Skip to main content

Full text of "Grande diccionario Portuguez; ou, Thesouro da lingua Portugueza"

DICCIONARIO PORTUGDEZ 



'% 



GRANDE DICGIONARIO PORTUGUEZ 



ou 






D 



TUGUEZA 



PELO 



DR. FR. DOMINGOS VIEIRA 



DOS EREMITAS CALCADOS DE SANTO AGOSTINHO 



PUBLICAÇÃO FEITA SOBRE O MANUSCRIPTO ORIGINAL, INTEIRAMENTE REVISTO E CONSIDERAVELMENTE AUGMENTADO 



> ^ 



SEGUNDO VOLUME 



>4t 



EDITORES, ERNESTO CHARDRON E BARTHOLOMEU H. DE MORAES 



1873 



3' 



■ I ! 



I . ■■ 




PORTO 

TYPOGRAPHIA DE ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA TEIXEIRA 

02, Rua. da. Canoella. VelUa, 62 



1873 



ADVERTÊNCIA 



Graças ao extraordinário favor com que o publico tem recebido esta vasta publicação, tanto no an- 
tigo como em o novo continente, vêmol-a chegada a quasi meio caminho, o que era incontestavelmente o 
mais difficil de percorrer. 

A empresa do Grande Diccionario da lingua portugueza busca corresponder por todos os meios á es- 
tima que essa obra do immorredoiro doutor fr. Domingos Vieira tem grangeado, alargando-a, completan- 
do-a, melhorando-a em fim por todos os modos ao seu alcance, sem se poupar a trabalhos, despesas, sa- 
crifícios de todo o género. Benévolos correspondentes de província, aos quaes aqui tributamos publico 
reconhecimento, teem-lhes enviado notas preciosas contendo palavi'as e accepções que faltam em todos os 
Diccionaiios da lingua até aqui publicados e que serão incluídas ou, podendo ser, nos seus logares res- 
pectivos ou no supplemento. 

O doutíssimo varão que lançou os primeiros, vastos e sólidos alicerces d'este Diccionario tencionava 
estampar á frente de sua publicação um estudo desenvolvido sobre a lingua e a litteratui'a d'esta nação, 
e completal-o com excerptos dos auctores das difiPerentes epochas da lingua ordenados systematicamente ; 
escaceou-lhe a vida para rematar essa tarefa escabrosa, deixando para ella só informes e quasi inúteis apon- 
tamentos. A empresa, todavia, respeitando a traça primitiva d'este edifício, quer leval-o ao cabo ao gosto 
do fundador. A frente do 1." tomo lá fícam dous trabalhos d'especialistas que sobre lingua e litteratura 
portuguezas, dão, cremos a ultima palavra a que hoje a sciencia pôde chegar. Sào elles as verdadeiras 
pedras angulares d'este edifício. Para não engrossar, porém, a introducção do 1." tomo, imprimimos á frente 
do segundo uma Chrestomathia histórica da lingua portugueza, por onde ao \\\o se analysam as modifi- 
cações por que esta lingua tem passado. 

Porto, 15 de Outubro de 1872. 



Os Editores. 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



DA 



língua portugueza 



j:. jl X 



t ,1 



Aa 



->*' "^ ■ 



« 



LATIM BÁRBARO 



Anterior ao século XII não existe nenhum documento pro- 
priamente emportuguez; mas os documentos em latim bárba- 
ro,, assaz numerosos a partir do começo do século IX, que nos 
conservam os cartórios e arcbivos, encerram um grande nu- 
mero de formas puramente portuguezas e a sua syntaxe so- 
bretudo revela-nos com toda a clareza a syntaxe portugueza 
d'essa epocha. É por isso que damos uma selecção de docu- 
mentos em latim bárbaro e que olhamos o mais antigo docu- 
mento em que se revela a nossa lingua como remontando ao 
século VIII. 



SÉCULO VIII 



773 (?) 



In nomine domini nosti-i ihesu chiisti et indiuidue 
sancte trínitatis patrís et filii et spiritus sancti. inuictis- 
simis ac triumpliatoribus sanctisque martiribus glorio- 
sis quorum baselica discemimus et íundamus loci illius 
sancti ihòannis babtiste et sancti saluatoris et sancte 
marie semper uirginis et sancti pelagii et sancti iacobi 
apostoli. Ego cagido presbiter et recacis presbiter ue- 
nit nobis punctum et metum de peccatis nostris. et ad 
timendum diem iudicii iuxtati sumus cum fratribus 
nostris et suprinis nostris iam pernominamus. indignus 
famulus dei tesulfus presbiter adeíbnsus presbiter froila 
pi-esbiter et alius tesulfus presbiter seruandus presbi- 
ter gunsaluus presbiter filii recarecis. spem fiduciali- 
terque sanctis illis meritis respiciannir. non usquequa- 
que disperatione deicimur. qui uero iam teste conscien- 
tia meriti sufitragium fidei supplicationum medis omni- 
bus imploramus. Et ideo serue paucsco ut nos per nos 
sancti mártires reconciliari mereanuir domino deo ues- 
tro atqiie sanctonnn omnium extiti nt de paupertate 
nostra sancte ccclesie nostre aliqnantiilum et uoto im- 
ploramus pro uere scriptum est : Vouete et reddite do- 
mino deo uestro. Et ideo omnia (?) fac et operi et 

ipsa nostra deuotione implere procm-auimus atqne con- 
cedinuis ipsis sacris altaribus ab ea de sanguinibus aut 
de pro])inqiiis qui in uita sancta perscuorauerint lia- 
beant omnes nostras hereditates quantas habemus aug- 



mentare potueiimus usque ad obitum nosti'um uUlas 
prenominatas ipso acisterio quod fuudamus cenóbio 
sancti ihòannis de uilla de ualeiri et uilla de fontane- 
las et uilla canelas medietate et uilla pinopero et con-. 
desindo duas partes udla cortegaza v^ et uilla sinobi- 
lani iii^. et uenit ad nos árias maminiz qui erat nepos 
de cagido presbítero qui fuit filius mam"ini qui fuit 
presor et adtestauit ipsam uiUam que iacet ubi rio me- 
dianus discurrit. et exparte cum uilla eurobas uoso et 

leuase ad illum portum de et inde per Ulo aroio 

et fer in illa fonte, et exinde per illo uado qui auia ad 
illum montem et toma ad illo rio et concludit integro, 
et ego esdulfu et andeiro et gontado uenit nobis infir- 
mitas prope óbito nostro. et placuit nobis pro remédio 
animarum nostrarum. Damus et concedimus ad locum 
illius santi ihòannis babtiste medietatis de omnibus 
nostris hereditatibus quantas habuimus. et ibi concedi- 
mus ipsam hereditatem que dicent medianas, et iacent 
inter uilla de patre et niUa canelas et uUla auelaneda. 
et de hereditate de pater donelizi m"* pro remédio ani- 
me mee. et medietatem de sancti iacobi de eurobas 
uoso quos fui de aspaio baloremoto. damus ipsas uillas 
ad locum illius sanctis. tam in uita nostra etiam et post 
obitum nostnun. et habcnt iacentiam ipsas uilhijs sub- 
tus mons sauto rodondo território portugaleusi per suis 
terminis et locis antiquis cum qtianto in se continet et 
adprestituni hominis est. Damus illas pro uictu arque 
uestitu monachorum uel pro uolumine librorum in lo- 
cis illius ad ecclcsie deseruiendum uel elemosinaís pau- 

pornm. tam in uita nostra quam obitum nostrum 

usque in sompitcrnum. Et si ex pn^pinquis nostris aut 
de sanguinibus nostris uel exti"iuieis qui couti-a hauo 



VI 



CHEESTOMATHIA HISTOEICA 



seriem testamenti ad irrumpendum uenerit ixel uenerí- 
mus aut iiendere aut extraneare in aliaque parte aut 
auctorizare noluerimus illas uel nou potuerimus illas 
uillas et extraniamus illas de illo testamento quod fa- 
cimus ad locum iUius sancti ihoannis. iu primis sit 
excommunicatus et extraneatus et separatus de domi- 
ni nostri ihesu christi. et cum iuda traditore habeat 
participium et dampna secularia amen. Et si unus ex 
nobis uel aliquis homo ueuerit uel ueuerimus hunc nos- 
truni factum eÁ iiTumpendum pariemus post part et 
qui isto testamento tenuerit duo auri talenta. et quan- 
tum infringere in duplo et iudicatum et qui urbem ci- 
uitas imperauerit. et hunc factum nostrum habeat fir- 
mitatem. Facta series testamenti nodum erit xiii" ka- 
lendas magii. Era Dccc^xi*. Nos supranominati cagi- 
dus presbiter et careus presbiter Gresulfus presbiter 
adefonso presbiter Froila presbiter et alio gesulíb pres- 
biter seruandus presbiter conaluo presbiter in liac se- 
rie scripture manus nostras roboramus -j— "-1 — ] — |- 
-|- -| — I — I — I — |-. Et addimus sancti mametis qui est 
fundatus inter uilla palaciolo et uileUa minusinde iii." 
Aias mauraniz conf. — Grontemii'o M. coní". — 
Salmiro M. conf. — Nebozanom conf. — Visterga conf. 

— Abba siluani conf. 

Cidi neboaaniz test. — Egareus test. — Gontado 
test. — Dono pataizi test. — Abomas • diaz test. 

Gondesindus eitor test. — Donanna niconiz test. 

— Eita baltasaiTz conf. — Don facame conf. — Abaca- 
tom conf. ^ 

(Diplomata et Chartae, i, p. 1 sq.) 



SÉCULO IX 



850-866 



Hordonius rex. uobis iusto abba uel fratribus ues- 
tris. per huius nosti^e preceptionis iussione testamus 
atque concedimus uobis in subúrbio de couimbrie uilla 
que dicunt algazala cum quantum adprestitum omiuis 
est. uineas pumares terras ruptas uel inruptas. Et alios 
uiUares iuxta ribulo mondeco nomine lauredo et sau- 
telo ipsas supranominatas per suos términos anticos in 
omnique circuitu per locis suis seu uel cum omnibus 
prestatiouibus suis quicquid in se continent. onniia ab 
integro uobis testamus atque concedimus post parte 
nostra uel ecclesia sancti mametis pro remédio anime 
uostre et parentmn nostrorum et in onore sancti pe- 



' Sobre a data d' este documento vid. a epigraplie d'elle na coUecção de que o 
extrahimos e onde foi originalmente publicado. 



lagii. Habeatis uos firmiter et fratres qui in uita san- 
cta perseuerauerínt de nostro dato perenniter abitu- 
rum. Facta scriptura testamenti. Notum die pridie no- 
nas septembris. Era dccc"' xv. Et nuUum non ordina- 
mus qui uos pro inquietare presumat pro nullaque ac- 
tione. Et si aliquis omo uenerit uel ueuerimus tam nos 
quam ex p?'osapie nostre ipsas uillas que nos testa- 
mus infringere uoluerint. In primis sedeat excomu- 
nicatus et cum iuda domini traditore habeat partici- 
pium in eterna damnatione. Hordonius rex hanc con- 
cessionem nobis manus meãs r — oboro et confirmo. 
Vutierre mendiz conf. — Domnus garseanus conf. 
— Trastemirus diaconus test. — Dagaredus presbiter 
test. — Lubanus archipresbiter test. — Songemirus 
presbiter test. — Rodorigus presbiter test. — Ranemi- 
rus rex. — Gundisaluus moneonis conf. — Nepuzanus 
conf. — Sub christi nomine ouecus episcopus legio- 
nemsis sedis conf. — In christi nomine didcidius dei 
gratia episcopus uisense conf. ^ 

[Ibidem, u, p. 2.) 



870 



Domnis inuictissimis ac triumphatoríbus glorio- 
sissimorum martlrum uirgiuum et confessomm sancti 
michaeli archangeh sanctorum adriani et natalie Sau- 
ctorum sixti episcopi Laurenti archidiaconi Sanctorum 
cosmas et damianos Sancti donati presbiteri Sancti sal- 
uatoris et relíquias eorum corum baselica sita et fun- 
data est in villa negrelus temtorio bracharensis lu- 
bium portugalensis secum sancte marie subtus mons 
cauallus prope riuulum haue. Et ego indignus et pec- 
catores flomarico et coniugea mea Gundila. scelemon- 
do et uxorem mea astragundia. edificauimus sub uno 
consiho et cum dei adiutorío et per sanctificationem 
Gomados dei gratia episcopus. edificauimus istius do- 
mum in nostra villa que presimus cum cornam et al- 
bende Adefonsus principem et comité lucidii vimara- 
ni. et sacrauimus eam cum ipsos dominós Gomadus 
episcopus. et ordinauit nobis ipse episcopus que fece- 
semus ei date et ingenuassemus eam pro remédio ani- 
mabus uostris. et dedimus ei in circuitum ipsa eccle- 
sia pro sepultura corpora secundum canónica senten- 
cia docet et pro toleradura fratrum in cu-cuitum et 
quanto nobis tribuimus. et unus cum alios unum con- 
silium elegimus testamentimi : que spontanea morte 
corpórea de hoc século ad alia uita humana transfe- 
runtur animas qualis namque illuc sem^jer uenire con- 
sidera, quia hic ad bona ad ienera morte de hoc sé- 
culo, et enim dominus dicens. edate et dabitur uobis. 
illic omnia que in hunc mundum ad usum hominis 



' Crê-se com razão errada a dala deste documento, porque Ordonlio 1 reinou 
entre 850 e 8C6. 



DA língua PORTUGUEZA 



vn 



confemntm- adeo credemcia corde et corpore per ita 
domini semper in iienerationem tuani mens ista per- 
maneat pro his ut memorie sumamus pro uestro su- 
frágio apud deiim dominabit omnia ordinantur. praés- 
ta domine ut semper in uenerationem tuam omnium 
et desiderate eteme uite. Istoque apostólica perciu-- 
rere cursum legitiir iam supradictus flomaiicus et Gun- 
dila. scelemondo et asti-agundia. cum omnibus ades- 
pliuit. Concedimus uobis dominis nostrís iam suprano- 
minato ipsius locis cum suis dextros et corporalibus 
secundam illum edificauimus cimi integritatibus suis. 
et adicimus ibidem cruce calsa calicem libros ordinum 
comitus et passio sancti chrístoforis casas cubos cubas 
et omnia edificia cum intrínsecus suis que ibidem est. 
concedimus ad ipsius locis et presbíteros et fratres qui 
in uita sancta perseuerauerint tam propinquis quam ex- 
traneis que in uita monástica persevierauerínt habeant 
et possideant pro remédio animas nostras perpetuo uin- 
dicet omnia ista que in testamento resonant. et in die 
sancti michaelis que est repromissionis noster ipso die 
memorie nostre scient in memoribus eorum unde mer- 
cedem accipient ante tribunal domini nostri ihesu cbiis- 
ti. et quod hunc non sciat monacus uel quelibe geue- 
ris uendendi aut donandi non ad rex non ad comité 
non ad episcopo non a deouote non liceat uindere nec 
extraneare nisi tantummodo sacerdos uel ex generis 
noster habeant et possideant. et qui hunc factum nos- 
trum ausus fuerit irrumpere. in primis sedeat excom- 
municatus et a deo separatus et descendat super illud 
qui taba commiserit quod descendi super datan et abi- 
ron. et sodoma et gomorra uiuos ten-a illos absorbuit. 
et qui taba commiserit non resurgat cum iustus sed 
cum impiis et sceleratos. et insuper pariat isto que in 
testamento resonat im duplo perpetim habiendum. Fa- 
cto series testamenti notum die quod erit m" Idus fe- 
bruaiii. Era D*cccc*vin*. Fromaricus et gondilo scele- 
mondo et astragundia in hac series testamenti manus 
nostras roboramus. 

Ansila presbiter test. — Vihulfus presbiter test. 

— Tagius test. — Selmii-us test. 

Ebreguldus test. — Selsol test. — Groualo test. 

— Tanagildus test. 

Besnace test. — Monderico test. — Amando test. 

— Belmirus test. 

Palmatius presbiter notuit. 



875 



Dominis invictissimis et gloriosisimis, at trium- 
phatoris santisque Martiribus gloriosis Santi Salvatoris 
et Sancte Marie soniper Virginis, et Santi Michaelis 
Archangeli, Santi Mametis quy ibidem sunt recondi- 
te, et quonmi Baselice Santi Martiiii Episcopi, que est 
fundata in Villa de Suylanes, subtus mons Grencstaxo, 



secus rivulum de Grallina, et flumen Dorio, tenitorio 
Anegif. Ego humile, et servo Dei Santom Presbítero, 
qui expontânea morte corpórea de hoc século ab aligo 
humano transfertur anima, quaUs nanque illic semper 
venire considera, quya hic ad bona peragenda corde 
et coi^pore putita monet enim nos Domine dicens, da- 
te, et dabitm- vobis, Hcet omnia que in hunc mundum 
ad usum homnis conferuntur a Deo que creantur omnia 
ordinantur, tamen valde Deo dignum est unde hec quod 

1 accepimus unusquisque in hunc mundum ex hoc com-i 
place parce oblationis in instinctu ut per hec enim siv- 
quisque futura cumula premia per quem presentia co 
ram Deo digna dispensa unde se ad taUbus sua gens 
oberibus, dum vota atque donaria sua et populi L-hae- 
litici dedit errare dicebat tua enim sumus Domine et 
omnia que de manu tua accepimus et dedimus tibi ad eo 
isperventi oracuhs pro hi mereamur Sanctorum suffra- 
gia apud Dominum, et ad cunctorum nostrorum nexi- 
bus absolvit pecaminum et desiderate eteme vite stu- 
dium placiter procuiTcre paxum. Ideo et Domine San- 
cte et dizimus offerimus atque concedimus sacris san- 
tis altaribus ecclesie Martiribus sive qui ejus frati-ibus 

i Monachorum Sororum precepto dominico perseveran- 
tes fuerint: in primis .i. ad aram Dei vella vel vesti- 
menta Ubros perfectus signum ad ejus medei lorum 
mirabilus casa cruce cálice adque corone vel omne 
vestimentum Monachorum : id et aicimus jumenta re- 
ctiha sive cum volucrum arietum axiruni vel omne or- 
namentum domorum: idem addicimus suos dextros 
per suos tenuinos antiquos xn. passales pro corpora 
sepeliendum et Lxxn. pro tolerantia fratioun vel sovo- 
rum ut cum Dei adjuvamine ac mentare, ac ganate 
possent usque ad obitum meum : concedoque in vesti- 
mento resonat ad ipsius locius santi, ut in vita vevo 
mea sei^viat mi et post o\ãtum vero meum ad. fratres 
et sorores vel presbíteros propter quis méis qui bónus 
fuerit et in ordo sacerdotal! extiterit, et in consilio bene 
viderit habeat et possideat et a parte Potestatibus et 
Episcopus, Reges, vel Comités ad cuiquam leiga omi 
ne nec ^*idendi nec donandi non adtribuemus licencia,- 
set de caroruni nostrorum habeant et posside;uit et in 
pei-petuum judicent. Si quis tamen quod íierit minime 
credidit et aliquis homo venerit de genere nostro aut 
de genere omnium quy hoc factum nostrum temptare 
vel iníFringere voluerit in piiniis sit excomunicatus et 
segi-egatus et cum Juda proditore habeat participatio 
et in eterna pena et nunquam íinienda. et insuper pa- 
riat post parte testamenti et ipsius loci sanctis et ad 
pieniem ipso que in testamento resonat in qua duplum 
et insuper auri talenta duo et ad pai-tem Potestatis qui 
illa terra iuípcraveritaliotantum judicato componerem, 
et hoc factum nostrum in robore permaneat constabi- 
litate. Factum seriens testamenti quod erit nu Idus 
Januarii Era d.ccccxiii. Santom Presbítero a mea fa- 
ota manu mea roboro. Sarrazinus testes, Asthupho tes- 
tes, Domno testes, Alffonsso testes, Plazentlus testes, 



vm 



CHRESTOMATHIA HISTOKICA 



Saturninus testes, Staveano testes, Gaton testes, Belza 
testes, Moabar testes, Reiiovate testes, Rezin testes, 
Ideninu testes, Daniel testes, Gitesinde testes, Ramiro 
testes, Ubeco testes, Veulíu testes. "^ 

{Ibidem, vm, p. 5-6.) 



897 



Christus. — Dubium quidem nom est set pleris- 
que manet comnitam adque ordinamus eum in ueri- 
date: Heo quod ego gondesindus prolis eras et ado- 
sinda acepit raulier in coniumgio nomine enderquina 
comnento pala filia dux menemdus gutierizi et erme- 
sinda iermana de domna geluira regina que fuit mídier 
de ordonius rex mater i-anemii-us 2)i"incipe unde abuit 
filiusnominibus suarius ermesinda et adosinda et froilo. 
et ista froilo fuit cum infirmidate nata in nostro pecato 
quia non est pro inleigato sedere. et quando uidimus 
tale uisionem que nobis dominus dedit in nostro pe- 
cato quintamus nostro ganato et nostras nillas et en- 
genuamos nostros serbos ut dominus sedeat propitius 
ad peccatis nostris. et facimus monesterios in nostras 
uillas que sunt inter durio et uauga in uilla acibeto it 
est uogabulo sancti migaheli arcangeli et sociorum 
eius et in uilla sangancto monesterio uocabulo sancti 
cristoforo et comitum eius et sancta eolalia que ibidem 
ab antiquis fundata est. et testauimus ad ipso acis- 
terio de aciueto uilla de fornos media et quinta de nos- 
tro ganato et de nostras ereditates de durio in uoaga 
et ipsa uilla ubi fundatuni est integra pro suis an- 
tiquiores terminis et auisterio sancti christoforo ipsa 
uilla sanganeto integra pro suis terminis exeptis uilar 
de elderiz que dedimus ad abdelgar mauro, et inter 
dorio areis ripa tamar fecimus monesterium in uilla uo- 
cidata dides it est uocabulo sancto petro. et testaui- 
mus ad ipso acisterio v* de nostras uillas de quantas 
abnimus in ipsa terra, nominibus ipsa uilla dides in- 
tegra cum aiuncionibus suis uilla salseto uilla de uau- 
zas et uilla tercolegio ipsas uillas integras, et in terri- 
tório karnota larinio integro et in nemancos uilla er- 
milli integra uilla mallis. et post hec ijDsum factum de- 
dimus ipso acisterio in manus de domno desterigo aba 
et illos acisterios inter durio et uoaga aciueto et san- 
gane ad ipse abba iam nominaco ut sedeat ista filia 
mea froilo in ipsos acisteiios sub manus de ipse abba 
et conteneant ea et sub manus de domna geluira aba- 
tisisa. et dedit ad ipsa filia mea c de meos serbos inter 
barones et mulieres ad deseruiendum sicut in mea v^ 



' Este documento foi publicado pela primeira vez por .1. P. Ribeiro, Disserta- 
ções chronol., t. IV, part. ii, p. liT, o qual Ibe modilicou a orlbograpbia, segundo 
o seu costume. O original pertence á Sá do Porto, cujos cónegos n.ão permittiram 
á conimissao dos monumentos bistoricos que o copiasse de novo, razio (lorque elle 
foi simplesmente reproduzido de ,1. P. Ribeiro. É assim que em Portugal se favore- 
ce a sciencia. 



exirunt ut seruiant ad illa pro ingénuos dum uida uis- 
sceri et post ouito suo uadant ubi uolwerint illos et fi- 
lios et neptos qui de eos nati fuerint et ex proienie il- 
lorum et non abeant licentia ex genere meo acre- 
pantare Ulos pro a seruicio. et post hec migraui ipsa 
conpare mea enderquina de oc século, et partibi cum 
ipsos filios meos iam superius nominatos meo ganato 
et meãs uillas et mea criazom. et uenit in porcione fi- 
lias meãs ermesinda et adosinda uilla abientes in ripa 
ílubio dui-io. et ista adosinda presit ea ansur et bem- 
frogia sine mea iusione. et migrauit ipse ansm- de oo 
século et non abuit de ea filio, et fecimus monesterium 
in ijjsa uilla uocabulo sancta marina et testauimos ibi- 
dem ipsa uiUa integra ad ipso loco. et illas uillas que 
uenerunt in porcione de ipsa filia mea adosimda con- 
testauit illas adcisterio de sanganeto uocabulo sancti 
chi-istofori et sancta mafa/da que in ipsa uilla sunt fun- 
datas. it sunt inter durio et mondego prenominatas de 
uilla quiaios iiii'' integra cum aiuncionibus suis et me- 
diedate de eclesia uocabulo sancti mamete que in ipsa 
uilla fimdata est et in ripa uauga uilla de seueri et 
mediadate de illa uarcena de caruonario et in ezebra- 
rio uilla de bigas quos fuit de froila lopo uilla de er- 
moriz que est circa lagona de auille. Et ego gondesin- 
dus cum pecatorum molle depresus in sjje que fiducia 
meritis eius respiro ut abolendis peccatis méis facerem 
testamenti sicut et facimus pro remédio auorum et pa- 
remtum meorum etiam simul et mea de monastario la- 
bra que est fundato ab antiquo in ripa maris cómodo 
est conclusu de aqua in aqua et de karia antiqua us- 
que i maré pro remédio anime de ipsos ienitores meos 
simul et mea. et de illa alia uilla iir'' minus uii" sicut 
uenit ad filia mea froilo in porcione per suos términos 
et eclesia de sancta eolalia de gondomar integra et alia 
eclesia de sancto petro de kauso et uilar que est in 
monte de kauso integro et illa eclesia de sancto mar- 
tino de ualongo integro sit uenerunt ad ipsa froilo in 
porcione. et testauimus illas ad ipso logo sancti salba- 
toris et sancti cbrlstofori et comitum eius martiram et 
lignum sancte crucis que in ipso acisterio labre sunt 
recondite et ad frati-es et sorores que ibi sunt auitau- 
tes uel qui ibidem dominus superduxerint et in uida 
sancta persebej-ouerint sub manus de ipse abba et de 
ipsa filia mea iam superius nominata. abeant et posi- 
deant isto que in testamento resonant de illos monas— 
tarios teneant illos sanos et intemeratos post parte con- 
fessionis et nec uindant nec donent ne parient de isto 
que in testamento resona neque ad rex neque a comité 
neque ab episcopo ducense nec ad numlo ieweris omo 
tam nos quomodo et posteritatis mee que ibi auitantes 
fuerunt numla licentia non aueant de isto que iji tes- 
tamento resona in numlaque pars inde aligo extraniare 
pro numlaque actio nec uinder nec donar nec testare. 
et aliguno omine de isto que in testamento resona aligo 
inde quesieri dare in alia parte ad qualiue omine non 
aueat licentia pro illo dare de sub ista scríptura et se- 



DA língua PORTUGUEZA 



IX 



deat excuminigatiis et cum luda traditore abeat parti- 
cipio in eterna damiiatione. et iu propter damiia secvi- 
laria parie post parte ipsius testamenti quanto inde 
dederit duplato et insuper auri talenta et a rex au co- 
mité alio tamto. et nnc íactum nostrum plena obtineat 
tirniidate in cumtis tenii)oribus rouorem. Facta series 
annitio testamenti uodum die erit viin" kalendas mar- 
eias era Dccccxxxv.* Gondesindus prolis erus et ado- 
siuda in anc series testamenti manum mea coníii-mo 

— Gondesindus -| Menendus menendiz confirmo — 

Suarius diaa-unus coníirmo — Adosinda manus mea 

quos fecit confirmo -| Teodila gudimz confirmo — 

Gudinus gundesalbiz confirmo — Rodorigus confirmo-^ 
Rodosindus diagunus confirmo — Tello teonanizi con- 
firmo — Froiloni manus mea confirmo -j Ranemirus 

presbiter qui liec notuit manus mea. 

{Ibidem, xii, p. 7-8.)- 



SECULO X 



906 



Non est enim dubium sed plerisque cognitum eo 
quod orta fuit contemptio inter partem domni nausti 
colimbriensis sedis episcopi et domni sisnandi hiriensis 
sedis episcopi pro eclesia et uilla uocabulo sancta eu- 
lalia que seita est in silua scura in território brakalen- 
sls sedis ubi dicent aquas sanefas quot prehendiderunt 
homines domni nausti episcopi. id est. minizus cum 
suos filios et sua kasata. et de parte domni sisnandi 
episcopi adulfus abba. et pro id coniuncti fuimus in 
oueto et postea in sancto iacobo ad arcliis. conuenit 
inter eos boné pacis uoluntas ut roborarent placitum 
de parte domni nausti episcopi. ad uicem persone eins 
domnus fraurengus episcopus. et ad uicem persone do- 
mni sisnandi episcopi uiliulfus presbiter ut coniunge- 
rent se in ipsa uilla prenominata et facerent inter se 
colmellos diuisionis quomodo in placitum quod inferius 
est resonat sicut et fecerunt extra dextros ecclesie. 

In nomine domini. colmellvs diuisionis qui factus 
est inter partem donmi nausti episcopi et suos homi- 
nes et domni sisnandi episcopi et suos homines de ipsa 
uilla iam supra dieta sancte eulalie. euenit in porcio- 
nem domni sisnandi episcopi et de suos homines no- 
minibns adulfus aliba et suos gasallianes. id est. wiw- 
zcna que est de uarzena telleli usquc in sua sepc iu 
onuiique circuitu integra, siccaiiolo médio, agro de pé- 
lago integro, pomare teoderizi intcgruni. agro gundi- 
salui médio, pomare gundisalui et looue.gildi et uiena 
integra, kasalo salomonis cum suo portum integrum. 



linare médium agromiri integrum. kasale gundefreli 
médio, bustello médio, uillare spasandi médio, kasale 
placidii per sua sepe integrum. salto de sua sepe pla- 
cidii usque in agro argirizi médio, agro de contensa 
médio, agro de manula integrum. et inde per ribulo 
usque in foui. et inde per kasa tractemiri. et inde per 
sepe qui est de agro manzi. et inde per ribulo usque 
in karraria. et inde per ipsa carraria usque in dextros 
eclesie. et per kaput de ipsos dextros usque in caixa- 
ria que est inter agra argirizi et agro ubi ansemundus 
habitat integro extra portionem de rruptores. agro de 
dauid integro . cum suos linarelios duos. agro astrulfi 
per ribolo usque per" suas sepes in omnique circuitu 
integro, salto de fontauo in fontanello médio, et de ipso 
fontano usque in domo aruetani. et per ipsa karraría 
antiqua usque in petras natiuas et per ipsas decorias 
usque astrulfi médio, et tam saltu quam et rupto de 
sepe de agra astrulfi usque in agra tellili médio extra 
ruptores. agro suniemiri médio, mulinos antiquos qui 
sunt in illa uilla médios. 

Euenit in porcionem domni nausti episcopi et de 
suos homines. id est. uarzena tellelli. agrum kuruianes. 
agruni ueremudi. agrum de felgaria Íntegros, sikariolo 
médio agrum qui est subtus kasa gundesalui usque in 
karraria et sepe in molino (prng. monilo) sicco médio, 
agrum de molino sicco integro, agro de figarias integro, 
pumare astrulfi de porto in porto integro, et de Ula paile 
ribulo et de illa parte rippo usque iu estrata de uereda 
et sepe. et sepe de agro telleli usque in sepe de agro as- 
trulfi medief atem. agro que disrupit urueda * integram, 
et agro astrulfi et requerendi et gundesalui integro, de 
sepe de agro astrulfi et per ipf?as decorias usque in pe- 
tras natiuas at karraria antiqua et inde usque ia- casa 
aruetani et per fontano per sejie astrulfi médio, de ter- 
ras et salto et de ij^so fontano usque in alio fontano et 
inde usque in termino de fonte cooperta médio, et de 
ipso fontano usque in sepe manei et usque in términos 
integro extra ruptores. agro de contensa médio. uillai'e 
sparsandi médio, saltos de kasa placidii usque in aqua 
que discunit per caput de rruptelas argirizi médio. 
agros ubi anssemondus habitat et de karraría usque 
in uiiide médio, et agro ubi habitant fihi siudi médio, 
bustello médio de sepe de ipso bustello et mde per pe- 
tras maiores ipso fontano in prono usque in agra de 
assaiola cum suo saltu integra, et agra de arsaiola de 
fontano usque in monte et in sepe de euorum integra 
extra portionem de ruptores. et in agrelo ubi atanagil- 
dus habitat agTO de troncosu médio, kasale ubi gnin- 
debredo habitat médio, linare sub kasa sindi médio, 
agro super kasa sindi integro per ubi diuiso fuit. agro 
sanimiri médio, molinos qui sunt in ipsa uilla médios, 
ita ut ex presenti die et tempore unusquisque quod 
accepit inreuocabiliter obtineat. Factus colmellus diui- 
sionis 111" idus ianuarii. Era Dccccxxxxim. 

' noieJa'? Cf. a liiilia que jirccede a anterior. 



3? 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



sub cbristi nomine naiístns episcopiis. svib chvisti 
nomine sesnanclus episcopus. sub cbristi nomine iVoa- 
rengus episcopus quos uidi. uiHultiis pro ad uicem 
persona domni sisnandi episcopi quos uidi et confir- 
maui. 

Samuel abba testis — andiaríus presbiter testis — 
uestremirus abba testis — ansuetus presbiter testis — 
anagildus brandikmi testis — gressonarus presbiter tes- 
tis — Roderigus jjresbiter testis. 

cresconuis presbiter test. — ^manualdus presbiter 
test. — cendas kizoiz test. — kipon presbiter test. — 
aloitus test. 

(Ibidem, xiii, p. 8-9.) 



922 



In nomine patris et íilii et spiritus sancti et indi- 
uidue sancte trinitatis siue onorem sancti salbatoris 
domini nosíri ihesu christi qum omnem suis martiri- 

"* bus qui apud eum corjjus suum a pena tradiderunt et 
sanguine suo eifunderunt ut illis animas suas ante suo 
conspectu semper fulgeant. Ego eo gotierre abba si- 
mul cum fratri meo ausindus. per quos fundabimus 
eglesia in uilla quos uocitant eglesiola inter mous pe- 
troso et sagitella eque contra litora maris ubi ipsos 
corum reliquiarum ponimus. pro remédio animas nos- 
tras concedimus ab ijDsum sanctum et logum predi- 
ctum onniem hereditas nostre. per quos auemus illa 
de auolinga siue et de parentela tan etiam siue et de 
conparadela. pro a tolerantia fratrum et sororum qui 
in ipso logo habitantes íuerint siue et sacerdos de om- 
nem genus nostre qui bónus fuerit et uiam monasti- 
gam tenuerit abeant et possideant pro remédio animas 

, nostras siue omnem genus omnio (.s^c) quicquid abi- 
tantes íuerint inde sibi elegerint abbate in iUorum cre- 
ditas fiant potestatem et eos tamen uero discusse fir- 
miter istante ut ab omne opus laigali ipso logo siant 
separate. et nos semetipsos pro remédio animas nos- 
tras ingénua relinquiinus ipsas hereditates cum omnem 
suis prestationibus que in se obtinet. pumares uineis 
sautis uel deuesis uel omnem molinarum terras ruptas 
uel barbaras pratuis uel pascualibus exitus montium et 
sesigas molinantium. aquis pro ductibus suis siue et om- 
nia quicquid ic aprestitum ominis fuerit in ipsa uilla. 
concedimus ad ipsum logum et a deo deseruientium 
ministerium eglesie cruce calicis adque corone uesti- 
menta uero sacerdotalis adque diagonalis et libris ec- 
clesiasticis et signo medallis et totum et omnem orna- 
mentum ecclesie que ibi concedimus pro remédio ani- 
mas nostras. ita ut nam moneo ut nemo liominem non 
damus licentiam ad uiudere nec donare sed in hoc logo 
predicto seruire. siquis tamen quod fieri non credimus 
et aliquis homo uenerit de eredibus nostris uel de pro- 
pinquis nostris quod de omnem ipsa hereditas aut de 



rebus ecclesie eius inde presume aut uindere uel do- 
nare uoluerit. et nostrum factum inrumpere. in primis 
siat excommunicatum usqvte in finem, ec cum iuda tra- 
ditorem abeat participatio in eterna danínatione ubi 
est pena non finienda. et damna secularia fiat super 
afflictum cum diabulo penas tartareis igiiis eterna et 
insuper pariet ipsum que in oc testamentum resona 
duplatum. et une factum nostrum in cunctis plena ro- 
bore abeat firmitate. Facta cartula testamenti sub die 
quod erit xv kalendas ianuarias. Era dcccc* lx*. Ego 
gotierre et ausindus in ac cartula testamenti manus 
nostras confirmo robor — amus. 

Trarigu frater test. Benedictus frater test. Gatus 
frater test. 

Legei confirmo. Dignus confirmo. Egica con- 
firmo. 

Gondesindus test. Vistrarius test. Fromarigus 
test. Ascarigus test. 

Romaiigus test. Gundisaluo test. Berenaria test. 
Gomarigo test. 

' Mido test. Gotierre test. Louegildu test. Sendinu 
test. Potenzo test. 

[Ibidem, xxvi, p. 17.) 



950 



Sub christi império et indiuidue sancte trinitatis 
patris et filii et spiritu sancti. Nos Muumaadonna si- 
nuil cum filius meos Gunsaluus Didacus Ranimirus 
diaconus Onecha a deo uota Donnus nunus et Arria- 
ne. Pari etenim consilio nostro coadunati fuinuis in 
loco predicto uilla uocitata Vimaranes et adnuit uo- 
luntati nostre ut mos uniuersse nationi terre fieret inter 
nos diuisio facultatum nosti-anmi ad confirmandas pro- 
pagines nationum et euitandas hereses contemptio- 
imm. Igitur Ego supradicta Mummadonna a deo dis- 
posito parentibus preceetum complenda coniunta sum 
in matrimonio uiro meo diue memorie Donmo Ermi- 
gildo et generans ei proles iam prefatos dicessit ipse 
uir meus incedens uiam uniuersse carnis compleuit 
dies suos funtus ofíitio. Ac deinceps remanens p]go 
aduc in hac mortali carne ut superius diximus incoau- 
uimus diuisione cum genitos a me filios. Accepi Ego 
Mummadonna viilas trabelle et silvares quod iam te- 
nebant tiiii mei in casamento a nobis coucessas. Con- 
pleto numero filiorum sex. et Ego in diuisione equali- 
ter settima. Et quod residue fuerint ex ipsas uilhis ac- 
cepi Ego quinta tam pro me quam pro uiro meo et 
filii mei illas alias quatuor portiones in hereditate pos- 
sidenda. Euenit in portione j\Iummadonna in illa quin- 
ta exti-a iam duobus prenuncupatis uilkdis quod supra 
fecimus mentionem Acamantio in ripa Vhuliae Fraxi- 
no iu ripa hidiolae Eorulgii Sancta eolalia in ripa Aui- 
zelle Atanes suagio et monimenta et adiuntionibus de 



DA LÍNGUA PORTUGUEZA 



XI 



canianto sieut resonat in comellum genitori nostro 
Doiiiio Ermigildo Euenit in pars Gunsalui nesperaria 
chagra santo de auacos uasa tria et in farazone ratione 
qni fuit de donna Sarcnria. Euenit in ratione Didaci 
Turisi Castrellos Chira palatio de boruem Greueceo 
Quireza Nocecho et Angoiza. Euenit in portione Ra- 
nimiri diaconi Lanstello Aicha remédio sautum de 
mulieres ciun adiunctionibus suis terras et pumares de 
sancto petro Vanat Vilia redi Verdulegio illa ratione 
que uobis incartauit Ero baltariz Sanctum Martinum 
manancos spinitello et quintanella qui sunt in centuna 
cortes. Euenit in parte Onecha denota Vimaranes cu.m 
suis abiacentiis Lalim cum abiuntionibus suis Dorsum 
Varzena in ripa de durio Plato antile Cheresi tello in 
ri[)a limie sancto Martino de ebreos ]\Iangunario in ripa 
de uarazone. Euenit in portione Nuno Chaualiones 
cum abiuntionibus siiis í^enali equo sancto Cipriano 
cum abiacentiis suis Pars sanguinieto médio sancto de 
Senabreo-io Laratom et Pausata meliorata et íonsim. 
Euenit in pars Arriani Nonellas cum abiuntionibus suis 
Arauca Oliuaria palus Cernatella Muscosio Plazenti Ja- 
cinti de tamecha. 

Et qui hunus ex nobis ad infringendum uenerit 
hunc culmellos diuisionis chareat omne sua portione in 
has villas desuper nominatas. Factos comellos diuisionis 
Nonas kalendas Agustas. Era dcccu'' lxxx" vnr\ Mun- 
madonna hunc culmellus diuisionis quod íieri iussi ma- 
nu mea confirmo. Grunsaluus in hunc culmellus diui- 
sionis manu mea confirmo. Didacus in hunc culmellus 
diuisionis manu mea confirmo. Ranimirus diacouus in 
hanc culmellus diuisionis manu mea confirmo. Onecha 
denota in hanc culmellus diuisionis manu mea confir- 
mo. Nunus in hanc culmellus diuisionis manu mea 
confirmo. Arriane in hanc culmellus diuisionis manu 
mea confirmo. Christus. didacus presbiter Notuit Con- 
firmauit Roborauit. 

{Ibidem, lxi, p. 35.) 



959 



Cvmctorum etenim telluris huius nostre' colonie 
uon ambigit sed plerisque nobUium ac uulgalium (var. 
vulgarium) didicit et notuit esse. Ego nuimmadomna 
didaci et onecce filia et ut mos esse solet ad ânuos iu- 
uentutis dcduta (var. deducta) uiro nomine í^nnegildo 
prolix Grundisalui et tarasia matrimonio sum coniinicta 
idemtidenque cum (vai-, dum) essemus conexi ut se ha- 
beat nobilitas per titulum dotis gcnui liboros ex con- 
iuntione aiiiborum nomiuibus Grundisalbus Didacus 
Ranimirus Nunus Arriane et onecce (var. Oneca). Igi- 
tur ipsc iiir meus dum peracto mte ciu*su termino per- 
ucnlt ad diem ultiuuun ante horam (var. hoj-am fere) 
uiigratiouis sue rccuperato sensu rcíiicillato spiritu 
couuocauit ad se dilectissimos et crédulos sibi Polauium 



fratrem suum Ranualdum abbatem Tello tendariz et 
árias tutenandit (var. Tatenandiz) illis quippe presen- 
tibus et multi allii asistantibus (vai-, adsistentíbus) pa- 
tefecit nobis deuõtionem uoluntatis sue (var. sive) or- 
dinauit mihi coram omnibus presentibus ut omne (var. 
omnem) quanta (var. quartam) i^ars hereditatis nostre 
ficcntiam distribuendi haberem in pauperibus et pere- 
grinis uiduis et orphanis uel sanctorum ecclesiis. At 
uir ego audito deuotionis boné adsensum prebui et 
eius iussio instanter inplere procuraui ob suis obolen- 
do delictis et méis delictis cedendo peccatis. Eatenus 
quidem per consensu sinbolum (var. sobolum) nostra- 
rum fecimus inter nos diuisionis partium predia fun- 
dum et facultatum. Item dum inter se alternatim ipsi 
filii mei uicissim culmellos diuisionis confirmandos ro- 
borassent. Et uenit (var. Euenit) in portione fihe mee 
onece villa nuncupata vimaranes. Et quia isdem (var. 
eisdem) temporibus uitam degebat rehgionis malui edi- 
ficare in ipso iam dicto prediolo cenóbio sub manu 
abbatis fratrum uel sororum regulari normam tenen- 
tes et preceptu (vai-, sub preceptu) sanctorum patrum 
persistentes. Idemque dum commune cum ceteris si- 
bi tirunculas commaneret peccato inpediente oblita 
primeue conuersationis sanctissima documenta uersa 
est in secularia detrimenta. Sicuti ipsa ueritas ait 
— multi sunt uocati pauci uero electi. Rehctoque mo- 
nasterio et suaui christi iugo introybit im-i império 
et carnaU desiderio. Quippe dum hunc casus contin- 
geret ut a monasterio redue minime redire ualuisset 
legatos inter me et ipsa diuersa facit ac per muitos pe- 
ne homines bonos ei notuit ut. commutaret mihi ipsa 
villula iam (var. iam adicimus) sepe dieta ubi olim 
monasterium construxeí-am. Metueus ne post obitum 
meum persistentibus mecum discnmen lacerationis in- 
currerent et pro bene gestis malum adquirerent. Alio- 
quin melius in uita amitterem quam post excessu meo 
dúbia posteris rebus adquirerent. lllum uero nu- suus 
G-utier roderici cum coniuge nate mee Onecce Ubeu- 
tissime paruerunt et ulti-o animo ipsa fundo et etiiun 
aliis \illulis et incontramutationibus eorum insimul que 
eo testamento ad uoto meo distribuúnus. Ne (var. Xec) 
reliquendum est qualiter fuit factum. et multi manet 
propalatum. Conatus (vai-. Ganatus) quidem dulcissi- 
mus mihi piguus Nunnus dum adolesceutie ad ânuos 
efectus esset aductus (var. adultiis) febre grauissmia 
coi-reptus ad diem usque extremo (var. e.vti-emum) est 
deductus. Postmodum tamen spmtuni trahens a mul- 
tis^ patefecit per quos misericórdia mihi iunouabit (v;u-. 
inotavit) ut pars hereditatis sue pro illius anime reme- 
diuui fecissem secundum uoluntati mee extitisset arbi- 
trium. Necnou et auctoritas legum censuerunt ut de 
(var. ei^) predia filii defuncti qui superstites soboles uon 
relinqueront parontibus eorum possidenda laxareut. V t 
ibi eius corpusculum umatum (var. hunuituin) quiescit 
in uestra bine datur (var. data) intelligi ad seruieu- 
dum terrena illius subici (vai-. subjicC) causa. Hiuc ete- 



XII 



CHEESTOMATHIA HISTÓRICA 



nim exemtis (var. exemptis) ad serie redeamus testa- 
menti. 

Domnis iniiitissimis ac triumpliatoribus gloriosis 
sancti saluatoris sancteque genitricis marie semper uir- 
ginis prius in ecclesia positos sanctos apóstolos Petrus 
et Andreas lacobus et Joliannes Philippus et bartolo- 
meiís Thomas et Matheus Jacobus et Tadeus Simon 
et ilidas cananeus cum glorioso (var. glorioso et) ultimo 
Paulo dogmate egrégio (var. cgregié) celesti curie (2. 
falta) sublimatur (var. sablimatus). Pontiíicum eteuim 
christi electi Cipriani Martini Christofori cum mitibus 
(var. Gomitibns) eorum(2. falta) Toi-quati Saturnini Au- 
gustini adque liis felici martírio consecratos. Nounul- 
li confessioue floribus ornatos Sanctis dei martiribus 
Aciscli Romani Ualeriani Facudi (var. Facundi) et 
primitiui (var. Primitivi) iusti (var. Jus/i) et pastoris 
(vai-. Pastoris) Adriani Juliani Sebastiani Georgii (var. 
Gerorgii) Felicis Tii'si consócios (var. cum sócios) sa- 
cro cruore perfusos. Beatissimarum dei uirginum Eo- 
lalie Leocadie Christine Victorie Basilisse natalie (var. 
Nathalie) Juste et ruíine (var. Roflne) Agnetis et 
emerentiane (var. Emerentiane) cum ceteris uirgiui- 
bus tálamo christi sociatas et eius genitrici adnexas 
quorum baselicíi sita est in iam dieta villa vimara- 
nes território urbis Bracare aut (var. Brachare hauã) 
procul ab alpe latito inter bis (var. his) alueis ue- 
liementibus aue et auizella. Ego ancilla dei exigua 
omnium seruorum dei (2. falta) Alumadomna conver- 
sa cum peccatorum mole depressa in spe íidutiaque 
sanctorum non usquequaque desperationi deitio (var. 
dejicio) quod sepe reata (var. reatu) criminibus iniqui- 
tatum mearum sepe pauesco ut per {v&v. pró) sanctis 
mai-tiribus christi reconciliari merear cimi sanctonuu 
omnium agmina fida supphcationc uocis omnibus im- 
ploro, et ideo deuotioni mee extitit ut ob houorem sal- 
uatoris et uestram placandam clementiam edificarem 
iu iam prefata. Fundo (var. prefeita fundo) cenóbio 
ffatrum et sororum in uita sancta perseuerantes cas- 
te pie et sobrie uiuentes sub mauu abbatis degen- 
tes necnon et regulas precedentium recte custodientes 
tamquam nobiscum consistunt (var. consistant) quam 
et quos amor christi nobis agromauerit (var. adglome- 
raverit) quod pompa seculi abreu untiauerit (var. ac re- 
nunciaverit) et ad hanc se humillime suaui christo (var. 
christi) iugo debere postulauerint. Concedo huno aule 
beatitudinis ucstre iam dieta villa uimaranes que com- 
mutaui cum filia mea Onece (var. Oneca) ut supra fe- 
cimus eius mentionem per quam scripta cartola con- 
tramutationis et uilla in eius adicio (var. adjicio) cre- 
ximiri (var. Crexunàr) que contramutauei'unt (var. co- 
vintavi) cum rege domuo Ranemiro pro uilla samota 
iuxta flumen durio quod illi dederat tius suus donus 
exemenus pro uilla lalini. similiter et adidit nobis in- 
cartationes quos (var. quas) habebat inter Aue et Aui- 
zella. Et nos dedimus ei pro hiis villa tarbella quod ego 
acceperan in quinta uiri mei necuou et mea per cul- 



mellum inter filios meos et villa turisi (var. Thurisi) 
que commutavi cum filio meo Didaco pro quo accepi 
(var. accepit) a nobis villa Camantio (var. Camamtom) 
cum omnibus adiacentiis suis quam simili modo in 
quinta acceperam viel accepi inteterime (var. integerri- 
me) huic loco sancto ac seruorum uel ancillarum dei. 
Concedo villa de fornos uilla pignario (var. peginario) 
Laurosa que fuit de iafori (var. Jafori) que comparaui- 
mus et commutauimus cuín filio suo Vandila in ripa 
Auizelle villa de sancta eolalia terras et pumares. In uil- 
la de asoredi quantum (var. quantas) ibidem habemus 
tercia de illos santos et de illas terras. In uilla de ce- 
cili incommunicaciones de gumilanes vi* integra quo- 
modo illa incommuniauerant ipsi hoiuines ad rege. Por- 
tiones in palatiolo ibidem quantum Herus ueremudiz 
obtinuit.-Inconnnuniatos (var. Incomuniatus) de viUa 
fredi (var. Frede) cum suas hereditates terras et puma- 
res. in antemiri villa de siluares cum omnibus adiun- 
cionibus (var. aj unctionibus) suis. Medietate (var. Me- 
dietatem) de villa elanci (var. Eleanci in) terras puma- 
res et sautos. In mortaria villa de atanes (var. Antanes) 
cum cuntis adiacentiis suis. Tercia parte in villas (var, 
villa) de subpratello (var. supratello) quomodo illas in- 
cartarunt ad parentes nostros. Et uilla (var. villare) 
de ataulfu in cadauo terras et pumares. in uilla vima- 
ranes adicio (var. Adjicio) etiam villa que cum supra- 
dictis fratribus et sororibus gaanaui postquam (var. 
postquam comparam de FVatribus) cum filios meos per 
colmellos diuisionis partium que integra fuit in mo- 
nasterio. In ora maris villa quod uocitante villare Pe- 
tra fita et Johani iohauis villulis quantum ibidem ha- 
bemus. Adicimus etiam ibi villa de fratres ab integro 
cum cunctis prestationibus suis. In território Colinbríe 
villa de alcaroubim quomodo illa obtinuit froya gun- 
tesindiz per incartationem de Gondisindo suariz cum 
omnibus prestationibus suis. terras in alauario et sali- 
nas que ibidem comparauimus. Incommuniationes (var. 
in comuniationibus) de prado aluar per suis terminis 
cum suos homines secundum in carta resonat. Inplaza- 
mus in ripa Tamice villa quod (var. que) dicitur lusi- 
dii cum domos terras pumares et sautos que ibidem 
comparauimus et laborauimus siue et porcionem que 
ibidem habuit incartata germanus noster domnus Exe- 
menus. ecclesia de sancto felice et de sancto mamete 
que nobis incartauit erus abba et omnia que nobis in- 
cartauerat per ipsas uillas in genestaciolo quantum no- 
bis incartauit Silimiro (var. Soliriiiro) et recemundo in 
ferreira (var. Ferraria), villa de colina que nobis in- 
cartauit veta forsit (var Forfz). et porcione in monte 
duba que nobis incartavit Godesteo uiliulfiz. In pra- 
to antile uila que nobis suprina famula nostra per scriptis 
concessit cum omnia sua. Et alia que comparauimus de 
segiones etiam et ecclesia que fuit de jíarentes nostros 
uocabulos ancti ihoannis. Idem alia ecclesia sancti sal- 
uatoris (2. falta) que nobis incartauerant. In felgeira ru- 
bcans (var. Feligaria Bubianes) villa de mauri secun- 



DA LIXGUA PORTUGUEZA 



xin 



dum illa obtinuit Grondesinde floianiz (var. Gundesinde 
F)'oianiz) cum admntionibus suis que comparauimus de 
íilia sua Gontrode pro que dedimus ei ccc "* sólidos ar- 
gênteos, in ripa sause villa santom quantum ibidem 
obtinuit Mito et adosinda de dato de nostros parentes 
in ripa Auizella. Portionem (var. ck Avizella portionem) 
in villa atanagildi quantum ibidem comparauimus uel 
gaanauimus. siue et in uilla de pradanoso et senra de 
caneto (var. Cavento) que nobis incartauit egas (var. 
Ecclesias) siue et incommunicationes in penacoua. lu j 
ripa limie portionem (var. portio) in suagio siue terras ^ 
et pumares. In moimenta (var. Moiiimenta) sub porte- 
la de uice que sunt de nostra quinta, et nostra porcio- 
ne que habemus in viEa de cersitelo (var. Ceresitello) 
subtus casti'o maio. Et in ore maris (var. Habemus ibi- 
dem alia) porcione in villa castiniaria (2. falta) secus pon- 
ti uetre. (var. uestre). Concedimus etiam liuic monaste- 
rio secundum superius memoramiir {var. rãemoravinms) 
pro filio meo Nuno pro anime eius remédio inter ambas 
Aues villa nesperaria cum omnia que ab (var. ad) ea per- 
tiuet que commutaui cum filio meo Gondisaluo pro quo 
accepit ex (var. a) me xnlla de sancto cipriano que erat 
de colmellos eundem (var. ejusdem) Xuni filii mei. In- 
ter dorio et tamega villa que commutaui cum veremu- 
do adefonsi pro quo accepi (var. que accepit) villa de 
portus. in deza (var. portus in dezza) que fuit de col- 
mello ipsius filii mei et dó etiam adhuc de sua heredi- 
tate inter dorio et tamega viUa varzena. In ripa minei 
porcionem in amacislitello. In galacia porcionem in 
pousada (var. pausatá) cum domos pumares. Et in 
fonsini terras et pumares in miliarata. Has uillas filii 
mei supra memorati post parte cenobii huius (var. Mi- 
liasata. Hec dederunf Jjliis méis super; ego post par- 
tem cenóbio) confirmatum pro ornamentas sacre alta- 
riorum (var. orna^nentis sane aliorwn) sanctorum olíe- 
rimus templum i* cruce (var. unum calicem) huic san- 
cto que de centum (var. centum et) quinquaginta sóli- 
dos ex auro et lapidibus ornatam. Capa deaurata et 
lapidibus ornata continens cc"* LX* sólidos. Ditagos de 
octoginta (var. quadraginta) sólidos. Coronas iii*^ tenen- 
tes Lxx" sólidos ex lapidibus omatas. Cálices duos unum 
de LX* sólidos (2. falta) et afium de l* sólidos (var. soli- 
dorum). Cruces im°'' deauratas. Ditagos. Torques deaii- 
ratas et lapidibus ornatas (var. ornatos). Vrceolos de 
VTu" sólidos. Candelabros 1I°^ Lucemas idem. Lâmpa- 
das dec" sólidos (var. solidis centum:). Signos fusiles ex 
metallo iiii"'' et totidem campanis. Et turificarios (var. 
thuriferarios) n"^ unum tenentem l* sólidos et alium 
Lx* cum suis fielis oblatis. Stolas cultas (var. sculfas) 
xif™ capas. Duas (var. capas duas:) stolas litoneas de 
seruicio mcnse in thesaurum. Concloclearios xii" (var. 
thesaitrum, cum ccclearios duodecim:). Cifo ex auro 
et tridios duos. In refectorio (var. refertono) uasculos. 
arcas, concas. Duas scalas duas (var. archas, cnncas, 
scalas dtias,) interrotomas et pahnares. Uigiuti libros 
ecclesiasticos. Amtiphonarios Ill''^ Orgauum. Comitum. 



et manuale Ordinum. psalterios Duos. passionum et 
precum. Biblioteca, moralium. regulas u^. Canonem. 
Vitas patrum cum gerenticon. Apocalisin (var. Apoca- 
lipsim). Etimologiariun. Istoria ecclesiastes. (var. Storia 
Ecclesiastica) Dedeca psalmorum uii-orum illustrorum. 
(var. illustnum) et sub una córtex i^egula beati paco- 
mii. passionarii Ambrosii. Benedicti. Isidori. et Fruc- 
tuosi. et regula puellarom et allium libellum quod con- 
tinet id est reo^ulas Benedicti. Isidori. et Fructuosi. 
liber dialosrorum. Institutionum beati effrem. Libello 
quod continet uita beati martini episcopi. et uirgmitate 
beate mavie uirginis. trayno (var. Trayano). nestes ec- 
clesiasticas três. De albas 11"° duos saibis et unum mor- 
cum. Alara una. De alueici uellus (var. alara una de 
alveici, velos,) lineas. Quatuor frontales. Palees (var. 
palas) iiu". Palas greciscas (var. gliziscas). duas alias 
palas de aluz. Quinque casula. Piscina (var. j)iscinam) 
I*. glisissas. Três (var. grisissas três) de aluz. Quinque 
dalmaticas. Albas ii'^. Piscinia i\ Et m^ auectos. vno 
{\nr. unum) de alueci et alia tisaz (sic). Casulas lineas. 
Decem túnicas. Decem (var. lineas decem : tónicas der 
cem:) superiectiles inter paleas et ti-amisii-gas. Duode- 
cim ganapes. lineas c"". Pulmacus (var. tramisirgas duo- 
decim: ganapes lineas centum: plumazos). suniliter c"". 
Alii alii alpes. Quinque almucellas. Quatuor linulas 
pares. Sabanas xxx*. Et mantelos polemitos l^. (var. 
alii alp)es quinque: almucellas quatuor: linulas pares 
triginta: sabanas et mantelos polimitos). Líneos nu- 
mero c". Caualos xxx* (var. viginti :) inter mulos et 
mulos (var. mulas) numero l"". Equas numero lxx^. 
Emissariis (var. emissarii) in^. Et asinos IIII°^ Vaccas 
jquantas habemus in uarzena (var. Versegie,) et in sua- 
o-io et alias quantas habemus cum homines nosti-os in- 
communiatos. oues et boues et pecora promiscua (var. 
permiscua) quantas habemus per has villas que in isto 
testamento resonat. (var. resonant :) Et ipsud (vai-. 
idem^ monasterio quomodo de domibus suis circumce- 
pit de omni âmbito siú obtinet deiuceps non omui sui 
satã ista ut monasterii sancti sit perhemuiter confir- 
mata et seruorum uel (var. et]> ancillannn dei concessa 
et luminariis altaribus sauctorum saltim elemosinis 
(var. eleamosinis (pauperum susceptione peregrinorum 
uel (var. e^) aduenatorum hospitorum uuUis ex propin- 
quis nostris uel extraneis possum (var. possnní) uindi- 
cantes quos seeularibus negociis fueiint occupati nisi 
quod (var. quid) in hnnc locum sub manu abbatis et 
census reo^ule fuerint domino seiíiientes et in pactum 
roborati. Omnia quippe supra scripta ubi est et quan- 
tum est nt diximus in prompti loco testamento legi- 
mus. ut si quod absit aliquis ex contagione nostri dia- 
bolo instio-aute abbas frater conuersus ac de monaca 
eii-redere a communi coUegio sine benédictione uolue- 
rit uichil de quo superius (var. super) resonat aliquid 
usurparo presumpmat. (var. prcsumat^ Xulli homines 
portinontos nobis fiUi uel uepti triuepo (var. crinepó) 
,i uel prosapie (vai-, prosápia) geueris nostris (.var. nos- 



XIV 



CHRESTOiMATHIA HISTÓRICA 



tri) aneptri hunc factum nostrum in aliquam euellere 
uel infrliigere temerare conaueiit quisquis ille fuerit 
sit anathema in couspectu dei et saiictis apo.stolis ita 
ut partem non liabeant (var. habeat) in resurreccione 
prima sed iude traditoris domini paríiceps efectus pari 
luat pena per indicio domini presenti euo plaga percus- 
sus a uertici capitis usqne in (var. aã) nesíigia pedum 
lepre corporis prouolutus (var. pervolutus) scaturire 
uermis obtineat nec corpus nec sanguinis domini susci- 
piat et humani.officia et ecclesia excomunicati uulgati 
(var. vulgatus) permaueat. Comité uel rege pontiíiciljus 
uel ducibus terre indicio adicatur (var. ahdkatus) ex 
proplnquis facultatibus septies tautum componat quan- 
tum inde usurpare uoluerit. Hec series testacionis (var. 
testamenti) in robore íirmitatis permanet iugls eteruis. 
Notam die vii" kalendas februarias. Era o'' cccc" Lxxxx* 
vii\ Ego quidem Mummadonma conuersa hanc con- 
cessionem quam cenóbio supra dicto lacere libentissi- 
me sepe procuraui et in diem dedicationis ipsius bea- 
titudinis aule própria manu (var. nianu própria) cou- 
firmaui ex officio palatini. 

Ego denique Gundisalbus filius gonsalui (var. 
Menendi gundisalaí) et de Mummadomne (var. Ma- 
maduinna) hunc uotum matris mee et salutis anime 
nostre (var. mee) confirmo. Necnon et ego frater (var. 
Fratres et) Didacus uotum parentorum nostrorum de- 
nota mente confirmo. Simili modo et ego Rancmnus 
ultro uoluntarie uotam salutis et ex profectu mee mer- 
cedis genitricem (var. genetriceui mercedis) conf. Etiam 
et ego Arriane hunc factum (var. factus) matris mee 
confirmo. 

Guterri rudiensi conf. — Similiter et ego Onece 
(var. Oneca) conf. — Nunus aloitiz eonf. — Menendus 
menendi conf. — Tellus aloitiz conf. — Ueremudo uer- 
muiz (var. Vermudu vermudiz) conf. — Fredenandus 
siloniz conf. — Nunus íioiaz (var. Froílanis) conf. — 
Aldeíbnsus gondesindiz conf. — Fromaricus espasan- 
diz conf. — Froila onerici conf. — Sabaricus onerici 
conf. (var. conf. ex officio Palatini.) — Nunus dictus 
siloniz conf. — Guntericus loitiz diaconus. — Fernan- 
dus guterrit — Rudesindus diaconus — Vimarani pres- 
biter — Lucidus (var. Fredenandus G-aterris. Rodesin- 
dus diaconus Frater Fredenandi conf. — Pelagius Ma- 
zagilzi — - Aloitus Leoaigildus DicLConus. Tizom, Frater 
Vimarani, Presbiter conf — Lwcidius) godestei frater 
et diaconus (var. Diaconus conf.) 

Sub christi nomine Rudesindus episcopus cçnf. 
— Sub imperío salnatoris Sesnandus pontifex riensis 
(var. Iriensis conf) — Sub redemptoris clementia Vi- 
liulfus presul Tudensis (var. Tudsnsis conf) — Sub 
aminiculo creatoris Didacus episcopus uirque sandecus 
(var. Sandetus) conf. — Sub deo (A-ar. Divino) auxilio 
Ermegildus episcopus conf. — Sub christi sacri cordia 
(var. corda) Ataulfus ultro sedis sapiens episcopus con- 
firmo — Ordonius abba iubit — Aloitus cellenouensis 
prepositus conf. — Quintilla eroylgi confessus confir- 



mo — Aloitus (var. Idem Aloitus) ri^fus confessus con- 
firmo — Martinus confessus confu-mo — Franchimirus 
confessus confirmo — Arriane diaconus prolis pelagius 
confirmo — Adesiudus frater minus confirmo — Frede- 
nandus prepositus conf. — Matheus presbiter. Ordo- 
nio ponciaui (var. Ordonius Pociani.) ^ 

. (/òiáem, Lxxvi, p. 44-48.) 



983 



Sub (var. Svb) Impei-io Sancte et Individue Tri- 
nitatis Patris, et Filii, et Spiritus Sancti. Dominis lu- 
victissinns, Grloriosis, atque Victores, mundique trium- 
phatoribus, Sanctis Martiribus Celestis (var. celestí) 
Glorie luce perfusos, et premium Beatitudinis laurea- 
tos, quorum Baselice fundate (var. basilica fwndata) 
cerimntur in loco nuncupato Morarie fundo, inter bis 
amues utrasque Aves, sive et inter duorum Alpes Unio- 
ne, et Cabalorum montes, subúrbio Bragarense, haut, 
(var. bracarense aut) procul a Termas Cálidas, et 
deorsuui Ponte Lapidea: id est Sancte Thecle (var. 
tecle) Virgiins, et martiris Christi, cum ceteris innu- 
merabilium Reliquie Martirum, Apostolorum, Ponti- 
ficum, Virglnum, et (var. uel) C(jnfessorum. Ego exi- 
cuus (var. exiguus) Famuhis Christi, licet indignus, 
Gundesalvus (var. Goiídisalbus), ob Divali Império, 
et vestre celsitudinis Gloriamque vestrorum meritis 
respiramus, non usquequaque desperatione dcyicimur, 
(var. deicimus) sed plenam fiduciam vestris (var. ues- 
tris meritis) confido, ut piaculorum meorum nexibus 
absolutis, interventu vestro tandem reconciliari merear, 
(var. domino merear) vestroque et Sanctorum omnium 
sufifragio, fida supplicatioue, votis omnibus imploro. 
Ideoque Devotioni (var. deuocioni) mee extitit, ut ex 
douis, que mihi Dominus contulit, et largitionis sue 
atribuit, (var. attribuit) Aulam clementie vestre votis 
congrui rederem, (var. congruis redderem) reminiscen- 
tem Divini Oraculi, ita dicentis : Vovete et redite (var. 
reddite) Donfino Deo vestro : simili quoque modo manu 
fortis ille, Divino repletus (var. ajlatus) Spiritu, intonat 
dicens : Quod accepimus de manu tua. Domine, dedi- 
mus tibi. Ubi cum você orationis, et Pi-ovetie subjun- 
xit (var. profecie subiungit) dicens: Presta, Domine, 
ut semper iu veneratione (var. ueneratione tua) mens 
ista permaueat. Unde et (2. falta) Ego serbus (var. ser- 
uus) Christi Gundesalvus (var. G-undisalbus) in simph- 



' o testamento de D. Mummadona fui íidjh-csso na coUecção dos Diplomata 
et Cliarta;, pelo iode\ chamado Livro de D. Mummadona, e ao fundo das pagi- 
nas da collecção acliain-se as variantes fornecidas por orna carta apograplia do sé- 
culo XII. Essas variantes estão aqui incluidas no texto. Muitas d'ellas são insi- 
gniQcantes, e em parte meramente ortliograplricas. Não é dillicil restituir um texto 
correcto por meio das duas lições ; isso não o fez a commissão dos monumentos, 
segundo o seu costume de fazer meras reproduccòes c nào edições criticas. Apre- 
sentamos aqui os documentos n'esta forma para sobre ella fazermos a discussão que 
se encontra em as notas finaes d'esta chrestomatliia. 



DA língua PORTUGUKZA 



XT 



citate cordis mei, eniditis exemplis letus offero, atque 
coucedo Altaribus glorie vestre ipsa Villa superius 
coraprehensa (vav. conprehensa) per omnes suos tér- 
minos, per áreas (var. arcas) antiquas, petras conca- 
vas, seu bm-gatas, et sciilptiles, (var. scultiles) cum age- 
ris (var. agreres) terrarum, saltim íictiles petrarum hinc 
atqué ultra ribus (var. riuus) in ea discun-entia, quos 
ipsi termini iutercludunt ; (var. inter concludunt) nt ab 
odiemo (var. hodierno) die, et tenipore, cum vineis, 
pomeriis, harboribus (var. arhoribus), aquis, montibus, 
domibus, atque utensilibus (var. utensihus)^ pascuis, pa- 
ludibus, cunctisque, ominis (var. omnibus) usibus de- 
vetur (var. debetiir),' Domui Sancte Marie Virginis et 
genetricis (var. genitricis) Domini nostri, (var. seu) et 
Salvatorem Dominum nostrum, cum Apostolis Marti- 
ríbus, \di-ginum, et confessorum, quorum in cenóbio 
Vimaranes sunt recondite reliquie, pro remédio anime 
mee, et indiúgentiam peccatorum meorum jugiter in- 
serviat, et quantum ad (var. quanfus a) Domixm ipsius 
Sancte Marie, vel ipsis sanctis, cum Beata Thecla 
(var. tecla) oífero pro mea quinta, illud concedo eatidem 
fundo, secumdum ea comutavi (var. eam commutaui) 
cum mea cognata Adosinda, post decessu (vai*, discessu) 
germani mei Ranimiii, (var. ranemirt) pro quo de nos 
accepit prédio mmcupato cajide, (var. cagidi) cum cun- 
ctis ajunctionibus, (var. adiunciunibus) suisque presta- 
tionibus. Adicimus etiam liuic loco Sancto Villam (var. 
uilla) de Armiri (2. falta), que fuit de Gruntina, (var. gio- 
^ÍTia) nutrícem Regis. Simili modo et pumerios, qui(var. 
que) fuerunt de Fafila, et alio de ^'isclario, qui sunt 
de Ecclesia prope Sancti Martini Episcopi. Et in Villa 
Cova, quantum ibidem liabuit Egas, que comutavi- 
mus (var. cummutamus) cum fratres de Vimaranes, pro 
illud, quod fuit de Moabita JMeffarraie (var. ma/arraie) 
in Armiri, sive et ipsa (var. ipse) Villa Cova, quantum 
ibidem habuit (var. ahuit) Patruina, et ratione de Ado- 
sinda, que comparavimus de filio suo Mito. 

Concedimus etiam ibidem incomuniatos (var. in- 
communiaios) nostros de Barrosas, quantos ibidem ha- 
bemus, vit serviant ad ipsa casa post obitum nostrum. 
Et (2. falta) adicimus etiam ad Aulam ipsius pumare 
in Negrellus, quos (vai*, negrellos quod) fuit de Segere- 
du Danielis (var. segeredo danielit). 

Concedinms ipsa villa desuper uuncupata Mora- 
ria, et ejus Ecclesie (vai-, ecclesia) Sancte Tecle cum 
omnibus hereditatibus quod in hoc testamento (var. 
testamentum) resonant, Adsiterio (var. adsisterio) Vi- 
maranes, ut Abbatem, Fratres, Monacus, vel sorores 
in loco ipso Vimaranes ibidem consisteutium, (var.^er- 
fistentiioii), vel -qui sub Regule lustitutionis ejus Do- 
mino servicrint, et pompa hujus seculi abrenuutiave- 
rint, et vita sancta deduxerint, caste, pie, et sobric 
vita (var. uite) subduxcriut, et coníesionis (var. confes- 
sionis) normam, vel Sanctorum Patrum exemplis ceno- 
bitarum fiierint degentes, et sancte conversationis per- 
sistentium, sint eorum profectibus pereuiter (\-ar. piv- 



festibus perhemniter) profuturis, et de jurí nostro ab- 
stultis, eorum utilitatibus prosint perpetim habitm-is. 
Addimus (var. Adicimus) etiam ipsius Sancte Ec- 
clesie non solum hoc, quod literis exaratum est eis ibi- 
dem inser\'ire; verum etiam quod adhuc augmentare 
(var. aucmentare) volumus, que presto non est, et tem- 
poris oportunitate non sinit ipsa ecclesia tríbuenda, 
Deo annuente disponimus in ministeríis, scilicet, que 
Sacris Ordinibus sunt necessária, id est, libros, cru- 
ces, cálices, signos, vela, vel tm-abula, (var. turibula) 
seu candelabra, necnon et cuncta, que Sanctoiíim Ordi- 
num sunt competentia (var. conpetencia), mente prom- 
ptissima promittimus (var. promitimus) adimplenda, et 
Sacris (var. sanctis) Altaribus oíferenda inibi deser- 
vientium concedimus profutura. Spondimus (var. Spo- 
pondimas) etiam in ipsius loci nostro in tempore fide- 
liter deservire, et eis adminiculum, quod prestare po- 
tuerimus, devota mente, et firma intemptione (var. in- 
tencione) per omnia adjuvare; ac sicut ipso loco júri 
nostro debito mansit, vel manere potuit, aut poterat 
(var. poterant), omnia cum oníni você, et persecutione 
Aule ipsius Sancte Marie Virginis de cenóbio Vimara- 
nes, vel sem^os, et ancillas Dei. hic permanentes, offe- 
i-imus, perpetualiter possidenda. 

Quem (var. que) tamen scríptm-e (var. scribture) 
basilice vestre traditam et thesauris glorie (var. eccle' 
sie) vestre reponimus, et cum omni vigore mansura de- 
crevimus, qualiter ex presenti die, ei tempore júri ves- 
tro pateant possidenda, et in perpetuum vindicanda. 
Filiis quoque nostris, saltim ueptis, aut trineptis, seu 
(vai', uel suprinus seu) prosapie nostre precipimus, ut 
sint ipsorum Monachorum, (var. monacorum) ibidem 
regulari degentes, ut sint illis amodum Defensores, et 
in eorum profetibus (var. profestibus) supradicte Ec- 
clesie (var. sancte ecclesie), vel ibidem habitantibus scu- 
tum defensionis contra quoslibet (var. quolibet) adver- 
santibus illis in ceio Domini (var. zelo dei), et timore 
Christi, per concilium, (var. consilium) et collatione 
fratrum, velservorum Dei, ubi diximus, de Vimaranes; 
non sibi ex ipso loco aliquid vindicantes, vel mmius- 
culum accipere presumentes ; sed in defensione eorimi, 
ut diximus, precipimus ocursuros, et in preseutia Prin- 
cipum, vel jiulicum, seu Pontificinn vooem ipsius Ec- 
clesie, vel cultorum ejus intendant post ^^var. et post) 
parte confessionis de Vimaranes defendant, ut ajmus, 
(var. aimus) tam filii nostri, et nepti. seu trineti hoc 
(var. trínepti hanc) adimpleant, et compleant. Quani- 
quam etiam omnis (var. omnis etiam) Posteritas nos- 
ti-a, vel víscera nostra devotione et voluntate implere 
mandanius, et autorigare (var. octo}'gare) usque in per- 
petuum (var. senipi/er)vim) mandamus, simulque ordi- 
namus mercedem a Domino per hoc consecuturus, et 
Benedictionem (var. benedicione) ipsorum Sanctorum, 
et hic, et in eternum adepturos. Ut tam in vita nostra, 
quam etiam post excessu nostro nuUis inibi cujus {\ai: 
caius hoc) testamentum facimus, licituni sit ipsum lo- 



xvr 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



cum transmntare, vel contramutare, saltim vendere, 
(var. iienumãare) seu donave, non a Rege, non a Co- 
mité, vel ad Episcopo, aut alia coufessione, nisi in ipso 
cenóbio perpetualiter habitantes, ut supra prescriptum 
est. Precipimus tantumodo ut (var. aut) noster filius, 
aut sobrinus, (var. snprinus) neptus, veltrineptus, qu's- 
quis (var. quicqnid) fuerit ex Prosapie nostre, non da- 
mus illis (var. illi) licentiam de hoc (var. hanc) opús- 
culo aliquid auferre, nec potestative, (var. ne j^iotestati- 
bus) nec presuniptive, (var. ne presumptibus) nec pro- 
qualive, (var. ne p>er qualibe) via, aut dicendi: Here- 
ditas Patnim meorum aut Avorum, aut de Bisauio: 
et dicendi: Mea est possidendi ista liereditas, sicut (var. 
ut) solent muitos talia dicere, vel lacere: quisquis illum 
voluerit facere, ut nostrum irrumpat votum: (var. mo- 
dum) si fuerit filius, qui hec (var. huc) talia presuraat, 
(var. presumpmat) de Corpus Christi, et sanguinem 
ejus, quod est potaturus, (illi var. ad extremum illi) 
sit extorris (var. e,TtoT0.s) sedis ejus habitaculum (var. 
abitacidam) post excessu (var. exes.s/;) illius, ubi satan 
obtinet ducatus (var. ducatum)^ et ille Prlncipatus (var. 
p)rincipatu')ii): si fuerit sobrinus extra sedeat, et expul- 
sus, et de Christi habitaculum (var. habitacnlo) Paradi- 
sus extraneiis : et si fuerint nepti, aut (var. veZ) trinepti, 
aut ex Prosapie nostre, qui hunc (var. hanc) devotiouem 
nostre temerarie immodice volucrint inrumpere (var. 
irrumpere), Deus iidimpleat votum nostrum: et qui 
talia presumpserit, et (var. de) hoc opus, nt diximus, 
pena sit luitatus (var. sint Initiinis) in ignem eter- 
num habitáculo ejus; n(m rosurgant cum Sanctis, sed 
cum diabulis, nec (var. diabolis, non) resurgant cum 
Christo, sed cum demone habeant participium (var. 
participió)^ qui hunc votum (var. factnm) nostrum ir- 
rumpere voluerint (var. noluerit) in aliquo,vcl immodi- 
ce, quantum est momento. Equidem (var. monento. et 
quidem) jure damus, et promittiuuis habendi, et po- 
nendi (var. possidendi), qui in ipsius loco duxerint (var. 
íoci deduxerint) vitam Monasticam, regulam sub pre- 
textu (var. pretexto), et regimine fratrum, ^'el sororum, 
servorum Dei, vel Áncillarunti degentes, et normam Pa- 
trum deducentes in fundo Vimaranes, ad ipsius conce- 
dimus loco, pro tegumento (var. tegumentum) omnium 
fratrum, uel (var. et) sororum, advenc, et peregrini, 
egeni, et pauperem, qui (var. pauperum que) sub manu 
Abbatis de Vimaranes fuerint, (var. vimaranis fuerit) 
tam hospitum, quamquam (var. ospitmn quemquam) 
etiam omne gcnus hominum habeant inde victum, et 
vestitum; habeant inde consolationem, simulque et to- 
lerationem, vel (var. ut) illis sint (var. sit) adti-ibuta li- 
centia, et perfecta sempiterna clementia, et nos ante 
deum mercês (var. ?)í(?roí5) copiosa, et remuneratio digna 
usque in sempiterna per secula; qno (var. quod) et ju- 
rationi confirmo, per Divini Nnniinis cteniitatem (var. 
trinitatew), quia contra hanc nieam spontaneam volun- 
tatem hujus series' testamenti numquam ero venturus 
ad hTumpendum, 



Siquis tamen hunc factum nostrum, quod pro 
abluvicione (var. abliiitione) peccatorum meorum de- 
crevi facere, temerarius, vel presumptor (var. presum- 
ptos) ex Prosapie mee (var. nostre), slve extra colonus 
saltim, quisquis ille fuerit, sit ab omni cetu Christia- 
norum consortio (var. consorcio) privatus, ab Ecclesia 
Catholicorum maneat excomunicatione multatus, ad 
Corpus, et Sanguis (var. sanguinis) Domini Nostri 
lesu (var. ihesii) Christi Mediatoris Redcmptorem non 
accedat, sed confusus permaneat: inaledicant ei, qui 
(var. quia) maledicunt diei, qui (var. quia) parati sunt 
suscitare Leviatham (var. leuiatan). In presenti evo 
placa (var. plaga) divinitus percusus, amborum (var. 
perc/ussus arborum) videns lucerne frontibus carens lu- 
mine pribetur (var. priuetur) atque lepra cortix stipa- 
tus (var. lepre cortitus stipatus et) scaturientibus ver- 
mibus sit devoratus, cumbiothenatus (var. et cum bio- 
tenatos) deputatus, et iude proditoris Domini heres ef- 
fectus, pari (var. et pari) pena sit hiiturus, atque in 
synodo hujus maio, (var. sinodo uel mullo) sivc conci- 
lia judicum quoactus, propter solam improbam volun- 
tatem addictus, dua (var. adictus duo) auri talenta 
conuictus (var. conuinctus) post ipsius Sancti Monas- 
terii persolvant, et hec scriptura firma permaneat, et 
integerrima cuncta per omnia. Facta series testamenti 
II (var. f) nonas julii. E. t.xx.i.'' (var. Era M XX" 1.^) 

Ego denique seruus Christi Gundesalbus (var. 
Gundisaluus) hunc series testamenti quod in honore 
Saluatorls Nostri Hiesu (var. ihesu) Christi, cum mul- 
torum sanctorum, et Acisterio S. Thecle (var. arciste- 
rio sancte tecle) Virginis fieii malui, ad Viranis decer- 
no (var. decernvx>) permansurum, et manu própria, Deo 
annuente, ex voto ultroneo confirmo — |- (var. con- 
firmo). 

Sub ea tamen videlicet ratione servata: si super 
me conjux mea Ermisinda duxerit (var. hermesinda 
dum uixerit) vitam, et ab ipsius Moraria (var. mora- 
rie), et S. (var. sancte) Tecle quesierit venire moram 
faciendum, mense, aut (var. ad) duos, pro nobis ibi- 
dem Missas facere, et pro anima nostra orare, licen- 
tiam ei damu.s pro isto: Et quando fuerit se, relin- 
quat eam post parte cenóbio Vimaranes, (var. vimara^ 
nes cenóbio) ubi deincept (var. deinceps), et amodo de- 
cernimus perpetim habendi, et possidendi júri quie- 
to. ^ 

Osorius Ovcquis (var. Osoyro ouequiz) confirmans. 
— Fafila Odaris (A'ar. odarit) confirmans. — Velascu 
Enegms (var. Ualasco en7iegoz) confirmans. — Pelagius 
Menendis (var. menendi conf.) — Fromarigu Odoris 



' Var. Quoil sursum ncn est exaraliim que pro nostra anima dedimus ad ipsius 
lor.o sancte marie ijjiileiíi deseruientui pro aliluendis sceleribus méis id esl corona ex 
auro obrizo cum lapillis njilimn compósito opúsculo magna denique fnla ex elelro 
mirabilis soliduruui numero LXX" nei:non et conca argêntea opus perfectissinumi si- 
niili riuoque modo sotiiius nurncro L" planetas duas opere digníssimo palleum slrami- 
nis lectus C" sólidos ut seruiat ibidem ut de deo accipiamus mercedem et digna re- 
munerationem et de factis nostris preteritis remissionera et indulgentiam peccatis. 



DA LDíGUA PORTUGUEZA 



XVII 



IS var. 



(var. Flomarico odaríz conf.) — Sanbfitl Alviti 
aluifis conf.) — Lizenius Pepis. 

Suerius Grutierris (var. Suerio gnterit) conf. — 
Griíndesalbns (var. Gundisalbus) Menendiz conf. — 
Froia ^[uuius (var. Froila muni., conf.) — Bera Mu- 
niiiz (var. Ibera muniuz conf.) — Velascus Anezi (var. 
Ualascu sanchiz conf) — EneguMuniuzi (var. Ennegu 
munmzi conf) — Albura Pepizi. — Pepi Ranulfis (var. 
Pepina nidjjz conf.) — Tellu Guntigiz. — Flaynu Di- 
dazi. — Kintila Kintilazi. — Sanderairu Christovalizi. 
— Lovegildu Alacicu. 

Gonta Abba conf. — Viaricus (var. Uiarigu:») Con- 
fessiis conf. — Sarracinu Siiarii, (var. Sarrazinu sua- 
riz) coní. — Theuderedus (var. Teuderedas) Prepositus 
conf. — Viliamirus Confessas conf — Lncidus Confes- 
sas conf. — Didacus Confessas conf. — G-ontemirus 
Didaci filias conf, — Fagildus Redmiris (var. ramiriz) 
conf. — -Árias Pelagii filias conf. 

Nanas qni notavit (var. notuit)^ et pro testem 
confirmo -|- (var. confirmo.) ^ 

(ibidem, cxxxviii, p. 84.) 



SÉCULO XI 



1004 



Dvbiam eniai quidem non est sed multis aianet 
notissimani atqae cognitam quod liab\út intentionem 
osoredo truitesendiz et saa mater uiiisco prolis menen- 
di cam godesteo saper aarzeua qae habet iacentiam 
in ripa leza quomodo est conclnsa de illo arragio qui 
discarrit de casa de godesteo et fere in longo in illo 
pamare de domna animia et de amplo leaa se de leza 
et ferit in illos aallos qui diaident cam casale de ianar- 
do et casale de donazano balderediz per ubi obtinue- 
rant illam suos auolos et sãos parentes et ipse oseredo 
per piares annos. et leuauit se ipse godesteo et pre- 
sumpsit in cabo de ipsa uarzena uno pedazo et in cabo 
de ipso pedazo plantauit ibidem mazanarias super mo- 
nitionem de ipsa unisco una uice et alia uice et tercia 
leuaait se ipse godesteo et fuit ad rodericum pelaiz 
de cuius manu ipsam terram filiara qui dicebat cata- 
tridario in ipsa uarzena et auia ibi tiidade in precio 



' Esla (iuaçrin, feita ao mosteiro di! Guimarães por Goni;alo Metiiios, foi im- 
pressa nus Diplomnla et ChnrUt por uma copia exisleule na liililiulheea ila Aeado- 
riiia das Seicncias de Lislioa, feita no lirn do século passado. A carta aulographa, 
(pie n'arpH!lla eporlia existia lu) arrliivo da rollogiada do Guimarães, não foi encon- 
trada. As variantes, que intercalamos no texto, tirou-as a commissao dos monu- 
mentos históricos do Linru de D. Mummadona. Valem aqui as mesmas observa- 
ções que Azemos em a nota a pag. xiv. 

VOL. u. 



de VIU boues ^ et fuit ipse roderigo ad magistrum 
euenendo qui illam terram mandabat sub presente co- 
mité menendo gandisaluiz et ad magistrum godesteo 
et ad atam christoforiz edorouio cresconiz gondesindo 
iben cila et adduxit illos ad ipsam uarcenam et uenit 
ipse rodericus cum lieredes et cum suos iudices qui 
uiderent ueritatem inter ipsum roderigum et ipsum ose- 
redum et peruiderunt ipsos iudices quia erat ueritate de 
ipso oseredo et de sua matre et dedit ipse magister 
euenando et magister fafila suo sagioni frolienzo et le- 
uauit ipse godesteo ad ueritatem hic ad sanctam ma- 
riam de aquas sanctas sub die quod erit viii." idus au- 
gusti Era xxxx"*!!.^ ante iudices prenominatos atam 
chrístouaiz ederonio cresconiz gundesindus iben izila 
masfister euenando et magister fafila. causatus fuit ses- 
nandus in uoce de oseredo truitesendiz cum ipso go- 
desteo qui suam uocem obtinuit et de suos heredes 
qualiter tenente suos auolos de oseredo ipsa uarzena 
per plures annos et post suos parentes cuius dederunt 
illam in casamento sua mater et suas tias in facie de 
auolos et de parientes de godesteo et tenuit illam ipsa 
unisco inter cum suo marito et in uiduetate xxx^ an- 
nos et plantauit ipse godesteo ipso pumare suo mu- 
nitione bodie annos vin° dicente ipso godesteo in sua 
uoce et de suos heredes de cuius manu illam terram 
filiauit quia fuit ipsa uarzena de suos auolos et de suos 
parentis in facie de suos abolos et de sãos parentes de 
ipso oseredo et relinquerunt illam in facie de godes- 
teo et de suos heredes et plantauit illam in facie de 
tructesindo osorediz atque munitione -. et intrarunt in 
placito testimoniale pro in tercio die darent testes si- 
cut et fecerunt. Dedit sesnandus testes prenominatos id 
sant unisco menendiz sisualdo sesnandus gomadiz Lúci- 
do iben egas Vestemiro behniro iquila Frogiuhus Trui- 
tesindus guenandiz patre tresuna sodunas in aze c et 
xxx\ et de parte de godesteo et de rodorigo id sumus 
Censoi Cidi Gemondo patre et alio patre trasarigo trui- 
tesendo dono cresconio qui sumus heredes de ipso go- 
desteo et de ipso roderigo in ipsa uarzena fiunt sub 
ima in acie c xxx'^iii. et tradidcrunt placitum ad le- 
gem et peruenerunt in tercio die pro ire ad legem et 
agnouit se ipse rodericus et ipse godesteo in ueritate 
et tornarunt ipsam domna unisco de lege et rogarunt 
illam que tornassent a suas testes de iura et dedissent 
ei in alio loco et in alio dia duas tanta ten-a pro Ula 
sua quam super nnuiitioneai plantauerant et in ipsa 
uarzena et rouorauit ipso rodrioo placitum que si non 
dedissent ei in alio die duas tanta terra que duplas- 
sent illum pumar ad ipsam luiisco et ad suum filium. 
et quando uenerunt ad diem que fuit ipsa unisco 
utrum dedissent oi illam torram et renuabit ipso rode- 
rigo et ipso godesteo et non dederunt illam íen-am et 
exierimt illi^ placito ot querehuiit se oseredo et sua 



' Orig. boueues. 
- Orig. munitionode. 



xvm 



CECEESTOilATHIA HISTÓRICA 



mater ad maglstrum euenando qui erat ludex inter illos 
et ordinauit eis quod duplassent illo pumare sicut in 
placito resonauit et tornauit ipse oseredus et godesteo 
ad misericordiam et àeáerunt ad oseredo suum pomar 
sengelo et rogou et ãederunt ad illum iudicem in offre- 
cione VII lenzos et aliud tomaiúo pumar in iudigado. 

Magister euenando conf. -|- Aluaro test. Sandino 
test. 

Atam cliiistoforis manu mea conf. — Magister me- 
nendus manu mea conf. — Ederonio cresconiz manu 
mea conf. — Gundesindo iben izila manu mea conf. — 
Cresconius quiiiaquiz test. 

Magister sandino test, — Faíila magister manu 
mea conf. — Alius magister menendus conf. — Magis- 
ter gundisaluo conf. — Magister uestremiro conf. 

(Ibidem, cxciíi, p. 118-119.) 

1013 (?) 

Plerique liuius eonis in casu uita degentibus que 
diuersis subiacet casibus ut diuturnior sit pro quo agit 
psalmista — Quoniam mille anni ante óculos tuos si- 
cut dies una — etsi breuior ut iob loquitur — Dies mei 
uelocius transierunt quam ad texente tela subciditur 
et consumti sunt absque uUa spe. — Et alibi ^ — Vnus 
exidus ad uitam omnibus et unus egressus — Nisi quod 
creditur omni extrema felicior hac uisita incomodi du- 
ceretur deterior etsi peccati obnosius ultima calcaneo 
anguem non porrigat que ante ea se momordi minime 
senserat. Denique ego indignaque christi ancilla uniscu 
una cum íilius meus osoredus prolis tructesendi ante- 
quam obtutibus diem ultimum pauesxentes et ora ex- 
trema sensus ad nos pristino reuersus recollens in cor- 
de nostro quia coníitendi latronem in se credenti in pa- 
tiuulo uicinam presentiens mortens dignatus est con- 
ferre uitam eternam nobis anc non denegare quod plu- 
rimis condonaret. Idem idem dum ista agerentur ut 
instiduda docet patrum et docman pedagogorum in 
domino precedentium nicil ese religionis iu stipite sub 
manum abatis uel abatise dicens tramitem inuewzmus 
salutarem consilium cum omnem axem rerum nostra- 
rum ut de paupertatis nostre elegere deuemus arcite- 
rium in uilla nunccubata leza qui iam olim in dei re- 
bus normam educit cum siui modigo conmiso congre- 
gationis sicut et ida hacta sunt. Dum ad eandem ce- 
nouio peruenii-emus deseruientibus nobis uiUas uel om- 
nen rem nostram elegi fierimus testamentum ut dictum 
est omnem posesionam (sicj fundorum prediorum opi- 
dorum auri argenti palie supeiiectiles sirgo uestitibus 
pretiosis saltim ut quantum in uita nostra posidens 
fuimus uel iuris nostris tenere potuimus. Et quia ste- 
relis absque liueris remansimus omnia dare monaste- 
riis captiuis perecrinis orfauis uidus uel diuersis kasi- 

' Orig. alidi. 



bus occubatis ad ípso arcisterium iam nunccubatu leza 
relinquimus ec supra scriptio ut quiquit pio anime re- 
médio facere quieuerint uoluerint uel conauerint sit 
ilis a deo et nobis fas adtributa et potesta concesa. 
Nuli alio ex prosabie nostre linea suprestitem relin- 
quens nisi ut supra taxatum est monasteria seruorum 
uel ancillarum dei incoUe siue euionis misserimus. Dom- 
nis inuitisimis hac triumfatoribus gloriosis sancti salua- 
toris cum uirgo Ínclita senper genitrix apostolorum már- 
tir um pontilicum uirginum confessoruni corum ue dis- 
pares et llocis diuersis cimiteriis aule sunt nunccubata 
corum uee ic disscriuere prolicxioi' conuenit adiungere 
lionmia sanctorum martirum que dei curie celestis su- 
blimatis Róseo cruce ^ perfusus ad oíicium predica- 
tionis electos uirginitatis glorie coronatus confessorum 
floribus adornatas. Et sicque inerciam egra meus iiic 
sigillatim scriuere nequiuimus iam iu fragmea paradisi 
locum beatidudis a dextri ordinis tenere coníidimus. 
Ego chiústi ancilla uniscu et íilius meus serbus seruo- 
rum dei osoredus prolix tructesendi cum peccatorum 
mole depresos iu spe fiduciaque sanctorum non usque- 
quaque disperationen deicimus que etiam reatum no- 
stri criminis sepe paueximus ut per nos sancti martii-es 
reconciliari mereamur comunem domino hac sanctorum 
onminm cetu fida su})licationem depossimus. Et ideo 
deuotionis nostre extitit ut ex uodo próprio auolendis 
delictis parentum uostrorum nostrisque delitis en dis- 
criminibus ob howorem celsidudinis uestre. Coucedimus 
ad ipsum logum sanctum qui est sita in ipsa uilla su- 
pra tacxata leza subtus monte custodias terredorio por- 
tugalensis ipsa uilla iam prefata leza cum cumtis aia- 
centiis et prcstationibus suis secunduui illa obtinuit 
pater noster tructesindus et ego unisconi cum hlio meo 
osoredo. villa de egilanes ab integro cutu sua uarcena 
leua se ipsa uarcena de arrugio que discurit sub kasa 
de llalina et plega de longo usque in arrugio que dis- 
curit de maniulfo de suo uilar. Et illa alia uarcena que 
se lleua de arrugio maior de maniulfo et de alia parte 
iusta monasterium et fere in longo in arrugio dicurit 
de kasa de adaulfu. De ereditate de donnazanno et de 
suo iermano gumsaluo mediaíate ah integro. De uilla 
godemeri iiii'^ integra per suis tenninis secundum illa 
obtinuit auia nostra trastalo. Ereditates que iacent iu 
pratocello et in salgarios tam de auolengo quam etiam 
in nostras kartas resonant. De uilla rrecaredi medietate 
et de illa aha media ii"' viii'*' una de rrecemoudo et alia 
de aluito. Ereditate de mala ibi in ipsa uilla. ereditate 
quos fui de domno ulifonso ab integro, ereditate de fre- 
mosindo ab intecro. de ereditate de rromano v" inte- 
gra, de ereditate de fromarigo v^ integra. Et in uilla 
keiranos ereditate quos ic abuit frater sauaricus con- 
parada. Sicque etiam concedimus ad ipsum monaste- 
rium sancti saluatoris arcisterium prenoí?^^nado uere- 
mudi et relíquias uogabulo sancti rromani et sociorum 

' Orig. crutre. 



DA língua PORTUGUEZA 



XIX 



eius sic concedimus ipse logum quomodo et omnen de- 
iiitnm eius intus que foris tam aiaceiítils quam etiam 
et nos ganauimus sub ausllio dei. Et noniina aiacentiis 
notecxere ualemus it sunt villa uilifonsi sicut ila obti- 
nuit uiro nieo tructesindo et ego cum filio meo osore- 
do. villa flamulini conniodo cum merluanes. De uil- 
la mandini de medietate v* et de illa alia media x* 
per suos términos et cumtis aprestationibus suis. Et in 
id ipsa uilla iam prefacta ueremudi ereditate de saua- 
rigu et de sua nuilier quederilli. ereditate de sua ierma- 
na adosinda. De ereditate de cordoues quos fui de suo 
íilio quilla V.* De ereditate de ordonio todomirizi v.* Et 
alias ereditates quos in nostras cartas et in nostros in- 
uentarios resonant. Quamobrrem damus et donamus uel 
contestamus hic logos sanctos uilla de alduari cum aiun- 
tionibus suis eglesia uogalo sancti martini episcopi quos 
fui de aion ereditate que fui astrulfu ereditate de patre 
proniia ereditate de martino ereditate que fui de domna 
godo ereditate de megitu incomuuiationes de gonsaluo 
munneonis illa rrationem de uimara ermiarizi et alias 
ereditates pro ipsa uilla quos in nostras cartas et in nos- 
tros inuentarios resonant. ereditate que fui de domna 
tarasia uicesima et in uilla plana x'' de ipsa uilla per 
suis terminis quos fui de ipsa domna. De uilla piniario 
medietate integra, et in uillar et in castrello et de illa 
parte durio uilar de uizoi quantum inde pro pretium 
nostrum tenemus de ipsos uillares et per scripturas íir- 
mitatis. In uilla sunilanes ereditate de sunilla candere- 
dizi medietate intecra et de ila alia illo pumar médio 
qnen nobis dederunt suos filios sicut in nostrum pac- 
tum resonat. Et in mitoncelli nostra ratione et alias 
ereditates pro ipsa uilla que in nostras scripturas con- 
firmata sunt. De viilla manualdi ereditate de trastemiro 
domus terras et pumares ab intecro. Ereditate de teu- 
dila medietate exseptis suas kasas cómodo aqua iier- 
tet. villa de pausatella cómodo ila obtinui auia nostra 
uestregia cum uiro suo don galindo. Ereditate de pe- 
trauzus quos fui de trastemiro. Elreditate de leuegodo 
cum suo casal et suo plantato et alias quantas in no- 
stras scripturas resonat ii"' partes de eglesia sancti ma- 
metis. villa de cornado cum sua eglesia uogabulo san- 
cti maniete cum omnibus prestationibus suis. De eredi- 
tate de uimara et de peccenna medietate intecra. ere- 
ditate de gauinius presbiter integra tam de parentela 
quam etiam conparada. viir'' que fui de magister olidi 
per tota nila. et alia viii'' que fui de abia nostra dom- 
na gontilli. ereditate que fui de nausti integra ereditate 
que fui de sontrili. uillar de lilla cum suas acpuxs et 
suo molinu a kasa de tauron ila luxrcena media et iii* 
de illo casal et ipsa casa intecra et in ipsas uillas quan- 
tum conparauinuis et in nostras cartas resonant. In 
rrefogios uilla bona cum aiuntionibus suis villa de oso- 
nio villa de ofreiso et de brandila cum suas aquas et 
suos molinos. viif de uilla de Maurontani cum liii'' 
de illas eglesias sancti iacobi et sancti pelagii cum suas 
casas et suos dextrus siue pumai'es. Ipsas uillas iimi 



supra tacxatas damus atque concedimus ad ipsius mo- 
nasterius cum cumtis aprestationibus suis. Adicimus ad 
os logus sanctos uel ad ipsius monasterius liuros egle- 
siastigos per ordinem obtimum signum ex metallo fa- 
urigatos cruces capsas kalices et patenas uestimenta 
sacerdotale cum diagonibus uel omnem rem nostram 
sicut supra dicximus quantum in uita nostra possidens 
fuimus aurum argentum paliei superlectiles sirgo ues- 
úbus preciosis equos mulas equas boues uakas pegora 
minuta uel premiscua et quantum aduc cum dei adiu- 
torium agmentare potuimus in uida nostra post parte 
ipsius monasterii sit traditum adque concesum ut a ser- 
uorura uel ancillarum dei aduenam pupillum ospitem et 
peregrinis uel qui in uita sancta perseuerauerit. aueant 
et posideant sicut nos docet lex et proueda — Voue- 
te et redite domino deo uestro — et iterum — Quo 
de manum tua accepimus et dedimus tiui quia pere- 
crini et ospite sumus super terram — . Quia dicit in 
liuer iudigum ubi dicit liuer quartus et titulus secun- 
dus seutentia xviiii^ — Vt qui filius non relinquerint 
faciendi de rebus suis quod uoluerint aueat potesta- 
tem. Omnis ingenus uir adque femina siue nouilis seu 
inferior qui íilius uel nebotes aut pronebotes non re- 
linquerint faciendi de rebus suis quiquit uoluerint in- 
duuitanter licentia aueu.it nec aliis quibusliuet pro- 
ximi superior! uel ex transuerso uenientibus poterít 
ordinatio eius in cocumque conuelli qui recta uinea 
discuremus non auet originem que cum successionem 
nature ereditatem posit accibere — . Exinde testamento 
autem iuxta legum ordinem deuitam siui ereditatem 
poterant iure successionem. Denique coníirmatum est 
oc dum uita uicxit filius meus et post houitum eius 
ego unisconi concedo cemiterium leza cum aiacentiis 
suis a todegildus abba et a fratres de uacariza et cuius 

uoluerit ipse aba relinquere. Quate in uita nosti'a 

sit nobis in nostro stipendio ospitum perecrinorum uel 
pauperum. Post ouitum uero nostrum dum compleue- 
rimus diem ultimun per une te carnis ofitium sir post 
parte ipsius cenouiis ti-aditus atque concesus ut sit illis 
seruorum uel ancilarum dei in tolerationem et nobis 
ante dominum rredemtoi-em digno remuncrationem. Si- 
quis tamen aliquis omo tam umilior quam inferior seu 
ex genere nostre hunc factum nostrum (piod pro ani- 
mas nostras remedium facere procurauimus ex uoto 
próprio uel modice conuellere uel usurpare temerarie 
uel leuiter couauerit quisquis ille fuerit exter adfiuis 
anatlicma marcnata multus ab onmi ejílesie ca/holiofa 
selunctus ad coi-pus et sanquincui redemtoris separa- 
tus in conspectu dei et apostolorum siue etag-mina mai'- 
tirum excum»«inatum ida ut p;u'tem in resurrectiouem 
prima non aueat sed iuda domini proditorem credes 
efectus baratri penam iugiter permaneat mancipatus 
et presenti euo amboruui cai-ens lucerue frontibus lu- 
mine sit priuadus et quantmn inde usurpare uoluerit 
settuplum conponat per seuoridatis indicio et ec firma 
perpetim permaneat testameutum scripto. Notum die 



XX 



CHEESTOMATmA HISTÓRICA 



qiiod erít n^* nonas december. Era decies centena qnin- 
quies dena r'' inquoaute ii*. Vnisconi prolix meus oso- 
redus anc pie uotum umilitatis nostre in anc series tes- 
tamenti donibiis sanctorum manus nostras confirma- 
mus et iTouora-| — |-nimus. Sceinena prolix osoredo 
et domitria in anc series testamenti quod fieri et elegi 
pro me et pro posteritas mea et progénie mee manum 
mea confirmo. 

Et adicimus uobis uilla francsino cinn aientioni- 
bus suis sicut in nostras scripturas resouat et manus 
nostras ro -| — |- horamus. 

Froia osoredici et coniungia mea adosinda pro nos 
et pro posteritas et prosauie nostre anc series testa- 
menti quod fieri et elegi manus nostras confirmamus. 

Donadilli cum filio meo osoredo anc series testa- 
menti manus nostras — conf. 

Gudesaluus trastemiriz confirmo — Onorigu oue- 
quiz confirmo — Oueco Onoriquiz confirmo — Tructe- 
sendo beraz confirmo — Vermvidu tetoniz confirmo — 
Pelaglo louesendiz confirmo — Ero suaiiz confirmo. 

Veremudus rex prolix adeíbnso j^rincibis lianc tes- 
tamentum conf. — Comité uelascco almeluce conf. — 
Comité mimnio adefonso conf. ■ — Comité gutierre ade- 
fonso conf. — Fafila petriz conf. — Frater rauplrio (f) 
maiorinu conf. 

Adeita furtuniz iudex conf. — Fredenandus nuni- 
ci notuit. 

[Ibidem, ccxxii, p. 135-137.) 



1041 



In eologita christi trinitas benedicta uiuideque ex 
pinscarum eremitarum que pater in filio et filius in pa- 
tre promiscue etenim ex abbobus spiritus sanctus pro- 
diens infinita nunquam diuise sed semper unita cuius 
est uera unitas et inextimabilis bonitas eterna et uera 
caritas multismodis et inennarrabilis bonis uiuens et 
potens tempore seculorum neque finiendi seculi amen. 
llluminator atque sanctorum omnium reparatur ema- 
nuel qui dixisti de tenebris lúmen splendescere ad illu- 
minationem scie/itie claritatis tue et qui dimisse eximie 
tempore paras opera et qui pollicitum esse dixisti ser- 
uum uel domini parare. Ego domine fâmulo tuo sen- 
damiro lucidi et famula tua madronji una cum filiis 
méis quos habui de coniugia mea nomine gontilli no- 
minibus illis azarias cognomento aeita et gontlna. Nos 
superius nominati pro remédio animarum nostraruin 
et nos azarias et gontina pro remédio anime matris 
nostre gontili quod in lioc recoleus et in hoc confidens 
et in corde suo considerans Ego domine famulus tuus 
superius dictus placuit nobis sub tuo et in tuo amore 
christi timore ut hereditas nostra in domo domini offe- 
re pro remédio animarum nostrarum qui poUicitus im- 
pleuimus domino deo uotum. Ego in nomine patris 



et filii et spiritus sancti apostolis almis uirginibus sa- 
cris sancti martini sancti petri sancte christine sancte 
eufemie et quorum inter eos principatum tenent uin- 
centi cum esse in uilla uaccariza subtus alpe mons bu- 
zaco secus am/iis mondeco prope ciuitas conimbrie 
adicimus ibidem domine ad ipsius sacrosanctum et 
uenerabilem templum qui sunt pro uelamine seruo- 
rum uel an ciliar um dei ad istos domos dei persiste- 
rint deo de seruitio uilla nostra própria quos uocitant 
uilla cidi subtus monte petra curuella secus alueum 
iu'e prope ciuitas sancte marie território portugalis. 
Adicimus ibidem de ipsa uilla medietatem integram 
et habuimus illam de comparationibus nostris quas 
comparauimus de tedom gaindiz uilla de aiubando que 
pariauit ípse aiubando ad domnum teton et ad suam 
coniugiam domna ielolia pro placito quando erant im- 
peratores ipsa ciuitas sancta maria et accepit de nobis 
unum mulum in três equas et una adaraga preciata in 
duas equas et una pellis aguina et unus calabbazus 
crastatus et hereditatem de andi-ea pro qua dedimus 
unam uaccam et una manta malfatana comparata in 
XV sólidos et de fralengo pro qua dedimus unum bo- 
uem et de spanilli et de suo filio didaco pro qua dedi- 
mus iinam uaccam et in alio precio xv modios et de 
gundisiudo et de recemondo et de odrozia pro qua 
dedimus duas uaccas. istos vil nouiinatos sic uendide- 
runt nobis in ipsa uilla totum integrum sic de paren- 
tela quam etiam et de comparadela. Damus atque 
concedimus medietatem de ipsa uilla integra et si ali- 
qua actio euenerit super filiós uel nepotibus nostris 
per iussionem domini ut sémen de eis profecto mori- 
turi fuerint et sémen de eis non restituerit super fa- 
ciem terre qui in ipso monasterio perseuauerint ipsa 
uilla et alias hereditates et omnia nostra agmina to- 
tum integrum habeant et possideant pro remédio ani- 
me nostre et ipsius progénie nostre. damus nobis at- i 
que concedimus ipsam uillam ^^er suis antiquis ter- ' 
minis cum suos exitus ad montes uel regressus ad do- 
mos cum quanto in illa potueritis inuenire uel ad pres- 
titum honiinis est et adhuc cum dei adiutorio que in 
ipsa uilla augmentare potueriuius ad sanctum uiiicen- 
tium ad aulam dei concedimus et uobis domno flo- 
rido abbati sub eo uidelicet ratione seruata et post 
obitum uero nostrum ad eos qui in ipso loco sanctis- 
simo fuerint habitantes et monasticam deduxerint 
uitam habeant et possideant et omnes indigeni et 
adueue pupilli pauperes orphani ibidem rationem ac- 
cipiant. Ita ut moneo ut uemo presumerent in alia 
parte transferre uindere uel donare sed in hoc loco 
predlcto seruire et ita eos tamen firmiter state ut illo- 
ruin iure hereditas fiat potestate. Et si aliquis homo 
ex propinquis nostris suprinis germanis filiis uel ne- 
potibus aut qualibet persona hominis qui hunc nos- 
trum factuiu irrumpere uoluerit uel uenire temptaue- 
rint ueniat super eos ira dei et rumfea celestis et uo- 
rax inferm baratri ad ipsius omnes qui ad istos san- 



DA língua PORTUGUEZA 



XXI 



ctos dei persisteriut in iudicio domini requirant et 
taiidiu lex inquiritur pariat ipso qui eontig-erit duplato 
et ad iudicem qui illani terram imperauerit iliud tan- 
tum. Facta series testamenti ipsas kalendas october. 
Era Lxx^vim' superacta millesima. Reguante domno 
fernando reg-e sub iiomine chiisti nouiine. menindus 
minniz dux. Ego sendamiro et coniugia mea matrona 
et liliis méis azarias cognomento aeita et goiítina quod 
uoluimus ad religendum cognoui in hauc series testa- 
menti manus nostras confirmauimus -| 1 ^j 1-. 

Lucidus íilius ipsius sandamiri manu mea con- 
firmo — 1-. 

Alias presbiter confirmo — Dauid presbiter quos 
vidi — Vimai-a presbiter quos vidi — Lucidio lupelliz 
quos uidi — Adaulfus iben zaide quos vidi — Grunde- 
sindo adulfiz quos vidi. 

Ermigio quos ^'idi — Aui'sendo quos vidi — To- 
deredo quos Addi — Selgres quos vidi — Leuite filius 
gáudio quos vidi — Ansemundus Xotuit. 

(Ibidem, cccx\ii, p. 194-195.) 



1058 



Plerumque humani geueris fidelium celsitudinis 
debet honorari cum diuiue uoluntatis iinperio capud 
regnandi sumpmat sceptrum si in ipso sue electionis 
primórdio adtendit. Grratauter ergo iussa celestia am- 
plectentes modestas simul nobis et subditis leges qui- 
bus ita nostri clementia et subcedentium regnum fue- 
rit excellentissimum unus atque prouidens generali 
multitudini dispositio regerat quem ideo ordinaliter 
tunc uerus diligit cum uuius humane saluti discernere 
iustitiam imperat oraculis. Et quia solius tam immen- 
se dispensatione componat ordo facicndi. quem exper- 
tos uisionis ueritatis adducit et operationem facti de- 
poscit. Vnde nos melius mores eloquia ordinantes in- 
ducimus atque obtamus indagatione studiis reserantes. 
erit in aduentione deo sibique tantummodo consilium 
proprior atque consequeuter sit quod dixerit uel que 
promenda compleat quam inplenda depromat. Ut dum 
salus competens prospicitur regnum fida. ualentius ge- 
neratur — . Ego enim famulum atque seruum dei pe- 
trus abba et confessus presentis legis degreta ampu- 
tare elegio de qidcquid possidere reperitur in predictis 
concedere uel lacere. Ad donmis imiictissimis hac 
triumpliatoribus gloriosis santisque martiribus sancti 
saluatoris sancteque tue genitrix marie semper uirgi- 
nis sancti michaelis arcang-eli et sociorum eius sanctos 
apóstolos petrus et paulus sancti iacobi apostoli sancti 
iohannis apostoli et euangeliste et sancti iohannis bar 
btistc sancti tome apostoli sancti andree apostoli san- 
cti philippi apostoli sancti bartliolomei apostoli san- 
ctorum simonis et iude apostolorum sancti martini 
episcopi sancti romani sancti pelagii mai'tiris sancti 



cipriani sancti stephani sancti felicis sancti laurentii 
et comitum eius sancte eolalie uirginis sancte marine 
sancte eufemie sanctorum iuliani et baselisse sancti 
adríani et natalie sanctorum cosmas et damianus uel 
omnium sanctorum uirginum atque confessorum quo- 
rum baselice sita est in villa nuncupata Anmaranes 
território portugalensis Aaut procul alpe sancti mame- 
tis inter bis alueis uehementibus aue et auizella. Ego 
enim sepedictus petrus abba et confessus cum pecca- 
torum mole depressus in spe fiduciaque sanctorum 
non usquaque disperatione deicio que sepe reatui meo 
criminibus et iniquitatibus meariim pauesco. Ut per 
nos sauctis martiribus reconciliari merear communem 
huc sanctorum omnium agmina fida supplicatione uo- 
tis hominibus imploro. Et ideo deuotioni mee extitit 
ut ob honorem saluatoris et nostram placibilem cle- 
menciam Concedo ad huius aide beatitudiuis uestre et 
ad locum sanctum supra taxatum uel seruorum et an- 
cillarum dei ibi persistentiimi id est in moutelongo 
villa aminitello cum adiuntionibus et incommuniatio- 
nibus suis duas pailes de illa integras per suis temii- 
nis et locis antiquis. Ita quomodo nobis illa concessit 
rex domno adefonso cum heredibus sms comes Xunus 
aloitiz et eius coniuge comitissa domna Hduara etiam 
comitissa domna onnega sinml et comitissa domna 
mumniadomna seu et comitissa domna Tuta uegilaz 
et filiis suis ermegildus et luppe per cartulam firmita- 
tis. Adicimus etiam in ipso território villa quod di- 
cunt viUa mediana integra cum incommuniatione de 
menendo et cum alias incommumuniationes et adiun- 
tiones fora de ipsa \Tlla hi prope sunt. in uilla cel- 
lariolo et insula siue et in aliis locis cunctisque sunt 
sicut illas dedit Adefi^onsus serenissimus princeps cum 
heredibus suis superius nominati et sicut in carta et 
in agnitione resonat. Adhuc enim concedimus atque 
contestamus ad hunc scimiterium vimaranes Anila os- 
gildi integra per suis terminis et locis antiquis. Con- 
cedimus ad ipso cenóbio vimaranes siue de parentimi 
meorum seu ganationes et commutationes ubique po- 
tueritis illas inuenire cum cunctis prestationibus suis 
pro remédio anime mee súiuú et de genitores mei. 
Nunc autem ordinamus ut ipsa villa osgildi habeant 
illa in ipso arcisterio sorores in stipendio illorum in 
uictum et toUeratione per manu abbatis qui hunc ce- 
nóbio ducatum habuerit et reddat ad illas fideliter 'ú\o 
fructu per curriculus annos cunctis diebus se^ptis alia 
sua rationc que de hauc monasterio sunt solitas acci- 
pere. Adicinuis hic in ipsa \i\\ã osgildi ex alia pívrte 
selio senra que dicent de gumilaes leuat se de ipso 
riuido et plega in pena que dicent cogulata ab integro 
cum cunctis prestationibus suis Et in ripa et de alia 
parte leuat se de illa uereda et de illo nudione ubi illa 
ai-ca stetit et figet se in porto carrario sub agi-o que 
dicent nouales. Isto que conclusimns cum suas aquas 
et cum onmia sua ab integro post parte de ipsa villa 
osgildi permaueat. Item uero inter seUo et aue con- 



xxn 



CHEESTOMATHIA HISTÓRICA 



cedo in hanc cenóbio villa palatiolo sicut in nostras 
pcripturas resonat ab integro cum cunctis prestationi- 
bus sais. Et in ripa selio liereditates quaiitasipie ibi- 
dem ganauimus siue de ista parte quomodo et de illa 
alia ab integro cum quantiini in se obtinet et ad pres- 
titum hominis est et sicut in nostras scripturas coUi- 
gatas sunt Et quomodo determinant cum villa ante- 
miri et cum villa siluares et cum villa asoredi et cum 
villa palatiolo et pensello et de creximir. Et in uilla 
siluares prope domas sancte marie liereditates hic 
quantasque ganauimus per pretium et cartas et sicut 
illas in scripturis nostris inueneritis. Et liic prope in 
villa íbntauello hereditates quantasque ibidem potai- 
mus ganare uel aplicare de muitos Ilumines quorum 
nomina illorum in cartas et in placitos et annantiatio- 
nes et in aliis scriptaris nostris inueneritis. Et inter 
selio et sancta maria villa maurelli ab integro quanta 
ibidem ganauimus de louerico martini et de menendo 
erit et de manaaldo menendiz et de illoram malieribus 
siue et de aliis sais liei-edibas etiam et quomodo in 
scripturis inueneritis. Et de bane parte selio liic iuxta 
illum hereditates quantas hic abuit i\íaraam vt sua 
mulier et suos íilios. Necnon et Hamulina cum íiliis 
suis et galindo et suis heredibus. Et tio iheremias seu 
de quantos ibidem ganauimus et aplicauimus ab inte- 
gro in hanc scriptura concedimus cum cunctis presta- 
tionlbus suis. Item adhuc contestamus et concedimus 
in ipso território villa candauoso per se cum ecclesia 
uocabulo sancti iacobi apostoii et hic aliis villis nos- 
tris nominibas villa laarudo villa eiriz villa aarzena et 
ecclesia uocabalo sancti christofori cum suis dextris 
et cum suis adiuntionibus et cum omnia sua mediatate 
integra et villa sauto et medietate de ecclesia uocabu- 
lo sancto niamete de monte cauallos. Has uillas et 
ecclesias sicut in hanc testamento et in alias nostras 
scripturas sunt colligate in unam per suos términos 
in omniqac circaita et locis antiquos leiuxte se de ri- 
uulo selio et perget infesto per termino de crexemir 
et perge pro ad uillare et prega in portela de nespe- 
raria et exinde infesto per uallo antico in directo pro 
ad penas agutas et torna ad monte decocto per ter- 
mino inter villa candanoso et uillar ubi modo eldosin- 
do habitaui et exinde per cacumen montis de caual- 
los et plega in sancto maniete et conclude ipsa eccle- 
sia et torna inprono per confurco per termino inter 
villa sauto et villa palatiolo et inde per termino de 
villa louegildi et plega super illos suiiimios in selio et 
conclude de foris ex aha parte alias lareas et torna 
cum eas infesto per ipso riuulo et íigct se in termino 
de creximir ad illo porto de illas annias ad illa seiíra 
super termino de siluares und primiter incoauimus. 
Istas uillas et ecclesias ab integro concedimus cum 
qnantum in se obtinet et ad prestitum hominis est. 
Et sub portela de uillela sub monte anniani villa zap- 
pianes cum omnia sua ab integro quantum ibidem ga- 
nauimus et sicut nostras contiuet scripturas. Et in ri- 



uulo de molinos quanto ibidem ganauimus ita sicut 
in scriptui-is resonat. Item adhuc concedimus in hanc 
testamenii i" lecto palleo i* almucella de cikdaton i" 
casuUa grecisca i" mensurio de xxx* sólidos deaurato 
u" concas deauratas illa i* de l" sólidos et illa alia de 
xxxv'' sólidos 1* coppa argêntea deaurata numero so- 
lidi Lx." Vasos argênteos iii^^ de xv'" sólidos i* pi- 
menteira scultile deaurata continet sólidos xvii'" ii"^ 
concos éreos et ii"^ aquamaniles uno amtiphonario i" 
ordinum m*^^ psalterios equas et uaccas et quantasque 
habeo in uilla moraria montelongo et in petroselo siue 
et in aliis locis. etiam boues quantas in nostras villas 
inaeneritis seu porcos et pecora premiscua que abeo 
et deinceps cum dei libamen ganare potuero. Et man- 
danias pro nostros caaallos et mulas et qui illos de 
nos abuerint monachos uel laicos faciant mihi cum eos 
seruitium in uita mea et post obitum meum sedeant 
prosolutos cum eos a fatie dei pro remédio anime mee. 
Eatenas qaod desaper scriptum est in hanc series tes- 
tamenti sit nobis in uita nostra in stipendiam et in to- 
leratione et post liaius discessum anime nostre ad par- 
te scimiterii sancti et ad fratres sorores liec omnia de- 
seruiant pro remédio anime nostre euo perenni. Ita ut 
nullas ex propinquis nostris uel extraneis probrium 
uindicates qui secularíis negotiis fuerint occcupati nisi 
qui post obitum meum abba de hoc cenóbio uel qui 
census regule sancte fuerint domino seruientes pro lu- 
minaribus altariorum sanctorum saltim elemosinis pau- 
perum susceptione peregrinis uel aduentantum hospi- 
tum sint coucesse et post scimiterii sancti coníirmate. 
Siquis denique hunc factum nostrum in post nostrum 
obitum quam uellet uel infringere temptauerit episco- 
pus abba prepositi uel decani seu deouote aut quis- 
quis ille fuerit sit anathema in conspectu dei et san- 
ctorum apostolorum ut partem non habeat in resur- 
rcccione pi-ima sed cum iuda domini proditore parti- 
ceps luat eífectus pari pena et preiuditia domini pre- 
senti euo plaga percussus ad uertice capitis usqvie in 
uestigia peduni eius lepre prouolutus coste scaturire 
uermibus sit multatus. ita ut ne carnes pútridas terra 
suscipiat sed ad uniuersa ecclesia excomunicatione 
multatus permaneat et coram rege pontificibus aut 
ducibus uel iudicis terre iuditio sit abdicatus ex pro- 
priis lacultatibus in quadrup/o componat quantum in- 
de usurpare uoluerit post parte scimiterii huius et ad 
omnes ibi persistentium. et hec series testamenti in 
robore permaneat iugis eonis. Eacta series testamenti 
in die quod erit viii° kalendas marcii. Era m^lxxxx^vi." 
Petrus abba et confessus hunc uotum meum diligen- 
tissime offeri deo debeo et quasi in cenóbio supradi- 
cto facere semper procuraui atque manibus méis con- 
firmo. 

Gomize egicat manu mea conf. — Osório telliz 
nianu mea conf. — Didacus confessus manu mea conf. 
— Uestella confessus manu mea conf. — Gudesteus 
confessus manu mea conf. — Ranosindus confessus 



DA língua PORTUGUEZA 



XXUI 



manii mea conf. — Viliamirus confessus manu mea 
conf. — Fofinus confessus manu mea conf. 

Ilduara comitissa proliz Ermegildus et tuta conf. 

— Ai-ríani prepositi conf. — Chi-istoforus uiliam'rus 
iudex presbítero — Pelagio cidit iudex presbítero conf. 

— Iheremias airas presbítero conf. — Menendus pela- 
gii presbítero conf. — Pelagio airas presbítero conf. 

Froila arrianl presbítero Notuit. 

[Ibidem, coccvii, p. 248-250.) 



1064 



Árias Sisvaldiz, Gunsalbo Alvitiz, et Gunsalho 
Frojaz, placum faclmus Inter nos, unus ad allios, die 
erlt V. Kal. Julius, Era CII. post Mlllesima, pro parte 
de Ipsa Eglesla, vogabulo Sancti Martini Episcopl, que 
est fundado in villa Vermudi, et ad nobis deu nostra 
Domna Domna Pala, et Menendo Abas, qui est Ele- 
cto in Aclsterio de Valeiran, sujnbslo Sisnando Episco- 
po, que abidemus in illa Eglesla sudunus, et que quan- 
to ad nobis Domlnus mandar dare, in decimas, et in 
sal esjjaso, et in vestlre, et in cobrire, et in calçare, et 
de jumenta, et noferto, qui est aprestamo de Monacos, 
sive de quanto venerit ad ipsa Eglesla, sive et de fora 
de Eglesla, sive de nostros íillgreses, sive et de allios 
omines, de qualive causa Domlnus mandare dar, que 
sortlamus illo in tertias, per singula kapita, slne nunlo 
conludio, et non andemus ad nobis con nuMla arte ma- 
diga, pro nunlaque actio, et si quan subido ad uno de 
nos invenerit intirmidate, au inkarceratione, au cega- 
tlone, au inposeridate, au qualiue naufrágio, que non 
posa contenere sua ratlone de ipsa Eglesla, que conte- 
niant lUos, que poduerint, sua ratlone, slne nunla Ka- 
bmnia, et sine nunlo reproberlo, et abeat sua ratio in- 
tegra : de odie que die slt fociamus con veridade, et si 
unus ex nobis isto placo exiderlt, et inde alder fecerit, 
que parle duos boves de XIII. XIII. modios, post par- 
te de que isto placo observaberit, et judigado. Árias 
Presbiter, et Gunsalbo Presbiter, et allio Gunsalbo 

Presblter, in anc placum manus nostras ro 

vorabimus. Qui ibidem fuerunt. Ordouio Albltiz tes- 
tis = Atan testls ^ Adaulfo testls=^Gontualdo testis 
=^Sendinu testis =Lucu testis ^Gunsalbo Presbiter 
notuit. 

(J. P. Ribeiro, Dissertações chronologicas e criti- 
cas, tom. I, p. 220-221.) 



1066 



In nomlne Domine Jesu Christl. Magnum est 
enim titulum donallonis, (jiiod nuUus homo infringere 
potest, neque Lex foris proicere debet; sed quicquid 



grato animo, prona mente, et expontânea vohintate 
aliquul donaverit, vel donandl elegerlt, tunc in omni- 
bus judicibu.s licentlam habebit. E^t ideo nos nomini- 
bus Garsea Monninis, et cônjuge mea Gelvira, annuit 
nobis bona pacls, et voluntas, non pertlmescentis me- 
tu, aut inortls periculum, sed mentes nostras plenlbus 
letltle, sic facimus a vobis nutu dei Garsea Rex textus 
scripture, et kartula benefactls, placitus firmitatls, de 
omnes nostras hereditãtes, quicquid visl sunms habe- 
re, de aviorum, parentorum, atque comparatorum, vel 
profilicatorum, ab omni integrltate, ut habeamus nos 
eas in vita nostra, et post obltus relinquamus ad vo- 
bis eas, cum omni integntate : prenominatas, id sunt, 
in terra de Penna fidele, Monasterio Petri, cwm. omni- 
bus testamentis, et abjectlonlbus suis, ab integro, vUla 
Zedoneses cum omnibus abjectlonlbus suis, et in rípa 
flumen Abe, villa Atano.gildi, et AÓlla Olivaria, et villa 
Mazenaria, et villa Petra Ficta, cum omnibus abje- 
ctlonlbus suis, ab integro, et in terra de Aquilar, Vil- 
la Caba, et Valonzello, cum omnibus abjectlonlbus, ab 
integro, et in terra Arauka, hereditate quos fuit de 
Zuleima in Ribulo Moines rationes V, et villa Congus- 
to, et xiWsL Curtegaza, et villa Nesperaria, cum omni- 
bus abjectlonlbus suis, ab integro, et in terra de Pa- 
via, villa Gondin, et villa Soberado, et Villa Rial, et 
villa Gelmir, cum omnibus abjectionibus suis, de Ulo 
Saxo in Diirio, et de Alarda in Pavia : et in terra de 
Benviver, medletate de Ordoni, et Ventosela, cum 
omnibus abjecrionlbus suis, quomodo exparte de Oiv- 
tranbos Ribulos, usque in Alariz, et de Durio in Ta- 
mize, mea portione, ab integro, et in Sandi villa Cres- 
toval, et villa Gontisi, cum omnibus abjectionibus suis, 
ab integro, et villa Maniozellos, et de Sancta Maria 
de Ranosendi medietate, et villa Fornos mea portione, 
cum omnibus abjectlonlbus suis, de Saridí in Galina 
mea portione, ab integro, et in terra de Baiam villa 
Tabulado, et villa Maskinata, et Villarelio, et villa 
Prato, et vUla Pausata, et Villa Cova, et %"illa Cas- 
tro, et villa Ovil, subtus Penna Alba, cum omnibus 
abjectlonlbus suis, ab integro. Hec omuia, quod su- 
pra taxatum est, donamus vobis, ad integi-um, ubique 
potneritls Invenire, per suis locis, et terminls antlquis. 
et jacent ipsas villas terridorio Portugale, ripa ribulo 
Durio. Habeatis vos, et omnis posterltas vestras, aut 
cui concedere volueritis, liberam in Dei nomine habea- 
tis potestatem, pro quo adjuvetls, et faclatis nobis be- 
ne in nostra vita, et si quod abslt, tam nos, aut de 
gens nostra, vel texteris, hunc nostrum factum juste, 
et Hgltlme infringere queslerlt, aut repetitio fecerit, 
quisquls llle fuerit, parlet, post partem vestram, et 
partem Regis, quod infringere queslerlt dublatum, et 
scrlptura Ista plenam obtlneat lirmitatls roborem. No- 
tum die IX. Kal. Aprllis. Era .MCIV. Garsea Muni- 
niz, et uxor sua Gelvira, ad vobis Garsea Rex in hanc 
scrlptura bene factis manus nosti-as=2/M^a?' de sinal 
publico ^Ero Pelaz conlii-mo. = Qui hie fuerunt. Vis- 



XXIV 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



truai"ius Dei gratia Depiscopus. = -L?/^ar de sinal pvu- 
fcZico. = Mouio testis = Pelagio testis ^ Johanne tes- 
tis = Vimara testis = Adfonso testis = Col. I. Antioni 
Comes confirmo ^Menindo conf. = Nimo Suariz conf. 
= Pelaio Suariz conf. =Mito Petriz conf. ==Col. II. 
Armigi ^oàcágn ^ Sinal ijuhlico em Monograma = 
Suario Moninez conf. == Froyla exemeniz conf. = Ve- 
remudo Ataniz conf. = Johanne Diaz conf. = Ai-ias 
Gontatiz conf. = Col. III. Sisnandus Portugalensis 
Aepiscopus conf. == Petro Menegas conf. = Fredinan- 
dus Abba conf.^Vimaredo Presbiter conf. = Cipria- 
nus Vimaraz conf. = Col. IV. Gundisindus Romiquiz 
qui judex notuit==Zw^ar de sinal publico. = 

{Ibidem, p. 221-223.) 



SÉCULO XII 



1123 



Sub potentia Dei Omnipotentis. Nos omnes, qui 
sumus heredes, et possessoi'es Monasterii, vocábulo 
Sancti Johannis Bapfisfe, cujus Eclesia est fundata 
termino Ovdini, secus flumen Dário, et Tamice, ad 
radicem montis Aratri, teritorio et Diocesse Portuga- 
lensis Eclesie: id sumus íiliis, et nepiis, de Monio Ve- 
niegas, et Ermigio Veniegas, et omnibus geuerationi- 
bus suis, ego Pelagio Suariz, filias Suario Fromari- 
quiz, liabeo uxore, nepta de Monio Veniegas, et teneo 
ipsum Castellum, nomine Bene vivere de manu de illa 
Regina Domna Tarsilla, e de illo Comes Domno Fer- 
nandu, convenimus cura Egas Moniz, et Menendo Mo- 
niz, et Ermigio Moniz, et alias generatlones de ipsos, 
que siirsima resonant, quia ego faciam oíierendam ad 



ijDsum Cimiterium idem de illa piscaria de illa Piela, 

et vadit ad ipsum terminum, per ubi ex Sancta 

Christina cum Magrelus, et inde ad Cuhus, et descen- 
det ad Fontanum de mulieres, et perget per ipsa iti- 
nera de illos Plantadizus, per ipsa Strada, et fer in 

illos be, tanus, et per ipso arugio intra in Durio, 

et inde unde primitus incoavimus: et ibi convenimus 
unus cum alius, de qualibet de ista generatione, que 
ijjsa terra imperaverit, que ista scriptura observet, et 
ipsum terminum confirmet : ita ut nuUus homo ab hoc 
die, vel tempore, infra istos términos constitutos, sine 
jussione, vel voluntate Monacorum, vel Clericorum, 
ibi habitantium, causa donandi, aut inperandi, audeat 
introire, vel inde aliquid inde auferri : ut vos et omnes 
successores vestri, Monaci, et Clerici, nos apud Deum 
in memoria vestre orationis habeatis in sacrificiis, et 
psalmodie, meditationibus, in imnis, et canticis sprí- 
tualibus, Deo psallentes in cordibus vestris pi'o nobis, 
ut partem mereamur adipisci in celestibus regnis, se- 
clis infinitis, cum Angelis Sanctis. Siquis tamen, quod 
minime credimus fieri, ex quibuscunque generis hu- 
manis, hoc factum nostrum iurumpero quefierit, cano- 
nice sententie subjaceat, et a liminibus Sancte Eccle- 
sie sit segregatus, simulque in presenti seclo lúmen 
oculorum ammitat, et cum Juda, traditore Domni, pa- 
ri pena suscipiat, et desuper duo auri talenta de aure 
puro post partem ipsius Monasterii, et solvat per ma- 
nu Priori, qui rixerit ipsam Eclesiam, et hoc factum 
nostrum in perpetuum roborem obtineat. Facta carta 
firmitatis, et plazum coníii-mationis, notum die erit II. 
Idus Aprilis, Era MCLXI. Nos superius nominati vos 
Prior Domno Petro, in você ipsius Monasterii Sancti 
Johannis, quod sponte Deo vovimus, scvibere curavi- 
mus, et opere inplevimus, et hanc scripturam propriis 
manibus nostris roboravimus. =^ Pro testibus == Alvi- 
tus testis = Pelagius testis =Monius testis = Fernau- 
dus testis = Petrus Priori ejusdem cenovii scripsit = 
et concludit ipsa Eclesia de Sancta Sabina. 

{Ibidem, p. 247-248.) 



PORTUGUEZ DA EDADE MEDIA 



SÉCULO XII-XIII 



1185 — 1211 



.... noticia de torto, que fecerum a Laurencius 
Fernandiz, por plazo, que fece Gonçavo "" Ramiriz an- 
tigo suos filios, e Lourenço Ferrnandiz, quale podedes 
saber: e ove aver d'erdade, e d'aver, tanto quome uno 
de suos filios, de "^ quanto podessem aver de bona de 
seu ^ pater, e filios * seu pater e sua mater. E depois fe- 
cerum plazo novo, e convém a saber quale : in eUe seem 
taes fiiTuamentos, quales podedes saber. Ramiro Gon- 
(^alviz, e Gonçalvo Gonca, Elvira Gonqalviz, foram fia- 
dores de sua Ii-mana que orgase aquele plazo, come 
illos : super isto plazo ar ferum suo pleito ^ e a maior 
ajuda que iUos hic conocenim, que les acanocese ® Lau- 
renço Ferrnandiz, sa ú-dade per preito, que a tevese o 
Abate de Santo Martino, que como vencessem '' oi;tra *, 
que assi les desse de ista o Abade, e que nunqua Ulos 
leixassem ^d'aquella irdade, d . . . . sem seu mandato; 
se a lexarem, intregarem Ule de outra ^°, que li plaza : 
E d'aver, que overum de seu pater, nunqua le inde de- 
nim parte. Deu Dum Gunçavo a Laurenço Fernandes, 
e Martim Goncalviz XII. casaes por arras de sua avoo ; 
e filarumli iUos inde VI. casales cum torto ; e podedes 
saber como. Mandou Dam Gunqavo a sua morte de 



' Orig. Concavo. No original nenhum c tem cedillia. Seria Gonçavo uma forma 
viva ou erro orthographiro por Gonsalvo ? A forma occorrc n'outros documentos e d 
constante em quanto referindo-se ao mesmo individuo. O 1 desappareceu aqui como 
deante d'oulras continuas. Um parallelo offerece-nos safo, livre, que escapou a al- 
guma cousa (d 'alii safar-se), por sav o de salvus. 

' Orig. da. 

' Orig. seuo. 

' Orig. fiolios. 

^ Orig. plecto, ortliographia falsa fundada sobre a liypotlicse de que liouvesse 
aqui para a firma latina original a mesma relação plionira que existe enirc peito 
e pectus; mas preito, pleito representa o liaixo latim placitum {vid. 
o vocabulário a esta Chreslomalhia). 

" Orig. aconccerse; é muito apparentenicntc erro. 

■ Orig. venccnsem. O original não dobra nunca o s. 

• Orig. octra. Falsa ortliograpliia fundada solirc a hypolhese de que o n de 
outro representa um c latino. 

' Orig. lecxasem. 

'« Orig. oilra, VM. n.» 8. 



XVI. casales de Veracin, que fructarum, e que li nun- 
qua inde deriim quinhous ^, e de VII. e médio casaes 
entre Coina e Bastuzio, unde li nunqua derimi qui- 
nhom ^ ; e de III. in Tefuosa, unde li nunqua ar derum 
nada; e II. in Figueredo '^, luide li non ar derum qui- 
nhom; e duuo casal de Coina, que levarum inde III. 
anos o fructo ciim torto ; e por istes tortos, que li fe- 
cerum, tem qua seu plazo quebrantado, e qua li o * de- 
vem porsanar. E depois overum seu mal, e meteu o 
Abade paz ' antre iUes in no Carvalho ® de Lauredo '', 
e rogouo o Abade tanto, que beisou cum Ules, e de- 
rumli XIV. morabitinos, qui li filarum. E depôs iste 
preito prenderumli o serviçal, outro ornem de .sa casa, e 
trouserumno XIX. dias por montes, e fecerum les tam 
maa prisom, porque levarum d'eles quanto podei-um 
aver; e depois li disum-ou ** Gunçavo Goncaviz sa fi- 
lha ° pequena ^°, e ii-marumli *' XIII. casales, míde 
perdeu fructu. E isto fui depois que furum fiidos ant'o 
Abate, e depois que furum inflados por juizo de ilo *^ 
rei ^^. E nunca Uli feze neu mal por todo aquesto. E 
fezeles ajudas ", quales aqui oviredes '^. Super sua 
ajuda " fez testifiigo cum Goncavo Cebolano, e super 
sua ajuda ar fiiili a casa, e filoli quanto que li ajou '*', 
e deu a illes. E super sa ajuda ove testifigo cum Pe- 
tro Gomez, omezio qui li custou mães ka cem ma- 
ravidis; e super sa ajud' ove mal cum Gonsalvo Go- 
mez, que li custou multo de aver, e muita perda ; 
em sa ajuda ove mal cum Gunçaivo Suariz; in sa 



' Orig. quinnons. nn=nh. Comp. castelhano 11 por Ih. 

* Orig. quinion. ni:=nh. 

' Orig Figeerecdo. Comp. infra Laurecdo. 

' Orig. qualio. Devcr-se-ia antes lér qual-lh'o ? Mas a forma H ( constante e 
ainda hoje popular. 

* Orig. pac. 

' Orig. Orvalio. 

' Orig. Laurecdo. Conf. supra Figeertcdo. 

" Orig. disunrò. K a unira forma de perfeito em que apparec« índice» o 
accento na ultima vogal, n'e$t« documoito. 

' Orig. fili. 

'" Orig. pwliena. Ch representando qu. 

" Orig. irmarli. Não se pode deixar de olhar esti emenda como enda, pois 
irmar não pijde ser um infinito. 

" Não seria arri.scado emendar ilo em lo ou il. 

" Orig. rec . 

" Orig. aguda. O g por j appareie ainda infra ejn a g o u , g a e a r u m . 

" Orig. ouvirecdes. Comp. Figeerecdo, Laurecdo. 

'* Orig. agou. 



XXVI 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



ajnda ove mal cnm Ramiro Fernanãiz, que li custou 
muito aver, muita jjerda ; em sa ajuda fui II. fezes a 
Coimbra; em sa ajuda dixi mui .... vices, e ora in 
ista trégua furum a Veracim amazarumli os omens, er- 
mali (?) X. Casaes seu torto ai rei *. E super sa ajud' 
mandou '' lidar seus omens cum Martin Johanes, que 
quira '' desunrar sa irmana. E cum Ole, e cum sa casa, 
e cum seu pam, e cum seu viuo, vensestes vosa erdade, e 
cum ille existis de sua casa, in ipso die, que vola quita- 
mm; e eUe teve a vosarezom; e outras ajudas multas, 
que fez ; e j^lus li a custado vosa ajuda, qua li inde cae 
derdade ; e subre beiso * e super fiimento se ar quiser- 
des ovil- as desom-as, que ante ihc furum, ouvideas. 
Venerum a Vila, e filali o porco ante seus fiHos, e co- 
merum-s'silo. Venerum alia vice, er íilarum o trigo ante 
illes, er comerum-s'o. Venerum in alia vice, er filiarum 
una ansar ante sa filia, er comerum-se-a. In alia vice, 
ar filia rli o pane ante siios filios. In alia vice ar verum 
hic, filiarum inde o vino ante illos. E outra innc vene- 
rumli filar, ante seus filios, quanto li ajarum ^ in quele 
casal, e furumli ou verjar, e prenderam inde o colaço, 

unde mamou re eg arumno, e getar in 

terra polo cecar *', e lerum deUe quanto ove. In alia vice 
ar furum a Feracim, e prendei-um duos omens, e ja- 
garunmos '', e lerum deles quanto que o\'erum. In ou- 
tra fice ar prenderum outros dous irmano, Pe- 

lagio Fernanãiz, e jagarumnos; in otra verum a 

e levar IV. Pelagio Fernanãiz *. 

(J. P. Ribeiro, Dissert. chronol. t. i, p. 273-275. 
n.° LX.) 

1192 

In Clu-isti nomine amen. Hec est notitia de parti- 
çon, e de devison, que fazemos entre nos dos erdamen- 
tus, e dus Coutos, e das Onrras, e dos ® Padi-uadigos das 
Eygreygas, que fórum do nosso jDadi-e, e de nossa madre, 
en esta maneira : que Rodrigo Sanches ficar por sa par- 
tiçon na quinta do Couto de Viiturio, e na quinta do 



' Orig. rec. 

- Orig. mandoc. O c acha-se por u como em octro. Não se deve aqu| 
pensar em formas como as provençaes da 3.» pessoa do perfeito singular em c " 
não havendo em porluguez nenhuns vestígios de taes formas. 

' Talvez se devesse emendar em queria. 

' Orig. becio. Cremos justilicada esta correcção. Becio parece-nos um falso 
modo d'escrever latinisado, proveniente de se suppôr, com razão, que o i eslava an- 
tes da segunda consoante por raetathese e que o e se achava já na forma latina 
original, visto que beiso estava para essa forma na mesma relação phonica que 
feira para feria. Mas o a d'essa forma, que é b a s i u m , niuda-se em e 
por influencia do i arrastado para junto d'ella por raetathese. Assim, pois, o e de 
becio suppõe necessariamente que o i se pronunciava depois d"elle, aliás soaria 
b a s i o e teria o notário posto bacio. 

^ Orig. agaruni. Conf. aguda, gacarum. 

*■ Talvez se devesse emendar cegar. 

' Orig. gacarum. O j acha-se aqui por g como em aguda, ele. 

" Às formas latinas e alguns modos d"escrever que não mascaram a verda- 
deira pronuncia deixei-os intactos. 

' Orig. dous. 



Padroadigo dessa Eygreyga en todolos herdamentus 
do Couto, e de fora do Couto ; Vasco Sanchiz ficar por 
sa partiçon na Onrra Dulveira, e no Padroadigo dessa 
Eygreyga, en todolos herdamentos Dolveira, e en nu 
casal de Carapezus da Vluar, e en outro casal en 
Aguiar, que chamam Quintaa; Meen Sanchiz ficar por 
sa partiçon na Onrra da Carapezus, e nus outros her- 
damentos, e nas duas partes do Padroadigo dessa Ey- 
greyga e no Padi'oadigo da Eygreyga de Treysemil, e 
na Onrra e no herdamento Darguiffe, e no hercTamen- 
to de Lavoraãos, e no Padroadigo d'essa Eygreyga; 
Elvira Sanchez ficar por sa partiçon nos herdamentos 
de Centegaus, e nas três quartas do Padroadigo dessa 
Eygreyga, e no herdamento de Treyxemil, a.?,ú us das 
sestas, como noutro herdamento. Estas partiçons, e di- 
visões fazemos antre nos, que valiam jíor en secula 
seculorum amen. Facta Karta mensse Marcii, Era 
MCCXXX. Vaasco Suariz testis = Vermuu Ordoniz 
testis = Meen Fanrripas testis == Gonsalvu Vermuiz 
testis = Gil Dias testis = Dom Minon testis =^ Martim 
Periz testis^ Dom Stephani Suaiiz testis^ Ego Jo- 
hanes Menendi Presbiter notavit. 

{Ibidem, p. 275-276.) 



1209 
F^oros de Geistello rtodrigo 

UBER SECUNDUS 

Qai raygar cinizer a algan orne 

I Alcaide ó outro Aacifío de castel Rodrigo que 
alguno quiser raygar e non poder . . el faga testigos 
aos que y foren que Ue ajuden, e que le non quiser 
ajudai' cada uno peyte tanto como el devia peytar. 

Qai qníMer parar flei 

n Todo ome a que mostrare fiel, e o fiel dixere 
— fiel sô — e non quiser jr ant o alcaide peyte i mo- 
rabitino e vaya o fiel ant o alcaide, e si non quiser yr 
peyte médio morabitino aaquel con que non quer yr. 

De nioller qao non vaia a Ocl 

III Moller non vaya a fiel nin ninguno a ela, 
salvo arreigado, mas demostre le plazo e ela a el. 

<tni ovor a mctor bentin o non nietir 

IIII Qui over bestia a meter e non a metir ou- 
tro dia tome fiel e prinde pefios de morabitino, e o fiel 
tenga os fasta ix dias, e si fasta ix dias non demos- 
trare o fiel que vaya ao plazo sobre sua prinda baral- 
lar, a collacion comnada ô alcaide aya, mortigue sua 



DA língua POKTUGUEZA 



xxvn 



prinda e dé fiador de queda : e si se alçare da vila non 
se mortiguen seos peàos, mas responda por elos. 

Qui non prindnr faiifa isl dias 

V Todo orne que non prindai^e fasta ix dias, 
porque non "S"ino a fiel ó jjor bestia que non metio ó 
plazo que non vino, hon lo prinde mays por essa ca- 
loôa. .E se dixere — a tua casa foy e non ache y prin- 
da — íinne con o fiel ó con iii testigos que alá foy 
ante dos ix dias e non acho y prínda, e dê casa con 
peúos. 

Bestia que alKaldv mandar MOltar 

VI Bestia ó prinda que alcaide mandar soltar e 
no la soltai-e dubre la, fora bestias de heredad otorga- 
das : estas non sean soltas siQon per juyzio de iin al- 
caides. 

Omen que ante alkalde ba:'allai* 

VII Tod' ome que ante alcaide barallar e o al- 
caide per juyzio mandar bestia meter e non a meter 
peyte i morabitino. 

Qui bestia over a meter cada tercer dia 

VIII Tod' ome que bestia over a meter cada 
tercer dia meta bestia e quantas bestias non metii-e 
tantos morabitinos pe}i:e. 

Qui bestia over a meter meta bestia morta 

IX Tod' ome que bestia over a meter meta una 
bestia morta que vala i morabitino. De bestia morta 
un capelo de ferro ó espada ó baesta con una corda e 
con avancorda e con cinto e con lx^ saetas ó un es- 
cudo con braceyras ; e estas bestias meta : bestias que 
vala I morabitino, e dende arriba meta bestias vivas 
ao foro ; sinon quantas bestias non metire tantos mo- 
rabitinos peyte. 

Qui se alzare a la carta e alKaldc lo ve«lar 

X Tod' ome que se alçare a la carta e o alcaide 
o vedar da carta e le mandar bestia meter, no a me- 
ter, e se bestia tover no a solte ; e si por aquesto lo 
acoutai-e ó lo prindare torne la prinda dublada con vi 
morabitinos. 

Ue fiel que vea la carta 

XI Tod' ome que se alzare a la carta dé le o 
alcaide fiel que vea ha carta, e poys que oviren o juy- 
zio da ciu'ta vaya con seo fiel aut' el aloiúde e fagau 



quanto mandai-e a carta e o alcaide. E si non quiser 
receber juyzio meta bestia ao foro. 

Qui metir bestia sin soga 

XII Tod' ome que bestia metii- sin soga peyte 
I morabitino; e si ha bestia a comere dê le otra soga 
e dê uerdat que sua bestia ha comeo e dê le outra so- 
ga en esse dia, e si la non dere peyte i morabitino, e 
seja soga de una braçada. 

Qui vedar comer a bestia 

XIII Tod' ome que vedar comer a ha bestia 
ante de tercer dia ó ha tover en descoberto fii-me com 
III testigos e dubre la. Qui bestia deuú' meter pôs bes- 
tia morta meta bestia viva d'anguera, e si tal non me- 
tir peyte i morabitino. 

Bestia que en prinda morire 

Xllll Toda bestia que en prinda morire venga 
seo senor e saque a e meta outra en esse dia, e si ou- 
tra non metire peyte i morabitino ; e si a non quiser 
sacar peyte i morabitino. E actuei em cuja casa mo- 
rii'e saque a caloiia. 

Colledor que se alçare a vozero 

XV Ninguu almonede}TO que se alçare a \o- 
zeyro no le preste por peios que tenga da coledoria, 
mas logo comnosca ó negue, sinon meta bestia ai 
foro. 

A quales ornes non deven parar Oel 

XVI Tod' ome que estover jantando ó lavando 
sua cabeça ó calçando se ó vestendo se non le pai'e 
nenguno fiel, mas amostre le plazo p;\i-a outro dia exi- 
da de missa matinal e ha collaciou hu aya alcaide, e 
se o quyser raygai- espere o, c quando vire o fiel que 
á jantado ó lavado ó vestido ó calçado, si pôde paiv 
le fiel, e si non quiser ir con el ant' o alca/de prenda 
o sin caloiia. E esto mismo seja do que estever la- 
brando. 

Qui dixer — tomo perder mia bestia — 

XVII Quab^uer ome que a otro devú-, bestia me- 
ter e dixier — temo de perder mia bestia — dê ome 
sobre que sea que non se alce con ela, e se o non 
dere no le metan bestia. E qui demostrare plazo sobre 
sua bestia que vaya a collaciou hu aya alcaide e di- 
xere — outro plazo avia julgado de alcaide a outra col- 
laciou — dê uerdat e vaya a la collaciou hu demostra 
o plazo. E si alá non fore solte sua prenda. E si la 
prinda non soltai-e e alá trasnoytare dê a dublada. 



xxvin 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



Qui printlado forc ou Ocl parareii 

XVin Tod' ome que íiel pararen ó prindado 
fore si firmar poderen que depôs íii prindado ó fiel le 
pararon, en a vila lo testiguaron, as bestias y jazendo, 
adugan o. 

4|ui priíiilai' sin «loreylo 

XIX Qualquer ome que prindar sin dereyto tor- 
ne a prinda doblada con iiii morabitinos. 

nc qui fore en caniino que iioii vnja n flel 

XX Tod' ome que exido fore en carrera con ar- 
mas ó con sarceno non venga a fiel si poder dar sua 
verdat que assi he e sin mal engenio, siuon venga. 

Non paren Qcl siuon clepuya de niiNsa 

XXI Ningun ome non pare fiel sinon depoys 
de nússa matinal dieta fasta vésperas, salvo por rayz 
de ome. 

<)ui II vezes prindar en o ília 

XXII Ningun ome que duas vezes prindare 
en o dia ó parare fiel peyte i morabitino a son con- 
tendor. 

4|ui over querela de clérigo 

XXIII Qui rancura overe de clei-igo tome fiel 
de alcaide clérigo e leygo e pare le fiel e julguen le 
seo juizio alcaides cleingos e leygos, e esso mismo faça 
o clérigo aos leygos ; firmas ó juras que overen a fa- 
zer unos a outros íii-men ó juren clérigos e leygos a 
foro. Vibdas e clérigos si quintos se salven por onde 
se deviren salvar, salvo por morte de ome ou por 
lision ou por moUer forciada. 

<tui over querei» de outro oníen 

XXIIII Qui rancura overe de outro dê ome 
sobre que sea que se non alce, e se o non quiser dar 
tome o sin caloila e conomue sua rancura e dê verdat 
que essa rancm-a á dei. E si non diere verdat no lo 
leve sobre si e ho outro non o tome, e si sobre aques- 
to ho tomare peyte iiii morabitinos e parta se dei. E 
si o non quiser leyxar e o metire só teyto peyte le vi 
morabitinos, e si o metir en cepo ó en ferros peyte xx 
morabitinos e quantos dias alá trasnoytare tantos mo- 
rabitinos peyte médios ao quereloso e médios aaquel 
qvie o levava sobre si, e aquesto se o poder íii-mar, 
sinon jure si quinto: e si verdat quiser dar e non 
over quen o leve sobre tome o sin calofia. 



A qui demandaren ca«*a con penuos 

XXV Todo ome a que demandarem casa con 
peftos nonme iii veziuos que o leven sobre si, e si en- 
tretanto lio outro o levar sobre si lexe o. E si destos 
III ningnno non o quiser levar sobre si tome o sin ca- 
loôa. E si depoys que preso fore ome dere que o leve 
sobre si lexen o, e si o non quiser lexar quantas noy- 
tes alá trasnoytar tantos xx morabitinos peyte. Todo 
ome que fiador dere tal fiador dê que aya valia da pe- 
ticion dublada. E si tal fiador non dere so fiador nol 
preste. E si por esta sobrecabadura si non prindare 
ó non parare fiel ante de un mes non le i'esponda fas- 
ta un anno e non mays. 

Ue peiíuuN de ■uorai>ilino 

XXVI Qui ome levare sobre si por peflos de 
morabitino ó por mays e non prindare íasta ix dias 
no lo prinde mays, e si prindare dé os dublados. 

tideano que oatin over en vila 

XXVII Todo aldeano que casa over en vila seja 
viziiio se a tover poblada con sua nioller e dê ai ter- 
cero recabdo por todas suas postas en sua coUacion, e 
si assi non fezere non seja viziiio. 

Qui over plazo de corral 

XXVIII Todo ome que plazo overe de corra! 
dos VI venga y, e si non venere meta suas bestias a 
foro. 

4)ui apl azado fore 

XXIX Ningun ome que enplazado fore por sua 
caloiía peytar, tanben de lunes como de vernes, si 
non dere ao prymeiro con-al, duble. Viziflo de vila 
que rancura onere de aldeano pare le fiel con un vizi- 
íjo, quer de vila, quer d'aldea, que venga a sua porta ao 
terceyro dia de sol a sol, e si non venere pej^e i mo- 
rabitino. E si o da vila achare ai aldeano en a vila 
demostre le plazo con i fiel porá outro dia exida de 
missa matinal a la coUacion hu aya alcaide, e se le y 
demandare casa con peiios y le la dé. 

<|ui »e alçar a vozero 

XXX Ningun ome que se alçare a vozero alce 
se per i* octava de morabitino e non por menos. 

4)ui Me alçare a corral 

XXXI Ningun ome que se alçare a corral alce 
sse de morabitino arriba e non por menos. E qui non 
piindir juyzio de corral meta bestias de corral a cor- 
ral, e la primeyra morta e las vivas ai foro. 



DA língua PORTUGUEZA 



XXIX 



Que nluguno non prinde en domiiii^o 

XXXII Ningun orne noii prinde eu domingo 
nin en dia joves ui pare íiel sinon arraygado. 

En CHtoH dins iioii Jnlguon 

XXXIII Alcaides non julguen en diomingo nin 
en dia joves nin en os outros dias depoys de véspe- 
ras ni a«te de missa, e si julgaren non preste seo juy- 
zio e sejan perjuros, si non íbre por raygar, 

«lai de vozero se alçare 

XXXini Tod' oníe que se alçare a vozero dê 
vozero outro dia exida de missa matinal a essa coUa- 
cion que inandare o alcaide, e si o non dere meta 
bestias, e si o alcaide le vedar vozero sea perjuro. 

En qoe dia meta bestia e nun metire 

XXXV Tod' ome que bestia over a meter mer- 
coles en todol dia e la non meter meta la vernes ante 
de missa. Esto raismo sea de quen over meter bestia 
en sábado em todol dia e non a meter meta la lu- 
nes ante de missa. Esto mismo sea de juras e de fil- 
mas, e sobresto vaya demostrar plazo ai foro hu al- 
caide over, e quantas bestias non meter tantos mora- 
bitinos peyte. 

Aldeano qae ileae parar Gel .t aldeano 

XXXVI Aldeano que rancura overe daldeano 
pare le fiel con im aldeano que sea a tercio dia a la 
fenestra de sancta maria de sol a sol, e dê le casa con 
pefios que le este a dereyto, e si non venere, ó casa 
com peiios non dere, peyte i morabitiuo. E si dixer — 
non me demostro fiel — firme lo con aquel que foy 
fiel e peyte i morabitiuo a seu contendor; e si dixer 
— non fo fiel — jure con i uizino que fu fiel e tome 
seus peiios cabaes. E a quen fiel demostraren e ao 
plazo non vener, el ó sua moller, ó seu chaveiriço, pey- 
te I morabitino, e si o contendor vener ao plazo e ho 
outro non peyte médio morabitino. Et si i aldeano a 
outro en vila parare fiel outro dia vengau anbos a la 
fenestra de sancta maria e façan seu dereyto como de 
suso he scripto. 

■loller aldeana iienga a Ocl 

XXXVII Moller aldeana venga a fiel ó peyte 
I morabitino. 

Aldeano «lue querela over de vixino 

XXXVIII Aldeano que rancura over de vi- 
zifio de vila pare le fiel que le stè logo a dereyto, si- 
non meta bestia ai foro. 



Çni «lixer a otro — avas liei — 

XXXIX Ningun ome que dixere a outro — 
avas fiel — e outro non quere ir con el, si fore valadi 
ó aldeano tome o sin caloôa; e si fore raygado en 
vila con casa poblada ^ peyte i morabitino. 

Qui redro parle prindar 

XXXX Tod' ome que a redro parte prindare 
ó parare fiel si lio poder firmar peyte i morabitino, 
e prímeyramente coUa sua caJona e vaya sua voz pri- 
meyramente. 

Omeu que levaren por flel. «tui jnyzío 
arrancado reuovare 

XXXXI Tod' ome que leuaren por fiel con 
aquel firme. Tod' ome que juyzio arrancado renova- 
re, si Ho firmar poderen peyte mi morabi tinos e per- 
da sua voz. 

<|ui calonna ouer a peytar 

XXXXII Toda calona que ome over a peitar 
dê la dublada con iiii morabitinos. Tod' aver mani- 
festo delante alcaide den lo a ix dias. 

Uul a morador over a flrmar 

XXXXIII Qui a morador over a firmar ou jurar 
jure ou firme con moradores ó con viziuos quaes over. 

Moller de viziíío ó lillo 

XXXXIIII MoUer de vizifio, fiUo ou filia de 
vizifío, parente ou parenta de vizií^o que con seu pa- 
rente morar slu soldar aya foro assi como de viziÂo. 

Uuí arrancado fure por calonna 

XXXXV Tod' ome que aiTancado foi-e per ca- 
lofia de morabitino arri])a peyte en ropa e en gana- 
do, e la ropa e el ganado seja de novo fasta de me- 
diado, e se ouro ó argent quiser meter meta, e apre- 
cien o hos alcaides e tomen eude a decima pai-te e 
digan por amor de deus e essa jura que fezeren a con- 
cello que dereyto apprecen segundo seu seso, e por 
valia de ii morabitinos u alcaides lo digan e dende 
arriba iiii alcaides lo dijran. 

4|ui over a limiar e que Me non adobe 
com alKaldCM 

XXXXVI Tod' ome que a firmar over con m 
firme e non menos. Qualquer ome que ju^v^io overe 
non se adobe con alcaides e si se adobare seja íilevo- 
so, sinon por suas calorias. E si elos se adobai-en con 

' Oriíj. plobada. 



XXX 



CHRESTOMATraA HISTÓRICA 



elos sean perjuros. E las calonas que foren feytas en 
una alcalderia si no la demandaren essos alcaides de 
esse anno, lios outros alcaides que entraren non las 
demanden mays, mas demande o quereloso seu de- 
reyto. 

(|ui fiel parar a altlonno 

XXXXVIII Qui fiel parar a aldeano esse aldea- 
no le pida la verdat e dê verdat que rancura á dei e 
diga sua rancura, e si verdat non dere non venga a 
fiel. E se o prindare torne lios penos dublados. E si 
verdat dere e a fiel non vener peyte i morabitiuo si se 
lo firmar con i uizi&o ó coii el fiel que lie paro fiel. 

Corral fie ucriieN 

XXXXIX Los VI ayan corral cada vernes e el 
que y non fore peyte i morabitiuo a seus companey- 
ros si se delos non espedire, e ayan eu soldada hos vi 
quatro iiii morabitinos de concello e non outra caloíía. 

<|ue loH alkaldeM non eMten en corral con Ion vi 

L Hos alcaides non esten en corral con os vi 
sinon quando enviaren por elos. E si os vi viren cou- 
sa onde se deveu partir alcaides, digan les que se par- 
tan ende, e si non queseren sejam perjuros e peyten c 
morabitinos a concello; nin los vi nin los alcaides non 
fagan amizada ensenbla, nin coman nin beban ensen- 
bla en daào de concello, sinon sejan perjuros e ale- 
vosos. 

iiue loH alkaldeM non fagan corral 

LI Hos alcaides non fagan en uno corral con vi, 
nin en vernes, nin eu sábado, si non fore por barallar 
sus vozes. 

4|ai priudar Min mandado de concello 

LH Tod' ome que sin mandado de concello prín- 
dar, ó de los vi, ó de losjunteyros e juyzio non queses- 
sen prender e por elo prindaren, has bestias y jazen- 
do, saquen a priíida. 

4|^ui vener prindar poi* gernianidat 

LHI Tod' ome que vener a esta vila e prindare 
por germanidat por aquel que prindaren e por el ha 
prinda levaren, fasta ix dias la saque, sinon cada ter- 
cer dia meta bestia ai foro fasta que la saque, e non 
aya ferias nin solturas. Por todo ome por que prinda- 
ren, de qual parte quer, vaya e saque la prinda. 



AlkaldoK acoten e melan betitias 

LHH Los alcaides acoten e metan las bestias 
en casa do quereloso, fasta que saquen la prinda. To- 
dos los alcaides bo que por elos se perder elos lo pey- 
ten. 

OníeK que jiiyxio overcn façan iii alkaldeti 

LV Todos oníes que juyzio ouveren fagan iii 
viziíios alcaides e convinido. . . . julguen sou juyzio e 
preste seu juyzio tanto como de un alcaide jurado, e 
si mandare bestia meter meta la, e si la non nietir to- 
me le peôos de morabitino, e si la mandaren soltar sol- 
te a, e si la non soltar e alá trasnoytare dê la dubla- 
da, e firnien tanto como un alcaide jurado, e alcaide 
jurado peyte x morabitinos e iii alcaides peyten xv 
morabitinos e lui alcaides peyten xx morabitinos e 
dende arriba. 

Calonnat» de aikaides e de querelodos 

LVl Todas calofias que son ditas pêra los que- 
relosos ayan las e todas las outras sejan porá el al- 
caide. E los alcaides do concello acoten por elas e to- 
men seo dereyto e dent aos querelosos seu dereyto. 

Qui barallar sobre acotamento de alkalde 

LVII Tod' ome que barallare sobre acoutamen- 
to d'alcaldes peyte i morabitino, e por esto non acoute 
nin meta bestia mas peúore. E alcaide non acote si- 
non per fonsado ou per apelido, e acotamento de fon- 
sado e de apelido tal seja: o cavaleyro mi morabiti- 
nos, e o peon ii morabitinos. 

4|^ui lover peuuoM allenos por seu aver 

LVin Tod' ome que pefios aUeos tover por seu 
aver enprestados ou mudados, ou peiíos rematados, e o 
seftor dos j^efios os non quiser sacar aquel que ten os 
peilos faga le testigos con iii vizifios, e, se a tercer dia 
non los quiser sacar, venda os con i viziiio e jure que 
os vendiô sin arte e entregue se de seu aver, e, si so- 
brare, dê lo a ho dono dos pefios. E, si non conplire 
priíide por lo demays fasta que se entregue. 

LVIHI Ningun ome que aver parare fiel e ou- 
tro fore por perfia prindar lo torne essos pefios du- 
blados con X morabitinos, si lo poder firmar con iii 
vizifios, sinon nada. 

(Leges et Consuetudines, t. i, p. 852-858.) 



DA língua PORTUGUEZA 



XXXI 



Tradu-cção eiiaonyrxaei det 
I^eg-rei cie S. ^ento 



COMEÇA-SE O PROLOGO DA REGLA DE SAN BEENTO ABBADE 

« Filho, ascuyta os preceptos do meestre, e in- 
« clina a orelha do teu coraçom, e recibe de boamente 
d o amoestamento do Padre piadoso, e aflBcadamente 
« o comple, porque te tornes per trabalho de obedien- 
« cia aaquel do qual te partiste per priguiça de des- 
« obediência. 

« Poys por esto a ty hora eu digo o meu ser- 
í mom, quem quer que tu es, que queres renunciar os 
» próprios deleytos e plazeres da carne, e deste mun- 
« do, e tomas ai-mas de obediência muy fortes, e no- 
« bres pêra servú- a Jesu Christo Senhor, e verdadei- 
« ro Rey. E primeiramente roga a el en tua oraçom 
« muyto afficadamente, que queyra complir qualquer 
« cousa de ben, que começas a fazer, que poys que el 
"já teve por ben de nos poer e receber em no conto 
« dos seus filhos, nom se haja de contristar em alguu 
« tempo dos nossos maaos feytos. E assy certamente 
« lhe devemos seer obedientes en todo tempo por los 
í beès, que dei recebemos, que nom tam solamente, 
« assy como Padre ii-ado non desexerde os filhos en 
í alguii tempo, mas ainda que nen assy como Senhor 
<i temeroso, e movido a sanha por los nossos peccados 
« dê a pena, e alcance en tormento pêra sempre os muy 
« maaos servos, que o non quizerom seguir pêra ir aa 
« sua sua gloria. 

Como nos convida a Sancta Scriptura, que nos 
convertamos, e tornemos pêra Deus, e diz: 



" Pois levantemo-nos, Irmaaõs, se quer en alguu 
tempo, do sono do peccado, ca a Escriptm*a nos 
esperta, e braada a nós, dizendo : Hora he já de 
nus levantarmos do sono. E depoys que abrirmos 
os olhos ao lume do conhecimento de Deus, com as 
orelhas do nosso entendimento attentas, ouçamos 
aquelo, que nos amoesta en cada dia a voz de Deus, 
e diz: Hoje se ouvirdes a voz do Senhor, nom quey- 
rades endurentar os vossos coraqoens. E diz ainda 
mays : Aqiiel, que tem orelha pêra ouvir, ouça aque- 
lo que o Spiritu diz ás Egrejas? E que diz? Vijnde 
vós,Jilhos, e ouvide-me, e ensinar-vos-hey , que cousa 
he o temor de Deus; correde, e trabalhade, em 
quanto ha vedes lume de vida, nem pclla ventura a 
teehras da morte vos encalcem. E buscando o Nosso 
Senhor Deus na multidooe do seu poboo o seu 
obreyro, ao qual estas cousas braada, diz mays: 
Qual he o homen, que quer vida pcrduravil, e cu- 
biiça, e quer veer boõs dias? A qual cousa se a tu 
ouvires e responderes: Eu, diz-tc logo Dl-us: Se tu 
queres haver verdadeha vida e pêra sempre, quita e 



« guarda a tua lingua de todo maao falar, e a tua bo- 
« ca non fale engano ; parte-te de mal e faze ben, 
€ busca e demanda a paz e segui-a. E quando vós es- 
« to fezerdes, os olhos da minha misericórdia esguar- 
c daram sobre vós, e as minhas orelhas seram apres- 
« tes pêra ouvu- as vossas prezes. E antes que me cha- 
« medes, direy : Eis-me prestes soom. Irmaaõs muyto 
« amados, e qual cousa pode seer mais dolce a nós, 
t que esta voz do Senhor, que nos convida? Eys o 
« nosso Senhor pola sua piedade nos demostra a car- 
« reira da vida. 

De quaaes obras devemos de começar pêra ir 
ao Regno de Deus 

« Primeyramente os nossos lombos já cingidos 
« con fé, e com observância de boas obras, andemos, 
« Ii-maaõs, os caminhos de Deus pelo guiamento do 
« Evangelho, pêra seermos dignos e merecedores de 
« veer aquel Senhor, que nos chamou en o seu reyno. 
« En no qual regno se nós queremos viver e morar, 
í non podemos a el ir se nom per trabalho de boas 
« obras. E porem se queremos saber como podemos 
« ir morar ao seu reyno, perguntemos o Nosso Senhor 
« Deus com o Propheta, dizendo a el : Senhor, quem 
« morará no teu tabernáculo, ou. quem folgará no teu 
i sancto monte f Depoys desta pergunta, irmaaõs, ou- 
« çamos o Nosso Senhor Deus, que nos responde, e 
« demostra o caminho da sua morada, e diz : Aquel, 
í que entra e vive sen magoa, e faz obras de justiça, 
« aquel, que fala verdade no seu coraçom, aquel, que 
« nom fez engano com a sua lingua, aquel, que nom 
ifez mal a nenlium homem, aquel, que nom recebeo, 
« nem lhe prougue o mal, e o doesto do seu próximo. 
í Aquel, que empuxou de ante a presença do seu 
« coraçom o diaboo malicioso, que o movia a niíil 
» fazer, e trouve a nenhuã cousa el e todo seu maao 
« movimento, e reteve os começos das cuidaçooes pe- 
ei quenas, e quebrantou-os em Jesu Christo. » 

Os quaes tementes Nostro Seftor dos esguarda- 
mentos dessas suas boas cousas nom se tomem ergu- 
Ihosos, mas essas boas cousas in ssi non de si poder, 
mais esmautes de nostro Senhor seer feytas, mas obran- 
te in ssi nostro Senhor alegramsse, aquelo cum o pro- 
pheta dizentes: non a nós, Senhor, non a nós, mays 
ao teu nome dá gloria. Assi como nem Paulo Apos- 
tolo da ssa pregaçom assi alguà cousa impôs, dizente : 
pela graça de Deus soom o que soom. E de cíibo es- 
se diz: quem se louva, in Deus se louve. Eude nos- 
tro Senlior no avangelho diz: quem ouve aqucsfas 
mhas paravras, e as faz, semelharey a el o bawm 
sages, que civigou a ssa casa sobre a pedra, vceron 
os 7TÍ0S, soprarom os veeíiios, e impetarom naquela 
casa, e non caeou, a. certas era fundada sobre pedra. 
E nostro Senhor compliute todas estas cousas csguar- 
da de cada dia aquestes seus sivnctos amoestamentos 



XXXII 



CHRÈSTOMATHIA HISTÓRICA 



nós pev feytos dever responder. Porende anos os dias 
da vida a induças sou leixados, espoens o enmenda- 
mento dos maaes dizente o apostolo : pe^a ventura non 
sabes ca a paceença de Deus te aduz a pedença? 
Ca diz o piadoso nostro Senhor: 7ion quero a múrte 
do pecador, mmjs que se converta e viva. 

Ergo, yrniaôs, como já perg-untassemos da mo- 
rada do tabernáculo dei, ouçamos o encomendamento 
da morada, mays assi complamos o oífizio da morada, 
que sejamos erdeyros dos ceos. Ergo aparelhar-s'on os 
nossos corações e os corpos a cavalaria dos encomen- 
damentos da sancta obedeença, e o que meos á in nós 
a natura non poder, roguemos nostro Senhor, que per 
ssa graça incommende a nós ajudoyro ministrar ; e as- 
si fugintes aas penas do iníferno, que a vida perdura- 
vil possamos pervir, dementre ainda espaça, e in este 
corpo somos, e per esta carreyra da luz espaça com- 
prir a correr, e aver e agora aquelo, que a nós con- 
vém por sempre. Ergo estabelecedoira é a nós a es- 
cola de nostro Senhor, do sancto serviço, no qual es- 
tabelecimento nijnte áspero, nijnte grave nós estabe- 
lecedoiros atendamos. Mais se alguã cousa streyta- 
mente demonstrante per razom d'igualdade espoens o 
emendamento dos viços, e o esguardamento da cari- 
dade sobrepegar, non logo espantado pelo pavor fuga 
sa carreyra da saúde, que non é senon corapeço au- 
gusto conpecadoyra. Mays pelo delongamento da con- 
versaçon e da fij, dilargado o coraçom, e corruda a 
carreyra dos mandados de Deus, que nunqua depar- 
tintes da maestria dei, pêra non recontavil dulcidoe 
persevei"antes no moesteyro ataa morte seguamos aas 
paixoSes de Christo per paceença que meresçamos seer 
quinhoeyros no reyno dei. 

(Colleccão de Inéditos portuguezes dos secidos 
XIV e XV, publ. por Fr. F. de S. Boaven- 
tura, t. I, p. 249-253.) 

1252 — 1281 

Geincioiaeiro de 33. /^ffoxiso, 
o seibio 



EPIGRAPHE DAS CANTIGAS 

Dou affonso de Castela, 
De Toledo de Leon, 
Rey e ben des Compostela 
ta o reyno Daragon, 
de Cordoua de Jahen, 
de Seiúllii outrossi 
e de Murça u grau ben 
lie fes deus com' ajjrendi, 
do Algarue, que ganou 
de mouros, e nossa ffé 



meteu y, e ar pobrou 
Badallous, que reyno é 
muit' antigu, e que tolleu 
a mouros Neul e Xeres, 
Beger, Medina, que prendeu, 
e Alcala d'outra vês 
e que dos Romãos Rey 
e per dereit' é sefLor, 
este livro comachei 
fer a onrr' e a loor 
da virgen santa Maria, 
que est' a ^ madre de deus, 
eu qvie ele muito fia; 
poren dos miragres seus 
fes os cantares e soes, 
saborosos de cantar, 
todos de sennas Rasões, 
com' y podedes achar. 

ESTRIVILLO 

Porque trobar é cousa em que jas 
entendimento, poren quen o fas 
á o d'auer e de rason assas, 
perque entenda e sábia diser 
o que entend' e de diser He pras, 
ca ben trobar assi s' a de flfaser, 



PROLOGO 

E maçar eu estas duas non ey, 
com' eu querria, pêro provarei 
a mostrar ende un pouco que sei, 
confiand' en deus ond' o saber ven, 
ca per ele ^ teiío que poderei 
mostrar do que quero algua ren. 

E o que quero é diser loor 
da uirgen madre de nostro sefíor, 
santa maria, que es la mellor 
cousa que el fes ; e por aquest' eu 
quero seer oy mais seu trobador, 
e rogo lie que me queira por seu 

Trobador, e que queira meu trobar 
receber ; ca per el quer' eu mostrar 
dos miragres que ela fes, e ar 
querreime leixar de trobar de si 
por outra dona, e cuid' a cobrar 
por esta quant' en as outras perdi. 



' Orig. e. 
- Orig. ias. 

' Orig. pele. No ins. Ii,i talvez pele, ou enlão o copista esqueceu-se de pôr o 
signal da abreviatura de per sobre o p. 



i 



DA língua POKTUGUEZA 



XXXIII 



Ca o amor desta sefior é tal 
que quen no a sempre poil mais vai. 
e poilo gaanada non lie fal, 
senon se é per sa grand' ocajon, 
querendo leixar bS e faser mal, 
ca per esto o perde e per ai non. 

PorS d'ela non me quer' eu partir, 
ca sei de prã que se a ben servir 
que non poderei eu seu bc falir 
de o aver ca nuca y faliu 
quS U'o soube cõ merçee pedir 
ca tal rogo sempr' ela ben oyiu. 

Onde Ue rogo se ela quiser 
que Ue prasa do que d'ela disser 
em meus cantai-es e se U'aprouguer 
que me de gualai'dõ com' ela dá 
aos que ama e que no souber 
por ela mais de grado trobará. 

(Rodrigues de Castro, Bibliotheca espanola, 
t. II, p. 637.) 



PROLOGO DAS CANTIGAS DAS CINCO FESTAS DE SANTA 
MARIA 



Quen santa maria servir 
non pode no seu ben falir. 
E porque eu gran sabor ey 
de a servir serviUa ey, 
e quanto poder punarey 
dos seus mii^agres descobrir. 

Quen santa maria servir. . 

Pêro direi ant' en bon son 
das sas çinque festas que son 
mui nobres e direi razon 
que praza a quen a oyr. 

Quen santa maria servir. . 

Santa egreja ordenou 
çinque festas porque achou, 
çinque letras no nome sou, 
como vos quero dcpartir. 

Quen santa maria sei'vir. . 

VOL. U 



A primeira que M. é, 
mostra de com' a nossa flfé 
naçeu d'ela, naçeu e sê 
y firm' a que no comedir. (?) 

Quen santa maria servir. . . 

A. mostra a saudacion 
D' ave que Grabriel enton 
lie disse que filho baron 
Deus e om' iria parir, 

Quen santa maria servir. . , 

R. mostra como Reynou 
ontr' as virgees u amou 
sa virgiidade e guardou 
por toda bondade comprir. 

Quen santa maria sei^vir. . . 

I. indo de ben en mellor 

foi oífreçer o salvador 

seu fiir a deus, con gran sabor, 

de fazer nos a çeo ir. 

Quen santa maria servir. . . 

A. ar mostrou carreú'a tal 
u desta vida temporal 
sobiu aa celestial 
por nos fazer ala sobir. 

Quen santa maria servár . . . 



Esta e a primeyra da nacenca de santa mana que cae 
no mes de Setembro e começa assi: 

Beneyto foi o dia e ben aventm-ada 

a ora que a virgen madre de deus foi nada ; 

e daquesta naçençia falou mui ysaya. 

e prophetando disse que arvor sayria 

ben de rayz de jesse e que tal fror faria 

que do sant' espirito de deus fosse morada. 

Beneyto foi o dia e ben aventurada . . . 

Outros prophetas muitos 
d'aqucsto prophetaron 
e os euvangelistas 
d'esta sennor falai'on 
com' era de gran guisa, 
e dos reys ar contaron 
do linag unde veyna 
esta sefior onrrada. 

Beneyto, etc. 



XXXIV 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



Mas pêro de seu padi-e, 
que joacbin chamado 
foi, e sa madre anna 
direi vos seu estado. 
quanto no mudo ouveron. 
partiron per Recado 
que de quanto avian 
non lies ficava nada. 

Beneyto/;etc. 

E a joachin e anna 
tal acordo preseron 
que fezeron ti-es partes 
de quant' aver ouveron, 
a hxxa pêra pobres; 
a outra reteueron 
pêra ssi ; a terçeyra 
a o templ' era dada. 

Beneyto, etc. 

En quant' esta compaiia 
santa assi obrava, 
deus todas las sas cousas 
dous (?) tant' acreçentava, 
mais nô lies dava filio 
porque coitad' andava 
muit end' el, mas ela 
era en mais coitada, 

Beneyto, etc. 

Porque os rezoavam 
por malditos as gentes; 
e poren filiou ele 
offertas e presentes, 
que levasse ao templo, 
con outros seus parentes ; 
mas ruben e symeon 
vedaron He la entrada. 

Beneyto, etc. 

Que He disseron logo : 
— da aqui entrar es quito, 
joachin; poren vayte, 
pois de deus es maldito, 
que te nõ quis dar filio, 
ca assi e escrito. 
Porend entrar nõ deves 
en cassa tan sagrada. 

Beneyto, etc. 



El ouve dest' enbargo, 
e vergoiia tamanna 
que non foi a ssa cassa, 
ne no viu sa companna 
mais filiou seus ganados 
e foiss' aa montanna ; 
assi que por gran tepo 
non fez alU tornada. 

Beneyto, etc. 

Anna quand' esto viu, 
ouve tan gran despeito 
que, con coita chorando, 
se deitou en seu leito, 
e de grado morrera; 
mas nô 11' ouve proveito, 
ca deus pêra gran cousa 
x'a tiiiia guardada. 

Beneyto, etc. 

E ali u jazia 
gemend' e sospirando 
e sa desaventura 
a deus muit' emetãdo, 
de que era sen fillos 
de joachin chorando, 
quis deos que do seu ãgeo 
foss' ela cõfortada. 

Beneyto, etc. 

E disse He: — non temas, 
anna, ca deus ôyda. 
a ta oraçon ouve ^, 
e poren, sen falida, 
de teu mando filia 
averas, que comprida 
será de todos bSens, 
mais douta e preçada. 

Beneyto, etc. 

E, pois H'est' ouve dito, 
foiss' o angeo logo 
a joachin, que era 
metudo no meogo 
de duas grandes mõtanas, 
e diss' el: — eu te rogo 
que tornes á ta cassa 
logo sen alongada. 

Beneyto, etc. 

Orig. ouue. 



DA LWGUA PORTUGUEZA 



XKXV 



El cuidando que era 
orne, respos lUa tanto : 
— com' irei a mia terra 
u recebi quebranto 
grand' enti-e meus veziilos, 
que eu, pelo deus santo, 
quisera que a testa 
me foss' ante taUada? 

Beneyto, etc. 

E aa porta do templo 
disseron mi os porteiros 
pois nõ avia fiUos, 
como meus côpauneiros 
non enti"aria dentro; 
nen aves ne cordeiros, 
nen ren de mia oíferta 
non seria filiada. 

Beneyto, etc. 

E por esta vergoàa 
e por este denosto 
fogi a esta ten-a, 
e ei ja assi posto 
que nunca alá torne, 
e en o mes d'agosto, 
averá ben seis meses, 
que fiz aqui estada 

Beneyto, etc. 

Entr' aquestas mõtaiias, 
que é teiTa esquiva, 
con estes meus ganados, 
ca mais me vai que viva 
en logar apartado 
que vida mui cativa 
fazer entre mias gentes, 
vergoíLos' e viltada. 

Beneyto, etc. 

O angeo He disse : 
— eu soo ^ maudadeiro 
a ti de deus do eco, 
por te fazei- certeiro 
que de ta moUer anna 
averás tal erdciro 
per (|uo toda a terra 
scra enlumcada. 

Beneyto, etc. 

' Orig. soon. Esta forma é bysyllaba. 



E se esto que digo 
tSes por maravilla 
certanamente (?) cree 
que te dará deus filia 
que o que perdeu eva 
per ssa gran pecadillo 
cobrar ss'a per aquesta 
que será avogada 

Beneyto, etc. 

Entre deus e as gentes, 
que foren pecadores. 
Poren uay te ta via 
e leixa teus pastores 
que guarde teus ganados, 
ca muyto son mayores 
de deus as sas merçees 
ca ten que foss' osmada. 

Beneyto, etc. 

Quando joacliin esto 
oyu, loges mondo 
caeu, e jouv'en terra 
fora de seu sentido, 
ates ^ que o angeo 
foi d'ali pai-tido, 
que seus omès o foron 
erguer sen detardada, 

Beneyto, etc. 

E que Ue preguntaron, 
logo o que ouvera, 
que tal peça en terra 
esmorido j ouvera 
e el contou lies quanto 
o angeo lie dissera, 
e elles Ue disseron: 
— de vos u" é guissada 

Beneyto, etc. 

Cousa 6 non passedes 
de deus seu mandamêto 
e id' a vossa cassa, 
logo sen tardamento, 
ca se o non fezerdes 
quizay por escarmento 
vos dará deus tal morte 
que será muy sonada. 

Beneyto, etc. 

' Orig. atà es. 



XXXVI 



CHKESTOMATHIA HISTÓRICA 



Tanto iresto mostraron 
e per tantas razões 
que lies respos chorando; 
— pois que vos praz varões 
farei vosso consello ; 
mais por deus companões 
guardade mios gauados 
en aquesta mallada. 

Beneyto, etc. 

E pois Ues esto disse 
metesse aa carreira 
por s' ir pêra sa cassa. 
veer sa companeyra, 
que o beneyto angeo 
fezera certeira 
que joachin verria 
per la porta dourada, 

Beneyto, etc. 

E que a el saysse 
reçebelo agina, 
ca deus en as sas coitas 
porria meeziiia 
e Ue daria íilla, 
dele tal que Reyiia 
seria deste mundo 
e dos çeos chamada. 

Beneyto, etc. 

Quand' aquest' oyu ãna, 
que jazia gemendo 
e sospirando, ergeusse 
e foi ala correndo, 
e levou seus parentes. 



Como pareceu en Toledo santa Maria a sanf ilifonso, 
deulle Ima alva que trouxe do Pai^ayso, com que 
dissesse Missa. 

Muito devemos varões '^ 
loar a sancta maria, 
que sas graças e seus does 
da a quem por ela fia. 

Sen muita de bõa máfia, 
que deu a un seu prelado, 
que primado foi despafia, 
e affonso era chamado. 



' Orig. uarones. 
' Orig. varones. 



deu ir hua tal vestidura, 
que trouxe de parayso, 
ben feita a sa mesura, 
por que metera seu siso, 
en a loar uoit' e dia. 

Por en devemos varões 
loar a santa Maria. 



Ben enpregou el seus ditos 
com achamos en verdade 
e os seus bõos escritos 
que fez da virginidade 
d'aquesta sefior mui sancta 
per que sa Loor tornada 
foy en Espaima de quanta 
a end' aviam deytada, 
Judeus e a Eregia. 

Por en devemos varões 
loar a santa Maria. 



Mayor miragre do mundo 
ir ant' est seiior mostrara, 
u con Rey Recessiundo 
en a precisson andara 
u lies pareceu sen falia 
santa Locay, e en quanto 
Ue Rei taUou da mortalla 
disse-l' ay afFonso santo : 
per ti viva sennor mia. 

Por en devemos varões 
loar a santa Maria. 



Por que aa Groriosa 
achou mui forte sen medo 
en loar ssa preciosa 
virginidad' en Toledo 
deu lie por end' hiia alva 
que nas sas festas vestise 
a virgen santa e salva 
e en dandoU'a Ue disse: 
— meu fiUo esto ch'envia. 

Por en devemos varões 
loar a santa Maria. 



Pois ir este don tan estranyo 
ouve dad' e tan fremoso 
disse : — par deus muit en anyo. 
seria, e orguUoso 



DA LÍNGUA PORTUGUEZA 



xxxvn 



queus en esta cadeyra, 
se tu non es, s'assentasse, 
nen que per nulla maueii"a 
est' alva vestii- provasse, 
ca deus dei se vingaria, 

Por en devemos varões 
loar a santa Maiia. 

Pois do mundo foi parado 
este Confessor de cristo, 
Dou Siagiio falido 
foy arcebispo pos isto, 
que o filiou a seu dano, 
ca por que foi atrevudo 
en se vestir aquel pano 
foy logo mort' e perdudo 
com' a vúgen dit' avia. 

Por en devemos vai'ôes 
loai' a santa Maiia. 



(Ibidem, p. 361-362.) 



Como Santa Maria resocitou en Coira, una aldeã 
de Sevilla, uun rnenyno de morte. 

Ontre todas las vertudes, 
Que aa Virgen son dadas, 
E de guardar ben as cousas. 
Que He son acomendadas. 

Ca ela, que e guardada, 
Pode guardai- sen contenda 
Ben o que 11' a guardar deren, 
E tener en ssa comenda. 
E por end' un gi-an miragre 
Direi, se Deus me defenda. 
Que fez esta, que ya outros 
A feitos muitas vegadas. 

Ontre todas las, etc. 

En Coira, cabo Sevilla, 
Foi esto miragre feito, 
No tempo, que Abu Juzef 
Passou ben pelo estreito 
D'Algizira, e a terra 
De Sevilla tod' a eito 
Correu e muitas aldeãs 
Foron de Mouros queimadas. 

Ontre todas las, etc. 



Lv eera un bon ome 
Que un filyno avia 
Pequeno, que tant' amava 
Com' a vida, que vivia. 
A este deu una feber 
E foi mort' a tercer dia, 
O padre com coita d'ele 
E sas faces deu palmadas. 

Ontre todas las, etc. 

Depenou seus cabellos 
E fez por ele gran doo 
Dizendo: — ai, eu meu fiUo, 
Como fico de ti soo. 
Quisera eu que tu visses 
Min, como eu vi tu avoo, 
Meu padre, que me facia 
Muitas mercedes granadas. 

Ontre todas las, etc. 

E aaquesto dizendo 
Os Mom'OS logo dutaron 
Sas algai'as, e coiTcron 
E roubaron quant' acharon. 
E os de Coira correndo 
Todo o logar leixai-on 
E fogiron, e ficaron 
As casas desampai'adas. 

Ontre todas las, etc. 

Quel ome, que seu filio 
Pêra soterrar estaba, 
Quando viu correr a Anla 
O filio desampai"ava, 
E aa ^4rgen beenita 
Logo o acommendava, 
E tod' o quant' el avia. 
Chorando a saluçadas. 

Onti-e todas las, etc. 

Fois' o ome, e os Mouros, 
Tod' aquel logar correron, 
Mais na casa de aquest' ome 
Non entraron nen taiigerou, 
E pêro todos los outi-os 
Quant' avian y perderon, 
Non perdeu o ome boo 
Valor de ti-es djTieradas. 

Outre todas las, etc. 



XXXVIII 



CHEESTOMATHIA HISTÓRICA 



Ca log' en aquela casa 
Entrou a Sennora comprida 
De todo ben, e tan toste 
Deu ao minyo vida, 
E guardou as outras cousas, 
Que non achou pois falida 
O ome de ren en sa casa 
Non sol as portas vetadas. 

Ontre todas las, etc. 



Achou seu filio vivo, 
E perguntou lie que era 
Onde como resorgira 
Ca por morto o tovera. 
E el He disse, que huna 
Dona con el estaud' era. 
Que o guardara dos Mouros, 
E ssas cousas ben guardadas. 

Ontre todas las, etc. . 



Foran, que sol non tangeran 
En elas, nen niun dano 
Fezeran nen en o leito 
Nen na mesa, nen no scano. 
Quand' est' ovy o bon ome 
Com' era muy sen engano 
Foi chamar a seus vezjnios 
E pois Ues ouve mostradas 

Ontre todas las, etc. 



Todas estas maraviUas, 
Loores por ende deron 
Aa Virgen groríosa, 
E a quantos Ho diseron, 
Beneizeiron o seu nome, 
E gran festa lie fezeron, 
E ouv' y con alegria, 
Muitas lagrimas choradas. 



Ontre todas las vertudes, 
Que aa Virgen son dadas, 
E de guardar ben as cousas, 
Que lie son acomendadas. 



(ZuNiGA, A7inales eccles. y sec, p. 111.) 



Como Santa Maria guareceu en Onna ai Rey D. 
Fernando, quando era menyno, de una grande 
enfermidade, que avia. 

Ben per esta aos Reis 
D' amar en Santa Maria, 
Ca en as muy grandes coitas 
Ela os acorre guia. 

Na muito a amar deven. 
Porque Deus nossa figura 
Pillou dela, e prés carne. 
Al" porque de sa natura 
Veno, e porque justiça 
Tenen dei e dereitura, 
E Rey nome de Deus este. 
Ca el reyna todavia. 

Ben per esta, etc. 

E por ende un gran miragre 
Du-ei que aveno quando 
Era moço pequenino 
O muy bom Rey D. Fernando. 
Que sempre Deus e sa madre 
Amou, e foi de seu bando. 
Porque conquerou de Mouros 
O mais da Andaluzia. 

Ben por esta, etc. 

Este menin' en Castela 
Con Rey D. Alfonso era, 
Seu auvo, que do reyno 
De Galiza o fezera 
Venir, e que o amava 
A gran maravilla fera 
E ar era, e sa madre 
A que muy ende prazia. 

Ben per esta, etc. 

E sa auva y era 
Filia dei Rey de Ingraterra, 
Moller dei Rey Don Alfonso, 
Porque el passou a serra, 
E foi entrar en Gascona 
Pola ganar por guerra 
E ouve end' a mayor parte 
Ca todo ben mei'ecia. 

Ben per esta, etc. 

E pois tornou s' a Castela, 
Des i en Bui"gos morava, 



DA língua PORTUGUEZA 



XXXIX 



E un ospital fazia 
El, e sa moUer lavrava 
O monesterio das Olgas, 
E enquant' assi estava, 
Dos seus fiUos e dos netos 
jMuy gran prazer recebia. 

Ben per esta, etc. 

Mais Deus non quer que o orne 
Este sempre en un estado ; 
Quis qu'a Don Fernando fosse ^ 
O seu neto tan cuitado 
D' una grand' enfermedade, 
Que foi dei desesperado 
El Rey, mas enton sa madre 
Tornou tal come s' andia. 

Ben per esta, etc. 

E o\ju falar de Onna, 
U avia gran vertude. 
Disse ela: — levalo quero, 
Aló, assi Deus m' ayude, 
Ca ben creo, que a Virgen 
Lie de vida e saúde — , 
E quando aquest' ouve dito 
De seu padre s' espedia. 

Ben per esta, etc. 

Quantos la vc assi viren, 
Gran piadad' eude avian, 
E mvii mas polo menino, 
A que todos ben querian. 
E yan con ela gentes, 
Chorando muito e Uangian 
Ben como se fosse morto 
Ca a tal door avia. 

Ben per esta, etc. 

Ca dormir nunca podia, 
Nen comia nen migalla, 
E vermees dei sayan 
Muitos e grandes sia falia. 
Ca a morte ja venera 
A sa vida sen batalla; 
Mais chegaron log' à Onna 
E teveron sa ^^gia. 

Ben per esta, etc. 

Ant' o altar mayor logo 
E pois ant' o da Reina, 

Orig. fcsse. 



Virgen santa groriosa, 
RrogandoUe que asyna 
En tau grand' enfermedade, 
Posesse la meezina, 
Se servizo do menino 
En algun tempo queria. 

Ben per esta, etc. 

A virgem Santa Mai-ia 
Logo con sa piedade 
Acorreu ao menino, 
E de sa enfermedade 
Lie deu saúde comprida, 
E de dormir voontade 
E depois que foi esperto 
Logo de comer pedia. 

Ben per esta, etc. 

E ante de quinze dias 
Foi esforçad' e guarido 
Tan ben que nunca mais fora. 
De mais deu lie bon sentido; 
E quando el Rey Don Alfonso 
Ouv' este miragr' oido, 
Logo se foi de camyno 
A Onna en romaria. 

Ben per esta aos Reis 
D' amar en Santa Maria, 
Ca en as muy grandes coitas 
Ela os acorre guia. 



Como Santa Maria guareceu a Eeyna Dona Beatriz 
de grande enfermedade, porque a orou a ssa 
omagem con grande esperança. 

Quen na Virgen groriosa 
Esperança muy grand' a 
Maçar seja nuiito enfenno 
Ela o mui ben guarira. 

Desto un mui gi-an mira^e 
Vos quero dizer que oi, 
E pêro era minyno 
Membrame que foi assi, 
Ca me estava eu deante, 
E todo ouvi e vv, 
Que fezo Santa Maria 
Que muito fez e fará. 

Quen na Vii-gen, etc. 



XL 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



Esto foi en aquel ano 
Quando o mui bon Rey ganou 
Don Fernando a Capella 
E de Christianos poblou, 
E ssa moller, a Reina 
Dona Beatriz, mandou 
Que fosse morar en Conca 
En quant' el foi acolá 

Quen na Virgen, etc. 

Con o oste, e seu mandato 
Fez ela mui volonter, 
E quando foi na cidade 
Peor enferma a moller. 
Non vistes do que foi ella, 
Ca pêro de Monpiller 
Bonos físicos j eran 
Dizian, non vivera. 

Quen na Virgen, etc. 

E porque esto dizian, 
Non era mui sen razon, 
Ca d' aver ela seu filio 
Estava en a sazon. 
E avia tan gran fevre 
Que quen a via enton 
Dizia : — seguramente 
Desta non escapera. 



Quen na Virgen, etc. 

Mais la Rcyna, que serva 
Era da que pod' e vai, 
Virgen santa groriosa., 
Rey na Espiritual, 
Fez trager liuna omagen 
Muy ben feita de metal 
De Santa Maria e disse : 
— Esta cabo mi será; 

Quen na Vii-gen, etc. 

Ca pois en a ssa fegura 
Vil' a tal creencia ei, 
Que de todos estes males, 
Que à tantoste guarrei. 
Por end' a mi a chegada, 
E logo Ue beisarei 
As sas manos e os pees 
Ca muy gran prol metera. 

Quen na Vh"gen, etc. 



E tod' est' assi foi feito, 
E logo sen otra ren 
De todos aqueles males 
Guariv' a Reyna tan ben 
Per poder da groriosa 
Que nada non sentio en. 
Poren será de mal siso 
O que a non loara. 

Quen na Virgen groriosa 
Esperança muy grand' a 
Maçar seja muit' enfermo 
El' o mui ben guarira. 



[Ibidem, p. 36-43.) 



EPILOGO 



Maçar poucos cantares 
acabei, e con son, 
virgen, dos teus miragi'es 
peço ch'ora perdon, 
que rogues a teu filio deus 
que el me perdon 
os pecados que fige, 
pêro que muitos son, 
e do seu parayso, 
non me diga de non, 
nen en o gran juysio 
entre migu en rason, 
nen que poios meus erros 
se me mostre felon. 
E tu mia senuor 
rogalTagora e entom 
muit' afíicadamente 
por mi de coraçon 
e por este serviço 
dam'este galardon. 

Pois a ti virgen prougue 
que dos miragres teus 
fesess' endes cantares, 
rogote que a deus 
teu filio por mi rogues, 
que os pecados meus 
me perdon e me queira 
reçebir ontr'os seus 
no santo parayso, 
u este san matheus 
san pedr' e Santiago 
a que van os romeus, 
e que en este mundo 
queira que os encreus 
mouros destruyr possa. 



I 



DA língua POKTUGUEZA 



XLI 



que son dos filisteus, 
com' a seus eneniigos 
destrujii, machabeus, 
judas, que foi gran tempo 
cabdelo dos judeus. 

E alte (?) roga vida 
que lie queyras rogar 
que do diab' arteiro 
me queira el guardar 
que puna toda via 
pêra o men artar (?) 
per muitas de maneiras, 
por faseio peccar ; 
e que el me dé siso 
que me poss'amparar 
dele e das sas obras, 
con que el fas obrar 
mui mal a que no cree, 
e pois sen mal achar 
e que contra os mouros 
que terra d'ultramar 
teen e en espafia 
grant part a meu pesar, 
me dê poder e força 
pêra os en deitar. 

Outros rogos sen estes 
te quer ora faser, 
que rogues a teu filio 
que me faça viver 
per que servirlo possa, 
e que me dê poder 
contra seus enemigos 
e lies faça perder 
o que tenen forçado, 
que non deven aver 
e me guarde de morte 
per ocajon prender 
e que de meus amigos 
veja senpre praser, 
e que possa mias gentes 
en justiça tener, 
e que senpre ben sábia 
empregar meu aver, 
que os que mi o fillaren 
mi o sábian gradecer. 

E ainda te rogo 
virgen boa seftor 
que rogues a teu filio 
que mentr' eu acjui for 
en este mundo (jueira 
que faça o mellor 
per que dei e dos bonos 



senpre aja seu amor, 
e pois Rey me fes queira 
que reyn' a seu sabor, 
e de mi e dos Reynos 
seja el guardador, 
que me deu e dar pode 
quando Fen praser for, 
e que el me deffenda 
de fals' e traedor 
e outrossi me guarde 
de mal consellador, 
e d'ome que mal serve, 
e de mui pedidor. 

E pois ei começado, 
sefior, de te pedir 
mercees que me ganes, 
se o deus per ben vir, 
rogalle que me guarde 
de quen non quer graçir 
algo que Tome faça 
nen o ar quer servir; 
outrossi de quen busca 
rason pêra falir, 
non avendo vergoôa 
d'errar, nen de mentir-, 
e quS dá juysio 
sen o ben departir, 
nen outro gran consello 
sen ant'i comedir, 
e d'ome mui falido, 
que outro quer cousir, 
e d'ome que mal joga 
e quer muito riir, 
outrosi por mi roga. 

Virgen do bon talan, 
que me guarde teu filio 
d'aquel que adaman 
mostra sempr' en seus feitos, 
e d'aqueles que dan 
pouco por gran vilesa 
6 vergonna non an, 
e por pouco ser-sàço 
mostran que grant affan 
prenden u quer que vãam, 
pêro longe non vam ; 
outrossi que me guardes 
d'ome tal parvai'dam, 
e d'ome que assaca, 
que ê pcor que can, 
e dos que lealdade 
nò preçan par quant' an 
pêro que sempr' ò ela 
muito fiiland' estau. 



XLU 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



E ainda te rogo, 
seôor espiritai, 
que rogues a teu filio 
que el me dê atai 
siso, per que non caia 
en pecado ruortal, 
e que non aja medo 
do gran fog' infei-nal, 
eme guarde meu corpo 
do cajou e de mal 
e d'amig' encuberto, 
que a gran coita fal, 
e de quen ten en pouco 
de seer desleal, 
e daquel que se preça 
muit' e mui pouco vai, 
e de quen en seus feitos 
sempre é descomunal : 
esto por don ch'o pego 
e ar pidir ch'ei ai. 

Seflor santa maria, 
pois que começad' ey, 
de pedir che merçee 
non me departirey; 
porende rog' e peço, 
pois que teu filio rey 
me fes, que -dei me ganes 
siso que mester ey, 
con que me guardai' possa 
de que non me guardey, 
per que d'oi adeante 
non comerrey, 
nen meu aver enpregue 
tam mal como empreguey ; 
en alguos logares, 
segundo que eu sey, 
perd' end' el o meu tenpo (?) 
e aos que o dey; 
mas des oi mais me guarda 
e guardado serey. 

Tantas son as merçees, 
sefior, que en ti á, 
que por ende te rogo 
que rogues o que dá 
seu ben aos que ama, 
ca sey ca o fará, 
se o tu por ben vires, 
que me dê o que já 
lie pedi muitas veses, 
que, quando for ala 
no parayso, veja 
a ti ; sempre acá 
mi acorra en mias coitas 
por ti, e averá 



me bon galardon dado 
e sempre fiará 
en ti que souber este 
e mais te servirá 
por quanto me fesiste 
de ben e tomará. 

Santa maria nenbre vos de mi 
e d'aquelo pouco que vos servi. 
Non catedes a como pecador 
sôo, mais catad' a vosso valor, 
e por un muy pouco que de loar 
dixe de vós, en que t'eu non menti 

Santa maria nenbx'e vos de mi , 

Non catedes como 
pequey assas, 
mais catad' o gran 
ben que en vos jas ; 
ca vos me fesestes 
como quen fas 
sa cousa quita 
toda; per assi 

Santa maria, etc. 

Non catedes como 
eu (?) pequey greu, 
mais catad' o gran 
ben que vos deus deu, 
• c' outro ben se nom (?) 
vos nom ei eu, 
nen ouve nunca 
des que naci. 

Santa maria, etc. 

Non catedes en 
como fuy errar, 
mas catad' o vosso 
ben, que sen pai- 
este [de] como deus 
a perdonar 
nos á por vós, 
e sei que est assi. 

Santa maria, etc. 

Non catedes a como 

non sey vú-, 

se non a vós por 

merçee pedir, 

u a achei 

cada que a pedi. 

Santa maria, etc. 



DA língua PORTUGUEZA 



XLIU 



E querede que 
vos veja ali, 
u vos sodes quando 
me for d'aqui. 



{Ibidem, p. 638-641.) 



Poderá Sancta Maria 
grande os seus acorrer 
em qual logar quer que seja 
e os de mal defender. 

E desto oy un miragle, 
que aveu pouco â y 
en Chincoya, un Castelo, 
per quant' end' eu aprendi, 
que fezo Santa Maria 
e aos que o oy 
ataes homens eran 
a que devemus creer. 

Aquel Castelo está 
em o Reyno de Geen 
e un Alcayd' y avia 
que lo guardava muy ben. 
Mays de guardalo acima 
lie mengou muyto o sen, 
assi que per pouc' un dia 
o overa de perder. 

Este gran amor avia 
con un Mouro de Belmez, 
que do castel' Alcayd' era, 
mas o treedor que fez? 
Falou con Rey de Granada, 
e disse Ue : — d'esta vez 
vos darey eu o castelo 
de Chincoya en poder. 

Diss' el: — como ? respos Tele ; 

avel-of eu poder ei. 

— Mia fala com o Alcayde 

para un dia porrey, 

e estando en a fala 

ben ali o prenderey, 

e desta manera tenno, 

que o podedcs aver. 

E diss' el Rey de Grranada : 
— eu por mi u ai non á 
quero alá yr contigo 
e verey o que será. 



Mays si tu me d'esto mentes 
log' hi ai non averá, 
que mandarey a cabeça 
dãtr' os teus ombros toller. 

Desta manera grã medo 
a aquel Mouro meteu 
el Rey, e da outra parte 
gr and' aver lie prometeu, 
se Ue desse o castelo, 
e logo con el moveu, 
e o Mom-o o Alcayde 
de Chincoya foy veer, 

E disse le, que saysse 
con el seu preyto firmar, 
ante Cln-istanos (?) e Mouros, 
dos que eran no logar, 
que o gardasse, ca ele 
queria a el gardar, 
e sobre esto fossen ambos, 
las juras grandes fazer. 

O Alcayde de Chincoya^ 
que non cuydava que mal 
d'esto se Ue levantasse, 
foy alá logo sin ai, 
e levou dous Escudeyros ; 
qvie Ue disseron atai 
que medo avian do Mom-o 
que o queria trager. 

— Demays nõ levades anna 
e ydes assi en cós 
e com' os ]\Iouros sS falsos 
quiçá travaran de vós; 
e por end' ao castelo 
nos queremos tornar nós. 
E tornaronse correndo, 
e forans' en el meter. 

O Alcayde por tod' esto 
sol cabeça non tornou, 
mas por chegai- ao Mom-o, 
log' o Rio passou. 
E pois a el foi Uegado 
log' el prendelo mandou ; 
desi íd Rey de Granada 
fezo o preso trager. 

Que estava na cidade, 
c disse 11' esta razon: 
que Uc dissess' a verdade, 
do castelo, e se non 



XLIV 



CHEESTOMATHIA HISTÓRICA 



escabeçalo faria. 
Diss' eÚ : — Se deus me perdon, 
no castel' á qiiinze liomes, 
mais non teen que comer. 

Entõ ^ el Rey de Granada 
ssa ciada fez salir, 
e dereit' ao castelo 
logo começou se d'ir. 
E mando ao Alcayde, 
que s' o casteUo pedir 
foss' aos que y leyxara, 
se non queria morrer. 

Ele con medo de morte 

log'o castelo pediu, 

e dos que dentro estavan 

a tal resposta oyu: 

que per fé non lie darian. 

Quand' el Rey aquesto viu 

fez log' a tod' a sa gente 

o castelo combater 

A pedras, e a saetas 
muy de rrig' en derredor, 
e os que dentro jasiam 
ouveron tan gran pavor 
que íillaron a omagen 
da madre do Salvador, 
que estava na capella, 
desi foron a poer 

Ontr' as ameas, dizendo : 
— pois eres madre de Deus 
defend' aqueste castelo 
e a nos que fomos teus, 
e guarda a ta capela 
que non seja dos encreos 
Mouros en poder; non faça 
a ta omagem arder. 

E leyxarõ a dizendo : 
— Veremos o que farás: 
entonz' os combatedores 
tornai'on todos atrás. 
E três Mouros qu' entrai-ã 
chus negros que Satanás 
no castelo, os de dentro 
os fezeran en caer 

Mortos do cima do muro. 
E diss' el Rey : — nula prol 

' Urig. E antõU 



non ei de mas côbatermos, 
e teer m'ia per foi 
se contra Maria fosse 
que os seus defender sol; 
e mando tanger as trombas 
e fez sa oste mover. 

E d'esta guisa Chincoya 
guai'dou a que todos dan 
loores por sa bondade 
ca muy gran dereit' y an, 
porque os seus muy bS guarda, 
e aos outros afan 
da que contra ela veyn, 
e faz veuçudos seer. 

(Argote de Molina, Nobleza de Andalucia, 
foi. 152. Sevilla, 1588. 



Geixxcioneiro cie 13. HDiziiz 



1280 



Praz mli'a mim, senhor, de moirer 
E praz m'ende por vosso mal. 
Ca sey que sentiredes qual 
Mingua vos poys ey de fazer, 
Ca nô perde pouco, senhor, 
Quando perde tal servidor. 
Qual perdedes en me perder. 

E com mha ^ mort' ey eu prazer. 
Porque sey que vos farey tal 
Mingua, qual fez ornem leal, 
O mays que podia seer, 
A que ama, poys morto for ; 
E fostes vós muj sabedor 
D'eu por vós a tal mort' aver. ^ 

E pêro que ey de sofrer 

A morte mui descomunal, 

Co' mha ^ mort' oy mays nõ me chal. 

Por quanto vos quero dizer 

Ca meu serviç', e meu amor 



' Moura traz miaha por mha, que se \ê no fac-simile da cantiga posto á 
frente do Cancioneiro, ficando assim us dous versos errados. 
- Mour. a ver. No fac-simile vem junto a letra a a ver. 



DA língua PORTUGUEZA 



XLV 



Será vos d'escusar peyor 
Que a ' mim d'escusar viver. 

E certo podedes saber 

Que per esso ■ meu tempo sal 

Per mort', e nS a ja hi ai 

Que me non quer' end'eu doer; 

Poys a vós farey a mayor 

Mingua que fez nostro senhor 

De vassaí' a senhor prender. 

{Canc. de D. Diniz, publ. por Caetano Lopes 
de Moura, p. 1-3.) 



n 



Grave vos é de que vos ey amor, 
E par deos aqaesto vej' eu muy ben, 
Mays enpero dh-ey vos huma ren 
Per boa fé, íi-emosa mha ^ senhor. 
Se vos grav' é de vos eu ben querer, 
Grav' est a mim ; mays non poss' ai fazer. 

Grave vos é, ben vej' eu qu' é assy. 
De que vos amo mays c' a mim, nem ai, 
E qu' est * é, minha morte e meu mal, 
Mays por deus, senhor, que por meu mal vi, 
Se vos grav' é de vos eu ben querer, 
Grav^ est a mim, mays non poss' ai fazer. 

Grave vos est assy, deus mi perdon, 
Que non podia mays per boa fé 
De que vos am' e sey qu' assy é; 
Mays por deus, coyta do meu coraçon, 
Se vos grav' é de vos eu ben querer, 
Grav' est a mim, mays non poss' ai fazer. 

Pêro mays grave devia mi de seer, 
Quant' é morte mays grave ca viver. 

{Ibidem, p. 22-24.) 

ni 

Senhor, des quando vos vi, 
E que fui vosco falar, 
Sabed' agora per mi. 
Que tanto fui desejar 
Vosso ben, e poys é sy ^ 
Que pouco posso durai-, 



' Mour. Qu' a. O verso assim ficaria errado. 

* Mour. Pcro esso. 

' Mour. minha, boa sendo bisylabo i mister fazer esta correcção. 

* Mour. Quest' í. 

= Mour. assy. Verso errado. 5í por assij em Triivas e Cantares, n." 19, 
132, 197. 



E moyro m'assy de chão. 
Por que me fazedes mal, 
E de vós non avrey ai. 
Mha ^ morte tenho na mão ; 

Ca tã muyto desejey 
Aver ben de vos, senhor, 
Que verdade vos direy, 
Se deus me dé voss' amor, 
Por quanto ieu crer sey 
Con cuydad' e con pavor 
Meu coraçon non é são. 
Porque mi fazedes mal, 
E de vós non avrey ai. 
Mha morte tenho na mão. 

E venho vol' o dizer. 
Senhor do meu coraçon, 
Que possades entender 
Como prendi o cajon. 
Quando eu vos fui veer; 
E por aquesta razon 
Moyr' assy servind' en vão, 
Porqu' a mim fazedes mal, 
E de vós non avrey ai. 
Mha morte tenho na mão. 



{Ibidem, p. 25-27.) 



IV 



Hun tal home sey eu, ay ben talhada ! 
Que por vós ten a sa morte chegada : 
Vedes quen é, e seede nenbrada; 
Eu, minha dona. 

Hun tal home sey eu que pouco sente 
De sy (?) a morte certamente - : 
Vedes quen é, venha vos en mente: 
Eu, minha dona. 

Hun home sey eu, aquesto oyde. 
Que por vós morre, e nõ lo partide : 
Vedes quen é, e non se vos obride : 
Eu, minha dona. 

{Ibidem, p. 27-28.) 



Quant'a senhor, que m'eu de vos pai'ti, 
A' tam muyto que nunca ^■i prazer, 
Neu pesai', e quero vos eu dizer 



• Mour. minha. Verso errado. 

' Eslo verso flca, ainda assim, errado. 



XLVI 



CHKESTOMATHIA HISTÓRICA 



l 



Como . . . prazer nen pesar nen er : 
Perdi o sen, e non poss' estremar 
O ben do mal, nen prazer do pesar. " 

E desque m'eu, senlior, per boa fé 
De vós parti, creed' agora ben, 
Que non vi prazer, nen pesar de ren, 
E aquesto dú-ey vos eu (?) por que 
Perdi o sen, e non poss' estremar 
O ben do mal, nen prazer do pesar 

Ca, mha senhor, ben des aquela vez 
Que m'eu de vós parti, no coraçon 
Nunca ar ouv' eu pesar des enton, 
Nen prazer, e direy vos quen m'o fez : 
Perdi o sen, e non poss' estremar 
O ben do mal, nen prazer do pesar ^ 



(Ibidem, p. 33.) 



VI 



Nostro senhor, ajades bon grado 
Por quanto m'oy ^ mha senhor falou ; 
E tod' esto foy, por que se cuydou 
Qu' andava d'outra namorado ; 
Ca sey eu ben que mi nòn falara. 
Se de qual ben lh'eu quero cuydara. 

Por que mi falou oj' este dia, 
Ajades bon grado nostro senhor. 
E tod' esto foy por que mha senhor 
Cuydou qu'eu por outra morria; 
Ca sey eu ben, que me non falara. 
Se de qual ben lh'eu quero cuydara. 

Poi'que m'oje falou aja deos 
Bon grado, mays d'esto non fora ren, 
Senon porque mha senhor cuydou ben. 
Que d'outra eran os desejos meos ; 
Ca sey eu ben, que me non falara. 
Se de qual ben lh'eu quero cuydara. 
Ca tall é que ante se matara 
Ca mi falar, se o sol cuydara. 

{Ibidem, p. 38-39.) 



vn 



Senhor fremosa, e de mui loução 

Coraçon, querede vos doer 

De mi pecador que vos sey querer 



' As eslrophes 2 e 3 d'esta cantiga não eslào divididas em Moura e 
gunda está demais muito estropiada. 
* Mour. oje. 



Melhor c' a mi; pêro soo certão. 
Que me queredes peyor d' outra ren, 
Pêro, senhor, quero vos en tal ben; 

Qual mayor poss' e o mays encuberto 
Que eu poss' e sey de branca frol. 
Que lhe non ouv' en flores tal amor, 
Qual vos eu ey ; e pêro soo certo ^ 
Que me queredes peyor d'outra ren, 
Pêro, senhor, quero vos eu tal ben. 

Qual mayor poss' e o namorado 
Triste, sey ben que non amou Yseu ^, 
Quant' eu vos am', esto certo sey eu, 
E cõ tod' esto sey, mao pecado, 
Que me queredes peyor d'outra ren; 
Pêro, senhor, quero vos eu tal ben 
Qual mayor posso, e tod' aquesto ven 
A my coytado que perdi o sen. 

[Ibidem, p. 52-53.) 

vin 

Pêro eu dizer quyzesse, 
Creo que non saberia 
Dizer, nem er poderia. 
Per poder que eu ouvesse, 
A coyta que o coytado 
Sofi'e que é namorado 
Nen er sey quen m'o creesse, 

Senon aquel a quen desse 
Amor coyta todavia 
Qual a mi dá noyt' e dia : 
Este cuydo que tivesse 
Que dig' eu muyt' aguysado. 
Ca outr' omem non é nado 
Que esto creer podesse. 

E poren que ben soubesse 
Esta coyta ben du-ia, 
E sol non duvydaria 
Que coyta que deos fezesse, 
Nen outro mal aííicado 
Non fez tal, nen é pensado 
D' omem que Ihi par posesse. 

IX 

Ay, senhor fremosa, por deos, 
E por quam boa vos el fez, 
Doede vos algunha vez 
De mi, e d'estes olhos meos. 



Mour. certão, contra a rima e o metro. 
lilour. o seu. Correcção feita por F. Wolf. 



I 



DA LUíGUA portugueza 



XLvn 



Que vos \'iron por mal de sy, 
Quando vos vii-on, e por my. 
E porque vos fez deos melhor 
De quantas fez, e mays valer, 
Querede vos de mi doer, 
E d'estes meos olhos, senhor. 
Que vos vii'on por mal de sy, 
Quando vos \-ii-on, e por my. 

E porque o ai non é ren, 
Senon o ben que vos deos deu, 
Querede vos doer do meu, 
E d'estes * meos olhos, meu ben, 
Que vos viron por mal de sy, 
Quando vos \aron, e por my. 

{Ibidem, p. 59-62.) 



Senhor poys me non queredes 
Fazer ben, nen o teSdes 

Per guysado, 
Deos seja por en loado ; 
Mays poys vós mui ben sabedes 
O torto que mi fazedes, 

Gram pecado 
Avedes de mi, coytado. 

E poys que vos non doedes 
De mi, e sol non avedes 

En coydado, 
En grave dia fui nado; 
Mays por deos, senhor, seeredes 
De mi pecador, ca vedes 

Muy doado 
Moyi'' e de vós non ey grado. 

E poys mentes non metedes 
No meu mal, nen corregedes 

O estado 
A que m'avedes chegado, 
De mi matardes faredes 
Meu ben, poys m'assy tragedes 

Estranhado 
Do ben que ey desejado : 
E senhor, sol non pensedes 
Que pêro mi morte dedes. 



Ond'eu seya mays pagado. "^ 

(Ibidem, i). 76-78.) 



' Mour. lios. Verso errado 

' Mniir. Aítuardo ond' cu spya mais pagado. Aguardo não perlcnre a este 
verso; mas nem pela rima nem pelas syllabas pude formar o liemisliehio que falta. 



XI 



Senhor, que de gi'ad' ieu ^ querria, 
Se a deos e a vós aprouguesse, 
Que hu vós estades estevesse 
Con vós; que por esto me terria 

Por tan ben andante. 

Que por rey, nen iíFante, 

Des aly adiante, 

Non me cambharia. 

E sabendo que vos prazeria, 
Que Im vós morassedes morasse, 
E que vos eu viss' e vos fallasse, 
Terna me, senhor, todavya 

Por tan ben andante 

Que por rey, nen iíFante 

Des aly adiante 

Non me cambharia. 

Ca, senhor, en gran ben vyveria, 
Se hu vós vivessedes vivesse, 
E sol que de vós est' entendesse 
Terria mi razon, faria (?) 

Por tan ben andante 

Que por rey, nen iífante 

Des aly adiante 

Non me cambharia. 



(Ibidem, p. 84-85.) 



XII 



Hunha pastor ben talhada 
Cuydava en seu amigo. 
Estava, eu ben vos digo, 
Per quant' eu \a, muj coytada; 
E diss' : — Oy mays nõ é nada 
De fiai' per namorado 
Nunca molher namorada, 
Poys que mh'o meu á errado. 

Ela tragia na mào 
Hu papagay muifi-emoso. 
Cantando muy saboroso, 
Ca entrava o venao, 
E diss' — Amigo loução, 
Que faria por amores, 
Poys m'errastes tã en vão — ; 
E caeu - antr' unhas flores. 

Huna grã peça do dia 
Jouv' ali que non falava, 

Aíoi/r. prado leu. 
Mour. til eu. 



xiivni 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



E a vezes acordava, 

A vezes esmorecia, 

E diss': — ay! santa Maria, 

Que será de mi agora ! 

E o papagay dizia: 

— Ben, per quant' eu sey, senhora. 

— Se [mi] queredes dar guarida, 
Diss' a pastor, de verdade, 
Papagay, por caridade. 

Ca morte m' é esta vida. 
Diss' ele * : — senhor conprida 
De ben, e non vos queixedes ; 
Ca o que vos á ser\ada, 
Ergued'olh', e veloedes. 



{Ibidem,}). 86-87.) 



xm 



Oy oj' eu cantar d'amor 
En hu fremoso virgeu, 
Hunha fremosa pastor 
Que ao pai-ecer seu 
Jamays nunca Ihi par vi ; 
E poren dixe Ih' assy: 

— Senhor por vosso vou eu. 

Tornou sanhuda enton. 
Quando m'est' oyu dizer, 
E diss' : — ide vos varon ; 
Quen vos foy aqui trager, 
Para m'h-des d'estorvar 
Que (?) ^ dig' aqueste cantar. 
Que fez quen sey ben querer? 

— Poys que me mandades hir, 
Dixe Ih' eu, senhor, hir m'ey; 
Mays ja vos ey de servir. 
Sempre por voss' andarey ; 

Ca voss' amor me forçou 
Assy, que por vosso m'ey, 
Cujo sempr' eu já serey. 

Diz ela: — non vos ten prol 
Esso que dizedes, nen 
]\Ii praz de o oyr ; sol 
Ant' ey noj' e pesar en; 
Ca meu coraçon non é, 
Nen será per boa fé, 
Senon do que (?) ^ quero ben. 



Mour. el. 

Mour. D'u. 

Mour. m. Esla palavra não dá sentido e deixa o verso errado. 



— Nen o meu, dixi Ih' eu já. 
Senhor, non se partii-á 

De vós, por cujo s'el ten. 

— O meu diss' ela será 
Hu foy sempre, huestá, 
E de vós non curo ren. 

Quand' eu ben meto femença 
En qual vos vej' e vos vi 
Des que vos eu conheci, 
Deos que non mente mi mença, 
Senhor, se oj' eu sey ben 
Que semelh' o voss' en ren. 

Quand' eu a beldade vossa 
Vejo, que \i por meu mal, 
Deos qu'a coytados vai 
A mi nunca valer possa. 
Senhor, se oj' eu sey ben 

Que semelh' o vosso en ren, 
E quen o assy non ten, 
Non vos ^^o, ou non á sen. 

{Ibidem, p. 108-111.) 

Cantigas d' amigo que o. mui respeitahle Dom Diniz 
Rey de Po)'tugal, fez 

XIV 

Ben entendi, meu amigo 
Que mui grani pesar ouvestes, 
Quando falar non podestes 
Vós n'outro dia comigo ; 
Mays certo seed' amigo 
Que non fuy o vosso pesar. 
Que s'ao meu podess' iguar. 

Muy ben soub' eu por verdade 
Que erades tan cuytado 
Qiie non avya recado ; 
Mays, amigo, acá tornade, 
Sabede ben por verdade. 
Que non fuy o vosso pesar, 
Que s'ao meu podess' iguar. 

Ben soub' amigo por certo, 
Que o pesar d'aquel dia, 
Vosso, que par non avya ; 
Mas pêro foy encuberto ; 
E poren seede certo 
Que non fuy o vosso pesar, 
Que s' ao meu podess' iguar; 

Ca o meu non se pod' osmar 
Nen eu non o pudi negar. 

{Ibidexi, -p. 118-119.) 



« 



DA língua PORTUGUEZA 



XLIX 



XV 

Bon dia vi, amigo, 
Poys seu mandad' ey migo, 
Louçana. 

Bon dia vi, amado, 
Poys mig' ey seu mandado, 
Louçana. 

Poys seu mandad' ey migo, 
Rog' eu a deos e digo : 
Louçana. 

Poys myg' ey seu mandado, 
Rog' eu a deos de grado, 
Louçana. 

Rog' eu a deos e digo, 
Por aquel * meu amigo : 
Louçana. 

Por aquel ^ meu amigo 
Que o veja comigo, 
Louçana. 

Por aquel namorado 

Que fosse já chegado 

Louçana. 



{Ibidem, p. 135-136.) 



XVI 



Non chegou, madr', o meu amigo, 

E oj' est o prazo saydo; 

Ay ! madre, moyro de " amor. 

Non chegou, madr', o meu amado 
E oj' est o prazo passado; 
Ay! madre, moyro de ^ amor. 

E oj' est o prazo saydo. 

Por que mentio o desmentido, 

Ay! madre, moyro de ^ amor. 

E oj' est o prazo passado. 
Por que mentio o perjurado, 
Ay ! madre, moyi-o de ■^ amor. 

E porque mentio o desmentido 
Pesa mi, poys per si é falido ^, 
Ay! madre, moyro de - amor. 



' Mour. aquele. Verso citíuío. 
- ^four. il'aiiior. Verso errado. 
' Verso errado, cuja correcção não i' obvia. 



Porque mentio o perjurado 

Pesa mi, poys mentio por seu grado, 

Ay ! madre, moyro de ^ amor. 



{Ibidem, p. 136-137.) 
xvn 

— De que morredes, filha, a do corpo velido? 

— Madre, moyro d'amores que me deu meu amigo. 
Alva e vay liero. 

— De que morredes, filha, a do corpo louçano? 

— Madre, moyro d'amores que me deu meu amado. 
Alva e vay liero. 

Madre, raoyi-o d'amores que mi deu meu amigo 
Quando vej' esta cinta que por seu amor trajo. 
Alva e vay liero. 

Madre, moyro d'amores que mi deu meu amado 
Quando vej' esta cinta que por seu amor trajo. 
Alva e vay liero. 

Quando vej' esta cinta que por seu amor cingo 
E me nembra, fremosa, como falou comigo. 
Alva e vay liero. 

Quando vej' esta cinta que por seu amor trago 
E me nembra, fremosa, como falamos ambos. 
Alva e vay liero. 

{Ibidem, p. 138.) 

xvm 

Ay flores ! ay flores do verde pyno. 
Se sabedes novas do meu amigo! 
Ay deos! E hu é? 

Ay flores! ay flores do verde ramo, 
Se sabedes novas do meu amado ! 
Ay deos! E hu é? 

Se sabedes novas do meu amigo. 
Aquel que mentio do que mh' á jiu"ado! 
Ay deos! E hu é? 

Se sabedes novas do meu amado, 
Aquel que mentio do que pos comigo! 
Ay deos! E hu é? 

Vós me pergimtades per - voss' amado? 
E eu ben vos digo qu' é viv' e sano. 
Ay deos ! E hu é ? 

' iloiir. d'amor. Verso errado. 
- Mour. pelo. 



CIIKESTOMATHIA HISTOIUCA 



E eu ben vos digo qu' é viv' e sano 
E seera vosc' ant' o prazo saydo. 
Ay deosIEhu é? 

E eu ben vos digo qu' é viv' e sano 
E será vosc' ant' o prazo passado. 
Ay deos! E hu é? 



{Ibidem, p. 139-141.) 



XIX 

Levantou s'a velida, 

Levantou s'alva 

E vay lavar camisas 

En o alto. 
Vay las lavar, alva. 

Levantou s'a louçana, 

Levantou s'alva 

E vay lavar delgades 

En o alto. 
Vay las lavar, alva. 

Vay lavar camisas, 
Levantou s'alva, 
O vento Ibas desvia 

En o alto. 
Vay las lavar, alva. 

E vay lavar delgades, 
Levantou s'alva 
O vento lhas levava 

En o alto. 
Vay las lavar, alva. 

O vento lhas desvia. 
Levantou salva. 
Meteu s'alva en hira 

En o alto. 
Vay las lavar, alva. 

O vento lhas levava. 
Levantou s'alva 
Meteu s'alva en sanha 

En o alto. 
Vay las lavar, alva. 



{Ibidem, p. 142-144.) 



XX 



Amigo, meu amigo. 

Valha deos. 
Vede la frol do pinho, 
E guisade d'andar. 



Amig' e meu amado. 

Valha deos, 
Vede la frol do ramo, 
E guisade d'andar. 

Vede la frol do pinho, 

Valha deos, 
Selad' o bavoninho, 
E guisade d'andar. 

Vede la frol do ramo. 

Valha deos, 
Selad' o bel cavalo, 
E guisade d'andar. 

Selad' o bayoninho, 

Valha deos, 
Treyde vos, ay amigo, 
E guisade d'andar. 



XXI 



{Ibidem, p. 144-145.) 



Para veer meu amigo, 
Qae talhou preyto comigo, 
Alá vou, madre. 

Para veer meu amado. 
Que mig' a preyto talhado, 
Alá vou, madre. 

Que talhou preyto comigo. 
E' por esto que vos digo : 
Alá vou, madre. 

Que migo preyt' a talhado. 
E por esto que vos falo : 
Alá vou, madi-e. 



{Ibidem, -p. 173-174.) 



xxn 

Mha madr' é velyda. 
Vou m'a la bayha 
Do amor. 

Mha madr' é loada. 
Vou m' a la baylada 
Do amor. 

Vou m' a la baylia 
Que fazen en vila 
Do amor. 



DA língua PORTUGUEZA 



LI 



Que fazen en \Tla 
Do que eu ben queiia, 
Do amor. 

Que fazen en casa 
Do qu' eu muyt' amava, 
Do amor. 

Do qu' eu ben queria, 
Chamai- m'á gai-rida, * 
Do amor. 

Do qu' eu muyt' amava. 
Chamar m'à perjmada 
Do amor. 



{Ibidem, p. 178-179.) 



SÉCULOS XIII-XIV 



Poetas 

da epocha de D. Affonso III, 

D. Diniz e D. Affonso IV 



FERNÃO \^LHO 



Pois deus non quer que eu reu poss' aver 
De vós Seflor se non mal e affan, 
E os meus ollos gran coita que an 
Por vós Seiíor, se eu veja prazer, 
Ir m' ei daqui, pêro íia ren sei 
De min, Sehor, ca ensandecerei. 

E mia Seflor fremosa, de bon prez, 
Pêro que vos amo mais ca min, nen ai, 
Pois deus non quer que aja se non mal 
De vós, par deus que vos muito ben fez, 
li' m' ci daqui, pêro íia ren sei 
De min, Sefior, ca ensandecerei. 

E pêro vos amo mais d' outra ren, 
Seíior de mi e do meu coi-açon. 
Pois deus non quer que aja se mal non 
De vós Seíior, assi deus me dê ben. 
Ir m' ci daqui, pêro ua ícn sei 
De min, Sei\or, ca ensandecerei 



Por vós que eu muit' am' e amarei 
Mais de quant' ai vejo, nen veerei. 

{Trovas e Cantares, publ. por F. A. de Varnha- 

gen, n." 92.) 



n 



Quant' eu de vós mia Senor receei 
Aver del-o dia en que vos vi, 
Dizen mi ora que mi o aguis' assi 
Nostro Sefior como m' eu receei ; 
De vos casaren ; mais sei ua ren, 
Se assi for, que morrerei ^ por en. 

E sempr' eu mia Seftor, esto temi 
Que m' ora dizen ; de vos aveer 
Desque vos soube mui gran ben querer; 
Per boa fe, sempr' eu esto temi ; 
De vos casaren ; mais sei iia ren ; 
Se assi for, que moiTerei por en. 

E sempr' end' eu Seiíor ouvi pavor 
Desque vos vi, e convusco falei, 
E vos dix' o gi-and" amor que vos ei 
E mia Seftor da quest' ei eu pavor ; 
De vos casai-en: mais sei úa ren; 
Se assi for, que morrerei por en. 



{Ibidem, n.' 93.) 



in 



Sefior que eu por meu mal vi, 
Pois m' eu de vós a pai-th* ei, 
Creede que non á en min 
Se non mort' ou ensandecer; 
Pois m' eu de vós a partir ei, 
E u- aUur sen vós A-iver. 

Pois vos eu quero muy gi-an ben, 
E me de vós ei aquitar. 
Dizer vos quer' eu lia ren 
O que sei no meu coraçon, 
Pois me de vós ei a quitai- : 

E mal dia naci Senor; 
Pois que m' eu d' u vós sedes, vou ; 
Ca mui ben soon sabedor 
Que morrerei u non jaz ai : 
Pois que m" eu d' u vós sodes, vou. 



{Ibidem, u.' 94.) 



' Vanih. morrei. Verso errado. 



LII 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



IV 



A mayor coita que eu vi soffrer 
D' amor a nxúV orne desque uaci 
Eu mi a soflVo e ja que est assi, 
Meus amigos, assi veja prazer, 
Gradesc' a deus, que me faz a mayor 
Coita do mund' aver, por mia Sefior. 

E ben teii' eu que faço grau razon 
Da mayor coita muit' a deus gracir, 
Que m' el dá por mia Sefior, que servii'- 
Ei mentr' eu viver; mui de coraçon 
Gradesc' a deus, que me fez a mayor 
Coita do mund' aver, por mia Sefior. 

E por mayor ei eu per boa fé 
Aquesta coita de quantas fará 
Nostro Seiíor, e por mayor mia a dá 
De quantas fez; e pois que assi é 
Gradesc' a deus, que me faz a mayor 
Coita do mund' aver, por mia Seiior, 

Pois que mi a fez aver pola mellor 
Dona de quantas fez nostro Sefior. 



{Ibidem, n." 95.) 



Nostro Sefior que eu semjDre roguei 
Pola coita que m' amor faz soífrer. 
Que mi a tollesse, e non quis toller, 
E me leixou en seu poder d' amor, 
Des oge mais sempre 11' eu rogarei, 
Pois ei gran coita que me dê mayor 

Con que moira, ca mui gran sabor ei 
Per boa fe de mais non guarecer; 
Pois s' el nunca de mi quiso doer, 
E me faz viver sempr' a gran pavor 
De jjerdel-o sen, mais ja graci-lF-ei, 
Pois ei gran coita que me dê mayor 

Se 11' aprouguer mui cedo, ca non sei 
Oj' outra ren con que visse j^razer; 
Pois m' el non quis nen quer dei defender, 
E de meu mal ouve tan gran sabor, 
Mentr' eu \nver, sempre o sei'vàrei. 
Pois ei gran coita que me dê mayor 

Con que moira ca de pran ai non sei, 
Que me possa toller coita d' amor. 



{Ibidem, n." 96.) 



VI 



Muitos vej' eu per mi maravillai' 
Porque eu pedi a nostro Sefior 
Das coitas do mundo sempr' a mayor, 
Mais se soubessen o meu coraçon 
No me cuid' eu que o fossen provar. 
Ante terrian que faço razon. 

Mais por que non sal>en meu coroçon 
Se van eles maravillar per mi; 
Por que das coitas a mayor pedi 
A deus qu' á de mi a dar gi-an poder 
Mais eu pedi-lF-a-ey toda sazon 
Ata que me dê en quant' eu viver. 

El que á de mi a dar mui gran poder 
Mi a dê; pêro se maravillan en 
Os que non saben meu coraçon ben. 
Por que a peço ca m' é mui mester 
De mi a dar el que o pode fazer. 
Per boa fé se o fazer quiser. 

E se el sabe que m' é mester 
De mi a dar, el mi á dê se U' aprouguer. 



{Ibidem, n." 97.) 



vn 



Sefior o mal que m' a min faz amor 
E a gran coita que me faz soffrer 
A vól-o devo muit' agradecer, 
E a deus, que me vos deu por Sefior, 
Ca ben vos faço desto sabedor 
Que por ai non mi o podia fazer. 

Se non per vós, que avedes sabor 
Do uuii gran mal, que mi a min faz aver, 
E pois vos praz, vós He dades poder 
De me fazer, fremosa mia Sefior, 
O que quiser en quant' eu vosso for, 
E vos de min non quiserdes doer. 

E da gran coita de que soffi-edor 
Foy, e do mal muit' a sen meu prazer 
A vós dev' en mui grad' a poer (?) ; 
Ca non me dê deus de vós ben Sefior 
Que me pod' amparar de seu pavor, 
Se oj' eu sei ai por que o temer; 

Mais por deus, que vos foy dar o mayor 
Ben, que eu d' outra dona oy dizer. 
Que me non leixedes escaecer 
En me Ue non detfenderdes Sefior; 
Ca ben coido de com' é traedor 
Que me m' a dê cedo, e pois non querer 



\ 



DA LÍNGUA 1'0RTUGUEZA 



LIII 



Gracir vol-o, pois que eu morto for; 
E por quanto beu vos deus fez Seiior 
Guardade vos de tal erro preuder. 



{Ibidem, n.° 98.) 



vm 



Meus amigos muito me praz à.'amor ^ 
Que entend' ora que me quer matai-, 
Pois mi a min deus non quis, nen mia Seôor, 
A que roguei de me d' el amparar 
E poren quanto m' el quiser matar 
Mais cedo, tanto 11' o mais gracirei 

Ca ben me pode partir de mayor 
Coita de quantos eu oy falar, 
De que eu foy muit' y á soffi-edor, 
Esto sabe deus, que me fuy mostrar 
Uma dona que eu vi ben falar 
E parecer por meu mal, e o sei, 

Ca muit' y á que avia pavor 
De perder o sen con mui gran pesar 
Que vi depois, e poren gran sabor 
Ey de mia morte, se mi a quiser dar 
Amor, e a que me fez gi-an pesar 
Veer d'aquella ren, que mais amei. 

Mais esso pouco que eu vivo for; 
Pois assi é, no me quero queixar 
Deles, mais el seja seu ti-aedor 
Se me non mata, pois non poss' achar 
Que me 11' ampare, e se me dei queixar 
Deus non me valia, que eu mester ei. 

Ca pois m' eles non queren amparar 
E me no seu poder queren leixar 
Nun 

{Ibidem, n." 99). 



PÊRO DA PONTE 



Tan muyto vos am' eu Seftor 
Que nunca tant' amou Seiior 
Orne que fosse nado. 
Pêro des que fuy nado 
Non pud' aver de vos Seftor, 



' Verso errado era Varnliagen. Correcção proposta por Diei, assim como as ou- 
tras que se observam na eslrophe comparadas com a estropeada em Varnliagen. 



Por que dissess' : Ay ! mia Seftor, 
E)i bon pont' eu fuy nado ! 
Slays quen de vós fosse Seftor, 
Bon dia fora nado. 

E o dia que vos eu ^^, 
Seftor, en tal ora vos vi, 
Que nunca dormi nada 
Nen desejei ai nada 
I Se non vosso ben, poys vos vi. 
E dig' a mi por que vos vi, 
Poys que me non vai nada. 
Mal dia nad' eu que vos vi, 
E vós bon dia nada. 

Ca se vos eu non viss' enton, ■ 
Quando vos vi, poderia enton 
Seer d' afan guardado; 
Mays nunc' ar fuy guardado 
De muy gran coita des enton ; 
E entendi m' eu des enton, 
Que aquel é guardado, 
Que deus guarda; ca des enton, 
E' tod' ome gruai-dado. 



{Ibidem, n." 112). 



u 



Se eu podesse desamar 
A que me sempre desamou. 
E podess' algun mal buscai- 
A quen me senpre mal buscou, 
Assi me vingaria eu, 
Se eu podesse coita dar 
A quen me senpre coita deu. 

Mais non poss' eu enganar 
Meu coração que m' enganou; 
Por quanto me fez desejar 
A quem me nunca desejou, 
Et por esto non dórmio eu, 
Por que non posso coita dar 
A quen me senpre coita deu. 

Mais rog' a deus que desampai*' 
A quen m' assi desanparou ; 
Uel que podess' en destorvai- 
A quen me senpre destorvou; 
E logo dormiria cu, 
Se eu podesse coita dai- 
A quen me senpre coita deu. 

Uel que ousas* en preguntar 
A quen me nunca preguntou, 
Por que me fez en si cuidiu-. 



LIV 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



Poys ela iiunc' em mi cuidou 
E por esto lazeiro en, 
Por que non poss' eu coita dar 
A quen me senpre coita deu. 



{Ibidem, n." 113.) 



Ill 



Ag-ora me part' eu muy sen meu grado 
De quanto ben oge no mund' avia, 
C assi quer deus e máo meu pecado. 

Ay eu! 
De mais se me non vai Santa Maria 
D' aver coita muita tefl' eu guisado, 
E rog' a deus que mais d' oj" este dia 
Non viva eu, se m' el y non dá consello. 

Non viva eu, se m' el y non dá consello 
Nen viverei, nen é cousa guisada 
Ca poys non vir meu lum' e meu espello ; 

Ay eu ! 
Ja por mia vida non daria nada. 
Mia Sefior, e digo vos en concello 
Que se eu moii-' assi desta vegada 
Que a vól-o demande meu liiiage. 

Que a vól-o demande meu liuage 
SeSor fremosa ca vós me matades, 
Poys voss' amor en tal coyta me trage; 

Ay eu! 
E o sol non quer deus que mi o vós creades, 
E non me vai y preito nen menage, 
E ides-vos, e me desamparades, 
Desanparare-vos deus, a (pieu o eu digo. 

Desanpare-vos deus a quen o eu digo 
Ca mal per fie' oj' eu desanparado. 
De mais non ey parente, nen amigo; 

Ay eu! 
Que m' aconsello e desaconsellado 
Fie' eu sen vós, e non ar fie' amigo, 
Seflor se non gran coita e cuidado, 
Ay deus! valed' a omen que d' amor morre. 

{Ibidem, n." 114.) 



IV 



E mia Senor que eu mais d' outra ren 
Desejei senpre, amei, e servi, 
Que non soya dar nada por mi 
Preyto me trage de me fazer ben. 
Ca meu ben t', deus, por ela morrer, 
Ante ca senpr' en tal coita viver. 



En qual coita me seus desejos dan 
Toda sazon mais á des agora ja; 
Por quanto mal me faz, ben me fará 
Ca morrerei e perderei afan ; 
Ca meu ben é, deus, por ela morrer 
Ante ca sempr' en tal coita viver. 

E quanto mal eu por ela levei 
Ora mi o cobrarei se deus quiser; 
Ca pois eu por ela morte preser 
Non me diran que dela ben noii ei 
Ca meu ben é, deus, por ela morrer, 
Ante ca senpr' en tal coita viver. 

E ai sazon foi que me tev' en desden, 
Quando me mais forçava seu amor, 
E ora mal que pes' a mia Seflor 
Ben me fará, e mal grad' aja eu; 
Ca meu ben é, deus, por ela morrer, 
xVnte ca senpr' en tal coita viver. 



{Ibidem, n." 115.) 



Seôor do corpo delgado 
En forte pont' eu fuy nado. 
Que nunca perdi cuidado, 
Nen afan des que vos vi: 
En forte pont' eu fuy nado, 
Sefior por vós e por mi ! 

Con est' afan tan longado 
En forte pont' eu fuy nado 
Que vos amo sen meu grado, 
E faço a vós pesar y; 
En forte pont' eu fuy nado, 
Seôor por vós e por mi! 

Ay eu caliv' e coitado! 
En forte pont' eu fuy nado. 
Que servi sempr' endoado, 
Ond' un ben nunca prendi; 
En forte pont' eu fuy nado 
Seflor por vós e por mi! 



{Ibidem, n." 116.) 



VASCO RODRIGUES DE CA VELO 



Vivo coitad' en tal coita d' amor 
Que sol non donnen estos oUos meus ; 



DA língua POKrUGUEZA 



LV 



Et rogo muito por mia mort' a deus, 
E ua ren sei eu de mia Senor: 
Xou sabe o mal que m' ela faz aver, 
Neu a grau coyt' en que me faz viver. 

Vivo coitad' e sol non dórmio ren 
E cuido muit", e choro con pesar, 
Por que me vejo mui coytad" andar, 
Mais mia SeÈor, que sabe todo ben, 
Non sabe o mal que m' ela faz aver. 
Nen a gi-an coyt' en que me faz viver. 

E meus amigos mal dia naci 
Con tanta coita que sempr' eu levei. 
E por que mais no mundo viverei; 
Pojs mia Seiior que eu por meu mal v\, 
Xon sabe o mal que m' ela faz aver, 
Nen a gran coyt' en que me faz viver. 

E meus amigos non ey poder 
Da muy gran coyt' en que vivo sofíi-er. 



{Ibidem, n." 117.) 



n 



Des quando eu a mia Seàor entendi 
Que lie pesava de lie querer ben 
Ou de morar u lie dissesse ren, 
Veed' amigos como m' eii parti: 
Leyxei lia terra por lie non fazer 
Pesar e vivo non posso viver. 

Se non coitad', e mais vos en direi: 
Pêro m' eu viv' en gran coyta d"amor 
De non fazer pesar a mia Seôor, 
Veed' amigos que muy ben m' eu guardei; 
Leyxei lUa terra por lie non fazer 
Pesar e vivo non posso viver. 

Se non coitado no meu coraçon: 
Ca me guardei de Ue fazer pesar: 
E amigos non me soub' en guardar 
Per outra ren, se per aquesta non ; 
Leyxei IFa teiTa por elle non fazer 
Pesar e vivo non posso viver. 

{Ibidem, n.» 118.) 



PÊRO SOLAZ 



Mays es outr' a fremosa, 
A que me quer' eu mayor ben ; 
E moiro m' eu ])ola freira. 
Mais non pola de Nogueú-a. 

I Non est a de Nogueira 
A fi'eii'a, ond' eu ey amor ; 
Mays es outra fremosa 
A que me quer' eu muy meUor; 
E moii'0 m' eu pola freira, 
Mais non pola de Nogueira. 

[ Se eu a freii'a visse o dia, 

O dia que eu quisesse, 
i Non á coita no mundo 

Nen mingua, que ouvesse; 

E moiro m' eu pola freira. 

Mais non pola de Nogueira. 

Se m' ela mi amasse 
Muy gran dereito faria, 
Ca Ue quer' eu muy gran ben; 
E puil' y mais cada dia; 
E moiro m' eu pola freira. 
Mais non pola de Nogueira. 



Xon est a de Nogueira 
xV freira, que mi poder teu: 



{Ibidem, n.° 123.) 



n 

A que \\ antr' as amenas 
Deus como parece ben, 
E mirei-la das arenas 
Des y penado me teu. 
Eu das arenas la mirei 
E des enton senpre penei. 

A que y\ antr' as amenas, 
Deus ! com' á bon semellar, 
E mirei-la das arenas. 
Et des enton me fez penar. 
Eu das arenas la mirei 
E des enton senpre penei. 

Se a non viss' aquel dia. 
Que se fezera de mi? 
Mais quis deus enton, e vi a : 
E nunca tau fremosa \\. 
Eu das ai-enas la mirei 
E des enton sempre penei. 

Se a non viss' aquel dia 
Muito me fora mellor; 
Mais quis deus enton, e ^^ a 
A muy fremosa mia Seiior. 
Eu das ai'enas la mii-ei 
E des enton senpre penei. 



{Ibidem, n.' 124.) 



LVI 



OHKESTOMATHIA HISTÓRICA 



AYRES VAZ 

A dona que eu vi sempre por mal, 
E que me grau coita deu, 
E dá; poila vi, e poss' eu, 
Non me ten, nen me quer valer, 
Non á vej', e non vej' eu 
No mundo doad' eu veja prazer. 

A que me faz viver en tal 
AíFan, e soffi-er tanto mal. 
Que morrerei se me non vai, 
E non quer mia coita creer 
Non á vej', e non vej' eu 
No mundo dond' eu veja prazer. 

A que eu quero mui gran ben 
E que mi assi coitado ten. 
Que non poss' eu, per niun seu. 
Partir me de lie ben querer 
Non á vej', e non vej' eu 
No mundo dond' eu veja prazer. 



{Ibidem, n." 187.) 



PÊRO BARROSO 



Quand' eu mia Sefíor con vosco falei, 
E vos dixe ca vos queria ben, 
Seiíor, se deus me valia, fiz mal sen 
E per como m' end' eu depois achei, 
Ben entendi fremosa mia Sefior, 
Ca vos nunca poderia mayor 

Pesar dizer, mas non pud eu y ai 
Mia Sefior, se deus me valia, fazer, 
E fui vol-o con gran coita dizer ; 
Mas pêro m' eu depois m' ind' achei mal, 
Ben entendi fremosa mia Seàor, 
Ca vos nunca poderia mayor 

Pesar dizer, e mal dia naci, 
Por que vos vi dizer tan gran pesar, 
E por que m' end' eu non pude guardar; 
Ca por quant' eu depois por en perdi, 
Ben entendi fremosa mia Seâor, 
Ca vos nvmca poderia mayor 

Pesai- dizer do que vos dix enton. 
Mais se menti, ja deus non me perdon. 



u 



Por deus Seôor tan gran sazon 
Non cuidei eu a desejar 
Vosso ben, a vosso pesar, 
E vedes Seôor que non: 
Ca non cuidei sen voso ben 



Tanto \aver, 



per 



nulla ren. 



{Ibidem, n." 231.) 



Non ar cuidei des que vos vi 
O que vos agora direi, 
Mui gran coita, que por vos ei, 
Soífrel-a quanto a soífii: 
Ca non cuidei sen voso ben 
Tanto viver, per nulla ren. 

Non ar cuidei depois d' amor 
A soífrer seu ben, nen seu mal, 
Nen de vós nem de deus, nen d' ai, 
E direi vos por que Seiíor, 
Ca non cuidei sen vosso ben 
Tanto viver, per nulla ren. 



{Ibidem, n." 232.) 



AFFONSO LOPES BAYAO 



Seiior que gi-av' oj' a mi é 
De me aver de vós a partir ; 
Ca sei de pran, pois m' eu partir 
Que mi averrá, per boa fé : 
Averei, se deus me perdon, 
Gran coita no meu coraçon. 

E pois partir os ollos meus 
De vós, que eu quero gran ben, 
E vos non viren, sei eu ben 
Que mi averrá Sefior, par deus, 
Averei, se deus me perdon, 
Gran coita no meu coraçon. 

E se deus m' algun ben non der 
De vós, que eu por mal vi, 
Tan grave dia vos eu vi. 
Se de vós grado non ouver, 
Averei, se deus me perdon, 
Gran coita no meu coraçon. 



{Ibidem., n.° 233.) 



11 



i 



O meu Seuor me guisou 
De sempr' eu já coita soífrer 



DA LIKGUA PORTUGTJEZA 



Lvn 



En quanto no mundo viver, 
U m' el a tal dona mostrou 
Que me fez filiar por Sefior, 
E non ir ouso dizer Seôor. 

E se deus ouvo gran prazer 
De me fazer coita levar, 
Que ben s' end' el soube guisar 
U me fez tal dona veer. 
Que me fez filiar por Seàor, 
E non 11' ouso dizer Seiior. 

Se m' eu a deus mal mereci, 
Non vos quiz el muito tardar, 
Que se non quisese vingar 
De mi u eu tal dona vi. 
Que me fez filiar por Senor, 
E non ir ouso dizer Seiior. 



{Ibidem, n." 234.) 



JÍEM RODRIGUES TENÓRIO 



co?'açon, 

Gran dereito faç', e mui gran razon, 
Seiior, ca nunca outra dona \\ 
Tan mansa, nen tan aposto catar, 
Nen tan fremosa, nen tan ben talar, 

Come vós, Seôor, e pois assi é. 
Mui gran dereito faç' en vos querer 
Mui gran ben, ca nunca pude veer 
Outra dona, Seôor, per boa fé, 
Tan mansa, nen tan aposto catar, 
Nen tan fremosa, nen tan ben falar, 

Come vós, por quen cedo moirerei; 
Pêro dii'ei vos ante ua ren : 
Dereito faç' en vos querer gran ben, 
Ca nunca dona vi, nen veerei, 
Tan mansa, nen tan aposto catar 
Nen tan fremosa, nen tan ben falar. 



{Ibidem, n." 235.) 



n 



Quando m' eu nuii triste de mia Seôor, 
Mui fremosa, sen meu grado quitei, 
E s' ela foi, mesquiôo eu fiquei; 



i| Nunca me vali' a min nostro Seôor, 
I Se eu cuidasse que tanto vivera. 
Sen a veer, se ante non morrera. 

Ali u eu dela quitei os meus 
OUos, e me dela triste parti. 
Se cuidasse viver quanto vivi. 
Sen a veer, nunca me valia deus, 
Se eu cuidasse que tanto vivera. 
Sen a veer, se ante non morrera. 

Ali u m' eu dela quitei, mas non 
Cuidei que tanto podesse viver 
Como vi^^, sen a poder veer. 
Ca nostro Seôor nunca me perdon 
Se eu cuidasse que tanto vivera. 
Sen a veer, se ante non morrera. 



{Ibidem, n." 236.) 



JOÃO DE GUILHADE 



Amigos, non poss' eu negar 
A gi'an coita que d' amor ei, 
Ca me vejo sandeu andar 
E con sandece o direi : 
Os ollos verdes que eu \\ 
Me facen or' andar assi. • 

Pêro quem quer xe entendera 
Aquestes ollos quales son, 
E desto alguen se queixara. 
Mais eu já, quer moira, quer non. 
Os ollos verdes que eu vi 
^le facen or' andar assi. 

Pêro non devia perder 
Orne que já o sen non á. 
De con sandece ren dizer, 
E con sandece dig' eu já: 
Os ollos verdes que eu vi 
Me facen or' andar assi. 



{Ibidem, n.' 237.) 



n 



— Seôor, veedes me morrer, 
Desejando o vosso ben, 
E vos non doêdes por en, 
Nen vos queredes en doer. 



Lvm. 

— Meu amig', en quant' eu viver, 
Nunca vos eu farei amor, 

Per que faça o meu peor. 

— Mia Seiior, por deus que vos fez, 
Que me non leixedes assi 
Morrer, e vos faredes y 

Gran mesura, con muy bon prez 
Direi vol' amig' outra vez: 

— Meu amig', en quant' eu viver. 
Nunca vos eu farei amor, 

Per que faça o meu peor. 

— Mia Sefior, que deus vos perdon; 
Nenbre vos quant' affan levei 

Por vós, ca por vós morrerei, 
E forçad' esse coraçon. 

— Meu amig', ar direi que non. 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



{Ibidem, n." 238.) 



III 



U m' eu parti, d' u m' eu parti 

Log' eu parti 
Aquestes ollos ^ de veer, 

E par deus 
Quanto ben avia, perdi; 
Ca meu ben tod' era 'n veer. 
E mais vos ar quero diser: 
Pêro vejo nunca ar vi. 

Ca non vej' eu, pêro vej' eu 
Quanto vej' eu non m' é mal ren; 
Ca perdi o lume pot-eu, 
Por que non veja quen me deu 
Esta coita que oj' eu ey. 
Que já mais nunca veerei, 
Se non vir o parecer seu. 

Ca ja ceguei, quando ceguei, 
De pran ceguei eu, log' enton, 
E ja deus nunca me perdon. 
Se ben vejo, neu se ben sei ; 
Pêro se me deus ajudar, 
E me cedo quiser tornar, 
U eu ben vi, ben veerei. ^ 



{Ibidem, n." 239.) 



IV 



A boa dona por que eu trobava, 
E que non dava nuUa ren por mi, 
Pêro s' ela de min ren non pagava, 
Soffrendo coita senpre a servi, 
E ora já por ella 'nsandeci ; 
E dá por mi ben quanto x' ante dava. 

' Vamh. meus oUos. 



E pero x' ela con bon prez estava, 
E con bon parecer que lie eu vi, 
E He sempre con meu trobar pesava, 
Trobei eu tanto, e tant' a servi, 
Que já por ela lum' e sen perdi, 
E anda x' ela por qual x' ant' andava 

Por de bon prez, e muito se presava, 
E dereit' é de sempr' andar assi. 
Ca se 11' alguen na mia coita falava. 
Sol non oya, nen tornava y ; 
Pero por coita grande que sofiPi-i, 
Oy mais ey dela quanto aver coidava: 

Sandece e morte, que busquei sempre y: 
Seu amor me deu quanto eu buscava. 



{Ibidem, n." 240.) 



Amigos, quero vos dizer 
A mui gran coit' an que me ten 
Uma dona que quero ben, 
E que me faz ensandecer, 
E catando pola veer, 
Assi and' eu, assi and' eu, 
Assi and' eu, assi and' eu. 

E já meu consello non sei; 
Ca já o meu adubad' é, 
E sei mui ben, per boa fé. 
Que já sempr' assi andarei 
Catando se a veerei. 
Assi and' eu, assi and' eu, 
Assi and' eu, assi and' eu. 

E já eu non jjosso chorar, 
Ca já cborand' ensandeci, 
E faz mi amor andar assi. 
Como me veedes andar. 
Catando per cada logar, 
Assi and' eu, assi and' eu, 
Assi and' eu, assi and' eu. 

E já o non posso negar : 
Alguen me faz assi andar. 



{Ibidem, n," 241.) 



VI 



Quantos an gran coita d' amor 
En o mundo, qual oj' eu ei, 
Querrian morrer, eu o sei, 
E averian eu sabor; 



DA língua portugueza 



LIX 



Mais mentr' eu vos viv mia Seflor, 
Sempre m' eu querria vÍA'er 
E atender, e atender. 

Pêro já non posso guarir, 
Ca já cegan os ollos meus 
Por vós, e non me vai y deus, 
Nen vós, mais por vos não mentir, 
En quant' eu vos mia Seiior ^dr. 
Sempre m eu queria viver 
E atender, e atender. 

E tefio que fazen mal sen 
Quantos d' amor coitados son 
De querer sa mort', e se non 
Ouveron nunca d' amor ben 
Com' eu faço, Sefior, e poren 
Sempre m' eu querria viver 
E atender, e atender. 



{Ibidem, n." 242.) 



VII 



Gran sazon á que eu morrera já. 
Por mia Sefior, desejando seu ben; 
Mas ar direi vos o que me deten 
Que non per moir', e direi vol-o já: 
Falan me d'er, e ar vou a veer. 
Já quanto esto me faz já viver. 

E esta coit' an que eu viv' assi, 
Nunca en parte soube mia Seiior, 
E vou Advend' a gran pesar d' amor, 
E dii-ei já por quanto viv' assi: 
Falan me dei', e ar vou a veer, 
Já quanto esto me faz já viver. 

Non viv' eu já se per aquesto non: 
Ouç' eu as gentes no seu ben falar, 
E ven amor logo por me matar, 
E non guaresco, se per esto non: 
Falan me d'er, e ai- vou a veer 
Já quanto esto me faz já viver; 

E viverei mentre poder Anver, 
Ca pois por ela me ei a morrer. 



{Ibidem, n.' 243.) 



Anonymos 



Que muitos que a mi andan preguntando 
Qual es la dona que quero gran ben. 
Se é Joana, se Sancha, se quen, 
Se Maria, mais eu tan coitad' ando, 
Cuidand' en úa destas três que vi. 
Polo meu mal, que sol non lies tom' y, 
Nen lies falo, se non de quand' en quando. 

E vou me d' antr' as gentes alongando 

Por tal que me non pergunten poren. 

Per boa fé, ca non por outra ren, 

E van m' elas a meu pesar chamando, 

E preguntando m' apesar de mi 

Qual est a dona que me faz assi 

Por si andar en gran coit' an que ando. 

E faço m' eu delas maravillado. 
Pois m' y no an consello de poner. 
Por que morreu tan muito por saber 
A dona por que ando coitado, 
Non lie la digo por esta razon 
Ca por dizer 1' assi deus me perdon, 
Non mi poran consello, mal pecado. 

Poren tod' ome devi' acordado, 
Que sen ouvesse, d' aquest' a seer. 
De nunca iv tal pregunta fazer ; 
Ca per que eu seria castigado. 
Castigar s' en pelo seu corazou, 
Qual per assi non quisesse que non 
Disess' a outre nunca per seu grado. 

E elas van me gran pesar dizer 
No que Ues nunca prol no á d" aver 
Per que destorvau min de meu coidado. 
]\Iail-o que vai tul pregunta fazer 
Deu-lo leixe moller gran ben querer, 
E que ar seja d' outre prcguntado. 



{Ibidem, u.' 213.) 



n 



De vós Seflor quema eu saber. 
Pois desejades mia mort' aver, 
E eu non moir' e querria morrer. 
Que me digades que farei eu y. 



LX 



CHKESTOMATHIA HISTÓRICA 



Con mia morte me seria gran beu, 
Porque sei ca vos prazeria en, 
E pois non moiro vèn' a vós poreu, 
Que me digades que farei eu y. 

Por mia morte que vos vi desejar, 

Rog' eu a deus sempr', e non mi a quer dar, 

E veilo vos, mia Seiior perguntar : 

Que me digades que farei eu y. 

Por mia morte roguei deus e amor, 
E non mi a dan, por me fazer peor 
Estar convosqu', e ven' a vós Seôor: 
Que me digades que farei eu y. 

{Ibidem, n.° 259.) 



lU 



De quantas cousas en o mundo son, 
Non vej' eu ben qual pod' ensemellar 
Al Rey de Castella e de Leon, 
Seuon úa qual vos direi: o mar. 
O mar semella muit' aqueste Rey, 
E d'aqui endeante vos direi 
En quales cousas, segundo razon. 

O mar dá muit', e creede que non 
Se pod' o mundo sen el governar, 
E pode muit' e teii (?) tal coraçon 
Que o non pode ren apoderar-; 
Des y ar é (?) temudo, que noa sei 
Quen o nou tema, e contar vos ey 
Ainda mais ; e judga me enton. 

En o mar cabe quant' y quer caber 
E manten muitos, e outros y á; 
Que x' ar quebranta e que faz morrer 
Enxerdados, e outros a que dá 
Grandes herdades e muit' outro ben. 
E tod' esto que vos cuucto aven 
Al Rey, se o soberdes conocer. 

E da mansedume vos quero dizer 
Do mar: nou á cont' e nunca será 
Bravo, nen safiudo, se U' o fazer 
Outro non fezer, e soffrer vos á 
Toda las cousas ; mais se en desden, 
Ou per ventma algun loco len, 
Con gran tormenta o fará morrer. 

Estas máfias, segundo u meu sen, 
Que o mar á, á el Rey. E por en 
Se semellan, quen o ben entender. 



LIVRO DE LINHAGENS 



COLLEGIO DOS NOBRES 



(^eg-iiiicia. metatie cio secxxlo IXI^V) 



{Ibidem, n." 286.) 



OESCRIPÇÃO DA BATALHA DO SALADO 

E aquel mouro alcarac, polo que já vira no ordi- 
nhamento das lides que faziam os cavaleiros ospitale- 
res que sempre fazÍ9.m a az do curral, temendose que os 
cristãaos fezessem este ordinhameuto da az do curral, 
ordinhou estas duas aazes de coinha pêra a fenderem. 
A az de curral he redonda como moo e a sa natura be 
de defender os que alá estam e pêra sairem d'ela a li- 
dar, quando comprir. E é feita d'asperooes cbantaados 
nas astas uo campo, e teem os esperoes ferros de três 
quadras; estam os ferros conrra os que querem entrai* 
aquel cor?'al, e o corral he aborbotado d'escudos qua- 
drados. Este ordinhameuto fazem os cavaleiros do espi- 
tal n'aquela conquista que eles an con os mouros, por- 
que eles levam galees e osxees em que levam seus cava- 
los en aquel logar, hu ariba fazeui estes cuiraaes por 
guarda das galees e dos ouxees e por se colherem hy os 
cavaleiros que vam correr pela turquia, se veerem com 
grande ^ aíicamento que ache hy defensom, ca sem- 
pre eles lé\ xam en estes cuij-aaês gram parte de cava- 
leiros, e como se hi todos juntam, os corí'edores, e as 
algaras, saem todos juntamente d'eles em mogotes e 
d'eles em aazes longas e d'eles em aazes de coinha e 
lidam com o poder dos turcos. E alcarac por esto 
se moveo a fazer este ordiuhamento d'estas aazes. E 
fez a az do curral pêra refrescar gentes aa lide e pê- 
ra se colherem hi os mal chagados e pêra sairem to- 
dos a lidar juntamente, se comprisse, e os que perdes- 
sem os cavalos pêra cobrarem hi outros. E assi esta- 
vam os campos e vales e montanhas cubertas d'eles 
que os mais dos christaáos que hy foram tiinham que 
tanta cavalaria de mouros nam podia aver em toda 
africa, nem eu asya, e muytos pensaron que deus mos- 
trava esto aos clmstaãos porque Ihis quebrantasse os 
corações e Ihis acoymar os seos pecados. Outros tii- 
nham que, porque os mouros sào gxandes estrologos 
que faziam parecença de fantasmas domes de cavalo, 
e nom eram tantos como pareciam. Estavam tam fre- 
mosamente ordinhados pêra lidar que bem era de pen- 
sar que, posto que todos espanhoes, francezes e alemães 
e ingreses ah estevesem, que averiam lides pêra viii 



' Orig. gann. Eiro do copisla, evidenlemeute, pois um sic do editor mostra que 
provém do manuscripto. 



DA língua PORTUGUEZA 



LXI 



dias. Os Reis cristaàos ouverom seu acordo que fosem 
partidos em duas ptutes. El Rei de castelã pela riba 
do mar, El Rei de portugal per antre as montanhas e 
o campo. E ordiuliai-om e defenderem que nenhuuns 
nom se apartasem a pelegar nem jugasem geneta e 
que todos fosem ferii* nas mavores azes a manteuen- 
te. Os Reis partiromse ali e huum foi a destro e o ou- 
tro a seestro. E el Rei dom afomso de portugal era 
de grandes feitos, e quanto mais olhava poios moui-os 
tanto Ihi mais e mais crecia e esforçava o coraçom 
como home que era de grandes dias e tiinha que deus 
Ihi fizera gram mercee en o chegar áquel tempo hu 
podia fazer emmenda de seus pecados por salvaçom 
de sa alma e receber morte por ihesu christo. El, de 
todo boom contenente, faloua h com os seus e disselhis 
asi: — « Meus natm-aes e meus vasalos sabedes bem en 
como esta terra da espanha foy perduda por Rei Ro- 
drigo e ganhada pelos moui-os, e en como outra vez en- 
trou almonçor, e en como os vossos avoos, d'onde des- 
cendedes, por gram seu trabalho e por mortes e lazeiras 
ganharom o reino de portugal, en como el Rei dom 
afomso anrequiz, com que a eles guanharom, Ihis deu 
onras e coutos e liberdades e~contias porque \dvesem 
honrados, e nom tam solamente fez esto a eles, mais 
por a sua om-a dava os maravedis aos íilhos que ja- 
ziam nos berços e os padi-es serviam por eles, e en como 
os Reis que depôs el veeram aguardarem esto. Eu, de- 
pois que viini a este logo, fiz aquelo que estes Reis fe- 
zerom, e se algvmia cousa hy á pêra emendar eu o co- 
regerei se me deus d'aqui tira. Olhade por estes mou- 
i-os que vos querem guanhar a espanha de que dizem 
que estam forçados e oje este dia a entendem de co- 
brai* se nós nom formos vencedores. Poede en vosos 
corações de husardes do que husarom aqueles d'onde i 
viides como nom percades vosas molheres nem vosos 
filhos e o en que am de viver aqueles que depois vós 
veherem, os que hy morerem e viverem seeram salvos 
e nomeados pêra sempre » . Os fidalgos portugueses Ihi 
responderem: — t Senhor es que aqui estam oje este 
dia vos faram vencer ou hy todos prenderemos morte » . 
El Rei foy deste muy ledo. Disse dom alvare gonsalvez 
de pereyra prior da ordem da cavalada de san jhoan 
no Reino de portugal que fezesse mostrar a vera cruz 
do marmelai' que Ihi el mandara trager, e o priel dom 
alvare de pereira mandou vestir huum crerigo de missa 
em vestimentas alvas e a vera cruz em huma asta gran- 
de que a podesem veer de todas partes e fez o crerigo 
cavalgai" em huum muu muyto alvo cavallo (?), e trou- 
xe a vera cruz ant el Rei, e dixelhi o priel dom ai varo: 
— Senhor vedes aqui a vera craz, oradea e poede em 
ela feuza e pedidelhi que aquel que prendeu morte e 
payxom em ela por vos salvar, que vos faça vencedor 
destes que som centra a sua fé. E nom dultedes que 
pela sua vertude, e por os boos fidalgos vossos uatu- 
raaes que aqui teedes avedes de vencer estas lides, e 
vós avedes de vencer primero » . El Rei e aqueles que 



cem el estauam foram muy ledos e esforçados destas 
palavras do priol deni alvare e dixerom : — « Assi o com- 
pra jhesu christo. 1 E fezerom sua eraçom á vera cruz 
mu\"to omildosamente. Alcai-ac, o turco, ■vao como se 
partiam os cristaàos ; mandou dizer ah álbofaçem que 
os cristaàos eram partidos em duas partes, e ha huma 
queria entrar pela cesta das montanhas pêra darem 
na caga, e que este saber que os cristaàos faziam que 
bem cuydava ordinhai- que fosse a seu dane d'eles. E 
que el fezese sa lide com os que yam pela riba de 
mar ca el em pequena era venceria aqueles christaàos 
e seeriam lego cem el a ferk na caga daqueles que 
com el lidasem. Mandou alcarac Reis e Infantes e ou- 
tros altos homees acometer es cristaàos com ametade 
dos XXXII magotes dos genetes e arqueiros mui riga- 
meníe, os huuns na deanteií-a e os outros pelas costa- 
neiras, e os outros na caga; ah se volveo a lide dos 
Reis christaàos e dos mouros muy danosa e muy crua 
e sem piedade. Os mom-os eram muyto esforçados e 
feridores de todas as partes. Aos huuns davam aza- 
gayadas, ós outros de lançadas a mantenente e ós ou- 
tros a espadadas e ós outros de frechadas d'ai-cos tor- 
quies (?) que eram tam espessas que tolhiam o sol. Ah 
cayam cavaUeires e cavales mortos da huma e da ou- 
tra parte, ali vyamse, (?) cavalos sem senhores andai- sol- 
tos, e os cavaleiros que eram em ten-a filhavamse pelos 
lazes das capehuas e dos bacinetes e davamse das bro- 
chas que as peíuham da outra pai'te. Os portugue- 
ses andavam per a Hde ferindo e derribando e diziam 
huuns centra outi-os: — «Senhores este he e nose dia em 
que avemos d'escrai'ecer, e este he o dia da vitoria e da 
hom-a dos fidalgos. Este he o dia da salvaçom de nossas 
molheres e filhes e d'aqueles que de nós descenderem. 
E este he o dia em que avemos semelhar nossos avoos 
que ganhai-em a espanha. Este he o dia da salvaçom 
das nosas almas. Nom se perca oje per nosa fraque- 
za ; feiramolos de toda crueldade » . O esforço era muy 
grande em eles, e faiiiam tam bem e tam ygual que todo 
home que es viesse sofrer e ferir e matar em seus 
emmiigos que os nom louvase de todo prez e hom-a de 
cavalaiia. Os mouros nom se Ihis ohndava aquelo por- 
que ah veeram, ca eles refrescavam cada vez dos ma- 
gotes que estavam folgados e feriam os portugueeses 
a destro e a seestro a.ssi que o aficamento era tamanho 
de todas partes que home nom poderia mostrar. Os 
portugueeses forem feru" nas nu aazes dobradas, a^-si 
como Ihis fora mandado pelos reis. Esto Ihis foy grave 
de fazer pelo aficamento grande dos magotes. Ah se 
renovou a lide muv dorida de crueza e de sanha ; ah 
sesmalhavam fortes lorigas e britavam e especeavam e 
talhavam escudos capiliuas bacinetes per os gnmdes 
e duros golpes que se davam. As chagas eram muy- 
tas de que se vertia muyta sangue. Os portugueeses 
asi forem durando e sofrendo sa batalha em tal préísa 
e coita come envides, mais todo seu trabalho nom Ihis 
vaha rem, porque hu tiinhain míd treitos os mom*os, 



Lxn 



GHRESTOMATHIA fflSTORICA 



refrescavam-se cada vez dos que estavam folgados. 
Aquela hora foy irada de coita e de pressa aos que es- 
tavam em tal batalha, ca a sa coita dos christaàos era 
tam grande com o gram trabalho que haviam que home 
nom o poderia coutar. Con toda esta pressa seu feito d'e- 
les era averem maãos e lingua, esforçandose huuns a ou- 
tros dizendo : « Senhores nenbradevos como jhesu chris- 
to recebeu morte por nos salvar; esto devemos nós fa- 
zer por el todos : prender morte oje dia por salvar a sa 
fé. E os que morrei-mos oje seeremos com el no seu 
reino celestial hu ha moradas tam nobres que se nom 
podem dizer por linguas. Os que daquy sayrmos see- 
remos louvados d'onra de victoria de prez de bondade 
de toda a cristaidade que estam em gram coyta e tor- 
menta com muytas lagrimas por sas faces, esperando 
que por nós e por os nobles cavaleiros de castella see- 
ram oje salvos». Estando em este aficaniento qual ou- 
vides os nembros com que aviam de ferir Ihis enfra- 
queciam assi que os nom podiam reger senom muy 
gravemente. As vozes d'eles eram bayxas e tam mu- 
dadas que se non entendiam huuns a outros, como 
aqueles que começaram a lide a ora de prima e esta- 
vam passante meyo dia. Os mouros refrescavamse cada 
vez mays e mais dos que estavam folgados. E os gri- 
tos d'eles e das trombas e anaíiis e d'altancaros e ata- 
vaques e gaitas assi reteniam que parecia que as mon- 
tanhas se areygavam de todas partes. Esta hora foy 
aos cristaãos d'escoridooe, d'amargura, de gimidos. È 
diziam contra jhesu christo : — «Senhor, porque entraste 
no ventre da virgem Maria e naceste d'ella e foy vir- 
gem ante parto e depois parto ; Senhor, porque te prou- 
ve de receber morte por salvaçom dos christaàos; Se- 
nhor porque resurglste ao tercer dia a tirar os que ja- 
ziam en trevas e em coita ; Senhor, porque nos mos- 
traste caminho de salvaçom pelos sagramentos que nos 
diste ; Senhor, porque nos mostraste em como fezese- 
mos egrejas em que te louvasemos e seguisemos, jDois 
de todo esto oje faleces a toda a cristaidade?» Estan- ! 
do os cristaãos em esta pressa e coita e aveutuira, sen 
esperança, chegarom três cavaleiros ao priol dom alva- 
ro de pereira e disseromlhi : — "Senhor, que fazedes? os 
cristaãos estam en perdiçom, assi como veedes, si deus 
hi nom pom outra salvaçom; as azes de coinha e do 
corral e cinque mogotes estam folgados e nom he cou- 
sa que como veerem a lidar que os possades sofrer. A ' 
vera cruz nom teedes aqui ! » O priol foi desto mui coi- , 
tado polo que el disera a el Rey dom afomso que por 1 
a bem aventurada santa vera cruz avia de vencer pri- 
meu-o. E disse a gram voz: — «Ai deus, podermiades 
dizer hu ficou ? » E os cavaleiros llii disseron : — « Senhor, 
si, ca nós vimos ficar o crerigo empeste vale » 



E os X mil cavaleiros d'alaraves da huma aaz da coi- 
nha que estavam folgados entrarem per antre os chris- 
taãs e fenderonnos, que os huuns partii-om a huma par- 



te e os outros aa outra; ali se renovou a Hde muyto 
aficada, assi que as muyto alvas lorigas e as ervas do 
campo eram naquel logar coloradas d'el. Os cristaãos 
eram tam fora de força por o gram trabalho que re- 
ceberom aquel dia e por o muyto sangue que perde- 
rom que os nembros nom podiam reger ; pêro os seus 
corações eram tam fortes e esforçados em fazer o que 
cada huum podia que bem he d'entender os fez estre- 
mados em beldade de cavalaria, sobrelas gentes do 
mundo, pêra o seu nome per eles aver de ser louva- 
do. Quem poderia contar quanto mal sofrerom e ou- 
veron aquela ora cristaãos ? Estando em esta pressa e 
esta coita chegou o cavaleiro que foy em busca da 
vera cruz com seus três criados bem armados eles e 
seus cavalos e tragia a vera cruz antre seus braços 
em grande asta, e os três cavaleú'OS ant el e hu viiam 
a mayor espessura dos mouros ali entrava com a vera 
cruz 

que estavam já muyto esmahados por a força que per- 
derom olharom por ela e vironna andar antre os mou- 
ros, e logo en si sentuon que a graça de deus era com 
eles porque se acharom aquela ora valentes e esforça- 
dos come en começo da lide, e disserom a grandes vo- 
zes : — «Senhor jhesu christo louvado he o teu nome ca 
assi praz a ti. Senhor piadoso, que acoD-es a quem te 
praz, mantemnos em estas forças que nos deste, ca oje 
o teu nome será espargudo e nomeado antre todas as 
gentes do mundo». Ah se mudou a aventura que es- 
tava de choro e de lagrimas e de gran lastima e 
amargura a toda a christaidade e tornôse em toda li- 
dice e em todo goyvo. Os cristaãos seguiron a vera 
cruz per hu ya. Os nii mogotes dos nu mil cavaleiros 
que estavam folgados pêra prender os cristaãos, como 
vos já ei mostrado, virom que os cristaãos yam pêra 
mal, e que a az da coynha andava destroiudo em eles, 
pensarem que a lide era fiida e os cristaãos vençudos ; 
veerom ferir em eles, a lançar nuiyto aficadamente sas 
azagayas pêra os prender, dando grandes algaridos e 
poendo sas espadas de toda sa força, e diziam a gran- 
des vozes: — « Cativos cativos. » Mays todo esto nom Ihis 
vaJia rem, ca os cristaãos crecialhis mays e mais as for- 
ças ; entendiam que andavam cobertos da graça da ve- 
ra cruz, em que tragiam os olhos, e andavam per a lide 
den-ibando e matando e estroindo a sa voontade, como 
fidalgos que estavam muy mazelados de muyto mal 
que passarem, e andavam per a hde como leões bravos ; 
as espadas que tragiam eram muyto alvas, ali se tor- 
nai-om veiTuelhas com sangue, e corria pelos manipu- 
les delas lorigas ataa os cotovelos, pelos muy grandes 
golpes que se ah faziam. Os mouros ^^irom que seu 
feito ya pêra mal de todo ; disserom que seu mafomede 
nom a^-ia poder pêra os defender. Ali começarom de 
fugir e gram parte deles pêra a aaz do cor?'al que estava 
contra a ribeua do mar, que ainda estava folgada. Aqui 
se compriu o que disse o priol dom alvaro de pereira a 



DA língua PORTUGUEZA 



Lxm 



el Rei dom afonso que el pela santa vera cruz e peloa 
nobres fidalgos avia de vencer primeiro. 

Os castellaàos onveram sa contenda grande com 
os mouros em passar a ribeira do salado, que era em 
riba do mar. Esto durou gram dia antre eles porque 
as azes dos mouros se refrescavam e hy mor?'eo gran- 
des gentes. Mais porque os castellaàos eram boÔs ca- 
valeúos ouveromnos de forçai- e passai-om a ribeira. 
Ali foi a lide tam grande antre eles que todo home 
que os \'isse, cavaleiros castellaàos, bem poderia dizer 
que melhores cavaleiros nom avia no mundo. Os mou- 
ros se refrescavam mais e mais, e porque viinham fol- 
gados feriamnos de toda força. E estando em esta 
pressa os mouros virom em como os da sa ley eram 
vençudos por os portugueeses, e em como os já se- 
guiam ; dultarom que se mais durassem na lide que os 
portugueeses Ihi dariam nas costas, e começarom de 
fugir ; pêro esto nom lhes valeo muyto, ca os portu- 
gueeses Ihis sairom adeante. Ali foy a morte d'eles 
grande, porque os castellaàos os levavam em encalço 
e hyam ferindo e derribando em eles. El Rei almofa- 
cem quando vyo os seus savr do campo disse muyto 
alta voz, os olhos contra o ceo:— «Ay deos poderoso, 
ay deos vencedor, porque desamparasti este velho, coy- 
tado de pressa, de mezquidade, coberto de mingua, de 
vergonha sobre todolos Reis do mimdo? Ay velho, oje 
perdiste o teu nome que avyas em toda eyropa, em 
toda afi-ica e em asia. » Lançaua as maãos da barva, 
que tinha muy longa e caã e mesavaa toda e dava 
grandes feridas em seu rosti'o. En aquel tempo che- 
gou alcarac a el e diselhi : — «Senhor esto nom vos com- 
pre, porque quando a sanha e a yra de deos vem hu 
lhe praz todolos conselhos e saberes nom valem rem. 
Ydevos á az do cur?'al que eu mandei que vos guardas- 
sem e per ela chegaredes a aliazií-a em salvo e partire- 
des vossa morte, que está muyto acerca, ca poderá seer 
que desmanharam os cavaleiros que em ela estam e 
nom vos atenderam.» Dise el Rei almafacem: — «dime 
que cavaleiros teens em ela. » Respondeu-lhi alcarac: — 
«Senhor eles forom xiiii mil em começo e mandey eu 
os V mil em refrescamento das lides, quando vi que to- 
dalas algazunas eram já a lidar e tardavam que nom 
venciam e assi ficarom ix mil.» Dise el Rei: — « dime 
alcarac eses ix mil que dizes que íicarom soom bons ca- 
valeiros?» — «Si senhor, dise alcarac, ca eles todos som 
alarabes. » Dise el Rei: — «Alcarac sabe que as costula- 
çoões do ceo se mudam muy toste segundo o cor?'imen- 
to do ceo das pranetas, e as boõas ventuiras e as maas 
d'estas costidaçôes nacem pelo poderio que Ihis deos 
ordinhou. E se ora ouvemos maa costalaçom avelae- 
mos boõa. Pastes cristaãos vêem desacaudelhados e 
tecm que já nom podemos tornar a eles ; segueme al- 
carac e nom me desempares e tornemos aa lide. » En* 
esto entrou antre estes ix mil cavaleiros e tornou o 
rostro contra hu vilnhími os cristaàos, e disse a grandes 
vozes; — «Senhores nenbrevos que eu sò o vosso Rei 



almafacen, aventurado e vencedor de todalas lides que 
fiz, sabedes que eu venci e sojoguey os Reis de sojoro- 
meça e de tremecem, e as grandes gentes dos alai-a- 
ves e passei as montanhas e corri todalas arêas e a 
gram terra de puscoa e de almadia; sabedes que a es- 
panha foy de vosos avoos; estes cristaàos pér?'os que 
vola teem forçada nom pai^ecerom oje en canpo xiu 
mil cavaleii'os, e muytos d'eles som mortos e som fora 
de força por o gram trabalho que oje ouverom; nom 
percades as famas de bondades de cavaleria que sem- 
pre ouvestes e os filhos e as filhas e as molheres fre- 
mosas e as grandes requezas que aqui trouvestes. » E 
disse muyto alta voz: — «Mafomede, mafomede, nom 
desampares os teus.» Deu das esporas ao cavalo muy 
rijamente contra os cristaàos, que yam por seu encal- 
ço, e disse «Marim, marim, que eu sô o Rei almofacem 
vencedor de todo o que cometi. » E indo a todo o seu 
poder pêra ferir da espada, dom alcarac, o turco, e o 
Infante bazayne, seu filho d'el Rey, encalçaronno e fi- 
Iharonno pela rédea do cavalo e diseromlhi : — «Senhor, 
uon he oje o dia voso, avedevos por preso, ca nom 
quei-emos que aqui moú-ades, porque se os cristaàos 
em vós topam assi, como todos vêem em tropel, nom 
avedes defensem. » Alcarac entregou el Rei aaquel In- 
fante seu filho e a XX cavaleu-os e mandou que se fos- 
sem indo com el em meyo da az do coral. Alcarac fi- 
cou na caga com dous mU cavaleiros os milhores qixe 
achou na az do corral e colhia assi todolos mom'OS que 
viinham desbai"atados e enviavaos adeante a aza do 
corral e yase muyto a passo com grande airoído d'ata- 
vaques e dauafiis, e os cristaàos que yam per o encalço 
que em el topavam, afastavaos de si, fazendo sas espo- 
roadas contra eles mu\" fremosamente. assi que todos 
aqueles que em el topavam nom guanhai"om com el 
prez. Assi foy defendendo sua caga que todos os que 
se colherom á az do corral foron en salvo. 

Alcarac depois que entendeu que a az do corral era 
em salvo dise a el Rei albofacem: — «senhor, senhor, 
nom filhedes tresteza nem esmahedes ca tempo avere- 
despera filhardes vingança. » Diso el Rei: — «Nom pode 
filhar vingança o que com pesar mor?'e ; eu a esta morte 
nom posso escapar por a nobre cavalaria que perdi, que 
eu aporei antre as gentes d'africa e d'asya, e me tu pren- 
diste em tempo ([ue ainda eu poderá vingar e cobrar 
mea onra. E por mais pouco talhei eu poucos dias ha 
as cabeças aos que forom com o infante abomelique 
meu filho en a lide que fez com os andaluzes porque 
nom morreram com el. » Respondeulhi alcaiac : — «se- 
nhor se tu a mim talhas a cabeça, eu nom recibo gram 
perda, porque a mea \'ilhice he grande e tenho pouco de 
viver. E mais me praz da morte ca veer eu a tua que 
oje noms e poderá escusar. » Disse el Rei : — «Como sa- 
bes tu que eu recebera morte?» Disse el : — «Senhor, si, 
porque eu vi cousas estranhas e tam maravilhosas que 
por homces nom se poderia pensai-. > — «Que cousjis to- 
romesas tam estranhas? disse el Reidizedemo. > Respon- 



LXIV 



CHRESTOMATniA HISTÓRICA 



deu alcarac, disse: — « Senhor, eu andando partindo e 
refrescando cavaleiros en as lides liu entendia que fa- 
ziam mester, vy iin mil cavaleiros portngueeses fazer 
por guanliar prez e honra de cavalaria sobre todolos 
que eu vy e ouvy falar ; ca a huma meya légua das 
aazes tendudas os mandei cometer pela deanteyra e 
costaneyras e caga ha oito mil cavaleiros de genetes 
e d'arqueiros, e bem tiinha que aqueles acabariam a 
lide a gram pressa e que como fossem vençudos que 
logo vos acorressem com todalas outras gentes que es- 
tavam antre as montanhas e o campo ; e eles en lidan- 
do com estes viii mil viinham quanto podiron e feri- 
rom nas mi azes tendudas. E porque estas iiii azes 
eram d'estremados cavaleiros, tirei afora dos viii mil 
mogotes que ali veerom os v mil pêra volos mandar. 
E vy estes portogueeses asi revolver a lide e feru- 
tam estranhamente que semelavam diabos do inferno. 
Estes V mil que tirei afora, e seis mil que tinha folga- 
dos todolos mandei cometer. A lide era tam dura e 
tamiespessa dos muitos que nós éramos, que parecia 
que os cristãos non podiam já reger os nembros. E 
por a lide aver de viir mais aginha acabamento, por 
acor?'er a vós, mandei a az da coinha que estava naquel 
direito que ferissem em eles. E como esta aaz da coi- 
nha entrou antre eles, partios os huuns a huma parte 
e os outros aa outra, e com o gram aíicamento que 
Ihis fezerom vyos tam cansados, eles e os cavalos, como 
quer que Ihis os corações nom falecessem, que mandei 
por os nii mil mogotes, que da primeira posera, pêra os 
matar e cativar. E quisera-os poer com eles pêra os 
estroyr e vrme pêra vós com toda a outra companha. 
Estando asi desbaratados, como vos mostro, entrou per 
antre os vosos huum gram cavaleiro antresinado de 

sobresinaes vermelhos, el e o cavalo de 

prata. E tragia em sas mãos huma muy fremosa e 
grande asta, en cima dela huma cruz, que esprandecia 
como o sol e lançava de si rayos de fogo. Esta foi 
mazelada de coita de door e de pressa d'escorodoe a 
todas vosas gentes, ca en como nos foi mostrada, essa ! 
ora forom os portugueeses em toda sa força, e segui- 
rom aquel cavaleiro por hu ya. Os cavaleiros eram 
tam vivos e tam esforçados e os cavalos tam ligeiros 
que hu queria chegar e ferir logo hi eram. Os golpes 
d'eles eram taaes que o poynham sas espadas nom 
avyahy mais mester meestre. Éramos os que lidávamos 
com eles xxxvui mil, em pequena ora nom sarom (?) 
do campo xii mil, os quaes os cristaãos yam seguindo e 
destroindo alen da gram montanha que estava en cima 
de nós, quando quiserades tornar a lidar. E, porque, se- 
nhor, eu vy estas cousas todas, temendo-me se fossedes 
lidar assi como quiserades, que veeíisem os portugueeses 
da outra parte a que vós nom podei-ades aver defensom, 
metivos em poder de vosso filho. E se eu eiTei aqui tee- 
des meu corpo fazede como vos prouver. » Diso el Rei 
almofacem: — «Alcarac, nom poso creer taaes cousas 
como me dizes ca som contra natm-a, quatro mil cava- 



leiros manteer lide a tantos e tam boos como os meus 
eram ! En acabamento per. huum paao averem de ven- 
cer ! » Respondeu alcarac : — « Senlior, nom dovidedes 
na verdade, e ainda mais sabede que como aquel ca- 
valeiro pareceu com aquela grande asta en o cabeço 
que estava acima donde lidavades á vista dos vossos 
que logo a esa ora forom vençudos, e deus vos quis bem 
porque nom deceu a fondo, ca sy asi acontecera, fora- 
des perdudo vós e a az do coral. E ainda mais sabede 
que os cavaleiros pareciam grandes gigantes e os ca- 
valos mayores que grandes camelos. E se dovidades 
desto perguntade estes cavaleiros muytos que aqui es- 
tam que passarom todo. » E os caualeiros diserom que 
aquela era a verdade. Disse el Rei albofaceiíi: — «Alca- 
rac, asolvote esa cabeça porque veeste de longas teiTas 
a meu sei'%'iço com gram poder de cavalaria que oje per- 
diste. » Nembrouse el Rey albofacem de sas molheres 
e de seus filhos e da cavalaria e donas e donzelas e 
aver sen conta qvie trouvera pêra conquerer a espa- 
nha. E deceu de seu cavalo e pos os geolhos en terra 
e o alcoram ante si e os olhos ao ceo, e disse a gram voz 
que o ouvyam todos: — «Senhor, deus poderoso do ceo 
e da terra, e nom ay outro sinon tu soo, Senhor deus, 
que per ti foy escrito este alcoram que deste a mafo- 
mede, teu mesejeyro, que nos mostrase por el a nossa 
vivenda e o serviço que te aviamos de fazer, porque 
desemparaste e moviste mea nobreza, mea honra que 
eu avia sobrelos Reis d'africa! Senhor, porque desem- 
pai"aste o meu senhorio, que era temido ^ e guardado e 
todos meus Reinos e províncias e principados! Se- 
nhor porque desemptiraste a mea boa ventura que 
sempre por ti ouve em todalas lides que fiz ! E 
porque desemperasti meus filhos que me escusavam 
nas fazendas que eram já melhores que mim, e a mea 
nobre cavaleria, que eu avia provada em muytas fa- 
zendas, e partiste de mim meãs molheres e meãs fi- 
lhas, que eu muyto amava sobre todalas cousas! E se- 
nhor, por se esto perder por alguum pecado que tu tees 
que te eu fiz, non ouveras tu por que estroyr tam altas 
donas e donzelas de sangue e tam alta fremosura e me- 
terias em poder dos cristaãos ! Ora me farás viver em 
pressa, em coita, em tresteza, em pesar, peçote, pois eu 
tanto mal recebi, que me des conselho e esforço como eu 
esto possa vingar. » O seu doo e sa manzela e coyta era 
tam grande que todos aqueles que o virom ouverom 
por estranho como aquela ora nom morreo. E o porque 
se mais manzelava si era por a lide que Ihi partira alca- 
rac e o infante boçaynne seu filho quando o prenderem 
ca el hi quisera morrer logo em aquela hora. Ouve con- 
selho com os seus altos homees que Ihi ficarom e fo- 
rom todos em acordo que se passase alem mar a de- 
mandar cavalarias e se viir com elas outra vez sobre 
•a espanha por se vingar. El fezeo assi ; foisse aalem mar 
e juntou cento e xx mil cavaleiros e grande aver que 

' Oriíj. teniedo. 



TA língua PORTUGUEZA 



LXV 



poserom que seeria viii centos e L camelos carega- 
dos d'ouro. Estando em esto veeromlhi mesejeiíos que 
aboemar Rei de tunice e da berberia lhe filhara vi- 
Ihas e castellos e que profanava dei porque fora ven- 
çudo de tam poucos cristaàos. El filhou desto gram sa- 
nha e daqueles cavaleiros que tiinha pêra vir sobrela 
espanha, apartou deles cinquoenta mil dos melhores e 
foi-se a el. E de tremecen hu el era ata hu era el Rei 
aboamar ha melhor de quatrocentas legoas, e fez com 
el sa lide e venceu e filhoulhe o reino de tonixe e 
gram parte da berberia e moreu hy el Re\' aboamar. 
E tornandose albofacem pêra seus reinos com gram 
prazer pêra \nir conquerer a espanha e mandara iá 
gram parte dos seus pêra sas terras pêra os achar fol- 
gados, huum senhor dos alaraves que chamaron anza 
a que el fezera muito deserdamento sobe como viinha 
e ouve seu conselho com os boos daquela terra que 
estavan dei manzelados porque os tinha sojogados e 
per muytos dos seus parentes que Ihi desperecerom 
em esta gram lide de tarifa. Forom em acordo que 
lidasem com el. E juntarom gram campanha e sairom 
a el e vencerono. E ali se perderom todos os seus 
que com el viinham. El Rei albofacem viose malan- 
dante entrou no mar en três galees e 25ortou em huma 
vila sua que chamam almadia, en a vila estavam gen- 
tes do Infante aboanem seu filho que el leyxara en 
seu logar por guarda dos reinos. E aquelas gentes 
pelejarom com el e mataromlhy hum seu filho que 
avia nome o Infante nazar. E vyndose el Rey alíío- 
facem sem ventura com companhas poucas que podo 
aver ca as outras eram já tornadas com seu*filho o 
Infante boanem chegou ao Rio de marce que lie no 
Reyno de sujurumeça que el guanhara. E sayo a el 
este enfante aboenem seu filho e lidou com el e o pa- 
dre foy vençudo. E colhouse aa gram montanha de 
aazayra de que era senhor cecio que el nunca poderá 
conquerer. E cecio Ihi fez hy muyta honra, e viose 
muy desbaratado de todo e dos Reinos e moreu com 
pesar. E asi mostra jhezu christo seus milagres contra 
os que querem yr contra a sa Te. Dos que acharom 
mortos e cativos dos mouros en os campos e serás 
destas grandes lides de tarifa forom lvii mil e trezen- 
tos. 

Aqui nom falamos dos fidalgos castellaãos portu- 
gueeses ca os feitos estremados fezerom poios corpos 
em estas lides, porque todos faziam tam bem e tam 
ygual o que a cada huum perteecia, ca fea cousa se- 
melharia de louvar os huuns e outros nom, e se al- 
guns ouvesem contar as maravilhas e bondades que 
faziam seeria o livro tam grande que os que o Ictsem 
com a grande escritura se anojariam, e os outros de 
que aqui nom falasem ficaiiani reprehendudos. Dês i 
porque este livi-o he de linhagees nom iaz mester do en 
el falar de todo salvo dalgumas cousas maravilhosas 
estremadas em breve que passarom estes liidiagoes. 
Este priol dom alvaro de pereyra que vem deste li- 



nhagem de que falamos ante do começo destas lides, 
foy o que pasou alem mar hu está o gran meestre da 
ordem da cavalaria de san joham do espital com cava- 
leiros e outras gentes mu\ tas pêra a guera que os es- 
pitaleres ham com os tui-cos e com soriaos e bárbaros e 
dale\xadria. E recebeu grande onra do gram meestre 
e de toda a cavalaria porque se ouverom dei por bem 
servidos. El veo daló muy bem-audante e com gi-am 
louvor. Este fez muy tas fortalezas e logares no Reino, 
e foy amado dos portugueses, e jaz em uma capela 
que el fez por o serviço de deos que ha nome santa 
maria de flor de rosa. Aly jazem a redor de seu moy- 
mento os três cavaleiros que se com el criarom, e fo- 
rom com el na busca da vera cruz j^or salvamento da 
fe de jhezu christo e de toda a cristiidade asi como 
avemos mostrado. 

{Port. Man. Histórica Scriptores, tom. i.) 



I_.ÍA7-ro de I_iint».exg-eans 
eittrilDTjiicio £io GoiacielD. lE^edro 



TITULO XXI." 

líelroj' Ramiro (l'oni<lc flosçemdco n sei'açoin dos 
boa» e nobroft ílilalgoM íle Cn^telln e Poringal e 
<9*nlsunH reítoíi que ellc c os» que dollc <lcsçcin<lc- 
rani rexernín. 

Ouve huum rrey em Leom de grandes feitos a 
que chamarom rrey Ramiro, o segumdo, e o porque 
lhe chamarom segumdo foy porque ouve hi outro n-ey 
Ramiro que foy ant'elle ; e outro ouve hi rrey Ramiro 
o terceiro. Este rrey Ramiro, o segumdo, dcsçemdeo 
da linha dereita d'eliTey dom Affomsso o catollico que 
cobrou a terra a moui-os depois que foy perdida por 
rrey Rodrigo como sse mostra no titulo iii dos rreys 
gentiis de Pérsia e dos emperadores de Roma, pan-afo 
VII. Rey Ramiro o segumdo ou\yo foliar da fermusu- 
ra e bomdadcs de huuma moura e em como era d'alto 
samgue e irmãa d'Alboazer Alboçadam, filhos de dom 
Çadam Cada bisneto de rrey Aboali, o que comquereo 
a terra no tempo de rrey Rodrigo. Este Alboazare Al- 
boçadam era senhor de toda a terra dês Gava atáa 
Santarém, e ouve muitas batalhas com christàos e es- 
tremadamcnte com este rrey Ramiro, e rrev Ramiro 
fez com elle grandes amizades por cobrar aquella mou- 
ra que elle muito amava. E foz emfimta que o amava 
muyto, c mandoulhe dizer que o queria veer por se 
aver do conhecer com elle por as amisades seerem 
mais firmes; e Alboazer Alboçadam mandouUie dizer 
que lhe prazia d'ello e que fosse a Gaya e hi se veria 
com el. E rrey Ramiro foisse lá cm três g;\llees com 
fidalgos e pediolho aquella moura que Ília desse e fal- 

9 



LXVI 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



lava cliristua e casaria com ella : e Alboazer Alboça- 
dam lhe rrespondeo: — »tii teeiís molhei- e filhos d'ella 
e éa christão, como podes tu casar duas vezes?» e ell 
lhe disse que verdade era, mais que elle era tauto seu 
parente da rrainha dona Aldora sa molher que a sam- 
ta egreja os parteria. E Alboazar Alboçadamjuroulhe 
por sa ley de Mafomede que lha nom daria por todo o 
rreyno que elle avia, ca a tiinha esposada com rrey 
de Marrocos Este rrey Ramiro trazia luium grande 
astrollogo que avia nome Aaman, e per suas artes ti- 
roua huuma noite d'onde estava e levoua aas galees 
que lii estavam aprestes ; e emtrou rrey Ramiro com 
a moura em huuma galee, e a esto chegou Alboazer 
Alboçadam e alli íby a coutemda gramde antre elles, 
e despereçerom hi dos de rrey Ramii-o xxii dos boons 
que hi levava e da outra campanha muyta. E el le- 
A'Ou a moura a Minhor, depois a Leom e batizoua e 
pôslhe nome Artiga, que queria tanto dizer naquell j 
tempo castigada e ensinada c comprida de todollos | 
beens. Alboazer Alboçadam têve-se por mal viltado 
d'esto e pemsou era como poderia vimgar tall desomr- 
ra; e ouuio fallar cm como a rrainha dona Aldora, mo- 
lher de rrey Ramiro estava em jMinhor; postou sas 
náaos e outras vellas o melhor que pode-e mnis encu- 
bcrto, e íby aaquell logar de 3Iinhor e emtrou a villa 
e filhou a rrainha dona Aldora c mcteoa nas náaos 
com donas e domzellas que hi achou e da outra com- 
panha muita, e veosse ao castello de Gaya que era 
n'aquclle tempo de grandes edifícios e de nobres paa- 
ços. A elrrey Ramiro contarom este feito, e foy em 
tamanha tristeza que foi louco hmms doze dias, e co- 
mo cobrou seii entendimento mamdou por seu filho o í 
iffamte dom Ilordonho e por alguuns de seus vassal- ', 
los, que emtemdeo que eram pêra gram feito, e me- <[ 
teosse com elles em çimquo galees, ca nom pode mais ) 
aver. El nom quis levar galioíes senom aquelles que ' 
emtemdeo que poderiam rreger as galees, e mamdou 1 
aos fidallgos que n-emassem em logar dos galliotes : 
esto fez el porque as galees eram poucas e por hirem j 
mais dos fidallgos e as galees hirem mais apuradas [ 
pêra aquelle mester por que hia. E el cubrio as ga- 
lees de panno verde e emtrou com ellas por Sam Jo- 
hane de Furado que ora chamam sam Johane da í 
Foz. Aquelle logar de huma parte e da outra era a 
rribeira cuberta d'arvores, e as galees encostouas sô 
os rramos d'ellas, e porque eram cubertas de pano 
verde nom pareciam. El deçeo de noite á terra com 
todollos seus e fallou com ho iôamte que sse dei- 
tassem a ssô as arvores o mais encubertamente que 
o fazer podesse e per nenhuma guisa nom sse aba- 
lassem atáa que ornassem a voz do seu corno, e ; 
ouvmidoo que lhe acon-essem a gram pressa. El 
vistiosse em panos de tacanho e siia espada e seu 
lorigom e o corno ssô ssy, e foisse sóo deitar a huuma 
fonte que estava sô o castello de Gava; e esto fazia 
rrey Ramiro por veer a rrainha sa molher pêra aver 



comsselho com ella em como poderia mais comprida- 
mente aver dereyto d'Alboazar Alboçadam e de seus 
filhos e de toda sa campanha, ca tiinha que pello con- 
sselho delia cobraria todo, ca comctenido este feito em 
outra maneyra que poderia escapar Alboazer Alboça- 
dam e seus filhos. E porque elle era de gram coraçam 
puinha em esta guisa seu feito em gram vemtuira : mas 
as cousas que som hordenadas de Deus vêem aaquello 
que a' elle praz e nom assy como os homeens peem- 
sam. Aconteceu assy que Alboazar Alboçadam fora 
correr monte comtra Alaíoôes, e huuma sergente que 
avia nome Perona, naturall de Framça, que levarom 
com a rrainha, servia ant'ela, levamtousse pclla ma- 
nhaà assy como avia de custume de lhe hir poUagua 
pêra as màaos aaquella fonte; achou hi jazer rrey Ra- 
miro e nom no conheçeo, e elle pediolhe per aravia da 
agua por Deus ca sse nom podia d'alli levamtar, e ella 
deulha per huum açeter, e elle meteo huum cama- 
feo na boca, e aquell camafeu avia partido com sa mo- 
lher a rrainha per meatade, e elle deusse a bever e 
deytou o camafeu no açeter, e a sergente foisse e deu 
a agua aa rrainha. E ella vio o camafeo e conheçeo 
logo, e a rrainha preguntou quem achara no caminho, 
e ella rrespondeu que nom achara nemguem, e ella 
lhe disse que mentia e que lho nom negasse e que lhe 
faria bem e merçêe ; e a sergente lhe disse que achara 
hi huum mouro doemte e lazerado e lhe pedira da agua 
qvie bevesse por Deus e que lha dera; e a rrainha lhe 
disse que lhe fosse por elle e o trouvesse emcuberta- 
mente. E a sergente foy lá e disselhe: — «Homem pobre 
a rrainha minha senhora vos mamda chamar, e esto he 
por vosso bem ca ella mandai-á pensar de vós : » e rrey 
Ramu-Q respondeo sô assy «assi o mande Deus.» Foi- 
sse com ella e emtrarom pella porta da camará, e co- 
nheçeo a rrainha e disse: — «Rrey Ramiro que te adusse 
aqui?» E elle lhe rrespondeo: — «O vosso amor» e ella 
lhe disse: — «Veeste morto:» E elle lhe disse: — «peque- 
na maravilha, pois o faço por vosso amor». E ella rres- 
pondeo: — «Nom me ás tu amor, pois d'aqui levaste 
Artiga que mais preças que mim, mas vayte ora pêra 
essa trascamara e escusarmeey d'estas donas e domzellas 
e hirmey logo pêra ti. » A camará era d'aboveda e como 
rrey Ramiro foy dentro fechou ella a j^orta com um gram 
cadeado. E elle jazendo na camará, chegou Alboazer Al- 
boçadam e foysse pêra ssa camará, e a rrainha lhe dis- 
se : — » Se tu aqui tivesses rrey Ramiro que lhe farias? » 
O mouro rrespondeo: — «O que elle faria amim,matalo 
com gramdes tormentos. » E rrey Ramiro ouvia tudo. E 
a rrainha disse: — «Pois senhor, aprestes o teens ca aqui 
estáa em esta trascamara fechado, e ora te podes delle 
vimgar aa tua vontade. » E elrrey Ramiro entendeo 
que era emganado per sa molher e que já d'alli nom 
podia escapar senom per arte alguma, e maginou que 
era tempo de sse ajudar de seu saber, e disse a gram 
alta voz: — «Alboazer Alboçadam, sabe que eu te errey 
mall, mostramdote amizade ; levey da ta casa ta irmàa 



DA LIK6UA PORTUGUEZA 



LXVII 



que nom era da minha ley : eu me confessey este pcc- 
cado a meu abade, e elle me deu em pemdemça que 
me vecsse meter em teu poder o mais viliueute que 
podesse, e se me tu matar quizesses que te pedisse 
que como eu fezera tam gram peccado ante pessoa e 
ante os teus em filhar ta irmàa mostrandote boo amor, 
que bem assy me desses morte em praça vergonhosa. 
E jíor quamto o peccado que eu fiz foy em gramdes 
terras soado que bem assy a minha morte fosse soada 
per huum corno e mostrado a todos os teus. E ora te 
peço, pois de morrer ei, que faças chamar teus filhos 
todos e filhas e teus parentes e as gentes d'esta villa e 
me faças hir a este curral que he de grande ouvida c | 
me ponhas em logar alto e me leixes tanjer meu como 
que trago pêra esto, a tanto atáa que me saya a alma 
do corujo, e em esto filharás vingança de mym, e teus ; 
filhos e parentes averam prazer e a minha alma será 
salva. Esto me nom deves de negar por salvamento 
de minha alma, ca sabes que per ta ley deves salvar 
se poderes as almas de todas as leys. > Esto dizia el 
por fazer viir alli todos seus filhos e j^arentes por se 
vimgar d'elles, ca em outra guisa nom os poderia achar 
em huum, e porque o curral era alto de muros e nom 
avia mais que huxuna porta per lui os seus aviam d'em- 
trai". Alljoazer Alboçadam pemssou no que lhe pedia 
e filhou d'elle piedade e disse contra a rrainha: — «Este 
homem rrcpemdido he de seu ^^eccado, mais ey eu er- 
rado a elle que elle a mym, gram torto faria em o ma- 
tar, pois se pooem em meu poder. » A rrainha rrespon- 
deolhe: — lAlboazer Alboçadaci, fraco de coraçom! eu 
sey quem he rrey Ramiro, e sey de certo se o salvas 
de morte que lhe nom podes escapar que a nom prem- 
das d'elle, ca elle he arteyroso e vingador assy como 
tu sabes. E nom ouviste tu dizer como elle tirou os 
olhos a dom Hordouho, seu irmàao, que era moor ca 
cl de dias, por o deserdai- do rreyno? E nom te acor- 
das quamtas lides ouveste com elle e te vemçeo e te 
matou e cativou muitos boos? e já te esqueceo a força 
que te fez de ta irmàa, e em como eu era sa molher 
me trouveste, que he a moor desomrra que os chris- 
tãaos podem aver? Nom és pêra viver nem pêra nada 
Re te nom vingas; e sse o tu fazes por tua alma por 
aqui a salvas, pois he homem d'outra ley e he em con- 
trayro da tua, c tu dálhe a morte que te pede pois já 
vem conselhado de seu abade, ca gram peccado farias 
se lh'a partisses. » Alboazer Alboçadam olhou o dizer 
da rrainha e disse em seu coraçom: — «De niáa ventura 
he ho homem que sse fia per nenhuuma molher : esta 
he sa molher lídima e tem itíamtes e ilYauitas delle e 
quer sa morte desomrrada ! eu nom ei porque d'ella fii, 
eu alomgalaey de mim. » E pemssou em no que lhe 
dizia a rrainha em como rrey Ramiro era arteyroso e 
vimgador, e rreceousse d'elle se o nom matasse, e man- 
dou chamar todollos que eram uaquelle logar, o disse 
a rrev Ramiro: — «Tuveestc aquicfczeste£!:raniK)ucura, 
ca nos teus paaços poderás iilhar esta peemdemça; e ' 



porque sei se me tu tevesses em teu poder que nom 
escaparia aa morte, eu querote comprir o que me pe- 
des por salvamento de tua alma. j Mamdou tirar da 
camará e levouo ao curral e poello sobre huum gram 
padroni que hi estava, e mamdou que tamgesse seu 
corno a tanto atáa que lhe sahisse o fôlego. E elrrey 
Ramiro lhe pedlo qne fezesse hi estar a rrainha e as 
donas c domzellas e todos seus filhos e seus parentes 
e çidadàaos n'aquell currall e Alboazer Alboçadam 
fezeo assy. E rrey Ramiro tangeo seu corno a todo 
seu poder pêra o ouvirem os seus; e o iffamte dom Or- 
donho seu filho, quamdo ouvio o corno, acorreolhe com 
seus vassallos, e metcromsse pella porta do curral ; e 
ri-ey Ramiro deçeosse do padrani d'omde estava e veo 
comtra o ifiamte ê disselhe: « meu filho, vossa madre 
nom moyra nem as donas e domzellas que com ella 
veerom, e guardadea de cajom ca outra morte mere- 
ce. » Alli tirou a espada da ba\"nha e deu com ella 
Alboazer Alboçadam per cima da cabeça que a fem- 
deo atáa os peitos. Alli morrerom quatro filhos e três fi- 
lhas d'Alboazer Alboçadam e todos os mouros e mouras 
que estavam no currall, e noin ficou em essa vnlla de 
G-aya pedra com pedra que todo nom fosse em terra ; 
e filhou rrey Ramiro sa molher com sas donas e dom- 
zellas c quamto aver achou e meteo nas gallees. E de- 
pois que esto ouve acabado chamou o iffamte seu fi- 
lho e os seus fidallgos c contoulhes todo como lhe 
aveera com a rrainha sa molher, e el que lhe dera a 
vida por fazer delia mais crua justiça na sa terra. Esto 
ouverom todos por estranho de tamanha maldade de 
molher, e ao ifiamte dom Ordonho savrom as lagre- 
mas pelos olhos e disse contra seu padre: — t Senhor, a 
mym nom cabe de fallar em esto porque he minha 
madre, senam tanto que oulhees por vossa homrra. > 
Emtrarom emtom nas gallees e chegarom aa Foz 
d' Ancora e amarrarem sas gallees por folgarem por- 
que aviam muito trabalhado aquelles dias. Alli forom 
dizer a elrrey que a rainha siia choramdo, e elrrey dis- 
se: — «Vaamola vcer. » Foy lá e pergumtoulhe porque 
chorava, e ella rrespomdeo : — t Porque mataste aquelle 
mouro que era melhor que ti. » E o ifiamte disse con- 
tra seu padre: — «Esto he demo, que querees delle que 
pode ser que vos fugirá? » E elrrey mandoua emtom 
amarrai' a huuma móo e lamçalla no mar, e dês aquelle 
tempo lhe chamarom Foz d'Ancora. E por este pecca- 
do que disse o iíYamte dom Ordonho comtra sa madre 
disserom despois as gentes que por esso fora deserda- 
do dos poboos de Castella. Este deserdamento se mos- 
tra mais compridamente uo titullo lU.'' dos rreys gen- 
tiis, e godos parrafo vir. Rey Ramiro foysse a Leom e 
fez sas cortes muv rricas e fallou com os seus de ssa 
terra e mostroulhes as maldades da rraiidia Alda sa 
molher, e que elle avia por bem de casar com dona 
Artiga que era d"alto linhagem. E elles todos a huuma 
voz a louvarom e ho ouverom por bem, porque disse- 
ra por ella o gramde estroUogo Amau que cia era pe- 



Lxvm 



CHKESTOMATHIA HISTÓRICA 



d.r<a jDreçiosa antre as molheies que n'aquelle tempo 
avia: e aimda disse mais, que tanto avia seer boa cliiis- 
tãa que Deus por sua liourra lhe daria geera(,'om de 
lioraeeus boos e de gramdes feitos e aveuiturados em 
bem. 



[Portugal. Mon. Hist. Scrijjtores, tom. 
276.) 



I, pp. 



274- 



I-Iistoriet cio raTestetixieinto 



CAPITULO I 

COMO DEUS CREOU O CEEO E A TERRA 

En começo criou Deus o ceeo, e a terra, con- 
vém a saber, o ceeo empireo, e os angos, e a matéria 
de todolos corpos, e os quatro elementos, convém a 
saber, o fogo, e o aar, e a augua, e a terra, e est mun- 
do, que parece, que lie feito d'eles. 

Mas a terra era vaã e vazia, quer dezer, que a fei- 
tura do mundo era sem proveito e sem fruito, c des- 
apostada. 

E as treevas eram sobre a face do avisso, que hé 
a terra, e a feitura do mundo, que era profunda e es- 
cura, e confim duda. 

E o Spirito do Senhor andava sobre as auguas, 
quer dezer, que a voontade de Deus andava sobela 
matéria do mundo, asi como a voontade do meestre, 
que tem ant si a matéria, de que quer fazer a casa. 

E disse Deus, seja feita a luz, e logo foi feita a 
luz, e vio Deus a luz que era boa, e departiu a luz, e 
as treevas, e pos nome aa luz dia, e aas treevas noit, 
e foi feito véspera e manhaã huu dia. 

CAPITULO II 

OBRA DO SEGUNDO DIA 

E no segundo dia fez Deus o íirmamento en o 
meogoo das augas, convém a saber, huã cobertura 
do mundo feita d'auguas congeladas fort asi como cris- 
tal, e luzente, que contem em si todalas cousas sensi- 
vijs, asi como a cobertura do ovo. Em este íirmamento 
estam ficadas as strelas, e hé chamado íirmamento, 
porque he termo das augas, que estam sobre ele em 
guisa, que o nom podem traspassar. 

Est íirmamento departe as auguas, que som so- 
bre ele, das outras augas, que som só elle, e som asi 
congeladas, asi como o dicto íirmamento asi como cris- 
tal. 



E chamou Deus a est íirmamento ceeo, porque 
cobre todalas cousas, e foi feito véspera e manhaã dia 



segundo. 



CAPITLLO III 



OBRA DO TERCEIRO DIA 



E no terceiro dia ajuntou Deus as augas, que 
eram só o íirmamento, em huu logar, e asi apareceu 
a terra, e asi lhe chamou nostro Senhor, e os ajunta- 
mentos das auguas chamou mares, e viu Deus, que 
era boa cousa, adeu outra obra, e disse : Geere a ter- 
ra; e logo a terra deitou de si herba verde com sua 
sement, e arvor de pomas com seu fruito, segundo sua 
geraçom, e viu Deus que era boa cousa, e foi feito vés- 
pera e manhaã dia terceiro. 

CAPITULO IV 

OBRA DO QUARTO DIA 

E no quarto dia fez Deus os lumieiros, convém a 
saber, o sol, e a lua, e as strellas. O sol, e a lua som 
chamados grandes lumieiros, e quis Deus, que a lua, 
e as strellas alumeassem a noit', e o sol que alumease 
o dia, e que per elles sejam os sinaes, e os tempos, e 
os dias, e os anos, e que desem lume em no íimamen- 
to do ceeo, e alumeasem a terra, e posse-as no firma- 
mento do ceeo, que fezesem departimento antre a luz 
e as trevas. 

CAPITULO V 

DO QUE DEUS FEZ NO QUINTO DIA 

E no quinto dia ornamentou nostro Senhor o aar, 
e as auguas, e deu ao ar as aves, e aa augua pexes, e 
asi os pexes, como as aves, todos forom feitos das au- 
guas; e criou Deus as baleas grandes, e toda alma vi- 
vent, que se muda, que derom as auguas, segundo 
suas species, e toda cousa que vóa, segundo sua ge^- 
raçom, e benzeu-os Deus, e disse: Crescede, e nmlti- 
plicade, e emchede as augas do mar, e as aves sejam 
multiplicadas sobela terra, e feito foi o dia quinto. 

CAPITULO VI 

OBRA DO SEXTO DIA 

E no sexto dia ornamentou Deus a terra. E en- 
tom deu de si a terra trres geeraçoens d'animalhas, 
convém a saber, aquelas, que som pêra comer, e pêra 
fazerem os homeès suas obras, asi como bois, e ove- 
lhas, e asnos, e outrosi as bestas bravas, c os bischos, 
e as serpentes da terra. 



DA LÍNGUA POETUGUEZA 



LXIX 



CAPITULO VII 

COMO DEUS OKIOU O PRIMEIKO HOMEM 

Depois disse nostro . Senhor : Façamos home aa 
nossa ymagem, e A nossa similidoè ; e foi feito o home 
aa ymagem de Deus, quanto a alma. Macho e fêmea 
os criou Deus, e deu Deus ao homem poderio, que 
fosse sobre todalas animalhas, e beenzeu Deus o ho- 
me, e a molher, e disse : Crecede, e nmhiphcade, e en- 
chede a teira, e sojugade-a; e deu Deus ao homem, e 
aas animalhas pêra comer todalas hervas, e os fruitos 
das arvores; e viu Deus todalas cousas, que fezera, e 
eram mui boas, e foi feito véspera e manhaã dia sexto. 

CAPITULO VIU 

% 

DO SÉTIMO DIA 

Em esta guisa forom acabados os ceeos, e a terra, 
e todos seus apostamentos, e acabou. Deus en o dia 
seitimo toda sua obra que fezera, e folgou en o seiti- 
mo dia, e benzeu-o, e santificou-o, joorque em ele ouve 
folgança de toda a sua obra. 

CAPITULO IX 

COMO DEUS ESPÍKOU A ALMA EN O HOMEM 

Foimou nostro Senhor o homem do hmo da ter- 
ra, e inspirou en a face d'ele spiração de vida, e foi 
feito o home em alma vivent', e corpo do home fez 
Deus do limo da terra, c a alma criou de nemigalha, 
e foi feito o homS em idade de baroni tal, que podia 
nom morrer, e podia morrer. 

CAPITULO X 

DO PAEAIZO TEEEEAL 

Plantara nostro Senhor o paraizo do deleito de lo 
começo de criaçom do mundo com arvores, e com her- 
vas. Est paraiso fez Deus en o Ouriente, e hé huu lo- 
gar mui deleitoso, e hé mui alongado per mar, e per 
terra, e mui apartado da morada dos homecs, e hé 
tam alto, que chega ataa a redondeza da lua cm tal 
guisa, que as auguas do deluvio nom chegarom a ele. 
Em este Paraíso posse Deus o hoinu. E fez nacer da 
terra desvairadas arvores en o paraíso com que folga- 
se o home, e se deleitasse em veendo-as, e comesse do 
fruito d'ellas pêra seu mantijmento. E pos Deus en o 
paraiso huà arvor da vida, e outra da Scieucia do bê 



e do mal em meo do paraiso ; e hé chamada arvor de 
vida, porque se o home a meude comesse dela, nunca 
averla emfermidade, nem velhice, nem coita, nem mor- 
reria. Mas o lenho da scieucia do bem e do mal hé asi 
chamado, porque depois que o homS dele comeu, logo 
soube, que cousa era mal, que ant nom sabia, e que 
era o bem da obedeença, que nom sabia. Huà font 
saía pelo paraiso pêra regar os lenhos do paraiso, e 
partia-sse em quatro rios, huú ha nome Fisom, e o ou- 
tro Gyon, e o outro Tigris, e o quarto Eufrates. 

CAPITULO XI 

COMO DEUS POS ADAM NO PAEAISO 

Tomou ergo Deus o homem do lugor hu fora for- 
mado, e pose-o en o paraiso, que obrasse em ele nom 
trabalhando, mas deleitando-se, e tomando prazer, e 
que o guardasse. E mandou-lhe Deus, e disse : de todo 
lenho do paraiso come, mas nom comerás do lenho da 
sciencia do bem e do mal, ca em qualquer hora que o 
comeres, mort morrerás. 

CAPITULO XII 

COMO DEUS CBIOU A PEIMEIRA MOLHER 

Disse Deus : nom he bem que o homem seja soo, 
façamo-lhe ajudoiro semelhavil dei; e pêra nom cuidar 
Adam, que a molher era a el sobeja, teendo que en as 
animalhas da terra averla alguà semelhavil a el, adus- 
se Deus a Adam todalas animalhas da terra, e do aar, 
pêra lhes poer os nomes, e pêra veer que nom avia hi 
tal, que fosse semelhavil a el; e eutom lhes pos nomes 
Adam a todalas animalhas da terra, e aas aves do ceeo, 
e nom foi achado semilhavil ajudoiro a Adam. Entom 
meteu Deus sono em Adam, e dormindo Adan, tomou 
Deus huà costa d"ele, e fezc d'ela molher, e pose-a ant 
Adam, e disse entom Adam: Esto he osso dos meus 
ossos, e carne da minha carne, e posse Adam a sua 
molher nome, e disse: esta será chamada Virago, quer 
dizer feita de barom; por esta leisará o homem o pa- 
dre, e a madre, e aprender-se-á a sua molher, e seram 
dous cm huà carne ; e entom eram ambos nuus, e nom 
aviam vergonça. 

(Inéditos dos séculos XIV e XV, publicados por 
Fr. F. de S. Boaventura, t. ii.) 



LXX 



CHEESTOMATHIA HISTÓRICA 



SÉCULO XV 



GlaroriiceL do Goandesta-lDre 



Como el Eey de castella por a grande pestelença que 
era em seu arrayal, e por mays num poder conti- 
nuar o cerco, se partio de sohrc Lixhoa. 

Estando ainda Nunalvrez cm palmeia depoys da 
hvda d'almada, cl Rey de castella se levantou do cerco 
bonde jazia sobre Lixboõa, e foy posto fogo no arrayal 
e quintaães d'arredor de noyte tam grande, que pare- 
cia que Lixboõa era em fogos acendida, e esto pare- 
cia assy de palmeia. E d'esto foy Nunalvrez muy cuy- 
doso e muyto anojado, cuydando que era feyto alguíí 
engano ou treyçam ao Meestre, qvie em Lixboõa esta- 
va, i)er alguus grades que com elle nom tlnbam bõa 
maneyra. E este nojo llie durou ataa outro dia pcra 
manliaã que o dia foy craro, e Lixboõa pareceo sem 
cajom de fogo e nobrecida como ante parecia. E como 
Nunalvrez soube que el Rey de castella se partya do 
arrayal, e porque lhe foy dito que levava consigo muy- 
tos mortos, e doentes, e entendeo que byrya a alõga 
per o caminho, pos em sua vontade de lhe liir atalhar 
ao caminho, e cõ ajuda de Deos o desbaratar. E logo 
para ello mãdou pidir licença ao Meestre a Lixbõa. E 
o Mestre lhe mandou dizer que todavia o non fezesse', 
mas que lhe rogava que o aguardasse que elle, qvieria 
alló liir, d'esto nom ])i-ouve muyto a Nunalvrez por a 
grande vontade que logo tinha de hyj-, jiero foillie for- 
çado d'aguardar. E porque o Meestre nom vinha tam 
cedo, se foy com certos escudeyros hua noyte a aldeã 
galega. E estando pêra se meter em dous batees pêra 
passar a Lixboa, fallou huu d'aquelles escudeyros as- 
saz vallente, e disse: Senhor Nunalvrez, eu sonhava 
a outra noyte j^fi-ssada como vos parties d'este lugar 
em batees, e que passando pêra antre a frota d'el Rey 
de castella vos prendião, pollo qual cu vos peço por 
mercee que nom partaes. E Nunalvrez lhe respondeo 
que elle ficasse com seu sonho. E nom no quis levar, e 
o escudeiro íicou. E Nunalvrez embarcou, e se metco 
nos batees, e atravessou pella frota d'el Rey de castella 
que jazia d'ante Lixboõa. E em meo da frota mandou 
dar as trompetas, de guisa que fez envarilhar toda a fro- 
ta porque nom sabiam quem era. E todavia foy sua vya, 
e chegou a Lixboõa, e pousou com Joham Vaàz d'al- 
mada, e esteve hy dous dias, e fallou com o Mestre 
alguuas cousas que lhe compriam. Antre as quaes a 
primeira, e principal que o leyxasse hyr a el Rey de 
Castella, como lhe já enviara dizer. E o Meestre lhe 
nom quis dar lugar, dizendo que elle queria alló hyr. 
E por se esta cousa poer assy em tres^jasso, el Rey 



de Castella passou assy seu caminho per tomar. Polia 
qual razom a obra cessou, e Nunalvrez se tornou em 
seus batees pêra palmeia e de palmeia se foy a Setu- 
val, hõde se para elle vierom alguus fidalgos dos que 
com o Mestre esteverom em Lixboõa no cerco. E de 
hy se foy a Évora. 

{Chronica do Condestabre de Portugal Dom Nuno 
Alvrez Pcreyra, cap. xxxvi.) 



LEAL CONSELHEIRO 



i=>. 3i>iLrA.£=5.TjE: 



GAriTOLLO LXX XVII 

DO ENXENPRO DO SPELIIO, MANTA E PANDEIRO 

Pêra se mostrar como per o immiigo somos ten- 
tados a filhar mayor sentido d'alguas cousas que con- 
vém, e d'outras menos que he razom, se conta huu 
enxempro per fegura, como per huii spelho, manta e 
pandeiro muytas engana. Dizem que tenta com spe- 
lho pêra se filhar tam rygo sentido d'algua cousa, per 
que nos quer conduzir, quando continuadamente nos 
apresenta, posto que nom queiramos, renembrança a 
luuis de mulher que amam ou desejam, a outros ri- 
queza que cobiçom, ou de pessoa que lhe fez tal erro, 
que mostra razom de se vvngar, e de cousas que nuiy- 
to temem ou receam para enduzir a tristeza; com taes 
nembramentos se diz tentamos com spelho, porque 
sempre parece que nos traz ante os olhos oa lembran- 
ça do coraçom a figura d'aquella cousa que com dese- 
jo sentido nos faz amar, desejar, temer, ou avorrccer. 

Por quanto tal sentido errado nom se correge 
sem outro virtuoso, nembrondosse os malles que se 
podem seguir das cousas mal feitas, na 2:)resente vyda 
e na que speranios, todo esto com manta se trabalha 
de cobrir, mostrando que nom ha mal, ou nom tanto 
que se deva leixar, e que se nom saberá, nem dos Se- 
nhores por ello recebera pena, e d'outros menos preço 
e vergonha, e de Nosso Senhor com myngua de fe 
nom fez conta, ou diz que he tam mysericordioso que 
por tam pouco nom perdera, e que tempo avera pêra 
se emendar ; e assy cego con tal cubertura llies faz que 
nom vejam, entendam, nem syntam os malles que 
obram, e o que por ello se pode e deve seguyr. 

Com pandeiro se mostra tentar quando as cousas 
que prometia seerem muyto encobertas, com mal e 
perda dos que as fazem, faz descobrir, e os que de 
penas nom som atormentados em desperaçom de todo 



BA LIXGUA POETUGUEZA 



LXXI 



bem os derruba, mosti-andolhes que todos sabem o mal 
que fez, e posto que morem em lagar apartado os de 
todo o mundo pensam que o sabem, os quaaes solla- 
mente o revno donde he nunca ho ouvyrom nomear. O 
qual assy faz acrecentar o sentido como ante per ma- 
ginaçom apouquentava, per tal que desesperado de 
todo bem spiritual e corporal filhe por conselho matar- 
se, ou tome algua ^yda catyva fora de todo bem e 
A"irtude. 

' E porem com estas três joyas se diz per razoada 
figura seermos tentados, e muytos enganados, do que 
nos devemos guardar com a graça de Nosso Senhor 
per ordem contrairá, afigurando as perfeiçoões das vir- 
tudes no spelho, que sempre seja em nosso coraçom, 
e cobrindo a folgança dos malles com a manta, despre- 
zando o soom das vozes d'aquelle3 que nom querem 
nem seguem as obras virtuosas, e soando continuada- 
mente nas orelhas de nosso coraçom as pallavras que 
leermos e ouviirmos, pêra que do mal filhando devida 
contriçom, com satisfaçom e corregimento nos esfor- 
cemos com grande sperança pêra vyvermos sempre 
bem e ledamente. 

E os sabedores, consiirando como já aquv disse 
per outras virtudes speciaes obrarmos nos feitos mais 
perfeitamente, ajudando as principaaes suso scriptas, 
screvem muytas ensynanças pêra nos guardar dos fal- 
lecimentos, que som acerca d'ellas, e per afeiçom ou 
fallecimento nom som bem conhecidos, dos quaes vos 
mando aquy tralladar dous capitullos do dicto livro 
pastoral que fez sam Gregório sobre a virtude da libe- 
raleza, no qual poderees veer maneira per que muvtos 
caaS em pecados e malles poUos nom conhecerem, e 
semelhante som scriptas nom faço mençoom por mais 
sobejo nom prelongar, e no dicto livro e outros seme- 
lhantes muy perfeitamente o poderees veer quando vos 
prazerá. 

Em huu li\To qiie se chama de officiis, que fez 
TuUyo, eu ly da dieta virtude esta pallavra bem de 
notar, scilicet: nenhiâa cousa he feita liberalmente se 
o nom for vu-tuosamente ; e per tal dicto se demostra 
como as virtudes speciaes nom se podem bem jiraticar 
se as quatro pryncipaes suso scritas nom forem razoa- 
damente possuydas. 



GOMES EANNES AZURARA 



Glironica do Gond-e 33. !F*eciro 



CAPITULO I 

Porque a principal parte do meu encarreguo he 
daar coiiita, e razaõ das cousas, que pasam nos tempos 
de minha liydade, ou daquellas, que pasaram tam a 



cerca, de que eu posso aver verdadeiro conhecimento ; 
ca segundo os antigos escrepveram este nome, a sa- 
ber, Chronica, principalmente ouve o seu origem, e 
fundamento de Saturno, que quer dizer Tempo, esto 
porque em Grrego se chama este Planeta Chrono, ou 
Chronos, que sinifica Tempo, assy como no Latim este 
nome quer dizer Tempus, e d'hy se deriva Chronica, 
que quer dizer Istoria, em que se esci-epvem os feitos 
temporaes. Chama-se este Planeta no Latim Saturnus, 
cuja verdadeira interpretação, quer dizer casy Satu- 
rannis, a saber, comprido, ou cheio d'annos. Porem 
he minha intençom com ajuda da Santa Trindade es- 
crepver em este volume os feitos, que se fezeram na 
Cidade de Cepta, depois que primeiramente foi toma- 
da aos ilouros por aquelle Magnânimo Principe ElRey 
Dom Joham. R porque o Filosofo diz, que toda cousa, 
que move outra, move em virtude do primeiro move- 
dor, nom ficará aquelle tam excellente Rey apartado 
de todo da gloria, e louvor, que aquelle Conde, e os 
outros nobres Cavalleiros per força de seus corpos, e 
fortaleza de seus corações naquella Cidade ganharom, 
nem averá pequena parte deste hom-ozo louvor, este 
Rey Dora Aftonso o Quinto em o nome, e duodécimo 
dos Reys, que foram em Portugal, quando consirar co- 
mo aquelle auto he melhor em beneficio, perque as 
cousas sam feitas mais nobres, e as possissoens duram 
em mayor segurança. E porque os possuidores sam 
mais honrados, e de mayor fama; e porque as proprie- 
dades virtuozas, e os poderios dos obradores saõ co- 
nhecidos per as perfeiçoens dos autos, que deUes pro- 
cedem: por certo o auto deste Principe deve ser pêra 
sempre de grande louvor, tanto mayor, quanto se con- 
sirar, que elle antepôz o louvor dos outros á sua pró- 
pria fama, porque quando elle esta Istoria mandou es- 
crej^ver, jaa eram passados a cerca de vinte annos, 
que x'egnava, nos quaes se passaram muy grandes, e 
notáveis feytos, assy acabados por sua própria Pes- 
soa, como por seus servidores, e naturaes por sua or- 
denança, c mandado : e como quer que eu mais quize- 
ra ser, mais ocupado em dar razaõ de seus feitos, que 
dos alheios, principalmente pelas muitas virtudes, que 
sempre nelle conheci, e por ser mais obrigado a elle. que 
a outra alguma pessoa terreal, elle nunca me em ello 
quiz leixar obrar segundo meu dezejo, ante per muitas 
vezes me requereo, e encomendou, que me trabalhasse 
d'ajuntar, e escrepver os ditos feitos principalmente 
por louvor, e gloria daquelle Conde, e dos outros no- 
bres, e virtuosos varoens, que com elle por defensão 
da Santa Fee, e honra da Coroa de Portugal, naquella 
Cidade tam virtuosamente trabalharam. E assy que o 
bom dezejo, e vontade deste Rey D. Affonso foi a prin- 
cipal causa de se esta obra começar, c acabar; e des 
y requerimento de hunia Filha daquelle Conde, que se 
chamava Dona Leonor de Menezes mulher por certo 
virtuosa, e do grande saber, a qual foi casada com 
Dom Fernando Bisneto dElRey Dom Joham, e Filho 



LXXII 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



primogénito do Illustre, e Virtuoso Principe Dom Fer- 
nando, que foi Duque de Bragança, e Marquez de Vil- 
]a Viçosa, Conde de Arraj^ólos, e d'Ourem, c de Bar- 
ccllos, e de Neiva, e Senhor de Chaves, e de Monforte. 
E porque segundo o Fikjsofo o recompensamento do 
ganho deve ser dado a aquelle, que he misteiroso, e o 
recompensamento da honra a aquelle, que he muito 
nobre, e exccllente; devem por certo todos os que vie- 
rem de geraçom deste Conde, assy por via direita, co- 
mo colateral, ser muito obrigados a este Rey, porque 
naõ soomente se contentou de os fazer escrepver em 
nosso próprio vulgar Portuguez, mas ainda os fez tra- 
duzir aa Língua Latina, porque nom soomente os seus 
naturaes ouvessem conhecimento, e saber das grandes 
Cavallarias daquelle Conde, e dos outros que com elle 
concorrerom, mas que ainda fossem manifestos a todo 
conhecimento de toda a Nobreza da Christandade, per 
Mestre Matheus de Pisano, que foi Mestre deste líey 
Dom Affonso, o qual foi Poeta Laureado, e hum dos 
suficientes Filósofos, e (3radores, que em seus dias 
concorreram na Christandade. E como ]\Iicò Chino de 
Pistoya em huma sua Cançõ Moral diga, que se nom 
pôde dar herdade de mayor riqueza, nem joya de 
mayor valor a qualquer nobre, e excellente, que a 
imagem sua pintada de virtudes, na qual como em es- 
pelho, se possa esguardar o lume de seus feitos ante a 
presença de todo-los outros, que depois vierem nos 
tempos da futura idade, nom se devem os da linhagem 
deste Conde, e de todo-los outros, que nos virtuosos 
trabalhos Cavalleirosos, de que este Livro reconta, al- 
guma parte teverem, sentir pouco obrigados aa bon- 
dade deste Rey, como jaa disse : certamente se elle 
naõ fora, todo passara em esquecimento, e naõ soo- 
mente lhe devem ser obrigados aqucstes, por elle com 
tanto cuidado mandar fazer esta Obra, mas ainda todo- 
les Príncipes, que depois da sua idade vierem a pos- 
suir sua herança com todo-los três Estados, que a gover- 
nam, e mantém; primeiramente o Estado Esjiiritual 
pelo grande enzalçamento da Santa Fee, que se pelos 
trabalhos daquelles virtuosos Varões naquella Cidade 
recreceo, e por demostraçamdemuy grandes milagres, 
que o Senhor Deos ^^or muitas vezes ante os olhos hu- 
manos quiz apresentar, em corroboraçam, e confirma- 
çam da sua Santa Fee Catholica; e os Reys, e Prínci- 
pes, assy pela muy grande honra, que per todo o Mun- 
do receberão, como joer o Judicial ajuntamento, que 
podem aver, avendo conhecimento de taes cousas, em 
como os feitos, e obras dos passados, sejam regra, e 
ordenança pêra os que liam de vir; caa vendo-se ho- 
mens como aquelles, por vei-gonha poderáô contar, 
uzarem de menos virtude que os outros; e o Estado 
Comum, porque pêra sempre será gloria, e louvor an- 
tre as outras Naçoens serem possuidores da Cidade, 
cm que tanta honra per tantos tempos per seus ante- 
cessores se adquirio, e gaidiou ; caa como sejam mem- 
bros de Estado Real, uom podem os Grandes, e No- 



bres possuir honra, de que a clles nom venha sua par- 
te, pois todos juntamente fazem corpo, e o todo nom 
possa verdadeiramente possuir perfeição, sem suas p.ar- 
tes; caa por qualquer pequena, que falleça, desfallece 
de seu verdadeiro comprimento. 

{Inéditos de Historia portugueza, publ. pela Aca- 
demia das Sciencias de Lisboa.) 



OPÚSCULOS 



DO 



IDou-tor F^nr. Joêto detaro 



MONGE DE ALCOBAÇA 



Senhor, meu Deos, pura limpeza, como reconta- 
rey mjnhas vilezas ante ti? Temo, e tremo com multi- 
dom delias, e a ti, mjnna saúde, non as ouso confes- 
sar ; pêro conheço, que de todo es sabedor, vergo- 
nha embarga mjnha palavra, e non ouso descubrir o 
que tu melhor sabes. P]sforça-te pois, meu coraçom, 
e o que non temeste fazer e dizer pêra teu dampna- 
mento, confessa-o pêra tua salvaçom. Confesso-me a 
ti, meu Deos, que sobre todos mandas ser amado, que 
muyto menos eu a ti amey. Amores de quantos ao teu 
avancey, e por non desprezar a elles anogey a ti cm 
muy tas maneiras 1 A honra a ti devida dey aas cousas 
terreaes, e mais a meu corpo, que menos merecia. Com 
pouca reverença estava nos sanctos lugares, e com pou- 
co temor em tua presença. O teu sancto nome en vaaõ 
tomey tam muytas vezes, que lhe non sey conto. En 
juras mentideyras te nomehey, e em palavras vaãs por 
jogo trouxe teu nome. Os dias stremados, as tuas so- 
lemnjdades despendi em prazeres a ti nojos. Minha al- 
ma, e meu corpo em elles obrarom e fezeram obrar o 
que tu defendes. Non esguardes. Senhor, sobre tantos 
pecados com sanha, mas no sêo da tua piedade acnem 
perdoança. Glorificarei a ti Senhor, etc. 

Contra teus mandamentos. Senhor, gravemente 
errey, e a ley tua, meu Deos, nom foe de mjm guar- 
dada. 

Muytas vezes te anogey, meu Deos, com minhas 
obras, e agora me he forçado de te enfadar com a 
toi'peza de mjnhas palavras. Mas aas tuas orelhas 
adoçadas de melodia dos Anjos, o arroydo de meus 
gemidos constrangido ofereço. Non foe a mjm assaz 
os mandados, que a ti pertencem, traspsssar, mas 
os que guardam meus próximos, de todo desprezey. 



DA LlNaUA PORTUGUEZA 



Lxxm 



De amar meus próximos, come mjm meesmo, tive 
por escanilio, e muvtos delles muyto desamey. Meu 
padre e madre non foram de mjm lionrrados, que muy- 
to mereciam aver melhor filho; mas eu coytado, cn 
que nenhuum bem cabe, per teu mandado, nem per 
sua bondade non fuv movido a os bem servir. De quan- 
tos matara per obra e vontade, quem sabe o conto tam 
bem come ti? E se fuy guardado de mais non matar, 
tu, que o aazaste, mereces o louvor. Que te direy mais 
de mjnha malicia, qua me non ])esar quanto deve da 
morte dos que muyto amo? Quem aos que ama non 
he piedoso, cruu deve ser aos que desama. Dos bens 
deste mundo me deste assaz, e eu non leyxey de to- 
mar dos que menos tinham. Poderia pelo meu alguiis 
governar, e eu a muytos tirava sua governança. Glo- 
rificarey a ti. Senhor, etc. 

Xon prezando teus mandados, obrev malicias 
contra ti. Senhor; mas com a tua grande piedade so- 
porta meus errores. 

Como me presentarey ante tua Magestade, meu 
Deos, e ante tua presença como parecerey? Carre- 
gado de pecados, os meus olhos non ouso a ti le- 
vantar, e ençujado de malicias envergonhado estou 
ante ti. Per auctos luxuriosos mjnha alma entorpi- 
ci, e de cuydados carnaes foe tan carreda, que non 
podia tornar a ti per acorrimento. Quantas vezes non 
requerido me acorreste, e pesavame, porque desaaza- 
vas os cumprimentos de mjnhas maas vonfades. De 
mentuas e falsos testemunhos mjnha boca, e mjnha 
vida muyto foram compridas. O vaaõ mentir, Senhor, 
non poderia seer contado, e ainda o malicioso e enga- 
noso mentir sempre foe em grani multidom. As mo- 
Iheres alheas foram de mjm cobijçadas, e lembrando- 
me que o defendes, non cessava de as desejar. Quaes 
foram as boas cousas alheas, que eu non desegey, e 
se as aver poderá; que por ti as leixára? As que non 
ouve contra direyto, tu as tolheste, e muvto contra 
nnnlia vontade ficaram as que eu non cobrey. Glori- 
íicarey, etc. 

Tanta multidam de pecados non embargue tua 
misericórdia, meu Deos, porque se julgares sem pieda- 
de, quem será justificado ante ti? Os erros passados 
me perdoa, Senhor, e sempre me guarda de fazer ou- 
tros. A tua piedade, glorioso Deos, snporte meus er- 
ros, e emende mjnha vida. Deos Padre todo poderoso 
me benza, e seja sempre misericordioso. Amen. 

De tua ensinança. Senhor, aprendi prlmente seer 
necessário a todo pecador aver Icmbramcnto de seus 
pecados, e dos leud)rados aver conhecimento quanto 
peca, e contra quem, e sem esto nenhuma confissora 
pode seer acabada. E que farey cu, meu Deos, conhe- 
cedor de mjnhas malicias, pois tu conheces, que eu 
as non conheço, qua a delectaçom me trouxe usança, 
e a usança desprezo, c o desprezo esquecimento, qua 
cuydando na folgança do pecado esqueci quanto erra- 
va em peccando, pois que remédio acharei a mjnhas 



enfermidades, se a ti, meu físico, non conto meus pa- 
decimentos. Conto e confesso antre todos, que me non 
lembro quanto devo, nem como devo, mas bem conhe- 
ço, que muyto errey, o quanto menos som lembrado, 
tanto mais entendo, que o vicioso assombramento es- 
curentou mynha alma que a non leixou veer em que 
te desaprouve. Conheço ainda, que fuy desobediente 
a ti, que es meu Senhor e Criador, ingrato a ti, meu 
bemfeytor e remijdor, e peço-te que o conhecimento, 
que a mjm falece, me outorgues pêra saber quanto a 
ti errey, e sabendoo me reprender, e arreprendido me 
guardar dos pensamentos e feitos, que a ti som en 
desprezar. Senhor, amercea-te de mjm. Deo grafias. 

Non te obedeci, nem temi, meu Deos, a c[uem 
temem os poderios dos Angios, e obedece a simpleza 
das l)rutas ereaturas, e com sandia fouteza, sem es- 
guardamento passey teus mandados; porém, Senhor, 
cay em esquecimento a mym muyto dampnoso, e com 
sandia fouteza sem esguardamento passey teus man- 
dados. 

Jesu Cheisto, nosso Salvador, beenze e ajuda a 
mjm pecador. Amen. 

Depois da lembrança e conhecimento dos peca- 
dos, verdadeiro arrejDrendimento he mester a quem 
perfeyta coníissom ha de fazer, e entom he perfeyta, 
quando ao desprazer dos eri-os he junto firme propoi- 
mento de non tornar a elles, nem a outros, e o des- 
prazimento seer asi essencial, e penoso como as maas 
obras de grande diligencia e deleytaçom foram com- 
pridas, esto seendo acomjjanhado de certa sperança 
en ti Nosso Creador : bem sey, e tu o diseste, que non 
desprezas o coraçom assy aparelhado; mas bem vejo, 
Senhor, que muyto acerca he o meu coraçom de seer 
engeytado de ti por sua tibieza, tibio e morno he, pêro 
mais fthegado a congelamento de freura, qua dos pe- 
cados, en que eu cay, non recebe derretimento de com- 
paixam; e como te amercearás tu de mjm, se eu non 
sento, quo hey mester merece? Qua morto, e sem sen- 
tido som, minguado de toda a contriçom? Se anojo 
meu terreal amigo, mais anojado fico, porque o ano- 
gey, e anojando ti, non sento nojo. que sobre todos 
nojos devia sentir, pois onde charaarev acommento? 
Eu ti. Senhor, que npn faleces aos que te chamam, 
cliamo-te eu. Senhor, em mjnha ajuda, e humildosa- 
mente te peço, que me dês a sentir tal door de meus 
peccados, per que escape aa dorida pena eternal dos 
infernos, e a muy forte temporal do Purgatório seja 
amansada. Senhor, amercea-te de mjm. Deo grafias. 

{Inéditos dos scculos XJV e XV, publ. por Fr. 
Fortunato de S. lioavcntura, tom. i, 175-179.) 



10 



LXXIV 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



TEXTOS COMPARADOS 



I 

3E\egrret <3.e S. IBento 
SÉCULO XII? 



CÓDICE DE ALCOBAÇA 



CAPITULO I 

DAS GERAÇÕES DOS MONGES 

Conlmçuda cousa he quatro geeraçoens seer dos 
Monges. A primeira dos cenobarcas, aqiiesto é, dos do 
moesteyro, batalhantes so regra, ou so abbade. Desen- 
de o segundo linagem é dos anacoretas assi é dos er- 
mitaens, que non per fervor de noviço de conversa- 
çom, mais per probaçom perlongada do Moesteyro, 
depeenderom de companheyros, de muytos já ensina- 
dos na lide contra o diaboo e bem insinados da ger- 
mavndade a singular batalha do ermo ja seguros sem 
conforto d'outro, de soo mão, ou de soo braço contra 
os viços da carne, ou das cuidaçoens, Deus ajudante, 
abastam lidar. Mays o terceyro linagem muyto span- 
toso dos monges Sarabaitas, que de nenliua regra 
provados per provamento de maestre, assi como ouro 
na fornalha, mays moles in natura de chumbo ainda 
servintes aas obras do segre per fé, som conheçudas 
a Deus mentir por o cercyího ; os quaes dous, ou três, 
ou a certos senlheyros sem pastor, nem nos curraes de 
nostro Senhor mays nos seus, per ley a eles é dado a 
voontade dos dezejos, como algua cuydareiB, ou esco- 
lherem, aquesto dizem Sancto, e o que non quiserem, 
aquelo non cuidam convir. Mays o quarto linagem dos 
Monges é o qual é nomeado ffirovago, que toda sa vi- 
da per desvairadas províncias, per três ou quatro dias, 
per desvay radas celas son ospedados sempre vagos, e 
nunqua estavis, e servintes aas próprias vontades, e 
a furteza da garganta, e per todalas cousas muy peo- 
res dos Sarabaitas. Da muy mesquina conversaçom de 
todos estes melhor é calar ca de fallar. Ergo aquestes 
leixados ao muy forte linagem dos Cenobarcas a des- 
poer, ajudante nostro Senhor, venhamos. 

(Inéditos dos séculos XIV e XV, publ. por Fr. 
Fortunato de S. Boaventura, tom. i.) 



SÉCULO XV 



CÓDICE DE PAÇO DE SOUSA 



CAPITULO I 

DAS GERAÇÕES, E VIDA DOS MÕGES 

Manifesto he seerem quatro as geeraçoões dos 
monges das quaes a primeira se chama dos cenobitas 
que som aquelles que vivem nos moesteiros sob regra 
e sob abbade. A segunda he dos hereraitas. E estes 
som os heremitaães os quaaes nom ja cõ fervor de no- 
va cõverssom, mas provados no moesteiro perlonga- 
damète, aprenderõ cõ ajuda e exemplo de muytos a 
pugnar cõtra o diaboo e assy bem inssinados sentin- 
dosse abastantes passos perssy côtrariar aas tèptaçoões 
se saãe dant' as aazes dos irmaãos. E se vaão ao her- 
mo para elles soos averem de viver, sem outra com- 
panhia soomente cõ aajuda de deus. A terceira e muy- 
to maa geraçom de monges se cliama de sarabactas os 
quaes non vivem sub algiía regra aprovada. E estes 
assy como o ouro metido na fornaça som tornados mo- 
les a maneira de chumljo, qu' andando ainda as obras 
do mundo que deverC de renúciar per sua fé e profes- 
som, mentem a deus. E somente pella tonsura sõ co- 
nliecidos por monges. Estes taaes doos, e doos, e três 
e três e ainda soos som nutridos nõ ja no curral e 
claustra do Seftor, mas emterrados em seos propiios 
lugares aa sua voontade e como lhes praz sem regra, 
e sem abbade tem por ley cõprir toda a delectaç.om de 
sua vontade avendo por boõ e por santo aquello que 
lhes praz e que lhes bem parece. E o que nõ querem 
e lhes avorrece aquello entendem que nõ he bem nS 
lhes pertence de o fazerem. A quarta geraçom de mon- 
ges he dos girovagos. Aquestes taaes nuca tee vida 
estável mas andando per desvairadas provenciaas três 
e quatro dias e em cellas alheas se colhem sempre va- 
gucjando mudavees e nuca estavees servindo aas pró- 
prias delectações e desejos da gula. Mais dissolutos e 
puros que os sarabactas de cuja muy mesquinha vida 
e maa cõverssaçon melhor he callar que de a contar 
mais pelo nieudo. Porem todos leyxados venhamos 
cõ aajuda de deus a fallar da primeira e mais forte 
geeração que he dos Cenobitas que vivem nos moes- 
teiros ^. 

' A Iraducrão da Regra de S. Bento por Fr. João Alvares, abbade commenda- 
tario do musleiro de Paço de Sousa, no século xv, foi por cllo mandada rora va- 
rias pastoraes e outras traduci.òes de alguns sermões de Santo Agostinho, que tudo 
se achava em um vol. de 4.» em pergaminho, ao precioso archivo d'aquellc niosiciro. 
O fragmento que publicamos pela primeira vez achamol-o em cópia entre vários raa- 
nuscriptos do celebre João Pedro Ribeiro. 



DA língua POETUGUEZA 



LXXV 



SÉCULO XVI 



TRADUCCÃO DE FR. THOMAZ DO SÚCCORllO 



CAPITULO I 



DE QUATKO MANEIRAS DE MONJES 

Cousa clara he, que hai quati-o maneiras de mon- 
jas : A primeira dos Cenobitas, que quer dizer, dos que 
estão em Mosteiro, os quaes vivem debaixo de Regra, 
e Abbade. A segunda dos Anacboretas, que sào os er- 
mitãos, os quaes não per novo fervor de sua conver- 
são, senão por larga experiecia, e como bem ensina- 
dos em o Mosteiro, aprederam em a companhia de 
muitos a pelejar contra o demónio : e assi depois de 
bem exercitados, saem do exercito de seus irmãos, á 
pai-ticular batalha do ermo, e como ja seguros, sem 
favor de outro com só sua mão, ou braço, (ajudandoos 
Deos) podem pelejar cõtra os vicios da carne, ou de 
seus pensamentos. A terceira maneira de mõges lie 
muy abominável, e estes são os Sarabaitas, os quaes 
não sendo aprovados por algúa regra, nem pola expe- 
riência, que he a verdadeira mestra como se prova o 
ouro em a fragoa, antes derretendo-se a maneira de 
chumbo, guiirdando fé ao mundo em suas obras, se 
conhece, que mente a Deos com a coroa: os quaes vi- 
vendo de dous em dous, ou de três em três, por ven- 
tura, soos, e sem pastor, cada hum por si, encerrados, 
não em os curraes do Senhor, senão em os seus pró- 
prios, tem por ley o deleite de seus desejos, dizendo 
ser santo tudo o que elles escolhem, e tendo isso por 
bom, hão que não he licito o de que não levão gosto. 
A quarta maneira de monjes he a dos que se chamão 
girovagos, os quaes toda sua vida andão por diversas 
provincias, fazendose hospedes de três, em três dias, 
ou de quatro em quatro em diversos Mosteiros, sem- 
pre vagabundos, e nunca quietos, servindo a seus gos- 
tos, e aos deleites da gula, peiores em tudo que os 
Sarabaitas, de cuja muy miserável conversação, mi- 
Ihor he calar, que falar. Deixados pois estes, tornemos 
a falar do nniy forte género de monjes, que se cha- 
mão Cenobitas. 

[Regra do ylorioso patriarcha S. Bento, tirada de 
latim em portuguez, por P. Fr. Thomaz do 
Soccorro, Coimbra, 2." ed. 1632.) 



II 



.A.ctos dos .A-piostolos 



SÉCULO XIV 



CAPITULO I 

DE COMO S. MATHIAS FQY EMLEGUDO POR APOSTOLO 

15. Em um daquelles dias (jue foy antre acen- 
son e o pentecoste, estando todollos dicijpolos ajuntados 
em no Cenáculo, diz Sam Lucas o Evangelista tio Li- 
vro do feyto dos Apóstolos, que se levantou Sam Pedro 
em meo daquelles dicipolos, que eram chamados ir- 
maãons, e eraõ per todos em aquella companha perto 
de cento e vijnte homees, e disse : 

16. Baroens Irmaãos, convém que seja comprida 
a Escritura, que ante dise o Spiritu Sancto pela boca 
de David o 2^^'ophefa, de Judas que foy cabedel dos 
que prenderem Jesu. 

17. E foy contado antre nós, e recebeo sorte da- 
queste noso oficio. 

18. E aqueste manteve o canpo do galardom da 
maldade, e enforcou-se, e quebrou per mêo, e cspar- 
gerom-se as sas entradanhas. 

19. E foy cousa conheçuda a todollos, que mo- 
ravam em Jerusalém, que chamassem a aquel campo 
em sa linguagem Acheldemach, que quer tanto dizer 
come campo de sangue. 

20. E sahede que deste Judas he escrito em no 
livro dos Psalmos — A sa Casa seja deserta, e non seja 
nem huum dos seus que more em ela, e o seu Bispa- 
do dele receba-o outrem. 

21. e 22. Pois convém que enlegamos alguum 
outro que seja comnosco testimunha da rcsurecçom 
de Jesu Christo, e ha mester que seja daquestes 
que forom comnosco em todo aquel tempo, que Je- 
su Christo entrou c sayo antre nós des o começo do 
baptismo de Sam Joham ataa o dia, que sobyo aos 
Ceeos. 

23. E enlogcrom dous, o huum foy Joseph, o 
que foy chamado Barsaba, c por sobre nome Justo, e 
o outro Matinas. 

24. E.de si orarom todos e diserom: Tu, Senhor, 
que conheceste os coraçocns dos homees, mostra-nos 
qual escolisti daquestes ambos. 

25. Que recebese o logar daqueste oficio dapos- 
tolo onde usou mal Judas, por tal que fosse ao infer- 
no que era o seu logar. 

26. Entonce deitarom sortes sobre aquellcs am- 
bos, e caeo a sorte sobre Mathias, e foy coutada em 
nos onze Apóstolos. 



LXXVI 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



CAPITULO II 



DE COMO FOE ENVIADO O SPIRITU SANCTO SOBKE 
OS APÓSTOLOS O DIA DE PENTECO.STE 

1. Des que se compriroin os cinqoenta dias que 
á des Paschua de Resureicom ataa Pentecoste, sijam 
todollos Apoí^tolos chegados emsenbra em aquel mes- 
mo legar de Jerusalém, que era chamadu Cenáculo. 

2. E foy hy feito muy arrevatadameiíte huum 
soom do Ceo, asi come muy grande esplritu, que vi- 
nha, e encheo toda a casa hu estavam aseentados. 

3. E aparecerom-lhes hnguus departldas assi co- 
me fogo, e pousarom sobre cada huum delles. 

4. E forom todos cheos do Spiritu Saucto, e co- 
meçarom a falar de muitas linguageens, assi como lhes 
dava a falar o Saucto Spirito. 

5. Moravam entonce em Jerusalém Judeos ho- 
mees boõs e de religiom, e vierom hy dautre todalas 
geeraçoens, que som so o Ceeo. 

6. E quaudo foy feita aquesta voz, achegaiom-se 
muitos deUes aly hu sijam os Apostolas, e forom logo 
coufundidas as sas vontades, porque ouvyam cada 
huum dos Apóstolos falar sa linguagem. 

7. E espantavam-se todos e maravilhavam-se, e 
diziam autre si : como aquestes que falam nou som Ga- 
lileus, 

8. pois como ouvymos cada huum o linguagem 
da terra em que foy nado? 

9. Também os de Percia, como os Helemytas, 
e os que moram em Mesopotamya, e em Judêa, e em 
Capadócia, e em Ponto, e em Ásia, 

10. e em Frigia e Pamfilia, e em o Egipto, e em 
nas partes de Libia, que he a par de Cirene, e Ro- 
mãos viiudiços. 

11. E os Judeus esterrados, e os de Creta, e os 
darabia, e todolos ouvymos falar aos nossos as gran- 
des cousas de Deos. 

12. Espantavam-se todos, e diziam huuns aos ou- 
tros: que quer esto seer? 

13. Outros havia ahy, que faziam escambo, e di- 
ziam: Cheos som de vinho novo. 

14:. E elles que diziam aquesto, levantou-se Pe- 
dro, que estava com os outros onze Apóstolos, e alçou 
a voz, e falou-lhes assi: Baroens Judeus, que morades 
em Jerusalém, sabede todos, e entendam as vosas ore- 
lhas aquestas minhas palavras, 

15. E digo-vos que nom som bevedos aquestes, 
asi como vós dizedes, ca ahynda non he ora de terça. 

16. Mais aquesto he o que foy dito pelo Prophe- 
ta Joel. Seerá em nos postrimeiros dias (disse o Se- 
nhor) ; e eu spargerei do meu Sphitu sobre toda a car- 
ne, e prophetizarom os vossos filhos, e as vossas filhas, 
e os vossos mancebos véeram visoees, e os vossos ve- 
lhos sonharom sonhos, 



18. E deitarey em aquelles dias sobre los meus 
servos, e sobre las minhas servas do meu Spiritu, e 
prophetizarom, i 

19. E daram sinaaes suso em no Ceeo, e slnaes 
juso em na terra, sangue e fogo e bailo de fumo. 

20. O ssol se tornará em em trevas, e a lha em- 
sungue, ante que venha o dia do Senhor, grande e des- 
cuberto. 

21. E todo aquel, que chanuir o nome do Se- 
nhor, seera sídvo. 

22. Baroens de Israel, ouvyde aquestas palavras 
de Jeslt Nazareno, que foy homem louvado de Deos 
antre nós, e per o que fez Deos ^•irtades e maravilhas, 
e sinaes antre nós, assi como a'Ós sabedes, 

23. e por conselho e per saber de Deos vos foy 
traudo pelas niaaõs dos niaáos, e vós tormentaste-lo, 
e mataste-lo, 

24. E resucito-o Deus soltando todalas doores do 
inferno, ca non podia seer que o el alá tevese. 

25. Ca por ende diséra David em voz dei. Eu 
vya o Senhor ante mym sempre, porque está aa mi- 
nha destra, que non me mova. 

26. E por esto he grande o meu coração, e se 
alegra sempre a minha lingua, e a minha carne folgará 
em esperança. 

27. Ca non leyxarás a minha carne em no infer- 
no, nem darás aa minha carne veer cõrompimento. 

28. Ca me fezeste conhocer as carreiras da vida, 
e encherme-ás dalegria com a ta face. 

29. E pois Baroens Irmaaõs, convém a homem 
de vos fallar esforçadamente do vosso Patriarca, ca Da- 
vid Frojjheta disse aquesto de Jcsu, e non de ssi mes- 
mo, como o vós entendedes. Ca bem sabedes vós de 
David que morreo, e foy soterrado, e dui'a ainda o seu 
moymento autre vos ataa o dia d'oje. ■ 

30. E porque David era Propheta, e sabia que \ 
lhe jurara Deus pola jura, que faria do fructo dos seus 
lonbos seer sobre a sa seeda. 

31. Por ende ouvyo el pelo Spiritu Sancto, e fa- 
lou da resurrecçom de Jesu Chuisio, que nem foy 
leyxado em no Inferno, nem veo a carne a conrumpi- 
mento. 

32. Poys aqueste Jesu resucitou Deos, e nós so- 
mos todos ende testimuynhas. 

33. E el foy exalçado pela destra de Deos, e tan- 
to que recebeo do Padre o prometimento do Spintu 
Sancto, deytou sobre nos aquesto, que vós vedes e ou- 
vydes. 

34. e 35 e que el sohisse em no Ceeo aa 

destra de Deus disse-o David — Disse o Senhor ao meu 
Senhor, aa minha destra sey, atá que ponha os teus 
inmijgos por talhoo dos teus pees. 

36. E pois sabya por certo toda a casa de Israel, 
que aqueste Jesu, que vós crucificastee, fez Deus Se- 
nhor e Christo. 

37. E tanto que as gentes ouvirom aquestas cou- 



DA língua PORTUGUEZA 



LXXVII 



sas,- foram todas ficadas em no seu coraçom, e diserom 
a Sam Pedro e aos outros Apóstolos: — Que faremos 
baroens irmaaons? 

38. E dise-lhes Sam Pedro: Filhado pendonça, e 
seja baptizado cada liuy de vós em no nome de Jesu 
Cheisto, em perdom de a'ossos pèccados, e recebere- 
des o dom do Spiritu Saucto. 

39. Capero?c»?M seera a vós e a vossos filhos, e a 
todolos que am ainda de vijr atá que os chame pêra 
si Deus. 

40. E testemunhavalhes de mais Sam Pedro o 
feyto de Jesu Christo, por outras muytas paliivras e 
amoestava-os, e dizia-lhes : — • Salva-uus daquesta gce- 
raçom maa. 

41. E aquelles que receberoui as sas palavras, 
baptizaromse logo, e chegaromse aquel dia aa compa- 
nha dos fices perto de três mil ou mais. 

42. E trabalhavamse de viver em na ensinança 
dos Apóstolos, e comungavam da hóstia e viviam em 
oraçoens, 

43. e aviam medo dentro em sas almas, e faziam 
os Apóstolos muytos sijnaaes, e muytas maravilhas em 
Jerusalém, e aviam todos muy giam medo. 

44. E todos quantos creyam, viviam ensenbra, 
e todo o que aviam era do commuLÍ. 

45. E vendiam sas eranças e sas riquezas, e dey- 
tavam ende o preço aos pees dos Apóstolos, e partiam- 
no eles antre todos, segundo como era mester a cada 
huum. 

46. E cada dia estavam todos de huuin coraçom 
em no templo, e quebrantavam o pam a par das sas 
casas, e partia}}i-l]iu os Apóstolos a cada haam, e elles 
filhavam seu comer com alegiia, e com nmy manso 
coraçom. 

47. E louvando a Deus, aviam amor a todo o 
poboo; e nostro Senhor acrescentava aqueles que se 
faziam salvos 

(Inéditos dos séculos XIV e XV, publ. por Fr. 
Fortunato de S. Boaventura, tom. i). 



SÉCULO X\ll 



TRADLCyÃO DO PADRE FEiUlElRA D'ALMEn)A 



CAPITULO I 

15 E levantando-se Pedro uaquellos dias, em 
meio dos discípulos, disse: (e era a multidão junta co- 
mo de quasi cento e vinte pessoas.) 



16 Varoens irmãos, convinha que se cumprisse 
esta Escritura, que o Espirito Santo pela boca de Da- 
vid predisse acerca de Judas, que foi o guia daquelles 
que j)rendèrào a Jesus. 

17 Porque foi contado comnosco, e alcançou sor- 
te neste ministério. 

18 Este i:)ois adquirio o campo do galardão de 
iniquidade, e precipitando-sc, arrebentou pelo meio, e 
todas suas entraidias se derramarão. 

19 E foi notório a todos os que habitão em Je- 
rusalém; de maneira que aquelle campo se chama em 
sua própria lingua, Aceldama, isto he, campo de san- 
gue. 

20 Porque no livro dos Psalmos está escrito: Sua 
habitação se faça deserta, e não haja quem n'ella ha- 
bite; e outro tome seu bispado. 

21 He pois necessário, que dos varoens, que com- 
nosco conversarão todo tempo em que o Senhor Jesus 
entre nósoutros entrou e sahio, 

22 Começando desde o baptismo de João, até o 
dia em que de nós foi recebido a riba, se faça hum 
delles conniosco testemuidui de sua resurreição. 

23 E apresentarão dous, a saber José, chamado 
Barsabas, que tiidia por sobrenome o Justo, e Mat- 
thias. 

24 E orando, disserão: Tu Senhor, Conhecedor 
dos corações de todos, mostra a qual destes dous tens 
escolhido, 

25 Para que tome a sorte d"este ministério e 
Apoât(jlado, do qual Judas se desviou, para ir a seu 
próprio lugar. 

26 E lançárão-lhcs as sortes; e cahio a sorte so- 
bre Matthias. E por voto commum de todos foi couta- 
do com os onze Apóstolos. 



CAPITULO II 



E cumprindo-se o dia de Peutecoste, estarão to- 
dos concordcmente juntos. 

2 E de repente se fez hum sonido do ceo como 
de hum vento vehemeutc e impetuoso, e encheo toda 
a casa, onde estavão assentados. 

3 E forão dolles vistas linguas repartidas como 
de fogo, e sobre cada hum delles se pòz. 

4 E forào todos cheios do Espirito Santo, e co- 
meçarão a falar em outras linguas, como o Espirito 
Santo lhes tlava que falassem. 

5 E havia Judeos, que habitavào em Jerusalém, 
varoens religiosos, de toda a gente dos que estào de- 
baixo do ceo. 

6 E feita esta voz, ajuntou-se a multidão ; e es- 
tava confusa, porque cada hum os ouvia fidar em sua 
própria lingua. 

7 E todos pasmavào, e se maiavilhavào, dizendo 



LXXVIII 



CHRESTOMATHIA HISTÓRICA 



huns aos outros ; vedes aqui, não são todos estes, que 
estão filiando, Gralileos? 

8 Como pois os ouvimos cada hum em nossa pró- 
pria lingua, em que somos nascidos? 

9 Parthos e Medos, e Elamitas, e os que habita- 
mos em Mesopotâmia, e Judea, e Cappadocia, Ponto, 
e Ásia. 

10 E Phrvgia, e Pamphylia, Egypto, e partes 
de Libya, que está junto a Cyrene, e Romanos estran- 
geiros, assim Judeos como Proselytos, 

11 Cretenses e Arábios, os ouvimos em nossas 
próprias Hnguas falar as grandezas de Deos. 

12 E todos pasmavão, e estavão suspensos, di- 
zendo huns para os outros; Que quei'erá isto vir a 
ser? 

13 E outros zombando, dlzião: Cheios estão de 
vinho doce. 

14 Porém Pedro, pondo-se em pé com os onze, 
levantou sua voz, e faloii-lhes, dizendo: Varoens Ju- 
deos, e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos 
isto notório, e ponde minhas palavras em vossos ouvi- 
dos: 

15 Porque estes não estão bêbados como vósou- 
tros para vós tendes, sendo ainda a hora terceira do 
dia. 

16 Mas isto he o que foi dito pelo Propheta 
Joel. 

1 7 E será em os últimos dias, diz Deos, que de 
meu Espirito derramarei sobre toda carne, e vossos fi- 
lhos e vossas filhas prophetizarão, e vossos mancebos 
verão visoens, e vossos velhos sonharão sonhos. 

18 E também sobre meus servos, e sobre minhas 
servas, naquelles dias derramarei de meu Espirito, e 
prophetizarão. 

19 E darei prodígios a riba no Ceo, e sinaes 
abaixo na terra, sangue, e fogo, e vapor de fumo. 

20 O sol se converterá em trevas, e a lua em 
sangue, antes que venha o dia grande e illustre do Se- 
nhor. 

21 E será, que todo aquelle que invocar o nome 
do Senhor, será salvo, 

22 Varoens Israelitas, ouvi estas palavras: Jesus 
o Nazareno, varão entre vósoutros de Deos approvado 
com maravilhas, e prodígios, e sinaes, que Deos por 
elle fez em meio de vósoutros, como também vós mes- 
mos bem sabeis. 

23 Este, sendo entregue pelo determinado conse- 
lho e presciência de Deos, tomando-o vósoutros, por 
mãos dos injustos o crucificastes, e o matastes. 

24 Ao qual Deos resuscitou, soltas as dores da 
morte ; porquanto possível não era que delia fosse re- 
tido. 

25 Porque delle diz David: Sempre diante de 
mim via ao Senhor, porque á minha mão direita está, 
para que não seja commovido. 

26 Pelo que meu coração está alegre, e minha 



lingua se goza, e ainda minha carne ha de repousar 
em esperança. 

27 Pois não deixarás minha ahna no inferno, nem 
entregarás a teu Santo, para que veja corrupção. 

28 Os caminhos da vida me fizeste notórios : com 
tua face me encherás de gozo. 

29 Varoens irmãos, licito me he dlzer-vos livre- 
mente acerca do Patriíircha David, que morreo, e foi 
sepultado, e ainda sua sepultura está comnosco até 
dia de hoje. 

30 Assim que sendo Propheta, e sabendo que 
Deos com juramento lhe havia jurado, que do fruto 
de seus lombos, quanto á carne, levantaria ao Christo, 
para o assentar sobre seu throno : 

31 Vendo-o d'antes, falou da resurrelção de Chris- 
to, que sua alma não haja sido deixada no inferno, 
nem sua carne haja visto corrupção. 

32 A este Jesus resuscitou Deos; do que todos 
nósoutros somos testemunhas. 

33 Assim que exaltado ja pela mão direita de 
Deos, e recebendo do Pai a promessa do Espirito San- 
to, derramou isto que agora vedes, e ouvis. 

34 Porque não subio David aos ceos; antes diz: 
Disse o Senhor a meu Senhor ; assenta-te á minha mão 
direita : 

35 Até que ponha a teus inimigos por escabello 
de teus pés. 

36 Saiba pois certamente toda a casa de Israel, 
que Deos o fez Senhor e Christo, a saber, a este Je- 
sus, que vósoutros crucificastes. 

37 E ouvindo elles estas cousas, forão compun- 
gidos de coração, e dlssérão a Pedro, e aos de mais 
Apóstolos: Que faremos, varoens irmãos? 

38 E Pedro lhes disse : Arrependei-vos, e bapti- 
ze-se cada hum de vósoutros em o nome de Jesu Chris- 
to, para perdão dos peccados; e recebereis o dom do 
Espirito Santo. 

39 Porque a vós vos pertence a promessa, e a 
vossos filhos, e a todos os que ainda estão longe, a 
tantos quantos Deos nosso Senhor chamar. 

40 E com outras muitas palavras testificava, e os 
exhortava, dizendo : Salvai-vos desta perversa geração. 

41 Assim que, os que de boamente receberão sua 
palavra, forão baptizados ; e acrecentárão se naqueUe 
dia ã Igreja quasi três mil almas. 

42 E perseveravão na doutrina dos Apóstolos, e 
na communlião, e no partir do pão, e nas oraçoens. 

43 E em toda alma havia temor, e muitas mara- 
vilhas e sinaes se fazião pelos Apóstolos. 

44 E todos os que crião estavão juntos, e todas 
as cousas tinhão communs. 

45 E vendlão suas possessoens fazendas, e com 
todos as repartião, segundo cada hum havia mister. 

46 E perseverando cada dia concordemente no 
Templo, e partindo o pão de casa em casa, comião 
juntos com alegria, e com singeleza de coração. 



DA língua PORTUGUEZA 



LXXIX 



47 Louvando a Deos, e tendo gi-aça para com 
todo o povo. E acrecentava o Senhor cada dia á Igre- 
ja aquelles que se salvavào. 



SÉCULO XVIII 



TRADUCCÃO DO P^ ANTÓNIO PEREIRA DE FIGUEIREDO 



CAPITULO I 

Ascensão de Jesu Christo ao Ceo: oração dos Discípulos 
no Cenáculo: eleição de Mathias em lugar de Judas 

15 Naquelles dias levantando-se Pedro iio meio 
dos irmãos (e montava a multidão dos que alli se acha- 
vào juntos, a quasi cento e vinte pessoas) disse : 

16 Vai-ões irmãos, he necessário que se cumpra 
a Escritura que o Espirito Santo predisse por boca de 
David acerca de Judas, que foi o conductor daquelles, 
que prenderão a Jesus : 

17 qual estava entre nós alistado no mesmo 
munero, e a quem coube a sorte d'este ministério. 

18 E este possuio de facto bum campo do preço \ 
da inic|uidade, e depois de se pendurar rebentou pelo | 
meio : e todas as suas entranlias se derramarão. 

19 E tão notório se fez a todos os habitantes de 
Jerusalém este successo, que se ficou chamando aquel- I 
le campo na lingua delles, Haceldama, isto he, campo 
de. sangue. I 

20 Porque escrito está no Lí^to dos Salmos : Fi- 
que deserta a habitação delle, e não haja quem habite 
nella : e receba outro o seu Bispado. 

21 Convém pois que d'estes varões,' que tem es- j 
tado juntos na nossa companhia todo o tempo em que 
entrou e sahio entre nós o Senhor Jesus, 

22 Começando des do baptismo de João até ao 
dia, em que foi assumpto assima dentre nós, que hum 
dos taes seja testemunha comnosco da sua Resurrei- 
ção. 

23 E propiizerão dous, a José, que era chamado 
Barsabas, o qual tinha por sobrenome o Justo: e a 
^lathias. 

24 E orando disserão : Tu, Senhor, que conheces 
os corações de todos, mostra-nos d'estes dous hum a 
quem tiveres escolhido. 

25 Para que tome o lugar d'este ministério, e 
Apostolado, do qual pela sua prevaricação cahio Ju- 
das para ir ao seu lugar. 

26 E a seu respeito lançarão sortes, e cahio a 
sorte sobre Mathias, e foi contado com os onze Após- 
tolos. 



CAPITULO n 

Desce o Espirito Santo sobre os Apóstolos dia de Pen- 
tecostes. Fallão todas as linguas. Os Judeos os ac- 
cusão de estarem tomados do vinho. Pedro os refu- 
ta, prégando-lhes a innoccncia, e Resurreição de Je- 
sus. Diz que elle he o que lhes mandou o Espirito 
Santo, e que he o Messias. Exhorta-os d peniten- 
cia, e converte a três mil. Vendem os convertidos 
todos os seus bens, e os fazem communs, 

E quando se completavào os dias de Pentecostes, 
estavão todos juntos n'um mesmo lugar. 

2 E de repente veio do Ceo himi estrondo, como 
de vento que assoprava com Ímpeto, e encheo toda a 
casa onde estavão assentados. 

3 E lhes apparecêrão repartidas humas como lin- 
guas de fogo, que repousou sobre cada hum deUes. 

4 E forão todos cheios do Espirito Santo, e co- 
meçarão a fallar em varias linguas, conforme o Espiíi- 
to Santo lhes concedia que fallassem. 

õ E achavão-se então habitando em Jerusalém 
Judeos, varões religiosos de todas as Nações, que ha 
debaixo do Ceo. 

6 E tanto que coitco esta voz, acudio muita gen- 
te, e ficou pasmada, porque os ouvia a elles fallar cada 
hum na sua própria lingua. 

7 Estavão pois todos attonitos, e se admiravão, 
dizendo : Por ventura não se está vendo que todos es- 
tes que fallão, são Galileos. 

8 E como assim os temos ouvido nós fallar cada 
hum na nossa lingua, em que nascemos? 

9 Parthos, e Medos, e Elamitas, e os que habi- 
tão a Mesopotâmia, a Judéa, e a Cappadocia, o Pon- 
to, e a Ásia. 

10 A Frygia, e a Pamfylia, o Egypto, e varias 
partes da Lybia, que he comarca a Cyrcne, e os que 
são vindos de Roma. 

11 Também Judeos, e Proselytos, Cretenses, e 
Arábios: todos os temos ouvido fallar nas nossas lin- 
guas as maravilhas de Deos. 

12 Estavão pois todos attonitos, e se maravilha- 
vão dizendo huns paia os outros : Que quer isto di- 
zer? 

13 Outros porém escarnecendo dizião: He por- 
que estes estão cheios de mosto. 

14 Porém Pedro em companhia dos onze, posto 
em pé levantou a sua voz, e lhes foliou assim : ^ a- 
rões de Judéa, e todos os que habitais em Jerusalém, 
seja-vos isto notório, e com ouvidos attentos percebei 
as minhas palavras. 

15 Porque estes não estão tomados do vinho, 
como vós cuidais sendo a hora terceira do dia : 

16 Mas isto he o que foi dito pelo Profeta Joel: 

17 E acontecerá nos últimos dias. diz o Senhor, 
que eu deiTamai-ei do meu Espiíito sobre toda a cãt^ 



LXXX 



CHRESTOMAXniA HISTÓRICA 



ne: e profetizarão vossos filhos, e vossas fillias, e os 
vossos mancebos verão visões, e os vossos Anciãos so- 
nharáõ sonhos. 

18 E certamente naqnellcs dias derramarei do 
men Espirito sobre os meus se^i-vos, e sobre as minhas 
servas, e profetizaráõ : 

19 E farei ver prodigios em sima no Ceo, e sinaes 
em baixo na terra, sangue, e fogo, e vapor de fumo. 

20 O Sol se converterá em trevas, e a Lua em 
sangue, antes que venha o grande, e ilhistre dia do 
Senhor. 

21 E isto acontecerá: todo aquelle, que invocar 
o nome do Senhor, será salvo. 

22 Varões Israelitas, ouvi estas palavras: A Je- 
sus Nazareno, Varão approvado por Deos entre vós, 
com virtudes, e prodigios, e sinaes, que Deos obrou 
por elle no meio de A'Ós, como também vós o sabeis : 

23 A este depois de vos ser entregue pelo decre- 
tado conselho e presciência de Deos, crucificando-o 
por mãos de iniquos, lhe tirastes a mesma vida: 

24 Ao qual Deos resuscitou soltas as dores do 
Inferno, por quanto era impossível que por este fosse 
elle retido. 

25 Porque David diz dellc : Eu via sempre no 
Senhor diante de mim: porque elle está á minha di- 
reita, para que eu não seja commovido: 

26 Por amor disto se alegrou o meu coração, e 
se regozijou a minha língua, idóni de que ta)nbem a 
minha carne repousara em csperatiça : 

27 Porque não deixarás a minha alma no Infer- 
no, nem permittirás que o teu Santo experimente cor- 
rujição. 

28 Tu me fizeste conhecer os caminhos da vida: 
e rae encherás d'alegria, mostrando-me a tua face. 

29 Varões irmãos, seja-me jicrniittido dizer-vos 
ousadamente do Patriarca David, que elle morixo, e 
foi sepultado: e o seu sepulcro se vê entre nós até o 
dia d'hoje. 

30 Sendo elle pois um Profeta, e sabendo que 
com juramento lhe havia Deos jurado, que do fruto 
dos seus lombos se assentaria hum sobre o seu Thro- 
no: 

31 Prevendo isto fallou da resurreição de Chris- 
to, que nem foi deixado no Inferno, nem a sua carne 
vio a corrupção. 

32 A este Jesus resuscitou Deos, do que todos 
nós somos testemunhas. 

33 Assim que exaltado pela dextra de Deos, e 



havendo, recebido do Padre a promessa do Espií-ito 
Santo, deri-amou sobre nós a este, a quem vós vedes, 
e ouvis. 

34 Porque David não subio ao Ceo: mas elle 
mesmo disse: O Senhor disse ao meu Senhor: Assen- 
ta-te á minha mão direita, 

3.5 Ató que eu ponha a tens inimigos por esca- 
béllo de teus pés. 

36 Saiba logo toda a cnsa d'Israel cora a maior 
certeza, que Deos o fez não só Senhor, mas também 
Christo a este Jesus, a quem vós crucificastes. 

37 Depois que elles ouvirão estas cousas, fica- 
rão compungidos no seu coração, e disserão a Pedro, 
e aos mais Apóstolos : Que faremos nós, Varões ir- 
mãos? 

38 Pedro então lhes rcspondeo : Fazei peniten- 
cia, e cada hum de vós seja baptizado em nome de 
Jesu Christo jmra remissão de vossos peccados : e re- 
cebereis o dom do Espirito Santo. 

39 Porque para vós he a promessa, e para vos- 
sos filhos, e jjara todos os que estão longe, quantos 
chamar a si o Senhor nosso Deos. 

40 Com outras muitisshnas razões testificou ain- 
da isto, e os cxhortava, dizendo : Salvai-vos desta ge- 
ração depravada. 

41 E os que receberão a sua palavra, forão ba- 
ptizados: e ficarão aggregadas naquelle dia perto de 
três mil pessoas. 

42 E elles perseveravão na doutrina dos Após- 
tolos, e na connnunicação da fracção do pão, e nas 
orações. 

43 E a toda a pessoa se lhe infundia temor : erão 
também obrados pelos Apóstolos muitos prodigios e 
sinaes em Jerusalém, e em todos geralmente havia 
hum grande medo. 

44 E todos os que crião, estavão unidos, e tudo 
o que cada hum tinha, era possuído em connnum por 
todos. 

45 Vendião as suas fazendas e os seus bens, e 
distribuião-os por todos, segundo a necessidade que 
cada hum tinha. 

46 E todos os dias perseveravão imanimemente 
no Templo: e partindo o pão pelas casas, tomavão a 
comida com regozijo, e simplicidade de coração. 

47 Louvando a Deos, e achando graça para com 
todo o Povo. E o Senhor augmentava cada dia mais 
o número dos que se liavião de salvar, encaminhan- 
do-os á unidade da sua mesma corporação. 



DICCIONARIO 



DA 



língua portugueza 



' IMÍ, •. i o I 





s. m. Terceira letra do al- 
fphabcto e segunda das con- 
'jSoantes. O C tem duas pro- 
.^nuncias diíFerentes em portu- 
*guez, como em todos os outros 
idiomas derivados do latim (hcspanliol, 
italiano, valacliio,franeez, provençal, etc), 
no inglez, etc. Deante das vogaes a, o, 
M, o C tem o valor do k grego ; representa 
a guttural forte que no alphaíjeto physio- 
logico é classificada como momentânea ou 
explosiva guttural surda, ou forte, e que 
08 antigos grammaticos chamavam a té- 
nue guttural. Esse som, que o C representa 
deante d'cssas vogaes, o produzido quando 
o ar cmittido voluntariamente dos pul- 
mões, no ■•icto de fallar, passa através da 
glotta eompletamenle aberta, e vem que- 
brar sua corrente contra o contacto rca- 
lisado entre a raiz da liogua c a parte 
posterior do palato (palato molle), c pro- 
duz assim o ruido consonaiital (vid. 
Briieke, Grundzuge der Physiologie uud 
Systematik der Spraclaute, p. 44). Esse 
som distinguc-se unicamente do do g 
deante das mesmas vogaes a, o, u, ou, 
por outras palavras, da momentânea gut- 
tural sonante ou media guttural, em que 
esta sonante guttural se pronuncia, como 
todas as sonantes, com a glotta fechada, 
podendo d'esta fórma produzir-se a vi- 
bração das cordas vocálica?, que dá a u-na 
consoante o caracter de sonante, emquanto 
na pronuncia das surdas a glotta aberta 

l-OL. II.— 1 



obsti a essa vibração dns cordas vocáli- 
cas. Deante das vogaes e, i, y^ o C repre- 
senta o mesmo som que o s i nicial, isto 
é, uma contínua dental, de que tractare- 
mos em seu logar, e esse mesmo som tem 
o C quando se lhe junta por baixo o si- 
gnal grapbico chamado cedilha, como em 
faça, caça, raça, peça, meça, estremeça, 
e nos modos d'escrever hoje desusados, 
por os não defender a etymologia, çapato, 
caga, çumo, etc. A razão por que a letra 
C é adoptada nas indicadas linguas para 
representar sons tao distinctos é-nos dada 
pela historia d'essas linguas, e pela his- 
toria da linguagem em geral e a pliysio- 
logia dos sons constitutivos da palavra 
humana. Na lingua latina, que só aqui 
importa immcdiatamcnte, a ténue ou ex- 
plosiva surda guttural, foi Veprescntada 
até á épocha da redacção das leis decem- 
viracs pelo signal /o, recebido pelos latinos 
do lappa grego, que não era mais que 
uma modificação do kaf dos phenicios; 
até essa mesma épocha a sonante ou mé- 
dia guttural era representada pelo signal 
C, mais ou menos modificado ou mal es- 
cripto ; este facto patentoia-se em toda 
a sua evidencia na orlhographia das an- 
tigas incripçõcs latinas publicadas no Cor- 
pus inscriptionum latinarum, i.ed. Mom- 
mseneem líifschil Priscae latinitatis mo- 
numenta epigraphica, (,v. p. 111^. Desde 
a épocha dns docoinviros esse signal C co- 
meçou a representar também a momen- 



tânea surda guttural, e o antigo signal k, 
que representava primeiramente esta con- 
soante, a cahir em desuso, mas nào in- 
teiramente, como nos mostram inscripçòes 
ainda da épocha do império, em que se 
lêem Vulkani, karissimo, etc. Em vir- 
tude do emprego do C, para representar 
a momentânea surda guttural e do em- 
prego primitivo do mesmo signal, o qual 
continuou a subsistir por algum tempo, 
operou-se uma confusão completa na re- 
presentação graphica das duas gutturaes. 
Convencidos da inconveniência dessa con- 
fusão, adoptaram então os romanos uma 
pequena modificação na letra C ;' inven- 
taram o G c empregaram este ultimo si- 
gnal para representarem exclusivamente 
a momentânea sonante guttural. A in- 
troducçào do signal G no alphabeto la- 
tino não pôde ser muito posterior acerca 
de trez séculos antes da era christà i^Cors- 
sen) Ueber Ausprache, Vocalismus und 
Betonung der lateischeu Sprache, i, 810, 
(2.* ed.) Em virtude da origem do signa! 
C, d'elle ser substituído mesmo deante de 
e, i, pelo signal k, ainda no tempo do 
império em muitas inscripçòes, do teste- 
munho dos antigos grammaticos, c d'on- 
tres fiicfos de que se vale a critica do 
linguista, está hoje provado que o signal 
C nunca representava na lingua latina até 
á épocha da decadência do império o som 
que hoje representa adeante de e, í. E' 
hoje conhecida como uma lei da lingua- 



c 



c 



gcm, que se manifesta em diversas lín- 
guas em períodos cbroniilogicamente mui- 
to dístiiictos, que as gutturaes momentâ- 
neas têm tendência para degenerarem em 
momentâneas paiataes e ainda em puras 
sibilantes paiataes e dentaes. E]ssa dege- 
neração dcu-se no sanslírito, no antigo 
baktrico ou zeiid, nas linguas célticas, nas 
línguas slavas, e na língua latina a come- 
çar d'uina épocha que a critica consegue 
determinar. Alguns sons com que as guttu- 
raes se acliam em contacto favorecem essa 
degeneraçiVo ; esses sons são n, i e j, (nos 
gi'upos /a, je,jo). Na língua latina, a de- 
generação da guttural surda, represen- 
tada por C, a partir da épocha acima in- 
dicada, começou por operar-se deante d'es- 
ses grupos /a, jK, /o (ou ia, ie, io), e, se- 
gundo todas as probabilidades, pela in- 
fluencia da pronuncia viciosa dos povos a 
que Roma imiwz o seu domínio. 

Os primeiros exemplos da degenera- 
ção n'essa condição especial sào mera- 
mente locaes e pertencem aos dous últi- 
mos séculos do império. Os exemplos da 
degeneração da guttural surda deanto de 
e, i não seguidos de vogal, são todos 
posteriores ao começo do sexto século e 
os jjrimeíros têm egualmente um cara- 
cter local. Muitos factos nos provam com 
toda a evidencia que até ao sexto século, 
e ainda o septimo século, em ospaizes que 
tinham constituído o império romano e 
aceito a lingua latina, o C representa 
deante de e, i, a guttural surda, salvo um 
ou outro caso excepciontil, resultante do 
influencias locaes. Mas no oitavo século 
a degeneração do C deante d'essas vogaes 
tinha-se tornado regra (v. Diez, Gram- 
matik der romaníschen Sprachen I, 232- 
234 (2.--' ed.), Corssen, ob. cit., p. 43 e 
seg.; Schlcicher, Zur ver gleichenden Spra- 
chengeschichte, p. 149, e seg., etc). O si- 
gnal C, continuouse a usar para o caso 
em que a consoante, que representava no 
alphabeto latino, tinha conservado a sua 
primitiva qualidade, e para o caso em que 
ella tinha degenerado em tz, s. A ortho- 
graphia das linguas românicas, desenvol- 
vida historicamente, revela aqui, como 
n'outros factos, o seu caracter essencial- 
mente etymologíco. 

— «Aj)ronunciação do. g. he cvmo a do 
C, cõ menos força do espirito.» Fernão 
d'01íveira, Grammatica de linguagem por- 
tugueza, cap, 13. — 'iEsta letra C, cõ 
outro C, debayxo de si, virado j^ara traz 
n esta forma ç, tem a mesma pronuncia- 
ção que z, se não que aperta mais a lin- 
gua nos dêtes.» Ob. cit., cap. 14. — «C 
teem acerca de nós muitos ojficios: hum 
■próprio, quando despois delle se segue, 
a, o, u, como nas primeiras syllahas des- 
tas dições: carvalho, comedia, cutello. — 
ii Da qual maneira os antigos tamhem jíro- 
nunciavãõ o C quando depois delle se se- 
' guia e, i, segundo se collige de Quinti- 
lianOj que diz o C teer igoalmente sua 



força com todas as vogaes. E como se vee 
d' aquelle dicto gracioso de Marco Tullio. 
O qual querendo motejar a hum, que lhe 
pedia, que o favorecesse em liuma digni- 
dade, que pedia em Roma, sendo filho de 
hum cozinheiro, lhe respondeu: Ego tíbi 
quoque fauebo. Porque assi pronunciava 
coce, como quoque.» D. Nunes de Leão, 
Grthographia. 

— Na lingua p(jrtugueza, o C artícula-so 
com ler nas ligações cl, cr, que se pro- 
nunciara Jcl, kr. O grupo de letras eh 
representa ora a aspirada grega kh, que 
pronunciamos k nas palavras gregas que 
não são do fundo da língua, ou uma si- 
bilante palatal, a mesma que os inglezes 
escrevem sh e os alletnães sch, e que u'ou- 
tros casos, seg indo a etymología, repre- 
sentamos também com o signal x. 

— O «C» portuguez provém : 1.") do c la- 
tino no maior numero dos casos, do que são 
desnecessários exemplos ; 2.") do k grego e 
na orthographia imperfeita do kh da mes- 
ma língua, como em caronicu, por chro- 
nica; 3.") do k dos idiomas teutonicos 
em geral ; (vid. abaixo camarlengo, coifa, 
doca, estaca, escarpado, escuna, escuma, 
marca, tascar, fresco, escote, envocar, 
rico, etc. 4.") do caf e quaf árabes ; do 
caf em cáfila (câjila), calibre (calib), al- 
caçarias (al-caiçariya), alcaide (al-catd), 
alcaparra (alc-cabljâr), al-catifa {al-ca- 
tifa), etc; do quaf em quintal (quintár), 
quilate (quírât), requife (raquib,) mes- 
quinho (meskin). As outras origens de oc» 
portuguez não têm importancín. 

— O «ç» provém : 1.°) das ligações lati- 
nas ci, ti, ce, te, quando seguidas d'uma 
das vogaes a, e, o; assim em a-meaça de 
minada, face de fácies, calço de cálcio, 
(ant.) /aço de jacio, faço de facio, peço 
de petio por jyeto, preço de pretium, dif- 
ferença de differentia, crescença de crés- 
centia, praça de platea, lenço de linteum, 
justiça de justitia, lençol de linteolum, 
espaço de spatium, cubica d'uma forma 
do latim vulgar cupiditia, pjresença de 
j)resentia , março de martius, 2>osição de 
positio, ligação de ligaiio, conservação 
de conservatio ; 2.°) do lat. de (seguido 
de ti) em arco (Gil Vicente, Sá de Miran- 
da, António Ferreira) de ardeo, etc. ; 3.°) 
do çad árabe em açacalar (çaccala), etc. 
4.°) de chi, originalmente grego em braço 
do brachium, etc. 

— O aç» é muitas vezes cscripto n'ou- 
tros casos, além d'aquelles em que o som 
que representa provém d'outros sons das 
linguas fontes, além dos indicados, mas 
n'esses casos o «çu nàoéetymologicamente 
justificado. Em regra pôde estabelecer-se: 
escrever-se-ha «ç» (e não s ou ss), quando 
se tratar de representar um som prove- 
niente d'uma momentânea guttural ou den- 
tal degenerada em sibilante. 

— Em a numeração romana o «c» repre- 
senta o numero cem, e com um traço ho- 
rizontal por cima « ~a cem mil. 



— Em Diplomática, « c » é abreviatura 
de Christo na cabeça dos documentos. 

— C era abreviatura de cônsul ; indicava 
o dia dos comicios nos calendários roma- 
nos, e nas medalhas e inserípções acha-se 
como abreviatura de civis, calendas, cen- 
sus, etc. 

— -NaChimica, «o» designa o carbone, 
e antigamente designava o azotato de po- 
tassa. 

— No Commercio, «c» é abreviatura 
de conta. 

— Na Musica, nc» indica um compasso 
a quatro tempos, e quando está cortado 
transversalmente por uma linha, imi com- 
passo a quatro tempos, nias batido a dous 
tempos. Quando está fora da pauta signi- 
fica canto. Era na antiga musica o signal 
da prolação menor imperfeita. — C ou C- 
sol, fa, do, é a segunda das claves. — g 
voltado e seguido de dous pontos um so- 
bre o outro, é a clave de /a; mostra que 
a nota /a se acha na linha que passa en- 
tre os dous pontos. 

CÁ, adv. de logar (Não do latim hac, 
como se pretende no Diccionario de Mo- 
raes, nera muito menos do grego ekei, 
que nada tem que vèr com a palavra la- 
tina, nem com a portugueza ; cá vem do 
latim ecchac, contraindo de eccuhac ; 
d'ahí a forma intermédia ecac, d'onde 
pela aplierese do e, como em Merida de 
Emérita, cris (Gil Vicente) de ecrise (o 
este de ech/pse), namorar de enamorar, 
leitos por eleitos (nas Chronicas de Santa 
Cruz em Portugal. Monum. histor. Scri- 
ptores I, 31), greja por egrejn (Actos dos 
Apost.,v, 11, e nos Inéditos d'Alcobaça, 
Tom. I.) Tiopios por Etyopios (Azura- 
ra, Chronica de Guiné, cap. 2), menta por 
ementa (docum. em J. Pedro Ribeiro, 
Dissertações chronol.,1, 308), etc, vem 
a fórina cuc, cm que o c final foi apoco- 
pado como em alli de illic. Assim se de- 
monstra inteiramente uma etymología, á 
primeira vista menos obvia que a absoluta- 
mente insustentável diante dos principies 
phonicos do portuguez, proposta em Mo- 
raes. D'estemodo temos em a forma por- 
tugueza ca restos de diíFerentes themas 
pronominaes latinos ; de ec em ec-cu, tra- 
tar-se-ha quando se der a etymologia de 
eis; agora deve-se fallar de hac. Hac é 
o ablativo do singular feminino do prono- 
me demonstrativo hic ; o thema ou raiz 
fundamental é ha ; o c final, que se encon- 
tra em hi-c, ha-e-c, ho-c, e n'um grande 
numero d'outras formas derivadas do mes- 
mo thema ha, modificado segundo as leis 
de variação de consoantes do latim, como 
hi-ce, hu-n-c, Ao-s-ce e ainda as formas de- 
rivadas d'outras raizes, como illi-ce, ilii-c, 
isti-c, si-c, tu-n-c, nu-n-c, é resto do thema 
pronominal ce por qua ou ca, isto é, o 
thema do i'elativo latino qui, qua-e, quo-d; 
o thema ha foi identificado com uma par- 
tícula do sanskrito védico gha, ghã, por- 
que ao gh sanskrito corresponde muitas 



CA 



CA 



CABA 



vezes um h era latim, e porque o sentido 
da partícula védica pôde provir d'um sen- 
tido demonstrativo (gha pelo menos, cer- 
tamente ; isto que é, isto aqui"}; hci-c si- 
gniticaria aproximadamente, no periodo 
da linguagem em que a sua composição 
transparecia, nesta que, nesta aqui, e 
d^ahi aqui, n'este logar ; e com eccu : 
eis aqui, aqui, ca, finalmente^. No logar 
onde se falia, doeste lado, do lado d'onde 
se falia, perto do logar onde se falia : 

Mais morte m'é de m'a!(in^ar 
De vós, e liir ni'alliur morar 
Mays poys e vos uma vez cá. 

C.VNC. DE D. DLNIZ, p. l»i. 

Pero mVu cá long" estou 
Sc nom é o coraçon meu 
Mays preto delia. que o seu . 

OBRA CIT.. p. 28. 

Quem será es*t'outro cíi, que o campo arrasa, 
De mortos, com presença ruribanda'? 

CAMÕES, Lus., caut. VIII. est. 5. 

Mas attcola ; já cá d'est'outra banda 
De Rofalgate e praias sempre avaras 
Começo o reino Ormuz . . . 

OB. CIT-, cant. X, est. 101. 

— «Purcà se atalha mui/to». Fran- 
cisco Manoel de Mello, Apologos Dialog., 
p. 153. — aOs mineiros pelas ervas, ou pe- 
las flores que dá a terra ca por fora, co- 
nhecem logo qual tevi ouro la dentrov . 
O mesmo, Carta de Guia de Casados. • — 
N'e8te mundo. 

Em vós se vem da Olympica morada 
Dos dous A\iz as almas cá famosas 
CAH,. Lus., cant. i. est. 17. 

Que elTeitos faz I que sprito n.ío aspirj 
A deixar cá de si claras liislorias. 
Movido s6 de fermosura lauta ? 

ANTOSIO PBnnEIRA, SONETOS, I. p 23. 

— Emprega-se também completando a 
indicação d'um logar cora um complemen- 
to : cá nesta terra, cá no mundo, cá em 
Lisboa. 

Do culto antigo os Ídolos adora 
Que ca por estas partes St? derrama. 
CA»., Ltis., cant. TU, est. 31. 

Cá na Kuropa Lisboa ingente funda 
OB. CIT., cant. vui, est. 5. 

— Loc. : De cá, d'este lado, d'esta 
parte, d 'aqui : 

Vê na (ílobosa Inz que alumiado 
Mais do seu scmirirculo mostrava. 
Cujo lume de cá via eclypsado. 

ROLIa DS UOCRA, XOTIS. DO DOME», Cant. IV, cst. 2. 

— Cá cu, em quanto a mira, para co- 
migo, comigo em mim; sei cá, em quan- 
to a mim não sei ; exprime também a du- 
vida, ou a crença d'ura modo cómico. 

Morlé Don Martin Marcos; 
Ai Deos se é verdade. 
Sei cá, s'é ele morto, 
Morta é torpidade. 

CA.NCI0NEIR1NÍ10 DK TROVAS A.VTIGAS,' publ. 

por Varuliafcm. caiil. 31. 

— Vê cá, olha cá, espécie de formulas 
mterjeccionaes que servem para chamar a 
attenção, já na conversação, já n'uma 
narração, etc. ; Camões emprega-as ás ve- 
zes quasi co-no significando : eis que ap- 
parece ou apparecem, eis que : 

ViM-o fil vae co'os filhos a entregar-se. 
CAii.. Lcí.. cant. Tin. p. U. 



Vêl-o cá vae pintando n'esta armada. 

011. CIT.. iBin., p. 16. 
Vè íá a costa do mar. . . . 

OB. CIT.. eaut. X. est. 96. 
Olha cá dous Infantes, Pedro e Henrique. 
OB. CIT., cant. TUI, est. 37. 

— De tempos a cá, de certa épocha 
até hoje. — «... Des alguns tempos a cá». 
Ordenaç. Affons., v, foi. 4, 40. — Do anno 
passado para cá, d' então p>ara cá. — Por 
cá, para cá. — Anda cá, vem cá. — Diz- 
nu cá, diz-me a mim. — Cá e lá más fa- 
das ha. 

— Syn. Zk,aqui. — Aqui designa posi- 
tivamente o logar onde se falia; — cá só 
d'um modo geral o lado ou parte d'onde 
se falia. 

CÀ, conj. ant. iDe quâ re, pela qual 
cousa, havendo depois a ellypse usual de 
recomo em nada de res-nata. Vid. Nada, 
e outras locuções que n'este Diccionario 
se encontram explicadas). Porque. 

. . . mais non direi eu • 

Ora d'aquesto, cá me non contem . 

TROVAS E CANTARES (CA.NC. D'AJt'DA) Caot, 31. 

Desy non o er podedes enganar, 
Cd èl sabe ben que de coracon 
Vos eu amé. 

CANCIO.VEIBO DE D. DIMZ, p. 87. 

Diss'el : senhor coiiprida 
De ben, e non vos queixedes; 
Cá o nue vos ha servida, 
Ergi^d olho, e veloedes. 
OB. CIT-, p. 87. 

— « Vayt' ao Egito, ca eu te farey hi 
crecer em grande gente». Hist. do Testa- 
mento, nos Inéditos d'Alcobaça, Tom. ii, 
p. 72. — «... Ca o Rui deve de seer de 
tanta iustiça e dereito : que compridamen- 
te de as leis a exccuçomn. Fernão Lopes, 
Chronica de Dom Petíro I, prol. — Encon- 
tra-se ainda a cada passo nas Décadas de 
Barros, mas Francisco Rodrigues Lobo, 
Obras, foi. 68, dá-a já por antiquada. 

— Ca nom, porque não. Doe. de 1330, 
em Viterbo, Eluc. 

f CA, conj. ant. e pop. — Forma paral- 
lela de que, conj. de comparação, do la- 
tira quam). Do que. 

Pois VOS eu amo muyto mais ca a mi, 
Senor, porque me IcyxaJcs morrer. 

TROVAS E CANTIRES, Cailt. 30. 

sey por grara ben 

Lhe querer mays f'arai, nenal. 

CANCIONEIRO DE D. DINIZ. p. 14. 

K Ihj quero c'ami melhor. 
OB. CIT.. p. 83. 

— « Consirantes mais e melhor eyi saúde 
das almas, ca en ganho e prol das cousas 
teviporacsD. Foral de Thomar em Port. 
mon. hist., Leges, i. O povo emprega 
ainda hoje cstr* forma, excluida da lin- 
guagem litteraria. — No Diccionario de 
Moraes confunde-se sem disccrniiuento 
algura esta forma com cá, na significação 
de porque, sendo as duas pal.ivras per- 
feitamente disíinctas no sentido e na ety- 
mologia, e apresentando-sc dambos evi- 
dentes provas nos monumentos da lingua. 

t CA, s. m. Primeira parte d'ura cyclo 
de 10 annos entre os Cathacios, 

— EmChimica, abreviatura àecalciwn. 



CÃ, s. /. (Do latim canaa, branca, da 
raiz can, em cândido, cie. Vid. Cândido). 
Cabello branco. = Usado só na loc. — 
Lançar fora uma cã, ter na velhice al- 
gum divertimento próprio da edade juve- 
nil; d'ahi, n'um sentido mais geral, dis- 
traliir-se. Vid. Cão e Caãs. 

CAA, s. /. Terrao com que no Brazil, 
se designam todas as plantas herbáceas, 
e que forma a primeira parte de grande 
numero de denominações de espécies d'es- 
sas plantas. 

CAABA, s. f. (Do árabe lca'ahet, casa 
a Caaba> Edifício religioso em Meca, 
muito venerado dos mahoraetanos. 

CAA-CHIYNYO, s. m. Planta do Brazil, 
de fructos comestiveis. 

CAA-ETYMAY, s. m. Arbusto do Bra- 
zil, de fijlhas medicinaes. 

CAAGUA-CUBA, s. m. Arvoresinha do 
Brazil, similhante á tilia. 

CAAIGONAZOU, s. m. Grande tatti ou 
armadilho do Brazil. 

j CAAIGOUATA, s. m. Espécie de porco. 
Vid. Pecari. 

CAAL, s. m. ant. Alteração de canal, 
com a syncope do oni). = Usado em anti- 
gos documentos. 

i CAAMA, s. m. Espécie de antílope, vea- 
do do Cabo da Boa-Esperança. 

t CAANTIO,s. m. Peixe das Molucas, 
da família das rémoras. 

CAAPIA ou CAAOPIA, s. m. Arvoresi- 
nha do Brazil que dá a gomma gutta da 
America. 

CAA-POMONGA, s. m. Espécie de trevo 
e denteiária ; trepadeira do Brazil. 

CAA-PONGA, s. 7íi. Espécie de crista 
marinha ou amarantina vermiculardo Bra- 
zil. 

CAA-RABOA, s. m. Arbusto do Brazil, 
de folhas e madeira medicinaes. 

CAA-RINA, s. 7/1. Denominação brazi- 
lica d.i raiz de mandioca. 

CAASI, s. m. Antigo modo de escrever; 
por casi, quasi. = Usado por Azurara, e 
outros. Vid. Casi. 

t CAAYAj s. m. Espécie de macaco. 



CAB, 



7)i. Medida de cereaes entre 



os hebreus, equivalente a um litro. 

f CAB, s. ni. (^Do inglez cab, abreviado 
de cabriolet). Espécie de cabriolei de 
praça ; nmito usado na Inglaterra. 

CABAÇA, s. /. (Esta palavra liga-se a 
Cabaz, no francez cabas, no hespanhol ca- 
pazo, que designam cousas capazes de 
conterem sólidos, em quanto cnbaça de- 
signa propriamente cousa capaz de con- 
ter liquido ; mas a idêa fundamental das 
denominações é couimum, ainda que dit- 
ficil de conhecer no seu caracter original 
porque uma raiz que signifique caber, lhe 
convém quasi tanto como uina que signi- 
fique ser cavu; a etyiuologia é, pois, in- 
certa). Vaso feito da abóbora branca, de 
forma de pêra. Abóbora de que se faz 
esse vaso; espécie de abóbora de carneiro. 
— Vaso de barro, ã feição do vaso teito de 



CABA 



CABA 



CABA 



abóbora. ^Pingente de brincos em forma 
de cabaça, afunilada n'um dos extremos. 
— Medida de vinho demeio aininde, termo 
antigo e ainda hoje provincial. — «E nos 
derdes huvia fogaça triga, e huma cabaça 
de vinho.-» Docum. de 1317 era Viterbo, 
Elucidário, s. v. — Cabaça rasteira, a cur- 
cúbita plebeia dos botânicos. 

— Loc. : Chochinha das cabaças, velho 
trôpego, magro, etc. — Cara de cabaça, 
cara larga e cheia. — Tanto anda a li- 
nhaça, até qae vae á cabaça. — Nem no 
inverno sem copos, nem no verão seni ca- 
baça. — Ainda não está na cabaça, já he 
vinagre. — Muito pode a velha com a sua 
cabaça. — Ora graças ás cabaças! 

CABACEIRA, s. /. (Der. cíe cabaça, por 
meio do sufííso «eira», que fornia muitos 
nomes de plantas em portnguez). A planta 
que dá as cabaças. = Empregado por An- 
tónio Pereira de Figueiredo, na Biblia, 
Tom. V, p. 313. 

CABACEIRO, s. m. (Der. de cabaça, com 
o suffixo «eiró»). O mesmo que cabaceira. 

CABACINHA, s. /. Diminutivo de ca- 
baça. 

CABACINHAS, s. f. pi. Os fructos de 
uma planta brava, pequenos e á feição de 
cabaças. 

CABACINHO, «. m. Diminutivo de ca- 
baço. Fructo de uma planta trepadeira, 
purgante e drástico. 

CABAÇO, s. m. (Da mesma origem que 
cabaça). Vaso de casca de abóbora de 
carneiro, secca e sem miolo, cm que se 
guardam sementes, farinhas, liquidos, etc. 
— Abóbora, cabaça, o fructo da cucitrbita 
lagenaria de Linneo. — Espécie de abó- 
bora de miolo doce ou amargo do Brazil, 
de cujo casco se fazem as cuias. 

— Termo provincial. Marçano^ prati- 
cante do balcão. 

— Termo do Brazil. A flor da virgin- 
dade. 

— Adag. : Queres Som cabaço, semeia-o 
em Março. 

CABADELA, s. f. (Der. de cabo, como 
rabadella, de rabo). Os cabos, ou extre- 
midades e miúdos das aves, como per- 
nas, pescoço, azas, etc. — aTratão somente 
nas cabadelas, c ?irts tripas. Fernão Men- 
des Pinto, Peregrinações, cap. 97.= Esta 
palavra deveria escrever-se com dous 11; 
vid. o suffixo «ella». 

t CABADURA, s. m. ant. (Do latim ca- 
put). O mesmo que Cabedal. Viterbo, 
Eluc, SC. v. 

CABAI, s. m. Animal das serras de Sião. 
= Mencionado nos Comment. d'Affonso 
d' Albuquerque, Liv. iii, 15. 

CABAIA, s.f. (Do árabe caba, ou me- 
lhor da forma cabaya fornecida por Cher- 
bonneaii a Bozey. Daumas La Grande 
Kabylie, p. 400) traz akabaya, camisa de 
lã». Tecido de seda leve. Vestido orien- 
tal de forma de roupeta decotada, algum 
tanto justa, aberta por um lado, fechada 
por deante, descendo até ao meio da per- 



na, segundo Faria e Souza, Comment., 
cant. II, est. 93. 

Luzeiú li.i fina purpura as cabaias. 

CAMÕES, tus., 11, 93. 

Cabaia de damasco rico e dino, 
Da Tyria côr, entre ellcs estimada. 

OD. ciT., ibid., 95. 

Occorre também em Couto e Francisco 
de Andrade. 

CABAL, s. Mi. Animal da ilha Java, 
a cujos ossos attribuiam os indígenas a 
virtude de vedar ou estancar o sangue, 
como refere Barros na Década II, foi. 139. 

CABAL, adj. 2 gen. (Deriv. de caba, com 
o suítíxo «ai»). Que chega ou vae até o 
cabo; completo, perfeito. =E' de Vieira. — 
(dn-a cabal, obra perfeita; um juizo ca- 
bal, um juizo categórico; homem cabal, 
homem perfeito e também capaz de sa- 
tisfazer uma obrigação que se lhe impõe, 
ou derealisaruma tarefa que einpreliende; 
virtude cabal, _virtude perfeita, sem má- 
cula; co7ita cabal, conta justa, inteira. 

— Loc. : Fazer as cousas pelos justos 
cabaes, fazel-as com perfeição. 

CABALA, s. /'. (Do hebreu kabala, re- 
cepção, tradicção, doutrina tradicional ; 
do verbo kabal, receber). Tradicção ju- 
daica, respectiva á interpretação dos li- 
vros do Antigo Testamento. — Os doxdo- 
res da cabala. Sciencia secreta, que aspi- 
rava á communicaçào com os seres sobre- 
naturaes. — Palavras c/e cabala, traças se- 
cretas de pessoas que se conluiam para 
uma empreza commurn ; n'esta ultima si- 
gniiicaçâo toma-se sempre em raáo senti- 
do. — Homem dado a cahálas. — « Deixa-te 
de cabalas e procede como homem de bem». 
— nAquelle homem foi victima de cabala, 
que lhe arruinou a reputação» . 

— Syn. Cabala, Intriga, Conspiração, 
Conluio, Conjuração. — ^A Cabala, é uma 
intriga ou traça secreta que tem por fim, 
por meio do segredo e do mysterio, sem 
empregar a força, aproveitar aos que a 
fazem, ou arruinar ou desacreditar al- 
guém. — A Intriga, tem quasi por fim 
exclusivo o descrédito d'alguem ou a in- 
disposição entre algumas pessoas ; nem tem 
caracter de mysterio, nem carece absoluta- 
mente do segredo. — A Conspiração, tem 
principalmente um fim politico e subver- 
sivo ; tramada era segredo rebenta um dia, 
servindo-se de todas as armas para fazer 
vingar a sua causa. — O Conluio, é a li- 
gação de um ou mais indivíduos com um 
lim commura, mas não secreto, ordinaria- 
mente mão.— A Conjuração, tem, era ge- 
ral, um fim patriótico e procede como a 
conspiração, mas indica que os indivíduos 
que a formam estão estreitamente unidos 
por os laços d'uma associação; na sua 
forma primitiva, como indica a etymo- 
logia, o juramento mutuo constituo a base 
da conjuração. — Os jesuítas com suas ca- 
balas alcançaram immenso poder. — Nas 
cortes a Intriga faz cahir em desagrado 
os validos e chega a produzir o descré- 



dito dos reis. — A Conspiração dos Tavoras 
foi a causa da sua desgraça. — Os Con- 
luios dos padeiros têem feito subir o preço 
do pão. — A Conjuração de 1640 libertou 
Portugal do jugo castelhano. 

CABALAR, V. n. (Der. de cabala). Fa- 
zer cabalas, intrigarem segredo, insidiar. 
«... irem clandestina, e indirectamente 
cabalando, e minando a nobreza d'este 
reino». Deducção Chronologica e Analy- 
tica, Part. I, n." 4tí4. = Termo adopta- 
do no século passado, e forjado, segundo 
todas as probabilidades, pelo modelo do 
francez cabaler. 

t CABALETTA, s.f. (Do italiano caòaZeí- 
ta, der. de capo). Termo do musica. Pen- 
samento musical, leve e melodioso, de ry- 
thmo vivo e bem accentuado. = E empre- 
gado na língua fallada; tem pois a au- 
ctoridade do uso. 

CABALISTA, s. m. (Der. de cabala, com o 
sufiixo «ista»). Homem versado na cabala 
judaica, ou dada á cabala. — « Os Cabalys- 
tas, como refere Cornelio, querem que sejão 
letras symbolicas, de que se achão muytos 
exemplos, e mysterios no Texto Sagradot . 
Vieira, Sermões, i, 398. 

t CABALISTICAMENTE, aãv. (Der. de 
cabalista, com o sutfixo «mente»). De mo- 
do cabalístico, com praticas cabalísticas. 

CABALÍSTICO, ndj. (Der. de cabalista, 
por meio do auífixo «ico»). Que respeita 
ácabalajudaica.= Secreto, obscuro, rays- 
terioso ; magico, de arte magica. — De- 
precação cabalística, calados cabalísticos, 
combinações de palavras, formulas para 
ser feliz em certos jogos. 

t CABALLEROS, s. m. (Do hespanhol 
cnbaUero). Espécie de lã que vem da Hes- 
panha. 

t CABALLEROTE, s. m. (Der. do hes- 
panhol cnballero). Peixe comestível dos 
mares americanos. 

CABALLINA, s. /. (Do latim caballina 
fons, fonte do cavallo Pégaso). A fonte 
de Hyppoerene.= Emprega-se appellati- 
vamente. 

Cisnes do Tejo, que banhais suaves 
Os bicos de ouro em aguas cristalinas, 
Castalias imitaes, e caliallmas. 

MANtlBI. TOOMAI, tSStJLANA, Hv. 9, oll. 95. 

CABALLINA, adj. (Do lat. caballina). 
Do Pégaso.— yl/oHíe caballina. 

CABALMENTE, adv. (Der. de cabal, 
com o suffixo «mente»). De modo cabal. 

CABANEIRA, s. m. (Der. de cabana, com 
o suffixo «eira»). Mulher que vive em ca- 
bana pobremente ; meretriz, que anda de 
cabana em cabana. 

CABANEIRO, s. m. (Der. de cabana, 
com o suffixo «eiró»). O que vive em ca- 
bana ; o que faz cabanas. 

CABANEIRO, adj. Que vive pobremente 
do seu trabalho manual. — Foro caba- 
neiro, antigo foro que consistia em ura ca- 
pão ou gallinha, dez ovos e um alqueire de 
trigo. — vPagavão cada huum anno huum 
foro cabaueiro por S. MigueU. Doo. de 
1432, — em Viterbo, Eluc. 



CABD 



CABE 



CABE 



CABANERO, s. m. ant. O mesmo que 
cabaneiro. Forma dos séculos xii e xiii, 
muito frequente nas Inquirições de D. Af- 
fonso ni. 

CABANA, s. f. (Os etyraologistas de 
antiga espécie, para se livrarem da diffi- 
culdade que oÔerece a etymologia d'esta 
palavra, lançaram mào de varies expe- 
dientes: Moraes inventou mu, árabe, cab- 
hana, que nunca foi árabe ; Bescherelie 
deriva cabane, idêntica á palavra portii- 
gueza, do grego kapánê, a que dá a si- 
gnificaçào de estábulo, que nào consta exis- 
tisse nunca em grego. A palavra é com- 
mum aos diversos idiomas românicos, e 
apparece já em Isidoro de Sevilha sob a 
forma capanna ; é dorigem céltica; em 
kymrico e gaélico ha caban, dim. de cab, 
que tem a significação da palavra portu- 
gueza. Yid. Gabinete]. Choupana, casa 
pequena e rústica, ordinariamente coberta 
de colmo. 

Vês ta a minha cabana 
Se o tempo se muda assim, 
A mudo eu, Guiomar, oem .Vnua, 
Nâo dão voltas por aqui 
Mais leves, que ao veoto a cana. 
SÁ DE MiiuxDi, ecl., 7, 

— t Espécie de sege, coberta com hum 
couro, sem caixav. Frei Joào Pacheco, 
Divertimento Erudito, n, 335. Usava-se 
ainda no começo d este século. — Cabanas 
da Ribeira, pequenas tendas cobertas, em 
que se vendia peixe, hortaliça, etc, em 
Lisboa. Bluteau, Voe. — No jogo do tru- 
que, cabana, modo de jogar em que um 
joga de dentro da barra, outro de fora. 

— Loc. : Mudar-se com casa e cabana, 
mudar-se com tudo que se possue. 

CABANINHA, s. f. Dim. de Cabana. 

CABANO, adj. (?) Boi cabano, que tem 
os cornos horisoníaes ou voltados para 
baixo; — cavallo cabano, que tem as ore- 
lhas cahidas e não as levanta bem, nem as 
conserva muito tempo afiladas. 

CABARBANDA, s. m. (De camarabauda, 
com mudança do «m» e «b» como em busa- 
ranha, de musaranha, mormo, de morbus, 
cânhamo, de cannabis). O mesmo que Ca- 
marabauda. 

CABAZ, s. m. (Fundamentalmente idên- 
tico a cabaço, e ao francez cabas). Cesto 
de junco ou vimes, mais profundo que 
largo, ordinariamente da forma d'um cone 
truncado, tendo a parte mais estreita vol- 
tada para baixo, e um arco por onde se 
lhe pega ; empregado sobretudo para levar 
fructos. 

. . . hum cabaz de fraila. 

CIL VICENTE, 111, 557. 

— Caixa de folha em que se mettem 
as latas de levar comida. 

CAB AZINHO, s. m. Diminutivo de ca- 
baz. =^ Usado por Agostinho da Cruz. 

CABDAL, ». m. ant. (De cabedal, Vid. 
Capdal, que é outro modo d'e3crever a mes- 
ma p.ilavra. 

CABDEL, s. OT. a?jí. (De cabedelV Cou- 
del, caudilho. Occorre esta forma na Or- 



denação Affonsina. — «Quando armavam 
nãos peva guerrearem seos inimigos, poi- 
nhão cafadelles sobre ellas, a que chama- 
vão em este tempo almirantes.» I, foi. 319, 
Vid. Cabedel. 

CABE, s. m. (Der. do verbo caber). 
Termo do jogo do aro. Designa a distan- 
cia entre as duas bolas, quando entre el- 
las pode caber a palheta sem tocar em ne- 
nhuma. — Dar cabe, fazer com que a 
bola do contrario, cora um bom golpe, 
passe a raia do jogo, da ré do cabe. — 
Figuradamente, occasiào inesperada e pró- 
pria para conseguir um fim. 

— Loc. : Dar cabe ou cabes, fazer ac- 
çiio hábil e ardilosa, empregar treta para 
mudar repentinamente a marcha d'um 
successo. 

CABE, prep. ant. (Originada da antiga 
locução proporcional cabo de, abreviada). 
PtTto de, junto a. — <(Em quanto Jij o a 
tal Igreja, no logo em que ora jaz, fixou 
cabe el o seu Pendom, e nom ouzou de li- 
dear. o Documento do fim do século XII, 
em Viterbo, Elucidário, se. v. 

Beu verá qne caí'eU non soa ren. 

TROVAS E CANTARES, CaOt. 41. 

CABEAR, V. n. (Der. de cabo, como 
rabiar, de rabo). Menear o cavallo a 
cauda quando o picam. Rego, Alveit., 
cap. 1. 

CABEÇA, s. /. (Palavra idêntica ao pro- 
vençal cabeissa, forma que se encontra 
em Portugal na boca provincial, ao an- 
tigo, e que provém assim do baixo latim 
capitium, que também deu origem, e mais 
immediatamente, acaôeço; o «p» mudou-se 
em «b», como é de regra nas palavras do 
fundo da lingua (taes são cabello, de ca- 
pillus, cabido, de capitulum, lobo de lú- 
pus, e o ti do suíRxo raudou-se em « ç « 
como em preço de pretium; a mudança do 
ai» emae» nào tem nada de extraordinário, 
como mostra, entre nós, o citado exem- 
plo de cabello. Capitium, formou-se na 
baixa latinidade do thema capiti-(caput, 
capitisj, como na antiga latinidade hos- 
pitium do thema hospit-ihospes, hospitis) 
por meio do suffixo de uso frequentíssimo 
aio» . O thema capit ou caput, do latim, cor- 
responde, letra por letra, ao gothico hau- 
bith, cabeça, e ao anglo-saxào henfud, 
d'onde por contracção o inglez head; ao c 
latino corresponde o gothico h, ao p la- 
tino, / e no meio das palavras h, ao t 
latino, a aspirada th, ou em certas cir- 
cumstancias d; o anglo-saxão concorda 
com o gothico. Da mesma raiz de caput, 
cap, vem a palavra sanskrita kapalas, 
craneo, a que correspondem litteralmente 
em grego kephalê, cabeça, e em anglo- 
saxão heafola, hnfela. que tem a mesma 
significação que a palavra da mesma lin- 
gua heafud (vid. J. Grimm, Geschichte 
der deutschen Sprache, 400, G. Curtins, 
Grundzuege der griechischenEtymologie. 
137 (2.° ed.), Pisctet, (Originaes-indo-eu- 



ropéennes, i, 307) apresenta das línguas 
cslticas o irlandez capat, idêntico a ca- 
put. A significação primitiva das palavras 
parece ter sido casca, significação que se 
conserva na palavra sanskrita ao lado da 
supra indicada; isto leva-nos a buscar 
para a palavra uma raiz que signifique 
comprehender, conter dentro em si ; essa 
raiz é a mesma d'onde vem cabo (vid. esta 
palavra). Assim a palavra com que os 
portuguezes designam a parte mais im- 
portante do corpo, acha-se ligada etymo- 
logicamente ás denominações da mesma 
cousa nos antigos idiomas indo-germani- 
cos.) A parte mais elevada, ou que se 
acha collocada em posição mais anterior, 
d'um corpo d'um animal, e que comprehen- 
de o cérebro, os órgãos d'audição, da vis- 
ta, do paladar, do olphato. 

A cabeça inclinando, consentis. 

CAMÕES, Lus., cant. i, est. 41. 

Na cabeça nma feita gnarneeida. 

OB., ciT., cant. 11, est. 91. 

Sós as eahefos oa agua Itie apparecem. 
OB. ciT.,caDt. u, est. ii . 

Cabeças pelo campo vâo saltando. 
OB. crr., cant. iii. 

Esta fórroa, qae em rónna desusada 
(Onde sete cabeças se mostravSo) 
Estava con dei pontas figurada. 

BOLIM DB MOCRA, NOVISSUOS DO HOMEM , 

part. Ill, p. !$. 

— Figuradamente, juízo, siso, intelli- 
gencia, scíencia. — Fallar com cabeça. — 
Sãij tem cabeça para doutor. — Que 
grande cabeça ! — Falta-lhe a cabeça, o 
chefe, o que está á frente, commanda ou 
governa. — Cabeça de motim. — Cabeça 
do estado. — «...os que são mais valen- 
tes, e destes fazem cabeça.» Damião de 
Góes, Chron. de D. Manoel, Part. i, cap. 
46. — «Espero que os rei/s tenham grande 
acatamento aos seus sacerdotes e muito 
maior ãs cabeças d'elles... > Barros, Dé- 
cada III, 2, '2, — íE além destastres ca- 
beças, ficava a gente da terra.* Ob. cit. 
III, 4, 9. — Motores, os que promovem uma 
empreza. — As cabeças da conspiração. — 
«...sendo as cabeças da guerra Carlos V. 
e Francisco I.» Diogo de Paiva, Ser- 
mões, serm. i, foi. 132, v. — No sentido 
de chefe, motor, e dos que immediata- 
mente se ligam a estes, é a palavra mui- 
tas vezes empregada como m;isculino i^cp. 
guia, guarda, etci; mas os escriptores do 
século XVI e xvii apresentam-na quasi 
sempre como feminina. — Capital. 

Calecut tem illasire dignidade 
De caheça At império. . . . 

CAMÕES. UT., CÍOl. Tit, est. SI, 

Os Vândalos, na antifnía vileotia 
Ainda conGados. se ajunlavan 
Da fãéefê de toda a Aadalatia 

osR. cpt., ranL iv, est. 9. 

TtDissari. Queda, que ó >j rate,-' 
Das que pimenta ali tem produuJo. 
leu. cant. i, e^l. IS3 

— Capitulo, artigo, membro de um 
todo. — *Por qualquer destas cabeças de 
lei adquirido injusiamente.* Vieira, Ser- 



CABE 



CABE 



CABE 



mões, Tom, in, p. 340. — A parte supe- 
rior d'uma cousa; as extremidades. — 
Cabeça de tvave, da flor, do papel. 

Ali a cabeça a flor Ccphisja inclina. 

CAM., LL'z.. cant. ix.est. GO. 

— A parte inferior dos sapatos e botas 
dos rústicos, que se cobre cora a parte su- 
perior cliamada alya. -— Bluteau, Supple- 
mento. 

— EraTechnololgia indiana, diz-se de 
uma seda de primeira qualidade, em oppo- 
sição ás sedas inferiores que se chamam 
barrilhas. Os hollandezes distinguem a 
cabeça de mouro, e a cabeça ovdinaría. 

— AsT. O capital por opposiyrio a on- 
zena, juros. — «Uesqiie os juros erão do- 
brados, fazião cabeça das onzenas e cres- 
cenças.tí Alvará de 13(38. — Id. O assento, 
herdade, solar principal d'um senhor, ou 
a propriedade nobre em que se consti- 
tuía o morgado, — «Nos logares e terinus 
em que estiverem as cabeças dos ditos 
morgados. -a Duarte Nunes de Leão, Col- 
lecção de leis, foi. 50. 

— Loc. : A palavra cabeça, nos difFe- 
rentes sentidos indicados, entra cm um 
grande numero de phrases technicas, lo- 
cuções populares, provérbios, etc. 

— Era Agricultura, lançar de cabeça, 
vides e outras plantas, é tornal-as a en- 
terrar sem as cortar das suas cepas, de 
modo que façam barbas na terra, que 
quando cilas estão presas, são cortadas. 

— Fructa de cabeça, aguardente de ca- 
beça, a mellior, a de primeira sorte. 

— Era Astronomia, cabeça fie dragão, 
parte do zodiaco, em que a lua atravessa 
a elíptica, passando da parte austral para 
a septentrional. 

— Em Alvenaria, cabeça fie alvenaria, 
pedra grossa na parede. — Cabeça do arco, 
as pedras que vão por fora do arco na 
face exterior. — Cabeça do canto, pedra 
angular. 

— Nas antigas divisões administrati- 
vas, cabeça de comarca, era o logar onde 
residia o seu corregedor. Hoje diz se ca- 
beça de concelho, logar onde reside o ad- 
ministrador. — Cabeça de districto, logar 
onde reside o governador civil. — Loga- 
res cabeças, eram denominados antiga- 
mente todos os logares principaes a que 
outros estavam sujeitos, e em que resi- 
diam as auctoridades do estado, o o go- 
verno. Vid. o Regiirento dos Capitães 
Mores, n. 8. 

— Em Náutica, cabeça, é a parte su- 
perior de todos os madeiros empregados 
na construcção do navio. — Cabeça do 
moitão, do cadernal, da higota ou do sa- 
patilho, o lado onde se toma a cosedura 
do botão. Vid. Bigota, Cadernal, Moitão 
e Sapatilho. — Cabeça de leme, a parte 
superior do leme onde encaixa a canna. 

— Cabeça de aguas, (ant.) as aguas vi- 
vas. — Fazer cabeça, a maré começar a 
encher; quando começa a vasar, diz se 



que cZescabeça.— Cabeça do cabo, a parte 
mais saliente ou elevada do promontório. 

— Fazer o navio cabeça, surdir avante 
obedecendo ao governo do leme ao virar 
de bordo ; tomar a direcção que se lhe dá 
indo a reboque; dirigir-se por bombordo 
ou estibordo ao fazer-se á vela. Cabeça do 
prego, do alfinete, a. extremidade opposta 
á ponta ou bico. U'alii a locução é bico ou 
cabeça, expressão metaphorica tirada do 
facto de se pegar n'um prego ou objecto 
perfurante ou agudo d'um lado e com 
parte não aguda do outro, de modo que 
por descuido o fere aquella parte quando 
se julgava tomar o objecto por esta. Em- 
prcga-se, por exemplo, quando confiados 
n'uma pessoa, começamos a vêr que elia 
nos engana. — Cabeça de alhos, a pinha que 
é formada por vários dentes e ás vezes 
por ura só. — Cabeça do dedo, a ponta do 
dedo. — Cabeça do sino, a p.irte superior 
do sino opposta á boca. — Cabeça de li- 
nhas, fios cortados pelos dous extremos, 
em um dos quaes se lhes dá um nó para 
os ligar; linhas preparadas para fazer 
renda. — Cabeça de comarca, no sentido 
figurado, mulher alta e grossa; cabeça 
grande. — Cabeça de casal, chefe da fa- 
milia. — Ficar em posse e cabeça de casa, 
ficar administrando a herança como chefe 
de familia. — Crime de lesa magestade de 
primeira cabeça, crime contra o soberano 
era pessoa, ou contra as pessoas que o 
soberano regula a esse respeito. — Ca- 
beça da cunha, a parte grossa da cunha 
que fica do lado opposto ao ci>rtc. — Ca- 
beça de mouro, cabeça negra do cavailo. 

— Cabeça de (/af/o^os individuosque con- 
stituem o rebanho. — Cabeça do livro, o 
frontispício. — Cabeça do rio, as fontes. 

— Cabeça de mez, (ant.) o começo do 
mez. — Apanhar uma matéria por cabe- 
ças, apresentar os pontos capitães d'uma 
matéria. — Cabeça do leito, o lado onde 
se deita a cabeça. — Cabeça da mesa, o 
logar onde á mesa se senta a pessoa prin- 
cipal. — Cabeça do monte, o cume. — Ca- 
beça de geração, o pae ou chefe da fa- 
milia. — Cabeça de trincheira, em forti- 
ficação, é o primeiro trabalho de cavatura 
em linha sinuosa, feito na campanha rasa 
pelos sitiadores, para se aproximarem das 
trincheiras. — Cabeça d'achar, certo gui- 
sado. — ^í/ua fZí cabeça, a agua do monte 
que descendo as planicies as inunda. — 
Cabeça dura, pertinaz, teimoso. — Ca- 
beça õca, tolo, que não tem juizo. — Ca- 
beça de burro, estúpido.— Cabeça de cão 
tinhoso, pessoa cheia de chagas. — Ca- 
beça de vento, pessoa falta de assento ou 
siso. — Cabeça de cabelleira, pau de ca- 
belleira. — Cabeça de pau, onde a cabel- 
leira se molda. — Cabeça de alcatrão, ou 
de breu, cabos desfiados, formando um 
grande novello na ponta fie um pau, para 
se 1 ncravar no chão com a outra; com- 
bustível para fogueiras. — Por cabeça, 
individualmente, por cada individuo. — 



« Vierão ter com S. Pedro os cobradores 
de certo tributo imposto por Augusto^ em 
que cada hum por cabeça pagaua duas 
draclunas.» António Vieira, Serm. Tora. 
I, p. 782. — Direito de cabeça, tributo 
que antigamente se impunha ás cabeças 
de familia. — « Direyto de cabeça qiíe 
que pagavão os Mouros. d Monarchia Lu- 
sitana, Tom. VI, foi. 224.— Cabeça de 
coniboi, corpo de tropa que marcha á 
frente d'elle, descobrindo o terreno e des- 
truindo alguns obstáculos que se oppõera 
á marcha. — Cabeça da gtierra, o núcleo 
principal das forças d'um exercito belli- 
gcrante. — «N'esta cidade constituião os 
Mouros a cabeça da guerra coiitra os 
Portuguezes. * Fernão Lopes Castanheda, 
Part. III, cap. 20. — • De cabeça para 
baixo, ou simplesmente de cabeça. — 
Por esta cabeça, por esta rasão. — Sob 
pena de cabeça, sob pena capital (ant.) 

— Andar de cabeça no ar, andar distra- 
hido do que se deve fazer, sem pensar 
no que importa. — Ter ou trazer a cabe- 
ça pelos ares, andar afflicto, perturbado. 

— ^'fto saber onde se tem a cabeça, estar 
tão opprimido, que quasi se tera perdido 
a consciência das suas idêas. — Levantar 
a cabeça, abaixar a cabeça, curvara ca- 
beça. Voltar a cabeça, menear a cabeça, 
coçar a cabeça, lavar a cabeça, indirei- 
tar a cabeça. — Levantar a cabeça, pros- 
perar.— 7 yj-nn?' a levantar a cabeça, re- 
adquirir uma fortuna que se tinha perdi- 
do. — Na cabeça do rol, á frente, no pri- 
meiro logar. — «Dizem desj^ropositos, e 
quebram-nos as cabeças com se metterem 
na cabeça do rol dos discretos.» Francis- 
co Manoel de Mello, Feira de Anexins, 
Part. I, dial. i, § L — Quebrar a cabeça, 
importunar continuamente. — Metter na 
cabeça, convencer, persuadir. — «Foy o 
diabo metter na cabeça aos Architetos da 
Corte que se mudasse o Relógio a parte 
donde melhor se visse e mais soasse. » O 
mesmo, ApoL Dial., p. 26. — iTive tão 
boa manha com elle, cque lhe metti em ca- 
beça, que o servira em lihodcs htns dias.» 
António Ferreira, Bristo, act. Ii, se. 5. 

— Andar com a cabeça á roda, andar es- 
tonteado. — Fazer andar ou trazer a ca- 
beça á roda a alguém, fazer andar al- 
guém tonto, sem poder fazer nada acer- 
tado, nem pensar com siso. — <iA roda 
da minha fortuna me trazia a cabeça 
á rodai). Francisco Manoel de Mello, 
Obra citada, p. 77. — Cabeça de ferro, 
destemivel. — « He homem de boa ren- 
da, vam., gastador, denodado, cabeça de 
ferro.» António Ferreira, Bristo, act. ii, 
SC. õ. = Também se diz ser cabeça de 
ferro de alguém, de quem depende ou está 
prompto a dar o seu sangue por outro ; 
e, n'outro sentido, derivado de quem gere 
os nsgocios, que é incapaz de os dirigir 
(Vid. Testa de ferro). — Vir d cabeça, 
vir á idêa. — «.E donde te veyo agora 
isso á cabeça?» Ob. cit., act. ii, se. 4, — 



CABE 



CABE 



CABE 



S»m pés nem cabeça, despropositadamen- 
te. — i^Poi/s vucez cui/dão que tudo o que 
he seffuir metaphoras he saber dizer equí- 
vocos'? he o dizer anexins sem pés nem 
cabeça". Francisco Manoel de Mello, 
Feira de Anexins, Part. i, dial. i, § 1. — 
Cahir em cabeça a ahjuem, convcncor-sc 
ou coiTiprehender alguém alguma cousa. 
— « Nevi ás Methaphoras da moda lhes 
pode cahir em cabeça». Loc. cit. — Em 
cabeça de morgado, nos bens do morga- 
do. Francisco Manoel de Mello faz um 
gracioso equivoco com esta expressão : 
«.Homem, o entendimento nam he fazenda, 
que ande cm cabeça de morgadoo. Loc. 
cit. — Dar com a cabeça pelas jiaredcs, 
andar meio doudo, estar desesperado. — 
«&t dou com a cabeça 2^'il'J-^ paredes de 
ver trazer pela cabeça Anexins sem pro- 
jyosito». Loc. cit. — Trazer pela cabeça, 
trazer á força. — Dar na cabeça a al- 
guém, vir uma mania a alguém. — Deu-lhe 
na cabeça ser deputado, etc. — Também 
significa produzir mal para alguém. — 
Esses actos ainda lhe. hão de vir a dar 
na cabeça. — iQuem nam tem cabeça sevi- 
pre he mais cabeçudo». Loc. cit. — Tanto 
faz dar-lhe na cabeça, como na cabeça 
lhe dar, diz-se das cousas que, embora 
feitas de dous modos diíferentes, dào sem- 
pre o mesmo resultado. — Fazer cabeça 
de algue>n, aíoutar-so fiado em alguém. 
(Ant.) A cabeça, sobre a cabeça. — Trazer 
alguma cousa na cabeça, andar incuban- 
do ou ruminando algum projecto. — Ca- 
beça de matta, o que morava ou tinha o 
seu casal ou vivenda dentro de matta ou 
couto defeso. Viterbo, Eluc. — Cabeças o/- 
frontadas, na armaria são as que se acham 
com a frente de uma voltada para a da 
outra; quando estão voltadas uma para 
cada lado, dizem-se cm fuga. — Trazer al- 
guém ou alguma cousa sobro a cabeça, 
presal-a, fazer apreço d'ella. — Fazeres- 
beça por si, tratar dos seus próprios ne- 
gocies. — Pôr as mãos na cabeça, mos- 
trar-se espantado, indignado. — Metter-se, 
encasquetar-se na cabeça, capacitar-se, 
apprehender. — Quebra cabeça, cousa in- 
trincada, difficil de entender. — Andar de 
cabeça levantada, não ter nada que in- 
quiete a consciência. — Dos pés á cabeça, 
de baixo a cima. — Cahir a cabeça aos 
pés, ficar estupefacto (cahir a alma aos 
pés). — Cabeça de morteiro, cabeça gran- 
de. — Perder a cabeça, perder o accordo 
preciso para deliberar, confundir-se, estar 
fora de si por effeito da cólera ou do ter- 
ror. — Voltar com as mãos na cabeça, vir 
desbaratado, açodado. • — Ser leve de ca- 
beça, ser inconsiderado. — Cabeça em fu- 
ga, termo de armaria; cabeça desenhada 
ou em relevo, olhando para traz. — Ca- 
beça de morto, tej-mo de historia natural, 
quadrúpede da familia dos sopajos, si- 
mia morta de Linneo. — Cabeça de cão, 
termo de historia natural , serpente da 
ilha de S. Domingos. — Aprender em ca- 



beça alheia, aprender á custa d'outro. — 
Levantar alguma cousa de sua cabeça, 
inventar alguma cousa jjor si.- — Pôr a 
cabeça sobre alguma cousa, apostar ; mos- 
trar-se convencido de alguma cousa. — 
Atirar-se de cabeça, atirar-se de cabeça 
para baixo ; fig., atirar-se arrojadamente a 
uma empreza. — Rapar a cabeça com hum 
tijolo, sentido incerto. Enfermidades da 
Língua, p. 145. — Na cabeça de um ti- 
nhoso, Ob. cit., p. 138. 

— Adag. : «Não sejaes forncira se ten- 
des cabeça de manteiga». Blut., Voe. Não 
vos mettaes em cousas para que não sois 
capazes. — «Qual cabeça, nem qual ca- 
rapuça!» nem uma cousa nem outra. — 
«Ensaboar a cabeça do asno, perda de sa- 
bão». Blut. , Vocab. Hoje diz-se mais usual- 
mente: «Quem lava a cabeça a 7nouro, 
perde tempo e sabão» . — «A cabeça do besu- 
go come o sesudo, a boga dá d sua sograt. 
Ob. citadas. — «Quem pedra para cima 
deita, cahe-lhe na cabeça». Ob. cit. — «Se 
queres enfermar, lava a cabeça e vai-te 
deitar». Ob. cit. — «O mulato sempre pa- 
rece asno, quer na cabeça, quer no rabo». 
Ob. cit. — «Preguiça não lava a cabeça, 
e se a lava não a penteia». Ob. cit. — A 
quem tem cabeça não lhe falta caraj)uça.» 
Ob. cit. — « Tantas cabeças, tantas cara- 
puças». Ob. cit. — «Boa he a fazenda quan- 
do não sobe á cabeça.» Ob. cit. — «Com ca- 
beça de lobo, ganha o raposo», — «Escar- 
mentar em cabeça aUicya. Ob. cit. — «Ain- 
da João Vaz tem besta, não deixam de lhe 
dar na cabeça». Ob. cit. — «Não te mettas 
em contenda, não te quebrarão a cabeça.» 
Ob. cit. — «Quem não tem cabeça não ha 
mister de carainiça» . Ob. cit. — «Quebras- 
me a cabeça, untas-me o casco». Ob. cit. — 
«A dor de cabeça minha c as vaccas nos- 
sas». Ob. cit. — « A cabeça com comer emdi- 
reita». Ob. cit. — « 'Tal cabeça, tal siso». 
Ob. cit. — i( Tantas cabeças, quantas sen- 
tenças». — « Quem em pedra duas vezes tro- 
peça, não é muito quebrar a cabeça». Ob. 
cit. — «Nunca lavei a cabeça, que não me 
sahisse tinhosa». Ob. cit. — «Cabeça lou- 
ca não ha mister touca». Bento Pereira, 
Thes., p. 218. 

CABEÇADA, s. /. (De cabeça, por meio 
do suíiíxo composto «ada», como i^aulad a, 
de paulo (d'onde pau), palmada, de pal- 
ma, etc.) Pancada com a cabeça. — «Deu 
a náo uma grande cabeçada, com que ren- 
deu o gorupés». Historia tragico-mariti- 
ma, Tom. Ii, p. 21'J. — (iuarnição da ca- 
beça do cavallo com argolas fortes, e de 
tornei, para as cadeias se n.ão enrolarem, 
dobrada, e estofada na focinheira e no 
alto da cabeça. — «A primeira prisão do 
cavallo é a cabeçada». Rego, Instrucção 
de Cavallaria de Brida, p. 2õ. — Fig. 
(ligando-so ao primeiro sentido). Dispa- 
rate, loucura, erro, despropósito. — « Tam- 
bém ellc deu sua cabeçada, íí<7c) he muito 
dar eu a minha». António Ferreira, Bris- 
to, act. I, SC. 1. — iGraiules cabeçadas 



dão os advogados á custa das partes. i> — 
«Nam repara em cabeçadas». Fra.ncisco 
Manoel de Mello, Feira de Anexins, Part. 
I, dial. I, § 1. — «Fez tantas cabeçadas 
á sua sombra» . Monarchia Luzitana, Tom. 
I, foi. 257. — Vicio do cavallo, mal em- 
bocado, que levanta a cabeça para cima. 
= Vem em Kego, Instrucção de Cavalla- 
ria de Brida, Cap. 20. 

CABEÇAL, s. m. (De cabeça, com o 
suffixo cal»). Chumaço de panno, que se 
põe por baixo da ligadura para ella ficar 
mais alta. Cabeceira. — «Sabei que mi- 
nha pena pode encher mil cabeçaes». Ca- 
mões, Filodemo, Act. iv, se. 2. — aPor 
cabeçal a ancora, por cama as voltas 
da amarra». Lucena, Vida de S. Fran- 
cisco Xavier, Liv. i, cap. 12. — O indi- 
viduo obrigado a responder ao direito se- 
nhorio por todos os direitos e foros do 
casal, que estava dividido por diversos, 
de quem tinha a cobrar as respectivas 
porções. Viterbo, Eluc. — Ponto de ca- 
beçal, termo de alveitaria, ponto que se 
dá nas bordas da sangria com uma agu- 
lha, para as atar. — « Nem o fluxo cã 
costura, nem cõ ponto de cabeçal». Gal- 
vão, Tratado de Alveitaria, p. 551. — 
Cabeçaes, nos coches, quatro paus altos, 
de quatro ou cinco palmos, que susten- 
tara a caixa, cada um por meio de ura 
argolão. Blut., Vocab. Fr. João Pacheco, 
Divertimento erudito. Tom. ii, p. 335. 

— Adag. : Embora vas mal, onde te 
põem bom cabeçal. Blut., Voe. — Mal so- 
bre mal, pedra sobre cabeçal. Ob. cit. 

t CABEÇALHA, s. f. (De cabeça, com 
o suffixo «alba», como bandalho, deban- 
do, bogalho (por hagalho), de baga. etc.) 
Vara comprida que sahindo da frente do 
leito do carro, vae até á cabeça dos bois 
c segura o jugo. 

CABEÇALHO, «. w?. O mesmo que Ca- 
beçalha. Em Typographia, os dizeres d.i 
cabeça de um jornal ou de um artigo. 

CABEÇÃO, s. m. (De cabeça, com o suf- 
fixo «ão»). Parte superior de alguns ves- 
tidos, que cinge o pescoço e cobre parte 
do peito e costas. Espécie de cabresto, 
composto de duas rédeas de lã, grossas 
e soltas, e meia canna, com que se cinge 
o focinho dos potros para os domar. — 
« O cabeção na sella da gineta depois dos 
potros não se deve usar, senão para ca- 
vallos soltos de rosto c descompostos. » 
Francisco Pinto Pacheco, Tratado da ca- 
vallaria, p. 65. — Termo antiquado: ca- 
pitação, imposto ás cabeças de familia. 
— «... que os juristas chamão capitatio, 
e nós em Poj-f iif/ue; cabeção». Ceita, Ser- 
mão do Nascimento, p. 137. — «A'o ca- 
beção (/<(,< .«('ras da comarca*. Carvalho. 
Corographia portugueza. Tom. i, p. 487. 
Fronha. — "Cabeções com pennar. Testa- 
mento de Affouso rv. 

— Em Typographia, pequena cstiunpa, 
mais comprida que larga, que se põe, 

i para ornato, na cabeça de um livro ou 



8 



CABE 



CABE 



CABE 



dos capítulos. Hoje quasi se não usa, sub- 
stituindo-se pela palavra vinheta. 

— Loc. : Acolher-se aos cabeções de 
alguém, pôr-se ao abrigo da sua protec- 
ção. — Andar debaixo dos cabeções, inet- 
ter-se debaixo dos pés de alguém, fazer- 
86 servil. Francisco Manoel de Mello, Fei- 
ra de Anexins, Part. i, dial. ii, § 1. 

CABECEAR, v. a. (Der. de cabeça pelo 
mesmo piocesso que guerrear, de guerra, 
chapear, de chajiar, farpear, de farpa, 
capear, de capa, rarear, de raro, etc.) 
Fazer as cabeceiras do lombo do livro. — 
«Cabecear um livro com retroz)). Bluteau, 
Vocabulário. Termo de artilheria. — Ca- 
becear a peça, abaixal-a da joia.=Pouco 
Usado. 

— Cabecear, v. n. Abaixar, menear, 
agitar a cabeça. — Estar cabeceando com 
somno, diz-se de quem está deixando pen- 
der e vacillando a cabeça involuntaria- 
mente por cfteito do somno. — Cabecear 
o navio, pender para um dos lados. — 
tForão os navios cabeceando e encos- 
tando-se aos penedos n . Couto, Décadas, 
dec. X, foi. 5, col. 7. — Cabecear, mo- 
ver a cabeça muitas vezes para manitestar 
approvaçào. — <i.E então ver cabecear o 
auditório a estas cousas, quando devia- 
mos de dar com a cabeça pelas paredes 
de as ouvir» ! António Vieira, Sermões, 
serm. i, p. 70. — Cabecear a torre, o 
campanário, um edifício. — <i ...pender a 
parte superior d'elle para esta, ou aquella 
parte». Frei João Pacheco, Divertimento 
erudito, II, p. 292. — « Tal foi o cabe- 
cear do campanário, com j^endores a huma 
e outra parte». Frei Luiz de S;usa, Hist. 
de S. Domingos, Part. i, foi. 142. 

CABECEIRA, s. f. O logar onde fica ou 
repousa ou de cujo lado fica a cabeça. — 
A cabeceira da cama, o lado da cama 
d'onde fica a cabeça. Espécie de almofada 
para encostar a cabeça. — A' cabeceira, 
junto da cabeceira do leito. 

Lia Alexandre a Homero de manein 
Que seiuprí se llie sabe à caíeceira, 

CAMÕES, Lus., cant. V, esl. 95. 

— «At/ meu bom Pay , c Sunlior, que nem 
para vos enterrarem , vos acharam um 
real de agua á cabeceyra». Francisco Ma- 
noel de Mello, Apolog. Dialogaes, p. 135. 
— Cabeceira da mesa, o lado onde se senta 
o dono da casa, o amphytriào, etc. 

Ali em cadeiras ricas, crystallmas. 
Se assentam dons e íIdus, amante e dama ; 
N'o[ilras ã cabfCfira (da mesaj, d'ouro finas. 
Está co'a bella deosa o claro Gama. 

CAMÕES, Lfs., cant. x, est. 3. 

— Cabeceira do rol, a frente, no primeiro 
logar. — Cabeceira da cova, a parte da 
cova, de cujo lado fica a cabeça do cadá- 
ver. — «Com cruzes ás cabeceiras das 
covass. Lucena, Vida de S. Francisco Xa- 
vier, foi. 46. 

— Ant. Chefe. — «Eram as principaes 
cabeceiras do governo delia.» Barros, Dé- 
cadas, I, foi. 133». — <sSam estes Canga- 



res as cabeceiras das Aldeãs. » Idem, Dé- 
cadas, II, foi. 105. — (íErão ali grandes 
cabeceiras (dos mouros), os quaes forão 
tomados, p/agaram grandes rendições». 
Inéditos de historia portugueza, foi. iii, 
p. 28. — Cabeceiras. Termo de encader- 
nador. Lavôrde retroz, feito em um e ou- 
tro extremo do lombo do livro. IMuteau, 
Vocabulário. 

— AdaG.: "Não está fora de conccyra, 
quem os pés muda para a cabeceira». 
Bluteau, Vocabulário. — « Em mesa re- 
donda não há cabeceira». Ob. cit. 

t CABECEIRO, s. m. (Corrupção de ca- 
beceira). Termo da Africa portugueza, 
muito usado pelos indígenas de Dahomey. 
— Chefe. 

f CABECEL, s. m. (Der. de cabeça, suf- 
fixo «el»)- O encabeçado em praso ou her- 
dade indivisa, que dava o quinhão da 
renda aos achegos, ccherdeiros e compar- 
tes. Viterbo, Elucidário. 

CABECINHA, s. f. Diminutivo de ca- 
beça ; figuradamente, extremidade, ponta 
boleada d'uma planta, pessoa de pouco 
siso. — Qtie cabecinha ! — A farinha re- 
sultante do rolão, passado por peneira mais 
grossa e que contém a sêmea mimosa. 

— Loc. : Cabecinha de vento, pessoa 
que tem pouco siso. — ■ «^/i moças 2}0,r- 
voas, apetitosas, cabecinhas de vento ». 
António Ferreira, Liv. ii, p. 1. — Cabe- 
cinha d'arroz, cabecinha d'avelã, cabeça 
nuiito pequena. 

CABEÇO, s. m. (Der. da forma da baixa 
latinidade capitium ; víd. Cabeça). O ponto 
mais alto do monte ; cume. — «Serras tão 
altas que a algumas lhe ficão as nuvens 
jwr debaixo dos picos e cabeços». Lu- 
cena, Vida de Sam Francisco Xavier, foi. 
4G7. — Monte pequeno, collina, baixo. — 
i<E junto a hum cabeço alto, aonde se 
fundou a Igreja». Monarchia Lusitana, 
Tum. VI, f(jl. 64. 

t CABEÇORRO, s. m. (De cabeça, com 
o sufiiso florro»). Cabeça grande. 

CABEÇUDO, adj. (Der. de cabeça, pelo 
mesmo processo que j>ontudo deriva de 
j)onta). Que tein cabeça grande. — Obsti- 
nado, pertinaz, aferrado ás suas idêas. — 
« Tratar somente com a lei escrita é tra- 
tar com um homem cabeçudo». Amador 
Arraes, Diálogos, dial. v, p. 4. — Rombo, 
sem pontas. — >i Virotes cabeçudos». Iné- 
ditos de historia' portugueza. Tom. iii, 
p. 486. — Emprega-se tainbem substan- 
tivamente. — Nada quero com cabeçudos. 

CABEDAL, s. ?íi. (Alteração do capital, 
mudando-se, como de regra, o <<p» medial 
em «b» e «t» medial em «d»; é a fórina 
verdadeiramente portugueza, do fundo da 
lingua, em quanto capital é apenas uma 
fornia que veiu pelo vehiculo da erudi- 
ção). O capital, os fundos em opposição 
ás rendas, juro, frueto. — • «E delles que 
nem liam renda ninihuma hívam-lhes do 
cabedal». Ordenação Aífonsina, Tom. iv, 
cap. 90, p. 1. — iApplicava (a Rainha) 



para regalos das Freiras da Encarna- 
ção teus ganhos e cabedaes.» Francisco 
Manoel de Mello, Carta de Guia de Ca- 
sados. — « Cada hum mostrava a seara 
do seu cabedal e officio pretendendo co- 
Ihcr-lhe o frueto» . Jorge Ferreira de Vas- 
concellos, Ulyssipo, prol. — « Tudo pedia 
hum excessivo cabedal ou industria, que 
o suprissse». Francisco Manoel de Mello, 
Epanàphoras, p. 15. — Géneros que con- 
stituem o objecto d'um commereio espe- 
cial. Dinheiro com que se negoceia. — 
«Basta que também a natureza he trapas- 
seyra, como Mercador tramposo, que com 
pouco cabedal vay contentando a muytos 
acredores». Francisco ' Manoel de Mello, 
Apol. Dialogaes, p. 135. 

— Ant. o grosso dos dízimos, foro ou 
pensões ; por exemplo : pão, azeite, por 
opposição ás direituras que eram as miun- 
ças e forragens. — (i7íeí/(!S a nós por pam 
e por vinho quatro moyos, e sser pela teyga 
de Martim Gonçalves; e o cabedal seer 
terso de centeo, e d'orgo e as duas partes 
de mylo^ feitos em celeyro». Docum. de 
1303. = Citado por Viterbo no Elucid — 
Figuradamente: poder, faculdade, força 
em exercício para conseguir um fim. — 
«Prodigio tão superior aos cabedaes da 
natureza», Manoel Bernardes, Floresta, 
Part. II, p. 89. O material para fazer 
uma obra. — «Não metteo Deos mayor ca- 
bedal em crear aos homens, que as for- 
migas». Frei Thomé de Jesus, Trabalhos 
de Jesus, p. 184. (ed. 1731.) — «Huma 
gente cõ quem metteo tão pouco cabedal 
a natureza» . António Vieira, Sermões, 
Tom. IV, p. 518. — ^ Os meios com que 
se pretende conseguir alguma cousa. — 
«Averti o cabedal que metteo Christo a Ju- 
das para conseguir isto». Idem, Ib., Tom. 
III, p. 239. — Os bens que se possuem e 
com que se podem aftVontar as difficul- 
dades da vida. Matéria prima d'urna obra. 
Diz-se principalmente do couro com que 
os sapateiros fazem os productos da sua 
arte. Os materiaes de guerra e gente, e 
tudo o mais que é necessário para fazer 
guerra. — «Ficava-lhe cabedal para re- 
parar a armada», Fernão Lopes Casta- 
nheda, Historia da índia, Pait. iii, cap. 
130. — O apreço em que se tem alguém 
ou alguma cousa. — Fazer cabedal, fazer 
apreço, ter estima.— «Fez tam pouco ca- 
bedal doesta nova». Monarchia Luzitana, 
Tom. I, p. 258. — Cabedal de engenho, de 
noticias, de talento, de íciencia, dejuizo, 
etc, o gráo ou quantidade d.'engenho, de 
noticias, de talento, etc, que se possue. 
— Ter grande cabedal d' engenho, etc, 
ter muito engenho. — « Veio de fora do 
reino carregado de cabedal denoticias cu- 
riosas». — isConlieçoo cabedal çwe elletem, 
sey quanto vai, quanto peza, e o quepóde 
fazer». Bluteau, Vocab. — «Fulano tem 
grande cabedal (/e^j?v(/í(/çí(». Obra cit. — 
A quantidade dagua dum rio, ou regato; 
grandes aguas. — tO pouco cabedal do 



CABE 



CABE 



CABE 



9 



regato lhe ensinou a esconder as aguas. » 
Monarchia Luzitana, Tom. vii, p. 154. 
Vid. Cabedal, adj. — Matéria, assumpto. 
— tEu ainda tinha cabedal para hir 
adiante, se as horas tor)iaram atraz. t 
Francisco Rodrigues Lobo, Obras, foi. 26, 
(ed. in-fol.) 

— Loc. : Fazer cabedal em alguém, 
confiar na sua protecção. — «O nosso re- 
médio esteja em nos desenganar que em 
ninguém se pode fazer cabedal senão em 
Deos.t Diogo de Paiva, Sermões, Tom. 
I, p. 123. — Metter resto e cabedal em al- 
gum negocio, empregar todos os meios 
que se tem ao alcance, todas as traças, 
tramas, actividade n'um negocio. 

— Cabedaes, pi. Dinheiros, proprieda- 
des, recursos, posses, materiaes. 

— Techn. Cabedaes «são dons paus, 
que galgados servem para desempenar as 
taboas que os carpinteiros querem lavrar. » 
Frei João Pacheco, Divertimento Eru- 
dito, II, p. 315. 

— AdaGt. (íCom homem interessai, não 
juntes íetí cabedal.» — «De Todos os San- 
tos ao Natal, perde o padeiro o cabedal. » 

CABEDAL, adj. 2 gen. (Etymologica- 
mente, o mesmo que Cabedal ; o emprego 
da palavra, como adjectivo, desenvolveu-se 
evidentemente das locuções cabedal do rio, 
rio de cabedal.) Caudal, que tem aguas 
copiosas. — « Podião esgotar hum rio, por 
cabedal que fosse. n Barros, Década III, 
foi. 95. — «Este rio he grande, e cabe- 
dal, por ser o segundo braço, de que se 
faz o Indo.-D Idem,Ib., Dec. iv, foi. 578. 

CABEDEL, «. m. ant. (Alteração regu- 
lar da forma lat. capitellum, de que 
vêem também cabedello, cajjitel, chapi- 
teu, íórmas em que o sentido fundamen- 
tal de cabeça se descobre.) Chefe, guia, 
cabeça. — «Judas... foi/ cabedel dus que 
prehenderam Jesu...yi Actos dos Apósto- 
los, I, 16, nos Inéditos d'AIcobaça. — 
«Este Aminadab foy huum dos cabedees 
(escripto por erro cabedaes, na impressão) 
dos filhos d' Israel.» Livros de Linhagens, 
IV, p. 232 em Portugal, monum. histor. 
Scriptores, I. — «Este Nasam foi/ cabe- 
dell no deserto de toda a albergada da 
tribude Judá.ii Ob. cit. Occoi-re ainda no 
século XV nos Opúsculos de Fr. João Claro 
(Histor. Chronol. crit. da Real Abbadia de 
Alcobaça, de Fr. Fortunato de S. Boa- 
ventura, p. 101, e nos Inéditos, I, publ. 
pelo mesmo). 

CABEDELEIRO, s. m. «ní. (Tambcm oc- 
corrc a forma cabedaleiro; a primeira ó 
influenciada por cabedel; a palavra pro- 
vém de cabedal por meio do siiflixo «ei- 
ró».) Devedor de cabedal, principalmente 
de dinheiros ; o que negoceia com cabe- 
daes (dinheiro ou espécies) que lhe foram 
emprestados por capitalistas. — «Se tal 
devedor, ou cabedeleiro, nvm pagar a di- 
vida, vn cabedal ao tempo que prumcttco 
pagar, D Lei de D. Diniz na Ordenação 
Affons., Liv. V, 39, 1 .— « Que aos cabede- 



leiros se não contem os cabedaes alheyos, 
com que negoceão.» Lei antiga na Orde- 
nação Manuel., Liv. v, 65, 1. 

CABEDELLA, s. f. (Outra forma de ca- 
badella.) Os miúdos e cabos das aves, o 
figado, moela, azas, pescoço, pernas, etc. 

— «Pois, Senhores, coração, bofes, baço 
e toda a outra mais cabedella, não se po- 
dem comer senão em cominhos.)) Cam., 
El-Rei Seleuco, Prol. — - O guizado feito 
com os cabos e miúdos das aves. — Cabe- 
della de gallinha. — Molho de cabedella. 

— Gallinha feita de cabedella. 

— Loc: Não está má a cabedella. 
Diz-se ironicamente d'um caso que não 
agrada. 

CABEDELLO, s. m. (Do latim capitel- 
lum.) Cabeço d'areia. — Colhido por Bento 
Pereira, no Thes.= Também (influencia- 
do talvez por cabo, por supposta relação 
com este) pequena lingua de terra, en- 
trando ao mar; pequeno cabo. 

CABEIRO, s. m. (Der. de cabo, por 
moio do suffixo «eiró», que entra na for- 
mação de grande numero de nomes d'ar- 
tífices.) Que faz cabos de facas, espa- 
das, etc. 

CABEIRO, adj. (Der. de cabo, com o 
suffixo «eiro».) Que vem ao cabo, no 
fim ; extremo, ultimo, final. 

— Loc. : Dente cabeiro, o dente do 
siso, o ultimo dente que nasce depois 
dos 21 annos. Na pronuncia popular ca- 
beiro contrahiu-se em «queiro» ; assim 
dente queiro por dente cabeiro. — Cabeiro 
acha-se em Ferreira, Cirurgia, p. 96. 

CABELÁDO, adj. ant. (Der. d'um the- 
ma cabellá, de que viria um verbo cahel- 
lar que não occorre, pois a forma é de 
natureza participai.) Felpudo. — « Veludo 
cabelado.» Doe. nas Provas da Historia 
Geneal. da Casa Real, I, 571. 

CABELHADÚRA, ou CABELLADÚRA, 
s. f. (Der. de cabello com o suffixo «du- 
ra».) Cabclleira natural. = Colhido por 
Bento Pereira e empregado nos Inéditos 
de Hist. port., III, 304. 

CABELLEIRA, s. /. (Der. de cabello, 
com o suffixo «eira».) O cabello natural 
comprido.— «Supponho em primeiro lu- 
gar serem as cabelleiras, insígnias da 
nobreza, e não se pcrmittir em Roma, 
nem nas Provindas sujeitas ao Império, 
cabello comprido, senão aos senhores, e 
illustres como se lê nas Cartas, que Cas- 
siodoro escrevia aos Senadores.» Crysol 
Purificativo, p. 514. — Cabellos postiços, 
cosidos e ligados, geralmente por meio 
do uma ]iellica, com que se encobre a falta 
de cabelleira natural. 

— Loc. : Cabelleira solta, era a que 
levavam ao paço os cortezãos c fidalgos 
quando andavam de capa. Bluteau, Vo- 
cabulário. - - Cabelleira atada, cabelleira 
com dons uós do próprio cabello. — Ca- 
belleira de nós ou de ?Ha)'<tí//(), cabelleira 
quasi redonda, tendo dous flocos de ca- 
bello pendentes e atados cm nó. — Cabel- 



leira em guingetas, forma de cabelleira 
usada no século xiii, a qual tinha duas 
tranças cobertas de fita negra. 

— Cabelleira dos cometas, a cauda dos 
cometas. 

Des.ifiando o alto Cco, e estrellas 
Com mil bombas de íogo Ievant3das, 
Cometas lança ao ar, vendo-se entre cilas 
As brancas cabelleiras inllammadas. 

G. PER. DE CASTRO, DLYSSÉA, Cant. UI, BSt, 22. 

— Cabelleira das arvores, a folhagem, 
a copa das arvores. 

— Cabelleira dos cavallos, a crina. 

— Na linguagem popular e familiar, ca- 
belleira, é synonymo de bebedeira, em- 
briaguez, perua, piela, piteira. Acha-se 
auctorisado n'este sentido por Francisco 
Manoel do Nascimento. 

CABELLEIREIRO, s. m. (Der. de cabel- 
leira, com o suffixo «eiro», de modo que 
na palavra se acha este suffixo repetido 
duas vezes.) O que faz e compõe cabellei- 
ras; o que pentêa e corta cabello. 

CABELLINHO, s.m. Diminutivo de ca- 
bello. 

— Loc: «Homem de cabellinho doce, o 
que o cria e penteia cuidadosamente. E' 
de Jorge Ferreira de Yasconcellos, Eu- 
frosina, III, 5. — «Homem, mulher de cn- 
bellinho na venta», colérico, de mau gé- 
nio, destemido. — «Sem tocar um cabel- 
linho», nem ao de leve. — «Humaonda se 
me vinha outra se me hia, de ver como se ' 
esprayava, sem que hum cabellinho to- 
casse, que ondeasse, a prosa metaphorica 
em que se envolveu» . Francisco Manoel de 
Mello, Feira de Anexins, Part. I, dial. i. 

CABELLO, s. m. (Der. do latim capil- 
lus, por meio do abrandamento do «p» 
em «b» e mudança regular do «e» accen- 
tuado diante de dupla. A palavra capil- 
lus tem dado logar .a discussões curiosas 
entre os linguistas. É evidente que se li- 
ga a caput ; mas como ? Do thema cap-it, 
(caput, cap-itis)j do suflixo latino «lo*, 
que se encontra em sig-lo, hei-lo, etc., se 
formou cap-it-lu-s, d'onde, por assimila- 
ção do ot» ao «e», capillus, que devia 
primeiro ter sido adjectivo e significado 
— o que pertence á cabeça. Esta etyuio- 
logia, proposta por C-orsson, Kritische Bei- 
traege zur lateinischen Formeulehre, pôz 
termo a todas as iliscussõos. Põllo parti- 
cular á parte da pelle que cobre o cra- 
nco humano. 

. . . .começo os olhos bcUos 

A lhe beijar, as faoís, e os cotellot. 

CA]n,LDS.,T, 55. 

Cabcths , qne o ooro faiem haixc» e ril. 
Com que iiida o Sol mais clara luz daria. 
De cada uma de vós minha aliiii pende. 

AXTOMO numíiBA. I. 55. 

— Cabello branco. — Cabello cnstanho. 
— Cabello ;>)v/.). — - Cabello Imiro. — Ca- 
bello ruivo. — Cabello claro. — Cabello - .«- 
cK)•o. 

Grinaldas nwnd» pôr At nriis cores 
Sobre cabtilM looros i porfi». 

CA»., ics., i», 8T. 



«o 



CABE 



CABE 



CABE 



— Cabellos bellos, formosos, feios. 

a Aurora marchetada 

Os fermosos cabellos espalhou. 
OB. CIT., I, 39. 

— Cabellos angélicos, cabellos bellos 
como se fossem d'um anjo. 

Os caheUos angélicos trazia 
Pelos ebúrneos lionibros espalhados. 
CAM.. ob. cit. 

— Cabellos encarapinJiados.- — -Cabellos 
Usos. — Cabellos revoltos. — Cabellos cres- 
2)os. 

Cheio de terra e crespos os cabe/los. 

Qkyl., LVS., V,, 39. 

— Cabellos d' ébano, cabellos negros co- 
mo ébano. — • Cabellos douro, cabellos da 
côf c brilho do ouro. 

De ucui os ('«'«'//"s de ouro o vento leva. 
oB. CIT.. n. 74 

— Cabellos curtos. — Cabellos compri- 
dos. — Cabellos cortados. — Cabellos cres- 
cidos. — As pontas dos cabellos. 

D as pontas dos cafieflos llie caiam 
Golias. . . 

OB. CIT., IV, 71- 

— Trança de cabellos. — Aiineis dos 
cabellos. — A cor dos cabellos. 

A cõr, que tinha Daphne nos cabellos. 

OB. CIT., IX, 36. 

— Por extensão: Cabello, o pcllo que 
■nasce nas outras partes do corpo além da 
pelle que cobre o craneo. — Os cabellos 
da barba. — Os cabellos do nariz. — Os 
cabellos do peito. 

Os cabellos da barba, e os que decein 
Da cabeça nos hombros, todos crSo 
Huns liiíios prenhes d'agua. . . 

OB. CIT., TI, 17. 

— Deixar crescer o cabello. — Encres- 
par o cabello. — Cortar o cabello. — Ari- 
nelar o cabello. — Frisar o cabello. — 
Puxar o cabello puxar pelo cabello. — 
Agarrar j^elos cabellos. — Pentear os ca- 
bellos. — Empoar os cabellos. — Cabel- 
los posí/ços. ■ — Figuradamente: Os cabei- 
los do sol, CS raios do sol. 

La oníle o claro Tejo a praya lava 
Bica das brancas conchas (fOricnle, 
Já seus cabellos n'a{;oa o Sol molhaTa. 

A.NTÔ.NI0 FERI\Em.V, EGLOG.\ VIU. 

— Termo de relojoeiro. Agulha no inte- 
rior do relógio, que, movida .sobre o seu 
eixo, faz adiantar ou atrasar o relógio. 
— Termo de carpinteiro. O barbante da 
serra. — Termo de moleiro. Varinha que 
a andadeira ou mó corredora põe em mo- 
vimento, e que por esse movimento abre 
e fecha successivaraente o buraco pelo qual 
cahe o grão. 

— Loc. : Doer o cabello, ter receio d'al- 
gum mal. — «Logo me doeu o cabello.» 
António Ferreira, Bristo, III, 7. — «Sem- 
pre me doeu o cabello dos amores de meu 
amo.» Jorge Ferreira de Vasconcellos, 
Euphrosina,V, 8. — Fino como um cabello, 
muito fino. — Subtil como cabello, muito 



subtil. — «Nam sejam tão subtis como ca- 
bellos da cabeça.» Francisco Manoel de 
Mello, Feira d'Anexins, Part. i, Dial. i. 

— Pelos cabellos, á força. — «Ide pelos 
cabellos muito contra vossa vontade, d An- 
tónio Vieira, Sermões, I, 504. — «Fica o 
triste mettido nus voltas de Andreza como 
Absalào pelos cabellos. t Francisco Ma- 
noel de ilello, Ob. cit. — Ter hum cabello, 
ter cabellos abundantes e compridos. — 
Ter mau cabello, ter poucos cabellos. — 
Arripiarem-se os cabellos, levantarem-se 
sob a impressão do terror. 

.;;'... ■-._■. Arrepiam-se as carnes e o caíe//o 

A mi e a todos, só de ouvil-o e vel-o, 
CAM., LOS., cant. v, est. 40. 

— Arripia-cabello, a pospelio, contra 
a direcção do cabello. Figuradamente : 
cora violência, contra a tendência natural. 

— Não tocar a ponta d' um cabello, sem 
lesar era cousa nenhuma. — Nãof altar um 
cabello, não faltar nada. — Agarrar a oc- 
casião pelos cabellos, não deixar escapar 
uma occasião propicia. Esta locução tom 
a sua origem em os antigos representa- 
rem a occasião cabelluda por diante e 
calva por trás, de modo que tendo ella 
passado era impossível agarral-a mais. — 
Trazer, vir um argumento, um dito, um 
equivoco pelos cabellos, á forca de muito 
trabalho, mal deduzido, sem lógica ou 
graça. — «Se elles (os equívocos) cahem 
a pelo, tem sua galantaria ; não já como 
muytosque vem pelos cabellos.» Francisco 
Manoel de Mello, Obra cit. — Chegar aos 
cabellos, passar a vias de facto, vir ás 
mãos, brigar. — Arrancar os cabellos, 
estar desesperado. — Em cabello, com os 
cabellos soltos. Hoje está cahida em des- 
uso esta locução. — «Qual em cabello.» Ca- 
mões, Lus., cant. iv, est. 91. — Em cabello, 
locução que tem sua origem na syniboli- 
ca do direito da edade media. — Blulher 
em cabello, era a mulher solteira, cujo es- 
tado de virgindade era indicado syrabo- 
licamente pelos cabellos soltos, que indi- 
cavam que ainda não tinha ligado os seus 
cabellos pelo casamento. A viuva usava 
os cabellos cobertos cora uma touca ; a 
casada trazia os cabellos descobertos, mas 
ligados. Póde-se vêr alguma cousa, ainda 
que insuíEciente, sobre isto, em Viterbo, 
Eluc, s. V. Cabello, mas com maior des- 
envolvimento nos auctores que têm tra- 
ctado da origem e symbolica do direito. 
A locução antiga ligar os cabellos a don- 
zella, isto é, casar, acha-se n'uma trova 
do Cancioneiro do Vaticano : 

Por ileus, coitada si;;o. 
Pois non ven meu amigo; 
Pois non ven, que farei? 
Meus cabelos, coinsigo. 
Eu non os liarei. 

CASCIONEImxno de TI\0VAS A.NTIG.tS, publ. pnr 

Varnhagen, cant. 17, 

— Chegar aos cabellos com o inimigo, 
travar batalha. — Cabello no j^eito, incha- 
ço no seio da mulher que amamenta. — • 
Levar couro e cabello, levar tudo, não 



deixar nada (uma empreza, um negocio), 
deixar n'um estado miserável de saúde 
ou de haveres. Locução metaphorica ti- 
rada dos mãos barbeiros que esfolam os 
freguezes ao barbeal-os. 

— Adag . : « Mal alhe iopesa como um ca- 
bello.» Blut., Vocabulário. — «Não quero 
gabão, se me ha-de encher de cabellos. » Ob. 
cit. — «Muitas mãos e poucos cabellos, asi- 
nha são depennados.í) — «Cabellos, e can- 
tar não fazem bom enxoval.» Ob. cit. — 
«Mais vai velha com dinheiro, que moça 
com cabello.» — «Madrinha fazei o to- 
pete, e idlo o cabello. » Obra cit. 

CABELLÚDO, adj. (Der. de cabello, pe- 
lo mesmo processo que cabeçudo, de cabeça, 
por meio do suffixo «udo.») Que tem lon- 
gos cabellos. «Apollo cabelludo». Franco 
Barreto, Eneida, ix, lò-t.— Que tem abun- 
dantes cabellos pelo corpo. — Cometa ca- 
belludo, cometa de longa cauda. «Appa- 
receu hum cometa cabelludo». Leonel da 
Costa, Georgicasde Virgil., p. 37. — Cou- 
ro cabelludo: termo de medicina, a parte 
da pelle que cobre o craneo e oude 
nasce o cabello da cabeça. — Bicho cabel- 
ludo: termo do Brazil, lagarto de pcllo 
que causa uma dôr comparável á da quei- 
madura em quem lhe toca. 

— Observ. GRAMM. Emprega-se tam- 
bém substantivamente. Na linguagem po- 
pular, serve então de epitheto a pessoas 
que têm muito cabello, principalmente 
pelo corpo. — Olhão cabelludo! — Fulano, 
o cabelludo. 

CABER, V. a. Segundo Viterbo, Eluc, 
s. v. esta forma significaria cabedal em 
documentos que elle achou, mas es;a si- 
gnificação parece mais que duvidosa, 
tanto mais quanto pelo lado da etymolo- 
gia se offerecem sérias diíficuldades, se a 
suppozerraos correlacionada com cabedal, 
ou proveniente d'esta. 

— Caber, v. a. ant. (Do latim capere, 
tomar.) Tomar, receber. — «Sse obrigou de 
estar, e de caber toda rrem, que os ditos 
Juizes ar vidros julgassem, ordinkassem.» 
Doe. de 1289, eiií 'Viterbo, Eluc. 

— Caber, v. n. (A significação neutra ser 
tomado, ser coiuprehendido,desenvolveu- 
se aqui como em muitos outros casos da 
activa.) Ser comprehendido, contido, po- 
der ser contido n'um espaço. Os livros 
cabem na estante. A agua cabe na bacia. 
O publico não cabia no theatro. Os doen- 
tes não cabiam nos hospitaes quando ouve 
em Lisboa a febre amarella. Caberemos 
ainda no carro? — Figuradamente: Ca- 
ber em verso au historia, poder ser ex- 
presso em verso ou historia. 

Feitos farão tão dignos de memoria. 

Que não caibam era verso ou larga historia. 

CAM., LCS., CAST. X., CSt. 71. 

— Caber em alguém um sentimento, sa- 
ber, ventura, etc. 

. . .em scientes muito cabe. 
OBBA CIT., p. Í53. 
Não cabe em mim tal bemaveotarança 

A.VrO.NI0 FEBB&IBA, SONET., liv. I., .0. 



CABI 



OABI 



CABI 



11 



— Caber paríe, pertencer parte. 

A lodo o Mondo, ao Mundo loilo eale 
Parti', não he somente el!a 

IDKM, cclog. I. 

E vós, senhor, a que igual parle ralfe 
E sempre cabem d' esfaima, e vida. 

IDEM, SOXETOS, LIV. 11. 21 - 

— Cahir em quinhão, em sorte. — «^4 
todos (os homens) cabe seu trago (das 
aguas das discórdias)». Francisco Manoel 
de Mello. Apol. Dial., p. 109. 

— Caber em, poder pertencer a. 

Dae-me ifual canto aos feitos da famosa 
Gente vossa, que Marte tanto ajuda; 
Que se espalhe e se cante no Universo, 
Se tão sublime preço cabe ein verso. 

CAM., LCS., í, 5. 

— Ser vez, vir por turno. — «Aquelle a 
que cabe entrar na fortaleza para a go- 
vernar. i> Luiz Marinho d'Azevedo, Dis- 
cursos Apologéticos, p. \02.^Vir a pro- 
pósito, ser occasiao. — «Cabelos agora 
aplicar o que fica provado. ri Fernào de 
Queiroz, Histor. da vida de Pedro Bas- 
to, foi. 44Ò. — lAqui cabe responder ao 
mérito de cada hum.» Brachyologia de 
Príncipes, p. 88. 

— Loc. : Não caber em si de contente, 
de alegre, de satisfacção, etc. — «A serva 
de Deos não cabia e?» si de prazer, v Jor- 
ge Cardoso, Agiologio Lus., 9, iii. — Não 
caber na vontade, não poder ser objecto 
da vontade d'alguem. — tf Na sua vontade 
não cáhe fazer mal.» António de Sousa 
de Macedo, Dominio sobre a fortuna, p. 
202. — Não caber o coração no peito, diz- 
se de quem está muito contente. 

AMo sabe o bravo tanto bem se o creu; 
Que o coração no peito llic n,ão cabe. 

CAM., lus., cant. vi, est. 90. 

— «Caber com alguém, privar com al- 
guém.» Bento Pereira, Thes., p. 150. — 
Cousa em que não cabe erro, cousa que 
não é susceptível derro. — ■.(Por ser cousa 
em que não pode caber erro.» Mondrchia 
Lusitana, Tora. i, foi. 125. — Não caber 
no mundo, num logar, aspirar a muito, 
olhar o mundo ou esse logar como pe- 
queno para si. 

em terreno 

NJo cabe o allávo peito tão pequeno. 

CÂU., LÚs., cant. iii, est. 9G. 

— « Aonde hoje não cabe hum pohvc 
escudeiro, dantes cabia um senhor gran- 
de. » Francisco Manoel de Mello, Carta 
de Guia de Casados. — A caber, a propo- 
posito, cm boa occasiao, no tempo con- 
veniente. — Isso está a caber. 

— Ai)A(J. : (íllonra e proveito não ca- 
bem «'ítm saco». — a Avertencias e iiso7ijas 
cabem peyor em hum saco, que honra, e 
provecto. » Francisco Jlanoel de Jlello, 
Apol. Dial., p. Gl. 

t CABIAI, s. m. (Termo americano.) 
Género da familia dos roedores cavia- 
nos ou marcliadores ; porco da índia. 

CABIÀL ou CABIAR, s. m. Vid. Caviar. 



CABIDA, s. f. (Forma participai con- 
vertida era substantivo, como comida, be- 
bida, etc.) Cabimento, entrada. Figura- 
damente : Tracto, amizade, acolhimento. 
— « Pello longo conhecimento, e criação 
tenho lá essa cabida qtie lhe dirião sam- 
mente.n Jorge Ferreira de Vasconcellos, 
Ulyssipo, act. ii, se. 8. 

CABIDAR,«. m. ant. Outra forma de Ca- 
vidar, empregada por Fr. Bartholomeu 
dos Martyres, Cathecismo I, 15. 

CABIDE, 6-. m. (De capitidum, como ca- 
bido {\. Cabido), mas com o «o» final mu- 
dado em e para distinguir as formas como 
se distinguem as signiiicaçõe.s, pelo pro- 
cesso frequente da divergência de for- 
mas. Em latim capitidum designava já 
ura annei de madeira que servia para a 
suspensão d'um quadro de madeira ; de- 
signava também a trave transversal da 
machina da catapulta ou balista, desi- 
gnava por consequência peças de madeira 
que serviam para a suspensão, etc.) Braço 
de madeira tixo na parede para suspen- 
der roupas, etc. Taboa, tendo fixos vários 
braços de madeira, e pregada na parede 
para o mesmo fim. — Movei formado por 
uma haste central fixa sobre ura pé re- 
dondo ou terminando em três ou quatro 
pé?, da qual saem vários braços, era que se 
suspendem roupas, chapéus, etc. Algu- 
mas vezes tem este move! uma parte su- 
perior, destinada a proteger do pó os ob- 
jectos que n'elle se coUocam, e que é cha- 
mada chapéu. — « Vio quantidade de ar- 
mas ewi í»n cabide.» Jacinthn Freire, Vida 
de D. João de Castro, iv, 34.= Figura- 
damente : Homem alto e magro. = Cabi- 
de d'armas, soldado bem armado. 

CABIDELA ou CABIDELLA. Outra forma 
de Cabedella. 

CABIDO, adj. ]?art. (De caber.) Ser ca- 
bido, ter entrada, acolhimento, alie vossa 
mercê tão cabida em toda a parte, e tão 
conhecida per si, e pelo seu termo que 
d' aqui nace ter mais apaixonados , que co- 
nhecentes.» Jorge Ferreira de Vasconcel- 
los, Ulyssipo, II, 8. 

CABIDO, s. m. (De capitidum, com 
a mesma syncope do «ç» que se nota em 
p>obo (ant.) de populus, cabo, de capulus, 
a mudança ordinária de p em ò e de í em 
d; as formas s.uceederam-se assim; capi- 
tolo ((juéda da desinência de caso no latim 
vulgar), cab Ídolo (íói ma. que em algumas 
alterações parallelas se encontra no hes- 
panhol cabildo, e de que deriva immediii- 
tamcnte o portuguez cabidola), cabidoo 
(frequente nos antigos docmnentos, como 
poboo, ávoo, etc), cabido. Segundo a ma- 
nia da maior parte dos nossos etymolo- 
gistas, de quererem tirar ás palavras de 
formação puraiuontc portuguoza a sua ori- 
ginalidade, fazendo-as vir do latim por 
intermédio das outras linguas românicas, 
acha-8c em Moraes o hespanhol cabildo, 
como origem immediata da palavra por- 
tugueza em questão.) Corpo dos cónegos 



d'uraa cathedral . — « Que mais claro se 
pôde ver, que na historia que me contaste 
d'aquelle8 dois Relógios tão principaes do 
Cabido, e da Corte. ^> Francisco Manoel de 
Mello, Apol. Dial., pag. 49.=Terrao pro- 
vincial . Galilé (do facto de se fazerem anti- 
gamente debaixo das galilés os capitules 
das congregações). — Termo ant. Capi- 
tulo de religiosos. — Id. Corporação, as- 
sociação. — • « O cabido dos moedeiros.» 
Orden. Affons., 62, 4. — «Entrou o mes- 
tre de Aviz e)?!cabido cotn elles.» Fernão 
Lopes, Chron. de D. Joãol, part. i,c.45. 

CABIDOÁL, adj. de 2 gen. ant. (Der. 
de cabido, no sentido fundamental de 
principal, por meio do suffixo dal».) Princi- 
pal, real. — a Estradas cabidoaes.» Inedit. 
de Hist. port., iii, 486. — «Qualquer que 
achado por dentro da dita coutada, fora 
dos caminhos cabiduaes com beesta, e al- 
mazen ; queremos que perca adita heesta.v 
Livro vermelho de D. Affonso, n.° 39. 

CABÍDOLA, adj. e s. f. (De cabidolo, no 
sentido de<(0» que é principal, e esta fóiTna 
de capitulo ; vid. a etymologia de Ca- 
bido.) Termo de impressor. — Letras ca- 
bidolas, «são as que os impressores põem 
nos frontispícios dos livros, ou no prin- 
cipio dos capítulos delles.t Frei João Pa- 
checo, Divertimento Erudito, Tom. ii, p. 
333. — «Se jMzerão carteis com letras ca- 
bidelas.» Miguel Leitão d' Andrade, Mis- 
cellanea, p. 304 (1.^ ed.) — • Letras cabi- 
delas, letras maiúsculas, em geral. — «E 
como este sanctissimo nome porá celebri- 
dade, e frequência delle seruia d-e figura 
tanto como de letras, como agora, I HS. 
que scripto em letras cabidelas o tnten- 
dem os que não sabem, os mesmos latinos 
o escreuião com as mesmas leiras gregas.» 
D. Nunes de Leão, Orthographia, regr. iii. 

CABÍLDA ou CABÍLLA, s. /. (00" árabe 
cabila, tribu.) Tribu, associação de famí- 
lias que vivem no mesmo logar. — » Tudo 
são cabildas de parenteUas.t Barros, Dé- 
cada I, foi. 19. — <íMuitas vezes entre si 
estas cabildas ítm guerra sobre o jtasiar.t 
Obr. cít. — « lei» em cabildas como cyga- 
nos.» B^ernão Mendes Pinto. Peregrina- 
ções, cap. 196. 

CABIMENTO, s. m. (Do thema cabe, 
cm caber, com o suffixo «mento».) Logar, 
entrada. — «Essa proposta não tem cabi- 
mento agora, supposto o mau estado das 
finanças, t — tllomim de tão mãos costu- 
mes não tem cabimento em casa de gente 
honrada, f — Valia, estimação. — « Todos 
dão cabimento áquelle homem. t — tCom 
Deus as boas obras simpi-<: tem cabi- 
mento, (Moraes.) Ter cabimento a itu^a, 
ou jtiro, ter logar de a cobrar a pessoa a 
quem toca pela folha da renda, ou rece- 
bedoria cm que foi assentada, e por onde 
deve sor paga segundo a ordem dos ca- 
bimentos determinada pela lei. 

t CABIRAS, s. m. pi. (Do grego kábei- 
roi, que, segundo Scaligero, Orotio, Bo- 
chart, Seldeu o Gesenius por ultimo, vem 



Í2 



CABO 



CABO 



CABO 



do phenicio kahirim, que significa os for- 
tes, os poderosos.) Denominação de for- 
mas demoniacas de género similhante aos 
curetas, corybantes, satyros, etc., da my- 
thologia grega. =Emprega-se também ad- 
jectivamente. — Os deuses cabiras. 

t CABIRIA, s. /. (Der. de cabira.) Ter- 
mo d'antiguidade. Festas em honra das di- 
vindades cabiras. 

t CABIRICO, adj. (Der. de cabira.) Que 
' diz respeito aos cabiras, faliando das cou- 
sas. 

CABISÁLVA, s. f. (Palavra composta de 
cabeça c alvo, coutrahindo-se as duas pa- 
lavras, como succede com frequência nas 
palavras compostas ; (vid. Você, etc.) De 
cabeça-alva veio cabeçalva, e d'ahi ca- 
òiçalva. — Uma orthographia verdadeira- 
mente conforme á etymologia exigiria que 
se escrevesse cabiçaíva; mas, como nas 
duas palavras seguintes uma tal ortlio- 
grapliia não poderia ser acceite facilmente, 
escreve-se cabisalva, para harmonisar.) 
Espécie de ave de rapina.- — «.Outras aves 
ha de rapina, como Bilafres, Altafur- 
mas, Cabisalvas...» Diogo Fernandes Fer- 
reira, Arte da Caça, p. 6. 

CABISBAIXO, adj. (Composto de ca- 
beça, e baixo.) Que traz a cabeça baixa 
por dôr, vergonha, humilhação ou desen- 
gano. — tEUes cabisbaixos, ellas abati- 
das.» Monarch, Lusitana, Fart. vii, foi. 
484. — iítiahirão todos cabisbaixos, e ma- 
cilentos.» õodinho, Viagem da índia, p. 
51 (1." ed.) — «Andavam cabisbaixos com 
o trabalho, f Amador Arraes, Diálogos, 
dial. II, p. 7. 

CABISGAÍDO ou CABISCAHÍDO, acZy.(De 
cabeça o caido.) Que traz a cabeça incli- 
nada ; abatido, humilhado, decaído. =Em- 
pregado por António Vieira, Cartas, I, p. 
12». 

CABISCÓL, s. m. ant. (Palavra d'ori- 
gem franceza, como outras do mesmo gé- 
nero (vid. Chantre, etc); francez capiscol, 
alteração de caput schola, cabeça, chefe 
da eschola. Na baixa latinidade, encon- 
tram-se as formas secundarias cabiscola- 
ris, cahiscolus, capischolus, capischolius , 
cajout sckolaris, caput scolista, etc. Vid. 
Ducange; mas o typo de que immcdiata- 
mente vem a forma franceza é capischo- 
loi.) Dignitário que n'alguns capítulos de 
cathedraes e coUegiadas presidia ao coro, 
e velava por que se observassem as ru- 
bricas e as ceremonias. Viterbo, Eluci- 
dário. 

^ CABISÓNDO, s. m. (Termo asiático.) 
Sacerdote do Japão, que tem o mais alto 
gráo e dignidade entre os outros, Fernão 
Mendes Pinto, Peregrinações, c. 165. 

t CABISTORTO, s. m. (De cabeça e tor- 
to.) Beato fingido. 

CABO, s. m. (Do latim cajnd, cora 
queda do t final como em ou de atit, e de 
et, e em todas as formas da terceira pes- 
soa do singular dos verbos {ama, de amat, 
amava, de amabat, ame, de amet), etc.) 



Cabeça ou ponta de terra elevada que en- 
tra pelo mar dentro. — «Mas tanto po- 
dees aprender que pêro la envyasse mui- 
tas vezes, e ainda homees que per expe- 
riência de grandes feitos antre os outros 
avyam no officio das armas avantajado 
nume, nunca fui algo que ousasse de pas- 
sar aquelle cabo de Bojador pêra saber a 
terra daalem, segundo o iffante desejava. i> 
Azurara, Chron. de Guiné, cap. vii. — 
«Item, serees auisado que ha vosa tornada 
em booa ora depois de pasado o Cabo de 
Booa Esperança no tomees oídro i^ontu ne 
faqaes demora e alguma parte. » Docum. 
em Annaes Marit. e Cólon., 1843, p. 3õl. 

— «E em hum pairo que teve ao cabo de 
Boa-Esperança aboca huma grande agua. » 
Commentarios dAffonso d'Albuquerque, 
Part. I, p. 2. — «Huuns se fazem aquém 
de hum cabo e outros se fazem com cem 
léguas alem delle.it Observações dirigi- 
das a Dom João III pelo Duque de Bra- 
gança. Ms. do Archivo Nacional. 

Onde o cabo Arsinario o nome perde 
Cliamaiido-so dos nossos CViííy-Verde. 

CAM., LDS., c. V, est. 7. 

Eu sou aquelle occulto e grande cabo, 
A quem cliamaes vós oulro Torineiítorio. 

OB. ciT., c. V, est. 50. 

minha grandíssima estatura 

N'eslc remoto cabo converteram, 

OD. ciT., c. V, est. 59. 

cabo, que eo'o nome se apnellida 
Da cidade Fartáque ali sabida. 

ou. CIT., csl. 100. 

— Dobrar o cabo, passar além do cabo. 

— «Menosprezando todo perigoo, dobrou 
o cabo aallem, onde achou as cousas muyto 
pelo contrario do que elle e outros ataalli/ 
2)resumyram.« Azurara, Chron. de Guiné, 
c. XIX. — «Que o Mercador assista no seu 
porto, mole de mimoso, podre de rico, 
quando por seu dinheyro andem cem ho- 
mens (as vezes melhores que elle) dobrando 
cabos não conhecidos, forcejando com on- 
das e com ares pior lhe acquirir mais fhe- 
soui-osl» Francisco Jlanoel de JVFello, Apo- 
logos Dialogaes, p. 116. — Official mili- 
tar. — Um valente cabo de guerra, um va- 
lente official militar.— Cabo de esquadra, 
official inferior, acima do anspeçada e 
abaixo do sargento. Antigamente o cabo 
de esquadra estava abaixo do centurio. 
— «Sobre o cabo de esquadra será o Cen- 
turio ou, cabo de cento. -n Vasconcellos, 
Arte militar, p. 130. — Cabo de cento, an- 
tigo official militar que connnandava cem 
homens. — Cabo de marinheiros, o que di- 
rige um troço d'elles, debaixo das ordens 
do 2.° official marinheiro. — Cabo, ant. 
Cabedal, fazenda, riqueza ; capital. — 
«Este vmdamento de str amentos faziam 
em tal maneyra per seus enganos, e per 
seus mudamentos, que se 7iom podia pro- 
var o primeyro cabo, que do começo fora 

feito E que nom levassem ende mays, 

que o terço daquello, que primeiro derom 



de cabo.» Alvará de 1368, em Viterbo, 
Elucidário, s. v. 

■ — Cabo. Extremidade d'uma cousa. No 
cabo do corredor, da rua, da casa, da 
terra. — « Tomou-nos em fim (ás moedas) 
e nos anafou em huma bolça cheyroza com 
mais cordoens verdes, e borlas no cabo, 
qioe chapeo de Bispo Arménio.» Francisco 
Manoel de Mello, Apologos Dialogaes, p. 
70. — Fim, extremo, termo. — «Olha no 
cabo do anno, ditosos e mofinos todos fi- 
cão iguaes.» Ob. cit., p. 30. — «Aquelle, 
que tem a agua, lá a bebe, lá a consome 
consigo mesmo, e o coutado, que a não 
fe7)i, nem quem lha lance, dá quarenta mil 
voltas, no cabo fica vasio.i> Ob. cit., p. 
120. — «Nunca vi grande prazer que não 
tenha os cabos tristes. r> Cam., Amphytrião, 
Act. I, se. 4. — Cabo do cavidlo, a, ca.\xda, 
do cavallo. — «Passava hum coche de qua- 
tro cavallos, de fermosos cabos, e crinas. ■/> 
Francisco Manoel de Mello, Apol'. Dial.,p. 
171. — Cabos, os extremos de fileiras, alas, 
renques. — «Quatro homens em fieiras ; e 
nos cabos dous com tochas. » Fernão Lo- 
pes Castanheda, Historia da índia, Part. 
VI, col. 26. — Termo de sapateiro. O que 
cresce das linhas com que se coseu a sola. 
Bluteau, no Supplemento do Vocab. 

— Loc. : A palavra entra em diversas 
locuções com alguns de seus diflerentes 
sentidos. — Razões de cabo de esquadra, 
razões más, disparatadas. — Essa é de cabo 
de esquadra, isso é uma tolice. Estas duas 
locuções provêem de serem os cabos d'es- 
quadra, officiaes de bem pouco saber, mas 
já com fumos de commando. =iVo cabo 
a, no fim de. — «Isso me matta que nam 
tendo meolo, mettam as maZs na massa 
pondo de empada os equívocos, dando tra- 
tos ao juizo, apertando os cordéis ás me- 
thap>horas, no cabo a duas palavradas se 
estiram.» Francisco Manoel de Mello, 
Feira d'Anexins, Part. i, dial. i. — Levar 
ao cabo, concluir, terminar. — «Eu ima- 
ginava ser empreza que não levarás ao 
cabo tão facilmente como tu imaginas por 
ventura.» Fernão Alvares do Oriente, Lu- 
sitânia Transformada, Liv. ii, prós. 6. 
— «Já mais se ajustassem, nem levassem 
ao cabo.» Francisco Manoel de Mello, 
Carta de Guia de Casados. — «Não vos 
digo quanto pudera, e tinha para vos con- 
tar, por não levar tudo ao cabo...» Idem, 
Apologos Dialogaes, p. 159. — A cabo, 
no fim. — «Aveo assi, que a cabo de três 
messes entrarom em hua nave de Alexan- 
dria.» Actos dos Apóstolos, cap. xxviii, 
11, nos Inéditos de Alcobaça, Part. i. 
— Dar cabo a, terminar. — «Eu quero sa- 
tisfazer a ElRey de França, e dar cabo 
a meu conto. » Francisco Manoel de Mello, 
Apol. dial., p. 104. — Dar cabo de, des- 
truir, estragar, matar. O vicio deu cabo 
da saúde d'aquelle rapaz. Com suas extra- 
vagâncias deu cabo de seus haveres. As 
doenças, as perseguições das tropas per- 
tinaces do Bonga iam dando cabo de to- 



CABO 



CABO 



CABO 



13 



dos os soldados portuguezes da expedi- 
ção da Zambczia. — Ant. — Evi cabo, por 
fim, a final. 

E no mi á prol cslc pavor aver, 
Pois ca'Ja dij mi a faz mui mellor 
Querer, por mal de min, e por fazer 
Me prander morl' en cabo. 
TROVAS E CANTARES, ed. Vanihagcii, canl. iOO. 

— Id. Cabo ãe, junto de (vid. Cabe.) 

Pois mo vou de Sancta Vaja 
Morarei caba da Maya. 
EnDoir', entr' o Poilc Gaja. 

OB. CIT.. p. 30ij. 

— «A outra cuba que sya cabo delia. i> 
Documento do 1415 em V^iterbo, Eluc. 

— Id. Comu de cabo, effectivainente. Vi- 
terbo, Eluc. — Id. De cabo, segunda vez. 
Ob. cit. — Ir (10 cabo, irás do cabo, per- 
der a paciência completamente, exaspe- 
rar-se. — «Não vou tanto ao cabo com as 
malicias.» Francisco Manoel de Mello, 
Apol. Dial., p. 192. — ^<e o cabo, até ao 
fim. — (íOndas se me vão, ondas se me 
vem, mas milhor he já dissimular até o 
cabo». António Ferreira, Cioso, Liv. ii, 
p, 4. — Em cabo, em extremo. 

o capiUo o abraça em cabo lodo 
Ouvindo a clara lingua de Castella. 

CAM., los., cant. vii, est. 29. 

— Chegar ao cabo com alguém, redu- 
zil-o ao ultimo aperto, fazer alguém deci- 
dir-se á força. — Fallar com as do cabo, 
fallar com palavras positivas, desengana- 
das e ainda grosseiras. — Chegar com tudo 
ao cabo, tractar tudo com extremo rigor. 

— Sem cabo, infindo. 

Ser madre de Deus é louvor sem cabo. 

DIOGO behnardes, rimas. 

— Fallar com o verbo no cabo, elegân- 
cia pedantesca no modo do fallar ou es- 
crever, que consiste em pôr o verbo no 
fim da oração por uma supposta imitação 
tanto mais ridicula quanto infundada, da 
phrase latina. — ^São homus, a quem não 
escapa por nenhua via o verbo no cabo.» 
Francisco Rodrigues Lobo, Corte na Al- 
deia, p. 183. — Estar no cabo, estar a 
morrer. — Ir muito no cabo ou ao cabo, 
estar próximo da morte. — Cabo a cabo, 
lado a lado. — //• cabo a cabo. — De cabo 
a cabo, do primeiro ao ultimo. — « Todos 
de cabo a cabo cantavão.» Vida de Suso, 
foi. 22. — De cabo a rabo, do começo ao 
fim, d'um extremo ao outro. — Estar ao 
cabo ou no cabo de alguma cousa, enten- 
der alguma cousa, estar senhor de algu- 
ma cousa. — «Estava no cabo dos pensa- 
mentos do bonzo.» Lucena, Vida de S. 
Francisco Xavier, 1'art. Ji, cap. 13. — 
Estar o vinho no cabo, estar em pequena 
quantidade no fundo da pipa. 

CABO, s. m. (Do latim capulum, que 
significa, nos escriptores classicíjs, manga 
de charrua, guardas da espada, atando, 
ete., mas que em Isidoro de Scviliia apre- 
senta jA a signilicação de corda. Frede- 
rico Diez, no sou Eti/mologisches II oV- 
terbuch s. v. capino, observa quo a pala- 



vra não pôde vir, como alguns preten- 
dem, do árabe habd, cabo (corda), por 
se achar já com o indicado sentido n'um 
escriptor do sétimo século, quando as pa- 
lavras árabes entraram nos idiomas ro- 
manos só muito mais tarde. Capulum, 
etymologicamente considerado, significa 
a parte por onde se toma ou agarra al- 
gum i cousa em geral, e liga-se assim á 
mesma raiz que o latira capio, eu tomo, 
cap-ase, que toma, comprehende, e o gre- 
go Kupe, manga, punho, guardas da es- 
pada, etc. Essa raiz é caj}, e d'ella pro- 
vém também provavelmente caput.) A 
parte por onde se pega n'alguma cousa, 
se agarra ou toma. Diz-se principalmente 
do instrumentos. Cabo da vassoura, da 
faca, do garfo, da penoa, da lança, da en- 
xada, etc. Talvez que cabo de cebolas, 
d' alhos, reste de cebolas, d'alhos, se ligue 
antes á palavi-a no sentido indicado, que 
no sentido que tem quando vem do latim 
caput. E certo, porém, que a confusão 
homonymica tem reagido sobre a signifi- 
cação, e que não é sempre possível traçar 
uma linha divisória entre as locuções que 
se ligam a cabo, de caput, e as que se li- 
gam a cabo, de capulum. O Diccionario de 
Moraes apresenta n'esta parte, porém, 
uma confusão muito maior do queaquella, 
eni que se corre perigo de caliir com o 
discernimento que permitte a etymologia. 
— Corda grossa, amarra, corda de i-ebo- 
car. — (íE porqxie o navio de António do 
Campo era pequeno, mandou-lhe que sur- 
gisse junto d'elle e desse hum cabo á sua 
náo.s) Commentarios de Affonso de Albu- 
querque, Tart. I, cap. 28. — nE diziam 
depois cdguns marinheiros, que lhe corta- 
rão o cabo e não sabião quem.» Ob. cit., 
Part. IH, cap. 42. 

— Loc. E TERMOS NÁUTICOS: Largar 
cabos, soltar as amarras. — Dar cabo, 
atirar um cabo a uma embarcação para 
ella poder atracar. Dar um reboque. — 
«E logo acerca se seguiu, che huma Barca 
de Castella jJartindo de Cepta foi levada 
da corrente, com a qual se hia direita- 
mente á Costa de Gibraltar, e o conde 
querendo-lhe dar socorro mandou a Aridrc 
Martin e a Martin Vasques Pestana, que 
armasse duas fustas e lhe fossem dar 
cabo.» Chronica do Conde D. Pedro, Liv. 
II, cap. õ. — Cabo de tripa, ostaga, aman- 
te. Corda que supporta n'uma das extre- 
midades o peso que deve içar, não só por 
si, mas com o auxilio de um montão fixo 
na outra extremidade. — Cabo do turco, 
pedaço de corda que atravessa vertical- 
mente o turco, em cuja extremidade func- 
ciona, para fazer descer a ancora, quan- 
do esta é molhada, ou quando a levan- 
tam para a tornar a pôr no turco. E a 
corda do turco. — Cabo ca lab roteado, com- 
j>osto de cordões do trez pernas cada um, 
lio forma que parece composto de gomos. 
— Cabo de massa, o que é composto de [ 
trcz ou quatro cordões simples, soja qual , 



fôr a sua grossura. — Cabo crú ou bran- 
co, o que não é alcatroado ou embreado. 
— Cabo de ala e larga, cabo com que se 
forma o apparelho do cabrestante, quando 
se suspende a ancora, engatando o cader- 
nal no dito apparelho, no estropo que se 
passa na amarra. — Cabo solteiro, o que 
tem uma extremidade presa a alguma cou- 
sa e é puxado sem passar por algum 
gorne. — Cabo de cabeça, o que se dá no 
topo superior do mastro, quando se mette, 
ou na cabeça do leme, para lhe dar a di- 
recção conveniente. — Cabo de guia, o 
que serve de arinque ao leme, quando se 
mette, para por elle se suspender, quando 
suceeda rebentarem os apparelhos. — Cabos 
de laborar, braços, amantilhos e adriças 
das vergas ; escotas, estingues, bolinas, 
sergideiras, boiões, e apaga-penóes das 
velas redondas ; adriças, carregadeiras e 
escotas das velas latinas. — Cabo do leme, 
o que se emprega na manobra do leme e 
cujos chicotes fazem fixos na cabeça da 
canna, vindo o seio a gornir no tambo- 
rete da roda. — Cabos de vaivéns, os que 
se atravessam pelo navio nos grandes tem- 
poraes para a gente se segurar. — Cabos 
Jixos, os que, sendo empregados no ap- 
parelho, não gornem em parte alguma, en- 
tezando por meio de colhedores, talhas, 
colheduras, etc. 

— Loc. POP.: Cozer a dous cabos, es- 
tar a duas amarras, ter mais que um meio 
de vida, comer a dous carrilhos. 

7 CABO, s. m. (Derivado do thema cabe 
em cabe-r.) O logar em que alguém ou 
alguma cousa cabe. Veiu tarde, já não 
achou cabo. — «Todos em sembra, e cada 
hum em seu cabo.» Documento de 1330. 
Viterbo, Eluc. — Comquanto este vocá- 
bulo ande somente no Eluc, e Moraes não 
entenda a passagem alli citada, o vocá- 
bulo é ainda hoje muito usado na lingua- 
gem quotidiana. 

CABOCLO, s. Hl. (Termo do Brazil ; in- 
dígena ?) Tapuj^a ; frop, o vermelho; vid. 
a palavra seguinte. 

CABOCLO, adj. (Termo do Brazil.) De 
côr avermelhada, tirante a cobre. 

t CABOES, s. ííi. Género de peixes das 
Jlolucas. 

CABO LA-MAR, loc. ant. (Do francez 
cap à la mtr.) Para o mar, na direcção 
do mar. Inéditos de historia portugueza, 
11,410. = Colhido 110 Diccionario de Mo- 
raes. 

t CABOMBA, í. J)i. Planta aquática da 
Guiana, quo apresenta o aspecto do rai- 
nunculo a([uaiioo. 

t CABONEGRO, s. m. Planta das Ma- 
nilhas, da família das palmeiras. — O fio 
que se extrahe dessa planta. 

t CABOO, í. «1. Pl.inta medicinal de Su- 
matra, empregada algumas vezes para 
curar n sarna. 

CABORÁL, s. «1. ant. (Do francez ou ita- 
liano cojKirul, que vem do italiano capo e 
do latim caput.) O cabeça que dirige a ac- 



14 



CABR 



CABR 



CABR 



ção. =Em Martins Navarro, Manual de 
Confessores. Ind. s. v. — Danuio. 

CABORÉ, s. m. (Termo brazileiro.) Es- 
pécie de mocho pequeno do Brazii. 

CABOTAGEM, s. m. (Do francez cahota- 
ge, que deriva de cahoUr, cuja formação 
é duvidosa.) Navegação costeira, de cabo 
em cabo, de porto em porto, por opposi- 
ção á grande navegação, ao mar largo, 
de longo curso. = O tenno apparece já 
n'ura Alvará de 12 de agosto de 1797, 
mas é condemnado pelos puristas que o 
querem substituir pelo circumloquio na- 
vegação de costa a costa. Hoje porém, 
com quanto o seu emprego seja restricto, 
está já auctorisado pelo uso. 

CABOUCO, s. «í. Vid. Cavouco. Forma 
empregada por Bernardes, Flor., I, 120. 

CABÔUCOLO, s. m. (Outra forma de ca- 
boclo.) Nome insultuoso, dado no Brazii 
aos portuguezes casados com mulheres de 
raça dos indigenas. Acha-se no Alvará 
de 4 de abril de 17J5, que prohibe o seu 
uso. 

t CABOUQUEIRO, vid. Cavouqueiro. 

CABÓZ, s. m. (Do francez caioí, forma 
parallela de chahot, derivado de cah, cap, 
cabeça, por meio do suíExo francez ot, 
que tem força diminutiva e corresponde 
ao nosso ote, em honitute, etc. A forma 
franceza pronunciada cahô daria só era 
portuguez cahó ; d'onde a sibilante final? 
E possível que o povo pronunciando cuvó, 
suppozesse haver na palavra alguma re- 
lação com VOZ; e d'ahi a modificação; vid. 
Fressura, Sempre noiva. Pancadaria (de 
molho), etc, n'este diccionario. — Peixe á 
feição do enxarroco que se pesca nas cos- 
tas de Cezimbra. = Usado por Fr. João 
dos Santos, Ethyopia Oriental. I, foi. 39. 
— Cancioneiro de Rezende, I, 2U8. 

CABRA, s. f. (Do latim capra ; vid. Ca- 
bro.) A fêmea do bode, animal leve, que 
gosta de saltar e andar por legares Íngre- 
mes. — Oletteda cabra. — tíaltar como uma 
cabra. — Uma cabra negra. — Uma cabra 
bi-anca. 

Hum Í.1S0 tenho ali de puro leilc, 
Daquclla branca Cabra hoje muogido, 
Darto ey, e hu tarro d'Hera, em que to deite. 

âNTOMO FERtlEIBA, eclog. VH. 

— Cabra 5)io?í<ez. — Gtcar dar cabras. — 
Pés de cabra. — Barbas de cabra. — Cur- 
ral de cabras. = Peixe avermelhado. — • 
«Nome dado por os portuguezes a alguns 
iiidios que acharam rumiando como cabras 
o betei, que sempre trazião na boca. » 
Blut., Vocabulário. — O filho ou filha de 
mãe negra e pae mulato, ou de mãe mu- 
lata e pae negro. — Guindaste. — Instru- 
mento de carpinteiro para cortar madeira 
em forma de duas cruzes ligadas. — Ca- 
bra d'agua, insecto aquático, da feição de 
aranha, que anda sempre movendo-se á su- 
perficie da agua. — Cabra cega, jogo de 
rapazes em que um de olhos vendados 
anda procurando os outros, até que pondo 
a mão sobre um, este toma o logar do 



primeiro, e assim de seguida. — Figura 
damente : Jogar a cabra cega, estar com 
o espirito obtuso ; não comprehender cousa 
alguma. 

E ás vezes qaaodo cuid.-imos 
Que alguma cousa entendemos, 
A cabra cega jugamos. 

FRANCISCO DE SÁ DE MIRANDA, ÉCLOGA 1, 37. 

— Também se diz de duas pessoas que 
se buscam na escuridão e se não encon- 
tram. — Cabra saltante, antigo termo me- 
teorológico. — «Exhalação quente e secca 
que se injlamma parece saltar. y> Blut., Vo- 
cabulário. — Pé de cabra, espécie de ala- 
vanca pequena com unha. — Caminho de 
cabras, caiuinho Íngreme por onde só as 
cabras podem andar facilmente. 

— Loc. : iSer cabra, diz-se d'uma mu- 
lher que berra nuiito. — Ser como as ca- 
bras, diz-se de quem deixa o bom cami- 
nho para seguir por atalhos Íngremes, ca- 
minhos de cabras. 

— Adão. : «dahvamanca não faz sesta». 
Blut., Vocabulário. — «Cabra vai pela vi- 
nha, onde vai a mãe vaia Jilhan. — Bento 
Pereira, Thes., p. 219. — «AS'«/í'jMacabra 
na vinha, também saltará sua filha» . Blut., 
Voo. — (íA ovelha louçã disse á cabra dã- 
m'a lãs. — « Anda a cabra de roça em roça 
como o bocejo de boca em bocav. Ob. cit. 

— «Cabra de mocha deu na outra». Ob. cit. 

— «Donde sahiua cabra, entra o cordeiro». 
Ob. cit. — «Quem cabra ha, bem pagará». 
Ob. cit. — «Quem tem cabra, esse a ma- 
ma». Ob. cit. — «A cabra da minha visinha, 
mais leite dá que a minha». Ob. cit. — 
«Quem cabritos vende e cabras nào tem, 
d' algures lhe vêem». Ob. cit. — « Toma a ca- 
bra a silva, e a porca a pocilga». Ob. cit. 

CABRÁDA, s. /. (Der. de cabra, com 
o sufiixo «ada», como de palha, palhada, 
etc.) Fato de cabras. 

CABRAFÍGO, s. m. (Composto de ca- 
bra e figo.) Figueira baforeira. 

CABRÁMO, s. /. (?) Peia que se lança 
ao boi andejo, e que se segura n'um dos 
cornos. — «Ficando Coimeiros, ainda que 
andem peados, se lhe faltar o Cabràmo,» 
Doe. de 1Õ38, em Viterbo, Eluc. 

CABRÃO, s. m. (D'uma forma capro, 
capronis, da baixa latinidade, der. de 
caper, thema capro.) Bode, macho da ca- 
bra, animal que lança uiu fétido insup- 
portavel. — Fedor de cabrão, fedor dos so- 
bacos. — Federa cabrão, cheirar mal como 
o cabrão. — Cabrão capado. — Cabrão co- 
Ihudo. — Figuradamente: o que consente 
no adultério da esposa ou na infidelidade 
da concubina. — «O oráculo do cabrão de 
Júpiter.» Amad. Arraes, Dial. IV, 1. — 
« Quando Deos queria não sofria eu cor- 
nudagens ; porém já que sou tão máo ca- 
brão, que me afeiçoei sendo liure, que me 
facão tudo.» J. Ferreira de Vasconcel- 
los, Ulyssipo, I, 5. = Só se usa na lin- 
guagem chula. — O peixe cabra sendo 
grande chama-se Cabrão. 

t CABRAROLA, s. m. (Der. de cabra.) 



Teriuo chulo. — Cornudo, homem que con- 
sente no adultério da esposa ou infideli- 
dade da concubina. =EiT)pregado na obra 
Enfermidades da lingua, p. 112. 

CÀBRE, s. j«. (Do francez câble, que 
vem de capulus, como peiíple, de populus, 
chapitre por chapitle, de caintulus, etc. ? 
JMas a palavra pode ser também contra- 
hida de calabre). Cabo, calabre. — «De 
maneira que hum cabre destes bem gros- 
so...» Barros, Década III, Liv. iii, 7. 

CÁBREA, s. f. (Denominação tirada da 
cabra; vid. Cabra, apparelho de levantar 
pesos.) Apparelho composto de vigas, que 
formam um angtdo, em que se fixa um 
moutão, e que tem por fim levantar pe- 
sos consideráveis. — «O qual Astrolábio 
armarão em três páos, á maneira de cá- 
brea, por melhor segurar a linha solar». 
Barros, Década I, foi. 4. — Adj. Náo cá- 
brea, náo em que está armada uma cá- 
brea para einmastrear as outras. As náos 
cábreas utilisavam-sj também para guar- 
dar os presos que se haviam de enviar 
para a índia. 

t CABREADO, adj. (Der. do verbo ca- 
brear, e este de cabra, como patear de 
pata, etc.) Termo de brazão. Diz-se do 
cavallo levantado sobre os pés de trás. 

CABREIRA, s. /. (Der. de cabra, com, 
o sutfiso «eira».) A rapariga ou mulher 
que guarda cabras. 

CABREIRO, s. m. (Der. de cabra, com 
o suffixo «eiro».) Rapaz ou homem que 
guarda cabras. 

CABREIRO, adj. (Der. de cabra, com o 
suttíxo o eiro»). Que diz respeito ás ca- 
bras; que tracta de cabras. — «Gente ca- 
breira». Gil Vicente, li, 22<S. 

CABRESTANTE, s. m. (Palavra que se 
encontra n'outros idiomas românicos: hes- 
panhol cabrestante, cabestante, francez ca- 
bestan, mas cuja origem é desconhecida. 
Propoz-se a conjectura, assaz plausível, 
de que a forma hespano-portugucza ca- 
brestante seja a original, e como cabra 
é denomiuaçào de apparelho de mechani- 
ca (vid. Cábrea), a forma cabrestante se- 
ria composta de cabra c estante. Faltam, 
porém, os dados históricos para funda- 
mentar esta etymologia.) Sarilho vertical 
que se manobra por meio de barras fixas 
e horizontaes, de modo que no sarilho se 
vae enrolando um cabo que serve no na- 
vio para levar a ancora, pesos, etc, e 
passa por cadernaes, montões, roldanas, 
etc. — Virar o cabrestante. — Voltar o 
cabrestante — Volver o cabrestante. Es- 
pressijes synonymas que significam to- 
das faztr manobrar o cabrestante. — 
«Aquelle cabrestante não volta.» Escho- 
la das verdades, p. 474. 

Mas já nas Naus os bons trabalhadores 
Volvem o cabrestante. , 

CAM., LCS., IX, If. 

— Cabrestante volante, o cabrestante 
que pude Icvar-se de um logar para ou- 
tro. — Chapéu ou cabeça do cabrestante, 



CABR 



CABR 



CABU 



lõ 



a parte superioi' onde estão os furos em 
que encaixam as barras. 

CABRESTÃO, s. mi. Augmentativo de 
cabresto. 

CABRESTEIRO, s. m. (Der. de cabresto, 
com o suffixo «eiró»). O quo faz cabrestos. 

CABRESTEIRO, adj. Que so deixa le- 
var polo cabresto. = Usa-se quasl cxclu- 
sis-amente fallando do poldro. 

CABRESTÍLHO, s. m. Diminutivo de 
cabresto. — Meias de cabrestilho, meias 
que se trazem debaixo de outras, e que 
só tem uma presilha, sem pé, nem calca- 
nhar.= Blut., Vocabulário. 

— Loc: Estar pelo cabrestilho, es- 
tar mal seguro, prorapto a escapar-se. — 
«Elle está pelo cabrestilho, prtJ-a esccqmr 
pela malha.)) Francisco Manuel de Mello, 
Feira d'Anexins, part. i, Dial. vi, § 4. — 
Até aos cabrestilhos, da cabeça aos pés ; 
inteiramente. — «He pião dos parvos até 
os cabrestilhos.» :=: Usado por António 
Prestes, Autos, foi. 29, v. 

CABRESTO, s. m. (Do lat. capistrum, 
com metatliese do )•;, e abrandamento da 
articulação pVj d'ahi resultante em br.) 
A corda com que se prende a besta na 
estrebaria, e cora que se governa quando 
não tem freio, ou cabeção. — Pôr cabres- 
to. — Tirar o cabresto. 

— Termo de náutica. Cabrestos, cabos 
que puxam no beque e vão atracar o gu- 
rupés, por meio de uns moitões a que cha- 
mam sapatas. 

— Termo de anatomia. Cabresto, o freio 
do prepúcio. 

— Termo de boieiro. Cabrestos, bois 
mansos que guiam os outros; guieiros. 

— Termo chulo. Cabresto, alcoviteiro, 
principalmente de mulher casada. 

— Loc. : Levar a besta pelo cabresto, 
diz-se das pessoas que não teem vontade 
própria e se deixam arrastar pela alheia. 
— Precisa de cabresto, diz-se de quem 
não conhece freio aos seus desejos, pai- 
xões ou manias. 

CABRÍL, s. m. (Der. de cabra, com o 
suttixo «il»). Curral de cabras. 

CABRÍLHA, s. /. (Der. do cabra, com 
o suífixo «ilha»; vid. Cábrea). Machinaque 
serve para levantar grandes pesos, c na 
artilheria para montar os morteiros e ca- 
nhões pesados. Compõe-se de trez varas 
ou pernas unidas na extremidade supe- 
rior por meio do uma cavilha, cinn duas 
barras de térro, que segaram a.s duas per- 
nas cm que anda o molinete, á roda do 
qual se enrola o cabo que passa pelos ca- 
dernaes, e pelas azas da peça, morteiro, 
ctc. — «Aquelli' cabrestante não volta, des- 
padaça-se a cabrilha, e não resiste o pon- 
talcte.» Escola das Verdades, p. 474. 

CABRÍNHA, s. /. (Diminutivo de cabra; 
a filiia da cabra.) O peixe a que também 
se cliama ruivo. 

— Em Astronomia popidar, as sttc ca- 
brinhas, as Plêiadas, set'cstrciios. 

— Fig. Termo familiar. Cabriuha, ra- 



pariga que em casa anda sempre aos sal- 
tos. 

CABRÍNS, s. m. pi. (Deriv. de cabra, 
com o suflixo «im», de «ino».) Pelles de 
cabra preparadas. 

CABRÍO, adj. (Deriv. de cabra, com o 
suflixo «io», «60»). De cabra, cabrum. 
— • V Algum gado vaccum e cabrio.» Luiz 
Marinlio d^Azevedo, Comment. da Guerra 
do Alemtejo, p. 219. 

CABRIOLA, s. /. (De capriola; vid. 
esta palavra.) tSalto no ar meneando os 
pés com graça, nas antigas danças. Salto 
desconcertado de quem folga ou brinca. 
Esercicio gyranastico que consiste em as- 
sentar as mãos ou cabeça no chão, e ati- 
rar então as pernas para o lado opposto 
áquellc em que tinham na primeira posi- 
ção. — Dar cabriolas. — Fazer cabriolas. 



Não sou tão destro como o Nicolas 
Para fazer nos ares vahrittías. 

ORAÇÃO ACADÉMICA, DE FI\EI SIMÃO, p 



153. 



CABRIOLADO, adj. p. (De cabriolar.) 
E adj. pulado, saltado. 

CABRIOLAR,?;, n. (Deriv. de cabriola.) 
Dar ou fazer cabriolas. 

CABRIOLE, s. m. (Do francez cabrio- 
lei, deriv. de cabrioler, porque a carrua- 
gem que a palavra designa, sendo muito 
leve, salta muito.) Carruagem leve de duas 
rodas, puxada ordinariamente por um só 
cavallo ; carrinho. 

CABRÍTA, s. f. (Deriv. de cabra, com 
o suffixo dim. «ita».) Cabra pequena e 
nova. — Jogo das cabritas, jogo dos ra- 
pazes, em que se levam reciprocamente 
ás costas. — As cabritas, ás costas. Lo- 
cução que tem sua origem em os pasto- 
res levarem ás costas os cabritos a que 
custa andar, ou os trazerem ás costas aos 
povoados para os venderem. 

CABRITÍNHO, s. m. Diminutivo de ca- 
brito. 

CABRITO, s. m. (^Deriv. de cabro, com 
o suffixo diminutivo «ito».) O bode novo 
e pequeno. 

o que roubou os Moiiro.s malditos, 
E a sa ItMra foi roubar caliritos 
Non ven ai Maio. 

CANCIONKIRIMfO DK TllOVAS ANTIGAS, Jlub! . pOr 

Varnliagera cant. 4S. 

Nunca o cheguey As beiços, mas roniprado 
Por um tenro eilirilu, assi te agora, 
Inleiro O tive sempre, e bem guardado. 

ANTOMO FERREIRA, EGLOGA VII. 

CABRÍTOS, s. m. pi. Duasestrellas no 
signo de escorpião, cuja apparição presa- 
gia muitos choveiros. 

Alem rt'isto de nós se li3o de observar, 
Tanto do Arcturo frigido as cslrellas, 
E os dias dos cabritos. . . . 

LEOXEI. DA COSTA. GEOIXGICAS, p. 53. 

— Adag.: d o cabrito de hum mez, e o 
queijo de ires». Padre Delicado, Adágios, 
p. 10. — <iNão he cabrito para o mesqui- 
nho.)) Bluteau, Voe. — a Quem cabritos 
vende e cabras não tem, donde lhe vem?i> 

CÁBRO, s. m. (Do latim c(tpra, theina 
de caper, palavra a que correspondem o 



grego kap-ro-s, o úrabrico caper, o an- 
glo-saxão hãifar (vid. a discussão, sobre 
a etymologia de Cabeça), o slavo-ecclé- 
siast. vepri, segundo uma alteração pho- 
nica perfeitamente regular. A palavra por- 
tugueza cabro é pois uma d'aquellas que 
os povos indo-germanicos trouxeram já for- 
mada da sua habitação commum na Ásia, 
pois se acha em aquelles mencionados 
idiomas exactamente constituída da mesma 
maneira. A raiz da palavra é kap, se- 
gundo Pott, Etymologische Ferschungen 
I, p. 256, (1." ed.), raiz que se apresenta 
nos idiomas indo-germanicos com as signi- 
ficações desenvolvidas successivamente : 
expirar (o ar dos pulmões e o vapor de 
agua que se condensa no ar), fumegar, 
fazer fumo, queimar o incenso no templo, 
perfumar, cheirar mal. — Assim cabro, 
o que cheira mal, denominação que con- 
vém perfeitamente ao animal. Da raiz kap, 
vcni, do latitn, vapor, por kvapor; vid. 
Vapor.) O mesmo que Cabrão. — Termo 
de Helmintulogia. Bicho grande da Nova- 
Galles, que vive na madeira. 

CABRÓM, adj. Forma de cabrão, usa- 
da até ao século XV em que se mudou 
em cabrom, d'oude cabrão. 

t CABRUA, s. /. (Der. de cabra, com o 
suffixo «ua», do suffixo «una.») Pelleteria 
de cabra ou bode. — «Pidimos a V. A., 
que non dees Alvaraaes, para poderem 
carregcn- Cabrúa.» Doe. de 1466 em Vi- 
terbo, Eluc. 

t CABRUÃA, arf/. /. (Por ca6rí7à ; der. 
de cabrum, com o suffixo «ã», de ana). 
Cabrum. — Pelle cabruãa. = Usado por 
Bento Pereira, Thes. p. 32. 

CABRUM, adj. de 2 gen. (Deriv. de 
cabro, com o suffixo aum,» do suffixo 
«uno.») De cabra ou de bode. — Gado ca- 
brum. — «Estes gados cabrnns,» Leonel 
da Costa. Eglogas de Virg., p. 75. 

t CABRUNA, /orma/. do cabrum, que 
n'este caso fica sendo d'um só género. — 
«As pelles cabrunas com que se cobrião». 
Luiz Jlarinho de Azevedo, Auto de Lis- 
boa, p. 185. 

CABRUNCO, s. m. (Alteração popular 
de Carbúnculo). Carbúnculo, nas suas 
duas significações. = Forma que apre- 
sentam Agostinho Barbosa, Bento Pe- 
reira e Bluteau. O segundo apresenta 
também outra forma, cabruco, mas é evi- 
dentemente erro de impressão. 

t CABUAGO, s. »i. Espécie de lim3o 
das Philippinas. 

CABUCHÃO, s. Hl. (^Augmentativo. de Ca- 
buchoV Cousa que tem forma de capuz. = 
Pedra de forma cónica. — «Seu costumado 
lavor de ou como cabuchão, ou, como esme- 
ralda tabola, cavado piO- bai.rot . Luiz Ma- 
rinho d'Azevedo, Antiguidades de Lisboa, 
p. \S. — Em cabuchão, de forma cónica. 

CABÚCHO, í. m. Forma divergente de 
capuz; vid. esta palavraV A parte có- 
nica (_cm forma de capuz^i do fundo dos 
pães de assacar. — ,<4ssucar lavado de cara 



m 



CACA 



e cabucho, pão de assucar lavado, sem 
mistura de mascavado. 

CABUIA, s. /. (Termo americano). 
Planta do que os selvagens da America 
septentrional fazem liames, cordas, redes, 
etc. 

t CABUJA, s. /. Outra forma de ca- 
buia. 

t CABUR, s. m. Planta de Java, da 
família das persicarias. 

t CABURCIBA, s. f. A arvore que pro- 
duz o bálsamo do Peru. 

CABÚRO, s. m. (Termo brazileiro). Co- 
ruja de collar do Paraguay. 

CACA, s. f. (Der. do latim cacare, 
pelo mesmo processo que estimar de as- 
timare, etc, ou immediatamente d'um la- 
tim vulgar caca, parallelo ao grego kakkê; 
em qualquer dos casos a raiz é a mesma; 
a duvida só pôde dar-se sobre o modo de 
derivação.) Excremento de creança. — 
Fazer caca. 

CACABORRADA, s. /. (De caca e bor- 
rada, evidentemente. Não é pois neces- 
sário dar tractos á imaginação para deri- 
var a palavra de cueca borrada, como se 
faz no Diccionario de Jloraes. Ha outras 
expressões chulas do mesmo género — e 
uma merda cagada, etc.) Baboseira, des- 
propósito. Acção mal dirigida, e que só 
produz damno. Cousa mal feita. 

CACABOYOS, s. m. Espécie de serpente 
amphibia do Brazil. 

CACAGÓGO, s. m. (Do grego kakkê, 
excremento, e agô, impillo). Termo de 
pharmacia. Unguento que se applica ex- 
teriormente ao anus para provocar a eva- 
cuação dos excrementos. 

CACAHUY, s. m. (Termo americano for- 
mado por onomatopêa.) Ave da America, 
cujo canto produz o nome que se lhe dá. 

t CACAHO ou CACAJO, s. m. Espécie 
de macaco da America Meridional. 

t CACALIA, s. /. (Do grego kakalia.) 
Termo de botânica. Género de plantas 
da famiiia das compostas. 

t CACALIANTHEMO, s. m. Termo de 
botânica. Secção do género kleina. 

CACÁO, s. m. (Do mexicano kakukuatl.) 
Noz oleosa, ou amêndoa de que se extrahe 
a manteiga que é a base principal da com- 
posição do chocolate. 

— Nagiria popular, cacào, dinheiro. — - 
Homem de cacao, homem endinheirado. 

CACAOAL, s. f. (Der. de cacào por 
meio do suíSxo «ai».) Logar plantado de 
cacaoeiros. 

t CACAO-CARACO, s. m. Cacáo da costa 
de Caraça. 

CACAOEIRO, s. m. (Der. de cacào com 
o suffixo « eiró í.) Arvore que dá o cacáo. 

CACAOSEIRO, s. m. (Der. de cacaoso, 
com o suffixo «eiró».) Cacaoeiro. 

t CACAOSO, adj. (Der. de cacáo com 
o suffixo «oso,» como de cardo, cardoso, 
de vime, Vimioso.) Plantado de cacaoei- 
ros; logar em que crescem facilmente os 
cacaoeiros. 



CAÇA 

t CACAO-TELTO, s. m. Pedra do Mé- 
xico, que se suppoz explosiva. 

f CAGARA, s. m. Género de plantas 
leguminosas. 

CÁCARACÁ, s. m. (Imitação onomato- 
paica do canto do galloV Empregado ape- 
nas na expressão — de càcaracá. Pala- 
vras, negócios, cousas de càcaracá, pa- 
lavras, etc, que nada valem. 

t CAÇARA CAÇARA, s. m. (Palavra 
castelhana). Planta dos arredores de Car- 
thagena. 

CACAREJADOR, s. m. (Der. do thema 
cacareja em cacareja-r, com o suffixo 
«dor».) O que cacareja. ^Figuradamente: 
O que divulga novidades, etc ; o que se 
gaba continuamente e por toda a parte. 
Palrador. 

CACAREJADÓRA, s. /. Vid. Caoareja- 
dor. 

CACAREJAR, r. n. (Der. de cácara, 
fórraa abreviada de cácaracà, por meio 
do suffixo verbal «ejar», como n?!;c/ar^ de 
alvo, etc) Soltar a voz (a gallinha) quan- 
do está no choco ou depois de ter posto 
o ovo. O cacarejar das aves. 

— Cacarejar, v. a. Cantar ou repetir 
muitas vezes com um tom desagriidavei. 
— i(Poetas que cacarejão mais seus ver- 
sos, que f/nllinhas u uvo.» Sá de Miranda, 
Vilhalpandos. — O cacarejar (ias pessoas, 
os cumprimentos que se fazem ao encon- 
trarem-se. — Cacarejar, dizer parolas; 
apregoar novidades; pregar milongas. — 
Substantivamente emprega Jorge P^erreira 
de Vasconcellos a palavra para designar o 
fim que se pretende com gasto de muitas 
palavras, etc. — Tudo seu cacarejar ke 
grangeara cca.í) Ulyssipo, III, 6. 

CACAREJO, s. j?i. (Der. de cacarejar). 
O cacarejar das gallinhas. — Figurada- 
mente: Pregão, gabões, palavras jactan- 
ciosas. 

CACARÉOS, s. 7)?. pi. (Der. de caco, 
pelo mesmo processo qne fogaréo,defogo.) 
Cacos. Tilastes velhos de in*ignificante 
valor. 

t CACASPISTA, s. /. Espécie do ser- 
pente venenosa. 

t CACASTOL, s. m. Ave do México á 
feição de estorninho. 

t CACATORIO, adJ. (Der. do latim ca- 
care.) Termo pathologico. Que causa de- 
jecções alvinas. 

CACATU, s. 711. Papagaio branco. 

t CACATULI, s. 7». Nomebrahmanede 
uma planta do Malabar, semelhante ao 
sésamo. 

t CACAVI, s. ?)?. Termo de pharmacia. 
Synonymo de Cassava. 

CAÇA, s. /. (Der. de caçar, como es- 
tima de estimar, a'stimare; vid. Caçar.) 
Acção de caçar, de perseguir os animaes 
para os matar, já para depois os comer, 
já para obstar a que elles façam damno. 
— Caça a vOo. — Caça a tiro. — Caça ao 
falcão. — Caça das aves. — Caça do lobo, 
da raposa, — Cão de caça. — A épocha da 



CAÇA 

caça. — Ir á caça. — Fú- áo caça. — Par- 
tir para a caça. — Dar-se á caça. — An- 
dar á caçai. — Gostar da caça. 

Vira Acleon na caça tão austero. 

CAM., LOS., canl. v, est. 26. 

Mas firme a fez o iiumobil, como vio 
Que era dos nautas vista e demandada; 
Qual licou Delos, tanto que pario 
Latona Pliebo, e a deosa á caça usada. 
OB.ciT., cant. II, est. 53 

Temia mais os montes, e as florestas, 
Onde o Rey iMouro senifire andava á cara. 

-VNTOMO FERREIRA, SA.NTA COMRA. 

= Caçada, o acto de caçar. — nE se 
fazia huma caça, e modo de montaria. d 
Monarchia Lusitana, Tom. ii, foi. 36.=^ 
Os animaes que se caçam. 

não ha nenhum d'elles, i\tít não saia. 

De acharem caça agreste desejosos. 
CAM., LDS., cant. X, est. 66. 

Não cuidam i]ue sem laço ou redes caia 
Caça n'aquelle3 montes deleitosos. 

LOC. CIT. 

— Cahir caça. — Haver caça. — Per- 
seguir a caça. — Apanhar caça. — Ven- 
der caça. — Boa, má caça. — Viver de 
caça. — Ter caça para o jantar. — Le- 
vantar caça. 

— Loc. : Dar caça, perseguir. — « E 
a sahida das ilhas ouveram vista de hum 
bragatim, e pensando que era fusta de 
Mouros derão-lhe caça. y> Chron. do Conde 
D. Pedro, Part. il, cap. 46. — a Mandou 
a Affonso Lopes da Costa, António do 
Campo, e D. António de Noronha, que 

fossem nos bateis dando caça a humas ata- 
laias, que hiam fugindo pêra a terra fir- 
me. y> Comment. d'Afronso d' Albuquerque, 
Part. I, cap. 32. — « Viertio dando caça 
huns poucos de cavallos Africanos.» Mo- 
narch. Lus., Tora. ii, foi. IG-Í. 

Olha a caça apressada, que vai dando 
A cinco galeolas de Agarenos. 

MA.N0EL TbO.UAZ, INSCL., IjV. XI, oit. 23. 

— Seguir a caça de raparigas, bus- 
car seduzil-as.: — uSeguindo Artanexes a 
caça das moças bem assombradas, que 
como sejam aves, pouco repugnantes a re- 
clamos d' ouro, juntou, em breve tempo tre- 
sentas.íí Monarch. Lus., Tom. i, foi. 134. 

— Levantar a caça, ser o primeiro a des- 
cobrir alguma cousa, descobrir. — Espan- 
tar a caça, fazer algum acto inconside- 
rado que revele e mallogre um projecto, 
principalmente de seducção. — Andar com 
furão morto d caça, empregar máos meios 

— Andar á caça com o inimigo, atirando 
a quantos inimigos se vêem. — Andar d 
ou em caça de alguém, andar á busca de 
alguém. — «Andando huns em caça dos ou- 
tros. ^ Barros, Década II, p. 3, foi. 2. 

— AdaG. : « Quem quizer caça vá d 
2jraqa.il Padre Delicado, Adag., 33. — 
nBom cão de caça, até d morte dd ao 
rabo.* Blut., Suppl. — «De má mouta 
nunca boa caça.» Blut., Voe. — «Porfia 
mata caça, ou Quem porfia, etc.» Obra 
cit. — «Nem moça boa na praça, nem ho- 
mem rico na caça.» Obra cit. — «Caça, 



CAÇA 



CAÇA 



CACE 



17 



guerra e amares, por um prazer muitas 
dores, i Ob. cit. 

CAÇA, s. /. (Provavelmente um ter- 
mo indiatico. A etj'mologia árabe de Mo- 
raes não merece credito, pela simples ra- 
zão de que Moraes inventava palavras ára- 
bes a capricho). Panno branco que vinha 
da índia, segundo Bluteau. Tecido fino e 
transparente de algodão, geralmente todo 
branco ou com fundo branco. — Caça de 
lã, tecido muito leve de là para vestidos 
de mulher. — iÂnda jurando em altas vo- 
zes pelas ruas, como o moço, que vende 
caça e caiiequims . Francisco Manoel de 
Mello, Apol. Dial., p. 169. 

— Obs. : Também se escreve Cassa; 
sendo a forma original desconhecida, a or- 
thographia é indifferente. 

CAÇÁBE, s. m. (Palavra americana). Fa- 
rinha grosseira da America, feita da raiz 
da mandioca. 

— Obs. : Também se escreve Cassava. 

CAÇADA, s. f. (Forma de origem par- 
ticipai, de caçar). O acto de caçar. — Ir 
a uma caçada. — Uma grande caçada. — 
Houve uma animada caçada na Tapada 
de Mafra. — Dar caçada. — Termo d'es- 
grima, esgrimir, jogar a espada. — Gil Vi- 
cente, I, 229. 

CAÇADOR, s. m. (Der, de caça, com o 
suffiso odor»). O que caça; o que sabe 
a arte de caçar. — Nemi-od era bem caça- 
dor. — Caçador de feras. — Caçador de 
leões. — Caçador de falcão. — Caçador de 
coelhos. — Caçador de furão. — Caçador 
d'aves. 

Qaal na montanlia a fagitiia Cerva 
Dos crncís caçatíores tcmer.-sa 
A cada sombra, a cada veato Ireme, 
Tal a Pastora o Mundo foge, e leme. 

AXTOXIO FERBEIRA, SASTA COMBA. 

Cosinheiros occapa e caçadores. 
CÃH., Lts., cant. TI, est. 67. 

— «Caçadores tenho enterrado muytos ; 
mais com rayvas, que lhes hey feyto do 
que tem com madrugadas o seu próprio 
officio.» Francisco Manoel de Mello, Apol. 
Dial., p. 22. — d A inveja segue ao digno 
pelo aplauzo como o caçador ao Falcão, 
pelo guizo». Ob. cit., p. 1G4. — Caçador 
mór da casa de el-rei, do príncipe, offi- 
cial da casa do rei que governava os me- 
nores e todo o apparato das caçadas do 
monte e altenaria. Damião de Góes, Chron. 
do Príncipe D. João, Part. iii, c. 46. — 
Figuradamente: O que anda em busca 
de alguma cousa, o que procura conse- 
guir um fim, alcançar um resultado. — Ca- 
çador de vãs glorias. — Caçador de pa- 
palvos. 

— Termo militar. Caçadores, dizia-se 
antigamente dos soldados liabeis e ligei- 
ros que se escolhiam n'um corpo d'exer- 
cito para atacarem as patrulhas do ini- 
migo, e fazerem reconhecimentos. — Hoje 
designa certas tropas ligeiras de infante- 
ria e cavallaria. Um regimento ou bata- 
lhão de caçadores. 

ÍOL. II — 3. 



— Loc: Ter madrugada de caçador, 
levantar-se muito cedo como o caçador. 

— Adag.: líMentiras de caçador são as 
maiores». Padre Delicado, Adag., 32. — 
sA' porta do caçador nunca grande mon- 
turo. r> Blut.^ Vocabulário. — aMal hajao 
caçador doudo, que gasta a vida com 
hum pássaro. T> Ob. cit. — tSede de ca- 
çador, e fome de pescador, v Ob. cit. 

CAÇADOR, adj. (Idêntico na firma ao 
substant.) Que caça. — Diana caçadora. 
A deosa caçadora. 

Outra como acudindo mais depressa 
A' vergonha da dcosa caçadora 
Esconde o corpo n 'agua. . . 

CAM., Lcs., canl. ii, est. 73. 

CAÇANAR, s. m. (Palavra asiática). 
Sacerdote christào no Malabar. — aDecla- 
ra mais o Synudo que nenhum Caçauar 
pôde ter duas Igrejas curadas. ti Synodo 
Diocesano da Igreja e bispado de Anga- 
male, Acçào viii, dec. 3." 

— Obs.: Também se escreve Cassa- 
nàr. 

CAÇANTE, pa)-í. do prés. ant. de ca- 
çar, e adj. Termo de brasão. Diz-se de 
animal que nas armas está representado 
em acçào de caçar — «A Águia ha-de es- 
tar volayite, e o Gavião caçante.» Vilias 
Boas, Nobiliarchia Port., p. 218. 

t CAÇANEIRA, «. /. (Por caçanarei- 
ra, que seria formado regularmente de 
caçanar). As mulheres dos caçanares. — 
« Como as mulheres dos Sacerdotes, a que 
chamão Catatiares, ou CaçaneiraS; não 
só por isto tinhão o milhor lugar...» Sy- 
nodo Diocesano da Igreja e bispado de 
Angamale, Acçào viii, dec. 18. 

CAÇÃO, s. m. (Palavra que se encon- 
tra também no hespanhol na forma cazon, 
mas cuja origem é desconhecida). Peixe 
de pelle, vulgar, da espécie do tubarão. 
— Figuradamente: Meretriz sórdida, de 
idade madura. 

CAÇAPAR, V. a. (Der. de caçapo; si- 
gnificava, pois, propriamente, apanhar o 
coelho). Apanhar. 

— Caçapar-se, v. rejl. Termo popular. 
Abaixar-se, esconder-se por detraz de 
hervas, matto, etc, como o coelho. Aga- 
char-se. 

CAÇAPÍNHOjS.wi. Diminutivo de caçapo. 
CAÇÁPO, s. m. (Palavra que se en- 
contra cm hespanhol na forma gazapo, 
no catalão cai.vap, no sardo gncciapu. A 
forma fundamental 6 gassapo, havendo 
na palavra portugiieza uma mudança anor- 
mal de g em c, em resultado da etyuiolo- 
gia popular ; pronunciou-se caçapo por se 
imaginar relação etymologica entre a pa- 
lavra e caça ; cp. cangrena. forma popu- 
lar, por gangrena, em virtude da suppo- 
sição d'Hma relação com cancro. Pheno- 
meno semelhante se deu na forma catalã. 
Gassapo vem do latim dxsypus, com mu- 
dança dood» inicialem o gi',como era (/amo, 
de dama, goljinho, de delphinus. etc. A 
palavra latina c tirada do grego dasy- 



pyos, espécie de coelho ou lebre com 
muito pêllo nos pés, forma composta do 
thema dasy em dasys, TpeWnào, etc, e poys 
(thema pod — latim ped era pes, ped-is) ; 
assim d-asypoys, o animal de pés pelu- 
dos. A recta orthographia da palavra 
portugueza seria, pois, casapo ou cassapo). 
Coelho, laparo. — Figuradamente: Ho- 
mem acaçapado, muito baixo, tacão, 

CAÇAR, V. a. (Palavra que se encon- 
tra no hespanhol cazar, antigo hespanhol 
calzar, provençal cassar, francez chasser, 
picardo cacher, italiano cacciare, formas 
que levam á hypothesed'uma forma funda- 
mental captiare, que as explica a todas. 
Captiare é uma leve e normal alteração 
de captare. Ducange apresenta captare, 
caçar, captator, caçador, captatio, caça). 
Dar caça, perseguir para tomar, — Figu- 
radamente: Apanhar. — «Cacei aquelles 
cruzadinhos para começo de paga.» An- 
tónio Ferreira, Bristo, iii, 3. — Termo de 
náutica: Caçar espaço, caçar uma a duas 
milhas, sahir a não do seu rumo um espa- 
ço, uma a duas milhas. — a A não, que ca- 
çou hum grande espaço. » Barros, Década 

IV, foi. 139. Emprega-se também como 

V. n. n'este sentido. — « Com a maré rija 
caçava a náo.» Fernão Lopes de Casta- 
nheda, liv. 101, cap. 101. — Idem Caçar 
as escotas, atar as escotas para aprovei- 
tar o vento. 

CÁCEA, s. /. (Der. de cacear). Estado 
do navio que vae caçando. — Ir á cacea. 
— «Se lhe trincarão as amarras, e o ga- 
leão foi á cacea até encalhar wj recife.» 
Diogo de Couto, Década IX, 3. 

CACEAR, r. a. e n. iForinado de caçar, 
pelo mesmo processo que captiare no la- 
tim vulgar se formou de captare, e em 
portuguez saltear, de saltar, etc.) Tenno 
de náutica. Caçar. — «Começou a cacear 
o caravelão.» Jacintho Freire, Vida de D. 
João de Castro, Liv. ii, 123. 

— Obs.: Também se encontra o modo 
d'escrever cassear. 

t CACEMPHATO, s. m. (Do grego ka- 
kemphatun, do kakos, mão, e êmphaton, 
dito). Termo de graniniatica antiga. Pa- 
lavra que soa mal ; má consonância. 

t CACERA, s. /. (Palavra da índia). 
Nome duma planta comestível de Gôa. 
— Certa raiz da índia que tem o sabor de 
castanha qtiando está secca. 

CACÈTA, s.f. [Da baixa latinidade ca- 
pset<i, diminutivo de capsa : a palavra de- 
via, pois, escrever-sc casseta\ Termo de 
boticário. Vaso de metal, um pouco fundo, 
em que com a colher se misturam os sim- 
plic«s que entram na composição de ele- 
ctuarios, cordiacs, etc. — Idem Vaso de 
forma similhante á descripta. mas furado 
como joeira, que serve para coar os de- 
coctos. etc. 

CACETADA, í. /. (Der. de cacete, pelo 
mesmo processo que paidada, de pau, 
bordoada, de bordão, etc.) Pancada com 
cacete. 



18 



CACH 



CAOH 



CACH 



CACETE, s. m. (Do tVancez casse-tcte, 
desajiparecendo a syllabn ií por dissimu- 
laçào, como se dá frequentes vezes nos 
comjiostos em que uma syllaba se repete). 
Páo curto com moca ; cachamorra curta. 
Bolo de massa de pão comprido em rosca. 

t CACETEIRO, s. m. (Der. de cacete, 
com o suffixo «eiró»). O que traz cacete. 
Termo com que se designavam os mem- 
bros do partido do D. Miguei, que durante 
a guerra da successão andavam armados 
de cacetes pintados com as coros do par- 
tido, para espancarem os individuos do 
partido contrario que lhes parecia. 

CACHA, s. f. (Do francez cache, de 
cacher, que Diez faz vir de coactare, 
coactus, apertar, metter apertadamente 
n'um logar. Moraes, tendo á mão a pala- 
vra franceza, preferiu ir como o Cardeal 
de Saraiva atraz d'uma origem hebraica). 
Acto que se faz a occultas j acto dissi- 
mulado; fingimento. 

E se em í|iiertr-lli(" tanto ponlio taclia, 
Mostrando refre-tr o pensamento, 
Gil que doce fingir! (jue doce cachai 
CÁ»., ELEo. V, est. 12. 

— «Aljim de com esta cacha movei- ao 
cônsul a vir em sua busca.» Monarchia 
Lus., Tom. I, foi. 222. = Termo de jogo. 
Envide falso. Diz-se /ozej- cacha quando 
o jogador que tem máo jogo finge que o 
tem bom, e envida, e o contrario com re- 
ceio nào aceita o envide, perdendo d'cssa 
maneira. 

CACHA, s. f. (Palavra asiática). Certo 
panno da índia. — ^i. Acharão os cachoens 
cheos cie cachas». Fr. Queiroz, Vida do 
Irmão Basto, p. 545. 

CACHAÇA, s. f. (?) Vinho das borras. = 
Empregado por Sá de Miranda. — Termo 
do Brazil. Aguardente de mel, ou borras 
de melaço; escama grossa, que se separado 
sueco das cannas do assucar na primeira 
fervura nas caldeiras, onde se limpa, an- 
tes de passar ás tachas, depois de bem 
depurado, e ajudado com decouda de cai 
ou cinzas. = Moraes. 

CACHAÇÃO, s. m. (Der. de cachaço, 
com o suffixo ((ão»). Pancada no cachaço, 
pescoção. — Dar um cachação. 

CACHACEIRA, s. m. (Der. de cachaço, 
com o suffixo «eira»). O cachaço grande e 
grosso. 

CACHACEIRA, s f. (Der. de cachaça). 
Logar cm que se apara e junta a cachaça 
tirada das caldeiras em que o assucar se 
limpa da cachaça. 

CACHAÇO, s. m. (Der. de cacho, com 
o suffixo «aço»?) Pescoço largo e grosso. 
Cachaço de frade bernardo.—» Os cachaços 
dos Touros». P. Manuel Fernandes, Al- 
ma instruída, ii, 174. — Dar no cachaço. 

CACHADA, s. f. (?) Queima dos mat- 
tos, que cobrem a terra, para que esta se 
conserve fresca e fique limpa e estrumada 
com a cinza. Alqueire, segundo B. Pereira. 

CACHADO, adj. part.\T>(i cachar). Oc- 
culto, coberto. — «Andão nus da cinta 



pêra riba e 2'>era baixo andão cachados 
com pannos de seda e alf/odão.» Damião 
deCloes, Chron. de D. Manuel, i, 42. 

CACHÁGENS, s. /. j^^- (De formação 
duvidosa). Os ossos ou ventas do nariz 
por onde entra o ar que respiramos. — 
«Ficou metido entre as duas farpas das 
cachagens». Barros, Décadas iii, foi. 53. 

CACHALOTTE, s. jjí. Alteração de Ca- 
cholotte. Vid. esta palavra. 

CACHAMAÇO, s. m. Provavelmente erro 
de escripta por calhamaço, nas Provas da 
Historia Geneal. da Casa Real, ii, 476. 

CACHAMORRA, s. /. (Palavra de for- 
mação duvidosa). Termo chulo. Cacha- 
porra. = E' einpregado na Academia dos 
Singulares, ii, 392, no sentido de clava. 

CACHAMORRÀDA, s. f. Pancada cora 
cachamorra. 

t CACHANG-PORANGO, «. m. (Palavra 
asiática). Nomo da acácia trepadeira de 
Sumatra. — Espécie de fava medicinal. 

CACHÃO, s. m. (Do latim coctione, mu- 
dando-se o grupo consonantal «et» era 
«eh», como em trecho, de tractus, col- 
cha, de cuJcta {culcita), hespanhol ocho, 
de octo, pecho, de pectus, derccho, de di- 
rectus, estrecho, de strictus, portuguez e 
hespanhol Sancho, de Sanctus (e não de 
Sancius, que daria Sanço ou Sanzo), e 
mudando-se o «o» nào acccntuado em 
«a» como em acupada (Cancioneiro de 
Rezende, i, 17), por accujMuIa, banança 
(Obr. cit.), estamago ant. e pos. de es- 
tômago, astronamos, de astrónomos (Azu- 
rara, Chron. de Guiné, c. 62), merca- 
doria, de mercud,oria (em D. Duarte, 
Leal Conselheiro, cap. 4., etc.) Ebullição. 
Borbulhào da agua quando ferve, que se 
precipita em catadupa, onde em fonte cor- 
rente quebra de encontro a algum obstá- 
culo. — «As cíãdeiras, ou lagos ferventes, 
com os cachoens, sempre batidos, e reba- 
tidos». António Vieira, Sermões, v,516.— 
Logar de um rio em que clle se despenha, 
formando catadupa. O cachão do Douro. 

CACHAPÓRRA, s. /. (O segundo ele- 
mento da palavra é determinável ; o pri- 
meiro mais difficil de conhecer-se-lhe a ori- 
gem. Tem relações com cachar) ? Pau 
mais grosso n'uma das extremidades que 
na outra, e que serve de arma offensiva. 
A modo de cachaporra. Armado' de ca- 
chaporra.= Hoje é termo chulo. 

t CACHAPORRADA, s. f. (Der. de ca- 
chaporra). Pancada com cachaporra. = 
CoUigido por Bluteau. 

CACHAR, V. a. (Do francez cacher. No 
Diccionario de Moraes deriva-sc incohe- 
rentemente cacha do hebreu e cachar, do 
francez). Fazer cacha. 

One nunndo estas damas laes 
Me cachão então recacbo. 

cvM.. A>[pniTíu5Es, SC. I, acl. 4. 

— Cachar na guerra, usar de ardis na 
guerra. 

• — Cachar-se, v. refl. Ensoberbecer-se. 
= Palavra cabida em desuso. 



t CACHARAMBA, s. f. (?) Termo chulo 
de significação incerta. Enfermidades da 
Lingua, p. 111. 

CACHARÍ, s. m. Vid. Caril. 

t CACHATIM, s. m. (Termo asiático). 
Gomma laca proveniente de Smyrna. 

t CACHAUL-GORING, s. w?. (Termo asiá- 
tico). Planta leguminosa de Sumatra. 

CACHEADO, adj. p. (De cachear). Que 
já tem cachos, espigas. Espigado. — Vi- 
nha cacheada. 

CACHEAR, V. n. (Der. de cacho, como 
rarear, de raro; ladear, de lado; rodear 
de roda; esfaquear, de faca, etc). Co- 
brir-se de cachos, dar cachos como a par- 
reira. Segundo Moraes, no Brazil dizem 
que o arroz cachea, para significarem 
que espiga como a parreira. 

CACHECTICO, adj. (pr. kaJcêtiko; der. 
de cachexia). Termo de medicina. Que 6 
atacado de cachexia ou pertence á cache- 
xia. 

CACHEIRA, s. /. (De formação duvi- 
dosa.) Pau comprido e torcido, que serve 
de arma offensiva e defensiva. 

CACHEIRA, s.f. (Deriv. de cacha, cousa 
que encobre, com o suffixo «eira»). Vesti- 
dura antiga e grossa.- — « Vestidos de huma 
cacheira muito felpuda». Fernão Mendes 
Pinto, Peregrinações, p. 141, (1.* ed.) 

— Loc. : Alvorar de cacheira, ir-sc 
sem ceremonia e muito á sua vontade? 

CACHEIRÁDA, s.f. (Der. de cacheira, 
como cachaçada, de cachaço; ixiulada, de 
pau, etc). Pancada com cacheira. = E' de 
Simão Machado, foi. 137. 

CACHEIRO, s. m. Cacheira. = Gil Vi- 
cente, Obras, Part. i, p. 621, diz: 

Com meu cacheiro na m3o. 

— Cacheiro áe choca. Vértebra, segundo 
Bento Pereira. == Locução desusada. 

t CACHEIRO, adj. (Der. de cacha, com 
o suffixo « eiró »). Que se esconde. = 
Parece que é empregado unicamente na 
expressão ouriço cacheiro, que tem sua 
origem em o ouriço se occultar, quando 
quer, dentro dos seus espinhos. 

t CACHEMIRA, s. f. (De Caxemira, 
nome de utn reino na Alta Ásia). Tecido 
feito do pêllo das cabras e dos carneiros 
do pequeno Thibet. — Um chalé de cache- 
mira. — Um turbante de cachemira. — 
Cachemira francesa, estofo fabricado na 
França, itnitando a cachemira asiática. 

t CACHE-NEZ, s. m. (Do francez ca- 
che-nez, composto de cache e nez). Termo 
introduzido modernamente do francez, e 
muito usado para designar uma manta 
ou lenço em que se envolve o pescoço e 
parte do rosto. = O povo pronuncia ca- 
chiné. 

CACHÈTE, s. m. (O hespanhol tem ca- 
cheie, murro ; n'este caso a palavra pode 
ligar-se ao francez cnchet, sello, d'ahi pan- 
cada que se dá sellando ; pancada. O i^ro- 
cesso c todavia duvidoso por faltarem 
os dados históricos que o demonstrem). 



CACH 



CACH 



CACH 



19 



Termo usado só na expressão dur de ca- 
cheie, dar pancadas successivas e sem 
cessar. 

CACHETICO, adj. (pr. kekétiko). Outro 
modo, menos rigoroso sob o ponto de vista 
etymologico, de escrever cachectico. — 
dParaas obstrucções grandes, que pendem 
de criiezds, como são os hydropicos, e ca- 
checticos». Francisco Morato Roma, Luz 
da Medicina, p. 20. — ^Faltando ao corpo 
seu verdadeiro sustento (o qual é o san- 
gue) Jica cachetico « . Frei Manoel d' Aze- 
vedo, Correição de Abusos, p. 25. 

CACHEXÍA, s. f. (Do grego kakhexia; 
de kakós, máo, e hexia ou hexis, estado, 
de ekhô, ter, ser. Vid. Hectico). Termo 
de medicina. Estado em que todos os 
hábitos do corpo se apresentam manifes- 
tamente alterados. — Faz o azourjue ca- 
chexias e ki/dropesias». Madeira, Morbo 
Gallico, Part. ii, p. 180. =:Má consti- 
tuição. 

t CACHI, s. m, (Palavra americana). 
Pedra branca da America, semelhante ao 
alabastro ; contém geralmente partículas 
de chumbo. 

GACHÍA, s. /. (?) Esponja ou flor ama- 
rella d'um arbusto chamado n'algumas 
partes corona Christi. 

CACHIMÁNHA, s. f. (Composto de ca- 
cha e manha). Traça occulta para enga- 
nar alguém. 

CACHIMBÁCHES, s. m. pi. (De ca- 
chimbo, cora o suffixo «ache», por acho, 
outra forma de aço ; cp. cambalacho, etc.) 
Termo familiar: Mercadorias miúdas; 
quinquilharias, como cachimbos, facas, 
tesouras, colheres, etc. 

t CACHIMBADA, s. /. (Der. de ca- 
chimbo, com o suffixo «ada», como fa- 
cada, do faca, etc.) Acto de tomar uma 
aspiração do fumo do cachimbo. — 2b- 
inar uma cachimbada. 

t CACHIMBADOR, s. m. (Der. do thema 
cachimbo, em cachimba-r, com o suffixo 
«dor»). Fumista de cachimbo. 

CACHIMBAR, v. n. (Der. de cachimbo). 
Fumarcachimbo. — Figuradamente : v. a. 
Lograr alguém, com palavras que em- 
briaguem como ópio, etc. — Está-me ca- 
chimbando.— Cachimbou-me. =^Colligido 
por Bluteau. 

— Loc. : Cachimbar verrumas, estar 
ocioso. 

CACHIMBO, s. wi. (Palavra que só en- 
tre as linguas românicas .ipparecc no por- 
tuguez ; termo africano). Pequeno vaso 
de barro, madeira ou escuma, em que 
arde o tabaco, e de cuja base sác um pe- 
queno tubo, mais ou menos longo, pelo 
qual se aspira o fumo. — Termo de náu- 
tica : a fêmea do leme. — Cachimbo de 
vella, a parte em que ella so encaixa no 
castiçal, etc. = Cachimbos, contas de co- 
quiliio. 

t CACHIMIA, s. f. Termo da antiga 
chimica. Substancia mineral que nào che- 
gou á perfeição, ou que, não sendo nem 



metal nem sal, tem todavia mais substan- 
cia metallica que outra qualquer. 

CACHIMÓNIA, s. f. (Cacha é alteração 
de caixa, que se ouve muitas vezes na 
bôcca do povo ; ora caixa significa, na gi- 
ria pojHilar, cabeça; mona tem egualmente 
na giria popular a significação de cabeça ; 
a palavra c evidentemente formada pelo 
processo popular das duas. E uma espé- 
cie de processo de reduplicação, operado 
com themas diÔerentes ; conferi luze luze, 
bule bule, 'e outras expressões reduplica- 
tivas e pleonasticas, próprias ao portu- 
guez). Cabeça; juizo, sagacidade. 

Que o da cachimniiia escura 
Não queira apparucer lá. 
Faz beiu, porque no Zunitb, 
Não lera as trevas logar. 

Oi\Ai;IO ACADÉMICA DE FR. SIMÃO, p. 105. 

CACHIMORRA, s. /. Outra forma de 
Cachamorra. 

CACHINADA, s. /. (pr. kakináda; de 
cachinar). Gargalhada de escarneo. 

t CACHINAR, V. n. (pr. kakinar ; do 
latim cachinnare). Soltar gargalhadas de 
escarneo. 

CACHÍNHO, s. m. Dim. de Cacho. 

A verde planla os monles fermosea, 
As plantas a parreira entretecida, 
A parreira os cachaikas pendur.idos. 

FERN. ALVAIIES DO ORIENTB, LUSITÂNIA 
TRANSFORM., liv. !, prOS. V. 

Já Flora dos espinhos 
Para ti colhe a rosa branca e roxa ; 
E o que nace da tosa. 
Do pai, ledo te traz doces cachiiihos. 
OB. ciT., liv. ir, prós. ií. 

1.) CACHO, s.w?. (De origem duvidosa. 
Ohespanhol tem cacho, pedaço, fragmento; 
mas, no sentido especial que tem em portu- 
guez, sóapparece n'esta lingua. De cacho, 
no sentido da palavra hespanhola, vem o 
portuguez escachar, cujas relações de si- 
gnificação esgalhar, assim como as de ga- 
lho com as de cacho, permittem até certo 
ponto a connexâo). Reunião de flores ou de 
fructos dispostos cm escadeas e sustidos por 
um eixo commum. Cacho de murtinhos. 
Cacho de madresilva. Cacho de bananas. 
Cacho de hera. — Diz-se principalmente 
do fructo da vinha. Cachos de uvas, ou 
simplesmente cachos. 

Entre os brados do ulmeiro está a jucunda 
Vide, cuus caclws roíos e outros \crdes. 
CAM., LIS., canl. IX, est. 59. 

— Cacho de telhado, ou cacho de rato. 
llervas de folhas compridas e cobertas de 
pequenos bagos que nascem pelos telha- 
dos. 

— Cachos de trigo, — tSão as espigas 
queficão no calcadouro, depois da palha 
fórav. Bluteau, Voe, e Fr. João Pacheco, 
Divertimento erudito, II, 215. 

— Loc. : Fstar como um cacho, ou bê- 
bado Como um cacho, estar muito bêbado. 
— Cachos de aljôfar. 

2.) CACHO, s. í)i. (_Tcm relação com 
(Cacho?) l'oscoço grosso. 

í5.) CACHO, s. Hl. O mesmo que Ca- 
chú. — Cachos de metralha. Termo dar- 
tilheria. Balas miúdas mettidas em um 



saquinho, trincafiado por fora em xadrez, 
em cuja bôcca se mette um circulo de ma- 
deira do diâmetro da peça, chamado prato. 

CACHOÈIR.\, s. f. (Der. de cachão, por 
meio do suffixo «eira»). Torrente de agua 
que se despenha, formando cachões. — 
Figuradamente : Cachoeiras d' inspiração, 
fontes d'inspiração, cousas que produzem 
inspiração. — A cachoeira da abundância, 
fonte, cornucopia da abundância. 

— Syn.: Cachoeira, Catadupa, Cascata, 
Catarata. — Cachoeira refere-se propria- 
mente á agua formando cachão ao precipi- 
tar-se. — Catadupa designa também a que- 
da de agua, mas i"eferese mais ao facto de 
ella se despenhar, de cahir violentamente de 
logar elevado. — Cascata significa a agua 
que cahe de certa elevação de pedra em 
pedra, e não sem encontrar obstáculo an- 
tes de chegar á sua base, como a cata- 
dupa. — Catarata significa a queda de um 
rio de considerável altura. 

1). CACHOLA, s. f. (Der. de cacho, no 
sentido de pescoço, com o suffixo «ola»). 
Toutiço. — Cabeça. — Figuradamente : 
Juizo. — Termo de náutica: pau postiço 
sobre o topo do calcez de qualquer mas- 
tro ou mastaréo para o engrossar, e para 
que a agua se nào introduza entre os en- 
caixes dos madeiros. 

2). CACHOLA, s. f. (O hespanhol tem 
cachuela, no mesmo sentido). Termo pi"o- 
vincial. Fressura de porco. 

CACHOLÉTA, s. /. (Der. de cachola, 
com o suffixo «eia»). Pancada na cachola 
ou cabeça. 

t CACHOLONGO, s. m. Termo de mine- 
ralogia. Variedade opalina da Calcedo- 
nia. 

CACHOLÓTE, s. m. (Também se escre- 
ve Cachalotte e Cacholotte; do francez 
cackalot, que deriva d'um thema români- 
co queix, cack, que se encontra no portu- 
guez queixo, queixada, no catalão quei- 
xai, dente, etc. Cucholot significa pois o 
aninal armado de dentes, denominação 
que lhe convém perfeitamente). Mammi- 
fero cetáceo de dimensões eguaes ás da 
baleia, mas que ditfcre d'esta particular- 
mente em ter o queixo inferior, estreito 
e curto, guarnecido de cada lado de uma 
fileira de dentes cylindricos ou cónicos, e 
no queixo superior uma série de cavida- 
des em que entram os dentes quando a 
bôcca fc fecha. 

CACHONCÉIRA, s. /. O mesmo que 
Cachoureira. 

CACHONDÉ, *-. Hl. O mesmo que ca- 
choudé. 

CACHÓNDO, s. Hl. (?) No Cancioneiro 
de Rezende, i, 1-12, lè-se: Quando está 
sobre cachoado» . Significa talvez — quan- 
do está com o cio, pois cachando, em hes- 
panhol, designa a cadella com o cio. 

CAChONRÈlRA, s.f. ant. (^De cachor- 
reira, com nasalisaçào do o; cp. tampa- 
ao lado de tapar, ircmpe, de iripus, man- 
cha, de niactida, inverno, de hibernus, ren. 



20 



CACH 



CACH 



CACI 



der, de reddere, lontra, de lutra, etc. Ca- 
belleira grande. — « Ordenou o Concilio, 
que os Clérigos não deixassem criar ce- 
saries largas, a que hoje chamão cachon- 
reiras.» Chrysol Purificativo, p. Õ14. 

t CACHOOBONG, s. m. Estramonio de 
Sumatra. 

t CACHOPA, s.f. (De cachopo). Menina, 
rapariga. — « Todas as trazia em hu vivo 
enleyo, e com o próprio engano com que el- 
las trazião a outras cachopas, de tiàoJoão 
ás quartas feiras, e da Virgem do Monte 
ás sestas, que vão mudas á romaria, es- 
preytando o que diz a gente, que passa.-» 
Francisco Manoel de Mello, Apol. Dial., 
p. 24. 

CACHOPARRÃO, s. m. (Der. de cacho- 
pan'o, com o suffiso «ão»). Augmcnta- 
tivo de cachopo. — «Não cuides somente 
n'esse cachoparrão.» Sá de Miranda, Es- 
trangeiros, act. I. 

t CACHOPÀRRO, s. m. (Der. de cacho- 
po, com o suffixo «arro»). Augmentativo 
de cachopo. 

CACHOPÍCE, s.f. (Der. de cachopo, com 
o suflixo «ice», pelo mesmo processo que 
doudice, de doudo, pantomimice, de panto- 
mima, meninice, de menina, etc.) '= CoUi- 
gido por Bento Pereira. 

CACHOPÍNHA, s. /. Diminutivo de ca- 
chopa. 

CACHOPÍNHO, s. 7n. Diminutivo de ca- 
chopo. 

t CACHOPITO, s. »j. Diminutivo de ca- 
chopo. Enfermidades da língua, p. 112. 

CACHOPO, s. m. [Y) Menino, rapaz. — 
«Peço- vos por mercê, que me vades cris- 
mar aquelle câcho^po . i> Barros, Década II, 
foi. 18. 

Que dizes, meu Lencastrcs, (l'esles sábios, 
D'estes cachopos telbos, que despresam 
Quanlos bons Calões ouve, quanlos Fabios? 

AMÓNIO FEIIREIRA, CAUTA !, 5. 

CACHOPOS, s. m. pi. (Palavra peculiar 
ao portuguez. Não pôde, de modo algum, 
vir de scopuli, scopulos, como se tem pre- 
tendido ; scopulus deu em portuguez, como 
só podia dar pelas leis da alteração pho- 
nica d'esta lingua, a iórma escolho; vid. 
esta palavra). Rochedos á flor da agua em 
que quebram as ondas. Escolhos. — Parcel 
na barra de Lisboa. =Bluteau. 

Alli o mar em roucas ondas brada 
rs'os penedos allissimos quebrando, 
Que ruinas maritimas pieparão, 
E o nome de cachopos conservarão. 

GABR. PER. DE CASTRO, IILYS., caut. X, est. 131. 

— Figuradamente : Perigo, escolho. 
CACHOPÚCHO, s. m. (Palavra asiática). 

Certa droga de Guzarate. = Empregado 
por Duarte Barboza. 

CACHORRA, s. /. (Vid. Cachorro). Fê- 
mea do cachorro, cadella. — Por exten- 
são, cria da cadella, da loba, da leoa, e 
outros animaes da mesma familia. — Pei- 
xe similhante ao atum. — Termo popular : 
mulher preta; mulher má. 

— Adag.: «Cachorra apressada pare 
os filhos cegos. íi Bento Pereira, Thes. 

CACHORRADA, s. f. (Der. de cachorro, 



como carneirada, de carneiro). Bando de 
cães. — Fig.: Bando. — «Se vio acossado 
o Galeaõ daquella cachorrada de Catu- 
res.» Barros, Década IV, lol. 8, p. 14. 

— Techn.: Cachorrada, «são aspjedras, 
ou harrotesinhos que sahem para fora, 
e servem de sustentar o friso, ou outra 
parte do edificio, e cada pedra p>õr si se 
chama cachorro.» Bluteau, Vocab., e Frei 
João Pacheco, Divertimento erudito, Tom. 
II, p. 292. 

CACHORRÁDO, adj. (De forma partici- 
pai). Que assenta ou se sustém nas es- 
coras, que se chamam cachorros. 

— Fig.: Degenerado, corrompido. Alma 
cachorrada. 

CACHORRINHA, s.f. Diminutivo de ca- 
chorra. — « Furou-me ella com huma agu- 
lha aqui na borda, como quem fura as 
orelhas a cachorrinha» . Francisco Manoel 
de Mello, Apol. Dial., p. 98. 

CACHORRINHO, s. m. Diminutivo de 
cachorro. — «Não sou amigo de cachorri- 
nhos enfeitados». Idem, Carta de Guia de 
casados. 

— Loc. : Cachorrinhos abertos vivos; 
na antiga therapeutica, punham-se cachor- 
rinhos abertos vivos na cabeça dos dou- 
dos. — Carecer, haver mister cachorri- 
nhos, estar doudo, endoudecer. — aDigo-te 
eu, se o meu amo sabe, que á mister ca- 
chorrinhos». António Ferreira, Bristo, 
act. V, se. 3. 

CACHORRO, s. m. (Encontra-se também 
cm hespanhol cachorro; Diez pensa que 
a palavra vem de catulus, caflus (cp. ve- 
lho, de vetulus, vet'lus, selha, de situla, 
sit'la, etc); cat'lus daria assim uma for- 
ma cacho, d'onde a palavra era questão 
derivaria por meio do suffixo «orro», que 
é d'origem basca. O processo ó perfeita- 
mente regular, e nada se oppõe a esta 
ctymologia). O filho recem-nascido da ca- 
della; cão pequeno. — utiempre as achava 
acompanhadas de cachorros, de leões, e 
de anãos». Francisco Manoel de Mello, 
Carta de Guia de Casados. — Por exten- 
são, o filho recem-nascido dos animaes da 
familia do cão. — «Hum leão com três ca- 
chorros seus filhos V. Orden. Affonsina, 
Liv. I, 6õ, 21. — Fig.: Termo de despreso. 
Negro, escravo, patife. — Pessoa novel 
n'uma empreza, n'uma carreira. — «Dei- 
xemos cevar estes dous cachorros (dons 
mancebos novéis na luta»). Barros, Dé- 
cada II, foi. 1, p. 3. — Termo de atafona. 

— «He hum páo, que dá na calha da ata- 
fona, para fazer correr o grão abaixo». 
Frei João Pacheco, Divertimento erudito. 
Tom. II, p. 339.= Bluteau. — Termo d'al- 
venaria. — «Cão de pedra, que sustenta 
alguma parte do edificio, ou friso, ou va- 
randa, ou sacada, etc.» Ob. cit.. Tom. 
II, p. 292. — Termo de marinha. Esco- 
ras que sustém os navios nos estaleiros. 

— Certas caronadas que se põem á proa. 
Ob. cit. 

— Loc: Cachorro de fralda, cão fral- 



deiro. Agostinho Barbosa, e Bluteau. Diz- 
se também de homens mulherengos. 

CACHOUDÉ, «.»(. Termo de Pharmacia. 
Mistura de cachú, assucar e substancias 
aromáticas, com que no Oriente se com- 
põem pastilhas para perfumar o hálito. 

CACHOULA, s. f. Outia forma de Ca- 
chola, pouco usada. 

t CACHRY, s. m. Termo de Botânica. 
Grão do cachryóphoro. 

t CACHRYDE, s. /. Termo de Botâ- 
nica. Género da familia das umbellífe 
ras. 

f CACHÚ, s. m. (De catechu, palavra in- 
diana que designa a arvore que produ>' 
o cachú). Termo de Pharmacia. Extracto 
preparado com as madeiras e os fructos 
frescos da mimosa catechu, arvore da ín- 
dia. 

CACHÚCHA, s. /. Dança hespanhola, 
dançada por um homem e uma mulher, 
e d'um movimento muito vivo. 

CACHÚCHO, s. m. (?) Peixe muito fre- 
quente nas costas de Portugal, similhante 
ao goraz, mas de menores dimensões. — 
Certa planta vulgar. Medulla de penna. 

— liOC: Olhos de cachucho , grandes 
olhos. — « Olhai-me cá meus olhos de ca- 
chucho ». Jorge Ferreira de Vasconcellos, 
Euphrosina,fol. Õ9. — Ter um bom cachu- 
cho no dedo, phrase da giria popular e 
dos larápios ; ter um bom annel. — O ho- 
mem do cachucho, idem; certo homem que 
tinha um annel. A phrase era já usada 
no século xviii, pois se acha em Enfer- 
midades da lingua, p. 149. 

CÁCIA, s. f. Outra forma de Cachia e 
Quacia. 

CACIFÉIRO, s. m. (Der. de cacifo, com 
o suffixo «eiro»). O cónego que tem a in- 
specção ou administração da massa da 
meza capitular da cathedral de Coimbra. 
Viterbo, Eluc. 

CACIFO, s. m. (Do árabe caftz, nome de 
uma medida para grãos). Cofre em que se 
guarda o dinheiro pertencente á mesa ca- 
pitular da cathedral de Coimbra. Viterbo, 
Eluc. — Antigamedida de sólidos, e de capa" 
cidade não fixa, pois variava de logarpar ^ 
logar, tendo n'umas partes trez salamins, 
n'outras uma quarta enieio salamim, n'ou- 
tras uma quarta, etc. — Um cacifo. — Ca- 
cifo e meio. — Cinco cacifos constituíam 
n'alguraas partes um alqueire. (Vid. Vi- 
terbo, Eluc.) — Hoje tem varias significa 
ções. 

— No jogo da bola, uma casa ou bu- 
raco que dá idêa de um nicho era que 
rauitas vezes se mette o vinte. 

— Jogo de sociedade, o cestinho ou 
vaso covo em que os parceiros botara as 
suas entradas. 

— Em termo familiar, espécie de ar- 
mário ou vão na parede onde se arreca- 
dam diflerentes objectos. 

CACIMBA, s. /. (Do ambundo quichibo, 
orvalho). Orvalhada e sereno muito forte 
que cabe nas costas e mar de Africa na 



CACO 



CACO 



CACO 



Hl 



altura d'aquellas, nas ilhas de Cabo Verde, 
Serra Leoa, etc, e que produz muitas 
doenças. — Em Portugal emprcga-se lam- 
bera para designar uma chuvinha miúda, 

CACIMBA, s.f. (DoambundoçitícAma, 
poço). Cuva em logar húmido para n'ella 
se ajuntar a agua que resuma. — «Saião 
por agoa ás cacimbas do Recife. i> Brito, 
Guerra Brazilica, p. 186». — «Os nossos 
com o lodo dos charcos, e com as cacim- 
bas das praiasí). António Ferreira, Tom. 
VIU, p. Õ47. 

CACIMBEIRO, s. m. (Der. de cacimba, 
como suffixu «eiró»). O que faz cacimbas 
(covas) nas costas, etc. 

CACIQUE, s. m. (Palavra caraiba ; Go- 
mara, Historia de las índias, cap. xvi, 
diz, íaliando de Colombo na ilha do Haiti : 
li Guacanagari, rei, ou comoelleslá dizem 
c&cique d' essa ter r a í>). Chefe, príncipe dos 
indígenas do Haiti, Cuba e outros paizes 
do continente americano. 

CACiS, ou CACIZ, s. wi. (Do árabe ca- 
sts). Sacerdotes musulmanos na índia, Pér- 
sia, Berbéria, etc. — «A imaginada glo- 
ria, quelhe prometião os cacizes». Jacinto 
Freire, Vida de Dom João de Castro, Liv. 
II, p. 147. — « E por um cáciz man- 
dou o Emperador de Marrocos...» Monar- 
chia Lusitana, Tom. iii, p. 261. — Deu-se 
também este nome aos sacerdotes chris- 
tãos na índia, etc. — Occorre também, no 
sentido de eremitas, n'a]guns viajantes e 
orientalistas. 

CACO, s. m. (Do latim cacalus, como 
era hespanhol jago, (e port. em Sant'Iago) 
de jacobus. Apesar d'uma etymologia tào 
simples, Moraes, e Constâncio, que pare- 
cera nàoter sabido latim, deram tractos á 
imaginação para derivarem a palavra já 
do francez caque, barrica, já do latim 
quasso, quassa ola! Cacabus, do grego kak- 
kabos, significava propriamente vaso de 
cosinha como caldeira, marmita, frigideira 
etc). Vaso de barro e outra alfaia de pouco 
valor. Significação da palavra, inteira- 
mente ligada á primitiva e em que ella se 
emprega muito na linguagem familiar 
apresentada por Bluteau, e não tão exa- 
ctaraente pelos outros lexicologos. — Fra- 
gmento de vaso de cosinlia, louça, vidro, 
etc, quebrado. — Cacos, louça, frascos, 
trem de cosinha, trastes, etc. Figurada- 
mentente : Caco, a cabeça. 

— Loc. : E'azer em cacos, despeda- 
çar, quebrar. — Ter bom caco, ter boa 
cabeça, bom senso, muita intelligencia. — 
Ter a cabeça feita em cacos, ter a cabeça 
perdida, estar cora o cérebro esvaído. — 
Ser nm grande caco, ser uma grande 
intelligencia. Enfermidades da Lingua, p. 
150.— Cacos do nariz, denominação fami- 
liar do humor viscoso das ventas, depois 
de solidificado. 

CACO (Do grego kakos, máo). 

Prefixo que entra na composição d'um 
grande numero de termos technicos e scicn- 
tificos formados de rndicaes gregas. 



t CACOCHNYA, s. /. (Do grego kakos, 
máo, e únua, unha). Termo de cirurgia. 
Deformação das unhas. 

t CACOCHOLIA, s.f. (pr. kakokolia; do 
grego kakós, máo, e khole, bilis, humor). 
Depravação da bilis. = Pouco usado. 

t CACGCHONDRIQUE, adj. 2 gen. (pr. 
kakvkóndrique). Termo de historia natu- 
ral. — Diz-se da serpente venenosa que 
tem pelle granuda. 

CACOCHYLIA, s. f. (pr. kakokilia; der. 
de cacocki/io). Termo de pathologia. Chy- 
litícação corrompida. 

CACOCHYLO, s. m. (pr. kakokilo ; do 
grego kakos, máo, e khilos, o ehylo). 
Termo de pathologia. Chylo corrompido. 

CACOCHYMIA, s.f. (pr. kakokímia ; der. 
de cacuckymo). Termo de pathologia. Es- 
tado doentio que affecta principalmente a 
lympha e o sangue. 

CACOCHYMICO, adj. (pr. kakokímico; 
der. de cacochymo, com o suíBxo «ico»). 
Que diz respeito ou resulta da kakoky- 
mia. — Affecção cacochymica. — Sj/mpto- 
mas cacochymicos. 

CACOCHYiVIO, adj. (pr. kakokimo; do 
grego kakos, máo, e khymos, humor). 
Termo de pathologia. Que está atacado 
de cacochymia. 

t CACODEMÓNIO, s. m. (Do grego ka- 
kos, máo, e daimôn, génio, espirito). Máo 
espirito, espirito das trevas. 

— Termo de astrologia judiciaria. Duo- 
décima casa do céo, que só dá prognós- 
ticos sinistros. 

CACOÉTHE, s. HJ. (Do latim cacoethes, 
e este do grego kakos, máo, e êthos, cos- 
tume). Termo de Pathologia. Synonymo 
de cachexia. — Máo habito, como o de quem 
faz meneios e tregeitos ridículos ou de 
doudo. — Mau costume. 

CACOÉTHICO, adj. (Derívado de cacoe- 
the, com o suffixo «ico»). Que tem ca- 
coothe, que é de má natureza. 

t CACOGENÍA, s. /. (Do grego kakos, 
máo, e grnos, raça). Aberração orgânica. 

CACOGRAPHÍA, s.f. (Do grego kakos, 
máo, e graphô, eu escrevo). Termo de 
grammatica. Orthographia viciosa. Os 
monumentos da littcratura portugueza da 
edade media abundam em exemplos de 
cacographia. 

CACOGRÁPHICO, adj. (Der. de caco- 
graphia, com o sulHxo «icO"). Que tem 
cacographia, ou diz respeito á cacogra- 
phia. — Exercidos cacographicos, themas 
que se dão aos que aprendem a escrever 
com orthographia, em que ha erros typo- 
graphicos de propósito para que ellcs os 
corrijam. 

CÁCÓGRAPHA, s. /. de Cacographo. 

CACÔGRAPHO, s. wi. (Vid. Cacographia). 
O que escreve sera bòa orthographia ; o 
que emprega a cacographia como meio de 
ensinar a orthographia. — Aquelle profes- 
sor é cacographo. 

t CACOLIM, .V. })i. Codoruiz do México. 

t CACOLOGLA, s. /. i,Do grego kakos, 



máo, e logos, discurso, palavra). Locução 
viciosa; acto de fallar mal. A cacologia 
está para a linguagem fallada, na mes- 
ma relação que a cacographia para a lin- 
guagem escripta. 

t CACOLÓGICO, adj. (Der. de cacolo- 
gia, cora o suflSxo «ico»). Termo de gram- 
matica. Que diz respeito á cacologia ou 
em que ha cacologia. 

t CACÓLOGA, s. f. De Cacólogo. 

CACÒLOGO, s. m. (Vid. Cacologia). Ter- 
mo de grammatica. O que falia incorre- 
ctamente, commettendo solecismos, bar- 
barismos, etc. 

t CACOLÚRA, s. f. (?) Logar «aonde se 
ajunta a agua para moer o moinho do 
mar.» Frei João Pacheco, Divertimento 
erudito, Tom. ii, p. 339. 

t CACOMÍTA, s. m. Espécie de tigridia 
do Peru. 

t CÁCONA, s. /. Termo de Botânica. 
Grão do dolico cáustico. 

CACOPATHIA, s. f. (Do grego kakos, 
máo, e pathos, affecção). Termo de pa- 
thologia. Doença maligna, de máos sym- 
ptomas. 

t CACÓPHAGO, adj. (Do grego kakos, 
máo, e phágõ, eu como). Que come cou- 
sas nauseabundas, ascorosas e extraordi- 
nárias. 

CACOPHATÓN, s. m. (Do grego kakos, 
máo, e pihaton, expresso, dito, ou phatis, 
voz, palavra, etc.) O mesmo que caco- 
phonia. 

t CACÓPHOLIDÓPHIDO, adj. Termo de 
Zoologia. Dizse duma serpente d'e8ca- 
ma na pelle. 

t CACOPHONÍA, s. /. (Do grego kakos, 
máo, e jihuni, voz, som.) Ruído desagra- 
dável, proveniente da mistura de sons des- 
harmonicos, f;illando das vozes e dos ins- 
trumentos de musica. 

— Em Pathologia, voz viciada. — Ruí- 
do confuso produzido por dilfercntes pes- 
soas fallando ao mesmo tempo. 

— Em Grammatica, combinação des- 
agradável de palavras no discurso. Reu- 
nião de syllabas de differcntes palavras, 
que se ligam de modo que formam uma 
palavra chula ou obscena. — t Junta de 
consoantes ... e lhe chamavão cacophonia» . 
Fr. Luiz de Sousa, Hist. de S. Domin- 
gos, Liv. III, cap. 18.=Francisco Jlanoel 
de Mello escreve cacaphonia, a n.lo ser 
erro da copia do ms. — a Nam ripara 
na cacafonia do cagados. Feira d'Ane- 
xins, Part. ii. Dial. i, §. 1. 

CACOPHÒNICO, adj. (Dor. de cacapho- 
nia, com o sutlixo «ico»). Que faz caco- 
phonia. 

CACOPHRAGÍA, 5. /. iDo grego kakos, 
máo, o phratíâ, eu obro\ Termo de pa- 
thologia. Vicio dos órgãos de nutrição. 

t CACORACHITE, s.f. ^pr. kakorakitc ; 
do grego kxikos, máo. e rhakhis. columna 
vertebral^ Deformação da colnmna ver- 
tebral. 

t CACORYTHIMICO, adj. (Der. de ca- 



I 



22 



CACU 



CAÇO 



CADA 



corythmo, com o suffixo dico»). Que tem 
cacorythnio. 

CACORYTHMO, s. m. (pr. kakoritmo ; do 
grego kakos, niáo, e rythmos, rythmo). 
Rythino irregular, insupportavel. 

t CACOSCÉLIS, s. m. (Vid. Cacoscelo.) 
Género de eoleópteros da America. 

t CACOSCELO, s. m. (Do grego kakoske- 
lês, que tem as pernas fracas ; composto 
de kakos, máo, e skelôs, perna). Termo 
de Zoologia. Género de eoleópteros de 
Africa. 

t CACOSITIA, s. f. (pr. kakozicía; do 
grego AaAos^ máo, e sitiou, alimento). Fal- 
ta de appetite, aversão pelos alimentos. 

CACOSPHYXIA, s. m. (Do grego kakos, 
máo, e osphyxis, pulso). Termo de Pa- 
thologia. Máo estado, irregularidade con- 
tinua do pulso. 

t CACÓSTOMG, adj. (Do grego kakos, 
máo, e stóma, bòcca). Termo de medicina. 
Que tem a bôcca má. 

CACOTÉCHNIA, s. f. (Do grego kakos, 
máo, e téchnS, arte). Máo artificio, traça 
mal dirigida, falta de arte. 

CACOTHYMIA, s. f. (Do grego kakos, 
máo, e thyrnós, espirito). Desarranjo do 
espirito, perturbação das faculdades intel- 
lectuaes. 

CACOTRICHIA, s.f. (pr. kakotrikia; do 
grego kakos, máo, e thrix, eabello). Ter- 
mo de pathologia. Alteração dos cabellos 
ou do tecido capillar. 

CACOTROPHÍA, s.f. (Do grego kakos, 
máo, e trophê, alimento). Vicio de nutri- 
ção. 

t CACOTÚMBA, s. m. Nome indigena de 
uma planta annual das índias, da famí- 
lia das personneas. 

t CACOZÉLO, s. m. (Do grego kakos, 
máo, e zSlos, zelo). Zelo muito ardente e 
indiscreto. Zelo ou virtude tingida. 

t CACREL BRANCO, s. m. Certo peixe 
do mar Mediterrâneo. 

t CÁCTEAS, s.f. pi. (Der. de cacto, com 
o sufRxo «ea»). Termo de botânica. Uma 
familia de plantas. 

CÀCTEO, adJ. (Der. de cacto, com o 
suffixo (cBO»). Semelhante ao cacto. 

CACTEIRO, s. m. (Der. de cacto, cora 
o suffixo «eiró»). Termo de botânica. Gé- 
nero de plantas da familia das cacteas. 

CACTÍFLORO, adj. (Composto de cacti, 
de cacto, e floro, de Idor). Que tem flores 
semelhantes ás do cacto. 

CACTIFÓRME, adj. de 2. gen. (Composto 
de cacti, de cacto, e /orí?ie, de forma). Que 
tem a forma de cacto. 

CACTO, s. m. (Do latim cactos, ou do 
grego kaktos). Nomes das plantas da fami 
lia das nopáleas. 

t CACTOIDE, adj. de 2 gen. (Der. de ca- 
cto). Que tem a forma de cacto. 

t CACTOIDES, s.f. pi. (Der. de cacto). 
Termo de botânica. Familia de plantas. 

t CACTONITE, s.f. Pedra cujo toque se 
pretendia tornava victorioso. 

t CACUMINÁES, 5./. pi. e adj. Decacu- 



men.) Nome com que na Europa se tra- 
duziu a denominação dada pelos gramma- 
ticos Índios a uma classe de consoantes do 
alphabeto sanskrito {mârdhanja, que vem 
do alto, do alto do ceu da bocca), e pre- 
ferível ao nome de cerebraes, dado tam- 
bém na Europa ás mesmas consoantes. 

CACUME, ou CAGUMEN, s. m. (Do la- 
tim cacumcn). O alto de tudo o que ter- 
mina em ponta; alto. — Pouco usado. 

CAÇO, s. m. (Vid. Caçoula). Termo an- 
tigo e provincial. Frigideira com rabo. 

CAÇOADA, s.f. (Der. de caçoar). Zom- 
baria, troça, conversação ociosa. 

CAÇOADO, adj. part. de caçoar, e adj. 
Que soffreu uma caçoada. — Ficar caçoado, 
ficar ridicularisado e sem ter obtido o que 
se pretendia. 

CAÇOAR, V. n. (?) Fazer zombaria ; ter 
uina conversação ociosa ; não levar as cou- 
zas a sério. — Caçoar co?)i alguém, fazer-lhe 
caçoada. — Também se emprega ás vezes 
em sentido activo. — Caçoar a/guem. 

— Caçoar, s. /. O mesmo que Cassoar. 
— iiLhe dissera qite lhe daria huma ca- 
çoar.» Inéditos de Hist. portugueza, Tom. 



II, 



2b2. 



CAÇOARIA, s. f. ant. (Der. de caçãO' 
com o suffixo «ária», como de cordão, 
cordoaria, etc.) Peixes da espécie do ca- 
ção^ de pouco valor. — «Paguem dízimos 
de todo o pescado, e mesmo da caçoaria.» 
Doe. de 1331, em Viterbo, Eluc. 

CAÇOLA, s. m. ant. O mesmo que Ca- 
çoula. ^'id. esta palavra. 

CAÇOLETA, s. /. [O hespanhol tem ca- 
zoleta, o francez cassolete ; a palavra de- 
riva da forma caçola^ por meio do suffixo 
dim. «eta», vid. Caçoula). Vaso em que 
os ourives recozem a prata. «Duas buri- 
ladas, reciizidas em huma caçoleta no fo- 
go. n Verdadeiro resumo do valor do ouro, 
p. 54. — U fusil da espingarda. 

CAÇOLETE, s. ?». (Do francez casso- 
lete; vid. Caçoula). Vaso para perfumar a 
casa. 

t CAÇONETES, s. m. pi. (?) Termo de 
náutica. Páos torneados da forma d'uma 
espada, presos pelo meio, que se põem nas 
levas das portinholas, para ellas estarem 
abertas com igualdade. 

CAÇÓTE, s. »?í. a)it. (?) Vestido militar 
ou saio antigo de panno grosso, acolchoa- 
do e bastido, que levavam á guerra os 
soldados que não tinham armadura de 
ferro. — tCaçote de cânhamo.» Damião de 
Góes, Chron. de D. Manuel, Part. i, 95. 

CAÇOULA, s.f. (^D'uma palavra te uto- 
nica, cuja forma fundamental deve ter si- 
do kata, e que se encontra no scandina- 
vo kati, no antigo alto allemão chezi, veio 
uma forma kassa, de que vem o portu- 
guez caço, o hespanhol cazo, o italiano 
cazza, o francez casse, o picardo casse, 
o catalão cassa, que tem todos significa- 
ções quasi idênticas; d'esse thema fcassa, 
kasse, vem o allemão modeino kassel, cas- 
serola, e das formas espécies das linguas 



românicas se originam numerosos deri- 
vados. Por meio do suífixo «olla» se for- 
mou um thema românico cassola, de que 
não são mais que pequenas modificações 
secundarias o portuguez caçoula e o francez 
cassolle ; d'esse thema cassole se forma- 
ram, por meio do sutíixodim. «eta» (fran- 
cez (ette), as formas portuguezas caço- 
leta, hespanhol cazoleta, francez cassole- 
te. A orthographia usual, segundo a qual 
estão por alphabeto as palavras n'este dic- 
cionario,é perfeitamente incoherente e con- 
traria á etymolog-ia. Caço deve-se escre- 
ver casso; caçoleta, cassoleta; caçoula, 
cassôla). Vaso de barro em que se cozera 
alimentos. — Vaso em que se queimam 
aromas chamados caçoulas. — Caçoulas , 
aromas que se lançam no fogo para per- 
fumar. 

CAÇOURO, s. m. (?) Pequena roda, que 
na roca separa as partes da cana cortada, 
em que se envolve o linho ou lã que se 
tia; o copo. — «Caçouro, ke a roda das 
esporas moiiriscasD . António Galvão, Tra- 
tado da Cavallaria de Gineta, foi. 67. 

CAÇURRENTO, adj. ant. (?) Immundo, 
asqueroso. — No sentido moral, depra- 
vado. 

Caí-urreníQS ni.iys que puilias, 
de seus males criniiuaes, 
i»e eastyiíem. 

CAÍfC, DE REZENDE, 1, 187. 

CAÇURRÍA, s. f. (?) Galanteria, zom- 
baria amável. ^= Empregado no Cathe- 
cismo, em Inéditos d'Alcobaça, Tora. i. 

CADA, adj. distriòuitivo invariável. 
(Não tem nada que vêr com o grego kata, 
como se pieteude em Moraes, que clas- 
sifica inexactamente a palavra de adj. 
articular. O critério para descobrir a 
verdadeira etymologia, aqui, como em 
outros casos numerosos, é a compara- 
ção com as formas correspondentes dos 
outros idiomas românicos. Partamos da 
ligação cada um, hespanhol cada uno, 
provençal cada (un e cadun), italiano ca- 
duno, antigo francez cad-hun, cheun ; o 
antigo hespanhol oflerece a forma quis- 
cadauno, o antigo portuguez quiscadaun, 
que nos dirige ao latim quisque ad unum, 
mas o retho-romano tem s cadin de s-ca- 
duns,(\i\c: nos leva ao latira usque ad unus, 
como forma fundamental das indicadas 
formas românicas. O s ou es, de us, foi 
sujeito á aphérese, por se ter confundido 
com a prep. es (ex.) Cada foi d^^pois se- 
parado de cadaum ( — (s) cad-unoj, e em- 
pregado como adjectivo. Comp. o grego 
moderno kathénas — quisque, de káth'he' 
nas; káthe é usado como adjectivo, por 
exemplo: káthe dendron, portuguez cada 
arvore. Apesar da coincidência entre o por- 
tuguez e o grego mod., é impossível de- 
rivar cada d'aquella fúrma káthe, por ter- 
mos que attender ás formas parellelas das 
outras línguas românicas e á historia d'es- 
tas línguas). Palavra que exprime que 
um objecto, dito collectivamente, deve ser 
tomado em todos os sentidos, sob todas 



« 



CADA 



CADA 



CADA 



23 



as relações. Emprcga-se sempre antes da 
palavra com que concorde e que pôde ser 
um substantivo precedido ou nào prece- 
dido de adjectivo, ou o pronome qual. 
Também algumas vezes é empregado an- 
tes de um adjectivo só, mas sub-entende- 
se então necessariamente um substantivo. 
A forma primitiva cada um conserva-se 
também. 

— 1." Cada, seguido de um substantivo 
ou adjectivo e substí.ntivo. 

E ora já diroivos que mi aven : 
Cada dia vos quero mayor ben. 

TROVAS E CANTARES, C3nl. 40. 

Cada (Jia 

Ki de fjllccer. 

CANCIONTIRLVHO DE TROVAS ANTIGAS, publ. pOr 

Varnhagem, canl. 37. 

Dos infiéis, fermosa oonipanhi.n 
De grandes naus. pelo Indico Ore.ino 
Especiarias vera buscar cai/a anno. 
CAM., Lus., cant. ii, est. 3. 

Oh n3o na creas, porque eu qu.indo a cria. 
Mil vezes cada hora me roenlia. 
OB. OIT., cant. ix, est. 77. 

Nelle vcndo-se está dislinclan-.enle 
O quadrado da planta, onde a fachada 
De cada lado os ângulos fazião 
Quatro torres, que ao Ceo subir queriSo. 

ROLIM DE MOnnA, NOVISSI.MOS DO HOMEM, tOUl. II. 

p. 38. 

— Cada homem. — Cada pessoa. — Cada 
mez. — Cada sciencia. — Cada dôr.- — Cada 
mão dia. — Cada ruim pessoa. — Cada triste 
figura. — Cada dez (sub-entcndendo-se um 
substantivo). — Nas phrases intcrjeccio- 
naes, como : — Sempre ha cada pedaço 
d'asno! Cada, reforça a significação. 

— Adag. : «Cada hofarinheiro louva 
seus alfinetesíi. Bento Pereira, Thes., p. 
218. — «Cada cousa a seu tempov, — Ob. 
cit. — «Cada cidja cheira ao vinho que íem». 
Ob. cit. — «Cada feira vai menos como 
o burro de Vicentes. Ob. cit. — «Cada 
formiga tem sua ira». Bluteau, Vocabu- 
lário. — «Cada cahello faz sua sombra na 
terra'-'. Ob. cit. — «Cada terra com seu 
cosíitwiCD.Ob.cit. Ilojediz-se: «Cada íerm 
com seu uso, cada roca com seufusov. — 
«Cada ovelha com sua parelhas. Ob. cit. 
— «Cada carneiro por seu pé pendeu . Ob. 
cit. — « Cada po7'co tem seu ti. Marti- 
nho». Ob. cit. — «Cada dia, três e quatro, 
chegarás ao fundo do saco». Ob. cit. — 

.Cada dia peixe, amarga o caldon. Ob. 
cit. 

— Loc..- De cada vcx, ou cada vez. — 
Cada que (ant.), cada cousa que. Doe. de 
hg;}, em João Pedro Ribeiro, Extractos 
para se ordenar o glossário archeoló- 
gico, cte., 7ns. Cada que, todas as vezes 
que. Doe. de 1351, citado por Viterbo, 
Elucidado. — A cada ^míso, frequentes 
vezes, continuamente. — « Cose- os ricos 
panos, que os antigos tecerão, errando- 
Ihe porém a cada jmsso os fios, cor c o di- 
reyío». Francisco Manoel do Mello, Apol. 
Dial., p. 200. — o Pois rspcray, que heij 
de hir trincando-vos a cada passo vossa 
arenga». Ob. cit., p. 75. 

— 2.» Cada, seguido do artigo indefi- 
nido um, faziiido 1'micção do pronome. 



N'uns casos cada um significa cada ho- 
mem, sem haver referencia a um substan- 
tivo precedente; n'outros um está por esse 
substantivo precedente no discurso. — 
«■Entom se mostra per pratica quanto ca- 
da huum he boom.-t Fernão Lopes, Chron. 
de D. Pedro I, Prol. — «Se a cada huum 
se desse aquillo para que he na Republi- 
ca, outro gallo nos cantara ao nosso liey- 
no, e ú nossa Cidade». Francisco Manoel 
de Mello, Apol. Dial., p. 151. 

6'flf/a lium dará juizo sobre mim. 

ACTOSIO FERREIRA, SOS., liv. I, 10. 

Cada luira andava pola mais crnír 
Com có)iia, com sejilenças, c com arte. 
Com que podesse d'oulr,is Iriumphar. 

IDEM, CART., liv. I, 3. 

— «il/as das manhas, e comdiçodes, e 
estado de cada huum, diremos adiante 
muyto brevemente onde convém fallar de 
seus feitos.» Fernão Lopes, Chron. de D. 
Pedro I, cap. 1 . = Cada um pode ser se- 
guido de restrictiva. 

Logo eada um dos Dcozes se p.irti.T. 
CAM., I.IIS., cant. I, est. 41. 

— Encontra-se também cada wis, cada 
umas, nos antigos escriptores. — aE elle 
as dava a huum escripvam qual lhe pa- 
recia, o qual tt/nha encarrego de as re- 
partir, e dar cada umas aos desembarga- 
dores a que p)ertenciam.» Fernão Lopes, 
Chron. de D. Pedro I, cap. 4. 

— Adag.: «Cada um acode, aonde lhe 
mais doe». Bento Pereira, Thes., p. 218. 

— «Cada um chega a brasa á sua sardi- 
nha». Ob. cit. — «Cada um colhe segundo 
semêa». Ob. cit. — «Cada um como se ama- 
nha.» Ob. cit. — «Cada um diz {ya.v. fal- 
ia) da feira como lhe vae nella». Ob. cit. 

— «Cada u»i em sua casa é rei». Ob. cit. 

— «Cada tim falia como quem e». Ob. cit. 

— «CadaiH?i falia do que tracta». Ob. cit. 

— «Cada?t?íi faz como quem é». Ob. cit. — 
«Cada ítni folga com o seu egual». Oh. cit. 

— «Cada um se contente com o que Deus 
lhe dá» Ob. cit. — «Cada um sente o seu», 
Ob. cit. — «Cada um trate de si e deixe os 
outros». Ob. cit. — «Cada tim dança como 
tem os amigos na sala». Bluteau, Sup- 
plemento. — « Cada um canta como tem 
graça, e casa como tem ventura». Obra 
cit. — «Cada rim sente o frio como anda 
vestido». Ob. cit. — «Cada um cxtcnda a 

■perna aonde a tem cuberta». Ob. cit. 

«Cada um. d<-spcnde como seu braço se es- 
tende». Ob. cit. — «Cada um veja o pão que 
lhe ha de abastar». Ob. cit. — «Cada uni faz 
no que sabe». Ob. cit. — «Cada um falia da 
festa como lhe vae nclla » . Ob. cit. — « Cento 
de um ventre, cada um de sua mente». 
Ob. cit. — «Cada um busca pão do seumas- 
tigo-i>,(Do Minho; colligido pela primeira 
vez). — «Onde cada um ha </c ir não ha 
de mentir». Enfermidades da Liuqua, ii. 
341. ' 

— ."5." Cada seguido do </«<(/, equivale 



a cada homem, cada imi, cada uma do 
certo numero de pessoas ou cousas. 

Vae recontando o povo, que se admira, 
O caso cada qual que mais notou. 
CAM., LUS., cant. v, est. 91. 

EstavSo tios e ties, e qualro e quatro. 
Bem como a caila qual coubera em sorte. 

IDEM, IDIDEM, CSUt. VI, CSt. CO. 

— «Os governos Aristocráticos ou De- 
mocráticos, como se executão pelo con- 
gresso de muytds vontades, posto que pa- 
deça, como he costume, cada qual suas 
afeyçoens, entre esta copia he força se mis- 
turem talvez os dignos com os indignos». 
Francisco Manoel de Mello, Apol. Dial., 
p. 152. — Não parece haver exemplos de 
cada seguido de quaes, em quanto appa- 
recém taes como cada homens, cada me- 
zes, cada uns, etc. Hoje, porém, cada, 
pede em rigor a palavra seguinte no sin- 
gular. 

— Adag. : «Cada qual com seu eguah. 
Bento Pereira, Thes., p. 218. — «Cada 
qual em seu (var. com seu) officiov. Ob. 
cit. — «Cada qual sahe para seu proveito t. 
Ob. cit. — «Cada qual sente o seu mal-s>. 
Ob. cit. — «Cada qual tem seu pedaço de 
máo caminho». Ob. cit. — «CaiAdiqucd sabe 
as linhas com que se cose» . (Colligido pela 
piimcira vez). 

t CADABA, s. m. Termo de botânica. 
Género da família das capporidáceas da 
Ásia e Africa. 

CADAÇO, s. m. (Forma que resultou 
de cadarço por assimilação, como antiga- 
mente usso de urso, etc; vid. Cadarço. 
A verdadeira orthographia é cadasso, des- 
conhecida pelos lexicólogos anteriores que 
ignoravam a etymologia, e, como Moraes, 
improvisavam palavras do céltico para a 
explicarem). Fita estreita de algodão ou 
linho branco ou de côr. 

CADAFALSO, s. m. (O italiano tem ca- 
tafalco, que é a forma mais primitiva da 
palavra que se encontra nos idiomas ro- 
mânicos. A forma portugucza e hespa- 
nhola cadafalso, em que o s se encontra 
no logar do c italiano, explica-se pelo no- 
minativo provençal cadafalcs {cs-x d'ondo 
o s como cm disse de dixi, tecer (c-ss^ de 
texere, etc.). Catafalco é, como provou 
Diez, composto de cata, thema do verbo 
hespanhol c portugucz catar (ver), efalco, 
de balco (d'ondc baldo), que nào é mais 
que uma forma divergente de palco (vid. 
esta palavra"). O elemento cata entra em 
composição também em catacumba (vid. 
esta palavra), c o italiano catalctto, leito 
de apparato, cujo segundo elemento c 
letto — portugucz ^<>í'Í(), significando as- 
sim catalctto leito de vista, leito de mos- 
tra. O hespanhol tem também catalccho, 
— ■ o italiano catalctto. Estes factos de- 
monstram o rigor da engenhosa etymolo- 
gia de Diez, apesar do que ella tem de 
singular; outra confirmaç.^u) lhe vem ain- 
da nas antigas significações da palavra em 
portugucz, etc. Não admira que uma ety- 



24: 



CADA 



CADA 



CADE 



mologia, tão difficil para quem não co- 
nhece os processos que emprega o espi- 
rito popular na linguagem, estivesse fora 
do alcance dos nossos etymologistas. Mo- 
raes calou-se. Constâncio e o sr. D. José 
de Lacerda, seu repetidor, disparataram 
comicamente segundo o seu costume, fa- 
zendo vir a palavra do grego Icata, de 
cima, e um, do latim palatus, part. de pa- 
lor, ser sustentado em páos). Estrado le- 
vantado do chão, tablado para se vêr me- 
lhor o que n'elle se executa, que é al- 
guma acção publica, solemne, v. g. mo- 
mos, entremezes, danças, a coroação de 
um rei, a justiça de alguns réos, etc. (De- 
finição de Moraes, que confirma plena- 
mente a etymologia de Diez). — Estrado 
sobre o qual se executa a sentença de pena 
capital. Durante os dias sanguinolentos 
do Terror, o cadafalso tinha-se tornado o 
espectáculo favorito da turba sem senti- 
mento. — Figuradamente : Morte, destrui- 
ção. — « Virá o dia do Juizo. Virá o dia 
daquelle grande cadafalso do mundov. An- 
tónio Vieira, Sermões, serm. i, p. 4Gõ. 

— Loc. : Subir ao cadafalso, ir padecer 
a pena capital. — «O dia em que subiu ao 
cadafalso Carlos I de Inglaterra ...» 

t CADAMONI, s. 7):. Termo de Phar- 
macia. Certa droga, 

CADANÈTA, s. f. Alteração de Cade- 
neta. Acha-se em António Prestes, Auto 
dos dons Irmãos. 

CADANETAS, «. /. pi. O mesmo que 
Cadenetas. 

GADANHO, loc. ant. Alteração de cada 
anno. Doe. de 1312, mencionado por Vi- 
torio, Eluc. 

CADARÇO, s. m. (Moraes, Constâncio, 
e com elles o snr. D. José de Lacerda, 
derivara a palavra do hespanhol cadarso, 
o que não adianta nada, porque tanto 
se pôde dizer que vem a forma portu- 
gueza da hespanhola, como que vem a 
hespanhola da portugueza ; mas os dous 
últimos vão depois mais longe e acham 
a origem prima de cadarço no persa ar- 
darso, que lhe foi ministrada por Bluteau. 
Este termo, todavia, dá como correspon- 
dente em persa não ardarso, mas kenar- 
ardarso; isto, porém, não desarranjou os 
nossos etymologistas, que acharam mais 
simples pôr de lado a palavra kenar. Das 
formas das linguas românicas, a que mais 
próxima está phoneticamente de cadarço c 
a franceza cardasse ; a methatese do «r», 
sendo frequente, a palavra portugueza em 
realidade corresponde á franceza, som por 
som. Mas são ellas etymologicamente idên- 
ticas, como o são phoneticamente? Car- 
dasse designa, sem duvida, o pente com 
que se carda o barbilho da seda; mas é 
também empregada para designar o bar- 
bilho. Bescherelle explica étrasse])or sorte 
de buurre de soie, cardasse, apresentando 
assim cardasse como synonymo de bourre 
de soie, e o mesmo se dá em outros lexicó- 
logos francezes. Nós temos cardada, quo 



designa tanto o acto de cardar uma por- 
ção de lã, como uma porção de lã car- 
dada d'uma vez. Assim se explica facil- 
mente como cardasse pôde designar a car- 
da, ou pente de cardar, ao mesmo tem- 
po a cousa cardada. Cadarço, pois, é idên- 
tico etymologicamente ao francez cardas- 
se, coraquanto não se possa affirmar que 
provenha d'esta forma e não seja um pro- 
ducto independente; deriva de carda, ou 
carde, por meio do suffixo a aço» ou asse, 
formas diversas das mesmas cousr.s). Te- 
cido feito do barbilho dos casulos e da 
seda mais grossa e enredada. — Meias de 
cadarço, luvas de cadarço, fitas de ca- 
darço. — Tem também n'aiguns auctores 
a mesma significação que a forma Ca- 
daço. 

CADARRÃO, 5. m. ant. Modificação de 
Catarrão, resultante do abrandamento do 
«t« em «d». 

E se for de cadanão (que estiver (loenle), 
Comei caranguejos quentes. 

GIL VICENTE, tom. Ill, p. 307. 

CADÁSTE, s. m. (Não se encontra nos 
outros idiomas românicos, o que diffi,:ulta 
a investigação etymologica. A seguinte 
etymologia é todavia, cremos, muito plau- 
sível: De cauda, por meio do suffixo «as- 
tro», que se altera em asto, como em pa- 
drasto, àepadre, madrasta, de madre,cic., 
se derivou caudastro, caudasto de cau- 
dasto vem cadasto, como de augusto agos- 
to (an-a), e de cadasto vem cadaste, como 
de cabido cabide, de cabo cabe, etc. A 
etymologia dada é confirmada ainda pe- 
la forma codaste, que se explica perfeita- 
mente por caudasto, pois temos aqui o 
proveniente de au, como era pobre, do la 
úmpauper, etc; cadaste significaria assim 
propriamente cousa do lado da cauda, 
cousa que está na cauda, na parte poste- 
rior). Termo de náutica. Peça da popa do 
navio, onde se fixam as fêmeas das bisa- 
gras do leme, e que assenta sobre a qui- 
lha e divide egualmente a roda da popa. 

t CADASTRAL, adj. de 2 gcn. (Der. 
de cadastro, com o suffixo «ai».) Que diz 
respeito ao cadastro. — Registo cadastral. 

CADASTRO, s. m. (Do francez cadastre, 
a que corresponde o italiano e hespanhol 
catastro. Vem do baixo latim capistra- 
tum, registo do imposto por cabeça^ der. 
de caput; vid. cabeça). Medição e ava- 
liação das terras sobre que se lançam im- 
postos. — O registo em que se achara in- 
dicados o valor c extensão das terras so- 
bre que se lançam impostos. Acha-se já 
em um Alvará de 30 de junho de 1788. 
— Apesar de D. Fr. Francisco de S. Luiz 
o condemnar como gallicismo , contintía a 
ser usado, e é necessário, porque o cadas- 
tro é diíferente do censo, do recenseamento, 
etc., com que este académico o quiz con- 
fundir. 

CADÁVER, s. m. (Do latim cadáver, cu- 
ja formação é duvidosa). Corpo morto. 
iQucm leva os corpios sem os coraçoens 



leva só cadáveres. » D. Fernando Corrêa 
de Lacerda, Panegyrico do Marquez de 
Marialva, p. 53. 

.,.Scm sor cadairr descarnado, 
Nem trazer duraenchada, nem tridente, 
Tem de anciã, confusão, e sentimento. 
Quantos tormentos ha u'ura só tormento, 

ROLIM DE MOUUA, NOVIS. DO HOM., I, H7. 

— Fig.: o que se acha desorganisado, in- 
capaz de servir ao fira para que fora des- 
tinado ou para que devia funccionar. — 
tPodres as.... cavernas (de uraa nau), o 
fundo comido do huzano, as obras mortas 
cadáveres.» António Vieira, Sermões, x, 
p. 220. 

CADAVÉRICO, adj. (Der. de cadáver, 
com o suffixo «ico»). Que tem o aspecto 
de cadáver, lívido ou immovel como o 
cadáver. — Humem cadavérico. — Rosto 
cadavérico. — Lividez cadavérica. 

CADÁVERO, adj. (Der. de cadáver). 
Que diz respeito ou pertence ao cadáver. 
Esta fónna, e não cadavereo como es- 
creve Moraes, se acha em Luiz Pereira 
Brandão, Elegiada, foi. 56 : 

Onem Itua e outra ra.iííoa vai dizendo 
Cadimcros despojos reiíolucndo. 

Será erro de impressão, e a forma que 
traz Moraes a verdadeira? Eis o que não 
é fácil decidir. 

CADAVERÓSO, adj. (Do latim cadave- 
rosus, der. de cadáver, com o suffixo 
«osus»). Cadavérico, moribundo; redu- 
zido a cadáver. — « Descem promptos, 
ap>artão com trabalho aquelle cadaveroso 
volume (d'um dragão morto), que tantas 
vidas sepulfaray>. Bernardes, Floresta, 
Tom. I, p. 358. 

CADEÁ, s. /. (Palavra asiática). Te- 
cido de algodão que vinha da índia. = 
Usado no Alvará de 8 de janeiro de 1783. 

CADÉA ou CADEIA, s. /. (Do latim ca- 
tena, com a syncopc do «n», como em cheio, 
de plenus, veia, de vena). Liame metal- 
lico formado por uma série de anneis. 

— Cadeia de ferro. — Cadeia pesada. — 
Atar com cadeias. — CVtn-eí/tK/of/e cadeias. 

— Prezo por uma cadeia. — A cadeia a 
que os condrimnados corriam antigamente, 
porque, tocando-lhe antes de ser presos, 
estavam salvos, — - Cadeia do relógio. 

E vi rainhas caiíéa^ tão formosas, 
yue inveja estão fazendo ás gloriosas 
Coroas trmmphaes de Palma c Louro. 

ANTO.NIO FEnnEiriA, SON., lív. I, p. 40. 

— a Foge ás vezes hum libreo, que estava 
preso ; quebra as cadeas, e corre sem ella. » 
Francisco Manoel de Mello, Carta de 
Guia de casados. — Por extensão, qual- 
quer cousa com que se pôde ligar ou 
prender. = Pouco usado. 

Porom ella da capa quo lhe alcança 
Cadeia ([uer fazer a seu intento. 

iiOLiM DE MOinA, NOVIS no noMEM, pari. rr, p. 47. 

— Cadeia, prisão, cárcere. — A cadeia 
do Limoeiro. — Levar ú cadeia. — Ir para 
a cadeia. — Tirar da cadeia. — Sahir da 
cadeia. — Estar preso na cadeia. — Fv- 



CADE 



CADE 



CADE 



25 



gir da cadeia. — Metter na cadeia. — Ar- 
rombar a cadeia. 

EmSm nSo pode hnvcr cnipa 15o feia 
Nem traça nuva(}'aaimo damnado 
Que já nosta infernal e grâ cínlfia 
Não lenha seu lormenlo apparcihado. 

ROLIM DE MOCRA, OB. CIT., patl. IH, p. 49. 

— Serie. Cadeia de desgraças. Cadeia 
de acontecimentos. — Enfiada. Cadeia de 
cumprimentos. Cadeia de mentiras, 

— Termo de Boieiro: Cadeias do carro, 
asão huns páos, que attravessão em cruz 
as mesas, e cabeçalho, sobre as quaes se 
pregão as taboas do leito, e estas costumão 
ser quatro. y> Bluteau, Suppl., e Fr. João 
Pacheco, Divertimento erudito, II, 256. 

— Termo de Náutica: Cadeia de rocas 
ou de rochedos, rochedos que se seguem 
no mar a pequenas distancias e tem uma 
base commum. — Cadeias das ahatocadu- 
ras ou chapas, as priaões das bigotas fer- 
radas das mesas reaes. — Cadeias do leme, 
as que o seguram pelos arganéos que tem 
na porta ou safrão, fazendo o outro chicote 
fixo no navio. 

— Termo de Equitação: Cadeias, uma 
das prisões do cavallo. 

— Loc. : Cadeia de forçados, a braga 
que trazem ao pé, e a corrente que os 
prende. — Pellouros de cadeia, balas en- 
cadeadas. — Annel de cadeia, annel com- 
posto de vários fasís dispostos de modo 
particular. — Cadeia de monte. Segundo Vi- 
terbo, Eluc, signiticavam-se por esta locu- 
ção os homens rústicos do campo ou mon- 
tanhezes, que guardavam os presos, quan- 
do estes acompanhavam a correição, ou 
alçadas, que antigamente faziam os reis, 
ou seus enviados — cE o Carcereiro do 
Corregedor ha de dar htcma cadeia de vion- 
<e.» Orden. Affonsina, Liv. i,Tit. 82, § 1. 

— Remar sem cadeia (locução meta- 
phorica tirada dos forçados tão resigna- 
dos ã sua sorte, que os deixavam andar 
nas galés sem cadeia). Fazer sem violên- 
cia o que só se deveria fazer cm virtude 
de coacção externa. O homem que é es- 
cravo de suas paixões, rema sem cadeia. 

— Ponto de cadeia, ponto em que o fio de 
linha, retroz, etc., forma uma espécie de 
cadeia. 

CADEADO ou CADEIÁDO, s. m. (Forma 
de natureza participai, der. de cadeia.) 
Fechadura movei que se segura por meio 
de um areo á porta, mala, etc, que se 
quer fechar. —Brincos das orelhas, sem 
pingentes, formados em arco, fechando só 
com uma pedra, em que se penduram to- 
das as arrecadas que não são de alfinete. 

— Figuradamente : Linha de embarcações 
para fechar um porto. — aEra lançar-lhe 
hum cadeado n'aqueUe seu porto. -n Diogo 
de Couto, Década VII, f), 6, 

— Loc. : Roer cadeados, soffrer cm si 
a sua raiva. — Pòr um cadeado na hôcca 
a (ãgiiem, tollior-lhe que fallc. 

CÁDEIEIRO ou CADEEIRO, s. m. (Der. 
de cadeia, com o suífixo «eiró»). Carce- 
reiro. Vid. Cadieiro. 

roL. 11 — 4. 



CADEÍNHA, s.f. Diminutivo de Cadeia. 

CADEIRA, s. /. (Do latira cathedra, que 
vem do grego kathedra, palavra composta 
da prep. kata, e hedra. Esta ultima pa- 
lavra está por sed-ra, tendo degenerado 
o s em espirito áspero, como tantas ve- 
zes succede em grego, e deriva portanto 
da raiz sed, sad, de que vem ser, sentar, 
sé, sólio, sel-la, etc. (Vid. estas palavras). 
Espécie de assento. — Cadeira de páo. — 
Cadeira de verga. — Cadeira estofada. — 
Cadeira de couro. — Cadeira de braços.— 
Puchar cadeiras. — Arrojar cadeiras. 
Apresentar uma cadeira para alguém se 
sentar. — Uma cadeira á Voltaire. — Cadei- 
ra rasa.- — Cadeira Je encosto. Em geral ca- 
deira designa um assento com encosto. — 
A cadeira do juiz. — A cadeira do pro- 
fessor. — Cadeira de espaldas ou d'espal- 
dar. — iE dhiima parte tynham quinas e 
da outra jigura dkomem com barbas nas 
faces e coroa na cabeça, assentado em huu- 
ma cadeira, com huuma espada na maão 
dereitao. Fernão Lopes, Chron. de D. Pe- 
dro I, cap. n. 

Ja finalmente todos assentados 
Na grande sala, nobre e divinal. 
As deosas em riquissimos estrados, 
Os dcoses era cadeiras de crystal. 
CAM., LDS-, cant. VI, est. 95. 

Ali em carleiras ricas crystalínas, 
Se assentam dous e dous, amante e dama. 
OB. ciT., cant. X, est. -25. 

Como este posto na suprema 

Cadeira, pôde mal dos apartados 
Negócios ter notícia mais inteira, 
Da que lhe der a língua cousellieira. 
OB. CIT., cant. VIII, est. 54. 

Porém ainda assi quando apartadas 
Forem d'essa terrena vestidura 
As almas, poderão vèr-se sentadas 
Nestas cadeiras c4 da Summa Altura. 

ROLIM DE MODRA, Noviss. DO nOM., pari. IV, 34. 

— « Levantando-se colérico (o rei), lan- 
çou a cadeyra, cm que estava, pelo thea- 
tro descompoxta» . Francisco Manoel de 
Mello, Apol. Dial., p. 184. — «Adverti, 
que na abundância do Parnaso não se 
faz conta dos miroens, como em as casas 
de jogo, dos sevandijas ; que olhão empe 
por detraz das cadeyras». Ob. cit., p. 
205. — Logar do professorado, da car- 
reira ecclesiastica, etc. A cadeira de árabe 
no Lyceu de Lisboa. — Foi creada uma ca- 
deira de anatomia pathologica. — Fidano 
foi provido na cadeira de direito romano 
na Universidade de Coimbra. — A cadeira 
de S. Pedro de Roma, o papado. — A 
cadeira do arcebispo, o arcebispado. — 
« Oprimido de hua hydropesia mortal , ne- 
nhua das cadeiras estreou, do Visorrey, 
ou de Arcebispo)^(n».o alcançou ocargo ou 
dignidade de viso-rei, ou do arcebispo). 
Francisco Manoel de Mello, Epanapho- 
ras, p. 14. — Sede, capital. — «... Na 
cidade de Bider, que elegeu por cadei- 
ra, e metrópole do seu reinon. Barros, 
Década II, 5, 2. — Cadeira furada, ca- 
deira que tem dentro d'uma caixa que 
forma a sua base um bacio, c é furada no 
assento; espécie de latrina volante. =^ 
Cadeiras, as nádegas. — Partes superio- 



res dos dous quartos de traz do cavallo; 
o mesmo que ancas. = Cadeira, o mesmo 
que cadeirinha (vid. esta palavra). — Ca-., 
deiras d'ar?-iía?", termo do Brazil: espé- 
cie de palanquim. 

— -Loc: Ir d cadeira, ter evacuação 
do ventre. — Dores de cadeiras, dores 
dos rins. — Fallar de cadeira, fallar de 
um assumpto que se conhece a fundo. — 
Ler de cadeira, ser profundo n'uma ma- 
téria, n'uma sciencia ; também o mesmo 
que fallar de cadeira. — Cadeira evangé- 
lica ou cadeira da verdade, o púlpito. — 
Cadeira de S. Pedro em Antiochia e em 
Roma, as festas que se celebram na egreja 
catholica, a primeira a 22 de fevereiro, 
em memoria da cadeira levantada a S. 
Pedro na basílica ou palácio de Theo- 
philo, em Antiochia, a segunda a 18 de 
janeiro em veneração da cadeira que S. 
Pedro assentou em Roma. — nEm Antio- 
chia, dia da cadeira do Bem aventurado 
Apostolo S. Pedro, aonde os discípulos 
se começarão a chamar christãosn . Mar- 
tyrologio em Portuguez, p. .50. 

— Adag. : íiAbaixam-se as cadeiras, 
levantam-se as tripeçasr) , os pequenos so- 
bem, os grandes descem, etc. — «Já sey 
do que vem, erguerem-se as trípeças, e 
baixarem se as cadeiras ". Francisco IMa- 
noel de i\Ielln, Apol. Dial., p. 9. 

CADEIRINHA, s. f. Diminutivo de ca- 
deira. Pequena liteira, que levam dous 
(raro mais) homens. — Moços de cadeiri- 
nha, os homens que levam a cadeirinha. 

— Pretos de cadeirinha, termo do Bra- 
zil : os que sabem levar a cadeirinha a 
commodo de quem vae n'ellas (Moraes). 

— Assento que formara de pessoas dan- 
do-se as mãos cruzadas. — Levar alguém 
de cadeirinha. — Fazer cadeirinha. — /)• 
de cadeirinha. —Cadeirinhas, jogo de ra- 
pazes, em que mutuamente se levara de 
cadeirinha. — Andar ás cadeirinhas. 

CADÉIXO, s. ?)i. (?) Termo provincial. 
Bacamarte, livro velho, cartapacio. 

t CADELARI, .'. m. (Palavra asiática). 
Planta do Jlalabar, da família d'is ama- 
rantos. 

CADÉLAVANACÚ, .?. m. Termo de Bo- 
tânica. Espécie de Paima-Christi do Bra- 
zil. 

CADELLÍNHA, «. f. Diminutivo de Ca- 
della. 

— Cadellinhas, s. /. pi. Marisco co- 
mestível. 

CADÉLLA, .<!. /. (Do latim ratella^. Fê- 
mea do cão. — Termo de injuria ou des- 
prezo, velhaca. 

Porque nXo me oKi.is direito, 
Cadella. que assim me cortas. 

CAM.. All?nTTnlõtS. 

— Bicha cadella, pequeno reptil. 

— Obs. : A orthographia com um só 
«l» não é justificada pela ctymologia. 

CADELLO, s. m. (Do latira catellus). 
Termo popular : Cachorro, ciosinho. = 
Usado por Gil Vicente, Tom. ii, p. 31. 



26 



CAIW5 



GADE 



OAÍ>I 



— Termo de Atafoneiro. Uma das peças 
do moinho. 

t CADENACO, s. m. (Palavra asiática). 
Termo de Botânica. Género asiático da 
familia das liiiáceas. 

CADENCEAR, v. a. Má orthographia de 
Cadenciar. 

CADENCIA, s. f. (Der. do cadente, que 
cáe, do latim cadere). Insistência da voz 
sobre as syllabas accentuadas que termi- 
nam as secções das phrases. — «A caden- 
cia he para as palavras; porque não hão 
de ser escabrosas nem dissonantes; hão 
de ter cadencia». António Vieira, Ser- 
mões, I, 39. 

— Por o exemplo adduzido se vê, que 
á idêa de cadencia se liga ordinaria- 
mente a idêa de certa doçura no estylo, 
suavidade na phrase. 

— Termo de musica. Terminação de 
uma phrase musical n'um repouso. — Ca- 
racter da musica que dá uma impressão 
viva do compasso. — Por extensão, o trillo, 
porque muitas vezes se faz um trillo so- 
bre a ante-penultimanota d'um canto, para 
annunciar que elle vae terminar. 

Tornai á suavissinia sirena 
D'essa voz as cadencias deleitosas. 

CAM., SONET., 120. 

— Termo de Dança. Conformidade do 
passo do que dança com regra devida. — 
D'ahi, por extensão, i-egularidade no an- 
dar, nos movimentos do corpo, etc. 

— Termo d'Equitação. Regularidade 
que o cavallo observa nos seus movi- 
mentos. 

— Termo familiar, Geito, propensão, 
habilidade. 

CADENCIAR, v. a. Dar cadencia, pôr 
em cadencia. — Cadenciar a voz, o discur- 
so, os versos. 

CADENCIOSO, adj. (Der. de cadencia, 
com o suffixo «oso»). Que tem cadencia. 

CADENÊTAS, s. m. pi. (Der. do latim 
cndena (d'onde cadea), com o sufExo dim. 
«eta»). Bordado a agulha em ponto de ca- 
deia. — Objectos de adorno ou vestuário 
bordados a ponto de cadeia. — aMostro- 
Ihes meus lavores, meus lenços, minhas ca- 
denetas.» António Ferreira, Bristo, act. 
II, SC 2. 

CADENETILHA, s. f. Diminutivo de 
Cadeneta. Trancelim, canotilho. = Obso- 
leto. 

CADENÍLHA, s. m. [Der. do latim ca- 
dena, com o suffixo diminutiva «ilha»). 
Bordado de ponto de cadeia ; renda estrei- 
ta. — «Hiima cadenilha, ou renda de seda, 
ao 2'arecer feita de agulha. •>■> Fr. Luiz de 
Souza, Historia de S. Domingos, Part. i, 
2, 37. 

CADENTE, adj. de 2 gen. (Do latim ca- 
dens, cadentisj participio activo de cade- 
re). Que cahe, que váe cahindo. Decaden- 
te. Que tem cadencia. — • Sons cadentes, 
etc. ««Usado só em poesia. 

CADÉRNA, s. /. (Alteração de quader- 
na). O mesmo que quaderna. — Cadernas, 



termo de brasão : reunião de quatro pe- 
ças de egual forma no escudo. — <íOs Ta- 
hordas trazem em campo vermelho cinco 
cadernas de r/ie^as íuas.» Sampayo e Vil- 
las-Boas, Nobiliarchia Portugueza, p. 333. 

— Termo de Jogo. Os quatros de dous 
dados, ou os lados de dous dados que 
mostram quatro pontos. =Bluteau. 

CADERNAL, s. m. (Der. de caderno, 
do latim quartenio, cora o sufíixo «ai». 
Termo de Náutica. Moitão grande de dous, 
três ou mais gornes, moldura ou cepo qua- 
drado de madeira, encaixe onde jogam 
as roldanas, para levantar pesos, guin- 
dastes, etc. — Cadernal bronzeado, cader- 
nal que tem peso de ferro, e gira no cy- 
lindi'o de bronze que tem as rodas. — Cader- 
nal da paixão da barcaça, o que se aguen- 
ta na barcaça por meio de cavirões, quan- 
do se apparelhâ o navio para querenar. — 
Cadernal da cabeça do apparelho da alan- 
tu, o que eneapella no calcez do mastro 
para gornir o apparelho da alanta na que- 
rena dos navios. — Cadernal do pé da 
alanta, o cadernal em cuja alça, enfiada 
por uma das portinholas, se atravessam 
duas barras do cabrestante peadas aos ar- 
ganéos de artilheria, e que serve para 
gornir o apparelho da alíinta no apparelho 
do navio. — Cadernaes das escutas das 
gáveas, os cadernaes que se cosem no 
meio da verga, de modo que a cosedura 
atraque o estrepo da bossa, ficando o ca- 
dernal á face da parte inferior da verga. 

— Cadernal dos hrióes e cerzideiras, os 
que, tendo alça dobrada de cosedura, que 
assenta sobre a das ostugas, ficam collo- 
cados por ante avante dos cadernaes d'el- 
las. 

— Termo deMechanica. Engenho pa- 
ra levantar pontes levadiças. — t No ponto 
H arma hum Cadernal de duas rodas sejia- 
radas. 11 Luiz Serrão Pimentel, Methodo 
Lusitano, p. 154. 

CADERNETA, s. /. (Der. de caderno, 
com o suffixo «eta»). Caderno em que se 
escreve, lançam notas, etc. — Certo nu- 
mero de folhas de uma obra que se váe 
distribuindo aos assignantes, ao passo que 
se vae fazendo a publicação. 

CADERNÍNHO, s. m. Diminutivo de ca- 
derno. = Usado por Fr. Bartholomeu dos 
Martyres, Cathecismo, sub fine. 

CADERNO, s. m. (Do latim quaternio, 
que ó derivado de quatuor, quatro (v. 
Quatro). Quatro folhas de papel mettidas 
umas nas outras, ou cosidas juntamente. 
A mesma; denominação applica-se também 
a maior numero de folhas mettidas umas 
nas outras ou cosidas. — Caderno de cinco 
folhas. — ■ Caderno de seis folhas. — Um 
caderno de papel pnra cartas. — Um ca- 
derno de papel de marca. — Um caderno 
de papel da Abelheira. — Folhas de papel 
cosid.is, em que se escreve. — Um cader- 
no de apontamentos. 

— Obs. : Madureira queria que, at- 
tendendo á etymologia, se escrevesse qua- 



CADÈTE, s. m. 
na edade média 



demo; mas o modo de escrever caderno 
está inteiramente consagrado pelo uso, e 
além d'isso escrevendo quaderno, devia-se 
escrever também quadernal, quaderneta, 
etc, isto é, cua, e não ca, em todas as 
f(5rmas derivadas de quatro. 

(Do francez cadet, que 
tinha a forma capdet ; 
esta leva-nos a um diminutivo românico 
cajjit-tetum, de caput (vid. Cabeça); ca- 
det é o pequeno chefe, com diíferença do 
mais velho, que é o chefe de fíimilia. Lit- 
tré.) Filho segundo, principalmente de 
casa nobre. — Nobre que servia como sol- 
dado, e pouco depois como official infe- 
rior, para aprender o officio da guerra, e 
que gozava de certas distincções. Os an- 
tigos cadetes forão substituídos pelos mor, 
dernos aspirantes a official. 

CADEXCO, s. m. (?) Troço de seda, re- 
troz, ou cabellos; madeixa que se aparta, 
das outras. = Pouco usado. 

CADI, s. m. (Do árabe câd-hi, juiz). 
Funccionario musulmano encarregado de 
regular as contestações civis e religiosas. 

— Obs. : Apparece ás vezes escripto in- 
correctamente cadis. 

CADIEIRO, s. 7». ant. (Der. de cadeia, 
cora o suffixo «eiró» ; a forma mais con- 
forme á derivação é cadeieiro, ou cadeei- 
ro.) Carcereiro. — a-Cada dia fogem pre- 
sos aos Cadieiros, e sãolhe relevados setes 
er7-os.íi Cortes d'Evora, Dom Affonso V, 
cit. em Viterbo, Eluc. 

f CADÍL, s. m. (Do francez cadil, der. 
de cade; vid. Cado). Nome d'uma medida 
que valia um litro no systema métrico da 
Revolução franceza. 

t CADILSKER, s. m. (Palavra turca 
composta do árabe câ-dhi, juiz, e do turco 
asker, exercito.) Juiz d'exercito ou juiz 
principal entre os Turcos. 

CADÍLHOS, s. m. pi. (Alteração de Ca- 
netilhos, d'onde Canotilho (vid. esta pala- 
vra.) Gomo o accento da palavra está so- 
bre o «i», a alteração é simplicissiraa ; o 
«n» foi syncopado, como é regular entre 
vogaes (vid. Cadeia, Ceia, etc), e d'ahi a 
forma caetilho, d'onde cadilho, regular- 
mente codilho. Vid. Cabedal, Seda, Vida, 
etc.) Fios em franja bordando as bordas 
das alcatifas, etc, da forma de canotilho. 
— «Hum bedem de setim preto, com gran- 
des cadilhos de ouro. d Diogo de Couto, 
Dec. V, foi. 159. — Os primeiros fios 
do ordume, ou extremos d'elle, que não 
levam teagem de fios atravessados, e que. 
ficam soltos quando se cortam as teias. — 
Guedelha. 

— Termo de Tanoaria : — líSão douspdos 
grossos iguaes, que sustentam as barras das 
pipas, para ter mão nos fundos.» Fr. João 
Pacheco, Divertimento erudito, ii, 333. 

— Adag. : a Quem tem filhos, tem cadi- 
lhos.» Francisco Manuel de Mello, Feira 
de Anexins, Part. i. Dial. vi, § 2. Diz-se 
também: «Quem não tem filhos, não tem 
cadilhos», isto é, pessoas a seu cargo. 



CADM 



CADU 



CADU 



^7 



CADIMES, s. m. pi. (?) Termo de Náu- 
tica. Táboas encurvadas, que correndo o 
costado, dobram para o cadaste, ou fa- 
zem a voha da proa. 

CADÍMO, adj. (Do árabe cadimo, ve- 
lho, d'ahi exercitado). Velho no officio, 
exercitado, ardiloso. Que tem publicamen- 
te uma profissão. — Poeta cadimo. — La- 
drão cAâimo. B&cca cadima em mentir. — 
nE forque estas mídheres, que assi man- 
damos liberdar, eram padeiras cadimas, 
que continuadamente amaçavam pam, e 
vendiam a Chrispfão, e a Mouro, e Ju- 
deu. t> Carta d'El Rei D. Affonso V, de 
14Õ5, em Viterbo, Eluc. — « Tam peritos, 
e cadimos nestas conjugaçoens* (falia de 
ministros ladrões). António Vieira, Ser- 
mões, III, 336. — «Lê, e escreve quanto 
quer, especialmente no rol do gasto ; em 
■fim he chapado official, e muyto me re- 
ceyo, que cadimo.» Francisco Manoel de 
Mello, Cartas, p. 523. — «Os Poetas ca- 
dimos jVí não necessitamos desta ajuda. y> 
Ob. cit., p. 332. 

Nio tem boca mais cadima, 
E era lai mentir de obra prima 
Não SC vío erffíenbo tal. 

IDEM, OBRAS METIUCAS. tOm. II, p. 203. 

— Usual, costumado, frequente. — «Rel. 
DA ALDEÃ. Hny ! Também lá chegiio esses 
desmanchos? Rel. da cidade. Antes alli 
são mais cadimos.» Idem, Apol. Dial., 
(Relógios fallantes), p. 17. — Estrada ca- 
dima, estrada frequentada ; talvez real. — 
«...Das pontes, e estradas publicas, c/ict- 
inaárts cadimas.» Doe. de 1454, em Viter- 
bo, Eluc. = A palavra póde-se considerar 
obsoleta. 

CADÍNHO, s. m. Diminutivo de Cado.— 
Vaso de barro para fundir substancias 
metallicas e outras. — «Do vaso, ou ca- 
dinho em que foy calcinado.» Curvo Se- 
medo, Polyanthêa Medicinal, p. 100. 

t CADINO. Palavra de significação des- 
conhecida em Enfermidades da língua, p. 
111. 

t CADISCO, s. m. (Do grego kadískos, 
pequeno vaso). Termo de Botânica. Gé- 
nero duvidoso de plantas da Africa aus- 
tral. 

t CADIVO, adj. (Do themacàdi, do la- 
tim cadere, cair, cora o sUffixo «ivo»). 
Diz-ae dos fructos que caem de maduros, 
e figuradamente de outros objectos. — Fru- 
cto cadivo. Mulher cadiva. =^ Colligido 
por Couto no Diccionario de Homonymos. 

t CÀDMEO, adj. (De cadmo, que se- 
gundo as narrações mythologicas passou 
da Pheniciaá Grécia). Àlphabcto cadmeo, 
letras cadmeas, as dezoscis letras do al- 
phabeto primitivo dos gregos, que sfto as 
mesmas letras semíticas ou phciiicias, e 
de que derivam as letras príncipacs do 
alphabeto romano. 

CADMÍA, s. f. (Do latim cndmta, ou do 
grego kadmda) . Termo da antiga Chimica. 
~ Cadmia natural owferril, mineral quo 
contém eiaco, ferro, o ás vezes também ar- 



íéniCo, itiáis raras vezes bismutho, prata 
e cobalto. — Cadmia artiiiciíd ou dos for- 
nos, tiitía ovi oxydo de zinco sublimado. 
— Cadmia de arsénico, o oxydo branco 
pulvarento que se forma á superfície das 
massas do acido arsenioso do coramercio. 

— Obs. : Pronuncia-se ordinariamen- 
te cadmia, mas deve pronunciar-se cad- 
mia. 

t CADMIANO, adj. (De cádmio, com o 
suffixo «ano»). Que diz respeito ao cád- 
mio. 

t CADMÍFERO, adj. (De cádmio, efero, 
de ferre, levar, supportar). Que contém 
cádmio. 

CÁDMIO, s. m. (De cadmia). Termo de 
Chimica. Metal branco como o estanho, 
solido, insípido; inodoro, brilhante, dúc- 
til e malleavel. 

CADO, s. m. (Do latim cadus^ latinisado 
do hebraico kad). Medida hebraica, usa- 
da também na Attica. — Vaso grande de 
barro, em que os antigos costumavam 
guardar o vinho. 

CADÓZ, s. m. (Der. de cado ?) Casebre, 
casa velha, covil, buraco em que alguém 
se esconde. — Termo do jogo da pella. 
Buraco d'onde a pella, se lá cáe, não torna 
a sair. = Colligido por Bento Pereira. 

— Loc: Cair no cadóz uma cousa, (is,\r 
em mãos ou logar d'onde não mais sáe. 

— O negocio cahí no cadóz. — Os autos 
caíram no cadóz de fulano. 

CADÒZES, s. m. ;jL (?) Género de pei- 
xes ossosos, thoracicos, da familia dos 
plecópodes, cujas barbatanas ventraes es- 
ttão reunidas n'uma só. 

CADOZETTES, s. m. pi. (Der. de ca- 
dóz). Género de pequenos peixes abdo- 
minacs, de agua doce, muito saborosos. 

CADUCÁNTE, adj. de 2 gen. (Part. acti- 
vo de caducar). Que caduca. = Usado só 
ua linguagem poética. 

CADUCAR, V. n. (Der. de caduco). 
Cair por velhice e falta de forças. Quan- 
do as arvores têm as raizes corroídas, 
estão próximas a caducar. — Envelhecer, 
tornar-se decrépito. — « Proceder como 
moço na velhice he caducar no dolicto. Os 
crimes hão de caducar, não se ha de ca- 
ducar n tiles; então caducão, quando se 
extinguem, então se caduca n'elles, quan- 
do se envelhecei). D. Fernando Corrêa de 
Lacerda, Carta pastoral, p. 13G. — Dimi- 
nuir, perder a força. — «Caducou co7n o 
temj)o a authoridade dos Emperadorcs 
fora dos limites da AUemanhn^^. Duarte 
Nunes de Macedo, Juízo histórico, p. 94. 

— « Co7no se a nossa justiça caducara nos 
impo.'isiveis da contrariais . D. Rodrigo 
da Cunha, Catalogo dos Bispos de Lis- 
boa, Part. I, foi. \n. 

— Termo do Jurisprudência. Caducar 
Mm legado, tuna herdade, passar do lega- 
tário ou herdeiro instituído, por falta do 
alguma condição legal, ou para a pessoa 
substituta, ou para o fisco. — Belisque 
caducaram. 



— Loc: Caducar um direito, perder- 
se. — Caducarem razões, deixarem de ter 
valor. 

CADUCÁRIO, adj. (Do latim caduca- 
rius, der. de caducus). Leis caducarias, 
leis era virtude das quaes caducam he- 
ranças, legados, obrigações, etc. 

CADUGEADOR, s. m. (Do latim caãucea- 
tor, der. de caduceus, caduceo. Vid. esta 
palavra). Arauto, núncio, embaixador de 
paz.— «Aquelle officio dos gregos Cadu- 
ceadores. . . » Francisco Manoel de Mello, 
Epanaphoras, p. 539. 

CADUCEO, s. m. (Do latim caduceus). 
Vara com duas azas, que se punha nas 
mãos de Mercúrio, e levavam como in- 
sígnia os enviados de paz, os arautos, 
etc. 

Na mão traz por divisa um caduceo. 

MANCEL THOMAZ, INSCLl-VA, liv. IX, CSt. II. 

t CADUCIBRANCHIO, adj. (Do latim ca- 
ducus, caduco, e branchioe , branchios). 
Termo de Zoologia. Qtie tem os bran- 
chios caducos ; diz-se dos amphibios te- 
trápodos, cujos branchios desapparecem 
quando o animal chega a edade adulta. 

CADUCIDADE, s. /. (Der. de caduco, 
com o suffixo «idade»). Estado do que 
está prompto a cair, do que cáe. — A ca- 
ducidade de uma casa. — A caducidade 
das cousas humanas. — A edade fraca e 
de decadência irremediável do mundo, 
que, segiuido alguns, se estende dos se- 
tenta annos aos oitenta e precede a de- 
crepitude. 

— Termo de Jurisprudência. Caduci- 
dade ã'um legado, d'uma doação, a con- 
dição que as invalida. 

— Termo de Botânica. Falta de per 
sistencia de uma parte da planta. — Ca 
ducidade das fores. 

— Syx.: Caducidade, Decrepitude: — 
A Caducidade designa a decadência, a 
ruina próxima ; a Decrepitude annuncia 
a destruição, os últimos effeitos de uma 
dissolução gradual [viã. a etymologia de 
Decrépito). Decrepitude diz-se propria- 
mente do homem, o só pôde dizer-se dos 
seres animados. Caducidade diz-se mes- 
mo das cousas inanimadas. Na Caduci- 
dade o homem ainda espera alguma cousa ; 
na Decrepitude já nào se sente todo o 
mal. O tamoso veneziano Cornaro, cujo 
temperamento era muito fraco, sentia os 
accidcntos da Caducidade aos quarenta 
annos ; m.is por meio de um regimen 
frugal c de cuidados continues, conseguiu 
não só afastar de si a Decrepitude, mas 
ainda livrar-se da Caducidade e ter uma 
prolongad.i velhice. 

CADUCÍFERO, adj. (De caduceo, efti-o, 
do latim /erre, levar, trazer J Que traz ca- 
duceo. 

t CADUCÍFLORO, adj. (De caduco, e 
foro, do flor». Termo de Botânica, cuja 
corolla cáe muito cedo. 

CADUCO, adj. (Do latim caducus, àoca- 
d^re, cair ; vid. Cair.) Que cáe, on está 



28 



CAEN 



CAFA 



CAFÉ 



próximo de cair. — Casa caduca. — Por ex- 
tensão, saúde caduca, saúde que decáe. 
— Idade caduca, idade que decáe, vae 
succumbindo ao peso dos annos. ■ — Ve- 
Ihu caduco, veJho que vae caindo para a 
decrepitude. — nCom palavrinhas doces 
me hides deshonrando de caduco». Fran- 
cisco Manoel de Mello, Apol. Dial., p. 
39. — C^ue não tem permanência. Todas 
as cousas são caducas, excepto a vir- 
tude. Honras caducas. — a tíendo pois csi- 
duco tudo o que se chama fortuna». An- 
tónio de Sousa de Macedo, Domínio sobre 
a fortuna. — a Miséria e engano desta ca- 
duca vida». António das Chagas, O <fls 
espirituaes. Tom. ii, p. 2S. — Esjjeran- 
ças caducas, esperanças loucas, mal fun- 
dadas. 

Caducas esperanças, que envelhecem 
^ia necía adoração de uma ventura. 

.., ,. • . . ■ . D. PRAACÍSCO 1)E PORTUGAL, DIVINOS B HUMANOS 
VERSOS, p. U8. 

— Termo de Jurisprudência. — Legado 
caduco, legado annullado por vicio da 
forma, recusa ou incapacidade. — Linha 
caduca, aquella, cujos descendentes se tor- 
nam incapazes de succeder em herança, 
e principalmente em morgados. 

— Termo de Zoologia. — Cornos cadu- 
cos, cornos que caem espontaneamente, 
como os do veado, do alce, e animaes da 
mesma familia. 

— Termo de Botânica. — Que não per- 
siste, que cáe dentro em pouco. — Corolla 
caduca. — i^tiZAa caduca. A este emprego da 
palavra se liga a expressão /rtícíos cadu- 
cos, fructos que estão, por assim dizer, a 
cair de maduros, ou podres. 

A fructa já caduca, a verde, e a dura, 
No proprjo, e adoptivo ramo crece. 

OABKIEL PEREIRA DE CASTRO, CLYSSÉA, Cant. I, 

est. 8í. 

— Termo de Medicina. — Mal caduco, 
o que vulgarmente se chama gotta coral. 

— linda que alguns dizem ser mal ca- 
duco». Miguel Leitão d'Andrade, Miscel- 
lanea, p. 1U7 (1." ed.) 

CADÚPRO, adj. ant. (Alteração de quá- 
druplo). Quadruple. 

Pois que cadupio cantou 
quatro por uma ie\ando. 

CANC. DE RESENDE, foi. 155, T. 

CADUQUÉZ, s. f. (De caduco, com o 
sufSxo «ezí, como pequenez, à& pequeno, 
etc). Caducidade. = Usado por Brotero, 
mas caducidade não é menos acceitavel e 
está mais reconhecido pelo uso geral. 

CAEDÍÇO, s. m. Vid. Caidiço. 

CAEIRO, s. m. (Forma ant. de Caleiro). 
Provas da Historia Genealógica da Casa 
Real, III, 365. 

CAÉNDAS, s. f. pi. ant. (De calendas, 
com o «1» syncopado). Commemoração 
por algum defuncto ou defunctos no pri- 
meiro dia de cada mez. Vid. Calendas. 

— a Em cada hum anno XI soldos pêra 
as caendas, e três libras pêra os Domin- 



gos por minha alma» . Documento de 1348, 
em Viterbo, Eluc. 

CAENTE, adj. ant. (Forma participai 
activa do ant. caer). Que cáe, que não 
está firme. — <iD. Mem Garcia foi casado 
com D. Tareja Annes a das coxas caen- 
tes». Livros de Linhagens, I, p. 152, em 
Portugal Mon. hist. Scriptores, I. 

CAER, V. n. ant. (Forma purallela de 
Cair; vid, esta pulavra.) — aCasal quelhe 
caeu de seu padre». Documento de 1312, 
em Viterbo, Eluc. 

CAES,s. m. (U hespanhol tem com a mes- 
ma siguiticação cayo, o francez quai, o fran- 
cez antigo cuye, banco d'areia, o inglez 
qiíay, caes, O lioliandez Â:aaí (a mesma si- 
gniticayão), Isidoro de Sevilha kay can- 
celli ; estas formas e signiticações levam 
a achar a origem da palavra no céltico : 
o dialecto gallez tem cae, propriamente 
cousa que fecha, dahi recinto, sebe, o 
bretão kaé, molhe, dique). Aterro ordi- 
nariamente revestido de pedra de canta- 
ria, levantado ao longo d'um rio. — Anda- se 
levantando um grande caes na margem 
direita do Tejo, a que se chama vulgar- 
mente Aterro da Boa Vista. — Ir passear 
ao caes. — Estar no caes « espera d' uma 
embarcarão. — Logar á beira d'ura rio, 
ou n'um porto de mar, em que se em- 
barca, e carregam mercadorias, etc. Ha 
caes, a que se desce por uma escadaria, 
outros váe-se unicamente por um cami- 
nho aberto na praia, ou margens do rio. 
— A cacographia portugueza dá o modo 

d'escrever cayz <íFuy ter ao cayz da 

pedra onde achey h~ia caravella d' Alfa- 
ma, que hia com cavallos e fato de hum 
fidalgo para tíetuval». Fernão Mendes 
Pinto, Peregrinações, cap. 1. 

Com ellc |iarle ao caes, porque o arredo 
Longe quanto poder dos régios paços. 
CAM., Lus., cant. viii, est. 7ií. 

Hum caes da natureza fabricado 
Para saliireni terra acconimodado. 

MANOEL THOMAZ, raSULA.NA, liv. IT, est. 4. 

— Obs. : Hoje caes não varia no plu- 
ral; o caes, os caes; mas Barros usou o 
plural caezes. Década IV, 4, 8. 

CAES, s. f. pi. (De cal; vid. esta pala- 
vra). 

t CAF ou KAF, s. m. (Também se es- 
creve Caph). Undécima letra do alphabeto 
hebraico. 

CÁFARE, s. m. (O mesmo que Cafre, 
vid. esta palavra). Nome dado pelos mu- 
sulmanos de Surrate aos portuguezes. — 
<sQue não quizesse pelejar com aquelles 
cafares, que assim nos chamam elles por 
despreso, que tanto quer dizer como Ca- 
fres». Diogo de Couto, Década VII, Liv. 
9, foi. 200. 

CAFARREIRO, s. m. (De cafarro, com 
o suffixo «eiró»). Cobrador de cafarro. 

CAFÀRRO, s. m. (Palavra de origem 
asiática). Tributo que pagam os árabes e 
turcos na Terra Santa. = Usado por Frei 
Pantaleão d'Aveiro, Viagens, cap. 60. 



CAFATAR, s. m. (Palavra de Mascate). 
Árabes de Mascate a que se attribue o 
poder de matarem só com um olhar. — a O 
que accusou a este cafatar...» (jouvêa, 
Embaixadas da Pérsia, Liv. i, foi. 13, v. 

CAFÉ, s. m. (Do árabe ca/itya, ou cahwé, 
que foi muito tempo um dos nomes do 
vinho. — nAsetymologias dadas pelos ára- 
bes são inadinissiveis ; mas quando se con- 
sidera que o verdadeiro moka é uma be- 
bida embriagante, expiica-se com facili- 
dade porque lhe foi dado esse nome. De 
facto os hespanhoes (e os portuguezes tam- 
bém, por consequência), devem esse termo 
aos.francezes. Teixeira, que publicou o 
seu livro em 1610, escreve ainda kaoáh.» 
Viage de la índia hasta la Itália, p. 117. 
Dozy, Glossaire, p. 224). Grão do cafeei- 
ro.- — Café do Rio. — Café de Cabo Verde. 
— Café moka ou de Moka. — Café em grão. 
— Café torrado. — Café moido, bebida feita 
pela infusão de agua a ferver em café 
moido. — Tomar café.— Café com leite. — 
Uma chávena de café. O uso da infusão 
do café foi introduzido na Europa no co- 
meço do século XVII. = Por extensão, mas 
erroneamente, chama-se café de chicórea ao 
pó das raizes de chicórea torradas. Casa 
publica em que se toma café, botequim. 

— Loc. : A' hora do café, depois de 
Jantar. 

t CAFEÃTO, s. m. Termo de Chimica. 
Sal produzido pela combinação do ácido 
cafeico com uma base. 

CAFEEIRÁL, s. m. (De cafeeiro, com o 
suffixo «ai»). Plantio de cafeeiros. 

CAFEEIRO, s. m. (De café, com o suf- 
Hxo «eiró»). Arbusto originário da Ará- 
bia, levado para a America, Africa e ín- 
dia, cujo fructo vermelho do tamanho de 
uma cereja, contém os grãos que se cha- 
mam café. 

t CAFEICO, adj. Acido cafeico, ácido 
particular que se pretende ter sido des- 
coberto no café. 

cafeína, s.f. (De café, com o suffixo 
«ina»). Termo de Chimica. Um dos prin- 
cípios do grão de café, que se desenvolve 
pela torrefacção, e que desapparece dei- 
xando queimar ou carbonisar o café. 

ÇAFELAR, V. a. O mesmo que Aca- 
felar; vid. esta palavra. = Colligido por 
Bento Pereira. 

t CAFEÓMETRO, s. m. (De café e me- 
tro). Instrumento para medir o pezo es- 
pecifico do café. 

t CAFEOMÉTRICO, adj. (De cafeóme- 
tro, com o suffixo «ico»). Que diz res- 
peito ao cafeómetro. — Pezagem cafeomé- 
trica. — Operação cafeométrica. 

CAFESAL.s. w. (De café, pela analogia 
de cacaosal, etc.) O mesmo que Cafeeiral. 

CAFESEIRO, s. m. (De café, pela ana- 
logia de cacaoseiro e formações similhan- 
tes). O mesmo que Cafeeiro. 

CAFETEIRA, s.f. "(De café, derivar-se- 
hia regularmente não cafeteira, por que 
não existe um suffixo «teiía» em portuguez, 



GAFE 



CAGA 



CAGA 



29 



í 



mas cafeeira; deve rcconhecer-se na forma 
a influencia de chocolateira, isto é, a íór- 
ma cafeteira, que fui produzida por uuia 
falsa analogia d'aquella). Vaso em que se 
faz a infusão do café, ou se traz a bebida 
de café ás mezas. = Usado já no Decreto 
de 2 de abril de 176G. 

fCAFFAR.s. m. (Palavra árabe). Termo 
de Numismática. Moeda árabe que vale 
aproximadamente 560 reis. 

t CAFFÉ, s. m. (Palavra asiática). Te- 
cido de linho de cures variegadas, que 
se fabrica em Bengala. 

CÁFILA, s. f. (Do árabe câfala, bando 
de viajantes, caravana). Companhia de 
mercadores, ou de passageiros, que na 
Ásia por segurança se juntam para irem 
a uma feira, ou um logar qualquer, em 
camelos. — <í Acharão rasto de homens, e 
camelos, como que passavão em caíila.» 
Barros, Dec. I, foi. 10. — Bando de ca- 
melos. — « Alcatea de Lobos, tropel de 
cavallos,C3L6.\ade cameZos». Francisco Ro- 
drigues Lobo, Corte na Aldêa, Dial. iii, 
p. 54. — Caíila de mantimentos, de tâma- 
ras, etc, carga de mantimentos, tâmaras, 
etc, sobre camelos ou outros animaes 
de carga. — aPor hàa grande caíila de 
mantimentos s>. Jacinto Freire, Vida de D. 
João de Castro, foi. 108 (ed. de 1671)— 
Caíila de nãos, ou só caíila, comboi. — 
«Recolher as caíilas que havião de vir de 
Malaca, China, etc». Diogo de Couto, 
Dec. VIII, cap. 7. — « Mandou Manoel 
de Sousa Mançias per capitam mor ao 
cabo do Camory em huma galeaça e seis 
fustas, trazer a caíila que la estava». Luiz 
de Oxeda, Commentarios, ms. da Biblio- 
theca Nacional de Paris, p. 196, apud 
Jal, Gloss. Naut. — Grande numero. — 
Caíila d'auctures, enfiada. — Caíila de dis- 
parates, de tolices. — Bando de gente de 
má vida; canalha. 

CAFÍZ, s. m. Vid. Cahiz. 

CAFÕES, s. m. pi. (?) Tecido antigo, 
de que, segundo o Regimento de Guerra, 
deviam ser feitos os gibões dos soldados. 

CAFRA, s. /. (De cafre.) Mulher da 
Cafraria. = Usado por Diogo de Couto. 

CAFRALMENTE, adv. (D'um adj. ca- 
fral, com o suffixo «mente».) Brutal- 
mente, grosseiramente. 

CAFRARÍA, s. m. (De cafre, com o suf- 
fixo «ária», como de bárbaro, barbaria, 
etc.) Torra dos cafres, na costa da Africa 
oriental. Multidão do cafres. 

CAFRE, s. m. (Do árabe cúfir, infiel, 
incrédulo, ímpio). Homem sem lei, sel- 
vagem, completamente bárbaro. — aPer 
outro nome commum chamam também ca- 
fres, que quer dizer gente sem ley : no- 
mes que elles dam a todo o gentio idola- 
tra, o qual nome de cafre he ja acerca de 
71ÓS mui/ recebido». — Algumas vezes, o 
mestno que cafatar. — «Estes taes são como 
os cafres de Arábia, que comem com os 
olhos o coração daquelles, que olhão». 
Francisco Manoel do Mello, Apol. Dial., 



p. 2 e 7. — Habitante da Cafraria, na 
costa oriental da Africa. 

Ali fafres selvagens poderio 

U que dcslros uiíimgos não puderam. 

CAM., Lus., caot. X, csL. 38. 

— Lingua dos cafres.^ Usa- se também 
como adjectivo. — Raça cafre. — Lingua 
cafre. — Terra cafre. 

CAFRÍCE, s. f. (De cafre, com o suf- 
fixo «ice», como momice, de momo, pe- 
quice, de peco, etc). Aeç.ào própria de ca- 
fre. — Idêa de cafre. — Figuradamente: 
Grande ignorância. Instinctos brutaes. 
Barbarice. 

CAFRÍNO, adj. (De cafre, com o suffixo 
«iuo»). Pequeno cafre. = Usado no Nau- 
frágio da Nào S. João Baptista, p. 85. 

CAFTAN, s. m. [Do turcu kajtan). Ves- 
tido talar forrado de pelles, que os sobe- 
ranos da Turquia cosiumam otterecer ás 
pessoas de distincçào, e principalmente aos 
embaixadores das potencias estrangeiras. 

CAFÚA, s. f. (De formação duvidosa). 
Termo popular. Cova escura ou outro lo- 
gar escuro como um cárcere, uma loja, 
etc.= CoUigido por Bluteau. 

CAFUNÉ, s. m. (Palavra do Brazil). Es- 
talos que se dão na cabeça com as unhas, 
para chamar o somno. 

CAFÚRNA, s. /. (De furna ? mas a syl- 
laba «ca» como se explica? A palavra é 
tão obscura na sua formação como cafua, 
apezar das relações que parecem haver 
entre as trez). O mesmo que furna. 

f CAGA, s. m. (Do thema do verbo ca- 
gar). Termo chulo. Homem que se enco- 
lerisa com certas palavras ou um certo 
dito determinado que lhe dirigem.= Em- 
prega-se também como adjectivo com a 
significação de apaixonado, enamorado. 

— Estar caga, estar apaixonado. 
CAGAÇÁL, s. m. (Do tliema cagaço, 

com o suffixo «ai»). Monturo, logar onde 
se depositam excrementos. — Figurada- 
mente: Meretriz vil, prostituta da mais 
baixa escala. 

i CAGÁÇO, s. m. (Do thema caga, com 
o suffixo «aço»). Termo chulo. Medo. 

CAGADA, s. /. (Forma participai em- 
pregada substantivamente). Acto de ex- 
peliir do ventre os excrementos. — Excre- 
mento deposto n'um logar. 

CAGADÉLLA, s. /. (Do cagada, com o 
suílixo «ella»). Excremento de insecto. 

CAGADO, i^arí. de cagar e adj. Coberto 
de excremento; sujo, conspurcado. 

CÁGADO, s. m. (?) Espécie de tartaru- 
ga pequena, vulgar, que se lança em tan- 
ques, poços, etc., para os limpar do lodo. 

— «Num repara na cacofonia do cága- 
do». Francisco Manoel de Mello, Feira 
d'Anexins, Part. ii. Dial. i, §. 1. — «O 
symbolo jerogli/Jico da perguiça foy o cá- 
gado, pelo vagar, e peso, com que se mo- 
ve». Francisco Rodrigues Lobo, Corte na 
Aldeia, Dial. vii, p. 1-48. 

Se por desprao cágado onconlrór.lo 
A pciiullima icmpi'» lhe mudir.lo. 



— Termo de Náutica. Chapuz com dous 
gornes por onde passam os cabos do le- 
me á coberta na praça d'armas, e a meia 
náo aonde, mudando a direcção vertical, 
passam para a horizontal, dirigindo-se ás 
amuradas do navio. 

— Adag. : «Cágado para que queres 
botas, se tens as pernas tortas ft Bento 
Pereira, Thes., p. 218. 

CAGALAR, s. m. (Do hespanhol caga- 
lar). Intestino cego = Usado por Gil Vi- 
cente, III, 380: 

Diz que tiabeis Ul desmaia 
Na tripa do cagalar. 

CAGALHÃO, s. m. (Do thema cagalho, 
com o suffixo «ão»). Termo baixo. Ma- 
téria fecal consistente e moldada. 

CAGÁLHO, s.m. (Do thema caga, com o 
suffixo «alho»). Nome dado pelos portu- 
guezes a uma ave de azas largas e curtas, 
com malhas brancas nas pontas, que se 
encontrou em grande numero no mar, 
perto do Cabo da Boa Esperança. Pimen- 
tel, Roteiro da índia Oriental, p. 331. 

CAGALÚME, s. m. (De caga e lume). 
Termo chulo. Pyrilampo ou luze-luze. 

CAGAMÀÇO, ou, melhor, CAGAMASSO, 
s. 7)1. (De caga e masso; cp. pega-masso). 
Nome dado, segundo Bluteau, nos Cou- 
tos de Alcobaça, a uma herva que se le- 
vanta pouco do chão, mas que tem folhas 
muito largas, compridas e retalhadas. 

CAGANEIRA, s. /. (De cagão, com i 
suffixo «eira»). Diarrhêa, soltura de ven- 
tre. 

t CAGANÊTA, s. /. O mesmo que ca- 
ganita. 

— Loc. CHULAS: Estar de caganeta, 
estar com receio. — «Sim que se o nego- 
cio sahira a furo eu estxva de caganeta». 
Francisco Manoel de Mello, Feira de Ane- 
xins, Part. I, Dial. 6, §. 2. — «Jam da 
caganeta», um homem qualquer. Enfer- 
midades da lingua, p. 132. 

CAGANITA, s. /. (Do thema caga, pela 
analogia das formas produzidas de the- 
mas em oão», «no», do suffixo cito», 
«ita», como canito, de cão, pequenito, do 
pequeno, etc. Em portuguez não ha suf- 
fixo da forma «nito», mas sim um suf- 
fixo uito»; onde, pois, apparcce um on» 
que nào pertence ao thema fundamental, 
deve vcr-se uma formação feita pelo typo 
ou analogia d'outra regular, em que esse 
an» se explique etymologicamente). Ex- 
cremento de gado lanígero, dos roedores, 
etc. = CoUigido por Bluteau. 

f CAGANITO, s. "1. (^Formado pelo mes- 
mo processo que caganita, só com diffe- 
rença da forma genérica). Termo chulo. 
Homem ou rapaz muito baixo. Enfermi- 
dades da lingua, p. 112. = Muito usado 
pelo povo. 

CAGÃO. s. m. (Do tlieraa caga, com o 
suflixo «ão»). O que está com diarrhêa. 
— Figuradamente: Poltrão, homem quo 
tem medo de tudo; copinho de aguar- 
dente, que se bebe de uma vez. N'algu- 



'%b 



CAGU 



CAIB 



«Ato 



mas partes, também, copo cie vinho que 
leva a terça parte de um quartilho. 

CAGAR, V. n. (Do latim cacare, a que 
coiTespondem o grego kakkaô, o lituanio 
szikii, (por kikú); a raiz é incerta). Termo 
baixo. Descarregar o ventre. — Também 
se usa como v. a., principalmente no sen- 
tido figurado. — Cagar sen<e?íças ou rhetori- 
cas, estar com fumos de sábio aventando 
opiniões; mettero bedelho em conversações 
para que se não é chamado. • — Cagar lara- 
chas, dizer graçolas baixas e pesadas. — 
Cagar maçarocas e comer fiado. — « Bevi 
sabemos que num quer cagar maçarocas, pur 
isso xome fiado». Francisco Manoel de 
Mello, Feira d'Anexins, Part. i, Dial. G,§ 2. 
— Cagar o cavallo á Fonte Nova, locução 
chula de Coimbra, que significa estar di- 
zendo palavras ociosas, baboseiras. — Ca- 
gai mana, Enferm. da lingua, p. 111. 

— Cagar-se, v. refi. Sujar-se com o pró- 
prio excremento; conspurcar-se. — Figu- 
radamente : Dirigir ou fazer uma obra de 
modo qiie esta fique estragada. — Ter gran- 
de medo. 

CAGARÓLA, s. de 2 gen. (Do thema 
caga, com o sufExo «ola», seguindo a 
analogia das formas em «oiax, der. d'um 
thema em ora, oro). Pessoa medrosa, as- 
sustadiça. 

CAGARRÃO, s. m. (D'ura thema cagar- 
ro (do thema caga, com o suffixo «arre»), 
cora o suffixo «ão»). Augmentativo de Ca- 
gão, no sentido próprio e no figurado. — 
Termo familiar : cadeia, prisão. — Metter 
no cagarrão. 

CAGARRÁZ, s. m. (Do thema cagarro, 
d'onde cagarrão, com o suffixo «azu). 
Nome dado, pelos pescadores, ao mergu- 
lhão. =Bluteau, Voo. 

CAGARRINHA, s. /. (Do thema cagar- 
ro, com o suffixo diminutivo «inha»). No 
Eãe vulgar de uma espécie de peixe pe- 
queno. 

t C AGASTRIC O, a<Z/. (De cagastro, com 
o suffixo oiço».) Termo de Medicina (pou- 
co usado). Que resulta d'nm principio 
contagioso. 

t CAGASTRO ou CAGASTRUM, s. m. 
Nome inventado por Paracelso para de- 
signar o seu pi-etendido principio, e gér- 
men commum de todas as doenças. 

GAGATÓRIO, s. m. (Do thema caga, 
com o suffixo composto «tório», como 
palratorio, de paira, etc.) Termo chulo. 
Latrina, cloaca. 

CAGIÃO, s. /, ant. Vid. Cajão.=Usado 
por Gil Vicente, i, 250. 

CAGONA, s. /. de Cagão.— Mulher baixa 
e gorda ; meretriz da mais baixa escala. 
CAGOSÁNGA, s. f. (Palavra brazilica). 
Nome da ipecacuanha no Brazil. 

t CAGOÉIRO, s. m. (Do thema caga, 
com o suffixo «eiró»). Termo chiilo. O 
anus, o assento. 

','. '■ — Loc. CHULAS: is.t)errear o cagueiro, 
lúãssar o caguairo», dar muita pancada. 
Enferm. 4a lingua, pp, 117 e 136. 



t CAÍGUETAS, s. f. pi. (Do thema ca- 
ga, com o suffixo «etas»). == Usado na 
expressão chula: Ora, caguetas! que expri- 
me o desprezo por uma cousa. 

CAGUi, s. m. Espécie de macaco do 
Brazil. 

CAHÍDA, s. /. Vid. Caída. 
CAHIDÉIRO, arJj. Vid. Caldeiro. 
CAHIDÍÇO, adj. Vid. Caidiço. 
CAHÍDOS, adj. p. Vid. Caídos. 
CAHIMANÁ, s. /. (Palavra brazileira). 
Planta medicinal do Brazil. 

CABIMENTO, s. m. Vid. Caímento. 
t CAHINCA, s. f. Termo de Botânica. 
Raiz furnecida pela cMococca racenrora, 
de Linneo, e pela ckiococcá aiiguifuga, 
de Martins. 

t CAHINCrCO, adj. (De cahinca, com o 
suffixo «íco»). Termo de Chimica. — Aci- 
do C3.hmc\co , acido descoberto na cahinca. 
CAHÍQUE, s. m. Vid. Caíque. 
CAHÍR, i'. n. Vid. Cair. 
CAHIZon CAFIZ, s. m. ant. (Do árabe 
ca/tz). Medida de cereaes. — Cahíz gran- 
de, constava de dezeseis alqueires. — Ca- 
híz pequeno ou menor, constava de oito 
alqueires. — a 14 bois, 5 carneiros, e seis 
ca&zes e meio de trigo, e centeo.» Doe. 
ant. em Viterbo, Eluc. 

CÁHOS, s. m. Vid. Chãos. 
CAIADEIRA, s. f. de Caíador. 
CAIADELLA, s. f. (Do thema caiado, 
com o suífixo «ella»). Uma mão de cal ; 
uma pequena caiadura. — Dar tima caia- 
della. 

CAIADO, adj. p. de Caiar. — Figura- 
damente : Mulato caiado de branco, mu- 
lato que parece branco (Moraes). 

CAIADOR, 8. m. (Do thema caia, em 
caiar, com o suffixo «dor»). O que caia. 
CAIADURA, s. f. (Do thema caia, em 
caiar, com o suffixo «dura»). Acção de 
caiar; a cal posta na parede. ^ Por ex- 
tensão, as cores artificiaes dadas ao rosto. 
— Figuradamente : Disfarce cora que se 
encobre uma falsidade, uma acção vergo- 
nhosa, étc. 

— Loc. : As caiaduras do tempo, as 
cãs. — «Ha por isso quem affirme tem 
tantos unguentos (certo clérigo), para 
cayar as barbas, como algum velho verde 
para envernizar as cayadurasíZy tempo». 
Francisco Matioel de Mello, Apol. Dial., 
p. 161. 

CAIAR, V. a. (De cal formon-se ca- 
lear, com o suffixo «ea», como de guer- 
ra, guerrear, de raro, rarear, etc. ; de- 
pois o «1» syucopou-se como em véo, de 
velum, céo de coehun, etc. ; d'ahi a forma 
de que se trata.) Branquear com cal di- 
luída era agua. — Por extensão: Caiar o 
rosto, applicar ao rosto cosméticos, cores 
artificiaes para parecer branco. — Figu- 
radamente: Encobrir, disfarçar. -^- Caiar 
a mentira, o aleive. — Caiar a hypocri- 
sia de virtude. — - Caiar o erro com ares 
de verdade, 

GÃIBA, í. /. Viá-. Caimba e Camba. 



CAIBO ou CAIBO, s. »i. Vid. Caimbo. 
CÃIBRA, s.f. (Vid. Quembra). Contrac- 
ção dos músculos das extremidades (pernâa 
e braços), que tolhe os movimentos. — <iDa- 
vão-lhe cãibras naspernasv. Vida de Su- 
so, foi. 73. = Na Acad. dos Sing., Tom. 
II, p. 203, occorre a forma cambra. Vid. 
Quembra. 

CAIBRAL, adj. de 2 gen. (De caibro, 
sing. de caibros, com o suffixo «ai»). 
Que diz respeito aos caibros. — Preços 
caibraes, pregos com que se pregam os 
caibros. 

CAIBROS, s. m. pi. (?) Páos compri- 
dos, a modo de barrotes, que se pregam 
nos quatro cantos do tecto ; peças de ma- 
deira lavradas, ou varas que se estendem 
do frechai á cumieira, e sobre as quaes 
assentam em cruz as ripas que sustentam 
as telhas. 

— Termo de Boieiro. Os páos ou de- 
gráos que formam a grade ou escada do 
carro. 

t CAICA ou KÁIDA, s. m. (Palavra 
americana). Espécie de papagaio da 
Guiana. 

CÃIÇALHA, s. 77!. Vid. Caniçalha. 
t CAICHE, KEITCH ou QDAICHE, s. /. 
(Do inglcz). Termo de marinha. Navio 
inglez quadrado. 

CAIÇÓ, s. m. (Palavra brazileira). Ave 
do Brazil, do tamanho de uma cotovia, 
cujas pennas superiores do corpo são par- 
das com pintas brancas, ventre cinzento, 
cabeça grande, bico grosso e aguçado. — • 
Termo do Brazil. Cabeça grande. 

t CÃID, s. m. (Do árabe câid, chefej 
de cada, conduzir). Titulo, nos estados 
barbarescos, dos governadores de provín- 
cias ou cidades, dos chefes militares. 

t CÁIDA, s. m. Termo de Botânica. 
Espécie de planta visinha do ananás. 

CAÍDA, s. /. (Termo de origem parti- 
cipai como os substantivos comida, bebi- 
da, avenida, etc.) O acto de cair. — A 
caída das aguas. — A caída do cadaveir 
ao mar. — Estado de cousa caída. — Ha- 
via naquelle logar uma grande caída de 
folhas. — Descida, declinação. — A caída 
dos montes, o logar em que elles descem. 

— A caída das estreitas, a sua declina- 
ção. — Figuradamente : Queda, no senti- 
do moral. — Mil causas prodiizem a caí- 
da da mxdher. — A caída das grandes al- 
mas deve ser uma lição para os pequenos 
orgulhos. — «A ultima parte deste soberbo 
argumento do demónio responde a razão 
com a causa de sua mesma cabida». P. 
António Vieira, Serm., Tom. i, p. 205. 

— Decadência, destruição. — A caída líos 
impérios, dos reinos, das fortunas. — Per- 
da. — A caída da graça do rei. — A caí- 
da do favor publico. 

— Termo d'Astronomia. O ponto em 
que ura astro se acha collocado em oppo- 
sição com o ponto de sua exaltação. — 
o O Capricórnio he exaltação de Marte, 
e cabida de Júpiter. v Fr. António Tei' 



UAIM 



CAIN 



CAIR, 



34.' 



x.eira, Epitome de Noticias Astrológicas, 
p. 63. := Obsoleto, 

CAÍDEIRO, adj. (Do caida, com o suf- 
fixo «eiró».) Que está a cair, caduco. — 
tjSiglu vão, ecahideiro.B Provas da His- 
toria Genealógica da Casa Real, V, 438. 

CAIDÍÇO, udj. (De caido, com o suf- 
fiso <iiço.») Que está sujeito a cair, que 
está para cair, que cáe frequentes vezes. 
Folha caidiça. — Casa caidiça.=Caduco. 
Velho caidiço.=Colligido por Bento Pe- 
reira. 

CAIDO, j^art. pass. de cair, e adJ. Que 
caiu. 

...A lanta piedade o commovia, 
Qae, caulo das mãos o r;iio inTando, 
Tado o clenicnle Padre Ihi' conrede. 
CÁ3(., Lcs., cant. in, est. lOG. 

Este Povo qne é meu, por quem derramo 
As lagrimas que em vão canidas vejo. 
Que assaz de mal llie quero, pois quo o amo. 
Sendo tu lanto contra meu desejo I 
OB ciT., cant. II, est. 40. 

— Prostrado. Estava caido aos pés do 
grão sacerdote de Isis. — Decaído. — «.Va- 
Ina-me Deus, quasi em hunia hora, tão 
luzido e tão cabido ! » Francisco Manoel 
de Mello, Apol. Dial., p. 8-i. — Abatido, 
no sentido figurado. 



Huma alma tão fraca t tSo cahida. 
Quando a sorte mais alta me subisse) 
"ão teobo para mi i]ue consentisse 
Alegria tão tarde consentida. 

CAH., SON. IGTIII. 



li 



— Desgraçado, que perdeu sua fortuna. 
— Enfraquecido. Voz caida, voz baixa. — 
Lançado por terra. Estava caido o culto 
do verdadeiro Deus, pois se tinha fabri- 
cado o bezerro d' ouro. — Vencido; que 
chegou ao termo do pagamento, — Foros 
caidos, rendas cabidas. 

— Loc: De rosto ou com o rosto caido, 
cabisbaixo, triste. — Estrellas caidas, os 
fogos fátuos e também os aerólithos. 

CAÍDOS, s. m. pi. (De origem partici- 
pai.) Rendimentos de um oíficio, ou fru- 
ctos de um beneficio, vencidos. Os caidos 
de um anno, — <:.... Isto he dos caidos du 
Bispado. y> D. Rodrigo da Cunha, Hist. 
dos Bispos de Lisboa, p. 250. 

CAIEIRA, s.f. (Do thema caia, em caiar, 
com o suffixo «eira».)Fabricadecal. For- 
no em que se submettem a uma alta tem- 
peratura as substancias calcareas para as 
separar do acido carbónico. 

CAIEIRO, s. m. (Do thema caia, em 
caiar, com o suffixo «eiró»). Fabricante 
de cal. — O que vende cal. — .0 qu,e traz 
cal. 

CAIMACÃO ou CAIMACAN, s. m. Vid. 
Caim-mekam. 

CAIMAL ou CAIMÃO, s. m. (Palavra 
asiática.) Titulo dos senhores, e prínci- 
pes do Malabar. — Usado por Barros, Dé- 
cada I, foi. 174, 

CAIMÃO, s. m. (De acajuman, nome do 
crocodilo einlingua caraiba; vid. Dictiou- 
naire français -caraibe do P. Rayniond 
Breton). E.specic de crocodilo. — líSobrc- 
saltados de lagartos, c caimaens.» Luiz 
Marinho d'Azcvedo, Antiguidades de Lis- 



boa, p. 100. — nllum escudo, em que es- 
tava pintado hum caimão, animal próprio 
d'esta Região.» João Baptista Lavanha, 
Viagem de el Rey Felipe Segundo, p. 
13, V. 

CAIMBA, s. /. Vid. Caiba e Camba. 

CAIMBADOR, s. »«. ant. Vid. Cambia- 
dor. 

CAIMBAR, V. a. ant. Vid. Cambiar. 

CAIMBEIRO, s. m. ant. Vid. Cambiador, 

CAIMBO, s. m. Vid. Cambio. 

t CAIMBRA, s. f. (?) «í/e hum pedaço 
de taboa grossa.» Fr. João Pacheco, 
Divertimento erudito. Tom. ii, p. 315. 

CAIMENTO, s. m. (Do thema cai, em 
cair, com o sufíixo «mento».) Acção e 
eíFeito de cair. — Queda, ruina. — Figu- 
radamente : Falta, quebra, abatimento, 
frouxidão. = Usado por Fr. Luiz de Gra- 
nada. 

t CAIMIRI, s. m. (Palavra americana). 
Espécie de macaco muito bonito da Ame- 
rica. 

t CAIMITAS, s. m. pi. Seita de gnós- 
ticos que julgavam ter um poder sobre- 
natural. 

t CAIMITEIRO, s. m. Arvore das An- 
tilhas, cujo fructo, do tamanho d'uma azei- 
tona, não tem sabor, e cuja madeira passa 
por incorruptível. 

CAIM-MEKAM, s. «i. (Do árabe cãim- 
makâm, que litteralmente significa o que 
occupa o logar d'outro.) Dignidade emi- 
nente do império ottomano. A palavra 
designa particularmente o substituto do 
grão vizir. 

CAINÇA, s. /. (De cão, com o suffixo 
«iça», havendo metathese da nasal). Ter- 
mo chulo. Ajuntamento, alcatêa de cães. 

Má caiiifa qne te coma. 

GIL VICENTE, III, p. 20. 

CAINÇADA, s. f. (De cainça, com o 
suflíixo «ada», como de tom, toada, de 
sal, salada, do latim paulas (d'onde páo), 
paulada, etc.) O ruido causado pelos cSes 
a latirem. 

Não onco co'a t'aini'aila; 
Rapaz, d.vlho hua pedrada. 

OB. CIT., III, 15. 

— O mesmo que Cainça; ajuntamento, 
alcatêa de cães. 

CAINÇALHA, s. /. Vid. Caniçalha. 

CAINHEZA, s. /. ant. (De cainho, com 
o suilixo «eza».) Mesquinheza, avareza. 
= Usado por Jorge Ferreira de Vascon- 
ccllos. 

CAÍNHO, adj. (A palavra tem relação 
intima com acanhado, cm ])rinioiro logar; 
isto leva a um thema canJi ou cainh, quo 
achamos no picardo cagne, acagnardi (pr. 
gn como nh), preguiçoso, provençal ca- 
gnard, mandrião. O thema ctoi/», cagii,\em 
do latim canis, cão, que os cscriptores clás- 
sicos usam no sentido de parasita. Cão, em 
portuguez, é empregado tainbcm no sen- 
tido de miscr.avel. Polo lado da fórraa não 
ha também dilliculdado ali uma. De duiis 



viria facilmente um derivada caneo, d'oa- 
de canho, cainho, o «i» da segunda fónji^. 
sendo apenas um desenvolvimento da pro-i 
nuncia que se nota em banho, de balneum, 
manha, na boca do povo. Na palavra aca- 
nhado a significação adquiriu uma parti- 
cularisação fácil d'explicar, porque aca- 
nhado também significa mesquinho, e d'es- 
ta significação se desenvolveu a mais usual 
da palavra). Mesquinho, misero, de bolsa 
apertada; tacanho. — «Sou tão cainho e 
tão sôfrego, que com ninguém compadeço 
companhia». Jorge Ferreira de Vascon- 
cellos, Ulysippo, act. ii, se. 2. 

t CAINITA, s. m. (De Cain, com o suf- 
fixo «ita»). Nome de gnósticos que honra- 
vam Cain e Judas, e que tinham um evan- 
gelho sob o nome do ultimo. 

t CAINITO, s. m. Termo de Botânica. 
Género de plantas de flores monopétalas. 

t CAINO, s. m. (Do mesmo thema ca- 
neo, d'onde cainho, o que confirma mais 
a etymologia apresentada d'esta ultima 
palavra). — « Petição de miséria e pobreza 
feita ao principe, e aos seus ministros. s 
Viterbo, Eluc. 

CAIOM, s. m. ou s. f. ant. Vid. Cajom. 
— ...nOutro caiom, que o de todo perder- 
ria.» Inéditos de hist. port., III, 219. 

t CAIPA-SCHORA, s. f. Nome malabar 
d'uma espécie de planta da família das 
bryonias. 

t CAIPÃO, s. m. Grande arvore da ilha 
de S. Domingos, cuja madeira serve para 
construcções. 

t CAIPIRA, s. 7ÍÍ. Nome dado, durante 
a guerra da successão, em Portugal, aos 
constitucionaes, pelos realistas. 

CAIPORA, s. /. Termo do Brazil. Fogo 
fátuo que apparece nas mattas, e o povo 
julga ser a alma d'algum cabouco morto 
sem baptismo. = Colligido por Moraes. 

CAIR, i;. n. (Do latim cadere, com a 
syncopa regular do «d» entre vogaes, co- 
mo em meio, de medius, vingar, de vindi- 
care,Jiel, áejidelis, juiz, de judex, etc. A 
palavra escreve-se também cahir, mas o 
oh» não sendo ctymologictimente justifi- 
cado, o modo d'escrcver cair é mais accei- 
tavel. Na eacographia da língua apparece 
também o modo descrever ca>/r (e catjr), 
que Moraes queria fazer reviver; o «y», 
porém, só seria admissível na lorma caio, 
para exprimir a natureza semi consonan- 
taldo íi» entre vogaes; vid. «I» e «Jrj.Di- 
rigir-se de cima para baixo uma cousa ou 
jiessoa por ter perdido o equilíbrio. Cair 
ó um acto involuntário. Caem os muros 
arruinados. Caem as aguas das catadu- 
pas. Cae o cavallciro do cavallo abaixo. 
Cair na rua. Cair ao rio, ao mar. Cair da 
cama abaixo. Cair pela escada aiaixo. 
Cair dajanella, do tecto, do telhado. Caem 
fructos das ariK>rcs. Xo outono caem as 
folhas das arvores. Caem iw aves feridas 
pelo caçador. Caem os a-erólithos da at- 
mosphera. — a As leis e justiça, eram taaes 
como a tea de aranha, lu qual os viosqui- 



32 



CAIR 



.. 



tos pequenos caindo, som reteudos e v7or- 
rem em eUa.i> Fernão Lopes, Chron. de 
D. Pedro I, ix. 

o sol lie grande, ciie?n co'a calma as aves 
Do tempo em tal razão, que sóe ser fria. 

SA DE MIRANDA, SONETOS. 

Um rio diz qne tem miraculoso, 
Que por onde elle só sem outro vae. 
Converte em pedra o pau que n'elle cat. 
GAM., LDS., cant.x, est. 434. 

A companhia saneia está pintada, 
Dos Doze, tão torvados na figura, 
Como os que, só das línguas que caíram 
De fogo, varias linguas referiram. 
OB. ciT., cant. II. est. xi. 

Relâmpagos medonhos não cessavam. 
Feros trovões, que vem representando 
Cair o eco dos eixos sobre a terra, 
Conisigo os elementos lerem guerra. 

oB. ciT., cant. VI, est. 84. 

-III- y-. V 

Já do ar cai/do gera 

O cristallino orvalho hervas, e flores. 

ANTOXIO FEBREIRA, ODES, liV. 11, Od. V. 

N5o Pinho, Faya, Ulmo, Era ou Cana 
Nem doce suspirar em prosa, ou rima 
O fogo apagarão, que em mim de cima 
Do terceiro Céo rae, e dos olhos mana. 

OB. CIT., SONETOS, liV. !, SOn. 9. 

Por onde quer'que passam, vão caindo 
Mil flores de qu'o chão se vay cobnndu. 

OB. CIT., HGLOG. I. 

— «Assi como vento o levantou e o 
sustinha tanto que o vento parou, cahio.» 
P. António Vieira, Sermões, i, 109. — 
Deixar cahir, fazer cahir. — « Quando 
nisto, eis que vemos, que retirada a 
Águia com sua presa a huma serra, não 
fazia mais que levantar o triste animal, 
e deixallo cahir nas pedras vivas ti. Fran- 
cisco Manoel de Mello, Apol. Dial. — 
aNa escrittura o morrer se chama cahir , e 
viver levantar-se.i> António Vieira, Ser- 
mões, I, 109. — Figuradamente: Acon- 
tecer, succeder, dar-se. — OS. João cáe 
este anno á quinta feira. — A festa cáe 
em máo dia. — A quantos cáe a Paschoa 
este anno ? — Vir a propósito, caber. — 
tQue bem vem cahindo neste lugar aquelle 
ditto verdadeiramente Romano do vosso 
CaíãoB. AntonioVieira, Sermões, i, 10, 70. 
— Cair o império, a monarchia, a repu- 
hlica, etc, acabar a fórraa politica do im- 
pério, da monarchia, da republica. — Cair 
um rei, uma familia, uma casa reinante, 
perder o poder. 

— Loc. : São numerosas as locuções em 
que entra o verbo cair. — Cair numa 
cilada, ser apanhado em uma cilada. 

Porque, saindo a gente descuidada, 
Cairãii facilmente oa cilada, 
[fli cAM., LOS., cant. I, est. 80. 

■ ' — Cair nas mãos d'alguem, ir ficar no 
poder d'alguem. 

Não é o outro que fica tão manhoso; 
Mas nas mãos vae cair do Lusitano. 

OB. CIT., cant. II, est. 69. 
Ali 

— - Caírem as estreitas, os astros, de- 
clinarem. 

.... no tempo que a luz clara 
Foge, eas eslrellas nitidas, que saem, 
A repouso convidam, quando caem. 
OB. CIT., cant. rv, est. 67. 

— Cair em sorte, caber em sorte, ser 
quinhão. — « Fomos ter a Setuval, onde 



CAIR 

me cahio em sorte lançar mão de mim hum 
fidalgo do mestre de Santiago, por nome 
Francisco de Faria n. Fernão Mendes 
Pinto, Peregrinações, cap. 1. 

Enira no huraido reino e vae-se á corte 
D'aqueile a quem o mar caiu em sorte. 
OB. ciT., cant, TI, est. 57. 

— Cair num engano, reconhecer um 
engano. 

Eu, que cahir não pude n'este engano, 
(Que é grande dos amantes a cegueira) 
Encherara-me com grandes abondanças 
O peito de desejos e esperanças. 
08. CIT., cant. v, est. 54. 

— Cair morto. 

Uns caem meio mortos, c outros vão 
A ajuda convocando do Alcorão. 
oB. ciT-, cant. m, est. 50. 

E naquysto contemprando 
vay crecendo desconforto, 
que desniayo em cu\ dando, 
e cayo mil' vezes morto. 

CA.NC. DE REZENDE, I, p._9. 

— Cair aos pés, dar-se por vencido, 
ser vencido. 

Toda banhada em riso e alegria 
Cair se deixa aos pés do vencedor. 
CAM., Lcs., cant. ix, est. 82. 

— Cair nos ouvidos d'alguem, chegar 
aos ouvidos d'alguem. 

Em vossos peitos sãos, limpos ouvidos 
Cayãa meus versos, quaes me Pbebo inspira. 

ANTÓNIO FERREIRA, SON., I, SOU. 43. 

— Cair em erro, em engano, errar, en- 
ganar-se. — Cair da graça, do agrado, ou 
cahir em desagrado, incorrer em des- 
agrado. 

E vejo 'os grandes muito empobrecer 
E com proveza da grossa cair. 

CANClONBIRnmO DE TROVAS ANTIGAS, publ. 

por Varnhagem, cant. 38. 

— Cair em graça, agradar. — «Mais 
vale cair em graça que ser engraçado. » 
Adagio. — Cair no goto, ficar entalado 
nas guellas; figuradamente: agradar mui- 
to. — Cair em descuido, descuidar-se. — • 
o O interesse não me deixará cair em des- 
cuidoti. Francisco Rodrigues Lobo, Corte 
na Aldeia, Dial. xvi, p. 342. — Cair na 
razão, reconhecer a razão. — « Vêem-se 
cair, mas na razão não cabem.» Nuno 
Barreto, Vida do Evangelista, Liv. lxviii, 
est. 16. — Cair em si, reflectir; dominar 
as suas idêas e sentimentos. — Cair em 
que..., reconhecer que... — aPorque não 
acabais de cair em que sois cego.» Antó- 
nio Vieira, Sermões, Tom. i, p. 674. — 
— Cair no entendimento, entender. — «Não 
caia no entendimento doestas palavras. n 
Vida de Suso, foi. 88. — Cair em desgraça, 
em infortúnio, passar a ser desgraçado. 
— Cair em pobreza, empobrecer. — Não 
deixar cair uma palavra, aproveitar to- 
das as palavras, tudo o que se ouve para 
proveito próprio. — ^^Não caiu no chão a 
Cólon á nova noticiai. Simão de Vascon- 
cellos, Noticias do Brazil, p. 6. — Cair á 
conta d'alguem, pertencer a alguém. — 
(I Tudo podia tecer o amor, e acabar a 
ventura ; se essa caíra d conta de D. Jú- 
lio, outra poderá ser peor empregada. -o 



CAIR 

Francisco Rodrigues Lobo, Corte na Al- 
deia, Dial. X, p. 197. — Cair sobre, diri- 
gir-se para, abrir-se na direcção de, dar 
para. — a. Esta janella cáe sobre o mar.» 
— «A porta, que passando o corredor 
cahe sobre o Terreiro do Paço.» Conde 
da Ericeira, Portugal Restaurado, Part. 
I, p. 107. — Cair a propósito, vir a pro- 
pósito. — Cair da causa, perder a deman- 
da.— «Pa?'» atalhar demandas, estabelece 
que os Authores, que cairem da causa....» 
Monarchia Lusitana, Tom. iv, p. 107. — 
Cair na conta dalguma cousa, reconhe- 
cer alguma cousa. — aEntam cahem mais 
na conta de seus defeitos». Heitor Pinto, 
Diálogos, Part. ii, p. 2. — «Cair o cora- 
ção aos pés a alguém, perder o animo, 
ficar descoroçoado. 



Aos pés em pressa tamanha 
O coração lhe cahio. 

SÁ DE MIRANDA, SATVRA V, est. 



GO. 



— Cair em tentação, ceder á tentação» 
peccar. — Cair em os braços a alguém, 
desanimar. — Cair no chão, em saco roto, 
uma palavra, conselho, advertência, etc, 
não ser aproveitada. — Aquillo foi pedra 
que caiu em poço, diz-se d'um segredo 
que foi confiado a pessoa que não é ca- 
paz de o revelar a ninguém. — Cair da 
memoria, esquecer. — Cair o neóphito da 
fé, tomar aos seus antigos erros. — Cair 
o cabello, separar-se da raiz. — Cair o ca- 
bello sobre as costas, cair a barba sobre 
o peito, descer o cabello pelas costas, a 
barba até ao peito. 

Era Charonte velho, a que cobria 
A vista a sobrancelha carregada, 
E sobre o pardo peito lhe cahia 
A espessa barba nunca penteada. 

GABR. PEB. DE CASTRO, ttl-YSSÍ*, Canl. IT, 

est. 27. 

— Cair em alguém, lembrar-se d'alguem. 

— Não podia cair em quem era aquelle 
homem. — Cair a casa, arruinar-se. — Figu- 
radamente : perder-se, arruinar-se a for- 
tuna d'uma pessoa. — «N'uma hora cae a 
casa» . Adagio. — Cair doente, cair de cama, 
adoecer. — Cair do estado, perder um es- 
tado prospero. — Cair da esperança, ficar 
muito áquem do que se esperava ; per- 
der as esperanças. — Cair de somno, não 
se poder estar em pé com somno. — Cair 
de maduro, figuradamente : ser inevitável. 

— Deixar cair os foros, as rendas, não 
as pagar. — Cair a alma a uma banda de 
alguém, ficar inteiramente desanimado. — 
Cair á perna a alguém, perseguir alguém. 

— Cair o rabo a alguém de contente, es- 
tar alguém muito contente. — Cair com o 
rabo em alguma cousa, acertar n'alguma 
cousa. Enfermidades da lingua, p. 113. 
— Cair com o rabo em quente, ser feliz n'um 
negocio, em uma empreza. — Cair nal- 
guma parte o Carmo e a Trindade, ha- 
ver mosquitos por cordas, cousas do arco 
da velha, haver grandes ralhos. — Cair 
como um patinho, cair facilmente n'um 
logro. Ob. cit., p. 113. — Cair como tor- 
dos, ser logrado facilmente, e também 



CAIR 



CAIR 



CAIX 



33 



n'outro sentido. — Os inimigos caiam co- 
mo tordos, os inimigos morriam em grande 
numero. — <ii Justiça de Deos te caya», 
praga coUigida por Bluteau. — «Cahio o 
ceo, matou as cotovias a ^ dito popular a 
propósito de alguma cousa que faz muito 
barulho e pouco effeito. Enfermidades da 
lingua, p. 114. — Cair na rede, deixar-se 
apanhar, no próprio e no figurado. — Cair 
na encho, cair no logro. Bento Pereira, 
Thes., p. 218. — Cair a sopa no mel a 
alguém, correr a alguém um negocio per- 
feitamente. Ob. cit. — Cair no laço, na 
esparrela, ser logrado. — Cair no laço que se 
arí7!0!t,cair na rede que se armou, ser victi- 
ma das próprias ciladas e traições. Ob. cit. 

— Cairoanimo^descoroçoar.Ob. cit. ,p. 197. 

— Cair alguma cousa ás costas d'alguem, 
ser da responsabilidade d'alguem. — Cair 
nalgum logar o poder do mundo, reu- 
nir-se muita gente n'um logar. — Cair de 
golpe, cair subitamente. — Cair de cha- 
puz. — Cairem a alguém as faces de ver- 
gonha, corar até á menina dos olhos. — 
Cair a cara a alguém, ficar envergonhado. 

— Cair um vestido bem ou mal, ficar bem 
ou mal um vestido. — Cair redundamenfe 
ou redondo, bater com o corpo todo no 
chão. — Cair debaixo do anno do nasci- 
mento, cair sob a jurisdicção d'alguem, 
estar submettido á jurisdicção d'alguera. 
— Cair a prumo, cair perpendicularmente. 

— Ao cair da tarde, a aproximação do 
crepúsculo. — Ao cair da folha, no ou- 
tomno. — Cair a maldição em casa d'al- 
guem, ser alguém desgraçado, ter máo 
êxito em todas as suas emprezas. — Não 
ter onde se caia morto, estar na estrema 
miséria. — Cair na lama, aviltar-se. — Be- 
ber a cair, beber até ficar caindo de ébrio 

— Haver de beber a cair, ou vinho a cair, 
haver muito vinho. — <iHouve de comer a 
cair», houve muito que comer. Enfermid. 
da Lingua, p. 131. — Cair a sombra dos 
montes, anoitecer. — Cair a maldição, a 
jura, a prophecia, verificar-se. — Cair so- 
bre o inimigo, atacar o inimigo. — Cair a 
penna das mãos a alguém, faltar a cora- 
gem para escrever. — Cair das mãos o 
ferro da vingança, etc, faltar a coragem 
para a vingança. — Cair a i-é, descair para 
a ré, mover-se para a parte opposta ;i proa. 
Loc. naut. — Cair da búcca uma palavra, 
um dito, dizer-se involuntariamente algu- 
ma cousa. 

— Cair-se, v. refl. O verbo cair, ape- 
sar de neutro, á similhança d'outros neu- 
tros, empregado algumas vezes com os 
pronomes reflexos, com o sentido de pre- 
cipitar-se. — Elle caíu-se por aquclla esca- 
da abaixo. Vid. Estar, Descahir, Ser, etc. 

— Obs. GRAmm. : A forma da primeira 
pessoa do singular do presente do indi- 
cativo do verbo cair c irregular: caio e 
não cáo ; a forma caio assenta sobre uma 
cadeo, do lat. cado,prodiv/Ãdit pela analogia 
à(idebeo,moneo,eXQ.. Vid, Pedir, etc. Como 
muitos outros verbos da terceira conjuga- 

TOL. II —5. 



ção latina, o verbo cadere apresenta-se no 
antigo portuguez seguindo ora a segunda 
conjugação portugueza,ora a terceira. Vid. 
Caer. Podemos acrescentar aqui os exem- 
plos seguintes: — «Caeo a sorte sobre Ma- 
thias. » Actos dos Apóstolos, cap. 2, v. 22, 
nos Inéditos de Alcobaça, Tom. i. 

Sciior fremosa, par deus gram sazon 
Seria já agora, se en prazer 
Vos caesse de quererdes prender 
Doo de míD. 

TROVAS E CAXTAHES, cant. 67. 

CAÍQUE, s. m. (O francez antigo tem 
cahique e cate, o moderno caíque, o ita- 
liano caie, caicchio, o maltez caich ; a 
palavra vem do turco qudiq, barco, batel). 
Nome que tem designado e designa ainda 
diíferentes espécies de embarcações. O 
antigo caique peninsular era uma espécie 
de navio análogo á chalupa canhoneira ; 
tinha uma grande peça na proa, ia muito 
d'escantilhão e tirava pouca agua. — 
Cahique, no Alvará de 3 de maio de 1802, 
designava uma embarcação de pesca no 
Tejo. — Cahique designa hoje em Portu- 
gal, mais usualmente, uma pequena em- 
barcação mercante de dous mastros. 

CAIREL, s. m. (Moraes aponta como 
otjmologia em italiano cairello, que não 
se encontra nos diccionarios ; o mesmo 
fazem Constâncio e o académico Lacerda. 
A Crusea não sabe ainda d'aquelle vocá- 
bulo. A palavra é connexa com courela; 
de quadro deriva-se por meio do suffixo 
«el" (ello) o substantivo quadrei, d'onde 
pela dissolução do «d» deante de «r» em 
vogal, quairel; cp. cadeira, de cathed.ra, 
quarenta, por quarainta, de quadraginfa 
(vid. Quarenta), etc. De ca \wi- qua abun- 
dam exemplos; vid. Ca, Camanho, Cali- 
dade, Cantidade, etc. Palavras derivadas 
de quadra, quatro, designam muitas ve- 
zes cousas que não têem fiírma rigorosa 
de quadrado ; quadradinho, por exemplo, 
designa uma tira. A forma Cairel, demais, 
tem diôerentes significações, cuja conne- 
xão descobre a idêa fundamental que 
apontamos). Galão ou fita estreita de de- 
bruar chapcos, capotes, etc. — Cairel do 
chapéo. — Cairel do capote. — n Peudurão o 
chapéo pela ponta do cairel». Francisco 
Rodrigues Lobo, Corte na Aldeia, Dial. vi, 
p. 33(). — Orla. — Ant. : O cabeça, pes- 
soeiro, ou cabecel de um casal, ou coi- 
rela. Viterbo, Eluc. 

— Loc: Unhas com cairel, unhas cres- 
cidas e sujas nas extremidades. 

CAIRELADO, part. pas. de Cairelar e 
adj. Debruado ou orlado do cairel. — 
«Bedcm cairelado». Fernão Lopes Cas- 
tanheda, Part. III, cap. O-l. 

CAIRELAR, i'. a. (De Cairel) . Debruar 
ou orlar de cairel. 

t CAIRÍNA, ?. /. '1'ermo de Zoologia. 
Genon) do aves a que também se chama 
sarkidiornis. 

t CAIRN, s. Hl. (Do gwlico carn on 
cairn, monte de pedras.) Jlonticulo de 



terra e pedras levantado pelos celtas na 
Bretanha, Escócia, Irlanda, etc. 

CAIRO, s. m. Nome indiano dos fila- 
mentos, que ha no coco entre a tez de 
fora, e a casca interna, e de que se fa- 
zem na Ásia, America, etc, cordas, amar- 
ras, etc. — «... Em, rasão do cairo que 
das ilhas de Maldiva se havia. t Barros, 
Década I, foi. 203. — «Cordas de fio de 
palma que chamam cairo.» Damião de 
Góes, Chron. de D. Manoel, p. 23 (1.* 
ed.) 

— Termo de Carpinteiro e Serrador. 
Cordel que aperta o trabelho da serra. 
Bluteau, e Fr. João Pacheco, Divertimento 
erudito, ii, 316.= Também se chama ca- 
bello. 

CAISO, s. m. ant. vid. CASO. 

CAIÚS, s. m. Espécie de gomma. 

CAIXA, s. m. (Do latim cnpsa, que é 
formado da raiz cap (vid. Cabeça, Caber, 
Cabo), com o suffixo «xa»). Cofre de ma- 
deira, ferro, folha de Flandres, cartão, etc, 
para transporte de mercadorias ou para 
guardar diíferentes objectos. — Uma caixa 
de folha de Flandres. — • Uma caixa de chá. 

— Uma caixa de assitcar. — Uma caixa 
de laranjas. — Uma caixa de garrafas. — 
Uma caixa de papeis. — Uma caixa de li- 
vros. — « Porque da mesma sorte quem 
apresentar huma rica joya não curará, 
de que a cayxa seja ou não de alto pre- 
ço. i> Francisco Manoel de Mello, Apol. 
Dial., p. 54. — «r Quem deu hum anel de 
diamantes em huma caixinha de veludo 
que não desse também a caixa como deu o 
anel?« Idem, Carta de Guia de Casados. 

— Boceta. — Caixa de óculos. — Caixa de 
rapé. 

— Termo de Cirurgia. Caixa de ampu- 
tação, caixa que contém os instrumentos 
necessários para a amputação. Diz-se 
mais vulgarmente estojo. Caixa de me/ii- 
camentos, caixa que contém medicamen- 
tos, instrumentos, etc. 

— Termo de Commercio. Caixa, o co- 
fre onde se guarda o dinheiro, ilettcr di- 
nheiro em caixa. Ter tantos contos em 
caixa. — Os fundos que estão em caixa, 
ou de que dispõe o caixeiro. — Livro de 
caixa, o livro em que se regista o movi- 
mento de fundos.— Caixa militar, a cai- 
xa do regimento, os fundos destinados a 
pagar o soldo das tropas. — Caixa econó- 
mica, estabelecimento cm que se recebem 
muito pequenas quantias, cujo juro c pago 
e capitalisado, e que tem por fim facilitar 
as economias aos operários, e em geral 
ás classes pobres. — O cylindro d"um 
tambor; o tambor. — Tocar caixa. — Pu- 
far a caixa. — Caixas desfeinperauas, as que 
se tocam nos l'uneraes e durante a appli- 
cação da pena capital ou do degradação 
a algum militar. 

— Termo de Anatomia. Caixa do tam- 
bor, cavidade semi-esphericA no fundo do 
buraco auditivo extenio. 

— Termo de Impressor. Espécie de tA- 



34 



CAIX 



CAJÁ 



CAJÁ 



boieiro dividido em muitos compartimen- 
tos, em cada um dos quaes se mette uma 
letra, ou ura signal. 

— Caixa d'uma carruagem, o corpo 
d'uma carruagem. 

— Termo de Physica. Caixa catóptrica, 
instrumento de óptica que augmenta pe- 
quenos corpos muito aproximados. 

— Termo de Relojoeiro. O que contém 
o movimento d'uma peça de relojoaria. 

— Termo de Náutica. Caixa do moutão, 
bocado de páo, tendo em geral a forma 
d'um ellipsóide achatado, em que se en- 
cerra a roda do moutão. 

— Loc: Ir á caixa a aZ^Mem, espancar 
alguém. — aSer boa caixa de ocrãos», sen- 
tido incerto. Enfermidades da Lingua, p. 
128. — Caixa do rosto, as feições, o todo 
do rosto. — Caixa dos dentes (provincial), 
dentadura. — Uma hella caixa de dentes. 
— A toque de caixa, á viva força, sem 
mais nem boas. — Pôr alguém no andar 
da rua a toque de caixa. — Fugir a toque 
de caixa. — Andor a toque de caixa, an- 
dar muito depressa, obrigado por alguém 
ou por um negocio. — Lançar alguém de 
casa, da conversação, etc, com caixas des- 
temperadas, com insultos, más razões, ou 
á viva força. — «Hora, mas que me re- 
prendais, e lanceis da conversação com 
cayxas destemperadas, eu não posso dey- 
xar a sandice da gente, que sem mais que, 
nem para que, nem mais tirte, nem guar- 
te, . . . se mate e consuma afogo, e sangue 
com terror dos mortos, e estrago dos vi- 
vosíi. Francisco Manoel de Mello, Apol. 
Dial., p. 74. — Erro de caixa, erro feito 
pelo typógrapho e não proveniente do 
original. 

CAIXA, s. m, (De caixa, s. /.) O que 
n'uma sociedade ou casa commercial, tem 
a seu cargo as operações da caixa. 

CAIXA, s. f. (Palavra asiática). Moeda 
do reino de Tidore, etc. — «... lhes man- 
dou ElRey dar a cada hum dez Caxas 
por dia, que valião três reaes da nossa 
moedan. Diogo de Couto, Década V, foi. 
219. 

CÁIXAMARÍM, s. m. (De caixa e ma- 
rim, de marino ou marina, porque o gé- 
nero d'este substantivo deve ter sido pri- 
meiramente feminino). Espécie de em- 
barcação. 

CAIXÃO, s. m. Augmentativo de Caixa. 
Caixa grande, oblonga, vasia, que deve 
servir para levar mercadorias, e que de- 
pois de cheia se dirá caixa de. . . — Ataú- 
de, féretro. — Caixa cora pólvora, que se 
mette nas minas. — Caixão da estante, 
cada um dos compartimentos em que se 
collocam os livros. 

— Termo de Artilheria. Caixas em que 
vão bombas, munições, etc. — Caixões da 
peça, pequenos cofres que andam aos la- 
dos da peça, em cima de ten reparo, en- 
tre o cubo e a falca. 

— Termo de Náutica. Caixão do leme, 
o intervallo comprehendido entre o logar 



onde na almeida se introduz o leme, e 
aquelle onde a cabeça se faz saliente para 
introduzir a canna. 

CAIXÃO, s. m. Outra forma de Cachão. 

CAIXARÍA, s. /. (De caixa, com o suf- 
fixo «ária»). Grande numero de caixas. 

— Officio a cargo de caixeiro. — Contas 
de caixaria, os cálculos arithméticos afora 
as quatro operações fuudamentaes. 

CÁIXE, s. m. (Palavra asiática). Moeda 
de estanho de Jlalaca, mencionada nos 
Commentarios de Affonso de Albuquer- 
que, Part. III, cap. 32. 

t CAIXEIRÍA, s.f. Outra forma de Cai- 
xaria. 

CAIXEIRO, s. m. (De caixa, com o suf- 
fixo «eiró». Não é, pois, necessário ir 
com Moraes buscar ao francez o que é 
formado segundo os processos do portu- 
guez). O caixa. — Empregado de uma casa 
de commercio, companhia ou sociedade, 
que vende, cobra, ou faz a escripturação. 

— Caixeiro de balcão. — Caixeiro de co- 
brança. — Official mechanico que faz cai- 
xas. 

CAIXETA, s. /. Diminutivo de Caixa. 
Pequena caixa para doce, papeis, etc.== 
Usado por Damião de Góes. 

CAIXETÍM, s. m. Vid. Caixotim. 

CAIXÍLHO, s. m. (De caixa, com o suf- 
lixo «ilhODj. Moldura de madeira, que 
segura vidros nas portas, janellas, etc. 

— Moldura de painel, gravuras, photo- 
graphias, laminas. — Caixilhos de livros, 
as estantes. 

CAIXÍNHA, s. f. Diminutivo de Caixa. 
— « Quem deu um anel de diamantes em 
huma caixinha de veludo, que não desse 
também a caixa como deu o anel?-» Fran- 
cisco ]\Ianocl de Mello, Carta de Guia de 
'Casados. 

CAIXOTÃO, s. m. Augmentativo de Cai- 
xote. 

CAIXOTE, s. í?!. (De caixa, com o suf- 
flxo «ote»). Caixa de medíocres dimen- 
sões. 

CAIXOTÍM, s. m. (De caixote, com o 
sufSxo «im», do suffixo «ino».) Termo de 
typographia. Repartimento da caixa das 
letras. 

CAIXOTÍNHO, s. m. Diminutivo de cai- 
xote. (Fundamentalmente a mesma pala- 
vra que caixotim.) 

CAJÁ, s. m. (Palavra brazileira.) Fru- 
cto do Brazil, amarello, agridoce, aromá- 
tico, da forma de uma ameixa grande, de 
grande caroço, coberto de fibras e nervos 
fortes. = Recolhido por Moraes. 

CAJÁ, s. m. ant. (?) Espécie de vesti- 
dura de homera. = Usado no Testamento 
de D. Affonso IV. 

f CAJÁÇA, s. f. Espécie de embarca- 
ção pequena, usada no Egypto. 

CAJADADA, s. f. (De cajado, com o 
suffixo «ada», como de cabeça, cabeçada, 
de 2}erna, j^ernada, etc). Pancada com ca- 
jado. 

— Loc. : D'uma cajadada, matar dous 



coelhos, fazer duas cousas d'uma vez, a 
um tempo. 

CAJADÍNHO, s. m. Diminutivo de ca- 
jado. = Usado por António Vieira, Ser- 
mões, serm. V, p. 318. 

CAJADO, s. m. (?) Bordão do pastor, 
cuja extremidade superior é torcida ou 
em arco para cora ella segurar o pé da 
rez quando é necessário. 

— Esle que vfs, pastor jà foi de gado, 
Viri;iio sabemos que se chama, 
Dfslro na lan^a mais, que no cajado. 
CAH., LLS., cant. vin, est. 6. 

— « Vedes aquelle mancebo macilento, e 
pensativo, que roto, e quasi despido, com 
huma corneta pendente do hombro, arri- 
mado sobre hum cajado...» António Vieira- 
Sermões, Tom. i, p. 32(5. 

Irá, doçura o Figo sustentando 
Cora mostras de pobreza no vestido. 
Açúcar pelo olho (listillando 
Com seu pó de cajado retorcido. 

MANOEL THO.MAZ, INSULANA, 1ÍV. I, oit. 94. 

— Figuradamente: Esteio, apoio. 

t CAJÁM, s. f. ou 771. ant. Forma in- 
termédia entre cajom e cajão ; vid. estas 
palavras. 

Elle achou 

Que era vossa salraçam 

morrer de tal cajaiii. 

CANC. DE RESENDE, fol. 196. 

t CAJÃN, s. m. Termo de Botânica. 
Género da familia das papilionáceas, tríbu 
das cajáncas. 

t CÀJÁNEA, adj. Termo de Botânica. 
Que se parece com o cajãn, 

— Cajáneas, s. f. pi. Secção da familia 
das papilionáceas. 

CAJANTE, adj. ant. (Alteração de cam- 
biante, resultante do desapparecimento 
da labial «b» diante do «i» palatal, que 
degenerou a sibilante palatal oj»; o pro- 
cesso phónico é o mesmo que se deu em 
sages (vid. esta palavra), de sábio, loja, 
(vid. esta palavra), do goth. laubja, etc. 
Cambiante. = Usado nas Constituições 
do Bispado de Coimbra, n.°14, 2, § 2. 

CAJÃO, s. /. ou w. ant. (De cajom, e 
este de occasiom, antiga forma de occa- 
sião. O «o» inicial desappareceu como em 
7-elogio, de ho7-olugiu7n, Lisboa, de Olisi- 
po7ie (S. Isidoro), reginal (Viterbo, Eluc), 
de origÍ7ial, etc. Occasio designava em 
latim, sem duvida, geralmente uma occa- 
sião propicia, mas occasus tinha na épo- 
cha archáica o sentido de occasio, na épo- 
cha clássica e na post-classica unicamen- 
te o sentido de queda, ruina, desgi'aça, 
morte; assim este desenvolveu-se d'aquel- 
le, como se deu na palavra occasio, no 
campo da lingua portugueza.) Occasião. 

— Orden. Affonsina, Liv. i, f. 29. — Caso 
accidental. Desg^raça, desdita, desastre. 

— ííD{ze7ido que se queria pôr em cajões^ 
que lhe não comp7-iamv .i> Fernão Lopes, 
Chron. de D. João I, cap. 166. — aOccu- 
pação d'amures he stijeito a cajães.» Jor- 
ge Ferreira de Vasconcellos, Euphrosina, 
ProZ. = Usado também por Barros, De- 



cAju 



CAL 



CALA 



35 



cada I, p. 27, etc, e ainda por Francisco 
Manoel de Mello, mas não como palavra 
do seu tempo : 

Orelha è forte cajão 

Qae iadà bem borne nom saya. 

OBRAS MKTRICAS, psrt. 11, p. H. 

— Francisco José Freire põe a pala- 
vra na lista das antiquadas. Vid. Cajom. 

CAJASEIRO, s. m. (De cajá, por analo- 
gia dos nomes das arvores em zeiro ou 
seiro, como cacaoseiro, cafeseiro, etc.) A 
arvore que dá o fructo chamado cajá.= 
Usado por Simào de Vasconcellos, Noti- 
cias do Brazil, p. 266 (1." ed.) 

CAJATI, s. m. (Palavra brazileira.) Ar- 
busto do Brazil, de casca grossa e folha 
similhante ás do loureiro, que dá um fructo 
do tamanho de mn abrunho. 

CAJEPUT, s. m. Arvore das Molucas, 
de cujas folhas se extrahe um óleo esver- 
deado, muito volátil, reputado em maté- 
ria medica como estimulante, sudoritico 
6 antispasmodico. — Termo depharmacia. 
O óleo extrahido das folhas da arvore cha- 
mada cajeput. 

CAJOAR, V. n. ant. (De cajom). Expe- 
rimentar desastre, ferir-se por desastre. 

— «êhí aquesta seitema parte da manei- 
ra como dos perigos e cajoões, que per 
myngua de hem saber cavalgar ^ e avisar- 
se dos que de cavalLo muyto cajoam, enten- 
do screver aquelles avysamentus que me 
boas parecem pêra de gram parte delles 
scerem guardados.» D. Duarte, Livro da 
ensinança de bem cavalgar, Part. viii. 

— «He de saber que per estas cinquo par- 
tes fallecemos em myngua de nus saber- 
mos das cajoões avisar: primeiro, per 
na testa mal nos sabermos teer, e cayndo 
delia nos cajoarmos.» Ob. cit. 

CAJOM, s. /. e m. ant. A primitiva 
forma de cajão, usada até ao século XV 
em que se mudou em cajam, d'onde ca- 
jão. — <tPopulou aqueste logo de grande 
Villa; e por esta cajom, desto tempo em 
ca, houve per nome Pena-Gedeon.» Doe. 
ant. em Viterbo, Eluc. 

E venho voro dizer 
Senhor do meu coraçon, 
Que possades entender 
Como prendi cajou, 
Quando vos fui ver. 

CANC. DE D. DINIZ, p, 27. 

— Também se acha escripto caion, «i» 
por «j». 

Cá eslas (cslás) cm l;il caion 
Que sol concelho non vos sey. 

OB. ClT., p. 16G. 

CAJU, s. TO. (Palavra americana). Fru- 
cto da America meridional, cuja amêndoa 
é muito saborosa e se emprega em con- 
feições. = Usado por Simào de Vascon- 
cellos. 

t CAJÚ-BARAEDÀM, s.f. (Palavra asiá- 
tica). Arvore da índia, de fructos comes- 
tíveis c cobertos de espinhos. 

CAJUEIRO, s. m. (De caju, com o suili- 
xo «eiró»). A arvore que produz o cajíi. 

t CAJU-FANGES, s. /'. Arvoro das Mo- 



lucas, de cuja casca sáe um sueco leitoso, 
que se emprega como verniz. 

t CAJUFUTI, s. m. Termo de Botânica. 
Synonymo de melaceuca. 

CAJÚRI, s. m. (Palavra asiática). Es- 
pécie de palmeira, mais baixa que a 
usual. — «As fazendas de Damão cons- 
tam de Várzeas de arroz, e muitos caju- 
ris, que sam como estas palmeiras de Por- 
tugal, mas mais baixas, de que se tira 
hum licor para fazer vinho». Padre Ma- 
noel Godinho, Relaçam do novo caminho, 
p. 15 (I." ed.) 

CAJUSÉIRO, s. ?«. (De caju, por ana- 
logia dos nomes de plantas em «seiro»; 
vid. Cacaoseiro, etc.) O mesmo que Ca- 
jueiro. 

t CAKILA, s. f. Termo de Botânica. 
Pequeno género da familia das crucíferas, 
planta carnuda cuja espécie é a cakila 
das areias. 

t CAKILÍNEA, adj. (De cakila.) Termo 
de Botânica. Que diz respeito á cakila. 

CAKILÍNEAS, s. f. pi. Tribu da fami- 
lia das crucíferas, a qual tem por typo o 
género cakila. 

CAL, s. /. (Do latim calx, cujo the- 
ma cale se encontra também em calculus 
(vid. Calculo), e cuja raiz é cal, ser duro, 
que se encontra em callo (vid. esta pa- 
lavra). Substancia que se encontra a cada 
passo em a natureza, principalmente em 
combinação com o acido carbónico, no 
mármore, pedra de cantaria, etc, ou com 
o acido sulphurico no sulfato de cal, conhe- 
cido pelo nome vulgar de gesso. — Cal 
viva, a cal separada do acido carbónico 
por meio de um fogo intenso nos fornos 
de cal. — Cal hydratada, a cal sobre que se 
lança agua fria, o que produz uma gran- 
de etfervescencia, e elevação de tempera- 
tura, em resultado da qual a cal se dis- 
solve e forma com a agua uma pasta pura 
e branca, em que se observam qualidades 
alcalinas muito pronunciadas. — Cal extin- 
cta, a cal hydratada depois de estar esfria- 
da. Com esta cal fórma-seamais solida ar- 
gamassa. — Cal hydraulica, a cal que en- 
durece debaixo da agua. — Cal magra, a 
que não toma maior volume quando se lhe 
lança agua. — Cal r/oí-c/a^aque augmenta de 
volume quando se lhe lança agua. — Fa- 
zer cal. — Dar cal, caiar. — Pedra de cal. 
— Leite de cal, cal extincta, e diluida em 
quantidade sufficiente de agua, para que 
se possa estender com um pincel. 

— Termo de Chiraica. Protoxydo de 
cálcio, alcali obtido por meio da calcina- 
ção dos carbonatos calcários naturaes. — 
Termo da antiga Chimica. — Cães metalli- 
cas, todos os oxydos, de còr mais ou me- 
nos similhante á da cal, obtidos calci- 
nando os metaes. 

— Loc. : Negocio de pedra e cal, ne- 
gocio solido, que satisfaz a todas as con- 
dições de segurança. — Cousa feita de 
cal de areia, cousa muito solida. — «Cal 
sem areia chamavão o estilo di^satado, e 



solto de Séneca.» António Pinto Pereira, 
Historia da índia, Prol. 

— Obs. gramm.: o plural de cal é cães 
pela syncopa do «1» final, como em saes, 
de sal : mas a homonymia com cães, s. 
m., faz adoptar a alguns a forma cales, 
fundando-se em que de mdl, também ex- 
cepcionalmente se faz males, etc. Mas a 
homonymia evita-se pelo facto de que cães 
é masculino e cal feminino, sem ser ne- 
cessário recorrer a maiores distincções na 
maioria dos casos. Aqui, como em nume- 
rosos outros casos, é simplesmente o ar- 
bítrio de cada um que decide, por isso que 
a lingua ainda não se acha fixada por 
uma cultura grammatical, séria e fundada 
sobre o conhecimento íntimo da índole da 
lingua. 

CÁL, s. m. ant. (De canal, pela syn- 
copa do «n», que se dá também em soar, 
do latim sonare, moeda, do latim mone- 
ta, miúdo, do latim minutos, pessoa, do 
Isíúvcí persona, boa, do latim bona, coroa, 
do latim corona, etc, seguida da con- 
strucção dos dous «aa» que se acharam 
em contacto em virtude d'essa syncopa). 
Gotteira, cano por que escoam as aguas 
do telhado. Orden. Manuelina, Liv. i, tit. 
49, § 41 e 42.= Usado também como 
feminino na Obr. cit. 

CÁL, s. f. ant. (Do latim callis, e no 
hespanhol calle). O meio da rua, o espa- 
ço entre os passeios. = Usado por Fer- 
não Lopes, na Chronica de Dom João I, 
Part. I, cap. 133. 

t CAL, adv. Forma antiga de Qual. 

■ . . . E pêro DOzir 
Nem me devia desamor 
Cal que no ben nõ a melhor. 

CiXC. DE D. DLMZ, p. 15. 

CALA, s. /. (Jal propõe a etymologia 
do grego khala, forma dórica de khêlê, 
lados dum porto que figuram um forcado, 
mas os sentidos de cala, nas diversas lín- 
guas românicas, levam-nos a uma idèa 
fundamental que nos força a nào acceitar 
uma tal etymologia. Em francez ca^e, si- 
gnifica : \.° O porão do navio. 2.° A par- 
te inclinada d'um barco. 3." Plano incli- 
nado para o mar, que serve para construir 
ou reparar os navios, isto é, estaleiro. 
4." Um castigo que consiste em deixar 
cair muitas vezes o culpada na agua. 5." 
(Antiquado), abrigo entre duas pontas de 
terra ou de rochedos. 6." Chumbo que 
faz descer o anzol na pesca do bacalháo. 
A significação fundamental, que foi des- 
coberta cm todas essas significações se- 
cundarias, é a de descida. O italiano ca- 
lata significa descida, e vem evidente- 
mente de calare, abaixar, fazer descer, 
arruinar, que se diz propriamente das ve- 
las e corresponde por consequência ao 
fraucez caler; vid. o portuguez Calar, 
abaixar. A palavra cala deriva, pois, sem 
dúvida alguma, deste verbo). Pequeno 
porto ou enseada aberta u'nm recife, cos- 
ta ou entre montes. — tLevando porém 



36 



CALA 



CALA 



CALA 



assy o Bragantim arrombado até Man- 
çor, en cuja cala demonstraram de noite 
a carrega e estancaram sua Justa», chro- 
nicado Conde D.Pedro, cap.52. — «Huma 
cala ou calheta, onde se jjóde surgir covi 
naosi). Manoel Pimentel, Arte Pratica de 
Navegar. 

CALA, s. /. (De calar, abrir, penetrar). 
Abertura c^ue se íaz no melào, melancia 
e no queijo, para conhecer a sua quali- 
dade. — Lomjjrar ou tomar á cala, com- 
prar ou tumar com a coudiyào de poder 
eugeitar a Iructa, veriticaudo-se, por meio 
da cala, que nào é boa. Abertura ou en- 
talhe teito pelos pedreiros n'um muro ou 
parede para reconhecerem a sua espessura 
e estadu. Figuradamente : Prova, re^JUta- 
çâo. — «AlAltTiil. Ura iJois,tíeuhor, o Au- 
to que tal dizem <jue he, porque hum Au- 
to enfadonho traz mais sonmo comsigo 
que liuma pregação conqjrida) MuUDUMO. 
tSeuhur, ijor bem mo venderão, e eu o to- 
mei á cala de sua boa fama». Camòes, 
El-Kei Seleuco, FroL 

— Luc;. : Fazer cala, penetrar. — í'ez 
cala a vuz no peito. Jiistas idéas fazem 
cala no intimo do espirito. — Ter cala alta 
ou prujunda, estar protundameute pene- 
trado. — 'Ter a cala alta, ser ditiicil de 
penetrar, de comprehender, de conhecer, 
de experimentar. A philosophia de Kant 
tem a cala alta. — Aquelie velho tem a 
cala alta na malicia. 

CALABAÇA, s. /. (Tratando da ety- 
mologia de cabaça démol-a por duvidosa, 
e julgamos hypotheticamente a palavra 
couuexa com cabaz, etc, mas essa con- 
uexào nào c admissível; cabaça vem de 
calabaça ; mas calabaça d'(jnde vem ? O 
hespauhol tem caíabaza, o catalão cara- 
bassa, o sciciliano caravazza, o trancez 
calebasse. Diez propõe como etimologia o 
árabe kerbah, no plural kerabut , odre 
pura agua, o que leva á noçào tunda- 
mental que nos tez pôr cabaça em con- 
nexào com cabaz, etc. j mas nem Dozy 
nem Engelmann dizem uma única pa- 
lavra acerca de tal etymoiogia, o que 
nos iaz desconliar de que o prutundo fun- 
dador da philologia românica se tenha 
deixado dirigir por um máo guia no cam- 
po do árabe, como lhe succedeu algumas 
vezes. A etymoiogia de cabaça e calabaça 
Uca, pois, mysteriosaj. O mesmo que Ca- 
baça. — Clual calabaça! expressão vulgar 
em que se allude, segundo Bluteau, ao 
vão da cabaça, e que equivale a — nào sei 
para que, etc. — Acha-se também em En- 
fermidades da Lingua, p. 144. 

CALABOÇO, ou CALABOUÇO, s. m. (O 
hespauhol tem caiabozo. A palavra pôde 
ser composta de cala, e bosso, por fosso ; a 
mudança do «f» em «b», comquauto uíío 
frequente, apresenta-se todavia n'algumas 
palavras; taes são acebo, (ant.) aceboo, de 
aquifolium [cp. cabido, ãecapitulum, etc.), 
e abrego, de africo. A difficuldade está 
em cala, c^ue derivando de um verbo que 



significa abaixar, não se apresenta toda- 
via com o sentido de baixa, que devia 
ter na palavra, em nenhuma parte em 
que appareça independente ou em com- 
posição. O processo, todavia, não é impos- 
sível. Cp. Calacorda e francez bassefosse). 
Prisão subterrânea e escura em que se 
mettem os grandes criminosos. — iMetem- 
710 com Eijitacio no mesmo calabouço». — 
Jorge Cardoso, Agiol. Lus., lli, 'àlò. — 
Prisão militar. 

CALABRE, s. m. (N'esta palavra, como 
n'outras, a confusão resultante da influen- 
cia de outras formas similhantes, mas de 
origem diversa, têm influído sobre a 
sua significação, diíSculta a etymoiogia. 
O francez cãble vem -necessariamente do 
latim capulus, o portuguez cabre, cabo, 
do francez câble; qual é pois a origem 
de calabre ? Em provençal temos calabre, 
mas com a significação de machina de 
guerra para arremessar pedras, ou abrir 
brecha, que n'este sentido é explicado 
de ditierentes maneiras pelos etymologis- 
tas. A questão da palavra portugueza, 
cremos, resolve-se da seguinte forma : De 
cabre, francez (câble), com metalhese do 
«r», carbe; como de chronica, popular 
caronica, de farpa, esfarrapar, de cranc 
(de câncer), caranguejo (vid. esta pala- 
vra), de braço, baraço, assim de cabre, 
carbe, carabe, calabre. Doutro lado, nas 
linguas românicas^ calabre, denomiçao de 
uma machina de guerra, nào veio prova- 
velmente do grego katabolí, mas muito 
melhor de cabra (vid. Cabra, termo de 
mechanica), cabre, como conjectura muito 
bem Wedgwood ; assim temos cabre, ca- 
rabe, calabe, calabre (o « r » introduzido 
é frequente ; vid. calibre, fralda, jeltro, 
estreito, etc), um parallelo a cabre (fran- 
cez cãble), carbe, carabe, etc. Calabre, 
de cabra , por ser uma palavra desi- 
gnando uma machina de guerra de uso 
muito espalhado na edade media, de- 
via naturalmente existir em portuguez, 
comquanto não fosse indicada a sua exis- 
tência em nenhum documento, e d'ahi ter 
influído necessariamente na formação de 
calabre, de cabre (trancez cãble). Alguns 
dos nossos antigos escriptores suppunham 
que a forma cabre era secundaria, cala- 
bre a fundamental, por isso que segundo 
o seu costume de indicarem uma synco- 
pa por meio da vogal duplicada, escreviam 
caabre e não cabre. — a A galee delRey 
perdera ia três calabres com suas ancoraso. 
Fernão Lopes, Chronica de D. Pedro I, 
cap. 30). Termo de Náutica. Corda grossa 
breada, amarrota para vários usos. Cabo 
com que se ata a verga ao mastro. Cabo 
em que a náo se agarra em terra. — 
Calabre da amarra. — Calabre 2}(''>'u al- 
^^^ly_ — Corda grossa de piassaba a que 
se ligam e com que giram os alcatruzes 
da nora. 

CALABREÁDA, s.f. (De calabrear, for- 
ma de natureza participai). O mesmo que 



Calabreadura. — Figuradamente : Troca 
de pessoa ou cousa fingida pela verdadeira; 
troca burlosa.=Usado por 8á de Miranda. 

CALABREADURA, s. f. (Do thema cala- 
brea, em calabrear, com o suffixo «dura»). 
Acção e etieito de calabrear. — Calabrea- 
da, no sentido figurado. 

CALABREAR, v. a. (?) Misturar, tem- 
perar, adubar. — Calabrear vinhos, mis- 
turar ditterentes espécies d'elles. — Gui- 
sar. — Preparar. — Figuradamente : Ca- 
labrear a vida, tenteal-a, dirigil-a bem. 
Jorge Ferreira de Vasconcellos, Aulegra- 
phia. — Confundir. — «O tempo baralha 
tudo, e calabrea boas opiniões, máos cos- 
tumes.» Idem, Euphrosina, act. i, se. 3. 
— Perverter. — aPurem sabeis vos em 
que eu acho que consiste toda fidalguia, 
honra, riqueza, discripçào, e quanto mais 
quiserdes ? primeiramente em o homem se 
prezar de bom Christão ; fugir de de- 
mandas, porque calabreão muito a boa 
consciência». Idem, Ulyssipo, act. v, se. 
5. — Levar ao caminho da seducção, fa- 
zer prostituir a mulher. — «Hyp. Queria 
meu amigo saber de Florença em que tra- 
tos anda, que ha três dias que não posso 
entender onde a bêbada da mãy a tem em 
taibo: e cuido que me faz isto por me 
fazer cacha. Bar. Falo-ha ella pior seic pro- 
veito, que nessas meijoadas sempre ha pa- 
godes, e bom vinho, que para ella he o 
próprio recramo. Hvp. Segundo isso, ten- 
des pêra vos que ma calabreou?» Ob. cit., 
act. I, SC. 4. 

CALABRÈTE, s. m. (Diminutivo de ca- 
labre). — aE estando nós neste trabalho. 
Com o convés todo empachado de amar- 
ras, e calabretes que quasi nos não po- 
díamos revolver, nos sayrão de dentro do 
rio dous juncos muyto grandes, forçados 
de bailéus postiços de popas e proas, com 
suas sobregavias de toldos de seda... » 
Fernão Mendes Pinto, Peregrin., cap. 46. 

CALABRÊZ, adj. e s. Da Calábria, na- 
tural da Calábria. 

t CALÁBRICO, adj. (De calabria, com 
o suffixo «ico»). Termo poético. Que per- 
tence á Calabria, ou provém da Calabria. 

CALABRÔTE, s. íh. (De calabre, com 
o suffixo diminutivo oote»). Calabre pou- 
co grosso. — «Com hum calabrote/oríe.» 
Jacintho Freire, Vida de Dom João de 
Castro, p. 198. — Termo de Náutica. Pe- 
daço de cabo com que se castigam os ma- 
rujos. 

t CALABURO, s. m. Termo de Botâni- 
ca. Grande arvore liliácea da ilha de S. 
Domingos. 

t CALAC, s. m. Termo de Botânica. 
Género da família das apocyneas, que se 
encontra na índia e Arábia. 

CALAÇA, s. f. ant. (?) Termo que em 
antigos documentos parece designar uma 
parte incerta do porco. Viterbo suppõe 
ser costa ou banda ; João Pedro Ribeiro, 
talvez por causa da identidade das trez 
primeiras letras e por mais nada, guppSe 



CALA 



CALA 



CALA 



a? 



que designava a caluga. — «Calaça e meia 
de carne. y> Foral dado por D. Manuel á 
terra de Paiva. 

CALAÇÃO, s. m. Augmentativo de ca- 
laça. 

Da rolki soo sse faria 

huum íayism, 

que cercasse o caiação. 

CA.NC. DE REZENDE, 1, 1^5 ^fol. iOU V. 

da i.* ed.; 

CALAÇARÍA, s. /. (Do thema de cala- 
cear, com o suffixo «ária»). Acto de ca- 
lacear ; vida de calaceiro ; habito de ca- 
lacear. = Usado por Diogo de Couto, etc. 
Gulosidade, gula. — Cubica. 

CALACEAR, r. n. (For calaceirar, que 
se formaria regularmente de calaceiro, co- 
mo se existisse um substantivo calaça, de 
que derivassem calaçaria, calaceiro, etc. 
N'esta3 e semelhantes formações ha sem- 
pre influencia dos processos usuaes em 
que dum thema fundamental se parte 
para as formas derivadas (como de ca- 
beça para cabeçalho, cabecaes, cabeceira, 
etc), de modo que dado um derivado se 
suppoz um primitivo hypothetico de que 
os outros derivados connexos provêem 
regularmente). Vadiar, viver como cala- 
ceiro. =Colligido por Agostinho Barbosa. 
— Mendigar. — o Com a qual resposta elle 
nos viandava soltar, se hum dos escrivães 
lhe iiào fora á mão dizendo que o não fi- 
zesse, porque éramos vadios, e vagabun- 
dos, que gastávamos a vida em calacear 
de porta em porta comendo indevidamente 
as esmolas que nos davão.D Fernão Men- 
des Pinto, Peregrinações, cap. 84. 

CALACEIRO, s. m. (Moraes por acaso 
propõe uma etymologia acertada para esta 
palavra, o hespanbol calabacero, que na gi- 
ria popular designa o vadio, o ladríio que 
furta com gazua). Vadio, homem ocioso. 

Fábio, esle exemplo vos Irago, 
Para ii3o ser calaceiro, 
Que isso lie sair a campo. 
Sempre tem cousa de Duello. 

ANT. DA FONSECA, ROMANCE A USS ENCONTROS. 

CALACERÍA, s. /. Outra forma da pa- 
lavra Calaçaria. 

CALACÒRDA, s. /. (De cala, abaixo, e 
corda, a . . .porque aos mosquetes se dava 
fogo com corda accesa ou murrão posto em 
uma serpe. -o Moraes). Termo antigo de 
Milicia. Toque especial de tambor para 
se dar a descarga. 

CALADA, s. f. (De calar; forma de 
natureza participai como os substantivos 
comida, bebida, entrada, saida, etc.) O 
silencio que resulta de estarem todos ca- 
lados, homens e aaimaes. — Figurada- 
mente: calada de ventos, cessação, falta 
de ventos. — a Durou esta calada de ven- 
tos muitos dias.r) Fr. Luiz de ÍSousa, 
Vida do Arcebispo, Liv. vi, cap. 24. — 
Calada de remos, voga surda. — «E con- 
tinuando por esta ordem seu caminho foy 
dar nua grandissima quantidade de na- 
vios grandes e pequenos, que segundo o 
esmo de algus, serião mais de duas mil 
vellas, e passando a calada do remo por 



entre elles, chegou ao lugar, que era hua 
povoação de mais de dez mil vezinhos.n 
Fernão Mendes Pinto , Peregrinações , 
cap. 42. 

— Loc. : Pela calada, em segredo, 
cautelosa e occultamente. — Elle sabe fa- 
zer as cousas lá pela sua calada. — Pela 
calada da noute, no socego e silencio da 
noute. — Boa calada pi<^''<^ coelhos, diz-se 
quando n'uma companiiia todos se calam, 
alludindo ao silencio com que se esperam 
os coelhos. — Pela calada, insensivel- 
mente =Bluteau. 

— Syn. : Calada, Silencio. Calada re- 
fere-se unicamente a ausência da voz do 
homem e dos animaes. — Silencio designa 
a ausência completa de ruido. Pela cala- 
da da noute ouve-se o murmúrio dos ri- 
beiros. Nada quebra o silencio do de- 
serto. 

CALADAMENTE, adv. (De calada, com 
o suftixo «mente». Na cacographia por- 
tugueza apparece a palavra como todas 
as derivadas do verbo calar, escripta com 
dous «11»). Sem pronunciar palavra; si- 
lenciosamente. — (íComo a maré começou 
a encher, que seria ja (jnasi meya noite, 
levou a amarra muyto caladamente, e 
passou adiante para onde tinha visto os 
fogos. ■!> Fernão Mendes Pinto, Peregrin., 
cap. 42. — Figuradamente: A occultas, 
em segredo. — « Fezeram calladamente 
humma tal aveença». Fernão Lop., Chro- 
nica de D. Pedro I, cap. 30. — aPero la 
mandou seu recado, perque lhe escrepveo 
elliey calladamente doutra guisa que se 
lhe nom dessem. >> Idem, Chronica de D. 
Fernando, cap. 22. 

CALADARÍS, s. m. (Palavra asiática). 
Panuo de aljrodào com listas vermelhas 
e negras, que vem das índias orientaes, 
e particuianneute de Bengala. 

t CALADÉNIA, s. /. (Do grego kalós, 
bello, e ádên, glândula). Termo de Bo- 
tânica. Género de plantas da familia das 
orchídeas arethúseas, originarias da No- 
va Hullanda. 

t CALADIÉA, adj. Termo de Botânica. 
Semelhante ao caládio. 

CALADIÉAS, s. /. pi. Tríbu de plan- 
tas da familia das aroides. 

CALADIGÃO, s. m. Casa de audiência 
na China, destinada para a execução dos 
padecentes. = Usado por Fernão Mendes 
Pinto, Peregrin., cap. 103. 

t CALÁDIO, s. m. Termo de Botânica. 
Género de plantas da familia das aroi- 
des. 

CALADO, part. pass. de calar (não fal- 
lar^ e adj. (^ue esteve ou está sem pro- 
nunciar palavra. 

Calíaila um pouco, como se entre os deotei 
Se llie impedira a lalla piedos,i, 
Torua a seguil-a; e ludo por diante, 
Llie atalha o poderoso e grío ronaule. 

— Que tem o habito de não fallar, ou 
fallar pouco. Um homem. — «O parvo 
calado, por sábio e reputado». Adagio. 
— Estar, Jicar calado, estar, ácar sem 



pronunciar palavra ; sem deixar escapar 
um som. 

Em quanto o amimo, em quanto delle fio. 
Está calado, e quedo; e em quaoto o fogo 
Lhe aquen'-a o brando corpo, e vence o frio. 

ANTÓNIO FERREIRA, BGLOG. VU. 

— Não divulgado, que anda em segre- 
do. — Trazer uma cousa calada, nào fal- 
lar n'ella. — o Antes que el-Rei dormisse 
com ella, primeiro a reçebeo por molher, 
presente sua irmãa e outros, que esta cou- 
sati-aziam callada." Fernão Lopes, Chro- 
nica de D. Fernando, cap. 57. — Enco- 
berto. — (iPutas caladas.» Provas da His- 
toria Geneal. da Casa Real, v, 609. — 
(íVoga calada», voga surda. Fernão Lo- 
pes Castanheda, Part. Ili, cap. 101. 

— Calada, part. pass. de calar na ac- 
cepção de abaixar, e adj. Descido, abai- 
xado. — Elmo calado. — Viseira calada. 
— (íAs arvores secas, os mastareos cala- 
dos, as vergas abatidas.» António Viei- 
ra, Sermões, v, 323. — Baioneta calada, 
posta na bôcca da espingarda e abaixada 
contra o inimigo. — As tropas de Napo- 
leão I precipitavam-se á baioneta calada 
contra o inimigo. 

— Calado, part. pass. de calar na ac- 
cepçào de penetrar, e adj. Penetrado, re- 
passado. — « Os vestidos Ccdados de agua.» 
Bernardes, Floresta, v, p. 7. 

CALADO, s. 7?i. (^Fórma de natureza 
participai, de calar). Caia, abertura. — 

<íA cruz de prata, em que está, he 

de dous braços, a modo primacial obrada 
com tal artijicio, que pelos calados se toca 
o mesmo santo hnho.» Jorge Cardoso, 
Agiologio Lusitano, iii, 54. 

CALADÚRA, s. /. (De cala, com o suf- 
fixo o dura» j. Acção de calar ; a abertu- 
ra que se faz calando. =Usado por Fran- 
cisco Rodrigues Lobo. 

CALAFATE, s. m. (De calafetar). Offi- 
cial que calafeta navios. — a A elles am- 
bos, um por ser carpinteyro, e outro por 
ser calafate, dera a vida». Fernão Men- 
des Pinto, Peregrin., cap. 40. 

t CALAFE, s. m. Termo de Botânica. 
Espécie de salgueiro do Egypto. 

CALAFETAÇÃO, «. m. (Do thema cala- 
feta, em calafetar, com o sufiixo «açãO"). 
Acção de calafetar. — Calafetagem. 

CALAFETADOR, s. vu (Do thema cala- 
feta, em calafetar, com o sufdxo «dor»). 
Instrumento de ferro com que os tanoei- 
ros calafetam os toneis. 

CALAFETAGEM, s. /. (Do thema cala- 
feta, cm calafetar, como sufãxo «agem'). 
A estopa mettida nas junturas das em- 
barcações para as calafetar. 

CALAFETAMENTO, 5. »i. (Do thema ca- 
lafeta, em calafetar, com o suffixo «men- 
to»). Acção de calafetar. — Obra de cala- 
fate ; a parto calafetada. 

CALAFETAR, v. a. (Segundo Engel- 
mann, foi sem razão que se quiz derivar do 
árabe esta palavra. Eis o que nos diz este 
sábio. «Segundo M, Jal ^Glossaire uauti' 



38 



CALA 



que, p. 388), calfater foi primeiramente 
aquecer o navio (calefucere) ; o aquecedor 
foi ao mesmo tempo um operário hábil era 
reparar o navio, um carpinteiro cuja tunc- 
ção especial foi encher as fendas da ma- 
deira com estopa e cobril-as com pez ou 
breu.» A signiticaçao primitiva, aquecer, 
e as formas calfaicter, calfacter, calfe- 
cter, calefecter que se encontram no an- 
tigo francez, parecem-me pôr fora de dú- 
vida a derivação de calefacere, ou cale- 
f adere. É unicamente por acaso que o som 
d'essas palavras tem alguma semelhança 
com o substantivo árabe kilfa, estopa, e 
o verbo calafa, de que os turcos tiraram 
o seu calfat e os verbos calfat e etmek e 
calfallamac. O verbo árabe moderno djal- 
faia, que se encontra mais de uma voz 
em Edrisi (cp. cal/ata em Bocthor), nada 
tem de commura cora esse calafa, e sem 
dúvida foi recebido das línguas occiden- 
taes. Em quanto ao kalaphatein dos gre- 
gos modernos, nào ouso dizer se veio do 
italiano ou do turco.» Eis a opinião de 
Engelraann. Dozy diz-nos que o verbo 
djalfalta, não é, como aquelle sábio pre- 
tende, uma palavra moderna no árabe, pois 
se acha já n'uma carta do califa Uniar i, 
e que djUnfát (calafate) seria, segundo 
Ibn-Doraid, uma palavra syríaca, o que 
não invalida o resto da argumentação de 
Engelmann. Littré opta ainda pela ety- 
mologia árabe. Nós cremos que a palavra 
árabe kilfa e seus connexos tenham rea- 
gido sobre a significação do românico ca- 
lefacere, calefactare, e que d'ahi nasça 
a confusão que torna a etymologia duvi- 
dosa). Pôr estopa e por ciraa cebo e alca- 
trão nas junturas, buracos e fendas d'um 
navio. — Tapar buracos, fendas, gretas 
d'uma casa, para que não entre o ar. 

— Calafetar se, v. rejl. Figuradamente : 
Precaver-se, pôr-se ao abrigo de qualquer 
eventualidade. Calafetar-se alguém de fin- 
givwnto, armar-se de fingimento para que 
as suas intenções não sejam conhecidas. — 
Agasalha r-se, pôr-se ao abrigo do frio. 

CALAFETE AR, v. a. (De calafate). O mes- 
mo que calafetar. = Usado na Relação do 
descobrimento da Florida, etc. 

CALAFETO, s. m. (Do thema calafeta, 
em calafetar). Termo de náutica. Calafe- 
tamento. Calafetagem. — Cousa com que se 
cobre ou agasalha parte do corpo.- — «A 
casca de seus troncos serve para calafeto 
dos braços. 1) Simão de Vasconcellos, Noti- 
cias do Brazil, p. 264 (l.*ed.) 

CALAFRIOS, s. m. pi. Vid. Calefrios. 

CALAÍM, s. m. (Do árabe cala', que, 
ou vem do malaio kelang, estanho, ou é 
derivado de-Cala'a, nome d'unia cidade na 
índia onde se extrahia o estanho). — Es- 
tanho da índia. — li Prezão muito o estanho, 
ou calaim.» Diogo de Couto, Dec. VII,fol. 
78. 

CALAJUÀLA, s.f. (Palavra americana). 
Espécie de feto, cuja raiz, vinda da Ame- 
rica, é usada em pharmacia. 



CALA 

f CALALÚ, s. m. Planta da Guiana, 
da família das cucurbitáceas. — Espécie de 
sopa das colónias da America, que os 
crioulos comem em cada refeição. 

CALALÚZ, s. m. (Palavra asiática). Pe- 
quena embarcação de remo, usada na ín- 
dia. — líEste conselho pareceo tão bom a 
el Rei/, que aprovando pelo milhor emais 
acertado, mandou aperceber huma frota 
de cento e sessenta vellas de que a mayor 
parte erão lancharas, e galeotas de remo, 
com alguns calaluzes da Java, e quinze 
navios dalto òordov. Fernão Mendes Pin- 
to, Peregrinações, cap. 26. 

N'cste tempo da terra para a armada, 
Baiofns, e calaluzes cruzar vimos. 

SÀ DE MENEZES, MALACA CONQOISTADA, 1ÍV. Ill, 

est. 44. 

CALAMÁÇO, s. m. (De origem desconhe- 
cida. Será uma palavra composta do pri- 
meiro elemento cala, que se encontra no 
francez calamande, calmande, e no geno- 
vez cal amandre ?) Antigo tecido de seda. 
CALAMAR, s. m. (?) Lula. 
CALAMAGROSTIS, s. f. (Do grego ká- 
lamagrostis, espécie de canna). Termo de 
Botânica. Género da familia das arundi- 
náceas. 

t CALAMANTHO, s. m. (Do grego kála- 
mos, canna, e anthos, espécie de pequena 
ave). Termo de Zoologia. Género formado 
por duas espécies de cystícolos das cannas 
da Nova liollanda. 

CALAMARÍAS, s. /. pi. Termo de Bo- 
tânica. Género de plantas muito análogas 
ás cannas, ou que tem tronco em colmo 
ou canna esponjosa, triangular, sem nós. 
CALAMBÁ, s. /■. (Palavra asiática, que, 
segundo Bluteau, significa doença da ar- 
vore). Lenho aloé, aromático. = UsMdo por 
Fernão Mendes Pinto e Barros, Dec. I, 
foi. 17, etc. 

CALAMBÚCO, s. m. (Palavra asiáti- 
ca). O mesmo que calambá, segundo Blu- 
teau, mas menos oleoso e odorífero. — 
Contas de calambuco. — Rosário de calam- 
buco. = Usado por Francisco Manoel de 
Mello e António Vieira. 

CALAMENTO, s. m. ant. (De cala, com 
o suflfixo «mento»). Acção de calar. — 
Falta de menção ou exposição. — «Letras 
guançadas per calamento da verdade nom 
devem valer.» Doe. de 1460 em Viterbo, 
Eluc. 

CALAMIDADE, s.f. (Do latim calami- 
tas, que, segundo Cossen demonstra e al- 
guns etymologistas da antiga escola ti- 
nham já previsto, vem de calamo, canna. 
Calamitas,em latim, significa em primeiro 
logar doença, damno, afiecção das canas 
e colmos; era um termo rústico; depois 
designou a geada e saraivada que produ- 
ziu aquelle damno ; d'ahi se desenvolveu 
depois o sentido geral que tem a pala- 
vra). Qualquer grande desgraça publica, 
A fome, a peste, a guerra são calamidades. 
— «Se perguntardes aos Grammaticos, 
donde se deriua este nome cala-midade : 



CALA 

Calamitas ? Responãer-uos-hão, que de Ca- 
lamo. E que quer dizer Calamo? Quer 
dizer canna, e penna; porque as pennas 
antigamente fazião-se de certas cannas 
delgadas. -D «,,., Se as pennas, de que se 
serue o rey, não forem sans, destes cala- 
mos se derivarão todas as calamidades pu- 
blicas. ^^ António Vieira, Sermões, I, 513- 
514. — Desgraça. — As calamidades da 
vida. — líEra de animo tão integro (Epí- 
teto), que cada hora dezafiava ao nosso 
Jujriter, pedindo que chovesse sobre elle 
as calamidades, com que os outros não po- 
dião.» Francisco Manoel de Mello, Apol. 
Dial., p. 155. 

t CALÀMIDE, adj. 2 gen. (Do grego 
kãlamos, penna, e eidos, forma). Que tem 
a forma d'uma penna. 

CALÁMIDES, s. m. pi. Termo de Zoo- 
logia. Familia da classe dos polypos ; que 
têm o corpo em fóriuas de tubo de penna. 
CALAMÍNA, s. /. (Da baixa latinidade 
calam ina j o francez tem calamine). Ter- 
mo da antiga Chimica. — Calamina, ou 
piedra calaminaria, oxydo de zinco car- 
bonatado nativo. — Terra betuminosa que 
serve para afinar o cobre, e empregada 
em Pharmncia. 

CALAMINÁR ou CALAMINARIA, adj. 
Vid. Calamina.- — « Cascas de ovos quei- 
madas, pedra calaminar lavada». Ma- 
deira, Morbo gallico, Part. vir, cap. 44. 
CALAMÍNTHA, s. /. (Do grego kala- 
minte, nome de planta). Termo de Botâ- 
nica. Synonymo e secção do género me- 
lissa. — Nome de varias espécies de hor- 
telã. — « Composição de calamita, e outros 
aromáticos». Idem, Ib., Part. i, cap. 35. 
CALAMISTRÁDO, pari. pas.de calamis- 
trar, e ac//'. Encrespado. Frizado. — «Nem 
se prezassem de madeixas cornadas de ca- 
bellos calamistrados, ondeados, e curio- 
sos». Chrysol Purificativo, p. 515. = Caí- 
do em desuso. 

CALAMISTRÁR, v. a. (Do latim cala- 
mistrare, que, comquanto não appareça 
nos léxicos, se deduz necessariamente de 
calamistratus , e deriva de calamister, 
ferro de frisar, do calamus, calamo, canna,, 
ferro, por causa da forma de instrumen- 
to). Encrespar, frisar ao ferro. 

1.) CALAMITA, s./. (O hespanhol tem 
calamida, o provençal e catalão caramida, 
o italiano calamita; a palavra é, pois, an- 
tiga nos idiomas românicos ; é derivada 
de calamo, canna, por meio do sufiixo 
«ita». A calamita punha-se em cima de 
uma canna ou palha para a fazer fluctuar). 
Antigo nome da pedra iman, e depois da 
bússola. — (íA calamita, que o Norte bus- 
ca, mudando sitios, se volta inquieta», 
Sebastião Varella Pacheco, Numero vo- 
cal, p. 477. 

2.) CALAMITA, s. /. (A mesma palavra 
que 1.) Calamita?) Uma das trez espécies 
de estoraque. — « Tomem Estoraque secco, 
que chamão calamita». Madeira, Morbo 
gallico, Part. i, cap. 29. 



CALA 

3.) t CALAMÍTA, s.f. Termo de Botâni- 
ca fóssil. Nome dado aos vegetaes fosseis, 
que pertencem ao terreno da iilha, e apre- 
sentara hastes simples, articuladas, com 
estrias longitudinaes e regulares, á feição 
de tubos reunidos. 

— Termo de Zoologia. Espécie de 
sapo verde com uma linha amarella nas 
costas e verrugas ruivas. 

CALAMITOSAMENTE, adv. (De cala- 
mitoso, com o suflixo «mente»). De modo 
calamitoso. 

CALAMITOSÍSSIMO, sup. de Calamitoso. 
=3 Usado por Fr. Luiz de Sousa. 

CALAMITOSO, adj. (Do latim calami- 
tosus). Em que ha calamidades. — Tetn- 
po calamitoso. — Terra calamitosa. = 
Usado por Amador Arraes n'este sentido: 
Que padece calamidades. — «Os vassalos 
de quem ganha as victorias também são 
calamitosos no sangue, nas vidas quej)er- 
dem, nos tributos. . .r> António Vieira, 
Sermões, serm. vni, p. 71. — Que pro- 
duz calamidades. — <sAs novas medidas 
tributarias são verdadeiramente calamito- 
sas para o paizs. 

CALAMO, s. m. (Do latim calamus ; 
vid. Colmo.) A canna dos cereaes, o col- 
mo. — «Nos calamos da cevada verde.» 
Diogo Bernardes Ferreira, Arte da caça, 
foi. 85, V. — <(E que quer dizer càlamo ? 
quer dizer canna, e penna.» Padre Antó- 
nio Vieira, Sermões, i, Õ14. — Figurada 
e poeticamente : Frauta. 

Em teu louvor empregue-se 

(Louvor c^m justo titulo) 

A cithsra e não sõ o agreste calamo. 

rZKskiy ALVARES DO ORreNTE, LCSIT. TRANSF-, 

liv. 1, prós. U. 

Do campo que o liquor banha Erimaniico, 
. Quem tão mal como tu poz nunca o calamo 
Na boca, dize, até o monte Atlântico ? 
OB. OIT., liv. in, prós. 8. 

— Gálamo aromático, canna medicinal. 
— «O calamo aromático he quente e secco, 
no segundo grão.» António da Cruz, Re- 
copilação de Cirurgia, p. 270, 

CALAMOCÁDA, s. /. (O segundo ele- 
mento é, sem duvida, mocada, influen- 
ciado por esta palavra; mas o primeiro é 
incerto. Vid. Calmorrear). Termo íamiliar. 
Pancada na cabeça. = Colligido por Ben- 
to Pereira. — Danno. ^= Usado n'este ul- 
timo sentido por Jorge Ferreira de Vas- 
concellos. 

CALAMOCÁDO, parf. pass. de calamo- 
car e adj. Que padeceu calamocada. 

CALAÍMOCAR, V. a. (Vid. Calamocada). 
O segundo elemento parece ser derivado 
de moca; vid. esta palavra). Dar pancada 
na cabeça. Ferir. — Damniticar. 

t CALAMODYTO, s. m. (Do grego kdla- 
mos, canna, e di/tes, de di/nô, escondo-me). 
Termo de Zoologia. Género do aves, sy- 
nonyino do gcnero acrocéphalo. 

1 CÀLAMOHERPE. s. m. (Do grego /v(<- 
Zamos^ canna, e herpô, escorrego.) Género 
de aves, que comprehende as toutinegras 
das cannas. 



CALA 

f CALAMÓPORO, s. m. (Do latim cala- 
mus, canna, e perus, pêro.) Termo de 
Zoologia. Género de polypos da familia 
das niiilepóreas. 

t CALAMOSPiZO, s. m. (Do grego há- 
íamos, canna, e spiza, tentilhão.) Termo 
de Zoologia. Género da familia das írin- 
gillas. 

t CALAMÓXYLÃO, s. m. (Do grego kd- 
la^nos, canna, e xijlon, madeira.) Termo 
de Botânica fóssil. Género de plantas fos- 
seis próximo das cicádeas. 

t CALAMPELO, s. m. (Do grego kálos, 
bello, e ampelos, a vinha.) Género da fa- 
milia das benónias, plantas trepadeiras 
do Chili. 

CALAMÚTE, s. m. (Palavra asiática.) 
Embarcação usada na costa do j\Ialabar. 

CALANDAR ou CALENDÁR, s. m. (Do 
persa kalandar, que se diz ter sido um 
sobre-nome ou apellido tomado por Jusuf, 
fundador da ordem dos derviches que têm 
aquelle nome). Nome de uma ordem de 
derviches. — <íOs que tomam esta vida, se 
sam do género gentio, chamão-lhe Jogues, 
e se são Mouros, calandares.» Barros, Dé- 
cada I, foi. 100. — «Huns se chamam Der- 
visios, outros calenderes ; outros Hugue- 
nales ; outros Torcules.» Padre ]\Ianoel 
Godinho, Relação do novo caminho, p. 
159 (1.=' ed.) i 

CALANDRA, s. /. (O francez tem ca- 
landre ; no baixo latim ha calendra, alte- 
ração de cylindro. Segundo Littré o «c» 
guardou o seu som guttural por se achar 
diante do «y», como no francez coing, de 
cydonium ; vid. Cylindro). Machina de 
repassar sedas, drogas de linho, etc., para 
as alisar e lustrar. Machina de assetinar 
papel. 

t CALANDRÁGEM, s. f. (De calandra), 
com o suffixo «agem», pelo modelo do 
francez calandrage.) Acto e resultado de 
calandrar. 

CALANDRAR, v. a. (De calandra). Pas- 
sar pela calandra tecidos, papel, para os 
alisar e lustrar. 

CALANDREIRO, s. m. (De calandra, com 
o sutlixo «eiró»). O ofíicial que calandra. 

t CALANDRÍNIA, s. m. (De Calandrini, 
nome de um botânico italiano). Termo de 
Botânica. Género da familia das portulá- 
ceas, plantas herbáceas da America aus- 
tral. 

t CALANDRITES, s. m. pi. Termo de 
Zoologia. Grupo dos insectos curculióni- 
des. 

f CALANO, s. m. Termo de Zoologia. 
Género de crustáceos da familia dos mo- 
nóclos. 

CALANTAR, v. a. (Vid. Caleutar). Aca- 
lentar. — «Calante-me com suas razões». 
Francisco iManoel de Mello, Cartas, Part. 
I, cent. 4. 

t CALANTHICA, s. /. (Do grego kalós, 
bello, c anthos, flor). Termo dArcheolo- 
gia. Ornato da cabeça usado pelas damas 
romanas. 



CALA 39 

t CALÁNTHICO, s. m. (Vid. Calanthi- 
ca.) Termo de Botânica. Espécie de co- 
gumelo. 

t CALANTHO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e anthos, flor). Termo de Botânica. 
Bella orchidea da ilha de Amboine. 

CALAO, s. m. Termo de Zoologia. Gé- 
nero de pássaros syndáetylos, que se en- 
contram em todos os paizes quentes do an- 
tigo mundo. 

1.) CALÃO, s. m. (Palavra indiana). Vaso 
de barro da índia. — ti Acharão os caloões, 
eí» que os da terra trazião a agoa.» Bar- 
ros, Década I, foi. 91. — Juramento de a- 
lão, prova judicial entre os cafres que con- 
sistia em encherem uma panella (ou calão) 
muito grande de agua com certas hervas 
que a fazem amarga e obrigarem o pade- 
cente a bebel-a toda. Lançal-a immedia- 
mente fora para provar a sua innocencia; 
ficando o crime como provado no caso de 
elle a não poder beber. =Bluteau e Frei 
João dos Santos, Ethyopia Oriental, Part. 
I, cap. 1. 

2.J CALÃO, s. m. (?) Género de barcos de 
pesca usados no Tejo. Embarcação cos- 
teira do Algarve. 

3.) t CALÃO, s. m. (?) Giria dos la- 
drões ; geringonça. 

t CALAPITA, s. f. Concreção pétrea 
que apparece algumas vezes no interior 
dos cocos, e de que os habitantes das Mo- 
lucas fazem fetiches muito célebres entre 
elles. 

t CALAPPIO, adj. (De calappo . Que 
se parece com o calappo. 

t CALAPPIOS, s. m. pi. Tribu de crus- 
táceos decápodos. 

t CALAPPO, s. m. Termo de Zoologia. 
Género de crustáceos decápodos, próximo 
do género caranguejo. 

CALAR, v. a. (A palavra calar, em to- 
das as suas accepções, tem uma e a mes- 
ma origem; isto é, não ha trez verbos 
calar, como consideram Moraes e outros 
lexicélogos. O grego kalàn explica-nos 
todas aquellas diversas accepções: kalãn 
siguitica 1." afrouxar, relaxar, estender; 
2.° entre-abrir um pouco; abrir; 3," rela- 
xar, deslizar, desprender, tornar livre; 
4." deixar escoar, deixar cair, fazer des- 
cer; õ,° ceder. Os dous sentidos principaes 
do verbo part. abrir e abaixar lá os te- 
mos já no verbo grego; o sentido de conter 
a voz, não soltar a voz, derivou-se do sen- 
tido de abaixar. — Calar a voz, abaixar a 
voz, conter a voz, não fallar. D"ahi se ex- 
plica o emprego de calar era muitas locu- 
\ ções, O sentido de |;eii<?í ra ré secundário e 
j desenvolveu-se do de abrir). Abaixar, la- 
zer descer. — CaliTaponte levadiça. — Ca- 
I lar a viseira do elmo. — Calar ds mas- 
tros. — Calar as velas. — Fazer descer ao 
fundo, metter no fundo, metter a pique. 
I — fE.itavam três ndos grandes carrega- 
[ tdas de pedras com rombos dado.o pêra o 
1 empo da necessidade as encherem d'agúa, 
! e as calarem no fundo, t Barros, Década 



40 



CALA 



CALA 



CALC 



m, Liv. IV, cap. 9. — CsHar a artílkeria, 
abaixal-a donde ella está montada, des- 
assestal-a ; d'ahi a locução náutica levar 
a artilheria calada no porão. — Calar a 
baioneta, encaixal-a na bôcca da espin- 
garda, mas no sentido primitivo abaixal-a 
contra o inimigo. — Abrir, penetrar. — 
Aquellas palavras calaram-?Ãe o animo, 
ou, melhor, penetraram-lhe o animo ; cp. 
penetrar em, ou penetrar alguma cou- 
sa. Perdida n'essa como n'outras phra- 
ses a idêa da significação fundamental da 
palavra, não admira demais que a syn- 
taxe se desvie do seu verdadeiro typo. 
No espirito popular, as phrasos calar no 
animo, calar nalma e semelhantes, são 
interpretadas como tendo n'ellas calar 
a significação de ficar em silencio. — Ca- 
lar a terra com a enxada, abrir a terra 
com a enxada. — Calar o ar com frechas, 
rasgal-o, cortal-o. — Fazer cala. — Calar 
Mm melão, uma melancia, um queijo, fa- 
zer n'elle8 uma abertura ou ci^rte para 
examinar a sua qualidade. — - Calar as pi- 
pas, fazer nas pipas uma abertura para 
vêr quo quantidade de liquido eilas con- 
têm. — Calar a voz, abaixal-a (no senti- 
do primário, hoje perdido), retêl-a. Ex- 
tensiva e figuradamente se diz calar a 
hôcca, calar a garganta, calar as guelas, 
por: calar a voz. — «Este nosso vesinho 
em tomando a mão para fnllar , não calla 
a garganta. V Francisco Manoel de Mello, 
Apol. Dial., p. 197. — Ter em silencio, 
não divulgar, não revelar, — Calar a dôr, 
a magoa, um segredo. — «Mas a pru- 
dente senhora calando sua magoa.» — Mo- 
narchia Lusitana, Tom. i. — « Tão bem 
ouso a dizer, que publicando eu o que 
callarão todos, posso enriquecer minha 
obra dos descuydos alheyos.-a Francisco 
Manoel de Mello, Epanàphoras, p. 5. — 
Fazer estar em silencio, obrigar a não 
fallar. O procedimento exemplar de Só- 
crates não calou os seus caluraniadores. 
Aquelle homem sabia da existência do 
crime, mas calaram-lhe a bôcca cora di- 
nheiro. 

— Calar-se, v. rejl. Conserva na forma 
reflexa os dous sentidos principaes de 
abaixar e de conter a voz. — Calar-se, 
abaixar-se, deixar-se descer, escorregar. 
— d Secretamente calou-se pela almeida 
da náo.y> Barros, Dec. II, foi. 68. — Ca- 
lar-se, guardar silencio, não dizer nada 
acerca d'uma pessoa, d'uma cousa. 

Assi aclara vista me ata e espanta, 
Oue quando delia espfro mor ajuda, 
Então a vejo em dano meu calar-se. 

ANTÓNIO FERREIRA, SON., liV. I, SOO. 26. 

— Nas locuções como: Cale-se afama, 

Calc-se d'AIcxandre c de Trajano 

A fama das viclorias que tiveram, 

CA»., Lus., cant. i, esl. 3. 

cale-se a gloria, cale-se o feito, etc, «se» 
não é reflexo ; exprime a passividade. 

— Calar, v. n. No emprego como neu- 
tro apparccem duas das significações da 



palavra, e uma ligada á segimda das prin- 
cipaes. — Calar, penetrar. — «A^ão calou 
naqudles peitos a verdade. 11 António Viei- 
ra, Sermões, Tom, xii, p, 61. • — Calar até 
aos ossos. — Calar até ao intimo d'alma. 

— Calar, descer — Os presos calaram da 
cadeia por lençoes torcidos e atados. — A 
ave calou das nuvens. — Cair. — Calar, 
guardar silencio. 

Poys calar me non m'é mester, 
E dizer voPo nõ mer vai. 

CANC. DE D. DINIZ, p. 10. 

Por jsso compre caiar 
perante míiu quando for. 

CANC. DE REZENDE, I, 266. 

— Loc. : Na accepção de fazer calar: 

— Calal-o que é melão, vamo-nos a elle, 
etc. — Na accepção de conter a voz : — 
Cala-rn'ísso, não digas tal. — Calar o bico, 
não dizer palavra. — Calado como touci- 
nho em sacco, em profundo silencio. = 
Bento Pereira, Thes., p. 218. . 

— AdaG.: Calar, na accepção de con- 
ter a voz, estar em silencio: — «Calar he 
melhor, que mcd f afiar.» Bento Pereira, 
Thes., p. 218. — «Mais vai calar, que mal 
f aliar. -n Padre Delicado, Adágios, p. 162. 

— «Calar, cobrar, pela terra, e pelo mar.» 
Ob. cit., p. 159. — fBem saber he calar, 
até ser tempo de fallar.» Ob. cit., p. 
1.Õ9. — «O parvo se he calado, ]'or sa- 
bido he reputado. n Ob. cit., p. 163. — 
«Calar hc a sabedoria dos tolos.» Ob. cit. 

— « Tam duro he ao doudo calar, como ao 
sesudu fallar.» Ob. cit., p. 165. — «Fal- 
lem cartas, calem barbas.» Bluteau, Sup- 
plem. — «Ao bem calar, chamam Santo.» 
Ob. cit. — «Quem cala, consente.» Ob. cit. 

— «A mídher de bondade, outrem falle, 
ella cale.» Ob. cit. — Se a inoça for lou- 
ca, andem as mãos, e cale a boca.» Ob. 
cit. — «Prata he o bem fallar, ouro he 
o bem calar.» Ob. cit. — «De calar nin- 
guém se arrependeu, de fallar sempre.» 
Adágios, Provérbios, etc, p. 28. 

t CALASPIS, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e asjJÍs, escudo). Termo de Zoolo- 
gia. Género de coleópteros tetrâmcros, da 
familia dos chrysomelínos. 

t CALATHÉA, s. /. (Do grego kálathos, 
cesto, açafate). Termo de Botânica. Gé- 
nero da familia das cannáceas, plantas 
originarias da America tropical, 

t CALÁTHIDA, s. f. (Do grego kála- 
thos, cesto, açafate). Termo de Botânica. 
Synonymo de capitulo e invólucro, pala- 
vras que designam o modo de florescên- 
cia das synanthéreas. 

t CALÀTHIDÍFLORO, adj. (De calathida 
e floro). Termo de Botânica. Diz-se do 
invólucro das flores que rodca um clinan- 
tho coberto de flores scssís. 

t CALATHÍSMO, s. /. (Do grego kala- 
thismós, kálathos, cesto). Termo de Ar- 
cheologia. Espécie de dança nas festas 
que os gregos celebravam annualmente 
em honra de Ceres, e em que o cesto clieio 
y de flores (calatho) era levado com honra. 



t CALATHITES, s. m. pi. (De càlatho). 
Termo de Entomologia. Grupo de coleópte- 
ros da tribu dos carábicos, tendo por typo 
o género cál.ntho. 

t CÀLATHO, s. 7?!. (Do grego kálathos, 
cesto, açafate). Termo de Archeologia. 
Cesto ou açafate de j unco ou vergas del- 
gadas que tinha parte importante nas ce- 
reraonias symbolicas das festas de Ceres 
na Grécia (mysterios de Eleusis). 

— Termo de Zoologia. Género de co- 
leópteros, da familia dos coleópteros car- 
nívoros. 

CALATRÁVA, s. /. (Do nome de uma 
cidade de Ilespanha). Nome de uma or- 
dem militar hespanhola, instituída por San- 
cho III, de Castella, em 1558. — Caval- 
leiro de Calatrava. 

t CALAWEA, s. m. Arvoro da ilha de 
Sumatra. 

t CALAYGAGUAY, s. m. Espécie de cen- 
teio das margens do Ganges. 

t CALBOA, s. /'. Termo de Botânica. 
Planta trepadeira da faiiiilia das convol- 
vuláceas. 

CALCA, s. /, (De calcar, como estima, 
de estimar, vela (vigia), de velar, paga, 
de pagar, etc, e não do italiano como se 
qtier no Diccionario de Moraes, por igno- 
rância dos processos de formação das pa- 
lavras no portugtiez e mais linguas româ- 
nicas). Acção de calcar, = Usado por 
Braz Garcia de Mascarenhas, etc. 

CALCADA, s. f. (De calcar ; forma de 
natureza participai). Peleja, lucta, — Met- 
ter d calcada com o inimigo, entrar em 
peleja, travar peleja. = Usado por Fer- 
não Lopes Castanheda, Part. ii, cap. 
107. 

CALCADOR, s. f. (Do thema calca, em 
calcar, com o sufiixo «dor»). Instrumento 
para calcar. 

— TeriDO de Balística. Instrumento de 
que usam os bombeiros, c compõe a pa- 
lamcnta de um morteiro. = Termo de Ti- 
ro. — Calcadorcífi wtreía^ a parte mais gros- 
sa da vareta para calcar a pólvora. 

CALCADOURO, s. m. (Do thema calca, 
em calcar, com o suffixo «douro»). Lo- 
gar em que se calca. Logar onde se cal- 
ca o trigo para o debulhar ; eira. — Cal- 
cadouro de barro, nas olarias, logar onde 
cavallos ou bois giram calcando o barro, 
O trigo que estcá na eira para se debu- 
lhar. — «António de Faria esforçou ale- 
gremente os seus para a peleja, e fazendo 
sinal aos juncos, esperou os inimigos fora 
do campo, parecendo-lhe que aly se qui- 
zessem averiguar com elle, segundo a fan- 
farrice das suas mostras promettião, el- 
les tornando de novo a escaramuça, an- 
darão hum pedaço á roda, como debulha- 
vão calcadouro de trigo». Fernão Men- 
des Pinto, Peregrinações, cap. 65. 

CALCADÚRA, s. /. (Do thema calca, 
em calcar, cora o suffixo «dura»). Acção 
de calcar, de andar. Exercício de andar. 
= Usado por Bernardes, Floresta, p. 15. 



CALC 

CALCAMARES, s. m. pi. (De calca, do 
yerbo calcar, e mar). Nome dado por os 
portuguezes a uns pássaros pretos, que en- 
contraram em grande quantidade perto da 
costa e Cabo da Boa-Esperança, mencio- 
nados por Pimentel, no Roteiro da índia 
Oriental, p. 331. 

CALÇAMENTO, s. m. ant. (Do thema 
calca, em calcar, com o suffiso «men'o»). 
Acção de calcar. = Usado na Regra de S. 
Bento, nos Inéditos dAlcobaça, Tom. i. 
t CALCANEANO, adj. (De calcáneo, 
com o suíBxo sano»). Que se refere ao 
calcáneo. 

CALCÁNEO, s. m. (Do latim calcaneum, 
calcanhar, do thema cale em calx, caleis ; 
vid. Calcar). Termo de Anatomia. Osso 
curto, que fica na parte posterior e infe- 
rior do pé, e que faz parte do tarso. 

t CALCÁNEO... Prefixo usado pelos 
anatomistas, para indicarem as relações 
do calcáneo. 

t CALCÀNEO-ASTRAGÁLIO, adj. Arti- 
adução calcàneoastragália. Termo de 
Anatomia. A dupla articulação da face 
superior do calcáneo com a face inferior 
do astragálo. — Ligamentos calcàneo-as- 
tragálios, os que sustentam as relações 
do calcáneo e do astragálo. 

t CALCÁNEO-CUBÓIDE, adj. 2 gen. 
Termo de Anatomia. Articulação calcá- 
neo-cubóide, a que une as faces anterior 
do calcáneo com a posterior do cubóide, 
e que é sustentada pelos doue ligamen- 
tos chamados calcaneo-cuboides. 

t CALCÀNEO-SCAPHÒIDE, adj. e s. m. 
Termo de Anatomia. Diz-se da articula- 
ção do calcáneo com a scaphi^ide. 

t CALCÁNEO SUB PHALANGIO, adj. e 
s. TTJ.- Termo de Anatomia. Diz-se dedous 
músculos que mantêm as relações diver- 
sas do calcáneo, do tarso, do metatarso 
e do grande e do pequeno artelho. 

t CALCÁNEO-SUB PHALANGIO COM- 
MUM, adj. e s. to. Termo de Anatomia. 
Dizse do musculo pedioso. 

CALCANHAR, s. m. (De calcáneo, com 
o sufiixo «ar» ; o «n» diante do «e» f«i» 
palatal ; vid. I) abrandou em «nh», como 
em vinha, do latim vinea,ingenho, do la- 
tim ingenium, cunho, do latim ctineum, 
castanha, do latim castanen, linha, do 
latim linea, etc. Não é pois necessário 
recorrer com Moraes, e seus ignorantes 
correctores e addicionares,ao italiano cal- 
tagrw). A parte posterior do pé. — Cal- 
canhar da bota, do sapato, do chineUo, a 
parte d'elles que cobre o calcanhar dope. 
— Loc. : Dar aos calcanhares, dar ás 
trancas, fugir a toda a pressa, metter as 
esporas ao cavallo. — Não chegar aos cal- 
canhares de alguém, sor-lhe muito infe- 
rior. — Roer os calcanhares a alguém, 
fallar mal dalguem pelas costas. — «íti- 
lai vos que vos ouça, e resjxmder-uos-ei , 
não me estejais roendo os calcanhares.» 
Jorge Ferreira de Vasconcellos, Ulysippo, 
act. I, SC õ. 



CALC 

CALCANHAR, v. a. (De calcanhar, sub- 
stantivo). Alcançar de perto. — «A galé 
foi entrando ajusta, e calcanhando tanto, 
que lhe foi forçado alijar tudo.n Diogo 
de Couto, Década VII, 7, 8. 

t CALCANTHO, s. wi. Termo da antiga 
Chimica. O sulfato de cobre. 

CALCAR, V. a. (Do latim calcare, que 
vem d'um thema cale que se encontra em 
calx, caleis, o calcanhar, calcar, etc. A 
raiz é indo-germanica kal, que encontra- 
mos em lituanio kul-ni-s (com o suffixo 
«ni», «s» signal do nominativo), o calca- 
nhar, e com a mudança regular de «k» 
em «h» (vid. Cabeça), no antigo norsico 
ou irlandez koel-l, mesma significação, 
pois esse dialecto teutonico concorda no 
consoantismo com o gothico. Era grego 
houve methátese do «1», do que resultou 
a raiz tomar n'esta lingua a forma kla e 
o thema kalc ( — latim cale) a forma klak, 
mas o ík» diante de «1» foi destruido, 
como succedeu em muitas outras formas, 
e o thema tomou então a forma kla, que 
encontramos em lak-ti-izô, bato com os 
pés, lag-dên com os calcanhares, com os 
pés. A raiz kal é pois indo-germaniea, e 
a sua significação de calcare é muito pro- 
vável (calx, calcaneum ; o calcador) ; o 
thema kalk gregoitalico. O que confirma 
que esse processo é real, é que, em grego, 
ha um verbo kol-e-trá-ô, calcar aos pés, 
em que nos apparece a raiz kal no seu 
sentido que suppozemos primitivo, que em 
lituanio temos kúl-ti (ti é desinencij do 
infinito), bater. Pisar com os pés. — n-Ca- 
minhava e calcavame s<^7?i advertir por 
onde.T) Francisco Manoel de Mello, Apol. 
Dial., p. 78. 

Por Indo passa, tudo calca, p pisa. 

ANTÓNIO FBRRF.IRA, CASTHO, aCt. Hl. 

— Calcar com os pés. — Calcar aos pés. — ■ 
Calcar uvas. — Por extensão, pisar, abai- 
xar com um calcador, masso, etc. — Cal- 
car as medidas de farinha, legumes, e 
cousas semelhantes, batel-as para que o que 
elias encerram occupe menos espaço do que 
antes de serem calcadas. — Figuradamente: 
Despresar, atropellar. Aquelle homem cal- 
ca aos pés as leis, as conveniências so- 
ciaes. — Nero calcava aos -pés todos os sen- 
timentos humanos. 

t CALCAR, s. m. (Do latira calcar, a 
espora). Termo de Zoologia. Género de 
coleópteros heterónieros, da familia dos 
melásomos. 

CALCAR ou CALCÁRIO, adj. (Do la- 
tim calcarius, der. de calx, cal). Termo 
de Mineralogia. Que é da natureza da cal 
ou em que ha cal. Terreno calcário. Ma- 
téria calcaria. — «S. m. Termo do Geolo- 
gia. Kocha composta essencialmente do 
carbonato de cal. Ha: 1 ." O calcário primi- 
tivo, mármore de grão egual, sem apre- 
sentar traços de seres organisados; 2." O 
calcário antigo ou de transição, de f(irma 
composta, contendo apenas alguns corpos 
marinhos ; 3." O calcário conchyliado, cujo 



CALÇ 



41 



nome lhe vem de apresentar muitas con- 
chas. 

t CALCARÍFERO, adj. (De calcar, e 
fero, àe ferre, trazer). Termo de Minera- 
logia. Carregado de matéria calcáreas. 

t CALCARIFÓRME, adj. 2 gen. (Do la- 
tim calcar, a espora, e formis, que en- 
tra como segundo elemento de compostos 
significando : que tem a forma de). Ter- 
mo de Botânica. Que tem a forma d'uma 
espora. Diz-se de todos os appendices que 
nascem dos órgãos floraes, e que se pro- 
longam tomando a forma d'uma espora. 

f CALCARÍNA, s. f. Termo de Zoolo- 
gia. Género de molluscos cephalópodos 
foraminiferos, da familia dos helicóste- 
gos. 

t CALCATÃO, s. m. Termo da antiga 
Chimica. Trochismo de arsénico. 

CALCATRÍPA, s. f. Planta do género 
centáureo; cardo estrellado, calcítrapa. 

CALÇA, s. f. (De calçar, como estima, 
de estimar, prega, de pregar, calca, de 
calcar, etc.) Ant.: Meia peça de vestuário 
que cobria o pé e a parte da perna. — 
nE huma velha, a qual as ditas Clara 
Ferr.andez, e Maria Rodrigues em trajo 
de homens, huma noite com uma calça de 
arêa, derão tantas calçadas, de que, se- 
gundo fama morreu, p Doc. de 1458, em Vi- 
terbo, Eluc. — Meia calça, meia. — «Derão 
huma pedrada na cabeça ao Anjo, e ras- 
garão huma meia calça ao Eremitão ; e 
agora diz o Anjo que não ha de entrar, 
até lhe não darem huma cabeça nova, nem 
o Eremitão até lhe não porem huma es- 
topada na calça.» Cam., El-Rei Seleuco, 
Prol. — Peça de vestuário que cobre o 
corpo da cintura para baixo e consta de 
duas partes eguaes unidas; d'ahi vem o 
dizer-se mais geralmente calças, para de- 
signar mesmo uma só dessas peças de 
vestuário. — Um par de calças. — Vestir 
umas calças. — Despir as calças. — Usar 
calças. — Basgar as calças. — Comprar 
uvias calças. 

De botões d'oaro as mangas rcm tomadas. 
Onde o sol reluiindo a vista cega; 
As calças soldadescas recamadas 
Do metal, que Fortuna lanto nega. 
cin., LDS., cant. n, est. 98. 

— «Mui/to atites caminhava eu já para 
a rua nova, aonde brevemente me vi ven- 
dido, etn preço das calças, e pelote do pa- 
tife. y> Francisco jManoel de Mello, Apol. 
Dial., p. 68. — «Não haja Grã em Ingla- 
terra, nevt Berri em França, que nos não 
assoalhe em bragas, ou pavelhoens, que 
não são menos as calças, c ferragoi/los 
deste tempo. D Ob. cit., p. 169. — Calça, 
signal que se põe nos sancos dos gallos 
c gallinhas para os reconhecer. — Ant. : 
Espécie de calções largos atad.is no joe- 
lho. Diogo de Couto, Década VII, Part. i, 
cap. 1. 

— Loc. : Vtr-se alguém em calças par- 
das, estar atrapalhado, em atflicções, em 
^.ollisõcs. — Pòr calça a ahjuciu, notar al- 
{^puem pai-a se acautelarem delle, origi- 



42 



CALÇ 



CALÇ 



CALC 



nada da calça que se põa nos sancos das 
gallinhas. — O dinheiro não tem calça, 
não tem signal de proprietário, gira con- 
tinuamente de mão em mão. — Dar calças 
a alguém, obrigal-o a andar muito; ga- 
nhar-lhe muito ao jogo ; dar-llie uma gran- 
de massada. — Calças de cuco, sentido in- 
certo. Enfermidades da língua, p. 111. 

1.) CALÇADA, s.f. ( De calça, com o suf- 
fixo oada», como de cabeça, cabeçada, 
etc.) Pancada com uma calça ou meia 
cheia de arêa. — <sCom uma calça de arêa, 
derão tantas calçadas, de que, segundo 
fama, morreu. n Doe. de 1458, em Vi- 
terbo, Eluc. 

2.) CALÇADA, s. /. (De calçar, forma de 
natureza participai). Rua, caminho ou es- 
trada empedrada. — « A mil dias que me 
traz apôs si quebrando calçadas.» Antó- 
nio Ferreira, Bristo, act. IV, se. 3. — «O 
anno he esta calçada larga, e lunga, e ás- 
pera de passar.» Francisco Manoel de 
Mello, Apol. Dial., p. 31. 

t CALÇADEIRA, s. /. (De calçado, com 
o sufExo o eira»). Instrumento de corno, 
ferro ou tira de couro que serve para se 
calçarem mais facilmente os sapatos. 

CALÇADO, s. f. (De calçar, forma de 
natureza participai). O que serve para cal- 
çar os pés, como botas, sapatos, taman- 
cos, etc. 

— Loc. : Estar no calçado velho, estar 
na velhice ; não servir ou prestar já para 
cousa alguma. 

C4LÇÁD0, part. pass. de calçar, e aá;". 
Que se calçou. Andar calçado. 

— Loc: Vestido e calçado, todo inteiro. 
— aQuer Deos, que sem me fundirem, e 
assim como aqui estou vestido, e calçado, 
entrei em logar da chapa, que fallecia e 
ficou tudo feytoi. — Estar vestido e calça- 
do 710 Ceo, ir para o céo todo inteiro e 
sem difficuldade. Enfermidades da lín- 
gua, p. 121. — Ter os pés calçados de 
branco, de negro; diz-se principalmente 
dos cavallos que apresentam nos pés ma- 
lhas de côr diversa do pêllo das outras 
partes do corpo. — *Sej' calçado de alguém, 
ser dominado, governado por alguém. — 
Machado, encho, martello calçado de aço, 
que tem o gume, ou a bôcca guarnecida 
de aço. 

CALÇADOR, s. m. (De calçado, com o 
suffixo «dor»). O que faz calçadas, cal- 
calceteiro. O mesmo que Calçadeíra. 

CALÇADÚRA, s. /. (De calça, com o 
suffixo ddura»). Ant. calçado. Os mate- 
riaes para o calçado. — « Não pagará 
cousa alguma o que comprar calçadura 
para seu uso; salvo sendo pelle inteira, 
ou ilhargada, ou lomheira. » Foral de Mon- 
ção, (1Õ12,) em Viterbo, Eluc. — O vão 
que ha entre as duas hastes da espora. 
António Galvão, Tratado da Cavallería 
de Gineta, cap. 37. 

t CALÇAMENTO, s. m. (De calça, com 
o sufBxo «mento»). O calçado. — aE dis- 
se-lhe Deos : Solta o calçamento de teus 



pees.y Actos dos Apóstolos, cap. vii, v. 
33, em Inéditos de Alcobaça, Tom. i. 

CALÇÃO, s. m. (De calça, com o suffi- 
xo oãoo). Peça do vestuário que cobre o 
corpo da cintura até os joelhos. Como 
calça, calção é usado geralmente no plu- 
ral. — • Uns calções. — Um par de calções. 

— Hoje calções, são usados só pelos rús- 
ticos em trajes de ceremonia, e por mem- 
bros de certas corporações. Os bedéis das 
faculdades ainda usam de calções. — Cal- 
ções da gallinha, a polpa da perna. Diz- 
se também que uma ave tem calções, 
quando tem nas pernas pennas compridas 
que as cobrem quasi até os pés. Vid. 
Calçudo. 

— Loc. : Ser um bom calção, locu- 
ção de equitação, que significa ser um 
bom cavalleiro, que se mantém firme na 
sella, conformando-se inteiramente com os 
preceitos da arte. — No mesmo sentido 
diz-se ter itm bom calção. — Dar calções, 
o mesmo que dar calças, obrigar alguém 
a andar muito ; dar uma grande massada. 

CALÇAR, V. a. (Do latim calceare, de 
calceus, que vem do thema cale, em 
calx, caleis, vid. para o conhecimento da 
raiz, Calcar). Pôr as próprias meias, o 
próprio calçado. — Calçar as meias, as bo- 
tas, os sapatos, os tamancos. 

— Termo de Equitação. Calçar as es- 
poras, pôr as esporas nas botas. — tNão... 
qtianté dessa maneira me offereço romper 
meia dúzia de serviços alinhavados ás 
panderetas, que bastem assentar-me em 
soldo pelo mais fiel que nunca calçou es- 
poras. i> Camões, Fílodemo, act. ii, se. 2. 

— Por extensão, segurar alguma cousa 
nos pés ; Mercúrio é pintado calçando 
azas. — Por extensão e impropriamente : 
Calçar luvas, pôr luvas nas mãos. — Cal- 
çar alguém, pôr-lhe as meias, o calçado, 
as luvas. 

— Termo antigo de Cavallaria. Calçar 
as esporas, parte do ceremonial com que 
se armava algum cavalleiro, e que con- 
sistia em lhe pôr as esporas. — Fornecer 
o calçado a alguém, ou dinheiro para o 
calçado. Vestir e calçar alguém. — uTe- 
nho eu com outros que me vestião e calça- 
vão como uma dama. a Ferreira, Bristo, 
act. II, SC 1. — Absolutamente : Calçar 
bem, calçar mal, accomodar-se bem, ac- 
commodar-se mal ao pé ou ficar mal, fi- 
car bem, fallando do calçado ; figurada- 
mente : Calçar bem uma cousa a uma pes- 
soa, convir-lhe, ficar-lhe bem, accommo- 
dar-se ao seu gosto. — « Uin tal procedi- 
mento calça bein a uma alma tão generosa. » 

— Calçar èem uma pessoa, usar calçado bom 
e elegante; calçar- se com gosto. — aAquella 
vndher calça e veste bem. i> — Calçar ztnia 
pessoa tantos ])ontos, carecer de calça- 
do tendo tantos pontos da craveira do sa- 
pateiro. 

— Termo de Agricultura. Calçar uma 
arvore, uma planta, rodear-lhe de terra 
o pé para favorecer o seu desenvolvimento. 



— Pôr calce. — Calçar a mesa. — Calçar 
um carro ; calçar a roda. — Calçar uma 
rua, uma ponte, uma estrada, cohvW-a, de 
pedras de face superior lisa, e de face in- 
ferior mais ou menos angulosa que se 
mette na terra, offerecendo o todo de uma 
rua ou estrada calçada, uma superficie 
egual. — Calçar um instrumento de cabo, 
metter uma ou mais cunhas entre o cabo 
o a concavidade ou buraco do instru- 
mento em que este se introduz. — Calçar 
um instrumento de aço, de ferro, accres- 
centar ou reforçar um instrumento com 
aço ou ferro. 

— Calçar, v. n. Usa-se só na phrase Cal- 
çar por uma fôryna, por uma medida, isto 
é, carecer de calçado feito por essa fôrraa, 
por essa medida. — Figuradamente : Calçar 
pela mesma forma, ter a mesma opi- 
nião. — o Como se todos calçassem pela 
mesma forma. n Frei Manoel de Azevedo, 
Correcção de Abusos, p. 62. — Calçar wats 
alto, ser superior em dotes, em talento 
ou nobreza. — Calçar por, subir a, equi- 
valer a, egualar a. — «jS'e lhe contares os 
pontos da ufania, calção por vinte Her- 
cules. n Jorge Ferreira de Vasco ncellos, 
Aulegraphia, tol. 163, v. 

— Calçar-se, v. refl. Pôr as próprias 
meias, o próprio calçado. 

CALÇAS, s. f. pi. Vid. Calça. 

CALCE, s. m. (De calço, como cabide, 
de cabido, etc.) Cunha, peça que so põe 
debaixo d'um objecto para o pôr a prumo 
ou acrescentar a altura. Pôr um calce na 
perna d'uma mesa. Pôr ura calce na hom- 
breira da porta. — Pedra que, n'uma la- 
deira, se põe debaixo da roda d'um carro 
ou carruagem, para não descer esponta- 
neamente. — Peça de ferro, segura por 
uma corrente, que se usa em carruagens 
de grandes dimensões, malas-postas, dili- 
gencias, omnibus, para obstar .10 movi- 
mento d'uma roda n'uraa descida, 

— Obs. gramm. : As formas calce, e 
calço, são empregadas indifferentemente, 
mas a segunda é por ventura mais nor- 
mal e, portanto, preferível. 

t CALCEÁRIO, s. m. (Do latim calcea- 
rium). Termo de Botânica. Género da fa- 
miiia das orchídeas. 

CALCEDÓNIA, s. f. (Do latim calcedo- 
nius lápis, pedra calcedonia, de Khalke- 
dôn ou Kalkedôn, cidade de Bithynia, 
em cujas proximidades se encontrava esta 
pedra). Pedra preciosa de côr azul ou ama- 
rellada, sobre que se grava facilmente. == 
Usado nas Provas da Historia Genealógica 
da Casa Real, Tom. i, p. 32. 

CALCEDÓNIO, adj. (De calcedonia). Que 
tem manchas ou malhas brancas, fallando 
das pedras preciosas. 

t CALCEIFÓRME, adJ. (Do latira calceus, 
sapato, e forme, forma.) Termo de His- 
toria natural. Que tem a forma d'um sa- 
pato ou d'um pantufo. 

t CALCÉOLA, Ã. /. (Do nome da ílôr, 
que é assim chamada por causa da sua 



CALC 



CALC 



CALC 



43 



forma.) Termo de Zoologia. Género de 
concha. 

t CALCEOLÁDO, s. m. (De calcéolo). 
Termo de Zoologia. Nome da família dos 
calcéolos. 

t CALCEOLÁRIA, s. /. (Do nome da flor, 
que é assim chamada por causa da sua 
forma; do latim calceolus, pantufo). Ter- 
mo de Botânica. Género de plantas da 
familia das escrofularias, de que algumas 
espécies se cultivam ha certo tempo na 
Europa, por causa da sua flor, a calceo- 
lària. 

t CALCÊS, s. m. Vid. Calcez. 

1.) CALCETA, s. f. (Do thema calça, 
em calçar, com o sufiixo «eta», como va- 
reta, de vara, palheta, de palha, etc.) Ca- 
deia de ferro segura na parte inferior da 
perna por uma argola, que se põe aos 
forçados das galés. — Figuradamente: Certo 
numero ou bando de forçados das galés ou 
d'outros condemnados a serviço, mas sem 
infâmia, que vem fazer serviço pelas ruas. 

— Calceta, s. vi. Homem que traz cal- 
ceta, o condemnado de calceta. 

2.) CALCETA, s. f. ant. Diminutivo de 
calça. (Idêntico na. forma 1.) Calceta). 
Piúga, meia curta. =^ CoUigido por Mo- 
raes. 

CALCETARÍA, s. f. (De calceta, com o 
suífixo «ária».) Bairro ou rua de calcetei- 
ros. 

CALCETEmO, s. m. (De calceta, com o 
suffixo «eiroi)). O que faz e vende calças. 
Diogo de Couto, Década VI, Part. i, col. 
1. = Desusado hoje neste sentido. — O 
que calça ruas, pontes, estradas. 

CALCEZ, s. VI. (O hespanhol tem cal- 
ce», e garcez (vid. Garcez), o italiano cal- 
cese, o francez calcet; estas formas apon- 
tam todas, assim como a portugueza, para 
o latim carchesium, que vem do grego 
karkhêsion, assim como um grande nu- 
mero de termos náuticos adoptados pelos 
romanos.) Termo de Isautica. A parte 
quadrada do mastro ou mastaréo^ com- 
prehendida entre a extremidade superior 
d'elle, e a sua romã, onde encapellam as 
enxárcias do mastaréo superior. 

Nani teê andado maito quando o esperto 
Gageíro, que o calces alio vigia, 
D'onde mar mais ao longe é descoberto, 
De lá brada, que ao longe terra Ma. 

rRANCisco d'a.ndradb, CBnco DB DIU, cant. IT, 
est. 36. 

— f Estando nós nesta confusão e va- 
riedade de sos2^eytas, com assaz de ar- 
receyo do que tínhamos diante, nos say- 
rão de toda a frota cinco galés muyto 
grandes, com seus bastardos quarteados 
de verde e roxo, e muytas bandeiras per 
cÍ7na dos toldos, e nos calceses dos mas- 
tros estendartes muyto compridos, que quasi 
tocavam com as puiitas na agoa.ti Fernão 
Mendes Pinto, Peregriliações, cap. 7. — 
tPela muita força o Mastarco abvio o 
calcez por duas partes. s> Brito, Viagens 
do Brazil, p. 67. 

t CÁLCICO, adj. (Do Ifttim calx, caleis. 



cal, cora o suffixo «ico»). Termo de Chi- 
mica. Que diz respeito á cal. 

t CÁLCICO . . . Prefixo de que usam os 
mineralugistas para indicarem a existen- 
cio da cal n'um composto. Cd\cico-bary- 
tico, por exemplo.' 

t CÁLCIDE, s. m. (Do latim calx, cal- 
eis, cal.) Termo de Chimica. Nome dos 
metaes annlogos ao cálcio. 

t CALCÍFERO, adj. (Do latim calx, cal- 
eis, cai, e ferre, levar, trazer). Termo 
de Mineralogia. Que contém cal. 

t CALCIFICAÇÃO, s. /. fDe calcifica, 
thema d'uiu hypothetico calcificar, com o 
suffixo «ação» ; vid. Calcificado). Termo 
de Pathologia. Passagem d'um tecido 
molle á consistência e ás vezes á côr da 
cal, em resultado da deposição dos saes, 
principalmente de cal. 

t CALCIFICADO, adj. (Forma partici- 
pai, d'um hypothetico calcificar, do latira 
calx, caleis, ca\, efcare, frequentativo de 
facere, fazer, usado em composição). Ter- 
mo de -Mineralogia. Que se converteu em 
carbonato de cal. 

CALCiFREGA, s. /. Vid. Saxífraga. 

t CALCÍLITHO, s. m. (Do latiiu calx, 
caleis, cal, e do grego lithos, pedra). Ter- 
mo de Mineralogia. Pedra de cal com- 
pacta. 

CALCINAÇÃO, s. f. (Do thema calcina, 
em calcinar, com o suffixo «ação»). Re- 
ducção das pedras a cal pela acção d'um 
fogo fortíssimo.- — Operação em que se sub- 
iBCtte a um calor muito elevado uma sub- 
stancia pouco fusivel, mas sensivelmente 
alterável. — aDando-lhe mais outra cal- 
cinação.» Madeira, Morbo gallico, Part. 
II, p. 183. 

CALCINADO, part. pass. de Calcinar. 
Reduzido a cal ou oxydo metallicu. Muito 
aquecido. Queimado. 

CALCINAR, V. a. (Do theina calcina, 
formado de cale (em latim calx, caleis), 
com o suffixo «ina»). Termo de Chimica. 
Reduzir pela acção de fogo os oxydos 
metallicos, a que antigamente se dava o 
nome de cães. — Submetter a um fogo for- 
tíssimo. — Calcinar o saliti-e, o vitríolo. 

— Calcinarse, v. reji. Esta pedra cal- 
cinou-se no fogo. 

CALCINAT ÓRIO, adj. (Do thctna calcina, 
em calcinar, com o suffixo o tório»). Que 
serve para a calcinação, em que se calci- 
na. — Vasos calcinatorios. 

CALCINÁVEL, adj. 2 gen. (Do thema 
calcina, em calcinar, com o suffixo «avel»). 
Que pôde ser calcinado. 

CÁLCIO, 5. jíi. (Do thema cale, em la- 
tim calx, caleis, com o suffixo «io». Ter- 
mo de Chimica. Metal que cotnbinado com 
o oxygenoo coii.stitue a cal. 

t CALCIPHYRA, s. /. (Do latim cal.r, 
caleis, cal, e do grego phyrô, eu empasto). 
Termo de Geologia. Fspecie de rocha 
calcárea, empastada. 

t CALCiPHYTO, s. m. (Do latim calx, 
caleis, cal, o do grego phytón.) Nomo 



dado a certos corpos organisados vege- 
taes, como as coralinas, certos phytóides, 
etc. 

t CALCITRÁPA, s. f. (Do francez cal- 
citrape, nome forjado pelos botânicos fran- 
cezes com o latim calx, caleis, o calca- 
nhar, e o francez trape). Termo de Bo- 
tânica. Espécie de centáurea. 

t CALCITRÁPIA, s. /. (De calcitrapa). 
Termo de Botânica. Familia de plantas 
de que a calcitrapa é o typo. 

CALCO . . . Má orthographia do elemen- 
to Chalco, que forma a primeira parte de 
alguns compostos. Vid. Çhalco... e as 
palavras em que elle entra, escriptas com 
eh. 

CALCO, s. m. (Do francez calque, ita- 
liano calco, de calquer, calcare, do latim 
calcare; vid. Calcar). Desenho copiado 
d'outro, pondo sobre elle um papel e se- 
guindo os contornos com uma ponta. — 
Papel que se ajustou sobre uma pedra 
molhada, afim de n'elle ficarem impressos 
os traços das letras gravadas n'essa pe- 
dra. -= Neologismo de recente introduc- 
ção, mas assas usado na conversação. 

CALCÓIDE, adj. (Do latim calx, caleis, 
o calcanhar). Diz-se dos trez ossos do 
tarso, que mais geralmente se chamam 
cuneiformes. 

CALÇO, s. »)i. (Do latim calceus, calça- 
do, ou immediatamente de calçar. Am- 
bos os processos são possíveis). Vid. Calce. 

CALÇÓTÁ, s. f. {De calça, com o suf- 
fixo aota». Espécie de calças. = Pouco 
usado. 

CALÇÓTAS, s.f. pi. Calções muito cur- 
tos, com que se toma banho nalgumas 
partes. 

CALÇÓTE, s. m. (De calço, com o suf- 
fixo tiote»). Vid. Calça. 

CALCULAÇÃO, s. m. [Do latim calcu- 
latio, de calculas ; vid. Calculo). Calculo. 
— d Até que elles (os astrólogos) em seus 
signats,e calculações, acharão bom dia.t 
Diogo de Couto, Década X, Liv. vii, cap. 
5. — Reflexão censória. = Usado no ulti- 
mo sentido por Bernardes. 

. CALCULADAMENTE, adi'. (De calcula- 
da, part. p. de calcular, cora o suffixo 
«mente "). De modo calculado. Por cal- 
culo, com calculo. — Com reflexão ma- 
dura. 

CALCULADOR, s. m. (Do latim calcula- 
tor, de calcula, thema de calculare i^vid. 
Calcular), com o suffixo tor), O que cal- 
cula, que sabe calcular; calculista. — 
Homctn que lança contas á vida, que di- 
rige bem os negócios da sua vida. 

CALCULADORA, s. /. (De calculador). 
A que calcula, etc. Vid. Calculador. 

CALCULAR, ac//. 2 gen. (De calculo, 
pedra'. Que diz respeito ao calculo. Cun- 
creções calculares. 

CALCULAR, r. ti. (Dú latim calculare, 
der. deia/cií/(tó;vid. Calculo^. Fazer uma 
operação de calculo. — Calcular as dis- 
tancias dos astros. — Esti negociante cal- 



44 



CALO 



CALÇ 



CALD 



culou perfeitamente quanto havia de ga- 
nhar cuvi a transacção. ■ — • Calcular wn 
eclipse^ determinar por meio do calculo a 
épucha em que elle ha de dar-se, e as 
circumstaocias que o liào de acompanhar. 

— a Está calculada pela ascendente do 
Sol.» Barros, Década III, foi. 58. — Ab- 
solutamente: O ambicioso passa as suas 
noutes a calcular. — Figuradamente: Con- 
jecturar. — Predizer, prognosticar. Quem 
não calcularia a sua murteí — nÂos olhus 
cerrados lhe calcularia a lenda sevi errar 
jionto.» Joige ferreira de Vasconcellos, 
Luphrosina, act. ii, se. 7. — Comparar. 

— «Calculada a proporção do numero 15 
com a bemaventurança do Ceo.» António 
Vieira, Sermões, Tom. ix, p. 'à'òO. — Or- 
çar os meios e as despezas de uina em- 
preza. — Meditar, combinar. — Calcular 
as vantagens da guerra e da paz. — Cal- 
cular os factos, os acontecimentos ; tomar 
resoluções cuja execuyào depende de ura 
acontecimento que deve dar-se. — Um fi- 
lho miserável calcula muitas vezes com a 
morte de seu ijae. 

CALCULAR, V. n. Saber calcular, co- 
nhecer os processos do calculo. — Este 
homem calcula bem. — Este homem calcula 
mal. 

— Syn.: Calcular, Computar, Contar, 
Calcular é fazer uma operação de arith- 
mética ou de álgebra, para chegar a uma 
prova, a uma demonstração, á resolução 
de um problema. Contar é numerar: con- 
tar um, dous, trez, dar números succes- 
sivos a cousas individuaes, segundo a or- 
dem em que ellas nos apparecem. Com- 
putar é servir-se de números ou outros 
documentos para che^^ar a uma totalidade, 
a um resultado ; por exemplo : contando 
03 azulejos de uma parede, póde-se com- 
putar a superfície d'ella. O calculo é scien- 
titico, é uma sciencia ; a conía aprendese 
sem difficuldade. U calculo assenta sobre 
demonstrações j para co7itar bem, basta 
attençào. ííào se pôde calcular sem co- 
nhecer o mechanismo do calculo ; conta- 
se ignorando inteiramente o mechanismo 
dos números. O calculo é uma operação 
abstracta, que tracta de determinar as 
relações que existem entre quantidades; 
a conta é uma operação concreta, que só 
tracta de achar a somma. Por meio da 
computação, de dados que se possuem, 
chega-se a uma conclusão. 

CALCULÁRIO, s. /. (De calculo, com o 
BufExo «àrio». O mesmo que calculo. — 
Usado por Fr. Marcos de Lisboa, mas 
desnecessário, mal formado, e obsoleto. 

CALCULÀVEL, adj. 2 gen. (De calculo, 
com o suf. «avel»). Que se pôde calcular. 

CALCULÍFRAGO, adj. (Do latim calcu- 
lus, ca\cu\o, e franzere, quebrar). Synony- 
mo de Lithontriptico. Vid. esta palavra. 

CALCULISTA, s. 2 gen. (De calculo, 
como suffixo «ista»). Pessoa que calcula, 
que conhece a sciencia do- calculo ou a 
astrologia. — Pessoa que faz cálculos po- 



líticos ou mercantis, tentando prever os 
resultados dos acontecimentos políticos, 
das operações mercantis. 

CALCULO, s. m. (Do latim calculus, pe- 
dra, dim. de calx, caleis; vid. Cal. Co- 
mo se contava com pedrinhas, calculus 
veio a signiticar conta, computação, cal- 
culo). Termo de Cirurgia. Concreção pé- 
trea que se forma em certos orgàos. Cál- 
culos biliarios. — Cálculos da bexiga ou 
ourinarios, etc, a doença que resulta 
dessas concreções. — Operação por meio da 
qual se acha o resultado da combinação 
de números ou qualidades. Um calculo 
errado. — Um calculo verdadeiro. — Um 
calculo arithmético. — Um calculo algé- 
brico. — Um calculo mathematico. — Um 
calculo dijje rencial, parte da aiialy se trans- 
cendente em que se consideram quanti- 
dades intinítamente pequenas, que desap- 
parecem no resultado, permtttíndo pôr 
em equação grande numero de condições 
geométricas, mechanicas e physicas. — 
Calculo integral, parte da analyse mathe- 
matica que está para o calculo ditieren- 
cial na mesma relação que a extracção 
das raizes para a formação das potencias. 
— Calculo de dijjerenças parciaes ou Ji- 
nitas, calculo que trata de achar as ditié- 
renças das quantidades dadas, e remontar, 
por meio d essas diífercnças, ás funcções 
de que derivam. — <íFelo calculo d'este 
tacanho diz, que custam (as mangas per- 
didas) a decima parte, quando menos, do 
que custa o vestido inteiro, e Francisco 
Manoel de Mello, Apol. Dial., p. 210. 

Passava noites e dias, 

Km cuiitas, suuimas, loccssaotes cálculos. 

nuMJ. UÁ». DO NiSCIU., FAO. Dí LÍS., 
LIV. ZI, rAD. 111. 

— Fig. : Combinação, desígnio preme- 
ditado, plano. 

CALCULOSO, adj. (De calculo, com o 
sutiixo «oso»). Doente de calculo. 

CALCURRIADA, s. /. (Do thema calcur- 
ria, em calcurriar, com o suffixo «ada»). 
Termo familiar. Caminhada apressada fei- 
ta a pé. 

CALCURRIAR, V. n. (Do thema calca ou 
calco, em calcar, por meio do suffixo 
«orro», se formou um thema substantivai 
calcorro, derivado como cachorro, ma- 
sorra, pachorra, pitorra (vid. estas pala- 
vras), etc, e d'ahi calcurriar ou calcor- 
rear, que é a mais perfeita orthographia, 
tendo demais sido usada por alguns escri- 
ptores. O processo de derivação do verbo é 
o mesmo que se nota em rarear, de raro, 
guerrear, de guerra, saltear, de salto, etc.) 
Termo Familiar. Caminhar, correr a toda 
a pressa a pé. 

Km que se distíngaira de fraco. 
Se nas pendências fugir 
A calcorrear. 

ORAÇÃO ACADÉMICA DB FA. SIMÃO, p. 105. 

CALÇUDO, adj. (De calça, com o suffixo 
«udo»). Que tem calça. Pombo, gallinha, 
ou outra ave domestica calçuda, pombo, 
gallinha, etc, a cujo pé se atou vim si- 



gnal qualquer para o proprietário os po- 
der distinguir dos alheios. — Chama-se 
também calçuda a ave que tem uma es- 
pécie de calças de pennas, ou pennas que 
lhe cobrem a parte inferior das pernas e 
quasi os pés. 

CALDA, s. /. (Do latim cálida, quente ; 
vid. Caldo). Dissolução de assucar em 
agua em certo ponto, empregada em con- 
feitaria. — Figuradamente : A calda e do- 
çura de suas palavras. — A calda e doçu- 
ra das suaves doutrinas, 

— Termo de Ferreiro. Operação que 
consiste em pôr o ferro á temperatura ru- 
bra ; acto de caldear. — : Dar calda ao fer- 
ro. — Uar ao ferro tantas caldas. 

CALDARIO, adj. t^Do latim caldarius, 
por calidarius, de culidus ; vid. Caldo e 
Queute). Que diz respeito ás caldas. — 
Thermal. — « 6'e//a caldaria.» Amador Ar- 
raes. Dialogo II, lU. 

CALDAS, s. f. pi. (Do latim calda, agua 
quente; vid. Caldo e Quente). Aguas ther- 
mães contendo princípios mineraes. Dahi 
vem muitos nomes de logares chamados 
Caldas, como : Caldas de Vizella, Cal- 
das da liainha, etc. = Usado por (iar- 
cia de Rezende, ChroQ. de D. João II, cap. 
203. 

CALDEADO, part. pass. de Caldear. Pos- 
to em braza. Temperado. — Figurada- 
mente : — lO que sahe tam caldeado, e ba- 
tido da forja dos Authores, que muda o 
metal, a cor,e a natureza.» Francisco Ro- 
drigues Lobo, Corte na Aldeia, Dial. i, 
p. 12. 

1.) CALDEAR, V. a. (De caldo, adj., co- 
mo rarear, de raro, saltear, de salto, etc.) 
Pôr o ferro á temperatura rubra para o 
moldar, soldar ou lavrar. — Temperar. — 
tA agua d'este Kio he singular para cal- 
àeaT ferro e aço.» Fr. Bernardo de Brito, 
Geographia da Lusitânia, foi. (3. — tíoldar, 
depois de ter posto em braza. — Caldear 
o Jerro, soldar duas peças de ferro depois 
de as ter elevado á temperatura rubra. 

— Caldear-se, v. n. — Figuradamente : 
Adquirir força e rijeza. — È mister nos cal- 
deemos contra a sorte, 

2.) CALDEAR, v. a. (De caldo, subst.; 
vid. Caldear). Ligar dons corpos sóli- 
dos por meio da agua, á maneira de 
quem faz um caldo. Caldear a cal, amas- 
sar a cal com areia. —Figuradamente : 
Tornar homogéneo, misturar cousas inti- 
mamente de modo que a sua diversidade 
não se distinga no todo. — Caldear verda- ' 
des e mentiras. — Caldear a fraude com a 
hipocrisia e os favores. 

CALDEIRA, s. f. (Do latim caldaria, 
por calidaria, de calidus; vid. Caldo e 
Quente). Vaso grande de metal, em que 
se aquece, coze ou ferve. — a A agoa di- 
gam que fugio, pipineira, joeira, gral, 
caldeira e tudo mais, que as importunas 
visinhas soem pedir, dize-lhe que o não ha 
hi, e que vierão os ladrões, e que o leva- 
rão ». António Ferreira, Cioso, act. i, 



CALD 



CALD 



CALE 



45 



SC. 2. — Caldeira de cisterna, o vão ou 
corpo da cisterna, do seu boccal até ao fun- 
do, onde se reúne a agua. — «A caldeira 
no fundo dn cisterna. « Luiz Serrào Pi- 
mentel, Methodo Lusitano, p. 3)2. — Lo- 
gar taonde se ajunta a agua do mar para 
encerem os moinhos, t Fr. João Pacheco, 
Divertimento erudito, ii, 339. 

— Termo dAgricultura. Covinha á su- 
perfície da terra ao redor do pé de uma ar- 
vore para receber a agua com que se rega. 
x=Blutean, e Fr. João Pacheco, Diverti- 
mento erudito, ii, 215. 

— Termo de Náutica. Lagamar ou mo- 
lhe junto a ribeiras onde se mettem na- 
vios ou se põem em secco para os con- 
certar. Entrar o navio na caldeira. — 
ciMandvu levantar o arrecife, que ficava 
o porto covw huma caldeira, sem o mar 
fazer nojo aos navios por mais bravo que 
estivtsse.» Fernão Lopes Castanheda, His- 
toria da índia, Part. vii, cap. 202. 

— Termo de Brazão. Insignia antiga dos ' 
mais altos nobres ou ricos-homens de Hes- 
panha e Portugal. O pendão e a caldeira 
eram as duas insignias peculiares dos ricos- 
homens; d'ahi a locução senhor de pendão 
e caldeira. O pendão symbolisava o poder 
e auctoridade de alistarem vassallos para 
a guerra; a caldeira que n'elle se dese- 
nhava symbolisava que o rico-homem ti 
nha cabedaes para poder sustentar os seus 
homens de guerra. A ceremonia symbo- 
lica da investidura do pendão e caldeira 
acha-se descripta em Villasan, Chronica 
de D. Affonso XII de Castella, cap. 64. 

o que com medo fugiu da fronteira, 
Pere lea já psnilaa sea aUdeira. 

ciNC, Ds TROT. i»T., publ. por VambageiD, 
cant. 48. 

— iiyahi veyo, que denotando os anti- 
gos Hesjjanhoes o poder dos Grandes, lhes 
sinalavão por insignia pendão e caldey- 
ra.» Francisco Manoel de Mello, Apol. 
Dial., p. 65. 

— Loc. : A caldeira de Pêro Botelho, 
o inferno. =Bluteau, Enfermidades da lín- 
gua, p. 113, etc. E' desconhecida a razão 
de ser d'e8ta locução que os bespanhoes 
também tem. Vid. Covarrubias, Thesoro. 

CALDEIRADA, s. /. (De caldeira, com 
o suffixo «ada», como abada, de al>a, chu- 
vada, de chuva, etc). A quantidade de 
agua quo leva uma caldeira. — Figura- 
damente : Grande chuvada. A agua ou 
outros líquidos que se despejam de qual- 
quer vaso. Apanhar uma caldeirada. — 
Cosinhada de peixe ordinariamente raia- 
do, que fazem os barqueiros, pescadores, 
habitantes das costas, etc. 

— Loc. : «Lá tem mais essa caldeira- 
da no outro mimdo,y> no outro mundo re- 
ceberá a pena por mais esse crime ou des- 
aforo. Enfermidades da lingua, p. 134. 
= Muito usado pelo povo. — sZím cada 
casa comem favas e em iiosfsa a caldeira- 
da.» Adng.^= Blutraii, Suppl. 

t CALOEIRAMSINHO. «. m. Diminutivo 



de Caldeirão. =Colligido por Bento Pe- 
reira. 

CALDEIRÃO, s. m. Augmentativo de 
Caldeira. 

— Em Ichthyologia, peixe do mar qua- 
si do tam;mho da baleia. 

— Em musica, signal que denota clau- 
sula, suspensão ''^ 

— Caldeirão e malheirão, jogo de ra- 
pazes. 

— AdaG. : líNão anda a corda sem o 
caldeirão.» Bluteau, Suppl., traz a varian- 
te : 11 Vá a corda traz o caldeirão.» 

CALDEIRARIA, s. f. (De caldeira, com 
o suffixo «ária»). Bairros, arruamento de 
caldeireiros. — Òfficina de caldeireiro. — 
Figuradamente: Logar onde se faz muito 
ruido, como nas ruas e officinas de caldei- 
reiros. 

CALDEIREIRO, s. m. (De caldeira, com 
o suffixo «eiró»). O que faz caldeiras, 
caldeirões, tachos e em geral vasos de co- 
bre. — aNão descançarão meus inimigos 
até não darem comigo em casa deste mal- 
dito caldeireiro.» Francisco Manoel de 
Mello, Apol. Dial., p. 5. 

— Termo do Brazil. O que trabalha 
nos engenhos de assucar, tendo por em- 
prego limpar as meladuras na caldeira. 

CALDEIRÍA, s. /. (De caldeira, com o 
suffixo «ia»). Obra de caldeireiro. 

CALDEIRÍNHA, s. f. Diminutivo de 
Caldeira. Vaso de cobre de levar a agua 
benta. 

CALDEIRO, s. m. (De caldeira). Vaso 
de cobre com que se tira agua dos po- 
ços. 

CALDINHO, s. m. Diminutivo de Caldo. 

CALDO, s. m. (Do latim caldus, por ca- 
lidus, quente, der. do thema cali, cale, 
em culêre, por meio do suffixo «do» ; 
vid. Quente). Alimento liquido que se 
prepara fazendo ferver em agua substan- 
cial, animaes, e mais ordinariamente car- 
ne de vacca, ou ás vezes só hervas e le- 
gumes. — Caldo de vacca. — Caldo de gal- 
linha. — Caldo dapanella. — «Mesinhas, 
caldos, devoções, frades que bensem.v Fran- 
cisco Manoel de Mello, Carta de Guia de 
Casados. — Caldos mef//c;'?!rt«s, caldos que 
se preparam com um fim thcrapeutico e 
em que entram substancias medicamento- 
sas. — Caldo verde, caldo de couves com 
unto, muito usado nas províncias do nor- 
te. — Caldo amarello, antigo nome de um 
caldo que se fazia com gemmas d'ovos. — 
«E pagareis XX ovos jjera caldo amarel- 
lo^. Doe. de 1365, em Viterbo, Eluc. — 
Caldo esforçado, caldo em que ha grande 
porção de substancia orgânica. = Usado 
por Bento Pereir.a. — Termo de Traz-os- 
Mimtes. Couve. É duvidoso todavia que 
seja idêntico á palavra caldo nas outras 
significações, o que ainda assim, não é im- 
possível. Vid. Couve. 

— Loc: Derramar o caldo, entornar 
o caldo, atrapalhar um negocio, deitar os 
negócios, as cousas a perder. — 'Temos o 



caldo entornado, temos o negocio perdido. 

— Remecher os caldos, dirigir um nego- 
cio, ser cabeça n'uma empreza. — «Isso í 
caldo requentados , isso é cousa de pouco 
valor, cousa que já passou por outras 
mãos. Enfermidades da lingua, p. 132. 

— Metter alguém em caldos, mettêl-o em 
trabalhos, em coisas de cuidados. — Es- 
tar a caldos, estar muito doente. 

— AdaG. ; « Cautela e caldo de galli- 
nha nunca fizeram mal ao doente — De 
caldo requentado nunca bom bocado». Blu- 
teau, Vocab. — «Prova iew caldo, não per- 
deras teu pãof>. Ob. cit. — «Caldo de na- 
bos, nem o queiras, nem o dês nunca a 
teus criados. r> Ob. cit. — «Caldo de ra- 
posa, frio, e queimar). Ob. cit. — Come 
caldo, vive em alto, anda quente, viverás 
longamente» . Ob. cit. 

CALDO, adj. (Do latim caldus, de ca- 
lidus; vid. Caldo, subst.) Quente. A prova 
do ferro caldo era uma das antigas pro- 
vas judiciarias, que consistia em tomar um 
accusado um ferro em brasa, não de- 
vendo queimar-se para provar a sua in- 
nocencia. 

— Loc: Tomar o ferro caldo por al- 
guém, ou alguma cousa, crer na innocen- 
cia ou na verdade d'e]la. Metáphora tira- 
da da prova do ferro caldo, hoje des- 
usada ; mas diz-se ainda 2'ôr as mão* ne 
fogo por aJquem. 

■ > CALDÓÇA, «• /■ (De caldo, com o suf- 
fixo «oça», como carroça, de carro, por 
Ihoça, de palha, etc.) Quantidade grande 
de caldo. — Caldo pouco substancial. 

t CALDÓRRO, s. /. (De caldo, com o 
suffixo «orro», como cachorro, de cacho; 
vid. Cachorro, etc). Caldo mal feito, cal- 
do ordinário. Enfermidades da linaua, p. 
111. ^ 

t CALDÚCHA, í. /. (De caldo, com o 
suffixo «ucha», como capticha, de capa; 
vid. Capucha). Caldo claro, pouco sub- 
stancial. 

^ t CÀLEA, s. /. (Do gi-ego kaUs, bello). 
Termo de Botânica. Arbusto originário 
da America equinocial, da família daa 
compostas senecionideas. 

t CALEACTA, s. f. i,Do grego kaUs, 
bcllo, e actis, raio). Termo de Botânica. 
Secção do género cálea, que comprehende 
as espécies de capítulos radiados. 

t CALEÁNA, s. /. Termo de Botânica. 
Género de plantas da tríbu das arethú- 
seas. 

CALÉÇA, s. /. (O italiano tem calesse, 
calesso,o francez caIècJic,o inglez cal^sh; 
a palavra é de origem slava : bohemío ko- 
/tsa. polaco kohiska. A forma caléça apro- 
xíma-se mais da italiana e da original, 
que da francej.a caleche, que também te- 
mos (^víd. Caleche\ e n-lo pôde ser por- 
tanto uma alteração d'esta ulfinia, antes 
esta ultima õ uma alteração delia. A for- 
ma caleça nào se introduziu pois no por- 
tuguez pela via do francez, mas antes 
pela do italiano ou outa\i. A verdadeira 



46 



CALE 



CALE 



CALE 



orthographia é calessa). Sege de estrada, 
mais forte e grosseira que as das cida- 
des. 

CALÉCEIRO, s. /. (De caleça, ou, me- 
lhor, calessa, uom o suffixo «eiró». A ver- 
dadeira orthographia é calésseiro ; vid. 
Caléça). O que guia a caleja pela estrada. 

CALECÉIRO, s. 771. Outra forma de Ca- 
laceiro; vid. esta palavra. 

CALECHE, s. /. (Do francez caleche; 
vid. Caleça). Carruagem de molas, de 
quatro rodas, muito leve e era geral des- 
coberta pela frente. 

— Obs. gkamm. : E só por abuso que 
se diz um caleche e não uma caleche ; to- 
davia esse abuso parece ter-se tornado 
quasi regra. 

CALÉÇO, s. m. (Forma mais aproximada 
ainda que caleço do italiano calesso ;v\d. 
Caleça. A recta orthographia é calesso). O 
mesmo que caleça. = CoUigido por Bento 
Pereira. 

CALECTÁSIA, s. /. (Do grego kalós, 
bello, e ektasis, desenvolvimento). Termo 
de Botânica. Género da familia das jún- 
ceas. 

t CALECTASIADO, adj. (De calectasia). 
Termo de Botânica. Semelhante á cale- 
ctasia. 

t CALECTASIAS, s. m. pi. Grupo da 
familia das júnceas. 

CALEDONÍO, adj. e s. (Do latim cale- 
donius, de Caledónia^ paiz a que corres- 
ponde quasi toda a moderna Escócia). 
Que é da Caledónia. Ursus caledonios. — 
Animaes caledonios, os ursos. 

Aqui por entre serras se levantSo, 

Animaes Caíttlvniõíi, e os veados 

Na fugida iniJa mal assegurados, 

Porque Jo Boin dos próprios pés s'espaDtam. 

CIU., CANÇÃO XTI. 

t CALEDONITE, s. f. (De Caledónia ; 
vid. Caledonio). Termo de Mineralogia. 
Mineral de uma côr verde tirante a azu- 
lado, que se acha na Escócia. 

CALEFACÇÃO, s. /. (Do latim calefa- 
ctio, de cale, thema àecalêre (vid. Quen- 
te), e factio; vid. Facção, Feição). Acyào 
de aquecer. — Calor causado pela acçào 
do fogo. = Pouco usado. 

CALEFACIENTE, adj. 2 gen. (Do latim 
calefaciens, de cale, themà de calêre, 
(vid. Quente), e faciens, part. activo de 
fado (vid. Fazer). Termo de Medicina. 
Que augmenta ou reanima o calor natu- 
ral. 

CALEFETAR, v. a. Vid. Calafetar. 

CALEFRIOS ou CALAFRIOS, s. m. pi. 
(Do thema cale, cm latim calêre (vid. 
Quente), e frio). Arripiaraento que se sente 
no corpo quando no principio de uma se- 
zão, etc, o calor retira e o frio vae cres- 
cendo. — « Tem o ferido suores, calafrios, 
tremores, D Ferreira, Recopilação da Ci- 
rurgia, p. 183. 

CALEIDOSCÓPIO, 6. m. Vid. Kaleidos- 
copio. 

CALEIRA, s. /. (Do ant. cal ou caal, 



com o sufExo «eira»). Cano dos telhados. 
Quelha. 

CALEIRO, s. m. O mesmo que Caleira. 

CALEIRO, s. m. (De cal, cum o suffi- 
xo «eira»). O que faz cal. 

CALEJA, s. f. (Do latim calles, com o 
suffixo «eja»). Kuasinha. Viella. — aAquel- 
le andará pellas calejas ç«e não ha igual 
renda umas despezas.» Jorge Ferreira de 
Vasconcellos, Ulysyppo, act. i, se. 1. 

CALEJA, s. /. (Alteração de Caleça). 
Espécie de carruagem ou caleça. = Usado 
no Alvará de 9 de agosto de iõSG. 

CALEJADO, "part. pass. de calejar, e 
adj. Endurecido. Fortalecido contra os 
casos da sorte. — «Calejado vou que farte; 
não ha mal que possa comigo.» António 
Ferreira, Bristo, act. v, se. G.— Invete- 
rado. — Ódio calejado. 

CALEJÃO, s. m. Vid. Callejão. 

CALEJAR, V. a. (De callo, com o suffi- 
xo «ejar», como alvejar, de alvo, bran- 
quejar, de branco. A palavra como os 
derivados deve escrever-se com dous «11»). 
Tornar calloso, fazer crear callo. — Figura- 
damente : Endurecer, fortalecer contra os 
casos da sorte, tornar insensível. — «Hum 
bem que tinha a continua infelicidade, e 
era calejar e endurecer os que vexa.» 
Amador Arraes, Dial. IX, cap. 10, 

■ — Calejar, v. n. Vid. Calejar-se. 

— Calejar-se, v. rejl. Tornar-se callo- 
so ; figuriídanicnte : endurecer-se, 

CALEMBOURG ou CALEMBUR, s. m. (Do 
francez ^calembourg, que, segundo Char- 
les, tem sua origem em o nome do abba- 
de Calemberg, personagem gracioso dos 
contos allemâes). Jogo de palavras funda- 
do sobre palavras semelhantes em quanto 
ao som, mas difierentes em quanto ao sen- 
tido. Assim comer fado é um calembur, 
por quanto a palavra fado é ou um sub- 
stantivo, ou um adjectivo que se pôde em- 
pregar d'um modo adverbial. 

— Obs. : A palavra é de introducção 
recente, e na França mesmo ainda não 
existia no século xvi, em que os calem- 
bours eram chamados equivoques; está 
todavia bastante inoculada no uso para 
que se discuta a prestào da sua orthogra- 
phia aportuguezada, que deve ser calem- 
bur, como se acha já em algumas publica- 
ções. Os puristas dizem equivoco, jogo de 
palavras. 

t CALÉMGO, s. m. Mammífero de pelle 
nua, como a dos cães turcos, que vivem 
nas Cordilheiras. 

t CALÉMIS, s. m. (Alteração do latim 
calamus). Direito de sello ou de penna 
em Constantinopla. 

CALEMÚTE, s. m. (Palavra asiática). 
Barco pequeno que na índia anda ao ser- 
viço das grandes embarcações. — tHum 
caíemute que levou para o serviço da ga- 
lé, k Diogo de Couto, Dec. V, Liv. vii, 
cap. 6. 

CALENDAS, s. f. pi. (Do latim calen- 
dce, no accusativo calendas, derivado de 



calare, chamar (vid. Chamar), porque an- 
tes da publicação dos fustos um pontifica 
em Roma convocava o povo no primeiro 
dia de cada mez e dizia-lhe quaes eram 
os dias feriados). O primeiro dia do niez 
entre os romanos. — O dia das calendas. 

— Loc. .• Para as calendas grega», 
nunca, pois os gregos não tinham calen- 
das. Outras expressões equivalentes são : 
Para o dia (ou anno) de S. Cerejo, giian- 
do as gallinhas tiverem dentes, etc. — • 
Calenda do natal.— Ca\enàa. do Baptista, 
o dia que precede o da festa do nasci- 
mento de Christo ou de S. João Baptista. 

CALENDÁRIO, s. m. (Do latim calenda- 
riuin, de calendas (vid. Calendas). In- 
dicação dos dias, dos mezes, das estações 
do anno, das festas dos santos, etc. — 
Antigo calendário ou calendário juliano, 
o que se conforma á reforma feita pelaa 
ordens de Júlio César e pelos cálculos do 
astrónomo grego Sosigenes. — Novo ca' 
lendário, ou calendário gregoriano, o que 
se conforma á reforma feita por o papa 
Gregório Xiii e accrescenta ao anno d'es- 
sa reforma onze dias, erro entre o tempo 
verdadeiro e o tempo dado pelo calendá- 
rio juliano, resultante de quantidades des- 
conhecidas a Sosigenes. — Calendário pev' 
petuo, série de calendários que indicam 
todos 08 dias cm que cáe a Paschoa e as 
festas moveis. — Calendário republicano, 
calendário instituído pela liepublica fran- 
ceza, o qual começava no equinoxio do 
outomno e tinha ínezes de trinta dias ca- 
da um, com cinco ou seis dias comple- 
mentares. — «Calendário de Flora, folhi- 
nha botânica, tractado sobre o tempo em 
que as plantas de um paiz rebentão, flo- 
recém, dão fructo e j^crdem as suas folhas 
em cada anno.y> Avellar Brotero, Com- 
pendio de Botânica, Tom. ii, p. 152. — 
Figuradamente : Kyrie, enfiada, princi- 
palmente de queixas, recriminações, — • 
».Este homem rala-nos a paceencia com 
o seu calendário de miseriast.-= Popular 
no ultimo sentido. 

— Syn. : Calendário, Almanach, Re- 
portório. O objecto do Calendário é con- 
stituído unicamente pela indicação dos 
mezes, dos dias, das festas. O Almanach 
e o Reportório apresentam demais ob- 
servações astronómicas, tabeHas das ma- 
rés, prognósticos sobre as diversas con- 
dições do ar, predicções, etc. Os Alma- 
nachs intitulam até a secção que dá a in- 
dicação dos dias, dos mezes, dag festas, 
Calendário ; assim o Almanach compre- 
hende o Calendário. Sobre a differença 
entre Almanach e Reportório, vid. Re- 
portório. 

CALENDARISTA, s. m. (De calendário, 
com o suffixo «ista», como romancista, 
de romance, praxista, de praxe, etc.) O 
que compõe calendários. 

CALENDER, 8. m. Vid. Calandar. 
CALÈNDULA, s. /, (Do latim calendu- 
la, a planta chamada maravilhas ou bem- 



CALE 



CALH 



CALH 



47 



me-queres). Termo de Botânica. Planta 
officinal, a que se dão os nomes vulga- 
res de maravilhas ou de bemme-qiteres. 

— Termo de Zoologia. Género da fa- 
milia das cotovias. 

CALENDULADO, adj. (De calendula). 
Termo de Botânica. Que tem o aspecto 
da calendula. 

— Termo de Pharmacia. Confeccionado 
com ealendula. == Usado por Curvo Se- 
medo no ultimo sentido. 

t CALENDULÍNA, s. /. (De calendula, 
com o siifBxo «ina»). Termo de Botâni- 
ca. Substancia mucilaginosa, bastante si- 
milhante á gomma que se extrahe das 
flores da calendula officinal. 

t CALÊNDYMO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e endymo, vestido). Termo de Zoo- 
logia. Género de coleópteros pentâmeros, 
da familia dos málacódermes. 

t GALENO, s. m. (De Calenus, nome de 
um advinho etrusco, muito célebre na an- 
tiguidade). Espécie de borboleta, 

t CALENTAR, v. a. (Forma primitiva 
de acalentar, sem o «a» prosthético ; aca- 
lentar é formalmente idêntico a aquen- 
tar. Calentar deriva do theraa participai 
calente (latim calens, calentis), de calére, 
(vid. Caldo e Quente), como contentar, de 
contente (vid. esta palavra), sentar, do 
antigo se&nte (vid. esta palavra), ou do 
original sendente, em sedens, sedentis, 
part. act. do latim sedêre (vid. Ser). 
São numerosas as formações d'e3te géne- 
ro ; as indicadas bastam para ^exemplo. 
O sentido original de calentar, acalen- 
tar, perdeu-se, conservando-se apenas os 
derivados. Ao sentido de embalar che- 
gou-se por meio d'uma série de desenvolvi- 
mentos de significações, facílimas de re- 
construir: 1 ." Aquentar ; 2.° Aquentar uma 
creança contra o seio, toraando-a nos bra- 
ços ; 3," Trazer uma creança nos braços 
com carinho; 4.° Acarinhar a creança que 
chora toraando-a nos braços e einbalan- 
do-a ; 5." Embalar. Como o sentido pri- 
mitivo se conserva na forma parallela ou 
divergente aquentar (vid. no artigo sobre 
a palavra Divergente, Formas divergen- 
tes), nào ha dúvida alguma acerca d'es- 
te processo). A forma calentar é de raro 
uso ; podemos só apresentar um exemplo 
era que o seu sentido é um tanto indefi- 
nido). Talvez favorecer, proteger : 

E ros qae de tronailnr 
Calenlays os trouad tcs. 

CiNC. Hí BBzíNnn. 1, p. IS. 

t CALENTÚRA, s. f. (Do heapanhol 
ealenturas, febre, fornialinento idêntico 
ao portuguez quentura ; vid. esta pala- 
vra). Termo de Medicina. Espécie de 
delírio furioso a que estão sujeitos os na- 
vegadores sob a zona tórrida, e que é ca- 
racterisada principalmente pelo desejo ir- 
resistivel de so lançarem ao mar. 

t CALENTÚRAS, s. m. (Vid. Calen- 
tura). Termo de Botânica. Madeira mui- 



to amarga das Philippinas, empregada 
contra a cnlentura. 

CALEÓTE, s. m. Virl. Caluete. 

Calepino, s. m. (Do italiano calepi- 
no, do francez calepin, do nome do au- 
ctor .d'um vocabulário polyglotta, Atnbro- 
sio Calepino, fallecido era 1511 ; o nome 
passou ao vocabulário, e d'ahi se desen- 
volveu a significação que segue). Collec- 
ção de notas que uma pessoa toma para 
seu uso ; canhenho. 

t CALÊPO, s. TO. Termo de Zoologia. 
Género de insectos. 

t CALEPTERYX, s. m. (Do grego ka- 
lós, bello, e pteryx, aza). Termo de Zoo- 
logia. Género d'insectos. 

CALES, s. m. Vid. Calis. 

CALÉTE, s. TO. (?) Termo familiar. 
Compleição, constituição robusta do cor- 
po. — <r Tem bom calete.» .Jorge Ferreira 
de Vasconcellos, Aulegraphia, foi. 44, v. 
= Colligido por Bento Pereira. 

CALÉU, s. m. (Palavra asiática). Ani- 
mal feroz da Ásia. — aChegamos ao outro 
dia a kua serra mui/to alta e de muytas 
ribeyras de agoa que se chamava Botino- 
fan, em que havia muytos tigres, badas, 
liões, caleus, onças, zevras, e outra muij- 
ta diversidade de bichos, os quais saltan- 
do e preando só pela encliiuição das suas 
robustas e feras naturezas, faziào cruel 
guerra a outras sortes de bichos e ani- 
maes de natureza mais fraca. » Fernão 
Mendes Pinto, Peregrinações, cap. 73. 

CALÉXE, s. f. ou m. Vid. Caleche. 

CALHA, s. f. (Forma parallela ou diver- 
gente de quelha ; vid. Calhar, palavra sob 
a qual se explica a mudança do «e» ac- 
centuado de quelha era «a»). Cano por on- 
de váe a agua ás línguas do rodizio do 
moinho. — Peça sobre que encaixa ou em 
que se encaixa outra. — Nome dado pe- 
lo povo aos carris do caminho de ferro. 
— Espaço que ha entre os páos no jogo 
da bola cora páos, e no jogo do bilhar, 
entre os páosinbos. — Levar cinco de ca- 
lha, no jogo da bola, locução que signi- 
fica fazer correr a bola por entre os páos 
sem derribar nenhum, passando a bola 
para além d'elles por o intervallo chamado 
calha. — Passar pela calha, no jogo do bi- 
lhar com páosinhos, é fazer passar a bo- 
la por meio d'ellcs sem deitar nenhum 
abaixo, com o que se ganha um certo nu- 
mero de tentos. — Calha, jogo de rapa- 
zes, descripto por Bluteau, Suppl. 

— Loc. : o-Que pela calha, que pela 
malha^t, quer d'uma maneira, quer d'ou- 
tra. Enfermidades da lingua, p. 144. 

CALHABOUÇO, .«. ,». Outra fórraa de 
Calabóço cm Calabouço. 

CALHADOURO, s. m. (De calha, com 
o suflixo (idauro"). Logar marcado no 
jogo da bola, onde os jogadores devem 
firmar os pés para atirarem. 

CALHA LEITE, s. m. (Alteração de coa- 
Ihaleite (vid. esta palavrat, por influen- 
cia do calha e calhar"). Planta com que 



se faz coalhar o leite. = Forma auctori- 
sada por Avellar Brotero, Compendio de 
Botânica, Tom. ii, p. 331. 

CALHAMAÇO, s. to. (Alteração de ca- 
nhamaço, por influencia de calha, calhar 
e outros derivados de calha, pelos proces- 
sos da etymologia popular; vid. Canha-, 
maço). Panno grosso de linho, de que 
ha muitas variedades. — Calhamaço barri- 
gão. — Calhamaço panarei. — Calhamaço 
com festo. — «Fazem hum taleigo de calha- 
maço encerado. i> Diogo Fernandes Fer- 
reira, Arte da Caça de Altanaria, foi. 15, 
V. — Termo chulo. Livro de grandes di- 
mensões e impresso em papel grosseiro. 

CALHAMBEQUE, s. m. (De formação 
duvidosa ; comparem-se todavia as pala- 
vras que tem beque por segundo elemen- 
to; vid. Caximbeque). Espécie de embar- 
cação pequena. 

CALHAMBÔLA, s. 2 gen. (Do tupy ca- 
nhembora, o costumado a fugir). Termo 
do Brazil. O escravo ou escrava que fu- 
giu e anda amontado, vivendo em qui- 
lombos. 

CALHANDRA, s. f. (O hespanhol tem 
cahindria, o italiano e o provençal calan- 
dra, o francez calandre j segundo todas 
as probabilidades, denominação dada á 
ave por causa da sua poupa, do latim ca- 
liendrum, bonné, que vem do grego kál- 
lyntêrion, ornato, palavra derivada de kal- 
Isó, bello objecto, ornato, da mesma raiz 
que kalós, bello, isto é, da raiz kal, que 
se encontrou no sanskrito kal-jâna-s, bello, 
escellente, perfeito, kal-ja-s, são, gothico 
keil-s, são, santo, allemão moderno keil, 
slavo ecclesiastico cale, são, lituanio oze- 
las, inteiro. Vid. Bopp, Glossarium Sans- 
critum, s. rad. kal, fSchleicher, Formen- 
lehre der Kirchenslawischer Sprache, p. 
101, Curtius, Grundziige der Griechis- 
chen Etymologie, p. 130 (2.* ed.), etc. 
Em portuguez a palavra não designa exa- 
ctamente a mesma ave que em francez e 
italiano, porque o que chamamos calhan- 
dra carece exactamente do ornato natu- 
ral que motivou a sua denominação ; o 
nome foi pois transferido de uma ave para 
outra da mesma farailia; cp. Leituga, etc.) 
Espécie de cotovia grande, sem poupa e 
com uma colleira de pennas negras. 

A(]ai soa a cclhandra na parreira, 
A rola gemi ; paira o eslornlnbo. 

CAU., CJLVÇ. III. 

— €Mergulhou-se hum diabo de hum Ita- 
liano : e tanto se profundou, que lá foy 
dar comigo ; gallou-se de repente sobre 
mim, (que não venha cá Gavião sobre Ca- 
lhandra) e jillou-me de sorte, que ainda 
vendo-se afogado por mil vezes, me não 
quiz largar a mão.t Francisco Manoel de 
Mello, Apol. Dial., p. 76. — «^Is Calhan- 
dras fSo aves inimigas da gente, ou ?»or- 
rem voando, ou csdiplo fugindo.* Diogo 
Fernandes Ferreira. Arte da caça de Al- 
ienaria, foi. 14. V. 

CALHANDREIRA, í. /. (Do calhandro, 



48 



CALH 



CALI 



CALI 



com o suffixo «eira»). Termo popular. 
Mulher que despeja calhandrns e bacios. 
l.)CALHÂNDRO, s. m. (De calhandra.) 
O macho da calhandra. 

De competir com o melro n5o liescança 
í^arrulii calhanilro que r.nrouqucce 
Por não perder calíido a conflança. 

CAM., ELEIJIAS, T[. 

2.) CALHÂNDRO, s. m. (A primeira si- 
gnificação que damos da palavra leva-nos 
a vêr n'ella uma alteração, demais sim- 
piicissiraa, do baixo-latira calendra, que 
já é modificação de ci/lindro, por meio 
da forma intermédia calandra (vid. esta 
palavra). O que nos auctorisou a apre- 
sentar esta etyraolofíia como verdadeira, 
é que a palavra cylindro serve de deno- 
minação a diflfercntes objectos de lórraa 
cylindrica. Vid. Cylindro. Termo popu- 
lar. Bacio alto de forma cylindrica. Por 
extensão, bacio em geral. 

CALHAO.s. m. (Moraes forja aqui ou acha 
nalgum forjador de palavras de linguas 
estrangeiras como elle, um árabe calláo, a 
que accrescenta em lat. silex, sem se saber 
como nem para quê; Constâncio e o aca- 
démico Lacerda vão para o grego khalix. 
A sua ignorância fez com que elles, obe- 
decendo a seus hábitos; não derivassem 
ã palavra do provençal, ou d 'outra lín- 
gua românica. Efiecti vãmente cm pro- 
vençal ha calhau, era francez cailluu; os 
dialectos offerecem grande numero de for- 
mas, por exemplo: berrr/ chaiUon, chi- 
lon, mármores, caiau, ruchi, caliaus, etc. 
A' vista d'estas formas é que a palavra 
deve ser explicada; ora a explicação pro- 
posta, seriamente estudada, se apresenta 
obscura. Segundo Littré, só se pode admit- 
tir até ao presenteque venha de calculus, 
por causa do sentido; mas isto, não como 
facto, positivo, averiguado. De calcuhis, 
por suppressào regulai do «u» breve, vii'ia 
calclus, d'ahi uma forma calho; mas nem 
era provençal nem em portuguez ha um 
suffixo «an»; ahi está o busilis queaety- 
mologia românica não pôde ainda ven- 
cer. (Joncebese por este exemplo adilfe- 
rença que ha entre a etymologia scientití- 
ca, que nenhuma origem pode propor sem 
a fundamentar por todos os lados, e a 
etymologia cómica, para rir, apresentada 
por Moraes, Constâncio, o académico La- 
cerda, e outros académicos). Pedra muito 
dura, que batida com força faz fogo. 

— Termo de Geologia. Qualquer frag- 
mento de rocha pouco volumosa. 

— Loc: Duro como calháo, muito duro. 
— Coração de calháo, coração insensível. 
— Homem ou mulher de faca e calháo, ho- 
mem ou mulher destemida, capaz de as- 
sassinar. 

CALHAR, V. n. (Por uma forma que- 
Ihar, de quelha, mudando-se o «e» não 
accentuado do infinito em «a», como era 
piadoso, por piedoso (Livros de Linhagens, 
Liv. III, p. 187, em Portug. Mon. His- 
tor. Soriptores), ellamentos, por ellemen- 



tos (Azurara, Chronica de Guiné, cap. 35), 
salvagem por selvagem (Ob. cit., cap. 32), 
Avartfjelho por Evangelho (D. Duarte, 
Leal Conselheiro, cap. 7), etc, e influin- 
do depois esse oa» não accentuado das 
formas calho por quelho, etc. Para uma 
influencia de egiial natureza vid. Sogigar, 
e as formas citadas sob esta palavra. 
Também em Calha, suhst., ha um resulta- 
do da mesma influencia, a não ser esta 
forma derivada de Calhar, como estima, 
de estimar, cala, de calar, e[,c). Ajustar- 
se, introduzir-se facilmente n'uma calha; 
encaixar-se facilmente ; figuradamente : 
dar-se, ajustar-se. — Esses actos não ca- 
lham com o meu caracter. — Seguir, abrir 
caminho como a agua pela calha. — Suc- 
ceder, acontecer. — Calhou ir na occasião 
propícia. 

1.) CALHE, s. m. (De calle, molhando- 
se- o «1» germinado como em centelha, do 
latim scintiUa, tolher, do latim tollere, 
calha, do latim galla, ant. galhinha, de 
gallinha (Viterbo, Eluc), etc. Rua d'um 
jardim ; álea. 

2.) CALHE, s. m. (De calha, raudan- 
do-se o «a» final em «e», talvez por con- 
fusão com 1.) Vid. Calha. 

CALHETA, s. f. (Decaia, com o suffixo 
diminutivo «eta», abrandando-se o «1» 
em «Ih», como empilha, do latim pilar 
(vid. Pilar), solho, do latim sohim, etc. 
Como, porém, esse abrandamento do «1» 
em «Ih» é esporádico, tornar-se-hia na'.u 
ral pensar que pelo processo da etymolo- 
gia popular se suppozesse a palavra con- 
nexa com calhe, e d'ahi a sua modifica- 
ção). Pequena angra, quebrada ou bo- 
queirão nas costas bravas e recifosas, 
onde podem entrar os navios para apor- 
tarem a terra. — dOnde quebra o mar, faz 
humas calhetas para poderem desembar- 
car. ti Barros, Década II, foi. 79. — (.(.Che- 
gada a porto esta embarcação, que era 
huma fermosa lancha ao remo, os que 
nella vinhão a atrancaruo com dous proi- 
zes de popa e de proa com a ribanceira 
que aponta da calheta fazín. para se po- 
derem servir com prancha. )i Fernão Men- 
des Pinto, Peregrinações, cap. 44. 

CALIÁNA, s. /. (Palavra asiática). In- 
strumento de cachimbar, usado pelos per- 
sas e mogores. 

CALIBRE, s. m. (O hespanhol e o fran- 
cez têm calibre, o italiano calibro; a pa- 
lavra tem da lo logar a muitas discus- 
sões etymologicas. Littré adraitte, sem re- 
flexão, que a palavra vem do árabe cctíaò, 
forma. Mas o sábio arabista Dozy não ac- 
ceita, e rebate, com argumentos impor- 
tantes, essa etymologia. — - aA palavra 
câlab^ diz elle, vem de kalapoys ou ka- 
lópoys (grego) ; designava pois primiti- 
vamente forma, modelo que serve para 
dar a um sapato a forma que elle deve 
ter ( — horma de zapatcro em Pedro d'Al- 
cala. Mil e uma noites, iv, 681, liv. 16, 
ed. Macnaghten), e por extensão, forma, 



modelo em geral; vid. Fleischer, de Glos- 
sis Habicht, p. 72. Mas em quanto a ca- 
libre, creio com H. Mahn (Etym. Unters., 
p. 5, 6) que se deve buscar-lhe a origem, 
não no árabe, nms no latim. O accento 
não permitte derivalo de câlab, e a si- 
gnificação d'esta ultima palavra não con- 
vém melhor. Aos argumentos dados pelo 
sábio que acabo de nomear, pode-se acres- 
centar que, segundo M. Jal (Glossaire 
nautique), o francez do século XVI tinha 
équalibre/)yr calibre.» Glossaire desmots 
espagnols et portugais derives de Tarabe, 
p. 377. Ora Mahn, no logar citado por 
Dozy, pretende derivar calibre do latim 
quã libra, de que peso, etymologia que 
poucas analogias favorecera, e de cara- 
cter assas artificial. Por fim ha ainda ou- 
tra etymologia de Wedgwood, não mais 
fundada. A palavra, pois, p(5de conside- 
rar-se ainda como d'origem duvidosa). 
Capacidade d'um tubo que se mede pelo 
seu diâmetro. — Particularmente, o diâ- 
metro interior das armas de fogo. — Uma 
peça de grosso calibre. — Uma peça de 
calibre 6. — « Por proa bomeava cinco 
peças deste calibre.» Padre Fernão de 
Queiroz, Historia da vida do irmão Pe- 
dro Basto, p. 345. — O diâmetro da b*- 
la, bomba, etc, determinado pelo da 
peça era que deve servir. —Instrumento 
que serve para medir o calibre. — Passar 
balas ao calibre. — Calibre dos morteiros, 
regra de palmo e meio, ou de dous pal- 
mos, dividida em pollegadas e linhas. — ■ 
Figuradamente : O valor, o estado d'uma 
pessoa ou cousa. — Gente de todo o cali- 
bre, gente de todas as condições. — ««San» 
outros ladroens de mai/or calibre, e de 
mais alta esfera. n António Vieira, Ser- 
mões, Tom. III, p. 327. 

CALIÇA, s. f. (De cal, com o suffixo 
«iça»). Cal e cascalho de ruina de pare- 
de velha. — Sujo de caliça. — Coberto de 
caliça. — Limpar a terra da caliça. — 
Desfazer se uma casa em caliça. = Usado 
por Fr. Luiz de Sousa, e colligido por 
Bento Pereira. 

CÁLICE, s. m. Vid. CaliS". 

t CALICERÀDAS, s. /. pi. Familia de 
plantas que tem o calyx terminado era 
ponta. 

t CALICERÁDO, adj. (Do latim cali/x, 
calyx, e aceratus, pontudo, afiado). Ter- 
mo de Botânica. Que tem o calyx em 
ponta. 

t CALÍCERO, s. m. (Do latim calyx; 
vid. Calis). Planta vivaz do Chili, d'has- 
te fistulosa. 

t CALICHIRON, s. m. Termo de Bo- 
tanica. Nome dado á solandra e ao Índi- 
go ordinário. 

CALICIADO, adj. (Do latira calyx, ca- 
lys, com o suffixo «ado»). Termo de Bo- 
tânica. Envolto em calyx. 

CALICINÁL, adj. (De calicino, cora o 
suffixo «ai»). Que pertence ao calyx. 

CALÍCINO, adj. (Do latim calyx, com 



CALI 



CALI 



CALL 



49 



o snffiso «ino»). Relativo ao calyx. — : 
Cercado de um calys. Avellar Brotero, i 
Compendio de Botânica, ii, 153. | 

CALICULÁDO,<ic//'. ^Decaliculo). Acom- 
panhado de ura calieulo. Avellar Brote- 
ro, Compendio de Botânica, ii, 104. 

GáLÍCULO, s. m. (Do latim ecdiculusj 
diminutivo de cálix). Pequeno calyx. — 
O calyx accessorio collocado na base d'ura 
calyx maior. Avellar Brotero, Compendio 
de Botânica, ii, lòí. 

C ALIDADE, s. vi. (Alteração de Quali- 
dade ; vid. esta palavra). = Esta forma 
acha-se empregada até ao século XViii 
com mais frequência que a forma quali- 
dade. — «Segundo a calidade da pessoa 
de Nuno, e serviços que tinha feito. d 
Barros, Década 11, i, 7. — a D. Garcia 
de Noronha, que elle muyto queria por 
suas calidades.» Ob. cit., cap. viii, 2. — 
<i Tão benignas calidades, reconhecia o 
Anjo na luz, e tara rigorosas no Sol.r> 
António Vieira, Sermões, Tom. i, 253. 
— «.EUa (a virtude) goza de huma inte- 
rior calidade, que secretamente moiie os 
coraçoens a sua obediência.» Francisco 
Manoel de Mello, Epanaphoras, p. 1. — 
«Desta primeira calidade de incertos par- 
ticipão quasi todos.» Idem, Apol. Dial., 
p. 213. 

t CALIDICTYON, s. m. (Do grego ka- 
lós, bello, e dycton. tílete). Termo de Bo- 
tânica. Género de florideas, synonymo do 
género dictyuro. 

CALIFA, s. m. (Do árabe khalifa, suc- 
cessor, successor de Mahomet ; João de 
Barros escrevia calipha). Titulo dos so- 
beranos que exerceram depois de Maho- 
met o poder espiritual e temporal sobre 
os musiilmanos. — iFugindo da fyrannia 
dos califas.» Duarte Ribeiro de Macedo, 
Vida da Princeza Theodora, p. 57. 

CALIFADO, s. m. De califa, com o suf- 
fixo «ado», como principado, àe jjrinci- 
pe , patriarchado . de patrinrcha, etc.) Di- 
gnidade de califa; o tempo que reinou 
um califa. — «Também seus califados es- 
tiveram muito tempo divididos. 1 Padre 
Fernào de Queiroz. Historia da Vida do 
irmão Fedro Basto, p. 425, 

CALIFICAÇÃO, s. f. (Alteração de Qua- 
lificação ; vid. esta palavra). — «Não he 
pequena calificação de sua vida o teste- 
munho de José Anchieta, D Jorge Cardoso, 
Agiol. Lusit., Tora. i. 

CALIFICADOR, s. m. Vid. Qualificador. 

CALIFICADOR, adj. Vid. Qualificativo. 
CALIFICAR, V. a. (Alteração de Quali- 
ficar; vid. esta palavra). — o J^á califica- 
dos pelo inalterável consentimento . ...» 
Francisco Manoel de Mello, Carta de Guia 
de Casados. — «Quer que assista elle co- 
mo testenmnha calificada.» Jlanoel de Fa- 
ria, Pr omptuario Moral, p. 311. — tPa- 
lavra com ijue califíca grendemente sua no- 
breza.» Monarch. Lusit., Tom. iv, p. 57. 
CALIGA, s. f. (Do latim caligue, de que 
se deriva o nome do imperador Caligula). 



Espécie de sandália guarnecida de pre- 
gos, que usavam os soldados romanos. — 
Calçado baixo de mulher. = Usado no 
ultimo sentido por António Pereira de 
Figueiredo, na traducçào da Biblia. 

CALIGEM, s. f. (Do latim caligo, cali- 
ginis). Termo poético. Escuridão, trevas. 

— Termo de Cirurgia. Espécie de névoa 
nos olhos. — «Caligem nos olhos, he hu- 
ma nuvem delgada, que faz a vista escu- 
ra. d António da Costa, Recopilação de 
Cirurgia, index. 

CALIGINOSO, adj. (Do latim caligino- 
siis, de caligo, da raiz kal ; vid. Occul- 
tar. A orthographia com dous «11» é erró- 
nea). Termo didactivo e poético. Escuro, 
sombrio, tenebroso. — « Trará hum remoi- 
nho de nuvens negras, escuras, e calligi- 
nosas. » António Vieira, Sermões, Tom. 
VII, p. 488. 

A Idz dos olhos qae do Ceo se dera 
Pára cbegar goiaado á SumiDa Altura 
Haa callitjiniisa oevoa era, 
Se netoa pode haver tão irisle e escara. 

EOtlM DE KOnU, SOVISS. DO HOMEV, Cailt. H, 

esi. 76. 

— Figuradamente : Olhos caliginosos, 
olhos fechados á luz, no sentido physico 
e no sentido moral. 

t CALIGIG, adj. Termo de Zoologia. 
Que se parece com o caligo. 

•f CALIGIOS, s. m. pi. Farailia de crus- 
táceos, cujo typo é o género caligo. 

t CALIGO, s. m. Termo de Zoologia. 
Género de pequenos crustáceos, da ordem 
dos siphonóslomos. 

t CALÍGULA, s. f. (Do latim caligula, 
diminutivo de caliga). Termo de Zoolo- 
gia. Pelle que cobre o tarso das aves. 

CALÍM, s. m. (Alteração de Calaim ; 
vid. esta palavra). Liga metallica feita na 
China, de estanho e chumbo. — Estanho 
de Sião e de Malaca, de que se fazem 
caixis para chá. 

CALIMBÉ, s. m. ^Palavra americana). 
Cinta de algodão, de cerca de trez dedos 
de largura, único vestuário dos negros da 
Guiana. 

GALÍME, s. m. (?) Termo de Náutica. 
O delgado do navio comprehendido en- 
tre a linha d'agua e o gio grande. 

t CALÍMERIS, s. m. (Do grego kalm, 
bello, e meris, parte). Termo de Botâni- 
ca. Género da família das synanthéreas 
asteróideas. 

t CALINDA, 5. /'. (Palavra americana\ 
Dança dos negros crioulos da America, 
que elles executam dispostos em duas fi- 
leiras em frente uns dos outros, avançan- 
do e recuando com cadencia, e fazendo 
ao mesmo tempo visagens extravagantes 
e gestos muito lascivos. 

t CALÍPHYLLO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e phijUos, folha"). Termo de Botâ- 
nica. Svnonvmo do género porphyrio. 

CALÍPPICÓ, adj. 2 gen. iDe Càllippcs, 
.a-strónomo grego que inventou o cyclo de 
70 aunos). Diz-se d'um cyclo de setenta 
c sois annos, depois dos quaes as luas 



novas e cheias médias deviam voltar no 
mesmo dia do anno solar. 

1.) CÀLIS, CALIZ, CÁLIX ou CÁLICE, 
s. m. (Do latim cálix, que vem do grego 
kilyx, vaso para beber, de kylê, cavida- 
de). Vaso de vidro ou de metal, de forma 
cónica, com um pé, que serve para por elle 
se beber. O cálix em que o sacerdote con- 
sagra o vinho. — Um cálix de vinho do 
Porto. — N'um sentido mystico e de de- 
voção. O cálix de Jesus Christo. — O cá- 
lix da amargura. — Figuradamente: Es- 
gotar até ás fezes o cálix da amargura, 
passar por todas as privações. 

Beber não queira por donrado cales. 
Por onde a todos dá Teoeno aquella, 
Qae abate os mootes c alevaota os ralles. 

rER>'ÃO ALTAHES DO OBIETTE, LCSIT. TRASSf., 
1ÍT. U, prOS. TUI. 

— Obs. ghamm. : O modo de escrever 
mais preferível é cálix, pi. cálices, e não 
calises, nem calizes, conformemente á ety- 
mologia e a outros factos da lingua. 

2.) CÁLIX ou CÁLICE, s. m. (Do latim 
calyx, que vem do grego kályx, invólu- 
cro, de kalyptein, occultar i vid. Occul- 
tar). Os diccionarios latinos distinguem 
cálix, copo, vaso, e calyx, calyx das flo- 
res. Na orthographia portugucza fora con- 
veniente adoptar- equivalente distincção, 
escrevendo a segunda palavra calyx, como 
tizeram Brotero, e outros i. Termo de Bo- 
tânica. Invólucro exterior da forma d'am 
copo, em geral de côr herbácea, e que 
contém a corolla e os órgãos sexuaes da 
flor. — «O caljrx e corolla são os tegumen- 
tos dos órgãos sexuaes, ou para me expli- 
car segundo o modo de alguns sexualis- 
tas, o calyx he o thalamo nupcial das flo- 
res, e a corolla a rica armação d'eUe.* 
Avellar Brotero, Compendio de Botâni- 
ca, I, p. 118. 

CÁLLA, s. /. (O mesmo que cala, mas 
escripto com dous «11» contra a etymolo- 
gia.) Aberta, pequeno porto. — uToma- 
rão a ntalaya, que era sobre a calla.» Iné- 
ditos de hist. port.. Tom. ii, p. 2r>4. 

CALLACEAR, v. n. Má orthograghia de 
Calacear, adaptada por vários escriptores. 

CALLACEIRO, «. m. Má orthographia de 
Calaceiro, usada por alguns escriptores. 

CALLAR, e derivados, escriptos erro- 
neamente com dous «11» ; vid. Calar e 
derivado;:. 

CALLEJÃO, s. wi. (De calleja, vid. Ca- 
leja, coiu o suffixo augmentativo «ão« . 
Passagem larga. = Usado pelo Conde da 
Ericeira. 

t CALLÉSIS, í. m. Termo de Botânica. 
Nome dado pelos antigos a uma planta 
que se julga ser a verbena. 

t CÀLLIA, í. /. (U)o grego kdlíos, bel- 
Icza.i Termo de Zoologia. Género de co- 
leópteros tetrâmeros. da familia dos lon- 
gicornes. 

t CALLIANASSA, s. f. 'Nome mytholo- 
gico d uma nereida, i Termo de Zoologia. 
Género de crustáceos, da familia dos th.i- 
lássios. 



50 



CALL 



CALL 



CALL 



t CALLIÀNIDA, *. /. Termo de Zoolo- 
gia. Geneio de crustáceos, da tríbu dos 
crypto-branchidos. 

_ t CALLIANÍRA, s. /. (Norae mytholo- 
gico d' Lima nereida.) Terino de Zoologia. 
Género de zooplijtos da ordem dos acalé- 
phos livre-s, que se encontra nos mares 
de Madagáscar. 

t CALLIANÍRIDES, s. f. pi. Familia dos 
acaléphos ctenóphoros, que tem por typo 
o género callianira. 

t CALLIANÍRIDO, adj. (De callianira.) 
Termo de Zoologia. Que se parece com a 
callianira. 

t CALLIÁNTHEMO, s. m. (Do grego ka- 
lás, bello, e antkemon, flor.) Termo de 
Botânica. Género da familia das rainun- 
culáceas. 

t CALLIANTHIA, s. /. (Do grego ka- 
lós, bello, e anthos, flor.) Ternio de Zoo- 
logia, (íenero de coleópteros pentâmeros, 
da familia dos malacodérmes. 

t CALLIASPIS, s. m. (^Do grego kalvs, 
bello, e (tupis, escudo.) Termo de Zoolo- 
gia. Género de cleópteros teti-âmeros, 
que tem por typo o calliáspis vermelho, 
de Cayenna. 

t CALLIBÓTRYS, s. m. (Do grego ka- 
hjs, bello, c bitr l/s, mxcho.) Ternio de Bo- 
tânica. Género fie plantas. 

t CALLIBRYÃO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e bryon, musgo.) Termo de Botâ- 
nica. Género de musgos. 

t CALLICARPO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e karpós, fructo.) Termo de Botâ- 
nica. Género da familia das verbenáceas 
agiphileas. 

t CALLICÉPHALO, s. m. (Do grego ka- 
lós, bello, e kephulê, cabeça.) Termo de 
Botânica. Nome de plantas comprehendi- 
das n'uin secção do género centáurea. 

t CALLICÉRA, s. f. (Do grego kalós, 
bello, e kéras, corno.) Termo de Zoolo- 
gia. Género de dipteros branchóceros. 

t CALLICERÀDO, s.m. (Do grego i^taZos, 
bello, e kéras, kératus, corno.) Termo 
de Zoologia. Género da familia dos oxyu- 
ros. 

t CALLICHLORIS, s. m. (pr. kaliklóris; 
do grego kaUikhlôris, que tem uma bella 
côr verde.) Termo de Zoologia. Género 
de coleópteros pentâmeros, da familia dos 
lamellicórnes. 

t CALLICHNO, s. vi. (pr. kalUkno; do 
grego kalós, bello, e ickhnos, pé). Termo 
de Zoologia. Género formado na familia 
dos patos. 

t CALLICHROADO, s. w). (pr. kallikroá- 
do; do grego kalós, bello, e khroa, côr). 
Termo de Botânica. Género da familia 
das compostas senecionídeas. 

t CALLICHROMO, s. m. (pr. kallikró- 
mo ; do grego kalós, bello, e krôma, côr.) 
Termo de Zoologia. Género de coleópte- 
ros, da familia dos longicórnes. 

•f CALLICHTO, s. m. (pr. kaUíkto.) Ter- 
mo de Zoologia. Género de peixes da fa- 
milia dos siluróides. 



t CALLICNÉMO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e knèmè, coxa.) Termo de Zoolo- 
gia. Gi-nero de coleópteros pentâmeros, 
da familia dos lamellicórnes. 

t CALLICÓCO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e kókkus, casca.) Termo de Botâ- 
nica. Synonyrao seccionario do género 
cephaelis. 

t CALLICÓDÃO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e kôdôn, sino, campânula.) Termo 
de Botânica. Synonymo seccionario do 
género érica. 

t CALLÍCOMO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e kômê, cabelleira, folhagem.) Ter- 
mo de Botânica. Género das saxífragas 
cunomiádas. 

t CALLICORNIA, s. /. Termo de Bo- 
tânica, íiynonymij de asteróptera. 

t CALLICYSTHO, s. m. (Do grego ka- 
lós, bello, e kystos, partes genitaes da 
mulher.) Termo de Botânica. Synonymo 
seccionario do género vinha. 

CALLIDADE, s. /. (Do latim calliditas, 
de callidas; vid. Callido.) Astúcia, habi- 
lidade, perspicacidade.=Oolligido no Dic- 
cionario de Moraes. 

t CALLIDÍNA, s. /. (Do grego kalós, 
bello, e dtnos, turbilhão.) Termo de Zoo- 
logia. Género de systólidas, da familia 
das philodinadas. 

CALLIDIO, s. m. (Do grego kalós, bello, 
e ídea, forma). Género de coleópteros da 
familia dos longicórnes. 

CALLIDO, adj. (Do latim calUdus, de 
calleu, endurecer, criar callo. — Figurada- 
mente : Ser versado, saber perfeitamente, 
de callum ; vid. Callo). Astuto, perspicaz, 
exercitado. = Usado por Pedro de Ma- 
ria, e coUigido no Diccionario de Moraes. 

t CALLIDRYÁDA, s. f. (Nome mytho- 
logico). Ternio de Zoologia. Género de 
lepidópteros, da familia das diurnas. 

t CALLIÉPIA, s. f. (Do grego kallós, 
belleza, e épos, palavra, estylo ; vid. Épi- 
co). Termo de Grammatica. Estylo ele- 
gante, académico. 

t CALLIGAN, s. f. (Palavra asiática). 
Certo tecido de algodão, que vem da ín- 
dia. 

t CALLIGÉO ou CALLIGÉUM, s. m. (Do 
grego kallós, belleza, e geum, género de 
plantas). Termo de Botânica. Synonymo 
seccionario do género geum. 

t CALLÍGONO, s. m. (Do grego kallós, 
belleza, e guní., nó, articulação). Termo 
de Botânica. Género da familia das poly- 
goniáceas capolygóneas. 

CALLIGRAPHÍA, s. f. (De calligrapho, 
com o suffixo «ia»). A arte de formar bem 
os caracteres da escripta. 

CALLIGRÂPHICG, adj. (De calligrapho, 
com o sufiixo dico»). Que diz respeito á 
calligraphia. — Exercícios calligráphicos. 
— Pautas calligràphicas, pautas em que 
ha diversas linhas que servem para guiar 
o que aprende a traçar os caracteres da 
escripta com perfeição. 

CALLIGRAPHO, A, s. (Do grego kal- 



lós, belleza, e gráphein, escrever). O que 
se applica á calligi^ajjhía. 

t CALLIMELLÍSSA, s. /. (Do grego 
kalós, bello, e mélissa, melissa). Termo 
de Botânica. Género seccionario do gé- 
nero melissa. 

t CALLÍMENA, s. /. Termo de Zoolo- 
gia. Synonymo de bradyporo. 

t CALLÍMICRO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e mikrós, pequeno). Termo de Zoo- 
logia. Género de coleópteros pentâmeros, 
da familia dos sternóxos. 

t CALLÍMIO, s. m. Musica de dança 
dos antigos, que se executava em flautas. 

t CALLÍMO, s. m. Termo de Mineralo- 
gia. Espécie de pedra. 

t CALLÍMONO, s. m. (Do grego kalli- 
mos, muito bello). Termo de Zoologia. 
Género de insectos da familia dos chalu- 
diános hymenópteros. 

t CALLIMÓRPHA, s. /. (Do grego kal- 
lós, belleza, e morphê, forma). Termo de 
Zoologia. Género de coleópteros da or- 
dem dos lepidópteros. 

t CALLIMOSÓMO, s. m. (Do grego kdl- 
limos, inuito bello, e soma, corpo). Termo 
de Zoologia. Género de insectos carábi- 
cos. 

t CALLINÓTO, s. m. (Do grego kallós, 
belleza, e nôtus, costas). Termo de Zoo- 
logia. Género de coleópteros tetrâmeros, 
da familia dos curculiónides genatóce- 
ros. 

t CALLIÓDON, s. m. (Do grego kallós, 
belleza, e odôn, dente). Termo de Zoolo- 
gia. Género de peixes, da f:\milia dos la- 
broides. 

t CALLIÓMORO, s. m. Termo de Zoo- 
logia. Género de peixes, synonymo de pla- 
tycéphalos. 

t CALLIONGIS, s. m. pi. Soldado da 
marinha turca. 

t CALLIÓNYMO, s. m. (Do grego kal- 
Uônymus, que tem um bello nome). Ter- 
mo de Zoologia. Género de peixes. 

t CALLiOPE, s. /. (Do grego Kalliopê, 
que tem uma bella voz; de kallós, bel- 
lesa, e ops, voz). Termo de Mythologia. 
Uma das nove musas, a que presidia á 
eloquência e á poesia heróica. 

Agora tn, Calliope, me ensina 
O que-cuDtou ao rei o illustre Gsmã. 
CAM-, Lcs., cant. i», est. 1. 

Que elle, Dem quem oa estirpe seu se chama, 
Calliope não tem por tão amiga. 
OB. ciT-, cant. V, est. 9!>. 

Aqui, rainha Calliope, te invoco. 
OB., ciT. cant. X, est. 8. 

— Termo de Astronomia. Pequeno pla- 
neta, descoberto n'estes últimos annos. 

— Termo de Zoologia. Variedade de 
antílope. Espécie commum. 

t CALLIÓPSIS, s. m. (Do grego kallós, 
belleza, e ópsis, rosto). Género de plan- 
tas, pouco difterente do coreópsis. 

CALLIPÉDIA, s. /. {Do grego kalli2)ai- 
ãia ; de kallós, belleza, e j^^^^^j' P^idós, 
criançaj. Conjuncto de conselhos dados 



CALL 



CALL 



CALL 



51 



aos pães para que elles procriem crianças 
tão bellas quanto possível fôr. 

t CALLIPÉDICO, adj. (De callipedia, 
com o suffixo «ico»). Que diz respeito á 
callipedia. 

t CALLIPÉLTIS, s. m. (Do grego kal- 
lós, belleza, e péltê, escudo). Termo de 
Botânica. Género da familia das rubiá- 
ceas estell.idas. 

t CALLIPÉPLA, s. m. (Do grego kalli- 
peplos, que está bem vestido). Termo de 
Zoologia. Género de aves quecomprehen- 
de as mais bellas variedades de perdizes. 

t CALLIPÉPLO, 5. m. (Vid. Callipepla). 
Termo de Zoologia. Género de coleópte- 
ros tetrâmeros, da familia das chrysome- 
linas. 

t CALLÍPHORO, s.f. (Do grego kallós, 
belleza, e phoreôj trago, levo). Termo de 
Zoologia. Género de insectos dípteros,da 
familia das calyptóreas. 

t CALLIPHYSA, s./. (Do grego kallós, 
belleza, e physa, bexiga, follículo). Ter- 
mo de Botânica. Synonymo seccionario 
do genenero callipógono. 

t CALLIPÓGONO, s. m. (Do grego kal- 
lós, belleza, e pôgOn, barba). Termo de 
Zoologia. Género de coleópteros tetrâme- 
ros, da familia dos longicornes. 

t CALLIPRORO, s. m. (Do grego kal- 
lós, belleza^ e prôra, proa, extremidade). 
Termo de Botânica. Género de penutos, 
da familia das liliáceas agapántheas. 

t CALLIPTÉRIDA, s.f. (Do grego kal- 
lós, belleza, e pteris, feto). Termo de Bo- 
tânica. Género de fetos. 

t CALLIRHÍPIS, s. m. (Do grego kal- 
lós, belleza, e rhipis, leque). Termo de 
Zoologia. Género de coleópteros, da fami- 
lia dos seraicornes. 

t CALLÍRHOÉ, s. /. (Do grego Kalli- 
rhoe, nome niythologico). Termo de Pa- 
leontologia. Género de molluscos fosseis. 

— Termo de Botânica. Variedade de 
amaryllida. 

t CALLISÁCEA, s. /. (Do grego kallós, 
belleza, e sakos, escudo ; da forma do fru- 
cto da planta). Termo de Botânica. Gé- 
nero da familia das umbellíferas. 

t CALLISAURO, s. m. (Do grego kal- 
lós, belleza, e sâura, lagarto). Termo de 
Zoologia. Género de sauriános. 

t CALLISEMÁIA, s. f. (Do grego kal- 
lós, belleza, e sêmaia, estandarte). Termo 
de Botânica. Género de plantas da fami- 
lia das papilionáceas. 

t CALLISIA.s./. (Do grczo kallós, bel- 
leza). Termo de Botânica. Género de plan- 
tas, da familia das commelíneas. 

t CALLiSPHYRO, s. m. (Do grego kal- 
lós, bellçza, e sphijra, martello). Termo 
de Zoologia. (lenero do coleópteros, da 
familia dos longicornes. 

t CALLÍSTA, s. /. (Do grego kalliste, 
muito bella). Termo de Botânica. Syno- 
nymo do género acrónia, planta parasita 
que nasce nos troncos das arvores ve- 
lhas. 



t CALLISTACHYS, s. vi. (pr. callista- 
kis ; do grego kallós, belleza, e stakhys, 
espiga). Termo de Botânica. Género de 
plantas, da familia das papilionáceas poda- 
lyriádas. 

— Termo do Zoologia. Género de co- 
leópteros, da familia dos carnívoros. 

t CALLISTEMON, s. m. (Do grego kal- 
lós, belleza, e stêmon, filete). Termo de 
Botânica. Género da familia das myrtá- 
ceas leptdspérmeas. 

t CALLiSTEPHO, s. m. (Do grego kal- 
lós, belleza, e stéphos, eorôa). Tertno de 
Botânica. Género da familia das synanthé- 
reas asteróides. 

t CALLiSTHENES, s. m. (Do grego kal- 
listhenês, cheio de vigor; de kallós, bel- 
leza, e stkénos, força). Termo de Botâ- 
nica. Género da familia das vochysiáceas. 

t CALLISTHÉNIA, s.f. (Vid. Callisthe- 
nes, na parte etymologica). Complexo de 
processos de gymnastica que convém na 
educação phvsica das raparigas. 

t CALLIsfíTES, s.f. pi. (Do grego kal- 
liste, muito bella). Termo de Zoologia. 
Grupo de coleópteros de proporção mé- 
dia. 

t CALLISTODÉRMO, s. m. (Do grego 
kalUstós, muito bello, e derma, pelle). 
Termo de Zoologia. Género de con- 
chas. 

t CALLÍSTOLA, s.f. (Do grego kallós, 
belleza, e stotê, vestido). Termo de Zoo- 
logia. Género de coleópteros tetrâmeros, 
da familia das chrysomelinas. 

t CALLÍTERO, s. m. (Do grego kallós, 
belleza, e terein, furar; por allusão á bel- 
leza do insecto, e porque elle, no estado 
de larva, faz buracos na madeira). Termo 
de Zoologia. Género de coleópteros pen- 
tâmeros, da familia dos teredís. 

t CALLITHÁMNIA, s. /. (Do grego kal- 
lós, belleza, e thamnion, arbusto). Termo 
de Botânica. Género de algas mari- 
nhas. 

t CALLITHÀUMO, s. vi. (Do grego kal- 
lós, belleza, e thayma, maravilha). Termo 
de Botânica. Género da familia das ama- 
ryllidáceas. 

t CALLÍTHEA, s. /. (Do grego kallós, 
belleza, e thea, deusa). Termo de Zoolo- 
gia. Género de lepidópteros diurnos. — Gé- 
nero de cimchas. 

t CALLÍTHRIX, s. m. (Vid. Callitricho). 
Termo de Botânica. Género da familia das 
coníferas cuprissíneas. 

t CALLITRICHO, s. vi. (pr. caUítrico; 
do grego kalUtriUius ; de kallós, belleza, 
e thrix, cabello). Termo de Botânica. No- 
me de um género de fetos. 

t CALLÍTRICHO ou CALLÍTHRIX, s. m. 
(Vid. Callitricho). Termo de Zoologia. Gé- 
nero de saguis, que tem por typo o sai- 
niirí de Boutfon. O saimirí é o mais ele- 
gante c intclligcnto dos macacos. 

t CALLÍXENO, s. m. (Do grego kalôs, 
bello, e xénus, estrangeiro). Termo de Bo- 
tânica. Geuero da lamili» dos smiláceas. 



t CALLIZÓNO, s. m. (Do grego kallós, 
belleza, e sônê, cinto). Termo de Zoolo- 
gia. Género de curculiónidas, que se cos- 
tuma reunir ao género prépodo. 

1 1.) CALLO, s. m. (Do latim calluvi, que 
vem da raiz indo-germauica kar, ser duro, 
com mudança do «r» em «1». D'essa raiz 
vem calx, cal, calculus, calculo, o grego 
karyon, noz, caroço, o sansk. karakas, o 
coco, o latim carina, com a mudança do 
«c» em «h» pela lei de Grimm (vid. Ca- 
beça) ; a raiz toma no gothico a forma har, 
d'ahi o gothico hardus, duro, o antigo alto 
allemão harti, d'onde o allemào moderno 
hart, duro. Também o gothico kalhis, pe- 
dra, rocha, vem da mesma raiz. Pictet 
(Origines indo-européennes, i, 131), apre- 
senta das línguas célticas os derivados da 
mesma raiz, irlandez carraig, ersa carr, 
pedra). Endurecimento da pelle resultante 
de fricção continuada. — Tumor circum- 
scripto que se forma nos pés. — A sub- 
stancia que une os ossos fracturados. — 
Figuradamente : Ter callos na paciência, 
não se impacientar. — Callo, habito, prin- 
cipalmente de trabalhar. — Ter feito callo 
no vicio, estar habituado ao vicio, estar 
invicionado. — Ter callo no soffrimento, 
ter soffrido muito. — Ter callo na alma, 
no coração, ter a alma, o coração muito 
duros. — Criar callo, habituar-se aos tra- 
balhos, ás fadigas da vida, tornar-se in- 
sensível ás mesquinhezas do mundo. 

DesfarLe ú peilo bum ullo hoaroso cria 
Despresador das honras e dinheiro. 
CAM., Lus., canl. vi, esi. 93. 

— Loc. : Fazer callo e cama na mal- 
dade, tornar-se inteiramente máo. 

Ue Gaya Almaoçor hcou goiauilo 
K com etta Ucou como cagado, 
Assi que uui peccadu uulro tUama, 
£ fazt-m oa maldade caio t cama. 

JOÃO viz, GAii, p li (ed. de 1868;. 

2.) CALLO ou CALO, «. m. (A etymo- 
logía proposta por Cjaraiva e acceiía por 
Moraes, segundo a qual a piílavra viria 
do hebreu ktialuh [jjiaccnta joruan £t:r- 
forata), da raiz kkalub (jjerjurare, conjo- 
dere), uào se pode acceitar, nem pelo lado 
histórico, nem pelo lado da sigmncaçào. 
A origem da palavra é íucertaj. l-'ao de 
callo, pào muito amaãsadu e de massa 
mui testa, que partido uào mostra uihos. 

t CALLOCEPHALO, «. m. ^Do grego 
kallós, belleza, o ktphult, cabeça^. Ter- 
mo de Zoologia. Geuero da íauulia dos 
papagaios. 

t CALLOMYA, s. /. (Do grego kdll<^, 
belleza, e inyca, uiosca^. Termo de Zoo- 
logia. Geuero de luseclos dipteros, da fa- 
mília lios athenceros. 

t CALLOMYANO, udj. ^De callomys . 
Termo de Zoologia. Que se parece com 
o callomys. 

CALLOMYANOS, í. m. pi. Pequena fa- 
milia de r.)i'doros da America. 

t CALLOMYiá, s, m. ^i^o grego kallvs. 



52 



CALM 



CALM 



CALM 



belleza, e mys, rato). Termo de Zoolo- 
gia. Synonymo de Chinchilla, e Viscacho ; 
vid. estas palavras. 

t CALLÓPHORO, s. m. (Do grego kal- 
lós, belleza, e jjliureô, levo, trago). Ter- 
mo de Botânica. Género da familia das 
compostas. 

t CALLOPILÓPHORO, s. m. (Do grego 
kallós, belleza, pílvs, chapéo, e phurus, 
o que leva). Termo de Zoologia, fciyno- 
nymo do acetáhulo do Mediterrâneo. 

t CALLOPISMA, s. /. (Do grego kallô- 
pisma, ornato). Termo de Botânica. Gé- 
nero da familia das gentináceas chironiá- 
das. 

t CALLÓPODO, s. m. (Do grego kállos, 
belleza, e poys, poduSj pé). Nome com 
que Alberto Magno designou algumas an- 
tílopes. 

t CALLORHYNCO, s. m. (Do grego kál- 
los, belleza, e rhynkus, bico). Termo de 
Zoologia. Género de peixes da ordem dos 
chendropterigiános. 

CALLOSIDADE, s. f. (Do latim callosi- 
tas, de callum, callo ; vid esta palavra). 
Endurecimento da epiderme ou da pelle, 
i-esultante de fricção. 

— Termo de Cirurgia. Producção du- 
ra, indolente, que se forma sobre as cha- 
gas antigas e ulceras. 

— Termo de Zoologia. Dureza que se 
desenvolve naturalmente n'algumas par- 
tes do corpo de certos animaes. 

— Termo de Botânica. Saliência árida 
e áspera que se forma á superfície de al- 
gumas plantas. 

— Fig. : Callosidade moral, endureci- 
mento da consciência, do coração. 

CALLOSO, adj. (Do latim callosus; de 
calliis, callo (vid. esta palavra), com o 
sufExo «osus»). Que tem callos, que está 
callejado. — Corpo calloso. 

— Termo de Anatomia. Corpo branco 
e duro, coUocado debaixo da divisão do cé- 
rebro para ligar as duas partes. — «Certa 
concavidade que está debaixo do corpo 
calloso.» José Ferreira, Cirurgia, p. 35. 

t CALLÚNA, s. /. (Do grego kallynô, 
eu varro, porque se fazem vassouras com 
as hastes da planta). Termo de Botâni- 
ca. Género da familia das ericáceas-ene- 
riceas. 

t CÁLLUS, s. m. (Do latim calhts, cal- 
lo ; vid. esta palavra). Orgao de forma 
variada, que apparece na base da flor das 
gramíneas. 

t CALLYNTRO, s. m. (Do grego kal- 
lyntron, ornato). Termo de Zoologia. Gé- 
nero de coleópteros heterómeros, da fa- 
milia dos melásomos. 

CALMA, s. f. (O hespanhol e italiano 
tem calma, o francez calme, o inglez calms, 
o hollandez kal. Apezar d'isso a origem 
da palavra é incerta. A conjectura mais 
plausível é a que deriva a palavra do 
baixo latim cauma, calor, pois calma si- 
gnifica em portuguez e hespanhol o ca- 
lor do dia. Â mudança do «u» em «l», 



comquanto não frequente, não é extraor- 
dinária. Em portuguez, por exemplo, te- 
mos a íórma popular alsentar por ouse?i- 
tar (vid. Accento), etc. Demais a pala- 
vra chegou ao francez pelas línguas do 
meio-dia, e d'alli passou ao inglez c ao 
hollandez, segundo se crê). O calor do 
dia, causado pelo sol. — «Em este comeus 
sobreveu o gruvi porco segui-o e desacom- 
panhado de Sabujos e dalãaos, exudrado 
pior a gram calma que fazia.» Fernão 
Lopes, Chronica de D. Fernando, cap. 99. 

— «Ca el per dias e dias e noites nunca 
perdia ajam, levantandusse duas e três 
horas ante manhaâ, aprazando de noite 
per invernos e calmas. « Ob. cit., cap. 98. 

o Sol a calma, o Sol a chuva faz. 
ASTONIO feureira, egloga \. 

^fenhnm comettimento alto c nefando, 
Por fogo, ferro, agua, i-alma e frio. 
Deixa iotentado a tiuma gerayâo. 
CAH., Lcs., caat. iv, esl. 104. 

Os cryslailiuos membros e preclaros 
Á caíma, ao frio, ao ar verão despidos. 
OB. CIT., cant. T, est. 47. 

— d Para todos houve verão, e inverno, 
frio, e calma ; e assim ou assim Jantar, 
e cea.D Francisco Manoel de Mello, Apol. 
Dial., p. 3U. — Dias de grande calma. — 
iSojffrer a calma. — Suar com a calma. — 
Jornadear por calmas. — Fazer calma. — 
Haver calma. — Diminuir a calma. — 
Quebrar a calma. — Crescer a calma. — 
A hora do dia em que o calor é mais in- 
tenso. — Feia calma do dia. — Cessação 
completa de vento. — o Aparelhou logo 
PalleTico sua fusta pêra sayr a terra, e 
como querque a calma fosse muy grande 
todavya eram muy grandes vagas na cos- 
ta, as quaes nunca deitam lugar que a 
fusta podesse prooar em terra. v Azurara, 
Chron. de Guiné, p. 337. — Cessação de 
agitação no mar, resultante da cessação 
do vento ; bonança. 

Oli caso nunca visto c milagroso ! 

Que trema e ferva o mar, em calma estaodo! 

cAK., Lcs., cant. II, est. 67. 

— Figuradamente : Agitação, calor no 
animo. — For em calma. — íranquillida- 
de, quietação do espirito. Esta opposição 
dos sentidos figurados, liga se iiuniedia- 
tamenteá differença, que não é opposiçào, 
dos dous sentidos naturaes. 

— Loc. : Calma morta, ou calma podre, 
locução náutica. Tranquillidade absoluta 
no mar, cessação completa de vento, de mo- 
do que não haja nem a minima aragem. 

— Calma borralho, locução náutica. O 
mesmo que calma morta, ou calma podre. 

— «Emparelhado onde elle i^articipa de 
outra linha da costa transversal, acha, 
(como dizem), calma borralho. )í Barros, 
Dec. III, foi. 282. — A calma das jmixões, 
a tranquillidade ou brandura d'ellas. — 
Calma dos sentidos, inacção. — Estar em 
calma, Jicar em calma, cessar. 

t CALMANDA, s. f. Palavra que se en- 
contra em diíierentes dialectos, mas de 



origem desconhecida). Estofo de lã, lus- 
trado de um lado como o setini, que vem 
da Inghiterra, França e Allemanha. 

CALMANTE, «4/. 2 gen. (Forma parti- 
cipai, de calmar). Termo de Medicina. 
Que abranda as dôies. — Remédio cal- 
mante. — Bebida calmante. 

CALMANTE, s. m. Tomar um calman- 
te. — Receitar um calmante. 

t CALMAR, s. m. (Do francez calmar, 
do latim calmariam, caixa ou estojo era 
que se mettiam os calamos com que os 
antigos escreviam; vid. Calamo). O mol- 
lusco foi denominado assim em razão da 
sua fórina). Termo de Zoologia. Género 
particular de niolluscos cephalópodos, que 
tem por typo o calmar vxãgar ou grande 
calmar. 

CALMAR, V. a. (De calma). Acalmar; 
vid. esta palavra. — Calmar a ftbre, o tra- 
balho, o infortúnio. — Termo chulo. Ba- 
ter, dar golpe, pancada. — Calmar al- 
guém. — Calmar èorc/o(í(/(ís a alguém. — 
Calmar taponas tesas. — Calmar viurros 
tesos. Enfermidades da língua, p. 113. 

t CALMARÈTE, s. m. (De calmar, svbst., 
com o suffixo oete»). Termo de Zoologia. 
Género de cephalópodos, da familia das 
polpas, que habita os mares austraes. 

CALMARIA, s. /. (De calma, com o 
suflixo a ária»). Tranquillidade do mar 
em que o navio não surde ; calma. — 
«Nesta paragem teveram grandes calma- 
rias». . Commentarios d'AfFonso d'Albu- 
querque, Part. I, cap. 6. — a Amanheceo 
o dia Seguinte em huma terrivcl calma- 
ria.» Padre Fernão de Queiroz, Historia 
da vida do irmão Pedro Basto, p. 351. — 
Estar o mar em calmaria, cahir em cal- 
maria. — O tempo que dura a calma. — 
Tiveram uma longa calmaria. — Calor 
contínuo do ar sem vento. = Usado no 
ultimo sentido por Lucena. 

t CALMÍ, s. m. (Palavra asiática). Te- 
cido pintado que se fabrica no império 
de Mogól. 

CALMO, adJ. (De calma). Que está em 
calma, ou calmaria. — Que está sem mo- 
vimento. = Usado por Corte Real. 

CALMORREAR, v. a. (Comparando esta 
palavra com calamocada, vê-se que n'el- 
las ha um elemento commum de origem 
incerta, cala, cal, e outros diversos, mas 
de significações correlacionadas ; na se- 
gunda palavra é mocada, de moca, em 
calmorrear é morrear evidentemente de- 
rivado de murro; e em consequência 
d'isso a palavra deve escrever-se calmor- 
rear. Nas linguas românicas parece exis- 
tir um certo numero de prefixos, ou, me- 
lhor, primeiros elementos de compostos, 
das formas ca, cal, cala; mas como ain- 
da estão mal estudados por falta de uma 
collecçào larga dexemplos e de compa- 
rações, a etymologia das palavras em que 
elles parecem entrar está ainda muito ob- 
scura. No francez calorgner, e seus com- 
postos, suppôz-se a existência d'um d'es- 



CALO 



CALO 



CALO 



68 



ses prefixos, pois lorgner apparece inde- 
pendente na língua, e a esse prefixo at- 
tribuiu-se a torma ca ; egualmente Gues- 
sard vê o mesmo prefixo ca no proven- 
çal calucs, cujo segundo elemento lues 
vem dum radical luc, que se encontra no 
francez re-luquer; ora como essas duas 
formas lovgntr e luc começam por elle, 
nào é nada inverosiiuil que o primeiro 
elemento seja nào ca, mas cal, de uma 
forma fundamental cala, que encontra- 
mos no portuguez calamucac^a. O que 
confirma de certo modo esta conjectura 
é o sentido pejorativo que indubitavel- 
mente dá o prefixo ás palavras franceza 
e provençal. O sentido pejorativo ou ri- 
dicularisador manifesta-se também evi- 
dentemente em calamocada , e calmorrear, 
formações inteiramente populares e duso 
chulo. Todavia nào devemos omittir a 
conjectura de calmorrear derivar do the- 
ma calma, de calmar, por meio do suf- 
fixo «orrea», como do thema calca, de cal- 
car, deriva calcorrear. Mas calmar no 
sentido de espancar pôde a seu turno re- 
sultar exactamente do processo inverso. 
Na etymologia popular, que tão grande 
influencia tem no metamorphismo das lín- 
guas, assim como de calcorrear se remon- 
tava sera difiiculdade ao thema real calca, 
e a calcar, assim de calmorrear, forma- 
do, pela primeira supposição, de cala e 
murro, se remontaria, por mera analogia, 
a um thema hypothetico calma, e a um 
verbo calmar ; e como na língua se achas- 
sem tórmas homonymas a essas hypothe- 
ticas, tixou-se n'ellas uma significação al- 
liada á do fundamental calmorrear. D'es- 
te modo explica-se aquelle sentido pecu- 
liar de calmar, difiicil de pôr em conne- 
xão com o fundamental da palavra. A 
forma ca/inurra?- justifica ainda mais este 
processo). Espancar, dar pancada. — Fi- 
guradamente : Enganar ; cançar. = CoUi- 
gido por Bluteau. 

CALMOSO, adj. (De calma, com o suf- 
fixo ooso»). Em que ha calma, que tem 
calma, que produz calma. — i^sírtçào cal- 
mosa. — Dia calmoso. — Sol calmoso. — 
Âr calmoso. 

t CALMUCK, s. m. Espécie de estofo 
de là que se fabrica era Carcassona, To- 
losa, etc., na ordem do qual entra tam- 
bém o punno castor. 

CALMURRADO, part. pass. DeCalmur- 
rar. 

Pois ficou d'esla vci no chJo tombado, 
E com seo grão Fernandes. caíiiiuiradO' 

ACIDBUU DOS SLVCCLIRES, II, 396. 

CALMDRRAR, v. a. (Vid. Calmorrear. 
Calmurrar, differe de Calmorrear, cm que 
este foi derivado de calmwro (?!, como 
rarear, de raro, saltear, de salto, e o 
primeiro de calvmrra(í) como lançar, de 
lança, etc). O mesmo que Calmorrear. 

CALO, s. m. \'iá. Callo. 
^t CALÓBATO, s. m. ^Do grego knloba- j 
ttís, que caminha sobre pernas de páo). I 



Termo de Zoologia. Género da família dos 
cucos. 

— Em Entomologia, género de inse- 
ctos dipteros, da família dos phythómi- 
dos. 

t CALÓBOTO, s. í/i. (^Do grego kalàs, 
bello, e òótus, pasto). Termo de Botâni- 
ca. Synonymo seccionario do género le- 
béckia. 

t CALOBÓTRIA, s.f. (Do grego kalós, 
bello, e hótrys, cacho j. Termo de Botâni- 
ca, fciynunyuio do género coreosma. 

f CALOCALAIS, s. »i. (Do grego kalós, 
bello, e calais, nome inythologico). Termo 
de Botânica. 8ecçâo do género calais. 

t CAL0CAMPA, s. /. (Do grego kalós, 
bello, e kampê, lagarta). Termo de Zoo- 
logia. Género de lepidópteros nocturnos. 

t CALOCÉPHALO, adj. , Do grego ka- 
lós, beilo, e kephalê, cabeça). Termo de 
Zoologia. Que tem uma bella cabeça. 

t CALOCÉPHALO, s. m. Termo de Botâ- 
nica. Género de plantas da família das 
compostas senecionadas. 

t CALÓCERO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e kéras, corno). Termo de Botâni- 
ca. Género de cogumelos. 

t CALOCHILO, s. m. (pr. calókilo; do 
grego kalós, bello, e khilós, alimento). 
Termo de Botânica. Género de plantas 
da família das orchídeas neotiádas-liste- 
rideas. 

t CALOCHORTO, s. m. fpr. calocórto ; 
do grego kalós, bello, e khortos, ferra- 
gem). Termo de Botânica. Género de 
plantas da família das liliáceas. 

t CALOCHROA, s.f. (pr. calocrôa ; do 
grego kalós, bello, e khroa, côr). Termo 
de Zoologia. Género de coleópteros pen- 
tâmeros, da família dos carábicos. 

T CALOCHROMO, s. m. (pr. cal óc r orno ; 
do grego kalós, bello, e khroma, côr). 
Termo de Zoologia. Género de coleópte- 
ros, da família dos malacodérmes. 

t CALOCLÀDIA, s. /. (Do grego kalós, 
bello, e kludos, ramoi. Termo de Botâni- 
ca. Género da família das florídeas, plan- 
ta exótica muito rara. 

t CALÓCOMO, í. m. (Do gre.go kalós, 
bello^ e ^uHie^cabelleíra\ Termo de Zoo- 
logia. Género de coleópteros tetrâmeros, 
da família dos longicornes. 

t CALÔDEMO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e démas, corpo). Termo de Zoolo- 
gia. Género de coleópteros pentâmeros, 
da família dos sternoxos. 

CALÒDERO, s. m.( Do grego í-rt/os, bel- 
lo, e dcndron, arvore) Termo de Botâni- 
ca. Género de diósmeas, arvore do Cabo ' 
da Boa-Esp(M'ança. 

t CALÒDERO, s. 7(1. (Do grego kalós, 
bello, e deré, pescoço). Termo de Zoolo- ' 
gia. Synonymo de chlamydera. 

— Era líntomologia, synonymo de cfir- 
dtóphoro (insecto). I 

t CALÓDIO, s. m. (Do grego kaiôdion, ■ 
oorda pequena). Tormo de Botânica. Sy- 
nonymo do género chassi/ta. j 



t CALODÍSA, s.f. (Do grego fazZos, bel- 
lo, e disa, geneio de plantas). Termo de 
Botânica. Secçào estabelecida n j grande 
género disa. 

t CALO-DÓTICO, s. m. Nom3 nsiatico 
de uma espi'cie de estramonio. 

t CALÓDRACO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e dracon, espécie de plan :0. Ter- 
mo de Butanica, fcjynonymo seciionario 
do género dracocéphalo. 

'CALODROMO, s. m. (Do grego halos, 
bello, e dromeiis,o que corre). Termo de 
Zoologia. Género de coleópteros da famí- 
lia dos charançónites. 

t CALOÊNAS, s. m. pi. Termo de Zoo- 
logia. Género da família dos pombos, e 
synonymo da raça dos nicombars. 
" CALOÈTE, s. m. Vid. Galuete. 

CALOFANE, s. f. Vid. Colophonia. == 
Usado por Finto Alpoim, Exame de Ar- 
tilheiros, foi. 231. 

t CALOGNATHO, s. m. (Do grego ka- 
lós, bello, e gnuthos, queixo). Termo de 
Zoologia. Género de coleópteros meláso- 
raos. 

t CALOGYNIA, s. f. (Do grego kalós, 
bello, e ^j/)íê^ mulher, pistilo). Termo de 
Botânica. Género de plantas da família 
das goodeniáceas. 

1 >. CALOIRO, s. 7/1. (Alteração de Ca- 
loyeiro; vid. esta palavra). O mesmo que 
Caloyeiro.=U8ado por Frei Pantaleào de 
Aveiro. 

2). CALOIRO, s. 7>i. (E' assaz crível 
que esta denominação provenha de caloiro 
por caloyeiro, nome dos monges gregos, 
da ordem de S. Baziiio, por isso que na 
gíria as palavras adquirem significações 
assaz extravagantes, e porque a gíria aca- 
démica é ao mesmo tempo erudita e po- 
pular, isto é, n'ella o que traz o vehicu- 
lo da erudição entra na forma do espiri- 
to popular e fundc-se lá. Primeiramente 
chamar-se-hinm caloiros os religiosos no- 
viços, depois da siguitícaçào de noviço 
passar-se-hia facilmente á actual). Ter- 
mo de giria escholar, principalmente em 
Coimbra. Estudante noviço, que estuda 
os preparatórios para entrar na Univer- 
sidade. — O que c noviço nalguma cou- 
sa. — Ser caloiro na arte de amar. 

t CALOMÉCON, s. ??i. (Do gre^ kalós, 
bello, e mtkuii, papoula"». Termo de Bo- 
tânica. Synonymo seccionario do género 
papaver. 

t CALOMÉL, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e melas, negro; denominação ori- 
ginada pelo facto dos chimicos que des- 
cobriram a substancia assim chamada a 
terem visto, ao preparal-a, mudaj--3C um 
bello pó negro em um pó branco". Ter- 
mo de Chimícft. Antigo notnc do proto- 
chlorureto do itiorcurio. 

CALOMELANOS, *. w. pi. (Do grego ka- 
lós, bello, e melas, nulanos. iiegro"i. Termo 
de Pharmacia. Mercúrio misturado intima- 
mente com enxofro, o reduzido a uma sub- 
stancia negra. — Mercúrio praparndo d'uiB 



54 



CALO 



CALO 



CALO 



modo especial. — « Querendo dar a hum gal- 
licado hum pouco de Mercúrio chamado ca- 
lomelauos.» Curvo Semedo, Polyanthêa 
Medicinal, p. 780. 

— Termo de Botânica. Synonymo de 
gymnugrámma. 

t CALOMÉRIA, s. /. (Do grego kalós, 
bello, bom, e méris, parle; hoa parte, 
planta dedicada a Bonaparte). Termo de 
Botânica. Planta herbácea da farailia das 
corymbiteras. 

t CALÒMIGRO, s. vx. (Do grego kalós, 
bello, 6 micros, pequeno). Termo de Zoo- 
logia, (ienero de coleópteros tetrâmeros, 
da íamilia das chrysomelínas. 

t CALÒMMATO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, c ómma, ommatos, vista, aspecto). 
Termo de Zoologia. Género da tamilia das 
aranéidas. 

t CALONÉMA, s. f. (Do grego kalós, 
bello, e nèma, íio). Termo de Botânica. 
«Secção do género calademia. 

CALONHA, s. /. ant. (De calumnia, 
assimilando-se o «m» ao «n», como em 
dono (por donno), de domno, por domno, 
(latim dominus), e dando-se depois a mes- 
ma mudança de «u» accentuado em «O», 
que se observa em bollo, do latim bullus, 
tronco, de truncus, etc, e a de «ni» em 
«nh», como em testemunho, do latim tes- 
timonium. Calonha é a forma verdadeira- 
mente portugueza da palavra, substituída 
pela tórma erudita calumnia). O mesmo 
que calumnia. =^ CoUigido por Viterbo, 
Eluc. 

t CALONYCTIO, s. m. (Do grego kalós, 
bom, e nyttos, de noute ; por allusão á 
ipómea bóa noite, de Linneo). Termo de 
Botânica, (ienero de plantas da iamiiia 
das convulvuláceas. 

t CALÓPAPPO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e páppos, pennugem). Termo de 
Botânica. Género de plantas da íamilia 
das synanthéreas, tribudas mutisáceas. 

t CALOPHACEA, s. /. (Do grego ka- 
lós, bello, e phakè, lentilha). Termo de Bo- 
tânica. Género da íamilia das papilioná- 
ceas. 

t CALOPHÀINO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, ephainõ, eu brilho). Termo de Zoo- 
logia.. Género de coleópteros, da íamilia 
dos ca rábicos. 

t CALOPHANA, s. f. (Do grego kalós, 
bello, e phanê, íacho). Termo de Botâ- 
nica. Género de plantas, da íamilia das 
acantháceas. 

t CALOPHYLLIAS, s.m.pl. Tribu da fa- 
mília das guttíferas. 

t CALOPHYLLIO, adj. (De callóphyl- 
lo). Termo de Botânica. Que se parece 
com o calóphyllo. 

f CALÓPHYLLO, adj. (Do grego kalós, 
bello, e jthyllon, folha). Termo de Botâ- 
nica. Que tem bellas folhas. 

•)• CALÓPHYLLO, s.m. Género de plantas, 
da familia das guttíferas. 

t CALOPHYSA, s. /. (Do grego kalós, 
bello, e physa, bexigaj. Termo de Botâ- 



nica. Género de plantas da familia das 
milastomáceas miconiádas. 

t CALÒPHYTAS, s. m. pi. (Do grego 
kalós, bello, e phyton, planta). Termo de 
Botânica. Classe propdsta para um gran- 
de numeio do plantas de bello aspecto. 

f CALÓPO, s. m. (Do grego kalopoys, 
que tem bellos pés). Termo de Zoologia. 
Género de coleópteros, da familia dos ta- 
xicornes. 

t CALÓPODO, s. f. (Do grego kalopo- 
dion, forma de sapato). Termo de Botâ- 
nica. Nome do espatho das aroidéas. 

t CALOPÓGONA, s. /. (Do grego A:afós, 
bello, e pôgôn, barba). Termo de Botâ- 
nica. Género de plantas, da familia das 
arethúseas. 

t CALOPSILTA, «. m. (Do grego A:«fós, 
bello, e 2^sita, abreviação de psittacos, 
papagaio). Termo de Zoologia. Género 
da familia dos papagaios. 

t CALÓPSIS, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e opsis, aspecto). Termo de Botâ- 
nica, Género de plantas, da familia das 
restiáceas. 

t CALÓPTERO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e ptéron, aza). Termo de Zoologia. 
Género de coleópteros pentâmeros, da ta- 
milia dos serricórnes. 

t CALÓPTILO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e ptilon, aza). Termo de Botâni- 
ca. Género de plantas da familia das sy- 
nanthéreas. 

CALOR, s. m. (Do latim calor, da raiz 
cal, de que vem cálido, caldo, quente, 
etc. ; vid. estas palavras). Qualidade do 
que está quente ; sensação que produz um 
corpo quente. — Calor brando. — Calor 
forte. — O calor natural. — O calor de 
uma fogueira. — O calôr do fogo. — O 
calor du sol. — O calor da cav\a. 

Que somente Irajispira, ali julgava, 
yue o i-alúT sulTocaiío parecia. 

ROLIM DE MOURA, NOVISS. 00 HOHKU, Cailt. I, 

est. 115. 

Mas Lem coiuu o caíor que sustentandu 
Kttá sem corrupção todo o vivente... 
OB. ciT., canl. IV, est. 50. 

— Calôr animal, a temperatura própria 
a cada espécie d'animal. — Calôr, a tem- 
peratura produzida pela acção do sol. — 
Calôr devorador, tropical, que suífoca. 
— Sensação penosa de calôr que acom- 
panha certos estados de doença, ou in- 
disposições. — O calôr da febre. — iSen- 
tir calor no ventre. — tiubirem calores d 
cabeça. — Figuradamente : Fogo, zelo, ar- 
dor, vivacidade, vehemencia. — O calôr 
da mocidade. — O calôr das paixões. — O 
calôr da discussão. — <sUar calará guer- 
ra.» Monarchia Lusitana, V, foi. 2õU. — 
uTornou a tomar caiòr a pratica. v Ja- 
cintho Freire, Vida de D. João de Castro, 
foi.. 32(3 (1.* ed.) — Com calôr, anima- 
damente, com vehemencia. — Tomar ca- 
lor, esconder-se; reviver, renovar-se. 

CALORICIDÁDE, s.f. (De calórico, cora 
o sutiixo «idade. »j iermo de Pbysiolo- 



gia. Faculdade que tem os corpos vivos 
de desenvolverem uma certa quantidade 
de calôr. 

t CALORIA, í. /. (De calôr, com o suf- 
fixo «ia»). Termo de Physica. Unidade 
convencional do calorímetro ; quantidade 
de calôr necessário para fazer subir um 
gráo centígrado á temperatura d'um kilo- 
gíamma d'agua. 

CALÓRICO, s. m. (De calôr, com o suf- 
tixo «ico»). Termo do Physica. Principio 
do calôr, ou propriedade da matéria que 
consiste n'uma modificação particular e 
indeterminada, coramunicavel por anti- 
guidade, que se faz sentir a distancia 
como a gravitação, de que segue as leis 
fundamentaes. — Calórico livre, o que a 
mão e o thermómetro podem fazer apre- 
ciar. — Calórico especifico, quantidade re- 
lativa de calôr absorvida poi^ os corpos 
que mudaip de temperatura. — Calórico 
latente, e opposto ao calórico livre, o que 
é absorvido por um corpo na sua passa- 
gem do estado solido ao estado liquido, 
ou do estado liquido ao estado gazoso. 
Como esse calórico desapparece então 
completamente, chama-se-lhe latente (vid. 
Latente). So o corpo passar do estado li- 
quido ao solido, do estado gazoso ao liqui- 
do, esse calórico, que estava latente, tor- 
na-se livre, apreciável ao thermómetro. 

t CALORÍFERO, adj. {Ú& calor, e ferre, 
trazer, levar). Que leva o calôr. — Tubo 
calor ifero. 

CALORÍFERO, s. m. Apparelho para 
produzir e distribuir o calôr. 

CALORÍFICAÇÃO s. /. (De caloriflco, 
com o sulfixo «ação»). Termo de Physio- 
logia. Desenvolvimento de calôr que se dá 
nos corpos organisados em quanto vivos. 
CALORÍFICO, adj. (Do latim calorifi- 
cus; de calôr, e fcus, que faz). Que pro- 
duz calôr. — Raios calorificos. — i-wcocalo- 
rifico. 

CALORIMETRÍA s. f. (De calorímetro, 
com o suffixo «ia»). Parte da physica que 
tem por objecto a medição do calórico 
livre. 

CALORIMÉTRICO, adj. (De calorime- 
tria, com o suffixo «ico»). Que diz res- 
peito á calorimetria. 

CALORÍMETRO, s. m. (De calôr, e me- 
tro, medida). Instrumento que serve para 
determinar a quantidade de calórico es- 
pecífico que tem um corpo. 

t CALORIMOTOR, s. m. (De calôr, e mo- 
tor). Termo de Physica. Apparelho elé- 
ctrico que produz grande desenvolvimento 
de calôr. 

t CALÓROPHO s. m. (Do grego kalós, 
bello, e phoreô, eu engulo). Termo de Bo- 
tânica. Synonymo do género réstio. . 

CALOROSO, adj. (De calôr, com o suf- 
fixo «oso»). Calmoso, que causa calôr. 
— Figuradamente : Vehemente, ardente, 
enérgico. — Caloroso debate. — Applausoa 
calorosos. ^Usado por Francisco Kodri- 
gues Lobo, 6 outros ciassicoi. 



CALO 



CALU 



CALU 



t CALOSAURO, s. m. (Do grego kalôs, 
bello, e saúra, lagarto). Termo de Zoolo- 
gia. Género de sauriános, da família dos 
lacertiános. 

CALOSIDADE, s. f. Vid. Callosidade. 

t CALÓSIROS, s. m. Termo d'Aiiíigui- 
dade. Antigos guerreiros egypcios, que, 
com os hermótybos, formavam a milícia 
particular do rei. 

CALOSO, adj. Vid. Calloso. 

t CALOSOMO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e soma, corpo). Termo de Zoologia. 
Género de coleópteros, da família dos car- 
nívoros. 

t CALÓSTEMA, «. /. (Do grego kalós, 
bello, e stémnia, coroa). Termo de Botâ- 
nica. Género de plantas, da família das 
amaryllídeas. 

t CALOSTIGMO, s. m. {Do grego, kalós, 
bello, e stÍGina, estigma.) Termo de Bo- 
tânica. Synonymo seccionario. do género 
philodendro. — Género da família das as- 
clepiádeas. 

t CALÓSTOMO, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e stóma, bôcca.) Termo de Botâ- 
nica. Synonymo de mítrórayco. 

CALOSTRO, s. m. Vid. Colostro. 

CALOTE, s. TO. (Provavelmente de callo, 
com o suf. «ote», mas os dados histó- 
ricos faltara para fundamentar esta ety- 
mologia; vid. Cão, no mesmo sentido). 
Termo Familiar. Divida que se não paga. 
— Pregai- calotes, ferrai- calotes, eontrahir 
dividas que não se podem pagar ou não 
se faz tençào de pagar. 

CALOTEAR, v. a. (Decalote, comopen- 
iear, de pente, etc.) Pregar calotes. 

CALOTEIRISMO, s. m. (De caloteiro, 
com o suf. «ismo»). Artimanhas, fraudes 
dos caloteiros. 

CALOTEIRO, A, s. (De calote, com o suf- 
fixo teiro»). Homem ou mulher que ca- 
lotêa. 

t CALOTHÀMNO, s. vi. (Dogrego kalós, 
bello, e thamuon, arbusto). Termo de Bo- 
tânica. Género de plantas da família das 
myrtáceas leptospérmeas. 

t CALOTHÉCA, s. /. (Do grego kalós, 
bello, e thtkê, estojo). Termo de Botânica 
Género de plantas, da família das gramí- 
neas brómeas. 

CALOTHÓRAX, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e tkorax, peito). Termo de Zoolo- 
gia. Género de aves da família dos colibris, 
synonymo de Lúcifer. 

t CALÓTHRIX, s. m. (Do grego kalós, 
bello, e thrix, cabello, filamento). Termo 
de Botânica. Género de algas, da família 
das oscillariádas lyngbyeas. 

t CALÓTIS, s. m. (Do grego kalótes, 
belleza). Termo de Botânica. Género de 
plantas, da família das compostas astcrói- 
deas. 

CALOTÍSMO, s. «1. (De calote, com o 
suf. «ismo». O mesmo que caloteirismo. 

CALOURO, s. m. Outra forma de Ca- 
loiro, resultante da tendência provincial 
de mudar o diptongo «oi» cm «ou». 



t CALOYEIRO, A, s. (Do grego kalós, 
bello, bom, respeitável, e gérôn, \e\\io. Os 
gregos modernos pronunciam o g quasi 
como^). Monge grego, religiosa grega, da 
ordem de S. Basílio. 

t CÁLPA, s.f. (Do grego kalpê, vaso). 
Termo de Botânica. Nome dado á urna 
no género fontinal, da família dos musgos. 

t CALPANDRÍA, s. /. (Do grego kalpê, 
vaso, urna, e andreia, andróceo ou reu- 
nião de estames em forma de urna). Ter- 
mo de Botânica. Género da família das 
meliáeeas, arbusto de Java. 

t CALPICÁRPO, s. m. (Do grego kalpê, 
vaso, urna, e karpós, fructo). Termo de 
Botânica. Synonymo do género cerbéro. 

t CÁLPIDE, adj. 2 gen. (De calpa). 
Termo de Zoologia. Que se parece com 
a calpa. 

t CÁLPIDES, s. /. pi. Tribu dos lepí- 
dópteros nocturnos. 

t CALPIDIA, s. /. (Do grego kalpis, 
urna, da forma do calyx da flor). Termo 
de Botânica. Género de plantas, da famí- 
lia das nyctagíneas. 

t CALPÚRNIA, s. f. Termo de Botâ- 
nica. Género de plantas, da família das 
papilionáceas. 

t CÁLSCHISTO, s. m. (De cal, e schis- 
to). Termo de Geologia. Nome dado aos 
schistos argilosos, contendo nódulos ou 
veias calcáreas. 

CÁLTE, forma interjeccional. (Abre- 
viação de cala-te, imperativo do verbo 
calar, com o pron. «te»). Silencio, não 
digas nada. — «Ora calte, calte, que em 
bocca cerrada não entra mosca.» Jorge 
Ferreira de Vasconcellos, Ulysippo, acto 

I, SC III. 

t CÁLTHA, s. f. (Do latim caltha,syn- 
copado do grego kálathos, cesto; deno- 
minação tirada da forma da coróila que 
parece um cestinho). Termo de Botânica. 
Género de plantas, da família das raínun- 
culáceas. — O malmequer dos brejos, se- 
gundo Avellar Brotero. 

t CALTHOIDE, adj. 2 gen. (De caltha, 
e do grego eidos, forma). Termo de Bo- 
tânica. Synonymo do género eoróce. 

CALUDA ! iiiterj. (Do thema cala ; de 
calar, com o suffixo «uda»). Chiton! Si- 
lencio ! 

CALUETE, CALOETE ou CALVETE.s.wi. 
(Palavra asiática). Páo afiado na ponta, 
cravado no chão, com que na Ásia, e 
principalmente no Malabar, se empala- 
vam os condemnados. — «O moc-o foy es- 
petado vivo em kuin calvete, de arrezoa- 
da grossura, que lhe metterão pelo sesso, 
e lhe sahio pelo toutiço^'. Fernão Mendes 
Pinto, Peregrinações, cap. 177. 

t CALUGA ou CALLUGA, s. f. (?) O 
pescoço do porco. — >\0s cuiteUos da az- 
cuma entraram pellos polpôes du coxa, e 
cortaram os ossos c as juntas, e sahirom 
os cuitellos com toda a arte, pelo cotito 
da azcuma da outra parte da callliga da 
esjwaldari, Fernão Lopes, Chron. de D. 



Fernando, cap. xcix. = Esta palavra, ain- 
da hoje usada, falta em todos os diccio- 
narios. 

CALÚMBA, s./. (Palavra asiática). Ter- 
mo de Pharmacia. Planta medicinal de 
raiz amarga, empregada contra as diar- 
rhêas e vomites renitentes. 

CALÚMBI, s. m. (Palavra brazileíra). 
Arvoresínha do Brazil, cujas folhas miú- 
das e pinnuladas se abrem e fecham cora 
o nascer e pôr do sol. 

CALUMNIA, s. f. (pr. calúnia; do la- 
tim calumnia. A comparação d'esta pa- 
lavra com calvere, que no latim archáico 
significava damníficar, frustrar, paralysar, 
enganar, levou os linguistas a verem nas 
duas palavras uma raiz commum ; caiu: 
mnia significou primeiramente darano, en- 
gano, etc. Como do thema de volvere, 
volv, veio a forma thematíca que encon- 
tramos em volumen, assim do thema calv, 
de calvere, veio caiu, d'onde um thema 
participai calu-mno, formado como alu- 
mnu-s, volu-mnu-s , autu-mnic-s, colu-mna, 
etc; e por fim d'esse thema participai por 
meio do suffixo «ia», a palavra em ques- 
tão. A raiz é cal, por scal ou skal, que 
se encontra no grego skólokros, mutilado, 
skóhjtros, mutilador, skohjptein, mutilar, 
no gothico skilja, cortador de carne, car- 
niceiro, no antigo alto allemão hi-sceltan, 
lacerar, dilacerar, scelta, detracçâo, dif- 
famação, scafmo, peste. As significações 
fundamentaes da raiz que n'essas pala- 
vras se descobrem, são pois: mutilar, da- 
mníficar ; d"ahí oôender, etc. Outra pa- 
lavra derivada d*esta raiz é incólume 
(vid. esta palavra). Imputação que se sabe 
ser falsa e que fere a reputação e a honra. 

— RepeUir uma calumnia. — Affrontar 
uma calumnia. — Uma negra calumnia. 

— Absolutamente, os cnlumniadores. — 
«Se7- victima da calumnia. — Desprezar a 
calumnia. — Desmascarar a calumnia. — 
Ser alvo da calumnia. — « Derão-lhe na 
trilha ao innocente, mas não ao peccador, 
que pondo em pés de verdade suas men- 
tiras, sem pés, nem cabeça, prevaleceo de 
tal modo, que á calumnia c^eo a inno- 
cencia.n Francisco Manoel de Mello, Apol. 
Dial., p. 16. — Juramento de calumnia, é 
é o que dão os litigantes, asseverando 
que não demandam com dolo ou má fé. 

— Aut. : Fraude com que se delonga o 
feito ou allega falsidade de facto. — Multa ; 
coima que pagavam ao fisco os que eram 
culpados em certos crimes graves, men- 
cionados nos Foraes. ^'iterbo, Eluc. 

— Obs.: a palavra latina caZiíHWijaapre- 
senta-se no portuguez com varias formas : 
1." Calonha ^víd. em seu logar); 2." Co- 
nha i^vid. em seu logar), formas produ- 
zidas de accordo com as leis phónicfls da 
língua, e duas outras de caracter eru- 
dito ; 3." Calumnia, cora « p » inserto ; 
4." Calumnia. A ultima ó a unic-a que 
persisto. 

CALUMNIADO,j>a»-í./)as. de Calumniar. 



56 



CALV 



CALV 



CALY 



— Calumniado pdos seus inimigos. — nA 
Rainha . . . cujas acçdes de muito calu- 
mniadas espero brevemente defender. » 
Francisco Manoel de Mello, Carta de Guia 
de Casados. 

CALUMNIADOR, A, s. (De calumnia, 
com o siiffixo «dor»). Homem ou mulher 
que calumnia. — Um vil calumniador. — 
Também se usa como adjectivo. 

CALUMNIAR, v. a. (Do latira calum- 
niare ; de cahnnnia). Empregar a calum- 
nia. — Aquelle homem calumnia vilmente 
toda a gente. — Calumniaram-no indigna- 
mente. — Calumniar as acções d'alguem, 
as cousas d'alguem, lançar calumnia so- 
bre ellas. — ■ «Basta cair uma pessoa em 
má suspeita com a gente para lhe calum- 
niar todas as suas cousas. •» Francisco de 
Andrade, Chronica de D. João III, Pari. 
11, cap. ult. — Imputar a alguém opiniões, 
crenças que não tem. — «O calumniarão 
por Ariano.» Monarchia Lusitana, Tom. 
II, foi. 115. — Absolutamente.— iVãt»/V(z 
seJião calumniar. — Este homem calumnia 
continuamente. — «Nunca pedistes (ó jui- 
zes) mibigres jiara crer, senão para ca- 
lumniar. » Diogo de Paiva, Sermões, i, 
foi. HG. — Condemnar. — «Não lhe ca- 
lumniarão menos a investida. » Brito, 
Guerra Brasílica, p. 400. 

CALUMNIÓSAMENTE, adv. (De calii- 
mnioso, com o sufBxo «mente»). Com ca- 
lumnia ; aleivosamente. 

CALUMNIOSO, adj. (De cahmnia, com 
o suffixo «oso»). Que calumnia. — Gente 
calumniosa. — Escriptos calumniosos. — 
Palavras calumniosas. 

Pachitas por fugir do povo injusto 
Calmniiitisn, d,mflii no StMiailo 
Conta do Lcálios, tia'elleja niuniiára. 
8e tirou (-'o sen fiTro a vida rliara. 

CA«., EPISTOLA A r>. CONSTANTINO. 

t CALÚMPNIA, *•. /. Antigo modo de 
escrever calumnia, inserindo-sc um «p» 
entre «m» e «n», como se dava n'outras 
palavras, por exemplo em dampno, por 
damno, comdempno, por condemno, ctc. 
Viterbo, Eluc. 

CALURÒSO, s. ?». Modo erróneo d'cs- 
crever caloroso, que se encontra em al- 
guns manuscriptos e antigos impressos. 

CALVA, s. /. (Do latim calva, craneo, 
segundo O. Curtius, Grundziige der Grie- 
chischen Etymologie, p. 132 (2.'' ed.), for- 
ma substantivada de calvus ; vid. Calvo). 
Falta de cabellos na cabeça, por terem 
caído. 

— Loc. : « Tomar a occasião pela calva» , 
deixar escapar a occasião. António Vieira, 
Sermões, viii, 390. Metáphora tirada do 
modo porque os antigos representaram a 
occasião só com cabellos adiante, de modo 
que uma vez passada era impossível agar- 
ral-a mais. — Pôr a calva d mostra a al- 
guém, desmascarar alguém, descobrir os 
seus erros, crimes ou defeitos. 

CALVÁR, V. a. (De calva.) Fazer, tor- 
nar calvo. — Os annos vão-lhe calvando 
a cabeça. 



— Calvar, v. n. Tornar-se, fazer- se 
calvo. — • Calvar a cabeça. 

CALVÁRIO, s. m. (De Calvaria, o lo- 
gar em que Jesus-Chrísto foi crucificado, 
assim chamado porque como os corpos dos 
condemnados, que lá se executavam, fica- 
vam lá, o logar estava cobe'-to de cra- 
neos, em latim calva; vid. Calva.) Lo- 
gar elevado em que Jesus-Christo foi cru- 
cificado. 



Lá cima ao calvário 
Li cs*.á uma cruz, 
Travesseiro e cama 
Do Dosso Jesus. 

C.\NT. POPrLAH nos MISERÉRES. 



— Elevação em que se põe uma cruz 
para figurar o calvário. — Peanha da cruz, 
que representa cm miniatura um monte com 
caveiras. — «Posto as mãos no calvário 
de uma imagem de Christo crucificado.» 
Bernardo de Brito, Chron. de Cister, Part. 
in, cap. 14. — Moeda do tempo de D. 
João III, do peso dos crusados. — «Fez 
outra moeda de ouro de pezo dos cruza- 
dos, a que chamarão calvários, por terem 
de hua parte cruz comjrrida, posta sobre 
hu monte, como ordinariamente a pintão 
no Calvário.» Manoel Sevcrím de Faria, 
Noticias de Portugal, p. 188. 

— Loc. : Subir ao calvário, buscar 
trabalhos, mortificações, — LeUar a cruz 
ao calvário, ou levar uma cruz ao calvá- 
rio, levar ao cabo um trabalho duro ; 
I supportar com paciência os trabalhos da 
I vida. — Pregar calvário, pregar peça, lo- 
j grar. — «Bom C3\\Av'\o lhe pregou!» Fran- 
i cisco Manoel de ]\Iello, Feira d'Anexins, 
Dial. I. 

CALVÉIRA, s. /, Vid. Caveira. 

CALVEJÁR, t'. a. (De calvo, com o 
suffixo «ejar»). Tornar, fazer calvo. = 
Usado por Francisco Manoel do Nasci- 
mento. 

CALVÊTE, .<;. m. Vid. Caluete. 

CALVEZ im CALVÍCIE, s. f. (Do latim 
calvities. A priujcira forma é verdadei- 
ramente poitiigueza; a segunda, a erudi- 
ta, modificada pelo typo da latina). Es- 
tado de uma cabeça calva. — Uma cal- 
vície precoce. — Por extensão, calvície das 
pálpebras, falta de pestanas, ou péllos das 
pálpebras. 

CALVINÍSMO, s. «i. (De Calvin, ou 
Chauvin. fundador do calvínismo). A dou- 
trina, a egreja de Calvino que se distin- 
gue principalmente por a negação da pre- 
sença real e por o dogma da predestina- 
ção. — «Distinctos são o alcorão e o cal- 
vínismo.» Bernardos, Floresta, v, 208. 

CALVINÍSTA, s. 2 gen. (Vid. Calvínis- 
mo). O, a que segue a doutrina de Cal- 
vino. 

CALVO, adj. (Do latim calvus, do mes- 
mo thema que se encontra no sanskrito 
khalv-uti-s, khal-ati-s, da mesma signifi- 
cação que o latira). Cujos cabellos ou na 
totalidade ou eni parte caem por cfteito da 
edade ou da doença. — Calvo por deante, 



cabelludo por traz. — Cabeça calva. — 
Homem calvo. — Estar calvo. — Figura- 
damente : Descoberto, árido, nú. — Ro- 
chedos calvos. 

o monle calvo, e duro. 

ANTÓNIO FEP.REIRA, ODES, liv. I, 5. 

— Pêcego calvo, sem cotão. — Vinha 
calva, desplantada. — Que se descobre fa- 
cilmente. — Mentira calva, mentira desca- 
rada, que á primeira vista se conhece. — 
Que é pouco hábil em fingir que impro- 
visa, que descobre facilmente o jogo. — 
«Homem nem tão calvo, que os equivocas, 
ainda quepostiços, pareçam que na 7nesma 
conversaçom tiveram rai/ses.» Francisco 
Manoel de Mello, Feira d'Anexíns, Dial. i. 
= Usa-se também substantivadamante. — 
Um calvo. 

— Loc: Já estou calvo, já,conheço o 
mundo, não me enganam. — Nem tão cal- 
vo, que lhe aj)pareçam os miolos, nem tão 
ás claras, que todo o mundo conheça a 
verdade. — Fazel-a calva, deixar o gato 
escondido com o rabo á mostra ; fazer uma 
cousa com disfarce tão mal dirigido, que 
logo se conhece o manejo. 

f CALYBIO, s. m. (Do grego halybion, 
pequena cabana). Termo de Botânica. Gé- 
nero do fructo chamado oídinariamento 
glande ou huluta. 

f CALYBÍTA, adj. (Do grego kalybe, 
cabanil). Nome dado aos santos que vive- 
ram em cabanas, na pobreza e solidão. 

f CALYBO, s. m. (Nome mythologico). 
Termo de Zoologia. Género de coleóptc- 
ros pentãmeros. 

t CALYCÀDENA, s.f. (Do grego hályx, 
calyx, e ádên, glande). Termo de Botâ- 
nica. Género da família das synanthéreas. 

CALYCANTHÀCEAS, s.f. pi. Termo de 
Botânica. Farailia de plantas que tem por 
tvjio o gonero calycantho. 
■' f CALYCANTHÂCEO, adj. (De calycan- 
tho). Hemclhnnte ao calycantho. 

f CALYCÁNTHEMO, s. m. Termo de Bo- 
tânica. Género da família das onágreas 
melastómeas. 

f CALYCANTHO, s. m. Termo de Bo- 
tânica. Género de rosáceas. 

f CALYCERO, s. m. (Do grego kályx, 
calyx). Termo de Botânica. Género de 
plantas, typo da família das cal',céreas. 

f CÁLYCIFLÓROS, s. m. pi. (Do grego 
kályx, calyx, e do genít. \-At.jluris, flor). 
Termo de Botânica. Família de vogetaes 
polypétalos e garaópelos. 

f CALYCÔBOLO, s. m. (Do grego ká- 
lyx, calyx, e hólos, acção de lançar, por 
allusão á precoce da corolla da planta que 
parece lançar fora o calyx). Termo de Bo- 
tânica. Nome de uma planta. 

f CALYCOGÓNIO, s. m. (Do grego ká- 
lyx, calyx, e gOnia, angulo). Termo de 
Botânica. Género de plantas da familia 
das raelastomáceas. 

t CALYCÓPHILLO, «. m. (Do grego Â;»'- 
lyx, calyx, e 2>hyllon, folha). Termo de 



CALY 

Botânica. Género da familia das rubiá- 
ceas cinclióneas. 

t CALYCÓPTERO, s. m. (Do grego ká- 
lyx, calyx, e pteris, feto). Termo de Bo- 
tânica. Synonymo dos géneros gethómia 
e calycogónio. 

t CALYCOSTÉMONA, s. /. (Do grego kd- 
lyx, calys, e stèmôn, corolU). Termo de 
Botânica. Synonymo de perigyna. 

CALYCOSTÉMONAS, s. f. pi. Classe de 
plantas que tem os estames inseridos no 
calyx. 

t CALYCÓTHRIX, s. m. (Do grego ká- 
lyx, calys, e thrix, cabello). Termo de 
Botânica. Género de plantas da familia 
das myrtáceas chamelanciádas. 

t CALYCÓTOMO, s. m. (Do grego ká- 
lyx, calyx, e tomê^ golpe forte). Termo de 
Botânica. Synonymo de vielidospérme e 
de costégia. 

t CALYDÉRMO, s. m. (Do grego kályx, 
calyx, e derma, pelle). Termo de Botâ- 
nica. Género de compostas senecionídeas, 
planta do México. 

t CALYLÓPHES, s. m. (Do grego ká- 
lyx, calyx, e lophis, tubo). Termo de Bo- 
tânica. Synonymo do género merióltx. 

t CALYLOPHO, s. m. (Do grego kályx, 
calyx, e lóphos, crista). Termo de Botâ- 
nica. Género da familia das cenotherá- 
ceas. 

t CALYMÉLLA, s. /. Termo de Botâ- 
nica. Synonymo de platyzoma. 

t CALYMÉNIA, s. f. (Do grego kályx, 
calyx, e hymên, membrana). Termo de 
Botânica. Synonymo de oxyhapho. 

CALYMENIÁNO, adj. Termo de Zoolo- 
gia. Que se assemelha á caliménia. 

CALYMENIÁNOS, s. m. pi. Familia de 
crustáceos da classe dos trilóbitos. 

t CALYMMÁPHORO, s. m. (Do grego 
kalymma, coherint 3., e phoros, que traz). 
Termo de Zoologia. Género de coleópte- 
ros heterómeros, da familia dos callaptc- 
rides. 

t CALYMMÁTION, s. /. (Do grego ká- 
lymmation, pequeno invólucro). Termo de 
Zoologia. Género de coleópteros tetrâme- 
ros, da familia dos longicornes. 

t CALYMNO, s. m. (Nome mythologi- 
co). Terrao de Zoologia. Género de aca- 
lephos ctenóphoros. 

t CALYMNÓDON, s. m. (Do grego ká- 
lymna, capaz, e odons, dente). Termo de 
Paleontologia. Género de fetos fosseis. 

t CALYMPÉRO, s. m. (Do grego kálum- 
ma, cobertura, invólucro, e peird, eu furo, 
eu atravesso). Termo de Botânica. Gé- 
nero de musgos acrocárpos hoploperistó- 
meos. 

CALYPHA, s. VI. Outro modo d'escre- 
ver a palavra calipha. — «Oj-í/oíom logo 
este nouo Calypha.» Barros, Década I, foi. 

t CALYPLECTO, s. m. (Do grego kdlyx, 
calyx, e plektós, entrelaçado^. Termo de 
Botânica. Syncmvmo dogcncro iafrocnsia. 

t CALYPÓGEIA, s.f. (Do grego kályx, 

VOL. 11—8. 



CALY 

calyx, hupô, debaixo, e gê, terra). Termo . 
de Botânica. Género de plantas da tribu 
das jongermanniadas trichomanoideas. 

fCALYGÓGIA, s.f. (Do grego kalyx, 
calxy, hypó, debaixo, gê, terra). Termo 
de Botânica. Synonymo de uma planta 
chamada também glocalyx. 

t CALYPSO, s. /. (Nome mythologico). 
Termo de Zoologia. Género duvidoso de 
crustáceos. 

— Termo de Botânica. Género de plan- 
tas, da familia das orchídeas. 

t CALYPTER, s. m. (Do grego kalyptô, 
eu occulto). Nome dado por alguns mé- 
dicos a uma excrescência da carne que 
cobre a veia hfflnorrhoidal. 

t CALYPTÉREAS, s. /. pi. Termo de 
Zoologia. Familia de insectos rayodários. 
t CALYPTÉRIA, s.f. (Do gvegohdy- 
ptra, véo). Termo de Zoologia. Nome 
por que se designam as aves chamadas 
também téctrices caudaes. 

t CALYPTÉRION, s. m. (Do grego ka- 
lypteríun, tampa). Termo de Paleontolo- 
gia. Género de fetos fosseis. 

t CALYPTÉRIS, s. /. (Do grego ka- 
lyptra, véo). Termo de Paleontologia. 
Planta fóssil parasita, da familia das sci- 
tamíneas. 

t CALYPTO, s. m. (Do grego kalyptós, 
coberto). Termo de Zoologia. Synonymo 
de brachista. 

t CALYPTÓBIO, s. m. (Do grego kaly- 
ptós, occuito, ebios, vida). Termo de Zoo- 
logia. Género de coleópteros tetrâmeros, 
da familia dos xylóphagos. 

t CALYPTOCÉPHALO, s. m. (Do grego 
kalyptô, cubro, e hephalê, cabeça). Ter- 
mo de Zoologia. Género de reptis batrá- 
cios. — Género de coleópteros pentâmeros, 
da familia dos malacodermes. 

t CALYPTÓMENO, s. m. (Do grego ka- 
lyptus, occulto, e menô, permaneço, fico). 
Termo de Zoologia. Género de aves for- 
mado por uma pequena espécie verde de 
gallo de rocha, de Java. 

t CALYPTOPS, s. m. (Do grego kaly- 
ptós, occulto, eóps, rosto). Termo de Zoo- 
logia. Género de coleópteros tetrâmeros, 
da familia dos curculiónides gonatóceros. 
t CALYPTORHYNCO, s. m. (Do grego 
kalyptós, occulto, coberto, e rhynkho, bi- 
co). Terrao de Zoologia. Género de aves 
da familia dos papagaios. 

t CALYPTÓSIS, s. m. (Do grego kaly- 
ptós, occulto, e opsis, vista). Termo de 
Zoologia. Género de coleópteros heteró- 
meros, da familia dos collaptérides. 

t CALYPTRA, s. f. (Do grego kalyptra; 
de kali/ptò, eu occulto). Termo de Botâ- 
nica. Coifa dos musgos. 

t CALYPTRÀCEA, adj. (De calyptra). 
Termo do Zoologia. Que se parece com 
as calvptradas. 

t CALYPTRACEAS, s. /. pL Familia do 
mollu.scos da ordem dos gasterópodos. 

t CALYPTRÀDAS, s. m. pi. Termo de 
Zoologia. Género de moUuscos. 



CAMA 



57 



t CALYPTRÂDO, adj. (De calyptra). 
Termo de Botânica. Que tem uma coifa, 
t CALYPTREÓPSIS, s.f. (Do grego ka- 
lyptra, e ópsis, aspecto). Termo de Zoo- 
logia. Género de molluscos estabelecido 
para uma concha da familia dos calyptro- 
ciános. 

t CALYPTRÍDIO, s. m. (Do grego ka- 
lyptros, e ídios, especial). Termo de Bo- 
tânica. Género da familia das portulacaceas 
calandriniádas. 

t CALYPTRIFÓRME, adj. de 2 gen. (Do 
grego kalyptra, e do latim forma). Ter- 
mo de Botânica. Diz-se dos orgàos que 
têm forma de coifa. A corolla da vinha é 
calyptriforme. 

t CALYPTRIO, s. m. (Do grego kalyp- 
tra). Termo de Botânica. Género de plan- 
tas, da familia das violáceas. 

t CALYPTROCÁLICE, s. m. (Do grego 
kalyptra, coifa, e kalyx, calyx). Termo 
de Botânica. Género da familia das pal- 
meiras. 

t CALYPTROCÀRPO, s. m. (Do grego 
kalyptra, coifa, véo, e karpós, fructo). 
Termo de Botânica. Género de compos- 
tas senecionídeas. 

t CALYPTROCARYA, s. f. (Do grego 
kalyptra, e karya, nogueira). Termo de 
Botânica. Género da familia das cyperá- 
ceas. 

t CALYPTROSPÉRME, s. m. (Do grego 
kalyptra, coifa, e spérma, grão). Termo 
de Botânica. Synonymo do género menó- 
doro. 

t CALYPTRÓSTYLO, s. m. (Do grego 
kalyptra, coifa, e stylos, cstylo). Termo 
de Botânica. Género da familia das cy- 
peráceas. 

t CALYPTÚRO, s. m. (Do grego kalyptós, 
occulto, e oyrà, cauda). Termo de Zoo- 
logia. Synonymo de maakin. 

t CALYSPHYRO, s. m. (Do grego ká- 
li/x, calyx, e sphyrón, calcanhar^ Termo 
de Botânica. Género de plantas rubiá- 
ceas. 

t CALYSTÉGIA, s. f. (Do grego kàhjx, 
calvx, e stegê, tecto, cobertura). Termo 
de Botânica. Género da familia das con- 
volvuláceas. 

t CALYTRiPLEX, s. m. Termo de Bo- 
tânica. Svnonvmo de herpestes. 

t CALYXHYMÉNIA, s. m. Termo de 
Botânica. Synonymo de caliménia. 
CAM, s. in. Vid. Cão. 
CAM, adj. Vid Cão. 
GAM ou CAN, s. m. iTermo asiatico\ 
Senhor, segundo Diogo de Couto, Dec. 
V, 10, 1 ; nome de dignidade, como em 
Hespanha a de Duque, segundo Barros, 
Dec. IV, 4, 10. — Forma o segundo ele- 
mento de vários compostos, como Rume- 
can, etc. 

CAMA, s. /'. (D'um verbo camar, que 
tomos cm acnnuir. lançar no chiio, ctc, 
como estima, de estimar. Da idòa de lan- 
çar no chixo se desenvolveu a de deit.ir, 
a de pôr em camada, em cama, etc. 



58 



CAMA 



CAMA 



CAMA 



Aquelle verbo camar, vem, segundo todas 
as probabilidades, do grego hhamai, no 
chio, por terra. Sobre esta palavra gre- 
ga, vid. s. V. Homem). Peça d'esteira, 
palha, colchão, etc, em que se deitam 
para dormir. — <iAhi agora cncayxa a 
besta, que você onde quer se espoja, faz 
a cama sem real e meyo de esteyra. » 
Francisco Manoel de Mello, Feira d'Ane- 
xins, Part. i, Dial. vi, § 1.— Leito.— 
Cama d'armaçào, a que tem cortinados, 
franjas, etc. — Cama d'estado, cama muito 
ricamente ornada que se tem só por ap- 
parato, pois não se dorme n'ella. — <sOs 
quaes (alãos) amava tanto, que os lançava 
de noite conisif/o na cama, e el em meo 
ãelles.íi Fernão Lopes, Chronica de D. 
Fernando, cap. 99. — mjusia el-Rei era 
Lixhoa huuma noite na cama, e nom lhe 
vi/nha sono 2^era dormir.» Idem, Chro- 
nica de D. Pedro, cap. 14. — «A cama 
era liem empar antentada, e a cubricama, 
d'um tapete preto.» Idem, Chronica de D. 
Fernando, cap. 130. 

Snlla da cama, liimp aos servos pede, 
Lavrando n'elle o fervido veneno. 
CAM.» Liis., cant. viii, est. 51. 

K n"nni portátil leito uma rica canta 
Lhe oITcrece. cm que vás, (costiiinc usado) 
Que DOS hoinl)ros dos homens é levado. 
OD. ciT-, cant. vii, est. 44. 

E ti'ontra parte .á cama se chegava 
flum homem que virtude representa. 

ROLIM DE M0lia.\, NOVÍSSIMOS DO HOMEM, Cant. 

II, est. 90. . 

— (1 Tinha boa cama : jazia descan- 
sado.» Francisco Manoel de Mello, Apol. 
Dial., p. 91. — «£)« metaphora de cama 
ninguém tem falludo mais chaãmente. » 
Idem, Feira d'Anexins, Part. i. Dial. vi, 
§ 1. — Cama de cavallo, cama de cào^ e 
d'outros animaes, palha, etc, que se dis- 
põe em cama para elles se deitarem em 
cima. — Fazer a cama, dispôl-a de modo 
conveniente para n'ella se dormir commo- 
dameute. — Estar na cama, estar deitado 
n'ella. — O covil ou jazida do veado, 
porco, lobo, corso, gamo. — Camada. — 
Cama de sal. — Cama de cal. 

— Termo de Agricultura. Cama deme- 
Iões, p)epinos, ctç., pedaço de terra bem 
preparada e mais levantada que a outra 
terra, em que se semêa melões, pepinos, 
etc. 

— Termo do Jogo da bola. O logar 
onde se põe o vinte, e os páos do jogo da 
bola. 

— Loc: Fazer cama aalguem, denun- 
ciar alguém, intrigal-o, dar d'elle má in- 
formação. — Cama de hertão, mantas ou 
balsas de sargaço ou trombas. — «Indo 
das ilhas de Tristão da Cunha, para o 
Cabo da Boa- Esperança 100 legoas se 
acharão huas manchas grandes de Trom- 
bas, e Sargaço, a que os antigos chamão 
camas de Bertão.y> Mariz, Roteiro da ín- 
dia, p. 11. — • Filhos da primeira e segun- 
da cama, filhos do primeiro e segundo ma- 
trimonio. — Cair de cama, adoecer, — 



Estar de cama, estar doente de cama. — 
Fructos da primeira cama, os primeiros 
fructos que amadurecem. — Vinhos de ca- 
ma, aquclles a que se não dá cortimento. 
— Fazer a cama a um negocio, facilitar a 
execução d'iim negocio. — Fazer callo e 
cama na maldad,e, tornar-se inteiramente 
máo, estar irremediavelmente caído no 
mal. 

De Gaya Almançor Doou gozando 
E com cila ficou como casado, 
Assi que um pecr.ado outro chama, 
E fazem na maldade e;ilo e cama. 

•lOÃO V.^Z, GAY,V, p. 2. 

— Tirar a cama a alguém, tirar a al- 
guém o que lhe estava destinado. — Ter 
de cama, temera camada.- — «Olhem o sr. 
D. Francisco enfronhado em equivocas, 
presumindo de sobrado delles, que os tem 
de cama comocodornos.» Francisco Manoel 
de Mello, Feira de Anexins, Part. i, Dial. 
V, § 1. — «Vay-te deitar na cama das 
pulgas, r, praga popular. Enfermidades da' 
Língua, p. 151. 

— Adag. : «Cama de chão, cama de 
cão.v Bluteau, Suppl. — «Se queres ter 
boa fama, não te tome o sol na cama.» 
Ob. cit. — «Deita-te em tua cama, cuida 
em tua casa. a Ob. cit. — «Não haja dó 
de quem tem muita roupa, efaz má cama, » 
Ob. cit. — «A^acama se quebra as pernas,r> 
em toda a parte ha perigos. — « Cada um 
faça a cama como n'ella se ha de deitar. f> 

— «A frade não faças cama, e a tua mu- 
lher não faças ama.» Adag., Prov., etc, 
p. 29. — «Em cama estreita deitar primei 
ro,« Ob, cit. — o Quem boa cama fizer, 
n'ella se deitará.» Ob. cit. 

CAMADA, s. f. (De cama, com o suffixo 
«ada», como varada, de vara, abada, de 
aba). Porção de uma substancia estendi- 
da em forma de cama, — Camada de cal, 
a porção que o alvanéo estende d' uma vez 
quando váe fazendo uma parede, muro, 
etc, e sobre a qual põe pedras que co- 
bre com outra camada. — As camadas at- 
mosphericas. — Uma camada de lodo. — 
Cousas juxtapostas sobre uma superfície 
plana. — Uma camada de sardinhas. — 
Uina camada de laranjas. — Figuradamen- 
te: Camada de sarna, de lepra, de gallico, 
erupção de sarna, etc, em todo o corpo. 

— Por extensão, camada de sezões, ata- 
que de sezões duradouro.— Camada íieca- 
tarrko, catarrho pertinaz. — Grande nume- 
ro. — Camada de piolhos, de pulgas. — 
Camada de gente. — «E assy veo huma boa 
camada de Fidalgos e Cavalleiros.» Bar- 
ros, Dec.III, Liv.i, cap. 1.— Camada d'em- 
èargíos. ^ Camada de asneiras, enfiada, 
série d'asneira3. — Condição, classe. — 
As camadas sociaes. Hierarcbia, gráo de 
nobreza. — «Nas quaes náos vinhão mui- 
tos Fidalgos e Cavalleiros da camada fíe^- 
le Visorey.» Barros, Dec. II, Liv. iil, 
cap. 10. 

CAMAFÊO ou CAMAFEU, s, in. (O hes- 
panhol tem camafeo, o italiano cammeo, 
usado por Cellini no século xvi, o inglez 



cameo, o allemão gamaheu, o francez ca- 
mée, e camateu, o baixo latim camateu, 
camahelus, camahutus, camaeus. Das di- 
versas conjecturas propostas, a que Littré 
acceita é a mais provável : baixo grego ka- 
matun, obra, trabalho ; kamônnein, tra- 
balhar, kamôticon, obra feita á mão, li- 
thúcamenos, ornado de pedrarias, kameton, 
officinade ferreiro, do grego clássico kam- 
nein, fazer esforço, ter trabalho. «Camée, 
diz Littré, significando em geral cousa 
feita pela mão, te mou, o que succede mui- 
tas vezes ás palavras, um sentido parti- 
cular.» Do lado do som ha principalmen- 
te para a palavra portugueza e hespanhò- 
la, difficuldades. O baixo latim camaeus, 
d'onde camahevs, introduzindo-se a aspi- 
ração para evitar o hiato, poderia dar 
camafeo, mudando-se o «h» em «f» 7 A 
introducção da aspiração é já de si hypo- 
thetica ; a da mudança do «h» eiu «f» ex- 
cepto o « h » árabe, nas linguas penin- 
sulares egualmente sem exemplo ; todavia 
a palavra não ptkle separar-se das formas 
do latim vulgar e das outras linguas ro- 
mânicas; por isso julgamos vêr aqui mais 
um exemplo dos pi^ocessos da etymologia 
popular; vid. Camafeyo, e conferi a ultima 
significação de Camafeo). Pedra fina cor- 
tada, tendo duas camadas de differentes 
cores, d uma das quaes se fez uma figu- 
ra em relevo, fazendo a outra o fundo. — • 
«El-Rei mandou tirar d'aquela torre do 
cever, que estava no castello da cidade, hu- 
ma coroa douro feita de machafemeas , obra- 
da com pedras de grande vallor, e gros- 
sos graãos daljofar arredor, e religairos, 
e anees douro, e camafeus, e outras joyas 
de gram preço.» Fernão Lopes, Chronica 
de Dom Fernando, cap. 49. — «No peito 
um camafeo em figura de Cupido. » An- 
tónio Vieira, Sermões, Tora. iv, 194. — 
«Eostinho de camafeo.» Jorge Ferreira de 
Vasconcellos, Euphrosina, act. i, se. 1. 

— Rosto gentil, delicado. Sinete particu- 
lar ou selíodo rei. — «Selladas doseu ver- 
dadeiro sello das quinas, ou do seo cama- 
feu.» Orden. Affons., Tom. ii, p. 230. — 

— O sello das quinas tinha, as armas, o do 
camafeo, o busto do rei. — Figuradamen- 
te e popular : Cara muito feia. 

CAMAIFÉU, s. m. Outra forma ant. de 
Camafeo. 

CAMAFEYO, s. m. ant. Outra forma de 
Camafeu, em que, com toda a evidencia, 
apparece a influencia da palavra feio. = 
Usado por Jorge Ferreira de Vascon- 
cellos, Eufrosina, act. iii, se. 6. 

CAMAL, s. m. ant. (O provençal tem 
capmalh, capmail, capmal, camal; o fran- 
cez camail, o italiano camaglio. Á pri- 
meira forma provençal revela a etymo- 
logia : a palavra é composta de cap (pro- 
vençal e francez), cabeça, do latim caput, 
(vid Cabeça, Cabo 1.), e malh, armadu- 
ra (vid. Malha), e siguificava-se assim 
propriamente armadura de cabeça. A for- 
ma portugueza vem evidentemente da pro- 



CAMA 



CAMA 



CAMA 



59 



vençal ca7nal). Malha com que se cobria 
o elmo ou baeiíiete. — « Tinham arneses de 
homens d'armas, a saber : Cotas e baci- 
netes de Carnal, e Laudees.» Doe. do sécu- 
lo lõ.", em Viterbo, Eluc. — n Ou ter as Co- 
tas, ou peças com bacinetes de Camaaes, 
ou de babeira.n Doe. de 1410. Ob. cit. 
— Elmo, capacete. 

Levando camatl 
que cubra ('aluoira. 

CANC. DB HBZS^DS. f, 139. 

t CAMÁLDULA, s. f. (De camaldulo). 
Uma camaldula, um convento de camal- 
dulos. Vid. Camandula. 

CAMÀLDULAS, s. f. pi. (De calmiidu- 
lo, por terem sido os camaldulos que as 
inventaram). Ramal ou rosário de gros- 
sas contas ou bugalhos, de trinta e trez 
Padres Nossos. 

CAMALDULÈNSE, adj. (De camaldula, 
com o suffixo «ense»). Que pertence á 
camaldula. — « Vestidura de frades pobres 
como os camaldulenses.» Chrysol purifi- 
cativo, p. 525. 

CAMALDULO s. m. (De Camaldoli, lo- 
calidade da Toscana em que a ordem foi 
fundada). Religioso d'unia ordem monás- 
tica fundada no fim do século x, por S. 
Romualdo. 

CAMALEÃO, s. m. (Do grego khamai- 
léôn, de khamai, em terra, e léôn, leão : 
leào terrestre). Espécie de lagarto a que 
se attribuia a faculdade de mudar de côr 
segundo os objectos que o rodeavam. — ■ 
« Ora notae bem de quantas cores teceo a 
Fortuna esta manta d' Alentejo : perdeo-se 
Venadoso na caça, eis a casa toda envolta 
como rio: o pae enfadado, a irmã triste, 
a gente desgostosa ; tudo, emfím, fora do 
co'xce ; e o galante aposentado nos matos 
com trajos mudados como camaleão, dece- 
pado dos pés e das maus, por huma ser- 
ranica d' Alentejo. s Cam., Filodemo, act. 
V, SC 3. 

Mas como cm se mudar de cores varias 
Só pela visU o camaleão as{tíi'a. 

IIANCEL THOMAZ, INSULANA, liv. H, Clt. 14. 

— Figuradamente: O que muda indif- 
ferentemente para comprazer a quem pô- 
de servir a seus interesses.— Camaleões 
políticos. — «£sses camaleões áe cortesia, 
que se sustentam com os ares d'ella, não 
são tão firmes, como cuidaes.y> Francisco 
Rodrigues Lobo, Corte na Aldeia, Dial. Vò. 

— Termo de Chimica. Camaleão mine- 
ral, permanganato do potassa, composto 
que toma ditferentes cores segundo é tra- 
ctado pela agua, pelos ácidos, etc. — 
Herva camaleão, herva que se supponha 
mudava de côr segundo o terreno em quo 
a plantavam. Francisco de Moraes, Pal- 
meirim, Part. IV, foi. 31, 

t CAMÁLHA, s. /. (De camalho ; vid. 
esta palavra). Espécie de capuz feito de 
malha de lã, caindo sobre 03 Jiombros, 
usado pelas mulheres. 

CAMALHÃO, s. m. (O hespanhol tem 
camellon, no mesmo sentido. A formação 



da palavra é clara. De cama (vid. Cama, 
termo de agricultura), com o suffixo alho 
(hespanhol alio), deriva primeiro um the- 
ma camalho, como de baga, hogalho (por 
bagalho), de bando, bandalho, de cão, ca- 
nalho, de gente, gentalha, etc. ; d'ahi, com 
o suffixo «ão» (hespanhol on), camalhão, 
(hespanhol camellon, por camallon) ; ou 
então o suffixo composto alhão (part. al- 
iou, ellon), de alho, ão, foi junto imme- 
diatamente a cama, o que é um processo 
equivalente ao |)rinieiro. Formações exa- 
ctamente idênticas á de camalhão, são a 
de facalhão, de faca (vid. Facalhão), a de 
fracalhão, de fraco (vid. Fracalhão, etc-) 
A camada de terra que fica entre dous re- 
gos na terra cultivada. — A camada ou 
porção de terra que fica na estrada não 
calcada entre os cortes fundos, que abrem 
as rodas dos carros, etc, em tempo de 
chuva. — A camada de terra que orla a 
margem d'um campo. 

CAMALHO, s. m. ant. (Do provençal 
camalh, forma parallela de carnal ;w\d. 
Carnal). O mesmo que carnal. — «Ficozi a 
Gil, pelo costume do Porto, o cavallo do 
dito Vasco de Sousa, seu Padre, e huma 
espada, e huma lança, e huma loriga de 
cava/lo, e duas ffulhas, e hum elmo com 
sseu camalho.» Doe. de 1539, em Viterbo, 
Eluc. — «E os que eram bem armados, 
aviam de teer barvura com seu camalho, 
e estofa, e cota, e jaqne, e coxote, canel- 
leiros Franceses. » Fernão Lopes, Chroni- 
ca de D. Fernando, cap. 87. 

t CAMALHOM, s. m. ant. (De camalho, 
com o suffixo augmeutativo «om», d'onde 
o moderno «ão».) Camalho ou camalho 
grande. — n As armas mandou el- Rei mudar 
a esta guisa : de cambais mandou que fe- 
zessem jaque ; e da loriga, cota ; e da ca- 
pellina, barvuda com camalhom. » Fernão 
Lopes, Chr. de D. Fernando, cap. 87. 

t CAMANDULA, s. m. (Forma alterada 
e popular de Camaldula. — aDê cá a mam 
irmani sem ser de Camandula (sem ser ir- 
mão ou monge da camandula). Francisco 
Manoel de Mello, Feira dAnexins, part. 
I, Dial. VI, §. 1. 

CAMÁNDULAS, s. f. pi. Alteração po- 
pular de Camaldulas. = Usa-se no senti- 
do pejorativo de : rosário grosso de hy- 
pocrita. 

CAMÁNHO, adj. (Do latim quam ma- 
gnas). Quão grande. 

Poys camanhõ ttinip's a que guareci, 
Seu niautbdo ir o a nou vv. 

CA.\(:. UB D. UlMZ, [). '#9. 

— <íE os ditos Juizes hajam conheci- 
mento de todolos feitos crimes, e eiveis de 
qualquer condiçon e camauho, e quanta 
garantia seja.» Doe. de 13í5t3, emVitei"- 
bo, Eluc. 

Codi', camanhit ronforto. 
tem, (]uem so ijuer leiíibar. 

CANC. OB UKZKNOS, I, Í0. 

Uata-me iiún coniiecerdos 
camauho bom vos ou qQoro. 
OD. cu., I, IÍ3. 



— aQuanto devo a Deos, pelo prazer qii£ 
me mostrou oje, livrar minha filha de in- 
fâmia e de hum pterigo tão certo, tama- 
nho ; camanho era a suspeita que o ma- 
rido tomou delia.» António Ferreira, Cio- 
so, act. V, SC. 9. — uCamanhos desarranjos 
causa a ira e a pertinácia.» Idem, Bristo, 
act. V, .SC. 2. = Usado pela maior parte 
dos quinhentistas ; caída já em desuso no 
século xvir. 

t CAMANIÓCA, s. /. Espécie de man- 
dioca que se cultiva em Cayenna e nas 
Antilhas, cuja raiz cosida é comestivel 
sem preparação prévia, como as batatas, 
ao contrario das raizes de mandioca que 
contêm um acido venenoso, que é neces- 
sário extrahir. 

1 .) GAMÃO, s. /. Ave aquática pern'alta, 
maior que uma gallinha, de bico agudo, 
pernas azues ou verde-mar, pés verme- 
lhos espalmados como os do adem. O po- 
vo cria que o camão morria estando em 
casa cuja dona commettia adultério. 

Ejperimenlou-se algum'hora 
I)'Ave, que chamâo camão, 
Que se da casa, oude mora, 
Ve adullera a Sénbora 
Morre de pura paixão. 

CAM-, BIMAS. 

— A DAG. : í Camão todos o querem, pou- 
cos o hão. D Eluteau, Voe. 

2.) CAMÃO, s. m. ant. Sentido incer- 
to. Lençóes y^Usado nas Provas da Hist. 
Geueal., I, 223, e colligido por Moraes. 

CAMARÁ ou CAMERA, s. /. (Do latim 
camará ou camera, do grego kamúra, 
abóbada, carro de bagagem, carro cober- 
to com um toldo de íórma convexa ; o zend 
tem kamara, abobada, cinto j em sans- 
krito, kmar., ser curvo, em que ha sem 
dúvida a raiz, mas Aííifu- é todavia olha- 
do como uma formação secundaria. O la- 
tim camurus, curvado, dobrado para den- 
tro, tem a mesma raiz. Vid. Camarão). 
Divisão d'uma casa, c principalmente a 
alcova ou quarto cm que se dorme, ou 
serve para o uso particular duma pessoa, 
onde eila trabalha, etc. — <íAconttceo-me 
já liilo espreitar huma noite d sua came- 
ra.» António Ferreira, Bristo, acto il, 
SC. 5. — « Tomou-me, fechou-me numa ca- 
mará.» Idem, act. iv, se. 3. — <!.2\ãoquÍ3 
doi-mir em huma camará.» Francisco ^Ma- 
noel de Mello, Carta de Guia de Casados. 

— Moço da camará. Hoje diz-se moço de 
quarto. — Quarto seguro para guardar 
cousas de valor. — Gamara r<.al. Paços 
dos reis. Logar onde os reis residem. 
Corte. — iFizeram de Coimbra camará 
í-eal, e cabeça do reino. )> Duarte Nunes 
de Leão, Chronicas, Tom. I, foi. (52. O 
serviço pessoal do rei. — Moço, medico 
da camará real. Catacumbas, casa reli- 
giosa em que se depositam os cadáveres 
dos reis. Em tí. Vicente de Fora ha ca- 
mará real. — Propriedade cuj.<i renda é 
applicavcl ás despezas da vasa do rei. 

— Camará do abbade, do bispo, do pnor, 
terias cujos rendimentos revertiam a fa- 



60 



CAMA 



CAMA 



CAMA 



vor do abbade, do bispo, do prior. — 
a Gamara du estado d, o quarto em que 
dormia o rei. Livro Vermelho de D. Af- 
fonso V, n." 14. — Gamara, o corpo de ve- 
readores. — A casa da camará, ou sim- 
plesmente camará, a casa em que se 
iazem as sessões dos vereadores e ha as 
repartições respectivas aos negócios mu- 
nicipaes. — « Venderão hum -padrão de 
juro da Gamara.» Francisco Manoel de 
Mello, Garta de Guia de Casados. — «fe- 
dio vinte mil furdaos á Camera (/e Goa.* 
Jacintho Freire^ Vida de D. João de Gas- 
tro, Liv. III, cap. 29. — Gamara apos- 
tólica, tribunal que tem a inspecção e 
administração das rendas da cúria roma- 
na. Casa do expediente do despacho dos 
bispos, e da sé apostólica. Faço, ter- 
ras dos bispos. Casa religiosa em que 
se depositam os cadáveres dos bispos. — 
Gamara do parlamento ou legislativa, as- 
sem bièa que compõe parte do corpo le- 
gislativo 110 regimen monarchico consti- 
tucional. — Convocar a camará. — Dissol- 
ver a camará. — ler assento na camai"a. 
— Gamara electiva, camará dos deputados. 
— -Gamara hereditária, camará dos pa- 
res. — As duas camarás. — Em Inglaterra, 
camará dos coiumuns ou camará baixa, 
assem blêa dos deputados, dos condados e 
burgos, que representam a pequena no- 
breza e o corpo do povo. — Gamara alta, 
ou camará dos pares, assemblêa dos pa- 
res dluglaterra. — Gamara estrellada, em 
Inglaterra, jurisdicçào tirada para as ac- 
cusaçòes politicas da camará dos pares 
ou lords. — Gamara ardente, charaava- 
se antigamente a dous tribunaes na Fran- 
ça, um dos quaes sentenciava ao togo no 
caso de heresia, o outro no caso d'enve- 
nenamento. — Gamara imperial, tribunal 
de justiça que havia na Allemanha, em 
Wesler, e em que se julgavam por appel- 
laçào todas as questões suscitadas entre 
os príncipes e as cidades do império ger- 
mânico. — Carta de camará, licença re- 
gia para citar grandes do reino ausentes 
da corte, e que era ieita pelos escrivães 
da camará d'Ei-rei no desembargo do 
paço. 

— Termo de Artilheria. — Gamara do 
morteiro, da peça, « he hum vão mais 
estreito que a alma; principia na ex- 
tremidade da alma, e acaba no ouvido. y> 
Teixeira Rebelio, Diccionario de termos 
respectivos à artilheria, p. 148. — Anti- 
gamente a camará atarrachava-se ao cor- 
po da peça. É a essas camarás separá- 
veis que se relerem as seguintes passa- 
gens : — « Imanto que nosso senhor o levasse, 
tomasse o seu manto da ordem (de Chris- 
to) e lh'o vestisse, e lhe pozesse hum par 
de camarás de ferro aos pés, porque seu 
corpo se fosse logo ao fundo. ^> Barros, 
Dec. rV, p. 750. — aResponderão os nos- 
sos navios com oídra tal obra, até tira- 
rem as camarás da artilheria.» Idem, 
Dçc. I, foi. 770.— «O havia de. mandar 



lançar ao mar com huma camará de Bom- 
barda ao pescoqo.yi Comment. d'Affonso 
d' Albuquerque, p. 27 (3." ed.) — Gamara 
da mina, «Itigar onde se collóca a pólvora 
para produzir o ejfeito que se pretende ; 
porém estando carregada chama-se forni- 
lho.7> Teixeira Rebelio, Ob. cit. 

— Termos d'Optica. Gamara escura, lo- 
gar em que a luz só pôde entrar por um 
buraco d'uma poUegada de diâmetro, n 
que se applica um vidro, que deixando 
passar os raios dos objectos exteriores 
para a parede opposta ou um panno bran- 
co, n''3lle faz vêr como um desenho do que 
está fora, mas ao inverso ; isto ó, como 
se os objectos estivessem voltados. — A 
camará escura serve na photographia. — • 
Gamara clara ou lúcida, instrumento de 
óptica que serve para desenhar, permittin- 
do vêr ao mesmo tempo os objectos e o pa- 
pel. — Gamara óptica, appareiho formado 
por uma caixa fechada em que se collocam 
estampas, cuja imagem se vê n'um espe- 
lho através. d'uma lente convergente. 

— Termo d'Anatomia. Gamara anterior 
do olho, o espaço comprehendido entre a 
córnea e a parte anterior do iris. — Ga- 
mara posterior, o espaço comprehendido 
entre a parte posterior do iris, e a face 
anterior do crystallino. 

— Gamara de chumbo, vasta peça, ap- 
pareiho em que se fabrica o acido sul- 
phurico. — Gamara de vapor, espaço com- 
prehendido entre a caldeira e a superfí- 
cie do liquido. 

GAMARÁ, s. m. (Palavra brazileira). 
Arbusto de capoeira, que dá uma espécie 
de mal-mequeres amarellos no Brazil. = 
Moraes. 

CAMARABÁNDO, s. m. (Palavra asiá- 
tica que é composta de camará, da for- 
ma radical sanskrita kmar, ser curvo, 
e banda, ou bandha, em sanskrito liga- 
dura, laço, da mesma raiz que o allemão 
band, portuguez banda, que veio pelas 
linguas germânicas. Em zend há kama- 
ra, cinto). Faxa. — «Hum camarabando 
que tinha sobre a touca, v Diogo de Cou- 
to, Década IV, Liv. 10, cap. 8. — Cinto. 
— a Pelo cingidouro que era hum cama- 
rabando de muitas voltas, n Manoel Fer- 
nandes, Alma instruída, il, 358. 

GAMARA-GÚBO, s. f. (De camará e 
cubo). Planta do Brazil. 

1.) GAMARÀDA, s. /. (De camará, com 
o suffixo «ada»)' Camaradagem. — «Li- 
citou out7'os de sua camarada.» Monarchia 
Lusitana, Tom. ii, foi. IG. 

2.) GAMARÀDA, s. 2 gen. (De cama- 
rada, camarata, camaradagem, passou-se 
ao sentido de — o que está em camarada- 
gem. A palavra é na origem, segundo 
Littré, termo militar). Nome que se dâo 
entre si os militares. D'ahi, na linguagem 
dos paisanos, camarada, militar. — Por 
extensão, o que tem os mesmos hábitos, 
as mesmas occupações que outras pes- 
soas. — Gamarada d'eschola, de collegio, 



de quarto, pessoa que vive com outra na 
mesma casa e come á mesma mesa. — 
«■Queyn dará termo a visitas, a merendas, 
a jugos, a romarias, a camaradas, a ami- 
gos hy Francisco Manoel de Mello, Carta 
de Guia de Casados. — Camarada do offi- 
cial, o soldado que o serve. — Figurada- 
mente : Cousa que acompanha outra. — 
<íSe isso assim fosse, só cu e meu cama- 
rada bastávamos para fazer a El-Rey 
muyto rico.» Apologos Dial., p. 209. — 
d-Bastou allegar-lhe ser cousa de Prínci- 
pes, para que logo nesse momento nos en- 
tregasse, a mim, e a sinco camaradas nas 
mãos do mosso.)) Ob. cit., p. 67. — aPois 
já que tomou o Syrope das Dormideyraa 
espere camarada, que lhe havemos de da-f 
a purga de ca7aarinhas». Idem, Feira 
d'Anexins, Part. i. Dial. vi, § l. 

— Termo do Brazil. Concubina, ou ho- 
mem que vive com concubina. 

CAMARADAGEM, s. f. (De camarada, 
com o suffixo «agem»). Familiaridade que 
existe entre camaradas. — Convivência. 
Disposição d'espirito que faz cora que 
escriptores e artistas, que têm relações, 
se favoreçam mutuamente. — Camarada- 
gem litteraria, — Este escriptor diz bem 
do collega por espirito de camaradagem. 
— O ultimo sentido é recente e talvez 
resultante do mesmo que tem a palavra 
franceza. 

CAMARA-JÀPO, s. /. Planta do Brazil. 
Espécie de mcntrasto ou hortelã. 

CAMARA-MIRA, s. /. Planta do Brazil, 
cuja ílõr se abre durante o anno todo e 
fecha a certas horas. 

CAMARANCHÃO, s. m. ant. (Vid. Ca- 
ramanchão). Obra avançada de fortifica- 
ção antiga ; o mesmo que Cubelo. — «Hum 
(tiro) derrubou ires ameas de hum cama- 
ranchão... e os Mouros parece que já ti- 
nham seu feito concertado, j)ois assi acer- 
tarom aquelle cubelo. » Ghronica de D. 
Duarte de Menezes, cap. 56. 

CAMARÃO, s. m. (De um thema ca- 
maro, do latim camarus, curvado, vol- 
tado para dentro, cora o suffixo «om», 
«ão». A forma do crustáceo justifica in- 
teiramente a etymologia). Pequeno ani- 
mal da família dos crustáceos que vive 
na agua e é comestível. 

o corpo nii e os membros genitaes, 
Por não ter ao nadar impedimento; 
Mas porém de pequenos animaes 
Do mar, todos cobertos, cento e cenío. 
Camarões, e cangrejos e outros mais 
Que recebem de Phebe crescimento. 
CAM., Lcs., cant. vi. est. 18, 

— Vaso antigo, assim denominado, ou 
por sua forma ter alguma simiíhança com 
o crustáceo do mesmo nome, ou por n'elle 
se conservar a idêa de curvatura funda- 
mental na palavra. — « Quatro camarões 
de louça da China dourados. n Provas da 
Historia Genealógica da Casa real, iii, 
419. 

GAMARARÍA, s. /. (De camará, cora o 
suffixo «ária»). Cargo, officio de cama- 



CAMA 



CAMA 



CAMA 



61 



reiro. = Colligido no Diccionario de Mo- 
raes. 

CAMARÁRIAMENTE, adv. Vid. Camera- 
riamente. 

CAMARÁRIO, adj. Viá. Camerario. 

CAMARASÍNHA, s. /. Diminutivo de 
Gamara. 

CAMARATA, s. de 2 gen. Vid. Cama- 
rada. 

t CAMARATE, s. f. (Origem incerta). 
Espécie de uvas. 

CÁMARA-TINGA, s. f. PLanta do Bra- 
zil. Espécie de madre-silva. 

CAMARÇÃO, s. 9)1. (?) Matta pequena e 
não espessa, sem silvas, nem espinheiros, 
que nasce por terras areentas. — <(A in- 
mimeravel caça, que aqxielle camarçam 
ena.» Monarchia Lusitana, Tom. v, foi. 
12. — Terra areenta onde crescem as ma- 
tas chamadas camarços. 

CAMÁRÇO, s. m. (?) Termo do Jogo dos 
centos. — Dar camarço, fazer todas as 
vasas, deixar alguém sem fazer vasa. — 
Diz-se também do que não faz vasa, ou 
por não poder, ou por nào lhe convir. — 
Ser camarço, não fazer vasa por não po- 
der. — Fazer-se camarço, não fazer vasa 
por nào convir. — •N'outros jogos, diz-se 
também: Dar camarço, dar geral, ou dar 
capote. — Figuradamente : Doença, tra- 
balho, desgraça. — Apanhar um camar- 
ço. — Estar com um camarço. — Uvi forte 
camarço. — aDeos sabe, se me seria me- 
lhor levar agora hum bom camarço, a 
troco de escusal-o no purgatório.» Frei 
António das Chagas, Obras espirituaes, 
Tom. II, p. 16. — Série de cousas que 
aborrecem ou importunam. — <í Falta a 
melhor camada de despropósitos , que atu- 
rou neste camarço de Anexins.» Fran- 
cisco Manoel de Mello, Feira d'Anexins, 
Part. I, Dial. vi, § 1. — Ficar camarço, 
não produzir nada, ficar sem produzir 
nada; não tomar parte u'uma conversa- 
ção ou discussão. — «Está a matéria do 
descurso tão altiva, que me parece, que 
eu, e Pindaro ficamos esta noite camar- 
ços, sem nenhum de nós fazer postuleta.» 
Francisco Rodrigues Lobo, Corte na Al- 
deia, Dial. 4, p. 89. 

CAMAREffiA, s. f. (De camará, com o 
suffixo «eira»). Dama que serve na ca- 
mará da rainha, princeza, etc. — Cama- 
reira-mcíí-, a maior dignidade das damas 
de palácio. 

CAMAREIRO, s. m. (De camará, como 
suffixo «eiró»). Criado da camará real. 
=Hoje diz-se camarista. A palavra é só 
usada na denominação seguinte : Cama- 
reiro-ííiJr, o primeiro dos moços da ca- 
mará real, quo veste e despe o rei, tem 
jurisdicção sobre outras pessoas da camará 
e guarda-roupa, o nos actos solemnes leva 
a fralda da opa real, e fica atraz da ca- 
deira. — «D. Bernardo Manuel, cama- 
reiro-múr del-réi.» Damião de Goea, 
Chron. de D. Manoel, Part. iii, cap. 46. 
— Termo familiar. Bacio, bispote, penico. 



CAMARÉNTO, adj. (De camará, com o 
suffixo «entou.) C^ue anda doente de ca- 
marás. 

t CAMARHYNCO, s. m. (Do grego ka- 
mára, abobada, e rhynkos, bico). Termo 
de Zoologia. Synonymo de geospizo. 

t CAMÁRIA, s. /. (Do grego kamára, 
abobada). Termo de Zoologia. Género de 
coleópteros heterómeros, da familia dos 
steneíytrádos. 

CAMARÍLHA, s. f. (Do hespanhol ca- 
mariíla; de camará). A gente que vive 
mais perto do príncipe e cabala n'um in- 
teresse commum. 

CAMARIM, s. m. (Do latim camarins, 
com o suffixo «im», de inus). Camará pe- 
quena. — Gabinete, retrete aceado. — O 
gabinete que cada actor tem no theatro 
para se vestir. — /Segredos de camarim, se- 
gredos a respeito das actrizes, conhecidos 
pelos seus collegas de theatro. — Intrigas 
de camarim, quasi o mesmo que intrigas 
de bastidor, mas nào tão ruidosas e co- 
nhecidas ; intrigas que nào passam do re- 
cesso do camarim. 

1.) CAMARINA ou CAMARINHA, s. f. 
Diminutivo de Camará. 

2.) CAMARINA, s. /. (De Camarina, 
nome de u>na cidade grega de íSicilia). 
«Mover a camarina», tocar era cousa de 
que resulta algiuua desgraça ; metter-se 
em trabalhos. Jorge Ferreira de Vascon- 
cellos, Euphrosina, act. ii, se. v. — Esta 
locução proverbial, ou é uma traducção 
do latira movere camarinam, trazida á 
nossa lingua pelo vehiculo da erudição, 
ou se perpetuou na tradição popular, o 
que é muito menos provável. 

CAMARINHÁDO, adj. (De camarinha, 
com o suffixo «ado»). Que tem feição de 
camarinhas. 

CAMARINHAS, s. /. pL (De camarinha, 
diminutivo de camará, segundo todas as 
probabilidades, por o fructo estar contido 
n'uma pequena capsula que no espirito 
imaginoso do povo poderia ser designado 
como uma pequena camará). Fructo de 
certas urzes que nascem nos camarções, 
da forma de bagos pequenos, redondos, 
ordinariamente brancos, comparáveis a pé- 
rolas. — «Pois já que tomou o Syrope de 
Dormideiras espere camarada, que lhe 
havemos de dar a purga de camarinhas.» 
Francisco Manoel de Mello, Feira d'Ane- 
xins, Part. i, Dial. vi, § 1. 

CAMARÍNO, s. wí. Diminutivo de Ca- 
marão. 

CAMARÍSTA, s. m. (De camará, com o 
suffixo lista»). Moço da camará real, ca- 
mareiro. — U tidalgo que tem o cargo 
de camareiro-mór. — Vereador da camará 
municipal. — O official do antigo senado 
da camará. 

CAMARLENGÁDO, s. m. (De camarlen- 
go, com o suffixu «ado», como principa- 
do, de principe, arcebispado, de arce- 
bispo, etc.) Officio e dignidade de camar- 
lengo. 



CAMARLÉNGO, s. m. (O hespanhol tem 
camarlengo, o italiano camarlingo, o pro- 
vençal camarlenc, chamarlenc, o fran- 
cez chambellan, chamberlain, camerlingue, 
chambrelau, etc, o antigo alto allemão 
chamarlinc, o allemão moderno kãmmer- 
ling. A syllaba ling (lingo, longo, etc, 
segundo as linguas especiaes), mostra que 
a palavra veio para as linguas românicas 
do antigo alto allemão, apesar do thema 
chamar vir do latim camará (vid. Cama- 
rá), pois as linguas românicas não pos- 
suem um tal derivativo, mas só o deri- 
vativo Í7igo, engo). Cardeal que preside 
á camará apostólica, e que, quando vaga 
a sé, governa a Egreja. 

t CAMARO, s. m. (De camará, mudada 
na forma genérica ; do grego kamára, 
abobada). Termo de Botânica. Nome dado 
ao fructo múltiplo, como o do acónito e 
o do delphinio. 

CAMAROÊIRO, s. m. (De camarão, com 
o suffixo «eiró», como carvoeiro , à.e car- 
vão, leiloeiro, de leilão). Pescador de 
camarões. — Covão para pescar camarões. 
== Usado por António Diniz. 

CAMARÒSIS, s. m. (Do th-^ma grego 
kamára, abobada). Termo de Cirurgia. 
Fractura do craneo, cujos fragmentos fi- 
cara dispostos de modo que formam uma 
abobada, cuja base assenta na dura-ma- 
ter. 

CAMAROTE, s. m. (De camará, com o 
suffixo «ote»). Pequena camará. — Ter- 
mo de Náutica. Beliche, compartimento de 
madeira onde se dorme a bordo dos na- 
vios, e que é feito com outros mais na 
amurada ou volantes. — Camarotes d« 
vento, os que provisoriamente se peiam 
a arganéos dados no convez, e de ordi- 
nário á amurada, á ré do mastro grande 
ou da gata para alojar officiaes ou passa- 
geiros. — Nome de compartimentos fe- 
chados, collocados era andares, para um 
pequeno numero d'espectadores, nos thea- 
tros, circos e praças de touros. — Cama- 
rotes da primeira, da segunda, da ter- 
ceira ordem. — Alugar um camarote. — 
— Ter camarote num theatro ; em S. 
Carlos, por exemplo), ter alugado cama- 
rote por uma cpocha d'assignatura. — Bi- 
lhetes de camarote. — Estão os camaro- 
tes cheios. — Já não ha camarotes, alu- 
garam-se todos os camarotes. — Camaro- 
tes descobertos, camarotes sem tecto, nos 
circos, etc. 

CAMAROTEIRO, «. m. (De camarote, 
com o suftixo (1 eiró o). Pessoa que nos 
tiíeatros, circos, etc, vende os bilhetes 
de camarote (e em geral todos os bilhe- 
tes), e entrega a chave dos que estão alu- 
gados. 

— Loc. : Adoecer o camaroteiro, nào 
haver espectáculo por nào se ter vendido 
numero suffioiente de bilhetes. E' da gí- 
ria dos actores, e d.ai passou para a lin- 
guagem familiar. 

CAMARÒTIDE, adj. 2 gen. Termo de 



62 



CAMB 



CAMB 



CAMB 



Zoologia. Que se parece cora o camá- 
roto. 

CAMARÓTIDES, s. /. pi. Divisão na 
familia das curciiliónidas orthóceras. 

t CAMARÓTIS, s. m. (Do grego Ica- 
mára, abobada, e oys, ôtos, orelha). Ter- 
mo de Botânica. Género da familia das 
orchídeas. 

t CAMARÓTO, «. m. (Do grego kavia- 
rôtos, que teoa a forma d 'uma abobada). 
Teroio de Zoologia. Género de coleópte- 
ros tetrâraeros, da familia das curculióui- 
das orthóceras. 

t CAMÂRRIA, s. /. Termo de Botânica. 
Género de plantas da familia das liliáceas, 
tríbn dos asphodélos. 

CAMARTELLÁDA, s. f. (De camartello, 
com o sufíixo «ada», como cajadada, de 
cajado, etc.) Pancada com o camartello. 
■= Usado por Francisco Manoel de Mello. 

CAMARTELLO, s. m. (De formação du- 
vidosa ; o segundo elemento só porém é 
desconhecido; teremos aqui o enigmático 
prefixo «cá»? vid. Calmorrear e Martello). 
Martello de alvener, agudo de um lado, 
e redondo ou quadrado do outro, como a 
parte opposta á bôcca do martello ordi- 
nário. 

CAMÁURO, s. Ml. Barrete de que usa o 
Papa, e que cobro as orelhas. 

CAMBA ou CAIMBA, s.f. (Na baixa la- 
tinidade ha camba; mas nào podemos ir 
mais longe). Peça das rodas dos carros 
que fica junta ao meiào e por baixo das 
caixas. — Cambas das rodas da suje, as peças 
que reunindo constituem o arco, em que 
entram os raios da roda que saem do cubo. 
— Moinho pequeno de mào, de preparar 
grãos para pão, para fazer cerveja, etc. 
Significação duvidosa attribuida á pala- 
vra como ella so acha empregada em an- 
tigos documentos. — Cambas, pedaços met- 
tidos para alargar a roda da capa ou 
das fraldas, como nesgas ; nesgas do ves- 
tido. 

— Obs.: E' possível que na forma 
camba coincidam mais d'uma palavra; 
mas como falta a luz da etymologia, nada 
se pôde discriminar a este respeito, 

CAMBADA, s.f. (De cambo, com o suf. 
«ada», como abada, de aba, etc.) Série 
de cousas enfiadas n'uma vara, verga, ou 
cordel. — Uma cambada de peixes. — Uma 
cambada de maçãs. — Uma cambada de pás- 
saros mortos. — Vendar peixes ás camba- 
das. — Fig.: Grande quantidade. — Cam- 
badas de gente. — Toma-se quasi sempre 
em sentido pejorativo. — Uma cambada cie 
ladrões. — Uma cambada de patifes. 

CAMBADÉLLA, s. /. (Do thema camba, 
de cambar, com o suf. composto «delia», 
como se de camba se formasse primeiro 
cambada, e d'este, com o suf. «ella», cam- 
badella). O mesmo que cambalhota e cam- 
bapé. — Queda. 

— Loc: Cair de cambadella, cair de 
modo que as pernas fiquem voltadas para 
O ar. Dar cambadella a cUgitem, privar 



alguém de cousa ou meio com que pode- 
ria remediar-se n'um aperto. Jorge Fer- 
reira de Vasconcellos, Eufrosina, act. v, 
se. vni. 

CAMBADO, part. pass. de Cambar, e 
adj. Trocado, mudado. — Que troca as per- 
nas, que tem as pernas tortas. 

CAMBADOR, s. m. (Do thema cambo, 
de cambar, com o suffixo «dor».) O mesmo 
que cambiador. Forma usada até ao sé- 
culo XVI. — «E pêra juntarem este ouro 
e j)i-ata, tynham este modo: em todallas 
cidades e villas do Reino que para esto 
eram aazados tynham os Reis seus cam- 
badores, que compravam prata e ouro 
a aquelles qii-e o vender queriam. y> Fernão 
Lopes, Chronica de D. Pedro, cap. xii. 

CAMBAIO, adj. e «. (De cambalear, 
por meio da syncopa do ub», como em veo, 
do lat. velum, máo, do lat. malus, doer, do 
lat. dolere, etc., vem uma forma cambaiar, 
e d'este se derivou cambaio, como cambio, 
de cambiar, castigo, de castigar, comman- 
do, de commandar, conforto, de confortar, 
erro,àe errar,tempêro,de temperar, turno, 
de tornar, vôo, de voar, etc, pelo processo 
da derivação sem suffixo, que tem uma 
extensão considerável nas linguas româ- 
nicas). Que mette os joelhos para dentro, 
e tem as pernas arqueadas, afastando-se 
os pés um do outro. 

t CAMBAIS, s. m. ant. Forma paral- 
lela de Cambas; vid. esta palavra. — «.As 
armas mandou elRei mudar a esta guisa: 
do cambais mandou que fezessem jaque ; 
e da briga, cota. » Fernão Lopes, Chro- 
nica de D. Fernando, cap. 87. 

CAMBÀL, s. m, (Vj A farinha que os 
moleiros pòem cm roda da mó para não 
cair para fora a que se váe moendo, ou 
umas taboinhas que servem para o mes- 
mo fim. 

t CAMBÀLA, s. m. Termo de Zoolo- 
gia. Género de myriápodos chilognatos, 
da familia dos tulitos. 

CAMBALÁCHA, s./.,ou CAMBALACHO, 
s. «i. (Do thema cambai, de cambalear, 
com o suffixo «acho», como pennacho, de 
p>enna, cachimbaches por cachimbachos , 
de cachimbo, etc.) Troca, barganha. — Fa- 
zer cambalacho, engano, fraude, tramóia. 
— .firma)' cambalacho a alguém. 

CAMBALEAR ou CAMBALEIAR, v. n. (Do 
thema camba, de cambar, de que se deri- 
vou um adjectivo cambai, com o suffi- 
xo «ea» ; todavia não nos occorreu ana- 
logias para uma tal formação d'um verbo 
em «ear», d'uma forma nominal em «ai»). 
Vacillar, trocar as pernas, tremerem as 
pernas por effeito de doença, embriaguez 
ou um abalo moral. — Cambalear de bê- 
bado. = Usado por Garção, etc. 

CAMBALÈO ou CAMBALEIO, s. m. (De 
cambalear, como sorteio, de soHear). Ac- 
ção de cambalear. 

CAMBALHOTA, s. f. (De cambalêo, 
com o suffixo «Ota», mudando-se o «l» 
diante do «e» seguido de vogal, o qual 



desapparece como em valha, do latim «a- 
leat, palha, do latim palea, etc.) Ter- 
mo popular. Volta que se dá sobre o cos- 
tado, firmando a cabeça no chão ; espécie 
de cabriola. Queda em que o corpo dá 
uma volta d'um lado para o outro. 

t CAMBANIA, s. f. Termo de Botâni- 
ca. Género de meliáceas, synonymo do 
género agláia. 

CAMBÃO, s. 7)1. Augmentativo de Cam- 
bo. Gancho. — Termo do Brazil. Peça de 
páo que se junta ao cabeçalho do carro 
quando leva mais de uma junta. — Bois 
de cambão, a junta dianteira, que váe 
jungida ao cambão. — Peça de madeira que 
se liga á almanjarra, na qual se atam as 
cordas tiradeiras por detraz das bestas, 
que tiram por ellas quando as fazem mo- 
ver as moendas nos engenhos d'assucar. 

CAMBAPÉ, s. m. (Do thema camba, 
de cambar, e pé ; litteralmente, troca-pé). 
Treta de que se serve o luctador para der- 
rubar o contrario, e que consiste em en- 
tremetter as pernas pelas do ultimo. 

Não me dês cambapc, solta-me as pernas. 

ACADEM. DOS SINÍi., II, 393. 

— Fig. : «So quatro parvos pedintes 
lhe quizerão por o pé diante, q\ie impor- 
ta, se deu com elles de avesso ao primey- 1 
ro cambapé !» Francisco JLiuoel de Mello, ' 
Apol. Dial. 

— Loc. : .áínwr cambapé a alguém ou a 
alguma cojísa, obstar ás acções d'uma pes- 
soa, pôr obstáculos a uma cousa. — «Ce- 
do começais vós outros (como gente ocioza) 
a armar cambapé à minha narração. ^ 
Francisco Manoel de Mello, Apol. Dial., 
p. 89. — Negociar com alguém cousa que 
o deite a perder. — Armar cambi^^é á vir- 
tude. — JDar cambapé, deitar a perder 
com tramas. — «/Se eu vira, que o mundo 
queria enganar a gente, lhe armava laços, 
e lhe dava cambapés, eu fora a primeira 
compadecida dos que vira cahidos.» Ob. 
cit., p. 146. 

CAMBAR, V. a. (Vid. Cambiar). Ant.: 
Trocar, mudar. — Fazer trocas de mer- 
cancias. = Ainda usado n'este sentido no 
século passado. 

— Cambar, v. n. Abrir muito as per- 
nas, mettendo os joelhos para dentro ao 
andar. 

— Termo de Náutica. Trocar, caçando 
a vela no bordo em que se acaba de bra- 
cear as vergas pelo lado opposto em qUe 
estão. 

CAMBARCAR, v. a. Erro de orthogra- 
phia ou impressão por Çambarcar, nas Or- 
denações Affonsinas, iii, 66. Vid. Açam- 
barcar, e Sambarco. 

CAMBAS, «. /. pi. Vid. Camba. 

CAMBAS, s. m. Vid. Canbàs. 

t CAMBEIRAL, s. m. (De cambar?) 
Termo de Moleiro. Panno que se acha 
adiante da mó corredora, e que obsta a 
que a corrente d'ar produzida pelo movi- 
mento da mó, aitaste a farinha. 



CAMB 



CAMB 



CAMB 



«3 



— Termo chulo. — Beiço. Lamber os 
cambeiraes, iamber os beiços, no próprio 
e no figurado. = Usado só n'esta ultima 
locução. 

CAMBETA, s. 2 gen. (Do tliema cam- 
ba, em cambar, com o suffixo «eta»). 
Cambaio. 

CAMBETEAR, v. n. (De cambeta, como 
rarear, de raro, saltear, de salto, etc.) 
Cambalear; andar cambaio. 

CAMBHAR, V. a. Forma antiga de Cam- 
biar; sobre a significação do «h» n'esta 
palavra, vid. «H». 

Por tan bon andante, 
Que por rrey. nem iffanle 
Desaiy adiante 
NoQ me camliharia. 

CA.NC. DB D. DLMZ, p. 84. 

CAMBHEA, s. f. ant. (De cambhar). 
Troca, escambo, permutação. Doe. de 
1303, em Viterbo, Eluc. 

CAMBIADA, part. pass. de Cambiar, e 
adj. Dado a cambio. — Letras cambiadas', 
letras passadas a favor de quem entrega 
o valor, para o poder reclamar d'outrem 
em tempo e logar determinado, ao cam- 
bio convencionado. 

CAMBIADOR, s. m. (Do tlieraa cambia, 
em cambiar, com o suffixo «dor»). Ban- 
queiro ou outra pessoa que faz opera- 
ções de cambio. — d Ainda que este ra- 
paz anda já muito corriqueiro, e cala- 
hreado, e tem feito dos nobres cambiado- 
res, e tão cedo os fará rindeiros : e eu 
não sou de tanta mogifinada impróprio. y> 
Jorge Ferreira de Vasconcellos,Ulysippo, 
act. V, SC. 6. = Esta forma está caída em 
desuso. Hoje diz-se cambista. 

CAMBIAL, adj. (De cambio, com o suf- 
fixo «ai»). Que pertence ou diz respeito 
a cambio. — Letras, negocio, contracto cam- 
bial. — Transacções cambiaes. 

CAMBIANTE, part. act. de cambiar, e 
adj. Que muda de cores. — O prado cam- 
biante. — Azas cambiantes. — Cores cam- 
biantes. — Iriado, iriante. 

CAMBIANTES, s. m. pi. (De cambian- 
te, adj.) As varias cores que reflectem al- 
guns objectos, como tecidos, pennas de 
aves, etc. 

— Termo de Pintura. Fazer cambian- 
tes, fazer uma roupa a duas cores ou de 
furta-côres. — «Os cambiantes se fazem 
de muitos modos: hum delles ke fazer os 
altos de Macicote, e a meia tinta de ro- 
sado, e escuros de lacra. d Pliilippe Nu- 
nes, Arte de pintura, p. 59. — Figura- 
damente: — (a A maldade de Judas an- 
tes foy matiz, que fez cambiantes á vir- 
tude dos Apóstolos, que não sombra de sua 
claridade.» Francisco Manoel de Mello, 
Apol. Dial., p. 176. 

CAMBIAR, V. a. (Do baixo latim cam- 
biar, derivado do latim cambire, que foi 
formado do grego kámbein,kamptein, cur- 
var, dobrar). Trocar. 

i\on mo cuidaria cíiíííôí-jr 
Por rcy, nem por emperador. 
TROVAS e CANTARES, canl. 158. 



— Antiquado n'este primeiro sentido, 
que é o mais antigo. — Fazer operação de 
cambio. — Figuradamente: Negociar lu- 
crativamente. Lucrar. — Figuradamente : 
— liArriscar outros dous padres á conta 
de muito, que se podia cambiar no bem 
d'aquellas almas.» Balthasar Telles, His- 
toria geral da Ethiopia, p. 229. — No mes- 
mo sentido, mas absolutamente: — « Vos he 
defeso cambiar para Medina cambiay pa- 
ra o Ceu.a Diogo de Paiva, Sermões, vol. 
I, 213, v. 

— Cambiar, v. n. Fazer cambiantes, 
apresentar cambiantes. — Estes tecidos 
cambiam á luz do sol. 

t CAMBÍCHO, s. m. (?) Sentido incerto. 
=Colligido em Enfermidades da lingua, 
p. 112. 

CAMBIO, s. m. (De cambiar, como man- 
do, àe mandar, comma7ido, de commandar, 
castigo, de castigar, conforto, de confor- 
tar; vid. Coita, etc.) Troca, permutação. 
— Toda a negociação relativa á venda ou 
troca de matérias d'ouro ou prata, seja 
conhecida, seja em barra, assim como os 
papeis que representam valor metallico. — 
Cambio da moeda. — Pagar um vintém 
pelo cambio d'um duro hespanhol, d'uma 
libra. — Casa de cambio. — Viver do cam- 
bio. — Occupar-se no cambio. — O preço 
que o cambista leva por uma troca de 
valores. Quanto é o cambio das libras ita- 
lianas? Foi grande o cambio das suas no- 
tas do banco de França. 

— Termo de Banco. Negociação pela 
qual se cede, por um preço convenciona- 
do, a um terceiro, fundos que se possuem 
n'um logar diverso d'aquelle em que se 
faz a operação. Essa operação faz-se por 
uma letra que indica o pagamento da 
quantia que se quer mandar d'um logar 
para outro, e que se chama letra de cam- 
bio. O preço que recebe o banqueiro 
ou negociante pelo dinheiro que elle faz 
transmitlir d'um logar para outro. — O 
cambio sobre Londres está a tanto. — Al- 
ta de cambio. — Baixa de cambio. — Es- 
tar o cambio alto. — Par do preço do 
cambio, exacta egualdade da moeda de 
um paiz pai'a com a d'outro paiz. — Cur- 
so do preço do cambio, variação que re- 
sultou de não haver a compensação do par 
do preço do cambio. — Cambio, casa de 
cambio. :=Obsoleto n'este sentido. Disse-se 
depois casa de permuta (Lei e Regula- 
mento de 13 de Maio de 1803), hoje diz- 
se somente casa de cambio. — Dar a cam- 
bio, empregar-se nas operações de cam- 
bio. — iQnem dá a cambio sempre tem o 
seu capital seguro, e sobre isso recebe as 
ganâncias. » António Vieira, Sermões, 
XII, 224. 

CAMBISTA, s. m. (De cambio, com o 
suflixo nista»). O que se emprega nas ope- 
rações de cambio. 

1.) CAMBO, s. m. (Do latim cambire, 
cambiare, mas no sentido primitivo do 
grego kambein, de que elle é formado, 



isto é, no sentido de curvar, dobrar, 
transniittido necessariamente pelo latim 
vulgar). Vara farpada com que se reco- 
lhe a fructa das arvores ; páo com um 
ganchosinho para baixo com què se in- 
clina alguma cousa. — Vara de sacudir 
fructa. — Série de cousas enfiadas n'uma 
vara, cambada. 

2.) CAMBO, s. m. (De cambare). Cam- 
bio. 

Pelas ruas mil cambos, mil recambos 
Carpas vem, cargas vão, mil mós, mil travei, 
Uun arranca, ouiro foge, e encontro enire ambos. 

AOTO.MO FEBSEIUi, CASTAS, 1ÍT. II, p 4. 

CAMBÓA, s. f. (?) Termo do Minho. 
Lago á beira mar, cercado de paredes 
com portas para o mar, que se abrem 
quando enche a maré para entrar a agua 
e o peixe, cerrando-se em prêa-mar, do 
modo que na baixa-raar fica n'ellas o pei- 
xe em sêcco. Carvalho, Chorog. Portug., 
I, 195. 

CAMBOATÚ, s. m. (Palavra brazilica). 
Peixe do Brazil, de escama preta, dos en- 
charcados e rios. 

CAMBÓI, s. m. (Palavra brazilica). Fru- 
cta da Brazil, da feição de uvas. 

CAMBOLÍM ou CAMBULIM, s. m. (Pa- 
lavra asiática). Estofo de lã, espécie de 
burel que se fabricava na Pérsia. — iNa 
almofada á cabeceira, tinhão per fronha 
hum pequeno de áspero cambolmi, que he 
o mesmo que burel.» Vergel de Plantas, 
p. 30. — Vestido feito d'esse burel. — 
« Vestia hum cambolim muito roto, e re- 
mendado.» Gouvêa, Embaixada da Pérsia, 
foi. 12, V. — Capote largo sem mangas, 
tecido de lã de camelo. Manoel Godinho, 
Relação do Novo Caminho, etc., p. 106 
(1.^ ed.) 

CAMBÓNA, s.f. (De cambo, troca, (vol- 
ta), com o suffixo «ona»). Termo de Náu- 
tica. Acto de cambar as velas momenta- 
neamente. — Volta da embarcação para 
um dos lados, cm consequência da força 
do vento, por ter pouco lastro. — Fater 
cambona. 

CAMBOTA, s. /. (De cambo, troca, 
d'onde se desenvolveu a significação de 
volta, com o suffixo «otan). Termo popu- 
lar. Volta, reviravolta, cambalhotai — 
Dar cambota, dar cambalhota. 

— Termo de Carpinteiro. Páo com 
meia volta, com que se armam os tectoa 
e principalmente os estuques. 

— Termo de Náutica. Cambotas, ma- 
ileiros que determinam a contiguraçào da 
almeida e contralmeida. 

— Termo de Armador. Peça em arco 
que assenta horizontalmente no alto dos 
nichos e altares e sobre que assentam o 
sobre-céo. 

I CAMBRA, s. f. Altoraçào popular de 
Camará. 

CAMBRA, s. m. Vid. Quembra. 

CAMBRÁI, s. /. Vid. Cambraia. 

CAMBRAIA, 5. /. (Do francez cambrai, 
do Cambrai, nome da cidade em qne se 



64 



CAME 



CAME 



CAME 



fabrica o tecido assim chamado). Tecido 
de linho muito claro e fino. 

— Obs. : (I Cambra! (familiar), e não 
Cambraia, pronunciarão que não se acha 
em auctores da boa nota.v Francisco Jo- 
sé Freire, Reflexões sobre a Lingua Por- 
tugueza, li, 49 (2." ed.) Hoje, porém em 
preceito não colhe. =Cambrai é forma 
inteiramente obsoleta, — Cambraia usada. 
CAMBRAIÊTA, s. /. (De cambraia, com 
o sufBxo «eta»). Cambraia de inferior 
qualidade. 

CAMBRÃO, s. m. (Do latim crahro- 
nem, que deu primeiramente crabrum^ ca- 
brão^ d'onde por distincção de cabrão, 
de cabro, e talvez também por influencia 
de cambra, cambrom). Mosca grande, es- 
pécie de vespão, cujo ferrào pica muito. 
Frei João Pacheco, Divertim. Erudito, i. 
t CAMBRAÓPTICA , s. m. (Corrupção 
popular de camara-optica). Camará ópti- 
ca. — Figuradamente : Grupo ridículo de 
pessoas. 

t CAMBRICO, adj. (De Cambria, antigo 
nome do paiz de Galies). — Língua cam- 
brica, lingua fallada no paiz de Gailes, 
chamada também o Icymri, e que é um 
dialecto céltico. 

CAMBROÉIRA, s. m. (De cambrão, sin- 
gular de cambrões,com o suffixo «eira»). 
Matta de cambrões. 

CAMBRÕES, s. m. pi. (A comparação 
com camarinhas, mostra que as palavras 
têm um thema commum, camará, d'onde 
cambra; á primeira forma do thema jun- 
tou-se o suffixo inha ; d'ahi camarinha 
(vid. esta palavra), ao segundo o suffixo 
no, (de om); d'ahi cambrão, no plural 
cambrões). Planta espinhosa que dá ba- 
gas ou fructos redondos, da forma de ca- 
marinhas. 

ÇAMBÚDO, adj. (De camba, com o suf- 
fixo «udo»). Que volta a ponta para bai- 
xo, que dá volta como o cambo ; adunco. 
— Nariz cambudo. 

CAMBULHÁDA, s. f. (De cambo), com 
o suffixo composto «Ihada», como se de 
cambo se derivasse primeiro ura thema 
cambalho, como ferrolho, de ferro, e 
d'es8e, por meio do suffixo ada, cambo- 
Ihaãa, como lombada, de lombo, etc. A 
melhor orthographia é Cambolhada). Sé- 
rie de cousas presas, enfiadas, ou ligadas 
umas ás outras. 

— Loc: Cambulhada de grelos, embru- 
lhada, intriga. 

CAMBULIM, s. m. Vid. Cambolim. 
t CAMBÚTA, «. /. (?) Sentido incerto. 
= Colligido em Enfermidades da lingua, 
p. 112. 

CAMBÚÚ, s. m. ant. Outra forma ou 
modo de escrever Cambo, Cambio. — 
«Fazemos Carta de cambúú, e de firmi- 
doy, e de perdurável valor.» Doe. de 
1273, em Viterbo, Eluc. 

CAMÉDRIOS, s. ?)!. pi. Vid. Carvalhi- 
nho. 

CAMELA, s. /. (Do latim camela ; vid. 



Camelo). A fêmea do camelo. — aFicanão 
a camela manca de um pê.» Diogo de 
Couto, Dec. IV, liv. 5, cap. 7. — Figu- 
radamente : Mulher estúpida, ou cabe- 
çuda. 

CAMELÃO, s. m. (O hespanhol tem ca- 
melote, o francez camelot, o baixo latim 
camelotum, camalancum, camelinum, de 
camelus, camelo ; porque o estofo era pri- 
meiramente feito de lã de camelo. A for- 
ma portugueza, ligando-se ao mesmo the- 
ma que a franceza e as outras, não vem 
todavia da franceza, como quer Moraes, 
pois ella daria naturalmente cameZoíe). Es- 
tofo de pêllo ou de lã, misturado algu- 
mas vezes cora seda. 

t CAMELÀRIO, s. m. (Do latim came- 
larius ; de camelus, camelo). Termo da 
Antiguidade. O que tractava dos camelos, 
nos exércitos romanos, nos estábulos, etc. 
CAMELÉA, s. /. (Do grego kamaíleos, 
nome de uma planta). Termo de Botâni- 
ca. Género de plantas da familia das con- 
naráceas. 

CAMELEÃO, s. TO. Vid. Camaleão. 
CAMELEIRO, s. to. (Do latim camela- 
rius; vid. Camelario). Guarda ou condu- 
ctor de camelis. = Usado por Manoel 
Godinho, Relação do novo caminho, etc, 
p. 20 (1." ed.) 

t CAMELEONIÀNOS, s. to. pi. (De ca- 
meleão, ou camaleão). Termo de Zoolo- 
gia. Familia de sauriános, que tem o ca- 
maleão por typo. 

t CAMELEONTÓIDE, s. f. (Do grego 
khamaileôn, camaleão, e eidos, forma). 
Termo de Botânica. Género de plantas, 
cujas folhas mudam ao sol. 

t CAMELEOPARDO, s. to. Vid. Camelo- 
pardal. 

CAMELETE, s. m. Diminutivo de Ca- 
melo, peça de artilheria. — n Artilharia 
miúda, Falcoens, e Cameletes.» Fernão 
de Queiroz, Historia da vida do irmão 
Pedro Basto, p. 345. 

CAMÉLIA, s. f. (Do nome do jesuíta 
italiano padre Camelli, que a introduziu 
do Japão na Europa. A palavra devia, 
pois, ser escripta com dous «11»). Bello 
arbusto de ornato, da familia das theá- 
ceas (camellia japonica, Linneo). A flor 
d'esse arbusto. 

— Loc: Dama das camélias, prosti- 
tuta apaixonada, A introducção d'esta 
phrase, cujo uso é assaz restricto entre 
nós, é devida a um romance de Alexan- 
dre Dumas, filho, La Dame aux Camé- 
lias, cuja heroina é uma prostituta que 
se apaixona loucamente. 

t GAMELÍCE, s. /. (De camelo, com o 
suffixo «ice», como cafrice, de cafre). 
Estupidez, bestialidade, 

CAMELÍNO, adj. (De camelo, com o 
suffixo «ino»). Que pertence ao camelo, 
— Cor camelina, cOr semelhante á do 
pêllo do camelo. = Usado por Fr. Leão 
de S. Thomás, na Benidictina Lusitana. 
1.) CAMELO, s. m. (Do latim cameítts^ 



do grego kámêlos ; palavra de origem se- 
mítica : hebreu gâmâl, a.Y&\)Qdjamal). Qua- 
drúpede ruminante de pernas altas, pes- 
coço muito comprido, e que tem uma ou 
duas corcovas nas costas. — O camelo ba- 
círio, que tem duas corcovas e ó chama- 
do vulgarmente camelo, acha-se espalhado 
por toda a Bactriana, assim como na Tar- 
taria e China. — O camelo dromedário, 
chamado vulgarmente dromedário, e que 
tem só uma corcova. 

Quem primeiro a iim camelo vio, hcuzeu-se 

Da coIla'ita bisarma, 
Chegou-se llie o sej^-undo ; ousou terceiro 

£ngenliar-llie um cabresto. 

FRANCISCO MANOEL DO NASCIMENTO, FAB. DE LA- 
FONTALNE, llV. I, fab. X. 

2.) CAMELO, s. TO. (Do grego kamêlos 
ou kamilos.) Termo de Náutica. — Um 
calabre grosso. =E' n'este sentido que a 
palavra é empregada na locução do Novo 
Testamento : «entrar um camello pelo fun- 
do d'uma agulha.» 

CAMELO-PARDAL, s. m. (Do grego ka- 
mêlo párdalis, de kamêlos, camelo, e pdr- 
dalis, panthera, em razão da girafa ter 
malhas como a panlhéra.) Antigo nome 
da girafa. 

— Termo d'Astronomia. Uma das con- 
stellações da parte septentrional do céo, 
a que também se chama girafa. 

CAMÉNAS, s. /. pi. (Do latim camce- 
na!.) Termo poético. As musas. 

Assi deixaste Nimplias, e Cameims. 

ANTÓNIO EERBEIUA, EI.ECIA VII. 

Cantigas pastoris, ou prosa, ou rima, 
Na sua língua cantam, coocerlaJas 
Go'o doce som das rústicas avenas. 
Imitando de Tityro as Camélias, 
CAM., Lus., cant. v, esl. 63. 

Nem, Camenas, também cuideis que cante 
Quem com babito lionesto, e grave veio. 
OB. ciT., cat. VII, est. 85. 

CAMERA, s. m. e deriv. Vid. Camará, 
e dei'ivados. 

CAMERARIAMENTE, adv. (De camera- 
rio, com o .suffixu «mente»). Em conselho 
particular, junta de pessoas que privam 
com o rei. 

CAMERÀRIO,s. TO. (De «camera», com 
o sufixo «ario»). Antiga dignidade n'algu- 
mas cathedraesdo Norte e de Hespanha. 
— (íBertrando de Villa-Franca, camera- 
rio da Sé de Tarragona.» Monarchia Lu- 
sita na, V, 61. 

CAMERARIO ou CAMARÁRIO, adj. (De 
camera ou camará, com o sufixo «ario»). 
Que pertence ou diz respeito á camará, 
— Decisão. — Congregação c&meTaxiz., jun- 
ta cameraria, congregação ou junta dos 
principaes e prelados que dirigem os ne- 
gócios da igreja patriarchal de Lisboa, 

— Termo de Jurisprudência. Processo 
camarário, o que é feito em junta parti- 
cular de pessoas escolhidas pelo rei, ou 
auctorídade superior, sem observância das 
formalidades judiciaes. 

CAMEREIRÒ, s. to. Vid. Camareiro. 

CAMERIM, s. TO, (Outra forma de ca- 
mai'im; vid, esta palavra.) Espécie de ar- 



I 
I 



CAMI 



CAMI 



CAMI 



65 



mario. — nAo passar por hum escaparate, 
ott camerim de varias e preciosas jóias. y> 
Bernarries. Floresta, iii, 466. 

CAMERINHAS, s. /. pi. Vid. Camari- 
nhas. 

t CAMERITELA, s. /. íDo latim camera, 
camará, e tela, tela, teia). Termo de Zoo- 
logia. Nome dado ás araneides que tecem 
teias fechadas, em cujo interior habitam. 

CAMERLÉNGO, s. m. Vid. Camerlengo. 

t CAMERÓNIO, A, *. m. e /. (De Ca- 
meron, nome próprio). Iklembro d'uma 
seita protestante muito rígida, da Escó- 
cia. 

t CAMERÓSTOMO, s. m. (Do grego ka- 
mára, camará, e stuma, bôcca). Termo de 
Zoologia. Parte exterior do corpo das ará- 
chnides, que forma uma espécie de tecto 
ou abóbada por cima dos órgãos da mas- 
ticação. 

t CAMÉRULA, s. f. (Do latim cameru- 
la, diminutivo de camera, camará). Ter- 
mo de Botânica. Pequena cavidade n'uma 
parte qualquer d'ura vegetal. 

CAMÍLHA, s. f. (De cama, com o suffi- 
xo dinimutivo «ilha»). Cama pequena 
para dormir a sesta ou de^cançarem os 
convalescentes sem se despirem. 

Assi rijbníio entravam já na sala, 
Onde aqnelle polente Imiíeradur 
N'uoia camilha jaz, que não se í;^uala 
De outra alguma no preço e no lavor. 
CAM., LUS-, cant. tii, est. 57. 

— «Tomava as visitas em huma cami- 
lha.» Francisco Rodrigues Lobo, Corte na 
Aldeia, Dial, iv, pag. 90. 

CAMINHA, s. /. Diminutivo de Cama. 

— a Chegou a uma caminha em que estava 
reclinado. \i Fernão Lopes, Chron. de D. 
João I, Part. I, p. 20. 

CAMINHADA, s. f. (De caminho, com 
o suíSxo «ada», como j^assada, de passo, 
etc.) Jornada de caminho longo, estirada. 

— Uma hõa caminhada. — Levar uma 
caminhada. — Dar uma caminhada. 

CAMINHADOR, A, adj. (Do thema ca- 
minha, de caminhar, com o suftixo «dor»). 
Que caminha muito; andador. 

CAMINHANTE, adj. part. de Caminhar, 
e adj. — Gente caminhante. — «Hoínens ca- 
minhantes.» Barros, Clarimundo, Part. i, 
cap. 19. = Quasi obsoleto como adj. 

CAMINHANTE, s. 2 gen. O que cami- 
nha, o que váe de caminho. — Atalhar o 
caminhante, embaraçar-lhe o caminho. 

Àssi canto de Amor, e de brandura 
Sempre aqui o caminhante ostô detendo. 

INTONIO FEnRBI!\A, SONETOS, liv. 1, 50. 

As aguas claras taiii livres corriam, 
Quam livres cannuhanlcs as lieliiam. 
IDEM, boi,o<:a t. 

Seulindo neute, o bruto e ccj;n amante 
Salt«ia o ilcscuidado caminhanlf . 
CAM., lus., cant. m, est. OG. 

— Adão.: «Caminhante cansado sobe 
em asno se não tem cavallo.» Bento Pe- 
reira, Thes. 

CAMINHAR, !•. )i. (Do caminho). Fa- 
zer caminho, principalmoutc no sentido 

TOL. 11 — 9. 



de que o caminho é longo, penoso, ou 
que se percorre lentamente. 

J.i vinham pelas ruas camitihandú, 
Rodeados de todo o >exo e idade. 
Os principaes, que o Rei buscar mandara 
O Capitão da Armaila que clieyara. 
CAH., LUS., cant. vii, est. 42. 

eis pelo monte duro 

Apparece ; e sepumlo ao mar caminha. 
Mais apressado, do que fòia, vinba. 
08. ciT., cant. v, est. 31. 

Em procissão soleranea Deos orando, 
Para os bateis viemos caminhando. 
OB. ciT., cant. IV, est. 88. 

Um d'elles a presença traz cansada. 
Como quem de loais longe ali caminha. 
OB. ciT., cant. IV, est. 72. 

D'est'arte o Malabar, d'esi'arte o Luso, 
Caminham lá para onde o Rei o espera. 
OB. ciT., cant. viu, est. 45. 

Já todo o bello coro se apparelha 
Das Nereidas ; e junto caminhava 
Em cboreas gentis, usança velha, 
Para a ilha a que Vénus as guiava. 
oB. ciT., cant. IX, est. 50. 

Essas sombras, irraSos, Iras que assi andam, 
Como sombras se\ão de nos tugindo, 
E nós lambem trás cilas caminhamos. 

ANTÓNIO FERREIR.A, CAUTAS, 1ÍV. I, 7. 

Caminhnvâu dous machos carregados, 

Um Com sacos d'aveia. 
Com os dinheiros, o outro, da alcavalla. 

FRANCISCO MUNOEI, no NASCI.IIB.VTO, FAB. OB LA- 

FO.'iTAl,^E, liv. I, lab. 1. 

— Por extensão, navegar. 

No piloto que leva não havia 
Falsidade, mas antes vae mostrando 
A navegaçilo certa; e assi caminha 
Já mais seguro do que d'antes vinha. 
CAM., LIS., cant. VI, est. 5. 

E diz-lhe assi : <Goardae-vos, gente miaba, 
Do mal que se apparelha pelo imigo. 
Que pelas aguas húmidas caminha. 
Autes que esteis mais perto do perigo. 
OB. ciT., cant VIU, est. 48. 

— Fig. : Dirigir-se. — mMas aonde, di- 
reis, caminha este meu discurso. « António 
Vieira, Sermões, x, 202. — Ir a correr. 
Os negócios caminham bem.— Que tal vae 
caminhando a empreza ? 

— Adag.: «Caminha pela estrada, acha- 
rás pousada.» Bluteau, Voe. — O que ca- 
minha a cavallo vive pouco, e o que anda a 
pé, contão por morto. i> Ob. cit. — Quem 
caminha por atalhos, nunca sahe de subre- 
saltos.» Ob. cit. 

1.) CAMINHEIRO, í. »í. (De caminho, 
comosuffixo «eiró»). O que caminha, vian- 
dante forasteiro. — O que por ordem da 
justiça vae pelas torras cobrar executiva- 
mente alguma divida, e cujo salário corre 
por conta da parte notificada até que pa- 
gue, ou o que vae levar informações, e 
negócios de justiça, ou o que vae como 
a passeio particular. — •«£-' dinheiro que se 
montava, ao caminheiro.» Fr. Luiz de 
Sousa, Vida do Arcebispo, foi. 2ã (1." 
ed.) 

2.) CAMINHEIRO, adj. (De caminho, 
com o siitlixo «eiró»). Que caminha. — 
<r.á/m'i caminheira.» Gil Vicente, 2, 186. 

CAMINHO, .S-. «1. (O hespanhol tem ca- 
mtiio, o ittvliano cammino, o francez che- 
min, o provençal cami, o picardo camin, 
o nivernez semin, o borgonhez cheini. A 



palavra, que assim está tão espalhada nas 
línguas românicas, é d'origem céltica : 
hymri cam, passo; camem, caminho ; baixo 
bretão camm, passo; gaelico ceitm, passo; 
landez ceim, passo). Qualquer via que se 
pôde percorrer para ir d'um logara outro, 
rua, estrada, mar, etc. — Bom caminho. — 
Máo caminho. — aPelo caminho estavam 
muytos homens com çirios nas mãos, de 
tal guisa hordenados, que sempre o seu 
corpo foi per todo o caminho per antre 
çirios acesos. í> Fernão Lopes, Chron. de 
D. Pedro I, cant. 44. — aHordenaram que 
todollos homeens de pee e carriagem fossem 
pdlo caminho dereito ante a vanguarda.» 
Chron. de D. Fernando, cap. 120. 

Elle começa: «Ub gente que a natura 
Vísinha fez do meu paterno ninho. 
Que destino tão grande ou que ventura 
Vos trouxe a commelterdes tal caminhot 
CAM., Lcs., cant. vn, esl. 30. 

Põem-se a Deosa com outras em direito 
Da proa capilaiiia. e alli fechando 
O caminho ila barra, estão de geito 
yue em vão assopra o vento a vela inchando. 
OB. CIT., cant. 11, est. 2i. 

Mas na ponta da lerra Cingapara 
Verás, onde o caminha ás naus se estreita. 
OB. CIT., cant. X. est. 11?. 

Agora lhe pergunta pelas gentes 
De Ioda a Hesperia ultima, onde mora: 
Agora pelos povos seus visinhos, 
.\goi'a pelos bumidos caminhos. 
06. CIT.. cant. II, est. 108. 

Álvaro, quando o inverno o mundo espanta, 
E tem o caminho húmido impedido. 
Abnndo-o. vence as ondas e os perigos, 
Os ventos, e despois os inimigos. 
OB. CIT., cant. X, est. 70. 

do caminho trabalhoso. 

Trarás a gent; débil e cansada. 
OB. CIT , cant. II, est. 3. 

E como ia alTronlada do caminho. 
Tão formosa no gesto «e mostrava. 
Que as e.vtrella$, o céo e o ar risinho. 
E tudo quanto a via namorava. 
OB. CIT.. cant. II, est. 34. 

.\qoi te ficarás dentro metido. 
Se queres comluyr em este feylo, 
E SC vems do caminho afligido 
Bem podes acostarte em este leyto. 
JOÃO v.vz, C.VVA. p. 28 (ed. ISGS;. 

— íctzer caminho, abrir caminho. 

de seu Rei mosinodo-se agenndo. 

Caminho ha dè fazer nunca cuidldo. 
CAM., LCS., cant. i, est. 138. 

Pesa-lhe, guo tão longe o aposentasse 
Das europêas torras abundantes 
A ventura, que não no fei visinho 
D'onde Hercules .ao mar abriu cantinho. 
OB. ciT.. cant. VI, esl. 1. 

.\breni caminho as ondas encurradas. 
Do lemor das Nereidas apressadas. 
OB. CIT., cant. II, esl. £U. 

— Ir-se seu caminho. — «O bispo en- 
tendeu, que clRei num avia vootiíade da- 
ver paz; e espvdiosse delle, <• foisse seu 
caminho.» Fernão Lopes, Chron. de D. 
Fernando, cap. 69. 

E fui men logo o men camitJxi. 

CANTIONÍIRINHO PK TBOrAS AVTIfiAS, pifai. 

por Varnhagoni. cant- 3. 

— Coinmeiter caminho, tentar um ca- 
minho novo ou perigoso. 

Agora julga, oh Rei; se hoave no mando 
Gentes, que ues caminhos conimetlerani* 
CAH.. LIS., (;iul. T. e$l. ST. 



66i 



CAMI 



CAMI 



CAMI 



A's porias o recebe, acompanhado 
Das nymphas, que se eslão maravilliando 
De ver que coinelteniio tal laiiniiho, 
Entre no reino (1'agua o rei do vioho. 
OB. ciT., canl. VI, est. 14. 

— Caminho direito, tortuoso, longo, 
breve, cerrado, estreito, largo, pedrego- 
so, áspero, plano, calçado, escabroso, in- 
transitável, desviado. — Errar o caminho. 
— Perder o caminho. — Perder-se no ca- 
minho. — Ensinar o caminho. — Aprender 
o caminho. — Desviar-se do caminho. — ■ 
Seguir o caminho. — Caminho de commu- 
nicação, liniia de communicação. — Abre- 
viar caminho. — Cortar caminho, abre- 
vial-o. — Ao voltar do caminho. — Ir^ par- 
tir caminho d'um lugar, dirigir-se para- 
elle. — Ir caminho da morte, do patibii- 
lo. — «O governador D. Henrique partiu 
cõ huma armada de dezasete velas cami- 
nho de Cananor.íí Barros, Dec. III, foi. 
2õ9. — Caminho coberto, de ronda, vid. 
Estradas cobertas, de rondas. — Torcer 
caminhos. — Caminho de carro. — Ant. : 
«Ladrão teedor ou teedor de caminhos.» 
(Orden. Affons.), ladrão que embarga os 
caminhos, detém os caminhantes para os 
roubar. 

— Fig. : O caminho da vida. — O ca- 
minho do céo. — O caminho da virtude. 

Oh taminho da vida nunca certo. 
CAM., LOS., canl. i, est. 105. 

N'ell3 veram dos céos novas grandezas, 
E n'ella para os céos caminho e guia. 

ANT. FERR., SONETOS, 1ÍV. I, p. i. 

Por obras valerosas que fazia. 
Peio Irabaiho imnienso, que se chama 
Caminho da virtude alto e fragoso, 
Mas no lim doce, alegre e deleitoso. 
C4M., ms., canl. ii, est. 90. 

Ah que o comínAu também me mostraste, 
Porque correste a gloriosa palma ! 

ANT. FERR., SONETOS, liv. II. 2. 

— O direito caminho, o caminho da 
virtude, a vida virtuosa. 

Vereis em agua tuns olhos consumidos 
Mensageiros de amor não contiafcito, 
A alma achareis la, se do direito 
Caminho, níio viestes ma I perdidos. 

AJÍT. FERR., SONETOS, liv. 1,51. 

— Meio. — (íQuando viu que scvt seu 
requerimento o mundo lhe offerecia cami- 
nho assi aazado pêra cobrar tão grande 
homrra, sem mais esguardando contrai- 
rás que avijar podessem, determinou em 
toda maneira de seguir este feito e levar 
adeamte.n Fernão Lopes, Chron. de D. 
Fernando, cap. 26. — «Per fazerem pra- 
zer a elRei, aazarom como ella buscas- 
se caminho de seer quite de seu marido. i> 
Ob. cit.,cap. 57. — «Então como o premio 
não era consequência (qual deuia ser) da 
virtude, todos os que pretendião seu au- 
mento, erão fixados a buscallo per aquel- 
les caminhos que a industria lhes punha 
diante. » Francisco Manoel de Mello, Epa- 
naphoras, p. 8. 

— Loc: Levar caminho, ir conforme 
á boa razão, ordem. — «As conjecturas 
que apontnes levão caminho.» Amador 
Arraes, Dial. III, cap. 7. — A mesma lo- 
cução tem o sentido muito diíferente de 



descaminhar-se, perder-se. — Os livros le- 
varam caminho. — De caminho, em quan- 
to se faz outra cousa, de passagem. — 
«Outra tal foy a que me reculheo c crcyo, 
que foy em hum lanço, de caminho, em 
cuja ponta me atou, com duas contas de 
peyxe mulher, huma verónica ferrugenta , 
etc.» Francisco Manoel de Mello, Apol. 
Dial., p. 92. — Estar caminho breve d'um 
logar, d'uma cousa, estar perto delia. 

Em todos estes orbes dilTcrente 
Curso verás, n'uns grave e noutros leve; 
Ora fiigcn do centro lotigameiue, 
Ora da terra est.^o caminho breve. 
CAM., LDs., cant. X, est. 90. 

— Fazer caminho (figuradamente), fa- 
vorecer o êxito. — Meio caminho andado, 
metade das diflficuldades vencidas. — Fa- 
zer de um caminho dous mandados, fazer 
alguma acçào com que se consigam dous 
íins. — Ir fora de caminho (figiiradamen 
te), estar em erro moral ou intellectual. 

— /)• cada qual j)or seu caminho, não 
estar d'accordo, ter differentes opiniões. 

— Em toda a parte ha um pedaço de 
máo caminho, em tudo, em toda a parte 
ha que padecer. — Pôr uma, lebre a ca- 
minho, pôr um negocio em andamento. 
Enfermidades da língua, p. 137. — E per- 
to c bom caminho, locução com que se 
invectiva quem diz que Be retira n'uma 
questão ou ralhos. 

— AdaG. : « Cuidado anda caminho, que 
não moçofraldido.» Bluteau, Voe. — «Em 
caminhoyVa^fes vende-se o gato jwr rez.f> 
Ob. cit. — «O caminho não tem praso.-a 
Ob. cit. — «Náo vás sem borracha cami- 
nho, e quando a levares leva-a com vi- 
nho.» Ob. cit. — «Quando fores de cami- 
nho, não digas mal do inimigo, v Ob. cit. 

— «Pão e vinho anda caminho, que não 
moço garrido. V Ob. cit. — «Todos os ca- 
minhos vão ter d ponte, quando rio vay 
de monte a monte.» Ob. cit. — «Solas, e 
vinho andam caminho.» — «Pés, e mãos 
caminho andam. í Ob. cit. — «Quem em- 
bica, e não cahe, caminho adianta, v Ob. 
cit. — « Tomar atedhos novos e deixar ca- 
minhos velhos.» Ob. cit. — <s Por diferen- 
tes caminhos se vae a Belém.» — «Todos os 
caminhos i'ão dar a Roma.» 

t CAMINOLOGÍA, s. f. (Do latim cami- 
na, chaminé, e do grego logos, discurso). 
Termo de Physica. Arte ou estudo das 
chaminés, tendo por fim pôr era pratica 
os melhores e mais económicos meios de 
aquecer as casas. 

CAMÍS, s. m. pi. (Palavra japoneza). 
Termo da Mythologia japoneza. Espirites 
dos antigos heroes que se suppue ainda 
interessados pela gloria e felicidade do povo 
queoutr'oracommandaram e governaram. 
= Usado por Lucena, Vida de S. Fran- 
cisco Xavier, Liv. 7, 7. 

CAMISA, s.f. (O hespanhol e o proven- 
çal tem camisa, o itnliano camicia, camis- 
cia, o francez chemise, o picardo kemise, 
oborgonhezcAej?ii?iae.Oraais antigo exem- 
plo do emprego da palavra éem latim, ca- 



misia, em S. Jeronymo. No antigo alto al- 
lemão ha hamidi, hemidi, d'(mde o alle- 
mão moderno hemd. Naquella lingua o 
«c» podia mudar-se em «h», mas o suífixo 
«sia» não é explicado por cila. A origem 
da palavra é diffieil de determinar, e até 
agora, apesar da bella discussão de Diez, 
incerta. No antigo francez, ao lado de 
chemise ha chainse, estofo de linho, que 
suppõe uma forma radical cam ; no kymri 
ha camse, vestido comprido, no antigo gae- 
lico caimis, genitivo caimse (d'onde o fran- 
cez chainse), mas no céltico não parece 
existir raiz que explique essas formas. Re- 
correu-se também ao árabe que fornece a 
fórraa cam?ç. Engelmann suppõe que foi 
dos árabes que as linguas românicas re- 
ceberam a palavra, e que aquelles a te- 
nham recebido do san.skrito kshumâ, li- 
nho, kshaurnas, feito de linho; mas como 
a palavra se encontra já no IV século, era 
S. Jeronymo (o que Dozy com razão ob- 
jecta a Engelmann), não foi pelo intermé- 
dia dos árabes que ella chegou ao Occi- 
dente ; e a origem sanskrita, apesar da 
coincidência de formas, fica pura hypo- 
these. Diez pensa que nas linguas româ- 
nicas houve uma forma radical cam. e um 
thema camis, d'onde a forma adjectiva 
camisia ; (\wií\, porém, seja a origem d'essa 
forma radical cam, é o que não pôde ainda 
ser determinado). Vestido de lençaria que 
se traz sobre a pelle. — Camisa de linho. — 
Camisa d'<dgodão. — Camisa de chita. — As 
mangas da camisa. — A fralda da camisa. 

— O peitilho da camisa. — Os punhos da 
camisa. — Camisa sujei. — Camisa lavada. 

— Vestir Camisa. 

V.iy lavar camisas 
Levantou s'aiva. 

CANC. OB n. DINIZ, p. 142. 

Vestida uma camina preciosa 
Trazia de delirada baetilha 
Que o corpo crjstallino dei.\a ver-se. 
CAM., Lus , cant. vi, est. 21. 

— «Hum me dá o gravi, oídro a ca- 
misa, outro o sayo, outro o dinheiro, d 
António Ferreira, Bristo, act. ii, se. 2. 

— Camisa de noute ou de dormir, a que 
se veste para dormir com ella. -t-Í??íí ca- 
misa, só com a camisa vestida, sem mais 
outro vestido que cubra o corpo. — Em 
fralda de camisa, o mesmo que em ca- 
misa. — Em mangas de camisa, com os 
vestidos que cobrem o corpo da cintura 
para baixo, mas sem nenhum que cubra 
o corpo além da camisa ou esta e o co- 
lete. — Camisa mourisca, espécie de ca- 
misa larga que as mulheres vestiam por 
cima dos outros vestidos. — A alva do sa- 
cerdote. — «Huuma camisa Mourisca la- 
vrada nos peitos, que tem botões nos pei- 
tos.» Doe. de S. Tiago de Coimbra, de 
1480, em Viterbo, Eluc. — Camisa d'cd- 
tar, antigamente, a alva. — Camisa de co- 
bra, a pelle que despe a cobra. — «A ca- 
misa, das cobras servidemo vinagre.» Fran- 
cisco Morato Roma, Luz da Medicina, p. 
221. 



CAMI 



CAMO 



CAMP 



67 



— Termo d'Altenaria. Camisa do fal- 
cão, espécie de saco em que se mettia o 
falcão. — iEm sendo tomadn qualquer des- 
tas aves nobres a metterão em camisa.» 
Diosfo Fernandes Ferreira, Arte da caça, 
p. 94, V. 

— Termo de Fortificação. Obra de pe- 
dra e cal, ou muro pouco largo feito ao 
redor de um forte ou outra obra de for- 
tificação. — a Acabar o forte pequeno com 
Jiuma camisa de pedra e cíd.» Luiz Ma- 
rinho de Azevedo, Guerra do Alemtejo, 
p. 74. 

— Termo d^Alvenaria. Cal, argamassa 
ou taipa com que se cobre e reboca qual- 
quer obra de pedreiro. — -«Será bom re- 
vistil-as de adobes, ou com huma camisa 
de argamassa, ou taipa, que leva cal, e 
arêa.o Luiz Serrão Pimentel, Methodo 
Lusitano, p. 132. 

— Termo de Bombeiro. Panno grande 
como lençol embebido em calda de pez, 
cêbo e óleo de linhaça, que se prega nas 
portas e navios para os queimar. 

— Termo d'Agrieultura. Camisa do mi- 
lho, a palha branca que cobre a espiga. 

— Loc. : «Tomar a mulher em camisa, 
receber a mulher em casamento sem dote, 
alfaias, nem enxoval. — Entradas da ca- 
misa, serviço do camareiro-mór, e direito 
de o fazer ao vestir ao rei ou ao prínci- 
pe a camisa, etc. BVancisco d'Andrade, 
Chronica de D. João III, Part. iv, cap. 38. 
— Jogar, vender até á camisa, jogar, ven- 
der tudo. — Ter a camisa no prego, ter 
tudo empenhado. — « Você sabe muito, dor- 
me com a camisa.» Francisco Manoel de 
Mello, Feira d'Anexins, Part. i, Dial. vi, 
§ 1. Locução popular para metter a ridí- 
culo as pretençôes a sábio de alguém. — 
Metter-se em camisa d'onze varas, metter- 
se em emprezas superiores ás forças que 
se tem, metter-se em negócios para que 
não se é apto. — «Eu me não mctto em ca- 
misa de onze varas; sem vir o nosso ami- 
go não queria que me apanhassem em ca- 
misa, e fizessem de mim roupa de Fran- 
cezes.» Ob. cit., Part. i. Dial. vi, § 2. 
— Apanhar ou achar em camisa alguém, 
apanhar, achar alguém desprevenido ; víd. 
o exemplo da locução antecedente. — Ca- 
misa d'entre ambas as nádegas, cousa que 
serve para dous fins, pessoa que attende 
ás partes contrarias. — A camisa de A^es- 
sus ou de Hercules, dom funesto. Locução 
tomada da mythologia, da camisa do cen- 
tauro Nessus, que, dada a Hercules, o fez 
morrer. — Camisas minha e de meu cama- 
rada, uma. Locução para exprimir que 
não se possue senão um dos objectos mais 
necessários do vestuário, e, em geral, paia 
significar carência, pobreza. — Despir a 
camisa do cor2)o a alguém, pôr alguém cm 
camisa, deixar alguém arruinado, cm ex- 
trema miséria. 

— AdaG. : d A mulher que pouco fia 
sempre faz roim camisa.» Bluteau, Suppl. 
— «Não se fia, nem da camisa.» Ob. cit. 



— «Quem não tem mais de huma camisa, ' 
cada snbbado tem mau dia.í> Ob. cit. — 
«Começado e acabado, como camisa de en- | 
forcado. r> Ob. cit. — «Saitde he a que goza, 
que não camisa nova.i^ Ob. cit. — «Mày 
velha, e camisa ruta não deahonra.v Ob. 
cit. «Màij, e filha vestem huma camisa.» 
Ob. cit. ' 

CAMISÃO, s. m. Augmentativo de Ca- 
misa. 

t CAMISÍNHA, s. f. Diminutivo de Ca- 
misa. 

— Loc: Camisinha f/t)!Íre ambas as nal- 
gas, o mesmo que camisa dentre ambas 
as nádegas (vid. Camisa, loc.) Enfermi- 
dades da língua, p. 113. 

CAMISOLA, s. f. (Ou do francez cann- 
sole, ou uma formação pai allela, pois o por- 
tiiguez tem muitas formas produzidiís pe- 
lo mesmo processo-; vid. Caçarola). Espé- 
cie de vestido curto, de mangas, que se 
traz por baixo ou por cima da camisa. — 
Camisola de força, camisola guarnecida 
de ligaduras, própria para embaraçar os 
movimentos d'um doudo furioso. — Ves- 
tido de banho, de mulher. 

CAMISOTE, s. r?í. (De camisa, com osuf- 
fiso «ote», como barrote, de barra, etc. 
Camisa fina, de luxo, com punhos, bofes, 
ou tira.=;Pouco usado. — Armadura anti- 
ga, que cobria todo o corpo. — Viterbo, 
Eluc. 

CAMISSÃO, s. /. Modo de escrever a 
palavra Camisão, que se encontra nas Or- 
denações Affonsinas, Liv. v, Tit. 106, 5. 

t CAMISSÓNIA, s. f. Termo de Botâ- 
nica. Synonymo de ononuris. 

t CÁMÍTA, s. f. Termo de Paleontolo- 
gia. Género de conchas fosseis. 

t CAMMARO, s. m. (Do grego kamára, 
abóbada.) Termo de Botânica. Synonymo 
de acónito. 

CAMMÚCIS, s. m. (Palavra túpy). Vaso 
grande, de barro, em que os índios do Bra- 
zil sepultavam os seus cacizes, pondo os 
cadáveres de cócoras. 

CAMOÉZ, A, adj. Segundo Manuel Se- 
verim de Faria (Discursos políticos, foi. 
89, V.), a denominação provém do territó- 
rio do Castello de Camões, na Galliza. 
— Pêro camoez, espécie particular de pê- 
ro. — Maça camoeza, espécie particular de 
maçã. 

CAMOMÍLHA, s. f. (O hespanhol tem 
camomila, o provençal e o italiano camo- 
milla, o francez camomille; a palavra é 
uma antiga corrupção do latim chamanne- 
lon, que vem do grego khamaimèlon, de 
khanuti, em terra, e mèlon, maçã, por 
causa das flores terem cheiro a maçã). 
Termo de Botânica. Género de plantas 
da familia das radiadas. — Camomilha ro- 
mana ianthcmis nobilis, Linneo), planta 
vivaz, cujas folhas tem um cheiro aromá- 
tico.— Camomilha/c^/rfa (nnthemis catula, 
Linneo). — Camomilha pi/rcthro (nnthe- 
mis pyrethrum, Linneo), excita a salivação 
e emprega-se contra as dores de dentes. — 



Camomilha ordinária (matricaria chamo- 
milla, Linneo). — Óleo de camomilha, óleo 
que se prepara fazendo digerir em azeite 
flores seccas de camomilha ; é differente 
do óleo extrahido das sementes da came- 
lina, chamado impropriamente óleo de ca- 
momilha. 

CAMOUÇOS, s. m. pi. (?) Em camouços, 
loc. adv., em grande numero, amontoa- 
damente. — o Tenho por grande levianda- 
de a ladainha de nomes, que tomam al- 
gumas pessoas pondo em camouços huns 
sobre outros. y) Francisco Manuel de Mel- 
lo, Carta de Guia de Casados. 

1.) CAMPA, s. f. (De campo, segundo 
toda aapparencía; mas o desenvolvimen- 
to de significação é obscuríssimo). Lousa, 
pedra á superficie da sepultura. — Por ex- 
tensão, a sepultura. — «Rel. da cidade. 
Lembra-me ouvir contar no meu adro a 
certo velhustro, que nelle era muyto con- 
tinuo. — «Rel. da aldeã. Chamava-o a 
campa. » Francisco Manuel de Mello, Apol. 
Dial., p. 34. 

2.) CAMPA, s. f. (Do mesmo thema 
fundamental que campana). Sino pequeno 
para siguaes de aviso em communidades. 
— «Não posso dizer mais porque tocão a 
campa.» Fr. António das Chagas, Obras 
Espirituaes, Tom. ii, p. 27. — A campa 
tangida, ao som de campa. — Dar de 
campa, loc. ant., tocar a rebate; repi- 
car o sino de vigia. 

CAMPÃA, s. f. (De campana, com o 
«n» convertido em simples nasalisação, 
como era vão, do latim vana, etc.) Cam- 
painha, sineta, sino pequeno. — ■í...Poera- 
do emlevado sobre a campãa de cima a 
imagem delia com coroa na cabeça. » 
Fernão Lopes, Chronica de D. Pedro I, 
cap. 44. 

CAMPAINHA, s. f. (De campa). Sino- 
sinho de mão; sineta. — «Farão de mim 
campainhas (d 'um relógio de torre, que é 
o interlocutor), e então lhes direi/ por cem 
bocas, o que não querem ouvir de hutna.t 
Francisco Manoel de Mello, Apol. Dial., 
p. 7. — Touro de campainhas, touro de 
chocalho. — Campainhas, instrumento de 
musica, em que ha numerosas campai- 
nhas fixas sobre difterentes ramos de uma 
haste commum. — Figuradamente : Pre- 
goeiro das qualidades alheias. — «Por te- 
rem Cirurgiões, e Barbeiros, que lhes sir- 
vão de adelas, e campainhas, os igualão 
comsigo.í) Azevedo, Correcção de abusos, 
p. 4ÕÕ, — Campainha da garganta, ap- 
pendix carnudo que pende no meio da 
borda livre do véo palatino, á entrada da 
garganta. — Campainha, nome vulgar de 
uma planta que dá uma flor azul (con- 
volvus). 

— Loc. : Correr a campainha, ir o 
campainheiro d'umn irmandade tucando 
campainha a convocar os irmãos. — Fi- 
guradamente : Passar uma noticia, reve- 
lar a todos ura segredo. 
CAMPAINHÃO, í. m. (De campainha, 



68 



CAMP 



CAMP 



CAMP 



com o suffixo «ão»). O mesmo que cam- 
painheiro ou aiidador. 

CAMPAINHEIRO, s. m. (De campainha, 
com o suffixo «eiró»). Andador de irman- 
dade, homem que corre a campainha, vae 
pelas ruas tocando a campainha para con- 
vocar os confrades, e a leva nas procis- 
sões, enterros, etc. 

CAMPAL, aclj. (De campo, com o suf- 
fixo «ai»). Que pertence ao campo ; que 
é feito em campo. — Batalha campal, ba- 
talha que se dá d'ordinario em campo 
aberto, com todo o grosso dos exércitos. 
— nRvmper com as forças todas em ba- 
talha campal.); Vasconcellos, Arte mili- 
litar, Part. i, 176. 

N'ellas es Ião pintadas as guerreiras 
Obras, íjutí o lòrle braço já lizrra : 
Batalbas tem campaes, aventureiras, 
Desafios cruéis. . . 

CAM., Lus., cant. vii, est. 74. 

CAMPANA, s. m. (O provençal, o hes' 
panhol, o italiano têm caí«/>a»!a / o fran- 
cez campane, com difierentes significa- 
ções. Santo Isidoro de Sevilha apresen- 
ta : campana (statera unins lancis) e re- 
gione Itália; nomen accepit; assim a pala- 
vra designou primeiramente um género 
de balança inventado na Itália, e, segundo 
se deprehende das palavras d'aquelle ve- 
lho etymologista, na Campunia ; o nome 
teria sido transferido ao sino por assimi- 
lação d'utensilio metallico. Em francez 
campane significa, entro outras cousas, a 
caldeira de cozer o sabão, o que j.ustifi- 
caria a idêa d'essa transferencia de deno- 
minação, se o nome não tivesse sido dado 
áquella caldeira pela sua sirailhança com 
um sino. A maior parte dos etymologis- 
tas crêem que a denominação provém do 
facto dos sinos terem sido inventados ou 
primeiramente adoptados na cidade de 
Nola, em Camjíania. Em todo o caso pa- 
rece ser evidente que a palavra provém 
d'este nome geographico, que deriva do 
latim campus). Sino. ^=: Usado na Acade- 
mia dos Singulares, ii, 422, e hoje obso- 
leto. É uma fóima litteraria; a forma 
popular é campãa (vid. esta palavra), tam- 
bém obsoleta. 

CAMPANÂDO, adj. (De campana, for- 
ma de natureza participai). Que tem for- 
ma de sino. 

— Termo de Pharmacia. Alambique 
campanado, que tem a cabeça da forma 
de um sino. 

— Termo de Botânica. Flor campana- 
da, que tem a forma da campainha, cam- 
pamdata. — Chapéu campanado, cuscu- 
zeiro. 

CAMPANÁIRO, s. m. Forma antiga e 
popular de campanário. — «As paredes 
ouvem, e as dos campanayros nunca fo- 
rão de segredo. » Francisco Manoel de 
Mello, Apol. Dial., p. 7. 

CAMPANÁRIO,*, m. (De campana, com 
o suffixo «ario»). Torre em que estão os 
BÍnos. — <iH(jra pois todos somos de Cam- 
panário. » Francisco Manoel de Mello, 



Apol. Dial., p. 4. — Espécie de janella 
da torre, em cujos lados se enfia o eixo 
da porca do sino. 

— Loc. : Politica de campanário, po- 
litica local que só tracta de defender os 
interesses d'uma terra insignificante. — 
Interesses de campanário, interesses lo- 
caes. 

CAMPANHA, s. /. (De uma forma fun- 
damental campania, do latim campus, a 
qual dá o hespanhol campana, o francez 
campagne, o borgonhez campeigne, etc.) 
Grande extensão de planicie. — n Acal- 
mou o vento, cahe o p>ó, e onde o vento 
parou, alli fica : ou dentro de casa, ou 
na rua, ou em cima de hum telhado, ou 
no mar, ou no rio, ou no monte, ou na 
campanha.» António Vieira, Sermões, i, 
106. — Kestrictamente, o campo ou pla- 
nicie em que se assenta o arraial e se 
combate. — Figuradamente: A campanha 
do mar, a vastidão do mar, a superricie 
do mar. — «As campanhas do mar.» An- 
tónio Diniz, Pindaricas, vi, ant. 5. — 
Movimentos de tropas que começam e con- 
tinuam operações de guerra. — Assentar, 
estudar um plpno de campanha. — Abrir 
a campanha. — A campanha da Penin- 
sula. — A campanha do Egypto. — Peças 
de campanha, peças leves para poderem 
acompanhar um exercito em campanha. 

— Carretas de campanha, as que têm 
rodas com raios como as das carruagens. 

— O tempo que, no anno, dura uma ex- 
pedição militar. — A campanha de 1809. 

— Uma longa campanha. — «Perdeo a 
gloria d'occupar Bruxellas, na primave- 
ra. yi Duarte Ribeiro de Macedo, Juízo 
histórico, p. 221. 

— Termo de Jogo. No jogo da banca, 
parolins de campanha (do francez paro- 
li de campagne), e sette de levar de cam- 
panha, são as dobras para marcar os pa- 
rolins e settes de levar, que o jogador 
frauduloso (o batoteiro) faz nas cartas sem 
ter ganhado a parada, ou avançado o di- 
nheiro d'ella ao banqueiro, sem ter ven- 
cido os parolins. 

— Obs. : A palavra não é já usada ge- 
ralmente na primeira significação, conde- 
mnada pelos puristas apesar d'auctorisa- 
da por Vieira e outros clássicos. 

CAMPANHÍSTA, s. m. (De campanha, 
com o suffixo «ista», como farcista, de 
f arca, jornalista, à.e jornal, etc.) Soldado 
afeito aos trabalhos das campanhas mili- 
tares. — « Soldados velhos, os melhores 
campanhistas que tinhuo. » António Viei- 
ra, Sermões, xvi, 23. 

CAMPANIFÓRME, adj. (De campana, e 
forma). Termo de Botânica. Que tem 
forma de campainha, carapanulado. 

CAMPANÍL, s. m. (De campana, com o 
suffixo «11»). Liga de metaes para sinos. 

GAMPANÚDO, adj. (De campana, com 
o suffixo «udo»). Que tem a forma de 
sino. — Chapéu campanudo, campanado. 
— Figuradamente: Estrondoso, pomposo. 



— Palavras campanudas, palavras de mui- 
to som e pouca significação. — a Com pa- 
lavras campanudas, e relevantes. a Curvo 
Semedo, Observações, p. 334. 

CAMPÂNULA, s. f. (De campana, com 
o suffixo dim. «ula»). Termo de Botâni- 
ca. Género de plantas muito numeroso, 
da familia das campanuladas, assim cha- 
mado por as suas flores terem a forma 
de campainhas. 

CAMPANULÁDO ouCAMPANULATO, adj. 
(De campânula). Termo de Botânica. Que 
tem a fórina de campainha. — Corolla 
campanulada. 

CAMPÃO, s. m. Mármore de Tarbes, de 
cores variadas. 

CAMPAR, v. n. (De campo). Acampar. 

— Figuradamente: Campear; brilhar, so- 
bresair. — Figurar, fazer figura. — nEu 
furado (o vintém) campey ao outro dia 
por vintém de S. Luiz. » Francisco Manoel 
de Mello, Apol. Dial., p. 98. 

CAMPARESCO, adj. (De campo; pala- 
vra mal formada). Campesino, campes- 
tre. = Usado por Gaspar Barreiros. 

CAMPEADOR, adj. (Do thema campeã, 
de campear, com o suffixo «dor»). Que 
campeã, que anda pelo campo produzin- 
do damnos. 

CAMPEADOR, s. m. Campeão. O que 
se ab:ilisa pelas suas façanhas. 

CAMPEÃO, s. m. (Do baixo latim campio). 
O que combatia em campo fechado. — O 
que sustentava em campo fechado uma 
questão judiciaria por elle ou por outro. Os 
que não podiam combater com a sua pessoa 
mandavam campeões. — Campeão do rei, 
na Inglaterra, homem armado com todas 
as peças, que entra a cavallo na sala gran- 
de de Westminster, e desafia pela bôcca 
d'um arauto quem quer que ouse contes- 
tar o direito do rei á coroa. — Por exten- 
são, todo o homem que combate no cam- 
po de batalha. — Figuradamente : Defen- 
sor. — Campeão do progresso. — Campeão 
da fé. 

CAMPEAR, v. a. (De campo, como ra- 
rear, de raro, saltear, de salto, vaguear, 
de vago, etc.) Ostentar, mostrar com or- 
gulho. — As tropas campeavam as bandei- 
ras ganhas ao inimigo. — Fazer alarde. 

— Campeavam as suas cicatrizes. = Usa- 
do por João da Ceita. 

— Campeáir, v. n. Estar o exercito em 
campo com arraial assentado. — «Acha- 
vão-se os dous exércitos campeando sobre 
a ribeira da Soma. -d Duarte Ribeiro de 
Macedo, Juizo histórico, p. 177. — a Don- 
de poderia campear coin seu exercito.» 
Monarchia Lusitana, Tom. iv, foi. 141. 

— Fazer serviço em campanha. — Mar- 
char com garbo e compostura, com so- 
lemnidade. — O cavalleiro campeava por 
entre as arvores. — Correr o campo a ca- 
vallo. — Estar o cavalleiro em logar su- 
perior. — (iHum castello que campeã so- 
bre as terras circumvisinhas. » Monarchia 
Lusitana, iv, 141.— Figuradamente : Ser 



CAMP 



CAMP 



CAMP 



69 



superior. — tA titulo de Mestre de Cam- 
po General campeava comnosco.t Fran- 
cisco Manoel de Mello, Cartas, p. 597. — 
Levar vantagem; sobresaír. — ««Se sobre 
o merecimento campeya a amizade, ain- 
da me he mai^s caro este exercício.» Idem, 
Apol. Dial., p. 129. — Dominar. 

Pallído o medo os ares senhorea, 
E pelas ODdas o lerror canipea, 

JUnrU. DE GALHECOS, TUaíO BÁ MniOllU, 

liv. n, esl. 117. 

— Apparecer com lustre, ostentar-se. 

E ai testa estapenda lhe campeã 
A corôj da planta jliustrt', e verde, 
Que nem os rajos teuie, ou folhas perde. 
GuaiEL ?ei>EinA de cistro, dltssíi, caol. 
riii, esl. 38. 

De honia panthera a pelle traz famosa, 
Da qu<il os peitos arma. e traz luzida 
Cellada, de que a boc;i portentosa 
Campeã de alvos deotes guarnecida. 
OB. ciT., canl. vui. est. 123. 

— Blasonar. — Campear de rico, de fi- 
dalgo. 

CAMPECHE, «•■ m. (Do nome da bahia 
de Campeche, no México). Arvore da 
America, cuja madeira fornece uma bel- 
la tinta vermelha, muito empregada em 
tinturaria. — Páo de campeche ou páo 
campeche, a madeira da arvore campe- 
che. 

CAMPEIRO,*, m. ant. (De campa, com 
o sufSxo «eiró»). O mesmo que campai- 
nheiro. — « Todo o confrade, que se finar , 
dê os çapatos ao campeiro, ou lhe dê um 
soldo. V Doe. de 1290, em Viterbo, Eluc. 

t CAMPÉPHAGO, s. m. (Do grego knm- 
pê, lagarto, e ^:)Ãa^ein, comer). Termo 
de Zoologia. Género de iagarteiras, ou 
aves que comem lagartos. 

t CAMPÉPHILO, s. m. (Do grego kam- 
pê, lagarto, e philós, amante). Termo de 
Zoologia. Género da familia das pegas, 
synonymo de dvycope. 
" CAMPESTRÁR, v. n. (De campestre). 
Andar pelo campo, campear. =Usado por 
Pereira Brandão, Elegiada, foi. 37. 

CAMPESTRE, adj. 2 gen. (Do latim 
campestris ; de campus, campo). Que per- 
tence ou diz respeito ao campo, que está 
no campo, fora da cidade. — Vida cam- 
pestre. — Logar campestre. — Musica 
campestre. — Trabalhos campestres. — 
Gente campestre. — Vestido campestre. 

Bem jul|.'arás, se ha clara dilTereoça. 
Entre o canto marítimo e o campestre. 

CAM., BGLOGA Tt. 

De um gabão ao seu uso bem trajado, 
Sobre outras campestres vestiduras. 

lUKOEL lUXDES DE BIHBCDA, VinGIMDOS, 

cant. sii, esl. 25. 

— i Gente campestre e Moiitanhez.» 
Barros, Década II, foi. 190.— Plano; não 
montuoso. = Usado n'este ultimo sentido 
por Gaspar Barreiros, Chorogr., p. 75. 

^t CAMPETHÉRO, s. m. (Do grego ^•a7n- 
pê, lagarto, eethêra, caça). Termo de Zoo- 
logia, Género da familia das pegas, sy- 
nonymo de dendromo. 

CAMPEZÍNO ou CAMPESÍNHO, adj. (De j 
campo, formado realisada sobre analo- 



gias imperfeitas, dos diminutivos em «si- 
nho», como homemsinho, mxdhersinha, en- 
tesinho, avesinha, etc. ; cp. Campino). 
Campestre, rústico. = Usado por Francis- 
co Manoel de Mello, Cartas, cent. 11, 10. 
= A forma campesino foi usada por Leo- 
nel da Costa, Egloga III. 

t CAMPHENOou CAMPHOGENIO, s. m. 
Termo de Chimica. Substancia oleosa con- 
tida na essência de terebenthina, que se 
obtém pela dissolução da camphora ar- 
tificial, ou clilorhydrato de camphora com 
a cal. 

t CAMPHOGENIO, s. m. (De campho- 
ra, e do grego geinô, gerar). Termo de 
Chimica. Corpo composto de carbone e 
hydrogéneo. 

CAMPHORA, s. f. (A palavra encon- 
tra-se em todas as línguas românicas, e 
no baixo grego kaphoyra ; vera do ára- 
be cafar, que se crê vir do sanskrito car- 
pãra, palavra que se liga á raiz kar, ser 
duro (vid. Callo), assim como outros no- 
mes d'arvores, taes como karpási, o al- 
godoeiro ikarjjása, algodão ; cp. grego 
kárpnsos, latim carbasus, etc.) Substan- 
cia branca, transparente, de sabor amar- 
go, quente e picante, de cheiro vivo e 
penetrante. — A camphora é muito em- 
pregada em medicina como anti-spasmo- 
dico. 

Olha também Borneo, onde n3o faltam 

Lagrimas, no licor coalhado e eniuto 

Das arvores, que campkora é chamado. 

ci]<., Lcs., cant. x, est. 133. 

— Termo de Chimica. Camphoras, no- 
me dos compostos neutros, sólidos á tem- 
peratura ordinária, voláteis, odoríferos, 
aromáticos, análogos á camphora propria- 
mente dita. 

— Obs. : Os antigos escriptores offe- 
recem também as formas camphor, canfor 
e alcanfor. 

t CAMPHORADA, s. f. Termo de Bo- 
tânica. PlantM que cheira a camphora. 

t CAMPHORADO, part. de Camphorar, 
e adj. Que contém camphora. — Álcool 
camphorado, que o povo diz alcanfora- 
do, álcool em que se dissolveu uma por- 
ção de camphora. — Cigarrilhas campho- 
radas. — Btbida camphorada. 

t CAMPHORAR, v. a. (De camphora). 
Termo didáctico. Impregnar de cam- 
phora. 

t CAMPHORÁTO, s. m. (De camphora). 
Termo de Chimica. Sal formado pela com- 
binação do acido camphórico com uma 
base saliticavel. 

t CAMPHÓREA, adj. Termo de Botâ- 
nica. Que se assemelha á camphora. 

CAMPHÓREAS, í. m. pi. Tríbu da fa- 
milia das lauríiieas, formada pelo género 
cauiphoieiro. 

t CAMPHOREIRO, s. m. (De campho- 
ra, com o sutíixo o eiró»). Termo de Bo- 
tânica. Arvore da China, do Japfio, etc. 
(laurus camphora, Linneo), de que se 
tirti a camphora por distillaçào. 

tCAMPHÚRlCO, adj. (De camphora). 



Termo de Chimica. Nome dado ao acido 
que se forma pela acçào do acido azoti- 
co sobre a camphora, a temperatura ele- 
vada. 

t CAMPHORÍDE, s. f. (De camphora). 
Termo de Chimica. Substancia d'origem 
vegetal, cujas propriedades a fazem com- 
parar a camphora. 

t CAMPHORÓIDE, adj. 2 gen. (De cam- 
phora). Termo de Botânica. Que tem a 
forma do camphoreiro. 

t CAMPHORÓIDE, s. f. Termo de Chi- 
mica. Substancia que se obtém dos óleos 
essenciaes d'um grande numero de labiá- 
das, e cujas propriedades tem muita ana- 
logia coiii as da camphora. 

T CAMPHORÓSMEA, adj. (De campho- 
rósmoj. Termo de Botânica. Semelhante 
ao camphorósmo. 

CAMPHORÓSMEAS, s. /. pi. Tríbu da 
familia das atriplicias. 

t CAMPHORÓSMO, s. m. (De cam- 
phora, e do grego ósmê, cheiro). Termo 
de Botânica. Género de plantas, da fami- 
lia das chenopodaceas. 

t CAMPHRONIO, s. m. (De camphora). 
Termo de Chimica. Producto volátil que 
se obtém fazendo passar vapor de cam- 
phora sobre cal levada á temperatura ru- 
bro-obscura. 

t CAMPICHAETO, s. m. (pr. campi- 
caéto ; do grego kampê, curva, e khitê, 
crina). Termo de Zoologia. Género de dí- 
pteros brachóceros, da familia dos athe- 
ríceros. 

t CAMPÍCOLO, adj. (Do latim campus, 
campo, e cola, habitante). Termo de His- 
toria natural. Que vive no campo. 

t CAMPIDÓGTOR, s. m. (Do latim cam- 
pidoctor ; de campus, campo, e doctor, 
que ensina (vid. Doutor). Termo de An- 
tiguidade. Instructor ou director dos exer- 
cícios militares d'um campo romano. 

CAMPINA, «. /. (De campo, com o suf- 
fixo oinaii). Campo. 

Vinham outros Pastores li das serras 
Da neve frias, outros das cvnpinã». 

A.vrOnO PBRREIRA, E6L0GA Til. 

— Fig. : As campinas do mar. 

CAMPINHO, s. m. Diminutivo de Cam- 
po. 

CAMPINO, s. m. (De campo, com o suf- 
fixo oino» '. Homem do campo, e princi- 
palmente abegào. 

CAMPINO, adj. (De campo, com o suf- 
tlxo «ino»). Em forma de campina. — 
Terra campina. — « Deixando as serras 
ásperas, passassem sua vivenda a terra 
campina, onde tivessem mor commodida- 
de para suas crjdçíVs.» Monarchia Lu- 
sitana, I, foi. 322. 

CAMPIR, v. a. [O italiano tem campi- 
rc. o frauccz échempir, de campo i. Termo 
de Pintura. Imitar o relevo, fazer sair do 
campo do quadro por tintas npropriadas. 
— «Que se ha de guardar no campir do 
Payntl. 1 Nunes, Arte de Pintura, p. òO. 

CAMPO, s. VI. ^Dú latim campus. Se- 



70 



CAMP 



CAMP 



CAMP 



gundo Pott, a raiz da palavra grega kê- 
poSj jardim, palavra a que corresponde 
regularmente o antigo alto alleraão kof, 
é skap (perdido o os» inicial, como tan- 
tas vezes succedeu, kap, cavar), em gre- 
go skaj)tô, eu cavo, slavo ecclesiastieo kop- 
a-ti, cavar, antigo prusso enkupts, cava- 
do, etc. D'este modo liga-se a essas pa- 
lavras o latim camp-u-s, e o osko Kap- 
va (Capiiíi), segundo todas as probabili- 
dades. Campo, o cavado, é uma designa- 
ção perfeitamente intelligivel, e do lado 
do som e da morphología latina nào ha 
difficuldade que faça pôr de lado esta ety- 
niologia). Extensão de terra b;iixa culti- 
vada ou cultivável, sem arvores. — Cam- 
pos cultivados . — Campo fértil. — Um 
campo de trigo. — Os campos do Tejo. — 
Os campos da Bairrada. 

As estr.iLiss. e os campou moslram as dores 
Da minha saudade, e apartameoto. 

A.NTOMO P&RRKIRA, SON., liV. 1, 44. 

As estrellas os céos acompanhavam, 
Qual campo revestido de boninas. 
CAM., Lus-, cant. i, est. 58. 

Bem como quando a flamraa, que ateada 
Foi nos aiíaos campos, assoprando 
O sibilante Bóreas, animada 
Co'o vento, o secco mato vae queimando. 
OB. ciT., cant. Ill, est. 49. 

Com esta a forte Arronches sobjuRsila 
Foi juntamente, e o sempre eiinobrecido 
Scalabicastro, cujo campo ameno 
Tu, claro Tejo, rogas tâo sereno. 
OB. ciT., cant. Ill, est. 55. 

E dos rios as aguas saudosas 
Os semeados campou alagaram. 
OB. ciT., cant. 111, est. 84. 

Gente, que as frescas aguas nunca líosla, 
Nem as hervas do campo bera Ibe abastam. 
OB. ciT., canl. T, est. 6. 

Na quarta parte nova [a America) os campos ara. 
OB. ciT.,cant. Til, est. !•(. 

Do Douro e Guadiana o campo nfano. 
Já dito Elysio, tanto o contentou, 
Que alli quii dar aos já cansados ossos 
Eterna sepultura, e nome aos nossos. 
OB. ciT., cant. viu, est. 3. 

NSo andam muito, que no erguido come 
Se acharam, onde um campo se esmaltava 
De esmeraldas, rubis taes, que presume 
A vista, que divino chão pisava. 
OB. ciT., cant. I, est. 77. 

Vès, passa por Camboja Mecom rio. 
Que capitão das aguas se interpreta; 
Tantas recebe d'oulro só no estio. 
Que alaga os campos largos e inquieta. 
OB. ciT., canl. I, est. 127. 

— Terra fora da cidade em geral. — 
Estar no campo. — Ir para o campo. — 
Viver no campo. — Casa de campo. — Tra- 
balho do campo. — Atravez dos campos. 

Assi vivem os Reis d'3quella gente 

Ko campo e na cidade juntamente. 

OB. cii., cant. vil, est. 30. 

Comei todo esscgrJo. — Os Passarinhos 

Zombarão delia; 
Que tanto sustento achavão pelos campos. 

FRA.NC1SC0 MAVOEL DO NASCIMENTO, FABUUS 
DE LAPONTAINE, liv. 1, 8. 

— Figuradamente : 

Vêdel-os Allemães, soberbo gado. 
Que por tão largos campos se apascenta, 
Do succesáor de Pedro rebellado. 
ciM., lus., cant. vii, est. 4. 

— Espaço aberto e chato. — O campo 
doBonifim, no Porto. — O campo de Sant'- 



Anna, era Lisboa. — Um campo de feira. 

— Campo de manobras, campo destinado 
a exercícios railit;ires. — Campo de Marte, 
campo consagrado em Rimia aos exercí- 
cios militares e ás reuniões populares. — 
Campo de março, de maio, assemblê;is que 
faziam em março ou em maio os reis fran- 
cos para regular os negócios do estado. 

— Campos Elysios ou Elyseits, a habita- 
ção das almas dos bemaventurados, se- 
gimdo os pagãos. — Campo sa?2^o, o cemité- 
rio. — Figuradamente: A superfície do mar. 

Torres altas se vêem no campo aberto 
Dd transparente massa cbiyslallina. 
CAM., LUS., cant. VI, est. 9. 

Já não (ica na aljava sellaalgua. 
Nem nes equoreos caoipos nymptia viva. 
011. ciT., cant. 11, est. 48. 



lha. 



O logar em que se dá uma bata- 

Já no campo de Ourique se assentava 
O arraial soberbo e bellicoso. 
OB. ciT., cant. 111, est. 42. 



— Campo de batalha. — Fugir do campo 
da batalha. — Abandonar o campo da ba- 
talha. — Morrer no campo rfa batalha. 

Para que do mais certo se informara, 
Ao campo damasceno o perguntara. 
OB. ciT., cant. III, est. 9. 

De Guimarães o campo se tingia 
Co'o O sangue próprio da iniestina guerra. 
CD. ciT., cant. Ill, est. 31. 

E posto em fim que desd'o mar de AMante 
Atií o SC) tico Tauro, monte erguido. 
Já vencedor le vissem : uào te espante 
Se o campo Luiathio só te vio vencido. 
OB. ciT., cant. Ill, est. 73. 

Juntos os dous AfTunsos finalmente 
Nos campos de Tarifa, estão defronte. 
OB. ciT., cant. III, est. t09. 

O vencedor Joanne esteve os dias 
Costumados no campo em grande gloria. 
OB. ciT., cant. IV, est. 45. 

O campo vae deixando ao vencedor. 
Contente de lhe não deixar a vida. 
OB. ciT., cant. IV, est. 43. 

Este que vès olhar, com gesto irado. 
Para o rompido alumilo, mal soIVrido, 
Dizendo-lhe que o exercito es|iatliado 
Kecoltia, e torne ao campo defendido.... 
OB. ciT., cant- viii, est. 13. 

Aquelle, que nos campos Marathonios 
O giiio poder de Uario eslrue e rende. 
OB. ciT., canl. X, est. 21. 

— «Como se derão logar á fama de 
seu nome, lhe deixarão o campo. >' Jacln- 
tho Freire, Vida de D. João de Castro, 
Liv. IV, cap. 4L — «Perdendo o campo se 
puserão em fugida.^ Monarchia Lusitana, 

1, foi. 22. — Das qvaes (guerras) era 
Theatro Lombardia , sobre cujos campos, 
se representarão muitos annos as lamen- 
táveis tragedias, que Espanhoes, Fran- 
cezes, e Allemães padecerão a fim de con- 
seruar os interesses de suas Coroas.» 
Francisco Manoel de Mello, Epanaphoras, 
p. 16. — Senhor do campo, o que n'elle 
traz grandes forças. Barros, Década II, 

2, 6. — Estar, pôr-se em campo com al- 
guém, estar em campo de batalha com al- 
guém. 

Onde a mãe, que tão pouco o parecia, 
A seu íillio negava o amor e a terra, 
(jom elle posta era campo jâ se via. 
OB. ciT., canl. III, est. 31. 



— Apresentar-se em campo, sair a cam- 
po de batalha, vir combater. 

Este depois em campo se apresenta. 
Venivilnr forte e intrépido, ao p tssante 
Rei de Cambaia, e a visla ih ■ amedreilta 
Da fera multidão quarfrupedante. 

CAM. LDS-, cant. I, est. 72. 

— cDar campo yVanco aos soldados», 
dar-lhes todos os despojos que pilhassem. 
Fernão Mendes Finto, Peregrinações, cap. 
151. — O acampamento ou arraial mili- 
tar, as tropas de que se compõe. — Le- 
vantar o campo, partir com o seu exer- 
cito para outro logar. — «Lhe foy neces- 
sário levantar os dous campos com que 
o tinha de cerco.» Lucena, Vida de S. 
Francisco Xavier, foi. 445. — Recolher o 
campo, reunir os soldados do exercito 
que estão espalhados. Damião de Góes, 
Chron. de D. Manoel, Part. i, cap. 31. — 
Descobrir campo, ir espiar o inimigo. — 
Figuradamonte : E.xaminar o estado das 
cousas, dum negocio, cujo resultado se não 
prevê. — Pôr tropa em campo, levantal-a 
e pôl-a em estado de combater. — Ceimpo 
volante, porção do exercito capitaneada 
por um major de batalha, ou mestre de 
campo general, para resistir ás correrias 
do inimigo, atulhar os combois, ele. — 
Campo, ou campo /ec/iac^o^ ou campo raso, 
lice, logar fechado por barreiras para 
duellos judiciários ou torneios. 

E que se houver algum com lança e espada 
Que queira sustentar a parle sua. 
Que elles em campo raso, ou estacada. 
Lhe darão feia infâmia, ou morte crua. 
OB. ciT., cant. VI, est. 45. 

— Fazer campo, vir a campo, tomar 
campo cuni alguém. Phrascs antigas. — 
Lidiar. — Entrar cm campo. — Matar em 
campo. 

Chega-se o praso e dia assignalado 
De entrar cm campo já co'os doze inglezes, 
Que jjelo Rei ja tinham se^^urado. 
OB. ciT., canl. VI, est. 58. 

Um Francez mata em campo, que o destino 
Lá teve de Torquato e de Corvino. 
OB. ciT., cant. VI, est. 08. 



— Dar campo, dar logar seguro para 
o repto, e também : dar repto, reptar. — 
Vencer campo, vencer no repto. — Figu- 
radamente : — Entrar em campo, pôr-se 
em campo, lutar. — Pôr-se em campo por 
alguém, defender alguém. — Todo o thea- 
tro em que se debate alguma cousa. — O 
campo da discussão. — Estas questões de- 
vem ser debatidas no campo da imprensa. 
— No campo do espirito ha muitas luctas 
de idêas. — No campo da consciência em- 
batem-se muitos sentimentos. — Espaço li- 
vre, carreira, assumpto. — O campo da 
gloria. — O campo da actividade humana. 
— Muitos passam a vida no campo da 
sciencia desinteressada. — Os estudos orien- 
taes offerecem um campo immenso aos es- 
piritas investigadores e profundos. — Es- 
tá aberto o campo ás suspeitas. 

As aguas campo deixam ás cidades. 
Que habitam estas húmidas deidades. 
OB. ciT., canl. n, est. 8. 



CAMP 



CAMP 



CAMP 



71 



— «Não deveis de contar ahi os vicios 
dos Arbitristas, segundo tomastes pouco 
campo (í" numero. D Francisco Manoel de 
Mello, Apol. Dial., p. 2lo. — aPorévi, 
outros não despresando, mas proporcio- 
nando o trabalho,, sem sahirem do seu pró- 
prio campo cultioão com louvável mode- 
ração a terra em que nascci-ão.» Idem, 
Epanaphoras, p. 4. — O campo da obser- 
vação. — O campo da litteratura. — O 
campo das artes tem limites que cada ar- 
tista deve conhecer. — A extensão que abra- 
ça ura apparelho d'optica, como o teles- 
cópio, o microscópio, etc. 

— Termo de Brazão. O fundo do es- 
cudo que é carregado das diversas peças 
de que se compõe o brazão d'armas. — 
O fundo do escudo dos cavalleiros. — a Os 
da parte del-Eei Dom Pedro e do Prin- 
çipe traziom todos cru: es vermelhas em 
campo branco, e os del-Rei Dum Henri- 
que levavom esse dia vamdas.» Fernão Lo- 
pes, Chron. de D. Fernando, cap. 9. — 
Por extensão, o liso dos estofos sobre que 
apparecem os desenhos. 

— Termo de Pintura ou (Iravura. O 
fundo d'um quadro ou lamina onde a arte 
ainda não traçou nada. 

t CAMPOÉA, s. f. (Do grego kampê, 
lagarto). Termo de Zoologia. Género de 
coleópteros nocturnos, correspondente ao 
género metrocampo dos diurnos. 

t CAMPOICHROTOS, s. m. pi. (Do grego 
hamptein, curvar, e khrôs, ôtos, corpo). 
Termo de Zoologia. Ordem da classe dos 
reptis, comprehendendo os que têm a pelle 
mais ou menos molle, e o corpo flexivel 
como os snnriínos e os batrácios. 

t CAMPOMANÉSIA, s. f. (Do nome hes- 
panhol Cumpomano) . Termo de Botânica. 
Género de plantas da familia das myrtá- 
ceas, tríbu d.Ms myrteas. 

CAMPONÊZ, adj. (De campo, pela ana- 
logia dos derivados em «ez», que contém 
um «n» original no thema, taes como ara- 
gonez, de Aragão, avinhonez, de Avi- 
nkão, etc.) Que pertence ou diz respeito 
ao campo. — aCom outra semelhança tam- 
bém camponeza.» António Vieira, Serm., 
Tom. VI, p. 481. — Usa-se também sub- 
stantivamente. — Um camponez. — Uma 
camponeza. = Hoje o ultimo emprego é 
o mais frequente, 

í- CAMPÓNIO, A, adj. (De campo). Que 
é do campo. = Usa-se também substanti- 
vamente, e, em geral, no sentido pejora- 
tivo do : camponez, rude, estúpido, e sem 
educação. 

.... Ora era o lenipo 

Do scniear-se 
O Caniiamo, c cila rio certo cniiiponto. 

Coma Linhaça 
Miiilos roRos Odbrir 

FRANCISCO MVNOEL DO NASCIMENTO, FAni'I,.VS 
DE LAFONTAINE, I, 8. 

ij CAMPOSINHO, ndj. Outra fdrma de Cam- 
pesino. — « Vida monfez e camposinha.» 
Francisco Jlanoel de Mello, Cartas, cent. 
II, n. 10.=Pódo ser todavia erro de im- 
pressão. 



t CAMPO STRICHO, s. m. (pr. campós- 
trico ; do grego kampsós, curvo, e thrix, 
filamento). Termo de Botânica. Género 
de cogumelos bissóides. 

t CAMPOTE.s./. Estofo d'algodão que 
se fabrica na índia. 

CAMPSÁRIO, s. m. (Do latim campso). 
Termo Forense. O que pede dinheiro por 
cambio. 

t CÁMPSIA, s. /. (Do grego kampsío, 
caixa, estojo). Termo de Zoologia. Géne- 
ro de coleópteros heterómeros. 

t CAMPSIÚRA, s. /. (Do grego kam- 
psós, curvos, e oyrá, cauda). Termo de 
Zoologia. Género de coleópteros pentâ- 
meros, da familia dos lamellicornes. 

t CAMPSODACTYLO, s. m. (Do grego 
kampsós, curvo, e dácfylos, dedo). Termo 
de Zoologia. Género da ordem dos sau- 
riános, familia dos scincoidiános. 

t CAMPSOLACONTIA, s. f. (Do grego 
kampsós, curvo, e plakoyntion, espécie de 
bolo). Termo de Botânica. Synonymo de 
medinilha. 

CÁMPSOR, s. m. (Do latim campso). 
Termo Forense. Cambista, bfinqueiro. 

t CAMPTA, s. m. (Do grego hamptós, 
curvo). Termo de Zoologia. Género de 
coleópteros pentâmeros, da familia dos cla- 
vicornes. 

t CAMPTÁN, s. m. Termo de Zoologia. 
Nome dado a uma espécie de antílope. 

t CÀMPTÉRIA, s. f. Termo de Botâ- 
nica. Synonymo de pteris. 

t CAMPTÓCERO, s. f. (Do grego kam- 
ptós, curvo, e keras, corno). Termo de 
Zoologia. Género de coleópteros tetrâme- 
ros, da familia dos xylóphagos. 

+ CAMPTODENTE, s. m. (Do grego kam- 
ptós, curvo, e odoys, odontós, dente). Ter- 
mo de Zoologia. Género de coleópteros 
pentâmeros, da familia dos carábicos. 

t CAMPTOGNÁTO, s. m. (Do grego kam- 
ptós, curvo, e gnnthós, queixo). Termo 
de Zoologia. Género de coleópteros, da fa- 
milia dos xvlóphngos. 

t CAMPfOGRÀMMO, s. m. (Do grego 
kamptós, curvo, e gramma, linha). Termo 
de Zoologia. Género de lepidópleros, da 
familia dos nocturnos. 

t CAMPTOLAIMOS, s. m. (Do grego 
kamptós, curvo, e laimos, garganta). Ter- 
mo de Zoologia. Género de aves da fa- 
milia dos patos. 

t CAMPTÓRHINA, s. f. (Do grego 
kamptós curvo, c rhin, nariz). Termo de 
Zoologia. Género de coleópteros, da fami- 
lia dos lanKíllicornes. 

t CAMPTÓRHINO, s. m. (Vid. Camptór- 
hina). Termo de Zoologia. Género de co- 
leópteros, da familia dos curculiónides 
gonatciccros. 

t CAMPTORHYNCO, s. m. (Do grego 
kamptós, curvo, e rhynkos, bico). Ter- 
mo do Zoologia. Synonymo de camptolai- 
ma. 

t CAMPTOSCÉLIDA, s. /. (Do grego 
kamptós, curvo, c skelos, perna). Termo 



de Zoologia. Género de coleópteros, da 
familia dos carábicos. 

t CAMPTOSÓMO, s.f. (Do grego iam- 
ptós, curvo, e sema, estandarte). Termo 
de Botânica. Género de plantas, da fami- 
lia das papilionáceas phaseoládas. 

t C4MPT0SÓR0, s. m. (Do grego kam- 
ptós, curvo, e soros, montes de cousas). 
Termo de Botânica. Synonymo de sclo- 
popêndria. 

t CAMPTÓSPORO, s.m. (Do grego kam- 
ptós, curvo, e spôra, espora). Termo de 
Botânica. Synonymo de psilónia. 

t CAMPTOSTÉRNO, s. m. (Do grego 
kamptós, curvo, e stérnon, esterno). Ter- 
mo de Zoologia. Género de coleópteros, 
da familia dos sternóxos. 

t CAMPULÉIA, s. /. Termo de Botâni- 
ca. Synnnymo de striga. 

t CAMPÚLÍ TROPO, adj. (Do grego JtaTn- 
pylos, curvo, e trepein, voltar). Termo 
de Botânica. Diz-se do grão em que o 
óvulo, desenvolvendo-se, se curva sobre 
si, de modo que a parte superior váe to- 
car na base. 

t CAMPYLANTHÉRO, s. m. (Do grego 
kampylos, e do latim anthera, anthera). 
Termo de Botânica. Synonymo do géne- 
ro eriodendro. 

t CAMPYLÁNTHO, s. m. (Do grego kam- 
pylos, curvo, e anthos, flor). Termo de 
Botânica. Género de plantas, da familia 
das scrofulariáceas. 

t CAMPYLÍPGDO, s. m. (Do grego 
kampylus, curvo, e poys, podos, pé). Ter- 
mo de Zoologia. Género de coleópteros, 
da familia dos lamellicornes. 

t CAMPYLIRHINCO, s. m. (Do grego 
kampylus, curvo, e rhynkos, bico). Termo 
de Zoologia. Género de coleópteros te- 
trâraeros, da familia dos curculiónides. 

t CAMPYLO, «. m. (Do grego kampy- 
los, curvo). Termo de Zoologia. Género 
de coleópteros pentâmeros, da familia dos 
sternóxos. 

t CAMPYLOCARPO, s. m. (Do grego 
kampylos, curvo, e karpós, fructo"). Ter- 
mo de Botânica. Svnonvmo de arábide. 
t CAMPYLOCÀRYO, s". 7/1. (Do grego 
kampylos, curvo, e karyon, noz). Termo 
de Botânica. Sj^nonymo do género an- 
chusa. 

t CAMPYLOCÉLO, s. m. (Do grego kam- 
pylos, curvo, e koiloia). Termo de Zoolo- 
gia. Nome dado aos iufusorios enteróde- 
los, cujo canal intestinal tem curvas no 
seu trafrecto. 

t CAMPYLOCHÉLO, s. m. (pr. campi- 
lokélo ; do grego kampylos, curvo, c khei- 
los, lebre'!. Termo de Zoologia. Género 
de lepidóptoros nocturnos, synonymo de 
ni/mphula. 

' t CAMPYLOCLINIO, s. m. (Do grego 
kampylos, curvo, e kltnê, leito.) Termo 
de Botânica. Género da familia das com- 
postas. 

t CAMPILODONTE. s. m. ^Do grego 
j kampylos, curvo, e odoys, odóntos, dente). 



73 



CAMP 



CAMU 



CANA 



Termo de Botânica. Género de plantas, 
da familia das bryáceas. 

t CAMPYLOMYZO, s. m. (Do grego 
kampylos , curvo, c mysein, sugar). Ter- 
mo de Zoologia. Género de dípteros, da 
familia dos tipuláres. 

t CAMPYLONÉMO, s. m. Termo de Bo- 
tânica. Hynonymo de campynemo. 

t CAMPYLÓPHYTO, s. m. (Do grego 
kampylus, curvo, e pkytoji^ planta). Ter- 
mo de Botânica. Nome genérico das plan- 
tas que têm a parte superior da corolla 
dobrada obliquamente. 

t CAMPYLONÉURO, *. m. (Do grego 
kampilos, curvo, e neuron, nervura). Ter- 
mo de Botânica. Synonymo de polipodo. 

t CAMPYLOPO, s. m. (Do grego kampy- 
los, curvo, e poys, podus, pé). Termo de 
Botânica. Género de plantas, da familia 
das biyáceas. 

t CAMPYLÓPODO, adj. Termo de Bo- 
tânica. Que tem relações com o género 
campylopo. 

COMPYLÓPODOS, *. m. pi. Termo de 
Botânica. Familia de musgos, que tem o 
género campylopo por typo. 

t CAMPYLOPES, s. m. (Do grego knvi- 
pylos, curvo, e ôps, olho). Termo de Zoo- 
logia. Género de aves indeterminadas. 

t CAMPYLÓPTERO, adj. (Do grego kam- 
pylos, curvo, e pteruii, aza). Termo de 
Ornithologia. Que é munido de pennas 
de vôo, curvadas em forma de sabre. 

t CAMPYLORHINCO, s. m. Do grego 
kampylos, curvo, e rhinkos, bico). Termo 
de Zoologia. Género de aves da Ame- 
rica. 

t CAMPYLORMOATO, s. m. Termo de 
Zoologia. Synonymo de campylusomo . 

t CAMPYLORÚTIDA, s. /. (Do grego 
kainpylos, curvo, e rhytis, ruga. Termo 
de Botânica. Synonymo de melilote. 

t CAMPYLOSÓMO, s. w. (Do grego kam- 
pylos, curvo, e sômaj corpo). Termo de 
Zoologia. Género de cirrliipedes, que com- 
prehende as espécies que têm o corpo 
flex-ivel. 

t CAMPYLOSPERMÀDAS, s. /. pi. Di- 
visão nas umbellíferas, caracterisada pelo 
contorno do grão, cuja extremidade se 
dobra e enrola do lado interno. 

t CAMPYLOSPERMÀDO, adj. (Do grego 
kampylos, curvo, e sperma, grão). Termo 
d« Botânica. Que tem a borda do grão 
dobrada. 

t CAMPYLÓSPORO, s. m. (Do grego 
kampylos, curvo, e spora, grão). Termo 
de Botânica. Synonymo de hyperica. 

t CAMPYLOSTACHIDA, s. /. (pr: cam- 
pilostákida; do grego kampylos, curvo, 
e stachys, espiga). Termo de Botânica. 
Género de plantas, da familia das stilbá- 
oeas. 

t CAMPYLOTHÉCO, s. wi. (Do grego 
kampylos, curvo, e thêkê, theca). Termo 
de Botânica. Género de plantas polyné- 
sias, do capitulo multífloro. 

t CAMPYLÓTROPO, s. m. (Do grego 



kampylos, curvo, e trópis, querena). Ter- 
mo de Butanica. Género de plantas, da 
familia dns papilinnáceas. 

t CAMPYNEMO, s. m. (Mal formado do 
grego himpyLjs, curvo, e nêma, filete). 
Termo de Botânica. Género da familia 
das narciseas, ou antes das melanthá- 
ceas. 

t CAMÚÇA ou CAMURÇA, s. /. (O hes- 
panhol tem camuza, gamuza; o italiano 
camozza, camosio ; o francez chamais; a 
palavra vera, como essas formas mos- 
tram, do antigo alto allemão gram-z, al- 
lemão moderno gemse. Na forma portu- 
gueza o «r» é introduzido pelo processo 
etymologico popular. Como em «sso (vid. 
esta palavra), corsário (vid. esta palavra), 
se via ter desapparecido um «r», que a 
pronuncia pedantesca lá introduziu, de 
modo que essas palavras tomavam as for- 
mas menos alteradas, nrso e corsário, 
suppoz-se que o «r» tinha desapparecido 
também antes de «s» («Ç'>) em outnis 
palavras, e n'elle se introduziu na sup- 
posição de apresentar essas formas no seu 
verdadeiro aspecto; d'ahi camurça, por 
camuça. Vid. mais exemplos do mesmo 
processo, s. v. Nasção). Ruminante de 
cornos ocos, do tamanho de uma cabra 
grande, de pêllo castanho, cuja polle e 
carne são muito apreciadas. — A pelle 
preparada d-.» camurça. — Luvas de ca- 
murça. — Còrde camurça, amarello-claro. 

t CAMUÇÁDOoa CAMURÇÀDO, aífj. (De 
camurça, forma de natureza participai). 
O mesmo que Acamurçado. 

t CAMÚNIO, s. m. Termo de Botânica. 
Espécie de meliácea, chamada também 
aglaia. 

CAMUZ, adj. (O francez tem camus, que 
tem o nariz curto e chato, e no sentido 
figurado, embaraçado, acanhado ; o ita- 
liano tem camuso, camoscio, na primeira 
significação da palavra franceza; a segun- 
da significação de camus explica-nos a 
que a palavra adquiriu no provençal, em 
que caíiuts^ (/aiííos, significa estúpido, idio- 
ta. Como origem da palavra indicou-se a 
forma radical céltica cam, mas D icz ob- 
serva que não ha nas linguas românicas 
um suffixo us ; por isso este sábio é le- 
vado a considerar a palavra como com- 
posta de ca, prefixo pejorativo duvidoso 
(vid. Calmorrear), e mus, que se ligaria 
ao italiano muso, francez miiseau. Outra 
conjectura é que a palavra provenha de 
uma forma da palavra carnuda, nas lín- 
guas românicas, pois da camurça, como 
da cabra, pôde dizer-se que tem o nariz 
chato, que é camus. A origem da palavra 
fica, pois, duvidosa. Nós cremos que a 
palavra camuz, empregada por Jorge Fer- 
reira de Vasconcellos, se liga a esta. A 
conjectura de Moraes, de que a palavra 
significa capaz, é absolutamente infunda- 
da; não vae além da mais superficial ap- 
parencia. A ellc, como a todos os nossos 
lexicólogos, era inteiramente desconheci- 



do o processo de deduzir a significação 
das palavras archaicas da lingua pela 
comparação com as linguas apparentadas. 
Nào é raro vêr uma palavra por uma sé- 
rie de significações filiadas, tomar um 
sentido inteiramente opposto áquelle que 
primeiramente tinha. Mostra-se s. v. Cal- 
ma, que esta palavra, por uma modifica- 
ção de significação muito simples, expri- 
me a idèa de tranquillidade e a de agi- 
tação. O francez camus, no sentido figu- 
rado, é acanhado, interdicto, e também 
vergonhoso ; d'ahi vae um passo á idèa 
de discreto, d'onde se passa á de atilado). 
Discreto, atilado. — «Zojnbais senhoras? 
pois eu vos digo que não sois camuzes de 
cair no mel da sua arte (dama cuj<)S ta- 
lentos se louvam). Sois ca moças de villa, 
não sabeis mais que amassar, e peneirar; 
fazer jilhoos , e bollos de soborralho.» 
Jorge Ferreira de Vasconcellos, Ulysip- 
po, act. I, SC. 3. — «N^ão sois camuz de 
entender damas.» Idem, Aulegraphia, foi. 
113. 

CAMUZÀDO, adj. Outra forma de Ca- 
muçado. 

CÀN, s. m. Vid. Cão. 

CANA ou CANNA, s. f. (Do latim can- 
na; grego kánna, kanuê). Nome de uma 
planta de haste recta, ôca, articulada de 
intervallo em intervallo, acompanhada de 
espadanas ôcas com nós. — Canna verde. 

— Canna secca. — Canna com que se vae 
á pesca. 

N5o Pinha, Faya, Enzinho, Ulmo, Era ou Cana, 
Nem doce suspirar ciu pE'o>a ou j'ía]a 
O togo a|t;t^aríio, (ju'em mim de cima 
De terceiro Ceo cae, e dos olhos inana. 

ANTÓNIO FEUHEIRA, SON., i, 9. 

Soe na branca canna a branda Flora. 
IdKM, 01»., lív. I, 8, 

E cora frtíifl.T também os pescadores 
Com scdelas, e lioyas, e ctiumbailas, 
O peyxe quando o comer engolem 
Cora que por engauo do anzoes cobrem. 
JOÃO VAZ, CAIA, p. )9 (ed. de 18C8). 

— Por extensão, o nome das plantas 
e das hastes das plantas que têm simi- 
Ihança cora a canna propriamente dita. 

— Canna de assucar (arundo donax, Lin- 
neo), planta da familia das gramíneas. — 
Canna da Índia (orundo indica, Linneo). 

— Canna c2o milho, trigo, cevada, a haste 
ôca, em cuja parte superior sde a espiga. 

— Canna da j)erna, a tibia. — Canna do 
braço, o osso longo do braço. — Canna 
do bofe, a artéria áspera. — Canna pas- 
toril ou de pastor, flauta rústica, gaiti- 
uha feita de canna de cevada. 

E esse teu alto esprito hum pouco enf,'ana 
Co som da pastoril, o baixa cana. 

ANTÓNIO FERREIRA, EOLOG. VI. 

Sentado Alcino vi, na dcstr.1 canna 

Alegre som fazendo largo espaço. 

Com que ás vezes um triste a pena engana. 

FBRNÃO ALVARES d'oI\IE.>T1, LUSIT. TRANSf., líV. I, 

proii I. 

— Ant. : Cannas, jogo militar portu- 
guez, em que homens a cavallo se acomet- 
tiam com cannas, espécie de parodia d'ura 
torneio. — n Muitos outros homens illustres 



CANA 



CANA 



CANA 



7B 



qiitzeram ser admittidos nestas festas e 
canas, e que se fizera memoria d'elles con- 
forvie suas qualidades. i> Cam., Fragmen- 
to de uma composição satyrica descre- 
vendo uns jogos de cannas. — Tóca-las 
cannas, jogo de rapazes. 

— Termo de Náutica. Canna do leme, a 
barra de páo com que se move o leme 
para governar a embarcação. 

— Termo d'Artilheria. À porção do ca- 
no da peça por fora, desde os munhões até 
á bôcca. 

— Termo de Technologia. Nome de 
differentes peças cylindricas. 

— Termo de Metrologia. Medida de 
extensão, usada em diversos paizes, par- 
ticularmente na Itália, e cujo valor não é 
constante; a de Nápoles vale dous metros 
e vinte e nove centímetros. 

— Loc. : Voz de canna rachada, voz 
roufenha e desafinadíssima. — Haver can- 
nas e canetas, haver grandes questões ou 
grandes diíEculdades. 

— Obs. : A orthographia etymologica 
exige que a palavra se escreva com dous 
onn». 

CANABRAZ, s.f. Planta medicinal. {Ee- 
rocleum s-phondyliumjYÁnwQo). — «Huina 
pouca de raiz de cauabraz bem pisada. y> 
Curvo Semedo, Polyanthêa medicinal, p. 
449. 

CANACÁPOLE, s. m. Procurador dos 
bens espirítuaes e temporaes na Igreja 
do Malabar. =Usado por Lucena e Antó- 
nio Vieira. 

1.) CANADA, s. /, (Temos canna signi- 
ficando uma medida dextensão, nada pois 
mais simples do que um derivado do the- 
ma canna designar uma medida de capaci- 
dade. A palavra devia por consequência 
escrever-se com dous «nn»). Medida por- 
tugueza de liquides. 

2.) t CANADA ou CANNADA, s. /. (De 
canna, como cajadada, de cajado, etc. 
Escrevendo-se canna deve escrever-se 
cannada). Pancada com canna. 

3.) CANADA, s.f. (De cano, com o suf- 
fixo «ada»). Estrada estreita ; passagem 
do gado por estradas carreiras para não 
damnificar os semeados. 

— Termo alemtejano. A servidão que 
tem o dono d'uma herdade de passar por 
outra para levar a beber o gado, etc. — 
Corredor de páos de parte a parte nos 
rios, entre os quaes nada o gado, e que 
obstam a que a corrente o arraste. — O 
rego que abrem nos campos os carros e 
carretas. — O logar que nos campos cos- 
tumam percorrer os carros e carretas, e 
que estíí marcado pelos regos abertos pe- 
las rodas. 

CANADÉLLA, í. /. (De canada 1.), com 
o suífixo «ellai), como camhadella, de cam- 
bada, etc.) Antiga medida portugupza de 
sólidos, que equivalia a trcz quartos d'al- 
queire, pouco mais ou menos. — «Os de 
Moncorvo não pagassem dous alqueires de 
cevada, quefazião duas canadellas e meia ; 

TOI,. II- IO. 



mas sim as seis quartas, que importavam 
as duas canadellas.» Alvará de 1361, em 
Viterbo, Elucid. 

CANAFISTULA, s. /. Planta officinal 
(carria fistula, Linneo). 

CANAFRECHA, s. f. Nome vulgar de 
uma planta da família das férulas [fenda 
communis, Linneo). — Canafrecha da as- 
safetida, nome vulgar d'outra planta da 
família das férulas (ferula assafetida, 
Linneo). 

CANAL, s. m. (Do latim canalis. Mo- 
raes deriva a palavra latina do grego (?) 
kanos, abertura, ignorado pelos lexícólo- 
g03, e só, ao que parece, conhecido d'elle. 
No grego ha khanos, ab)'smo aberto, gran- 
de bôcca aberta no chão, palavra latina, 
porém não tem relação nem de forma nem 
de significação com o grego que vem da 
raiz kJia, de khaino, abrir a bôcca, raiz 
que em latim se apresenta na forma hi; 
vid. Chãos e Hiato). Fosso ou valia que 
leva a agua. — Via natural pela qual os 
líquidos ou os gazes caminham pela terra. 

— Por extensão, qualquer espécie de via 
para a passagem de líquidos. As aguas 
abrem na terra fundos canaes por onde 
fazem passagem. 

— £)m Anatomia, nome de differentes 
partes que tem a configuração de canal. — 
O canal medidlar dos ossos, cavidade dos 
ossos que contém a medulla. — O canal ver- 
tebral, trajecto formado pela cavidade do 
corpo das vértebras e em que se acha a es- 
pinhal medulla. — O canal intestinal, por- 
ção do apparelho digestivo que se esten- 
de do estômago ao anus. — O canal da 
urethra, via por onde a ourína sáe para 
fora da bexiga. 

— Em Botânica, diversos órgãos por on- 
de se opera a ascensão e descensào da 
seiva, a absorpção da agua, etc. 

— Leito do rio cavado pela mão do ho- 
mem. — O canal do Mondeçio. — Canal de 
derivação, canal que serve para desviar 
as aguas de ura rio. — Canal d'irrigaqão, 
canal que dístribue as aguas n'um campo. 

— Corrente d'agua, estreita, comprida, 
para ornato dos jardins. 

Mas (leu fé (por seu mal) lá n 'esses ermos, 
D'um canil/, que roluz em clara lyinpha. 

FRANG. SfANOUL DO NASCIMENTO, FABOLA$-DE LA- 
FOMAINE, liv. I, fab. 11. 

— Termo de Geographia. Nome de al- 
guns estreitos. — O canal de Moçambique. 

— O canal da Mancha. — a Passava en- 
tão hum terço a Flandres, enxertou-se meu 
amo na jornada na qual em breve nos vi- 
mos ás fjadelhas com huma grande frota 
de HoUanda no Canal de Inglaterra, v — 
Francisco Manoel de Mello, Apol. Dial., 
p. 74. — Nome de certos estreitos peque- 
nos ou braços de mar cm que os navios 
correm grande perigo pelos bai.KÍos que 
n'elles ha. — a Algumas divisões mais pe- 
quenas, que faz o mar, entrando, e sa- 
hindo com vários canaes, c estnitos pela 
terra. y> Lucena, Vida de S. Francisco Xa- 



vier, p. 446. — Logar balisado com alas 
de estacas n'um rio onde ha vão, ou para 
o gado passar pelo meio a nado, sem po- 
derem ser arrastados pela força da cor- 
rente. — Figuradamente : Via. — O canal 
da lei de Deus, a via do céo. — «O canal 
da Egreja.i) Diogo de Couto, Década X, 
1, 7. — Intermediário, meio. — O amigo 
d'aquelle homem foi o canal por onde ob- 
teve a pretendida graça. 

— Termo d'Architectura. Estria oucan- 
nelura. 

CANALÉGA, s. f. ant. (?) Alteração re- 
gular de canalícula, diminutivo de canal 
(vid. Canalicula). O «i» accentuado de ca- 
nalicula mudou-se em «e», como o «i» do 
latim scribo em escrevo, do latim pica em 
pega, etc; o «c» em «g» como em segar, 
do latim seca, e seguro, do latim securus, 
figo, do latim ficus, lago, do latim lacus, 
vagar, do latim vacare, etc. Dahi uma 
forma hypothetíca canalegula, d'onde pela 
syncopa do ol» como régua, de latim re- 
gula, a forma cnnalegua, d'onde com oga» 
por «gua», canalega). — Canal de varas 
ou balísas para segurar as redes de pesca 
nos rios. Palavra que occorreu nos docu- 
mentos em latim bárbaro de Portugal até 
ao século xi.= Viterbo, Eluc, etc. 

CANALETE, s. m. (Palavra siatiaca) ? 
Embarcação pequena da costa de Mala- 
bar. = Mencionado por Diogo de Couto. 

CANALHA, s. f. A forma parece ser 
d'origem italiana ; todavia é possivel que 
se tenha produzido na língua portugueza 
parallelamente. — O italiano temcanaglia, 
o francez canaiUe, que veio do italiano, 
pois a verdadeira forma franceza, con- 
servada ainda no dialecto de Berry, era 
chienaille. A palavra deriva de caiie (la- 
tim canis), a forma fundamental do por- 
tuguez cão, francez chien, conservada no 
italiano. Populacho, gente vil. — tJuro- 
VOB que a toda esta canalha fu>/ falsaria. » 
—Francisco Manoel de Mello, Apol. Dial., 
p. 24. 

CANALLAR, v. a. e der. Vid. Acanallar 

e derivados. 

Com Laiiimeni em designai batalha 
Vencedores da barbara analha. 

SÁ DE MK.NEIES, HALACA COSÍUST., IÍV. 1, CStSO. 

— Popularmente, diz-se fallando dum 
homem só : ('um canalha ; aquelle canalha. 

CANALÍCULA, s. /. Diminutivo de Ca- 
nal. — Termo de Botânica. Pequeno rego 
longitudinal das hastes, peciolos ou fo- 
lhas. 

CANALICULADO, adj. ^De canaliculo). 
Termo cIc Historia Natural. Cavado lon- 
gitudinalmente em forma de canal ou got- 
teira. 

t CANALICULO, s. m. Diminutivo de 
Canal. Termo Did;itico. Pequeno canal 
ou tubo. — Os canaliculos dos ossos. 

t CANALÍFERO, adj. (,Dc canal, c fer- 
re, trazer . Teruio de Zoologia. Que é 
munido do can.ioii. de vasos. 

t CANALÍFEROS, s. «i. Nome dos mol- 



74 



CANA 



CANA 



CANÇ 



luscos que tem um canal comprido para 
a agua. 

t CANALIFÓRME, adj. (De canal, e for- 
ma). Termo de Entomologia. Que tem a 
forma de canal. 

t CANALISAÇÃO, s. /. (Do thema ca- 
nalisa; de canalisar, com o suffiso «ação»). 
Termo d'Engenharia. Acyào de canalisar 
um rio, tornando-o navegável, de abrir 
canaes n'um paiz. — A canalisação du rio 
Ilondego é inrperfeita. 

CANALISAR, v. a. (De canal, com o 
suffixo «isar»;. Termo de Engenharia. 
Abrir canaes; tornar navegável. — Canali- 
sar um paiz. — Canalisar um rio. 

t CANALISAVEL, adj. (Do thema ca- 
nalisa; de canalisar, com o suffixo «avel«). 
Termo de Engenharia. Que pôde ser ca- 
nalisado. — Rio, paiz canalisavel. 

CANAMÁIRO ou CANNAMEIRO, s. m. (De 
canamo ou cânhamo, com o suffixo «eiró»). 
Terra plantada de cânhamo. 

CÁNAMO ou CÂNHAMO, s. m. (Do la- 
tim cunnahis, mudando-se o «b» em «m», 
como em mormo, de morbo. Segundo Kuhn, 
o latim cannãbis, grego kánnabis, é uma 
palavra recebida pelos gregos do Oriente. 
O sanskrito tem çanam. As íijrmas do 
tentonico, antigo norsico hampar, antigo 
alto allemào hamf, etc, sào alteradas da 
lei segundo as leis d'esses dialectos. O 
boémio konopê pôde ser também d'origem 
estrangeira ; assim, pois, segundo todas as 
probalidades, a palavra foi transmittida 
nos tempos históricos da Ásia para as 
linguas europeas. Devia escrever-se can- 
namo e não canamo/. Planta dióica que 
produz um linho grosso de que se faz 
cordoalha, etc. — Uma corda de cânhamo. 

Ora era o tempo 

De semear-se o cânhamo. 

FRA.NC. MA.VOEL DO NASCLME.NTO, FAB. DB LA 
FONTAINE, I, 8. 

— Obs.: a forma hoje usada é cânha- 
mo. 

CANÀNGO, s. m. Termo de Botânica. 
Nome genérico dado a um certo numero 
de plantas exóticas, de que se distinguem 
cinco espécies: 1." Canango aromático, 
ou pimenta da Ethiopia. 2." Cananga sar- 
mentoso. 3." Canango menospermo. 4. " Ca- 
nango de folhas compridas. 5.» Canango 
de trez pétalas. 

CANAPÉ, s. 7)1. (Do francez canapé^ que 
vem do baixo latim cannpêuvi, corrupção 
do grego kônôpeion, leito guarnecido de 
cortinas para desviar os mosquitos, de 
kônôps, mosquito). Grande assento de 
costas em que se podem assentar umas 
poucas de pessoas, e que pôde também 
servir de leito para repousar. — Canapé 
de Bocage, canapé tornado proverbial, a 
que Bocage fez uma quadra muito conhe- 
cida. Diz-se familiarmente d'um cana- 
pé velho : Velho, como o canapé de Bo- 
cage. 

CANARA, adj. 2 gen. Que é do reino 
de Bisangar, na Ásia. 



CANARÁ, s. m. e /. Homem ou mu- 
lher de Bisangar. O povo de Bisangar. 

At|UJ se enxerfía lá do mar undoso 
Huiu raoiíti^ jllo que corre largaiiicule, 
ServiDdo ao Malabar de fortó muro, 
Com que do Canará vive seguro. 
CAM., Lus., cant. vii, est. 21. 

CANÁRIO, s. m. (Das ilhas Canárias, 
em latim canariw, denominayào que lhe 
foi dado por se pretender ter visto lá 
muitos càcs, em latim canes; vid. Cão). 
Pássaro de canto harmonioso, originário 
das ilhas Canária. 

Em quanto o pobre ninho ajunta e tece 
O sonoro canário, modulando 
Engana a grave penaque padece. 

IDEM, ELEG. TI. 

— Peça que se tocava em instrumento 
de cordas, de notas graves mas movi- 
mento vivo. — Dança muito lasciva, hoje 
desusada. — aOnde vae mulata com adufe 
que se derrete no canário.» Jorge Fer- 
reira de Vasconcelios, Ulysippo, act. V, 
SC. b. 

CANASTRA, s. m. iDo grego kanas- 
tron, era latim canistrum ; do grego ká- 
nê, canna). Cesto grande fechado e sem 
azas, feito de vimes ou páo flexível cor- 
tado em tiras delgadas e entretecidas. — 
Canastras encouradas, as que sào cober- 
tas com uma peile com cabello. — Ca- 
nastras, jogo de quatro pessoas, espé- 
cie de exercício de forças. — ^Certo jogo de 
rapazes. — Andar ás canastras, jogar o 
jogo das canastras. = Jorge Ferreira de 
Vasconcelios, Euphrosina, act. v, se. 5. 

— Loc. : Jejuar pelas almas das ca- 
nastras, nào jejuar. = Biuteau, Suppl. 

CANASTRÃO, s. m. Augmentativo de 
Canastra. 

CANASTRÉIRO, s. m. (De canastra, 
com o suffixo «eiró»). O official que faz 
canastras. 

CANASTRÉL, s. m. Vid. Canistrel. 

CANASTRÍNHA, s. f. Diminutivo de Ca- 
nastra. 

t CANAVÀLIA, s. /. Termo de Botâni- 
ca. Género de plantas da família das pa- 
pilionáccas phaseoládas. 

CANÀVE, s. adj. (Do latim cannabis; 
vid. Canamo . Linho canave, cânhamo. 

t CANÁVE, .9. /. (De canna, influen- 
ciada na forma por canave). Canna. — 
«Nembresse da canavee esfachada ; non 
na quebrante. -o Regra de S. Bento, cap. 
64, em Inéditos de Alcobaça, Tom, i. 

CANAVEÀL ou CANNAVEÁL, s. m. (De 
canave, com o suffixo «ai»). Plantio de 
cannas. 

CANAVEÃR, V. a. Vid. Acannavear. 

CANAVÉZ, s. m. (De canave, com o 
suffixo «ez»). Plantio de cânhamo. 

CANAVOURA, s. f. Termo de Botâni- 
ca. Nome duma planta que tem a folha 
como a da espadana e dá uma flor branca. 

CANÁXA, s. f. (Palavra asiática). Ar- 
vore grande da Ásia, cujo fructo é siini- 
Ihante á amêndoa. — O fructo da arvore 
canaxa. 



CANÁZ, s. m. (De cão, ou, melhor, da 
forma fundamental cane d'esta palavra, 
com o suffixo «az»). Termo familiar. 



Cão grande. — Figtiradamente: 



Com 



tudo, huma cousa malfeyta fez então esse 
canaz» (o grào turco). Francisco Manoel 
de Mello, Apol. Dial., p. 64. 

CÁNBA, s. /. ant. (De cambar). Tro- 
co. Doe. antigo, em Viterbo, Eluc. 

CANBÁS, s. m. ant. (Do francez catie- 
va$, do baixo latim canevasium, que de- 
riva do latim cannabis, cânhamo ; vid. 
Canamo). Estofo grosseiro de cânhamo. 
— Nome de differentes peças de vestuá- 
rio feitas cora o estofo chamado canbás. 
- — Peça da armadura, feita desse estofo 
e que tinha por tiin embaçar os golpes e 
pôr ao abrigo o ferro. 

CANBHAR, V. a. Antigo modo de es- 
crever a palavra Cambiar. 

CANCABORRÁDA, s. /. Forma nasala- 
da de Cacaborrada. 

CANCÁNA, s. f. (Termo asiático). Bra- 
celete de mulher. 

CANÇÃO, s. m. (Palarvra da lingua 
tupy alterada). Ave do Brazil, do tama- 
nho de um melro, de pennas negras e 
brancas. 

CANÇAÇÉNTO, s. m. (De cançaço, com 
o suffixo «ente», como bolorento de bo- 
lor, fedorento, de fedor, etc). Termo do 
Brazil. Doente de cançaço. 

CANÇÁÇO, s. m. (Do thema cança ; de 
cançar, com o suffixo «aço»). Fadiga, 
falta de forças que se sente por ter feito 
muito exercido ou por doença. — • Cança- 
ço da respiração, difficuldade na respi- 
ração, dyspnéa. 

— Termo do Brazil. Hydropesia. — 
Doente de cançaço, hydrôpico. 

CANÇADAMENTE, adv. (De cançado, 
cora o suffixo «mente»). Com cançaço. 

CANÇADÍNHO, adj. Diminutivo de Can- 
çado. 

CANÇADÍSSIMO, adj. sup. de Cançado. 

CANÇÁDO, jjari. pass. de Cançar, eadj. 
Que cançou. Lasso, cheio de fadiga cau- 
sada pelo exercício. — «Sou esse cançado, 
esse negro, esse maldito Relógio das Cha- 
gas de Lisboa. « Francisco Manoel de 
Mello, Apol. Dial., p. 3. 



o capitão illustrc. já cansado 
Õe vigiar a noite que arreceia. 
Breve repouso então aos idhos dava. 
CAM., ujs., cant. ii, est. 40. 

E porque das insidias do odioso 
Bacflio foram na índia molestados, 
E das injurias sós do mar undoso 
Puderam mais ser mortos, que can-tados. 
OB. ciT., cant. IX, est. 39. 

do caminho trabalhoso 

Trarás a gente débil e cansada. 
OB. ciT., cant. II, est. 3. 



Tantos muros, aspérrimos quebranta, 

Tantas batalhas dá, nunca cantado. 

OB. ciT., cant. VIII, est. 7ft 

ali quiz dar aos já can-sadox ossos 

Eterna sepultura, e nome aos nossos. 
OB. cii., cant. TUI, est. 3. 



CANÇ 



Mesas daltús manjares, escellenles, 
Lhe tiniu) apparelhadjs. que a fraqueza 
Restaurem iia cangada natureza. 

CAM., Lcs., caot. X, est. ã. 
Já catisado correndo Ibe dizia : . . . 

OB. ciT., cant. IX, est. 76. 

— Figuradamente: Abatido, abranda- 
do, diminuido. 

Um delias a presença Iraz camada. 
OB. ciT., cant. iT, est. 72. 

Dhum lado e doutro lado estão guardando 
A triste porta, que be Jantais cerrada. 
As negras Fúrias, a que está abrazando 
Do Ódio a vil acção Jamais cansada. 

ROLIM DE MOUBA, .NOTISS. 00 HOHBM, CaDt. in, 

est. 34. 

— Que não pôde supportar por mais 
tempo ; a que falta a paciência. 

Quem da cega afteição os passos segue, 
Bem o desculpa a fé d' um pen^aulento, 
Se ao duro deseiipaoo quasi Cfilregue 
Esforça índa o cansada solfriniculo. 
OB. ciT., cant. 1, est. 65. 

— Olhos cangados, olhos languidos. — 
Vista cançada, enfraquecida. — Acompa- 
nhado de cançaço, ou que traz cançaço 
comsigo. — Vida cançada. — Velhice can- 
çada. 

Qnal vae dizendo; — Oh filha, a quem cu linha, 
Sõ para refrigério e doce amparo 
Desta catíçada já velhice minha. 
CAH., LDs., cant.iT, est. 90. 

— Que produz cançaço. — Estrada can- 
çada. — Escadas cançadas.- — oCançado of- 
ficio temos, julgar aquelles de quem have- 
mos de ser julgados. D Francisco Manoel 
de Mello, Apol. Dial., p. 26. 

— Termo d'Agricultura. Terra cança- 
da, a que tem sido muitas vezes lavra- 
da e semeada, e tem dado muito fructo. 

— Termo de Pintura. Pintura cança- 
da, a que foi acabada com nimio traba- 
lho, nào exigido pela distancia a que ella 
deve ser vista. 

— Loc. FAMILIAR: Sopa de cavallo 
cançado, sopa de vinho. 

CÀNÇAMENTO, s. m. (Do thema cança; 
de cançar, com o suffiso «mento»). Acto 
e elfeito de cançar. 

CANÇÃO, s. wí. (Do latim cantio ; de 
cantas, canto; vid. Canto). Composição 
lyrica em verso, destinada principalmente 
a ser cantada, e dividida muitas vezes 
em estancias eguaes chamadas coplas. — 
Canção d'amor. — Canção pastoril. 

Canção, se te nJo crerem 
Daqúeile claro gesto quanto dizes. 
Por o que se lhe esconde. 
Os sentidos humanos (lhe responde) 
N3o pódeiu dos divinos ser Juizes. 

inKH, CANÇ. VIII. 

Cançãa, neste desterro viverás 

Voz nua e descoberta. 

Até que o tempo em ccho te converta. 

1DF.M, CANÇ. VI, 

— Figuradamente : 

E as aves qne voavam, 
Quando saya, canções 
Todas de amor, cantavam, 
Pelos ramos d'arredor, 

CAMC. DE TBOVAS ANTIGAS, puhl. por 

Varnhagen, cant, 6. 

I CANÇAR ou CANSAR, v. a. (Do latim 
quassare, quebrar; vid. Cassar), com «n» 



CANC 

inserido para distinguir as formas como j 
se distinguem as signiticações ; o desen- 
volvimento da signiticaçào é fácil de ex- , 
plicar : quebrar, alquebrar, quebrar as ^ 
forças, cançar. Cp. alquebrar e ter o cor- j 
2^0 quebrado, ter as forças quebradas, etc. j 
A palavra devia escrever-se por conse- 
quência com os» e nào «ç», assim como 
todos os derivados ; mas o primeiro modo 
d'escrever é muito usado). Fazer dimi- 
nuir as forças ; produzir fadiga, cançaço. 

Não canhes, que me cansas: e se qiieres 
Fugir-me, porque não posso *ocar-le, 
Minha ventura é tal, qne inda que esperes, 
Ella fará que não possa alcançar-te. 
CA»., LDS., cant, II, esl, 78, 

— Figuradamente : Cançar o espirito, 
a paciência. 

Não ha «usa que cance 00 qne temece 
O peusamento, nem por accidente, 

nOLIM DE UOCRA, NOVISS, DO HOMEV, 

cant. iT, est. 79. 

matrimonio vão, cança e aíHige 
Com imaginações o peusamento, 

CORTE REAL, XACFRiGIO DE SEPCLTEDA, 

caut. I. 

— Importunar, molestar. 

— Cançar-se, v. rejl. Afadigar-se, em- 
penhar-se; esmerar-se. — Cançar-se em 
estudar. — Cançar-se em catechisnr. — 
Cançar-se em defender crenças, idSas. — 
«Amigo não vos canceis, que se não pode 
já ser Relógio.» Francisco Manoel de 
Mello, Apol. Dial., p. 25. — Enfadar-se, 
aborrecer-se. 

— Loc: Não tem que se cançar, dis- 
pensamos os seus serviços. Enfermidades 
da lingua, p. 138. 

— Cançar, v. n. Ganhar cançaço ; ficar 
cançado. 

Nem me doe dor, nem no trabalho canço. 
Ali meus dias ledo estou contando, 

A.NT0M0 FERREIRA, SON., IÍV. I, eSt, 39. 

Cresce o fogo no peito, cresce-magoa 
Nos olhos; a voz ciiiça, o sp'rilo voa, 
Apoz quem traz em só fugir-me o trato. 
OB. ciT., cant. I, est. S8. 

— Figuradamente : Cessar. — Não cança 
de pensar. — Não cança de ser doudo. — 
Enfadar-se. — «Calaiaos doudas, que eu 
sei quão Sois preguiçosas ; calome eu, por- 
que em jim sou mãi, e também canço.» 
Jorge Ferreira de Vasconcellos, Ulysippo, 
act. I, SC 2. 

CANÇATÍVO, adj. (Do thema cança, de 
cançar, pela analogia dos adjectivos la- 
tinos em oivo', derivados de part. em 
«ato», como activus, de acfus, etc.) Que 
cança. = Usado por Fr. Luiz de Souza. 

CANCÉIRA, s. /. (Do thema cança, de 
cançar, cora o suffixo «eira»). Cançaço. 

li n'islo punha a noite o usado atalho 
A's humanas ciiisnras. porque ceve 
De doce somno os membros tr.ibalhados. 
Os olhos occupando ao ócio dados. 

CAX., LDS., cant. tu, es!. 63. 

— Figuradamente: Cousa que produz 
cançaço ou enfado. — Ser uma cousa can- 
ceira duma pessoa. 

— AdaCt. : "A quem tem mtdher fer- 
mosa, castello em fronteiras, vinJia na 
carreira, não lhe falta canceira.K 



CANC 



75 



CANCÉLLA, s. f. (Do latim cancellus). 
Porta de grades de páo. — Bardo de pas- 
tores. — Logar do curro em que se met- 
tem os touros para serem corridos. = 
Usado no ultimo sentido por Garcia de 
Rezende, Chronica de D. João 11, cap. 78. 

CANCELLÁDO, part. pass. de Cancellar. 

CANCELLADÚRAS, s. f. pi. (Do thema 
cancella, de cancellar, com o suffixo «du- 
ra»). Os traços de penna com que se can- 
cellara as escripturas. 

CANCELLAR, v. a. (Do latim cancella- 
re; de cancellus, cancella). Cruzar, bor- 
rar a escriptura publica com certos ris- 
cos, de modo que ella fica inutilisada. — 
Rodear com um traço de penna uma parte 
da escriptura. — Cancellar o processo, os 
autos, fechal-os, acabal-os. — Cruzar, pôr 
em cruz. — <í Jacob cancellou e remudou 
as maãos, e pose a maào destra sobre 
Efraymv. Historia do Testamento, n, 
nos Inéditos d'AIcobaça. 

CANCELLÀRIO, s. m. (Do latim can- 
cellarius, escriba, oíBeial d'um tribunal, 
assim chamado por elle estar ad cancel- 
lus, isto é, junto da grade que separava 
os juizes dos assistentes). Antigo digni- 
tário na Universidade de Coimbra, que 
dava os gráos de licenciado, doutor, etc. 
— 0.0 Cancellario será obrigado a dizer 
per si a Missa do préstito. s Estatutos 
antigos da Universidade, p. 66. — O 
cancellario foi substituído pelo reitor. 

CANCÉLLO, s. m. (Do latim cancellus). 
Cancella, porta de grades de madeira. — 
Bardo de pastores. 

Não sei se o vá basear 
Cajnso ao nosso cancella. 

GIL VICE.NTE, I, 31. 

CÂNCER, s. m. (Do latim câncer, pro- 
priamente caranguejo. O thema da pa- 
lavra é cancro por carco, com metathese 
do «r» e nasalisaçào. Esse thema encon- 
tra-se em grego kark-inos, caranguejo, 
sanskrito kai-kas, mesma significação, bo- 
hemio rak (por krak), idem. Pictet i Ori- 
gines indoeuropéennes, i, 517) conje- 
ctura com razào que a palavra c connexa 
com o sanskrito karkaras, duro, da raiz 
kar, ser duro; vid. Callo. A forma port. 
câncer assenta sobre o nominativo lati- 
no ; a forma parallela cancro sobre o the- 
ma canci-o). Termo d'Astronomia. Nome 
d'uma das constellações zodiacaes, que se 
figura na forma dum caranguejo. — O si- 
gno do zodíaco que, cm resultado da re- 
volução annual da terra, parece ter sido 
percorrido pelo sol pouco mais ou menos 
de 20 de jtmho a 20 de julho. O nome 
foi-lhe dado porque no tempo d'Hippar- 
co esse signo coincidia exactamente com 
a constellaçào do câncer. Actualmente, 
em consequência da precess.ío dos equi- 
noxios, está muito afastado dessa cons- 
tellaçào, sendo necessário estender o si- 
gnal desta, e entender pelo signal do cân- 
cer o arco de trinta gráos percorridos na 
ecliptica a partir do solsticio d'estio. — O 



76 



CANC 



CANC 



CAND 



trópico de câncer, ou septentrional, tró- 
pico que passa pelo primeiro ponto do 
câncer, e vem portanto a ser o que é per- 
corrido de 20 de junho a 20 de julho. 
Vid. Cancro. 

— Termo de Medicina. Tumor que 
pode desenvolver-se em todos os tecidos 
do corpo, excepto a epiderme, que se ul- 
cera e róe as partes, e que muitas vezes 
depois de extrahido ou destruido torna a 
apparecer. Crê-se que os antigos lhe de- 
ram o nome ou por imaginarem que um 
animal da espécie do caranguejo roía os 
tecidos, ou poi-que os vasos engorgitados 
pelo tumor lhe dessem a idôa d'um ca- 
ranguejo. — aTentou-o (o diabo a Job) 
na fasenda, tirandolha toda em hum mo- 
mento ; tentuu-o nos filhos, mattando-lhos 
todos de hum golpe : tentou-o na própria 
carne, cohrindo-o de lepra, e câncer, e 
fazendoo todo huma cliagai). P. António 
Vieira, Sermões, i, 823. — Figuradamen- 
te: O luxo é um câncer da sociedade. — 
«Nam cortando estes canceres da Repu- 
blica, nam pode estimar-se o Rey pur 
bom Medico.» Monarchia Lusitana, Tom. 
Yi, foi. 465. — iA dor que sentia dos 
três canceres, que lhe roiào as entranhas, 
das duas Julias, filha e neta, e do neto 
Agrippa.n António de Sousa de Macedo, 
Domínio sobre a Fortuna, p. 3õ. 

— Obs. : Segundo Francisco José Frei- 
re (Reflexões sobre a lingua), devia di- 
zer-se câncer, tumor, mas cancro, signo 
do zodiaco. O que é facto é que se no 
uso da lingua muitos tem confundido ou 
usado indiferentemente as duas formas 
para uma das significações, outros tem tido 
certo cuidado em as discriminar. Antó- 
nio Vieira, por exemplo, fundamenta a 
observação de Cândido Lusitano, e s. v. 
Cancro se vê que esta forma é a mais au- 
ctorisada por bons escriptoi'es como ter- 
mo astronómico. Hoje todavia na lingua 
inverteu-se essa ordem de usos, de modo 
que câncer é mais empregado como termo 
astronómico, e cancro como termo de me- 
dicina. Vid. Cancro. 

CANCERÁDO, ]}art. pas. de Cancerar, 
e adj. Que degenerou em cancro. — Cha- 
ga cancerada, em que ha cancro. — Peito 
cancerado. — Figuradamente: 

OUia, que applica a saudável cura 
Ao corpo do peccado cancerado. 

MANDBL TH0MA2, riSCLANA. liv. VI, OÍt. 127. 

CANCERAR, v. a. (De câncer). Termo 
de Medicina. Fazer degenerar em cancro. 

— Cancerar, v. n. Degenerar em can- 
cro. — A chaga cancerou. 

— Cancerar-se, v. refl. Formar-se em 
cancro. Figuradamente : Cancerar-se na 
culpa, no erro, no mal, inveterar-se na 
culpa, etc. 

t CaNCERÍDE, s. m. (Do latim câncer, 
caranguejo). Termo de Zoologia. Nome 
d'uma familia de caranguejos. 

t CANGERIFÓRME, adj,, (De câncer, e 



forma.) Termo de Patliologia. Que tem a 
forma de cancro. 

CANCEROSO, adj. (De câncer, com o 
sufiixo «oso»). Termo de Medicina. Que é 
da natureza do canci'o, que tem similhança 
com o cancro. — Ulcera cancerosa. 

CANCHÍ, s. m. Arvore do Japão, cuja 
casca serve para u'ella se escrever. 

t CANCIONEIRINHO, s. m. Diminutivo 
de Cancioneiro. Varnhagen publicou um 
Cancioneirinho de antigas trovas portu- 
guezas. 

CANCIONEIRO, s. m. (Do latira cantio, 
eançào ; vid. esta palavra). Livro de can- 
ções, e, em geral, .nntigamente : Coliecção 
de toda a espécie de poesia lyrica, saty- 
rica, etc. — «Hum Cancioneiro em louvor 
de Nossa Senhora.» Monarchia Lusitana, 
Tom. V, foi. 6. — «Cancioneiro de tro- 
vas imprimidas. » João de Barros, Década 
III, foi. G4. 

CANCIONÍSTA, *. m. (Do latim cantio, 
canção (vid. esta palavra), com o suffixo 
«ista»)- Compositor de canções. 

CANÇONETA, s. /. (De canção, cora o 
suíBxo diminutivo «eta»). Pequena can- 
ção com musica. 

CANCRESCÊNTE, adj. 2 gen. {Dç, the- 
ma cancro, de câncer (vid. Câncer), se 
formou um verbo cancrescer, de que 
cancrescente seria o part. activo. Pala- 
vra de formação erudita). Que tende a 
degenerar em cancro, que é da natureza 
do cancro. 

t CANCRESCER, v. n. (Do latim cân- 
cer; vid. Câncer). Degenerar, tornar-se 
em cancro. 

t CANCRÉVORO, acZj. (Do latim câncer, 
caranguejo, e voro, eu como). Termo de 
Historia Natural. Que come caranguejos. 

t CANCRINÍTE, s. /. (Do nome do con- 
de de Cancrine). Termo de Mineralogia. 
Substancia vítrea de côr azul escura, 
translúcida e de textura laminosa. 

t CANCRÍTE, s. m. (Do latim cancro, 
thema de câncer, caranguejo). Termo de 
Paleontologia. Nome dado aos crustáceos 
fosseis. 

CANCRO, s. m. (Do latim cancro, the- 
ma de câncer; vid. Câncer). Termo com 
que 03 clássicos do século xvi e xvii de- 
signavam a constellação ou signo do zo- 
diaco, que hoje se diz geralmente cancro. 
Vid. Câncer. 

Assi aquella, que ao fervente Cancro, 
Como aquell outra, que a fria mór Ursa 
Estão sogeitas... 

A.NT0N10 FEBREIRA, CASTRO, aCt.^lT. 

— t Quiz Deus que o sol andasse den- 
tro dos trópicos de Cancro e Capricór- 
nio. d António Vieira, Sermões, I, p. 265. 
— Forma com que hoje se designa ge- 
ralmente o tumor que os clássicos dos sé- 
culos XVI e XVII, particularmente, diziam 
câncer (vid. esta palavra). Com este sen- 
tido já se acha porém a fónna em Antó- 
nio da Cruz. — «.Faz-se o cancro de me- 
lancolia tostada,»^ec. de Cirurgia, p. 145. 



— Termo de Technologia. Peça de 
ferro de ligar differentes partes d'uma 
construcçào. — Cancro de espiga, peça 
de ferro com uma parte chata e com uns 
buracos para pregos, para segurar grades 
das portas ou outras partes compridas, 
que se prega na parede junto áhombreira 
da porta. — Cancro de chumbar, peça de 
ferro mais curta que o cancro d'espiga, 
sem espiga, que serve para ligar pedras, 
ou peça similhante ao leme da porta que 
se chumba n'esta. = Frei João Pacheco, 
Divertimento erudito, II, p. 316. 

CANCRÓIDE, adj. 2 gen. (De cancro). 
Termo de Pathologia. Que se assemelha 
ao cancro, — Affecção cancroide. — Tu- 
mor cancroide. 

CANCRÓIDE, s. m. Espécie de tumor 
canceroso. 

CANCRÓMA, s. m. Ave pern'alta. Vid. 
Tamatia. 

CANCRÓSO, adj. (De cancro, com o 
suffixo «oso»). O mesmo que Canceroso. 

CANCRÒPHAGO, adj. (Do latim câncer, 
caranguejo, e do grego phagO, eu como). 
Termo de Historia Natural. Que come 
caranguejos; que se sustenta de caran- 
guejos. 

CANDÁDO, s. m. (?) Parte do casco do 
cavallo entre o mais delgado da tapa e a 
ramilha. = Pinto, Tratado da cavallaria 
de Gineta, p. 102. 

CANDAR, s. f. e adj. (De Candahar, 
cidade da índia). Pedra candar, pedra 
quadrada, da côr e densidade do ferro, 
a que se attribue a virtude de expellir as 
páreas e provocar a ourina. — «Nem Hyp- 
pocrates, ^lem Galeno tiverão noticia da 
pedra Candar.» Curvo Semedo, Polyan^ 
thêa medicinal, p. 789. — A mesma pe- 
dra era chamada, segundo Bluteau, mira e 
pedra do Porto. 

CÁNDE ou CÁNDI, adj. m. (Do arabe- 
persa cand, que vem do sanskrito khan- 
da, nome da segunda preparação do as- 
sucar na índia, em resultado da qual elle 
se crystallisa; khanda significa primiti- 
vamente fragmento, bocado, e vem da 
i"aiz khand, dividir, partir). Assucar can- 
di, assucar depurado e crystallisado. 

CANDÊA, s. f. Vid. Candeia. 

CANDEARÍA, s. /. (De candeia, com o 
suffixo «ária»). As velas e candieiros que 
servem em uma casa. — «^ candearia, 
que serve de cote á camará.» Inéditos de 
historia portugueza, iii, 508. 

CANDEEIRO, s. m. Vid. Candieiro. 

CANDEIA ou CANDÊA, s. /. (Do latim 
candeia, vela, facho de cebo, cera ou pez, 
do thema canãê, de candêre; vid. Cân- 
dido). Vela. 



E Hossas madres, pois la queren ir, 
Queimen candeas per nós e per si. 

CANCIONEIRINHO DE TROVAS ANTIGAS, publ. por 

Varniiageii, caiit. U>. 



— <íE assi tereis accesas as noue can- 
I deas que vos dei também de cera virgem.» 



CAM) 



CAND 



CAND 



77 



Sá de Miranda, Vilhalpandos, act. i, se. 2. 
•^n Devoções he tantus dias, com tantas 
candeas e de tal cor. » Francisco Manoel 
de Mello, Carta de Guia de Casados. = 
Antiquado hoje n'este sentido. — l^equena 
lâmpada de folha de Flandres, de ferro, 
etc, ordinariamente só com um bico por 
onde sáe a torcida, que se suspende por 
a sua haste, que termina em gancho, e 
em cuja parte inferior se acha o corpo 
d'e]la. — tiNào, em sua casa hasta-lhe 
uma candea, qxie não naceruo para nego- 
ciar fora.n António Ferreira, Cioso, act. 
I^ se. 2. — Candeia de garavato, candeia 
pequena sem pé. — A luz da candeia. — 
Apagar a candeia., — Accender a candeia. 

— A candeia. — A luzda candeia. — Ao 
calor da candeia. — «Não venha cá ou- 
tro, que frigindo os ovos em papel á 
candea, disse, que o Diabo o atentara. í> 
Francisco Manoel de Mello, Apol. Dial., 
p. 209. — Ler á candeia. — Candeia 
de castanheiro, os fios, e flor de que se 
forma o ouriço. — «.ás espigas das pal- 
meiras em flor, çwe são a modo de can- 
deas dos nossos castanheiros.» Manoel 
Godinho, Relação do Novo Caminho, etc, 
p. 84 (1.* ed.) — Candeia de caramelo, 
fiadas, ramadas, que ficam pendendo das 
arvores, telhados, etc., quando cáe neve. 

— Arbusto do Brazil, de tronco tortuoso 
e esgalhado, cujo páo secco serve para 
fachos que dào uma bella luz. — Nome 
vulgar de uma planta, synonymo de ja)-?'ci 
(arum maculatum, Linneo). — Festa das 
candeias ; vid. Candelária. 

— LoG. : ^«tor cie candeias no nariz, 
ou ter a candeia no nariz, ter pendente 
do nariz o humor viscoso que elle segre- 
ga. — Estar de candeia na mão, ir de 
candeia na mão, ir morrer. Metáphora 
tirada do facto de ás pessoas que esta- 
vam para morrer se lhe pôr uma vela na 
mão, e 08 condemnados caminharem para 
o patíbulo com vela accesa na mão. — 
(lEsta (carta) vai com a candeia na mão 
morrer nas de v. m.y> Camões, Carta II. 

— De candeias ás avessas, em contradic- 
ção, em opposição, mal avindo. — aAndo 
de candeyas ás avessas com a gente, que 
agora se costuma.» Francisco Manoel de 
Mello, Apol. Dial., p. 146. 

— AdaG. : «De pequena candea, gran- 
de fog%ieir a.» Bluteau, Voe. As pequenas 
cousas produzem grandes efteitos. — «O 
ignorante e a candea, a si queima e a ou- 
tros alumea.y> Ob. cit. A ruina dos im- 
prudentes aproveita a outros. — m Alegria 
certa, candea morta.» Ob. cit. — As 
grandes alegrias matam. Candea aqui si- 
gnifica a vida. — «Meya vida he a can- 
dea, e o vinho he outra meija. ii Ob. cit. 
O vinho c a luz são as cousas quo mais 
rápida fazem passar a vida. — «Não ha 
santidade sem candea. » Não ha santos sem 
velas ; a sabedoria popular exprime n'estc 
provérbio que por maior merecimento que 
se tenha, elle não vale de nada, se não 



merecer a consagração publica, se não ti- 
ver applausos. — « Quem pede para a can- 
dea, nu7ica se deita sem ceia.y Ob. cit. 
Originado dossachristàes que pedem para 
a luz dos santos, mas que se sustentam 
com as esmolas que lhe dào para ella. — 
«Abafou-se na Almotolia de noite a can- 
dea.» Ob. cit. bentido incerto. — «O tri- 
go, e a tea, á candea.» Ob. cit. — «De 
noite á candea a burra p)arece donzella.í> 
A escuridão favorece a fealdade. 

CANDEIÀDA, s. f. (De candeia, com o 
suíExo «ada», como abada, de aba, etc). 
A porção de óleo que leva uma candeia. 

— Entornar uma candeiada. 
CANDÉINHA, s. f. Diminutivo de .Can- 
deia. — Luzinha. — «Appai-eceo santelmo 
em candeinha.» Jorge Ferreira de Vas- 
concellos, Euphrosina, act. ii, se. 5. — 
Trazer candeinhas nos olhos, ou fazerem 
os olhos candeinhas, vêr luzes multipli- 
cadas, 2)or etieito de embriaguez, pan- 
cada na cabeça, ou doença. D'ahi a lo- 
cução fazer vêr candeinhas, fazer vêr as 
estrellas ao meio dia, dar pancada forte 
ou causar dor aguda. 

t CANDEÍNA, s.f. Termo de Zoologia. 
Género de conchas livres. 

CANDEIO, s. m. (De candeia). Facho 
que serve para pescar ou caçar de noute. 

— Caçar perdizes ao candeio. = Usado 
por Bernardes, etc. 

CANDELABRO, s. m. (Do latim candê- 
labrum, de candeia, candeia ; vid. Can- 
deia). Castiçal grande com muitos ramos. 

— «Aquelle famoso candelabro, que de- 
fronte dos paens da proposição alumiava 
o Sancta Sanctorum. » António Vieira, 
Serm., Tom. v, p. 30.=Figuradamente : 

Canrleíabro com luz preciosa, e rica 
.Serã na vida este Real Prelado. 

MA.\'nEL^TH01UZ, INSULAXA, 1ÍV. VH, oit. 110. 

— Castiçal ou candieiro grande feito á 
antiga. 

CANDELÁRIA, s. f. (Do latim candeia, 
candeia, com o sufSxo «ária» (vid. Can- 
deia). Nome de uma planta {verbasc^lm 
álbum lychimitis). — A festa ou procis- 
são chamada vulgarmente das Candeias, 
celebrada no dia de Nossa Senhora da 
Purificação, a 2 de fevereiro, assim cha- 
mada porque n'ella os assistentes estão de 
velas na uiàn, quo são benzidas. 

fCANDELiÇA, s. m. ant. (Do latim can- 
dela, com o siiífixo «iça»? Vid. Candeia). 
Termo de Náutica. Adriça singela, que 
serve para içar os toldos e outros obje- 
ctos. 

CANDELÍNHAS, s. m. pi. (Do latim 
candeia (vid. Candea). Termo de Phar- 
macia. Pequenos rolos de forma quasi cy- 
lyndrica, susceptíveis de se introduzirem 
nn urétlira. 

CANDÉNCIA, s. /. (Do latim candentia, 
de candente, thema participai de candêre; 
vid. Cândido). Termo de Pliysica. Es- 
tado dura corpo levado á temperatura 
rubro-branca. 



CANDENTE, adj. (Do latim candens, 
candentis, pai-t. act. de candêre; vid. 
Cândido). Que está á temperatura rubra ; 
em brasa. — Ferro candente. 

t CANDÉNTISSIMO, adj. sup. de Can- 
dente. 

1.) CANDÉU, s. m. ant. (Outra forma 
de candeio ; vid. esta palavra). Candeia, 
luz. — « Asinou cada ano ao Espital per 
esse casal pêra obrada, e pêra Candeu 
doits mores e meyo, e dous puçaes de vi- 
nho pela Reguenga, que faz huum puçal 
pela da Ponte.» Doe. de 1310, em Viter- 
bo, Eluc. 

2.) CANDÉU, adj. Occorre esta palavra 
na Academia dos Singulares, II, 204: 

Vè como com ella corres, 
Has de pôr o pé candeu, 
Como põe os mariolas. 

— O sentido é incerto. 

CÁNDI, adj. m. Vid. Cande. 

CANDIÁL, adj. (De candi, com o snf- 
fixo «ai»). — Trigo candial ; vid. Trigo 
candil, s. v. Candil 3. 

CANDIDAMENTE, a(2i;. (De cândido, com 
o sufiSxo «mente»). De modo cândido; 
com candura. — «As noticias que candi- 
damente me communicou.-íi Padre Fer- 
não de Queiroz, Historia da Vida do Ir- 
mão Pedro Basto, p. 1. 

CANDIDATO, s. m. (Do latim cândida- 
tus, vestido de branco, de candidus ; vid. 
Cândido). O que em Roma aspirava a al- 
gum cargo ou dignidade, e que para o 
indicar se vestia de branco. — «Os Ro- 
manos elegendo só cit^s candidatos, que era 
eleger só dos pretendentes.» Luiz ilendes 
de Vasconcellos, Arte Militar, p. 91. 

CANDIDEZ, s. /. (De cândido, com o 
suífixo «ez. ») O mesmo que Candideza. 

CANDILÉZA, s. /. (De cândido, com o 
suffixo «eza», de que «ezi- é outra for- 
ma). Qualidade moral que faz que uma 
alma pura se mostre tal como é, sem des- 
confiança. 

CANDIDÍSSIMO, adj. sup. de Cândido. 

CÂNDIDO, adj. (Do latim cândidas, 
d"uma formal thematica cando, que ap- 
parece em candêre, etc, e da mesma raiz 
can, que se encontra em canus (vid. 
Cão, branco, e Cans), ca«ere (vid. Enca- 
necer), etc. Essa raiz encontra-se em 
sanskrito, kan (brilhar). Alvo, branco em 
extremo. 

A caiitliila cecém. di$ naloUnas 
Lagrimas rociada, e a mangerúoj. 
cu., ixs., canU u, esl. 63. 

Assi como a bonina, que cortada 
Aules do leoipo foi. ranlvía e belll; 
Sendo das raios lascivas nultrauja 
Da uioiniia. que x trouxe n.i c-apella. 
Ortieiro irjx fterdUlo. e a c^r murcbaJa. 
OII.CIT., canu iii. est. I3i. 

.KM tinha em retratt atSfnírada 
Do alto e Santo líiipirili a pinlira; 
A caruliJa Pombinlia debaiada, 
Sobre a única Pbenii. Vinjieni por*, 
o», crr., cant. n. Ml. II. 

Defronte aclion da fri concarMide 
D'hum chhJíJ.' vojiul.i bem ornada 
Hua Mulher do Re^ia MjfKJlade. 

■lOL IX OE MOCU, KOriíí. Ih) BOaU, CUL Ú^ 

esLSI. 



78 



CAND 



GANE 



GANE 



— Figuradamente: Cheio de candidez. 

— Um homem cândido. 

Olho-rae enliío, e tojo o deseng.ino 
Afronta a alma candiáa. e por vaicr-nie 
Desabafa desfeito em fogo, e em agoa. 

ANTÓNIO FERREIRA, SON., 1ÍV. 1, 3. 

CANDIEIRÁDA, s. /. (De candieiro, com 
o suffixo «ada», como candeiada de can- 
deia, etc.) A porção d'oleo que leva um 
candieiro. 

1.) CANDIEIRO, s. m. (Por candeeiro; 
de candeia, com o suffixo «eiró»). Espé- 
cie de lâmpada com bicos. — Candieiro 
ã'azeite. — Candieiro de rjaz. — Pé do 
candieiro. — Braços do candieiro. — Bico 
do candieiro. — «As dições que chama- 
mos primeiras chamam os latinos 2Jrimi- 
tiuas : estão são cujo naçimento não 2M'o- 
çede doutra parte mais que da vuõtade 
liure daqueUe que as primeiro pos, como : 
roupa., mata., esteira., cadeyra e. ma- 
tula, e candieiro. ainda que cãdieiro al- 
ghum a que parecera que ora muito pode 
dizer que vem de cãdeo, cãdes, verbo la- 
tino que quer dizer resplãdecer: porque o 
candieiro respilãndeqe.yi Fernão d'01ivei- 
ra, Grammatica de Lingoagem portugue- 
za, cap. 39. 

— Candieiros, no jogo da sortilha, de 
frangos, patos, etc, dous postes largos 
e pesados, não enterrados, com trez ou 
quatro buracos, a difíerentes alturas, em 
que se mette a corda com o fiel, a sor- 
tilha, etc. — «Estando no xdtimo terço da 
carreira postos os candieiros.» Rego, In- 
strucção da Cavalleria de Brida, p. 133. 

— O mesmo que Candeia de caramelo 
(vld, s. V. Candeia). 

— Termo de Fortificação. Parapeito 
de altura de um pé, de madeira, coberto 
de fachina e terra, que serve para pôr 
ao abrigo do fogo os que trabalham nas 
galerias ou minas. — • Fogaréo de que se 
usava no ataque das praças. 

2.) CANDIEIRO, s. m. ant. Formado 
como Candieiro 1.) Ofiicial que fazia pa- 
vio, ou segundo outra conjectura, o que 
fabricava velas de cebo. = Usado em an- 
tigos documentos. Viterbo, Eluc. 

1.) CANDÍL, s. m. (Palavra asiática). 
Termo de Metrologia. Medida de capaci- 
dade usada na índia. Bengala, etc. — 
cTresentos candis de trigo. v Diogo de 
Couto, Dec. III, foi 29. — «Chegando o 
candil de arroz a mais de 1600 cruzados. y> 
Padre Fernão de Queiroz, Historia da 
Vida do Irmão Pedro Basto, p. 372. 

2.) CANDÍL, s. m. (Palavra asiática). 
Moeda de Ormuz, das quaes dez valiam 
meio xarafim. — «Azar, Candil e Dinar 
que he moeda. -n Barros, Dec. II, foi. 235. 

3.) CANDÍL, adj. (Outra forma de can- 
di, em que ha um «1» por analogia de 
candil com as outras significações e dos 
nomes em «il»). Trigo candil, trigo cuja 
farinha é muito pura e de que se faz o 
pão alvo. E' incerto se esta palavra can- 
dil se liga a candil, candi. 



4.) CANDÍL, s. m. (Do árabe candíl{?). 
Mas o latira candeia, poderia dar candi- 
la, d'onde vem candil. E' possível que 
houvesse influencia da palavra árabe). 
Lâmpada, candeia. 

Ao ahrir a minha porta 
Se apagou o meu candil. 

nOMA.NCE DO BER-NAL-FRANCEZ, ROMANCEIRO 
GERAL, p. C. 

CANDILAR, V. a. (De candil). Vid. En- 
candilar. 

CANDÍM, s. m. Vid. Candil. 1. 

1.) CANDO, s. m. (?) A porção do cas- 
co do cavallo entro aparte mais delgada 
da tupa, e as ramilhas. 

2.) CANDO, s. m. (Palavra asiática). 
Nome d'uaia medida do tecidos, de que 
se faz uso nas índias, e principalmente 
em Goa. 

t CANDÒLLEA, s. f. (Do nome do bo- 
tânico de Candulle). Termo de Botânica. 
Género de plantas da familia das ditte- 
niáceas. 

CANDONGA, s. f. (?) Termo familiar. 
Lisonja enganosa. Carinho traiçoeiro. 

CANDONGUEIRO, s. m. (De candonga, 
com o suffixo «eiró»). Lisongeiro falso, 
o que tracta de captar a benevolência 
com fingidas provas de respeito e affeiçào 

t CAÍNÍDONGUÍCE, s. /. (De candonga, 
com o suffixo «ice»). O mesmo que Can- 
donga. 

CANDOR, s. m. (Do latim candor; do 
thema cando, de cândidas, etc. Vid. Cân- 
dido). A alvura perfeita e brilhante. — 
O candor da pérola. — O candor da via 
láctea. — O candor do alabastro. — Figu- 
radamente: — «Com o candor da pureza. i 
D. Fernando Corrêa de Lacerda, Carta 
Pastoral, p. 225.= Pouco usado. 

CANDÚM, s. m. Palavra indiana deri- 
vada da raiz sanskrita khand, quebrar, 
partir, thema klanda , quebradella, ru- 
ptura). Termo da índia portugueza. Ru- 
ptura no vallado ou dique. 

CANDURA, s. f. (Do thema cando ; de 
candor, candidus, etc, com o suf. «ura»; 
vid. Cândido). O mesmo que Candor. 

CANECA, s. f. (De cano, com o suffixo 
«eca» ; cp. folheca, etc). Vaso de barro 
ou madeira cora aza, de bico largo ou de 
forma cylindrica com aza o sem bico, pa- 
ra li([uidos potáveis. 

CANECO, s. m. (De caneca). Caneca de 
madeira. Calhandro, bispote de madeira. 
— Figuradamente e popular: Chapéo de 
copa alta, principalmente no sentido pe- 
jorativo; e por extensão qualquer chapéo 
de homem ou mulher era máo estado. — 
Ir ao caneco a alguém, amolgar-lhe o 
chapéo. 

CANÈGA, s. /. Vid. Caneja. 

CANEIRO, s. m. (De cano, com o suf- 
fixo «eiró»). Cano por onde corre a agua ; 
bueiro. — Canal estreito e sujo por onde 
corre um riacho ou descem aguas de des- 
pejo.— Estacada que com cannas e ramos 
de pinheiro se faz n'um rio com uma aber- 



tura pela qual entra o peixe que se apanha 
com tresmalhos e outras espécies de redes. 

— «Dés o nosso caneiro real da Villa 
de Abrantes.» Inéditos de Hist. Portu- 
tugueza, iii, 4ò7. — «O Abbade de Sal- 
zeda jjossue hum caneiro no rio Douro. ■» 
Monarchia Lusitana, Tom. v, p. 126. — 
Caminho estreito n'um rio atalhado com 
tranqueira por defeza. — «Porque quando 
as naus subissem pelo rio acima fosse per 
caneiros muito estreitos e de passagem 
perigosa. D Barros, Dec. III, 3, 2. — Di- 
que. — «Catadupas, a que o China cha- 
ma Cha, os Fritmengus Diques, os Por- 
tuguezes Caneiros, os quaes no meyo tem 
suas portas de grandes e grossos madei- 
ros, que de noite fechão e de dia abrem, 
para passarem as barcas.» Frei Jacintho 
de Deus, Vergel de Plantas, p. 196. 

— Termo de Fortificação antiga. Pas- 
sagem abrigada do fogo entre parapeitos. 

— Caminho estreito que se enchia de pól- 
vora para levar fogo á mina que se fazia 
debaixo dos muros. 

CANÊJA, s. f. (De canna, com o suffi- 
xo «eja» (■('). Nome vulgar de um peixe 
sirailhante ao cação, com muitas pintas. 
N'alguns documentos antigos acha-se es- 
cripto canega, mas o «g» está aqui por «j», 
como é frequente na cacographia portu- 
gueza. 

CANÉJO, adj. (De canna, com o suffi- 
xo «ejo»). Besta caneja, a besta cujas 
mãos ou pernas são delgadas e quasi co- 
mo cannas. = Definição de Bluteau. A de 
Moraes ó errónea. 

CANELA ou CANELLA, s. f. (De canna, 
cora o suffixo «ella»). Casca despida de 
sua epiderme do laurus cinnamomum ,{\J\n- 
neo), arvore originaria dos paizes orien- 
taes da Ásia. 

E, se buscatldo vaes mercadoria. 
Que produzo jurifero Levante. 
Caneí/a, cravo, arilente especiaria.... 
CAM., ms., cant. ii, est. 4. 

A secca fliV de Banda não Ucou, 
A noz e o negro cravo, que faz elara 
A nova ilha .Maluco. co'a i-aurlla, 
Cora que Ceylão é rica , lllu.^ftree bella. 
oB. ciT,, cant. IX. est. 14. 

— Canella de Ceilão, canella a mais es- 
timada. — Canella macha, variedade roais 
vulgar da canella de Ceilão, que se tira 
dos ramos mais grossos. — Canella de 
Cayenna, a mais estimada ab.tixo da de 
Ceylão. — Canella da China, a menos es- 
timada, d'um cheiro mais forte e sabor 
menos agradável. — Canella branca, cas- 
ca que se encontra no commercio e que 
se attribue mais geralmente a um vege- 
tal chamado canella alba. — Canella da 
Cochinchina, canella de Malabar, a cas- 
ca do laurus cássia. — Canella cravo, 
que tem um cheiro análogo ao da noz 
muscada e do cravo da índia, e que pro- 
vém do myrto canella [myrtus caryophil- 
latus, Linneo). A canna da perna, tibia. — 
« Vierão ao Caluario os executores de pi- 
latos, para quebrar as canellas aos cru- 
cificados, e assi o fizerão a Dymas, e 



GANE 



CANF 



CANG 



79 



Gestos com as grandes doires daquelle tor- 
mento. 9 António Vieira, Sermões, i, 1114. 
. — Termo de Tecelão. Giinnasinha ém 
que se põe o fiado na lançadeira para te- 
cer. 

— Loc. : Tirado das canellas, diz-se, 
no sentido próprio, das pessoas altas ; no 
figurado, das que nào têm nenhum aca- 
nhamento ou são atrevidas. — «He bem 
tirado das canellas ; Jie-se n'isso e venha 
para a rua.v Francisco j\Tanoel de Mello, 
Feira d'Anexms, Part. i, Dial. 6, § 2. 

— ObS. : A recta orthographia é can- 
nella ; mas escrevendo-se cana deve-se 
por coherencia escrever canella, ou, me- 
lhor, canela. Similhante observação se ap- 
plica aos derivados. Alguns pretendem 
que se deve distinguir canella, casca do 
laurus cinnamomum, de canella, tibia, 
escrevendo no primeiro caso cannella e 
no segundo cannela. São subtilidades que 
nada justifica, apesar de serem muito ve- 
lhas e renitentes. 

CANELADA ou CANNELLADA, s. f. (De 
cannella, com o suffixo «ada», como cabe- 
çada, de cabeça). Pancada que se dá com 
a canella da perna. 

CANELÃO ou CANNELLÃO, s. m. (De 
canella, com o suffixo «ão»). Aipo silves- 
tre. — Pancada na cannela da perna, dada 
por descuido, ou que se recebe d'outra pes- 
soa. — Espécie de confeito de cannella, co- 
berto de assucar como as amêndoas con- 
feitadas. 

S5o tSo alvas vossas mãos 
Que por brancas eu dissera, 
Que neUas vos poz por dedos 
Canneíóes a natureza. 

ACADEMIA OOS SlNGULAnES, II, 222. 

— Termo de Tecelão. Fio mais grosso 
em todo ou parte que os outros da teia. 
— Adjectiva e figuradamente : Grosseiro, 
que offende. = Prestes, Autos, foi, .32. 

CANELAR ou CANELLAR, v. a. Vid. 
Canallar. 

CANELEIRA ou CANNELLEIRA, s. /. 
(De cannela, com o suffixo «eira»). Arvo- 
re que produz a cannella, o laurus cinna- 
mormim, Linneo. — Ant.: Peça da arma- 
dura que cobria a cannella da perna. — 
nHuuns caixotes, e caneleiras velhas de 
coiro e huum escudo, e çapatos de ferro 
huuns.» Doe. de 1359, em Viterbo, Eluc. 
— «A' os que eram bem arviados, avião de 
teer barvuda com seu cumalho, e estofa, 
e cota, e jaque, e coxotes, e cannelleiras 
françezas, e luvas, e estoque, e f/rave. n 
Fernão Lopes, Chronica de D. Fernando, 
cap. 87. 

CANELLA, s. /. Vid. Canela. 

CANÊLLO, s. m. (De canna, com o suf- 
fixo «ello»). Uma parte da ferradura. — 
«As ferraduras leves e curtas de canel- 
los fazejn melhoramento.)) António Gal- 
vão, Tratado da Cavalleria de Gineta, p. 
4.'). — Pedaço de ferradura (jucbrada ou 
metade da ferradura. =^ Bluteau. 

CANELO, s. m. (De canela). Casca amar- 
ga, do côr parda, que vem do Chili. 



CÁNEMO, s. m. Vid. Cánamo. 

CANEPETÉIRA, s. /. Termo de Zoologia. 
Espécie de pequena abetarda, que se en- 
contra nos íogares áridos e descobertos, 
na Hespanha, Itália, Turquia, etc. 

t CANEPHÓRIAS, s.f. jd. (Vid. Cané- 
phora). Termo de Antiguidade. Festas 
solenmes em honra de Ceres e Baccho, em 
que virgens consagradas levavam açafa- 
tes com fructos, flores o outros objectos 
para o sacrifício. 

t CANÉPHORA, s. /. (Do grego kanê- 
phóros ; de kanê, açafate, e phorô, eu le- 
vo). Termo de Archeologia. Nome que 
nas ceremonias religiosas dos antigos se 
dava a raparigas que levavam açafates 
em que iam diversos objectos para sacrifi- 
cios. 

t CANÉPHORO, s. m. (Vid. Canépho- 
ra). Termo de Botânica. Género de plan- 
tas, da familia das rubiáceas gardenía- 
das. 

— Termo de Architectura. Estatua de 
rapaz ou rapariga, com um açafate á ca- 
beça, empregada na architectura moderna 
como cariátlde. 

CANEPÍNO, s. m. (Do italiano canapé, 
do latira cannahis; vid. Cánamo). Nome 
dado á casca d'algumas arvores em que 
os antigos escreviam. 

CANEQUÍM, s. f. (Palavra asiática). 
Espécie de tecido de algodão fino que se 
fabrica na índia. — «Anda jurando em 
altas vozes jyelas rua, como o moço, que 
vende caça, e canequim.» Francisco Ma- 
noel de Mello, Apol. Dial., p. 179. 

GibSo de ca)iequini fino, 

Que íreuíiado confessa, 

Aqui jaz em neve um fogo, 

Que o meu branco cui branco deixa. 

D. FHANC. OE PORTUGAL, DIVINOS E HUMANOS 
VEBSOS, p. 78. 

CANETA ou CANNÉTA, s. f. Diminuti- 
vo de canna. Tubo metallico em que se 
encaixa o lápis para desenhar ou a pen- 
na para escrever, e que no segundo ca- 
so é muitas vezes terminado por uma 
haste de madeira, osso, marfim, etc. 

— Loc. : Haver cannas e cannetas, ha- 
ver grandes questões, *etc. 

CÂNEVE, arlj. Outra forma do Canave; 
vid. esta palavra. = Orden. Affons., iv, 
G3, Prol. 

CÂNFOR, «. m.. Vid. Camphor. 

CÂNFORA, s.f. Vid. Camphora. 

CANFORADA, s./. Vid. Camphorada. 

CANFORADO, adj.p. Vid. Camphorado. 

CANFORATO, s. «1. Vid. Camphorato. 

CANFÓRICO, adj. Vid. Camphorico. 

1.) CANGA, s. f. (Palavra d'origem 
asiática. Canga, em dilfercntes paizes da 
Ásia, mas principalmente na China, de- 
signa duas peças de madeira muito pesa- 
das^ com uma ehanfradura ao centro, que 
I se reúnem depois do ler mettido entre 
cilas o pescoço do condemiiadoV O jugo 
' com que se jungem os bois ao carro ou 
para a lavoura. — Varas de que usam os 
! carregadores ou mariolas para levar sus- 



pensas no meio em cordas as cargas pe- 
sadas. 

2.) CANGA, s.f. Alteração popular de 
Ganga, por influencia de Canga 1. 

CANGAÇÁES, s. f. pi. (Moraes suppõe 
esta palavra alteração de bagançaes ou 
derivada de bangaço ; mas bagançal é 
um termo da índia que significa cou- 
sa mui diversa (vid. Bagançal), e bagan- 
ço não se encontra no Dicc. d'esse auctor 
nçm em nenhum outro portuguez. E' 
pois mais um producto da imaginação d'a- 
quelle lexicólogo. A palavra pode deri- 
var do thema cangaço, com o suffixo «ai». 
Cp. Cangalhada). No Brazil, mobilia de 
pobre e escravo. 

CANGAÇO, s. m. (De canga, com o suf- 
fixo «aço», pois o engaço é uma reunião 
ou ligação de bagos. A idêa de jungir, 
ligar, não pode separar-se da de canga). 
O mesmo que Engaço. 

CANGADO, part. pa«s. de cangar. — 
Figuradamente : Dar-se por cangado, dar- 
se por vencido, n'um sentido ridiculari- 
sador. 

t CANGALHADA, s. f. pi. (De canga- 
lha (vid. Cangalhas), com o suffixo «ada», 
como cambada, de cambo, etc.) Série, reu- 
nião de moveis, cangalhos. 

CANGALHAS, s. f. pi. (De canga, com 
o suffixo «alha»). Armadilha de páos que 
formam uma espécie de grade em que se 
sustentam barris em que se transporta 
agua. 

— Termo do Brazil. Armação de páos 
com suadouros, ou esteirões, que assen- 
tam no selladouro de cavallos de carga. 

— Termo Popular. Óculos de encaixar 
no nariz. 

— Termo de Atafoneiro. Douspáos es- 
treitos e compridos em que descança a 
moega. 

— Loc. : Cair de cangalhas, cair des- 
astradamente com o corpo todo no chão. 
Locução tirada das bestas, que, levando 
cangalhas, caem, ficando ajoujadas sob o 
peso d'cllas. 

1.) CANGALHÉIRO, A, adj. (De canga- 
lho (viil. Cangalhas!, com o suffixo «eiro>>). 
Que pertence a cangalhas, que se traz 
em cançallias. — Barril cangalheiro. 

2.) CANGALHÉIRO, s. m. O que con- 
duz besta que leva cangalhas. — Homem 
que fornece os objectos necessários para 
enterros e tracta d'estes. 

CANGALHO, s. m. (De canga, com o 
suffixo «alho»). Nome que se dá a dous 
páos da carga entre os quaes se mcttem 
os pescoços dos bois. — Galho de arvore 
em que est.ão pendentes alguns fructos. 

— Termo Popular. Traste velho. — Fi- 
guradamente : Homem velho, atormenta- 
do, abatido. — Este hometn está um can- 
galho. 

CANGAMBÁ, 5. m. ^Palavra brazilciraV 
Pequeno quadrúpede do Brazil. es^iecie 
de fuinha. 

CANGAR, 1-. (i. (De canga. A etymolo- 



eo 



CANH 



CAÍÍH 



CANI 



gia proposta do latim conjugare, não se 
pode acceitar, porque nào ha exemplo de 
alteração phonica, similhante á que se 
daria no caso de essa etymologia dever 
acceitar-se). Pôr a canga. — Cangar os buis. 
— Cangar a casa de palha, atravessar-lhe 
páos por cima do colmo, para obstar a 
que o vento a descubra. — Figuradamen- 
te : Dominar o espirito de alguém. 

— Termo chulo. Enganar alguém, pre- 
gar-lhe mentiras. 

t CANGAREJAR, v. n. Alteração popu- 
lar de cacarejar, por influencia de can- 
^res ? = Enfermidades da língua, p. 112. 

CANGARILHÀDA, s. /'. (De cangar, no 
sentido de enganar ; palavra de forraação 
irregular). 

— Termo chulo. Engano. Intriga, gran- 
de trapalhada. 

CÃNGE, s. m. ant. Outra forma de 
cambio, proveniente do provençal camge. 
— 1 Ajustar o cange ou troco dos prisio- 
neiros. i> Provas da Historia Genealógica 
da Casa Real, vi, 263. 

CANGÍCA, s. f. (De canga, cora o suífi- 
xo diminutivo «ica», como Maricá, de 
Maria, morenica, de viorena, etc.) Ter- 
mo do Brazil. Papas espessas de farinha 
de milho ou do polme do milho espre- 
mido. — Milho pilado comido com leite e 
assucar, ou em agua e sal. = Moraes. 

CANGIRÃO, s. m. (O hespanhol e o ita- 
liano têm canrjilon ; do latim cangius, uma 
medida para liquides, com o suffixo com- 
posto ilon). Vaso grande de bôcca lar- 
ga com um bico pequeno e sem pé, para 
beber vinho. 

CANGOÉRA, «. /. (Palavra da lingua 
tupy). Espécie de flauta que os indios do 
Brazil faziam dos ossos dos finados. — 
«Huns fazem seus instrumentos Musicaes 
de ossos de finados, a que chamão can- 
goeira.i) Simão de Vasconcellos, Noticias 
do Brazil, p. 144 (1." ed.) 

CANGÓSTA, s. /. Vid. Congosta. 

CANGRÉJO, s. m. Forma mais primiti- 
va que Caranguejo; vid. esta palavra. 

o corpo nú e os membros penitais, 
Por não ter ao n;idar impedi mento ; 
Mas porém de pequenos animais, 
Do mar todos cobertos, cento e cento. 
Camarões, e canyrejus, o outros mais, 
Qoe recebem de Plicbe crescimento. 
ciM., Ltis., cant. VI, est. 18. 

t GANGRENA, s. f. Alteração popular 
de Gangrena, por influencia de cancro. 

CANGRO, s. ?)i. Alteração de Cancro. 
= Usado por Amador Arraes, etc. 

CANGUÇU, s. m. (Palavra brazileira). 
Espécie de onça do Brazil, cuja pelle tem 
malhas maiores que as da onça propria- 
mente dita. 

CANGUÍNHAS, s. m. (De canga, com o 
suffixo dnhas» ; cp. Cangalho). Homem 
magro, acannaviado. — Sovina. 

CANHA, s. f. Vid. Canho. 

CANHAMÁÇO, s. m. (De cânhamo, com 
o suftixo «açonj. Estopa do cânhamo ou 
estopa grossa do linho gallego. — Tecido 
muito grosseiro feito da estopa a que se 



dá o mesmo nome. — «Humas túnicas de 
estopa grossa, ou canhamaço.» Fr. Luiz 
de Souza, Vida do Arcebispo, p. 186 
(1." ed.) 

CANHAMBOLA, s. m. Vid. Calhambola. 

CANHAMEIRA ou CANHAMETRA, s. f. 
Nome vulgar de uma planta; synonymo 
de althêa. — Canhametra brava, a malva 
alcca. = Brotero. 

CANHAMEIRÁL, s. f. (De cânhamo). 
Plantio de cânhamo. 

CANHAMÍÇA, s. e adj. (De cânhamo, 
com o siiífixo «iça»). — Pa/Aa canhamiça, 
a palha do linho cânhamo. 

CÂNHAMO, s. m. Vid. Canamo. 

CANHÃO, s. m. (Em provençal, cânon, 
significa tubo ; o nome foi dado por assi- 
milação de forma á peça. — Não se pode 
dizer ao certo de qual das linguas româ- 
nicas provém a designação ; hoje encon- 
tra-se em quasi todas. Cannon, a forma 
fundamental do portuguez canhão, é idên- 
tica á franceza e tnu augtnentalivo de 
canna). Peça d'artilhoria para atirar ba- 
las. — Canhão de ferro fundido, de bron- 
ze. — Canhão de bater, canhão de grosso 
calibre. — A culatra do canhão. — A al- 
ma do canhão. — A carreta do canhão. — 
Meio canhão bastardo, peça que atirava 
de dezeseis a vinte libras de bala. 

— Termo de Alta volateria. Penna gros- 
sa da ave de rapina. Cada ave de rapina 
tem seis canhões em cada aza, e doze na 
cauda. — «Outros gavioens vem já boni- 
tos, que lhe apontão os canhões.» Diogo 
Fernandes Ferreira, Arte da caça, p. 7. 

— Figuradamente : — «He de ânimos alti- 
vos tomar titulas e appellidos arrogan- 
tes, que são huns pennachos, cujos canhões 
estão arraigados na vaidade de seu cére- 
bro.» Bernardes, Floresta, iii, 384. — 
A extremidade da manga do vestido, far- 
da, etc, que desce até á mão, principal- 
mente qviando é dobrada para fora ou 
tem uma tira de diâ"erente côr. — O cano 
da bota, desde o tornozello até ao alto da 
bota. — Botas de canhão, as que tem no 
cano uma volta qtie desce do alto, forma- 
da por 4 ou õ pollegadas de couro claro. 

— Peça de freio, de que ha quatro es- 
pécies. Vid. Cascões, Escarchas, Pé de 
gato, Galvão. 

CANHAS, s. /. pi. (De canho). Á ca- 
nha, locução familiar, a modo de canhoto, 
ao contrario do uso vulgar.- — Embuçado 
ás canhas, embuçado com a ponta da capa 
ou capote lançada da esquerda para a di- 
reita. 

CANHÉNHO, s. m. (De formação incer- 
ta). Caderno de apontamentos, livro de 
lembranças. — Escrever no seu canhenho, 
não se esquecer. — Lá tem escripto no seu 
canhenho, não se esquece, etc. 

CANHO, adj. (Do radical cam, que se 
encontra em latira camera, camurus, etc. 
Vid. Camará. O «m» mudou-se em «ni), 
como em nespera, do latim mespilum,nem- 
hrar do latim memorare, nembro, do latim 



member, etc; esse »ni) depois abrandou 
em «nh», como em gallinha, do latim gal- 
lina, rainha, do latim regina, visinho, do 
latira vicinus, etc.) A palavra deve ser 
muito antiga, e talvez decorra já do latim 
vulgar, ou do céltico peninsular). Esquer- 
do. — A mão canha. — O braço canho. — 
O que se serve da mão esquerda mais 
vezes que da direita, e especialmente que 
se serve da mão exclusivamente esquerda 
para certos usos, como para escrever, co- 
ser, etc. — Substantivamente, a canha, a 
mão esquerda. — Figuradamente : Que não 
tem destreza, habilidade. 

CANHONEAR, v. a. (De canhão.) Ata- 
car com canhão. — «Canhoneando tão fu- 
riosamente a cidade.» Brito, Guerra Bra- 
zilica, p. 157. 

CANHONEIRA, s. /. (De canhão, com o 
suffixo «eira»). Termo de Artillieria. Aber- 
tura no muro por onde atiram os canhões. 
— «Com as balas inimigas embocando a 
canhoneira.» Luiz Serrão Pimentel, Me- 
thodo Lusitano, p. 132. 

CANHONEIRA, adj. f. Que é própria 
para levar canhões. — Barca, lancha ca- 
nhoneira, barca, lancha munida de arti- 
Iheria para formar bateria no mar, rio, 
etc. — Substantivamente, uma canhonei 
ra, uma barca ou lancha canhoneira. 

1.) CANHOTO, A, ar//. (De canho). O mes- 
mo que canho. — .Substantivamente, ca- 
nhoto, o que é canho. — «De continuo os 
bai/xos pagam os encontros dos altos, que 
he justiça de canhotos ou esquerda justi- 
ça.» Francisco Manoel de Mello, Apol. 
Dial., p. 4. 

2.) CANHOTO, s. m. (A mesma palavra 
que Canhoto 1). Troço de páo nodoso e 
irregular. 

CANIBAL, s. m. Vid. Cannibal. 

CANÍCA, s. f. (De canna). Especiaria 
similhante á canella, de que se faz uso 
frequente na ilha de Cuba. 

CANIÇÁDA ou CANNIÇADA, s. f. (De 
canniço, com o suffixo «ada»). Cannas 
cruzadas que se usam nos jardins, etc, 
para por ellas subirem certas plantas. — 
Balsa de canniços para pôr fogo a navios. 

CANIÇAL ou CANNIÇÂL, s. m. (De can- 
niço, com o suffixo «ai»). Logar onde 
nascem canniços. 

CANIÇALHA, s. f. (Do thema cane, do 
latim canis (vid. Cão), com o suffixo com- 
posto «içalha», de iça, e alha). Multi- 
dão, alcatêa de cães. 

CANÍCIA, s. /. (De canicie). A alvura 
das cans; as cans. — «Não respeitou a 
Real canicia dehum pay.y> Monarchia Lu- 
sitana, Tom. vil, foi. 152. — Figura- 
damente : Velhice, ancianidade. — « Ve- 
neranda ancianidade ou canicia.» Mi- 
guel Leitão de Andrade, Miscellanea, p. 
618. 

CANÍCIE, s. f. (Do latira canities, de 
canas (vid. Cans). Fornia mais approxi- 
mada do latim que Canicia (vid. esta pa- 
lavra). 



I 



CANI 



CANJ 



CANO 



81 



CANÍÇO ou CANNÍÇO, s. m. (De can- 
na, com o suffiso «iço»). Canna delgada. 



Eslando a terra larga e espaçosa 
De canissos cuberta, e occupaJa, 
Canas delgadas são. em i|ue n formosa 
Syringa no Ladão foi transformada. 

MA.VOBI, TBOMIZ, IHSOlA.li, 1ÍT. V, OÍt. 



— Armação de verga ou eannas que 
assenta nas ilhargas e cabeceiras dos car- 
ros, fechando-cs, para n'elles irem cousas 
miúdas, como palha, fructas^ etc. — Carro 
de caniços. — Antigamente : Balsa de pôr 
fogo a navios, canniçada. — Caniço de 
mastros, jangada feita de mastros. — 
a Amarrado o caniço de mastros com seis 
ancoras, três a montante, e três a jusan- 
te. v Fernão Lopes, Castanheda, Hist. da 
índia, Part. i, cap. 83. 

CANIÇÓSO, 'adj. (De canniço, com o 
suffixo «oso»). Coberto de eannas. =Usa- 
do por Francisco Manoel do Nascimento. 

CANÍCULA, s. /. (Do latim canicula, 
cadellinha, diminutivo de ca?ií's (vid. Cão). 
A mais brilhante das estrellas tixas, cha- 
mada também Sirio e estreUa do cão, por- 
que faz parte do cão maior. — O tempo 
durante o qual a canicula se levanta e 
põe com o sol, o que succede, segundo a 
opinião vulgar, de 24 de julho a 20 de 
agosto. Como essa épocha é aquella em 
que no anno ha maior calor, attribue-se 
este á constellaçâo de que forma parte a 
canicula; por isso canicula toma-se tam- 
bém no sentido de calor abrasador do ve- 
rão. 

Sem temer da Caniaila fogosa 
ardor, que á secura mais incita. 

MANCEL TBOMAZ, )SSi:LAXA. liv. IX, Oit. G3. 

CANICULAR, adj. 2 gen. (Do latim cani- 
cidaris, de canicula). Que pertence á cani- 
cula. — Dias caniculares, dias em que a 
canicula se levanta e põe com o sol, e que 
são contados do dia 24 de julho a 26 
de agosto. — Figuradamente: Dias muito 
quentes. — Calor canicular, o calor que 
ha durante a canicula, ou que é tão forte 
com') o da canicula. — Sol canicular, o 
sol abrazador do tempo da canicula. — ■ 
Quadra canicular, a canicula. — Figura- 
damente: Tempos caniculares, quadra cd.- 
nicular, etc, tempos, quadra em que se 
agitam as paixões, a loucura, etc. 

CANIFRAZ, adj. 2 gen. (Provavelmente 
alteração de um composto popular cani- 
face, do thema cani (vid. Cão), e face; 
que tem face ou aspecto de cão. Cp. Es- 
canzellado, etc.) Termo popular. Magro 
como ura cão faminto; que só tem ossos. 
CANIL, s. «1. (De canna, com o suffixo 
«il»). Nome que se dá a dous páos da 
canga, entre os quacs se mette o pescoço 
do boi.=Dizse tatnbem Cangalho e Can- 
. zil. — Canuclla das bestas cavallares. 
CANÍLHA, s. f. (De canna, com o suf- 
fixo diminutivo «ilha»). Termo de Tece- 
lão. Peça da lançadeira em que se desen- 
volve o fio. 

TOL. II.- li. 



CANÍNA, s.f. Termo de Zoologia. Ser- 
pente inotfensiva da America, que segue 
os homens como um cão, 

CANINHA, s. f. Diminutivo de canna. 
=Colligido por Bento Pereira. 

— Loc. : Estar com a caninha na agua, 
estar ocioso. =Enfermidades da lingua, p. 
122. Esta locução corresponde approxima- 
damente á franceza : Vivre la canne à la 
main. 

CANINO, adj. (Do latim caninus, de ca- 
nis (vid. Cão). De cão. 

Outra fronte cainna tem de fora, 
Qual .Vnubís.Mcmphilico se adora. 
CAM., Lus., cant. vii, est. 48. 

Vem num ceto disforme com canino 
Aspecto o velho Glauco... 

GABRIEL PBRBIHA DE CASTRO, QLTSSBA, CaUt. II, 

est. 54. 

— Fome canina, fome insaciável. — «JVct- 
quelles, que comem demasiadamente, e não 
se refazem, ou seja por intemperança do 
estômago, como he na fome canina.» Fran- 
cisco Morato Roma, Luz da Medicina, p. 
17. — Figuradamente : Eloquência canina, 
maligna, de cão que ladra e morde. — 
Olhos caninos, olhos impudicos. 

CANIPÉ, s. m. Alteração popular de Ca- 
napé. 

CANIPRÉTO, adj. (De canna, e preto). 
Cavallo, poldro, etc, canipreto, cavallo, 
poldro que tem as cannellas pretas até ás 
coxas. 

CANISTÉL ou CANISTRÉL, s. m. (Do 
latim canistellum, de canistrum ; vid. Ca- 
nastra). Cabaz ou cesta pequena com arco 
por cima da bôcca. = Usado por Fr. Luiz 
de Sousa. 

CANIVETE, s. m. Termo de Zoologia. 
Papagaio muito grande e bello, da Ame- 
rica. 

CANIVETE, s. m. (Do provençal cani- 
vete, diminutivo de uiua forma canif, que 
se encontra em francez, e que é uma sim- 
ples alteração do anglo-saxão kníf, faca, 
d'onde o inglez hiife. O allemão modsrno 
tem kneif, e uma forma mais primitiva 
apparece no antigo norsico knifr). Nava- 
lha pequena para aparar pennas c lápis. 
— Termo de Cirurgia. Bi^torí. 

— Loc: Espirra canivetes, diz-se do 
que facilmente se lança em ameaças por 
o agastarem. — Pagar os canivetes, diz-se 
da velha que se enamora de rapazes a 
quem dá para seu sustento. 

t 1) CANJA, s. m. Pequeno navio de 
quilha curva, usado em o Nilo. 

2.) CANJA, .s./. (Palavra asiática). Cal- 
do grosso de arroz cozido. — nlíum canu- 
do porque se lhe bota na bocca alguma can- 
ja, que heagoa de arroz. y> Padre Manoel 
Godinho, Relação do Novo Caminho, etc, 
p. 29 (1.» ed,)=Hoje ciu Portugal é muito 
usado para designar o caldo de gallinha 
com arroz. 

CANJÁNTE, part. act. ãc Canjar, c adj. 
Cambiante, catasol. 

CANJAR, V. n. (De cambiarc). Termo 



de Náutica. Surdir avante. = Usado por 
Balthazar Telles. 

CÁNNA, s. f., e todos os seus deriva- 
dos e compostos em que entra, procurem-se 
com um «n» só. 

CANNIBÁL, s. m. (De canniba, palavra 
com que os insulares antropóphagos eram 
denominados pelos primeiros americanos 
encontrados por Colombo). Nome com que 
se designam os antropóphagos da Ameri- 
ca, e, em geral, todos os antropóphagos. — 
Figuradamente : Homem cruel e feroz. = 
Usa-se também adjectivamente. 

t CANNIBALÍSMO, s. m. (De cannibal, 
com o suffixo «ísmoe). Antropophagía. — 
Figuradamente : Ferocidade, crueldade. — 
Scenas de cannibalismo. 

CANO, s. m. (De canna, com mudança 
da forma genérica ; por assimilação de 
forma ou de canal, remontando-se d'este 
a cano, como se esta palavra fosse um 
primitivo?) Canal coberto para a conduc- 
ção das aguas ou outros liquides, despejos, 
etc. 

Por ventura seram mais graciosas 

As agoas. que cá os canos vão rompendo, 

Quas que entre seixos correm sandqus? 

A-MO^IO FERREIRA, CARTAS, li?. n, 4. 

— «^ verdade na lingua dos que a não 
fallão, he como agoa do chafariz de El- 
Reij, que por correr canos de enxofre sem- 
pre faz mal ao figado. 11 Francisco Manoel 
de Mello, Apol. Dial., p. 8. — Cano real, 
o que dá despejo ás immundicies d'uma 
cidade e ás aguas da chuva. — Tubo por 
onde se conduzem líquidos e gazes. — 
Um cano para canalisação da agua. — 
Cano de telhado, biqueira. — Cano da es- 
pingarda, ou outra arma de fogo, o tubo 
metallico da arma era que se mette a car- 
ga. — Cano da fornalha, chaminé ovl fo- 
gão, canudo grosso, tubo por onde sáe o 
fumo. — Cano do órgão, o tubo de chum- 
bo ou de madeira por onde saem os sons 
e o ar que lançam os folies. — Cano do 
tinteiro, o buraco onde se mcttem as pen- 
nas. — Cano da chave, a parte cylindrica 
entre o annol e o palhetào. — Cano do 
relógio, cylindro vasado, em cuja extre- 
midade está seguro o ponteiro das horas. 

— Cano da bota, a parte da bota que co- 
bre a parte inferior da perua. — Cano da 
penna, a parte ôca, quando está secca, 
que se apara para escrever. — tMeterás 
humas poucas de sedas de sapateiro em 
hum cano de huma penna. p ^lanoel Lei- 
tão, Pratica de Barbeiros, p. 4G. — Cano 
de alambique, o tubo que leva o liquido 
da curctJbita ao appareiho resfriatorio. — 
Ant. : Canhão ou espingarda. — «De^pa- 
rou um cano. ^ Inéditos de Historia por- 
tugueza, iii, 210. — Os canos da gar- 
ganta, o csôphago e a traquèa-arteria. — 
Por extensão, o que tem aspecto de cano. 

— O cano da tromba, a parte que desce 
ató A supcrficie da terra ou do mar. 

Milagre, e consj círla de alto eipantA. 
Ver as nnvens Jo mar, com largo raao. 
Sorver as altas a^uas do Oceano, 
cu., irs.. cant t. psI. IS. 



m 



CANO 



CANO 



OANO 



Be aqui levado ura ciirtç ao pólo summo 
Se via. tão delgiulo, (|iie enxergar-se 
Dos ollios farilmentr iiílo poilia : 
Da loatej-ia das, uiivens parecia. 
CAM., LOS., canl. v, est. 19. 

— Passagem, via. — Cauo surdo, via 
ocoulta por onde se dá passagem a con- 
trabando ou a alguma cousa furtada a 
vigilância. — «Por este cano surdo dava 
saída ás suas especiarias.» Barros, Dé- 
cada IV, 4, 7 . — Figuradamente : Meio 
par que se obtém um íiui, uma graça. — 
Caminho, via por onde nos chega um beui, 
etc. — «Canos espirituaes por onde corre 
a nós a virtude do sangue de Christo.» 
Er, Bartholomeu dos Martyres, Cathe- 
cismo. 

CANO, adj. (Do latim canus ; vid. Cans). 
Alvo, branco. — Que tem cabellos bran- 
cos. = Pouco usado. 

CANOA, s. /. (O hespanhol e o italiano 
têm canoa, o inglez canoe, o francez cnnut). 
S.egundo Littré, a similhança d'esta pala- 
vra com o allemao hahn, dinamarrjuez 
hane, sueco hnia, de que alguns têm pre- 
tendido que vem, é inteiramente fortuita. 
A palavra allenm não poderia dar nun- 
ca a forma portugucza, hespanhola e ita- 
liana canoa; além d'isso a palavra é mo- 
derna nas linguas românicas. Sabe-se de- 
mais, com toda a certeza, que esta ulti- 
ma é d'origem americana, por Colombo, c 
os primeiros navegadores). Pequena em- 
barcação muito ligeira, sem ponte, nem 
velas, que se faz andar a remos. — iln- 
sistiram outra vez os p/<^dres com segun- 
dos correios, e indo estes passando o rio 
Temona em uvia canoa pequena, que le- 
vavam para as passagens, acommetteu-os 
um tubarão de tão estranha grandeza e 
fereza, que perseguidos houveram de en- 
calhar em terra, e foi entre umas pedras, 
onde a canoa se fez em pedaços.» António 
Vieira, Relação da Missão da Serra de 
Ibíapaba, cap. 13. 

CANÓCULO, s. m. (De cano, c óculo). 
Óculo de luugamira. — « Aquclle muito 
que, os mais persj)icnzes com o canoculo 
das sciencias descobrirão.» António Al- 
vares da Cunha, Escola das Verdades, 
p. 29. 

CÂNON, s. m. (Do grego kanôn, re- 
gra). Regra, decreto, fallando das deci- 
sões dos concílios sobre a fé c a discipli- 
na. — «O rigor dos santos cânones põem 
dejfesa e interdito sobre a cupnlla do ma- 
trimonial aiuntamento, querendo que se 
nom faça amtro aqueUes que per algum 
dívedo do paremtcsco som conjuntos. » 
Fernão Lopes, Chronica de D. Pedro I, 
cap. 28. — Catalogo dos santos reconhe- 
cidos e canonizados pela Egreja catholica. 
— Cânones, ou faculdade de cânones, an- 
tiga faculdade de direito canónico na Uni- 
versidade de Coimbra, que acabou em 
1834. — Doutor em cânones. — O todo dos 
livros admittidos como tendo sido inspi- 
rados por Deus. — A parte da missa que 
o sacerdote diz immcdiataraente depois 



do prefacio, e que contém as palavras sa- 
cramentaes e orações até ao Pater exclu- 
sive. — Canon da missa, quadro impresso 
ou escripto em que se acham as palavras 
sacramentaes, e toda a parte do cânon da 
missa que o sacerdote lê durante a con- 
sagração, em que a sua posição não lhe 
permitte servir-se do missal. 

— Termo de Grammatica antiga. Lis- 
ta de auctores considerados como mode- 
los pelos grammaticos d'Alexandria, e, em 
geral, a lista d'obras dadas como authen- 
ticas, d'um auctor, sobre cuja authentici- 
dade houve controvérsias. — Os gramma- 
ticos empregam também cânon no senti- 
do de regra : — Heródoto é o cânon do 
dialecto jónico. 

— Termo de Chronologia. Canon pas- 
cal, táboa das festas moveis, feita para 
servir muitos annos. Vid. Calendário />er- 
petuo. 

— Termo de Musica. Espécie de fuga 
que se chama perpetua, em que as vozes 
partindo uma depois da outra, repetem, 
sem ser preciso cessar, o mesmo canto. — 
«O cânon mostra d'onde principia outra 
voz em fuga.» Nunes, Tratado das Expla- 
nações, p. 86. 

CÂNONE, s. m. Antigo modo de escre- 
ver a pal.ivra Canon. 

CANONICÁL, adj. (De canónico; vid. 
Cónego). Que pertence ou diz respeito a 
cónegos. — Que pertence ou diz respeito 
ao canonicato. — Casa canónica, casa que 
entra no beneficio de um cónego. 

CANONICALMÉNTE, adv. (De canóni- 
co, com o suíExo «mente»). Canonica- 
mente. 

CANONICAMENTE, adv. (De canónico, 
com o suffi.xo «mente»). Segundo os câno- 
nes, em conformiciade com os cânones. — 
«Este Dom Bertolameu aviam emlegido 
e criado canonicamente em Papa.» Fer- 
não Lopes, Chronica de D. Fernando, cap. 
109. 

CANONICATO, s. m. (Da baixa latini- 
dade canonicatus, decanonicus; vid. Có- 
nego). Dignidade, beneficio de cónego. 

CANONICIDÁDE, s. f. (De canónico, 
com o suftíxo « idade í). A qualidade de 
ser canónico, ou a de ser considerado pela 
Egreja como inspirado por Deus. — A 
canonicidade dos livros do Antigo Testa- 
mento. 

CANÓNICO, adj. (Do latim canonicus, 
de cânon). Que se conforma aos cânones 
da Egreja catholica. — Que diz respeito 
aos cânones, ou regras da Egreja catho- 
lica. — Que é reputado inspirado por Deus, 
pela Egreja catholica; diz-se dos livros 
da Escriptura. • — Auctor canónico, auctor 
approvado pela Egreja. — Direito canó- 
nico, direito ecclesiastico, fundado sobre 
os cânones da Egreja, as decretaes, etc. 
— «Saberaa vossa mercee, que os direi- 
tos canónicos e eivees, e isso mesmo as leis 
do regno defendem vrwjto.» Fernão Lopes, 
Chronica de D. Fernando, cap. 173. — 



Que ó regulado pelo cânon. — Horas ca- 
nónicas, as pequenas horas do breviário, 
que são laudes, prima, terça, sexta, nona, 
vésperas, e completas, assim chamadas 
porque antigamente se chamava cânon o 
ofíicio ecclesiastico. — «Assim vemos cada 
dia n'ella (na Egreja) sete horas canóni- 
cas.» Francisco Manuel de Mello, Apol. 
Dial., p. 43. 

CANONÍGA, s. f. (De canónica, com 
mudança de assento, como em cantiga, de 
cántica). O mesmo que canoniza. = Usa- 
do por Beinardes, Floresta, ii, 84. 

CANONÍSTA, s. m. (De cânon, com o 
suffixo «ista»). O que estuda ou sabe o 
direito canónico ; doutor em cânones. 

— Adag. : «Canonista sem leis, lavra- 
dor sem bdis.» 

CANONIZA, s.f. (Por canonicissa ou ca- 
?io?i!C!sa^ que seriam as formas produzidas 
regularmente de canonicus (vid. Conego), 
com o sufíixo «iza»). Titulo antigo de mu- 
lheres vivendo em communidade sob uma 
espécie de regia, mas das quacs só a ab- 
badessa ou superiora fazia votos, e cuj.a 
funeçào principal era cantar no coro offi- 
cio divino como os cónegos. — « Outro con- 
vento de canonizas, ou reclusas da mesma 
ordem de tíanta Cruz.» Monarchia Lusi- 
tana, Tom. VI, foi. 361. 

CANONIZAÇÃO, s. /. (Do thema cano- 
niza, de canonizar, com o suffixo «ação»). 
Declaração peia qual o Papa põe no ca- 
talogo dos santos uma pessoa morta em 
cheiro de santidade. Processo verbal de 
canonização. — As festas da canonização 
de Santa Isabel. 

CANONIZADO, part. pass. de Canonizar. 
Posto no numero dos santos. — Posto no 
cânon. — IJvru canonizado. — Figurada- 
mente : Reputado jior bom. — Opiniões ca- 
nonizadas. — Reconhecido, declarado. — 
(íQuem cuida que em tudo acerta, he ne- 
cio canonizado.» Fr. Jacintho de Deos, 
Brachyologia de Príncipes, p. 109. 

CANONIZAR, v. a. (Do baixo latira ca- 
nonizare, do grego kanonizein, de kanon, 
canón, regra, catalogo). Pôr no catalogo 
dos santos, segundo as regras e com as 
ceremonias praticadas pela Egreja. — De- 
clarar canónico. — O papa canonizou tal li- 
vro. — Figuradamente: Louvar, appro- 
var, consagrar. — «Os achaques que a adu- 
lação canonizava por excellentes.» Bar- 
tholomeu Paixão, Fabula dos planetas, p. 
47. — «Canonizando a sua ignorância com 
os scv.s apjilausis.» liarreto, Pratica en- 
tre Heraclito e Demócrito, p. 45. — «Ca- 
nonizastes hoje os Soldados, e engrandeces- 
tes sobre todas a vossa profissão.» Francis- 
co Rodrigues Lobo, Ccrte na Aldeia, Dial. 
15, p. 319. 

— Canonizar-se, v. ref. Figuradamen- 
te: Gabar-se, vangloriar se. — Canonizar- 
se por amigo, gabír-se de ser amigo. = 
Tempo d'Agora, Dial. i. 

CANONIZÁVEL, adj. 2 gen. (Do the- 
ma canoniza, de canonizar, com o suffijco 



CANS 



CANT 



CANT 



m 



«avelsY. Que merwe ser canonizado. — 
Fignradaniente: Louvável, justificável. 

1 CANOPÉA, s. /. Vid. Canópo. 

CANÒPO, s. ))!. (Do latun Cíinnjnis, no 
poema sobre A Astronomia, de llanilius, 
que viveu no fim do século dAugusto). 
Termo d'Astronomia. Estrelia de primei- 
ra grandeza que faz parte da constella- 
ção Ar (Jus. 

CANORO, ndj. (Do latim canorus, da 
raiz can, de cano; vid. Canto). Sonoro, 
suave e harmonioso. 

Mas, para o eco Vulcano fusilando, 
A frota co'as bombardas o festeja ; 
E as trombetas canoras Ibe tangiam. 
CAM., Lus., canl. ii, est. tuG. 

A voz grande canora foi ouvida 
Perto do mar, que longe retumbava. 
OB. ciT., cant. VI, est. t9. 

A canora trombeta embandeirada. 
Os corações á paz acostumados 
Yae ás fulgentes armas incitando. 
Pelas concavidades retumbando. 
OB. ciT., cant. ni, est. !07. 

Mas n'este passo a NjTiipba o som canoro 
Abaixando, fez ronco e entristecido. 
Cantando em baixa voz, envolta em choro. 
OB. ciT., cint. X, est. 22. 

Com verdes pavilhões antros suaves 
Vertem frescas estancias, onde ao vento 
Espalham queixas namoradas aves 
Enchendo o ar de seu canoro alento. 

GABRIEL PEREIRA DB CASTilO, ULV5SÉA, Caot. I, RSt. 76. 

^ Que produz som musical, som suave 
e harmonioso, que canta. — Uma ave ca- 
nora. 

CANOTÍLHO ou CANNOTÍLHO, s. m. O 
italiano tem canotiglia, o iruncez cannetil- 
le. Não se pôde de modo algum affirmar 
que a fórraa portugueza provenha do ita- 
liano ou do francez, pois ella poderia mui- 
to produzir-se no campo da nossa lingua, 
de canneta, diminutivo de canna, com o 
suffixo «ilho»), d'onde primeiramente ca- 
netilho, e depois, por influencia de cano, 
cannotilho. Em todo o caso a palavra de- 
riva indubitavelmente do latim canna (ita- 
liano e portuguez canna, francez canne, 
etc).Fio ou lamina delgada de latão, pra- 
ta, etc, enrolado em aspirai, de modo que 
forma iitn canudo estreito. 

CANÓURA, s. /. (?) Tremonha de moi- 
nhos. 

GÁNS, s. /. pi. (Do latim canus, cana, 
adj.fàa. raiz can, ser branco (vid. Cândi- 
do). Cabellos brancos da cabeça ou da 
barba. — As cans da velhice. — Figura- 
damente: Os velhos. — ííPonde la vossa 
honra, e segredo em sizo, e cabeça de ra- 
parigas. A verdade he, que cans nunca 
delias tirão senão afnmtn, hna idade de- 
manda outra.» Jorge Ferreira de Vascon- 
celios, Ulysippo, act. v, se. 1. — A pru- 
dência que dá a velhice. 

— Loc. : Entrar em cans, encanecer. 
— <tNãu entram em cans senão depois de 
crescida edade.» Simrio de Vasconccllos, 
Noticias do Brazil, p. 189 (1." ed.) — 
Verdes cans, cans úi: velho que cae ain- 
da nas verduras c imprudências da mo- 
cidade. — Pentear cans de discreto, de 



sábio, de noticioso, etc.^ ter muita discri- 
ção, sabedoria, noticias como os velhos. 

— «Certo que hade pentear cans de no- 
ticioso quem houver de despiolhar antiguos 
adágios, e anexins, sobre qualquer alle- 
goria; senom será vir pur laam de discre- 
to, e ir tosquiado. » Francisco Manoel de 
Mello, Feira d'Anexins, Part. i, Dial. i. 

— Ad.ag. : «A cans honradas não ha 
portas fechadas, r) Padre Delicado, Adá- 
gios, p. 20. 

CANSANÇÃO, s. m. (Termo do Brazil). 

— Ortigão grande, todo verde, que dá flo- 
rinhas brancas. 

CANSAR, V. a. e derivados. Vid. Can- 
çar e derivados, 

CANTA, ant. e pop. Contracção de quan- 
to a. — «Canta vos, mana, hereis mártir 
com setis achaques. t> Jorge Ferreira de 
Vasconceilos, Aulegraphia, act. ii, se. 2. 

CANTADEIRA, s. f. (De canta, thema de 
cantar, com o suíBso composto «deira», 
como brincadeira, de brinca, thema de 
brincai-). Mulher que canta por officio. — 
Adjecti vãmente : — a Mulheres cantadei- 
ras da terra que vivem por este ojjicio. » 
Barros, Década II, iom. 6. — Que canta. 

— Ga! linha cantadeira. 
CANTADÉLA, s.f. (Do thema canta ; de 

cantar, com o suffixo composto «delia», 
como molhadela, do thema molha, de mo- 
lhar, etc.) Termo popular. Cantiga. = 
Usado por Gil Vicente. 

CANTADO, part. pass. de Cantar. 

Vé, que já teve o Indo sobjugado, 
E nunca Ibe tirou Fortuna, ou Caso, 
Por vencedor da índia ser can/ailo. 
De quantos bebem a aguado Parnaso. 
(■AM., LOS., cant. I, esl.32. 

— Missa cantada, missa em que uma 
parte c recitada com canto, e muitas ve- 
zes também cora acompanhamento de mu- 
sica instrumental. 

CANTADOR, A, adj. (Do thema canta ; 
de cantar, com o suffixo «dor»). Que 
canta. = Usado por Gil Vicente. — Sub- 
stantivamente : Cantor, cantora. 

CANTANTE, part. act. de Cantar, e 
adj. 2 gen. Que canta. — Que é próprio 
para se cantar, que se canta facilmente. 

— Em que se canta. — Sardo cantante. 

— Sonoro, harmonioso. — Versos cantan- 
tes. — No theatro, declamação cantante, 
declamação fastidiosa que se approxima 
do canto. 

— Termo de Jlusica. — Composição 
cantante, composição em que o cantor deu 
principalmente importância aos efVeitos 
da melodia. — Parte cantante, a parte 
mel('iiliea d'uma composição musical. 

CANTÃO, s. m. (Do francez canton, do 
antigo francez cajií; vid. Cauto 2). Por- 
ção de território comprchciulido dentro 
de certos limites. Na Franç:i os departa- 
mentos estão divididos em districtos que 
se chamam nr?'o))(//ssemtí)iís> estes em can- 
tões, c os cantões em communas. — Os 
cantões suissos, os diversos estados que 



compõem o corpo helvético. — Em Por- 
tugal, cantão é um neologismo que desi- 
gna uma divisão feita nas estradas ma- 
cadamisadas, que um homem ou mais se 
emprega em reparar, limpar, etc. 

CANTAR, V. n. (Do latim cantare; de 
vantus, part. pass. de canere ; vid. Can- 
to). Fazer ouvir um canto. — Cantar 
bem. — Cantar mal. — Cantar ao piano. 
— Cantar jwr solfa. — Cantar ao som da 
viola. — Cantar alto. — Cantar baixo. — 
Cantar á estante. 

Todas três cantavam mui ben 
Como mocas namoradas. 

CANClONBimXHO DE TROVAS ANTIOAS, pUbl . pOf Var- 

nliat'en,c3Ut. 39. 

E chorava e estava canlando . 
OB. ciT., cant. 6. 

— <iE mandou el-Rei em seu testamento, 
que lhe tevessem em cada huum ano pêra 
sempre no dito mosteiro, seis capellaaens, 
que cantassem por el. » Fernão Lopes, 
Chron. de D. Pedro, cap. 4-1. 

Nam ha quem ledo cati.v, ou de amor conte. 

ANTO.NIO FERREIBA, ÉCLOGA U. 

Canlaea a bella Nympha, e co'os accentos, 
Que pelos altos passos vão soando. 
Em consonância igual os instrumentos 
Suaves vem a um tempo conformando. 
CAM., LOS., cant. x, est. 6. 

lias os Anjos do céo, cantando e rindo, 
Te recebem na gloria que ganhaste. 
OB. ciT., canl. I, est. Í18. 

— Soar harmoniosamente. — Versos que 
cantam. 

— Diz-se também das aves, da cigar- 
ra, do grillo, e d'ontros insectos. 

Ela tragia na mão 

Hum papagay mui fermoso 

Canianilo niuy saboroso. 

CANC. DE d'. DINIZ, p. 86. 

Oue muito meu pago deste ver.lo. 
Por estes ramos c por estas frores, 
Epolas aves que ranian damores. 

CANCIONEIRINMQ DE TROVAS ANTIGAS, pUbl. 

por Varnbagem, canl. 4. 

Ao longo da agua o nivcn cisne cúnia, 
Responde-lbe do ramo a philomela. 
CAM., Lcs., canl. IX, est. 63. 

Não foy desazada a miSf, 
O pay foy moro de bico, 
(Jue voou sempre com galla, 
Oue sempre cantou com pico. 

JERONViaO BAHIA, R0IU.NCI A CV riXI»ai60 M0»TO 
rOR CM CATO. * 

A cigarra, a fonfar passara o Estio. 

FRA.NCISCO ÍIANOIL DO NASCI1IE.VI0, FABCUS 
DK UFOXTAIXK, liv. I, tub. l. 

— Diz-se também de certos ruidos que 
tem alguma espécie de harmonia. — A 
agua cantava entre as pedrinhas. — Com 
a prep. de, celebrar, principalmente em 
verso. 

Caniíwa d"um, qnc tem nos Malabares 
Do sunmio sacerdócio a dignidade 
CA«.. tcs.. cjnl. I, esi. n. 

A minha j.i estimada c leda Musa, 
Fico que em todo o mundo de vis caxie, 

OB. OIT., ClDl. X. csU 1S6. 



84 



CANT 



CANT 



CANT 



Este milagre fez um tal espanto, 
Que o Rei se banba logo na agua santa, 
E muitos npós eile : um beija o manto. 
Outro louvor do Deos de Thomé canla. 
GB. cii., cai]t. X, esu 116. 

— Recitar, declamar de modo que se 
approxima do canto. Diz-se dos actores 
que cantam muito, quando a sua decla- 
mação está n'aquelle caso. — Familiar- 
mente, dar dinlieiro, pagar bem um ser- 
viço. 

— Loc. : Cantar dinheiro na algibeira, 
têl-o, possuil-o. — Fazer cantar alguém, 
alcançar dinheiro dalguem. — Já canta? 
já se dá por sentido. — Cantar outro gallo, 
correrem as cousas de mudo melhor, ter 
melhor sorte. — «<S'e a cada hum se desse 
aquillo para que he na Rei^ublica, outro 
gallo nus cantara ao nosso Reyno, e d 
nossa Cidade.» Francisco Manoel de Mel- 
lo, Apol. Dial., p. 151. 

— Adag. : — « Quetn canta seus ma- 
les espanta. y> Bluteau, Vocab. — <iQaem 
mal canta bem rezoa.» Ob. cit. — nComo 
canta o abbade, assim responde o sachris- 
tão.ii Ob. cit. Quer dizer que cada um 
serve segundo lhe pagam. — «Cantar ?íiaZ 
e porfiar.)' Bento Pereira, Thesouro, p. 
219. — cCanta Marta, depois de farta.» 
Bluteau, Vocab. — (.'Conhecerás a loucu- 
ra em cantar, e jogar, e correr a mula. » 
Ob. cit. — vBens de sacristão, cantando 
ve7n, cantando vão.» Ob. cit. 

— Cantar, v. a. Executar uma peça 
de canto. — Cantar uma ária, um hymnd, 
a missa. — Cantar cantigas, cantar ver- 
sos. 

Mais estancas fon/úra esta Sirena 
Era louvor"do illustrissimo Albuquerque, 
Mas alembrou-lbe uma ira que u condcmna, 
Posto que a fama sua o mundo cerque. 

CAM., LU3., canl. I, est. i5. 

Cantigas pastoris, ou prosa, ou rima, 
Na sua lingua canlam, concertadas. 
OB. CIT., caut. V, est. C3. 

— Celebrar, principalmente em verso. 

Cesse tudo o que a Musa antiga cania, 
Que outro valor mais alto se alevanta. 
OB. CIT., cant. I, est. 3. 

Olhae, que ba tanto tempo que canfanilo 
O vosso Tejo e os vossos Lusitanos, 
A Fortuna me traz peregrinando. 
Oa. CIT., cant. vii, est. 79. 

Nenhum ambicioso, que quizesse 

Subir a grandes cargos, cantarei. 

OB. CIT., cant. vil, est. 84. 

Ainda, Nymphas minhas, nio bastava 
Que tamanhas misérias me cercassem; 
Senão que aquelles, que eu catuanUo andava, 
Tal premio de meus versos me tornassem. 
OB. CIT., canl. vn, est. 81. 

Não tinha em tanto os feitos gloriosos 
De Achilles Alexandro na peleja. 
Quanto, de quem o cama, os numerosos 
Versos ; isso só louva, isso deseja. 
OB. CIT., cant. T, est. 93. 

Trabalha por mostrar Vasco da Gama, 
Que essas navegações, que o mundo canla, 
Nio merecem tamanha gloria e fama. 
Como a sua, que o céo e a terra espanta. 
OB. CIT., cant. V, est. 9i. 



A vós só canio spritos bem nascidos, 
A vós e ás Musas olVereço a Lira. 

A-NTo.MO FERBEiBA, lom. I, p. 43 (ed. de 1771). 

— Annunciar, predizer cantando : 

Cantaea a bella deosa, que viri.am 
Do Tejo pelo mar, que o (jaiiia abrira. 
Armadas que as ribeiras venceriam. 
Por onde o Oceano Indico suspira. 
CA.M., LLs., ciiiit. X, est. to. 

Que tornará a vez septima, cantava. 
Pelejar com o inMcto e furte Luso. 
OB. CIT., cant. X, est. 18. 

E canla, como lá se embarcaria 
Em Belém o remédio d'este dano. 
OB. GiT., caut. X, est. 12. 

— Loc. : — Cantar a palinodia, retra- 
ctar-se, dizer o contrario do que se tinha 
dito anteriormente (latim, palinodiam ca- 
nere). — Cantar a moliana, lastimar-se, 
chorar-se. 

CANTAR, s. m. (De cantar, v.) Cântico, 
cantiga, canção. 

Quer'eu cn maneyra de proenoal 
Fazer agora um caniar daraor. 

CANC. DE D. DINIZ, p. 64. 

Vós que vos en vossos cantares meu 

Amigo chamados, crede ben 

Que non dou eu por tal inlinta^ren. 

OB. CIT., p. 1-9. 

Meus amigos que saber haveria 
Da mui gran coit an que vivo dizer 
En un cimlar que queria ora fazer. 

TROV. E CANTABES, Caot. .3. 

E ascondi-me pola ascuitar; 
E dezia mui ben este caniar. 

CANCIONSIIUNHO DE IBOVAS ANTIGAS, publ. pOr 

Yarnliagen, cant. 3. 

Quen vos foi aqui trazer 
Para m irdes destorvar 
D ú dig aquesle cantar 
Que fez quen sei ben querer? 
OB. CIT., cant. 1. 

E log'assi d'amores vou trobando, 
E faço cantares em mil maneiras. 
OB. CIT., cant. 4. 

— Um dos raros nomes de composi- 
ções poéticas que occorrem em os nos- 
sos mais antigos Cancioneiros ; os outros 
são cançon, cantiga, trova, tenzon. — 
« Com dor da sua opressão conuerterão a 
iniiençào dos homens indose de noite á 
cidade, e em cantares, segundo cá os vos- 
sos romances, e porquês, publicauão o 
dano que recebião, nomeando o Autor.» 
Jorge Ferreira de Vasconceilos, Ulysip- 
po, Prol. — Cantares, o livro do Cânti- 
co dos Cânticos de íSoiomào.= Bluteau. 

— Loc. : — Dizer alguém nos seus 
cantares, ter para si, pensar, ser d'opi- 
niào que. 

CANTAR, s. m. (Do árabe quintâr ;vid. 
Quintal). Quintal turco, usado na Grécia 
e em todo o Levante ; vale 50 kilogram- 
mas. 

CANTARA, s. /. (De cântaro). Cântaro 
de pequenas dimensões. 

CANTAREIRA, s. /. (De cântaro, com 
o suitixo «eira»). Poial, banco de pedra 
ou madeira, armário em que se põem 



cântaros e outros vasos de agua. — tFi- 
cando mais cayado que cantareira de Al- 
fama. » Francisco Rodrigues Lobo, Cor- 
te na Aldeia, Dial. v, p. 113. 

CANTAREJO, s. m. (De cantar, com o 
sufiixu «ajo»). Canto ntim sentido pe- 
jorativo. 

— Loc. : Fazer abalos por cantare- 
jos de gallus, dar importância, ou fazer 
muito barulho por cousas insignificantes. 

CANTARIA, s. /. (_De canto, com o suffi- 
xo daria»). Pedra rija, lavrada regular- 
mente, empregada em construcção, prin- 
cipalmente nos ângulos dos edifícios. — 
«Pilastroens feitos de boa cantaria.» Fr. 
Luiz de Souza, Historia de S. Domingos, 
Part. II, foi. 56 (1." ed.) — aCidade mu- 
rada com cerca de cantaria.» Monarchia 
Lusitana, Tom. iv, foi. 48. 

CANTÁRIDA, s. /. Vid. Cantharida. 

CANTARINHA, s.f. Diminutivo de Can- 
tara ou Cântaro. 

CANTARINHO, s. m. Diminutivo de 
Cântaro. 

CÂNTARO, s. m. (Do latim cantharus, 
do grego kániharos, vaso com aza). Vaso 
de bojo iargo, de barro ou folha de Flan- 
dres, para liquides. — <i.A qual indo bus- 
car agua a huma fonte e deixando o cân- 
taro. » Martyrologio em Portuguez, p. 272. 

— Loc. : Alma de cântaro, simplório, 
estúpido. — cíAchão-me alma de cântaro, 
e então arde o seco polo verde. >> Jorge Fer- 
reira de Vasconceilos, Eufrosina, act. i, 
SC 2. — Chover a cântaros, chover forte- 
mente. — Cair agua a cântaros, o mesmo 
que a piecedente. — Figuradamente: 

Chovem luz a cântaros os vossos olhos. 

D. PRASCISCO DB POBTUOAL, PBBSO B SOLTO, 
p. 16. 

— Adaq. : «Muito trigo tem meu Pay 

em hum cântaro.» Bluteau, Voe «Po- 

rém huma ora cae a casa, e tantas vezes 
vay o cântaro á fonte té que quebra. y 
Jorge Ferreira de Vasconceilos, Eufrosi- 
na, act. I, SC. 2. 

CANTAROLA, s. f. (De cantar, com o 
suffixo d cia»). Termo Popular. Canto 
desentoado ; cantiga em voz baixa. 

CANTAROLAR, v. n. (De cantarola). 
Cantar desentoadaniente ; cantar em voz 
baixa e repetidas vezes. 

CANTATA, s. f. (Do italiano cantata, 
de cantare; vid. Cantar). Peça de verso 
destinada a ser posta em musica, e que 
é escripta alternativamente em versos de 
diversos metros para o recitativo e em 
versos rimados regularmente para as árias. 
— A cantata de Dido. 

CANTATRÍZ, s.f. (Do latim cantatrix; 
de cantare, vid. Cantar). O mesmo que 
Cantora. — o Cantatrices do Paço. » Fr. 
Jacintho de Deus, Vergel de Plantas, p. 
194. 

CANTÁVEL, adj. (Do thema canta, de 
cantar, com o suffixo «avel»). Que pôde 
ser cantado ; digno de ser cantado. — Ver- 
sos cantáveis. — Feitos cantáveis. 



CANT 



CANT 



CANT 



85 



CANTEIRA, s. /. (De canto 2., com o 
suffixo ueira»). Pedreira de que se tir.a pe- 
dra de cantaria. — A pedra que se põe nos 
cantos ou ângulos das paredes. — cPula 
copia de formosas canteiras de Jaspes, de 
Porfidos Jinissimos.» Monarchia Lusita- 
na, Tom. VII, foi. 6. 

CANTEIRÍNHO, s. m. Diminutivo de 
Canteiro). Pequeno espaço de terra. 

1.) CANTEIRO, s.w. (De canto 2., com o 
suffixo a eiró»). Official que lavra pedras de 
cantaria; lavrante. — Porção de terra la- 
vrada e separada da outra onde se culti- 
vam flores, hortaliça, etc. — Ant. : O ser- 
viço de encanteirar, ou a paga porque elle 
se remia. — « Vinte soldos de canteiro, e 
XX de linho. V Doe. de 1419, em Viter- 
bo, Eluc. 

2.) CANTEIRO, s. m. (Do latim canthe- 
rius, de canthus ; vid. Canto 2) .Traves 
assentes sobre cães de pedra em que se 
firmam as pipas ; malhai de pedra em que 
assentam as cubas, pipas, dornas, etc. 

CANTES, ant, e pop. Corrupção de 
quanto é. — lOs rogos ainda que sejão 
de reis tem valia de mandado com vasa- 
los cantes a meu ver.v Provas da Histo- 
ria Genealógica, vi, 41. 

CANTEU, ant. e pojy. Contracção de 
quanto a eu, por quanto a mim. — «Can- 
teu não te ouvia. » Jorge Ferreira de Vas- 
concellos, Eufrosina, act. iii, se. 5. 

t CANTHARÉLLA, s. f. (Do grego kán- 
tharos, nome de um coleóptero). Termo 
de Botânica. Género de cogumelos co- 
mestíveis. 

CANTHÁRIDA, s. /. (Do grego hantha- 
ris, cantharida). Insecto coleóptero da 
tribu das cantharidiánas ou vesicantes 
(lytta vesicatória). Fazera-se vesicatórios 
com o pó das cantharidas. Applicado in- 
ternamente, esse pó, irrita os órgãos uri- 
nários. tíuppSe-se que seja aphrodisíaco. 
— t-As cantharidas tem virtude de quei- 
mar, e fazer bexigas.» António da Cruz, 
Recopilação de Cirurgia, p. 270. 

CANTHARIDÁDO, part. pass. de Can- 
tharidar. Polvilhado com cantharidas. — 
Emjúastro cantharidado. 

t CANTHARIDÁR, v. a. (De canthari- 
da). Polvilhar com cantharidas. 

t CANTHARIDIÁNO, s. m. (Do grego 
kanthavidis, cantharida). Termo de Zoo- 
logia. Os cantharidiànos, tríbu da fiimi- 
lia dos traihclides (insectos). 

CANTHARIDÍNA, s. /. (Do grego /caH//<a- 
rís, cantharida). Termo de Chimica. Prin- 
cipio a que as cantharidas devem as suas 
propriedades epispáticas. 

t CANTHRÓPOS ou CANTRÓPO, s. m. 
(Do grego kántharos, canto, e ôps, olho). 
Termo d'Anatomia. O canto do olho-, 

CANTIGA, s.f. ant. (De cântico). Can- 
çSo satyrica. — «Sempre ha motes, zomba- 
rias e canticas.ii Duarte Nunes de Le.ão, 
Chronica de D. Affonso V, cap. 50.— Can- 
to ou divisão do um poema. — «Aquelle 
famoso poeta Dante na sua primeira can- 



tica.» Inéditos de Historia Portugueza, 

11, 466. 

CÂNTICO, s. m. (Do latim canticum, 
de cantus ; vid. Canto). Entre os Hebreos, 
canto d'acção de graças consagrado á 
gloria de Deus. — O cântico de Muysés, 
o cântico de Débora, o cântico de bi- 
meão. — Cântico dos cânticos, livro de 
Salomão, um dos do Antigo Testamento. 
=Hoje, canto daegrejaem iingua vulgar. 

Carregado um Jumento cora relíquias 
Se euca^quL'lOll (jue a elle é gue adorjvão; 
Ei-io, que assim cuidando, se espaneja, 
Tendo por seus os Cânticos e o Incenso 

FRANCISCO MANOEL DO NASCIMENTO, FABULAS 
DE LAFONTAINE, II, 30. 

— Termo de Liturgia. Cânticos, os 
15 23salmos graduaes que se acham no 
fim do livro dos Psalmos de David. An- 
tigamente esses psalmos . eram chamados 
Cântico gráo. — «Santo Rei era David, e 
pedia que o livrassem das linguas morda- 
zes, como se escreve no 1.° Psalmo do 
Cântico grão.» Chronica de D. Duarte 
de Menezes, cap. 1. 

CANTIDÁDE, s, /. Alteração de Quanti- 
dade (vid. esta palavra). — ■<iE lhe outor- 
gamos, que possa vender, ou escambar o 
Casal com pessoa de maior cantidade que 
elle.» Doe. do século XV, em Viterbo^ 
Eluc.= Usado ainda por Lucena, etc. 

CANTÍGA, s. f. (De cántica, abranda- 
do o «Co em az», como em pagar, do la- 
tim pacare, gato, do latim catus, etc. — 
Nos Cancioneiros do século de D. Diniz, 
a palavra é accentuada na primeira syl- 
laba ; foi, assim, depois d'essa épocha que 
o accento se deslocou). Canção, trovas ; 
coplas de arte menor para se cantarem. 

Fez hua canthja d'amor^ 
Ora meu amij^o por mi. 

CANClONEUtlNUO DE TROVAS ANTIGAS, publ. pOr 

Varnhagcm, caut. 35. 

Cantigas pastoris, ou prosa, ou rima 

Na sua liii;,'ua aulam, concertadas. 

CAM., Lus., cant. v, est. 03. 

Seus versos, e rantiijas lodos eram 

Louvar o seu bom Hey, que os Ccos lhes deram. 

ANTÓNIO FEItnblRA, ECLOG. I. 

— ((Quando se vay por trovas, mais a 
propósito fallou a cantiga : isto não he 
vida para soffrer-se.» Francisco Manoel 
de Mello, Apol. Dial., p. 97. 

— Loc. : Fé de cantiga, pretexto dis- 
farçado com que se pretende chegar a di- 
zer ou fazer alguma cousa. = Enfermida- 
des da Lingua, p. 143. 

CANTIGUINHA, s.f. Diminutivo de Can- 
tiga. 

1.) CANTÍL, s. /. (De cauto 2, com o 
suffixo oil», cp. Gomil, etc.) Instrumento 
de alisar pedras. — l''igurai.amente : La- 
vrado a cantil, talhado planamente, sem 
ladeira a piqtie, alcantilado. — «Serras 
lavradas a cantil.» Bernardes, Relação 
da Ethyopia, foi. 70. — Instrumento de 
carpinteiro para abrir nos taboados an- 
gidos rectos, que se chamam de meio fio 
ou macho. 

2.) CANTÍL, «. m. Nome de uma me- 
dida para líquidos. 



CANTILENA, s. /, (Do latim cantilena, 
de cantas; vid. Canto). A menor e mais 
simples phrase musical, que pôde inven- 
tar, por exemplo, um pastor, uma ama ao 
acalentar a creança no berço; d'ahi, me- 
lodia ou cantiga simples d'um género me- 
lancólico e sentimental. 

Passarinhos choca rreiros. 
Pintados de varias pennas. 
Com suaves cantilenas 
A festejão... 

FRANC. RODR. LORO, O BESB.\'GASABO, p. 223. 

CANTIMPLÓRA, s. /. (Do francez chan- 
tepleure, funil cumprido com um tubo 
cheio de orifícios para fazer correr os lí- 
quidos n'uma pipa sem os turbar; de 
chante, canta, e jj/eure^por causa do mur- 
múrio que faz ouvir o liquido escoando-se 
(vid. Cantar e Chorar). A palavra foi ne- 
cessariamente introduzida do francez, por- 
que o portuguez não possue a forma pio- 
rar, senão em compostas (vid. Deplorar, 
Implorar). Existe egualmente em hespa- 
nhol e italiano). Siphão ou bomba de va- 
zar líquidos cm pipas. — Tubos commu- 
nicantes por onde passa a agua de uns 
repuxos para outros nos jardins. — Ap- 
parelho para resfriar o vinho ou agua com 
neve. 

t CANTIMPRÓSA, s. f. Alteração de 
Cantimplora. — <íN'este bosque estavão pos- 
tas três mesas muyto compridas ao longo 
de huas latadas de murta, com que todo o 
terreiro estava cercado, onde avia muy- 
tos esguichos de agoa que por cantimpro- 
sas corria de hujis aos outros.» Fernão 
Mendes Pinto, Peregrinações, cap. 70. 

CANTÍNA, s. f. (Do francez cantine ou 
do italiano cantina, d"onde vem o fran- 
cez. Segundo Diez, do mesmo radical que 
Canto 2. ; mas, segundo Tardieu, do latim 
quintana, logar n'um campo romano em 
que se vendia toda a espécie de cousas. 
Dar-se-ia n'esíe caso uma inversão de 
vogaes sem outro exemplo, o que torna 
a etymologia duvidosa. A de Diez é a 
mais acceitavel). Taverna de arraial ; fras- 
queira. 

CANTINÉIRO, s. »i. (De cantina, com 
o suffixo «eiró»). Neologismo. O que ven- 
de em cantina. 

CANTÍNHO, s. ?)i. Diminutivo de Can- 
to 2. 

1 .) CANTO, s. m. (Do latim cantus, da raiz 
can, em canere, cantar. Essa raiz na sua 
iórma indo-gernianica é kvan, que se encon- 
tra em sanskrito kvan, soar; kan-kart-t, 
sino; cm grego k-anazein, soar, etc.) Mo- 
dificação especial da voz humana, pela 
qual se formam sons variados, apreciáveis 
e submcttidos a intervallos regulares. 

Cantem, louvem c escrevam sempr* citrtnioj 
l>"os>es seus semideoses e encarec-im. 
Fingindo Matias. Cirfes. Pol.vphcraos, 
Sirenas, que a>'ocjmlo os adormífam. 
CAM., Lcs.. canl. t, esl. SS. 

— Sério de sons formando phrasos ou 
períodos musicaes, a que se dá a expres- 
são exigida pelo assumpto. — Canto triste. 



86 



CANT 



CANT 



CANT 



— Canto alegre. — Canto harmonioso. — 
Canto lúgubre. — Cantos nacionaes. 

Já nSo fogia a bella Nympha, tanto 
Por se dar cara ao triste que a seguia. 
Como por ir ouvindo o doce t-aiilv. 
As namoradas magoas que dizia. 
CÀM., Lus., cant. ix, est. 82. 

— O gorgeio das aves, o grito do gallo^ 
o ruido causado pelas azas de certos in- 
sectos, como a cigarra, o grillo, etc. 

A rédea larga (Vénus) ás aves, cujo catila 
A Ptaaetonlea morte cliorou tanto. 
C.1M., LOS., cant. ix, est. 43. 

As Halcyóneas aves triste canlo 
JuDCto aa costa brava levantaram, 
oa. ciT., cant. vi, est. 77. 

— Por ironia, o zurrar do burro. 

Ma! vio vir iedo o Dono, alçou (o burro} sem garbo 

O de.sunliado casco, 
E com meiguice lh'o iuipingio no roslo; 

Juntando a seu (tescuco 
A do seu zurro airosa melodia. 
DOrío. — Oue canlu\ eqiie meiguicol 

FRANCISCO MANOKL DO NASCIMENTO, FABULAS 
DB LAFO.MAINB, liv. II, 5. 

— Musica que se executa com a voz. — 
Estudar cauto. — Aprender piano e canto. 
— CaLatO-chão, canto gregoriano, canto de 
egreja, o cantar ordinário da egreja, cuja 
reguiarisaçào é attribuida a S. Gregório. 

— Canto de órgão, ou oanto Jigurado, por 
opposiçào a canto-cAão^ porque as phra- 
ses musicaes e suas secções, o compasso, 
o tom, são obrigados a uma marcha e tem 
um valor determinado que lhe dào uma 
figura particular e distincta. — Figurada- 
mente: Canto-cAão, doutrina vulgar e re- 
petida; doutrina simples e segura, fallar 
singelo 6 sincero. — Parte melódica da 
musica, a que resulta da duração e suc- 
cessão dos sons, e da qual depende em 
gi-aude parte a expressão, e á qual tudo 
o mais se subordina. — Musica vocal. — 
Partes de canto, as que executam as vozes. 

— Por extensão, poesia que se canta ou 
se pôde cantar. 

Mas, prosegnindo a Nympha a longo canto, 
De Soares cintava, que as bandeiras 
Faria tremular, e pòr espanto 
Pelas roxas arábicas ribeiras. 
cAu., Lus., cant. x, est. 50, 

Agora ta, Calliope, me ensina 
O que contou ao Rei o illuslrc Gama; 
Inspira imm«>rlal canhi e voz divina 
iN'este peito mortal que tanto te ama. 

CAU., LUS., cant. iii, est. 1. 

E emquanto eu estes canto, e a vós nSo posso, 
Sublime Rei. que n^o me atrevo a tanto, 
Tomae as rédeas vos do Reino vosso. 
Dareis matéria a nunca ouvido canto. 
OB. ciT., cant.i, esl. 15. 

Nem lho peço da lyra o som suave. 
Nem que o meu canto faça sonoroso. 

CORTB RKAL, NAUFRÁGIO DB SEPÚLVEDA, CãUt. I. 

Levantarey cm teu nome alegre canto. 

ANTÓNIO FBnnBIRt, SO.V ., liV. 1, 31. 

— Divisão d'um poema. — Os Lusíadas 
tem dez cantos. — A Eneada tem doze can- 
tos. 

Este receberá plácido e brando. 
No seu regaço o canto, que molhada 
Vem do naufrágio triste e miserando. 
CAM., LUS., cant. i, est. <3S. 

— Loc. : o canto do cysne, o ultimo 
poema d'ura poeta. Locução que tem sua 
origem em os antigos supporem <jue o 



cysne cantava quando estava para mor- 
rer. — O canto da sereia, ^càiWYAs enga- 
nadoras. 

2.) CANTO, s. m. (A palavra acha-se 
muito espalhada. O hespanhol tem canto, 
com a mesma signitícaçcào que o portu- 
guez, o italiano canto, canto, lado, parte, 
o inglez cant, superticie cortada ; o kini- 
ri cant, borda, circulo d'uma roda ; o la- 
tim caníÃiís, circulo d'uma roda, que Quin- 
tiliano julgava dorigem africana ou hispâ- 
nica; o grego kanthos, canto do olho e cir- 
culo de roda; o allemào kante; o anglo- 
saxão cant, borda, borda aguda, canto, 
etc. Diez encadêa assim as significações : 
kymri, borda e canto, românico canto. 
Qual seja, porém, a origem primitiva da 
palavra, é o que nàoé fácil de determinar. 
O manterem -se as consoantes ok» e «t» 
inalteráveis no teutonico sem terem pas- 
sado pela modificação a que as submette 
a lei de Grimm, mostra que ella foi intro- 
duzida nas linguas teutonicas em épocha 
comparativamente moderna. Que a pala- 
vra, porém, é indo-germanica e não afri- 
cana ou ibérica, parece provar o litiianio 
kampas, canto, região. Nas linguas slavas 
não é raro o desapparecimento de um «t» 
final depois de «m», entrando em seu lo- 
gar uma consoante análoga a essa liqui- 
da, isto é, uma labial). Angulo reentran- 
te ou saliente, formado pelo encontro de 
duas ou trez linhas, de duas ou trez su- 
perfícies. Os cantos de uma sala, d'iini 
quarto. — Os cantos da casa. — Os cantos 
do livro, da estante, da mesa, da rua. — 
Os quatro cantos do mundo, o mundo in- 
teiro. — Os cantos todos d'uma cidade, 
toda a cidade. — Figuradamente : Logar 
retirado. — N\im canto da pruvincia. — 
«Suspirava sempre jjelo canto da sua el- 
la.» Frei Luiz de Sousa, Vida do Arce- 
bispo, Liv. 1,4. — Os cantos da consciên- 
cia. Pedra angular. — Figuradamente: O 
canto da egreja, a pedra angular, a base 
da egreja, o papado. 

Ali se Iião de provar da espada 05 fios 
Em quem quer reprovar da egreja o ranto. 
CAM., LUS., cant. vii, est. 7. 

— Cabeça de canto, a pedra fundamen- 
tal d'um edifício. — Figuradamente : 

Quem com ellcs logo der 
Na pedra do furor santo, 
E batendo os desfizer 
Na pedra, que veio a ser 
Em fim cabeça de canto. 

CAM., SÔBOLOS Bios QUE TÃO. 

— Camões designa com essa expressão 
a S. Pedro. — Pedra em geral. 

Tomou como pasmado 

Todo o Estygio Reino co' o leu nanlo, 

E quasi descançaiio 

De seu eterno pranto. 

Cessou de alçar Sisypbo o grave canto. 

CAM., ODB III. 

— Pedra grande por esquadria. — «.Der- 
rihavãu sobre os que subiam grandes pe- 
dras e cantos.» Diogo de Couto, Dec. V, 
4,2. 



Fugindo, a seita o Mouro vae tirànd» 
Sem forca, de covarde e de apressado, 
A pedra, o páo e o ca/i/o arremessando: 
Da-liie armas o furor desatinado. 
CAM., LUS., cant. i, esl. 91. 

— O canto da bocca, o angulo forma- 
do de cada lado pelo encontro dos lábios. 

— O canto do olho, o angulo formado dè 
cada lado pelo encontro das pálpebras. — 
Olhar com o canto, olhar de lado, dis- 
farçadamente, tíngmdo que não se olha. — 
Jogo dos cantos, jogo em que quatro pes- 
soas occupain os quatro cantos d'uma ca- 
sa, e uma quinta collocada no meio da 
casa tracta de ganhar um d'essos cantos, 
logo que o occupante o abandona, para 
o trocar com outra pessoa coUocado n'ou- 
tro canto. 

— Loc. : Estar a um, ou posto a um, 
canto, estar desprezndo, considerado co- 
mo inútil. — Por alguém ou alguma cousa 
a um canto, mostral-o, fazel-o considerar 
inferior. 

CANTO-CHÃO, s. m. Vid. Canto 1. 

CANTOÉIRA, s. /. (De canto 2., cora 
o suífixo «eira»). Peça de ferro com que 
se prendem o fixam os cantos dos edifí- 
cios. 

CANTONÁL, adj. (De cantão, com o 
sufiixo «ai»). Que pertence ou diz res- 
peito a um cantão. 

CANTONEIRA, adj. (Forma de nature- 
za participai de canto 2). Termo de Bra- 
zão. Que tem alguma peça nos cantos. — 
Escudo cantonado. 

CANTONEIRA, s. f. (De canto 2., com 
o sutHxo «eira», como se a palavra deri- 
vasse de cantão, pela analogia dos deri- 
vados em «eira», d'um theraa era «ão»). 
Instrumento de ferro de trez cantos, que 
os encadernadores npplicara nos lombos 
dos livros para os dourar. = Frei JoSo 
Pacheco, Divertimento erudito, ii, 343, e 
Bluteau, Suppl. — Estante pequena, mo- 
vei, com prateleiros, que se põe no canto 
d'uma casa e em que se guardara louças* 

— Prostituta que anda pelos cantos das 
ruas, ou que vive em cantos ou logares 
retirados. 

Rhodope fnyhuma famosa Cantoneira. 

LKO.NEL D.\ UO.ST,!, ÉCLOGAS DB VinCILIO. 

1.) CANTOR, A, s. (Do latim cantor, 
de canere; vid. Canto 1). O, a que canta, 
que faz officio de cantar. 

Eis públicos tlieatros ó Cantores. 

ANTÓNIO FBItKEinA, CABTA II, 10. 

. Aonio Alvorotador 
Quasi esteve arrojado 
A interromper ligeiro 
Dos amantes cantares 
Os músicos amores. 

ANTÓNIO BACELLAB, SAUDADES D'A0N10. 

— O poeta, a poetisa, e principalmen- 
te o poeta épico. — Camões foi o grande 
cantor dos purtuguezes. 

2.) t cantor] s. m. Termo da índia 
portugueza. Nome que se dá ao sapal 
coberto de salgueiros, ou ao sapal peque- 
no de que se cortaram os salgueiros. = 
Bluteau. 

CANTORÍA, s. f. (De cantor, com o 



CAO 



CAO 



CAO 



8V 



sufiiso «ia»). Accção de cantar ; canto. 
— Concerto de vozes. — «Com grande so- 
Uvinidade e cantoria de vozes. » Jorge Car- 
doso, Agiologio Lusitano, iii, 802. 

t CANTORIA, s. f. Termo da índia 
portugueza. Nome que se dá ao sapal- 
grande de que se cortaram os salgueiros. 
= Blutenu. 

CANTOS-REDONDOS,s. m. pi. (Decan- 
to 2, e redondo). Espécie de limas de 
que usam os ferreiros e espingardeiros 
para arredondar os cantos das peças. 

CANTUNLÍA, s. f. (Palavra asiática). 
Antigo imposto que se pagava em Gôa. 
=Barros, Década II, 5, 2. 

CANUDÍNHO, s. m. Diminutivo de Ca- 
nudo. 

CANUDO, s. m. (De cano, com o suffixo 
«udo», como bicudo, de bico, etc. Tem for- 
ma adjectiva). Tubo delgado de madeira, 
metal, papel, vidro, etc. — Canudo de la- 
cre, páo de lacre. = Fernão Mendes Pin- 
to, Peregrinações, cap. 163. 

CÂNULA, s. /. (Do latim cânula, di- 
minutivo de canna (vid. Cana). Devia-se 
escrever Cannula). Tubo mais ou menos 
comprido, de diâmetro variável recto ou 
curvo, aberto nas duas extremidades, de 
muito uso nas operações cirúrgicas. 

CANULÁDO, adj. (De cânula). Que têm 
forma de cânula, ou de canudo. 

CANUTÍLHO, s. m. Vid. Canotilho. 

CANYBO, s. m. (Alterado do árabe fcm- 
naò). Cânhamo. — «Avia o que se chama 
mandouy, cantulia, apraça, panos, betele, 
especiaria, czxiyho, boticas, ortaUça,apas, 
feyneos.í) Barros, Década II, 5, 2. — Al- 
guns suppõem que é erro por cãybo, cam- 
bio, mas sem fundamento algum. 

t CANZÃO, s. m. Vid. Cãozão. 

CANZARRÃO, s. m. Augmentativo de 
Cão. — Cào muito grande. 

CANZOÀDA, s. /. (De canzão, ou con- 
zão, ou, melhor, de uma antiga forma 
canzon, com o suffixo «ada», syncopan- 
do-se o «n» adiante d'este suffixo). AJtm- 
tamento de cães. — Figuradamente : Ca- 
nalha, gente vil e borradora como cães. 

CANZOÀL ou CANZUÁL, adj. (De can- 
zão ou cãozão, ou, melhor, de uma antiga 
forma canzon, com o suffixo «ai»). De 
cão, de cães. — Matilha canzoal. — Fi- 
guradamente : — Plebe canzoal, a mais 
vil. 

CANZiS.s. m. pi. (Talvez de cão ; vid. 
as significações technicas d'esta palavra). 
Páos da atafona que puxam pelos tiran- 
tes á mula que faz andar a pedra. — Páos 
que se mettera na cabeça dos bois para 
baixo. = Bluteau. 

CAO, s. m. (Do latim canis, que deu 
primeiro no latira vulgar uma forma ca- 
ne, em que se confundiram todos os ca- 
sos do singular, e que se encontra em 
italiano; depois caindo o «e» final depois 
de «n», como ó regular cm portugupz, 
veio a antiga forma can, cam, d'ondo 
depois pela addiçào do «o» p