(navigation image)
Home American Libraries | Canadian Libraries | Universal Library | Community Texts | Project Gutenberg | Children's Library | Biodiversity Heritage Library | Additional Collections
Search: Advanced Search
Anonymous User (login or join us)
Upload
See other formats

Full text of "Dom João VI no Brazil, 1808-1821 Volume 2"

,. 


t4 
. 


< 
" 
'I 


:.- 


\ 


lit. 


t 


.. 



1It." ........, "" "" ... ..::..... 'F "_.--0-.-:-; ---.. 
 . 
 :--'-' . 
.....-
 '.
 


. 
 
..,...... -- 
'-.:
.... .....
.......... .
 
 .

 ...",.- .'.- 
......." 
 - ""- 
 -.......... 
 ,........... .
- 
 --=.. - ......... . t ...

 

. , - 1-. _. ,'__.. ,_.. ..,...._ 
 ..'.-.. 
 __".' '._ _...:.J"


 .' .;_ :....,.,
 
,-,'. ---'. -- ,,

 _ 
......
 "......,. 

,
.
 
 
. -
 --
 -..,:; ........ 
 


 .. ""7
': -=:;:::" ,",:::-: '.;

" 


'\. ..;.-
 . - - ". 
''-'
- - . -:--- - r'. -
,:'
..-. 
.... ....... ...-.:"........._: ..,-...... .... 
 
 . 
 
 . 
 ..,fII' ø"-_.""

 . 
!Ir....
. 
 ...........L .......... .... _
.......... 
,.. ."". 
 ..... J'. 
 .;;II" ---.......- ..' .....--
._.._ '", 
'.. - .
.. 
 
 : ,:
;:'
. ..;,;.-
. 
 
 
 
 
. . 
... ". ...-.
 'S.. 
.. 
-"'-, ":: -101,,-... - 'o4k _ ....... .......--::..... - ______ ..' ::.:..--.::. ..
.-.-........, 
"'_ ,,
""
,. JIIt'--:-.......... ...,.;. . _. ____ ..... .., _ . _ ." ......... 
.::' . - 

 , . 
 
 ..,..' "', 

 
 ,.
 _ "'" '"'" -
. ."'--'.- , :";'-.
 .,: :::. 
;::. =.

 . .
::::: t....
 

 " ...... ""'1:10. . '" __ ..... 
 t. ... .......- c31.,,". " 
 I 
"-' "'-.:A ".... 
..." .' '. -- "-.-....... ,..... ".,........- ....... ... 
..... -_ . . ;:... . 

""_' 
t'>
 ._ . '
" .'::-';'.'"" '-'... 
 
 /
....... 
 - 
:-'._ ....: . . 
. .:-. -. 

'\.....'........ ....'4.. ....,. 
...... 
..'-:_..:...... -..... ..' _, _.
 : 'I' '" 
,.:-
. .......,
 .). '. _ 
......,
 .
:
....... " 
""""" 
 ..... . .,::. 
,:::. ';:!:"
?,i': - :....c:- /'/..r # ___ /":- or "...-..- ....1 
:'1",,
'\.1 .-_ 
'<\ .......

.; - "'--..... '-- '.:: .::. - ..., " f .,.,' - ...
_ ,
 
 
 '. 
.... .....
... ..........._" '-.. ....'" '
.:-:." ,:'f .- 
 .
.- .
--
 . -. 
......... -.:A. . .. ____. . \--...'10 ( ": 

:' _.' ......- " _' ""--, _-='-': I. Y: j." , 
" ,.........
 -... -------
 ..",. \) 
 ;. '.", 
. .
 ....., .....,.:.... f.. .. .... . . . - ' ;d . _ ..
 
 .. 
-
 : . . . . 

. ..: t... 
 

.. ""'... ,
 
."., - ....
:.. .... . ... ... . .... 
I -.tu. .....;;
_ _ " , '- 
I, '. ........,-,. .. 
 -...... ...... . ." 
......,:. -.. r'l. 
. !!.
..: . 

 . .
 . 
 . 
 - 4''' , - 

- :,::: . 3-.
:y E 
f;
 
' J :;,.. 
 
.. d.
 
- 
 
 
 
. ,::, -' .".... .'" ... 
.,
-. .... -
 > 
 i! 
_
 _ ... .. 'f 

_ 
 ..... -.
;:" 
 yl 
.
 
 
.
 
. ;;IF

 
 
rß/ 
 

 . 
:.

 . '
:Ç[
-; 
..-..... 
 ---., 

_... ,:-
. ..,-' _
 -:W." 
. ;.::-
.:? 
./ 


---. . 

 . -..
=-.,;; .-:.' -. .
;;
 

 

.;_. .,.-- 

_...- 
- 
.
"-
.::.'"" 
 : 

 .. 
..: - ....::;
.- 
- .

.- 
 
-: ./ 
.;. "
,-
 -:3. :- --.- 
 . 

 -:- 
'. -:-

 

. -= 
 prr!1.tntrð tn ,
 . .'-
 :5 _ ', _ 
 . ' . ß 

 .:
 - 
 - 
- 
---_-. '_ (E'11r iCtbrttry nf tIr c 1{uiurrl1tty 
 :
7.
.',.'.
 
f :ïi 
,.--

- 
n \bnrnutn 


 
by ---"" 

 
fnr t11
::t
:

t
l
:
kn fnr 


 li
 
1!iatiu- i\mrritttu 1!jh,tnry ,
 :::i:
-::: 

 ',", 
 <r.;: 



::'- 

 

 .'.... 
.:;-.---. !
 


. .
 
- --- 
-
 
';::'-'" 
- 
- '-. 
 
,.
 
,:; ø _-"_-'" 
 
 



,
 ".
 .._

 
 ;fÞ---" " - - :=.-:':" _:'_
 
"':; "'... 

 ,.. 
' . -
 
'\. "' :\ 


:. "

 
 
' 
 -;;...
 
 "

" 

_ -

-"""'7-..":..
 ._ 
. 

<<
.,
 
 
... .. ..... : .
 
- '\_'.
. ;<" 
"..
... 
 
 
 .. . "-
'.- 

 '. '-.- '" 
. 
. 
" .'\. 
"'- -. . . 
 ' 
.- .... - . -- .,.,.- /
 
'\ . "" "-, ,..
:. ,.
.. 
.:
 w '" . .' 
":,,; ., 
':"
... "IIIIi.:.. -- -. 
"-/ "
 
0' . "-:. \. .-"r '''"''.
..
':.o.:..
, .:.:
,..::t...,,-.- .
 
 - _ 
.;;II" -......./ ./
..:/ 
'- 
 .

 "' - ........ 

 , .
..
 -,.-
 

 -
"'
,'-,;"'_:' 
'\ì ". 
-"
 

 ........, 
'" _ ....- ....,...
.... - _______ 
. '
 
"'.. 
 .:,,\ "-:-' 
 , 
- -'

""'

"'
"""""" ......... 
- - -.-::;::'.::,..;.- ,': 

 '(... "'';.'Itt '. ,," '," -

-
 ........ . 


..

...
 - -..... 1iIt."'-:- . ,..'1" ;; "-'" 
, ....'..,
 '\.. 
 "'-.:"!I:-.. - .'. . .:.. .. -..... ...........:...... .I"
 ...... . 
.' ..
 'II " 
 ..... .
:s.... ...... 
_..
. 

'II,::.._ 't'> - ,
.

 " ........,_ -,,; I /
...... I 
. 

 , lit 
 ''\L '., "'. 
'k ..... ,,-, 
. .... ...... 
._.. ''"' =. 
 
 ",' 
 'T - 
". . 
 
 " J" 
 . -::----. ......... ........ 
';..' "
'-: -.. 
'., i!,r ,. .-.- 
'.:I.. ,,',' 
 , ; .... ". "....... '. . ....
 ":
" _ -
 I . _,. 
_. 
\' " 

 '? 
 ' "-t,', ... .... ".... ... "'--
 '-. .... '. "., '-:")."" -....... #- 
. . 
., 

 .. ...... . . ' , ..
 ....A."..
.. .. -......... ... ." "
 -::-' /,. ... . 
 I .
...
 
i :"1';' ..."' ......
 
 .-:--.... 
 .,.
 '..\:_ 
'?'
 ::0':' 
 -. _. - .t . 
..' /. . .. ...... ,..\\. "'\ .
. --. - '";.....;.
 
,,,. .....
.. "'\
 ". "i.-.. ':i-1i' ...,:.. ? .... ......, 
\. .' '1>;-:. ,'......-.,.
 
 "'...-""'-_ ----' - -..:!:'-...... 
" . '\ '" 
 i,' 'j;: "...,. - - 7 .l
" 
... "-. "" ..., .
 .... _,'.-...: . .'1-,: ., 
. ), -2 Of _. .....". 

"'- ;.. --=
:.,' '-.:
.: f J)
. j" .. 

r-" .....-. 
\. "'\ .... -...." 
..." '.r...... '-::-- 
:.:!
"'
,
. 
 '. 
 
 
- '!. 
 


.r 
...... 



 




 

 
,. 
 


--- 



......- .,... ... 

;



.;l
{ :>-'
--: ( ' ,:::-C- 
fl" 'x '
"'
.' ,,

:-
;-.. 
. . .,..,.- ::-... 
" t \.. f........ -' " " .... '. 
. 
 .....
 .... -."" .... ."..-- 
. . _.,,_. .;.,.,::_ _ -;:. ___ " ...1; ,.; ",' - 
.,.:\.'\,
 . ,-'. 
""
!:;; 
 '" 

 
 - '-... - ". ...
 
':" . 
 ,'::,..:.. ^-...-;,
 . 
 \ " ., -, ...'," ",-, <, . ,.' 
' 
 ....
 


.) '. 
 
"-" ,,'-' ...... .-.,=-- ....... 
 ., . ',: . - '.. ,..,. 

""""._
...-<*"--' 
_' r . 
.. ... - .. '- ." ... . \\: \. ,,'.... , ..' 

.. ....,-..-,"'" '" 
1.}.-;;: 

}" ._ . 

 '::. ,,::.::;;,::

,
..,' \ ":. ''-: 
 <, . ' :. "<
 
i .....
.;:


.;
.
 

 
 

(
...;I':1 ':.(of',!'" "'.J..
 
 """'Oi'
 44...."'....... 
 
 
 .. .'. 
" 
 
 ., 
 
f.


 ( ' þ" · ." .t #' r).. , . ., .. .. -, 
. -. · .. '" . ' ,,' " ., : ,'" 
. .q".. ; f i' 
 ",,' ..'- -. -.,.' :<-':\
 \'-.' '-.... 
 ...' .... "" 
, . '\". . J' \",'. --.' 
 ..\ '. ' .......... 

 · ' · . .:--:: --- ':''''''''. '. '.", 
, ';,. è. " _ .
;.
 ' - '. .. ":'. -:.'!' . .... -.
-:.?: _.
. , .... .', ..,':. "
' '-;' , '. 
 , 

 
,. . "_ .. - __. ..... ""\" 
 
 ...:...... ,. .""" 
 . 
 :\ '\'ó .", '-, '.. '.- ""- 
 
 """- . 
'.,; ..., _ ".; "'_.. .'> ....., .... _. .::. :... .:' ,1"" ", ...' ,,'.' · " ----.. '. 
\ 
.. '-.. ' ..'\'\' . .---.. '.
' ,.... " -.' 
 
...,.. ,<.
 ;
\\. ..'i'" . ',<
"
,
",,:< . . " '; : ,, ' . .,.. . . . ... 
 / 
 : _ 
'. . 
i . :}
,?;
 1 
\..,. ---'.. '>-..':<"'-:>
- 

 ..... .... ,. ... . . -... V' \. " - ' '\. '. '.-' -.' 
<.-' ';0: \ . .,'.. '.
,..' . ,./'.. .,....... '. t: .,..' , . .. ".,'" :';;: 
-"'''' ,.:;,
 ..-..:. '- : .. '

.
-F'-"':: 
p.
' ..... . .(.. It . '1_i.. \' 1 I. , -' . '- -' " '. "'. "":-. _.. '- ". · "'-.---. 
...... .' .' .. .' t'" . ' ..' or '. " ..,.. ,-. 
 .. 
'- 
"'_ . ,::-. ..'01-...." -' I'
 . \ 1 ,..' · \' ... .." . '... .. , . .."- .. ...."'--., -_. ' -... ,_. . 

 ....:. '-' _ ,..... ....1 .. \ 'i, ! .' }!,' 
 \ \ ..; .... .-. "::;-'. ,,' ,'" --.. .... n.:':""::-: .. 
"> "" . -'r ."" .. ',.,1 ./ · .... , 
 .." ... ,\...:....', .., _. . 
.. 
...... 
__':__ /' . ', , ",.1;,/; i. 
 . r , _ i. "I (j " ..' ""' >- 
 ....;s: 
 :.: '\
 <;,::::.:. 
7J!:.'4<:Z!- ->> '
 . 
'. .... . < _ ..' 
 t. 1. . ,,'" - ..." "-
' ". ;., <<1'';-- ',' '--. ---... ' 
,. . .....' '. i..J. : '::: '.' . 
 . . -..... ....>' ..
..;.
'" '. 
 ;. 4. .
..:- --.. '.. "'
', 
_' ii; i-.' 
';'! ..' .:
 . ...;.,,: ,"<",:'-- -.;",.. .......,.-...'--. --;---... 
 -::;- :" ...;:,"": 1i ...
 · -.. .."". 
. 
 ,
..-
:" < 
 .. , ',.':. '\. '" ." "., 
 ". . 
 .
., .r.....'. _ --r., ; "',õt.' \, " .,.,"
Y J".v:. -'s.'
 
I . . _ . .... ...... "..,_ ... 
 .... '_ ., .. "... -. -- --- ..-:> ...... .. . 
 .JO 
_ 
 ,
. -, .
 _'''. ,_.:__...... '. ...... ....... ". '" 
".!. _. í _.., a-,. "'.. 

 
 J 
(
., ,

 ... 
 'Ç' . -.:.c- ., ,è' < h "
7' . <
 - 
_ _ 
.:_ ,:_ \
_ '''
 ,....... ''''___ 
 
.''' ...::r..... " 
,;- _
 _ 
 -: .

-?---- - 
_. .../' 
.. . ( ,
,,, . ._...... \' .... _. 
 
.., :-..' "... ;F"'-" .."" 
.. , '. . " _. '-...... 
......_ __ _ _.. . '!""'"- - ,4. . · - . .- ". 
;.-...,:......,. 
,o

 ....... . 

 
_..---"' :. 
 
 ._,./"./ ./: ,(I$
 
, ....' .-...- .
" F.j 
 . 

 ,:. ',< ;, .:.:: -- :,-----../ ",..- - :.;.... .-"":':--:.--..-..- ." . ..,...-
 

 "'.... ..; 
._. .'- . --:::;::::- -:;:;...----.....-:::-- .....--..-- .,p' .-
 
. 
_' -: .
", _ ___ ," _.r-- ..,..,.......--:: .--::::..-----:- ..- .. -- ---- 
.. -- .--. -".--- ..." .

-..' .'-
 -. :;;;;.-" -
 _..- 
::--:=- -::-:- ''';- ____--'"
.... 
', 
::"""
 ___þ. '_/ .. .' . ..iJ 
... 
<
 
 .
4 -!'!!iiIf.. 
. 
.., ... ,r' ,.' . . 
 
. .- -" -
 
...
 ---- . --., ... -
 --
---_..........- ..: .... . .-;. 
. 
 
:ç:::::::::=----
- 


 - ...:. ;::--
 *'
;: 
--""'""" 
 .:.:-: 


 " :' , . 


 
.. .......-. . 

.., . _

::.:..': . _;;::;=-..... , _._' ...;rc:
 
.....,._'" .,.._- '_.- .. ____ ___.,,;i-
_. .. . - .. 

.. 
. . ...... '. 
:.R" ,
.;;::. 
 
 ý>>'
 '::; ..,r
" ---..


 
,"_ ....,r _ 
 ",. ",'" ....
 "L' 
 ",.......... -- - 
......
--. ...
. -........ .
.......- ."",- ....
...;..- 
. - -'
"
 
F '_" ,
:: .;:Þ __ AÞ- - . -" 
 "
' 
 ..... 
 -oj - 

 F-"'-' . -..-.' ,.---:- '-
 

 
 :;
:;;. -== ... 
 . - ..:.. 

.
 _ -=. '''''_ ''-::'' .
 _ 
T"
. - -, . - _.. .. ,
. . .
",. --' 
:::;íiø!:;,ë,' 'r- -c.,,
""" .."........ 
 " "--' -- .... - ..- ' 
 """' .....-:::
 
- 
?,:':;i./? 
;:
: .
; '
7;. t
 : ::
:'
;;-r

'" 
 .

" .... 
 t.;:
 f 
 f
 
:,-r"""'" "r _..'_ . ,...... . <. 
. ,Y 
 
 · F ..r <" -- -4'> - 
 .;tir- 
__: L:.",. . . _ J' r- ..
.. . ,--_" _ " -;.... -.. --::-,.... ....-.. -.
 -... 
 ..-..' .ooI!!:' 
;
ff2
:;:

-.:

=
 ..




;..7
 ' :: :?' 



 

";!i'i::... ___ _ " _
_ ---- - .,.......... - - .J' - 
.;:- 
 
::::-

-'
 
 "- " ':::':=:--- .,...
::=:- '.
""-" ' - '.-- 
.-' 
 
:;o--
 _ =-' 
- -=;--
.".. -' -- -..., ..=: - ,,--:-

 

M"'. 
 ..,.,
, :.-' ' - ..::::..'- ..:.: " '"
 """- . 
 .
 ".- 

. _ . . ._ _.... , Å

tAõi

 : -. 
- "; . - --- .. .. --..- .. 
.'"'''''' .. ...:..
........:.. .----=:- 
._.. . " ..... ' . 
 .... 4I1t!'....- __ ........,,-- .:.. 
. -. ...1<= 
.' ,. 
. ..... .... ." "' 
 ..., .. __'"'_ _'" "'!: .__ . .' roo 

'.J
;


J ,)j 

: . :c
 
: 


:- 





:,

 
........ ..
,_<._;._,,,.:... 
:" .
_..'7 - .- .....;.. . 
 --;, :-, -=-. 

 
 ' , < . 
 
'- . 
.. - :"-",:
,-",,,,,"-" 
.: -,' 
"= . 
 "'-- -..: .... 
 -
 " -. "-. 

....,.... ..' ..-..-' . -
. .. 
. - -""" .. -' . .. '... .... - 
 . -' 
. -



 .
i,'C 
;
 
;
i:::
,
..:; 
f: . ..'::
 
::;

 


:

-." 
.: ,,

 - 

 
=_.. . -...-.,,-' ... ".
' ' .. .'" -.... 
 ....... 
...... 
 
 "- 
"'. , . --.:;.::.-' 
 ....
.. . . .;;..;.\'-
::-;::'=..
 . :""'//' -: ( '''? ...-.-:- ") }' ,,,,-. ',:', 
.
 "-...:' : 
.. .... ,."'. ....... .... . ,.,
 ,,_' . , \ '- 
 
l-' '- "".

\.... ..
 
.. - - '..... '...... ..... ""." . .-- "'. --. .""..' .. '- ,- . .. ....... .. 
'. -.....;:. '. 
 .... 
_ . ,_'" '. '
::;..:;. . n_'" 
'. .... 
 .,.... \ :" . --.. \\."" . '.' .:.,,;;:,,,, . '. 
 
" . \ 
 .. ",r.... -
- 
 ..... .' ',' ,', '\, ., \'. ,-. ... '>"'

 ,-
 ."'''' 
, . '- ,"', 
 ... ':7' ,.:;'" :::
.
 .' ... 
 .' , ....,' ". '\ 
:.: -";:,,,
,,,,;
,,':-i 
.." .,...... . _' _' .r ... .,,- - -...,.-...... . ,.... . ,\;-, "'- ,
 .. '" . 
"":>II 
,:. . d
' ' .
.'.. __ '". ..,..... " \ " \....."'\ \ -, .:......i: 
.." 
., ,. (
.;". . " . ....;"..,,,....... ," .." '-. ., ... . -. 
 ... 

 _ ., "" 
.f . !.l'"'' ,.' ' ',." 
 '., '" ..". ". .. 
........ Ii (Ojä!i
/:"'
' '.1',1 · , ... \ .

-.., ... 
 '!i- ", . " 
""_ .' I ( ";.' "",('\ ,. , f..' ... 
'''\ '-.\," ,,-. . .. 
 
' 4
 
 
ti

 '. 
.-. ".-. 
.'!'.:-v ..' ph', -.' .,: . / - \ ,'. -. ",' - ". . ;..;:-..' · -'. " . .:-.... 
"};" . . ..... _ .\" ,,:' ,.', ...-,. '<,,:: 
. "' 
 ..." ".'-! :"!o , .' '.... . "'. ". J"ti
, ". ". ..... ., 
_. 
 ; f 
 
 '" Y:
'" "X.: ;;J ": . 
 '\.... ;J; 
 .-;,. "'. ;:, ....., '\.. ....;::....5-" ."' :, \ ...' 'l,. ,. \\ 1 '- 
...... ...: ....:::'.... .- J ' . 
. ,. ...... "
 ;;:--";:'':-- ","\.' ,,
,. ....-,.. i.- ,
 . - '''p,.',.,' ''', 
", . ... ,'" .,. _.' .." . . .... ., .. H .' . \ u.... '. ... 
. '. _ '_:! 1 F ! ;' '_ .. ". .: ,'. ...... ,>1 .... ':,
 .
:. .
;'"... ..... . -;. 
 
 i I! . - . . , '':.. 

 ? ' . 
., _: '. .... '.}. "'
' ,'. ".... ...
 " I 'I;" - . 
. ...,.... ....., ....... ...:_ - ", , '.. ....:. . " ' \' '. -.' I'" , " ' , 
..., " __:<';", \ \...... ,'.__.... ,.: I . '-'.. '>.;,..... "'
' .. ..>-. 
11 : 
\I . . -" 
.
 . · ".... '\.\\: .....{:'--. 

. 
.- / .
 , . . ....' ..... 
 
 
..." ' ". \ : . '- ...... 
\. . .. 
 "'.... '4.#t,\. " I · 
t h ...... 





J;J- 
; 

 



 


OLIVEIRA LIMA 


- l 


DA ACADEWIA BRAZllEIRA 



 
J)O
I .) ()..\ () 


""() 1
ltL-\ZI I A 


1808 - 1821 


SEGUNDO VOLUME 


Iun lIE .J,\
EIIU' 


'1'." 1', 1].) '/0"'/(11 flf, ("filii lilt rf'Ìo. (1(1 Hodl'jgu.'
 ...\ ('. 


]
HI" 


.1 


,r I 


., 




 



 


l 


<... 


, 
<... 
{ 


\ 
\ 



A conquista cia Handa Orif'utal e os im,ur- 
gentes de RUf'llOs-A.n'es.............. 
A f'ôrte do Rio. 0 gabinf'tf' de )Iadrid f' as 
potencias Illf'dianeiras da Europa... .. 
A dfl)}omaf'ia de Palmella na fJuestão de 

Ion te\'idéo . . . , . . . . . . . . . . . . . . . . 

\dministração f> justiça. Os interessE's 
agl'icolas e industriaes,............., 
o tratamento dos Indios....,.... . 
A re,'oIução ])el'URmhucalla de 1 
 17 ., .. 
A divlomada estrangeira no Rio, Calepv i 
e Balk Poleff................. .. . 
o CR
alllento do Principe Rf'al. . . 
A f'ulminancia do reinarlo. , . . . . . . .. ... 
EI Rei...............,....,....,... . 
o esvectacu 10 da
 Tua
, . " .........,. 
As solenlnidades da Côrte.............. 
A re,'olução portugueza de 18 
 (). . 
Rei ou Principe'? Thomaz _.\lltonio e Pal- 
nlella ,.,...........,........,"... 
o movimf'nto constitucional 110 nrasil. 
o ultimo ministerio., .............. 
XXX A desill usão do 1'egrf'Sso. . . . . . . . . , 
Enumerac,:ào das fontes,.. .............", 


, 
 


Xy 


XVI 


xY"rr 


XVIII 


XIX 
XX 
XXI 


XXII 
XX 111 
XXI\" 
XXV 
XXVI 
XXVII 
XXVIII 


XXIX 


'\ 



 


1> 


..., 


J' 


IN})f(
E DOS CAPITULOS 


j 


INDICF DAS (
RA VURAS 


(1011de df' Palmella . . ..... 
)1 arq ue
 de )} ariah-a. . . , . . . . . . . .". . . , . , . . . . . . . 

:l-(tpi ........,...".,...,.. ...,....,...... 


J 
( 
1 


-t 


P.\(;s. 


;-j 7 Ii 


6 9"" 
- , 


677 


,.. " '1 
I .J pi 


77:1 
7R;; 


829 
871 
887 
929 
964 
9 8:
 
101:; 


1 ();-j 9 


log7 
111;; 
11 :
 (í 


G7;-j 
8l)
 


7 


..t 


) 



, 


I, 
I 


. 


<; 


l 
\ 



. ' 


CAPITULO XV 


A CONQUISTA DA BANDA ORIENTAL E OS INSURGENTES DE 
BUENOS AYRES 


A occupação da Ba,nda Oriental foi 0 maior desforço, 
e desforço tomado pdo Principe Regente e seus conselheiros 
em opposição a toda a Europa, mesmo contra 0 alliado in- 
glez, do que Portugal deixara de alcançar em Vienna e 
de j ustiça the cabia. Os primeiros designios portuguezes sobre 
a margem esquerda do Prata tinhanl sido frustrados pela 
intervenção britannica e pelo annisticio conchavado co'm a 
Junta de Buenos Ayres, á qual era summamente obnoxia a 
alienação de 
lontevidéo, mas a encorporação do territorio 
secularmente ,cobiçado fez-se por hm a despeito da lnglaterra 
e das Provincias U nidas. 
Havendo .Artigas proseguido percorrendo a campanhn 
com seus bandos armados, que eventualmente choêavam nos 


... 


,- 


,. 



( l 
l 


.. 


.'j;
 


DO)1 JoAo YI XO }
RAZIL 


. 
destacamentos portuguezes, 0 commandante das forças ex- 
pedicionarias e capitão general do Rio Grande do SuI 
D. Diogo de Souza firrnara-se n'este proceder irregular e 
opposto á pacificação - é mister ter presente que Artigas 
conleçou sua aventurosa carreira agit1do sob as inspirações 
e batalhando de harmonia com a Junta de Buenos Ayres- 
para não dar cumprimento ao convenio de 20 de Outubro de 
18 I I e evacuar 0 territorio hespanhol do Prata. Promettera 
comtudo em carta dirigida á Junta, a 2 de Janeiro de 1812, 
deixal-o definitivamente si fossem acceitas certas requisições 
suas, a começar pelo reconhecimento formal da parte das au- 
ctoridades constituidas em Buenos Ayres e 1\lontevÍ'déo do 
desinteresse, dignidade e justiça com que 0 Principe Re- 
gente de Portugal procedera mandando entrar suas tropas 
na Banda Oriental com 0 fìm de conseguir uma pacifìcação 
e de consolidal-a. 
Exigia ainda D. Diogo dos mesmos goveI'nos locaes 
o compromisso de não intentarem de facto aggressão alguma 
contra os dominios por
lguezes, salvo por ordem expressa 
cia Regencia da Hespanha, ficando as questões de limites 
pendentes para ser'em resol vidas directamente pelos gabinetes 
do Rio e de Cadiz. (I) 
Segundo 0 General 1\1 itre (2), a razão principal, senão 
unica, da demora na execução do armisticio e consequente 
desoccupação do territorio uruguayo pelas tropas portugue- 
zas, foi 0 desejo de D. Diogo de Souza, creatura de Dona 
Carlota J oaquina, de promover os interesses de sua ama, para 
isto contando com a cooperação militar de Goyeneche e a 
conjuração de Alzaga, que ambas falharam. Dos documentos 


(1) Correia Bmziliulse, vol. IX, n. 50, de Julbo de lR12. 
(2) HtBtOria de Belgrano y de 1.a looeptmdencia A rgcnUn a, 
vol. II. 



J 


:) 


110:\[ JOÂO VI KO BRAZIJ.J 


5
!J 


.. 


publicado-s pelo illustre historiador argentino (I) não consta 
que fosse D. Diogo partidario conhecido ou occulto da Prin- 
ceza do Brazil, constando, entretanto, que esta, contraria- 
dissima com a pacificação, a 23 de N ovembro de 181 I insti- 
gava Goyeneche para que suffocasse 0 movimento platino 
"con las mismas ejecuciones que praticaste en la ciudad de 
la Paz". 
A I d-e Dezem,bro de 181 I ordenara 0 conde de Linha- 
res ao commandante da expedição portugueza que se reti- 
rasse, uma vez obtidas " as j ustas e moderadas reparações", 
pondo-se para tanto de accordo com Vigodet e Goyeneche e 
"authorizando S. A. R. a V. S. para que não se demore se os 
mesmos generaes assim 0 exigirem ". A 20 de Fevereiro de 
18 I 2 ainda D. Diogo de Souza offerecia, porém, ao general 
hespanhol 0 seu concurso militar (2), aver si encontrava 
assi'm geito de prolongar e extender a occupação de que fôra 
encarregado. 
N a sua resposta de 19 de Janeiro (3) 0 governo pro- 
visional de Buenos Ayres, presidi'do por Sarratea, de que 
faziam parte Rivadavia e Pueyrredon e que substituira a 
Junta, recusara com muita independencia reconhecer a urn 
general estrangeiro 0 direito de intrometter-se no ajuste das 
differenças puramente domesticas entre dous povos da nação 
hespanhola, que entre si tinham celehrado um accordo, cuj a 
execução só podia ser legitimamente reclamada por qualquer 
,dos contratantes. Entrava, comtudo, 0 governo provisional 
na apreciação do proceder do goV'erno de l\lontevidéo, não 
dando tiel cumprimento ao ajustado no tocante á retirada das 


(1) App. ao vol. II. 
(2) Documentos -cit. 
(3) Correio Braziliense, n. e vol. cit, 


, 
,I 



580 


DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


forças portuguezas, cuja chegada determinara a approxima- 
ção e a concordia dos povos divergentes. l\1ai
 do que isto, 
censur
va abertamente 0 comportamento hostil das tropas 
invasoras, que, no seu dizer, retardavam com a attitude to- 
mada a marcha de Artigas para além do Uruguay. 
N'egava-se por fim 0 governo de Buenos Ayres a ac- 
quiescer nas proposições portuguezas emquanto durasse a oc- 
cupação estrangeira, que era a negação viva dos generosos 
intuitos procl
mados na carta de D. Diogo de Souza, e 
tambem a reconhecer de qual'quer modo a auctorÍ'dade da 
Regencia da H,espa'l1ha, promettendo em todo casu respei tar 
os dominios do Principe Regente de Portugal si este obser- 
vasse para com as Provincias U nidas uma conducta reci- 
proca. Quanto ás questões de limites, uma vez evacuado 0 
territorio nacional, entendia 0 gaverno provisional pader 
tratal-as pacificamente sem esperar as resoluções da metro- 
pole, offerecendo tamanhas difficuldades a redempção do 
monarcha do seu captiveiro e "tendo-se a aucthoridade devol- 
vido outra vez aos povos respectÍvamente, achando-se por 
consequencia refundida n'este gov C'rn 0 , relativamente ao ter- 
ritorio da sua jurisdicção." (I) 


, 1) "Os anwric:mos con:-;agl'fi'Vam com este fiCtO um:l theoria 
nova, thpol'ia que comquanto pf>I'!fpitampllte de a'ocordo com 0 es.pirito 
flu gu\".!'l"UO mooaI"chic.) ah
oluto. fll'a revolucionaria em sua ess
ncï.:t 
.)plas consp>quencia.s logicas quI" d'plla se deduziam. Sustentavam pllp
 
((UP .a AnlL',l'ica não dl'lwndia (]a IJpspanha, mas sim do mùnal"'cha a 
qtlPm hayia jUl'.ad0 olH'.1.ipnei:t, {> flUE' na sua ansencia cadnCaV:llll toda:-; 
a
 
mas dplp.gaçõe-s 11a nwtrO'polp. Esta theoda do governo pessoal 
dl'via con:duzil-os mais tarde a d('sconhpcf'l'f"m 
g auctorldades h('spa- 
nhdas na .\ulPl'ica. (.10 a reassumirem S,"liS dirp.itos p })l'prog.l.tinH. I'm 
virtudl' da soberallia aùsoluta convPl'tida em solJerani:\ popul,ar," 
Dntl'f'. OJI. cit. vol. I). Solorz
,no, 0 pxpositor da co.nstituiÖlû eol{)nhtl 
hl's1)a:nhnla na .\miPl'Ì{'a. .d. 'ri\.a os dil','i.t.)s dos HpÍs d'ITnspauha :is 
Indias nào da d(
SiCoberta, mas <1:1 "nll
 pnipal I}Ut' as cour...dera, como 
fl'udo pessoal. 



DO:\I JOÃÛ VI NO BRAZIL 


581 


Esta correspondencia precedeu de pouco a evacuação 
portugueza do terri torio uruguayo. 0 armlstlClo tern1i- 
nado, 0 conflicto näo 1 ecomeçou logo entre l\lontevidéo e 
Buenos Ayres nem se travou entre Buenos Ayres e 0 Brazil, 
proseguin'do, porém, a situação anarchica na Banda Oriental 
e além do rio, e até tomando, COlllO é proprio das contendas 
civis, urn caracter selvagino. 0 partido nacional tinha de de- 
fender mais do que a independencia politica, a sua propria 
existencia contra 0 partido hespanhol, e ás conspirações en- 
traram a responder as execuções. Ao tempo que começavam, 
ein virtude da missão do tenente-coronel Raden1aker a 
Buenos Ayres, a retirar-se as tropas portuguezas, principia- 
Yanl a rugir ferozes as paixões no Prata, sendo morto entre 
outros Alzaga, 0 chefe do partido addicto á metropole; e 
l\Iontevidéo cortava suas comn1unicaçõcs COIn a antiga séde 
do vice-reinado. 
Rompinlento não significa forçosan1ente lucta armada, e 
. Artigas, que aquém do Uruguay continuara a alirnentar a 
desordem, mostrava-se tão infenso a :\Iontevidéo COlno a 
Buenes Ayres, dando vigor á resistencia das outras provin- 
cias contra 0 governo que aspirava a central. Para 0 cau- 
dilho, Hespanhoes, Portenhos e Portuguezes eram em grau 
igual detestaveis. Assim calninharam as cousas até 18 I 6, sem 
que houvesse proþriamente estado de guerra declarada ao 
goverr.o de Buenos Ayres, ondr a situação se tornara tão 
critica que 0 maior nUlnero desesperava do exito da inde- 
pendencia, já então theoricamente cor.
z.grada pelo Congresso 
de Tucuman; procurando os mais optimistas obter 0 con- 
curso diplomatico de outras nações, julgando outros residir a 
salvação n'uma monarchia separ2då da da Hespanha e mais 
faciln1ente acceitavel pela EUTopa entregue á Santa Alliança, 



58:! 


hu:\t .TO.
O VI NO BRAZIL 


preferindo rnesmo certos ao alastramen to da anarchia 0 do- 
minio portuguez. 
Tampouco se apresent
'Va, longe d'isso, normal e regular 
a condição de 
10ntevidéo, si bem que não existindo franca 
occasião para a intervenção portugueza, a qual foi grande- 
mente determinada, depois de 1815, pela situação creada á 
monarchia de D'Üm J oão VI no Congresso d.e Vienna, srrvin- 
do então a circumstancia de ser hostilizado por Artigas e estar 
ameaçado de succu'Inbir 0 governo legalista de l\Iontevidéo. 
o facto era que em 1815 já se modificara em grau sensivel 
u precario estado militar do Brazil, e, sobretudo, a paz geral 
da Europa pernlittia a vinda de Portugal e a organização eln 
18 I 6 de uma di\'isão auxiliar de 5.000 veteranos da campa- 
nha peninsular, aguerridos pelos repetidos combates e disci- 
plinados pela mão frrrea do marechal Beresford, que, Jesa- 
vindo com a Regencia do Reino e querendo explicar a seu 
geito os negccios (resolução que the surtio plena effeito), os 
acmnpanhou ao Brazil e assistio ao seu cnlbarque para Santa 
Catharina. 
Foi conl esta divisão, com1posta das trez armas, que se 
mandou 0 General Lecor (mais tarde visconde da Laguna) 
directamente apoderar-se de l\lontevidéo; ao passo que for- 
ças brazileiras, entre ellas urn regimento de linha e outro 
de negros livres, iam crear uma diversão ás guerrilhas sempre 
activas de Artigas, penetrando pela fronteira do Rio Grande, 
onde a cavallaria, irregular do caudilho nunca cessara de 
cruzar e pelejar, a occuparem 0 territorio até 0 rio Uruguay, 
isto é, 0 scenario completo das façanhas dos rebeldes. 
Resurgiam vivazes as pretenções portuguezas, afrou- 
xadas durante alguns annos com a paralysação da primeira 



DO}l JOÃO VI KO BRAZIL 


mm 


expedição, a má vontade da lnglaterra em favonear 0 im- 
perialismo da côrte do Rio e as mui tas peripecias e surprezas 
da historia da independencia da America Hespanhola, de- 
pois que os resultados, inferiores ás esperanças, colhidos 
por Portugal com tanto esforço no Congresso de Vienna, e a 
figura menos brilhante do que a almejada que, não obstante 
os talentos e serviços de Palmella e seus companheiros, alli 
Ihe coubera, convenceram a velha monarchia de que só na 
America, graças á vastidão e importancia dos seus dominios 
e á desaggregação do imperio colonial hespanhol, poderia 
eIla aspirar a novamente desempenhar primeiros papeis. 
A 1l10rte havendo roubado Galvêas, a limitação de hori- 
zontes d'este conselheiro da corôa, correspondente ao perioJo 
de apathia exterior, fôra substituida nos nlinisterios politicos 
pelo descortino de B.area, cOlno é sabido, abertanlente favora- 
vel, en1 opposição aos alIi ados, ao eollega Aguiar e ao par- 
tido clos fidalgos portus
'ezcs, á conservação no BrazÏ'l Ja 
séde da nIonarchia. () gabinete britannico heln sentia 
a differença cIa orientação a vir quando, no Ji7er de 
I aler 
( I ), n10\ eu á sua nomeação a mais violenta opposição. 
DonI J oão e Barca, unidos en1 espirito, resol veram 
procurar no Novo 1\.lundo as compensações que no Velho 
Ihes eranl devidas nlas negadas, 111eS1110 a justa restituição 
de Olivença, nlotivo aliás excellente para urn desforço ul- 
tralnarino cnvolvendo a occupação definitiva da Banda 
Oriental. A Hespanha, longe e exhausta de sangue e de re- 
cursos pelas guerras européas e coloniaes 'que a dilaceravam, 
parecia poueo para temer. Em Buenos Ayres, Pueyrredon 
tomava conta, como director, de urn governo fraco, eOlll- 


(1) Officio cifr'ldo de 14 de Ouhlbro de' 1Rt:í. 


D. J,. - :
; 



jS4 


DUM JOÃÜ VI 1\0 BRAZIL 


batido pelos federalistas partidarios do isolamento provin- 
cial, que agitavam ainda mais ruidosamente 0 problema da 
independer:cia sem the darem uma solução definitiva, e até 
pdo contrario forneciam ao governo do Rio para qualquer 
acção 0 pretexto, sempre invocado, de precisar garantir a paz 
d[
s su
s fronteiras meridionaes. 
De resto, quando Pueyrredon assumiu 0 mando dele- 
gada pelo Congresso, a nova expedição portugueza á Banda 
Oriental era uma realidade. Tanto foi longamente preme- 
Jitado 0 proceder da c-ôrte do Brazil, só se csperando a in- 
teira pacificação européa para poder robustecer 0 poderio 
militar portuguez na America que, dous annos antes, escre- 
via :\Iarrocos (I): "Aqui se está en1barcando 0 corpo de 
Artilheria com os mais petrechos e bagagens, assim con10 
o 
larquez de Alegrete, General em Chefe, para a Ilha 
de Santa Catharina, e dalli se distribuirem para guarnece- 
reIn as Linhas das nossas fronteiras, defendendo-as das in- 
cursões dos insurgentes Americanos Hespanhoes, que já 
ameação 0 nosso territorio, mas a nossa força he consideravel, 
e he mais ten1ivel por sua disciplina. 0 Governador, que foi 
de i\lontevidéo, 0 Vigodet aqui se acha refugiado, n1as não 
pinta 0 caso tão feio, conlO 0 referem politicarrães das Pra- 
ças, e julgo que com 0 adjutorio, -que'se espera da Hespa- 
nha Europêa, se accommmodarão depressa estas desordens." 
Em vez de soccorros hespanhoes, foranl reforços portu- 
guezes os que foram a breve trecho chegando em successão, 
e 0 amor proprio portuguez de l\larrocos, cuj as preferencias 
paisanas a principio se tinham escandalizado da arrogancia 
d'esses militares feitos não só nas casernas como nos campos 


(1) {':utn no P:u, dr -1 11p .\
o<;:t() d(' ] 
14. 


L 



nO
I JOÃO VI NO BRAZIL 


t)s.J 


de peleja, cada vez se foi exaltando maIS com 0 seu garbo, 
que tão bem impressionou 0 pnncIpe l\1aximiliano de \Vied- 
N euwied (I). 
Por muitos motivos não foi a occasião de uma inter- 
venção, conductiva de conquista, mal escolhida por Portu- 
gal. De 18 I + a 18 15, ganhando vigor a resistencia com a 
restauração bourbonica, todas as revoluções sul-americanas 
para a independencia viram-se suffocadas, excepção feita da 
das Provincias U nidas: tempo portanto esse de desanimo 
e de espectativa. Só em 1817 começaria a reacção liberta- 
dora, "movimento excentrico da revolução argentina ame- 
ricanizada, em marcha para a emancipação continental" 


" 


(1) "A porção de tro.pa que tern chC'g
.do de Lisboa he mau- 
dada desemba1'car da banda d'além do rio, em huns sitios chamados 
a Praia Grande e a Armação dUB balca8
 oude se IJ1e tern pre-par:ldo 
Quarteis á ligeira, ou pro intc1'irn: e a ArtillH'ria vai para a Hha d:1S 
COÌJms; e para em tudo estar em selparaç:ão da tropa dßsta cidade, 

e está prpparando 0 Se11 Hospital na Uha das Ench:l!das, ollde anti- 
gamente esteve 0 dos Inglezes. A'pezar de não terern feito desor.dcns, 
são bem a,pontados pelns bebedeiras, e certo 3,1' de chih:mteri-a; mas 
'Ìoda a gE'nte Ihe espera vela quarentena, em qt'
!lto se Ihes gnstão 
alguns vintens, flue trazem, e SC' Illes surrão as fardinhas tafut's, com 
(IUe ora apparecern; pois cornu já succedeo aos prirneiros, h50 de 
ve1'-se em poucos dias com as caras arnarellas, e cabistba.ixos:' (C.arta 
ao Pai d
 8 de Noverobro de 1813), 
"Aqui tern chegado a Tropa mui arrogantp e v.alentona. e pOl' 
isso estão em se:paração da Tropa da,qui, sendo aquartC'lada na m;
.r- 
g
rn d',alem do rio: esM em tudo disciplinada á InglC'za. e dizem qne 
('im costumes á FrancPzll; e pOl' isso tod-a. a gc'ntp se dí:'svia de tOlll:lr 
coruhedrnento com ell
s," (-Cal'ta á irmã, de 13 de 
ovC'mb1'O de 1Rt:í). 
"Os COl'pO

 de 
\rtilherifl f' Cavalle1'ia, quC' ('hpg-arão de Lishoa. 
já forão enviados '1>a1'a 0 Hio Grande, ,com t'scala pOl' 
'
I1ta Cathal'ina: 
até agora se tern port:H'lo rnuito hpm, e á sati:-;fação 
;('r:ll; antp:-; pelo 
contrario tC'm sido mal corrpspondidos df!. 'l'ro,lHl hra'Via df'ste Paiz p 
mal l'elllun!\l':ldo
 com 0 11lH' Ihe he dpvic1o: pOl'cm, tirando 
luma 011 
outra di'ss!''11<;ão parÜcula1', em flUl' ellp
 s,'mpl'p rno:-;trão ql1P são 
Po.rtug-uPzf>S valC'ntrH, e não Bl'azilpiro
 coharù('!-;, u gPJ"al tell1 sl'mIH'p 
mostrado .prudpncia, socPgo, nlO'Ùl'rn<:ão, P 
1(> boa conductn. .\ffirllla-s.\ 
(Ine 0 <'01'1)0 de c:H::Hlo1'1's, que pstft a clwgar, hI; com'posto dl' 'rl'aus- 
mont:lllOS esfor<:ados f' escolhidos dos que mais se distingnirão na h:l- 
tall1a de TalavN'a:' (Carta ao Pai df' :!:
 de Fl:'vpreiro de 18Hì). 
.., iPdas Gazetas inclusa:--; vprft V. 
I('l'. como foi a entr:nl:l e rp- 
cehimento da nossa 'l.'ropa, que a todos os BrazileiI"O:--; fez a maior 


. 



586 


DO)! JOAO VI XO RR-\.2rt 


( I ). Não admira por isso que fosse opinião Slocera do eo- 
viado confidencial argentino no Rio D. 
lanuel J osé Gar- 
cia - não só d'elle, de outros, como D. NicoIáo Herrera, 
monarchista convicto emigrado no Rio - que a salvação 
da sua patria, dividida pelas facções, .privada òe reconheci- 
mento, ameaçada pela Hespanha, que dizia preparar contra 
ella a sua grande expedição de Cadiz, só podia prOVlr, conl 
a independencia ou a annexação, de Portugal. 
A I nglaterra achava-se impedida de dar qualquer passo 
em favor òa revolução suI-american a pelos seus compromis- 
sos com a Hespanha, exarados 00 tratado de 18 14; pelos 
seus interesses de potencia colonial, incOInpativeis com eman- 


pspecta
ão, POl' nunca terem visto ca
adore!=;, nem a sua differente dis- 
dplina. A sua viagem foi muito feHz e so perllerão 3 homens. is to hp. 
dous de fplm'
. e hum que cahio de noute lwballo ao mar; 
 que me 
foi communicado pclo .\.uùitor da Dlvisão,..,.. Acbào-se aquartelado.s 
nu ml'....lJll) sitio da Prahl Grand.!. onde p...U.vt'rão alojados O
I 'Pl'inw'i- 
ro:--;, e crp-:;;e que aqui pprsistirão até depois ùa Acdama(:ão de Sua Ma- 
g'1'<.;tallp 0 
r. D. .Toño YI, (jUP talvez serfL no dia 2-t de Junho; e elles 
{JOL' i:--;so f.trãn 0 llia w:1is brilh:1nt('. )Ianùar:1o-sp l'L'pparar com orE'vi- 
clad.. algum:.:s l''lnùarca
õl'!-; de glleL'L"a, que (}pycm sallÍl' para Lisùoa. 
(lbl':'m, a Luscar Dutra Di\"h;ão de G mil llulll!'n!-;. que são aqui nece
- 
S:lJ'ius p.na gwwnic:iio elf' alguns Lugal'es mais iru}Jol'tantes dt'ste 
Hdno." ('('arta ao Pai elp ]S dp .\bl'U tIp 1S1H). 
"
ua )[age<.;tallp e toda a Familia J{eal se adliio ha hum mez 
no sitio de 
. Domingos, })Ollf"O distante do sitio ùn. Praia <:randp......; 
t elll ha vido l'l'lwtidos f'xC'rcicios dos ca(:ndol'f'5';, que aqui chegarão do 
Exercito dl' Portugal, rr'prpsentanùo-se flyuellas ùatalhas, ern que 
..;p t('ln fl'ito famoso:--;. 'J'l'}ll l'p,cphillo llluitas hunra
, e elles 
e 'tern 
POl't::.clo muito \)('m, de surte que Ü'lli lllel'ecido 0 a-gasalho de toll os. 
Esta spmana tornão a pm,bal'car todos. e se elirigem a desemharcar em 
)Ialdonado. a.fim lll' atacarem com vigor aos Hesp[!Thhoes do Rio da 
Prata que já tern p:l
sado as nossas fronteiras, e tL'm feito estl'agog 
nos n:);-;
OR pl'iITIlf'il'o
 postu):; )Iilitares, !\t'ste .\rsenal se tcm feito hum.a 
infinLdade .de petrechos de gUPfra para elIes le,"arem, como são, esca- 
clas, llUlcllado!-;. forlf]uilhas, etc., etc. Logo que elIes saião, sahe tam- 
1}Pm 0 'Iar.esohal TIpresford para Lishoa, com as ordens compE'tentes 
para abi org,mizar outra divisão de G.OOO homens, e dizem que Bão 
dl'stinados para guarniçã.o ùas duas cidades principal's do Hio de Ja- 
neiro e Bahia, pois que a Tropa daqui he Tropa de Theatro." (Carta 
ao Pai de 28 de 
[aio de 1816). 
(1) Mitre, lIi8tlJ1
ia de San Mal'tin V de la EmarJwipac-ion Sud- 
Amcricana, vol. I. 



DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


587 


cipações, e quando se avantajasse a elies a perspectiva mer- 
cantil desafogada, pela attitude decidida tomada na questão 
pelo autocrata russo, toda favoravel ao restabelecimento das 
monarchias legitimas e á recolonização das possessões re- 
teHadas. E' facto que a lnglaterra foi de começo bastante 
favoravel aos independentes (I) mas já ia diplomatica- 
111cntc variando de rumo, chegando em 1818 a pôr-se ao 
lado da Hespanha e da Santa Alliança na questão ameri- 
cana, só visando então á franquia commercial das colonias. 
A r.nudança politica apenas viria com Canning. Por esse 
lado cconomico 0 momenta escolhidú por Portugal para prati- 
car a annexação da Banda Oriental não era propicio, mas a 
opportunidade cessara inteiramente. As colonias que durante 
trez scculos tinhan1 sido cobiçadas como can1pos de explora- 
ção exclusiva, entravam apoz a emancipação das colonias 
inglezas da Alnerica. as in1pressivas publicações dos abbades 
Raynal e de Pradt e a evolução theorica e pratica da eco- 
nomia politica, a ser consideradas como mercados interna- 
cionaes, terrenos de concorrencia commercial. 0 tratado de 
1810, de Portugal com a Grã Bretanha, bastante denun- 
ciara n'um sentido egoista cssa orientação que a obra de 
Pradt-L'Europe et srs colonies --modela na perfeição como 
these. 
A França, por mais que lhe conviesse contrariar a po- 
litica mereantil ingleza, n'esse momenta já poueo se incli- 
nando de facto e até deixando officialmente de inclinar-se 
en1 prinCIpIO á lihertação das colonias, e comquanto entrasse 


(1) "1Ja huma {'ntrou a:qui ({<> 
l()nt('vid('o bmna Fragata IIl's- 
panho]a 
 fNiir 
o(,COI'ro contra os r]p Ruenos Ayr(':;, poi
 qne estp:; 
tpill cl'p:;ddo PIn for
a!':, a.iudado
 do5'; 
p'gociant(>s Ing]('zes, que os 
tf'1ll forllp.cido df' armas p provlsi"IPs de guerra." (.Carta de 
Iarrocos 
ao Pai de IG de 
orveDlbro d
 1813), 



.388 


DO)! JU.ÃO VI KO BRAZIL 


nos seus pIanos fundar uma ou varias monarchias sul-ame- 
ricanas com Bourbons á testa, não podia nem estava em 
posição moral de oppor-se aos designios -de Fernando VII, re- 
passados de legitimidade: Lafayette, todo sYlnpathico aos que 
aspiravam a li'berdades, não protegia ainda a realcza de 
1830. Entendera assim 0 governo de Luiz XVIII ser 0 
mais cauteloso no assumpto. As instrucções que levaya para 
o Brazil 0 duque de Luxemburgo (I) prescreviam que 
elle recebesse com circumspecção qualquer emissario das co- 
lonias revoltadas, 0 qual se abrisse com 0 en1baixador, e que, 
sem fazer promessas, referisse ao governo em Pariz quanto 
confidencialmente the relatasse 0 mesmo emissario, pro- 
curando simplesn1ente "quaes possan1 ser os meios indirectos 
de animar nosso commercio com as ditas possessões, já que 
não podemos, na sua condição actual, nem auctorizar, nem 
confessar com ell as relação alguma." 
Os proprios Estados U nidos não se tinham até então 
pronunciado sobre a tutela européa do Novo :\1 undo: 0 
accordo entre Clay e Canning, 'que deu em resultado a dou- 
trina de l\1onroe, só alguns annos depois se estabeleceria. 
SiVlultanea com a reacção no sentimento governamental 
britannico ia-se porém a politica norte-americana affirn1ando 
mais ostensivamente favoravel á emancipação das posses- 
sões hespanholas. fazendo em 18 I 9 uma declaração n' esse 
sentido por motivo do Congresso de Aix-Ia-Chapelle, em 
que se tratou da mediação das grandes potencias entre as co- 
lonias insurrectas e a sua metropole. 
Ante tal colligação de interesses melindrosos e força- 
das indifferenças tinham ido esmorecer em _\1adrid, e lam 


(1) Ar('h. do )!iI).. dQS X ('g. Est. de- Fr
m
a. 



DO)'[ Jo..lo VI NO BRAZIL 


.589 


fracassar em Pariz, os esforços diplomaticos do cnviado ar- 
gentino Rivadavia. Entretanto no Brazil não se desmentia a 
actividade do seu collega Garcia no sentido de um'a união 
luzo
platina. 0 projecto de tratado contem'poraneo da sua 
chegada ao Rio ,de Janeiro (Janeiro de 1815) sobre que 
Ia- 
ler prestou informações ao llinisterio francez (I), encerrava 
a auctorização para 0 Brazil de occupar a marg:em oriental do 
Prata, abstendo-se Buenos Ayres de fornecer soccorros aos 
atacados e devendo, depois da conquista, 0 Congresso N acio- 
nal de Tucumam solicitar a reunião das Provincias U nidas 
ao Reino do Brazil, realizada a qual tomaria Dom J oâo VI 
o titulo àe Imperador da America do SuI. Os funccionarios 
publicos seriam conservados nos seus cargos e todos os postos 
ecclesi2.sticos, civis e militares reservados senlpre para os 
nascidos. no paiz, excepção feita de trez lugares - vice-rei, 
bispo e commandante das armas -, de livre escolha do 
novo Imperador. 
Acreditava 
Ialer que fôra na fé de tal accordo que 0 
Congresso de Tucumam a 9 de J ulho de 18 I 6, lobrigando 
j á em marcha a expedição portugueza do SuI e "ignorando 
o estado valetudinario do ministerio brazileiro", proclamou 
a independencia das Provincias U nidas, primeiro passo p
ra 
a sua encorporação. A suspeita do agente francez não re- 
pousa sobre UIn fundamento de grande solidez, ainda que 
communicava elle que, pouco antes, havia Pueyrredon man- 
dado unl expresso representar a necessidade de começar as 
operações eHectivas. Por motivo ,d'ellas, ajuntava l\Ialer, é 
que Barca, ludibriando 0 seu collega Aguiar, - "denlasiado 
honesto para adherir a taes conchavos" -determinou subi- 


(1) Officio de 10 de Junho de 1817. 


. 



,')DO 


])0)[ JUIO VI XO HIL\ZIL 


tamente a partida para Hespanha das Infantas, a qual se 
verificou na manhã de 3 de J ulho, começando a 4 0 mOVI- 
nlento de sahida da expedição acantonada na ilha de Santa 
Catharina, para que fôra ordem." Assim é que 0 Sr. conde 
da Barca fez marchar a par 0 penhor da união mais sagrada 
com as medidas de aggressão mais injusta" (I). ' 
Ponderando que os governos arl1cricanos reconhccidos 
ou a rcconhecer absorviam todo 0 tcnlpo e todas as contcnl- 
plações da côrte do Rio, rdatava 0 encarregado de negocios 
de França que 0 agente Garcia via frequentemcnte 0 conde 
da Barca e já conlcçava a usar de Incnos disfarce e ceri- 
Il1onia, entrando no dcspacho com uma grandc pasta de- 
baixo do braço. 0 Rei, de proposito, por deferencia para COIl1 
os represcntantes estrangeiros, 0 não reccbia, ma
 Garcia 
andava de ta] Inodo satisfeito que henl parecia que só tinha 
a felicitar-se pela politica da côrte portugueza. 
o historiador l\Iitre tece os mais francos e1o
6os á in- 
tclligcncia, elevação mora], senso de estadista c patriotisl110 
de I). l\lanoel J osé Garcia, apenas fonnulando restricções 
quanta á sua trnacidade c conlbatividade. A idéa cOI1lpicta do 
enviado argentino consistia em aproveitar-se lid aInbição 
portugueza, dos SCliS in/cresses homogf'llcoS, da sua CO//llllUlli- 
dade de 'l'islas, para suppriInir esse fÓco de anarchia em que 
se convertera 1\Iontevidéo, prccaução sem a qual cra inu- 
til csperar so\::ego nas Proyincias U nidas, contagiadas por 
urn mal cujos effeitos durariarn pelo menos emquanto suh- 
sistisse a causa; e enl acceitar 0 protectorado portuguez si 
mcsnlO a
siIn, conforme dIe acrcditava piamente, proseguisse 


( 1 ) Oft. c1t. 



110)1 
J()..\() YI SO ]Jl{,..\ZlL 


ilH 


o delirio das paixões e fosse impossivel estabelecer uma SI- 
tuação seria e calnla (I). 
Garcia não considerava deshonrosa a intervenção por- 
tugueza porque em rigor não partia, dizia elle, de uma po- 
tencia estrangeira, sim de unla nação de interesses vincula- 
dos aos destinos do continente, para cuja emancipação con- 
trihuira efficazmente, ahi installando a séde da sua monarchia 
muitas vezes secular. A irmandade das conveniencias só se 
daria verdadeiramente porém em 1822, quando a separação 
determinasse para 0 Brazil uma situação analoga á das colo- 
nias hespanholas libertadas pelo nlovimento que irradiou dos 
seus dous centros de propulsão, em Venezuela e no Rio da 
Prata, e 0 tornasse realnlente solidario com ellas na necessi- 
dade do reconhecilllento cIa sua independencia. Entre 0 Im- 
perio e a RC'publica Argentina, além do regimen politico 
diverso que cada unl d'estes paizes entrou a symholizar, exis- 
tiria todavia então 0 obice da Cisplatina que sempre acir- 
rara as duas Dletropoles e continuaria a dividir as duas novas 
nações - porquanto, dos arrazoados de Garcia e da marcha 
de Lecor, 0 que ia resultar era a annexação portugueza da 
Banda Oriental son 0 restabelecinlento da ordem e segu- 
rança na margem occidental do Prata. 
Relata unl escriptor argentino (2) que 0 pai de D. 
::\Ianuel ] osé Garcia escrevia ao filho para 0 Rio de J a- 


(1) "E
toy persua'òi-ùo. y Ia rxpprirncia pfl recp habf',rlo df'IDOS- 
t ra<1o. ..up np<'I'
itamo!4 la fU(,l'za <1(' nn po<1pr I'straño, no solo para. 
tf'rminar nl1P!':tra contienda. !':ino parR f('rmarmoO.';; un cE'ntro <'omun de 
:tlltoridad, capaz df' ol'ganizar el cáos f'n (rUp estãn conv.ertidas nues- 
tras prm'inri,a!':, y ('n la E'scala df' las .llt'cf'sidadC's públicas cuento pri- 
mpro la rIp no rpcal'r P11 el sistema colonial. En tal sitnacion es prp.ciso 
l'pmmdar fi Ia p:--;
)f\ranza fl.!' ('pgar pOl' nupstras manos la fuC'nte de 
tantos mal(\
." C'om,munieH<:.ão <If' Gar{'ia a Rakarcf', de Ð de .Tunho de 
lR16. na I/i,<;t. de BelgrQll1(), vol. 11). 
(2) n. .Miguel C'anp IllO pstudo sohre a diplomaria da Itcvolução, 
publicado na revista La Biblioteoo, anno de 1897. 



592 


DO
I JOÃO VI KO TIRAZIL 


neiro que, si elle voltasse a Buenos Ayres, de odio 0 en for- 
cariam n'um ferro de lanlpeão, tal era a tendencia espon- 
tanea da collectividade para a sua autonomia. Conl effeito 
o enviado argentino, a quem 0 espectaculo da patria desunida 
e desordenada apparecia de fóra tão desanimador e lugubre, 
não 
alculava benl a vitalidade da resistencia nacional a qual- 
quer pIano de recolonização: fosse este 0 perdão promettido 
por Fernando VII aos seus subditos transviados e arrepen- 
didos, fosse - caso ainda peor - a erecção de urn reino 
encorporado no inlperio de Dom J oão VI ou tutelado pela 
corôa americana de Portugal; 'ConlO seria meSlTIO a absurda 
monarchia do descendente dos Incas casado conl uma In- 
fanta portugueza, filha de Bragança e Bourbon, com que 
sonhava Belgrano e que 0 Congresso de 'rucuman aponta- 
ria pouco depois a Pueyrredon como 0 mais sabio desfecho 
para as difficuldades com a Hespanha e com Portugal. 
o facto é que 0 povo argentino, estimulado pela reCOI1- 
quista, com fóros tradicionaes e j á agora ,com tradições guer- 
reiras, formadas no episodio da expulsão dos Inglezes, repel- 
liria qualquer pIano importando em sujeição nacional, por 
mais paternal e culto que Ihe apregoassem 0 governo dos 
Braganças comparado conl 0 despotismo de Fernando VII 
ou com 0 barbaro caudilhismo. A sorte estava lançada, a 
separação consumnlada, a independencia realizada. A força 
moral que assegurava esta ultima podia ser Iatente mas não 
existia menos por isso, e não tardaria até a manifestar-se com 
toda a puj ança propria de unl compos to solido e d uradouro. 
Sentir a febre da autonomia e dispor de força para re- 
sistir ao tratanlento que Ihe queriam impor, eram porém 
para a nacionalidade nascente cousas differentes. 0 director 
Pueyrredon não pensava como Garcia, mas acreditava n'uma . 



DO:M JOÃÜ VI NO BRAZIL 


593 


boa intelligencia com a côrte do Rio. Si não applaudia en1 
absoluto a expedição de Lecor, tampouco a poderia guer- 
rear com efficiencia. Ignof'a
a até si Portugal e Hespanha 
não estariam de accordo, conforme tendiam a fazer crel-o 
as declarações do gabinete do Rio de que, indo dar urn golpe 
de morte na anarchia revolucionaria, servia os interesses da 
monarchia catholica ao mesmo tempo que os proprios, orga- 
nica e fatalmente conservadores. Por isso Pueyrredon addu- 
ziu pretextos, adiou soluções, contemporizou, ganhou tempo, 
não respondendo a Garcia (cujas communicações con- 
tinuavanl a ser dirigidas a Balcarce, antecessor do di- 
rector, por ser desconhecida no Brazil nas datas a subida 
ao poder de Pueyrredon ), mandando Uln commissionado 
militar ao encontro do general portuguez invasor a pedir 
e'\plicações e reclamar 0 cumprinlento do annisticio de 1812, 
e consultando 0 Congresso, expressão da vontade nacional. 
Em face das chimeras de realeza indigena d'esta aS3em- 
bléa e sem .meios de crear Uln novo exercito, como the indica- 
yam 0 Cabildo e a Junta de observação (1), Pueyrredon ti- 
nha comtudo suas esperanças postas no exercito dos Andes 
que San :\Iartin andava disciplinando enl 
Iendoza para a 
reconquista do Chile e a libertação do Perú. Entretanto, até 
regressar do Pacifico esse exercito robustecido pela victoria e 
destinado a repellir os intentos absorventes da metropole, 
salvando a patria da dissolução, Lecor tomaria posse de 

Iontevidéo, que Artigas não deixara mesnlO ser soccorrida, 
originar.do-se uma situação mais instavel e mais grave do 
que nunca. 
A occupação da Banda Oriental era pelo enviado Gar- 
cia considerada urn bem por urn rnotivo mais. Faltando este 


(1) )1itre, II bt. dp B.'lgrano, y01 IT, 



;J:J4 


1)0)[ 
H )
\O Yl XO HIL\ZIL 


ponto de apoio, d'onde em 1806 partira a expedição da re- 
conquista, á fallada exped ição de Cadiz, -que Rivadavia em 
Londres e logo, depois José Valentin Gomez em Pariz esm- 
yam encarregados de procurar a todo transe empatar, nego- 
ciando qualquer proposta de convenção sobr,e a base da re- 
nuncia ao atCl'que, a Hespanha se não abalançaria á arriscada 
aventura. Isto quando a escandalosa retenção de Olivença e 
a attitude das grandes potencias formando 0 cenaculo da 
Santa _
lliança) e firrncrnente disfostas a !11anter a pa7 ob- 
tida apoz urn longo e cruciante periodo de guerras, consen- 
tissern que 0 Rei da Hespanha declarasse guerra ao de Por- 
tug-a 1 , não obstante as suspeitas que os distanciavanl. 
A posição da côrte do Rio entre a metropole hespa- 
nhola e a colonia revoltada de Buenos Ayres, ao rnesmo 
ternpo que não era comnloda trazia dupla vantagem. Con1o 
n'outros casos analogos, a sua neutralidade .comportava pro- 
veitos, buscando as duas parcialidades principaes em con- 
flicto no Prata alistal-a em seu beneficio exclusivo, j á que a 
situação geographica, a paz intern a, a alliança ingleza, a 
maior copia de recursos e outras circumstancias davarn então 
a Portugal na secção oriental da America do SuI pape! e ca- 
pacidade de arbitro quasi suprelno. 
() pedido em casan1ento das duas Infantas portugueras 
para 0 rnonarcha hespanhol e seu irn1ão e herdeiro pre- 
sumptivo D0l11 Carlos (I), sabell10s que equiv.::tlera a Ul11a 


(1) 0 porta'dor officioso do pedLòo foi 0 gerrE'tnrio da leg-a<:ão 
pOl'tllg'lH>Za em :!\Iaòrid Joaquim 
('v(\rino nomes, emharcndo rom carta 
f11' pl'f'go no hriglH' na-eional L('bre. 0 pp'òixlo official foi por
m apre- 

pnta/do \lwlo hri'gadpiro g'pnE'l'al I), Gaspa r dp Vigod >t. n qllPIIll trol1xe 
a fragata hPSlpanhola I.a Soledad. Ikpressa ficou Fernnndo VII viuvo. 
A. Infanta era de prf'cnria s:lllde. 
'lIma das ('artas df' )Iarrocos. de 
] 1 rIp )la1'(,o de lR14. se diz passfiDido em revista a saude da rf'al fa- 
milia: .. .:.,. A Sm. Infan'ta D. ::\la1'ia !zahel continua nos sens ac- 
eidentf's ou dpsmaios, lIne muito a incommo.dão; e tpndo ha dl
s hum, 
cujo desaccordo lhe durou pol' espaço de 20 m.i.:nutos." 



])0)1 ,fúÂO YI XO BRAZIL 


jg
 


tentativa para obter a cooperação portugueza na tarefa 
de reduzir os insurgentes platinos: tão ancioso de resultada 
esse esforça, que se compromettia a côrte de :\Iadrid a faci- 
litar a demarcação pendente das fronteiras dos dominios 
das duas corôas no Novo l\Iundo. 
o apoio da côrte do Rio parecia pois precioso ao go- 
verno hespanhol para uma politica de resistencia, de que 
cogitava, quando a outros, de fóra, apreciando porventura 
Inelhar a situação, mais garantia de exito se afig
rava offf'- 
recer uma poli tica de composição. 0 represen tan te francez 
no Brazil, por exemplo, entendia que si Fernando VIr for- 
mulasse concessões e as mantivesse em energia, não seria 
cousa impossivel sujeitarenl-se as provincias rebel-des, Inesn10 
sem Jerralnamento de sangue, porquanto "a má adininistra- 
ção dos governantes, suas continuadas dissensões e insacia- 
ve] cobiça teein consideraveltnente fatigado e Jescontentado 
a nlldtiJão; seis annos ha que aqudlas provincias sacudiran1 
a auctoridaJr da nletropole e que os sentimentos se exalta- 
r
lln, e hOInen1 a]gunl de cabeça ainJa se apresentou que haja 

ahido dominar os espiritos, dar consistcncia ás suas institui- 
çõt's nascentes e tirar partido das disposições favoraveis que 
Ihes testcnlunhatn os agentr
 de Ulna grande potencia" (I). 
Si houvesse surgido urn senlelhante chefe, já a Hespanha 
teria perdido para todo scnlpre as provincias rehelladas, opi
 
na\'a 1Ialer, senl se estabelecer 0 cançaço nlercê da incapaci- 
Ja,de e vicios Jos Que se achavaln á frente Ja revolução. A 
cmnposição impunha-se dado 0 estado de inquietação e de 
anarchia que prrvalecia, gerado pe]o cspirito facciosa e pai- 
xões odientas, Inas tornavam-na impossivel os proprios chefes 
realistas, os quaes, a par das suas crueldades, arenas exhibian1 


(1) Officiù ùe 12 ùe NO'Vpmbro ùc 181[;. 



596 


DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


fraqueza e insuHiciencia nos meios de arcar com a situa- 
ção (I). 
ldenticas foram as impressões de Luxemburgo, qU2.ndo 
chegou. "A desintelligencia manifestou-se entre os cheÍes 
apoz os ultin10s acontecimentos militares, informava 0 elTI- 
baixador; 0 congresso de Tucumam dissolveu-se antes de 
conseguirem pôr-se de accordo os deputados das provincias 
insurrectas. Os proprietarios não aspiram senão a submet- 
ter-se, ou nlelhor, irnplormTI os meios de se desembaraça- 
rem do furacão revolucionario que se agita e carrega a des- 
truição onde quer que attinge" (2). 
Em verdade j á era tarde para uma reconciliação. A 
idéa de en1ancipação caminhara muito para poder recuar, e 
tão geraes, tão concordes, tão decididas estavam sendo suas 
manifestações que the imprimiam, junto com as marcas que 
ostentava de espontaneidade e de solidariedade moral, e 
mau grado a reacção produzida, 0 cunho da irrevogabilidade. 
A's proprias colonias, a saber, ao seu povo, ficara devolviJa 
a tarefa de preservar sua integridade e autonomia, e ellas 
assim 0 entenderam e acabaram por executar á risca. 
Em Buenos Ayres Balcarce foi derribado em J unho 
de 18 I 6, accusado de se não occupar assaz de fazer frente 
ás emergencias; Pueyrredon, uma vez passado 0 prirneiro en- 
thusiasmo da sua elevação, não escapou aos commentarios 
de traição: todos os governantes, sem excepção, seriam com- 
pellidos pela opinião, Jiga-sc antes pelo instincto publico, 
a precaverem-se e garantirem a liberdade e com ella a inde- 
pendencia. N ada, pode affirmar-se, fez rnais do que e3ta 
anCla popular para radicar nos espiritos 0 ideal republicano 


( 1) Off. cit. 
I:! I \ 1"('11, (let )[in. dos ISf'g. Es't. d\' Fran<:a, 



DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


597 


que, recorda Cané conl razão, os excess os da Revolução fran- 
ceza, sem esquecer os desatinos dOInesticos, tinham desacre- 
ditado no Prata, en1prestando fascinação entre a gente culta 
ao ideal monarchico liberal de modelo inglez, 'que estava 
até predominando na França cartista e parlamentar, e que 
tinha no seu modo de ser a grande vantagem de não dar en- 
sanchas a audaciosos como Alvear e a caciques regionaes 
C0l1l0 Artigas. 
Fôra a consciencia d'essa mmor segurança politica que 
dcra os seus defensores mais decididos á causa da Princeza 
do Brazil e estava ainda suggerindo a busca de outras COIn- 
binaçães, si bem Que antipathicas á corrente popular. Pueyr- 
redon achava-se quasi só, entre os proceres da revolução 
ilrgentina, no acreditar que a republica devia acompanhar 
a separaçJo, e no acceitar a monarchia - preconizada tanto 
por Belgrano, 0 soIdado e 
onhador generoso, como pelo 
pensador educado e recto Que foi Rivadaviã - sómente como 
o melhor mo'do de fazer tolerar a independencia pelas gran- 
des potencias reaccionarias da Europa. 
Para estas, quando reunidas em 18 I 8 no Congrcsso de 
Aix-Ia-Chapelle, ao tempo que 0 abbade de Pradt escrevia 
suas defezas mais pomposas de emancipação colonial, redi- 
giria 0 enviado Garcia uma justificação da occupação portu- 
gueza da Banda Oriental, a qual 0 governo de Dom J oão VI 
cohonestava com urn argun1ento que os Estados U nidos 
muito depois invocariam com relação á necessidade da inter- 
venção em Cuba; não poder 0 B'raziI, paiz reconhecidamente 
ordeiro, supportar sem perigo proprio urn fóco de pertur- 
bação tão perto das suas communidades pacificas e laboriosas. 
A occupação tinha, porém, por motivos verdadeiros fa- 
cuI tar ao Brazil sua fronteira natural ao suI e tornar bem 



5
S 


D(nÌ JO

O VI NO RRAZIL 


irremediavel a desaggregação hespanhola em andamento. 
U ma vez consummada, tal desaggregação reduziria a me- 
tropole, privada de seus melhores recursos, a potencia muito 
subalterna, e collocaria os desunidos e debeis fragmentos do 
imperio colonial rival á mercê da compacta e disciplinada 
expansão portugueza no futuro. 
a commercio era uma das preoccupações presentes e 
por conseguinte urn dos I,TIotivos da attitude cautelosa do 
governo portuguez, 0 qual, zelando na apparenCla a sua 
neutralidade, só aguardava occasião propicia de exclusiva 
e francamente servir os seus interesses. Entretanto favorecia 
quanta podia 0 trafico nlercantil estabelecido entre 0 Rio, 
l\lontevidéo e Buenos Ayres. 
Qualquer desvio da tão apregoaJa isenção que Jissi- 
mulava 0 real egoismo da intervenção, podia de resto ser 
profunda.mente ruinoso á côrte hrazileira. Si desertasse a 
causa legal Ja Hrspanha, ficar-Ihe-hia a descoberto 0 velho 
Reino, exposto :is rcpresalias Ja nação visinha. Si a abra- 
çasse com sinceriJade, correria 0 risco Je \'fr accender-se un1 
conflicto armado tIo novo Reino COll1 as ex-colonias hespa- 
nholas, já pratican1ente eInpossadas na sua soberania. Era 
portanto de prever que Portugal apenas favorecia effrcti- 
vamente 0 partiJo da nletropole si a considerasse on nwlhor 
a verificasse em estadu de reconquistar as suas possessõcs: Jo 
contrario, abster-sc-hia de pronunciar-se abcrtamente e não 
perJcria até ensejo de usar de benevolencia para com os 
insurgentes. 
l\.Ialer cita como urn dos exeluplos Ja moderação e tole- 
rancia de DOIn J oão-poderia accrescentar do seu tino - 0 
tratmnento dispensado ao general Alvear, ex-director das Pro- 
vincias do Rio da Prata, 0 qual se refugiara a bordo de un1a 



DO)l .T04\O VI SO... rmAZTL 


59
) 


fragata ingleza e d'ahi passara ao Rio de Janeiro. 0 Prin- 
cipe não só 0 poz a coberto cIa influencia perseguiJora de Vi- 
goJet, C0l110 0 assegurou Ja sua protecção elnquanto procr- 
desse COIn discerninlento (I). 
T'mnbcIn é Inais que provavel que DOllI J oão conscn- 
tiria eIn ajuJar 0 cunhado (em favor Je queln sc eInpenhava 
diligentemente depois da restauração a Princeza Dona Car- 
Iota, muito anliga Je Fernando VII, I11uito hcspanhola de 
coraçãu e ll1Uito trefega de genio), caso a I-I espanha COIl- 
st'ntisse enI ceder-Ihe a Inargenl oriental do Prata. N cnhU1na 
abertura a este respeito foi porém tentaJa, segundo dec1a- 
raraIn expressanlente a 
Ialer tanto 0 general Vigodet, ao rc- 
grrssar COIn as Infantas que viera buscar, como 0 encarre- 
gado de negocios da Hespanha Villalba (2); entretanto ia 
singrar a expedição portugueza contra l\Iontevidéo, verdade 
é Que sob 0 maior sigillo, ignoranJo os representantes es- 
trangeiros no Rio para onde ella se dirigia exactamente. 
A côrte do Rio affectava aliás todas as consideraçães 
para conl 0 legitimo soberano e só se Inostrava disposta a 
agir parecendo que 0 fazia para proteger seus subditos, no 
interesse e segurança do paiz contra visinhos turbulentos. A 
expedição tão antipathica devia comtudo ser á côrte de 
Ia- 
clrid quanta ao governo revolucionario de Buenos Ayres. A 
aversão a Portugal era grande nas terras de Castella, mas 
não lllenor no Rio da Prata, cuja população porventura ad- 
nlittiria mais facilmente a tutela brazileira do que a recoIo- 
nização hespanhola com 0 dominio, ao velho modo, de urn 


(1) )[ais tarde, em 1818, 0 mesmo encarregrrdo de negocios dp 
França, e 0 minlstro he.spanhol Casa-Flores quizeram debalde iml'Nlir 
o embal"que de Alvear para Buenos Ayres. (COtT!'SP, de )Ialer). 
(
) Officio de 10 de Julbo de 181G. 


D, J. - :{S 



600 


D03[ JOÃO VI NO BRAZIL 


vice-rei au clpitão general, anh
l
l1(lo poréIll IllalS que tudo 
e 0 Illais fcrtClnente pel a independencia. 
Os jornaes inglezes da epocha, cujo parecer se mani- 
festava unanimenlente muito contrario á expedição do SuI 
- quer ella viesse a ser feita de connivencia conl 0 Rei 
d'Hespanha, quer fosse intentada unicanlente por Portugal 
conl 0 fiIll de castigar urn visinho iInportuno conlO Artigas 
e assegurar á fronteira brazileira luna I11ais solida protecção 
-punharn no geral CIll rclevo (I) aquella aversão tradicional 
e 0 I11aI Que para os Portuguezes resultava de prestarem ou- 
vidos ás facções decahidas e intrigantes que, lá CO!TIO CIll toda 
a parte, eillpregavam os Inelhores esforços para venderem 
seu paiz a estrangeiros. 
o partido portuguez chegou entretanto a ser considera- 
vel no Rio da Prata "enl contraposição aos principios disso- 
lutos dos Independentes, Que constituiam 0 outro partido 
forte" (2); porquanto no Que não havia Quasi discrepancias, 
em que pese á opiniãn de Luxemburgo e 
,laler, imbuidos de 
preconceitos de legitimidade e da e
cellencia das soluções 
nledias, era par parte da população nacional com relação 
ao restabelecimento da auctoridade da nlãi patria, nlesnlO 
sob a forma de união com previa concessão da autonomia. 
Urn periodico britannico (3) escrevia até, reconhe- 
cendo 0 vigor do partido affeiçoado á côrte do Rio, que "as 
pessoas nl,étis respeitaveis das provincias, tanto pela fortuna 
como pela reputação, eram favoraveis ao governo portuguez 
porque 0 julgavanl preferivel aos principios revolucionarios 
e irrcligiosos que são infelizIllente transmittidos á America 



1) Entre outl'OS 0 ][Ol"llillrJ C'h/"Ollicle de 1!) d:- 
.'Ìrlllhl'o de 


l
lG. 


I :!) ( . 0 r r p:-; II, <! - .\ la 1 cr. 
(:
) W('(l."IJ) 1h''''8t1I,'}U' elf' 1
 ell' Ouiui)) . d<' 1S1G, 



I)(ßI Jolo YI XO BH.AZrI.. 


Gol 


:\Ieridional como a toda a Europa por esses patriotas e esses 
refornladores" (J), do outro partido. 
A attitude da Inglaterra foi COl11tlldo, official e popu- 
larmente, hostil de lllodo inequivoco a Portugal e á sua 
politica platina. Para a lnglaterra a solllção Inais vantajosa 
era a da independencia por significar libenlade cOlnmercial 
r.as l11elhores condiçães. U III a e
tensão qualquer de mcrcados 
chegava n'csse 1110mento 0 11l'ais a proposito para conlpensar 
a 111& vontade que contra as industrias britannicas continuava 
a ser ciosmncnte cultivada no çontinente. "A independencia 
d' esse imnlenso e rico paiz, escrevia urn dos mais conceitua- 
dos jornacs (2), desenvol veria enl pOllCOS aBnos us seus 
reCllrsos ao nlesnlO tempo que as suas necessidades, em grau 
tal que se produziria U111 justo equivalente de todos os pre- 
JUIZ0S que possanlOS experil11entar nos outros Inercados da 
Europa." 
Argumentava a inlprensa il.1gleza COln 0 perfeito titulo 
das colonias hespanholas á indcpendencia desde 0 dia enl 
que Fcrnando VII abandonara 0 il11perio da Velha e Nova 
I-Iespanha a J osé N apoleão, e a America desconhecera 0 
nlon
rcha intruso. Par seu lado, Uilla vez rC:-ìtabeìecido no 
duono, 0 Rei legitirno convidara os seus subditos ultranl
ri- 
nos á sujeição senl condescendcr enl Ihes conceder unla só 
r:arantia para as suas liberdades conquistadas. Isto no cm- 


(II .\junta 0 n 
mo pNi(dicn no al'tign cit.'du: "0 
nn'rno 
]I panhol. na I .11i .) III llù1 (1i', 'it) l.-.
itillll) :1,1 ..; 'II d'sp ItislIln. 
nño cont!'nt' lh' lllPlll'ÌO!la1' os s0culo::; de ohscUl':1nti<.;mo da 
U;L ])lon;I1'- 
('hia, h:l
 'i:l-a ,,,,hI' lima p:11'tr ahsurùa d;l lin
u;lg"lll ('mpl" g-:H1a n:l 
ESl'l'iptlll';l. pllh:i'l';\1Hlo r.{'.'uteu1l'utr mn catlwci<.;mo no qnal O
 .\po,,- 
j oJ us , 0 K\':lng, listas n',p,.tr>'Dl os (lizer('
 Ùl' D. PL'Jl'O (\'y;ll1m
 '- do
 
'
I'ophaIl.1:I- 'a ("Î)'I d"!i' ìunha 1';11':1 r .futar h"t:l doni-I'Lll :-;lI'\S 
(J. ,lu{'(:õ"
. 0 l':lJ'ti(lo OVl'ostn. ignal11w1l1 E' ill
1'1]S;110. \":1 i ao pxtrl'1l10 {' 
('m YI'J'. (]I' ('mit th' Illlyi(la-: }-:oh1'l' a intl'1'lH'l'hH:iio, 1'1'1Icl1l' a l't'
l'a, () 
'Jll'ilH
 i [)io (' UWSlHO a f(
." 
('!) 1[o'J'JliIlJ ("II"III/i/,., L1P 1-1 fl.' Untuhr,) .h ' lS1(j. 


. 



G02 


no:\[ .J()Âo VI NO IHt\ZIL 


tanto não justificava a intervenção portugueza. "Não aIcan- 
çariånlos fornlar unla idéa Jos Jireitos, a menos que os es- 
tabeleçanl a frauJe e a violencia, que possa possuir 0 governo 
portuguez para interferir n'uma disputa entre a ffcspanha 
e as suas colonias" (I). 
19ual nlaneira de ver adoptava 0 gabinete de Saint- 
J aines apezar de, no intuito de lisonjear os sentimentos pra- 
ticos da I nglaterra no assumpto, ter 0 general commandante 
Ja força e
pedicionaria portugueza levado ordem de decla- 
rar abertos ao commercio universal toJos os portos de que 
se apoderasse, assim abolindo fornlalnlente 0 sy
tema colo- 
nial de exclusivismo. 
De resto a potencia alguma da Europa, cUJOS agentes 
no Brazil denunciavam os altos pIanos da côrte do Rio, 
agradava 0 inlperialismo americano de Portugal. "1'Ionse- 
nhor, exclamava l\Ialer (2), esta Côrte mau grado a penu- 
ria das sUas finanças, a fraqueza do seu governo e 0 estado 
da sua população, nutre idéas ambiciosas; imaginou que 
chegara para e1las 0 momenta favoravel e 0 titulo de. Reino 
U nido havendo exaltado algumas cabeças, acredita poder 
inlpunemente, não sacudir a mascara, mas levantar 0 véo." 
\1 erdade é que a residencia americana dava uma inde- 
pendencia á côrte portugueza como ella desde longo tempo 
ou tal vez nunca possuira na Europa, não deixando todas 
as potencias de reconhecer 0 cabimento da preferencia tes- 
temunhada peIo Principe Regente ao Brazil. "Essa especie 
de sujeição tern frequentemente estorvado a côrte de Lisboa, 
dizia-se nas instrucçães ao coronel 1\Ialer, quando nomeado 


(1) Periodico citado. 
(
) Officio de 31 de Outubro de 181G. 



DO)! JOÃO VI XO BHt\ZIL 


603 


para 0 Rio de Janeiro (I). 0 Principe pode desej ar for- 
rar-se d'ella. A residencia no Rio faculta-Ihe mais liberdade.'L 
o governo francez en:\.ergava distinctamente, pois, urn 
dos principaes motivos que por vontade do seu chefe, reti- 
nham a familia real além mar. Gutro motivo capital que 
I13S n
csmas instrucções se aponta para 0 apego de Dom J oão 
á nova séde da monarchia, era precisamente a emancipação 
em via de firmar-se das colonias hespanholas, as quaes ten- 
diam a estabelecer com 0 Brazil laços politicos e conln1er- 
ciaes que 0 Ilnperio desrnanchou, no querer afastar 0 Reino 
da attracção republicana. "0 Principe Regente tendo a es- 
colher entre ser ainda por muito tempo 0 primeiro poder da 
America l\Ieridional ou vol tar a occupar urn dos terceiros 
lugares na Europa, abraçará porventura 0 partido que lhe 
permitta exercer enl redor de si maior influencÎa" (2) 
Tão interessado se mostrava 0 Principe Regente pelo 
Novo 
I undo, onge se asylara, que a imprensa ingleza che- 
gara ponco antes da expedição do SuI a dar curso ao boato 
de que progredia entre as corôas hespanhola e portugueza 
uma negociação para trocar 0 patrimonio da dynastia de 
Bragança na Europa por territorios mais extensos na Ame- 
flca ::\Ieridional. 
o boato era inexacto, e á Hespanha não illudiam os 
protestos de hoa fé portugueza, assim como não illudiam 
os insurgentes de Buenos Ayres as seguranças de que a 
c:\.pedição platina visava méramente a repressão da anarchia 


(1) .\I'eh. do 
Iin. dos XPg. E.;;t. de Frnoça. 
(2) lnstl"UC(:Ües citndas. 1l:11cr compI'eheniJ.
u logo ao ch0gar 
(1\H' a ('êll't.r ('on1aya p,pl'maneC0r no Brazil. "ror tudo quanto ou<:o (' oh- 
f';Pl'\'O. 1'07.:1 S"'U officio rle ß df\ 
C'telDbru de 1'\1:). sou lcvaJo a erN' 
firnwm.ente îlU0 de todos os mOùlls se encontra S. 
\. R. I'esolvido a 
pro]ong-ar Sun assistencia n'pst:l l'l'g-ião. s
ndo pl"(
cisas circumstandas 
llluito imperiosas para 0 compl'JIirl'lll a rnuùal' de resolução." 



604 


nO"JI .J 010 YI :KO TIRAZIJ.J 


local. N a grave crise de 1816 proccdcu Pueyrredon conl 
vigor e patriotismo, ao 111esmo tempo que com discerni- 
mento. Elle pretendeu com effeito oppor á invasão cs- 
trangeira 0 concurso unido de l\Iontevidéo, de Artigas e 
das Provincias U nidas, quando 0 Congresso de 'l'ucuman 
Java ao deputado lrigoyen, encarregado de Ulna missão no 
Rio de Janeiro, instrucções que começavanl altivas pela solu- 
ção do recûnhecimento da independencia das Provincias U ni- 
das e manutenção da inviolabilidade do seu territorio, para 
descerem, passando pelas varias hypotheses nlonarchicas, até 
a recolonização do vice-reinado, ignominiosamente trans fe- 
rido da tyrannia hespanhola para 0 j ugo portuguez (I). 
Em norne da vontade soberana das Provincias U nidas 
da America do SuI, reunidas enl asselnbléa representativa, e 
enl virtude do seu ll1andato ponderou 0 director, em carta 
dirigida ao general enl chefe portuguez, que considerava a 
aggressão unla infracção do armisticio de 1812, 0 qual fôra 
cclebrado e
peoialnlente em yista da Randa ()riental. 0 
caudilho uruguayo a nill'.!;ueln delegara cOlntudo 0 cui dado 
de formular a sua repulsa. De facto cxistia, ape7ar da igual- 
dade de interesses eln frente an inilnigo COInnlum, pro- 
funda antipathia entre os insurgentes das duas l11argens, 
acabando mesnlO 0 governo de Buenos Ayres de apro\ eitar-se 
das difficuldades de Artigas para Inandar occupar a cidade 
de Santa Fé, de que estc se achava de po
se. 
Ao emissario adreJe mandado por Pucyrrcdon, Nicoláo 
de \T edia, respondeu 0 caudilho C0l11 sobranceria que se dc- 
senvincilharia desajuda.Jo; que 0 governo de Buenos Ayres 
cstava eln mãos tão fracas e incapa7es que J'ahi não podrria 


( .1) 'lit1'!'. /I i.
l. dc J:d!l1'(l1Io. 



DO
1 J010 VI NO BRAZIL 


605 


esperar soccorro ou vantagern algurna; que, pelo contrario, 
iria dIe dar-Ihe uma licção logo que houvessc repellido os 
Portuguezes, e que, caso fosse batido na margem esquerda, 
se retiraria para a rnargem direita (1) 
Ainda depois de assignada uma convenção entre as 
auctoridades de Buenos Ayres e os deputados da Banda 
Oriental, escrevia l\laler que a intelligcncia entre as duas 
rnargens não passava de macaquices (JÍlIlagrées) (2). E' 
mister realnlente não esquecer que a ogeriza de Buenos Ay- 
res contra Artigas foi urn factor relevantissimo dos successos 
que occorrenun até 1821. ":\lontevíaeo n'a reçu et ne re- 
cevra aucun secours, ajuntava 0 encarregado de negocios 
de França, et les coriphées du Gouvernement des Provinces 
Unies dé
irent avant tout la destruc
ion d'Artigas, de son 
parti, et de son influence." 
Buenos Ayres não se prestava a soccorrer efficaznlente 
l\Iontevidéo e apoial-a decididamente enl grande parte por- 
que, Artigas, dcsejando por fim e rec1amando soccorr05, con- 
scrvava sempre ares de dictar suas condições. 0 auxilio scria 
concedido do melhor grado si :\Iontevidéo annuisse enl cn- 
corporar-se ao organismo politico da
 Provincias U nidas ; 
111as prrantc suas velleiJades persistentes de separação, Bue- 
nos Ayres preferia esqui,-ar-se, como Ihe aconselhavam ou- 
tras circunlstancias, mandando todas suas forças disponiveis 
para os lad os do Cllile e decidindo a invasão capitaneada por 
San :\Iartin. 0 de
t::jo era grande de fornlar com 
Iontevi- 
déo uma ligação baseada sobre a autonofoia do conlposto; 
porénl era tambem grande 0 resentimento contra 0 caudi- 
]ho intratavel, e não menor 2\ rimH1ez em precipitar, sem 


(1) ('OlT<'sp. de 
ral('r, 
(2) Off. de 20 de Fcvcl'eiro de 1817. 



(jflÔ 


nU)1 
J{ l.t\() VI XO DH.\ZIL 


recUTsos adequados, urn conflicto com Portugal, pengoso 
para a emancipação argentina. 
A multidão era por l\lontevidéo, 0 sentinlento popular 
estava conl a resistencia, 0 instincto' dos governantes denun- 
cia va a anleaça da occupação estrangeira da Banda Oriental: 
força era comtudo aos responsaveis pelos negocios publicus 
raciocinarem com mais calculo e menos sentilnentalismo, tanto 
Inais quanta na outra margem do Prata só se Ihes deparavam 
desconfiança e hostilidade. "II faut bien selon Ies circonstan- 
ces avoir rair de céder aux cris du peuple, mais I'arri,è.re pen- 
sée est constamment la même, on veut toujours à tout evc- 
nement la facilité de se jetter dans Ies bras des Portu- 
gais" (I). 
As tropas portuguezas, aproveitando-se d'estas dissen- 
sòes e receios, tinham entretanto ido arvorando 0 pavilhão 
do Reino Unido no territorio oriental. 0 pIano da campanha 
era assim esboçado por Hippolyto aos seus Ieitores na occa- 
sião em que se travava a lucta: "As tropas portuguezas do 
Rio Grande, entrarmn já por Àlissoens, passaram 0 Uru- 
guay, e iam a atacar Corrientes, que he 0 principal posto 
fortificado, que Artigas tern no Paraná. Depois, vindo 
por este rio abaixo, não terão difficuldade eln tomar Santa 
Fé, que he a chave da passagem para a margem n1eridional 
do Rio da Prata; assim ficará inteiramcnte cortada a reti- 
rada de Artigas para 0 interior do raiz; ainda que elle alli 
tive
se, 0 que não tern, amigos que 0 acolhessem, e proteges- 
srn1. Se Artigas for cum suas tropas de 1\Iontevideo a op- 
pôr-sc a estes pIanos dos portuguezes, deixa .\Ionteviòeo, 
Colonia do Sacranlento, 
IaJòonado, e toda a l11argenl do 
R iu cia Prata daquella parte, sem forças para resistir ao 


(1) Off. cit. de 
hler d
 
O de Fcyc.rciro de 1817. 



DO)I JoAO VI XU BRAZIL 


()1I7 


desernbarque de cinco mil hornens, que pOl' mar alli chegarão 
do Rio de Janeiro; e apertado entre dous exercitos, cad a 
un1 delles superior ao seo, Artigas não tern rneio algurn de 
rcsistir" (1). 
Si 0 pIano não foi seguido á risca e não esperava 0 re- 
sultado facilidade igual á augurada, é que a invasão de 
Corrientes e Entrerios não correspondeu ao projecto tactico 
e Artigas não ficou afinal entre dous fogos, segundo fôra 
delineado. Do lado do n1ar, a lnarcha dos Portuguezes entre 
o littoral e a capital foi corntudo progressivamente feliz, to- 
mando 0 exercito conta das praças eill nome do Rei Fide- 
lissimo como si se tratasse de verdadeiras conquistas, que de 
verdade 0 eran1. 
Para confirn1ar tal impressão, basta ler a convenção 
aj ustarda a 22 de N ovembro de 181'6 entre 0 capitão de fra- 
gata conde de Vianna e D. Francisco de Aguilar, como 
representante do povo de l\laldonado, para a entrega d'esta 
cidaòe. 
Iéddonado n1anif.estara aliás preferir muito dedi- 
car-sc tranquilIam'ente ao conlmercio, a e'Xperimentar 0 con- 
tra-choque d
s luctas armadas, pelo que 0 general Barrera, 
creatura de Artigas, tinha feito conduzir ao quartel general 
do chefe, desarmados e sob uma escolta toda composta de 
negros perfei tamente equipados, os milicianos da cidade (2). 
Por occasião da rendição de I\Iontevidéo, un1 dos arti- 

os da convenção agsignada estipulava, em absoluto menos- 
prczo e directa offensiva aos direitos do Rei Catholico, os 
qual'S tanto se asscgurava salvaguardar, que 0 general Lecor 

c cornpromettia a não devolver as chaves da cidade senão 
as n1csmas auctoridadcs que lh'as tivessem confiado. 


(1) Correio Bradlir'n8c, n, D8, Julho de 1816, 
(2) Corr-esp. de :Maler. 



608 


Dc ).:\[ JOÃO VI 1\0 BRAZIL 


As procIamações de Lecor eranl redigidas e seus aetos 
pautados na intenç
o de conciliar 03 anil110S e ganhar os 
coraçõe'), e para que pudesse juntar a pratica á theoria, aper- 
feiçoando 0 seu systema de 
educ\ão, fornecera 0 governo 
do Rio áO general enl chefe dinheiro bastante para conceder 
pensões e e:\.tender dadiv;1s ë.. individuos de tod
s 2.S opU1l0es. 
" Assim é que elle outoro:ou uma pensão mensal de 80 pias- 
tras á yiuva de ura c(!pitz.o morto nc:s fileiras insUI gentes ao 
combate
 valentenlente 05 POI'tuguezc3, e çue tinha Ul1la 
cabeça nluito e:\.altada" (I). 
Não deixa dr encerrar profunda lronla que os fer.nan- 
distas, is to é, os partidarios da legalidade fossem a unl tempo 
yaiados em I\lontevidéo e perseguidos pelos Portuguezes, ao 
passo que estivessenl os revolucionarios no favor dos inva- 
sores, nlostrando-
e portanto ahi 0 gabinete do Rio em ex- 
trenlO liberal, quando no Brazil 0 regimen donlinante nas 
provincias era, na essencia, 0 meSl110 obsoleto que prevalecera 
nas 'capitanias e enl tantos casos se assignalara pelo arbitrio 
e vexames. 0 jogo era pelo nlenos arriscado, tratando-se de 
e'\.periencias novas para a politica portugueza n'uma pro- 
vincia lin1itrophe, d'onde podia irradiar irresistivel 0 conta- 
glO para a rpornle 11laSSa que ao lado dormitava na sua 
apathia. 
De accordo conl as instrucções que levara, Lecor, no 
dizer reiterado de .L\Ialer (2), prodigalizava dinheiro e afa- 
gos com marcada predilecção entre todos os que tinham de- 
sempenhado papeis salientes nos transes da revolução, assi- 


(1) Officio r10 )[alf'r de> 1
 df' )[ar
o de 1817. Ind:orma estc 
officio qUf' os Portug'l1p7,,>S pn('ontraram sohre as c1e[('zas de 
loDteTi- 
d(io l:!O p.ec;a::; d'artilhel,ia em horn psta-do e 17:! mais oU mc-'Uos dete- 
]'i()rãda
, mas nos ãrlll:l7pnS muito pouel polvora e nl1miçõE>s. 
I 
) Offieio d
. 
O dl' )[arço de is J 7. 



DO
I J010 VI KO BHAZIL 


609 


gnalando-se pela sua ilnmoralidade - segundo ta
avam os 
realistas as opiniões republicanas-ou nleSlllO pdo exaggero 
das suas idéas conservadoras, transmudadas enl vistas menos 
legitim,istas. 0 fito politico de Portugal sobretudo era, p1.r ' a 
o ca
o de chegar uma e
pedição hespanhola de reconquista 
ou de Buenos Ayres declarar guerra aos invasores, ter orga- 
nizado unl partido de annexação ao Brazil com gente cuj a 
defecção fosse Inrnos para telner, par hayer justanlente es- 
tado antes mais comprOl11ettida, quer COIn 0 legitimo sobe- 
rano, quer conl os revoltosos da l11argel11 direita, não po- 
dendo d'est'arte esperar perdão pela traição cOInnleuida. 
"N ão sei , l\Ionsenhor, e-xclanlava l\Ialcr no referido offi- 
cio, qual das duas cousas é a 111ais incrivel, si a perversidade, 
a iniquidade do projecto, si a inepta confiança nos nleios de 
execução, enl l1liseraveis traidores, universalmente despre- 
zad03. " 


1Ialcr, convrnl não esquecer, era unl espirito maIS do 
que con
ervac.lor, reaccionario, ao qual apparecia eminen- 
temente rppulsiva, fosse a subtr
cção das colonias hespa- 
nholas á sua tutela le
al, fosse a encorporação de qualquer 
d'ellas n'outra 111etropole que não a prirnitiva. Seguindo de 
perto as occorrencias e dispondo de excellentes fontes de in- 
formação, porque de Inais a mais Cf'lllprehcndia c falla\'a 
bCIll 0 portuguez, atIquirido nos seus longos annos de en1Î- 
gração enl Lisboa, elle se não podia certanlente illudir no 
tocante ao desenvolvilllento das idéas portuguezas de nlanu- 
tenção da conquista platina, isto é, de occupação pernlanente 
cia margenl esquerda do Prata. 
() governo portuguez ia até gradualInente abandonando 
algumas das suas protestações, que craI11 subterfugios. Inter- 
rogatio pOl' Ch;unherlain 
ohre as yistas officiaes n'este as- 



filII 


DO)l JO-'\O VI :KO BRAZIL 


sumpto, Barca ainda prete:xtou que 0 pavilhão portuguez 
fôra içado na Banda Oriental porquanto seria impolitico içar 
o pavilhão hespanhol, tão detestado pelos insurgentes; mas 
logo declarou que no caso de alcançar aquellas paragens a 
expedição que a côrte hespanhola destinava a suffocar a in- 
surreição americana, não the sena facultado desembarcar 
1HZ margem oriental, entrando então 0 gabinete do Rio em 
negociações com 0 de l\ladrid (I). 
Esta linguagem bastante descobria 0 proposito formal 
de levar d'essa vez a fronteira portugueza no Brazil até 
o seu almejado limite platino. 0 Rei pessoalmente tanto em- 
penho punha na guerra e tão pouco 0 occultava, que não 
perdia occasião de mostrar seus enthusiasmos. Passou, como 
Debret 0 fixou artisticamente, revista ás tropas que embarca- 
yam para 0 SuI e, logo depois de Barca faIJecer, fez uma 
grande promoção no exercito, nomeand'O 5 tenentes gene- 
raes, 3 marechaes de cam.po e 4 brigadeiros, igualmente fa- 
zendo prOl110çÕeS na arnlada e enl todos os corpos de mi- 
licia. 
A gotta e outras enfernlidades do novo secretario d'Es- 
tado Bczerra, quasi entrevado, não impediram 0 serviço 
das assignaturas de effectuar-se COIn grande zelo e desusada 
diligencia, 0 que fazia 0 encarregado de negocios de França 
perguntar si, nada executando 0 gahinete do Rio para satis- 
fazer as potencias medianeiras, não pretendia ainda por 
cima affrontal-as distribuindo graças e mercês, e "na sua 
ilnpotente fraqueza activando os reforços a mandar para 0 
theatro da guerra ? (2) 


(1) Officio cifra{1o de 
laler de 17 de )Iar
o de 1817, 
(
) Officio de ß d
 Julho de 1817. 



j)o
[ JOÃo YI so nRAZTL 


fill 


J ulgando possivel un1a collisão con1 a Hespanha, não 
acreditava cOIntudo l\laler na probabilidade de uma guerra 
conl as Provincias U nidas, tendo por certa a existencia de 
Ulna intelligencia secreta entre a côrte brazileira e os mais 
altos funccionarios de Buenos Ayres. En1 abono da sua 
convicção, citava por unl lado 0 apoio pelo Congresso de 
l'ucuman da inacção do director Pueyrredon a respeito do 
soccorro dr l\Ionte\'id
o contra os Portuguezes, e por outro 
lado a inserção na pallidissima, anodissilna e ultra-reservada 
(;aze/a do Rio de Janeiro de dcculnentos traduzidos òa 
Caze/a de Buenos Ayres, eln que aquella asseInbléa de dis- 
colos se appellidava 0 Soberano Con.ttresso NacÎonal. 
() obj ecti vo d' este, en1 todo 0 seu proceder, era nas 
expressões de '\laler não desagradar ao governo do Brazil e 
salvar Pueyrredon do furor popular, pois que 0 cercava 
un1 partido lrritado pela approxirnação dos Portuguezes. 
"Congresso e Director entendem-se e por den1ais convem 
aos representantes conservarenl 0 Sr. Pueyrredon no cargo 
para não fazerem outrosin1 alguns sacrificios, assin1 sendo 
que uns e outros entregaram com prazer l\lontevidéo ao es- 
trargeiro, mau grado 0 con1pron1isso publico e solemne que 
tinhanl tornado de defendel-a" (I). 
laIn as desconfianças de 1Ialer ao extren10 de consi- 
derar, e en1 cada officio para Pariz 0 repetia como urn es- 
tribilho, Pueyrredon un1 traidor á causa nacional, urn ven- 
dido a Portugal, quando de facto elle trernia justamente 
pela preservação da liberdade de Buenos Ayres. Con1 este 
receio de comprornettel-a, attrahindo sobre si as iras portu- 
guezas, e tendo a consciencia de achar-se eln casa sobre urn 
vulcão, deixava 0 director passar m'ez apoz mez da occupa- 


(1) Off. cit. de 13 de Março f1p 1817. 



(H2 


DO)[ 
TOÃO YI NO BRAZIL 


çåo selll se atrcver a reclanlar no Rio de Janeiro contra a 
quebra flagrante de neutralidade, e sem tanlpOuco dar an- 
daInento a tarefa, que era Ulna obrigação, de soccorrer os 
()rientaes, na fornla da sua l1otificação official ao general 
L,eco r. 
N enhU1l1a d uvida pårecia haver no an;lllo do represcn- 
tante francez de que UIn silnples soccorro de 400 infante
 e 
100 artilheiros, juntando-se ás disposições bellicosas da po- 
pulação da {'am j>a/lha, teria bastado para destroçar 0 pe- 
queno exercito portuguez sitiante da praça (I). E a ver- 
dade era, ao ser expressa esta convicçãJ, que Lecor cstava 
senhor de :\lontevidéo, mas não da campdlllza, a qual conti- 
nuava percorrida, donlinada e assolada pelo
 :rebeldes, só 
podendo os Portuguezes communlcar-
c com () Brazil par 


mar. 


Contava l\laler para Pariz, enl apoio das suas sus- 
peitas, que Pueyrredon supprimira a Cronica A rgt:ntina, cujo 
cspirito era hostil aos Portuguezes e em cujas paginas 0 cen- 
suraVaIn acrelnente por não haver soccorrido l\Iontevidéo, 
rscrevrndo-se que Lecor devia ter leal mente Inencionado 
aos h(;.bitantes da cidade sitiada que nada tinham a esperar 
d'aquelle lada. Pdo contrario 0 Cellsor, dirigido por Uln cle- 
riho que era '0 testa de ferro do director, fallava li,![cÏraI/U'Jitf 
da invasão brazilcir:1. 
Para satisfazer ,,( 
enti!nento popular de patriotisnlo, 
publicau cOlntuJo Pu(yrredon a 2 de l\.Iarço de 1817 unl 
nlanifesto contra 
 n
cdidas do general portuguez, fazendo 
porl-tn simul tanealnentc chegar ás Inãos d'cste (2), junto 
com 0 doclImento ostcnsivo, luna carta confidencial para 


f I ()ff. ('.. eit. d'" 1ï (1 '[:1"': 11' 1S1í. 
I'!) nff, (11' 11:111'1' (I" 1
 d,
 .\h!'i1 dt' 1
1ï, 



DO)l .ToAo VI XU nn<\.ZIL 


Gl:
 


rogal-o de não tomar (:'e
ìlasiado ao serio ou se não Inelindrar 
com essa publicação e providencias annunciadas, pois não 
passavam de phrases que, como governante, fôra compcllido 
a assignar em tal eonjunctura e Ihe não devimll causar a 
menor inquietação. Com effeito, proseguia l\Ialer para pro- 
var quanta os faetos fallavam Inais alto que as palavras, 
eontinuavam socegadamente na cidade os Portuguezes que, 
segundo as ordens de Pueyrredon, devianl ser presos e de- 
portados. 
Ao passo que 0 seeretario da guerra, que pelo seu 
relatorio forçara por assinl dizer 0 director a subscrever 0 
111
nifesto, era denlittido por isso e por haver externado COIn 
mais vigor sua opinião sobre a necessidade de oppor-se ener- 
gican1ente 0 governo de Buenos Ayres ás medidas de rigor 
proclanladas pelo general Lecor contra as partidas que in- 
festaVa111 os canlpos uruguayos, a connivencia occulta appa- 
recia palpavel. Com 0 assentimento de Pueyrredon eraln ex- 
portad
s de Buenos Ayres fangas de Inilho e cargas de ou- 
tros viveres para :\Iontevidéo, onde os comestiveis e3tavam 
por altissi1110s preços (I) pelas CirCU111stancias da affluencia 
de tlopas, por outro lado roubadas pelo recrutamento á 
agricultura instante, e da posição dOll1inadora na cfilllpan/za 
da gente de Artigas. 
P...ssevera l\Ialer (2) que, quando San 1Iartin foi a 
Buenos Ayres concertar COIn 0 director a expedição do Pa- 
cifico, e'stc 0 quiz converter ás suas vistas de harmonia in- 
tima, quiçá de disfarçada vassallagcm ao BraLil, mas que 0 
dCI1oòado guerreiro c honesto politico the rcspondeu eon1 
fnribunda indignação, juranòo altivanlente que, ernquanto 


.,) () tl'ig-o cu
t
lva 
() piastl':H fortI :l Ünga; vl'udi:1m-'-',' a
 
1(1l ;: "':IS II,' 1<'I}'l 1"0< :!:í lJia"';\J':!
, I' 11111 '!.Ii JI n- 
o pi:l...;tl"l''';. 
(:!) nll'!<'io (1(' 10 .1<> .fuuho <1<' 1817. 



G14 


n()
t JO.1\n VI Ku BRAZIL 


respirasse e tivesse junto a si urn soldado, cOlnbateria taes 
tramas e resistiria á an1bição portugueza. 
o represcntante francez estava todavia persuadido (I) 
de tlue 'l1ão obstante as lnachinações e secretos designios de 
Pueyrredon, que persistia em lobrigar, 0 partido anti-portu- 
guez ganharia finahnente a ascendencia en1 Buenos Ayres 
e declararia a guerra aos invasores da Banda Oriental. Não 
podian1 deixar de precipitar esse acontecimento 0 episodio 
subversivo de Pernan1buco, a resistencia cantinuada das po- 
pulações uruguayas e a debilidade militar dos Portuguezes. 
() general Lecor encontrava-se quasi fechado em l\Iontevi- 
déo, pois apenas contava Ulna brigada acan1pada a algunla 
distancia da cidade, e não era possive! então, com a insurrei- 
ção no N orte, enviar-lhe reforços, que por outro lado 0 
velho Reino só muito constrangido consentia em prestar. 
Tambeln a expedição custava rios de dinheiro, e as finan- 
ças cstavam longe de accusar prosperidade. l\Iais tarde in- 
formava l\Ialer (2) que 0 soldo dos officiaes do exercito an- 
dava atrazado de oito mezes e 0 dos officiaes da ésquadra de 
onze rnezes. 
N'ulna causa l\laler enxergava por certo claro, e era 
em que Artigas constituia 0 verdadeiro porno de discordia 
entre as duas margens, apezar de real 0 sentimento autono- 
mista da Banda Oriental. Si 0 caudilho desapparecesse, 
Pueyrredon e os Argentinos não teriam mais duvidas em 
apresentar-se e disputar-Ihe a successão local, appellando 
para a irmandad'e de raça e a solidariedade hispano-an1eri- 
canal Esta convicção, que in1perava no Rio de Janeiro, não 
permittia adiantarem-se as vistas e intençães do gabinete 


(1) Off.tcio de 18 de Abril de 1817. 
\2) Of.ficlo de 4 de Abril de 1818. 



DUM: JOÃO VI NO BRAZIL 


ü15 


brazileiro, tanto quanto ou na forma por que este 0 dese- 
J ana. 
Entrava no interesse de Pueyrredon que os Portu- 
guezes supprimissem a opposição de Artigas, visto a empreza 
parecer em extrema arriscada para elle só. Em 1818 ainda 
o caudilho levava decididamente a melhor na contenda com 
os portenhos, destroçando na baixada de Santa Fé as tropas 
commandadas pelo general Balcarce, e como sempre promo- 
vendo em seguida a devastação, ao ponto de faltar carne na 
capital das Provincias U nidas. "Não se pode ler sem espanto 
e pezar os editaes que a necessidade dicta á municipalidade 
de Buenos Ayres sobre a falta de carne n'uma terra onde 
outr'ora se matava uma rez sómente para aproveitar-Ihe 0 
couro !" (I) 
A abstenção portugueza n' esse momen to irri ta v,a Pueyr- 
redon, tendo 0 general Lecor faltado ao seu compronlisso de 
atacar Artigas simultaneamente: os revezes incorridos pelos 
destacamentos de Buenos Ayres teriam assirn sido rnotiva- 
dos pela fal ta de correspondencia por parte dos Portuguezes. 
() general Balcarce viu-se coagido a abandonar suas posi- 
ções e retirar-se para a outra Inargem, ficando Artigas senhor 
exclusivo do paiz, com 0 seu outro adversario, Lecor, inactivo 
rln :\ Iontevidéo (2). 
o enviado Garcia ia, corntudo, mantendo 0 mais suave- 
nlente a boa intelligencia dos dous governos, 0 governo 
legitinlo do soberano absoluto de Portugal e Brazil e 0 go- 
verno não reconhecido das Provincias sublevadas e democra- 
ticamcnte organiLadas. Si eIn Buenos Ayres a contcnlplaçåo 
com os occupantes de lVlontevidéo era notoria, no Rio não 


(1) Ufilcio (le ::\I:ller de 30 ùe .\bril ùe 181R 
C.n Offil'io Ùt' l
laler ùe :!
. ù.e :\1a io ùe 18t K 


D. J. - 39 


, 



616 


DO)! JOÃO VI KO BRAZIL 


havia me::os notoria contemplaç
o conI os revolucionarios 
platino
. 
Al vear, expuls'O de Buenos Ayres, r,esidio trez annos no 
Rio fCill ser estorvado no mininIo, admittido até a beijar a 
mão do Rei, e quando para lá 'quiz voltar (e por signal que 
o não quizeram acolher), conseguindo illudir a prohibição 
de transportal-o dada por I\1aler ao c
,pitão da goleta fran- 
ceza La Célestf
 0 gov
rno portuguez nem deu resposta á 
nota èe Casa Flores, nlinistro da He
panha, que em vão 
se agitou 'para talher a ida do rebelde. Como de costunle 
Dam J oão dissimulou, ao fazer-se re1'erer.cia ao caso na con- 
versa que teve com 0 erlearregzdo de nego-cios de França 
n 'uma das 'Ilumerosissimas re:::epções do Paço, on de 0 beij a- 
mão solemne era frequentissimo, a proposito de tudo, com 
grande dcsespero do corpo diplomatic:o, ao qual semelhan- 
tes festas e tão repetidas agradavam poueo pdo calor, pelo 
tedio e scbretudo pclos gastos que acarretavam. 
Dando conta d"estes incidentes ao seu governo, A1aler 
se não podia conter de exclamar com trag
ca emphase (I): 
"Não hesito em avançar bem afoit
nle
te que as contempla- 
ções prodigalizadas a Buenos Ayres não teem limites, que 
nada me surpreher:d.e desde que se trate de proteger e com- 
prazer aos revolucionarics d'aquella cidade, e par fim que 0 
accordo reinante entre este paiz e os corypheus da ...L\.merica 
do SuI é ineoncebivel." 
A situação dos Portuguezes na Banda Oriental de 
facto não resultava tão critica, ou tão circumseripta a sua 
acção milit
r, quanta 0 queria fazer crer a insistencia dos 
agentes diplon1
ticos euruçeus no Bn:2il, addietos á causa da 
legitiæidade ou contr21-ios á expansf:.o portugueza. Em fins 


t 1) Offic!o (1(' n de :\la,io è.(\ 1818. 



1)031 JOIO VI KO BRAZIL 


617 


de 1817 era voz corre:
te enl 1Iontevidéo e no Rio que Arti- 
gas estava Goer..te, ar.::.eaçado de hydropisia, e no emtanto 
entregando-se 
eIrprc Ls cebid
s fortes, 0 que n1ais contribuia 
parJ. arrui'l12.r-I!:e 
 s
.ude. A sua popularidade correlativa- 
111ente caixa\"a, não ll:e permitticdo a e:1iermidade a nlesma 

ctividc:de de antes e n
o podcndo as SUâS hordas reslgnar-se 

 inercia. 


Em n:eiados de ISIS, :.1álGr rIo
rio confes::;a (I) que 
t. o pf"quenino reforço 'que ora se envia para preencher os 
lugares va:os por morte, ou cutros accidentes nas tropas 
portuguezes" (2) e constava de nada 'menos de trez nlil 
hOli1enS-nl2.is de metaèe do eHectivo primitivo ao entrár a 
força enl c
mp2nha-dominava de certo 1110do 0 territorio 
cisplatino. TinÌ1am-se os Portuguezes apoderado da antiga 
Calonia e de 
laldonado, posto guarnições ou pdo menos 
destac
mentos enl todos os pontos principaes até 0 Uruguay, 
e assenhor,eado do curso d'este rio com 0 estabelecinlento de 
barcas canhoneiras. N a foz do Uruguay conservavam eUes 
estacion

das duas emcarcações ligeiras, afóra 25 velas de 
todas as dimensões que cruzavam no Rio da Prata. 
f1.quelles destacamentos defensivos destinados a envol- 
ver Artigas e cortar-lhe qualquer communicação com Bue- 
nos Ayres e a margenl occidental do Prata, andavam for- 
mados pela divisão de veteranos portuguezes que 0 general 
Lecor teria tido instrucções de poupar quanta possive!: eram 
as tropas brazileiras de l\linas, São Paulo e Rio Grande que, 
ao mando do general Curado, batiam a ca:/lpr:.nha
 hosti- 
lizando e perseguindo 0 caudilho. Assim 0 informava Lecor 
n'um relatorio èe J UD.ho de 1818, mand2do ao conde de 


(1) Offic
o de' :W dr. .Junho dC' ] kl
. 
(:!) EXl>rl'
"õ('s da Xot:L do 
 'l'l'C'tario d'E
tado P.l'Z('l'l';l. de 9 
de Setcruùro <1(' lS17, aos .Ag!'DÍl'S ùa
 ciuro {Jotl'nclas m:"r1i
lll('ira::). 



618 


DO:M JOÃO VI NO BRAZIL 


Vianna, primeiro camar,ista de Dom J oão e ex-commandante 
da estação naval do Rio da Prata, para ser apresentado e lido 
ao Rei. 
Artigas, ao que presumia 0 general portuguez, teria 
então comsigo uns 700 homens, e como as disposições dos ha- 
bitantes .entravam a ser mais geralmente sympathicas aos 
occupadores á medida que se restringia a auctoridade do cau- 
dilho, eomeçava Lecor a tir.ar partido da mudança, forne- 
cendo armas áquelles habitantes e organizando-os em guerri- 
lhasa "Não nutro mais inquietações, escrevia textualmente 
o commandante em chefe da expedição, sobre 0 successo das 
minhas operações: 0 que mais me preoccupa neste momenta 
é a vig;ilancia dos Hespanhoes". (I) Suas palavras claramente 
significanl que era mais difficil de veneer na Banda Orien- 
tal 0 senti men to realista e n1etropolitano do que 0 revolucio- 
nario e naciona lista. 
Durante a occupação portugueza, nos annos correspon- 
dentes ao reinado am'ericano de DOTI1 J oão VI, esteve :\Ionte- 
vidéo bCln longe de permanecer tranquilla: sua situação foi 
antes de Ulna COBstante agitação, posta que mais surd a do 
que activa. Fervilhavam as conspirações de nlilitares e civis 
hespanhoes, de emigrados e agentes clandestinos de Buenos 
Ayres e de partidarios de Artigas, uns para restabelecerem 0 
antigo dominio castelhano, ou tros para levarenl a Banda 
()riental a fazer juncção com 0 côro de independencia 
progressivamente entoado por toda a America Hespanhola, 
outros ainda para lhe assegurareln a completa autonol11ia. 
Existem numerosas representações do Cabildo de 110n- 
tevidéo (2) insistindo por lnedidas de rigor, propondo de- 


(1) Rf'lat. cit. 


) _\rch. do )lin. r1as ReI. E
t. 



nO
l JOÃO VI NO BHAZIL 


619 


portaçõcs e justificando repressões, assim como existem nume- 
rosas notas do conde de Casa Flores protestando contra 0 
procedimento do general L'ecor de desterrar Hespanhoes 
amigos da Inetropole, "cxternando favor e consideração aos 
rebeldes, desprezando e vexando os seguidores fieis do Rei 
legitimo" . 
Os protestos de Casa Flores determinaram até a re- 
união, a 3 I de Agosto de 1820, na Secretaria dos N egocios 
Estrangeiros e da Guerra dos desembargadores do Paço 
:\Ionsenhor Almeida, Luiz J osé d-e 'Carvalho e l\lello e Paulo 
Fernandes Vianna, os quaes acharam e proclamaram que 
Lecor se houvera com muita moderação e prudencia, preten- 
dendo que taes 'perturbações da ordem publica se extinguis- 
sem e tratando de evitar 0 perigo de uma explosão. (I) 
Por seu lado 0 Cabildo de Montevidéo agachava-se 
diante do proconsul portuguez, exprimindo votos 
 formu- 
landa supplicas para que se COnSUmIl1aSSe a encorporação da 
Banda Oriental como provincia da monarchia portugueza, 
ao que 0 Rei não quiz acceder em 18 I g-quando as tentati- 
vas para semelhante fim se tornaram instantes-por temor 
da expedição de Cadiz, que era 0 que d'outra banda estava 
fortalecendo as esperanças e animando os esforços do partido 
hespanhol. 
Dom J oão VI estava mesmo resolvido a abandonar a sua 
conquista, resti tuindo a praça ao Cabildo, no caso de sahir 
para seu destino a projectada e tão annunciada expedição. 
A 2 de Dezembro de 18 I 9 expressava a corporação munici- 
pal de l'vlontevidéo, em face das circUJ11stancias, 0 seu pezar 
"por que no sea dado a un Rey j usto e benefico fixar en 
estos momentos el destino de un pueblo que Ie aclama y á 


(1) Ib
em. 



6
1ì 


D02\l JOÃO YI XO BRAZIL 


quien ha salva do de los furores de la anarchia". (I) 0 go- 
verno portuguez pcnsava comtudo, mesn10 tendo que eva- 
cuar lVlontevidéo, em aproveitar 0 cnsejo da occupação para 
propor ás auctoridê..des locaes a conclus2.o de urn tratado de 
lirnites, indubitavelmente no intuito de obter no terreno 
aquillo que entretanto n2.O lograva alcançar na Europa em 
prolongada e fadigosa negociação a sua diplomacia. (2) 
A progressão das armas portuguezas no anno de 1818 
certarn'ente produzio inquietação .ern Buenos Ayres, não lhe 
podendo s,er indifferente a posse pelos invaso
es da fronte-ira 
Colonia do Sacran1ento, cuja reivindiG
ção fôra objecto de 
tanta disputa anterior. N ada mais restava, porém, aos inde- 
pendentes, dilacerados ccn'!o andavam pelas discordias inter- 
nas e alL'eaçados pelos armam.entos de Cadiz, do que dissi- 
mularem a sua inlpressão e manterem-se quieí::os na expecta- 
tiva. Com 0 fim de se darem ares de cooperar na repressão 
da anarchia oriental C0111 os Portuguezes e animados pelos 
successos d'estes, mandaram entretanto os governantes de 
Buenos Ayres urn reforço de 700 hornens para São Pedro 
d'Entre-Rios, porventura para, sem quebra da boa visi- 
nhança apparente, tirarem ao gabinete do Rio 0 pretedo de 
mandar as força3 portuguezas atravessarem 0 Uruguay em 
perseguição dos rebeldes. a
sim alargando sua e
phera de 
acção militar. 
De facto a cordialidéide entre visinhos p
receu até 
accentuar-se, depois que 2S proscripções e deportaçÔes robus- 
tecer'am tem'porarizmente a posição de Pueyrredon e the pcr- 
mittiram menos rcserya nos 
eus plap03 de concilié::ção com 
a côrte portugueza, mais chegada ainda do que a cxistente. 


(1) Pa!wis a-Vll]SOS (10 .\1'('11. do :'.I:n, G

 Rr1. I":xt. 
(
) \ïc1e ('wpitu]o XYJJ. 



DO)! JO.ÃÜ YI KO BRAZIL 


621 


T"amcem no Brazil já 
e dissinlulava muito men os essa intel- 
ligencia, que dava origem a uma correspondencia muito 
activa, ao ponto de perguntar com arrogancia a 
laler unl 
hcrr.cm da confiança de Barca si elle ignorava que em Bue- 
nos Ayres existia urn partido portuguez ? (I) 
Indignado com que 0 director nos seus bandos procla- 
masse mandar 
occon'os ás populaçÖes subj ugadas da Banda 
Crier..tal, quando na verd"de estava antes sustentando cum 
suas n:me8Sé:S os oppressores d' essas populações, 0 reprcsen- 
tante da França citava em confirnlação da intimidade rei- 
nante 0 facto de, querendo rr:ostrar-se mais ligado ao Rei 
de Portugal e Brazil do que aos principios de independencia 
que pretendia professar, p.roi1unciar-se Pueyrredon aberta- 
metJte contra os âcontecimentos de Pernambuco. Os jornaes 
platinos guardaram silencio sorre 0 caso, e elle 0 classificou 
de revolta e rebellião, as mesmas expressões empregadas 
pelas peSS02S lea.es ao regimen monarchico. 
Até ao regres'3o de Dom J oão VI para a Europa os suc- 
cess os do Rio da Prata prose
uiraln repetindo-se com san- 
grenta monotonia, crescendo a sua gravidade com 0 alas- 
tramento contir.uo da desordem, de modo a justificarem a 
occuração portugueza, corroborando os motivos apregoados 
da interven,fio. Em 1820 vemos 0 auge do desvario politico 
n'essas regiëes. .As /;lOntoneraJ de Santa Fé bateranl as tro- 
pas de Buenos Ayres que Rondeau comnlandava, e as noti- 
cias chegadas ao Rio de Janeiro por esse tempo diziam achar- 
se Belgrano á frente do movimento regional e ter-se Pueyr- 
redon refugiado a bordo de uma corveta americana, estando :l 
çaminho da capital brazileira. 


(1) OrffiiCio de 10 de JUiD110 de 1817. 



ß2:! 


nUM JO.l\U VI NO :DHAZIL 


[)e positivo, a 23 de Fevereiro de 1820 finnava-se 0 

rmisticio donlC'stieo n 'ulna \onvenção assigna,da prlas ul ti- 
lllas auctorï.dades de Buenos Ayres conl as forç
s da Cfll/lj>flllha 
uruguaya e de Santa Fé que avançavall1, tendo adherido 
á causa frderaEsta 0 corpo portenho enviado, de accordu 
com a nova ori-en tação puI i tica adoptada, pa ra soccorrer A r- 
tigas e librrtar a Banda ()rirntal do dOll1inio portuguez. 
Foi 'então que a situação ('1111 Buenos Ayres sr tornOl) c\.trc- 
11lamente confusa, attingindo a peor anarchia. 
Quando, drpois òas festas C'ongratulatorias da reconci- 
'iaçån, se retiraranl os troços fedcraes, entrnu Bakarce na 
cidade co 111 200 hornens, proclamanòo, a 6 òe l\larço, a 
cnntra-revnlução. V oltaranl, pOrrOl, a Buenos Ayres os che- 
frs Ramirez e Lopez, fugindo Balcarce e reapparecendo 
Sarratea, CO'I11 querl1 Lecor trocOll saudações. Artig-as, aliás, 
na sua constante intransigcncia, não approvara a convenção 
de 23 de Feverciro. 0 caudilho foi conltudo obrigado a 
passar para 0 outro lado do U rugt:ay por motivo da defecção 
de Fructuoso Rivera com seus 400 homens, obra da corru- 
pção òe Lecor, cuja caInpanha parece haver toda sido mais ca- 
racterizada pelas intrigas politicas do que pela actividade mi- 
litar. 
De resto Dom J oão VI era 0 pÚmeiro a pref'erir os enre- 
dos ás pelejas, comtanto que se alcançasse 0 resultado vi- 
sado. A proposito do suborno de Fructuoso Rivera escrevia 
:\laler: uLe Roi en m'entretenant òe cet événement en 
parloit d'un air triom'phant et se plaisoit à louer la conduite 
de son général en chef". (I) 0 dinheiro de Lecor não :;ó 
na Randa Oriental se derranlava: tambem em Buenos Ayres 
se fazia ao mesmo tempo sentir sua influencia. 


(1) Officio de 3 de Maio de 1820. 



DUM JOÃO VI 1\U BHAZIL 


6
;
 


Al vear, sahido de 
lontevidéo conl dinheiro portuguez, 
( I) apoderou-se do conlmandante das forças portenhas 
Soler, que prendeu a bordo de navio surtu no porto, e do 
commando sahio a consolidar a sua auctoridaòe no campo, 
congregando em redor de si, 2000 hOlnens. Soler conseguio, 
todavia, recobrar 0 seu posta e incutir coragenl C'ln Sarra- 
tea, dcserta.ndo a gente de Alvear á n1eòida que se foranl 
esgotando os seus fundos e retirando-se afinal elle proprio 
protegido pelo chefe das bandos d'Entre-Rios Ralnirez, 
que assignara a convrnçào de 23 (Ie Fev't.'reiro COIn Buenos 
j\yre
, e .por seu lado estava ameaçada na sua provincia. 
() vento continuou no emtanto, COIn todo este descon- 
certo, a soprar decididanlente no sentido contrario á politica 
portugueza åe Pueyrredon, cuja queda Dom J oão VI deplo- 
rava enl conversação conl .:\laIcr, confiando enl todo caso, 
111aU grado a pronunciada hostili'darlr ao regresso d'cIle, que 
o director vol taria ao poder. 0 en viado Garcia foi retirado 
do Rio por' Sarratea, denunciando-o a Gaze/a de Buenos 
,] yrCJ con10 sllspeito de receber uma pensão annual de 30.000 
francos do governo portuguez. 0 mesmo orgão official, na 
sua como hoje a chamariamos campanha de imprensa, divul- 
gou entre outras peças a correspondencia do conego D. J osé 
Valentin GOInez, quando enviado confidencialmente a 
França, expondo a conducta do gabinete do Rio, e deu curso 
aos artigos addicionaes e secretos do armisticio de 181 I, até 
;llspender-se essa publicação, si dermos credito a l\laler, sob 
é. acção do ouro relnettido do Rio a Sarratea. (2) 
No torvelinho das sedições, desencadeado pelas facçõe
 
en 1 ucra, não tardou, tambem Sarratea em ser destituido por 


(1) Officio de Maler de 24 de l\Iai.Q- de 1820. 
(2) OUlcio de 26 de Maio de 1820. 


- 



6:!1 


nOlI JU...lu YI xu :DIL\ZIL 


Ar..chcrer.a e 
srl[.r-se a bordo do I em-us, emquanto á testa 
dos lIlontoncros Al vear e 0 refuglado d:ileno C,.r:ï.-e;-a amea- 
,ava/m a cida-de, que repellia as designi8s de mail do de .Alvear, 
tendo a 111u:ÚÓpalidadc, 1:0 exerclcio da auctorid
de s8berana, 
nom'eado commandéin
e provisorio 0 coronel Don-ego, que 
esrivera no Rio proscripto par Puevrredon. Alvear era auxi- 
liado pelåS hordas de San::a Fé, ao me
mo tempo que em 
Entre-RiGS 
e batianl j\.rtisas e Ramirez, secunclafldo a
ora 
Lecor 0 prime-ira, (I) certamente pOl' haver-s
 0 outro tor- 
nado Ina!S temivel. 
Batido enl San Nicolas por Dorrego, retirou-se Alvear 
para ::\Iontevidéo, n1as por seu turno foi aquelle, COllll11an- 
dante 'em chefe ainda e cacrindo Buenos Þ.yres COlll uma nova 
posição, surpreher.dido em Pavon, a I de Set
mbro
 por 
Lopez e Carrera á frente dos bandos de Santa Fé. Na cidade, 
faciI é de imaginar, reirava a desordem mais triste e n1ais 
ccmpleta, desavindo-
e e depois reconciliando-se Dorrego e 
o governador 
lartin Rodriguez, (2) succedendo-se pri- 
sões, proscripções e fuzilamer.tos. 
Entretanto chegava ao Rio de Janeiro, a 16 de Setem- 
bro de 1820, 0 brigue de guerra hespanhol A chilies, trazendo 
a bordo tres commis

rlos encarregados de estabelecer uma 
comp8sição entre a ce
rcpole e os dissidentes do Rio da 
Prata, onde 0 ultiæ.o projecto politico em germinação era 
o de fundar-se un.1a nionärchia constitucional em favor d, 
Principe de Lucca, casando-o com uma das Infantas portl- 
gueZ
tS, provavelmente Dona Isabel l\laria (3), de qUC'ITI u- 


(11 ('orr{'
p. de )Ia Ier. 
(:!) Foi )1:\ rtill Hod,rigUf\7, quem. como director, celchrou :J 24 
ùe Xon\mhro (](' ] S:!-I: a pa7, ('om 
antn Fé. 
(:
 I Xf
ci<lH a -! <1e .TnIll" de ]SOl. 



D<ßI JuIu \'] xu DUAZIL 


625 


.. 
:\.ernburgo escrevia ser "charrnante à tous égards et la pl:15 
accOlnplÏe de la f2mille Royale". ADorn J oão VI não pare- 
cia agradar muito esta scgunda suggestão, certamente porque 
nada lhe sorria na prirr.eira id
a, preoccupando-o saber pelo 
marqU'ez de Marialva que 0 duque de Richelieu, antici- 
pando-se de pouco tempo a Chateaubriand, approvava a 
iJéa de enthrcnizar urn Bourèon em Buenos .Piyres. 
o encargo dos comn1is8arios tampouco era de natu- 
reza a dar-lhe satisfação. "1
enho alGumas razões para crer, 
cscrevia :\Ialer, (1) que a Sua n1issão não foi lisonjeiraIl1'cntc 
encarada pela côrte do Brazil, pois que me tendo pergun- 
tado 0 Rei, alguns dias depois da cheg2da d"cUes, si os havia 
visto, respcndi liue não, 0 que e:-a a vcrd2.de, replicJndo-me 
entfo Sua :ðlajestade que por si não tinh:-t 0 n1enor desejo 
de vel-os e 2COillpc.nhando tal declaração de dcmonstrações 
muito expressivas". 
A situaç20 assim se prolongou, permanecendo os com- 
rnis
arios no Rio de Janeiro ,até sua partida a 8 de N oven1- 
bro, sem que os recebe
se 0 Rei. Tão infelizes aliás q:Je 
nem pUder2rTI desen1barcar em lV!ontevidéo, onde dOlninavam 
os Portuguezes, nem .em Buenos Ayres onde, apezar da funda 
perturbação social, não quizerarTI tr
t2r com quaesquer agen- 
tes he
lpanr.ocs, antes d'estes terem reconhecido a indepen- 
dencia das Provincias U nidat:. A propria Hespanha vi
-;;e 
então s2cuJida por forte estremecinlento politico, aUi cam- 
pcando outra vez a revoluçf!o, provcG
da pdo sini3trú <Òso- 
lutirn10 real. 
() levantmllento de Riego, rcsultado inesperado da de- 
cantada expedição de Cadiz, Ciue transformou a ameaça de 


111 Offi<'Ïo de 
!) r1r 
('1('mhl',1 (lr 1 
:!O. 


. 



6:!ô 


DO
1 JOÃO VI l\O BRAZIL 


recolonização n'um grito de liberdade nacional, para abafar 
o qual foi necessario recorrer aos soldados francezes, l,'rodu- 
zira até certo effeito em 
lontevidéo. 0 proconsul portu- 
guez j á não encontrava a mesma flexibilidade na submiss
 
municipalidade da capital da Banda Oriental, cuja oct:upa- 
ção no meio de tudo isso se tornara virtualmente defini- 
tiva. 



CAPITULO XVI 


A CÔRTE 00 RIO, a GABINETE DE MADRID E AS POTENCIAS 
MEOIANEIRAS OA EUROPA 


E' urn problema a resolver até que ponto a Hespanha e 
Portugal, rnesmo independente da pressão contraria das gran- 
des putencias, anciusas pela manutenção da legitimidade 111a" 
avessas á reabertura dos conflictos internacionaes armados, 
estariarn dispostos a levar a dissidencia uu contenda suscitada 
pela usurpaçãu de urn territorio contiguo aos dOlninios de 
uma d'aquellas nações, e que as circumstancias tinhail1 con- 
vertido n'UIn centro perigoso de agitação, d'onde até par- 
tiarn ataques contra os navios do paiz visinho, expostos a 
suppostos corsarios insurgentes. 
Em muitos casos da historia politica do mundo teem 
sido n1enores os Inotivos de intervenção. Em condiçães nor- 
maes a Hespanha indubitavelmente hostilizaria a expedição 
que viulava a sua soberania, mas esta não mais existia alli de 
facto. Por isso parece licito perguntar si a Hespanha no 
fundo não estaria de accordo, ou si era com indignação sin- 
cera que combatia a referida invasão portugueza; si, já meio 



G
d 


] >O}I JOÃO Y1 .xO BHAZIL 


descoro
o
.ua U
 1 ecupe.tar integro 0 seu inlperio colonial e 
por urn nlovimento que não estaria por certo muito nJ ca- 
racter nacional, não abria eIla mão da Banda Oriental crl 
troca de outras vantagens, a posse incontestada de Olivença 
e a alliança para suffocar as idéas liberaes na Peninsula; 
ou tamberll si, não tendo meios para se oppor além-rllar 
áquella intervenção armada da côrte do Rio, não esperava 
a Hespanha aproveitar-se depois, em proveito da corôa de 
Fernando VII, da ordem restabelecida e da destruição da in- 
dependencia de Buenos Ayres, n'este caso afigurando-se-lhe 
dever a guerra com as Provincias do Rio da Prata ser a con- 
sequencia fatal da expedição contra Artigas ? 
o matrimonio, no proprio anno de 1816, de C or:a 

laria Isabel e Dona :\"1aria Francisca de Assiz conl 0 Rei 
d' Hespanha e seu irmão, deveria indicar acharem-s'c as 
duas côrtes n'um pé de intimidade. Em Londres até se sup- 
puzera, por causa d'estes enlaces, ser a expedição fructo de 
urn ajuste secreto, mas depr.essa 0 conde de Fernan N uÎÍez, 
embaixador d'Hespanha, dissuadiu d'isso lord Castlereagh, 0 
qual recebeu com satisfacção 0 esclarecimento, porquanto a 
Inglaterra não considerava, como sabemos, a politica por- 
tugueza de imperialismo sul-americano com olhos favora- 
velS. 


Não só se arreceiava 0 governo brita'llnico de que 0 
Reino do Brazil adquirisse influencia excessiva no Novo 
:\;1 undo que pudesse de futuro vir a prej udicar os seus in- 
teresses commerciaes, COl110 antevia a estabilidade que a an- 
nexação da margem oriental, senão das duas margens do 
Rio da Prata, daria á côrte do Rio de Janeiro e nutria al- 
gum temor da absorpção pela Hcspanha da parte européa 



J 10:\1 .J()lO VI XO BHAZIL 


629 


da monarchia pvr
:l
:.leza. 0 equilibrio da Peninsula fica- 
ria ass:m èesmanch
_do e 0 vigor da Hespanha quiçá renas- 
ceria, resultados tão contrarios á politica britannica, essa 
união e cste fortalecimento da monarchia castelhana, que 


en1pre lhe provocariam os ciulnes. E' sab:dù cùn
o, para 
não perder sua influencia em l\Iadrid, hostilizou 0 gabi- 
nete de Saint James em telnpo de Luiz Felippe os celebres 
.:asamentos hespanhoes que ajudariam a expansão franceza, 
econOlnica e politica, além dos Pyreneu3, e consummariam 
a intima alliança das duas nações latinas urdida pOl' 
Luiz XIV. 
Os aconteciIl1entos dynasticos nem sempre actuanl e 
dirigem porém os acontecimentos politicos. A expedição 
p
rtugueza ao Rio da Prata, contra a qual nada poude 
a nova alliança de familia, lograria porventura ser vanta- 
josa ás pretenções restauradoras da I-Iespanha na America do 
SuI, cooperando para a primitiva unid6de colonial COIn ex- 
tinguir 0 féco de anarchia que se alastrava pOl' Entre-Rios 
e Corrientes para attingir 0 Paraná, e d'est'arte alimentava 
não pouco 0 espirito de desunião predominante em Buenos 
i\yre:;. 
A expedição não era todavia cmprehendida senão enl 
beneficia das velhas ambições portuguezas de integração do 
Brazil e, nlais do que com quaesquer designios que, mesmo 
benevolos, não podiatn ser duradouros, da H.espanha, con- 
tava COIn 0 cançaço no proprio Uru
uay, onde não pouca 
gente, farta .de vexames oriundos da rebcllião d'e contraban- 
distas e patriotas que já degenerara em razzias de bandido;, 
aspirava e de antemão cstava conl não inlporta que solução 
que trouxesse a pacificação. E, segundo testenlunhava Luc- 
cock em 1818, a acçãa brazileira foi salutar mcsmo sabre 



630 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


a indole dos habitantes, determinando maior doçura, posto 
que eUes jamais sentissem incIinação pelos novos dominado- 
res, de outro povo e de outra lingua. 
A justificação da intervenção adduzida pela côrte do 
Rio era precisamente que não possuindo a Hespanha, con- 
forme os factos estavam de sobejo provando, vigor nem 
prestigio para restabelecer a paz nas suas colonias rebelladas, 
pelo menos emquanto durasse a sua crise financeira e mi- 
litar, Portugal tinha forçosan1ente que assumir esse papel no 
que tocava ao Rio da Prata. Não the era permittido em boa 
politica consentir semelhante estado de cousas, vendo prohi- 
bido 0 seu commercio de fronteira e ameaçada a sua segu- 
rança interna pelas tropas indisciplinadas, em grande parte 
formadas de foragidos e criminosos, que obedeciam a Arti- 
gas, e não só faziam correrias no Rio Grande como planeja- 
vam alli excitar a re\'olta contra 0 governo de Dom J oão VI. 
A Hespanha retirava, pois, da repressão portugueza a 
n1cncionada positiva vantagem de ser posta cobro á anarchia 
quasi irremediavel já da Banda Oriental, e 0 gO
!l'rno pro- 
'visorio em que fallavam as proclamações Jo general Lecor 
COITIO devendo ser installado pelas forças da occupação, 
tendia a fazer geralmente crer que a intervenção portugueza 
se exercia de concerto expresso ou taci to com 0 gabinete de 

Iadrid. :\Iais tarde, quando ficasse decidida a questão entre 
a Hespanha e suas colonias, era idéa da côrte do Rio que se 
verificaria qual 0 governo de direito, não só de facto, ao 
qual se devia restituir 0 territorio occupado ou, muito mais 
provavelmente, com 0 qual cumpria negociar sua acquisição, 
pois que 0 Brazil não mais abriria mão, podia belTI con- 
jecturar-se, da posse da provincia Cisplatina, que tantos sa... 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


631 


crificios, dissabores e luctas custara ao governo de Lisboa 
e ia custar ao do Rio de Janeiro. 
Quando não partisse mais da Hespanha, a OppOSlçao 
partiria de Buenos Ayres. 0 governo das Provincias Unidas 
detestava no intimo a occupação estrangeira tão ao pé da 
porta que já the entrara em casa, pOl' territorio que de born 
direito julgava pertencer ao seu compos to organico. Não 
se reconciliava, mau grado as apparencias impostas pela ne- 
cessidade, com a idéa d'essa invasão, pol' mais que 0 certifi- 
cassem que as pretenções portuguezas á annexação de boa fé 
paravam no Uruguay e não se extendiam até 0 Paraná, e 
pOl' mais que se desculpasse a côrte do Rio com a impreterive1 
urgencia da defeza contra a propaganda revolucionaria e a 
invasão alei.vosa, sendo tornados, até se liquidar a situação da 
região, os pontos d'onde Artigas podia 1110lestar 0 Brazil. 
N en1 se podia ainJa Buenos Ayres resolver, con10 depoi
 
teve de fazel-o, a rcconhccer em absoluto a inJependcncia 
d'aquellr outro' fragn1ento do seu previo vice-reinado. Pun- 
gia 0 seu governo a recordação do que succeòera cinco annos 
antes, quando eln 181 I, levantado 0 sitio de l\lontevidéo 
diante da n1archa das forças portugucLas de fJ. Diogo Je 
Souza e concluido COIn 0 cOllunando da praça u annisticio 
que paralysou a acção do auxilio estrangeiro, 0 triulnvirato 
r,"cclltivo (cessara, COIn csta reducção de pessoal, 0 contrapeso 
incomrnudo Jos deputadus provinciaes que tinhalll forrnadu 
a Junta cunservadora) encarregara Belgrano e Echevarria 
de concluir'C1l1 a paz C0111 0 Paraguay, adrnittindo sua auto- 
nomia. Em vão esperara, poréln, Buenos Ayres que em troca 
de semelhante concessão, obtida sem condições pela sumrna 
habilidade de Francia, vogal da junta local, 0 novo governo 
do Paraguay aj udasse a causa C01l1mUIn, atacando de flanco 
D. J. - 40 



632 


DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


os domil:Íos de Dom J oão VI, ou creando pdo menos uma 
dive;-são Jirecta á attitude das tropas portuguezas que ti- 
nh
m invadido 0 territorio uruguayo (I). 
N ada consta entretanto de intelligencias entre as côrtes 
de lVladrid e do Rio de Janeiro, segundo as insinuavarn as 
gazetas inglezas do tempo, as suggeriam as proclamações 
instruidas pdo governo portuguez aos seus generaes e as 
enxerga possiveis a critica distante dos acontecimentos, ao 
examinar todos os aspectos da questão. 0 que consta são os 
passos officialmente dados pelo gabinete de Fernando VII, 
que dizem ter estado quasi disposto a recambiar 'por desforço 
as duas Infantas portuguezas, junto ás côrtes das cinco 
grandes potencias para protestar solemnemente contra a oc- 
cupação de parte das suas possessões no Rio da Prata e pedir 
o apoio d'ellas, como medianeiras, contra tão immoral ag- 
gressão. 
Foi 0 empenho em satisfazer esta exigencia, conside- 
rada justissima, da Hespanha, evitando ao mesmo tempo urn 
rompirnento que possivdmente da sua repercussão na Pe- 
ninsula se pro'Pagaria a outros pontos da Europa de facil 
conflagração, que determinou a nota ao marquez de Aguiar 
de 16 de l\larço de 1817, assignada em Pariz por Vincent, 
Richelieu, Stuart, Goltz e Pozzo di Borgo. As potencias 
representadas por estes homens d'Estado ou diplomatas- 
Austria, Fra:nça, Inglaterra, Prussia e Russia -, acceitando 
o papel de medianeiras, pediarn explicações ao governo por- 
tuguez sobre suas vistas e convidavam-no a tomar as medidas 
mais promptas e proprias para desvanecer as justas appre- 
hensões que a invasão em questão estava causando na Eu.. 
ropa. 


(1) )litre, HL"it. (Ie nr1gl"alln
 tomo II. 



DO:M JOÃO VI NO BRAZIL 


633 


Vma recusa não deixaria mais duvida sobre as inten- 
ções reaes de Portugal, a cujo governo seriam imputados 
com razão os desastrosos effeitos que pudessem advir a am- 
bos os hemispherios. "A Hespanha, dizia a nota, depois de 
ter visto toda a Europa applaudir 0 seu sabio e moderado 
comportamento, acharia na j ustiça da sua causa, e no apoio 
dos seus alliados, meios sufficientes para remediar seus ag- 


" 
gra vOS. 
Tambem para a côrte do Rio admittir mais explicita- 
mente, quando possivel, que a expcdição contra l\Iontevidéo 
fôra de algum modo e até certo ponto feita de connivencia 
com 0 governo de 
Iadrid, com 0 fim de atalhar os progres- 
sos da revolução ultramarina, traria como resultado con- 
citar contra 0 novo Reino americano todas as colonias hes- 
panholas revoltadas, j ustificando as prezas d.e navios portu- 
guezes que já entravam a ser f.eitas pelos corsarios do Rio 
da Prata e podiam ser obj eeto principal de corsarios das 
outras possessões belligerantes. Outrosim tornaria mais impo- 
pular a guerr
 cuja desculpa unica aos olhos dos Brazilei- 
ros residia no engrandecimento territorial que proporcio- 
naval 
Ern verdade teve 0 gabinete do Rio que defender di- 
plomaticamente, e com tenacidade igual á do ataque, 0 seu 
proceder contra a H'espanha e os alliados naturaes d'esta, 
fieis á causa do statu quo ante bellum com as variantes, henl 
entendido, introduzidas pelo Congresso de Vienna, e SYfD- 
pathicos em principio á recolonização da America Hespa- 
nhola. N a Europa se escrevia e se acreditava que 0 repre- 
sentante russo chegava a retirar-se do Brazil, en1 1817, sem 
se despedir do monarcha e seus ministros por não ter querido 
o governo portuguez attender ás suas representações aJver- 



634 


DO}! JOÃO VI NO TIRAZIL 


sas á invasào da Banda Oriental, onde a 20 de Janeiro d'a- 
queUe an no 0 general Lecor recebera as chaves de l\lontevi- 
déo, processionalmente trazidas pdo Cabildo. 
Assim expIicava verosimilmente 0 Corrcio BrazilinLJ'
' él 
retirada do ministro Pedro de Balk PoleH, que Ð\)Jl1 
J oão VI recebeu a 13 ,de l\laio de 1817 no s'eu novo ca'Tacter 
de elnbaixador determinado pela elevação do Principe R e- 
gente ao throno dos seus antepassados por motivo do falle- 
cinlento da Rainha Dona l\.Iaria 1. A segunda phase da 
Inissão <It' Balk PoieH foi, por outras razões (I), Inais des- 
agradavel e IneSlllO tenlpestuosa, mas é facto que a intinlidade 
cra então Inuito grande entre os gabinetes de São Prter-i- 
hurgo t' de 
Iad rid, contribuindo pur\'entura csta cÌrCUlll- 
stancia para levar 0 lllélU hUlllor do JipluIllata aos despropr)- 
situs que cUlnlnetteu. 
() go\'ernu hespanhol persuadira 0 Czar Alexandre qll
 
a causa da realeza na Alllerica era a cau
a de toda a Eu- 
ropa Inonarchica e ahsolutista, á qual tanto nlcnos podia 
cunVlr a independencia das colonias ibcricas quanto beln de- 
prcssa lugraria a sua scparação. transfonllar
se elll supre- 
Inacia, favorecidas ('01110 craIll aquel1as possessões pdo 
cl ima c pela fertilidade e riqucza do solo, ao ponto de ser 
para teiner que, segundo se não cançava de vaticinar 0 ab- 
hade de Pradt, para lá ellligrasscl11 da Europa a industria e 
as artcs. A intilnidade russO-heSlJanhola tinha todavia fUlJ- 
dal11entos, senão mais cunsistentes, Blais praticos do que Unlit 
nlera COnl1l1Unidade de vistas reaccionarias, Uln sentinlento de 
legitimidade solidaria. 
A Russia andava por esse tempo muito interessada na 
costa occidental da America do N orte e 0 boato correu de 


(1) Vide C3pitulo XXI. 



DO}! JOÃO VI NO BRAZIL 


6 <)- 
0)':> 


que, a troco de urn auxilio fornecido pelo Imperio para redu- 
zir as colonias insurgentes, estava a Hespanha disposta a 
ceder-Ihe 1linorca no lIediterraneo e as duas Californias, 
Alta e Baixa, no Novo l\Iundo. Não é possivel deixar de 
inlaginar que si isto houvesse occorrido, a face da terra se 
apresentaria hoje de algum modo differente: a Russia ha- 
ver-se-hia tornado uma potencia naval do 11editerraneo, con1 
a sua :\lalta, e os Estados Unidos não teriarn provavelmente 
podido adiantar-se até 0 Pacifico, pois que os Russos, em 
vcz de lhes venderem Alaska, se esforçarialn desde logo por 
Iigal
a pelo littoral COIn os seus novos dorninios mais ao suI, 
que são unla das poucas regiões deliciosas do planeta. 
Por seu lado, e attendendo mesrno á intinlidade russo- 
hespanhoIa, não queria 0 gabinete de Londres passar 
aos olhos do de l\ladrid por urn governo de má fé. J á sir 
Sidney Slnith defendera (I) sua attitude em promover os 
interesses platinos da Princeza do Brazil .pela necessidade 
politica de con\'encer a nação hespanhola, em cujo territorio 
se ia travar 0 duello anglo-francez, que a lnglaterra não 
rsposava no Velho l\lundo os direitos de Fcrnando VII, 
para intrigar no Novo eIn favor das pretenções portugue- 
zas ou das aspirações independentes. No dizer do alrnirante, 
collocar Dona Carlota J oaquina na Regencia era equivalente 
a respeitar e garantir os titulos do rnonarcha Iegitirno da 
Hespanha. 
N eIn era crivel que, tendo feito as pazes com a Hes- 
panha e cessado até de promover a separação de Buenos Ay- 
res em proveito proprio, se prestasse 0 governo britannico a 
fon1ental-a em beneficio do seu velho alliado portuguez, 
contentando-se n · urn justo egoisn10 com a perspectiva da 


(1) M ('1n0 ria-s ci1:. 



636 


DO
l JOÃO VI NO BRAZIL 


libcrdade de commercio que esperava alcançar como uma 
das r
compensas, porventura a melhor, da sua efficaz co- 
operação militar contra a invasão napoleonica. 
o gabinete de Saint James reprovou a primeira tenta- 
tiva de intervenção portugueza no Rio da Prata enl 1811, 
e não reprovou menos 0 segundo ensaio de 1816. Pelo con- 
trario, apezar de desenhar-se de novo claramente a espe- 
rança de uma final libertação das colonias sublevadas e dos 
interesses do commercio britannico j á se irem radicando com 
a franquia mercantil na pratica, a tentativa de reacção da 
metropole hespanhola encontrava em 1817 urn certo echo 
no mundo politico britannico. 
A volta do dOIninio hespanhol, COIn todos os seus ve- 
lhos processos, significava cOIntudo 0 restabelecimento dos 
nlonopo!ios, infenso ao trafico auspiciosamente encetado. Po- 
dia não se ter ainda crystallizado a politica ulterior de Can- 
ning, opposta á ingerencia das outras nações no conflicto 
por julgal-a attentatoria dos interesses politicos nacionaes, 
mas já ella se esboçava pela força dos eventos, superior á 
dos propositos. A neutralidade a principio affectada termina- 
ria a breve trecho pela intervenção franca e parcial em 
prol das novas nacionalidades, bastando para isto que a Grã 
Bretanha se separasse da Santa Alliança. 
Os Estados U nidos percebialn perfeitalnente a fatali- 
dade d'essa .evolução. 0 Secretario d'Estado John Quincy 
Adams assim se manifestava ao ministro no Brazil Thomas 
Sumter (I): "Pouca duvida ha de que a verdadeira po- 
litica da Grã Bretanha esteja em promove-r a causa dos 1n- 
dependentes, e si bem que os não aj udará por meio de urn 


(1) Dl'spadlO de 
7 de 
\.Q
st() de 1818. po Ar<;h. da Emùai
ada 
Americana DQ Bra
il, 



DUM JO.1o VI KO BRAZIL 


637 


reconhecimento publico, nem dará outro qualquer passo de 
que a Hespanha possa tomar offensa, vigiará com especial 
cuidado que a alliança européa não adopte contra dIes rne- 
dida alguma activa. Os agentes de Buenos Ayres e da NO'va 
Granada na lnglaterra endereçaram ao Governo Britannico 
protestos contra a interposição dos Alliados, a não ser sobre 
a base da total lndependencia das Colonias, os quaes são 
irrespondiveis tanto pclos argumentos de direito, COIno de 
facto; e as vistas da Grã Bretanha e da Russia acerca do 
que se deve fazer estão por forma tal distanciadas (are so 
'U.:idcly apart) 
 havendo tão pouco desejo ern qualquer dos 
lados de chegar a accordo sobre este ponto, que ncnhuma 
duvida pode existir de que 0 presente appello da Hespanha 
aos raios e coriscos dos Alliados termine em ou tra cousa a 
não ser em formal desapontamento." 
A identico fim estava votado 0 appello do gabincte 
de :\ladrid concernente á occupação portugueza da Banda 
Oriental, ainda que the não houvesse faltado sympathica 
correspondencia da parte das grandes potencias européas. 
Castlereagh respondeu com marcada benevolencia á nota de 
Fernan Nuñez de 17 de Dezembro de 1816 (I), annuindo 
á proposição hespanhola de interporem as côrtes alliadas 
seus bons officios afim de evitarem que estalasse a guerra, 
chamando Portugal á razão. Ao mesmo tempo e em confir- 
mação d' esta resposta, expedia 0 Foreign O.ffice ao consul 
geral encarregado de negocios no Rio urn despacho em que 
se dizia esperar a lnglaterra que as explicações portuguezas 
tornassem inutil a intervenção da Santa Alliança, eviden- 
ciando a lizura do proceder da côrte brazileira. 


(1) ,Castiereagh's LcttC't"s and Dcspa tCltC8, v.ol. XI. 


. 



63
 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


o que a lnglaterra affectava estranhar mats era 0 nle- 
thodo quasi clandestino adoptado pelo governo de Dom J oão, 
decidindo tão seria eÀpedição 
eln publicar sequer urn mani- 
festo exponclo ao I11undo os seus motivos de acção. COIn ef- 
feito a côrte do Rio participara apenas 111uito summaria- 
I11entc ás chancellarias hespanhola e britannica, enl 1Iaio c 
J unho de 18 1 5, que por 1110tivo dos progressos assustadores 
do espirito re\'olucionario nas provincias do Rio da Prata, 
lin1Ïtrophes do Brazil, J1landara 0 Principe Regente buscar 
lllna divisão do seu exercito de Portugal "para ser enlpre- 
gada na defensa cIos seus Estados na America." 
J\juntava Castlerca
h (I) clue si 0 proceder (10 goverllo 
portugucz resu 1tasse contrario aos direitos da l-f espanha e 
ás rclações e
istentes entre as d lias corôas, a Grã Bretanha 
retiraria a garantia da integridadr e independencia do Reino 
U nido de Portugal, Brazil e Algarves, contida no artigo I I I 
do tratado assignado enl Vienna a 22 de Janeiro de 18 1 5. 
SeI1l mesmo esperar a explicação alludida dos motivos da 
e\.pedição, devia 0 agente britannico no Rio representar com 
energia "sobre a illlPolitica e 0 perigo da resolução que 0 go- 
verno portuguez parecia ter adoptado." 
A annullação da garantia, intin1ada para 0 caso de sc 
slIscitar na F uropa U111a guerra entre Portugal e IIespanha, 
justificava-a 0 Foreign Office cOIn 0 fundamento .de que 
"nunca se podcria exigir que huma senlelhante garantia se 
aplicassc ás eventualidades de hunla guerra injusta111ente 
elnprehendida pelo governo portuguez" (2). 
Embora tivesse Palnlella espirituosamente ponderado 
em Londres de antenlão que "as garantias virião a ser lnu- 


(1) f)('
paf'llo de I!) de Vflzcrnuro de 18tfì, ibidem. 
(
) Officio rpservado do conde de P.l1mclla de 1 de Janeiro de 
1817, no Arch, do 
1Ï'n. das ReI. Ext. 



DOl\I JOÃO VI KO BRAZIL 


630 


teis se fos
e licito retiral-as todas as ye7eS que assim pare- 
cesse convir" (I), as instrucções mandadas a Chamberlain 
eram de "fazer officialmente a sobredita declaração" a menos 
que nào houve&.l;:e razão para crer Que tudo se arranjaria ami- 
gaveln1ente, casu em que deixaria de ser transmittida a amea- 
ça, celebre na historia das relações diplomaticas anglo-por- 
tuguezas. 
rrão seria pretendia a 
inleaça ser que a Hespanha 
d'('l1a recebia Sillluitanealnente aviso, ficando prevenida (2) 
ùe que a Grà Bretanha rellunciaria eventualn1C'nte á sua 
protecção de PortugaL Era 0 Inesmo que conceder ao gabi- 
Hete de \lad
id liberdadr de acção, e
cancarar-lhe 0 campo 
na parte occidental da Peninsula, convidar pratiCaIllente 0 
cooiçoso de senlpr
 á annexação do \'isinho, si apenas fosse 
sincera a permissão. De facto a lnglaterra não podia con- 
sentir enl tal conquista, par opposta dianwtralnlrnte aos seus 
interessf"s, e tanto que as reservas se seguiarll inlmediata- 
nlente: "Ao 111eSlno tempo S. E\.. D. J osé Pizarro não 
pode deixar de cOInprehendC'r que os direitos assegurados a 
Portugal pelos sells tratados COIn as Potrncias alliadas e"Xis- 
tirão elll toda sua força C'll1quanto durarrnl as negociaçães, 
0\1 ate? que 0 governo portugueL haja fornlahnente recusado 
acceder ás justas recIamaçães de S. 
1. C. E' de esperar que 
as dilig-enciéls da Grã Bretanha determinarão S. l\I. C. a 
não se arreùar da politica moùerada que até aqui a guiou, c 
a aguardar a solução da mediação, antes de recorrer a medi- 
das ameaçadoras e hostis." 
o encarregado de negocios britannico no Rio foi quem 
não aguardou instrucções para tomar acertadamente posição 


(1) Off. cit. 
(
) 
ota do marqu('
 de "'pll('s!f>Y a D. .Tost- Pizarro, ministro 
de estrangeiros ,de Fernando VII, de 5 dc J anciro de 1817. 



64fJ 


DO:àI JOÃO VI NO BRAZIL 


definida contra a expedição do SuI. "De Jell proprio impulso 
e sellt iflstrucçõeJ
 informava l\Ialer (I), protest0u contra a 
invasão actual, recebendo unla resposta evasiya e insignifi- 
cante." A 1 de Abril de 1817, dessatisfeito ('om a2 resposta3 
explicat:,'as dadas sabre a occupação da nlargem oriental do 
Prata, ChanTberlain levava a effeito a formal declaração de 
que 0 governo britannico r'enunciava á garantia dos dominios 
e estados sobre 'que reinava a Casa de Bragança. 
A garantia em qucstão era sem duvida preciosa, Inas a 
sua applicação não era tão sirnples quanto á pr;rll,e:ra vista 
parece. No velho Reino a animadversão aos Inglezes andava 
tão marcada que, no dizer das informações reservadas do 
consul geral Lesseps (2), 0 povo, apezar da calnla c indiffe- 
rença que distinguem essencialmente 0 moral portuguez, 
veria com maus olhos qualquer ensaio de desembarque de 
forças britannicas, mesmo sob pretexto e na intenção de 
defender 0 paiz contra aggressivos designios hespanhoes. as 
Inglezes tinham occupado Portugal por longo tempo ao 
sabor das ultimas occorrencias, e os inconvenientes de muitos 
generos que de tal occupação resultaram, estavam ainda 
demasiado frescos na memoria nacional para poderem dei- 
xar de produzir qualquer movimento reagente como 0 que 
já fermentava, e só esperava 0 contacto da fagulha incend:a- 
ria para fazer explosão. 
A tendencia anti-ingleza tanto se destacava que, mesmo 
no Rio, se tornara perceptivel. Escrevia I\Ialer (3) que no 
animo da côrte brazileira havia uma disposição para lançar 
sobre os Inglezes a culpa de quanta succedia, sendo uma 
especie de moda queixar-se do gabinete de Londres. "Tal 


(1) 'Ûfficio de 31 de Outubro de 1816. 
(2) 'Arch. do 
Iin. dos Xeg, Est. de 'Fran
a. 
(:J) Officio de:!3 de Dezembro de 1817. 



DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


641 


é 0 espirito au il11pulsão do momento: os Portuguezes podem 
impunemente descurar ou mesmo estragar seus proprios 
negocios: os Inglezes deveriam arranjar e concertar tudo a 
contento delles." 
Si a lnglaterra se mostrava infensa a Portugal na 
questão de l\:Iontevidéo, não espanta que muito mais assim 
se mostrasse 0 resto da Santa Alliança, que não anclava 
unido a elle por identicos laços. Fiel ao systema adoptado 
de appellar para as potencias antes de appellar para a força, 0 
governo hespanhol mandou 0 seu ernbaixador en1 Pariz, 
conde de Peralada, entregar ao duque de Richelieu, a 25 de 
Novembro de 1816, logo que a expedição foi divulgada em 
l\Iadrid, urn longo memorandum sobre 0 comportamento 
iniquo do gabinete do Rio. N'elle se denunciava 0 constante 
imperialismo de Portugal no Novo l\Iundo e se apontava 
para a sua recusa de associar seus esforços com os da Hes- 
panha afim de impedirem a constituição de urn estado inde- 
pendente e republicano paredes meias com a monarchia por- 
tugueza, preferindo esta executar sósinha a repressão. 
A' habilidade de Brito, que era grande, competia de- 
fender cabalmente em Pariz a attitude da sua côrte, e não 
se pode senão considerar valiosa a sua defeza. N a nota a 
Richelieu de 30 de Janeiro de 1817 (I) tratou elle de ex- 
plicar a impossibilidade moral em que se encontrava 0 go- 
verno portuguez de não reagir contra lllna propaganda anar- 
chista feita nas suas portas e que ameaçava. provocar os ha- 
bitantes á revolta e emancipar os escravos. Eram afinal puras 
medidas defensivas as empregadas, e a côrte do Rio ver-se- 
hia perdida diante do rancor dos insurgentes, sobretudo 
por julgarem-na coluiada com a de :\Iadrid, si não houvesse 


(1) .\rch, do )1in. dos X eg. E'st, de FraJ1ç;,a. 



642 


DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


congregado em redor de si os recwrsos precisos para cxtin- 
guir 0 incendio desmoralizador da revolução. "Taes são 
as circumstancias em que a lei suprema da salvação do Es- 
tado forçou 0 Rei Fidelissimo a agir prOIl1ptamente e com 
energia contra 0 inirl1igo das t!uas corôas J afim de que 
aquelle paiz entregue á anarchia e á destruição, abandonado 
seis annos ha pela Inetropole, se não converta n'um visinho 
ainda Inais perigoso, consolidando seus nleios de ataque e 
renovando no Brazil as scenas sangllinolrntas de São Do- 
n1Ïngos" (1). 
Havia d'ahi que conduir que 0 proceder do governo 
portuglleí' não era prej udicial, antes vantaju
o, aos in teres- 
ses do Rei Catholico, ClO nlesmo trIll po que mantinha e as- 
segura'"a a existencia social e politica do Brazil. ()ccllpar 
territorio suhtrahido ao dominio effectivo da Hespanlla, as- 
senhoreado pelo inimigo COrn1l1\II1I Jas duas corûas, não po- 
dia nem de\ria 
er considerado acto hostil contra aquella 
metropole. Ao Brazil nlesmo era ilnpraticavcl realizar a 
occupação 11lilitar da Inargenl esquerda do Rio da Prata en] 
I1Oll1e de Frrnando VII. senl attrahir contra si unla guerra 
geral da parte òos insurgrntes de raça hespanhola que ao 
longo eh' UHld. enorme fronteira, desde 0 Paraguay até a 
Guyana Hespanhola, e'i1\"olvi..,n1 a rnonarchia portugueza. 
"renninava Brito a sua nota conI esta bem cabida, 
quasi irreplicavel referencia á actividade da Santa AJ1iança: 
"() sol"erano portu
uez no cumprir un1 t!{''{'t'r que the iln- 
punha 0 interes
e dos seus Estados, e que' era 0 de levantar 
llIna barreira entre a anarchia dos paizes limitrophes e a 
tranquilJidade do Brazil, exerceu 0 rnesrno diráto de que 


(1) Xota cit. .\l'tigas dpdarara ('fff>cth"amcnte. com sua tlsuaI 
f> aggTf'

Î\'a jactancia, que 0 seu pIano inclllia prodl1zil' a revoIta do::; 
lll'gros do Brazil. 



DOM JOÃO VI NO 'BRAZIL 


643 


se teem valido em casos analogos as grandes potencias. Con- 
siderando nlais que por effeito da ultilna alliança essas po- 
tencias são com elle solidarias na extirpação dos principios 
revolucionarios, que infeliznlente depois de percorrerem 0 
hemi
pherio americano pOdelTI re
ressar á Europa, 0 referido 
soberano deve nutrir a 'esperança de achar nos seus Altos 
f\lliados outros tantos fiadores das suas intençães pacificas e 
da necessidade politica da expedição do Prata. A côrte de 
França, tendo presente a insurreição das colonias inglezas e 
suas fataes consequencias, será sem duvida a primeira a jus- 
tificar a politica do gabinete portuguez e a persuadir 0 de 

 I adrid de adoptar as nledidas rnais convenientes para re- 
Cllperar 0 completo dominio das suas colonias." 
N'outra nota de data posterior (I) \'oltava 0 rrpre- 
sentallte portuguez a explicar que os sublevados orientaes 
tinhaIll querido açular os indios c negros brazileiros á re- 
vulta, ao meSlno telllpO que cspecllladorcs estrangeiros in- 
troduzialll annas e rl1uniçõrs de 
uerra nos portos do Rio 
da Prata. N'esta nota Brito - 0 inCOIlUl1odo Brito, que 
Richelicu achava insupportavel pel as teimosas exigencias 
e 1Ialer c:\ccravel pelas infornlações peSSill1istas que Ininis- 
trava - apontava para a circulnstancia da expedição 
Io- 
rillo não ter por finl tido pOT destino 0 U,io da Prata, conlO 
uma prova mais da inconstancia do 
overno hespanhol e uma 
no\ a razão da pouca confiança que ao governo portuguez 
podia offerecrr cssa intervenção da metropole, que a atti- 
tude irreconciliavel e as correrias de Artigas tornaVaIl1 0 
mais urgen te. 
o encarregado de negocios inglez no Rio, observava 
Brito, protestara contra a expedição allegando que S. 1\1. 


(1) 
 de .Tunl1o dp 1817, ilJicLøm. 



644 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


Britannica fôra mediador e garante do armisticio de 1812 
(I) conl 0 governo de Buenos Ayres; mas Portugal não 
podia admittir semelhante protesto baseado sobre uma ga- 
rantia que nunca existira, tanto mais quanta todos os ou- 
tros motivos allegad03 na nota nlencionada de Chamberlain 
em caso algunl deveriam prevalecer sobre 0 direito malS sa- 
grado que havia, que era 0 da defeza dos .proprios Estados. 
Deixando esta tarefa a Portugal, a Hespanha pouparia es- 
forços e despezas em subjugar 0 territorio rebellado, cuja 
independencia Buenos Ayres reconhecera, hostilizando-o ape- 
nas porque Artigas, sem titulo nem eleição, alli se apode- 
rara ou tentava apoderar-se do 11lando supremo. 
No proseguimento da sua politica, que repudiava COIno 
sendo de conquista e sómente consentia em que fosse qua- 
lificada de resistencia dictada pelo instincto da conservação 
e horror á anarchia, 0 governo do Rio assegurava official- 
mente uma vez mais pela penna de Brito que, ao fazer oc- 
cupar por suas tropas 0 paiz situa'do á esquerda do Uruguay, 
o Rei não tinha tido outro fim senão 0 de abafar 0 espirito 
revolucionario n'ulna região limitrophe do Brazil. 1
omava 
uma linha natural de preservação para conserval-a até 0 dia 
em que a lucta entre as colonias hespanholas e a mãi patria 
estivesse terminada. 
Só então, restabelecido 0 socego, reclamaria S. IV1. Fi- 
delissima indemnização pelos prej uizos soHridos pelos seus 
subditos e compensação pelas despezas occasionadas por uma 
guerra determinada pela aggressão dos insurgentes e pela 


(1) Os armisticios foram dous: 0 de 20 de Outubl'o <1(' 1811, 
f'ntre Bueno,s Ayres' e l\Iontevidéo, pretC'lldpnùo est:) obrigar 0 Brazil. 
f' 0 de' 
 ùe .Tunho de lR12, pelo qual cOl1eordou Portugal na ret1rada 
das suas tropas. 



DO}! JOÃO VI NO BRAZIL 


645 


Incuna do ministerio hespanhol, pois que os proprios des- 
agradav,eis (fácheux) successos de Pernambuco se teriam 
evitado si a côrte de l\Iadrid houvesse agido de combinação 
com a do Rio para a pacificação das provincias rebel des da 
America. Apezar das j ustas reclamações que the seria licito 
apresentar contra a Hespanha, sobretudo por motivo da 
villa e termo de Olivença, que essa potencia retinha contra 
o voto solemne emittido no Congresso de Vi'enna por todos os 
soberanos, Portugal não visava comtudo a adquirir urn pe- 
nhor de tal restituição, e 0 Rei Fidelissimo nunca se recusa- 
ria a entrar eln accordo com 0 Rei .Catholico para ajustar 
as differenças levantadas e convir definitivamente n'uma 
linha de limites, que para 0 futuro evitasse entre as duas 
corôas, tão estreitamente ligadas, as continuadas dissensões 
que desde longo tempo se tinham creado (I). 
E' interessante ouvir a outra parte, como os mesmos 
factos serviam a argumentação contraria. N a circular diri- 
gida pela meSlna data quasi ( 2 ) aos ministros das poten- 
cias medianeiras, insistia Fernan N uñez no perigo que havia 
em transigir COIn 0 espirito revol
cionario que a Europa ta- 
manho trabalho tivera para debellar. Ora, a attitude de 
Portugal no Rio da Prata apenas servia de dar alento ao 
partido rebelde de l\Iontevidéo. "que já se achava muito 
enfraquecido e prestes a abrandar inteiramente. A invasão 
torn0:I-Se 0 melhor meio, rnais poderoso, de despertar 0 es- 
pirito dos sediciosos, e 0 povo que se achava fatigado, oppres- 
so (' debilitado, de novo se exacerbou vendo arvorar n'esses 
paizes pavilhões que the são extranhos e que tinha em horror, 


(1) Xota dt. de n de .Junho de 1817. 
C!) 
 <1t' Julho <1e 1817. 



61G 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


entregando-se por esse mesmo motivo e com novo ardor aos 
l11esmos excessos." 
Sciente d' esta execração, que não pedia licença para ma- 
nifestar-se, e no intuito de se sustentar é que 0 governo por- 
tuguez poupava 0 governo rebel de de Buenos Ayres, usando 
conl elle, no dizer do embaixador d'Hespanha, de considera- 
ções que são sómente devidas á auctoridade legitima. Em 
verdade a côrte do Rio conhecia j á a tendencia dos senti- 
01entos coloniaes e não procedia mais ás cegas, como D. Ro- 
drigo de Souza Coutinho com snas intimativas feitas ao 
desembarcar e que só serviranl para provocar 0 vivo orgulho 
da raça hespanhola. 
Em l\.Iarço de 1817 dcra-se a insurreição de Pernam- 
buco e tanto 0 gahinete de l\ladrid C0I110 as potencias media- 
neiras a quizeram á fina força relacionar com a occupação 
da Banda ()ricntal, attribuindo a possibilidade da sediç50 
á escassez no Brazil de tropas regulares produzida pela 
applicação no SuI da politica inlperialista de DOHl João VI. 
A sedição pernanlbucana proporcinou, na sua explicação, ell- 
sejo a Fernan :IS' uÎÍrz para urn rasgo de elnphase castc1hana 
que Fosse pautada por ulna subtile7a italiana. "0 estaJo 
de perturbação ern que presenternente se encontra uma parte 
do Brazil e cuj as consequencias podern resultar as mais 
. 
funestas, serve para provar altmnente a grandeza d'alma Jo 
Rei nleu Senhor e denlonstrar toda a generosidade de que 
eUe faz uso nas suas delibcrações: S. 'ðI. Catholica teln 
pressa de fazer conhecidos seus desejos de que as Potencias 
alliadas queiram conjunctamente occupar-se da urgente ne- 
cessidade 'que ha de destruir esse espirito revolucionario, 0 
qual compromette a segurança do Brazil e a do throno de 
S. IVI. Fidelissima, como igualmente se oppõe á felicidade de 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


G47 


todas essas bellas possessões pertencentes aos dous Sobe- 
ranos" (I). 
1
al de\'ia ser, a saber, castigar 0 espirito de rebeldia, 
o verdadeiro fim da grande confederação européa que pre- 
tendia reger os destinos do mundo, e como 0 episodio per- 
narnbucano viera bem a proposito reve1ar que aquelle espi- 
rito grassava en1 toda a parte, tanto mais urgindo anni- 
quilal-o, Fernan N Ullez astutamente fez menção de voltar 
contra Portugal 0 argumento de intervenção por pavor do 
contagio, para rematar sua circular: "0 Rei meu arr10, viva- 
mente commovido pelas desagradaveis noticias que the che- 
garam ultimamente e que permittem enxergar-se 0 pengo 
imminente em que se acha no Novo 1\.1 undo a monarchia 
portugueza, encarrega-me de fazer esta communicação ás 
Potencias alliadas para provocal-as a se concertarem entre si 
relati\ramente á necessidade e meios de conter essas desgra- 
ças que tendeln decididamente á destruição dos governos e 
ruina dos Estados." 
Como a Santa Alliança tinha por fito conhecido e razão 
de ser ostensiva 0 acabar no mundo com 0 virus republicano, 
é claro que a Hespanha por todos os meios se servia do es- 
pantalho revolucionario para enraizar 111ais funùo as syrn- 
pathia" da Europa pela sua causa, a causa por excellel\cia 
da legitinlidade e da reacçãu. No dizer n'este ponto algum 
tanto cxaggerado de 
Ialer (2), cedo não sc poderia 111ais 
respirar 0 ar du hemispherio austral sem ao 11leSlno te1l1pO 
se respirar os miaslnas da revolta, sendo 0 grande foeo 
pcstilencial a cidade 'de Buenos Ayres, pra7o-dado Jos sedi- 
ciosos aventureiros do mundo inteiro. 


(1) Cir.cular oit. no Arch. Jo 
Iln. ùos 
f'
, )i
st. de ll'ran
a. 


) Officio dè 30 de Junbo ut' I8IS, 


D. :I. - 41 



648 


DO:M JOÃO VI NO BRAZIL 


o que tinha 0 condão de levar ao auge a irritação do 
velho militar realista que a Restauração galardoara com urn 
posto diplomatico, era que entre os emigrados no Rio da 
Prata se contavam não poucos d'aquelles officiaes do grande 
exercito napoleonico, pelo novo regimen reduzidos ao meio 
soldo ou privados de todo soldo, que Balzac tão vigorosa- 
mente desenhou em romances seus, saudosos do passado, des- 
contentes do presente, esperançosos do porvir, promptos a 
batalharem sempre que se fallasse nos imlnortaes principios 
que 0 seu lmperador immortal symbolizara, absorvendo-os. 
lam esses militares para 0 Rio da Prata, ao que diziam en- 
tregar-se a explorações agricolas, de facto alistar-se a com- 
baterem pela liberdade de terras opprimidas. 
Os desertores eram ainda mais numerosos. "Penso já 
ter f.eito observar a V. Ex.
 que os navios que vão ao Rio da 
Prata perdem alli suas tripolações por effeito da deserção. 
As .embarcações francezas que entrain n'este porto, proce- 
dentes do Rio da Prata, trazem todas novas folhas de tripo- 
lação firmadas pelas auctoridades portuguezas de l\lontevi- 
déo, e outro tanto acontece com os navios inglezes. Cada dia 
urn novo enxame de mal intencionados vai pois avolumar a 
agglomeração, e 0 espirito de moderação do actual director 
Pueyrredon constitue uma fraca garantia contra as consequen- 
cias possiveis do mal de que dIe poderá bem vir a ser uma 
pas 'primeiras victimas" (I). 
Pelos diplomatas acreditados no Rio de Janeiro a me- 
diação das grandes potencias era considerada preciosa não 
só para chamar á ordem 0 discolo governo portuguez, como 
tambem para remendar 0 laço que unira á metropole hes- 
panhola as suas colonias, 0 Rio da Prata e Chile tanto 


(1) Officio cit. de )Ialer de 00 de Junho de 1818. 



DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


649 


quanta Nova Granada e Venezuela. Quando se fallava em 
restabelecer a auctoridade real no disperso e revolto imperio, 
logo se ajuntava, porém, que com algumas modificações 
indispensaveis. Fernando VII e Alexandre I eram porven- 
tura as unicas pessoas a julgarem possivel a recolonização 
pura e simples. As reflexões de 
laler são interessantes 
n'este ponto e dignas de divulgação, por trazerem estam- 
pada a imagem d'aquella opinião do nlundo diplomatico do 
Rio de Janeiro - 0 unico então da America do SuI-que, 
sendo conservadora, não 0 era em extremo. 
" Não existe a men or duvida, l\Iunsenhor, que mais se 
tardará em offerecer qualquer barreira ao espirito de inde- 
pendencia e a todas as illusões de que 0 sabem engalanar, 
tanto mais difficil e depressa impossivel se tornará arrancar 
as raizes profundas que the terão permittido desenvolver e 
firmar. Bastantes circumstancias e considerações existem 
que reuniriam uma parte da população d'estas provincias ao 
seu Rei si fossem ostensiva e sabiamente apoiadas pelas Po- 
tencias da Europa; acontece com as revoluções no Novo 
1\1 undo 0 mesmo que com as do Velho 1\.1 undo, é selnpre 
uma minoria facciosa que se guinda 'e arrasta e dirige a mul- 
tidão; ora a immoralidade, a versatilidade dos corypheus 
de Buenos Ayres, suas tramas e secretos conluios com a 
pequena côrte do Brazil, tudo emfim deve levar-nos a 
crer que, com auxilio, uma mão habil saberia facilmente 
fazer vacillar as opiniões d' esses chefes avidos e tirar van- 
tajoso partido da sua cobiça e ambição; por outro lado se 
está extremamente fatigadô de tantas inquietações, agitações 
e convulsões; pro post as conciliatorias sustentadas pel a me- 
diação das grandes Potencias européas promptamente da- 
riam animo e energia ao partido certamente mais nume- 



GJO 


DO:
I JOÃO VI 1:\0 BRAZIL 


roso. . . .. 11eu coração encerra todas as disposições para 
sentir vivanlente as scenas que por assim dizer lllC cercam, 
para deplorar a incapacidade dos generaes que tão mal ser- 
vem 0 Rei d'flespanha e 0 desatino dos seus subditos que 0 
atraiçoam. Não posso tambem. ver sem a rnais forte indigna- 
ção que a Côrte do Brazil tão ternamente unida ao Rei Fer- 
nando pelos laços mais sagrados, esquecendo sua propria 
dignidade e rnesmo seus verdadeiros interesses, queira apro- 
veitar-se de urn nlomento calamitoso; é 0 cumulo da Ioucura 
d'uma ambição injusta e irreflectida" (I). 
A mediação das gran des potencias, exercendo-se mesmo 
no sentido de unla reconciliação entre a Hespanha e suas 
colonias em via de emancipação, não podia ser unanime por- 
que não era generosa: dictavarn-na, apressando ou retar- 
dando sua acção, interesses diversos. Si á lnglaterra não 
sorna a extensão do poderio portuguez na America, tam- 
pouco Ihe havia de por identico motivo agradar a pacificação 
das possessões hespanholas mediante 0 restabelecimento da 
auctoridade da metropole. Tanto assim pensavam as demais 
putencias rnediadoras, que aconselhavam 0 gabinete de 1\ladrid 
dt', nu casu de 
Iontevidéo, acceler
r as negociações directas 
Lorn a côrte do Rio
 sob a egide Ja Santa Alliança, po is de 
outra forma daria talvez enseJo ao g;0\ erno britannico de 
entravar essa conlposição. 
A I nglaterra, sob a capa d a neutralidade, tinha esta- 
belecido relações COIn toJas as culunias rcvoltaJas, e si taes 
relações não eram ainda politicas,. de facto acarretavanl as 
nlesmas vantagens. Os c0111n1andantes dos navios de guerra 


(l) ()fficio de 1D de AlJril de 1817. 



nOl\f JOÃO VI NO DRAZIIJ 


6.')1 


cstacionados nos principaes portos da America Hespanhola e 
dependentes todos do nlesmo commodoro, fazianl as vezes de 
ronsules, intervindu para arranjar as questões entre nego- 
ciantes inglt'7es e auctoridades locaes, e regulando as rela- 
ções entre si dos subditos britannicos (I). 

xactanlente par comprehender que 0 irresistivel inte- 
resse da Grã Bretanha cOt"ria ein contrario da recolonização, 
r por perceber que 0 restabelecimcnto da união colonial pela 
influencia das potencias alliadas não poderia deixar de im- 
portar na pt'rda segura da opportunidade de reconstituir 
as rnesn1as ligações, pol iticas e administrativas, de outr'ora, 
incluido 0 prilnitivo monopolio da exploração economica, é 
que a Ht'spanha estava privada de cntrar enl quaesquer ne 6 0- 
ci::zções com decisão e franqucza, antes se sentia inclinada a 
usar de delnoras, tergiversações, rcsistencias e reticen- 
Clas, todos os expedientes n'uma palavra de urn sys- 
terna de dilação. Por isso, tardando a flespanha em declarar 
54 a adhesão ao projecto de pacificação das potencias media- 
neiras (2), aventou 0 governo francez a soIução de uma mo- 
narchia constitucional enl Buenos Ayres, COIno 0 melhor 
Ineio de repôr a ordem nas Provincias Unidas e fazer viavel 
uma conciliação, 
Offerece por todos os motivos curiosidade acompanhar 
na correspondencia diplomatica, espelho das opiniões dos 
circulos officiaes, 0 reflexo na America da marcha das ne- 
gociações na Europa, e verificar a forma por que no Rio 
de Janeiro ia sendo dada a pontuação aos despachos dos 


(1) Ca.ptaim Basil Hall, Extracts from a Journal writtcn on the 
cOflsf,q of (ylI1li, Perú, and Mcæi.co, in the ycm"s 18:..!O, 18
1, 18
2, Edin- 
hurgh, 1
24, vû!. I. 
(
) Offici{) de :!.\[ontmorcncy Laval a Richelieu, de 9 de Novem- 
l>ro de 1 SlS, no A l"ch. do 
Iin. dos N ego Est. de França. 


. 



6 -0 
,).... 


DO
I JOÃO VI NO BRAZIL 


gabinetes do \T elho 11 undo. Aliás não era a côrte portu- 
gueza a que Inenos se esforçava por prolongar a questão do 
Rio da Prata; 0 barão Pasquier até a accusava de ser a mais 
empenhada em tr{îner r affaire en longueur (I). 
a encarregado de negocios d'Hespanha, pelo que lhe 
tocava, seguira protestando sempre que a proposito vinha, 
contra a deslealdade de ser levantado nas cidades e praças 
occupadas na Banda Oriental 0 pavilhão portuguez, e contra 
a impropriedade da recepção dispensada no Rio aos depu- 
tados de llontevidéo, 'que tinham vindo apresentar seus votos 
e seguranças de fidelidade ao Rei, e aos quaes 0 conde da 
Barca não hesitou em conceder uma audiencia. 
No dizer de l\laler (2), 0 seu collega hespanhol du- 
vidava no decorrer da sua nota sobre este particular assum- 
pto, "affirmar 0 que the parecia mais offensivo e desarra- 
zoado, si a ousadia dos 'pretensos deputados, si 0 proceder do 
l\linistro que sem consideração pela sua propria elevada po- 
sição, se permittia receber e distinguir subditos rebeldes, 
facciosos, insultando com esta attitude a legação de S. :\1. 
Catholica. " 
Dom J oão VI foi acclamado Rei em :\lontevidéo no 
dia 7 de Abril de 1817, como 0 foi em todas as villas dos 
seus dominios, excepção feita do Rio de Janeiro e de Per- 
nambuco, por causa da revolução que ahi, na côrte e na pro- 
vincia rebelde, teve por effeito adiar a cerimonia. :\laler, in- 
dignado d'aquelle desplantr de uma acclamação em terra es- 
trangeira, assim convertida em terra lonquistada, nwis se 
enojava de encontrar no Paço, como vira com os seus pro- 


(1) np
pat'bo 3 )Ialrr de ::!:í c1p 
 ovemùro de 1S1
, Öidfm. 
(:!) Officio de 7 de -Abril de 1817. 



Dü
I JOÃÜ VI KO BRAZIL 


653 


prios olhos, os do us deputados de l\lontevidéo gosando da 
entrada na unica antecamara destinada ás pessoas notaveis 
pelo seu nascimento e condição. "C'est ainsi, exclamava elle 
( I) transido de horror ante essa quebra do tradicional privi- 
1egio, qu'on voit accueillir avec distinction des infâmes 
traîtres dans Ie palais des Rois." 
N a phrase do representante fra!1cez (2) as muit
s 
notas de reclamação do encarregado de negocios ViHalba 
eram bem redigidas porque se escreve sempre impressiva- 
mente quando se tern a j us
iça do seu lado, e tanto a tinha 0 
diplomata em questão que Palmella opinava - communi- 
cava 
Ialer sabel-o mui positivamente - ser impossivel res- 
ponder victoriosamente ás queixas da Hespanha. E' facto 
que Palmella e Saldanha da Gama, longe da influencia do 
im'perialismo de que se abrazara a côrte do Rio, sem aInor 
pessoal pelas gentes e cousas do Novo lVlundo, só enxer- 
gando os inconvenientes politicos da situação do ponto de vista 
europeu, pensavam sinceramente, si bem que se esforçando 
por cumprirem do melhor modo suas instrucçães, ser mais 
prudente evacuar Portugal a Banda Oriental do que correr 
os nscos de complicaçães de que elles sentiam de per to a 
ameaça. 
Tal não era porém 0 JUIZO de Dom J oão VI, tanto 
que experimentou 0 velho J oão Paulo Bezerra contestar por 
negação os articulados de Villalba. N a nota de 27 de 
Agosto de 181 7 (3) repete 0 successor de BaTca que 0 exer- 
cito portuguez occupava territorio que encontrara em estado 
de guerra e abandonado pelos Hespanhoes aos insurgentes 
na capitulação de l\lontevidéo. As potencias alliadas não 


(1) Offi('j() de:!;) de :\J.aio de 1
17. 
,(21 .()ffi('jo de 1 de .\gOHto dE' 1817. 
(3) .\rch. do )1in. da::; ReI. Ext. 



():14 


PUJ\J JuAO V J NO BRAZIL 


ti nhaln ein 1 g J -t- pedido perl1lissão a Lui/ X, II I, 0 sohe- 
I ana legitin1O, para invadirel11 a f'rança, Ilelll a pf'dira elll 
1815 Fernado VII quando, par occasião do regresso da ilha 
d' EI ha, fez suas tropas 111archarel11 sobrc n territorio fran- 
cez. 

:nl lluaIqllcr cresses casos 0 tcrritorio ft>ra senlprr' ("on- 
sidrracto ininligo. 
j\l
ll1 ct'isso, assa? se prodalnara tell1por,lria e prO\'I- 
!'oria a occllpação da Handa ()riental Iwlas tropas port I! 
guezas. SÓlnente á sOll1hra do sell pavilhão poderialll cstas 
tropas alli havcr penetrado, pois que nãu iaIll no caractf'T 
ell' alliadas (lU au\.iliares do Rei Catholico. .A,s intrnções do 
Rei Fidelissilno crmn de I acificar 0 ai 1 uei ido terri torio, ..it' 
accor-do cOIn a puhlicação do general eI11 chefe e as condições 
de entrega da praça de :\Iontcvidéo, d'est'arte pro\Tndo á 
segurança do Reino U nido, sem absolutamente pretender In- 
gerir-se na disputa entre a I-Iespanha e suas colonias. 
A liberdade de acção do nlonarcha bra7ileiro era corn- 
pleta no en tender de Bez.erra, pois que fôra vioIada em 1801 
a alliança defensiva de 1778, e 0 tratado de Rasiléa de 1795 
já anteriormente provara de sobejo a pouca conta el1l que enl 
:\Iadrid eram tidos os soccorros efficazes e generosos de Por- 
tugal; como igualmente provavam depois essa falta de con- 
sideração a escandalosa retenção de Olivença com seu tenno 
e a convenção do general Elio em 181 I co 111 a Junta de 
Buenos Ayres. 
o encarregado de negocios d' Hespanha não replicou 
au Secretario d'Estado com novos ou repizados argul11entos 
porque muito provavelmente sabia que 'estava para chegar 
urn ministro e nao teria empenho enl que a discussão se 
azedasse comsigo ITIeSmo: declarou apenas aguardar 0 ef- 


.1i...
 l
 . 



Vuu JOÃU VI 
O BRAZIL 


fi.3.3 


fcita da carta autographa do saberano portug-ueL; ao sobe- 
, 
rano he:-:panhol sobre a qucstão, estando tan1benl infornlado 
de achar-se rIla affecta ao nlais alto r ilnparci
ll tribunal, 
como era 0 das pntrncias t11edianeiras. e j ulgando não \"a1er 
C'ntretanto a pena, longe da tnrdiação e perto do conflicto, 
acirrar c desnaturar 0 debate. 
L('vantoll não obstantp lIma contradicção. fazendo nu- 
tal a l-irClun:,tancia c'\.traorrlinaria ÒO T11nnarcha pa1"lU
U(Z 
(onccòer amnistias a \ as
alIos estrangeiros, C01110 a q'le fÛl a 
prOc1é!mada pelo genera I Lecor; e pa ra não ficar atra,:
 en1 
materia de allll
õPs hi
toricas, (10 IlWSt1l0 telnpo indican(J n a 
aggra\ ante da prrmeditaçào 11.1 parte contraria, reletnhr
n 
que fôra 0 acto de projrctada aggressão da côrte do Rio de 
Janeiro contra as posscssõc
 hespanholas do Rio da Prara 
qne, com dctcnninar a \ inda cIa divisão auxiliar, in1pedira 
o contingentc portugueL; de tOl11ar parte "nos u1timos gIo- 
riosos acontecilnentos pelos quaes sc deu a paL; á Europa", 
a saber, na curta canlpanha culminada ern \Vaterloo. 
Os representantes das cinco potcncias tnediadoras pro- 
testar:un porr01 poucns dias rlrpois d'csta troca de notas, a 
() de Setemhro de 1817 (I), contra a remessa de novos r
- 
forços (2) para 1\1ontevidéo. emquaoto estivesse pendente a 
111ediação. Respondeu-Ihes collectivatnente Bezerra. pergun- 
tando si os reclamantes se achavanl especial e expressan1eote 


(1) 
'E'sta data 0 corpo diplomatico estrangeiro no Brazil !=:e 
:leha\';! maiR rp.duzido em nUIDero e crrtbegoria. Comprehe'ndia 0 mi- 
nistro da Prussia, Flemming. 0 f'ncar.l.egado de ncgocios d' Austria. 

{lYen, 0 da II t-'spanha, ViIIalba. e trfz consule
 gf'raf'S encarregados 
(If' negocio-; da França, Inglaterm e Russia. )laler, Chamberlain e yon 
Langsdorff. 0 ministro hespanhol Casa Flores cbpgou ao Rio. a boroo 
rlo paquf'te lnglez, a 17 de Sctembro de 1817 e 0 nuncio Marefoschi a 

7 de Outuhro. 
(
) Trrtav,a-sp do emharquf' elf' 
O() homens compll'omettirtos 
na revolução df' Pernarnhuco. 400 nf'gros livres, :í0 artilheiros e 1.000 
milieiano<; a ('avallo rla 'Provincia (In 
i'í() Paulo, 


\ 
r 
""-..... 
i 



636 


DO:M JOÃO VI NO BRAZIL 


auctorizados para exercerem semelhantes funcções de me- 
diadores junto ao governo portuguez? (I) 
Não tiveram os agentes estrangeiros outro remedio se. 
não responderem no dia immediato que não exigiam explica- 
ções, conforme parecera ao ministro: apenas tinham mani- 
festado que ficariam muito lisonjeados de receberem as que 
o gabinete do Rio j ulgasse conveniente dare elles pudessem 
transmittir; que não pensavam prevalecer-se do caracter de 
medianeiros, 0 qual só cabia aos seus soberanos respectivos, 
e não tinham feito mais na nota mencionada do que con- 
sultarem 0 dever imposto pela natureza mesma das suas 
funcções publicas e pelo espirito das suas instrucções; que 
estavam muito longe de suppor que a observação apresen- 
tada fosse de indole a affectar Olesmo indirectamente a 
Augusta Pessoa de S. :\Iagestade, e se abstinham de res- 
ponder ao convite de declaração da chancellaria portugueza 
por j á lhes haver anteriormente sido dado 0 ensejo de res- 
ponderem a tal pergunta. 
E' 0 que ern boa linguagem se pode chamar bater em 
retirada, e a resolução era acertada visto que, por traz de 
Bezerra, facilmente se adivinhava que estava 0 Rei com sua 
maliciosa e obstinada bonhomia. Bezerra andava pelo estado 
physico reduzido a uma nullidade, com que se não devia 
contar. J ustamente por esse tempo escrevia 
Ialer para Pariz 
(2) que a saude do ministro de estrangeiros continuava 
sem'pre no estado mais lastimoso (pitoJ'able) e que, tendo-o 


(I) 
\ resposta de Bezerl'a COIDf'
aYa da segninte forma: "Sua 
l\I.tgestaK1(' via com a mayor f'stranhf'za e vivo desgosto a Nota rece- 
hidn, e ainda quP não a'dmittp a latitude e generalidade qne K S. e 
K S. 1\1. 
Ices. pretendpID dar á refel'ida mediação..." (Arch. do 
Min. dos 'Xeg. Est. de Fr
mça). 
(:!) Officio de 1 de .\go
to de 1817. 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


657 


procurado cinco vezes, mesmo porque não podia louvar-se 
de algumas respostas que recebera, ainda 0 não conseguira 
ver. 


Pelo contrario 0 representante francez via com fre- 
quencia Dom J oão VI, que sempre 0 acolhia com muita bon- 
clade e que, mostrando invariavelmente nas suas conversa- 
ções desconfiar do gabinete de Madrid, dos soldados hespa- 
nhoes e da possibilidade de Fernando VII recobrar suas 
possessões, não menos invariavelmente se mostrava incli- 
nado a não abrir mão da B,anda Oriental, mostrando tão 
sómente receio de ter que vir a brigar com Buenos Ayres, 
com cujo governo queria viver em perfeita paz (I). 
Tanto menos devia 0 governo portuguez fraquear 
diante das ameaças de mediação, local ou distante, quanta a 
attitude assumida 'Pelas grandes potencias da Europa na 
questão do Rio da Prata causara grande sensação em Buenos 
Ayres. Director, Congresso e funccionarios publicos no geral 
tinham recebido a noticia, ao que se dizia com pezar; com 
sentimento hostil 0 povo, pois que mediação em taes condi- 
ções quasi equivalia a intervenção. Aliás á chegada das 
novas do promettido auxilio russo á Hespanha, mandou 0 
director que toda a população se exercesse 0 mais activa- 
mente no manejo das armas e se entregasse a evoluções mi- 
litares, de sorte que a cidade se converteu n'um acampamento. 
Vma humilhação imposta a Portugal podia outrosim 
dar occasião a uma mudança nas disposições que para com 
o g:ahinete do Rio mostrava Pueyrredon, "cuja auctoridade 
então se finnava e consolidava, tornando-se cada dia mais 
difficil derrubal-o e supplantal-o, trabalhando elle muito e 


(1) Co'-resp, àe )Ialer, no Arch. do 
Iin. dos 
eg. Est. de 
França. 



6,jS 


IUn! JU\O rr 1'0 nrL\ZlJ.J 



Ú pudendo sua popularidade crescente intin1idar seus ad, 
ver
arios" (I). 
Até ahi, verdade é que continuara a reinar a hoa intçlli- 
g-encia constanterncnte observada pdo director e correspon- 
dida por Donl João VI. Tudn comprova esta harmonia sen1 
discrepancia, podenòa e:\enlplifical-a unl pequeno facto entre 
ou tro
. ,"ulgar occorrencÎa de guerra (2). l'1'e7 officiars c 
trinta e un1 officiaes subalternos, prisioneiros de Artigas, con- 
seg:uiram apoderar-sc de unla goleta ancorada perto da Inar- 
grIll do lJ ruguay, COI11 arnlas e 111uniçães do c
,ud ilho, e csca- 
param-se. Naveg:ando COlll rllmo a 
Iontevirléo, foi a goleta 
dctiòa ein canlillho por UIll con.:ariu portcnho que carregou 
os prisioneiros para Buenos A
 res, ollde 0 director os acolheu 
fa\"oraveltnente, soccorrendo-os c 11lantlando tralbportal-os 
n \lnl tins seus navios rara a praça oC'cupada pelos Portugue- 
zrs, COll1 designios tão as
entes de permanencia que a estavanl 
até fortificando. Cheguu 0 director, pela reclamação do ge- 
neral Lecor, a fazer entrega da carga conlO justa preLa dos 
e\'adidos, con
ervando apenas a goleta, por ser prop1 iedadr 
de unl individuo de Buenos Ayres. " 
Ir. Pueyrredon, não 
dei xava .:\Ialer a opportuni dade de cornlnentar (3), fait tou t 
ce qui depend dr lui pour être consideré comme un voisin 
cOI1unode, d'hurneur douce et conciliante." 
Por seu laclo não afagava a côrte do Rio nlais dilecto 
intento do que vir a celebrar uma alliança corn Buenos Ay- 
res, desistindo 0 governo portenho das suas pretrnções sobre a 
Il1<Jrgenl oriental do Prata e promettendo Portugal unir-se ás 
Provincias U nidas afinl de conlbater qualquer expedição 
hespanhola que 
e afoutas
e atr e
sas paragens. ()
 partidario
 


(1) Officio d a )[aler de :?S de _\,g'u
to de 1817, 
(:!) G(f
'('f(l do Rio de Jallf it'o. .\
osto de 1817. 
{:;) Officio de :W de .\gosto de 1817. 



DOM JOÂO VI NO BRAZIL 


659 


da legitimidade eram pelas circumstancias considerados os 
peores inimigos do soberano legitin10 de Portugal e Brazil. 
Uma carta recebida de 
Iontevidéo pOl' l\Ialer e annexada á 
sua correspondencia official denunciava por esse tempo as 
lnuitas arbitr2ried
des, violencias e mesmo aggressões, com- 
lnettidas pelos Portuguezes contra os FfTnandistas. Para ar- 
rai
ar a occupação, as terras da corôa hespanhola eram, ao 
(ontr
rio, livremente distribuidas pel os uruguayos que re- 
negavam 0 partido de Artigas, e pelos soldados portuguezes 
e subditos brazileiros que tinham ido no encalço da inva- 
são (I). 
Não admira que en1 condições taes fossem constantes 
as trocas de cortezias entre 0 Rio e Buenos Ayres, sendo 
até pelo governo portuguez mandados admittir em l\lonte- 
vidéo os navios portenhos ostentando 0 pavilhão rebelde. 
Este estado de equilibrio affectivo era no emtanto instavel e 
com muita razão observava l\laler que a morte mesrna de 
Artigas, ainda que livrando 0 Brazil de urn inimigo poderoso, 
não silnplificaria a situação, antes a difficultaria, approxi- 
mando as populações irmãs das duas margens do Prata, que 
urn lnal entendido politico separava sem ser ainda definitiva a 
scisão, e dando origen1 a uma perigosa ri
alidade internacio- 
nal que, entre outras ra.l..ões, a anarchia produzida pdo cau- 
dilho sustava naquel1a occasiào e impedia de aggravar-se. 
Us acontecirnentos "ieram a pro\ ar que 0 encarregado 
de negocios de França sr não engana va nas suas apreciações: 
c.lepois de desapparecido 0 obice de Artigas e de consolidada a 
independencia argrntina, foi que a questão de l\10ntevidéo se 
enyenenou, conduzindu á guerra de 1825. Nem sequer tar- 
dou lnuito que as hoas disposições argentinas, tão apregoadas, 


ll) Halllll'lm
lDn, Ot'
l'hic7tte con BrasiUtm.., 



660 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


fossem sendo praticamente deslnentidas por factos e de outra 
banda mal correspondidas, tornando-se menos e menos fra- 
ternaes as relaçães. 
A côrte do Rio queixava-se de que em Buenos Ayres 
entrasse a circular Uln periodico con tendo diatribes contra 0 
governo do Brazil, a par do elogio dos martyres da liberdade 
pernambucana. Queixava-se Pueyrredon directamente ao ge- 
neral Lecor, dando simultaneamente curso a esta queixa 
nos seus jornaes, que fosse dada permissão de residencia 
e de conspiração em 
1ontevidéo a discolos e adversarios dos 
governos de facto da America Hespanhola, norma de pro- 
ceder tanto mais irritante quanta enl Buenos Ayres a opinião 
tendia cada vez mais accentuadamente para a 'emancipação 
irreductivel. 
A' ordem de Pueyrredon foi 0 agente portuguez Bar- 
roso presQ ern Buenos Ayres sob a accusação de ,entreter e pro- 
teger a correspondencia dos facciosos congregados em 1\1on- 
tevidéo com os seus cumplices da outra margem. U ns e ou- 
tros agitavam a já de si desassocegada vida politica das Pro- 
vincias U nidas, intrigando, conspirando, espalhando pam- 
phletos incendiarios impressos em l\10ntevidéo, provocando 
dissensões sangrentas, para tudo isto se aproveitando de 
andar entre as tropas de Buenos Ayres 0 soldo sempre atra- 
zado pOl' defrontarem corn 0 governo os cofres publicos 
vaslOS. 
Protestou Lecor contra esta, como a chamou, quebra 
do direito das gentes e obteve a soltura de Barroso, com or- 
dem, porém, de sahir de Buenos Ayres, pelo que se recolheu 
o agente secreto a l\1ontevidéo, onde Ihe deram 0 cOlnmando 
da flotilha do Uruguay (I). A expedição de Cadiz tolhia de 


(1) ,Corresp. de )Ialpl' no .tl
ch. do )Iin. ,dos Neg. Est. de h"ranç:a. 



DO}! JOÃO VI NO BRAZIL 


661 


certo modo os movimento'S dos elementos em presença, impe- 
dindo a desconfiança de degenerar no Rio da Prata em con- 
Ricto agudo entre Portugal e Buenos Ayres. 
Estes famosos armamentos militares e navaes desem- 
penharam urn papel notabilissimo na historia psychologica 
do tempo: infundiram tantos ou mais receios do que a In- 
vencivel Armada. Em Portugal e ilhas adjacentes chegou a 
haver quasi panico. Yarias familias da l\ladeira foram, as- 
sustadas, refugiar-se em Lisboa ao expedir a Regencia do 
Reino ordem de apromptar-se a def.eza d'essa ilha e bem 
assirn das dos Açores e Cabo Y.erde, transportaodo-se para 0 
interior das terras tudo quanto fosse mercadoria depositada 
na Alfandega ou objecto precioso existente nas habita- 
ções (I). 
Tarnbem no Rio, quando a gente do paquete inglez en- 
trada a 6 de J ulho de 1818 contou ter avistado na bahia de 
Teneriffe uma esquadra hespanhola que transportava quatro 
a cinco mil hamens de desembarque, reinou grande susto 
entre 0 povo, chegando a cammoção ao Rei e seus 
linistros, 
que ficaram anciosos. Convoca
am-se a conselho os officiaes 
generaes mais experimentados; interrogou-se 0 ministro da 
Hespanha, que disse nada saber e muito provavelmente igno- 
rava tudo; expediram-se navios para Santa Catharina e para 
l\Iontevidéo com soldadas e munições de guerra (2). De 
resto, Angeja - urn mavorcio rnarquez a quem l\larrocos 
con
para n'UlTIa de suas cartas (3) ao homem de ferro da 
pracissão de Corpus Christi "all 0 Centurio convertido na 
du Enterro, pais nelle tudo era o1etal, e até trazia a banda 


(1) Officio ,do consul gf'ral Le:-;seps, de 14 de Junho de 1818, 
i1Jir1rHl. 
(
) officio de :Maler Ùp HJ de Juillo de J.81
. 
(::) ICarta no Pai d(' In do' )[aio de 1813. 



.. 
J 


662 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


c 0 boldrié ml1ito ábaixo das verilhas" - e Barbacena esta- 
yam a esse tempo de viagem assentada para Europa, sob 
pretexto de irem tomar aguas, na rralidade, como era voz 
pública, para buscarem mais regimentos portuguezes, uns 
tres a quatro mil homens que 0 velho Reino cedia de mau 
grado ao imperialismo brazileiro em acção. 
Tanto, porém, se fallon nos arman1entos de Cadiz que 
por fim j á a ninguem infundiam medo. Enl Portugal, 
quando com mais calma os reputaram de verdade destinados 
á America H'espanhola, e entrou en1 jogo 0 affectado menos- 
prezo do Portuguez pelo visinho, deixou de lavrar 0 receio de 
qualquer ataque castelhano. "Os armament os de Cadiz, 
rscre\; ia Lesseps para Pariz (I), não fazem agora aqui maior 
impressão do que si fossem intentados para atacar os Chins." 
No Rio de Janeiro, si não havia tanta, sirnulava-se 
un1a quanta tranquillidade. Conversando com Maler (2), 0 
Rei taxou os armamentos de exaggerados pelos jornaes in- 
glezes, mas 0 governo não abrandava de facto sua actividade 
ll1ilitar, n1andando recrutar novos corp os de milicias, fazer 
reconhecinlentos, guarnecer as fortalezas da costa e pro\'er 
a outros urgencias defensivas. A lnaior difficuldade estava na 
nlarinha, pela faita de pessoal, tornando-se :tté por este 1110- 
tivo Ì1npossi\'el equipar varios navios a Uln ten1po. 0 serviço 
n1aritirI10, l11al ren1uprrado, era nluito pouco procurado, nle- 
lhor dito rvitado, r, corno se não contavarn nUl11erosos, antes 
escassos os na\'ios 111ercantes, faltava então COlno hoje 0 na- 
tural viveiro dos 111arillhciros para os na\'ios de guerra. J. \s 
en1barcaçõrs de cabotagenl f'rnpregaV:lll1 escra\'os corno tri- 
polantes. 


ft 


(1) Officio cifraùo ùe 3 de Mar<:o ùe lR.19. 
(2) Officio de IG ùe ..Tulho de 1819. 



D011 JOÃO V[ NO BRAZIL 


liG:
 


Em Portugal 0 pagamento não era melhor nem muito 
Inalor a inclinação pelo serviço, sendo forçado 0 recruta- 
mento, mas ainda assim apparecia nlenor a mingua de gente, 
posta que fosse tão grande a miseria naval alii que, segundo 

s infonnações nlandadas por Lrsseps (I), unl ('orsario d
 
Artigas, nlais prrcisamrntc unl corsario amcricano cOIn pa- 
vilhão oriental, armado de 2-+ canhões e tripolado por 200 
homrns, fundeara durante dias consecutivos na barra de 
Lishoa quasi sob 0 fugo do forte de São J ulião da Barra, ao 
passo que outro cruzava ao largo e trez nlais .estacionavam 
no cabo de São Vicente, entregando-se todos á commoda e 
lucrativa pilhagen1 lias navios que iam do Brazil. 
11aler duvidava comtudo da sinceridade dos esforços 
hrllicas da côrte do Rio no sentido da defe7a contra lInl 
ataque hespanhol. "'[udo quanto até aqui se fez, escrevia 
cUe ao marquez Dessolles (2), só póde ser considerado conlO 
uma apparencia de querer fazer alguma cousa, e eu, en1- 
quanto não vir armar os navios todos e eonstruir barcas ea- 
nhoneiras, persisto em pensar que 0 governo brazileiro julga 
impossivel a ehegada a estas paragens da expedição de 
Cadiz. " 
A irresolução tinha de facto mais poder do que 0 re- 
eeio, mas n' este caso a razão principal residia em que na pro- 
pria I-Iespanha os armamentos de Cadiz já quasi tinhan1 dei- 
xado de interessar a opinião. Por isso mesnlO mais curio<;o é 
de observar que de repente entrararn elles a inspirar novo
 
temores no Brazil e no Rio da Prata. Em Outubro de 18 I 9 
conf.essava Dom J oão VI aereditar na vinda proxima da ex- 
pedição, generalizando-sc sua inquietação ao ponto de l\laler 


(1) Officio cifrado de 3 de .F'evereiro de 1819. 
(2) Officio de 25 de Julho de 181.9. 


D. J. - 42 



ßß4 


DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


entrar igualrr..ente a acreditar na realidade das apprehensõe; 
officiaes. Em Buenos Ayres faziam-se, entretanto, maiores 
preparativos de defeza e grassava irritação contra a França, 
a Inglaterra e a Hollanda por haver constado que a Hes- 
panha fretara d'essas nações navios para transporte Jas tropas 
da fan10sa por nunca realizada expedição. 
o mais interessante é que, ao passo que com seus protes- 
tos I110via a Europa contra a occupação da Banda Oriental 
pelas forças portuguezas e ostentava seus preparos de re- 
conquista da America Platina, a Hespanha, pela voz do seu 
ministro no Rio, protestava tambeIl1 contra a evacuação do 
territorio. Cas a Flores itnplorava quasi que 0 exercito de 
Lecor não abandonasse l\Iontevidéo, entregando-a inerme 
aos revoltosos e facciosos que alIi pullulavall1 e andavam 
contidos por aquellas forças d,isciplinadas, que os itnpedimll 
de Il1anifestarem seus instinctos sanguinarios. 
Os partidarios 10Cé
es de Fernando VII crail1 os priillei- 
ros a supplicar isso com fervor. De l\lontevidéo dirigian1-se 
ao representante no Brazil da sua metropole não esquecida, 
jurando que a anarchia attingiria na cidade uruguaya os 
ultimos limites si a retirada das tropas portuguezas tivesse 
lugar antes da chegada da expedição de Cadiz. Os boatos 
eram, com effeito, tão espalhados e tão repetidos de quc a 
praça seria despejada á noticia ria aPþroximm;ão da armada 
hespanhola, que deviam em toda probabilidade repousar 
sobre aIguma cousa de real. Contava-se que parte da artilhe- 
ria pesada da defeza já fôra remettida para 0 Rio, e l\Ialer, 
ao fazer-se para Pariz echo dos rumores, informava que estes 
Ihe chegavam pelas cartas que recebia de :\Iontevidéo 
mesmo (I). 


(1) Officio de 14 ðC' Xovembro de 1819, 



DO)I JOÃO VI NO BRAZIL 


Gß.j 


o pIano constava ser, quando estivesse a expedição para 
chegar, entregar 0 general Lecor a cidade que occupava ao 
seu Cabildo, unde vingavam os elementos revolucionarios, 
e deixar a Hespanha arranjar-se sósinha com a colonia re- 
voltada, a qual estaria d'essa forma pratÎCaIl1ente gosando 
da independencia por que suspÎrava. A expedição fìcaria 
assim privada - visto não ser crivel que l\lontevidéo se lhe 
rendesse graciosamente - de un1 ponto de apoio, urn porto 
de aguada e refresco, e uma praça situada na entrada do es- 
tuario cujo don1inio ia a metropole reivindicar. 
A Buenos Ayres não podia, pois, ser senão agradavel 
o alvitre, desmentindo as desconf,ianças anti-brazileiras que 
tratavam de dissen1inar os elementos mais exaltados. Para 
Portugal é evidente que as vantagens resultavam obvias 
e muitas: poupava-se a un1 conflicto armado com a Hespa- 
nha, antipathico ao concerto europeu e que podia determinar 
na Peninsula amargas consequencias; inutilizava a tão pre- 
parada intervenção para reconquista, á qual faltaria uma 
base de operações; impunha-se á confìança das Provincias 
U nidas e conquistava a gratidão de 
lontevidéo, facultando- 
lhe Ulna autonomia radical que a diplomacia suasoria da 
côrte do Rio trataria mais tarde de converter n'uma reen- 
corporação, denunciando e especulando com 0 perigo de uma 
absorpção da parte de Buenos Ayres. 
A' Hespanha era que não podia convir 0 jogo e par 
isso intimava Casa Flores ao gabinete portuguez (I), que 
a este incumbia a 'policia do territorio occupado. "Cabe a Sua 
l\Iagestade Fidelissima manter e conservar a tranquillidade 
e segurança das pessoas e bens d'esses habitantes até que, 


(1) 
otns de 1 e de ;) de Xovl'mhro de 181H. no .\rch. do :\lin, 
das ReI. Ext. 



6úG 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


estando aj ustadas as desavenças entre as duas côrtes de 
Hespanha e de Portugal, se proceda a executar 0 que houver 
sido combinado." A advertencia do diplomata hespanhol 
dava d'este modo completa razão á argumentação dos pI.enipo- 
tenciarios portuguezes na Europa, sobretudo depois que 
Palmella collocara a questão sobre os fundamentos de uma 
mais habil dialectica, Lonseguindo transformar por inteiro a 
attitude dos representantes das potencias nledianeiras inves- 
tidos das suas funcções quasi arbitraes, a qual passou de sym- 
pathica á Hespanha a ser srmpathica a Portugal. 
Como Casa Flores reclamasse uma resposta decisi va e 
satisfactoria, Thon1az Antonio, que geria a pasta dos N e- 
gocios Estrangeiros, a deu nluito geitosa (1), pondo enl 
relevo aquella justiça que por fim 
e via assistir a diplomacia 
portugueza, e no mais taxando de imaginarios os ten10res 
manifestados nas duas notas hespanholas. Os proprios legiti- 
mistas da Banda Oriental eram que e
palhavam boatos ater- 
radores e, naturalmente envaidados com a proxima chegada 
da real expedição, chegavan1 a provocar os soldados portu- 
guezes, que por esse tempo estavam ligando seus movimentos 
para atacarem 0 acampamento de Artigas eIll Pas
o de 
Arenas e a villa do Coelho (2). 
A actividade bellica das du
s parcialidades permanecera 
bastante adormecida até então n'esse an no de 1819, conser- 
vando
se os Portuguezes como que entorpecidos nas suas po- 
siçães e acantonamentos (3) e Artigas parado no mesmo 
quartel-general de Ervidero (onde se encontrava quando 
Lecor abrio a campanha de 1816), depois de se ter sangrado 
para fomentar a rebellião e pelejar enl Santa Fé contra Bue- 


(1) Xota de 8 ùe Xovembro de 1819, ibidem. 
(:!) ('orre;;;p. dp 
Iàler, no Arch, do :Min. dos Neg. Est, de Fr:ln
a. 
t3) Officio tIp 
Ialer <Ie 
:o de :\Iarço de 1819. 



nO:\f JOÃO VI NO RRAZIL 


667 


nos Ayres, n'un1 apoio systematico do espirito provincial em 
rebelde desafio ao centralismo unitario. 
A approximação de Artigas produzio todavia 0 resul- 
tado contrario da celebração de urn armisticio entre a ca- 
pital das Pro vinci as Unidas e os insurgentes de Santa Fé 
como preliminar da pacifìcação geral, para tratar da qual se 
aguardavam os deputados que 0 caudilho se compromettera 
a mandar. A publicação simultanea em Buenos Ayres da 
Constituição das Provincias U nidas arredava de vez 0 pro- 
jecto de Garcia de sujeição ao Brazil, e até a politica de boa 
visinhança cara a Pueyrredon recebia urn duro golpe com a 
resignação do director, a quem substituio Rondeau, nascido 
eln :\Iontevidéo e filho de Francez (I). 
Contra Rondeau logo entrou a intrigar Sarratea, 
mesmo a melO dos preparativos de defeza contra a decan- 
tada expedição de Cadiz. Entretanto, pelo fim do anno, de- 
vorado pdo ciume autonomista, 0 caudilho uruguayo tern1i- 
nava 0 simulacro das suas negociaçães de São Lourenço, se- 
questrando todas as mercadorias e propriedades de cidadãos 
de Buenos Ayres que se encontravam na margem oriental do 
Prata, e congregando na baixada de Santa Fé, por um no- 
taveJ esforço, do us mil e quatrocentos hOlnens sob as ordens 
do seu immediato Ramirez, afim de recomeçar a guerra con.. 
tra 0 governo das Provincias Unidas (2). 
Desde 18 I 8, comtudo, que l\rlaler dava como critica a 
situação de Artigas, a qual teria sido desesperada, segundo 
a opinião do Correia Brazilicnse, si não fosse a falta de 


(1) .\ rnudanc;a no alto pessoal governativo de Buenos Ayr
s 
fol communicada a Lecor por rne:nsageiro especial, urn tenf'nte-coronel 
de artilhel'ia, e transrnittida aDorn J.oào VI em cllrtas que lervou um 
1ilavio adrede des.paùhado para 0 Rio. 
(2) Corresp. de 
raler, no Arch. do 
Hn. dos Neg. Est. de Fr..rmça. 



668 


DOl\I JOÃO VI KO BRAZIL 


postos ao longo do Rio da Prata até a foz do Uruguay e 
pela lTIargem d'.este rio acima até ás :\Iissões, quando não pelo 
Paraná; tanto para obstarem ás irrupções das pequenas par- 
tidas de rebel des, como para forçarcm Artigas, sob pena de 
se ver cortado en1 suas comlnunicações, a retirar-se para a 
outra banda do rio. 
A partir de certo tempo, poréln, estava de preferencia 0 
interesse com a discussão diplomatica do que con1 as opera- 
ções militares. Fizera-se evidente que, COlli os factores em 
acção, estas j á não alterariam mais 0 resultado alcançado: a 
Banda Oriental prestes passaria a ser a Provincia Cisplatina 
cIa monarchia portugueza. 0 debate politico offerecia no 
errltanto ensejo para raras virtuosidades de argurnentaçãc 
que, si não conseguia ser decisiva, offerecia, pelo men os, 
muito maior seducção. 
A logica do desembargador Thornaz Antonio espraia- 
va-se, já com urn tom festivo, na sua referida nota ao minis- 
tro d'Hespanha: "Sendo singular que de Buenos Ayres pro- 
testão que S. 1\1. F. não deixe a Praça: os do Cabildo e vi- 
sinhos instão pelo mesrno: e S. S.
 agora tarnbem declara 
os sentimentos dos Espanhoes; tendo todos 0 temor, de qur 
as Tropas Portuguezas se retirem; e vem a ser só na Europa 
por fatalidade onde se suppõe, que a occupação he hurna vio- 
lencia, e não hum beneficio. . . . . " 
Respondendo directamente á increpação de acalentar a 
côrte do Rio designios de formal annexação do territorio 
occupado, ajunta\/a 0 ministro de Dom João VI: "Entre- 
tanto pode 0 abaixo assignado asseverar a S. S.
 que S. 
1. F. 
nw tern nenhum Tratado secreta, nem j
mais 0 tern per- 
mittido aos seus l\Iinistros. Que tendo procurado com a sua 



DO}! JOÃO VI NO BRAZIL 


669 


occupação 0 fim de socegar aquelles Habitantes, não as ha 
de desanlparar, nem deixar em anarchia" (I). 
A replica de Casa Flores é de 18 do mesmo mez de 
N ovembro (2) e colloca a questão nos seus verdadeiros ter- 
Inos para 0 governo hespanhol: "0 geral dos habitantes 
d' essa digna cidade C
Iontevidéo), cùjos sentimentos de fi- 
delidade ao seu soberano legitimo são bem conhecidos, mesmo 
quando se acham reprimidos pela facção sediciosa, solicita 
que as forças portuguezas os não abandonem sem defesa ao 
furor e ás intrigas dos revolucionarios; mas não .deseja e não 
pede que a praça não seja restituida ás auctoridades que 0 
seu Augusto Soberano destinar para tal fim. Por identica 
razão esse é igualnlente 0 desejo dos Hespanhoes como S. Ex.1!- 
os denomina, sem que seja passivel perceber por todo 0 se
 
guimento da Nota de que classe de Hespanhoes se trata, po is 
que tados seus habitantes são hespanhoes, excepção feita dos 
farasteiros que alli res idem. " 
A cantenção hespanhola fora aliás constante para que a 
côrte do Rio conviesse em que the competia devol ver a colo- 
nia dominada pelas armas portuguezas, logo que a exigisse 
o monarcha que tradicionalmente sabre ella exercia sua ju- 
risdicção. A nota de D. J osé Pizarro, ministro dos negocios 
estrangeiros de Fernando VII, ás cinco potencias medianei- 
ras, em data de 20 de N ovembro de 1817 (3), tratara ex- 
plicita e demoradamente d'este ponto, par elle qualificado 
de eixo da questão. Eram as seguintes suas palavras: "A 
entrega au não entrega do territorio pade bem ser urn facto, 
mas a faculdade de occupal-o e a prompta annuencia no de- 
volvel-o são verdadeiros direitos, au então urn facto legal 


(1) Xota cit, dp 8 de 
ovemibro de 1819. 
I 2) Arch. do ::\Iin, das Rei. Ext. 
(3) \Papeis avulsos, no Arch. do ::\Iin. dàS ReI. Ext. 


- 



670 


DOM JOÃO VI KO BRAZIL 


e indivisivel. 0 gabinete hespanhol não Iograria comprehea- 
der 0 valor de uma propriedade e de uma soberania, cujo 
exercicio pudesse ser tornado condicional. . .. Vma devolu- 
ção de territorio sem a declaração de sorerania seria na ver- 
dade alguma cousa de effectivo: deixaria porém a posse 
n'um vago, n'uma ince-rteza penosa e perigosa aos olhos da 
j ustiça, e da mesma forma uma soberania sem a previa se- 
gurança da devoIução ou da posse por effeito da reclama- 
ção do legitimo soberano, Ulna soberania cuja funcção fosse 
ainda objecto de duvida, em que restaria 0 que discutir e 
estivesse dependente da acceitação ou recusa das condiçães 
apresentadas da parte de quem não é 0 sober
no e a quelTI 
cabe devolver 0 territorio, seria, para começar, urn contra- 
senso incompativel com a 
ssencia da propria soberania: não 
condiria com a linha de dignidade das duas Altas Partes, 
e deixaria 0 fundo da questão n'uma situação ainda mais 
intricada e arriscada do que 0 estava antes." 
Desde 1817 no em tanto, tinham as cousas mud ado bas- 
tante de aspecto, e a questão de l\lontevidéo, resolvida de 
facto pela invasào portugueza, estava em fins de 1819 ago- 
nisante para 0 gabinete de l\Iadrid, quando mesmo elle a 
quizesse disputar á morte, e agonisante tambem para os legi- 
timistas e nacionalistas do V ruguay, quando mesmo uns e 
outros the quizessem insufflar nova vida. 
A atmosphcra diplomatica na côrte portugueza tinha-se 
visivelmente desannuviado com a chegada ao Rio, a 24 de 
Outubro de 1819, do ministro 1"'hornton, com caracter pro- 
visorio de cnlbaixador (I). 0 J nglez como que trouxera 


(1) No mesmo anno, a 23 de Setpmbro, chegara de Falmouth, 
I]I
 p:l(Juete inglf>z, 0 novu enc
{rrega(lo de negucios da Austria ::;\13- 
r ps cbf111, parf1 811hstituir 0 barão de :Xpvpn, falle('Ïflo df' lima pleur('
ia 
c ent('rraclo a 
G ùe Fevcreiro (re
sc unno de 1St!), 



DO)I JOÃO YI KO BRAZIL 


671 


comsigo 0 reflexo do magnetismo exercido pOl' Palmella 
sobre 0 gabinete britannico. Em Londres e no continente tra- 
tara 0 plenipotenciario portuguez de fazer descarregar seln 
estrepito nen1 estragos a electricidade accumulada no hori- 
zonte politico, felizlnente mais circumscripto do que 0 h(,ri- 
zonte cosmico, e magicamente alcançara que no firmamento 
europeu se desenhasse para 0 seu paiz 0 arco-iris da concordia 
internacional. 
Os representantes estrangeiros no Brazil, que todos 
andavam beliscando 0 gabinete do Rio, tiveram que mudar 
correlativamente de modo, e a transição determinou-a 0 novo 
ministro inglez com a decisão propria da diplomacia britan- 
nica. Quando os demais ministros e encarregados de negocios 
trataram de se agrupar em redor de Casa Flores para intima- 
rem, no sentido das conveniencias hespanholas, que a eva- 
cuação de 
lontevidéo antes da chegada da expedição de 
Cadiz constituiria uma anticipação dos resultados das nego- 
ciações em andamento na Europa e portanto envolvia uma 
falta de consideração ás potencias medianeiras, recusou 
1"hornton associar-se á manifestação collectiva. 
Não fazendo de resto mais do que applicar as maximas 
anteriores da politica do seu governo, avessa a annexações 
portuguezas e sympathica á libertação colonial do trafico 
commercial, elle declarou não cOlnprehender porque havia 
de srr 0 acto da evacuação mal interpretado pelas referidas 
potencias, tanto nlais quanto as negociações na Europa com- 
portava01 tantas delongas, não parecenòo razoavel que 
d'ellas ficasse inteiramente dependente 0 andamento lo- 
cal dus negocios. Além de que qualquer acção diploma- 
tica collectiva, concertada no Rio, presuppunha de facto 
e com certeza a maneira pela qual as potencias maiores 



6 -0 

... 


DO::\I JOÃO VI KO ERAZIL 


enraranam afinal e definitivan1ente a questão, nenhuma ra- 
zão existia que devesse impedir os Portuguezes de reporem 
as cousas no primitivo estado, si tal era sua vontade. 0 Bra- 
zil, observava ainda 0 ministro britannico, estava na obriga- 
ção de ter com a republica de Buenos Ayres as conten1pla- 
ções que Ihe suggerisse a politica, e 0 plenipotenciario portu- 
guez em Pariz reconhecera os erros commettidos pdo seu 
governo em to do esse negocio: nada mais j us to do que pe;- 
mittir a occasião de serem elies reparados. 
o ministro russo Thuyll ponderou na reunião que en- 
tregar a praça occupada aos inimigos de S. 
I. Catholica etn 
vez de entregal
a ás forças de S. 11. Catholica, era post jul- 
gar
 não þrejulgar as cousas, mas Thornton se não deixou 
convencer e persistiu na sua attitude, 0 que levou seu collega 
a dizer depois que 0 embaixador de S. 1\1. Britannica pare- 
cia tel' em mente que uma guarnição ingleza poderia perfei- 
tamente substituir en1 :\lontevidéo a guarnição portugueza 
até a chegada das forças hespanholas. E não estava com isto 
Thuyll muito longe de acertar, si bem que não fosse de na- 
tureza a enganar potencia alguma a razão, aventada para 
tal caso eventualmente, de mais depressa clever uma guarni- 
ção ingleza entregar a praça occupada ao seu legitimo sobe- 
rano, man tendo entrementes 'a ordem, motivo de todas as 
preoccu pações. 
Os partidarios da antiga metropole continuavam a agi- 
tar-se na E.anda Oriental, pois que informava eI1tão l\Ialer 
( I) que Lecor fizera entrar em l\Iontevidéo trez regimentos 
e prender 110 realistas, entre elies officiaes superiores, con- 
duzindo-os para bordo de urn transporte portuguez que os 
levou para Santa Catharina. A violencia tinha de certo por 


(1) Officio de 1S de Dezemhro ùe 1S1!). 



DO
I JOÃO VI KO BRAZIL 


673 


firn ceder, no caso de evacuação do territorio pel as tropas 
portuguezas, 0 campo livre aos rebeldes afim de se installa- 
rem no poder sem receios. Lecor era 0 primeiro mesmo a 
mandar dizer que a lista dos presos fôra organizada pelo 
Cabildo, de parcialidade revoltosa. 
A' nota de queixa de Casa Flores respondeu Thomaz 
Antonio que 0 Rei dera orden1 de carregar de novo os ac- 
cusados para 
Iontevidéo, no intuito de serem ouvidos e jul- 
gados por urn conselho de guerra, ficando sujeita ao rnonar- 
cha a deliberação do tribunal militar e dando-se ao governa- 
dor de Santa Catharina faculdade para conceder áquelles 
que 0 desejassern, permissão de virem para 0 Rio de Janeiro. 
,0 manifesto é que, quando as grandes potencias tives- 
sem continuado a sustentar a Hespanha, 0 gabinete de l\Ia- 
drid pouca vontade exhibia de entrar n'uma lucta armada 
com Portugal, que elle bem sabia ser mais forte na Ame- 
rica, onde assentara pernlanencia a rllonarchia. Tampouco 
ignorava 0 governo hespan'hol que a côrte do Rio podia van- 
tajosamente responder no Novo 
I undo a qualquer ataque 
rastelhano na Peninsula: bastava-Ihe favorecer material- 
mente a elnancipação de todas as colonias sublevadas, pen- 
dente ainda 0 desenlace do conflicto. 
Comprehendia no emtanto 0 gabinete de 
Iadrid que 
este desforço não estaria no interesse do regimen monar- 
chico, que a côrte do Rio era unica a encarnar na America 
(I) ; por conseguinte que a vingança corria 0 risco de red un- 
dar no proprio prejuizo de quem assinl a exercesse. Tão 
bem presentia aliás Dom J oão VI 0 perigo do contagio que, 



 I) "I'ur moio ò'pl]p I F:I--Rpi do Drazil), f'scrC'via 0 ahhaòf' dE' 
Pr::dt, prpspl'VOU a Rf'alpza n:l. America urn pDnto de npoio, com urn 
l'ppl'p.spntantp; e os thronos da Europa lhe d
ypm, 0 não haVel'eID aU 
pel'dido toda a simill1ança de suas instituiçoens." 



fj74 


DUM JOÃO VI :KO :BRAZIL 


mesmo antes da revolução de 1817 the dar 0 rebate e de- 
monstrar que sua presença no paiz não constituia sufficiente 
obstaculo á explosão de idéas subversivas e separatistas, deli- 
berara não sahir do grande theatro de agitação revolucio- 
naria, a qual, com 0 despotisIllo de Bonaparte primeiramente 
e depois com a colligação das monarchias de direito divino, 
parecia ter emigrado da Europa para a America. 
N a Europa havia sido ao Rei de Portugal util e avisado 
escapar á tormenta estrangeira; na America era indispensavel 
ao Rei de Portugal e Brazil affrontar de pé a borrasca na- 
cional pois que, con forme prophetizava em 1817 0 abbade 
de Pradt: "A presença d'EI-Rey no Bra7il é a verdadeira 
segurança que tern a Casa de Bragança n'aquellas regioens, 
e a sua mudança seria a sua terminação. El Rey sahindo dali, 
deixaria a independencia na 
ua capital desertada." 



J . 
-
 j/ 
" 
('
7. 
';-ñ-,J. 'i' 
/;!;
'þ 
_
 fÝ
 
- !!J z::. 
-'

: 
;::Yé1 
 

.

 
? If 
:"7- ",.\ ,i 
"h ?) .' 1 
_ j,,- .1:-'1 

 ,_A 

 /-



' " 

. -
 J 
, ,.\ i-< 
ll
f i'$ 
; 
..
 
;t ,/ 
 -1 
'\('
:\Y. ::;. 


;i 
!? ' 
-

 ::.. :
 
:.....
',-i 



Æ

 
'
 "'ì."':-
) 
, h 
".


\ 

.:t0

 

}
 -
.[ 

1f\ 
.f 
........V. I 
, \ ,\.y 
4\r 


- """ } 



 
... ' 


-, 

 \" 
.:.r., 4 ! 
.'..:...r 
 
, ._ 
31 1 I ',.: -,. 'J' .' 
, '...$,- J 
.l . \,:: .K"(
 

.. > 
."'" 
) '\. .;.
' f; !Ik::::, ":r " 
.. ... ';:
,
.. I'.l' I 
J) . . II
'

 
 ( " 
--.!' I ' = 
 
.. 

,.I>, ,J.
\
';' 
. '
'''''.I1-. "- 
\ , b 
-.. J I "\ [1.V 
"<?';'.o- 
 'è 
!
 \,,
 

. 

.Io 
\.n
 
iX 
,I.,.t ...ì...
) _ 
,lJ 
 'l
 
\
J, ,)
 

 )'
..- 

 -I'
'\
, 
\
 ,J

t t '.
 
" . ()
4 ,-
, 
':
 " \.C
 
J "I
'
) 
J' (W "tit 
. t; .- líl'
 

:
 . ._
 ) 
\,!. ., 
, ì$} ..t }
I 
"

.k
 
... "))")b.J
"t 
t 1 l/
 
 -. ;
\:'I 
;j
i\>
v" Ff 
I; -..!l.\: ,
:. J l" 

 

:
,p'.i 

 
{fQ 
i """r
 
. :: . 
 fÌ:;
 
J ;";1 
:I ø!itøJ 

 '

"P\,;..
 
t :;6 
· ,{ f' 
"'/ 
4 -t:.f' 

,þ" f 

.:

T 
,) -: 
ì 
:-70:' 
,.J iff;; 
 
. J'2:1t. 
 !k. " 
.
..
 
t'0 
 -" 

fÇ . J,"'; 
- J" 
,r;. ...,. 


;-1' ' );,; ':;'v . 
-- - ]i7 t.,\.
 -

 
, ._"\....': t
, '-
: 
:
,,} 
'- ' ,. 

 ... 
 
'I 'r"),_10 
\ .. 
,-', 
J 


,j tt..
 
:. .. 


" 


.t 


.
 



 


" "" 
-.,:'" ... 
... .. ..
 




, 

. 
t;
 
,..
'
 '-'.; 
c......','
. 
 ,'." 
::- c- , 1:- :,,
I 
-.,..... "
I 
':.-2: 

, 

 ..,
 



I. 

.
1,,; 
, ) 
.{'ìrr 

, 



\. 


, 
\ 



 


. :)...... 


..t 
). 



.J \1 


..
. - 


&. 


J 



 
'w"" 


!- 


, 1\ 


',' 


,/"/ 
(() CJ.?ui rk 


dJ! ;;;u: Iin 




CAPITULO XVII 


A DIPLOMACIA DE PALMELLA NA QUESTÃO DE MONTEVIOÉO 


A melhor parte da primeira missão diplomatica de Pal- 
nlella em Londres foi dedicada á questão de lVlontevidéo, 
da qual entretanto tratava em l\Iadrid 0 seu antigo compa- 
nheiro do Congresso de Vienna Saldanha' da Gama (I) , 
alli acreditado a partir de 1817. Em Outubro de J 8 16 as- 
sUIniu elle 0 seu posto na côrte de Saint James (2), en- 
tregando credencial de ministro á espera de saber que cara- 
cter teria de futuro 0 representante britannico na côrte do 
Rio, is to é, si haveria reciprocidade para a sua credencial 
de embaixador, que guardava de previsão. Em fins de 1817 
foi Palmella nomeado ministro dos negocios estrangeiros n\J 
Brazil, com ordem porém cle permanecer na Europa até se 
ajustarem as desavenças entre os governos portuguez e. hes- 
panhol por motivo da occupação da Banda Oriental. 


(1) 0 conde de Porto Santo foi mais tarde, em Lisboa, ministro 
de pstrangelros de Dom Joåo VI, pouco antes do fallecimento do mo- 
alar-chao 
(2) Cypriano Ribeiro Freire teve suas audiencias de despßdida 
em fins c}p HH G. 



678 


DO)[ JOÃO VI NO BRAZIL 


Sob a direcção do atilado estaòista, a legação de Lon- 
dres logo tonlOU UIll aspecto diverso no que tocava á gerencia 
dos negocios: tornou-se interessante ao mesmo tenlpo qu
 
pratica. Paln1clla era 0 que us Inglezes chamam a úorn di. 
plomatist J tendo a visão clara das cousas, occupando-se s:.. 
Inultaneamente das mais variadas questões, nenhuma jul.. 
gando inferior á sua capacidade e pouco Illerecedora do seu 
desvelo, sabendo tomar sem hesitar as providencias urgentes 
seill deixar de consllltar 0 governo remoto quando fosse 
caso para tanto, acudindo a todas as reclalllações seill per. 
der a fleugma fidalga, trazendo 0 serviço completanlente eln 
dia e sabendo e'\':por os acontecimentos e offerecer os argu- 
mentos n'tull estylo simples, fIuente, lucido e directo, sem 
elegancia litteraria mas com uma nota inconfundivel de dis- 
tincção, e geralmente COI11 unl sabor agradavel de verna- 
culidade que de quando em vez adulteravanl estrangeirismos 
flagrantes (I), originados na educação e longa residencia 
fóra de terras portuguezas. 
Palnlella encontrou a questão posta nos seguintes ter- 
mos: a Hespanha protestava fortemente contra a expedição 
portllgueza ao Rio da Prata, que tampouco merecia 0 apoio 
sequer condescendente da Grã Bretanha, 0 que não sign i- 
ficava, no dizer de urn dos officios reservados do repre- 
sentante de Dom J oão VI em Londres, que 0 governo in- 
g-leL se não mostrasse depois da guerra de 18 I 2- 1.1- conl os 
Estados Unidos muito nlenos propenso a favorecer a causa 
dos Hispano-Americanos. 
Lord Castlereagh puzera-se nlesmo de franco accordo 
com Fcrnan 
 uíiez, n'este sentido dera suas instrucções ao 


11) 6\
,;illl encontl':l-se 11a SI1:1 COl'l'('spom]('ncia officiaJ 1}/a}oJ"l,- 
ÛfUlr 1)01' Ill:' iOl"1:l, oj()/'Il(I/' por adiar. dfra 1>01' 1Il0110g'1'<1III ll1:l. etc. 



DO)! JOI0 VI XO BRAZIL 


679 


encarregado de negccios no Rio e faHara até eIll fazer in- 
teryir as potencias Inaiores afim de obrigarem a serem man- 
tidos os tratados e'\:istentes. Secundava pois inteiramente 0 
gabinete brita
nico os esforços da chancellaria 11ladrilena, 
que tendiam ao resultado de tornar arbitras da situação 
as potencias quasi todas que forma,-am a Santa Alliança, não 
este conjuncto federativo da reacção. 
Palmella, comtudo, não desanimou. Como born diplo- 
mata, que nunca perde a esperança de achar uma solução e 
possue uma natural inclinação para ,.er ou pdo menos para 
descrever as cousas mais complicadas sob urn disfarce côr 
de rosa, escrevia elle a Aguiar (I) que se poderia e'Xperi- 
mentar- fazer pender a balança para 0 outro lado e manifes- 
tar-se ainda a favor de Portugal alguma potencia, "alegando 
por exemplo 0 perigo que se segue para 0 Brazil da declara- 
ção da independencia e principios j acobinicos das Provincias 
limitrophes Espanholas; a injustiça com que a Hespanha, 
que as não domina nem as pode sujeitar, e
ige de nós que as 
respeitemos; as pretenções mais justas, que podeIllos fazer 
valer, para arranjos de limites; os sacrificios em que, a esse 
re
peito, poderiaI110S consentir para indeInnizar a Espanha ao 
norte do Amazonas; a escandaloza retenção de Olivença 
pela Espanha; e a injustiça de quererem intervir, para n06 
obrigar forçadamente a huma restituição, aquelas meSIllas 
Potencias que se contentaram só de boas Pala,-ras quando 
se t
'atou da nossa reclamação de Oli,'ença." 
o essencial, n'UI11 caso de- arhitran1ento, parecia a Pal- 
mella ser - porquanto na especie era \'antajoso a Portugal 
- não circ\lm
cre\'er 0 seu objecto, Inas anlplial-o para diri- 


(1) Offido r('
prvado dC' :20 dc' XOYf'mhro (lp lSHi. no Arch. do 
)Iin, ùas np]. E
t. 


. 



6
O 


DOl\! JOÃO VI NO BltAZU.J 


mir de uma feita as questões de fronteiras entre as duas co- 
rôas: "Tratar não só 0 fundo da questão da occupação de 
todo 0 territorio do Rio da Prata por Portugal ou por Es- 
panha, pois essa he huma questão de justiça em que não te- 
riamos born partido, lnas a questão subsequente de hum ar- 
ranjo futuro e estavel de limites que seria de dezejar que pu- 
dessemos levar até á linha do Rio da Prata." 
N em esquecia 0 ministro de Portugal urn lado n1ais 
geral ou pelo menos mais europeu, em todo 0 caso mais po- 
litico da questão, que era 0 dos inconvenientes contidos em 
possiveis futuras intervenções da Santa Alliança, exercendo 
unla influencia irresistivel sobre todo 0 mundo: "lIul11 
escrupulo que, com justiça, poderia occorrer, he 0 de reco- 
nhecer aespecie de Dictadura assumida pelas cinco Poten- 
cias, esse escrupulo porem pareceme menor seguindo 0 pIano 
da Espanha de as pedirmos voluntariamente por arbitras, do 
que esperando, como 0 propoz a lnglaterra, que Elas mesmas, 
sem seren1 chamadas, se metam em nos dictar a Ley." 
A Hespanha de resto, ainda que solicitando sua media- 
ção, não tinha vontade de admittir a referida dictadura. 
Intencionalmente 0 gabinete de l\ladrid reclamara a arbi- 
tragem de quatro sóm.ente das cinco potencias m'aiores; ex- 
ceptuara de proposito a Prussia "para não reconhecer 0 Tri- 
bunal Supremo que estas Potencias parecião ter querldo es- 
tabelecer depois da primeira Paz de Paris" (I). 
N a sua primeira entrevista com lord Castlereagh, rea- 
lizada nos ultimos dias de 1816, apoz a entrega da creden- 
cial, por haver 0 ministro dos negociosestrangeiros estado 
algum tempo fóra - em l\1ount Steward, na lrlanda- 
Palmella apontara 0 absurdo de querer a Hespanha obstar á 


tl) OfficIo reservado de 4: de De.7cm.bro de 1816, ibid,t7l1l. 



DO}.[ .TOÃO VI NO BRAZIIJ 


tiS 1 


intervenção portugueza em territorios sobre que não pos- 
suia auctoridade senão de nOllie, setH meios de obrigar os 
insurgentes a re
peitarenl 0 territorio brazileiro. "Supondo, 
disse eu, que os Insurgentes tenhão conlO creio comnlettido 
hostilidades no Rio Grande, não tern 0 Governo do Brazil 
senão a escolha de as sofrer COIn paciencia, 0 que não pode 
e
igir-se, uu de tratar com os tnesmos Insurgt>ntes, 0 qur 
ufenderia ainda mai
 a EI-Rey de Espanha, ou finalmente 
de assegurar prla força das armas a tTanq
ilidade das nossas 
fronteiras" (I). 
Portugal atravessava porém enl lnglaterra uma má 
quadra de opinião. 'Vellington, cuja influencia era poderosis- 

iIna er:tão nos conselhos da corôa britannica, tanlbem se 
mostrava muito infenso á expedição brazileira do Rio da 
Prata. A' Iná vontade do general victorioso não seria cer- 
taInente alheio algunl rcsentimento pela insistencia conl que 
a Regencia do Reino - n'este ponto ajudada pelo marechal 
Beresford, marquez de Canlpo l\laior - reclamava por in- 
termedio de Palmella para 0' exercito portuguez, que tão 
corajosamente se batera sob as ordens supremas do marquez 
de Torres Vedras (2), a parte que the competia nos despo j os 
cia guerra. Estes tinham sido pelo Parlamento britannico 
convertidos em moeda corrente, mandando-se abonar ao 
exercito nacional inglez uma sonlma julgada equivalente 
áquelles despojos: d'essa somma uma boa parte coubera a 
"Tellington, que d'ella não estava disposto a desprender-se. 
A causa de Portugal andava por esse tempo quasi j ul- 
gada, ou melhor condemnada de antemão. A nota de Har- 
denberg a Pozzo di Borgo, em resposta ás informações pres- 


(1) Offlci-o reservado de 1 de Janeiro de 1817, tbidem.. 
(2) Titulo portuguez com que fôra .agraciado Wellington. 
D. J. - 43 



682 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


tadas pelo diplomata russo á chancellaria prussiana - que a 
Hespanha não deixara afinal de convidar igualmente para 
intervir como mediadora, pensando judiciosamente melin- 
dral-a com a exclusão-assim se expressava a 31 de Janeiro 
de 1817 (1): "Si Ie Portugal croyait devoir cette mesure 
à sa sÎ1reté afin d'empêcher la contagion des maximes et des 
principes révolutionaires, il devait avant toutes choses de- 
mander l'acquiescement de l'Espagne, et s'il voulait, en 
occupant provisionnellement la Province de Buenos Ayres, 
rendre service à I'Espagne, il devait Ie Iui déclarer d'une 
mani ère positive, et l'engager à y consentir, car aucun Etat 
n'a le droit de rendre service 
ì un autre malgré lui et au 
détriment de ses droits." 
H.ardenberg accrescentava que era todavia preciso ou- 
vir as explicações portuguezas a respeito, pedindo as po- 
tencias medianeiras ao governo de Dom J oão VI uma j us- 
tificação franca e amigavel do seu acto. Por isso Palmella, 
na falta de instrucções do Rio para 0 caso, preparou urn ma- 
nifesto provisorio de que dá conta no seu officio reservado 
de 9 de Abril (2). 
Dos esforços da Hespanha e da benevolencia para com 
ella da Santa Alliança nasceu a nota conjuncta ao marquez 
de Aguiar (3) de 16 de 
Iarço de 1817, já uma vez men- 
cionada, approvando a attitude moderada e prudente do ga- 
binete de 
Iadrid eIn não recorrer á força como lhe sena 


(1) ('01'1'r';;11. dl' l'almella, no .\1'.ch. do :\1in. da
 ReI. Ext. 
(:!) ])('.'oI])(IdlO,'< (' ('f)I'/T8/uJ//(/f'JI(Îa do flllqlll' do {'"lwdla, I.i
ho:1. 
lR:íl, Torno 1. 
(:q Barc:l ('1"3 0 mini
tl'o elf' 
::;tr:lng0iro::: d!>
de compc:o::: de 
ISHi, m:l
 3 COl're
pondeneia da lrga<;åo em Londre
 contin113ra dil'i- 
giÙ:l 3 Agl1irr, 
o pl'incipi:mdo :l Sf'r f'ndel'(,<:àda 3 11:1rc3 poueo antp
 
d' 
llf' f:IlIPCf'1" pm ,Tllnho ùl' 1St ï. jfL fallpeido tamhpm Aguiar. A nota 
conjunct:l a'Cllj,-sP no pl'imeil'o dooS qU<lÌl'O toruos dos Despudws e Cor- 
rcspontlcnciu, 



DO
l JOÃO VI KO BRAZIL 


683 


de razão e de justiça, e acceitando 0 encargo da mediação por 
esse governo pedida para evitar 0 rompimento que estava 
no interesse de todas as potencias européas arredar. Castle- 
reagh informou Falmella de que a alludida nota fôra muito 
modificada por influencia da Inglaterra: "pois que a idéa 
de algumas das potencias fôra de nos ameaçar, em term os 
daros, com a guerra, e de encarregar os seus lVlinistros no 
Rio de Janeiro de exigirem do nosso Governo cathegorica- 
mente a evacuação do territorio hespanhol." 
Ainda assim reputou Palmella descabidos os termos da 
nota collectiva em questão, sobre eIla escrevendo a Ester- 
hazy, embaixador d'Austria em Londres, que "os plenipo- 
tenciarios alli prejudicam a questão antes de terem recebido 
as explicações que pedem e copiam inteiramente as phrases 
de que usam os :\Iinistros hespanhoes nos manifestos que 
apresentaram ás potencias alliadas; . . . . ." (I) 
A' medida que se aquecia 0 zelo apparatoso da Russia 
- do Czar partiu até, ao que se diz, 0 primeiro conselho 
do recurso á mediação da Santa Alliança - pelos interesses 
hespanhoes, era natural que abatesse 0 ardor anti-portuguez 
e bastante postiço do gabinete britannico e que arrefecessem 
as relações entre as cortes de Londres e de J\Iadrid, tornadas 
pelas circumstancias mais calorosas. Por outro lado 0 enlace 
inlminente do Principe Real DOln Pedro com a filha do 
Imperador d'Austria n-ão deixava de ir exercendo seu cf- 
feito sobre 0 modo por que 0 Imperio do Danubio encarava a 
situação portugueza, As instrucções Inandadas ao principe 


(1) ])C81Wdw,(J (' Corn ,'i}JOJ/d(,lIri(/
 Tomu I. 
ão. COTITl'ln not:l r, 
m 11 i to ps('[' s";os os documpn tos offici:l.>::: q Lt(' n' pst a coll('c(:ão Sl' (,Ilcon- 
tram sobr(' a prinwir:l mis,sào dl' Palm('lIa pm Londr,>s. avolnmanùo os 
p:H'ticulares soh a forma dp ('artas ao ('on-elf' dl' Porto 
;mto, com l'pfe- 
rflnC'ins miuù
: s ao::: acontecinll'ntos (IU(' :::e i:lm lll's0llyo}vPllùo. 



684 


nOM .ToÃn VI NO RRA7.TJ... 


Esterhazy e por este confidencialmente mostradas :l Pal- 
mella - que naturalmente se apressou em rel
i.ar tudo ao 
seu governo (I) - rezavam claram.ente "que 0 gabinete de 
Vienna não considerava a reclamação do de l\Iadrid senão 
como hum convite para intervir como mediador nas suas 
dezavenças com 0 nosso e que em caso nenhum pretende as- 
sumir 0 caracter de alliado da Espanha se a contenda se não 
t
rminar amigavelmente." 
Demais, a retrocessão de Olivença era indirectamente 
favorecida pela Austria porque, por motivo de ter a Rainha 
da Etruria ficado no Congresso de Vienna sem compensa- 
ções territoriaes para os dominios de que fôra despojada por 
N apoleão, a Hespanha não assignara até então 0 tratado ge- 
ral alIi accord ado. Agora, segundo communicava l\letternich 
a Esterhazy, pensava a Austria ceder en1 favor d'aquella 
Princeza sem reino, e dè seu filho, a reversibilidade do du- 
cado de Parma depois da morte da archiduqueza l\Iaria 
Luiza, "devendo entretanto 0 Estado de Luca pertencer á 
Raynha da Etruria e ser reunido á Toscana quando se ve- 
r i ficasse a reversibilidade acima annunciada." 
Vma vez que a Hespanha adherisse ás decisões do Acto 
Geral de Vienna, Olivença volveria a ser portugueza e, rea- 
lizado 0 ajuste dynastico lembtado pela Austria, ficava Pal- 
mella livre do seu receio de que, no caso de ataque da Hes- 
panha contra Portugal por causa da conquista de lIontevi- 
déo, lograsse a Rainha da Etruria realizar mais do que lhe 
promettera N apoleão por occasião do tratado de Fontaine- 
hleau. N em se importaria a lnglaterra em extrema com a 
transferencia da corôa portugueza, dos Braganças para esse 


(1) Officio rpsprTao(lo de 14 de Mar
o de 1817, 11() Arch. t10 

Iin. (1:18 UP\. Ext. 



DuM JOÃO VI NO BHAZIL 


6SJ 


ramo dos Bourbons, porque para os politicos britannicos 0 
rssencial era contarem uma monarchia eln Portugal e não 
uma ficção de governo representativo, sob a forma então ex is- 
tente de luna delegação n1uito limitada da soberania absoluta. 
Preferiria 0 gabinete de Saint J an1es, é evidente, que 
continuasse a antiga, tradicional dynastia, n1as con1tanto que 
estivesse directan1ente representada, quando não pelo pro- 
prio monarcha, pelo Principe Izerdeiro. 0 regresso de Dorn 
J oão VI, confessava-o Castlereagh, era cousa difficil, at- 
tento 0 descontentamento que necessariamente se seguiria no 
Brazil a esse acto, 0 qual pareceria Il1eSmO desairoso en1 face 
da recente revolução em Pernan1buco: nada porén1 obstava 
a que Dom Pedro fosse governar Portugal. 
Foi em J unho de 1817 que Palmella ouviu da bocca do 
Secretario d'Estado dos N egocios Estrangeiros (I) a expres- 
são d'esse desejo, cuja realização a conspiração de Gomes 
Freire marcava con1 0 rotulo de urgente e indispensavel. A 
ausencia do soberano ou do seu lugar-tenente significava a 
paralysia de un1 membro da "republica européa". A presença 
do Principe Real, como presidente do conselho de regencia 
do velho Reino, dispensaria 0 tedioso recurso para 0 Rio de 
Janeiro nas negociaçães diplomaticas relativas a Portugal e 
não mais ficariam as rodas da administração interior impe- 
cidas (expressão textual de Paln1ella) em razão da distancia 
a que se achavam da mola real. 
N a conferencia que a sen1elhante respeito teve com 
lord Castlereagh, Palmella aproveitou habilmente 0 ensejo 
para ponderar que a providencia suggerida não seria suffi- 
ciente para levantar Portugal do seu profundo abatimento, 
malS accentuado apoz as ultimas sangrias, e que, si inadia- 


(1) Offi-cio se-cret
simo de 9 de JJ1l1ho de 1817, ibid.em. 


. 



686 


DO)! JOAO VI NO BRAZIL 


vel se tornava curar as feridas portuguezas e aninlar 0 com- 
mercio decadente e a industria moribunda, nada de melhor se 
poderia experinlentar do que alliviar 0 paiz dos males do 
tratado de 1810, reconhecendo a Grã Bretanha quanto 
"convem aos seus proprios interesses não descontentar 0 
povo portuguez com 0 peso da sua alliança." 
Em J unho de 18 I 7 a si tuação de facto se adarara para 
a côrte do Rio. Tinham chegado á Europa as explicações do 
governo portuguez, ahi produzindo favoravel inlpressão no 
conceito ordinaria
lente frio do seu ministro em Londres; 
a boa impressão devendo sobretudo ter sido causada pelas 
noticias dos successos militares dos Portuguezes, culminados 
na occupação de l\lontevidéo. 0 caso é que a lnglaterra aca- 
bara por desistir de querer impor a mediação e que a Austria 
se prestara a seguil-a. J á a 9 de Abril Palmella reconhecera, 
atravez de todas as recriminações de Castlereagh, a natu- 
reza indissoluvel do laço que prendia a Portugal a Grã Bre- 
tanh a : "J ulgo poder l11esmo assegurar a V. Ex.\ que, no 
caso de uma aggressão por parte da Hespanha, haveria toda 
a probabi]idade de obtermos do Governo Britannico soc- 
cQrros indirectos, con10 arnlas e dinheiro; mas, certanlente, 
a men os de apparecerenl novas combinações, incalculaveis 
por agora, nas relações politicas das potencias da Europa, 
não devemos esperar que a Grã Bretanha abrace directa e 
abertamente a nossa defeza" (I). 
Pouco depois, em J unho, nlais se accentuavam ainda 

uas disposições optimistas, de unl optimismo que nunca dei- 
xava de ter fundamento solido. "Como quer que seja, a 
questão poderá de ora em diante tratar-se e conduir-se mais 
brandamente do que começou. A Russia nlesmo, que tanto 


(1) Off. cit. nos DC!ilJ)adl()/:; C Cor"f.'
pUJl(lCllci(l3 Torno 1. 



DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


687 


fogo pareceu tomar ao principio, tern agora, se pode julgar-se 
pela linguagem dos seus 
linistros, deitado, para uzar de 
huma expressão vulgar, bastante agua na fervura, e pare- 
ce-me n'huma palavra, que mediante alguma moderada con- 
descendencia da nossa parte, não devemos recear que nos 
obriguelTI, ou a evacuar desairosan1ente 0 territorio que as 
J10ssas tropas tern occupado, ou a entregallo á Hespanha, a 
não ser em consequencia de algum aj uste reciprocamente 
vantajozo com essa Potencia" (I). 
Sabendo perfeitamente que se achava n'um palZ de 
opinião publica, PalmeIla ao mesn10 tempo que tratava de 
serenar 0 governo britannico, occupava-se de explicar á na- 
ção britannica as razões de proceder do governo portuguez, 
para isto valendo-se do excellente conducto do Times. N as 
expressões de un1 dos seus comn1unicados á grande foIha, 
aquelle proceder era singelamente 0 do varão cauteloso que 
vendo a casa do visinho presa das labaredas, tratasse de de- 
molir a parte d'eIla que pudesse communicar 0 incendio á 
sua propria casa, collocando da banda de fóra sentinellas 
para resguardarem a propriedade ille::ìa do progresso das 
chammas. Poder-se-hia em casu tal censurar com j ustiça 0 
seu modo de agir ? Teria 0 dono da casa incendiad:l dire
to 
de offender-se, achando-se ou demasiado longe ou demasiado 
atarefado para apagar 0 fogo ? 
Si a revolução de Pernambuco se prendia ou tinha re- 
lações com a do Rio da Prata, con10 era voz em Londres, 
isto só dava razão aos que applaudiam a prudencia do mo- 
narcha portuguez en1 assim extinguir 0 fóco de anar- 
chia que se abrazava ao pé da sua porta. Ninguem aliás 


(1) Officio reservado de 8 de Junho de 1817, no Arch. do Min. 
das ReI. Ext. ' 



ß
S 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


ignorava que Artigas, 0 qual sem eleição se apoderara na 
Banda Oriental do poder supremo, praticara depredações 
na fronteira brazileira, alistara tropas para invadir a provin- 
cia de São Pedro e espalhara proclan1ações destinada,:; a 
excitar os habitantes das Sete l\lissões á revolta. 
() proceder da c()rte do Rio não significava apoio á 
separação de colonias hespanholas, nem envolvia propositos 
de pern1anente annexação de qualquer d'ellas. Quando se 
annunciou que a e:xpedição do general l\Iorillo, a qual de 
repente mudou de destino, se dirigiria para Buenos Ayres, 
o governo portuguez dera ordens para the serem abertos 
as portos brazileiros e abastecida a rnesma expedição: mais 
do que isso, foi precisamente para auxiliar os Hespanhoes 
n' essa occasião, que se rnandaran1 vir de Portugal as 4 a 
5.000 veteran as. 
o caso era porérn de todo diverso no que dizia respeito 
á propria defeza. Si ao rninisterio hespanhol agradava deixar 
a insurreição enraizar-se nas suas colonias, não the assistia 
par isso 0 direito de impedir urn Estado estrangeiro de tomar 
rnedidas de anteparo contra esses mesmos insurgentes, que 
elle não queria ou não podia sujeitar. 0 gabinete de l\.ladrid 
não tivera paciencia bastante para esperar as explicações- 
que só pela distancia se den10raram - justificando tamanha 
pureza de intenções do Rei Fidelissimo, e levara sua precipi- 
tação, reza urn dos cornrnunicados (I) de Palrnella, ao 
ponto de haver pretendido por vingança rnetter n'urn con- 
vento ou recambiar para a Brazil as duas Infantas portu- 
guezas, "sendo porérn esta proposta indigna repellida con1 
desprezo pel a sabedoria de S. 1\1. Catholica." Igualmente 
diligenciara 0 governo hespanhol acclin1ar entre as grandes 


(1) Times de 7 e 9 de J'l1nho de 1817. 



nOßI J OÃO VI NO BRAZIL 


68f1 


potcncias alliadas a idéa de invasão e occupação de Portugal, 
COlll0 ,conlpensação da perda american a soffrida pela Hes- 
panha. 
A resposta cia embaixada hespanhola á Iegação portu- 
gueza não se fez esperar muito, dada pelo mesmo conducto 
da imprensa (I), á qual assim prestavam homenagem go- 
vernos dos m.enos liberaes: é claro que os altos articulistas 
se soccorriam de pseudonyn1os, Paimella do de U III Bra- 
zileirn. 
A resposta de Fernan N uñ-ez deve ser reconhecida 
como destra. N'ella se explicava que Artigas não inspirava 
ao Brazil verdadeiro terror - 0 que era talvez exacto; e 
que os insurgentes estavam em demasia occupados com dis- 
sensões entre si e a guerra cruel empenhada contra os rea- 
listas para pensarem em atacar os dominios portuguezes- 
o que com certeza era men os exacto. 
Si perturbações populares, opinava 0 correspondente 
officioso, si 0 espirito de sedição ao qual estivesse porven- 
tura entregue urn Estado visinho, pod esse alterar os direitos 
do legitimo proprietario, 0 systema politico ver-se-hia ex- 
posta a continuas revoluçães e ver-se-hia volverem os tem- 
pos em que as nações não conheciam outras leis que não a da 
força. Que garantia haveria então contra as tentativas do 
poder ? 
Que urn individuo, vendo a casa do visinha entregue á'ì 
chammas, empregue todos seus esforços para impedir que 
a incenclio attinja sua propriedade, nada de mais justo; 
rnas que, quando 0 praprietario da casa abrazada corre a 
buscar agua au qualquer outra especie de soccorro, elle se 
aproveite de tão triste occasião para se apoderar da sua for- 


(1) Courier de 27 de Junho de 1817. 



690 


DO
I JOÃO VI KO BRAZIL 


tuna e bens antes que 0 possuidor as haja inteiramente aban- 
donado, é nada menos do que uma perfidia. Seu dever é apres- 
sar-se em fornecer-Ihe todos os auxilios que se acharem ao 
seu alcance, nunca despojal-o dos seus pertences, sob pretexto 
de salval-os ou de assegurar a conservação das suas proprie- 
dades. 
"Além d'isso, escreVla com emphase 0 articulista do 
Couricr
 as consideraçães de utilidade e de interesse parti- 
cular não podem supplantar os principios da razão e da j us- 
tiça. N enl poderia Portugal, apenas baseando-se no estado 
anarchico enl que se encontram as colonias hespanholas, 
saber, muito nlenos affirmar que 0 gabinete de :\Iadr
:l as 
não quer reduzir au não possue elementos para tanto." 
Aquelle estado era antes de lucta que de anarchia, e de 
resto a occupação portugueza fôra enlprehendida senl d'ella 
ser mandado aviso expresso e exacto ao legitinlo sober ana 
do territorio, sem estar pais provado que este 0 houvesse 
abandonado. Constituia urn principio perigoso a avançar 
que uma rehellião transforma as subditos em inimigos e que, 
em tal casa, 0 soberano perde seus direitos de mando sabre 
os habitantes, tornando-
e elles virtualnlente independentes, 
responsaveis e susceptiveis de aggressão par parte de tercei- 
ras potencias. Prevalecendo senlelhante principia, a qual- 
quer governo seria licito ir tamar conta de Pernambuco, e 
mesmo de Portugal si a conspiração de Gonles Freire não 
tivesse sido abafada á nascença. Teriam as infieis portugue- 
zes perdido sua qualidade de subditos, para se converterem 
em Inlmlgos do seu nlonarcha. 
o peor porénl consistia em que 0 gabinete portuguez 
nunca dera a segurança de que devolveria a colonia: guar- 



DO:\I JOÃO VI KO BRAZIL 


691 


dara a respeito urn silencio equivoco au sómente transn1ittira 
respostas evasivas e mysteriosas. A unica, magra, tardia 
explicação que existia só fôra manifestada porque a côrte 
do Rio previu au antes viu imminente a mediação das poten- 
Clas alliadas em favor da Hespanha. 
T ambem se não devia confundir ou equiparar a oc- 
cupação de 110ntevidéo com a de Olivença, porque a d'esta 
occorrera em guerra justa, sendo sua acquisição sanccio- 
naòa por urn tratado solemne: tanto assim que os soberanos 
representados em Vienna não tinham j ulgado poderem des- 
pojar a Hespanha da praça para restituil-a a Portugal, COI1- 
tentando-se com offerecerem para semelhante fin1 os seus 
bans officios nas negociações amigaveis que Se abrissem 
entre as duas nações. E disposições amigaveis sempre as nu- 
trira a Hespanha, vista que não pensara em invadir e CO!l- 
quistar Portugal valendo-se da occasião suggerida, ao 
mesn10 ten1po que temida par Portugal; pelo contrario, só- 
n1ente tratara de fon1entar au activar uma sabia mcdiação. 
l'inha razão a en1baixador Fernan N uÎÍez em se não 
deixar illudir pelas vagas promessas do governo portuguez, 
e en1 ficar convencido de que as argumentos cavillosos da 
côrte do Rio só tendiam a disfarçar que ella aproveitava 
a distancia a que se achava para dar ensanchas aos seus pla- 
nas e proceder de accordo com seus intin10s designios, 0 que 
na Europa the era vedado. A verdade saltava aos olhos 
de todos, e ninguen1 desconhecia que tudo havia sido unla 
comedia posta em scena para a realização de un1a tradicional 
e legitima 
n1bição; a partir do convite inicial de Dam 
João VI a Fe
nando VII para uma acção repressiva conjuncta 
no Rio da Prata, até onde 0 n10narcha portuguez queria ex- 
tender a seu imperio brazileiro. 



(j! ):! 


DO
l Jolo VI XU BIL\.ZIL 


() duque de Richelieu tão bem observava a libenlade de 
rnovirnentos Que se arrogava 0 governo portuguez, Que es- 
crevia por esse tempo ao seu agente :\laler as palavras se- 
guintes: "A côrte do Brazil parece em demasia persua- 
dida de que a sua politica poude mudar completamente 
con1 0 lugar da sua residencia. Ella deveria reflectir Que 
continua presa á Europa pelos seus dominios territoriaes, 
interesses, commercio e allianças de familia; que não se for- 
talece buscando dotar de maior extensão ainda urn novo 
Reino ao Qual faltam população, industria e todas as artes 
geradas pela civilização, e que na sua actual condição de- 
veria seu interesse primordial ser 0 de conservar a paz, ou 
por n' ella se the deparar un1a garantia das suas possessões 
na Europa, ou para sem perturbação se occupar dos pro- 
gressos de que 0 Brazil carece" (I). 
Não era comtudo menos visivel Que a Hespanha perdia 
terreno. Quando logo depois da sua tarefa official e officiosa 
em Londrrs, F.ernan N ullez, r.emovido para Pariz - para 
Londres foi nomeado embaixador e ahi chegou em Outubro 
de 1817 0 dUQue de São Carlos (2) - pretendeu que as 
potencias alliadas interviessem entre a Hespanha e suas 
colunias para supprimir de vez 0 espirito insurreccionat não 
o escutaran1 e mandaram a chancellaria madrilena dirigir-se 
ás proprias potencias directamente, em vez dos seus repre- 
sentantes acreditados na Fr3nça. 
'T'ambem, depois de assun1ir 0 seu novo posto, mandou 
Frrnan N uÜez aos ministros das cinco potencias alliaàas 
uma nota tão destemperada suhre a occupação de l\Iontevidéo, 


(1) Arch. do 
Iin. fIos 
eg, Est. d(' Fran<:a. 
(2) "Paroce, escrevla Palmella a Bezerra a 8 de Outubro, hum 
bomem moderado e de hum caracter muito mais conciliador e sensato 
fIo que 0 seu Predecessor, conde de Jj"ernan Nuñez." (Arch. do :\1in. das 
ReI. Ext.) 



DOl\I JOÃO YI NO BRAZIL 


693 


que n1ereceu que lord Castlereagh mandasse ordem ao em- 
baixador Sir Charles Stuart para responder-lhe que aquelle 
Jocumento não podia ser tornado em consideração. E' j us to 
obsen'ar que, por occasião d'esse desabrimento do embaixador 
d'Hespanha, não era a,inda conhecida a deliberação da côrte 
do Rio de nomear Palmella para tratar de compor a disputa, 

endo essa nomeação sio1ultanea com a resposta do governo 
portuguez á nota collectiva das potencias medianeiras. 
Ignorando ainda 0 rapido desfecho da revolução de Per- 
nao1buco, Fernan N u1Ïez 111ettera no jogo 0 Brazil, expres- 
sando a desejo da côrte hespanhola de prestar seus bans offi- 
cios para que Sua l\lagestade Fidelissima gosasse para a 
pacificação do Reina ..lmericano da mesma vantageln da 
intervenção dos alliados. 0 governo de Fernando VII, 
anticipando de alguns annos 0 sonho de Chateaubriand, 
visava pois a nada menos do que a uma extensão do mecha- 
nismo da Santa Alliança á America Latina, á garantia por 
parte das gran des potencias dos dominios portuguezes e hes- 
panhoes no Novo 1\1 undo, "ligando par esse modo, nas 
expressões do officio de Palmella para 0 Rio, 0 systeo1a 
americano ainda novo e vacillante ao systema j á estabelecido 
da federação européa". 
Em Setembro de 1817, ao mesmo tempo que a com- 
municação da sua escolha para a pasta dos negocios estran- 
geiros e da guerra, chegavao1 ás mãos de Palo1ella as plenos 
poderes para entabolar a negociação do Rio da Prata com a 
côrte de 
ladrid, com mira de encerrar todas as discussões 
pendentes; entendendo-se previao1oente com lord Castlereagh 
para concertar "as bazes do systema liberal de commercia 
que devemos pretender que a Hespanha adopte para as suas 
colonias" . 


, 



694 


DO)I JOÃO VI NO BRAZIL 


o empenho da côrte do Rio era que 0 seu plenipoten- 
ciario tratasse directamente com urn plenipotenciario hespa- 
nhol adrede designado, quando muito debaixo do influxo cia 
mediação unica da Austria ou da Grã Bretanha. A D. J osé 
Luiz de Souza, sobrinho de Funchal e predecessor de Sal- 
danha da Gama enl ::\Iadrid, escrevia Palmella sem demora: 
"j\ declaração do reconhecimento seja implicito seja expli- 
cito que \i"'. Ex.
 está auctorizado a fazer, dos Direitos .e Sobe- 
rania de Sua :\lagestade Catholica sobre 0 territorio eln que 
entraram as tropas portuguezas, aplanará tah-ez a Inaior 
difficuldade que até åbora se oppunha á negociação directa 
entre 23 duas côrtes; pdo menos foi es
e 0 prilneiro prete"\.to 
que 0 Governo He.;panhol, creio eu, allegou para reeorrer 
á intenoenção das côrtes estrangeiras. Parecc-nle tanlbeln que 
v. E:\..
 se poderá servir com grande vantagenl do argumento 
que rezuÌla da dignidade e decoro de ambas as cor&as, que 
certamente perdem aIgunl tanto abaixando-se a reconhecer 
quasi COl1;.O 2rbitras natas das suas contenda3 as cinco po- 
tencias prepcnderantes da Europa, e aj udando-as assiIl1, na 
tendencia que ellas mesmas de per si j á não dissinlulão, de 
erigir a conferencia dos seus nlinistros em Pariz n'huma espe- 
cie de Suprenlo Directorio Europeu ". (I) 
A lnglaterra favorecia a negociação directa no intuito 
de arredar a influencia tussa, a qual anlcaçava absorver a 
questão, tendo-se tornado predorninante enl }ladrid graças 
aos esforços pacientes do conde Tatischeff. Palmella, nave- 
gando nas aguas inglezas, queria por seu turno mais que 
a negociação com a Hespanha, de que 0 encarregara a con- 
fiança de DOIn J oão VI-o qual não se enganava nluito enl 
j u 19ar competencias, só quando as cirCuInstancias podianl 


1. 1 1 Arch. do 
1in, das Up1. Ext. 



DO:
I JOÃO VI NO BRAZIL 


69:> 


mais para determin
r a selecção do que a sua perspicacia - , 
se effectuasse elll Londres, onde parecia tambem dever ter 
lugar a negociação entre a Hespanha e suas colonias, ainda 
mais complicada e difficil. 
o pessoal diplomatico agitava-se de todos lados no sen- 
tido da COlllposição de divergencias que, em vez de abran- 
darem COlll 0 estado chronico que j á era 0 seu, promettiam 
tornar-se lllais agudas e perigosas do que nunca. 0 trabalho 
das chancellarias verificava-se aquém e além-mar. Para acti- 
val-o no Rio de Janeiro partira em meiados de 1817 0 novo 
lllinistro hespanhol conde de Casa Flores, no dizer de 
Palmella "homem de belll, de urn caracter conciliador e de 
maneiras agradave
s e serias, porém de engenho não agudo 
e de luzes mediocres". (I) Só se demorava em seguir 0 suc- 
cessor de Strangford, T'hornton, porque 0 :\Iinisterio de 
estrangeiros britannico, segundo informava Palmella, "lhe 
indicou, que não dezej ava que sua mulher (cujo caracter 
altivo e extravagante Ihe cauzou desgostos serios elll Suecia) 
o acompanhasse ao Brazil. Depois de alguma hesitação 
consta-llle que se sujeitará á condição que se Ihe Im- 
põem ". (2) 
Como entretanto a Hespanha concentrasse muitas tr
- 
pas na fronteira da Extremadura com 0 firn de intimidar 
mais do que ameaçar de verdade Portugal que, pelo que con- 
fessavam seus Governadores, não estava então elll estado de 
resistir-lhe, desfalcadas suas forças com as embarcadas para 0 
Brazil e muito desorganizado no pé de paz 0 commissariado, 
logrou Palmella afinal obter de lord Castlereagh a promessa 
positiva de escrever ao embaixador britannico em :Jladrid, 


(11 Officio s:\('r,"li
:-:imu <1,. 1:1 <1(' .In:110 Ùl' 1817. no .\rclJ. do 

J:n, <1:l
 UPl. Ext. 
(:!) Off. cit. 



ö96 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


dando-Ihe instrucções claras e explicitas para declarar á 
côrte d'Hespanha "'que a garantia de Portugal pela Grã Bre- 
tanh a subsistJia completamente intacta, no lTI0111ento em qur 
r lle visse que hera necessaria tal declaraçã-o para prevenir as 
hostilidades contra Portugal". 
Ficava assim, graças á habil tenacidade do diplomata 
portuguez, revogada a declaração, que lord Castlereagh con- 
veio em denominar apressada ou ultrapassando a exacta 
interpretação das instrucções expedidas, feita pelo encarre- 
gado de negocios Chamberlain no Rio de J aneiro. Tal decla- 
ração, de que não era inalteravel a garantia dos tratados, 
o Foreign Office a havia rnandado, con forme admittia 
agora, para 0 caso do Rei se não pres tar a dar explicações 
satisfactorias sobre a entrada das suas tropas em 1\Iontevi- 
déo, nem a abrir a esse respeito negociação na forma reque- 
rida pelas potencias alliadas. 
Não tinharn estas entrernentes abdicado a sua tarefa. 
acabando por ajustar em Pariz urn projecto de tratado entre 
as duas potencias peninsulares, sobre a base da desoccupação 
da rnargem oriental hespanhola do Prata, ao qual os dous 
plenipotenciarios portuguezes-a Palmella fôra aggregado 
n'esta negociação 0 rnarquez de Marialva - adherirarn a 7 
de Outubro de 18 I 8, por lhes parecer 0 unico m'eio de evita- 
rem urn rO,mpimento, considerado com sympathia pelos me- 
diadores, de preferencia incIinados em maioria ao lado hes- 
panhol. Quando is to se passou, achava-se já reunido 0 novo 
Congresso, de Aix-Ia-Chapelle, onde 0 proceder portuguez 
no assumpto da conquista americana provocou subida satis- 
facção, n'eHe reconhecendo 0 Directorio europeu urn acto de 
deferencia e urn proposito de paz. 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


697 


De IVladrid é que desde logo entrou a partir a resisten- 
cia, não julgando 0 governo hespanhol bastantemente se 
guras as garantias offerecidas nem as desistencias promet- 
tidas. Os representantes na Hespanha das côrtes alliadas 
tiveram que receber ordens para decidirem 0 gabinete de 
Fernando VII a abandonar sua posição e harmonizar-se com 
as vistas dos mediadores e a boa vontade da parte contraria. 
Esta era aliás em grande parte dictada pelas circumstancias 
da occupação mesma, porquanto a posição de Lecor em ::\lon- 
tevidéo, com a campanha sem'pre assolada pelos bandos 
armados de Artigas, que só em 1820 teve que se refugiar 
vencido no Paraguay de Francia, e sua inacção em frente ás 
partidas de contrabandistas e guerrilheiros estavam desmora- 
lizando as tropas reaes e animando a prosecução da lucta, 
accrescendo para is to os boatos, baseados na intriga diploma- 
tica de Pariz, de restituição á Hespanha da Banda Orien- 
tal. 


Pdo acto dos diplomatas portuguezes, em termos mais 
pessoaes pelo raro talento pro fissional de Palmella, que mais 
do que ninguem contribuio desde Cadiz até Londres, du- 
rante dez annos, para aplanar ao governo do seu soberano 
todas as difficuldades que the foram suscitadas no tablado 
politico europeu, collocou-se Portugal no born terreno. Com 
sua adhesão calculada, po is que 0 projecto de tratado pro- 
posta foi objecto de muitas explicações, muitas modificações 
e muitos retoques, foi essa nação que passou a solicitar a 
mediação que de primeiro extranhara e repugnara, e a pedir 
ás grandes potencias que obtivessem para aquella sua solu- 
ção 0 assentimento hespanhol. E tanto Ihes conquistou Portu- 
. 
gal as boas graças com sua condescendencia não isenta de 
dignidade
 que l\I'etternich escrevia a Palmella n'uma carta 
D. ;r. - 44 



698 


DOM JOÁO VI 1\0 BRAZIL 


muito cordial de 2 I de Outubro de 18 18: "La folie de vos 
adversaires a servi la cause du droit que vous avez sçu vous 
ménager mieux que n'eut pu Ie faire l'intervention d'une 
cour arnie, quelque bienveillante qu'elle puisse être"; e malS 
adiante: "V otre attitude politique en attendant est bonne, 
et c' est tout ce qu'il faut". (I) 
Palmella e :\larialva, não tendo sido Portugal convi- 
dado para tomar parte no Congresso, como de resto 0 não 
havia sido a Hespanha, abstiveram-se naturalmente de com- 
parecer em Aix-Ia-Chapelle. Saldanha da Gama fôra mesmo 
escolhido para, com Palmella, tomarem assento como pleni- 
potenciarios de Portugal, caso a reunião se extendesse além 
do circulo restricto do Directorio europeu. Não chegou, 
comtudo, Saldanha a partir da l\ladeira, onde se encontrava 
e para onde Palmella the communicou em carta (2) que 
estava disposto a só ten tar fazer uso do seu pleno poder si 
fosse a Hespanha admittida á representação no Congress
. 
Ficaram, portanto, os diplomatas portuguezes privados 
do ensejo de assistirem á iniciação solemne na Santa Alliança 
da França expurgada, sobria, e j á libertada da occupação 
estrangeira, "para concorrer de accôrdo com as côrtes allia- 
das á conservação e consolidação do systema que restituio 
a paz á Europa, e que he só capaz de assegurar a sua dura- 
ção". Palmella e :\tlarialva foram, porém, até B.ruxellas en- 
contrar-s'e na passagem com os representantes que regressa- 
Yam de Aix-Ia-Chapelle, especialmente com l\letternich, que 
não ia parar em Pariz, tomando rumo diverso na volta para a 


(1) J)Iac:o ù3
 nf>goC'iac:õ,>s ,Palm
lla-
f;1rialv.:l, no .\'l'ch. do :\Iin. 
das TIp!. Ext. 
(2) ]Jc8pacl108 (' C(j}TC81)(HHlcllci(l
 To.mo Y. 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


699 


Austria, e exprimira a Palmella 0 desejo de com elle discor- 
rer n'algum ponto do trajecto mais ao alcance do seu amigo 
portuguez. 
Valeu a pena a viagem porque Palm,eIla poude ouvir 
do chanceller austriaco a informação de que, segundo era de 
preyer, França e Russia tinham no Congresso mostrado ten- 
dencia a favorecerem a Hespanha-Capo d'lstria, dizia l\.Iet- 
ternich, odeia a Inglaterra e Portugal-, lnglaterra e Austria 
a favorecerem Portugal; ao ponto de Castlereagh annunciar 
officialmente que, em presença da annuencia portugueza á 
politica de nlediação das potencias congregadas, subsistia em 
plena força a garantia britannica em prol do Reino U nido de 
Portugal e Brazil, a qual assegurava sua independencia e 
integridade. (I) 

 
o Czar, que timbrava muito em ser ou pelo menos 
parecer leal e escrupuloso em politica, quando chamada sua 
attenção por l\-Ietternich e Castlereagh para as intrigas de 
Pozzo di Borgo em Pariz e Aix-Ia-Chapelle e de TatischeH 
em l\Iadrid, l.ffirmara todavia "que não se devia dar credit!) 
a nada do que se referia haver sido proposto em seu nome 
á côrte de l\ladrid acerca de hum projecto de alliança sepa- 
rada, e que elle declarava traidor (felon) qualquer dos 
cinco soberanos alliados que formasse relaçães com outras 
Potencias sem 0 consentimento e conhecimento das cinco Po- 
tencias, e que intentasse mudaT as relaçoens que se achavão 
estabelecidas actualm.ente entre -eUes. Em prova do que, an- 
nunciou que ordenaria ao seu m'inistro em l\Iadrid que em- 
pregasse todos os seus esforços para persuadir áquelle Gabi- 


(1) Arc-h. do Min. das ReI. Ext. 



700 


DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


nete a confiar-se inteiramente nos conselhos do Gabinete bri- 
tannico, ao qual pela sua posição só convinha exercer huma 
influencia directa sobre a Hespanha". (I) 
Apezar da renuncia do Imperador Alexandre a diri- 
gir 0 gabinete de l\ladrid, não se podia por certo esperar 
que as potencias alliadas se transformariam de medianeiras 
em arbitras, recorrendo á intervenção e emprcgando os n1eios 
da força ou da comminação afim de obrigarem a Hespanha 
a acceitar 0 projecto por ell as elaborado. R'esultava, porém, 
para qualquer que acon1panhasse a partida, con10 0 mais 
claro da situação, que "Portugal ficára só en1 campo contra 
a Hespanha, livre do Perigo de que os mediadores nos amea- 
çavão no principia da negociação", e nada tinha mais a re- 
ceiar, de grave pelo m'enos, contando na Europa com a 
garantia da Grã Bretanha, e na America com as vantagens 
da posição adquirida e superioridade local dos seus recursos. 
Deviam ter sido estas derradeiras consideraçães as que 
principalmente determinaram a côrte do Rio de Janeiro a 
recusar referendar a acceitação por Paltnella e l\larialva do 
projecto de accordo. Não era comtudo unanime, nem talvez 
geral no Brazil, a peTsuasão de que 0 novo Reino consegui- 
ria afinal ficar na posse definitiva da sua almejada e natural 
fronteira meridional. 0 parecer do conde dos Arcos, já 
men1bro do gabinete e muito e'\.periente 'en1 assumptos brazi- 
leiros pela sua longa estada em postos de alta administração 
da colonia, opinava, por exemplo, apezar da occupação da 
Banda Oriental, pela fronteira òo J aguarão ao lbicuhy, ga- 
nha em 1801, por occasião do conflicto luzo-hespanhol. 


(1) ()ffic.jo d
 PalmC'lla p do )If..l"l(}tH'7. Estribeiro-mor, datado 
<It' Bl'lI\':t'lla<;: ao
:!7 dl' 
O\'l'lIthl'U (](' l
lH. no Ill
H:O l'it., ibilltl1t. 



DOl\I JOÃO VI NO BRAZIL 


701 


Palnlella, facil era de descobrir, olhava tanto ou mais 
para a situação de Portugal na Europa que na Alnerica, 
não querendo sacrificar a esta aquella, antes preferindo im- 
1110lar á outra a segunda. Portugal era pequeno e tinha suas 
fronteiras seculares: Olivença devia inquestionavelmente 
voltar a per tencer-l he. 0 Brazil 'era enorme e tinha urnas 
fronteiras vagas: as compensações podiam estabelecer-se senl 
difficuldade, nada havendo que não possa a diplomacia 
alcançar. 
Do especial agrado do diplomata portuguez nunca 
fni 0 imperialisrno arnlado de Donl J oão \'1, antepondo dIe 
á sol ução violenta, ainda que victoriosa, a comhinação que 
vinha preconizando l
'e troca de territorios ao suI por terri- 
torios ao norte, a qual tinha para mais a vantagem de fazer 
comprar pela Hespanha a questão da fronteira da Guyana, 
que Palæella sabia não estar liquidada, apezar de ganho 0 
ponto essencial, e antevia dilatada e espinhosa. Além d'isso, 
alguma cousa que não era para desdenhar: com a facil,idade 
facultada á reoccupação hespanhola de 110ntevidéo, dava-se 
urn golpe de morte no governo revolucionario de Buenos 
Ayres, cuja visinhança não encerrava ao ver de Palrn'ella 
menos perigos que a de Artigas, e não obstante a cordiali- 
dade existente algum tempo entre a côrte de D. J oão VI e 
o governo das Provincias U nidas, nunea lhe logrou mere- 
cer a sympathia, propensa aos aspectos sociaes aristocraticos. 
Sem a cooperação de Portugal para a restauração da 
auctoridade hespanhola no Rio da Prata, qualquer t:entativa 
da metropole ficaria, porém, frustrada, ou pelo menos seria 
cern vezes rnais difficil. No geral a tarefa em si da recon- 
quista era das mais escabrosas. No Congresso de Aix-Ia-Cha- 
pelle, no tocante á mediação, primeiro pedida e depois re- 


. 



702 


DUM JOÃO VI NO BRAZIL 


jeitada pela Hespanha, com relação a suas colonias suble- 
vadas, não se passou de uma discussão platonica de interven- 
ção officiosa e na pratica vã. (I) 
Ainda assim, tão arriscado parecia á côrte do Rio 0 
probleo1a, que ella propria não fallava claramente em anne- 
xação, nem mesmo nas instrucções reservadas dos seus envia- 
dos, pretendendo preferir que as Provincias U nidas do 
Prata, AI on/{><l!idéo inclusi:['e
 fossem erigidas en1 beneficio 
de urn Infante hespanhol n'uma realeza, a qual seria urn meio 
termo entre a reconquista pela metropole e a independencia 
democratical A idéa partiria muito provavelmente do agente 
argentino l\lanoel ] osé Garcia, e na roda de Dom João VI 
contava-se de seguro com uma especie de monarchia tribu- 
taria ou satellite como as que N apoleão repuzera em moda, 
aliás com tão notavel infelicidade, porque das quatro que 
creou, a Hollanda de Luiz teve que ser encorporada, as 
Duas Sicilias de 1\1 urat acabaram por bandear-se contra 0 
Imperador, a Hespanha de José cavou a ruina dos Bona- 
parte, e a \V'estphalia de J eronymo não passou de uma ex- 
pressão geographica emprestando a dignidade real a urn 
alnavel libertino. (2) 
Palmella e 
larialva reputavam inexequivel a pro- 
posta d'aquella realeza, srn1pre que não proviesse directa e 
espontaneam.ente da Hespanha. Bastava que fosse lembrança 
de Portugal para não ser acolhida com favor pela outra 
parte, que logo the adivinharia 0 interesse. Castlereagh 
igualmente, a quem os dous plenipotenciarios, depois de 
ouvidos os Portuguezes conspicuos na diplomacia que se 
ach
vam na occasião reunidos em Pariz-o conde do Fun- 


(1) Corrf'
'P. de Palillplla. no .Arch. do )Ii'll. das TIel. Ext. 
(2) P. )Iasson, .:\ (lJJuléon ct sa ]t'ulJlille, passim. 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


703 


chal, Brito, 0 morgado de l\Iatheus, Gameiro, Reys, etc.- 
consultaram confidencialmen
e bem como a \Vellington, foi 
de opinião que, para ser viavel, a suggestão não devia ema- 
nar do Brazil: a iniciativa da monarchia independente do 
Prata cabia aos insurgentes, melhor dito ao governo de 
Buenos Ayres. 
.Outrosim hesitariam necessariamente as potencias allia- 
das em aconselhar a urn soberano que se desprendesse de 
parte dos seus dominios hereditarios, sem primeiro exhaurir 
todos os outros meios de conservar a integridade da sua 
corôa. 0 contrario seria de todo ponto avesso ás doutrinas 
da legitimidade. De mais, s'Í a França favorecia 0 pIano, 
que já fôra de Richelieu, a Austria e a Prussia (a Russia, já 
se sabe, era toda pela Hespanha) pelas vozes de Vincent e 
yon Goltz, seus representantes em Pariz, encaravam com 
desconfiança 0 apregoado constitucionalismo da futura mo- 
narchia, tendencia por outro lado inevitavel, caso ella se 
tornasse uma realidade, porque, como bem ponderavam Pal- 
mella e l\larialva, "os povos do Prata já se tinham acostu- 
mado a urn governo republicano, posto que desordenado". 
Em semelhantes condiçães de receptividade politica, 
é evidente que a implantação, ou antes a transplantação do 
absolutismo que na Europa os governos estavam animando 
tanto, seria urn impossivel, não só uma perigosa experiencia. 
"Ora, commentavam os plenipotenciarios portuguez'es no 
seu officio de 24 de Dezembro de 1818, (I) se is to acon- 
tecer, no .estado em que se achão aquelles povos, faltos de 
instrucção e cheios de idéas revolucionarias, longe de ser 
então a projectada lVlonarquia hum vehiculo para a pacifica- 


(1) )laço cit., no Arch. do )lin. ùas ReI. Ext. 



704. 


DO
I JOÃÜ VI :XO BRAZIL 


ção, srl-o-ha para a progressão da d'esordem c da anarchia, e 
por consequencia urn pessimo exemplo para 0 Brazil", 
Pesando tudo isso, decidiram os dous diplomatas portu- 
guezes não tornar publica, até nova ordem, a detenninação 
de recusa de Dom J oão \TI do pTojecto de tratado das poten- 
cias mediadoras. Acontecia que não só estas já consideravam 
official a acquiescencia da côrte do Rio, pois que a tinham 
dado os seus plenipotenciarios, como era muito provavel a 
r.enuncia do alvitre por parte da côrte de :\Iadrid. Ganhava 
em tal casu Portugal 0 beneficio da attitude conciliadora 
adoptada, não dando azo a romper-se por culpa sua' a nego- 
ciação, nem a especular-se mais com a má fé attribuida geral- 
mente ao seu governo n'esta questão. Afastava portanto Por- 
tugal de si a odiosidade, e em todo 0 caso the ficava sempre 
restando 0 recurso final de uma não ratificação do tratado 
quando assignado, pdo commodo motivo de terem seus repre- 
sentantes exhorbitado das instrucções recebidas. 
N'um longo officio em que expõe com a clareza do 
costume as suas idéas sobre a natureza e march a das nego- 
ciações, Palmella abandona urn pouco a sua constante frieza, 
mais convencional ainda do que real, para acoimar com bran- 
dura a côrte do Rio de vacillação, sem querer ver que si 
eram vacillantes na forma, não 0 eram no fundo as suas 
instrucções, as quaes tendiam todas a conservar para Portu- 
gal a margem oriental do Prata. Essas idéas successivas ou 
accumuladas, contrariando-se ou confundindo-se, de grão 
ducado, reino autonomo, fronteira defensavel, etc., não pas- 
savam de contemporizações, continuando a côrte portu- 
gueza invariavelmente a ligar a proposição de evacuação da 
E,anda Oriental com a idéa da sua pacificação, invocada 
como razão da intervenção e que 0 governo de Dom J oão VI 



. 


DOM J OÃO VI NO BR.AZIL 


705 


bem sabia ser irrealizavel quasi por outrem e mesmo para 
si em extrema difficultosa. 
Palmella a1iás não acreditava na sinceridade do en- 
viado Garcia ao expor á côrte do Rio suas idéas monar- 
chistas e seus pIanos de protectorado portuguez sobre todo 0 
Rio da Prata. Afigurava-se-Ihe urn meio para os insurgentes 
de Buenos Ayres de ganharem tempo e firmarem sua inde- 
pendencia á sombra d',essas intrigas palacianas, proprias a 
engodarem as côrtes do Rio e de ::\Iadrid. Rivadavia, que 
por mais de uma "ez procurou Palmella na Europa e até 
certo ponto dizia abundar nas idéas de Garcia, concordava 
entretanto e não occultava que 0 Infante de Hespanha que 
foss'e á testa da expedição de Cadiz, seria com certeza Ine- 
lhor recebido no Chile ou no Perú do que em ß.uenos Ayres, 
onde 0 governo não podia, segundo Rivadavia, responder 
pelo acolhimento geral, "por não ter influxo sufficiente nas 
Provincias do Rio da Prata": 0 que era rigorosamente 
exacto. 
Vma cousa era porém certa, a saber, que uma vez pas- 
sado, graças muito a Palmella, 0 perigo de hostilidade hes- 
panhola, moralmente senão materialmente apoiada no con. 
certo europeu, contra a antiga metropole portugueza, a ques. 
tão do Rio da Prata se deslocara por completo ou quasi para 
o seu theatro natural de acção. Passara a ser infinitamente 
Inais com Buenos Ayres do que com a Hespanha, apezar 
d' esta preparar-se sempre para a sua 'expedição de r'econ- 
quista. 
Ora, j ustamente Palmella não confiava absolutamente 
nos revolucionarios, nem com elles queria intimidades, opi- 
nando por manter-se 0 Brazil á distancia dos m'esmos, pondo 
até de permeio a metropole hespanhola. "Emquanto a mim, 



706 


DO)! JOÃO VI NO TIHAZIL 


'escrevia dIe a Thonlaz Antonio, (I) confesso que concorro 
inteiramente com a opinião que V. Ex.
 m'e diz ser a do 
Sr. conde dos Arcos i. e. que mesmo podendo-se conseguir 
a adopção de huma l\Ionarquia constitucional, he esse urn re- 
sultado cuj as vantagens para 0 Brazil podem ser muito dispu- 
tadas. Estou convencido finalmente, que se a totalidade da 
America do SuI não pode j á agora voltar á suj eição da Es- 
panha, 0 que seria para nós 0 resultado mais vantajoso, he 
sem duvida que a r.estituição de l\Iontevidéo á Espanha, 
adquirindo 0 R'eino do Brazil bons limites, e metendo hum 
corpo de oito ou dez mil Espanhoes entre nós e Buenos 
Ayres garante mais a nossa neutralidade e dá mais lugar a 
combinaçães futuras que nos sejam favoraveis do que os pIa- 
nos aereos dos agentes de Buenos Ayres". 
N'esta materia a opinião de Palmella, imbuida de euro- 
peismo, no sentido de se não deixar convencer da importan- 
cia capital para Portugal d'essa sua 'questão americana, e 
de conservar velhas idéas que além mar j á se tinham trans- 
formado com a transformação da colonia, discreparia sem- 
pre na ,essencia da da côrte do Rio, a qual visava á annexa- 
ção da Cisplatina, sem se indispor, caso isto fosse possivel, 
luctando mesmo, si não houvesse outro remedio, com 0 go- 
verno independente de Buenos Ayres, uma vez afugentado 
o espantalho hespanhol. Começa porque Palmella, que estava 
do la'do de lá do oceano, em contacto diario com os mediado- 
res, vivendo entre as intrigas das chancellarias, entendia que 
era em qualquer caso conveniente a conclusão de urn tratado 
com a H espanha. 


(1) Officio de 16 de .Janeiro de 181û. Corresp resel"V. da Le- 
ga
ão de Londres, no Arcl1. do 
Ii.n. da.s ReI. Ext. 



Do.M JOÃO VI KO BRAZIL 


707 


"Emquanto porér.n negociamos e vamos ganhando tempo, 
sem indispôr os mediadores - escrevia a Thomaz Antonio 
( I ), querendo 'eUe proprio ganhar tempo diante da soffre- 
guidão do seu governo - poderá ser que a força das circum- 
stancias induza a Espanha a adoptar a medida de enviar 
hum Infante (2) e os inconvenientes que achamos em propôr 
oficialmente essa medida como urn sine qua non da nossa 
parte para a restituição de l\Iontevidéo cessará logo que se 
trate de a promover e apoiar..." 
No intuito de abonar ainda mais perante a Europa a 
boa vontade portugueza e de dar que pensar á Hespanha, 
rebatendo-lhe as ameaças que continuavam ineorrigivelmente 
a chispar nas notas de Fernan N uÎÍez e nos despachos de 
qualquer dos numerosos ministros de estrangeiros que 0 capri- 
cho de Fernando VII elevava para sacudir poueo depois do 
gabinete, Palmella, apoz reassumir a gerencia da legação 
de Londres, fez solemne e directamente renovar pelo Foreign 
Office a obrigação britannica de garantia que andava vir- 
tualmente negada a Portugal por causa da sua pri!llit
 va 
attitude nos negocios do Rio da Prata. 
Tendo, porém, as cousas mudado por completo COIn a 
ulterior acquiescencia portugueza no proj ecto de medi
ção. 
era natural que Castlereagh declarasse a Palmella: "FrmTI 
that period His Royal Highness has f.elt that the Guarantee, 
\vhich had been rene\ved at Vienna in 18 I 4 was again in 
full force, and as long as the Government of the Kin:
 of 
Portugal shall continue to manifest as hitherto an anxious 


(1) Offido cit" Ùf' It) d" Janeiro <-If' Un!), ibidcm, 
(
\ 0 Infante Dom Francisco de Paula era 0 indicado em pri- 
meiro Ingar para a realrza ampri'cana, spndo por
m 0 candidato de 
Dom .Toào YI seu ncto 0 Infante DOli Sebastião, filho de Dom Pedro 
('a rIo:;;. 


. 



'j08 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


desire to terminate her differences with Spain on principles 
of acknowledged justice, and of mutual accomITIodation, 
so long \\?ill this Government consider that Guarantee as 
binding". (I) 
'Chegavam entretanto novas ordens do Rio de J aneìro, 
de serem continuadas sobre as bases. propostas pelos mediado- 
res as negociações conducentes ao tratado com a Hespanha
 
que os dous diplomatas portuguezes tinham estado procras- 
tinando, á espera de instrucções positivas para as accelerôr
 
retardar ou abandonar, e que assim tiveram de proseguir en1 
Pariz, dirigindo-as de perto 
larialva e de Londres Pal- 
mella, com sua dupla auctoridade de provecto pro-fissional c 
de chefe escolhido cIa corporação. Outros incidentes tinhanl 
todavia occorrido n'esse intervallo, of a adhesão de Dom 
J oão VI j á veio encon trar modificada a si tuação. 
o processo havia caminhado, tonlando a Hespanha Ulna 
posição definida. Suas objecções ao projecto de tratado eb,- 
borado pelos mediadores eram copiosas e, do seu ponto de 
vista, fundadas. Repugnavam-Ihe, a liberdade de commercio 
para os portos da margem esquerda do Prata, para não parc- 
cer que outras nações arrancavam ao seu governo concessõ
s 
que deviam ser espontaneas sob pena de desmoralizarem a 
Inetropole; a indelnnização pecuniaria a Portugal pelas des- 
pezas incorridas com a expedição e occupação de 
lontevi- 
déo, por assemelhar-se muito a uma reacquisição de territorio 
do seu proprio patrimonio, do qual tinha aliás 0 exercito por- 
tuguez extorquido fornecimentos avultados, sendo preferivel 
áquella compensação uma ces
ão territorial que não fosse em 
to do 0 casa a linha de observação militar indicada no pro- 


(1) Nota de 1 de Fevereiro de 1819, no Arch. do :\Iin, das 
Re1. Ext. 



DO
1 JOÃO VI NO BRAZIL 


709 


jecto, parallela ao Rio da Prata e inadmissivel por vanas 
razões de estrat:egia e soberania; 0 aviso previo da partida 
da expedição, que razão alguma j ustificava; a declaração de 
neutralidade da côrte do Rio na guerra entre a Hespanha 
e as colonias insurgentes; a restituição de Olivença sem com- 
pensação, con forme fôra de resto estipulado official mente, 
mas que a Hespanha pretendia nada ter a ver com 0 nego- 
cio platino (I). 
Tudo isto se continha no projecto e a tudo se furtava 
o governo de l\ladrid, offerecendo porém a 3 de Dezembro 
de 1818, para provar sua boa vontade, urn contra-projecto 
que incluia unla amnistia; unla rectificação de fronteira de 
modo a respeitar a scgurança do Brazil e para ser determi- 
nada dentro do prazo de urn anno; a conservação de urn 
corpo portuguez de 2.000 homens (a expedição hespanhola 
contaria pelos menos 12.000) no territorio hespanhol, for- 
mando uma linha militar de observação sem postos fortifi- 
cados, cuja direita se apoiasse sobre 0 Rio Negro, na foz 
do rio Cordovés, e a esquerda em Castillos chicos: isto para 
o caso do governo portuguez não preferir á cessão territorial 
a indemnização pecuniaria arbitrada em 7 0 milhões de 
francos, restabelecendo:se então em toda a plenitude a fron- 
teira de 1808. 
N a sua resposta de I I de Dezernbro tinharn os pleni- 
potenciarios portuguezes insistido corntudo na adhesão j á 
formulada ao projecto dos mediadores, salvo a substituição, 
que acceitavarn, da outorga do dinheiro pela concessão ter- 
ritorial. Logo em seguida, em Janeiro de 18 I 9, tomavam 
Palrnella e 
larialva, diante da calculada hesitação da Hes- 


I 1 I ('Ol'1'I'
JI. 1'1'''';('1'\':111n. <11' Palmelln.. no .\rch. do 1\fin. das 
!tel. E:&..t. 


. 



710 


DO}! JOÃO VI NO BRAZIL 


panha, irancamente partido pela separação das provincias 
hespanholas do Rio da Prata. Assim mudando de tactica, 
transmittiram ao duque de 'Vellington, encarregado unani- 
mem.ente pelo concerto europeu de proceder á pacificação 
diplomatica da America Hespanhola, a convicção em que se 
achava 0 soberano rortuguez da impossihilidade de fazer 
vol ver aquellas provincias quer pela persuasão, quer pelas 
annas, á sujeição da Inetropole; mostraram a conveniencia 
geral da humanidade, das potencias maritimas em particular 
e sobretudo da "visinha Inonarquia portugueza", no pôr-se 
termo á guerra de desolação que estava grassando havia tanto 
tempo, e suggeriran1 a utilidade, j á pdo lado de conservar 0 
elo entre a Europa e a America, já pelo de sopitar a febre 
de jacobinismo que da America poderia passar para a Eu- 
ropa, da installação de uma ou varias monarchias em favor 
de ran10S da real familia hespanhola, com uma organiza- 
ção liberal bastante para Ihes assegurar a consolidação (I). 
Pelo facto de approvar Inediocremente estas idéas e de 
sómente meio constrangido as aventar, não deixava pois 
Paln1ella de estribal-as em bons argumentos, 0 resultado 
sendo que a diplomacia portugueza ia ganhando terreno 
e impondo-se á adversaria. Em Fevereiro de 1819 annuia a 
Hespanha á restituição de Olivença e reitcrava sua inclina- 
ção de trocar por UI11a concessão teritorial a somma estipu- 
lada 'como indelnnização, procedendo-se logo a unl tratado 
de limites. N a hypothese de insistir Portugal na clausula 
da indemnização pecuniaria -0 que para a Hespanha, á 
vista dos seus apuros financeiros, seria uma solução espe- 
cialmente desagradavel- esta se não pagaria por completo 


(1) Corr{'sp. l'eseryada ùe rnlnH'lln, ibidem. 



DO:U JOÃO VI NO BRAZIL 


711 


si houvessc. uma linha de occupação militar, pois que assim 
se não verificava 0 caso de desoccupação integral do terri- 
torio. A occupação era calculada para findar dentro de urn 
anno, da mesma forma que se achava fixada a retrocessão 
de Olivença. (I) 
,Contradizendo mais uma vez a argumentação hespa- 
nhola, empenhada em sophismar 'e protelar nada menos 
do que a portugueza, escreveu Palmella de Londres urn me- 
morandum confidencial que não foi bem recebido em 
la- 
drid, tratando 0 governo de Fernando VII de activar os 
armamentos de Cadiz para a expedição tão postergada 
quanto esta chamada por 
larialva fastidiosa e por Palmella 
tediosa negociação. E' sabido como afinal se mallogrou a ex- 
pedição, occorrendo a sublevação de Riego que provocou a 
revolução constitucional de Janeiro de 1820, a qual não 
mais permittiu ao governo hespanhol occupar-se da nego- 
ciação de l\lontevidéo, continuando portanto a occupação 
portugueza que redundou na annexação. 
Até ahi duraram as delongas e tergiversações, expressas 
ou occultas n'um amontoado de notas c de communicações 
que faziam cavalgar constantes correios pelas estradas entre 
l\Iadrid, Pariz, Londres e ltalia (onde durante certos mezes 
de 18 I 9 se encontrava l\letternich) e andar continuos ex- 
pressos elnbarcados entre 0 Rio de Janeiro e Falmouth. A 
Hespanha apparentara entretanto formular maiores con- 
cessões. 
A 16 de Abril de 18 I 9 un1a In
lnoria do elllbaixador 
duque de Fernan N uÎÍez, em resposta ao m.emorandum {:.Iür- 
tuguez, n1udava 0 ponto terminal da consentida linha pro- 


(1) ('01'l'('sp. rp!-.pr,ada ùp Pnlm('lln. ,ibidf'lII. 



712 


DO}l JOÃO VI NO BRAZIL 


Vlsona de occupação portugueza da bocca do rio Cor,dovés 
para 0 Passo do Chileno, ficando esta linha de fronteira de- 
finitivarnente pertencente a Portugal dado 0 caso de se não 
poder ajustar urn novo tratado de lirnites e de não poder 
o governo de ]\;1 adrid pagar ao do Rio de Janeiro a indem- 
nização pecuniaria concordada. Possuia no erntanto a Hcs- 
panha, tal the ficando reservada, a liberdade de pagal-a 
no firn de uns poucos de an-nos si quizesse, d' este modo res- 
gatando a hypotheca concedida, sern verificar a cessão terri- 
torial, que era a alternativa (I). 
Continuava assirn para 0 Brazil a mesma incerteza 
no tocante á fixação e segurança da sua fronteira meridional. 
Receiavam alérn d'isso os 'plenipotenciarios portuguezes, pela 
declaraç::io hespanhola que 0 novo tratado de limites só se 
poderia verificar depois de urn minucioso exame das local i- 
dades, bem como pela falta de urn prazo prefixo para ulti- 
mação de todos os aj ustes, que por parte dos contrarios 
existisse qualquer segunda intenção. Por este rnotivo sugge- 
rirarn aos governos mediadores a 1 de Maio de 1819 a opção 
de ser intimada ao governo hespanhol a fixação irnrnediata 
dos pontos cardeaes da cessão territorial permanente ou 0 
pagamento tambem immediato da indemnização estipulada, 
recolhendo-se as tropas portuguezas de occupação da B,anda 
Oriental para a fron teira de 18 I 5, que corria pelo Quaraim. 
Como meio terrno entre as duas proposições lembrou 
o plenipotenciario prussiano yon Goltz 0 marcar-se a pe- 
riodo de urn anno, no fim do qual, si os Hespanhoes não 
resgatassem 0 territorio hypothecado ou si se não concluisse 
de cornmum accordo entre os gabinetes do Rio de Janeiro 
e de Madrid urn outro ajuste, ficaria a linha ternporaria- 


(1 ) C'orl'P
p, l't's('l'\'ada dt' Palmt\lla, ibidem. 



nOM JoAo VI NO RRAZITJ 


71
: 


mente occupada pelas tropas portuguezas pertencendo em 
plena soberania a Sua l\Iagestade Fidelissima. 
A linha provisoria, sem a determinação dos pontos car- 
Jeaes da definitiva, tinha por principaes defeitos inlpedir () 
governo portuguez de fortifical-a, expondo-se do contrario a 

astos porventura inuteis; arriscar 0 I1leSmO governo a 
disputas desagradaveis conl 0 Estado ou Estados visinhos, 
caso a Hespanh:l perdesse para todo sen1pre as provincias 
do Rio da Prata, ou então difficultar a futura negociação 
entre Portugal e H'espanha, fazendo surgir novas pretenções 
d'esta potencia, si par acaso fosse coroada de cxito a expe- 
dição de Cadiz (I). A singular tardança d'esta expedição 
não era tanto effeito da falta de recursos pecuniarios da mf'- 
tropole como de outras cirCUlllstancias, a Jllencionar entre 
dlas as recriminações de Paln1ella j L1nto a lord Castlereagh. 
Em virtude de taes reclamações mandou 0 ministro dos 
negocios estrangeiros da Grã Bretanha ao eIl1baixador eln 
IVladrid sir IIenry \Vellesley, ordens positivas e energicas 
afim de representar ao gabinete hespanhol que "se a expedi- 
ção se fizesse á vela nas actuaes circumstancias, toda a res- 
ponsabilidade do mau exito da negociação com a nossa côrte 
e das fataes consequencias que dahi podião resultar, recahiria 
sobre a I-Iespanha, e que as Potencias Mediadoras reconhe- 
cião que S. :\1. F. pela sua parte tinha feito desde 0 mez 
d'Agosto de 1818 tudo quanto se podia em justiça e eln 
equidade desej ar para terminar pacificamente esta contenda." 
Ao mesmo tempo cOI1llnunicava a lnglaterra que uma sua 
esquadra ia partir para os mares da America do SuI no In- 
tuito de proteger 0 comlnercio britannico, "dando a en ten- 


(1) Corresp. reservada de PalmeUa, no Arch. do 
llD. dils 
ReI. Ext. 


D. 
. - 45 



114 


DUM: JOÃO VI NO BRAZIL 


der que essa nlesma protecção se extenderia aos seus allia- 
d os " (I). 
AléIn d'estas advertencias da chancellaria britannica 
e simultaneamente com a apparição no suI da Hespanha da 
febre amarella, fazendo consideravel devastação sobretudo 
nos acampamentos, uma grande conspiração se descobria eln 
Cadiz, que obrigou 0 governo hespanhol a desarmar 7.000 
dos soldados que iam em bar car: com os 4.000 encarregados 
de compellir os insubordinados a deporem as armas, se com- 
promettia 0 general conde de Abisbal a eximil-o
 da obrigação 
de partirem na impopular expedição. 
Ficava assim esta des.falcada de I 1.000 homens, dos 
quaes ainda sc retirou parte para seguir para Caracas a 
pôr-se debaixo das ordens do general l\lorillo, reduzindo-se 
portanto os celebrados armamentos, meSITIO conseguindo sin- 
grar a armada, a uma cousa destituida da primitiva impor- 
tancia. Aliás á vista de todos os contratempos sobrevindos 
resolveu 0 gabinete de :\ladrid, ao que. declarou, acceder ao 
ajuste em discussão pelos bons officios dos mediadores, pa- 
gando a somma convencionada pela entrega de lVlontevidéo 
em duas prestações: a primeira metade no acto da restitui- 
ção da praça e a segunda logo que as tropas portuguezas 
tornassem ás posições que occupavam antes da invasão de 
I 816. 
Semelhante subita declaração, trahindo nova delibera- 
ção, collocava os plenipotenciarios portuguezes n'uma certa 
perplexidade, bem legitima pois que lhes tinha entretanto 
chegado do Rio, inequivocamente expresso, 0 desejo já por 
vezes anteriormente manifestado pdo gabinete portuguez de 


(1 " Of1Ïeio df' Pall1lC'lla (' :\lnl'ialnl a Thomaz .\ntonio de' Yill
l 

ova POl'tug;ll, (!:\ tado df' Pal'Ìz ao,; 10 d(' Agosto de un
, ibidem. 



:bOàI JOÃO VI NO BRAZIL 


715 


se não conduir tratado algum com a Hespanha sem a conai- 
ção da vinda de uma pessoa real para a America do SuI. Foi 
a vez de Pa1mella e lVlarialva esforçarem-se por ganhar 
tempo, chicanando sobre 0 modo de se effectuarem os paga- 
mentos. 
Com encetarem a negociação directa proposta por 
Fernan N uuez, encontraram elles 0 melhor meio de prote- 
lar 0 debate de accordo com as vistas da sua côrte, a qual 
invocava que ficaria em má postura perante as populações 
p1atinas si devo1vesse l\Iontevidéo sem ser em presença 
d'uma força armada hespanho1a incumbida da reivindicação; 
ou então pela acção dos mediadores, os quaes, ficara assen- 
tado, seriam representados na Ü'ccasião por commissarios 
especiaes; ou, me1hor que tudo, pela presença no Rio da 
Prata de urn representante de sangue da dynastia hespa- 
nho1a (I). 
Não existindo, ora por uma razão ora por outra, gran de 
empenho de qua1quer dos lados enl u1timarem-sc as negocia- 
ções, não admira que seguissem ellas por tal modo posterga- 
das ou antes arrastadas. Da conferencia directa entre Fer- 
nan N uîíez, 
larial va e Pah11eIla, vindo a este fim a Pariz, 
resultou que 0 embaixador d'Hespanha se não achava aucto- 
rizado para combinar a entrega de Olivença, nem 0 meio 
de se fixarem para 0 futuro os limites geracs americanos, 
nem a concessão do commercio livre a 
lontevidéo, em que 
insistia a côrte do Rio. Era com effeito mostrar pouca von- 
tade de tratar. Romperam portanto os p1enipotenciarios por- 
tuguezes a conferencia e dirigiram ás potencias medianeiras, 
el11 resposta ao pedido por estas feito ás duas partes litigantes 


(1) f'ol'l'esp. l'C'sPl',-ada dC' T'almet1f1, l1JifTcm,. 



71G 


DO
1 JOÃO VI NO BRAZIL 


dos seus respectivos definitivos projectos de accordo, urn ul- 
timatum destinado a angariar-lhes mais ainda a benevolencia. 
Declaravam-se ahi os representantes de Dom J oão VI 
invaria7!elmente decididos a não desistirem jalnais de parte 
alguma essencial das contidas no projecto inicial dos media- 
dores, fonnulado no anno anterior, COI11 as modificações 
apenas a que 0 governo portuguez accedera para testemunhar 
ao da Hespanha seu espirito nimiamente conciliador. Espe- 
ravam com isto Palmella e IVlarialva que a conferencia dos 
mediadores decidisse agir com vigor sobre a "versatilidade" 
do gabinete de 1\1 adrid, fazendo pre
são com 0 fil11 de ser 
acceito 0 projecto portuguez, por aquelles lavrado. Pozzo di 
Borgo, porém, trabalhou no sentido das intrigas russas, sem- 
pre favoraveis a Fernando VII, e levou os collegas a COl1- 
vocarem nova conferencia dos plenipotenciarios interessados, 
a saber, 0 hespanhol e os portuguezes para, sob a inspiração 
continuada dos representantes em Pariz das grandes poten- 
cias, se harmonizarem as differenças notadas entre os dous 
projectos apresentados pelas partes adversas (I). 
Não sendo aos portuguezes licito mais do que defende- 
rem sua posição e se radicarenl em sua resol ução de se não 
afastarem de Ul11 só ponto essencial do tratado cujo pro- 
jecto tinham perfiIhado, pareciam as cousas assil11 se enca- 
minhar para que se suspendessem por completo as negocia- 
ções entaboladas. Equivalia isto a verificar-se todo 0 objecti- 
vo da côrte do Rio, que outro não era senão deixar de con- 
duir-se qualquer tratado com a Hespanha, ficando as tropas 
portuguezas de posse da margem oriental do Rio da Prata, 
sem que 0 pudessem levar a' mal as potencias medianeiras, 


(1) :Maço cit. da.s negociações Palmel1a
Marlalva, no Arch. do 
Min. daB ReI. Ex.t. 



DO:\l JOÁO VI NO ÐHAZIL 


717 


antes carregando a Hespanha com a responsabilidade do 
nlallogro de urn aj uste que estaria effectuado si 0 seu 
abi- 
nete tambem mostrasse empenho em adherir ás vistas pro- 
postas. 
Palmella e l\larialva não pensavam exactamente sobre 
o assumpto como 0 monarcha e seus conselheiros, preferindo 
urn tratado á suspensão das negociações, cujo effeito se lhes 
affigurava poder ser a guerra. Recommendavam consequente- 
Inente que se apparelhasse 0 general Lecor com os meios 
precisos de resistir á expedição de Cadiz, porque "hum dezar 
que as nos
as armas experimentem em l\lontevidéo seria 
tanto mais sensivel quanta a Europa toda estará disposta a 
julgar do acerto da nossa actual conducta pelo rezultado que 
tiver aquella contenda" (I). 
OS plenipotenciarios portuguezes n'essa occasião per- 
sistianl ou apparentavanl de firmes na crença de que a expe- 
dição e
tava prestes a seguir, apezar dos serios embaraços 
que tanto a tinhaIl1 feito demorar, e para de todas as form as 
estorval-a, affirmaram ao ministro dos negocios estrangei- 
ros da Grã Bretanha que a côrte brazileira, no intuito de 
dim.inuir seus perigos, caso a expedição partisse sem aviso 
previo, se veria forçada a reconhecer a independencia de 
Buenos Ayres. 
Portugal proseguira mantendo sua postura, como lh'a 
ageitara Palmella, e a sem razão continuava segundo todas 
as verosimilhanças a estar com a Hespanha, cuj a má fé re- 
sumava sem disfarce nas notas prolixas, irritadas e aggressi- 


(1) Officio de Palmella e :\Iarla lva a Thomaz Antonio de 4 
de Setembro de 1819, no maço cit. ibidC7n. Este officio, bem como a 
nota dos mrsmos aos representantes d
s potencia.s medianeiras, de 1;) 
de Agosto dp 181!), e a memoria historlca de 26 de Agosto, com a nota 
ùa ml'!o\llla (lata e os projpctos de trat,ado annexos, acham-se publi. 
caùos no yol. I do
 Dnqlt/('lws e Cor,.rspullùcllda do duque de Palmella. 



718 


DO
1 JüÃü VI Kü BRAZIL 


vas do Duque de Fernan N uñez e nas declar.ações altaneiras 
dos abundantes ministros de estrangeiros que 0 Rei Fer- 
nando VII ia consumindo, fazendo prestemente succeder á 
elevação 0 exilio. 
A ultima pretenção do gabinete de l\1adri,d fôra cir- 
cumscrever á indemnização pecuniaria ou cessão territorial 
que a substituiria todo 0 campo da negociação, j ulgando 
prej udicél!dos com a nova eventual combinação os demais 
pontos - fixação permanente dos limites, devolução de Oli- 
vença e franquia mercantil para l\lontevidéo - que os ple- 
nipotenciarios portuguezes tinham posta de lado, não C01110 
annullados mas como accordados, não mais lhes parecendo 
necessario vol tar a discutil-os. Era opinião porém do plenipo- 
tenciario hespanhol que n'um projecto de tratado se não 
podia conservar umas certas cl-ausulas, approvando-as, e re- 
tirar outras por desagradaveis ou inexequiveis: cumpria ac- 
ceitar ou rejeitar 0 conjuncto. 
'Oom felici'dade respondiam Palmella e :\larialva (I) 
a uma tão estranha theoria dipIOl11atica, que offerecia sua 
contradicção viva no processo hespanhol de ir restringindo 
as concessões a principio promettidas: "Si dans Ie sours d'une 
négociation par Ie moyen de laquelle deux Parties cherchent 
à se rapprocher, l'une d'elles se juge autorisée à retracter 
à volonté les concessions qu'elle a officiellenlel1t accordées, 
comment pourra-t-on jamais pan"enir à s'entendre, et sur 
quelles bases l'autre pourra-t-elle s'appuyer, pour faire de 
son côté les concessions nécessaires afin d'arriver 
ì la con- 
I . d ' ? " 
c USlOn un arrangement . 


(1) XotH de 
1 (](' 
('tl'Illhro rle Un!) am; lleprcsentantes das 
l'otencillis mediadoras, no Arch. do )lm, das He!. Ext. 



DO)! JOÃÜ YI KG BRAZIL 


719 


A 4 de Outubro, fazendo assim realçar a bo
 vontade 
do seu governo - para 0 qual entrara 0 duque de São Fer- 
nando, reputado pelo seu espirito de moderação e cordura, 
formando contraste COI11 0 dos predecessores -, declarou 
Fernan N uñez que 0 gabinete de 
Iadrid acceitaria tJ :itar 
separada e isoladamente da restituição de Olivença, COl11tanto 
que esta negociação nada tivesse a vcr COI11 a reoccupação 
pela Hespanha da Banda Oriental. l\Iarial va j ulgou todavia 
inutil e inadmissivel essa concessão, porquanto 0 Rei Catho- 
lico contrahira pelo Acto Geral do Congresso de Vienna a 
obrigação implicita de effectuar sem condições a retrocessão 
d'aquella cidade portugueza. 
Par esse tempo j á Palmella, apoz demorar-se em Pariz 
de Abril a fins de Setembro de 18 I 9, se havia de novo re- 
tirado para Londres, onde 0 chamavam affazeres politicos 
connexos com a questão de 
Iontevidéo, e relativos a outros 
negocios pendentes. Foi por isso 1Vlarialva só outra vez quem, 
a 10 de Outubro, propoz desistir Portugal da indemnização 
pecuniaria - "unico aj uste proficuo á Corôa portugueza 
Que se achava oneroso á Hespanha no projecto de tratado" 
- si á testa da expedição de Cadiz partisse na qualidadc 
meSl110 de vice-rei urn Infante d'Hespanha. 
E xplicito estava comtudo que tal indenlnização pecunia- 
ria seria facultada pela Hespanha, não a guisa de compensa- 
ção da evacuação do territorio pelas tropas de Dom J oão VI, 
porque isso equivaleria a admittir ou reconhecer sobre elle 
direito
 que Portugal aliás não pretendia possuir, sim como 
uma compensaçãa da vantagem derivada para a Hespanha 
do facto de receber pacificada pelas annas portuguezas sua 
colonia rebellada. Conveln de resta nunca perder de vista 
n'esta questão que a rebellião tinha sido a causa determinante 



7
O 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


da intervenção da côrte do Rio, sob pretexto de e
,Jstlr 0 
perigo da insurreição de Artigas contagiar 0 Brazil do morbo 
revolucionario e depois de ter-se a Hespanha recusado a col- 
laborar com Portugal na extincção do féco incendiario. 
Não annuindo outrosim a Hespanha ás repetidas de- 
monstrações do enlpenho portuguez em conduir-se UlTI tra- 
tado que puzesse cobro á desconfiança e incerteza da situação 
geral creada por aquellas circumstancias entre os dous paizes, 
e de que Portugal entendia tirar diplOlTIaticalTIente vanta- 
gem, depois de a ter militarmente alcançado, annunciou 0 
nlarquez estribeiro-mór que, na ausencia de UlTIa resposta 
formal do monarch a hespanhol, 0 s-eu soberano recobrava a 
liberdade de acção. 
Era no emtanto, no dizer de l\Iarialva, sineero c beln 
sinccro 0 desejo da côrte portugucza no tocante á ida de urn 
Infante como vice-rei, preludio certo de UOla outra realeza 
americana. Dada a grande probabilidade da separação defi- 
nitiva das colonias hespanholas - cuja reunião á mãi patria 
constituiria ainda para 0 Brazil a nlelhor solução ao cntender 
òos dous plenipotenciarios portuguezes - parecia preferivel 
achar-se então 0 Reino do Brazil "rodeado de monarquias 
lcgitimas que sopeassem a tendencia ao republicanismo que 
se observa na maior parte das colonias hespanholas da Arnc- 
flea, e que 0 governo dos Estados U nidos não drixa dr pro- 
nlover" (I). 
Esta perspectiva, que 
Iarial\'a appellidava "luminosa 
idéa provinda da alta mente do nosso Augusto AlTIo" , con- 
tava com 0 decidido apoio do duque de Richelieu r tmnbcnl 
do novo ministro <Ios ncgocios estrangeiros da Hrspanha 


(1) Offici'O de Marialya a Tboma7 Antonio de 6 de Maio de 
1820, maço cit. no Arch. do ::\1in. das RcI. Ext. 



DO
I J OÃO VI :NO BRAZIL 


721 


constitucional, Evaristo Perez de Castro, conhecido antigo 
do marquez estribeiro-mór. Com Richelieu e seu substituto, 
o marquez Dessolles, tinham conferenciado e tratado os en- 
viados confidenciaes argentinos Rivadavia e conego Gomez, 
valendo-se do intermedio de Lafayette, a quem l\larialva 
alcunhava de "apostolo do republicanismo." A França, 
apoiando 0 projecto de uma monarchia portenha, apenas ma- 
nobrava clandestinamente para que 0 throno coubesse ao 
Duque de Lucca e não, como queria a côrte do Rio na il11POS- 
sibilidade do seu Dom Sebastião, a urn dos Infantes irmãos 
do Rei Catholico. 
Para 0 marquez estribeiro-mór, em seguida á revolu- 
ção constitucional hespanhola de 1820, a principal preoccupa- 
ção passara porém a ser, não mais l\lontevidéo e 0 limite do 
Rio da Prata, si é que alguma vez 0 fôra, sim 0 proprio, 0 
velho Portugal. Via este exposto a urn dos dous perigos: 0 
ataque armado pelos Hespanhoes no intuito de reannexar á 
monarchia liberal peninsular a conquista de Felippe II, ou 
o effeito da seducção exercida sobre 0 Reino angustiado e 
menospreza,do pela visinha mudança politica no sentido re- 
presentativo. 
As intrigas hespanholas trabalhavam com effeito em 
Lisboa para fOll1entar 0 espirito de desunião nacion2.l por 
meio da exploração do clescontentamento resultante do afas- 
tamento, j á s) stematico, da côrte de Dom J oão ,VI, e os li- 
heraes hespanhoes - que, mancommunados com os liberaes 
francezes e en tendendo-se graças ás sociedades secretas 
(' serviço dos contrabandistas da fronteira, tinhal11 be- 
bido suas inspirações além dos Pyreneus e realizado a re- 
volução de Oadiz - correspondian1--se com os espiritos 
adiantados de Portugal, ante os qua'es faziam brilhar a es- 



722 


DO}[ JOÃO VI NO BRAZIL 


perança risonha de uma Lisboa, a abandonada, capital da 
grande união iberica. 
l\.Iarialva por si via tudo negro: subnlergidas a corôa, 
a aristocracia e a religião no turbilhão anarchico contra que 
deviam reagir, e luctar por salvarem aquellas naufragas, todas 
as potencias conservadoras. Foi 1820, é mister não esquecer, 
o anno tambem das sangrentas insurreiçães de Napoles e da 
Sicilia, da intromissão mais activa e 111ais oppressiva da 
Austria na ltalia, de uma das crises geraes agudas na con- 
tenda européa da liberdade politica contra 0 despotismo. Por 
isso mais se agitava 0 embaixador portuguez em Pariz junto 
aos governos da Santa Alliança, para que interviessel11 contra 
a dissenlinação de tão perigosas doutrinas, organizando a 
resistencia legitil11ista n'um novo Congresso, 0 qual decla.. 
rasse que os actos de Vienna e de Aix-Ia-Chapelle continham 
virtualmente uma garantia total e reciproca, por parte das 
potencias signatarias, dos seus respectivos territorios e formas 
de governo, salvo as modificações que cada Ul11 dos sobera- 
nos julgasse conveniente outorgar, de accordo com os outros, 
em beneficio dos seus vassallos (I). 
o que 
larialva pretendia era que, reforçando-se a 
garantia proveniente dos referidos tratados e que aquellas 
nações se deviam mutuamente, ficasse particularmente asse- 
gurada a ameaçada integridade da monarchia portugueza. 
Fazia n'este designio observar que, no caso de perder a 
, 
dynastia de Bragança 0 seu dominio tradicional, a realeza 
de Dom J oão VI se tornaria puramente american a He de 
mãos dadas com os Estados Unidos consuml11arião a obra já 
muito adiantada da separação geral do Novo '1\1 undo, 0 que 


(1) Corre::;p. ùe l\Iarialva, no .\rch. do :Min. das ReI. Ext. 



DO:\I JOÃü VI NO BRAZIL 


723 


não podia deixar de ser huma calamidade para a Eu- 
ropa'. (I) 
A Hespanha liberal julgava entretanto posta que erra- 
clamente, pois que bastaria lel11brar-se que ao tel11po das pri- 
meiras tentativas de separação en vergara j ustamente a me- 
tropole vestes constitucionaes, ser a transformação politica 
operada no seu seio motivo sufficiente para attrahir as co- 
lonias rebelladas e refazer-se a ligação despedaçada. Ao tão 
protelado projecto de reconquista tinha ella mesmo de re- 
nunciar por c0111pleto, consider an do suas novas esperanças, 
sua nova orientação, suas novas preoccupações e, muito par- 
ticularmente, a impopularidade da expedição ultramarina 
entre os militares. 
o perigo !,1ão cessava comtudo para 0 Brazil de urn 
rechasso, subsistindo até malOr com a união federativa de 
Buenos Ayres, Santa Fé e Entre-Rios, ao que se suppunha 
au suppunha pelo menos a diplO111acia portugueza com an- 
nuencia e apoio de Artigas - "capitão general da Banda 
Oriental" - que para semelhante fim teria delegado seus 
poderes e instrucções ao governador de Entre-Rios. Para 
Inais a tal resultado parecia não haver sido estranho, senão 
o governo britannico, 0 commodoro Hardy, chefe da es- 
quadra ingleza estacionada no Rio da Prata e, pelo que 
n'aquelle tempo se disse, despachado no intuito de auxiliar a 
traI11ada deposição de Pueyrredon e 0 estabelecimento da 
concordia entre as Provincias pouco unidas. 
Favorecendo a conspiração de Sarratea, que por longo 
tel11po vivera na lnglaterra, contra 0 Director inclinado á 
solução monarchica por falta d'outra melhor ou de nlais 


(1) ufficio cit. de G de 
Iaio de l
:.!U, ibidcm, 



724 


DO)! JOÃO VI 1\U BRAZIL 


facil execução, a Grã Bretanha favorecia é benl de ver os 
seus proprios interesses, que a França procurava contrariar 
no espirito do antagonismo reinante entre as duas nações, ao 
Inesmo tempo que buscava implantar no Prata a sua supre- 
macia Inoral, protectora de proveitos positivos. 
A solução monarchica não era realmente acolhida no 
Rio da Prata senão como luna cousa preferivel á recoloni- 
zação, enl todo caso muito inferior á completa emancipa- 
ção. Abonaria a perspicacia de Palmella - si outros tantos 
factos a não comprovassem de sobejo - 0 não haver desde 
principio acreditado na sinceridade realista de D. Valentin 
Gomez e de Rivada" ia, os quaes, ao que se propalara, anda- 
VaIn trabalhando na Europa por aquella solução; de facto 
r,ugnando principalmente pelo reconhecimento da indep('n
 
dencia da republica organizada em Buenos Ayres. U ma 
prova está ell1 que 0 conego Gomez, quando conf
renciou 
em J unho de 18 I 9 com Palmella e l\larialva ácerca da fun- 
dação da monarchia portenha, recusou tomar a iniciativa da 
proposição respectiva, quer junto do governo hespanhol, 
quer mcsmo junto das potencias alliadas: 0 que pode não ex- 
cluir sua lealdade, mas certamente não traduz 0 seu afan 
pela missão de que vinha apparentemente encarregado (I). 
Outras circumstancias Inais pelej avam contra 0 pIano 
de creação de monarchias hispano-americanas, afagado pela 
côrte do Rio no intcnto mais que tudo de extinguir em redor 
do Brazil 0 espirito republicano que se antevia nocivo ao 
Reino brazileiro. A Hespanha rejeitara na sua contenda 
com as colonias revoltadas a intervenção an1igavel de 'Vel- 
lington, mediador para esse fin1 escolhido pelas grandes 
potencias. Achava-se portanto, em conformidade dos ajuste
 


(1) Con'csp. reserva(la de Palmella, ibülcm. 



DO:\I .TOÃO VI NO BRAZIL 


"0- 
l_tJ 


de Aix-la-'Chapelle, ipso facto terminada a tentativa de me- 
diação, ficando as nações alliadas em posição de não pode- 
rem dignamente suggerir quaesquer outros alvitres, quando 
era formalmente recusado a medianeiro par ellas proposto 
para esboçar uma composiçãoo U ma mudança na forma re- 
publicana das Provincias U ni'das não era par outro lado de 
natureza a eliminar a ameaça do reconhecimento immediato 
da sua independencia da parte dos Estados U nidos, demo- 
rado apenas par causa da cessão das Floridas, cuj a tratado 
se achava dependente da ratificação do Rei Catholico, n'esse 
aj uste pando a governo american a a maior empenhoo 
J á sabemos que Palmella nunca morreu de amores pela 
lernbrança, considerando preferivel á ll10narchia propria au 
á democracia a reposição da auctoridade da metropole, com 
limites definitivos estipulados de fresco entre a America 
Hespanhola e a America Portugueza, emendando-se a que 
a linha de 1777 podia ter de absurd a, respeitando-se a con- 
quista portugueza de 1801, das missões do Uruguay, e até 
consolidando-se a avançada das tropas d'EI-Rei Dam 
J oão VI em territorio oriental. 
Desde então a côrte do Rio de Janeiro queria dar par 
nullo a tratado de 1777, em vista da guerra peninsular de 
1801 e dos tratados subsequentes de Badajoz e IVladrid que 
teriam virtualmente invalidado a convenio de San Ildefonsoo 
Palmella porém não pensava exactamente da mesma forma, 
ponderando a T'homaz Antonio (I): "0.. procuraremos sus- 
tentar que a Tratado de 1777 nunca se executou par não 
ser intelligi7.:cI J e que portanto he nullo de si mesmo; pais 
a não ser assi
 difficilmente poderiamos sustentar perante 
os :\Iediadores a these da nullidade do sobredito Tratado 


(1) Officio reservado de 9 de Março de 1819, ï.bWøm. 


. 



726 


:DO
I JOÃO VI NO BRAZIL 


par motivo das guerras subsequentes que occorreram, e 
mesmo do T'ratado de Fontainebleau, vista que a estado de 
guerra suspende só e não annulla as Tratados de limites 
existentes, as quaes se deve-m julgar revalidados, logo que se 
não faz menção J'elles nos Tratados de paz." Si as insurgen- 
tes vencessem e se puzessem independentes, então sim. era 
opinião de Palmella que se não devia a governo portuguez 
julgar obrigado para com elles, representantes de novas 
soberanias, pelas convenções que tivesse concluido com a 
Hespanha - "e si elles tal pretenden1, dão desde j á a co- 
nhecer a sua arroganeia e vistas ulteriores, das quaes eu 
nunca duvidei". (I) 
A retenção de l\.lontevidéo não se the afigurava par 
Gutro lado corrente nem facil. A permanencia de Palmella 
em Londres, combinada com as circumstancias do momenta 
na politica geral, tinham levado Castlereagh a sustentar 0 
mais resolutamente possivel a côrte do Rio na questão da 
oecupação da Banda Oriental, exereendo n'este sentido ern 
l\Iadrid a maior pressão eompativel com a dignidade, que 
par muito poueo se julgava ultrajada, da eôrte hespanhola e 
com a decoro mesmo das relações internacionaes. Não le- 
vava comtu,do a Inglaterra a altruismo ao ponto de abando- 
nar pelos Portuguezes seus interesses americanos, que eram 
os do seu comm'ercio e da sua influencia, e se adaptariam tão 
bem au até melhor a outras condiçães. 
o governo britannico nutria aliás a certeza de que, 0 
imperialismo de Dom J oão VI não tinha folego para chegar 
além do Prata, confessando a proprio Thoma.z. Antonio tex- 
tualmente a Pahnella n'uln dos seus despachos (2) que nenl 


(1) Officio l'e
('rYado dE' 8 dp :\I:lio elf' 1
1!1, ibi(7rln. 
(2) .Arch. rlo :\Iin, da
 ReI. Ext. 



t>O:U JOÃO VI NO BRAZIL 


727 


se terminara a tranquilla occupação de toda a Banda Orien- 
tal, camp_o relativamente pequeno onde a revolta campeava 
ainda, nem.. existia "a certeza de conservarem-se 0 affecto e 
fidelidade daquelles Povos." 
Por isso, emquanto brandia a ameaça da expedição 
de Cadiz, mais mesmo do que os seus organizadores, con- 
servava Palmella em mira urn duplo fim: induzir n'uma 
intenção patriotica a côrte do Rio a se não deixar emba- 
hir pelas tergiversações do gabinete de l\ladrid, 0 qual, no 
seu parecer, procrastinava sobretudo a negociação para dar 
tem'po á expeJdição de singrar sem que 0 governo portu- 
guez tivesse tom/ado no Brazil as precauções devidas, e con- 
vencel-o de que tampouco se abstivesse "par excesso de mo- 
deração e de confiança na intervcnção dos mediadores" de 
preparar-se para todas as eventualidades, inclusive qualquer 
affronta naval á capital brazileira ou a occupação, que prom- 
ptamente acudia, da ilha de Santa Catharina. 
T res cram as razões que instigavam a plenipotenciario 
de Dam J oão VI a fazer adoptar, caso fosse possivel contar 
com a final adhesão da Hespanha, a tratado aj ustado com 
as potencias medianeiras, a qual the parecia a melhor solução 
de todas as propostas. Tratar com a Hespanha, mau grado 
seus destemperos de linguagem e suas pretenções chronica- 
mente desarrazoadas, sempre era preferivel a tratar COll1 as 
novas democracias que d'ella queriam separar-se e viver vida 
independente, ainda que penosa. 
A confederação argentina especiahnente. unla vez de..;. 
embaraçada da guerra do Perú e reconhecido a seu governo 
par uma ou mais potencias estrangeiras, appareceria nas suas 

rr riçães ll1ais intratavel ainda do que a ll1etropole, si bem 
que esta, conseguindo reconquistar Suas colonias, não cessa- 



728 


no1\'! .JoÃo VI NO BRAZIL 


ria de mostrar-se a visinha altamente incommoda de sempre, 
no tocante á exclusão portugueza da bacia do Prata. Ainda 
com as Provincias U nidas, Palmella 0 esquecia, havia a 
esperança, a quasi certeza n'aquelle tempo de obstar-Ihes 
ás aggressões, dominando-as a monarchia luzo-brazileira 
pela extensão dos seus recursos e condição politica homoge- 
nea e disciplinada, bem differente da de unla democracia 
anarchizada. N'este sentiJo a restauração hespanhola srria 
de mais problematica vantagem. 
Em futuras intelligenci-as com a governo reconhecido de 
Buenos Ayres Pahnella se não fiava absolutamente, partinJo 
de que a qualidade de republicano 0 tornaria instinctiva- 
Inente incol11pativel COIn 0 governo nlonarchico do Brazil; 
outrosÍIn alirnentando elle infallivelmente "0 in ten to bem 
natural de recuperar a Banda Oriental, sendo que a boa 
harmonia comnosco só subsistirá emquanto julgar que Ihc 
servimos de escudo para 0 guardar de huma invazão do
 
IIespanhoes, e emquanto não tiver adquirido forças suffi- 
cientes para acommetternos" (I). 
o -ajuste entre Portugal e H.espanha, facilitando 0 
complemento da invasão de 1816, poderia com effeito des- 
agradar tanto ao governo de Buenos Ayres que apreS5ass
 
o rompim.ento com 0 Brazil, urn desfecho que PalmeUa 
julgava com acerto impossivel de evitar no futuro. Entre- 
tanto, dando-se nlesmo 0 rompimento com Buenos Ayres, 
melhor the parecia ter a questão ser,enada pelo que dizia 
respeito á Hespanha; tanto mais quanta se não desoccuparia 
gratuitamente urn territorio pelo qual se ia vantajosam.ente 
obter compensação pecuniaria ou territorial, consistindo a 


(1) OffiiClo reservado de 11 de Julho de 181!), ibidem. 



D01[ JOÃO VI NO BRAZIL 


729 


lucro mawr, porém, en1 se terem evitado os males de uma 
guerra. 
o que a tratado offerecia espe-cialmente de born, se- 
gundo Palmella, era não hypothecar a futuro. Não seguindo 
par fim de contas a expedição de Cadiz, permanecia nec-es- 
sariamente Portugal, mau grado a tratado e pela propria 
força das circumstancias, na posse pacifica e legal do ter- 
ritorio occupado pelas suas forças. Seguindo a expedição e 10- 
gran do reconquistar as provincias do Prata, cessaria para 
Portugal 0 perigo ,da visinhança do fóco revolucionario, 
sem cessar a possibilidade de negociar ulteriormente corn a 
Hespanha a acquisição de todo 0 territorio da Handa Orien- 
tal, até e sobretudo no caso de se haver forçadamente limi- 
tado a reconquista a essa colonia, 
o mais agradavel comtudo a Dam J oão VI era, con- 
forme aconteceu, não se ultimar tratado com a 'côrte de l\Ia- 
drid, pois que the repugnava vivamente a idéa de entregar 
a praça de l\Iontevidéo, "pref.erindo manter pelas armas 
a que não tivesse perdido pelas negociaçães." V erdade é que 
na confissão de Palmella, que como diplomata e como cor- 
tezão estava duplamente habilitado para sempre descobrir 
o proveito de qualquer solução aprazente ao seu soberano, 
não se celebrando convenio algum previo e atacando a Hes- 
panha as trap as portuguezas estacionadas na margem orien.. 
tal do Rio da Prata (hypothese que se não verificou), a 
repulsa legitimaria a occupação. "AdquiriremO's então, além 
da posse de facto, huma especie de direito para conservar 
aquelle territorio" (I). 


(t) ('or1'{'RIL l'f'Rf'l'yndn d{' Pnlu1i'l1n, no .\1'('11. <10 l\Tin. (la
 
Hel, Ext. 


D. ;[. - 40 



730 


DUM JOÃO VI NO BRAZIL 


Pahnella nunca se perdera no dedalo das instrucções 
que the eram transmittidas para darem ao gabinete portu- 
guez ares de muito empenhado na solução diplonlatica da 
questão - não admirando par isso que as reputasse a des- 
tinatario "confusas e contradictorias" (I) - porquc encon- 
trava invariavelmente a esclarecel-o e guial-o nas peores 
conjuncturas a seu extraordinario bonl sensa. Este, ligando-se 
a urn certo opportunismo que the era peculiar par telnpera- 
menta e par dever d'officio, concordava afinal no fundo COIn 
a ambição da côrte do Rio, achando que 0 territorio occupado 
"j á agora, de hum modo au de outro, deve ficar perma- 
nentemente pertencendo ao Reina do Brazi1." 
A annexação seria fatal, não só certa, na eventualidade 
de lima guerra na Peninsula, declarada, quando outro não 
fosse a fundamento, para attribuir emprego profissional ao 
exercito revolucionario hespanhol afastando-o mesmo de in- 
tervenções na politica domestica. U ma guerra transatlan- 
tica, in Jitu
 é que appar,ecia cada dia Inenos provavel e, 
prevenindo a caso da paz, lenlbrara-se Palmella no decorrer 
das negociações em Pariz de estipular que, passado a prazo 
da troca de 1\Iontevidéo par uma indemnização territorial 
ou pecuniaria, Portugal exigiria da Hespanha a quantia de 
400.000 francO's mensaes a titulo de compensação dos gastos 
que acarretava a occupação. E como a transformação politica 
da H,espanha, provocada pela revolução de Cadiz, tornara 
problematica a mediação e adiara sine die qualquer desen- 
lace par accordo directo, d'outra banda pando embargos 


(1 ) Carta fI 
aldanha dn (;ama 110 t0ll10 T dm;: nCS/HH'1I0S (' (/01'- 
1"(""[J()IU!('Ilf"i.fl, on-elf' tamb('m Sf' {'ncont1'am O
 Û'ffioCio
 de 8 de :\1 a 1'<;0, 
I:! de Aù1'il, 11 dE' 
Iaio e 1;; IIp' .Junno d
 lS:!O, di.1'igidos a r:L'l1omaz 
,Antonio immp,diata.mt'llte antes do pmvanllw de Palnwlla para 0 Ri.o 
de Janetro. 



DOM JOÁO VI NO BRAZIL 


731 


a uma acção nu ultranlar, as 11lensalidades a pagar subirianl 
depressa a uma somma muito consideravel que Portugal, 
como concordava a lnglaterra, teria 0 direito de reclamar 
a tado tempo antes de evacuar 0 territorio. 
Nenhuma d'estas combinações da astucia do plenipo- 
tenciario .de Dom J oão VI teve todavia ensejo de se veri- 
ficar, continuando toda 60lução a procrastinar-se. Quando 
Palmella chegou ao Rio de Janeiro, a occupar os seus minis- 
terios, apenas encontrou directamente regulada para a emer- 
gencia da desoccupação portugueza e autonomia da Banda 
Oriental, a .delimitação pendente com a metropole e que 
em 18 I 9 fôra do modo mais pratico fixada no terreno pelo 
conde da Figueira, capitão general do Rio Grande do SuI 
e delegado para tal fiIn nOIneado pelo govcrno portuguez, e 
pelo delegado do Cabildo que proclamava representar a 
suprenla auctoridade da Banda Oriental, D. Prudencio 
l\lorguindo. 
A fronteira accordada entre 0 Reino do Brazil e a que 
seria no dia seguinte sua provincia demarcada pelo curso 
do Uruguay e estuario do Prata, precavia qualquer even- 
tualidade de reconquista hespanhola ou absorpção platina, 
fazendo correr a linha divisoria da foz da lagôa de Cas- 
tillos, pelos alagados parallelos á costa, até a lagôa lVlirim, 
d'ahi torcendo para 0 rio J aguarão, attingindo 0 rio Negro 
e seguindo as cumiadas dos serros até as nascentes do rio 
Arapehy, cujo curso acompanhava até desemboccar no U ru- 
guay (I). 


(1) Handelmann, Geschich te von Brasilien. Eslta foi a linha que 
velo a prevalecer com 0 reconbecimento, a 27 de Agosto de 1828, da 
Ucpublica indepen'dente do Uruguay, que não deixou logo depois de 
roclamar a frollteira, mais farvoravel, do tratado de 1771. 




CAPITULO XVIII 


ADMINISTRACÃO E JUSTICA. OS INTERESSES AGRICOLAS E 

 
 
INDUSTRIAES 


l\lercê de uma critica sentimental mais do que de urn 
são discernimento, exercido como é 0 criterio á distancia dos 
acontecimentos historicos analysados e, no geral, sem exame 
j udicioso dos factos e menos ainda dos documentos, tem-se 
ultimamente creado uma certa lenda de que foi impeccavel a 
administração brazileira do tempo de Dam J oão VI. Descre- 
vem-na muitos como totalmente diffe-rente da que a pre
e- 
deu, e progressiva e n10ralizadora ao ponto de poder servir 
de modelo perpetuo para as administrações subsequentes. 
A veråade está em que, conforme temos ido verificando, 
a Brazil lucrou extraordinariamente com a trasladação da 
côrte, porque adquiriu 0 que the escasseava no plena re
i- 
men co!onial- desafogo para a sua população, no dominio 
econOInico e politico, e consideração par parte dos poderes 
publicos, de que não andasse excluida a deferencia. 0 go- 



734 


DOl\I J010 VI :KO BRAZIL 


verno porem, segundo já ficou igualrnente notado ao ser con. 
tada a acção trefega de Linhares, não se lirnpara da sua 
rnancha original. 
Escrevia Hippolyto com sal no Correio (I) que esse 
governo novo fôra arranj ado -pelo Almanack de Lisbo'a. Es- 
tabeleceram-se no Rio de Janeiro urn Desembargo do Paço, 
urn Conselho de Fazenda, uma Junta de Commercio, sin1- 
plesmente porque existiam em Portugal: não se indagou ab- 
solutamente si 0 Brazil carecia muito ou dispensava aquellas 
fundações. "Precisava-se porem no Brazil, pela natureza 
do paiz, urn conselho de minas, uma inspecção para aber- 
tura de estradas, uma redacção de mappas, urn exame da 
navegação dos rios." De nada d'isto se cuidou logo por não 
constarem taes cousas do Almanack de Lisboa, roteiro da luza 
administração. 
Accresce, na opinião de Hippolyto, que de semelhantes 
instituições judiciarias, administrativas ou consultivas, al- 
gumas eram pesadas mesmo em Portugal, sobre serem quasi 
inuteis no Brazil. Elle citava como exemplos 0 Conselho de 
Fazenda; a l\1eza da Consciencia e Ordens, que possuia 
jurisdicção no civel, confiada ao clero na pessoa do vigario 
de vara, de cujas decisões havia recurso para 0 vigario geral, 
e .que servia tambem de juiz dos casamentos, sendo 0 seu 
consentimento indispensavel ás uniões, e 0 Supremo Conse- 
Iho l\lilitar, cuia auctorização era necessaria para ser urn 
official, mesmo da milicia, processado por urn paisano, da 
mesma forma que, quando era urn padre 0 demanòado, ao 
juiz ecclesiastico cabia julgar. Este ultimo conselho era 0 
que decidia sobre as prezas, mas 0 estado de paz do Brazil 


(1) N. 30, Novem.bro de 1810. 



DOl\l JOÃO VI NO BRAZIL 


735 


(a guerra de l\Iontevidéo não começara ainda) e a insigni- 
ficancia do seu poder militar tornavam futi! 0 m'Otivo para 0 
dispendioso e dispensavel ornamento burocratico. 
Entendia Hippolyto que os trabalhos da 
Ieza da 
Consciencia e Ordens bem podiam ser despachados uma vez 
por semana pelo capellão-mór, e os do Conselho de guerra 
pelo general em chefe com do us officiaes da secretaria, Täo 
geral e servil apparecia comtudo a imitação, que até para 0 
regimen to da alfandega do Rio se foi buscar por modelo 0 
foral da alfandega de Lisboa, creando-se, com 0 fim de evitar 
o escandaloso contrabando, as mesmas duas classes de guar- 
das e outra'S disposições em tudo identicas ás que na capital 
do Reino tinham sido estabelecidas. N em se lembravam os 
conselheiros do monarcha, segundo. apurava 0 periodista, 
que 0 T'ejo é, até defronte da cidade, urn rio estreito, com- 
parado com a am'pla bahia de Guanabara, n'esta "desa- 
guando 1-1- rios navegaveis para onde se podem niandar 
lanchas e botes a toda a hora" (I). 
o Correio Braziliense
 com ser 0 unico periodico por- 
tuguez do tenlpo que podia manifestar independencia, por- 
que se editava fóra dos dominios reaes e tinha á sua frente 
urn homem de espirito desassombrado e clarividente, consti- 
tue 0 lllelhor, senão 0 exclusivo (2) repositorio das falhas 
da adnlinistração brazileira. 0 jornalista cat ava-as escru- 
pulosamente para expol-as á luz da publici dade, e não ces- 
sava sobretudo de verberar os famosos capitães generaes do 
ultramar, que a rnudança da côrte não afugentou, no maior 


(1) ('orr('Ïn Hr(l;:;li(
use. n. cit. 
(:! I Em Hq:: fUDflOlH';(' pm Londl'f's, soh a dirccc:ão do DI'. .J oão 
ßf'L'llardo da Hocha. ontro lwrioc]ico-O Portllgllez-do mpsmo genero e 
ol'ientac:ão do Corrdo. 



736 


DO)1 JOÃO VI KO BRAZIL 


numero militares analphabetos de boas casas que se pejavam 
de nlandar seus filhos recebercln cnl Coimbra graus aca- 
demicos e ganharem uns vislumbres de illustração. 
Hippolyto, si não foi propriamente venal, no sentido de 
pôr em almoeda a sua penna de pamphletario, não foi toda- 
via incorruptivel, -pois que se prestava a moderar seus ar- 
rancos de linguagem a troco de consideraçães, de distinc- 
ções e mesmo de patrocinio official. "Eu tenho-o contido 
em parte até qui com a esperança da subscrição que pede, es- 
crevia 'para 0 Rio 0 embaixador D. Domingos de Souza Cou- 
tinho (I). Eu não sei outro modo de 0 fazer calar. Pago 0 
jornal pode-se dictar. .. 0 Redactor tern igual talento para 
o bem e para 0 mal; e se 0 livro se fizer de todo inocente, 
pode-se fazer util e destribuil-o. Em to do 0 caso eu dezen- 
carrego a minha consciencia para 0 futuro. Disputar he es- 
cuzado n'este Paiz - já se vio 0 que J osé Anselmo queria 
fazer atacando-o. As respostas que sahem em Lisboa, são 
peiores que a molestia. S. A. R. rezolverá 0 que fôr mais 
do seu Serviço." 
Hippolyto incontestavelmente tinha coragem, era do- 
tado de liberalismo, lançava vistas sadias e adiantadas sobre 
a administração publica portugueza; mas 0 seu odio ao em- 
baixador e os seus ataques virulentos contra os Souzas (Li- 
nhares, F unchal e 0 Principal Souza, membro do Conselho 
de Regencia do Reino) eram filhos mais do despeito que 
da sinceridade. EHe não fizera entretanto da opposição uma 
mercancia, is to é, descobrira que 0 melhor meio de ganhar 
dinheiro, de hem espalhar 0 seu periodico, fosse 0 aggredir 


(1) Officio de 14 de 
\..bril de 181u, no 
\..rch. do 
Iin. das 
ReI. Ext. 



DO:ll J010 VI SO BRAZIL 


737 


a torto e a direito. N em se po de dizer que a interessasse 
tanto 0 auxilio pecuniario, visto que 0 Gorreio se vendia 
muito em Londres - todos os Portuguezes e os Inglezes em 
r.elações COIn Portugal e Brazil COlllpravaIn-no e exporta- 
vam-no - como 0 seduzia 0 facto de ser tratado como uma 
potencia, 
Estava por ISS0 prompto a sopitar os seus ardores de 
censor e pôr de lado discussões irritantes de personalidades, 
si chegassem a certos accordos com eUe. Visava comtudo 
mais ainda do que á contribuição, á deferencia, desejando 
que 0 governo impedisse actos como 0 do governador do 
Pará, J osé N arcizo de :Magalhães, que contrariado com al- 
gumas reflexões causticas do G orreio 
 mandara confiscar os 
exemplares recebidos e entrarem os possuidores para 0 Era- 
rio com a importancia dos mesmos. "Agora com muita reni- 
tencia, escrevia D. Domingos, custou a alcançar que suppri- 
misse hum artigo virulento, que tinha j á impresso, contra 
J. N arcizo de l\Iagalhães..." Chegou 0 j ornalista a com'pro- 
metter-se algum tempo, na phrase do embaixador, "a escre- 
ver para utilidade publica e não para fazer ataques pes- 
soaes". (I) 
Funchal preoccupava-se mais do que queria confessar 
com a opposição do Gorreio. as governadores do Reino 
então e 0 Secretario do Governo, l\liguel Pereira Forjaz, 
especialmente, esses nem dissimulavam sua irritação. Hippo- 
lyto naturalizara-se Inglez: não podia portanto ser expulso 
á solicitação da embaixada, segundo acontecera com J osé 
Anselmo Corrêa. Depois, gosava da amizade do Duque de 
Sussex, irmão do Principe Regente da Grã Bretanha, que 0 


(1) Officio dt" ilJï.dcm. 



';:i8 


DO:\! J010 YI XU BR.\ZlL 


reconlmendara com calor em carta autographa ao Principe 
R,egente de Portugal. (I) Não restava pois nlais do Qne 
entenderenl-se amigavelmente 0 potentado da imprensa e 0 
da diplomacia. 
A correspondencia entre Funchal e \licente Pedro N 0- 
lasco da Cunha, que depois foi com 0 apoio da embaixada 
urn dos fundadores do I wl'estigador Portugucz
 inventado 
para s.en'ir de contra peso e dar 0 troco ás invectivas do 
Correio
 não permitte duvidas sobre 0 ensaio de intelligen- 
cia com 0 periodista. " Torno bem a n1eu pezar a ilnpor- 
tunar a 'T. Ex.
 a respeito do Can-do Braziliellse
 cujo Editor 
está in1paciente 'de yer que eu não me resolvo a aceitar a 
proposta que elle m'e fez, e com a maior difficuldade con- 
tinua a prestar-se aos conselhos que por via do Dr. V. P. 
Nolasco da Cunha Ihe man do contipuamente, para que não 
nomeie individuos, transformando assim 0 seu jornal em 
luun libello..." (2) Por outro lado queixava-se V'. P. No- 
lasco da Cunha em carta ao embaixador da falta "dos meios 
daquella agencia que aplana as rnaiores difficuldades". 
D. Domingos de Souza Coutinho até ahi não opinava 
mesn10 pela fundação de outro jornal londrino, preferindo 


(1) Esta mISsl\'-U I'ra n('olllpanhada d0 lIma notn a FUlll'hal 
c011'cf'ibida nos; sf'guintps termos: "T11f' dukf' of Su!'!'ex, is extremely 
anxious that SOlllP act of fH\"UU1' mHY hp ('onfel'l'('d on )11'. Hipolito 
da Costa in ordp1' to do :nv:::y the unmerited sU
ma, which the intri- 
g-11('
 of )I()n
i('ur de Lima (]J, LouJ"{'I/{'() de Limo) and Pina )Iani(]H0 
1In\'(' "1'0 II/..!'l 1 I "pon him. I'('r1laps )11'. (](' 
omm IIlÜ,dlt find him a vpry 
HSl'fuI ]Jl'J'son to 1)(\ "lllplt)
'l'd in t1w commission relative to thf' COI11- 
1Il1'1'('inl ('OlH'l'rn!' with tlw Hrèlzils. TIll' (lul\:0 of f'lISS'PX can ans\\,('r fOl. 
his z('
l an
l ('}PH\"pl'np"s," A (,H1'tH, quP Sf' 
'n('ontra no .\11'('11. do :\Iin, 
das Upl. E
t" p dat<Hla (]p !\.(,II-'íillf/lfJll PaT((('c, NatllnTay 1IIorning, Sf'm 
m('n
iill pOI'(>m de II1I'Z ou anno, 
I:!I f)ffif-io a Linh
l1'es d,!'
) .1'11' 
Iaio dp 1810, no Al'eh. do )Iin. 
òa!' ReI. Ext, Funchal ajllnta: "En não d(,!'f"
1}(\1'0 d(' po:]pr vir a 
!'>aher o
 nomrs das pp

oas dp-ssa Corte que lhe fizC'rào g-randes ofte. 
reCimf'11tos para escrever particularmente contra mim a V. Ex....." 



DO)! JOI0 V I XO BRAZIL 


7:
f) 


amaclar Hippolyto a assistir ao espectaculo, que Ihe repu- 
guava, de luctas de inlprensa. 0 digno diplomata era de pare- 
cer que com gazeteiros 0 melhor é não se ter grandes intimi- 
dades nem grand.es discussães: apenas rebater directamente, 
mas pelo suborno, sem alarido, as falsidades que elles disse- 
rem. "Respostas ao dito E,ditor, a julgar pelas que J. Anselmo 
Corrêa aqui publicou, e pelas que ahi tern sahido, só servem 
de despertar a bile do Redactor; e com gazeteiros geralmente 
não convem mais correspondencia do que a prova de alguma 
falsidade que elles dizem". (I) 
Funchal e Hippolyto eram de resto dous caracteres que, 
nas circumstancias em que se achavam, j ámais poderiam con- 
ciliar-se ou manifestar sympathia urn pelo outro. 0 embai- 
xador apparece-nos urn exemplar completo do diplomata 
muito vulgar então como hoje: burocrata, occupando-sc sem 
cessar dos pequenos assumptos tanto quanta ou mesmo mais 
do que dos grandes, pensando no remanso da sua chancella- 
ria que ninguem no mundo trabalhava como elle, urn nada 
j actancioso na certeza de que os mais graves interesses da 
monarchia the andavanl confiados, avido bastante de honra- 
rias. (2) 


(1) Carta df' F'unchal ao Cardeal l"..lÌriareha Eleito de Lisboa 
dr' 1 
 df' All1'il (iI' uno, 
( :!) \"('þ m-
c pste
 tion
 tn',chos de of.fki()
 s.'us, dl' 
 tie J ;1- 
nf'iro df' l
lo, para 0 irmão no Hio: ".Agora ft yistn dp todo ('stp tra- 
halho, 
'
I)('l'O 'litH' \". Ex. ('('ontra 0 ,spu ]olln1\-pl ('OS111111f' alinz) fa]](' 
ao Augusto Prindpc Upgl'nte X. K a fa'"ol' (1(' hllm il'mão (Ie V. Ex. 
(1 11 1" lw a llnicu Pessoa que nào tern sido prpmiada. (' qut' Pill'('('P fJlI(
 
hI' a uniC"a que 1Iflo ml-'l"eee de 0 sf'r....... ".Pl"f'
um() que '". Ex, niio 
a
hnrft quI' se traballha pouco n'psta Sr"Cl"l'taria. Eu 30 mf'nos v,\la 
iJartp que mp toea, IHIrtido que 8Pja 0 P'clol}lH'te. vol to para ""o1"thi
l,
 
a l"E'TIovar com 0 a r (10 mar a minha cabe<;a qil(' com tan iOS algn ri i. 
mos j.fi. ('oml'(
a a 
ndar a l'oda." CAl
ch. do 
lil1. d.] 
 1:('1. J
xt.) 
""orthin
 ('l.a a l'('sid('ß,cia prpf('rida do c-mbaixndor. a flurm 
Hill.pol
.to lllais tal'dl' accusou de tf'l-a mohi1ado luxuo:-:alllP.l ',e !i c:J
ta 
llo Thesouro, 



740 


DOl\1 JOÃO VI KO BRAZIL 


Funchal não era todavia 0 imbecil por que Hippolyto 
o quiz depois fazer passar, perseguindo-o com suas verrinas 
até quando transf.erido para Roma 0 embaixador. l\Iallo- 
grara-se, é de ver, 0 accordo esboçado, estando rotas desde 
algum tempo todas as negociações n'esse sentido. "Não estou 
bem persuadido, commentava Funchal, (I) que deixo de 
ganhar pessoalmente na mudança, porque 0 espirito de 
Intriga, e de l\laldade he tão geral, que em vez de me louva- 
rem pela tentativa secreta de moderar, e afinal vir a annul- 
lar os perv,ersos fins que tern dictado este J ornal, parece-me 
evidente que me querião fazer responsavel de todos os des- 
varios deste homem. Agora elle por si responde". 
Dado 0 caracter de Hippolyto, qualquer accordo era 
mesmo difficil. Não se tratava, é mister conservar presente, 
de urn viI pamphletario mercenario, sim de urn temperamento 
bilioso, de urn espirito irrequieto e fogoso, de uma intelli- 
gencia illustrada e perfeitz.mente convencida das suas pref.e- 
rencias reformadoras. Apenas achava-se 0 escriptor disposto 
a temperar a rispidez dos s'eus ataques. Não alienaria a con- 
sciencia, sómente abrandaria a forma. Deixar-se-hia manejar, 
não arrastar. Attendia a considerações pessoaes, mas de or- 
dem moral mais do que material. Tinha a obsessão dos car- 
gos officiaes, a am'bição da confiança do governo. A troco 
d'esta, posta não abdicasse suas idéas e predilecções, alteraria 
sua maneira. As perseguições soffridas em Portugal tinharn- 
Ihe azedado 0 caracter, dotando-o de uma faLil irri tação. (2) 


(1) Corresp. da Rmbalxada em Londres, no Arch. do :\Iic. das 
ReI. Ext, 
(:!) f)'elIe escreyia a Funchal 0 barào òe Ehf'n, fIue militara no 
{>xercito portuguez e conhecia 0 publicista: ")11'. da Costa a un C.l- 
ra("tè'e très ferme, pt mêmc outl'P, peut-être aig-ri par ses malhcurs. 
II a ùu tall'nt, ,et serait un ,ami ntilp, au:-;si {lU.il peut être un ennemi 
dangereux." (Al'ch. do Min. das ReI. Ext.) 



DO:\I ,JOÃO VI NO BRAZIL 


7'H 


o escriptor carecia a seus proprios olhos de importancia 
emprestada pelo poder: seria precisa esta rehabilitação pu- 
blica para tornal-o ameno. Foi dest'arte urn demolidor em 
parte á força, que rejeitaria porventura gratificações, mas 
não engeitaria de cerlo posições. 
Comtudo observava Palmella, ao tempo da sua missão 
londrina, que 0 Correio Braziliense tinha, ùesde certa epocha, 
quasi cessado seus ataques á legação e ao governo, "sendo 
voz publica em Londres entre os Portuguezes, que elle 
recebe para esse fim uma pensão da nOS5a Côrte". ( I ) 
E' facto que a linguagem do jornalista se modificou sensi- 
velmente depois da partida de Funchal, podendo filiar-se 0 
caso n'uma antipathia pessoal, de sobejo conhecida. Nem Pal- 
mella adopta a imputação, reproduzindo-a sómente como 
supposição; entretanto não Ihe deviam faltar meios de certi- 
ficar-se da realidade. Hippolyto, ajuntava Palmella, d
spi- 
cava-se aliás com usura no Portuguez
 começado e conti- 
nuado debaixo da sua influencia e protecção, da forçada e 
calculada moderação applicada ao Correio. 
D'este ou d'aquelle modo é no Correio que devenlos ir 
buscar 0 mais seguro esteio de urn juizo franco sobre a admi- 
nistração e a justiça no Brazil em tempo-; d'El..l{,ei 110m 
João VI. f-Ia na sua collecção copia de d'-ldo5 curio-;issilTIos, 
mesmo sem querer lançar en1 carga 0 classico desmazelo 
official, de que dá testemunho, entre outros documentos 
alli estanlpados, un1a carta do Infante DOln Pedro Car- 
los, (2) a quem 0 favor do tio Principe Reg-ente fizera al- 
n1irante da esquadra portugueza. 


(1) Officio re-servado de 5 de Janeiro de IH17, vel'sando I'spe' 
dalmente s()Iùre a impren
a portugue7Ja na JlßglatC'l'ra. (AL'eh. ùo 
1in. 
da
 Up1. Ext.", 
(2) Datad
l de 2D <1f' )Iaio (11" Ib09. 



742 


DO'f .TOÃO VI NO BRA7.TT.J 


N'ella se queixava 0 IQfante hespanhol, com a violen- 
cia propria do seu temperanlento e da sua falta de educaçãa, 
ao Presi'dente do Erario, marquez de Aguiar, do atrazo no
 
pagan!entos da repartição da nlarinha, unic:t q
e PLlrrcia estar 
fÓra da geral distribuição de favores e graças. Chegava a de- 
Verel11-Se as fcrias dos operarios - sr
tenl;1 cOIn que se lhe 
afigurava in1possivcl conservar os bans artistas de constru- 
cções navaes. 
AdJu7
ia ponl Pedro Carlos a proposito considerações 
Ineio descabelladas, Inas cheias de razão, sabre 0 papel e 
ímporta
cia da Inarinha que sal vara a I110narchia, ligava 
suas partes integrantes, protegia sua defeza, amparava 0 
commercio e fazia conseguintemente viver 0 Estado. No 
enltanto era de tal ordem a condição das cousas navaes que, 
tendo partido a concertar na lnglaterra, logo apoz a chc- 
gada da falnilia real ao Rio de J aneirn, uma nau, uma 
fragata e tun brigue, a nau perdeu-s
 enl Cadiz, a fragata 
deu á costa em Cabo Verde, e 0 brigue, COin a priuJcÎra tem- 
pestade que apanhou, deitou a artilheria ao mar porque 
lhe tinham mettido a bordo peças de calibre Blais pesado do 
que 0 devido. 
Ð'outra feita, mandaram do Rio uma nau á Bahia e 
Pernambuco buscar 0 dinheiro recolhido nos seus cofres, 
verificando-se, no regresso, que a despeza da viagem fÔra 
superior. ás sommas transportadas. Os naufragios e perdas 
par capturas occorriam tão frequentemente que Hippolyto 
escrevia em 1810: "brevemente nos pouparão 0 trabalho de 
noticiar mais percas desta natureza porque já não haverá 
esquadra em que fallar". Continuou, porém, tanta a desidia 



Du
\[ .J< ,10 VI NO EflAZIL 


7-t
 


que em 1820 narrava 
Ialer (I) que os 52 contos men- 
saes attribuidos ao 
Iinisterio da 11arinha não eraIn pon- 
tualmente entregues, antes muitas vezes se derivavam para 
outras applicações, sendo até conl aquelle dinheiro pago unl 
picadeiro que 0 Principe Real Inandou construir perto de 
São Christovão. 
Peiorcs do que 0 deslei
o appareciam os abusos not
cia- 
dos pelos correspondentes do C(jrreio
 para os quaes consti- 
tuia este Ullla preciosa valvula de desabafo. Ora são dividas 
Inandadas pagar entre partes por execução Inilitar, sem pro- 
ccsso judicial; ora UIn individuo nlandado prender por tef 
movido a outro urn pleito eIn j ustiça; ora uma call1ara tllu- 
nicipal reprehendida e desauctorada por haver represp:ltado 
contra uma nOIneação do gu\'crnador. Para os crimes do" 
go\ernadores militares, d'aquellcs que se mostravaIll vcrda- 
Jeiros regulos, não havia de facto punição nas leis: cha- 
nlavanl-se excessos de jurisdicção e 0 sorerano os censurava 
eIn palavrosas cartas regias, dando-se como mal servido por 
aquclles desastrados agentes, aos quaes não cabiam todavia 
penalidades pelos deli'ctos commettidos. A' parte prej udicada 
restava intentar acção de perdas e damnos, 0 que era sempre 
-então nlais ainda do que hoje-um processo difficil, dis- 
pendioso e de resultados problenlaticos. Não se deveriaIl1 
entretanto qualificar de criIllcs privados, antes de cnmes 
publicos, "excessos de jurisdicção" que abrangiaIn prisão, 
sequestro e quejandas violencias. 
:\lelhor em todo caso do que Vlver reprimindo-os, fôra 
prcvenir taes attentados por n1eio de uma cOIllpleta mudança 


(1) Arch. do :\lill. dos X ego Est. de FraDçn. 



744 


DO}1 JOÃO VI NO BRAZIL 


no systema colonial de administração, que continuou quasi 
o mesmo para as capitanias depois da trasladação da côrte, 
apenas sendo em certa medida, sensivelmente, porém, alte- 
radas-até a lndependencia que veio revolucionar tudo- 
as condições do governo na capit,al. J ustificava-se, pois, pIe, 
namenre 0 que dizia em sessão urn membro da Camara dos 
Cornmuns, que 0 apodrecido governo de Portugal pa5..,ara 
para 0 Brazil, afim de continuar os mesmos prejuizos e igno' 
rancia que já não pudera sustentar na Europa. 
E' porém de justiça registrar que 0 alvará de 10 de 
Setembro de 181 I, no intuito de melhorar esse estado de 
cousas tradicional, mandou estabelecer nas capita:es dos gover" 
nos e capitanias dos dominios ultramarinos, juntas cuja 
lllissão era resolver aquelles negocios que antes se expedi
nl 
pelo r'ecurso á .\'Ieza do Desembargo do Paço, 10caliza:l10- se 
portanto mais, em beneficio das partes, a distribuição da 
j ustiça e contrastando-se de algunl modo a tyrannia dos 
governadores. 
o mal era comtudo mais fundo e 0 não podiam curar 
meras mudanças de expediente. 0 poder continuava absor- 
vente e na propria côrte imperava uma baixa cortezanice 
Para formar uma idéa do grau de lisonja de que apparecia 
indelev,elmente colorida a attitude dos vassallos para COIn a 
corôa, basta attentar na linguagem dithyrambica dos pane- 
gyricos economicos de Silva Lisboa, em que cada melhora- 
mento, por mais simples-a installação de uma typographia 
ou a creação de urn curso commercial-se descreve como uma 
graça celeste, e no exaggero repugnante de certas allocuções, 
como ados cavaUeiros de I\lalta delegados para agradece- 
rem aDorn J oão urn elogio publicamente feito aos serviços 
prestad()$ pela Ordem durante as invasões francezas, na qual 



Do:r.r JOÃO VI NO BRAZIl.. 


745 


o Regente foi tratado sem pejo de "emanação a mais pura 
da essencia divina". E praticalnente assim era, pois que os 
avisos expedidos por ordem sua tinham força de lei e valia 
suprema. 
Si por parte do
 agentes da auctoridade havia 0 desco- 
nhecimento dos direitos e bfns indivicluaes, e, nas suas rela- 
ções com os governados, falta de responsabilidade efficaz, 
pechas que ao tempo não eram sómente portuguezas, appa- 
recendo igualmente COlnmuns os rigores policiaes, não havia 
n1enos falta de segurança e probiclade na gestão dos dinhei- 
ros publicos. Ao cabo de dez annos de residencia da côrte 
portugueza no Brazil escrevia 1\ laler para França (I) qur 
as finanças do novo Reino se achavarn na mais desgraçada 
situação, drenado 0 thesouro e esgotados todos os ,expedientes 
e as rleias medidas. 0 encarregado de negocios francez, na 
sua constante opposição á expediçãû de l\lontevidéo, consi- 
derava 0 custeio do exercito de Lecor e da estaçãü naval ào 
Prata as razões capita:es d'esse atrazo financeiro, a que era 
difficil fazer frente; mas na venlade podiam-se-Ihe apontar 
causas multiplas. 
o contrabando era muito espalhado, e n'uma escala 
tão avultada, que chegava Hippolyto ao ponto de escrever 
que mais proveitoso seria arrendar-se a administração das 
alfandegas do que cobrar 0 governo directamente as taxas. 
D'essas alfandegas desfalcadas pelos roubos dO's negociantes, 
dos despachantes e dos confer
ntes, mandava no emtanto 0 
governo do Rio consignar em ISII na prO'porção de 60, 40 
e 20.000 cruzados para as alfand,egas da Bahia, Pernambuco 
e Maranhão respectivamente, a quantia de 120.000 cruza- 


(1) OffLcio de 23 de Deze.Ulbro de 1817, no Arcl1. do l\Iin. dos 
r\'Pg. Est. de 1 1 "rança. 


D. :1. - 47 



746 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


dos annuaes comü garantia do serviço de juros e arnortiza- 
ção de urn enlprestirno de dous milhões de cruzados, juro de 
5 pOT cento, que se mandava aos Governadores do Reino 
diligenciassem obter no paiz para soccorrer a miseria parti- 
cular proveniente da occupação estrangeira e acudir ás de- 
vastações causadas pelas incursões francezas. 
Em compensação, ou talvez nlais como prolongamento 
d' aquella lnedida protectora dos vassallos europeus da monar- 
chia, publicavam-se editaes convidando artifices, especial- 
mente de certas e dcterminadas profissões, a elnlgrarenl para 
o Brazil e ahi se estabelecerem. 
Dir-se-hia que a seriedade tinlbrava em não comparecer 
enl urn só dominio adnlinistrativo e em mostrar-se incOlnpa- 
tive! corn essa politica mesquinha, de pequenos enlbaraços c 
grandes difficuldades para tudo, que era a dominante e 
confundia a lneticulosidade conl a fiscalização e a oppressão 
corn a gravidade. Em departaInento algunl ermn, porénl, 
os regulamentos fiscacs tão draconianos (I) quanta no dis- 
tricto dos dianlantes, no Serro òo Frio, e ahi nleSlllO a cada 
passo se illudiam. 
Conta l\Ia\vc (2) que Iá foi, (, prinleirQ d'e!Jtre os 
estrangeiros, com permissão lnuito especial de Linhares, 
escoltado por dous soldados, que pensava não poqer pôr a 
vista sobre outros dianlantes alénl dos do Thesouro, por 
3erem todos rnonopolio da Corôa, servin do uma parte para 
fazer-se com 0 producto 'eln Londres 0 serviço do empres- 
timo; mas -que verificou com grande surpreza que "se tro.ca- 


(1) AHás na propria ITIgblÌerra existia então muita severidadp 
na manutenc;:ão do sl\gredo das 
mas manufacturas e fabricas. spndo 
mpsmo prohi.uÏdR a exportação ùe certas machinas :J.gricolas, não so 
industrial's. , 
(2) Tracels in tile 1nterior of Br(l,
'il. 



DO)[ .TOÃO VI NO BRAZIl.. 


747 


yam diamantes por todas as cousas e eraln mais correntes do 
que a 111oeda". ( I ) Os navios de guerra inglezes sabia-se 
que traziam de volta mais diamantes por conta d-e parti- 
culares do que por conta do governo. 
o Inesmo acontecia com os outros monopolios da Corôa. 
o contrabando do pau-brazil era constante pelo Cabo Frio 
e praticava-se em avultada escala mesmo dentro dos arrecifes 
de Pernambuco. A frequencia e insistencia com que nos alva- 
rás e leis do tempo se faHa da ,escrupulosa indagação que 
devia presidir á escolha dos funccionarios encarregados de 
executar uns e outras, e se trata da minuciosa fiscalização 
que era necessario exercer sobre as extorsões e 'l'enalidades, são 
a [orillor prova do quanta estas abunclavarn. 
Por isso, por as não favorecer 0 meio, I11uitas tentativas 
da administração falhara111 e pela 111aior parte se adultera- 
ram, nlau grado a iniciativa de Linhares, cujo principal de- 
feito era não ser correspondida, nenl sequer cOlnprehendida, 
e a largue7a de vistas de Barca, que eln outros telnpos che- 
gara a ser apodada de traição, não Ihe hav.endo faltado vitu- 
peri os porque a invasão do territorio portuguez pelos Fran- 
cezes se deu Inais prOlnptalnente do que se calculava, e 
Araujo era conhecido com'O eivado de certo liberalislno, 
necessarianlente francez. 


(1) .E' curioso 0 qne conta Hippolyto no Corrcio d'est{' conIH'- 
rido viajante, cuja ohra foi muito lida e traduzida para varias lingua
. 
Ao que parec{', não passava )Iawe de urn joalheiro de Londres que, 
fí sO'mbra de ,saber fazeI' mantelga, teve artes de consegulr a protecção 
de lord Strangford e do conde de Linhares, e logron visitar 'Com toda.g 
as attenções e isenções 0 districto diamantino, sem mesmo se Ihe exa- 
m inar no rpgresso a ha
ag('m. 0 que vinha nos alforjes ,constou ma is 
tm'dp dos sens annuncios nas gazetas de Londres e da sua montr.a 
no Strand. Em todo easo, pelo que mesrno se deprehende da sua eor- 
re.spondencia com .Fnnehal, era )Iawe entendido em engenharia e 11 sua 
oura, a prirneira das publicadas solJre Minas Geraes fóra de Portugal, 
offereee muito lnteresse. 



7-ts 


no
r JOÃU YI KG BRAZIL 


Aquella corrupção na applicação das idéas era urn mal 
que vinha de traz e que se prolongaria pelo tempo adiante. 
Esforços individuaes, isto é, a resistencia poderosa da hones- 
tidade pessoal de certos governantes podia, servindo de 
dique, contrarial-a, impedil-a mOInentaneamente de mani- 
festar 'Sua influencia devastadora, n1as a onda refluia sómente 
para melhor se arremessar, quando não carregava no reti- 
rar-se boas intenções e projectos felizes. 
Entre muitas outras cousas excellentes, tentou 0 go- 
verno de Dorn João VI implantar no Brazil a imnligração 
estrangeira que espiritos desannuvia'dos con10 0 de Hippolyto 
preconizava'm, com vista ein adiantar a agricultura e as 
artes, povoar 0 vastissimo paiz quasi deserto, melhorar tanto 
no physico como no n1oral, inoculando-Ihe sangue europeu 
e idéas européas, a especie hun1ana que n"eUe habitava, e 
preparar por fim a abolição da escravatura. 
Linhares tivera urn projecto de colonização chineza, 
com 0 fito sobretudo de ir substituindo 0 braço servil cuja 
fonte a Inglaterra ameaçava estancar pela suppressão do 
tralfÏ'eo. Talvez 0 objectivo do governo do Rio fosse- 
segundo julgavam as instrucções dadas ao coronel lVlaler 
por occasião da sua norneação para 0 Brazil (I )-nacionali- 
zar alguns estabelecimentos de industria. mais mesmo do que 
adquirir cultivadores. 
A França preferia naturalmente que qualquer corrente 
emigratoria se dirigisse para as suas colonias, mas não dei- 
xava de encarar a hypothese da escolha recahir de prefe- 
rencla no Brazil, insinuando que 0 governo portuguez drvia 


(1) Arch. do 
1in. dog Seg. Est. de Fra:uca. 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


749 


anirnar por meio de concessões de terras ou outras vantagen
 
a colonização européa. E tanto parecia 'esse governo dis- 
posta a entrar em tal ordem de idéas que fez em Cantagallo 
uma experiencia de colonização SUlssa, denominando-se 0 
lugar Nova Friburgo. 
Todos sabem, porém, que 0 ensalO foi na pratica urn 
fiasco. Antes mesn10 da chegada, pois que, devido ás ruins 
accommodações a bordo e fal ta de disposições tomadas em 
prol dos immigrantes pelo que diz respeito á hygiene, 80 ou 
perto d'isso morreram durante a travessia. Friburgo vingou 
como aprazivel estação de verão, mas agricola e economica- 
mente ficou uma colonia nulla. Debret (I) particulariza as 
razões do mallogro, devido no seu entender: IQ a que, dos 
fundos destinadcs pelo governo para 0 conveniente estabe- 
lecimento dos immigrantes, alguns foram distrahidos, ape- 
zar da cornmissão nomeada especialmente para superinten- 
der sua applicação; 2 Q a extravios e roubos occorridos por 
occasião do transporte dos objectos de propriedacle dos colo- 
nos, entre elles utensilios indispensaveis de lavoura, que ti- 
nham vindo em caixotes demasiado volumosos para serem 
carregados ás costas de mulas, tornando-se preciso abril-os 
afim de dividir os fardos; 3 Q á falta de previsão administra- 
tiva revelada na escolha infeliz do local comprado por born 
preço n'un1a difficil região montanhosa, do que resultou mais 
tardr fica rem os colonos privados, por falta de communica- 
ções face is. da export
ção dos seus productos agricolas, 
quando h.avia en1 l\linas e São Paulo tanta extensão des- 
occupada, accessivel e de clirna igualmente sadio e agra- 
davel. 


(1) royage pittnt"C'8que. 



7;)U 


DO)! .JOÃÜ VI XU BRA.ZIL 


Além de tudo havia a circumstancia, referida por Pal... 
mella, (I) de não ser a composição da cülonia 0 flue se 
devia desejar, apparecendo C! numero de velhos, de crianças 
e de mulheres excessivo em comparação com 0 dos adultos 
masculinos. Aliás, na informação de :\Ialer. C
) nen1 sequer 
se achavam então as terras promptas para a distribuição em 
lotes, de sorte que annos depois estavam ainda os bemaven- 
turados colon os comendo dos viveres que 0 govrrno diaria- 
mente lhes fornecia. 
l\.Ielhor, ainda aSSlm, aquella inferioridade numerìca, 
de homens uteis para 0 cultivo dos campos, do que 0 rebu- 
talho das galés de Napoles, cedido á côrte do Rio para ser 
collocado como elemento de trabalho no Brazil e de que a 
consul gera1 Lesseps (3) men cion a a passagem por Lisboa, 
em duas fragatas napolitanas, de 200, dos 3.000 promettidos. 
Era urn genero cuja exportação não podia prudentemente 
effectuar-se par at acado. 
Sorte mais prospera do que os Suissos tiveram as nume- 
rosos immigrantes da meSIlla raça portugueza que affluiaIl1, 

ngajados au mais comn1Ulnmente eS'Pontaneos, entre ,clies 
os novos casaes de Açorianos mandados expressamente vir 
para fOInento da agricultura e espalhados da Bahia para 0 


(1) Corrf'
J1. da Lrg. em Londres, no Arch. do 
lin. das ReI. 
Ext. Este officio foi escripto quando arrLbou â co
ta ingleza urn dos na- 
vios que transportavam os sulssos contr'atados ,pOl' urn agente de nome 
Grasset. 
(2) Officio de 2ß de Janeiro de 1820, no Arch. do 
Iin. dos 
N'e;::. E
t. de Fran
a. "II srrait impossible. ('sCl'.e've 0 'f\'I1carr.pgado de 
negocios d.e Fran
a, de faire plus de depense pour une colonie qurl- 
conque. pt on np P'put Hr<> plus ingpnipux å pn pprdre Ie fruit:' 
(3) Officio de 5 de Abril de 182(), ibidem. 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


751 


SuI, fornecendo-se-Ihes instrumentos de lavoura, semenres, 
casas de habitração, g
do para os trabalhos ruraes e subsidio 
pecuniario para sustento dos dous primeiros annos. Favor 
superior a estes, foi-Ihes outorgado e aos filhos, e benl assiIll 
aos casaes que de futuro se transportassem dos Açores para 
o Brazil, isenção do recruta'mento para a tropa de linha e do 
serVlço nos corpos de milicias. (I) 
A communidade de lingua, religìão e ongem constituia 
uma grande vantagenl para semelhantes colonos, tornava-os 
naciG'n
es n'outro continente, quando não fossem subditos de 
Uin meSIllO monarcha. Si a administração publica apresen- 
tava nîaculas e se exercia enl parte por vexações, eram umas 
e outras as que existiam na terra donde eUes tinham emi- 
grado. Não havia surprezas desagradaveis. 0 pesado systema 
tributario - a fórnla mais pal pavel e inilludivel da acção ga- 
vernarnental-era identico ou quasi, porque dentro meSlllO 
dos limites do Brazil, os i1l1postos cobrados directamente 
pelas auctoridades ou arrecadados pelos cOlltratadores diffe- 
riam apenas nas verbas 11lenos importantes entre as diversas 
capitanias, as quaes entretanto possuiam, COlllO as provin- 
cías da China, cada Ullla sua administração financeira inde- 
pendente. 
I)a 11lesma forma que na China 0 likin
 lancava-se no 
Brazil novo imposto, que variava de urn 'para outro, no regis- 
tro de fronteira de cada capitania, de sorte que por cxenlplo 
unla mula do Rio Grande do SuI, cujo preço prinlitivo or- 
çava entrr 12 e 15 piastras, pagando uma porção de vezes 


{1) Decreto Ù
 10 de Fevereiro de 1813. 



ïJ2 


DUM JOÃO VI XO DRAZIL 


unl direito de 1.200 a 2.000 réis, chegava á Bahia ou Per- 
nambuco pelo dobro ou triplo do seu valor. (I) Só depois'da 
partida de Dam João VI foranl aholidos com os monopolios- 
certamente 'Para crear urn novo laço de união entre as pro- 
vincias - 'estes direitos de entrada, muito productivos. 
'0 contribuinte brazileiro dos começos do seculo XIX 
não podia dizer que andava ligeiranlente taxado, e não era 
por certo culpa d'elle si a receita do Estado não chegava 
para as -despezas. Além do dizimo tradicional de todos os 
productos agricolas, pescarias e gado, que pertencia ao mo- 
narcha conlO grão-m'estre da Or,dem de Christo; dos direitos 
aduaneiros de exportação sobre todos os generos (2); dos 
direitos de inlportação sobre quaesQuer mercadorias segundo 
a pauta já conhecida, (3) tinha aqueile contribuinte que 


(1) Os direitos mllito consideraveis e 'l"l'Ipftiflos em cada alfan- 
drga de fronteira, sobre os hens -e generos exportado.s de uma pal"a 
outra capitania. eram cobrados sp.gundo 0 peso, tanto para as suhstan- 
das pesadas 'como 0 chumbo e 0 ferro, como para artigos le
es como a 
seda. A a1',ro,ba pag'ava de entrada em :\finas"'" 720 réis, com exc(\p
ão 
òo sal, que d'antes havia constituido est:mco rendendo 48 contos pOl' 
mmo fI pas
ara a pagnr -I:if) I'pis pOl' a rrolm , vindo pm grllndp plll'tp 
do Rpino pOl"lque 0 produzido em Pern:lmbu('o, Cabo Frio e Rio Grande 
Rlpenas d,ava para 0 consumo local. Cada npgro importado flm )Iinas 
pH'gava a taxa de 7$-800 réis no rC'gistro dr> fronteira da capitania. 
('ada cabpça de gado vaccum, muar ou carvallar quo(' atravf'ssava 0 Rio 
Pal'albybuna 'Pagava 2 patacas (f}-!O réis) : cada pessoa 1 pata'ca (320 
l"pLs). Cada passaporte visado custava 2 pata,cas, e os vistos exigiam-se 
frf'll)upntf\lmpnte. 
(2) Os dirpi(m;; nf' f'x)101'tnr:ão não ('I":lm o
 nl('
mo
 no
 nifffl- 
I'l"T1t(>,
 :POJ,tos. 0 a,Jgodão paganI. ern 1St:!. (jOO J'pis 1'01' arl'OIha. .0 as- 

l1('aJ' hl'an("o pa
aya no ({f'('ifp (iO ]'l'is pOl' aJTolm (' 0 maseavaflo 
:;0 r('is. No Hio todo
 o
 prndul'ÌoH ('mharc::1flo
 
off1'iam a taxa uni- 
form" {If' 
 por f'f>'I1to. O
 dil'f'itos ('ohJ'ado
 PDl P('rnamhuco rpguJavam, 
("om os prp
os alii corr('ntfl
, (i :1 10 pOl' c('nto sohrC' 0 valor do genero 
pxportado. l"outroR ca
os a proporr:âo (,1'a ('omturlo menor. 
(
) A alfandf'ga do Rio de .Tanfliro. f'if'gun{Jn a inforrnar:ão de 
IIenderson (ob. cit.) (Jut" no nrazil .pxprN'U funcf:õPs con
uJ.ar('s e Jida,ra 
portanto ('om f'
tp
 aJgariHmo
, rennia nos ultimos tC'mpos da estada 
de Dom João \'1 !)OO a 600 mil Hhras estcrlinas pOl' :mn,o, das quacs 
o cQlmmcr'Cio inglez pagaTa mala de metad
. 



DO)[ JOÃO VI XO Bl-L\ZIL 


7.33 


entrar para 0 Erario com Ulna porção de impostos especiaes 
que conlprehendiam nos ultimos annos do reinado, salvo 
algumas pequenas modificações locaes: 
I Q - 0 subsidio real ou nacional, representado por di- 
rei tos sobre a carne verde, os couros crús ou curti dos, a 
aguardente de canna e as lãs grosseiras Inanufacturadas no 
palZ; 
2 Q - 0 subsidio litterario, para custeio dos mestres-es- 
cola, percebido sobre cada rez abatida, aguardente distillada 
e, n'algumas provincias como 0 
Iaranhão, sobre a carne 
secca no interior, á razão de I pataca por 6 arrobas; 
3 Q - 0 imposto em beneficio do Banco do Brazil,. de 
J 2.800 réis, recahindo sobre cada negociante, livreiro e boti- 
.c:ario, loja de ouro, prata, estanho e artigos de cobre, tabaco, 
etc., isentas sómente as lojas de barbeiro e sapateiro; 
4 Q - a taxa sumptuaria, tanlbeln em heneficio do Banco, 
sobre cada carruagenl de quatro e ,Ie dlLl:; rodas; (I) 
5 Q - a taxa sobre engenhos de assucar e distillações, 
maior ou nl'enor segundo a provincia; (2) 
6 Q - a decima do rendimento annual das casas e quaes- 
:.tver immoveis urbanos, taxa sómente cobrada no littoral e 
1 ugares mais populaso3 do interior e que não attingia propria- 
men te 0 sertão; 
t 1 - a siza, que rra urn imposto de 10 por cento pcr- 
cebido sobre a venda das casas e autros in1moveis urbanos; 
8 2 -Ia meia si7a, que era unl impasto de 5 par cento 
percebido sabre a venda ,de Uln e
cravo que fosse 1legro la- 
dino
 isto é, já tendo aprendido of'ficio; 


( 1 I 
 n 
ra I'anhão ('stc ill11w-.:to (,I"a de 12 e 10.000 l'éis re- 
spf'f'tiva Illl'ntp, 
(
) ;\0 
l<1J"allhão a taxa era dp 3,200 réis sohI'-!" cad-a engpnbo 
de lllOrl' cannas (' na Babia ùe 4,000 l'éis pOl' (Älùa ulambiqlle. 



734 


DO)I JOÃO YI NO ER <\ZIL 


9 Q - os cha'mados novos direitos
 representados por 
uma taxa de 10 por cento cobrada ou antes tirada dos sala- 
rios dos empregados nos departamentos da Fazenda e J us- 
tiça. 
Afóra estes inlpostos geracs e outros, que ainda eram 
muitos, abré1ngendo sellos, fóros de patentes, direitos de 
chancellaria, taxas de correio, sal, sesnlarias, ancoragens, etc., 
pesaVé1m sobre 0 contribuinte os impostos particulares cobra- 
dos pelos magistrados em dados lugares e que entravam para 
o thesouro local, figurando de taxas municipaes. (I) 
Si os rendimentos não Inais correspondiam aos gastos 
publiccs, conlO nos bons tempos em que 0 Rio de Janeiro e 
outras capitanias tinhanl 0 direito de taxar-se segundo suas 
neccssidades, a falta estava entretanto muito mais no regi- 
nlen do que na economia publica. 0 equilibrio só podia 
dar-se com reform as radicars que privassem os nobres das 
commendas, pensões, bens da corôa e inuteis empregos lucra- 
tivos que desfructavanl C açanlharcavam, ao passo que os 
magistrados, que sonlmavanl de mais como apparecia exces- 
siva a multipli'cidade dos tribunaes e juntas, dependiam não 
nlenos servilmente do govcrno seln ao Inenos disporenl de 
boas relnunerações, abertos por conseguinte ás peitas. 
Não eram porénl sómente as despezas da Real Casa, 
as pensões dos fidalgos e os desperdicios da fanlosa ucharia 
que avolumavanl e desconcertavanl 0 orçanlento do Estado: 
as falcatruas e sobretudo as incurias administr-ativas deviam 
enl grande parte responder pela angustia financeira. Tam- 
bem foi a má orientação ùo Erario, sem contabiüdade seria 
nem sequer escripturação que prestasse, que desnaturou e 


il , r)"c
t(' g'f'npt'o era 0 dirf'ito de :120 réi
 pago pOl' cada ca- 
])('<::1 de galla f'xportnda d3 comarca d{' Putaca tú. ou a de SO réls sabre 
l'ada carga de algodãa expart.ada da villa de ClJ.
'teté. 



DOJI JOÃO VI XO BRAZIL 


75:5 


acabou por destruir a excellente creação do Banco do Brazil, 
pondo-o em condição de fallencia. 
Segundo referern Spix e 
Iartius, (I) antes rnesrno da 
chegada da côrte portugueza funccionava no Rio urn banoo 
nascido da união de alguns dos prin6paes negociantes e capi- 
talistas da praça, effectuada com 0 firn de contribuirern para 
urn fundo comrnum em proporção com as notas por elles 
ernittidas debaixo da sua garantia conjuncta, visto a moeda 
de ouro e prata em circulação não ser sufficiente para repre- 
sentar 0 grande volume de capital em acção. Este banco par- 
ticular chegou, no dizer dos rnesmos viaj antes, a gosar de 
tanta confiança que rnuitos funccionarios publicos alli col- 
locavarn seus salarios e os proprietarios do interior, em cor- 
respondencia com a praça, alli depositavaI11 suas economias. 
Foi elle 0 ernbryão do Banco do Brazil, 0 qual se esta- 
beleceu por acções, ficando cada subscriptor obriKado a adian- 
tar a somma por que se inscrevia, afim de fazer circular 
papel pagavd á vista, e C0I11 0 capital assinl levantado des- 
contarern-se letras pagaveis a prazo. Dos lucros das opera- 
ções bancarias divi'dianl-
e pelos accionistas no fim de cada 
anno cinco sextos, retendo-se 0 ultimo sexto como capital 
pCfInanente ou fundo de reserva. Alénl d'estas especulações 
privadas, era 0 Banco agente do governo para vender ftC' 
estrangeiro os bens de nlonpolio e para cobrar e reccbcr ta- 
xas no paiz, pelo que se habilitou C0I11 os meios de sacar 
sobre lugares distantes, percebendo premio. 
Em 18 I -t-, (2) augmentou-se 0 capita: por nlei
) de no- 
vas acções e deu-se 'preferencia legal nas fallencias aos cre- 
ditos do Banco sobre a massa fallida. (Js ta"'orcs do governo 


(1} Ueisc ill Rnu;ilicll, 
(
) 0 llanc'o fÚJ'tl fllndado ('Ill 1 so
, !;anct ionalldo se os no\'o
 
c>:;tatuto:; a I:! d
 OutulJro. 



'j,"){) 


HUM JOIO VI XO BlL\ZII.J 


e 0 exito das transacções emprehendida:; n'tana terra de 
cresrcntc prosperidade material, em que esse estabelecimento 
era 0 unico instrunlento de credito commercial, tendo aliás 
servido de nluito para dissenlinar 0 nlovimento e as novas 
idéas mercantis, foram causa de que 0 Banco .distribuisse 
em 1815. I Lbo ufo pelos prilnitivos accionistas (os que ti- 
nham direito á ultima sexta parte ou ao total, depois do 
augmento do capital) e I 1.35 % peJps novos. En} ! 8 I 6 0 
dividendo foi de 16.45 0 1 0 e c,m 1817 attingiu a 22.75 0/0, 
baixando no ann'Ü inlnlediato a 17.85 0 0, nlotivo pdo qual 
resolveu 0 governo augmentar os privilegios do Banco. 
Desde então se desdenhavam os lucros pequenos e va- 
garosos, lavrall'do já funG
s a febre e a ganancia que são 
caracteristicas da actual vi,da bolsista em to do 0 mundo. 
Pelos artigos da sua fundação, destinando-se a oHerecer 
nlaiores facilidades ao comnlercio, 0 Banco obrigara-se a 
descontar effritos lnercantis .Í taxa de 6 c/o, 111aS n?io se 
restringiu a essa modici,d2de de ganho, logo que descobriu 
que, por certos canaes e agentes particulares, lograva obter 
10, J 2 e 15 'Ü 10 em emprestimo
 cujas garantias nenl selnpre 
erc-m das mais seguras. 
o governo em tudo apa.drinhava 0 Banco, que de resto 
tinha perfeito direito a to'd as as attenções officiaes por- 
quanta sUf'pria 2S necessidades do Estado, algumas vezes 
em'prestando sobre penhores ou sobre hypothecas de receitas 
futuras. Não é meSffiO exaggera'do dizer que 0 Banco estava 
á mercê do governo que, por não haver garantia forillal 
de cspccie alguma nem de causa alguilla, se apropriaria 
quando quizesse dos seus fundos 'ÜU recursos, tornando assim 
entretar.to illusoriu uU impossivel 0 solido credito de tal 
cstabelccinlento. 



] In,r .Ht\O YI :KO BRAZIL 


,..-,., 

 oJ ; 


De facto em 182 I , quando a côrte regressou para 
Portugal, retiraram-se inopinadamente, sem a menor pre- 
caução, imrortantes sommas depositadas e até diamantes da 
corôa ç,ue serviam de caução a emprestimos realizados, 0 
que, junto conl os infalliveis desfalques e a corrida dos 
depositantes que abandonavanl a terra e dos que, á vista 
do agio da prata, querianl trocar as notas por metal, fez es- 
tremecer 0 Banco nos seus proprios alicerces. 
Pelas criticas constantes de Hippolyto sabe-se que a 
legação em Londres funccionava conlO a verdadeira agenci.a 
financial do governo do Rio (I), constando d'outra banda, 
pela correspolldencia de Funchal, que 0 Erario sacava a cada 
momenta sobre a legação, sem saber si ahi existiam ou não 
sobras dos fundos realizados com a venda dos bens de mono- 
polio da corôa. 
A côrte, com 0 seu mechanismo obsoleto de producção 
de riqueza e 0 seu apparelho de sucção cia energia nacional 
enl beneficio das classes privilegia-das, era na verdade 0 
cancro roedor da vitalidade economica do paiz. Ella patro- 
cinava os abucos ou pelo menos, conlo escrevia urn viajante 
da epoch a, extendia sobre 0 que se passava urn véo tão es- 
pesso e impenetravel que a voz popul.ar tendia naturalnlente 
a exaggerar esses abusos, que eram reaes. 
Assim a côrte acudia aos seus dependentes immediatos 
não só conl mezadas e cargos rendosos, mas até com rações 
diarias de viveres, as quaes não eram desdenhadas nlesmo por 
pessoas bastante ricas. As de
pezas da ucharia de Donl 


(1) Ij"unchal ente'lldia convir uma administraçào dû
 contractos 
TPap!=; puranlPnte portugupza. <tue 0 Cun"eiu Braz'i1;('1!-SC dizla lronica- 
nwnte andill" pOl' isso em mãos de ne.gociantrs f' judeus amigo::; e co- 
nhl'cil1us do (
lllhaixador, NIl Vt'Z dp S('1' cunfial1a fi l't'IH'l'sl'nttH:åo do 
llanco do Brazil. 



758 


110:\[ JOÃO VI NO nn.\ztL 


J oão VI ficaram ilnpressas nâ tradiçäo popular e são ainda 
hoje citadas conlO symbolicas da imprevidencia e prodiga- 
lidade da a'dministração da Real Casa. No anno de 1818- 
o pormenor é sufficiente - consumiam-se diariamente no 
Paço 620 aves, muito mais n'aquellas rações, cujo valor 
subia, 0 das mais importantes, a 500 francos por mez, do 
que na alimentação da gente mesma do palacio. Para se 
fazer Ulna 111elhor idéa do desperdicio, pode-se referir que 
a ração diaria da aia do Infante Dom Sebastião, filho do 
fallecido Dom Pedro Carlos, abrangia 3 gallinhas, 10 libras 
de carne de vacca, meia de presunto, 2 chouriços, 6 libras de 
porco, 5 de pão, meia de manteiga (que era nluito escassa 
no Rio), 2 garrafas de vinho, 1 libra de velas, 1 de assucar, 
café, fructas, massas e folhados, legumes, azeite e outros 
telnperos (I). N as cocheiras de São Ch ristovào C!1contra- 
vanl-se uns 300 cavallos e 01uartS, e outros tantos nas do 
Paço da cidatde, <;ervindo-se d'elles os fidalgos e outras pes- 
soas par qualquer titulo dependentes cIa côrte mais do que 
as membros da familia real (2). E não cram poucos esses 
dependentes por sobre os quaes se despejavanl profusamente 
as honrarias, chegando a enchente fóra do Paço, ás lojas e 
aos armazens. 
o rendirnento publico, subindo consideravelmente pelo 
aggravamento .dos impastos e sobrctudo pelo desenvolvilllento 
dos recursos e expansão da vida economica, favorecera os gas- 
tos. Em 1808, no anno da chegada da familia real, a re- 
ceita era de 2.258: I 72$499: em 1820, no anno anterior ao 


(1) Louis de FreJ'clnpì, rO.llorJP auto Ill' dll 'I'tlOnllc cnt"ppl"i,
 par 
ül'(lre (lu, Roi. c.recuté SUI" lcs currcttcs de S, JI. l'Uranie et la Plly- 
si('j.nm-e pendant lcs alluées 1817, ISIS, 1819 et 1820. Paris, 1827, 
tomo I, parte I. 
(2) Henderson, ob. cit. 



f>(J:\I JO.:\.O VI XO HHAZlL 


'j ,j!) 


do regresso da côrte, era .eIla de 9.7 15:628$699, n1alS do 
quadruplo pur cOl1:"eguinte. (I) 
,'N ão havia cOIìltudo dinheiro que chegasse. Quando 
o Rei partiu em Abril de 1821, não existia em caixa 0 ba
- 
tante para se aprcstarenl as embarcaçães da esquadra. Ape, 
zar dos agentes da côrte retirarem do Thesouro publico todo 
o dinheiro anloedado e os dimnantes, e bem assim recolherem 


(1) Ei
 n'um succinto quadro comparativo, resumido da con 0;;- 
cirnc
osa obra ele Frevcinet a illlI}JOrt'(,]leia das prineip:les veruas nos 
dous o1'<:an1Pntos de r
ceita 
 


On:amcllfo f1r 1808 


Rpndiuwnto aùualleiro (importn.t:ões. e
lIortaçõps e 
t :lxas de consnmo)...,.........,.,.,.....,.... 
:\1 e
a elf' in
p('c<:ão (l'
t:1nCo do tau:l co. imllosto :'Iobre 
:: gua
 :lrdl'ntl's. 1ll01lo.polio do sat donativo etl'., . . 
Div','l'sOS rpllC1ÍllH'ntos r('
h'S (1I01Vo1'a lIl' glh'l'l'a. :In- 
('o1'a'g-,
m. agnn.d<:l, m:'H1f'11'3S df' eonstruc<;iio)..,.. 
Cham'pIl:1l'ia (ù,i1'l'iros 
ob1'p ca1'go
, sPUo re:ll, etc.) .. 
('ohnllll:a-.: 1Í
('itas pplo Pl'ario r('gio (Vl"Opill:lS, (1ÍzilllOS, 
I' t c, ) ...,........,.....,...,....... .. . ... , . , . , 
RI'('l'itas al'rl'ndada
 e e-.:tanc:l 1 c1as, ('o1')"pio. suhsidio 
littr'l"a1'iu, ett....,..., ,...."". . , . . ..... , , . , 
]lpt'I'Jtas E'xtr:lol'dinal'ias ........,............... 
Hpc'(.itas (lÏ\'(,.l'-.:as (:l1IH}('.d::(:ão, pte,).. ...."....... 


01'(..'(111/(/1(0 Ill' lS.!O 


TII'IH1ill1C'n1o d:lS :llfandt,gas............,......... 
Es1 
lneos t' monopoliu:-:,..,........... .......,.. 
Casa ùa :\[ol'da (amoeua.<:åo, equiiJ}ar
H:ào, etc.)..... 
Hpceitas ùiVerS3!; (eorreio. registl'o, dps'l'onto n:lS 
tC'n<:as, papel 
ellfido, f'te.).......",.......,.. 
Carn,' ver<lp, subsidio littpl'il1'io, etc.....,......... 
Caixas d
s p1'ovincias.,........."........,...,. 
J{('cC'itas extraordinarias (caixa dos dl'funetos e :lU- 
sl'nÌl's. Banco do Brazil, I:'tc,)....,..... . , . . . . . . 
Cllnh:lgt.'lll das piastras hl'
1':1.n1101a s, etc,.,....,.... 


Rs, 


'j'
;) :O;)b:i::
J:! 


144:110$54;'\ 


1 :!).1n
G,II) 
2;; .î;;n$:;'
!1 


1;;4 :
2
.r
(I4) 


in :îO(l$;:(j:! 
f.S;}:fl42$:;;;S 
401 :
H'n:fio11 


1. 71!) :ïG2$OS4 
2G:! :S;;
)JjiH:;n 
J,IS :101$4
ï 


3G4:ïOl$ü81 
IH7:ün6$GO;) 
] .;);)1 :4 ï:)$9
1 


1.344 :!)ï7$8:
:!) 
3,!)56 :ü33$083 


X'C'sta ultima Vl
rha {1pvC'm certamentp aehnr-se incluidas as 
pal'cell:ls bpll1 l'onsidpl':lVl'is do dizimo e do quinto no ouro, ToUem:l"f'. 
'\'1'1'<1:1rll' {> (IllP Splll gar:ll1Ìil' a pxactidão dos seus cn.il'ulos, por<111
 ùizia 
('111'. llada 
e lJUblieava :5uhre rereita e despeza, orçE.ra em 1817 0 
l'pndimento do Eshlùn em 100 mill1ões de francos ou 40 ll1ill1ões de 
cruzaùos. 



760 


nO:\l JO.ÃO YI NO BRAZIL 


os fundos conservados nos cofres de soccorro do hospicio 
da l\lisericordia e dos orfãos, foi preciso que 0 visconde do 
Rio Secco supprisse os 300 contos necessarios para as des- 
pezas absolutan1ente indispensaveis d'aquelles aprestos. 
o Erario devia ao Banco do Brazil d'e 8 a 10 milhões 
de cruzados e outro tanto ou quasi the deviam particulares, 
a prr.ça do cO'mmercio, D cofre da policia, etc. A Y Dung, 
Finnie e Samuel, trez casas inglezas, devia 0 Thesouro pu- 
blico 1.200 contos, não obstante haver a alfandega rendido 
50 0,'0 'Illais no anno anterior, s'em fall'lf 113.5 s:)bras da Bahia, 
1Vlaranhão e Pernambuco donde entretanto, segundo urn 
correspondente do ten1po, tinham ultin1alnente chegado re. 
cmnbiadas letras no valor de cerca de 50:) c')nt
s (I). 
A despeza crescera de, facto consideravelmente: de 
1808 para 1820 mais do que quadruplicara no papel; na 
realidade muito n1ais, quando não a proporção se teria man- 
tido entre receita e ,de8peza. Subia esta no anno da che- 
gada a 2.297 :904$099 e no anno anterior á partida a 
9.771 :110$875. (2) As verb as que m:tior auglnento soffre- 
ram foram, segundo indica 0 quadro de Freycinet, as d
s 
despezas da Real Casa e as da defeza nacional, activada e"ta 
pela guerra de l\lontevidéo e insurreição de Pernambuco. 


H) ('arta de ArPa!'; a Funcl1al em 10 de :\Iart;o dE' 1821. Lata 
10 da collec<;ão Linhares, na Bibl. Nac. 
(2) Ei
 discriminndas as vprõas principal's : 


Orçmncnto de 1808 


Rs, 


Casa Real (entr,ando a ucbar.ia pOl' 124 contos e 0 
sel'"Viço do pOl'teiro da camara e guarda-joias I.ßo- 
'baw por 114 conros).....,............,....... 
Exel'cito ....,.,.........,...................... 
Al"I113ze.n.s reaes e da ID:1rlnha. . . . . , . . . . . . . . . , . . . . 
Tl1esoUl'o re'al (pe1lsões, soldos, :1dminlstrações, obras 
publicas, etc.).................,........... . . . 


4.5G :7'24$059 
454:638$115 
603:-854$176 


633:470$818 



DONI: JOÃÜ VI NO BRAZIL 


7úl 


N em a adrninistração publica, nem os trabalhos pU'blico
 
augrnentaranl em analoga proporção, antes pouca diffe.. 
rença denotam de urn para outro orçamento, apezar do im- 
pulso tornado pelo paiz. Ha mister adrnittir que os resul- 
tados alcançados sob 0 governo directo e paternal de Dom 
J oão VI, por mais irnportantes que appareçam quando co- 
tejados cmn a esterilidade de algumas administrações ante- 
riores, foram em muitos casos insignificantes, ou pelo menos 
não nlerecem todas as louvaminhas de que é modelo a 
chronica do padre Luiz Gonçal ves, e to'da a farfalhada dos 
inform.es officiaes. 
N em os meios ernpregados permlttlam superiores resul- 
tados, nem era possivel, com.Ç> muito bem observa Handel- 
tHann, n'um nnpeno elf' senlelhantt> extf'llsão (elle 0 
appellida nlonstruoso) conseguir-se realizar n'um abrir e 
feehar .de olhos tanto como 0 apregoado. As razões do grande 
eseareéo feito pelo gove-rno do Rio da sua obra civilizadora 
- não seria maior si tivesse praticado maravilhas - foraIn 
dadas por Eseh\vege, 0 distinctissimo engenheiro allen1ão 
que serviu de intend-eote das minas de 1810 a 1821 e 
deixou sobre 0 Brazil paginas de fina observação e notaveis 


Orramellto de 1820 


Ca
a Real (entrando a ucl1aria pOl' 436 cODtos, as 
I(}pspezns do porteÍl
o pOl' 167 contos .e .contando in- 
tendpncias e concertos dos palacios reaes, ca- 
pe Ba, etc.).."...,......",..,........"."...... 
Exerci to ",..............,......."..."."......" 
.:\1 a rlnha ......."..,"........""............... 
IPensùe'3 ......"....................".,...."... 
Thesouro real (excluida
 as ppnsões e contando-sc 

dlllinistra<:ões, trihunal's, jun ta.s, profesHore
, 
correio, etc.)......"............".,.." ., . . . . . 
I'
xp...{Uen te <las ('Ùrtps de justiça, etc............ 
(Hn"tls Puibli'cas,........................"...... 
Vl'
p,{'zas extraordinarias.""............."....,. 
(Fre
'cin('t, 


1.706 :035$630 
1.670 :730$616 
1.034 :581$746 
148 :'i)D8$9:!3 


447:777
1:::0 
163 :77 4*
6!) 
81:340$716 
788:145$2
7 
oh. dt.) 


D. J. - 48 



762 


DO::\[ JOÃO VI KO BRAZIL 


estudos scientificos: em primeiro lugar, 0 Brazileiro gosta 
de fallar por hyperboles, devendo em sua terra tudo ser 
mais gigantesco e prodigioso do que nas terras alheias, e en1 
segundo lugar, convindo ao Rei e aos seus ministros, par 
obvios IllOtivos politi'cos, que se acreditasse geralmente nas 
patranhas (A ufschneidereien) dos seus subordinados, aca- 
bavam elles proprios por acreditar n'aquillo que procla- 
mavam. 
Segundo a fama espalhada, de tudo se ha via cuidado no 
novo Reino cOIn urn surprehendente effeito: de fabricas, arte, 
navegação dos rios, civilização dos indios. A cultura dera po is 
passos gigantescos. Esch\vege (I) reduz puréln alguns d"estes 
passos á medida abaixo da COlnmun1. Assim, no seu testemu- 
nho, a estrada para :\1inas Geraes por São J oão d'EI-Rei, 
pela qual, nas expressões officiaes do intendente de policia 
do Rio de Janeiro, 'podianl galopar en1 fileira cinco seges, 
não passava de un1a picada aberta no matto, que a vegeta- 
ção já estava de novo obstruindo e dava passagelll difficil 
a un1 cavallu. 
A canalização do Rio Doce e a franquia da provincia 
de 'linas Geraes ao cOlnlnercio universal por essa via fluvial, 
pomposan1ente annunciadas pelo governador do Espirito 
Santo, Esch\vege as reduz ao seguinte: 0 governador carre- 
gara de sal algun1as canôas que com extrema difficuldade 
subiram 0 rio, sendo as canôas e a carga postas em terra 
vinte e trez vezes afin1 de contornar as cachoeiras, e sof- 
frendo a gente da expedição os ferozes ataques dos boto- 
eudos. Chegadas as canôas a :.\1 inas apuz mil perigos, ven- 
deu-se 0 sal, carregou-se algulll algodão e iniciou-se a jor- 


(1) Journal 'l:on Bra:MJien. 



DOM JOÃO VI. KO BHAZIL 


763 


nada de regresso com os mesmos riscos, ao ponto de nin- 
guem nlais se abaIançar a semelhante commettimento, bapti- 
zado solemnemente de abertura da navegação para i\.linas 
Geraes. 
Civilizar duzentos Puris em linguagem official, equiva- 
Iia, na chã linguagem de Eschwege, a attrahir duzentos in- 
dios fóra das suas mattas e distribuil-os como gado pelos 
que careciam de escra vos: ao cabo de urn anno, a maioria 
tinha l11orrido de maus tratos. Tollenare igualmente falla 
de indigenas sujeitos 'POl' abuso á servidão, observando com 
graça que os suppunham mulatos e em todo caso se achavam 
tão distantes de qualquer auctoridade que não saberiam fazer 
valer seus direitos legaes. 
1'anto se não illudiam no em tanto 0 l110narcha e sew; 
conselheiros sobre 0 alcance de muitas das reform as, ás quae3 
não faltava boa intenção, apenas possibiIidade, nas condiçães 
existrntes, que tendo Eschwege escripto UIll relatorio sobre a 
navegação do Rio Doce, em que desmentia a versão optimista, 
recebeu do Illinistro, a quem 0 governador nlandara aviso, 
Ulna carta autographa dispensando-o de relnetter-Ihe 0 seu in- 
teressante informe, porquanto já tivera pelo governador co- 
nhecimento do conteúdo d'elle. A actividade do circulo su- 
perior da administração encontrava para concretizar-se ob- 
staculos insuperaveis nas circumstancias naturaes do paiz, 
enorme, despovoado e hostil, na indolencia da pouca gente e 
não menos na instabiIidade do pessoal dos cargos. Pondera 
pOl' isso judiciosamente 0 historiador Handelmann que, com- 
quanta se lograsse insufflar na costa UI11a vida Inais desafo- 
gada graças ao trafico universal, a situação tradicional dJ 
interioT permanecera sem a menor alteração. 



764 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


Não era porque escasseassem pIanos. D. Rodrigo os 
havia externa.do por atacado, e urn dos seus predilectos fôra 
justamente 0 das communicaççes pelo sertão - "do Pará 
com l\ilatto Grosso pelas cachoeiras do Rio l\ladeira (I), e 
do Pará com Goyazes pelos l"ocantins e Tapajoz" - em 
que meditava muito antes de vir para 0 Brazil, quando 
aconselhava 0 Principe Regente que guarnecesse de tropas 
o Pará, colonizasse com sol.dados e degradados a linha de 
continuidade pelo interior e protegesse a costa com uma 
marinha ligeira e activa, ao mesmo tempo que se propagavam 
novas culturas "furta'das habilmente ao governo de Ca- 
yenna" (2). 
Sa1bemos como chammej ava a imaginação do conde de 
Linhares, da qual escrevia 0 consul 1\laler ser "plus propre 
à enfanter et à adopter toute espèce de projets qu'Li créer 
et n1l1rir les moyens d'exécution." Exceptuada porén1 esta 
energia quasi negativa pela sua precipitação, 0 que ficava 
só se distinguia pela sua despreoccupação Inarroquina. 
N inguem deixou descripções mais crueis da adminis- 
tração do Reino do Brazil do que 1\laler na sua corres- 
pondencia official. Quando falleceu 0 conde da Barca, que 
já havia muito mal podia trabalhar, Dom ]oão, como quem 
tivesse ficado cançado conl Linhares de ministros diligentes 
e com Barca de ministros illustrados, e quizesse de então 


(1) Trata-se (Ia rota segllida de penetrfl
ão buscandD, com a 
d(' 
ão Paulo. a conyprgf>nda pm ('n
.ahfl, on nwlhor. no pl:mn]to (1m;; 
Parecb;;, "2XIH''-''s
iY0 fl;rurtilllll (I(/II f1 l"lllll no bello' dize-r de Euclyùt's 
da Cunha, de onde irr;ldiam caudal's para to-dus us lj,Uadl'antps. e qUi' 
tI've. em plf'DO contrnste com este caracter physico dispersi,yo, uma 
iÍllllCc;ão histol'i'ca unifie<!ùora qne so s('r,á brm c01ll11reb(,'Ddida quando 
o t'spil'ito naiCÌonal tiver robustez bastnnte para e:;creVCl O a epopêa 
mara vilbusa ùas J1 011 {'õ('
. 'J 
(2) Cart.a cit, de 20 de lJezemlH'o de l
Ol, no Ar.cb. Puùl. do 
Jt io de yT,aul'>iro. 



DO
I JOÃO VI NO BRAZiL 


765 


enl diante possulr 0 exclusivo da iniciativa ( I ), chamou na 
pessoa de Bezerra outro paralytico e gottoso, mas d'esta 
vez sem notavel talento. Parece, commentava urn dos officios 
francezes (2), que 0 systema da côrte brazileira se funda na 
crença de que os ministros mais invalidos são os mais ca- 
pazes. 
Po is n'este terreno ninguem consegulna levar a palma 
ao Sf. Bezerra. "Depuis plusieurs années son corps est pres- 
que entiérement perclus des suites d'une paralysie, il souffre 
habituellement de la goutte, et Ie 13 de .ce mois une hemor- 
ragie avait fait desesperer de ses jours. Tel est, l\lons,eigneur, 
en abrégé, Ie nouveau fa'lltôme qu'on place à la tête des 
affaires." 
o ataque de paralysia soffrido pelo conde da B-arca 
na noite de 13 para 14- de J un'ho de 18 1 7 (3) reflectiu-se 
em toda a vida publica, sustando 0 expediente, immobili- 
zando os negocios correntes. Ninguem fôra auctorizado a 
assignar, a titulo mesmo provisorio, as ordens indispensa- 
velS, de sorte que havia navios promptos a fazerem-se de 
vela e que não 'podiam sahir do porto, estrangeiros detidos 
e em favor dos quaes não podiam seus consules reclamar, 


(1, ,rft quando fôl'a Ban'a nOIU:'ado, infol'mava 0 C'neal'1'egado 
rh' npg'ol'Í(,s df' F1':lllr:a (Officio cif1'ëlòo òe I 
 de Outub1'c. Òf\ 11-{1:í) qne 
a sandt' d0 novo minist1'o estava al'1'uinada e que' ellp apenas Sf> po- 
IlPl'ia pntl'('g'al' a tun t1'ahalho muito modpl'ado, 0 ministprio pntrp- 
tant,) s.
 compnnha n'C'ss:l o('('asiào dr' Ba1'.ca p de Aguin1', Olltl'O yalp- 
t IIdina I'iu, n 1'l'indlH' Hpg'l'ntl' assim ,px}lPl'iuwntava <1(' VI'Z 0 spn go- 
Vl'l'no ind
lwnd(',nte de infll1xos podC'1'osos, a'hsoluto e p.atprnal. 
(
) Offi.('in dl' 

 dr' "Junho d.C' lS17, no Arch, do 
[in, (los 
('g. 
Est, I(}p ,1"1'an (:;1 , 
(:
I Han'a mllITf'1l [I :!1 (h' .JlInlIo iis:
 hOI'HS da tanIr', pnt(\1'- 
J':
nrJo-s(' n:l nnitE' flp :!:!, 
IalE'r assistil1 ao fl1nf'1":11, commnniC":tndo 
(( )ffit-io ('it aòo (II' :!:
 rIp .TlInho) quI' "do eol'po (1iplomatieo appna
 

I' ('ncontrarn no sahi.Jl1l'nto com 0 (\nv.indo dos Esta'dos Pnidos, 0 qual 
(luran te a g
1'ellcia do conù
 Ilunca ].he crUZ
l1'1l Q batente." 



766 


UUM JOI0 VI NO Ja-L-\ZIL 


passageiros de nlalas feitas selll a1cançareul seus passaportes, 
e 0 proprio paquete enlbaTgado sómente pela illlPOssibilidadc 
elf' ohter-st
 unla firnla (I). A' vo,.-, ao appcllo de confiança 
que n'esse nlonlento the dirigiu 0 seu Principe, AIr. Bezerra, 
escreve 'l\laler, parece reanimar-se, levanta-se e começa a 
assignar, mas á quinta assignatura sobrevenl-1he UIH violent) 
ataque de gotta e Al r. Bezerra é obriga'do a metter-se na 
calna. 
Não adlnira, em taes, condiçães, que fizessem nove 
mezes que se não ronlpiam os sellos da -correspondencia com 
os tribunaes de Lisboa e das possessões, e não sei quanta 
tempo que se não verificavam e visavanl as contas do Real 
Thesouro (2). Tambem não podia ser mais .enlbaraçada a 
situação do Thesouro: rnelhor era InesnlO não ten tar esclare- 
cel-a. As suas operações faziam-se difficilmente, descontando- 
se suas letras a Ulna taxa menos favoravel que as do comnler- 
cio. e pej ando a praça, sem serem satisfeitos, os saques de 
l\Iontevidéo para sustento do exercito. 
N enl cabia a culpa exclusivamente á eX1pedição do Rio 
da Prata, si bem que custasse perto de milhão e meio de 
francos por mez, porque já antes da aggressão contra os do- 
I11inios hespanhoes não era prospera 0 estado do Erario. A 
descripção a proposito feita por l\laler corresponde exacta- 
mente ás 'conclusões que podemos tirar da leitura- cornbinada 
dos viajantes estrangeiros e dos publicistas nacionaes, e tern 
o cunho de official. 
Explica 0 consciencioso funccionario francez (3): 
"Os numerOSQS vicios da administração parecem-me consti- 


(1) ûlìficio de 18 de ,Tunho de lR17. :Kão só nao havia desde 
12 de Junho 0 mais insi
rnificaDtp dpspacho de pa'peis, como Barca, ao 
ado
cer de morte, jfl não via 0 Hei desde alguns dias. 
(2) Officio cit. dp 2
 de .T11nho de 1817, ibidem. 
(3) Officio de 13 de Julho de 1818, ibidem. 



])o.
l JOAO VI NO nHAZIL 


767 


tuir os prilneiros 1110tivos da penuria; pOl' causa de uma 
infinidade dr abusos os rendilnentos publicos escoam-se em 
parte nos bolsas dos que os percebenl; a fraude outrosim 
provocada pe1a e1evação dos direitos aduaneiros mais pre- 
judica a cobrança; ,despezas na realidade modicas sobem a 
sommas cons}deraveis graças á improbidade dos que se 
achanl d'ellas encarregados; a nobreza que acompanhou 0 
Principe é po'bre e vive do thesouro, que a chegada da Ar- 
chiduqueza, 0 casamento do Principe Real e a coroação de 
S. 
I. acabaraln de esgotar. A simplicidade do monarch a 
( I) e sua faInilia. traduzindo-se em gostos e habitos con- 
sentaneos, não inlpede que sejam muito consideraveis os 
gastos da sua Casa porque a desordem e má fé são analogas 
n'as suas despezas particulares ás que lavram nas despezas 
geraes do Estado. T'udo isto explica 0 phenomeno da geral 
situação folgada dos comnlerciantes e dos empregados do 
governo, ao lado da pobreza do Estado e dos grandes. De 
resto, um departamento que foi dirigido provisorialnente 
durante annos pelos senhores de Aguiar, de Araujo e Be- 
zerra, não pode senão resentir-se longamente do langor e 
enfermidades d'esses trez ministros, e devo ajuntar que 
n'este instante os fundos se achanl por forma tal hauridos 
que 0 Thesouro não offerece enl pagamento I11ais do que 
letras sobre a alfandega, a seis mezes de prazo." 
São as mais repetidas na correspondencia de l\laler as 
referencias ao estado de anenlia do erario e ao desconcerto 
das finanças. Como sempre acontece, 0 governo recorria a 
medìðas arbitrarias e apezar d'isso anodinas, quando 0 se.:. 


(1) Hum .Toão \'J {,l'a atf'. muito ('conolllÏco. (', no
 spn
 co.fres 
'Pal"tlcnlar('
, amontoav:ll11-SP pilbas de mo('(lns df' o.uro.. 'l'amhem. ao 
pmigrar }Jara 0 Hio.. !('varn a ('ôrtp nas 
mas areas metade do. nnmera- 
rio. em eirculação. no. Heino.. 



ï6
 


DO)I JO.ÃO VI XO BRAZIL 


gredo ,do restabelecimento do credito consiste invariavel- 
mente na economia e boa ordem na fazenda. Assirn, urn de- 
creto real prohibiu a sahida de moeda rnetallica do Rio 
para as outTas provincias, sob pena de confisco e mais dis- 
posições da lei contra os desencaminhadores de fundos pu- 
blicos, com 0 fim de valorizar as letras e notas do Banco 
do Brazil, cahido em depreciação porque 0 governo d'ahi 
retirava 0 dinheiro que queria (1' puisait â pleines mains). 
l\Ialer assirn philosophava sobre 0 caso (I): "Quando 
todo 0 Duro e toda a prata em moedas da America l\Ieri- 
dional se concentrassem no Rio de Janeiro, sem boa ordem 
poucas entraria no Thesouro Real, e sem confiança nenhumas 
na caixa do Banco." 
a decreto real sobre 0 Banco do Brazil, expedido por 
occasião do regresso da côrte, depunha muito contra a eco- 
nomia da sua administTação, mas l\Ialer observa sensata- 
mente (2) que" os rendimentos do Brazil tinham considera- 
velmente augmentado e que tinharn sido precisas uma de- 
sordem e uma prodigali-dade sen1 limi tes para chegar a esse 
deficit e para haver ao rnesmo tempo arruinado 0 credito do 
Banco. "N enhuma grande obra publica se emprehendeu; 
nenhuma estrada de ligação entre as provincias do interior 
se abriu (3) ; a propria capital apenas gosa de un1a illumina- 
ção parcial. 1"'eriam creado uma poderosa marinha ? Não, 
deixaram imperdoavelmente apodrecer os 8 navios que trans- 
portararn 0 Rei e sua famili'a para estas regiões e de ha 13 
annos para cá só se construio urn navio, e este mesmo em 
Lisboa e não no Brazil (4). N'uma palavra uma unica em- 


(1) Off. de ß de Ðpz0rnhro de IRIS, ibidem, 
(2) Of-f. de :31 de :\larço de IS:!1. ilJidcm. 
n
) :\Ialpr l'pfere-se, é claro, a communicaçõps re
ulares e p.er- 
maDenteH. 
(-:1) .E
ta asscr
âo lllcrece, ('OliO salJemo:-:, impugnação. 



DO)1 J010 VI XO BRAZIL 


76f) 


preza dispendiosa conheço que é a invasão de l\Iontevidéo e 
sobre ella não poderia mudar de opinião - os fructas que 
os aggressores colherão, serão amargos." 
A pintura é quiçá exaggerada, sem que deixe porém de 
ser reconhecivel 0 S'eu claro fundo de verda de. Descripção 
mais caustica, si possivel, do B.razil-Reino é a legada pelo 
francez Tol1enare (I) que, como negociante, andou todo 
o tempo mettido com a gente do fisco. A alfandega, no seu 
dizer, fazia vergonha. l\letade dos direitos se perdia em bai- 
xas avaliaçães criminosas. A venalidade era palmar. Era 
publico e notorio que os negociantes inglezes pagavam 8 e 
10 % em vez de 16 0/0. As fraudes davarn-se n1l1Íto mais 
nas im'portações porque os direi tos sobre generos exporta-dos 
eram menores ou se calculavam pelo peso, 0 que as diffi- 
cultava. 
As ordens de pagarnento exp'edidas pela Junta de Fa- 
zenda de qualquer provincia (2) ao seu thesoureiro só eram 
satisfeitas ao sabor da disposição d'este funccionario, 0 que 
permittia a fJorescencia de intermediarios que auferiam lu- 
eros descontando aquellas ordens conl 20 e 30 % de pre- 
j uizo para 0 interessado. 
N a Casa da l\Ioeda da Bahia, não obstante 0 seu J UIZ 
privativo, como havia tambem urn na alfandega, não se 
apres.entava uma barra de ouro para contrastar e fundir, pa- 
gando 0 respectivo direito. Grande corrupção reinava entre 


(1) Ynfa."l ([nm;nkars, 
(
} COlli1Hmba-sp esta .Tunta do chnnceHt'r (prl'si(h'nt.t') da HI'- 
lac:ão on do di'rector da alfandeg';l, quando nåo f'xi
tia n:l provincia 
aqu('lIa ('ÎIl't(' cI(' jllsti<:a: do tlH'sollr('iro: do ('s('rivão da fazt-'nda 
r('al. t'lll cnjo ('artorio s(' faziam ()
 f'stan('os-m; <tWI('s não ('ram dados 
I'm ('onf'orrPllcia-. s(' pagav

 III os rpg-istros e patentes, se recebiam 
as cont:ts dos collpctorf's dn l'f'ð'ita p se forçavam 11 dlscrE'ção os 
c!1'\ï'(}OI"<'s. r('('al<-it nmtt's ao p
lganwntu: do insppctor da mONla (' do 
ouvidor, 0 gov('r.n:::dor Oll ('apitão g,'n0ral tinha de dir('ito dons votos, 
(' elf' fad') nn1.l aadoridade aroitt'aria soùrc a Junta. 



7;0 


] )0:\1 
lU
(>> \
l NO .Dlt,\.ZIL 


os magistrados que ohedecianl aos clnpcnhos e peitas, quando 
3. vontade do governador não agia soberanall1ente, pois a 
propria policia se encarnava n 'elle, que ou relllettia 0 caso 
aD ouvidor do crinlc, assinl 0 estipulando as Ordenações, ou 0 
j ulgava patcrnaltnente. 
N ada ha\- ia de mais cu
.;toso do que receber j udicial- 
nlente unla divida, não só porque 'as exempções cram muitas, 
abrangendo os senhores de engenhos nos seus apparelhos, os 
concessionarios de terras nos primeiros tempos das suas ro- 
çagens, como eraIn onerosissill1as as custas, forll1idavel a 
papelada, enorllles as delongas. E' verdade que se não conhe- 
ciam no fôro os debates o 1" <<'es, ll1as os advogados escreviam 
nos gabinetes seus arrazoados que 0 j uiz cOlnmunicava a 
outra parte para a replica, e os solicitadores pejavam os car- 
torios dos escrivães. 
Estes cartorios, os notariados, secretariados, inspectorias 
aduaneiras nos dominios reaes e quaesquer postos adlninistra- 
tivos eraIn concedidos par Inercês do soberano, nlas arren- 
davarn-se ou sublocavarn-s.e, pagando 0 alugador ás vezes 
mais do que 0 salario integral do lugar, signal .de que se des- 
forrava de outro modo. 1'"'oUenare menciona urn cargo de 
fazenda que rendia 6.000 francos por lei e andava arrendado 
por 40.000 ou era avaliado n 'este alto preço. 
En1 tudo a sensação era persistente do truncado, afu- 
gentando a de urn seguido e conlpl'eto progresso moral e ll1a- 
terial. Os serviços agricolas continuavam,entre os des- 
cendentes de Europeus, a praticar-se com 0 rnesmo ern pi- 
risrno, a mesrna carencia de instrurnentos aperfeiçoados, 0 
mesmo feitio antiquado. E' facto que a febre 11lineira dis- 
trahira poderosamente as attenções da lavoura, mas não é 
menos urn facto que era consideravel e ingenita a 111011eza 



DOl\I JOAO VI :KO EHL\ZIL 


771 


da população, grassando a ociosidade por systema ou flo- 
rindo a esperança da ociosidade, mui rarmnente predomi- 
nando con1 a noção 0 prazer da actividade. 
Talnben1, na justa phrase de Jay, que prefaciou a 
traducção franceza da singela e honesta relação das viagens 
de Koster pelo N orte, 0 povo soffria "todos os incommodos 
da n1iseria, tendo todos os recursos da opulencia." As in- 
gentes bellezas naturaes, 0 esplendor da paizagem e os 
esparsos enxertos sociaes de civilização emmolduravam urn 
profundo atraz.o. N as minas de aura e dianlantes, a maior 
riqueza do paiz no seculo XVIII, os processos usados nunca 
foram outros senão 0 da lavagem, e esta wesmo operada da 
maneira nlenos economica, si bem que a mais facil para 
quem não 'possuia apparelhos adequados de ß1ineração, nem 
'meios de obtel-os, nem sequer, na maioria dos casos, 0 co- 
nhecimento cloelles. 
Pelo menos, poréln, 0 regImen monarchico autonomico 
foi t'01 seu alvorecer no Brazil, C0010 igualmente 0 foi no 
seu occaso, brando e humano. Tainpouco fez este governo 
gala de uma indole retrograda ou mesmo conservadora: foi 
aotes, sem duvida alguma, mais intelligente e progressivo do 
que 0 colonial, até porque dispunha de toda a auctoridade, 
de to'dos os meios de acção e de todo 0 prestigio. Esteve, to- 
davia, longe de ser uma dictadura energica e revolucionaria, 
como em muitos sentidos se e-xerceu a do marquez de 
Pornbal. 
POll1bal foi violento, porén1 foi urn reformador. Repri- 
mia os abusos, em muitas occasiões obedecendo a precon- 
ceitos e antipathias pessoaes, 01as n1elhorava a valer as me- 
thoclos de trabalho, não só lavrando alvarás como montando 
fabricas. Policiava con1 rigor, mas estirl1ulava com ardor. 



,..-
 
I 
 "- 


nO)1 JO.1o \"1 1'0 BR.AZIL 


Embaraçava ou favorecia determinadas producçães segundo 
urn criterio proprio e despotico, mas quando extendia sua 
protecção, era paTa tornar a industria mais abundante e mais 
proveitosa para 0 particular, não só para tornar 0 seu ren- 
dimento mais seguro para 0 fisco. 
o governo de Dom J oão VI foi igualmente reforma- 
dor, posto não fizesse tanto, ou antes não obrasse com tama- 
nho viger no n1omento, 0 que não impediu os seus beneficios 
de serenl mais duradouros porqu
, si era menor a correspon- 
dencia do meio, eram inccn:paravelmente superiores as suas 
reservas e possibilidades. Faltavam aDorn J oão VI, em grau 
identico a Pombal, resolução, cynismo e disciplina mental. 
Os melhoramentos que introduziu na administração brazi- 
leira- foram palpaveis, numerosas as vantagens que para 0 
paiz se deriyaranl cia presrnça do seu soberano. No emtanto 
nunca foran1 as desigualdades mais accentuadas, nunca foi 
mais frizante 0 contraste entre 0 que se realizava e 0 que 
se ideava, 0 que era e 0 que devia ser, 0 que se fazia e 0 que 
se descurava. 
() caractc'[ nacional offcrecia 0 ,mesmo aspecto. "Re- 
sulta d'essa mistura de inacção e estupidez com orgulho e 
ganancia, escrevia Jay (I), uma serie de contrastes; activi- 
dade n'um genero de industria, negligencia profunda em 
tudo mais; nudez e porcaria no interior das habitaçães, es- 
plendor e fausto nos vcstidos; 
Hnenidade, ou antes fraqueza 
no caracter, e cruel indifferença pela sorte dos indios. Assim 
foi 0 governo nté estes ultillloS tempos
 inflexivel no que- in- 
teressava 0 fisco, pouco attento ao que tocava á instrucção 
e aos costumes, rico df' diamantes e pobre de armas, de ca- 
naes e de tudo 0 que constitue a força dos Estados." 


(1) Prefacio cit. d.l cd. franceza das \ïagC'ns de Koster. 



CAPrrULO XIX 


a TRA T AMENTa DOS INO/OS 


N'este ponto pode dizer-se que foi deficiente 0 governo 
de Dom J oão VI, si com isto se quer exprimir que não teve 
resultados permanente5 0 que elle fez ou tentou fazer pelos 
indius brazileiros. CU111pre todavia notar logo que the não 
cabem por tal motivo renloques, po is 0 effeito de quaesquer 
esforços, mesmo mais eoncretos e energieos, teria certa- 
mente sido no seu eJnjuncto negativo, porquanto aquelles 
indios - eonlO todas as raças inferiores, postas embora, e 
sobretudo quando assim aconteee, em contacto com elemen- 
tos civilizadores - se mostram ineapazes de outra existeneia 
que não a vegetativa, divildida entre as oceupações da caça, 
da lueta com outras tribus, das bebedeiras ruidosas e da pre- 
paração rotineira das armas de eombate, dos mantimentos de 
conserva, dus espiritos, das Tedes e, quando são eultivadores, 
dos seus eseassos produetos agrieolas. 
'roda a cateehese, religiosa ou leiga, tern sido inhabil para 
elevar-lhes marca'<1amente 0 nivel moral. Confonne ponde- 



774 


DO:\l JO....\O VI NO BRAZIL 


raran1 Spix e l\.lartius depois que os observaram pes-soal- 
mente, ,elles mais dependem, quando aldeiados, da actividad{' 
ou industria dos forasteiros do que da propria, s.endo por 
isso mesmo de lamentar que não vivessem entre gente que 
Ihes 'pudesse dar uma melhor idéa da superioridade moral 
da cultura estrangeira, diversa da fornecida pelo egoismo, 
cobiça e deshumanidade d'ess-es occupadores de urn solo es- 
tranho. 
" A civilização dos indios tern igualmente sido até aqui 
obstada pelo costume de empregar uma nação para combater 
outra, como foram por exem'plo empregados os Corôados 
contra os Puris, e pela sanha dos destacamentos militares, 
os quaes extenderam aos Puris a guerra de extenninio que 
por lei Ihes foi facultada contra os BotocU'dos. (I)" 0 
Correio Braziliense acremente censurou ao conde de Linha- 
res essa guerra cruel, vestigio .de antigo barbarismo, que 
.elle decretara. 
Si 0 exterminio não foi a regra para os selvagens bra- 
vios, pelo n1t'nos foraIn os aborigenes mansos praticamente 
abandonados nas suas aldeias Iniserav.eis, seIn cultura e sem 
futuro, quando não deixados a vdguear pelas mattas e can1- 
pOSe A materia prin1a em verdade apparecia refractaria t' 
por isso talvez nada de effectivo lograria jamais constar, 
quando muito maior fosse 0 seu devotamento, ao activo da 
Junta creada para indagar de tudo quanto pudesse prom?ver 
a civilização Jus indigenas, e suggerir os meios convenientes 
de chegar a resultados animador.es. 
Alguns se obtiveram, si bem que de natureza proviso ria 
ou limitada. Spix e l\.lartius, que foram ao interior da capi- 
tania de :.\linas Geraes visitar os Corôados aldeiados no pre- 


(1) Spi:x: e Martius, 00. cit. 



DO)I JOÃO VI KG BRAZIL 


'775 


sidio de São J oão Baptista, escrevem que os principios por 
que eram administrados os indios faziam honra ao governo, 
tratando os directores de conserval-os agrupa'dos e fazel-os 
cultivar a terra que lhes era dada em propriedade, com 
isenção de taxas por dez annos e fornecimento gratuito de 
farinha de milho e utensilios agricolas. Ao mesmo tenlpo que 
os dirigiam, aquellas auctoridades defendiam-n'os contra 
quaesquer tentativas de escravisação por parte dos colonos, 
concedendo-Ihes a protecção da lei, e só os deixando traba- 
lhar mediante salarios, posto que reduzidos, correlativos com 
sua inexperiencia e carencia de necessidades como as dos 
civilizados. 
A politica de adiantamentos materiaes e moraes com 
que DOI1l J oão VI pretendeu assignalar 0 seu governo di- 
recto no Brazil, visava - é j ustiça admittir - originar no 
tocante á civilização dos indigenas resultados 11lais satisfacto- 
rins do que meranlente Ulna mais activa exploração do in- 
terior. Aliás deve lelllbrar-se que até certo ponto foi conl 
semelhante intuito anilnada a melhoria das comlllunicações 
terrestres e fluviaes do littoral com 0 sertão. A Junta insti- 
tuida adrede denunlinava-se, conj unctanlente, da conquista 
e civilização dos lndios e do comnlercio e navegação do Rio 
Dòce, e tinha sua séde em Villa Rica: a região dos rios Doce 
e J equitinhonha foi a preferida de começo para taes ensaios 
da administração com re1ação aos aborigenes. 
E' de resto obvio que todo progresso n'esse sentido de 
facilitar a navegabilidade de rios ou abrir estradas atravez 
de lnattas espessas, com a consequen te colonização de feição 
européa. redundaria em proveito do elelnentu indigena, si 
eUe proprio no em tanto fosse susceptive] de verdadeiro pro- 
gresso, não recuando medro
o diante da cultura como Ihe 



. 


776 


no)! 
TOÃO VI NO 'BRAZIL 


era offerecida, 'e internando-se cada vez malS nas solidões 
para escapar ao jugo das forças militares com que ia sendo 
legitimada a posse da terra e praticada a nOVISSlma cate- 
chese. D' ahi vem que 0 espectaculo apresentado pelos habi- 
tantes primitivos do Brazil na epoch a de Dom J oão VI não 
encerrava grande alteração do que se nos houvera deparado 
em pleno seculo XVI. 
Dividiam-n'os official e litterariamente em indios selva- 
gens, semi-mansos e mansos, sendo na realidade minima 
a differença entre as trez classes. a principe l\1aximiliano 
de Wied-Neu\vied occupou-se bastante d'elles e deixou a 
respeito Uln depoimento insuspeito. No seu tempo existiam 
ainda em gran de numero indios na propria provincia do 
Rio de Janeiro, apezar da referida migração e da constante 
fusão C0I11 0 rlcIl1ento conquistador. 
as pseudo-civilizados ou eIn caminho d'isso viviam 
enl cabanas de taipa com tectos de folha de coqueiro, dor- 
mindo nas mesmas redes, servindo-se das mesmas cabaças, 
cobrindo 0 chão com as mesmas esteiras, empregando as 
mesmas armas de arremesso que os outros. Conservavam 
todos os seus costumes privados, as suas comi'das e bebi'das, 
os seus folgares e tristezas, todos os seus usos collectivos. 
U ma espingarda, urn espelho, urn instrumento agricola re- 
cordaria occasionalmente - como de resto acontecia ao 
tempo dos primeiros escambos - 0 contacto com a cultura 
européa, que se trahia tambem mais pela adopção da lingua 
portugueza do que pela da religião christã imposta á sua 
credulidade e sobre a qual a sua imaginação infantil lan- 
çara e bordara urn manto de superstições tecido pela igno- 
ranCla. 



DOl\I 
TOÃO VI KO BRAZIL 


,...-- 

 
 
 


.Geitosos e capazes de bem desempenhar certos Ines- 
tres, dominava-os comtudo uma invencivel preguiça, d
 que 
só se libertavam para a caça e para a guerra, quando davaln 
mostras da maior diligencia e resistencia. Glotões si tinham 
comida para saciar-lhes 0 appetite, logravam não obstante 
supportar longo tempo a fome e a sêde. De ordinario, quando 
não comiam, ou dormiam, ou perseguiam animaes de caça 
ou iam no encalço de inimigos, acocoravam-se silenciosos em 
redor do fogo, n'uma taciturnida'de fundamental, de que só 
os despia 0 seu gosto imn10derado pelas bebidas espirituosas. 
A inclinação nomad a era outro traço ingenito e caracteris- 
tieo que os levava a facilmente abandonarem as aldeias em 
deserções que começavalll por ser cynegeticas e se tornavam 
definitivas, operando-se com extraordinaria presteza, n'ellas 
carregando os homens as armas e as n1ulheres as panellas, 
redes e provisões de bocca. 
A desconfiança continuava no seculo XIX, como logo 
depois da descoberta, a ser a base das relações entre as duas 
raças. Esch\vege é dos que dão perfeita razão aos indigenas, 
descrevendo a sua situação em relação aos Europeus COIn 
côres diversas das escolhidas por Spix e l\Iartius. E suas in- 
formaçðes devem ser mais procuradas e mais exactas, porque 
Eschwege residio muito mais tempo no Brazil do que aquel- 
]es do us naturaIistas que tão sómente 0 percorreram, obser
 
vando-o embora com summa intelligencia e pando a mawr 
dose de probidade nas suas apreciações. 
o conhecido mineralogista, esse, não só teve ensejo de 
tornar mais conhecido 0 paiz, geologica e economicamente, 
publican do, afóra seus livros, artigos de consideravel valor 
rm revistas européas, como estabeleceu em 1linas Gcracs 
diversas fundições de ferro, que manufacturavam boa somma 
D. J. - 49 



778 


DOM JOÃ.O VI NO BRAZIL 


de artigos - foices, machados, ferraduras, prégos, picareta5, 
etc. -; não vingando mais tão promettedora indu3tria 
n'uma região em que a Inateria prima era mais do que co- 
piosa porque, segundo Eschwege mesmo explica e j á foi no- 
tado:, os habitantes, acostumados á vida errante e aventu- 
rosa das minerações, desprezavam as occupações fixas e re- 
gula.res. 
Pois tão excellente conhecedor do nosso meio physico e 
mor2l e afoito expositor do que n'.eIle se the deparava, 
transmittiu-nos uma pintura de impressionar do tratamento 
dos indios brazileiros. N' eIla se revela Eschwege infinita- 
mente menos benevolo do que seus compatriotas Spix e l\lar- 
tius (que aliás ,discutiam em especie, baseando-se sobre urn 
exemplo isolado que 'por acaso fôra 0 do seu conhecimento) 
para com os directores civis que substituiram na tutela dos 
aborigenes os missionari()s, e que denotando, no dizer do ci- 
tado escriptor germanico, a maior avareza e doblez e es- 
quecendo os mais elementares deveres de humanidade para 
com a gente confiada á sua guarda, faziam-se servir pelos 
indios aldeiado'S ,como si 'fossem escravos, espancavaln-n'os, 
deixavam-n'os espoliar, quando os não espoliavam eIles pro- 
prios, pelos colonos visinhos das aldeias. Estes, despoj ando os 
desgraçados descendentes dos antigos senhores do solo das 
terras que lhes tinham sido doadas e que occupavam, mal- 
tratavan1-n'os, roubavam-n'os ,de tudo ,e não raro até os tru- 
cidavam. 
Por sua vez os sacerdotes que aj udavam os directores 
leigos na tare fa administrativa, e que na gestão espiritual 
occupavam a successão dos J esuitas, estavam longe de pos- 
suir 0 tacto e a mansuetude dos filhos de Santo Ignacio, exi- 



DOM J010 VI SO BRAZIL 


779 


gindo de tão miseraveis fieis pagamento adiantado pelos 
seu
 serviços eccle3iasticos 'e assim contribuindo, COIn suas 
vexações, para tornar mais aborrecida dos indios essa reli- 
gião estranha que elies não logravan1 sequer con1prehender. 
as soidados dos destacamentos espinganleavam sem 
tirte nem guarte urn aldeiado por uma espiga de milho rou- 
hada de uma plantação de branco e commettian1 cern bar- 
baridades, entre outras a de vender crianças das tribus. 
N ada se praticava com doçura e vontade de acertar, em 
contrario a todas as recommendações officiaes, cuj 0 theor 
era invariavelmente benevolo para com os indios (I). Para 
forçar os Puris a habitos sedentarios e a urn cultivo regular 
da terra, lembraram-se de trazel-os em pat te para a capital 
de IVI inas GeTaes e ahi distribuil-os em ser'l'iço pelas familias, 
n'uma quasi resurreição urbana das encomiendas hcspanho- 
las. D'izimados pelas doenças, vencidos pela melancholia, 
sujeitos aos ruins tratos ou pelo menos forçados a urn trabalho 
s,eguido que não 'estava nos seus habitos tradicionaes e re- 
pugnava á sua natureza, desappareceram esses servos pela 
porta da morte ou refugiaram-se de novo nas suas florestas, 
onde os perseguiram os soldados, vingando-se elles por fim 
conl rnassacrarem 0 director, destruirem plantaçõcs e immo.. 
lat.cm uma quantidade de innocentes. (2) 
ADorn J oão VI não eram desconhecidos os abusos es- 
candalosos que se passavam e magoava-o urn tal estado de 


(1) 
o regime-nto, tornaùo ao aC:lSO. relat1vo ao governaoùo1' 
presiùpnte ùa nova Relação ùo :\Iarauhiio, encontl"1:lm-sp as S(',
uilltl'
 
l'alavl'ê:
s :. . . .. ole mandar:1 prOCedl'l' com rigor contra qllpm o
 mal- 
t1'a('ta1', on molrst:lr. da1Hlo orcl('ns. e providf'l1cï.as para f)tH> SP pOSç;:30 
sustpntar, e vivp1' jnncto das Puvoa<;òps 'dos Portu
upzP!\ njudalldu-so 
d('IIas Ùt' manf'ira qtH', os f)ue hahitão no CPl'tão. foIg-IN')ll df' vir para 
as cIit,as Povo:\<:ò('s. e ('ntelHHio <1111' t(,11ho !f'mhr:llH:a df'Ues." 
(
) I':Heltwegp, .Jourllal 1:011 Rj'(f
ili(,ll,.. 



7So 


DO)I J010 YI KO BRAZIL 


cousas, contra 0 ,qual nada podia a sua acção benigna, n'uma 
taInanha extensão territorial, com as circumstancias predo- 
minantes que ianl desde a distancia até a carer;,cia de nlora- 
lidade, e sem agentes fieis para a repressão dos que deviaIn 
civilizar e para a educação dos que havia a civilizar. Tudo 
pe1ejava em contrario ás intenções reaes: a Iná vontade dos 
indios em submettereln-se, tanto quanto a 11lá vontade das 
auctoridades subalternas, e mesmo das que lhes eram Imme- 
diatamente superiores, em defendel-os e eleval-os. 
Quando houvesse sympathia e energia para isso, era 
a obra superior aos meios de pôl-a em execução. A Junta de 
\Tilla Rica, funccionando perto, não conseguio red uzir, ape- 
zar da guerra movida, 0 paiz dos Botocudos - cerca de 
1.200 leguas quadradas, cobertas de florestas inlpenetra- 
veis, que pernlaneceranl mais ou menos nas primitivas con- 
dições, sem estradas abertas, nem culturas, nem segurança, 
não se melhorando sequer a navegação do Rio Dace. 
A colonização do interior do nirazil, Donl J oão VI 
a encontrou e a deixou sob a forma de urn ,desbravar em- 
pirico, exercido a ferro e a fogo, seIn 0 apparelho apropriado 
nem sombra de fundamento scientifico. Traduzia-se, como 
hoje ainda, pelas derrubadas e queimadas que, a pretexto de 
alargarem a zona de cultivação, extendiam, com a suppres- 
são das mattas, a area das seccas para n'ella vegetar, sobre 
urn solo que de fertil passava a esteril, "e decaida p.eIo Im- 
paludismo, tão caracteristico das regiões incultas, uma po- 
pulação de mestiços lalnentaveis, agitantes n'um quasi de- 
serto" (I). 


(11 EuC'1
'(l('s <1n Cunha, rill ('nlltra.
t('. nrtigo pnh1if'fHlo no 
Paj

 (](' Ii <If' .1ulho <If' 1!104. 



DU)I JU10 VI 
O BIL\ZIL 


iS1 


Essa falta de todo preparo industrial, junto com 0 in- 
teiro desconhecimento da hygiene e da prophylaxia, palavras 
vasias de sÌgnificação em semelhante meio mas não enl se- 
melhante epocha, continuando portanto a operar-se 0 antigo 
espraiar de bandeirantes sobre uma terra fecund a, suscepti- 
vel porém de deteriorar-se em sua excellencia e tornar-se 
safara; d'outro lado a subsistencia dos latifundios, dos ter- 
renos doados, das sesmarias da conquista, difficul tando a 
acquisição da propriedade territorial com os fóros, os arren- 
damentos a longo prazo corn limitação de .cultivo dependente 
do valor do aluguel, e a faculdade para 0 senhor da terra de 
recobrär a plena propriedade d'ella pelo pagamento das bem- 
feitorias avaliadas por terceiros, redundavam no aspecto de- 
solador da nossa lavoura mesquinha, arTancada aos braços 
dos escravos sem real correspondencia entre 0 capital e os 
esforços ernpregados, e os resultados obtidos. 
Accresce que 0 Portuguez é por tem'peramento nluito 
mais unl explorador do que urn colonizador. A sua tend en- 
cia é acrir caminhos, não tanto estabelecer dominios no in- 
terior dos continentes: quando muito, fundar feitorias pelos 
littoraes. "Não era de esperar que foshe cultivar os certoens 
da Anleriéa quem deixava sem cultura as ferteis campinas 
do Alerntejo e as colinas da Beira, e l"'ras os l\Iontes" (I). 
o favor official para tudo era preciso n'essas condi- 
ções, Inesrno para fazer florescer a industria particular, de- 
pendente, segundo deveria ser, da iniciativa de cada urn. A 
intervenção do Estado era porém tão constante e vexatoria 
que força era que ella tambem se exercesse pela abstenção, de 


(1) Artigo sohre os .llJluWS e en'08 cla . tdm ini8trarãn, em 0 
Bra
il, vol. I do pf)rtll!Jllcz
' uu JILrcllr-io Pulitico, com.mercial e Utc- 
mrfo, Londrcs, 1814-10. 



782 


DO
I JOÃO VI NO BRAZIL 


geito a fayoreccr. Assim, 0 consul geral russo Langsdorff 
que, a]én1 de colleccionar 1.600 variedades de borboletas, 
plantara na sua fazenda ...11 ant/ioea 20.000 cafezeiros e fabri- 
cava em 18 I 9 perto de 1.000 saccos de farinha pOl' anno, 
carecia 'para prosperar nas S1..laS lavouras que, não fallando dos 
seus sessenta escravos, 0 Rei indirectamente Ihe angariasse tra- 
balhadores bastantes, concedendo isenção do serviço de mili- 
cias aos moradores da visinhança que se prestassem aos servi- 
ços agricolas da referida propriedade. (I). 
Foi con1tudo esse consul 0 primeiro da sua classe de 
funccionarios estrangeiros a desacreditarem 0 nosso systema 
de colonização estipendiada, assim como foi 0 conde d'a Barca 
o nosso primeiro agente de emigração na Europa, prodigo 
como todos os mais de prOInessas pomposas. Langsdorff 
não trepidou em mandar re] atar em gazetas do seu paiz e 
da Allemanha que, 'dos Europeus transportados para 0 Bra- 
zil, alguns tinham expirado de miseria e outros sido recolhi- 
dos pOl' navios americanos e levados gratuitamente para os 
Estados U nidos, onde 0 Governo Federal, comquanto não 
houvesse mandado abonar as passagens d'esses emigrantes 
que the chegavam sempre a proposito, os abrigou, alimentou 
e proveu de terras para cultivar. 
o Congresso de Vienna, junto ao qual se quiz fazer 
valer a conveniencia da expansão colonial de Portugal como 
augmentando as vantagens possiveis para a immigração euro- 
péa nos seus territorios brazileiros dilatados pelas armas da 
velha metropole, não era infelizmente assembléa que se dei- 
xasse levar pelas visões de Barca ou pelas blandicias de Pal- 
mella. A Santa Alliança foi tratando toda ella de subtrahir 


(1) Henderson, ob, cit, 



DO)! JOI0 VI XO BRAZIL 


7
3 


ao B'razil os seus 'ganhos alcançados pela violencia e a que a 
côrte do Rio dizia haver-se afoitado para maior felicidade 
dos futuros en1igrantes, os quaes entr.etanto persistiriam, 
nas palavras do abbade de Pradt, a preferir ás immensas e 
magestosas solidões da America do SuI as solidões igual- 
mente vastas e igualmente imponentes da America do Norte, 
regidas porém, como promettiam de seguro ser quaesquer 
,ociedades que n'elIas se fundassem, por uma constituição 
':dmiravel, baseada na mais estricta igualdade e na mais 
om'pleta liberdade poEtica, civil e religiosa. 


.. 



) 



CAPI1--CLO XX 


A REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA DE 1817 


As primeiras noticias da revolução republican a de 1817, 
em Pernambuco, alcançaram Londres por via ,das Antilhas, 
a uma das quaes chegara urn navio inglez, Ro'[(}ena
 que poude 
conseguir auctorização para escapar ao rigoroso embargo 
posto pelos rebeldes sobre todos os navios ancorados no 
porto, e que mais tarde levantaram para as embarcaçães es- 
trangeiras. Diziam aquellas noticias ter 0 movimento tido 
pOl' motivos determinantes 0 cIescontentan1ento das tropas 
par não receberem desde muito seus soldos, nem disporem 
de outros meios de subslstencia, e 0 descontentamento do 
povo "pelas pesa1das contribuiçães e excessivas conscripções" 
que provocava a conquista cIa Randa Oriental, "na que 0 
povo do Brazil não só não tern parte, n1as julga contraria 
aos seus interesses" ( I ). 
Hippolyto escrevia isto, mas Palmella não era func- 
cionario diplomatico que j ulgasse abaixo da sua missão res- 


(1) ("JlTcio Brazili,'/p;;c. n. 10
. :\!(]io de 1Sl7, yol. XVIII. 



'i
6 


DO)! JO:\U YI XU BRAZIL 


tabelecer a verdade dos factos, e tanto menos deixaria passar 
sem a devida contestação semelhantes asserções, qU:tnto lhe 
assistia razão bastante ern qualquer desmentido. Os abusos 
administrativos, sobretudo as prepotencias, tinham dimi- 
nuido em todo 0 novo Reino por urn effeito reflexo do pro- 
gresso dos tempos, e em Pernambuco a si luação se apre- 
sentava até privilegiada, confiado como andava 0 governo 
havia annes a urn homem pacato e bondoso. 
Com sua costumada assignatura - Dill Brazileiro- 
defendeu Pahnella em communicados ao Times 0 governo 
do Rio das pechas de suspicaz e tyrannico, com que 0 que- 
riam gratificar os que defendiam por interesse ou por prin- 
cipio a revolução pernambucana. "Esse governo posta que 
absoluto, escrevia 0 futuro embaixador, não é para melhor 
dizer outra cousa mais que uma auctoridade doce e pater- 
nal. Terão crimes ficado frequentes vezes impunes no Bra- 
zil, mas nunca, e desafio qualquer de citar Uin exemplo 
em contrario, a innocencia poude com Tazão queixar-se da 
injustiça do soberano da terra. Em toda a extensão 
d'esta é antes facultada uma liberdade de palavra que mms 
degenera em licença." 
Tratando particularmente da referida falta de paga- 
mento ás tropas, concordava Palmella em que era possi vel 
darem-se factos de tal natureza, visto a administração não 
estar ainda sujeita a regras uniformes, e cada provincia 
prover separadamente as despezas da sua guarnição. "Posso 
todavia assegurar que as tropas recebem regularmente seus 
soldos na mór paTte dos Estados do Brazil e que seme- 
lhante falta si jan1ais OCCOlreu, não podia passar de tem- 
poraria e em escala muito inferior á que mostram suppor 



DO::\I JOÃO VI NO BRAZIL 


787 


algulnas pessoas." Em Pernambuco, poderia ter Palm ell a 
accrescentado si possuisse urn conhecimento intima de todas 
as capitanias, não faltavam recursos ao Erario graças á 
conhecida economia de Caetano Pinto, mas esta propria 
economia, exacerbada como na verdade 0 era até a avareza, 
podia justamente ter determinado atrazos no pagamenta 
das tropas. 
E tão reaes estes .atrazos, que 0 mo
i\.o é apontado no 
primeiro dos officios de 1Ialer sobre "0 haver a hydra re- 
volucionaria consegui'do erguer uma hedionda cabeça no 
Brazil" (I). E
'creveu-o elle logo depols de ter entrado ino- 
pinadamente liO porto do Rio a 25 de 1Ian
o, 0 brigue com 
bandeira branca que conduzia, bastante constrangido, Sua 
Excellencia 0 gavernador general. uHa mais de urn anno, 
reza 0 citado officio, que a guarnição de Pernambuco era 
mal paga e mal aliment1ada pelo Go\'erno; 0 territorio 
d'esta cida1de e dos districtos visinhos extremamente pro- 
ductivo em algodão, é esteril em con1estiveis e generos 
de primeira necessidade, de sorte que 0 pão para os ricos e 
a mandioca para a classe indigente vinha de fóra e 'era 
comprada por preços muito elevados. Avidos especuladores 
monopolizavam os carregamentos que chegavam e os reven- 
diam a retalho ao publico da maneira a mais arbitraria. Os 
clamores e as queixas geraes despertaram emfim 0 indolente 
l\Iontenegro, Que encarregou 0 brigadeiro do exercito Sala- 
zar de tamar algumas medidas para conter 0 mono polio e 
reprimir a desordem. l\Ias, este official general não tendo 
podi.do 
atisfazer a esperança e os votos do publico, commet- 
teu-se ainda 0 inj usto dislate de propor ás tropas dar-Ihes as 


(1) Officio de 
8 de :\Iarço dt> 1817. 



788 


DO)[ JO.1u VI KO HRAZIL 


rações de pão em especie e de Ihes abonar 16 soldos por cada 
sacco de mandioca, cujo preço no mercado era de 50 sol- 
dos". (I) 
A razão da escassez de comestiveis de primeira neces- 
sidade é que 
IJaler falsamente attribuia á improductividade 
do terreno dÁ costa e mattas para essa cultura, Luccock 
acertadamente a forneee ao falIar tambern na carestia dos 
mantilllentos, da f'arinha nOlneadamente, porque pagando 0 
algodão melhor, na provincia se não cultivavam bastante 
generos alimenticios, como mandioca e feijão. Por outro 
lado a capital consumia ahundantes provisões de bocca, pro- 
vocando sua importação, e a guerra do SuI com seus repe- 
tidos fornecimentos estava fazendo encarecer todos os gene- 
ros. Para cumulo a estação de 18 I 6 fôra muito secca no 
N orte, portanto esoassas as safras. 
Ð'estas circumstancias cOlllbinadas derivou-se n'este 
ponto 0 soffrimento do povo pernambucano, quando os plan- 
tadores e commissarios andavam em maré de fortuna com 
o augmento, que chegou a 500 pOl' cento, do preço do algo- 
dão por motivo da guerra recente, de 1812 e 1813, dos 
Estados U nidos contra a lnglaterra, da extincção elll 18 1 5 
do bloqueio continental e da perspectiva de mais largas 
cxportações de tecidos da lnglaterra para os velhos merca- 
dos europeus e os novos mercados latinos do 
 ovo 
1 undo, 
tornado-se indispensavel a materia prima, para cujo suppri- 
men to não chegava a producção norte-americana. 
:\Iais facil tarefa cabia a Palmella ao affirmar nos 
seus communicados ser a exhorbitancia das taxas uma com- 


(1) Traduc
ão na Hl'vh;ta do Instituto .\.rchpolo
ico de Pe!'- 
Damhul'o dos Offido
 dl' )[alf'r 
obre a revolut;ão de un ï, fornpcidos 
em copia francez'l pOl' Oliveira Lima. 



DO
I JOÃO Y I NO nR
\.ZIL 


789 


pleta falsidade, relativamente, já se vê, e em absoluto 0 
recrutamento rigoroso exercido para .a expedição do Rio .da 
Prata. N as provincias septentrionaes do Brazil, fÓcos da in- 
surreição que estalara, é até notorio,. lembrava 0 representante 
de Dom J oão VI, que se não recrutou urn homem nem se 
impoz urn soldo de contribuição para aquella empreza mili- 
tar. As tropas en1pregadas no SuI tinham vindo de Portu- 
gal e eram pagas pelo Erario Publico de Lisboa, excepção 
feita das tropas regionaes paulistas e rio-grandenses. Podia 
o Th
souro do Rio de Janeiro ter realizado alguns adianta- 
mentos, mas a occupação de 
Iontevidéo, importando a 
cobrança das receitas aduaneiras d'esse consideravel porto, 
bastaria dentro em breve para custear as despezas da expe- 
,dição. 
As unicas queixas que no atilado dizer dos communi- 
cados, destinaJdos, não nos esqueçamos, a urn periodico lon- 
drino e a urn publico britannico, podiam os Brazileiros nu- 
trir, seriam os favores extraordinarios outorgados no terreno 
commercial pelo tratado de 18 10 e as concessões a que no 
assun1pto do trafico fôra levado 0 governo do Rio. Estas 
c-an1 e
pres
ões de resenrimento bem mais fundadas do que 
meras Questões de subvenção por este Oll par aquelle Reino, 
en1quanto se não abria a risonha perspectiva financeira do 
objecto da eInpreza satisfazer os gastos da sua oprração. 
l.Iuito l11ais impopular devia com certeza ser em Portugal 
a ambiciosa guerra do SuI, porque the acarretava despezas 
sem proveito privativo, nem prestigio directo. Verdade é 
que no Brazil faltava igualm.ente, afóra interesse que 
justificasse a conquista, a não ser 0 politico, a vaidade nacio- 
r:
l que só pode gerar urn accordo de sentilnentos. E 0 
Br2zil ainda era, 1110ral C01110 organicamente, fragmentario. 



79U 


DOl\I JOÃO VI Xo 'BRAZIL 


A revolução de 1817 teln que ser examinada sobre- 
tudo pelo seu lado theorico, no seu aspecto correlativo, em 
sua feição proselytica. Foi urn signal mais dos tempos, a 
manifestação de uma .combinação de impulsos em que entra- 
yam 0 amor exaggerado, litterario si quizerem, philosophico 
mesmo, mas em todo caso activo, da liberdarde, e Ulna noção 
jactanciosa da valia american a que 0 abbade de Pradt 
aponta com felicidade quando escreve n'um dos seus muitos 
livros de vulgarisação da emancipação do Novo 1\1 undo, que 
"pela prilneira vez, tratando-'Se do Brazil com relação a 
Portugal, uma parte da America aprendera a levantar a 
cabeça mais alto que a Europa e a .Jar leis áquelles de quem 
tinha por habito recebel-as." 
Aliás estes sentimentos abstractos e geraes assumianl 
traços concretos e particulares na provincia revoltada. A 
ordem do dia de 4 de l\larço de 1817, do capitão general 
Caetano Pinto de lVliranda l\lontenegro, ajuntava ás razõcs 
do Correio uma terceira, a mencionada e que estava na raiz 
do descontentamento 'popular: a sizania levantada "entre os 
nascidos no Brazil e os nascidos enl Portugal", accusados de 
monopolizar os melhores empregos civis e militares, os nlaio- 
res proventos e tUido mais de born na terra. Por outras pala- 
vras, eram a questão nativista e a affirmação inàependente 
que sob as vestes democraticas, tão em moda na epocha, sur- 
giam incomparavelmente mais vehementes do que em lVlinas 
no final do seculo XVIII. 
" Ha presentemente, proclamava 0 doutor governador, 
alguns partidos, fomentados talvez por homens malvados, 
com a louca esperança de tirarem alguma vantagem das des- 
graças alheias, sem se lembrarem de que todos SOlnos Portu- 
guezes, todos vassallos do mesmo soberano, todos conci.da- 



no:\[ JOÃO VI KO BRAZIL 


. 791 


dãos do mesmo Reino U nido, e que nesta feliz unlao, igua- 
lando e ligando com os mesmos laços sociaes os de urn e 
outro continente, só deve dividir e separar aos que fomentam 
tam perniciosas rivalidades". 
Ð'este motivo basico apparecem os outros como flor,es- 
cencia e, cortados do pé, não significam bastante para expli- 
carem a sublevação, convindo notar que nos ciumes nativis- 
tas, nem todos de preponderancia politic a, que a tradição 
consagrava, entravam em não pequena escala zelos alimen- 
tados pelos nacionaes dos bens alcançados pela acti vi'dade 
commercial dos Portuguezes. 
Caetano Pinto, que era homem intelligente e se gabava 
de ser homem de lei, comprehendia perfeitamente quanta 
eram inevitaveis todos esses ciumes patrioticos e economicas 
que em torno d'elle se agitavam, e philosophava sabre 0 caso, 
desculpando-os, em vez de procurar abafal-os pela violencia, 
o que sabia dever ser contraproducente. A philoS'ophia con- 
dizia a'dmiravelmente com 0 temperamento pacifico e a 
calma judicativa do futuro marquez da Praia Grande: 
com a propria segurança do Recife pouco se incommodava a 
SU:l suprema autoridade, sem ten tar mantel-a .com uma me- 
lhor policia que cohibisse os frequentes roubos, assaltos e 
assassinatos, sendo que de ataques de ladrões 0 governador 
em pessoa havia sido victima resignada. 
Não admira que, no tocante á conspiração que toda a 
gente sabia estar-se forjando nas lojas maçonicas e nos con. 
ciliabulos patrioticos, em segredo e ás escancaras, Caetano 
Pinto só tarde se resolvesse a agir, tão tarde que 0 nlovi- 
mento já não teve SUlTIlTIa difficuldacle em triulnphar. A eco- 
r.
mia excessiva e a negligencia, em ITIaterias de administra- 
ção, do governador de PernaIl1buco podem portanto ser 



792 


DOM: JOÃü YI XO BRAZIL 


apontadas, sem receio de errar, como fazendo parte àas ra- 
zões proximas da sedição, si bem que r'esgatassem aquelles 
defeitos bran dura e tolerancia que não eram COmlnU!lS ao=, 
capitães generaes. 
De COlno andava indisciplinada a soldadesca e não me- 
nos a officialidadr, 0 que mais que tudo traduzia 0 mal 
estar, physico e espiritual, caracteristico do momento, deu 
evidente prova 0 crillle que deu 0 signal da rebellião. As 
prisões dos suspeitos, ordenadas á ultima hora pdo gover- 
nador, .deram com eifeito origem ao conhecido eplsoài3 de 
quartel em que 0 capitão J osé de Barros Lima (Leão 
C orrJad 0) assassinou 0 seu superi<?r, provocando conl tal acto 
geral insubordinação nas fileiras do regin1'ento de artilheria, 
depois agitação na cidade, toques de rebate, exaltação dos 
animos, libertação dos detidos politicos e á 11listura dr cri- 
minosos vulgares, e por filn a mais cOlllpleta perturbaçå0 da 
ordem. 
" Em fim, a 6 d'este mez, contava l\Ialer para Pariz, 
urn regimen to de artilheria e
cedendo-se en1 vociferações e 
espirito de amotinação, 0 Governador, avisado do tumulto, 
enviou ao quartel 0 Brigadeiro Salazar para tratar de acal- 
mar a desordem. Quando começava a exhortar 0 regimento, 
urn capitão, talvez receioso do effeito das suas palavras, 
apreSSQu-se em atra\Tessal-o com a espada e Salazar cahio 
inlmediatarnente morto. (I) Ao saber do assassinato 0 Go- 


(1) 0 n

n

in:1do n50 foi Salazar, <1U(' era chefp do l'egiml'nto 
11{
 inf::mt.ll'ia. sim 0 hrig:ldeiro )[alloel .Toaqnim ß:!rhosn. cl1pfe do re- 
g-impllto de :1rtUhl'l'Í:t e portuguC'z. diz :\Iuniz 'l'avnrl'
. nltivo c S{'VPl'O. 
(Illan.do pl'Of'N1i:l íl prisão dos offici:H's sll
'lwif.o
. H:llnz:ì.r ft'z partp 
dos officiafls snp{
l'iOrl'S que, em consplho na fortaLeza do Brnrn. dC'cidi- 
ram 0 11ue 0 govpt'n,1l1or dl'sPjnya. :l s:lher, a e::l'itul:l(;Í'io SPIl1 dpr1'3Ill:l- 
nlPllto de snnguc, 



DO)[ 
TO,
O 'J NO RRAZI1J 


'79:) 


vernador man-dou urn dos seus aj udantes de campo, que foÍ 
igualmen te vietima. 
Emquanto que isto se passava nos Quarteis, tr,es Brazi- 
leiros pereorriam a eidade, reunianl a multidão e prégavam 
a revolta, voeiferando contra 0 Governo e contra os euro- 
peus. Estes tres chefes eram: IQ urn negociante, Domingos 
J osé I\Iartins, reeentemrnte ehegado de Londres, oode Que- 
hrara frauJulentamrnte; 2 0 Antonio Carlos de Abreu, (I) 
que durante varios annos fôra l11agistrado em Santos, actual- 
mente ouvidor, accusado de assassinato c vivendo na Blais pa- 
cifica, c aQui 111ais vulgar, impunidade; 3 Q 0 Vigario de uma 
parochia (2) ; ('ste scr]t'rado para tlwlhor se inlpor á 1l1ldti(t'io 
teve a infamia de se revestir do sobrepeliz e da estula. São 
visivelmente os tres chefes da insurreição, e Domingos J osé 
:\ Iartins é 0 tnais influrnte de todos. C
) .Ouvianl-se COIn 
frequencia gritos de: Viva a independencia 1 Viva a liber- 
<.Jade dos filhos ..Ia patria 1 
 Iorratn os Cl1roprus I" (-+) 
()s successos da reyolução de 1817 são de sobejo conheci- 
dose Os fa'etos que the assignalaraol a curta d uração, cncon- 
traIn-se I11iudaInente historiados enl 
 I uniz rravares (5) e 
syntheticamente, quando não gongoricamente romantizados 
enl di
cursos e panegyricos sem conta. A recentissima publi- 
cação das J\T olas Dominicaes (6) veio ajuntar outra rcla- 


(1) 
\ntonio Carlos elf' 4.ndrada. ouvidor em Olinda. 
(:!, 0 padre .Toão Hiheiro nåo era vigario de parochia, 
im ca- 
lwllão do ho
pital do Parai
o. 
(:q Para spr J)('lU f'xacto, {]('\"(-'ri3 )Iall-'r t(lr dito qne Domin- 
gos 
Iartins jfL f'
tava recolhido na caùeia dond>t' violentamente 0 
soltou () tf'nf'n te df' a l'tilheria An ton io H pnriquf's. 
(I en tão pOlHlf' pIle 
('ntrar a exaltar a repuhli.ca com 0 SPU enthusiasmo communicativo. 
(4) Trad. <'it. do offÏ<'io de 
8 de :\Ial't;o <If' It-i17. 
(:)) l/i.>{fori" (ill Revoiliriio de 1
17. 
(() I E(]Ü:ão do Tnstituto .\rclwnJogko (](I Pf'l'nambuco, em trn- 
òm'(:ão do 
l'. .\lfrNlo ùe Can-alho. 


D. J. - 50 



794 


110M JOÃO VI NO BRAZIL 


ção fidedigna de mais uma testemunha presencia!. A narra- 
ção do sacerdote liberal e os pormenores .de T ollenare 
acham-se plenamente confirmados nas informações, neste 
caso distantes mas sempre bebidas na boa fonte, de l\laler, 
e, 0 que aqui mais avulta e importa, nas declaraçães pres- 
tadas em França pelos capitães de embarcações dessa nacio- 
nalidade então surtas no porto do R,ecife. (I) 
Eranl em numero de quatro ta'es embarcaçães. Segundo 
Luiz Vicente Bourges (Borges?), Lisboeta domiciliado em 
N antes, immediato e sobrecarga do navio do mesmo porto 
La F e licit é, houve vint'e pessoas mortas no motim de 6 de 
l\1arço, contando-se no nUInero tres marinheiros francezes 
que não responderam ao quem 'l'Ï7.'e '! dos patriotas. Ava- 
liava elle a força regular dos insurgent'es (entrando de certo 
as milicias, porque 0 effectivo dos dous regimentos de linha 
estava, ao tempo do movimento, bastante reduzido) em 
2.500 a 3.000 homens. Quando La Felicité se poz ao mar a 
12 de 
Iarço, pois que a circumstancia da revolta the per- 
mlttlO reunir uma grande carga, sobretudo de algodão, a 
preços vis por continuar 0 enlbargo sobre os navios nacio- 
naes, occupavam-se os rebeld'es de manhã á noite em exerci- 
tar-se, melhorar a drfesa das fortalezas e outros pontos 
principaes de resistencia, e organizar a cavallaria. 
Dutra testemunha do m-esmo 
enero, 0 capitão do navio 
La Perle, eleva 0 nUlnero dos 1l10rtos a 50 ou 60, visto 
que, como sempre acontece em semelhantes occasiões, apro- 
veitaram-se os que de repente se viraln com as armas na mão 
para satisfaz'er antigas vinganças ou dar simplesnlente curso 


(1) E.
t:1
 dec1araf:õt>R. toma(]as nos portos dp pntradn. foram 
Irpm.pttid;l
 pplo 
Iini
tprio da 
larillh:L op Culonias ao de Estr.lllgf'irog 
da Fran
a, l'"m cujo ar,('IIÜvo se cJlc
trttro. 



DOM: JOÃO VI NO BRAZIL 


795 


aos seusinstinctos bestiaes. E' mister não esquecer que d' a- 
quellas mortes no bairro de Santo Antonio) quasi todas) 
foram culpados os facinoras libertados da cadeia e não os 
soldados e milicianos, tanto que a ulterior occupação) pelos 
regulares d'esta revolução em summa ordeira, do bairro do 
Recife, não foi manchada por igual morticinio. 
Pensava aliás este segundo declarante que) não se offe- 
recendo resistencia em parte alguIna) se não teria dado Ina- 
tança si não fosse 0 boato de urn appello feito pelo inten- 
dente da mar,inha (Candido J osé de Siqueira) aos tripolan- 
tes das embarcações portuguezas fundeadas dentro dos arre- 
cifes, que estimulou a violencia dos rebeldes e chamou a 
suspeiçäo e a ogeriza contra tudo que tivesse apparencia de 
maritimo. Dos quatro homens de bordo da Perle que) corn 
receio da pilhagem, para lá carregavam do armazem estabe- 
lecido pelo seu capitão para a venda a retalho) 17 a 18.000 
francos em ouro, trez foram summariamente espingardeados 
e ao quarto apunhalaram nas costas e partiram urn braço, 
não 0 acabando os assassinos de matar e até 0 levando para 
urn hospital quando verificaram ser urn Francez. 0 capitão 
assim 'Se exprimio textual mente: "Os negros livres e escravos) 
bem como os mulatos armaram-se de picas, ma'Chados, etc.) 
e massacraram todos os que no priIneiro momento tenta- 
vam fugir, particularmente marinheiros; os insurgentes tendo 
sabido que 0 filho do intendente fôra a bordo das embarca- 
ções portug
ezas surtas no porto, afim de pedir aos tripo- 
latHes que clcudissem em soccorro dos realistas". 
As peripecias essenciaes são uniformemente relatadas, 
d'ellas não existindo, a bem dizer, duas versõðs. 0 governa- 
dor continU'Ou até a ultima a ser homem de paz, sa- 
hindo do palacio á prinleira descarga para encerrar-se na 



796 


nOM JoÃo VI NO BRAZIL 


fortaleza do Hrurn e ahi se render, desdenhando os elemen- 
tos de resistencia-bern superiores aIiás aos dos insurgentes 
que no bairro de Santo Antonio ainda operavarll com fra- 
gmentos de regimentos, sem organização e com pouco arma- 
mento-que no ReciJe m'esrno se agrupavarn e viram-se dis- 
persos pela ousadia de urn dos officiaes rebeldres. Este homem 
decidido (I) foi quem se apoderou da ponte do Recife 
quando os Portuguezes se d ispunham a cortaI-a para rne- 
Ihor defenderem sua causa, isolando-se, de facto abdicando 
com aquelle gesto a intenção de recuperarem a posição per- 
dida, da qual os rebeides logo se assenhorearam por com- 
pleto, arvorando sua bandeira inlprovisada e proclamando 
sua creação menos improvisada. 
Seguio-se entre a gente boa da cidade, do cOIlllllercio 
especialrnente, que era todo portuguez, a infallivel deban- 
dada, rnovida pelo terror. Estes primeiros emigrados
 che- 
gando á Bahia n'uma embarcação que logo se fez de vela e 
inf{)rmando 0 conde dos Arcos do occorrido, permittiram-Ihe 
tomar suas precauções: chamar a si atropa, redO'brar de 
, 
vigilancia, prevenir cad a urn dos suspeitos da sorte que 0 
esperava si se atrevesse a pronunciar-se, e distribuir procla- 
mações realistas que nos parecern hoje ridiculas na sua rhe- 
torica empolada e affectada vehemencia, mas que foram 
efficientes, suffocando toda velleidade revolucionaria e pro- 


(l) 
[uniz Ta'Varf's attribue 0 feito ao trnentt" Antonio n
n- 
riques, pel() qual mORtra grn.nde pnrdalidade: Tollpnare ao capitão 
Pedroso, ID-estiço dC' cC'rta instrucção e valpnte, que den voz d(' fo'go 
contra 0 ajudalltp de ordens Alpx3ndre 'l'homaz, X'um dos Set!:ii in- 
tf'rf'

ant(..:-; Estlltlù.... Pcnwlllù/H'UJlU8.- Os motins de FeVl'reiro-o Hr. 
Alfr-el(Ì(} de C
 rvalbo descre'Ve corn t"xactidão bistorica {> senso do pit- 
toreßCO as ulteriores façanhas, em luctas civis, do llldh;clplinado of- 
ficial, 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


797 


duzindo 0 resultado visado, que era 0 socego fiel da provin- 
cia. Arcos procedeu em summa como general que era: 
si fosse hom'em, de toga, teria tal vez procedido como Cae- 
tano Pinto, que mesmo as denuncias mais fundadas despre- 
zou, até ser tardio 0 tratamento do mal ainda que violento. 
Pode ter-se como certo que a sedição pernam.bucana 
tinha a sua ramificação bahiana, e é passive! que á rapida 
acção do conde dos Arcos, que tão gran de desanimo local ge- 
rou, não fosse extranha a preoccupação de dissimular, ou antes 
fazer desa'pparecer, cahindo no vago e por fim no esqueci- 
mento, uns confusos projectos de conspiração aristocratica, 
tendente-si 7.'era ('st fama-a substituir urn throno por 
varios thronos, e desconhecida a não ser pel a referencia 
indistincta de unla proclamação do governo provisorio do 
Recife aos Bahianos. (I) 
Gutro tanto, sem quiçá os precedentes, aconteceria no 
Ceará, onde a missão do sub-diacono Alencar veio a gorar 


(1) 0 theol' d'este documpnto diffpre de re
to em )Iuniz Ta- 
var(>
 p pm )[1'110 
[oraI'H (IliRt',rirt drt8 C"1l.'dituir:õe.ç). sl'ndo (}"pste a 
versão lipio s;vihillina. ITa qurm dig-a, p ho'Uve então quem penS2sse, 
(I1H' :I 'l'evolução pf'l'n:Imhu('
na fora gf'l'ada em Lishoa-cel'tampnte 
nas Iojas maçorniCfl8-df'vendo 0 movimento 8pdiiCios'0 gel' simult2nf'o 
DO
 dou
 .Rpinos p ter por ohjpctivo. a começo, obrigar num .Toão YI 
a voltar pa,ra Lishoa. O
 Portugupzrs relClamavam 0 SPU Rei e as 
silas rl'galia
. P (lH HraJ';ikil'os (IUP j:1 sonha nlm com l'l'puhlicn, ou 
pe]o mpnos com indr-]}(\nñp'ncia, tinha m a prito afastar () ob
ta('ulo 
prin('ipal ft pr().clamação ños spus principios derno('raticos on li:bpraes. 
.Podf' tamlwm 
mppor-sf' quP A]"1('08 P!'>tiVP.g8P ffi'pttirlo atl' Cf'fto 
ponto na con:-'Jpira
:ão no intuito, que Vin
Ql1 mais tal'de, ñp ficar como 
1Upnt OJ" (10 jo\"pn HI'g'l'nt(' Hom ]'1'111'0, 011 n1l']hor na I'sprran<:a dl' vo!tar 
a Sf'r com ma i
 (>spI('vdor 0 qUf' pra pm lRO
, 0 vice-'rf'i. dp urna nação 
pOl'(
Ill j:í fl'ita, nHo mais elf' um:! ('olunia. :\'a mtmospI1Pra partic-ular 
de PernRmbuco. em cuja composição pntra'Vam a iTIdis-ciiplina f' 0 pbi- 
lo<õ;op,hi!'>IDO. e tendo occorrido a cÏ1'cum
tancia dedsÏl'u 
o 2.
s;\ssinato 
dos dous offici-aI's grnpriws. :1 
ol11ção dpmng'Ogica i-rrornppu bru
ca- 
ml'ntl'. ùnplil..,no 0 fnro!' de .\rcos, a urn tempo pnganado nas suas 
:;mbi(:'-JIFI
 f' 
vergonbado, para 0 quP procurava desabarfo na In-ita- 
<:50, r}Or SP haver associado na orig-('ID R sf'IlleI.h:1ntr-s cOTIcbnv'Os per- 
t U rba (1.1) res. 



7!)
 


DOM JOÀü YI NO BRAZIL 


como a do padre Roma á Bahia, graças á teimosia do capi- 
tão-mór do Crato, urn velho malfeitor que para 0 crime se 
valia da sua auctoridade, e á energia do governador. l\lau 
gra!do quaesquer sympathias que intimamente despertasse 
n'essas duas capitanias, não conseguio a r-evolução attrahir 
á sua orbita subversiva mais do que a Parahyba e 0 Rio 
Grande do N orte. 
Este era 0 maior susto da côrte, que 0 movirnento se 
propagasse, effeito que l\Ialer julgava inevitavel; e a facili- 
dade com que nas duas provincias satellites foram levadas de 
v-encida as poucas, debeis resistencias levantadas, faz suppor 
uma corr-ente occulta .de solidariedade cujo circuito já 
estivesse estabeleÓdo, a menos que não irnplique uma materia 
extremamente amorpha de experiencia democratica, Não 
podia, porém, ser este ultimo tanto 0 caso, porque no meio 
da geral apathia ignorante existia urn nucleo illustrado, 
elemento ,directivo que então exercia mais decidida influencia 
do que hoje, arrastando as vontades irresolutas e determi
 
nan-do as adhesões inconscientes. 
Semelhante elemento estivera sujeito a uma verdadeira 
iniciação, a urn trabalho "de illuminação politica de que ti- 
nham sido conductores os sacerdotes lidos em philosophia 
revolucionaria que foram os principaes agentes, propagado- 
res e martyres .d' essa revol ução de padres, 0 que pelo menos 
no Brazil d' aquella epoch
 significava uma revolt a da intelli- 
genCla. 
T an to foi a ins urreição de 1817 urn movirnento m ui to 
mais de principios que de interesses que Tollenare, especta- 
dor e chronista insuspeito d'elle, não aponta sequer entre as 
suas causas razão algunla economica. Apenas the descobrio 



. 


DOl\! JOIO VI NO BRAZIL 


799 


razões moraes: a ambição positiva .de uns e a imaginosa chi- 
mera de olltros, as duas bolindo COIn os sentimentos nativis- 
tas, aggravando os despcitos e humanamente acirrando a 
cupide.::. 'reve portanto a revolução pernambucana, e bem 
saliente, a sua formosa feição, pois que captiva e :iascina 
quanto representa nobre aspiração de liberdade, a qual sabe- 
mos não vicejara no Brazil, nCm mcsmo depois que a trans- 
plantação da côrte determinara unla mudança climaterica. 
() governo òas provincias continuou muito a ser 0 das capita- 
nias: 0 governo do born ou do mau tyranno. Feliz a terra 
quando, 'como a Bahia, s'e the deparava urn governador como 
Arcos que nos seus sete annus de governo (18 10- 18 17), si não 
deu ensanchas ao espirito politico, confundindo 0 civismo con1 
a lealdade dynastica e equiparando 0 patriotismo á dedica- 
ção monarchica-termos que se não excluem, mas que po- 
dem viver separados-pratica e efficazmente protegeu a in- 
strucção publica, 0 desenvolvimento intellectual, as commu- 
nicações fluviaes, 0 commercio e a de.f.eza militar. 
A revolução apresentou-se comtudo com suas vestim
lì- 
tas usuaes de indisciplina, desordem e violencia. Sua estréa 
foi 0 homicidio de militares de graduação por officiaes sub- 
alternos e, para sustentar-se, si bem que a perfilhassem e 
favoneassem 0 clero nutrido ,de idéas francezas e a aristocra- 
cia territorial turgida de orgulho de nascimento e de senti- 
mento bairrista, tinha ella de tornar-se demagogica (', na 
falta de outro povo, appellar para a plebe de côr. A carta de 
urn Portuguez a seu compadre, descrevendo a cidade depois 
do levante, diz que se não viam mais do que casas fechadas, 
não apparecendo nas ruas a gente branca, e que os patriotas 
negro
 e mestiços que pejavam as calçadas, em vez de anda- 



SIlO 


DOl\! JOÃO VI 1\0 BRAZIL 


rem como d'antes pdo meio da estrada, tinham modos Inso- 
letHes de abordar os Europeus e pedir-Ihes fumo. 
a commercio, pelo duplo motivo do sentimento nacio- 
nal e .da desconfiança, só podia ser adverso ao movimento 
emancipador e republi'cano, 0 qual não dispondo senão limi- 
tadamente de forças regulares-as que se rebellaram fize- 
ram-no por espirito de imitação muito nlais do que por cons- 
ciencia patriotica e não offerecianl plena confiança enl caso de 
incertezas---'e tendo que luctar contra urn sentimento monar- 
chico que provou ser ainda f.ervoroso ,em muitos, ou pelo tne- 
nos com 0 ten10r do desconhecido entre a população de certa 
condição, (I) carecia de apoiar-se nas camadas baixas. A ralé 
é que afinal podia dotar a r,evolução do largo fundamento de 
que 'esta 'precisava para exhibir vigor material de que não dis- 
punha, e manifestar enthusiasmo mais geral, ainda que não 
mais ruidoso e consistente, do que 0 fornecido pelos vigarios, 
democratas que foram a cabeça e 0 coração do movimento, os 
senhores de engenho de sangue azul, rivaes natos dos 71l/lS" 
cates como 0 da carta ao compadre (2) e os patriotas, em 
diminuto numero, de biblio-suggestão, fructos das acade, 
mias do Cabo e do Paraiso. 
A revolução de Pernambuco seguio a march a de totIos 
os pronunciamentos militares: começou por augmentar no 
triplo ou quadruplo 0 soldo das tropas, dos defensores, offi:- 
ciaes e soldados, da patria e da liberdade, 0 que facilitou a 
cirCulnstancia de acharem-se no Erario cerca de 800.000 


(1) " ..... s"m 
p l.pmhnuPffi (fI,fit prnIOJ1J1H1ra1108 '1.11(' (ita /'(11110 
Otl E,<;tado,<i Ullidos c allllf>jfnam 0 dnwJlL"olrimento tin }latrï.a) fJue 
('Om fadlida.le 'Podp-
(' traTIsplantar a l.,pi, mas não 0 espirito da 
a- 
c:ão; 'Ilão pp;n
a\"ão que DO Brazil exi
tia bum tIll'ono, e oC'(,lliparto pOl' 
hum Hpi nrturalment<.' hDm, ciI.('um
ta'l1C'ia quP mnito rtivel'
ificava a 

)osição rC'spp(,tiva.'. pluniz Tav:ups, ob. ('it.) 
(2) 1'lIhlka(la VOL' ::n..l1o l\Iol'<les no B,.a,
'il-Hcillo <- nra,
il.IJIl.- 


pel
io. 



4 


DOM JUÃÜ VI NO BRAZIL 


801 


escudos, sendo 200.000 em bilhetes do Banco do Brazil. (I) 
Depois, para angariar 0 favor popular, 0 governo proviso- 
rio (2) abolio varios impostos, entre elies 0 de subsidio mili- 
tar, de 160 réis por arroba, sobre a carne; para prover a sua 
segurança, determinou a compra de armas e muniçães, nlOO- 
tou enl guerra urn brigue, .duas canhoneiras e outra embar- 
cação, fazendo appello a marinheiros estrangeiros por des- 
confiar dos portuguezes, e permittio 0 levantarem particula- 
res companhias de cavallaria; para dar arrhas do seu fervor 
democratico, ordenou 0 tratanlento de vós eútre os patriot as; 
para conciliar a classe agricola, j á que a mercantil the fugia, 
facilitou 0 pagamento das dividas á extincta Companhia de 
Pernambuco, cuja liquidação ainda durava, e differio a 
emancipação dos escravos, prcclamando "que a base de toda 
a sociedade regular, é a inviolabilidade de qualquer espe- 
cie de propriedade." 
Pode dizer-se que os actos da joven Republica foram 
todos impressos de moderação e até de espirito conservador, 
o que não é para admirar si a encabeçavam e dirigiam a 
gente de bens e a gente de illustração. as actos propria- 
J)lente politicos tanlbem foré!m repassados de moral jacohina 
-a revolução foi paradoxalmente honesta-e de affectada 
confiança. Affectada e igualmente espontémea, pois que 0 
celebrado, j á lendario orgulho dos Pernam bucanos (os de 
boa fðmilia, scnão de boas lettras, pela maior parte plantado- 


( I) (>>ffkio dt. tll- 
Ia/l'l' Ill' 
k (]p :\Ial'(:o, :\IlIlliz Tantl"Ps fall:1 
('Ill Ijon contus. 0 El':tI"io foi gua 1''Il
- ÒO )1'1'10 run l"-(
Ch:l1 .J o Sf' Hoherto ('om 
n 
rosso tin m i Ii<'ia n tf' Sl'1' ()hl'ig-
Hlo a ("pdl'r I' vI'r ('onfra t 1'1'11 iza rl'111 
SI'US soJd;l{lo!-> ('Um os 11C' linrh:l. 
I 
 I FOl'lIIado <1(' f'Ïnco m(,ll1hl'0
, 1'1'1)\'psC'ntantes do commercio 
IIhlll1ing-os .'OSI' :\Ial.tinsl. tIa m:tg-istl"atunl I.Josp L11i7. (lp 
r('n(lotH:a), 
do clpl'o (pa l ,Il'(' .'0:10 Hilwil'o I\'sso;t). rto <,xprcÎto cHomin.!;os Th<>oto- 
nio .Tol'gp) e da agrkultura (:\lano('1 ('orr('-a de .\raujo). 



80
 


DoM .JOÃO VI 1'0 BRAZIL 


res) augmentara con1 a fortuna dos ultin10s tempos, os bons 
preços do algodão e do assucar, e reflectia-se nos papeis ema- 
nados do governo provisorio, (I) agindo esta fartura de 
accordo com a miseria da plebe ao rehentar 0 motim. 
Apezar da basofia presagiar intransigencia, a toJerancia 
republicana foi tanta que os empregados foram to
os con- 
servados nos seus officios, n1ediante luna adhesão não el11 
extremo difficil de obter. Apenas destoaram d'essa norma 
legal, e não sem explicação ou justificação, a aber!ura das 
carleias, logo corrigida, e annullação dos processos civi
 e 
criminaes, e 0 sequestro nas propriedades dos ncgùciantes 
que por causa da revolução se ausentaram da terra. "A 8 de 
l\Iarço, escrevia 0 insuspeito l\Ialer, a ordem e a tranquil- 
lidade estavam perfeitamente rcstabelecidas; Ii un1a carta 
de urn negociante ingIez, escripta daquella cidade (Recife) 
a 9, que dizia não se perceber mais 0 rnenor vestigo da revo- 
lução, gosando-se da mais perfeita calma e segurança." 
o capitão da Perle
 que pennaneceu em Pernambuco 
trinta e dous dias depois de arvoradas as cores da revolução, 
escrevia que nem a sua elnbarcação, nem as outras nove ou 
dez, estrangeiras, ancoTadas diante do Recife, foram no 
rninin10 molestadas: "os direitos ficaram na mesma, 0 neg-o- 
cio livre e requisição alguma foi lançada, a não ser de nlunI- 
ções de guerra que havia ordem de arrecadar contra p
g-a- 
nlento, por decisão do governo provisorio". (2) 


(1) .. Que culpa tiv('ram os Brazileiros, dizia 0 manifC'sto 2.0S 
hahit;lnt
s da provincia, de quC' 0 Principe dp Portugal sacu(]ido da. 
sua Capital .]'wlos ventos imlwhlOsoS de uma invazão inimiga, sahindo 
rfaminto d'pntrf' O'S sells Luzitan{)s, vicsse achar 0 ahrigo no franco e 

('nf'roso ('ontine'nte do Drazil, e matar a fome' f' at(> R sede na altura 
de Perna.mbuco, e pela quasi Divina ProvWcncia, c lil>eralidade dOB 
seus habitantes "! " 
(
) Arch. do 
Iin. dos X (,g. Est, de França. 



DOl\l JOÃO VI NO BHAZIL 


f'03 


Quando a Perle singrou, a 8 de Abril, as escravos, 
armados no começo, tinham resti tuido as armas e retomaòo 
sua canga. "0 novo governo até 111e concedeu trez Inarinhei- 
ros portuguezes ,em substituição dos meus trez homens de 
tripolação mortos no tUlnulto do prin1eiro .dia, testelnu- 
nhando seu vivo pezar pela calamidade que Ine assaltara." 
E' mesmo possive! 'que a situação houvessc melhorado, 
sob 0 ponto de vista da segurança e do direito, depois da 
insurreição, po is não pode res tar duvida de que a provincia 
se achava, antes, n'Ul11a condição quasi anarchica, existindo 
para a sublevação, ainda considerada objectivamentc, causa 
mais do que sufficiente. Quando encerrasse exaggeração 0 
quadro publicado no Correio Braziliense (I) por um'a tes- 
temllnlza oCl/lar
 confirma-se nos seus dizeres a ilnpressão de 
quão aleatoria era a segurança individual; quão relaxado 0 
governo; quão venal a j ustiça; quão deshonesta a adminis- 
tração, tanto na Junta de Fazenda, por onde corriam do- 
cumentos falsificados, como na Alfandega, onde florescia 
publico e notorio 0 contrabando, chegando a desfaçatez ao 
ponto de passuirem officiaes d'ella lajas de fazendas, como 
na lntendencia de l\larinha, ninho de falcatrúas. 
Remettendo para a França 0 Preciso de J osé Luiz de 
l\.lendonça, penhor do seu republicanismo violentado, 0 ca- 
pitão da Perle achava-o razoavel, enumerando as quelxas 
que havia da côrte, a começar pela aggravação das contri- 
buições. 
o governador, todos concordavam e a tfstemunha 
oClllar do Correio u procIamava, era 0 unlCO talvez dos 
altos funccionarios limpo de mãos
. mas si a sua indiffe- 


(1) N. 10:) de Junl10 de 1817, \T.o1. XYIIl. 



SfH 


DO)I JUÀO VI 1\0 BHAZIL 


rença optimista rastejou antes do levante na inconsciencia, 
tomando reuniões de conspiradores por assembléas de ma- 
ções, achando-Ihes até graça e cerrando os olhos a {actos 
inilludiveis, ao ponto de correrem no Rio boatos que em 
Pernambuco Caetano Pinto desconhecia e no emtanto diziam 
respeito ao seu governo, depois do levante a sua cordura foi 
quasi cobardia (I). 
Não foi certamente seu exemplo que inspirou 0 conde 
dos Arcos, 0 qual, sem esperar instrucções da eôrte, tomou 
logo na Bahia as providencias necessarias para a prompta 
repressão da sedição visinha, adoptando uma attitude mili- 
tante e até feroz, despaehando a bloquearem 0 Recife 0 
unleo pequeno navio arma,do que tinha á sua disposição e 
dous mais que obteve au arrancou de particulares, e fazendo 
antes de deeorrido 0 mez de 1Vlarço seguir urn corpo, dispo- 


(1) "0 Govel'nador 
Ion tl'neg-ro, l-ogo no primeiro dia. ,refu- 
1!iOU'SiC {''Ill um dos fortf's, euja ponte levadiça fez leyanta'r; á vista 
de ll'ma intimaç:ão dp rcndp1'-sf', es.cri'pta n'u.m farraJpo de ,papel e spm 
assign3tura (0 quc 11ão é ('.rncto, POi8 0 ultimatum enl firm ado ]JC108 
('(Û)('('(l,
), m:mdou .abri1' a porta. e foi cOIltduzido directamente e sem 
o mf'nor vcxame para hOl'flo do brigup (111!.' 0 trouxf' aqui. Tf'ndo 1"e- 
damn r10 0 SPU dinheiro e rou
)as, a .Innta immediatampntp tlliJO ma:n- 
dou.llle entl'pgar, dizf'ndo '111(' assim prucedia attendpndo a sua inte- 

ridadp IH'
soal. e (}'ue tur10 t{>riam r,ptid'O se pIle bouv('
se roub.ldo 
eomo 0-; outros; 0 Sf'U dinheiro suhia a G.OOO cruzr..'l1os." t '}'j'::1.fJ. cU. 
(}o officio f1r 
In]f'r dp 
H f1f' 
Ial'<;o elf' 1
1'j). 
.. () capitão 'l':hihaut. d(' La Louise, de
d,p () primeiro momento da 
insUl'l'.eÏ<;åo t{','e a genrl'osida'f1e de f'sponbl11eamentp ir procl1rar 0 Go- 
YI')'nndol' I' <11' HI(' offpl'N'Pl' (i eonhõps quI' t inha a bordu. })ol\'ora e 
torla a slIa tripola<;åo p:ll'a aopoiar 0 partido 1'('<11. Trudo rst0 offered- 
mp,nto siùo a.cceito fpz dps0mharcar as pe<;as e al'guns harris de pol- 
vom; mas. dC'vido á ("{Jv:J.rdia e pusilla'Dimidadp do (jO'vernador, egte 
movimpnto que podpria t"1" animaùo O
 portuguezps foi inntil; 0 c-a- 
pitão Tllibaut, Yl'ndo-s(' H() p sl'm 0 mf'nor alwio. tpVf" qll(> yoltar para 
hordo. l' dUl'antp a noitl' spgnintp poudl' 3ppnas r('('mbal'car partf' dos 
spus eanh\)('s e muni(:ô('s:' (Officio dp )Ialt.)' (]p 1 df' 
Iaio: trad, na 
Hf'v. do Inst. Arch. d.p PI'I'n,) 0 imnwdiato dp L'.-tnrlrom(((jlIr quP fi- 
cara 1'01' do\'ntf'. olfÎerpe.eu pelo contrario sellS sf'rviços aos insurgen- 
tes, flUf' 0 nomearam official do brigue rntão armado, 



DO){ JOÃO YI XO BRAZIL 


8u5 


nivel e improvisado, de 1.500 homens para a comarca das 
Alagôas com ordens terminantes de levar tudo a ferro e a 
fogo. "N enhuma negcciação será attendida, sem que preceda 
como preliminar a entrega GOS chefes da revolta, ou a cer- 
teza da sua morte; ficando na intelligencia de 'que a todos 
he licito atirar-Ihes a espingarda como a lobos." Era d'estas 
proclamações que l\laler se espantava mau grado todo seu 
espiri to reaccionario. 
A þerspectiva não se offerecia desannuviada aos olha- 
res anciosos dos patriotas. J á a 29 de Março de 1817 
escrevendo ao seu governo, 0 consul britannico John Lam- 
priere augurava mal do movimento: HI think to perceive that 
the generality of the inhabitants becOlne daily 1110re gloonlY" 
( I ). Conl effeito os soldados da revolução desertavam ern 
graf!de numero, apezar do t?ío consideravel augmento na 
sua paga, tendo que serem alistados, para encher-lhes os 
daros, muitos escravcs aos quaes por este motivo se con- 
cedia alforria, dando-se ou pro111ettendo-se indemnização 
aos senhores. Sobretudo não chegavam noticias, as alInejadas 
noticias da Bahia, onde os rebeldes contavaln conl adhe- 
sões seguras, quando 2.0 envez, d'esse meS1110 lado do qual 
no seculo XVII viera 0 soccorro definitivo para a expul- 
são dos Hollandezcs - auxilio tão indispensavel quanto 
foi no seculo XVII I 0 francez para a libertação das colo- 
nias inglezas - partia agora a reacção contra 0 grito per- 
nambucano de independencia. 
Tambem a pobre insurreição em parte alguma depa- 
rava com as sympathias a que tinha ou se julgava com di- 
reito, ou de que nutria confiança. N as capitanias do N orte 


\ 


(1) Ar<1h. do 
Iin. da s Rpl. Ext., Corrpsp. da Leg. em Lond.rE!!. 



80G 


DO
1 JO.ÃO VI NO BRAZIL 


por onde até certo ponto se propagara 0 movimento, mas 
que eram porções do littoral pouco favorecidas, menos po- 
voadas e constituindo a secção mais desprovida de recursos 
do paiz, a contra-revolução lavrou rapida: no Rio Grande 
do N orte, logo que se ausentou 0 contingente parahybano 
de J osé Peregrino, na Parahyba por urn impulso esponta- 
neo do velho espirito tradicional que produziu uma reacção 
fatalista, originando urn conflicto de principios em que 0 
receio representava papel secundario. 
A comarca das Alagôas conservara-se pode dizer-se que 
fie! á causa legal. N'ella echoara debilmente 0 clamor sub- 
versivo e estalou quasi sem provocação a contra-revolução no 
Penedo, passando de prompto a 
laceió e vindo em offen- 
siva deter a marcha do reforço de J osé l\lariano Cavalcanti, 
mandado do Recife para 0 suI da provincia. 
Com as colonias revoltadas da America Hespanhola 
não houve tempo nem sobretudo ensejo de firmar solidarie- 
dade. Nos Estados U nidos a repercussão foi nulla. 0 emis- 
sario Antonio Gonçalves da Cruz, 0 Cabugá 7 para lá despa- 
chado a obter 0 reconhecimento e protecção, só alcançou a 
tardia remessa por especulação particular de provisões de 
guerra e tambem de bocca, que estas andavam carissimas 
no Recife, chegando um alqueire de farinha, que custava 
d'antes 1.600 a 1.920 reis, a pagar-se por 9.200, sem appare- 
cer 0 genero no mercado. 
Contra essa infracção de neutralidäde, posta que não 
official, merecendo comtudo a fiscalização official, pro- 
testou aliás sem demora 0 Ininistro Corrêa da Serra, 
sendo attendido pelo gover,no f.ederal, como 0 fôra na 
sua recIamação contra os navios armados nos portos ame- 
ricanos, com bandeira dos insurgentes hespanhoes, para ata- 



DO)I JoÃn VI XO BRAZIL 


SO';' 


car as embarcações da metro pole, e tambem as portuguezas, 
estando em lucta 0 governo do Rio com Artigas e podendo 
dar-se a todo momento 0 rompimento com 0 governo de 
Buenos Ayres (I). 
Outro motivo de reclamação por parte de ,Corrêa da 
Serra seria, apoz suffocada a rebellião de 6 de 
1arço, 0 
proceder do consul amencano Joseph Ray, accusado pelo 
proprio JllIZ relator da alçada, entre outros feitos de natu- 
reza politica, de comn1unicações mais que suspeitas com os 
revoltosos e com officiaes estrangeiros por estes alliciados 


(1) .\ nota df' 
o d
' ÐrZf\lllhro df' 1 Rl G de ('orr
a da Serra 
a .T ames 
lonroe, :5ecretario d"'Estado, cita'va com precisão vllrios casos 
escandalosos de navios dp corso ficticiamente v,enididos a armadoreH 
'Platinos. e ajuntava muito (Hplomaticamente: 
"Tap::; factos nâo IH't'dsão de epithf'tos para serem propriamente 
qnalifkados, e pOl' is
o julg-lWi SUIW1'fluo usa l' d('lles. l\Iostra 111 logo 
á primeira vista a sua natureza immoral e criminosa, e a sua oppo- 
si<;ão :10 direito da
 g('ntps, En conllP<;o perfeitanwnte os honrados sen- 
timpntos df'ste f
ovprno p dest:l X a
ã 0, pam não conceber a menor 
suspe.Ïta de Clue oIllam p:H':l elles em outro ponto de vista. A falta 
f'stl:l inteiramente na insUifficienda das Lf'Ys actuars, e nas evasivas 
tlue offert'cem aos clÜpados, particuI::;,rmrntC' quando são ajudadüs pela 
tra'Pas
a forpnse. l'rovavplml'nte os passados l(.gisIaùores Americanos 
providenciaram tão impedl'itamente para taes occuI:r;encias, porqup 
as julgar:lm ÌlDlpo
siveis; mas UIlla vez que chegam a acontecer, nada 
pod,' ju<;Hficar esta na<;ão aos oillos do ml1ndo civilizado s'enão a. 
p1'omulg;H:ão das Ipys sl1ffidente,
 para E'str caso. 

p os cidadão
 dos Estados rnidos não f01'P111 impPflidos prlas 
LC'ys d;l sua 1)::: tria, de st'rl'm em massas, partes agentes em gl1erras. 
(IUP llão são SU:l
, não darå isto logo aos 01110'; de todas as Potencias 
o('<<;;tr:mg-piras UID caru'('t..r p mna cor pir{ltiC:l e üùiosa a esta na
ão. 
indig-nos dl'lla ? A sua paz e trnuquillidaùe serão t:1Illht'm lwstas pm 
pl'rigo, vor(lUe tofIo 0 g-ovprno as
im offpudido, tpm um direito nn- 
1111':11 tI(. rl'ssl'lltir e vill1!;ar com todas as SUfiS f.o1't;as injuria'S pOl' ('stp 
modo rl
cphid:ls eontl":t o
 11S0S do lllHllClo civ.ilizado. Dpve pois a honra 
(' a P;I7. do povo tHul'ric::no, d8 nOVl' mHhòes de IH'ssoas, a im.mensa 
plul"alid:tde flns quaps t'
m, :t men rwr1'pito coulll'ciml'nto, lUll carac1'I'I' 
justo, hOTIrac1o r pad,fh-o, gl'l"t'm po
ta:; PIll })l'rig-o iIllmin{
ntp, pl'la 
culpavel cohit;:l ÙP lJIn
 pouco
 df' IHHllP'nS ùe um on ou11'o porto de 
mar, que f):t1'a ad 1 quil"ire'lll ri'qnrzas não tem duvi,l:l dr 
I' tur:nar(,ID 
pÏ1'atas? 1'()r
111e dp fa('Ìo não he outra consa anllar Clll corso {>1m 
gUI'I"l'aS, fJIW não st'jam as fIa naçiìo dp cada 11111. 
,Hl'lpr'PSl'llto pOl' eon:-;'>g'uintl' a pstc <:ovprno nn occa.sião actual, 
nito pa l'a Cullll't;ar a1tl'l'l':tt;Õ('
, ou p('c1ir 
atisftll'ÇÕl':::, quI' a l'on:;t.itui- 



80S 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


(os trez bonapartistas, do exercito francez, engajados pdo 
Cabugá nos Estados U nidos, chegaram tarde) e de acoutar 
na sua residen<:.ia trez chefes do movimento sedicioso na 
Parahyba, que d'ahi foram arrancados pela policia. 0 go- 
verno americano houve que destituir 0 seu consul. 
N a lnglaterra, onde 0 governo 'provisorio sonhara fazer 
òe II ippolyto 0 seu nlinistro, 0 apoio á revolução foi igual- 
Inente, e com maior razão, ,negativo, obtendo pdo .contra- 
rio Palmella facilmente do governo do dia, con10 era de 
preyer, quanta pretendia elTI detrimento da republica. Só 
não conseguio, porque 0 gabinete britannico invocou a pro- 
posito a neutralidade adoptada entre a Hespanha e suas co- 


f:ão dos Estados rni'Òos talvC'z 0 não hahilita a d.u, pOI
que t'U co- 
nhef:o qtW 0 
lIpl",t"lno EXècutivo d..'sLl n:1<:ào, toùo podl'l'o:-:o qU:Fudo 
t'strilmt.lo I'Ill Lt'Ys, lit' l'onstitucionalull'ntt' sem ac<:ão, tlll:1ntlo ellas 
lhe faltam, 0 qUt" Nl so:idto dplle Ill' quI' proponha ao Congre
so tltH' 
tIp taps IH'o\'i<1l'nt'ias pOl' LI'
, (Iut' pn'\'inaUl tat.s attt'lltados para 0 
futuro." 
:A rrsposta df' 
[onrop foi a remrssa :10 ('011gl'eSSO, pC'lo Prp- 
sidente Madisoll, dl' ullla men--:.:g'!'m urgindo a nece
<:;arla exteDS:lO das 
disposições lpgislati\-as, expcutiV:lS e IJpnaes 1>:11'.1 m:n1ÌE'l'-st' a neutl'a- 
Jidade riglJI'osa (los Es1:ulos {'nidos, po<1p11l10 ser dt'tidas as I'Ulbarl'a- 
t:ões 
uspeitas, exigida prf'\'ia e forte fjan
a tlos Idonos e cOllHllantlan- 
tes d.' na vios arm:ldo
, e PU11idus o
 tt'ansgres
;ol'es, pm julg
1mento, 
com multa que não passa
s(' de 10,000 dollares e prisão que nào ex- 
cedesse dpz an'DOs. 
E' interc-ss.mte notal' que 0 rrsp,eito .fiOS direitos dos n.eutros, 
invocado pelo reprr
entante portuguez, constituia pOl' esse tempo, 
quando 0 dpst'onlH'cia ou pl'l'Ì('uùia desconh(,l'er a Inglaterra, Uilla c1al-; 
maiores prpoccupa<:Òt'g dos E
tados Unidos, tendo até formado 0 melhor 
das inst.rucçôrs dadas ao S('u primeiro mi'Distro no Rio. s'endo .Tr.f- 
:ferson Pre-sidente .e 
Iadi<:;on 
ecretari'Û d'.Estado. Occorreram me
mo 
attr.itos dï.lrante a .gu'f'rra de 1S1:!-14 porque as auctoridades portugue- 
zas, pOl' maÏs que affecta
se'ill neutralidade, não 1 Oigr a vam deixar de 
mostrar-se parciaps aos Inglt'zPs, spmprc quP para isto sohrevinha 
('nsejo; até, no dizer das rpclamaf:.i)es :t.mericanas, pOl' occasião de 
ataques ùe cmuarc2.<;ões do
 E-
tados '["nidos pelos corsarios britannicos 
em aguas te.rr.itoriaes portugtll'zas. 
.Nos incidpntes das .prpsas p.!".eudo-p1atinas, 0 Departame'Ilto d'IEs- 
tado agiu com correc<;ão, faundo perseg-uir os deIinquente.s pelDs pl'O- 
cUl'adores (attorneys) de districto, seg.undo se pode verda corre.spon- 
dencia original no Arch. da Emhaixarda Ameri,e:rna no Brazil. 



nOM JoÂo VI 
o BRAZIJJ 


SOH 


lonias sublevadas, con10 urn precedente a respeitar, a coad- 
j uvação de fragatas de guerra que suggerira, ao julgar no 
. primeíro momenta mais temerosa a insurr
ição do que na 
realidade se revelou. 
Acontecera que as noticias mais cedo espalhadas ti- 
nhan1 sido as trazidas pelo negociaDte inglez do Recife 
Bowen, amigo de Domingos José 
1a rtins e 0 mesmo em 
favor de que,m. os rebeldes abrandaram 0 decretado embargo 
maritimo. Bowen não só disseminou informações muito opti- 
. 
mistas com relação ao triumpho dos patriotas, como em de- 
fez a d'elles fez insinuações nos Estados U nidos, para onde 
se dirigira, e ao Foreign Office, por intermedio do ministro 
bri tannico em vVashington. Lord Castlereagh desprezou 
porém semelhantes insinuaçães .e, sob pretexto de acatar 0 
governo legal, contrariou quanto poude 0 movimento de 
Pernambuco (I). 
o Board of Trade mandou affixar urn edital aconse- 
lhando os navios inglezes que pretendessem commerciar com 
a praça do Recife, a dirigirem-se primeiro á Bahia afim de 
colherem inforn1ações sobre a marcha do conflicto e estado 
do bloqueio, que poderia entretanto haver sido levantado. 
() governo britannico consideraria boas prezas de guerra, e 
não reclall1aria os navios seus nacionaes que fizessen1 signal 
de querer romper esse bloqueio participado c admittido. 
o correio deixou de receber cartas para Pernambuco, 
a não ser via Bahia. l\landou-se embargar nas alfandegas 
inglezas as car gas de pau-brazil- n10nopolio da corôa- 
quc os insurgentes pudessen1 ter remettido para disporem 
de fundos. A conducta do consul Lampriére, de apresentar-se 


(1) Offi('io rp
prY:1(lo <1(\ P<11.mpl1
, <1P 1(' <1P ,J1l1ho <1P un 7, no 
Arch, do 1[in. c1a
 UPl. Ext. 


D. J. - 51 



810 


DO:M JOÃO VI NO BRAZIL 


a receber 0 seu reconhecin1ento da junta revolu
ionaria (I), 
foi fortemente desapprovada, informando-se d'isto 0 func- 
cionario que 0 governo britannico acreditava em todo caso 
ter erroneamente agido por zelo, para mais efficazmente 
proteger as pessoas, bens e commercio dos vassallos inglezes, 
e não por extemporanea e indevida boa vontade para com 
os insu rgen tes. 
Foi em nota de 17 de J ulho que Palmella se queixou 
do acto estranhavel de urn funccionario estrangeiro que ac- 
reitava de uma junta rebelde (2) a confin11ação das sua.;; 
funcções, auctorizadas pelo governo legal. N a sua resposta de 
13 de Agosto, communicava 0 Principal Secretario de Es- 
tado na repartição dos N egocios Estrangeiros, que "rece- 
bera ordem do Principe Regente, para declarar ao conde de 
Palmella, afim de que 0 participe a S. 1\1. Fidelissima, que 
eUe fortemente desapprovou 0 comportan1ento d'aquellc ern- 
pregado publico, e que, em consequencia d'isto, ao rnesmo em- 
pregado publico se fez saber, que elle obrara de urn modo 
directamente contrario ao theor da sua commissão; e que 
não devia terse apresentado tam cedo perante aquellas au- 
thoridades irregulares, ou fazer, sem positiva con1pulsão, 
qualquer acto que fosse, pdo qual desse a entender a urn 
governo u3urpador, que elle era reconhecido par urn func- 
cionario Britannico". (3) 


t 1) "0 consul ingll'z P111 Pernamlmco foi conyi<1ado pela Junta 
3 ,comparpC'Pl' Da f'ua 
:lla de r(,lmiõ('
. para ollvi'r a asscvera
ão (10 .(j1J{' 

Pl'I:1 l"I'SlIeitait.o f> 
l
df'do no ('Ulllprim('nto dOH deve,res do .seu cargo", 
(( )ffkio l'it. (1(' )Iall'r, d(' 

 (}(' 
IIH'(:() de ] 
l'j). Lamprière fôra pori
lU 
(IUPIl1 Vrovo(':l'ra ('ssa (,lltr(\yi
t:l corn a sua formal adl1f\
ão nos factos 
C'()nSHmJlHHlo
 (' I'stalH-'ll'cÏuwnto, pOl' iniciativa 
un, dE' rcla
õ('s offi. 
ci:\t's ('0])] !) gOVf'l'110 ])rovi-sol'io, 
(:!\ Pa

OlH;:(' isto :1 11 de )I:1r
o. 
F1) Correio nnC'i1i(J/.'
c n. 11:?, de 
{\t('mhro d(\ Hil;, vo1. XIX. 



DO)! JO.\O YI SO lllL\ZTL 



ll 


Conlo a lnglaterra segue comtudo invariavelmente 
a norma de defender quanto possivel os seus funccionarios 
no exterior e nunca os deixar c:. descoberto, lord Castlereagh 
accrescentava: "0 abaixo assignado roga todavia ao conde 
de Palmella haj a de certificar ao seu governo, que 0 go- 
verno de S. A. R. está convencido, de que tudo 0 que 0 con- 
sul de S. l\.1. ohrou n'aquelle caso, foi mero effeito de urn 
zelo mal entendido, para proteger a legitima propriedade 
e commercio dos vassallos de S. :\1. e que por nenhllma 
forma fôra em razão de ser affeiçoado aos insurgentes, ou de 
ter má vontade ao governo de S. :\1. Fidelissillla, 0 que am- 
plamente se prova pela sua correspondencia official." 
Chegoll Paltnella a alcançar (I), com sua insistencia 

mavel e gracio
a persllétsão, que os capitães dos paquetes in- 
glezes (2) deixasseln de adlnittir a bordo e transportar para 
Lisboa, e
enlplares do Correio Braziliense e do Portugufz 
que, a proposito da revolução pernambucana, inseriam ar- 
tigos j ulgados sediciosos e publicavanl verdadeiros libellos 
contra os Governadores do Reino de Portugal e Aigarves 
( 3). Assegurava Palnlella na sua correspondencia official 
que obteria 0 nlesrno COIn relação ao Brazil, caso 0 quizes- 


( 1 I X l)ta 'ï"l'U:ll d lol'c1 {'astI('-r agh .a.o condp dl' PaIm
lla, de 
11 d:> .Tl1Iho df' 1k17, n:l f'orrcsp. Ùf' Londr-es (Arch. do )Iin. das 
j
('1. Ext.) 
(
, Estahl'1.'('i(Ia a linha ('Ol1l0 
al)l'lllO
 (ddf' Cap. 
ourc reI a- 
<:ÒI'
 ('omll1prf'i:lf\s). pOl' 11Illa....('OD ,'p11<:ão f'SIWcial flntrp a
 duas corÜas. 
1I.11'a 1I '
('nYoIVlnll'nt{) t1
ls Sl1:1
 lDUlll:1S rf'l:l<:òPs politicas e mercnnti..;. 
(:
 I l'alllwlla lwdira. como mn IH'O('('S
fI mai
 pratico (' ('
p('dito 
parn a 
ua )('g:;H:ão. a f:u'ulda!If' (II' so)jcitar ("Olll I'xito a f'XIHII
ão do rf'- 
(LI c1 or ,1(1 /'(,rf 1I,/lU'-::, I'm \'''7. df' ch3ffial-o fl r(,s[Joll
:lbili!Ia(II' ver.antf' 
os trihtlll!H's pOl' diffama'::ï 0, T.onf Castlf'r('agh rf'spon(lf't1-)]w })O]'(;m 
(fUl' ('onsllltado
 os jHl"is('()n
lIlt()s (
a ('01'(1[1. tin ham pst('
 opinado <]tle 
flS It'i
 yigl'ntf's nño au('10rÏír.:1Y:l1ll Hill:l tal v;ol:,nci:l a(Imilli:;;;tr:ttiv:l. 'I 
f1Hal 
f't'ia ,inlllwntc' nÍflf"ada lwln opposi(::ïo I' alHis inlltili;r.adn I)('I:t 
colloc;\(:ão rIp 1IIn 
lth:1ito hritaunieo :l fl"pntf' da pnhlk:lc;iio ('OillO ,'cI;tor 
o
t.l'nsivn on tpsta d(' fpITa. (
ota rIp 11 (1(' Ago.;:,to rII' 1S17. 1,1 CO
" 
rl'Sl'. !I
' LOTI',Il'f'';, no .\1"('11, (10 :\[in, rI;I<;; Upl. Ext.) 



81
 


DUM JOÃO VI NO BRAZIL 


se a gaverna dO' Ria cama a tinha querida a RegenciJ. üC 
Partugal. A pauca vantade da côrte em assaciar-se a essa 
attitude de Palmella para earn certa imprensa periadica, can- 
firma parém que Hippalyta era, coma se dizia en1 Landres, 
prategida dO' gabinete senãa dO' prapria manarcha. 
Das manarchias eurapéas nunca tinham esperada sym- 
pathia as rebeldes pernambucanas, sabretuda das cantinen- 
taes. 0 agente cansular francez, ,que era 0 harticultar Ger- 
main, e nem recebera ainda a exequatur regia, mastrau-se 
sern rebuças infensa aa mavimenta, pelo que ficau suspeita 
á Junta - a qual aliás 0 destituira dO' seu cargO' botanica em 
Olinda - e teve par melhar retirar-se para 0 Ria de J a- 
neira, onde falleceu aa chegar. As esperanças de recanheci- 
menta, cancentravam-nas as revoltasos nO's Estadas U nidas, 
em Artigas e nO' gaverna de BuenO's Ayres, aa que cantJ
l 
na côrte urn negaciante francez de Bardeus, l\Ir. Vigneaux, 
embarcada nO' Le AI erfure
 dO' Havre, que a caminha dO' 
Ria fizera aguada em PernambucO' nO' dia 5 de Abril, ahi 
tamando aquelle passageira (I) . 
A revaluçãO' pernambucana, si nãa fasse a atmosphera 
glacial que the talheu as n1uvin1entus (2), tinha candiçães 
em si para vingar e expandir-se, tarnanda-se Pernambuco 
a centra de attracçãa dO' Brazil independente, au mais ve- 


(1) OfflcJ..o de 
IaIPl' de 1 de :M;lio de 1817. 
(:!) 0 soùrecarga Dourg"('s ou BtH'gl'S, nn dec1nra<;å') c:t:Hh, "P- 
f(,l"(\ tflmhl'm (JUP os pntriotas ficnrnm logo ml1Ïto inql1if'tos com a tran- 
{Juillidll<1e .ela Bahia e 
I;l'l"allhão, plemffiltos com qne cOlltav
m. Helwtil1 
{'lIp m;lis 0 que com reln<;ão fl Hahia ouvira: que 0 gpn:.-r:.ll comlll:l11- 
ùan tl' (Arcos Cf'rtalllC'l1 tf'), in form:: do da sedi
ão do R-

if'?: m:lDd;u3. 
forma,I' a,s trop:ls e ns intf'lTog':lra sobre as l'eclamn(:õrs que podcsst'm 
tl'l" a f:lz/-r, 
:1ti
fmwndo immpdiat:1ll1entc as l'::,la1.;Y;l
 no ah'a
o dos 
so)d(J
 (' in
ufficieneia <las r;1(:O('s, e f:lcult,llldo :l')S 
;)
d:Hlos tl'uha- 
lhart'm pOl' conta propria, mediante 0 depo
l!:o d,.s s;las nrmas e 0 
('ompromisso de rpfI;pOnÙt'l'Nn ao primeiro ap'pd
o militn.r. "Est:ls dis- 
posiçÔt-s. ajunta n dt'claração, foram a'colhi<bs 
o:; g-
'Hos ()
 Yiv:l EI- 



DO
I JOÃO VI NO BRAZIL 


813 


rosimilmente a primeira secção independente do novo Rc!no 
desaggregado. 0 exemplo das colonias hespanholas agia Cll1 
seu favor, e 0 governo descurara anteriorn1ente e por con1- 
pleto 0 perigo d'esse inevitavel contagio emancipador. 0 C1.- 
pitão Hareng, do La Perle de Honfleur, depoz que tendu 
partido para Pernambuco enl Fevereiro de 18 I 6, encontrara 
a terra socegada, apenas frio 0 negocio, mas nos espiritos tão 
grande a fermentação que tudo a:nnunciava ,que a provinLirl 
não tardaria em participar no movimento revolucionario que 
sacudia a America Hespanhola. "Seguia-se com partinJar 
cnlpenho os progressos dos insurgentes hespanhoes, sabendu 
o proprio governo que existiam com elies intelligcncias pela 
via maritima. Para alterar-lhes 0 effeito, foi que 0 cap
t
o 
general 'entendeu fazer proclamações e passar revistas, recor- 
dando aos habitantes e ás tropas a confiança e fideliJ'lJe 
para com 0 soberano, e promettendo prompta distribuiçã,) de 
vi veres pois era sobretudo da carencia de alinlentação que 03 
perturbadores tiravam partido para açular os animos" (I). 
Par outro lado, chegada a occasião do perigo, 0 go- 
verno cncontrava-se na situação mais critica para comba- 
tel-o e extirpar 0 mal: a braços com a guerra do SuI 0 
exercito, urn exercito de officiaes e para mais incapazes- 


RI'Y! e com os ilJ1dicios da maior fic1elidade". '.ral 3. v
r
ão pernam- 
bUCH'Ila. 
-\ ver
ão official. eÅpressa n'um dos ofiicios cifrad
s de L,:,
- 
SrlpS, ('Ill Li
h()a, ('l'a que Ar.cos, t0nlflo l'f'celJi
l) t)(H' mIl corrpi,) :-IS 
rrimeira
 noticins da revoltn, as conse.l'You 
"C','pt1.5 até proceder !is 
iJrisõps dos sasp.eitos, uaseantlo-se nas qlH'ixas dos officbes p:ua assim 
agir. 
A cOl'r0spondr>ncia de Lcssf"pS faz mpnçã3 (1:1. 3videz do fisco, da 
vl'nalhladp dos funcciona'l'ios, de todo 0 sabid,) csbl10 social e moral 
do novo Heino, comment::mdo: uTpllrs sont ]08 caU
0S qui paraissent 
H voir in"piré de profonds r('
sentim('n
 à nn Pe'l
lt
 heaucoap pIn:; 
instnlit qn'O'l1 nt' l)('llS-e et plus g(>n(\raIplllcnt (>clairé que celui d.e la 
)IétrOipole." (.\rch. do 
Iill. dos Neg. Est. ,de }<'r:lJ)t;;l.) 
(1) Arch. do :Min. dos Neg, Est. <1c ,!<'rança. 



814 


DC))! JU..:\U \1 ::.\0 BRAZIL 


que custam muito e de nada 
ervem, d'elles escreVla :\Ialer 
-, e selD recrutas; a admini.:;tração concentrada nas mãos 
"de un1 ancião n1inado pela febre e pelas con'.Tulsões" como 
era Barca; "esgotadas as finanças e nullo 0 credito". (1) 
'Tanto mais louvavel e. adlniravel foi portanto 0 serio 
n1ovimento dr reacção que teve lugar na capital brazileira 
contra a ilnplantação da c.esordenl no palZ e que comprc- 
henòeu, aléul do estabelecinlento. a 16 de Abril, de urn se- 
vero bloqueio da costa pernambucana e parahybana pela es- 
quadra legal (2), a organização de Ull1 solido corpo ex- 
pedicionario ás ordens de Luiz do Rego, que l\Ialer appel- 
lida d.e militar bravo e leal, sem qualidades de administrador, 
porén1 geralmente estilnado pel as 
uas excellentes quali- 
dades. 
A difficuldade enl arranjar soldados era igual á de dè- 
senvincilhar-se 0 governo dos muitos officië.es, uns a lncid 
soldo, outros circumstancialrnente licenciados, pertencentes 
aD e)<.ercito de Portugal, que pediam serviço. "as officiJ.C3 
portugucz'cs, communicava 0 encarregado de negocios de 
França, seråo. sen1 duvida prefcridos, e é para receiar q 1 1e 
isto produza l11au effeito entre os I3razileiros. En1 occorre:l- 
cias e conj uncturas como as presentcs, urge não se deix 1r 
só guiar pelos principios militares." 
COI11 effeito 0 movimento, ao meSlno tempo que anti- 
dynastico, era anti-rortuguez e d'esta sua côr tivcram ni- 
tida impressão a fidalguia e 0 comnlercio do Rio ao tomarcm 


(1) Offkio ò(> 
!) d(' 
IaJ'(:n rk 1R17. 
C.!} .\ 
sl]lIadra df' Hodrig-o Loho não dpi.s:ava de fado f'ntml' 
nt'lll 
a,hir navin alg-um. nH'
mo u,\utro. senllo :1:; '
ml)'ll'cac::õ":-; pst !"an- 
geÏr:\S l}1I1' tpnÍ;\r:\m fon:ar 0 h]o.pleio, ccptul'J.da"5 c roud:!z'das sou 
bandelra portugueza para a Bahia. 



D())l JO..\.O YI Xu DRAZIT.J 


S15 


a dianteira em todas as manifestações de solidariedade com 
Dom J oão VI, affligido mas não succumbido, e bem dis- 
posto a dar unl desmentido ás previsões pessimistë.s de 
Ialer 
e des s
us collegas diplcmaticos, os quaes todos não enxerga- 
vam os meios de immediata repressão, acreditavë.m na propa- 
gação do m
l anarchico e até j á viam imminente a forçada 
deserção de lYlontevidéo perant.e a diminuição do effectivo 
de cccupaçflo e bloqueio e 0 desanimo dos partidarios da an- 
nexação. 
A 7 de Abril inforn1aya comtudo ::\Ialer para Pariz que 
o erario vasio fôra supprido pelos muitús dons voluntarios 
e os elnprestin10s gratuitos. "0 Banco d'esta capital pôz á 
disposição do governo urn milhão de cruzados, a titulo de 
cmprestimo; 0 barão do Rio Secco deu 50.000 cruzados, e 
outros capitalistas deram igualmente sommas consideraveis; 
o conde de Belmonte offereceu 10.000 cruzados, 0 marquez 
d'Angeja a sua baixella para ser fundida, que era obra do 
ourives de Pariz Germain, e toda a alta nobreza lbes seguio 
o exemplo." 
Em Lisboa, 0 fervor pela suffocação da rebellião colo- 
nial foi mUlto menor, 0 que faciltnente se comprehende em 
vista do afastamento e do descontentan1.ento que causava a 
indefinida ausencia da côrte. A Regencia, no fundo poueo 
commovida, não quiz entretanto deixar de patent-ear sua 
lealdade e devotamento ao soberano, logo organizando Umel 
pequcna força nlaritima para ir bloquear 0 porto rebelde e 
redobrando de rigor na fiscalização dos navios procedentes 
do Brazil. A exhibição de energia do conde dos Arcos na 
Bahia, onde os prim.eiros armamentos navaes, ajudados es- 
pontanea ou calculadamente pela gente abastada da terra, 
se fizeram na phrase de -:\Ialer, com uma presteza que não 



R16 


VO:\[ JU}U VI KO ßI-L\ZIL 


era de esperar da indole portugueza (I), instigou tanta acti- 
vidade entr'e os governadores do Reino que os levou a ex- 
tremas violencias poli ticas. 
Segundo 0 consul geral Lesscps (2), foi da sedição 
pernambucana que nasceu a idéa de uma conspiração "cuja 
existencia 'e fito não posso ainda adivinhar, mas que podia 
entretanto fazer temer a disposição do espirito publico. Con- 
vocou-se adrede uma reunião extraordinaria dos membros do 
gov'erno, com assistencia do marechal (Beresford) e de todos 
os conselheiros d'Estado, guardando-se sobre eIla 0 nlalS fl- 
goroso sigillo, até que hontem s.e soube, com grave surpreza 
de todos os habitantes, que rlluitas prisÖes tinham sido ef- 
fectua:das na noite de domingo para segunda-feira de Pente- 
costes, circulando muitas tropas na cidade, e estando prom- 
pto a entrar ao prinleiro signal urn reforço de alguns regi- 
mentos congregados nos suburbios de Lisboa e pelos quaes 
se distribuira cartuchame." 
Tão de molde apparecia essa conspiração, que não fal- 
tou quem pensas
e e ha queIl1 pense ainda que Beresford sc 
inspirou enl Fouché e se valeu de tal meio para preparar os 
resultados de urn pIano mais vasto, 0 qual, no dizer de Lesseps, 
o espirito perspicaz da multidão immediatamente dcscobriu 
entre os refolhos da politica ingleza: quer isto dizer que 
compartilhava de semelhante opinião 0 consul do Rei Chris- 
tianissimo. 


(1) Dou
 granrlps navios de trcz mast
...þS 
 :].)
IS brig-up!>; j:í. a 
õ rlf' Ahril, Sf' fizf'rfm de ,'pla, p não df'vpm t,l!'(l:1
' pm s,'
ni!-o'
 a'll 
on tro na vio dp trf'z mastros f' rlnas p.mb:l'rc-1.(:õ 
s lig >iras:' (Offici0 
dl' )[aler df' :!!I de Ahril,!. To11('nar(' fa11a n'uma grand(' frag'ata ,'jnda 
do Hio n'<'I(lup11a Qccasião r qne ùpve porventui'<.t S',

' C')ll Üld.l entre as 
quatro prinwiras t>mbarc3<;tl('S. 
t:!) Officio cLfrado de 
7 de )Iaio de un 7. 



DOl\I JO..lo YI KO BHAZIL 



17 


o tnelO de facto lnais seguro para 0 governo britannico 
de obstar á tão fallada invasão hespanhola de Portugal em 
represalia da occupação de 
Iontevidéo, seria prevenil-a 
por meio .de uma occupação ingleza de Lisboa, assim indi- 
rectamente provocada pela revolta de regimentos nacionaes. 
Por outro lado parecia este 0 melhor modo de dar realidade 
ao constante desejo da côrte de Saint James e fazer regressar 
para 0 velho Reino a familia real portugueza. 
Gomes Freire foi a victima illustre que na occasião 
se offereceu e cujo supplicio precedeu de trez annos a ex- 
plosão do rancor popular. Então 0 seu patibulo se ergueu 
a meio do espanto, da consternação e do receio, assiln como 
na Bahia 0 tragico episodio do fusilamento do padr:e Roma, 
encarregado de activar as ligações clandestinas, se passou 
rodeado d'um silencio lugubre e medroso. 0 anno corria 
pessimo para as idéas liberaes. 
Quando 0 corpo expedicionario de Luiz do Rego, de 
quasi 3.000 homens (I), embarcou a 30 de Abril (2) j un- 
tanlente com muitos voluntarios das milicias, formando conl 
a gente da Bahia, Sergipe e Alagôas urn total approxilllado 
de 8.000 homens, no calculo de l\.Ialer, 0 desanimo reinava 
seln partilha na provincia rebelde. No Rio no emtanto cons- 
tava e causa va apprehensões a propalada actividade do go- 
"erno provisorio no organizar a resistencia, confiada em 
terra a .....000 ou 5.000 homens, conforn1e sr orçava depois 
de augmenta'dos os regimentos, e no nl'ar "a urn brigue com 


(1) Compunha-s(' dp 
 batalhõps d(' inf.mta.1'Ï:l. 1 ::1<' 

'
ln:111{\i- 
ros. 1 d
 ca<;a'florC's. dow;; p
m:drõps quP dpvi!.Tn ,'''Ct'hl'l' a ea valhada 
na Bahia (p it'ahi rE'g-rpssaram pOl' inlÜc>is) (' urn rlt"
L1.l:,lml'l1to r1(' :11"- 
tilharia dp 1HO h()rnl'll!,; e 
 pl'ças de campnnh:l. (Offici,) de 'I
l)l'l' 
d(' :! r1(' )Iaio dl' 1S]7,. 
(:!} Partiu a eXIH,(]jc:ão a -1 de )[aio ll:1 3:1:1 ra8CO da (trllna, 
seryi.ndo de transportC'. com UJll brigue c ùuas sun.lCJ.S. 




18 


DU)l JOÃO VI 
O BHAZIIJ' 


22 canhões, Ulna bella escuna aOlericana arnlada, varias gran- 
des chalupas e canhoneiras promptas a sahir, além de outro
 
grandes navios 11lercantes que pretendem armar em 
guerra" (I). 
Dizia-se, com 0 lncsmo exaggero, serem permanentes 
os trabalhos no arsenal do R,ecife, C01110 COOl verdade 0 es- 
tavam sendo os esforços bellicos do governo do Rio, sobre- 
sahindo em afan 0 rnonarcha que não cessava de visitar os 
arsenaes de guerra e marinha e em pessoa apressar - "com 
sua presença, seu 'ardor e seus cuidados"'-': os preparativos 
de repressão, que fazia morosos a fal ta de trabalhadores e de 
lnatenaes. 
A revolução não 11lerecia mais tanto. Ao recrutaolento 
enl terra corrcspondia no Recife a emigração, sequestrando 
a Junta os bens dos que assim se ausentavanl, como seques- 
trara os navios portugucLes. Não 111enos se despovoava a 
cidad,e pdo pavor do bonlbardeio por parte da esquadra 
legal, cujo apparecinlento originara defecções entre os ca- 
pitães portuguezes - os unicos possiveis á falta de nacionaes 
- dos navios arolados em gu
rra pelos rebeldes. 
Perdera-se de vista 0 lado theorico; sumira-se 0 idea- 
lisrno cia revolução. Nin
uenl mais cogitava dos principios 
liberaes, das leis reformadoras: 0 ess,encial era a sal vação 
de cada Ulna U ns pOUCOS - 0 padre J oão Ribeiro, Donlin- 
gos 
Iartins, Antonio Carlos, DOIningos T'heotonio -man- 
tinhmn-se firmes, 
i j á Ihes não era Iicito esperar. ()s outros 
tão desorientados anda\-am que os Portuguezes ricos se 
atreviam a offerecer 100 contos aos membros do governo, 
para que renunciasseln á lucta e se evadissem. 0 povo, por 
sua vez, tratava todos eUes de aristocrat as e não mais se 


(1) Officio cit. de :! de )Iaio de 1817. 



})U:\l .JU10 VI 
O BHAZIL 



lfl 


deixava impressionar pelas suas arengas. Aliás 0 povo con- 
servara-se, como 0 observou Tollenare, sem enthusiasmo 
pelo ensaio democratico que diante d'elle se desenrolava, 
sem mesmo uma comprehensão nitida do que se estava pas- 
sando: s6mente percebia com clareza que a sua sÎtuação não 
melhorara effectÎvamente como the haviam annunciado, e 
que continuava a soHrer as mesmas privaçõe.5 que d'antes. 
Quanto ao commercio, escusado é referir, andava por com- 
pleto paralysado, irritando a gente que d'elle vivia. 
A revolução pernambucana foi derrubada pelos proprios 
elenlentos conservadores e até populares da capitania, antes 
de se dar a intervenção de fóra, da mesma form'a que a res- 
tauração portugueza de 1654 foi executada pelos elementos 
brazileiros desajudados mesmo da metropole. Antes de che- 
gadas as forças da Bahia, que subiam lentamente ao mando 
do marechal Cogominho de Lacerda (I), j á a republica es- 
tava militarmente desmoralizada. A lucta civil abrira-se 
entre realistas e patriotas, os senhores de engenho fieis com 
quem dos seus navios (2) se correspondia 0 almirante Ro- 
drigo Lobo, e os 400 hon1ens, parte sahidos do Recife, onde 
havia ao todo, entre regulares e milicianos, 4.000 homens ou 
mais, e parte rcunidos no Cabo, sob as ordcns de Francisco 
de Paula Cavalcanti que foi 0 peco general d'esse sinlulacro 
de republica. 
o combate de U tinga, urn assalto de engenno, foi urn 
episodio inteiramente local pela composição da.;; facções que 
ahi se disputaranl. Entretanto, na capital, Pedroso, passando 


(1) 
[ulliz Ta varrs (011. ('it.) 01'<:;1 va f'
tas forças em Sl10 110- 
11l!'11<; :t V:lxli[la, antI's de so Ihes a
gl'C'
ar.em as milicins de S,\n
:,pe 
(r
'
I-It('i e os II'
alist1 
 (lp Alagoas quP. ('om o
 ,.()lllntnrio,
 do :';;I} Ii,' 
J'l'l'nalllhll<'o. as pl('varam a umito ma i
 do doh!'o fin ao tl'lplo. 
(:!/ Cma fnlgata (Tlnth), duas cOl"Yctas e uma escunn. 





o 


DO::\I JUÃO VI KO .uHAZII..I 


das bravatas aos aetos de que era urn dos poucos capazes, as- 
signalava 0 inicio da anarchia com os seus fuzilamentos senl 
processo 905 desertores, annunciando com taes descargas ha- 
ver cessado a legalidade democratical 
Vma relativa cordura nunca faltou comtudo á rebellião 
de 6 de l\larço que, antes de varrida pelo temporal levan- 
tado do SuI, se tinha ido desfazendo com as manifestações 
separadas de reacção provincial, provocando uma geral con- 
Hagração graças ás tentativas de repressão do governo pro- 
visorio. A estas se associara em pessoa Domingos :I\lartins, 
indo porém estonteado entregar-se, sem possibilidade de re- 
sistencira, pela dispersão das forças, a unl destacamento de 
Cogominho, 0 qual entrelnentes alcançara Serinhaem e, 
subindo até Ipojuca, a 13 de l\Iaio (I) destroçou Francisco 
de Paula, obrigando-o a refugiar-se no Recife. 
A causa foi então considerada perdida e tratou-se da 
capitulação, mas tendo Rodrigo Lobo recusado acceital-8. 
nos termos propostos pelos revoltosos e mostrado mesmo 
desdenhar as ameaças de morticinio de todos os Europeus, 
formuladas em ultimratum por Domingos Theotonio erigido 
em dictador - tão certo estava 0 lobo do mar da doçura do 
cordeiro republicano -, assistiram as destinadas victimas da 
sanha jacobina ao espectaculo inesperado da evacuação da 
capi tal, séde do governo rebel de. 
Tollenare conta com mais pornlenores do que l\Iuniz 
Tavares como se passou a contra-revolução. De 19 para 20 
de 
Iaio, os patriotas, de toda descoroçoados, retiraranl-se 
p
ra Olinda em numero de 6.000, inclusive os escravos e 
libertos, levando as bagagens, a artilheria e 0 cofre militar. 


(1) Cogolllinho dll'öal'a a 1!! de )laio ii mar"gem sergipana 
do São Frand:::cfJ. 



DO)! J010 VI NO DUAZIL 


8
1 


A cidade ficou virtualmente deserta, do que urn padre correu 
a dar aviso aDS marinheiros das embarcações surtas dentro 
do porto, p
ra çue desenlbarcassem de m'adrugada a toma- 
rem conta do Recife, arvorando de novo 0 pavilhão real 
que 0 mesmo sacerdote ia desfraldar "por sua conta If risco". 
Ao nascer do sol uma pequena embarcação portugueza içou 
com effeito a bandeira legal, outras imitaram-na e seus 
canhÖes sal varam, sem que lhes respondessem, mudas, as 
fortalezas de terra, ainda com guarn:ções insurgentes, que 
constituiam uma reserva á disposição de Francisco de Paula 
Cavalcanti para proteger a retirada do grosso das forças. 
Nos quarteis abandonados encontrou a maruj ada por- 
tugueza, uma vez eln terra finne, armas e munições bas- 
tantes, e dos fortes se apoderou senl opposição porque aos seus 
defensores j á lhes faltava par completo 0 estimulo, tendo-se 
o chefe, Francisco de Paula, band-eado com a multidão que 
dava vivas ao Rei, e á frente d'esta corrido elle proprio a 
libertar os presos politicos da revolução, entre os quacs 0 ma- 
rechal José Roberto, que provisorianlente se encarregou do 
govcrno (I) . 
as brigues arnlados pelos patriotas foram igualmcnte 
desamparados e occupados sem cOlnbate. A's 7 horras a muta- 
ção de scena era perfeita, agitando-se de novo as côres por- 
tuguezas á viração que ia passar a soprar do mar, onde se 
divisava immovel a esquadra do bloqueio, que só ás 8 
, 
in;ornlad'a por mensageiro dos gratos successos, deu signal 
de si, respondendo ás jubilosas saudações de terra. Passava 
de 4 horas da tarde quando Rodrigo Lobo desembarcou com 
50 homens, insufficientes mesmo para guarnecer as fortalc- 
7as e sobretudo para conter os marinheiros lir-crtadorcs que, 


(II :\funiz Tav:ll'C's, oh. ('it. 



UQ.) 
l'J_,","" 


DO
I JOÃü YI NO BRAZIL 


ébrios, percorriam as ruas dando tiros, perseguindo os pou- 
cos patriotas que se afoitavan1 a sahir, e ao acaso nlatando 
tal11beln neutros. (I) 
Durou esta desordem trez dias, porque a 23 chegava 
do suI, com os louros de urn facil triunlpho, 0 exercito legal. 
() exercito patriota, abandonado á sua sorte pelos chefes 
que, con1 'excepção do padre J oão Ribeiro, fugiranl d isfarça- 
danlente, cada unl pelo seu caminho, debandara a trez le- 
guas do Recife, voltando os soldados para a cidade attrahidos 
pelo perdão, e entregando-se com as arn1as na 1l1ão - os 
que ainda as conservavam intactas, pois não poucos as tinham 
quebrado no primeiro momento de desespero. ()utros muitos, 
os constrangidos, desertaram em massa, COIno 0 deixava pre- 
ver a pouca firmeza com que tinham Inarchado á sahida da 
praça. Nenhum no em tanto, lcmbram com justo orgulho 03 
panegyristas da revolução pernambucana, se n1anchou com 
assassinatos e pilhagem. Os que retrocederarn e se renderam, 
carregaram até como penhor da submissão 0 cofre rnilitar 
incoluI11t'. (2) 
N'outras disp08'ições de es.pirito a resistencia teri:;t sido 
faeil e a victoria illustraria a bandeira republicana nos pri- 
Ineiros encontros, pois, no dizer de Tollenare, as forças 
da ß.ahia não inspiravam extraordinario receio, só tendo de 
soffrivel a cavallaria. No seu nUI11erO entravam em propor- 
ção não despresivel indios conl seus arcos e flechas, lavrado- 
res e moradores agarrados sem arI11aS e quasi sem roupa no 
caminho da fiel comarca das Alagôas para 0 norte rebelde. 


(II 
ota
 lÞOlllinkal'S. 
C!) E' sahido que ('stf'
 soldados da l'l" olta, ('alcnladaml'ntp 
nnmi!.Ühlllos nl) pl'imf'iro nWlllpnto, foralll ('!'l'('al1os IH'I:1 trona h'al 
fill an do assist tun ([(,Sil rmados, como ml'(li(I:1 d(' ('OIT('('(:ii 0, a 0 
llp- 
,:Iido d'um pdtrio1a, C' tran
pOl'ta<1os para )[ont"vi<1,;o man' gra<1o 
.l

 supplÌ1'a
 <1(' 
1I:.-; familia..;, poi..; C'ons1itllialll f01'<:a
 r,'giI1nal's, 
l',ldil':1<la
 :í 1 (1'1':1, 



] )O:
1 JOÃO VI :KO BRAZIL 


823 


Os bons militares di
ciplinados, os aguerridos veteranos por- 
tuguezes, tropas que Tollenare chama excellentes, só depois. 
a 29 de J unho, chegaram com Luiz da Rego, portador de 
proclamações e instrucções redigidas na côrte sob 0 influxo 
benigno de Dam J oão \11 ,e a tendencia que nunca deixara 
de ser liberal do conde da Barca, e destoando singularmente 
das emphaticas, soffregas e crueis exhortações, que Maler ap- 
pellidava des bOll/fides irr('fle(hies
 de Arcos. 
N a Rio de Janeiro a noticia da suffocação do movi- 
men to foi acolhida com foguetes, repiques de sinos e illu- 
minaçães geraes, escrevendo l\lalcr que nas noites de 15 e 
16 de J unha a sua modesta casa foi 0 sol do seu bairro. N a 
momenta de espalhar-se 0 feliz boato, d'essa vez verdadeiro. 
400 a 500 pessoas da côrte correram a felicitar 0 monarcha 
pelo restabelecimento da sua auctoridade, pejando os salõe; 
de São Christovão. Tão satisfeito ficou tambem 0 Rei conI a 
nova da rapida desapparição do nlovimento sedicioso, de que 
muito se temera a generalização, quão pezaroso -- elle pro- 
prio 0 repetiu varias vezes a l\.Ialer (1 )-pela dura nece3- 
sidade a que se via exposto de ter que mandar executar os 
c
beças da revolução. 
o sentimento não parece destituido de sinC'eridade, pais 
que a rigidez com que procedeu Luiz do Rego, em desaccordo 
com a es.pirito das or dens que recebera, mais tarde dcscon- 
tentou 0 soberano. A 3 de Novembro de 1817 escrevia 
Ialer 
que a conducta do governador geral de Pernambuco, a sa- 
ber, a severidade excessiva por elle empregada, refreara o
 
animas nlas revoltara toda a gente e alienara todos os cora- 
ções. Sabia 0 encarregado de negocios de França estar 0 Rei 
rnuito desgostado, ainda que pela natural hesitação que 


(1 \ Officio dl' 
o Ùl' Jnnho de lR17, 



S
4 


D01I JOÂO VI NO BRAZIL 


o distinguia até tomar uma deliberação - Quando a vacilla- 
ção se convertia em obstinação - não tivesse ainda cuidado 
de dar-Ihe urn successor mais prudente e mais adequado ao 
estado convulsionado da capitania, que assim continuava, no- 
tando T ollenare como custou a restabelecer-se a confiança, 
affluir a gente do mat to e reanimar-se 0 comn1ercio. 
o espectaculo que a Luiz do Rego se deparara tinha 
entretanto sido de indole a abrandar qualquer furor, de tão 
triste e impressivo. Da Junta, 0 padre João Ribeiro, frio e 
intrepido esse, tivera unico a ,coherencia de morrer como ci- 
dadão livre, suicidando-se, e a sua cabeça, decepada do corpo 
mutilado e passeada em triumpho, entre motej03, pelas ruas 
da cidade, estava exposta descarnada e horrivel no Pelouri- 
nho. Corrêa de Araujo já antes do dia 20 trahira a causa 
que nunca de coração abraçou. José Luiz de 1\lendonça, pre- 
ferindo não ser traidor, entregara-se á prisão. Domingos 
:\lartins, preBO, espumava de raiva in1potente, en1quanto 0 
não transportavam com Antonio Carlos (recolhido de motu 
proprio á cadeia), Pedroso, J osé :\IarÌano Cavalcanti e U01a 
porção mais de patriotas élmarrados ou acorrentados, para 
os carceres e patibulos da Bahia. Domingos Theotonio, 0 
dictador, que fahara ao seu destino para que não possuia 0 
talento nem 0 vigor das resoluções decisivas 'c salvadoras, 
era atraiçoado no seu es'Conderijo, do mesmo Inado que 0 
Leão Corôado, 0 vigar,io Tenorio de I tao1aracá e Antonio 
Henri.ques, 0 unico dos quatro que escapou á forca do 
Recife. 
o elemcnto portuguez, novamente preponderante na 
orientação politica, reclamava porém sevcridade na reacção, 
consubstanciando suas idéas de governo no regimen militar 
arbitrario applicado ao Brazil, inclinado á rebeldia, c muito 



DOM JOÃO VI NO 13RAZtI.J 



2;) 


especialmente na restauração do monopolio commercial. 0 
corpo de negociantes do Recife expressara seu jubi.lo fa- 
zendo urn dom de 30 contos ao exercito libertador e orga- 
nizando em sua honra uma festa de .espavento na matriz do 
Corpo Santo, com trez dias de lausperenne, canticos sem 
fim, dous sermões e duas bençãos do Santissimo por dia. 
Os prégadores trovejavam em vernaculo salpicado de 
muito latim contra a im'piedade e 0 jacobinismo; prégado- 
res d' além mar j á se sabe, visto os padres do novo Reino 
quasi todos se enfileirarem entre os liberaes ou nutrirem 
syn1pathia pela revolução, e isto por duas razões: IQ, porque 
eram das poucas pessoas que sabiam ler e das raras instrui- 
das, para as quaes portanto 0 horizonte se abria amplamente; 
2 9 , porque eram muito mal remunerados, embolsando 0 Rei 
o dinheiro do dizimo como grão-mestre de Christo, senhor 
do padroado If sustentador do clero e fazendo, do que perce- 
bia, uma magra distribuição que constituia ainda aSSlm 0 
melhor do apanagio ecclesiastico (I). 
Nos intervallos dos sermões .eivados de puro luzita- 
nismo, e n'uma deliciosa combinação de sagrado e profano, 
serviam-se iguarias, doces e refrescos nas galerias superio- 
r
 do templo. As damas em trajes de gala, carregadas de 
joias, que se ajoelhavam e sentavam sobre os tapetes da nave, 
ianl então espairecer com os officiaes de Luiz do Rego, 
gente da m'elhor, rapazes de bonne mise, escrevia Tollenare 
eIl1 seu canhenho, instruidos e finos: "ce que l'éducation du 
grand monde offre de plus délicat, se présente dans leurs 
manieres." 


(1) 0 rendiruento do areebispado da Bahia nunea suhio 
n'aquelles ternpo
 a mats dl-' 10 conto
, t' 0 ÙO bispado do Rio dl
 
J uneiro .a mais ùe 6 contos. 


D. ;J. - 
2 



826 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


Sua entrada fôra triumphal, por entre as acclamações 
do povo e as bençãos dos nlercadores assomados ás j anellas 
adornadas de alcatifas 'e colchas, de on de as senho:ïas sa- 
cudiam Hores sobre os esbeltos restauradores da Lei, a cujo 
som longinquo de gueTra se esvaira de terror a segunda 
era da liberdade pernam'bucana - como a contava 0 mal- 
dito governo provisorio, ingenuamente classificando C01110 a 
primeira a do d0111inio hollandez. COInbates, Ihes não 
proporcionara 0 fado na provincia que tivera a ousadia de 
pensar e a loucura de ten tar a sua independencia democra- 
tica: a tare fa estava nleSIno abaixo de tão nobres e experi- 
mentados guerreiros, e nlelhor fôra que a tivessem executado 
os da terra, os Brazileiros bisonhos. 
Ficara-'lhes 0 presenciarenl as execuçõf's, suavisando<l.s 
conl zombarias aos patriotas, escutadas pel as damas tenlero- 
sas, algumas d'ellas muito vexadas COIn 0 seu cabello cortado 
á Tito, para condescentlerenl com DOlningos :\Iartins qut' 
rechllnar.{ e cuja esposa dera 0 exenlplu lJ't'sse sacrificio da 
vaidade á austeridade republicana. COI110 entremez, as sur- 
ras nos negros aIforriadns pel a revolução, antes de restitlii- 
dos aos senhores. Dos açoites puhlicos quizera até, nu paro- 
xismu cIa prepotencia, Rodrigo Lubo fazer passivel urn capi- 
tão americano 'que conseguira escarnecer do bloqueio. Os pro- 
cessos de castigo eram todus sUlnmarios, Inas exhaustivos. 
POl' fin1 fui a justiça Inilitar suspensa pur ordem do 
Rio e instituida uma alçada C0I11posta de quatro velhos nla- 
gistl ados do Descnlhargo du J}aço e da Casa da Supplicação, 
que com sua meticulosidade irritante e legal iInpassibilidade 
rematou a obra dos carrascos e carcerei ros que pnl Pernam- 
buco e na Bahia tinham ceifado vidas honradas ou t'stavaro 



DOM JOÃO VI XO BRAZIL 


8 0'" 
.., 


cobrindo de opprobio as torturadas existencias dos patriotas 
agarrados, agrilhoados e transpurtados para a capitania vi- 
sinha quando ainda fallecia na rebelde auctoridade para eri- 
gir tribunal, que não possuia 0 almirante nem 0 marechal 
Cogominho. 
Foi esse 0 reinado menos violento, mas não menos pe- 
rigoso da delação e da denuncia, e pareceu eternizar-se. 
Dous annos depois, não tinham ternlinado os trabalhos 
judiciaes da côrte especial. RemoveTam-na para a Bahia a 
exigencias do capitão general, enciumado na sua auctoridade 
e tambem não enxergando mais utilidade n'um custoso ap- 
parelho de justiça que, para justificar sua funcção, ameaç3va 
taxar de cUInplicidade na revolta todos os pernambucano3 ü
l 
I11elhor todos os Brazileiros das capitanias compromettida::;, 
por onòe se extendia a sua j urisdicção. 
A alçada de 1817 foi brutaltnente abolida pelos acop- 
tccill1entos que respondera'll1 no Brazil á revolução liberal do 
Porto, de Agosto de 1820, sendo a sua devassa substituida 
pela acção regular da j llstiça que, pela voz da Relação de 
S:iu Salvador, pronunciou a nullidade do processo, inquinado 
de vicios, e mandou soltar us presos, COIn excepção de Pe- 
d roso e ] osé 'lariano, accusados de homicidio e condemnaJo
 
a degredo perpetuo - ,perpetuo, n'um momenta em que nad'. 
havia senão teInpor
rio - para 'a Asia. Descia 0 panno 
sobre este clemente epilogo de urn drama de sangue sobre 0 
qual, politicamente, 1\ laler, born contemporaneo d'e ::\lar- 
J)lOnteI, assim condensava sentenciosamente 0 seu JUIZO: 
CI L'histoire, 1\lons'eigneur, eonservera Ie souvenir de peu 
d'l-vénenlcnts aussi dangereux par les conséquenccs qu'il pou- 
vait avoir, et aussi protl1ptement aussi facil
nlent mênte pré- 
venu dans ses effets." 



828 


DOM JOÂO VI NO 'RRAZII..1 


Com menos concisão e urn nada 111ais de pretenção lit-- 
teraria, versejava sobre 0 caso lealrnente, dythirambicamente, 
pomposamente, com todos os adverbios em mente que dizlJ. 
haver proS'cripto seguindo "0 iml110rtal Filinto Elysio", 
n'um canto epico á acclamação faustissima do liberalissirno 
Rei Dom J oão VI, 0 vate e vassallo fiel Estanislau Virir1. 
Cardozo, "Segundo Escripturario do Banco do Brazil, e Se- 
cretario do I Q Regimento de CavaUaria de milicias da 
Côrte" : 


lVlas não Te penes, Principe ! Urn n10mento 
De perfidia, e desdouro não faz vulto 
No quociente de seculos de Gloria. 
Troveja 0 Claro Ceo; benigno é sernpre. 
Cumpre porern Olhar attento a Esphera: 
São 'das exhalaçães os raios próle. 
Enunciada esta insólita ousadia, 
T ua Alma nobre por extrema afflicta, 
lVlais pelo que urge 0 N acional Ð'ecóro 
Que pelo que é de Ti, que em fin1 E's Grande, 
Ha de nadar de jubilo em torrentes, 
Quando á porfia em turrnas accorrêrcrn 
Povos fieis ingenuos a off'recer-Te 
Os mais prezados bens - F ortunas - Vidas -. 


................................................. 


Assim fallava aDorn J oão VI Cs.Plll'orido, 0 gigante 
Amazonas, "de gotejante longa melena, e barba denegrida, e 
côr tostada", ao sahir-Ihe ao encontro, novo Adarnastor, 
quando "do Pinhal undivago alvejavam inchadas velas" a 
caminho do Brazil ondt:" 


. . . . . constante querer- Te hão os Povos. 



CAPITULO XXI 


A DIPLOMACIA ESTRANGEIRA NO RIO,-CALEPPI E BALK-POLEFF 


A mudança da côrte portugueza para 0 Rio de J aneirl) 
im'plicara naturalnlente a mudança do corpo diplonlatico 
acreditado junto á mesma em Lishoa, e quando vÍ'essem mais 
tarde agentes para junto da Regencia, como esteve algum 
teJnpo Canning, para 0 Brazil se trasladara 0 melhor do in- 
teresse das questões agitadas e tratadas no meio particular 
e suggestivo da politica internacional. 
Com a França e a Hespanha as relações estavam de 
cmneço cortadas, e ao se restabelecerem muito promptamente 
com a segunda d'essas nações por motivo da usurpação na- 
poleonica em l\ladrid, logo partiu para 0 ultramar 0 re- 
presentante do 'monarcha legitimo, ou pelo menos da Junta 
que no seu nome pretendia agir. 0 representante britannico 
se não demorara em acompanhar em pessoa a trasladação, da 



830 


DO)! JOAO VI :KO BIL\.ZIL 


Qual þars magna fllit (1). Si de res to tivcsS'e 0 IrnperaJor 
N apoleão conseguido transfornlar 0 reino de Portugal enl 
departamcntos francezes, aprisionando I)01n J oão e a fa- 
milia de Hragança, ao Brazil aportaria 
rn vez de urn 11li- 
nistro lUll pro-consul, pOl"quc 0 governo britannico occuparia 
senl hesitar a Arnerica Portugueza invocando a 
ua propria 
segurança a zelar (2), st>gundo havia IneSl110 declarado. 
o nuncio, 
Ionsenhor Caleppi, talupOllCO tardou, c 
COlll0 cardeal veio a 111nrt t'r no Rio. (3) 0 Ininistro russo) 
conde de San Pah len, é que 
Ó em 1812 chegou de Phila- 
delphia na galera anlericana Bingham: tinha sido lransferido 
dos Estadus Unidus. A estes havia que ajuntar os represen- 
ta!1tes officiosos (j á não fallando nos enllssanos secretos) 
dos go\"ernos não reconhecidos de Buenos Ayres e de r\lontc- 
vidéo, e depois os representantes ufficiaes da França, Prus- 
SIa, Austria, Paizes Baixos .e Sardenha. 
() Brazil passara a encerrar a razão de ser da Inunar- 
chia, e como tal tinha jus á prinlazia nas preoccupações do 


(1) 
il' Sidney Smith acnwl'anlwlI a I'sljuadra purtl1g'w'za :lb- 
lat. :
7!! 47' N. e lon
. 14217' 0.. dpÏ}..anclo-a alii 
l'
nir Yiag-I'In 
(lh 
a pl"Ot{>c
:ào dos navios Mal1wt'ollfJ", LOl/doll, Jlol/ore!l e Bnff onf , 
(
) l\Ir
, Gr::tlunn, .TnU1"1wl of n 1'nY"{/t' tn Rff1
;l. (111(7 rc,,;:;- 
rlt 1WC 'here d/l1'lI1fl 1Jart oj tile yt'(lr.
 1
.:1, 18!.
 lR..!,J. Loudon. 1 S
 L 
Diz f'stn b('m informada am'tora que foi na prf'visão lH'l'ff'itanwutp 
nitida d'('
s('s dE'sastrosos ev'cntos nacionap
. que 0 PrIncipe }tp- 
J!.f'n te ('ha mou sens confid('n tE's-yiscondf' do It io 8('('('0, ('n ilia ri
1 a 
marqupz de Vag-os. desp(\ns('Ï1
o cunde de Redondo, nllllirante (la 
f':-.()uadl'a l\Ianopl da Cunha e padre .10st' Eloy, tl1f'
om'('il'o (ht I'a- 
triarchal--e mnndou IH'{>parar pm spgr('do qnnnto fa1tnva para a 
partida para a noih: dPIWis da immpdiata (lH'il'f '1/ ;yh t but (me). 
Escreve ainda 1\1rs. Graham qu(' foi 0 Rio prcfprido á Bahia parn 
reE.idencia real pOl' ser de dl'f('sa mais facil do qu(' e
ta vasta ('n- 
s'cada com sna entrada l'scancarada. e mclhor aba:-.tecil1a a ei- 
dadE' pel a visinhança d{> Minas Geraes e São Paulo, donde llle \"Ì- 
nham rezps, ccreaes, etc. 
(::
) Foi enterra.do na egr:cja do convento da Ajuda. 



DO.:\l JOÃO VI NO BRAZIL 


831 


pessoal directivo. No Congresso de Vienna, dos trez assum- 
ptos ventilados con1 respeito a Portugal, dous, os essenciaes 
- 0 trafico negro e 0 liluite das Guyanas ou 0 dominio ex- 
clusivo do Alnazonas - interessavan1 0 novo Reino, e só a 
n1enos irl1portante posse de Olivença se relacionava COIn 0 
Reino velho. A rnais importante questão diplomatica do rei- 
nado de Dorn J oão VI - a encorporação da CispIatina- 
foi exclusivamente uma questão brazileira originada no tra- 
diciona! anhelo pdo limite I11eridional do Prata. 
o primeiro ensaio de solução d'este problema de velha 
data, 0 qual era mais complexo do que podia á prim'eira 
vista parecer a urn estadista recemchegado da Europa, apres. 
sado nas suas deliberações e fraco j ulgador por inexperiencÏa 
dos sentimentos coloniaes, coubera, como sabemos, ao genio 
irrequieto de D. Rodrigo de Souza Coutinho, que, logo ao 
desembarcar e como si fosse a cousa mais simples do mundo, 
mandou prop-or ás Provincias do Rio da Prata - suppon- 
do-as j ustarnente avessas na sua orphandade á tutela fran- 
ceza - collocal-as debaixo do protectorado portuguez, com 
a guarda dos seus fóros, a garantia do seu commercio e 0 
abandono, por parte dos Inglezes, das passadas e todavia re- 
centes pretenções de conquista. 
No caso de uma negativa, ameaçava 0 ministro do Prin- 
Cil
 Regent
 que Portugal, de parceria com a Inglaterra, 
recorreria á guerra para liquidar a situação, que no mais 
alto grau Ihe interessava pel a extensão e natureza a dar 
á sua fronteira do SuI, e peIas consequencias que do statu 
quo poderiam advir com a transformação do Brazil em ca- 
beça da monarchia, A Inglaterra, convern não esquecer, 




32 


DO
I JOÃÜ VI :KO BR -\ZIL 


ainda se não reconciliara com a Hespanha diante do inimigo 
commum. N a divisão do Rio da Prata, Buenos Ayres Ihe 
pertenceria e Portugal ficaria com a Banda Oriental, obj-ecto 
das suas seculares e j ustas ambições. 
Quando a Inglaterra nludou de posição na Europa e 
concomitantemente alterou seus pIanos ultramarinos, tcve 
o gabinete do Rio que reduzir suas cobiças ao essencial. Foi 
então, por occasião da missão Curado a Buenos Ayres, que 
Linhares propoz abertam'ente a protecção portugueza sobre 
a margem oriental do Rio da Prata tão sómente, provocando 
ainda assim os protestos de:' Liniers junto á Prince7a do Bra- 
zil, a qual lhe respondeu transmittindo palavras amigaveis do 
Regente, a quenl eIla e 0 Infante Dom Pedro Carlos, como 
representantes dos Bourbons d'Hespanha, fizeranl appello 
n'um 'memorial publico. 
Ficou já indicado ser benl possivel que, intrigante e Ia- 
dina como 'era, tivesse Dona Carlota entrado n'uln conchavo, 
a principio, com D. Rodrigo, promettendo ceder l\lontevidéo 
ao marido, caso obtivesse a realeza ou pelo menos a regencia 
dos vice-reinados hespanhoes, posta que se reservando men- 
talmente 0 direito de não cumprir 0 accordo. Sua principal 
esperança estava então posta em sir Sidney Smith, sell. re- 
curso mesmo unico emquanto se Ihe não offereceu 0 apoio 
mais seguro do proprio partido patriota que nos seus ini- 
cios a considerou a hypothese emancipadora de mais facil rea- 
lização. 
N'estas negociações platinas, as da primeira phase, 0 Rio 
figurou de principal scenario, não sendo comtudo de ordina- 
rio mais do que 0 reflector dos successos que decorriam em 
mais grandioso paleo. As questões externas, ou antes de re- 



DOM JOI0 VI NO BRAZIL 


833 


percussão externa, mais graves e complicadas em que se achou 
então empenhado 0 governo portuguez-as do trafico, de Ca- 
yenna e de l\Iontevidéo-trataranl-se pode dizer-se que intei- 
ramente na Europa, d.evendo aliás ser julgadas tão européas 
q uan to americanas. 
Não era por isso nullo 0 papd do corpo diplomatico 
acreditado no Brazil, onde Chamberlain, 0 consul geral 
que exerceu funcções de encarregado de negocios entre a 
partida de lord Strangford em 18 I 6 e a chegada de Thorn- 
ton em 1819, assim como dcpois da partida d'este para Lisboa, 
chegou a exercrr certa infl uencia sobre 0 espi rito do Rei, 
o que queria dizer auctoridade sobre 0 ministerio, a esse 
tempo quasi que reduzido a Thomaz Antonio Villanova Por- 
tugal. Os fios da politica internacional andavaIl1 ligados por 
forma que passavam por todas as côrtes, n'ulna j á palpavel 
solidariedade dos interesses de cultura sob os ciunl'cs egoistas 
e as desavenças particulares. 
Para jogar em segurança de causa, era preciso possuir 
as chaves da rede e assim dominar 0 mechani3mo cOlnpleto: 
de contrarÏo ficava-se a meio do caminho e 2.ttrahia-se sobre 
si 0 ridiculo. Quando por exemplo, 0 governo portuguez 
recorreu á venda de bens da corôa e de conventos a suppri- 
mir, vexado como andava com os atrazados devidos ao 
exercito em opcrações contra os Francezes, 0 conde do 
Funchal teve uma das suas: precisamente acabava 'elle de 
ser nomeado ministro dos negocios estrangeiros e da guerra 
em substituição do irmão fallecido, devendo todavia permanc- 
cer algum tempo mais na lnglaterra com 0 fim de ultimar 
os negocios pen dentes da sua gestão. 0 exito pouco feliz da 
sua indubitavel actividade acabou ror comprometter a sua es- 
colha para 0 gabinete. 



831 


PU)l JOAO VI I\o BR
\Z1T.J 


COIn relação á qucstão dos bens ecclesiasticos, não va- 
cillou Funchal elll dirigir-se de Londres ao nuncio Caleppi, 
no Rio de J ancira, para que a Santa Sé consentisse na pre- 
tendida alienação e forçada secularização, prol1lettendo em 
troca, COIn toda a leviandade usual dos 
eus pIanos a dis- 
tancia, a dell1Onstração do inter,esse britannico pela situação 
do Papa do e pela causa das catholicos na IrIanda e na lngla- 
terra, on de ainda não estayarn elnancipados, sendo seu prin- 
cipal adversario 0 duque de \Vellington, então eiD pleno pres- 
tigio n:.iE
ú:;: e politico (I). 
Funchal não era hOll1elll conl quen1 Caleppi se enganasse 
ao ponto sobretudo de acreditar cegarnente nas suas prornes- 
sas, irnaginosas mais do que cavillosas. H'avia entre os dous 
toda a distancia que vai de urn harnern de muito espirito a 
urn hornern de pouco e
pirito. 0 italiano - un marlré COl/l- 
p;,.e COllla 0 cn:unava 0 In1perador N apoleão - fez sohre a 
duqueza de Abrantcs, 'que era pessoaltllente umél rnulher de 


(1) Pa1>('i
 a\'1I1sm
 no .\1'('11. (10 l\lin. das UI'l. Ext. .\ T'pnda 
df)
 h('n
 ('('('l('
i3Hiicos, <<Il'st inada sohn'tlldo a snpprir a snspclls5fJ 
do ::;ubsidio hl'itannieo dp dow,; milhõl'R ('stl'rlinos, PIll il11o(' se fal- 
la ra, n:ï 0 s(' effl'ct1l0H sohl'pÌ1Hlo pOl'qne monsenhor :\Iaccbi, delegado 
:.1pOHtnlko JlInto á Hf'gpnda (10 H'l'ino. a (Inem 0 nuneio ('akppi 
fpz attrihuir a qUl'st50, con\"f'nc(,l1 lord ('har]ps 
tnart. rf']H'('
pntantl' 
ing]pz ('m LiHhoa I' mcm1Jro dn J:.f'gf'ncia. du 
ma df'svantagl'Jll pra- 
tica on 1lll'smO J11l'x('(]nihilidadl'. .\ m"dida era nlhí.s impopuh1'l', e 
!-:lIa 3ppli('al;iio quid', faria nug-mpntar os g-astos do 
ov('rno ing-lf'z. 
pOl'qnnnto diminuil'ia a copia I' ng-gl'avariu os prN:os dOR aJim('ntos 
in.di
]wn:-:aypis, scndo ns propril'dadf's monastic.as as mpl.llorps sl'nño 
us unicas I)('m ("llltintdas do l'aiz. p atrave

ando Portugal tuua 
('I'isl' I'('onomiea f' politiea fl.l'masiado g-ravC' para quc Sf' UIH'csen- 
hl.ss('m ('on('orrpnt('s Imstant('s, naclonaps ou estrang-('iros, a \':-.SI'S 
hpns postos I'm ]iI'ita(:ão. .\ rC'du('(:ão do ('].1'1'0 å miHeria ou ))1'10 
mf'nos a 
I'andp haixa nos SPUs rendiml'ntos psfriaria. por Olltro hull" 

,('u ardor patriotico, posto C'm f'vidf'ncia na
 campanhas ('ontra oS 
Francl'zPs. l'c'fl('ctindo-Rf' ùpsnstrosamC'nte tal tihicza no enthusias- 
mo das tl'Ol'flS pOl't nguf'zas, :lH (]ua('
 lord "T,('lJington attrihuia pm 

rand(' pal'tf' c com justa razão 0 exito hrilhante da rl'sistl'ncia e 
que, no d izer df' )!acchi a St uart, a ('cm;a yam muito 0 influxo dOÐ 
::H,'US dil'el:Ìol'(,s de consciencia. 



UU.:\1 J U.Aü V I NO JHL\ZIL 


fO\:{5 


e
pl'nto C na côrtc das Tulherias tinha vis to desfilar 0 que 
de Blais culto c intellectual contava a Europa, a malOr 101- 
pres
ão pda sua suhtilcza e instrucção. 
E' verdade que 111onsenhor C.alcppi, apezar do
 seus 
70 annos, st' constituira 0 cfl'l'fllicre ,fìlT'l'l'flte da eillbaixatriz 
de França (I). cujo testell1l1nho IJodrria portanto ser ta- 
xado de suspeito. J unot poréln, escrevendo de Lishoa á mu- 
Iher dous annos depois, por occasião da invasão, dizia elle 
proprio do reprcsentante pontificio que era conl f'ffeito unl 
honleln de sununo espirito, ainda que 0 seu esta'do habitual 
de finura e de astucia acabasse por ser enfadonho. 0 duque 
de Abrantes não sabia entretanto n'aquella data de quanto 
era capaz esse Inestre de ironia. 
o nuncio estivera para elnbarcar na esquadra que trans- 
portou a côrte para 0 Brazil, tendo chegado Anadia, n1Ïnis- 
t.ro da Inarinha, a expedir ordenl para 0 rcCChCrell1 e ac- 
conlinodarClll a bordo de uma das naus. Não podendo, COl11- 
tudo, no ultimo n\Ol1wnto seguir viagenl por docnça, verda- 
deira ou SiTl1ulada, conservou-sr enl Lisboa durante boa parte 
do cllrto'l1roconsul(Hlo de J 1Il1ot, de qUClll l1ão Iograva obtcr 
o passaporte indisrrnsavcl para rrnbarcar com destino ao seu 
posto junto ao Rrgentc de Portugal. () general sÚ I he qucria 
facuhar sahida por terra. atravessando Portugal j(Í percorrido 
pelos n>I
ilnentos inglrzcs c a Hcspanha elll sangllc, devastada 
pe10s soldadns dc Napoleão e anarchizada pclos voluntarios 
patriotas. 
Calrppi esperou algul\l tempo Ulna opportunidade e 
achou por fiIn Ineio de se escapar, conta a duqueza de' 


(1) )II
llluir('s de la duchl'sSC lL\lJl'antes. 



836 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


Ahrantes que disfarçado em rnarujo. Seja ou não exacto este 
pormenor, 0 facto é que a 18 de Abril de 1808 recebia J unot 
do nuncio uma carta que 0 enchia de espanto e que termi- 
nava pelas scguintes zombeteiras palavras: (I) "Ainsi done 
contrarie par mer; effrayé par terre; agité pa
 les cris de 
ma conscienc{' qui nle répresente sans cesse le Brésil comme 
Ie but de nICS devoirs sacrés (et quel autre pourrai-je en 
aVOir a soixante-dix ans, infirnIe, et cassé ?) je n'ai plus 
qu'un seul parti a prendre, et V. E. n'rn sera pa
 surpnse. 
P
nétré crpcndant jusqu'au dcrnier nl0ment par taus lcs 


(1) Pal)l'i
 partic1l1al'PS do ('OIHll' do FlIndwl. (1m; annos tip. 
lR07 att> Ham. Lata 11 ,.n ('oIl. Linhares. nn Bibl. 
ae. do Hio {]e 
.1mwiru, .\ (,fll'ta aella-s(' a1i:ls impl'('SSa nn ollra .1[('lI/ori(' illlorno 
0l1(1. rifo tld ('mnd. LfJrcu;:o ('II{"/Il'; e ml fI
C/l11i flI"1'('wÌ4mcnti ('lie 10 
1'iYllflrdall0 !wriftc da{ COli/III( /ldafor(' ('nwil1n TJlligi tI, Rn,
8,i. noma, 
1
4
, Tip, dl'lll' H. ('ongTl'gazionc di Propag-anda Fiò('. 
() p01"mcnlll' do disfarec (>. imflginario, a darmos credito, 
('limo dl""('lllOS dr' pl'l'fl'l'pncia, :1 narrath"a da evasåo fcita por est (' 
auctor, (IUC foi segundo 
I'rrptal'io du nunriatura, romo tal tl'uclo 
s('l"\'ido ('111 Li
hoa e depois no Rio. l'
lle forncre informa
õp
 minu- 
eiOSflH da missão do 
pu cIH'ff', òa prorlamac:a dedira<;ão dp ('a- 
l('ppi .ao Principe Rf'g,('ntC', das diffiru]dades que isto the trouxe 
com .Tunot, do rec('io que 0 nuneio tinha de urn sequestro casu 
arcl'itass{' a f'srolta franreza para a viagem por t('rra pe]a lIes- 
panha. 
::\Ion!':('nhor Cal('ppi (' 
ua l)('(juena eomitiva ('mbarral'am em 
Ppdruu(:os. pela ealada da noit(', n'uma eatraia, arhando-se fóra da 
h3rra a ('mbarea
ão Bstrella do Yorfr, que mediante 0 pagamC'nto 
de ;
.Ooo cruzados se romprol11l'ttera a transportar a lllissão ao 
BraziJ, viag'cm para que rf'cebl'ra passaporte das novas auetorida- 
dC's. 0 mar estava encalwllaðo f' não foi 
I'm grandI's 
ustos e riseos 
quI' 0 nuncio rhf'guu a boròo Qppois de vir :i fa11a rom urn dos na- 
vio
 òa f'Si(lllad,ra ing]eza que bloqueava 0 porto dc Lisboa. 0 a]. 
mir:mte brit anniro. Cotton, f',lll rommando, U:50U das maiores atten- 
<:õP
 para com 0 rl'l)l'psentantp nontifieio, 0 qual. Si vista do f'!':tado 
ela 
lla I'mbal'ra<.:ão, que até fazia agua, e da rontinuada furia do 
oreano. se passou para a fragata dl' guerra .!Jfrdiflf01'. fJlH' 0 estava 
arompanhando rumo su]. f' 0 ronduziu 113ra Plymouth, rebocanòo 
a Esfrcl1a do Xorfr para não ir :i lllatroca. 
Herl'bido rom as maioro{'s dpmon 
tra<:ões dl' rp
peito p ps;tima 
nn Inglat'ITa. ÚUÒ(, aprOVf'itoll a curta est.Mla para orcupar-se da 
I'maneipu<:ão dos cathoIi('os f' <1a 
pguran<:a do Santo Padrl', vio]en- 
tado segundo offieialmente se òizia pOl' não ter quprido fazer 
gllPrra aos Inglezl'!': nos s('u
 I'stados. mon
l'nhor Cal,'ppi partin 
a final para 0 Brazil, a 10 dl' .Tulho <1(' lROS, n'um navio dl' gnerra - 
'l'lze Nfork - para f'ste fim po!':to iis 
lIaH orrlens pelo governo bri- 
tannieu. 
ua e,-asåo th'era lugar a 18 de Abril. 



DO)! .TOÃO VI XO nHAZTL 


'm7 


sentiments de delicatesse que je me suis imposé dans ma po- 
sition bien eplneuse, ce ne sera pas a l'Escadre anglaise que 
je m'en irai. J'ai préferé un petit Batiment muni par V. E. 
de ses Passeports, sur lequel j'éspere enfin pouvoir passer a 
ma destination, et meriter par la cet eloge si flatteur dont 
V. E. même a honoré quelquefois mon attachement à la Re- 
ligion et au Saint-Pere." 
No Rio de Janeiro moveu Caleppi forte opposição á 
clausula do tratado de 1810 pelo qual ficava a lnquisição 
supprimida no Brazil e se dava á lnglaterra 0 direito de 
construirem os seus subditos templos reformistas, compro- 
mettendo-se 0 governo portuguez a proteger a liberdade 
d'esse culto e a independencia dos cemiterios protestantes, e 
con1pron1ettendo-se, por sua vez, os subditos britannicos a 
não atacarem a religião do Estado que os acolhia, nem a fa- 
zerem obra de propaganda evangelica (I). 
Comquanto estimadissimo pelo Principe Regente, nada 
poude 0 nuncIO arrancar, enl contf'ario áquella tolerancia, 


(1) .1. (", Hod rig-ups. Hd i!li (ks (/("([ t1wTi('(/ 8. 
[I'moriil <,scripta 
para 0 Livro do Quarto ('pntl'nario. .\ intransigl'ncia de ('aIpppi 
I'l'a constan tl' P t'Nliosa. rpsllmhrando dp hHlos os Hl'US actos. 
o 
Fmwhn 1. na }lassHg'1'1ll para 0 Bra
iI. pIle insllrg'ilH;(
'. obtt:'ndo 1'a- 
zito. (
{/lltra a ('I'ssàn fo{.ita }H'}o g Jvprna,{lor :1 B('rps,forll e sua,
 tro- 
1'
1S dl' O('(Oupa(:iìo <11' UIll sl'lllinal'io .e 'l'grpja e:ltholica para e
l'r- 
dl'io do (,11lto proh'stantl', a quI' 0 govprno I)()l'tl1g'11"
 I'ra p"Ios 
tl'.;1 t:ldo
 (',h1'ig
Hlo a 111'0\"('1' no ca-:;o de pstar 'Ill o
 soId:ulos ingh'zt's 
n () SPU SI'l'\'il
O, ,\ Iii. n a :\1 adl'i 1'a. t'stn Y:t III <,lIps Ill' fa('t 0 o(,(,11})ado:,; 
J1:t <1l'fl'sa 1'\I'ntuai dl' lima possf'ssåo })(H'tug'IIf'Za, 
P:11':1 ah1'an(lar 0 austpro eathnlico. qUI' l'1'a 0 nuncio. offp- 
J'P('f'lI 0 Pl'Ï1H'ip'" HI'g'I'ntl' no <11'('01'1'1'1' da Ilis('lIssão 110 t ratado 0 

I'li v41liu1I'nto junto :l ctll't!' hl'itanni('a Pill favor do 1":\1'41. 110 :4:1('1"0 
('olll'gio P <If' HOllla O('('lIpnrla pOl' :!'\apoll':LO, (':1Ipppi ng'I'41dt'I'Pll vi 
Y:\I\lI'\I tl'. SI'IIl <11'i\:al' ('01\11 lido <II' pl'otestar ('on tn\ as disposil:(IPs d(' 
tihif'
a 1'1'1ig-iosa. Ilo SI'II pntl'llI}Pl'. do tl'at:llio. nntps travallclo ('om 
I,inhal'f'
 ullia aIt p l'(':1(:ilo tão Ïl'l'ita(la qUi', pOl' Ol'<lPIlI dp nOI\l .roåo. 
.Ag-ui:ll' intt'IT.eio pal'a SPl't'nar a dpsavpn<:41. COlli sua l141hitual, I:'
 
('t'IIt'lIte tolt'l':Il1t'Íu. 0 I'l'ÏlH'ip<, 1{(--gt'lItl' opin:t\.u uli:ís <lilt' ('aIevpi 
I:'sta va no SI'U ":11wl rIp n undo pugnarHlo p,'la intangihilidadl' da 
lIuutrin:1 ('atboUea, (Ho;:;gi, UCJIlorie.) 



838 


DO)! JOÃO VI NO 13RAZIIJ 


da bonacheirona tenacidade de Dom J oão (I), 0 qual era 
sustentado na sua liberal recusa pelo bispo do Rio de Janeiro, 
D. J osé Caetano de Souza Coutinho (2). J á temos veTifi- 
cado no decorrer d'esta historia do seu reinado americano, 
que era Dom J oão VI homem para teimas, mais ainda quan- 
do se sentia bem arrimado, porque a firmeza na applicação 
e que não correspondia n'elle á firmeza na opinião. 
Urn episodio diplomatico d'esses telnpos, altamente 
CUrIOSO e quasi desconhecido, comico por uns lados e violento 
n'outros, foi 0 da virtual entrega dos passaportes, pelo go- 
verno de Dom J oão VI, a Balk-Poleff, ministro russo acre- 
ditado junto á côrte do Rio e especialmente investido do ca- 
racter de embaixador extraordinario para a coroação do 010- 
narcha portuguez. 


(1) 
i wH1a logl'on I'm 1
1 0, ontro tanto Ihe nåo acontecel1 
pm IS Iii, (JUI' o('{':tsiñu da I'lp\':l
tlO do Brazil a HI'intl, tlnando, Ill) 
dizl'l' cll' Hos;o;i. 0 part iclo l'hilusophit'o, antullullla
ia freqlwllìe dl
 
I:a r('a, SUH(Jl'it 0, ('olll H:l IJel1lUH, de jacuhin ismo, pensou, de certo para 
H tt rahir au TIl'azil a. inll11igT1H:åo èHt rangpira (ll' toda a naciolla\i- 
dade e C l'1'f1 0, pill de('l'l'rar a tull'l':lncia de todas as seitas religiosas 
rll:'ntl'o do (foll1iniu aml'ri('anl), 
(
) ('Olll 0 hispo flulllÎ1H'n
e h','(' 0 111llll'io outra (li
cordan- 
('ia. I'm ISO!I, quanùo 0 I'apa (,tln('l'dl'll juLih'o nos tloUlinios pOJ'lu- 
,g1l('Zt'H a1ÏUl ell' (,I'lphral' a 1\'liz ehl'g1ll1a tlu Brazil <la familia r('al. 
D. .f OS(
 (':tt.tano, nil sua qU:llidade de C3L)l'llâo-l1lór (' Ù<' ac('ol'(lo 
('Olll as IH'I'l'ogativ:IH IJIlI' {'OUlO tal r-ahi:\1ll l'1ll LiHho3 30 patrhu(.ba, 
qnando alii rl'sitlia :l cÚrtl'. I'l'ell:lJlIOU u dil'l'ito <It" ('0Il111HllIit.:u' 
:IUS outros IH'l'lados Lmzilt'i1"os a gra
a pOlltifida. 1'01' 
t'U l:ltJu 
l'xi.gia 0 lìlin ist"l'io qllt" :t L)aslol'al l'Pl'E'ht'sse prilul
il'O, colllo u
 hrt'. 
n's, 0 hpllpplal'ito l'pgiu. 
Call'I>pi It'\'Oll n.t'stC' LHint 0 :-l LUPlllOI', SllS('itaIH11) :\li:iR IH'lu 

pu ultramon tall ismo Íl'n'('undlia, ..I oll tr(l
 l'tHlfl it-tos no 1ll-'col'l'P I' 
da Rua missà.o. HO:'lsi lllt'lwiona :t qllt'i\.:t pt'la JHlhliea(:i'io It:I {}a.::,rlll 
do Rio elf' .Iftlll iro dt' Hill :".I'tigo sllh1't' a EgI'l'ja gallicull:l P a ('Oll- 
('ordaia tla 1.'ratH:a ('Olll a 
tlllta 
(', quI' 0 nUlH'io ('ullsidt'I'üll attl'll- 
t:ltorio <la dOlltrina rolUana, (þ l'rindpp Hf'gente aùafoll 
'ssa l'OIl. 
t.l'o\'t"rsia mais, Colll luna nuta I':llurusa }Justo 1l1H' nUl tallto vag-a d.. 
.HllH'são å EgTt'ja. E' mist..r tl'l' prl'sent." qut' Dum .foåo IJrufp8- 
"-;:I\'a pplo llUlH:io rt'('ollhl'('illa I'StÌlll:L e n"f'l[(-' ÙI'llUsitav:l gr:luùl' 
('onfiança, t<:>ntJO-RP nt{- valido lla HHH infLueneia pal'a aLl'anlfar :L 
PPpoRi<;åo fpita pOl' J luna (':\1'lota ,loaquill:\ ao castluwuto (11-' Slla 
tïlha mais ,elha, a J>rinceza J )oua '\Iaria 'l'hel'eza, com 0 Julante 
{j'lIespanha Dom Pedro Carlos. 




 DO)[ JOÂO YI KO RRAZtL 


839 


Segundo consta dO$ papeis officiaes (I), a questão teve 
sua origem nas susceptibilidades da chancellaria brazileira, 
justamente melindrada pela pouca pressa - aliás intencio- 
&lalmente correspondida por occasião da res posta - com 
que, sob os pretextos de fazer muito calor e de estar prepa- 
{ándo as carruâgens para a festa, 0 diplomata communicou 
sua missão temporaria e pediu a audiencia do estylo; e tam- 
bem pela fonna descortez com que 0 mesmo diplomata recla- 
mou a prisão do seu cozinheiro e de unl sapateiro, francel'es 
ambos, de quem tinha queixas e que queria textualmente 
por a pão e a agua. 
o conde da Barca deixou até por inteiro de acqulescer 
a esse estranho peJido official e não só formulou, COlllO exe- 
cutou a proposito a ameaça de devolver qualquer nota menos 
correcta, 0 que sohrell1odo cantrariou Balk- Poleff que, em 
despique d'is
o e da falta de prOIl1pta concessão da sua au- 
dirnci
, deixou de COIl1pareCer (coin 0 seu collega hollandez 
:i\Iollerus que Ihe esposou 0 resentimento, por 1l10tivo dos 
laços de fmnilia que estreitaInrntc unianl as respectivas côr- 
tt>s) ás n'cepções Je grande gala Jc 7 c 25 de .Abril, nas 
qu

rs, de pé subre 0 throno e rudrado da familia real e dos 
grandes cia cÔrtr, () Rf'i recebia prilnciro os cunlprimentos 
do
 rrprescntantes cstrangeiros CIll corpu e dava eln scguida 
beij 
 Illão a tudas as classes distinctas do Estado. 
Para bem accentuarelll sua ausencia, que não j usti fi- 
cavam, como 0 111inistro americano a sua, por 111otivos de 
saude, os rcprescntantes russo e hollandcz assistiram n'aquel- 
las datas a todo 0 cs.pectaculo, atr llleia naitr, no theatro de 
São J oão, proceder qur assirn Ihes era rxprohado pelo encar- 


(J) L'01'1'''Sp. df' \1:1 1 f'1', no ,\l'ch, du \[ill. d08 X,'g, Est. dè 
Frun.,;a. 



840 


DOM JOÂO VI NO BRAZTL 


regado de negocios de França: (I) "Enfin, lVlonseigneur, 
quoique Ie séjour a Rio de Janeiro ne puisse être agréable 
a aucun .l\linistre Etranger, quoique mêm,e la Cour ne fasse 
pas de son côté la moindre des démarches auxqueUes se pr
- 
tent naturellement les Cours d'Europe pour accueillir les 
agents diplomatiques, je Ie répete ingénuement et sans la 
moindre prévention ces deux l\Iessieurs ont comlnis une 
faute, ils ont manqué de bienséance et de délicatess-e dans 
Ie choix du temps et des moyens qu'ils ont employé pour 
marquer leur froideur. JJ 
Balk-Poleff, chegado ao Rio de Janeiro em Outubro 
de 1816, era uln diplomata do genero desagradavel. J.\;laler, 
que sempre usava de muita considerações .pelos collegas, expu- 
nha sem rebuço ao seu governo 0 que denon1inava "as incon- 
sequencias e a irregularidade do comportamento official e 
privado" daquelle agente, que a todo 0 momento se salien- 
tava pelos seus sarcasmos e inconvenientes diatribes contra a 
terra e contra a gente, e que tinha 0 sestro de não pagar aos 
criados nem aos fornecedores. 
Foi este nlau veso que Ihe attrahio 0 indecente desagui- 
zado - dissimulado por l\laler na sua corresponùencia, por 
julgal-o "si fort au dessous de la dignité diplomatique"-com 
o seu artista culinario e COIn 0 seu artista sapateiro, remate ùe 
uma longa serÏ-e de discussões, que subiam até a real pre- 
sença, entre credores que exigiam pagan1entos da legação 
russa e 0 ministro que solicitava a dctenção dos que ousa- 
vaIn manif.estar tal pretenção. 
o Intendente da Policia e 0 .l\Iinistro de Fstrangeiros 
"a principio quiZeraIll satisfaLer quanta possive! 0 irasci"el 


\1) Officio de 8 de .o\..brll de 181.. 



DOl\[ JOÃO VI KG BRAZIL 


841 


diplonlata, mas cançaram-se de atural-o, e como tanto mais 
furioso se punha Balk-PoleH quanta menos 0 escutavam, 
vio-se Don1 J oão VI obrigado a queixar-se em São Peters- 
burgo, por intermedio do seu ministro Saldanha da Gama, do 
proceder excessiva'mente intdiscr.eto do enviado im'perial, cujas 
notas originaes para lá foram remettidas como prova da 
accusação. (I) 


(1) Bis em amostra!': 0 estylo official do enviado russo, cujo 
francez deixa va a d('sejar: "L'En voyé Extraol'dinail'e etc. doit faire 
ðhs'erv,e'r a c\Ionsieur'. l'IlIltendant de l'olic-e, 'fJuïl .eSlt '. de touie ri- 
gueur, m{ime dans Ies simples rapports d
. lJie.nséance, de repondre 
aux lettres l'c
ues, a plus forte raison entre une pers.onne en charge 
(It un )linistl'e d'nne Puissance. (>trangere. . . . .. Cy annexóe se trom-e 
une plaint<> au nom du même Envoyé,.... dont il est .absolument 
essenUel pour I'Envo
'é de Hussie, d'avoir p1eine et prompte satis- 
faction, ce demier ne voulant pas être insulté dans son hôtel, aSJ'le 

acré ponr Ie droit (].('s gpns, par to us les mauvais sujets de la 
capitale,. . . .. Exigeant ce qui est d'un droit incontestable, I'En- 
voyé de llussie aime a croire que .Monsieur l'Intendant de Police 
prendra des mesures telles, que les désagrements d'une si déplai- 
s.atnte esp.ece, Cf's,s.ent a j.amais, ce qui ne pent être ,e.f.f.ectué (lUe 
pall" une punitiO'll .exemplaire des c(),up.ables." (
ota de 24 de PC'vc- 
I'CÙ'O (U de )Iarço) de 1817.) 
"J...e sO'llssigné, Chambellan actuel de 8a .Majesté l'Empereur 
de tmltes If's Russies, du rang de ConseiUe.r d'Etat actuel, sou 
En voyé Extraürdinaire .et )Iinis.tre Plénipc.ten tiaire, ne vOlÜan t 
pas d'un coté imp.ortuner S,on ExceUence )Ionsieur 1e ,Conseillt:'r 
d\E'ta.t, )li.ni
tr'e de Ia )Iarine et des C010ollie
 ayant ad inte,rim Ie 
Portefeni1l.e des .\ffa.ires E'trangeres et de la Guerre 'etc., .etc., pour 
des transactions du res80rt dp 1:1 Police, et de I'autre, ne pouvant 
plu:o; Hupport<>r Ie brigandagp de c0rtains individus, ou trop assurp:o; 
de l'impunit'é, OU trop eHrontés dans unl pays qu'Us suppos.pnt être 
trop insDlite pour se permettre envers Ie 
Iinh;tre d'une Puissancp 
Hran
ere tout ce qui serait puni avec l'igueur, mêm(' '('nyers un 

imple pal'ticuliel', :o;'e8t adressé directement a :Mr. I'lntendant de 
roue-e,. . . .1.. Le sonssigné dcnc pour suivre. en tout Ies formes prépo- 
!':éps et pour son particulipr, au plus 
rand regret, prie R. E. d(' 
Y{>,ul.oir hi-en donner (les Drdres per.ernptoï.r0s afin {}U
 s.atisfaction 
pl('ine et 0ntiere !':oit donnpe au :o;oussigné suÏ\-ant Ip ('ontpnu 0t 
dans les termes prescripts de la plainte....." (Nota ao conde da 
Darea de :!G de Ji'cvcrCÍiro (10 de )Iarço) de 1817.) 
,Estas notas, assim como a rp!':po!':ta, foram aWl!': r('
tituidas. 
ou melhor, as notas do enviado russo foram d('volvjda
, d'onde 
0 

egula a restituição da resposta. A r('sposta dp Barca era no fò:0U 
genero urn modelo, que vale muito a pena publicaI' Intf>gTalml'nte: 
41 0 abaixo assignado. Con selheiro de F.J:o;tado, 
Iinistro e Sl'- 
f'rptario dp Estado dos N'f>go('ios da Marinha e Dominios Ultrama- 
rino!':, pl1('arl'pg:ado int('rinnll1pntp da npparti
ão dos Npgocios Es- 
trangf'iros f> da (
Ul'lTa, accusa a re('('pt;ão da Nota official <]nl
 0 
D. J. - 53 



842 


DOM JOÂO VI NO BRAZIL 


Com urn dos seus eollegas pdo menos, tornaram-se 
igual
cntc tensas, em tão curto espaço de tempo, as relaçães 
de Balk-PoleH, 0 qual já nem fallava com 0 enearregado de 
negoeios da Inglaterra, Chamberlain. Com lVlaler, a sua ci- 
vilidade par,eee ter sido no emtanto constante, apezar das dif- 
ferenças que tiveram. 
o rom pimento formal entre Balk-PoleH e a eôrte do 
Rio deu-se a breve trecho depois dos incidentes, mais ridi- 


Sr, Pedro de Balk-Poleff, Enviado ExtraOl
dinario e Ministro Ple- 
nipotenciario dp S. :\1. 0 Imperador de todas as Hussias, Ihe passou 
em data de 10 do corrente, pedindo inteira satisfacção As queixas 
que :So S. directampnte havia feito ao Intendente Gerltl da Policia 
em officio que Ihe dirigira em !J do sobredito mez. 
Pela leitura d'este officio de ..,. S. que 0 dito 
Iagistrado não 
tardou em transrnittir a esta 
ecreta1'ia de Estado, com a qual se 
devem unicamente corresponder os 
Iinist1'os Estrangeiros, sl'gundo 
o estilo de todas as Côrtps, soube 0 abaixo assÏ-f,rnado que S. S. se 
queixára contra as pessoas seguintes: 
1.P. contra 0 sapat'eiro francez Pillet, pOl' haver pretendido 
cobrar de R. S. cento e vinte f1'ancos, quando apt'nas se lhe restava 
a rnetade d'essa quantia pelas obras que tinba feito; e bem Rssim 
porter dito alguns improperios ao 
p.cretario particular de S. S. 
2.9. contra 0 cozinheiro Pharõ, 0 mesmo que S. S. trouxe com- 
sigo da Europa, p<,lo facto df' havpr recusado hum dia fazer 0 jan- 
tar, e de tel' penetrado até 0 gahinete de S. S. (e contra R sua 01'- 
dem) com 0 pretexto de pedir 0 p;lgamento do que se the estava 
de dever. Exigindo S. S, quC' pOl' estes factos fizt'sse 0 Intendente 
Gera.l da Policia impor aos tiitos s3;pateiro e cozinheiro buma pena 
arbitrada POl'S. S. e desconhecida no codigo criminal Portugupz, 
quãl a d" manùar prendf'l-os e p01-.os ao pão e agua, até segunda 
requisição de S. S. 
Além do conhecimento que tev,e 0 abaixo assign ado da mate- 
ria das queixas de S, S., teve mais a surpreza e 0 desgosto de re- 
conheccr que as mencionadas peças ofiiciaes estavão e8.critas em 
bum estno indecoroso e offpnsivo; e que; não podendo pOl' isso l
. 
val-as á Augusta l'resença de S. 1\1. lhe nào reSlava senão bum mul 
desagradavel, porém necessario, expediente, qual he 0 de restituil-as, 
como effectivamente restitue a S. S. para que se su'va, de escrevel-as 
em estilo decoroso e digno assim do Augusto Soberano, que S. S. tern 
a hf'ln,ra de repre-senLll', como d'.al(]nelle perante Quem s.e Reba acre- 
ditado, e pOl' Quem tern sido tão distinctamente acolhido. 
E para evital' 0 progress() de humoa correspondpncia tão 
alhpia da decencia diplomatlca, previne 0 abaixo assignado a H. K 
de que não aceitarâ jamais officios dp S. S. que não sejão escritos 
com 0 Dpcoro devido á Dignidade de amhos os Soberanos, e aos 
laços de especial amizade que os unem. 
POl' esta occasiflo renova 0 abaixo assignado a S. S, as ex- 
pressoens da sua distincta considerac,ão. 
Palacio do Hio de Janeiro em 18 de Março de 1817," 



DOM JOÃO vt NO BRAZIL 


843 


culos que graves, que .deixavam prever esse resultado. No 
dia irnmediato ao da nota caustic a de Barca, solicitava 0 re- 
presentante russo audiencia para a entrega da sua credencial 
de embaixador. (I) A resposta, propositalmente retardada, 
foi de 5 de Abril, (2) quando a 25 de l\IIarço chegara ao 
Rio a noticia do movimento Tevolucionario pernambucano; 
o qual fez adiar a acclamação real (que só no anno imme- 
diato se eff.ectuaria) e forneceu a Barca urn excellente pre- 


(1) "L'Amhassadeur Extraordinaire et 
Iinistre Plénipoten- 
tiaire de S. M. l'Empereur de toutes les Russies, pour remplir en 
cette qualité d'apres Ips ordres suprêmes de son Augu!';te 
Iaitrp, 
une mission temporaire, prie Son ExceHence Mr. Ie ConseiHer d'Etat, 
etc., etc., de vouloir bien solliciter de Sa .Majesté Trés Fidelle Ia 
faveur d'une audience telle qu'il plaira au Roi de l'accorder pour 
que Ie soussigné puisse y remettre les Iettres de créance d'apres 
les formes requises. 
,E'tmnt, seJon les instructions reçues d" sa 'Cour, autoris.é a 
se cunform.'r en tout 11 l'étiquette établie pores celIe du n.oi Tres Fi- 
deUe, pour la réception d"s .\mba-;sadeurs Ext'raordinaires, Ie soussi- 
g.né d\ésLre être instl'uit pal' écrit 'et en détai1 sur ce qui concerne 1'ob- 
j.c>t des formes usit{ies en parcH cas, ainsl que du lieu qui ser3. des- 
tiné pour raudience sollicitée. 
Tres flatté de pouvoir en la pr
sent(' conjoncture offrir de 
la part d
 I
a l\IaLj.esté l"Empereur, son 'Tres .\.uguste L\Iaitre, un té- 
moignage nouveau de cette haute estime et arnitié dont Sa 1\Iajesté 
'.rres FidellC' a eu des preuves constantes et de manifestf'r ('11 
mêmp temps Ie desir empressé d'un Souverain aux immortelles 
actions et aux grandes verÌlIs duquel I'Europe est redevable de 18 
paix dout elle jouit, et complaire en tout a un Monarque, son Ami 
et Allié, Ie soussigné se fait un devoir de transmettre ci-joint la 
caple de la lettre de créance qui constate son titre d'}..mbassaodeur 
Extraor1dinaire, et de réitérer de nouveau a Son Excellence Mon- 
sieur l'e Oomte de Barca, Ies sentimens de sa consld,eration tre8 dis. 
tinguée. 
Tif
rr.e de I3alk-Pol,.'.f.f - Pr,a
'a do. Flamengo ce 7 -lD 
Iars 
l_'H 7,>--1..\. 
. Eo :Monsieur Ie Co,mte de Barca etc." 
(2) (Traducção). "Monsieur. J'ay re
u Ia note que Yotre 
Reib"1leurie m'a adr-es'sée a la date du 7---11H 
Iars dernier, avec la cop!\
 
de Ia Iettre de créance par laquelle Sa Majesté I'Empereur dp toutes 
Ies Russies Ie nomme son Am!!assadeur Extraordinaire et PIc
nip'O- 
tentialre, pour en cette qualité rempHr Ia mission temporaire de 
compliml'ntt'l" Ie Uoi mon :Maitre, sur son f'xaltation au trône; je 
ray mise SOll
 l.es 
'e:ux ùu même A'l1guste 
pigneur; mais Sa 
Ia- 
jesté ayant différé Ie jour destiné pour son acclamathm. et Hant 
surv-enu dam;; 
tte occasion de.s circonstances auxquf'lles on doit 
fairp fac p , ,et Clui exigf' de!'; 1l1l':-;ure
 imlll'édiate
, 'Sa .Uajestr- a jug-é 
('onYt'n3b]p (11" 1't.'tar(l
'r pour '11H'J.1l11l'S j.our" l'al1dience publique pour 



844 


DOl\I JOÃO VI NO BRAZIL 


texto r
:ra den10rar a audiencia solemnc do en1baixador. Tão 
leviano este que, para obtel-a, commetteu a imprudencia e 
não recuou ante a humilhação de valer-se confidencialm'ente 
junto aDorn J oão do encarregado de negocios Villalba, que 
elle sabia ser desaHecto do l\Iinistro de Estrangeiros. 
A recepção foi afinal marcada para 13 de lVlaio, anni- 
versario do monarcha, quasi dous nlezes portanto depois de 
pedida, e recebendo Balk-PoleH 0 respectivo aviso official 
na vespera, ás 2 horas da tarde. A's 3 dirigia elle uma nota 
ao conde da Barca, pando em relevo a coincidencia da 
audiencia e da festa .de grande gala sómente "como urn 
desejo de Sua l'vlagestade de emprestar maior r,ealee a essa 
nova prova de an1izade escolhida por Sua l\Iagestade meu 
Augustissimo Amo para comprazer-Ihe," e de novo pedindo 
comnlunicação por escripto do cerimonial e pragmatica em 
uso na côrte portugueza para as recepções dos embaixadores 
extraordinarios, que bem anticipadam.ente rec1amara. "Auto- 
risé par les ordres de ma 'Cour de m 'y conformer, }e ne pour- 
rai me rendre á l'audience fixée qu'apres avoir obtenu l'obj.et 
de ma demande." 
Satisfacção Ihe foi n'este ponto dada pelo conde da 
Barca, rececendo eUe .u cerimonial ás I 12 % .da noite. N a 


b prpsE"Iltation df' Yotl'e Hoeigneul'ie .en la s'usdite qualité d'.\mbassa- 
deur, t't la remis::;,e- dp la }.ettre de créance ci-dessus men tioll'pe. 
Des que je recf'vrai de nouvpaux ordre!': de Sa l\J.aj.est{i sur 
('Pt objpt, j{' l,e.s eommuniqlwrai promptemcnt a Y.otre ,sl'igneurie. 
Je profite de cptte occasion pour répeter a Yotre 
eignpurie 
]pl': tpmoignag('s (]p mon di'sir do lui Hre agrt-able et de ma consi- 
dpl'a tion di
tingu('p. 
fjue Dif'u gal,de a Y. R, nomhrp d'années. Palais dn Hio dr> 
.Ta.n
ir{) ""n :í .\vTil Hill 7. Be, Y. S. Ie plus grl3.nd. f't Ie plus fWelle 
serviteur, ('omtp da Barca, 
[r. Pierre de Balk-Polpff ptc." (Le- 
gali
ada a copia pOl' Camillo 
Ial'tins Lages, official maioI' da Se- 
cl'étaria de Estrangt'il'os.) 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


845 


occaSIao, porérn, de dirigir-se para a audi
ncia, que devia ter 
lugar á I hora da tarde no Paço da cidade, vio-se 0 em'bai- 
xador constrangido a permanecer durante uma hora quasI 
defronte do palacio, sem poder 0 seu coche romper a tropa 
que formara no largo He sem que pessoa alguma, escreve 
IVlaler, se occupasse de facilitar-Ihe uma passagem para que 
com parecesse a urn tão solemne convi te." 
Furioso com tudo isto e achando na manelra adoptada 
para a sua apresentação de credencial pretextos bastantes de 
recriminação, endereçou Balk-Poleff, no dia 18, urn protesto 
ao governo portuguez concebido em terrnos indignados (I) 


(1) "Lp soussigné .\mbagsdd
ur etc. croit de son df'voir d'a- 
dresser a S. E. etc" la protestation énoncPf' dans If'S articles sul- 
va.nts, afin d
 con!'tatf'l. qu'un parf'il exemple ne puis
e tirer a con- 
séquence, ni S{'rvir de ri'gle a I'avf'nir. 
;1 0 II f'
t de tc.ute noto,riHé qu'aucun2 communication verbale 
du 1\Iinistre a un Hf'prpSof'ntant d'une rui
sance Etrangere ne sau- 
rait Hrf' rpgard{ie comme avenue que IorsQ'uc 1',empJ.oyç -est l'organe 
dp son {'hM', et c 'pendan t Ie .\Iin'ist.re de Sa .\Iaj.esté s',est adressé et a 
youiu se sen-ir pour cett
 fois du Conseiller de Légation. 
2 0 Loin de prendre aucune mesure de convenance générale- 
m('nt pratiqlHS,f' pres df's COul'S Europpennes, au moins pour une 
marge d(' tpmps suffhmntf' pntre Ie jour df' l'annoncf' et cplui de 
I'alldipncf', la Not
 transmisf' pour c('t ohj
t daté
 du 2!) Avril (11 Mai) 
n'est pal'n'nue 41up 1(' lundi 
W .\vril (12 11ai) a uno{> h.pure apr.es midi. 
J1fp mêml' la copie du cérê'ffionial d
mandée en m
me t
mps que l'al1- 
dip.l1ce par la Xote du G
18 .\1ars ll'a {>té r-e
ue .que la vieille du 1-1:
 
.\Ial apres minuit. 
:;!! .\Iais surtout Ie soussi
np doit manifestf'l' gon f'xtr4'mf' sur- 
prise qu'en !'('ns invPl's(, d('s usag('s r('(;ns, I'on a voulu faire de 
I'.\udironep d'un .\mhassarlpur l'accessoiré d'un jour d(' Urand Gala, 
comTIlP si un(' pareille A udÏ'E:?nce n'ptait pas pIle même l'objet prin- 
cipal .(1'unp asspmhl('
 solenn
II('. rne premÏC're .\mbass.adr df' Ia ConI' 
do HUs
i,p crplPf' nomm('m('nt par ISa '\1a}',sté l'iEm'})('re<Ul', .pn vue 
o('t dans Ie hut d'obtpmp(ir('r aux -d(isirs de son .\m.i f' Allii'. Sa 
Ia- 
je
té Trr!"! Ii'iddlp. m(>ritait d'autant plu
 d'Hr(' distin
l1i'e. 
Profond(;mentp p(;nétr{' de cett(' intrntion d(' son Tr
s .\ ugu
te 

raitrr, Ie sOnS
ib'11(' prie 
1r. 1(' Comte da Barca df' vouloir bien 
portrr a la connaissance du Roi, qn(' 
i dan!"! unf' !wmblable Con- 
jt'IDcturp, 1(' sO'l1
s.ign(> a bi,cn youlu 
'0. prêt('l' a passer outre. sur 
plnsirnrs form('s rpconn\H'S partont ('omm(' inhf'l'rntes a In. dignih' 
IUovrésentative, et d'autres qu'U n'a vas cité, ce n'-e::;t pas par altcun 



846 


nUM JOÃO VI NO BRAZIL 


e que motivou da parte de Barca uma reswosta cortantc e 
violenta, a qual traz a data de 2 I de Maio. (I) 
E' mister attentar nas datas. 0 protesto de 18 foi, ao 
que diz 0 ministro, entregue na noite de 20, justamente 
quando Balk-Pol-eff era recebido pelo monarcha n'uma nova 
audiencia, particular esta, que obtivera. por surpreza, compa- 
recendo em São Christovão a pretexto de apresentar felici- 
tações pela noticia que se espalhara da conclusão da revolu- 
ção pernambucana, de facto para tentar alcançar de Dom 
João VI satisfacção das affrontas que recebera do conde da 
Barca - assim as qualificava n'uma longa circular mandada 


autre motif que pour montrer son emprf'SRement zélé de présenter 
a Sa l\Iajesté les félicitations et les voeux de son Tres Auguste 
:\Iaitre et d'offrir par cette conduite a Sa J\1ajesté elIe même la 
preuve evidente de son désir de Lui complaire. 
En offrant ('e tribut de justice et d'hommage a un Souve- 
rain AlIié et Ami de sòn Tres 
\uguste 
Iaitre, Ie soussigné prie 
S. E. Mr, Ie Comte da Barca d'agréer Ie témoignage renouvellé de 
sa haute consideration. 
Praia do. Flamengo Ie G-1R Dlai lS17.----Pierre de Balk
P.o,lpff. 
-A S, E. .Monsieur Ie 
omte da Barca," 
(1) '.0 ahaixo assignardo, ConR<'lheiro de Estado ('te. levou Ii 
Augusta Prf's'en<:a d'EI-Hey SPU Amo a nota official ql1<' S. J'}x, 0 
Sr. Pt:'dro de Balk-Poleff Embaixador Extraoridinario p Plenipoten- 
ciarlo de S. M. 0 Imperador de tüdaR as Russias Ihe dirigio na data 
de 18 do corrf'nte (-e qUl' 1l1e foi pntn'g1H' R(mlPnte f'm a Nnite de 
hontem) contf'ndo hum protpsto tão insolito, quanto offenslvo e 
inesperado. dppois da maneira obsequiosa e distincta porque S. Ex. 
foi recebido no fauRtosisRirno dia 1;; do corrente. 
}1"oi tal a surpreza, e 0 resentimento 
e S, :\1. Ii vista do 
theor da referiua Nota, que mui expressamente ordcnou ao abalxo 
Hssig11ad{} .que a transmittis.se s{"m 'perda dp t eIl1jp 0, e- p.cr hum ex- 
presso, ao seu l\Iinistro, rpsid('nte na ('Úrte de Pf'tpl'shnrgo, 11ara 
lpval-a quanta antes ao conhecim:>.nto de R. )1. I. a Quem sem duvida 
ella ha df' ser tão desagrndavel quanta 0 f{}i a R. )1. F. 
A participação d'esta Rpal Determina<:ão he a unica resposta 
que 0 ahaixo a
signado deve pOl' ernquanto dar fi Xota que rf'cebeu 
de 
. Ex!!. 
o ahaixo assignado tpm a honra ùe reiterar as. Ex!!. 0 81', 
Pf'dro dC' Rall{-,Po}.pff as -expl'Ps:,;xos da Soua distincta considera(;ão. 
Palacio do Hio de Janeiro em 21 de 
Iaio de 1817, Conde da Barca." 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


847 


no dia 19 de l\1aio ás lcgações estrangeiras no Rio de J a- 
neiro. (I) 
A resposta de Barca é do dia immediato, 2 I, qualifi- 
t::ando a protesto de "tão insolito, quanta offensivo e 1nes- 
perado", sem qualquer aHusão á .entrevista de 20. A 22, 


(1) ":\Ionsi.eur. En rpclamant votre attention sur les piéces 
cy jointes, je vous ppargnerai tout commentaire sur les griefs 
développi's en détail dans ma Note de protestation. 
La ll'ctm'(' de ces documents a.iontera un nOUYf'au poids a 
rpxp,;ripncp que HH1S .an'z aoquisp de la faf:on dont Ie Corps ni- 
plomatiquf' ('st traité pr('s d(' cettp Cour, puisqu'une .\mhassade 
tout(' sol(,nIwIIe ('t tout e faite nu'(']Jf' pst pour complair(' au {{oi, n'a 
pas été exempte de lÏrrt'-gularité ùans les procédés, deven us a ce 
qui semble s
'st
matique po.ur Ie )linistere' de Rio de Janeiro. De 
même les faits parlent dans les piéces. Je ne me permettrai donc, 
:\Ionsieur, que de vous arrêter sur quelquf's réflexions essf'ntieHes. 
Lp ren\'oi d'une Xote ministerielle, lorsqu'aucun aete qui put 
e-xcite-l" par re-présaiIlp une pareiIle violence D'a eu lieu, est-ce un 
affron t ? .T (' ne crois pas f{uïl y ait denx r('ponses a fairf'. 
Sans vouloir citer des ex'emples de la Diplomatie Euro- 
p&nne, qui passerait condamnation sur celIe de Rio de .Janeiro, 
se refusant d'ailleurs jusques ici de d:e\"enir indig(one dans ce pays. 
il est notoire, qu'avant de se porter aux extrêmités, l'on préYi('nt 
rEnYo
'p dOnne Puissance Etrangere, que Ie contenu ou 1(' style 
de la Xote n'est pas con venable ; sïl vient a une r(>cidiv.e en termes 
pI us forts., {Y.ll 'lÏnvitn, a rptirer SIa X ot(': sOil sOy relfus", ce n' est 
qu'alors qu'on f'st arm(; du Droit de lui r('stituer. 
rour rétrange mou\ement des facultés de :\11'. If' Comte de 
Barca ron diralL que cettp marche mesur0(' et taròiv,e est trop com- 
mune ou trop dans les prejugés' d'un Ordre dp. choses que ses pen- 
chans intim('s rf'mpt'chent d'a>dmilrer. II lui, faut des COIUPS de )[aitre. 
("pst aim;i {}uïl comnwnc(' par on ron finit dans It's pays civilis(;s, 
par me renyoyer ma Note en l"accompagnant d'une df' sa part ré- 
di
("p dans un lang-age qui spnt nne E"c.ole-, dont on cl"'oirait 
Ir. IE' 
Cornt;e da Barca jusqnes ici encore Ie disdplf' z'élé.. \ 
ILes deux notf'S slont en présence, II nay a CJu'a les oornparf'r 
('ntrE' p11'2:8 pOUr sayoir all' jUSlt,e d'e quC'1 côté appartient 1"applicatiO'l1 
just'e et rre1le de
 épit'hf'tf's dont se sert 
Ir. 1(" Carnte da Barca, 
qui non content de s'être oublié au point que df' faire un affront 
a un 
Iinistre Etran
er; rnais encore, et c'est un oubli bien plus 
remarquable de rejetter tout son coun'OlIX sur Ie 
1inistre en lui im- 
primant une leçon. Ce n'{'st pas sans doute a )Iessieurs les membres 
du Corps DiplomatiquE' que' fen appellerai pour caractérispr en traits 
frappants l'engeance des valets et des ouvriers dans cette Cavitale. 
lorsquf' Ie!> indigènps mf'm('. (Jui ne sont pas colonR R'en 11!aignf'nt 
Rans cesse. II est évident aussi que Ie soin d(' peupler Rio de Ja- 
neiro et d'y introduire les commodités de la vie sociale lul font 



8
S 


DO)! J010 YI :KO ERAZIL 


porém, apoz teren1 soberano e ministro conversado sobre 0 
occorrido, que Barca desconhccia ao expedir a sua risp
da 
adn1oestação, un1a nova nota punha inteira e abruptan1ente 


une n('cessité de tolérer tout ce rehut ùe
 dernif'rp
 claR8e
 de la 80- 
ci{>t{> rcpouHRl' du 8('in dp I'Europe. 1.'('1 est a peu IH'('S Ie seus dC's 
conjl'ctm'C's YaguC'
 par Ipsquf'lll'
 .ïl'
saye dp trouvl'r la source du 
bri!-.mnd
g-p auqut'l on n'e
t qu(' trop souvpnt ('xposé id. Par qu('1 
effort de logique )11'. Ie Lomte del llarca )' a-t-il découvert un ou- 
trage contrf' Ie )1inh;tt're de 
. )1.? ë'est un sccrd qui Sl'lllhlp ne 
}las valoir la ppimC" d'ptre df'viné. Certes dans les pa
',s constitups, 
It's l'Oix l'I'IH'illlPnt Ia !iCience et dans la plus grande partie d" l'!Ðu- 
ropp continentale, il y a dps m(,
Hll'PS réglemt'ntaire
 qui veillent a la 
I:'coduite de la lkmc:,-;.tici.té pt d,t's ouvriD.rs, 
'eSit-iIr'PaSi au surplus 
suffbant qu'l:n En ,'oyé d'une Puis:o:ance Etrangere fasse abnéga- 
thn 'ton .arrh1ant ici de tçu:.. Ie.:': agr1émens de la vie civilis'ée et Sf)- 
('iale, pour avoh' f'ncore a endurer Ie,s suite
 de l'ÏJmpuni,té et d'une 
Police mal 'Ü,rg,anisée ? Et n'.ai je pas en l'expérience. que p.our avoir 
npgIig(í (]p faire punir un fIe CPS misprahles, d'autrcs sout dcvenu
 
pI us hardiR par la 
nitp? 
Dans Ips capitalcs d'Europp, les r('coUl'S pour flagran
 (]f
lits 
sp d(>l"Ïdent par nn Commis.sail'e de Police et sont rares par lïntC>- 
r(ìt mf>mf' de la hasse clasRe de se maintenir f'n honne rp]) uta tion'. 
)11', Ie ('omte da Barca lui même. ne m'a-t-il pas fait la distinction 
fl('s cas dont Ips plaintps Sf' rapllortM1t au )Iinistf'rp et de Cf'UX qui 
lll'lpM1dent dire'ctement de la P.olice? lA's fla'g'l'.ans d'él.ïts Pìant d(' 
('Ptt.f' dernierf' class(', jp m'étais adrl'ss(
 .a I'Intendant pour fIemandpr 
s
ttisfa'CÌion ('IU lut rapellant un dpvoir 'quïl lit' a vait pas l"empli 
pn "ers moi. f'e dern i('r mp re-pondit nega tiv('men t. Alorr-; spulcmpnt 
jp passais une X ote :;\finiRtf'rip 1I(', avec r ('XIH'pssion dp lllPs rpg-rcts 
(,t dp mps C'X(,U
('s. 
ont-cf' Ips f'xcusc<s qUf' ont l'pmuné la Hill' de 
)11', Ie ('omte da Barca? )Iais nn trait <If' génie dp cc dl'rnil'r, qui 
n 'aura paR pchap,pl' a \'ntl'e sag-aeité, ("('st la naÏ\'pt(í dp din' qlH' 
loa p
,inf' ('vrrp(.ti'o,nnC:'lle du pain f't I'e,au infJ.ig"ée aux enfallt
 dans 
Ips Jo)' coles, ll'f' se trouve pas dans If' code criminf'1 du Portugal C:'t 
du Brèsoil. commf' ,sïl \'oulait p.eindre {In pp-u dp ll)'ots, la douceur 
ct l'humanité de ce flprnipl'. 
lC'hacun dp nous ne doit-iI-pas aYOlWr, que gracp:,; aux tri{)m- 
]Jhf'
 d.'s 
ouY('raim; pt dps Xa tions comhin('s, la fiépuhliqup Eul'o- 
p(ípnnp ne compte plus dans son 
('in, a ucunp Puissancf' qui ait 
hps:o.in dp tf'nir un langage indécf'nt f't po'pulacier. pour r('hauss0r 
d'un ton dp 
Iaitr(' la pr(\pondérancp qui lui pst d(íyohll', ('f'pendant 
If' IH'ocP-d(\ dp _\[1'. Ip Comte Qa Barca. Ip stylp de sa Xotp mf'ntio- 
'11(íp, spmhlC'nt rap])plkr dl's syst.
ml's, si ('(' n'p:o:t df's p)loqn('s, qui 
I'n Eurol)(> np ])ollrrai('nt plu
 Nrp a l'ahri du ridicule ou dl' m(>pris. 
Famlrait-iI attrihupr par hazard Cl' ton insolitp a un nou"pau sys- 
tpmp dp 1Jlpinmatif' iny('nt(\p par 
Ir. Ip Comte dp Barca pour ct'- 
1(\/)1'(>1' PErl' ('aprieornÏl'nnp? )[algrð tnutf'S c('s. s.uppositions 8 \leun 
dp )[l'ssÍf'urs Ips mpmhn's fIu 
 'orps niplomatil1uP nl' sera loin 11p COl)- 
vl'nir a,'cc Illoi (1UC Ips Rl'ntinwnt:o: de bonté pt Ips princip0S rl'li- 



DO
1 JOÃO VI KO DHAZIL 


849 


termo á missão de Balk-PaleH, neganda-Ihe de então em 
diante e par motivo do desacato cornrncttido adrnissão á 
regIa presença. (I) 


giellx de 8. 
l. T. F. sont tout a fait en contradiction avec les airs 
d'al'l'ogance, si ce n'est pas quelque chos.e dp plus, adoptps par son 
ßIinis.tre. '
.i néanmoins I-e )linistre de ]a Puis
anc(1o anpll"e,s .de lalque.IIe 
en réside, y10ulait Bans pOSt2r des bornes .fixes et C'0il1 venues pal
 la 
eivilisatlon 1>'Our' entenl.tre les mots, intE'rprêter a sa guise et juger 
en dl'l'nier r('ssort arbitrain'ment de la fa(:on dont une Note dolt 
etrf' réùi
t"e, l)Our ne pas lui d{>plaire, ou en sprait Ie Corps Diploma- 
Hque, ()'bligé .de sÏntfol'mer au thel"lUometre dl'
 capricl"s, d(1o l',infir- 
mit'é et des ,aIH'urs paralytiques, la dos), et Ia. m2s.ure qu'U faut 
donner aux termes et expressions des Xotes ministerielles? Enfin 
::\Ionsif'ur, pour ne plus vous retpnir sur un 8UjPt am;si mpsquin 
pa'r Ie fonds, que dpplacé f't indécent par Ips fOrlif'S et procéùps de 

[r. Ie C{)mte da llarca, j'aul"ai l1wnneur dr Yaus assur,er que I.e 
senl 1'eSIwct pour 1<> devoir d'
\mhas:;adeur rpmpIi et I('s {>gards dus 
a la pf'rsonne de 
a )Iajesté, m'ünt rf'tpnu dans If's 1)o1'nes d'un si- 
1011'<'e respf'ctueux. .rose donc me flatter fJ.u'('n approuv-ant 1a mo- 
oI.h.ration et Ie C'alme dont j,p. mC' ,suis fait jnSoqu'a pr(>.sent unp 1.'01, 
YOUS 11'e pourriez, ('0 vis'ageant la d'Ïgnitp du l."a:racter"! D1pLomatiqup, 
que désaprouvpl', si je me fusse rf'nfprmp ut:"sormais dans une ahné- 
gation totale des d1'oits et prérogatÏ\Te
 qui app.artienn0m<.'nt .a cha- 
cun dp nous. Ainsi pour ne laissf'r ripn iguorer f1p ma 1'''80] ution, 
.if' vais l\[onsi0ur, apres avoir protest6 par ma Xote a )11'. Ie Cornt.' 
rIa Harca, solli<'Ïtpr de 
. 
I. T. 11
. une satisfaction complete de 
l'afifront f'x('reé Ciont1'e moi pa,r son 
Iinigtrf', ()uant a sa no,te du 6 -18 
)1ar8 que je n'ai rpçu par l'habituùe inv('t(iréf' ell' dcso1'dre que It, 
f;: --I
S ùu mêm n , mois a mi'l1uit et dpmi -co mai:;;'on tierce, apres avoir 
l'nvoyp df' mon clÎté cpIle on je sollieitais du Hoi I'audi('net:' en qua- 
Iité d'Amhassadf'u1', je n'ai pas hesoin d'a.iout('r, qUf' np pouvant 
trouve1' place dans aucuno 
\rdlÏ\'e DipIomati(lUe, pIlI' sera ren- 
vOYt'(, a ('('1ui qui l'a dicté(' et sans Ie moindre comml'ntaire. Venil- 
Ipz done hien, )IonsiNlr, en répondant a l't'mprl's
emf'nt que j'ai 
òe communiquel' Ie systeme df\ proc(>dps 
mid contre moi, f't Ie 
c'aractere de mt's dt'ma1'ch('s, tl'ansmettr(' a yot 1'1" Cour par Ie pa- 
qUl
I)Ot de ce 1110is ou par la IH'l'miprp occasion .opportune, Ips pi('ces 
justifica tin's ainsi quI' la Ipttrp quP fai I'honn('ur de vous adrl'sser. 
En ambitionnant vot)'f' suffra
(', dans unf' causf' ou 1'in- 
fra('tion dps l>roHs I't pr(orogatÏ\'ps d'lln )lp111hrp du Corps Diploma- 
tiqup touc'he ue pres son I'nspmhlp. j)f'l'mpttpz de vous offrir J'assu- 
ran('e dl' la com;ideration )a plus distingupp, ptc. 
(11 0 abaixo assignado f'tc', dirig-e-sl' U 
, Ex. 0 Sr. Pedro de 
Hall\:-Poll'ff, Emhaixador I't('. para )he faz<>r ('onstante <JUl' H. )1. F. 
vinlmt'ntl' 'offendido do dpsacuto (1\IP Y. Ex. Ihl' ff'z na alH1Ït'n<'Ïa 
partieu)ar <tIll' HIP ('on('pdf'l1 PIll a Xoitf' do dia :!O do corrente. tnmou 
hmna rl'solw;ào (proport'Ïonu(la a 
ra\"ida(lp da off('nsa e todavia 
moclifkada })p)os spntiuwntos Ùl' psppt'ÌaI ('onsidpr;.tc:ào f' Ilmizade 
tjlH' telll pol' H. )[. 0 Impt'rador) (ll1al be a de não admittir a S, Ex. 



8:>0 


]JOM JOÃü YI NO BRAZIL 


N ada mais restava ao impetuoso e irreverente diplo- 
mata do que pedir seus passaportes, que Ihe foram sem tar- 
dança concedidos. A 24 0 conde da Barca transmittia em 
circular ao corpo diplomatico acreditado no Rio copia de 
toda a corr'espondencia trocada. 
o desacato em questão consta circumstanciadamente 
do curioso officio de Balk-PoleH ao seu chefe Capo d'Istria, 
reproduzindo em forma dialogada a audiencia real de 20 de 

laio. Qualquer narração que d'esta entrevista se quizesse 
tentar, se não poderia approximar em ver'dade e chiste d'essa 
conversação por assim dizer tachygraphada e na qual se 
sente de urn lado toda a ira, contida pelo respeito á magestade, 
do diplomata 'escarnecido e raivoso, e do outro lado toda a 
bonhomia velhaca do Rei, esquivando-se, encolhendo-se, ter- 
giversando, contemporisando, para no fim, com um
l só 
phrase, assumir inesperadamente a responsabilidade da situa- 
ção e tornar impossivel 0 prolongamento da conversa, dei- 
xando 0 interlocutor perplexo e a descoberto. 
Com.eça Balk- PoieH por informar que expressou ao 
monarcha a satisfacção que seu Amo sem duvida experimen- 
taria ao saber do restabelecinlento da tranquillidade nos Es- 
tados portuguezes. 
HEl-Rei - Não duvido do interesse que toma vm:so 
Imperador por quanto me diz respeito, mas 0 boato que correu 
é falso. 0 encarregado de annunciar qualquer boa nova 
segundo urn signal convenci-onado, enganou-se tomando urn 


df' hoje em diante a sua .\ugusta Presença até qUf' haja df' comÜar 
n'psta Côrte a decisão elf' 
. )1. 1. gobre 0 mC'ncionado desacato, e 
sua davida satisfação. 
o abaixo assignado ha venda agsim cumprido as ordens f'X- 
pr("ssas de EI Rey spu Amo tern a honra df' repetir a S. Ex. 0 
r. 
Ppdro dp Balk-Polpff Os protC'stos da sua mui distincta consid('ra- 
c:ão. Palacio do Rio de Janeiro ('m 

 de Maio de 1817.-Conde da 
Barca. 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


8.31 


navio inglez pdo que se espera de Pernambuco; mas é urn 
born homem. Sabeis que a revolta dos meus subditos me 
causou grande pezar ? 
Eu - A:Credito, Senhor. E' mister, porém, esperar que 
breve estará apaziguada a rebellião, com tan to que Vossa l\la- 
gestade ao lado do gladio da justiça haj a por bem empregar 
a clemencia que 0 caracteriza. 
El-Rei - Sim, sim, mas é preciso castigar. Como ides 
de saude? 
Eu - 'Graças á bella estação que presentemente atra- 
vessa a capital de V ossa 
lagestade, até os enfermos pas- 
sari am bem. 
El-Rei - No emtanto 0 clima da Europa vale mais 
que 0 da America, hem! hem! 
Eu - Sem duvida, Senhor, é mais proprio para Euro- 
peus, mas no meio de uma natureza como a do Brazil, com 
melhoramentos a capital de Voss a l\Iagestade, que descança 
sobre urn terreno humido, tornar-se-hia saudavel. Senhor, 
eu penso que seria necessario resolver-se V ossa 
Iagestade 
a tomar medidas para povoar seus vastos Estados com colonos 
europeus, ,ern lugar d'estes negros que são o'bstaculos mais do 
que meio de civilização. Ousei dar expressão em termos ge- 
raes a semelhante voto no meu discurso. 
El-Rei (sorrindo) - Ainda hoje entrou urn navio tra- 
zen do 400 escravos. (Depois de uma pausa) Sabeis que duas 
embarcaçães inglezas se dirigiam para Pernambuco com 
armas e pol vora ? Que pensais d' isso? uma dellas foi levada 
para a Bahia, hem! hem! 
Eu - N'um paiz livre e constitucional como a Ingla- 
terra, é impossive! impedir as especulações dos particulares 
de qualquer genero que sej am. 



852 


DO)! JOÃO VI NO EUAZIL 


Apoz urn rn'Omento de silencio, roguei a Sua l\.lagestade 
quizesse ouvir-me em particular, pelo que foi despedido a 
criado e assim comecei: 
Senhor, Vossa l\lagestade teve a prova da satisfacção 
que experimentei em cumprir urn dever que só the poderia 
ser agradavel, pais que rneu Augustissimo Arno só m'o dictou 
para comprazer a Vossa l\lagestade, que porventura ignora, 
porélu, que se esqueceraln COill relação a nlim de muitas das 
formas usadas n'essas especies de embaixadas. 
El-Rci - Sim, fiquei muito contente con1 a embaixada 
e con1 0 vosso discurso. Escrevei ao lneu l\linistro. 
Ell - Foi precisan1ente 0 que fiz, mas COIn urn vivis- 
sima pezar de ter sido forçado a protestar, sabendo beln que 
as intenções de Vossa l\Iagestade não eram de que eu tivesse 
razão de queixar-me; tanto mais quanta V ossa 
\lagestade 

m pessoa, fallando COIn 0 cavalheiro Villalba, lnanifestou 
que seria inconveniente reunir a audiencia ao embaixador e 
a funcção de grande gala. 
El-Rei - Oh! sin1, a cavalhciro Villalba fallou-me 
muito de vós. Escrevei ao n1eu l\Iinistro, hem! hem! 
Ell - Não deixei de protestar, como era do meu dever: 
além de que nenhun1a5 precauções tinham sido tomadas para 
que eu pudesse chegar ao Palacio; fui assim obrigado a espe- 
rar uma hora no sol e no pó. 
El-Rci - Estavam as tropas, hem! hem! 
Ell - Precisamente, Senhor. 
El-Rci - Lord Strangford passava pelo ITIelO d'ellas; 
(sorrindo) eu tinha-Ihe dado permissão para isso. 
Ell - 0 respeito que se ten1 na Europa a tropas forma- 
das diante das janellas do seu soberano ter-me-hia vedado 
romper a fileira dos soldados de Vossa 11agestade. 



DUM JOÃO VI NO BRAZIL 


853 


El-Rei - I-Ic;:!.! hem! (I) 
E u - E' tambem com profundo sentimento de magoa . 
que me vejo compelli'do a solicitar de Voss a l\lagestade uma 
reparação como a pode e deve d'esejar aquelle que tern a 
honra de representar seu Augusto Alliado e Amigo. D l\Ii- 
nisterio de Vossa l\Iagestade fez-me un1a offensa que cara- 
cter representativo algum saberi a supportar, não sómente 
devolvendo-me uma Nota por min1 dirigida, como escreven- 
do-me uma ern resposta cujo theor não me é dado soffrer 
(je ne suis pas fait pOlir entendre). Si Voss a l\Iagestade 
me dá licença, atrever-me-hia a ler-lhe a nota que me foi 
restituida. 
El-Rei - Lêde. 
E corn effeito Ii a nota cuja copia transmitti ao Sr. 
Conde de N esselrode, ajuntando: Quanto á do Ministro .de 
Vossa IVlagestade aqui a tenho sellada para ser-}he restituida 
como documento que não acharia lugar ern archivo diplo- 
matico algum. 
EI-Rei - Dh ! mas tendes tanta facilidade para as 
linguas? Comprehendeis 0 portuguez. 
Eu - J á tive a honra de assegurar a Vossa l\Iagestade 
que não sou feito para comprehender 0 estylo da nota do 
seu l\Iinistro, ainda que comprehend esse a linguagem. 


11) "Os lIrn1. hcm tão rep(>titlo
 sao urn hahito muito fnmi- 
liar a H. )f., que 0 emprf'ga com a maioI' fr<>Quenria. 19. pOl' Sf'stro 
ml'
mo, (' :!!? ou para confirmar 0 qu(' acaba de dizpr, oU para e
- 
timnlar 0 fI'-4Kf'ntimpnto das pes'sloas cOom qucm con versa." (01Jficio 
de :\la]('1' a Hiche'lil'll df' :!4 df' )Iaio elf> 1St.). 
'('Kte officio teve 0 
t'n('arrpg'n(]o ell' nf'g'ol'ios <130 Fl'alH:a pnsl'jo <1l' f'Scl'pv('r, a proposito 
(la, l'I:'Íprpn('ia <11' Hom .Toão iiK f'mhal'ca(:õps ing]pzas quP tentaram 
nju<1ar a rcvolu<:ão pl\rnamr)Ucana com nrmas e provisòPK. não s<'1' 
o monarcha "t1'es porN; 110ur r.\nglptf'l'l'P <,n g(-n{-raJ." Outros muitoR 
ac<,usaram 1)01']0 ('on trario 0 Hpi de granùt> parciaJidad<' pCla Grit 
Brf't:mha, provanùo appnas of'sta ùivc>rgpncia dp opiniò('s on teste- 
Illunhos quP 0 cspf'rto 
oh('rano seguia nma poIiticfl sua on nacional 
<', lluan{]o {lcompnnhava a politic-a inglpza, () fazia pOl' s('r a que 
n',('s
e ('a.
o mais clYI1\'inha ii dJ'lul
t.ia e ao 'Paiz. 



8.34 


DOM JOÃO VI KO BRAZIL 


El-Rei - Escrevei a respeito ao meu lViinistro. 
Eu - N ada tenho que the escrever sobre 0 assumpto, 
e é sern commentario algum que the restituo sua nota para 
não irnital-o De resto ell a não seria digna de ser posta entr.e 
as rnãos de Uin soberano: quando muito pode ser deposta a 
seus pés. (Ao cIizer isto, effectivamente depuz 0 envolucro 
aos pés do Rei, e prosegui). Ella ahi perrnanecerá até que 
eu tenha a hon
a cIe cIespedir-me de Vossa l\lagestade. Ouso, 
ao mesrno tempo, affirmar-vos, Senhor, que é com verda- 
deiro cIesgosto Que me vejo forçado a implorar de Vossa 
l\lagestade satisfacção contra 0 seu l\linistro, pois que injuria 
tal não a poderia mesn10 tragar urn gentilhomem russo, com 
maioria de razão urn l\linistro. 
El-Rei sorria e repetia: hem! hem! 
Ell - E' com tanto mais dôr que me acho reduzido a 
semelhante extren1idade, quanto n
o me seria licita desempe- 
nhar 0 encargo ulterior de apres'entar outra credencial senão 
depois de Voss a l\lagestade n1e haver concedido a justa rrpa- 
ração que lhe peço. 
Passo aqui sob silencio duas au trez referencias que se 
intercalararn de modo imprevisto no thema capital da con- 
versa: a :questão de un1 tratado ùe commercio para substituir 
o caduco, -ao que respondi negativ
llnente; a gravidez da 
Rainha da Hespanha e a continuação cia sua epilepsia, pelo 
que exprimi .esperança de que talvez 0 parta de Sua l\lages- 
tade fizesse cessar a epilepsia (hauL-mal) J" final mente a bel- 
leza da Infanta menor, sobre que me havendo interpellada '0 
Rei entendi dever responder-the que a Infanta era mais urn 
anjo que uma mortal, etc., etc. 
Fallando de sua filha a Rainha cia Ilespanha, disse-me 
El-Rei que esperava uma Princeza cia Europa, mas receiava 



DO
I JOÃO VI NO BRAZIL 


855 


muito que os acontec:mentos de Pernan1buco se eonvertessem 
n'um obstaculo á partida da Archiduqueza, caso lá chegas- 
sem noticias dos mesmos antes do 'embarque. Apenas podia 
responder lisonjeando as esperanças de Sua l\lagesta.de. 
Quando .de novo solicitei satisfacção contra 0 'Conde da Barca, 
EI-Rei disse-me sorrindo: 'Sabeis, porém, que os l\1inistros 
não são mais do que os executores da minha vontade. 
N unea duvi'dei d'isso, Senhor, repliquei. E' assim que os 
deseja 0 Corpo Diplomatico residente j unto a Vossa l\Iages- 
tade, 0 qual entretanto não cessa de louvar Vossa Magestade 
e abençoar seu destino por ter a dita de approximar-s'e d; sua 
pesS'oa, mas só 'pode queixar-se do seu 
Iinistro com perfeita 
unanimidade. Eu proprio que presto tributo ás virtudes de 
moderação, de equidade e de clemencia de Vossa l\Iagestade, 
traços que me trazem á lembrança 'Os do meu Augusto Amo, 
não posso suppor que em qualquer dos actos do seu Nlinistro 
de 'que me queixo, exista parcell a alguma da vontade de 
Vossa IVlagestade, aliás incompativel com 0 que se assemelha 
a urn systema que não poderia ser 0 de Vossa l\lagestade. 
Eis 0 titulo que mais me auetoriza a solicitar uma satisfaeção 
contra 0 seu Ministro. 
El-Rei - J á vas disse que a tereis. 
Retornando () envolucro deposto aos pés do Rei, retirei- 
me saudando segundo a etiqueta." 
Refere em seguida Balk- PoleH que 0 "suffragio una- 
nirne" por eUe obtido sabre 0 objecto e estylo do seu protesto 
cOlnparado conl a nota do conde da Barca, mostra sufficien- 
ternente "de quel côté est la justice de la cause et la regu- 
larité des formes et convenances," ao mesmo tempo que 
convenee pelo que toea á maneira usada na côrte do Rio 
com 0 corpo diplomatica. 



S.3ß 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


Vale a pena, para complemento do incidente e melhor 
comprehensão do meio diplomatico do momento, buscar n1. 
correspondencia de Maler 0 eHeito produzido entre os agen- 
tes estrangeiros no Brazil pelo extraordinario episodio. :\Ia- 
ler, concordando com 0 processo progressivo, indo da adver- 
tencia á devolução da nota, que Balk- PoieH dizia ser para 
casos taes 0 diplomatico, não se furta a applaudir 0 primeiro 
protesto do representante russo, contra a restituição da nota 
relativa ás suas reclamações particulares, considerando-o "ré- 
digé dans Ie vrai esprit qui doit guider tout individu appellé 
a reInplir de si hautes fonctions", e cmno unl testeInunho 
authentico de que 0 embaixador soubera perfeitanlente "con- 
cilier les égards qui sont dus á S. IVI. '1'. F. avec la dignité 
du caractere réprésentatif dont il était investi par S. 11. 
l'Empereur Alexandre". (I) 
A 22 de 'l\Iaio transmittio 0 encarregaJo de negocios 
francez ao dnque de Richelieu 0 resunlO de uma entrevista 
solicitada por Balk-PoleH e na qual .este the HarrOD miuda- 
mente todas as suas queixas do conde da Barca, para que 
d'ellas pudesse ser informada a côrte franceza. Foi ahi que 
l\1aler, pretextando não querer fiar-se tão conlpletamente 
en1 sua memoria-"quand d'apres la nature de ces cOlun1uni- 
cations, un seul mot changé, ajouté ou Oillis devait occasion- 
ner une erreur sensible .et une faute grave"-lhe suggerio a 
idéa de uma circular que Balk- PoieH disse de resto estar 
já redigindo. A resposta a essa circular, quando para eIla 
houve ensejo, não satisfez no emtanto lTIuito 0 embaixador 
russa que a desejaria ainda mais formal e ahundante, ao que 
1\1aler se excusou comquanto reconhecesse serem-Ihe com- 


(1) H"
'pu:-;.t:l a. Balk-Poleff dl" 
o d0 
laio de lSlï. 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 



57 


muns as recriminações contra 0 modo por que a chancella- 
na do Rio tratava os diplomatas estrangeiros. (I) 
N as ulteriore
 informações que prestou ao seu governo, 
censurou asperaIl1ente 0 agente francez a deInora soffrida 
por Balk-PoleH em plena rua no dia da entrega da creden- 
cial, e quanto á resposta de Barca ao protesto a tal respeito, 
achava injustos os qualificativos en1pregados pelo l\Iinistro, 
quer applicados ao caso, quer consi,derados em geral. (2) 



 1) "Yoie!, '
I'ons2igneur, oùans quel sems ray crn devoir r
- 
pondre. La conduit
 dp Mr. Ball{ avait t't.. irregulierp, et lui ,avait 
,;t 1 tirl' <1,'9 S(','11d tl('
agI'P:1ble
', èt'l)e11,ùãnt la ICour dl1 I
ol'tugal ayant 
)1:11"11 :1ycÏJ' ouhlÏ.. Ie pas
I'. If' r('(
oit, rn 
a nou,'e;lle :qualitp Id'.-\mbas
a- 
dl'lIL': 'IlIll ait ull 110n rais'l)ll .tlp protl:"st(
r eontl"f>j Ie jonr et 1:1 nwnil'r'I' 
dunt il a ..tp rI'C
U, )(. '-'Iylp tIp ('pHe pÍl
I'P pst lloh]p f't ('nnvf'TI
lhll', 
jp n'lwsitl> }i:1S a \'3\'0\11'1' (,t a appl:1ucli1' aux ,'i('ntiHlPIU
 (IU'H ã rua 
nifp
té alor
, C:1r iI a oht'i }Jour ]/Iail'(' :l 
. 
1. '.'. .,' pt H ]Il'otp

1è 
tlJIL'l'S an"I' dig-nilt' }lour l'011S[,I'Yl'r int:lf'1p:4 I('s U
à
(,
 et It,
 dl:>- 
tinc.tions a1 t:lI'h.'ps a ('P haut ('al':ll'tere,..,. 
Lf' \lilli
tl'(, flp
 l'ays Has pt II' eharg-I' (1'.\ff:lÏl'('s ù'EsJjnglli' 
Ollt dOllllé 11'111':4 l'I'l'OJlSf'S 1.,III's IllH' .:\11'. Balk a1lrait I"' h'
 dl;:-;il'l'I' : 
il p
t {>gali'lll(>nt t1'PS sati"tait dl' ('pill.' Iln f'llargt; tI'.\ff:lirl'
 1I'.\n 

1('h'I'l'P, au l'e::-:te ray la ('('llp ei pt la tl"ullV(> a::-:spz adroitl'. 1.1' 
I i 
Jli
tl'(, dp
 Etal:-; fTni:4 n'a l'oint 1'111'01'1' 1'1')lOIHlu 111 a is d'<1)1I'p::-: ('
 
(!lI'il JH'a lIit. 
ur It.
 pil'('PS (Il> ('I' dPllll'lp, j(> 1'\1li
 fondI' ã I'J'uil'.-' IlllïI 
:1)l11I1YI'I':t \[1'. Balk,.... 
:\11', Halk :J de I'PI'\Ju'it ruai::-: it lllaJIIIIIP tll' bon 
Pll
 I't ('n 
1'1':-\III11P It' ('OI")IS I )iplomatii{llp Ilans ('I..' pays 1H' 1"'u1 f,tl'e ::-:atisfait 
II
 In lllanil'l'(> don1 iI ('I'\t tl'ai1l
 1'1 1/(':lIICOIIJl llloinH (1.. la (liftï('ulti' 
tJll(' nOli" (
pr(j,u \'ons a l'l'("l'vo,ir ÙI'::-: l'Ppons.,'s :lUX Ih'm:nHles II's pI ns 
.ÎII:-;tl's 1'1 qlli dl'vl'ai(>lll 1'1'l'Iallll'r 1!lH'lqu(> 
H'ti\'Ït(' <11' la part Ilu 'Ii- 
Jlistl'L'(>. hlllividul']JPlIlPllt si jl' n':lY pUS :l llW 10lwr sous CI' I'ap}JlIl't. 
.ïay JlI'lIt P11'{' nloins a Jllp plnindrl' IILlP 1111'S ('U]J"g-lII'S; II' l'hal'g-è 
fl'.\fl'air(>s d'.\Ilg-lptpl"l"1' UlP (lisait it 
. a. trl's IH'U tip jours (IUI' son 
(:OIl\'pl'IWmpnt troll\"l'l'ait s11 pOllvait Ie II{
::-:ir(>r aSSl'Z de grÍl'fs pOUL' 
dt'dal'l'L' la glll'rrl' ; 'P 'ut fo11'(', 1:\lonsl'ig-neul', CI't (
tat t1èS ChOSl'S 
partkilH' un pl'1I <II' la eOllll'o:-;ition 1)('('1'''''1111' du 
[jni::-:terl', mais j
 
('l'ois IIIIuvoil' ('111'01'\' rapl'l'llt>l' ('I' quI' fa,\" donni' a o{'ntpIHlrl.' il 
'a 
Iongfplllps, 1'1 c'('st quI' Ia Jlolitiqll(> de ('('tte Cour Huit p('u amlloglil A 
asps forc.('s. a 
:1 puissance r(-ellc l't a sa position:' (Offil'io Ùl' :!:! 
<1(' .:\Iaio de t
1ï), 
(:!) 
ohre u dO:;tI('ato a
 reflc
õcs Ill' 
Ialer são òastante ju- 
dil'Ïo
as: ",T e 1'PSIH'cte trop ('orùia]P111l'nt, trop SCl'lIPUll'USeml'nt h'
 
J{lois I(-g-i tinH.' S', je me fais tl'Op natureII.ement un de\'oi;r ùe rendre 
hommag'e a la hontl' ver
onlllelle de is, 
I. Ie not de Portugal, pour 
avuir Ie moÏlHIl'l' (Iout(' pour me peL'llH'ttre la plu:,: ](-gere hésitation 
sur l'incarlaùe dInt il se plaint;". Cependant, comll1
' I
, 
r. ne 
D. 1. - 54. 



858 


DOM JOÃO VI NO BRAZ[L 


De facto todos as diplomatas, ::\Ialer e Chamberlain 
como 0 ministro russo, nutrianl disposições pouco benevolas 
para com 0 governo portuguez, antes u aborreëendo sem 
excepção, no que traduziarl1 fielmente os sentirnentos dos 
seus respectivos governos. Assim apreciado, 0 incidente 
Balk-PoleH recebe a expressão do mau hUlnor reflexo, la- 
tente e geral d'esse mei'O todo especial, sentimento devido a 
uma multiplicidade de causas. A occupação de 
Iontevidéo 
sobretudo indi-spuzera com a côrte do Rio os gabinetes euro- 
peus que não queriam, apoz tão longo periodo de guerras 
quanto 0 napoleonico, abrir ou ver abrirem-se novas I uctas 
como a que se ensaiava entre Portugal e Hespanha; se ti- 
nham desgostado todos com a recusa de Dom J oão de trans- 
portar-se novamente para a Europa, e se mostravarn assim 
já ligeiramente ciumentos da inlportancia que poderia alcan- 
çar 0 Novo 1\1 undo, com suas novas nacionalidades e dynas- 
tias tradicionaes, seu progresso importado e seus recursos 
naturaes. As metaphoras do abbade de Pradt são 0 symptoma 
litterario d'esse estado d'alma enl que 'pouco inclinados se 


di;
ib'1H:' ni n' indiqup 1ïne3 rtnd!', je me }JPl'ml'ttrai un petit COlllInen- 
tairp, ou qUt'lqup
 l'pfl(-'xion!';, .J p ne }Jui!'\ ('onl'pyoir <}lwl a (>t(o Ie lint 
ell' 1
1l", 
B311{ ..n rd('pOS;\'ut une note aux pied
 du Hoj ! Tout a'll pIu
 
..i }Jarpi1lp [}.iab'('l',j.e !'\Pl'a.Ït l't't;UP pt adomis
 puur I,es Hoi.s Ipt pllur 
Ips 
\ml>assadeurs que nos bisayeux pouvalent mettre sur Ie Theatre; 
('t appai'emnwnt (IUt' JIr. lIe Balk aura mis trop dl' vinH'ité dans It' 
mOUVpIllPnt d(oja si !'\ing-ulipr par lui mt'ul\' <lp mettl'l' aux pil'd
 <11' 
H. )1. ('Pttp not,(', Jlais jp n'Ill'sit" pa
 a pulJlipr que l'l
 n'ptait pas 
<Iu tout l',intt'ntion ele ct'Iui-ci dl' manqueI' au 
oun'l'ajn, de Ie clIO- 
flUN' eu d,p lui faire de Ia 11 ',inp ; 
J'ay préc
,l('mnh'n t f,lit connaitl"c 
avec impartialitp ]n mallwurpu
p, I'incon!,\(i(llwnte facilitp de 1\11', ùe 
Balk a se ]wrml'ttre dp
 Rar<:,asnH'S et (IPs diatril)('s; mai!'\ jp doh; 
a ]a vprité d'ajoutpr l}uïl a toujours (>tp rE'
p('ctlwux l'llvprs IE' Hoi, 
E't mêmp qu'il s'en <'fait fOl'IllP unp opinion ju
t(' et fa\yorahh'. .Ie 
d.éclarp do.ne que Jlr. de Salk n",a Hé .a la <:':llllpagrw ,du iIt/oi Ie :!O, KJue 
dans r'intpntion ù
 lui faire des ('tUlll]}limens: de ,feHcitation, et qu'a
- 
spz mal a \'i
é pcm" rfaire ses eompliuH:'C.1
 sur un événemcont dont :a 
faU
8eté était dPja rpconnUl' ]mr ]es ppr
omH'S spns(>es, il a pif:> 
RSSPZ moahlùroit l'ontl'e son gr,'. ('ontrp sa yo]ont" pour offl'nser Ie 
U
1 \Uffi('io ùe:!3 de :\laiu Ù(' 1
17.) 



DOM JOÃO VI NO BRAZIIA 


859 


deverimn 0$ governos fortes manifestar para favorecerem 
aspirações imperialistas de potencias menores e particular- 
mente de potencias americanas. 
As questões de etiqueta, que tão grande papel desempe- 
nham na vida diplomatica, contribuiam tambem muito para 
o mau hunl0r dos agentes acreditados no Rio de Janeiro, 
Que unifoflnemente se queixavarn das faltas de attenção de 
Que eram victim as da parte do governo, sem se recordareln 
das suas proprias culpas, porventura mais graves e de que 
era responsavel 0 seu commum snobismo. 0 embaixador 
extraordinario da Austria, conde de Eltz, esse a quem 0 
Rei, aliás sem enthusiasmo algum e apoz exigir d'elle uma 
memoria sabre 0 assumpto, emprestou 60 contos com que 
prover aos seus gastos e aos das duas fragatas do acompanha- 
mento da Princeza Real e salvar-se das gan"as dos agiotas, 
nem uma só festa dera em honra da côrte onde fôra espe- 
cialmente acreditado n'uma tão faustosa occasião. N as expres- 
sões de l\Ialer, 0 embaixador Eltz vivia incognito, dei- 
tando-se com as gallinhas, não visitando nem recebendo pes- 
soa alguma, de sorte que a sua comitiva era convidada para 
as reuniões e que ao chefe 0 punham de lado, como si nåo 
existisse. (I) 
Por vezes mesmo as des.attenções officiaes contra que 
clamavam os diplomatas, não passavam de meras ninharias. 


(1) 0 conde dE' Eltz, 0 barão de Hugel e 0 principe Fredf'- 
rico de Ia Tour e rl'axis partiram a 
1 de Maio de 1818 em navio
 
austriacos, sep;uindo ao mesmo tempo na nau portugueza São S('- 
b(u;tiao as damas <Ia côrte de Vi('nna que tinham acompanhado ao 
Hio a Archiduqueza. 
\. bordo d'esta nau achava-se como aspirante 
0. Luiz Maria da Camara, mancebo de 27 annos, da casa dos COTI- 
des da lUbeira Grande, nomeado conselheiro da emhaixada t'm Pà- 
riz e de quem )[aler f'screvia (Officio de û de Dezembro de 181
.1 
Sf'l' destituido de conhecimentos e não parecer muito desf>jos,) de 
a.dquiril-os, podcndo-se adiantar que seguirft machinalmente Hua 
nova cal'l"('ira Col110 seguia 0 movimento que outru:,; imprillliam i\ 
navegação do seu navio. 



860 


nOM JOÃo VI NO BRAZIL 


l\rlaIer fazia para Pariz quasi urn negocio de Estado do 
facto de Bezerra assignar a 24 de J unho uma circular rela- 
tiva ao adiamento da funcção de grande gala pelo santo do 
nOlTIe do Rei, quando só a 25 foi feita a communicação offi- 
cial da sua entrada para 0 gabinete. Un homme inconnu 
chama-o indignado 0 consul-encarregadu de negocios, ajun- 
tando: "J e trouve, l\lonseigneur, que Ie debut de l\Ir. Be- 
zerra dans son lit n'est pas brillant, mais comme je ne con- 
nais Ia politique chinoise mod erne que par l'ambassade de 
lord Amherst, je trouve toujours la copie bien au dessous 
de l'original". 
o juizo que, pessoalmente, l\Ialer e scm duvida os seus 
collegas formavam de Balk-Polcff era cOlntudo de natureza 
a contrariar toda a sua intencional parcialidade na defeza 
das regalias e vaidades diplOlllélticas. (I) "J e n'ay jamaîs 
voulu Ine lier avec l\1r. de Balk nlalgré ses avances, escrevia 

Ialer. J'ay cru devoir 111'cn tenir avec lui a de simples de- 
voirs de politesse car je voyais dans nos caracteres trop peu 
d'analogie." E n'outra occasião admitte selH alnbages que 
"1\1 r. de Balk n 'avait rieH fait j>rrsont'llflllcnt qui put lui 
rnpritcr un accueil en1pressé, il avait debuté avec in1prudence, 
avec légereté et avec beaucoup d 'indiscl
eti{Jn." 
o incidentc - affaire d;'saKrrable en [Ollt sen.ç
 segundo 
o caracteriza a linguagcm diplomatica du ten1po-deriva sua 
gravidade e interesse cia forma que a5sumio, pois que no 
fundo todo e1le se cifra n'urna rixa entre 0 
linistro de Es. 


(1) ...,. j(' n(' IHli
 m' pmppe!lI'r (It' (h'man(h'r ('l' qlH
 ell" 
vipnelrai('nt l't ]a naturf' rt'slwdahle par pIll' mfiuH' dl's functions d
 
plomatiqups pt tuut ('E' <llli SP rattal'lll" a la tlignitl; HI;prl

;('ntatiYG 
dE's 
oll\'('rains dans un(' COUl' (otrangl'rp, sïl n 'Na it point }H'l'lllis de 
protp:-:;tl'l' a YPC mod(;ra tion, a n't' nohl'l'SSP ('on trp ('P till ï Is })('nSI'I1 t 
avoir i'h; nt"'gligé a It'ur egarù, afin tIp t'onstatl'r <lU'lI11 pardI eXI'mple 
TIP puiss(' tirpl' a eon!';l'qlwne.p t'I np puh,;sl' Sl'lTil' de l'l'g-II' a ravcI:1
:' 
t Uffieio de :!
þ de 
laio tie un 7). 



DOi\l JOÃO VI NO DHAZIL 


861 


trangeiros, contra quem Balk- PoleH, Villalba e l\Iollerus 
tinham organizado Ulll triu/llt'virato J e 0 representante russo. 
A' desavença conservou-se alheio 0 Rei até 0 momento em 
que 0 diplomata quiz inhabiln1ente insistir em lançar as 
culpas tadas sobre 0 l\linistro e destacar a pessoa do sobe- 
rano, declaradan1ente para exaltal-a, n'uma irresponsabi- 
lidade quasi insultuosa pois que implicava da parte do mo- 
narcha ignorancia dos negocios publicos em andamento, e 
a admissão de abusos de grave caracter internacional a que 
se não extendia plenalnente sua auctoridade, da qual era eUe 
muito cioso. Apenas n'um regimen constitucional é licito 
rrsponsabrlizar 0 'ministro e isolar 0 Rei. Contra Balk- 
PoicH pesoaimente, Dom J oão nada tinha até então ou nada 
queria apparentar, tanto que acolheu perfeitamente a inter- 
venção bastante descabida e desgraciosa do encarregado de 
negocios da Hespanha na questão, e não se mostrou resentido 
com as primeiras incorrecçães do embaixador extraordinario, 
que as foi, porém, accumulando. 
"Le Roi naturellement bon, escrevia 
Ialer a Riche- 
lieu, sc prêta sans violence á accorJer ce qu'on lui deman- 
clait, (I) il a avoué même qu'il était venu en ville un jour 
dans la croyance que les ordres avait été donnres cn consé- 
qucnce, mais que Ie Comte da Barca avait oublié de Ies 
faire expédier; et c'est que la tactique de cclui-ci était nloins 
conciliante; il a cherché a retarder Ia réception de \Ir. de 
Balk pour se donner Ie temps de recevoir une réponse aux 
plaintes que dés Ie mois d'Octobre il avait adressées á Pe- 
tersl'ourg, et pour peu qu'il eût vu Ie moindre jour au bon 
accueil Òf' ses plaintes, il se croyait assez en force pour ne.. Ie 


ll) Heff're-sc .:\ralt'r :í df'IUOrada audif'ncia para f'ntrega ùa 
('rN}pncial de f'mhaixador, pela qual Sf' emppnhou confidcncialwl'nte 
Y illal ba 



, 


S6
 


DO:
I JoIn VI NO BIL\ZIL 


point admettre. Cependant le II l\lai ayant reçu les ordrcs 
du Roi, l\.lr. da Barca envoya chercher 1\lr. S\vertchkoH, 
Conseiller de légation russe, jeune homnle que frequentait 
trés 'intimement sa maison, et qui par cela même n'est pas 
bien vu de 1\lr. de Balk, et il Ie chargea de demander 
a celui-ci si l'audience pouvait Iui convenir dans Ia journée 
du 13. Mr. de Balk reçut aussi mal Ie messager que Ie 
message, crut Ie regarder comme non avenu, et en a fait 
plus tard un des aTticles de sa protestation." (I) 
Barca queria visivelmente desenvincilhar-se de urn per- 
sonagem antipathico e importuno e tratou-o em varias oc- 
casiões com menos caso, quando, por exemplo, só á ultima 
hora e á instancia reiterada do diplomata, the remetteu 0 
indispensavel ceremonial solicitado quasi dous lllezes antes. 
N a occorrencia do faustissimo 13 de 
laio Ihe não cabe, 
entre tanto, ao lVlinistro de Estrangeiros, culpa proposital, 
d'ella 0 isentaflldo 0 proprio l\lal,er (2). A' recepção do 
embaixador, que se seguio á audiencia real - na qual se 
ref-ere que Balk-PoleH fallou muito respeitosamente á Rainha, 
de cabeça descoberta-é que nenhuma das pessoas gradas da 
côrte compareceu, nem mandou sequer urn cartão. 
Esta circumstancia indica assaz a hostilidade que contra 
o diplomata havia, acirrada de certo pelo conde da Barca 
e a que ainda então continuava naturalmente de algum modo 
alheio 0 Rei. A prova d'isto está em que na audiencia parti- 
cular de São Christovão, na noite de 20, 0 rnonarcha não fez 


(1) Officio cit. de 20 de Maio elf' 1817. 
(,2) "Ce1a g'cst pas:8Jé SOUS, mes yenx, me tro.uvant da.ns l'an, 
tichamhre du Hoi avec S. )1., 1a famille royale et Jeur Cou:". Je 
crois devoir faire' sentiI' que ce n'est point du tout une picce flu'on 
ait vouJu faire a Mr. de BaJk, ce n'a été que Ja conséqucnce natu- 
rf'Ue de l'insouciance, du pen d',ðgard 'Qu"on a 'généraløment pour 
(Jui que ce soit." (Officio cit. de 2D de )Iaio de 1817). 



DUM JOÃU VI NO BRAZIL 


863 


allusão ao forte desagrado de que foi expressão a nota de 21 
(0 que ainda se pode cxplicar pOl' não haver tido até áquella 
hora conheciInento do protesto de Balk-PoieH dirigido a 18 e 
recebido, pelo que se disse, no proprio dia 20, á noite) e não 
tomou mesmo a principio muito ao tragico 0 famoso desacato 
de que Barca tirou tão grande partido. 0 positivo é que a 
Rei DOIn João recebeu, logo em seguida ao embaixador, uma 
pcssoa tão de sua pri vança como J oão Paulo Bezerra, "et 
1\.1r. Bezerra dit que d'aprés ce que Ie Roi lui a témoigç.é il 
ne paraissait pas être trés satisfait de 1.\111'. Balk, mais qu'il 
ne paraissait pas non plus aussi offensé qu'il I'a manifesté ". 
Si Bezerra não fallava assim pOl' opposição a Barca, 
teve este, ao que se vê, artes para persuadir 0 monarch a de 
que a opportunidade era excellente de livrar-se a côrte do 
Rio do incommodo e atrevido diplomata, pOl' urn "LOt/US fa- 
cicndi corrente, mas que 1\1aler entendeu todavia assim cri- 
tical': " Qu'il me soit permis en terminant ce rapport d'avan- 
cer man opinion particuliére. La Cour de Russie avait fait un 
trés mauvais choix, en nommant 1\11'. de Balk a des fonctions 
pour lesquelles il n'a pas la moindre bonne disposition. En 
voulant patienter et y mettre l'esprit de conciliation toujours 
convcnabl,e rien n'était plus aisé que de Ie faire rappeller, et 
trés certainelnent S. :\1. L n'aurait pu s'y refuser; au lieu 
de cela i\Ir. Ie Comte de la Barca s'est emporté mal a propos 
et a encore ,eu la maladresse de présenter lui même ce démélé 
par Sf'S communications, so us Ia face la mains favorable, de 
maniére qu'ayant raison dans Ie fond, S. 1\1. I. et les autres 
Cours pourront bien n'avoir pas a se Iouer des formes, et 
certes je Ie répéte, c'est être assez maladroit avec un adver- 
satre tel qUf 1\11'. de Balk." (I) 


(1) Officio cit. de 
!) ùe Maio de 1817. 



S64 


DUM JU10 VI XO DRAZIL 


o que mais notavel parece é que Barca, unl Inez antes 
de morrer, doente como já estava (I), tivesse tido ainda ener- 
gia para tanto. Da questão nada resultou; a côrte russa apre- 
ciou no seu j usto valor 0 conflicto levantado pelo seu agente e 
bem correspondido pelo l\.Iinistro portuguez. 0 ultimo echo 
do incidente encontra-se no officio de l\Ialer de 24 de J unho, 
enl que conlnlunica ter-se Balk- PoleH decidido a partir pOl' 
aquelle paquete, 0 que quer dizer que tcve de csperar urn 
nlCZ no Rio de Janeiro. Ao pcdido que fez ao encarrcgado 
de negocios da França de unl passaporte para si e sua 
conlitiva, respondeu l\Ialer com a renlcssa do passaportc para 
cIle só, pOl' haver sabido que 0 dcsastrado d iplnnlata ia partir 
aco1l1panhado de urn h0111el11 "perdu de reputation et criblé 
de dettes". 

lal se houve pois COIn esse enlbaixador e tonavia DOln 
João VI, como era natural, tonlava nluito ao serio a cathego- 
ria da representação diplomatica na sua côrte e folgava enl 
extrema com vel' ernbaixadores ao seu lado. A Inglaterra não 
Ihe queria dar esse gosto enlquanto a côrte não regressasse 
para Lisbna, mas á França, depois da volta de Luxcmburgo, 
tanto cmpcnho nlostrou 0 Rei qUf' a ') de N ovenlbro de 1819 
era nomeado ernbaixador nn Brazil 0 grneral l11arquez de 
Saint-Sil11on, 0 qual, segundo 0 111inistro de estrangciros 
Dessolles participava ao seu collega da nlarinha harão Portal, 
devia seguir eln navio de guerra. 
lJlna das razões, e não a nlennr, da deliberação fran- 
ceza foi que, devendo-se f'enovar em 1820 0 tratado anglo- 


(1) Em 1815, dOllS annos antes d'estc episodio, uma das car- 
tas de :Marrocos dava Rarca 8f'm VO:1. e Racramentado, informando: 
"
\ sua molf'stia he antiga, c e::;tá muito aggravada: dizem scr mo- 
1('
tia das f'ntranbas: (\11 n011(\ n:1o vcjo senåo inchação e tremulen- 
cia; e S. ..l. It. disse a lliinha "i::ita que elle já não podia assignar..." 



DO:\1 JOÃÜ VI XU BRAZIL 


Sß3 


- 


Iuzo de 1810, que os Estados Unidos guerreavam de fóra 
e dentro da praça Paltnella atacava, 0 ensejo parecia asado 
para obterem outras nações algumas das vantagens com- 
merciaes exclusivamente attribuidas aos Inglezes. 
Gutra razão .importante foi que, parecendo destinada 
a vencer a rebellião das colonias hespanholas, não seria de- 
sarrazoado ir tomando posição e, seIn dar propriamente 
1110stras d'isto 111Uito evidentes, estabelecer unl posto de ob- 
scrvação dande eventualmente se pudpsse entrar eln rclações 
cunl aquelles paizes cmancipadus. EIn casos taes é mister 
nladrugar. Saint-Sinlon escreveu a proposito unl nlCllloran- 
dunl (I) eIll que lcrnbrava que por se não haver prestado no 
Occidente a attenção devida ás primeiras aggressões contra 
a Polonia, ficara irremediavelrnente conlprOInettido 0 equili- 
brio da Europa, tão laboriosalnente preparado no tratado 
de \Vestphalia. 
A America IIispano-Portugueza constituia para a Fran- 
ça, que estavå sendo tão rnanufactureira quanto agricola, urn 
mcrcado de Illuito futuro, mas força era, na oplnlao 
do enlbaixador nomeado, começar pur Illctar contra a pre- 
ponderancia ass un lid a pe105 J nglezes, cuja interesseira ami- 
zade não parccia natural que Dom J uão VI pensasse enl sup- 
purtar indefinidanwf1te, Ulna VCL exhauridas pelos proprios 
Inglezes as provincias européas cia nlonarchia e assente 0 
throno no Novo 1\1 undu, virgenl de semelhantes tutelas, 
outras que as das suas metropoles no regimen colonial, e po- 
dendo dispc-nsar-Ihes a utilidade. Saint-Simon não compar- 
tilhava n'este ponto da idéa do lllinistro anlericano Sumter, 
de unla diplomacia menos complicada, que tinha 0 Rei por 
amigo cordialissirno da poIitica britannica. 


( 1) .\rl'h, (10 .Min. dos 
 eg. E::-;t, de Fran
a. 




66 


nUM JO.Io VI :KO IUL\ZIL 


Em tudo isto era a idéa intinla de Saint-Simon mostrar 
a necessidade de rivalizar em brilho a sua embaixada com a 
legação ingleza e assinl ohter nlaior aj uda de custo. Pen- 
sava elle, segundo 11lanifestava, em levar 11loveis de luxo 
para ass-im expor ao commercio brazileiro 0 esta-do da in- 
dustria franceza, e fazer-
e acompanhar de officiaes prati- 
cos e intelligentes do antigo exercito que percorressem 0 
Brazil e organizassem UI11a sua relação topographica, geo- 
desica, zoolo
ica, botanica, etc. 
Pondo de lado as illusões d'estes pIanos, Saint-Simon 
enganava-se de longe no tocante ás possibilidades do se- 
gundo por parte do governo do Rio, que the opporia a mais 
formal recusa. 
Iais ou menos por esse telnpo, a 17 de J u- 
nho de 1818, respondia 1'homaz Antonio á reiterada soli- 
citação de 
Ialer, de uma nova portaria auctorizando 0 na- 
turalista Saint-Hilai.re a viajar mais no interior .do Brazil, 
que apezar das prohibiçõès estabelecidas por inconvenientes 
occorridos e derivados da communicação estrangeira com 
as capitanias do Pará, Rio Negro e l\Iatto-Grosso, permis- 
são era concedida, attendendo-se ao born comportamento 
anterior de Saint-Hilaire, para percorrer as provincias do 
Espirito Santo, São Paulo, Goyaz e São Pedro do SuI, mas 
não a de l\latto Grosso (I). 
Com grande pezar de Dom João VI, Saint-Simon não 
chegou afinal na divisão naval franceza entrada a 18 de 
Agosto de 1820, que 0 devia transportar, nem veio jamais 
ao Brazil, nlercê das suas exigencias de dinheiro, comquanto 


(t) Tão pouco Ii hf' l'a 1 ('ra <1(' fado a franf]lIia òo ßrazil qllf', 
tf'nòo 0 ministro prnssiano. ('onde dp ]"lrmming-, lwdido lkpn(:a 
para visitar :\linas G('l'ae
. com l1Ill sPC'l'etario e um botani'co. a Iwr- 
missão sô a cUe individualmcntc foi dada para 0 lJistricto Dia- 
'mantino, com exclusão da sua comitiva, pelo que, despcitado, 0 di- 
plomata renunciou it projectada viagem. 



DOl\l J010 VJ 1'U BR
\ZIL 


867 


tivesse até nlanda'do tomar casa no Rio pelo conde de Ges. 
tas, que devia ter sido 0 seu secretario e ficara no Rio, 
avulso, desde 0 tenlpo da primeira embaixada. Tampouco 
alcançou a capital brazileira 0 embaixador nomeado em 
lugar de Saint-Simon, Hyde de Neuville; este porém por 
motivo do regresso da côrte para Lisboa, onde foi residir e 
ande desempenhou papel conspicuo nos r
ontecimentos poli- 
ticos que amarguraram os ultirnos annos de Dom J oão VI. 



./ 
 
\\"'\ 
"1 
. ,> }} 


... 
.!..
 
or I . 
(r 
'/ 


, J ,_5 
 I):r'


 ,. 
-' -' :,<,,: ..?""-. .'t1 . 
< ;tâ. '}j . y. 
",;-. . ,'" '2":4
 
'" ., '.".>= . 
 - 
'
J '.'>" .... . . 
· , · >)-^ --v . ''6 
 

 '4 
f) '=f- l.. 
. -
 
' ) 
jJ 



 \ 



 



 

.-1-' 
. f 
- 
 
,/ 
{ 
T 


'... 
....,'J 


.:ã 

 
{_
 I 
I,) 
1(";\ 


.JJ. 
, ,11 
, .....
 


#) 



 
:] 


,
 


\J. 
to 
'; 
 
j; 
..J. 
:J< 


,) 


.{ 


'" 


I 


t 
;.- 
,j, '" 
,;; 
e 
9 
.p 


,
 


I 


"5 

 



 . 



.... ... 


...-........l 


'\ 
) 
\ 

, 


I , 
., 

 


.
 


:.
o 



..... " 



\. 
,J} 

 
, j 


.
. è, 

 



 
<; 



 


/ 
Q a7'u
 



i Q ftl/
é
a 




CAPITULO XXII 


o CASAMENTO DO PRINCIPE REAL 


Entre as negociações diplomaticas do reinado aInericano 
de DOIlI J oão V] figura, c avulta entre os Sl'US succcssos 
notaveis, 0 casamento do Principe hcrdeiro Dom Pedro. 
Nãu, t'ntrt'tanto, que fosse òifficil n'essa parte InatriIllonial 
a Inissão do Inarque7 de l\larialva el1l Vienna. (2uando 0 
embai'Xador portugucz chegou á capital do Inlperio, 03 
obstaculos que tinhaIn parccido contrariar 0 enlace estavanl 
derrllbado
, e f('ito l'I1l NovcInbro de 18th 0 ajuste pelo 
enG1rregado de negccios, cOl1unendador R. Navarro de 
Andr:lde, persona gratissima á cÔrte austriaca. Não se tra- 
taVeL Illais do que pedir solelnneInente a nlão da Archidu- 
queza Carolina Josepha Leopoldina, redigir 0 tratado de 
desfcsorio, celcbrar os esponsaes por procuração e reeeber a 
futura soherana do Reino U nido de Portugal, Brazil e 
Algarves a bordo da esquadra portugucza que a devii1 
transportar para a sua nova patria. 
Essa união era mesnlO 0 fruto de unla ,"cIha cJlnbina- 
ção dynastica, que apenas razões pessoaes alneaçaranl UIn 
instante COl1lprOl1lettcr, e a sua realização caU50U no dizer- 



872 


DO:\t JOÃO VI NO BRAZIL 


que nunca seria outro-dos officios de l\larialva, gran de 
satisfacção á casa de Habsburgo-Lorena, na qual abundavaIll 
as Archiduquezas. A nobreza da casa de Bragança, a vastÍ- 
dão e apregoada riqueza do Imperio Portuguez, a propria 
garbosa pessoa do noivo, 'que já em 1803 dizia a duqueza 
de Abrantes ser a unica cara bonita n'unl concurso Illonstro 
de fealdades em que "c'abiam os primeiros prenlios ao Principe 
Regente e a Dona Carl0ta, faziam pdo prisma palaciano 0 
consorcio p:necer particularmente auspicioso. 
Ficou viva entre nós a tradição da extraordinaria do- 
çura da Imperatriz Leopoldina: sua intelligencia e instru- 
cção constam das memorias do tempo. Assim que ficon 
decidido seu casamento entrou, com toda a consciencia de 
uma boa allemã que toma ao serio suas obrigações, a estudar 
não só a lingua portugueza, como a historia, geographia. 
producções, etc., do paiz que ia adoptar. Especialmente affei- 
çoada á mineralogia e á botanica, logo fallou em carregar 
para 0 Rio uma collecção mineralogica e acclimar no Brazil 
differentes plantas européas, exultando com a certeza qUt:, 
na sua mendacidade cortezã, Ihe deu sem titubear l\larialva, 
de qur 0 Principe Dom Pedro tambem se dedicava conI 
fervor a semelhantes estudos. 
Dos estudos amaveis a que de preferencia se entregava 
o fogoso mancebo não disse palavra 0 cauteloso embaixador 
e foram esses que entristeceram e consumiram a vida d:l 
excell,ente A'rchiduqueza que, para afastal-os, nem em si 
possuia 0 recurso da formosura. 0 propTio l\'larial va, COIn 
todo 0 seu cavalheirismo, não ousava referir-se á sua belleza: 
limitava-se a escrever que "em sua presença resplandece a 
soberania a par da mais rara bondade" (I). 


(1) Archivo do l\finisterio das Relações Exteriol'es. 



DOl\[ LTolo YT NU 11R
\ZtL 



73 


Esta foi, aliás, a impressão geral no Rio, estamparla 
n 'ulna das cartas de l\Iarrocos: (I) "A Serenissima Senhora 
D. Carolina t(n1 agradado em extrema a todos; mui discre!a, 
desembaraçada e cOIllInunicave!; falla, além de sua lingua 
patria, 0 Francez, .Inglez e Italiano; alguns conhecilnentvs 
de Bellas Lettras, e não nlenos de botanica, alenl daquellas 
prendas que já são proprias eln huma Senhora, em que dizelll 
ser elninen te: 111ui fertiI na con\'ersação, e lnui aguda eIn res- 
J:ostas: lnestra na arte de agradar e fazer-se estilnavel; e 
para 
er mai<; notavel, até teln medo de trovoadas. N a IIha 
da l\Iadeira den1orou-se trez <lias donde trouxe grande quan- 
tidadc de macacos, papagaios, etc. . ." 
Outros encargos trazia, comtudo, para Vienna, 0 em- 
baixador de Portugal. 1"razia a missão de promover outrcs 
enh-,ces entre as duas casas reinantes, 'casando-se 0 Principe 
Imperial d'Austria cern a Infanta Isabel 1\;] aria, e 0 Grâu 
Duque da T oscana, innão do Irnperador e que em proveito 
d'este se privara da sua noiva, unla Princeza da Baviera, 
com a Princeza l\Iaria 1"hereza. A côrte portugueza pro- 
curaya desforra do rr:allogro do projecto matrimonial com a 
Casa de França, 'que tanto a magoara que Luxemburgo at- 
tribue á má vontade d'ahi proveniente 0 nenhurn exito da 
sua missão. "On a montré beaucoup de jalousie et même un 
peu d'hunleur en apprenant l'alliance que vient de former 
l\Igr. Ie Duc de Berry. J'ai eu beaucoup de peine a adullcir 
ces regrets, et j'en retrouve sou vent Ies traces dans mes 
discussions" (2). 
Da segunda das uniões confiadas á diplomacia de 1\1a- 
rial va parece quasi se não haver tratado. A prill1cira, pOréll1, 


(1) Carta ao Pai {](' 1
 dc Xovcmhro de lS17. 
(
) Uffil'Ìu de 
w ùe Julhu ùt' lSlü. 


. - I 



874 


nOM JoÃo VI NO BRAZIL 


aeha-se repetidamente meneionada na correspondencia offi- 
cial do marquez estribeiro-111ór. Frustrou-se afinal, segundo 
a versão daJa, purque u ph) sieo raehitico e mentalidade 
apoucada do Principe dissuadirmll 0 Inlperador de apres- 
sar qualquer consorciu, para decidir do qual preeisaria 
tambem receber as infornlações que sobre a Infanta lhe 
devia mandar sua filha, au 0 novo representante austriaeo, 
ou mais provavelmente alguenl da comitiva da An::hidu- 
queza, mais chegado ao circulo intilTIO da côrte e offieiosa- 
mente incumbido d'essa missãosinha confidencial .e deli- 
cad a. 
Espalhou-se depois 0 boato do con:;orClO de Dona Isa- 
hel 1Iaria COIn u irnlão do henleiro da corôa austriaea, lnas 
o barão de Neveu, encarrcgaJu de negocios d'Austria, Jisse 
a l\Ialer (I) estar pèrsuadido de que "pour Ie InOlnent ce 
Ill' pouvait ptrr Qu'un d
sir Inanifrstt' par la Princrsse Léo- 
poldine et rien de plus" (2). " 
()s encargos esseneialtnente politicos dados a 
Iarialva, 
csse
 eraln dos Blais ilnportantes para a nlonarehia purtu- 
gue7a. Foi 18 I G 0 anno das I11ais espinhosas negoeiações re- 
lativas a 1\ lontevidéo, 0 periodo aguJo nas relações entre 
as eôrtes dr 
 ladrid e do Rio de Janeiro por 1110tivü da 
oceupação Inilitar da margcln oriental do Riu da Prata. Sa- 


(1) ctffi('io dt:' 10 dc' XOYl'l11hl'o d(' lS17. 
(
) :\'l'\'<'II, pl'l'l11atlll'al11l'11t(' fall!'l'ido. foi f}1H'1l1 flst{'ve para 
(,:l
:l.r no Hio Ill' .1alll'il'lJ. 
I'g-Ullilo info1'll1a )lal'l'ol'O
 na sua carta 
fil' :!-l 1Il' 1-','\"('l'l'il'o Ill' 1 s 1 s: .,( '()n
ta n 't'
ta enrt!' I'
tar ju
to 0 
(':HaIllento da filha do \Yisconùe dlJo nio '
ecco C'om 0 B:ll'ão de I
CYl'lI, 
.\lIstriaco, c ('on
l'lhl'jro dc- Emhaixnda, quI-' Yl'io n:J o('cnsi:lo elo 
transpor'Ìe die .
. ,_\. H. a 'Sel'{'nissima Hl
a. .n, Carolina. 0 Yiscondc aO 
Jll'in('il'io l'I'JHlgnou :'1q111'111' njustl-': Illas 
, )lag-pstadf' lhl-' mo
trou 
qunnto -lbe dt:'Yl'ria st:'l" hU!llr(J
o :1Ilut:'lle enlace de sua .filha C'om 0 
<lito fiùal
o, Primo do Prindpp Ill' )1L'ttl'rnich. Ig-nol'o 
I' 0 nf'go('Ío 
yir
í a effE'ctuar-se, mas- .se-i que 0 ,dito Barão todos 0::; dias .se apre- 
f\l'nta COUl 0 maior explc-nilor {' Hl'l':lrato t'Ill ('usa do Yi:-:condC', para 
fazer cûrte ft menina." 



DO:àI JOÃO VI 1\0 BRAZII.J 


875 


bernos que a Inglaterra quasi abandonara seu antigo alliado, 
proclamandu retirar-lhe a garantia da integridade territorial, 
sobretudo porque Dorn ] oão VI se obstinava em não deixar 
o Brazil. Fazia-se sobretudo mister achar un1 contrapeso 
para 0 auxilio que a RussiJ. estava prestando á Hesl"anh(l, 
arneaçando transformal-o de moral em material: 0 que pa- 
recia tanto mais provavel quanto não era tal apoio desinte- 
ressado, dictado apenas pelos principios da legitimidade e da 
indissolubilidade dos Iaços que prendem os povos aos seus 
Soberanos. 
Affirma-se - e l\.larialva reproduz 0 consta - que a 
Hespanha prornettera á Russia consentir na occupação mi- 
litar, pelo IInperio, de parte da ilha de Minorca. Em vista 
dos dcsignios constantes nutridos pdo governo de São Pe- 
tersburgo contra a Porta, não deixava de ser valioso 0 dispor 
assim a Russia de urn porto no IVlediterraneo, onde Ihe 
fosse dado reunir livremente as suas esquadras e possuir 
urn ponto de refugio, senão uma base de operações. 0 re- 
ceio de l\IariaIva, de que a expedição hespanhola de recon- 
quista do Prata levasse urn forte contingente russo, base a- 
va-se não só n' esta consideração como nas inclinações belli- 
cas do Czar, a quem, mau grado 0 n1ysticisrno, facihnente 
seduzia quanta se referisse a guerras, e tarnbem no facto de 
exi5tir urn numerosissimo e experiment ado exercito russo, 
desoccupado COIn a paz da Europa e naturahnente ancioso 
de ir pelejar e pilhar "en1 hum paiz cujo cIima e riqueza são 
tão exaltados na Europa" (I). 
Não se havendo ainda por esse teIl1po verificado a al- 
teração nas disposições britannicas que 0 talcnto diploma- 


(1) Officio de :\Iarinlvn n .\gufnl" (1(' 8 dC' Ff\y,preiro df' 1 S17. 
:\In(:o de pap('i
 r('fC'l'C'nt('
 no ('n:-:aJl1f'nto (10 Prin('ipC' HC':ll, no 
\ l'('h. 
ùo :\[jn. dn
 Uf'!. Ii
xt. 


D. J. - 53 



S7G 


DO
I JOÃO VI NO BRAZII.J 


tico de Palmella, ageitando as circumstancias, logrou obter, 
a nlediação austriaca no caso de 1\lontevidéo afigurava-sc 
á côrte portugueza mais favoravel do que a ingleza, julgada 
até n'esse m'omento parcial á Hespanha. l\Ietternich não se 
dispunha (nem lh'o seria consentido) a intervir só na con- 
tenda aberta entre as duas côrtes .ibero-americanas: a Europa 
não desistira dos seus direitos de tutela sobre 0 Novo 1\1 undo. 
Entretanto dava 0 Chanceller arrhas da sua dedicação á 
dynastia de Bragança informando 0 embaixador portuguez 
de quanta occorria e chegava ao seu conhecimento sobre 0 
assumpto, e não hesitou mesmo, antes da partida de l\1arialva 
para Pariz, onde conjunctamente com Palmella ia proseguir 
outras negociaçães, em expedir ao representante austriaco 
na França, barão de Vincent, or dens muito positivas para 
proteger Portugal. 
Logrou assim 0 marquez estribeiro-mór cunlpnr suas 
instrucções politicas, agindo aliás de perfeita conformidade 
com as vistas c1aras e seguras do seu amigo e collega de 
Londres, de quem l\Ietternich formava 0 mais elevado con- 
ceito (I), dec1arando ao embaixador de DOln J oão VI não 


(L) Tamhe1U 0 go\erno mnerieano. 
f'g-nndo 
E' colligC' (]o
 
(kSP3Chos de "'a
hington. C'spedaIDwntp aos (]0 J oIm Quincy 
\dams, 
qne em 1 s 14 fflra a (;and nt'gociar a paz com a IngIatl'rra p eulti- 
vant !':uas amizadps europ(.as. tinha gran(1e confiança no caract0r 
{> hahilitaçõf's de l'aI nwlla , 3!Imf'janòo lwIa yinda (1"plle para 0 IUu 
a oc('upar sua pa
ta, afim de tpl' 0 rC'prcsentante dos Estados Unidos 
uma pessoll. òoe intelligencia dpsa
somhrada e vontadp firme com 
quem trll.tar e encaminhar os negocios de mutuo intcrC'

p, taes como 
reIaçõf's commcrciaes, liga
ão continental american a etc. Em lSl!t 
foi nomell.òo para sub
tituir Sumter urn antigo funccionario òo DC'- 
pll.rtamf'nto d'Estado, J oIm Graham, que nll. qualidaòe de cOllmissa- 
rio amerÌcano tinba anteriormente viajado na 
\rgentina e no Chile 
para vprificar 0 p
tado da:;: ('omms e lOrmuIar r(\lHCsentaçõ('
 contra 
as praticas (]p pirataria, das qu:1P
 não eram de rf'sto os Estados 
rnidns mnito menos cuI11a(]us, Graham ponc/) pomlp (]0morar-sp no 
Rio, ()htl'ndo licpn(:a 1'01' doente em 
Iaio (](' l

O, fll.llcceu nll. sua 
patl'ia am
 :n df' JuIbo do me
mo anl1O. 
\ lega
ã.o fie:íra a cargo 
do !eerl'tario Jobn J. Appleton. 



DO)! JOÂO VI :t{ 0 BR -\ZIL 



77 


duvidar do feliz resultado das negociaçães 'de Pariz relati- 
vas ao Prata: "pois que por huma parte a nossa causa, além 
de ser justa, era lllanejada por hU111a pessoa tão habil, como 
sem duvida 0 era u Conde de Paltnella; e que por outra 
parte tinhamos talnbem a nosso favor a Í1npericia e 0 orgu- 
Iho do Plenipotenciario Hespanhol, que indi9punha 0 animo 
de alguns dos medianeiros a ser-lhe propicio elll pretençoens 
j á -par s.i ,lnesmas tão ,poueo acertadas" (I). 
o futuro de Portugal, cuja conquista a Hespanha ru- 
minava emprehender - pelo Inenus esta era a ilnpressão 
geral - ficaria pais, á falta da garantia britannica, repou- 
sando sobre 0 prestigio da chancellaria e da dynastia aus- 
triacas, cmpenhadas na preservação de Ulna casa real, tão 
proximamente parente quanto era a de Bragança, em sua 
completa auctoridade. 
Outra prova de como se achavam entrelaçados os fios 
da diplomacia, é que Ineslno na sua agradavel embaixada de 
Vienna, teve 0 marquez estribeiro-mór que se occupar, como 
vimos, da questão da Guyana, cuja devolução 0 duque de 
Richelieu queria a todo 0 transe apressar, inHuindo sobre 
o negociador portuguez em Pariz por intermedio de ::\Ia- 
rial va ou mesmo deslocando as negociaçães para a capital 
austriaca. 
Desde corneço cOll1prehendera 0 governo francez perfei- 
tarnente que a inclusão urn tanto arbitraria da restituição 
da Guyana no tratada de paz de 30 de l\Iaio de 181..}. era 
apenas 0 prctcxto para não querer ratifical-o 0 Principe Re- 
gente, puis que estando accordada a restituição entre Portu- 
gal e sua alliada, tal inclusão não podia na verdade ferir nem 
hUInilhar 0 governo do Rio. Depois, rln face tIos COlnpro- 


. 


(1, Offido <1l' 
Ial'i,llYa n Jkzl'J'l'n. tiC' 
1 (1" F('n'l'C'ÏI'() Ùt' 1.'-\IS. 



878 


Don JoÃo VI NO BRAZIL 


mlssos tornados, Dutro não poude ser 0 desenlace da ques- 
tão senão a restituição d'aquella conquista das armas por- 
tuguezas (I), que a indi'fferença da lnglaterra em 181-+ 
e 0 constrangimento dos plenipotenciarios portuguezes ao 
Congresso de Vienna em 18 I 5 assim tornaram ephemera, 
mas que a previsão de Palmella e a tenacidade de Brito 
souberam converter pelo menos n'um ganho positivo qual 
o da delimitação ao sabor das aspirações portuguezas. 
As satisfacções de vaidade, pessoal e patriotica ou mais 
precisamente dynastica, terian1 amplamente consolado 0 em- 
baixador portuguez de quaesquer semsaborias politicas e di- 
plomaticas, quando por acaso as houvesse contado a sua mis- 
são. As ordens do Rio mandavam fazer figura, gastar muito 
para parecer bern, e a l\larialva seria licito escrever com 
justo desvanecimento que "ainda se não havia visto em 


(1) IIippolyto não deix3Ta, E'ntl"E'tanto. ('In numpl'O apoz nu- 
mpl"O do ('orrcio Br(l
'.1ì{,1I8(,. de cpmmrar a I'nh'pg'a incunaitional Òl' 
(':l
'Pl1lUl., considl'rando-a um erro pOl' todos os motivos e esppdal- 
nwntl': 
1.P. pOl'qn\' a rolonia ronstituia a melbor 
araniia das rcc1ama- 
<:Õf'S partkulares que :1 França aprpsf\ntava Portugal, snhilHlo a 12 
milhòps dl' traneos, independentes das despczas <11" conqnista e con- 
sl'l'va<;ão da referida posspssão; 
:!.2 por<}ul' a contiguidadp territorial do Brazil a fazia IH'ri- 

osa pOl' causa ùos corsarios que faeilml'ntp d'alli vplPjanun a in- 
tl'repptal' 0 commprdo portuguez e contra os quaE'S 0 tratado de de- 
yolu<.:ão nl:'nbuma providcncia estipulou; 
3.9. porque estando 0 governo da Restaura<.:ão empenhado em 
afastar da França os officiaes affeiçoados ao bonapartismo, pod\'- 
]1iam Iquaesquer (1'elles, portal lIDoti-vo nomea-dos para a 'Guyana, de- 
claraI' independent.e a colonia, l'epetindo-se no J'
xtremo .Korte as 
agita<;ões, violencias e perigos que se estavam dando no Extremo 
RnI, com a amea<;:i implicita a mais de se ligarem essE'S insnrgentl's 
com os revoitosos hespanhoßS e, juntos, apertarem 0 Brazil n 'urn 
circulo dcmagogico. 
,
i p.or causa da sua coodição tnrbulenta, a tFrança ficn.ra de- 
pois <In. paz occupaòa pOl' mn excrcito internacionaI, 0 qne justificava 
não haver pl'l'ponderado a mcsma considcl'ação com rl'la
ão á coionia 
da Gu
'ana "/ 



DO)! JO.lo VI :KG BR
\.ZIL 


879 


Vienna huma tão apparatosa embaixada, como aquella que 
S. 1\1. me confiou". 
as gastos d'ella, comprehendida a distribuição de joias 
e até de barras de aura pdo pessoal da côrte e do 1\linis- 
terio de Estrangeiros, inclusive 0 principe de 1\letternich, 
subiram a mais de milhão e meio de francos - exactamente 
a francos 1.573.443,80 centimos -, 'despendendo 0 embai- 
xador da sua fazenda, segundo eUe proprio referia sem com
 
tudo solicitar 0 reembolso, mais de 106 contos. A principal 
despeza fôra feita com a esplendorosa festa dada no jardim 
imperial de Augarten, onde 0 marquez de :ðlarial va rnandou 
expressarnente construir urn salão que depois serV1U para 
varias fest as de caridade e offereceu, apoz as danças, uma 
ceia a rnais de 400 convidados: os diamantes remettiam-se 
naturalmente do Brazil, não entrando nos gastos da em
 
baixada senão a sua montagem. 
E tão ,escolhidas e magnificas eram as pedras que, no 
dizer da correspondencia de l\larialva, fizeram pasmar a 
côrte de Vienna, comrnunicandQ-lhe urn estremecimento 0 
contacto de toda essa riqueza digna dos contos orientaes. 
Eis como n'um bello desenvolvimento de estylQ cortezão, des
 
creve 0 cmbaixador (I) a apresentação á Archiduqueza do 
retrato de Dom Pedro, n'urn rnedalhão cercado de dian1antes 
da mais pura agua: " . . . .. Ser-me-hia difficil expressar a 
V. Ex. 0 jubilo de S. A. 1. vendo 0 Retrato de Seu Augus
o 
Futuro Espozo: irnrnediatarnente 0 paz ao peito, e nessa 
occasião Ihe ouvi as rnais lisongeiras expressões Sûbre a feE
 


(1) Officio a Barca de 8 de Abril de 1817. 



880 


DO
\I JOÃO VI :KO BRAZIL 


cidade que tão alto e belll acertado consorcio the fazia es- 
perar. Por extremü agradou á Serenissima Senhora Archi- 
duqueza a physion0111ia de S. A. 0 Principe Real, dizendo- 
l1le a mesn1a Senhora qu'e muito coincidião as feiçoens que 
observava naquelle Retrato conl a Idéa que ella forn1ava das 
virtudes 1110raes possuidas pelo Augusto original dellas. Sem 
duvida foy grande a ilnpressão que fez no anin10 de S. A. 1. 
a ll1agnificencia da cercadura que guarnecia 0 Retrato; e 
ainda que a Serenissima Senhora Archiduqueza mais atten- 
desse, e sen1 affectação, á imagem do seu Real futuro espozo, 
do que ao riquissilllO ornato que a adornava, não deichnu 
CÜ'llltudo de me expressar 0 quanto a enchia dc satisfacção e 
reconhecimento hUIll tão magnifico presente; porelll a cmna- 
reira-mór da l11esma Senhora e 0 seu n1ordomo-Illór, que se 
achavão prezentes, estt'lvão como surprendidos de ver a bel- 
leza daquella joia, asseverando-me que jarnais se tinha vista 
aqui, nen1 ll1esmo se havia forma do idéa de tal riqueza. (J 
Principe de ::\Ietternich a quem depois 1110strei aquelle pre- 
cio
o donativo, me obseryava que só nas fabulozas chronicas 
orientaes he que se poderia encontrar a descripção de algUln 
objecto analogo, que Ihe fosse comparado." 
No acto do casamento, que se celebrou com a ostenta- 
ção habitual ás cerimoniRs da côrte austriaca no dia 13 de 
:\Iaio, natalicio de Dom J oão \TI, representou 0 noivo 0 
Archiduque Carlos, irmão do Imperador, a quem 0 embai- 
xador portuguez entregara dous dias antes, com toda a so- 
lemnidade, a procuração do Principe Donl Pedro. A 2 de 
J unho parti2m a noiva e sua comitiva para Florença, onde 
chegaram a 14, afim de aguardarem junto ao Grão Duqu
 
da Toscana a cheg-ada a Liorne da esquadra portugueza que, 



DOM JOÃO VI NO DHAZIIJ 


881 


vinda de Lisboa, devia transportar ao Brazil a sua nova 
Princeza (I). No caminho tiveran1 a noticia do levant a- 
rnento de PernaInbuco, a qual, segundo communicava l\la- 
rialva, só fez augmentar a ancia da Princeza de reunir-se á 
faIl1ilia de adopção para cOlnpartilhar das alnarguras e pro- 
vações do mon1ento revolucionario. N en1 0 espectro de :\Iaria 
Antonieta, sua tia, .demoveu urn instante a Archiduqueza 
Leopoldina do cumprimento d'esse regio dever, só involunta- 
rian1ente ad iado. 
Escrevia 0 marquez estribeiro-mór para 0 Rio de J a- 
neiro que a ter de dar-se, por motivo da rebellião, maior 
tardança do que a j á occasionada pela chegada das naus, pre- 
feria muito ver a Princeza eln Florença, côrte aliás austriaca 
e onde se achavam, com 0 fim de acompanhal-a nos ultimos 
dias de residencia européa, suas duas irmãs, a Duqueza 
de Parma (Imperatriz 1-Iaria Luiza) e a Princeza de 
Salerno. En1 Vienna havia 0 grave inconveniente de estar 
o governo britannico - empenhado sempre em trazer a 
côrte portugueza de n(")vo para Lisboa e singularmente 
aj udado no seu intento pela sedição de Pernambuco e 
pela conspiração de Gomes Freire, ambas em 1817 - in- 
trigando para que a Princeza Leopoldina perrnanecesse na 
Austria ou pdo menos, em vez de dirigir-se para 0 Brazil, 
se dirigisse para Portugal afim de a'hi esperar 0 regresso 111- 
evitavcl da familia real em cujo seio entrara. 


(1) .\8 nau
 lInm .Joan l"T (> N,;n f';:('/ul,<diiìn partiram d(' Lis- 
hoa a li (11' \oTuIho e ch('
aI'am a Llo1'np a 
G. 1.\ 1
 (1(' .\go
to veri-fi- 
('OH-SI' a f'ntrl'ga (' a 1:
 0 f'mharf}l1t', singrando a frota a l:ï. .\ (}(>- 
mora foi rl('yirla :1 òifficuirladp que expf'J'imf'ntara a n('g('ncia por- 
tUgUPzèl f'm rplmir na vim; adl'f}uaòos a ('sSP proposito, tf\ndo tido 
C)1l(, distrahir nèlH
 para ò('fpnò('r a ('osta luÛtRna f' as agnas òos 
ar('hipl'lago.
 african-os dos insulto
 doSt cOl
sal'ioo;; amC'l1icano,,; com 
handl'irfl d(' .\ rtigas, e mandaI' l'l'fol'(:Os mariiimos para u IJlüllul'iu 
de Pern:1111bueo. 



bS2 


DO:U Julio VI KO BRAZIL 


As razões sentimentaes eram obvias e bastantes para 0 
coração paternal do Imperador Francisco. Junto a l\letter- 
nich, cujas boas disposições para com 0 governo portuguez 
o consorcio ,da Archiduqueza activara, passando 0 poderoso 
Chanceller, segundo refere l\larialva, a achar muito justas 
as razões da occupação de l\1ontevidéo, e injustificaveis as 
desconfianças do Rei Catholico (I) era necessario ao em- 
baixador britannico fazer valer as razões politicas. Adduzia 
por isso que 0 estado de agitação demagogica do Brazil, e a 
demagogia era 0 terror constante de Metternich, não acon- 
selhava a ida de uma Archiduqueza educada na mais aristo- 
cratica das côrtes; sendo que, pelo contrario, sua apparição 
em Lisboa teria 0 condão de contentar os Portuguezes, ancio- 
sos por abrigarem outra vez a sua velha côrte, e de desvane- 
cer os enredos hespanhoes tendentes á encorporação do Reina 
e consequente unificação peninsular. 
Metternich mostrou-se meio abalado com as razões 
invocadas, mas finalmente recusou a Austria entrar no jogo 
da Inglaterra, e 0 proprio Chanceller foi a Liorne effectuar 
a entrega da Archiduqueza ao marquez de Castello l\1elhor, 
commissario especial .de Dom J oão VI - que para tal fim 
embarcara na resumida esquadra da Regencia j untamente 


(1) Upinava 0 puhlich;ta GC'ntz. confidC'ntc de ::\Ietternieh f' a 

;o]do muito provave]nll'nte do goyC'rno portuguC'7., flue a
 troJla
 
portugnc7.as tinbam avan(:ado atp a frontpira natural e ]ogil'a ùo 
Ur<l7.Ïl 'quando 0 tf'l"ritorio oriC'ntal se achavR vflr.dadeira 'I"t'.
 1lZtllillS, 
pr('
a apC'nas da dC'
oròem e da anarehia. 
-\s boas disposic.:õC's au
- 
triacas fi7.(,l'am naturahlH
nte l'Pf'rudf'scí'r a má vontade l'ussa para 
('om Portugal. .Tfl a f'

e tf'mpo f'xi
tia 0 conflicto latcnte nos llal- 
kans entrp 
\u
tria P Ru<;sla, ps('revC'ndo .\. dp Haldanha da Gama 
dC' 
ão l'ctl'rsburg"o: "".... Estes do us govC'rnos lllC'dem-sc e sc 
('hscl'\ ão mutuamr>ntC' df'baixl) das fOl
mas ,da mais 'Cstreita amizade: 
})orf'm logo (IUP 11uma o('casião Sf' offf', l"('(:a par('('eme impoR
iví'1 qU(' 
a politka os não ohl'i:!U(' a sC'g'uir differC'lntL's intcl'L'sses." (Carta de 

G ùe ::\Iaio - 7 de Junho (]e 1817) . 



DuM JOIO VI NO BRAZIL 


883 


com 0 conde da Louzã, mordomo-mór da Princeza, e 0 
conde de Penafiel, seu veador. 
N a serenata do palacio de São Christovão, por occasião 
do casamento no Rio, 0 proprio Rei referiu a l\laler (I) 
quanta trabalhara 0 embaixador britannico em Vienna para 
impedir a vinda da Archiduqueza até ao Brazil; mas que, 
instado a respeito, 0 Imperador d' Austria respondera que 
sua filha passara a ser filha do Rei de Portugal, cabendo 
portanto a S. ::\1. F. designar-Ihe a residencia. "Devo ajun- 
tar, commentava 0 agente francez, que 0 monarcha, apezar 
da sua profunda dissimulação, não pode occultar as senti- 
mentos de opposiçãä que nutre contra as vistas do gabinete 
inglez; tenho frequente ensejo de fazer esta observação." 
A continua pressão exercida pdo governo britannico para 
que se realizasse uma viagem que aDorn J oão era antipa- 
thica, ao corpo e ao espirito, não podia menos do que exacer- 
bar 0 mau humor regia ao ventilar-se est a questão. 
Tinham surgido duvidas sobre a nacionalidade a que 
devia pertencer a comitiva da Princeza, preferindo 0 Im- 
perador d' Austria, segundo a pragmatica por elle seguida, 
que a compuzesse gente portugueza. Havia porém para 
isto, entre outras. difficuldades, a da enorme distancia que 
separava as duas côrtes, uma européa e outra sul-americana, 
obstando á rapida deslocação do seu pessoal. Chegou-se 
por fim á combinação de ser desde logo portugueza, como 
vimos, a parte masculina da casa official da Princeza, e aus- 
triaca, até 0 Rio de J anciro, a parte feminina, formando-a as 
condcssas de Kunburg, Sarentheim e Lodron, a pnmeua 
como camareira-mór e as duas outras como damas. 


(1) Officio de 10 de NoycmlJro de 1817. 




84 


DU)! J 010 VI NO nUAZIL 


a ,embaixador especial, conde de Eltz, incuInbido de 
apresentar as felicitações do soberano austriaco pela elevação 
de Dom J oão VI ao tluono e que, na phrase por yezes caus- 
tica de 1I.aler, nem encontrou conl quem falIar francez no 
gabinete do nlonarcha, que então se conlpunha do portugue- 
zissimo l"'hom'az Antonio (I), uma vez falIecido Bezerra, 
seguio tmnbenl na Srio Sebastião
 tendo-o precedido a mis- 
são ordinaria, conlposta ùo encarregado de negocios Neveu 
(2) COin do us secrrtarios e dOlls canlaristas do ImperaJor. 
Além das damas de honor, 'Outras danlas .do serviço par- 
ticular da Princeza, retretas, açafatas, criadas, urn capelIão, 
unl bibliothecario, varios ser\'içaes de libré. aboletaram-se nas 
nallS, todos de nacionalidade austriaca. as medicos eram 
portuguezes, porque a Regencia de Lisboa para este finl des- 
pachara 0 scientista Francisco de :\Iello Franco e 0 aba- 
lizado clinico Bernardino Antonio Gomes. a chefe de co- 
sinha, esse exigiu l\Iarialva, com 0 seu apurado senso de 
gastronomo, que fosse austriaco, explicando n'um dos seus 
officios que "'os cozinheiros que vierão de Lisboa tal vez 
sejão bons, porem hU111 jantar feito por elIes que me derão 
a bordo, tinha pessilna cara e peor gosto." E renlatava en- 
fastiado: "enfim tenho passado par algumas vergonhas.. . " 


(1) "('e quïl y a de cl'rtnin, )Ion
('ÍgTINlr, c'('
t (IU(' parmi 
touh's les IIIaintp8 quP Ie (
OuY('rnpn1('nt Espagnol pourr<l. prodnire 
eontrp I('s mpsures <Iu Cabinpt Br(>silien, il TIe :-:aurait lui rp!Hoe}wr 
pa
 m('nw lïntention d' avoir cherché a eajolN' les ag-pns d('R Puis- 
sanc('s Etran
erps, car il ('st reIl1nrquahle flu'un .\mhassadpur Ex- 
trnoròinairí' (L\utriclw vií'nnf' au d(>la dí'
 m('l'S ayec une suit(' aussi 
nomhl'l'us(, qu' p('Iatante pt qllïl np tl'Ollve pa
 a flui parler d'affai- 
l"ps." Felicitava-se pOl' isso )[aI('1' (officio d(' :! de .TaTIPiro de 1
1
) 
quP .\rcos tivpssc sido nom(,
Hlo intl'rinanwnte para os 
ego('ios 
Estl'angpiros, 
(:.!) Dom .Toão YI gostou muito de 
('vpu e nada de Eltz, 0 
qual de rl'sto j:í sat)f'mo
 dl' qU(' modo t'nH'nd(,ll (' pratieon SlUt pffi- 
baixadao 
pu
 
f'('rl'Ìarios. "df\goutps d(' la capita}l'-di7. :Maler. c 
lllais ainda d'o YÏ\oel' nW
lJninho do chpfp - ont été IH'omener leur 
ennui dans la eapitainerie de 
aint-raul." 



DUM JOI0 VI NO DR.,\.ZIL 


885 


A eInbaixada austriaca foi recebida no Rio, ao que reLa 
a chronica de l\laler, com distincções especiaes que llão tive- 
ram outras missões da mesma cathegoria - a de Luxem- 
burgo e muito menos ainda a de Balk- PoicH - sendo 0 em- 
baixador cumprimentado a bordo pdo official maior da 
Secretaria de Estrangeiros, e transportado para a sua 
u- 
diencia, a qual teve lugar immediatamentc no Paço da ci- 
dade, n'um coche da Real Casa, com 0 introductor ao lado e 
acon1panhando 0 cortej 0 os coches de todos os grandes da 
côrte. No baile dado en1 honra de Eltz pelo invalido e 
quasi agonisante Rezerra, na sua fazenda de l\laracanã, 
forças de infanteria estavam postadas desde a grade do 
parque até a porta de entrada, e piquetes de cavallaria for- 
n1Jados pelo caminho. 
Foi urn periodo de festas cons
cutivas, que correspon- 
deram aos "in1mensos preparativos" de que fallava l\larrocos 
nas suas .cartas para Lisboa, e em que cada Uln tinha seu 
papel. N a serenata de São Christovão, a 7 de N oven1bro, 
CIn celebração dos esponsaes, e para a qual refere l\larrocos 
que se fizeram os ensaios nas salas da Real Bibliotheca. 0 
Principe Dom Pedro, 'a Princeza l\laria Thereza e a In- 
fanta I
abel l\laria cantaram succeSSiyan1ente LIma arieta, e 
os musicos da Real Camara com os da Real Capella exe- 
cutaram uma peça dramatica COlnposta para a occasião e que 
se prolongou até duas horas da manhã. No meS1l10 Inez 
offerecia a Rainha Dona Carlota a sua nora Uln "esplen- 
didissimo e mui delicado jantar", entrando os noivos a ap- 
parecer em passeio, "e com cstado separado" (I). 
Pouco depois (2) C0111111Unicava ao pai esse assiduu 
c()rre
.pondentc filial que "a Sercnissima Senhora D. Caro- 


.1) l'al'ta rll' ::\IalTu('os (11' :!:i dl' :\o\"l'mhl'O dp lS17, 
(:.!.I Carta de::1 <.1' ,lunl'Ï1.o de l
ls. 




86 


DO)l JOÃO VI .KO BRAZIL 


lina ten1 disfructado rnuito boa saude, sem estranhar 0 clirna, 
nem 0 seu novo estado, em que com satisfação se sabe ter 
já dado a conhecer a sua fecundidade"; ajuntando que "pas- 
sêa muito e com aproveitamento, mostrando nestes recreios 
não só hum methodo singular, nascido de huma regular 
educação, mas 0 estudo que tern tido em Sciencias N aturaes." 
N as cartas 'Para a familia parece que se mostrava a Ar- 
chiduqueza menos ditosa ,do que a enxergava l\larrocos. Sup- 
portava malo clirna, tendo com este travado conhecimento 
nos com:eços do verão, e 0 rneio social e sobretudo palaciano 
não podia corresponder ao que ella ingenuamente imagi- 
nara, mesmo dando desconto á differença de continente. Em 
todo caso as iIlusões conjugaes da Princeza Real ainda du- 
ravarn quando já tinhan1 soffrido 0 primeiro e rude golpe 
as iIlusões politicas do seu sogro e Rei, que era na côrte 
o seu melhor, tal vez 0 seu unico amigo. 



CAPIT'ULO XXIII 


A CULMINANCIA DO REINADO 


N enhum resumo mats enthusiastico nem redigido em 
mais bella linguagem se poderia tentar da obra de Dom 
J oão VI no Brazil do que a elogiaca oração do academico 
Garção StockIer (I), delegado pela Academia Real das 
Sciencias de Lisboa para fallar em nome da deputação encar- 
regada de felicitar 0 Principe por occasião da sua exaltação 
ao throno. Pronunciou-a Stockler na prcsença real aos 12 de 
l\lúio de 18 I 8, no anno das mais pomposas festas de côrtc 
que j ámais se fiz'eram entre nós, anno da culminancia do 
reinado, quando 0 facil esmagamen to da revol ução pernam- 
bucana de 1817 parecia assegurar para sempre 0 prestigio da 
corôa portugueza na America, e não soprava aincla do velho 
Reino abandonado 0 vento impetuoso da rebeldia de 1820. 
Vinlos que 0 movimento republicano do Recife provo- 
cara no centro uma espontanea e consideravel manifestação 
de dedicação dynastica e lealdade monarchica, off'erecenclo-se 


(1) Hist. e 
Ipmol'ins (la Acad, RfI:lI c1as 
ciencia
, Torno VI, 
l'arte I. 



888 


DO
I JOÃO VI NO BRAZIL 


nun1erosos milicianos para iren1 combater os revoltosos, e 
concorrendo no mesrno fill1 avultadas contribuições pecunia- 
rias. Sórnente na cidade do Rio ter-se-hiam apresentado 
7.000 voluntarios e apurado 200 contos, n'unl calculo de 
:\Iello .1Ioraes que, á vista da realidade de outras inforn1a- 
çoes, se rne afigura encerrar gente a mais e dinheiro a 
menos. 
() posrtlvo é que a exhibiçã
, n'aquelle mon1ento, de 
amor pelo soberano foi mais do que calorosa, foi delirante. 
No theatro, que j á começava a ser 0 lugar capital das de- 
monstrações politicas fluminenses, como acontecia ern Pariz 
durante a Rrvolução, agitavam-se lenços com 0 perfil do 
Rei e rnotes de Jevoção á sua pessoa e ás instituições, dos 
quaes se havia fabricado dez mil; cantava-se 0 hyn1no es- 
cripto e compos to 'para a occasião; acclarnava-se estrepito- 
samente 0 governante sagaz que tudo aliás puzera em jogo 
para encarecer sua popularidade, apparecendo, n10strando- 
se, agitando-se, fazendo gala da sua actividade, elle tão 
sedentario, e da sua bonhomia, armando ao effeito com afa- 
digar-se rTIuito ao serio para conseguir aquillo que foi quiçá, 
nos preparativos pois que a execução lhe escapou, a mais 
fina amostra, a rnais forte expressão. 0 mais serio esforço 
da nossa moderna historia militar, sómente comparavel ao 
que succedeu ao tempo da guerra do Paraguay. 
o proprio Dom J oão VI devia ter sido 0 primeiro a sur- 
prehender-se do arranco, visto que finamente penetrara 
a antipathia dos seus subditos americanos aos serviços de 
guerra: tanto assim que, em conversação com 1Ialer (I), 
manifestou urn dia 0 desejo - que 0 filho mais tarde con- 
verteu em rcalidade - de nlandar VIr, para encorporal-os 


t 1) Officio d(' 

 dc' 
(1t(1mhro d(' 1 S 1 fl. 



DO'! JOÃO VI 1'0 BRAZIL 


SSg 


ao eAercito, dous regimentos estrangeiros. Era en1 111erCe- 
narios suissos, os fieis Suissos do 10 de Agosto, que pensava 0 
Rei, em razão da gran de difficuldade que no Brazil offere- 
cia 0 preenchinlento dos effectivos militares. 
Apezar de moribundo, foi B
rca, 0 suspeito jacobino, 
o braço da reacção de que era 0 Inonarcha a cabeça; dando 
iIl1pulso a tudo, ao mesmo tempo que simulava indifferença 
pela sublevação e apparentava confiança extrema na esta- 
bilidade do throno. "0 conde, escrevia 11aler, tuJo disfarça, 
affectando tratar a cousa como urn acto de loucura." 
Tinha pois sobeja razão 0 eloqucnte academico de Por- 
tugal quando exclamava no Paço da cidade, reflectindo 0 
pensar de tantos e alludindo á abertura dos pertos, á ele- 
vação do Brazil a Reino, á exclusão da Inquisição, á poli- 
tica liberal para COIn os exploradores 
cicntificos, os artistas 
e os colon os, á conquista da Cisplatina e ás promessas offi- 
ciaes de abolição do trafico de escravos: "As gerações futuras 
adInirarão a sabia e liberal politica, com Que V. l\I. fran- 
queando 0 commercio d'esta riquissin:a porção do Novo 
1\1 undo a todos os povos civilizados, abriu para as seus 
haCitantes a fonte mais caudal de riqueza e prosperidade: a 
j ustiça com que egualando eIn tudo e por tudo a sorte de 
seus vassalIos, nas quatro partes do gloro que habitan1os, e 
elevando 0 Brazil a dignidade de reino, poz tern10 á fu- 
nesta rival'idade que exÏstia entre os portuguezes america- 
nos, e os portugueLes europeus: a prudencia com que cerrou 
a entrada do novo e ainda mal povoado rein
 a uma antiga 
instituição, que a piedade de urn do
 seus augustos pre- 
decessores havia admittido nos seus dominios da Europa 
c d
 Asia; Inas que sendo olhada COIn horror pela maior 
parte dos govcrnos, e dos homcns alumiados, seria unl gravis- 



890 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


sirno obstaculo ao augmento da população, e aos progressos 
das luzes e da industria no Brazil. . . . . Ellas adrnirarão não 
rnenos a bem entendida e generosa liberalidade, COIn que 
V. 1\1. tern pretendido atrair para este vastissimo continente 
agricultores e artistas de todas as partes do mundo: a pru- 
dencia e 0 vigor com que afugentando de nossas fronteiras 
visinhos turbulentos e agitadores, animados de principios in- 
compativeis com a tranquillidade interna, procura encerrar 
os seus dominios americanos em barreiras naturaes, que j un- 
ctamente facilitern a sua defesa, e segurern aos seus vassallos 
a fruição socegada dos bens que a natureza liberalizou a 
estes fertilissimos paizes : . . . .. a humanidade e a circum- 
specção com que pela gradual e progressiva abolição do com- 
mercio da escravatura, vai suavemente substituindo a servos 
destituidos åe todo 0 estirnulo de emulação e brio, horn ens 
que reconhecendo a vantagem que deve resultar-Ihes do 
aperfeiçoamento de seus talentos, e do augmento de sua peri- 
cia nas artes e mesteres que e:xercitan1, se esforcem por m'e- 
lhorar a sua condição, por meio da applicação e assiduidade 
ao trabalho, e concorram ass 1m efficazmente para a publica 
f.elicidade. " 
Foi este mesmo erudito a pessoa encarr
gada pdo 
conde da Barca de elaborar urn projecto de organização da 
instrucção publica no Brazil, "quando pareceu necessario 
dar-Ihe urn pIano systematico, em virtude do qual os estabe- 
lecirnentos litterarios e scientificos creados estivessern liga- 
dos entre si, dependentes uns dos outros, e subordinados 
todos a urn só pensmnento, a urn centro de direcção. Sob a 
influencia d'este modo de ver as cousas, propunha StockIer 
que uma Sociedade Real das Sciencias e Artes fosse no Rio 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


SQl 


de Janeiro 0 centro unico de toda a instrucção publica bra- 
zileira" (I). 
o Instituto Academico, por alguns denominado U ni- 
versidade, que Dom J oão VI deIrberara fundar no Rio com 
o donativo do commercio da capital, feito para commemorar 
sua acclamação e cujo rendimento devia ser perpetuamente 
applicado a estabelecimentos que promovessem a instrucção 
nacional, obedecia ao mesmo ideal de unidade ou central i- 
zação pedagogica (2). 
" Todos os descobrimentos novos que á Sociedade ideada 
por StockIer fossem devidos, ou para os quaes contribuisse 
de algum modo, bem depressa seriam transmittidos aos pro- 
fessor.es respectivos; e 0 mesmo succederia em quanta aos 
descobrimentos feitos em outros paizes, po is que, por hypo- 
these, estaria a sociedade em correspondencia activa com elles, 
e transm-ittiria depois 0 que chegasse ao seu conhecimento. 
Para a constituição da 'Sociedade Real, seria possivel attrahir 
alguns estrangeiros sabios, que 0 estado publico da França e 
da Allemanþa obrigava a expatriarem-se. A instrucção pu- 
blica seria dividida em 4 graos, sendo as respectivas escolas 
denominadas pedagogias
 illstitutos
 lyceus e academias e 
abrangendo, as primeiras, os conhecimentos que a todos são 
necessarios, qualqtier que sej a 0 seu estado e profissão; as 
segundas, 0 desenvolvimento da maior parte d'estas noções 
e os conhecimentos essenciaes aos agricultores, artistas e com- 
merciantes; as terceiras, os conhecimentos scientificos que 


(1) José 
ilvestre Ribeiro, Historia dos Estabelecimentos 
seicntificos f'te. Lisboa. 1871-93. 
(2) Re
ava 0 Aviso respectivo que 0 Rei mandaria unir 1íg 
eadpiras da!":! scielleias qUf' joa .existiam na 'côrte "aquellaSi que de mats 

p houn'rem de el'L'ar. em Ordl'Ill a completar hum Instituto Acadt'- 
111i('o flue comprf'hpnda. não só 0 ('nsino dus R.eil:'n('ia
. mas talllht'm 0 
ùa" Bplla
 .\ rt('s, e 0 tla sua applieação it Industria:' 


D. J. - i;6 



89:! 


DO:\l J010 Y I NO BRAZIL 


devem servir de introducção ao estudo profundo das scien... 
cias e de todo 0 genero de erudição; as quartas, finalmente, 
o ensino das sciencias, tanto abstractas, como de applicação, 
consideradas na sua maior extensão e em todas as suas di- 
versas relaçães com a ordem social, .e 0 estudo das sciencias 
moraes e politicas, designadas com a denominação de SClen- 
Clas sociaes" (I). 
Diz Ferdinand Denis, 0 qual esteve no Brazil muito 
poucos annos depois do regresso da côrte paTa Lisboa, que 0 
bello pIano pedagogico de Garção StockIer, expressão do 
afan reformador e das intenções levantadas que distingui- 
ram entre nós esse momenta historico, foi rejeitado pela in- 
fluencia das pessoas que pretendiaITI conservar 0 Brazil no 
estado moral, j á que não mais politico, de colonia portugueza, 
e ás quaes não convinha tão completa emancipação intelle- 
ctual. 0 Rei não podia arcar .em tudo e por tudo com 0 
elemento reaccionario que 0 cercava: era-lhe mister fazer al- 
gumas concessðes. 
o grau de progresso attingido pelo novo .Reino sob 0 
governo de Dom J oão VI, seu creador, tern que ser, para me- 
Ihor avaliação, comparativamente calculado e descripto, por- 
que não é tanto absoluto como relativo. Confrontado CO(!1 
o que era dez annos atraz, quando ao Rio de Janeiro chegou 
a côrte portugueza, 0 paiz em 1818 offerecia sem a menor 
duvida urn notavel desenvolvimento. A população cresccra 
com as entradas de fóra, além do resultado da natural pro- 
gressão. 


(1) J, 
. Ribeiro, 01). dt. 
os in
titutos (22 grfio) en
inn- 
vam-se principios ùe historia natural, chimica, 11H'('hnniea. agrkul- 
tnra, economia politica, commercio e moral; nOH lye-eus (:
!! gl'Ílu I 
estuùavam-se rhetorica, linguns, historia. gpog-raI)hia e hermeneutica. 
o condicional seria melhor npplit':1ùo nos dou
 Vl'l'bos, J)Qrque 0 
pIano nunca teve execu
ão. - 



DÚl\f JOÃO VI NI J BRAZIL 



93 


Calculava-a 0 conselheiro \T elloso de Oliveira na sua 
informação de 18 I 9 (I), que devia servir de base á pro- 
jectada divisão dos bispados e na qual se propunham sete 
provincias ecclesiasticas ou dioceses archiepiscopae3, ein 
2.697.099 habitantes, excluidos os indios bravos. Accrescen- 
rando-se, como querem, urn terço por causa da inexactidão e 
deficiencia dos mappas colligidos, sern excessi va diligencia, 
n'um tão vasto territorio, com nucleos de população 111uito 
disserninados e rnuito refractarios a qualquer estatistica, 
chega-se ao algarismo de 3.596.132 habitantes civilizados, 
e COIn 800.000 indius bravos, conta redonda e imaginativa, 
se perfaz urn total de 4.39D.132 habitantes. 
Para 0 Rio sómente clava Henderson no rnesmo annc 
o algarisrno de 150.000 habitantes, dous terços dos quaes (1(" 
côr, ou rnelhor de côres (exhibiting e7Jery <variety of C011l- 
plexion). Os brancos contavarn entretanto na affl uencia da 
Europa urn contingente fixo, m.esmo de Francezes, que são 
reconhecidarnente os Europeus que menos emigrarn. N'urn 
dos seus officios de 18 I 7 participava 1\Ialer a chegada nos 
dous ultimos navios de 54- subditos do Rei Christianissimo, 
na malOna artifices. A capital tendia assim a embranque- 
cer-se. 
A irnmigração em geral cada anno se fazia maior, e 
não se cifrava sómente nos Suissos relegados á sua colonia 
de Nova-Friburgo e nos Ilhéos distribuidos pelo paiz com 
provisão de instrumentos agricolas, ou enraizados nas imme- 
diações da capital, supprindo 0 seu mercado cada vez mais 
exigente porque, crescendo 0 conforto e surgindo 0 luxo, a 
meza tinha fatalrnente que se tornar mais variada e esme- 


(1) Revista Trimcnsal, Torno XXIX, Parte I!!. 



89-1 


bo
t JOÃO VI NO BRAZIL 


rada. Abrangia ella creseido numero de outros portuguezes 
do Reino e estrangeiros, entre os quaes elenlentos poueo 
desejaveis que a policia arbitraria, quando não abusiva (I), 
de Paulo Fernandes Vianna e Vidigal trazia sob a sua n- 
gorosa fisealização, sobretudo depois do inesperado si bem 
que explieavel rebentar da revolução de 18 I 7 e da deseoberta 
de 'Oumerosas soeiedades seeretas (2). 
A vida fluminense offereeia toda ella uma appareneia 
mais animada e .attrahente, tendo perdido bastante do seu 
aspeeto quasi vegetativo para assurnir urn earaeter intelli- 
gente. Lueeoek, que ehegou ao Brazil em 1808 e se retirou 
justan1ente em 1818, escrevia que deixava a soeiedade con1 


(1) Hippolyto, cujos duendes el'am 0 governo milital' das 
capitanias e a policia, reprovou em tel'mo!': acres no Correio 0 de- 
creto de " de .xovemuro de 1812, alifts logo revogado, que man- 
dava que nenhum preso pOI' onlelll (/0 IJ/telldc'Ilt(' Gentl pod esse ser 

olto pOl' qual queI' auctoridade: "pOl' Ulandado!':. senten<;as, ou as- 
sentos ùe visita (como (IS rlsif(l,'-/ tís pri8õcs do Rcycdor ([as jusfiÇ"tls) 
sern que antes 0 m('smo Intendente seja sciente, (' 0 dê pOl' corrente," 
Fm cOl'respondente a.nonymo do Corrcio (,s(,l'l'via porém a e
te 
pl'oposito que 0 redactor se agita va sem gl'andl' rnotivo, pois (IUe 0 
ùel'reto não era extraordinario, a troz e ('rupl l'OUlO elle acrC'dita va. 
Nem podia deixar de ser razoavel que !':e ouvisse a policia !w1.>re a 
culpa1.>ilidadp de urn preso n sua onll'm: 0 contrario seria a anar- 
cIlia da justic,a, mandando uma auctoridade prender e outra soltar 
a esmo, sem se entf'ndf'l"l'lli. }<
 0 corresponaente accrescentaya que 
no Brazil havia muita li1.>erùadp de expressão, at(> nos cafl's e 1.>0- 
tequins, sem receio de dela<;ões, ha \'ia m0smo fal ra ({p n'
l)f'ito n:u; 
ceremonias religiosas, -e us claras agiam cluhs e ajuntamento!'!, 0 qUf' 
seria incompativel com urn regimen de terror. l\ão tira isto a raz[io 
80 pu1.>licista no reclamar legisla
ão mai
 conspntanf'a na theùria 
com os velhos privHegios e as novas aspiraçõcs populares. 
(2) F'uncciona vam no Brazil, df'IH='ntl('ndo POl'PI1l do Ol'if'lJTe 
J
uzitano ,atp que .ro
p Bonifacio reorganizou a ma<;onaria naeional, 
ereando-se 0 Orif'ntp Rl'azileiro, tão con:-òpicuo nos tf'lllpO:-; da Intl,.- 
l'endencia. Em Pel'namhueo havia loja desdl' 1SU
), e no Rio e Bahia 
desde a mf>osma data 811proxiruadauwnte, .\ ,loja de 
itheroh.r con- 
tava como lllf'mhro infltwnte .ro
p l\lariano C'ln'alcanti. ('ujo pappI 
na revolução de un 7, si não foi 1.>riIhantf' ou 
ympathieo, foi pm 
toùo caso saliente. Para 0 juizo de Inconfidpncin f'.;;tabl'le-eido para 
taes socieùades st'cretas depoi
 da sedi('ão }wrnarnhueana, pscoll1Pu- 
s.p 0 desembargador J o
P Albano I"rag()
o. Olpl1o 'Ior.1P!=;. l. I'azll
 
Reino e Brazil Imperio). 



DOM JOÃO VI 
o BRAZIL 


895 


que tratara dotada de muito mais energia individual, de 
muito mais cspirito de trabalho, de muito mais iniciativa 
(pushing). as interesses particulares obravam e impelliam, 
tornando aguda e instante a lucta economica e social onde 
d'antes havia apathia. 
A paixão pela agricultura, pela industria, pela mine- 
ração, por tudo quanta representasse progresso material e 
servisse de base á riqueza privada e publica, accendera-se 
por forma tal que perdera a noção do nleio e chegava pel a 
ambição a tingir-se de ingenuidade. Assim em 18 I 6, a pro- 
posito do Instituto Academico planejado, se entendia e de- 
clarava que os jovens destinados á religião e á magistratura 
deveriam possuir "conhecimentos de historia natural, agri- 
cultura cartes de que ella depende", sendo os curas obriga- 
dos, antes de admittidos aos beneficios, a demonstrar, como 
acontecia na Suecia com os pastores lutheranos, sciencia agro- 
nomica applicavel ao ensino e aproveitalnento dos seus fieis. 
Não existia ainda casa regular de instrucção d'essas 
materias agronomicas, mas j á alguns conhecimentos techni- 
cos se poderiam alcançar na aula de agricul tura e botanica 
que, a cargo do competente frei Leandro do Sacramento, 
começou a funccionar a 13 de l\Iarço de 1815. Tinha lugar 
o curso, para 0 qual entravam alumnos ordinarios e volun- 
tarios, que estes não eram obrigados a exames nem a matri- 
culas, no Passeio Publico: "e em ,muitas tardes far-sc-hão 
digressães pelos nlontes para estudal-os", dizia 0 edital que 
estabelecia esse "ensino de anatomia, physiologia e classifi- 
cação das plantas, prinCÍ'pios e pratica da agricultura para 
instrucção dos propri-etarios de engenhos e fazendas." 



S!)f) 


DO
l JOÃO VI KG ERAZIL 


Pelo que respeita á protecção em si dos interesses agri- 
colas, desde 2 I de Janeiro de ] 80g urn al vará concedera aos 
habitantes do Brazil 0 privilegio de não serem executados na 
propriedade dos seus engenhos, fabrica e lavoura e sórnente 
em uma parte dos seus rendimentos. 
Para levantar a mineração, muito abandonada desde 
que as minas escasseararn ou entraram a produzir menos, fez 
o governo de Dom J oão VI administrativamente 0 possive!. 
A carta regia de 12 de Agosto de 18 I 7 ao governador e ca- 
pitão general de l\Iinas Geraes, D. l\Ianoel de Portugal e 
Castro, occupava-se, ultima em data de uma serie de provi- 
dencias, da formação de sociedades destinadas a promover a 
lavra das minas de ouro: "empregando-se os fundos dessas 
sociedades, por conta das mesmas, no estabelecimento de 
lavras regulares e methodicas, mas debaixo da direcção de 
urn inspector geral versado em sciencia montanistica e me- 
ta11urgica, nomeado pelo soberano. As referidas lavras ser- 
viriam ao mesmo tempo para instrucção publica, patenteando- 
se aos habitantes as grandes vantagens que resultam do me- 
thodo scientifico dos trabalhos montanisticos, aproveitando- 
se os terrenos inutilizados e melhorando-se os methodos de 


. -" 
mlneraçao. 
Si resultou platonica a recomrnendação e a rnineração 
continuou em repouso, a culpa foi da falta de capitaes, mais 
meSIno do que de actividade industrial. Os capitaes parti- 
culares eran1, n'este sentido de disponiveis, á busca de co11o- 
cação, nullos no Brazil. N a falta de urn conlInercio extenso 
e proveitoso á economia nacional, que estava ainda e con- 
tinúa em formação, constavanl de terras que davam na me- 
lhor hypothese urn rendimento absorvido pelas escravarias, 



DUM JOAv VI NO BRAZIL 


897 


sen1pre a (enovarem-se, e pelas exigencias crescentes da vida 
social n'um meio em transformação. 
o governo, por seu lado, não tinha dinheiro superfluo 
(I) para crear ou fomentar industrias, por mais remunera- 
doras que as anticipasse. Suas unicas tentativas n'este campo 
foram a fabrica ou fundição 'do Serro do Frio, mandada 
construir á custa da real fazenda pelû intendente geral do 
Districto Diamantino, e a fabrica de ferro de Ipanema, 
igualmente de iniciativa do conde de Linhares, 0 qual em 
1810, tendo noticia das extraordinarias quantidades de mi- 
nerio existentes n'aquella localidade paulista, mandou alli 
estabelecer mineiros e -fundidores suecos. 
A manufactura de Ipanema produzia em 18 I 7 quatro 
mil arrobas de ferro annuaes, havendo comtudo 'a fabrica 
soffrido extensões e passado por alterações e modificações 
importantes depois de confiada sua gerencia ao tenente coro- 
nel allernão Varnhagen, que levantou uma fundição pelo 
custo de 300.000 cruzados e mandou vir Ja Allemanha 
fundidores para a execução de trabalhos mais delicados. 
Spix e l\'1artius, que visitaram São Paulo exactamente 
quando estavam terminadas as novas construcçõcs e dado 0 
novo impulso, relatam que a fabrica nunca rendera quanta 
se calculara a principio, opinando uns que não era boa a 
qualidade do ferro dcpois de refinado e fundido, attribuindo 
autros 0 relativo mallogro em parte talvez ás communicações 
difficeis e certan1ente muito á concorrencia dos productos 
inglezrs, tão favorecidos pelo tratado de 1810. 


(1) Xo Ih'ino ,dp Port ugHl a faIta fll' l'('('l1r
()
 dlf'gara a 
ponto tal p tanto !-;f' a\'o!lImara 0 dpfieit f/lH', pm lS1:!, para fazp1' 
f;H'P :IS dpsppzas mi1itarp
. manc1a\'u 0 I'rincipf' Hp
I'nt(>, pntrp out1'a!'; 
Jl1Pdi(las e \"I'mlas filiI' ]'('comml'ndava aos novf'rnadorl's. alienaI' I)('m;; 
1ivrps Ila ('orî,a. Xo Brazil a 
i1mH:ii.o finan{'pira p1'a mf'nos angus- 
tio
a, mas em ('xtremo acanhada. 



898 


DO)[ JO.Io YI :t\O BRAZIL 


Em l\Iinas Geraes pequenas fabricas particulares, le- 
vantadas sob a direcção do barão òe Esch\vege, testrmunha- 
vam entretanto 0 custoso despertar industrial do Brazil, 
tam'bem revelado no melhoranlento de estradas, no lança- 
mento de pontes, na conducção d'agua potavel para os cen- 
tros de população, no augmcnto da tecelagem na mesma 
consideravel provincia de l\linas. 
U ma carta regia de 16 de Janeiro de 1817 approvava 0 
estabelecimento da companhia de mineração de ferro de 
Cuyabá, dando estatutos para sua regulação, e insinuava 
a conveniencia de mandar pessoas aprenderenl a arte de 
fundir nas fabricas de São Paulo e l\linas; outrosim recom- 
mendava que se perscrutasse a existencia de minas de sal na 
capitania de l\Iatto Grosso. 
Gutro assumpto 'que como sabemos mereceu bastante a 
attenção do governo, foram as communicações fluviaes, as 
mais indicadas, as unicas indicadas mesmo n'um paiz de 
tão .exaggeradas proporções, com urn systema hydrographico 
perfeito, e quando se não achavam previstas na pratica as es- 
tradas de ferro. Procurou-se com enlpenho ligar por esse meio, 
o mais possivel, a costa com 0 interior, isto é com Goyaz e 

Iatto Grosso, quer pelo Amazonas e seus affluentes e sub- 
affluentes, quer pelo Tieté e Paraná e d'ahi por differentes 
rios nlais ou menos navegaveis indo dar no São Lourenço e 
Cuyabá. 
A carta regia de 5 de Setembro de 181 I, expedida ao 
governador e capitão general de Goyaz, sanCClonava 0 
pIano de organização de uma sociedade de commercio entre 
a referida capitania e a do Pará, e concedia privilegios aos 
accionistas. Reportando-se com Iou va res a tal tentativa, 



DO)! JOI0 VI KO BRAZIL 


8!)
 


Hippolyto propugna\ra no Correio a iòéa de uma capital cen- 
tral, perto das cabecriras dos grandes rios, que se deviam 
tornal' inteiramcnte navegaveis, e clamava ulna vez InalS 
por legislação liberal que attrahisse unla inlmigração es- 
trangeira mais proficua e estavel do que a mrramente COl11- 
posta de negociantes - "cuja patria são a carteira e 0 es- 
criptorio" (I) . 
Com vista n'estes resultados praticos arranjaram-se 
explorações nacionaes que 0 governo muito animava, como 
animava até certo ponto as missões estrangeiras que acudiam 
seduzidas pela novidade e captivadas pelo interesse do paiz. 
Algumas das ultimas deixaram nome ill ustre nos fastos 
scientificos: a austriaca e a bavara entre outras, que acom- 
panharam a Archiduqueza Leopoldina em 1817, composta 
a segunda dos celebres naturalistas Spix e 1iartius, abran- 
gendo a primeira, preparada por Van Schreibers, director do 
1\1 useu imperial de historia natural de Vienna, 0 professor 
l\Iikan, de Praga, encarregado da parte botanica e da en- 
tomologia; Pohl, da nlineralogia; N attert'r, da zoologia; 
Ender, pintor paisagista; Buckberger, pintor botanico, e 
Schost, horticultor. 
Por conta propria mesmo 0 governo de Dom J oão VI, 
intolerante n'este assumpto só quando se Ihe despertava a 
desconfiança, subvencionava explorações fcitas por estran- 
geiros distinctos ou competentes. Assim, por decreto de I de 
J ulho de 1815, mandou pensionar dous naturalistas allc- 


(1) l ma (la
 prinl(>jl'a
 al)prt:l
 foi a nayC'ga
ão elo Hio Grande 
rlps(lp };C'lmontl', quI' fa<'Ílitnn\ a cOlllllllmic-ac;ão da capitania de 
Porto 
P
11l'0 com a
 do (,I'ntl'o, "fazpn(lo-!-;f' uma estrada de 55 le- 

n:\
 para lliminuir algumas (liffÌ<'ulrladf'
 rf'
tantf'
 òa navf'ga(;åo", 
a (IUal (,1'a cm;to
a plH' ('ausa (Ins cHc-hoPÏras e anùava prohihida pur 
causa dos dlaman te::; de J equitlnhonha. 



BOO 


nu){ JuAo YI 1\0 BRAZIL 


mães, Freyzen e SrlIo\\r, com 400.000 réis annuaes para 
estimular seus trabalhos, "com obrigação de apresentarem 
n' esta côrte no fim de cada uma dr suas viagens, não só- 
mente a men10ria descriptiva d'ellas, mas os exemplares de 
todos os objectos que tiverem analysado e colligido, os quaes 
serão recebidos no real gabinete, que para este finl me pro- 
ponho mandar estabelecer." Assim annunciava 0 Rei a fun- 
dação no Rio de Janeiro do :\1 useu N acional, que veio a 
pres tar serviços tão inquestionaveis á nossa historia natural, 
anthropologia e ethnographia. 
o J ardim Botanico (a principio Real Horto), plan- 
tado originariamente para introduzir no Brazil a cultura 
de especiarias das lndias Orientaes, no lugar do engenho 
de Rodrigo de Freitas onde tambem se montara a fabrica 
de polvora, foi outra creação de Dom J oão VI cujos resul- 
tados scientificos teem sido consideraveis e são inesgotaveis. 
Esse jardim que interessava 0 seu fundador ao ponto de, 
segundo se conta, ahi passar dias inteiros, abrigou numero- 
sas plantas exoticas e acclimou varias que hoje admiramos 
e usufruimos, te
do-se ou tras perdido por abandono. Non u- 
mero, das aproveitadas e das desamparadas, en tram a canna 
de Cayenna, 0 chá, a palmeira real- assim chamada por 
haver sido plantada pelas regias mãos - 0 abacate, 0 olho 
de boi e 0 litchi da China. a camphoreira, 0 cravo da India, 
a fructa-pão, a noz moscada, 0 caj á-manga, a fructa do 
conde, a pin1cnta do reino, a caran1bola, a anloreira, etc (I). 
Filiaes do J ardim foram Inandadas dispor em Pernan1- 
buco, Bahia, :\Iinas Geraes e São Paulo, dirigidas, a primeira 


(1) TlOrflf,
 1'1Ulllil/( ll.<;i,
, f)1( Rn:rr lIotiria 801"",, 08 l)lantn,
 
('Illtirndo,
 110 Jon1im Butf/Ilico (/0 Rio úe J(lllciro
 pOl' J. Barbosa 
Hodrigues. 100, lSü;). 



DO)! JUÃO VI XU BRAZIL 


UIj! 


pelo agronon10 francez Paulo Germain, vindo de Cayenna 
( 1), e a ultima pelo suisso J oão Baptista Badaró. 
E' natural que explorações geographicas, cultivo de 
snenClaS naturaes, experiencias agricolas, leituras rnais ex- 
tensas e folgadas e urn fei tio de vida rnais pratico e des- 
afogado redundassen1 n'urna producção intellectual mais ca- 
racteristica e proveitosa do que exclusivarnente a de serrnões, 
panegyncos, dithyrarnbos, elegias e discursos acadernicos. 
De facto, si percorrermos 0 rol das edições da Typographia 
Regia de 1808 a 182 I, encontrarernos, afóra as dulcificas, 
todavia esclarecidas e progressivas observações con1rnerciaes e 
econornicas de José da Silva Lisboa (1808-10) e além de 
traducções de Voltaire, Bernardin de Saint Pierre e Delille 
(181 I) auctores muito ao gosto do tempo, dos infalliveis 


(1) POI' causa ùo mau estado em quC', dC'Yi<1o á Ionga viagC'm, 
cbrgaram de Cayenna, plantaram-se em PC'rnamhuco. ah'm das dC's- 
tinadas esp0cialmen te á capitania, a mór partl' das 31TOrl'S flue iam 
para 0 jardim da côrtC', no intuito de mai:-: facilmenie fJppuis se re- 
movC'reill, com llif'nOS verigo de nåo vingar('m, 
Paulo (jermain era. no dizpr do gm'C'rnaelor Caf'tano Pinto 
que as Solas de To11('nare corrohoram, um franf'PZ VOlUV01 e sem 
grano.e resppitahilidadC' para chpfp: "lin'e porém do f'ontagio jaco- 
hinico e aborrecendo no seu co-ração 0 governo de ßuonapartc" 
o profC'ssor rIC' fI0s('nho do s('minario dp Olinda e cor,q)hpu da futura 
rp\'olu<;ão elf' IH17-"f'ccI0siastico d0 111llita prohid:Hl0 (' ('om bas- 
tant('s IUZ0S de historia natural, flUf' 0:-:tnrlnu com 0 nr. )[anoel ':\1'- 
rncla rIa Camal'a"- -foi Iwlo gO\'('r11:Hlor de Pl'rnamlH1cu ('ncarrf'garIo 
df' flirigir 0 viYf'iro das plantas. tl'ahalhando G..rmain soh suas 0)'- 
(1l'ns (Offieio dc' ('adano Pinto ao condl' ell' Linharl':-:. (1(' 
1 rIp 
,111nho df' lk11. nos J)rJ('uJlI('nfo,"l ,
olJ1'(' f) ,lardilll nO/fluko fie Olinda, 
18ft, 12 (\ f/i, na H0V, do In
t. .\ rch. f' (;('og. PNn, n, :n I. 
Tn/Io comtwlll nl'l'main ao JUn <II' .ranl'il'o pl'ol'pdl'r ao pJanfio 
do r('
tn (Ins 3rVIII'f'S para alIi dl's1inadas, r('grl'!":!":Ol1 ('Ill 1
1:! a PI'I'- 
namhll('c). pncal'l'('
ado pl'lo g-ovl'rno ùa dirf'('(:ño Il1P!":mC) till horto 
f'1'f':\o.o on elf', no di
er de (;a1n"as (Offkio dC' 11 dl' 
Iar(:o at' lS1
) 
"sI'Inf'lhantf' ('lIltura dl'\'p pl'o
]lf'rar pOl' 
I'r 
f'u ('lim:1 JIll1ito analogo 
:10 rIp ('a,n'nna." ])0 11orto tinha I'ntr('tanto fi<'arlo ('l1idandn 0 pa<1l'f' 
.Jnão Hihf'il'o. ql1p 1h'0 I'ntl'f'g'ol1 a :!;) de Hl'tplllhro, constando da sua 
rc'J:u:HO 0xi!';til'0Hl no l'f'fl'l'Ïflo ,Jal'dim. tr:msplantados Oll em viveiro, . 
;;no III;s (if' g-irofriro (('(lrio]Jl'!lll11.
 aro",nfie,), 17 dp canC'lIpim '(l
11l- 
1'118 CiIUII1LOIJIIWI), 11 arvorps de fructa do Conde (an(ma 8'lIH01LOza), 
1-1 noguciras de lJencul (artuea1"1Jlls illt'Ï8a), ...0 an'ol'l'S do pão, etc. 



902 


DU:\! ,JO...\O VI NO BR t\ZIL 


elogios historicos c orações funehres, e do poema .tl SHI/1lþ(lÌO 
da f'irJ[c/Il de frei Francisco de São Carlos (1819), nlixto 
de religiosidade e pOlnpa rhetorica pronlissi

 do palavroso 
ronlantismo christão: roteiros conlO 0 òe Silva EeHort, do 
l\Iaranhão ao Rio (1810), e 0 de Oliveira B'astos, de Santa 
l\laria de EeletTI pdo rio 1"ocantins (1811); os escriptos 
profissionaes de Vicente Navarro de Andrade (I) e Correia 
Picanço (2); a traducção da Algebra de Lacroix (1812); 


{1) PIano de orrlalzi,:aç:äo de llIJl(( ('scola 'lllcdico-drurgica 
(181
) . 
(:!) ElI!'I0;08 solJre 08 1)('I";rI08 "08 s/']Jllllllms dcnlro daB dù((- 
dl'8 C I/O.'; 8('/(8 COli torI/OS (1.
12). Xão ohstantf' e8ta puhlic
H:ão de 
nma aUl'toridade scif'ntifica da ctlrte (' ,pm posi<;ão official, os f'n- 
tl'rro
 nas ('grejas continuaram 'até 1
:10. quando foi formalmente 
prohilJido inllUmar a não 
f'r nos crmitf'rios, que no pmtanto não 
foram alwrtos a grandes distancias da cidade. 1'\0 tempo de Dom 
J oão Y C ha\'Ïa .1f1 cemiterio mas para os pobres e os negros. cnjos 
(,Ol'POS pram leyados aos dam; e trl'z n nma rede e sepultados de mis- 
tura, alternanuo-se na pilha p(o:; f' eabf'ça. Os corpos dos ricos eram 
carregadlls fts prp
sas, 'sem gl'andf' respeito, para as egrejas, C SH- 
cudidos com cal \'iva nas Co\ as fl.a
 naves. soeando-se pOl' ('ima a 
tPlTa com macetf'S (Luc('ol.:. of). d/.) .\0 cabo de urn 3nno exhuma- 
Yam-se, para ahrir nas sl'pultura!": vaga!": a que não faltavam candi- 
datos. os os
os dos f'ntel'radns. 11111-> 
e cnn!,,:pl'vavam amontoados n'um 
dpposito ou pateo da egreja. Vepoh; de 1
16 gmcralizou-se muito 0 
eostumf' dp constru ir 0 que se cha mou ('{( f([('1t 111 lJ((8 .p eram galerias 
alwrtas contiguRH aOH templo:s. a f'xf'll1plo das que então existiam no 
Carmo e 
ão Francisco de Pallia, exclnsivas dos irmãos. Igual- 
mf'nte I-'ra abi co:stnmf' tirar no fim ùo anno a ossada do seu lml'aco 
ou oco murado dp tijolo e cal, paf;!":ando para outra dependencia 
sap'ada df'nt1'o de uma urna. .\ osten ta<:ão invadiu ef;te terreno da. 
morte como invaò.ira os da vida. sllhindo as urnas de modestas a 
:sumptuosas e exhihindo na sua piedadc pelo mol' to a abastam;a da 
familia, 
Os pnt0rros Ir('ali7avam-
e se.mpre ao Iusco-fuf;co, sf'ndo 0 
('011)0 tran:-;portado n 'uma pacHola forrada de velludo preto l'eca- 
llHUlo d.. l'l'nda df' onro. 0 c
Hlav('l' ia descohf'rto; diz f)rhret flUf' com 
a eara pintada, 0 ealH'lIo 0mpoado e a te!":ta orna<1a df' flores ou 
cinta pOl' uma corûa ùe metal, 0 qUf' nem ajudava a emo<;ão nem a 
defel'f'ncia, <>mprpstando ao acto ares de carnaval. 

\ estada da côrtf'. com 
mas conhecidas cons(,flu('ncia
 de 
desenvolviuwnto mental, fez melborar muito isto como tuùo mais, 
pasHando a haver, segundo 0 mesmo D0hret, tf'stellunha presen- 
cial ùa transformal:ão, ml'lho1' a1'1'an.1o nos cpmitf'rios, maim' decen- 
cia nos acompanbamentos funpures e rpsppito mais accf'l1tuado pelos 
mo1'tos e seus lug-ares d(' l'l'))onso. 
\inda assim, IIpnd('l'son nas suas 
imprf'ssões mostl'ou-se muito eHcandalizado porter ouvido profel'ir, 
ou constal'-Ihe flue foram proferidas palavras obscpnas n'uma ceri- 
monia funp
re, pelo pai da moça que se ùaixava á sepultura. 



DO
[ JO.ÃO VI NO BRAZIL 
. 


903 


a da AI echanica de Francæur por J. Saturnino da .Costa 
Pereira (1813); a da Physica de Hauy (1813); a da Eco- 
nomia politica lIloderna de Herrensch\v"and; as elevadas pre- 
lecçães philosophicas de sa vestre Pinheiro Ferreira (18 I 3) 
(I) ; a Chorographia do padre Ayres do Casal sobre que se 
basearam tantas obras estrangeiras em materia de geogra- 
phia brazileira, e as -1,[ emorias historicas do Rio de Janeiro 
de l\lonsenhor Pizarro: aridas no estylo mas fecundas com 
respei to a docun1en tos e informações (2). 


\ 1) )lal'rocos, como era veso seu, desfazia das lucubrat;ões do 
f'mineTIte eiIlsai,st3 e tratadista, n-c,s term-os seguintes da sua carta 
ao pai, de 1H de )Iaio de 1813: .'..... aqui tambem se préga muito, 
III'oduzindo-se PIanos e rrojectos LitterarioH, mas ex fa'1/ fo niMl. 

ilv(lstre Pinlwiro estft mrttido a Projectista e as suaH liçõ.('s redu- 
ZPlll-se a buma mezela scipntifioa, que se não .sahe 0 que be: esta- 
1ll0S no t0lU}W das t;'ral11maticas Filosoficas. e 0 sistema dl' todas 
fig Linguas rl'duzido a buma s6 praxe." Tempos depois, em carta 
de 2;; de Feverpiro (10 un t.i. voltava a occupal'-se do assumpto nos 
mf'smos tel'lllOS displicpntrs para 0 philosopho publicista: "
ilvestre 
Pinheiro, no tf'I11]10 ('Ill (1Ur psten> sus}wnso dl' Sl'US Lugares, occupou- 
se pm ensinar Filosofia por bUIll rnl'thodo Illni amplo e genN'ico, 
(JnE' ahrangia 1 udus us seus rall1o-:: julg:o que suas in.te.nsões !h.C' sahi.- 
l'tlO mais ò.iffi<-eis na pratica, do (jup haYia concelJido, porqup 

ão l'l'oposic:ò<,s á Fran('l'za. ']'{>m puhJicado alguns folhl'tns 
Ill' 
mls I'r0]0e
"('s,..... e na introdt1(,t;ão ::51' ('onheee a vprdade do 
(JIll' digo aeima. Xão sei St' S01,:l (']'l'0 mpu (1m dizer que 
ilvest,re Pi- 
n hpiro he d'a.q n .]Ies bomens, que tern a ba,bilida,de de infundir vene- 
ra<:tlo scil-'ntifie:l: e ineul('ando-sr corifêo f'ncyclopedico, grangi'a bum 
pal'tido. (!UP OUVl'lll suns valavras soHns, COlllO yozes de oraculo. 
j'oue:lS YI'ZpS 0 t<,nho ou\"il]o fall
n', pOl'(}UI' atp nisso se qtwr mist,'- 
rizar: p(Jr(
lll na 1'01111, quI' 0 <;;egtH'. qu:uH1o ypm il Livra ria, consid0ro 
quão f1'l1l'0-: somos, quan(lo nos al'l'asta a opin ião! 0 l'adl'p J(}aquim 
})ama7.Q (pOl' elII' ,seL' 
t"U coHeg3 Congregado) mo inculca selll'pre 
pOl' sUlwrior a todos, nos tpmpos actu30s, em luzes e conher'Ïlllpntm;; 
p eu, ao contrario YE'jo nas suas l'relecc;ões illllH'0ssas DC'finições e 
'l'lwol'pmas, que pOl' SlHl ostc'ntac;ão 110 novidadl' só me cauzão riso, 
ou nojo: al,ezar ùa iIlu:,;tra(la A\nalis(', que lhes fazt'm os Itedactores 
(Jo Il1\'C'sti::mdor Portugu<,z, (\lpvando-as :is nun'ns.".." 
(,2) 'xas ealJitanias fo,i gradual mas roor,oro 0 apparecimento 
da impL'eIlsa. Em Pernamhnco. 0 priIllpiro uso d'plla (f'XCPI)C;ão fcita 
dl' u III lllmlpst iss,i 1110 pnsa io, pm 1 "jOG, logo .ahafaLJo pl'la lllf'tropoll') 
foi fpito lJplos r('\'oluciunarios de 1817 com os typos e IJl'pio tlUt', com 
intuitos comnwrciups, tinham sido lllandados fir da Inglatcrra em 
is 1 r, p010 negociante do Rl'cife Hicardo Fernam]l's C'atanho, 0 qua I 
Sf' a]Il'l's1ava a usar dos lllPslllOS apoz .auetoriza(:åo, dada nos fI de 
Xo\'embro dl-' 181H, pC'lo lllarqnez de .\guiar com as eom}Jptentt"s rp- 
s3h'as (]p licl'n(:a, rp,-isi'io (\ ('0nStIl'a. .\ cl0mora em fmwciol1ar a. 
imll1'I'II-'::I fill':! C:llI,:..,.1:1 pOl' nñ,} h:\\','I' ail!1d:1 .uffidal'''; lie t,nwgl':lp11Ï:1. 



904 


DOM ,JOAO VI NO BRAZIL 


Litterariamente, porém, nada melhor reflecte essa epo- 
cha de remodelação politica e mais ainda social, e de inno- 
vação intellectual que, consciente ou instinctiva, representa 
para 0 Brazil e sobretudo para a sua capital a transferencia 
da séde da monarchia, do que U Plltriota J revista precur- 
sora do Panorama de Lisboa, cuja publicação se encetou 
em 1813 e ûnde sc encontran1 conhecinlentos uteis, varieda- 
des historicas, notas de explorações e trahalhos profissionacs 
de botanica, lnedicina e outras sciencias. () Patrio/a foi :1 
revista adequada á sociedade e ao momento historico de DOlll 
J oão Vl no seu reinado all1ericano. Correspondeu precisa- 
mente á curiosidade de saber que por esse tClnpo se desdobrou 
Inercê do le\'antan1ento do nivel nacional, e á expansão que 
no Brazil tomaraln os estudos agricolas, industriaes, hygie- 
nicos, chilnicos, geographicos e outros d'antes descurados, 
como si, na phrase do editor, "a posição physica retardasse a 
luz a chegar ao nosso horizonte" (I). 


Em 
Iarço de IH17 improdsa r:1m-se cornpm;itores dous fmdes, urn in- 
g-Iez e urn ll1al'ujo francl'7. !':oh a dir<,c<:ão do paùre .Toão Hibeiro, sendo 
o primeiro trahalho sahic10 å luz 0 Prn;i8u ÙU8 811ceC88U8 elaborado 
pelo VI'. JOSt' Luiz de 
I('ndon<:a. 
Quanào tl"iumphante a restauração, casS(j)u-se a primitiva licença 
pelo illJa1Jlc abu8u commettiùo com a officina, cujo material se man- 
dava fechar e remetter para 0 Hio. Hecolhido todo este material ao 
Tl'em Real (
\rsenal de Guerra), apenas parte foi enviado para a ca- 
pItal, dous annos depois da r.ebellião, em virtude de r.eclamação do ou- 
vielor geral da comarea. ('om 0 (jUt' fieou. e urn prelo ÛP madeira fahri- 
('ado no proprio Trem. ll1ontou Luiz do Uego mai:,; turde, em 
Iarço de 
] S:!1, uma tyvo
raphia para Yl1Jg'ariza<:ão, E'xigida lwlas novas eÏr- 
cumstancias politicas, de frp(ju('nt('!": clocumento!'; officiap:o:, e publica- 
(:ão da Aurora l'crnalllbuul1ItI, folha rNligida pOl' SPU g'f'nro, 0 depois 
famoso estadi8ta portuguez Hodri
o cIa Fonseca 
lagalhães (Pert'ira 
da. Costa, EstllbdcciJJl{'J1to (' LJnwJ/l'ulritl/('uto tlll IlJ/jJn:lL
a em PCI'IWIJ/- 
bueo, na Rt'y. do Inst. 
\rch, e G00g. Perno D. 

Ð). 
(1) Introducç'ão ao 12 nurnpl'O, Janeiro de 1813. 
Entre as contribuiçõe:o: Íl rf'\'Ísta fIuminen!":p, originaes ou tradu- 
7.idas de publicações inglezas e frallcezas 0 tocIas ellas mais de cara- 
ctl'l' pratico ùo que de indole puramente litt('ra.ria, f'ncontram-se me- 
morias sobre 0 plantio do cafE', 0 tratamento elo anil e da cochonilha, 
a cultura do algodoeiro (da In vra de 
-\ rl'ucla Camara), 0 fabrico do 



DO
[ .Tulo VI NO BRAZIL 


UD5 


A secção restrictamente litteraria abrangia maXImas 
do futuro marquez de 1-1aricá, poesias novas ou conser" a- 
das ineditas de Bocage, Filinto Elysio, Diniz, Antonio Ri- 
beiro dos Santos, Silva Alvarenga, Borges de Barros (Pedra 
Branca). Si bem que nos pareça assaz repleta do mau gosto 
da epoch a, com todas suas aInplificações rhetoricas e exagge- 
ros cortezãos, essa secçãu era COll1tudo ell1 demasia reduzida 
para 0 que costuIl1a ser a exigencia do publico n'uma terra de 
ingenita verbusidade e de into
icaçãu sentinlental. 
Seria por isso que durou pouco a publicação, anno e 
11leio apenas ? () torn geral da revista não podia entretanto 
deixar de ser synlpathico, pois traduzia antes a preoccupa- 
ção, que COIn effeito apparecia geral e aguda, de dilatar a 
producção e cOlnmercio donlestico do Brazil, extendendo 0 
seu povoamento pelo interior, cuja descripção se intenta\a e 
executava de accordo com explorações então recentes. As 
capitanias de Goyaz, l\Iatto Grosso, Piauhy e Pará (I) 


urucú, 0 modo df' refinar 0 assuear, as plantas medicina
s e as maùei- 
ras a empn'gar nas art(,5, as nO\'(1::o fornalhas para eos
r 0 assucar 
com hag-
H:o inventadas pl'lo Dr. )lanoel Jadntho de 
\Jmeida, 0 me- 
thoùo imaginaùo e pratka<Io no J.aooratorio de .\.ntonio de Araujo 
I Ha)'('(\ I para a extraq;ào do oleo de mamonu; a <1l'scrip<:ão de Ulll 
alamhlque existente no ml'smo lalJorutorio; solu<:õl's de prolJlemas de 
matlwmatica; -ensaios hyùraulicos e hydrogTullhicos; interessantes 
pareCl'rl'S em resposta a lItH'sitos do 
enaùo Üa Carnal'a, propost08 
twsùe 17!)
. solJre doen<;as pndpmicas t' I-'pidelllÍcas àa capital, razõl'
 
que as detPl'minavam e meios de corrigil-as; papeIs que "apodreciam 
no PsquP('illlento" como a pl'afic:a ou discurso de rpel'p(:ão ell' 
\.lcxan- 
<Ire I}{' Gusmão ao entrar a 1:; dp )lar(:o ùP 17:;
 para a 
\cademia de 
Historia de l.islJoa, praticas de Duarte HilJeiro dl' )lacedo, e a llll'mo- 
ria 11istol'ica e geogl'aphica da ùescolH'rta das minas de Claudio :\1 a- 
noel àa Costa; narraçõcs dC' viag-ens COlllO a dl' São Paulo a Cu;yahii; 
<11'rrotas maritimas e rotpiros terrestres: dndos tovogrUI)hicos e es- 
tatisticos sobre as diversas capitanias; inforlll:1(;Òl'S sohrl' Jlovoa
:õl's 
p na
õps ell' inùios; consid('ra
õcs grammatil':1es, l'himÌl':1s (, pl1ilosC)- 
phieas lip Hiln'stre Pinheiro Ferreira, e Ulna long-a (lissl'l'tnl;ão mincl'a- 
Iogka de .J osé Bonifacio <11' .\ndrada e Silva, 
(1) POl' Pal'á entemle-se n'e8te sentido 0 cnorrne 1tlllfl;rluJl{Z 
fimfizonico que da llle
ma capitania fazia parte, sõ rnuito mai-:; tarde 
I)e ol'ganizaudo corno pl'ovinl'ia :.;t'l'aratla, 



906 


DO)! JOXO VI NO BRAZIL 


attrahiam n'aquelle tempo mais a attenção do que as do lit- 
toral, e não tanto pelo Duro que as duas primeiras produ, 
ziam em pequena escala, como pelo gada que n' ellas toda
 
se poderia criar, pelas lavouras que se poderiam propagar n:lS 
suas extensões, pelas culturas que se poderiam ensalar n05 
seus climas. 
Dir-se-hia que recuamos d'esta posição, porque é sempre 
recuar menosprezar 0 desenvolvimento dos possiveis reCUf- 
sos nacionaes. A navegação a vapor e 0 telegrapho electrico 
apprOXLll1aram-nos den1ais da Europa e distanciaram-nos 
do nosso proprio sertão. Nos COlneços do seculo XIX aind:t 
se procurava, pOréll1, com afan utilizar as vias fluviaes e 
desbravar vias terrestres em toda a superficie do paiz (I), 
com 0 fito de formar do Brazil urn todo uno, compacta, 
forte, poderoso e agg;ressivo. 
o simples titulo da revista - 0 Patriota - é tambero 
uma indicação inequivoca do quanta politicamente tinharn 
mud ado os tempos: j á não arripiava as carnes esse terrno 
de cunho revolucionario, d'antes proscripto sem remissã0. E 
tão pouco escapava a observação aos contemporaneos que pOi 
este lnotivo escrevia H ippolyto (2) COIn muita razão: "Por 
mais insignificante que pareça a circun1stancia de se deixar 
correr Uln jornal com 0 nome de Patriota, ou permieir-se 
un1a traducção da Henriada, nós julgamos isto materia de 
importancia; porque he seguro indicio, de que 0 terror ir}l';:pi- 
rado pela Revolução franceza, que fazia desattender a toda 
a proposição de reformas, principia a abater-se, e j á sc não 


(1) Yeja-se como eXPlllplo no yolumf' III d'U Patriota. 0 Dis- 
('l1l'HO 
obre a ne('
.ssidaòe dp um
l poyoadio na c:1ehoeira do 
alto do 
H iu 
Iadpira para facilitar 0 commel'ciu que pela carreira do Pará ::;e 
(It-vp fomC'ntar para 
Iatto GrUHso. 
(
) ('01'1'(';0 n,.(/
ili('II!w, n. tií, (k l)\.'z
mlJl'u (],' 1
1
. 



DO)1 Joi\o VI KO .BRAZIL 


907 


olha para as idéas de nlelhoramento das instituiçoens publicas, 
como tendentes á anarchia, em vez de servirem á firmeza do 
Governo. " 
A divulgação das noções scientificas e de econom:1. 50- 
cial não ficou de resto sem resultados palpaveis. Assinl, Hl- 
troduzio-se e applicou-se no Brazil a vaccina, contra a qual 
existiam as mais fortes prevenções, sobretudo na lnglaterra, 
onde até protestavam violentamente contra a inoculação 
os reaes collegios de c;rurgiõc
 de LOlIdres e Dublim, e se 
manifestava a propria repugnancia pessoal de Dom J oão VI, 
que pelo menos em 1807, antes de se mudar para 0 Brazil, 
chegou a mandar imprimir á Sua casta urn folheto des- 
acreditando semelhante pratica preventiva. 
Gutro tanto aconteceu no ,dominio da caridade publica. 
A Santa Casa da l\lisericordia installou uma enfermaria es- 
pecial para loucos, outra para tnuìheres. Separon-5c a secçãü 
dos orphãos, fundau-se urn recolhirnento para os do s('xo 
feminino e abriu-se urn lazarcto, onde em 18 I S cxistiato 
84 leprosos pobres. A Casa dos Expostos, em que as am as 
eram negras alugadas, cujos senhores percebiam os salario3, 
offerecia mais do que limpeza, certo capricho no conforto. 
Aliás a Santa Casa e suas dependencias produziam seJ.npre 
o rnelhor effeito sobre os visitantes estrangeiros pela sua 
cuidada conservação. Debret, entre outros, elogia sern re- 
servas os hospitaes brazileiros do tempo. 
Em dominio algum todavi'a como no militar se apre- 
sentava mais vivo 0 contraste entre 0 que era 
 Br3zil en1 
1808 e 0 que passava a ser em 18 I 8. 0 apoucadl> dos recur- 
S08 de defeza e a inferioridade dos instrumentos de ataque, 
vimos que foram os nlotivos principaes da poEtica vacillante 
D. J. - 57 



9û
 


DO:M JOÃO VI Nú BRAZIL 


do Principe Regente com relação á encorporação da Banda 
Oriental, até que poude dispor em 18 I 6 dos seus vet
I an os 
das campanhas continentaes contra N apoleão. SÓ então 1he 
foi dado reforçar a expressão do seu feliz ensa:o de ÍJnpe- 
rialismo, que deu ao novo Reino sua fronteira necessaria, 
para isto affrontando 0 ciume dos regulares brazileiro,;, cujos 
regimentos no emtanto só conseguiam encher seus daros me- 
diante Ievas forçadas. 
. 
o espectaculo militar differia não obstante muito do 
colonial, e Linhares, si 'estivesse vivo, de certo exultaria de 
ver que não ficara perdido ou inutil seu primeiro impulso com 
vista na fuodação do poderio nlilitar que devia servir de 
base á grandeza do Brazil, fornecido com a creação da Aca- 
demia Militar e outras providencias tomadas no seu tninis- 
terio, e que se foram ligando e fortalecendo e fructificando, 
não descurando sequer 0 solicito estadista a condição das 
familias dos soidados. 
Tambem a melhoria fôra prompta e sensivel, tanto 
pelo lado da administração, que se tornou mais zelosa e effi- 
ciente, posta na guerra de lVlontevidéo occorresse ainda 0 
facto, narrado por Luccock
 de remetterem-se balas e 'car- 
tuchos desproporcionados aos fuzis; como pelo lado profissio- 
nal, para 0 que vieram contribuir muito, immediatamente 
antes da campanha contra Artigas, 0 desvelo e competencia 
de Beresford, 0 qual tendo ido em pessoa ao Rio de Janeiro 
solicitar do Rei recompensas para as forças portuguezas 
victoriosas na guerra peninsular, disciplinou e remodelou 
quanta poude no curto prazo da sua estada 0 pequeno exer- 
cito brazileiro, tentando incutir-Ihe 0 essencial espirito ml- 
litar que the faltava. 



DO:\I JOÃO VI KO BRAZIL 


909 


Ao visitar 0 Rio em 1813, no anno seguinte ao da morte 
de Linhares, a fragata Nisus
 achara Prior (I), que não 
fazia cerimonia em pôr defeitos no que via, a guarnição, além 
de consideravel na apparencia, bem uniformizada e discipli- 
nada. 0 principe l\laximiliano de Wied-N eu,vied, que era 
da profissão e combatera contra os exercitos napoleonicos, 
comparava, 'porém, ainda desfavoravelmente poucos annos 
depois 0 aspecto, que achou soberbo, dos regimentos vindos 
de Lisboa - os aguerridos voluntarios reaes - com 0 dos 
regimentos brazileiros, no seu dizer "eHeminado e impo- 
tente". Em I 8 I 9 von Leithold (2), official prussiano, 
cunhado de Silvestre Pinheiro Ferreira, apenas se mostrou 
impressionado, em materia militar, pelo brilho exaggerado 
de alguns dos fardamentos, repetindo 0 que ouvira no tocante 
á valia do estado maior, que se dividia em duas partes, uma 
que dormia e outra que velava. 
Para quem tivesse acompanhado as cousas desde 0 co- 
meço, a transformação appareceria apreciavel em todos os 
departamentos militares, e si é facto que a vida dos quarteis 
e acampamentos continuava a mostrar não possuir seducção 
para a gente da terra, a não the fallar absolutamente á 
alma, tambem é verdade que a vida de soldado não encer- 
rava entre nós compensações, nem offerecia garantias de 
especie alguma. 
Os voluntarios faziam seus contractos por seis e oito 
ann os: os recrutados, que serviam indefinidamente, quando 
obtinham baixa por enfermidade ou velhice, viam-se reduzi- 
dos a mendigar pelas ruas. E' quasi inutil ajuntar que a 


(111 (J!fagc alonrJ tll(' ('aRt('rll ('oaRt of .ldca,..... to Rio de 
Janeiro. UaMa anll P('I"1Ull1lùur'o. London, UnDo 
(2) Meine AllSflllcltt nach Brasilien. Berlin, 1820. 



910 


DO
1 JOÂO VI :N'O BRAZIL 


lei de recru tame
lto se não appl.icava com severidade, nem 
mesmo com exactidão. Os commandantes de districtos, in- 
cumbidos d'esse serviço publico, por interesse ou condescen- 
dencia isentavam individuos sãos e capazes para alistarem 
individuos debeis e mal conformados, sómente porque não 
tinham dinheiro nem contavam com protecções. E, com- 
quanta semelhantes abusos fossem bem patentes, continuava 
a situação no mesmo pé porque, na phrase mordaz do via- 
jante L. de Freycinet (I), 0 defeito da administração por- 
tugueza, transmittido á brazileira, consistia em seguir á 
risca a maxima de "evitar todo ,escandalo e não compromet- 
ter pessoa alguma (e'viter tout ce qui peut faire de l' éclat et 
ne compromettre persorzrze).
' 
o essencial parecia residir em não fazer rzo'vidade. Por 
lSS0 os quadros nunca se encontravam completos, e aliás era 
de toda conveniencia para a boa economia dos regimentos 
conservarem-se os effectivos - 'que deviam compor-se enl 
cada caso de 1.557 homens - muito abaixo do limite nor- 
Inal, não excedendo frequentemente de -1-00 soldados, visto 0 
Estado pagar os 20 réis diarios para fardamento, além dos 
70 réis do soldo, sobre a base de 600 homens em regimen to. 
D. João VI me-lhol'ou muitas d'essas faltas capitaes da 
organização militar, assegurando aos soldados, com a baixa, 
reform as e pensões e creando estabelecimentos de invalidos. 
No que diz respeito ao velho Reino, 0 commando estran- 
geiro - tradicional recurso de que se valera Pombal com 0 
conde de Lippe, em que pensara 0 Principe Regente com 


(1) Ob, cit. 



DO!'! JOAO VI KO BRAZIL 


911 


WaIdeck e que ap.pIicou com Beresford - foi indubitavel- 
mente urn bern, porquanto sob elIe, que era a theoria, e ajun- 
tando-se a pratica da guerra, 0 soldado portuguez, :;em nada 
perder do seu denodo, aperfeiçoou a seu garbo militar e 
aprendeu a manobrar com mais precisão, aSSlm lucrando 
tambem debaixo do ponto de vista technico. 
Pondera todavia Freycinet, dos mais conSClenClOSOS e 
bem informados visitantes do Brazil de Dom J oão VI, que 
o soIdado portuguez cujos predicados principaes eram, aléln 
da bravura, a subordinação e a sobriedade, perdera j usta- 
mente em relação a estes aspectos, tornando-se menos tem- 
perante, exigente e muitas vezes indisciplinado (17lutin), 
por havereln-no os ch
fes estrangeiros, 0 interesse dos quacs 
estava em captar a confiança e a estima da força da nação, 
afeito a continuas reclamaçães e d'este modo levado a despir 
se da antiga e illimitada docilidade (I). 
o importante porém era que 0 Reino U nido de Por- 
tugal e Brazil contava agora com urn exercito moldado por 
uma composição militar. Vimas como foi especialmente sa- 
tisfactoria a exhibição bellica por occasião da revolução per- 
nambucana; como foram os seus arranjos executados de urn 
modo firme e decidido, desenvolvendo 0 proprio Rei, contra 
seus habitos commodistas, notavel actividade physica nas 


(1) .\calm de spr recordado que ßcresfûrd foi de proposito ao 
Brazil ñ cata df' prf'Inios para os 8f'n
 suuordinad08. Palmclla com 
muita razåo i
ualmf'nte sc occupou, em Londre!:;, da (,oID}H'nsa<:ão pc- 
cuniaria quP fls for<;as portuguf'zas comlwtia pelos dcspojos da cam- 
panha p('nin
ular. tpndo-a 0 Parlamento Britannico f'xclusivamente 
yotado })ara as fOl'(:as ing-Iezas. Com 
ua hahitual f('liddadl' arrancou 0 
diplomata essa ju
ta in<1('rnniza
ão, ji't qua!:;i ao dcixar a mis:;ào com 
destino ao Rio. 



912 


DO:\f J010 YI SO EH \.ZIL 


visitas seguidas aos quarteis e aos arm,zens. Não deixa de 
ser curioso e suggestivo que do mesmo Rio de Janeiro onde, 
por occasião da chegada da côrte, parecia até difficil man- 
ter-se uma guarnição insignificante por falta da materia 
prima elementar sahissem, em 1816 uma consideravel ex- 
pedição militar e naval contra os rebel des estrangeiros do 
Uruguay e em 1817 outra quasi tão consideravel contra as 
rebeldes nacionaes de Pernambuco; logrando a primeira 
cumprir seu programma, que era de annexar ao Brazil a 
cobiçada Banda Oriental (I), e só não cabendo á segunda 
a honra de repor a auctoridade real nas capitanias revolta- 
das, por j á estar completa a tarefa com as elementos 10- 
caes. 


Ambas as expedições forneceram comtudo testemunho 
positivo do vigor militar, natural ou artificialmente, adqui- 
rido pelo Reino americano, e que com 0 Imperio se extenuou 
sem maiores esforços. N em por isso ficara 0 Rio de J a- 
neiro desprotegido: a sua guarnição, segundo Luccock, pas- 
sou a ser supprida, afóra alguns corpos regulares que ainda 
permaneceram, por milicias do interior, rendidas todos os 
mczes, e cuj a apparencia e disciplina igualmente se tinham 
reformado, regressando outrosim os milicianos, da capital 
para seus sertões ou campos, com habitos menos atrazados 
e idéas progressivas. 
Esta reflexão do ci tado auctor inglez é feliz: precisa- 
mente uma das vantagens da residencia da côrte no Rio de 
Janeiro foi essa, de permittir uma influencia mais directa, 
mais suggestiva e mais efficaz sobre os costumes e 0 pensar 
da totalidade do Brazil. A transferencia da séde da monar- 
chia podia ter produzido 0 effeito, de certo modo contrario ao 


(1) Lccor entrou em )Ionteyidéo a :!O de Janeiro de 1817, 



DO::\I JO..\.O VI :'KO BRAZIL 


913 


progresso nacional, de desviar a attenção da peripheria para 
o centro, acabando com as ligações independentes das capi- 
tanias COIn a metropole portugueza e retard an do portanto 
o seu desenvolvimcnto parallelo e autonomo, alénl de one- 
ral-as com encargos supplementares, quando as vantagens da 
permanencia da côrte eram auferidas pela nova metropole J 
a brazileira. 
Por outro lado porém, a trasladação veio emprestar ao 
paiz aquillo que Ihe faltava para entrar n'essa cathegoria, 
uma capital convergente e propulsora que enfeixasse as as- 
pirações e as tornasse harmonicas. as deputados das cama- 
ras municipaes das provincias que concorreram ao Rio de 
Janeiro para agradecer aDorn J oão a elevação do Brazil 
a Reino, eram os portadores na grande maioria inconscientes 
d'estes votos de unidade politica sob que se aninhavam e me- 
dravam ambições de perfeita soberania, quando 0 monarcha 
j ulgava ter-lhes ido ao encontro, fazendo do Brazil a parte 
preponderante do Imperio luzitano. 


Ponto central do Circulo que abrange 
As Plagas quatro em que Teu Solio firmas J 
Divergerás fulgor almo e Divino, 
E a Ti convergerá do espaço immenso 
Espontanea homenage igual aos Evos (I). 


E' facil preyer 0 resu] tado que teria tido a crise de fe- 
deralismo, si nåo fosse a robustez do sentimento unitario e 
patriotico crystallizado conl a nludança do throno portu- 
guez para a America. Urn dos poetastros que perpetuavam a 
tradição dos yates palacianos no meio fluminense, sempre 


(1) Estani
lau Vieira Cardozo, COIL to {'pleD cIt. 



914 


DO)! JÚÂU Y1 XO BHAZIIJ 


indifferente quando não hostil aos seus encOlnios cortezãos, 
feria entretanto a justa tecla, quando exclamava no apice do 
seu curto estro: 


Tres Seculos havia 
F-ora a planta lançada 
Do Brasilico novo vasto Imperio; 
l\Ilas, arvore deixada á Natureza, 
f 
Crescia vagarosa: 
Benigna sobra lh'era 
:\Iais que tudo precisa: eis chegas, toma 
Novo viço e vigor, e j á robust a 
Não receia tufões de bravos Euros: 


Tens de gran des destinos 
N obre porção cumprido ! 
Que :ðlonarca Europeo transpoz 0 Oceano, 
E á Quarta Parte nova ha dado a gloria 
De possuir hum Throno ? 
T u Primeiro te acclamas 
Entre Povos que nem pensallo ousavão!. . . 
l\.las a Lysia rezervas mór ventura: 
Hum dia. . . Aqui silencio m'impõe Febo ! (I) 


Não esqueçamos porém que não só do baptismo militar 
do Brazil-Reina foi padrinho 0 exercito das campanhas pe- 
ninsulares, como que de 1816 a 1820 foi continuo, por 
instrucções da côrte, 0 affluxo de tropas portuguezas ao 
Brazil, inspirando confiança aos Portuguezes que j á se ar- 


(1) .ToafJ.uim .Tma" rpdl'o Lop('
. Or1(' á arrlrlll/o('(Ìo de Sua 1[n- 
!/('8f(ulc Piddi88illl(l 0 SCII/WI' D Joäo 1'1 rtc. TIio de Janeiro, anno 
1817. 



DOM JO...\.O VI NO BRAZIL 


915 


receiavan1 das idéas separatistas, e instillando despeito nos 
Brazileiros que enxergavam nas forças transplantadas Uin 
precioso instrum.ento de jugo e oppressão (I). 
Refere Luccock que a esquadra em 1818 se achava 
muito augmentada, pois desde 0 an no de 1813 se the tinhan1 
aggregado, em que pese ás informações afficiaes de l\laler, 
importantes unidades, construidas as mais d'ellas no Rio e 
na Bahia, onde já nos tempos coloniaes se fabricavam navios. 
Luccock porventura força n'este ponto a nota optimista, mas 
é facto que Turnbull, 0 qual fez de 1800 a 180+ un1a via- 
gem em redor do mundo, estando no Brazil, falla com 
muitos elogios do arsenal da Bahia, em cujo estaleiro en- 
controu uma nau de 64 chamada Principe do Brazit admi- 
ravelmente construida com madeira do paiz. "Concebo que 
he de j ustiça accrescen tar, escrevia elle (2), que este na vio 
me pareceu huma completissima, e bem acabada peça de mão 
d'obra; e junctamente com a sua elegancia, combinava for- 
taleza .e substancia, que se não podem exceder, e commun1- 
Inente não se igualam nos estaleiros da Europa." 
Em 1818, alén1 d
 novos navios lançados ao mar, ti- 
nham sido reparados os velhos, remodelado 0 almirantado.1 
restauradas as fortalezas de Santa Cruz e Villegaignon, ar- 


(1) 
\ 
1 elf' Outubro dp 1817 e
crpyia )[arrocos ao Pai: "Os 
Xavios da Trapa vão entranelo..... : vindo a ser tOel08 (ou os q 1 le 
pnderem) aquartelados no famo.so edificio do Lazareto, no sitio lie 
S, Christovão, e proximo á Real Quinta da Boa Yista. Todos a<}ui 

uspirão p.plos nos
os valorosos Soidados rortug-uezc
: e pOl' toda a 
})-<lrtf' reina h11111oa. u'ff.ei<;åo ,a.o sell lwrüismo ,e hum elesej.ÜI ele ,o
 re- 
('obf'r e agasalhar." .\ 1 df' Xovembro ajnnh1va n'outra carta: "....; (' 
S. )lagestade tern dado a toela a trolla horn convitp de conwr e dinheir(1 
no aiR. do s('u dpscmharqllp. :"t propol'(:Üo <}up tern entrado f' dpsl'lHhar- 
cado. de 80rte quP he para I'l1p8 hum rlia d(' S. )(al'tinha. 0 sp!'Vica do 
Palacio de S. Christovão, on de R. )(agpstadp reside cffectiv:Hl1:'nte, Ill' 
fpita pOl' ('lIps f'xclnsiv.ampnte; f' em gf'ral tado a Povo e
t:"t ch<>io de 
l'razf'l" earn a sua chcgaela, pelas iel{'as v.antajosas qne t(',m do seu 
valor e dbclplina." 
(
) Tradu('<;ão puhlicada no Correio Bra,
'ilicllt;c n. û3, de Fc- 
vcrciro de 181G, vol. XYI. 



916 


DOM JOÃO VI XO BRAZIL 


mazenada a artilheria pesada na ilha das Cobras, levantadas 
novas baterias de defeza em posições estrategicas, edificados 
Quarteis, artilhadas as praias. Assim nos informa Luccock, 
e a sua informação discordante da de 1\Ialer e mais fide- 
digna por ser a de urn homem do mundo commercial indiffe- 
rente a questões exclusivamente politicas, indica que 0 agente 
diplon1atico via e j ulgava a expansão portugueza na Ame- 
rica, muito melhor apparelhada como estava sendo, pelo 
prisma deturpador do seu legitimismo e do seu europeanismo, 
igualmente infensos á libertação da America Hespanhola 
e ao engrandecimento no Novo 1\1 undo de uma potencia Que 
j á não era colonia, mas Slm a metade melhor da monarchia 
portugueza. 
Accresce Que a França da Restauração, esquecida de 
que sob os Bourbons se tinham deixado perder 0 'Canadá, 
a Acadia e a Louisiana, afóra no Oriente a India, não per- 
doava a B uonapart{' a venda aos Estados U nidos do Î1nlnenso 
territorio d'além l\Iississipi, que 0 Imperador não podia man- 
ter francez sen1 esquadras, e Que sobretudo desejou resguar- 
dar de uma conquista ingleza, a qual seria inevitavel, alar- 
gando-se então extraordinariamente a esphera do dominio 
britannico na America Septentrional, en1 detrimento das suas 
ex-colonias, cuj a doutrina fundamental externa ainda lhes 
não fôra dado condens
r, nen1 0 seria até l\Ionroe, vinte 
annos depois da compra da Louisiana. 
U ma das illustrações da marinha nacional, 0 Sr. almi- 
rante J aceguay, observa com muita intelligencia no seu es- 
tudo sobre a formação da armada brazileira (I), Que "de 
todas ns colonias americanas a unica que, por occasião de 


(1) Dr A,
p;.rrtn'tl' (l 
l1l1lirantc
 l
(jO a H)u2, JIinha Jé de offi. 
cio dOCllmcntudu. )Iende::;, lÛOü. 



DOM JOÃ.Ü VI :SO BRAZIL 


!H7 


emancipar-se, possuia elementos para luctar contra 0 poder 
naval da metropole foi 0 Brazil, circumstancia esta ainda não 
notada explicitamente por nenhum historiador, mas que tal- 
vez tenha sido a que influio mais poderosamente para abre- 
viar a nossa completa independencia politica." 
Aquelles elementos foram os deixados pelo governo de 
Donl J oão VI n' esse Rio de Janeiro que se tornara 0 centro 
dos recursos navaes da nação, mesmo porque era a verda- 
deira capital do Reino Unido e porque se dissolvera 0 es- 
tabelecilnento maritimo de Portugal. Trouxera comsigo 0 
Principe Regente todos os bons elementos da armada, navios 
e pessoal, - lenlbra ainda 0 Sr. J aceguay - só deixando 
as embarcaçõcs imprestaveis. Quando porém regressou, le- 
vava 0 Rei apenas uma fracção da armada luzo-brazileira: 0 
que ficava (I) constituio 0 nucleo da marioha imperial, 
sendo j á nacional pelo espirito quando não pelo nascimento. 
Essa marinha de guerra, herdada do Reino do E'razil, foi 
na crise da Independencia 0 instrumcnto mais adequado e 
mais opportuno da unidade politica quando ainda 0 conl- 
posto offerecia 0 perigo de desaggregar-se. 
N a administração da j ustiça foram menos sensi veis as 
refGímaS porque 0 mal jazia na natureza mesma das cousas, 
e só 0 tratamento mais energico, mais radical, 0 poderia 
debellar. Com sua habitual mordacidade de funccionario 
nlal pago e que, consoante suas queixas, ainda recebia com 
difficuldade seus parcos vencimentos (2), escrevia l\Ialer 
por esse tempo (3) que no Brazil por toda parte havia 


(1) l"ma nan, tr('z fragatas, duns ('on.\'tn
 f' ti'I'/. hprg'antins, 
IJna
i todos os navios carecendo todavia d(' grandc;; rl'val'at,òc>s I, .\.1- 
mirantl' .1acpgun
., ob cit.) 
(
) COlTI'S])., !)(t.'o,illl. 
(ð) He1atorio comIDcrcial de 1818. 



918 


DOM .JOAO VI :KO BHAZIL 


juizes sen1 haver tribunaes, por toda a parte havia admi- 
nistradores sem haver administração. N as cidades princi- 
paes existian1 uns fantasmas de corporações municipaes cha- 
madas Sena-dos, cujas funcções mais importantes consistiam 
porén1 em votar fundos para cerimonias publicas. 
Logo, dando a mão á sua critica, ponderava 0 consul- 
encarregado de negocios ser assim sem apoio, sem ligações, 
que 0 governo do Rio can1inhava ou melhor se arrastava, 
esquecido do passado e destemoroso do presente: "J á olvidou 
as causas que revolucionaram a Europa e 0 forçaram a re- 
fUg'iar-se sob 0 tropico, e sem inquietação vê estas mesmas 
causas agitarem tudo quanta 0 cerca." 
Nos tribunaes superiores do Reino do Brazil encon- 
trava-se commummente espirito de equidade, no sentido que 
seus membros não eram no geral accessiveis ao suborno e se 
contentavam, na peor hypothese, com serem subservientes 
ao governo do qual dependiam por completo. Nos juizos in- 
feriores, entretanto, a venalidade não era cousa rara, decla- 
rando alguns dos magistrados sem rebuço que os seus lugares 
constavam como vencimentos de emolumentos que as partes 
deviam pagar, visto os ordenados serem ridiculos para os gas- 
tos que a côrte reclamava dos distribuidores da real justiça. 
Comtudo n'este terreno tambem se conheceram vanta- 
gens. l\Iuitos juizes de fóra foram creados para uma mais 
prompta e acertada distribuição dos julgamentos; novas 
com areas fundadas com partes das antigas divisões judiciaes, 
por serem 'estas em demasia extensas e impossibilitarem a5 
correições dos ouvidores; os processos tornados n1ais sum- 
marios e menos demoradas as demandas, apenas chegando 
á capital as de maior monta e sendo as outras resolvidas pel08 



Do \-r JOÂO VI KO RRAZIt 


tHO 


ouvidores das comarcas e governadores das capitanias, depo:s 
provincias (I). 
A criminalidade era grande, porque sómente de 
vinganças havia abundancia, e pareciam ellas até naturaes 
n'uma sociedade como essa, mais desorganizada que prÜni- 
tiva, por-que os moldes rigidos da legislação não asseguravam 
sós a solidez do composto. Primitiva tambem até certo ponto 
se a poderia chamar, pOlS que era 0 sopro poderoso da livre 
natureza que sacudia a dureza da administração, mitigando- 
lhe a acção, e era a sua alma em boa parte feita de paIxoes 
mal reprimidas, para corrigir as quaes só dispunha 0 Estado 
de Ulna justiça morosa, não em absoluto respeitavel, e dis- 
persa na vastidão territorial da ex-colonia. 
A policia agia entretanto com ngor na forma por que 
a concebera e organlzara a monarchia portugueza, esfor- 


(1) 
\ organização jm1tciaria da velha lllon,U',
hi:l C01l11))'p]wndia 
na. pl'imeira instancia os jllizps ordinarius, plpit;)s, \
 os jU!ZI"s dl
 f(n'u. 
(]p nomp
H:ño n'gia, <Illl' tambplll pxecut:lvam as d
(>i<;õns ùas e3mnra
 
munieip:ll's, ahsorvl'ndo-ll1l's em granù(' part(' a imp'Jrtanch. Os ou- 
viùorps de comarca na
 SlutS currei<:õf's julgavam m; plpi1'o
, e os tri- 
hU
f1f's d0 rpla<:ão constituiam a sl'glinda inst:ll1d3, lla qU
ll ]uwia re- 
<'urso I' final appella<:ão para a Casa da 
u})})1ica<:ão, cornposta d(
 urn 
prl'siùente ou regedor ùas justi<:as, um chancel!.-,!" <>!to dl'zembargl\- 
doI'l'
 aggravistas, urn cOITPgpdor do crime da ('ÔI'
t:> ,:> cu';a, LUU' juiz 
dos feitus da cortm t:' faz<.>nùa, Ulll cOlTege(]or do ('hOel da CIÎl'1'.', Ulll jniz 
ùa chancellaria, urn ou\'idur do crime, urn promot
n' dLl justit;<l C mai
 
scis dezemhargadol"-ps extrav'agantes. 
A Casa da Supplic3<:ão ('xprcia fnnc(:òp
 judicia :'Ï:I"; lln caral't0r 
mais criminal do que cÏ\'pl, conhecendo dos rpClli.''Sd:-; Int'
J'lh..<;l'Js na
 
spntl'n<:3:-; lJroferida
 p<,la TI('la<:ão da Bahia e 
)IIÜ'!)
 trihnna
'<.;. 
\ 
:ì\[pza do I>pzpmharg-o do 1':1<:0, que f'ra a mai
 alta ;ns1ituit:ão judi- 
daria, dplihpr,aya sohn' assumpto...; dC' COllll)(>tt'nci
 mai
 civil ùo qne 
criminaL 
C'gunclo um jUl'i
('onsulto POl'tuguez, es!
 trhllll'11 ('xp,
ùi:t 
as gra<:as, llrivilegios p franquias d(' outorga rpal; hOIno]cgay3. Of' 
nC'tos d(' ]pgitirna<:åo d(' filhos has1'ardo
, as ,Hlo})f:ò('" e adrogaçõcs e as 
(]1Hl<:ÕPS; pronuncia\'a a rl'bahilita<:åu do:,; spntl'nciall,l
 H lJ\'n:ts infa- 
mnntp
. t'statuia sohr<.> ll1,mut(,IH:Òl'S dp pos
(' (' )'pstitnic:òps aos d('s- 
pO.indus dos S{'tlS lwns; l'llianl'ipaya llil"110rp.:o;; concedia llispC'nsas d(' 
idn,10, }lC'rllõp" pm cPl'tas <'ausa...; ('rimina('s e 1/(/1J(,([8-('orplI,
 soh fian<:n: 
faeuIta\'a l'l'yisòl's (11- 1'1'O('P:-;"';os P auetOl'iZanl troca
 dp "pns Yin('ula- 




o 


DO)! JOÃO YI NO BRAZIL 


çando-se por manter a segurança publica e tambem a mora- 
lidade, vis to que se empenhava particularmente em repri- 
mir 0 jogo. 0 proprio governo porém, invocando motivos 
financeiros, estabeleceu com suas loterias mensaes un1a de- 
testavel forn1a de jogo -que criou as mais fortes raizes. 
Os crimes eram de ordinario mais de natureza senti- 
mental do que de interesse. Nos campos, afóra gado, não 
havia mesmo muito que roubar, e as questões de terras não 
eram vulgares, não só porque sobrava espaço, como porque 
se respeitavan1 as propriedades quando ófferecian1 60 annos 
de occupação continua .e indisputada na familia, sendo conSl- 
derado tal periodo titulo sufficiente de posse. N em se pode 


dos C' dotaJes. X 0 ca
w de appellnç:ão de umn sl'ntl'nc.a capital, hasta\"a 
o \"oto de urn dpz('rnha rgador para a cOlllmuta
ão da pC'na tel' Iugar. 
()
 trihnnal's administrath'os ahrangiam 0 Ernrio Regio, 0 Con- 
selho dl' Fazenda, a quP cabiam a gestão do:,; b('11S da ('orôa l' a apu- 
ra<:ìio das dividas, f> a Junta de C'ornrn
'reio, :\grÍl'uJturn, FalJricas e 
Navpgac.ão, 0 Erario Hl'gio c(llllprehendia ü rC'parti<:õl's: a 1;' dp co- 
hran
a dO's illllPo
to
 dla pr.oyincia do Hio de J31wi,ro; a 21! de cobranc.:l 
(las l'pnd.as da 
\.tfric.a ()ril'ntnl, 
\Isia e e.npitanias do suI p do e('nt1'O 
do Brazil; a :;1! d(' cobrnn
a das rendas da .\frica Oecidl'ntaI. eapita- 
nias do nortl' do Brazil e iIhas adjacl'ntps ao Hl'ino de l'ortng-al: a 
4;', chamada dir('ctoria gl'raI dos din man tes. f} Ul' en ida ya (1' l'ste mo- 
nopolio rl'al; a;'!!. qut' sn}}printl'n(lia os noyos impostos. C' a G;!. p('I:1 
(Illal cor1'iam os p
lp..anH'ntos das t1'opn
 da gU:1l'ni<:ìio do IUo dl' ,J
- 
npiro, As dnns sec<:õl's do l'onsl'Iho de F.az('nda pram a do C'xpeclit'ntt' 
tIC! trihunal f' a do assf'ntamento, que tinha a Sl'U cnrg'o a contabilidad(' 
c10s saIarios (' pensõ('s, () Conselho I'xaminava o
 titulos dos rf'C}w'l'-l'n- 
tt's dl' paganwntos e oecupaya-I::C dos f'st.ancos. 
oh1'e Os bens da ('ortla 
v('laya eSIH'cialml'ntp 0 procurador da fazl'nda. _\. ,Junta de Comnll'reio, 
., gricultura o(.te. fazia vprdad('irampnte as vezps dl' trihunal do co 111- 
l11prcio (' llHlustria, l'sl'la l'eeendo 0 governo snhre quanto VOdl'sse servir 
)lara nH'lhorar rssps dOllS ramos da ac'ti\-idadl' nacionaI. e percrlH'nc1o 
('('l't<1S taxas Vara 1113ntl'r s('us dC'}H1tados. instnllar maehinas, ('oncer- 
tar pstradas e outras deslwzas. Inl'luia mn jlliz C'onservador, urn fisl'
l 
dos contrahandos e urn juiz dns falll'ncias. 
Os tr.ibumH's ,øccI.f\sia'sticCls era111 .a 
[C'za. da Cons.ciencia ,e Or- 
dC'ns e a .Junta da Bulla da C'ruzada, quI" pprcf'hia as disppnsas. 
o ('onselho ::O;uprC'IDo ::\lilitar occupaVa-sl' de todo 0 relativo 
no C'Xf'l'cito. armada e prpzas, )lro]Jondo rpformns, (,x}J('dindo patcntes 
(' C'onfrrmando as dpcisões elm; ('ons('lho
 ell' g'lIena. Quando delibcrava 
sohrl' nf'goCÌos do contC'ncioso on }n'('za
. aggTP,
ava tr('z ma
istrados 
cÏ\-is aos oito consl'lhPiros militn l'I'S. 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


Ð
l 


dizer que fosse ligeira a garantia n'um paIZ de exploração 
progresslva, oecupação indisciplinada e falta de tradições 
locaes. 
Avesso 0 Rei a asslgnar sentenças capitaes (I) e não 
existindo ainda a prisão cellular, a punlçao exercia-se pela 
prisão commum, a degradação e 0 degredo. 
N as cidades 0 crescimento da população pela affluencia 
do interior e de fóra, trazendo na enxurrada os melhores 
elementos e igualmente as peores, dcterminara urn auguiento 
positivo da criminalidade. A proporção devia ter ficado senl 
alteração nos can1pos, cuja vida sq;;uira pratieamente a 
mesma, no seu acanhamento de produzir pouco e consumir 
poueo. J á par este motivo, j á pelo fr..cto de mais emlgrar 
então a gente urbana que a rural, muito apegada á terra, 
era a tendencia toda para a agglomeração nas cidades dos 
immigrantes, na grande maioria artesanos. 
Por mais que isto prej udicasse a agricul tura e que fosse 
mister ir saldando as importaçõcs crescentes do luxo dos 
centros com 0 excesso da producção do solo, 0 governo nada 
podia contra esse defeito de distribuiçã-o originado na pro- 
pria natureza da colonização e no maior attractivo exercido 
pelas cidades, n'um paiz sobretudo tão despovoado, inculto 
e atrazado como 0 Brazil. 
N em corria risco d'aquelles artifices, con forme mos- 
trava l\Ialer receiar, prejudicarem-se uns aos outras e ]0- 


(1) .\
 'I::'X(I('u<;õPs forum sohrptudo rari!':!';i.Jl1as dl'p()i
 da ('xal
 
ta(:ão de Dom .Toão ao throno. .\nt,(I
 não ('ralll tào l'
!)ac.ada:-;, puis 
qll<' na carta de 
:Þ de Olltuùro d(' un:: pscrp\'ia )Iarroc()
 ao l)ai que 
a R tinham sido (lnforcados :Þ p]'pto
 criminosos, (' havia "-W (' tantos 
qu\' hão dp 
l'guir (I mpSll10 dpstino:' D,'pois 11(1 1 Sl (þ nlPneiona-sl', a 
:!:! de .llllho dp lS1!), 0 
upp1il'io d(l 11m criminoso fIue psfa<]lll'ara G 
ppssoas, ['ntl'l' pllas llPl:1 HlIlllll'l' gravida, 



922 


DO:l\I JÜÃÜ VI NO BRAZIL 


grarem apenas vegetar, quando se lhes depararia tanta oc- 
cupação n'uma terra até ahi fechada e agora em franco pro- 
gresso. Os immigrantes de alguns cabedaes, collocavam-n'os 
logo em especulações no commercio, e aos desprovidos de 
recursos pecuniarios, mas não de urn mester, bastariam as 
obras particulares, sem fallar nas publicas. 
N ão é de surprehender que, no balanço dado a un1 
tão geral adiantamento, a cidade mesma do Rio de Janeiro, 
a capital do novo Reino, se apresente com urn largo credito 
ao seu activo. A transforn1ação de então foi, para 0 tempo 
e dado 0 desconto devido á differença das idéas e dos meios, 
tão consideravel como a que acabamos de presenciar. Remo- 
çara e arrebiçara-se a cidade que Prior d,escrevia en1 18 I 3 
formada de edificios sujos, fortes desmantelados, habitações 
arruinadas e paredes nuas, horrorizando-se sobretudo da 
parte commercial, retrato da devastação, visto os Portugue- 
zes, no seu dizer, fazerem da mercancia e da porcaria com- 
panheiras inseparaveis. 
1\.Iarrocos repetidas vezes falla nas suas cartas de tra- 
balhos de aformoseamento intentados pela côrte: "... sempre 
aqui se projecta em obras, e obras grandes: 0 Palacio de 
S. Christovão está muito adiantado: 0 de Santa Cruz vai 
a reformar-se e augmentar-se: ha PIano prompto para hum 
Palacio novo no sitio chamado a Ponta do Cajú, orçando-se 
a obra em 17 milhões. A capella R. vai a dourar-se toda,..... 
A Sra. D. Carlota vai para 0 Palacio, -eIn que habitou 0 
conde das Galvêas, no sitio de 1\.Iata Porcos, Que se está 
preparando, como foi 0 de Andarahy. . . . ." (I) 


(1) Carta (]C' :!!) dC' .Tnnho òe 181;). 



DOM JOÃO VI KO BHAZIL 


923 


l\1uitas vezes, como é veso nosso, as obras não passa- 
\lam do projecto, ou os projectos não passavam da metade 
(I), mas n'outros casos 0 pla:neja:do se executava e a côrte 
ia sempre ganhando ern exterioridade e decencia. N em po- 
dian1 desappareccr como por encanto os defeitos essencIaes 
da edificação fluminense: a agglomeração das habitações, 
egrejas e 0 mais nas depres
ões fonnadas entre os morros 
donde, por occasião das grandes chuvas, descia a agua aos 
borbotões, carregando as impurezas da cidade e algumas 
vez'cs tamben1 as casas antigas e estragadas (2), e a falta 
de gosto architectonico, reflexo do temperamento pouco ar- 
tistico e da nenhuma educação artistica, parecendo até, na 
phrase caustica de Prior, que fosse impiedade a elegancia 
e 0 aceio peccado. 
I\.Iais dcpressa se cornglnan1 as faltas SI não fosse que, 
dos fidalgos da côrte, pouqulssln10s se interessavan1 pelos 
melhoramentos do Rio de Janeiro, pois Ihes tardava sobre- 
modo voltarcrn para Lisboa, donde se diria que tinham im- 
portado, para piedosarncntr zelal-o, algun1 do lixo metro-- 
politano (3). Aill'Ja assim, no periodo elnbora de espectativa 


(1) "Hum Picadeiro novo 'c huma ('adêa são ultimos pIanos, 
que 
I' vao pôr em e=ccllc::ão: 0 1!! he reputado em ;'0 mil cruzaùos, 
que se farão logo prompto8; e para 0 ;,!!! foi dpstinado 0 producto 
dc hum dia de l)('nl'ficio no 'I'll-patI'o dpsta côrtC', para sl'rvil' d(' prin- 
cipio de Ù'81),ezas: , . . .. Entretanto a .o1>ra n{)I,"a do U. Thes.curo ficou 
no esqupleto, l1an'ndo-se alii consumido para ('im
l. de 700 mil cruza- 
zados: e parou porflue claraml'n tf' s,C' via que a clC'!'I)(,za creseia, c a 
oura não subia." (Carta de :!3 de Feverl'iro ùe IHl(i). 
(:!) Em razão dp succpssivas dpsgra(:as acont('('idas com casas 
vl'Ihas qu.. (k:.;ahavam 'l' tC'ndo ChC'g'IHlo a ('ahir no I':l<:o parte (If' uma 
parede l' aoobada, IH'ojl'Ctou-SlC uma vistoria geral da qual s.C' pod,eria 
haver dcrivado grande beneficio vara 0 aspe('to g.eral da cidad('. sl a 
não tivesse annullado 0 sUl)orno dos inspcctores das propricdaåt's. 
(Carta cit. de :\larrocos). 
(3) Prior, ob. cit. 


D. J. - 58 



924 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


de regresso, alguns, mui raros, contribuiram por este ou 
aquelIe motivo, por vontade ou por necessidade, para 0 embel- 
lezamen to da séde ultran1arina da monarchia (I). 
Não se podia, é bem de ver, passar a vida inteira em re- 
cordações saudosas do passado ou mesmo risonhas esperanças 
do porvir. 0 presente tinha suas exigencias, e era mister ir 
tratando de fazel-o agradavel ahi mesmo, n'esse desterro 
colonial que podia ainda durar annos. A mocidade sobretudo, 
que não tinha as 111eSlnas razões para tristezas e decepções 
adrede exaggeradas, reclamava seus folgares e suas distrac- 
ções. Por isso escrevia l\Iarrocos (2) que "a toda a pressa 
se está apromptando huma casa de Opera particular no sitio 
de Botafogo, para divertimento de 58. AA. as l\.leninas; e 
das Fidalgas suas criadas: os Representantes são os mesmos 
Fidalgos rapazes, que fazen1 figuras utriusque sexus ß. e he 
muito natural que as Fidalgas moças os vistão, ornem e en- 
feitem, tudo gratis. J á se repartirão as partes; e me parece 
cousa muito digna que elIes se occupen1 n'hum exercicio, que 
no tempo presente Ihes he bem analogo, visto que vão j á a 
sahir os Francezes da Peninsula: e alguns dahi vierão mUI 
fatigados com 0 peso das armas." 
Pondo de lado as maldades do correspondente, vê-se 
que a vida de côrte assim espontaneamente renascera, pois 
que a praia de Botafogo, onde d'antes apenas viviam nas 
suas cabanas ciganos e pescadores, j á era lugar de tão aris- 
tocraticos folguedos. E fóros taes de largueza foi ganhando a . 
convivencia que, poucos annos depois, mandava 0 mesmo iro- 


(1) "Está-se cdificando hum grande Palacio para a Ðuqncza 
de Cadaval aqui no sitio das Laranjeiras, Blla -e sens filbos lanç;aram 
as primeiras pedras nos alieerces. 0 Architecto be Francez, e affir- 
mão-me quP todos os )Icstrcs tambcm 0 Rão," (Carta de 21 de 
l'tem- 
bro de IHlü.) 
(
) Carta de 28 de Setembro de 1813. 



DO
I J01\.O VI NO BRAZIL 


925 


nico chronista (I) esta relação de uma festa brilhante offe- 
recida á Princeza Dona Carlota: "s. A. R. a Sra. Princeza 
D. Carlota com suas Filhas e as competentes criadas forão 
passar hum dia inteiro ao Palacio novo do Visconde de 
V
 Nß da Rainha, no sitio de Botafogo, por convite do mesmo 
Visconde; e foi a maior pompa que se tern observado, pelo 
que pertence a meza e recreio, para obsequiar aSS. AA. . . . . 
Excellente orchestra vocal Ie instrumental. Dança, refr,escos, 
e tudo 0 mais que deveria solemnizar aquelle dia, de tudo 0 
Visconde lançou mão, para se distinguir mais do conde da 
Louzã, e findou 0 divertimento pelas trez horas da madru- 
gada do dia seguinte. S. A. R. se dignou conferir-lhe a Nova 
Ordem Hespanhola de Santa Izabel Americana: e passados 
poucos dias renovou a sua visita, com a differença de não 
levar criadas, e foi igualmente servida com a n1esma magni- 
ficencia. " 
Si 0 Principe Regente fosse, por seu lado, mais amigo de 
ostentação, a côrte retomaria eertamente todo 0 seu relativo 
esplendor lisboeta, esse aspecto de grandeza e decadencia que 
lhe era peculiar e a que un1 observador inglez do tempo appli- 
cava com felicidade a denominação composta e contradictoria 
de shabby-genteel (mesquinho-garboso ) . Dom J oão era, 
poréln, 'pessoalmente poueo inclinado a pompas, que só tole- 
rava - e então até as estin1ulava e apreciava - em occa- 
siões excepcionaes como as da sua acclamação e do casamento 
do herdeiro e filho predileeto. No diario àispensava as magni- 
ficencias posta que não as etiquetas, e bastantes vezes bus- 
eava até na simplicidade, que 0 tornava tão aceessivel, refu- 
g;o e distracção das fadigas, convenções e tedios da sua exis- 
tencia official. 


'(1) Carta de 23 de F,everelro de 1816. 



....... 


,,'f 
..-"'...-.....,i 



 


...;,,/ 


J
 


;. " ,
I/<
 - 



 
'"'(':0== 
:
 
:
 



 ,. 
To ...... ",,,. 
fl, ..: """ . oj 
il 
 .l:; 
'" .. 
r. ... ..
 
 . 
!' J' U 
. 

.: 

 . 
,,',; " ,::i,. 

j!! ;:j1t.
., ....- 

 ' \...... ,< ...
 '/I''';'' .,'ö J.;,;' , of. ".-;;;;:;;'2: /.,... ,,,,;, 

,
J:;:-,.. 'i' 'Ii ..:/>.
 ::- 
. :'Wæ:
z:::;:f!$::'-i: 
. 
!. 


lÎt

rt,:: ,/

 .


:f
.:..
 
_
 .""........
,
 
J.. ' . 0 1;''' 
 1'\ 
 I. I. .",.-....,..-;... ,'. 
. 


r%&
J:.'0.'. ,: .. ' 
.

:.. . {y r..:
.;;:g::.:;;p 
_ '-,....::',)'.,.,...


.i.'
:::':
'O.:- ' '

. 
 '" '
).
 
 

,If 
;:.--
.:.-:..,..,' 
"
 ;.'%<.:\..

)


 
.';; I ' i
 4f:;
:;.; 1if:ftf.. 

 >:'. - :.
' ,', '
 t 
'->- ,f'l 
 
 :;;JifiF,,
 ...:.:J..;.:...., 
.' 

 '. 
 .,::.:

. ,';;'
, 
 . 'J, . 
 : '.. , 
:'
;

"'. :. 
. '. '.. ' ,_' , ,


'J /I' = ,
 ;..,....,.:.-;... 
.:. 
:.:"
;. t. . 


: :
; 11::,. '
 . .:

$::,

 
" 
. :r \ ,
, 
Ph 
Ijll ,- :.. . --:,.:;,....:.... 
'" '\o....
'-

..

.; \

 / ., :1//1// 1 " 
,
 . ,.;.:':F:;.::
' 
':'4'
"_
 
'. 11/: '-
' 



 
 
 ! h::':'i!;
 


........; t:::- 


;
 


,r-- 
-:-:-.."-:, 
". :;.
/
:...
 -. .. 
; ar 
?

 


(
I-c/
?/ 
 2- 

 . / r.rtr- 


1)/ 



I 



CAPITULO XXIV 


EL-REI 


Pal a bem se aquilatar da parte preponderante que de 
facto pertencia a Dom J oão VI no governo, do quanta pe- 
sava sobre a administração sua influencia pessoal, é mister 
salientar a circumstancia de "que, exactamente ao transpor 
a culminancia do seu reinado americano, 0 monarcha dirigia 
só os negocios publicos. Só, quer dizer com seu valido Tho- 
maz Antonio Villa Nova Portugal, valido poueo ambicioso 
e nada ganancioso, que se contentava com possuir a con- 
fiança do seu Principe sem pretender exercer acção directa e 
pessoal no Estado. Confidente e intimo 0 foi porém, quasi sem 
interrupção, desde 0 tempo em que 0 conhecera 0 R'egente de 
corregedor em ViHa Viçosa e 0 passara logo para a Casa da 
Supplicação de Lisboa e depois para 0 Desembargo do Paço, 
afim de ter sernpre ao alcance, quando the convinha, urn pa- 
recer judicioso e desinteressado sobre assurnptos difficeis. 
Barca e Aguiar tinharn fallecido ambos em 1817, Pal- 
mella continuava occupado na Europa, Bezerra desappare- 
cera do rol dos invalidos apoz poucos mezes de governo; 
Thomaz Antonio, apezar dos seus 63 J aneiros, era quem, 
por menos que se fizesse na opinião dos diplomatas estran- 
geiros, acudia a tudo nos fins do anno da revolução de Per- 
nambuco e da occupação de Montevidéo. E 0 processo tão 



930 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


born pareceu a EI-Rei que n'cHe persistiu, apenas chamando 
da Bahia, em Fevereiro de 1818, para a pasta da marinha 
o conde dos Arcos, novato nos conselhos regios, si bem que 
veterano da administração colonial por propria conta. 
Relata Palmella (I) que á sua chegada ao Rio em 
1820, encontrou 0 governo nas mãos d'esses dous homens: 
"urn (Thomaz Antonio) cheio de puras intenções, mas não 
tinha a menor idéa do estado de cousas na Europa nem 
de forma alguilla de governo diverso do que existia entre 
nós desde 0 ministerio do marquez de Pombal (2); 0 outro 
(Arcos) dominado de sentimentos cavalheirescos, e tambem 
de boas intenções, posto que assaz vagas e indefinidas, não 
gozava da confiança d'EI-Rei." 
Thomaz Antonio ficara com effeito sendo, n'esse ministe- 
rio anormal em que Ihe cabiam as pastas do reino, erario, ne- 
gocios estrangeiros e guerra, 0 homem de confiança de Dom 
João VI: tão arredado 0 collega da privança real e tão 
alheio aos segredos do gabinete (0 que reforç':l a crença de 
que os seus serviços estrenuos da E.ahia resgatavam urn pen- 
sarnento, pelo nlenos, de deslealdade) que se não pej ava de 
perguntar a l\laler (3), ,e isto sem ironia, rnuito candida- 
mente ao que quiz parecer ao encarregado de l1'egocios de 
Sua :\1agestade Christianissima: "Expliquez-moi, s'il vous 
plait, ce que c"est que la guerre du Rio de la Plata, dont 
la politique et Ie but sont aussi enigmatiques pour moi que 
les mouvemens du général Lecor?" E, depois de repetir 


(1) Intro.ducção. nos DC8poc1108 (' ('arta8 publicado.s em 1831 
pelo. Sr. Heis e Yasco.ncello.s, 
(2) palmella era, co.mo pro.vou no. seguimento. da sua vida agi- 
tada. llartidario. do. regimen represcntativo., d,e uma Carta. todav1a ou- 
t.org-ada pel() 
o.h('rano ,e nã,o elahorada pelo. rovo., .ao qual sõmente co.m- 
petia 0. U!";o. de uma liberdade moderada. 
un Officio. de 1:
 de Julh o. de 181R, no .\rcb. do )1in. do.s Xrg 
E!";t. de França. 



DOM JOAO VI NO BRAZIL 


931 


na sua correspondencia esta estranha pergunta ajuntava 0 
agente francez: "Que Votre Excellence n'aille pas croire 
qu'il plaisantait lui même, je sais tres bien qu'il n'était pas 
ini tié dans ces mystéres." 
::.\laler forçava certamente a nota da ingenuidade, pois 
não é crivel que acreditasse em Arcos ignorar 0 que para 
ninguem era segredo: que a campanha do SuI tinha por ob- 
jectivo a conquista da margenl oriental do Rio da Prat2. 
No que eUe tinha razão era em commentar para Pariz que 
"l'un de ces ministres est beaucoup trop ministre, et l'autre 
trop peu", e teria tambem acertado si prognosticasse que uma 
pronunciada desintelligencia surgiria d'esta situação desigual 
e humilhante para Arcos. 
N'um sentimento entretanto pareciam cOInbinar os dous 
ministros, na antipathia ás idéas liberaes, distanciando-se 
ambos de Barca, como jubilosamente recordava Maler (I), 
pondo em relevo "os predicados sociaes e amaveis" do antigo 
vice-rei do Brazil e observando que, com sua escolha para 0 
ministerio, 0 Rei não só tinha querido recompensar-Ihe os 
inestimaveis esforços em prol da restauração da auctoridade 
legitima em Pernambuco, como agradar aos nacionaes, que 
por certo estimariam ver - elevado ao poder urn antigo resi- 
dente e perfeito conhecedor do Reino americano e suas ne- 
cessidades. Além d'isto reaccendia no governo a tradição, já 
urn tanto apagada, da facção anti-ingleza (2) dos tempos 
lisboetas, assim dando arrhas á côrte britannica, com Tho- 
maz Antonio, da velha amizade, e com Arcos fazendo-lhe 
negaças. 
Confirmando 0 sabido, que Dom J oão VI consultava 
Thomaz Aptonio sobre todo assumpto de importancia e que 


(]) Officio c.e 2f> de J unho de 1 S17. ibidem. 
(:!) Officio de Lessf'ps de 30 de Agosto de 1817. 



932 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


a este não faltava intelligencia nem sobretudo urn grande 
conhecimento de minucias administrativas, ponderava Maler 
que em desprendimento e patriotismo era 0 novo ministro 
assistente ao despacho digno de succeder ao virtuoso Aguiar. 
Era na verdade Thol11aZ Antonio honesto até a alma, 
complacente para com seu Senhor, resingueiro com os am- 
biciosos, confiado ás vezes em excesso com os aduladores, 
cheio de gravidade e de formalismos. Dir-se-hia a imagem 
do velho Portugal, de calçães, capote e chapéo redondo, 
r'ecuando diante do novo Brazil que avançava de botas de 
montaria e chicote, encarnado, com os defeitos da juvenili- 
dade, no Principe exhuberante de vida como a mãi e como 
ella malcriado - urn ill-educated and boisterous j'oung man 
na phrase de Luccock. 
A influencia do digno magistrado sobre 0 soberano e 
portanto indirectamente sobre a marcha da administração 
foi, quanta lh'o permittia 0 ciume governativo de Dom 
J oão VI, avu1tada e póde em summa dizer-se que benefica 
por-quanto, si se não distinguia por uma ampla visão politica, 
reconlmendava-se Thomaz Antonio pelo seu raro escrupulo. 
Em Portugal, quando deputado á Junta do Commercio, fa- 
zia todo 0 trabalho official para 0 conde de Villa Verde, 
que não passava de urn lazzarone obeso e comilão, e desem- 
penhara com efficiencia 0 cargo de fiscal do Real Erario, 
conseguindo avolumar a arrecadação da receita e diminuir a 
despeza, 0 que é urn resultado colossal n'um palZ de invete
 
rados abusos e inveterados desperdicios. 
No Brazil aonde acompanhou a côrte, cuja traslada- 
ção fortemente aconselhara, foi nomeado chanceller-mór do 
Estado e tornou-se, cada dia mais ostensivamente, 0 conse- 
Iheiro privado de Dom João VI, constituindo elle sósinho 0 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


933 


kitchen cabinet de São Christovão. 0 seu parecer era cote- 
jado com os dos ministros e frequentemente seguido de pre- 
ferencia. Correspondia-se de Santa Cruz com os membros do 
gabinete, transmittindo-Ihes as ordens reaes que elle proprio 
muitas vezes determinara ou .pelo menos suggerira. D'estas 
foram, no dizer de l\lello Moraes (I), a vinda da divisão 
auxiliar portugueza que fez a campanha da Cisplatina; a 
distribuição de titulos de nobreza e cargos politicos pelos 
Brazileiros natos com 0 fim de extirpar prej uizos nativistas 
e que sómente redundou em accrescimo de intrigas e ciúmes 
entre os filhos dos dous reinos, .e a franca entrada no cami- 
nho da abolição da escravatura, começando-se pela limita- 
ção do trafico, cujo primeiro ensaio, no Congresso de Vienna, 
teria merecido 0 apoio de Thomaz Antonio. 
Como não pedia, nem enredava, nem roubava, das suas 
poucas necessidades dan.do testemunho a modestissima casa 
de Catumhy onde residia mesmo quando primeiro ministro, 
o seu conceito junto ao soberano crear a raizes fortissimas e 
contra cUe não podiam prevalccer os zelos que do burguez 
jurista, filho de urn pequeno advogado de provincia, nutriam 
os fidalgos da côrte. 
Como ministro (2) tratou de fazer economias e 
nlanter em equilibrio 0 orçamento. Pessoalmente pouco 


, 


(l) Rm....
i1-Rrillo e Rrazil-Impc-río. .\nt-onio de Drummo'nd, ell.to 
arehivo fornpcpu todo 0 attractivo e intprps
e aos trabalhos :wres
ad()
 
c indi
P8tos <1P )lplIo Moraps, foi spcretario do g-ahinde d(' Thomaz ..!n- 
tonio P, quando representantp do Impprio pm Lisboa, ainda conviveu 
com spu anti
o clwfe quP apl'11aS fall('ceu rm 18:W, com 
4 annos, e na 
maioI' indigpncia e in(}.pppndencia como spmlH(' VÏ\Tpra. 
(:! I 'l'homaz .\ntonio dirigiu os DtPgoeioos da marinha e ultra- 
mar dp .Junho <1P 1
17 a I.'pvereiro de 1
18, 'quando os entrpgol1 a 
,\ l'('Og: ('
 nof'g',o.cio!S ('strang. dros e da gl1l'rra <1e fins do(' IS17 a fiDs d
 
IH:!O, quando chegou PalmplIa, p os do rpino e fazpnda, com a aR8i
- 
tpncia ao dp
pacho, de ] 1-:17, dppois de fallecpr ßpz('rra, até pUlH"O 
antes da retirada da côrte em 1821. 



934 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


mais fez, que conste. a seu conselho valia mais do que a 
sua a'cção, 'e a sua iniciativa era sobrepujada pe1a sua ten- 
dencia conservadora. Timorato sempre, faltando-lhe 0 ha- 
bito da responsabilidade, habituado como andava a agir por 
traz dos rcposteiros do despacho regio, nem mais soube na 
velhice mostrar-se energico com relação aos desvios communs 
entre 0 funccionalismo brazileiro e, em especial, as irregu- 
laridades de que era notoriamente culpado 0 thesoureiro- 
mór T argini (visconde de São Lourenço), cuj a preponde- 
rancia continuou a vingar em materia de fazenda como no 
tempo do probo Aguiar. 
a renome de Targini chegara a tanto que as denuncias, 
que em 1817 choveram nas secretarias do Rio para serem 
apresentadas a El-Rei, accusando todo 0 mundo brazileiro, 
politico e social, de ser composto de pedreiros livres (os 
quaes até então se não tinham visto molestados, fechando 0 
governo os olhos á sua tibieza religiosa por julgal-a com- 
pative1 com 0 fervor dynastico (I) ) sobretudo abocca- 
nhavam 0 thesoureiro-mór - "que por todos os principios 
engrossa a maledicencia .e traição contra a pessoa de Voss a 
l\Iagestade e seus direitos,..... extorquindo os cabedaes 
regios de V. 1\1., não só aqui, como pela sua autoridade es- 


(1) Pri-cr (ob. dt,) àiz c-onstnr-lbe a C'xistencia n()/ interior de 
uma das mf'lborf'!') egrejas da Bahia de lUll rC'trato de corpo inteiro do 
Principe RC'gente da Inglaterra com suas insignias maçonicas de grão- 
llwRtrp. ajuntando ser a ma<;onaria muito admirada e s{'guida, Entre 
os irmãos das trez lojas de São Salvador rontavam-se, posto qUE' 0 não 
c()nfe
sassem abertamente, 0 governador, 0 arcf'bispo e ,as pessoas prin- 
cil)aps da cidadc, afð.ra bastantcs clf'l'igos. "Os estrangeiros conhecidos 
como llW<:'ÕPS, rec0b"Ill dos iniciados attençõcs e carinho.s que' outras 
ambicionarão PIll vão," 
)Ial informado, pOl'que sua drlllora no Rio foi de dias, pensava 
Prior que 0 Princip
 Ucgente. n'-este ponto acompanbado pOl' -alguns 
mini
tros e pelas haixas .camadas, enxergava a trai(;ão e 0 jacobinismo 
unidos á maçonaria, quando de facto a tolerancia emanava d',eUe ou 
Be não daria. 



DOl\I JOÃO VI KO BRAZIL 


935 


gotando os das capitanias,. . . . . 0 vulcão rebenta e estoura, 
e talV'ez sem remedio; a convenção ou partido da assembléa 
engrossa. . . . . " 
Esta denuncia (I) especificava nlantas compradas a 
urn compadre inglez por 1.000 réis para 0 arsenal do exer- 
cito, cortadas ao meio e pagas pelo governo a 2.000 réis, 
ganhando a sociedade cinco contos para mais; vinte e dois 
praticantes do erario nomeados a negocio para poderem es- 
capar ao recrutamento forçado; os criados do serviço par- 
ticular do traidor retribuidos sob a titulo de continuos do 
erario, sem ahi terem j amais apparecido para exercicio; sua 
casa de moradia construida á sombra da edificação do mesmo 
erano. 
U ma outra den uncia, dirigida a Dona Carlota J oa- 
quina, de quem se reclamava 0 "valor heroico" da sua com- 
patriota Dona Luiza de Guz111án, visava não só T argini 
como todos as conselheiros do monarchal 0 delator ano- 
nyma, querendo no fundo impedir a remessa de sac-carras 
legalistas para a Bahia e Pernambuco e acabar com 0 exercito 
pais aconselhava a prisão de todos as officiaes par desleaes 
(2), pretendia desvendar a ameaça de uma revolta de ne- 
gros no caso de lavrar discordia mais seria entre as bran cas, 
e simulava revelar urn assombroso plana de "pôr em desor- 
dem este contingente afim de introduzirem para 0 governo 
destes Estados as irmãos de Bonaparte, que se achão nas 
Americas Inglezas, e ao depois tudo ser entregue a Bonaparte, 
arrancado pela força de Santa Helena." 


(1) Pnblicada pOl' Mello 
Iora('s na (1). rit, 
(:!) Ordenaria oOusadamente esta prisão 0 Principe Real, "que 
no futuro virá. a ser acc1amado Imperador"', reza a den uncia. 



936 


DOM JOÁO VI NO BRAZIL 


E' curioso que 0 senso popular tão bern discrirninava 
entre thesoureiro-rnór e rninistro, que não pedia para elles 
igual punição: urn era culpado de Blal versações, 0 outro só 
o seria de fraqueza. 0 pasquirn, fructo da effervescencia 
politica de 1821, assirn dizia: 


Excelso Rei, 
Se queres viver em paz 
Enforca T argine 
E degrada Thornaz. 


o ministro tinha as melhores preoccupações de admi- 
nistração, quando 0 thesoureiro-mór só tinha. na voz do 
povo, os peores instinctos de corrupção. Assim, foi Thomaz 
Antonio partidario decidida da colonizaçãa estrangeira t pro- 
jectando 'Üutros nudeas suissos e allemães COl110 0 de Fri- 
burgo, ,e não os levando a effeito provavelmente pela appo- 
sição real. Dom J oão VI achara muito dispendiosa aquella 
experiencia, na qual veio a sahir cada imnligrante por 
1.500 francos, e opinava, segundo mesmo disse a l\Ialer (I), 
que melhor houvera sido facilitar aos colonas a entrada á 
formiga do que conduir para sua introducção negocios 
onerosos, de que sobretudo se aproveitavanl os enlpreiteiro
, 
sem que a qualidade au sequer 0 numero compensasse a avul- 
tada despeza. 
o peior effeito do ensaio de Friburgo fôra na verdade 
o de ser immigração subsidiada, recolhidos os emigrantes á 
matroca entre gente pouco apta para tal fim e enganada pOT 
promessas rnirificas. Diz yon Leithald (2) que muitos dos 


(1) Ufflt"lo de :!K de 8
t('mbro de 1819. 
(2) Vb, cif, 



DOM JOÃO VI :NO BRAZIL 


937 


colonos vieram na idéa de serem senhores de terras e de 
negros, e outros tantos na esperança de reconstituirem suas 
fortunas e voltarem em pouco tempo, todos elles, como rica- 
ços para suas terras. 0 desapontamento foi gran de quando 
se encontrararn sem escravos e com a terra em frente para 
cultival-a corn seus proprios braços. Desanimados, não pou- 
cos, os allemães--lpois que esses inunigrantes suissos e catho- 
licos eram em boa parte Allemães do SuI e protestantes- 
fizeram-se soldados. 
Da immigração portugueza tambcm foi Thomaz Anto- 
nio protector, fundando C111 Santa Catharina uma colonia 
de pescadores da Ericeira e outras colonias ern diversos pon- 
tos, para as quaes se servio dos soldados portuguezes a que 
ia dando baixa, substituindo-os por praças destacadas das 
forças que as guerras tinham acabado por accurnular fm 
Portugal e que 0 governo do Rio canalizara para 0 Brazil 
e para Montevidéo. 
o conselheiro de Dom J oão VI não possuio entretanto 
resolução, ou mesmo percepção intellectual bastante aguda 
para .chegar até as medidas superiores e effectivas, de poli- 
tica domestica, que melhor poderiam attrahir e desenvolver 
a apreciada colonização européa, de tão fecundos resultados 
si habil e intelligentemente encaminhada desde então. 
,J\.lais respeitador das formas do que 0 seria qualquer 
outro ministro da corôa, graças á sua educação juridica, 
desapprovou de modo discreto a conùucta do conde dos 
Arcos na Bahia, mandando executar sem garantias e até sem 
processo os revolucionarios pernambucanos desgarrados ou 
arrastados; substituio 0 secretario do novo governador Luiz 
do Rego, culpado de violencias; ordenou, de preferencia á 
summaria justiça militar, a alçada que funccionou na pro- 



938 


DO
I JOÃO VI KO BRAZIL 


vincia rebelde, e tambem a inconfidencia que se exerCfU no 
Rio contra os pedreiros livres, valendo-se dos meios de den un- 
cia, espionagem .e inqueritos sob sigillo porque eram os que 
lhe facultavaln a legislação e os costumes da epocha; por fim, 
não julgando ser uma sedição local motivo sufficiente para 
retirar 0 Rei ao Brazil sua benevolencia e transformal-a em 
odienta per&eguição, propoz aDorn J oão VI, por occasião da 
sua acclamação em 1818, conceder uma amnistia geral e 
completa que no ultimo momenta foi, ao que anda relatado 
em Mello l\Ioraes, (I) trocada por uma ordem, mal obede- 
cida que v-eio a ser, de suspensão das prisões e outras perse- 
guições ainda em andamento por motivo da revolta de 6 de 
l\1arço de 1817. 
Acompanhando 0 movimento imperialista peculiar ao 
momento, defendeu Thomaz Antonio a politica de prolonga- 
mento meridional da costa brazileira até 0 Rio da Plata, 
sendo n' este ponto 0 seu ardor igualado pela indifferença 
com que encarou a restituição de Cayenna-terras, dizia 
elle, de 'que não pf'ecisava 0 Brazi,l, para 0 qual, não obstante, 
architectava em sua mente Uln glorioso porvir, repetindo, e 
de certo mais sinceramente, com 0 poeta: 


Povos ! Se os Luzos, com 0 invencivel Gama 
Ao mando do seu Rei debelão Reinos, 
Hoje 0 que farão por seu R.ei guiados ! (2) 


Feitas as contas, son1mados os proveitos e descontadas as 
desvantagens, 0 Brazil lucrara, assaz 0 ten10S visto, com a 


(1) Ob. cit. 
(:!) Disc.urso offen'cWo aos Dahianos no dia da aoertura do 
sell novo thcatro, aos 13 de )laio de 1812. 



DOM JOAO VI NO BRAZIL 


939 


mudança da côrte para 0 Rio de Janeiro, uma profunda 
alteração nas suas condiçães mercantis, economicas, intelle- 
tuaes, sociaes e politicas. De facto ganhara a independencia 
que seria consummada em 1822, mas que já antes se fizera 
sobremodo clara e evidente. 
D'aquella alteração foram varios os instrumentos, varios 
,mesmo os agent.es, mas fautor constante foi 0 monarcha que 
alli, na sua colonia americana, se acolhera n'um momento 
dran1atico, alli gosara ben1 estar physico (I), satisfacções n10- 
raes e até triumphos beHicos, alli desejaria ter descançado para 
sempre, e pelo menos alIi fundou e deixou uma dynastia 
para guiar os destinos da nova nacionalidade no encalço das 
suas honrosas tradiçães. 
Dom J oão VI não foi 0 que se pode chan1ar urn grande 
soberano, de quem seja licito referir brilhantes proezas mili- 
tares ou golpes audaciosos de administração: não foi urn Fre- 
derico II da Prussia nem urn Pedro I da Russia. 0 que fez, 
o que conseguio, e não foi afinal pouco, fel-o e conseguio-o 
no erntanto pelo exercicio combinado de dous predicados que 
cada urn d'elles denota superioridade: urn de caracter, a bon- 
dade, 0 outro de intelligencia, 0 senso pratico ou de governo. 
Foi brando e sagaz, insinuante e precavido, affavel e 
pertinaz. 
Da sua amabilidade contarn-se traços de captivar. Quan- 
do a Archiduqueza Leopoldina, apoz a cerimonia do casa- 
mento, chegou a São Christovão, que tinha sido preparado 
para receber os nubentes, encontrou nos seus aposentos parti- 


(1) .\. nåo ser a conhccida molf'stia cIa perna, que alguns cIiZf'm 
t('1' sido uma ulcera rcl)('ld(', e provavelmente não passava das lympha. 
tites de que dppois, em Lisboa, 0 Rei continuou com frE'quencia Rcha- 
cado, 0 estaùo de saude de Dom J oão no Brazil foi scmprc 0 mais sa. 
tisfactorlo. 



9-10 


Do
r JOÃO VI NO BHAZII.A 


culares 0 busto do Imperador da Austria, seu pai, e 0 Rei 
fez-Ihe entrega, para que lesse e se distrahisse, de urn livro 
que, ao abrir e folhear, verificou ella commovida conter os 
retratos de toda a sua familia ausente. (I) 
Para avaliar sua esclarecida equidad'e, basta referir 0 
que observou 0 consul Henderson: que os Inglezes residen- 
tes no Rio, quando lhes occorriam difficuldades serias com 
a administração, preferiam muito dirigir-se directamente ao 
monarcha, sempre disposto a fazer justiça, a entender-se 
com seus ministros. Frequentes vezes na sua obra, (2) 0 
auctor britannico elogia a cordura, a benignidade e 0 libe- 
ralismo de Dom J oão VI, que urn escriptor dos nossos 
dias, (3) confundindo a miragem com a perspectiva, intitu- 
la com mais 'espirito do que verdad.e historica urn "real 
fantoche. " 
Tamhem 0 mlnlstro americano .sumter dizia gostar 
incom'paravelm.ente mais de tratar com 0 Rei, cuj a bondade 
reconhecia e proclamava, do que de tratar com seus conse- 
lheiros, sobre quem lançava a culpa de quanta pudesse suc.. 
ceder de mau. "Falla em termos favoraveis do Rei, mas 
julga pessima a condição da sociedade e altamente desap- 
prova os mil vex ames e abusos praticados com 0 povo em 
nome do Gaverno." (4) Tão longe estava aqueIJe diploil1ata 
de considerar 0 R1ei uma nullidade, que n'elle admittia von- 
tade sincera de cultivar boa intelligencia e amizade com os 


(1) i}.phrpt, rO!l(/!lC ritLOn'8quc
 Yul III. 
(
) A History of the Brazil. 
I:n Paul Grous
ac, no pst. cit. sobre S. Liniers. 
I -1-1 nral"kf'nrid
p. lO!J((!Jc to HOlltl1 _1 mcrica, perf o I" 11 If'fl by 01'- 
(l('r of tlle .1t1/crÏf'(/lI Goral/l/lcl/t in tlle yrars IS17 ((wI ]R18, in tlle 
Pri{}(Nr ('(Þ'IlYl"c.<.;,<.;, TIa1timcre ] 810. 0 auct.or ia como 'Secretario d'essa 
mlssão politica ao Hio da Prata, mandada lnquirir da situação das 
!)rovincias lJnidas. 



DOM: JOÃO VI NO BRAZIL 


941 


. 
Estados U nidos, reputando-o em tal assumpto muito mais 
adiantado do que os seus cortezãos. 
São traços todos esses mai
 authenticos e fidedignos na 
sua sympathica nobreza do que as anecdotas picarescas que 
val-eram aDorn J oão VI urn renome-tal vez não usurp ado si 
contido nos limites do desenho e não puxado até a caricatura 
- de desmazelo bonacheirão e de esperteza saloia, uma 
aureola barata de bonllOmme Richard coroado, uma fama 
de rei philosopho J que apimentavam suas desventuras con- 
jugaes e a que emprestava verosilnilhança 0 seu physico in- 
grato, homel}, como bruscamente 0 qu
lificou Prior. 
Baixo, gordo, sanguineo, tinha de aristocratico as mãos 
e pés muito pcquenos, mas de vulgar as cOÀas e pernas muito 
grossas Inesrno ein relação á corpulencia, e sobretudo un1 
rosto redondo senl magestade nem sequer distincção, no qual 
avultava 0 labio inferior espesso e pendente dos Habsburgos, 
sem porém a maxilla protuberante e 0 queixo pontuda de 
alguns dos principes austriacos, cujos retratos nos foram lega- 
dos por celebres artistas-que de certu não aninharial11 tal 
proposito maldoso-coma exemplares indiscutiveis de dege- 
nerescenCla. 
EI11 Dam J oão VI as imperfeições de todo ser humano 
não chegavam para que desmerecessem as solidas qualidades. 
Si era timido, pusil1aniine mesmo, como tal egoista, resen- 
tido, ciumento de attenções, amigo de 111onopolizar as defe- 
rencias e inin1igo de perdoar os aggravos menores, tambem 
era clen1ente, nlisericordioso nas grandes occasiões quando se 
fazia appello directo ao seu coração, arguto em qualquer 
emergencia, rarainente ou nunca perdendo 0 equilibrio n10- 
ral, tão generoso para com seus fanlulos e validos quanta 
economico comsigo, estudioso aferrada dos nrgoclOs publico
 


D. J. - fi!) 



942 


DOM JOÃO VI XO BRAZIL 


e governante invariavelmente bem intencionado. Eran1 aquel- 
les em sumlna pequenos defeitos a contrapor a Uln bello 
conjuncto de virtudes, raro n'um lnonarcha despotico. 
Seu sensa politico revelou-se em rnuita occasião. Urn dos 
mais fracos soberanos da Europa, vimos ter sido a unico que 
escapou ás humilhações pessoaes par que fez N apoleão passar 
os representantes do direito divino: os Bourbons da Hespa- 
nha e da Italia, ludibriados, depostos, vagabundos au capti- 
vos; 0 Rei da Prussia, expulso dos seus Estados; 0 Cesar 
austriaco, compellido a implorar a paz e conceder ao aven- 
tureiro corso a mão de sua filha; 0 proprio Czar, ora tendo 
que acceitar intimidades eIn entrevistas mcmoraveis, ora que 
rebater a invasão devastando provincias do seu Imperio. 
E não ha dizer que Donl J oão \rI seguia iInpulsos de mo- 
menta, fazia politica só de opportunismo. "A n1edida da emi- 
gração, escreve Prior, em tempo nos pareceu a todos tão 
extranha quanto desusada J e tern sido abusivamente commen- 
tada, urn cupoz outro, par quasi todos os politicos da Europa; 
n1as quer se haja originado na tinlidez au na fraqueza, pro- 
yOU ser da mais profunda sabedoria politica." 
Calando a circumstancia de que para a trasladação da 
côrte portugueza contribuiranl enl dose apreciavel os ciu- 
Ines do Principe Regente pela sua mais valiosa colonia, des- 
pertados pelo conhecimento em que estava dos esforços em- 
pregados pela Inglaterra desde 1790 para emancipar a Alne- 
rica Hespanhola, (I) Prior faz j ustamente sobresahir 0 facto 
de ter 0 Rei de Portugal ficado illeso dos maus tratos de Bona- 
parte e haver preservado a união com sua importantissima 
possessão-"onde 0 desejo de independencia era geral entre 


(1) Lyman, History oj tlle [Hplomocy oJ tlle United State
6 
vol. II. Boston. 



no)! Jo10 VI NO RHAZIL 


943 


o povo e fraco 0 poder do governo local," ponderava elle 
conl nlais presciencia do que exactidão. 
A America do N orte verdade é que offerecia urn exem- 
plo feliz, "de ha muito admirado J e que de certo teria sido 
imitado desJe logo si os Brazileiros possuissenl vigor de cara- 
cter igual ao d'aquelle po va turbulento. Faltava tanlbem urn 
ensejo para servir de pretexto plausivel á renuncia da metro- 
pole, mas esse 0 forneceria á colonia a invasão franceza, não 
havendo sonlbra de duvida entre os que melhor conhecem 
a paiz que, a não ser pela chegada opportuna do governo, 
o Brazil teria seguido, senão precedido os esforços das colo- 
nias hc:,panholas em prol da sua indcpendencia." (I) 
A unidade de vistas provinha para a administração por- 
tug:ueza de que, governando cC!nl cstes au com aquclles minis- 
tros, de differentes opiniõcs, Donl J oão VI nos problemas 
essf'nciaes lmpunha sempre sua oricntação. Assim, elnquanto 
prrmaneceu no Velhu l\Iundo, nunca Jeixou de pôr sua 
conflança e fiar seu salvamento da alliança ingleza. Vma 
vez, porém, que percebeu quanto se esquivava no Novo 

I undo, não só á coacção das outras potcncias como á 
pressão da nação anliga, não quiz Inais sahir da Arnerica e 
dccidio ahi pennaneccr, luau grado todas as instancias feitas 
em I
h-t- e 1815 pela Santa Alliança e nos annos subsequen- 
tes rCltcraòas pcla Grã Rretanha. DOIn João VI avallara corn 
justeza quão difficil tornavam os recursos incompletos de 
então qualquer cfficaz demonstração armada a tão grande 
dist8.ncia. 
Sabemos que 0 exodo de 1807 só foi precipitado na occa- 
sião, no instante, não se calculando tão prompta a invasão 
e querendo 0 Principe aguardar a suprema In] una e 0 paro- 


(1) Prior, ob. cit. 



9lt 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


xismo da crise, que justificariam sua attitude. Po is da mesma 
forma que resolveu e preparou com tempo sua partida para 
o Brazil para 0 caso que se verificou, e que só as irresponsa- 
veis podianl deixar de preyer dada a march a dos aconteci- 
mentos politicos e perante 0 proceder de N apoleão com rela.. 
ção ás velhas monarchias da Europa, reHectio Donl J oão 
maduramente na questão do regresso com a paz geral. 
Pesou elle perfeitamente que a residencia prolongada 
no Brazil até constituia Ulna lnelhor garantia da indepen- 
dencia de Portugal do que 0 apoio interesseiro da Grà 
Bretanh&, pOl'quanto as colonias hespanholas, luctando ainaa 
desesperadamente pela emancipação, serviam de excellente 
penhor do recolhilnento da l1u>tropolc, a qual h
n1 cornpre- 
hendia que Portugal tentaria. engrandecer-se na America 
do SuI do que perdesse na Peninsula. 
Era DOln João 'TI par dcmais intelligente para não des- 
cobrir que a integriJade portugueza, Ulna "ez rCJposta a nor- 
n1alidade na Europa, era do interesse de todos, não só do 
gabinete de SaInt J anIes: a que provou Inais tarde quando 
procurou que, enl Laybach, as grandes potencias conj uncta- 
nlente garantissem a inviolabilidade do seu velho Reina 
amotinado e inçado de iberismo denIocratico. as alIi ados por- 
tuguezes quasi não precisa'Vam ser solicitados n'esse ponto. 
Eraln espontaneos r naturaes, não podendo qualquer dos 
factores europeus de importancia aspirar a destruir a equi- 
libria de fronteiras e de idéas restabelecido enl Vienna. 
J á no seculo XVIII escrevia a abbade Raynal que 
nunca a politica previdente, inquieta e suspicaz d'aquelle 
seculo supportaria que todos as thesouros do Novo 1\1 undo 
cahissem nas mesmas mãos, ou que uma casa reinante, vindo 
a donlinar só na America, ameaçasse a liberdade da Europa. 



DO)I JOIO VI NO BRAZIL 


945 


A Portugal e Brazil não era licito levar tão longe seu deva- 
neio de dominio america no: a Hespanha é que se não confes- 
sava, longe d'isso, vencida nas suas colonias, e até jurava tirar 
estrondosa desforra da perfidia portugueza em se aprovei- 
tar das suas diffi-culdades. 
Por todas estas razões politicas, e porque sua natureza 
era aIl1iga das commodidades, sobretudo aos 50 annos, (I) 
e se sentia beill no Brazil, resistio 0 Rei ao desejo expresso, 
ao ciulne 1l1anifesto, ás reclamações da antiga metropole, tão 
desgostosa conl a perda da sua posição de auctoridade e de 
exclusivo economico, que chegou a correr no Rio de Janeiro 
COIn grande insistencia que os Portuguezes, renovando os 
episodios nacionaes do l\Iestre d'Aviz e do Duque de Bra- 
gança, iam acclamar soberano 0 joven Duque de Cadaval, 
descendente, conlO os Braganças, do Condestavel N unalvares. 
Fôra Cadaval, filho do duque fallecido na Bahia á 
vinda de Lisboa, 0 primeiro fidalgo de nota a desertar a 
côrte americana dr DOln Jo5u VI, regressando para Lisboa, 
a pretcxto de tomar estado, com a duqueza sua Iuãi, na 
corn'panhia de seu tio materno 0 duque de Luxen).burgo, 
quando voltava de reatar as relações entre a França de 
Luiz x\rllI e 0 governo portuguez. (2) 
Radicava-se tambenl 0 boato da usurpação no facto 
relatado pOl' IJehrct, bem infonnado n' estes assumptos, de 
andar 0 jovrn CaJaval mal visto na côrtc, porque, 11luito 
vanglorioso da sua estirpc c tendo a atiçal-o 0 orgulho da 


( J I I)om .r oÎlo Y I na S('I'II a 1:; d(' J\[a io d., 1 7fi 7 I' fa l] ('('('11 a 
111 ({I' )Iaio (,I' J ,
:!t;' 
I:!I )ll'lJo 
Io\'a"s Utrft.:iT-Ndll() (' Hril':H-III/Ju",;()) ('ita ,('st(' 
itH'idl'lItl' historic-o ('01\1 Cadaval, qu(' confirmam Ulnas 1'pfp1'pnf'ias mllito 
\' 'Ialla!-: d:' Lu.'('lwk {' ('ol'\'ohol':l a l.oI'\'l'spoI1(I..nl'ia diplomati(,:l do tpmpo, 
.\ ('onstl'IH'(:ão pl:ml'.arla ell' mtl solar no Hio, nas I aranjpiras, tinha 1>1'0- 
va,'plnll'ntl' por motivu distJ'uhir as attrn
õ('s da aus('nl'Ía e fazel-a 
pa::;sar pur tcmporaria. 



!)46 


DO:\1 JO 
O VI KO DHAZIL 


velha fidalga franceza, contraria'da no Brazil, onde per- 
àera 0 esposo e levava uma vida acanhada, nunca quiz accei- 
tar emprego do seu real primo, afim de conservar 0 distincto 
e raro privilegio de trocar visitas com 0 monarcha e não 
passar á obrigação de comparecer ao beija-mão. (I) 
Aliás era, n'esse tempo de subitas mudanças dynasticas, 
postas em moda pel a Revolução e suggeridas pelo extraordi- 
nario destino de Bonaparte, 0 nome do duque de Cadaval 
com frequencia citado como 0 de urn rei eventual de Portu- 
gal. A duqueza d'Abrantes, ao nl'encionar nas Alclllorias 
a sua compatriota duqueza de Cadaval, cuj a belleza, en- 
canto, dignidade e genio adruinistrativo-revelado na re- 
construcção financeira da casa ducal-exalta como é natural, 
escrevia, e isto em epocha posterior, dcpois da lucta entre 
Dom }Jedro e DOln l\Iiguel, que Ca.daval, 0 qual de resto to- 
mara franco partido pdo rei legitimo, e, finda a contenda, se 
e:\.patriou, podia vir ainda a sentar-se no throno portugucz. 
Não serianl porventura extranhas rnesrno a essa expa- 
triação da casa de Cadaval, que ainda pe;dura, senlelhantes 
intrigas de successão, cOlnparaveis com as que enl França 
então se agitavam enl redor do Duque de Orléans e acaba- 
rarn collocando a corôa sobre sua cttbeça. Que Ulna conspira- 
ção existio, fornlal ou incipiente, seguida ou interrupta, no 
intuito de substituir Cadaval a Bragança, ou pelo rnenos que 
foi unla realidade 0 pensamcnto de tal nluJança, não pode 
soffrer duvida. 
Dc Lisboa escrcvia 'para Pariz 0 consul geral Lcs- 
seps (2) que, na crise lnoral portugueza, dou
 partidos se 


(1) Debret, ob. dr. lIma litho
]'al'hia eolorida da 
Pl'if-' puLli- 
eada na obra anon
'ma 8/,:rf('11('8 of Port If!lof ('onSf'rYou-n()
. ('om 1n- 
tenção ridicnIn, a lembl'an<:a d'estp ('Ol't(
jo pm 11'mpo (II' J 'om João Y 1. 
(
I Offieio {'ifr:1do de 
:1 de ::\Iaio de UH 7, no '
\.rch, do :\Iin. 
dos X('g. E
t. de 1< ran
a, 



DO)I JOÃO VI NO BRAZIL 


947 


avantajavam e ganhavam terreno: 0 dos intellectuaes, dis- 
pondo de men os força porque nem possuia 0 consentimento 
taci to do povo, mas podendo vir a ter 0 apoio da tropa, e era 
o que pensava enl republica; e 0 de grande parteda nobreza, 
descontente do seu papd nullo, longe da côrte, e estribada 
nas classes populares. Desejava esta facção uma mudança de 
dynastia, sem se derrubar a instituição monarchica, e tinha 
os olhos postos em Cadaval. 
Era este 0 partido que se poderia denominar, fazendo 
recuar 0 appellido transplantado, do Greater Portugal
 vi- 
sando a recolonização do Brazil. 0 da republica podia pas- 
sar pelo do Little Portllftal, já que não descobria inconve- 
niente eln ficar 0 Reino reduzido ás suas proporções européas, 
"suffisant a ses besoins par les seules ressources de son terri- 
tuire et de son industrie". (I) 
N em se pode ter por menos certo 0 facto, quando 0 
marquez de l\Iarialva (2) fazia julgar pdo tribunal do 
Sena e condemnar a dous annos de prisão e 4.000 francos de 
mul t.:1. 0 Consul Sodré Pereira conlO auctor do folheto im- 
presso eln Pariz e intitulado Piecc.ç Politiques. (3) Incluia 
este folheto uma carta de Lisboa em que se alludia franca- 
rnente á conspiração em favor do duque de Cadaval, e quem 


(11 Tanto 
P f'sll.alhara 0 boa to ('onc{"rnE'nte a C'adaval que, 
ao rf'gTf'ssar dp Fl'an<:a 11m IllPc]Î<'o fl'at1('PZ domiciliado I'm Lisuoa I' 
Illuito lig-ado e'Ill a fa.miI.ia 11 Ileal, III I Þ1', (iavrellp, f{)þ \i
itado a bordo 
pOl' urn ('ol'rf'g'I'l]or quP I hf' )),.(] i 11 tollos Os palwis para f'xarninar I {'or- 
r,'s'p, (II' Lps:'wps. i1Jid/'1/1). 
I:.! I no]')' 'sp. fla EmhÚx.arla Portu'c;uf'za pm Pariz ('m 1 S:!O. nl) 
,\ 1'1'h. do 'lin. das HeL Ext, 
I:: I S.INlr'i';. hOIlli,
jara-sIP na Inglatl'lTa log-o que a Emhaixada l'('- 
f(l1f'rI'U (Ia justka francf'za 11m inol1l'l'ito Holidal sohrf> a auetoria fla 
rI'fPI'ida, PUh1iI'Jl,(jlo. para sf'J'\'ir de fllndaulPIlt.o a prOljPC'tnda. ac<:i1o 
criminal: ao m.e
mo tl'mlJn qlH' .() consul g- 'ral n(
rnar(lo J);\upias pro- 
('f'(lia pOl' 
pu lado n \IInfi in()uil'i<:i1o quP podl'ssf' sf'rvir dp has" flO pro- 
('f'SSO a se1' inicia(lo pm Portugal contra D incriminado E'seri}Jtor da hro- 
('h ura f' SI'US cumpl kf's, culpa(Ios <10 ('rime de lesa-magestade (Cor- 
resp. cit. de 
larialva). 



948 


Do.
l JOÃÜ Vi 1\0 lUL\.ZIL 


em Pariz a recebera devia forçosamente pertencer ao grupo 
de Portuguezes ahi residen tes, em con tacto com os elemen- 
tos jacobinos francezes e em correspondencia com os liberaes 
hespanhoes, que tão activa parte tomou no preparo da revo- 
lução constitucional do Porto, e depois de Lisboa, que assi- 
gnalou 0 anno de 1820. 
o afan de l\larialva em perseguir os delinquentes, 
assim patenteando sua devoção á dynastia, devia ser tanto 
Inaior quanta sua alliança COIn a cas a de CaJaval era de 
familia e interesses, e por 1110tivo d'ella 0 tinhaIll até querido 
tornar de novo suspcito aos olhos de Dom J oão VI. esquecido 
já de .passadas tibiezas. ConI effeito luna das trez irnlãs do 
marquez cstriheiro-111Ór desposara, Inuito nova, 0 velho du- 
que de Lafões, cuja casa, ao e""-tinguir-se por falta de suc- 
cessão nlasculina imnlediata, se vinculara por matrimonio 
na de ,Cadaval. 
De ] 8 I 5 a 1820 discutio-se constante e acaloradamente 
em Portugal a volta da falnilia real para a velha séde da 
nlOnarchia. A partida de DonI J oão VI para Portugal seria 
no eIntanto 0 signal certo da separação inllninente, assim como 
a 1 e\'olução pcrnaInbucana de 1817 fôra 0 
rmptoma .inilludi- 
vel da fennentação geral dos espiritos. NingueIll previo nle- 
lhor esta scisão e tão beln definio os acontecimentos como 0 
abbadc de Pradt, ao cscrcver sobre a Inudança da côrte: (I) 
"Fonnaram-se imlncdiataIllcnte duas novas combinações en- 
tre Portugal, reduzido agora a colonia, e 0 Brazil vindo .1 
ser 11lctrupole; 'entre 0 Brazil aspirando a conservar 0 Rei, 
e Portugal de sua parte aspirando a recupcral-o; entre 0 
Brazil vivificado e enriquecido pela presença do Soberano, 


(1.) lA'S trois ÛcrnicfB '1IIoi8 ,lc l'_lméri'l/fc Meridionale ct dn 
LJrét:5il, Paris, 1
1 7. 



IJO)1 JOÃO VI KO RR
\.ZIL 


!).t 9 


e Portugal hUlnilhado e empobrecido pela sua ausenCIa, e 
affligido pela distancia." (I) 
No velho Reino 0 descontentamento não fizera mats cIo 
que ir crescendo até que se manifestou tUlTIultuario e sub- 
\ ersivo. No proprio officioso I n'l}cstigad or Portu,r;ucz em 
lnglaterra, que deixou de receber a subvenção e por ISSO 
teve de suspender a publicação (2), citavmn-se enl 18 I 8 as 
Côrtes de Coirnbra, nas quaes foi acclan1ado Rei 0 l\Iestre' 
d'Aviz, eln abono da these de que aos Portuguezes ca:bia 0 


( 1) \T(,l'sâo )luhliearla no ('O'T";O /:"fI
i7iclI,w'. Xa 
lIa 0111'3 
l)h1'P 
n f'ongT('SSo dp \ïpnna-(Ip fa('to cm todas suas )lllhIil'a<:ões - lllan ifl'S- 
tanl-se (II-' forma ain(l-a mai
 ('atbf'g'orÏl'a a opinião do antigo capeJlâo elf' 
:\"apolf'ào f' ex-art'phis})o de 
Ialinps: "ßI-HI'Y mio podl' com:f'l'var 0 

pn dominjo em Purtugal I' no Brazil, f' dl've f"s('olh,',r ou Sf'o)' Hpy rle 
Portugal. p abandonal' 0 Brazil, 011 
pr Hpy do Brazil, e ahan'flonar 
Portuga1." 
(:!) A sub\'pnção <1(' quP gOS
l\-a 0 IJ/l'cstiY(1dor fuj rptirada em 
1.S.I!Þ IH'lo
 e...
('esso
 e elTOS cOlUmettLdo
, no jui7o ' do governo, pelo 
collahol'a<1or ,ro
é Liberato Freire de Carvalho, (I tra(lneìol' de Ta- 
cito: mandanrlo comtudo logo dppois a côrte do Hio ordl-'m ao conde 
(](> Pa]ml'l1a para agir no caso ('OInO mplhor f'ntpIHlpss!' P. f}u:'I\>ndo, con- 
tinual' a .
mll\-enl'Ïo.nar 0 })eriodi<-o. l'almclla, pori';m, não quiz 1'Rler-5:o 
<1a facl1Irlarlp concpdiùa }Jonll1l', dos rpùadol'ps Vl'in"!I'.I'_'-'; d) I rI /", <it;- 
!Jar{oT, lillI, 0 nr, Yi<-I'ntf' Pedro N'oImwo. p
htYa muito dopn1p em 1'.1 !'Í z. 
(-' 0 Olltl'O. 0 nr. Mj
l1P] ('aptano (t(, Castro, din]omado IJPla Unin>r- 
sirla(ll> de Erlimburg,), d(>li'lwl'ara ir ('lll1icar pm Lishna. I'azia-sc mister 
1'l'IICUl'ar e pn(>ontral' nm'n..; rf'rI:H'torPH hahilitado
, 
f'n(lo o
 .-t 111/(1('8 
"(f.<
 8d.C1H i(/.
, 1rt(',
 (' Lcttrlls de Pariz uma pu.blipal:ão muito {':
1>açada 
(('1'a trinwnsaJ) para purlPl' Her aproVl'itada ('(JIB vant agpm para fins 
)Jolitko
, insl'l'in<lo-:
H' n'eIla artigos offkioso,-,- q1HllHlo nWs1110 fossl'lu 
para tanto ('Oll1p,.tPlltI-'S Os SPUH dirf'dori's, l'l1jas hahilit:H:ôes (' l)1'e- 
dilecc:õf's pram di\'p1'sas - adla va PalulI'Ila pl'pferi\-pl. para 1'l'sl,ondpr 
!is v(\rrinaH (1'0 Porfll!/lIcz e (10 ('O'T(';O Rr((:ilif '/.'1(', "puhlicarl'lll-se no 
Hio de .J.anf'irn P 1.'111 1 i,shota jOl'll:J'S '(1111'1 dpfl\ntl(':-;.
,,>m n cauza do Go- 
\'f'rno ('om ta]Plllo {' <'onhl'l'ÍUll'lltO." (( '01'l'PSp. dp LUBdn's, no .\ 1'('11. 
dn )lin, da
 1.1'1. EÜ.) 
I'a] 1111']]:1 nun 
p "..xa nl ('1I1II ('ssPS .iorllap!' ria IllI':;;ma forma fj1H' 
Funcha], tamhl\lll porqup ellps 0 malt rata '"a m ill('o1llIJa l'a \'plnwil tl' nw- 
no
, (' n 
pU a]vilrc t inlJa a (Iup]a vantagf'm <If' f'\'ital' :í lA\g':H:uo PIll 
Londre
 0 contacto ponco ag-radavpI d<' HIlla impl'l(\llSa flssa]ariada, 1\11<' 
('ntJ'(' OH Jng-Ipzl's }I(I1I('O 
ignifi('a'\'a of' ao
 l'ortllg-1H'ZI'
 IH'nh1lln 
Pl'\Ti('{) 
)l1'1's-tanl .(/1' '"a10r, (' vH]gal'iza)' na
 dlla
 capital's do Hl'ino lTniâo 
dp 1'()l't11
a] (' Brazil 0 UHO LIa impl'l'llsa politil-a com os bonoficios que 
d'cIle SP (]f'l'h"avam. 
OR .\nnaf'S ohthTpl'alTI to(la \'ia 11111 
11h,-,i,Ho P[1l'fI mfln t('rf' 111-:-:(\ 
1>.()stn flUC pp1'nu!.TIccendo a pOlitlca f(1)'
l da orllita das S'U
lS pl'COC- 
cupa
õ('s. 



D3U 


DO
[ JOÃO VI XO EIL\ZIL 


pleno direito de escolherem urn Soberano, estando vago 0 
throno: e 0 throno devia considerar-se vago po is não era 
adrüissivel, e segundo 0 abbade de Pradt depunha até contra 
a honra da Europa, que uma côrte da America tivesse pos- 
sessões européas. 
Aliás 0 incançavel publicista encontrava as maiores van- 
tagens em fazer-se 0 Rei de Portugal de todo Braziliano, 
apenas Imnentando que a nova cÔrte tivesse sido donlinada 
por velha gcnte, os novos negocios manejados por homens 
antigos, os novos objectos rcgulados por instrUlTIentos antI' 
quado
. Por isso sc não vira inventar Ul1la só medida, dizia 
eUe, das de grande l1l0111cnto, afóra a liberdade de comnlcr- 
cia, decrctada elB CirCUIl1stancias especiaes, applicavel ás con- 
dições do Brazil, onLie tudo continuara a ser regido pdo sys- 
tema portuguez, quando não colonial. 0 meio, as neceSSl- 
dades, tudo entretanto era differente. 
"V a
sallo ou inferior de todos na Europa, El-Rey do 
Brazil, pizando a terra da America, adquiriu urn Call1pO i111- 
nlenso; cntrou na politica do universo, em que Ihe cabia tam 
pequena partilha, pelos seus territorios Europeus. Subdito, 
enl sua antiga habitação; na nova, he de todo independente; 
e participa no systema de eillancipação, que he a nova vida 
dos paizes, qwe 0 cercalll." (I) 0 que poderia vir a ser 0 
Reino Americano creado pelo monarcha portuguez, deva- 
neaV'a-u a inlaginação do abbade, alilnentada n'essa epocha de 
soffreguidão 111ental por todas as chimeras liberaes herdadas 
da transformação de idéas do seculo XVIII. 
U nica voz discordante aquélll do Atlantica de que nos 
haja chegado a repercussão além da de Pradt, Hippolyto 
era de parecer que, no estado de agitação e incerteza no qual 


(1) Ycrsão cit. do Corrcio Bra.
'iliellsc. 



nOM JOÃO VI xu BRAZIL 


931 


se encontrava a An1erica Hespanhola, caso 0 Rei estivesse 
en1 Lisboa, se Ihe devia aconselhar que embarcasse para 0 
Brazil a cuidar dos seus interesses, visto representar 0 dominio 
ultramarino 0 mdhor apanagio da corôa. 
Assim 0 -entendia Dom J oão VI, sen1 querer todavia ferir 
n1uito fundo 0 ciume dos seus vassallos portuguezes, antes 
affectando pelas formas um respeito n1eticuloso. Sua accla- 
mação foi adiada de 1817 para 1818 por motivo da rebcl- 
lião de Pernambuco, mas j á fôra transferida de 18 I 6 para 
1817, não tanto pela consternação causada pelo fallecimento 
da Rainha quanta pela razão apontada por 
Iarrocos (I) 
COIno Ihe havendo sido comn1unicada: "Dizem-n1e que a 
acclamação não se faz ainda, sem chegarem as Dcputações 
dos Reinos de Portugal e Algarves, em razão de não haver 
Junta dos 'rres-Estados: não sei se is to he supprin1ento de 
Côrtcs, Inas parece-n1C hum 'passo n1uito acertado, para não 
haverem depois questões, por não ser feita a acdamação na 
séde da l\.Ionarquia: E por -que não se fará lá ? Diallll Pa- 
dllani. n 


D. l\.Iaria I expirara a 20 de 1\Iarço de 18 I 6: findara 
aos 82 annos 0 sen Ion go vegetar. A 23 de Fevereiro, na sua 
minuciosa chronica á familia dos acontecilnrntos da côrte do 
Rio, dava 1\Iarrocos noticia da gravidade da sua condição 
havia D1ais dc un1 n1ez. "De dia em dia a sua rnolestia se 
trm aggravado Inuito, principiando por hUlna dysenteria, fe- 
hre, fastio; e daqui tCln proseguido a hUlna insensibilidadc 
notavel da cintura para baixo, inchação de p
s e mãos, e 
olhos quasi sempre fechados. Tern tido algumas occasiõcs 
de allivio; porém, passado este, carrega-Ihe novo ataquc 
(lrstes silnptOInas con1 mais força; e apezar das diligencias e 


(1) .Carta aO' rai de 
s de l\Iaio de 181(j, 



95:! 


DO)! J010 VI 
O IHL\ZIL 


disvelos dos facultativos com os soccorros da l\Iedicina, nada 
até hoje nos tenl dado Inoti\'os dr algUlna esperança de sua 
perfeita cura. l'"'odavia não deixam de a levantar sem'pre da 
cama, e dentro de uma cadeirinha é conduzida todos os dias 
por dentro do Paço .elll fonna de passeio, 0 que sem duvida 
Ihe é muito proveitoso: e por ultimo ha idéas e votos de a 
fazerenl tOll1ar novos ares elll lun sitio pouco distante daqui, 
a que chalnão l\Iata- Porcos, onde foi a residencia do falle- 
cido conde das Gal vêas." 
Quando no seu estado, por tantos annos nornlal, de 
beln estar idiota. dava a Rainha diariatnente 0 seu passeio de 
carro pelas ruas da sua nova capital, (I) que ella nunca che- 
gou a conhecer e differençar COll1 os olhos do espirito. No 
Rio de Janeiro entretanto Ihe foranl prestadas as impressi- 
vas honras funebres devidas á sua jerarchia. 
Assim que peorou e-xtrelnanlente a enfenna e se decla- 
rou 0 artigo de morte, a 19 de l\Iarço. sahiram á rua confra- 
rias e clero, secular c regular, com a cruz alçada e entoando 
ladainhas e preces, indo todos rojar-se na Real Capella 
ante 0 Santissimo Sacranlento e recitar as antiphonas, versos 
e orações liturgicas da occasião. No palacio 0 officio da ago- 
nia e 0:; psalmos tpenitenciaes eranl sinlultancamente rezados 
pelo bispo capellão-mór, pelo nuncio e por frei J oaquim Da- 
rnaso, da Congregação do Oratorio (2). 
U nla vez dado pcla pohre demente 0 ultimo alento, ves- 
tiram-Ihe 0 cadaver de negro conl a banda das trez ordens 


(1) 1'a(I1'(' Luiz (;on(::1ln'
 dn
 
ancto
, ob, df, 
(:! I ('allf'llfio da Infan1.fI ()ona )(a1'ianna, innii (111 1:ainha, fal- 
]('('icla HO 1:io ('Ill 1st::, (' hih1iottH'('a1'io 1'l'a1. 
ão 1]111\l'1'1Hln fÏ<'ar no 
Brazil ('Ill lS:!l, foi .('11<.' ((111'111 (If' J1O\"O ll'\,ou para Lisl)(JI;I oS ll1anll
- 
('ril'tos da ('orûa. 1\1 a rrm'os <l1'
wrpvia () pod J"('.'.;Ì1I11O ('01110 ti'i 0 va liòo <Ie 
Aguiar, "quI' tpm toda .a lih('rdadp de' V('l', I1l1'X('l', (' r(,ll1e'xl'r todos os 
l'appis flu dito ('011 (1 f', e -e
tf' 0 consuJ.ta em muitos Despacho9.... 
(Carta de 10 de l\1.aio de 1812). 



D01I JOlO VI KO BRAZIL 


9':>3 


militares e da Torre e Espada, cobriram-Ihe os hombros com 
o manto das mesmas ordens e passaram-Ihe 0 Q1anto real 
de velludo carmezim bordado de estrellas d'ouro e forrado 
de setim branco. N'estas galas mortuarias celebrou-se 0 beija- 
mão da defuncta na presença do novo Rei - "0 qual está 
na maior desolação possivel de I1lagoa e de saudade, perdeu 0 
conler e ainda persiste en1 continuo pranto" (I). 
:\Iettido 0 corpo n'um caixão forrada de fina lhama 
branca e por fóra de velludo negro, con1 drogas ar01naticas 
seccas c 1110idas drntro (2), cclcbrou-se 0 funeral COIn as 
mesnlas solemnidades, eln maior escala, observadas por oc- 
casido do enterro do Infante Dom Pedro 'Carlos: identicos 
responsos e outros actos religiosos do ritual c da pragIl1atica 
e un1a in1portante exhibição militar. N as decorações luctuosas 
da egreja predominavmTI os tons roxos da viuvez, e a pornpa 
da realeza ainda se affirmava na construcçã
 de columnas 
de capiteis corinthios e cupula de velludo preto com galões 
de ouro e prata sob que respousava a eça, em redur Ja qual 
se succeJiam eIn todos os altares missas encommendando a 
ahna òa soberana. 
() officio funebre foi presidido pelo nuncio do Papa, 
que rezou 0 responso final, seguindo até a porta 0 cortejo .em 
que figuravam a familia real, a carnareira-l1lór e as damas 
"vestidas de donaire", todos os circumstantes segurando to- 
chas. No prestito formaram os conegos e os nobres, de capas 
pretas, nas sUas montarias tambeIn cobertas de mantas de 
lucto, aluIniados pelos criados de libré ostentando nos teli- 
zes do braço os brazões das casas fidalgas que serViaIl1. 


(1) 'Carta de 11[31'1'-0<'08 ao Pat, df' :-:0 (It' .:\farç,o d(\ 18:16. 
(:! I J':llll'P Llliz r.olH::1I,'(\
 do..;; 
3n!'to
, fIb, dt, 



954 


DO"
[!JOÃO VI NO BRAZIIJ 


Puxavam a cache oito machos e escoltavanl-no os re- 
gimentos de linha e de milicias "com os tambores cobertos 
de baetas negras, as bandeiras de rasto, e enlutadas com 
funlo, f' COIn marchas muito maviosas." (I) A' porta da 
egreja cIa Ajuda df'sceu-se 0 cai-xão, que primeiro foi levado 
sohre 0 esquife da 
lisericordia, aos hombros de innãos po- 
bres, n'um bello symbolo da igualdade humana perante a 
nlorte, e então carregado para 0 interior pelos grandes 
do Reino e reposteiros do Paço, enlquantu os officiaes da Real 
Casa quebravam suas insignias em publico. 
Gito dias depois os vereadores da Camara em sombria 
procissão, prccedida por unl cidadão de capa negra, com 
bandeira negra e 0 funlo arrastando do chapeu de largas 
ahas, tanlbrnl qurbrarianl os .escudos nos tablados adrcde 
levantados na praça do Capim, no largo de Santa Rita, no 
Rocio r diantr da Lapa do Drsterro, cOllcitando 0 povo a 
chorar a lnorte da sua Rainha (2), cujo lucto elr urn anllo 
já 0 bando do Senado sahira a annunciar. 
Contenlplações prla saude de Donl J oão fizeram redu- 
zir 0 nojo a oito dias ( 3 ), decorridos os quacs a falnilia 
real recebeu pezanles e sahiu a ouvir Inissa e 2.spergir 0 cai- 
xão, scndo recebida dentro do côro pe1a conlll1unidade do 
convento, com a abbadessa á frente, de pluvial negro. 
As excquias realizaraIn-se a 23 de Abril, na Real Ca- 
pclla, forrada de alto a baixo de negro avivado de ouro que 
se casava com os entalharnentos dos altares, as franjas dos 


(l \ 1':H11'p Luiz (
on(:al n"s dos 
anctos. où. elf. 
(:!) Em Lishoa, on'lIp sP aehava pm ] 
 1 fì, TOillenare prpsencion 

'sppctaeulo analogoo promo\'ido pdo 
t'na'll,o dn Camara (Parte m-;, e 
hH'd. das .?\ufa8 Ðominicac-'5) , 
(3) "EI Rey 
. 
l'nhor ern razão do clima dispensou as meias 
<1(' sl'da -em lut<> rig-ol'{)
o: e logo a{) principi.o ha1via dis1pensado () rIgor 
<1a f'ragm.atj.ca de 174G, qnaJ1to a p-t"SS03.s. p,ohres". (('arta ù.e l\!arrocûs 
ao Pai de 30 de 
Iar<:o ùe 181 fì), 



DO}[ JOÃO VI NO BRAZII.J 


95::> 


doceis e 0 espaldar do solio episcopal. N a vespera, mergu- 
lhado nas trevas 0 mausoleu octogono com emblem as ma- 
gestaticos e inscripções latinas, tinha tido lugar 0 officio 
de canto-chão rntoando os capellães e conegos as lições, 
e os responsorios os musicos dirigidos pelo grave e pomposo 
l\1arcos Portugal. A cerimonia no proprio dia prolongou-se 
das 10 0 cia Inanhã ás + òa tarde, executando-se a Illissa de 
pontifical e as absolvições do mesmo Iuacstro Portogallo e 
proferindo 0 sermão 0 deão de Braga. 
A cidade inteira -como que carregara 0 lucto em acom- 
panharnento ao da dynastia, echoando nas ruas e praças os 
canticos de saudade que, no interior da maioria dos templos 
e conventos, provocava a real memoria evocada nos sermões 
e jaculatorias, de encomInenda dos 1'eginlentos, Jas irman- 
dades, de todas as co1'porações militares, civis e religiosas, até 
da Ordem de 1V1 alta. Os bardos de nenias, os escrevinhadores 
de elogios historicos, os latinistas de epigraphes, os musicos 
de voz e de instruIncntos, os arnladurr
 de egreja e artifices 
eIn qualqurr grnero, os oradores sag1'ados em ferias, todas 
est as classes passaram urn anno regalado, rivalizando em 
pericia e since1'idade, como rivalizavam na ostentação os que 
lhes pagavalll a Inelancholia e 0 primor. 1\1ar1'ocos escrevia 
( I) que corneçou a fa7er colIecção das inscripções sepul- 
cluaes, suspendendo-a "por não ter proporções, para obtel-as 
de toda a parte, neITI taIl1hem mrrecião essa fadiga." 
Diz 0 chronista Padre Luiz Gonçalves que nenhuo1a 
<lemonstração do pezar fluminense exccdeu porém e01 111a- 
gnificencia as exequias IllandaJas celeb1'ar na propria egreja 
da Ajuda, com assistencia do Rei, pelo Senado -da Camara. 
A iInaginação macab1'a dos Jecoradores dera-se brgas na 


.(I) f';nt;l ao Pai ,I,' 10 tIl' .Jlltha tIp lStG. 



956 


Dü:\{ J010 VI NU BRAZrT.J 


estatuaria symbolica: umas figuras de anjos com caveiras na 
illão, como Hamlets de cemiterio, equilibrando-se sobre as 
pontas dos obeliscos carregados de tropheos nas bases, onde 
vinham prender-se as grand
s cortinas -de velludo negro que 
desciam do sobrecéo, em fOrIna de corôa, do cenotaJphio guar- 
dado pela Sabedoria, exhibindo esta inscripção lisonjeira a urn 
tempo da Rainha morta e do seu herdeiro: 


Se abrigo 0 Filho Excelso me não fôra, 
Ao Ceo, donde baixei, volvêra agora. 


o fallecimento de Dona l\faria I suspendera urn com- 
plenlento -de separação de que resultaria para 0 filho Ul11 ac- 
crescinlo J' essa segurança pela qual I he foi tão cara a terra 
brazileira. Dona Carlota J oaquina pretendia acompanhar a 
Hespanha, donde nluito provavrlnlente não regressaria á 
Anwrica, as LIuas Infantas que alli ianl consorciar-se e cujo 
embarque foi retard ado pela repentina gravidade do esta'do 
da avó. "l\1uito gosto fazia de ser Ella l\1esl11a a Con- 
ductora de suas filhas, e de as entr,cgar aos seus dous Ir- 
mãos, fazendo conl a sua Real Presença ainda mais festivas 
e solemnes as cerelnonias dos Reaes Consorcius" (I). 
1\Ienos de urn mez antes do abito da soberana, precisa- 
mente no dia para 0 qual fôra l11arcada a partida das In- 
fantas (2), .escrevia 1\1arrocos ao Pai: "A partida de 
S. A. R. (Dona Carlota J oaquina) para Hespanha, ou 
para Lisboa, não he já objecto de duvida: os preparos são 
decisivos em tudos os ranlOS relati-vos a este pOßto: toda a 
Familia, assim das Senhoras, como de criados, está prompta: 
deram-se a todos as compctentes ajudas de custo; I :000$000 


(1) Paùre Luiz Gonçaln
s dos RmH'tos, úlÞ, cit. 
C
) 23 (le FevereÜlo dè lSlG. 



DO,)! JOÃO VI 1\0 BRAZIL 


9ð7 


á Camareira-:\lór, +00$000 ás Açafatas, e assirn os rnais ern 
proporção, vindo a terminar com as de 80$000 a Varredores 
e l\loços de Quarto: Ha tenção de ser a sahida a 20 de 
l\larço, e em Quarta-feira será a Desobriga geral. Não 
posso explicar a V. 
lcê. 0 fervor e a pressa, com que se 
está embarcando 0 trem pelas respectivas Repartições; e 
vej 0 caixões que custão a carregar-se por 20 nregros: a N ao 
S. Sebastião está mui linda, sendo renovada e pintada, assim 
como a Fragata Hespanhola do Vigodet: e SSe AA. tern ido 
jantar a bordo muitas vez'es: affirmão que as mais Embar- 
cações de Guerra que forão conduzir a tropa a Santa Ca- 
tharina, 'devem acompanhar, assim como certos Navios mer- 
cantes, creio, de refrescos ou mantimentos. Apezar de todos 
estes preparos publicos e indubitaveis, ha muitas apostas e 
questões particulares sobre a concluzão desta el11preza; mas 
de certo nenhum fundamento ha para estas duvidas senão 
as reflexões politicas, que faz suggerir a actual molestia de 
S. .l\1agestade, não podendo combinar-se politicamente, no 
meio deste inconveniente, a retirada daquellas Senhoras, 
quando mesmo S. A. R. por este motivo, não effeituou agora 
a sua costumæda J ornada de Santa Cruz neste mez, a que 
nunca tern faltado, por sua saude, obrigando-s1c por isto, 
a hunla continua e vigilante attenção da molestia de S. l\:la- 
gestade. l\Ias 0 tempo percle-se nestas reHexões, que, sem ser 
Sebastianista, ouso affirmar sahirão goradas aos duvidosos." 
As Infantas foram sós: Dona Carlota tinha agora de- 
veres de Rainha a cumprir, e ficou, sem que no emtanto 
rnais esta contrariedade the abatesse 0 espirito forte, como 
não deu mostras de en terneccl-a enl dClnasia a separação .Lias 
filhas, a quem muito prezava. Por occasião do bota-fóra 0 
Rei demorou-se Zlpenas Ulll quarto de hora a bordo e reti- 
D.J. - GU 



n.)
 


DO:JI JOÃO VI NO BHAZIL 


rou-se aos soluços: a Rainha não chorou, attendeu aos ul- 
tinlos preparativos da viagen1 antes de descer, e foi, com os 
olhos seccos e brilhantes, acompanhar pOl' terra os navios en1 
direcção á barra, até perdel-os de vista na Praia Vermelha, 
donde Ihes dirigiu 0 ultin10 adeus ,( I ) . 
Não é que fosse destituida de coração Dona Carlota; 
pelo contrario 0 seu hUlTIOr caridoso era tão vivo quanto a sua 
indole vin,gativa. 
larrocos conta a esse respeito uma ane- 
cdota typica (2). U m servente mettera sem razão alguma 
plausivel, antes diffamando-a vergonhosanlente, a mulher 
n'um recolhimento, onde a deixou ao abandono e ao soffri- 
mento. J ustificando-se j udicialmente e conseguindo recobrar 
a liberdade, a pobre poz-se a servir para se mantel' e valer 
ás duas filhinhas, obtendo por fim ser criada de uma das 


(1) "Xo dia 2 do corrente mez as Rl':lS. l), 
hri
l. 17.a1Jel, nainha 
de IIrspanha, e D. :Maria F1'ancLsca -embarcarãol l.ogo de m:::mhã na 
Xao H. 

('1j(f
dWo, e suas c1'iada's, 
 Aça,fatas, as criadas drstas, :! ne- 
tr{'tas, 
 mo
:as de 12uarto, e 2 pretas, para ficarem em JIC'spanha no 

eu 
Pl,\'i<;o; e. a.companhadas pelo )Iarquez de Yallada, a :\larqueza sna 
mnlher, lluma fllha delle ainda soltei1'a, a Condeça de Linhares (Ca- 
marC'ir.a-Mor) e a Condpça do Barreiro, Yiuvas. O
 criados nàu tinhÜ(I 
r1pstino de fica rem em IIesp::mha, menos aquelles .qu.e as dita.s 
el1hor:ls 
<!llizrrl'm qne alli fiqu{'m, para 0 que levào lic('nçH somentf' nf':-;s0 cas'): 
fui I'gn
Jm('nte 0 J\1.edic'o Azev0do, irmâo do Barào do Hio 
P('co. 11,.- 
puis d(' hir 0 Bisl)O a hordo benzer a Nao, e haver Beija-)lão puulico 
(}p <kSp0dida, ao qual foi imm('nso l'ovo, a que se daya entrada n';1 :\"1..) 
SPIn eXC
I\(;-ão de p. 'SSO:l, sahirã,o nO dia s.eoguinte :=.; pela man}Ü'í com bum 
v('uto: fOl'ào Reompanha,ùas da Fragat.a Principe D. Pedro. C'm qne hia 
o )1
U'('('hal Jh'l'<'sford, (Iue se offpreceu lml'<l acompanhal-as, {' <la Fra- 
g:1ta 1 h\spanhola, em que hia 0 
l'enente-lGeJleral YigodC't, EncalTC'gado 
da ('ommi
sào. ParC'C'e qU0 0 rUlllO he lmra Cadiz, (' dalli para Lisho
. 
.\ sua sahida fo,i muito vistosa, mas lmanteada. A nainha, havendo es- 
t,ado no dia antecC'dcnte sempre a hordo até fiR 10 horas da HoUt0, 1'oi 
tamuf'm ao bota-fóra não l.evando nnnea as outra:'> 
ras. Tnfantas com- 
s'igo. ÐI
Jt.r'y o(.stcv.e 
 bordo só hum qua,rto de 110'1'3, e retiro1u-selog o 
para 0 Pa 
o. 
o acto da se.paração foi t.ernissimo p.ara com sen Pay, nem pode 
ò.pscrcver-se, assim como 0 'animo yaronil de sua :\lãy, <1U(' srm lagrimas 
exteriorC's mostrou 0 seu disvelo elll srus IH"f'I)
U'Os:.... . 

os prin1P.iros dias drpols d(' sua sahid3 receberão ,
. )Iagestadrs 
cart as de suas Filhas pOl' Xayios; (lue enconh'ayào no mar, f' qur se cli- 
rigião para este Porto:' (Carta <1(' )lar1'ocos ao Pai <1P 10 <1(\ .Tnlho de 
Hilm. 


(:!) Carta ao Pai dr 
s de Setemhro de 1813. 



. 


DO)[ JO..t\.O YI NO nR
\.ZIL 


!).) Ç) 


retretas da Princeza Real. Levada de sege para Botafogo, 
foi admi\tida a beijar a mão de Dona Carlot a, e tão con- 
doida ficou esta da penuria da rapariga, que para n1ais 
andava enfenna, e ao lnesmo tempo tão agrada:da d' ella, 
que lhe fez preparar logo roupa e pessoalmente ordenou ao 
medico da real camara que a attend esse COll1 todo 0 carinho, 
correndo os remedios por conta do seu bolsinho. "Foi S. A. 
tão lestremosa neste ponto, que hia lembrar á doente as horas, 
ern que todos os dias havia de tomar os remedios, assistindo 
alli nessas occasiões. Sabendo ao depois que ell a tinha duas 
filhas pequenas e em desamparo, n1andou logo buscal-as, 
vestiu-as nobre e n1agnificamente com hum primoroso enxo- 
val,. e pol-as a educar e aprender em hUIll Collegio de meni- 
nas, pagando mensalmente por sua educação 36$000." 
Dom J oão era menos expansivo talvez nos seus impul- 
sos generosos, mas em compensação não era tão rancoroso. 
Perdoava com muito mais facilidade. N a atn10sphera sus- 
picaz de Lisboa, inficionada de idéas j acobinas, un1 tempo 
houve em que 0 Principe Regente faciln1ente viu conspira- 
ções e attentados que the 'descobria a cada passo - e Llté os 
inventava - 0 lntendente de policia Pin a 11anique: (I) 
nem assirn, porem, se tornou urn tyranno. Apenas descon- 
fiava dos homens intelligentes e illustrados que the não d
s- 
sern prova particular do seu devotamento, aborrecendo mes- 
mo a sciencia por julgal-a madrinha de reformas politicas. 


(1) Pina l\Ianique ficou na f.ama como 0 prototypo do adminis, 
tr
dor l'igiùo (' arhitl
a1'io: dr})ol'tava a f;<'ll talantc para u 1Iltl'aIWIr . 
(\ pnvolvC1'3 a vida f;ocial portugueza n'mn srstcma de (:'s)1iona
I'm f' tIt'- 
I:H:ão. Xo dizl'r do auctor .anonrmo ùa Jfi,'::toirr d(' ,/('(/1/ 1 J. sua 
etÏ'.'i- 
rlac11' era muito maioI' f'1l1 fomentar ()';;, pr.cprio
 Lnt('rl'
s('
 do qm' .em 

wlal' () acC'Ïo (' spgUl'an(';l c1a Nlpital, dp\'('nùo-s(' a J). Hodl'ig:o <11' :-\Oll7.:l 
f'olltinho tanto a illnmina(:ão IWI'UUlIH'ntl' <11' Lishoa, como It (,l'l',
c:iil) (h, 
polÏ<'i,a a P(
 (\ a canLIlo. E' justo ('omtudo I ('Ill hl'.U' ((ll'!' Pina :\[ani(I'J(
 
f'lIi<1nu da in
t rucf:ào. funù:lndo lIma cnsa (ll
 ('01'1'('('(::10 paJ":l o
 dl)I1
 
f;('XOS. ('scola s <11' <l(\sC'n 110 (' collegios etc. 



9üu 


Du
I JOAO VI NO BRAZIL 


No Brazil nludara sua situação de espirito. Longe da 
França e Teposto dos seus terrores demagogicos, enxergava 
as COU3as com mais calma, abordava-as com mais discern i- 
mento, resol via-as com mais longaninlidade ainda, e tão 
accentuada e pessoal the ficou a feição que d'ella se não 
despojou quando, de novo em Lisboa, se viu a braços com a 
agitação constitucional e a Teacção absolutista. 
São abundantes os exemplos da tolerancia de Dom 
J oão. 0 general bonapartista Hogendorp, antigo comman- 
dante em chefe de '
Vilna e fer vente admirador de N apo- 
leão, viveu tranquillo e isolado n'ulna fazenda nos arrcdores 
do Rio, cultivando seus 20.000 pés de café, seln que j alnais 
o incommodasse a policia ou deixasse 0 Rei de usar para com 
elle de toda a contemplação. 0 velho n1ilitar, que era uma 
das curiosidades da capital flunlinense, costumava até rece- 
ber frequentes visitas de diplOlnatas e outros estrangeiros, 
que 0 procuravam como a urn honlenl de reputação e valor. 
o episodio com 0 luarquez de Loulé é 0 mais signifi- 
cativo. A' revelia condenlnado á pen a ultima por sentença 
dada em Lisboa a 2 I de N ovembro de 181 I, dictada pdo 
crime de lesa-patria pois que pegara ern armas COIn os Fran- 
cezes e servira ás ordens de l\lassena, apezar de haver sido 
urn mimoso do Regente, Loulé alguns annos depois, em 
1817, decidiu-se a ir ao Rio implorar 0 perdão real. Reco- 
lhido á prisão como contumaz, ahi permaneceu treze mezes, 
mas foi em seguida solto, dando-se-lhe 0 novo Reino por 
nlenagem, e successivamente indultado, reha:bilitado e resta- 
belecido nas suas honras, nlercês e bens, ficando em esque- 
cimento 0 facto capital e sen1 effeito algum a sentença pri- 
mitiva. :\Iais do que isto, readmittiu 0 Rei 0 fidalgo no seu 
serviço, dizendo ao seu sequito quando 0 ergueu do chão, 



DO)! JOÃO Y1 KO ERL\ZIL 


961 


onde elle se prosternara: Foi -0 primeiro que se fiou no mcu 
coração e se entregou nas minhas mãos. (I) l\larrocos, 
espantado, comrnunicava ao Pai (2) que 0 réo de alta trai- 
ção fôra convidado para 0 Paço e j á entrara de semana como 
camarista. 
o acaden1Íco StockIer, de cuja bocca ouvira 0 Rei 0 ex- 
celso elogio official da sua politica americana, era outro trai- 
dor perdoado. Chegara inesperadamente ao Rio uns seis 
annos antes, em 18 I 2, dizia ironican1ente :\Iarrocos (3) 
que "para servir on de S. A. R. houvesse por bem empre- 
gal-o", não 0 vendo elle con1tudo ir ao Paço e não tendo 
ainda beijado a mão do Principe. "Elle vive como em retiro 
fóra da cidade, inculca muito de sua conducta exemplar no 
tempo do intruso Governo, e publicou huma Obra-Cartas 
ao A uclo,. tla Historia Ceral ria I n7wsão tlos Francezes flll 
Portugal J e da Restauração deste Reino. Rio de Janeiro 
1813. 4Q-ern que pertende justificar-se com muita palavra 
ou parolada, assirn como 0 seu PIano de Campanha com 0 
Duque de Lafões, porem he tão infeliz que cada vez se con- 
den1na mais, e se atola no lodo." 
A bondade proverbial de Dom J oão VI, a sua allgemein 
bekannte 1-/ erzensgute como a chamava yon Leithold (4), 
era tanto mais espontanea quanto oem se podia dizer fossc 


(1) von Lcithold, ob. cit" ondf' se encontra nan'ado 0 caso com 
tod08 os pormenol'eR. 
(
) Carta de R de Srtembro d,e 1818. 
(:n Cal'ita a() Pai de 
8 de 8.etemhro de 1813. 
(4:) Y-OJ1 LeHllO'ld nã-o alcan
ou to,davia que 0 Rei lbe concp- 
desse terras para uma fazell1da; mas conta que a um conde d'Om
rvail 
que "'eio pel a prin1Pira vcz lao Rio. esppcular pOl' conta pr.opria e allwia, 
n'nm navio qne 
JC iocendion com toda a carga, snl'Vando
se a custo 
 
arlooz mnito'S peri'gos a tripoh,:ão, f('
 0 Rei presente d.è' 1
 contós, não 
tpnrlo sido pos
in)l conet"der-1he como pro1jrctava l.ivre franquia adna- 
nrira daR mprcac1orias. Ìl':\zidas pm un n. quando )J,'la s('
nnda V(,i': "pio 
trntar fortuna. Os ('\
criptor(
s cf;trang..il'os são ahso1utall1C'nte unanim('
 
em celcbral' .1 11<\ tUl'cza indulgen te de Dum J oão YI. 



DG
 


nU'\I JOIO VI 1'0 BIL\.ZIL 


estin1ulada por un1 calido sentimento religioso. Dona Car- 
Iota era devota, mas a DOln J oão pouco faltava de facto 
para ser no intimo voltairiano. Basta citar em abono do seu 
aborrecin1ento ao fanatismo 0 despacho do n1arquez de 
Aguiar ao ministro portuguez em Ron1a J osé lVlanoel Pinto, 
declarando que 0 governo 'do Principe Regente de Portugal 
não adheria absolutan1ente ao restabelecin1ento da Compa- 
nhia de Jesus feita pelo Papa Pio VII por meio da bulla 
Sollicitutlo omniulll J "porquanto a côrte do Rio de Janeiro 
não fôra prevenida dessa deliberação pontifical e muito tinha 
a queixar-se das offensas da Companhia de Jesus, contra a 
qual Portugal tinha tido que adoptar n1edidas muito ener- 
gicas." Propunha-se 0 Principe Regente conservar em pleno 
vigor 0 alvará de 3 de Setembrode 1759, que expulsara a 
Or-dem, e as instrucções expedidas ao seu representante diplo- 
rnatico junto á Santa Sé eram de não acceitar .discussão, nen1 
escripta nen1 verbal, sobre 0 assun1pto (I). 
Não se é in1punen1ente do seu tempo, tempo de duvida 
e de negação, ainda que Dom J oão VI tivesse cresci do 
n'un1a côrte de exterioridades beatas e sob a auctoridade 
de un1a l\lãi e Rainha que a devoção levou á insanï'a. Por 
outro lado, porém, era neto pelo rpai de Don1 J oão V, que 
fazia dos conventos de freiras 0 retiro dos seus atrevidos 
galanteios, e pela mãi neto do Rei que sustentara 0 anticle- 
ricalismo de Pombal (2), certo de que the aproveitava ao 
regalismo. 


(1) .Despacho deo 1 de .\hril de 181;:;, no 
\rC'h. do :\1in. das ReI. 


\Ext. 


(:!) 0 I
r. Zrpbyrino Bl'andão acaba df>' pubJi.car urn Jivro elll que 
pretende l))'onu t('r 
ido Pombal urn ('...;pirito 
inc('ralll('ntf' 1'l'ligioy). 0 
IInè torlavia nilo I'X(')Uf' (]lH', elll l1olocau,-;to ao E
tado, 110nvrsse despc- 
l1ido 11 1I11d 0, expuls<l(1o jl'sliitas c at(> (jlI.'jmado 0 padre )I-alagrÏl1cl. 



DO}l JOÃO v 1 l
 v Dlt
\ZIL 


963 


o filho primogenito de Dona l\Iaria, 0 pranteado 
Principe do Brazil Dom J osé, criado ao influxo de Pom- 
bal, Seabra e outros bons filhos do secnlo XVIII, deixou 
len1brança das suas idéas adiantadas: Beckford d'ellas se 
espantou n'un1a conversação privada que tiveram nos jardins 
de Queluz. Dom J oão era n1enos illustrado mas não seria 
n1enos intelligente que 0 irn1ão, e dava seu .exacto valor á 
expressão tradicional de uma sociedade 9ue era supersticiosa 
nluito mais do que religiosa, sem esquecer que na França, 
igualn1ente povoa'da de templos e de mosteiros, congregados 
do Oratorio e seminaristas se tinham transformado da noite 
para 0 dia em convcncionaes regicidas e desapiedados. Não 
havia que fiar tudo do freio religioso. 
Dam J oão con1prehendia no emtanto que a Egreja, com 
seu corpo de tradições e sua disciplina moral, só the podia ser 
uti! para 0 
om governo, a seu modo, paternal e exclusivo, 
de populações cujo dominio herdara con1 0 sceptro. POl' isso 
foi repetidamente hospede de frades e 
Iecenas de compo- 
si tores sacros, sem que n' essas manifestações epicuristas ou 
artisticas se compromettesse seu livre pensar ou se desna- 
turasse sua tolerancia sceptica. 
Aprazia-Ihe 0 refeitorio n1ais do que 0 capitulo do 
mosteiro, porque n'este se tratava de observancia e n'aquelle 
se cogitava de gastronomia, e para observancia the bastava 
a da pragmatica. N a Capella Real 111ais gosava com os sen- 
tidos do que rezava com 0 espirito: os andantes substituiam 
as meditações. Era 0 seu grande prazer a musica; COlno a 
gulodice 0 seu peccadilho, e si uma e outra revestiam a forma 
ecclesiastica, a razão estava em que as fazia forçada111ente 
assun1ir tal.aspecto 0 caracter dominante da sociedade portu- 
gueza do tempo, freiratica e voluptuosa. 



9ô4 


DüM JOAO 'VI KO BltAZIL 


Aos monarchas tibios ,de fé catholica e convencidos 
das excellencias do despotismo esclarecid{) e magnanimo, 
COITIO Carlos III d'Hespanha e José II d'Austria, tinha 
DOIn J oão por modelos, e nenhum d'esses, affeiçoados conlO 
eram aos progressos materiacs e despidos de preconceitos ul- 
tramontanos, perdia seu ten1po com ladainhas ou sc entrc- 
gava ingenuo nas mãos de urn confessor astuto, que assirn 
vinha a possuir a realidade do poder. Para mandar, EI-Rei 
basta va; para .executar 'e mesmo aconselhar, uns poucos de 
competentes; para obedecer, a grande massa que se fazia 
necessario trazer satisfeita, interessando-sc por ella, activan- 
do-lhe 0 bem estar, proporcionando-Ihe até vaidades para não 
ter que Ihe supportar caprichos. 
E quando estes pela força das cousas surgissem e ndO 
bastassem para contental-os as commendas, os titulos, as 
prOlnoções, as honrarias, os beneficios e as festas, que remedio 
senão contemporizar, acceder, afagar, para não perder tudo, 
para conservar 0 essencial ? l\lonarcha que assistira a tantas 
provações 'de outros e vira até rolar do cadafalso a cabeça 
de urn, devia, si fossc sensato, dar-se por satisfeito com pre- 
servar a sua corôa ainda que mareada. 0 manto sobre os 
hombros agasalhava sempre e parecia sempre decorativo, 
quando mesnlO 0 arminho fosse falso e 0 vclludo de algodão. 



CAPITULO XX,'" 


o ESPECT ACULO DAS RUAS 


N unca, como em tempo de Dom J oão VI, foi a côrte 
do Rio de Janeiro tão animada, nem as suas ruas tão pit- 
torescas. Formigavam n'dlas typos hoje desapparecidos e 
que eram representativos de outros costun1es e de outras 
idéas, os andadores das almas e pedintes de irn1andades por 
exemplo, com suas opas verdes, escarlates e azues, 'exten- 
dendo aos transeuntes e abrindo debaixo das j anellas os 
largos saccos verm.elhos que traziam cozida a imagem do 
Santo ou da Virgem, gravada n'uma pesada chapa de prata; 
ou os cumpridores de promessas devotas, tirando por humil- 
dade christã e não por necessÎ'dadc esmolas para uma Inissa 
em acção de graças. 
As superstições continuam a florescer na nossa capital 
fluminense - urn recente e curioso inquerito sobre as reli- 
giões do Rio 0 demonstrou, exhibindo non1eadan1ente em 
toda sua crueza as grotescas e terriveis superstiç,ões negras 
-mas não Inais se ostentan1 COlno quando percorrian1 a ci- 
dade os yendedores de arruda, que todas as negras compra- 
yam para se preservarem de feitiçarias; ou se clava em chcio 



9ôG 


DtßI JO.lo Yl 1\0 13R
\ZIL 


COIn urn ruidoso funeral de filho de rei africano (0 qual . 
continuara na escravidão a exercer prestigio e auctoridade 
sobre os ex-vassallos de seu pai), cujo cadaver fôra vclado 
por deputações das differentes nações da Costa, e se trans- 
portava n'uma rede, precedida de urn negro atirando fo- 
guetes e bOlnbas e de outros executando em todo 0 percurso 
cabriolas pelo chão, e seguida de uma multidão côr 'de 
ebano, em parte silenciosa, lugubre e burlesca a Uln teIl1po, 
em parte tangendo instrumentos exquisitos -e entoando can- 
tigas estridentes. 
Era sobretudo a população de côr que emprest:lva á 
capital do Reino U nido de Portugal, Brazil e Aigarves 0 
seu aspecto estranho e unico na monarchia, conlpartilhado 
é claro pelas outras cidades do littoral brazileiro. Em Lisboa, 
não obstante 0 forte contingente africano, predominavam 
os brancos; nas possessões d'Africa os negros estavam quasi 
sós; no Rio de Janeiro era que se equilibravam em numero 
descendentes de Europeus e de Africanos, avolumando-se 
constante e simultanealnente mnbas as correntes com a en- 
xurrada de reinóes a
trahidos pela eôrte' e as levas de escra- 
vos arrebanhados pelos negreiros. 
As numerosas e ilnpressivas lithographias que aconlpa- 
nhaIn 0 texto das obras de Debret e de ChaInberlc1,

, e que 
são a mais cOlnpleta e interessante documerÙação artistica da 
residencia anlericana de Donl J oão VI, fornecenl Uln:! idéa 
bastante precisa do que era 0 carnaval perpetuo d'essa cidade 
sob muitos aspectos ainda colonial, sob outros, não menos 
abundantes, -exotica, e apenas cortezã por algumas, mais raras, 
feições. . 
Daria occasionahncnte esta ultima nota uma traquitana 
de descmbargador da Casa da Supplicação, conl sua béca 



Ðü)[ J010 VI NO DIL\.ZIL 


Uß7 


de scda negra e ao pescoço 0 collar carnlc
ill1 de Christo, 
ou a sege de unl ministro d'Estado, escoltada pelos correios 
a cavallo, de farda azul com gola e punhos vermelhos aga- 
loados de Duro, botas altas e chapeu armado de oleado. 
l\Iuito mais fr.equentes appareciam no en1tanto outros es- 
pectaculos, menos aristocraticos. Ora seria urn baptizado 
de negros novos, com seus padrinho e madrinha de côr, es- 
paventosamente vestidos; ora urn casamento de mucama e co- 
peiro de casa de tratamento; ora urn enterro de anjinho 
preto, cujo corpinho, quando 0 permittiam as posses dos pais, 
era levado n'uma vistosa cadeirinha adrede alugada, ou pdo 
menos carregado sem acompanhamcnto n'um singelo t
bo- 
leiro, com flores artificiaes ,espetadas nos quatro cantos. 
Aos enterros dos negros adultos concorriam selnpre urn 
mestre de cerimonias de vara na mão e transudando inlpor- 
tancia, urn rufador de caixa-tambor e algumas carpideiras 
que psalmodiavam e batiam palmas para acompanharenl 0 
rhythmo do pranto. Si de to do era destituida de bens a 
gente do morto, 0 corpo. expunha-se na rua dentro da rede 
1l10rtuaria, afim de recolher os obulos dos viandantes que 
pcrmittissem a inhulnação, a qual senlpre custava algunla 
couså. Não havia risco de ficar urn cadaver insepulto, porque 
a cai-idade dos proprios negros se manifestava infallivel111ente 
para COIn os fallecidos irmãos desvalidos. 
Semelhantes cortejos, festivos ou funebres, de continuo 
os offerecia a cidade no seu ar pronunciadamente afric
no, 
que foi perdendo depois da abolição do trafico, .da progressiva 
extincção dos negros da Costa, do augmento da imnligração 
européa e da diluição dos mestiços na população branca, ga- 
nhando de todo, senão a côr, os rnodos e 0 aspecto geral e 
uniforme do resto da gente. N'outros tell1pOS, porém, drSrll1- 



968 


DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


penhavam os pretos papd muito consi'deravel na vida quoti- 
diana da cidade, na sua existencia economica e na sua exis- 
tencia domestica, e si por urn lado se achavam então mais 
perto, pela constante importação dos seus contingentes, da 
primitiva selvajaria, por Dutro tinham basto ensejo de dar 
largas a todas suas qualidades de dedicação e affectividade. 
Como, sem faltar á verda/die de uma reconstrucção lit- 
teraria, expulsar do tablado fluminense da epoch a esse 
mundo animado de barbeiros ambulantes armados de medo- 
nhas navalhas, cesteiros vendendo os samburás que teciam, 
mercantes de gallinhas, de caça, de palmitos, de leite, de 
capim para forragem, de milho, de carvão, de cebollas e 
alhos, de sapé para colchões, quitandeiras de angú e café; 
carregadores, conductores de carros de bois que chiavam de- 
sesperadamente pelas ruas sem calçamento ou guarnecidas 
de lages, puxadores de carretas com fardos, quatro adiante 
e dous atraz em'purrando, á moda j aponeza ? N a propria 
rua do Ouvidor, que já arnlava pr
tenções a elegante, abun- 
daram os barbeiros pretos até algum tempo depois da che- 
gada da familia real, quando alli se estabeleceu, com suas 
pomadas e loçães perfumadas, 0 cabelleireiro da côrte 1\.lon- 
sieur Catilino, e abriu loja a costureira da moda, :\ladame 
J os.ephine. 
Assim perpassava 0 incessante movimento popular de 
negra algazarra e negra alegria, que variavam raras car- 
ruagens e menos raras cadeirinhas, particulares ou de aluguel, 
de que costumavam utilizar-se com muito garbo as mulatas 
da vida airada, inculcando-se a si e ao seu 1 uxo. Os palan- 
quins em Que se pavoneavam estas sacerdotizas do amor 
fuseo tinham, muitos d'ellcs, a coberta toda enfeitada de es- 



DO)I JOÃO VI KO BRAZIL 


969 


culpturas douradas e fechavam-se dos lados com pesadas 
cortinas de velludo e seda, bem agaloadas (I). 
Afóra esse bulicio normal, as ruas do Rio de Janeiro 
Inais vida 
inda tomavam amiudo com as funcções do culto, 
entre as quaes primavam as procissões, que eram repetidas, 
fornecendo occasião e pretexto para as elegancias femininas 
e as pompas das irmandades. Debret enumera e descreve sete 
principaes: a de São Sebastião, a 28 de Janeiro, oito dias 
depois da festa do padroeiro da cidade; a de Santo Antonio 
na quarta-feira de Cinzas; a do Senhor dos Passos, na se- 
gunda sexta-feira da quaresma; a do Triumpho, na sexta- 
feira que precede 0 domingo de Ramos; a do Enterro, na 
sexta-feira santa; a do Corpo de Deus, e a da Visitação, a 
2 de J ulho, todas com 0 seu infallivel cortej 0 de soldados 
de barretina dependurada do ante-braço, estandartes e guiões 
rcligiosos, congregações sacras e leigas, nlusicos e canto res 
da Real Capella, cmnaristas e outras pessoa
 gradas, inclu- 
sive os mais clevados figftrões da côrte, nos seus uniformes 
bordados. 
Passavam os prestitos ao som das musicas, dos canticos 
c dos foguctes por entre multidões compactas 'que acudiam 
por devoção 'e por prazer, haven do sempre n'esses dias urn 
far to negocio de doces e bolos com que lucravmn as negras 
quitandeiras, e urn grande commercio de halas, cuja lojinha 
mais reputada e afreguezada ficava á rua da Ajuda. 
N a procissão de São Sebastião 0 orago ostentava a 
fita e placa em diälnantes de commendador de Christo, cuja 
patente recebera e cuj a tença era applicada ao custeio da 
sua capella. l\lais brilhante e vistosa desfilava parem a de 


(1 I I J{'\'rd , (1). r-it, Yun L..ithoI(I cala dC' qne ('ûr eram as FJ"('ll- 
(7('11I1/((I(1d/('1I d... pl'imeil'fl classr TIn S\1:1, expr<"ssã.o, de que clift noticia. 



9711 


D01[ JOÃO Y1 NO BRAZIL 


Santo Antonio, que sahia do convento dos franciscanos, com 
unl sem nUlnero de inlagens e grupos resplendentes no 
lueio das gazes de ouro e prata simulac..do nuvens illuminadas 
pelos raios do sol, donde espreitavanl curiosamente a nl'Undo 
rostinhos de cherubins. 
Tudo no cortejo era rico e apparatoso, contrastando 
com a pobreza regulamentar da Ordem: os anjinhos de saias 
tufadas de bailarinas, carregados com os adereços de fami- 
lia; os andores recobertos de velludo carmezim franj ado de 
ouro; as velas, obras primas dos cerieiros, com flores de mil 
cores, aves fantasticas e cabecinhas aladas; as enormes esta- 
tuas vestidas de sedas claras e parmnentadas de joias. Com os 
santos populares, que eram muitos, incluindo 0 pre to São 
Benedicto, alternavanl urn rei, unla rainha, urn papa com 
seu sacro collegia de cardeaes e São Luiz Rei de França 
transportando os trez cravos e a corôa de. espinhos, mas, sem 
respeito algum pelas tradições dos alfaiates medievaes, re- 
gressando da cruzada com unl fato do seculo XVII, cabel- 
leira de medico de :N'Ioliere e lnantéo estrelado de magico. 
A procissão dos Passos era toda de Ulna tonalidade 
roxa. A imagem carregava-se na vespera á noite para 0 
tcmplo donde tinha de sahir 0 prestito afim de volta'r á pri
 
mitiva cgreja, e alIi affluia a população inteira a beijar 0 pé 
machucado e ferido do Senhor. Cada anno repetia-se com a 
me
ma concorr'enc!a a cenmonla devota, que offerecia urn 
ponto de rcunião e ensejo para exhibição de vestuarios e 
exercicios de namoro. 
As procissões constituiam, com as noitadas j á tradi- 
cionaes e urn tanto abandonadas do Passeio Publico e as re- 
presentações no theatro, as grandcs para não dizer unicas 
distracções fluminenses no tempo d'EI-Rei Dom J oão VI, 


. 



]J( fM 'JoAo VI NO BRAZIL 


971 


mas nada se cOinparava, pelo encanto na união do mystico 
e do profano, áquelle beij a-pé da segunda sexta-feira da qua- 
resma. Sobresahiam na 11lUltidão as Illulheres. Velhas e mo- 
ças, fidalgas, burguezas, Il1UGUnas e prostitutas, todas cor- 
riarn a prosternar-se na capella e todas faziarn alarde de 
[;arridice igual: as prostitutas de corpetes de sed as vivas, 
saias de catnbraia da India ou de renda sobre urn fundo dc 
sed a, meias de seda branca e sapatos de côres variadas. Ao 
sahir para refazer eln sentido inverso 0 trajerto da noite al1- 
terior, ia 0 andor rodeado de lanternas de nletal dourado na 
ponta de longas hastes, levadas pOl' pessoas de distincção, e 
guardado par archeiros do Paço COIn suas alabardas e no seu 
uniforme peculiar, ainda hoje usado pelos de Portugal. 
N a procissão do Triumpho figuravam todos os passos 
da Paixão de Christo, e N ossa Senhora das Dôres com 0 co- 
ração golpeada por sete espadas gottej antes de sangue. N a 
do Enterro misturavam-se penitentes sombrios, de capuz 
cobrindo toda a cara, apenas COlU orificios nos lugares dos 
olhos, e soldados romanos arnlados de ponto em branco, sob 
a cOlnlnando de UlTI centurião de c
pacete descOinmunal. 0 
corpo de Jesus, coberto por unl lençol franjado de ouro, era 
seguido de Ulna l\Iagdalena de carne e osso, representada, 
enl homcnagem por certo á moral, por urn mancebo vestido 
de mulher. 
A procissão do Carpo de Deus, bem viva ainda na lem- 
br
nça popular, assemelhava-se sem tirar nem pôr a uma 
mascarada, comprehendendo São Jorge a cavallo, 0 homem 
de ferro, picadores e cavallos ricamente ajaezados da Real 
Casa, musicos negros de vestcs escarlates, atiradores de fo- 
guetes: uma palheta de côres oppostas nas pelles 'c nos esto- 
fos, uma galeria de trajos de estylos e feitios os lnais diversos, 



g ....() 
;.... 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 
.# 


unla conlbinação espaventosa de setins e velludos, ornatos de 
aura e prata, brocados raros e fitas garridas. 
o ultimo dos prestitos religiosos sahia da Capella Real 
levando a imagem da Virgem e encontrava-se a meio cami- 
nho com a irmandade da IVlisericordia transport an do Santa 
Isabel, mãi de São J oão Baptista. Dava-se então na rua e 
ao natural a seen a da Visitação: as duas irnagens tocavam-se 
e beijavam-se, seguindo juntas para a IVlisericordia onde, 
reunida no interior da egreja a directoria d'esta instituição 
pia, cuja opulencia e exteilsiva caridade acreditariarr, qual- 
quer socicdade, prestava conta publica da sua gerencia an- 
nual. 


Esta procissão da Visitação era a festa municipal por 
excellencia, enlpunhando os camaristas 0 pallio, precedidos 
dos vereadores, n1C!ceiros e outros officiaes do Senado. Qual- 
quer das festas, porém, significava 0 templo cIa sua celebra- 
ção todo enfeitado pelos arnladores com pannos de danlasco 
carmezirn, galões de aura e prata e guarnições de gaze pra- 
teada; illuminado pelos cirios dos castiçaes e vel as dos can- 
delabros, que faziam brilhar os va:)os dourados, as cercadu- 
ras trabalhad8.S dos altares e os resplandores dos santos; per- 
fumado pelas her vas e rt1magens espargidas sabre os tapetes 
ou sobre as lages, e pizadas pelos magotes de fieis que se api- 
nhavam presos de curiosidacle, avidas de distracção ou sa- 
cudidos de fervor religioso. 
Fóra das egrejas, as festas do culto traduzia1l1-Se por 
üutras muitas nlanifestações, invariavelnlente ruidosas c jo- 
viaes. Eranl 0 foguetorio caracteristico dos prestitos e arraiaes 
portuguezes; os anim2.dos leilões de prendas em beneficio 
do padroeiro; as cantigas e danças variadas de gentes de 
\"
riadas origens, casando-se 0 fandango com 0 batuque. Das 



DaM JoÃo VI KO BRAZIL 


973 


janellas, nas ruas percorridas pelo cortejo, pendiam as col- 
chas de danlasco da India e de seda da China e as pannos 
de velludo debruados de aura sabre que se debruçavam prin- 
cezas e danlas cla côrte com turbantes de gaze, diadenlas de 
brilhantes e gran des plutnas no toucado, e senhoras abasta.. 
das enfarpeladas de seda, decotadas á luz do dia e pesadas de 
joias. As ruas juncavam-se de palmas e folhagens e, depois 
do sol posto, 
claravam-se COIn as velas de srbo colgadas 
pe1as armações de latão nas fachadas das casas, com espe1hos 
par traz para lhes refIectir a fraca chamma. Por essas ruas, 
decoradas e clareadas, se .escoava n'um rUtllOf prazenteiro a 
assistencia congregada de longe para a funcção. 
Para as nlulheres essas festas, então, tinham 0 mclhor 
dos attracti vos. Para as fl uminenses tafulas da epoch a as 
procissões equivaliam ao que para as parisienses de hoj e 
são as corridas de Longchanl'ps: 0 lugar e 0 11lomento de 
estrearetn novos vestidos e arvorarem novas galas. Para as 
que não eram secias, sempre havia 0 encanto de urn luxosinho 
a tnais, quando nã
 de urn namorico. a espectaculo mesmo 
em si era tão apuraclo e decorativo que, com todos seus 
preconceitos britannicos e protestantes, não poude Render.. 
son deixar de observar que 0 effeito attingido devia qual i- 
ficar-se de imponente (the general effect of the u'hole u'as 
'l'cry imposing). 
U ma procissão diaria nas ruas do Rio de Janeiro ou de 
qualquer outra das nossas cidades coloniaes, era a do Via- 
tico, 0 conhecido ]\T osso Pai, lcvado aos moribundos e doentes 
dehaixo do pallio ou da umbella, segundo 0 acompanha- 
mento ia mais ou tnenos luxuoso. Ladeavanl 0 sacerdote as 
irmãos do Santissimo, de opa vernlelha, urn tangendo a catTI- 
painha sem parar, outros alçando a cruz c os castic:acs. A 
D. J. - Gl 



974 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


estes se aggregava urn sem numero de devotos entoando a 
ladainha e assim fazendo acompanhamento vocal á musica 
militar, de trombetas ou de tambor e piJano segundo a anna, 
que precedia a guarda chamada do posto 111ais proximo, e 
marchando com as ,espingardas em funeral e a barretina na 
mão ou segura ao braço pela correia do queixo. 
Todas as egrejas repicavam á passagem do cortejo sa- 
grado, 0 qual, no caso de chuva, se reduzia occasionalmente 
a uma sege a passo, conduzindo 0 sacerdote 0 ciborio e 0 
sachristão a cruz e uma lanterna de prata, e indo ao lado do 
carro urn negro a pé, tocando a sineta. No casa de ser 0 en- 
fermo que ,esperava 0 sacramento membro da familia n
al ou 
empregado da real casa, 0 padre era transportado n'um co- 
che do Paço com criados ,de libré, a cavallo, para carrega- 
rem os tocheiros e tangerem a campainha que provocava as 
orações e evocava no espirito dos transeuntes ajoelhados unla 
sympathia dolorida. 
l\Ienos frequentemente do que os sequitos religiosos, 
percorria as ruas da cidade 0 bando, municipal proclamando 
aos habitantes algum acontecimento, auspicioso ou luctuoso, 
occorrido na côrte. Formavam-no os meirinhos a cavallo, os 
almotacés (I), os vereadores vestidos de negro com gol
 e 
punhos de renda branca e chapéo preto de plumas brancas, 
montados em animaes aj aezados, empunhando 0 estandarte 
desfraldado, e varias pessoas de posição em grande uniforme, 
nas suas carruagens, precedendo 0 prestito a cavallaria da 
policia e seguindo-o a musica de urn regimen to da milicia. 
Outros muitos espectaculos curiosos offereciam ainda 
as ruas do Rio de Janeiro, muito concorridas não só de ne- 
gros e mulatos, como de grande l1umero de ciganos, vindos 


(1) Jnizrs y('rincadorrf: do
 .p(\
oc: .c IDc(1ic1as. 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


97.3 


não se sabe bem don de, de Hespanhoes do Prata, fugidos á 
guerra civil, e de marinheiros estrangeiros, inglezes sobre- 
tudo, desembarcados dos numerosos vasos de guerra e navios 
mercantes. Entre os nacionaes da melhor classe a vista era 
interessante da variedade de modas, espelho da variedade de 
opiniões, traj an do uns á an tiga, de chapéo arn1ado e espadim. 
outros á ingleza, sel11 cabelleira, de meias botas, longa sobre- 
casaca e chapéo de castor. 
A nota popular era entretanto a n1ais divertida sempre. 
U m dos folguedo5 mais animados dos tempos coloniaes costu- 
mava ser, no sabbado santo, a queima do Judas, representado 
por uma figura grotesca, cavalgada pelo diabo em pessoa e 
que, recheada de bomb as, se fazia explodir e se despedaçava ao 
romper da alleluia, por entre 0 enthusiasmo da multidão. 
Depois .da chegada da côrte, este diveJ:'timento ruidoso 
foi prohibido para evitar ajuntamentos que por ll1uita jovia- 
lidade se podiam facilmente tornar desordeiros. E bem avi- 
sado andou 0 lntendente geral da policia, po is que no sab- 
bado santo de 1821, trez dias antes do embarque da côrte 
para Lisboa, urn magote compacta de arruaceiros enforcoll 
e queimou em effigie a céo descoberto, em vez do Judas tra- 
dicional, alguns personagens conspicuos da administração, 
entre elles 0 proprio Intendente geral e 0 comnlandante mi- 
litar da policia. Com esta variante nos traidores immolados, 
recomeçou aliás 0 divertimento sem nada perder da sua po- 
pularidade. 
Continuara porém a effectuar-se sob Dom J oão VI a 
conhecida mascarada do imperador do Espirito Santo, com 
que contrastava a tocante cerilllonia do bodo aos presos, 
que não eram então sustentados pelo Estado n1as tão só- 
mente pela. caridacie publica, atirando-lhes esmol;1s os tran- 



97(, 


DUM JOÃO VI NO BRAZIL 


seuntes e mandando-lhes diariamente a irmandade da l\Iisc- 
ricordia, pel os calcetas destacados para esse serviço de abas- 
tecin:ento, sopa e farinha. 0 grande jantar da festa de Pen- 
tecostes era comtudo levado processionalmente -de vespera 
á prisão, em carroças atochadas de comestiveis, pelas irnlan- 
dades do Santissimo com seus estandartes erguidos, musica 
e grande acompanhamento. 
A clen1encia do Rei, denotando-se pelas constantes com- 
mutações de penas ultilnas, raramente permittiu ao contrario 
que durante sua estada no Brazil cruzasse as ruas da capital 
o sinistro prestito dos condemnados á morte. Refere Debrct 
que em quin7e annos de resiùencia no Rio apenas assisriu 
a duas execuções, Ulna d' ellas j á sob 0 Imperio e politica, 
tendo sido preciso que se desencadeiassem as ferozes paixões 
partidarias para que Ulna outra revolução pernambucana, a 
de 182...., offerecesse pretexto a Dom Pedro I para fazer 
por assirn dizer reviver, con1 0 cortejo dos s
ntenciados d'Es- 
tado, urn espectaculo quasi desapparecido do theatro flu- 
mlnense. 
Eem lugubre aliás a scena. Caminhava 0 réo de alva, 
os pés descalços, 0 crucifixo nas n1ãos ligadas e a corda no 
pescoço, com as duas pontas para traz seguras, assim C01110 
a cauda da alva, por urn dos dous carrascos, negros acorren- 
tados. Sustentavam 0 misero seus confessores e guardava-o a 
irmandade da :\lisericordia, que tomava conta do cadaver, 
para Ihe dar sepultura, depois que 0 atiravam abaixo da forca, 
onde elle se balouçara espectral, de capuz puxado sobre 0 
rosto, cavalgado nos hombros por urn dos algozes, para fa7er 
peso, no momento em que a corda se cnrolava e 0 nó se 
apertava. . . . 



DU)[ JUÃO YI Xu BHAZIL 


977 


Quando 0 corpo era de urn condelnnado pelo crilne de 
parricidio, cortavé!m-se-Ihe a cabeça e nlãos para ficarelTI 
expostas ás vistas du publico aterrado e á voracidade dos 
urubús. 
A falta de segurança, effeito da alteração da vida col- 
lectiva, não da con1111iseração regia, convertera-se n'ulna das 
feições peures da existencia flun1inense. Os escriptores es- 
trangeiros do começo do reinado aInericano de Dom J oão VI 
a não n1encionaln, ao passo que as do fim a relataln demora- 
damente. Os assaltos nocturnos tinham-se tornado communs. 
Conta von Leithold - a quem d'outra vez, quando ausentc, 
arrombaran1 os ladrões a porta e carregaram toda a baga- 
genI, inclusive 0 seu uniforme de capitão de hussards - Que 
regressando uma noite a pé do theatro, foi perseguido par 
uma quadrilha de negros armados, devendo a sal vação á 
pusillanimidade dos atacantes mais do que ao proprio saf}- 
gue frio, pois que, embora mostrando disposição de defen- 
der-se, deixara dominar-se pelo terror. 
Queixando-se elle no dia immediato do occorrido ao 
cunhado, Silvestre Pinheiro Ferreira informou-o de que nas 
noites precedentes a policia recolhera á cadeia não menus de 
300 individuos de côr, cada urn dos quacs tinha sua faca e 
que facilmente passariam de vagabundos a aggressores. Seis 
annos antes de von Leithold, j á I\Iarrocos escrevia ao pai 
( I) que cidade e suburbios andavam infestados de ladrõcs, 
cujas proezas começavam logo á bocca da noite, accommet- 
tendo transeuntes, pilhando casas e muitas vezes comple- 
tando 0 roubo pelo assassinato (2). 


(1) Carta de :!R de lS-etpmbrQ de 181:1. 
(2) "Em 5 noutes, diz )larroco
, contarão-se em pequeno CÏr- 
cuitos :!:! assassinios." 



978 


nOM JoÃo VI KO BRAZIL 


"T tIn sido tal 0 seu descaramento que até avanção a 
pessoas mais distinctas e conhecidas, como foi 0 proprio 
Chefe da Policia; j> chefe de Divisão J osé l\laria Dantas 
recebeu por grande favor duas tremendissimas bofetadas por 
cahir no erro de traur pouco dinheiro, depois de the rou- 
barem 0 relogio, etc. Alem d'isto tern degolado varias mu- 
Iheres, depois de soffrerem outros insultos; 0 que tudo tern 
dado que fazer ao Corpo da Policia, e não sendo este suffi- 
ciente para as rondas e patrulhas, multiplicadas em to'das as 
ruas, 0 lntendente mandou armar e apontar todas as J us- 
tiças de paisanos para ajudarem as da Policia; mas os po- 
bres Aguazis até já forão accommettidos e insultados pelas 
grandes quadrilhas de ladrões, que lhes ten1 dado coças. 
Com effeito grande numero d'elles forão já presos, e estão 
bastantes sentenciado
 a pena ultima, lios quaes vão amanhã 
3 para 0 Oratorio. Faz-se agora hum novo recrutan1ento 
mui rigoroso em consequencia daquelles successos, e para se 
augmentar 0 Corpo de Policia e os outros Regimentos; po is 
o caso está muito serio, por não poder-se andar na rua muito 
tarde. Eu recolho-me ás oito horas da noute e nunca as mi- 
nhas digressões se extendem para longe, mas só se limitão 
a casa de F.eliciano palestrar com 0 n1eu Velho Padre l\laz- 
." 
zonl. 


N a carta de 8 de J unho de 18 I 8 referia l\.larrocos con- 
tinuar a perseguição aos ladrões e assassinos, tendo havido em 
Abril 28 mortes violentas: 0 que mostra que de pouco ou 
nada valeram as providencias tomadas e que 0 mal era grave. 
l\laler confirma (I) que os assassinatos na cidade e arredo- 
res se tinham tornado frequentissimos e muitos com circum- 
stancias barbaras. A policia chegava a prometter recon1pensas 


(1) Officio d.
 
-! de Julho dp 1818. 



DOM JOÁO VI NO BRAZIL 


979 


a querll descobrisse os malfeitores, não surtindo as rnais das 
vezes eHeito 0 recurso. Comtudo, á data do officio de Maler, 
havia 83 individuos presos e condemnados á pena capital 
por homicidio, alguns até reincidentes, sern que se lhes appli- 
casse a sentença par falta de assentimento real. 
Em condições taes de inseguridade, não é de admirar 
que reinasse na capital, senão urn terror negro, uma appre- 
hensão bastante forte de urn levante da gente. de côr. as 
atrozes feitos de São Domingos estavarn ainda frescos 
nas memorias e no proprio Brazil, na Bahia, se dera "urn 
grande tumulto de negros" que causou grande susto e teve 
sua importancia. Dos historiadores penso ser Handelmann 0 
unico que the faz referencia, mas a correspondencia de Mar- 
rocos (I) suppre uma vez mais a fal ta e indica que 0 Rio 
ouviu com temor a relação do occorrido em São Salvador. 
" . . . . .: elles matarão muitos brancos, e alguns erão 
N egociantes; alguns sold ados tambern forão mortos, assiol 
como outros N egros, que não querião associar-se ao 
tumulto. Lançarão fogo a muitos Engenhos, aos Armazens 
da pesca da Balêa, e a mil outras partes, .de maneira que se 
affirma que só a F azenda Real perdera mais de 300$ cru- 
zados. He muito para se ternerern alli estes acontecimentos; 
porque tern os N egros a boa circumstancia de não se unirem 
nas suas senzalas e ranchos, senão os filhos da sua mesma 
terra, e não acompanhão, nem contrahern amizade com ou- 
tr05; e como he immensa a variedade de N ações delles (2), 
não se unindo ellas, vem a ser os ranchos de cada huma 
pouco numerosos; isto succede aqui no Rio de Janeiro, on de 
entrão Negros de todas as Nações, e por isso inimigos huns 


(1) Carta ao Pai de 1;') dp 
Iarço òr 1
14. 
('
) E' pl"eciz.o tel' presente que nas e-scravarias de entio tão 
n umerosos eram os negros creoulos quan to os africanos. 



DSu 


] )u:\I JUIu YI 1\0 BRAZIL 


dos outros. POreIn na Bahia por huma inclinação natural 
dos habitantes, entrão só Negros da Costa da l\lina, e mui 
poucos de alguma outra N ação, sendo por esse motivo todos 
elles Patricios, cOlrrpanheiros e amigos; e em qualquer desor- 
dem, au tumulto, todos são unanimes, corno neste 
e acha- 
rão, e só matarão os que não erão seus Patricios. A muita 
liberdadc, que a Governador Ihes tern dado, e 0 poueo caso 
que faz das suas desordens, julgando-os incapazes de eInpre- 
zas grandes, produzirão talvez esta explosão, que ha de 
ficar em lembrança: com effeito conseguio-se prender 10 
N egros e os mais, que erão enI grande nUlnero, fugirão para 
o matto, e alIi se embrenharão." 
Si á noite inspiravanl payor, de dia recobravaln as ruas 
do Rio de Janeiro a sua alacridade, pais que de todo tempo 
e n'aquelle especialmente foranl, ao que parece, concorridas, 
alvoroçadas e barulhentas. Pel a caIçmnento de pedra extra- 
hida dos grandes morros de granito que expõenl ao sol cor us- 
cante as seus flancos nús, e pcla estreiteza das bitesgas que, 
apoz semanas de secca, se cobrem de unl pó fino, que acin- 
zcnta a atmosphera, como que n'aquellas ruas resoam do- 
brado todos os ruidos. Alarido nlai-or do que as recuas de 
Il1ulas ariscas galopando atraz da I1llldrillha e tangidas dos 
lados da cidade nova pelos tropciros paulistas armados de 
chicote, au do que os bandos de nrgros ganhadores transpor- 
tando fardos e sempre entoando cantigas que só interrom- 
piam para se pcrsignarem diante de cada rctabulo de santo 
ou das almas do purgatorio, faziam porém pelas raras praças 
e nUlnerosas viellas ou estradas, os batedores e cadetes que 
precediam e rOdeaVal1l as carruagens reaes, c0l11pellindo os 
estrangeiros - os nacionaes não ousariam esquivar-se á usan- 
ça - a desmontarem das suas cavalgaduras ou apearel1l-Se 



DO)! JOAO YI 
O IHtAZIL 


981 


dos seus carros para saudar, de chapéo na mão e dorso cur- 
vado, 0 augusto passeante. 
A residencia da familia real tivera tanlbem por cffcito 
addicionar urn elemento novo e precioso ás antigas diversões 
c folganças da colonia, e vinha a ser 0 espectaculo das festas 
de côrtc, das quaes 0 anterior viver dos vice-reis mal podia 
dar uma idéa. Não eram tanto as paradas Inilitares, as pro- 
cissões religiosas, os Te-Deunls e requiems nas egrejas, a5 
IUlninarias e fogos de artificio agora elnpregados para cele- 
brar os anniversarios das pessoas reaes ou festejar a chegada 
de novas felizes da guerra peninsular, 0 que excitava a curio- 
sidade e despertava a admiração, COlno cram as cerimonias 
peculiares á monarchia. A população do Rio de J anciro nem 
podia bem imaginar 0 que dcviam ser os cortejos esplendidos 
da realeza em toda sua pompa legendaria. Entretanto en- 
traram tars cortejos de subito a surgir para sacudir 0 torpor 
da pacata cidade ao meSlno tenlpo que Ihe emprestavam fei- 
ções ben1 accentuadas de elegancia, de distincção c de luxo. 



CAPITULO XXVI 


^ 
AS SOLEMNIDADES DA CORTE 


Aos poucos fôra a côrte emigrada refazendo seu am- 
biente de etiquetas. 0 desembarque em 1808 tinha sido j ubi- 
1050 e .cordial na sua feição antes popular do 'que nobre, mas 
relativamente lllodesto nas suas galas. Em 1817, poréln, já 
a Archiduqueza Leopoldina veio da nau para terra na ga- 
leota esculpida e dour ada, renlada por cern homens, e foi 
transportada com os sogros e 0 noivo, do Arsenal de Mari- 
nha (I) para a Capella Real onde se celebrou 0 consorcio, 
n'um coche de gala, como os de D. J oão V, pomposo e 
puxado a quatro parelhas de cavallos morzellos, de penna- 
chos vermelhos e mantas de velludo bordado a ouro. Dous 
outros coches eram destinados ás Altezas Reaes e unla porção 
malS, vindos quasi todos de Portugal, (2) aos dignitarios e 


(1) Para 0 dt':"frnuarqup no 
\rspnal manclaram os officiae's da 
armarIa l'1l"guf'r na ponte' urn eTIornw ar('o de' trillrnpho com pilastras 
psgllias, grinaldas f' allf'gorias, 0 qual se podl' vpr l"pproduzido n'um 
do
 '111adros de Df'hret conse'rvados na E
('ola de Be]las 
\rtes. 
(:!) Em 1
11. para a inaugura<:ão do novu ternplo da Candpla- 
ria, Sf'l"Vill-Se 0 Principf' Upgf'ntf' pel a primf'ira Vl'Z, spgundo diz 0 
Padrp Luiz Gonc:alves dos 
and()s, do ('()('}1f' qUf' lIultulára l'Ír de 
Lishoa. () quI' lpva a crf'r qu(' até ahi usou as modl'stas carruagens 
I/UP Ihe' podia havpr fornpcido a colonia. Es('r('vp 0 padre qUf' até pOl' 
l
:-;Se' Illotivo concol'l'(,u muita gl'nte a })J'l'spnciar a passagcm do real 
rortejo. Xas contas cIa legação em Londres figuram todavia em 1810 



mH 


DO)l Jolo YI xu DRAZIL 


fidalgos da côrte que ass 1m passara a reVIver no fausto de 
Lisboa. 
As festas do casamento do Principe Real foraln, dentro 
dos recur
os de grandeza do novu Reino, á altura do aconte- 
cÏ1nento e dos nubentes. Para dar brilho ao enlace da Infanta 
::\laria Theresa, em 18 10, j á havia a Côrte envidado 0 nle- 
1hor dos seus esforços, ordenando touradas e cavalhadas- 
que não importavam comtudo em novidade para a colonia, 
onde pelo menos as cavalhadas constituiall1 Uln folguedo 
nacional-n'ulna 'praça (I) adrede construida no Canlpo de 
Sant'Anna conl 348 call1arotes, recita de gala, decorações 
publicas e illuminaçães. Os artistas nacionaes eram ainda 
insufficientes em pericia para 0 gosto das ornamentaçõcs, 
para as quaes conleçarianl ern 1817 a ser postos em contri- 
buição os talentos dos artistas nlandados vir de França para 


t!c'u-< eoehrs t' tlI'1'f'io
 I'('m-,'ttido
 para. 0 Uio, qne Cl1
taralll 
:;;) libras 
-( stl'rlina
. Era a Ipga(:ã <Ill.: o('.('a:-:.ionalment(' sa tisfazia as enCOllllllcn- 
das da eflrtl'. (lU0r fossC'1l1 Ii n'os [1<' III iIwra log-ia j)ara 1. in ha l'l'S. qUl'l' 
fossl'Il1 ll'n(:o
 (](' sf'c1a para 0 !WsCUl:O do I{pg'pntf'. aos quaI's Fun('hal 
manf 1 anl carinhosanl.'ntl' apIJlÏl'al' alll1ofa.ùinha
 df' eumhraia de linho 
PIll \', '7. de algodào, p,or ca usa do l'lima. ('scl'P\".ia elL'. _\s contas trilllcn- 
f'..H':'I Hppareciam ayultada
. gt'ralll1l''Ilte tXltl'" ] ,0.00 e 
,BUU lihl'as af(Il'a 
salarios: nào t;:,nto po)' aC}1w]las .pn com Il11'lHla s, quI' ('ram raras. ('oml) 
J)l']as llluitas dpsIH'zas I'xtraon1Ìna rias da missào. l"ma funcdìo na 
]p
a(:ão, }lor C'xl'mplo, custou l
O ]ihras: 0 TI'-})eum pf']a clu\gada da 
familia rpal á Bahia impol'tou I'm Iii:; Jihras; as luminal'ias ])rla c11l'- 
g'ada ao Hio 170 libras, .\ ('a]wIJa (la L'g'<l(:ão constituia unn (lcsIH'za 
I)(\l'nUlnf'nt(', com seu capp]1ão e a muska. a lItH' sf' pagaY3 umas lfiU 
Jihras pOl' anno. As rplwtidas Yiag-pns elf' Funchal a "
orthing. P]y_ 
mouth, de., figura ya m eomo outl'a pa l'cella importan to dos gastos, 
n unea sf'ndo inll'riores a
 d:':"p.'za:" a 100 libras e pas
ilndo frequen- 
tl'lllf'ntt-' de 
Oo Ulna px('ursã
 maio!' ou lllais demorada, 
()s coelH'S elf' gala dp 1 )om ,J oào "I fOI'ilm rf'sta u rados PIll 1 Kl 7 
pp]o pintoI' portug'11f'Z 
\Iano,'l da Costa (' nom l'Nlro Ihps addidonou 
um mài
, fahrieado .pm I'ariz para 0 Hei .Tos(' :\'apo]pão e que não 
chegara a Sl'l" usado n "m ::;.1(1U('1' I'l'mnttido para .:\Iadrid, 
(1) 
oCs ultimos tpmpo
 da pstaòa no Rio da cûrte de Dom 
.Toåo YI. f'sta arpna ]H'pparada para toul'aflas á portug'1ll'za 8prvia de 
('ire\) ondf' trahalhava c.Jm grandp 8UCC0S:"IO ama, ,collpanhia de acl'O- 
ha tas. e fnnarnhulC's inglf"zes. acudindo a população a ri'I' es.trepitosa- 
mente com os trC'geitos dos pa]ha<:lìs. app]audir os lllaraYiIhosos exer- 
cicios ellnf'strf's de 
Ir. Routhhy e extasiar-se dcante da corda lJamba 
e dos equilibrios de 
lrs, Southh
'. 



no)[ JoÃo rI NO BRAZIL 


US5 


a projectada Academia. Não obstante, no dizer do minucioso 
e indulgente chronista Padre Luiz Gonçalves dos Sanctos, 
correrarn sobertas as festàs organizadas com os meios de que 
dispunha 0 senso esthetico da colonia, antes de que os e3- 
trangeiros introduzissem no Brazil 0 sentinlento artistico 
de que c
reci2nl nlesnlo, para lhes dar relevo á uncção reli- 
giosa, os pintores de telas para egrejas que, con1 a anirnação a 
tudo enlprcstada pela côrte, deranl em descobrir suas voca- 
ções, achando-Ihes destino nas decoraçães de novos templos e 
no embellezanlento dos já existentes. 
E' verdade que Luccock, mais viaj ado e mais desabu- 
sado que 0 padre, considerou pueris e absurdas as festas de 
18 10, 0 que parece mais exacto. N enhum ridiculo haveria, 
póde crer-se, no ban do que sahio a ler á população 0 edital 
cIa Carnara con tendo a nova do consorcio e 0 convite ao 
jubilo nacional, com a comitiva dos officiaes do Senado, 
rnontados e ,deixando fluctuar suas capas bandadas de seda 
branca e seus chapéos de plumas brancas, e 0 sequito dos 
criados do Paço conduzindo pela redea ginett's ornados de 
fitas e pennachos, e tres azemolas carregando fogos de ar. 
'l'atnpouco seria ridiculo, pizando as ricas alcatifas da Persia 
que cobriam 0 estrado dando passagerl1 do Palacio para a 
Capella, 0 cortejo nupcial, 0 primeiro da realeza brazileira, 
formado nas salas forradas de darnasco, sob os lustres de 
crystal, e desfeito á porta onde 0 aguardavanl bispo e cabido 
paralnentados de branco, para de novo se constituir á luz 
das tochas enlpunhadas pelo::; moços da camara e ao som das 
salvas e descargas que abafavaIn os instrumentos de sopro 
das musicas regimen taes. 
()nde rcsumbrava 0 nlau go
to era na fachada de arch i- 
tectura erigida fronteira ao r11ar c representando Uln fundo 



986 


DOM JOÃO VI KO BRAZIL 


de jardim, com urn grande e bem moldurado paine] encer- 
rando os retratos de Dom J oão e d.e Dona Carlota encimados 
por urn genio-o da concordia provavelmente-e l11ais abaixo, 
sob a protecção do hymeneu coroado de rosas, outro painel 
com os retratos dos noivos. Descreve miudamente 0 chro- 
nista os pedestaes de bem fingida pedra dos medalhões, os 
emblemas, os escudos, os versos allegoricos, os golphinhos, 
os vasos de flores postos lllj alto da estructllra, e a impreS'São 
que nos fica de todo esse complicado vergel architectonico é 
a de uma balaustrada "com bambolinas de velludo carmezim 
com forro de arminho." 
Do drama ]'riulIlpho ria A /Ilcrica dado na recita de 
gala, nada nos permitte hoje julgar, mas as danças de Afri- 
canos no terreiro do Paço "com estampidos de gyrandolas e 
fogos imitando salvas de artilheria e fogos rolantes de mos- 
quetaria", misturados de rodas e valverdes de São J oão, e as 
cavalhadas de mascarados em quatorze pares com divisas 
encarnadas e azues sob forma de listões pen dentes do hom- 
bro, precedidos de trombeteiros montados, e trotando, galo- 
pando, caracolando, com tochas na mão, depois esgrimindo e 
descarregando pistolas, deviam produzir uma sensação mixta 
de quadri]ha de circo e marcha nupcial allemã. 
o cumulo do burlesco attingiram, porém, as festas, 
commemorativas ainda da boda, celebradas mezes depois, e 
que de certo procrearam 0 carnaval fluminense. Durar'am 
sete dias na praça do Campo de Sant'Anna e, para amostra 
do que foi 0 desfilar de carros allegoricos, basta referir que 0 
primeiro, 0 dos merca-dores, figurava urn monte coroado 
pela estatua da America de arco, aljava, cocar e saiote de 
plumas, cercada de ,indios, qlladrupedes e passaros assomando 
dentre as hervas e flores, dande tambem brotavam esguichos 



DO
I Jolo YI NO BRAZIL 


987 


que aguavam a praça. Havia nos outros carros, offerecidos 
pelos ourives, negociantes de molhados, latoeiros, carpintei- 
ros e outros COlll0 os denominariamos hoje syndicatos profis- 
sionaes, uma dança de Chins, uma ilha do Pacifico com seus 
indigenas, urn castello donde emergia Ulna dança militar, 
urn escaler de marujos remando e cantando antes de desem- 
barcarenl e bailarem, urn grupo de ciganos com as mulheres 
nas garupas dos cavallos, até uma dança de homcns disfar- 
çados eIll maca-cos, dando saltos, fazendo caretas, executando 
cabriolas, até forma rem a pyramide hUIllana-nil novi sub 
sole-e 0 macaquinho do tope desenrolar diante da tribuna 
real... os retratos dos serenissimos consortes. 
Parecendo pequeno 0 recinto onde, depois d'essas danças 
zoologicas e mavorcias, correram justas, escaramuçaram, per- 
fizeram cortezias em ginetes da real casa cavalleiros vestidos 
de "casacas de fino belbute e acompanhados de serventes ves- 
tidos de setim das m'esmas côres", e correram touros cam- 
peões e ca:pinhas de melhor intenção do que experiencia, 0 
carnaval trasbordou e n'uma gargalhada abraçou toda a ci- 
dade. Forarn umas saturnaes decentes. Sahiram as allegorias, 
reboaram os cantares e desdobraram-se as danças pelas ruas, 
pel as quaes rodava urn carro mais, engenhoso e monumental, 
figurando urn brigue de guerra illumina.do e salvando. 
No Campo improvisara-se urn passeio de palmeiras, en- 
gradando ramas entrelaçadas de plantas aromaticas as alame- 
das terminadas por arcadas de madeira, e levantando-se no 
centro urria peça de architectura onde se armara 0 fogo de 
artificio que dignamente rematou a serie de festas. 
Por occasião do consorcio do Principe Real Ja não 
houve discrepanciag na critica. Os estrangeiros, yon Lrithold 
no numero, recordam com louvor a bella ordenação do cor- 



!J
S 


DUM JOÃO VI KO BTIA7.IL 


tejo nupcial, que ao son1 dos sinos e das canhões pcrcorreu a 
distancia do Arsenal á Capella sobre as ruas j uncadas de 
flores e entre janrllas adornadas de eolchas. A' frente un1 
destacan1ento de cavallaria, a que se seguiam os lacaios e 
palafrcnriros do Paço em cavallos ricamente ajaezados, 
transportando dous d'elles os eseabellos forrados de daI11aseo 
verme]ho para os noivos; atraz a 111usica da cavallaria; logo 
oito n1aceiros, os reis d'armas e arautos, Inontados todos e 
trajando de grande gala. VinhaI11 depois a carro os conselhei- 
ros reaes, 0 mordomo-mór, os camaristas, acompanhados, co- 
ches e berlindas, de lacaios a pé. 0 estribeiro-mór, ou antes 
quem suas vezes fazia, precedia imn1ediatan1ente 0 coche real, 
que eseoltava 0 capitão da real guarda de archeiros e ladea- 
vam os moços ,da camara, de cabeça descoberta. 
Durante todo 0 dia resoaram as acclamaçães populares 
eln frente ao Paço, on de, depois da ceriIllonia religiosa, se 
realizou 0 jantar de apparato, e á noite, pOl' entre tochas 
accesas, sob areos triun1phaes e con1 geraes luminarias, reto- 
I1IOU 0 cortejo 0 caminho do Arsenal para alcançar São Chris- 
tovão pOl' mar, n'ulna flotilha caprichosan1ente illun1inada a 
copinhos de cores. 
N a vespera tinha ido 0 Conde de Vianna a bordo sau- 
dar a Archiduqueza, e 111ais tarde alli a visitaram todos os 
melnbros da real falnilia, j á então sendo descripto como im- 
pressivo 0 espectaculo das embarcaçães empavezadas, com os 
marinheiros n
s vcrgas dando vivas, emquanto batiam C0I11- 
passa'damente a agua os remadores mettidos nas suas bellas 
roupas. A' noite, relata-se como feerico 0 aspecto de con- 
juncto das luzes do Arsenal, das pontes de desembarque e 
dos muitos navios, reflectindo-se na
 aguas quietas da bahia. 



nOM JoÃo YI NO BRAZIL 


989 


Logo em Janeiro passou 0 anniversario da Princeza 
Real, sendo a data ruidosamente festejada com touradas, (I) 
danças de mouros e sel vagens organizadas pelo mestre de 
bailados Lacombe no salão do theatro e fogos de artificio no 
jardim de São Christovão e no Campo de Sant'Anna. (2) 
Os indios eram parte obrigada e ainda seriam parte essencial 
do symbolisnlo nacional, mas no fogo de artificio por occa- 
sião da elevação do Brazil a Reino, vira-se 0 paiz depor 0 
cocar e saiote de pennas e assumir a corôa e manto com que 
o brindara 0 Principe Regente. 
De todas as fest as reaes celebradas no Rio de Janeiro 
as mais solemnes e desluolbrantes foram, porém, as da accla- 
Inação de DOIl1 João VI, enl Fevereiro de 1818, COill 0 seu 
segui'mento em Outubro do mesmo anno. Para a funcção da 
acclamação foi que se levantou no largo do Paço, entre 0 
Palacio e a Capella, a famosa varanda ou galeria que Debret 
desenhou na sua famosa obra, COl11 as dezoito arcadas, os tro- 
phéos e as estatuas da decoração, e ao centro a tribuna enl 
projecção destinada á cerimonia, de forma a nada perderem 
d'f'lla a fal11ilia real, a côrte e 0 corpo diplonlatico esparsos 
em tribunas ligadas ao Paço. 
o que a lithographia não podia porém reproduzir, era 
o luxo interior da galeria, toda revestida de velludo carme- 
zim e com pinturas allegoricas nos tectos, lembrando as vir- 
tudes do monarcha que subia ao throno de seus avós longe 
cia patria tradicional, mas no coração de Ulna nova patria 
por eUe fundada. 


(1.' Hl'fl'l't' yun Leithuld <Ill(' 3
 tou1'311a
, !i POl'tuglleza, ('om 
{,lIrtezias e lllOI:O
 tit' fOl'cado, ft)l'
\m ind('('cntpR })()1'I1UP Se correram 
aninulPs Ulagrll::> P mansos e forma ,'am as quadl"i1hns utuH1arilhl'Íro-.: 
inl'pt.o
. 
(:!) Paflrp. Luiz Uonçalvès d()
 '
3n('t,
s, ob, ('it,; lj"rc
'cinet, ob. 
cit. J' p Cartns Ù,' 
[al'l'OCo
, flClt;,çim, 


D. J. - G2 



990 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


Recebeu então 0 Rio de Janeiro 0 seu baptismo de capi- 
tal da monarchia. a espectaculo tanto foi militar con10 civil 
e foi parallelamente grandioso. a dia escolhido foi 0 de 6 de 
Fevereiro. Pela manhã teve lugar a missa do Espirito-Santo 
e á tarde a acclamação com todas as forn1alidades costuma- 
rias. Encaminhou-se 0 cortejo do Paço-ao qual por urn lado 
e pdo outro á Capella se achava a galeria ligada por Uln 
largo estrado descoberto e alcatifado-formado pelos porte i- 
ros da canna com maças de prata ao hon1bro, reis d'arn1as, 
arautos, passavantes, archeiros, reposteiros, gentis homens da 
camara, nobres e titulares, bispos e prelados, officiaes da Real 
Casa e grandes do Reino. a Infante servia de Condestavel, 
o conde de Vianna de reposteiro-n1ór, 0 lnarquez de Bellas 
de capitão da guarda, e 0 conde de Barbacena, como alferes- 
mór, empunhava 0 estandarte real enrolado. Por baixo da 
varanda central tocava a orchestra de musicos allen1ães que 
tinha acompanhado da Europa a Archiduqueza Leopoldina. 
a Rei ostentava, preso no peito por urn atacador de 
diamantes, urn manto carmezim com as armas adlniravel- 
mente .bordadas de Portugal, Brazil e Aigarves, 0 escudo 
com as cinco quinas, 'a esphera armillar e os sete castellos. 
Segurando na sinistra 0 sceptro, de Duro n1acisso bem como a 
corôa - obra, Ulna e outra insignia, de urn mulato brazileiro 
empregado pdo joalheiro da corôa-Dom J oão com a dextra 
sobre 0 Evangelho prestou ao bispo-capellão 0 juramento 
do estylo. Sobre 0 mesmo missal the prestaram os Principes 
de sangue 0 juramento de obediencia. Desenrolando então 
o estandarte, acclamou 0 alferes-mór 0 soberano, e ad ian- 
tando-se até 0 parapeito da varanda, repetio 0 seu brado que 0 
povo recebeu com applausos estrondosos. 



D()
f JoIn r I NO BRAZIL 


991 


Entre a massa compacta agglomerada diante da galeria, 
destacavam-se os pelotões de infanteria e os esquadrões de 
cavallaria postados COIn receio òe algulna manifestação de des- 
contentan1ento da parte do elen1ento portuguez pelo facto 
dt' tcr lugar a acclmnação no Brazil. Pcla .prinleira e ultima 
vez no Reino americano deseillpenhou 0 seu papel 0 J uiz do 
Povo da antiga monarchia, 0 tradicional tribuno popular que 
('In Lisboa era eleito tpela Casa òos 2-1- e que no Brazil ainda 
exercia uma auctoridade que se não podia chamar urn sin1u- 
lacro, pois que dispunha para sua affirmação da sancção 
penal. No cumprimento da sua missão de defender 0 POVO 
contra as arbitrariedades do poder, fez 0 já em todo caso 
archaico magistrado de depositario da real pron1essa de res- 
peitar a religião, as leis e os privilegios populares. 
Satisfeita esta pequenina deferencia, que era antes uma 
formalidade, ao Terceiro Estado, na mesma ordem se diri- 
gio 0 cortej 0 para a Capella Real, onde se realizaram 0 
Te-Deum e a triplice benção dada com urn pedaço do Santo 
Lenho na custO'dia. 
o largo do Paço offerecia todo elle urn aspecto festivo. 
A' beira do caes mandara 0 Senado da Camara Ievantar por 
Grandjean de l\Iontigny un1 templo de l\.Iinerva (I) em 
que se vi am a estatua da deusa protegendo 0 Rei e na en- 
trada, em relevo, as figuras da Poesia, da Historia e da 
Fama e bem assim os rios principaes das quatro partes do 
mundo no acto de tributarem os productos do seu trafico. 
Em frente ao chafariz colonial, urn arco de triumpho, obra 


(1) R{ò.IH'odllzÏ<1o no 1'('\'('1'50 da lll(\llalha romll1('morativa conhf'- 
cida pm" fkJ/fltllS Fillminn,sis, em cujo verso Zephe'l"ino Fenez gravou 
a t'ffigi e ll.r' nom João Y1. .\ gl'avura dOt templo (' por outro artista 
f1'ancez, que enlouqueceu. 



Y9:! 


DOM JOÃO YI NO BRAZIL 


de Debret, erguido pela Junta Real de Commercio, osten- 
tava suas figuras, allegorias e baixos relevos, tendo pintadas 
sobre transparentes scenas allusivas aDorn J oão 'VI: 0 seu 
desembarque no Rio e a protecção por elle dispensada ás artes 
e ao commercio. No meio da praça elevava-se urn obelisco, 
imitação de granito vermelho, fructo do estatuario Taunay. 
o arranjo da praça fôra confiado aos artistas francezes, 
que assim quizeram evocar, no templo 0 estylo grego, no 
arco 0 romano e no obelisco 0 egypcio, transplantando para 
. 0 Rio a moda das decorações napoleonicas. Por uma ironia 
do destino, ao tempo que 0 conquistador penava em Santa 
Helena, artistas Jos seus, dos que em Pariz tinhan1 visto, 
quando nåo preparado e executado suas apotheoses, trabalha- 
vam no Bra7il para 0 nlonarcha etnigrado, cuja acclamação, 
no gosto das festas delineadas para a glorificação do seu pode- 
roso inimigo, se verificava no seio de unl autro eontinente, 
grande parte do qual obedeeia ao Rei foragido e onde este 
havia at
 alargado seus extt'nsos dOluinios á eusta <.Ios adver- 
sarios de 1807. 
J á em Pariz 0 classico estylo napoleonieo, de lun classi- 
SÍSt1l0 lueio barbaro, se ,puzera ao serviço das Bourbons. POI' 
isso escrevia l\Ialer (I) que a deeoração do largo do Paço 
recordava aos Francezes 0 regresso <.It' Luiz XVIII á sua 
capital, não tendo Grandjean feito Blais do que reeditar 0 
templo construido ad hoc no Pont-N euf. 
Obelisco, areo e templo accendiam-se á noite clareando 
a bahia escura onde se .destacavam, do outro la<.1o, as foguei- 
ras ardendo sobre os morros da Praia Grande. As illumina- 
ções mais brilhantes foratn comtudo as do CaIn po <.It' Santa 


(11 Officio de 7 de Feyereiro de 1818. 



DO)l JOÃO VI NO BRAZIL 


993 


Anna, (I) transforOlado em j ardim, com Uln palacetc cen- 
tral de madeira, cujos terraços serviam á familia real de tri- 
buna, e COOl forti os fingidos, nos quatro cantos, em cujas 
csplanadas tocavam musicas c enl cujas salas d'armas sc ser- 
"iaBl café e refrescos. A' noite 0 inlprovisado jardim aclara- 
va-se C01110 si fosse dia: circumdavam 0 tanque central com 
rcpuxo 16 estatuas illuminadas e, nas alamedas que alli con- 
vergian1, deparavam-se 102 pyrarnides Iuminosas. Escrevia 
:\Ialer (2) - e 0 elogio não é fraco - que 0 Car11po de 
Sant'Anna exhibia brilho e gosto sufficientes para fazer pen- 
sar nas Tulherias c nos Can1pos Elyseos, quando illuminados. 
Ahi teve Iugar no dia imnlediato, 7 de Fevereiro, a 
parte popular das festas reaes. No vasto recinto da praça de 
touros effechlaranl-se evoluçães militares, deram-se danças 
e funccionou unl theatro on de, enl presença da côrte, se 
representou uma 11lagica, se eÀecutou urn bailado allegorico 
e durante per to de Ullla hora se recitaram poesias allusivas, 
se pronunciaraul allocuçães patrioticas e se cantoll 0 hytHno 
nacional. 
o E/of.[io de VOIll João rl"Inatava no paleo prIa sua ('\:al- 
tação 111) thologica. Fizera-se appello a Ven us e ás 1"'rez Gra- 
ças, que gentilrnente compareceraIn não obstante a pouca 
beIIcza do heroe, e emquanto se esperava que desces
enl do 
Olyolpo, laborava sobre 0 altar do hyolenell 0 fogo sagrado 
da união rnystica do Rei c do seu pova. Representantes dos 
treí' H..cinos unidos e gucrrciros de toda a especie cntravmn 


(1) fEra Plltåo 11m a 1'('.;\1 pntl'plUpac1o ù'\ mangul's, ahi faz;('ullo 
S"II
 P)'(,l'I'ieÌo:-; a t i'opa elp I in ha P a 11li] ici:1 P O('co)')'pndo (J
 fl'
tp.io
 
do E",pirito 
anto, ,\lgnmas ('a

s :"ip.parada
 pOl' mnros <1'" jardins e 
f/llj'nta.t'So, fp("han\m trl'z lado:-; <Io campo, corr('nc1() pelo 
('ptpntrional 
Ulna (,f'rea dp f'spinllOs (lue tt'rmina\"<l el11 frf'nie á Cal)l\lIa de Santa 
.\nlla. 


(:?) Offkio cit. de 7 de Fevereiro de 1818. 



{)!ll 


DO)! .JoA() YI NO DHL\ZIL 


como comparsas d' esse final nephelibata, em que se dcstaca- 
vam animados, pairando entre as nuvens, os genlOs das na- 
ções componentes da dilatada monarchia. 
No dia 8, depois ao beij a-mão, renovaram-se no Campo 
de Sant'Anna as diversões da vespera e queimou-se urn es- 
plendido fogo de artificio á noite, quando a côrte sahio a 
visitar 'as illuminações, que emprestavam uma apparencia 
fantastica, a toda a cidade, pois não se limitavam ás dispos- 
tas pela lntendencia de Policia, Sena:do da Camara e Junta 
do Commercio. Particulares rivalizavam em grandeza com 
estas corporações e repartições officiaes: só uma casa se 
enfeitara com 6.000 lampeões de côr. 
as artistas francezes tinham prestado seu concurso 
com a maior liberalidade, dando uma ncta distincta ás orna- 
mentações, redigindo inscripções, forjando emblemas, exca- 
vando allegorias a fixar sobre os transparentes, distribuindo 
desenhos, ideando construcções architecturaes, delineando 
templos com bustos reaes coroados do louro guerreiro ou da 
pacifica oliveira. As armas dos trez Reinos, 0 genio do Brazil 
e as homenagens de figuras symbolicas 'CTam os 1110tivos do- 
minantes nas decorações, que todas traduziam, sob a expan- 
são do affecto dynastico, 0 orgulho particularista atiçando 
as rivalidades que de regionaes passavam a nacionaes. 
a resto .das festas realizou-se oito nlezes depois, effe- 
ctuando-se no circo do Campo de Sant'Anna as cavalhadas, 
toura-das e danças a caracter promovidas pelas corporações 
profissionaes. as desportos equestrese tauromachicos de- 
viam ter sido os mais apurados da epocha a j ulgar pelo
 lon- 
gos e cuidados preparativos. l\Iarrocos, que não alimentava 
muita ternura pdo Brazil e .estava sempre prompto a desfa- 



nO
I JOÃO VI NO BRAZIL 


995 


zer nas fcstas flumincnses, assim escrevia ao Pai: (I) "Tra- 
ta-se aqui agora dos arranjos relativos ás proximas festas 
reaes, enl que se vê 0 firme ardor, empenho, e concorrencia 
notavel do Senado da Camara. De algumas das Capitanias 
confinantes tern chegado a esta Côrte grande numero de 'pes- 
soas, insignes cavalheiros, para figurarem e brilha-rem nas 
cavalhadas, de que j á começaram os ensaios, a que tern ido 
assistir im'lnenso povo, menos eu: assim como se Inandarão 
vir grossas manadas de touros escolhidos em força e bra- 
veza, COOl que se pretende dar -boas tardes a huns, e boas nou- 
tes a outros. Ouvirei con tar, se entretanto puder chegar a 
essa epoca meOlora vel." 
A funcção foi de facto completa. Carros com musicas 
transportavam á arena os bailarinos que ahi, apeando-se, 
cxecutavaOl quadrilhas e solos: urn grupo disfarçado em 
guerreiros hespanhoes antigos, outro em habitantes da Cur- 
landia, pre'cedidos ambos pelo carro de N eptuno e pela infal- 
livel dança de caboclos. Aos exercicios choreographicos segui- 
raOl-se os torneios. Entrando de lança em riste, os cavallei- 
ros faziam suas cortezias e procediam ás variadas exhibições 
de equitação e destreza: cannas, argolinhas, estafenno, alcan- 
zias, etc. Por fim, pondo-se em contribuição a nova conquista, 
celebraram-se as touradas com artistas vindos de l\lontevidéo, 
os cavalleiros comtudo á antiga portugueza, de casaco de 
veIl udo bordado com bofes de renda e chapéo tricorne, mon- 
tados nos estribos ,de caixa sobre cavallos de boa raça e visto- 
samente ajaezados. 
o Caolpo de Sant'Anna era 0 local para semelhantes 
divertimentos, In3S 0 largo do Paço constituia 0 centro da 


(1) 'Carta de 17 de Junho de 1818. 



C)!}fi 


Pt >'J ..IO..\.O VI :Kü .DIL\ZIL 


vida cortezã, popular, 111ilitar e até 111ercantil da cidade. Ahi 
venlOS que se rea1izavanl as augustas cerilnonias da realeza; 
ahi se davanl largas os jubilos da plebe enlquanto l1ão che- 
gavam seus desvarios; por ahi desfilavalll ao sonl das bandas 
marciaes os regilllentos que ia111 ou vinhal11 .da canlpanha do 
Sui; ahi sc rcunianl á hora da fresca os 111ercadores tel11pe- 
rantes, sorvendo a largos tragos os 1110ringues de agua fresea, 
e s
 congregavanl ern turbulenta agglonleração as tripola- 
ções ebrias dos navios surtos no porto. 
o Palacio COl11 suas dependencias dOlllinava 0 espaçoso 
quadrilatero. N as j anellas de sacada do cdificio principal 
eostumavalll apparecer figuras aristocraticas quando n'elle 
assistia a fanlilia real, aSSil11 cOlno do segundo andar do con- 
vento annexado (onde hoje funeciona 0 lnstituto lIistorico) 
se Vial11 espreitar 0 1110vi111ento da praça os offieiaes da côrte 
que alli tinhanl seus aposentos. No andar terreo e nos pateos, 
onde ficavanl as cozinhas e a ucharia, era unl fcrvilhar de 
criadagem. 
As cavallariças tinhanl ido para 0 largo do 'loura e as 
cocheiras para a praia de ,D. l\lanocl, de sorte que nas inll11e- 
diações da lllansâo colonial se tinha fOflnado um acampanH'nto 
cOlnpleto ern que se agitava luna verdadeira população pala- 
ciana, desde os fidalgos ;lltaneiros .de Lisboa atp a arraia 
Illiuda dos serviçaes braneos, negros c nlcstiços: tão nunle- 
ro
os apezar das reducções que soffreu 0 seu c'\:ercito, tão 
pouco disciplinados e tão velhacos que unl dia, ao Que refere 
a chronica epistolar de l\Iarrocos, (I) foi preeiso nletter na 
cadeia toda a call1bada dos empregados 11a cozinha e copa 
de Dona Carlota, "por haverem gramanteado a l\lcrcnda 


(1) Carta ao rai d-e :!D de 
\ùril de 1815. 



VUJJ .10..\0 VI 
O BHAZIL 


f}f)7 


destinada para Suas Altezas." Nos dias de funcção de gala, 
COIU 0 beija-nlão indispcnsavcl, tornava-sc enornle a azafarua, 
'concorrelldo caches, bcrlindas, seges, traquitanas, gondolas, 
carros inglezes, toda a especie de vchiculos a transportarern 0 
pcssoal obrigado e facultati vo d' essas ceriruonias. 
Do latlo csqucrdo do largo do Paço Icvanta\'alu-
e casas 
unifornles que foraln prin1eiro occup
das pOl' fornecedores e 
en1pregados d a Real Casa, I11'aS ern 1818, tendo-se deslocado 
o grosso tla côrtc para São Christovão, já 0 craIll, nas lojas 
por varios cafés, e nos andares supcriores por bilhares e ho- 
tcis á francc7a. Por traz d'este quarteirão, no dcdalosinho 
de ruas que subsisten1, encontrava-se beln repetido 0 typo 
classico da hospedaria portugueza, annunciada par. grandes 
taboletas e lanternas de folhas de Flandres, e con1 arn1azens 
para .deposito das 111ercaJorias dos viajores, na n1aior parte 
de COll1merClO. 
N a fachada do quarteirão da banda da praia as loj as de 
variados fornecinlentos fotïnavarn urua espe,cie de rncrcado 
que nunca se levantava, e da banda opposta, as casas volta- 
das para terra constituiam 0 começo da rua Direita com suas' 
boas lojas de negociantes abastados. Encostado InesnlO ao 
Il]ar faí'ia-'Sc e mrrcallo do peixc, a quc ,se seguian\ os trapi- 
ches da Alfandega e depois a praia dos :\linei:-os, onde se 
vendianl bananas, Irnha, louças e outros artigos. (I) 
Si l1(,I11 toda eIIa podia haver-se esrnerado e adoptado 0 
bOIn tOlU, que sc derivava de UlU arrcrl1edo que fosse do Ie
i- 
tilno esplcndor das reaIezas, a vida flurl1inense no geral ga- 
nhara tanto COllI a fartura pfovcniell'te de 1Il11 COtUlllercio di- 
fecto e extenso, e COIn a convivencia estrangeira, que em 


(1) Df'IJret, o
. cit. 



!19b 


] )0)1 J 0...\0 V I ß 0 U1L\ZlIJ 


18 17, no dizer de Debret, offerecia mesn10 recursos aos gas- 
tronomos. A meza civilizara-se entre certos; educara-se 0 
paladar de nluitos, d'antes embotado pela monotonia da carne 
secca conl feij ão e do cozido COIn farinha, conhecendo como 
delicia Sl1}1fema a franga assada; 0 jantar convertera-se para 
os educados no que era na Europa: un1a reunião agradavel 
para 0 corpo e para 0 espirito, prazer dos senti:dos e recreio 
da intelligencia. ( I ) 
o palacio de São Christovão on de 0 Rei residia Inais 
frequentemente do que em qualquer outro, passou por diffe- 
rentes arranjos e soffreu algunlas addições durante a estada 
no Brazil de Donl J oão VI. Logo depois da doação, em 1808, 
o architecto-engenheiro portuguez J osé Domingos l\lonteiro 
fez-lhe 0 portão e :\Ianocl da Costa pintou as decorações inte- 
riores. A primitiva casa da chacara do negociante Elias tinha 
por min10 uma varanda ou galeria, muito commum nas 
construcções tropicaes. Em 18 I 6 chamavam, porénl, a atten- 
ção a grade, 0 pateo de honra e a fachada lateral gothica, 
obra de Uln arc/zilcclo inglez-como 0 intitula Debret (2)- 
que foi quem preparou os aposentos para 0 Principe Real 
na occasião do casamento e proseguio nesse mesmo anno de 


(1) Dehret fana òe uma ex('.C'lilente casa de pasta dirigida pOl' 
urn italiano. e ùe varia
 casas df' compstiveis na rua do Rosario, cen- 
tro da colonia ita-lÏana. on<le se yC'n'Cliam bons azeites. massas, com.,er- 
Yas. fnH'ta
 !' 'ccns 'e outros gpl1'pros finos de alima.nt:1<:ão. Tinbam-se 
rnontado pRflal'ias fran('pzas. aJlpmãs e italian as. importnndo urn fran- 
cez excellpnt' f,arinha dp trigo do setl paiz. Outro francez, horticulto,r, 
IDPlho,rara considprayplmpntp 0 cultivo dO's legumes. fazendo vir da 
Europa e acclimanòo no Brazil vadedades desconhecidas. 
(2) Esse architcdo. nrn 1\11'. Johnson. era 3nt.('s UDl mestre dp 
ohras qtH' vjpra ao Rio e
ppdalment(' para colloeaI' a gradp do portão 
identica á de Sian II ou
f'. mandada dp presente ao RC'i p('lo Ò 1H llle de 
Korthumberland e aprovC'itada nn frente de São Christovam. 
o estylo gothico foi 
upprimido e sub
tituido pelo antC'rior es- 
tylo portuguez quando, no anno da Indepcndencia, se confiaram a 
Manoel da Costa os trabalhos e restaura
ões de urgencia para ace om- 
moda
ão da nova côrte imperial. 



DO
l JOIO VI1\"O 13HAZ1L 


mm 


18 J 7 a construcção de Ulll dos quatro pavilhões com arcana 
ogi val imaginados para os angulos. 
N'este palacio dava 0 Rei, ao SOln de uma banda de 
lllusica, 0 que se pade denominar beija-mão commUlll todas 
as noites das 8 ás 9, excepção feita dos domingos e dias santi- 
ficados. Concorria á cerimonia CYf..;cido nUlnèro de pessoas 
a pé, a cavallo, de sege ou em cabriolet, pejando os caminhos 
da Cidade Nova, Catulllby, e :ðlata-porcos. N"essas recepções 
ordinarias urn 11lulato pisava os calcanhares de urn general, 
na phrase expressiva de Henderson. Dom J oåo VI gostava 
Inuito que os seus subditos f-requentassem 0 beija-mão e fazia 
por is so lá voltarem repeti-das vezes os 'pre ten dentes, parti- 
cularmente os que vinharn da Europa com algulll desejo. A 
estes maliciosamente os delnorava no Rio, COlno que para lhes 
ensinar a apreciarem sua capital de eleição. Dotado da prodi- 
g,iosa memoria dos Braganças, nunca confundia as physiono- 
mias nem as supplicas, e maravilhava os requerentcs com 0 co- 
nhecimento que denotava das suas vidas, das suas familias, até 
de pequenos incidentes occorridos em tempos passados e que 
elles mal podiam acreditar terem subido á sciencia d'EI-Rei. 
Ao beija-mão de gala compareciam não só os persona- 
gens em evidencia como quantos ambicionassem approxi- 
mar-se da realeza 'e tivessem meios de envergar urn trajo de 
casaca pre
a, collete branco, calções e nleias negras e chapéo 
de pasta. Os de nascimento nobre aggregavanl unl espadirn. 
Ao lado da poltrona real, para cá dos dous enormes anjos 
de azas e ar,madura prateadas que sustentavam 0 docel do 
throno, uma mesinha com dous castiçaes em cima servia 
para accumular as petições e permittia ao monarcha lançar- 
Ihes uma vista de olhos. 0 desfilar não obedecia a prccedcn- 



1 ' 11)0 


DOJl JU \.0 \1 KO DIL\ZIL 


cia algun1a e todos sell1 distincção fincavan1 lun joelho no 
chão au se ajoclhavan1 COIn os dOlls diante do Rei (I). 
N a casa de calnpo de Santa Cruz passava DOln 
J oão 'TI todos os ann05 algurnas senlanas, e a essa residen- 
cia de fazenda affeiçoarmn-se nlui to Dam Pedro e Dona 
Leopoldina, ahi se den10rando pOl' vezes bastante tenlpo. 
Foi de rcsto pOl' occasião do seu cOl1sorcio, c\.erccndo () cargo 
de intcndente geral dos edificios da corôa 0 visconde .do Rio 
Secco, que se arranjou convenientcll1ente a vivenda, des- 
n1anchando-se as cellas da antiga casa da Ordeln, ondc con- 
tinuara a alojar-se 0 Rei, para se fazerenl divisõcs mats 
amplas. 
Não eram 11lais frequentes as viagens da côrte porque 
cad a uma custava rios de dinheiro, roubando os fornecedores 
escandalosarnente de cOlnbinação com os mordonlos. Tan1beln 
fôra a fazenda U1l1 desastre completo pelo lado financeiro. 
:\Ial culti\Tada depois que pela força a desertararn os padres 
jesuitas, nenhuIll proveito se tirava dos 11lilhares de caheças 
de gado que par suas pastagens erravanl, nenl dos cscravos 
negros, quasi 11lil elll nUlncro, que nas suas senzalas se j UIl- 
tavalll. 1\la\\'e, que estC\T feito a:dlninistrador da fazenda 
para pôr enl execução sua fanlosa receita de fabricar l11an- 
teiga, escreve que era lall1enta\ cl a condição da propriedade 
e deploraveis os abusos. N as tcrras anlanhadas cresciarll as 
hervas; as plantações de café pareciam capoeiras, COIn ar- 
bustos bravios Inais altos do que os cafezeiros; 0 gàdo andava 
tão maltratado que não se encontrava urn só cavallo que 
prestasse para montaria. 
Linhares, que enl tudo pensava e de tudo se occupava, 
installou enl Santa Cruz colonos chins, dos que mandara vir 


(1) von Lcithold, 011. cit. 



DO)[ JOÃ.O VI 
O BRAZIL 


1001 


de l\lacau. Não medraram todavia: voltaram uns para a ci- 
dade a venderem foguinhos e outros artigos da sua producção 
exotica, e desappareceranl outros, ou porque tivessem morrido 
de pura nostalgia, ou porque se internassem a eSlno, rondando 
muitos dessatisfeitos á aventura. Poucos foram os que fica- 
nun na fazenda, sem ali?
 se importarcI11 de forula apre- 
ciavel quer COIn a agricultura, quer com a horticultura. 
l'al foi 0 aspecto nlaterial da realeza brazileira. Pelo 
que toea ao moral, facil é iI11aginar 0 tom predominante na 
côrte do Rio de Janeiro, nos ten1pos Ido Reino U nido, para 
quem COI1serva presente na memoria ou conhece de trad ição 
a feição geral da fidalguia portugueza antes que 0 COSlnopo- 
litisI110 e a educação corrclativa, transfonnando a apparencia 
do paiz, a fossen1 tanll)Cn1 muito reccntelnente transfor- 
I11ando. 
D'e
sa nobreza caracteristicanlente nacional, inculta, il- 
lrtrada, toureira, fadista, dissipada, arruaceira, foranl Dom 
Pf"dro, até a lueta e 0 infortunio 0 depllrareln, e Dom :\Ii- 
gueI, até 0 exiliu e a pobreza u ennobrecereIn, dous repre- 
srntantes grnuinos e conlpletos. Não deslllcntiaI11, un1 e ou- 
tro, nern a filiação rnJten;ta, nem 0 meio aristocratico a que 
pt'rtt'llciarn, na pouca ele\'ação das indinações, na grosseria 
das Inaneiras, na curteza Jas vistas, na scnsualidade dos ap- 
petites, na aniInalidade dos gostos. 
Conta Jfenderson que, tendo alcançado UIn dia em 
sell passcio a
 terras de São Christovão, deparon com 0 
Principe Real arnansando conl unl enorme chicote, que fazia 
('stalar com 0 frenesi rl'urn postilhão, aninlaes de tiro para as 
cocheiras 0(10 palacio, já tendo n'aquella I11anhà rsfalfado 
quatro parelhas. Não lunge 0 Infante, de botas altas, cha- 
pc"() annado e pl:ll:t ao prito, I1llH1ic.Io dt' urn Jongo agllilhão 



1002 


DcnI JoAo VI NO TIRAZIT.J 


e ajudado por alguns negros e pelo feitor, lavra,-a 0 campo 
com Uill arado puxado por trez juntas de bois. 
Assirn se preparavan1 para 0 governo da 1110narchia os 
filhos de Donl João VI, rijos de I11usculos mas alheios a 
todas as questões publicas, cheios de actividade I11aS estra- 
nhos a qualquer preoccupação intellectual, supprindo sua 
palnlar ignorancia por unla grande vivacidade natural e sua 
odiosa vulgaridade pelos rasgos de UI11 cavalheirismo espon- 
taneo, de raça ou de indole, que fazia as vezes de contrapeso 
moral. 
Com elles faziam côro os jovens rebentos das casas 
fidalgas transplantadas eln 1808, criados nas tradiçães ,da 
ociosidade mental e C0111 0 fctichismo da Lisboa devassa e 
desordcira (I), cujos palacios cheios do rumor dos depen- 
dentes tão pouco se pareciam com as quintas mais tranquillas 
na sua exhuberancia tropical dos arrabaldes fluminenses, onde 
pOl' fim se aninhara muita gente principal da côrte, aC0111pa- 
nhando os Inglezes que prinleiro invadiram os suburbios á 
cata de residencias frescas e agrada veis. 
EralTI na verdade estrangeiros que occupavam os melho- 
res 'pontos da praia do Flamengo, onde rcsidiram os mlnlS- 
tros R.alk-PoleH e Thornton, de Catumby, onde foi viver 
n'um alto 0 Ininistro Flemll1ing, e de Botafogo, onde sobre- 
tudo se destacava a elegante vivenda ,do negociante Harrison. 


(1) "Os fidalgos e GS flue nqui constituem ,as classes mais aItas 
<fla sodednd.e, acham-sp il1'finitamc'nte ,aquem das class,es correSiponden- 
t-rs nos principaes paize
 da Europa, tanto no conhecimento como na 
pratica da vida civilizada. 0:;; pl'HZer{'s e requintt's do intercurso so- 
dal igualrnen te Ihes 
i'io ('stranllOs; ciosos dos estrangciros, sua atti- 
tndf' para com elles não é caractl'ri
,l(la pOl' Rquella att.pn<:ão e hospi- 
talidade tão conspicuas n'outras na<:õps. onde prcvalece 0 cultivo de 
urn s
'sterna l11Jeral de sociedade:' (Henderson, ob. cU.) 



Dc )::\f J01o.. VI NO BRAZIL 


1003 


as arrabalJes aformoseavam-se d' esse modo senl que porétn 
melhorassem muito os rudes canlinhos que a elles conduziam. 
() Cattete andava como outr'ora, cheio de buracos que, 
Jepoi
 de qualquer chuvada, se convertiam em vastas poças 
d'agua. A unica estrada cuidada - e é tnister não exaggerar 
o qualificativo, - era a de São Christovão, a mais frequen- 
tada tambem por causa da assistencia real. A visinhança da 
côrte detern1inara aliás a fundação de apraziveis chacaras 
por toJa aquella redondeza, merecendo favor c povoando-se 
gradualmente 0 Engenho \Telho, 0 Engenho Novo, a Tïjuca 
e 0 Andarahy. 
Em tudas as festas da côrte, avultavam as recitas de 
gala. N'essa vida fhuninense sem conforto Inas COIn luxo, 
que este já despontara quando aquelle ainda se nâo organi- 
zara; sem distracções intelligentes mas COIn exhibições faus- 
tosas; atrazada e vistosa ao mesmo tempo, ellas se assigna- 
lavam por darem-Ihe a nota mais apparatosa. As Inodas in- 
glezas e francezas tinham-se ido introduzindo e apurando 
o gosto, e as fazendas caras eram realçadas pela profusão 
de joias. Von Leithold diz que enl parte alguma se podiam 
adnlirar tantas pedrarias como as que constellavam as danlas 
brazileiras que assistiam aos espectaculos, de toucados em- 
plumados, vestidos carregados de passamanes de ouro e prata 
e men can do lcques decorados de pcrolas e de outras pedras 
finas. 
Não se tornara portanto 0 theatro terreno sónlente 
para incipientes nlanifestações politicas; entrara cada vez 
mms a ser 0 ponto por excellencia de reunião social, sobre- 
tudo depois que a 12 de Outubro de 1813, anniversario 



1004 


DO){ J010 VI NO BRAZIL 


natalicio do Principe da Beira, se inaugurara no Rocio COIn 
o drama lyrico - 0 juramento dos Numes - e a peça dra- 
matica e patriotica - 0 combate de T/imeiro - 0 theatro 
de São J oão (mais tarde de São Pedro d 'Alcantara) mo- 
delado como tudo mais no Rio, edificio ou instituição, pelos 
figurinos portuguezes, imitação reduzida a sua fachada da 
do theatro de São Carlos de Lisboa. 
No desbravado Canlpo da Lampadosa, uma vez le- 
vantado 0 theatro, começaram logo particulares a constq1Ír 
casas de residencia. Ficava-Ihes assim ao pé da porta 0 di,:er- 
tinlcnto fino da cidade, no qual estavanl directaIllente intercs- 
sados os maiores capitalistas flunlinenses, pois que 0 theatro 
fôra erguidu por subscripção. ficanJo cada subscriptor pro- 
prictario de lun calnarote. () or g él!nizador....elllprezario, J ()
é 
I 
 
FernanJes de Altlleida, alélll ll'
stas faciliJades de capital 
que encontrou, usou á discreção de Illaterial transportado 
dos visinhos trabalhos ..Ie adaptaçãu da Sé, cOllleçada no 
largo de São Francisco lIe Paula, á Acadeolia l\lilitar fun- 
dada pdo trI11po: I11aS ainda achou Ineio de ficar devendu ao 
Inestre de übras a llladeira, a cal e as telhas. 
Depois dt' c0I11eçar a funccionar a nova cas a de especta- 
culos, contrihuia 0 Principe Regente COIn largas sommas 
para as despezas das representações officiaes nos an.niversa- 
rios da familia real, celebrados por meio de bailados ou gru- 
pos historico
, nos quaes vrio a prÎ1llar 0 talento de Debrrt, 
por bastantes annos empregado n'esse serviço artistico, do 
que resultou ficarenl perpetuadas eill suas lithographias al- 
gumas das fonnosas allegorias choreographicas por elle ima- 
ginadas, COInpostas e eI1
aiadas. N ada comtudo the chegando, 
solicitava 0 ernprezario enlprestinlo sobre ernpre
tinl0 dog 
accionistas do Banco do Brazil, clando ein hypotheca 0 edi- 



D(J)[ JO.\O VI KO BRAZIL 


lU('5 


ficiu, que en1 1825 se incendiou e foi reconstruido pelo 
meSlno Ahneida, concedendo-se-lhe para tal fim loterias (I). 
A inauguração ficara memo ravel. 0 auctor da peça 
syn1bolica, bocado de resistencia do espectaculo, chan1ava-se 
D. Gastão Fausto .da Can1ara Coutinho e era un1 poeta cor- 
tezão do genero dos que hoje en1 dia regalan1 0 Ilnperador 
Allen1ão com os seus panegyricos dramatizados dos Hohen- 
zollerns. Parece-nos agora 0 seu estylo pretencioso, en1polado 
e confuso, ao ponto de por vezes perder. não són1ente a graça 
e. a limpidez, que estas the são desconhecidas, n1as até a in- 
telligibilidade. N enhU111 todavia podia en1 certo aspecto ex- 
pressar melhur essa epucha nacional de vangloriosos desani- 
n10S, de encyclopedismo afoitu e de arremettidas disfarçadas. 
o propriu entrecho não é facil de resun1ir. 
o prin1eiro quadro figura a sediça forja de Vulcano. 
o deus incita us cyclopes a trabalharem con1 fervor naS 
arn1ad uras dos Portuguezes, requeridas pela guerra. Corno 
nos Luziadas, modelo eterno de talentos e de n1ediocridades, 
Venus apparece de protectora d'esss an10rosos incornglveis, 
rogando ao con1placente n1arido que se apresse en1 soccorrer 


(1) 
\o lado ùo theatro de Håo ,João, trabalhava ante!:; <1:t In- 
d"lwndflncia nm tlwatrinho de {Jropril'dadl' dp uma soeil'dadp <1P nfl
o- 
ei:lntl'!"I rico!-;, onde distincto!-; euriosos dpsflmlwnhavnm {J1'<:as <,seolhi- 
das, eompondo-!'w a ordll'stra ig-llalmentp ÙI' curiosos. .\ sala era lin- 
damf'nte dec'Ü,rãùa: a Rociedad'e d,is>;olveu-s,' 1101'ém eIll 1S.1 ï, diz-!:;ü 
que pol' in\yeja!:;, ciumes e enrN]os. 0 nhastado neg-ociante Luiz d(
 
Houza Dias mandou construir ontro the<1tro, dt' qUi' foi architC'cto 
nraneIjpan de 
Iontigny P oneIl' l'ram tamlwm RI1Hldorl's qu<, r(\)H'l'Sl'n- 
tavaru (IUeUl'.'.t, oll. cit.) :Kão nos ficaram tradi<:õ!',s littl'rarias d'4's
PS 
palcos, cuja a{'<:ão de\'ia t<'1' !:;ido muito limitada, como t:'l';l l'xelusi\'o 
o seu circllio df' actorf'!:; e c
pl'('Üulorl's. 
.\ existpncia das rpfC'l'ìaas salas indica p()l'(
m ('omo (>1":1 vhoo 
no BrHzil 0 
osto lwlo theatro. bf'11l ColllO (,I'a vÍ\.o 0 g-o:--:to 1)('ln 11111- 
si<'a. .\mbos aliiis eram espalhados, nilo f'ÎI flmnin('n
(':;;. 
,Xa Bahia davam-s't' regularm,\ntr d('
dc :1810 p '
::l-: nacion:lf1s 
(\ italianas, Em 1'(\I'namhtH'o i
lIalm('ntl' had;l e;lsa <1(\ flslwdaculos. 
Em 
ão Luiz do 
raranhão nhrin-sf' lima pm 1 s:!O. X.ouiros h'Ill]lOS, 
dü pgpl.l':nd.or de Yilla Hicn, fnrn 0 
(\n tllflatro <I viv(\-Ïr,) (10S' actore3 
do Hio <11' .1:1n01ro. 


D J, - ü:J 



1006 


DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


a gente d' ella na crise en1 que se vê an1e
çada pela França. 
'Tulcano dá-Ihe porén1 a grata nova de j á terem os Portu- 
guezc3 lai1çado 0 inin1igo alén1 dos Pyreneus, 0 que, entre 
parenthesis, não vai de accordo con1 0 afan pelo proprio pa- 
trão reecmmendado á faina bellica da sua officina. Apoz 
uma larga explicação luusical e vocal dos motivos da sua 
perenne e suspeita benevolencia para con1 os Luzos, retira-se 
Venus, promettendo aos cyclopes, con10 premio da diligen- 
cia que revelarem, as quatorze nymphas que a serven1. As 
arias quc se seguen1 ao descarado contrato são obrigadas a 
con1passo de n1artellos, batendo sobre as bigornas. 
No segundo quadro, que representa un1 bosque. a Paz 
vem queixar-se de só aehar guarida "nos brutos anin1aes, 
a que 0 Olimpo previdente nega razão aguçosa." Surge a 
consolal-a 0 Genio lusitano, com a esperança de que os n10- 
narchas da Britaoia e Lysia hão de 
azer levantar 0 seu tem- 
plo sobre imigos sordidos cadaveres, e de novo a adornando 
das insignias de que ella se despojara, convida-a a eotrar n:) 
"sacrosanto alcaçar do supremo heroisn10" para vel' 


A scintillante effigie portentosa 
Do l\lonarca n1aior, que hão visto as eras. 


- scilicet Dam J oão VI. A rhetorica é eapaz de tudo e me- 
rece ser perdoada, porque careee dos seus estratagen1as de 
tropos e hyperboles para effeitos scenicos como esse, difficeis 
de preparar e sobretudo de tornar in1pressivos. 
() Genio luzitano conduz de passagen1 a Paz á forja 
de Vulcano, afin1 de adn1iraren1 as armaduras dos Portu- 
gue7es, qUE' transportan1 para 0 tcmplo do Heroismo, no 
fundo do qual se desenha 0 regio pacato retrato. Alli en con- 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


1007 


tram Venus con1 seu côro de Graças, cantando todos ao 
desafio e fazendo 0 'Geniö a juramento de que Portugal ja- 
mais seria vencido. 
Sob a direcção Aln1eida trabalharan1 no São J oão, du- 
rante a estada da fan1ilia real no Rio, uma com'panhia de 
canto dirigida por urn certo Rascolli (I), a companhia dra- 
n1atica da celebre actriz l\larianna Torres e a de dança do 
fan10so Lacon1be (2). a corpo de baile era cosn10polita: 
n'elle figuravan1 francezas, hespanholas e até uma mulata 
(3). A orchestra deixava urn tanto a desejar, excepção feita 
de urn flautista francez e de un1 excellente violinista (4). 
Empunhava porén1 a batuta 0 celebre l\larcos Portugal, 
que en1 Lisboa regia a gran de orchestra do São C'arlos e go- 
sava de Inuita reputação nos palcos lyricos italianos pelas 
suas operas pomposas e alegres que tanto agradavam ao 
Principe, pela inspiração .de quen1 ou para satisfazer a quem, 
refere D,ebret, introduziu 0 maestro na sua musica sacra uma 
tonalidade profa:1a, de musica jovial e saltitante, mais pro- 
pria do genero buifo. 
Não quer is to dizer que não fosse genllino en1 DOll 
J oãJ VI 0 gosto lllusical, que é apurado e tradicional na ia- 
n1ilia de Bragança. Podia 0 real amador deleitar-se com a 
musica mais 'Superficial e retun1bante de l\Iarcos Portugal, 
n1as não deixava por isso de sentir profundaIncnte a musica 


(1) Em lS1!) daYtlm-s0, t'ntl'l' outl'a
 opt'ra
, 'I'ftl/ct'nlo (' :l Ctt- 
çadfl dr lft'lI1'Íqllr IT. razo:lvl'lnwntp cantada
 IH'Ia
 dalllas Fa
('hiotti 
(' Sarhini e 1'01' urn Ìl'nor ll1a
ri

i1110, cujo estylo par('ceu a von Lei- 
thoW affpetado, mas em (lUpm rf'COnh0CPu yivaddadt' sCl'niea. 
Co!) 1\11'. f' )11110, Lacomhp pram ()
 0I1saiado)'('s. f' dtH'am tam- 
IIl'ill Ii(:ôps particnIar0s d{' (1al1(:a. ()
 f'D1]H'PZ:l rios da ('ol11l'anbia l'ram 
1\11'. e )Inw, T01l

:lint, da l'ortf' 
aint-)Iartin, 
(:n Os hailados, mnito apn'cia(1o-.; do p1lhli('o, (II'am P111 gPJ'aI 
hons, t:1l1tO os comicos, C0l110 o
 rlJ'amatÌ<'o
-.1I(þrt(' de P!lr"'/() , 1)(l1l10 
(' rirfjillitt, rtc. 
( -1) nm LpithoId, ob, .cit. 



lUllS 


DO)! JOÃO VI :KO BRAZIl, 


mais suave e penetrante do padre J osé 
lauricio, a quen1 con- 
decorara com 0 habito de Christo desde 18 I 0, dando in1- 
mediatalnente e só por si 0 valor devido á n1aneira fina- 
mente Inelodiosa, sem grandes effeitos orchestraes, que fa- 
zian1 do padre urn l\.Iozart, con1parando-o com 0 genio mar- 
cadamente italiano do seu illustre en1ulo. 
Os dous compositores, si personificavan1 correntes mu- 
sicaes divergentes, tan1bem inconscientemente syn1bolizavam 
correntes '.politicas oppostas, anticipando-se 0 conflicto ar- 
tistico ao patriotico. Era J osé 
Iauricio Nunes Garcia urn 
producto espontaneo do genio nacional, pois tudo quanta 
valia, devia tão sómente á sua intuição artistica, ao contrario 
de .l\larcos Portugal que vivera algun1 ten1po e aperfeiçoara 
sua faculdade na terra classica das artes. 
o brazileiro nunca sahira com effeito do Rio, onde nas- 
ceÙ en1 1767 e estudou con1 proveito suas humanidades, ,co- 
nhecendo ben1, no dizer do seu biographo Porto Alegre, geo- 
graphia, historia, philosophia, francez, italiano, inglez, latim, 
e grego. Preferiu con1tudo a ser professor de philosophia, . 
depois de ordenar-se, 0 entrar como mestre de capella para a 
.Sé, dando assim a n1elhor applicação d'aquelle tempo ao seu 
talento n1usical: talento completo, porquanto J osé l\lauricio 
não só tocava dous instrun1entos, improvisava melodias e 
possuia un1a prodigiosa memoria acustica, como, dotado de 
uma bellissima voz, cantava adn1iraveln1ente (I). 
Ao chegar em 1808, a fan1ilia real encontrou na cathe- 
dral, nas fur.cções de organista, 0 con1positor que desde 
1799 com desvelo se esforçava por propagar 0 gosto ingenito 
pela n1usica entre os seus con1patriotas, sahindo da aula es- 


. 


(1) ßiographia ci\ 



IIO:\! J( 110 YI ::\'0 1JR.\ZIL 


}Ol}!) 


pecial que regia, cantores, instru111entistas c até cmnpositores. 
N on1eou-o 0 Regente inspector de n1usica da real capella, 
onde graças á augusta influencia, perfeitamente correspon- 
dida, se conseguiram resultados maravilhosos, subindo ainda 
de esplendor as funcções religiosas da nova capital quando, 
em 18 10, chegou -de Lisboa 
Iarcos Portugal (I), acompa- 
nhado de vocalistas e concertistas. 
Em 1815 possuia a Capella Real un1 corpo de 50 can- 
tores, entre elles magnificos 'virtuosi italianos, dos quaes al- 
guns famosos castrati J e de 100 executantes excellentes, diri- 
gidos por dous mestres de capella, avaliando Debret os gas- 
tos com esses artistas em 300.000 francos annuaes. Tan1- 
bern, no dizer dos entendidos, 0 Afiserere de Pergoletti se 


(1 I 
1arCros Portngal foi 0 mes.tre de musiea do.s filhos -de Dom 
João \"1 I' ficou vivendo no Hio atf' fallpct'r, durante a Regencia. 0 
ira
cin,>l 
larrllcÛ's não podia 
npportar 0 seu afamadû patricio, .a Quem 
na
 cal'tas trata spmpre òP
dl'nhosamf'ntp ell' "rapsodista, candidato 
na Fidalguia ppla es('ala do Dr), Hé, )1i. I' barão de .\lamirc." 0 tl'iró 
parc'('p tpr cOlliec:aflo no dia em f]UP )1ar('os Portugal, "indo n'r os 
)Januscriptos pOl' faculdade de S. .\. n., teve a insolpnti
sima ousadia 
dp mp dizf'l' quP toflos ellps juntos mula va1ião, .p f]UP S. .\, R. não 
fl'z IH'm pm cs mandaI' vir, antD
 dpveriãa sel' recolhidos na 1'o.1'1'e do 
Tomllo! Logo m(' lemhrpi 0 òito df' Hora('io: 1'i81lm trnctltis. amici; 
por{'m nwttendo a consa a disfarce, olhando para os arps, ]hp res- 
pOTIrli: qUf' 0 tf'mpo estava mudado c que prompttia chuva. Foi tilo 
besta. f]UP não .entendpu; antI's. dando quatro fnngadplJas. voltou 
costas, f' poz-sP a leI' os Vf'l'SOS df' Thomaz Pinto llrandão. Que la8- 
tima!. ., (Carta de :{ df' Jull10 de 1812). 

'outra carta de 7 dp ()utuhro do mp
mo anno. es('revia elle 
com a lliJ"'sma prf'ven<;ão: "
Iarcos 
\ntonh Portu
:ll es.tá feHo hum 
Lord com fumos mui subido
. POI' Cf'rta .\ria, que pIle COlliOOZ para 
rantarpm trpz Fidalgas pm dia d'annos de outra, fpz-Ihe 0 Cons0111L'iro 
.Toaqnim .Tm;i' òe .\zevf'do (Rio Stce()) hum magnifico IH'f'Zente. fl11P. 
con
istia pm 1 
 òuzia
 de garrafas dp vinho df' Champagne (cada 
ga ..rafa do valor dp 2$
OO rpis) e 1
 duzias ditas de vinho do Porto. 
EIlf' j:í q11Pl' ser Commendador, e argumpnta com Fl'anzini, e .ToFl
 
)lonteiro da Rocha." I 
Aos o]l1os de )Ia rrocos 0 compositor {'ra sohretudo culpado òe 
tel' obtido do Principe Regpnte uma 
ege effectiva. rar:ão de guarda- 
roupa. ()OO
OOO rpis de ordf'narlo. "e do R. Bolsinho aquillo flue 
R. .\. n. jnlgassf' lhp era proprio e convf'nientp", além rlP SPl' director 
gpral df' torlas as ftmrr:õf's pnhlicas. assim òp igTflja coino rl(' t]watro. 
Xc-m the pxcita ya a 
ympathia 0 ('
tnpor qÙe soffrpra :\Iarcos Portu- 
gal, "de cujo ataque ficou leso de hum bra
o" (Carta de 2ü dn qutu, 



1010 


DU::\1 
TOÃO VI NU TIR.\ZIL 


cantava no Rio, por occasião da Sen1ana Santa, com 0 n1eS1110 
encanto que ein Roma, na Capella Sixtina. 
A inclinação n1usical não era só poderosa no Brazil 
entre a gente de educação: ella denunciava-se, sein artificios 
neln preparos, na caracteristica e espontanea musica popular. 
o que faltava era apenas escola. Ao proprio padre J osé 
l\.lauricio e a outros talentos prazileiros do genero foi n1uito 
util, ao que se affinna (I), 0 influxo da banda allen1ã que 
ficou C0111 a Princeza Real e ajudou a formar entre nós 0 
bon1 gosto e 0 estylo n1usicaes, detern1inando a pratica intel- 
ligente e, sé!bia sem a qual se extravian1 nUI11CrOSas vocações 
pro'fissionaes. 
Os J esuitas, que tão grandes disciplinadores esplntuaes 
e teinporaes são, tinhan1 fundado na fazenda de Santa Cruz 


hro de 1
11): ante
, i'xtendl'ndo a antipathia ft familia do musico, 
afo;
im maltra tava 0 irmão. pa

ando dPljois a l'nsaiar soore 0 proprio 
nova
 varia<;õl'
, "
iillão Portugal é organista da Capplla U. com o
 

cus ;WO
(I(I(I r(
is e apppndicl's, ignoro H.f' com ra<;ão; port-ill 0 irmão 
tern-no introduzido com os HCUS ('onhceillwntos de 
ortl' <IUt' tem gran- 
gf'arto muitos diseipulo
 (I di
cilH11as. qlH' 111e mandão suas s('g('
 a 
t{"a':o;a oU:O;0al-() ; eu 0 tenho vi
to mil V07,C'S: nas ditas S ',ges., entre 
eHas a da DU<11H'Za de Cadaval : por isso não t0m rilzão de lampntar-!';(', 
pOr(I1W hI' mui natural Ihe proYf'nbão 
rand!'s intpre:o;sf's d0 st'U eXl'r- 
cicio. 0 irmão 
Iarcos tern 
anhado a aVf'rsão de' todo
 Iwla sua fan- 
farrnnic0 ainda maioI' que a do l'ão dl:' Ló: Ill' tão granrlf' a sua im- 
postura p 
oht'rha pOl' pstar acolhido fl g'ra<:a de 
. 
\.. H.. quP SP tpm 
It'\"antado contra si a maior parÌl' dOls ml's'lllOS <]U0 0 ohsp<]uiavão: be 
nota \'<'1 a sua l"ir('umsp0q:ão, olhos carrl'
<Hlos. ('ortejos df' sup:'rinri- 
dad!', I'mfim apparl'ncias ridiculas {' dt' charlatào: jii t0m d{-'
m('r
cido 
nas H1UlS cOlll})osi<;õps: e hum gTandp 
Iusieo .e Compositor, vindo de 
l'l'rnamhuco (? I. P <]UP aqlli viYP, 11(' hum SPU ,\ntag-oni
ta, {' m:1stra 
a todos. os <]111' quiZpr('lll Yt'r, os lu
arps, quI' )Ial"l'os furta dp outro
 

\" 
\,. pulll icando-os como ori
iluH's, ('OlllO P-:tíl constituido Director 
dos Tlll'atro!'; (' Func<;õ0s, (]uanto .3 
Iu
ic:a. tern formado enorm,,!; in- 
trigas entre 
Iusico!'; e 
\l"tor('!';. dl' que Sf' tpIll originado gl'andes de- 
sordpns. ])0 no\'o theatr(.) <}uP yai a ahrir-sp.".." quC'ria )Iar('os Sf'r 
dt'sl)Otico JJirpctor com 
 :()O()
O()(I aIr-Ill dp Hpnpficios (' 0 1111'1hor eR- 
l11arot0 rla t){)e('a; por(
m como pneontrass0 duvi(las; nn seu Emprl'zario, 
tpl11-RP ellllwnhado {'In dpH\"iar os 
\ctorps. f' para isso ohri
ando-os a 
l:'xi
ir grandE's mpza(las. IIp riso y(ll-o ft janl'lla. {' ('m puhlico, todo 
..'mpoado t' .e.l11proado, como <]lIpm of'stii. g'o\"01'nando 0 .:\Iundo: ill:!S 
t'mfim trill hum grandt' I'adrinho, e por pstp 0 RPr, be affagado por 
outros." (Carta ao Pai ue :!
 ùe 
cteIDhro de U;1;J). 
(1) Debret, Uù. cit. 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


1011 


uma espeCle de con
ervatorio de 1l1usica p
ra ensino dos 
pretos, on-de nlethodizaVaITI suas aptidões naturaes. :\;Iesnlo 
depois de expulsos os padres, subsistiu esta tradição, ao ponto 
de ficar por tal forma inlpressionado 0 Principe Regente, 
quando visitou aquella propriedade confiscada para a corôa, 
conl a relativa mestria da execução vocal e instrumental na 
egrejinha, que estaheleceu na fazenda escolas de primeiras 
lettras, composição musical, canto e diversos instrumentos. 
Logrou d'est'arte Dom João que d'alli sahissenl boas 
figuras para 0 pessoal não só da capella real de Santa Cruz 
como da do Rio, e nlesnlO que alguns dos alumnos chegas- 
sem a tocar e can tar primorosamente. Dom Pedro, em quenl 
o gosto pela nlusica foi paixão e paixão cultivada conl certo 
esmero, protegeu nluito a fundação paterna, alcançando, se- 
gundo se conta (I), ter operas, adrede compostas pelos dous 
irmãos Portugal, inteiramente executadas por aquelles afri- 
canos e nlestiços. 
Tanto quanto a incomparavel mUSlca, abrilhantava as 
festas de egreja do tenlpo a oratoria sagrada, então no seu 
apogeo no Brazil. Envaidava-se Dom J oão VI - e assinl 0 
repetiu frei Francisco de l\lont'Alverne - de contar no Rio 
uma pleiade de prégadores que the não pernlittia nutrir 
saudades dos que deixara enl Portugal. E com effeito dif- 
ficil pareceria enl extrenlO, d'outro modo, quem, para cantar 
os Iou vores da religião e seus prototypos, celebrar as virtu- 
des evangelicas e exaltar os meritos e serviços da dynastia, 
possuia em redor de si, para não citar outras, as vozes elo- 
quentes do padre Souza Caldas com seus resaibos nlysticos 


(1) Balbi, Essai stafi.
tiqllc Sill' 1e 1"oyauIJ/e de Portll[Jal ct SCIl 
colrmic8. 



1012 


1 H))1 JOIO \T1 XO IHL\ZIL 


( I ), de frei Francisco de São Carlos C0111 suas galas imagi- 
nosas, de frei Francisco de Sampaio con1 seu verniz acade- 
mico (2), de l\Iont' Al verne con1 seu brilho de forma e sua 
vibração mais humana. 
Tão soberba exhibição de oratoria, por mais orthodo
a 
que .fosse, contribuia muito para que as egrejas representas- 
sen1 uma distracção de sabor quasi profano, a par das festi- 
vidades da côrte e das funcções theatraes. Qualquer outra a 
não conseguiria até supplantar, visto se exercer 0 seu appello 
sobre toda, não só parte da população, agglon1erando-se a 
n1ultidão nas naves estreitas onde, á luz sempre n10rtiça de 
centenares de velas, se divisavan1 sobretudo as Il1ulheres de 
corpete decotado, cinto e saia meio curta de tulle sobre un1 
fundo de seda, todas sem chape'll, com a mantilha negra, em 
vez porén1 de usada triangularmente na testa, á hespanhola, 
presa por flores no alto ou parte posterior do penteado que 
ren1atava 0 descon1n1unal pente de tartaruga. 
Os viaj antes estrangeiros da epoch a notan1 todos á 
porfia a pouca dignidade das nossas cerimonias religiosas; á 
parte a pompa, 0 ton1 era menos de respeito que de folia. 0 
culto resentia-se do pouco recato dos ecclesiasticos. 0 clin1a, 
a distancia dos altos censores hierarchicos, a relaxação que 
a existencia da escravidão en1prestava aos costulnes, a au- 
sencia de uma aguda questão religiosa como a que no se- 


í l) U padre l'aIdas. ellja tradul'(:ão dos PsaIll1û
 dt' J )
l\.id 
constitue lIma da
 poucas joia
 da nossa po('
ia christil. era urn ::;a- 
eC'l'fIote IIp raro df'
intprpssfI, [{PCUSOll hprda l' ullla g'rande fortuna d
 
um amigo p re-cusou dou
 hb,:pado
, 
'ndo urn d'ellcs 00 dJ Hio d? ,Ta- 
!lpiro. p tamhpm uma pingup ahhartia quP Ihp foi offprp('ida 1'01' 
pu 
amigo Lafõf\s. Em 1 
n7 aeornpanhou a eClrtp. fallf'('f'ndo no Hio a :.! 
de )Iar
o de lR14. 
(:.! I DE' 
arnpaio tamb:.>rn falla com Iou\"')1' F.rpydnet, citando 
:-:ua hplla bihliothflca fran('pza (\UI' ia dos g1'and
s rH'('gadol'ps do S('- 

lIlo XYIT---JD 'ssul't, )Ias:-õillon, Fl<'chiH, DourdaInue-aos reforrnadu- 
res do secuIo XYIII-lJidt'rot e Jpan Jac<}lH's nOU
Sl'au. 



DO)! JUIO VI XO HH.\ZIL 


1U1:3 


culo XVl dotara de tanto valor e estinlulara tanta virtudc 
entre a combativa n1ilicia j.esuitica, tudo concorria para 0 
desregraInento do clero, contra 0 qual em vão reagia tenaz:- 
mente 0 respeitavel bispo do Rio, D. J osé Caetano de Souza 
Coutinho, prelado de lnerito pela conducta exen1plar e pelo 
zelo apostolico, e homem de boas lettras, familiar com os 
classicos latinos e os bons auctores francezes. 
Este e outros perdianl muito 0 seu tempo, é casa de 
dizer 0 seu latinl. A libertinagem distinguiria tanto 0 clero da 
lndependencia quanto 0 liberalismo. Freycinet refere que 
muitos dos frades nedios e bem tratados que eUe via de dia 
nlettidos nos seus severos habitos monasticos, envergavam á 
noite trajes seculares para sahirenl á cata de aventuras de 
amor, e que no seu aspecto nlui pouca hun1ildade havia em 
qualquer occasião, affectando unl ar antes marcial que con- 
ventual e primando a altaneria a piedade. Elles cram en- 
tretanto urn elenlento necessario da população porquc, si já 
não representavam a fé em toda sua pureza, ainda reprcsen- 
tavanl a intelligencia na sua suggestiva expressão. 
As ultimas grandes festas da realeza brazileira foraIn, 
enl 18 I 9, as do baptizado da Princeza 'Iaria da Gloria. 
U In cortcjo vistoso como os anteriores cruzou 0 nlesn10 ta- 
blado do largo do Paço entre 0 palacio e a capella; orches- 
tras em abundancia tocaraUl as IneSlTIaS ITIusicas alegres e 
vibrantes; illuminações c fogos de artificio COlllO os outros 
lançaranl os mesmos clarões rubros e j ubilosos. Era a apo- 
theose final. Em 1820 a revolução estalava em Portugal e 
vencia: unla revolução que era anti-brazileira, assiln con10 
fôra uma revolução anti-portugueza a dcbellada sedição 
pernambucana de 1817. 



CAPrrULO XXVII 


A REVOLUÇÃO PORTUGUEZA DE 1820 


a auctor das )l olas Dominicaes andou por Lisboa em 
18 I 6 e das suas observaçães, pontualmente exaradas cada 
semana, resu:nbra um,a vez mais que a questão do dia em 
Portugal era a situação de dependcncia do velho Reino com 
relação ao novo. "As duas partes da monarchia, notava 0 
francez (I), acham-se mais em situação de inimizade do 
que de fraternidade, e na verdade é bem difficil administrar 
dous paizes que quasi não experimentam a necessida,de n1utua 
de uma alliaJ1ça e que, pelo contrario, possuem interesse., op- 
postos. " 
Para Portugal a questão era principalmente de anlor 
proprio, antes mesmo que de conveniencia. 0 antigo Reino 
sentia-se completamente abandonado: decahido dos seus fóros 
tra:dicionaes, sem mais unla politica sua, quasi reduzido a 
não constituir sequer uma expressão geographica européa, 
pois se acreditava geralnl'ente (2) que DOIl1 J oão \rI dclibe- 


(1 I I'artp inpòita dll manus('ripto dt' ToU('naJ'l'. 
(:!) ('Ol'1"p':'j) lO nrl.('onda do consul g'('ral l'IH'arrpgado <1,> npg-odos 
Lcsspps. no .\r<.'l1. do )lin. do:s Xeg, Est. de FraI1f;a. 



1016 


DUM JOÃo Y1 NO BRAZIL 


rara não regressar nlais e nutria a intenção de, depQis de 
esgotar Portugal, já tão depauperado em h0111enS e em di- 
nheiro, trocal-o por uma das possessões hespanholas da Ame- 
rica, convertendo-se a dynastia bragantina n'uma realeza 
c,"clusivanlente americana (I). 
a thermom.etro das esperanças regulava pel os traba- 
lhos do palacio da Aj uda: segundo se acceleravam ou esta- 
cionavam, ;tinha-se a volta por proxima ou indefini,da (2): 
e todos a desejavam, excepção talvez feita de certa classe de 
proprietarios que temiam novos impostos, portanto urn ac- 
crescinlo de encargos, com a presença da côrte n'uma capital 
arruinada, não só empobrecida. 
Para 0 exercito e 0 povo, ahi se tratava de vaidade, di- 
ga-se mesmo de pundonor; de interesse local para 05 lojistas 
e de interesse geral para os armadores e vinhateiros, que estes 
sonhavam com 0 restabelccimento do monopolio mercantil 
brazileiro. Devesse Inuito embora a abo1ição do exdusivo 
commercio nau'tico dos Portuguezes trazer como resultado, 
segundo pensavam alguns economistas da terra, desviar os 
capitaes e os braços para a agricultura e as manufacturas, 
susccptiveis de grande desenvolvimento. Não significava 
isto m.enos que urn manancial farto e facil de lucros havia 
sido estancado n'uma occasião, para mais, em que tudo se 
conspirara contra a riquez?
 nacional, até a recrudescencia 
das piratarias argelinas e 0 apparecimento dos corsarios pla- 
tinos, acabando de csphacelar 0 compromettido trafico ma- 
ritima. 
Portugal .expiav.._ só as velleidades imperialistas do 
Brazil, e as compensações que do Rio the vinham chegavam 


(1) Officio de. LesHPps de 
8 de Fevereiro de l
lK 
(2) Tollenare, parte inedita. 



DO)[ JOÃO YI 1\0 BRAZIL 


IOli 


a parecer eSCarneo. Não se len1brara EI-Rei, em testemunho 
de benevolencia á terra do seu nascimento, de ordenar que nas 
vesti,mentas dos seus criados e nos uniformes das tropas de 
terra e mar SÓll1ente se empregassem productos das fabri- 
cas portuguezas? (I) Entretanto abrira 0 mercado brazi- 
leiro, quer dizer que 0 entregara á exportação inglcza, e 
quando Ihe fallavam no remedio essencial aos males da ex- 
metropole. n' esse regresso que até the curaria as lymphati- 
tes, fazia ouvi.dos de mercador. Não carecia de atravessar 0 
oceano para ter ar do ,mar: bastava-lhe a ilha do Governador, 
que de uma caravella até tinha a forma esguia. Das janellas 
do convento só se en-xergavam as aguas da bahia, salpica1das 
de terras que Ihes quebravam a monotonia, e era tão gostoso 
o peixe de mar servido no refeitorio. . . 
Insuhordinação por insubordinação, j á que tanto se es- 
peculava com a de Pernambuco para 0 dissuadir de ficar, 
tambem em Portugal se cogitava de revoluções, con forme 
andava informado, e muito peor seria qualquer movimento 
n'uma terra esfomea'da do que n'uma terra abastada. E era 
facto que avisos de prevenção tinham subido até 0 gabinete 
real, desacreditando a fidelidade portugueza. 
Depois, como de born grado ren unciar a uma posição 
preponderante como a que Dom J oão VI na verdade occupa- 
va e mais ainda imaginava occupar na America ? l\Ialer não 
se enganava quando escrevia (2) que 0 gabinete do Rio, fas- 
cir.
do tal vez pelos habeis artificios .de Barca, parecia mais 
interessado no papel que se desvanecia de estar descmpe- 
nhando no Novo .l\lundo, do que dispo:;to a retomar sell lu- 
gar entre as potencias do \r elho. ((Em tempo ollvi a este 


(1) Officio cit. de Lc
seps. 

:! I Offieio d(' 1:
 tll' .T111ho dp lRlR, 



1018 


DO)! JOÃO VI XO BHAZIL 


respeito as cousas mais espant03as da bocca do fallecido Be- 
zerra. Este coitado, todo entrevado, não trepidava em en- 
contrar urn novo Frederico 
Iagno e +0.000 homens de 
guerra no Brazil com a 111eS111a facilidade com que 0 Sr. 
conde dos Arcos encontrou depois na Bahia urn exercito de 
Scipiões" ( I ) . 
a afastamento do Rei afigurava-se com boa razão a 
Portugal a causa capital dos seus infortunios, que mais acer- 
bos se tornavam cada dia. A' situação critica e inquietadora, 
classe alguma da socieda1de escapava. as negocios aped [e- 
ciam e a côrte, quer dizer 0 soberano, notoriamentc affei- 
çoado á sua ex-colonia, accumulava as medidas nocivas a03 
interesses luzitanos e acirrava os ciun1es já azedos, collocando 
o exercito portuguez em pé -de guerra pOl' amor ao Brazil, 
restatelecendo pOl' trez annos a contribuição de guerra, a 
saber 0 quinto sabre todos os rendimentos e em todas as ci- 
dades, pOl' causa do Brazil, dispondo successivos embarques 
de forças armadas e equipadas para serviço no Brazil ou 
serviço do Brazil (2). 
Em 1817 tinham seguido 6.000 homens mais para a 
campanha do SuI e logo se pediram mais 4.000, quando, ao 
tratar-se de ida para a America, era necessario proceder a 
Ul11a escolha individual porque nenhum soldado se deixava 
convencer de alistar-se voluntariamente, corre
pondendo 
SC111pre ao convite, cedo transformado em intimativa, urn 
augmento nas deserções. ,Fôra pOl' isso mister recorrer ao 
recrutamento forçado nas villas e campos, a principio discreto 


(1) ,\llusão i'i primeir:l prcc1amac:ã.o '10
 Pf'rnainhlL':\:1:I
: 
h(' lll('U })rimpiro d",'pl' ass(lgnl'ar-vo
 iJ1lf' a dl'\"isa do
 Bahia, 
nos hp-fidelieladl' an mais ql1rl'Ìllo dUH Hri-;-p (IUP cHda sol(]a(L) d:t 
ßnhi:t srl'i"l hum Sripirìn (In ro.q.<w lnil,II....,." 
I(
) ()ffi,cio c'Îf.1':1I1o r]r Lps::;pp!'l ell' 

 (]p .\hril d,' 1St.. 



DO
I JOÃO VI NO BR.AZII.I 


1019 


para não excitar reclamações demasiado vivas, logo exe- 
eu tado com gana, tendo sido revogadas as isençães conce>didas 
'Por privilegios parti,culares. Ainda assim, de modo algum 
se puderam arran jar os 4.000 soldados: apenas foram, a I-t 
de Agosto, 2.900 homens de infanteria e urn destacamento 
de engenharia. 
Para 0 thesouro todas essas despezas - expedição a 
Liorne para buscar a Princeza, bloqueio de Pernambuco, 
guerra de l\lontevidéo - eram umas tantas sangrias dadas 
a urn anemico de ultimo grau, que só á força de expedientes 
se mantinha de pé. Para 0 emprestimo de quatro .milhões de 
cruzados a que em 1817 houve que recorrer com urgencia, 
só se encontraran1 subscriptores p
ra milhão e meio, apezar 
do ) uro . razoa\ T1 el ,de 6 %, ,de uma taxa especial de garantia 
rio seu serviço - 15 '% sobre generos salgados, ,queijos e 
manteiga de importação - e das instancias da R.egencia 
junto aos principaes negociantes e capitalistas de Lisboa. A 
operação ultimou-se porque a Regencia distribuio á força 
o restante do emprestimo por aquelles mesmos tornado res, 
que se consolaram da violencia com a idéa de que 0 dinheiro 
serviria tambem para se armarem fragatas destinadas a pro- 
teger 0 commercio portuguez contra os corsarios de Artigas. 
Em 18 I 9 recusou porém a Regencia muito respeitosa- 
mente obtemperar a outro pedido real, de mais 5.000 ho- 
mens, parecendo-Ihc in1possivel recrutar mais gente para urn 
serviço que a todos repugnava e quando no paiz, constante- 
,mente sob a ameaça da Hespanha. se reduzia 0 effectivo 
arn1ado ao estricto necessario. 
Em dinheiro não havia mais que pcnsar; 0 que sobrava 
de negociantes ricos da capital transferia seus fundos para 
França, para livrareln-se de novas c:\.igcncias, e até fallavam 



1020 


Dtß( .1oIn YI 
() BHAZIL 


enl l11udança para lá (I), aggravando COIn esse rcato de 
trasladação - depois dos fidalgos, os ll1ercadores - a acri- 
I1lonia popular. 0 povo, ainda que pobre, sente como S1 sua 
fosse a emigração da fortuna. J á parecia demais. 
Soldados que iam para 0 Brazil) lá ficavam COll10 colo- 
nos) si e
capavam dos combates; navio que para lá fosse) 
tambem fÌ'cava para guardar e alargar 0 dominio pelo qual 
se pef'dera de aIll0reS 0 monarcha fidelissimo, cujo proceder 
para com Portugal, escrev.ia de Lisboa Lesseps (2), pro-' 
vava cada vez nlais que the importavalll pouco seus desrinos e 
Que sómente buscava utilizar todos os seus recursos para di- 
latar os estados reaes na America. N a reali.clade qualquer 
Inovimento portuguez tinha que ser unl l11ovim.ento separa- 
tista e j ustific
do pdo brazileirismo, de sentÏ1nentos e de in- 
teresses, da côrte de Dom J oão VI. 
Quando urn dia - tão patente se fazia a tendencia- 
\laler quizera carregar a fundo sobre Barca a proposiro da 
expedição do Rio da Prata e aventara como uma consequen- 
cia provavel e funesta da politica do gabinete do Rio-leur 
G'l'flnt-poste - foi-Ihe friamente respondido que 0 gov,erno 
se achava preparado para tal eventualidade, que se não as- 
sustava com ella .e que de coração leve renunciaria á Eu- 
ropa, ficando de todo flmericfino (3). 
Tão deliberado parecia 0 proposito de despovoar de 
defensores e reduzir á miseria extrema os antigos estados da 
monarchia, em \Tez de acudir-Ihes 0 soberano com sua pre- 
sença, que chegou a correr a ter-se por verdadeiro 0 boato de 
haver Dom J oão VI feito appello á nobreza, auctorizando-a a 
alienar seus morgadios europeus c transferir-Ihes 0 producto 


(1) ('orresp. d(\ Ll'
!,;(\1>s, i1Jitl cm. 
(.:n OffÏ'cio de :! ùe 
Iaio ùe 1 Sl 'j . 
(
) ('orr
!':p, ell\ 
la10r, 11,;,TII'11/, 



Dr)M JOÃo VI NO nRAZTL 


1021 


,para 0 Brazil. J á os rendimentos da Real Casa e ,das casas 
nobres passavam regularmente além-mar e lá se consumiam, 
indifferente 0 Rei ás representações da Regencia e ás suppli- 
cas dos negociantes para se estabelecerem em Lisboa urn 
porto franco e urn entreposto com os favores indispensaveis á 
navegação e commercio em ,crise. De seu lado 0 recrutamento 
não só irritava os animos, COIHO rou:bava á lavoura Ibraços 
nUlnerosos, quasi se tendo já por preferivel, em muitos casos, 
deixar bal,dios os terrenos do que cultival-os com tanto onus. 
o agastamento assumira at
 a fonna de cartas anony- 
Inas dirigidas au jui
 do Povo, em qUf' Sf' lhe Jecl:uava, en1 
nonle da pop1l1ação, que esta não sanccionava disposições tão 
vexatorias e tão adversas ao henl estar do Reino e se opporia 
a ellas com toda a vehem'encia do desespero. (I) \Tista a 
esta luz, a conspira(ão de GOInes Freire fôra uma manifes- 
tação não só anti-estrangeira ou patriota conlO anti-dynas.. 
tica ou democratica. A opinião corrente era hostil ao Rri, pro- 
testando-sf' ás claras que () rpcehpria lnal n paiz, que era 0 SPU 
nlas que elIe tratara conlO illi/lligo
 caso a juncção do governo 
rebelde de Bueno" A} res conI Artigas desse e_
ll resultado a 
invasão do Brazil e uma nova fuga da côrte, d'esta vez para 
Lishoa. 
As incertezas .do monlento traduziam-se nos boatos l11ais 
desencontradus: ora que a Regencia ia por sua propria aucto- 
ridade e iniciativa destituir Beresford e avocar as responsabi- 
1idades do manda, ora que ia pelo contrario resignar seus 
poderes nas nlãos do que se poderia então conl plena justiça 
denominar proconsul britannico. N a phrase e'\pressiva de 
Lesseps (2), a força de inercia e 0 risco da sua destruição 


(t) Officio cifraòo cit. de 22 ÒP .\hril df' 1817. 
(2, Ot'fiocio cifrallo Jl' I P5
't"pS d.' 21 de }1't:>'
.t'rpiro de lS]
. 
D. J. - 61 



1022 


1)0)[ JOÂÜ VI NO BRAZIL 


eram os unicos eixos sobre que se mOVla esse desgraçado pe- 
queno estado. 
Em certos meios ]d. se ia até ao extrema de despedir 
toda su
ceptibili'dade de independencia e encarar sem relu- 
ctancia a união iberica, de ordinario tão antipathica. Parecia 
rnais digno este casamento de conveniencia dos dous POV03 
rivaes, pondo cobro a uma tensão sete vezes secular, do que 
o prolongamento da subalternação ao Brazil. No fundo, a 
imp-edir qual-quer reconciliação de interesses, senão de .affe- 
ctos, sobre a ,base da segunda formula, j azia insistente e 
irritante 0 problema do monopolio. 
A idéa ou mesmo proposta de restabelecel-o indirecta- 
mente, fazendo os generos brazileiros pagarem á sahida, 
para qualquer paiz que não fosse Portugal, unl direito espe- 
cial igual ao que os tributaria si como antigamente tivessem 
Lisboa por escala, não tivpra acceitação. (I) Seria restituir ao 
Tejo a perdida primazia, mas ás custas da colonia cleva'da 
a Reino. 
Tornava-se pr.eciso vingar a rr\'olução liberal para que 
se pensasse a serio na reconstrucção do derrubado edificio 
econOlnico, invocanJo-se 0 principio de que n'urn govrrno 
representativo a colonia não poJe ser livrelnentp tratada 
ou se não acha exclusivamente á m,ercê do soberano, consti- 
tuindo propriedade COlnmUl11 da nação, sobre a qual exerce 
esta direitos e possue voz activa: mais ainda, pois, como era 
o caso, as Côrtes personificavam ellas sós a soberania nacio- 
nal. 


.Seria injusto calar, a par dO$ aggravos Je Portugal, a 
difficuldade da tarefa cabida a DOln João VI. Tollenare selTI 


(1) Tolle-nare, parte Ined.1ta. 



Dü}{ ..TOÂO VI NO BRAZIL 


1023 


hesitar Ihe reeonheeia tal earaeter, afigurando-se-lhe bem 
eomplieado ser a Uill tempo Rei de Portugal e Rei do Brazil 
e proeeder paternalmente Ipara com dous povos com designios 
tão antagonieos, urn d'elles só podendo viver -de monopolio, 
o outro só respirando com sua suppressão. Uilla vez eonheeido 
o Brazil, nlais se the radieou então esta impressão. 
Entre as notas tomadas na Bahia, eneontra-.se a se- 
guinte: "Das difficuldaldes que off-ereee 0 bello thema da 
prosperidade passivel do Brazil, uma ha que sernpre me ferio 
vivamente, a da combinação de tal prosperidade com a do 
Reino Unido de Portugal. TùJas as fOrInula:; que dizelll 
respeito a senlelhante hanllonia appareeenl-lue n'lIma contu- 
são tão granJe, que nle sinto invariavelnlente suecumbir 
diante do esforço preciso para deslindar a verdadeira, quando 
d'isso cogito. Existem selll duvida principios que devem sen.ir 
a levantar 0 eJificio da união: quereria possuir talento e 
lazer bastantes para pesquizal-os; mas renuncio a tanto, pdo 
n1rllOS :por elnquanto" (I). Ao voltar ao aSSulllpto, já eneol1- 
traria (J Francez a solução do seu prohlema prejudicada pela 
separação. 
N'lIIl1 ponto só se ajustavanl os sentinlentos collecti\'os 
do... dOBs povos, 0 portuguez e 0 hrazileiro: na antipathia á 
Tllglaterra. ()s Portuguczes rangiam os dentes por ver Ullt 
general inglez oceupando de facto 0 lugar do soherano legi- 
tilno, que a R-egehcia só 1100ninaimente representava. Para 
os Rrazileiros constituia a lnglaterra 0 obice maior á conti- 
nuação do trafico negro, que interessava quasi toda a gente 
e -que quasi toda a gente-rarissinlas eram as eÀcepções- 
desejava cordialnlente ver prolongar-se 


(1) Toll('nare, parte inedita. 



1024 


DO
1 JOÃO VI NO BHAZIL 


"E' como se fosse sua ultima taboa de salvação, escrevia 
um sagaz viajante. (I) Prima qualquer Ü'utra consideração. 
Portugal e H.espanha, lnglaterra e França, \Vellington, 
Bonaparte e 0 Principe, pode tudo ir parar nas profundas, 
comtanto que se não toque no querido trafico, objecto dos 
seus devaneios na vigilia e dos seus sonhos no S0111no. Argu- 
mento algul1l teln po-der para rOlllper esta ligação, exce- 
ptuado 0 da força, que é sempre uma mediòa aspera e por- 
ventura pouco justificavel, consi'derado 0 ciume alimenta'do 
da nossa influencia nos conselhos nacionaes, a qual todos, 
estadistas e InercåJores, ecclef':asticos e soldados, anhelml1 
por ver diluinuida. Nossa popularidade está na vt'rdade sus- 
pensa apenas de urn tenue fio, porque a peculiar união C0111- 
mercial com a Grã Bretanha tt'1l1 sido apodaJa de tão prej u- 
dicial por alguns dos publicistas da terra que, si 0 go\'erno 
fosse de indole 111ais popular, senl Juvida de ha muito ella 
se acharia Jissolvida." 
Da lnglaterra provinha j ustamente 0 nlais forte empe- 
nho para que se não desatasse 0 laço ljue unia Portugal au 
Brazil. N as suas reflexões d iplonuticas (2) ,dizia 0 n1ar4uP
 
, . 
{I
 Saint Silllon ser eviJente (Iue uma lnon:uchia conl 0 
oceano de pe:rnleio entre as suas metades, se achava virtual- 
mente entregue á prepotencia da Grã Bretanha, a qual do- 
minava suas communicações. Por isso instava tanto 0 gabi- 
nete de Londres, para que se não desligasse Portugal do 
consorciu, pelo regresso Ja côrte. Que futuro inJependent
 
teria, porém, 0 velho Reino esgotado, di vorciaelo ,da sua 
dynastia nacional? A Hespanha nenl tempo the daria para 
qualquer tentativa. Ainda 0 Brazil tinha por si urn desenvol- 


(1) Prior, ob. cit. 
(.2) Arch. do Min. do.s Npg. Est. de França. 


.. 



DO)! JOÃü VI NO BRAZIL 


1025 


vÌnlento que cada anno mais se accentuava, e melhor base se 
não p0'deria offcrecer a uma forma autonoma de governo. 
o enlbaixador em perspectiva de Luiz XVIII pensava 
que á França pelo contrario, já que não visava a dominar 
politicmnente, nlais conviria a desaggregação do Reino U nido, 
pois assim se the antojava no Brazil 0 ensejo de conquistar 
Ulna posição econonlica ao mesmo tempo que se lhe abria 
em Portugal a opportunidade de recobrar, em beneficio mer- 
cantil, a influencia de antes do. tratado de :L\Iethuen, que j á 
fôra d ictado sobretudo pela preoccupação portugueza de pro- 
teger as possessões transatlanticas. 
Por lneio de UI1la alliança COlIn a côrte de Lisboa, logra- 
ria alélll do Inais a de Pariz pesar sobre a Hcspanha e recupe- 
rar os meios de acção que, segundo Saint-Simon, "a: situação 
actual torna 111ais necessarios." 1\len0'5 de quatro annos depoi5 
a F'rança intervinha com effeito além dos Pyreneus, co- 
lhendo 0 Duque d'Angoulênlc os faceis louros do 'rrocadero. 
França e Inglaterra cOI1'cordavaIn no emtanto em con- 
siderar infensa aos seus interesses a união iberica, que a ambas 
reduziria de metadc as possiveis vantagens politicas e C0I11- 
merciaes. E1n Portugal era esta tarnbenl a solução temida 
pelo nlaior numero e que 0 ranCDl nacional attribuia igual- 
111ente ao Brazil, pois lllcrcê da Banda Oriental fôra que 
chegara a conccntrar-sc na frontcira um cxercito hespanhol 
contra 0 qual 0 vclho Reina, para garantir a sua autollOlnia, 
s() en
ergava arnlas, .desproporcionadas na quantidade Inas 
talvcz superiores na qualidadc, no valor disciplinado do seu 
exercito reduzido e n? desespero patriotico da sua população. 
A Hespanha tinha conltudo U111 objectivo 11lais renloto 
e nlenos singclo du que a annexação portugueLa, a qual seria 
unI alilnento delnasiado forte e1n seu estada de debilidade. A 



10']6 


DO)[ JOÃO VI XO BH
\ZIL 


idéa do seu governo era sem duvida em primeiro lugar ro- 
bustecer as reclamações feitas no Rio sobre a occupação do 
territorio platino, mas não era menos levar a Regencia portu- 
gueza a reter na Europa algumas, quando não muitas das 
tropas que .poderiam ir reforçar 0 exercito em operações na fu- 
tUfa Cisplatina. 
Entre os liberaes hespanhoes, n'aquelle momenta sub- 
j ugados mas scmpre alerta e conspirando, 0 ideal iberico era 
o da associação voluntaria. Si intrigavam enl Lisboa, era 
para que ahi se comprehcndesse a utili.dade de resistirem 
juntos os .dous paizes aos muitos que combatiam os novos 
principios. U 111 a vez d,c posse da adlninistração os liberaes, 
no anno mesmo de 1820, a conveniencia era grande de evitar 
que na capital do Reino visinho, continuando apegada ás vc- 
lha.s instituições, se fundasse Uln centro (Ie reacção contra 
o regimen con
tlitucional, quasi repuhlicano, ,de Cadiz. 
Eis porqur foratn conspicuas n' essa occasião as cnZQ- 
nas urdidas pelo cncarregado de negocios Pando, devendo-se- 
Ihes 'en1 boa parte attribuir a revol ução portugueza de Agosto 
(I ). A federação iberica é de resto U01a 111irageol po1itica 
que surge sen1pre distincta ao vingarell1 na Hespanha pre- 
frrencias ultra-liberaes e de outro lado avoluIl1ar-se cn1 Por- 
tugal 0 111ovinlcnto denlOcratico. 1\Ioraln1entr é quasi uma 
crise do instincto de conservação, pois que COOl essa miragen1 
é infallivelmente concomitante 0 afastamento nas duas nações 
da influencia ingleza, de ordinario activa na Peninsula e 
preponderante ein Portugal. 
A par do surdo tr3balho hespanhol de solidariedade 
liberal, crescia a olhos vistos a rivalidade entre as dUélS 
secções da monarchia de Dom J oão VI. A correspondencia de 


(1) C<>rresp, de Lòss
'\Ps, ibidem. 



DO:
1 JOÃO VI NO BRAZIL 


!U'27 


Les
eps accusa enl Portugal uma tendencia progressiva para 
a impaciencia e 0 desassocego. J á os soldados destinados ao 
Brazil recusavam embarcar sem que lhes fos.se pago 0 soldo 
devido de mezes, e a indiscip] ina dos militares animava a ex- 
acerbação dos civis. Crescia entre estes a audacia. N as esqui- 
nas appareciam pregados cartazes sediciosos e ameaçadores, 
que denunciavam daros intentos subversivos. 
Beresford, que era quiçá 0 unico com caracter e firmeza 
para canter a rebellião, si pudesse ter completa liberdade de 
acção, e que na previsão dus acontecimentos bem proximos, 
tinha em vão urgido a Regencia a fornecer ao governo de 
Fernando VI I os 6.000 homens pedidos para ajudal-o a 
debellar a revolução .de 
Iarço, disp,,--z-se a partir de novo 
para u Rio (I). Não só não podia levar á paciencia que 0 

oldo das suas tropas andasse tão indecorosamente atrazado, 
corl10, movido taIvez pelo governo britannico, quiz expor 
pessoalnlente ao Rei a situação angustiosa e decidil-o a vir 
inlp
dir 0 estalar de llnla insurreição (2). Ausente 0 lnare- 
chal-que enl qualquer caso estava prestes a retirar-se, pois 
j á fôra nomeado gO\Ternador de Jersey - desapparecia a 
garantia maxima da disciplina portugueza. 
No Brazil ia Beresford descobrir uma corrente pareciJa 
de discord.ia. I-Ia\'ia mais de do us annos que 1\Ialer annl1n- 
ciava para Pariz (J) que uma 111arcada antipathia se mani- 
festa\'a a cad
l pas
o entre os batalhões brazileiros de regresso 
da expedição de Pernambuco e os regilnentos portuguezes 
chegados com 0 marquez de Angeja, e que tinham fica do de 
gU2rnição á capital. Não tendo 0 duello entrado no
 habitos 
luzo-brazileiros, as rixas tomavam a forma frequente do 


,11 '
f'g-nio a -t df' .\bril dE:' IS:!O na fl,agJata de guerra Spa-rtan. 
(:! I Corresp. df' r.Æ'
!-;I>ps. ilJid(,1r/. 
(3) Ofif'icio de :!:! de :\la rço de 1818. 



1U25 


DO)l JO.\.ü VI 
ü BRAZIL 


assassinato e a forma diaria do espancamento, ambas muito 
ao saJbor da tradição nacional. 
Começaram os superiores por tomar meias medidas, dis- 
cursando ás tropas, appellando para sua cordura, publican do 
sentenciosas ordens do dia. Como nada d'isto fosse bastante e 
o mal continuasse e até se aggravasse, 0 governador comll1an- 
dante das armas, na impossibilidade de arredar permanente- 
mente os combatentes, tomou a resolução extrema de 111andar 
apoderar-se e queimar as porretes, instrumentos das aggres- 
sões, sacudindo-se suas cinzas no n1ar (I). 
10 lllais inteUigente historiador do Brazil (2) attribue 
pela maior parte os attritos á basofia portugueza, do seu 
renome n1Ïlitar e da sua sciencia profissional, COIn a qual 
mal se acconln10Javanl a inexperiencia e a desconfiança bra- 
zileiras. Os officiaes do velho Reina desdenhavaul dos do 
novo, negando-Ihes foros de carmaradas, e 0 general Vicent
 
Arbués de Oliveira insistia até de continuo na côrte para 
que 0 accesso aos Brazileiros só fosse conccdido até a posta 
de capitão, sendo todos os lugares do estado-nlaior occupa1dos 
por Portuguezes natos. As cousas chegaram a ponto de haver 
que adiar indefinidamente as lllanobras para se não aCCOl1l- 
Inetterem de verdadc e COIn vontadc heroes de Talavera e 
heroes de Pcrna1l1'buco, para não brigarem pés de ChUlllbo e 
pés dr cabra. (3) . 
As i'déas' liberaes estimulavanl instinctivamente os senti- 
lllcntos nativistas, que tinhall1 por força que acabar pela 
epa- 
ração dos dous Rcinos, Inas craIn SC111 COIllparação 111uito 
nlenoS hostis á realcza no Brazil do que elll Portugal. Pes- 


(1) ()ffido de (Mah'l' de -1 de .\.lJril de 18,18. 
(2) ] I anrtf'Jmann, flh. dr. 
(0) llandelmann, ob, cU. 



DO)l Jo,lo YI 
O BH.\ZIL 


102ft 


soalmente Dom J oão VI nunca deixou de ser popular (I), si 
bem que se não possa conceber que 0 Brazil permanecesse 
regido pelo absolutismo ao lado de Portugal constitucional. 
Verdade é 'que para tal resultado politico no velho Reino 
contribuiria Il1ais do que a corrente idealista que agitava a 
Europa em ancias de reforma, 0 despeito, 0 odio mesmo da 
colonia emancipada. A subsequente popularidade de DOIU 
Ii- 
guel prova como 0 velho 
eino era apegado ao seu tradicio- 
nal regimen politico, de que 0 pretendia libertar uma mino- 
ria infinla de ideologos. Apoz tres quartos de seculo de con- 
stitucionalismo, ainda se não tornou DOln Pedro popular ein 
Portugal: enl vida, então, foi alvo de UIH concentrado ran- 
cor que e-x:plodia até depois de instaJllado 0 governo liberal. 
I 
1\ Iais accessivcl estava 0 Brazil por todas as ci rCUl11- 
stancias, ás blandicias do credo novo. Grande resentiIl1ento 
produzia entre os Brazileiros a situação privilegiada de que 
viam no seu nleio gosarem os Portuguezes, senhores do com- 
mercio, apezar de franqueado, par uma nornla arraigada e 
pOl' luna disposição ao trabalho Iuais forte enl enligrante5 
do que nos da terra, e senhores sobretudo aos serviço
 publi- 
cos que constituianl uma inclinação hereditaria, robustecida 
pela presença da côrte con1 sua larga e ociosa burocracia. 
Ameaçados ou pelo menos invejados, os PortugqeLeS 
cerravanl fileiras, dcfendiam suas posiçães, e 0 bando do
 
assaltantes tinha de recuar, fallando cunl ira em preterição 
official e em dircitos patrioticos aos lucros c ás dignidades. 
Já era ousadia, a desses f.einóes, de virenI au Brazil tOluar 


( I) "'J'"das ltqllpllas novida,dl's pntplC'l<lS rll'\.iam :';1.'1' g-l"a1:1- 
nwntp a1trj,lmidas [I munificl'nrja (frcif' OJ/fide) do monarcha, e llH
 
1-Ü'io com ('ffeifo I'Pff>1'ic1as no geral ('om 0 mais iutimo reconhecimento." 
Tiio gJ'and(' I'ra a 1ihpralic1adf> 1'('31, (llll' l1a 
l1a não longa 
\stada no 
n)'a
iI qnasi dp
hara1ou em (ImH:òl's a
 11'1Ta
 do 1'l'al Jlat1'illl0l1io na
 
pro\'incias do Rio, rSåo l"aulo c )linas 'Ül'rars, (ll.allt1relmann, ob, cit.). 



1030 


DO'! JÜÃO VI XO BR
\ZIL 


desforra do que lhes arrebatara com tanta justiça a trasla- 
dação da côrte, seguida da elevação do Brazil a Reino... as 
proventos e os cargos deviam d'ora avante ser reservados aos 
filhos da terra, ou a graça concedida ficava sem significação, 
tornava-se irrisoria. 
Assim raciocinavam os pretendentes, que eram legião, 
e suas anlbições echoavam n'um ambiente sYlllpathico, porque 
o interes
e era de todos. N as provincias- Handelnlann 0 
recorda com justeza-aggravavam-se estes sentimentos de 
crú nativisnlO COIn outro, que era 0 do bairrisnlo ou orgulho 
local ferido pdas vantagens colhidas pdo Rio de Janeiro, 
que as capitanias estavam tão pouco aco'Stumadas a conside- 
rar capital do Estado do Brazil, quanta aquella mesma cidade 
a j ulgar-se côrte, ao que a crguera sua nova posição. Algu- 
mas das provincias ou muitos nas provincias preferiam ainda 
assill1 ser sua terra colonia portugueza a ser colonia flulni- 
nrnsc. 
A esta inlpressåo ubelleceria aliéls Dom J oão VI, quando, 
na im!possibilida'de de penllanecer eEe proprio a tentar fazer 
frente ao furacão liberal, desencadeado no Brazil, com suas 
meias medidas benevolas e astutas, decidio que 0 filho fi- 
casse para se arvorar em centro da agitaçãü e unificar as 
velleidades dlspersivas de indf"pendencia, respigando os bene- 
ficios da separação e ilnplantando a corôa imperial onde sell1 
rUe teria brotado 0 barrete phrygio. A intuição do R'ei foi 
profunda e não the cabe duvida, pois que consta da corres- 
pondencia ulterior entre pai e filho, gradualmente apresen- 
tada ás Côrtes installadas em Lisboa pela revolução victo- 
riosa de Agosto-Setembro de 1820. 
Dom J oão disse ao coronell\Ialer que as noticias que de 
Lisboa the trouxera Beresford tinham sido para elle uma 



DU)! JUÃO v l KO nR
\ZIL 


11131 


cruz.l mas não se resolveu a regressar, que era 0 que em 
Portugal se esperava resultasse da nova viagem do marechal 
ao Rio. 0 Rei hesitava, usava de subterfugios e ensaiava 
unla diversão-"tres possible d'apres Ie caractere de Sa l\la- 
j'esté," comll1entava l\Ialer para Pariz-ao objecto da missão 
accordada com a Regencia, inculnbindo provisoriamente 0 
enviado de inspeccionar e reorganizar 0 exercitu brazileiro, e 
os estabelecimentos I1lilitares taes COino hospitaes e armazens. 
Para Portugal mandava-se entretanto algunl dinheiro, 
afinl de se ir saldando os atrazados do exercito portuguez, 
e cogitava-se de uma carta regia abrindo no Brazil Blais facil 
e vantajoso 111ercado aos productos agricolas e industriaes 
de Portugal com isentar-Ihe de toda taxa as fazcndas de 
propria manufactura e sobrecarregar de ilnposto os vinhos 
estranJ!ciros. (I) 
A situação tornara-se, porém, grave. A revolução de 
Cadiz propagara-sc Inoralmente; a agitação nas provincias 
era ainda Inaior do que ,em Lisboa; a solução Cadaval apre- 
sentava-sc francalnen
e, não parecendo r.epugnar á duque7a 
mãi 0 pape! de Luiza de Guzmán, e da Hespanha 111ais e 
mais se atiçava, por meios ostensivos e secretos, a rebellião, 
constitucional muito en1bora, porque ella propria continuara 
5endo uma Inonarchia posta que ultra-liberal. 
Bcrcsford - cIle mrsmo () dec1arou a 
laler (2)- 
viera lealnlcnte prevenir Dom J oão VI de tudo isso e pôr 
debaixu dos seus olbos 0 quadro exacto dos soffrimentos e 
queixumes portugueLes, no intuito de que 0 Rei lhes valesse, 
cOIneçando por livrar da decadencia .e do abandonu a Iavoura 
'e 0 comnlercio do velho Reino. Si ao monarcha contrariava 


(1) Officio de )Ialpr d(' 
O de' .fnnho de lk:.!O. 
(:.!) Officio de 30 de Jlliho de l

O. 



1U32 


DO)l J01ü VI 
O HHAZIL 


tanto a volta, que mandasse en1 seu lugar 0 Principe Real: 
a sal vação podia effectuar-se Sell1 essa condição, 111aS 0 pe- 
nhor seria precio
u das boas intenções do soberano. 
Esta ultinla reHexão foi quanta Beresford manifestou ao 
encarregado de negocios de França, calando que se occupava 
de pronlover a realização do al vitre. N en1 l\Ialer the per- 
guntou por lllais porque, na sua phrase, "Ie maréchal n'est 
pas un hornnle á questionner. il faut se contenter de ce qu'il 
veut VOllS dNe." 
Dorn João VI negou-se a deixar partir Don1 P.edro, si 
bel1l que fosse conselho instante de \Vellington-e nenhunla 
opinião lnais aucturizada. ou que nlaiores proba:bilidades ti- 
vesse de ser executada-que 0 lnarechal devia volver Sell1 de- 
nlora a Lisboa afim de parar os golpes de UOla revolução que 
j á era inevitavel, seguindo-o, pOréll1, de perto 0 herdeiro da 
corôa (I). Beresford foi 0 unico a partir no TT ellgeur
 unl dos 
navios da divisão do cOlnnlodoro Sir l"'homas Hardy, mas para 
encontrar consumll1ado 0 movinlento. 
Soubera-se em !'Jortugal que 0 marechal era portador 
do resto da divida ás tropas e a informação fez apressar 0 
levante, po is receiavanl seus promotores que, pelo principio 
de eessada a causa, eessar 0 effeito, 0 pagamento acalmasse a 
effervescencia entre os soldados e apagasse 0 descontenta- 
ll1rnto. A J UI1'ta liber::d nem permittio ao olareehal des- 
enlbarcar. N a barra mudou de e01barcação e singrou para 
lnglaterra no Arabella. dri '\ando porventura Ulna unica 
pcssoa salHlosa cntre tantas que Ihe faziall1 a eôrtr-"la tres 
jolie et fringante épouse" de lun funccionario portuguez, da 
t}ual era ,Beresford notoriall1cnte mnante (2). 


(1) Officio C'irrado de T.I('
'
".p
. de' 1::; de Xovclllùru de 1820. 
(:!) Tollenarc, pa.rte inedita. 



DO\t JOÃO VI SO RR.\ZIL 


111:
3 


As doações e dignidades conferidas pelo monarcha ao 
commandante estrangeiro do exercito nacional, e bem assiI11 
as graças e honrarias dispensadas aos seus partidarios, de 
quem con10 era natural se occnpara exclusivan1entc 0 mare- 
chal, mais tinhaIl1 acirrado os odios no meio indisciplinado e 
apaixonado ,do Reino eI11 rebellião. 
DOln João \71 ficara comtudo cr'ente de que a presença 
de Beresford, provido de bOin metal sonante, conciliaria a 
agitação, de que the tinharn chegado as primeiras e inequivo- 
cas novas, a 17 de Outubro, por lun brigue de guerra portu- 
guez, cuj as cominunicações COIn a cidade foraI11 iminediata- 
mente veùadas. 1'ão esperançado andava 0 Rei. qUf' se não 
affligio nrnl deu rnostras de Inaior inquietação. [)a ilha do 
GüvernaJor, oncle se achava e onde Ihe foram parar os des- 
pachos, veio no dia seguinte para São Chri
tovão, nacla ann- 
rnunicando do occorrido á familia e guardando segredo para a 
propria gente de sua privança. As noticias rspalhavain-se 
entn
tanto na capital graças á correspondencia trazida pelo 
navio de guerra -britannico La Cr[.(jle
 entrado na tardinha 
de 18. 
Eln contradicçãu com sua indolf' moderada 'e clf'mrnte, 
o Rei tinha aversão aos regiinens liheraes. N'.e
te ponto, conlO 
obscrvava l\ laler, deixava dt' raciocinar Conl 0 seu bUln 
sensu do co
tume. A e'\pressão - constitucional - soava 
odiosarnente aos seus ouvidos, talvez purque "iinhuido de 
certos principios, quiç.í furtaleci.do pela sua consciencia" ,( I ), 
não fonnava sequer idéa clara e precisa de ulna l110narchia 
que não fusse a absoluta, em cujas nlélxin1as fôra rducado. 
'.1\lalp[ conta que n1ais de Ul11a vez ten tara, llesl1e 181 S, 
inspirar-Ihe idéas n1enos desfavoraveis COIn rplação á partici- 


( 1) Officio Ill' 
In]t'r dí' 
:-: dí' 
Iaio de 1 H20. 



1034 


DO:\l J010 VI NO BR.\ZTJ... 


pação da nação no governo, expondo com geito e cautela as 
nuções prelinlinares da esseneia e modalidades de un1 regi- 
men pelo qual se estava dirigindo a França; lnas que DOll1 
J oão VI, 0 qual seillpre 0 eseutava com extrema bondade, 
repellia logo qualquer insinuação d'esse genero, pelo que LOIn 
111Uito pezar e só eonl 0 reeeio df' tornar-se importuno, ces- 
sara havia mUlto 0 agente dipIomatico de discorrer sobre 
essas verdades politieas. 
Acontecia agora que ehegava a occasião decisiva sem 
que pudesse ser aproveitada pelos dous rlernentos que, longf' 
de se harmonizarelll, se oppUnhaIll irreconciliaveis. 0 sobe- 
rano-descortinava l\laler pf'rfeitamf'ntf'-Seln urn conse- 
Iho d'Estado ao qual recorrer, privado de qualquer entidade 
intermediaria que lhe fosse dado consultar, só se decidiria 
na ultim
 e
tremidade a dotar Portugal de fa\ ores que lhe 
parecerialn enormes, na realidade palliati\'os que á dlstaneia e 
nas cirCUlnstaneias dominantcs 
)1"oduzlriam antes 111aI do que 
ben1: senl eSQuceer que uma sedição portuguf'za daria 0 signal 
de uma perturbação perlgosa no Rrazll. 
" Pessoas as lnais distinctas por sua cathegoria, f' cargos 
affirmanl-me que nas provineias do Norte, printipahllentf', 
existe Uln fermento de descontentarnento e lnal estar que> é 
para temcr-se,; ollvi este desabafo IneIancholico a grandes da 
côrte, officiaes generaes e altos 11lagistrados; n'uma palavra 
todas as pessoas cuj as ùpiniões são de valor, achain-se tran- 
. 1 d . I ,. " ( ) 
SH as e susto e JU galll-se n Ulna cfIse pavorosa I. 
Dom J oão VI era 0 unico optilnista, e do genero volun- 
tario, que é 0 mais difficil de se deixar abaIar. Bastava 
ouvil-o exclan1ar com alegria ao representante da França, 
quando se soube que 0 Rei da Prussia se nrgava a outorgar 


(1) Officio eft. de 2? de Malo de 1820. 



nO:\f 
roi\.o YI 1\u BRAZIL 


1 u:{;) 


uma constituição ao seu povo: "Les journaux et les amateurs 
de changeinens diront ce qu'il leur plaira, mes nouvelle3 
de Berlin sont positives et les choses vont tres bien" (I). 
Para ganhar tempo, e tambem porque no fundo peree- 
bia que a Questão entrara n'uma phase seria, ainda que espe- 
ranços'O do desfecho pela acção de Beresford-appello ao 
vigor albeio proprio de urn temperamento pusillanime-o 
Rei pedio por escripto a opinião de varias pessoas: fóra os 
duus o1Ïnistros, onze, no numerrü dous fidalgos da sua casa, 
quatro magistrados, 0 bispo e 0 intendente de policia. 
A sua finura como que se ,extraviara, e a 
ua prudencia 
tanto se desaprulnara COOl 0 balanço, que degenerava n'es
a 
enlergencia na mais improficua vacillação. 
ão se prepara-ra 
bastante para 0 golpe, a que f.echara intencionalo1ente os 
olhos; 0 seu espirito não quizera encarar assaz a conjun- 
ctura de UOla desunião da sua monarchia pela corrosão de- 
olagogica, como n'outros tem/pos encarara a partida para 0 
Brazil, a que proolptaolente se acostuolara, tanlbem porque 
lhe era syrnpathica a hypothese. Agora perdia dias ein hunen- 
tar-se, condemnar a ingratidão dos que tinha:m desnorteado 
o po\'o portuguez. De facto procedia como unl nullo quem 
tinha perspic;(cia para traçar sua rota, queln levara as cou- 
sas do Rio da Prata até 0 desenlacc cIa eneurporaçåo da Cis- 
platina, com a legalização da qual ia reinatar seu reinado 
aowricano. Ð'esta \"ez, poréln, I\Ialer nota va com accrtu que 
I)01n J oão "expcrimcntava 'uIlla sensação pcnosa c unl<l certa 
reluctancia a exaluinar a questão na sua verdaJei ra luz." 
Força Ihc era entre tanto acudir ao aSSUInpto. l)os pareee- 
res pedidos-treze au todo-oito opinavalll pela partiòa do 
Principe Real, soIução que agradava mcdiocrernrnte a OOin 


(1) C Hfi('fo dl' \[31t-'r dl' 17 Ill' Ontuhrn clt' tS20. 



lO
6 


. DO)l JOÃO YI NO BRAZIL 


J oão VI, posto Ihe não desagradasse tanto quanta a do seu 
proprio regress'O. In1aginou porém arcar sósinho com a tem- 
pestade. 0 brigue Providencia
 que a Regencia Ihe despa- 
chara, devia singrar de volta a 29 de Outubro (I). 0 Rei 
na vesper'a encerrou-se na sua camara, s-em ouvir qualquer 
dos conselheiros habituaes, neln rnesmo Thon1az Antonio, 
e redigio sua resposta ás communicações de Lisboa, lnandan- 
do-a para bordo alta noite por pessoa da sua confiança e 
velejando a elnharcação pela madrugada (2). 
Só se sabia então no Rio do levante do Porto, extenden- 
do-se a algumas localidades do l\Iinho. A gangrf'na não pare- 
cia ainda gf'ral. DOI11 J oão declara va, conl sua natural clenlen- 
cia, conceder alnnistia gf'ral aos rrvoltosos ,e, corn sua não 
tllenOS natural argucia, auctorizcar as côrtes convocadas pela 
annuencia dos .ex-governadores do R'eino, sen1 cOIlltUJo escon- 
der sua surprt'í'a de tal con\'ocação, inconlpetente sen1 0 con- 
curso da sua real grandeza. 
J ulgando poder conter e dirigir 0 movimento-illusão 
commuln nos governantes, que se repete em cada crist" consti- 
tucional - ordrnava que, tf'rnlinadas as sessões da asseln- 
hléa, Ihe fossrm apresentadas as queixas da nação, para que 
as remediasse, e as propostas fornluladas, para qut" as sanc- 
cionasse a corôa. Depois partiria elle, ou UIn dos sellS augus- 
tos filhos, a applicar as resoluções adoptadas, com a condição 
todavia que pelas noticias subsequentes 0 soberano adqui- 
ris-se previamente a certeza de que semelhante deliberação 
não f'xporia a perigos a digni,dade real. 
A prevenção era prudente, pois acontecia que no Rio 
rnesmo essa dignidade se estava desprestigiando conl uma ra- 


(1) Chegou a Lisboa a 1 G de De7f'mbro. 
(2) Cùrrp:;p. d
 Maler, ibillem, 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


1037 


pidez quasi fulminante. Conta 1\laler (I) que a população, 
de respeitosa que era da realeza por natureza e por habito, se 
tornara insoIente e tu:rbuIenta desde que se inteirara Jos 
primeiros acontecim.entos de Portugal. Choviam sarcarmos 
e borbulhavam pasquins ridicularizando a confiança mani,. 
festada pelo Rei no restabelecÏ111ento da ordem e das formas. 

lanifestada, melhor se diria apparentada. 0 silencio 
real, observado para com 0 proprio Principe Dom Pedro, 
denul1'ciava va'cillação nlais do que astuc.ia. N a incerteza das 
cousas, Dom J oão refugiava-se na inacção, fiava-se na Pro- 
videncia e achava ganho nas demoras. Quando a 12 de No- 
velnbro 0 alcançaraIll, COIn Ulna travessia de -++ dias, no 
brigue de guerra Infante Dom Sebastiiio, as novas do suc- 
cedido enl Lisboa, ficou porém succumbido. A fatalidade 
podia mais do que 0 fatalismo. 1\1 aler participava ao seu 
chefe enl Pariz (2) que se rf'tirara Ja ultilna audiencia de- 
véras 'pczaroso, porquanto 0 Rei estava por forIlla tal im- 
pressionado e abatido, que era ponto de duvida si con- 
seguiria n'.aquella condição deliberar e agir de modo con- 
veniente. A finura ficara annullada pela fraqueza. 
Não querendo imputar ao Rei as responsabilida'des, 
culpava 1\ [aler 0 seu gabinete - ulna cousa que benl sabia 
l1:io existir - de ter fechado voluntariamente os olhos ao 
dissabor progressivo da nação portugueza, desprezado 0 
aviso da revolução hespanhola, perrnanecido perplexo ante 
a revolução portuense e de todo descoroçoado com a noticia 
da insurreição lisbonense. Tomar urn expediente, philoso- 
phava 0 encarregado de negocios de França, é sobremaneira 
difficil quando nada está preparado, tudo falta e se reputa 


(1) Officio de 10 dE' 
ovt'mhro Ùf' 1 S
(I. 
(
) Offi.eio dt' 1;j '{]p X on'mùro l1l' 1 S=.!O. 


D. J. - (3:1 



1038 


Do-
I JOÃ 0 VI NO BRAZIL 


impossivel qualquer tentativa, e esta é a triste situação do 
governo. 
l"ão evidente era, que d'ella se ia apercebendo perfeita- 
mente 0 publico: tanlbenl os cartazes e as diatribes ll1Ultipli- 
cavam-se espantosamente. Tudo indicava que não tardaria a 
explosão do vulcão sobre que se repousava. 1Iedidas tranquil- 
lizadoras, ninguenl as tornava no nleio do torvelinho, ao Rei 
competindo aliás adoptal-as. N enhum systema se procurava se- 
guir no Paço, nenl se organizava urn governo forte para con- 
jurar os apuros. 0 espectaculo era lamentavel, de uma tão 
singular apathia que não logravam sacudir os inimigos já 
confessos da situação, muito menos os que ainda andavam á 
espreita de urn ensejo para lançarem 0 repto. N a verdade 
porém 0 poder só exhibia indetenninação, sujeitando-se a ser 
dominado pela força dos acontecimentos. 
laler surprehen- 
dia-se com razão de que nem se effectuassem prisões entre os 
que de noite affixavam boletins incendiarios ou durante 0 
dia parolavam em termos sediciosos. 
Enl Lisboa calculara-se mais reacção por parte do 
throno. Era até voz geral (I) que Dom J oão VI solicitara 
da Inglaterra 0 auxilio armado estipulado pelos tratados de 
alliança e de garantia para as graves enlergencias nacionaes. 
De facto a politica britannica buS'cava, como está nos seus 
habitos intelligentes, tirar 0 maximo proveito de circum- 
stancias que não favoneara, antes aborrecia. 
Si a diplomacia franceza, na esperança de pôr de lado 
os Inglezes e auferir as vantagens de que estes se achavam 
na posse, mostrava certa sympathia pela evolução liberal 
portugueza, a diplomacia ingleza por sua vez desvio.u do 
movirnento qualquer am'eaça. Sacrificando seus resentimen- 


(1) Officio de Lesseps, df\ 27 de Dezembro de Ih
O. 


. 



DOM ,TOÃn VI NO BRA2U.J 


1039 


tos, eIla até empregou no Rio esforços - os quaes deixava 
que se divulgassem eln Lisboa - para 0 Rei approvar a at- 
titude dos liberaes, que assim 'esperava arregimentar do seu 
lado. A reunião á Hcspanha - provavel no caso da côrtc re- 
sistir, ou dos constitucionaes se nãc- contcntarem com melas 
reformas, as unicas auctorizadas pelo principe que viesse 
representar 0 soberano, ou do duque de Cadaval não alcan- 
çar subir ao throno mau grado as n1uitas syn1pathias de que 
o aureolavam e 0 serio partido de que .dispunha - era 0 des- 
fecho que mais ten1ia e mats desagradava ao governo de 
Londres. 

sta perspectiva se foi porém dissipando por si á me- 
dida que se ia affirmando 0 vigor da revolução, apoiada 
como estava sendo nas classes conservadoras e nas illustra- 
das, nos proprietarios, nos ,commerciantes, nos professores, 
no clero menor, e apenas hostilizada por alguns fidalgos, 
en1quanto 0 povo não perdia suas illusões a respeito. Em vez 
da juncção á Hespanha, por mais que a decepção custasse aos 
que com tal pensamento occulto tinham, sobretudo para lá 
da raia, instigaJdo 0 nlovimento, no que se pensava era na 
reconciliação com 0 Brazil, uma reconciliação imposta e 
pautada pela recolonização. 
A diplomacia portugueza agitava-se no emtanto por 
conta propria, sem esperar pela distancia instrucções do Rio, 
desde que fôra informada dos successos revolucionarios. De- 
bellar a rcvolução hespanhola era em grande parte debellar 
a revolução portugueza, e para debellar ambas, que tinham 
operado pode dizer-se de concerto e se disporiam com certeza 
a resistir alliaJda
, era indispensavel aos partidarios do velho 
regimen recorrerem á intcrvenção estrangeira. as recursos 
nacionaes appareciam insufficientes ou fallazes. 



1040 


DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


lVlarialva, centralizando, como antes d'elle, com a 
auctoridade do seu talento e serviços, costulnava proceder 
Palmella, a direcção na Europa da politica externa portu- 
gueza, não se descuidou de enviar sobre 0 aSSUlnpto circular 
sobre circular ás outras missões portuguezas, e em pessoa 
procurou em Pariz levar 0 governo francez a iniciar Ulna 
cruzada legitimista, mandandu para Purtugal soIdados e na- 
vias. SÓ conseguio todavia 0 ,despacho de urn navio de guerra 
para Lishoa, em missão expectante (I) : faltava ainda no go- 
verno quem quizesse pôr enl pratica as fantasias reaccionarias 
de Verona. 
o ministro enl Londres, D. J osé Luiz de Souza (so- 
brinho de Linhares e Funchal, n1ais tarde conde de Villa 
Real) procurara logo lord Castlerragh (2) para obstar ao 
reconhecimento do govern'Û constituido em seu paiz, antes 
de sanccionada a legitimidade d' eIle pf'lo Rei Fi,delissilno: 
tal respondeu 0 ministro dos negocios estrangeiros da 10- 
glaterra ser a firme intenção da Europa colligada. 
Ponder-ou-Ihe mais D. J osé de Souza a necessidade de 
ligar 0 governo constitucional de l\Iadrild por igual decla- 
ração, que teria a dupla vantagem de fazer esrnorecer certas 
esperanças mais vehementes da Junta portugueza e limpar a 
honra da Hespanha compromettida pelos conluios do seu 
agente diplonlatico em Lisboa. A esta parte replicou Castle- 
reagh referindo as observações que a respcito transmittira 
por intermedio de sir Henry Wellesley, embaixador junto ao 
R'ei Catholico, com a declaração de considerar ataque contra 
a integridatde dos dominios portuguezes, cuja garantia assu- 


(1) Archivo do Min. das ReI. Ext, 
(2) Officio a Thomaz Antonio de :n de Outubro de 18
O, 
Corresp. de Lond'res, ibidcm. 



DO)l JOÃO VI 
O BRAZIL 


lU41 


mira a Grã Bretanha, qualquer excitação á rebellião: do 
que entretanto a Hespanha se tentara illibar com os maiores 
protcstos, não obstante 0 encarregado de negocios Pando 
haver participado em nota á Regencia do Reino a marcha 
de tropas hespanholas para a fronteira portugueza da Galliza 
e constar tal facto da proclamação da Junta do Porto de 2 de 
Setembro. 
Não annuio comtudo 0 gabinete britannico á sugges- 
tão, que seria consequente com sua ncgativa de reconhe- 
cimento, de mandar retirar de Lisboa 0 encarregado de ne- 
gocios \Vard, assim cortando todas as relaçães com os rebel- 
des. 0 caracter diplomatico d'este agcnte fôra suspenso, mas 
a sua partida seria inconveniente, tornando demasiado pa- 
tente a parcialidade ingleza pela causa do soberano portuguez 
e justificando de antcmão qualquer futura accusação de pres- 
são estrangeira, portanto impopular. 
No interesse conlbina 1 do de DOIn J oão VI e da nação 
aconselhava-se uma calculada isenção, a começar pela absten- 
ção do emprego de forças militares e navaes contra òs re- 
voltosos, 0 qual redundaria em proveito dos partidarios da 
união iberica e adversarios d,a auctoridade real. 1'ampouco 
deviam as relaçães cOlnmerciaes soffrer conl as alteraçães 
politicas. A' diplonlacia portugueza fazia-se mister admittiI-o, 
eln vez de se estar mexendo no continente, a reboque de :\la- 
rialva, para provocar unla intervenção armada de todo ponto 
Í1npropria e inefficaz, quando facti veL 
N em podia a Inglaterra tolerar que, na sua faIta, outros 
pensassem em entren1-etter-sr na sua esphera de influencia. 
A independencia da corôa portugueza no lidar COIn a revol u- 
ção cumpria que fosse escrupulosamente respeitada, e Dom 
J oão mesmo provaria que entendia tratar do caso sem inter- 



l04:! 


DO)l JO...\O VI KO BH.AZIL 


ferencias estranhas. De resto, para qualquer expedição, de- 
pen:dia 0 gabinete da votação parlamentar de urn credito, que 
seria muito difficil obter visto 0 seu exito problematico (I). 
'Sob 0 pretexto, que em breve se torn aria urn p,rincipio 
politico seu, de repugnar-lhe 0 processo das intervenções, a 
lnglaterra esquivava-se pois a tudo, a fornecer contingente 
militar ou naval, ou subsidio pecuniario contra 0 movilnento 
constitU'cional nd velho Reino. 
Souza referiu em officio a l\larial va (2) sua entrevista 
com Castlereagh, fazendo chegar aos ouvidos do marquez es- 
tribeiro-mór, todo açodaclo no seu absolutismo proselytico, a 
Iinguagem do born senso: que não j ustificasse, com aggres- 
sões anti-patrioticas, quer 0 partido dos que proclamavam 
querer apenas fazer Portugal independente do Brazil, even- 
tual'mente immolando a dynastia, quer 0 partido dos que 
manobravam para a reunião á Hespanha, aconselhada pela 
geographia e pe'la politica. 
Era preciso, no dizer do ministro ao embaixador ( 3) , 
não exacerbar os animos e não cercar de difficuldaàes a 
acção do R,ei ou do seu Iugar tenente, que viesse repor as 
cousas em ordem na secção européa da monarchia, e cuj.as 
intenções honestas e benevolas se deviam ir encarecendo. A 
lnglaterra iria mesmo além d'aquella politica negativamente 
favoravel a uma intelligencia directa entre S'oberano e subdi- 
tos: desmancharia 0 effeito da declaração conjuncta, vaga 
como resultou, de Troppau, e em Laybach se ingeriria, para 
annullal-os, nos pl'anos de Antonio de Saldanha da Gan1a, 
que dos trez plenipotenciarios portuguezes - l\larialva, 
Lobo da Silveira e eUe - nomeados para 0 que desse e 


(1) Co]")'('sp. àe Londres, ] 8
O-1821, ilJic1c111. 
(2) l'Ol'l'E'
p. (1(' Londr(\
, 1 

O-l R21, ibidem. 
(3) C'orrcslp. de Londres, 1820-1821, ibiclc/Il. 



DU
l JOÃO VI NO BRAZIL 


1043 


viesse em materia de congressos, foi, de combinação com os 
outros dous, 0 unico que alli se apr,esentou. 
A Inglaterra usara Com 0 representante portuguez de 
uma linguagem sincera. A lord Stewart, embaixador em 
Vienna, que recebera ordem de achar-se em Troppau quando 
alli s'e encontrassem os soberanos aIli'a'dos, mandou lord Cas- 
tlereagh instrucções para que se deixasse alIi em paz a re- 
vol ução portugueza, no proprio beneficio da conservação da 
auctoridade de Dom João VI, cuja presença só por si daria 
satisfacção ás queixas e collocaria de novo a nação nos seus 
eixos, sem que se aviva
sem suspeitas nativistas e se abonasse 
a opinião dO's que pretendiam querer a lnglaterra conser- 
var Portugal n'um,ft dependencia indecorosa (I). Longe do 
turTIultuar das paixões e dt> pugnar dos partidos, mais avi- 
sadas providencias ainda poderia 0 Rei ir entrementes archi- 
tectando para defrontar com a situação. 
A opinião pu'blica britannica já era no conjuncto liberal 
bastante para fcstejar as rTIudanças politicas de que cstava 
scndo theatro a Peninsula Iherica, e ao gahinete conservador 
não convinha crear, mórmente de motu proprio, n1ais tro- 
peços á sua gestão. Em Napoles talTIben1 0 constituciona- 
lismo obtivera uma victoria, que mais ephemera seria que as 
outras, e 0 ministro Acourt não fôra reti;ado, S1 bem que 
lhe nãu tiveSSeITI ex:pe,dido novas credenciaes. 
L.or.d Castlereagh previa acerta'damente que Dom 
J oão VI se adaptaria á ordem de cousas dominante em l
or- 
tugal e tratava de contemporizar, aconselhando até D. 
J osé de Souza a responder á circular de Hermano Braam- 
camp, n1inistro dos negocios estrangeiros do governo liberal 


( 1) np
pal'ho de lord Castlf'l'eagh a lord Stewart, no .\rch. 
do )lin. ùas He!. Ext. 



1044 


DO)l JUÃU VI XU BH...-\.ZIL 


. 


de Lisboa, ao corpo diplomatico portuguez, nos mesmos ter- 
mos que 0 encarregado de negocios britannico havia esco- 
lhi-do, para que se desse a conhecer a harmonia que reinava 
entre as côrtes de Saint James e de São Christovão. Souza 
não julgou todavia dever ir além de uma carta particular, de- 
clinando entrar em relações com a Junta antes de receber 
instrucções do Rio de Janeiro (I). 
Fôra D. J osé de Souza quem havia recebido 0 n1aço de 
exem'Plares da circular e 0 relnettera a l\larialva, que 0 
devolveu sem the querer dar .destino. 0 marquez estribei- 
ro-'mór não se ageitava muitü com essa politica de concilia- 
ção e não só se recusava a responder a .qualquer con1muni- 
cação de Lisboa, como solicitava por nota a suspcnsão das 
funcções do encarregado de negocios francez em Lisboa - 0 
que 0 ministro barão Pasquier verbaln1ente the prOlnetteu - 
e não cessava de insistir na intervenção. Chegou a despa- 
char Navarro de Andrade para Troppau, onde os soberanos 
alliados iam "concertar algun1as medidas relativan1ente aos 
successos que tern tido lugar no decurso deste anno no melD 
dia da Europa" (2). 
Em côrte algun1a, das prinÓpaes pelo menos, pern1ane- 
cera inactiva n'essa crise a diplomacia portllgueza. Para 
evitar a união iberica podia bem contar-se com a Inglaterra, 
mas 0 concurso da Russia pareci.a igllalrnente precioso pelo 
que significava por si, 'e pela preponderancia que nos annos 
èe 1815 a 1825 essa potencia exerceu sobre os ou tros paizes 
da Europa. Por isso logo que 0 movimento do Porto respon- 
deu ao levante hespanhol, 0 ministro em São Petersburgo, 


(1) Corrp
p" de Londr('s, lS:!O-1 X:!l, ilJirlrm, 
(
) Offi("io <11' )Iarialva a 11, .1osé de 
ouza de 
1 de Outubro 
de 1820, ibidem. 



DO)! JOÃO VI 1'0 BRAZIL 


1045 


visconde .da Lapa, tratou de induzir 0 governo do Czar a 
assumir 0 compromisso de proteger a integridade portugueza 
contra qualquer ameaça de dilaceração por parte da Hes- 
panha revolucionaria (I). 
Invocaya 0 diplomata portuguez a assignatura collectiva 
dos tratados de Vienna que, no seu dizer, continham impli- 
cita uma garantia geral e reciproca dos territorios respecti- 
vos das potencias signatarias, assim como da legitimidade e 
independencia dos seus governos. N a sua resposta, a chan- 
cellaria russa, arredando de vez os aj ustes ùo tratado de 
1799 entre 0 Imperio e Portugal por terem sido ipso facto 
annullados em 1808 - não se renovando suas estipulações e 
dando Portugal as mãos á Inglaterra, então no campo ad- 
verso á Russia - chamava a attenção da legação portugueza 
para a theoria ,eminentemente conservadora sustentada n'esta 
materia pdo governo de São Petersburgo. 
A Russia propuzera com effeito ,em Aix-la-Chapelle 
uma garantia explicita, universal e reciproca afim de con- 
verter n'um facto material e incontestavel 0 .espirito ,das tran- 
sacções que constituiam 0 direito publico europeu. Esta pro- 
posta não estava conltudo ainda acceita e a chancellaria de 
São Prtersburgo rejeitou ligar-se por urn accordo cathego- 
rico, mas isolado. 0 despacho mandado em J ulho de 1820, 
antes da revo1ta do Porto, ao barão de Thuyll, lninistro no 
Rio de J anciro, rezava que a Russia offerecia a Portugal, no 
caso de aggr.essão por parte da IIespanha, 0 111rSlll0 apoio nl()- 
ral que ,dera a esta por occasião da aggr'essão portugueza no 
Rio da Prata. A mal disfarçada ironia da resposta cQ.ntiùa 


(1) f'o1T('Sp. do \'ÏsCOIHlp da Lapa PlIo 1'1H'a JTC'g:ulo I.k nC'got'Ïo!=: 
.\hl'('11 Lima (futU1'O conde' da Carreira), nos l'alH'i:-; avul
os no .\.rcb. 
do Min, das Rt:'l Ext. 



1046 


DO:\! JÜ...\.U VI 1\U BRAZIL 


en1 substancia n'esse despacho, indica que não passara até 
então 0 mau hU1110r russo, cultivado por TatischeH e pelo 
governo de Fernando 'TII. 
Antonio de Saldanha levaria para Laybach 0 seu pIano 
particular, de mais vastas proporções, e em que entrava 
Ia- 
rial va. Consistia eln mover 0 directorio europeu a agir em 
nOlne dos seus principios no beneficio da nlonarchia portu- 
gueza, oppondo-se pela força ás i'déas re\'olucionarias propa- 
gadas no \'elho Reino e iniciando por Portugal a tare fa sa- 
lutar da repressão e restabelecimento da ordem na Penin- 
sula, "pais que daquelle reino he que se devia trabalhar para 
o socego e quietação da Hespanha" (I). 
o provecto plenipotenciario portuguez conversara com 
Capo à'Istria e l\letternich, que alnbos julgavatn 0 mo- 
mento azado para medidas geraes, tendo l\letternich ado- 
ptado este modo Ide ver do ministro de estrangeiros da Russia 
depois da revolução de Napoles, cuj 0 contagio era para re- 
ceiar nos dominios italianos do Imperio austriaco. Vienna 
accedera já a .que coubesse á França na Hespanha 0 pape! que 
á Austria cabia na I talia, de abafar todo movimento sedi- 
cioso, surprehendendo-se 0 chanceller de que a essa politica 
activa preferisse a lnglaterra a inacção, sobrctudo por ser de 
t{'mer n reunião de Portugal á H espnnha. 
A coa:djuvação da Grã Bretanha era necessaria, Inas 
esta potencia, cujo assentimento as outras não podiam dis- 
pensar, esquivava-se de mostrar hostilidade a movimentos 
que não f08sem puramente republicanos. J á no decorrer de 
1820, querendo a Russia arrastar as nações alliadas a uma 
intervençlo anti-constitucional na Hespanha, tendente a con- 


(1) Officio de Antonio de Salùanha a Tbomaz .\.ntonio d(> 
G 
de Janeiro de 18
1. Esta correspondencia de Laybach encontra-se 
entre os Pap cis avulsos no 
\.Tch. do :\Iin. das ReI. Ext. 



DO)1 
loAo VI :Xu BRAZIL 


111-17 


solidar a paz européa, recusara 0 governo de que Castle- 
reagh fazia parte, terminantemente associar-se a qualquer de- 
monstração militar ou sequer politica n'aquelle senti do, a 
qual só poderia originar uma nova conflagração, em seu 
entender. 
A Inglaterra, que argumentava historicamente com os 
males enormes result antes da interferenci; estrangeira nos 
negocios da França em 1792, achava-se então no periodo de 
voluntario retrahimento, de intencional isolação, indecisa 
entre a cOlnbinação autocratica que tutelava 0 continente e 
a inclinação liberal que prevalecia a meio do seu povo: uma 
incerteza de que em breve a resgataria 0 genio ousado de 
Canning, collocando-a resolutamente á frente do Inovimento 
constitucional e offerecendo combate á reacção enthroni- 
zada na Europa e disposta a avassallar de novo a America. 
Tampouco queria a França n'aquelle momenta envolver-se 
nos negocios da Peninsula: não era chegado 0 instante eln 
que Chateaubriand julgaria com a expedição do Duque d'An- 
goulême dar lustre iInperecivel ás armas bourbonicas. 
Outra razão pela qual a Inglaterra se negava a inter- 
vir directa e activamente n'esse 'caso, era a de pretender 
par tal meio compellir Dom J oão VI a voltar para Portu- 
gal. Não contando 0 Rei com auxilio estrangeiro para esma- 
gar a revolução, força Ihe era esperar acalmal-a com sua pre- 
sença. Ora, 0 ensejo apparecia afinal em extrenlO propicio 
á realização d'aquelle designio constante da politica ingleza 
no tocante aos negocios portuguezes, pelo qual se sacri- 
ficara até Strangford: não podianl de boa mente 'perdel-a 
em Londres. 
Por essa circumstancia especial, e tambem pela razão 
geral de que 0 verdadeiro protectora'do exercido sabre 0 



1048 


nu)[ JUÃO VI 
O BR.\ZIL 


velho Reino não devia comportar co-participantes, desconvi- 
nha pois á Inglaterra que fossein os negocios da Peninsula 
tratados no Congresso, ou melhor reunião soberana de Lay- 
bach. Chegou nlesmo a declarar não ter alIi plenipotenciario, 
apezar de se ãchar presente e tomar parte nas conferencias 
lord Ste\vart, e a aconselhar Antonio de Saldanha a reti- 
rar-se para Lon'dres e lá aguardar 0 desenrolar dos acon- 
tecimen tos (I). 
De outro lado Bernstorf suggeria ao plenipotenciario 
portuguez que ficasse, 0 que equivalia a dizer continuasse a 
trabalhar no sentido da intervenção cstrangeira. Tratou An- 
tonio de Saldanha eHectivam.ente de alcançal-a nas audien- 
cias em que foi reccbido prios Imperadores da Austria e da 
Russia, em ambos os soberanos encontrando inequivoca boa 
vontade no prestarem apoio á causa dos thronos contra os 
povos. Esbarrava porénl com a frouxa disposição da França, 
"que se desculpava conl a sua situação interior" - a qual 
o recente assassinato do Duque de Berry por Louvel patcn- 
teara incerta Ie agitada - e com a pouco disfarçada repu- 
gnancia da Inglaterra, "que não só não que ria intcrvir, 
porem que quasi protestava contra tudo que se fazia a res- 
peito de Napoles." 
Escrevia a este propo
ito Lesseps (2) que 0 afasta- 
nl-ento da Inglaterra das côrtes rcaccionarias e sua adopção 
de urn systema de neutralidade tinham ferido 0 espirito dos 
liberaes portuguezes, insinuando ao mesnlO telnpo que a 
França obrara mal enl acceder em these á repressão, posta 
que the levantando restricções na pratica. Bastava conltudo 
is to para desmanchar 0 concerto das nações alliadas, cuj a 


(1) Corresp, df' Layhaeh no .\rch. do )Iin. das TIel. Ext. 
(:!) Officio clfrado de 11 de )lar
o de 1821. 



D<r\t 
TOÃO YI XO DltAZIL 


J I)-HI 


falta de unIaO fi'caria publicamente demonstrada no verifi- 
car-se Ulna Illediação parcial e poderia assim causar, nas pro- 
prias palavras do Czar Alex311<.ire, Inaior Inal do que be In á. 
causa geral (I). 
Afim de não acirrar os ciulnes da lnglaterra e na falta 
de instrucções positiv3S e ternlinantes da côrte do Rio, reti- 
rou-se no cmtanto Antonio de Saldanha de Laybach senl 
lograr que as trez grandes potencias ultra-conservadoras- 
Austria, Russia e Prussia -, as mais elnpenhadas em sup- 
primir todo germen demagogico, "adoptassem ulna resolu- 
ção perenlptoria ácerca dos negocios de Portugal." 
8entiam-se aquellas outras nações tolhidas sem 0 as- 
senso da França e da lnglaterra, d'esta sobretudo, da qual, no 
dizer do plenipotenciario, Portugal era considerado urn sa- 
tellite. Referia Antonio de Saldanha que se não afoitavanl 
as poderosas côrtes do N orte a "ingerir-se nos negocios deste 
Reino, com 0 receio .de que aquella Potencia julgue hUlna tal 
intervenção corl1O hum ataque feito a sua propriedade. Tal 
he a triste situação a que nos achanlos reduzidos" (2). 
Tendo ido a Pariz ver' 1\larial va, esteve D. J osé de 
Souza COIn Antonio de Saldanha no regresso de Laybach e, 
procurando saber d'este si haveria intervenção, ficou certo de 
que ella se não daria, não tanto pela distancia do foco sedi- 
cioso quanto pela impossibilidade de pronlover-se contra 
Portugal Ulna liga reaccionaria á qual faltasse 0 concurso 
britannico. Resignaraln-se as nações alliadas a aguardar en1 
Portugal 0 tratamento pela suggestão das nlcdidas violentas 
tomadas contra Napoles, j ulgando igualmente mais acertado 
não proceder desde logo contra a IIespanha para não "au- 


(1) Co
rE"sp. dE" LnykH'h no \ rch. do 
fin. tIns nl'l. Ext. 
(:2 I Offi<.'io datado tIp Ptuiz aos 10 dL' 
lar
o ùe j 8
1. 



1050 


DoM JOI0 VI NO BRAZIL 


gmentar os males que alli se estão soffrendo, e compronlet- 
ter mais a Pessoa d'El-Rei (I). 
o governo britannico, assumindo ulna attitude que 
nada tinha de ambigua, dec1arou em despacho circular aos 
governos estrangeiros que reputava perigosa a ingerencia .das 
potencias colligadas nas transacções interiores dos outros Es- 
tados, protestando que não adheriria ás medidas que a tal 
respeito se pudesse ter em vista. Enl conversação conl Souza, 
adll1ittiu lord Castlereagh senl difficuldade que a circular 
houvesse inspirado alguma confiança eill Lisboa aos chefes 
do partido revoltoso, fortificando-os na justa crença de que 
a lnglaterra só se julgaria obrigada pela estipulação dos 
tratados quando se tratasse de livrar Portugal de uma ag- 
gressão estrang-eira, não para rebater unl levantatnento na- 
cional. 
Deplorou 0 ministro de estrangeiros da Grã Bretanha 
na alludida entrevista conl D. J osé de Souza (2), que a pu- 
blicidade dada á declaração das intenções dos alliados de aba- 
farem as revoluçães levadas a cabo por facções annadas, e 
a referencia feita aos sentimentos do governo inglez no as- 
SUlnpto, ti\ esseln posto este na necessidade de dirigir a cir- 
cular em questão, que 0 prendia nas suas operações. 
o soberano de Portugal e Brazil talnpouco desejava, 
antes repudiava uma intervenção da Santa Alliança no seu 
reino europeu. 0 monarcha que futeis compiladores de me- 
morias, como a doidivanas duqueza de Abrantes, expuzeram 
quasi ilnbecil aos olhos da posteridade, e de quem escarneceu 
sem dó, glosando anecdotas postiças, urn historiador cheio de 


(1) ICorrßsp. f{]e Lon'dres, 18
O-1821, no Arch. do Min. das 
fiE-I. Ext. 
(2) Corresp. de Londres, lS
O-lS21, ibidcm. 



D()
I JoAn YI l\<) BRAZIL 


11151 


talento e tambem de prevenções como Oliveira l\Iartins, 
conlprehendeu 0 que muitos politicos. j ulgados tanto Blais 
atilados, do tempo não quizeraIl1 perceber, 0 que escapull a 
.\Ietternich como a Chateaubrian'd, a saber, que COIl1 a in- 
tervenção estrangeira apenas lucraria a causa popular. 
Antonio de Saldanha andara avisadamente retirando-se 
de La)
bach. A circular expedida do Rio de Janeiro a 30 de 
Janeiro de 182 I, cuncernente á revol ução portugueza, dizia 
expressamente aos representantes diplOIl1aticos na Europa 
não ter DOIn J oão VI "por agora a intenção de enlpregar 
meios de coacção nem de pedir soccorros nl'ilitares aos seus 
alliados para sujeitar os seus vassallos extraviados." A In- 
glaterra não ficava excluida d'essa "resolução final" que 
Castlereagh dizia em Londres a D. J osé de Souza não haver 
ainda sido tomada pelo Rei sobre 0 systema que se propunha 
segulr. 
A brandura ingenita e 0 claro senso politico de Dom 
J oão VI acham-se estaInpados n'aquellas palavras. Os repre- 
sentantes diplomaticos, :\larial va e Antonio de Saldanha, 
estavam sendo mais realistas do que 0 Rei. 0 que .este queria 
era tão sómente que a lnglaterra mantivesse com relação á 
Hespanha a sua obrigação de garantia cia integridade da 
Inonarchia portugueza, e a isto de born grado annuia 0 'go- 
verno de Londr'es. Havendo-Ihe Souza figurado a hypothese 
de 111andarenl os Hespanhoes tropas contra Portugal como 
uma enl que cabia aDorn J oão reclamar positivaIl1ente 0 
effeito do comprOInisso britannico, nada objectara lord Cas- 
tlereagh, allegando até que sobre este ponto l11uito tempo 
havia que sir Henry 'Vellesley tinha levado uma comll1unica- 
ção official ao gO\Terno de lVladrid (I). 


(1' t'orr('
p. c1e' LOl1dl'eo:;, lS
O-lS21, 1biclf'ln. 



1052 


DOM JOÃO VI NO RRAZIT.J 


Este era porhn tun casu LIt" anll
aça á indrprndencia 
portugueza. Com respeito aas seus subditos, sabre que se 
exercia a sua soberania, que 0 abbade de Pradt desrespeitosa- 
rnente taxava de itinerant,e (sou
'crain{'té tl}oj'agcllsr), achava 
o Rei de Portugal e Brazil preferivel, mais decoroso, mais 
digno ,e mais habil, agir livre d,e suggestões e de soccorros de 
fóra: " . . . .. S. 1\1. se não deternlinará a recorrer a rneios 
e),.trernos e violentos senão quando se achem esgotados todos 
os de conciliação, e quan'do se vejão frustradas as diligencias 
que intenta praticar para attrahir por concessoens justas, ra- 
soaveis e conlpativeis com 0 decoro e segurança da sua Real 
Coroa os animos daquella gente extraviada, não sendu de 
esperar de coraçocns de Portuguezes hunl tal excesso de 
infidelidade e de ingratidão" (I). Dom J oão \TI está todo 
elle n'estas nobres pala\'ras, de estadista e de h0l11ern de 
coração. 
Elegendo tal norma de proceder, 0 Rei ia mesn10 de 
encontro ás idéas do seu conselheiro habitual e habitual- 
nlente escutado, Thomaz Antonio, cujo proj,ecto inlrnediato, 
ao chegarem ao Rio as noticias da revolução portugueLa, 
fôra obter para combatel-a 0 auxilio maritimo da Russia- 
que elle acreditava não the seria negado pdo -Czar Alexan- 
dre, 0 pacificador da Europa e arbitro dos seus destinos-no 
caso de se mallograrem em Londres os esforços de D. J osé 
Luiz de Souza (2). 
o visconde da Lapa destruio porém logo essa illusão, 
fazendo ver ao seu chefe a quasi impossibilidade de alcan- 
çar 0 que se altnej ava da parte do gabinete de São Peters- 


(1) T'apf>1i ' s l3'Yul,
os '110 An'h. do 
Iin. das ReI. Ext. 
(
) 0 solJrinho ùe Fl1l1chal para aHi tPa
sara de )Iadrid, como 
mini"tro, n'urna reaffirma(:åo ùu favor da familia com llUP lucrou 0 
conde dr Linhal"es, filho ùr f), I:odrigo, dp
pa('haùo pa 1'a Turilll. 



DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


10.')3 


burgo, pouco inclinado a entrar n'esse terreno em conflicto 
com a Inglaterra, protectora reconhecida de Portugal. Tudo 
conspirava contra: além das continuas ausencias do Czar da 
sua capital, difficultando quaesquer intelligencias, os negocios 
italianos, mais proxilnos e mais prenhes de perigos ainda, 
absorviam a attenção geral das grandes chancellarias, as 
quaes, sobretudo por causa d'elles, não tinhatn no congresso 
de Troppau, em 1820, dedicado particular cuidado aos ne- 
gocios portuguezes, limitando-se a dedaraçães theor;ca:; de 
resistencia ao espirito de revolta e salvaguarda dos in teres- 
ses da legitimidade. 
Por isso e por intuição politica sua escrevia, com muito 
acerto, 0 ministro portuguez na Russia aquillo mesmo que 
com differença de dias mandava no Rio Dom João IV ex- 
primir ao seu corpo diplomatico por palavras diversas: "Cha- 
mar forças externas para coadjuvar a expulsão de inimigos 
externos, é 0 que a historia apresenta a cada passo; porein 
para sacegar as desordens internas é sempre arriscado. .. A 
massa da nação é ainda sãa, e seneIo a força moral a que se 
cleve procurar encalninhar, não posso occultar, que 0 em- 
prego da força ll1arititna só poderia servir para a irritar, e 
conduzir aos desvarios a que a desesperação pode ar- 
rastar" (I). 
o conselho era born e tanto mais Inerece ficar assigna- 
lado, quanta em Pariz se estavam celebrando aquelles con- 
ciliabulos -de representantes conspicuos do Reino U nido, l\Ia- 
rialva á frente, que 0 Correia Braziliense verberava com 
muita acrimonia. Hippolyto benI suppunha 0 pIano de reac- 
ção desapprovado na côrte do Rio, n1as ilnaginava nIal que 


(1) Officio dl' :?-f (10 .Tan0il'o de 1 S:!l, no
 J>apl'i
 :1"I1I:;;o
 no 

\ J'ch. clu Min. das ReI. Ext. 


D, J. - Gfi 



1034 


DO
I JOÃO VI NO BRAZIL 


o directorio de diplomatas em Pariz estava tOlnarldo a dian- 
teira á chancellaria fluminense e itnpondo 0 seu modo de 
pensar, quando na verda de a inspiração partira simultanea- 
mente de l\larialva e de Thomaz Antonio, 0 qual era inca- 
paz de ir de encontro nos seus act os á vontade real. Sustaria 
'porénl tal inspiração a benignidade intelligente de DOIn 
J oão VI, urn momenta empannada, ao recuperar sua lucidez 
e pôr-se em harmonia com uma melhor comprehensão das 
conveniencias do momenta historico. 
No essencial se não enga:nava todavia Hippolyto, antes 
acertou logo em j ulgar 0 Rei pessoalmente infenso aos ma- 
nejos do chamado partido aristocratico ( I ), que na sua 
constante ainda que mais disfarçada Inalevolencia a Palmella, 
o publicista a:creditava dirigidos por este estadista, de facto 
empenhado em conciliar as cousas muito rnais do que em 
ajustal-as pela força "..... l\las parece-nos que não será 
difficil 0 dar aIgulnas provas, de que não he EI-Rey quem 
obr'fi contra Portugal, que não he do soberano de quem se 
devem temer opposiçoens a urn systema constitucional, em 


(1) 0 Correio, 0 Portll.'lIlCZ, cujo r.edactor a legação pretrndia 
ainda fazer expulsnr de Londl"l's. e 0 (,'n mp('ão. de .J.()sé Liberato, es- 
tanun pm to-do caso mais no diapasão das disposiçõps rpg-ias 'do que 
o IH'ss,)al diplomatico que so deixava influencia.r pelo marquez es- 
tJoih'iro-mõl'. () Portu.fJlICZ aurts hlazonaya (Officio secreH8sÏ1JlO de 


(J/(
'(/, (if' 4 dr' Fe'L'ereiro de 11-)21, no .Arch. (]o Mill. das Rd. Ext.) 
tN' no Hio elf' Janeiro pf ....8oa de dCl1t'ro que 0 informava do <lue alli 
o(,(,o1'l'ia, apparecm'do nas Isuas paginas coniribuiçõr,s d'
sse corrrspon' 
dpnte {Jue bl'ID indicavam não st'rem fingidas, e até uocumentos que 
si\ podiam SN' ext1'ahidos df' .algum dos gabinetes p.rivados do go- 
Vp1'oTIO: "spnd'Ü hum (h.
.tPH c1oruID\.'TIiÌos a dpnunria da conStpira<:ão de 
Portugal, fpita pOl' Pinto e Corvo, e publicada no ('(/Ulpt'cio, pappI qUf' 
dpnn-ia :-;cr J'Pservado nos f'sconderijos mais r'erondit'Os do Gabinopte:' 
Bra Cl'en(:a geral l'<>produzida pOl' D. .T osé de Souza, qUf' n 'cste 
;pont'Û .fa'll:wa como hom sobl"inho dos .tim:, tel' uma das auctol'idades do 
Itio 
l f;'C'U soldo 0 Corrr;o Brflzilicn,
r. servindo-se d'estc orgam "para 
calumniar e injul'iar df'scarada, e impunemente pcssoas, que 'occupão 
os mnis altos 
l11pl'{'go:-;, (' oue S. M. honra com a sua confiança:' 
(Officio cit.) 



DO
I JOÃO VI KO BRAZIL 


10.3.3 


que os empregados publicos sej am responsaveis por sua ge- 
rencia, que he, cn1 duas palavras, tudo quanta a voz publica 
pede e exige; EI-Rey não tern interesse em oppor--se a isso; 
porque com a existeneia dessa responsabilidade nada perde, 
antes muito ganha. Os governantes, que são os que verão 
suas mãos ata'das para não fazer mal, são os que se devem 
suspeitar de faze rem essa opposição a urn systema para lhes 
pôrem freio... E he de esp-erar que as Côrtes de Portugal 
nunca se esqueçam de fazer a devida distineção entre os sen- 
timentos d'El-Rey, e os de urn partido de intrigantes, eujos 
fins são n1anter seus interesses, a despeito dos da nação, e da 
mesma authoridade do Rey" (I). 
Si fosse exaeto que Palmella, nomeado havia muito 
l11inistro dos negoeios estrangeiros e assun1indo afinal a pasta, 
inspirara e fomentara 0 denegrido "coneiliabulo aristo- 
erata" de Pariz - no intuito, poueo erivel aliás, de desbravar 
para si 0 terreno e permittir-lhe n'um campo livre 0 cultivo 
das regias coneessões - ,maior mereeimento tocaria ainda á 
attitude perspicaz do Rei no assumpto. 
Foi bem urn gesto privativo d'eIle, esse que tão de ac- 
cor'do se achava com 0 pensar do gabinete britannieo e tão 
de harmonia estava com recentes ensinamentos da historia, 
que indieavam haver a intervenção estrangeira custado a vida 
a Luiz XVI Ie a l\Iaria Antonietta. Além d'isso era obvio- 
obvio para quem tivesse bons olhos - que uma intervenção 
estrangeira podia oecorrer em Portugal e ahi abafar com 
relativa facilidaclc 0 Il1ovimento liberal, mas não poderia ir 
suffocal-o no Brazil, onde elle repereutiria rnais vivamente 
mereê mesmo da reacção creada em Portugal. 


(1) rm'I'rio RI'(/
'ilÍl'lI,'1
 n, ]:í:
, F<,"('l'eíro (](\ lR
l, vol. XXTT, 



10.36 


DOM JOÃO VI XO BRAZIL 


r
ra isto seria indifferente ficar 0 Rei no novo Reino 
ou voltar para 0 velho. A questão não era tanto essa: era 
sobretudo, como muito beln a collocava Hippolyto, 0 resistir 
ou entrar a realeza no caminho das reformas constitucionaes, 
o governar arbitrariamente ou com urn ministerio responsa- 
vel e popular, cuj os interesses não estivessem vinculados aos 
das classes privilegiadas. Sómrnte assi1n ficaria garantida, 
dado 0 progresso dos tempos, a integridade da monarchia. 
De outro -Inodo a revolução caminharia impavida em Portu- 
gal, annullando a corôa, e se propagaria ao Brazil. 
Pernambuco, apezar da residencia da côrte no Rio, suble- 
vara-se antes de Portugal, e si a tentativa fôra mal succe- 
di,da - como tambem 0 fôra pelo mesmo tempo em Lisboa 
o ensaio de Gomes Freire - depunha isto apenas contra as 
circumstancias do momento. 0 facto provava que 0 germen 
do governo constitucional existia no Brazil indepcndente 
de Portugal, tendo bastado para a fecundação 0 contacto 
da America Hespanhola, depois do exemplo dos Estados U ni- 
dos. Não alcançaria constituir empecilho sufficiente contra a 
corrente a popularidade pessoal do Rei, que 0 periodista do 
Correio carinhosamente descreve "bran do, pacifico, soffre- 
dor, indulgente; sem ambição nem avareza, nem crueldade h ; 
porquanto ao lado de Dom J oão VI existia urn ministerio 
de gente corrupta - Hippolyto poderia tel' escripto, com 
mais verdade, de gente eivada de preconceitos-que com sua 
presença excitava contra 0 throno e contra 0 velho regimen 
as novas paixões populares. 
Essa era com effeito a questão, posta nos seus termos 
geraes e politicos; no caso particular de que se trata, havia 
porém que contar com urn elem,ento a mais, fornecido pela 
discordia creada entre as duas metades da monarchia, das 



Do::\r JOÃO VI NO BRAZIL 


1057 


quaes uma recl'amava a sua dynastia, sob pena de fazer voar 
o throno enl estilhaços, e a outra timbrava em conservar a 
investidura recebida de cabeça do imperio. 
Em Londres descortinava-se claro, e era de Londres 
que Souza aconselhava (I) e reputava mesmo inadiavel a 
vinda do Principe Real para 0 velho Reino, ficando em- 
bora na America Dom J oão VI para prevenir qualquer re- 
volta analoga á das colonias hespanholas; por outra, "resta- 
belecendo-se a authoridade de S. 1\1. em Portugal sem a pôr 
em perigo no Reino do Braz,il." Vma situação forte nasce- 
ria de tal combinação e seria igualmente vantajosa ás duas 
partes, preparando a futura consolidação da união por "hum 
systema de governo adjustado ao espirito do seculo" e re- 
pousando sabre uma reciprocidade de interesses. A beneficio 
da sua propria conservação, a dynastia teria comtudo que se 
dividir. 


(1) Officio a Thomaz 
\.ntonio de 8 de Dezclllbro de l

O no 
Arch. <10 
1in. das He!. Ext. 




CAPITULO XXVIII 


REI au PRINCIPE? - THOMAZ ANTONIO E PALMELLA 


()s acontecill1entos de Portugal, uma vez divulgados, 
produzirarn no Brazil, juntamente com a effervescencia 
liberal, consequencia d'aquelle rnovimento constitucional, 
urn alastrarnento da tendencia emancipadora e separatista. 
Como é natural, .deu este conflicto de idéas origem a uma 
quantidade de alvitres, pIanos e soluções para regular a si- 
tuação, que se agitavarn em cheio .quando a 23 de Dezembro 
chegou ao Rio, tendo deixado Lisboa nos primeiros dias de 
N ovembro, uma testemunha ocular da revolução, pessoa 
dotada de bastante experiencia do mundo, rnoderação de 
anin10 e superiorida'de de intelligencia para julgal-a com 
frieza e lucidez. Era esta pessoa 0 conde -de Palmella, com 
cuja altiva indifferença e fleugmatico charuto nos fa'iniliari- 
zou 0 au
tor do Portugal Conte1l1pOranco J e que coube a uma 
illustre escriptora portugueza primeiro evocar n'uma exccl- 
lente obra com aquellas feições, e os seus traços alli olvida- 
dos de symparhia, ternura, dedicação e gravidade. 
Viera Palmella da Europa acalentando urn projecto de 
n10narchia cartista, Cin que fosse a nobreza 0 elemento prc- 



106U 


DO::\1 JOÃO VI KO DHAZIL 


ponderaÌlte como na Inglaterra, e machinando com insisten- 
cia a restituição do Rei á séde da velha côrte portugueza, 
emquanto permanecia 0 herdeiro da corôa' no Brazil e ahi 
proseguia 0 regimen em vIgor, com algumas variantes I11ais 
de fOrI11a que de fundo. 
Thomaz Antonio pensava, e não I11al, 0 opposto: que 
Dom J oão VI é quem devia ficar no Brazil e Dom Pedro 
ir para Portugal, porque, uma vez desunido, 0 Reino an1eri- 
cano não mais se tornaria a ligar ao europeu, ao passo que 
este, si por acaso leyasse 0 desvario ao ponto de proclamar-se 
republicano, dcpressa vol veria á sã razão, não só coagido 
pela Santa Alliança, cuja intervenção então se imporia, como 
principalmente n10vido pdo receio da sua annexação pela 
Hespanha, faltando-Ihe a melhor garantia da propria inde. 
pendencia com 0 inevitavel repudio pela lnglaterra de uma 
demagogia. 
J á the não merecia, a 1ìhomaz An tonio, particular 
preoccupação a hypothese, tão aventada antes, da substitui- 
ção da fmuilia de Bragança pela de Cadaval, apezar de em 
tem'po ter 0 governo do Rio feito pelo marquez de l\larialva 
obstar á ida do ,duque de Luxemburgo a Portugal, para assis- 
tir com grande 'cspavento ao casmTIcnto do sobrinho, e d'est,e, 
quando se deu a revolução de 1820, alardear muito constitu- 
cionalismo e dar I110stras de querer representar enl Lisboa 0 
papel que em Pariz estava desempenhando con1 rara habili- 
dade 0 Duque d'Orléans. 
Arcos, com suas pretenções a valido do joven Principe 
herdeiro, ia no encalço de Palmella e aconselhava a regencia 
no Rio de J aneira, da qual elle se constituia em mente a 
principal figura porque não previa que j á representaria 0 
personagem urn nacional, cujo valor, pelo menos de scien- 



DO
I JOAO VI NO BRAZIL 


1061 


tista e de hom.eln de caract.er (I), não escapara a Thomaz 
Antonio, que 0 quizera ligar á alta administração do novo 
Reino. 
Qualquer 'que fosse a comhinação, as circumstancias 
estavam todas convergindo para a scisão do Estado elevado 
á dignidade de parte integrante, por direito proprio, da mo- 
narchia, quando foi precisu dar a Portugal, afim de que hom- 
brea:;se .em Vienna com as pot.encias maio res, 0 status corres- 
pan dente, pelo menos territorial. Não as enxergava comtudo 
Palnlclla com sua habitual agudeza, quando desembarcava 
no Rio no finne proposito de r,econduzir 0 Rei para Lisboa. 
DOlls motivos 0 impelliam para isso. Primeiramente, 
estava capacitado, e não se pode dizer que sem justeza, de 
que no estado .de confusão material e Inoral na qual deixara 0 
Portugal revolucionario de 1820 - confusão mais real 
meSll10 do que apparente, porque na superficie contrastava 
até a scrcnidade portugueza com a agitação hespanhola- 
sómente a presença do Rei em pessoa teria prestigio suffi- 
ciente para impor ao Dlovimento a precisa orientação, a urn 
tempo liberal e conservadora. 
Depois, Palmella nutria a j ustificada ambição de assu- 
Inir com a nova orllem de cousas uma Ì1nportancia politica 
mais saliente ainda: tinha para tanto a consci'encia de vcr 
lungc ,n'un1a sociedade de 111yopes, de possuir sangue frio n'uln 
mcio em que geralmente s'e andava ás tontas. Semelhante im- 


---
 


(1) () pncal'l'f'ga(lo (II' nf'goC'Íos nOl'tp-arnf'l'kano C'ondy Rague't, 
('uja ('IHTf'
pIlIHh\lH'ia e activi(l:ulf' indil'am tel' :-;il1o urn fliplomata HagaZ 
e h'pf('go. ('
('l'pv\'ndo para "'ashington '('ill 1 R:!:! sohrp ,] OSP Bon ifado, 
fazia plC'na jllsti(:a ao HI'U ll1Pl'PCilUpnto intf'IIp(,tllal. mas nl'gava-lhf' 
<loLl's d(' ,pst;Hlista (' soln'(\tl1110 ('apa('jdadp df' administl'ador. Xo dizpl' tlf' 
Hag-IIPt. 0 I'atl'iarcha da IndpIH\nd(\n<'ia, sl'ndo urn minf'l'alogista no- 
tan'l, não ('stan1 po1itkampnrl' iL aItIlI':t tlos ('\'('ntoH a que pOl' a
::;im 
ùizpr l'residiu, (.\l'ch, du Emu, _\meric. no Brazil). 



lU6
 


DOl\! JOÃO V I NO BR.\.ZIL 


portancia, não a desej ava elle porém revestir no tablado do 
Rio de Janeiro: aspirava ao scenario da velha Europa, onde 
deixara sua familia, suas amizades, suas relaçães, seus habitos, 
tudo quanta reclamava sua natureza acostumada á boa con- 
vivencia cosmopolita, a circulos polidos em que era conhecido 
e bem'quisto, e sem os quaes não comprehendia sequer a 
existencia. 
Era 0 caso de dizer-se de Palmella 0 que sobre os ou- 
tros fidalgos eUe escrevia á esposa: "T odos choram as ce- 
bolas do Egypto, e voltam a cara para 0 Oriente" (I). Só 
Dom J oão VI, verdade sej a, não tinha saud3!de algun1a das 
cebolas. Entendia que 0 passado, passado; á Terra da Pro- 
missão chegara quando puzera 0 pé na exotica Bahia, e a 
nada de melhor voava sua ambição do que ao ramerrão na 
quinta da Boa Vista. 
Tambem Palmella, ,malleavel como sempre se mostrou, 
sabendo ageitar as idéas ás circumstancias, logo n1udou de 
pIano para não perder tempo com 0 que se the afigurou 
summamente improvavel, e, tomando ares de born cortezão, 
adheriu ao parecer dos que suggeriam ser preferivel a con- 
tinuação do Rei no Brazil e a mudança para Portugal do 
Principe Real. A ida de urn ou de outro era todavia for- 
çosa e inadiavel, e 0 ministro dos negocios estrangeiros a 
instigava no sincero intento de poder organizar-se e mode- 
lar-se 0 movimento constitucional: não a aconselhava como 
Thomaz Antonio-nas suas palavras 0 mais inepto e 0 n1aÎs. 
lisonjeiro de todos os homens (2 )-para ser apenas levada a 
effeito, con10 reCOll1pen
a, depois de garantida a manutenção 


(1) J). 
Iaria Amalia \-az ;ell' Carn11ho, ridn do Duque de Pal- 
1IHIla. (nOClllllf'J/to8). 
(:!) D. 
Iaria .
rnal,ia, ob. cit. (IJOCIIIIICJ/toS.) 



DOl\-I JOÃO VI NO BRAZIL 


1063 


das regalias reaes. Conlo si fosse possi vel prescrevcr a preser- 
vação da essencia do absolutislllo par Il1eio de negaças ás ar- 
degas Côrtes de Lisboa ! 
o projecto de Thomaz Antonio, desenvolvido ou an- 
tes embuça'do na carta ao Rei de 28 de Outubro de 1820 
(I), dia em que 0 Rei se feehou para re,digir sua primeira 
resposta á revolução, na qual seguio ponto por ponto 0 pare- 
eer de Thomaz Antonio ou quiçá 0 seu proprio pareeer 
echoado em Thomaz Antonio - 0 que explica que não fossc 
preciso convidal-o a repetir verbalmente 0 que já escrevera 
- era de uma doblez singela: consistia em 'equilibrar-se na 
maromba, nada decidir de definitivo até ver no que davam 
os aeon tecimen tos. 
As Côrtes podiam ir funccionando á moda antiga, como 
côrtes consultivas, ratificando a corôa 0 que bem Ihe approu- 
vesse e deixando repousar 0 resto, em estado de aspiração 


(l, Era l',slta c:u.ta r'I'!';'l)()'sta a lIma apos'til]a flr 
ï ao parCCt'r 
do mpsmo Thomaz 
\ntonio ell' :!(i. lU'l'guntandn 0 Ht'i si dpvPl'ia ac- 
Cl'('scrntar na sua cO'mmunka<:ño Íls 'pa'la\T3S "'hi]' hum dos 
('nhol'l's", 
('stns: "he pOrt'ill 0 mais provavpI 0 hiI' 0 Prindpp 1:1'31", Esel'f'via 
Thomaz .\ntonio: " ,",.. .\s ctll'tt's f'ão illpgël('S, {' hI' nC'<'('ssRl'io diz('r 
qu(' 0 são, para (Int' pUas não (ligão aos PO\'os quI' tpm antoridadr d...
 
da.r Il'is ao 
'rono. [>orl'm f'stão convoC'adns, P faria maior Inai 0 dis- 
soIvpUas, logo h(' n('(
I';-;sarin t;'iohpm ftlltllrizëlJIa-:, para rI'J)l'(,s('IlÜlrp
n 
tlllIo 0 qlH' for hOlll, (' para s('r sancion:Hlo n qUP não f()r cont,rarÍo 
aos eostmnr-s (' f.'eis do U('Íno. Xiio ha outro lllO(l() fil' far.f>l" horn, pstI' 
illpio }wrigoso :it (jnl' Sf' rf'C01'1"1'0 JII'Jos (;'nv('rn:1dol'{'
. Ora 0 g-rand(' 
pOll to hI' a spdp cIa .\Ionarchia sp had(' ('star pm I 'ortngal on no Brazil. 
Xãq ha np,nhum nll'io s"nào pst al' hUIlIa l'('ss(;,a UPël I P111 c
da hUIll 
dl'
;t('s ("
;ntin,'nt('s, E na ('u1'ta H('gin Sf> llII' diz '1UI' t(,'1'minadas as 
""'t1l1tf'S ('om I )ig:n idad(', harlp Y .\1. fa z<,no ns:-:im, Dsta Pl'onws..;:l ('111 

{'ral yai dirigida a concluir ('tn"tps pm IH'm: Illas s(' fossl' f'XpJjcRrla 
ell' hir V. .\1., on 0 
n('f>ssÜ'r do H('ino. não ÌI'rminRva nada. PO)"(Jlll' 
nhtid,o pss(' gl'unrlf' JHAnto, trata \-ào logo do s('gnmJo. is,to lw, no"a 
CanstituÍ(:ão. J'
 ". .\L pt'nlNia 0 1>(,l1hor quI' t('lll na sua .\1:1u, para 
(IHe plIes não inknt('ill llludar; (jUt' hp-:c;{' VOs ('onSPITaps a nIf'sma 
Ohl'dif'ncia no UPy, hirl'i ('ntão pstar entre vo
, I<
 para qlH' plIf's pn- 
tendào fjUI' ('sta pronwssa :-:1' v,nrifi('a ('Olll nlntagt'l1l; IlL' l}ll(' 11(> utH 



11 )64: 


DO:)I Jülü VI 
O BUAZIL 


latente, até fermentar. Si as Côrtes procedessen1 bern, isto é, 
si se mantivessern dentro d'essa digna reserva, 0 Rei as pre- 
filarIa com urn ar de sua graça. Quando não. o. a côrte 
quedar-se-hia no Rio de Janeiro, e 0 velho Reino que coo- 
tinuasse a aguentar a interdicção, como urn pai prodigo que 
fez grandes Ioucuras e está afinal debaixo da tutela do filho 
rnais sensato. Para Lisboa iria em segundo caso 0 Principe 
Real, rapaz impetuoso, llTais facil de infundir respeito do 
que 0 velho Rei manso de São Christovão; en1 terceira hy-" 
pothese 0 Infante, umoa criança estouvada, e em ultimo caso 
ninguC1l1o 0 projecto do desembargador-Ininistro era in fan- 
til, e bem 0 presentia DOllI J oão VI ao querer ser mais pre- 
ciso, elle que era tão minucioso e meticuloso no exame dos 
negocios publicos, e que cOll1prehendia a utilidade de sat is- 
fazer 0 povo portuguez com a segurança da ida proxima 
de alguern da familia real, mesnIO para que se não fosse 


dizf'rlhe-mas scmpr(' f'
tari'L tãobem huma P('ssoa Real no Brazil- 
twis IJem \"em que 0 Brazil não hade jft agora ser Colonia; e descon- 
fiarão sempre que' se deixará 0 lllf'noS pelo mais: c pa.ra socpgarem he 
l'r('cizo qur con t0m com a un ião do U0ino do Brazil. 
Y. M. y[> a variNladC' de votos, buns que seja V. 1\1. vii.; outros 
() Spl'enbisimo Sr. l'rinci}w Ural; outros 0 
C'nbor Infante: por(>m 'Csta 
,jol'nada não be tratando da st
de da :\Ionarchia, para 0 fim das c(')rt0s, 
COIllO tra ta a Ca rta J{.('gia: lIP uma jOl'nada para .acudir ao inc('ndio, 
f' dirigir () progrrsso das eÙrtes. Esrrpvt'nùo 0 officio (á Rcgcnc;n do 
llcino) parecf'o me qu{' uno a varif'dade df' \"otos ('Ill dizf'l' que huma 
<Ias Pessoas Heaes vai agora, e se manda aprontar a Esquadl.a. Po- 
rém como não he prudt'nte bir para buma ('asa qUf' {'stft incendiada, 
,fazse depender a partida de noticias que cht'glH\m ùe mais tranquili- 
dade 'Û isto mrsmo para incf'ntivo de se tranqnilizar.0m. 
ão mt' pa- 
,rl'('e b0m nomear n0nhnma Ht'al I'essoa, pOl'que, he prollirtter, e dppois 
não se pode faltar; e nom,'a1" hum, 11(' excluir os mais: 0 que não 
convern. Estando pronta a E
quadra, mand(' V. 1\1. qual lbe parecer; 
mas não prometa agora, va nrgociando a Paz com 0 Penhor que tern 
em seo PodÛ'r. Bf'm ('onlwee V. )L qUf' PU não trato aqui de dar hum 
voto; trato de formalizar hum lJl'spacho spgundo os votos, e seg'undo 
() qu(' V. :\1. ordE'nar." (Cod ice autogl'apho na ßibliotheca 
acional, 
que figurou na Exposição de lIistoria do Brazil). 



DOM .TOÃO VI NO BRAZIL 


1065 


aquelle acostull1ando ao desrespeito dynastico na atmosphera 
de sedição de Lisboa (I). 
Thomaz Antonio tinha razão em que para 0 seu Jogo 
de equilibrios era condição indispensavel a união dos dous 
Reinos, pois sem a certeza d'ella as Côrtes perderiam as es- 
trÍ'beiras e chegariam onde não convinha absolutamente que 
fossem, dando leis ao throno, posto que conservando esta 
antigalha, visto que, pelo receio da Santa Alliança mars que 
tudo, ell as eram liberaes, não demagogicas. 
o espantalho da supren1acia da ex-colonia, dentro lnes. 
n10 da união, mediante a assistencia n'ella do monarcha pro,. 
duziria, no entender do conselheiro favorito de Don1 J oão VI 
urn effeito salutar no afastar as fantasias politicas e ageitar a 
insubordinação legislativa n'um certo molde, não muito di.f- 
ferente do existente. A questão da séde cia monarchia devia 
portanto ficar enl aberto até ulterior resolução, dependente 
da attitude das Côrtes, a qual podia não merecer sequer a 
vinda para 0 seu seio de uma das pessoas reaes, j á não fal- 
lando do Rei. 
Assim, Lisboa sómente readquiriria a sua passada posi- 
ção de capital do il11perio luzitano, si 0 constitucionalisll1o 
continuasse incubado. T mnbem em Londres 0 ministro Souza 
tivera a idéa de pedir a lord Castlereagh que insinuasse ao 
governo revolucionario de Portugal, que as potencias euro- 
péas não reconhecerialn outras Côrtes que não fossem as 


(1) rma d;l:': apo:4tilhl:4, ù.p 11 dp F,'Y{,l'eiro de lS1 D, no codic(' 
f'it. ('nr'PITa a 
l'
uintp maxima 1'pal dt' govern!): "..... :-;() me p('(1(' 
que' !'u:-;tl'nte a R1Hl autorida<1<" 0 'IU(' h(' nH'U :,:i
t(,Jlla. poi
 dl' outJ'o 
modo não 
(" sn
tl'ntando a
 alltOl'ifia<1('
 l)\\hli('a
 tl1(lo \':li mal." I.
 
('11(' c1a\':l 4) t-'xl'lUplu da applic:.h;ùf, ao-.: nl'
ocio:-: <11' E
tado e cia COlli- 
l'o
tnra. comhinada. com a r1pfpl'P11l'ia. :1 opinião. 



1066 


DO}! JOÃO VI NO BRAZIL 


convocadas segundo as leis antigas da monarchia nacional, 
não se tolerando á Hesp'anha ingerencia alguma mesmo in- 
directa, como n1odelo constitucional, sob pena de por seu 
lado invocarem as nações alliad'as direito igual de inter- 
venção. 
N a fonna do costulne respondeu-lhe Castlereagh que 
si as potencias em questão dessem 0 passo reclamado, pre- 
j ulgarian1 as decisões do soberano portuguez, e a I nglaterra 
em particular incorreria na costumada censura de accen- 
tuar em cada occasião 0 seu predon1inio sobre 0 Reina unido. 
Tanto mais dispensavel Ihe parecia a alvedrio quanta todas 
as n1udanças havidas e por haver estavam dependentes da 
approvação real, inclusive a natureza das Côrtes. 
o ministro de estrangeiros britannico entendia firme- 
mente que tudo se tinha a lucrar com tornar bem patente 
aos olhos dos Portuguezes que, nas concessões que formu- 
lasse, Dom J oåo cedia tão sómente ao impulso do seu cora- 
ção, e nåo a influencias estranhas. 0 meio era unico de per- 
suadil-os a acceitaren1 0 systen1a de governo que 0 Rei "lhes 
propuzer e no qual S. 1\1. naturalmente conciliará a sua 
dignidade com 0 ben1 dos seus povos, e a opinião publica da 
Europa" (I). A Europa não pedia outra cQusa e com agrado 
receberia qualquer aj uste em taes condições. 
Paln1clla via as cousas differentemente e melhor do que 
1'homaz Antonio, cujo espirito andava tão turvado pela at- 
mosphera palaciana que Ihe faltava até a coragem de nOlllear a 
pessoa real que devia embarcar para Portugal, no intima 
por temor de descontentar as demais, entre as quaes era 
grande e a proposito de tudo a ciumaria, e mórmente de 


f]) ('Ofl'I'Sp. (le Londr,{'
, 1 R
O-lR21. no 
\r('h. do 
Iin. das 
R('l. Ext. 



DO
I JOÃO VI NO BRAZIL 


IOG7 


contrariar 0 pensamento secreto do seu Rei. Para 0 ministro 
GOS negocios estrangeiros era muito pdo contrario preciso 
abordar a situação com franqueza e energia, ceder para ga- 
nhar, conceder para salvar, pôr-se de accordo com as idéas já 
com'muns do tenlpo para não incorrer no exaggero d'estas 
mesmas idéas. 
Dom J oão VI tambem percebia - Palmella 0 diz Ines- 
mo na sua correspondencia familiar (I), - que tal trata- 
mento era 0 nlais acertado, e ás cataplasmas de Thomaz 
Antonio antepunha com sua lettra esta objecção de fraca 
orthographia e syntaxe, mas de senso conlmum: "Lendo 
a carta (a Carta Regia) vejo que a minha ida e de meus 
filhos ficão dependentes do born comportanlento que tiverem 
apezar que no officio particular (2) se Ihe fala pozitiva- 
mente mas no publico não aprece pois julgo que esta carta 
, . " 
sera Impreça. 
Respondia logo 0 primeiro ministro sem adduzir razòes 
convincentes, apenas insistindo com pueril teimosia na sua 
primeira opinião: "Não pode haver contradição, pois na 
Carta Regia se estabelece a pronlessa para sempre de estar 
huma Pessoa Real em Portugal, e outra no Brazil, desde 
que as côrtes terminarem dignamente: como he 0 voto do 
l\lons. r Alm.eida e outros. No officio se trata de agora e que 
vai Pessoa Real, como diz a Carta Regia, e segundo 0 in- 
teresse permittir: mas na esperança de vireln noticias mais 
agradaveis. Eu entenderia melhor não se aumentar maIS 
nada; nenl especificar hum ou outro dos Senhores: pois 
V. 1\1. 0 penh or que tenl para conservar 0 Reino he a sua 


(1) n. 
faria 
\maIJa, ob, dt, 
(
) l) Officio 1'(':11 Wra á HpgPTIC'ia, C'uj:1 d(>I)O
it:ãtl. 
1'gni(la da 
,fil'cJama(:ão ùa .Tunta rt'yolut'Íonnl'iR., s() a 1
 d(" Xovemhl'o ('lJl'gou ao 
conhl'CÍmento ùe Horn .Toão. 



1068 


DO)! JOÃO VI NO BRAZIL 


Pe
sca, e a Successão Real, e por este penhor he que as poJe 
obrigar a acomodarem-se. Par isto não tern que prometer 
francamente porque perde a força dos meios que tern. Elles 
pedirão de lá, que he Inelhor tres l\Ierces do que huma" (I). 
N'isto se passava a tempo e ninguem seguia para Lisboa, 
nem se resol via cousa alguma ace rea da constituição a ou- 
torgar, que Palmella encarecia e 'I'homaz Antonio abOlni- 


nava. 


Diversos dos --de 'T'homaz Antonio tambem eram, j á se 
sabe, os pareceres de Arcos. N a correspondencia e despachos 
com 0 Rei enfunavam-se as rivalidades, e as facções e os 
cortezãos beliscavanl-se a bico de penna e alfinetadas orato- 
rias. N a phrase de Thomaz Antonio a conde dos Arcos 
"nada dizia de razoens, dizia que não porque entcndia que 
não, e contentava-se conl impugnar." Elle sim, por mais in- 
comprehensivel que nos possa hoj e parecer 0 apoio em tal 
fundamento, baseava-se na opinião publica para procurar 
desviar as .perigos e dar conselhos sãos, proprios a serem 
seguidos (2). 
E' verdade que Thonlaz An tonio partia sempre do prin- 
cipio da preservação da regia auctoridade (3), dando porém 
n'esta ordem de idéas urn parecer mais definido do que podia 
agradar ao temperanlento opportunista do monarcha. Por 


(1) Cod. ('it. na nil)!. Xac. 
(
I "Y. 
I. l)(,ID ,-f- que ,entrt-' hum parp('el' flue nfío cliz nnc1a 
nf'tll tpm nada que (lizl'r: P f'ntre outro quP 
\
 funda na opinião IHl- 
hlka. P (flIP de
via 0 IH'l'ig-o, d('n
 :-wguir ('
tp..... (Carta de :! de 
J )ezPlllh1'1O de' l
:!O, no Cod, dt, na Bihl, Xac.) 
Fq ....... f' não a,IH'ovpitarå nadn llumdnr-se dizer. qu(' Y. 
I. 
('f\dp nf'm hum apic.e da Hua Hl'al .\ uto1'idad{', 
p cpdf' pa 1',1 rl'partir 
('Om a Xohrf'za. virft a lWl'(lf'r!.w toda. tirando 0 1'ovo tudo; 0 ru('io d(\ 
{'onsPr\'nrs(\ a 
ohr('zn, Ill' ('unsprvar us uzo:o; do Hpino. f' 0 Hn\H'l'anO 
hp quP a dl'f\'ndp. 
[a
 0 mai
 nflcess:ll'io Iw para tl'nnquilizar 0 Drazil : 
m:1
 P
t(' nåo sp tl'anfjuiliza pOl' ('('(]('r d(. auto.l'i<l:Hh'. lllas 
ill1 pOl' (]('- 
(']a1':1r flup qup1' elllendn1' ahusos," (Carta ell' 1.1, IIp .Tall'PÍl"n dl' lR21, 
no Cod. ('it" ilJir7( 111,) 



DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


1069 


feitio de espirito Dam J oão VI gostava sempre, nas crises gra- 
ves, de agarrar-se a ilIusões, cerrando propositalmente as 
olhos á realidade quando Ihe parecia feia, e fiando do futuro 
-recurso supremo dos optimistas-a correcção do presentee 
A revolução n'aquelle. momenta ostentava-se no Porto e 
em Lisboa e rosnava em todo a Brazil: que importava? A 1n- 
glaterra declarara que não r'econheceria a Junta rebelde sem 
que -elle primeiro a reconhecesse, e servira isto para lisonjear 
seu amor proprio e fazer renascer suas esperanças, como de- 
via par certo ter servido para abaixar a grimpa dos taes libe- 
ralões. 
Não havia em Dam J oão VI indolencia da intelligencia, 
sirn indolencia da vontade. N as notas á margem das cartas e 
memoranda dos seus ministros, a Rei quasi uniformemente 
respondia só com relação aos pequenos negocios: as de maior 
manta -ficavam senl'pre para mais tarde, conlO elle dizia para 
nlais madura reflexão, de facto para' urn debate anodino no 
despacho, Cin que invariavelmente se protelava a solução das 
questòes mais arduas au mais ,e:-;pinhosas. De ordinaria, a sobe- 
rano não comprolllcttia sua opinião (T): fazia-a vingar pclo 
aferro, não pela ÌInposição. As cotas que nos foranl conser- 
vadas do seu punho nunea passam de generalidades ambi- 
guas ,e formulas dilatorias, de UIn govrrnante qut' andasse' 
ás a'palpadellas, dos 'l'eja J tveremos J faça 0 que achar melhor J 
diga-mf 0 que devo dizer lIO Conde. Era como si Palnlella 
fosse a importuno que no Rio representava a governo bri- 
tannico mais permapentemente. 
'Comtudo Uin graphologo-apezar de sabennos de quan- 
tos enganos é capaz - ,desdenhando 0' fundo pela forma, no- 


(1) ....... Ùp hOC'C'R 1'pflpcionnrf'i llwIhor sobre 0 objecto em 
'IUI.
tâ/)", r


p()ntlia (Jot' Ullla Vt'Z :J 'J'hlllll
JZ ,\n1:H1j,), "poi
 a sna opl. 
nião sempre mc f'az pezo." 


D. J. - 67 



1070 


DO::\1 .TOÃO VI NO BRAZIL 


taria na calligraphia real indicios de urn instincto dominador. 
POl' effeito segurmnente da raça, da tradição, de Ulna dispo- 
sição inllata de auctoridade, aquella lettra eIll p
, si bem (Ille 
pouco attrahente C01110 a sua pessoa, é ampla e regular, 
firn1e e pessoal. A acredital-a, de Inagestatica tinha Dom 
J oão VI a consciencia como tinha a Inagnaninlidade. 
.Em fins de Janeiro de 182 I a partida de Dam Pedro fi- 
cara absolutan1elüe decidida eIll dcspacho, e seJ restava a 
Dom J oão con veneer 0 filho da necessidade de ell1barcar para 
Lisboa, arredando-o aSSlnl das fantasias ambiciosas que, 
insuffladas pOl' varios patriotas, 0 andavam embalando e 
levando a pretender concretizal-as no vasto paiz onde ti- 
nham decorrido sua infancia e sua a:dolescencia. Escrevendo 
ao Rei no dia 3 I, dizia Thomaz Antonio tel' pensado muito 
no negocio, que estava de pedra e cal, e respeitosamente 
apresentava 0 conselho de realizar logo sua entrevista com 0 
Principe herdeiro no intuito de the apressar 0 embarque. (I) 


(1) "..... hiI' 0 Principe ,J1.eal '3 om iI', sabrr as qlll
ixa
, rc- 
mf'diar 0 {IUE' for segundo 
lS Lei
, 0{' IH'up()r a :4. 
L as .ellwndas ou 
l'eformas-e spgunùa parte, nada fa]ar (1(' <'on:,;ti'tui<:tlo. e tudo dt' 
melhoramentus, Ie' consprV
lr a 
\utoridall.p Heal toda int0ira p3 1 'a 
Y. 
I. e 
eus succpssores. ('omo nistu cacla bum cedeu da metade da 

ua opin iãu: of' esta concul'ùado, esta .em Itermos doe Y. 
I. assim u dp- 
cidir. Segupsp pois fa]ar Y. 
I. ao PrincipE' IV'aI: pOl' muntos 1ll0tiyO:; 
-para V. 
1. ouvil' 0 Illwdiato Suce:,;sol' antes de decldir-p'ar:l que 
ell..., diga se voluntariamentE' <tUN' fazl'r f'sta a('
ão (lUe Ill' {],- gl'andl\
 
con
equpncias-e em tN'('eÏ1'u lugar. p01'f}ue h... ac\.:ãu df' arnizadf' (' 
de confidencia en tre \
. 
l. 0 dIe. Pud
 \
. 
l. h'l' a certeza llUP ern fa- 
la1'I,h0, faz a coisa que s,'rá ,para eHe mais 1izongeinl: e para 0 Hei'no 
todo he 0 maiR saudavel s,'r esta llH'di'cla aju
ta!da entre Y. 
I. e 0 
Pl'incip{'. :4() pod..> repugnal' a hiI' :-;Plll a I'rinceza; e Bisso S'l' pod,' 
cpde.r, pols 0 ponto principal para socc'go do Brazil. e para conSl'rvar 
o re!o\peito da 
Ionarchia na EUl'ova. hf' fÏ<'ar no Hio dl
' .Taneiro 0 
Trono; qm' he L 
1. {' a sucessãu directa tIa ('I)rûa. E pOl' is
o ('rn 
ficando os 
 ...tos de \9. )1., OU dos <lois, hum llU
 ha outru qlW Sl
 es- 
j>E'ra, 0 {tue for 0 SUCE'ssor; he 0 qUE' basta para {) e
spnciaL . . .. Esta 
confE'rencia que V. 
I. tiver, sera muito glorios.:l para Y. 
I. e mo
tra- 
.rá a'o. :Mundo que a Vontade de Y. 
I. he toda 0 bem dos 
f'u<:; Yas..,;al- 
los. (Cod. cit. na Bill!. Nac.) 



DOM JOÃO VI NO BRAZIl" 


l07L 


Para a conselheiro valido, a Brazil era urn terreno onde 
poucas sementes òas novas idéas tinham sido lançadas, por- 
tanto 0 que permittia residencia mais facil e agradavel a 
urn monarcha absoluto; além de ser uma terra quasi tad a 
par desbra var r de recursos fartissirnos, a qual convinha iso- 
lar do contagia cia peste da emancipação grassando nas colo- 
nias hespanholas e á maior parte j á tendo assegurado a inde- 
pendencia. Para conseguir tal finl era, porém, indispensavel 
permanecer 0 Rei no Brazil e pennanecer igualmente unl do
 
netos, a que tivesse de herdar a corôa. 
A resposta de Dom J oão VI á margem é evasiva e timo- 
rata como de costume, quando se tratava de affrontar opi- 
niões alheias e de fazer prevalecer a proprio sentim.ento occul- 
to: "Até este momenta ainda não falei a meu Filho quero 
que nle diga se esta na mesma opinião diga-me a que lhe 
devo dizer e se ouver replica, a que the devo responder." 
Alguns dias depois, a 4- de Fevereiro, já Dom João annun- 
ciava ter recebido 0 voto do filho, com quem .devia avistar-se, 
e de facto se avistou, na ilha do Governador, nIaS tor!lava a 
reclamar a parecer de l"'homaz Antonio. 
A 10 de Fevereiro, como quem de continuo pergunta a 
mesma causa até que the respondam como deseja, instava 
ainda 0 monarcha pela replica do seu rninistro, nã9 se fur- 
tan do par fim Thomaz Antonio á repetição da sua idéa de 
ida do Principe só au apenas com a esposa, pais que all 
accusava 0 Rei a parecer d'elle (I). D.esde 8 communicara 
l\laler para Pariz estar resol vida a partida inlminente de 
Dam Pedro na qualidade de Condestavel, ficando no Rio 
Dona Leopoldina par se achar no ultimo Inez de gravidez, 


(1) Para nño DarN'Pi" on lUf'SmO 1'01"(1\1<, de facto se não guhva 

6 p<,las luzps dl' 'l'homH.z .\ntonio. ajnntava 0 I
l'i Ü'l' tamlh'm lIt'dido 
o parecer de outro minisb'{). 



1072 


DO
I JO
\O YI NO BRAZIL 


segundo no dia 7 informava uma nota de Palmella a barão 
de Sturmer, novo ministro da Austria. 
A pobre amorosa Princeza, não se confornlando com a 
separação, tanto instou porém com a sogro, que este acabou 
par annuir a que ella acompanhasse a mar ida, depois do 
parto, ficando as crianças com a avô, aquella pelo menos que 
encarnasse as esperanças da dynastia. 
'0 governo britannica, desanimado de conseguir 0 re- 
gresso do R'ei, ,mandara instrucções instantes ao seu ministro 
Thornton para que alcançasse pelo nlenos a partida do Prin- 
cipe ou do Infante, ,e a diplolnata, de accordo com PaInlella
 
trabalhara cOIn tanto afinco n'esse sentido que D. João tinha 
de fugir d'clle, ausentava-se 1l1CSn10 do Rio para evitaI-o (I). 
Por sua vez DOln Pedro, instigado por PaIn1ella e alnbicioso 
de representar un1 papel nos succcssos que se estavam desen- 
volvendo, convencido para mais da urgencia de oppor urn 
dique á maré revolucionaria (2), pendia agora para a ida 
para Lisboa e começava a invocar seus titulos e responsabili- 
dades de herdeiru, prdindo official11Il'Htf' a opinião dos 111i- 
nistros (3). 
DOln J oão, porém, no intinlo ainda não conlplctanlcnt-e 
decidido e politicamentf' zeloso como todo nlonarcha do seu 
successor presumptivo, hesitava eln dar a consentimrnto para 
o embarque-n1esnlo depois de rf'solvida e até diplon1atica- 
mente annunciada a partida-sernpre á espera de algurna 
causa que mudasse aruma dos acontecimentos. N a Imprensa 


(1) Corre:::.p. dp ::\[al('r, no .\1'('h. do '[ino do:;; Nt'g. Est. <ll- 
França. . 
(2) ".\.0 Principe, of>s(Orrvia 
[
llf'r (Offi<"Ïo dl' 
 d(' Ti't,,04'l'l'il'o 
de 1821), não falta oe
pirj.to natural nf'1ll ardor pam faz-l'l' t) hClll, 
mas é indispensavl('l que Ihe deem um conselho proprio a guial-o e 
sustental-o nas circumstancias imperiosas qUf' 0 yilo rod ear." 
(3) COrI'esp, de :Maler, ibidem. 



VO)1 JO.1o VI NO BltAZIL 


1U73 


Real era Inandado cOlnpor urn folheto em francez descre- 
vendo as vantagens da permanencia no Rio de toda a familia 
real, 0 qual distribuiam agentes da policia. 
As duvidas não cessavam com 0 proprio embarque. De 
Londres discutia 0 ministro Souza si 0 Principe deveria 
singrar dir.ectanlente para Lisboa ou parar nos Açores, para 
d'alli negociar con1 as CÔrtes.e obter uma garantia de que nada 
intentariam de nlau ou de desairoso contra a sua pessoa, dei- 
xando-lhe inteira a faculdade de approvar ou rejeitar as pro- 
posiçães que the fossem feitas. 
E' de notar que 0 diplomata dava preferencia á viagem 
directa, em primeiro lugar porque não reputava "tào viciado" 
o caracter nacional portugucz que se tivesse desprendido das 
obrigaçães òevidas ao soberano, e em segundo Iugar porque 
calculava a hoa inlpressão que faria ,entre a população em 
geral aquella prova da confiança regia. Não se dava por 
outro lado tempo "aos individuos mal intencionados, ou 
aos partidistas da Hespanha para procurarem aliciar os espi- 
rito
 com 0 prete'-to da denlora para insinuar que Sua Ma- 
gestade quer abandonar Portugal", nem com 0 proprio facto 
da negociação se inspirava maior confiança em sua força ao 
governo revolucionario, e "mai
 a'nimo para se oppor a 
qualquer mudança que Sua Alteza Real julgue dever propor 
no systelna que tenha estahelecido" (I). 
J á a attitude benevolamente indifferente da Inglaterra 
conl relação aos acontecimentos de Napoles augnlcntara 
muito a confiança, senão jactancia dos liberaes portuguezes, 
incitando, segundo Lesseps (2), á adopção de uma Constitui- 
ção muito mais radical, distante da franceza e da neerlan- 


( 1) COrl'('sp, Ù" Londl'l"s, lR
O-1821, no Arch. do Min. dns 
iRl'l. Ext. 
(:!) CO'rl'l'
p. no 
\.r'ch. ÙO )1in. Ù'OS Xcg. Bst. de Ifrançoa. 



1074 


Dü
l JOÃü VI 
O ,URAZIL 


cleza, que eraIn as que de COlDeço se tinhan1 em vista para 
não suscitar as reparos da Santa Alliança. 
A idéa da estação nos Açores nascera muito provavel- 
mente do boato que corria em Londres de que, tanto n'esse 
archipelago como na ilha da l\ladeira, população e auctorida- 
des negavam-se a submetter-se ao governo de Lisboa. Ainda 
assim D. José de Souza não esquecia a
 ilhas adjacentes na 
distribuição de fragatas de guerra que suggeria a lor,d Cas- 
tlereagh, destacando-se da esquadra do Rio da Prata umas 
para serem pastas á disposição de Dam J oão VI no caso de 
requerer tal soccorro para acompanhal-o até a Europa, e 
mandando-se outras para Lisboa, ilhas e, par prevenção, a 
canter na obediencia an Rei as habitantes tambem da Bahia 
e Pernan1'buco "no caso de quererem ten tar agora uma nova 
revol ução." 
1\1 uito sensatamente Castlereagh só não objectou ao 
primeiro alvitre, si belD que lastimando que da estação do 
Rio da Prata se tivessen1 retirado as naus .de guerra, e em 
todo caso ponderando a conveniencia de ser a peS50a do Rei 
transportada a bordo de uma embarcação portugueza, em- 
pregando-se os navios inglezes na conducção das pessoas que 
tivessem de acompanhar a côrte. 0 governo britannico 
achava sempre geito de voltar á sua toada favorita de não 
querer dar pretexto a accusações portuguezas contra a ascen- 
dencia ingleza, as quaes prejudicariam a real causa; tão 
sincera sendo sua vontade de não COlnprometter Dom 
J oão VI, que vacillara em seguir a exemplo da França e 
annuir a representações endereçadas pelos negociantes ingle- 
zes de Lisboa para fim identico, de se mandarem mavios para 
ö Tejo com a fim de protegel-os de quacsquer eventualidades. 



DOl\I JOÃO VI KO BRAZIL 


1075 


Selnelhante abstenção não devia portanto ser tomada, 
con forme se rumorejava no Rio, como urn indicio de prote- 
cção indirecta á causa da revolução: desconfiança injusta, 
cornmentava lord Castlereagh, a que 0 gabinete de Londres 
não queria dar peso e que 0 não den1'overia do seu proposito, 
a bem da realeza e do reino, de obstar a que as grandes po- 
tencias avocassern urn papd activo nos negocios portugue- 
zes (I). 
D. J osé de Souza acabara aliás por se capacitar de que 
a posição assurnida pela lnglaterra offerecia a grande vanta- 
gem de poder 0 sell governo efficazmente interpor uma 
mediação entre a corôa 'e as côrtes, si .estas por acaso re- 
Slstlssem á conciliação in1aginada pela corôa. As relações 
tradicionaes entre os dous paizes, a sua mutua situação geo- 
graphica (2), a neutralidade affectada por aquelle governo 
estrangeiro no conflicto, tudo 0 fadava para un1 pape! pa- 
cificador, que de certo entrava nas intenções da Grã B'reta- 
nha, mas que the não foi dado desempenhar porque 0 mOVl- 
mento liberal de 1820 logrou por si enlaçar 0 throno. 
Prete:\.to algum restou ao gabinete de Londres para in- 
terferencias. As probabilidades de uma cooperação constitu- 


(1) Con
c:-;p. de Londrf's, lS20-1R21, no 
\.rch. do 
Iin. das 
(IV'I. Ext, 
(
) O
 
ol)l'rano
 alliado
, quando quiz.(I
sf'm intf'J'\'ir, (I
tava.n 
condf'nmadm; .a Sf' não pOd0l't
m :;;p1'vir npm dn via maritima, domi- 
nando a [nglatf'rJ':l ns commtmi('aci)ps o('('anica;.;. nf'm da tfll.rpstl't', 
op)Hmòo-,,;(' :í pa
sag-0m dl' tropa
 pdo Sf'U territorio, quando não a 
F1'an<;:1. a JIrspan l1a con
titudona I ({UP IIl'otp"tÜra <If> antpmão contr,l 
fJtJa('-':IJUpr d(''lihera(:õl:'
 òt> Trop'pau. (l.'
tinao(},as a comprimir :l lihcr- 
(lad(' Ù08 povo
. I)f' 1"p:.:to a8 .intf'1"Vf'n
õ(,H conjunctas tinham mnito de 
,alt>atorio. 
\ .\n
tl'ia f'
tan1 so
inha pm campo na !talia. Hf'm (}UP jul- 
ga

r Ò"Y0r ajuda I-a m:1 tc'ria 1 mf'n tf' a n ns
ia. l'Olllqnanto n pn drof'i
'a 
do ahsolntisIno. 1'01' iH
() f'sC'r0via 
t'ntl'nciosamente de Lonòrf's V. .1osé 
d.c 
nuza: "Con:-;iclr1'o a alliam:a da In
latf'l'l'a :l mai
 utH, ma
 l'stoll 
]ong'0 <If' df'sf'jar fIll(' no
 df'ixl'mo
 dominaI' pOl' ella." (COIT(,
p. de 
Londl'l'8, 18:!O-1
:!1, i1JitlcJJl). 



1076 


DOl\! Jü:\ü VI Kü BRAZIL 


cional 'hespanhola tenderian1 gradualn1-cnte a desapparecer 
com a quasi certeza n'a'quella occasião de unla recusa 
franceza a consentir na passagell1 de qualquer cxercito 
de repressão da Peninsula (I); conl 0 retrahimento 
consequente do ideal absolutista e dispersão dos seus esfor- 
ços, e COIn as noticias todas a chegar òo Brazil, de adhesão das 
varias provincias ao novo regimen, juramento pelo Rei da 
Constituição que fosse claborada em 'Côrtes, e final certeza 
do proprio regresso d "eUe. 
Para não perder vasas, Paltnella, no depoimento de 
l"'homaz Antonio, tinha ido entretanto reconlmendando 0 
liberalismo moderado que foi sua constante norma political 
,rê-se pela carta de 12 .de Fevereiro (2) que a essa data j á 
o nlinistro dos negocios estrangeiros achava insufficiente 
o decreto em preparação, que devia definir a attitude real, 
e opinava pela convocação, a par e passo das Côrtes portu- 
guezas. de R,epresentantes brazileiros. 0 n1alfadado decreto 
n',este comenos ia, voltava, emendava-se, discutia-se si seria 
accrescentaòo ou não, si trataria ou não de Constituição, 
COlno si ainda fosse possive] Olnittir a palavra que em todo 0 
Reino U nido estava abrasando os corações e erguendo os 
espiritos, cultos e mesmo ignaros. 
lntelligcnte como era, Donl João VI en:\.ergava que do 
lado de Palnlella estavam n1ais a razão e 0 born senso, e si 
outros the não afagassem a natural inclinação absolutista, 
elle votaria por que se cuidasse logo na tal Constituição, 


(1) 0 ministro de e
trangeiros d(' Luiz XYIIJ, harrío PaHquip", 
pxplkava ,pm de
pacho a l\IaIer qUf', s('gnndo ('ra puhlico e notorif) 
mesmo p,etas palavras officiaE':;; na Camara dos Deputados f' PE'Ja.s 
declarac;ões feitas ,pm Napol,f's, "a Franc;a se propuzera obsl'rvar uma 
e
tricta neutralidade ,pm todas as opera<;ôps militares que p'od-priam tel' 
lugar, e que' sua l'e
oIu<:ão a tal l'esp.eito e-ra tão positiva quanta a 
da Inglaterra." (Arch. do :\lin. dos Neg. Est. de França,) 
(2) Carta de Thomaz ..lntonio no Cod. cit. 



DO)! JO..
O VI KO BRAZIL 


1U77 


que nåo era afinal cousa tão má pois que 0 deixava Rei e 
nlantinha a dynastia. Thonlaz Antonio continuara comtudo 
para melhor correspollder ao pendor do soherano e satisfa- 
zer ao meSlno tempo a propria tendencia, figurando de centro 
da rcsistencia, ccdcndo quasi á força, aos hocadinhos, reSlnUl1- 
gando, altercando, chorarningando, dec1arnando. "II unla vcz 
encetada a Autoridade Real-não se fartava elle de repetir- 
toda vai perdida, e rnais Sf' não pode suspender a torrentc." 
Declarar nulla a convocação das Côrtes de Lisboa teria 
sido 0 seu gosto, nlas como reconhecia ser inlpossivel, ao me- 
nos que servissem apenas para canalisar as supplicas dirigidas 
ao Rei e elevar as propostas sujeitas á approvação real, afim 
de não apparecerem resol uções e leis como emanadas da sobe- 
rania popular. A' Carta Constitucional de Palrnella nutria 
sincero horror, henl como ao pIano .de ir 0 Principe Real 
presi,dir as Côrtes, si nåo tosse j á telnpo de ir para fazer 
curnprir a Constituição outorgada. 0 que? dar-se 0 monar- 
cha sem rnais por vencido, "nâo sabendo ainda 0 que h
{ 
de acontecer a favor dos thronos?" Despojar-se 0 Rei, para 
que 0 não despojasse111, quando existia luna Santa Alliança 
dos Reis contra os Povos? Subnletter-se assinl aos revolucio- 
narios, desanilnando 0 partido realista ? "Não lhe he decente 
seguir os nlalvados, c desarnparar os honrados." 
A 7 de Janeiro ainda 'rhonla
 Antonio opinara contra 
a ida do Principe Real n'aquellas condições. "A vantagell1 
qll(> \T ossa 1\1 agcstade tenl he 0 estar aqui a salvo toda a Fa- 
milia Real; a dependencia que tern os de Portugal he de pedir 
un1a Pessoa Real: portanto não 
e deve conceder emquanto 
não voltarelll a obediencia." A carta regia de 20 de Outubro 
de 1820, rcpetia, sómente pronlettera Ulna pe8soa real para 
o governo de Portugal depois de lermilladas as Côrles, não 



FJ78 


D<))l J().L\O Yl NO lH{AZIL 


havendo no seu entender duvida em acceitareill-se alterações 
ás Ordcnações quanto á segurança de pessoas e de propric- 
dades, comtanto que fossem a examc no Brazil as propostas 
das Côrtes (I). 
N a condescendencia, que reputava desistencia, antevia 
un1 futuro horrivel. "0 que se tern visto rIll outras nações he 
que ,"encido 0 ponto de tereln Constituição, pass am a for- 
lllar-se conjuraçoens contra os Soberanos; 'e assim par-ece de 
temer, po is vencido 0 ataque contra a autoridade, segue-se 
o atacar a Pessoa... 0 flue fez Luiz XVIII de oHerecer a 
Carta, n20 ha paridade, pais elle a deu como graça estando 
os E-xercitos alliados subjugc:ndo a França. 1\las neste caso, 
é offerecida aos Revolucionarios, que 'estão governando Portu- 
gal: he temor, não he graça" (2). 
Inclinar-se para os constitucionaes, era renunciar a 
toda esperança de lucrar com a contra-revolução, fatal na 
Hespanha. e, peor ainda, perder a propTia obediencia de Por- 
tugal, quando perdessem sua ephemera popularidade os intru- 
50S que, con1 'effeito, a brey.e trecho se haviam de ver alvo da 
malquerença da grande maioria da N ação. N em viessem a 
Thomaz Antonio com 0 argun1ento de que satisfazer os revo- 
lucionarios da antiga metropole, equivalia a adormecer a sedi- 
ção na ex-colonia, ou de que qualquer insurreição brazileira 
com mais auctoridade 'e proveito sena debellada ,estando a 
monarchia na sua séde natural. 
"0 outro fundamento, de que 0 Brazil depende de 
Portugal, e que d'alli se pode conservar: não me convence, 
porque 0 Brazil he independente, nenhuma Potencia da Eu- 
ropa 0 pode atacar com vantageln. E hem se vê, que a maIOr 


(1) ("or1. rit., na n ibl. X ac. 
(:!,I Cod. cit., ib'illcm. 



lJu.u JUÃU VI NO BRAZIL 


lOin 


anCla dos rcvolucionarios he incendiar 0 Brazil; porquc si 
dIe se scpara, e rOInpc a comunicação, Portugal teln de 
decahir. Elle preciza ser conciderado como Hanover a res- 
peito da Grã Bretanha" (I). Queria 0 desen1hargador dizer 
que eram Portugal e Brazil dous organismos diversos e até 
dissemelhantes: n'este ponto tinha perfeita razão, e a unani- 
nlidade das opiniões quanto á pennanencia -no Brazil do Rei 
ou do Principe obedecia ao instincto de conservação que se- 
gredava 0 grande risco da separação. 
Thomaz Antonio deu seus ultinlos conselhos de rea- 
cção nas vesperas do nlotinl fluminense de 2b de Fevereiro, 
que compellio 0 Rei a jurar a Constituição a ser elaborada 
em Lisboa e determinou 0 regresso de toda a Côrte, con1 
excepção do Principe Real e familia. A 22 assim estalava 0 seu 
aInúo: "Senhor, Eu não he que heide decidir sobre a 1Ionar- 
chia: ou se manda imprimir 0 Decreto; ou se remette ao 
Conde (Palmella) que mande lavrar 0 alvará com as bazes 
(ria COllstituição J., e que he dIe quem cleve r,eferendar. Elle 
rnandou dizer aos Regimentos que \T ossa l\Iagestade dava 
huma Constituição ingleza; e quer por força que 
e publi- 
Oluem as bazes. Decida V ossa 
Iagestade isto porque eu não 
o .posso fazer. Publique eIle as hazes para Portugal, con10 lhe 
rarecer bem; mas não se elnbarace 0 que he preciso no Brazil, 
aqui não dá por contrato, he em Portugal, e faça para lá 
outro Diploma" (2). 
Perante 0 constitucionalisI11o apregoado de Pahnella, 
queria Thomaz Antonio ao menos livrar 0 Brazil d'essa ma- 
nia nefasta das innovações. 0 velho conselheiro, que enl ver- 
dade mais se preoccupava COIn 0 Brazil, distinguia bem entre 


(1) ('0(1. cit., i1Jitlf'll1. 
(:!) ('od. eit" ilJ it1cl/I , 



11180 


DU
I JúlU VI NU BRAZIL 


os Reinos e apreciava COlll a experiencia que a Pahnella fal- 
tava da tcrra-a cUe faltando Inuito elnbora toda a perspi- 
cacia de Pahndla-a diversidade das condiçães e das circulll- 
stancias nos dous lados do Atlantico. 0 lllesmo lllcthodo llão 
servia para an1bos os paizes: enl Portugal 0 essencial era suavi- 
sar 0 an10r proprio e os intercsscs offen didos ; no ß.razil, re- 
fonnar abusos. Assiln se currigirialn en1 todo 0 Reina U nido 
os esforços da propaganda suhvcrsiva rnlevada na Constitui- 
ção, concedendo-se 0 l1lenus para se não abrir rnão do lnais. 
Dunl J oão fluctllava ainda e selnpre. Do n1csmo dia 22 
foi esta a sua resp()
ta: "l'oInaz Antonio não alhou para 0 
meu bilhete que lhe dezia que logo que n10strasse a meu Filho 
a minuta do Conde de Palmella the remeteria 0 saco com a 
minha rcsolução. Agora me entregou meu Filho os papeis 
dizendo-lne que the parccia que para dIe fazer algunla nego- 
ciação seria lllilhor não publicar as bazes da constituição, 
Inas l'on1az Antonio veria as gazetas (I) que llle n1andou, 
a furça en1 que falão pOl' constituição, chcgando a dizcr que 
espcrão que rodo 0 Brazil os siga; igllahnel1te a furça eln que 
fala 0 Conde a ponto de pedir a sua delnição. remeto 0 
l)ecreto assignado autorizando-o para 0 11landar publicar 


(1) 0 J)f'1'iO(li
rno po1it ko 
() 
lIrgiH no TIl'aí':i1 <'omo {'ffrito da 
l'('voln<:Üo portugllf'Za de l
:!n, ::\0 rspa(:o de urn anno '0 nU111('1'O dos 
jol'naf's tOl'nnu-se nvnItado. Em P(.rnarnblH'O publkavam-sr a t IIro/"" 
('('1'/",11I11/(('(f/1O 0(' 0 S('fl(/rn
f/H: na Bahia, -alérn <la Hd(fv/f' ,It. nitro, () 
NUl/oJ/a,.;o ('ideo 0{' 0 f);"rio ('ol/.'difu,,;olla!: no Hin. nf61'a a Gazda, 
() t lIIif/O rlo 1("; (' rlo '\ açåo. () ('oll,.;[i'1dm' do Rdl/o r/lirln. a 
'::t(/lJ1}(ttill'" 
Familiar. 0 (',JJlsfifu!'Îo/lol, 0 [(('/"('/'1)( 1'0. a Jl",,,[//(( fa. (' '0 Hi"rio do 
i(in ilr' ,To/ldro, dr Zpff'l'ino Yidul' dC' 1\Il'Ìrf'n
,S, () chamnelo l}iorio de 
,'il/tnn lW]O prf'<;o. ou IJi(frio rift /lHtl/fd,l/", }IO'1' puhliea1' os })l'f'(:Os dn
 
gpn
ros aJinH'ntiC'io
 -e ou11'a
 notieias comnwrciaf'
 pm annuncioo;;. 
I Balhi, nh, ,.;f. of' F. elf' 
ouza :\Ial'tins. P/'Of//'('!aw do .!orlla7is/1/o 110 
Rra,:'il, mt Un'. '1'rilll. elo Inst. lli
t. do Hio (](I .Taneiro'!. 
\ imp1'l'ns:\. 

Hl<Iuil'iu logo, lllP1'('f> da ag-ita<:ão do mOIDf'nto pnlitico. g1'ande viùlen- 
<'ia, cpnsul'an(lo afoitanwnte funccionario8 publicus, drnunf'Ìando 33 
po<1ridòl'
. hradando pOl' eID('nda e offe1'ecl'ndo plano
 imaginatiYos Ù
 
reforrna:;, 



DO
I JOÃO VI NO BRAZIL 


1081 


no cazo que tudo 0 que the digo the não fizer obstaculo. 
julgo que seria conveniente fazer alguma comunicação ao 
Conde antes de se publicar. a unica couza que Ine faz algunla 
força he 0 que diz 0 C. (Conde) que nli1hor he 0 dar exponta- 
neamente do g,ue por contrato" (I). 
Bern esperto será quem depois da leitura d'este arrazoado 
puder com seguri.dade dizer si Dom J oão VI preferia outorgar 
ou não a Carta Constitucional pela qual insistia Palo1ella. 
Elle proprio provavelmente 0 não sabia, dubio entre opi- 
niões differentes, attrahido por ideaes oppostos e confusos, 
dilacerado por motivos contrarios. DOIn J oão era UIn contem- 
poraneo de Réné, e a duvida morbida, 0 Inal do seculo, exten- 
cIia-se dos devaneios sentimentaes ao dOlninio pratico da poli- 
tica e da administração. As apostillas de 182 I j á não refle- 
ctenl 0 trahalho regular, mcthodico e desannuviado dos 
annos anteriorrs: agora ellas traduzem a inccrteza e a mor- 
tificação, srnl 0 forte srntinlento de responsabilidade que as 
debellaria. 
A funcção real deixava de ser exercida em grande parte 
com a prcoccllpação de fazer justiça, dc agradar a tod'Os, de 
tornar-sc tun rnonarcha popular, de dar raizes Inc.-aes á dy- 
nastia, instando por r:\.eIl1pIo 0 Rei prla renlcssa dos, papeis 
das audiencias-"pois quero que as partes não julguenl 'que 
Inc não IC111hro tIus requcriolcntos quc tnc entregão." [)OIn 
J oão \TT acreditava cOlntudo, a Incio da perplexidade moral 
{'jn que se ùebatia. que a slia pcrmanencia IlO Bra7il, COIn 
semelhante fé tIe officio, tradição tal de equidade e de longa- 
nimidade, 0 dispcnsaria conl certcza d
 hrindar COIn unla 
Constituiçãu essa sècçãú cIa 111onarchia, a qual 
e contentaria 
{'onl a dita dc possui r a CÔrtc no seu 
eio. 


(II ('OIl. C'it., n:l Dill\. :\'a(', 



lO
2 


no
t .TOÃO VI NO RRAZITJ 


()s Brazileiros C0111 effeito queri,tn1 gerahl1ente que 0 
Rei ficasse, mas não 1l1ais os satisfazia 0 velho estado de cou- 
sase A perturbação constitucional rasgara horizontes de Inaior 
al11plidão e par fonna tal accendeu 0 enthusiasl110 entre ge;1te 
facilnlente levada a exaggeros, que fez 1l1eS\110 sopitarem 
estimulantes desconfianças e provocou uma approximação 
sincera de Portugal. () Reino nunca foi tão unido C01110 n'essa 
phase, até que 0 tnanif.esto brutal das Côrtes rOTI1peSSe 0 
enleio c desmanchasse a illusão. 
A Constituição não cessou todavia de symbolizar 0 cor- 
rectivo dos erros, a reforma dos atrazos, a destruição dos 
abusos. N'estas condiçães a per1l1anencia do Rei podia ser urn 
motivo de vaidade, para 0 paiz urn objecto até de affeição 
commum e superior, mas j á nem constituia sequer uma se- 
gurança de autonomia, pois que seria impossive! a Portugal 
retirar 0 que fôra uma vez concedido: 0 Brazil não podia 
mais voltar á servidão colonial. (I) 
U rna carta de Palmella em data de 3 de l\Iarço, (2) 
escripta ao cunhado, conde de Linhares, descreve, periodo 
por periodo, ainda que 1l1uito succintamente, a evolução ope- 
rada no espirito de Dom J oão \TI e indica com quanta repu- 
gnancia eUe veio a abraçar 0 alvitre de uma Constituição. 
Levou-o, porém, Thomaz Antonio a "publicar só e isolada- 
mente 0 chamamento dos Procuradores das Camaras do 
Brazil," deixando de lado todo urn conjuncto de medidas, que 
ti71ham entre si um nexo necf!sario, e que era1l1 instante- 
mente aconselhadas por Palmella. 
No mesmo dia 22 de Fevereiro, em que Thomaz Anto- 
nio e 0 Rei andaram tão escrevinhadores, e em que foi refe- 


(1) \ rmitage. ob, ('it. 
(2) P. :\ful'ia .\m31in, ob, dt. 



I)(ß[ .Joln VI N( I TIRAZIL 


1083 


rendado 0 decretu de 18 convocando Côrtes no Brazil, nlan- 
dava pela tarde 0 ministro assi
tente ao despacho 0 seguinte 
recado: "Aqui veio 0 conde de Palnwlla, trazia outra lni- 
nuta, eu the disse que 0 Principe tinha pedido a Vossa l\.la- 
gestade levar elle as hazes nas Ilistrucçoens senl as publicar; 
que \T ossa l\Iagestade assinl tinha decidido; e eu portanto 
rrwndava por en} lilnpo ç:> Decreto para Convocação daqui enI 
J nata de Ct>ftrs." (I) 
Estas Côrtes locaes devianl ser fornladas pelos procura- 
dores eleitos pelas canladas lnunicipaes das cidades e villas 
principûes, que tivessenl juizes lettrados, tan
o do Reino do 
Brazil como das ilhas dos Açôres, l\Iadeira e Cabo '7' erde, 
e para tratar com ellas se nomeava unla Junta de 20 pessoas, 
a qual funccionaria como comnlissão prep aratoria, cabendo- 
lhe examinar as feiçães cia futura Constituição da monarchia, 
applicaveis ao Brazil. Urn nlanifesto, sinlultanealnente publi- 
cado, esclarecia mais que 0 Principe Real iria entender-se 
com as Côrtes de Lisboa e que 0 Rei pronlettia perfilhar 
quanto, no producto combinado d'aquella activi'dade executiva 
e legislativa, correspond esse á situação peculiar do Reino 
ultraIllarino. 
No dia 2-1- já a borrasca se prenunciava pois que, re- 
cusada pelo Rei a delnissão de Palnlella-Arcos retirava-se, 
escondendo seu jogo ln
treiro e associando seus destinos aos 
do Principe Real-e apoz unla conferencia com este, man- 
dou-se chanlar os da Junta e algunlLls pessoas de fóra; os da 
Junta "para que segurassem os batalhões de que nåo se fazia 
engano; e antes de se publicar 0 Decreto e tambenl a IlOlllea- 
ção, 'ajustar com .esta Junta se se de\ i(1l11 puhlicar as bazes 


t1 J Coù, eit., n<1 Bibl. 
 <lC. 



1084 


DOM JOÃO VI NO BRAZIL 


?a Constituição para Portugal ,e Brazil, se se devia reconhecer 
j á a Constituição de Lisboa, isto é, a da Hespanha." (I) 
Thomaz Antonio era quem, nem n'esses nlOInentos de 
apuro se bandeava e, comü naufrago politico, ainda se ape- 
gava á idéa das Côrtes serem sónlente consultivas, pelo nle- 
nos com relação á ex-colonia, não se effectuando reforma 
algum.a ou mudança no Brazil sem ser e"\.aminada a proposta 
por pessoas das provincias do novo Reino: no que afinal 
se Pllnha de accordo, apparente senão real, com a proposição 
de Palmella de congregar no Rio de Janeiro, afim de appli- 
car as bases fundamentaes da Constituição livremente conce- 
dida pelo soberano, os procuradores das caillaras lTIunicipaes 
do Brazil. 
o Principe Real, es
e é que revelando desde logo seu 
temperamento auctoritario, que 0 tornaria a llegação do regi- 
men que veio a personificar, dava sem rebuço á expressão- 
Côrtes Consultivas-uln sentido differente d'aqnelle que lhe 
emprestara Palnlella. N'tuna nota do seu proprio pllllho se lê: 
"Lei nenhuma terá vigor selll srr proposta pelo Rei em 
Côrtt>s as quaes clevenl ser consultivas quero di7er terem 0 
direito de drscutirenl a pro posta Real a qual depois decidida 
pella pluralidadr de votos será sanction ad a pello Rei" (2)- 
a este competindo portanto a iniciativa e a sancção. 
o t d'aquella orthographia parcce denotar onde be- 
bera 0 futuru lmperador a noção da sancção real; mas não 
foi nos doutrinarios francezes, sim no seu fogoso tempera- 
nlento peninsular - d'um tempo elll que peninsular trazia 
sohr,etudo a idéa de frades, ll1en'digos e cortezãos viciosos- 


(11 noll1. cit,. 1ùlf7rl1l, 
(:!I .\nto
l'al'ho" do Cod. dt., ibidem. 



110)[ JOXO VI KO BRAZIL 


1 OS;) 


que elle foi buscar sen1clhante repugnancia á iniciativa po- 
pular (I). 
Da instrucção liberal de DOln Pedro n'e3se tempo (e 
depois não lnelhoraria muito) pode-se ajuizar pelo prose- 
guin1ento da sua annotação: "l\.landar as bazes da Consti- 
tuição he reconhecer a convocação destas côrtes reconhecida 
ahi está reconhecido 0 Governo, e he indecorozo a V. 1\1. 
o Reconhecimento he hlllna vergonha certa e 0 ser ou não 
adn1etida huma P. R. (proþosta real) he incerto portanto 
neste cazo he milhor hir pello incerto do que não pello 
certo." 
o constitucionalis1110 do que então era herdeiro de 
I 
Portugal e Brazil foi urn traço n
o tanto adquirido, 0 que 
lhe realçaria 0 n1erito, C01no postiço, porque se não coa- 
dunava con1 a sua educação de'.,curada e depressora neIn COIn 
o seu caracter ilnpulsi\ 0 e violento. Dom J oão VI teria 
ao contrario f.ei to pela sua sagacidade de visão e tin1ide7 de 
acção urn excellente Rei constitucional, eIn ternpos nornlaes. 
Sobre a sua penetração, mesn10 quando obscur.ecida pela 
fraqueza de animo, não pode ficar duvida a quem reflectir 
que, a meio das indecisões e dos receios, eUe descortinava 
claramente os defeitos capitaes da situação, tanto que ta- 
xava justc;mente os alvitres aventados en1 redor de si de 
"pouco praticos e peccando pOl' inclinar-se exdusivan1ente 
para urn paiz ou para outro segundo a nacionalidade, gústos 
etc. do preopinante... entretanto que a S. 1\1. the parecia 


(1) I )i)"-
f'-hn f]11f' JU1 lihp.rrinm Inp:l,atf'l'J'n n!wnn
 O
 In'()}'et()
 
minish'ria('
 11'I'Ill 1'1'oh:thili<l:Hll'
 (1<> sl'rl'm ('o!1vl'rtidos ('m Il'is t' !J.I" 
ns IH'IIJI()
tas fl.. ini<'intinl V:tl'lnHl','ntal' l':tl'anlPntf' IOl!:l'am suhil' ;Í l'l'g;ifl 
f;:lIH'dio: (
 }lor(
m odo..;o ('ne:l1'p('('l' qllanto n'(.ss(' l,ab: 1('m 0 thron.) }lO- 
lit i<'aml'lÜp l1wrg;nlhal1o na !';omhra gig:nÜI':,wa da r(,]H'l's('nt.lt:iio na' 
('ional. (la qllal (
 () l!::thin,'1.' a lll(
I'a 11I'I.'g-a())., ('
'.'lItÏ\.'1. 
D. J. - G
 



1 ( )8û 


DO:\! JOÃO VI NO .DRAZIL 


evidente não se poder abstrahir de nenhuIll dos dous Paizes 
sempre que se tratasse de regular negocios em 'que se achem 
cun1ulativan1ente compromettidos os interesses de toda a 
Illonarchia. " 
Silvestre Pinheiro Ferreira, a quem pertencem taes pa- 
lavras (I), accrescentava esta outra observação muito lison- 
jeira para Dom J oão VI, a cujo conhecin1ento não eram 
no emtanto destinadas estas expansões de an1igo para an1igo: 
",Cito a V. S. estas observações de S. 1\.1. para que por ellas 
V. S. possa avaliar a verdade do que por vezes the tenho 
escripto sobre a finura de tacto que 0 mesmo Sr. possue na 
justa determinação do ponto cardeal sobre que versa qual.. 
quer questão." 
Don1 Pedro é que nunca poderia ter sido senão 0 que 
foi: urn soberano que abdica throno e grandezas por não 
poder impor suas vontades, e se converte n'un1 condottirre ao 
serviço de uma filha que estremecia e de uma causa que pen- 
sa va estren1ecer, porque n'ella concentrara sua exhuberancia 
de in1aginação e sua ambição de gloria, dous traços moraes 
que, junto com a bravura physica indispensavel ao officio, a 
rnãi Ihe infiltrara na aln1a e no sangue. 


(1) C
l'1'ta 11 das Jf('moria,
 c C(frfa.Cl bíOfJf((})1Ika8, pub1icallas 
nos tOlllOS II e I II tIns .\nna!'H ùa Hihl. Xae. (10 Hio de .Janeiro. 



CAPITUL() XXIX 


o MOVI MENTO CONSTITUCIONAL NO BRAZIL. 0 ULTIMO MINISTERIO 


A correr:te cor:stitlicional, en1 con1municação com os 
dyn
Iì
o=, de Lishoa, seguio no Brazil a direcção norte suI. 
A prilncira descarga deu-se no Pará, ünde 0 pronunciamento 
militar occorreu no dia I Q de Janeiro de 1821. 0 governador 
conde de Villaflor (futuro duque da l"'erceira) estava au- 
sente no Rio, adn1inistrando a provincia un1 governo inte- 
rino. "Não. era difficil, observa nas sUas Al f'l/lorias 0 mar., 
quez de Santa Cruz (I), fazer aceitar as mudanças da 
l\Ietropole em uma provincia, onde predon1inava a influen- 
cia Portugueza, e regida por Ulna adlninistração fraca e sem 
. . " 
prcstlglO. 1 
A Bahia já antes d'isso não inspirava confiança. A 2 
de Dezembro escrevia 'rhOIllaZ Antonio au Rei : U He conhe- 
cida de V. 
I. a manobra secreta'da Bahia: todo 0 11lundo 
conhece e teme" (2). E logo se tratou elll despacho de 
n1andar para a antiga capital colonial 0 conde de Villa- 


(1) n. HOlllUal(]n .\ntonio d(' 
(\ixa
. cll'poi
 :u('(>hispo d:1 Dahia 
() então \'ig;ario capitular de Bl'll'm. 0 ((ual foi atc' a('(']alllal]o Jwlo pO\ 0 
pr('
i(ll'ntl' <1a junta ('on4itueional 'org-ë1lliz:1fla por pssa OI'I':I!-:iiìo. 
(:!) ('0':1. tit" na I1ih1. Xae. 



lOSb 


DOl\I JOÃO VI NO BRAZII
 


flor" licenciado, que foi effectivamente non1eado, mas não 
seguio porque lhe ,embaraçaram a partida as surdas tra- 
moias da facção liberal (I). A 20 de Janeiro aindil Tho- 
maz An tonio instava (2) pelo embarque do governador 
para seu destino, visto não seren1 boas as noticias e estar 
in1n1inente 0 tumulto. 
A escolha de Villaflor foi mesmo 0 que 0 apressou. a 
governador conde da Palma andava enfermo, e não urgia 
tanto executar a spblevação já que a repressão não cabia 
em suas forças; mas 0 despacho de urn 111ilitar desempenado 
como 0 que seria urn dos dous grandes marechaes da Res- 
tauração, fazia suppor intentos violentos e era mister tocar 
a rebate. Portuguezes e Brazileiros esqueceram seus adios, 
forças reinóes e nacionaes imrnolaram suas ani1l1osidades no 
altar cia Constituição, fraternizaram as duas facções que 
Paln1él quizera oppor U1l1a á outra (3), e 0 capitão general, 
mau grado suas velleidades de resistencia, foi substituido, a 
10 de Fevereiro, por U1l1a Junta que confirmou a lei orga- 
nica em embryão proclamada pela tropa e pelo proprio 
conde da Pahna. 
A ordem promptamente s'e restabeleceu e prevaleceu a 
rnoderação n'esse inicio revolucionario, apezar de ter havido 
rnortos e feridos no motim, occorrido sobretudo pela atti- 
tude de Felisberto Caldeira Brant (futuro 111arquez de Bar- 
bacena) que á frente de algumas forças compellidas á fide- 
lidade, pretendeu assegurar praticamente a legalidade. a 


(1) 1Hz ).[al(-'r qur, quando govcrnador do l\laranlÜio, Yillaf10r 
tlnha dado Iugar a fOl'tC'\,; queixas contra .el1r, de certo por aetos cJ
 
8uctoridadp. }}ois sua bonestirladp sempre foi apregoada. 
(
I ('od. eit.. na Dill1. Xac. 
, I;n Tlanc1plm:mn nota ('om S,'U hahitual acerto que' a funela 
Jnimizadl' ('ntre pOYO ,f' tropa foi 0 <IlH' ('In l','rn;uulnH'o I'rtarùou 0 
illoYimpnto ('onstitul'innal. 



DOJI JOÃO YI NO BRAZIL 


1089 


consul francez Guinebaud escrevia porém poucos dias de- 
pois (I) a .:\laler: "Até aqui a auctoridade real foi mantida 
pelo menos nominalm.ente, mas, pelo am or de Deus, si es- 
tiverdes com 0 Rei, ou com seus n1inistros, dizei-Ihes que re- 
conheçam depressa e regularizem tudo isto, porque den tro 
de trez mezes não .será mais tempo. N em mesmo quererão 
mais reconhecer 0 Rei e se declararão independentes." 
E' de crer que l\laler conversasse com Palmella, ou 
então no espirito ,d'este se implantou incontinenti a n1eSllla 
conv
cção, pois ao ser conhecida no Rio a insurreição bahiana 
COIn seus porn1enores, suggeriu 0 ministro de estrangeiros 
de Dom J oão VI 0 desembarque em São Salvador do Prin- 
cipe Real, no caminho para Lisboa, indo na sua companhia 0 
conde dos Arcos, n1uito consid,erado senão popular na Bahia, 
e sendo 0 manifesto constitucional do soberano lançado alli, 
no proprio fóco brazileiro, que en1 tal se constituira, da re- 
volta (2). Palmella assim se valia .da insurreição aver si 
ainda podia determinar resoluções francas e definidas, em- 
quanto ThOInaz Antonio - a quem seu collega injustamente 
increpava de inactivo n'essa occasião - clamava pdo contra- 
rio por providencias immediatas de força que suffocassem a 
sedição. 
o tempo consumira-se n'essa discordia ingloria e per- 
dera-se 0 ensejo de uma composição, meSTI10 assim problema- 
tica, cOInquanto escrevesse l\Ialer para Pariz (3) que a 
menor concessão, 0 menor desejo manifestado de remediar os 
abusos mais escandalosos, teria bastado para canter os povos 


(1) Officio de 1:::> de Fc\'creiro de 1821, no _\rch. ùo :\Iin. d(òs 
S ('g. Est. df' Fran(:a. 
en D. :\Iaria I.\mal]ja, oh. (.j'L 
(:J) 0 f,fido ÙP 
::; de Fe.vereiro de 18
1. 



IO!JO 


DO)! JUÃO VI NO TIUAZIL 


na orbita do dever. Depois do motim da Bahia reconhecia 
elle que mais difficil se fizera satisfazer os espiritos irritados 
pela obstinação do governo, não deixando os chefes dos fac- 
ciosos de imputar ao n1edo quanto se combinasse e puhli- 
casse, e julgando todos de nada ser devedores á boa vontade 
de urn gabinete que esperava até 0 derrådeiro n10n1ento para 
realizar qualquer concessão. 
l"homaz Antonio não era aliás 0 ultimo em admittir 
nos seus n1emoranda ao Rei, que "cada dia vai sendo peor, 
e a del110ra a fazer desconfiança." N a Bahia, segundo infor- 
mava 0 consul respectivo, a Junta cuidara sen1 demora de 
augmentar e equiparar 0 soldo das tropas, não Ihe faltando 
recursos para isso porque de todos os lados Ih'os offereciam. 
"São 'l'erdadeiros donatÏI'os 'l'olllntarios
 activam-se os con- 
certos de varias embarcações de guerra que se acharn no nosso 
porto, para tudo ha dinheiro." 
o motim flun1inense de 26 de Fevereiro, que se seguio 
poucos dias á divulgação do bahiano, apresenta urn duplo 
traço - brazileiro ,e portuguez - mas foi nos seus intuitos 
restrictos muito mais portuguez do que brazileiro. l\lotirn 
militar, promoveu-o con1tudo no saboroso dizer de uma carta 
do ten1po (I), a caixeirada que se nutre COIll a leitura dos fo- 
lhetos de Lonr/res. "0 povo, con1n1entava 0 correspondente, 
ficou alegre com a mudança dus empregados publicos, e estou 
certo que nenhurnas prorr..e
sas 0 terião satisfeito, hUIl1a vez 
que não principiasse por depôr Thornaz Antonio, 1--argini, 
Paulo Fernandes, etc. Entrou n'esta deposição 0 Sr. conde 
de Palrnella unico de todos que tern feito a sua obrigação, 
mas com 0 qual estavão descontentes por isso que não despa- 



] I ('arta dl' .To
(> da 
iInl .\1'('as an ('oud!' do Fuu('hal. em 17 
de 
lar<<;o de 1:;
1. Lata 10 d
l CoIl. Linhart'
, na nib!. Xac. 



DU)I JÜ...\.U VI KO BRAZIL 


1091 


chou a todas logo que chegou; sendo aqui 0 constante sys- 
tema do :\linisterio desde 0 principio do anno athé 0 fim 
não fazer outra coisa senão ouvir as partes, ler requerin1en- 
tos, e despachar absurdos - e por isso como 0 Sr. conde hia 
cortando os abusos em que tudo estava não agradou." 
as primeiros reforn1adores em qualquer epocha são 
sempre apedrejados, e no Brazil d'esse tempo muito havia a 
reformar. "As coisas certamente estavão mal, proseguia a 
m'issiva - mais prevaricação, mais delapidação, e mais lau- 
curas não era ,possive! haver; e por isso 0 estado da gente 
era n1á tan1beln, e por isso não se contentavão sem huma 
scena como a de 26." 
Sympathica a toda a população pclas causas que a moti
 
varam e pela orientação geral moralizadora que proclamou, 
a sccna de 26 de Fevereiro teve como razão determinante 
muito mais 0 despeito produzido entre 0 elen1ento portuguez 
pela annunciada separação do regÏ1nen constitucional nos 
dous Reinos, do que n1esmo a ancia nacional por Ulna era 
liberal. 0 con1mandante da policia avisara directamente 0 
R'ei (I) de que 0 decreto fôra mal recebido e já se fallava 
"descaradamente que 0 que querem he a Constituição de 
Portugal. Como hoje se deve publicar a Decreto da Junta 
seria milhor ver se nelle se dava toda a esperança de que 
se devia aceitar a dita Constituição con1 as mudanças adapta- 
veis ao Paiz au dar as bazes." 
A organização da Junta presidida pelo marquez de 
Alegrete e na quasi totalidade composta de Brazileiros (trez 
n1embros apenas erain Portuguezes), em que tanto 'confiava 
Dom J oão para abrandar 0 partido an1ericano, desagradou 


(1) nt'
Vllsta de DUID João a Thornaz .Ultonio no Cod. cit. 



lOU
 


DO)I ,JU..\O VI NO BRAZIL 


eln extrenlO ao partido europeu. Conta l\Ialer (I) que oS 
editaes, apenas affixados, foram arrancados ou cobertos de 
ilnrnundicies e que nos cafés e botequins se esbravejava sern 
sombra de comrnedilllento. 
Das praças e ruas os agitadores transportararn sua 
acção para os quarteis, intrigando no sentido das Côrtes e da 
união e provocando' a sedição que devia allledrontar 0 Rei, 
forçal-o á obediencia constituciona1 á asselnbléa de Lisboa e 
convencel-o de partir em pessoa para não perder a tun tempo 
toda a rnonarchia, ebria conlO .andava de novi.dades, alçando 
o velho Reino 0 topete qu
si acilna do throno, e preferindo 
as provincias dispersas do novo as licerdades civis e po1iticas 
derivadas do pacta popular com a Corôa á propria indepen- 
dencia ein corpo. 
() l1lovinlento de 26 de Fevereiro, enl pro1 de uma 
Constituição vaga, foi por conseguinte tão espontaÍ1eo quanta 
pode ser unl movinlento subversivo do seu genero, a saber, 
que a conspiração urdida e propagada por alguns cabecilhas, 
encontrara rapido e franco apoio porque correspondia a unla 
aspiração latente de rnudança. Entre esses cabeci1has lllencio- 
nava 
Ialer (2) unl certo Inajor Antonio ,de Padua da Costa 
e Almeida, filho do antigo conlmandante da praça de Al- 
meida, fuzilado enl Lisboa cOlno réo de traição por haver 
feito entrega d'ella ao marechal l\lasséna na sua invasão; 
urn outro l1lajor Antonio Duarte Pi menta, destacado para a 
India, depois de ter lllilitado com Lecor e de haver sido 
con'demnado a trez annos de prisão por mau comportanlento 
e insubordinação, nlas protegido por "pessoas da familia 
real"; 0 padre Goes, clerigo que vivia escanda10sanlente em 


I] I (Hïicio de :!.
 de Fen-I'dI'D dl' 1
:.!1. 

:.! I Officiu cit'J de :.!
 d-.- FeTl'rdru de l
:.!l. 



DO)I JU
\O VI NO BR-\.Zn.J 


1 t )[13 


theatros e roletas, e 0 padre 1I
cambôa, outro ecdesiastico, 
que advogava no foro. 
Ajunta 0 encarregado de negocios de França que estes 
foram os personagens que se destacaram no pronunciamento, 
mas que pessoas de rang plus éÜ'l'é teriam ajudado a em- 
preza. Arcos foi accusado pelos que the conheciam as ambi- 
ções e attentaran1 no seguimento dos successos, e 0 Principe 
Real não apparece isento de cumplicidade aos que repararn 
na celeridade corn que cOlnpareceu no lugar de reunião 
das tropas amotinadas de
de a n1adrugada no largo do Ro- 
cio; na fc;cilid2de cern que se prestou a assun1ir a direcção 
do levante, recebenGo os protestos, as reclämações e as in1- 
posições como si de tudo estivesse inteir-ado; na presteza com 
que do terraço do theatro de São J oão, por entre acclama- 
ções freneticas, j urou em nOll1e do Pai deferir quanta d'dle 
exigiarn, .exhibindo llma passividade que lhe não estava no 
ten1peranlento e apre
entando dIe proprio á multidão re- 
volta, para approvação
 uma lista de ministros e outros func- 
cionarios executivos - intelìdente de J'olicia, general COll1- 
n1andante das armas, thesoureiro-n1ér, administr,ì.llor da fa- 
zenda real, etc. - preparada de anten1ITo. 
Seguido do novo ministerio, que se tratou logo de reu- 
nir no salão do theatro, onde deliberavam os Inelnbros do 
Senado da Cé1mara e os nlais influentes do 11lovirncnto, 0 
Princir:e. com a mão sobre os Evangelh03, ëdheriu á futura 
Constituição. Desconfiado pareIll 0 povo de que dIe pudesse, 
COIn todas suas annuencias, não estar interpretando veridi- 
CaInente as disposições reaes, obrigara-o a ir a São Christo- 
vão buscar a approvação do soberano aos actos que punham 
em pratica os votos dos manifestantes, e segunda vez 0 obri- 
gou a ir buscar 0 Rei en1 pessoa. 



JUDo! 


DO)! JOÃU YI :KO BRAZIL 


Con1descendendo a contra gosto, Dom J oão compare- 
ceu e renovou todas as declarações, repetiu todas as juras, 
confinnou todas as promessas, referendol! todos os con1pro- 
missos e sanccionou todos os actos do seu herdeiro, acceitando 
anticipadan1ente qualquer Constituição que viesse de Lisboa 
e Que alli se acabava de acclan1ar na ignorancia do que pu- 
desse ser, na certeza em todo 0 caso para os militares euro- 
peus de que seria a tutela portugueza reimposta ao Brazil. 
Foi então que se deu 0 conhecido episodio da marcha trium- 
phai: n'um enthusiasm'O delirante 0 povo desatrelou os ca- 
vallos e puxou a pulso, do Rocio ao Largo do Paço, 0 coche 
dentro do qual D'Om J oão, succumbindo por fin1 a todas as 
angustias moraes dO's quatro mezes passados, não encontrou 
mais ten são nervosa para sustental-o e cedeu ao pavor, des- 
fazendo-se em pranto e quasi desn1aiando. 
No velho Paço, onde tantas horas f.eliz'es tinham desli- 
zado para elle, deu Ineio desacordado 0 Rei beija-lnão 
geral e, por entre alegres luminarias e repiques de sinos, 
voItou de noite ao theatro para assistir á representação de 
gala com a Cenl'rentola de Rossini. :\Ialer, que no dia imn1e- 
diato correu a palacio, encontrou 0 n10narcha de vestes de 
cerin10nia n1as com os cabellos ainda despenteados e por 
empoar, e 0 aspecto mudado. "E' seln duvida a prin1eira vez, 
mandava 0 agente francez dizer para Pariz (I), que Ine 
approximei d'este Principe sen1 the descobrir na physiono- 
Inia uma expr,essão Id'e benevO'lencia: apenas encontrei, e mui 
manifestos, os estragos causados por quanto acabava de oc- 
correr." 
Entretanto pelo seu novo ministro dos negocios estran- 
geiros mandou 0 Rei declarar aos seus enviados na Europa, 


(1) Officio cit. de 28 de Fevereiro de 1:;
1. 



DO)l JOÃO VI NO DRAZIIJ 


lU!).3 


para que informassem os goV'ernos junto aos quacs se acha- 
vam acreditados, que bem ao contrario do que em Laybach 
se affirmou, elle jurara livre e voluntarianlente, não coac
o e 
medrosamente, a dh'inal Constituição: 


A verdade não se offusca, 
o R.ey não se engana, não; 
Proclamemos, Portuguezes, 
Divinal Constituição (I). 


Sempre divergente do nlarido, Dona Cariota ficara ra- 
diante. I\Iandou chanlar 0 filho a quenl beijou conl effusão, 
chamando-Ihe os nomes ternos de que era tão amiga, cobrin- 
do-o de elogios pelo seu proceder na data celebre de 26 de 
Fevereiro e dizendo orgulhar-se d'elle, enlquanto Dom Pe- 
dro se deitava aos seus pés assombrado e cOITImovido. Tam- 
bem as jovens Infantas agradeceram ITIuito ao irmão suas 
attenções no referido dia, socegando-as por meio de frequen- 
tes reca1dos e nlandando pre\
enil-as, cé1da vez que troava 0 
canhão, de que era em signal de regosijo, para que se não as- 
sustassem (2). 
"E' inqucstionan:'I, rematava 
IaIer, que 0 Principe 
Real evidenciou n'aquella occasião uma firnleza e presença 
de espirito que surprehenderúm e encantaram todos os es- 
pectadores; a meio de uma scena tão tumultuosa nunca per- 
deu de vista todas as contenlplações e deferencias que recla- 
nlava a fanlilia real:' 

o se pode com effeito negar que 0 
papel de Dom Pedro foi em tão meITIOravel dia saliente e deci- 


( 1 I II nnn 0 eon<;titu('jonal feito aos :a df' ){a1'(:o elf' 18:!], e 
offl'l'('f'ido ft. ':\'a<:ào l'()l'hl
\H'Z,l ppJú PJ'hH'Í!H' HI'11I. 
('il Huthor. Ui'J 
de Jan{'iro, lX21. 
(:!) Officio de :\1all'r de 2 de )Iar
o de 1821. 



Ifl!)G 


DO)[ .JOÃO VI .KO BR
\ZIL 


sivo, e COlll tal acto se prestigiou perante a população aquelle 
que poucos dias depois 0 Conciliar/or r/o Reino Ullitlo (I) 
chamava cern emphase "0 amaveI, inclyto e beroico J oven, 
gloria des olhos de todos os fieis vassallos" que apparecera 
conlO "0 intercessor e mediad or entre 0 Thro!1o e 0 Povo 
para S. 11. outorgar a graça tIe uma liberal Constituição, 
confonne ao Espirito do Seculo, Enlpenho de Portugal, \T oto 
do Brazil, e de todos os habitantes dos mais Estados e DOini- 
nios da Corôa." 
Palmella era quiçá 0 unico, com sua perceptibilidade 
e gravid:l'de habituaes, a formar do Principe urn conceito 
exacto e não alhar para 0 futuro com essas confianças ly- 
ricas. Em carta ao conde do Funchal (2), eUe assinl definia 
imparcialmente a attitude do futuro Imçerador nos suc- 
cessos de 26: ",0 P. Real mostrou naquella occasião 0 maior 
desembaraço e presença d'espirito, e mesmo muita fidelidad.e, 
porqur a tropa quiz sem duvida acclamal-o, e Elle sempre 
atalhou ,esse ultimo desaforo, gritando - Viva El-Rey N. S. 
viva rneu Pay: Ha comtudo muita gente que suppocm que 
Elle estava instruido de antemão do que se rneditava e he 
certo que se deixa rodear e aconseIhar por má gente. El- 
Rey temno chamado sempre desde esse dia para assistir ao 
Despacho." 
Compunham 0 ultimo ministerio de Dom J oão VI no 
Brazil, imposto, não mais livremente escolhido, 0 philosopho 
e publicista Silvestre Pinheiro Ferreira, 0 alnlirante Ignacio 
da Costa QuinteUa, J oaquinl J osé ..\Ionteiro Torres e 0 conde 
.da Louzã, nos negocios estrangeiros, reino, marinha e pre- 
sidencia do erario respectivamente. 


( 1) X. J. 1 0 dp )1<\1'<:0 d,' 1 S:!l. na ImpJ"C'ssão npgia. 
(:!) _ ('m:ta de :3 de )Iar
o de 1

1, Lata "; da ColI, Linhares, 
na Bibl. 
ac. 



IÌlHI JOÃ() YI K0 BRAZIL 


IllH7 



IaIer não pcupa eIogios a este pessoal administrativo, 
apezar de tão revoIucionariamente installado no poder. J ul- 
gava 0 gabinete composto de homens esdarecidos, Silvestre 
sobretudo, e em muitas cousas parecidos. "Seria difficil, reza 
seu officio de 28 de Fevereiro, encontrar trez pessoas (I) 
mais sinlples n-JS seus 1110dos; tenho tratado falniliarnlente 
com elies nos seus modestos interiores e duvido que sua mo- 
bilia valha mais de 100 luizes." 
A ascensão ao poder de Silvestre Pinheiro Ferreira in- 
dica pOl' si só a profunda transformação que se operara n'Ü 
meio politico. Era conlO si na França llloderada de Ferry 
e de Ribot - não na França radical de Clemenceau e de 
Briand, tocando no socialismo-ti\'esse de repente sido cha- 
mado 0 Sr. J aurés ou 0 Sr. 
lillerand para a presidencia 
do con
elho. Silvestre era não só urn espirito de uma inde- 
pendencia fundamental e irreconciliavel, como Uln reforma- 
dor implacavel, posto que manso, ao ponto de não raro pare- 
cer paradoxal e ser por vezes chimerico. 
Logo na primeil'a mocidade, quando se destinava á car- 
reira ecdesiastica, desaveio-se com os directores da Con grega- 
ção do Oratorio por motivo de renloques feitos á obra do 
padre Theodoro d'Ahncida-Recreaçåo philosophicfl-e dei- 

ou a instituição sacra, obtendo depois em concurso 0 Iugar 
de lente de philosophia em Coimbra. Da sua ca'deira propa- 
gOll lJ sensuali
nlo de Locke e Condillac, sendo por tal razão 
alvo de nova persegui,ção, tratado de jacobino e obrigado 
a expatriar-se. Acolheu-o por essa occflsião ell1 Pariz Antonio 
de Araujo, que teve influencia bastante para the alcançar 


. (1) 0<; minist1'os (,1'Rlll qnn t1'O, ma.;;; 
raI{',), f:Ülnl'kl a1>
nas. dos 
(PH' ('onh"ein. Xi'io l'(){lia <111"1'''1' nhstl'ahir dl' LOl1zi'i. till,' a1(' Ùl'IX()1l 
'llUl;l r('JI11t:lI:i'io IH'o\"l'rhiaI ell' hOl1!";H!I'Z. 



logS 


DOl\[ JOÃO VI 1'0 BRAZIL 


o Iugar de secretario da sua Iegação na I-iáya, da qual, en- 
trando para a secretaria de Estrangeiros de Lisboa, passou 
a encarregado ,ùe negocios ein Berlill1. ahi se relacionando 
nluito no circulo universitario e alargando seus conhecinlen- 
tos de sciencias naturaes e sua visão philosophica (I). 
Suas idéas foram Sell1pre ganhando enl liberalismo, e 
pela vida adiante 0 pensador propugnou os ideaes mais adian- 
tados, do suffragio universal á abolição da pena de morte, da 
eleição da nlagistratura á obrigatoriedade do serviço militar, 
do social
srno do Estado, senhor unico do solo. á annullação 
consequente do capitalisrno. Si não tivesse sido modesto, 
probo, integro, imrn'aculado não só de mãos conlO de senti- 
mentos, poderianlos comparal-o a BenjaIl1in Constant, pela 
circumstancia de haver apa'drinhado 0 novo systenla repre- 
sentativo no Brazil. Foi,' como aquelle illustre doutrinario 
suisso, fraco politico e excellente theorista, patriota zeloso, tão 
austero poréln quanta dogll1atico, bondoso e affavel ern vez 
de egoista e ilnpertinente. Ao que conste, nenhuina l\ladame 
de Stael soffreu cruelrnente por elle. 
Dom J oão VI apreciava-o e estimava-o seln enthu- 
siasnlo, nunca Ihe tendo concedido a merecida distincção cer- 
tamente por causa das suas opiniões conhecidamente consti- 
tucionaes. Dernittido do cargo que exercia ,em Bedim, dizenl 
que por exigencia de N apoleão, voltára Silvestre para Lisboa 
e mudara-se depois, não muito depois da côrte, para 0 Bra- 
zil, onde tão sómente occUPOU por annos os lugares de depu- 
tado da Junta do Commercio e director da Impressão Regia. 
Devia substituir nos Estados Unidos, como representante 
diplomatico, Corrêa da Serra quando 0 seu momenta histo- 


(11 Tpb,.cirn IIp Mello, t}ÞfJlltfnl/('nto8 1Jio!lJ'(lJlllÍf'o,q
 J1()
 .\n
la
s 
{la nihl. .:\':\c" 'fomo II. 



DO:\{ JOÃO VI NO BRAZIl.. 


1099 


fICO pareceu soar com 0 movinlento de 1821. Chamado ou 
melhor empossado pelo motim militar e popular, 0 seu mi- 
nisterio .durou porém pouquissimo e não influio marcada- 
Inente na marcha dos acontecimentos. Acompanhando 0 Rei 
no seu regresso foi residir em Pariz, ahi levando a vida de 
urn estudioso e tornando-se celebre como pubIicista juridico, 
até vir mais tar:de entregar a Portugal os fructos das suas 
vigilias e medi tações. 
Sil vestre Pinheiro Ferr.eira, peIo que reveIam suas 
cartas ha pouco editadas, esteve quasi unico, no desencontro 
de opiniões que caracteriza esse instante historico, em julgar 
a revolução portugueza no seu valor preciso. N em a consi- 
derou insignificante, nem a .encarou como 0 fim da monarchia: 
para elle se não formulou sequer 0 dilemma de dever 0 sobe- 
rano acudir ás carreiras a Portugal para salvar as instituições, 
ou ter que renunciar ao velho Reino pelo exclusivo do seu 
amor ao Brazil. Fiava dos immortaes principios a solução 
equitativa do problema. 
De resto even to tão importante quanta aquelle tinha 
sido pre vis to por Silvestre, chegando seis annos antes a pre- 
venir 0 Rei do que Ihe guardava 0 futuro. Razão demais 
para não perder a propria cabeça quando viu realizado seu 
vaticinio, e animar Dom J oão VI que, perdido entre cern 
pareceres divergentes, sensatos uns, incongruentes outros, 
que zuniarn .em redor do throno, ficara de todo pessimista, 
reputando perdidos os negocios publicos. 
Depois do 26 de Fevereiro eram dous os partidos a 
querer que Dom J oão VI deixasse 0 Brazil, pretendendo na- 
turalmente 0 patriota que Dorn Pedro porérn ficasse, pois de 
urn rnancebo assim inex.periente e ardego se poderia facil- 
mente fazer 0 instrumento da separação e da independencia. 



llov 


DO){ J01\U VI 1'0 BRAZU.J 


o Rei benl 0 percebia, e por isso redobravam suas hesita- 
ções. De qualquer lado se the antolhavam r,evoluções. Adivi- 
nhava que deixar 0 Brazil seria perdel-o, si bem que em 
provavel beneficio øa sua propria dynastia. Não ir porérn 
para Portugal, era perder completamente 0 rei no dos seus 
antepassados, per,mittindo á revolução constitucional que de- 
generasse em republicana, a não consentir n'uma reacção ab- 
solutista, sanguinolenta como muitos a preconizavaIn. Ora, 
si havia urn ponto em que concordassem plenameate DOln 
J oão e Silvestre, era com ce