foi no- 
mfìàAù tabollilo do judicial da villa de Santarem. Chamava-se Affonso 
I{4idriguea« Habemoa eata circumatancia pelo respectìvo diploma,^ regìstado 
na (!Ìianc(^]laria de D. Manoel, liv. 25, fol. 52: cD. Manoel. . . Gonfiando 
noa da bondado de A.^ Roiz, genro de Pero Nanez, mostre das nossas 
obraM doata villa...! Registado tambem na chancellaria de JoSo ni, 
liv. 42, fol. 2 V. 

•Dom Manuoll ftc. a quamtos està nossa carta yirem fazemos saber que qaeremdo 
nói faser Krft^a e morcco a p.* nanez, morador em a nossa villa de Samtarem, com- 
flamdo delle que he tali oficiall de sen oficio que nestonos seruiràbem e comò a nesso 
seruÌ90 compro, tcomos por bem e o damos ora daqui em diamte por mostre da pe- 
draria das nossas obras dos pa^os da dita villa e daa ontras obras que nella mamda- 
inos faaer, com o quali oficio averi do mantimento em cada bufi anno linS moyo de 



201 

trigo. E porem mamdamoB ao nosso almozarife das ditas obras e a quaacsquor outros 
no8808 oficiaes e pesoas a que està for mostrada e o conhecimento della pertemcer 
qne o metam loguo de posse do dito oficio e o leixem sernir e vsar delle e aver 
OS proes e precal^os e liberdades a elle hordenados asy corno todo sempre ouuerSL 
OS outros mestres das hobras dos ditos pa^os sem dnuida ncm embargo alguu que Ihe 
a elio ponhS por que hasj he nosa mereee, o qoal jurou em a nossa chamcelaria, etc. 
em forma. Dada em Samtarem a y de dezembro-T-gaspar rodrigaex a fez amio de nosso 
Jhesu X.* de mill e b' iiij** annos, e por quamto martimhanes qua he mostre da^ obras 
he ja yelho e nam pode seroir qaamdo quer que necesario for fazerem se alguaas 
obras nosas o dito Pero nunez sima por elle, porem o dito martim nhanes averà de 
nós molo de trigao que ha com o dito oficio e elle Pero Nunez avcra tambem outro 
moyo de trigao que vagon per &lecimeiito de tL^ pirez, mestre qtie foy da pedraria, 
e porem o dito pero nunez sera mestre das ditaa obras.» 

(Torre do Tombo— CluuieelUrl* da D. lfano«l, Ut. SS, fol. 45 «.) 

cDom Manuell per gra^a de Deus Bey de Portuugall e dos Allgarues daquem e 
dalem mar em Africa, senhor de Guine etc, mSdamos a yos allmozarife ou recebedor 
de nosas jugadas de SStarem e ao espriuSo dese oficio que do remdimfito delas do 
ano presente de b* xbiij (1518) des a Pero Nunes, mestre das nosas obras de pedrarya 
da dita yila, huii moyo de trigo que Ihe mSdamos dar, e o dito ano de nos hadaver 
de ten^a. £ yos faze Ihe dele bom pagamfito e per està carta com seu conhecymento 
yos sera leuado em conta. Dada em Lixboa a xbiij de maio. elRey o mSdou per dom 
Pedro de Castro do seu conselho e yedor de sua fazenda Jorge Femandez o fez anno 
de mill e b« xbiij (1518). D. Pedro de Castro.» 

fTom do Tombo. — Carpo OhrùnoUgUOf parto 8.*, ma^ 76, doc. 55.) 

«Dom Manuell per gra^a de Deus Bey de Purtugall e dos Allgarues daquem e 
dallem maar em Africa, senhor de Guinee, &c, mamdamos a yos allmoxarife ou rece- 
bedor das no8as jugadas de Samtarem que do rendimento dellas deste anno presemte 
de b* xix dees a Pero Nunez, mestre das obras dallmeyrim, huu moyo de trigao que Ihe 
mandamos daar e oste dito anno de nos adayer de sua tem^a e yos fazelhe delle bo5 
pagamfito e per està nosa carta e seu conhecimfito mamdamos que yos sejam leuados 
em comta. Dada em Allmeyrim a ij dias de mayo — ElBey ho mandou pelo barSo 
dalluyto do seu comselho e yedor de sua fazenda &c, AUuaro Neto a fez — de mil 
b" xix. — Ho bara daluyto.» 

(Torre do Tombo— Cbrpo Chrùnologico, parte 8.% mafo 81, doc. 116.) 

Kas costas o reoibo. 

«Dom Manuell per gra9a de Deus Bey de Purtngall e dos Allgarues daquem 
e dallem maar em Africa senhor de Guinee &c, mamdamos a yos allmoxarife ou recebe- 
dor das nosas jugadas de Samtarem que do rendimemto dellas deste anno presemte 
de b" xix dees a Pero Nunez, mestre das obras da dita yilla, deus moyos de triguo 
que Ihe mandamos daar e oste anno sobredito de nos hadayer de seu mamtimemto 
eom o dito oficio e yos fiizelhe deles bod pagamemto e per està nosa carta e seu 
conhecimento mamdamos que yos sejam Ieua4os em comta. Dados em Allmeyrim a ij 
dias de mayo — elBey ho mandou pelo barilo dalluyto do seu conselho e yedor de sua 
fazenda etc., AUuaro Neto a fez — de mil b'^ xix. — ho bar& daluyto.» 

(Torre do Tombo. — Cwpo Chrcnotoffico, parte 8.% ma9o 81, doc. 118.) 

Nas oostas o recibo, 



202 

OT'T'— Nunes (Dr, Pero ou Fedro),— 2.**— Ploresceu no se- 
culo XVI. Foi um dos mathematicos mais notaveis que Portugal tem pro- 
duzido, podendo competir honrosamente com os mais abalisados dos sens 
contemporaneos no mesmo ramo scientìfico. Alem de insigne cosmographo, 
teve grande variedade de conbecimentos, nSo desprezando a poesia. Dedi- 
cou-se tambem à architectura, tradnzindo e annotando os livros de Vi travio. 
Este trabaiho, porém, ficca inedito, nSo se sabendo nada actuabnente da 
sua existencia ou paradouro. 

Nos nossos Traòalhos Nauticos consagr&mos-ihe um artigo, em que in- 
serimos alguns documentos que esdarecem, com dados novos, a sua bio- 
graphia, mórmente no tocante à sua descendencia. 

No Corpo Chronologico (parte m, ma^o 18, doc. 55) existe urna carta 
do nesso embaixador em Hespanha, André Telles, de 11 de novembre 
de 1560, dirigida ao Secretario de Estado Fedro de Alcajova Cameiro, 
em que se trata de um napolitano, auctor de um astrolabio, ao qual Fedro 
Kunes fizera opposi^lo. 

Publicimos està carta no nesso opusculo Inventores Portugueaes* 



OT"©— Nunes (Pero). — 3.^— Poi o mestre de obras que arre- 
matou em 1572, por empreitada, a construcgXo da nova igreja de Santa 
Catbarina de Monte Sinaj, da confraria dos livreiros de Lisboa. 

Tendo-nos sido, ha annos, obsequiosamente facultado o exame do respe- 
ctivo cartono, tiràmos grande numero de apontamentos no intuito de ela- 
borar uma desenvolvida monographia em que nXo narrassemos a fundagXo 
d'aquelle tempio, sob o ponto de vista historico e artistico, mas em que 
apresentassemos tambem diversos faotos acdrca da corpora^So dos livreiros. 

Outros trabalhos de mais opportunidade se intrometteram, nSo permit- 
tindo que concluissemos aquella resenba, tal qual a tinhamos planeado e 
da qual apenas tracejimos os quatro primeiros capitulos. Embora reconhe- 
9amos o pouco merecimento do nesso escrito, entendemos toda-vìa que e 
nfte deviamos deixar perder, e que bem e poderiames aqui intercalar, jun- 
tando-lhe em seguida e centrato celebrado com e mestre Fero Nunes. 

É e que passamos a fazer. 

A igreja de Santa Oatharina de Monte Sinay 
CAFITULO I 

Funda^ da confraria em E^Hxmar — Tramferencia para Li$boa 
Fimdafào da igr^a primitiva 

Remonta ao seculo xv a funda9So da confiraria de Santa Catbarina de 
Monte Sina^. Erigiu-a no conveQto de Santa Catbarina de Bibamar o iu- 




< 

o 

OQ 



Q 

O 

GC 

LJ 
GC 

> 



o 

Q 

O 
»< 

o 
< 

GC 

o 

Ql 
oc 
O 
O 

< 

< 

z 
oc 
< 

< 
o 

< 

Z 
< 
CO 

Ld 
Q 

< 

u 
oc 
O 



208 

fante D. Fedro, condestavel de Portugal, filho d'aquelle outro D. Fedro, 
gpie antre os Principes de sua tdade em virtude tette exceUencia, morto mi- 
serayelmente em Alfarrobeira, nmna das mais deploraveis e yergonhosas 
das nossas lutas civìs. 

O alvarà que approvoa o primitivo Compronùsso, assignado por IX Af- 
fonsoY, é datado de 1 de outubro de 1461. CoUaboraram na pìedosa obra 
do infante alguns fidalgos e membroB do conseiho real, lettrados, homens 
de negocio, naoionaes e estrangeiros, um piloto e mostre de nans, e Gomes 
Eanes de Azurara, o auctor da Chroniea da Ouiné e um dos prìmeiros 
hìstorìadores dos nossos descobrimentos e conquistas nltramarinas. 

Daremos aqui o elenco das pessoas que ordenaram o Compromisso 
e que nelle veem mencionadas : 

Fero Vasques de Mollo, do conseiho de el-rei, regedor da casa do civel; 

Luiz de Azevedo, do conseiho de el-rei; 

Lopo Dias de Lemos, Gon9alo Vasques Darter, da casa de el-rei; 

Affonso Gomes, cavalleìro e cidadSo de Lisboa; 

Gomes Eanès de Azurara, cavalleiro professo, commendador da Ordem 
de Christo, chronista de el-rei e guarda-mór da Torre do Tombe; 

Fedro de Magos, crìado de el-rei D. Duarte e cidadBo de Lisboa; 

JoXo Louren90, escrivSo da casa de Ceuta; 

Martim Leme e Luiz Eanes, mercadores; 

AntSo Dias, piloto e mostre de naus; 

Guilherme Tilher, Richarte Ovibào, JoSo Guilhibert, JoSo Coclo, Ri- 
charte FisSo e JoXo de Areste, mercadores ingleses, residentes em Lisboa; 

Diego Lourengo e Fedro Sanches, bachareìs em leis e canones; 

JoSo de Fonte, JoSo Baimes, JoSo da Matta, Vicente da Matta, Estevam 
Affonso, filho de mestre Martinho, escudeiro de D. Fedro, Alvaro Gon- 
9alves, FemSo Carreiro, e outros, muitos e honrados, que por nào aUmgar 
escrìptwra, ficaram por registar. 

Dois annos depois de approvado o Compromisso, achava-se o infante 
em Ceuta e ahi o foi procurar uma deputagSo da Catalunha, para Ihe 
offerecer a corca dos reinos de AragSo e de Sicilia. O infante acceitou, 
e em 21 de Janeiro de 1464 entrava na capital do principado. A sorte, 
porem, foi-lhe adversa, comò quem recebera em heran9a a fatalidade de 
seu pae. 

O seu talento e o seu valor nXo conseguiram assegurar-lhe o throno 
que Ihe fSra offerectdo, e minado dos desgostos e trabalhos infructìferos, 
devorado pela doen9a, veiu a fallecer de tisica na villa de GranoUers, a 29 
de junho de 1466. 

Foi mais um rei titular que um rei de verdade, e se por ventura nSo 
Ihe oustou a despedir-se da vida, se viu resignado dissiparem-se os seus 



204 

sonhos de ambìgXo e de gloria, deve isso talvez à escola da desgrasa, em 
qua foi educada a sua mocidade. Elle nSo poderìa dizer, corno o Dante, 
quo era doloroso recordar o passado ik)s tempos do infortunio, porque o 
passado Ihe f5ra igualmente adverso. 

Ao sentir-se ferido de morte, tratou de redigìr as ultimas disposigSes, 
e nSo se esqueceu da sua patria. Entre as suas mandas ou verbas testa- 
mentarias, avultam desde logo aquellas, em que comtemplaalgiunas igrejas 
de Portngal. A Santa Maria da Victoria deixou um calice de curo, ador- 
nado de pedras preciosas, e uns castigaes da mesma materia. A Santa 
Marta de Benavìla quinhentos florins de curo para augmentar e afonno- 
sentar a capella-mór, e ao Espirito Santo de Alfama, em Lisboa, duzentos 
e cincoenta florins para tecto e pavimento. 

A sua confraria de Santa Catharina de Monte Sinay nSo Ihe mereceu 
todavia mengSo especial. 

Foi espirito de devogSo arrefeoendo, e estava a confraria proximo da 
sua mina, quando a esposa de D. JoSo III determinou de a reorganizar, 
levantando casa aproprìada em Lisboa. E comò a Santa symbolizava a sa- 
bedoria, entendeu que a ninguem ficaria mais bem confiado o zelo do seu 
culto do que aos livreiros, que ainda nSo tinham confraria propria. Devia, 
porem, presidir i corpora$So, nZo um homem, que fosse mechanico, mas 
sim um fidalgo ou pessoa de representasfto. Foi a raìnha coadjuvada por 
frei Miguel de Yalensa, da ordem de S. Jeronymo, por alguns criados de 
sua casa e sobretudo pelo livreiro Luiz Martel, que se mostrou um dos mus 
fervorosos no agenciar das esmolas e no andamento das obras. A igreja 
prìncipiou a &zer-se em 1557, dando a prìmeira enxadada nos alicerces 
Sr. Sim2o Guedes, fidalgo da casa real, e do seu conselho, e veder da 
rainha, que era o juiz da confraria. Correram as obras oom tal rapidez 
que a 25 de novembre do mesmo anno jà se dizia missa na igreja. 

Digamos agora duas palavras sobre o terreno, em que foi edificada. 
A igreja teve o seu assento no alto que ainda hoje é denomìnado de Santa 
Catharina, no locai, onde està hoje edificado o palacete do Sr. CoUares. 
Àquelle tempo, o sitio, fora de portas, pouco menos era que ermo. Quintas, 
moinhos, davam ^quella encosta da cidade um aspecto completamente cam- 
pesino. Quasi tudo era proprìedade dos Andrades, os opulentos senhores 
de Villa Nova de Andrade, que aforaram grande parte dos terrenos. Aos 
quatro dias de maio de 1557, na Caldeirarìa, ao Poqo dos Namorados, pou- 
sadas do Sr. SimSo Guedes, estando ahi presentes Nicolau Botor, mercador, 
e sua mulher, moradores na Rua dos Mercadores, se fez centrato de venda, 
por parte d'elle Nicolau, de uma porgSo de terreno sito nas herdades de 
Villa Nova de Andrade e da Boa Vista, de que era senhorìo Paulo de 
Pina, filho e herdeiro de D. Isabel de Andrade, do qual tinham licen9a 
para effectuar a venda. Comprehendia quatro chSos e melo, os quaes par- 
tiam entre o aorte com chSos de Miguel de Valladares, do levante com Rua 



205 

da Boavista e confrontavam com herdade da Sé, e da parte do sul com 
as Barrooas e do poente com chSo quo foi de JoSo de Fina. Havia mais 
mn pedaQO de terra, tendo de comprido, pela parte dos ditos chSos, yinte 
bra$as de craveira, pela parte do sul, ao longo das Barrooas, dezasete 
bra$as e quarta; pela parte do poente partiam com a Rua de Boaventura 
e da parte do norte com chSo de TilmSo. 

O f5ro pago por Nicolau Botor era de cento e cincoenta reaes em di- 
nheiro e duas gallinhas e meia. O prejo da venda foi de vinte e cince mil 
reaes, em moedas de euro, sondo o dmheiro dado por Jo3o Rodrìgues, the- 
soureiro da confraria e obras, em nome da rainha que adquirira o terreno 
para ali mandar construir urna casa e igreja para Santa Catharina. 

No dia 11 do mesmo mès e anno, na residencia de Paolo de Pina, na 
Rua direita de Kossa Senhora do Loreto, fora da porta de Santa Catharina, 
se celebrou outra escritura, em que o dito Paulo de Pina dedarava que 
a vintena que havia de haver da dita venda, comò directo senhorìo, a qui- 
tava livremente i rainha, attendendo ao firn a que eram destinados os ter- 
renos, fazendo doa^So do mesmo foro. 

A estas escrituras ficou acostada a licen9a de Francisco Alves de Atou- 
guia, a quem o senhorìo das ditas herdades pagava o dizimo dos fóros, 
dando teda a licenza & ridnha para tornar livremente posse de qualquer 
chSo em Villa Nova de Andrade, na terra ,de Boa Vista, cu em outra qual- 
quer parte que prouvesse a sua alteza. 

NZo contente a runha em edificar a ermida de Santa Catharina, que 
ficava dependente da parochia do Loreto, sendo jà viuva e govemadora 
do reino, na menorìdade de seu noto D. SebastiSo, resolveu transformi-la 
em freguesia. Para este firn celebrou-se, a 29 de maio de 1569, um acordo 
entro os confrades da Santa e o cabido da Sé, em virtude do qual se 
estipularam as condi^SeS; que presidirìam i erec^So da nova parochia. 
Os confrades elegerìam todos os annos um cura, que n3o sena frade nem 
religioso de qualquer ordem, mas sim derigo secular. Depois de eleito 
seria apresentado ao cabido, sendo obrìgado a tirar todos os annos a sua 
carta de cura. NZo poderia ser despedido sem que fossem notificados ao 
cabido OS motivos de tal procedimento. A nova freguesia seria formada 
à custa da dos Martyres e Loreto, sendo a sua area limitada d'està ma- 
neira: 

Come^^ava pela rua acima onde estava a bica das casas de Dnarte 
Bello até ir ter no alto da rua & entrada da outra rua larga, que ia ter 
ao Terreiro das Chagas; tomava ambae as ruas de uma e outra banda 
e d'ahi virava à esquerda pela rua que ia dìreito às casas de FemSo 
de Alvares 'da Cunha e de Jorge de Lima; subia a rua direita que vinha 
do Loreto à cal^ada do Congro, sendo nesta parte so da banda esquerda, 
onde estavam as casas de FemZo de Alvares da Cunha, que entravam 
nella assim comò todas as d'aquelle lado até i dita rua direita; d'ahi 



206 

oorria sobre a Calgada do Congro, sobre a mio esquerda até chegar & cras 
qne estava defronte do mosteiro de Nossa Senhora da Esperan^a. Entrava 
toda a casa do Duqne de Aveiro até ao mar e d'ahì tornava pela praia até 
terminar na bica das casas de Duarte Bello. 

A fregaesia devia considerar-se constitnida a partir do 1.® de Janeiro 
de 1570, e por oste centrato fioava pagando a confraria moia arroba de 
cera annualmente. 

A interpreta9So d'este centrato deu orìgem a freqnentes contesta^Ses 
e demandas, sondo a prinoìpal motivada pela desmembra^Io da fregneaia, 
na occasifto de se criar a nova parochia das Mercds. A contenda veiu 
a acabar por um novo acordo, celebrado no 1.® de dezembro de 1632, 
sondo pactuantes, por parte do cabido: Matheus Teixeira da Silva, arce- 
diago, Filippo Jacome da Rocha, thesoureiro, Gregorio da Fonseca, Ma- 
noel da Silva, JoXo de Teve, JoSo de Montezinhos Salema, Matheus 
Peixoto Barreto, e Antonio Moniz da Camara, conegos prebendados; è 
por parte da oorporagto dos livreiros: Manoel Fernandes, escrivXo, Bar- 
tholomeu Velho, thesoureiro, Estevam Francisco, mordomo, e Lourenfo 
de Queiroz, proonrador. 

O cabido tìnha desmembrado a nova parochia das Mereés sem a con- 
fraria ser citada, e està era a causa prìncipal do pleito, que se movia entro 
as duas entidades, nXo falando, corno objecto secundarìo, nas controver- 
sias suscitadas por causa da nomea^Xo dos curas e coadjutores. O poder 
real interveiu na contenda, promulgando o alvarà de 17 de setembro de 
1632, em que aconselhava o cabido a p6r termo ao debate por meio 
de uma transacgfto amigavel. Pelo novo acordo, a confraria ficou habili- 
tada a poder despedir, quando Ihe approuvesse, o cura e o coadjutor, fir- 
mando cabido OS novos apresentandos. Emquanto i deBmembra9SLo da 
freguesia resolveu-se que a de Santa Catharina apenas cedesse um ter^o 
da sua area para a forma9lo da nova freguesia das Mercds. 

NSo foi so com o cabido que a confraria teve demandas; outra de 
natureza identica sustentou ella com os frades paulistas, que intentavam 
levantar convento na area da freguesia. Os motivos da polemica nSo os 
sabemos ao certo, mas nXo sera fora de erro attribui-los a interesses 
parochiaes. Santa Catharina receava-se por ventura da concorrencia de 
S. Paulo. que sabemos é que em 1603, a 13 de julho, os confrades da 
santa reuniam-se em cabido, sob a presidencia de Diogo Velho, e resol- 
viam contribuir com o que pudessem para ajuda dos gastos da demanda, 
sondo todos de acordo que se seguisse por ser necessario defender a dita 
igreija pera que nào folte aos membros duella o remedio. N2o encontramos 
mais vestigios d'està demanda; em todo o caso o incidente nSo deixa de 
ser curioso, sobretudo para a Ustoria do convento dos Paulistas, onde a 
parochia se veiu finabnente a alojar. O destino das cousasl 




< 
o 

CD 
CO 

u 
Q 

co 
O 
ce 

Ld 
OC 

> 



CO 

O 
Q 

O 

O 
< 

OC 

O 

CL 

OC 

O. 
O 

< 

< 

or. 
< 

I 

< 

O 

< 

I- 

< 

CO 

UJ 
Q 

< 

UJ 

oc 
o 



207 



CAPITULO II 

Construcgào da nova igr^a, ou antea reconstrucgào e ampliagào 
ArchiUeetas e me^e» de obraa. — Dettino do tempio 

A igreja edifioada primitivamente na herdade da Boa Vista, pela rapi- 
dez com que foi le vada a cabo, bem demonstra que era de acanhadas 
proporgSes. O nome de ennida, que freqaentemente Ihe é dado, clara- 
meute o di a entender. Todavìa é de euppor, nXo obstante a sua homil- 
dade, que tìvesse um caraoter architectonico mais accentuado que aquelle 
que Ihe foi dado mids tarde. No anno da sua construcQSo ainda domi- 
nava estylo modernamente conhecido pelo nome de Manoelino, ao passo 
que no ultimo quartel do seculo ji havia desappareoido para dar legar 
abertamente ao estylo olassico e ao que mais tarde se ficou denominando 
Philippino. 

Em 1572 tratou de se reedificar a igreja, ampliando-a largamente ou 
para melhor dizer reedificando-a por completo. Do rìsco e da pianta pri- 
mitiva talvez nada ficasse, aproveitando-se apenas os matepaes. Os aocres- 
centamentos, que se v6em notados na pianta a tinta vermelha, quer-nos 
parecer que sSo posterìores a 1572. Foi a 1 de junho d'este anno que a 
confrarìa se reuniu para dar de empreitada a obra. Formavam a mesa 
Francisco de Torres, juiz, Thomaz de Gouveia e Bertolameu Lopes, 
livreiro, mordomos; Affonso Alvares, mostre das obras d'el-rei, procura- 
dor, Manuel de Carvalho, livreiro, thesoureiro; SimSo Vaz Seco, escrivXo. 
Posta a obra em pra^a appareceram a licitar diversos officiaes de pedrei- 
ro, dos quaes ficaram especificados no respectivo auto FernXo de Alvares, 
Heitor Barreiros e Pero Nunes. A elles Ihes foram mostrados os aponta- 
mentos da obra, ou bases da licitagfto, comò hoje dirìamos, redìgidos por 
Affonso Alvares, e passados dias tomaram a comparecer perante a mesa 
com as suas respostas. A mesa, estudado o assumpto e consultadas as 
pessoas entendidas, resolveu dar a obra a Pero Nunes, casado e morador 
na Rua da Rosa, nSo por obrìgar-se a faz6-la mais barato, mas por ser 
fregués da igreja, officiai mais antigo e abastado, offerecendo assim con- 
di$8es de mais confian^a e perfeotibilidade. 

Daremos agora multo em resumé os pregos da empreitada, podendo 
leitor encontrar mais desenvolvida infonna9lo no centrato por extenso, 
que adeante publicamos. A braga de parede de alvenarìa de pedra e cai, 
com todas as achegas, seria de 950 réis. A braga da guamigXo com seu 
reboco a 160 réis. A braga da cimalha de tìjolo com seu alchitrave, friso 
e comija a 14500 réis. A braga do telhado, pondo a telha que faltasse 
alem da esistente, 400 réis. Cada um dos arcos das naves 36^000 réis. 
Cada uma das frestas da igreja, com cince palmos de vSo e largo e dez de 
alto 3^000 réis. portico com suas columnas doricas 75f9KX)0 réis. £ nio 



208 

citamos mais, bastando o pre^o de algumas das pegas principaes, para se 
ayaliar por quanto ficaria o casto total da igreja no tocante i mio de pe- 
dreiro. A 8 de junho era assignado o contrato. A 29 do mesmo mds e anno 
recebia elle, em quatro papeis o traslado do debuxo e traga, a saber, ttm ^ 
da pranta e elijamento, oatro do perfil da portarla da porta princìpal, outro 
do perfil da firontarìa do cruzeìro, outro do perfil das naves dos arcos da 
igreja- 

Estes desenhos foram trasladados dos origìnaes para o livro, em que 
se assentou o contrato e se lavraram outros autos relatiyos ìls obras. seu 
titulo é da seguinte fórma: 

IHS 

Tem este L.' Nouenta e nnquo folhcu NumeradoB Dalgaristno honde se 
porSo OS coììtractos e gastos da óbra comesadaplos ofiqiais do ano de 1672 
anos. 

contrato da obra as fis. 3. 

A traga e debuxo da obra as fis. 2. 

recebimento das achegas e dinheiro as fis. 9. 

A primeira foiba depois do titolo contem os desenbos da igreja; no 
verso a pianta e por cima està dedara^Xo: 

cDeste debuxo e tra^a se tirou hu treslado que li S poder de p.^ nunez 
enpreiteiro, e quatro papeis asinados plos oficiaes desta meza e de comò 
OS B«^ dito p.® nunez asinou aqui c8 os ofidaes S 29 de junho de 572.» 

Aos lados da pianta as assignaturas. 

Oa desenhos que enoontramos, e que damos reproduzìdos com teda 
a fidelidade, mostram que a igreja era singola, no ostyìo dorico, sem ar- 
rebiques de architectura. Quem fosse o architecto, que desse a tra9a, nSo 
o nomeiam os documentos, mas quer-nos parecer que nfto estaremos longe 
da yerdade se a attribuirmos a Affonso Alvares, mostre das obras d'el-rei, 
e que àquelle tempo, comò vimos, fazia parte da mesa. 

A construc9So prolongou-se por alguns annos e Pero Nunes nXo logrou 
concluir a sua empreitada. Em julho de 1583, Pero Luiz, juiz do officio 
da pedraria e alyenaria, e Cosmo Esteves, medidor das obras da cidade 
de Lisboa, foram chamados para avallar as obras que Pero Nunes rea- 
lizara até ao tempo da sua morte, para se verificar o que se Ihe devia 
e pagar-se aos herdeiros. Em 27 de fevereiro do anno seguinte passavam 
elles nova certìdZo, de accrescentamento i primeira, em que se faziam 
algumas rectifica$3es i anterior. A obra realizada foi avaliada em réis 
465^20, e tendo elle recebido 425i9l265 réis, devia a confraria aos her- 
deiros 40f9Ì555 réis. ultimo recibo assignado por Pero Nunes é de 8 de 
margo de 1579. 

Em 1583 se fez uma junta de mestres pedreiros por se mover duvida 
acSrca da altura dos arcos das naves, que se dizia iam mais altos do que 



LI 



)] — cr 



-o — c: 



^ e 



X 



li 




PLANTA DA IGREJA DE SANTA CATHARINA 



209 

estava tracejado. Kesolveram qae se seguisse a tra^a para ficarem na 
altura das oapellas de Filippe de Agnilar e FemKo Sodrìgues de Almada. 

Em 30 de novembre de 1585 foram consaltados dìversos oiliciaes pe- 
dreiros sobre se fechar de pedra a abobada da nave centrai. Responderam 
affinnatiyamente comtanto que se fizessem quatro pilares bastante fortes 
por cada banda do edìfimo, isto por causa da pouca solidez do terreno. 

A mesa nXo contente com este pareoer oonsuUou architectos, Filippe 
Tercio, Balthasar Alvares e Matheus Pires, que foram da opinilo que a 
abobada se fizesse de madeira, por o sitio ser multo perigoso, por causa 
da harroca, corno jà correa ob tempos paasados e ser de barro soUo, as- 
sento assignado por todos os individnos da mesa e pelos referidos archi- 
tectos tem a data de 23 de fevereiro de 1586. 

Antes d'isso, porem, numa reuniSo da mesa, Jorge Valente havia pro- 
posto que se consultassem os architectos Jeronymo de RuSo, Nìcolau de 
Frias e Filippe Tercio, o primeiro dos quaes, todavia, nSo compareceu ou 
nXo foi consultado. 

A construcflo da abobada de madeira da nave centrai foi dada a 
Francisco Lopes, mestre das obras do hospital, segundo o risco do archi- 
tecto Nicolau de Frias. Està resolugSo da mesa foi tomada a 14 de abrìl 
de 1586. 

Em 1595, a 1 de setembro, foi concertado que se desse de empreitada 
a obra das torres a Alvaro Gomes, filho de Pero Nnnes. Em jnnho de 
1598 achamos assente uma verba de 4^91000 réis dada a Alvaro Gomes 
a conta da ohra que faz nas torres. 

E provavel que as obras da ìgreja ficassem conduidas por todo o se- 
culo xyi oa nos primeiros amxos do seculo xvii. Por occasifto do terramoto 
de 1755 a igreja soffreu bastante mina, mas foi restaurada, continuando 
ali o culto divino e o exercicio das funcgSes paroohiaes. Quando se extin- 
guiram os conventos, a irmandade do Sitissimo pediu transferencia para 
a igreja dos Paulistas, o que se effectuou, ficando ao abandono a antiga 
igreja, que chegou a servir por algum tempo de quartel a uma bateria de 
artilbarìa. Em 1840 appareceu na lista dos bens naoionaes para ser arre- 
matada, mas a eonfraria tratou de a revindìcar^ o que poude conseguir. 
Em 1856 foi posta em pra9a, sendo o producto da venda convertido em 
inscrip98e8 para fnndo permanente da mesma eonfraria. Actualmente n2o 
existe nenhnm vestigio d'esse antigo tempio, occupando o seu legar o pa- 
lacete do Sr. CoUares e outros edijBcios. 

Ili 

Dkersos arUstas qne trabalharam nas obras da igreja 

Ji vimos no capitulo antecedente o nome de alguns architectos e 
construotores que mais ou menos contrìbuiram para a edificarlo da igreja, 

TOL. U 14 



210 

vamos pafisar agora em rovista os nomea de alguns artistas, que concor- 
reram para a sua omamenta^ao, Citaremoa em prìmeiro logar o pintor 
Gaspar IKas, que a tradìsSo oonaidera oomo om dos mais afamados do 
seoulo XVI. Niun Index de todoe o$ livroe é papeis^ formulado em 1672 en- 
oontramos o seguinte apontiunento: 

SenUnga que alcaneou cantra Gtaepar Dia$ pinhr eóbre pintor o retar 
hulo da cappella da igreja de Santa Caiharina e moie papeie ansxas de 
ditae obras no anno de 1590. 

Eata sentenga e mais papeis amiexos parece terem-se extravìado, pelo 
menos ainda se n&o acharam; mas, para compensar està fidtai alìis tio 
laatimavel, pois seria de esperar que a sentensa nos desse algons porrne- 
nores sobre a vida de Gaspar Dias, descobrimos em entro livro algumatr 
verbas que veem derramar lux sobre o caso. Nnm livro da receita e des- 
pesa qne comesa no anno de 1574, a fls. 178 e com refereneia ao anno 
de 1590, lemos a segainte: 

cEm 27 de mino despendeo o tezoureiro SimXo Lopes corenta mil réis 
que deu a Gaspar Dias pintor e a Antonio da Costa pintor à conta do 
que Ihe hto de dar da pintura que faiem no aitar mor desta igreja de 
Santa Catharina pela obriga$&o da esptura (escriptura) que ambos tem 
feito a està meza de Santa Catharina e de corno reoeberXo os ditos corenta 
mil réis asinarSo aqui — Amt.^ da Costa s=>Guaspar Dias.» 

Mais outras verbas que disem ao caso. 

Em 31 de muo despenden o thesonreiro 820 réis em tibuas e paus 
para concertar o aitar emqoanto pintào o reiaboUo^ 

Em 10 de novembre despenden o thesoureiro 15^SKX)0 réis que deu ao 
pintor Gaspar Dias, que comegou a pintor o retobolo. E lego em seguida 
esti assente a verba de 2f$117 réis do que o mesmo despenden te qje noe 
demandaa do pintor gaspar dio$ que eom elle eorrem. 

Na meema data estSo inscrìptos 89(91600 réis que o thesoureiro deu 
ao pintor Antonio da Costa, que pinta o retobotto da capeUa mor, d eonta 
da dita pintura. 

Em 5 de novembro de 1589 tìnha recebido o thesoureiro, por inter- 
medio de Antonio de Lima, 44^000 réis que s. m/' dora de eamoia para 
ajuda do retabulo. 

Outro documento mais importante se nos deparou a fls. 189 1? do mesmo 
livro: é um recibo de Antonio da Costa, e nelle se acha, para assim di- 
zer, consubstanciada a historia do retabulo. £i-lo reprodusido na integra: 

«£m 6 de janr.* despendeo o tz.<« sebaatiiU) caraalho yynte e tres mill e quoatro 
cemtos r.* que dea a Antonio da costa pintor do resto dos 120^ r.' q ihe aaiào de 
dar da pymtura do retabolo q fes da eapdla mor e madar as fegoras dos qnatro 
paineis piquenos, os quais forUo pagos pela maaeira seguinte por trita e sinqo mill r.' 
qne tinha reeebidos gaspar dias seu companhiiro e f oitenta mili réis stqoo mill 
rs. digo oitdta e synqo mill rs. que at« da ooita (àntonio da Costa) tem reeebidos 



211 

pdM ady^Ì0 deste liiiro do ano pMado e deste ed tali declara^fto qae aendo eaoza 
qae na demftda qae se trae eò gaspar diaa aobre a meema pyntura tome elle gaspar 
dias allgii dr.* do qae tem recebido sera para elle at« da eosta e nSo avSdo de tornar 
allg& dr.« dito gaspar dias elle ai* da costa se contenta (?) c9 os ditos 85^ qae 
tem reeebidos da dita o9fraiia e dar a dita mesa por qaite e lyure deste dia p.'* todo 
senpre e ha dar por desobrìgada da eseietora qae . . . se fes e por de todo ser cStente 
^ ea UniB de figaeira serioie da mesa este termo o qoal asiaci eò o dito at<* da 
costa dia asima.» 



Estes documentoB, que jazerttm ignora^os por tres seouloa na qnie- 
tagio sepnloral de um arohiTo^ e que trMemos pela prìmeira ves i laz 
i costa de un fadigoao e rade mas compensador trabalho, vem dissipar 
algons erros e preencher algumas laoiinas na historia da pintnra porta- 
gnesa no secalo xvi. Tado o qae se sabia a resp^to de Gaspar Dias era, 
alem de vago e incerto, oontradictorio. Davam-no corno florescendo no& 
reinados de D. Manoel e D. Jole III e assignaTam-lhe o anno de 1534 
corno data de um de sene qnadros. Em qué se baseavain estas asser^Ses? 
Ignoramo-lo. Os cayouqneiros da historia artistica portngaesa tem pro- 
fìmdado moito ponce, e contentam-se facilmente com os trabalbos snperfi- 
ciaes, substìtoindo as divaga^Bes hypothetìcas pelas inyestigafSes consden* 
ciosas. Se o Gaspar Dias, com quem acabamos de tomar conbecimento, 
nSo é nm bomonymo ou nm descendente do supposto contemporaneo de 
D. Hanoel e de D. Jolo, certamente que nio poderia prolongar por tanto 
tempo a sua existencia. A sua actividade é muito mais tardia, custando 
a comprehender que um pintor, que ji tìnba fama em 1534, ainda mane- 
jasse pincel em 1500. É possiyel tamanha longevidade, mas seria real- 
mente ezcepcional. 

O que se deprebende é que Gaspar Dias e Antonio da Costa se con- 
certaram por escriptura a pintar o retabulo do altar-mór. É pena que nSo 
exista boje o originai do centrato, ou pelo menos nXo fioasse registado. 
Gaspar Dias metteu mios i obra, mas, por motivos que ignoramos, deizou 
de proseguir nella, sondo Antonio da Costa que a conduiu, pelo que 
recebett 120^SKXX) réis, prefo bastante elevado para a epoca, e que nos 
denuncia a grandeza e o yalor do trabalho» A confraria teve urna demanda 
com Gaspar Dias, mas comò nIo apparecem os papeìs relatìvos, nIo 
podemos dar aqui os episodios da contenda, que deveriam por ventura 
ser interessantes* Antonio da Costa é um nome que suppomos completa- 
mente desconhecido e que apparece agora pela primeira yez. 

De dourar o retabulo foi enoarregado o pintor Antonio Fernandes, 
segundo centrato celebrado a 27 de miao de 1590. O ultimo recibo que 
encontramos assignado por elle, no valor de lOfJKXX) réis, é de 6 de 
Janeiro de 1591. Em 1592 acbamos nota de se ter pago i^bC"^ réis a 
Leonor de Oliveira, mulher que foi de Antonio Fernandes, pelo resto que 
se Ihe de^ de domar o retabulo. 



212 

£ de crer que se aproveitasse, convenientemente adaptado, o retabulo 
da igreja antìga, qae tinha side constroìdo em 1668-1569, por Jacqaes 
de Campos e Estacio Matluas, pelo prego de 114f$000 réis. 

Este Jacqaes de Campos era malto proTayelmente allemSo, reduzido 
a portagués o seu appellido originai Eempis. 

Daremos ainda mais alguns nomea de artìfices e artìstas eom qae 
deparàmos no decorso das nossas inyeslìgagSes. 

Em 18 de novembre de 1590 recebea Gailherme do Valle 2^600 réis 
de assentar as vidragas. 

Em 1579 era tangedor dos orgSos Diego Femandes, qae reoebeu 
1^000 réis do ordenado do primeiro quartel. So ama ves se aasigna 
Diogo Femandes de Aguilar* 

Em 1586 tangedor dos orgSos era o padre Fedro Dias da Silva. 

E, j& qae falamos em orgtes, nfto seri ocioso dizer-se qae foram con- 
certados em 1581 por Marco Antonio, pelo que recebea do seu traballio 
e do casto do chumbo e outras cousas a quantia de 1^780 réis. 

Em 1602 fez a confrarìa centrato com o mostre de capella Luiz Lopes 
de Vargas, para que a servisse com teda a musica necessaria, cantores, 
tangedor de orgXo em todos os domingos e festas, ali celebradas. 

Em 1667 exercia aquellas foncgSes Inofre Botelho. 

Os sinos tambem sSo instrumentos mueioos, quando bem afinadinhos 
e repenicados por alma de artista. Daremos conta nXo dos sinos primi- 
tivos, mas de uns que foram fabrìcados em 1793 por José Domingos 
da Costa. Eram cince e pesavam todos 98 arrobas e 1 arratel, impor- 
tando, ao prego de 275 réis o arratel, 862^75 réis. Abateu-se dos sinos 
velbos 155i$655 réis, sondo a importancia recebida de 707^20 réis, afóra 
115^658 réis do rei do carpinteiro e serralbeirov De pintura e dourado 
pagou-se a Antonio Fedro IGfifìOO réis. Foram vendidos em 1868 por 
512iSÌ364 réis, sondo 503^904 réis de 1:392 kilos de bronzo, 5^220 réis 
de 58 ditos de ferro e 3^240 réis de cabegalbos. 

KIo feoharemos este capitalo som indicarmos mais dois pintores, um 
d'elles illumìnador. 

Entro 08 manuscrìptos da confrarìa de mais aprìmorada callìgraphia 
ha um, que tem o frontispicio illuminado, assim comò as letras iniciaes 
dos capitulos. Intitula-se d'està maneira: 

Livro de Acordàog <m Advertencùz» para mdhor governo da Irmandade 
da Gloriosa Virgem, MarUfr, ék Doutora 8. Caikerina de Monte Sinay 
Orago de ma Parochia extra muroè deeta Cidade; com as obrigagdes do 
Compromiseo, A otUras, que, despota delle fei/to, acrescerSo. 

Este titulo num portico de columnas salomonicas coroado por imi 
nicho, onde està Santa Catharìna, com um anjo de cada lado. 

O frontispicio està um pouco deterìorado: infelizmente os estragos 
alcangam sobretudo a assignatura do artista que o exeoutou. L6-se ainda 



213 

LuDOUicus NmiES . . . FAcrEBAT, falhando o segando appellido, que nos 
parece nXo ser outro senio o de Tinoco. 

A obra, pelo indice, devia ter 40 capitiilos, mas chega so até o 39, 
estando em branco e apenas emmolduradas as folhas finaes. No prologo ha 
urna referencia ao aocrescentamento que se fez ao compronùsso em 1673, 
lego o mannsoripto é posterìor a oste anno. 

Nom centrato celebrado em 8 de novembre de 1695, entro a con- 
frana de Santa Cathaiina e a do Santissimo da mesma igreja, vem mcn- 
oionado tua Manoel da Paz e Silva, pintor. 

Percorrendo o livro da irmandade de S. Lacas, que se acha na Biblio- 
theoa da Escola de Bellas Artes, encontramos o segoìnte assento : 

cAos 11 de novembre de 1674 se assenton por nesso IrmXo da Irman- 
dade de S. Lucas nesta Igreja de nossa Senhora da Annonciada Manoel 
da Pax e Silva. » 

Ao lado està nota: cFalecido aos 12 de Mar^o de 1714. i 

Mais nm nome desconbecido na historìa da arte. 

IV 

Ainda o pintor Gaspar Dias 

Fora do cartono da confraria de Santa Catharina, no immenso depo- 
sito da Torre do Tombe, encontramos um documento, que vem accrescentar 
mais alguns pormenores & biographia de Gaspar Dias. É uma peti^So em 
que Catharina de Evora, que se intitnla dona^ viuva de Gaspar Dias, pede 
para um seu neto, SebastiXo Dias, o logar de pintor dos anuazens e da 
casa da India e Mina. A peti^So n2o tem data, mas vé-se que é dirigida 
a um dos primeiros Filippes. 

«Diz Catherina dEuora dona viuua moradora nesta (idade de Lixboa molher de 
Gaspar Dias 01090 da camara deYosa Magcstadc e pintor de uossos almazens e caza 
da India e Mina qae elle andando requerendo mesmo oficio com ordenado pera por 
sua morte dejxalo a hd seu neto nesse tempo supplicante fale^er e dejzar a sua 
molher muj pobre com qoatro ftlhos orfSos. Pede aVosa Magestade auendo respejto 
aoB mujtos annos que sempre seruio come bem certificara Vasco Femandes prò- 
nedor mor dos nossos almazens qne conforme ao aluarà que apresenta en que ElRej 
dom SebastiSo qne està en gloria Ihe fez met^e aja por bem de Ihe fazer mer^ do 
dito oficio pera mesmo seu neto BastiSo Dias nisto ser soficiente pera dito car- 

gno. E. B. M.» (FragmcntoSjMa^ol.*) 

Eis agora centrato que a irmandade de Santa Catharina celebrou 
com mestre pedreiro Pero Nunes: 

JHS M.« 

«Ad prioiairo dia do .91^ de Jnsho de mil quinhStos e satenta e dous anes 
nesta cidade de llx.* na Igreja de santa Caterina de monte Sinay estando na mesa 



214 

da confraria della os sefira officiais do ano presente — •-* fr.«* de toree, Jnii^Tbonat 
de gouttea mordomo, e Afonso Alvares m.** das obras delBej noao seftr procnradori 
e bertolameu lopez liarejro, mordomo e manoel caryalho liarejro teeonreiro, logo por 
m^ Simfto vaaz Seco escriaào da dita contraria foi posto è pratica è oomo avia deus 
mezes que por elles ditos oficiius e mais Innloe da dita confiraria 06 pareger dot fre- 
gezes e dos ofi^iais das Confraryas da dita IgMJa se tinlia tomada coneliisio per» 
se aver de dar a obra della dempreitada eonfomie ao qne pelos ofij^iais pasadoa ^^ 
quou asentado, e se acabar por ser mujto peqaena e nSo eaberS nella os fregeses, 
e se acresentar pela tra^a que se pera iso fez, de qne todos forSo cdtentes pelo que 
ha YOta9fto se tinba por yezes dito da parte deles ditos oficiais. 

A detremina9&o que sobre elio se tinha tornado SeomlSdando a todot em Jerai qne 
ed setis pareeeres e votos dize^em ho qne Uie pareoe^^em ben, e qne qnS qoiae^ laudar 
na dita obra pera haver de fazer se fose a meza pera oa oiciais della Ihe tornare sevs 
lan^os. Ao que sairào algus oficiais antre os quais fi>rSo fémlo dalyares e eitor ba- 
reiros e p.<^ nunez e ontros pedrejros a cada ÌA dos quais Ibe fòrSo dados apontam.^ 
c0 declara9ao da calidade e su8tan9ia da obra £.*•* (feitos) per a.* aluarez procurador 
da dita meza e traladados per mj^ escriufto e asim Ihe foi foi mostrada a tra9a da dita 
obra, que todo por ellea visto depois de algfis dias se BasolnerSo e Tieri a dita meza 
cada hii ed seus apontamStos e presos S cada eonsa por elles asinadoa, os qnais eu es- 
criufto tomej e dej delles Bela9fto na meza e por algSs dias praticado sobre iso e f.^** 
contas e tudo tenteado, tomados pare96res de pesoas qne ho entendiio sobre a dispa- 
ridade deles, asentarSo que ho dito procurador c5 a enforma^So que se tinha tomada 
pose9e os presos da dita obra S que parece justo, e resSo e que por eles se dose ap.* 
nunez casado e m.^ nesta cydade na Bua da Bosafreguezia desta Igrqja e osto posto 
que ouue9e outros lan^s mais baizos § seu por ser oficial mais aatigno e abastado 
e freges desta Ign^^ ® '^ proeomir delle que o hik milhor que todos, e chàmado ho 
dito p.* nunez e móstrado os apontamentos na manr.* emendados que pare^eo bem 
ao dito procurador e mais ofi9Ìais, e perguntado se os queria aseitar forSo por elle é 
parte Reprycados qne yisto por todos e alterqnado sobre iso por final se BesnmirSo 
dar6 a dita obra ao dito p.« nunez pelos pre908 e condisois adiaate dedarados os 
quais elle aseitou e foi contente fazer. 

A bra^a acostumada~de parede daluenaria de pedra e cai pondo todas as achegas 
..g.pedra cai caldeada daguoa do^e area dalS mftos doficiais e sirujdores e todas 
as mais necessarias até ser acabada sondo bem forta de cal^ bem trafada eomo se 
Gostumfto fazer as boas obras nesta cidade bem desenpenada e bem igoalhada e en- 
bocada por pre^ e contia de noae^entos e sincoenta r*. — 950. 

A bra^ da gomÌ9So con seu Beboquo, ul'^ bem desdpenada e m> bem asentada 
e pin9elada b8 gretas né Spolaa, nS seja qneimada da colhar e de todo acabada por 
pre9o de yento e sacenta r*. — 160. 

A bra^ da cimalha de tijolo cS seu alquitraue friso e ooronya, a qual simalha 
tera dalto sinquo palmos e seri de molduras dorieaSf sendo m.^ bem asentada e mtj to 
bem guamecida destuq por preyo de mil e quinhentos r*— 1500. 

A bra^a do telhado (pondo a telha que faltar da que agora està) c5 seus fios e 
canos hahode forS necessarios ed bua canal chea e outra yasia sendo miyto bem asen- 
tado e dercgto e m.*** bem Bedado e com seus espigdes m.*^ derejtos e bem feitos 
e ensopados S cai e as telhas m.^^ bem conchegues (entregues?) hfias nas outras e de 
todo acabado por pre^o de quatro centos r* — 400. • 

Pedraria»Cada hii dos arquos das naues c5 seu pilar ho qual pilar tera dalto co 
ho capitel yinte e deus palmos e de groso pela fronte tres palmos e hfi tergo e da 
giosura da parede que t8 sinquo palmosi e serio despegados as fiadas — s— hlla 
prepianha ao oonprido e outra despeeada ao tranes, e serio todas de hOa gtlga. 



216 

Bq^Artidaèsa dita altura Igualm.** e oa arquoa detpecadot pela meBma maaelra sando 
■I.** barn limpoi dasooda e oa ci^itaii dot dito* pilaras lerlo de moldonw doricai 
lanradas a atantadai em saa lugar por pra^o da triata e aait mil r«— 80000. 

A Tara da fiiixa qne rai por Bina doa ditoa arqoa a qnal ade ser de pedfaija 
e torà dalto htl palmo e hfi ter^ e ha sacada por sima doa tardotes dee arqaoo dona 
dedoa ■ondo m.^ bam Udirmi dasooda asentada è sea lagar por pre(o da doientos e sin- 
coanta r«— 00950. 

Cada hOa daa frestas da Igr^a lanois a 6190 de fora c6 sau Retalto a qua taahlo 
■inq.* palmos da vfto e ItktgtM a dai dalto milito bam limpas deacoda lanradas e asen- 
tadas % tea lagar oonfcrmes ao daboza per pra(o de tras mil r«— 08000. 

O portico eò soas doas eolonas cada hfta da hfla so pe^a o5 os dous meos pilares 
quo tIo arrlaadoa as paradas dft eabo e doatio o5 seos alqnitranes e arq.* a c5 os 
doQs eapelhos daa ilbargaa do arq.« corno na tra^a e dabuxa rio ordenadoa tudo de 
pedraxia m.<* bem limpa deacoda e laarado e aaeatado, tado I aeu lagar e aa eolunaa 
e pilaraa tarlo dalto Tinta dona palmoa eomo se vera pelo debaxo por pre90 de aatenta 
a sinq.» mil r*— 75000. 

«A Tara do conlial laarado da piqulo mludo aendo multo bem tratado e tendo 
dalto palmo e m.* e dona palmoa hfiaa por ontiaa e de leito hft bom palmo e m.« antea 
mala qne menoa lanradoa a aaentadoa aea lagar por pre^o de daaantoa e oitenta 
r.«--.0088D. 

A Tara da aimalba qne adir noa oonhaia e adatar e5 a simalha de tijolo qne ade aer 
daa maamaa moldnraa e altura cA san alqnitraue fUio e coron^a eomo dito be aendo 
m.** bé limpa deacoda laurada e asentado è aea lagar por preso de mil e qoinbentoa 
r.-— 01500. 

A Tara do degrao cA aeu boeel e filete por balzo aendo mnito bem limpo deacoda 
laarado a aaantado d aen lugar por pre9o de qninbentoa e alneoenta r«« — 00650. 

Cada bfi doa arqulnboa daa torca em qaa Ida eatar os sinos qne ande ter de tìo 
e largno seis palmos e dalto dose qne ande de sor de padraija laurada de piqulo 
mondo e asentado tudo A san lugar por pre^ de none mil e quinhentos r.'-^09500. 

O espelbo Redondo da empena do meo da frAtaria sondo lancil e tari de lume o 
diametro delle qjto palmos e pela parte de dentro sera daluanaiia Raagnado aendo 
laurado da piqulo m.^ bem ft« e m,*^ bem akentado e eA bAa rannra pela p> de fbra 
pera aaentarA aa Tidra9aa e acabado e aaantado e poato A san lugar por preso de ojto 
mil e aaiaoantos r.*^8600. 

A braga dabobeda da capelinha de bautiaar que ade aer de tijolo ainjelo fbebada 
por aima do tardoa do arq.* da dita capelinha a m.** bem gamecyda e acabada cA todoa 
oa cuatoa por preao de mil a oitooentoa r.' — 01800. 

Cada hfi doa arqninhoa da dita capelinha da pia da bautiaar e da outra A que v^ 
a eacada aa quaia tarlo da larguo daaaseis palmos e serio Ibchados na altura dos das 
nanes a da grosnra de tres palmos sendo multo bem limpos descoda e asentados por 
pre90 cada hA de Tinte mil r.'— *90000. 

Con as qoais daclarasAes e presos dito pero nnnei M contente esaltar a dita 
obra — s — a daluenarja da man.'* que è cada hA dos t.** (titulos) dela tIo, e asim 
a de pedraija, a qual sarà da milhor pedra lios que na terra ouner cA mnito boas 
arestas m.<<* bA limpa deacoda e m.^ bem tratada sen quebradura nA falba alg&a e 
m.'* bem laurada e asentada e ha dita confrarja Ihe nio sera obriguada dar mais cousa 
algAa que o preso por que Ihe as ditas cousas atras tIo asentadas som outra nenhfla 
obrìgua^lo cA tal dedara^lo qne sendo caso que o dito pero nunez faga algua obra 
mais da que nos apontam.'*' Tal dedarado que A tal caso Ihe sera pagua soldo e linra 
doutra semelhante que tÌTer preso ora seja da f.^ aqiy ora noutra qualquer p.** nIo 
aTondo equi sua semelhante do que tera sempre a escolha os oficiais da meza e sera 



216 

maiB obrigoado tornar todas as chegaa e oninui quais q.' coosas que a contem tiuer 
e tto diante oauer è quanto a obra dorar qne pera ella se aiSo mister, e aaim ae algiia 
p.* oa p.** por sua dera^fto derS algOa ofieiaie e» oe oficiaia dias de eamola p.* a dita 
confiraija on Beruidorefi escrauos oa eacranaa que C tal caso elle dito p."* nones lenari 
em conta a conta do dinheiro por Becebim.*^ pera a dita obra lio preso qne jagtam> 
valerS ae tais eousas, a qual obra se obrigon farà confoiine a tra^a a (me) debnzo que 
neste linro està coaido as ff.* 2, o qual està asinado por o dito p.<» nnneLe pelos oficiais 
da mesa, do qual se tirou entro treslado que o dito p.« nunes confessou ter Om seu 
poder pera por elle se Beger no fiiser da dita obra, o qnal tambem vig asinado pela 
mesma man/* asim dita p.* que a todo o tpo qne ouner algfta deforen^a se eot^arS oa 
ditos debuxos e tra9as ed oste centrato, das quais deferen^as todas por qual quer via 
que sejio sera sempre juiz delas o juia desta oonfirarìa que ore he e ao diante for e as 
detreminarà conforme ao compremiso dola e provisdes de 8. A. pela qnal detremi- ^ 
na9fto ho dito pero nunes estarà, e outros quais q.' ofioiais que per YÌa deste contraio 
dele descreparS cousa algiia è parte ou em todo. £ ao dito pero nunes Ihe serSo me- 
didos OS vios daluenaija per cheos descdtftdolhe a grosnra da pedraija honde a ou- 
uer, e asim Ihe sera dada a pedra daluenaija que sair das paredes pelo trabalho de 
as derrubar e tirar, e sera obriguado oom teda a deligencia e cujdado £sser a dita 
obra e ter diso e^icial cujdado para 4 Mmpre ya hstèdo nella e a nfto aleuantar a 
mio dela antes co os mais oficiais que fbr posiuel a fisser e nella os traser senpre 
contkios e nio poderà trespassar a dita obra a entro officiai alg& s8 vontade e còsen- 
timento dos oficiais desta eonfira^a que ora sfto e ao diante forfi e todas as yeaes que 
dito p.^ nunes requerer eonta ou os ofif iaes da mesa a qniaerd tornar ho poderSo 
fazer e elle sera obriguado fuer senpre na dita obra e os oficiais Ihe irSo dando ho 
dr.» asim «omo o iorè avendo de maar.* que se nio guaste è outra coosa saluo nas or- 
dinairas da Igr^a qua foie miqto necessarias. dedaro que avendo dr.<> se enteadera 
das esmolas e Bendas da dita Igrc^a que ora tem e pelo tempo em diante ouuer sem 
OS oficiais que ora sfto e ao diante fòie Ihe seram em obriguaf 2o algiia pera oompry- 
mento do qual centrato os ditos oficiais obriguarào todas as rendas, esmolas que a 
dita eonfraria tem e ao diante ouuer e elle dito pero nunes obriguou teda sua faaenda 
a ho o9prlr asim e da manr.* que è elle he deelarado^ o qual centrato foi aseitado 
por todos e asinado por todos os irmftds desta contraria que ao presente se acharlo 
nesta cidade e o oonhecimento do dinheiro que se fiser do Becebbnento para a dita 
obra sera neste L.« do ensaramento deste centrato 8 diaate, o qual sera feito pelo 
escrittSo desta eonfrarja pera descarguo do tesoureiro que Ihe Stregar, o qual ho 
nSo darà senio por mSdado do Jnis e mais oficiais, e deste centrato se deu o trelado 
ao dito P.« nunes pera sua guarda feito por m^ escryulo, e nos conheeimentos qne 
se fiserem neste I.« do ài.'* que reoeber asinarà ho dito P.<* nnnes co ho escrìuio que 
ho fiser e por eles leuarà 8 conta todo o dr^« qne se nclles montar a todo tempo que 
Iha quiseré tornar, o que todos asi ascjtario e mSdario fitser 8 que todos asinado 
8 cito do Junho de mil e quinhentos e satenta e deus anos. — p.® nunes »Fr.** de 
tonressSimio Yaas SeeoHvTomas de gonueiasAnt.* madr.*sManuel de Cama* 
lho»A.« Allves«Y.«» frcóre. 



ÒTS — Obidos (Jofto de). Divisador das obras de carpintarìa 
e pedrarìa e mestre das obras dos nosioa remos, no tempo de D. JoSo I. 
Este monaroha, a 5 de feyerebro de 1453, Ihe passou carta de aforamento 
das azenhas k ponte de Alcantara, cqne ora sSo derrìbadas, com nm seu 
esteiro, <][ae yae da ponte de Alcantara até o mar, com todas as suas 
praias qne tSo contra Restilo o yelho, o que pertencer para fazer moen- 
das e ajudas d'ellas.» A mercé foi feita com a clausola de reverter para 
el-rei a sesta parte do rendimento das assenhas e momhos« Este imposto 
porem Ibe foi quitado, assim corno & primeira pessoa sua immediata sue- 
cesserà. 

O respectiYO documento é muito curioso, n2o so para a topograpbia 
da Lisboa antiga e seu termo, mas por nos demonstrar a considerafSo que, 
por tSo importante mero6, gozava 3oip de Obidos. 

«Dom Joham pella gra^a de deus Bey de Portiigal e do Algarue em sembra com 
a B.* dona Filipa minha molher e com o Iffiinte (sù^ Duarte nesso iìlho primogenito 
e herdeiro, a quantos està carta daforamSto e de pezpotaa firmidom virem fiueemos 
saber que nos damos de fòro deste dia pera todo sempre a uos Joh2 dObidos, diui- 
sador das nossas obras de carpentaria e pedraria e meestre das nossas obras dos 
nossofl regnos, qne nos mandamos ^ler.e morador que sodes em a cidade de Lixboa, 
pera uos e pera todos nossos socesorca que depos uos uierem, as nossas acenhas que 
ora nos auemos a soa ponte dalcantara que ora som derribadas, termo da dita cidade^ 
com seu esteiro que uay da ponte dalcantara ataa o mar e com todas suas prayaas 
que vafto centra Bestello o uelho o que perteencer pera fazer moendas e ajuda dellas 
e com todas suas entradas e saidas e perteen^as e direitos assy comò as auiam os reis 
que fiuom dante nos realmente e pera uos Joham dobidos fiiserdes acenhas cu moy* 
nhos com suas casas assy das acenhas corno casas de morada pella guisa que compre 
e fiser mester a uosso proueito e pella guisa e condÌ9om que as nos auemos e a nos 
perteencem de direito e de auer realmSte e as ouuerom os reis que ante nos forom 
e come^aredes de as &zer ataa primeiro dia de junho primeiro que uem desta era 
e damos a uos sobre dito loham dobidos pera uos e pera todos uossòs socesores qué 
depos uos uierem as ditas aeenhas. com todas suas perteen^as e direitos, segundo ja 
dito he so tal preito e cfldÌ9om que despois que as ditas acenhas ou moynhos forem 



218 

feitos e moentes e correntes, daredes fi noe e a nosso sucesores que depoe hob vi«rem 
a sexta parte daqttello que as ditas acenhas oa moynlios renderem e partindoBe as 
moendas em cada hufi ines pera noe auermoe a sexta parte nosaa. OatioiBy a noe praz 
e he noBsa mereee qae por as grandee despesas e repatramentOB e adubios qiie*aoa 
auedee de faier em as ditas acenhas ou moynhoe e por nraito semi^ qae noe fisestes 
de U08 quitarmos a uos Joham dobidos e a h8a pesoa que depos noe nier o nesso 
direito desta sexta parte que nos auedes de paguar e morto oos e a dita pesoa que 
lego a terceira pesoa qae despois vier pagae a nos e a nossos sucesores a dita sexts 
parte partindose as moendas em cada bua mes segando ja dito he. Outrossy uos dito 
JobS dobidos e uosos sucesores que depos uos yierem nom deuedes de dar nem doar 
nem scambar as ditas acenhas ou mojnhos a nenhdas das pesoas que os direitos de- 
fendem e querendoas uos uender que primeiramente o ffii^ades saber a nos ou a nossos 
socesores pera as auermos tanto por tanto, e nem as queremdo nos tSto por tanto que 
entom uos Joham dobidos as posades uender a tal pesoa que nom scia das que som 
defesas em direito e paguem a nos o dito foro segundo dito he e aos nossos sucesores 
que depos nos Tierem, e nos obrigamos pera osto todos os bées da coroa dos nossos 
regnos a uos liurar e defender e emparar as ditas acenhas ou moynhos com suas per- 
tèeyas a todo tempo de quem quer que uollas embargue ou demando asalno eom as 
enstas e despesas que uos polla dita resam ilierdes e oomdnas dobrasdouxoemcada 
bufi dia de pena e dampno e interese quo por està rasam fiaerem, e ho dito Joham 
dobidos a osto presente tomou em ssy e pera ssy e pera todos seus sucesores as ditas 
ucenhas ou moynhos com todas suas entradas e saidas direitos e perteen^as, segando 
dito he, e obrigon todos seus beds auudos e por auer a manter oste contracto e scpri- 
tura com as elausullas e condic5oes e pensa das duas dobras suso ditas e fiaser as 
ditas acenhas ou moynhos e eom suas easarias segando ho el ndlhor puder fiuer 
e eomefando no tempo suso dito e conthinaando de o laser que o seiam moentes e 
correntes e em caso que as ditas acenhas ou moynhos despois que forem feitos cayam 
ou pere9am per terremotos ou fogo ou outro caso fortuito que el Joham dobidos se 
obriga aas faser e re&zer que seiam moentes e correntes e assy seiam obrigados seus 
sucesores. E em testemonho desto Ihe mandamos dar està carta. Dante em Bacauem 
T dias de feuereiro elrrey o mandou P.* Afimso a fisi era de mil iiij* liy anos.» 

(Torre do Tombo. -> ChaooolUrU d« D. Jolo I, Ut. S, foi. 14S.) 



GV& — Oeyras (Jofto de). Mestre de carpintarìa da obrà do cas- 
tello de S. Vicente que D. Jolo 111, em 1556, mandou oonstruir na costa 
da ÌSìnA. Nomeado nas mesmaa ooAdi^Ses que o mestre pedreiro Marcos 
Gomes* Vide eate nome. 



OSO— Oliva (Lui2 de Sequeira). Por decreto de 13 de maio 
de 1806 foi promovido a segando tenente do Beai Corpo de Engenheiroa, 
para, sob as ordens do inspector daa oficinas do Arsenal Beai do Eitercito, 
ser empregado, nio so em todas as observa^Ses e experìeneìas chimicas, 
que devessem realizar-se no progresso dos trabalhos do mesmo arsenal 
e fabrìoas reaes de polvora e salitre, mas em todos os estabelecime&tos 
de semelbante natoreisa, qua Sua Majestade fosse serrido oriar. 

Vide seti nome no Diecionario BibUographico. 



219 

OSI— Oliveira (Henrique Ouillierme de). Filho de Joaquim 
de Olivia, de quem se ttato a seguir. £m 1789 foi nomeado para sabsti- 
tui^ pae nos seus impedimentos. Tendo este fallecido em 17 de Janeiro 
de 1803, peditt para Ihe ser dado o legar paterno. 

Martinho José Diego Passos PeixotOi arohiteeto das tres Ordens Mili- 
tares, e havia 16 annos ajndante arohiteeto na Bepartì^Io de Obras Pu- 
blicas, pedin o legar de architecto das obras dos pharoes» que f&ra criado 
e oonlerido a Joaquim de Oliveira pela regia resoluylo de consulta de 
3 de mar^o de 1792. legar estava vago por falleoimento de Henrique 
Gnilberme de Oliveira. A informaQlo diz que o requerente nXo instruira 
oom documento o seu requerìmento. (Informaflo da Junta do Commercio 
de 18 de noTembro de 1819. — Papeis da metma Junta, mago 104.) 

Vide Pereira (Antonio José), que tambem pretendia o legar. Vide igual- 
mente Martinho José Diogo de Passos Peixoto. 

Na BibUotheca da Ajuda enste manuscripta a seguinte: 

Memoria etn a qual ee moHra o eetado da retd valla de Alpiar^ e eitioe 
adjacentee, $eu mdhoramento e uHlidadee que delle reeuUam. Offeredda a 
S. A. R. Princepe Regenée Noeeo Senharpor Henrique OuOherme de Oli- 
vetm^ archUeeto eirilpdo meemo eenhor. Liehoa. Anno de IBOO. 1 voi., 4.% 
de 42 pag. e um mappa da Valla Beai de Alpiar^a desde a rilla da Cha- 
muBoa até Porto de Muge. É muito bem desenhado A penna oom tinta 
da China. 

«£u a Bainha fa9o saber aos que este alvarà yirem que sendome presente em 
Gonfiolta do ConaeDio de Faaenda o requerimento que emediatamente me havia feito 
Joaquim de Oliveira, em que espunha terme servido em architecto do mesmo conselho 
* em tudo o qae se Ihe tinha mandado do men real servito e no da casa das obras, 
fiuendo as despezas à sua custa tanto dele come das pesaoas qae Ihe heram precisas, 
tendo levado na sua companhia a seu filho Henrique Guilherme de Oliveira, que Ihe 
eervia de ^judante e hindo ie mesmas obras &ser o sen Ingar nas ocasiSes em que 
eie se achava com molestia, pedindo-me Ihe fiiesse a gra^a de que o dito seu filho 
foese admetido nas suas ocapa^dea para serrir not sens impedimentos e continuar no 
real serviso, e atendendo ao r«ferido e ao mais que me ibi presente na dita consulta, 
em que foi ouvido o Procurador de minha fasenda, fui servida por minha real re- 
solu^am de 22 de julho proadmo passado tomada na refsrida consulta &2er mercé 
ao dito Henrique Guilherme de Oliveira para servir de architecto do Conselho da 
Fazenda nos impedimentos do sobredito seu Pay Joaquim de Oliveira, visto ser habil 
para o sabstituir em qualidade de architeto. Lisboa 19 de agosto de 1789.» 

(T«m à» Tosiko.^D. MMrU I, JliffM» A ibnf». Ut. S» foi. W%.) 



OSA— Oliveira (Joaqillm de)« Volkmar Maohado dedìea-lhe 
apenas estas duas linhas: e Joaquim d'Olifeira, architecto do Conselho 
da Faaenda e da Junta do Conmieroio.» (Pag. 194.) 

Damos agora o extracto dos documentos officiaes que encontr&mos 
a seu respeito. 



220 

Em alvanl de 17 de maio de 1780 foi nome&da architecto das òbras 
do Conselho da Fazenda, na vaga de Joeé Monteiro de Oarvallio, qne 
hàvìa fallecido. 

Por decreto de 4 de Janeiro de 1788 foi nomeado medidor da casa 
das obras, que servia provisoriamente. 

Em 6 de jalho de 1796 foi*lhe feita mercé das casas sitas defronte 
da igreja de Santiago. 

O Tribunal da Junta do Commercio foi de pareoer, em 1792^ qne se Ihe 
houvesse de dar 210)9000 réis por anno pelos sena trabalhos em diyersoB 
pharoes. 

Em 3 de fevereiro de 1791 assistiu a nma yistoria no mosteiro de 
S. Bento da Sande para ali se accommodar, jnnto da Torre do Tombe, 
o cartorio do re^sto das meroés. 



«En a Bainha fa(o saber aos que este alyarà virem : qne eu bey por bem nomear 
a Joaquim de Oliveira para architecto das obras do Conselho da Fazenda, de cuja 
incutnbencia se achava encarregado o sargento mdr de infantarla com exerciclo de 
engenheiro Jozé Monteiro de Carvalho jà falescido ; e qne com a dita incumbencia 
tenha e aja de mlnhà faienda em cada hom anno 180#00Q réis, que he o meamo que 
tinha dito seu antecessor, pagos pela fblha dos ordenados da alfEindega desta 
cidade, com o yencimento delles do dia da posse em diante. Pelo qae mando ao pre- 
zidente e conselheiros de minha fazenda Ihe fa92o asentar os ditos ISOJiOOO réis no 
liyro do assentamento da dita alfandega e levar cada anno na folha dos ordenados 
della para Ihe serem pagos comò dito he. Porqnanto pagon de novoe direitos 
90^000 réis que se càrregarilo ao thesoureiro delles a fl.' 146 do L.* 1.* de sua receita, 
corno constou de bum conhecimento em forma que foy registado a fl.' 285 do L.» 85 
do registo genti dos mesmos direitos, que se rompeo ao assignar deste alvarÀ, que 
se cmnpriWL tfto inteiramente comò nelle se contem, e valere, postoque seu elfoito 
haja de durar inais de hum anno sem embargo da Ordena92o em contrario, sendo 
registado nos livros de registo das mercds minha chancellaria e fiizenda. Lisboa 
17 de mayo de 1780. Bainha— Conde de Azambi^'a. Fot decreto de S. Mag. de 14 
de abril de 1780. Francisco Paes de Yasconcellos o fes escrever. Francisco Felix 
da Costa e Silva o fez. Antonio Freire de Andrade Enserrabodes. Pg. 200 r.' e de 
avaliai^ao 18000 reis e aos officiaes 650 r.* Lisboa 10 de jonho de 1780. Como Yedor 
Antonio José de Moura.» 

(Torre do Tonbo.— Chàiieelbula de D. Varia I, Ut. 15, fbl. S59.) 



•Saa Magestade por seu real decreto de 4 de léTereiro do presente anno hoove 
por bem fazer mercé ao dito Joaquim de Oliveira da propriedade do officio de medi- 
dor da caza das obras, que actualmente esti servindo por provimento do oonde pro- 
vedor da mesma caza que vaga pela mercé que tem feito de segando arehiteto della 
a José Manuel de Carvalho e Negreiros com o qual officio bavera de orctonado em 
cada hum anno 144M00 réis pagos pelo ahnoxarìfè da caza das obras desta cidade 
na conformidade do alvarà de 8 de agosto de 1754 e assim mais baveri os proes e 
precal90s que direitamènte Ihò pertèncerenì. De que se Ihb passoU carta com a clàìii- 
zula gèral em 12 de julhò àé 1788.» 

(Torre do Tombo. » D. Maria I, Re^fUto de Utrtts, Ut. 84, Ibi. 184.) 



221 

«Uoaye Sua liagestade por bem por B6a real decreto de 14 de abril do premente 
anno faser merce de nomear ao dito Joaqnim de OliTeira para arehiteto daa obras 
do Conselho da faaenda, de ci\ja incombencìa se achaya enoarregado o eargento mor 
de infanteria com ezercicio de engenheiro José Monteiro de Carralho, jà fallecido, 
e qne oom a dita incmnbencia tenha e ^ja de ma £asenda em cada hun anno 
180^000 r.% qne he o meemo qae tinha o dito sen anteoestor pagos pela foiba doa 
ordenados da alfandega desta Cidade, oom o veneimento delles do dia da posse em 
diante. De qae se Ihe passoa oste alyarà qae lòì feito em 17 de mayo de 1780.» 

^ianAoT9BAo-^V,ÌÌMgUlfS9fM9déMtr€Ìé, Ut. 8, fol. 859.) 

Tem a seguir o qne diz respeito ao filho. 

«Ea a Rainba £190 saber aos qae oste alvarà yirem qae representandome Joaqnim 
de Oliveira arobiteto das obras do conselho da minba fazenda, qne elle tinha de 
ordenado cento e oitenta mil rs. pagos polla foiba da alfandiga desta cidade, sem quo 
se Ibe boaaese conoedido as mais anezas, que sempre baviam tido os seas antecesso- 
res e porqae se achaya Tago {$ic) medidor das fortalezas, qae tinha de ordenado setenta 
e tres mil e dasentos reis, e ser obrigado a diligencias do men real servilo, nam so 
nesta cidade comò fora dola onde precisamente bavia de £uer despezas emqaanto 
n2o fazia as precisas deligencias, por ci^a resam seria oprimido faltandolhe os melos 
da sua sostentayam e familia, me pedia Ibe fisesse mercé do lagar qae se achaya 
yago de medidor das fortalezas, comò tambem barn arbitramento do qae bayia de yencer 
por dia qaando fosse mandado às deligencias da sna ocapa9am tanto nesta córte comò 
fora della, e sendome tado presente em eonsalta do conselbo de minba &zenda em 
qae foi oaaido Procurador dela. Fai seraida por minba real resola^So de 10 de janbo 
do presente anno de 1796, atendendo aos motiyoe qne pareceo ao mesmo conselho, fa- 
zerlhe mercé das casas do que se trata : A complemento do qne bey por bem fozer 
mercé a Joaqnim de Oliyeira da propriedade de cazas sitas defronte da igrc|ja de San- 
tiago, qae se acham nos Proprios, qae pessairi comò soas proprias. Lisboa 10 do 
julho de 1796. Principe. Por resola^am de S. Mag."** de 10 de janho de 96.» 

(Torre do Tombe. — D. M«rU I, IUgi$io dt MereU, U?. 88, toh 82.) 

Termo de decUira^ do arrendamento que por Ordem da Bainha Nossa Senhora ètftM 
OiO Dom Abbade do Morieiro de S. Benio de hum Quarto de Cataa onde se aceom- 
modarà ifUirinamevte o Cartorio do Begisto das Merees. 

«Por Ordem de Sua Magestade yeio no dia de boje o Conselbelro Francisco 
Feliciano Velbo da Costa Mesquita Castello Branco ao Mosteiro de S. Bento da 
Saade, e fazendo esaminar na prezen^a do Dom Abbade do d.* Mosteiro pelo Arehi- 
teto do Conselbo da Real Fazenda Joaqnim de Oliyeira, e pelo Mestre Francisco 
Femandes bam Qaarto de Casas, contigaas ao oatro aonde se acba o Axcbiyo Beai 
da Torre do Tombe, e achando-se ser conveniente para nelle se acomodar o Cartorio 
do Kegisto das Merces concordarSlo em qae o sea rendimento seria de cento e yinte 
mil reis por anno em qnanto a Mesma Senhora o bonvesse assim por bem ; cnjos serSo 
pagos ao d.^ D. Abbade e Mosteiro do mesmo modo, e pela mesma EstagSo por onde 
se Ihes satisfozem os qaatrocentos e oitenta mil reis qne recebem do Qaarto deno- 
mlnado dos Bispos em qae atu ao prezente se acha o dito Archivo Beai. £ para que 
de tudo o referido constasse a todo o tempo se fez este Termo assignado pelas Pes- 
soas sobreditas. Lisboa 3 de Fevereiro de 1791. » Francisco Feliciano Yelho da Costa 
Mesqaita Castello Branco = Joaqnim de Oliyeira » D.^ Frei José de S.** Thomaz » 
D. Abbade do Mosteiro de S. Bento da Sanda 



222 

«A Bainh* Minha Senbora manda ramatter a V. 8.* o Tanno da Pealara^ do 
anandamento, qae mandoa calabrar eom o Don Abbada do Moataiio da 8io Sento 
da Cidada de Liibda, de bom quarto da Caiaa eontigno 4i^ am qne §% aeba Collo- 
eado o Beai Arcbiyo da Tona do Tombe, paia interinamenta ae aoomodar nelle o 
BegiBto Goral dai Mareéi: E he aarTida qnaV. 8.* na Confonnidade do referido 
Termo de Declara^io, manda metter na manna Foiba, am qa% ae lan^a o allngnel, 
qae ae paga pelea easai, em qne ae aeba edito Baal Aiébifoooatroallagaelannnal, 
qne ae ^oitoa pelea Casaa tomadaa para o raUuido Begiato Goral, para aer junta*- 
mente pago pelo meamo modo e Esta^So, por qne be pago odo Beai Arcbiro. ss Deoe 
guardo a Y. S.* Palacio de Queloz em 29 de Jolbo de 1791.=sMarqnea Moid<Hno 
M6r»S."' JoSo Pereira BamoB de Aseyddo Coutinbo. 

«Compra-se e Registe-se na forma, qne n*elle se contem, e em eseenaSo delle ae 
metio 08 eento e vinte mil reia do alngnel do Quarto de Caaaa, quo por ordem de 
Sua Magestade se arrendou para a aeommoda^So interina do Cartorio do Bugiato daa 
Mercét, comò consta do Termo, do Arrendamento junto na mesma Foiba, am quo ae 
Lan9a o aluguel, quo se paga a o Dom Abade do Mosteiro de 8lo Benio da Saude 
pelo Quarto das Casaa, em quo se aeba o Baal Arcbiyo da Tona do Tombe, decla- 
rando-se meter se nella a dita nova adi^So am eumprìmento deate ayiao. lisboa 8 
de Agosto de 1791. » Com ama rubrica.» ^ ^ . ^ ^^ ^^ . ^ » 

G83— Oliyeira (Monoél de), Meatre oarpintoiro. Em 5 de 
marco de 1641 Ihe foi paaaado alrari nomeando-o meatre oarpinteiro, naa 
meamaa condi^Oea quo Sobaatilo da Coata. (D. Jolo IV, Doa^des, Ihr. 11, 
fol. 110 V.) 

G84II-- Olivelra (Manoél de).— 2.*— Meatre pedreiro doa pa^oa 
da Ribeira. Snooodeu-ibe por sua morte, em 1703, Franciaoo Tmxeira. 
Vide eate nome. 



OS0— Oliveira (Matheus Vioente de). Em oarto de 19 de de- 
lembro de 1778 foi nomeado arohitecto anpranomerario daa obraa dos 
pa^oa reaes da cdrte, legar vago pelo fidlecimento de Elias Sebaatiio Pope. 

Volkmar Machado designalo apenaa com o nome de Mathens Vicente, 
e conaagra-lhe, a pag. 198 da sua CoUecfSo de MemorioB, o s^guìnte artìgo: 

cNo tempo da Obra de Mafra crearÌo-ae alii debaixo da direeglo de 
Frederioo bona meatrea de obraa, e offioiaes de relevo. Algona dos mais 
habilidosos entrirlo na Casa do risco, e derlo-se a delinear as 5 ordens, 
aprendendo tambem algoma geometrìa pratica, e forSo finalmente empre- 
gados oomo Arcbitectos. 

Hum dos qne mais se distinguirSo foi o Major Mathens Vicente, natu- 
rai do lugar de Barcarena, foi arcUtecto da Casa do Infantado, e Senado 
da Camara. Fez parte do Palacio de Qnelnz, sondo a outra parte com as 
decora^Ses dos jardins, de JoZo Baptista Robilhon. Como Archi tecto do 
Senado teve de reedificar a Igreja de Santo Antonio da Sé arruìnada pelo 
terremoto. 



223 

Klo podem às veses os artìstas faser o que entendem e desejlo, porque 
08 donos das obras nÌo querem despender, mas naquella nlo poderìa alle- 
gar-se essa desculpa, nem se pode entender a razSo porque tendo Matbeus 
Vìcente carregado de omamentos superfluos a &chada da ligreja, e mesmo 
lado della pela parte exterior, fez tSo poaco caso da Cupida que mais 
pareee o mirante de urna quinta, que o nmborio de huma Igraja, quando 
todoB sabem que as oupulas, quando as ha, slo as pe^as mais importantes 
dos edificios, e àonde os melhores architectos tem posto todo o seu saber. 

Fez tambem o Convento e Basilica do CoraQto de Jesus, obra sum- 
ptuosa, apezar de que transluz por entre a magnificenoia da Soberana que 
mandou fazer, o espirito mesquinbo do homem que a desenbou. 

Horreu pelos annoa de 1768 sendo ji velho.» 

Na Torre do Tombe, no arcbivo que foi da Inquisirlo, encontra-se o 
seu processo de babilitarSo para familiar do Santo Officio. Abaizo trans- 
crevemos na integra as tres pe^as principaes do processo: o requeriniento, 
a informarlo ou inquerìto e a certidio de baptismo. Por estes doomnentos 
se vd que elle nascerà em Baroarena em 13 de junbo de 1706, e morrendo 
pelos annos de 1786, corno diz Volkmar Macbado, tìnha por conseguinte 
nesta epoca cSrca de 80 annos. Em dezembro de 1746 morava no Beco 
de Pinovay, freguesia de S. Kicolau. O informador do Santo Officio, oom 
referenoia ao anno de 1747, diz que elle vivia da occuparlo que tinha de 
riscar em casa de Frederico, pelo que ganbava um cruzado novo por dia, 
alcanrando ainda outros proventos de alguns papeis que rìscava para fora. 
Accrescenta que era homem possante de trìnta annos e pessoa de bom 
procedimento, capaz de ser encarregado de negocìo de importancia e de 
segredo. Em 11 de abril de 1753 foram approvadas as deUgenoias feitas 
pelo Santo Officio para que Matheus Yicente de Olivia, Sargento-Mór, 
Arohiteoto da Casa do Infantado, do Priorado do Orato e d» Santa Igreja 
de Lisboa pudesse casar com Maria Michaella de Jesus e Amarai, filha 
legitìma de José do Amarai, naturai de Ubaldo, Bispado de Viseu e de 
Anna Gomes, naturai de Dois Portos, termo de Torres Vedras. Morava 
ainda naquelle anno no Beco de Pinovay. 

Dos manuBcriptos da Ajuda extrahiu o nesso saudoso amigo Rodrigo 
Yicente de Almeida o seguinte recibo autographo: 

«Beoebi do Ex.»* e R.»» Senhor Arcebispo dTeseUonia, D. Ignaeio; oitto eentoi 
mil reit; para entregar ao empreiteiro Antonio dog Santos, por eonta da obra qne 
est& fiuiendo do seu Offido no Campo d*8anta CSara, para novo oonTento dai Belli- 
giosas do Lonri^: e por ter reeebado a d*f quantia, paeei o presente: Lz.*: 8: 
d'Junho d'i 1781 :—0 Bargento Mar Matheus Yicente de 01ivr.«» 

Pelo mesmo nos foi oommunicada ainda a seguinte nota: ' 

«Debaizo do rìsco do arcbiteto sargento mor Matheua Yicente, eome^on em M 
dH)atubro de 1779 a obra da Baiiliea do Cora^So de Jesus (Estrella) em Lisboa ; 



224 

qual havendo deliniado duaa plautaa; Ibi aprovada a segunda por llecretode 31 de 
Jolho de 1779. Foi eoa tudo segaido o risco deste architeto até a dmaiha real; se- 
gmndo-se de alii para cima tanto no interior da igreja corno no exterior, zimborio, 
e torres, um outro risco feito pelo architeto Bainaldo Manoel do8 Santos o qual foi 
aprovado pela rainha.» 

«EminentisòiBO Benhor— Dia Hatlieos Vieente de Oliveyra, Ajadaate do Areki- 
teto regio Jo&o Federico Ludovici, naturai do Ingar de Barearena, baptiaado na fre- 
guezia de S. Fedro do dito lagar, e morador nesta cidade de Lizboa no Beoo do 
Pinovay, freguezia de Sào Nicolao, que elle snplicante dezeja servir o Santo officio 
na ocupa^So de fiimaliar delle para o que 

Fede a Vessa Eminencia seja scrvido admetilo a dita ocupa^io, precedendo aa 
diligenciaa, na forma do Estillo — E Beceberi mered— Deelara ser filho legitimo 
de.Dondngos JoSo, naturai do lugar do AlgeirSo b^itisado na fregnezia de 8. Fedro 
de Femia Ferrim da Villa de Cintra. — E de sua mnlher Marianna de Oliveira naturai 
do lugar de Barearena baptizada na fregnezia de Sào Fedro do dito lugar, onde sem- 
pre viverSo. — Neto polla parte patema de Antonio Vieente naturai do lugar da To* 
jeira, baptizado na fregnezia de S. JoSo das Lampas, termo de Cintra. — E de sua 
molher Maria JoSo naturai do lugar de Saeotes, baptizada na fregnezia de 8. Fedro 
de Penna Ferrim da dita Villa de Cintra; viverfto no lugar do AlgeirìU), termo da 
dita Villa (Biaria JoSo naturai da fregnezia de N. Sr.« de Belem de Rio de Monros, 
consta da sentenza do conselho). E polla parte materna, neto de JoSo Vieente, naturai 
do lugar da Falagueira, baptizado na freguezia de nossa Senhora do Amparo do lugar 
de Bemfica, termo desta cidade de Lisboa. E de sua molher Anna de Oliveira, naturai 
do lugar de Barearena, baptizada na freguezia de S. Fedro do dito lugar, termo desta 
cidade de Lisboa. 

Os Inquizidores de Lisboa, infonnem com seu parecer. Lisboa 9 de dezembro 
de 1746: quatro rubricas.» ,„ ^„,. . ^ „ ^^ , *. ^ „ . -«•. 

' ^ (HabUitAfOM do Santo Officio, Matheu. — Xa^ S, n.* 59.) 

«Multo Blustres Senhores.— Na forma da Lista fis a deligencia que Vossas Se- 
nhorias forfto servidos commetenne, e achey ser Matheus Vieente nella contheudo, 
naturai da freguezia de 8. Fedro do lugar de Barearena, termo de Lisboa e morador 
nesta cidade na freguezia de 8. Nicolao, e ser fiiho de Domingos Jo&o que ioj alfiiyate 
e de sua molher Marianna de Oliv^yra, elle naturai da freguezia de 8. Fedro de Penna 
Ferrim do Arrebalde de Sintra, e ella da de S. Fedro de Barearena, onde sempre 
morarSo ; consta ser netto por via patema de Antonio Vieente e de sua mulher Maria 
JoSLo, olle nSo ha quem o conheccsse por ser multo antigo, e buscando o asento de 
seu recebimento o achej e declarando ser £lho de Domingos Vieente, e Maria JolLo, 
vi 08 livree dos batizados e no que Servio no anno de 1690 achey hum asento que 
atendendo a era do recebimento me parece sera do dito avo paterno; e separa se ve- 
reficar ser elle Ihe faltou ao parrocho declararlhe o nome da may-, mas vendo cu o 
mesmo livro em os demais asenttos eneontrej a mesma falta nelles parece tinha para 
si oste cura que so bastava nomiar-lhe o pay para se vir no eonheotmanto da may, 
para major certeza e me capacitar de ser oste o asento, (suposto que alendendo a era 
•de recebimento do dito avd paterno, eata pouco mais podia ser sua idade) busqnei o 
asento do recebimento dos bisavos pateraos em o livro que prencipiou em 1569 em 
diante n&o o eucontrej, nada me servio de admira9&o por se acharem os taes livros 
com taes confuzdes e ùàUm e rottos que era commizera^So vellos no que resp^ita a 
Maria Jo2o avo patema, busqnei tSobem em Sintra seu asento, e comò na dita fre- 
guezia de 8. Fedro de Penna Ferrim, s6 ha livro de 1626 em diante, nio o achey 
por que os mais antigos asenttos se ach&o corno se os nuo onvesse por estarem as 



225 

folhas aos pedassos e ruidas, mas està avo paterna ainda ha quem diga que no Ingar 
de Sacotes (onde se diz ser a dita avo moradora) conhecerSo huma Maria JoSoviuva 
e muito velha porem nào ha quem se lembre com quem fosse cazada, consta ser netto 
por via materna de Joao Vicente e Anna de Oliveira elle do lugar da Porcalhota, 
freguezia de Nossa Senhora do Amparo do lugar de Bemfica e ella da freguezia de 
Barcarena, no de Bemfica nSo ha quem conhecesse o dito avo mais que hum JoSo 
Pedrozo que mora na Porcalhota, e em Barcarena ha destes avos matemos pieno 
conhecimento e dizem que fora moleyro, e depois aprendera o officio de alfayate 
depois de cazado; e me constou em Barcarena, que o dito avo materno tinha em 
Lixboa huma filha ainda viva a quem chamavSo Maria da A8en92o, viuva que mo- 
rava no Ghiado no Beco de Martim Lobo; faley com ella e me disse que seu pay Ihe 
parecia era do lugar de Falagueyras junto da Porcalhota freguezia de Bemfica ; po- 
rem que ella tivera hum filho chamado José Ferreyra que embarcava para o Brazil 
o qual era famaliar do Santo officio e que das suas Inquiri^des delle constari&o mi- 
Ihor estas clarezas e que suposto este era falecido que se achava viva ainda sua 
mulher a quem chamavSo Luiza do Espirito Santo moradora na rua dos cabides ou na 
do Arco de D. Francisco a qual tinha a carta de famaliar do dito seu marido e dela 
se veria o que fosse necessario; achey a mulher do dito, e vi a carta, a qual foy re- 
gistada em Agosto, em vinte deus do dito mes do anno de 1730, e comò o habilitando 
por està parte he neto dos mesmos avos de quem era netto o mesmo famaliar me pa- 
rece estar corrente, nSLo Ihe busquei o asento dos batismos aos ditos avos matemos 
por que no do recebim^nto nao declarSo os pays; porem comò afirmSo que Maria 
da Asen9ào may do dito famaliar José Ferreyra he irmSo inteiro da may do habili- 
tando pela sua certidao incluza e pela das deligencias dcreferido se reconbeceri 
ser ou nao verdade no que respeyta aos pays e conhecimento que ha em Barcarena 
dos avós matemos, e no lugar de Sacotes da avo patema, todos aseverSo ser o habi- 
litando, legitimo e integro christSo velho, sem de rassa alguma de infecta nac^So 
no que respeyta ao avo paterno Antonio Vicente que se dis ser filho de Domingos 
Vicente, perguntey na dita freguezia de S. JoSo das Lampas por varios lugares se 
houve pessoas de similhantes nomes que tivessem alguma infamia, todos dizem que 
naquelles lugares e freguezia as pessoas de defeyto logo sfio conhecidas e suas gè- 
ra^des, porem que de similhantes nomes nSo avia gente infecta, nem na dita fìregaezia 
pessoas della naturaes os havia, a mesma deligencia fis no lugar de Sacotes onde 
morou a dita velha, freguezia de S. Pedro de Penna Ferrim dos Arrebaldes, achey 
o mesmo : Tàobem consta ser o habilitando pessoa de bom procedimento vida e costu- 
mes, capas de ser encarregado de negocios de importancia e segredo vive de sua 
ocupa^So que tem de riscar em ca^a de Federico, em que dizem tem de ordenado 
cada dia hum cruzado novo e que terà alguns lucros mais de alguns papeis que 
risca para fora, porem fazenda nSlo consta a tenha nem mais cabedal ; e seu pay tflo- 
bem nSo tem muitos, dizem que se trata muito limpamente; passa de trinta annos 
de idade, sabe ler e escrever : he solteyro, nSo consta tenha filho algum illegitimo, 
nem que o habilitando, ou algum de seos ascendentes fosse prezo, ou penitenciado 
pollo Santo Officio, ou incorresse em infamia alguma publica, pena vii, defPeyto, ou 
de direyto, he o que achey e o que posso informar a vossas Senhorias que Deus 
Guardo. Lixboa doze de mayo de mil setecentos qnarenta e sete annos. — De Vossas 
Senhorias Subditos muito obediente=sO Notarlo^ Beneficiado Manoel Teixeira 
da Cunha.» 

Certidao do batùmo do habilitando 

«Certefico eu Manoel Teixeyra da Cunha, notarlo do Santo officio que vendo na 
freguezia de Barcarena o livro dos batizados que servio no anno de 1706 achey nelle 
a fs. 157 V hum asento do theor seguinte — Aos treze dias do mes de Junho de 

TOL. U 15 



226 

mil setecenttos e seis annos batìzey a Matheus, filho de Domingos JoSo e de Ma- 
rianna de Oliveyra; forSo padrìnhos Matheus Francisco e JoSo Gomes todoB mora- 
dores neste lugar em que do qua fis este asento qne asiney, era dia mes e anno ut 
supra — Padre cara Antonio Esteves — e nSo coniinha mais o dito asento ao qual 
me reporto.» 

*^ (HabiUUfSes do Santo Officio, Matheus. — Xa^o 4, n.^ 69.) 

«Dona Maria etc. Fa^o saber aos que està minha carta virem qne tendo respeito 
ao que me reprezentou Matheos Vicente de Oliveira e fiar dele que de tudo o que o 
encarregar me sirvirà bem e fielmente comò a meu servisse cnmpre, Hey por bem e me 
praz fazerlhe merce da propriedade do officio de archyteto suprannmerario da casa 
das obras dos passos reais desta corte e dos mais e quintas fora dela, tudo na forma 
do primeiro architeto, que yagou por falesimento de Elias SebastiSo Poppe, ultimo 
proprietario que foy do dito offisio, o qual terà e sirvirà emquanto eu o bouyer por 
bem e nSo mandar o contrario com declarasSo que tirandolbo ou extinguindoo em 
algum tempo, por qualquer causa que seja, Ihe nio ficarà por isso minha fazenda 
obrigada a satisfasSo algua, e com o dito offisio bavera de seu ordenado em cada 
bum anno quatro centos vinte e sinco mil rs. pagos pelo almozarife da casa das 
obras dos passos da Bybeira desta cidade na forma declarada no alvari e regimento 
com forsa de ley de oyto de agosto de mil setecentos sincoenta e quatro, e asim ba- 
vera mais 08 proes e precalsos que direitamente Ihe pertenserem. preveder das 
obras Ihe de posse do dito offisio e Iho deyche servir e dele huzar e haver o dito 
ordenado, proes e precalsos comò dito he, dandolhe primeiro o juramento dos santos 
evangelhos para que bem e verdadeiramente sirva, guardando em tudo meu servisse 
e as partes seu direito, de que se passare termo nas costas desta minha carta, que 
se cumprìrà tSo inteiramente comò nela se comthem, de que pagou de novos direitos 
dnzentos e doze mil e quynhentos reis, que forSo carregados ao thesoureiro delas a 
fl. 90 v do L** 4 de sua receita comò constou por bum conhesimento em forma registado 
no L<> 84 do registo geral dos novos direitos a fls 89, e roto ao asinar desta minha 
carta que por firmesa de tudo mandey dar ao dito Matheos Vicente de Oliveira por 
mim asinada e aselada com o meu celo pendente, que sera registada nos livros do 
registo das Merces da minha chancelaria e fazenda e no registo do decreto por ver- 
tnde da qual està se obrou se perà a verba nesessaria. Lisboa dezanove de dezembro 
de mil sete centos settenta e oyto. A Baynha. Conde de Soyre. P. por decreto de 
S. Mag.* de i!4 de julho de 1778 — Antonio Pereira de Myranda a fes — Antonio 
Freyre de Andrade Enserrabodes. Pagou duzentos reis e de avaliasSo quarenta e deus 
mil e quynhentos reis e aos officiaes seis centos e sincoenta reis. Lisboa 28 de mar9o 
de 1779. Dom Sebastiio Maldonado.» 

(Torre do Tombo— Chancellaria de D. Haria I, Uv. IS, fol. 174.) 



OSO — Oliveira (Fedro Antonio). Volkmar Machado diz que 
elle era um dos ajudantes do architecto Fabrì e que por sua morte, suc- 
cedida em 1807, fSra tambem dos incumbidos de continuar na exeoaslo 
do rìsco do palacio do Marqnes de Castello-Melhor. (Memorias, pag. 23 1, 
artigo Francisco Xavier Fabri.) 

OS'y — Olivieri (Thadeu Paulo Ludovico). Cremos n8o haver 
davida que elle e Thadeu de Oliveira — aportuguesado o nome — sXo urna 
e a mesma pessoa. 



227 

Em 1 de novembro de 1723 foì nomeado mestre carpinteiro das obras 
dos pagos da Rìbeira, por fidlecimento de José Nogueira. 

Em 14 de setembro de 1728 foi-lhe passada carta de naturalìza^So. 

Em 3 de julho de 1730 foi-lhe feita mercè do officio de escrivSo do 
judicial da cìdade do Porto, podendo nomear serventnarìo. 

Em 1729 Olivieri foi a Roma, incumbido de varias commiBsSes e mnito 
recommendado a frei José Maria da Fonseca. Em 1730 estava jà de volta 
no nesso pais. Tudo iste consta de varios trechos da correspondencia tro- 
cada entro José Correia de Abreu e o sobredito Fonseca, correspondencia 
que existe manuscripta na Real Bibliotheca da Ajuda. Adeante vSo trans- 
criptos OS trechos alludidos. 

Era fallecido por 1734, segando se deprehende do interessante trecho 
de ama carta escrita pelo padre Carbone ao nesso embaixador em Roma, 
Manuel Pereira de Sampaio. Por aqui se ve que D. JoZo Vo mandara vir 
de Roma por intermedio do Marquez de Abrantes. Como era bemquisto 
na odrte, tinha bons ordenados e benesses, jontou economias, que depo- 
sitou noB bancos de Roma. Por oste tnotivo é que o padre Carbone escreve 
ao nesso embaixador, a pedido, por certo, da viuva, que provavelmente era 
portuguesa, e a quem el-rei tambem favoreceu. 

Succedeu-lhe, em 1750, Florencio Pereira. 

Sendo Olivieri fallecido por 1734, nSo sabemos explicar satisfactorìa- 
mente corno so em 1750 Ihe fosse nomeado successor, estando portante 
vago officio por espa^o de dezaseis annos. Dar-se-hia caso que elle tivesse 
um filho do mesmo nome que viesse occupar o cargo durante aquelle lapso 
de tempo? 

«OuTe B. Mftg.^« por bem tendo respeito a estar vaga a proprìedade do officio 
de mestre carpinteiro das obras dos pa908 da Ribeira destas cidades por fulicimento 
de Jozeph Nugueira, ultimo proprietario que delle foi, e por S. Mag> coufiar do dito 
Thadeo de Oliveira que de tudo aquillo de que o encarregar servirà bem e fielmente 
corno a seo servi90 cumpre, lia por bem fazerlhe merce da proprìedade do dito officio 
de mestre carpinteiro das obras dos Pa908 da Ribeira destas cidades, o qnal tera e 
servirà emquanto S. Mag> houver por bem e nSo mandar o contrario ; està merce 
Ihe fftz com a clauzula geral, com o qual officio bavera de mantimento a elle orde- 
nado em cada bum anno iOf rs em que entrSo lOiff rs que o dito sefir. foi servido 
acrecentar pelo Regimento novo da caza das obras que Ihe serio assentados no Al- 
moxarifado da caza da fruta destas cidades e pagos com certidfto do preveder das 
ditas obras e pa908 de comò cumpre com sua obriga9&o e asim bavera mais todos os 
prois e percal908 que direitamente Ihe pertencerem que he o mesmo que com elle 
tinha e havia o ultimo proprietario que delle foi de que Ihe foi passada carta a 17 
de novembro de 728.» 

(Torre do Toznbo. — D. Jo&o V, Btgitto i» Jferolt, Ut. 15, Ibi. 971.) 

«Dom JoSo por gra9a de Deus Rej de Portugal &c. Fa90 saber que Thadeu de Oli- 
very me reprezcnton per sua peti9am que eu Ihe fizera merce do officio de mestre 
carpinteiro das obras dos mens Pa9os, que estava exercitando e tinha carta asignada 
por minha real m2o, e porque emtendia que por està ocupa^So estava naturalisado, 



228 

e nSo estaya encorso no meu decreto, pello qual mandava desp^ar dos meus reinos 
OS naturais dos estados do Papa, dos qnais era o supplicante, e quando emtrasse em 
dnvida pertendìa elle snpp.« que eu Ihe concedesse alvari de naturalizamento, me 
pedla Ihe fizesse merce concederlho para lograr todas as honras que logravSo os 
yassallos deste reino e visto o que allega e informa^So que se ouve pello dr. Fran- 
cisco Nunes Cardeal, juiz dos feitos da coroa e fazenda e resposta do procurador da 
coroa, a que se deu vista, Hey por bem fazer merce ao supp." de o naturalizar neste 
Beino para que possa gozar de todas as honras, previleg^os, liberdades, eizen^Ses 
que logrSo os naturaes delle, corno pede, sem embargo da ley em contrario e està Pro- 
vizSo se cumprirà comò nelle se conthem que vallerà posto que seu efPeito haja de 
durar mais de hum anno sem embargo da ordena9So do Livro 2.® titulo 40 em con- 
trario e pagou de novos direitos sinco mil e seiscentos reis que se carregarfio ao The- 
soureiro delles a fls. 119 v do Liv. 13 de sua receita e se registou o conhecimento em 
forma no livro 12 do registo geral a fls. 177 v, £1 Bey nosso senhor o mandou por 
seu especial mandado pelos DD. Antonio Teizeira Alvarez e Belchior do Bego e An- 
drade ambos do seu conselho e seus Desembargadores do Pa^o. Jozeph da Maya e 
Paria a fes em Lisboa Occidental a 14 de setembro de mil setecentos e vinte outto 
annos, &c.» 

(Torre do Tombo. — CluincellariA de D. Joto V, Qffleiot t ìttreU, Uv. 76, fol. 24, etc.) 

Em urna carta do padre JoSo Baptìsta Carbone para Manuel Pereira 
de Sampaio (em Roma), escrìta de. Lisboa 9 de novembro de 1734, diz 
segainte: 

«Outro favor devo pedir a V. M.~ com igual empenho ou ainda maior, por que 
é em obsequio de um amigo nSo so meu, senfto detodos deste pa^o e multo bem qnisto 
de S. Mag.<*' pela sua habilidade, prestimo e fidalidade com que o servia, pois jà 
falleceu; e ao mesmo tempo por acto de caridade para com a viuva delle, a qnem 
S. Mag.*^* fez hoje mercé de um officio que tinha dado a seu marido. Este era o 
Sr. Taddeo Paulo Ludovico Oliveri, mostre das obras d'este pa^o, que por via do 
Marquez d*Abrantes, que Deus haja, mandou o mesmo Senhor vir de Boma; eV. M.^ 
ter4 ouyido fallar delle. Como era bem assistido com ordenado e varias ajudas de 
custo que 8. Mag.'^* Ihe mandava dar, por que o estimava e queria multo, empregou 
a maior parte do seu dinheiro que tinha ajuntado, em lugares de monte, nesses bancos 
de Boma por via del Sig.* Con."* D. Estevam Chiari, e del Sflr. Agostino Damiani, 
ambos seus tios, aos quaes, ou a um delles, mandou procura^&o para erigir os ditos 
lugares, e cobras os fructos. que a viuva deseja e eu pe^o a V. M.^ é que se tome 
urna ezacta e individuai informa^fto dos ditos logares de monte, da sua importancia, 
e dos fructos que tem cobrado; advirtindo-se que o sr. Taddeu falleceu ao 1.® do mez 
de Outubro.» 

«Lisboa, 21 de Julho de 1729. — Meu am.« e sr. do cora^fto. Serve està para enca- 
minhar & presene de Y. B."* o portador desta, que é o sr. Thadeo de Oliveira, pessoa 
de quem S. Mag.^ faz multa estima92o ; elle me ordena que o recommendasse aV. B."', 
para que Y. B."** o assista de tudo, comò pessoa affecta ao seu seryi90, e quando ne- 
cessarias Ihe sejam algumas letras de creditos ou dinheiro, Y. B."*lhe fa^a por prompto 
tudo; e ainda cartas de recommenda^SLo para as partes donde elle deve ir.» 

•Lisboa, 2 de Agosto de 1729. — O correo passado nSo escrevi a Y. B.'"* porque 
o fiz largamente, mandando-lhe diversas commissoes por via de Thadeo de Oliveira, 

que foi por mar, que jà ter&o chegado às mSos de Y. B."* « » P.S.J&h essa corte 

terà chegado o sr. Tadeo de Oliveira, por quem escrevi largamente corno jà disse^ 



229 

alem de tornar a recommendar-lhe aV. R."* a sua pessoa, para qneV. R."* Ihe assista 
em tudo que Ihe occorrer, e com dinheiros, e com creditos e letras que Ihe forem ne- 
cessarias, corno a pessoa que 8. M&gA^ ve com bona olhos; Ihe mando agora urna 
commissllo de quadros; e corno sera provavel que elle nSo possa assistir a mesma 
obra, em tal caso a commetterà aV. R."*.» 

«Lisboa, 5 de Janeiro de 1730. — N&o obstante fiz aV. R."' a encommenda dos 
quadros, nSo tinha sido desaprovavel a resolu^fto que V. R."* tinha tornado de mandar 
fazer os riscos tSo somente; porem comò agora me avìsa que estabeleceu com Tadeo 
de Oliveira, o mandal-os fazer, nSo importa, e se fica esperando que seja cousa bem 
feita » 

«Lisboa, 10 de Maio de 1780.— Ao sr. Thadeo de Oliveira entreguei a carta 

de V. R."* e os riscos dos coros que V. R."* Ihe enviava » 

«Lisboa, 24 de Maio de 1730. — Com està receberà V. R."« oatra do sr. Thadeo 

de Oliveira na qual Ihe fsa i'commissfto de um quadro » 



08S— Oliveira Rego (Josó Matliias de). Em 23 de agosto de 
1763, sendo ajudante de infantarìa com exercioio de engenheiro, foi no- 
meado sargento-mór de infantarìa com o mesmo exercìcio e soldo dobrado, 
para ir servir por seis annos na capitania de Matto Grosso. Eis a res- 
pectiva carta: 

«Dom José fa^o saber aos que està minha carta patente virem que atendendo 
ao merecimento e servi90 de José Mathias de Oliveira Rogo, ajudante de infantarla 
com exercicio de engenheiro Hey por bem fazerlhe merce de o nomear (comò por 
està nomeyo) no posto de sargento mór de infantarla com o mesmo exercicio e soldo 
dobrado para me hir servir por tempo de seis annos na capitania de Matto Grosso, 
com pra9a assentada na primeira plana desta corte, onde terà exercicio, findo o dito 
tempo com soldo singello, e com o dito posto gozarà e te. Dada na cidade de Lisboa 
a 23 de agosto de 1763. ElRey.» 

(Archivo do Gonaelho nitr«in«rlDo, U?. 97 de OjUkioM, fol. 157.) 



OSO— Olmo (Oioane dall'). Em 1577, aos 24 de abril, o vereador 
lisbonense Femio de Pina Mareco foi & casa de Nossa Senhora do Loreto 
tratar com o provedor e irmSos da con&arìa acérca de diversas obras que 
havia de fazer na igreja, por causa da defesa da cidade. 

Compareceram a està reuniSo, certamente corno peritos/ os architectos 
italianos entZo assistentes em Lisboa, Filippe Terzi, Benito de Morales 
e JoSo de Alva, ou antes Giovam dallolmo, corno elle se assigna no res- 
pectivo termo. 

(Vide Elementos para a Historia do Municipio de Lisboa, t. v, pag. 349. 

Um JoXo de Olmo foi mais tarde enviado por algum dos Filippes & 
liha Terceìra para tratar da sua fortifica9%o, corno se infere do seguinte 
manuscripto originai esistente no Museu Britannico: 

Relacion del Castilh S. PheUippe del Monte del Brasil de la isla Ter- 



230 

cetra, del estado en que està y lo que folta para poder quedar en defiensa 
corno combienne. Angra, 8 outubro, 1621. 

Vide Biòliotheca Agoriana de Ernesto do Canto. 

Sendo este manuBcripto originai, e tendo a data de 1621, nSLo é muito 
crìvel que o seu auctor fosse o mesmo que apparece a 24 de abrìl de 1577, 
a nSLo ser que fosse de mui provecta idade quando desempenhou a sua 
missZo nos Agores. Em 1553 o consul dos italianos em Lisboa chamava-se 
JoXo del Olmo, e a elle foi concedido por mais dez annos o prìvile^o para 
refina^So de assucar de que gozava um seu compatriota JoZo Antonio de 
Prioli. 

Trelado de kuua apostiUa que te pos ao pee de huua carta de Joam Antonio de Prióly, 
que paaou pota ehamcelaria em lAxboa a dous diaa do mes daguosto do anno de miU 
IfRj ano8 e o trelado da dita apottiUa hee o seguinUe: 

«E por qnamto db doze annos comteados nesta carta acima scprìta se acab&o no 
mes de setembro que yem deste anno presemte de quinhemtoB cimquoemta e trez, ey 
por bem por òkzex mer^e a Jo&o del Obno venezeanno, comsull dos yenezeanos desta 
cidade de Lixboa e nela estamte, que por tempo de seis annos que se come9ario do es- 
pedimemto dos ditos dez annos em diamte eie e as pesoas que eie quiser e a que der 
seu poder pos&o rafinar nestes RejnoB de Pnrtugall e do Alguarue ob ditos a9uquere8, 
asj e da maneira que pola dita carta ouue por bem que os rafinase Joam Amtonio 
de Priolly, procurador da senhoria de Yeneza, e as pesoas que teuesem seu poder e 
esto Bob a pena comteuda na dita comteuda na dita carta e alem diso me praaz que 
guoze de todollas liberdades na dita carta declaradas saluo na merce dos direitos nSo 
guozaraa mais que de dez mill reaes soomente, e mamdo que em todo o mais nela 
comteudo se Ihe cnmpra e guarde imteiramente comò se especialmemte pera elle fora 
pasada, porque asy o ej por bem. Pero Cubas o fez em Lixboa a none dias de mayo 
de mill e quinhemtos e cimquoemta e tres e posto que diga que guoze de dez mill reaes 
soomente guozaraa de todos os quimze mill reaes comò o dito Joam Antonio.» 

(Torre do Tombo.— Chancellaria de B. Jole m, IÌt. SI, fol. 156 v.) 



OOO — Origny (Arcangelo). A ajuìzar pelo nome, era francès ou 
de origem francesa, e, pelos dìzeres de urna sua carta, era religioso. 

Està carta, cujo orinai existe numa coUec^So de manuscritos que 
pertencera a El-rei D. Luiz, é dirigida a um ministro de D. JoZo V. Nella 
dà conta o seu signatario dos gastos e obras que fez na pra^a de Rachel 
(India) durante os quatro annos (1739 a 1743) que ali andou corno enge- 
nheiro. Tambem nesta carta diz que fizera duas embarca^ Ses para trans- 
portar cereaes. Logo no principio declara: e de Sancoale aonde me acbava 
com a obrigajSo d'aquella parochia me obrigou (o vice-rei) com a appro- 
vasse do meu Prelado a voltar para a dita praga (Rachel).» E mais abaixo: 
cEm vigor da dita ordem feita e entrega da Igreja de Sancoale, fui para 
Rachel.» A obra comejou em margo de 1739 e durou até setembro de 
1743 em que nSo ficou a<;abada. 

Està carta é datada do Collegio de S. Paulo, 23 de fevereiro de 1745. 



231 

OOl* — Ortega (Jofto). Architecto militar, residente em Pena- 
macor. Vivia muito provavelmente no primeiro quartel on na primeira 
metade do secolo xvi. No reinado de D. Manuel ou de D. JoSo m, segando 
cremosy traballiou nas obras do Castello de Sabngal, de que Ihe ficaram 
dovendo 200:000 reaes, que nSo Ihe queriam satisfazer, e elle se veio 
aggravado queixar-se & cdrte, pedindo a el-rei o pagamento da sua 
divida. No seu memorial ou petÌ9So diz confiadamente que é homem de 
palavra e de boas contas, fiel oumpridor dos seus contratos, n&o podendo 
ningaem pdr-lhe pecl^, corno punham a outros. E comprovava està sua 
asser^So, dando por esemplo n%o so aquella obra, mas outras que fizera 
nas tercenas de Pinhel, em Castel-Bom e Penamacor. Este interessante 
documento, infelizmente sem data, é do teor seguinte: 



«Senbor — Joan dortegua morador em Pena Macor mestre das obras do Castolo 
do Saboguall de Vosa Alteza bejjo afl maftos a Tosa Beai alteza e fa90 saber em comò 
ha cimquo somanas que vym aquy com hGs agrauos do comtador ^res Botelho e vym 
a vosa alteza que me mandase desagrauar, e me mandase pagaar dozemtos mjl Beaes 
que se me denem das ditas obras pera dele aver de paguar aos oficiaes e aos que me 
am emprestado, dinheiros e mamljmentos e oatras cousas pera aver de comprjr com os 
que mo haào emprestado, e aguora senhor me parecer qùe se venho agrauado que vosa 
alteza me nUo desagraua pelo qual pee^o a vosa (Alteza) que por seru790 de Deus que 
me mamde despachar por que j agora naSo tenho que guastar nem paguar a meus ofi- 
ciaaes e as obras salo acabadas, asy comò compre a seruj^o de vosa alteza e majs 
comprjdaménte do que o diz o meu comtrato por que sempre desejey fazer as cousas 
que comprjam a 8eruJ9o de vosa alteza e nilo por comtrato, senSo sem eie comò vosa 
alteza tudo sabera por verdade e as obras de sy daào fee e testemunho e desto vera 
vosa alteza se uem alguua pesca dizer se em todas estas obras tenho feito alguum 
erro a vosa alteza asy comò nas tere9ena8 de Pjnhel e em Castel bod em Sabugall 
nem em Pena Macor por que se algum erro nelas ouuera ja o diseraSo a vosa alteza, 
comò am dito de outras a vosa alteza que fizerfto outros oficiaaes, e asy Re9ebo 
grande perda em ter trjmta oficiaaes que estaào esperando que Ihe va paguar e 
fazendo grande custo em que Be9ebo grande perdaa e nesto me farà grande mer9e 
que esperaua que vosa alteza me fizese por o ter tam bem serujdo e vejavosa alteza 
quamto tempo haquy andò.» 

(Torre do Tombo. — Fragnuenioé, lUfo X.) 



0O2 — OsoiiO (DiogO Pardo). Parece ter sido dìscipulo de Luiz 
SerrSo. O Conde de Mesquitella, governador das armas do Alemtejo, em 
carta de outubro de 1662, se refere a elle, dizendo que o trouxera comsigo, 
e que tinha sufficiencia. 

Era filho de Gaspar Rodrigues Paes Esteves. Fez grandes servi$os, 
tanto na qualidade de militar comò na de engenheiro, durante a campa- 
nha da acclamarlo, assistindo a alguns dos mais importantes assedios e 
batalhas. No cérco para recuperar a cidade de Evora delineou os ataques 
que se encaminhavam ao baluarte de S. Bartholomeu, Por todos estes ser- 



232 

vifos D. Fedro II, ainda principe regente, Ihe fez merce, a 20 de mar(o 
de 1676, da ten$a effectiva de 30:000 reaes. 

Em 1681 foi à villa de MourZo com o veder geral a fini de tirar o 
rìsco para a igreja matriz, que havia dezasete annos fora derrocada por 
causa das obras da fortifica(2to. 

Barbosa Machado, na Bibliotheca Lusitaìia, dìz que elle era desenha- 
dor de fortifica9Ses. 

«Dom Fedro &c. fa^o saber aos que està minlia carta de padrSo virem que tendo 
respeito aos Berui908 de dom Diogo Pardo Ozorio, filho de Gaspar Rodriguez Paez 
EsteuSis feìtos desde o anno de seis centos sincoenta e none athe o prezente de seis 
centoB setenta e seis em pra9a de ingenheiro na prouincia de Alentejo durante 
a guerra e despois das pazes em a pra^a de Setuuel e fortalezas de seu destrito 
e na de Cezimbra no ano de seis centos sincoenta e noue hir ver as fortifica^oes 
das pra^as de Alentejo e se acbar nas occasiSes de guerra que la se ofPereceram, na 
cidade de Euora seruir tres annos de ingenbeiro, e no anno de seis centos sessenta 
e tres, em que esteue de serco, acodir com cudado e acerto as obriga9oes do seu 
cargo em ordem a fortifica92Lo e defensa da pra^a, e sabindo della com os mais ren- 
didos para o ezercito se acbar no recontro do Degebe, batalba de Ameixial e res- 
taura9So da pra9a de Euora, pera a ezpugna9ào da qual dellineou os ataques que se 
encaminbarfio ao baluarte de Sam Bartbolomeu, depois de recuperada a cidade ficar 
nelU atbe a por em defemsa com as obras que Ibe fes, o mesmo obrar na pra^a de 
yallen9a de Alcantara depois de rendida, logo que se fezerSo as pazes assistir as 
fortifica9des da praQa de Setuuel, fortalezas de Nossa Senbora do Cabo Porto da 
Arrabida, pra9a de Cezimbra e nas de SSo Fellippe e OutSo, obrando em tudo com 
desuello e acerto que era bem, em satisfa9Slo de tudo, bey por bem de Ibe fazer 
merce, alem de outra que pellos mesmos respeitos Ibe tambem fis, de trinta mil rs. 
de tonfa efectiua, os quais Ibe serSo assentados em bum dos almoxarifados do Beino 
ou Cazas dos direi tos reaes, em que couberem e sem prejuiso de terceiro, e os comes- 
sara a uencer de oito do presente mes de marfo deste anno de seis centos setenta 
e seis em diante. Pollo que mando aos vedores etc. Bento Alberto de Freitas o fes 
em Lisboa a vinte de mar9o de seis centos setenta e seis. SebastiSo da Gama Lobo 
o fes escreuer. Princepe.* 

(Torro do Tombo. — GhAncclUria tl« D. Alfonso VI, Doa^, Ut. SI, fol. 196 v.) 

«Diniz de Mollo de Castro Amigo. Eu o Principe vos iuuio muito saudar. Por 
bauer desasete annos que se derrubou a Igreja Matris da villa de MourSo, por assim 
convir a fortifica9So e defen9a daquella pra9a, e a esse respeito pade9erem os mora- 
dores grandes desconsola9Òes, e apertos, na administrafSo dos Sacramentos e culto 
diuino, tenbo ordenado se reedifique. E porque o Ycedor geral acompaubado do 
Ingenbeiro Dom Diogo Pardo bSo de ir à mesma villa a fazer o desenbo para a 
Igreja; respectivamente aos m.*** della. Vos ordeno, e bey por muito encòmendado 
qae no tempo em que elle se fizer, e a obra se bouuer de arrematar vades tambem 
4 dita villa, para que com a uossa assistencìa e autboridade, se acuda a tudo o que 
mais conuier ao servÌ90 de Deos e meu. Escripta em Lx.* aos 20 de Feuereiro 
de 1681.— Principe. 

P. S. Para que Y. S. va assistir ao desenbo e arremata92o do obra da Igr.* 
de Monra P.* Diniz de Mollo de Castro.» 

(OrigioAl naStbliothecA da AJada, MUetUanM, manoficripto in-fol., Yol. 10, fol. S77.) 



233 

003.— Ossorio (D. Francisco de). Era alferes de urna com- 
panhia de ordenanga. Discipulo de SerrZo Pimentel, havia ido praticar 
nas fortifìca98es de Evora, aonde assistia, quando o inimigo a veia cercar, 
soffrendo elle grande risco e trabalho. Por decreto de 13 de setembro de 
1663 se ordenou ao conselho de guerra que o despachassem para ir assis- 
tir na fortificafio de Evora com lO^JOOO réis de soldo por més. Vide Pardo 
Ossario (Diego.) 



€l&4. — Oudinot (Beinaldo). Nomeado ajudante de infantaria, 
com exercicio de engenheiro, por decreto de 3 de setembro de 1766. Cas- 
tilho, nas notas do seu poema intitulado A faustissima exaltagSo de sua 
magestade fiddissima o senhor D. Jo&o Vlao throrwy traz a pag. 59 curiosas 
informagSes acSrca das obras da barra de Aveiro e da parte que nellas 
tomou Reinaldo Oudinot. No texto do poema (pag. 20) lé-se a seguinte 
passagem: 

«Ardaas fadigas, derramadas sommas 

Ao Vouga Dunca destruir podérSo 

A barreira, que entrada ao mar tolhia : 

Em Teus dias, Senhor, tiin Genio grande, 

(0 preceito foi Teu, é Tua a glòria) 

As cadeias quebrou, que o Rio atavào. 

Surge, e bramando preBuroso corre, 

Chega ao Tridente do feróz Neptuno, 

Corre a abra9ar a graciosa Thetis : 

Nem mais soberbo discorria outr'ora 

PeloB campos Ideos o vasto Xanto, 

Quando amou de Neera o lindo roBto. 

NSLo faja aos versos meus, à fama, à gloria 

O uome d'Oudinot, que o sabio Plano 

Deo qual déste tambem, qual desempenhas 

Engenhoso Carvalho em uobbob dias.» 

As duas seguintes notas conventuaes d2k)-nos alguns pormenores accrca 
da familia e dos bens de fortuna de Oudinot: 

«0 eoronel Reinaldo Oudinot deu em dotte de cazamento o prazo, de que era 
^mphyteuta pertencente ao Collegio de S. Bento de Santarem, a huma filha chamada 
D. Maria Francisca de Paula Oudinot : morreo està e ficou a seu marido Luis Gomes 
de Carvalho, assistente em Aveiro, e he tenente eoronel. Quem pagou os foros foi 
José Joaquim de Gouveia Leite assistente no dito prazo, que he à Ponte da Pedra 
hindo no caminho de Leiria para Rigueira de Pontes abaixo da Gandra. Recebi do 
dicto OS foros vencidos de 1809 athe 1814, emportancia de — 12^360.» 

(Torre do Tombo. — Ma^ 564 dos Tombos dos Conventos diversos, vlndos 
dos Proprios Naclonaes. Convento de S. Sento de Santarem.) 

Segue-se a enumeraySo de foros de outras pessoas. NSo tem assigna- 
tura. 



234 

No 1.^ de Janeiro de 1787, no mosteiro de S. Bento de Santarem, de um 
lado prior; do outro José Bento de Azevedo, de Leirìa, procurador de 
Beginaldo Oudinot, tenente-coronel de infantarla, sua mnlher Maria Vicen- 
eia Mengni declarou que estava na posse de um prazo na Ponte da Fedra, 
termo de Leirìa. 

Pedia reconhecimento do prazo. 



OOff— Paoheoo de Moraes (Gregorio). Mandado assistìr, corno 
ajudante de engenheiro, nas fortificaySes das prafas do Alemtejo, oom o 
soldo de lOiJOOO réis por mès, por decreto de 28 de agosto de 1664. 
(Decretos remettidos ao Conselho de Gaeira, ma$o 23, doc. 85.) 



0&0 — Padua (Antonio de). No voi. i d'està obra, sob o nome 
Bellini de Padua (JoSo Antonio), identificàmos o escuiptor JoSo Antonio 
de Padua com o esculptor-architeoto JoSo Antonio Bellini de Padua. Appa- 
rece-nos, porem, pela mesma epoca, um Antonio de Padua mastre esii- 
tuario de retaboUoa e arjuitatura. Em 23 de julho de 1739, celebrava elle 
um contrato com os padres da Companhia de Jesus, do Collegio de Santo 
Antào de Lisboa, para a feitura de um retabulo de marmores de diversas 
còres para a capella da quinta de Santa Barbara, na villa de Punhete 
(hoje Constan^a). Publicàmos este contrato no Boletim da Beai Associagào 
do8 ArckUecioB Civia e ArcheólogoB Portugueses, numa serie de artigos sob 
titulo de Notida de alguns esculptores portugueses, a qual saiu depois 
em separado num folheto. 

Tambem com o nome de Antonio de Padua faz d'elle men^So o padre 
Manuel Monteiro na sua Historia da funda^ do Beai Convento do Lou- 
rigalj Lisboa 1750, onde ^ pag. 215 diz o seguinte: ana Capella mór, e 
nas duas CoUateraes se achSo j& assentados os Betabulos, fabricados das 
pedras mais escolhidas, que se tir2o nas pedreiras de Lisboa, de differentes 
cdres elegantemente matizadas, e polidas, omadas com Anjos, e Serafins, 
e varios primores entalhados pelo celebre Estatuario Antonio de Padua.» 



O&V — Paes [(Diogo). Em 1624 foi nomeado para um dos loga- 
res de aprendiz ou pensionista de architectura, na vaga de Pero Nunes, 
(alias Pero Nunes Tinoco), nomeado mostre das obras de S. Vicente. 



236 

Em 1629 foi para o Brasil, na companhia de Mathias de Àlbuquer- 
que, com o posto de capitSo de infantarìa do presidio de engenheiro mili- 
tar, a firn de servir em Fernambuco e nas demais capitanias do norte. 

O Conselho de Guerra, consultado sobre um engenheiro a enviar à 
Bahia, approva a escolha de Diogo Paes e mais dois, um frances, Ponsué 
e Gaspar Pinheiro Lobo. A consulta é de 30 de Janeiro de 1646. 

Foi mandado passar & Bahia deTodos os Santos pelo seguinte decreto: 

«Fella falta que ha de engenheiros na Bahia de todos os Santos mando passar 
aquella cidade Diogo Paez em hua embarca9&o ligeira que parte com hum auiso que 
se nSo pode deter, e por que he necessario hauer aly engenheiro de mayor suiEcien- 
eia me proponha o conselho de guerra dos que ha no reyno o que Ihe parecer mais 
aproposito. £m Alcantara a 21 de Mayo de 1647.» Com a rubrica de sua magettade. 

(Deeretos remeUld08 «o Conselho de Oaem, nui^o 7, n.* 46.) 

Tres annos antes havia sido nomeado engenheiro-mór do Algarve, 
com 50 cruzados de soldo por més. 

«£u eirei fa^o saber aos que este aluara nirem que eu hei por bem foser merce 
a Dioguo Paia de hum dos lugares de aprender architetura, que hora uagou por Pero 
Nnnes, a quem eu fis merce de mostre das obras de sam ViBemte^ o qnal Ingar he 
dos tres que eu qnero que aja pera pessoas que estudSo architetura em quamto tiner 
o dito lugar auera com elle uinte mil rs. de ordenado cada anno, que he outro tanto 
comò tinha o dito Pero Nunes, pelle que mando ao prouedor de minhas (finita obrcu)' 
e pa^os ademita ao dito Diogo Pais ao lugar de aprender a dita architetura que 
uagou polla promo9ÌU> do dito Fero Nones ao officio de mostre das obras de SSo Y i- 
conte, comò dito he, e aos uedores de minha fasenda Ihe fa9Ìo asentar os ditos uinte 
mil rs. de ordenado nos liuros della e do tenpo que constar que foi ademitido ao dito 
lugar despachar cada anno na folha do asentamento da Casa da empo8Ì9So uelha dos 
uinhos desta cidade de Lizboa donde o dito Pero Nunes tio bem os tinha asentados 
que Ihe serfio pagos com certidSo do dito prouedor de minhas obras e pa90s de comò 
aprende a arte darchitetura, e este aluara ey por bem que ualha comò carta feita em 
meu nome sem embargo da ordina9fto do L.<» 2.^ titulo 40 que o contrario despoem. 
Mathias de Oliueira o fes em Lixboa a dous de (falta o mes) mil seis sentos e uinte 
e quatro. Sebastifto Perestrello o fis escreuer.» 

(Torre do Tombo. — Chancellaria de D. Filippo ni, Doa^, Uv. 90, foi. 188.) 

«Eu elRei fa^o saber aos que este aluara virem que eu ei por bem de fazer merce 
a Diogo Paes, meu emginheiro melitar, que hora vai servir a PemSobuquo e nas mais 
capitanias do norte em companhia de Mathias de Albuquerque, de o fazer meu capi- 
tao de infantarla de prezidio e emginheiro melitar com todos os ordinados, proes e 
precal^os, previlegios e liberdades que am e tem todos os outros capities de in^- 
tana do prezidio que autualmente servem no estado do Brasil e a dita pra^a se Ihe 
asentara em Fernambuco adonde se Ihe asentara digo pagara em dinheiro de con- 
tado e a come^ara a vencer desdo dia da data desta provis&o ; pollo que mando ao 
meu govemador goral do dito estado do Brasil ao capitam mor de Pernàobuco Ihe 
fa^Io nella asentar a dita prasa e Iha fa9ào pagar na maneira que dito he e todos 
OS proes e precal^os que Ihe direitamente pertencerem e Ihe fa92o guardar os previ- 
legios e liberdades que tem e de que gosSo e usSo os capitsLes de infantarla do dito 
estado do Brasil e cumprSo e guardem este aluara inteiramente comò nelle se com- 
tem que vallerà comò carta sem embargo da ordina9So do 1.* 2.<* titolo 40, que des- 



237 

poem contrario. JoSo Feo o fes exn Lixboa a vinte oito de julho de mil e seis Ben- 
tos e Tinte nove. Diogo Soares a fes escrever.» 

(Torre do Tombe. — GhancelUrift de D. Filippo III, Doa/^f Uv. 23, fol. 923.) 

«Eu elRei &90 saber aos que este aluara virem que eu ei por bem de fazer merce 
a Diogo Paes, que bora me vai servir a Fernambuco de capitSo de infantaria e 
emginheiro melitar, que quando vier a oste Reino, se Ihe tenba respeito ao 8ervi90 
que vai fazer nas pra9as de sua profi^fto que ouver vagas e se Ihe farao as mais mer- 
ces que ouver lugar, e este se cumprira comò se nelle contem sem duvida nem con- 
tradi^ào aigua, e valera, posto que effeito delle aja de durar mais de bum anno sem 
embargo da ordcna^So do liuro 2.®, titolo 40 em contrario. JoSlo Feo fes em Lixboa 
a vinte tres de julho de seis sentos e vinte nove. Diogo Soares fes escrever.» 

(Torre do Tombo. — Chancellarift de D. Filippo IH, Doa^, liv. 22| fol. 223 v,) 

«Contemse em hum decreto de V. Mag."** de 25 do prezente que Antonio Tellez 
da Sylua, gouemador do Estado do Brazil, manda pedìr um engenheiro francez, ou 
pesBoa que possa saber de fortificarlo, e que este conselho diga aV. Mag."** se Diogo 
Paez Ihe parece a proposito, ou que pessoas poderSo seruir melhor nisto aV. Mag.*** 
naquelle Estado. 

Jorge de Mollo e D. JoSo da Costa que entendendo que serio necessarios no 
Brazil mais que hum Engenheiro, sSo de parecer que envie V. Mag.^'* aquelle Estado 
Diogo Paez e ao engenheiro Ponsué e ao mostre de campo Gaspar Pinheiro Lobo 
polla particular noticia que tem d'aquella cidade por hauer sido quem a fortificou, 
porque o Choronel Cosmander, Gilot e Langres n2o se podem escuzar neste Reyno, 
estando quasi todas as fortifica9Òes delle todas imperfeitas. 

Conde camareiro mor e dom Alvares dAbranchez sSo de parecer que ao Bra- 
zil se enviem ao mostre de campo Gaspar Pinheiro e a Langres, entendendo que estes 
serio mais a proposito para que naquelle Estado sSlo necessarios. Lixboa dO de 
Janeiro de 1646.» 

(Consnltas do Conselho de Ouorra, ma^ 6, n.* 26.) 

«Eu ElRey fìt^ saber aos que este meu Aluarà virem que por comvir a meu ser- 
UÌ90 que o Engenheiro Diogo Paez passe logo ao Algarue a assistir as fortifica^oes 
daquelle Reyno, Hey por bem e me praz de Ihe fazer mercé do cargo de Engenheiro 
mór delle para que o sima com os poderes e preheminencias que Ihe toquarem^ com 
o qual gosarà sincoenta cruzados de soldo por mez, os quais mando ao govemador 
e capit&o goral do mesmo Reyno Ihos &9a assentar nos liuros da Veedoria e Conta- 
doria goral delle para Ihe serem pagos a seus tempos deuidos e custumados. E este 
aluarà se cumprirà tilo inteiramente comò nelle se conthem e ualera, posto que seu 
effeito haja de durar mais de hum anno sem embargo da ordena92o que contrario 
dispdem. Domingos Luis fez em Lixboa aos quoatro dias do mes de mayo de mil seis- 
centos quarenta e quoatro annos. E eu Antonio Pereira fiz escreuer. Rey.» 

(Torre do Tombo. — ChiuieellAriA de D. Jolo IV, IkMi^t Ut. 16, fol. 215 v.) 



008 — Paes (Estevam). Foi um dos mestres constructores do 
Castello de Torres Novas, segundo se ve nestas inscrÌ95es, que veem trans- 
criptas no tomo xxxvii, fol. 792 e 794 do LHccioìiarìo Qeographico, manus- 
cripto da Torre do Tombo: 

*0 Muy Nobre Rey Dom FemSo mandou fazer està obra a Louren90 Pirez de 
Santarem. Juiz por El Rei e foy aoabada na Era de mil quatrocentos e quatorze annos 



238 

e desta obra foy Mestre EsteuSo Domingaez, Pedreiro e Esteu&o Paez e JoSo Bodrì- 
guez. 

Era de mil quatrocentos e dose aos dois dias do mes de Janeiro se come9oa està 
obra. Por Louren90 Pirez de Santarem. Juiz Por El Rei.» 

OOO — Paes (FranoiSOO Xavier). Frequentara desde 1735, com 
grande zelo e aproveitamento, a Academia Militar da Córte e o carso de 
mathematicas do Collegio de Santo AntSo, regido pelo Padre Manuel de 
Campos. Dedicon-se tambem & arte de pintura, de modo que nSo so era 
habil na engenharia mas principalmente no risco e delineaslU) de plantas 
e mappas. Em 11 de abril de 1744 foi nomeado ajudante engenheiro da 
córte e provincia da Extremadura. Damos em seguida o decreto da no- 
measSo, bem comò o requerìmento que o motivou e o attestado adjunto: 

«Pellas boas informa95e8 que tenho do prestimo, e capacidade do Sapp.* para 
exercicio de Engenheiro e para dezenhar perspectivas de cidades e edificios civiz 
e militares; Hey por bem fazerlhe merce da patente de Ajudante Engenheiro desta 
Corte e provincia da Estremadura, e dezenhador de plantas e perspectÌTas, com de- 
clara9So qua seguirà e executarà as direc^òes e in8truc9des, que Ihe der o Brigadeiro 
Manoel da Maya em tudo que Ihe encarregar pertencente ao meu real seryÌ9o. Con- 
selho de Guerra o tenha assim entendido e nesta conformidade Ihe mande passar a 
patente. Lixboa onze de Abril de mil setecentos e quarenta e quatro.» Com a rubrica 
de mta magettade. 

«S.^ — Diz Francisco Xavier Paes, discipulo da Academia Militar desta Corte 
desde o anno de 1735, applicandose, n&o somente ao estudo das materias, que alli se 
ensinSo para a profiss&o de Engenheiro, mas tambem a desenhar perspectivas de todo 
genero, de que ja tem sido apresentadas aV. Magestade alguas demonstra9oens, 
que pela certidSo do Beverendissimo Padre Manoel de Campos, Mestre que foi de 
Mathematica no Real Collegio de S. AntSo, consta assistir tambem às suas lÌ9oen8 
por e8pa90 de seis annos, capacitandose com piena intelligencia, nio b6 nas materias 
mais necessarias a hu Engenheiro, mas em outras praxes conducentes & mesma scien- 
cia, principalmente no risco e delinea9fto de plantas e mappas, e agrimens&o de ter- 
renos, com as mais circumstancias de procedimento e prestimo declaradas na dita 
certidfto, e pela do celebre Pintor Francisco Yieira Lusitano consta tambem da capa- 
cidade e intelligencia do Supp.* nos desenhos de perspectiva, e do seu merecimento, 
e ultimamente pelo parecer do Brigadeiro Manoel da Maya, se ve a sua aptidSo para 
o poder laudar nos desenhos do servi90 de V. Mag.*'* por tanto 

P. a Y. Mag.<** que attendendo à multa applicasse, que 
elle Supp.* tem feito, nfto so nos nove annos na Aca- 
demia Militar e aula de Mathematica do Real Collegio 
de 8. Antfto, mas a outros antecedentes, em que se 
havia applicado à Arte de Pintura, com as quaes de- 
ligencias chegou a conseguir as sobreditas approva- 
Qoens ; Ihe queira fazer mercé por seu Real Decreto 
da Patente e Soldo de Ajudante Engenheiro da Pro- 
vincia da Estremadura, e desenhador de plantas e 
perspectivas de todo o genero para as executar com 
especialidade debaixo das direc9oens do Brigadeiro 
Manuel da Maya, e das suas instrucsoens. — E. R. M.» 



239 

«Senhor — Pareceme justo que attendendo V. Mag.<*« ao particular talento que 
Francisco Xavier Paes tem mostrado para desenhar perspectiyas de cidade e outros 
quaesquer edificios ecclesiasticos, civis e militares, e se achar com bastantes funda- 
mentos acquiridos na Academia Militar, e na Aula de Mathematica do Beai Collegio de 
S. Antfto para tirar todo o genero de plantas, Ihe fa^a V. Mag.^* a merce da Patente 
de Ajudante Engenheiro e Desenhador de plantas e perspectivas, sendo obrigado 
com especialidade a seguir e ezecutar as minhas dire^oens e instrac9oens em tudo 
que Ihe encarregar pertencente ao servilo de V. Mag.^« comò j a tem principiado 
a fazer em algumas diligencias pertencentes is reaes obras do sitio de N. Br.* das 
Necessidades, em que tenho observado o seu prestimo, que bem ezercitado promete 
ser conveniente ao servilo de V. Mag.^i* que mandarà o que for servido. Lx.* 10 de 
Abril de 1744 — Manuel da Maya.» 

(Decretoa remettldos ao ConaeUio de Guerra, ma^o lOS, n.* 2.) 

Volkmar Machado {Mermorias, pag. 243) referìndo-se à Real Casa das 
Obras, escreve o seguinte: 

«Quando o Brigadeiro Manuel da Miùa passou a Architecto supranu- 
merario, sucoedeo-lhe n'esta praja Francisco Xavier Paes.» 



•yOO — Paes (Pero). Jesuita, que esteve na Ethiopia, onde cons- 
truiu um palaoio ou casas para o imperador. . . a onde o Padre Pero Paez 
de boa memoria tinha feito hvuis casas bem fermosas ao Emperador, que 
por se nSo habitarem estauam ja algom tanto danìficadas.» (Rdagam geral 
•do estado da christandade da Etiopia, pelo padre Manuel daVeiga, Lisboa 
1628, foU 42 V.) 



•yoi— Paes de Meneses (Franòisoo Xavier). Cremos que 
é mesmo Francisco Xavier Paes, de que ji tratàmos. Estava para 
partir para a America em companhia de Ghiilherme Joaqaim Paes de Me- 
neses, mas foi-lhe determinado que ficasse no reino. Eis o decreto refe- 
rente a està ordem: 

«Por bayer determinado que fiqnem neste Beyno o Gap.*" Francisco Xavier Paes 
de Meneces e o Ajudante Guilberme Joaquim Paes de Menezes, ambos engenbeiros, 
a quem tinba destinado para passarem à America, Hej por bem que se Ibes pague 
o soldo na Vedoria desta corte corno aos mais engenbeiros desde o primeiro de no- 
vembre do presente anno, por se Ihes ter ja feito pagamento até o ditto dia pw outra 
e8ta9So. Conselbo de guerra o tenba assim entendido e o fa^a executar. Lisboa 
vinte e tres de Dezembro de mil e setecentos e cincoenta e bum.» 

(Deeretoa rmneUIdoi ao ConaeUio de Onerra, mafo 110, n.* 79.) 



T'OS— Paes de Meneses (Ouilherme Joaquim). Irmlo ou 
prozimo parente do antecedente. Em 13 de abril de 1753 foi-lhe feita 



240 

mercè do posto de sargento-mór de infantarla, com exercicio de enge- 
nheiro e o soldo dobrado, em atten9&o aos seus bona servi^os e a ter 
8Ìdo nomeado para ir servir no reino de Angola emquanto ali governasse 
D. Antonio Alvares da Cunha. Vide Catalogo dos mappas do Ministerio 
da Marinha, pag. 40. 



y03 — PallOS (Afibnso de). Mestre das obras de pedraria real 
na cidade de Evora. Em carta de 23 de margo de 1490 Ihe foi feita 
a mercé de 2:000 reaes de ten9a pelo dito cargo. Em 1 de jiinho de 1490 
Ihe foi passada carta de privilegio sendo nella designado simplesmente 
comò pedreiro. 

Seria o antecessor de Martim Louren9o? 

«Dom Joham &c. a quantos està nossa cai-ta virem fazemos saber que nos que- 
reudo fazer gra9a e merce aAfomso Pallos, mastre das nossas obras das pedraryas 
em està cidade dEuora, teemos por bem e queremos que aja des primeiro dia de Ja- 
neiro que ora foy do anno presente de IR em cada huu anno aja de nos de t§ca com 
o carreguo do dito oficio dous mill reaes, e porem maudamos aos veedores da nossa 
fazenda que Ihe mandem asentar os ditos dinheiros em os nossos liuros della e dar 
delles carta em cada huu anno pera luguar donde elles ajam muy boò paguamento, 
por quanto asy he nossa merce. Dada em a nossa cidade dEuora a xziii de mar90 — 
JohS do Porto a fez anno de nosso Snndr Jhesu xpo de mill e iiii^ IR annos.» 

(Torre do Tombo. — Chancellaria de D. Jo&o II, liv. 12, foi. 182.) 

«Dom Joham &c. A uos noso corregedor juizes e justi^as da comarca dantre Tejo 
e Odyana, e aos juizes, oficiaees da nossa cidade dEuora, e a todollos outros corre- 
gedores, juizes e justi9as, oficiaees e pesoas a que ho conhocimento desto pertencer 
e està nosa carta fòr mostrada, saude, sabede que avendo nos respeito a comò con- 
tinuadamSte nos seruimos dos pedreiros de nossos Regnos asy nas obras de nossos 
Regnos, lugares dallem mar comò em outras de multo noso serui^o polla quali cousa 
em allguua maneira deuem ser preuilegiados e des hy querendo por esto fazer gra^a 
e merce A.<* Pallos, pedreiro, morador em està cidade, temos por bem e preuilegia- 
mollo. . . Dada em a uosa cidade dEuora a primeiro dia de junho — Migell de Saa 
a fez — anno do nascimento de nosso Senhor Jheéuu x.» de mill e un" e nouSta.» 

(Torre do Tombo. >- CbaneeUaria do D. Jofto U, Ilv. 16, foi. 66 v,) 



'y04r— Parente da Silva (Domlngos). Filho de José Parente 
e de Ignacia Baptista. Nasceu em Lisboa, freguesia de Santos-o-Velho, 
a 4 de maio de 1836. Falleceu na sua residencia em Alcolena (Belem) 
a 17 de novembre de 1901. 

Foi casado com a senhora D. Cariota da Silva Gii Parente, de cujo 
matrimonio, alem de outros filhos, ficou o sr. Francisco Carlos parente, 
que segue a profissao paterna. 

No numero 17 (28 de agosto de 1896) do periodico A Construcgàoj 
orgSo da A8socia93o de Classe dos Constructores Civis e Mestres de Obras^ 



241 

vem um longo artìgo encomiastico, em que se defendem e glorìficam os 
projectos de restauragSo da igreja e extincto convento da Ordem de 
S. Jeronymo, em Belem, elaborados pelo architecto Parente. 

Em segidda à morte do distinoto arghitecto, o sr. Rozendo Carvalheira 
publicoa no n.^ 46 da Canstrucgào Moderna, correspondente a 16 de dezem- 
bro de 1901, mn sentido artigo necrolog^co, em qae exalta com enthu- 
siasmo OS dotes artisticos de Parente da Silva. 

D'esse bem redig^do artigo vamos extrahir os seguintes dados biogra- 
phicos : 

Curson a Academia de Bellas Artes, onde se próp6s seguir o carso 
de pintura historioa para o que revelou excepoionaes aptidSes, sondo pre- 
miado com a medalha de ouro no conctrtso triennal. 

O seu quadro Abd e Cairn, que existe na mesma Academia, foi o que 
mereceu essa honrosa classificarlo, sondo desde essa data o seu nome 
citado corno o de um pintor de largo futuro. 

Pintou entro. outros quadros de merecimento, os quatro evangelistas 
que existem no cruzeiro da Sé de Lisboa. 

Seguindo uma nova orientaQSo do seu espirito, abandonou a pintura 
em que dora tSo brilbantes e promettedoras provas, para se dedicar por 
completo à architectura, especialidade em que conquistou e firmou os seus 
creditos de artista de excepcional valor. 

Projeotou e construiu os Recreios Whitoyne, na Praga dos Restaura- 
dores, onde hoje existe o annexo do Avenida Palixce. Devem*se ainda ao seu 
talento os seguintes projectos, grande parte d'elles construidos ou em vìa 
de construcgSo: — projecto dos Jeronymos, igreja e museu; projecto para 
a installaoSo de camaratas e enfermarias, annexas & Real Casa Pia de 
Lisboa; projecto de urna igreja para Alpiarga; projecto de um matadouro, 
para Santarem; projecto para um grandioso edificio para hospital de alie- 
nados, em Lisboa; projectou, e construiu em grande parte, o edificio dos 
Pagos do Concelho, de Lisboa, nSo assistindo à sua' conclusSo por ter 
saido da Camara, entro outros motìvos, pela alteragSo que fizeram ao seu 
projecto. Entrando depois para as obras publicas, em 1884, ahi prestou 
servi^os ìmportantes da sua profissSo, entrando no quadro 'dos architectos, 
em que se conservou até i morte, tendo, ha cérca de um anno, side pro- 
movìdo a architecto de 1.^ classe por fallecimento do architecto Valentim 
José Correla. 

Entro OS muitos e importantes trabalhos que fez em servìgo do Estado, 
avultam o arranjo e decoragSo do Tribunal de Contas e as grandes obras 
ultimamente realizadas nos pagos das Necessidades e Ajuda. 

Realizou brilhantes decoragSes em festas publicas, onde o seu bom 
gesto artistico se tomou notorio e devidamente apreciado. 

^ Projectou e construiu um avultado numero de edificagSes particulares, 
tanto no pafs comò no Brasil. 

VOL. D 16 



242 

Projecton o portico de entrads do Cemiterìo dos Prazeres, de urna 
admiravel majestade de lìnhas, de tal nobreza e proporsSo, que deve ser 
considerado conio modelar no genero. 

Fez parte de nm grande numero de commissSes officiae9. 

O seu voto era moito considerado em vistorìas, a que muitas vezes era 
dxamado pela sua multa competencia e pratica. Possuia grande numero 
de diplomas de sociedades nacionaes e estrangeiras; era membro da sec^So 
de architectura da Sociedade Nacional de Bellas Artes, e presidente da 
assembleia geral da Associa9So dos Constructores Civìs. 

T'Off— Paulet (Antonio José da Silva). Era naturai de'^iUa 
de Nogueira de AzeitSo, sendo seus paes Jo2o Bebello da Silva Paulet 
e D. Antonia Joaquina de Cabedo e Vasconcellos. Em 10 de outubro de 
1824, declarou ter 46 annos de idade, tendo portante nascido por 1778. 
Em 1812 passou para o Real Corpo de Engenbeiros, desempenbando em 
1824 posto de coronel. (Arobivo de engenbarìa). 

Um decreto de 9 de dezembro de 1821, nomeando os govemadoree 
das diversas provincias do Brasil, designa o coronel Antonio José da Silva 
Paulet para govemador do Ceari. 

Na Bibliotbeca Nacional do Bio de Janeiro existe d'elle a seguinte: 

Coarta da Capitaria do Cea/rd, levantadapar ordem do govemador Manod 
Ignaeio d$ Sampaio por $eo AJudante Antonio Jo$i da Silva Paulet. 1818. 

T'OO— Peizoto (Martinlio José Diogo PasBOB). Arcbiteoto 
das tres ordens militares e bavia dezaseis annos arcbiteoto na RepartÌ9lo 
das Obras Publicas. Pedira o legar de arcbitecto das obras dos pbaroes, 
que idra crìado e oonferìdo ao arcbitecto Joaquim de Oliveira pela regia 
resolufto da consulta de 3 de mar^o de 1792. O legar estava vago pelo 
Mecimento de Henrique Gomes de Olivebra. 

A informafZo de 18 de novembre de 1819 disia que o requerente nio 
instruira documentabnente o seu requerimento. 

Pareoe ter side oom effeito nomeado, pois em 1823 (21 de agosto) era 
arcbitecto da Junta do Commercio, e, acbando-se gravemente enfermo, 
pedia iguda de custo. Indeferido. 

Vide Torre do Tombo. — Papeii da Junta do Commercio^ ma/fo 104. 

Vide Joaquim de (Xioeira. 

Cremos ser o Martìnbo José Peizoto, ajudante de Fabri, de que fida 
Volkmar Macbado a pag. 231 das suas Memoriae. 

T'O'T'— Péllflge (Fedro). Engenbeiro francès. Tendo servido nas 
fronteiras do Alemtejo, embarcou na armada que ia ao Brasil sob o com- 
mando de Antonio Telles de Meneses, conde de^^^illa Pouca de Aguiar. 



248 

A carta qne o nomeia para està oommissXo, dando-lhe o soldo de 40^000 
réis por m@s, é de 15 de outnbro de 1647. 

«Dom Jofto &c. fistio saber aos qua està minha carta patente yirem qne tendo 

respeito ao que me reprezentou Fedro Pelìfige, emgenheiro, de na^fto firances, e ao 

bem qne me ba semido na mesma profi92o nas fronteiras de Alemtejo e Beino, 

e ao bom animo com qne descja embarcanse e hir seminne nesta aimada, qne 

bora, com o fanor denino se apresta para passar ao Brazil, na mesma pra9a de em- 

genheiroy e esperar delle qne em tndo de qne o emcarreffar continnara men semi^ 

mnito a minba satisfa^So, e por todos estes Bespeitos folgar de Ibe faser mer^e bey 

por bem e me praz de Iba fazer do cargo de emgenbeiro para com elle me semir nesta 

armada qne bora passa ao Brasil, de qne be general Antonio Telles de Meneses, conde 

de Villa Ponca de Agniar, dos mens conseihos de estado e gnerra, em tndo o qne tocar 

a sua profitto e arte nas fac^òes qne se intentarem ftoer em terra e onde se Ibe or- 

denar com o qnal cargo banera qnarenta mil rs. de soldo por mes emqnanto durar a 

jomada e gosara de todos os priuilegios Dada na cidade de Lisboa aos qninse 

dias do mes de o ntnbro — Manoel Pinbeiro a fes — anno do nassimento de nesso 

Senbor Jesn Xpo de mil e seis centos e qnarenta e sete. E en Antonio Pereira a fis 

escrener. ElBei.» 

(Torre do Tombo — CbaneeUarU de D. Jolo IT, Doogte^ Uy. 18| fol. 288.) 



VOS — Peltz (Ifr.) Engenbeiro mathematico. Leccionava mathe* 
matìca em Lisboa em 1744. Beeidìa na calgada de S. Joto Nepomuoeno. 
(Gazeta de Lisboa^ de 28 de abril de 1744.) 

T'OO— Pereira (Antonio José). Prìmeiro tenente aggregado 
ao regìmento de artìUiarìa n.^ 1, empregado no exercicio de ajndAnte de 
architecto na Casa do Bisce das Obras Pablicas ; foi nomeado ajudante 
do fiallecido engenheiro director dos trabalhos hydraolioos José Therezio 
Miohelotti. Pedìu para servir o legar de architecto da Real Jnnta do Com- 
mercio, vago por fallecimento de Henrique Gomes de Oliveira. 

Despaoho: NSo ha que deferir. Lisboa 14 de dezembro de 1719. 

Vide Torre do Tombo. — Papeia da Junta do Cùmmerdo, ma^o 104. 

Vide Joaqnim de OKveira. 

T^IO— Pereira (Oustodio). Nomeado, em 1691, capitSo engenheiro 
da capitanìa do Maranhio para succeder a Pedro de Azevedo Cameiro, 
que havìa obtido licenya para vir ao Beino. A respectìva carta de nomea^Xo 
acha-se reg^stada net U^- 89 121 do Liventario, dos (Mcios do Conselho 
Ultramarìno, e é d'este teor: 

«Dom Pedro &c. fii^ saber aos qne està minha carta patente virem qne tendo 
respeito a baner comcedido licenza pera nir pera reyno a Pedro de Asenedo Car- 
neiro qne se acba exercitando posto de capit2o emgenheiro do estado do Mara^b&o, 
e na pesoa de Costodio Pereira comcorrerem todos os requesitios partes necessaria» 
pera exercitar o dito posto em qne està apronado e nfto so ter a noticia deste minia- 



244 

terio mas tambem se achar com grande conhecimento e pratica domanejo doe esqaa- 
dr5es e vista a informa^So qne se me deu do seu prestimo, e por esperar delle que 
se hauera com bom procedimento no de que for encarregado de meu semino Hey por 
bem fazerlhe merce do dito posto de capit&o emgenheiro do Maranhio com o qual 
hauerà o soldo de capitfio de infantarla que todos tem e logrario seus antecessores, 
caja ocupa9So uaga pela ausencia do dito Fedro de Azeuedo Cameiro e gozara 
de todas as honrras preuilegios, etc. Dada na cidade de Lisboa aos vinte e seis dias 
do mes de outubro Manoel Pinbeiro da Fonceca a fes Anno do nacimento de Kosso 
Senbor Jesus Cbristo de mil e seiscentos nouenta e hmn. secretarlo Andre Lopes 
da Laura a fiz escreuer. ElBey.» 

Custodio Pereira nSo exercea sómente a sua activìdade no ramo da 
engenharia: foi tambem architecto civil, tendo constmìdo a Sé de S. Luiz 
do Maranhio. 

Nom manuscripto existente na Bibliotheoa de Evora, e que Bivara 
classificou de Zm'o Grosso do Maranh&o, a fls. 560 v, vem urna pro- 
vislo ao govemador d'aquella capitanìa, declarando-Ihe nio serem admis- 
aiveis as oondigSes com que o capitSo Manuel Monteiro de Carvalbo se 
o£ferecia a tomar por sua conta a obra da nova igreja da Sé da cidade 
de S. Luiz ; e manda se fa9a de novo à ousta da fazenda real, na forma 
da pianta que o tenente general engenheiro Custodio Pereira fez. E que 
para isso vi urna tropa ao ^rtZo a resgatar 200 indios, e com ella um 
missionario de qualquer das religiSes d'aquelle estadO; de taes virtudes e 
desapegado.de todo o interesse; que em tudo observe as leis. 

Està provislo tem a data de 30 de maio de 1718. 

Vide Catalogo dos Manuscriptos de Evora, tomo i, pag. 121. 

Em 1693 foi-lhe concedida a segiunte mercé: 

«£v ElRey fa^o saber aos que està minha prooisfto virem que tendo respeito a 
hauer feito merce a Custodio Pereira do posto de capitfio engenheiro do Estado do 
Maranhfio e a me representar estar ezercitando o dito pesto, e bauerse empenbado 
quando se embarcou para o dito Estado por ser bum soldado pobre ; tendo a tudo 
consedera9fio e aos ezemplos que tem a seu fauor: Hey por bem &zerlbe merce de 
que uen9a por ^uda de custo o soldo que tem com o dito posto desde o. dia em que 
se embarcou neste Beino para aquelle Estado, o que constara por certidfio dos offi- 
ciaes da embarca^fto em que foi embarcado: Pello que mando, etc. Manoel Pinbeiro 
da Fonseca o fes em Lisboa a sete de feuereiro de seis centos nouenta e tres. se- 
cretarlo Andre Lopes de Laura o fis escreuer. Bey.» 

(Torre do Tombo.^-ChanceUaria de D. Fedro n, Uv. 81, foi. 279.) 

Em 1705 foi-lhe dado o posto de sargento-mór do Estado do Mara- 
nbSOy por fallecìmento de Lucas da Silva SerrSo, comò consta da seguinte 
carta em que se faz a 6numera$Io dos seus serviyos naquellas terras: 

«Dom Fedro por gra^a de Deos &c. fa^o saber aos que està minba carta patente 
virem que tendo respeito a Costodio Pereira estar prouido por mim no posto de ca- 
pitfio enginbeiro do Maranbfio, onde sentando pra9a em seiscentos nouenta e dois me 



245 

tem seruido athe dezoito de setembro de mil setecentos e quatro, em que actualmente 
ficaua continuando e no discorso deste tempo ser mandado a villa de Itapitupera a 
elleger sitio conveniente para a fabrica de bua fortaleza, que /lefendesse a entrada 
daquella barra e esaminar o fundo do canal e snrgidouro, o que fez com todo o cui- 
dado, e voltando desta dilligencia passar a capitania do Para a tratar da fabrica de 
alguas fortefica^des em que asestio muitos mezes com grande trabalho ezprimentando 
doen^as de que esteue a morte, dezenando tambem a obra de que necessitava a forta- 
leza de Gurupà, onde por ordem do govemador deva^ou dos transgressores de minhas 
leis, em que se ouve com toda a inteireza padecendo muitos discommodos com dis- 
pendio de sua fazenda sem receber ajuda de custo algua e ultimamente bir a villa 
de Santo Antonio de Alcantara a tratar da sua fortificarlo em rezSo do rompimento 
da guerra de que ouue noticia bauia entre està coroa e a de Castella, dezenando (sic) tres 
fortes que se fizerfto nas partes mais convenientes para defen^a da barra, repartindo 
nelles sete pessas de artelharia hauendose em tudo com bom prosedimento e por es- 
perar delle que da mesma maneira se bauera daqui em diante em tudo o de que for 
encarregado de meu semino, comforme a confianra que fa^ de sua pessoa Hey por 
bem fazerlhe merce do posto de sargento mor do estado do MaranbSo que vagou por 
falecimento de Lucas da Silua Serr&o para que o sirua por tempo de tres annos e o 
mais emquanto Ibe nSo mandar sucessor, fidando com a obriga^fio de emgenbeiro, com 
o qual posto bauerà vinte mil r." de soldo por mez que bSo dezaceis mil r." que lograua 
corno capitSo engenheiro do dito estado e quatro mil reis mais que Ihe mando dar de 
acressentamento que prefazem os ditos vinte mil rs., com a declarar&o que sera obrì- 
gado a emsinar as pessoas que quizerem aprender a emgenbeiros sem por isso leuar 
sellarlo algum por ser em vtellidade daquelle estado, e gosarà etc. Dada na cidade 
de Lisboa aos desanoue dias do mes doutubro Manoel Felippe da Silva a fez A. do 
N. de N. S. J. Ch. de mil setecentos e ciuco O secretarlo Andre Lopes de Laura 

a fez escrever ElRey.» 

fTorre do Tombo.— ChanoelUria de D. Fedro n, Ut. 30, fol. 201.) 



yil — Pereira (Florenoio). Tendo vagado o legar de mestre 
das obras de carpintaria dos pa90s da Ribeira, por fallecimento de Thadeu 
de Oliveira (alias Oliveri), foi nomeado para o substituir Florencio Pereira, 
em carta de 13 de abril de 1750. 

Em 1758 concedeu el-rei a Florencio Pereira, seu creado e mestre 
da real casa das óbras, umas casas que Ihe mandara fazer para sua resì- 
dencia defronte das religiosas do Bòm Successo, ficando na posse d'ellas 
por sua morte sua mulher Clara Maria Ignacia, e em terceira pessoa seu 
filho beneficiado JoSo Pereira Godinho. 

«Dom Jo&o &c. Fa90 saber aos que està minha carta virem que tendo respeito a 
estar vaga a propriedade de officio de mestre carpinteiro das obras de meos passos 
da Ribeira desta cidade por felecimento de Thadeo de Oliveira, ultimo proprietario 
do dito officio e confiar do Florencio Pereira, que de tudo aquillo em que o emcar- 
regar me servirà bem e fielmente comò a meu serviQO cumpre ; Hey por bem e me 
pras fazerlhe merce da propriedade do dito officio de mestre carpinteiro das obras dos 
meus passos da Ribeira desta cidade, o qual terà e servirà emquanto eu o houver 
por bem e n&o mandar o[ contrario com declara9ao que tirandolho ou extinguindoo 
por qualquer cauza que seja Ihe nSo ficarà por isso minha fazenda obrigada a satis- 
fa^So alguma, com o qual bavera de mantimento a elle ordenado em cada hum anno 



246 

40M00 réis, em que entrSo dez mil ra. que fuy gerrido acressentar por regimento 
novo da casa das obras que Ihe serSo assentadoB no Almoxarifado da Gaza da fruta 
desta cidade e pagos com certidSo do Proyedor daa ditaa obras e passos de corno 
cumpre com sua obriga9&o e assim bavera mais todos os proes e precal^os, que 
direitamente Ihe pertencerem, que be o mesmo que com elle tinba e bavia o ultimo 
proprietario que dele foj. Fello que mando a vos provedor das ditas obras Ibe deis 
posse da propriedade do dito officio e Ibo deixeis servir e delle uzar e baver o manti- 
mento a elle ordenado proes e precal908 corno dito be, dandolbe primeiro Giura- 
mento dos santos evangelhos para que bem e verdadeiramente o sirva etc. Lisboa 
18 de abril de 1750 annos. A Baynba.» 

(Torre do Tombo. — duuioelUuia de D. JoIoV, Uy. 130, fol 187.) 

«Houve Sua Magestade por bem, tendo respeito a Ibe reprezentar o dito Fiorencio 
Pereira, seu crìado e mestre da real caza das obras, que o dito senbor por sua real 
grandeza Ibe mandara fazer huas cazas, sitas de firomte das rìligiozas do Bom Sucesso 
nas quaes estava actuahnente habitando com a sua familia, pedia Ibe ^zesse merce 
das mesmas cazas e quintal em 3 vidas, sendo elle a primeira e sua mulher a segunda 
e seu filbo com fiiculdade de poder nomear a 8»' em quem Ibe parecesse, de c^ja 
gra^ se fiu digno pelo grande zollo com que o tinba servido comò era notorio, em 
concidera^fio do que Ha sua Magestade por bem e por gra^a especial («te) ao sup/ o uzo 
finto destas cazas e quintal, que lograrà em sua vida e por sua morte a sua mulber 
Clara Maria Ignacia no cazo que Ibe sobreviva e por morte de ambos as lograrA 
seu filbo, Beneficiado, JoSo Pereira Godinho, de que Ibe toi passado Alvara a 6 de 
Julbo de 1758.» 

(Torre do Tombo.— D. José I, BtffUto d* MereU, liv. IS^lfol. 580.) 



7^18 — Pereira (Franolsoo). Foi o mestre pedreiro a quem se 
adjadicou a constnicjlo da igreja matrìz de S. Paio, concelho de Caria, 
comarca de Lamego, pelo prego de 225:000 reaes. Em 19 de dezembro 
de 1591 approvou el-rei o langamento da finta para a dita obra. 

«£u eIRey fa^o saber a vos prouedor da comarca da cidade de Lamego, que eu 
vy a carta que me escreuestes sobre a obra da Igreja matriz de S&o Payo do con- 
celbo de Caria, que per visita^So se mandou fazer de nono aos firegueses della por 
nSo caberem na dita igi*eja e arremata^fto, que della se fez a Francisco Pereira, 
pedreiro, nos duzentos vimte e cimquo mil reaes, ey por boa semdo com as condi^ols 
e obriga^ts necessarias de se nSo poder cbamar ao Sgano nem lesfto e por que pera 
a dita obra tendes ja fintado quarenta mil reaes, ej por bem e me praz que per vossa 
ordem se fintem nestes dous annos primeiros seguintes os cento oitenta e cinquo 
mil reaes, que falltSo pera compr3rmento dos ditos dozentos vinte e cinquo mil reaes 
em que fi>i feyta a dita arremata^fto, pera com elles se poder repairar e acabar 
.a obra -da dita igreja, comò per vysitaQSo està ordenado, a qual finta fareis lan9ar 
na forma da ordena^fto pellos firegueses da di ta igreja e tomareis conta della se se 
lan^ou de mais contia que dos ditos c}^ Ixzxb reaes ou se se gastarfio em outra cousa 
senSo na obra da dita igreja e acbando que se fez nysso o que se nSo deuia proce- 
dereis centra os cullpados comò for justi^a, dando apella^So e agrano nos casos em 
que couber e este alluara comprìreis e fctreis inteiramente comprir e guardar corno 
se nelle cOtem — Miguel Louren^o o fez em Lixboa a ziz de dezembro de mil b* 
IBj — Pero da Costa o fez escreuer.» 

(Torre do Tombo. — OhanceUttla do D. FiUppe I, PrkfOtgtot, Uy. S, fol. lU.) 



247 

T'IS— Pereira (Qaspar). Mosador em VilU Franca. Foi arre- 
matante, jnntamente oom Jorge Ltiiz, de Setabal, da obra da ponte de 
Benavente. A provislo regia, approvando a obra, é de 6 de jonho de 
1603. 

«£a elBei fa^ saber a vos pronedor da eomarca da villa de Setauel qne vistas 
afi informa^^ea qne me enuiastes sobre a obra do repairo e cScerto da p5te da villa de 
BenauSnte e corno couem acudirsellie breaemSte pela necessidade que della ba, por- 
qiie c&indo se nSo pode reformar com doiu cdtos de rs e por me aoisardes qne andando 
em pregSo a dita obra foi o menor lan90 de Gaspar Pereira, morador em Villa Franca 
em còtia de quatrocentoa e cincoSta nul rs, tornando por cdpanheiro a Jorge Loia 
morador na dita oiUa de JSetnnel, ey por boa a remata^So que della fiseetes e mando 

que a dita obra se fa^a P.<» de Seixas o fez em Lixboa a seis de jimbo de mil 

e seis centos e tres, e a dita obra se acabara dentro de bum anno e assj se pori 
por còdi^fto de cfitrato.» 

(Torre do Tonbo. — ObiuiodlMU do D. FlUppo II, Dooffim, Ut. 10, foi. SU v.) 



T"!^— Pereira (Isidoro Paulo). Discipnlo de numero da Aoa- 
demia Militar da Cdrte, foi nomeado em 1766, jnntamente oom Salvador 
Franco da Motta, ajndante de infantaria com exercicio de engenbeiro. 
Eia respeotivo decreto: 

«Hey por bem nomear a Isidoro Paulo Pereira^ e Salvador Franco da Motta, 
Discipulos de nmnero da Academia Militar da Corte, Ajndantes de Infantarla, com 
exercicio de Engenheiros. Conselbo de Ghierra o tenba assim entendido e Ihes 
mando passar os despacbos necessarios. Palacio de Nossa Senbora da Ajuda a seis 
de Ma^ro de mil settecentos sessenta e seis. B.» 

Em 29 de dezembro de 1767 foi promovido, de ajndante de infantaria 
com exercicio de engenbeiro, a oapitSo de infantaria com o mesmo exer- 
cicio. Um decreto de 19 de fevereiro de 1781 promoven-o a major. Em 
16 de jonbo de 1791, sondo sargento-mór, era promovido a tenente- 
coronel de infmtarìa com exercicio de engenbeiro. 



•yifli — Pereira (José). Mestre pedreiro. Fez a ermida que os je- 
snitas tinbam na cérca do seu novìciado na Cotovia. O arcbitecto Jo8o 
Antones foi cbamado para a medir e avaliar, e, em resoltado d'està via- 
toria, passou a certidao do teor segointe, cujo autograpbo se conserva 
nos mannscriptos da Beai Bibliotbeca da Ajuda: 

«JoSo Antnnes Arcbitecto de Sua Mag.<*« que Ds g.^« fìij por ordem dos B.^<^* p.~ 
da Companhia de Jesus medir E avalliar a obra de boa Ermida q o mestre pedreiro 
Joseph Pr.* fes na serca do Conu.'* do novisiado da Cotauia a qual medÌ9&o fis em 
presenta do R.*^ P.* Procurador da ditta obra estando prezente o ditto m.« em q achej 
segninte a saber: 



248 

Cessenta e seis bra9as e sette outaaos de bra^a de paredes de pedra 
e cai guarne9ida por onde foj necessario a dois mil e quinlietos reis a 
bra9a pre90 do comtrato emportSo (ente cessenta sette mil Qento outenta 
sette reis e m.». 167|^157 Vz 

Otto bra^as e m." de aboboda na m.* laranja e no fanal e em todos os 
Arcos e sobre arcos de tijollo dobrado guamcQida por onde foj neces- 
sario a tres mil e quinhStos reis a bra^a, pre^o do centrato emportSo Wnte 
none mil 9ette 9entos e sincoenta reis 29/750 

Duas bra9as e quatro quintos de bra9a de simalha piquena no fanal 
pella p.^ de dentro guamecida, a pre90 de mil e duzentos reis a braca 
corno Ihe avallio emportao tres miltrezentos e cessenta reis 3|3^ 

Tres bra9as e hu quinto de braca de simalha de tijollo guamecida 
no fanal pella p.*** de fora, a pre90 de mil e qainhStos reis a braca comò 
Ihe ayallio emport&o quatro mil e outo 9entos reis 4^800 

Tres bracas e hG quinto de braca de cordào e escorcia de tijollo gnar- 
ne9ida, a prece de mil e duzentos reis a braca comò Ihe ayallio emportSo 
tres mil outo centos. e quarenta reis 8^840 

Doze bra9a8 e ha quinto de bra9a de simalha de tijollo com frìzo e 
coUarete guamecida, a dois mil e quinhStos reis a braca, prece do cen- 
trato, emportSo trinta mil e quinhentos reis 30^500 

Sinco bracas e deus tercos de simalha pella p.** de dentro da Ermida 
de tijollo em prete, a precp de mil e quinh^tos reis abra9a, come Ihe avallio, 
porq Ihe abate jà a guamicSo q Ihe nSo fes, emportSo outo mil e qui- 
nhStes reis 8|f500 

Sette bracas e dois tercos de braca de &xa de tijollo em prete pella 
p.'* de dentro, a preco de quinhStos reis a braca, come Ihe avallio, emportSo 
tr^ mil outo centos trinta e tres e m.^ . . . ., 3^833 Vs 

Quatro misoUas com suas quartellas nas Dhargas do fanal guame- 
cidas e defendidas de proto, a pre90 de seis centos reis cada hfia, come 
Ihe avallio, emportSo dois mil e quatro centos reis 2^400 

Quatro corpos emtre as quartellas, feitos e guamecidos e defendidos 
de vermelho, a prece de outo centos reis cada hu, come Ihe avallio, em- 
portSo tres mil e duzentos reis 31200 

A simalha do portai da Ermida com seu fontespicio de cai e tijollo 
fingindo pedra, avallio tudo em dois mil e quinhStos reis 2^500 

O Asento de quinze varas de lagedo, em q o mostre pos som.*" mSos 
e cai; a prece de cem reis a vara, come Ihe avallio, emportSo mil e qui- 
nhStos reis 1|500 

Cento e outo palmos de pedraria lancil de escoda no portai e jenellas, 
a preco de cento e sincoenta reis e palmo, comò Ihe avallio, emportSo de* 
zaceis mil e duzentos reis 16i|E200 

Seis varas e m.* de Uagedo de escoda nos asentos, a prece de quinhStos 
reis a vara, come Ihe avallio, emportSò tres mil duzentos e sincoenta reis 34250 

A bolla com sua escorcia de pedra no rremate avallio em dois mil reis 2^000 

Outo piramedas guamecidas e defendidas de prete e vermelho, a tres 
mil reis cada bua, pre90 do centrato, emportao vinte quatro mil reis . . . 24^000 

Quarenta e outo buracos de grades a dez reis cada bum |i480 

807^301 

SomSo as dezasette adicoes antecedentes trezentos sette mil trezentos e hu real 
De q passei a prezente CertidSo Lx.* em 21 de Nouembro de 1695. — JoSo Antunes.» 



249 

TIO — Pereira (Pantaleao). Mestre de obras. Arrematou a re- 
construcjSo da ponte de Matozinhos sobre o rio Le^a, proximo do Porto. 
A provisSo regia, approvando a dita obra, ó de 5 de junhode 1619. 

«Eu ElRey fa^o sabcr a uos Icsemseado Lopo Diaz de Goes, Corregedor e prò- 
iiedor da comarca da cidadc do Porto, quo avendo respeito a imforma^So que me 
enuiastes de corno pondosse em pregSo, comò uos mandey, a obra de reedifica^ao 
da ponte de Matosinhos, na dita cidade e na de Coimbra e nas uillas de Uiana 
foz do Lima e GuimaraSs, fora aremattado na forma da ley nas pontes cm o mai8 
baixo e seguro lan^o a Pantaleao Pereira, mestre de obras, em contia de seis mil 
cruzados, com as fian^as e seguran^as nese^arias, ey por bem e noe mando que passeis 
logo nossos mandados com o treslado desta prouissao pera nos lugares dessa comarca 
do Porto e nas mais das comarcas e prouedorias de Uiana e Guimaraes, cm que 
tambem entrara a cidade de Braga, e das duas comarcas e prouedorias de Traz 
OS Montes de Miranda e Torre de Moncoruo e das tres comarcas e prouedorias 
da Beira, que sao Coimbra, Esgueira, Guarda, Vizeu, Lamego e Castello Branco, 
repartirem as contias em que cada bua das ditas comarcas foi or^ada que aula 

de pagar pera a dita contia de seis mil cruzados se perfazer Miguel dAzeuedo 

a fez em Lixboa a sinco de junho de mil e seis centos e dezenoue. JoSo da Costa 
a fez escreuer.» 

(Torre do Tombo. — Cbancellaria de D. Filippo n, Doa^, 11y. 44, fol. 100 v.) 



WT — Pereira (Pero Vaz). Em carta de 19 de juiho de 1641 
foi nomeado architecto do Convento da Ordem de Christo em Thomar, 
por fallecimento de Diego Marques Lucas. 

Pouco tempo se gozou elle d'este oflficio, pois a 16 de Janeiro de 1644 
foi nomeado para o substituir, por seu fallecimento, Jeronymo Rodrigues. 

«Dom JoSo per grasa de Deos Rei de Portugal e dos Algarues daquem e dalcm 
mar em Africa, senhor de Guine e da conquista, nauegasSo, comersio de Ethiopia, 
Arabia, Persia e da India &c, comò gouemador e perpetuo administrador que sou 
do mestrado, caualaria e ordem de noso Senhor Jesu Xpo &c fa^o saber aos que està 
minha carta virem que por estar vago o cargo de mestre das obras do Conuento de 
Thomar & da ordem de Nosso Senhor Jesu Christo, por falesimento de Diogo Marques 
Lucas, vltimo proprietario que delle foi, pella confiansa que tenho de PeroVas Pe- 
reira, meu architecto, por ser pesoa benemerita e de multa satisfa^So minha; Ilej 
por bem e me pras de Ihe fazer merce da propriedade do dito cargo em dias de sua 
Vida e que aja com elle o ordenado, proes e percalsos, que tinha e auia o dito Diogo 
Marques Lucas, seu antesesor, e com as mesmas obrigasdes, pago tudo na mesma 
forma e modo que a elle se pagana. Pello que mando ao presidente e deputados do 
despacho do tribunal da mesa de Cbnsiencia e ordens que dem ao dito PeroVas Pe- 
reira a pose do dito cargo e Iho deixem ter, seruir e delle vsar na maneira que dito 
he, e juramento {sic) nos santos euangelhos que bem, verdadeiramente e comò deue, 
sima, guardando em tudo o serviso de Deos e meu, e o direito as partes a que tocar, 
e do juramento e posse se farà assento nas costas desta carta, que por firmesa de 
tudo Ihe mandci dar por mim asinada e sellada com o sello da dita ordem. Dada na 
sidade de Lixboa aos desanove dias do mes de julho — JoSo Pereira de Soto Maior 
a fes — anno do nasimento de nosso Senhor Jesu Christo de^mil e seiscentos e coreuta 
e hum. £ eu Francisco de Luccna a fis escreuer. — ElRei.» 

(Torro do Tombo. — Cbancellaria da Ordem de Clirlsto, Uv. 86, fol. 801 v.) 



250 

•y 18— Pereira (Roque Manuel). Em 15 de junho de 1756 
D. José Ihe passou carta, confirmando-o no posto de capitSo engenheiro 
doB fogos artificìaes da praya da Bahia, havendo jà vinte e mn annos qne 
servìano Brasil. Eis a respectiva carta: 

«Dom Jozé por gra^a de Deos Re^ de Portagal etc. Fa^o saber aos que està 
minha carta patente virem que tendo considera9So a Boque Maanél Pereira se achar 
proaido pelle Conde das GalaeyasVisoRey e cappitam general qae foi de mar e terra 
do Estado do Brazil no posto de cappitam emginheiro dos fogos artefidaes da Pra^a 
da Bahia que vagou por falescimento de Antonio de Almeida Pacheco attendendo 
hauer me seroido o dito Roque Manuel Pereira vinte e bum annos um mes e vinte 
e tres dias eflectiuos de artelheiro sargento da Tenencia condestauel mor gentU 
homem e ajudante emginheiro dos fogos arteficiaes da mesma Pra^a e por esperar 
delle continuara a serair-me com satis&^So. 

Hey por bem faser Ihe mercé de o confirmar (corno por està confirmo) no dito 
posto de cappitam emginheiro dos fogos arteficiaes da Pra^a da Bahia com o qual 
hauera o soldo que Ihe tocar pago na forma de minhas ordens e gosara de todas 
as honrras preuilegios liberdades izen^s e franquezas que em rez&o della Ihe per- 
tencerem. Pelle que mando ao meu YisoRey e cappitam general de mar e terra 
do Estado do Brazil conhe9a ao dito Boque Manuel Pereira por cappitam emginheiro 
dos fogos arteficiaes da dita Pra^a e come tal o honrre estime deize seruir e exercitar 
debaxo da posse e juramento que se Ihe deu quando nelle entrou e ao cappitam man- 
dante da artelharia da mesma Praga e mais officiaes della ordeno tambem o reconhegSo 
por tal e aoB officiaes e soldados seos sobordlnados Ihe obede^io e cumprSo suas 
ordens por esento e de palaura no que pertencer a meu real serui^ corno deuem 
e sfto obrigados em firmeza do que Ihe mandei passar està por duas vias por mim 
asignada e sellada com o sello grande de minhas armas. 

Dada na cidade de Lixboa aos quinze dias do mes de Jnnho — Anno do Nacimento 
de Nesso senhor Jezus Ghristo de 1756 — Elrey — Marqués dePenalna — PorDespacho 
do conselho ultramarino de 14 de Mayo de 1756 — o secretano Joaquim Miguel Lopes 
de Laure a fez escreuer — Pedro Jozé C!orrea a fes — Manuel Qomes de Carualho — 
Pagou 540 rs. e aos officiaes 2:138 rs. — Lixboa 16 de Nouembro de 1756 — D. Sebas- 
tiam Maldonado.» 

(Torre do Tombo. — Chancellaria de D. José I, liv. 46, fol. 294.) 



•yiO— Pereira (Sebastifto). Disoipulo da Aula de FortificajJo 
de Lisboa, foi nomeado, em 12 de Janeiro de 1718, capitZo engenheiro 
ad honorem da oapitania de S. Lniz do MaranhSo com ezercicio de artì- 
Iharia, visto achar-se vago este posto. Eis a respectiva carta de nomea^: 

«Dom JoSo etc fa^o saber aos que està minha carta patente virem que tendo 
respeito a se achar vago o posto de capp."» de artilharia na cappitania de Sam Luis 
do Maranhao e a SebastiSo Pereira desipullo do numero da aula reggia das fortifica- 
9oens desta corte hauer asistido ha outo para nove annos na dita aulla nos quaes con- 
tinuou sem partido de quinze de julho de 709 athe 10 do mes de julho do anno de 
1712, em que foi prouido no dito partido sondo para isso examinadona junta dos tres 
estados para poder servir de engenheiro e a boa informa^fto que delle deu o lente da 
mesma aulla das fortefica^5ens Domingos Vieyra da sua capacidade para engenheiro 
por cuio respeito concorrer nelle com as li^es da dita aulla das fortefica^oens mayor 
intelligencia para a artelharia, ao que tendo considera^&o e por esperar do dito 



251 

SebasiiSo Pereira que de indo o que for encarregado do meu serui^ perteneente a 
sua joresde^ se hauerà com mayta satisfa^So conforme a confian9a que fa^o de sua 
pessoa, Hey por bem de o nomear (corno por està nomeo) no posto de capp." enge- 
nheiro ad honorem da dita cappitania de SSo Luis do MaranhSo com o exercissio 
da artelharia com a qual nSo hauerà mais soldo que o de cappitam da artilharia corno 
o tinha e leuaua seu anteeessor, etc. Dada na cidade de Lisboa ocidental aos 22 dias 
do mes de Janeiro Dionizio Cardozo Pereira a fez ano do N. de N. S. J. Ch. de 1718. 
secretano Andre Lopes de Laure a fiz escreuer ElRey.» 

(Arehlvo do ConaellLo Ultramaiino, Uv. 13 de Qffhio», fol. 298.) 



Pereira (TheodOSiO de Frias). Jà fioca mencionado sob o appai- 
lido de Frias. 



T'SO— Pereira de Azevedo (Daxoifto). Esoulptor e architecio. 
Àpresentou em 1768 o rìsco da constracQSo da sacristia e suas decorà- 
9868 da igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carme, do Porto. 

Vide Patricio, Besumo hiatorico d*^sta Ordem, Porto 1901. 

T'Sl — Pereira da Oosta (Migniel). Manuel da Maia allude a 
elle num seu requerimento. Estava mastre de campo engenhairo na Balùa, 
ao tempo em que ali servia Gonsalo da Conha lima. Vide aste nome. 

Em 1709 Conselho Ultramarino era consultado scbre a nomea^Sc 
'de engenheircs para a Bahia. Por sua vez Conselho consultou Manuel 
Pimantel, cuja informa}^ deu a primazia a Miguel Pereira da Costa, 
segundc logar a Pedro Gcmes Chaves e terceiro a Luìz Barbosa Pon- 
tes. Conselho, porém, nSo se accommodou com aste alvitre, allegando 
que Miguel Pereira da Costa, alem de pretender ir para Bìo, estava 
servindo no Alemtejo, onda podia ser necessario. É possìvel que poder 
real nXo se conformasse com parecer do Conselho Ultramarino e qua 
nomeasse de preferancia a Miguel Pereira da Costa. O qua é certo é que 
aste appareca-nos annos depois exercendo as func^Ses do seu cargo na 
Bahia. 

Damos em seguida a consulta, que é documento muito interessante: 

NùfMCL^o de peaaoaa para o posto de Engenheiro da Praga da Bahya 

«Na pra9a da Bahia, sendo a principal, e a cabe9a do estado do Brazil se acha 
semente por engenheiro sargento mor Antonio Rodrigues Bibeiro, de quem os go- 
uemadores nunca tiverSo grande openi&o da sua scìencia, e sendo necessario que 
ainda no tempo da paz houesse aly mais engenheiros para acodirem as muytas for- 
tifica^Ses que ha nella e a outras que ficSo em alguma distancia, que sSo da juris- 
di^So do mesmo governo, na conjunctura presente em que estamos com hua guerra 
aberta com as coroas de Franca e Castella, se faz muy precizo hauer muitos, pois 
se houuer ocazifto de inimigos n£o basta hu so em cada fortaleza, pois pode suceder 
o cazo que no conflito morrSo ou faltem por outro accidente e se nSo deua esperar 



252 

o vago recar90 de que se remetio deste reyno, sendo a contigencia de nSo poderem 
chcgar a tempo oportuno ou alguo desuio por onde se malogre a sua viagem : Nesta 
aten9ao dczejando este Consclho com aquelle zello com que se emprega no semino 
de V. Mag.« de que se remedee em parte este dano, pos em pratica a escolha de alguo 
sogeito para ser prouido para a dita parte capaz de ensinar, para cuja perten^^ offe- 
recerSo as suas pcti^oens Miguel Pereira da Costa, Fedro Gomes e Luiz Barboza 
Pontes, Antonio Roiz das Neues, £stevào Franco de Vargas e Francisco Duarte, 
e para se entrar na considera^ao de seu prestimo, e capacidadc, se ordenou a Ma- 
noel Pimentel quo por semino de V. Mag.**« informasse do quo se Ihe oferecia do me- 
recimento destes pertcndcntes, a que satisfes, declarando que os que tinha por mais 
capazes, era em primciro lugar Miguel Pereira da Costa, que tem preferencia aos 
mais pelo posto de sargento mor que ocupa, e por seus scruÌ9os e profìcicncia, em se- 
gundo lugar Fedro Gomes Chaves, quo tem patente de capitao de infantarla, e que tam- 
bem tinha bom prestimo e annos de seruÌ90. Em 3.^ lugar em Luis Barboza Pontes, e por 
que estes erSo os mais capazes Ihe parecia escuzado fallar nos mais pertendentes. 

£ sendo vistas Pareceo ao Conselho votar em primeiro lugar para o posto 

de engenheiro da dita pra9a em Fedro Gomes Chaves que sobre concorrer na sua 
pessoa hauer seruido de soldado por espa^o de sinco annos embarcandose em alguas 
armadas se mostra acharse nas prouincias do Alemtejo, Beira e Traz os Montes 
na mayor parte das ocaziÒes da guerra prezente ocupando o posto de capitSo enge- 
nheiro com grande aseita9ào dos generaes, e se ter boa noticia da sua capacidade 
e prestimo, com declara^So que se Ihe deue passar patente de sargento mor com 
trinta mil reis de soldo por mes pois aos que saiem da ÀuUa, que vào para às con- 
quistas se Ihe dSo vinte e sinco mil r.' por mes, sem terem a ezperiencia e graduatilo 
do supplicante, e nesta differen9a se fazer merecedor de algua ventagem mais impon- 
doselhe a clausulla de que n&o so sera obrigado 'a ensinar na Aulla publica aos 
que quizerem aprender, mas que hira a toda a parte onde for necessario. 

£m segundo lugar em Luis Barboza Pontes, porem que a este se deue passar 
somente patente de capitSo engenheiro com o soldo he estillo a respeito de nào ter 
igual posto ao de Fedro Gomes, e declara que nào vota em Miguel Pereira da Costa 
que sobre se mostrar que toda a sua perten9ao era ir para o Rio de Janeiro, ocorre 
que se acha seruindo no posto de sargento mor engenheiro na prouincia de Alentejo, 
na qual pode ser necessario, e nào he rezSo, que se priue do serui90, em que està 
ocupado. 

Ao conselheiro Antonio Rodrigues da Cosfa Ihe parece votar em primeiro lugar 
em Miguel Pereira da Costa, em 2.® logar em Fedro Gomes Chaves, em 3.° lugar em 
Luis Barbosa Pontes, conforme com a infbrma9&o de Manocl Pimentel, considerando 
o grande conhecimento que elle tem dos sogeitos que sSLo mais capazes para sercm 
prouidos em semelhantes postos. Lisboa 18 de junho de 1709. Conde de SamVicentc 
general da armada — Syllua — Pereyra — Telles — Costa.» 

(Conmltas Hixtas do Consellio Ultramarlno, Ut. 8, fol. 208.) 

cDom JoSo &c Fa^o saber aos que està minha ProuizHo virem que por euitar 
qualqucr duuida que posa hauer a inteligencia da patente quo se passou a Miguel 
Pereira da Costa do posto de Mestre de Campo enginheiro da pra9a da Bahya, Hey 
por bem de mandar declarar que o dito Miguel Pereira da Costa polla refFerida 
patente bade ter e lograr as mesmas honras, preuillegios izen9ocns e franquezas que 
tem e lograò os mais Mestres de Campo pagos na cidade da Bahia actualmente : o 
meu V. Rey e Capitam general de mar e terra do Estado do Brasil o tenha assim 
cntendido e na forma desta prouisSo de e faQa dar ao dito Mestre de Campo Engi- 
nheyi'o o mesmo tratamento em tudo e na forma que fas aos mais Mestres de Campo 



j 



263 

por Ihe locar e competir pela sua patente e a cumpra e faQa cumprir inteiramente 
corno nella se conthem e asim està prouis&o que valerà corno carta e nam passarà 
pella chancellaria sem embargo da ordena^So do L.<* 2,^ titnlo 40 em contrario, e se 
pasca por duas vias. ElBey noso senhor o mandou por Jofio Tellez da Silua e An- 
tonio Boiz da Costa conselheiros do seu Conselho Ultramarino. Dionisio Cardozo Pe- 
reira a fes em Lixboa a 7 de mar^o de 1715. secretario Andre Lopes de Laure a fes 
escreuer. JoSo Tellez da Silua, Antonio Boiz da Costa &c em 12 de abril de 1715.» 

(Archivo do CosueUio Ultramitrino, ProvMe», liv. 5 (96), fol. SS «.) 

«Dom JoSo por gra^a de Deus, Bey de Portugal &c fa90 saber aos que està 
minha carta patente yirem que tendo aten9So a Miguel Pereira da Costa me estar 
seruindo na pra^a da Bahia em o posto de thenente de mostre de campo general 
enginheiro com grande trabalho e continuo exercicio nas fortifica^des e ser neces- 
sario ao meu real semino para as que se hSo de fazer na mesma pra^a por ser engi- 
nheiro sientfi, Hey por bem fazerlhe merce do posto de mostre de campo com os 
soldos.e prerogatiuas que costumSo ter semelhantes officiaes, do qual por està o hey 
por metido de posse. Pollo que mando aoV. Bey e capitSo general de mar e terra do 
estado do Brazil conhe9a ao dito Miguel Pereira da Costa por Mestre de Campo e 
'comò tal honrre e estime e o deize seruir o dito posto com o exercicio de emginheiro 
e hauer o soldo que com elle Ihe tocar, honrras, preuUlegìos, liberdades izen^Oes e 
franquezas que Ihe pertencerem, e elle jurara na forma costumada que compriri com 
as obriga^oSs do dito posto, de que se farà asento nas costas desta carta patente, 
que por firmeza de tudo Ihe mandey passar por duas vias, por mim asinada e sel- 
lada com o sello grande de minhas armas. Dada na cidade de Lixboa em o primeiro 
dia do mes de junho Manoel GU>me8 da ^ilua a fes ano do nascimento de Nesso Se- 
nhor Jesus Christo de mil e sete centos e quatorze. O secretario André Lopes de 
Laure a fes escreuer. ElBey. Miguel Carlos. Por resolu^So de Sua Magestade de 24 
de mayo de 1714 em consulta do Conselho Ultramarino de 9 do dito mes e anno. 
Jozeph QaluSo de Lacerda. Pagou sinco mil e seis centos reis e aos officiaes qui- 
nhentos e vìnte e quatro rs. Liz.* 17 de junho de 1714. Innooencio Correa de Moura.» 

(Torre do Tombo. — Cluuicellaria de D. Jo&o V, Qtfleiof e M«rcéa, liv. 40, fol. 882 v.) 

Num volume de MUcdlaneas da Bìbliotheca da Ajada, contendo im- 
pressos e manuscrìptos, existem, sob os n.®' 26, 31 e 32, os seguintes 
trabalhos de Mguel Pereira da Costa: 

Discwrso feUo sabre a forttficoQSo da Bahia, Datado d'està cidade a 
28 defevereiro de 1712; 

Carta dirigida a 8. BevJ^ sabre o estado da fortificalo, em que se 
acha a Bahia: 18 de junho de 1710; 

Estado da fortificarsi da pri^a da Bahia; estado em que se aclia; 
remedio de que necessita, 

Orì^aes assignados pelo auctor. 

Vide que diz o Engenheiro Portuguez, voi. ii, pag. 71. 



•^SS— Pereira da Fonseca (Franoisoo). Sargento-mór e enge- 
nheiro da praga de Setubal. Modelou a ponte sobre o Caia na entreyista 
dos soberanos portugueses e hespanhoes no tempo de'D. JoSo V. 

Vide Fr. José da Natìvidade, Fastos do Hymeneu, 



264 

T'SS— Pereira do Lago (Antonio Bernardino). Nasoeu em 
Torres Novas e morrea em Lisboa em 30 de mar^o de 1847 com cérca 
de 70 amiOB de idade. Commendador da Ordem de Aviz e brìgadeiro 
reformado, fez parte do Corpo de Engenheiros. Em 1834 publìcou em Lis- 
boa, em forma de cartas dirigidas a sua esposa, Cinco annos de emigralo 
na Inglaterra, na Bèlgica e na Franga. O seu nome vem mencionado no 
Diccionario Bibliograjphico, de Linocenoio da Silva. 

Em 1829, por decreto de 10 de fevereiro, em conformidade com o 
parecer do Conseiho Militar, crìado por decreto de 11 de agosto de 1828, 
foi demittìdo do servilo, j untamente com outros officiaes. Exercia entSo 
posto de coronel do Real Corpo de Engenheiros. 

Àlém da obra mencionada conhecem-se d'elle mais os segointes tra- 
balhos: 

Memoria deseripHva da ilha de S. Luiz no Maranhào. Vide o Correio 
BrasUiense, xxvi, 1821. 

Obeervcigdes meteorologiecu feitae na cidade de 8. Luiz do Maranhào, 
1821. Nos Annaes dae eciencias, daa artes e letras, xvi, 1822, pag. 54 e 80. 

T'S^— Pereira da Silva (Feliciano José). Em 1810 era ma- 
jor effectÌYO do Real Corpo de Engenheiros, sendo-lhe feita mercé do ha- 
bito de S. Bento de Aviz, comò se v8 do documento que encerra este 
artigo. 

Na Torre do Tombe, Casa do Lifantado, n.® 216; existe um bello atlas, 
executado por elle e que se intitola: Ailas do tombo da$ reaea fazendaa 
da Serenissima Casa e Esiodo do Infanlado nos Almosoarifados de Bdmonie 
e Murtevrà na VUla de Samara Correa, anno de 1818. Contém 77 plantas, 
algnmas em folhas desdobraveis. 

«Dix Felicianno José Pereira da Silva que pela Portarla jonta foi V. Altesa Beai 
servido £ftser-lhe mercé do habito da Ordem de 8. Bento de Avix e para o receber 
e professar: P. aV. A. B. se Digne mandar Ihe ezpedir os despachos neceasarios. 
E. B. M.- 

Visto haver S. A. Beai feito Mercé ao snpp.^ Felicianno José Pereira da Silva 
do habito d'Ordem de S&o Bento de AviZ| mandando que para receber e PMfessar 
se ihe Layre sua 8enten9a de habilita^ftOfna Conformidade da Carta de Ley de 19 de 
Jnnbo de 1789, e Decreto de 20 de Julho do mesmo anno; Em execn9So da mesma 
Ley e Decreto o h&o por habilitado para receber o dito habito e mandlo se Ihe passe 
certidfto do corrente. 

Mesa 22 de Fevereiro de 1816. — Com tres rubricas. 

Por Portarla do Conde de Agaiar de 18 de Abril de 1810. 

O Principe Begente Nesso Senhor : Ha por bem mandar lan^ar o Habito da Ordem 
de S. Bento de Aviz, a Felicianno Jose Pereira da Silva, major effectivo do Beai 
corpo de Engenheiros, para o ter com dose mil reis de Ten^a effectiva : £ manda, 
qae para o receber, e professar, se ihe passe a sua senten9a de Habelita^So na con- 
formidade da Carta de Lei de 19 de Janho de 1789, e Decreto de 20 de Julho do 
mesmo anno. Palacio do Bio de Janeiro em 18 de Abril de 1810. Conde de Agaiar. 



255 

No cofre de tres chaves que na forma dos Definitorios das tres ordena militares^ 
est& no Tribunal da Mesa da Consciencia fica hum requerìmento do supplicante 
Feliciano José Pereira da Silva no qoal sondo visto se proferìo a sentenza do theor 
segninte visto haver Sua Altexa Beai feito mercé ao supplicante Feliciano José 
Pereira da Silva, do Habito da ordem de SSo Bento de Aviz, mandando que para o 
receber e professar se Ihe lavre sua sentenza de habilita9&o na conformidade da Carta 
de Ley de dezenove de Junbo de mil sete centos oitenta e nove e Decreto de vinte 
de Juiho do mesmo anno. £m execu9fto da mesma Lej e Decreto o bUo por habilitado 
para receber o dito Habito, e mandSo se Ihe passe certidSo do corrente. Meza vinte 
e dois de Fevereiro de mil oito centos e quinze. 

Com tres rubrìcas dos Gonselheiros Deputados do dito Tribunal. Lisboa refendo 
dia, mes e anno — Manuel Gaetano Mascarenbas Mendon^a. 

A meza da Consciencia e ordens. 

Attendendo ao que Me reprezentou Feliciano José Pereira da Silva, M^jor effe- 
ctivo do Beai Corpo de Engenbeiros : Hej por bem dispensar para que no Beai 
Mosteiro da Incama9So da cidade de Lisboa possa qualquer pessoa constituida em 
Dignidade Ecdeziastica lan9ar Ihe o Habito da ordem de S2o Bento de Aviz de que 
Ihe fiz Mercè e admitilo logo a ProfissSo delle sem embargo dos Estatutos e Defini- 
^oens da mesma Ordem em contrario. 

A Meza da Consciencia e Ordens o tenha assim entendido e Ihe mando passar os 
Despachos necessarios. Palacio do Bio de Janeiro em vinrte e trez de majo de mil 
oitocentos e dez. — P. B.» 

(Torre do Tombo. — HftbUito(8ei <U Ordem do AtÌi, 111A90 1, n.* 69~Lotra F.) 



•ysff— Pereira da Silva (Theodoro Marqnes). Era naturai 
de Lisboa e fiiho de José Antonio Pereira. Foi discipnlo do numero da 
Academia Militar da Córte. Assentou pra^a a 18 de setembro de 1766, 
e, a partir d'està epoca, durante 12 annos, 3 meses e 5 diaa, até 22 de de- 
zembro de 1778, exerceu, com actividade e louvor, o posto de ajudante 
de infantaria com exeroioio de engenbeiro, tendo prestado valiosos servigos, 
em diveraas diligenoias, às ordens do tenente-coronel de engenbeiros 
Ghulberme EIsden e do tenente-general Francisco Maclean. Por este motivo 
Ibe foi concedido o babito de S. Senio de Aviz, com a tenga annual de 
20iSKXX) réis, dos quaes poderia rehunciar 8iSK)00, corno com effeito renun- 
ciou, em sua sobrinba Maria Tbeodora Pereira da Silva. 

Sendo sargento-mór de engenbaria, superintendeu nas obras das bar- 
rdras da Barquinba, termo da Atalaya, e por causa d'isio dirìgiu um reque- 
rìmento i rainba D. Maria I, pedindo para ser ouvido no auto de viatoria 
que se fizesse pelos engenbeiros i obra das barreiras da Barquinba, termo 
da Atalaya, de que era arrematante Antonio Jorge e director o suppli- 
cante; allegando-se por parte de pessoas nio affectas ao arrematante de 
que a obra nSo estava conforme aos apontamentos e risco. 

O requerìmento foi a informar ao corregedor da comarca de Thomar 
em 19 de agosto de 1793. 

O respectivo corregedor, José de Melio Freire da Fonseca, em 27 
do mesmo mfis e anno, infoimou segundo o requerente pedia. Com aste 



256 

parecer se conformou a Mesa. (Desembargo do Pa^^o, Córte, Extremadura 
e Ilhas, mago 527, n.^ 16.) 

«D. Maria por Gra9a de Deus Raynha de Portugal etc. Como Govemadora e per- 
petua AdminÌBtrador qne sou do Mestrado, cavallaria e ordem de S. Bento de Avìz : 
Fa^o saber aos que este padrSo virem que em satisfa^So dos serri^os de Theodoro 
Marques Pereira da Silva naturai da cidade de Lizboa filho de Jozé Antonio Pereira 
obrados em Discipulo do Numero da Academia Militar desta Corte, e no posto de 
Ajudante de infantaria com exercicio de ingenheiro por espa90 de 12 annos, 3 mezes 
e 5 dias de 18 de Setembro de 1766 em que assentou pra9a.athe 22 de Dezembro de 
1778 em que ficara continuando, tendo sido encarregado de acompanhar o tenente 
coronel com exercicio de engenheiro Guilherme Elsden em expedi96e8 do Beai servilo 
e de outra diligencia por ordem do tenente general Francisco Maclean o que tudo 
executou com prestimo e zollo : Houve por bem fazerlhe mercé do Habito da Ordem 
de S. Bento de Atìz, e 20:000 r" de ten9a effectiva dos quaes poderà renunciar 
8:000 i« e pelos haver renunciado na pessoa de D. Maria Theodora Pereira da Silva 
sua sobrinha se passaram padr5es, que se assentaram nos almoxari£ados do Beino onde 
couberem sem prejuizo de S.^ e nSo houver prohibÌ9So com o vencimento na forma 
das Reaes ordens. £ os 12:000 r* os lograrà o dito Theodoro Marques Pereira da Silva 
a titulo do Habito da mesma ordem que Ihe tenho mandado lan^ar a complemento 
de que: Hei por bem ^zer mercè a Theodoro Marques Pereira da Silva de 12:000 j* 
de ten^a cada anno effsctivos em vida para os lograr a titulo do Habito da ordem 
de S. Bento de Aviz que Ihe tenho mandado laudar os quaes se assentaram em hum 
dos Almoxarifados dos n&o prohibidos com o vencimento de 17 de Dezembro de 1790, 
que he o dia do Despacho desta mercé athe o do assentamento sera corno £u for servida 
rezolver e na conformidade do Decreto de 17 de Janeiro de 1689, Lixboa 4 de Maio 
de 1791, por portaria do Secretarlo de Estado dos Kegocios do Beino de 12 de Feve- 

reiro de 1791.» ^^^^ ^^ Tombe. -D. Maria I, Btgitto de UèrcU» Uv. M, fol. 207.) 



VSiO — Peres da Silva (Manuel). Era filho de Domìngos Antunes 
e naturai de Lisboa. 

Em 7 de margo de 1684 teve a mercé de capitSo engenheiro, para 
com este posto ir servir no Estado da India, onde, durante longos annos, 
exerceu a sua actividade, ji na construc9lo de fortalezas e outras obras, 
j& em feitos miiitares. Por este motivo e em attengSo tambem aos servÌ90s 
de seu tic Luiz Gomes de Pina, filho de Pedro Gomes, naturai de Goa, 
que tinha uma brilhante carreira militar, foi-Ihe feita mercè da capitania 
dos Reis Magos e terras de Bardez, por espa90 de tres annos, sendo a 
carta de nomea9So de 5 de maryo de 1697. Na mesma data era-lhe con- 
cedida a faculdade de poder testar aquella capitania em filho ou filha. 

«Dom Pedro, &c. fa^o saber aos que està minha carta patente virem que eu hcy 
por bem de fazer mercé a Manoel Peres da Silva do posto de capitSo emgenheiro 
para com este exercicio me hir seruir na presente mon^So ao estado da India, com 
o qual posto hauera uinte mil reis de soldo cada mes e gosarà de todas as honrras 
preuilegios libardades ysen9oes e franqaesas que em rezSo delle'lhe tocarem. Fello 
que mando ao meu V. Bey ou gouemador do estado da India e ao veder geral de 



257 

minha fazenda delle conhefUo ao dito Manoel Peres da Silua por capitSo emgenheiro, 
e corno tal honrrem, estimem e deixem seniir e exercitar e hauer o soldo que dito 
he, e elle jurarà em minha chancellaria Da forma castamada que comprirà com as 
obrigacoes do dito posto, de que se farà asento nas costas desta carta patente, que 
por fìrmeza de tudo Ihe mandey passar por myvasinada e sellada com o sello grande 
de minhas annas Dada na cidade de Lisboa aos sete dias do mes de mar9o Manoel 
Pinheiro da Fonseca a fez Anno do nacimento de Nesso Senhor Jesus Cbristo de 
mìl seiscentos e oitenta e quatro secretano Andre Lopes da Lavra a fis escreuer. 
ElRey.» 

(Blbllotheca Nacional de Lisboa.— Archlro do Contolho Ultramarfno, liv. 7 de OjBUcio»^ 
180 do Inventario). 

«Dom Pedro &c. Fa^o saber aos que està minha carta virem que tendo respeitos 
aos servicos de Manoel Peres da Silua estante na India filho de Domingos Antunes 
e naturai desta cidade obrados naquelle estado com o posto de cappitam emgenheiro 
por espa^o de bonze annos tres mezes e des dias desde seisscntos outenta e sinco athe 
seissentoB nouenta e sinco embarcandosse em duas armadas huma de Paté e entra em 
que Conde de Villa Verde passou a vizitar as fortalezas do norte e daquelle estado 
ser emcarregado pelle visoRei o conde de Alvor de todas as obras da fortaleza de 
MurmugUo armazem Ribeira e caza de poluora de Goa pera efeito de sua mudan^a 
indo a ver as das outras fortalezas com grande zello fazendo as plantas do outeiro 
da fortaleza de MurmugSo e das da Augoada Rachel e de todas as mais fortifica9Òe8 
de Tini fàzendo nestas jomadas despendio de sua fazeilda estando em Paté desenhar 
huma fortaleza a que se deo principio e senSo conseguio pelle Arabie hìr sobre a dita 
Pra9a em cuia defen^a se achou athe se recolher para Goa assistindo as mesmas obras 
jndo muitas.yezes a Tini ordenar a forma da obra da caua que se auia de fazer ulti- 
mamente aa Armada com que o conde de Villa Verde passou a vizitar as fortalezaa 
do Norte se achar na Peleia no posto de Rajapor em que se queimarSo tres barcos 
do Arabie avendosse em tudo com satisfa^So e a perten^er Ihe por senten9a de justi- 
fica^So OS seruÌ9os de seu thio Luis Gomes de Pina que hera filho de Pedro Gomes 
e naturai de Goa obrados no mesmo estado por espa9o de outo annos e seis mezes 
desde o anno de seissentOB e vinte e bum athe seissentos e quarenta e sete em pra9a 
de soldado embarcamdosse em none Armadas duas de alto bordo do Estreito de Ormus 
e Malaca e as sete das Costas do Norte e sul achandosse no comboi da cafilla de Goa 
no rendimento e queima de huma nao Emgleza e toma de none lanchas dos mesmos 
no socorro da fortaleza de Malaca quando esteve de sitio por tempo de mes e meio 
tomandosse ao jnimigo algnmas galles e outras muitas que se Ihe meterSo a piqué 
ficando o jnin&igo destruido sem Ihe, escapar bum so boll2o da sua armada assistindo 
nas mais ocazioes que so oferecerSo sahindo em huma dellas ferido de huma Balla 
pelias costas no porto de Ganbi na queima de huma nao e em outras ocaziÒes de 
Negunbo e Oolunbo pondosse o jnimigo em fngida prosedendo com satisfa^So e zello 
em todas aa ocaziSes refferidas em satisfa^fto de tudo : Hei por bem £ftzerlhe mercé, 
allem de outras que pellos mesmos respeitos Ihe fis, da capitania dos Reis Magos e 
terras de Bardes por tempo de tres annos na vagante dos prouidos de bonze de Agosto 
de seissentos e nouenta e sinco com o qual hauera o ordenado que Ihe tocar sem em- 
bargo de nSLo hir dedarado nesta carta e da ProuizSo que sobre iste he passada em 
contrario e todos os proes e percal90s que direitamente Ihe perten9erem. Pelle que 
mando ao men visoRei on Goaemador do Estado da Imdia e ao veder Goral de minha 
fazenda delle que tanto que o dito Manoel Peres da Silua conber entrar na dita ca- 
pitania dos Reis Magos terras de Bardes Ihe dem a posse della e Iha deizem hir seruir 
pelle dito tempo de tres annos e vagante reffèrida de bonze de Agosto de seissentos 
e nouenta e sinco e hauer o dito ordenado proes e percal90s e o dito veder Geral de 

▼OL. u 17 



258 

minha fazenda Ihe darà o juramento na forma ciutamada de que se farà asento nas 
costas desta carta que sera registada nos L.<^ da secrataria do meu conselho ultra- 
marino e caza da India e merces da data della a quatro meses prìmeiros segointes 
e antes que o dito meu visoBei ou GU>uemador da India segundo U20 e custume destes 
Reinos de que aprezentarà certidlo do sacratario daquelle Estado e està se passou 
por duas vias huma so hauerÀ effeito pondosse primeiro verba a margem da Portarla 
em virtude da qual està se obrou e pagou de nouo direito dois mil e outo sentos rs. 
que se carregarSo ao thesoureiro Joao Ribeiro Cabrai a fls. 77 t7 comò constou de 
seu conhecimento em forma registado no registo geral a fls. 36 Manuel Felipe da Silua 
a fez em Lixboa a sinco de Mar9o do Anno do Nassimento de Nosso Senhor Jesus 
Christo de mil e seis sentos e nouenta e sete — O secretarlo — André Lopes da Laure 
a fes escreuer. — £lRey.» 

(Torre do Tombo. — CluuiceUiurla de D. Fedro II, Doai^ìlk$, \ìv, S0| fol. S46 v.) 

«Eu ElRej — Fa^o saber aos que este meu Alvaro virem que tendo respeito aos 
seruÌ9os de Manoel Peres da Silua estante na India filho de Domlngos Antunes e 
naturai desta cidade obrados naqnelle estado com posto de cappitam emgenheiro por 
espa9o de bonze annos tres mezes e des dias desde seis sentos outenta e sinco the 
seissentos nouenta e sinco os mais serui^os que se seguem ySo registados na Carta 
atras a fls. 49 v athe onde dis : Hei por bem fiizerlhe merce, allem de outras que pellos 
mesmos respeitos Ihe fis, de faculdade de renunciar e testar em filho ou filha da ca- 
pitania dos Reis Magos e terras de Bardes de que he prouido por carta da data deste 
pello mesmo tempo de tres annos he vagante dos prouidos de bonze de Agosto de seis 
sentos nouenta e sinco em que a tendo (sic) que nos reglstos da dita Carta se por2o verbas 
e eiste se cumprìrà inteiramente corno nelle se comthem sem duuida alguma o qual 
vallerà comò carta sem embargo da ordena9&o do L.<» 2.^ titulo 4.* em contrario e se 
paasou por duas vias huma so hauera effeito pondosse primeiro verba a margem da 
portarla em vertude da qual se obrou e pagou de nouo direito sessenta rs que sa 
carregarSo ao thesoureiro — JoSo Ribeiro Cabrai a fls. 77 t; corno constou de seu 
conhecìknento em forma registado no registo geral a fls. 36, Manoel Felipe da 8ilua o 
fes em Lisboa a sinco de Mar^o de sds sentos nouenta e sete — O Secretano^ André 
Lopes da ^^uire o fes escreuer — Rey.» 

(Torre do Tombo. — ChancelUrl* de D. Fedro II, Doa^, Ut. SO, toh MO e.) 



VSiV — Pero (Mestre). Castelhano, mestre de pedrarìa. D. Daarte, 
em 22 de abril de 1435, Ihe passou carta de prìvile^o, isentando-o de 
ter cavallo, de besteiro do conto, e de aposentadorìa. Pelos annos de 1443 
era mestre da obra de S. EVancisco da cidade de Evora. Os jnizes e 
homens-bons da cidade de Silves o tinham mandado chamar para construir 
tres arcos de uma ponte, e fez com elles avensa por 120:000 reaes. Tendo 
conduido um dos arcos, em que despendera moito dinheiro, requisitou mus 
aos mandantes da obra, que o nlo attenderam. Por este motivo recorreu 
ao corregedor, que o mandou recolher a casa, mas cbegando a Beja o 
prenderam, levando-o a caminho de Silves. Elle evadin-se e andava homi- 
siado. D. AfFonso V Ihe passon carta de perdio a 27 de agosto de 1443. 

Este monarcha Ihe passou, a 15 de dezembro de 1449, outra carta 
de prìvile^^o semelhante i de D. Duarte. 



269 

«Don Edoarte &e. A aos coudell dos acontiados dos beesteiros do c5to desta 
^idade dEnora e de quaees qner outros logares, e juizes e justi^as, a que esto perten- 
oer e està carta for mostrada, sande, sabede que nos querendo fsLzer gra^a e mercee 
a mestre Fedro, maestre da pedraria, naturai dos regnos de Castella, teemos por bem 
e escusamollo de teer cauallo e de beesteiro de coto e de pousarem com eli e de Ihe 
filharem roupa de cama £ porem mSdamos a aos sobreditos que desto %jaaes por 
releaado e o nom constrangaaes nem mSdees constranger pera nenhiia das ditas 
cousas Esso meesmo aos apoussStadores nossos e da rainha minha molher e Iffantes 
nem filhos de meus innaaos e a outros quaes qaer que. esto perteencer que Ihe nom 
dem suas casas de morada de pousentadaria nem Ihe filhem dellas roupa de cama 
nem nenhfias alfajas de casa c5tra sua yo5tade por quanto he estrangeiro nossa 
mercee he seer Ihe asy feito unde ali nom fa9ade8 Dante em a Dita cidade dEuora 
xxij dias dabril — Ruj Pires Gudinho a fez — era de mill e iiij* e zxxb anos.» 

(Torre do Tombo. — Cluuicellarla de D. Dnarte, liv. S, fol. 70 v.) 

«Dom Affomso &c. a todoUos juizes e justi^as de nossos regnos e a outros quaaes 
quer a que o conhicimento desto pertencer per quali quer gisa que seja a que està 
carta for mostrada, saude, sabede que mestre P.^ mestre da obra de sam FrScisco 
da cidade dEuora nos enuiou dizer comò eli fora chamado dos juizes e homes boòs 
da cidade de Silues pera fazer tres arcos pera hila ponte que tinha come^ada e que 
fezera com elles auen^a por cento e uinte mill rs. e que Ihe prometerom a fazer bo5 
pagamento, dos quaes recebera parte, fazendo eli muytas despesas — s — em boys e 
carros e ferramenta e com mesteiraes, acabando huQ dos ditos arcos de todo ponto e 
que despois que o dinheiro mingara Ihes requerera per muytas uezees que ihes desem 
dinheiro e que Ihe acabarìa sua obra, tomando sobre elles estormentos que nuca 
delles podera auer dinheiro, e que uendo elle esto se acorrera ao nosso corregedor 
daquella comarca, o quali vista sua raz2 e as ditas escprituras pubricas mandara 
que se fòsse pera sua cassa e que indo eli asy pera a dita sua cassa, chegando a B^a 
ho prenderom e leaarftno preso caminho da dita 9idade de Silues e que indo eli asy 
preso temSdosse de jazer em prisom prelongada, gastando o que aula, diz qu^ fdgio 
da dita prisom no dito caminho aquelles que o asy leuauil preso, por a quali razom 
eli andana amorado com temor da nossa justi^a e que nos enuiaua pedir por mercee 
que Ihe ouuesemos sobre elio alguu remedio e Ihe perdoasemos anossajusti^asenos 
a ella per razft da dita fiigida que asy fugio era tehudo, e nos uendo o que nos asy 
dizer e pidir enuiou, e querendo Ihe fazer gra^a e mercee, se eli nom britou cadea nem 
saltou per cima de castello de menajem teemos por bem e perdoamoslhe a nossa jus- 
ti9a, a que nos eli per raz3 da dita fugida era theudo contanto que da dada desta 
carta ataa quinze dias seguintes aja carta de seguran^a pera se liurar e se o eli asy 
nom fizer està carta Ihe nom ualha, e fazendo corno dito he mandamosuos que o nom 
prendaaees nem mandees prender nem Ihe faQaees nem consentaaes fazer mail nem 
outro desaguisado, unde al no fa^adees. Dante em Leirea xxbij dias dagosto elHey 
ho mandou per o doutor Ruy Gomez daluar^ga &c. e pelle doutor JohS Femandez 
da Silueira & Braz Afomso a fez ano do Senhor de mill iiii* Biij.» 

(Torre do Tombo. — Ghaneellaria de D. AiTonsoV, llv. t7, fol. 148.) 

«Dom Afomso &c. A vos coudel dos aconthiados e anadell dos beesteiros do conto 
desta cidade dEuora e de quaees quer outros lugares e juizes ou justi^aa a que esto 
perteencer e està carta fbr mostrada, saude, sabede, que nos querendo fazer gra^a 
e mercee a meestre P.% meestre de pedraria, naturali dos regnos de Castella, teemos 
por bem e escussaipollo de teer cauallo nem armas e de seer beesteiro do conto 
e de poussarem com elle nem Ihe filharem ssuas roupas de cama. E porem mSdamos 



260 

♦ 

a uos sobre ditos qae desto o ajaaes assy por rrelleuado e o nom coatramgaaes nem 
mandees costranger daqai en diante pera nenhfia das ditaa coassas e esso meesmo 
aos poussentadores nossos e da rrajnha minha molker e ifantes meos innaftos e ifimte 
mea tio e a quaees quer a que esto perteencer que Ihe nom dem ssuas cassas 
de morada de poussentadaria nem Ihe filharem della roupa de cama nem alfajas 
de cassa centra ssua vontade por qae nossa mercee he Ihe sseer aasy feito por seer 
estrangeiro : unde al nom fa^ades. Dada em a dita cidade dEuora xb dias de dezem- 
bro — Lopo Fernandez a fez — ano de nesso Senhor JhQ Xpo de mjl iiij'' Rix.» 

(Torre do Tombo. — ChftncellarU de D. AifoiuoV, Ut. 84, fol. SOS v.) 



V2S — Pero (Mestre). — 2.** — Mestre pedreiro, morador no Al- 
garve. Suppomo-lo differente do anterior. Àchàmo-lo implicado numa questuo 
de deixa testamentaria, em qae urna Maria Domingues, moradora no La- 
miaTf termo de Lisboa, ordenara em saas oasas um aposento para um 
pobre por amor de Deus. 

Carioso documento para a historia social do secalo xv. 

«Dom Afomso &c. Aquantos està carta virem fazemos saber que a Nos diserom 
que huifa M* Do^z, morador que foy no Lumiar, termo da cidade de Lizboa, fez sseu 
testamento, em o quali leixou por seu herdeiro huu P.® Estees, creligo, e por teste- 
menteiro bufi Johft Do^z, morador no dito logo, aos quaes mandou que dos befo que 
a dita M* Do^z leixou ao dito P« Esteez se fiszessem eertas cousas por sua alma, 
antre as quaes mandou que em huua sua casa, que ella apartara nas suas casas de 
morada sse possesse huua cama de rroupa pera sempre em que dormisse huil pobre 
por o amor de D* e por sua alma e de seu marido, e que o dito testementeiro e her- 
deiro que depois delles viessem teuessem o dito carrego de prouerem a dita casa 
e cama segundo todo esto e outras cousas mais compridamente em ho dito testamento 
he contheudo. O quali P.* Estez ouue a posse dos ditos beSs e os logrou e pessuyo 
muitos anos e teendos sem nuca elle nem o dito Joham Do^z testementeiro poerem 
a dita cama comò polla dita M* Doj^z era mandado em seu testamento, e que depois 
o dito P* Estez sse yeo a finar ab intestado pode ora auer sseis ou sete anos, e o dito 
Joham Do^z testementeiro, e per morte delles ficou o dito carreguo de testementeiro 
a hu& B* Eanes, filho do dito Joham Do^z e por herdeiro huu m.' P.^ pedreiro, mo- 
rador no Algante. E tanto que os sobre ditos B.* Eanes e mestre P" ouuerom e cobra- 
ram a posse dos ditos beSs ssem mais satisfazer nem comprirem a vontade da dita 
testador, os fòrom lego vender comò cousa sua propia, vendendo as ditas casas todas 
que erom limitadas pera estar a dita cama, e vinhas, e outras cousas que erom do- 
tadas pera reparaimento das ditas casas e cama, o que per direito tali nom podiam 
fazer, por a quali razam, sse assy he comò nos disserom, os sobreditos perdem i me- 
nistra9om dos ditos be8s e perteencem a nos e os podemos dar a quem nossa mercee 
for, e ora querendo nos fazer gra^a e mercee a Fernam Brandam, criado delBey meu 
senhor e padre, que D.' sga, por entendermos que o farà bem e comò conpre a ser- 
ui^ de D" e nosso e bem das almas dos ditos finados, sse assy he comò nos disse- 
rom e que por a dita razS, por bem da nossa hordena^om, a nos de direito perteence, 
teemos por bem e damoUo por menistrador dos ditos beSs assi e polla guisa que 
o erom o dito P* Estez, clerigo, e Joham Do^z. E porem mandamos ao corregedor da 
dita cidade de Lixboa e a outros quaaes quer juizes e justi^as, a que o conhecimento 
desto perteencer, e està carta for mostrada, que scendo os teedores dos ditos be§s que 
a repairamento da dita casa e cama perteencem ou partes a que osto perteencer cita- 



261 

do8 e oauidofl, segando dereiiamente deuem, Bsaìbam desto o certo e vafto per este 
feito en diante corno fot dereito, tirando sobre elio inquirì^om, e 896 acharem que assi 
he corno nos disserom e que a dita razS, per bem da nossa hordena^om, a nos de de- 
reito perteence o julguem assy por saa 8enten9a, e sse os teedores dos ditos beCs ou 
partes a que osto perteencer per a dita sentenza quiserem estar, fa9am logo meter 
em posse dos ditos heèB o dito Femam Brandam e o ajam per menistrador da dita 
casa e cama daqui en diante e beSs que pera repairamento dello leixou a dita finada 
e outro alguu nom, e o leixem seruir e husar do dito carreguo, por que assi he nossa 
mercee sse a nos de direito perteence e a outrem dello nom teemos feita mercee per 
nossa carta, e sse apellarem ou agrauarem quiserem da dita senten^ daaelhes apel- 
la^om e agrauo nos casos que o direito outorga, guardando a cada buda das partes 
todo sseu dereito conpridamente, corno he hordenado, e està mercee Ihe fazemos com 
tanto que nòm fa^a aveen^a com as partes sem nossa licen9a sob pena de perder 
està mercee que Ihe asi fìusemos e as partes o pre^o que Ihe por elio derem. Dada 
em a dita cidade de Lixboa xzxz dias de mai'90 — Lopo Femandez a fez — anno 
de nosso Senhor Ihù xpo de mil iiij* Ib.» 

(Torre do Tombo.^-QiaiicellarU de D. Aflbiuo V, !!▼. 15, (bl. 4S.) 



V2& — PexSo (Pero). D. JoSo III, em carta de 11 de julho de 
1542, nomeou mestre dos canos dos pa^os da vìUa de Cintra, saoce- 
dendo neste cargo a JoSo Rodrìgaes e Marques Femandes. mantimento 
do cargo era de 4:000 reaes. 

É cnrioso, e n2o sabemos corno esplicar o facto, que apparesa urna 
carta de 24 de Janeiro de 1543, nomeando-o para mestre dos canos de 
chombo dos pa9os da mesma yìlla, em sabstituÌ9So de Gabriel Gomes, 
que fallecera. Haveria acaso dìstinc9So entro mestre dos canos e mestre dos 
canos de chumbof 

Em carta de 29 de abril de 1556 foi nomeado Balthasar Femandes 
para servir nos impedimentos de Pero PexSo. 

«Dom loham &c. a quamtos està minha carta virem fa^o saber que cdfiamdo eu 
de Pero Pexam, morador na villa de Symtra, que nisto me seruira bem e fiellmente 
e com toda deligemcia comò a meu serui90 compre, e por follgar de Ihe &zer merce, 
tenho por bem e dou ora daquy em diamte por mestre dos canos dos pa^os da dita 
villa de Symtra asy e da mancira que o herSo JoSo Rodriguez e Marcos Femandez, 
ctgo dito oficio hera e se finar&o, com o qual cargo eie avera de mamtymento em 
cada huù ano quatro mill r«, que he outro tamto corno tynha e avia o dito Marcos 
Femandez, o qual Pero Pexam sera obriguado a fazer todo o que faziSo ho dito 
Marcos Femandez e JoSo Bodriguez, e mido ao allmoxarife do allmoxarifado da 
dita villa, que bora he e aos outros que ao diamte forem, que em cada huu anno Ihe 
paguem ho dito mamtymento pello trelado desta carta que sera treladada no liuro 
de sua despesa sem mais tyrar outra de minha fazemda e seu conhecimèto mftdo aos 
cdtadores que Ihos levem em comta. Porem mftdo ao barfto dallvito do meu coselho 
e veedor de minha fazenda que com està decrara^fto Ihe fa9ft asemtar os ditos quatro 
mill r* nos liuros della e levar em cada huù ano na foiba do asemtamento do dito 
allmoxarifiado de Symtra pera delles aver p^guamemto, e elle dito Pero Pexam jurara 
na minha chamcelaria ao» samtos avamgelhos que bem e verdadeyramemte obre e 
vse do dito oficio, guardamdo em todo meu serui^. £ pagou dordenado do dito oficio 



262 

dona mill r* e ofi emtregou ao recebedor da dita chamcelarìa segtmdo se vyo per 
seu conhecimento e do esprìvfio que Ihos caregon em recejta. Dada nesta cidade 
de Lixboa a zi dias do mes de jolho — Pero Femandez a fes — ano do nacimento 
de noso sòr Ihnù i^ de mill b« Bij. E ea Andre Pirez a fiz esprever e sobsprevy.» 

(Torre do Tombo—Clumoellarla de D. Jofto m, lir. S8, fol. 106 v.) 

«Dom loham &c. À qaamtos està minha carta yirem Ib/qo saber <fae comfiamdo 
eu de Pero PezAo, morador em Symtra, que nisto me seroira bem e fielmente corno 
a mea semino compre e qaeremdolhe fazer gra^a e merce, tenbo por bem e o don 
bora daqj em diamte por mestre dos canoa de cbumbo dos mena pa90s da villa de 
Symtra asy e pella maneira que bo elle deae ser e comò bo atee qy foj Graniel 
Gomez, qne bora falleceo, per ci\jo fieJIecimento o dito oficio vagon, com bo qnal 
oficio elle avera de mamtimento em cada bun afio cimquo mill ra do primeiro dia 
deste mes de Janeiro deste ano presemte de mill b« Biij em diamte, os quaes ej por 
bem que Ibe sejam asemtados no almoxarifado dAlIamquer e pagnos pello ramo daa 
aysas da dita vylla de Symtra aos quartea do ano comò bordinarya comtamto que 
elle vyua e tenba sua casa e este (esteja) contmuadamemte na dita villa de Symtra 
e sera obrigado comcertar bos canoa de tudo que necesario for e editar a augoa 
delles quamdo eu fbr aos ditos pa^os ou a Bainba minba sobre todos mnyto amada e 
prezada molber ou os Ifiuntes meus muyto amados e prezadoa irm&os, porem quamdo 
eie trabalbar nos ditos canos dias imteyros Ihe serft pagos a sesemta rs por dia e 
quamdo nos ditos canos nSo trabalbar dia inteiro Ibe n&o sera por iso pago cousa 
allgua, porem m&do ao barft dÀlluito, do meu conselho e vedor de minba fazenda 
que Ibe fa^a asemtar nos liuros della o dito mamtymemto e llevar em cada bufi ano 
no cademo do asemtamento do dito allmoxarifado dAlIamquer pera aver pagamento 
nelle do dito Janeiro em diamte na maneira que dito be £ mSdo ao almoxarife do 
dito ramo das sysas da dita villa de Symtra que Ibe pague os ditos cimquo mill rs 
cadaiio do dito Janeiro em diamte aos quartes delle na maneira acyma declarada 
e mamdo ao almoxarife ou recebedor da villa dAlIamquer que com bo trelado desta 
carta em pubrico ou feyto por seu esprivS com conbecimemto do dito Pero Peix&o 
e certidfto do allraoxarife e esprivSo dos ditos pa^s de comò serue e cumpre as ditaa 
obriga9des Ibo receba em paguamento no dinbeiro que Ibe fbr obriguado a emtregar 
e aos comtadores que Ibos levem em comta. E mando ao dito allmoxarife e sprivft 
dos ditos pa^os que bo meta lloguo em pose do dito oficio e Ibo leizem aeruir aay 
e pella maneira que nesta se comtbem por quamto en Ibe £190 delle merce na ma- 
neira que dito be, bo qual Pero PexS pagou dordenado do dito oficio em minba 
cbamcelaria dona mill b'^ rs ao recebedor della segundo se vyo per seu asynado e do 
sprivSo de seu cargo e que bos caregou sobre elle em receyta que foy roto ao asynar 
desta, que pera firmeza dello Ibe mamdey dar per mym asynada e asellada do meu 
sello pemdemte pera a ter por sua guarda. Dada na villa dAllmeirym a 3^iij dias 
de Janeiro — Pero Cubas a fez — ano do nacimento de noso senbor Ibuu xpo de jb* 
Biij.» 

^ (Torre do Tombe. — ChaacelliuiA de D. Jolo 111, !!▼. 6, fol. ».) 

«Eu ElBey fia^ saber aos que este meu aluara virem que eu ey por bem e me 
praz que quando Pero PexSo, mestre das obras e dos cannos dos pa^os da vila de 
Symtra estiuer doemte, ausemte ou impedido em maneira que nio posa seruir os 
ditos ofìcios OS syrua Balltesar Femandez, pedreiro, morador na dita villa para que 
se imsyne nas cousas dos ditos oficios pera me nelles aeruir. £ portamto mamdo aoa 
oficiaes a que conbecimento desto p^rtemcer que Ibe leixem seruir os ditos oficios 
pela maneira que dito be e elle jnrar& etc. JoSo EsteuSo fez em Lixboa a xxix diaa 
do mea dabrill de j b« Ibj. E o dito Pero PezSo averaa a tem^a e ordenado que tem 



263 

Cam OS ditos oficios posto que os syrua o dito Balltesar Femandez que n£o averaa 
delle consa alguiSa, por quanto por fcizer merce ao dito Pero Pez2o o ey asy por 
bem. Ruy de Figneiredo o fez escreuer.» 

(Torre do Tombo.— Ohftncell&ria de D. Jolo m, Uy. 65, fol. lU v.) 

Vide Alvarà de 21 de maio de 1524 (Corpo Chronologico, parte 1.*) 
para o almoxarife de Cintra dar certa quantia a Diego Femandes e Fedro 
PexSo das obras de iadrìllio no pa$o d'aquella yilla. 

Vide Balthasar Femandes e Diogo Rod/rìgues. 



•ySO — Pezerat (Pedro José). seu nome indicja origem fran- 
cesa, e parece que foi nm dos officìaes estrangeiros que vieram com D. Pe- 
dro IV na expedigSo liberal. 

Foi nomeado engenheiro civil das obras do Municipio de Lisboa, por 
provìsSo de 4 de dezembro de 1852, com o ordenado annual de 560^^000 
réìs. 

Eis diploma da sua nomea^&o: 

«A Camara Mmdcipal de Lisboa, attendendo ao merecimento e mais partes que 
eoncorrem em Pedro José Pezerat, ha por bem nomeal-o, comò com effeito nomeia 
pela presento, engenheiro de todas as obras da mesma camara, com o ordenado annual 
de 5€0|IOOO réis, a vencer da presente data em deanto, pagos da mesma fórma que 
o sic OS mais empregados; e isto emquanto desempenhar com zelo e promptidSo 
08 deveres ìnherentes a òste emprego, e a camara nio ordenar o contrario. Està 
se registo onde convier, e, depois de feito o respectivo assentamento, se entregarà 
ao nomeado para Ihe servir de titulo. Pagou de feitio desta 1^200 réis. Camara, 
4 de dezembro de 1852. JoSo Angusto Marques a fez— J. M. da Costa e Silva a fez 
escrever — Como presidente, Alberto Antonio de Moraes Carvalho — JoSo de Mattos 
Pinto — Aniceto Ventura Rodrigues — Francisco Antonio Marques Geraldes Barba— 
José dos Beis e Souza — Antonio Esteves de Carvalho — Manuel Salustianno Damas- 
ceno Monteiro — Ayres de 8à Nogueira— (Geraldo José Braamcamp— Baymundo José 
Pjnto.» 

Levantou muitas plantas, sondo algumas bastante interessantes para 
a hìstoria da topographia da cidade de Lisboa. 

edificio do actual matadouro de gado foi projectadb e dirìgido por 
este engenheiro. Tambem é obra sua o projecto do aqueducto denominado 
das Francesas, na Ribeira de Carenque, no sitio da Quintan, concelho 
de Bellas. 

E auctor dos Dados e estudoe para um projecto de abaatecimento de 
agtuM e sua distribuii em Lisboa, mandados confeccionar e publkar pela 
Camara Municipal da mesma cidade. Lisboa, typographia do Jorruxl do 
Commercio, 1855. 

Ainda tem urna outra publicagao, intitulada Memoria addicional d pro- 
posta fetta por Francisco Martin, sohre o abastecvmefito de aguas da cidade 
de Lisboa. Lisboa, typograpbia de J. B. Morando, 1847. 



264 

Por occasiXo do incendio dos Pagos do Concelho, em 19 de novembro 
de 1863, perderam-se alguns escriptos seus de assumptos inherentes ao 
cargo que desempenhava. 

Falleceu em 1 de maio de 1872, corno se ve do seguinte trecho da acta 
da sessSo da Camara: 

«0 sr. Presidente disse qae este empregado (Fedro José Pezerat) prestara im- 
portantes servÌ90B À camara, e bem assiin À liberdade, morrendo pobre, e deixando 
a sua viuva em lai desgra^a, que nSo tinha meios para Ihe fazer o enterro; que 
em vista disto, pedia 4 camara que nào deizasse ir d valla um homem distincto 
pelo seu prestimo, tendo tambem prestado servi 90S a este paiz, e que nestas cir- 
cumstancias solicitava da camara que resolvesse mandar-lhe fazer à sua custa um 
enterro modesto, mas decente. — A camara approvou por unanimi dade, resolveu 
mais que alguns dos seus membros e empregados, que pudessem, assistissem ao fu- 
neral; mandando-se lan9ar na acta um voto de sentimento pela morte do enge- 
nheiro Fedro José Pezerat.» 

(Acta (U lessio (U Camara Manicipal de Lisboa, de 2 de maio de 187t.) 

Delineou e dirigiu a edificagfto da Escola Polytechnica, e dos banhos 
de S. PaulO| na Travessa do Carvalho. 

Pezerat, alem de ser um engenheiro distincto^ era eximio comò dese- 
nhador. 



•ySl — Piala Dobles (Antonio de). Era engenheiro francés, 
mas de pouco merecimento, a jnlgar pelo credito que d'elle fazia o Dr. 
JoSo de Brito Caldeira numas suas Advertencias de gaatos superjluos e 
pragas esctisad(i8 e demecessaHas no parHdo de Castello Branco. Estas 
Advertencias foram remettidas ao Conselho de Guerra, em 3 de junho de 
1655, para dar sobre ellas o seu parecer. 

D'ellas extrahimos o seguinte trecho: 

cAntonio de Piala Dobles engenheiro das fortificagoens, Franges uence 
cada mes trinta mil fs, sem entender nada dellas, no q da grande perda 
a fazenda Real, por q alem de ser tido por homem de pouca scienjia, por 
experien^ia ui quasi todas suas fortiiìcagoins arruinadas. E basta q uenha 
engenheiro de Riba Coa Si Pollo, c[ he homem perito, fazer os desenhos 
necessarios, ^ os en tende, e se pode escuzar està pfàga. » (Torre do Tom- 
be. — Decretos remettidos ao Conselho de Guerra, mayo 15, n.** 29.) 



•yS® — Piedade (Afibnso da). «Delineou teda està obra (ermida 
da Memoria na Arrabida) hum insigne Architecto, a quem chamavSo o 
Irmào Affonso da Piedade, por ser filho da Veneravel Ordem 3.* da Pe- 
nitencia, e trazer sempre o habito da mesma ordem vestido». Chronica 
da Arrabida, yoI. i, pag. 102. 



265 

•ySS— Pimentel (Frederico Augusto). Exaramos aqui este 
nome, nSo so corno acto de justìga, mas tambem comò affectuosa, posto 
que singela, homenagem pessoal. Frederico Augusto Pimentel fora nesso 
explicador de mathematica, quando frequentimos o Lyceu do Porto. Lem- 
bramo-nos perfeìtamente da sua modesta casa de residencia, na Rua da 
Ferraria de Cima, proximo do Largo dos Olivaes, lado direito de quem 
sobe. Pimentel cursava entSo a Academia Polytechnica, e dos proventos 
do seu trabalho de leccionador tirava meios para concluir a sua educagSo 
scientifica. Vivia na companhia de sua mSe, por quem era extremosissimo. 
seu amor de familia affirmou-o depois, com a mesma intensidade, no 
affecto dedicado a sua esposa. Com a sua intelligencia elevada competia 
seu coragao afinado no mais puro dos sentimentos. Era uma ahna ingenua, 
quasi infantil, corno se deixou revelar no seu testamento, que mal se dina 
escrìpto por um homem da nossa epoca. > 

Aqui reproduzimos, por ser um refiexo das suas qualidades moraes 
nos ultimos tempos da sua vida e por center tambem alguns interessantes 
dados auto-biographicos. 

DispoH^ks testameniariaa do engenheiro Frederico Augusto Pimentel 

«Declai-a ser filho legitimo, por perfilha^So règia, do Dr. Fernando Antonio 
de Scusa Pimentel e, por perfilba^So testamentaria, de D. Victoria Thereza Guedes 
Ribeiro, ambos j& fallecidos. 

Declara que foi casado com D. Amelia Ermelinda da Rocha e MeUo Pimentel, 
filba do Dr. Maximiliano Xavier RibeiroYaz de Carvalbo e D. Anna Emilia da Rocha 
e Mello ambos jà fallecidos. 

Declara que nao tem nem conserva odio nem idèa de vingan^a contra pessoa 
algmna, nem restituiamo particular nem publica a fazer. Tendo casado pof escriptura 
dotai com separarlo de bens, declara que institue sua universal herdeira e testamen- 
teira a sua mulher, D. Amelia Ermelinda da Rocha e Mello Pimentel, que Ihe foi 
sempre desvellada, eztremosa, ficl e amiga companheira, a quem tem multo praser 
em legar tudo quanto possue, bem corno os monte-pios de que è socio e que destina 
para sua sustentagao e decencia. 

Confiado na extrema bondade de sua querida mulher, pede-lhe licenza para, dos 
86U6 poucoa haveres, dispòr d'algumas pequenas lembran^as e satisfaser a alguns 
pequenos desejos que passa a enumerar : 

Deseja que se complete, se ainda o nao estiver no momento do seu fallecimento, 
o modesto e simples mausoleu n'um dos cemiterios da cidade do Porto, no qual bavera 
OS compartimentos necessarios para repoasarem os rcstos mortaes de sua chorada 
mSte, OS seus e de sua mulher, para serem companheiros no dcscanco etemo os quo 
na vida sempre tanto se amaram. Educado nas santas e puras cren9as do Chris ti anismo, 
e crendo nas ju8tÌ9a e perd^ do bom Deus, deseja que pelo seu etemo descan^o 
se reze uma missa. Pede pcrdSo a sua adorada mulher de qualquer falta ou desat- 
ten^ào que haja commetti do. 

Deseja que, corno signal de muita amizadc, se do a cada um dos filhos de seu 
primo e amigo Amaldo de Novaes Guedes Rebello uma inscrip^So de cera mil réis 
nominai para as conservarcm ou com a sua venda adquirirem um objecto qualquer 
que Ihcs recorde a inalteravel amizade que sempre consagrara a seu pae. 



266 

Deseja que se de a sua prima D. Amelia de Oliveira Coata Beis, una ioBcrìp^fto 
de cem mil réis nominai, em Bignal de maita estima que sempre Ihe dispensara. Deseja 
que & sua afilhada Adriana, filha do seu antigo amigo e compaiilieiro Elias Fer- 
nandes Pereira se de mna inscrip^So de cem mil réis nominai. £m testemanho e comò 
èignal de molta estima, deseja qne a sua canhada D. Antonia Vaz de Carvalho se 
déem quatro inscrip^Ses de cem mil réis nominaes cada uma. 

Deseja qne a seu cunhado e amigo Angusto de Canralho se de a sua abotoadura 
de diamantes, o seu relogio e corrente e outro qualquer objecto da sua estima, e que 
a sua bda e amiga mulher deseje que elle use e possua. Pedo a seu primo e amigo 
Arnaldo que escolha entre os seos livros aquelles que desejar para seu estudo e 
leitnra e para seu filho Luiz os que Ihe convier ou necessarios forem para 00 seus 
estudoB, em lembran9»«e reoorda^&o dos auxilios e livros que seu fiallecido tio Lui2 
Ihe prestara durante os seus estudos. 

Aos filhos de D. Emilia Cru2 sena afilhados, pede a sua mulher que Ihes de 
comò lembran^a de multa amizade que seu pae Ihe dedicara as lembran^as ou da- 
divas que ella tenha por convenientes e quizer. N'estas suas ultimas vontades nSo 
menciona nem considera as suas bóas amigas e cunhadas D. Maria e D. Amalia 
apesar da multa estima que Ihes consagra, porque sabe que a sua bòa mulher corno 
estremosa irm& que é, nunea as esquecer&. Se os seus haveres permittissem, con- 
siderarìa, comò desejava, os seus intimos com lembran^as, que ainda que modestas, 
terìam gratas reoorda^Ses das finezas de que Ihes era deyedor. Acceitem elles a sua 
bòa Tontade. Deseja que seu enterro seja muito modesto e que se nSo incommode 
ninguem com conyites. A sua idolatrada mulher proverà a quaesquer descgos que 
Ihe tenha ouiaifestado e que nfio refere n^este seu testamento.» 

Por oooasiXo da sua morte Correio da Extremaèura, de Santarem, 
onde finado residìra por mnitos annos grangeando as geraes sympathiaSi 
publicon um artigo encomiastico, em que iouvava as vìrtndes e talentos 
do finado. Por certo que ha exaggero no elogio e que alguma cousa se deve 
descontar, mórmente no que respeita às brìlhantes faculdades de orador, 
que Ihe sSo attrìbuidas. Beproduzimos comtndo esse artigo, que traduz, 
com emonio e sincerìdade, o affecto e admiragSo de quem escreveu. 



Frtdcrieo Augusto PimetUd 

« Após um cruciante e prolongado soffiìmento finou-se na madrugada de segunda 
feira ultima, na sua casa do Campo Grande, Lisboa, oste distinctissimo engenheiro 
e publicista, que durante alguns annos illuminou e deslumbrou Santarem com os da- 
r5es do seu enorme e fnlgentissimo talento. 

Frederico Augusto Pimentel foi durante dose annos, de 1877 a 1889, director 
das obras publicas d*este districto, deizando assignalada a sua passagem com obras 
de enorme valor, executando-se durante a sua gerencia a ponte sobre Te|o e o res- 
peetiyo yiaducto e um sem numero de estradas e de magnificas obras de arte, entre 
ellas o Presidio Militar. 

Foi igualmente procurador & junta geral por està cidade, tornando interessantis- 
simas as sessSes d'està corpora92o com a sua palavra auctorizada e inspiradissima, 
conseguindo pelo seu conselho, saber e alto tacto administrativo, elevar a junta geral 
de Santarem a um gran de explendor e de prestigio, comò talvez nenhuma outra 
tivesse no pais. 



267 

Frederìco Pimeniel era ador&do pelos sene subordinados, que tinliaiii nelle un 
amigo dedicado até ao Bacrificio, qnerido doB amigOB pelaa ezcellentes qnalidades 
qne ezomavam o seu caracter diamantino e pela Boa verve de contista e anecdotista 
inimitavel. Finalmente era respeitado por todos o seu profondo saber e o sen vaetis- 
8Ìmo talento. 

Saindo de Santarem, ibi encarregado Frederioo Pimentel da direc9fto do cami- 
nbo de ferro do Algarve, e mais tarde nomeado pelo &llecido ministro Carlos Lobo 
de Avìla para o eleyado cargo de director goral dos servi^os de obras publicas, qne 
ezercen até qne a doen^a vela alqnebrar-lhe as fòr^aa e atrophiar-lhe as faculdades 
mentaes até ali tSo lacidas e tSo brilhantes. 

Frederìco Pimentel, alem de engenheiro distìncto entro os mais distinctos, foi, 
comò jà dissemos, om orador de primeira plana e um escriptor de alto merecimento. 
Entro as saas obras, sobresae o Manual do ApotOadar, repositorio utilissimo a todoa 
OS empregados de obras pnblicas. 

Publicoa varias memorias sobre assmnptos da sua profissSo, e enriqueceu a Be- 
vuta de Obras Publiecu e Mituu com artigos de enorme valor. Igualmente escreveu 
alguns contos, especialidade em que era ezimio. A sua ultima obra foi uma interes- 
sante e erudita memoria sobre os caminhos de ferro do nesso pais. 

ìias a doen^a veiu apagar com o seu cruel sopro tfto grande intelligenoia, e tom- 
bar no sepulcro o debil involucro de tSo bella alma. 

. Sentindo com enorme dor o passamente de Frederìco Augusto Pimentel, envia- 
mos a ezpressSo do nesso pesar a sua eztremosa e virtuosissima espoea, que Ihe foi 
dedìcada enfermeira, e a seu cunhado o nesso amigo sr. Augusto Cesar Henrìques 
de Carvalbo. 

Notaa 

Por antiga disposi^So do finado foi o cadaver transportado para a cidade do Porto 
e sepultado em jazìgo da famìlia Pimentel, no cemiterio de Agramente. 

O sr. engenheiro Feio de Carvalbo, servindo de director das obras pubUcas d^este 
districto, apenas soube do £ftllecimento do sr. Pimentel, ordenou, em signal de senti- 
mento, a salda de todos os empregados, mandando em seguida fecbar a reparti^So. 

O sr. Pimentel tinba a patente de coronel honorario de engenheiros. 

Consta-nos que deiza sua esposa por universal herdeira de seus bens, que sSo 
poucos, porque Frederìco Pimentel, comò a maior parte dos grandes taientos do nesso 
pais, morreu pobre.» 



T'S'^:— Pimentel (Luiz Franolsoo). Estava substituindo Fedro 
Correla Rebello na capitania de Pemambuco, quando teye, em 20 de abrìl 
de 1703, posto de engenheiro da mesma oapitania com o titulo de sar- 
gento-mór ad honorem e com o exercicio na artilharia. SSo-Ihe bastante 
honrosos os motivos da carta de nomeado qne passamos a transcreyer: 

«D. Fedro &c. h^ saber aos que està minba carta patente virem que tendo res- 
peito aos merecimentos, capasidade e prestimo de Luis Francisco Pimentel, e a boa 
enforma9So que se houve de seu procedimento, e que tudo o de que for encarregado 
darà boa conta conforme a confian^a que fa^o de sua pessoa, Hei por bem faserlbe 
merce do posto de capitSo emgenheiro da capitania de Pemambuco com o qual bavera 
o soldo de 25^ r." por mes com decIara^So que os cometari a vencer desde o dia que 
daqui se embarcar por ^uda de custo : e gosarà de todas as honras, etc. Dada na 



268 

cidade de Lisboa aos 31 dias do mes de Janeiro. Manoel Pinheiro da Fonseca a fea 
ano do N. de N. S. J. C. de 1701. secretano André Lopes de Lavre a fes escrever 
ElRei.» 

(Torre do Tombo. — ChanceUari» de D. Fedro II, DoogSM, Ut. 54, foL 65.) 

«D. Fedro fa^o saber aos que està minba carta patente virem qne tendo respeito 
a Luis Francisco Pimentai estar por mi previde em o posto de cappitSo engenheiro 
da capitania de Pemambuco, que tem ezercitado bum anno, 6 meses, e 6 dias com 
bom procedimento, assistindo a vanaa obras das fbrtalezas e fortifica^òes da mesma 
capitania; e por abzencia do sargento mór engenheiro Fedro Correia Bebello ficar 
superintendendo na artilharia, e assistindo 4 fabrica doB reparos, industriando 08 
artilheiros e condestaveis, e lendo na aula da fbrtifica^fto, de que foi encarregado, 
com muita satisfa^So; e ultimamente examinando da raiz quadra e formatura aos 
que pertendem postos que necessitSo da tal ciencia, por n2o haver naquella capita- 
nia pessoa mais capaz para està materia que o dito Luis Francisco Pimentel e por 
ser notorio o seu prestimo e sufficiensia, e muito conveniente que elle se empregue 
no exercicio e manejo da artilharia, tendo cuidado de ensinar os artilheiros, e supe- 
rìntenda na dita artilharia corno o fazia seo antecessor Fedro Ck>rrea Rebello: Hei por 
bem de fazer merce ao dito Luis Francisco Pimentel do posto de emgenheiro da dita 
capitania de Pemambuco com o titolo de sargento mor ad honorem e com o exerci- 
cio na artilharia, e que com o dito posto, titulo e exercicio ven^a de soldo por mes 
26|[ r.* e gozarà de todas as honras, etc. Dada na cidade de Lisboa aos SO dias 
do mes de abril Manoel Gomes da Sylva a fez anno do nascimento de N. S. J. C. 
de 1703. ElRei.» 

(Torre do Tombo. — Chancellarl» de D. Fedro II, Doa^, Ut. 6S, Ibi. 447 v.) 

Luiz Francisco Pimentel era fallecido em 1707, pois neste anno era 
nomeado para o substituir, por seu fallecimento, JoSU> de Macedo Cdrte 
Beai. 



V3SÌ — Pimentel (Lulz Mesqulta). Mestre de campo general. 
Encarregado da fortificasse de Evora, segando se deprehende do segointe 
decreto, de 4 de maio de 1660, dirigido ao Conselho de Guerra: 

«É de tanta importancia a fortifica9fto da cidade de Evora e tem-se dilatado com 
tantas duvidas, algumas escusadas, de deus anos a està parte, que tive por conve- 
niente a vencel-as e a dispÓr todo o necessario e comodar aquella fortificasse na 
forma da pianta e despachos que tem em seu poder o tnestre de campo Luis de Mts- 
quita Pimentdf govemador d'aquella comarca, e porque a experiencia que tenho do 
zelo e cuidado com que Joio Nunes da Cunha, govemador das armas de Setubal, 
faz breve e acertadamente tudo o que teca a meu servilo, principalmente o que se 
encaminha a conserva^So e defensa de meus reinos, hei por bem enconunendar-lhe 
queira, por me servir, passar logo iquella cidade e reconhecendo os papeis que tem 
em seu poder Luis de Mesquita Pimentel, procure vencer qualquer duvida que se 
offere^a, conferindo-a com o conde de Atouguia, a cuja conta estÀ por ora o governo 
das armas da provincia, e com o mesmo Luis de Mesquita, com a camara e cabido e 
com todas as mais pessoas que fòr necessario e ajustado tudo fa^a logotrabalharna 
fortifica^fto, detendo-sc nella os dias que Ihe parecerem necessarios para deixar tudo 
bem assentado, e feito iste, deixarà a obra a Luis de Mesquita Pimentel para a con- 
tinuar debaixo de minhas ordens e das da pessoa que governa as armas na provin- 
cia, às quaes estarà tambem o mesmo JoSo Nunes da Cunha, emquanto ali se estiver. 



269 

Encommendo maito ao ConselHo de Guerra que logo, logo, passe a JoSo Nunes 
da Ciinha o despacho necessario e escreva ao ccnde de Atouguia e a Luis de Mes- 
quita, procurando que, em negocio t&o importante e tfto retardado, n2o haja a menor 
dila^fto. £m Lisboa a 4 de maio de 1660.» 

(Oooretofl remettldof ao Conselho 4« Guorra, m«(o 19, n.* 28.) 



VS^O — Pimentel (Ltdz Serrfto). Foi homem de merecimento 
ponce Yulgar, honrando a engenharia portugaesa, tanto na theoria comò 
na pratica, tanto na gnerra corno na paz. Nascendo em Lisboa em^ 1613, 
leve urna vida laboriosa de 66 annos, morrendo desastradamente, de uma 
queda de cavallo, em 1678. Lente na aula de mathematica e fortificasse 
da Sibeira das Naus, ensinou ali nZo so a sciencia militar terrestre, mas 
a oosmograplua. A sua foiba de servi$os encontra-se na seguinte carta 
de tenga de b2^!óXXi réis, qne vagou por morte de sua tia Isabel Mendes 
de Tovar, e que principiou a irencer desde 2 de julho de 1665. Està carta 
acha-se reg^tada na Cbancellarìa de D. Affonso VI, liv. 20, fol. 129 v e se- 
guintes. É do seguinte teor: 

«Dom Affonso ett.* fa^o saber aos q està minha carta uirS de padrao que tendo res- 
peito aos Berui90s de Luis SerrSo Hmentel feitos a està eoroa desde outubro de seis 
centos quarenta e bum albe abril de seiscentos sesenta e sinco nos cargos de cosmo- 
grapbo mor do Reino, de lente da eadeira de fortifica^Aes e castrameta^So naula da 
mathematica em a Bibeira das naos desta corte, de engenbeiro mor do esercito do 
Alent^o e tbeùente general da artelbaria, obrando com cuidado os primeiros annos 
na doutrina dos pilloutos e mestres para clareza das nauega^is fazendo nouos regi- 
mentos e cartas de marear assy no modo ingles comò no firances p.* com mais indus- 
tria assegurar as.armadas que fòr&o a Franca, ao Mar Mediterraneo e Italia, e da mesma 
maneira mostrar per bù manifesto os erros do Beg^en^ da navega^So antiga q 
sendo visto e examinado se emendou na forma per elle apontado criando juntamente 
disipuloB scientes na navega^fto e desenhar das fbrtifica^oes alem do que passando a 
Alentei'o no anno de seis centos sincoenta e oito assistir na campanba de Badajos 
ao trabalbo das ibrtifica^Aes e a ganbar os postos emquanto o sitio durou, em que era 
dos primeiros, signalandose particularm.^ na toma do forte de sSo Miguel e bata- 
Iba que se deo ao enimigo sobre tAo bem na peleia que bouve sobre o passo do 
ribeiro de vai de Sevilba, afora outras occasides em que procedeo comò devia e com 
ezperiencia recolbendose o ezercito ficar sitiado em Elnas, onde padeceo grandes 
molestias, assi na assistencia do forte de Santa Lusia e outeiro de sfto P.« corno dos 
continos rebates da cidade os annos de seis centos sesenta e b& e seis centos e se- 
senta e dois, passar tres vezes a Alentejo para formar a pianta da fortifica^fto de 
Euora e encommendar as fortefica^des das mais pra^as da provincia e o seg.^ anno 
de seiscentos sesenta e tres assestir na de Eluas, e tornando despois a emcorporar-se 
no exercito se acbar no recontro do Degebe em q desenhou a maior parte da Arte- 
lbaria emq.'** o nosso exercito se cobrio a vista do enimigo mostrando depois na ba- 
talha do Ameixeal grande disposi^fto no refor^ar da cavalaria com mangas de mos- 
quetaria e guiandoas aos postos onde se bavifto de dar as cargas; na recupera92o 
de Evora encaminbar os aproxes da parte de S. Bartbolomeo e Canno, athé se arri- 
marem as mantas na muralha, retìrandose acabada a occasiSo a està corte, tornar 
mesmo anno duas vezes a Evora a desenbar a pianta para se pdr em execu^So 



270 

a obra eomo i&o bem a de Avis a caia fortefica9Ìo aasestio o anno segxiinte de f eia- 
centos e sessenta e quatro tornar a Alenteio para o mesmo efeito deizando algims 
disipulos em varias pra^as por Ihe nSo poder assisiir em rres&o de acompanhar o 
ez.<* qnando ibi sobre Alcantara^ em cnjos ataques e batarìas obron com grande 
acerto e finalm.'* ir a Beja fiwer ornamento e medÌ9&o da obra, e assj nas occaaiòes 
referidas corno no mais de q foi encarregado e assistencia continua que fi» na li^ 
da cadeira com qae se tem apurado'muito a marea^&o e a arte de fortefica96e8, evi- 
tandose com isso a despesa que fiuem no reino os estrangeiros, prjiceder com tSo 
geral satbfa^fto corno é notorio, Hey por bem de Ihe faser merce, alem de ontras, ao 
dito Luis SerrSo Pimentel dos sincoenta e dois mil e q.*^ reis de ten^ qne vagario 
por sua tia Izabel Mendez de Tovar, na imposi^So dos vinhos de Evora, os quaes 
come^ara a vencer desde dois de julho do anno passado de seiacentos sessenta e 
ciuco em diante, em que se Ihe deo o pr.« despacho, pelo q mando aos veedores de 
minha fiwenda Ihe fci^So assentar nos livros della os d.^^ sincoenta e dois mil e qui- 
nhentOB reis de ten^a e do dito tempo em deante despachado cada anno na fblha de 
assentamento da dita imposi^So dos vinhos de Evora, p.* q baia delles bom paga- 
mento comò tinha e havia a dita Isabel Mendez de Tovar por quem a dita tentava- 
gou, e pagou de iiovos direitos vintaseis mil duzentos e sincoenta r.* $ se carrega- 
rSo ao thesoureiro Alezo Ferr.* Botelho a fls. 159 do Livro de sua receita comò se 
vio por conhecimento feito pelo escrivSo de seo cargo e assinado por ambos q foi 
roto ao assmar d'està carta de padrSo ^ por firmesa de tudo mandei dar ao dito Luis 
Serrte Pimentel per mi assinado e celado com o meo cello pendente Francisco Pe- 
reira fez em Lz.* a trinta de julho de seis centoa sesenta e^eis. SebastiSo da Gama 
Lobo o fez escrever. ElBey.» 

Segae-se entro alvari para elle poder renunciar a tensà em sua filha 
Anna Maria Pùnentel. 

Na rnesma ohancellarìa idnda se enoontra outra carta de 50fiOOO réis 
de tenga, de 20 de outubro de 1667. Os fundamentos sSo exactamente 00 
mesmos da anterìor. 

Lniz SerrXo Pimentel exeroeu o oargo de cosmographo-mór, em qne 
prestali bona servigos, nos impedimentos de Antonio de Maria CameirOi 
ficando previde definitivamente naqnelle legar por morte de proprietarie. 
A carta de nemeasle, de 14 de dezembre de 1671, é d'eate teor: 

«Dom Fedro &c. fa^o saber aos que està minha carta virem que tendo concide- 
ra^Io a Luis Sarrio Pimentel haner semido o cargo de cosmografo mor alguns 
annoB nos impedimentos de Ant.« de Maris Cameiro que foj proprietario delle, e 
entrar a ezer9Ìtallo por sua morte e hauer feito 00 Regimentos Befbrmados da Via- 
gem da India por se achar o antigo errado e o da Viagem de Itallia pollo nfto auer 
d*aquelles mares, sendo chamado para as juntas que mandey fazér toeantes a nane- 
ga^So semindo tambem o cargo de enginheiro mor do ezercito e Prouincia do Alen- 
tejo; ler na Aulla da Bibeira das naos a arte de matematiquas, nauega9&o, fbrtiffi- 
qua^Io, castrameta^So, ei^ugna^&o e defen^So das Pra^as, proceder em tudo com 
zollo de meu seruisso e notoria BatÌB&9Ìo polla cieneiae ezperienciaquetemdestes 
particullares, e ao mais que por sua parte se me reprezentou, Hey por bem e me praz 
de Ihe £azer mercé da propriedade do dito cargo de Cosmografo mor com obriga^So 
de ler na Bibeira das naos a arte de mathematiquas, e nauega^So e passar as fronteiras 
todas as vezes que for mandad^ e com d.« cargo hauerà de mantimento cada 



271 

anno sesenta mil r.' que Ihe serSo pa^^s na mensa dos vinhos desta cidade, e tres 
mojos de trigo no Almoxarifado da Maliieira, que he o ordenado do d.^ cargo, e outro 
sy hauera mais com elle em sua vida semente cento e dez mil reis cada anno, que 
Ihe serSo pagos pelle consullado, e pellos Annazens de Guiné e India, os quais Ihe 
mandej acrecentar por seus seruissos e merecimentos e em satisfa^So de mayor soldo 
que yencia com o posto de enginheiro mor da Prouincia do Alemtejo, que fica extinto, 
e hauerà os mais proes e percal9os que direitamente Ihe pertencerem pelo dito cargo 
e gosarà de todos os preuillegios, liberdades e yzen^òes que Ihe tocarem por elle, e 
està mer^ Ihe fa90 com declara^fto que hauendo eu por meu seruisso de Iho tirar ou 
^tingttir em algum tempo Ihe nSo ficar& por isso minha &zenda obrigada a satis&^So 
alguma; Fello que mando aos Vedores de minha fazenda Ihe deixem seruir e ezercitar 
o d.^ cargo corno à,^ he, asi e da maneira que o fiserSo os cosmografos mores seus 
antecessores, e leuar o dito ordenado e acrecentamento nas folhàs a que tocar p.* 
Ihe ser pago do dia em que tomar posse em diante a qual se Ihe darà no Conselho 
de minha fazenda e na ehanselaria o juramento dos Santos Evangelhos que bem e 
uerdadeiramente o sima goardando em tudo meu serui^o e o direito às partes de que 
se farà asento nas costas desta carta que por firmeza Ihe mandey dar por my asinada 
e cellada com o cello pendente de minhas armas e se registarà aos Liuros de minha 
fazenda ehanselaria e merces que fa90 e de nono direito pagou ja vinte e tres mil 
duzentos e sincoenta r.* que forào carregados em receita a Aleizo Per.* Botelho 
thezoureiro della a fls. 95 e deu fianca a pagar outra tanta quantia no L.** dellas a 
fi. 210 P.« de Araujo a fes em Lz.* a quatroze de Dezembro de seis centos setenta 
e hum annos. Manoel Guedes Pereira a ies escreuer. Princippe.» 

(Ttfrre do Tombo. — ChanoelUrU de D. AAhuo VI, lly. t9, fol. 167.) 

Numa nota do Conde do Prado aoérca das fortìfLoa98es de Beja e 
Evora, e que se acha adjimta a um decreto de 26 de juiiho de 1657, 
IS-ae està interessante passagem, que demonstra a boa opinilo em que 
era tido Pìmentel pelos seus contemporaneos: 

«Que y. Magestade ha por seu semino que elle lene hum ou deus engenheiros 
de sua satis&^So : e que n&o se Ihe ofirece outro para poder leuar mais que Luis 
SerrSo Pimentel, que tem muy particular sciencia das fortificasòes militares e que 
he sugeito de grande estimasSo e ahinda o sera de maior comò iuntar a teorica a 
sciencia pratica : e que a respeito de seu prestimo, do descomodo de sahir de sua 
caza e perder os ordenados e intereses que tem nesta corte o deue Y. Magestade 
mandar despachar e acresentar corno conuem para que com comodidade possa asistir 
a negocio tSo importante comò a fortificasse daquellas duas Cidades.» 

«A oste conselho foy V. Mg.'* semido mandar remeter a peti^ inclusa de Luis 
Serrào Pimentel, lente da fortificasse para que nelle seruisse e consultasse em que 
pellas razòes que nella aponta pertende que Y. Mg^ Ihe fa^ merce do cargo de en- 
genheiro mor do Beyno com sesenta e quatro mil i* de soldo por mes que tinha Langres 
na thenencia geral da artelharia desta cidade sem embargo do Decreto que ha para 
aly senSo asentarem soldos; e sustento de palha e seuada para hum caualo, no asento 
que està feito para a cauallaria desta cidade com obriga^So de elle supplicante ler 
a cadeira. Pedindo juntamente o posto de thenente general com o ezercicio em qual- 
quer parte que elle estiuer na confbnnidade que Y. Mg'* o concedeo a Fedro de Santa 
Colomba. 



272 

Ao conselho parche qne tendo V. Mg^' attcn9Ìo à expericncia capacidade de 
Luis Serrào e aos serui908 que tcm feito nas campanlias em que se achou e a indo 
o mais que reffere deue V. Mg^* fazerlhe merce de quarenta mll rs de soldo cada 
mez na reparti^ilo da artclharia incluidos os vinte que de prezente tem com a cadeira 
com a obrìga^ao de a ler todo o tempo que estiuer nesta corte deixando quando for 
mandado para aiguma parte sustetuto capas para continuar com a li^io; ordenando 
y. Mag^* que quando assistir no cxercito de Alentejo se Ihc de palha e seuada para 
deus cauallos e em quanto estiuer nesta corte para bum na forma que pede, e iste 
com titulo de engenheiro mor do exercito de Alentejo (caza que Y. Mag^« o baja 
por vago), o que athcgora occupaua Selincur, com patente de Thenente general da 
artelliaria para exercitar este posto, em qualquer Prouincia aonde se acbar e que 
elle tambem farà semino a V. Mag*'® polla sciencia que tem do manejo da artelbaria 
e^ deste modo sera tambem melbor obede^ido no traballio das fortifica^oes. Lixboa 
4 de setcmbro de 663.* 

«Diz lente da fortifica^fio Luis Serrào Pimeutel que elle serue aV. Mg*** desde 
o anno de 1641 ate o prezente na paz e na guerra seruindo muitos annos de cosmograpbo 
mór do Reino e lente de matbematicas, ensinando e examinando os pilotos, sota pilotos 
e mestres, prouendo dellcs as armadas e naos da India, despois disto serue ba annos 
de lente da fortifi9a9&o e castrameta^fio que V. Mg**' Ibe mandou ler, deitando da aula 
engenheiros que boje estfio seruindo a V. Mg^« com satisf a9So na Beira, Minbo, Alen- 
tejo, Setubal, Penicbe e nesta cidade; e agora no sitio de Euora andarSo nos approxes 
sinco discipulos do supp/' com muita 8atÌ8fa92LO : foi o supp.*« encarregado dos approxes 
de Sam B"^ e Canno, os quaes seguio ate fazer aloj amento na contrascarpa do ba- 
luarte de sam B""^ bem junto do fosso, e pela parte do Canno ate arrimar mantas 4 
muralba e a come9ar a picar, &s quais assistio e s^udou tambem um discipulo do supp*", 
e capitSo engenheiro Antonio Bodrigues, passando todos grande risco pellos muitos 
artificios de fogo, bombas e granadas, com que o inimlgo se defendia; dous discipulos 
do supp^" B"^ Zeni e Francisco Jo2o da Silua fezerSo o approxe de junto à porta 
de Macbede, ajudandoos o engenheiro Adam Francisco de Pontes, examinado pelle 
supp*". Achou-se nos sitios de Badajoz e Eluas, nas batalhas de Sam Miguel, das 
linhas de £luas, sabindo com a gente de dentro, na memorauel do Canal pellejando 
em bum dos primeiros batalbdens, e despois que se paasou palaura a infanteria pu- 
xando por muitas mangas que vinbSo cbegando e metendoas na pelleja &zendo nesta 
parte officio de tenente general. Na refega do ribeiro de Val de Seuilha junto a Ba- 
dajoz, na tomada do conuento de Sam Gabriel, na refega de Odegebe junto a Euora, 
onde fortificou o quartel que se tomou depois da pelleja : Assistio anno e meyo em 
Eluas seruindo a sua custa nas companhias do capitSo Irm^ do Conto e capitlo Inn<» 
Moreira: No anno de 1661 foy fazer a pianta de Euora por mandado do conselho 
que nelle entregou, e outra vez no de 1662 com o conde de Mesquitella, que tambem 
entregou no conselho, e foy com grande despesa sua às pra9as de Villa yi90sa, Te- 
rena, Monsaraz, Mourfto, Eluas, Campo Maior, Auiz, Crato, Portalegre, Alegrete, 
MaruSo, Castello de Vide e Nisa, dando ordem em todas aos engenheiros do que se 
hauia de fazer e emmendar naquellas pra9as; foy agora de Estremoz a Euora por 
ordem do conde de Villa Fior a riscar a fortifica9So no terreno, que deixou riscada 
approueitando o que pode do que o innimigo e Silincourt hauiSo feito, deixando là 
bum discipulo para se dar à execusSo com outros muitos serui90s; e porque o supp.**' 
pretendia o cargo de engenheiro mór do Beino que foy de Fellippe Tercio, Lionardo 
Turriano e D.'Turriano, e foy nelle consultado, subindo a consulta em 14 de novem- 
bre de 1661, a qual se perdeo em cima, e nem se ach&o os pareceres dos conselhei- 
ros que nella votarSo para se reformar por mais diligencias que na secretarla se 



273 

feserio, nem ha regìato por onde se reforme por se n&o registarem as consnltas de 
muitos tempos a està parte, mas estarSo lembrados os conselheiros loanne Mendes 
de Yasconcellos e Fedro Cesar de Menezes que sfto dos qne entam assistifio no con- 
sclho e mais o conde de Soure, o secretarlo Francisco Pereira da Cunba e officiai 
maior Jo^ de Mattos ; e he este cargo deuido ao supp.* por ser lente da cadeira de 
Fortificando, deitar da anla engenheiros, ezaminar por ordem de V. Mg.*^* pelle con- 
selho de guerra os que vem de fora, dos quaes Y. Mg.<*« despacha os que o supp.* 
approua, despede os que reprona, fiando delle materia de tanto porte, e nSo he justo 
que com o soldo que o supp.'* tem para ler a cadeira va seruir no exercicio de enge- 
nheiro nas occazioéns de guerra, perigo e gastos, sondo que o supp.* nem tem soldo 
nem patente de engenheiro polla nfto aceitar de engenheiro ordinario, merecendo 
por sua sufficiencia e serui^os o de engenheiro mor, nSo obstante o que, no exer- 
cicio o fiuE com teda a satisfanno, risco de sua pessoa e gasto de iuzenda nas jor- 
nadas : por tanto 

P. a V. Mg.^ seja semido fazerlhe merce do cargo de en- 
genheiro mor do Beino com os 64^ rs de soldo por mes 
que tinha Langres na tenencia goral da artilharia desta 
cidade sem embargo do decreto que ha para ali se nSo 
assentarem soldos por ali hauer side o de Langres, e 
sustento' de palha e seuada para hum cauallo no assento 
que està feito para a cauaUeria desta cidade com obri- 
ga^fto de o supp.* ler a cadeira, pois por ser o'supp.** 
Portuguez n2o deue desmerecer, nem aos estrangeiros 
deixa Y. ìlgA* de fazer merce, comò fez a Langres e 
Santa Colomba de habitos e tennas, a Lasarte e Ta\pa- 
racu de comendas, e a outros outras merces, e a Selin- 
court q fez o que se sabe daua Y. Mg^ 80f r.* de soldo 
cada mez na mesma tenencia da artilheria, que parece 
deuem agora vagar, e sustento para deus cauallos. Pede 
tambem o supp.* o posto de Tenente general com exer- 
cicio em qualquer parte que o supp.* estiuer na con- 
formidade que Y. Mg.<** o concedeo a P.® de St.* Co- 
lomba, pois supp.* o tem exercitado em effeito na 
guerra viua e Ihe he necessario para ser melhor obe 
decido nas materias da fortefica^So, e. B. m.» 

(OonraltM do Oontelho de Goerra, 4 de letembro de 16S8.) 

«Parecer (em 18 de maio de 1665) pelo qual considerando a qualidade dos zer- 
yi908 de Lniz SerrSo Pimentel, Tenente General de Artelharia e engenheiro mor 
do Exercito do Alemtejo, S. Mag> Ihe fa^a merce do habito de Christo, com 60^000 
reis eflPectivos, e para sua filha os 62JI000 r." que vagaram por sua tia no almoxarìfado 

-EVOra.» (BiMlothec* dM Neeeraldadee, mi. ^ in toh) 

«Parecer na peti^So de Luiz Serr2o Pimentel. Yi coiAo Y. Mag.''* manda a re- 
plica de (d.*) e conciderSdo os sena servinos me parece que est2o satisfeitos com 
a merce que Y. M.<^* foi servido fazer-lhe em 29 de Marno de 1666.» 

(Dito maimioripto.) 

SerrSo Pimentel escreyeu varias obras, de que so urna publicoa em 
sua Vida: Roteiro do mar mediterraneo, impressa por JoSo da Costa em 

yoL. n 18 



274 

1675. Dnas outras sairam postlmiiias: Methodo LuèUanico, em 1680, 
e a Arte pratica de rutvegar, em 1681. Està ultima foi additada e reto- 
cada por seu filho Manuel Pimentel e Wlas Boas, que Ihe succedeu no 
cargo de cosmographo-mór. 

A obra mais notavel de Pimentel, e a que tem gozado mais acceita^Xo, 
é sem duvida o Methodo Lusitanico de desenhar as fortijuM^ks daspra^ 
regularea & irregidares. Este titulo acha-se num frontispioio gravado por 
JoSo Baptista. As estampas que a adomam s2o assignadas, parte por 
René bietry e Manuel Mendes, parte semente por este ultimo. 



VStV — Pina (Joao de). Carpinteiro de marcenarìa, morador na 
yilla de Santarem. Tìnha um filho por nome André, de 15 ou 16 annos, 
que yivia com D. Affonso de Atayde, e em ouja arca foram encontrados 
diversos objectos, que se reconbeceram ser do furto que se fizera na 
igreja das Cbagas, de Lisboa. Por este motivo fóra oondenmado a agoite, 
corte de orelhas e degredo perpetuo para o Brasil. O pae intercedeu pela 
parte, allegando, alem de outras razSes, que era neto do cbaramella André 
de MilXo, que muitas vezes servirà a D. JoXo UI e a D. Manuel, em 
Saboya, Castella, Soma e outras partes. El-Rei Ihe concedeu carta de 
perdio em 19 de novembre de 1549. 

«Dom Joam &c. A todos os oauidores, juizes e jnsti^as de meus Reino? a que està 
minha carta de perdam fbr mostrada, saude, fia^ovos saber que Jo&o de Pina, car- 
pinteiro de ina9anaria, morador na minlia villa de Santarem, me emuyon dizer por 
sua piti^fto que elle tem haù filho per nome Amdre, mo90 de quimze ou dezaseis anos, 
e que por Ihe aerem achadas certas pe^as em sua arca na pousada de dom Afomso 
dAtayde, com quem viola, conhecidas aerem de furto que se fez na minha cidade de 
Lizboa na igreja das Chaguas — s — huiia cri spina douro e huiia cabeleira e huu 
barretinho de velludo e hufia vestimenta de velludo alionado e huus peda^os de ce- 
tim bramquo que pareciSo de vestido de imagem e huus peda^os de tafetà azull e 
outros peda^os de demasquo azull e huiia toalha da Imdia de seda pimtada, pollas 
quoaes consas estaa condenado em a^outes e talhamento dorelhas e degredo pera 
sempre pera o Brasyll, e que por o dito seu filho ser neto de Àmdre de Mill£o, meu 
charamella, e que muitas vezes seruira a mim e a elBey meu senhor e padre, que 
gloria %ja, em Saboya, Castella, Roma, e outras partes e elle sopricamte ser homem 
(Kmrado e de boa vyda e fiuna e receberia gramde afromta e verguonha se o dito seu 
filho ouuese pena vyll, me pidia por merce que avemdo a yso respeito, e està ser a 
primeira vez que o dito seu filho fora preso, ouuese por bem o releuar dos a^outes, 
baralo e pregufto e talhamento dorelhas, e que vaa comprir o dito degredo comò se na 
dita semten^a comthem com o pregufto na audiemcia. E eu vemdo o que me elle so- 
pricamte a^y dizer e pedir emuyou se asy hee comò elle diz e hy mais nSo haa, visto 
huQ pàrecer com bufi meu pase, e queremdo fiizer gra^a e merce ao dito sopricamte 
Jofto de Pina, tenho por bem e me praaz de perdoar e releuar ao dito Amdre seu 
filho do cortamente dorelhas em que hee condenado pelo caso contheudo em sua pi- 
ti^ft pollo modo que nella declara e em todo ho mais se compriraa a semten^a per 
que hee comdenado, por quamto minha merce e vomtade hee de o releuar do corta- 
mente das orelhas polla guisa que dito hee. Comprio asy e ali nfto fa^aes. Dada na 



276 

minka cidade de Ldzboa a desanone dias do mes de nouembro e feita em ella a Timte 
dias delle — elSey o mamdou per dom Gnom^allo Pmheiro, bispo de Tamgere e per 
o doutor Joam Momteiro cham^arell do mestrado de zpuiu, ambos do sen conselho e 
seiis desembargadores do payo e piti9de8. Jeronimo Luis a fes anno do nascimento 
de noso Senhor Ihesufi xpo de mill b* Rix anno6.» 

(Torre do Tombo — ChaneelUri* de D. Jolo m, legiMMo^^M, Ut. 4, fol. t4t v.) 



•T'SS — Pina Falofto (Bfanuel de). Nomeado, por decreto de 29 
de agosto de 1695, ajudante-engenheiro das fortifica9Se8 do Alemtejo com 
o soldo mensal de G^fOOO réis. 



V30 — Pinheiro (Antonio). Officiai de carpintaria e reparos 
de artìlharia. Foi nomeado mestre da carpintarìa e reparos da fortaleza 
de S. Jorge da Mina em alvari de 27 de janbo de 1613. 

«Eu EUrei faso asaber aos qne oste alaara nirem que anemdo respeto a boa in- 
formasam que se onue de Antonio Pinbeiro, ofisial da carpintarìa e repairos de arte- 
Ibarìa, e a nesesidade que a na f^rtalleza de sam Jorge da Mina e aaer nella o dito 
ofisial, ei por bem e me pras de Ibe fiizer morse do ofisio de mestre de caipimtaria e 
repairos da dita fortalleza e sidade de Sam Jorge da Mina pelle tempo que servir Pero 
da Silua, que ora vai por capitam e gouemador della, sem embargo do Begimento em 
contrairo^ com o coal ofisio auera o ordenado comteado no Begimento e todos os prois, 
percalsos que Ibe dereitamente pertemserem; pelle que mando ao Capitam gouer- 
nador da dita sidade e fortalleza de a pose do dito ofisio ao dito Antcmio Pinbeiro e 
Ho deixe ter e seruir pollo dito tempo asi e da maneira que o semiram os ofisiais de 
carpimtarìa e repairos que antes delle fòram e auer o dito ordenado prois peiealsoa 
comò dito be sem Ibe a iso ser posto dnneda nem embargo algum e da dita pose se 
farà asemto nas costas deste dito aluara que sera registado nos liuros da Casa da 
Imdia demtro de coatro meses permeiros segintes e uallera comò carta posto que o 
efeito delle %}a de durar mais de vm anno sem embargo da ordenasam do segnmdo 
liuro titulo 40 que o contrairo dispoim. E pera està morse auer efeito sera obrìgado 
a se embarcar e ir seruir o dito ofisio da data deste aluara a cito mezes. Simlo 
Cardozo o fez em Lizboa a vimtasete de junbo de mil sseis semtos e trese. E eu 
o secretarlo Antonio Campelo o fis escreuer.» 

(Torre do Tombo. — > Oh>noelìiirto de D. FU^pe H, DoofìStif Ur. SI, fol. €1 v.) 



*r40— Pinheiro (Josó). Em 12 de setembro de 1729 foi no- 
meado capitio José Sanohes para o legar de prasa de aprendis de ar- 
cbitectura dos pa^os reaes de Lisboa, de que fSra ultimo proprietario 
José Pinbeiro. Em 20 de maio de 1703 fora nomeado para o mesmo 
cargo, por seis meses^ na ausencia de José Pinbeiro, Esteyam Vicente. 

Vide José Sanehes e Estevam Vieente. 



*y4:l— Plnlieiro da Ounlia (Pranol80o).Vide Catalogo doeMap- 
pa$ do Minieterio da Marinha, pag. 14. 



276 

•y^rS— Plnheipo Pnrtado (Luiz Candido Oopdeiro). Riho 
de Francisco Xavier Magro Pinheiro Furtado, nasceu em Beja por 1750, 
pois em Janeiro de 1811 declarava ter 61 annos. Assentou pra^a com 
18 annoB. Falleceu em 30 de margo de 1822. (Archivo de Engenharia.) 

Promovido a ajudante de infantaria com exercicio de engenheiro em 
attengSo ao adeantamento que mostrava nos seus estudos comò discipulo 
de nomerò da aola militar. Decreto de 11 de outnbro de 1769. 

No anno seguinte era promovido a sargento-mór de infantaria com 
exercicio de engenheiro para ir servir por seis annos no reino de Angola. 
Eis a respectiva carta regia: 

«Dom José &c. fa^o saber aos qae està minha carta patente virem que atten- 
dendo ao merecimento e 8ervÌ9os de Luis Candido Cordeiro ajudante de infantaria 
com exercicia de engenheiro. Hey por bem nomealo sargento mor de in£uitaria com 
mesmo exercicio para me hir servir por tempo de seis annos no Rejno de Angolla 
com pra^a asentada na primeira plana desta corte, para qne findo o dito tempo possa 
ter exercicio nas tropas deste reino e vencerà no refferido Reino o soldo que tiverSo 
OS seus antecessores; e com o dito posto gosarà etc. Dada na cidade de Lisboa aos 
22 de outttbro. . . de 1770.» 

(ArcbWo do CoiifeUio Ultnuiwrliio, Uy. 41 de Q^Mof, fot. 44.) 

Um decreto de 15 de abrìl de 1791 confirmou a nomea^So de ajudante 
de infantaria de engenheiro, feita pelo governador e capitSo-general do 
reino de Angola. 

Em 8 de agosto de 1799 era capitSo do real corpo de engenheiros, e 
fói promovido a tenente-coronel para servir na capitania do Rio de Ja- 
neiro por tempo de seis annos. 

. «D. JoSo &c. £ii^ saber aos que està minha carta patente virem que eu hej por 
bem ^er merce ao capitSo do real corpo de engenheiros, Luis Candido Cordeiro 
Pinheiro Fortado de o promover ao posto de tenente coronel do mesmo corpo para 
me hir servir & capitania do Bio de Janeiro, por tempo de seis annos, ficando com 
praya assentada na primeira plana da corte, com o qual baveri o soldo que Ihe to- 
car etc. Dada na cidade de Lisboa a 18 de setembro de 1799. Prìncipe. Por decreto 
de S. A. B. de outo de agosto de 1799.» 

(Arddro do OoaaeDio UltramArinOi Uy. 49 de Qffkiot, fol. 6S.) 



V4r3 — Pinheiro de Laoerda (José). Sendo cabo de esqnadra 
de um dos regimentos da pra9a do GrSo-Fari, foi promovido a ajudante 
de infantaria com exercicio de engenheiro, continuando a servir no mesmo 
estado, segundo consta da seguinte carta: 

«Dom José &c. Fa^ saber aos qne està minha carta patente virem qne atten- 
dendo a alguns justos respeitos que me for&o prezentes, Hey por bem faser merce 
ao cabo de esquadra de bum dos regimentos da pra9a do Gr&o Para José Pinheiro 
de Lacerda do posto de ajudante de infantaria com exercicio de engenheiro, e com 



277 

o dito posto terà exercicio no mesmo estado, venoendo nelle o soldo que Ihe compe- 
tir, e gozarà etc. Dada na cidade de Lisboa a 7 de novembro de 1767. ElBey.» 

(ArehlTO do Conselbo UltrAmarino, Ut. S9 d« Offlcios, toh 159 v.) 

Tendo-se-lhe desencamìnhado a respectiva patente foi-lhe mandada 
passar outra por carta de 11 de maio de 1770. 



V^L4: — Pinlieiro de Miranda (Thomé). Depois de ter servido 
no Minho, no traballio das fortìfica93es, &s ordens do mestre de campo 
Migael de Leseci, foi nomeado engenheiro do estado do MaranhSo, pàrtindo 
para ali em companhia do govemador Fedro Cesar de Meneses. Tìnha 
posto de capitSo de infantaria e o soldo correspondente. A carta regia 
que nomeia encontramo-la a fol. 57 do livro 5 (118 do Inventario) de 
Officios do Conselbo Ultramarino, e é do teor segainte: 

«Dom Fedro por gra^a de Deos Frincipe de Fortagal e dos Algarues daquem 
e dalem mar em Africa etc. &90 saber aos qae està minba carta patente nirem que 
tendo respeito a Thomé JPinheiro de Miranda haner algnns annos que seme de enge- 
nheiro na prooincia do Minho assy no tempo da guerra corno depois da Faz celebrada 
dezenhando e obrando as fortifica9des que Ihe ordenou Mestre de campo Miguel 
de Lasehol Hey por bem de Ihe fazer merce do cargo de engenheiro do estado do Ma- 
ranhSo pera onde bade bir em companhia do Gouemador Fedro Cesar de Menezes, 
com qual cargo bavera soldo de capit&o de infantaria assy comò o uencem os ca- 
pitSes que seruem no dito estado. £ gosarà de todas as honrras preuilegios libardades 
ysen^oes e franqnezas que em rezfto do dito cargo Ihe tocarem. Fello que mando 
ao dito meu gouemador Iho deixe exercitar e feizer as obras e fi)rtifica99es necessarias 
e hauer dito soldo de que se fari asento nas costas desta carta, que sera registada 
nos liuros da secretaria do meu Ck>nflelho Yltramarino e sellada com sello grande 
de minhas armas. Dada na cidade de Lisboa aos desanoue dias do mez de Janeiro 
Antonio Serrfto de Camalho a fez Anno do nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo 
de mil e seiscentos e setenta e bum. Secretano Manoel Barreto de Sampaio a fiz 
escrever. — Principe.» 

Em 1685 tinha fallecido, havendo sido nomeado; por este motivo, para 
a sua vaga, Fedro de Azevedo Cameiro. 



V4,SÌ — PlnlielPO da Silva (José). Tinha 30 annos de bom e eflPe- 
ctivo servigo quando, em 31 de margo de 1720, foi despachado coronel 
de infantaria com exercicio de engenheiro. Nio so havia militado com 
distinc^So nas campanhas d'aquella epoca, assistindo ao cérco de Badajoz 
e i tomada de Alcaria de la Puebla, mas dirigira tambem as obras de 
fortificasse e exercitara os soldados no manejo das armas. Segundo tes- 
temunho de varios professores de mathematica do Collegio jesuitico de Santo 
Ant2o, de Lisboa, f6ra sempre primeiro alunmo nas diversas disciplìnas 
do curso e em archi tectura civil e militar. Era alem d'isso famoso debuxante 
e perspectivo e fazia maravilhosamente cartas geographicas. 



278 

Damos em seguida, corno docnmentos comprovativos, o seu requerì- 
mento e o attestado que o acompanhava: 

«Senhor^-Dix losepli Pinheiro da Sylva Sargento mot de Infìintr.* com exercido 
de engenheiro que elle ha maU de 30 annos Seme a V. Mg> com prestimo, boa Sa- 
tisia9am, e honrado procedimento, tanto neeta Corte corno nas Campanhas e ocariòei 
da pasaada guerra; e na Pra9a de Moura assestio com conhecida Utilid.* do eerai^ 
de Y. Mag> por que alem do incan^auel sello com qne se empregou nas couzas da 
fortifica^am, fes exercicio do manejo das armas aos soldados Auxiliares que ali se 
aehaoam de gaami9am, porq.'<» nem so elles mas tambem os seiiB officiaes ignoranam 
inteinunente aa soas obriga^des, e a doatxìna militar, que o supp.* Ibes encinoo, nam 
sendo da ana obriga^am: em o sitio de Badajos, e ataquea que se fiseram àqaella 
Pra^a assiatio com grande trabalho, e egnal valor soffirendo o fogo continuo qne os 
Inimigos faziam com grande risco de sua vida : na tomada de Alcaria de la Pnebla 
se ouue o supp.* comò bom soldado enchendo as suaa obriga^oéns, e trabalbaado em 
Ihe arrazar oa fossos qneimar os reparoa, da artr.* e.rebentar as Pessas qne ali se 
acbaram ; na Pronincia da Beira asaestio o Supp.* em todaa aa fon^Òes daqaella guerra, 
e ontras miiitas qne eonataram melhor daa certiddes que aprezenta, e pellos mesmoa 
documentoB eonata 00 muitos exercicios que supp.* fez na presene de S. Mag> 
que Deos tem em gloria de quem era attendido com particnlar beneuolencia, e de 
proximo fbj supp.* aos Beynos de Castella a deligenciaa parUculares do serui90 
de y. Mg> em qué gaatou muito tempo, e tene grande trabalbo, e ainda risco da sua 
pesaoa pollo reparo que se fazia nas suaa oppera^des, e a tudo antepoi o dezejo 
de seruir a Y. Mg.*** a quem he prezente a satisfa^am que deu daquilo de que era 
encarregado, e porque consta da sua sufficiencia, e capacidade hauendo side exami- 
nado, e aprouado, nas fìiculd.** que professa, e sendo dos mais antigos na profissio 
de Engenheiro se acha mais atrasado em postos, nam desmerecendo a mesma gra^a 
que Y. MgA* tem feito a outros mais modemos em ctga considera^am. 

P. a Y. Mg> Ihe fa^a m.* prouelo no posto de Coronel de Infiui.'** com exercicio 
deTenente Coronel que està vago no regim.** de Rodrigo Sezar de Menezes. — ^£. B. M.^» 

« AtestasSo que &zem jurada aoa 8.*^ Euangelhos sobre a suficien^ia e prestimo 
que tem em m.^ fiiculdades Sarg.^ mor Joseph Pinhr.* da Silua; Lente de Mathe- 
matica da Aula da fortefica^So D.<^ Yieira, P.« Jorge Gellarte Lente que foi de 
Mathematica no Collegio de S> AntSo. P.* Luis Gonzaga Lente que foi no meamo 
Collegio, e P.* Ignazio Yieira Lente que he oje no ditto Collegio. 

N6s abaixo assignados Certeficamos em comò Joseph Pinhr.« da Silua Sarg.^<» 
Mor Enginhr.* ha mais de 80 annos seme a Sua Mg.* por asim nos constar por doCum^ 
que Yimos; Sempre Se ouue Com honrrado prossedim.^®, e prestimo tam notorio que 
delle se tem seguido notaueia connenien9Ìa8 a eate Beino polla apUca^fto que a ul}- fes 
ter Seu aproneitam.'<* nos estudos de Mathematica sendo elle sempre pr.* em Arqui- 
tetura Seuil, e Arquitetura Militar, Artelharia, Geometria Speculatiua, e pratica, e 
trigonometria, Aritmetica Yulgàr, e Algebra, e £ùnoeo debuxante e Prespectiuo ; e por 
ter mais tempo exercicio daa refèridaa faculdadea do que outros m.*** e fiw marauilho- 
zBmM aa Cartaa Giograficas ou Mapaa daa Prouincias e com m.^ ventagem a m.*** por 
aaber sciente a certeza daa di8tan9ia8, a cujas fieu^uldadea foi aempre naturalm.** in- 
clinado, e p.* ellaa t6 legitima, e uerdadr.* propen9So, rezfto porq. na f(»matura dos 
Eaquadrois ostentou por hii diferente, admirauel modo, e nunca Yisto athe entam e 
forma do regim.** da armada em Terreiro do Passo & Yista do S.** Bey D. Pedro 
que a Santa Gbria tem, Sendo M.* de Campo Conde do Rio, e Sarg> Mor D. Fr.*» 
Manoel, & uiata de ciy a forma, e manejo ficaiÀo todos ademirando a Grande Sufi9ien9ia 



279 

e meressim.'» do d.« Sarg.** Mor Engmhr." Joseph Pinhr.» da 8ilaa, e S. Mg.* simiain.^ 
contente publicando qae liera o Vnico Sugeito nas referidas fiicoldadez, e assim o 
estimoa sempre m.^ dandolhe por isso Decretos com que o Come9oa a bonrrar, Sem 
o d.« Sarg.'<* Mor Ihos pedir corno Consta das suas patentes; E tanto annltou diante 
do d <* Senhor, que à uieta do Grande Gesto que todos em S. Mg.^* conhe^er&o Se 
aplicarSo ao mesmo exer9Ì9Ìo desde entUo, leuando elle sempre a palma nas referidas 
facnldades por que m.'** que oje se acbSo com algum prestimo a elle o podem dover 
pollo que tambem escreueu de que elles Se aproueitar&o ; e Sem duyida se o d.* S.^*' 
Rey D. Fedro que S.** Gloria tem fosse uiuo e o d.® Sarg.*« Mor (reqnere9e) estaria 
justam.** premiado com posto bonrradissimo pollo que o julgamos digno e meressedor 
de todas as bonras e m.«** que S. Mg.* que Deos g.^* for Seruido fazerlhe e assim o 
juramos aos Santos Euangelbos. Lx.* 16 Janr.* de llld-^AsHgnadO'^DotamgoB yiejra 
Lente da Aula Beai das Fortifica^oens.» 

(Deeretoa ramettldoi ao Conielho d« Onem, nutfo 79» n.* 6.) 



V4:0 — Finto (Antonio). Nas exequias celebradas na igreja da 
Misericordia da Bahia em honra do Dr. Manuel de Matos Botelho, irmlo 
do arcebispo da mesma cidade, foi tracista do tamulo Antonio Finto, 
a qnem JoSo Borges de Barros, na sna lìnguagem empolada, chama /omoso 
archUecio. Merece ler-se^ pela singularidade da linguageni; o seguinte trecho 
referente ao assumpto: 

cO pomposo e magnifico Tmnnlo, que mandou erigir no corpo da Igreja, 
podia apostar ventagens com os mais decantados Mausoléos, ainda exa* 
minando a atten9So os vastos Planispherios da Historia. Foi obra do ar- 
chitecto Antonio Finto, tambem de figura quadrada, com rigorosos pre- 
ceitos da Architectura civil, em cnjo artificio parece se empenharSo os 
ultimos esforgos do engenho ; mas comò na razSo de posterior ao Tumulo 
da Sé, levava por estimulo a emulagSo, a està se ficou devendo qnalquer 
excesso, que mayormente se verificou na engenhosa destreza, com que 
este Architecto se soube accommodar aos estreitos espa^os do Tempio, re- 
copilando uns vinte palmos de largo, e quarenta de alto, que tinha o Mau- 
solèo, teda a soberba maquina da sua primorosa idèa, a qual nlo sahe 
ao breve campo desta succinta rela92o, por Ihe havermos tirado diante 
dos olhos, na que ja deixamos em silencio, o Antagonista, de quem so 
podia estimar os desafios.» (Joaquim Borges de Barros, Rela^ Suvtmaria, 
Lisboa 1745, pag. 19.) 

Fara bem se comprehender este trecho, faz-se mister dizer que na 
igreja da Sé se tinham tambem feito exequias, de que fóra architecto 
Francisco da Silva. Yid^ este nome. 



'7'-4r'7' — Plnto (Antonio Correla). Exercitou largamente a sua 
pericia de engenheiro nas fortificagSes alemtejanas: Beja, Estremoz, e nos 
castellos de OntXo e S. Filippe, da praga de Setubal. Em 1668 foi no- 
meado engenheiro da capitania de Fernambuco, levando principabnente 



280 

em vista fazer as obras que necessitasse o forte do Brum. À carta, que 
nomeia, acha-se registada pela seguinte forma no livro iv de Officios do 
Conselho Ultramarmo, n.® de registo 117, folio 293 v. 

«Dom Fedro por gra9a de Deus Principe de portagal & £^0 saber aos qae està 
minha carta patente yirem que por ser nesesario hir daqui pesoa a capitania de Fer- 
nambuco para fazer nellas (sic) as fortifica9oes de que necesitar o forte do Brum 
e tendo respeito ao prestimo e 8eruÌ90B de Antonio Correa Finto feitos na IVouincia 
do Alemtejo no cargo de engenheiro do exercito da mesma Frouincia e hauex asestido 
nas fortefica95e8 que se fizerSo na cidade de Beja, na pra9a de Estremos e juntamente 
nas que se fizerSo na uilla de setuuel nas fortalezas de Oit&o e SSo Fhelipe, em que 
sempre procedeo muito a setisfa^&o dos gouemadores e cabos de guerrt: Hei por 
bem de Ihe fazer mercé do cargo de ingenheiro da dita capitania de Fernambuco 
pera que uà fÌBizer a obra ó dito forte, e que haja com o dito cargo uinte sinquo mil r.* 
de soldo cada mez pagos nas rendas daquelia capetania os quaes comesarà a uencer 
do dia que partir deste reino, o que justificarà pellas pesoas que forem embarcadas 
no nanio onde elle for, e gozarà de todas as honras e preuilegioB, liberdades, ueneses 
e firanquezas que direitamente Ihe pertencerem. Fello que mando ao gouemador da 
dita capetania de Fernambuco Ihe deixe esercitar o dito cargo e fazer as obras e for- 
tefica9oeB nessessarias do dito forte de Brum e hauer o dito soldo corno dito he, de 
que 86 &rà asento nas costas da dita carta que se conprirà inteiramente comò nella 
86 conthem, a qual sera registada nos liuros do secretarlo do. conselho ultramarino 
e sellada com o sello grande de nninhas armas dada na cidade de Lisboa aos quinze 
dias do mes de dezembro. Fascoal de Azeuedo a fez. Anno do nasimento de nosso 
senhor Jesus Christo de mil seiscentos e sesenta e oito. secretarlo Manoel Barreto 
de sampi^o o fis escreuer. — Principe.» 

Segue-se urna Apostilla, de 13 de fevereiro de 1669, sobre a forma 
do pagamento do soldo. 



•y 48— Finto de Sousa (Fedro Alexandrino). Era tenente- 
coronel de engenbeiros e conbecem-se d'elle os seguintes trabalbos: 

— Mappa da entrada para o Rio Amazonas com a posilo da costa 
Boreal da L grande de loanes, a costa de Macapd a foz- do R. Araguary; 
e a continua^ da Costa de Araguari athé o Rio Calcuèni comprehendendo 
mesmo R. Calcuèni, Maiacaré e Carapapori athé suas cabeceiras com a 
continuagSo dos Lagos que desde Amapà e Maiacaré e Carapapori fis no 
anno de 1798. Junto està o R, Araguari segundo o exame que deUe fez 
o Tenente Cor.^ Fedro Alexandrino. 

Originai a tra^o de penna; Biblìotbeca Nacional do Rio de Janeiro. 

— R. Araguari des da suafos aie ds cabeceiras, Examinadopor ordetn 
do lU.^ e Excrn."* Sj D. JEr.^ de JS."^ Coutinho por Fedro Alexandrino 
Finto de Sousa Tn.*^ Cho.*^ 

Originai com a assignatura do auctor, Archivo Militar do Rio. 

— Flano de huma peguena parte do rio Amazonas, que mostra a situc^- 
$3o da loca do canal AvaJti-parand, cujas aguas vào do rio Yupurà, na 



281 

quai, por ser a cammunicofSo mais Occidental entre està dois rios, se co- 
locou MJ^ de Limites das Coroas de Portugal e Espanha em 16 de Se- 
tembro de 178 L Copiado e reduzido pelo Cap."^ Fedro Alexandrino Finto 
de Sousa. 

Orì^nal a agaarella. 

— ConfiguragSo do rio Japurd athe a segunda cachoeira grande. Fetta 
na deligencia do antecipado conhecimento do mesmo rio por ordem regia 
no anno de M. DCC. LXXXL Levantada por Fedro Alexandrino Finto 
de Sousa CapitSo EngenJieiro e Jose Simoens de Carvalho Doutor em Ma- 
thematica e posto em limpo por Joaquim José Ferreira e Ricardo Franco 
de Alm.^ Serra, CapJ^ Engenheiros. 

Originai a aguarella, Archivo Militar do Rio. 

— Carta geographica do rio Javari, M. DCC. LXXX. Vili. 
Originai com as assignaturas de José J. Victorio da Costa e P. A. 

Finto de Sousa. 

— Carta de parte do porto de Macapdpor ordem do lUm.^ e ExmJ* Sfir. 
D. Francisco de Sousa Couiinho. 1800. 

Originai com a assignatara autographa, Archiyo Ifilitar do Rio. 

«Conformando-me com a proposta do Conde dos Arcos, sendo govemador e capi- 
tani general da capitsnia do Para : Hey por bem fazer merce ao tenente coronel do 
real corpo de engenheiro Fedro Alexandrino Finto de Sousa de o promover ao posto 
do mesmo real corpo, continuando no mesmo ezercicio que tem naqnella capitania. 
Conselho ultramarino o tenha assim entendido e Ihe mande passar os despachos 
necessarios. Mafra em 17 de dezembro de 1806. Com a rubrica do Principe Begente 
K. Sr. Cumprasse e registesse. Lixboa 17 de Janeiro de 1807. Com 5 rubricaa dos 

ministros do Conselho.» 

(ArehlTO do Contellio UItram«rinO| liv. 6 de IherUo; fol. tl9.) 



•r40— Finto Villalobos (Manuel de). Em 26 de maio de 1687, 
sendo ajudante de engenheiro, foi-lhe accrescentado, bem corno a outros, 
vencimento mensal de 2^9000 réis. 

Em 11 de marso de 1688, foi-lhe mandada passar patente de capitXo 
engenheiro da provincia de Entre-Douro e Minho, com a clausula de que 
servirla conjuntamente de capitZo de artilharia para ensinar aos officiaes 
menores d'ella e os tornar aptos na sua arte. 

Attrìbue-se a um Villalobos a construc9Zo do castello e do aqueducto 
de Villa do Conde. Sera este?Vide Minho Fittoresco. 

«Hej por bem q aos Ajudantes de enginheiros Manoel Finto Vilalobos, Pcdio 

Correia Bebello, M.*' Gomes Ferreira, Manoel Borges de Afonseca, e Manuel Mexia. 

da Silva q estudarSo na Aula, tenhSo demais dos soldos que uencem deus mil r* cada 

mes pagos nas Prouincias em q seruirem. Cons.* de Guerra o tenha asi intendido. 

Lx.* 26 de majo de 1687.» 

(Deeretos remettidot ao Conaelho de Gnem, mt^ 46, n.** 8.) 



282 

«0 Concelho de guerra mandarà passar Patente de Cappitào engenheyro da Pro- 
uincia de entre Douro e Minho a o Ajadante Manuel Pinto deVillaLobos declaran- 
doslhe nella q juntam> bade seruir de CappitSo da^ Artelharia p.* ensinar aos offi- 
ciaes menores della e os capacitar na sua Arte, nSo vencendo por isso mais soldo 
que de cappitSo engenheyro. Lx.* 11 de Mar90 de 688. Rubrica de 8. Mag.^« 

(Decretos remetUdot ao Conseiho de Gnerra, mafo 47, n.* 8.) 

Na Bibliotheca Real da Ajuda esìste o seguinte docamento aatographo 
em meia folha de papel: 



Parecer do Inginheyro M.^ PitUto de ViUalobos 
locante a mina do mosteiro de N. S,' doa Bemedios detta ddade 

«Vendo a mina que canxou a qneda da Baranda do Convento dos Bemedios desta 
corte e oidade de Braga que o Ill."« S.^ Arceblspo Primas foi seruido mandarem 
ver, me paresse que a parede de todo aquelle lan90 se escuza derubar albe o seu 
alicersse, e so bastare que o seu desmancbo se &ssa atbe o andar dos sobrados, esco- 
rando primeiro multo bem todos os madeiramentos daquella parte para que o pezo 
destes os nSo abatfto de sorte que cauzem nova mina. A parede se tome alevantar 
daqui para sima de alvenaria muito bem feita, sondo ajuntourada as fiadaa com jun- 
touros desencontrados. Sou de paresser se continue de pedra e barro corno a mais he, 
e que se ponha teda em bua altura para que os tirantes igualmente abrassem os fre- 
chaes, e nSo deixem que os madeiramentos repuchem as ditas paredes. 

O Arco da emtrada do CapituUo se deve tambem desmanchar e tornar de novo 
acentar, porquanto ficou participando da mina e com pouca ou nenhùa firmeza para 
suster novo pezo, oste se acentara com cai a respeito de melhor segurar a cantarla.» 

A Baramda que de novo se bade &bricar sou de paresser senSo reedifique em 
arcos comò a antigua que se demolio, por quanto repuxSo sondo siguradas nas pa- 
redes, e estas por velhas incapazea de rezestir ao seu impulso; pollo que se podem 
fazer huns Pilares quoadrados na forma dos mais que se achlU) em roda, inda que 
tenhSo algua largura mais, e em sima sejào rematados com bua pedra inteirissa que 
fassa para h&a e outra parte huns travabeis em que as travetas que compoem a Ba- 
randa descanssem. Sobre estes Pilares ou Gigantes se acentarSo as colunas dos arcos 
velhos dispostos de sorte e altura que sustcntem os telhados. 

Da parte de fora junto a um botareo ou estrivo que ja ali se fes està a parede 
aberta de alto abdxo ameassando nova roina, paresseme que dejunto ao cunhal athe 
o estrivo se desmanche athe o fìmdamento e se tome alevantar fazendosse de pedra 
e cai, e muito bem ajuntourada. 

Tambem seri vtil e presizo rachar todas as paredes em roda com rachas de pedra 
e cai, porque o tempo as vae corroendo, e escarvando, e podem com &cilidade com a 
continua^So das chuvas aluirse algua parte e fazer nov& mina. 

No que respeita ao campanario he escuzado desmanchar a parede athe o alicersse, 
e tornar de novo a &zella, por que so bastara desfazello athe o nivel do telhado, e logo 
tomar duas grandes pedras que dos extremos do dito campanario se vfto jnntar no 
outSo do coro, que tambem sera desmanchado, para oste effeito. Estas pedras no lugar 
do outSo donde forem conjunctas se liarSo com bum gato de bronzo muito bem chum- 
bado e sobre ellas se tomara a continuar o outào, e o campanario nSo subindo a mais 
altura que aqueUa que for. presiza a poder livremente balancear o sino. Paresseme 
que estas obras na forma appontada ficSo com bastante siguran^a. 



283 

Tambem se me disse que eom algdis obras qae religioxas particalares fixerSo 
costarSo alguns tinmies que sSo canza que os madeiramentos por sua Calta repuxem 
sobre os frechaes e estes as paredes cauza soficiente a causar hfia grande mina he 
conveniente que logo se acada a obiar este dano metendo novos tirantes donde estes 
faltarem. Iste he o que me paresse posso apontar. S. Ili.** ordenara o mais conve- 
niente. Braga 27 de Janeiro de 1708.— M.«i Finto deV* Lobos.» 

Diz Archivo Viannense, voi. i, pag. 108, que o magnifico retabulo 
da capella do Rosario, erecta na igreja do extìncto convento do S. Do- 
mingos de Vianna, fóra rìsco do sargento-mór de engenharìa Manuel Finto 
Villa Lobos, sondo exeoutado, em 1746, pelo habil escnlptor Domingos 
de MagalhSes. 



VSO — Piolti (Mapirael). — Architecto-pintor Ihe ohama o Con- 
selbeiro Costa e Silva a pag. 14 da sua Demonstragào. Trabalhon no Fa- 
lacio da Ajuda e ali en'^inava desenhò aos aprendizes. 

Volkmar Machado, na sua traducg^ do livro de Bellori, As Honraa 
da Pintura, Esculptwra e Architectura, fala d'elle pelo seguinte modo: 

«Manuel Fiotti, Architecto decorador, empregado no Theatro Regio, 
nSo tendo allì que fazer, teve o louvavel desejo de servir S. A. R., com- 
binando OS seus talentos com os de Sequeira para de commum accordo 
ìnventarem e dìrigirem as composÌ98es dos tectos no Pàlacio d'Ajuda; 
cousa que por entSo nSo teve effeito; mas comò o zeloso e illustrado 
Inspector désejasse tambem que o Estado utilizasse o seu prestimo, e o 
meu empenho se accordasse perfeitamente com os seus designios, con- 
viemos facilmente em que dirigiriamos ambos com a pintura da casa do 
Docel, encarregando-se elle de desenhar a perspectiva e os omamentos 
e eu paìnel e as mais figuras. Os sens desenhos forSo executados por 
José Antonio Narciso e por seu filbo Anacleto José Narciso, por Vicente 
Paulo, Eusebio de Oliveira, Eugenio Joaquim Alvares, José Thomaz, 
Jole de Deus, &c.> (Ob. cit., pag. 126, 127). 



VSI — Pires (Aflbnso). — 1.® — Fedreiro, morador em Santarem, 
mestre das obras da dita villa, de cujo officio parece ter sido exonerado 
... qiud noe praz que o mais n&o sya por sermos certo que nom he pera 
Me mais pertencente. Assim se le na carta que nomeou Martim Anes, para 
substìtuir, em 17 de outubro de 1474. NSo podemos todavìa deixar de 
estranbar a existencìa de outra darta de D. Affonso V, de 10 de novembre 
de 1479, confirmada por D. Manuel a 14 de julho de 1497, em que Ihe con- 
cede a tensa annual de um moie de trigo. Està ten^a ficou-a percebendo, 
por sua morte. Pero Nunes, que substituìra Martim Anes. Vejam-se os ar- 
tigos relativos a Martim Anes e Pero Nunes (1.^). 



284 

«Dom Manaell &c. A quamtoa està nossa carta virem fazemos saber que por 
parte de Afonso Pirez pedreiro, morador em a uosa villa de Santarem bob foj apre- 
sentada buda carta delBei dom Afonao, men tyo, ciga alma Deus tem aayziada per 
elle e assellada do seu sello pemdemte, da quali o theor de verbo a verbo he oste 
que se segue : «Dom Afomso per gra^a de Deus, Bei de Purtugall e dos Algames 
daquem e dallem mar em AfHca, A quamtos està uosa carta virem £uemos saber 
que esgardamdo nos ao semino que temos recebido e ao diamte esperamos reeeber 
dAfonso Pirez, pedreiro, morador em a uosa villa de 8amtarem e queremdolhe fazer 
gra^a e mercee, temos por bem e nos praz que elle tenba e aja de nos de tem9a em 
cada bus anno, em quanto uosa merce for, huii mojo de trigo, e este des o primeiro 
dia de Janeiro do anno que vymraa de nii<> ìxxx em diamte. Porenì mamdamos aos ve- 
dores da nosa fazenda que Ihe mamdem asamtar ho dito triguo em os nosos liuros 
dela e dar. carta delle em cada huii anno pera lugar homde delle ^a muy boom pa- 
gamSto. Dada em Camyde a dez dias do mes de nouSbro — Joham dafomseca a 
fez — anno do nacimSto de noso snfior Jhesuu xpo de mill im» kziz». Pidimdonos ho 
dito Afonso Pirez por mercee que Ihe confirmasemos e ouuesemos por comfirmada ha 
dita carta e visto per nos seu requerimento, queremdolhe fazer gra^a e mercee, 
temos por bem e Iha confirmamos asy e na maneira que nella he comtheudo sem 
duuida nem embarguo que ha elio ponham por quamto asy he nosa mercee. Dada 
em a nosa cidade deuora a ziiu dias do mes de julho — Pero Guomez a fez — anno 
de mill iiii« Irbij (1497) annos.* 

(Torre do Tombo. ~ Chftnoellftria de D. Manael, Ut. IO, fol* 16.) 



VSfi — Plres (Aflbnso). — 2.^ — Numa carta de Bartholomeu de 
Pùva a Alvaro Vieira, recebedor das obras da Casa da India, figara o seu 
nome corno um dos carpinteiros que se offereceram a fazer por mais baixo 
pre9o as obras 4o dormitorìo de S. Francisco. A carta, de 17 de Janeiro 
de 1520, é do teor seguinte: 

«S9r amlgo. As deradeyras ba^xas que a.^ ptz e Bodrjgo Aluerez, carpymtey* 
£08, fizerom no dormitoryo de Sam Francisco que està debayxo do dormitoryo gramde 
e asy dos foramemtos da crasta segnmdo alta e baixa sam estas — s — o dito a.* ptz 
dyse per seu asynado que he em meu poder que farya as ditas obras da maneira que 
estam ordenadas de suas maftos somSte por pre90 de sesemta e oyto mill r.*, que he 
menos que aval7a9am primeira symquo mill r.* por que a dita avalja^am era de sa- 
temta e tres mill r.*, e o dito pre^o sam sesenta e ojto mill r.* 

It. pre^o do dito Rodrygo aluez he que farà as sobreditas obras por pre^o 
de sjmquoéta e quatro mill r.", que he menos quatroze mill r\ e mais dyse que to- 
marya a pregadura grossa e dellgada e asy tachas pera todollos foramemtos por 
desaseis mill r.* e por me parecer que o dinheiro da dita pregadura he multo Ihe 
tirem dous mill r.* e asy fiquaram em quatroze mill reaes e ajumtamdo estes qua- 
troze miU com OS symquoSta e quatro da baixa do dito Rodrygo aluerez sam sesemta 
e oyto mill r.* e porquSto ho seu pre90 he mais bayxo que o do dito a.* ptz toda 
a comthya das pregaduras que sam quatroze mill r.% elBey noso senhor mSda que 
pelle pre^o dos ditos sesemta e oyto mill r.* com as pregaduras as ditas obras Ihe 
sejam arrematadas e vos fares logo fazer diso asemto em vose lyuro pelle scripriuam 
do vose carrego com decrara9am de toda ordenam9a que as ditas obras amde ser 
feytas segumdo esteuerem nos apomtam^tos que se fezerom quSdo se fez a dita ava- 
lya9am e or9am(lto e as ditas crastas com suas varamdas de syma averS sem fora- 



286 

mentos paneados em tres panos e com saas abas e averam suas fìtsquin e molldiiras 
ao oomprymSto do bordo e asy nas quebraa e por bayxo das abas seu cordam por 
remate ou sua molldura de rotoUos e diamStes, a qoe milhor parecer, e as ditas ceUas 
e corredor yso mesmo avera seu foramSto da mesma maneira sem ser paneado BomSte 
sera de esteyra com soas fìisquias e molldaraa pollo teor das da crasta e com soas 
portas e portaes e genellas com seos postigos pollo teor do dormitoryo de syma e em 
cada cella seu lejto e saa mesa com seu escrytoryo e seu escabell'o tado mui bem 
feyto e lympo e bem lanrado e com sens fromtaes de madeyra mai bem asemtados 
e asy soelharam o dito dormitoryo omde qaer que umda for por solhar ou trauejar 
com todallas mais consas que Ihe iiececar3ras forem do que toqua a carpemtarya e por 
quamto o dito a.* pirez he omem de bem e bom oficjall e os padres da casa follgam 
com eie, semdo caso que eie queyra fàzer a dita obra com o dito Bodrygo Aluerez 
pollo dito preyo vos arematareis a ambos que ambos a fii^am irmftmSte e nft que- 
r6do 8tam fique toda com o dito Rodrigo Aluerei e fiurlheam seus pagamentos em tres 
pagas — s— Ihe daram logo vymte e oyto mill reaes e comò teverem multa obra feyta 
Ihe daram vymte mill, e corno a obra for feyta e acabada Ihe darft os outros vymte 
mill reaes pera compiymSto dos ditos sasemta e oyto mill rs e que asy am daver, 
e mSdayme logo dizer se fiqua com hum ou com ambos pera vos logo Svyar os des- 
pachos do dinheiro. 

It segumdo os bordos que logo veres ponquo nuus ou menos que a dita obra 
leua vos comsertay com o dito Bodrygo Aluarez sobre a seragem dos bordos segumdo 
pre^o que leuarem por fio e demos Ihe cousa certa e eie tenha carego de os'mfidar 
serar e escreueme o pre^o certo em que a quer tomar. 

It. e quSto a madeyra e bordos e tavoado que està obra leuar vede pouquo mab 
ou menos de que se avera mister e mSdayo leuar a sam Francisco e tudo per comto 
e metamse em hfia casa e temde vos hfta ehaue e frey D.* outra e asy corno se forem 
gastamdo asy Iho vam damdo, e, posto que Alonso Mdteyro ao presente nom page 
nem receba, eie sega presemte comvosquo e com o scripriuSo por ser pratiquo nestas 
cousas, .por que ysto nom he receber nem pagar. Feyto em Euora a zb^ dias de Ja- 
neiro de mill h.^ zx. Bertollameu de Payua, ho amo.» 

(Tom Ao Tombe. — Corpo Okronotogtco, parto 1.*, ma^ SS, doe. 106.) 

No dorso. — Ao sSr. AUiaro Vyeyra reeebedor da9 obrcu da cosa da Imita, 



T'ffS— Pires (Aflbnso).— 3.^— Foi o mastre das obras do con- 
vento de Nossa Senhora da Assump98o, da cidade de Faro, mandado 
constmir, pelos annos de 1543, pela Raìnha D. Catbarina, malher de 
D. Jo8o III. Està notìoia resulta das seguintes verbas: 

«im r." Afomso Pirez mostre das obras do mosteiro de Nosa Senhora dÀsum^o 
da cidade de FaraSo, de merce per mandado em primei;ro de fevereiro de b* Riij 
e seu conhecimento em bj doutubro do dito anno.» 

(Toro do Tombo. — LItto da deipoM da Baluba D. Oathariaa, fol. 108.) 

«u^ r." A Amtonio Gomez, pedreiro, pera despesa do caminho de FarSo omde 
a dita Senhora mamdou pera Ihe trazer o debuzo e emforma^fto das obras do mos- 
teiro de Nosa Senhora dAsum^o da dita cidade per mSdado a iij de feuereiro 
de 543 e seu conhecimento a iz do dito més e era que vai a linha.» 

(Idom,foL181v.) 



286 

VS4r—'Pire& (Alvaro). Assentador das obras da Batalha. Seria 
talvez simplesmente olheiro, ou apontador, corno dirìamos hoje. D. Manuel 
Ihe mandou dar, a 25 de junho de 1514, 379 reaes do sea mantimento. 

«Dom Manaell per gra^a de D.* Bey de Purtogal e dos Algaraes daquem e dalem 
maàr em Africa senhor de Guinee &c m&damos a vo8 Becebedor das obras da Batalha 
e ao escriprivam dellas que de quallqner dinheiro noso qne tiverdes des Alnaro Pires 
asemtador das ditas obras trezemtos setfita e none reaes que Ihe m&damos dar e o anno 
pasado de b*' zlij de nos havia de aver de seu m£tim6to dos qnaes dinheiros Ihe 
vos faze boo pagamfito e per oste com seu conhecimSto mamdamos que toIIob leuem 
em comta. Dada em Lixboa aos zxb dias de jonho — ElBej o mamdou pello bar2 
daluyto &c do seu conselho e veder de sua Cuenda — Amdre Boiz a &b — de Jb* xiiij. 
Ho barft daluyto.» 

(Torre doTombo. — Corpo Cknmologko, parte t.*, ma^ 48, doc. 97.) 



T'ffff— Plres (André). Em carta de 11 de dezembro de 1516 
nomeou D. Manuel seu mostre das obras de pedraria da cidade de Lisboa 
com mantimento de 6:000 reaes, contado o moio de trigo, que, pelo mesmo 
officio tinha na Casa de Ceuta, e que Ihe f5ra dado em carta de 25 de 
maio de 1515. 

Em 1 de julho de 1519 assignou elle uma certidSo em que avalla as 
obras que fez Braz Rodrìgues, a saber: uns telhados que fez na sala da 
Rainba e na casa que foi guarda-roupa do principe. 

Em 6 de agosto de 1521 assignou o auto de avalia^So do frontal, que 
fez com BastiSo Àffonso na escada de caracol, que està na Moeda. 

Em 17 de Janeiro de 1521 passou igual documento das obras que 
fizeram Braz IkLirtins e Francisco Esteves no paQO dos Estaos. 

Com Alvaro Eanes, iguahnente pedreiro, avalìou em 7 de junho de 
1519, a obra dos aoafelados e telhados que fez Joane Pires nas casas 
dos InfiuLtes. 

Com Antonio Dalagoa, tambem pedreiro, avaliou outras obras que 
Luiz Gomes fez nas casas dos Infantes. 

Em 1520 avaliou os telhados da Moeda feitos por Diego Femandes. 

Outras avalia98es ainda existem, que reproduzimos na integra. 

Nas Carta$ missivas ha tres, de Bartholomeu de Paiva, amo do prìncipe 
D. JoSo (D. JoSo ni), a A£Ebnso Monteiro, ahnoxarife das obras da Casa 
da India, em que se faz referencia a diversas obras e a André Pires. 
Estas cartas sSo provavelmente ùnda do tempo de D. Manuel, ou dos 
come90s de reinado de D. JoSo UE. De Bartholomeu de Paiva esiste wida 
outra carta, do teor d'estas, a qual se acha no Carpo Chranologtco. Adeante 
as publicamos todas. 

«Dom Mannuell & A quamtos està nosa carta virem fazemos saber que querendo 
nos fazér gra9a e merce a Amdre pires, pedreiro, morador nesta cidade, comfiamdo delle 
que Sisto nos seruiri bem e comò a noso semino compre, temos por bem e o damos 



287 

daquj em diamte por noso mestre daa obras da pedraria desta cidade asj e polla ma- 
neira que o elle deue ser e o sam os ontros nosos mestres das ditas obras, com ò quali 
ofido queremos que aja de mamtimeiito em cada bau anno seis mill reaes comiando 
o moio de trigo que atee qui ouue com o dito oficio quo tinha na casa de copta 
per carta j orali domde fica riscado com verba que ho nft bade mais dauer £ porem 
mamdamos a todollos nosos oficiais e pesoas a que està uosa carta for mostrada e o 
conhecimento della perteucer que ajS daqui em diamte o dito Amdré Firez por mestre 
das ditas obras da pedrarya e a outro algufi nom e Ibe leixem seruir e ysar do dito 
oficio e auer o mantymento, proes e percall^os que Ibe de direito pertencem e o metft 
em pose dele sem Ibe nyso ser posto duuida nem embargo alguG porque asy he uosa 
merce, o qual Amdré Firez jurou em a uosa chamcelaria aos santos avangelbos que 
bem e verdadeiramente sirua o dito oficio. E outra carta que delle tinha por quanto 
nella estaua o dito moio de trigo que mais nit ha dauer foi rota perante nos. Dada 
em a uosa cidade de Lx." a zj dias do mes de dezembro Jorge Femandez a fez de 
j b" xbj ; OS quaes seis mill reaes auer& de Janeiro que vem de b" xbij em diante porque 
atee entS lena despacho do dito moyo de trigo per as leziri^ de Villa Framca.» 

(Toire doTombo. — Ghaneenaria de D. Manuel, lir. t5, foL 164.) 

«Dom Manuel &c A quamtos està uosa carta vyrem fazemos saber que querendo 
nos fazer graa^a e merce a Amdre Firez, pedreyro, morador nèsta cidade comfyamdo 
dele que nesto nos seruira bem e comò a noso scrui^o compre temos por bem e o damos 
ora daquj em dyamte por noso mestre das hobras da pedraria desta cydade asj 
e pela maneyra que o eie deue ser e o sam os outros nosos mestres das ditas hobras, 
com qual ofycjo queremos que aja de mantimento em cada hfl ano bum moyo de 
triguo, o qual averà cada ano no tyzouro da uosa casa de ceyta paguo por està 
80 carta sem mays tirar outra de nossa fiskzemda e mandamos a GUm^alo de Se- 
quejra Tesoureiro mor que hera da dita casa ou a qualquer ofycyall que ao diamte 
for nela que Ihe de e pague o dito moyo de trigo cada ano comò dito he. E per o terlado 
desta que sera regystada em a dita casa polo dito escriufto dcla e o conhecimento do 
dito Amdre Firez mamdamos aos nosos comtadores que volo leuem em conta. E porem 
mamdamos a quaesquer ofyciaes e pesoai a que està uosa {faJUa carta) for mostrada 
e o conhecimento dela pertemcer que ayam daquy em diamte o dito Amdre Firez por 
noso mestre das hobras da dita cydade que de pedraria fbrem, e outro algufi n5, Ihe 
leixem seruir e Ysar do dito ofycyo e aver o dito mantimento, proes e percal^os qne Ihe 
direitamente pertencerem e o metam em. pose dele sem duuida nem embarguo qne 
Ihe a elo ponhi, por que asy he nossa mercee; o qual jurou em a uosa chamcelaria 
aos samtos avamgelhos qne bem e verdadeiramente comò deue sirua e vse o dito 
ofycyo guardando a nos noso semino e as partes seu direito. Dada em Lixboa xxb 
de mayo Gaspar Boiz a fez de j b« xb anos.» 

(Torre doTombo. — GhanceUarla de D. Maaneli Ut. 24, fol. 58 v.) 

«He verdade que eu Andre Firez, mestre das obras del rrei noso senhor, fai re- 

queiìdo pelo almoxirife Afonso Monteiro pera avallar hfis telhados que fez Bras Boiz 

na sala da rainha e na casa que foi guarda roupa do principe em qne achei que valem 

tres mil xxxx rs e nisto me afirmo asegUdo Deos minha cOciScia, he per verdade asinei 

aqui em o primeiro dia do mes de julho era de mill qninhStos e xix anos. S& tres mil 

B rs. — Andre Firez.» 

(Tom do Tombo.— Cbiyo ChnmAxtffi/^^ parte 2.", ma^o 82, doe. 142.) 

«He uerdade que em bj dias do mes dagosto, era de mill quinhStos e xxi anos 
fui eu Andre Firez, mestre das obras del Bey noso senhor fui aualiar o frontal qne 



288 

fes BastUbn Afonso na esquada de qoaracol qae està na Moeda e qae achei qae vai 
teda dallo a baxo y. biij* z rs (2810 rs.) poendo todas as achegas a quata do pedreiro, 
e dada e aquabadaval estes douB mill e oitocentos e z n, acima eseritos. He per verdade 
Ihe dei este meu asinado hos bj dias do mes dagoBto da presente hera acima eflcrìta.» 
Andre Pirez.» 

(Torre do Tombo. — Chrpo Chrcnaìogieo, parte S.*, ma^o 97, doc. SS.) 

«He verdade que eu Andre Pirez, mestre das obras delBej noBO Senhor fui ana- 
liar a obra qae fez Braz Martina e Francisco Estenez na quasa da sobre logea da torre 
dos estaos da bftda de oalnerde com sens frontaes de bua quamara e de sua quozinba 
e de seas peda^os de argamasa e de aquafalar e api^alar e telhar a quozinba e a es- 
quada da Strada e iste foi a zbij dias do mes de Janeiro era de mjU quinhentos 
e zzj anoB e que achei que vale toda està obra acima escrìpta y iiii.^^ rs. He per ser 
asi verdade Ihe dei este meu asinado feito da minha mSo e asinado do propio meu 
signal e o dito dia do dito mes e era. — Andre Pirez.» 

(Torre do Tombo. — Corpo Chromììogico, parte S.*, ma^o 9i, doc. 136.) 

«He verdade que eu Andre Pirez, mestre das obras del rei noso senhor e Alua- 
reanes, outro si pedreiro, fomos requeridos pera aualiar a obra dos acafelados he te- 
IhadoB que fez Joane Pirez nas casas das ifStes que asi é verdade que valiamos 
OS acafélados e telhados e hfis frdtSes no eirado dabSda da ribeira he huas z lageas 
no mesmo eirado e asi hos apicalados que os acaba, he achamos que vale toda està 
obra acima escprita asegCldo Deus e nosa còciScia e por jnramSto que teroos val'zzij 
biiij.* zzzz (22:940) réaes. He per ser verdade asinamos aqui em bij dias do mes 
de junho era de mill quinhStos e zbiiij anos. — Aluareanes.— Andre Pirez. 

He asi fica per midir ha peda^ da parede que ade midir P.<^ Luis. He aai diz 
Joam Pirez que pos a sua casta tres gragolas qae nos vimos.» 

(Torre do^Tombo. ~ Cofyo Chranotogico, parte t.*, ma^o 82, doc. 74.) 

«Siir — He verdade que em o primeiro dia do mes de julho era de mill quinhentos 
e z b iiy anos fui eu Andre Pires, mestre das obras deirei noso senhor, e Antonio 
dalagoa, outrosi pedreiro fomos requeridos pera avaliar treze portaes de pedraria 
e bua j anela que fez Luis Gomes nas casas das ifantes, o portai e hùa janela, e os 
deus portaes no almazem em que achamos que valem doze mill e biiii" rs, he nisto 
noe afirmamos asegfido Deos nosas cociScias, e per verdade asinamos aqui em o pri- 
meiro dia do mes de julho era de mUl quinhentos e ziz anos. Antonio de Lagoa — 
Andre Pirez.» 

(Torre do Tombo. -- Corpo Oftronolofieo, parte 3.% mafo 4, doe. 85.) 

«Sftr He verdade que em bij dias do mez de dezSbro, era de mill quinhStos e zz 
anos, fai eu Andre Pirez, mestre das obras del Bej noso senhor, fai aualiar os telhados 
qae fèz Diego Femandes da moeda per mamdado de Afoso Monteiro, almozarife das 
obras da quasa da Mina e India em que achei que valem os telhados da moeda que o dito 
Diego Femandez telhou valem iij b.* Izzz r.' (3580) he nisto mafirmo segùdo Deos 
e minha cSciScia, e por verdade Ihe dei està certidam em o mesmo. dia e era per mim 
asinada. — Andre Pirez.» 

Tem appenso o segainte recibo: 

«Djgo eu Diego Femandez que he verdade que eu receby de Afonso Monteiro 
j~ij* rs da obra do castello que eu fiz e foi avaljada por Andre Pirez mestre das obras 
delBey noso senhor de ofi^cyaes de seruidores e hfi mojo de cai e outro moyo darea 



289 

e bj n de Tasoiiras pera barrer os telhados se mòton este dìnheiro qae 8fto fij" (1200) 
rs e por que asy he verdade qae os dele Becebi Afonso Monteiro Ihe dei este por mim 
asinado, feito aos z dyas de janeyro de b* zxj anos. Diego Femandez.» 

(Torre doTombo. -• Corpo Chrotiologieo, parte S.% ma^ 93, doc. 11.) 

«He verdade qae aos xiiij dias do mes de dezSbro e era de mill quinhStos e zz 
anos foi ea Andre Pires, mostre das obras delRei noso senhor e Aluareanes, oatro 
si pedreiro, fomos aaaliar hos frontaes e aquafelados qae fez FemSdo Anes no eirado 
qae està sobre o almazem a qaaram da torre em qae achamos qae valem estes fron- 
taes e estes qaafelados valem iij iii*^ IR r.* (3:890) e por verdade asinamos aqui aos 
zii\j dias de mes de dezSbro hera de mill qainhStos e zz annos. — Andre Pirez. — Alvaro 

(Torre doTombo.^ Corpo Ckronologieo, parte 2.% mafo 93, doc. 24.) 

•He verdade qae em bj dias do mes de jalho era de mill qainhStos e zzj anos fui ea 
Andre Pires, mestre das obras delRey noso senhor, fai aualiar os arcos qae fez Fer- 
nS da Serra e Tome Gomez nos Estaos nas varSdas de&onte das astrabarias e os arcos 
sam as voltas de tegolo e os nembros sam de pedraria he ham qonhal de pedrarìa he 
ham arco de pedraria e as cimalhas de pedraria, he iste foi per mamdado do amo do 
pifcipe e per mandado dafSso moteiro almozarife da dita obra, em qae achei qae sam 
08 arcos zzbiiij arcos e qae valem doze mill qaatrocStos Izz rs he os nembros sam bj 
qae valem seis mill iii^ rs he as cimalhas sam zzi! pe^as qae valem iij b.*' xx r.* (3:520) 
he do nSbro do qanhal vai qaatro mill b.« rs he do arco da angra (?) vai mill bij° reaes 
he aquafelado dos peitoris e dos arcos de bazo valem mill bj« Izzz rs — soma zzz 
cento Izz rs. Histo he asegando Deas minha c5ci8cia e por o jaramento qae tenho 
do mea oficio e por verdade asinei aqai o mesmo dia da dita era acima escrita. — Andre 
Pirez. 

He assi sflr, ^gaontei as qaolanas qae sam zjg hùa e mea com saas basas e seas 
qaapites: he por verdade asinei aqui. — Andre Pirez.* 

(Torre do Tombe. — Ctof^o Ckronologieo, parte 2.'i ma90 97, doc. 26.) 

«He verdade qae em biij dias do mes de jalho fui ea Andre Pirez, mestre das obras 
deIRei noso senhor, fai aaaliar os alegretes qae fez Bras Martinz no pomar del Rey 
noso Senhor per mandado do amo do principe noso senhor e qae achei que vai quada 
bum do alegretes com seus asentos dambas as partes qae sam dous que valem setec3tos 
nottéta rs quada dous asStos hii por alegrete que sam por todos zz asentos e doze ale- 
gretes e que somS e todos dez alegretes e zz asentos sete mil nouecentos reaes e asi 
ualiei dous alegretes do muro que nom tem asentos que sam os dos quabos que sam 
maiores que os do muro em que achei que valem estes dous alegretes que sam da 
soma destes outros acima escritos valem biij* nouSta rs e que soma o todo biij by« 
nouenta r* isto eu por o jaramento que tenho de meu oficio e por verdade asinei 
aqui em o mesmo dia da dita era acima escrita. — Andre Pirez.» 

(Torre do Tombe. ~Oarta« lR$Hwu, ma^o 2, n.* 149.) 

No dorso: 

Avalyafom que /es Amóre Pyrez noa cUegretes que eatam na orta nova 
que fez Braz Mìz 

«Senhor amiguo regeby vosas cartas asy as que me trouze Frey Gualter comò as 
outras qne me damtes tynhees espritas e nesta responderey a tudo o que ao presemte 
ne9esarìo ffor. 

TOL. u 19 



290 

Item. diguo logao que quanto as escadas de pedrarìa qae se am de fSBaet em 
Sam Francisco que sua Alteza ha por bem qne se StL^taa asj corno as laa tynhes 
ordenadas com ho padre Gardjam as^ ha do donnitorio na largon dos quatorae 
pabnos corno a outra pera seruemtia das varandas das crastas e quanto aos pre^os 
a derradeira baiza que dela veo e a de menos pre^o era que has ffaziam ambas por 
cincoenta mil reaes e o pre90 per que has £Fazia Lujs Gomes era migs alto e agora 
me espreueo Gill Femandes pedreuro que has querìa f azer ambas por coreuta oyto mill 
reaes creo que por meuos ajuda e porem minha yontade era por serem majs prestes- 
meute feitas que ho dito Lujs Gi>mez fizese huua e Gill Femandez outra por que 
o dito Liys €k>mez he muy boom homem e bom oficiall corno sabes e he rezSo que Ihe 
demos que &zer nesas obras que ha hy ouuer e tambem creo que eie tem bem de 
degraos laurados pera a dita escada e pareceme que sera bem que vos Eèles logo 
com dito Gjll Femandez e que Ihe digaes que eu Ihe m ando dar as escadas a ede 
e a Lujs Gomez pello pre^o que me eie espreueo que sam rbiij reaes e creo que por 
menos e que eles se concertem per maneira que ffique cada hunm com sua e o pre^o 
se reparta comò bem pare9er soldo a liura e sendo caso q ue o d ito Ligs Gomez nom 
quiser por quanto eie nom queria ffiizer a gramde menos dezxxij reaes e estoutra fiala 
por zxbitj^ e bem a basta tornar eie no pre^ sem fazer m^s baiza e o dito Gill 
Femandez ficara com ha piquena e sendo caso que o dito Lujs €k>mez nom queìra 
entregayas ambas ao dyto Gyll Femandez qu e hele e huum seu companheiro asfia^am 
e haej logo com eles seu asento e dos ditos rbiy* reaes Ihe fiiazej suas pagas corno 
vos bem pare9er e daylhe o tempo certo pera que has fa^am muj prestes pois sam 
de tanta ne9es7dade. 

Item. Frey Gualter me disc que Pero de Trylho estava em mijta necesTdade 
daver mester idguum dinheiro pera o acabamento dosa capela e eu flfallejlogo a elBey 
e ouue-lhe zz reaes segumdo vos vay nese mandado que vos com està emvio que Ihe 
vos logo dares e quanto argamasa que ^jzees que diz ho dito Pero de Trilho que se 
nam pode agora fitzer por respcgto do hynvemo e que pera o veram elle ha £Eura digo 
que asj seja e que agora semente se telhe comò tendes hordenado e elle dito Pero de 
Trylho Qcarà hobrygado pera o veram de ha entulhar e respalldar e hergamasar 
hygoallmente por cjma pera se depojs ladrylhar por quanto bade ficar em ejrado. 

Item. ha sua allteza por bem que tanto que ha dita capela estiver em ponto pera 
yso que Ihe mandes logo fazer ho alitar mor da grandura que vos ^'ser ho padre 
GoardjhaSo e bade ser de madejra e forado de fora na frontazja e asy nos topos de 
bordos debruados e fazqigados por bazo e por cjma e mandalo es £eizer per Bodrjgo 
Allvarez e tambem mandares asentar huuns outros dous alltares que se tiraram quando 
se deijbou ha capela que estam da parte de fora mandayoa tornar asentar hondestavam 
quando quer que voUo padre GroardjhSo requerer todas hesas cousas de safio Fran- 
cisco uos pe^o que tenhaes migto cujdadò de as fazer bem acabar por que elle tera 
ho mesmo ct\jdado de volle pagar por que asy ho faz elle sempre aquem ho serue 
e ho padre GoardjhS mostrava sempre ho boom cigdado que vos djso tendes e asy 
ho tenho eu dito a sua Àlteza de que Ihe multo praz. 

IteuL Eu soube que no jardym de cjma nam hera aynda nada repayrado de la- 
drylho de que me mujto espantej pella necesydade que djso tem por que se asy ficasse 
este hynvemo receberyham as abobodas mi\jto dano por que teda ha agoa hyija por 
aquelles bazos ter abazo de que receberja mi:gto dano e pexjgo aUem de parecer mail 
compre que logo tomeis huum par destes ladrylhares que fa9am logo i\jso hantea 
que venha majs ho hynvemo e os outros ladrylhados questam por fàzer poys estfto 
debazo da telha a todo tempo se fiifam e agora compre que ha des aos questeveiem 
descubertos e hantes que asentem o ladxylho no dito jardjm fiaser muy bem quallquar 
a terra e entulhar por que nam tome a fuor outro asento e ho que iijso majs merecerem 



291 

por liraf a por quanto he estee lado Ihe pagares aqijllo qne voa bem pare9er na i 
conta do8 outros ladiylliados e do mesmo dinheiro qne tos yaj pera 08 outro0 ladiy- 
Ihados e quando for necesario majs dinheiro mandar voUo haflo e hflna ves faaee 
lego comodar no dito jar^im. 

Item. Na casa bomde pjntam os pjntores da rrola^am me disem qne ohoae allgnnai 
gotejraa e qne podem faser dano mandajaa corcger. 

Item. Nesa qjdade i\jue hiiaa velha que se chama Caterjna Rodriguet e em seu 
poder lia ^ertos calexees e homamentos e em que ficou de hfina confraija que 8oya 
aver na capela do Sallvador questa em Safto Francisco ha quali confrarja he j4 toda 
desfeita e nam ha hy nenhuum confrade segundo Ihe mandou dizer ho padre €k)ar- 
4jhafto e sua Allteza espreve a està molher que vos entregne tudo e asy espreve a yos 
que todas hesas cousas que vos entregar que as vendaees e que ho dinheiro que se 
dellas Qzer se gaste ho que necesario for no coregjmento e repayro de huum retavoUo 
do Sallvador que vos ho dito Goar^jhafto mostrara e vos mandares faier iqso ho que 
vos ho Goar^jhSo djser segundo forma da carta de sua allteza e por que ho prinqjpall 
beneQ^g'o he ho coregjmento do dito retavollo e asy do goardapoo vos ho mostrarea 
a Joije Afonso e elle hordenarà quem ho bem fa^a por pouco dinheiro. 

Item. quanto a madejra que he necesaria pera o mad^ramento da tore do ftiimyg^m 
ha quali dizes ser ne9esaria da madejra de luarqua (sic) por ser mayor e n^lhor pareremo 
que bem se poderi fiuser desoutra pojs que com ella se madejram outras mores casas 
e mayor casa he ha do baluarte e fez-se a harmadura que tem desoutra madcgra 
comfLa e honde pera esoutra casa nam chegar enxirase nos cabos das empenas que 
Bodiigo Alluarez nam no hadaver por trabalho e pojs que ha casa jà vaj neste ponto 
pareremo que jÀ gora se deve de laurar ha madejra pera a dita harma^am. 

Item. quanto ha hobra da carpintaija do dormjtorio novo e asy da crasta segunda 
pareceme que pedem heses homens mi^'to dinheiro das m&os e migtos bordos e muyta 
madcrjra e porem nesas cousas dos bordos e da madcgra nos Die buscaremos boom 
remedio e quanto ao das m&os haSo de dizer ho pre^o per que ha fimim a saber em 
cada huua das hobras seu pre^o de mSos e pregadnra e se djserem que j4 Iho poseram 
djse Ihe vos que hiiua cousa he hor9ar hobra outra cousa he ho pre^o per que ha 
fiurSo por que hasy ava^ou Han dre Pjrez hesas escadas em satenta e tantos mjU reaes 
e achouse quem as fez por rbiij ou por menos e por yso ^gam elles agora cada huum 
delles per sj e per seus asynados por quanto farà cada hfiua das ditas hobras a saber 
das m&os e pregadnra sem saberem huum do outro nem outro do outro e mandayme 
logo seus ditos e asy me manday djzer ha grandura da dita crasta quanto tem cada 
quadra de comprjdo e baxo e Bodrìgo Allvarez ha mecQra e tambem quanto comple- 
mento tem ho dom^torio e quanta largura a saber (das e coredor e quantas ^elas 
a eomo eu souber estas me^jdas logo saberey se pedem pouco se miqto ho dinheiro 
pera madejra que tomastes perdoay por vos nam mandar despacho pera yso e porem 
pqjs que jÀ sey ho ^erto de quanta he e de quem ha ouvestes nam taidari m^jtos cQas 
que voUo nam mande encomendome em vosa mer^e e d'AUuaro "Vjeyra m^jtas vezes 
<yze a voso jrmSo que Ihe tenho em merce ho cigdado que tene de hyr vysytar a n^nha 
horta e pumar e pesame miqto achalla tam desbaratada e que Ihe pe9o que vaa yjsjUa 
aquelle hortelam quando elle poder e me mande nouas do que fius e se vos Ila podes^s 
escoregar huum ^*a nam me pasarja nada desta qjdade dEvora a bi^ de Setembro 
mandayme nouas certas desta cjdade por que dizem qua m^jto mail— Bertolameu 
de Payua Ho Amo— Ao Senhor Afonso Monteiro Allmoxarife das hobras da casa da 
Hvndia em Lizboa.» 

(Torre do Tombo. -» OarUu MUéoat, ma^o 1, n.* 2S5.) 

«Senhor— Amjgo — hontem que foram xbj djas deste mes dagosto me deu huum 
voso sobrynho ho repostejro huua vosa carta e a pijmejra cousa que me nella djzees 



292 

que voB he dito qae ea nam quero tornar vosas por ujrem desa cjdade e espantome 

mujto djso e nam creo que njnguem vos tali djsese por que aa menos que ea de Ila 

recebo saao as vosas e he verdade que quando hesa cjdade ostava mail huuas e as 

outras eu as nam recebya ate que as nam mandase muy bem defumar e se ho asy 

nam igz parecerame que fazya trey^am a ElRej noso Senhor e a seus filhos e agora 

na bora que mas daao as abro e as vejo e porem està que magora foj dada ha ziiij 

djas que foy feita e deramma agora e vos darmes culpa de vos nam ter respondjdo ha 

mujtos djas e eu tenho mais rezam de vola dar por que desas consas que vos espreuy 

muy tarde me mandarcs ha reposta e djgo logo nesas cousas que ELRey ha por bem que 

se fa^am em Saào Francisco as quaes vos esprevy que as mostrasejs a pedreiros e que 

tomasejs as baxas que njso Qzesse e ate gora nam vy vosa reposta e tambem vos 

esprevy acerqua do telhado da capela mor de Xabregas que ha ^zesejs telhar de 

novo per Handre Pirez e nunqua se fez nada e mandastesme djzer que dezya Handre 

Pirez que Ihe nam porya maào ate que Ihe nam desem dinheiro e bem sabemos que 

ho nam avya de fazer de gra9a e porem dinheiro se chama cem mjll reaea e tambem 

mjll reaes e eu vos mandey djzer que dinheiro aveija mester tam pouco nam me man- 

dastes djzer nada e djsto tenho eu maes rézam da magravar que vos de vos djzerem 

que nam vejo vosas cartas e se as eu nam ujse as que me daSo nam farja ho que me 

nelas espreues. Eu mandey jà fazer huum mandado pera vos darem huum pouco de 

dinheiro e por nam ser asynado ho nam leua Feljpe de Berejra e logo vos Ila sera 

e entam vos reponderey a tudo ho que nesta deradejra carta mespreves e nesta digo 

que ha hynda avemos mester pera asy ter huua pouca de madejra e compre darse 

logo e sam zx yjgas e huuns r. e tantos carros de tra^adas e eu preguntej a sua all- 

teza se se. compraiya ou se se tomarja do pa^o da madejra <|J6eme que toda ha que 

se ouvese mester se tomase do pa90 cjnco reaes menos por carro do que se achar per 

hesa cjdade segundo veres per huum alluarà em que voUo sua allteza manda que 

tambem està j4 feito e pe^ouos que esa madejra pera Syntra e asy ha rjpa pera Pera 

Longa se de logo comò vos for requeijda pellos mandados por que he mi\jto necesaria 

darse logo hantes que venha ho hynvemo ho recado desas escadaa que se ham de 

fìizer em Saio Francisco memanday logo recado do que njso tendes fejto, e djzee 

ao padre Qoardjhafio que j4 tenho licen9a de sua allteza pera Ihe mandar fazer ho 

domy torio debaxo e asy forar a crasta segunda e na primejra carta que vos esprever 

uos enujarej ho regj mento da manejra que lyso avees de ter e estas novas day ao 

padre GóardjhaSo e encomendayme mujto em suas devotas hora95ees. 

Item: Eu vos esprevy que djsesejs ha Hantonio Femandez ho ferejro queElBey 

mandava que vjese logo qua e que trouvese quantas booas mostras podese aver pera 

fazer huumas grades ryquas com seus coroamentos rjcos por que eu tenho fejto com 

sua allteza qae as fapa elle e nam vy maes recado cyso compre que logo na bora ho 

fa^aes partjr pera qua e que seja logo aqi^. Felipe de Bereira diz que Ihe secaram 

quatro ou cjnco laranjeiras e eu ho djse a sua allteza e manda que se ponham outras 

comò for tempo e que sejam do tamanho desas outras que agora estam no jardjm 

e nam vos digo agora mais por que em outra que vos logo eey descrever vos respon- 

derey a tudo ho que magora esprevestes encomendome em vosa mer^e e d'Alluaro 

Yjeyra mujtas vezes desta cjdade a zbij dagosto^creo que em huua desas harcas 

que Qcaram na casa da Mjna estam huuns estiybos dourados de mulla e asy allgiiuas 

outras cousas de mulla e de cavallo pe^ouos que vos ho vejaes e tudo ho que achardes 

de mula ou de cavallo mo enuyees per allguua pesca que mo quejra trazer e eu ho 

contentarey. — Bertolameu de Payua — ho amo. — Hesas cartas vos pe^o quememandes 

a hylha de Sa£o Mjguell que sejam dadas a Bernaldim Beleago ou na jlhaTercejra 

a Francisco Lopez meu cryado. — Ao Senhor Afonso Monteiro Almoxarife das hobras 

da casa da Hyndia.» 

(Torre doTombo.— Carto« MUHvob, ma^o 3, n.*" S8S-889.) 



293 

«Senhor — Amjgo — bontem que fonim tres djas deste mes de Novembro me dea 
Feljpe de Bareyra vosas cartas e boje me deram outras e asy me deram oatro ma^o 
doutras em que njnha ho hor9ameiito da hobra dos Eataos e logo ho mustrej a sua 
allteza e pareremo qae qaer que se fi^a indo e manda que llogo uos vaa prouisam 
de dinheiro e està somana tos sera Ha e hentretanto yos com meu jnnào chegay com 
hesas hobras aos mais baxos pre90B que poderdes em manejra que quando uos for ho 
dinheiro que as tenhaees j4 rematadas e eu ho esprevo asy a meu jrmao e quando Ihe 
espreyy nam me parecja que poderja ter tempo de vos espreyer e todaiya uos pude 
esprener estaa regras pera yos dar este aujso e asy uos fazer saber que daa sua allteza 
tanta presa a hesas hobras comò se ouvese de ser Ha daquj a xb djas e por jso compre 
que vos e Alluaro Vjejra nam dar mais de dja nem de noyte e posto que as mer^es 
sejam poucas comò djzees prazerà a noso Senhor que nos levarÀ a hesa cjdade e que 
sua allteza voUas &r& a vos e Alluaro Vjejra comò merecer e hesa hobra da torre a 
saber os harcos e janelas fazee logo com Lujs €k>mez que se asentem e com Rodrigo 
Alluarez que Ihe fa^a logo os madejramentos dos telhados e que se cubra pera ujr 
logo forando as casas debaxo e asy day mujta presa ao ladrylhar e quanto as meu- 
dezas que mandaes saber ho que sua allteza hordena que se fa9a Felipe de Bareyra 
levara recado de tndo e asy do dinheiro que avees mester e ferro e chumbo e porem 
heses canos das cuzinhas manday logo fikzer por que as cousas tam necesarias nam 
he necesario que se preguntem no jardjm do Mar me djseram que nam tynha a hynda 
terra da booa compre que ha mandes logo laudar por que este hano se bade prantar 
em todo caso hesas madejras que saSo necesarias pera os Estaaos e asy huua pouca 
que ha hynda avees de dar a meu jrmSo pera sua fortélleza come^ay de ha comprar 
porque pera tudo vos hadjr protesalo de dinheiro e se ha ouver no pa^o da madejra 
e volla derem por menos pre90 e for booa dy ha tomay e asy outra pouca que se ha 
de dar per arola^am. ate quj £etllaua no.que compre a sua allteza agora quero fallar 
huum pouco no que compre amjm eu tenho huum pouco de trygo pera vender e he 
menos do que ciydava e eu mando 11& Francisco Lopez pera hyr logo por elles e se 
achar arezoada venda eu Ihe mando que ho venda logo e se estever baxo e nos pa- 
recer que se venderà mylhor pollo Natali vos Iho fazee meter em hùua desas casas 
da varanda da ma Nova das mais baxas e hy se ponha muy bem goardado pera se 
vender despojs quando for tempo e se for mujto (sic) mujto peso pera h&ua casa 
ponhase em duas ou tres casas e porem seja nas mais baxas e a porta vay pera rua 
da Moeda Nona manday muy bem fechar que nam tenham hesas casas ho seruÌ9o se 
nam pella porta dos alljabebes. 

Item. Na casynha de todo cjma honde sta huua chemjne pequena nos fazem de 
comer quando Ila estamos e he mujto pequjnjna pe9ouos que ha mostres ha Handré 
Pirez e que veja per que manejra se posa fazer hdua chemjne mayor pera nos fazerem 
de comer com seu llar e mandayma flEtzer que hachemos fejta e venha tambem hy 
Bodrigo Alluarez se ouver de ter allgilua cousa de madejra e hambos ha houverem 
e vos ha manday fazer e nam vos digo agora mais e por Feljpe de Bareyra vos 
enujarej recado do que nesta fiilece encomendome em vosa merce e d' Alluaro Vjejra 
Desta cjdade a b de novembre — Bertolameu de Payua — Ho Amo.* 

(Torre do Tombo.— Corfof Miitlwu, mafo 8, n.* 6S.) 

«Senhor amigo — eu vos esprevy ha dias e asy ha Hamdre Pirez pedreyro que 
ffosejs ambos ver ho telhado da capela moor demxobregas por quamto he dito a elRey 
noso senhor pelos padres que de la vieram que chovia nela comò na rrua e que se 
perdia o fforamento todo per muitas partes e mandou que Handre Pirez per sua m2o 
ha fPezese quoreger de maneira que fiyquase estamque e que se comprise destelharse 
de todo pera se tornar a telhar de nouo em maneira que ffiquase muito bem e que 



294 

aquilo qae ho dito Àmdre Pirez disefle qae mere^ia qae jso Ihe mandarla sua Altesa 
dar poemdo toda ha majs telha nona (pie ha dita capota levase o asj a quali e maloa 
e servidores e ate oje qua sam doze desto mot de Jolho nSo ry migs voaa rreposta 
mas amtes me diseram quo nSo era ffejto nada e sua Altexa me pergomta cada dia 
por jso e ea nfto sey quo Ihe rrespomda senSo qae volo tenho sprito asy corno ho sua 
Alteza mandou e agora que ho padre gardiam vaj pera la me tomon sua Alteaa ha 
mandar moito emquaregadamente qae volo tomase a esprever e por qae ho jmyemo 
se yay chegamdo compre qae nSo Ihe tardes mais item ha minha capela qae ffia no 
capitolo nfto he %jmda ladrilhada pe^oaos qae £Fales com Hamdre Pirez e qae ma 
Ss^BJB maj bem Ihadrilhar de bom ladrilho rro9ado e tambem amtre ha sepaltara e ho 
d^grao da capela està hom pedalo de chfto qae ha mester ser rrepairado pe^oaos qae 
tambem ho mandes maj bem rrepairar asy comò damtes ostava e vede o qae tado 
ffaz de casto dado demprejtada e mandarvos Ihej logo ho dinheiro e ho telhado da 
capela moor yos tomo a emcomendar qae se ffa^a logo hamtes qae m%js venha ho 
jmyemo emcomendo me muitas vezes a vos deverà a doze dias de Jalho de 1519 — 
Bertolamea de Payaa — ho amo — Ao Senhor Affonso Monteiro almoxarife das hobras 
delBey Noso Senhor da casa da Imdia.» 

(Toire do Tombo— Obrpo (Cronologico, j^wte 8.% ma^ 7, doe. 30.) 

Sobre obras nos Estaos, vide Pero Luiz e Braz Bodrigues. 



VSO — Plres (Antfto). D. Manuel, em carta de 11 de Janeiro de 
1520, nomeou mostre das obras de pedraria de Azamor, assim oomo 
era Alvaro, pedreiro. Està carta foi confirmada por D. JoSo in a 28 
de setembro de 1524. 

Num rol de pagamento relativo ao anno de 1515, aos officiaes que 
trabalharam no castello de Azamor, li vem urna verba a AntSo Pires, 
designado corno mestre. 

«Dom Joham & A qaamtos està minha carta virem fa^o saber qae por parte 
d* Antfto Pires, pedreiro, morador em a minha cidade dazamor me foy apresentada 
hfia carta dell Bej mea senhor e padre, qae samta gloria ^a» de qae o teor tali he: 
«Dom manaell pela gra^ de Deus, Bey de Partagall e dos Allguames daquem e dalem 
mar, em A&yca senhor de Qaine e daconqaystanaaega^ft e comercio dethiopia, Arabia 
Persya e da India, a qaamtos està nosa carta virem feizemos saber qae por sabermos 
qae Amtft pirez, pedreiro, morador na nosa cidade dazamor he soficiente de sea oficio 
pera nos poder bem seroir em nosas obras comò a bem delas e a noso semino compre, 
e qaerendolhe nyso &zer merce nos praz de o dar da qay em diamte por mostre das 
ditas nosas obras na dita cidade com doas mill r.* de mantimento em cada hil ano 
corno he ordenado ao dito oficio e o atee qui ouae Alaaro pedreiro qae ho dito careguo 
seme na dita cidade som ter carta nosa e asy mesmo nos praz quo aja por dia sesenta 
r.* quando qaer qae trabalhar e amdar em nossas obras : Noteficamolo asy ao capitS 
comtador e oficiaes da dita cidade e a oatras qaaesqaer pessoas, a que està nosa carta 
fòr mostrada e o conhecimento dela pertemcer e Ihe mandamos que igam asy da qay 
em diante o dito Amtam plk por mostre de nossas obras e o metft de pose do dito oficio 
e leixem serair e vssar dele e aver os ditos sesenta r.* por dia quando trabalhar, 
comò dito he, e mais os ditos deus miU r.* de tem9a por ano que queremos que Ihe 
s^am pagos no almozarìfiido da dita cidade, e mandamos por està ao almoxarife oa 
recebedor que ora he oa ao diamte ibr que dapre8emta9am dela em diante Ihe fis^a 



295 

dM ditos dona mill r.* bom pagamento em cada li3 ano aos quartees dele e por len 

Gonheoymento e o trélado desta que ho Bcrìpvam de seu careguo asentara no cabo do 

linro de tna despesa: mandamos aos nossos comtadores que Ihos lenem em comta e 

aos veadores de nossa fasenda qne Ihe ft^i asemtar nos lioros dela pera lembram^a 

dito mantimento • Ihe fa^am comprir e guardar està corno se nela contem, o qoal 

amtft pls jnrou em anossa chancelaria aos samtos avamgelhos qne bem e verdadeira- 

mente sima e vee d< dito careguo comò he obrygado. Dada em a nossa cidade Deuora 

a ij dias de Janeiro imtonio Afonso a fez ano do nacjmento de nesso Senhor Jhesu x.« 

de mill b* e XX. E edito aluaro pedreuo n9 avya o dito mamtymento salno semdo per 

nossa carta amtes lesta e entam n9 valha està de maneira que h&a se cumpra. £ pe- 

dindome o dito AiMun pirez por merce que Ihe confirmase a dita carta e visto por my 

seu requerimento,querendolhe £uer gra9a e merce, tenho por bem e a confirmo e ey 

por coufinnada emamdo que em todo se cumpra e guardo comò nela he contendo. 

Dada è a minha cidade deverà a xxbiij dias de setembro — Antonio Sanhudo a fez 

ano de mìH b* xiiìi^» 

«uv uo uuu ir- ^.M*^ ^^ ^ Tombo.— QuuioenarU de D. Jole m, Ut^ «7, foL IW.) 

«Boll do piguamento do mes de mar^o de b*xb (1515) dos pedreiros carpinteiros 
e taipeiros e /ervidores das obras, o quali pagamento he feito em alu.<* do cadaval 
almoxarife, et« 

Pagnarcf a Amtom Pirez mestre mill quinhemtos r.* do mes de mar^o de b*xb 
a rezft dos dios mill e quinhStos r.* por mes^f b« rs. 

Paguars a Ychoa biscainho pedreiro. 

No fin mandado de P.^ de Scusa capitSo e govemador de Azamor: 

ne pagueis a todos os oficiaes que trabalham nas obras q[ se fezem neste 

castello 8625 r.* do mes de mar^o de 1515.» 

(Torre do Tombo. — Corpo Ckronologieo, parte 2.*, ma^ 669 doc. t.) 



yoy — Pires (Antonio). — 1.® — Carpinteiro, empregado nas obras 
do convnto da villa de Cós. A pedldo da abbadessa, el-rei D. JoSo ni 
Ihe deualvari de protecgSo, a 30 de mar^o de 1554. 

«EuslRey fe90 saber a quamtos este meu alluara virem que havemdo respeito ao 
que diz jabadesa do moesteiro de Coz na pet79So atras esprita ej por bem e me praz 
que estmdo Amtonio Pirez, caipimteiro, na dita villa de Coz e amdamdo ocupado 
nas obra do moesteiro da dita villa, Ihe valha a dita vylla corno Ihe vallerà o couto 
dAllfeyzrfio, onde estaua acolhido, e osto por tempo de deus anos, se tamto durarem 
as dìtas^bras, e este me praz que valha corno carta sem embarguo da ordena^So do 
2.® liuro itolo 20 que ho contrario despoem. JoSo de Castilho o fez em Lixboa a zxx 
dias de lar^o de jb'^liiij». 

(Torre do Tombo. <- CbancoUarla de D. Joio III, PrimUgiott llv. 3, fol. 109 v. 



VC8 — Pires (Antonio). — 2.^ — Carpinteiro no Brasil, a servilo 
da Comianhia de Jesus, conforme se ve do seguinte trecho: e Antonio 
Pires pée a Vessa Reyerendìssima alguma ferramenta de carpinteiro, 



\ 



296 

porque elle he nesso officiai de indo.» (tCarta do Padre tfanuel da Nobrega 
ao Padre SimSo Rodrìgues», na Chronica da Companhia de Jesus, de SiioSo 
de Vasconcellos, 2.* ed., voi. n, pag. 299.) 



yOO— Plres (Antonio).— 3.* — Mestre da carputaria dos pajos 
de Salvaterra e de Muje, succedendo-lhe em 1610, por ma morte, Bar- 
tholomeu Rodrìgues. Fora seu antecessor SimSo Dias. 

«Dom Felipe &c. f&qo laber àos que està minha carta yirem gè comfyamdo de 
Antonio Pirez, carpimteiro, que no de qne o emcarregar me 8emr4>ein e fielmente, 
corno a meu 8eniÌ9o compre, ey por bem de Ihe fazer merce do car^ de mestre das 
obras da carpimtaria dos meus pa^os da villa dAlmeirim, Samtarem \ da Bibeira de 
Maja, assi e da maneira que o elle deue ser e corno o foy SimSo Dias, ]pr quem o dito 
officio vagou, com o qual auera de ordenado cadauno, a casta de minhifazenda, doas 
moyos da trigo, qae he outro tanto corno com elle tinba e aoia o dito Sinlo Dias, e usi 
gozara de todos os preuylegios, liberdades, que por mìm sfto dados e «torgados ao 
dito officio e ao8 semelhantes officiaes meus, comò tinha e gosaoa o ditcSjmlo Diaz 
e OS mestres que amtes delle forào das ditas obras, o qual cargo elle Ito Antonio 
Pires tera e seraira emquanto eu ouuer por bem e nSo mSodar o contrariccom decla- 
ra9&o que tjrramdo-lhe ou extimguindosse per qual quer causa que seyamiba fiizenda 
Ibe nio fique por isso obrigada a 8atisfa9So algua, pollo que mìodo aos nedores de 
minha fazenda que Ihe fa9&o assentar os ditos dous moyos de trigo no litro das or- 
dinarias della e leuar cadanno nas folhas do assentamento em parte omddhe sejSo 
bem pagos com certidflo de Gonfio Pirez Carualho, do meu conselho, piuedor de 
mynhas obras e pa^os, de comò serue e cumpre as obriga^ois do dito officio e a c5tador 
de comarqua da villa de Santarem que Ihe de a posse delle e Iho deixe senr e delle 
vsar e auer o dito mantimento corno dito he, e aos almoxarifes dos ditos pa^oque ora 
sam e ao diamte forem que o conhe^ao e ayflo por mestre da carpintaria clles e a 
quaes quer minhas justi^as, officiaes e pessoas, a que està carta for mostrada e conhe- 
cimento della pertencer que a cumprSo e guardem inteiramente corno se neUaomtem, 
08 quaes dous moyos de trigo comesara a uencer do dia em que Ihe for dadsi. posse 
do dito officio em diamte e jurara em minha chancelaria aos samtos evamg^s que 
bem e verdadeiramente o sirua, guardando em todo meu Berui90 e o direito asiartes : 
e pagou de ordenado delle ao thesoureiro da dita chancelaria tres mil sete^ntos e 
simcocmta reaes comò se vio per bum conhecimento em forma fóto pollo esorìu^ della 
que OS sobre elle carregou em reseita assinado per ambos, o qual se rompeo aossinar 
desta e a carta do dito SymSo Dias, e por firmesa de todo Ihe mSodey dar ita per 
mim assinada do meu sello pemdemte. Dada em Lixboa ao deradeirode janeinFran- 
cisco Moutinho a fez anno de nosso Senhor Jhesu Xpo de mil quinhStos nouente seis. 
Sebastifto Perestrello a fez escreuer.» 

(Torre do Tombe. ^Chancellaria de D. Filippe I, Doa^, Ut. 80, folJS.) 



V&O — Pires (Diogo). — 1.® — Era mestre pedreiro das obis que 
a ralnha D. Catharina, avo de D. Sebasti%o, mandara fazer na^idade 
de Faro, e por este motivo, em 6 de agosto de 1561, Ihe foi passad carta 
de privilegio, permìttindo-lhe que seis bois, que trazia empregaos nas 
ditas obras, pudessem pastar nos baldios da cidade. 



297 

«£a elBey faga saber a vos jnises, yereadores, procnrador e oficiaes da cidade 
de Fario, qae avendo respeito ao qne na piti^Ao atras escrìpta di2 Diego Pirex, pe- 
dreiro, mestre das obraa que a rainlia mìnha aenhora e avo m&da fiuer na dita cidade^ 
ey por bem e me praz que eie nS seja costramgido a mSdar pastar a sera os seis 
boia que diz qne traz com caros no 8enii90 das ditas obras nem algpim deles no tempo 
que por postoras da camara da dita cidade he pronido qne paste oe bois na dita sera, 
e asy ey por bem qne posio 00 ditos seis bois do dito Diego Pbez no dito tempo pastar 
no0 baldios e ahnarges da cidade e fEizendo coymas eie as pagara comò as pagSo os 
lanradores, cnjos bois podem pastar noe ditos baldios e almarges e em todos hos ontros 
pastos, e ysto se coprirà asy sem embargo das ditas pnsturas por tempo de tres anos 
semente se t&to durarem as ditas obras, e por tamto vos mando qne Ibe cfipraes e fa^aes 
inteiramente comprir este alnara corno se nele cdthem, qual ey por bem qne valha 
e tenha fòr^a e Tygor corno se fose carta feyta em men nome per mym asynada e pasada 
por minba cbancelaria sem embargo da ordena9fto do segnndo linro titnlo vimte quo 
diz qne as consas ctyo efeyto onuer de durar mais de huu ano pasem per cartas 
e pasando per aluaras nào valbSo; e mftdo qne se trelade no L.* da camara pelo 
escprin&o dela. SebastiSo da Costa fez em Lisboa a bj dagosto de jb«kj. Manoel 
da Costa fez escprener.» 

(Torre do Tombo.— D. SobMtUU> e D. Hanriqne, PrUrOégioi, Ut. $, fol. 67.) 

NSo sabemos se este Diego Pires teri alguma rela^ de parentesco 
com Affonso Pires, que em 1543 era mastre das obras do convento de 
Nossa Senbora da AssumpsSo, qne a Rainha D. Catharina mandara cons- 
truir em Faro. Prolongar-se-hiam as obras até 1561? 



y 01— Pires (Dlogo).— 2.^— Carpinteiro, morador na Villa de 
Santarem. Foi-lhe dada carta de prìvile^o, a 2 de dezembro de 1482, pelo 
serviso qne fSra fazer a D. JoSo II no Castello da Mina. 

«Dom JohS &c. a quamtos està nossa carta virem fazemos saber que nos querendo 
fazer gra^a e merce a Dioguo Pirez, carpinteìro, morador em està villa de Santarem, 
por o semino que nos foy fazer no nesso castello da Mina, temos por bem e queremos 
que daqny em diamte nom pague em nenbuas peitas, fintas, talhas, pedidos, semi^s, 
emprestidos — segue formulario das cartas de privilegio. Dada em Santarem y dias 
do mes de dezembro. Pero Luis a fez anno de iiij"lxxxij.» 

(Torre do Tombo. — CluuieelUrift de D. Joio n, Ut. », toh li v.) 

•y OS— Pires piogo).— 3.®— Fez as obras das pontes de Cidreira 
e Mondego. 

Vide Ayres de Campos, Inventario do Arckivo Municipal de Coimbra, 
pag. 71. 



V03 — Pires (FemSo). — 1.* — Cremos que era simplesmente 
pedreiro, das obras da Batalha. Por ter acompanhado o infante D. Pedro, 
na jomada de Alfarrobeira, ficou incurso na respectiva penalidade, sendo- 
Ibe passada carta de perdSo. 



298 

«It. ontra tali de Femam JEHiei, pedreìro das obras do nosto moiteiro de Santa 
Maria da Uitoria &c earta em fonna dada em Santarelli xiiij dias de nouembro 
G.* Kogneira a fes anno do nadmento de noeao senhor Jhesu X.* de niill e iiy« e cin- 
qnoenta. Boi Galoam a fea escpreuer.» 

(Torre do Tombo. — CawoMlUrl* de D. Aflònso Y, Ut. S, Ibi. SO.) 



T'O^— Pires (Femfto).— 2.^— Era mestre de carpintarìa das 
obras do mosteiro de Santa Maria da Victoria (Batalha). Por se achar com as 
hostes do infante D. Fedro, ficou incnrso na respectìvapenalidade, sendo-lhe 
depois passada carta de perdSo. 

cOntra tali de Femam Fti meestre da carpentaria do nesso moesteiro de Santa 
liaiia da IHtoria ftc carta em forma dada em Santarem ^ dias dabrill— -Q.» de Moara 
a £m anno de noeso Senhor Jbesfl X.« de nul iiy«li. Bui Galoom a fes escrepuer.» 

(Torre do Twabo. — OhMieellerU de D. AAmio V, Ut. U, IbL U v.) 

Ha^a nm Femio Fires, carpinteiro do infante D. Fedro, regente do 
reino, o qnal tinlia urna filha casada com Affonso Vìcente, alfageme da villa 
de Aveiro, a qnem, a 21 de jnlho de 1445, fSra concedida carta de pri- 
vilegio, a qaal é concebida nos segointes termos: 

«Dom Aifonso ftc. A qnantos està carta virem fazemos saber que nos qaerendo 
faier graea e mercee a Affonso U.**, alfe^eme, morador em està villa de Aueiro, por 
qne casson com hnfia filha de Femam Fires, cazpentebro do Iffante dom F." Begente ft, 
temos por bem e prenillegiamollo que daqui en diante nom sima nem vaa serair per 
mar nam per terra, em pas nem em gaerra a nenhufias partes qne sejam, saluo com 
nesso corpo on com os Iffiantes mens irmSos e thios e nom entra nenhnna pessoa, 
e ontrosy queremos qne nom pagne em peitas, fintas nem talhas, que ora oa daqui en 
diante per nos on per esse concelho sejam on lòrem lancadas per qualquer modo qne 
o sejam, nem vaa com pressoos nem com dinheiro nem sima em outros nenhu&s en- 
carregos nem semiddes do dito concelho, e outrosy queremos que nom tenha cauallo 
nem outras armas sse as eli nom quiser teer, posto qne pera elio iga conthia, salno 
quando ouuer de semir com nosco on com os ditos Iffimtes meus iimSos e thios, que 
entam %|a saas bestas e azmas pera nos com ellas auer de semir; e ontrosy nom 
poussem com elle em ssuas cassas de morada, adegas nem cauallari^as nem Ihe tomem 
bestas de sella nem dalbarda, pam, vinho nem mupa, palhsy lenha nem galinhas nem 
gaadoe nem entra nenhnùa coussa do ssen centra ssua vontade. £ porem mandamos 
a uos juises, vereadores, procurador da dita ddade e ao ooudell della e ao nosso pou- 
sentador e ao da rainha minha mulher e dos IfPantes meus irmftos e thios e a outros 
quaees quer oficìaaes e pessoas a que o conhedmento desto pertencer qne ajam o dito 
Affimso U.'* per escussado dos ditos encairegos e cousas e o nom contrangS pera ne- 
nhuùa dellas e Ihe comprem e guardem e fEi^am conprir e guardar està carta polla guissa 
que em ella he contheudo, e se Ihe alguem lòr centra elio mandamos a quali quer 
tabaliam a que fbr mostrada que o emprase que do dia que o emprazar a oyto dias 
s^gnintes pareva perante nos em pessoa a dizer quali he a rezom por que nom compre 
està nossa carta come em ella hec ontheudo, nnde al nom fa^ades. Dada na dita villa 
de Aueiro zxj dias de julho per autorida de do dito senhor Iffante Begente ft Hurbano 
Aluez a fes amie de nosso Senhor Ih& Xpo de mil iiij« Bb.» 

(Torre do Tombo.— ChenoellurU de D. Aflionso V, liv. S5, fbl. 81.) 



299 

^OtS — PireB (Femfto). — 3/ — Mestre pedreìro de Mertola. Eate- 
cntou obras no muro e castello d'està villa no primeiro qnartel do secnlo xvi. 
Vide carta de Nuno Velho no artigo Francisco da Arnida, a pag. 55 do 
voi. I d'este Dicdanario. 



T'OO — Pires (Femfto)*— 4.^ — Mestre pedreìro. Em 1519 foi com 
André Pires examinar e avaliar certas obras executadas nos Estaos, por 
FernSo da Serra e Thomé Gongalves. O respectìvo termo, de 7 de juUìO, 
é redigido na segointe forma: 

«SeahoT — he verdade que ea Andre I^rec meatre das obras delBey nesso Senhor 
e Femam I^rez oatrossj pedrejrro aualjamos a obra que fei Fexnsm da Serra e Tome 
Gonsalaes nos estaos a saber: dos fortaes (sic) e acafelados de ^noo cassa e dea 
aeabamentos das chanynes e dea telbadoa a rreqnenjmento de Afonao MSt^jrro almo- 
ijijfie em que achamoa em eataa gjnco morradaa de caaaa doa fbrtaea be acafóladoa 
e telbadoa e acabamen toa de c hamjnea a aaegondo Deua noaa conqjenciaa be per 
jnrramento qne temoa xxxxbi\j iiij* Izzx reaea be i^ato noa afl^nnamoa e per verdade 
aiQnamoa aqig em aete djaa do mes de julbo erra de ii\jU qnjnbentos e jjx anos — 
André I^rez— Femam + Fjrez.» 

(Tom de Tombo. — Corpo Ok$vnoio$ioOf parte S.% me^o SS, doo. 16.) 

yOV — Pires (FrasiOiSOO). — 1.** — Foi o mestre qne reconstruiu 
a fortaleza de Dia depois do cérco sustentado por D. JoSo de Mascarenhas. 

D. JoSo do Castro o tinba em grande conta, e Gaspar Correla £az 
levantados elogios ao seu talento e engenbo. Aqui transcrevemos, das Lendas 
da India, o extenso trecbo em que se descreve a grandeza da obra e se 
pintam os merecimentos do artista que a realizou. 

«Paaaandoae eataa cooaaa, o Qoaemador catana com muyto cnidado do prineipal, 
qne era o fasimento da forteleza Sobre o que ouve conaelbo com oa fidalgoa, e com 
todos OS officiaea do meater, que ally anya, qne mandara là ir quantoa auia em Goa; 
onde tambem catana bnm Franciaco Pirea, grande meatre d'obraa, qne fora H com 
Loaren90 Pirea de Tauora, que ElBey o mandira com elle pera ae caso foeae qne 
ennemaaae em Mo9ambique com aaa gente aby fizeaae huma forteleza, qne traaia 
j& pintada, e ordenada por ElBey, em que hauia de deixar gente e artelbaria quanta 
compriaae, em que auia de eatar aempre o capitfto de ^fala, para que eatiueaae o 
porto aeguro de nelle entrarem rumea, que aby podi2o vir ter quando aby eatiueaaem 
aa naca do Beyno; e que nom enuemando todauia ahy deìxaaee o meatre e todo o 
neceaaario, e que o eapitfio de Qofala yìeaae aby faser a forteleza. £ quia Deca que 
tudo iato ae nom fez, porque Louren^o Pirea, nom acbando tempo, correo por £ora 
da ilha de Sic Louren^o, que cbegando a Cochym, que partio a buacar o Gtonemador, 
nom foy eaquecido de embarquar eate meatre comaigo. Com que o Gk>uemador muyto 
folgon, porque era bomein de muyto aaber. Onde no conaellio com elle, e todoa, foy 
aaaentado que por o tempo aer pouquo, e o trabalbo aeria grande ae a forteleza ae 
ouveaae d'alìmpar da terra e entulhoa que tinha, por menoa trabalbo, e maia auia- 
mento, a forteleza ae fizeaae teda fondada per fora de teda a outra velba, porque aaay 
ficaua maior, e a obra ae farla maia azinba e com menoa trabalbo: o que aaay foy 



300 

assentado. Logo o Goueraador repartio os pedreiros e caboaqneiros e trabalhadores, 
com que logo se come9arSo a cauar os alicerces e se fizerSo fòmos em qne coziSo 
hnma pedra qne auia em Dio, de que se fazia mnyto boa cai; a qnal pedra se tirana 
das casas, qae pera isso desfaziio da cidade, de que tambem tirauSo a madeira pera 
se cozer, porqae nom auia leynha. Com que fòy fejta grande destroi^So na eidade e 
nos muroB, que tudo yeo ao chSo ; e tambem, corno a gente achou pouquo qne fnrtar, 
desfaziào a eidade por Ihe tornar genellas e portas, qne tinha de grandes lanores 
e fremosas madeira^oes, que tudo embarquaua qnem tinha nanios em qne meter; 
e tambem os moradores da forteleza recolhiSo o que bauifto mester, que tinham snas 
casas desfeytas. 

Fez Gouemador muitos veadores e mandadores, repartidos pera cada consa, 
com sens trabalhadores, e repartidos dias de trabalho. £ sobre estes fez ontros man- 
dadores, pera qne nada mancasse, nem ouvesse nenhuma falta na obra; qne prìmeira- 
mente se abrio logo alicerce pera um baluarte na borda do rio, do qual baluarte se 
foj abrindo alicerce direito pera o muro até a entra banda do mar, onde estana a torre 
de Santiago. £ sondo bespora de Santa Caterina, vinte e quatro de nonemhro, jnnto 
do alicerce se concertou aitar, em que se disse missa cantada em louvor do bemauen- 
tnrado SSo ìiartinho, porque em sen dia fSra a santa viteria; a qual missa disse frey 
Paulo, frade de SSo Francisco, o qnal fez denota e8ta9So, recomendando a todos que 
deuotamente pedissem a Deos qne aqnella obra se fizesse firme e forte, pera sempre 
dnradoira centra os imigos da nossa santa fé. O que acabado, logo o GU>uemador 
tomou huma grande pedra às costas, e com snas mftos assentou onde Ibe disse o mestre 
da obra, dizendo o Gouemador: «Na bora que Christo encamon naVirgem Santa 
Maria, sua madre, e em louvor do bemauentnrado SSo Martinbo, a que encomendo 
està obra.» £ ao mesmo baluarte se pds o nome de SSo Martinbo. £ após o Gouemador 
foy capitSo com entra pedra, que assentou; o que assj fizerSo todolos fidalgos, com 
as pedras sobre os hombros e nas cabe^as as gamellas da cai, o que assy fez toda 
entra gente. Onde o Gbnemador fez ao mestre mercé de cem cmzados n*este dia, pera 
bum vestido. Fundouse o alicerce d*este baluarte de coreuta pés de largo, e assy todo 
o alicerce do muro. £ da face da terra pera cima foy o muro de trinta pés de largo. 
£ o alicerce foy tSo fundo que jÀ manaua agoa. £ foy o muro até à entra parte 
da barroqa sobre o mar, onde se fez entro grande baluarte^ e no meo do muro d'antre 
estes deus baluartes se fez entro, assy grande e forte, de huma noua fey9So, pera 
offender e defender. Cousa de muyta endnstria, comò nunqna entra tal n'estas partes 
se vie, porque o mestre era muy sabido na obra ; no que o Gouemador daua muyta 
endustria, que era muy sotil do entendimento, porque per sua endustria, o mestre 
fazia muyta da obra, e fez estes baluartes em triangulo com espigSo pera fora, que 
pela frontarìa Ihe nom podia empencer nenhuma artelharia, e n*elles per longo do muro 
pelos reueses estanSo humas bombardeiras pera tiros grossos, que uarejauSo huns 
centra ontros sem se toqnarem, que guardauSo todo o muro, e ficSo os tiros escon- 
didos à vista de fora, que nenhuns tiros do campo Ihe nom podiSo empencer nem cegar, 
porque no mais alto dos baluartes tem ontros tiros pera e campo, e em cima de todo 
tem ontros tiros que descobrem toda a eidade e toda a ilha, per tal maneira que cousa 
nenhuma póde entrar em toda a ilha, que os tiros nom alcancem. Na qual obra se daua 
muy grande pressa, pela pouquidade do temjK), ostando sempre o Gouemador sobre 
a obra, e niella amanhecia e anoitecia sem fallecer momento, auendo no trabalho mais 

de mil peSSOas cada dia.» jQ„p„ correla, Unda» da JMia, tom. IT, pag. 581 e tegi.) 

É interessantissima a certìdSo que elle passoii, em 27 de agosto de 
1547, do estado das obras que se fizeram em Salsete, no pagode de Mardor, 
para recolhimento da gente que guardava aquellas terras. 



301 
É do teor segainte: 

«Bay glls de camynha veador da fitxemda delBey noso sor nestas partes da Imdia 
eie, mamdo a vos framcjsquo ptz mostre das obras do dito sor qne paseys hnCla cer- 
tydfio feyta per amtonyo de moraes escrynflo das terras firmes da tanadarya de sali- 
sete per ambos asynada do recolhimento forte q 1& fizestes per mandado do bòt g^ 
dom JoSo de crastro, pera nell estar o tanadar e gemte qae estaa 8 guoarda das ditas 
terras, na quoal 9ertidSo decrares o modo em que vay e asy ha alltora e largura 
das paredes com decrara9So da despesa que na dita obra se fez e os dias q no fcizer 
dela se gastarào. Isto tudo muy bem dècrarado por asy compryr a semy^o de sua A. 
Ant* pacheco ho fez escrepuer £m €k>a aos ^ymte e sete dias do mes dagosto 
de b« Bbij. 

Buy glk de camynha.» 

«£m comprìmemto deste mAdado asyma ^erteficamos h^ pZz mestre das obras 
e eu amtonio de moraes escrìpvSo da feitorya de goa, q hora symo nestas teras 
de salsete, que a obra que se fez nelas no pagode de mardor p* recolhymemto da 
gemte q hora as goarda, he na forma, e man** seguimte : — s— bua 9erqtta de pedra 
layrada q ho y2o dela tem de comprimemto vunte e hGa bra9as eraveiras de dei 
palmos e de largura dezasete bra9as da dita medida e ho muro dela, com seu am- 
daymo, tem dez palmos de largo è que emtram quatro demtulho e os seys da dita 
parede de camtaiya asemtada e revocada a baro tam bom que pare9e oal e tem nos 
camtos hiias pomtas saydas o5 seu ètulho è tryamgulo q &z reveses que cada hiL deles 
deffemde o pano do muro dambalas partes tee os outros camtos com ameas metidas 
a yies huas por outras muy seguras p* deflfemder e proTcitosas p* hoffemder e os ditos 
camtos ou baluartes saem do andar da quadra do muro pera ffora seis bra9as cra- 
veiras, os tres, e hfi deles seys e m.* 

Està ammada està cerqua — s — a porta § està no m* da £&omtarya do pagode 
ao nordeste e hahy segue o comprimento dito a sudueste e a largura està noroeste 
sueste e dous dos ditos camtos q tem P0908 demtro com boa servemtia per de balzo 
do solho de pedra e emtulho que deles fkz baluartes estSo leste oeste bufi c9 outro 
e OS outros que cmzSo norte e sul, e tem neles escadas de duas ffa9es p* sua ser- 
vemtia e do muro 4 he ameado com suas espimgardr*' resgoardadas de demtro de comtra 
ameas e asy tem mais a porta da dita cerqua seus reveRs de demtro e de fora: — s — 
o de fora folto com espimgSo no m« q tem oyto palmos e m* de largura e dose e m* 
dalltura chamfrado por syma e nas ylhargas tres pallmos e m* de parede, e a de ySo 
amtre eie e a porta sete pallmos aberto è ambalas ylhargas, e o rovella de demtro 
tem cimquo palmos de parede e amtepeito e de v2o amtre eie e a porta doze palmos 
aberto da bamda dr^* com sua escada de demtro de duas fo^es e tem o muro daltura 
pia mor parte treze palmos e m<», e da bamda do sudueste doze palmos e os reveses 
dos camtos quimze palmos e m.^ 

A quoal obra smSr g*' dom JoSo de crastro mamdou fazer e deu a forma e or- 
dem dela, e s6r dom aUuoro de crastro seu filho yimdo corer e fiauore^er todas 
as ditas teras tee os lymites dos mouros com muyta gSte de cavalo e de pee esteve 
ao ffiizer da dita obra e com sua prez6m9a e dos fidalgos e cavaleiros q com eie vyerft 
foy tudo acabado tam è breue q semdo a obra que dito he ffoy £Peita è quimze dias 
e m.®, com trabalharem nela somemte vimte e sete pedrejrros e quatorze cavouqueiros 
e trymta e seys seruidores c5 alg&s mais da tera, e em tudo jumtam.** comtando 
jomaes e mantimemto que a estes ofi9Ìaes se deu por serem de goa, e asy outras des- 
pezas aneixas a dita obra se despemderS ^emto e vimte e hli pardaos douro, de que 



302 

ea dito amtonio de moraes fiz cademo e por aay pasar tado na verdade fis està 9erti- 
dam S qxie ambos asynamoa oje zbiij dagosto de J t« Bv^— anoe. 

fr.~ plz — Ami? de moraes. 

CertidSo da obra § se fes no pagode de mardor.» 

(Blbliofthee* d* iljnda. — iìuBa P9rtugut$a, tomo x, 154S a IMA. Kuuuortpto 
originai in-foUo, fol. I3S.) 

Vamos trasladar o primeiro treoho de urna carta de Femio de Sonsa, 
escrìpta de Ba^aim a el-rei, a 24 de novembro de 1547. 

Femio de Sousa ia incumbido pelo Gbvemador da India de hzer 
fortaleza em Mo^ambiqae. Femio de Sousa pedia-lhe Francisco Pires, 
mas respondeu-lhe que nSo Ih'o podia ceder, por o mandar a Omni^ 

•Senbor — ho ano pasado, qoamdo vìm de Malaqao, receby hda carta de V. A. 
em que me mamda que tenha mmto cnidado e ponha molta delygemcia em se aoabar 
oom broridade a fortalesa que Y. A. mSda fiuer em Momslbiqne, te no trabalho 
do eoipo e do espirito està acabala, en mais brenemente do qne V . A. manda, ella 
sera mni asinha fóta eY. A. semido de mim nesta obra comò bo tempo e o qne nella 
fiser mostrarlo e praaa a noso senhor que neste 8erai90 que me Y. A. tamto Scomemda 
que Ihe hi^ me dejxe serailo comò eu sempre deseyej de fiuser em todalas eonsas. 
Qoamdo Ìoj tempo, en requeri ao gouemador que mamdase Francisco Hrei, bo pe- 
dreyro, cfaigoo pera logno oompesarmola obra, èlle me respomdeo que bo nfto podia 
mftdar este ano porqne bo mamdaua a onunui; as rezSes por que, elle as escreuera 
a Y. A. : midoome qne compesase i(Jumtar todalas aebeguas nesesarias e por la nio 
aver canouquepro nenbfi e pela Sformasse que tem da pedra ser ma de tirar me 
midon dar desaseb cauouquejrros bos qoaes eu leuo oommigno no nauio em que you 
com todalas feramentas necesarias pera loguo compesar a fiuer pedra e cali, e parese 
que estes cauooqu^yros que leuo abastario pera emtanto que Francisco Pires nIo 
▼ay com bos mau pedreyios e cauouqueyros por que em MS^Ibique ni ba nenbnm 
destes bofioios. Tambem me mida bo gouemador que va de càminbo pela costa de 
Millde ate M0^bique vemdo se acbo boficiaes e coosas de que me posa laudar pera 
se a obra ttaei eom multa breoidade : crea Y. A. que, alem dos desejos que eu tenbo 
de bo seroir, que aver^ por gramde ofemga vir nimgem acabar bo qoe eu compesar, 
pelo que Y. A. pode orer que por mim nem por meu tiabalbo senio deizara a forta- 
lesa de fiwer com mnità deligemoia.» 

(TMm do Toodw.— CKMye OAreiiolofieo, parto 1.% napo 79, doe. ISO.) 

Martim Aflfonso de Mello di curiosos pomenores sobre a constmcslo 
da fortaleza de Omiuz em 1540, mas nlo indica nenhum mostre de obras. 
fTorre do Tombo. — Corpo Chrùnologico, parte 1/, ma{0 68, doc. 41.) 

Duas veses encontrlmos, na oorrespondencia de D. Jolo de Castro 
com Ben filho D. Alyaro, honrosas referencias a Francisco Pires. 

Noma carta diz o seguinte: 

•Fase muita bonra a Francisco Pires, por que nSo temos qua milbor cousa.» 
(Torre do Tombo. ^PapeiB da Casa de 8. Looreagoi tom. nr, foL SSl.) 

cDom Aloaro, filbo, pois dixes qoe a parede dese forte se &z de tres pallmos de 
&se da bamda de fora e outros tres de demtro e os quoatro de tIo se emcbe de terra, 
parteeme que està terra se devya cauar ao lomguo das paredes pera faser maneira 



308 

de eMA, porqae quoall quer eana qoe se fiser imda qne s^a miiTto estveTta e bajza 
sera gramde impedimento pera os de fora poia se nam podem chegnar aos rnnroa sem 
emtnlhaTem a eana, o qne nSo pode ser sem faserem primeyro bastiafis e repayros, 
qae he gram detem^a e traballio e gramde preposjto, pratiqnay iso eam Franeisco 
Fbres e nm dos fidallgaoB qne la est&o e se a despongSo da terra o oomsemtir faaey 
xijTBO o qae puderdet, ali de menoa fiqne pratiqaado com os gamqnares pera o elea 
mandarem fiuter. A bemeio de D* e a mynha voa emTyo: de Gh» a liQ dagoato 
de 1547. Dom Joham de Craatro.» 

(Torre do Toaibo.— Pftpoli da Cma do 8. Lonren^o, tom. iy, fbl. SSt.) 



yOS— Pires (PranoiSOO).— 2.**— Pedreiro, opemos que diflferente 
do anterìor. A elle se refere a segointe carta missiva: 

«Senlior Anggo — Nam tenbo agora outra conaa qae Ihe eapreaer ae nam qae 
dentro neata aoa enayo haom mandado pera voa Ghupar Perejra entregar iS^ e Izzxb 
reaea pera com ellea pagardea a aaber a Franciaco Pir ea pe dreiro em comprimento 
de pago do moro da porta da Crac da earam da Baroca zz:^ e zzb reaea e a Jo ham 
Pirez tambem em comprimento do qae fea neatea Pa^ da caaa da Hymdea zxb e Iz 
reaea e o. . . qae eno^o oa. . . mandado pera. . . eatea dinheiroa a Gaapar Pefejra 
com ontroa qae tambem haSo dentregar ao dito Diego Freyre e Tay tado em boom 
mandado de todallaa oatraa coaaaa qae perten9em a beaaa bobraa e aay proi^mento 
de dinbeiroa noa tenbo enijado recado per dnaa veaea a aaber per Franciaco Lopea 
mea cryado e pelle homem qae qaa mandaatea e per hambaa aa i^aa voa tenbo 
eaprìto largamente enecmiendome em aoaa mer9e, e d*Allaaro Vyeira deata qfdade 
a biQ de no^embro. Nam yoa eaqae^a ha terra pera o JarcQm da ^jbqjra. — Bertolomea 
de Payaa— Ho Amo. Ao Senhor Afonao Monteiro allmozaqfe daa bobraa da caai: 

da Hyndea.» 

(Torro do Tonibo. -> Corfot JBukHii, mago Sy.n.* 67.) 



T'OO— Pires (Oli). D. Affonso V, em carta de 9 de dezembro 
de 1448, nomeon meatre da sua oarpintarìa, por fidleoimento de Affonso 
Estevea, e com o ordenado de 400 reaea branooa, corno tìnha aen