(navigation image)
Home American Libraries | Canadian Libraries | Universal Library | Community Texts | Project Gutenberg | Children's Library | Biodiversity Heritage Library | Additional Collections
Search: Advanced Search
Anonymous User (login or join us)
Upload
See other formats

Full text of "Rerum aethiopicarum scriptores occidentales inediti a saeculo XVI ad XIX"

This is a digital copy of a book that was preserved for generations on library shelves before it was carefully scanned by Google as part of a project 
to make the world's books discoverable online. 

It has survived long enough for the copyright to expire and the book to enter the public domain. A public domain book is one that was never subject 
to copyright or whose legal copyright term has expired. Whether a book is in the pubHc domain may vary country to country. Public domain books 
are our gateways to the past, representing a wealth of history, culture and knowledge thafs often difficult to discover. 

Marks, notations and other marginaha present in the original volume will appear in this file - a reminder of this book's long journey from the 
pubHsher to a Hbrary and finally to you. 

Usage guidelines 

Google is proud to partner with libraries to digitize pubHc domain materials and make them widely accessible. PubHc domain books belong to the 
pubHc and we are merely their custodians. Nevertheless, this work is expensive, so in order to keep providing this resource, we have taken steps to 
prevent abuse by commercial parties, including placing technical restrictions on automated querying. 

We also ask that you: 

+ Make non-commercial use of the files We designed Google Book Search for use by individuals, and we request that you use these files for 
personal, non-commercial purposes. 

+ Refrainfrom automated querying Do not send automated queries of any sort to Google's system: If you are conducting research on machine 
translation, optical character recognition or other areas where access to a large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the 
use of public domain materials for these purposes and may be able to help. 

+ Maintain attribution The Google "watermark" you see on each file is essential for informing people about this project and helping them find 
additional materials through Google Book Search. Please do not remove it. 

+ Keep it legal Whatever your use, remember that you are responsible for ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just 
because we believe a book is in the public domain for users in the United States, that the work is also in the public domain for users in other 
countries. Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we can't offer guidance on whether any specific use of 
any specific book is allowed. Please do not assume that a book's appearance in Google Book Search means it can be used in any manner 
anywhere in the world. Copyright infringement liability can be quite severe. 

About Google Book Search 

Google's mission is to organize the world's information and to make it universally accessible and useful. Google Book Search helps readers 
discover the world's books while helping authors and publishers reach new audiences. You can search through the full text of this book on the web 

at http : //books . google . com/| 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



37/ 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



^RUM AETHIOPICARUM SCRIPTORES OCCIDENTALES 

INEDITI J^T 

CURANTE C. BECCARI S, I. ' '"^^'^ 



Vol. VI 



P. EMMANUELIS DALMEIDA S. L 



HlSTORIA AeTHIOPIAE 



LIBER V-VIII 



ROMAE 

EXCUDEBAT C. DE LUIGI 
1907. 



Digitized by 



GoogI( 






Auctor sibi vindicat ius proprietatis 



Digitized by 



Googl( 







In tltstoriain Aethiopiae p. Emm. d'Almeida 
eRiTieA iNTReoueTie 






IRCA libros Historiae Aethiopicae, qui hoc volumine 
eduntur, scilicet a lib. V ad VIII, tria tantummodo 
mihi occurrunt animadvertenda ad pleniorem textus 
intelligentiam. 

Et primo quidem lectorem admonendum censeo non unica 
manu, ut priores quatuor libri, sequentes hos transcriptos fuisse, 
sed sex amanuenses in his transcribendis fuisse adhibitos, et 
quidem non eiusdem diligentiae, ut constat ex correctionibus 
plus minusve frequentibus, quas A. sive in margine sive in 
textu ipso sua manu apposuit, quarum praecipuas lector ipse 
ad calcem paginarum huius editionis appositas legere poterit ; 
quae enim minoris momenti erant, exempli gratia, mutatio 
€ am » in * So » , * Deos » in 4c Deus » , « pello » et « poUo » 
in € pelo » et « polo » et similes, quae constantissime in 
quaque fere pagina occurrunt, non esse singillatim notandas 
existimavi. Primi amanuensis manus, qui priores quatuor li- 
bros transcripserat, occurrit ab initio iibri V ad libri VI 
cap. vr, foU. 177-219'' (pp. i-i 33, lin. 12); secundi, a lib. VI 



Digitized by 



Googl( 



IV INTRODUCTIO 

cap. VI ad cap. ix, foU. 220-225% lin. 14 (pp. 133, lin. 12- 
147); tertii, a lib. VI cap. x adcap. xv, foU. 225% lin. 14- 
237'' (pp- 149-175 lin. 17); quarti, a lib. VI cap. xv ad 
lib. VII, cap. VI, foU. 238-247% lin. 14 (pp. 175, lin. 17- 
209, lin. i); quinti, a lib. VII cap. vi ad cap. xii, foll. 248- 
259"" (pp. 209, lin. 1-244, lin. 2); sexti, a lib. VII cap. xii 
usque ad finem lib. VIII, foll. 260-388 (pp. 244, lin. 2-506). 
Alterum, et hoc quidem maioris momenti, animadverten- 
dum est, scilicet post capitulum xvi libri VI desiderari Chro- 
nica ab Azage Tin6 conscripta, quae A. initio libri VI ad 
litteram se relaturum promiserat in secunda eiusdem libri 
parte (i), seque pluries postea, ex. gr. lib. VII, cap. i (2), 
et alibi passim, iam retulisse affirmat. Qui factum fuerit ut 
in Ms., quod olim in coUegio Goano servabatur quodque 
propria manu, ut saepius notavimus, A. correxerat, ista se- 
cunda pars VI libri desideretur, explicari mea sententia non 
potest nisi ponamus exscripta revera in Codice hoc exstitisse 
Chronica Tin6 atque ab A. probata; post huius vero mor- 
tem casu aliquo deperdita fuisse folia in quibus ea contine- 
bantur, cumque ad defectum supplendum non amplius ad 
manus patres goani haberent manuscriptum Historiae patris 
Paez, ex quo Almeida versionem Chronicorum Tin6 profecto 
transcribi fecerat, quia Romam iamdiu transmissum vivo Al- 
meida, satis habuerunt ex notis autographis ipsius Almeidae 
ea transcribere quae in ipsis reperiebantur. Hinc factum est 
quod chartarum scapus {quinterno) viginti paginas continens, 

(i) « Este livTO seisto contera duas partes...; na segunda porei a hi- 
storia ou Cronica do emperador Seltan Qagued, assi como a escreveo seu 
coronista o insigne martyr Azage Tino ate os annos de 1619 . . . ; e ponho 
aqui esta Cronica, porque serve de baze e rascunhos ao que diremos ...» 
(pag. 115). 

(2) « De tudo o que a Socinos soccedeo ate, por morte do empera- 
dor Jacobo, ficar absoluto senhor e em posse pacifica deste imperio, baste 
o que no livro VI refere o autor de sua Chronica, que disto nos ha de 
servir termola inxirido nesta nossa historia . . . > (pag. 185). 



Digitized by 



Googl( 



INTRODUCTIO V 

cui certo certius alii duo scapi adiungi debuissent Chronica 
Tin6 continentes, in margine ubi scapi numerantur non unius 
tantum scapi sed trium scaporum numeros inscriptos habeat, 
videlicet 21,22, 23. Quod autem haec omissio Chronicorum 
Tin6 post mortem Almeidae acciderit ex eo evidentissime argui- 
tur, quod in hoc manuscripti scapo desiderantur prorsus cor- 
rectiones et liturae quae in omnibus aliis paginis, ut dixi, 
frequentissimae occurrunt. Ceterum nostris diebus huiusmodi 
omissio nullum lectoribus detrimentum afifert, quia versio 
Chronicorum Tin6 iam in Historia patris Paez, lib. IV, 
capp. xvi-xx, a nobis typis est edita (i). 

Tertium denique, quod in praesentibus quatuor libris ad- 
notandum censeo, est quod, licet A. maximam narratarum 
rerum partem ex Historia Paez desumpserit, ut ex enarra- 
tione Fontium patebit, tamen huc illuc de suo adiecit vel 
etiam correxit quae ipsi ex propria experientia constabant. 
Et hoc maxime habet locum cum de locorum descriptioni- 
bus agitur; nam, cum Almeida, ut in introductione praece- 
dentis voluminis animadverti, pro suo tempore geographiae 
peritissimus esset, nunquam, quando occasio illi scpraebuit, 
omisit regionum latitudinem et a notioribus locis distantiam 
adamussim notare (cf. quae inferius notantur in Fontibus, sub 
titulo Expericntia auctoris). 

(i) Rer. Aelh. Script,, vol. III, pagg. 299-373. 



Digitized by 



Googl( 



VI INTRODUCTIO 

Pontes V'VIII Librh 

I. ~ Scripta aethiopica (\). 

1. Missae aethiopicae, lib. VI, cap. xiii per tot., cap. XI v per tot. 

2. Epistola imperatoris Za Denghel ad p. Paez, 1604, lib. V, 
cap. XII, n. 3. 

3. Eiusdem ad Pontificem, 26 iun, 1604, lib. V, cap. XV, n. 4. 

4. Eiusdem ad Regem Lusit,, 26 iun. 1604, lib. V, cap. XV, n. 6. 

5. Chronica Susneos a Tino conscripta usque ad an. 16 ig. Auctor 
operi suo ea se inserere asserit, lib. VI, cap. i, n. i ; iamque se 
inseruisse testatur, lib. VII, cap. i, n. 2 ; de iisdem tamen nihil in 
Ms. reperitur. 

6. Epistola Susneos (Seltan Sagdd) ad Paulum V circa obe- 
dientiam Ecclesiae praestandam, 14 oct. i6oy, lib. VII, cap. iii, n. 5. 

7. Eiusdem ad Regem Lusitaniae, 10 dec. i6oj, lib. \T:I, ca- 
pit. IV, n. i. 

8. Epistola Ras Athanateus ad Regem Ltisit., ij dec. i6oy, lib. VII, 
cap. IV, n. 2. 

9. Eiusdcm ad proregem Indiarum, 2j dec. 1607, lib. VII, ca- 
pit. IV, n. 2. 

10. Epistola Seltafi Sagdd ad Paulum V, ji ia??. 16 ij, lib. VII, 
cap. XII, n. 4. 

11. Eiusd. ad Regem Lusitaniae, ji ian. 16 ij, lib. VII, ca- 
pit. XII, n. 5. 

12. Eiusd. ad proregem Indiarum, i febr. 161 j, lib. VII, ca- 
pit. XII, n. 6. 

13. Epistola Ras Sella Christos ad Pontificemy 2 febr. 161 j, 
lib. VII, cap. XII, n. 7. 

14. Eiusd. ad Regem Lusitaniae, 2 febr. 161 j, lib. VII, ca- 
pjt. XII, n. 8. 

15. Epistola Seltafi Sagdd ad Pontificem, 6 iun. 16 14, lib. VII, 
cap. XXVI, n. 3. 

16. Eiusd. ad Regem Lusit., j iul. 16 14, lib. VII, cap XXVI, n. 4. 

17. Eiusd. ad Pontificem, /5 iul. i6i8y lib. VII, cap. XXVI, n. 8. 

(i) Epistolae et Actus publici ordine chronologico non alphabetico 
collocantur. 



Digitized by 



Googl( 



INTRODUCTIO VII 

18. Eiusd. ad Regem LusiL, 13 iuL 16 18, lib. VII, cap. XX VI, n. 9. 

19. Epistola Azage Tino (Tecla Sclass^) ad //. Jacobum de 
Mattos et Ant. Bruno (161S f), lib. VII, cap. XXIX, n. 3. 

20. Epistola quorumdam monachorum haereticorum ad Seltan 
Sagdd (i6ig ?), lib. VII, cap. xxx, n. 2. 

21. Edicttim Seltan Sagdd de Jidei catholicac vcritate amplec- 
tenda, nov, 1621, lib. VII, cap. XXXIII, n. i. 

22. Eii4sd, protestatio coram primoribus regni, mart. 1622, lib. VII, 
cap. XXXIII, n. 3. 

23. Edictum eiusd. declarans populis suam a schifmate Alexan' 
drino secessionemj 1623, lib. VIII, cap. vii, n. 3. 

24. Epistola Seltan Sagdd ad patriarcham Mendez, 20 maii 1624, 
lib. VIII, cap. xvr, n. 2. 

25. Epistola Sella Christos ad patriarcham Mendez, 1624, lib. VIII, 
cap. XVI, n. 3. 

26. Oratio Melcha Christds^ Imperatoris nominc habita in actu 
obedientiae ab hoc praestitae Ecclesiae Rom., 11 febr. 1626, lib. VIII, 
cap. XXII, n. 4. 

27. Professio Jidei catholicae ab Imp. praestita 11 febr. /626, 
lib. VIII, cap. XXII, n. 5. 

II. — Scripta occidentalia. 

1. Alvarcz Franciscus, Verdadeira informagam das terras do 
Preste etc, Lisboa 1540. De caeremoniis baptismatis aethiopici; 
lib. VI. cap. VII, n. 5. 

2. Azevedo (de) p. Aloisius. Testimonium de patris Abrah. de 
Georgis sanctitate ; lib. V, cap. vii, n. 5. 

3. Lusitanorum in Acthiopia degentium epistola circa viam op- 
portuniorem ad patres in Aethiopiam trafismittcndos, 22 ian, 1602 ; 
lib. V, cap. IX, n. 3. 

4. Mendez Alph. Patriarcha. Epistola qua describit itcr suum 
in Acth, (in itinere) ; lib. VIII, cap. XVii, n. 2. — Alia ciusdem 
de eodem argumcnto (in itinere) ; lib. VIII, cap. XIX, n. 2. — Alia 
eiusdem de suo adventu (ex Frcmona); lib. VIII, cap. XX, n. 2. 
— Eius testimonium de patribus in Aethiopia degentibus ; lib. VIII, 
cap. XX, n. 4. — Ilomilia in actu obcdientiac ab Imperatore prac- 
standae, 11 febr, 1626 ; lib. VIII, cap. XXII, n. 2. — Patriarchae so- 
cius describit iter in Aeth. etc. (ex itinere); lib. VIII, cap. xviii, n. 3. 



Digitized by 



Googl( 



VIII INTRODUCTIO 

5. Paez p. Petrus, (i) Hist, de Aethiopta, (P.) Lib. III, cap. XV, 
nn. I, 5-6. De initiis expeditionis patrum Paez et Ant. de Monser- 
rate; lib. V, cap. I, nn. 1-3. — (P.) Lib. III, cap. XVI per tot. De 
eorumdem itineris casibus usque ad Ormuz; lib. V, cap. i, nn. 4-5. 
— (P.) Lib. III, capp. xvii-XVlii por tot. Do eorum ab Ormuz di- 
scessu et captura ; lib. V, cap. ll per tot. — (P.) Lib. III, cap. xix 
per tot. De eorum traditione Sanam in Yemen ; lib. V, cap. ili per 
tot. — (P.) Lib. III, cap. XX per tot. De captivitate in urbe Sana 
et de liberationis tractatibus ; lib. V, cap. IV per tot. — (P.) 
Lib. III, cap. XXI per tot De patrum Mocam translation-:», remigio 
addictione et demum liberatione; lib. V, cap. v per tot. — (P.) 
Lib. III, cap. XV, nn. 2-4. De patris de Monserrate gestis; lib. V, 
cap. vr, nn. 2-4. — (P.) Lib. III, cap. xxii per tot. De expeditione 
p. Abrah. de Giorgis eiusque martyrio prope Mazuam etc. ; lib. V, 
cap. VII, nn. 1-5. — (P.) Lib. IV, cap. i por tot. Dc successione im- 
perii post Sarsa Denghel ; lib. V, cap. Vlll per tot. — (P.) Lib. IV, 
cap. II per tot. De expeditione in Aethiopiam Melchioris a Sylva 
presb. Goani ; lib. V, cap. ix per tot. — (P.) Lib. IV, cap. iii per 
tot. De fundatione collegii Diensis, deque ingressu in Aethiopiam 
patris Paez; lib. V, capp. X, nn. 1-2, 3-5, XI per tot. — (P.) Lib. IV, 
cap. IV per tot. De depositione imp. Jacobi et electione Za Denghel ; 
lib, V, cap. XII per tot. — (P.) Lib. IV, cap. IV, n. 4. Epistola Paez 
ad Za Danghel; lib. V, cap. XII, n. 4. — (P.) Lib. IV, cap. V per 
tot. De conversione ad fidem cath. cuiusdam monachi gravis. deque 
mirabili a locustis lib^ration^ ; lib. V, cap. xiii per tot. — (P.) Lib.IV, 
cap. VI per tot. De patris Paoz ad Za Denghel adventu bonaque 
receptione; lib. V, cap. XI v per tot. — (P.) Lib. IV, cap. vil, nn. 1-6. 
De proposito Imp?ratoris obedientiam Ecclesiae Rom. praestandi ; 
eius d3 hac re epistolae; lib. V, cap. XV, nn. 4, 5, 6. — (P.) Lib. IV, 
cap. X per tot. De ingressu in Aethiopiam pp. Ant. Fernandez et 
Franc. Antonii de Angelis; lib. V, cap. xvi, nn. 1-3. — (P.) Lib. IV, 
cap. VIII, n. i. Da discessu patris Paez in Nanina aegre ab Impe- 
ratore concesso ; lib. V, cap. xvi n. 5. — (P.) Lib. IV, cap. vii, nn. 7-8. 
De auri pondere ab Imperatore ad Paez misso ab eoque recusato; 
lib. V, cap. XVI, n. 4. — (P.) Lib. IV, capp. vill, nn. 2-4, IX, nn. 1-7. 
De rebcUione Za Selasse et Ras Athanateus contra Za Denghel ; 
de istius nece; de Ras Athanatheus erga Paez bona voluntate; 

(i) Ad vitandam ambiguitatem inter citationes librorum Hist, Paez et 
Almeida, libri Paez distinguuntur littera (P.). 



Digitized by 



Googl( 



INTRODUCTIO IX 

lib. V, capp. XVII per tot., xviii, nn. 1-2. — (P.) Lib. IV, cap. ix, 
nn. 9-12. De patris Paez in Tigre, et ad imperatricem Mariam Sina 
in Goggiam itineribus, et Fremonam reditu ; lib. V, cap. xviii, 
nn. 2-4. — (P.) Lib. IV, cap. xii per tot. De itinere et adventu 
pp. Aloisii de Azevedo et Laurentii Romani; lib. V, cap. xviil, 
nn. 5-7. — (P.) Lib. FV, cap. xi per tot. Evehitur Susneos ad im- 
perium; reiicitur et lacob revocatur; lib. V, cap. xix per tot. — 
(P.) Lib. rV, capp. xiil per tot., XI V per tot. lacob accersit p. Paez 
eique pandit propositum obedientiam Ecclesiae Rom. praestandi ; 
de illius bono in patres et catholicos animo. De quadam contra 
catholicos per Cafluade insectatione ; lib. V, cap. XX per tot. — 
(P.) Lib. IV, cap. xv per tot. Susneos, lacobo in praelio inte- 
rempto, imperio potitur; lib. VII, cap. i, nn. 3-7. — (P.) Lib. IV, 
cap. xxill, nn. 1-2, 4-8. Susneos amantissime excipit patres in 
Goggiam commorantes, p. Paez accersit eique terras in perpetuum 
iuridicis caeremoniis tradit; lib. VII, capp. 11 per tot, ill, nn. 2-3. 
— (P.) Lib. IV, cap. xxiv per tot. De Imperatoris proposito prae- 
standi obedientiam Ecclesiae Rom. ; de hac re ad Pontificem epi- 
stolae et ad Regem Lusitaniae; lib. VII, capp. iil, nn. 4-5, IV per 
tot. — (P.) Lib. rv, capp. xxv per tot., xxvi per tot. De rebel- 
lionibus adversus imperatorem Susneos ; de ficto Jacobo ; de Melka 
S^ec; lib. VII, capp. V per tot, vi per tot., vii per tot. — (P.) 
Lib. I, cap. XII, nn. 1-8. De Imperatoris in Axum coronatione; 
lib. Vn, cap. vni, n. 2 (cf. lib. I, cap. xxii per tot). — (P.) Lib. I, 
cap. XII, n. 9. Imperator inde rediens Fremonam invisit etc, re- 
bellem aggreditur; lib. VII, cap. vni. n. 4. — (P.) Lib. IV, cap. xx\^i 
per tot. De prosperis gestis proregis Amsala Christos contra fictum 
Jacobum ; lib. VII, cap. IX per tot. — (P.) Lib. IV, cap. xxviii, 
nn. 1-2. De Sella ChristSs ad fidem cath. conversione; lib. VII, 
cap. XI per tot. — (P.) Lib. IV, cap. xix per tot. Epistolae Phi- 
lippi m, Pauli V ad Seltan Sagad et huius ad eos et ad proregem 
Indiarum; epistolae Ras Sella Christ6s ad Philippum regem et ad 
Pontificem; lib. VII, cap. xii per tot. — (P.) Lib. IV, capp. XXX- 
XXXIV per tot. De infelici successu expeditionis p. Antonii Fernandez 
et Fecur Egzy Melindam versus ut inde in Europam transmitterent; 
lib. VII, capp. Xlli-Xix per tot. — (P.) Lib. IV, cap. XXXVI per tot. 
Epistolae Regis Lusitani et Pontificis ad Imper., et huius ad eos re- 
sponsiones, lib. VII, cap. XXV per tot. — (P.) Libb. II, cap. viii, 
nn. 4-5, IV, cap. XX, nn. 17-18 (ex Ciu-. Tino). De Za Christos impo- 



Digitized by 



Googl( 



X INTRODUCTIO 

store ; lib. VII, cap. xxvi per tot. — (P.) Lib. IV, cap. xxvii per tot, 
De fundatione secundae residentiae in Goggiam pro Ag6us, ad quos 
p Deangelis mittitur, deque huius gestis ; lib. VII, cap. XXVili per tot. 

— (P.)Lib. II, capp. I per tot., vii, n. i. Principia fidei et sciiismatis in 
Aeth. ; lib. VI, cap. ii per tot. — (P.) Lib. II, cap. ll, nn. i-8. De 
errore in processione Spiritus Sancti; lib. VI, cap. Iii, § 3. — (P.) 
Lib. II, capp. III, nn. 1-3, iv, nn. 1-6, 12. Errores circa duplicem 
Christi naturam; lib. VI, cap. IV per tot. — (P.) Lib. 11, cap. vi 
per tot. Error circa animas rationales et Purgatorium; lib. VI, 
cap. V per tot. — (P.) Lib. 11, cap. IX per tot. De Baptismate ; 
lib. VI, cap. VII per tot. — (P.) Lib. II, cap. xi, nn. i, 14. De sa- 
cramento Eucharistiae et consecratione in missa ; lib. VI, cap. ix 
per tot. — (P.) Lib. II. cap. xi, nn. 2-13. De missis Aethiopicis ; 
lib. VI, capp. XIII per tot.; xiv per tot. — (P.) Libb. 11, cap. x, 
nn. 2-4; I, cap. xxi, n. 6. De Poenitentia; lib. VI, cap. viii per 
tot. — (P.) Lib. II, cap. xiii, nn. 1-6. De Ordine; lib. VI, capp. xi 
per tot XII, per tot. — (P.) Lib. II, cap. xiv per tot. De Matri- 
monio; lib. VI, cap. xvi (cf. lib. I, cap. xv). — (P.) Lib. II, cap. x, 
n. I . De Confirmatione et Extrema Unctione ; lib. VI, cap. Vll princ. 

— (P.) Lib. n, cap. VIII, per tot. De Circumcisione et observantia 
sabbati; lib. VI, cap. v per tot. 

6. Pontifex Rom. Epistola ad imperatorem Seltan Sagdd, 4 ta- 
nuarii 161 1\ lib. VII, cap. Xli, n. 2. — Ad eumd. i febr. 1615; 
llb. VII, cap. XXVI, n. 2. — Ad eumd. 23 dec. 1616; lib. VII, 
cap. XXVI, n. 6. 

7. Rex Lusitaniae. Epistola ad Seltan Sagdd, /5 mar. /6op; 
lib. VII, cap. XII, n. I. — Ad eumd. 21 febr. 161 5; lib. VII, 
cap. XXVI, n. 5. — Ad eumd. 10 mar. 16 17, lib. VII, cap. xxvi, n. 7. 



III. — Tradiiio oralis ab Auctore per tesies fide dignos excepia» 

1. Narratio cuiusdam civis Ormuz de patris Antonii de Mon- 
serrate caritate; lib. V, cap. vi, n. 5. 

2. Narratio cuiusdam Lusitani de quadam patris de Monserrate 
prophetia; lib. V, cap. v, n. 5. 

3. Testimonium p. Melchioris Coutinho circa virtutes patris 
Abrahami de Georgis; lib. V, cap. vii, n. 5. 



Digitized by 



Googl( 



INTRODUCTIO XI 

IV. — Experieniia Auctoris, 

1 . De schismatis in Aethiopia tempore historia et coniecturae ; 
lib. VI, cap. II per tot. 

2. Descriptio diligens regni Narea; lib. VII, cap xiv, n. i. 

3. Geographica descriptio regni Gingiro; lib. \TI, cap. xvi, n. 1. 

4. De Agaus, quae sit gens et quamnam regionem incolant; 
lib. Vn, cap. XXVIII, n. i. 

5. De suo in Aethiopiam itinere, lib. VIII, capp. l-ii per tott. 

6. De suo Fremonam (Maygoga) adventu: loci descriptio; li- 
bro Vin, cap. iii per tot. 

7. De sua et sociorum receptione in aula, febr. 1624; de eius 
anni eventibus; de dedicatione ecclesiae Ganete lesus in Dancaz; 
lib. Vin, capp. rv-vii per tott. 

8. De itinere octo patrum in Aethiopiam per diversas vias; 
lib. VHI, cap. vin per tot. 

g. ludicia Auctoris circa martyrium patrum Machado et Pe- 
reira; lib. Vin, cap. ix per tot. 

10. De distributione patrum per varias residentias; lib. Vni, 
cap. X per tot. 

11. De patriarchae Mendez Fremonam adventu; lib. VIII, ca- 
pit. XX per tot. 

12. De eius ad aulam Dancaz adventu; de obedientia Rom. 
Ecclesiae ab Imperatore praestita ; lib. VIII, capp. xxi-xxii per tott. 

13. De novarum residentiarum fundatione; lib. VIII, cap. xxiii 
per tot. 

14. De locustarum invasione in Tigre, lib. VIII, cap. xxiv 
per tot. 



^"^^F^ 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V 

DA HISTORIA ETHIOPICA 



CAPITULO I. 

Como os pp. Antonio de Monserrate e Pero Paes 
partirSlo pera Bthiopia. 



No livropassadotratamosdavidaemortedopatriarchadom Andre x. Patriarcha o- 
de Oviedo e dos padres que com elle entrarao em Ethiopia. Vimos ^ii^^^ta functis 

como no conselho que em Goa se fez, em que se assentou que fi- Philippu» in catho- 

^ ^ T ji^jIj Aethiopiae au- 

casse nella o patriarcha dom Joao Nunez Barreto, se determinou jun- xllium ferre studens 

tamente que se mandasse perguntar a el Rey dom Joao se era sir- mandat^t aliquot^e 

vido que com o patriarcha Joao Nunez se mandassem da India a Societate patres iUuc 
_ , . . , , , - . , regiis impensis mit- 

Ethiopia ooo ou 700 soldados portugueses, com os quaes se tmha tendos curet. 

por certo que o Emperador de Ethiopia e a gente de seu imperio, 

ou por vontade ou por forga, se sojeitaria e daria obediencia a Igreja 

Romana; e como o patriarcha dom Andre de Oviedo e os padres 

seus companheiros sempre, em quanto viverao, suspirarao por este 

soccorro de gente e o pidirao em todas as cartas que escreverao a 

Sua Sanctidade, a Sua Alteza, ao Viso Rey da India e aos padres 

que Iho soUicitassem e alcan^assem. Todcis estas peti^Oes e conselhos 

do soccorro ficarao baldadas, porque, morrendo el rey dom Joao 3° 

no anno de 1 557 e ficando el rey dom Sebastiao menino e despois 

C Bkccari. /?#r. AefA, Scripi, occ, ined. — VI. x 



Digitized by 



Googl( 



2 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

aplicandosse todo a infiliz joraada de Africa, nao houve lugar de se 
acudir a negocios estranhos, posto que mui importantes, estando o 
reino tam perturbado e necessitado. 

Com tudo el rey dom Phelipe primeiro de Portugal, tanto que 
o teve pacifico, sendo informado do estado das cousas de Ethiopia, 
alcangando logo com seu alto juizo e insigne prudencia a grande 
gloria e honra de Deus, que se devia esperar desta missao, escreveo 
e encomendou muito ao viso rey dom Duarte, que fizesse todo o 
possivel por mandar padres da Companhia a Ethiopia, pera se fo- 
mentar esta faisca da sancta fee, que Deus nella metera com a en- 
trada dos Portug^eses de dom Christovao, e sostentara viva com os 
trabalhos do patriarcha dom Andre e dos padres seus companhei- 
ros ; porque esperava que della se havia de atear tal fogo que alu- 
miasse e abrazasse em o conhecimento da verdadeira fee e amor 
divino as brenhas e matos bravos de Ethiopia. E pera que esta sua 
ordem tivesse o desejado eflFeito, avizava sua Magestade ao Viso Rey 
que nao perdoasse *a trabalhos, nem reparasse em gastos de sua real f.i77»v. 
fazenda. 
a. PP. de Monser- Chegou esta carta a India no anno de 1587, quando ja por morte 

p^tionem aediio^- ^^ ^^"^ Duarte era goveraador della Manoel de Souza Coutinho. 

cam destinantur et Foisse logo o governador em pessoa ao coUegio de sam Paulo, deu 

Qoa solyunt Bazain 

vemia a Febr. 1588, parte da ordem de sua Magestade ao p. Provincial, que entao era 

ISo^^mo^i^in^ti" ^ P- ^®^^ Martins, o qual depois foi bispo do Jappao. OflFereceo o 

perveniunt. p. Provincial ao goveraador com muito gosto e vontade todos os 

padres, que pera esta missao fossem necessarios : assentarao que por 

entao partissem dous. Escolheo logo o p. Provincial, entre muitos, 

que se oflFerecerao e pidirao com grande fervor esta tam pirigosa e 

trabalhosa empreza, ao p. Antonio de Monserrate catelao de nagao, 

Veutio de muitas letras e virtude muito provada; e ao padre Pero 

Paes castelhano, sojeito em tudo cabal, feito e escolhido por Deus, 

como despois se vio, pera o bem de Ethiopia. 

Partirao de Goa pera Dio aos 2 de fevereiro de 1588, porque 

Luis de Mendo<;a, homem nobre, casado naquella cidade, o qual 

avia annos corria ali com os negocios de Ethiopia, tinha escrito ao 

goveraador que elle tomaria a sua conta embarccir os padres em 

alg^ma das muitas naos de Baneanes que daquelle porto partiao 

pera Magua. Na viagem nao Ihes faltarao trabalhos e pirigos, porque, 

atravessando de Ba<;aim pera Dio com huma manchua de bate [sic], 

foi a tormenta tal que esteve muito perto de se gogobrar ; mas livres 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO I. 3 

deste pirigo forao tomar a enseada dos rabaos, donde mandarao re- 

cado a Luis de Mendo^a de como erao chegados ; o qual Ihes apa- 

relhou logo vistidos de Armenios, e com elles de noite os meteo na 

cidade, pera que os mouros marinheiros das naos do estreito os nao 

conhecessem por padres e os indicassem la aos Turcos. 

Detiveraose em Dio muitos dias, procurando sempre Luis de 3. Opportunitatem 
« , « , TA •& r naviffazidi Masuam 

Mendoija sua embarca<?ao com os Baneanes e Mouros capitaes e yersus per plures 

senhores das naos que hiao pera o estreito ; mas, por mais que fez, «»«»•«• nequicquam 

oppenuntur. 
nunca pode acabar com nenhum que os quizesse levar em sua nao, 

polo medo grande que tinhao de os Turcos Ihas tomarem com todo 

fato, por levarem homens brancos, que facilmente podiao vir a ser 

conhecidos por quem erao. 

Em Dio o padre Antonio de Monserrate esteve sempre em casa 
recolhido, porque, como era na India muito conhecido, ainda em trajos 
de Armenio o podia ser de alguns. O p. Pero Paes andava pela 
cidade i egoceando algumas cousas pera a embarca^ao, em quanto 
della tiverao esperanpas, e andando assi disfar^ado, tres vezes o apre- 
dejarao os mininos da escola por mouro, doestandoo de Mafamede ; 
e huma vez entrando na fortaleza, hum soldado dos da guarda ar- 
remeteo a elle com ira dizendo: Ha mouro? quem vos deo licen^a 
pera entrar na fortaleza ? Tomai pera fora ; mas dizendo outro : He 
Armenio, o deixarao entrar. Erao estas afrontas, que aqui padeceo 
f. 178. por mouro fingido, *ensayos que Deus Ihe dava pera as deshonras 
e trabalhos que na Arabia havia de padecer por christao verdadeiro ; 
e tomavsias o padre nao so com paciencia, mas com grande gosto, tanto 
que aqui Ihe lembrou o que em Castella, quando se partia pera a 
India, Ihe dissera hum homem de assinalada virtude, que vinha pera 
ser apedrejado e afrontado por amor de Deus. E estimou grande- 
mente ver que se compria ja a profecia, e Ihe fartava o Senhor a 
sede de padecer por seu amor com que viera de tam longe. 

Vendo os padres que nao havia remedio pera de Dio se em- 4« Mcnse aprili 
barcarem pera o estreito de Meca, com o desejo em que ardiao de del^in^Omu» se 

chegar a Ethiopia, por todas as vias intentarao sair com sua pre- transferunt, ubi co- 

miter a pp. Auguati- 
tengao e perguntando a varias pessoas por onde achariam algun ca- nianis recepti, prae- 

minho, vierao a encontrar com hum mercador armenio natural de ^^ ^gentiles insi- 

Alepo, o qual Ihes disse, que os levaria por via de Bacora ate sua stunt. 

terra e dali os encaminharia pera o Cairo, aonde achariao cafilas, 

em que pudessem passar seguros a Ethiopia. Era o caminho largo, 

cheo de perigos e trabalhos : mas tudo aos padres pareceo facil ; 



Digitized by 



Googl( 



4 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

embarcaose na nao do Armenio aos 5 de abril do mesmo anno 

de 1588. Chegao a Mascate a fazer aguada: ali acharSlo por ca- 

pitao Belchior Calaga, homem sobre grande cavalheiro, de muita ex- 

periencia nas cousas da India, e particular devoto da Companhia. 

Descubriraose com elle, e comunicandolhe o intento de sua viajem, 

Ihes disse, que nao hiao bem encaminhados, por serem grandes e 

mui arriscados os rodeos dos caminhos que haviao de fazer ; que tinha 

hum mouro piloto,* o qual cursava a carreira do estreito, que vindo 

de certa viajem aonde era ido, acabaria com elle que os levasse ate 

algum dos portos da costa do Abexim ; que entretanto, ate chegar 

o mouro e a mon^ao, se fossem os padres pera Ormuz, aonde podiao 

estar mais encubertos, pera que os mouros de Mascate os nao co- 

nhecessem. Fizeraono assy: em Ormuz os agazalharao em seu mo- 

steiro os religiosos de sancto Agostinho com muita caridade ; e dei- 

xados, por em quanto ali se detinhao, os trajos de Armenio, se 

occuparao nos ministerios da Companhia, confessando, pregando e 

insinando a doutrina aos mininos e gente rude, com nao pequeno 

fruto e bem das almas. 

5. Patres gravi Mas como a terra he quente em demazia e os padres nao per- 

convSeroit ™rimu8 doavao a nenhum trabalho, vierao a adoecer. Cayo primeiro o padre 

Monserrate etneop- Antonio de Monserrate, e logo o padre Pero Paes, e forao as doen- 

portunitatem navi- 

gandi amittat, relicto (jas trabalhosas e cumpridas, porque durarao mais de dous mezes. 

sccnd^: "at «im*"^a Nisto chegou o tempo da mon^ao, e foi necessario partiremse pera 

praedonibusmarein- Mascate, estando ainda o padre Pero Paes mal convalecido; e assy, 

f estaretur portum re- 

petere cogitur. inte- com o trabalho do mar e balan^os da embarca^ao, se Ihe originou 

^^i^iT^** '"nval^"h ^^^^ recaida mui pirigoza ; tanto que foi necessario determinarse o 

p. Paes et sub fe- p. Antonio de Monserrate a se partir dali com hum mogo suriano, 

ni ambo iter aethio^ Q^® levavao por ling^a, deixando ao padre Pero Paes encomendado 

picum aggrediuntur. ^0 capitao da fortaleza Belchior Calaga. Sintia *o padre Pero Paes f.i?»,^. 

grandissimamente, nao o trabalho e pirigo da doen^a, mas ser ella 

causa forgada de perder a missao que tanto desejava. Mas Deus nosso 

Senhor, que tanto estima os desejos do cora^ao, e via quam affer- 

vorados erao os com que este seu servo pretendera sirvirlo em em- 

preza tam trabalhosa e arriscada, quilo consolar no meo desta af- 

fli^ao; e assy aflirmou o mesmo padre que Ihe pareceo dizeremlhe 

ao cora^ao: Nao tenhas sentimento; porque o padre nao ha de entrar 

em Ethiopia, e tu sim. Mal se pode declarar a grande consola^ao 

com que ficou aquella sancta alma : foi tal, que em poucos dias, com- 

municandose ao corpo sua parte, alcan<;ou perfeita saude. E ordenou 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO I. 5 

Deus, que, estando ja o padre Antonio de Monserrate pera se em- 
barcar, chegasse a Mascate huma embarca^ao com novas de sete de 
mouros Nautaques, os quaes correndo aquella costa tomarao outra de 
Portugueses e esperavSo ali perto pera os darem, se Ihes levassem 
bastante resgate; mandoulho o capitao e apoz elle outras sete em- 
barca^Oes, que dado o pre^o e resgatados os Portug^eses, dessem 
nos ladrOes e os matassem e cativassem. Receberao os mouros o 
resgate, entregarao os cativos; deraolhes os nossos ca^a; mas por 
serem as embarca^Oes dos mouros muito ligeiras, escaparao as mais ; 
so a capitaina com o capitao mor vivo, posto que malfirido, ficou na 
mao dos Portugueses. Nisto se gastarao quinze dias, os quaes forgada- 
mente esperou no porto, por nao cair nas maos dos ladrOes a em- 
barcaijao em que havia de ir o padre Monserrate. O que tudo Deus 
ordenou pera o padre Pero Paes nao ficar em terra, mas continuar 
sua viajem, e accompanhar, como accompanhou, ao padre Antonio 
de Monserrate, embarcandose com elle ja com boa saude, que na- 
-quelles poucos dias recuperou. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO 11. 

Como os padres, partidos de Mascate, cativarSlo A 

vista de Dofar e dali forSlo levados d el Rey de 
Xaer (i). 



Partirao os padres de Mciscate com o piloto mouro do capitao, x. Parvae navis 
o qual prometeo de os meter em Zeila, mas Deus nosso Senhor or- nirgubemaculumae- 

denouque no caminho fossem cativos e levados a Canaan, cidade de ™*^ f^^^ iterum 

f rangitur et in insu- 
Arabia, assi pera que ali acudissem com o remedio da alma as de las Curiamuria vc- 

26 Portugueses que la estavSo em poder dos Turcos (os quaes afiir- ^^auT n^^^^iw^ 

marao aos padres que avia muito tempo pidiSo muito k Deus nosso prosequuntur, at ve- 
^ ro Mahumedanorum 

Senhor que ou os livrasse daquelle duro cativeiro, ou Ihes levasse naves ex insidiis 

ali sacerdote que os confessasse), como porque Nosso Senhor com «««^toriam aggre- 
^ ' ^ ^ diuntur et captivam 

particular providencia os quiz desviar de Zeila, aonde se chegarSo, DofAr abducunt. 

f- 179. o mais certo he que nao escapariao *com vida das maos do Rey de 

Adel que he senhor daquella terra, como nao escaparao despois os 

dous padres que ali forao ter no anno de 1624, cuja historia contare- 

mos em seu lugar. 

O successo da viagem e do cativeiro dos padres, de que himos 

fallando, foi que, tendose embarcado a primeira das oitavas de Natal 

e navegado nellas com bom vento, em dia da Circuncisao tanto 

avante como as ilhas de Curia Muria, Ihes deo tal tormenta que de- 

saparelhou a embarca^ao saltandolhe o leme fora. Prociu*arao de 

(i) Quae sequontur deleta sunt: « o qual os mandou au Bax& de Qanaan )). 



Digitized by 



Googl( 



8 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

a concertar, chegandose a costa de Arabia, mas nSo acharao com 

que. O tempo era tal que os nao deixava voltar a Mascate, por ser 

mongao tendente pera fora do estreito da Persia, e pera continua- 

rem sua viagem nao tinhao embarca^ao. Atravessarao entao as ilhas, 

as quaes distao da terra dez leguas; desembarcarao em huma que 

se chama Suadie, com a qual vizinha outra que chamao Hazquie. 

Todas ellas sao pequenas e povoadas de gente muito pobre : cobrem 

as casas com o ^arga^o que o mar lan^a a praya, vivem do peixe 

que nao falta; mas nem lenha tem pera o poder cozer ou assar, 

polo que o comem cru, secandoo primeiro ao vento. Ambar parece 

que langa ali o mar em abundancia, porque aos padres Ihe oflFere- 

ciao boa quantidade por pouco dinheiro. Detiveraose aqui seis ou 

sete dias em concertar huma terrada que o piloto fretou ate Zeila 

por 40 pardaos, porque a sua embarcagao nao estava pera fazer via- 

gem. Partidos de Suadie, tanto que se virao perto de Dofar, se fi- 

zerao ao mar pera nao serem vistos da terra. Mas nosso Senhor, 

que os queria por entao desviar de Zeila e provar com sete annos 

de cativeiro na Arabia, permitio e ordenou que, tanto que se engol- 

farao, Ihes sobreviesse vento por proa tam rijo, que Ihes foi neces- 

sario voltar e desandar muito caminho. E nao foi isto huma so vez, 

mas duas e trez, e na t^rceira, que foi aos 14 de fevereiro de 1589, 

de huma ponta da terra forao vistos, e logo Ihe sairao duas erabeir- 

cagOes tam ligeiras que em breve os alcancparao, e como nao havia 

quem pelejasse, em chegando os tomarao e levarao a terra. 

a. Gubemator pa- Em Dofar fizerao aos padres rigurosos exames, tendoos por 

cMceri 8^^011^ cxH ^pi^s, porque o piloto que os trazia descubrio em Mascate a outro 

mini subiicit, testes mouro amiffo seu, que levava Portugxieses a Zeila, e este, que se 

ezcutit etcapite da- ^^ x^r 

mnare deliberat. Po- chamava Xec Qalen, mandou reccado aos de Dofar pera estarem 

rrr^i^rt -b- avizo e com vigias na costa pera tomarem esta embarcagao, 

poliatos ad regcm e por mais que os padres confessavao a verdade e diziao que hiao 
mitti iubet. Oravis- , ^ , . . -^ - . . ,, 

simis toleratis inco- ^ Ethiopia a estar com os Portugueses que Ja viviao, nunca Ihes 

modis ad urbem Ta- ^jerao perfeito credito. Roubaraonos tomandolhes ate os vestidos e 
nm perveniunt. ^ 

Qapatos deixandoos quasi nus; meteraonos em huma casa de taipa 

velha, a que chamavao fortaleza, aonde com pulgas e por^ovejos nao 

podiao descan^ar em toda a noite; *davaolhes muito pouco pera f.i79|V- 

sua sustenta^ao, e desse pouco tomavao pera sy a mayor parte aquel- 

les que os vigiavao. 

Dali a poucos dicis se rezolveo o capitao de Dofar em mandar 

os padres a seu Rey, que he o de Xaer; e pera isso mandou pri- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO 11. 9 

meiro vir diante delles toto o fato que Ihes tomara, e perg^ntan- 
dolhes diante de testemunhas se estava ali todo, e respondendo os 
padres que sy, o mandou amarrado em huma trouxa, pera que Ihe 
nao impuzessem que tomara fato de muito prego e valia. Embar- 
carao pois aos padres em huma embarcaQao pequena, na qual forao 
sinco dias ao longo da costa ate huma ribeira grande, aonde desem- 
barcarao e come^arao a caminhar por terra. Neste caminho tiverao 
grandes trabalhos, porque as primeiras jornadas forao a pee por ca- 
minhos de muitas pedras, e posto que Ihe derao ^apatos mouriscos, 
forao os que couberao ao padre Pero Paes tam apertados que Ihe 
incharao logo os pees, e se encherao de empolas tanto que escolheu 
antes ilos magoando e firindo descalgo que caminhar cal^ado com 
tanto trabalho. Os camellos andavao com tanta pressa que os nao 
podiao aturar, especialmente o padre Antonio Monserrate, que ja era 
de muita idade. Vendo isto os mouros, os mandarao subir nelles e ir 
entre as carregas e logo a terceira jornada comegarao a entrar por 
hum deserto de area tam solta que nao se devisava caminho, nem 
se reg^ao senao pelo sol de dia e pelas estrellas de noite. O comer 
que Ihes oflFerecerao o primeiro dia forao gafanhotos assados, mas 
vendo que os padres os nao podiao meter na boca, de alguma fa- 
rinha, da que Ihes tinhao tomado, Ihes faziao cada dia huma apa, ou 
bolo de soborralho ; mas tam pequeno que sempre padeciao grande 
fome. A sede porem os apertava mais, porque como naquelles areaes 
nao havia agua, Iha davao com muita regra de alguma que levavao 
em folles sobre os camellos: e o sol e calma era tam grande que 
ao padre Pero Paes e ao mancebo suriano, por nao terem com que 
delle se defender nem levarem na cabe^a mais que humas carapu- 
cinhas de pano branco muito delgado, Ihes corria dos olhos agoa 
como de fontes. O padre Antonio de Monserrate levava hum panno 
mais grosso, com que cubria a cabe^a, mas bem se deixa ver que 
tambem padeceria muito trabalho. Indo desta maneira, lanpando hum 
dia os olhos adiante, Ihes pareceo que viao hum grande rio, e ficarao 
mui contentes cuidando que tinhao aonde matar a sede em que ar- 
diao; mas, chegando perto, virao que era area, a qual, levada do 
vento em altura de tres e quatro palmos do chao, hia correndo como 
se fora agoa ; e disseraolhes os mouros que outras vezes corria em 
mor altura e levada assy de huma pera outra parte fazia e desfazia 
grandes outeiros. 

C. Brccari. Rer. Aetk, Scripi occ. ined, — VI. 2 



Digitized by 



Googl( 



lO HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

3. A popularibus Dez dias caminharao por aquelle deserto ; no fim dos quaes che- 

^*^i^ftdt»ent garao a Tarim cidade grande. Correo logo por toda ella *nova, que f. 180. 



ni milites eos doxni vinhSo ali Portugueses cativos ; acudio o povo todo aos ver : no prin- 

abBcondissent et al- 

tera die ante solis cipio olhavSo e como pasmados estavao parados ; dali a pouco per- 

^^mmlsi^^^De^ guntarao aos que os levavao se criao aquelles homens em Mafamede? 

mum urbem HeinAn e ouvindo que nao, come^arao aos chamar Cafares e afiFrontar com 

gem adducuntur qui palavra e obra quanto podiao, porque a porfia Ihes cuspiao no rosto, 

eo8 benigne excip»* e ia Ihes comecavao a por as maos, tanto que foi necessario mete- 

et vestes ac Brevia- j ^ f -i 

ria eis reddi iubet. remnos muito a pressa em huma casa, porque, se ali se detiverao, 

nao escaparao com vida, que ja os rapazes se proviao de pedras 

pera os apedreiar. O dia siguinte os tirarao da cidade muito ante ma- 

nha, por arrecearem que na despedida acabassem o que nao pu- 

derao a entrada; e caminhando por terra bem povoada, chegarao 

ao 3° dia a huma villa, aonde estava hum irmao do Rey, chamado 

Xafer ; este os recebeo com boas palavras e Ihes mandou dar Qahoa, 

que he agoa cozida com a casca de huma fruta a que chamao Bune, 

e bebemna en lugar de vinho; fez aos padres muitas perguntas e 

despididos disse aos que com elle estavao : Quanto estes, nao se hao 

de fazer mouros. Era ja tarde e caminhando toda a noite, amanhe- 

cerao junto a Heinan corte d'el Rey de Xaer. Levarao aos padres 

a fortaleza em que o Rey morava. Era alta e forte, posto que de 

adobes, como o sao todos os edificios daquella terra : meterao aos 

padres sobre o muro em huma goarita pequena, aonde naquelle dia 

tiverao assaz de molestia pola muita gente que os vinha ver. 

Dous dias depois de chegarem, mandou el rey Humar, que 

assy se chamava, dar aos padres . seus vestidos porque vinhao quazi 

niis ; e a tarde os mandou chamar. Acharaono no terrado da forta- 

leza assentado em hum estrado alevantado quatro palmos do chao 

e alcatifado com hum panno de brocado. Vestia panno verde muito 

fino, na cabega touca bordada de ouro ; era bem apessoado, repre- 

sentava idade de 40 annos, Recebeo aos padres com bom rosto, 

mandouos assentar, nao quiz por lingoa ao suriano que os acompa- 

nhava: chamou pera isso huma mulher arrenegada, que estava com 

a Rainha: vinda, Ihe fallou em arabio, e ella disse aos padres: 

Diz el Rey que nao tenhais sentimento, que Deus vos trouxe aqui ; 

mas eu digo que vossos peccados vos trouxerao entre tam ma gente. 

Perguntoulhes quem erao e pera onde hiao. Responderao que erao 

padres e hiao pera em Ethiopia estar com os Portugueses que la 

entrarao antigamente. Fezlhes varigis perguntas, gastando nellas a 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO IL II 

tarde: no cabo Ihe pidirao os padres de merce os livros de rezar. 

Respondeo: Inxa Ala, inxa Ala. He o termo com que concedem, 

quer dizer: Prazera a Deus, prazera a Deus. Ao dia siguinte Ihes 

trouxerSk) breviarios, com os quaes receberao grande consola^ao. 

f.i8o,v. *Havia dias que estavSo naquelle lucrar sem saber o que delles ^.Mulierculaquae- 

se determinava, ate que aquella mulher, vindo huma vez aos ver, Ihes ^^^ defecem ^rrat 

disse, que o Rey muito desejava de os resgatar, mas que tinha medo p^tribus casiis suos 

_ . . « . ** quorumdam Lusi- 

dos Turcos, cujo tributario era, e por isso Ihe parecia que estavao tanorum. Rex ob ti- 

devagar. Perguntaraolhe os padres como viera aquella terra e ca- ™^J^Hi T^"*^^""' 

tiveiro. Respondeo que indo de Chaul pera Ormuz em huma nao, audet et totos qua- 

'V ••ij/«^i-jjir« *»io' menses carcere 

a tormenta a trouxera a Xaer, e surgindo de fronte da cidade forao inclusos detinet. De- 

alfifuns mouros a nao em huma embarcacao muito pequena, e dis- «cribiturregioetmo- 

° ^ ^ res mcolarum. 

serao aos Portug^eses que erao seus amigos, que podiao desembar- 

car seguramente e tomar na terra o refresco que quizessem. Crerao 

elles de ligeiro, foraose a terra quasi todos : os mouros Ihes mostra- 

rao bom rosto e fizerao franca a entrada, mas pera nao sairem ; os 

prenderao logo, e indo a nao a tomarao facilmente e aos Portugue- 

ses, que erao oito, mandarao pera aquella cidade, aonde entao vivia 

e reinava o pay de sultan Humar. Este trabalhou muito pelos fazer 

mouros, mas sem o poder acabar com elles, viverao ali ate acaba- 

rem com trabalhos e doen^as. Hum delles por nome fulano Preto 

veo a ter grande amizade com hum mouro da terra, o qual cada 

anno fazia viagem pera a costa de Melinde: pidiolhe huma vez o 

Preto que Ihe levasse la huma carta: prometeo facilmente, mas em 

a recebendo a foi meter na mao do Rey. Nao faltou quem na lesse : 

dizia nella que viesse huma fusta a certa parte da costa de Xaer, 

e que ali poderia cativar alguns da terra, pelos quaes o resgatariao 

a elle e a alguns christaos que com elle cativavao. Indinouse o Rey 

grandemente: manda chamar o Preto; perguntalhe se era aquellu 

carta sua ; responde que sy. Pois, ou vos aveis de fazer logo mouro, 

disse o Rey com muita colera, ou morrer a minhas maos. O Preto, 

que so no nome o era, mas na fee e no valor branco e verdaderio 

portugues: Nao sou eu homem, disse, que me faga mouro. E fallou 

com tanta liberdade, que logo o Rey Ihe mandou cortar a cabe^a 

e lan^ar o corpo da janela abaixo. Louvarao os padres muito o 

esforQo, a fee e boa sorte deste cavaleiro de Christo e estranharao 

a velha Pegua, que desta casta era, ter deixado a sancta fee, dan- 

dolhe esperan^as de poder alcangar perdao, se se quizesse confessar 

e deixar a Mafamede. Respondia ella que o nao tinha no coragao 



Digitized by 



Googl( 



12 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

senao so na boca, e a Christo no cora^ao, mas, posto que lagrime- 
java, nao teve tanto esfor<;o que se melhorasse. 

Quatro mezes estiverao os padres naquella prizao padecendo 
grandes necessidades, porque aquella parte de Arabia, posto que os 
antigos acharao Feliz, he assaz mizeravel e pobre. Chamase aquella 
provincia Hadarmot : o menos della se lavra e ainda isso responde 
muito mal com as novidades: da a terra trigo, sevada, e milho, e 
este derradeiro he a commum sustenta^ao da gente; mas tudo se 
acha em tam pouca quantidade que padecem muita fome. Tem al- 
gumas palmeiras com cujas tamaras *se remedeao; a gente he de f. i8i, 
cor baga ; vestem pobremente ; os homens trazem os cabellos muito 
cumpridos, encrespaonos com ferros quentes e untaonos com man- 
teiga, e caindolhes p6o, como cae ordinariamente, ficao muito sujos. 
As mulheres, quando saem de casa, cobremse com pannos brancos e os 
rostos com veos pretos corao os de freiras; tem alguns custumes dos 
ludeos particularmente em prantear seus defuntos. Morrendo naquelle 
tempo huma filha do Rey, vierao muitas mulheres com os cabellos 
cheos de p6o, e com grande pranto levarao a Rainha a humas casas 
que estavao junto a fortaleza, e ali por espa^o de hum mez estive- 
rao chorando; sayao todos os dias duas vezes ao terrado das casas 
e ali postas em duas fileiras batiao nos peitos e de quando em quando 
langavao os bra^os no cbllo humas as outras, dizendo grandes ma- 
goas e prateando sem remedio; os defuntos enterrao como todos os 
mouros no campo, com seu monte de pedras sobre a sepultura; os 
mais ricos alevantao quatro pilares e sobre elles huma abobada. Sao 
todos devotissimos de Mafamede, e ordinariameYite andam dizendo : 
Ala Mafamede. O Caciz os chama do Alcorao tres vezes no dia, 
pela menha, ao meo dia e a boca de noite, pera que fa^ao ora^ao, 
repetindo muitas vezes em alta voz estas palavras: Ala ila Ala 
Mahamed Ra^ul Ala: Ala igala, Ala i^ala, que quer dizer: Nao 
ha Deus senao Deus ; Mafamede mengageiro de Deos ; fazei oragao 
a Deus. Em quanto se repetem aquellas palavTcis, todos tapao os ou- 
vidos com os dedos polegares. Perguntou o padre Antonio de Mon- 
nserrate a hum, porque o fazia. Respondeo, porque sao aquellas 
palavras de tanta virtude e efficacia que arrebentariamos se as ouvis- 
semos. Muito me espanto, disse o padre, porque eu as ouvy muitas 
vezes, e muitos mouros as ouvem cada dia, sem arrebentar. Enfa- 
douse o mouro e deu a andar. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO III. 
Como os Padres forao mandados ao Bax^ de Yamen. 



O reino Yamen come^a des da entrada das portas do Mar Roxo x. Patres mlttun- 

e estendese muito pela costa de Moqha, Camarane, Odida: todos ^^ BassA Turc^m 

estes portos Ihe pertencem e muitas terras e cidades do sertao, e ^l'^ *^ expostulave- 
^ ^ rat. Pericola et in- 

confina com o de Xaer, cujo Rey paga tributo ao Baxa de Yamen. commoda itinerit. 

Soube pois o Bax^ que os padres cativavao em Xaer, e logo mandou 

ao rey Humar que Ihos mandasse; porque todos os Portugueses 

cativos erao de Gram Turco, conforme aos concertos que tinhao feitos. 

Felo assi o Rey e ajuntou quatro cavallos, que com os padres man- 

dou ao Baxa de prezente, nao por amor que Ihe tivesse, mas por 

medo e por rimir mayores vexa^Oes que dos Turcos arreceava. Deu 

f.i8i,v. aos padres camellos pera o caminho e encomendou aos que *os le- 

vavao os tratassem bem nelle e se lembrassem de Ihes acudir com 

todo o necessario, porque os padres, dizia, nada pedem pera sy. 

Partirao de Heinan vespera de sam Joao Bautista ; dali a dous 

dias chegarao & derradeira fortaleza do reino Xaer, aonde se pro- 

verao de agua pera o deserto por onde logo entrarao. Era de areaes 

sem caminho, regiaose pelo sol e estrellas, e pera que alguma mu- 

dan^a de tempo Ihes nao escondesse estas tochas e guias, caminha- 

rao quatro dias e noites sem descan^ar, mais que ao meo dia e a 

boca da noite, em quanto comiao os camellos, os quaes em todos 

elles nao beberao. Tiverao os padres muito trabalho assi por nao 



Digitized by 



Googl( 



14 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

durmirem em todo aquelle tempo, como porque os camelos, quando 

os apressao, tem muito ruim andar, e cansSlo muito aos que nelles 

cavalgao. Ao quinto dia chegarao a huma fonte, junto da qual de- 

scansarao ate a tarde, e a boca da noite tomarao a caminhar pera 

acabarem de passar o deserto e escaparem de ladrOes, que por aly 

nao faltavao. O dia siguinte chegarao a hum lugar pequeno cha- 

mado Melquis, no qual virao ruinas de edificios muito grandes e 

pedras com letreiros antigos, aos quaes nem os naturaes da terra 

sabiao ler; mas diziao que fora aquella antigamente cidade muito 

grande e que nella tinha a rainha Saba abegoarias de muito gado. 

O que, se he verdade, confirma bem o que ctssima dissemos, que a 

rainha Saba o fora nao so de Ethiopia mas de g^ande parte de 

Arabia. 

a. Pervcniunt Sa- De Melquis em doze iornadas, as quaes fizerao por terras bem 

^oratorMtuSfticxa^ povoadas, chegarao a Qanan cabeca do reino Yamen e corte do Baxa 

mini iudicum aubii- que o governa. Neste caminho teve o padre Antonio de Monserrate 

ciuntur. Testimo- 

nium pro ipsis prae- hum trabalho muito g^ande ; porque, ao passar de hum rio, cayo 

bcnti U8 duobus In- ^^ camelo em que hia, e como a acfua nao era muito funda, deo 
dis, qui eos bene no- i j e> 

vcrant, a morte libe- tal pancada, que nao tornou em sy em grande espa^o. Quando 
chegarao a (^anan, sayo aos receber fora da cidade o Subaxy, 
que he o govemador della, com muita gente de pee e alguns de 
cavallo, e tocando seus ataballes fez que os padres a pee fossem 
diante do seu cavallo, levandoos como em triumpho pelas principaes 
ruas da cidade ate k fortaleza e pacjos do Baxa. Ali chegados deceo 
o Taftardar, que he como Veador da fazenda, e fezlhes muitas per- 
guntas, porque os levavao com nome de espias. Responderao singe- 
lamente o que passava na verdade. Instava hum mouro que ali se 
achou capitao de huma nao de Dabul, que nao podiao ser padres, 
porque os padres na India nao compravao nem vendiao, e elles le- 
vavao alguma roupa pera vender. Responderao que, por virem por 
terras de mouros, aonde nao haviao de achar esmolas, traziao alguma 
cousa pera sua sustenta^ao, reposta que ao Taftardar quadrou e sa- 
tisfez. Com o mancebo suriano apertarao os Turcos mais, dandolhe 
alguns tratos, e perceverando na mesma reposta, disse o mouro, que 
o apertassem bem que entao diria tudo o que passava na verdade. 
Virouse pera elle o mancebo e disse : A verdade ja eu a tenho de- 
clarada, mas tu sem rezao me persegues *e procuras que me ator- f. 182. 
mentem. Antes que a India chegues, Deos te dara o pago e castigo 
que mereces. E foi assi, porque saindo este mouro com sua nao as 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO HI. 15 

portas do estreito, foi ella com a fortja do vento e mar dar em huma 

ilha, aonde se fez em peda<;»s, afogandose o mouro, capitSlo e quan- 

tos com elle hiSo, sem escaparem mais que seis marinheiros, que 

contarao despois o caso, tendo os Turcos e mouros por juizo de Deus 

e estimando ao mancebo mais, por verem como acudira o ceo por 

sua inocencia. 

Enfim, despois de varios exames, levarSo aos padres ao tronco, 3. Attamen catenis 

o qual erao humas casas que tinhao sido d'el rey Mutahar, ao qual duntur carcercir «bi 

os Turcos tomarao aquelle reino. Erao de tres sobrados assaz fortes, totum annum man- 

senmt. Lusitanos et 
posto que de adobes, como o sao todos os edeficios daquella terra. indoe qui ibidem ca- 

Ali os meterao em huma logea muito escura, que estava no meo de concordla^^ad- 

duas latrinas abertas, pelo que ja se vee qual seria o seu mao cheiro. ducunt. Servus so- 

rianus aui patres co- 
Ao padre Antonio Monserrate, por ser muito velho, nao lan^arao mitabatur, liber di- 

ferros, nem no mandavao trabalhar ; o que elle sintia, por nao ser ™\***^ «* Goam in- 

^ ^ columis revertitur. 

participante dos trabalhos do padre seu companheiro. Ao padre Pero 

Paes puzerao huma braga no pee, cuya ponta amarrava na cinta, e 

saya cada dia ao trabalho. Ao Suriano levou pera sua casa o Taf- 

tardar, e por ver seu bom procedimento, o fez dali a poucos dias 

seu comprador; o que elle fazia com muita fidelidade, tomandolhe 

muitas vezes o que Ihe sobejava do dinheiro que Ihe davao pera com- 

prar varias cousas, e dandolhe muitas vezes o amo estes sobejos, 

elle os levava aos padres pera suas necessidades; mas antes de muito 

tempo ordenou Deus que encontrasse hum Turco nobre seu patricio, 

o qual Ihe alcangou liberdade e licencja do Baxa pera ir pera sua 

terra. Foise, mas como bom christao prometeo aos padres de se 

tomar della pera a India, e se bem o prometeo, melhor o cumprio: 

dentro de poucos mezes deu volta por Ormuz e se tomou a Goa. 

No tronco, em que entrarao, acharao os padres 26 Portugueses 4. Patres etLusi- 

e sinco christaos da India, que tinhao cativado na costa de Melinde, ^^ ^^rcm ^liberon- 

e estavao entre si tam desavindos que andavao pera se matar huns *"'» «* liberiori cu- 

stodiae in spatioso 
aos outros. Entrou com os padres a paz e concordia, confessaraose, condavi addicti, cul- 

fizerao amizade com Deus e entre si, e mudaraose tanto com os **** ^^^S^^^TiZ 

nantur. f a t r e s in 

conselhos e exemplos dos padres, que os mesmos Turcos Ihes di- summo condavi al- 

. - T^ tare exstruunt, et o- 

ziao que ja erao outros ; e assi os favoreceo Deus, porque meteo no mnibus, quos pote- 

cora^ao do Baxa, que os occupasse em suas hortas e jardins, de que rant, modis chnstia- 

era muito curioso; porque tinha sido primeiro hortelao do Gram pieutis exerciutio- 

Turco, e daquelle oflScio subira ao de Baxa e Vazir, que he como **' ^ ^*^ ^^* 

do govemo e conselho do Estado ; e era tam confiado que na sala 

de seus pa<;os tinha pendurada huma enxada en memoria daquella 



Digitized by 



Googl( 



l6 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

com que tantos annos sirvira nas hortas. A este favor se Ihes ajuntou 
tiralos o Alcaide da logea em que estavSo, e darlhes licen^a pera 
morarem no primeiro sobrado das casas, aonde nSlo s6 ficarSo livres 
do mao cheiro, mas apozentados muito a larga ; tanto que repartindo 
entre sy os apozentos, coube aos padres huma camara e huma sala 
muito grande; e tiverao lugar *pera nella fazerem hum oratorio f.i82,T. 
muito bem concertado com seu docel de panno da India pintado de 
azul e verde, com varias imagens; e ali faziao Prezepio pela festa 
do Natal, tam bem concertado que os Turcos folgavao muito de o 
ir ver e oflfereciao suas candeas ; e na noute do Natal cantavao ali 
suas matinas com seus motetes e cantigas e descante de tres violas. 
Na somana sancta tambem faziao seu Sepulchro e cantavao o officio 
das trevcis, tinhao suas pregacjOes e mandatos ; nem faltava cera, 
porque os Turcos davao muita aOs hortelOes por alguma fruta e hor- 
talice que Ihe aprezentavao. Dia de Pascoa faziao pela sala sua pro- 
cissao com grande solennidade, e traziao pera aquella festa das 
hortas tantas flores e ramalhetes que nao se podia mais desejar. 
Hum dia trouxerao hum raminho de comprimento de hum palmo, 
em que estavao tres rozas, a primeira muito branca, a segunda mea 
branca mea vermelha, e a terceira que estava na ponta toda ver- 
melha, que parece se quiz esmerar o author da natureza formando 
ali entre Turcos e mouros huma tam expressa imagem da Sanctis- 
sima Trindade, que elles negao obstinadamente, pera os convencer 
a elles, confirmar na fee e consolar aquelles bons christaos, expli- 
candolhes os padres e mostrandolhes ao olho na primeira rosa branca, 
que estava mais no pee, a pessoa do Eterno Padre, principio das 
outras, branquissima por sua divindade e ancianidade; na do meo 
a pessoa do eterno Verbo, a quem sua amada espoza chamou branco 
e vermelho polas duas naturezas, divina e humana que sustem; na 
terceira o divino Espirito todo aceso e abrazado com o amor que 
he substancial e divino. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO IV. 

Como e quando se come^ou a tratar da libertade e re- 
sgate dos Padres, e das dila^Oes e encontros que 
nisso houve. 



Dous annos estiverSlo os padres naquella prizSlo, hum na logea, i. Bzactis duobus 

4 <■..■■ 11 Aiiiiis uxor BassAi 

outro no sobrado, sem se tratar cousa alguma de sua liberdade ou -^^ ^i^ christiana 

resgate; no fim dos quaes tiverao por duas ou tres vezes esperangas fuerat, a marito im- 

petrat libertatem pa- 
de cedo serem livres, as quaes porem Ihes sairao vaas e pararao em tribus. Cum in eo 

maiores apertos. Era a mulher do Baxa de csista christaa e bem ^^^* proficisc^n- 

inclinada; ouvira contar muitas cousas dos padres; desejou de os tur, BassA a quodam 

indo mercatore insti- 
ver ; mandou a hum seu eunucho, casta christao, que dizesse aos gatus, muuto consi- 

padres, que certo dia, em que o Baxa hia as hortas viessem ver a }^*Jj^**^ ^'^^!^ 

hum filhinho que tinha de idade de sete annos, pera com isto ella spequodpretiumpro 

.^1 T>w t- j • j eorum redemptione 

ter occasiao de os ver. Deu o eunucho aos padres avizo do que ^0^ exiguum esset 

f. 183. passava: buscarao huma redoma *de agua rosada que aprezentassem recepturus. 

ao minino e vieraono vizitar no dia e lugar assinalado. Em quanto 

se detiverao com elle, os vio a may de huma janella, sem se deixar 

ver, e compadecendose de seu trabalho, idos, disse ao eunucho que 

fizesse em seu nome huma peti^ao, dizendo que erao pobres e pe- 

diao por merce e esmola a liberdade, e que os deixasse ir a Hie- 

rusalem. Feita a petigao, o minino por ordem da may a prezentou 

ao pay, em tempo em que a mesma may ajudando a pretenc^ao dos 

C. Bbccasi. /i€r. Aeik. Scripi, occ. ined. — VI. 3 



Digitized by 



Googl( 



l8 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

padres, disse ao marido que era obra de mizericordia uzala com 

aquelles pobres, e que ella Ihes daria o gasto pera o caminho. De- 

spachou o Baxa a peti^So, e aiuntou que podiao ir com o primeiro 

correo que partisse pera Constantinopla. Souberao os padres o que 

passava por varias vias, e derao a Nosso Senhor muitas gra^as por 

tam grande merce; e ja se aparelhavao pera o caminho com par- 

ticulares e fervorozos deseios de vizitar os sanctos lugares. Correo 

a fama pela terra: eis que hum Baneane mal inclinado, indo ter 

com o Turco veador da fazenda, Ihe diz : Nao sei como o Baxa larga 

a estes padres ? Parece que nao sabe quam ricos sao ; pois he certo 

que pelo menos darao por sy sinco mil cruzados. O Turco, que era 

de maos bofes, posto que Albanes e casta christao, levou logo o 

alvitre ao Baxa, o qual levado da cubiga, quebrando a palavra que 

tinha dado, Ihe disse logo, que Ihos entregava, que os tomasse a sua 

conta, e os apertasse ate darem os sinco mil cruzados. 

a. Mol4 Aly de- Eis em hum momento seccas e murchas aquellas breves espe- 

d^i^d m^esairl r^n^as de liberdade e mudadas em mais duro cativeiro : manda logo 

ccre itenim liberan- q Veador da fazenda que Ihes estreitem a prizao e a recao e man- 

tur et faculutem ha- 

bent per urbem di- dalhes dizer que nao esperem melhor sorte de vida ate nao darem 

ti^" Mo err^T" ^^ prometerem vinte mil cruzados de resgate. Desta maneira pas- 

cum quodam magni sarao anno e meo, recebendo cada dia hum so pao e esse mais de 

do^pc. farellos que de farinha; e padecendo grandissimas necessidades, 

porque aos Portugueses neste tempo tambem nao faltavao as suas, 

nem tinhao com que os pudessem ajudar. Neste comenos trouxe 

Deus ali hum Turco natural de Argel, filho de Turco e de huma 

cristaa cativa, homem de respeito, dado aos livros e tido em conta 

de sancto, como quem vinha de vizitar em Meca o sancarrao de 

seu falso profeta. Este ouvindo que estavao ali os padres, pidio 

licencja ao Veador da fazenda pera o irem ver a sua casa : deulha 

francamente pera todas as vezes fosse sirvido os mandar chamar: 

faziao muitas vezes e gastava muitas horas em varias praticas e 

perguntas; porque era muito curioso e sempre banquetava aos pa- 

dres largamente; com o que se Ihes aliviarao os trabalhos de sua 

prizao e fome. O mesmo nao cessava de os louvar de bons homens 

e grandes letrados. Ouvio isto hum dia ao thizoureiro do Baxa o 

seu Caciz, e respondeo: Que podem estes saber? As duas palavras 

os concluirei, e Ihes taparey a boca. Disselheo thizoureiro: Vede 

o que dizeis, porque muito fareis se delles vos *souberdes defender; f.iSs.v. 

mcis se a tanto vos atreveis, eu os farei logo vir aqui. Venhao, disse, 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO IV. I9 

que pouco tenho que fazer com elles. Era ja alta noite. Manda o 

thizoureiro reccado ao Alcaide que os tinha a seu cargo, que Ihos 

mande: teve elle medo de os mandar ambos; mandou somente ao 

padre Antonio de Monserrate : come^ouse a disputa, e a poucas re- 

zdes ja o Caciz nSlo atinava com o que dizia: pergfuntou ao padre 

como diziSo os christclos que Deus tinha filho, nao conhecendo o 

filho das trevas outra gera^ao senSU) a da came e sang^e. Decla- 

roulhe o padre a limpissima e intellectual geragSo do Etemo Verbo, 

e processao do Divino Spirito. Ficou espantado e convencido disse 

que daquella maneira nao havia inconveniente em Deus ter filho. 

Virouse entao o padre pera o thizoureiro e disse : Por gra<^, V. Se- 

nhoria pode mandar vir agua pera baptizarmos ao Caciz, pois ja 

cree o que nos cremos. Festejarao todos o dito ; s6 o que se devia 

aproveitar do que tinha concedido, se deu por injuriado, ficando en- 

durecido e obstinando. Acabouse a disputa e come<;ouse a cea, sendo 

ja perto da mea noite, custume turquesco e de mouros, que como 

aves nocturaas fazem da noite dia e do dia noite. Ganhou o padre 

desta vez fama de grande letrado e de virtuoso, e deuse por obri- 

gado o thizoureiro a Ihes alcan<;ar do Baxa como alcan<;ou a ambos 

os Padres licen<^a pera andarem soltos e livres pela cidade. 

Raivava o Caciz e buscava occaziao de se sanear e melhorar : 3. Alia p. Pae« <U- 

encontrou ao padre Pero Paes em casa do Turco de Argel Mola ^^^^un di^on- 

Haly, que assi se chamava: perguntoulhe se o nome de Mafamede stratAlcoranumplu- 

ra inter se pognan- 
estava no evangelho. Respondeo o padre que nao. Tiraloieis vos, tia continere. 

diz, pelo odio que Ihe tendes. Nenhum christao, respondeo o padre, 

pode tirar do evangelho huma s6 letra, quanto mais nome. Ora pera 

que vejaes que esta nelle o nome de Mafamede, esperai hum pouco ; 

e manda vir hum livro arabigo, no qual, tanto que veo, leo que no 

capitulo 1 5 <^e sam JoSo estava este nome Faraglita, o qual elle dizia 

era Mafamede. Verdade he, disse o padre, que em varias partes 

do evangelho esta o nome Paraclitos, que deve ser o vosso Fara- 

glita, mas que elle nSo convenha a Mafamede he mais claro que a 

luz do dia, porque he nome de Deus, e Mafamede affirma de sy que 

he homem peccador, e nSlo Deus, mais este Paraclito prometeo Chri- 

sto Nosso Senhor que mandaria a seus apostolos logo depois 6e sua 

ascensSlo, e Ihes mandou que nao saissem de Hierusalem ate elle nSo 

vir. E o vosso Mafamede veo e viveo 600 annos despois de Christo 

Senhor Nosso ; pelo que sabei que Paraclitos he Rual Kuduz, Spi- 

rito Sancto, o qual Christo Senhor nosso mandou sobre seus disci- 



Digitized by 



Googl( 



20 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

pulos dez dias despois de sua gloriosa ascensSlo. NSo soube o Caciz 

responder 4 isto, e passava a outras cousas; mas o padre Ihe tor- 

nou : Ora ja que eu vos respondi a vossa pergunta, quizera me respon- 

desseis a buma ou duas que vos farei, porque o vosso Alcorao, se 

nelle se acha mintira e contradi^ao vos mesmo julgareis, que nSo 

he livro de Deus. *Concedeo o Caciz a illa^ao, mas negou a sop- f. 184. 

posi^ao. 

Provoua o padre dizendo : No Alcorao esti escrito que, vendo 

os parentes e amigos a Virgem Maria pejada e nao sabendo que era 

por obra do Spirito Sancto, Ihe estranhavao o caso, e diziao : Como 

fizestes cousa tam fea, sendo irmaa de Moyses e de Aram, homens 

9 tam honrados? Moyses e Aram viverao e morrerao mil e quinhentos 

annos antes da Virgem Maria: como logo o Alcorao os faz seus 

irmaos ? Achouse embara^ado, nem atinava com a reposta. Acudio- 

Ihe Mula Haly, dizendo que estes nao erao os que tirarao aos filhos 

de Israel do cativeiro do Egypto, senao outros irmaos da Senhora, 

Nao se achara, disse o padre, em author algum que a Virgem ti- 

vesse taes irmaos, se nao esta nos vossos livros. Disse o Turco : Esta 

nos nossos, e isto nos basta. Ora respondeime mais, disse o padre : 

Diz o Alcorao em huma parte, que Christo Senhor nosso nao morreo 

senao outro por elle; e elle se subio ao quarto ceo; e em outra 

parte diz que Deus Ihe lan^ou sua ben<?ao em sua resurrei^ao: re- 

surrei^ao sopoem morte. Logo diz que morreo e nao morreo. Tra- 

vou aqui pratica o Caciz com o Turco e nao responderao nada, ou 

porque nao acharao reposta, ou por Ihes entrar o escrupulo de di- 

sputarem sobre o Alcorao contra o seu preceito, que os obriga 

a nao soltar duvida, que contra elle se alevante, senao com a 

espada. 

4. Quidam A 1 y Neste tempo chegou a (^anan Haly Baxa de caminho pera Sua- 

riundua, Sanam pcr- quem. Este he aquelle Haly Baxa que despois mandou a Dio hum 

vw^t; cum patribua geu criado a pidir licenca pera se petssar a nossas terras e viver 

amidtiam mit eos- ^ t r- t- 

que aese a captivi- nellas ; o que nao teve eflfeito, porque, sabendo o Baxa de Yamen os 

mktit."^ ^°* ^'^" tratos em que andava, mandou huma manga de soldados com capa 

de o ajudarem na guerra, mcis com ordem pera o matarem a trei^ao, 

como fizerao em hum dia, que dando huma salva de espingardaria, 

desparou nelle hum a sua que levava bem cevada e provida de bal- 

las e o derrubou. Era este Haly Baxa castelhano de nac^ao, natural 

de junto a Sevilla, sendo minino de oito annos o cativsirao os Turcos 

e ficou como elles, porem nunca contra christaos arrancou espada; 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO IV. 21 

assy o aflSrmou aos padres ; pelo que fez na g^erra contra mouros, 

chegou a ser Baxa. Este tanto que soube que estavao ali padres 

cativos, os chamou a sy e Ihes fez muitas honras, e tratou de ver 

se Ihes podia alcan^ar liberdade. Encontrou primeiro k esta sua pre- 

ten^ao hum Xarife, que tinha sido cativo de Portugueses e ficaralhe 

la hum filho, cuja liberdade esperava a troco de hum dos padres; 

disto fez pouco caso Haly Baxa. Outro impidimento houve mayor 

e foi dizeremlhe que o Baxa sabia que os padres Ihe podiSo dar 

sinco mil cruzados e que os esperava ; pelo que nSo acertava em se 

meter no negocio e envergonhar, pidindo o que o Baxa Ihe nao 

havia de conceder. Sobre tudo elle determinava provar ventura e 

tentar neste negocio quanta o fosse a valia de sua amizade com o 

Baxa, mas a todas estas tra^as desmanchou a morte de hum filho 

do Baxa em huma fortaleza dali afastada, cuja nova foi pera elle 

li84,T. de tanto sintimento, que se fechou por muitos *dias sem dar entrada 

a ninguem, nem despachar, nem ouvir negocios; pelo que sendo 

chegado o tempo de Haly Baxa se partir, o fez, sem concluir o dos 

padres; nem tardou muito que se nao fosse, tam bem Mola Haly 

o Turco de Argel, que os favorecia no que podia, e assi tomarao 

a recair nas mizerias e trabalhos em que primeiro estavao. 

Porem no meo destas necessidades se consolavao com verem 5. Hoc tempore 

que erao de proveito a alguns cativos pera sairem daquella dura ^^ Mem christia- 

servidao; porque mandando os irmaos da mizericordia da cidade de "^^ eiuraverant, ad 

bonam frugem, ope 
Chaul resgate pera alguns, derao ordem pera que fossem com elle Patrum, revertuntur. 

resgatados aquelles que os padres julgassem estar em mayor neces- indT^Sncte na^a* 

sidade. E posto que nisto ouve muita difficuldade, porque cada hum ^ « muhumedana 

secta ad christianam 
julgava e tinha a sua por mayor, com tudo foi servicjo de Deus livra- profesaionem redi- 



remse alguns que mais padeciao. Livrou tambem nosso Senhor por 
meo dos padres a sinco arenegados do mao estado e cativeiro do 
Diabo em que viviao ; os quaes ouvindo os conselhos que Ihes davao, 
deixada aquella vida larga e estrada do infemo, se oflferecerao aos tra- 
balhos de caminhos pirigosos, por onde fugirao do poder e terras 
dos Turcos e se vierao pera a India a terras de christaos, reconsilian- 
dose com Deus e com a santa Igreia. E entre estes foi hum man- 
cebo, o qual, arrependido e sentido do mal que fizera em ter deixado 
a Deus pelo Diabo e trocado a Christo Senhor Nosso pelo infame 
Mafamede, esteve determinado de hum dia, indo o Baxa k Mesquita, 
diante delle e de sua corte abrenunciar ao maldito e falso Mafa- 
mede e se professar por cavalheiro de Christo; mas faltandolhe o 



tU8. 



Digitized by 



Googl( 



22 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

vigor e animo por medo dos tormentos, que Ihe aviam de dar, posto 
que se nSo atreveo a tam heroica fa^anha, se resolveo em fugir, como 
o fez, e tomandoo no caminho e dandolhe muitos e crueis a^outes, 
nao cessou por isso de seus bons propositos, antes acometeu a se- 
gnnda vez a fugida com melhor successo. E trazendoo Deus a India, 
reconsiliandose com Deus e com a Igreia, se retirou da gente e viveo 
algum tempo em huma ermida fazendo aspera penitencia. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO V. 

Dos trabalhos que os Turcos derao aos padres 
por seu resgate. 

Tinhao Ofc Turcos assentado que os padres podiao dar por sy x. Oabernator 
., j ^ •ji« • it_ • • Mocae vult patres 

smco mil cruzados; pera que os prometessem pidiraolhes pnmeiro Bibiemeretribuacru- 

vinte mil e porque nao diffiriao a seus intentos, os apertarao estrei- ciatorum miUibus ; 

Sanae BaxA recusat. 
tandolhes a prizao e dandolhes muito pouco de comer. Sirviolhes Nebulo, avaritia pul- 

porem esta falsa imagina^ao do Baxa e seu veador da fazenda pera deiitc^sibi ^o^m 

f. 185. os livrar das maos *de Haly Cheleby capitao de Moca, o qual vindo infert. 

neste tempo a Qanan prometeu por elles tres mil cruzados, esperando 

dobrar bem o lancjo, tanto que estivesse em seu poder, e sem du- 

vida os mataria a for^a de crueis tormentos, se os houvera a mao ; 

porque era tam fero e barbaro, que por o Baxa Ihe tomar hum 

pouco de fato se cortou a sy mesmo a barriga, e apoz ella as tripas 

fazendoas em pedacinhos em quanto Ihe durou a vida; e a hum 

filho que Ihe acudio e queria impidir aquella cruel camiceria, atra- 

vessou hiuna mao com o punhal e raiva com que a fazia, ate que 

desfallecendo entregou sua torpe alma a quem nella executasse outra 

mayor ; posto que bem merecida. Escaparao os padres da mao deste 

tiranno, por o Baxa imaginar que perdia muito em dar por tres mil 

cruzados aquelles de que esperava sinco mil. 

Mas porque os padres tardavao em prometer este prego e che- a. Turcae, ut a 

garao novas que vinha outro Baxa pera Yamen, chamouos o veador ^rimant, ew^coUo 



Digitized by 



Googl( 



24 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

et pedibus catena da fazenda e disselhes que o pre<;o certo de seu resgate era sinco 

stibobtcuro^^clu- ^^^ cruzados, que estes prometessem logo e quando nao, que ima- 

dunt ergastulo. ginassem que come^ava seu cativeiro e havia de ser muito peor do 

que o podiao cuidar. Responderao os padres singelamente que de- 

sejavao muito sua liberdade, mas que nao podiao dar por ella o que 

nao tinhao; que erao pobres, e quando muito poderiao achar de 

esmola o que os outros cativos davao por sy ; que isto podiao pro- 

meter e mais nao. Agastouse grandemente, mandou que os metes- 

sem em huma masmorra. Lan^araolhe ao pesco^o collares de ferro 

de tres dedos de largura, os quaes se fechavao com hum elo, pelo 

qual enfiavao huma cadea muito cumprida; desta maneira os meterao 

em huma cova juntamente com hum bramene da India Era a cova 

tam baixa, que assentados davao com a cabetja no alto, e tam estreita 

que mal cabiao nella tres pessoas: o ar era tam grosso e taes as 

trevas e escuridao que, quando os tiravao fora pera alguma neces- 

sidade, Ihes andava a cabe^a a roda. O padre Monserrate por sua 

velhice era o que mais padecia e ja nao podia com o peso do collar 

e cadea; pelo que o padre Pero Paes prometeo ao tronqueiro al- 

guma cousa que Ihe buscaria entre os Portug^eses, e com esta peita 

alcan^ou que Ihe tirasse o coUar e cadea ; o que fez pondolhe outra 

mciis leve nos pees. Quinze dias estiverao os padres naquella mas- 

morra, donde os tirarao pera os mandarem pera Moca pera ver se, 

fallando com os mercadores da India, prometiao mais, ou elles se 

moviao ao dar. 

Seis annos, menos quatro ou sinco mezes, que gastarao em Xaer, 

estiverao os padres cativos em Qanan, a qual antigamente tinha sido 

muito grande cidade, como corte que era dos Reys e cabe^a do reino 

Yamen. Era corcada de fortes muros com seus balluartes, posto que 

tudo de adobes. No tempo que os padres ali estiverao teria ate dous 

mil vizinhos, dos quaes os quinhentos erao Judeos. A terra he fresca, 

tem muitas hortas e pomares, nos quas se achao quasi todas as fru- 

tas, que ha em Europa: dista de Moca 60 legoas. 

3. ut vero faciiius Partirao os padres dali em camellos; *mas arreceando o padre f.iSs.v. 

quinS«3m^e8,^- Monserrate outra queda como a primeira, pidio que Ihe dessem hum 

trcs Mocam itinere jumento, cuidando que se melhorava, e foi paor; porque encontrandoo 

terrestri satis aspe- 

ro tranaferendos cu- hum camello em hum passo estreito, deu com o padre no chao e 

8«^^ma^^mdah ^^^^ ^^^ quebrantado que nem podia ir a pee, nem no jumento, 
sent. Cum suasioni- sem o padre Pero Paes ou o Bramene, que tam bem hia com elles, 
bu8 nihil proficerent, , - . i-. ^ ^. ^ 

Qubemator eo8 soib- o irem sustentando pera que nao caisse. Com estes e outros tra- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO V. 25 

balhos, passando por Tais, cidade pequena mas bem murada, e terraneo et aestiTis 

Mou^a ainda mais pequena distante de Moca seis legoas, chegarao ,1^^ i^^ indudit, 

a Moca, aonde os recebeo hum criado do veador do Baxa, tal ^\ «piritt» «<>• de- 

fecisset nisi sub no- 
como seu amo, com o gazalhado que delle se podia esperar; e ctem, suasu cuius- 

foi pidirlhes huma e muitas vezes que dessem logo os sinco mil erepti* fuiw«!t. 

cruzados ; e dandolhe os padres a reposta que derao a seu amo, os 

mandou metter carregados de ferros em huma logea chea de fardos 

de droga, cravo, canella e pimenta, em tempo de tanta calma que 

cayam os passarinhos com ella na cidade e no campo. Estiverao os 

padres perto de espirar e acabarao ali sem duvida, se Deus nSo 

movera o coracSo k hum moco Abexim, o qual estando nos altos 

da casa com seu amo e estandoo borrifando e banhando com ag^ 

que Ihe langava, pera com ella mitigar o ardor en que se abrazava, 

Ihe disse: Senhor, se n6s aqui nos nao podemos valer com calma, 

que sera daquelles pobres que estao na logea. Daime licen^a pera 

os ir tirar de entre aquelles fardos, pera que nao morrao. Deulha ; 

tirouos quasi abafados e passouos a outra, na qual, posto que 

quente, como nao tinha droga, respirarao alguma cousa. 

Soube logo o veador da fazenda que os padres nao prometiao ^.NegantPatresse 

_,^, i^A .ji -S xnercstoribus mu- 

em Moca mais que em v^^nan ; escreveu a seu cnado, que os nao ^^ posse quinque 

largasse, e Ihes mostrasse hum capitulo de huma sua carta em que niille crucistorum 

summam, quaprop- 
dizia: Se nao derem sinco mil cruzados, com cadeas ao pesco<;o e ter, catena ad coUum 

grilhOes nos pees mos tomai a mandar; que eu sej o que Ihes hei ^^^*n<Jj^^^^" 

de fazer. Chamarao ao padre Pero Paes, que sabia ler o arabigo; 

mostraraolhe o capitulo e ajuntou o criado do veador: Meu amo 

manda que vos leve com grilhOes nos pees e cadea ao pesco^o ; a 

cadea vos lan^arei, mas os grilhOes nao, porque vos hei de fazer 

ir a pee diante do meu cavallo, e com este ter^ado vos hei de ir 

picando pera que apresseis o passo. Tambem nos podeis matar com 

elle, disse o padre, se tendes ordem pera isso ; e sabei que nada mais 

desejamos que morrer por nossa fee. Se tanto a desejais, tornou 

elle, cedo achareis a morte; mas ha de ser esfolandovos vivos como 

chegardes a Qanan. E com isto os mandou tornar pera a logea, e 

nella estiverao ate acabarem de partir as naos. 

No primeiro dia de setembro, os mandarao meter em huma de 5. Mcrcatoriis na- 

duas galles, que estavao naquelle porto ; tiraraolhes em entrando as y^^^^ "Turcae sua 

cadeas, que traziao e com outras nos pees os puzerao & banco afa- »P* fnistrati, Patres 

a, ^ , ^ remigioaddicunt.Ad 

U 186. stados hum do outro cada hum entre qua*tro for^ados. O comer que vitam sustentandam 

Ihes davao era huma medida muito pequena de milho vermelho, ^^^ triticum ma- 

C. BiccAitf. ^#r. A^M. Scrift. occ. intd. — VI. 4 



Digitized by 



Googl( 



26 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

nibus molere cogun- muito amargoso, sem Ihes darem pera o cozer hum pao de lenha. 
amicc adiuvantur a PidirSo os padres k dous for^ados que saiao fora que Iho levassem 
remige cafro. ^ dessem na cidade a alguma mulher que Iho cozesse e tomasse por 

seu trabalho del que quizesse ; mas isto nSo pode ter eflfeito ; porque 
muitas vezes nao tinhao quem Iho trouxesse. Determinouse entao o 
padre Pero Paes de elle mesmo o moer e cozer como pudesse; e 
o modo era, despois de molhado, botalo em huma pedra larga e 
tomando outra roli^a com ambas as maos ir moendo, e acrescen- 
tando agua ate se fazer massa ; e despois pegavao peda^os daquella 
ma^a em huma jarra pela banda de dentro e lanQavaolhe dentro 
fogo, donde sayao os peda^os parte queimados e parte cnis. Este 
era o pao de dor com que ali se sustentavao. O trabalho de moer 
o milho era intoleravel, por que quem moya havia de estar encurvado 
e quasi de giolhos ; pelo que o padre Pero Paes ao terceiro dia ja 
nao podia com sigo, pelas grandes dores de costas que padecia; 
mas Deus nosso Senhor que a ninguem desempara, moveo o coracao 
a hum Cafre, que ali estava a banco com o Padre e tomou a sua 
conta moerlhes o milho; sem por isto querer levar cousa alguma. 

6. Ad veatitum u- A esta fome se ajuntou o nao poderem os padres toda a noite 
nicum indusium ; no- ,, 1.1 
ctu iu omnia cimi- pregar olho com os por<?ovejos, que erao tantos que os cubriao ; de 

cibus plena ut som- maneira que imaginou o padre Pero Paes, que se poderia livrar 

num carpere nequi - 

rent; per diem aestu delles metendo huma noite pola cabe^a hum saquinho que tinha e 

bantun *' ^^^ *" ^^^^doo no pesco^o ; mas custoulhe cara a inven^ao, porque achando 

elles hum buraquinho entrarao por elle tantos, que Ihe cubrirao o 

rosto e comiao os olhos. Acordou muito afadigado e nao atinando 

tam de pressa com os cordOes do sacco pera o desatar, se vio em 

grandissimo aperto. Davalhes tambem quanto mao trato podia o co- 

mitre da galle, mouro cruel ; o qual pouco antes andara a remo e 

fugira de huma galle portuguesa; pelo que tinha aos padres tam 

ma vontade, que nunca Ihes quiz conceder que trouxessem de terra 

duas camizas, que nella Ihes ficarao, tendo ja podres do suor as que 

traziam vestidas. Estando hum dia os padres na galle e muita gente 

occupada em arvorar o masto grande, deu nelle hum corisco (i) com 

tal for^a que feito em muitos pedagos caio no mar ; e virao os pa- 

dres cair nelle como huma escorea de ferro, que era a mesma pedra 

do corisco; mas quis Deus que k ninguem fizesse mal algum. 

7. Post tres men- Havia tres mezes que estavao na galle, quando ali chegou de 
dam ?'priSioribu8 Meca MolS Haly, aquelle turco de Argel, que em (^anan tinha fa- 

(i) « Com tal for^a que feito » adiect. ab. A. in marg. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO V. 27 

vorecido aos padres. Tanto que chegou sabendo que estavSlo na g^e, Turds, a remigio li- 
havida licen^a, os fez vir pera sua casa, aonde os agazalhou e Ihes db^ ^ vestibus re- 

fez muitos favores, em quanto ali se deteve, que forao vinte dias ; fici«^^- Iterum re- 

migio addicuntur, 
mas sendo for<jado continuar seu caminho, os deixou, com mostras aed cum pater de 

de grande amor, muito encomendados ao capitao das galles, pidin- 3J^bu^^ *^ritM 

dolhe muito que os nao tomasse a ellas; o que elle prometeo ou Qnbeniator, nepre- 

. , .,.,.- tium redemptionts 

promentio com muitas palavras; porque aos sinco dias despois de amitteret, eos inur- 

f.i86,T. partido Mola Haly se virao os padres *no lugar e trabalhos de que ^ i?*"* cu«todiae 

elle os livrara ; os quaes entao sintiao mais, por se verem tomados 

tam de repente de hum extremo de bonan^a a outro de miserias e 

tormentos, e assi o padre Monserrate dentro de poucos dias adoeceu 

tam gravemente que esteve a morte. Mandou padre Pero Paes re- 

cado ao capitao das galles, lembrandolhe que o Baxa havia de 

sintir a morte daquelle velho. EUe se mandou certificar da doen<;a 

do padre e certificado mandou que viesse pera terra e com elle o 

padre Pero Paes, pera ter cuidado do doente ; mas ate o milho que 

Ihe davao na galle Ihe tirarao, e estavao em terra aonde ate agiia 

haviao de comprar, porque a nao ha senao em huns po<?os longe da 

cidade; pelo que pidirao a hum Baneane, o qual Ihes deu hum pouco 

de arros e manteiga e dous cmzados emprestados ate a chegada das 

naos, com o que se remediarao, e o padre Antonio de Monserrate 

foi melhorando de sua doen^a. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO VI. 

Como os padres resgatados vierao pera a India; 
tratase de quem era o padre Antonio de Monserrate. 



Hum anno estiverao os padres em Moca com os trabalhos que x. Cum naves ez 

« ^ . 11 « ^ j Indiis appulissent, 

toquei ; mas nao contei como elles os passarSo, porque tudo o que mercator banianus 

disse e sabemos nesta materia, he somente pela informacao dos me- prctium pro patrum 

•^ * redemptione Vicerc- 

smos padres ; os quaes como os passavao com tanto gosto por amor gis nomine solvit, 

de Deus, assi contarao sempre delles muito pouco, desejando mais que dimittunttir^t cum 

Deus Ihos remunerasse no ceo, que serem por elles na terra louvados, navibus Moca disce- 

dunt, ct post vigin- 
ou estmiados dos homens. Chegarao as naos na moncjao e nellas carta tinovem dies Dium 

do Viso Rey pera hum Baneane rico, em que Ihe mandava que desse r^^^s^^aiT^^ 

pelos padres tudo quanto fosse necessario, e em todo caso os fizesse veniunt. 

resgatar; porque tinha ordem de sua Magestade pera dar de sua 

real fazenda tudo quanto se gastasse no seu resgate. Copcertouse o 

Baneane com os Turcos em mil cruzados, posto que os padres Ihe 

hiao a mao e nao queriao desse tanto por sua libertade, prestes pera 

sofrer outros sete annos de cativeiro e pera perderem as vidas, antes 

que esperdicarse, como elles diziao, a esmola por que podiao ser 

resgatados muitos outros cativos. Porem o Baneane, parecendolhe 

que nisso sirvia ao Viso Rey, contou os mil cruzados aos criados 

do Baxa ; mas estando ja os padres pera se embarcar Ihes sayo com 

embargos o capitao das galles, dizendo que os nao havia de largar 

sem Ihe darem pelo menos cem cruzados polos ter deixado estar 



Digitized by 



Googl( 



30 



HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 



a. P. de Monser- 
rate paulo post re- 
ditom vita decedit. 
Qoaedam de eius vita 
et ezimiis virtutibus 
attinguntur. Gente 
hispanuB Barcinonae 
adhuc adolescens 
Societatem ingressus 
est. In Lusitaniam 
misaus, Ulissyponae 
litteraa docuit ac re- 
ctoris munere fun- 
ctUB est: eiuB he- 
roica caritas tempore 
pestis. 



alguns mezes em terra. Estavao as naos a pique, nSlo havia tempo 
pera se escrever ao Baxa: foi necessario peitalo com boas pe^as. 
Com isto se embarcarao *e chegarSo a Dio em 29 dias, livrandoos f. 187. 
Deus no mar de huma tormenta tam rija que Ihes levou o vento 
todas as velas e a for^a das ondas quebrou a cana do leme. 

Em Dio os foi receber a praya e levou pera seu mosteiro o padre 
guardiao dos Capuchinhos, aonde Ihes fez os mimos que a cairidade 
sabe enventar ainda na casa da sancta pobreza, a qual, como diz o 
Apostolo, sempre he riquissima, e nunca faltao sobejos que empregar 
na rendoza companhia da caridade. Nao quizerao os padres da sa- 
gfrada religiao dos Pregadores faltar aqui com o seu lancjo e em- 
prego: levsirao tambem muitos dias aos nossos pera seu convento, 
ate chegar o tempo de se embeircarem pera a outra costa. Chegados 
a Chaul, os Irmaos da Mizericordia daquella nobre cidade Ihes derao 
huma grossa esmola pera ajuda de seu resgate e fizerao hum assento 
que desse aquella santa mesa tudo o que os padres dissessem ser 
necessario pera resgate dos cativos que ainda ficavao en Qanan. Dali 
partirao pera Goa, aonde tanto que chegarao, o padre Francisco Ca- 
bral, que entao era provincisd da Companhia na India, pagou logo 
ao feitor do Baneane tudo o que faltava pera os mil cruzados, que 
elle dera polos padres em Moca e o dispidio mui contente, cheo de 
honras e favores. 

Do padre Pero Paes temos muito que contar ao diante ; nao assi 
do padre Antonio de Monserrate; porque, antes que se abrisse ca- 
minho pera Ethiopia, o levou Nosso Senhor pera si na India. Pelo 
que aqui antes de nos despidirmos delle, he rezao que digamos de 
suas virtudes pelo menos aquellas que o padre Pero Paes seu fiel 
companheiro nos deixou escritas. 

Foi o padre Antonio de Monserrate catelao, natural da cidade 
Bic, de gente nobre : seu pay tinha sido companheiro nos estudos de 
nosso Padre sancto Ignacio e contava delle muitas virtudes e mi- 
lagres. Entre outros affirmou o padre Antonio de Monserrate que, 
morrendo em Barcellona, aonde estudavao, hum homem, e estandoo 
chorando muitos parentes e amigos, entrou sancto Ignacio e disse: 
Nao he morto, nao he morto. E pondose de giolhos em ora^ao junto 
do corpo, se alevantou o defunto, ficando todos muito espantados,por- 
que nao tinhao duvida algfuma de estar primeiro morto. Com o que 
ouvia a seu bom pay e com os exemplos que via nos filhos de san- 
cto Ignacio, que ja em Barcellona tinhao casa e faziao grande fruto 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO VI. 31 

com sua doutrina e exemplo, se affeicjoou e determinou o padre An- 

tonio de Monserrate entrar na Companhia, como entrou; e dali a 

pouco com outro companheiro foi mandado pera Portugal. Leo no 

collegio de santo AntSo de Lisboa humanidade com muita aceita- 

^ao ; e despois de ordenado sacerdote accompanhou algfum tempo ao 

padre Luis Gonzalez mestre d'el Rey Dom Sebcistiao lendo no pa^o 

aos moQos fidalgos as mesmas letras humanas em quanto o padre se 

detinha ensinando a el Rey. Era reitor do mesmo collegio de santo 

Antao no tempo da peste grande. Mandou os padres e irmaos pera 

tiSy.v. huma quinta, e elle com algfuns poucos se deixou *ficar na cidade 

pera acudir aos feridos, como acudio confessandoos, ajudandoos com 

esmolas e tendo muito particular cuidado de dar sepultura aos que 

morriao. 

Ficarao acabada a peste muitos mininos y mininas orfaos : teve 3. Domicilia pro 

o padre Monserrate tanta caridade e industria que, metendoos em g^^, J|J J^^ ^ri- 

duas casas, aos meninos em huma e as meninas em outra, de baixo clitantibua puellis 

eztruenda curavit. 
do insino de pessoas prudentes e virtuosas, Ihes buscou esmolas com 

que se sustentassem muito tempo; e daqui teve principio o mo- 

steiro de santa Marta, aonde hoje em dia tantas virgens de melhor 

nobreza do reino vivem com notavel exemplo de religiao; porque 

avendo entre aquellas orfaas algumas filhas de gente muito nobre 

que desejavao consagrar a Deus sua virgindade, o padre buscou 

com que o mosteiro se dotasse, e Ihes ordenou o instituto e regras 

em que se conservao. No mesmo tempo se estendeo o zelo e cairi- 

dade do mesmo padre a tirar do mao estado em que viviao muitas 

mulheres publicas, as quaes poz em casas de pessoats honradas, aonde 

melhorarao a vida. 

Mas nao se satisfazendo sua grande caridade e amor de Deus, 4. Patri VaUgnani 

j. .^ ^ t. it^ • • j i^ Indiam petenti co- 

em que eirdia, com o muito que trabalhava por sirviQo de Deus em ^^^ ^j^y^ 3^ offert: 

Portucfal, vindo de Roma, pera a India nomeado por vizitador o «^ *^ Mogorensi re- 

. gno cum maximo 

padre Alexandre Valignano, Ihe pidio que o trouxesse comsigo: o animamm fructu 

que elle fez com muito gosto e nao menor sentimento dos superiores yera^^*!laSo*"po8t 

de Portugal, por se verem privados de tam excellente obreiro. Na «d missionem ae- 
^ ,. , - . thiopicam destina- 

India se occupou algfun tempo na conversao dos gentios, ate que o tur. 

padre Rui Vicente provincial o escolheo por seu companheiro pera 

a vizita da provincia. Mas mandando Achabar Gelaldim rey do Mogor 

pidir padres de nossa Companhia pera sua corte e prometendo franca 

licen^a pera em seus reinos pregarem a fee de Christo Senhor nosso, 

offerecendose muitos dos nossos pera aquella missao, que, por ser 



Digitized by 



Googl( 



32 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

entre mouros, se reprezentava trabalhosa e pirigosa, foi escolhido o 

padre Monserrate, que muito a pedia, por superior da missSlo, e por 

companheiros o padre Rodolfo Aquaviva, que despois morreo mar- 

tyr em Salcete, e o padre Francisco Anriquez; mas escuzandose o 

padre Monserrate com muita efficacia do cargo de superior, foi elle 

por subdito e o santo martir Rodolfo por superior. 

Dous annos esteve no Mogor fazendo muitos sirvi^os a Deus, 

principalmente entre gentios; no fim delles quiz el rey Achabar 

mandar dous embaixadores a Portugal, e pedio muito ao padre Mon- 

serrate que fosse com elles. Chegarao a Goa sendo Viso Rey dom 

Francisco Mascarenhas ; mas nao passarao a Portugal, porque acon- 

tecjeo nao ir aquelle anno da India mais que huma s6 nao, a qual, 

quando os embaixadores chegarao, estava ja tam carregada que nao 

houve lugsir em que os meter commodamente ; e assi voltarao elles 

e o padre *ficou em Goa exercitando os ministerios da Companhia, f. i88. 

ate que se oflfereceo a missao de Ethiopia ; pera a qual foi eleito por 

superior, como assima dissemos, no anno de 1688, e por seu com- 

panheiro o padre Pero Paes que no setembro atraz tinha chegado do 

reino. 

5. Eum supema- O mais da vida do padre Monserrate fica referido no que con- 

turalibus donia a Deo ^ j^ j^*» ^^r«^ 

cumulatum fuisse tamos dos sete annos de cativeiro, nos quaes com tanto sofnmento, 

aliquot factis com- grosto e alegria sofreo tantos trabalhos. Dous ou tres testemunhos 
probatur. ^ f* 

acrecentarej aqui de sua virtude. Contava hum cidadao de Ormuz 

que o padre Monserrate Ihe fazia merce de o vizitar por vezes em 

sua casa ; e tendo elle duas filhas, huma muito bem assombrada e gentil 

mulher, outra tam doente, que havia annos jazia entrevada em huma 

cama, com esta se detinha o padre consolandoa e animandoa a sofrer 

os trabalhos de sua doencja; e pela outra passava sem se deter. Per- 

guntou elle ao padre a rezao por que o fazia. Respondeo que com a 

doente folgava de se deter, porque cedo havia de passar desta vida 

e ir ver a Deus na gloria, aonde desejava que lembrasse de o enco- 

mendar a nosso Senhor, e assi soccedeo que dentro de pouco tempo 

a levou o Senhor com mostras grandes de sua predestina^ao e sinaes 

de a levar aonde Ihe desse o premio da grande paciencia com que 

sofrera as dores e tormento de tam prolixa e trabalhosa doen^a. 

Hum Portugues honrado, que em Mascate se achou ao tempo 

que os padres dali partirao, trouxe a Goa huns livros ao padre Ma- 

noel da Veiga, que despois foi provincial da India, e Ihe disse que 

os comprara em Mascate pera o padre Antonio de Monserrate. Por 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO VI. 33 

esta occasiao estando o padre pera se embarcar, pidio ao padre Vi- 
gairo daquella fortaleza dous livros, que tinha entre outros, por 
entender que Ihe sirviriao muito em Ethiopia. O Vigairo, que era 
hum sacerdote muito honrado nascido em Portugal, se escuzou di- 
zendo, que naquelle deserto nao tinha outra consola^So mais que seus 
livros, e os dous erao de qualidade que nao poderia tao cedo achar 
outros semelhantes. Disse isto o padre Monserrate a este Portugues e 
ajuntou: Todos qs livros do padre Vigairo se hao de vender cedo 
no leilao; pelo que pe^o a vossa Merced que me compre os dous 
e outros que Ihe deixou em hum rol, e mos mande a Ethiopia. Assi 
aconteceo: antes de muito tempo morreo o Vigairo; os livros se 
venderao no leilao, e eu comprei estes, que aqui trago. Mas nao nos 
mandei ao padre por ouvir dizer que estava na Arabia cativo dos 
Turcos. 

Estando tambem o padre cativo em Qanan, foi hum dia a huma 
horta do Baxa que cultivavao os Portugiieses cativos, e retiran- 
dose a parte, junto a humas arvores mui altats a fazer oracao, af- 
firmarao com grande espanto huns Turcos, que ali perto estavao 
sobre o muro, que o virao alevantado no ar igual com as arvores ; 
f.i88,T. e diziao: Nao pode ser se nao que este homem he muito amigo *de 
Deus, pois assi se arrebata e alevanta no ar. Ouvirao isto os Por- 
tugueses e hum dia o refirirao diante do mesmo padre, o qual Ihe 
respondeo com boa gra^a: Nao sej aonde esses Turcos tinhao os 
olhos ; que eu nem nas arvores posso subir, quanto mais no ar. Cu- 
stume proprio dos servos de Deus procurar encubrir e esconder os 
mimos e favores, que de sua liberal mao recebem, ainda quando o 
Senhor pelos honrar pera maior gloria sua os manifesta e descobre. 



C. BBCCAmi. /?#r. AMtk, Seript. 0ce, ined. — VI. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO VII. 

Martirio do padre Abrahfto de Guerguis 
de nossa Companhia em Ma^uft, vindo pera Ethiopia. 

Vendo os superiores da Companhia da India que o cativeiro dos i. Tcmporc ca- 
padres Antonio de Monserrate e Pero Paes hia devagar, e que nao ^^j^ unus^p. Lopes 

se podia esperar que delle passassem a Ethiopia, sabendo tambem *^ Acthiopia supcr- 

8tc8 mansisscty ad 
que o padre Antonio Femandez em Ethiopia era morto, e so ficava eum adiuvandum 

o padre Francisco Lopes velho e cansado, e se podia temer que, Q^^jLig^^^^ronita 

levandoo nosso Senhor pera si, ficassem os catholicos totalmente dettinatur. 

sem pastor em siunmo desemparo ; determinarSo arriscar outros dous 

padres, pera os quaes prometeo e deo despois liberalmente todo o 

necessario o viso Rey Mathiats d'Albuquerque. Foi escolhido pera 

esta empreza o padre AbrahSo de Georgis Maronita de na^ao, o qual 

entrando em Roma na Companhia, fora della mandado k Portugal 

e k India, dando em todas as partes raro exemplo de heroicas vir- 

tudes. E neste tempo, porque sabia bem a lingfua caldea, como na- 

tural daquellas partes, andava na serra entre os christaos de santo 

Thome, cujos sacerdotes e letrados tem seus livros sagrados escritos 

naquella lingua, porque de Babilonia Ihes vinhao primeiro os ar^e- 

bispos e pastores que os govemavao. Fez o padre Abrahao naquella 

christandade grande fruto com sua sancta doutrina e eminente vir- 

tude ; mas tanto que Ihe chegou reccado pera vir k Goa, deixando a 

empreza em que andava, posto que sancta e de grande gloria de 



Digitized by 



Googl( 



36 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Deiis, se partio com a presteza e promptidao de verdadeiro obediente ; 

ao qual por isso o propheta Isaias asemelhou ao rayo, porque na 

maior forcja e impito de seu curso ou voo, com a mesma ligeireza 

e pressa vira e volta com que pera diante corria e desaparecia. 

Chegado a Goa esteve o padre Abrahao hum anno inteiro re- 

colhido em casa, criando barba e retirandose do trato da gente, pera 

despois nao ser no caminho conhecido e malsinado dos mouros e 

gentios. O mesmo fez o padre Diogo Gonzales companheiro, *que f. 189. 

primeiro se dava ao padre Abrahao, mas despois, chegado o tempo 

da partida, e considerado melhor o ponto, pareceo mais acertado ir 

s6 o padre Abrahao com hum moQO Abexim, pera assi poder passar 

mais encuberto. Dia dos Reis a noite anno de 1 595 se embarcou o 

padre pera Dio, mas antes que se embeircasse desejou o Viso Rey 

Matthias d'Albuquerque de o ver. Foi o padre ao pa^o vistido a 

mourisca com touca e cabaya e barba comprida; nao podeoViso- 

rey ter as lagrimas a vista de tam novo espectaculo ; lan^oulhe os 

bra^os ao pesco^o, dizendo com grande ^imor: Ah, padre meu,estas 

sao as inven^Oes sanctas que a Companhia busca pera sirvir a Deus 

e trazer as almas a seu criador ? E despois de com elle se consolar 

e Ihe oferecer toda a ajuda pera os gastos do caminho, o despidio. 

Do pa^o se foi o padre ao collegio de sam Paulo, aonde o estava 

esperando o padre Provincial com os padres e irmaos pera aquella 

derradeira despidida. A qual foi tam saudoza, tam chea de lagrimas 

e solu^os nascidos parte da caridade fratemal, parte de sanctas in- 

vejas e desejos, que todos tinhao de acompanhar ao padre em em- 

preza tam trabalhoza, e perigoza ; que parecia arranceiremse os cora- 

(jOes e irem mais as almeis aonde hiao os desejos e amor, que ficarem 

nos corpos que animavao. 

a. P. de Qeorgis, Chegou o padre a Dio a salvamento ; concertouse ali e embar- 

M^^conscwi^t et ^ouse em huma nao de Baneanes, que hia pera Ma^ua, aonde, de- 

Dium pervenit; in- spois de alguns trabalhos do mar, chegou com boa viagem, sendo 

<le, mense martio, 

Ma^uam ▼ersus vela capitao daquella fortaleza hum Turco casta christao chamado Xafer, 

pia^ ten^ Dum^in ^ ^^^^ ^^ quanto o nao conheceo por quem era Ihe fez muito bom 

proximum continen- gazalhado. Poucos dias despois de chegado o padre a Ma^ua, chegarao 

tem transmittere pa- 

rat, a suo comite ali alguns homens que o padre Francisco Lopez mandou a saber 

^ristiano proditus, j^Qy^iS da India, e ajutandose com o padre por via de hum Baneane 

Ma^uam revocatur et •' r- r 

in carcerem coniici- que sabia o segredo, Ihe disserao que procurasse partirse dali o mais 

de pressa que pudesse, porque toda a deten^a era pirigoza. Bem 

no desejava o padre, mas ir sem licen^a dos Turcos nao era pos- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO VII. 37 

sivel, pela grande vigia que elles tinhao, e tem sempre nos passos da 

ilha. Pidio licen^a ao capitao Xafer: nao na alcan^ou, nao por 

haver ate entao sospeita alguma, que ha nao havia, senao por nao 

haver cafila com que podesse passar seguro dos ladrOes e salteado- 

res, que naquelles caminhos sao continuos. Foraosse com isto os ho- 

mens do padre Francisco Lopez levando com sigo parte do fato do 

padre Abrahao. Nao tardou muito o padre em outra vez instar pola 

licen^a : alcan^ouo e hia ja no meio do esteiro atravessando da ilha 

pera a terra firme. Estavao de huma janella vendo o turco Xafer: 

chega a elle o Baneane capitao da nao e dizle : Vos, Senhor, deixaes 

assi passar aquelle homem pera a terra firme ? La vos avinde : mas 

despois nao me ponhais culpa : que eu daqui vos avizo, que nao sei 

que homem elle he, se mouro, se christao. Ficou o Turco sobresal- 

tando: manda logo apoz elle, falo tomar, e chegado, dizlhe: Que 

homem sois ? mouro ou christao ? Respondeu com grande seguran^a : 

ti89,v. Sou christao. Pois assi encuberto? diz *o Turco. Ora sabei que ou 

vos haveis de fazer mouro, ou morrer as minhas maos. Fazei o que 

quizerdes, disse o padre, que eu nau sou homem que me haja de 

fazer mouro. Mandouo prender e trazer o fato, que ja estava da 

outra banda. Acolheraose alguns christaos que o estavao guardando : 

ficou s6 o mo^o Abexim, que tinha vindo da India com o padre. 

A este fizerao os Turcos muitas perguntas juntas com amea^as : foi 

o pobre tam fraco, que nao so respondeo tudo o que do padre sa- 

bia, mais deixando a santa fee se fez mouro. 

Pretendeo o Turco com muitos recados persuadir ao padre que 3- Cum fldcm chri- 
r. 1 1 • r« 1 i it • stianam eiurare re- 

nzesse o mesmo; mas achandoo mais nrme quehuma rocha, Ihe saio cusasset capite ple- 

com hum partido ao que elle imaginava favoravel; e foi que Ihe ^tit"'' 

mandou dizer que so queria dissesse huma vez diante delle que era 

ou queria ser mouro, e com isto Ihe daria licen^a que fosse o que 

quizesse, e pera onde quizesse. Engano conhecido do pay da min- 

tira, cuja preten^ao he ver huma vez a hum pobre metido no la^o, 

e como ali o tem Iho sabe apertar de modo que o segure. Porem 

nada valem la^os diante dos olhos da aguia real, que trazendoos 

sempre no alto, ah faz sua morada sostentandose na ligeireza de 

suas grandes azas. Tal era o cora^ao deste glorioso martir; todo 

pregado e fixo em Deus, nem desejava menos a morte pola santa 

fee, que a dilata^ao da mesma fee, e o bem das almas, por que 

rodeara o mundo e pretendia entrar em Ethiopia. Respondeo pois 

ao Turco, que em materias da sua fee nao uzava de fingimentos, 



Digitized by 



Googl( 



38 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

que era christao e estava muito prestes pera morrer pola fee de 
Christo. Tomou fogo o Tvirco: mandouo chamar diante de si; dis- 
selhe logo o padre de rosto a rosto o que Ihe mandara dizer por 
recados e ajuntou : A lei de Jesu Christo meu Deus e Senhor he 
a verdadeira; a de Mafamede nSo val tanto como o solo do meu 
Qapato ; pelo que nao tendes que esperar. Aqui esta o peito e o pe- 
SC090 offerecido ao golpe. Mandouo Xafer levar ao campo e que 
Ihe cortassem a cabe^a. Sayo o cavalheiro de Christo tam alegre e 
contente como quem hia a colher nelle as palmas de seu triumpho : 
pozse de giolhos, abaixou e offereceo o pesco^o ao talho, dizendo 
com o cora^Sio e boca muitas vezes : Jesus, Jesus. Affirmou por cousa 
certa hum Baneane, que ali se achou prezente, que ao primeiro 
golpe quebrou hum ter<;ado sem fazer no tenro collo sinal algum ; 
ao segundo quebrou o segundo alfange fazendo huma firidinha mui 
pequena; veo o terceiro, que cortou a cabe^a pera no ceo ser co- 
roada eternamente do louro immortal e verde aureola do martyrio. 

4. Mira quaedam O corpo morto mandarSo os Turcos levar a hum ilheo deserto 
tem evenenmt. ^" V^^ ^^^ ^® fronte de MaQua, no qual custumSlo lan^ar a todos os que 

morrem por justi^a. Ali porem no meo de tantos malfeitores quiz 
o ceo honrar os ossos deste sancto martyr por huma quarentena, 
ordenando que de dia o guardassem tres passaros brancos muito 
grandes e fermosos nunca vistos outra hora *na quella parajem ; e f. 190. 
de noite se vissem naquelle lugar muitos lumes como tochas que 
ardiao junto a seu corpo. Sobre o que houve entre os Turcos varias 
sentengas; huns obstinados em seus erros, cegos com a claridade 
de tanta luz como aves nocturnas, diziao : Nao basta aquelle Cafar 
estar ardendo no inferno, senao que ainda ca se queima seu corpo ? 
Outros porem for^ados da evidencia do milagre reprehendiao a estes, 
dizendo, que nao podiao as luzes ser sinal do fogo do inferno, que 
nada allumia suas escuras trevas, antes sempre a luz e claridade 
fora sinal da virtude e do resplandor e gloria com que ella no ceo se 
paga e apremia. 

5. Quaedam dc Foi este sancto martyr eminente em muitas virtudes ; especial- 
virtutibus attingun- ^^^^^te em duas, que sao as bazes e fundamento de toda a vida reli- 

tur cx testimonio giosa, a saber, mortificacao e oracao, tam abstinente que em todo 

p. de Azevedo, qui 

eiua condiscipulus o anno nao comia mais que huma s6 vez no dia e essa a noite. Dava 



fuit. 



a ora^ao grande parte da noite e do dia todo o tempo que Ihe 
sobejava das sanctas occupa^Oes que tomava por bem e salva^ao dos 
proximos. Na missa se detinha muitas vezes passante de huma hora. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO Vn. 39 

Reveloulhe nosso Senhor que havia de dar a vida por sua santa fee, 
indo em Portugal a ver o sancto milagre de Santarem; o que o 
padre despois declarou ao padre Belchior Coutinho, que sendo entao 
irmSlo hia com elle : porque primeiro se concertarao que diriSo hum 
ao outro o que Deus Ihes mostrasse como custuma muitas vezes na- 
quelle divinissimo e famosissimo milagre. E declarando o padre 
Coutinho o que vira, importunou tanto ao padre obrigandoo com as 
leis do contrato que tinhSlo feito, que, posto que com grande repu- 
gnancia nSo Iho podendo negar, com obrigfa^So de o nSo haver de 
descubrir em sua vida, Ihe declarou a merce que nosso Senhor Ihe 
fizera. 

Nem foi esta s6 a vez que nosso Senhor Ihe revelou cousas 
futuras : o padre Luis d'Azevedo, sendo irmao, pidia muito em Coim- 
bra a missSo da India, e porque corria com especial familiaridade 
com o padre Abrahao, Ihe encomendou que Ihe alcanijasse de Deus 
-esta merce. Felo assi o padre, e disselhe que estivesse certo que 
avia de vir aquelle anno. Estava ja cheo o numero dos missiona- 
rios, todos elles avizados, erao partidos pera Lixboa : ficava o padre 
Azevedo desconsolado e desconfiado da p)alavra do padre; eis que 
sobrevem a hum dos do numero certo impidimento; fica aquelle; 
-escolhem os superiores e mandao vir de Coimbra ao irmao Luis 
de Azevedo : cumpre Deus ao padre Abrahao sua promessa e elle 
ao irmao sua palavra. 

O mesmo padre Luis de Azevedo na India huma vespora de 
Katal pidio ao padre Ihe encomendasse na missa daquella festa e 
alcangasse de Deus tres cousas : duas erao proprias do padre, a ter- 
-ceira era que alcangasse perseveran^a na voca^ao pera hum irmao 
que o padre sabia andava inquieto. Felo o padre Abrahao e despois 
<^.i9o,T. disse que das duas cousas que *pidira pera si, huma Ihe concedia 
Deus, a outra nao : quanto a terceira cousa, nao tinha pera que se 
cansar, porque Deus nao queria aquelle sojeito na Companhia. Assi 
aconteceo, que dali a poucos dias foi despidido ; e das outras duas 
cousas experimentou em si o padre Azevedo ser verdade o que Ihe 
dissera o padre Abrahao. O mesmo padre pidia ao padre Abrahao 
por muitas vezes que, como chegasse a Ethiopia, escrevesse de ca 
aos superiores, pidindolhes o mandassem a esta missao: a reposta 
foi sempre : que o faria se la chegasse ; mas que nao havia de chegar 
d Ethiopia; no que parece que tambem Ihe tinha declarado o Se- 
nhor o tempo e lugar de seu martyrio. 



Digitized by 



Googl( 



40 HISTOKIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

6. Sanctus Maxtyr Sobre todsis estas merces do ceo, favores e mimos, que nosso 

nUneemisseH^r^ Senhor fez a este sancto martir, tenho eu por maior ter elle com 

Socieuti lesu adi- seu sancoie mais innocente que o de cordeiro quebrado e aberto as 
tum in Aetfaiopiaxn. , ^, a 

portas de MaQua mais duras e fortes que diamante, tam fechadas 

primeiro que nas prayas de Arquico se derramou o sangue do pa- 

dre Gon^alo de Gualdames, querendo por ellas passar a India e no 

mar vizinho muito do do irmao Fulgencio Freire, que por ellas hia 

buscar e saber novas do patriarcha dom Andre de Oviedo e dos 

padres seus companheiros, de maneira que por espa^o de 40 annos 

nao houve poder romper as fortes cerraduras daquella porta. Porem 

despois que este sancto martyr as ungio e santificou com o preciozo 

oleo do seu sangue, ficarao tam abertas e patentes que com as de- 

fenderem e guardarem continuamente as feras escoadras turquescas 

pelo mejo de seus alfanjes retrocidos antes gfuardados delles, nas 

primeiras jornadas de terra tem entrado em Ethiopia passante de 

vinte padres da Companhia, sem nenhum ali pirigar nem ter desa- 

stre; antes chegou a ser o papo tam franco, que de oito annos a 

esta parte passarSo por ali dez padres com o mesmo trajo e habito 

que traziao na India. Pois se no mundo merecerao louvor tam grande 

aquelles esfor^ados cavalleiros que nas portas de Lisboa e Gt)a se 

atravesserao deixandose cair e morrer entalados nellas, fazendo de 

seus corpos pontes, pelas quaes entrando seus companheiros, livras- 

sem do poder de maumetanos os dous mais famosos emporios, que 

tem o universo, hum no ponente e outro no oriente que, louvor 

merece, que gloria tera no ceo este sancto martyr ? o qual a custa 

de seu sangue e vida franqueou aos pregadores do evangelho a en- 

trada e portas, nao de huma ou duas cidades, mas de hum mui vasto 

e estendido imperio. 



Digitized by 



Googl( 



f.i9i CAPITULO VIII. 

O que passava em Ethiopia nestes annos e o principio 
do imperio do emperador Jacobo. 



Em mar^o de 1595 partio^o padre martyr Abrahao de Dio, e x. Sarsa Dcnghci, 
no prmcipio de mayo do mesmo anno foi seu glonoso martino. Nao gorem slbi designat 

sabemos o dia certo, porque nao houve ali christao que Ihe lan- o«pot«na snxan Za 

Denghel; primores 
Qasse a conta. No fim deste mesmo anno ou no principio do se- regni Za Mariam 

guinte soccedeo a morte do emperador Malac Qagued e logo foi meridmum^n^fe- 

alevantado em seu lugsir Jacobo seu filho bastardo, pelo modo que ""^^J ^^ ^*c ante 

patrem moritur. 
agora contarei. 

O Emperador Malac Qagued teve da emperatriz Mariam Cina 

varias filhas, mas nenhum filho macho : teve porem dous bastardos, 

hum por nome Za Mariam, outro Jacobo, de huma christaa nova, 

casta FaJaxa ou Judia. Digo Judia, porque, posto que os Emperadores 

de Ethiopia e todos os que sao de seu sangiie se tem por descen- 

dentes de David e Salamao, e muitos dos que tem os melhores of- 

ficios da iusti^a e caza real se prezao de descendentes dos Judeos 

que com Minelehec filho de Salamao e da rainha Saba vierao de 

Jerusalem, nenhum destes se chama Falaxa, que he o nome por que 

ca chamao aos Judeos, de que esteve chea por muitos annos grande 

parte de Ethiopia ; e ainda ha muitos destes em varias provincias e 

destes pouquissimos se converterao ate hoje, todos viverao, sempre 

e vivem na ley de Moyses, pelo que se entende que he esta outra 

C. Bbccari. Her. Aeik. Scripi. oce. imed. — VI. 6 



Digitized by 



Googl( 



42 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

casta de gente differente daquelles primeiros, e que vierao a estas 
partes ou no tempo dos cativeiros de Assiria e Babilonia, ou despois 
que Jerusalem foi ultimamente destruida por Tito e Vespaziano. 
Desta caista pois era a may dos dous irmSios filhos de Malac (^a- 
gued, Za Mariam e Jacobo. 

He pois de saber que, vendose este Emperador sem filhos legi- 
timos, determinou muito tempo de nomear por herdeiro do imperio 
a Za Dangnil filho de seu irmSo Lessana Christos, e como a tal o 
foi criando, honrando e fazendo que os grandes o reconhecessem e 
honrassem. Porem poucos mezes antes de morrer, trazendolhe k casa 
a Za Mariam seu filho (ao qual nunca tinha visto, por se criar fora 
e longe da corte) levado do amor de pay, se affei^oou tanto k elle, 
que determinou de Ihe deixar o imperio. E logo foi dando mostras 
muito claras desta sua mudan^a e nova determina^ao, porque ja nao 
dava muita entrada a Za Danguil, nem Ihe mostrava a affeicao e 
amor que soya, antes em sua auzencia o desacreditava dizendo que 
era de condi^ao mui forte, esca^o e riguroso *e enfim inepto pera f.i9>fV- 
o governo. 

Entenderao logo os grandes sua preten^ao e como ordinaria- 

mente cortezOes, que seguem o pa^o, se vestem, nao s6 no trajo 

exterior, mas muito mais na lingoajem, das coros dos Reis a que ser- 

vem, mais de ligungeiros que de fieis conselheiros ; todos come<;arao 

logo a Ihe louvar o filho e desdanhar do sobrinho, ajuntando que 

Aza Mariam, no qual ja viao e esperavao ter ao diante hum vivo 

retrato das virtudes de tal pay, queriao por Rey e Senhor, e nao 

a quem de Malac Qagued assi como nao tinha o sangue, nao podia 

ter a magnamidade e grandeza de cora^ao. 

a. imperator mo- A todas estas tra^as derrocou a morte, que tudo acaba; dentro 

riens reenum ne- . j • j ^ li. . . ^a 

pod relinquit. Pri- ^^ ^®^^ mezes despois de entrar no pa^o, salteou ao prmcipe Za 

mores tamen pue- Mariam huma doen^a tal que o poz na cova, tendoo o Emperador 
rum lacob, fllium il- ^. » , . , r,A ^ ., ti.t 

legitimum demor- por castigo da sem rez^o que fizera a seu sobnnho Za Danguil. Nem 

^^oclKoi^^t^^t^^z^ tardou muito que Ihe nao chegasse a elle sua hora, vindo da guerra 

Denghel arctissimae que fora fazer aos Gallas de Baxilo; a qual vendo que se Ihe che- 
custodiae tradunt. . .... ^ ,« 

Susneos, aiius Sarsa g^va, chamou aos grandes do imperio e encomendoulhes que o 

Denghei nepos f^a dessem a Za Danguil, pois o merecia e Ihe pertencia de direito 
tatem servat. Vidua como a filho de seu irmao. Elles porem assi por ainda naquella 
neri*8eptiMn* «mn^ ^orsL nao deixarem o custume e officio de ligongeiros, como por- 

imperio potiuntur et que desejavao mais ter nao Rey que os govemasse a elles e ao 

contra Ag6u8 et GAl- ^ ^ ^ , , . 

las bellum gerunt. impcrio, mas huma estatua e figura de rey, a cuja sombra reinas- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO VIH. 43 

sem, repartindo entre si e comendo a sua vontade as terras e rendas 
do reino, disserao que elle tinha filho, que era Jacobo; que a este 
e nao a outro haviao de obedecer e elevantar por Emperador e assi 
o fizerao. 

Mas. antes de publicarem a morte do pay e eleipao do filho, 
mandarao varias companhias de gente armada, humas que fossem 
prender a Za Danguil, outras que fizessem o mesmo a Susnios filho 
de Faciladas neto do emperador David ou Onag (^gxied, do qual 
tambem se temiao que Ihe perturbasse suas trapas, por ser pretensor 
do imperio e mancebo de valor e esfor^o muito conhecido. Foi prezo 
Za Danguil e levaraono 4 huma ilha da alagoa de Dambea chamada 
Dek, aonde esteve muito tempo reteudo, e despois o mudarao dali 
a varias serras fortes tendoo sempre em guarda. Susnios foi mais 
venturozo: avizado de como o vinhao prender, pozse em cobro, e 
andou quasi todo o tempo, em que reinou Jacobo, pelos confins do 
reino auzentado e quazi alevantado, ate que Deus o sdevantou e Ihe 
entregou a coroa e posse deste imperio, como abaixo contaremos 
muito largamente. Era Jacobo neste tempo minino de idade de sete 
annos, pelo que ate os quatorze govemarao o imperio a seu prazer 
a ennperatriz Mariam Sina e dous genros seus Ras Athanateus e 
f. 192. Caflmiade Vizo-Rey que era de Tigre com alguns *outros dos grandes, 
nao tendo Jacobo mais que o nome e figura de Rey. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by CjOOQ lC 



CAPITULO IX. 

De como foi mandado e veo A Ethiopia o padre Bel- 
chior da Sylva, sacerdote Bramene, natural da ilha 
de Goa. 



Em mayo de 1595 foi o glonozo martino do padre Abraham x. Gubemator in- 

, ^ . - , tr^ 1 . diarum et Praeposi- 

de (jueorguis : no mesmo mez de 97 levou nosso bennor pera si em tus provinciae Ooa- 

Fremona ao padre Francisco Lopez o derradeiro dos companheiros ^5 ^^******^*? ^^ 
^ "^ ^ thiopiae, omni auzi- 

do sancto patriarcha dom Andre de Oviedo. Chegarao estas novas lio destitutis, opem 

a Goa e forao de todos muito sintidas, por verem que ficavao os ^"^ ^^'^ tuunt. 

catholicos e Portugueses de Ethiopia totalmente sem pastor, como 

rebanho de ovelhas em bosque e mato de lobos e tigres. Pediao os 

catholicos de Fremona na carta em que davSo as novas da morte 

do padre, que, pois se via nao ser possivel passar a Ethiopia padre 

da Companhia, pola muita vigia que os Turcos tinhao nos portos 

do Mar Roxo, que Ihes mandsissem algum sacerdote natural da 

India: porque o tal nao sendo differente nas cores e lingua dos 

Baneanes e outros Indios, que custumavao vir nas naos do estreito, 

parece que nao correria pirigo e passaria facilmente. 

Contentou esta tra^a ao Vizorey que emtao era o conde al- 
mirante dom Francisco da Gama, e ao arcebispo primas dom frey 
Aleixo de Menezes, e posto que os superiores da Companhia estavao 
quazi rezolutos em fazer ordenar e mandar a esta empresa hum irmao 
que tinha as cores bapas e boa intelligencia da lingua da India, 



Digitized by 



Googl( 



46 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

com tudo se assentou que o mais seguro era mandar hum natural 

da terra, em que avia menos pirigo. Buscouse e achouse logo hum 

sacerdote bramene criado desde minino no nosso seminario da sancta 

Fee, bem entendido e de bom exemplo, o qual por sirvi<;o de Deus 

e bem das almas se ofiFereceo a todos os trabalhos e riscos desta 

jomada. Deulhe o conde Vizo Rey todo o necessario pera os ga- 

stos della; e o arcebispo primas prometeolhe para a tomaviagem 

merces e acrescentamento em lugares e beneficios ecclesiasticos, e 

os padres da Companhia todo o favor e lembran^a pera seu tempo, 

alem de Ihe prometerem de nSo cessar, nem perder occasiao de 

mandar padres que Ihe fossem socceder e livrando daquelle desterro, 

e pera isto Ihe encomendarao muito que por todas as vias avizasse 

de qualquer caminho que la achasse se podia intentar e qualquer 

porta que se abrisse ; porque por todas as difficuldades estavao pre- 

stes a romper *avendo alguma esperan^a de consiguir o seu intento f.i92,v. 

e poderem passar aonde tanto desejavao. 

s. Meichior a Syi- Com isto se embarcou logo pera Dio, e dali em trajos de ma- 

ris ^nere^zidus ad ^^^ti^i^o pera Ma^ua em mar^o de 1598. Em Magua achou hum ca- 

difficile munus eli- tholico, que de Fremona tinha ido a buscar cartas da India ; mandou 

gitar, qui Diu sol- 

vens, proepero iti- logo recado aos Portugueses, e sem fazer muita detencja se partio 

nh^t^S^^^Fremo^ dentro de poucos dias pera Fremona com nao pequeno pirigo de 

nam se confert. salteadores que por aquellas paites nunca faltao, por ir com muito 

pouca gente ; mis, como o pirigo de ser conhecido dos Turcos era 

tam grande, todo o outro Ihe parecia pequeno. Em quatro dias che- 

gou a Debaroa, aonde o vierao receber muitos Portugueses e catho- 

licos de Fremona, acompanhandoo ate la com grande alvoro^o e 

festejando sua vinda com extraordinaria alegria, dando mil contos 

de gragas a divina bondade, por Ihes acudir com pastor e cura de 

suas almas ; e por assi Ihes cumprir tanto a risca a promessa e pro- 

fecia do bom padre Francisco Lopez, que o anno antes, estando pera 

morrer, Ihes affirmou que ante de se cumprir hum anno Deus nosso 

Senhor os vizitaria e Ihes traria sacerdote que Ihes administrasse os 

sacramentos e acudisse a suas almas com o pasto espiritual da pa- 

lavra divina. 

3. Totos 9ex an- Seis annos esteve o padre Belchior da Sylva em Ethiopia ; sinco 

etaenimnis fractus ^mtes de chegar o padre Pero Paes, hum com elle, esperando oc- 

huc iUuc discurrens, caziao de embarcacao e aviandose pera tomar pera India. Em todo 
sacra catholicis ad- . •, <, 

ministrat. Primores este tempo procedeo com muito bom exemplo e teve muito cuidado 

Ho k^r*8e' ^inito" ^^ acudir as almas dos Portugueses e catholicos e pera os sacra- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO IX. 47 

mentar e doutrinar andou continuamente em caminhos muito largos litteras dant ad Gu- 
e trabalhosos, por os Portugueses estarem muito espalhados em va- quibur^dMnonsttint 
rios reinos deste imperio. deduci tuto posse in 

Trazia elle muito encomendado da India informarse e escrever Societatis per viam 
la de qualquer caminho pelo qual pudessem entrar em Ethiopia '^^* Dancali. 
padres da nossa Companhia : procurou de o fazer ; mas nao se ofiFe- 
recia couza segnra, ate que o anno de 1602, ajuntandose com os 
principaes Portugueses de Tigr^, fizerao todos este assento que aquy 
porey : c Aos 22 de junho de 602 nos ajuntamos todos os Portugueses 
€ e alguns nossos filhos nascidos em Ethiopia, comvem a saber Fran- 
€ cisco Diaz Machado natural de Setuval, Andre Gonzalez natiiral 
c do Porto, Jorge Vaz natural de Covilhao, Luis Machado, Mauricio 
f Soares, Joao Gabriel juntamente com o nosso padre vigairo Bel- 

< chior da Sylva, Theodoro da Costa, Pero Vieira, Manoel Jorge 
« e outros ; e fizemos consejo sobre a vinda dos padres e por onde 
€ seria boa sua entrada por causa dos Turcos nao encontrarem com 

f. 193. « elles, e os cati*varem e achamos que nao havia outro porto melhor 
€ que o de Baylul, que esta logo a entrada do estreito a mao esquerda 
€ de fronte de Moca a doze legoas pola entrada do canal do Abe- 
€ xim; e posto que o dito porto seja sojeito a hum Rey mouro por 
€ nome Dancaly (he o nome do reino e nao do Rey), toda via o 

< padre vigairo com o dito Francisco Dias e com nosco juntamente 
€ tem acabado com Cafluade governador deste TigrS que tome este 
€ anno de 602 a escrever ao dito Rey Dancaly, que receba bem 
4 os mestres que o Emperador pede. E ja em estes annos passados 

< o Emperador Ihe escreveo que Ihe fizesse o mesmo, e porque esta 

< he nossa determina^ao e parecer nos assinamos aqui no dito anno 

< e era etc. >. 

Escrevi aqui este assento dos Portugueses de Tigre, porque foi 
elle em si muito acertado, e posto que por entao nao sirvio, porque 
Deus abrio as portas de Ma^ua, podera sirvir em outro tempo ; e a 
experiencia mostrou ja como o que dizem nelle he com muito fun- 
damento, porque por este caminho veo e entrou em Ethiopia a sal- 
vamento, posto que com muitos trabalhos, o patriarcha dom AflFonso 
Mendez, como em seu lugar se dira. O Rey de Dancaly, posto que 
nao paga tributo, depende muito do Emperador, e tem tam pouca 
gente e forcja que se Ihe nao fizer a vontade facilmente pode ser 
castigado pelo Vizo Rey de Tigre. O caminho he de vinte dias pouco 
mais ou menos, terra esteril sem mantimento e muito falta de agua. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO X. 

Do principio do collegio de Dio 

e de como se azou a entrada em Ethiopia 

do padre Pero Paes. 



Muitos annos andarao os superiores da Companhia na India sol- i. ut aethiopicae 
licitos e cuidadosos sobre o modo que teriao de acudir a missSo de guccurri possit, fun- 

Ethiopia, vendo que os primeiros padres, que nella entrarao erao ***^ "* dvitate Diu 

d o m u 8 Societatis ; 
mortos e tendose intentado varios caminhos pera patssarem la outros, sub ipsis initiis a 

todos se achavao fechados, ate que praticando este ponto com ho- ^Jig^JJ^^^*^**** ^ 

mens intelligentes e de muita experiencia vierao a assentar que nao 

avia meo mais eflBcaz pera se consiguir este intento, que fazerse em 

Dio casa ou collegio da Companhia, no qual estando os nossos de- 

vagar e de assento, praticariao e travariao amizade com os merca- 

dores mouros e gentios, que daquelle porto cada anno hiao e vinhao 

do estreito, e procurando os padres de Ihes alcan^ar ali alguns fa- 

vores dos capitaes e officiaes da alfandega, elles tomariao a sua conta 

levalos em suas naos e abrirlhes la as portas : pois nenhumas ha no 

mundo tam fechadas que com gazua de prata e ouro se nao abrao ; 

f>93»v. a traga foi do ceo e mostrouo bem *o bom successo que teve. E 

como era tal nao podia deixar de ser encontrada com todas as for^as 

do infemo. Era vizitador da India o padre Nicolao Pimenta ; man- 

dou ao padre Gaspar Soares que de Damao, aonde entao se achava, 

passasse a Dio e fosse dar principio ao assento que ali pretendia 

C. Bbccaju. R*r. Atik, Script, occ. incd, — VI. 7 



Digitized by 



Googl( 



50 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

fazer a Companhia. Era o padre Gaspar Soares homem de grande 

virtude, cora<;ao e confianca em Deus, armado pois e estribado nesta, 

sem ajuda alguma humana, se embarcou e atravessando o golfo en- 

trou em Dio. Foi recebido e agazalhado por alguns bons amigos, 

que ali tinha a Companhia, cujos ministerios comepou a exercitar, 

confessando e pregando com muito fruto das almas; nem tardou 

muito em dar principio ao edeficio do collegio, que hoje ali tem a 

Companhia, hum dos melhores da India, que pera tudo ajudou Deus 

ao padre que nelle so pozera sua confianca. 

a. Inimici Socie- Mas em comeijando come^ou a tormenta e guerra com o in- 

Philipmim III cidu^ femo, o qual pera encontrar esta obra poz aqui em campo aberto 

mniis Patres impu- imm exercito de muitos mil Baneanes, de que esta chea a cidade, 

gna&t. Rez, cognita 

rei veritate, Quber- armados todos com lan^as de ouro e prata de Venezeanos e Mamu- 

SSb ^^^Diu^^mni des, como senhores que sSo do retorno das ricas e finas roupas que 

quo potest modo fa- cada anno metem nas escalas e portos do Mar Roxo. Esta^ erSlo as 

forgas descubertas com que o diabo quis encontrar a esta obra ; mas 

outras tinha escondidas e encubertas de pessoas interessadas que aos 

Baneanes davao costas. Temiao elles que, entrando ali os padres da 

Companhia, os fariao christaos, e os que os favoreciao, alem de ou- 

tros temores mais occultos, temiao que se despovoasse a terra de gen- 

tios e mouros e com isto cessasse o trato e mercancia, com o que 

davam ja a alfandega e seus rendimentos por perdidos, e a fortaleza 

por acabada. Chegou o negocio a termos, que por justicja se fizerao 

ao padre varios requerimentos pera que desistisse da obra e se saisse 

da cidade: escreverao ao Vizo Rey com grande eficacia e com a 

mesma a Portugal a Sua Majestade. Porem que monta e pode o 

mundo e as for^as do Inferno iuntas contra quem tem por si a Deus ? 

Os primeiros impitos sostentou o padre Gaspar Soares, tomando os 

golpes de muitas mas linguas no escudo da paciencia e no peito de 

prova da constancia, armandose e respondendo com a obrigagao de 

verdadeiro obediente ; dizendo que era religiozo e viera ali por man- 

dado de seu superior ; nem podia deixar o lugar e estancia, se a obe- 

diencia, que ali o pozera, o nao mandasse sair. Em Goa nos valeo 

a grande christandade e conhecida piedade do vizo Rey Ayres de 

Saldanha, o qual fechando as maos as grossas peitas e os ouvidos 

aos gritos dos Baneanes e seus agentes, os mandou pera Dio sem o 

despacho que esperavao. Mas o que deu fim a batalha e aquietou de 

todo esta tormenta foi o grande zelo da honra de Deus em que ardia 

a Majestade catholica *d'el Rey dom Phellipe 2° de Portugal, que, f. 194. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO X. 51 

sendo informado do que passava em Dio, respondeu em hum capitulo 

de huma pera o vizo Rey Ayres de Saldanha, que elle nSo mandava 

os Vizo Reis a India pera que acrescentassem sua fazenda, senSlo pera 

que defendessem e augmentassem a christandade ; pelo que se elle 

procurasse isto com o zelo que era obrigado, ainda que todas suas 

alfandegas nao rendessem hum real, se teria por mui bem sirvido, e Ihe 

faria muitas merces ; e que pois os padres da Companhia trabalhavao 

com tanto fervor na christandade, entrassem em Dio e em todas as 

outras partes, aonde se esperasse fruto de servicjo e honra de Deus e 

pera isso Ihes desse de sua real fazenda todo o necessario. Com tam 

expressa ordem de Sua Majestade e com a execu^ao que Ihe man- 

dou dar o vizo Rey Ayres de Saldanha, cessou a borrasca e os 

Baneanes vierao em pouco tempo a estimar tanto os padres, polas 

boas obras que delles recebiao, que de commum consentimento assen- 

tarao e derao muitos annos esmolas muito grossas pera a fabrica 

da igreja e coUegio que se edificava. 

Mandou tambem sua Magestade pelas naos do anno de 1602 3. Immo et naves 

ao vizo Rey Ayres de Saldanha que armasse seis galeotas pera ^iiopicum instaul 

nellas entrarem seguramente o estreito e desembarcarem na costa randum. Dum Gfu- 

beraator instruit 
do Abexim alguns padres da Companhia que fossem acudir aos ca- classem, naves alio 

tholicos e Portugueses que la havia. Desejou muito o Vizo Rey dar p^[^^<yffertur ° 

comprimento a esta ordem de sua Magestade, mas for^andoo entao 

as necessidades do sul a acudir la com huma grande armada de 

galeotas, que mandou a Sunda, e sendo juntamente informado que 

duas galeotas bastavao pera lan^ar os padres no porto de Baylul, 

o qual os Portugfueses de Tigre diziao em seu assento, que entao 

chegara, ser o mais accommodado que todos pera por elle poderem 

entrar os padres, nao podendo armar as seis galeotas, armou duas. 

Nomeou logo o padre Manoel da Veiga, provincial que era da Com- 

panhia na India, ao padre Pero Paes, o qual ja em Dio estava espe- 

rando mongao e occaziao pera passar a Ethiopia, e por seus com- 

panheiros aos padres Francisco Antonio d'Angeles neapolitano, e 

Antonio Fernandez portugues, os quaes naquelle mesmo anno de 602 

tinhao chegado do reino com os padres procuradores Alberto Laercio 

e Francisco Vieira (os quaes trouxerao a India passante de 60 de 

nossa Companhia, o major numero de sojeitos que ate hoje a ella 

veo em mon^ao alguma); partirao as galeotas mas dandolhes no 

golfSo huma grande tormenta, arribou huma delles a Damao ; a outra 

chegou a Dio com o masto quebrado, e cessou a viagem. 



Digitized by 



Googl( 



52 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

4. Quidam merca- Aqui quiz logo Deus nosso Senhor mostrar quam acertada cousa 
tor turcft cum patrc r»/» ■* t-x»-»-^ ««<«• 
Pae» «midtia iun- ^^^ fazerem os padres assento em Dio. Estava naquelle collegio, 

ctus, sese paratum como dissemos, o padre Pero Paes esperando que se descubrisse al- 

offert ad eum in Ae- 

thiopiam tuto secum guma occaziSo pera passar a Ethiopia, e tinha ordem do padre Pro- 

deducen um. vincial pera nao deixar perder qualquer que se oflFerece. Vendo pois 

que as galeotas ficavao, come^ou a tratar com familia*ridade e mo- f.i94*v. 

stras de boa amizade com huns criados do Baxa de Suaqhem que 

ali tinhao vindo, e se andavSo aparelhando pera tomarem. Tinhao 

elles ao padre por Armenio, porque sabia a lingua arabia, que apren- 

dera nos sete annos de seu cativeiro, e tinhaolhe ouvido contar os 

trabalhos que passara no mesmo cativeiro; hum dia pois estando 

em boa conversa^ao, disseraolhe alguns, em especiai Raguam Aga^ 

que era o principal entre elles, porque nao se hia pera a sua terra, 

tendo primeiro passado tantos annos de cativeiro pola ir buscar. Re- 

spondeo o padre que nao via caminho; porque nas naos de Portugal 

nao avia de achar lugar ; por Ormuz e Ba^ora nao podia ser sem passar 

por terras de Turcos. Disse entao Ra^uam Aga que se o padre nisso 

levasse gosto, elle o levaria em sua companhia ate Ma^ua e Sua- 

qhem, e dali ao Cairo, donde com muita facilidade poderia ir a 

Hierusalem e dali a sua terra. Deulhe o padre muitas gracjas pela 

merce e boa obra que Ihe prometia e ajuntou que a aceitaria se Ihe 

parecesse que, chegando a Macjua, poderia entrar hum pouco pela 

terra dentro pera saber o que era feito do fato de certos padres que 

li morrerao. Disse o Turco que era cousa muito facil; mas se o 

avia por fato nao reparasse muito nisso, porque elle Ihe faria todo 

o gasto ate o Cairo, aonde prometia de o por a salvamento. Deulhe 

o padre as gra^as e disselhe que sem duvida se embarcaria com 

elle, mas que Ihe guardasse segredo, porque nao viesse o negocio aos 

ouvidos do capitao da fortaleza, porque arreceava que o impidisse ; 

e tornando pera casa mui contente mandou a Ra^uam Aga hum 

bom prezente de doces e fruta que Ihe mandarao alguns amigos. 

Ao dia siguinte foi o padre vizitar ao Turco a casa em que mo- 

rava, mas achouo descontente, porque nao se atrevia ao levar com 

sigo sem licenca do capitao, pera que Iho nao dessem em culpa 

tomando outrhora a Dio. Folgou muito o padre de Ihe ouvir isto, 

mas dissimulando e fingindo que Ihe pezava, disse que veria se po- 

deria aver a licencja do capitao. 

5. Laetus proposi- De tudo o que concertara com Ra^uam Aga deu o p. Pero Paes 
Pac« ct vcniam a conta ao padre Gaspar Soares superior e ambos tratarao o ponto 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO X. 53 

com homens nobres e praticos na India, consultando devagar, por- Praepoaito Goano 
que o padre Gaspar Soares duvidava muito de arriscar a vida do ^^^^ intcrim Qu- 

padre Pero Paes a outro cativeiro e sorte mais trabalhosa que a i^crtt^toyeni dc ea 

re cerdorem reddit 
passada. EscreverSo ao padre Provincial, que estava em Bandora e ab eoque plura in 

veo a reposta com muita brevidade, mas tambem com muitas du- tm^^obtSIct!*^ * 

vidas e arreceos. S6 o padre Pero Paes era o que nada arreceava 

e a tudo se ofiFerecia ; assi porque tinha muito fixa no cora^ao aquella 

promessa que Deus Ihe tinha feita em Mascate, quando estando (como 

assima dissemos) doente e mui desconsolado, por ver que nao podia 

f. 195. acompanhar ao padre Antonio *de Monserrate, que se embarcava, 

ouvio huma voz do ceo que Ihe disse : NSo te intriste^as ; que tu has 

de entrar em Ethiopia e nao o padre ; como porque aqui o cora^ao 

animado sem duvida por Deus Ihe pronosticava que tinha na mSo 

o que tanto desejava. Em fim nisto vierao todos: deuse conta ao 

capitao, que era Gutierrez de Monroj, fidalgo de muito valor e nao 

menos christandade ; tomou elle a sua conta favorecer a Racjuam 

Aga e aos mais criados do Baxa de Suaqhem, pera que elles la fi- 

zessem o mesmo ao padre e assentouse que o padre se embarcasse, 

como o fez. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XI. 
Entrada em Ethiopia do padre Pero Paes. 



Aos 22 de mar^o de 1603 se fez a vela a nao em que o padre i. Cum si^rior 
Pero Paes se embarcou pera Ma<;ua em companhia de Ra<;uam Aga ^a martii anni 1603 

sem meter consigo nem huma so pessoa que o sin^ise, indo na proa ^J*°* consccndit et 

Mtis prospera navi* 
em higar muito incommodo e tal que por vezes Ra<;uam Aga, vendo gationeiyia^aamper- 

o trabalho que o padre padecia, Ihe rogou se viesse pera a varanda * ^ * *^" ** 

em que elle hia bem ag^alhado ; e assi mesmo em toda a viagem 

vizitava e acudia ao padre com tudo o que levava de matalotajem 

e refresco. Chegarao a Ma^ua aos 26 de abril, aonde acharSo por 

lugar tenente do Baxa, que tinha ido a Meca em romaria, hum Turco 

chamado Mustadem grande amigo de Ra<;uam Aga, o qual por este 

respeito fez ao padre muito bom gazalhado e Ihe deu franca licen^a 

pera entrar em Ethiopia quando quizesse. 

No dia que o Padre chegou a Ma<;:ua, escreveo huma carta com «. De suo proKimo 

novas de sua chegada ao padre Belchior da Sylva, e socedeo que M^chiorcm a Sylva 

no mesmo hum frade velho, de que a abaixo fallaremos, disse em certiorcm facit. 

Frempna ao capitao dos Portugueses Joao Gabriel, que sonhara 

aquella noite que hum padre entrara em Ma^ua, o qual se Ihe re- 

prezentara com duas pontas na testa, huma de prata, outra de ouro, 

e que elle o hia receber a Debaroa. Fez o capitSo pouco cazo do 

dito e sonho do frade; mas chegando dali a oito dias a carta do 

padre 4 Fremona e dandolha k elle o portador, por nao estar ali o 



Digitized by 



Googl( 



56 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

padre Belchior da Sylva, foi increivei a alegria que recebeo e co- 
me^ou a cuidar que poderia o sonlio do frade ser de Deus. O que 
ao diante se confirmou com outros sonhos e successos muy trasor- 
dinarios e proprios da divina providencia ou predestinagao, que por 
elles parece quiz encaminhar aquelle frade pera a gloria, pera que 
o tinha predestinado. 

Nem as pontas, que o frade Ihe vio na testa, erao menos cabo 
algum, antes grande gabo do padre Pero Paez, que pois Ihe pare- 
cerSo huma de prata e outra de ouro, nao podiao deixar de ser 
assaz resplandessentes. E bem se deixa ver que nao era aquillo 
outra cousa senao huma diadema de gloria, com que ia Deus o 
beatificava em vida, como antigamente o fez a seu *grande amigo f.i95,v. 
e profeta Moyses, em cujo rosto o Senhor poz taes resplandores e 
reverbera^Oes da gloria, que nao podiao os filhos de Israel por nelle 
os olhos fitos. O que com tudo as sagradas letras explicao pellos 
mesmos termos por que o frade explicava sua vizao, quando dizem : 
Facies Moysi erat cornuta, se nao quizermos dizer que aquelle Se- 
nhor, de quem o Profeta diz que trazia pontas nas maos e nellas 
escondida sua fortaleza, tal que a morte fugiria e despareceria a vista 
de seu rosto (i), quiz mostrar que comunicara ao padre Pero Paez 
tanto de sua fortaleza e virtude que bastaria, como bastou, pera a 
morte da heregia, que em Ethiopia reinava, a sua vista largar esta 
tam forte pra<;a que por tantos seculos possuira, fugir e desparecer. 
3. Ma^uae a pri- Detevesse o padre Pero Paez poucos dias em Ma^ua ; assi por- 

benignc cixipitiu^ ^"^ ^^ conhecia bem os Turcos e sabia que nao aviaque fiarmuito- 

qui et necessaria ad de sua amizade, como porque hum dia, estando sobre o terrado de 

victum illi ultro . . , , 

praebent. Cum for- humas casas vizinhas as em que o padre morava huns poucos de 

tuito s^ccpisset ali- Xurcos graves, Ihes ouvio dizer : Como lie possivel e em que govemo 
suspicari caepisse, cabe deixarem passar este christao pera onde elle quer sem exame 
sci statui^ et amico algum ? Ouvida esta pratica, determinou partirse logo com qualquer 

mercatori, gratiis companhia que achasse: e checfando alli seis homens que vinhao de 

actis, paupere veste i^ * o 

indutus, quinque Fremona a buscar cartas e novas da India, com estes se quiz aven- 

aeAiopibiw<^'mitim- ^^^^^' ^ todos os pirigos de ladr5es, antes que deterse mais em terra 

tibus, itineri se com- e no meo de inimigos figadais. Despidiose de Raguam Aga com 
mittit. 

mostras de grandes saudades, porque Ihas mereciao os bons termos, 

que este Turco sempre teve com o padre, e ainda a despidida Ihe 

dizia que tornasse dentro em dous mezes, porque ate este termo o 

(i) In marg. manu A. « Abacuc. \sic\ * Comua in manibus eius: ibi abscondita 
est fortitudo eius ; ante faciem eius ibit mors * ». 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XL 57 

esperaria e levaria consigo ate o Cairo. Porem elle nao viveo tanto : 

ali acabou a vida dentro de breves dias, que parece Iha quiz Deus 

dar ate Ihe sirvir de guia e meter ao padre em Ethiopia ; e despois 

Iha tirou, pera que, ja que por sua cegfueira andava tam fora do 

caminho da salvagao, nao accumulasse vivendo maiores e mais gros- 

sos feixes de lenha pera aquelle fogo em que sempre havia de arder. 

Partio o padre Pero Paez de Mapua aos 5 de mayo: accompa- 4. Plura itineris 

nhouo hum pedago alem do esteiro o Xabandar ou capitao dos Ba- ^^^ noctu 'obvium 

neanes que o conhecia e dispidindose mandou a dous Mouros que o J^^bcnt, saxis impe- 

. tunt et fugant. 

sirviao que acompanhassem ao padre algumas jornadas. Fez elle este 

caminho ate Debaroa, que sao sinco ou seis jornadas por serras muy 

asperas e fragosas quasi a pee, porque nao levava outra cavalga- 

dura mais que hum jumento tam fraco, que escagamente, quando 

chegavao a algum plaino, o levava hum pouco. Vestia huma cabaya 

velha de mouro e por capa hum pedago de cotonia, p)or medo dos 

ladrOes e salteadores, que ali sao muitos e continuos, cuja cubi^a nao 

f. 196. queria accender nem armar contra si *com a melhoria do vestido. 

A primeira noite caminhou quasi ate pela manha, por serem aquel- 

les passos vizinhos a Ma^ua mais frequentados dos ladrOes. No 

quarto da alva se afastou com os companheiros hum pouco do ca- 

minho pera tomarem algum descan^o ; eis que em pregando os olhos 

o acorda huma grande grita que derao os companheiros, e virando 

o padre os olhos pera ver o que era, veo hum leao oito ou dez 

passos que se retirava devagar e metia no mato. Atirarao todos 

pera aquella parte muitas pedradas e comegavaose a aquietar quando 

o leao Ihe tomou a aparecer por outra banda. 

Deixarao entao o descanso e tomaraose ao caminho, e aos dez 5. Die xo maii 

de mayo chegarao a Debaroa aonde hum mouro feitor do Bahar niunt*'ubi°8equend 

Nagaes, que he o senhor daquella villa, fez ao padre bem roim ga- ^^^ aliquot Luaita* 

nos cum eorum du- 
zalhado. Porem o dia siguinte chegou ali o capitao Joao Gabriel ce obvios habent, 

com muitos Portucfueses de Fremona, que o vinhao receber, e foi ^^^* magna laetitia 
o *^ ' patrem ezcipiunt. 

tam grande a alegria que sua alma sintio em os vendo, que afirmou Fremonam tandem 
o padre que naquelle ponto Ihe esquecerao e dera por bem empre- paex catholicos allo^ 

gados os sete annos de cativeiro e todos os mais trabalhos que ^^^^ ^* ^f «uo ad- 
^ ^ ^ ventu nuncium mittit 

padecera por chegar a Ethiopia. ad imperatorem la- 

Partiraose logo todos pera Fremona e chegarao la aos quinze ^n^et e^u in^u el 

d3 mayo; aonde os Portugueses e catholicos Ihe fizerao hum muy transacto hieme, ad 

. se venire iubet. 

aprazivel recebimento, nao com musicas nem outras demonstra^Oes 

de festa, mas com lagrimas copiosas nascidas do extraordinario al- 

C. Bbccasi. /i^r, Ae/k, Scripi. occ. ined, — VI. 8 



Digitized by 



Googl( 



58 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

voro^o e alegria, que em seus cora^Oes sintiao por verem com seus 
olhos padre da Companhia, por que tantos annos suspirarflo. Foise 
o padre direito a igreja, aonde despois de dar a Deus as gra^as 
polo ter trazido ao termo de sua jomada, consolou a todos com 
huma breve pratica, declarandolhes o gosto com que passara os 
trabalhos de tam largo e difficultozo caminho, por vir servir e morrer 
com gente que entre tantos herejes e schismaticos conservava a 
sancta fee catholica. Dali se foi ver a casa aonde morara o sancto 
patriarcha dom Andre de Oviedo, que era huma palhota redonda de 
vinte palmos de diametro, e nella se quizera agazalhar, mas pola 
achar impedida com fato do padre Belchior da Sylva, se recolheo 
a outra. Dali a poucos dias, partindose pera a corte o capitao Joao 
Gabriel, escreveo por elle huma carta ao emperador Jacobo, fazen- 
dolhe cisaber como era chegado pera sirvir a sua Majestade e a 
seus vassalos. Respondeolhe Jacobo dandolhe os parabens da vinda 
e rogandolhe que, acabado o inverno, se fosse ver com elle. E quasi 
com esta carta chegou a Fremona o padre Belchior da Sylva, o qual 
avia mais de seis meses tinha ido a vizitar e sacramentar os Portu- 
gueses e catholicos que por varios reinos deste imperio viviao espa- 
Ihados. Grande foi a alegria que o padre Sylva recebeo com a vista 
do padre e logo se queria partir pera a India naquella mon^ao; 
porem, por ter alguns negocios em aberto e desejar dispidirse do 
Emperador, dilatou sua partida pera o anno siguinte. 



Digitized by 



Googl( 



f:i96.v. CAPITULO XII. 

Como Jacobo foi deposto e alevantado Zk Danguil 
por Emperador. 



Assima dissemos que sendo Jacobo de sete annos o nomearSo x. Primores rcgni, 

j j • • j Tijr 1 /> j TiT lacob peruesi, sum- 

os grandes do imperio por successor de seu pay Malac (^agued. Mas ^nm imperli defe- 

isto foi darlhe o nome somente e ficarem elles com o lyoverno de ""^^ ?• Denghel ; 

lacob fugam arripit, 
todo o imperio. Sete annos o govemarao e gozarao d suavontade. et per proditionem 

Chegou Jacobo aos quinze e havendo muitos que murmuravao e di- JS^^^r^ed^S! 

ziao que ja nao podiao mais sofrer tantos Emperadores, e que era 

tempo de se entregar o imperio a cujo era, Ihe entregarao o go- 

vemo. Porem, como esta gente he a mesma inconstancia, poucos 

meses despois de Jacobo come^ar a govemar, se enfastiarao delle 

e determinarao alevantar por Emperador a seu primo Za Danguil. 

Pera isto tomarao por achaque hum dito que se espalhou, ou fosse 

certo ou nao, que o emperador Jacobo chamara certos feiticeiros e 

matando elles algumas vacas olhara as entranhas dellas pera agouros 

e adevinhaQOes. Julgando pois que nao era digtio do imperio quem 

tal crime cometera, e ajuntandose a isto o escrupulo que muitos 

fingiao ter de tirarem o imperio a Za Danguil, quando Malac Qa- 

gued, estando pera morrer, Iho mandava entregar, mandao recado 

a Za Danguil, que estava em guarda em humas serras altas; tra- 

zemno ao arrayal, nomeaono e saudaono por Emperador, sem Jacobo, 

que no mesmo arrayal estava, ser sabedor nem ter huma s6 pessoa 



Digitized by 



Googl( 



6o HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

que o avizasse do que passava, senao quando, ja despois disto tudo 
acabado, vinhao muitos em sua busca pera o prenderem. 
a. ZsL Denghel vi- Teve com tudo tempo pera se por a cavallo e fugir a redea 

in*ex*Hum^mitti't. solta, accompanhado de oito ou dez criados que o quizerao siguir. 
Tomou o caminho pera Cemen, aonde viviao muitos Falaxas paren- 
tes seus por via da may, terra tam alta e forte que, se nella entrara, 
fora quasi impossivel vir as maos de Za Danguil. Mas foi tal sua 
ventura que entre os poucos criados que o acompanhavSo nao faltou 
hum Judas, que o prendeo aleivozamente. Estava o pobre mancebo 
ja muito perto de Cemen ; tinha corrido a posta dia e noite sem de- 
scanso ; deuse por seguro, deceose do cavallo e lancouse hum pouco 
a sombra de huma arvore. Chegase a elle o tredor, dizendo que nao 
havia que temer, pois estavao tam perto de Cemen e aquella terra 
era sua ; pelo que queria ir a aldea e trazerlhe de comer, pois tinha 
disso tanta necessidade. Quem al imaginara? pareceolhe a Jacobo 
que quem no arrayal deixara o *novo Emperador e o siguira em f. 197- 
tal tempo, seria pera o sirvir e nao pera o trair. Dalhe licenQa: 
vaise o tredor a povoacao ; ajunta a gente, dizlhes como no arrayal 
era alevantado pera emperador Za Danguil, e que Jacobo fugido era 
chegado aquelle lugar, que o prendessem todos so pena da ira de 
Za Danguil, de que nao podiao escapar. Saem todos em hum corpo 
e com mao armada achao ao innocente descuidado; prendemno e 
trazemno a Za Danguil. Nao podia elle deixar de se alegrar com 
ver a seu emulo em seu poder ; porem como era generozo, nao lou- 
vou, antes estranhou muito ao tredor e a sua aleirozia. Houve pa- 
receres que se cortassem a Jacobo orelhas e narizes, pera que com 
isso perdesse as esperan^as de poder entrar mais no lugar de que 
saira ; porem Za Danguil, que nao era menos humano que generoso, 
nao veo em tal crueldade ; somente mandou que fosse levado pera 
Narea, ultimo reino do imperio pera a parte do sudueste, e ali ao 
Xumo que o tivesse em boa guarda. 
3. imperator, cum Em quanto na corte passavao estas revoltas, estava o padre Pero 

8civi'88e^eiu8*vi8«Ql Paez em Tigre com os Portugueses e catholicos de Fremona con- 

di cupidu8, dati8 lit- solandoos na tristeza que tinhao por ter entrado no imperio Za Dan- 

teria iUum apud 8e ^ mt r 

peramanter invitat. guil, ao qual todos tinhao por inimigo descuberto. E nasceo esta 

opiniao de hum dito, que delle se contava, e foi que vindolhe huns 

criados seus dizer, que os Portugueses, pelo serem, se escuzavao de 

certo trabalho a que os queriao obrigar, nao avendo primeiro tal 

custume, respondeo Za Danguil: Trabalhem, e obrigaios a isso; que 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XII. 6l 

se os filhos de Dioscoro trabalhao, porque hao de ser izentos os filhos 

de Leao ? Dizia o Padre aos Portugueses que nao temessem, porque o 

cora^ao dos Reis estava na mao de Deus ; elle Ihos mudava e dobrava 

j)era tudo o que queria. E viose isto neste Rey maravilhosamente, 

. porque a mudanca que Deus fez nelle foi milagroza, como se vera 

no que logo e ao diante contaremos. Trabalhou o padre Pero Paez 

tanto que chegou por verter a cartilha na lingua da terra, ajudan- 

dose pera isso dos que a sabiao bem, e foi admiravel o fruto que 

desta obra se siguio; porque fazendo o padre aprender a doutrina 

e os capitulos della a alguns mininos de mais abelidade, quiz o Se- 

nhor aqui vereficar muito ao certo aquillo do Profeta: Ex ore in" 

fantium Deus et lactentium perfecisti laudem. Repetiao os mininos 

os capitulos da doutrina na igreja ,e em varios ajuntamentos em 

casas de senhores e senhoras, que os desejavao ouvir, e foi tanto 

o gosto, que muitos, ainda dos schisraaticos, mostravao, em os ouvir, 

tantos os louvores que davao aos mininos e ao mestre que Ihes in- 

sinara em tam breves dias tantas cousas e tam boas, que chegou a 

fama a corte e aos ouvidos do Emperador. Era elle muito curioso, 

por se ter criado desde minino no estudio de seus livros sagrados. 

f.i97,v. Movido pois do que ouvia, escreveo *logo ao padre Pero Paez a 

carta que aqui porei, 

« Carta (dizia ella) do emperador Atanaf Qagued chegue ao 

« honrado Padre mestre dos Portugueses. Como estais ? Ouvi estas 

« cousas e boas novas do que nos fez Deus nosso Senhor. Estivemos 

« prezos sete annos e padecemos trabalhos sem conto ; mas compa- 

« decendose Deus nosso Senhor de nossa mizeria nos tirou da prizao 

« e deo o imperio, e nos poz por cabe^a de todos, assy, como diz 

« David, lapidem quem reprobaverunt aedificantes hic factus est in 

« caput anguli. Agora o mesmo Senhor acabe em bem o que tem 

« come^ado. Ouvi mais: desejamos muito que venhais logo pera ca, 

« e que tragais os livTos da justica dos Reis de Portugal, se os 

* tendes, que folgaremos de os ver ». 

Ate aqui a carta do Emperador, a qual respondeo o padre Pero 4- Responsio p. 
_, , - , . ■»*-., , Pae« ad epistolam 

Faez pelo mesmo portador com a seguinte : « Muito alto e poderoso imperatoris. 

« Senhor, com a carta de V. Majestade me alegrei muito polas boas 

« novas de ter Deus nosso Senhor tirado a V. Majestade como a 

«Joseph da prizao pera tam grande mando e prosperidade. Assi 

« custuma Deus nosso Senhor fazer com os seus pera os provar e 

.< pera que se nao ensoberbe^ao quando se virem em alto estado. 



Digitized by 



Googl( 



62 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

€ e pera que se compade^ao dos que virem em affli^Oes e trabalhos, 
€ e os taes cheguem k elles com esperan^a de remedio. Com esta 
c poderao chegar agora a V. Majestade todos os que estiverem desta 
€ maneira, pois podem dizer com sain Paulo, se nos he licito mudar 
€ o nome de Pontifice em Emperador : Non habefftus Imperatorem qut 
€ non possit compati injirmitatibus nostris etc. E o que mais deve 
€ alegrar a todos he o desejo que V. Majestade tem de govOTiar bem 
€ seu imperio, pois pera isso quer ver ate os livros por onde govema 
c el Rey de Portugal. Muito me peza de os nao ter aqui, porque 
€ sao muito bons ; mas trabalharei porque venhao o mais de pressa 
€ que puder ser. E entre tanto levarei hum que trata de cousas de 
€ consciencia, que tambem he muito bom ; e irei logo, como V. Maje- 
« stade manda ; a quem Deus uosso Senhor dee o augmento de vida 
c e estado que pode. 

c Fremona 2 de mar^o de 1604. » 

5. Dum vero pa- Esta carta festejou o Emperador grandemente e cresceolhe tanto 
torcin^^^nunci^^r- ^ desejo de ver ao padre, que logo no siguinte dia despachou ao 

▼cnit dc improvisa mesmo portador com reccado pera que o padre viesse com o Vizo 

Qallarum incursione x^ ^ *^ 

in Ooggi4m. Huius Rey de Tigre, ao qual tinha chamado e estava de caminho pera a 

^)^\\Mmy^T^x. ^^^^- Fezse o padre prestes; porem logo soube que o Vizo Rey se 

detinha por Ihe chegarem novas que o Emperador, ouvindo que vinhao 

muitos Gallas, alevantara seu arrayal pera os ir encontrar nos confins 

do imperio. E foi assy que os Gallas sabendo por espias, que sempre 

tem, as revoltas e dissen^Oes *que havia entre os Abexins, appel- f. 198. 

lidandose varias familias e cabildas, se determinarao nao s6 de 

•roubar, mas de conquistar e povoar os reinos de Gojam, Amara e 

outros. E como erao muitos, repartiraose em tres exercitos, pera que 

accometendo por tres partes e obrigando aos Abexins a se dividi- 

rem, tivessem menos que fazer em os vencer espalhados. A maior 

for^a acometeo pelo reino de Gojam. O que sabendo o Emperador, 

marchou logo com a melbor de sua gente pera aquella parte, man- 

dando diante recado ao Vizo Rey de Gojam que por nenhum modo 

viesse a jomada com os inimigos ate elle chegar. Mas, como as leis 

militares de Ethiopia nao sao tam rigurozas como ais de Europa, 

parecendolhe ao Vizo Rey, por estar ja muito perto aos Gallas, que 

perdia reputa^ao se nao Ihes saya ao campo, esperouos nelle e ven- 

cido sayo fugindo. 

6. Impcrator ad Sintio o Emperador muito esta desgra^a e roim successo, nao 
riam, in trcs acies ^^ P^^^ perda da gente do Vizo Rey, senao por que via que com 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XII. 63 

ella a sua mesma ficava acovardada e os Gallas soberbos com a partito cxercitu, Gal- 

victoria. Com tudo nao perdeo o animo: foi em busca dos inimigos q*^ ma^aclAdea^ 

e achouos tam briozos que em o vendo Ihe aprezentarao logo ba- ^^^ ^^^^ ^^ '«- 

talha repartidos em tres escoadrOes. Vinhao os imperiaes cansados 

do caminho, sem imaginarem que a batalha estava tanto a ponto: 

desejavao de descansar hum pouco e de aguardaT pera o dia siguinte ; 

mas vendo que os inimigos estavao em ordenan^a e que se nao podia 

escuzar o encontro, dividio tambem o Emperador os seus em tres 

escoadras, pondo huma a mao dereita outra a esquerda e ficandose 

elle na do meo. Nao tardou muito o rompimento: acometerao os 

Gallas com tal impito que em breve espa^o as duas alas, direita e 

esquerda as quizerao ter pera a fugida. Ficava s6 o escoadrao do 

Emperador, sostentado de seu esfor^o e da vergonha que os seus 

tinhao de o desempararem. Com tudo chegaraose a elle os princi- 

paes senhores dizendo que era tempo de se retirar, antes que os 

Gallas, que tinhao desbaratadas as alas, virando sobre elles, os to- 

massem no meo. Porem o valente mancebo, em lugar de apertar as 

pemas e esporear ao genete, se desceo e apeou, e embra^ando o 

escudo, deixada a lan^a, arrancou de sua espada e virandose pera 

os que o rodeavao e aconselhavao que fugisse, disse com animo de- 

nodado: Eu aqui hej de morrer; vos outros vos podeis por em cobro 

e fugir aos Gallas, mas nunca escapareis de que se diga de vos que 

ao Emperador, que ontem fizestes, deixastes hoje na primeira bata- 

Iha e no principio della. 

Quanto pode hum animo esforcado! Entrou em todos a vergo- ?• Iterum alium 

nha e langou o medo fora : arremetem como le5es : pasmao os Gallas praelicTvincitrreH^ 

do novo furor, nao podem sustentar o impito de gente tam resoluta ; <l"®®» cxpugnata for- 

tissima munitione, 
virao as costas, fogem a quem mais pode. Estavao os Abexins, que in fugam vertit. 

tinhao fugido dos escadrCes da mao esquerda e direita, retirados em 

hum monte vizinho ; vem fugir os inimigos, cobrao animo, decem e 

f.i9«,v. vao no alcance ate se fechar *a noite ; e esta Ihes valeo, que como 

a batalha se come^ou tarde, estava muito perto. Com tudo ainda ao 

outro dia se contarao mil e oitocentos Gallas estirados naquelle 

campo afora outros que mais adiante forao caindo mortos pelos 

villOes da terra. Havida esta victoria, foi logo o Emperador sobre 

o segundo exercito de Gallas, atravessando pera que Ihe nao esca- 

passem, algumas serras tam altas e asperas que Ihe foi necessario 

caminhar a pee muito tempo. Nao recuzarao os Gallas a batalha, 

antes pelejarao com grande esforgo. Porem, como os imperiaes hiao 



Digitized by 



Googl( 



64 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

animados com a vitoria passada, apertarao com elles ate os desba- 
ratar com morte de grande parte delles. Quizera o Emperador ir 
buscar o terceiro exercito, mas sabendo por suas espias que com a 
preza de algumas vacas voltara pera suas terras, foi acometer a hum 
escoadrSo de quatrocentos Gallas, os quaes soube terem ficado em 
huma serra forte em guarda de algum fato, e posto que a serra 
era difficil de subir e os Gallas se defendiao fortemente, forSo en- 
trados e degolados. Recolheose com isto o Emperador a sua corte 
alegre com tantas vitorias, dando por todas ellas a Deus nosso Se- 
nhor, de cuja mSo as recebera, gra^as e louvores sem conto. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XIIL 

Redu9^o maravilhosa de hum frade 

grave A nossa sancta fee. 

Milagres que Deus fez pela agua benta. 



Posto que sonhos tenhao causas muito varias e sejao muitos x. Dum bellum 
delles tra^ados pelo Diabo, pera acreditar suas mintircts, e outros batur, p. Pac» Fre- 

e os mais sejao naturaes e tam varios como os vapores que sobem ™o^« plures schi- 

smaticos cathohcis 
ao miolo, e as diflferentes paixOes e compreiijOes colericas ou ma- adiungit.Miracuiu8- 

lenconicas que nos corpos reinao e se alterao mais ou menos com ad°boMm*f rueem 

varios casos e successos que acontecem, e com aprehensOes e cuida- conversio. 

dos efficaces e vehementes de entre dia, e assi nao mere^ao ordina- 

riamente credito algum; com tudo he certo que sao alguns orde- 

nados por Deus, e podemos julgar por taes aquelles cujo fim para 

em bem e salvacao das almas. E como este effeito tiverao (quanto 

humanamente com certeza moral podemos conjeiturar) os sonhos de 

aquelle frade de que assima contamos, que no dia que o padre 

Pero Paez entrou em Ma^ua disse ao capitao dos Portugueses que 

sonhara aquella noite que chegava a Ma^ua hum padre da India, 

e que se Ihe reprezentara com duas pontas mui fermosas na cabe^a, 

huma de prata outra de ouro, bem podemos aqui fazer caso deste 

199. e dos mais sonhos que forao meos certos *ao que parece da salva^ao 

de sua alma. 

C. Bkccaki. y?*r. A^/A. Scrtpi, eec, ined. — VI, 9 



Digitized by 



Googl( 



66 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

a. Qul cum duos Vinha este frade, que era homen anciao e hum dos mais graves 

peccata sua conflteri ^^ ^^^ mosteiro fallar muitas vezes com o padre Pero Paez de- 

xenuisset, spois que elle chegou a Fremona: tratavao a meude das contro- 

versias que havia nas materias da fee entre os Abexins que siguiao 

a de Alexandria, e os que siguiao a de igreja de Roma. Em alguns 

pontos se rendia o frade e dava por vencido ; em outros se mostrava 

pertinaz. Eis que hum dia vindo ter com o padre, despidida a gente, 

porque queria fallar em segredo, se Ihe lan^a aos pees, postrandose 

todo por terra. Acudio o padre com pressa ao alevantar, dizendolhe, 

porque fazia tal cousa? Que visse o que queria, que em tudo Ihe 

procuraria dar gosto. Respondeo o frade : Quero, padre, que me con- 

fesseis. Fallo hey, diz o padre, com muita vontade, mas primeiro me 

declarai que cousa vos moveo a pidirdes confissao, sendo assi que 

ha poucos dias vos nao mostraveis muito satisfeito da doutrina que 

eu insino. Nao ha muitos dias (respondeo o frade), estando durmindo 

me apareceo em sonhos hum homem grave e veneravel, o qual com 

rosto alegre me dizia: Se te queres salvar, vayte confessar com 

aquelle padre, que agora chegou do mar a Fremona. Tive a cousa 

por sonho ; passei sem della fazer cazo. Eis que, passadas duas noites, 

me toma na terceira a aparecer a mesma vizao, dizendome as me- 

smas palavras, e ja com mostras de sentimento por eu nao ter feito 

o que me dizia. Alguma cousa me deu isto em que cuidar, mas 

tambem me descuidei julgando que nao era mais que sonho. Porem 

esta noite me tornou a aparecer o mesmo homem e ja com sem- 

brante irado me reprendia gravemente e amea^ava por desprezar 

seu conselho e nao cumprir o que mandava. Disseme que me con- 

fessasse e fizesse tudo o que me ordenasseis pera bem de minha 

alma. Este medo me trouxe ; temo e tremo ; padre, confessaime. 

3. tandem supe- Alegrouse muito o padre ouvindo estas cousas ; respondeu que 

riori lumine affluens ^ .^ ^ r . j ^ 

confessionis sacra- ^stava muito prestes pera o confessar, mas que visse como deter- 

mento expiatur. I- minava dali por diante correr com seus frades, porque era obrigado 

dem senex p08t paul< r 

lo gravi correptus a deixar os custumes que encontravao a limpeza da sancta fee ca- 

m^«» ^'qui ex^Tn^ tholica, nao guardando o sabbado, nem se baptizando cada anno, 

diis nuper advene- nem fazendo outras couzas semelhantes prohibidas na ley evange- 
rant, pientissime mo- . 

ritur; at eius exu- lica. Reparou aqui o frade; o qual, posto que desejava a confissao, 

vias monachi schis- ^^^ queria porem perder entre os seus a reputa^ao ; e dizia ao padre 

que o tivesse (como Nicodemos o fora de Christo) por discipulo en- 

cuberto, e nao no obrigasse logo a tanto ; mas dizendolhe o padre 

que a pureza da sancta fee nao sofria semelhantes embucjos, se tomou 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XIII. 67 

por entao sem confissao desconsolado. Com tudo Deus nosso Senhor, 

que o tinha (ao que parece) escolhido, nSo no desemparou, antes Ihe 

bateo sempre o cora^ao com taes movimentos e inspiragOes que, ainda 

que muito tempo persistio em sua dureza e rebelliao, venceo enfim 

aquelle Senhor que tudo pode e rende; e o frade tornou a buscar 

f.i99,v. o medico de •sua alma, rezoluto em Ihe obedecer em tudo. Ensi- 

noulhe o padre como se avia de aparelhar pera fazer huma confissao 

geral de toda a vida; felha por espago de tres dias com grande 

consola^ao de sua alma e satisfa^ao do padre que o confessava e 

como Deus s6 pera isto Ihe dilatava a vida, no dia que acabou de 

s? confessar, tornando a tarde pera seu mosteiro, antes de chegar a 

elle, adoecendo em huma aldea vizinha, onde se agazalhara aquella 

noite, e vendoo os que o conheciao apertado do mal Ihe pergun- 

tarao se queria que Ihe chamassem algum frade pera o confessar; 

ao que ell^ respondeo, que ja era da igreja de Roma, e nao siguia 

os erros de seus frades : que ao padre Ihe chamassem. Vierao com 

tudo alguns frades ao vizitar, aos quaes elle declarou que tinha 

recebido a fce de Roma e nella morria mui contente, exhortandoos 

a fazerem o mesmo, porque fora della nao avia salvagao. Espanta- 

raose muito todos de ouvir tal novidade e tam insperada mudanga, 

porque o tinhao por mui osservante dos erros que siguiao. Nao faltou 

hum catholico que deu reccado do que passava ao padre Pero Paez, 

e a outros dous padres que ja entao erao vindos da India. Foraono 

todos vizitar e confessandose de novo naquella hora derradeira, deu 

sua alma ao Senhor que a criara e por tantas vicis a chamara e 

escolhera, ao que piamente se pode crer, pera os gostos da etema 

bemaventuranQa. 

No anno que o padre Pero Paez entrou em Ethiopia eraosem ^.Agminalocusu- 

conto os gafanhotos que andavao pelo reino de Tigre, e andao, como schismaticorum satti 

eu os vi por vezes, nuvens delles tam espessas que cobrem o sol, destruuntur, catho- 

licorum servantur 
e aonde assentao nao fica seara, herva, nem ramo verde. He praga immunia. 

cruel que muitos annos obriga a se despovoarem e ficarem ermas 

provincias inteiras. Ha huns mouros feiticeiros, que pelo pacto que 

tem com o Demonio livrao as vezes desta praga as sementeiras da- 

quelles que Iho pagao bem, e pera isto tomao na mao hum gafa- 

nhoto e levandoo prezo vao andando a vista da nuvem delles, que 

pelo ar vay voando, a qual em quanto o mouro e o gafanhoto que 

leva vao andando, nao para, nem dece a se assentar nas searas quo 

ali estao ; mas tanto que o mouro passando as daquelles que Ihe pa- 



Digitized by 



Googl( 



68 HISTOKIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

garao, se assenta ou larga o gafanhoto que trazia por guia dos mais 
dece e para todo o escoadrSo e destrue quanto acha. 

Hum destes mouros mandou veccado ao padre pera que Ihe 
desse a paga, porque faria que os gafanhotos patssasem de largo e 
nao fizessem mal as sementeiras da igreja e dos catholicos. Respon- 
deolhe o padre que nem elle nem os Portugueses deviao nem pa- 
gavao foro ao Diabo; que aos gafanhotos Deus, se quizesse, os 
desviaria pera que nao fizessem dano nas suas sementeiras, e quando 
Deus outra cousa ordenasse, o teriao e aceitariao em penitencia de 
seus peccados. Foisse o que trouxera o recado amea^ando porem 
com a destruiQao que avia de vir sobre as searas de Fremona, nem 
faltarao alguns frios na fee que ficarao com medo. Nao tardou a 
praga: eis que aparecem e combrem o ar *nuvens de gafanhotos; f. 200. 
acodem os cathclicos ao padre ; vayse com elles a igreja, exhortaos 
a confianca em Deus, mandalhes fazer ora^ao fervorosa c faz os 
exorcismos contra* a banda donde a praga amea^ava, benze logo 
muita copia de agua e manda a todos que a vao langar por suas 
sementeiras. Cousa maravilhoza ! os gafanhotos derao volta e se forao 
comendo e destruindo tudo a roda, sem haver hum que tocasse nas 
searas aonde a agua benta se lan^ara. Estava huma de hum catho- 
lico longe das mais entre outras de schismaticos : lan^oulhe a agua 
benta : perecerao as outras, esta ficou intacta. Houve tambem hum 
schismatico que se quiz valer da agua benta, lan^andoa em sua seara, 
reprendiaono outros por confiar em ceremonias de Portugueses, porem 
elle dizialhes que sem duvida esperava que Deus Ihe avia de acudir 
e que tinha a agua por cousa sancta ; assi como o creo o alcan^ou. 
Chorarao os que o reprendiao a destruiQao das suas : elle louvou a 
Deus vendo por aquelle meo a sua livre de todo o dano. 

Dali a poucos dias tornarao outros escoadrOes de gafanhotos a 
cubrir o ar sobre a mesma terra de Fremona. Acudirao os Portu- 
gueses e o padre a Deus e ao remedio que primeiro Ihes valera; 
e quiz o Senhor, pera mais clara prova de sua divina providencia 
e pera que o milagre fosse mais evidente, que os gafanhotos nao 
fugissem, antes assentassem e dormissem a noite sobre as semen- 
teiras dos catholicos. Ja os mais delles as davao e choravao por 
perdidas ; porem ao dia siguinte, alevantandose o exercito e praga 
de tam daninhos inimigns, e saindo todos a ver 2is sementeiras, 
as acharao tam verdes, gradas e bem logradas como se nunca 
nellas se vira nem assentara gafanhoto algum; a^amandoos Deus 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XUI. 69 

e obrigandoos a passar jejuns a noite, pera confirmar a fee dos 
que a tinhao verdadeira e, pola nSlo encontrar, desprezarSo feiticei- 
rias e ajudas do demonio. Foi este caso mui fallado com espanto 
dos herejes e consola^ao grande dos catholicos ; e houve hum man- 
cebo schismatico muito nobre, que, vindose ter com o padre, se re- 
solveo em que nao podia ser senSo certa e verdadeira a fee de 
Roma, pojs Deus a confirmava com taes prodigios ; e abjurando os 
erros alexandrinos, se confessou e recebeo a fee catholica, perseve- 
rando nella ate a morte com bom procedimento. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XIV. 

Chega o padre Pero Paez A corte ; recebeo o emperador 
Zk Danguil com muita honra; ouveo nas materias 
da fee com grande aplauzo. 

Na fim de abril de 1604, sabendo o Vizo Rey de Tigre que o x. Subfinem apri- 
f.2oo,v. Emperador tinha voltado com victoria da jomada dos Gallas, *se una cum Prorege 

poz ao caminho e avizou ao padre Pero Paez que era tempo de irem «fifrensi ad impcra- 
^ JT -1 JT tons aulam se con- 

ambos, como o Emperador Iho tinha ordenado. Despidiose elle do fert: in itinere ma- 

padre Belchior da Sylva, o qual ficou em Fremona pera na mon^ao ^ioleiSae"'signifi- 

de agosto se ir a MaQua embarcar pera a India, como o fez e chegou cationibus a Prore- 

,, , , Tx . ,. , r . t t -r^ -r^ . f>^ cumulatur, mo- 

la a salvamento. Despidido se 101 logo o padre Pero Paez ajuntar nachis prae invidia 

com o Vizo Rey. Levava consigo dous mininos Portugueses, que f[|SJ^*Jn*^r™^™Da^- 

tinhSo estudada a cartilha traduzida na lingua daterra; aos quaes biA humanissime 

o Vizo Rey folgava tanto de ouvir, que muitas vezes os mandava trice. mpera- 

pera isso chamar a sua tenda; e dizia: Nossos frades pera nadapre- 

stao ; vedes quam de pressa o padre insinou a estes mininos cousas 

tam boas e tam sanctsis. Hiao o padre vizitar os mais dos dias no 

cabo das jomadas e pera isso sempre o Vizo Rey mandava alcatifar 

muito bem sua tenda e, ficando seus frades afastados, fazia assentar 

ao padre junto a sy. Sintirao isto os frades, e chegou hum dos mais 

graves delles a se queixar da muita honra que fazia a hum estran- 

geiro, fazendo a elles tam pouca; mas nem por isso o Vizo Rey 

mudou o estilo. Antes de chegarem a corte, foi o padre com o Vizo 



Digitized by 



Googl( 



72 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Rey vizitar a Emperatriz mulher do emperador Malac Qagued, que 

estava perto do caminho, e foi della recebido com grande honra 

e agazalhado com mostras de muito amor. 

2, Ubi in cospec- Estava o Emperador em Ondeg^e, iunto as prayas da famoza 

peratorisperveniunC ^^^S^^ ^^ Dambea e ribeiras do Nilo pela parte que nella entra; 

illico, petita prius tinha ali novamente assentado seu arrayal, o qual he toda a corte 

venia, aolam ingre- 

diuntur ; ingressus de Ethiopia ; nem ha nella autra cidade real. Tinha dentro de duas 

tur.^Oraatus nTagnae S^^^^d^s e largas cercas de pedra, en^o^a porem, e sebes altas feitas 

aulae ; imperatoris varias casas terreas todas de pedra e barro e cubertas de palha ao 
forma et figura. 

modo da terra e entre outras huma salla assaz espa^osa, junto aos 

outOes da quel tinha sobradado humas como varandas. Esperou o 

Vizo Rey a porta da primeira cerca como o custumao fazer o& 

senhores, que vem de fora, ate que avizado o Emperador o mandou 

entrar por hum dos maiores da corte, o qual, vendo o padre junto 

ao Vizo Rey, o saudou cortesmente e Ihe disse que logo diria ao 

Emperador como sua Reverencia ali estava, pera o mandar entrar. . 

Felo assy, e mandou o Emperador seu Bellatina Goita, que he como 

^ mordomo mor, que o metesse dentro. Estava a sala de huma e outra 

parte chea da nobreza, lustre e gala da corte; chegou o padre a 

bejar a mao ao Emperador, ao qual achou em seu trono que he o 

catere bem aparamentado de colchas ricas, cubertores de telilha e 

cortinas de varias sedas. Era, ao que reprezentava, de vinte e seis 

annos, mancebo alto, bem disposto, tinha os olhos grandes e fer- 

mozos, o naris afilado, os bei^os delgados, a c6r ba^a, que a ser a 

das nossas terras nao dera ventajem aos que nellas se prezao de 

serem o estremo da gentileza. 

3. P. Paez medius Retiravase o padre, depois de bejar a mao ; porem o Empe- 

honormcent^uir^pra^ ^ador *o mandou e obrigou a se assentar no estrado junto ao catere, f. 201. 

omnibus ab impera- e cubrir, e n^o difirindo aos mais, com elle s6 teceo a pratica, de- 

tore recipitur. Altero 00 

die ab imperatore tendose nella bom peda^o; perguntou pola saude de Sua Sanctitade 

sime^Wtwr^oram ^ Majestade e varicLS cousas de Portugal e da India. O que vendo 

ipso de praecipuis o Vizo Rey de Tigre, disse ao capitao dos Portugueses, que junto 
Aethiopum erroribus , ,, r j 

sermonem habet. ^ ^il^ estava em pee como os mais, e entre outros os trades, que 

com elle tinhao vindo: Que dira agora aquelle frade, apontando 

nelle, que se queixava de eu no caminho fazer ao padre mais honra 

que a elle, vendo as que o Emperador aqui Ihe faz ? Despois de bom 

espaQo deu sinal o Emperador pera que o padre se recolhesse, e 

mandou que o agcizalhassem com toda a largueza em casa muito 

boa. Ao dia siguinte se come^arao e continuarao por muitos largas 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XIV. 73 

e varias disputas sobre as materias da fee ; ajuntavaose a ellas todos 
os grandes e letrados da corte e trataraose todas as cousas em que 
avia controversia entre os Abexins e a Igreja Romana. Confutava 
o padre seus erros e explicava as verdades catholicas com tanta 
clareza, que pasmavao os que o ouviao. Nao escrevo aqui em par- 
ticular os erros desta gente, porque no livro siguinte, Deus que- 
rendo, determino declaralos muito por extenso ; baste saber que 
muitos dos grandes da corte e alguns frades ficarao entendendo que 
hiao errados e a verdadeira fee era a que cria e insinava a sancta 
igreja de Roma. 

Os mininos que sabiao e diziao os capitulos da cartilha forao 4. imperator argu* 
aqui tambem ouvidos com muito aplauzo, porque, dizendo o Vizo [I^°efca'tholiwie°fa- 

Rey de Tigre Cafluade ao Emperador, que nao so o padre, mas ^ere incipit eumque 

rogat ut coram se in 
ainda os mininos que insinara diziao cousas muito pera ouvir, os jpga aula Missae sa- 

mandou logo chamar, e ficou tam pago do que Ihes ouvio, que per- g"^r^ang^^^^^ 

gruntou ao padre se tinha aquellas cousas escritas em algum livro ; ba faciat. 

e respondendo elle que si, Iho pidio. Trazia o padre pera este in- 

tento huma cartilha muito bem escrita na sua lingua e bem enca- 

demada; deua ao Emperador, leoa logo com grande curiozidade e 

nao na largava das maos, nem se fartava de a louvar. O mesmo 

faziao os senhores principaes, pondo muita culpa a seus frades, e 

dizendo que nada sabiao, nada insinavao a seus discipulos; entre 

todos Ras Athanatheus genro do emperador Malac Qagued, a prin- 

cipal pessoa do imperio, folgava tanto de ouvir aos mininos, que 

nSo passava dia que os nao chamasse a sua casa e diante de muita 

gente Ihes nao fizesse repitir alguns capitulos. E assi ficou muito 

bem afecto ao padre e Portugueses, e a todas as cousas de nossa 

sancta fee e deu ao diante grandes mostras de bom amigo. 

Vista ja a cartilha, disse o Emperador hum dia ao padre Pero 5. Extruitur altare,- 
-r* 'ii_ri^ » •^ii_ Missa celebratur et 

Paez que so Ihe faltava ouvir sua missa, e prega^ao, que isto Ihe ^g^ba Evangclii ex- 

nSo negasse. Respondeo o padre que estava muito prestes pera na- pHcantur, imperato- 

quilo e em tudo o mais dar gosto a Sua Alteza. Assentouse que dentibus. 

fosse no domingo seguinte ; e era o de infra octavam corporis Chri- 

sti, Armouse logo dentro da cerca do passo huma tenda grande e 

f.2oi,v. fer*mosa: nella alevantou o padre seu altar e ornouno, domingo 

pela menha, com os melhores ornamentos e imagens que trazia ; ar- 

raouse pera huma banda da tenda outra mais pequena, pera o Em- 

perador com seu estrado, cadeira, alcatifas, e coxins muito ricos: 

entrou Sua Alteza e com elle os principaes da corte ; a mais gente, 

C. Beccari. Rtr. Aeih. Script. oce. ined» — VI. xo 



Digitized by 



Googl( 



74 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

que era muita, por nao caber dentro, ficou e ouvio da banda de 

fora a roda da tenda. Comesou o padre a missa, incensando como 

nas mais solennidades, acabando de ler o evangelho, fazendoo tam 

bem ler primeiro na lingua de seu livro, come^ou sua prega^ao. 

Havia perto de huma hora que pregava e, por nao enfadar logo na 

primeira com ser cumprido, disse que hia abreviando e cortava por 

muitas cousas. Mandoulhe logo o Emperador dizer, que nada cor- 

tasse, nem deixasse, porque era grande o gosto que tioha de o ouvir. 

Continou entao mais mea hora : acabouse a missa, sayose o Empe- 

rador e hum frade velho dos mais estimados na corte disse a porta 

da tenda a muitos. que o ouviao : Eu nao sei verdadeiramente que 

nos afasta dos Portugueses? Tudo quanto diz este padre nao sao 

cauzas divinas? E encontrando despois ao padre, Ihe disse: Deus 

nosso Senhor vos cumpra os desejos de vosso coragao. Nao vos 

posso declarar quanto folgo de vos ouvir; o que nao sabiamos, nos 

insinastes, e o que sabiamos nos declarastes melhor. Daqui em 

diante tendeme por hum dos vossos Portugueses, porque na verdade 

o sou. Respondeo o padre que o teria por pay e sirviria sempre 

no que pudesse. Mandou o Emperador ao padre o jantar de sua 

cozinha, e a tarde chamandoo, Ihe pergiintou miudamente o que 

significavao as vestiduras sacerdotaes e as ceremonias da missa, 

louvando tudo grandemente. 

6. Pae» iterum Ao dia siguinte chegou ao arrayal a emperatriz Mariam Cina 

longiorem sermo- mulher que fora do emperador Malac Qagued com duas filhais, 

nemhabetcoramlm- ^ ouvindo o que todos contavao da missa e precfacao do padre, 
peratnce et magna x o * 

nobiiium virorum et pidio muito ao Emperador que o fizesse pregar: logo mandou elle 

tQdinc:^omne8°doc- i*®ccado ao padre e o padre pidir que Ihe mandasse Sua Alteza 
trinam patris et mo- dizer sobre que materia queria fosse o sermao. Era a Emperatriz 
destiam mirantur. , , * , tt. **^ . f> , • ^. 

devota da Assumpsao da Virgem Mana Senhora nossa: pidio que 

fosse desta festa. Fezse prestes o padre, mais a prega<;:ao se dilatou 
pera a 4^ feira, porque o Emperador, que a nao queria perder, teve 
a 3* negocios de muita importancia, que nao soffriao dila^ao. A 
quarta feira, estando tudo prestes, vierao suas Majestades e major 
copia de gente, ainda que ao domingo. Acabado o evangelho, co- 
me^ou o padre a prega^ao em pee, por ter esquecido a cadeira, em 
que havia de pregar. O que vendo o Emperador, se tirou logo da 
imperial em que estava e, assentandose no coxim de veludo em que 
tinha os pees, a mandou ao padre julgando que nao era rezao estar 
o pregador em pee e elle em cadeira. Notavel exemplo de hum 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XI Y. 75 

Emperador schismatico pera hum sacerdote estrangeu^o; boa dou- 
f. 202. trina, insino, e confusao pera catholicos, *que a seus religiozos, 
parrocos e pastores faltao as vezes com a devida cortezia. 

A prega^ao foi ouvida de todos com grande silencio e aten^ao 
e nao faltarao lagrimas da Emperatriz e outras senhoras. Tinha o 
padre acabado, quando o Emperador Ihe mandou dizer que folga- 
riao todos de ouvir outra vez o que Sua Rev.*'** tinha dito na pre- 
ga^ao passada da disposi^ao e aparelho com que se avia de receber 
o sanctissimo sacramento da Eucharistia. Tratou logo o padre a ma- 
teria com novas authoridades e passos da sagrada Escritura ; do que 
se admirarao todos muito, porque em Ethiopia nao avia custume de 
pregar, nem seus frades o sabem nem custumao fazer. 

Recolhendose o Emperador pera casa, mandou chamar ao padre 7. Imperator Pa- 

e louvandolhe e, agradecendolhe a praga^ao diante da Emperatriz e ^^ ^^^^ m a o- 

toda a corte, ajuntou: Dee V. Rev.^^* a nosso Senhor muitas gra^a^, 

porque com haver tam pouco tempo que entrou em Ethiopia, tem 

ganhado nella grande nome de virtude e letras. Huma cousa Ihe 

encomendo muito, e he que procure de corresponder sempre com 

obras ao conceito que de V. R. temos; e advirta bem que a carne 

sempre peleja contra nos, e vence aos descuidados. Bejoulhe o padre 

a mao pola merce de tam importante avizo e disse que esperava 

naquelle Senhor, que sem merecimento seu fizera que delle se ti- 

vesse tal conceito, Ihe daria gra^a pera cumprir o que sua Majestade 

Ihe encomendava, e com isto se dispidio. 

Saindo o padre, disse a Emperatriz diante do capitao dos Por- 8. Sermonibus p. 
^ TT j j • ^ ' 'j. ^ j Pae« commoti ali- 

tugueses: Verdadeiramente que, se ouvira muitas vezes a este padre, ^^^^ ^^ bonam fru- 

pareceme que deixando tudo, me houvera de meter em hum deserto. 8*°™ revertxmtur. 

No mesmo dia a tarde huma senhora muito nobre mandou ao padre 

hum recado, dizendo que Deus Ihe pagasse o bem e honra que Ihe 

fizera, e que ella, dandolhe Deus vida, nao se esqueceria da obri- 

gagao em que a tinha posta. Nao entendia o padre o recado: ex- 

plicoulho o que o trazia, dizendo que aquella senhora, avia muito 

tempo, estava embarazada com hum dos mayores senhores da corte, 

o qual com tudo a nao queria primeiro acoitar por mulher ; mas que 

naquelle dia, saindo da prega^ao dissera: O padre fallou por mym ; 

Deus me dee gra^a pera sair do mao estado em que estou. E che- 

gando a casa, Ihe mandara logo muito ricas pe^as e recado que se 

queria casar com ella, porque se queria tirar do peccado e por bem 

com Deus. E sabendo aquella senhora que tudo isto Ihe viera da 



Digitized by 



Googl( 



76 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

prega^ao do padre, Ihe mandava o tal recado. Respondeo o padre 
que elle era estrangeiro, e mal podia saber do que passava na corte ; 
que como tal fallara somente declarando a todos em geral quam 
grave e pirigosa cousa era estar em peccado mortal, e a pureza 
grande que se requeria pera hum homem chegar a meza do divi- 
nissimo sacramento do altar; mas que se alegrava muito e dava a 
Deus muitas gragais por de suas palavras se ter colhido tal fruto e 
o gosto de sua Senhoria. 



Digitized by 



Googl( 



f^02.v. CAPITULO XV. 

Determina o Emperador dar obediencia d Sancta Igreja 
Romana; escreve d Sua Sanctidade e Majestade. 

Obra foi sem duvida da poderoza mao de Deus e huma das mais x. Imperator pa- 
maravilhosas que obrou no mundo renderse tam de pressa hum rei suum propositum 

schismatico e rezolverse em deixar os erros de seus antepassados Ro™a»o Pontifici o- 

bedientiam prae- 
com que se criara, receber a sancta fee catholica e dar a obediencia sundi et foedua cum 

ao Summo Pontifice romano; e tudo isto em menos de vinte dias, ^di.**^^ *^* *^" 

que ouvio e tratou ao padre Pero Paez. Digo em menos de vinte 

dias, porque o mesmo padre deixou escrito que partira de Tigre 

no fim de abril de 1604, e gastara no caminho 40 dias, por o vizo 

Rey Cafluade, em cuja companhia vinha, caminhar muito devagar, 

como he custume destes senhores, pola recovajem que trazem ser 

muita e grande parte de escravas e mulheres; e as cartas, que o 

Emperador escreveo pera Sua Santidade e Majestade, forao feitas aos 

26 de iunho. Nao podemos dizer se n§[o que era chegado tempus 

miserendi o prazo que a divina bontade tinha assinado pera uzar 

com Ethiopia de sua infinita mizericordia ; pera o que tenho por 

certo que nao montarSo pouco os rogos e intercessao no ceo de nosso 

sancto padre Ignacio, o qual na terra tanto trabalhou pela reduc^ao 

deste imperio ; e os dos patriarchas dom Joao Nunez Barreto e dom 

Andre de Oviedo e de tantos companheiros seus que nesta empreza 

derao as vidas. Valeriao tambem muito os sete annos de cativeiro 



Digitized by 



Googl( 



8o HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

dre deste intento, mostrandolhe que era necessario vir de Europa: 

recebeo e fez tresladar as cartas cujo theor he o sigxiinte; 

4.Epi8toUZ«Dcn- Carta do Emperador Za Danguil pera sua Sanctidade, de 26 de 

ghel ad Romanum . , , ^ 
Pontificcm data dic lunho de 1604. 

a6 lunii 1604. ^ Carta inviada do emperador de Ethiopia Athanaf Sagued (este 

nome tomou quando entrou no Imperio, e por este se nomeava ordi- 

nariamente ; o nome Za Danguil he o do bautismo) chegue ao Padre 

c honrado, Pastor, humilde, virtuozo, e sancto Clemente Papa da no- 

€ bre cidade de Roma. 

€ Paz a Vossa Sanctidade. A paz de Christo Nosso Senhor. que 
« participou pobreza com os pobres e honra com os honrados, guarde 
« a pessoa e vida de Vossa Sanctidade, como a minina dos olhos. 
« Amen. 

« Como esta Vossa Sanctidade? Ouvi, Senhor, o que escreve- 
« mos. Estando n6s em nosso imperio, veo hum padre, que tem sobre 
« seu coUo o jugo da ley de Christo, por nome Pero Paez, da casa 
« de Jesus, e nos deo particulares novas de como V. S.**® trabalha por 
« tirar os peccados ate derramar o sangue. Deus eterno, que he ca- 
« be^a, o chegue ate o fim ; e como ouvimos estas novas que Vossa 
« Sanctidade sempre vai pelo caminho da verdade, nos alegramos 
« e contentamos. Louvores a Deus que nos deo bom pastor, que 
« guarde os rebanhos com sanctitade e julge aos pobres com ver- 
« dade. Tambem nos disse como ajudava aos christaos em todo o 
« necessario, dandolhes for^a e cumprindo seus desejos, tomando de 
« sam Paulo o que disse na sua carta aos Galatas : Dum tempus 
€ habemus, operemur bonum ad omnes, maxime autem ad domesticos 
^ Jidej. E por isso ajuda Vossa Sanctidade principalmente aos Reis 
« christaos em tudo. Polo que, ja que Deus nos deo o imperio de 
« nossos pais, desejamos ter amizade com Vossa Sanctidade e com 
« nosso irmao dom Philippe rey de *Espanha, e pera que ella S2ja f. 204. 
« mais firme, Ihe pidimos que nos mande sua filha, pera casar com 
« nosso filho, e com ella nos mande gente de guerra pera nos aju- 
« dar; porque temos em nossa terra huns inimigos gentios, que se 
« chamao Gallcts. Se imos contra elles, nao os achamos, fogem, e 
* quando nos recolhemos, vem dar aonde nao estamos, como ladrOes ; 
« e por isso pera os destruir, pedimos que nos mande gente e ofii- 
« ciaes de todos os officios, e padres, que nos insinem, pera que 
« sejamos em hum cora^ao e em hum corpo, e que seja firme a fee 
« de Christo, que se perdeo na mao dos gentios ; com que fique paz. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XV. 8l 

< e amor entre nos, Isto desejarSio primeiro meus pays ; mas nao 

< foi sirvido Deus : por estarem no meo os Turcos com for^a, nao 
c poderSo. A^ora bem se pode tomar a ilha onde elles estao ; pelo 
€ que rogamos a Vossa Sanctidade encomende a nosso irmao cumpra 

< o que Ihe pidimos e seja iogo sem dila^ao. 

€ Isto escrevemos a Vossa Sanctidade brevemente, porque sa- 
c bemos que ha de cumprir nossos desejos. E mais, os padres que 

< vierem sejao tam virtuozos e ietrados que nos possao insinar o 

< que nos he necessario pera a alma. Nao escrevo mais. Ao bom 

< entendedor poucas palavras ». 

Ate aqui fez o Emperador que o secretario escrevesse em sua 5. Imperator iubet 
hngua e letra; mas ao padre disse que na nossa acrescentasse, que reddcrc Romano 

dava obediencia a Sua Sanctidade e que Ihe pidia mandasse pa- P<»tific> d« qmbu»- 

dam rebus in siui e- 
triarcha, e declarasse que a gente de guerra, que desejava, era pera pistola contentis. 

guarda de sua pessoa, e pera com maior seguran^a poder ir me- 

tendo as cousas da fee em seu imperio, sem que se atrevessem a 

Ihe contradizer os que nao folgavao com ella. Que quanto os Gral- 

las, com a ajuda de Deus elle os tinha desbaratados e nao se aviao 

de atrever a tomar. Mas escrevia naquella forma, porque se nao 

fiava muito do secretario, nem elle por sua mao se atrevia a escrever 

o mais, porque, se acertasse de vir a carta a mao dos seus, arre- 

ceava que o matassem. E por esta causa escreveo tambem a sua 

Magestade na mesma forma e dizia assi: 

Carta do Emperador Za Danguil pera sua Magestade feita em 6.Epistol4ZaDen- 

, j X 1. j a 8**^ eodcm dic ad 

20 de Junho de 1004. Regem Loaitaniac 

< Carta escrita do emperador Atanaf Sagued chegue a nosso ****^ 

< irmao dom Philippe rey dos Reis de Espanha. Paz a V. Maje- 

< stade. A paz e amor de Christo nosso Senhor e o simal da sancta 

< Crux seja sempre com V. Majestade. Como esta? Vindo de huma 

< guerra e chegando aonde avia de invemar, chegou aqui hum padre 

< por nome Pero Paez, de quem todos me tinhao dito que era virtuoso 
• e sancto, o qual nos deo particulares novas dos reinos de V. Maje- 

< stade e de sua saude; com o que nos alegramos muito e demos gragas 

< a Deus que Ihe deo tanta pro^)endade que nenhum inimigo pode 

< contra Elle. Deus nosso Senhor acres^ente a V. ^Maiestade muitos 

< annos de vida e acabe em bem o que come^ou. Ou vi Senhor : bem 
f-204.T. c sabe V. Majestade *como nossos pais antigos tinhao amor e jura- 

< mento no tempo do emperador Atanaf Sagued quando veo a Ethio- 

< pia hum mouro que se diainava Granh, e destruio todas as igrejsis 

C. Bbccaki. Her. Aetk. Seript, oee. imed — VI. ii 



Digitized by 



Googl( 



82 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

€ e reinou na nossa terra. E quando mandarao pidir socorro a el rey 
« dom Joao, elle mandou Portugueses com seu capitSo dom Christovao 
« da Gama e juntamente pelejamos com o mouro e tivemos vitoria, 
« ajudandonos o alto e poderoso Deus, que alevanta os humildes 
« e abaixa os soberbos ; e dali ficou paz e quieta<?ao, como se que- 
« brou a for<;a e mando daquelle moiu*o, que nao tinha medo de 
« Deus. Os Portugueses estiverao com muita honra, sem Ihes faltar 
« cousa alguma do que elles queriao ate a morte, e seus filhos estao 
« agora com nosco. Assi nos tambem tenhamos aquelle amor e ju- 
« ramento que tinhao nossos pays, porque somos christaos. Agora 
« tambem temos huns inimigos, que se chamao Gallas, que destruem 

< nossa terra. Quando imos contra elles, nao nos achamos, porque 

< fugem, e como tornamos a nossa casa, vem a dar como ladrOes 
« em os que estao perto delles, e recolhemse logo. Polo que pidi- 
-« mos a Vossa Majestade nos mande gente de guerra, e juntamente 
« sua filha pera cazar com nosso filho, pera que seja firme nossa 
« amizade e sejamos em hum corpo e hum cora^ao; porque temos 
« hum filho de sete annos e ouvimos que sua filha tinha tres ; pera 
« que os criemos juntamente com o leite da sabedoria e insinemos 
« a sagrada escritura. E por isso desejo muito que V. Majetade no 
« la mande com muita gente de guerra e officiaes de todos os offi- 
« cios e seia logo sem tardan^^^a, pera que fique entre nos paz e 
« amor, ia que estamos unidos na fee de Christo, e nao se perca 
« esta terra que he terra de nossa Senhora e de nosso redem- 
« ptor Christo. Os mouros tem zelo de sua seita, ajudao aos seus : 
« tambem V. Majestade tenha zelo de sua fee, que he mais que 
« tudo. 

« O que dizemos que nos mande sua filha, nao Ihe paie^a que 
« he por outra cousa senao pera que fique firme nossa amizade e seja 
« prizao de paz pera o diante. Queira Deus cumprimos nossas von- 
« tades e acabar nosso desejo, pois pode tudo. 

« Ouvi tambem, Irmao: la que nossas cousas vao desta ma- 
« neira, pera que sejao firmes, venha hum Viso Rey, que esteja na 
« ilha de Ma^ua e meu capitao estara na terra firme em Deqhono 
(idest Arquico), pera que o poder esteja em nossa mao antes que 
« na do Turco; e despoisque tomarmos este porto, nos mandaremos 
« muitos mercadores com fato sem conto e mantimento que baste. 
« Os rendimentos do porto partiremos pelo meo. Quanto nossa terra, 
« he muito rica, nao falta nella nada ; porem nao mandavamos mer- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XV. 83 

€ cadores por amor dos Turcos, nem mantimentos, nem mel, nem 
€ ouro, nem escravos pera que tenhao fome e sede, porque nSlo te- 
€ mos amizade com elles, Como vierem os Portugueses e o Vizo 
€ Rey, mandaremos mercadores, que levem muito fato. Deus nosso 
c Senhor acabe em bem o que desejamos, e V. Majestade folgue 
€ com isto de tirarmos de entre nos o poder do Turco, que esta no 
€ meo como huma pedra de escandalo ». 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



^205. CAPITULO XVI. 

Entrada em Ethiopia dos padres Antonio Pernandez 
e Prancisco Antonio de Angeles. Successos de sua 
viagem. 



Os padres Antonio Femandez portugues natural de Lixboa e x. Cum Mohamfed 
Francisco Antonio de Angeles italiano natural de Napoles, sojeitos g^g^ ^aratum obtu^ 

a cada qual mais escolhido e perfeito em virtude, prudencia, letras ^*««^^ *^ ^^^^ patres 

in Aethiopiam trans- 
e todos os bons talentos, partirao de Portugal e chegaram a India mittcndos, pp. Fcr- 

no anno de 1602, naquella grande missao de mais de sescenta da n^adtcntandum^fer 

Companhia que trouxerao do reino os padres procuradores Alberto destinantur. 

Laercio e Francisco Vieira. Pouco despois de chegados os escolheo 

e nomeou pera Ethiopia o padre provincial Manoel da Veiga pera 

passarem com o padre Pero Paez nas duas galeotas que por ordem 

de S. Majestade armou o vizo Rey Ayres de Saldanha s6 a fim 

de trazerem ao estreito do Mar Roxo e meterem no porto de Baylur 

padres da nossa Companhia, como assima tocamos. Mas nSo podendo 

as galeotas fazer viagem e partindose o padre Pero Paez com Ra- 

guam Aga, ficarao os padres esperando boas novas de sua viagem 

e outra occaziao semelhante pera siguirem o anno siguinte a quem 

naquelle desejarao muito accompanhar. Tudo Ihes soccedeo como 

desejavao. TiverSo na mon^ao cartas do padre ia entrado em Ethio- 

pia, e juntamente outro criado do Baxa por nome Mahamed Aga 

ao qual seu senhor mandou por ver o muito proveito que Ihe viera 



Digitized by 



Googl( 



86 HISTORIA DE ETHIOriA A ALTA OU ABASSIA 

das roupas que o primeiro Ihe levara. ProcurarSo os padres que se 
fizessem em Dio grandes favores a Mahamed Aga e alcangarao- 
Ihos facilmente assi do capitao da fortaleza como dos officiaes da 
alfandega, que sempre nos mais daquelles senhores e em muitos 
dos cidadaos daquella cidade se achou vontade muito pronta pera 
favorecerem as cousas desta missao, cortando muitas vezes por seus 
rendimentos e interesses, esperando de Deus no ceo outros mais 
avantajados. 

2. Die 24 martii Satisfeito o Aga com as honras, mimos e favores que a respeito 
TC<mdmu'et^magn^^ ^^^ padres tinha recibido, fallandolhe no negocio que pretendiao, 

tcmpesutum pericu- respondeo que nao hum s6 padre como Racuam Aga, mas dous 

lis superatis, Sua- 

qu6m perveniunt, levaria com mil vontades. Aprestaraose com isto e embarcaraose 

tracuntur.™Suaq^ ^^ huma nao que vinha direita a Suaqhem, porque la mandara o 

BassApatresMa^tiam Baxa ir a seu criado. Aos 24 de mar^o levarao anchora, mas tanto 

transmittendos cu- , , , ^ . . , , 

rat, et gubcmator V^^ largarao vela pendeo a nao, e foi tanto a banda, por estar a 

loci eo8 usque ad cga-fifa mal arrumada, que faltou pouco pera se ir ao fundo. Man- 

fines regni aethiopici ° ^ r r 

comitari iubet. darao recado a terra: acudirao logo della muitas manchuas: arru- 

mouse a nao, e fizerao sua viagem, na qual gastarao 44 dias com 

assaz de trabalho. Chegando ia perto a Suaqhem, vararao em hum 

baixo dos muitos que ha naquella parajem ; e quiz Deus que fosse 

vaza, por que a ser area ou pedra a nao se fazia em ^peda^os. Pera f.205,^ 

sairem descarregarao grande parte das fazendas, levandoas no batel 

a huma ilheta, que estava perto, e tornaraonas a meter na nao, de- 

spois que com espias e reboques a puzerao em fundo bastante pera 

nadar; mas porque nisto houve detengas e estavao junto a costa, 

Mahamed Aga, mandando vir cavalgaduras pera si e pera os padres, 

se foi com elles por terra a Suaqhem, aonde, por nao estar ali o 

Baxa, que era ido a Meca em romaria, foi necessario esperarem os 

padres 20 dias. Chegado o Baxa e sabidos os favores e honras, que 

em Dio se fizarao a seu criado, tratou aos padres com muita bene- 

volencia, dandolhes a cada hum sua cabaya de brocado, que he a 

maior honra que custumao fazer, e mandando logo aparelhar huma 

gelva, embarca^ao propria do estreito, os despidio pera Magua, man- 

dando em sua companhia o veador da fazenda, com ordem pera que 

em Ma^ua Ihes desse mulas e gente ds guarda pera o caminho ate 

chegarem a terra segura. 

3. Gubernator Ma- Partirao com bom vento, mas ao dia siguinte carregou elle tanto 
cuae licet invitus pa- , t_ • ' r j j • • c« t. 
tres Debaroam us- ^"^ ^ gelva se hia a fundo sem remedio ; porem quiz nosso banhor 

que tuto comitandos que a verga quebrasse, e nisto esteve sua salva^ao ; e posto que 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XVI. 87 

ainda a forca dos mares os levava a costa, com evidente pirigo de curat. Lusiuni Fre- 

nella se faizerem em pedagos, com tudo trabalharao os marinheiros 

tanto que a afastarao da terra, e por nao estar pera ir avante, vol- 

tarao a Suaqhem. Mandoulhes logo o Baxa dar outra gelva, na qual 

em sete dias chegarao a Magua, caminhando so de dia e surgindo 

a noite, como he custume daquella costa, polos muitos baixos e ilhe- 

tas de que he chea. Seis dias se detiverao em Magua, aonde o Quequea 

(assi chamao o capitao turco daquella ilha e de Arquico) os tratou 

muito bem, e a despedida Ihes emprestou duas mulas e deo dez 

homens de espingarda pera Ihes irem dando guarda ate encontrarem 

com os Portugueses de Fremona, aos quaes tinhao primeiro man- 

dado recado de sua chegada e pidido os viessem encontrar ao ca- 

minho. Fizeraono elles com muita pontualidade : ao segundo dia os 

encontrarao ; despidirao os Turcos e mandarao as mulas ao Quequea 

com muitos agardecimentos polos bens que Ihes fizera. Chegarao em 

fim a Fremona aos 13 de iulho, aonde de todos os Portugueses e 

catholicos forao recebidos com singulares mostras de alegria, e de- 

scansarao hum pouco dos trabalhos de tam pirigosa e trabalhosa 

viagem. 

Neste tempo estava na corte o padre Pero Paez, como atraz 4« Intcrea p. Paex 

dissemos, cheo cada dia mais de favores do Emperador. Hum dia magis ac magis gra- 

Ihe mandou dizer por Laca Mariam que mandasse hum homem seu *** poUct, at auri 

^ ^ pondus nonexiguum 

a casa do tizoureiro pera receber hum pouco de ouro (erao 300 et praedia opima ab 

^ V j «j- «x Imperatore sibi obla- 

on^as, que montam 3000 patacas); escuzouse o padre e pidio muito ^^ recusat- ne vero 

a Laca Mariam acabasse com o Emperador que o nao obrigasse a «undem offendat ali- 

. quot pro tigrensi 

t. 206. aceitar o ouro, e se Ihe queria fazer merce, fosse darlhe algum *lugar, ecclesia praedia se 

em que fizesse huma igreja. Tornou Laca Mariam com a reposta ao ^^*^*?^™"^ promit- 

Emperador, o qual ficou muito edeficado e espantandose disse a 

Ras Athanateus, que ali estava prezente : Vistes nunca tal cousa em 

Ethiopia ? Respondeo elle : Senhor, eu tenho attentado bem pelo modo 

deste padre; nao he como nossos frades que nao buscao mais que 

bens da terra ; somente tem postos os olhos no bem das almas ; mas, 

posto que elle se contenta com pouco, he bem que V. Majestade 

Ihe dee pera a igreja terras largas. 

O dia seguinte chamou o Emperador ao padre, e disselhe : Por 

que nSo quer V. R. tomar ouro? Eu nao Ihe darei tambem terras 

e tudo o que quizer? Respondeo o padre: Senhor, pera mim pouca 

cousa me basta; e quando muito me fora necessario, sei de certo 

que a sombra de V. Majestade nada me faltara, e sobejaome as 



Digitized by 



Googl( 



88 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

merces que V. Majestade faz aos Portugueses, por que todas as re- 
cebo como feitas a mim. Pouco he, disse o Emperador, o que ate 
agora fiz aos Portugueses ; mas eu prometo a V. R. de Ihes dar tantas 
terrsis e fazenda que elles se dem por contentes e satisfeitos. Ao dia 
seguinte tratou logo de dar ao padre humas terras muito grandes, as 
quaes por serem tam boas escolhera pera sy e possuia a Emperatriz 
mulher de Malac Sagued; porem sabendo o padre cujas erao e que 
Ihas tirava o Emperador pera as dar a elle e aos Portugueses, se 
escuzou de as receber, dando outras rezOes, mas seu intento foi nao 
desgostar a Emperatriz; o que ella sabendo, dali a pouco tempo, 
disse : Nao se pode negar que neste padre se acha toda a policia e 
bom comedimento: bem pudera elle aceitar o que o Emperador Ihe 
dava, e dizer que como estrangeiro nSo sabia cujo era. Qual de nossos 
frades fizera cousa semelhante? O Emperador tambem alcan^ou e 
louvou muito a rezao, por que o padre as nao aceitava e prometeo 
de Ihe buscar outras. 
5. P. Paex aegre Neste comenos chegou ao padre recado de huns Portugueses, 

trato^dU^ccB^suT^^rn ^^^ ^^ Nanina estavao doentes e Ihe pidiao os fosse confessar. Pidio 

tcrrasNaninAsecon- locfo o padre licenca ao Emperador pera dar la huma chejBfada e 

fert ut catholicos sa- \ , 

cramentis reflciat. confessar a todos doentes e saos ; porque havia muito tempo que 

nao tinhao missa, nem confissao. Mostrouse o Emperador muito di- 

ficultoso em Ihe dar esta licenga, pelo muito que sintia sua auzencia; 

mas em fim for^ado da necessidade dos doentes e rogos do padre, 

Iha deu por dous mezes, tomandolhe muitas vezes a palavra de ha- 

ver de tomar sem falta dentro do prazo que Ihe punha. E o dau^lho 

tam largo foi porque era inverno e os rios que havia no caminho 

erao muitos, e entre elles o Nilo, que ja levava e aodiante avia de 

levar maior for^a de agua ; e assi, com Nanina nao distar do lugar 

em que estava o arrayal mais que duas jomadas, nao pode o padre 

chegar la em menos de sinco e com assaz de trabalhos e pirigos, 

porque as lamas e atoleiros erao sem medida e os rios hiao muito 

furiozos, e nao ha nelles ponte nem barco, so no Nilo se achao tan- 

coas, que sao huns feixes de tabua mal atados, e muito arriscados 

quando he grande a corrente da agua. A partida *mandou o Em- f.2o6,v. 

perador recado ao Xumo, que he como capitao ou govemador, de 

Nanina que desse ao padre pera aquelles dous mezes 50 cargas de 

mantimento, que montarao seis ou sete moyos dos de Portugal, e a 

seu thezoureiro que desse em segredo a hum Portugues, que acom- 

panhava o padre, 30 on^as de ouro, que montao 300 patacas, com 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XVI. 89 

obrigfa^ao de Ihe nao descubrir nada senSo la no caminho, por arre- 
cear que o padre se escuzasse de as receber. 

Chegou o padre a Nanina, confessou os doentes e quiz nosso 
Senhor, que com a saude da alma achassem iuntamente a do corpo ; 
logo entendeo com os saos, confessandoos e doutrinandoos a todos 
em poucos dias ; e chegou o numero dos confessados, entre homens, 
mulheres, Portugueses e Abexins de suas familias, a seis centos. 
Isto feito, tratou com elles de fazerem ali huma igreja nova, porque 
a que tinhSk) estava ja muito velha e mea caida. Todos se aplica- 
vao a obra com muito gosto, mas impidioa huma nova de muito 
desgosto de todos, que foi chamar o Emperador muito a pressa a 
todos os Portugueses que podiao tomar armas com a occaziao que 
direj no capitulo segninte. 



C. Beccart. Rtr. Aeth, Scrtpt. occ, in»d. — VI. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XVII. 

Alevantaose contra o emperador Z& Danguil alguns 
grandes de seu Imperio; ddlhes batalha; mataono 
nella. 

Os alevantamentos em Ethiopia forao sempre fruta de cada anno; x. in Aethiopia re- 
porem neste seculo de seiscentos sao fruta nSo s6 de cada mez, mas eimae. Za SeUse 

ainda de cada dia. «^» beneficiia a Za 

Denghel cumulatus 
Parece que presentio primeiro e sintio logo o Inferno que esta contra hunc arma 

pra^a tanto sua se Ihe queria alevantar e alevantava, lan^andose ^*^ ^* 

com seu verdadeiro Senhor e dando obediencia a seu vigairo na 

terra o Romano Pontifice ; e abrindo com raiva suas entranhas ca- 

vernosas fez sair dellas e entrar em Ethiopia todas as furias asso- 

pradoras da discordia enchendo da pe^onha de taes biboras os 

cora<^oes desta gente pera que, como da sementeira de Cadmos an- 

tigamente, assi hoje brotassem de seus campos, huns contra os outros, 

tantos escoadroens armados quantos erao os arados com que pri- 

raeiro se lavravSo Chegou a cousa a tanto que dentro em sinco ou 

seis annos depuzerao do imperio a dous Emperadores e matarSo a 

outros dous, e contra o que ficou com a coroa se tem alevantado, 

em vinte e seis annos que ha esta de poss3 della, mais de trinta 

ou quarenta que Iha pretenderao tirar da cabega. 

Hora (deixadas pera seu lugar as cousas que vao mais adiante) 

he de saber que o principal urdidor das primeiras trai^Oes e author 



Digitized by 



Googl( 



92 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

da morte dos dous emperadores Za Dangnil, de que *agora falla- f. 207. 

mos, e Jacobo, de quem logo diremos, foi hum homem chamado 

Za Selasse (seus baixos principios e morte desestrada se vera no 

livro siguinte). A este por revoltozo tinha desterrado pera Narea o 

emperador Jacobo; mas virando a fortuna sua inconstante roda, se 

vio Jacobo no mesmo desterro e Za Selasse sayo delle por man- 

dado de Za Danguil. Tanto que chegou ao Emperador, o fez logo 

Xumo ou governador de Dambia e outras muitas terras, que com 

este reino vizinhao, polo ter por homem esfor^ado. Porem elle, como 

baixo e ingrato, Iho pagou tam mal que foi o primeiro que antes 

de muitos mezes se rebellou contra senhor que tantas merces Ihe 

fizera. 

a. Athanatftus cum Soubeo logo o Emperador, porque a rebelliao hia as claras: 

aliis, relicto Za Den- . ^ ^ . . . , 

ghel, partes rebcl- come^ou a ajuntar sua gente e os pnmeiros que mandou chamar 

lium sequuntur. Im- forao os Portuinieses, que seriao perto de duzentos, e com elles e 

perator cum parva o * 

Buonim manu Na- com algnma outra gente que tinha consigo quizera logo ir buscar 

Si^am^trep^S^rebus* ^^ tyrano; mas foi avizado que a conjura^ao era de muitos e que 

consiiium p. Paci dentro em seu arrayal estavao grandes senhores que com Za Selasse 
exposcat* 

se tinhao confederado. Foise o Emperador informando em segredo, 

e achou que era como Ihe tinhao dito, e tantos os conjurados que 

nao tinha for^a pera os prender, ate elles se nao espalharem e a 

elle se ajuntar mais gente. Dessimulou entao e alevantou com seu 

campo pera a banda de Gojam, marchando pera Nanina terra forte, 

em que Ihe pareceo poderia lan^ar mao dos tredores que o acom- 

panhavao. Entenderao elles o lan^o e ao segundo dia, passando o 

Emperador com sua gente hum rio grande, se deixarao ficar aquem 

delle Ras Athanateus, o maior senhor que entao avia no imperio 

com 300 soldados dos ordinarios criados de sua casa, Jonael outro 

capitao muito grande, e alguns outros de menos nome. Soubeo o 

Emperador, mas ccmo nao tinha for^a de gente, que bastasse pera 

os acometer, passou avante e chegou perto da terra em que estava 

o padre Pero Paez, o qual o veo logo vizitar, e affirma que teve 

grande compaixao de ver tam s6 e mal acompanhado a quem ou- 

tr^hora por onde hia seguia tanta gente que cubria montes e valles. 

Consolouse com o padre e disselhe : Eis aqui, veja V. R. o que me 

fazem os meus, por eu querer guardar justi^a, e nao consintir que 

os grandes oprimissem aos pobres. Que conselho me da? Animouo 

o padre, exhortouo a que em Deus puzesse toda sua confian^a ; dis- 

selhe que metesse tempo em meo e esperasse o verao; que tinha 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XVII. 93 

por certo que nelle entrado se Ihe avia de ajuntar muita gente, por- 

que de todos era bem quisto ; so alguns grandes, por Ihes ir a mSo 

a seus desaforos, estavSo mal com sua Majestade. E esta era a ver- 

dade. Pareceolhe bem o conselho: despidiose do padre pidindolhe 

que em suas missas e ora^Oes o encomendcisse muito a nosso Senhor. 

Porem como era briozo e de grande coragao, ajuntandoselhe ao 3« Auxiliariis co- 

outro dia dos lugares vizinhos dous mil homens de guerra, voltou rator, nequic^u^ 

logo com muita pressa, pcirecendolhe que alcancaria a Ras Atha- repugnante Lusita- 

JT ^ ^ f norum duce, Laca 

nateus e os que o siguiao, antes de elles passcirem o Nilo, e seria MariAm suadente, 

fror.v, facil desbaratalos. Mas como no arrayal do Emperador estavao *mui- ^^ ^ ^^^^ °^" 

tos amigos e aliados de Athanateus, sendo por elles avizado, passou 

o rio de noite e se poz em cobro. Detevese entao o Emperador 

alguns disis junto ao Nilo, ate se Ihe ajuntarem dez mil soldados. 

Elles juntos, poz em conselho, se iria logo demandar aos rebeldes, 

ou esperaria mais. O capitao dos Portugueses Joao Gabriel, homem 

de grande conselho, era de parecer que esperasse, porque cada dia 

se le hia ajuntando mais gente, e a dos rebeldes por si se havia 

de espalhar; porem prevaleceo o voto de outros a que pareceo que 

a gente que o Emperador tinha era bastante pera romper e destruir 

o campo dos rebeldes ; e assi come^ou a marchar pera Dambea aonde 

elles estavao juntos. 

Xeste tempo nao se descuidou Za Selasse, antes por todas as 4. PerfidaeZaSe- 

vias que pode trabalhou por amotinar o povo e ajuntar gente contra puium^ad^suaspartw 

o Emperador. Dizialhes que o imperio era de Jacobo, pois o pos- trahere studet. 

suira sete annos, e fora delle desapossado contra toda a rezao e 

justi^a, e que ja Ihe tinha mandado recado, e elle vinha por carainho ; 

que a Za Danguil nao pertencia, nem elle merecia ser Emperador, 

porque deixando a fee de seus antepassados tinha tomado a dos 

Portugueses, e era peor que mouro. Estava ali perto o Abbuna Petros : 

pidiolhe Za Selasse que o desobrigasse a elle e a todos do juramento 

e omenajem que tinhao dado a Za Danguil e Ihes alevantasse a ex- 

communhao que Ihes puzera pera o sirvirem. Perguntou o Abbuna 

que causa avia pera o fazer. Respondeo Za Selasse, que ter Za Dan- 

guil deixada sua fee e tomada a dos Portugueses. Approvou o Ab- 

buna a causa como bastantissima, absolveoos a todos da omenajem 

e alevantoulhes a escommunhao que Ihes puzera. Ficarao todos con- 

tentissimos e sem escrupulo pera pelejarem contra Za Danguil com 

todas suas forgas. Soube isto o Emperador, e disse: Ora, ja que assi 

he, fa^amos logo o que aodiante haviamos de fazer : todas as terras 



Digitized by 



Googl( 



94 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

do patriarchado dou ao padre, e elle quero que seia patriarcha; 
que este Egypcio nem sabe que cousa he excommunhao nem que 
cousa he ley. 

5. imperator in Em poucas jomadas chegou o Emperador a Barcha, hum campo 
tur. RebeUesimmero gi^ande quasi no meo de Dambea, junto ao qual os rebeldes tinhao 

suonim fred sub ve- assentado seu arrayal. Chegando ali disse ao capitao dos Portucrueses : 
speraspraehumcom- ^ o tr o 

mittunt. Ah quem me dara aqui o padre pera me confessar com elle por 

vida ou por morte. Respondeolhe o capitao : Bem desejou o padre 

acompanhcir a V. Majestade, mas pois elle nao esta aqui, pe^a Vossa 

Majestade a Deus nosso Senhor perdao de seus peccados de todo 

seu cora^ao com verdadeiro arrependimento delles polo ter oflFendido; 

e esta vontade Ihe aceitara o Senhor e dara vitoria e vida pera se 

poder confessar. Neste ponto come^arao a apparecer os escoadrOes 

dos rebeldes em ordem de peleja; porque Za Sellasse a nao qui/ 

guardar pera o outro dia, assi porque hum frade feiticeiro, que tinha 

comsigo e Ihe descubria muitas cousas, Ihe affirmava *que, se dila- f. 208. 

tava a batalha pera o dia seguinte, nao tinha vitoria e neste Iha pro- 

metia certa, como porque arreceava que naquella noite se passassem 

muitos dos que o signiao pera o Emperador. 

6. Lusitani impetu Erao 13 de outubro de 1604. Vendo pois Za Danguil aos ini- 
facto primo quidem , ^ ^ ^ • j ^ • 
rebeUca prosternunt, n^i?os no campo e a ponto pera acometer, posto que nao determi- 

at reliquis copiis in nava dar batalha naquelle dia, obrigado por elles, poz em ordem 

fugam coniectis, Za . 

Denghel ex equo de- seus escoadrOes, dando aos Portugueses a mao direita e ajuntando- 

Selas^ truddattir ^* ^^® muitos dos seus por elles serem poucos em numero, que nao 

chegavao a 200. Rompeose a batalha e acometerao os Portugneses 

com tal esfor^o que nao podendo os inimigos sofrer seu encontro, 

caindo mortos alguns, se forao os mais fugindo : foraolhe no alcance 

os nossos, matando a quantos podiao chegar, ate que vendose muito 

afastados, e que os mais escoadrOes dos rebelles ficavao ja entre 

elles e o Emperador, tocarao a recolher. 

Nao teve o Emperador, pela parte quo acometeo, esta boa for- 

tuna, antes Ihe foi em tudo contraria, nao por a sua pessoa mingoar 

o esfor^o senao por ser dos seus quasi desemparado. Arremeteo elle 

como hum leao e fazia por onde hia larga estrada ; mas que monta 

hum entre milhares? Dos que estavao com elle se lan^arao logo 

setenta de cavallo com Ras Athanateus, cujos criados erao : outros 

muitos estavao a mira sem pelejarem; so alguns fidalgos acompa- 

nhavao e ajudavao a seu Rey, que hia na dianteira, e o principal 

era seu grande privado Laca Mariam, o qual, pelejando como leal 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XVII. 95 

e valente cavaleiro, caio morto diante de seu senhor. Vio Za Se- 

lasse que huma de suas alas era desbaratada pelos Portugueses, vio 

a parte do Emperador fraca: entendeo que se perdia, se nSo aca- 

bava com esta, antes que os Portugueses dessem volta. Arremeteo 

com tanta for^a que obrigou aos poucos, que com o Emperador pe- 

lejavao, a se irem retirando. Nesta volta hum dos seus cavalleiros 

casta Mouro, chamado Humardim, alcangando o Emperador, Ihe deo 

no pesco<;o tal golpe de lan^a, que o derrubou do cavallo malfirido. 

Ergeose Za Danguil de pressa e pozse em defeza, mas foi logo ro- 

deado de muitos, os quaes com tudo nSo ouzavao a se Ihe chegar 

perto, ate que vindo Za Selasse o firio com a lan^a no rosto e deo 

aos mais azo pera o acabarem de matar. Morto o Emperador, nSo 

houve mais resistencia; acabouse a briga. 

Vinhaose neste tempo os Portugueses recolhendo do alcanse que 7. Athanatftns Lu- 
., « « « . . sitanis vitam servat 

aerao aos escoadrOes da mao esquerda que vencerao, e vmhao com cosque sibi propitios 

intento de acometer o corpo da batalha dos inimigos, mas attentando «^«ddit. Corpus Za 

^ ^ Denghel vestibus 

bem, virao que ja se nao pelejava, que a gente do Emperador fugia ipsis exutiun sub dio 

e sua tenda imperial estava derrubada. Ficarao muito embara^ados : tres^^dies^humili^- 

huns diziao que vencera; outros, e os mais, que fora vencido. Fo- pulcro reconditur. 

raose entao desviando, todos saos sem hum so faltar, nem ser firido. 

Porem o capitao Joao Gabriel, ouvindo os atabales do Emperador 

e que tocavao de festa, crendo o que desejava que elle fora o que 

vencera, com hum seu irmao e outro, se vierao todos tres meter no 

meo da gente de Ras Athanateus, a qual tendo ganhado os ata- 

f.2oS.v. balles imperiaes estava com elles festejando sua vitoria. *Arreme- 

tiao muitos pera os matar ; mas Ras Athanateus, que era amigo dos 

Portugueses e do padre, gritou que os nao matessem, e chamandoos 

perto, deo ao capitao o seu capacete e aos dous outras pegas pro- 

prias de sua pessoa, pera que ninguem se atrevesse a Ihes fazer 

mal algum. 

Neste tempo se hiao dispindo e despojando os mortos e nao 

faltou quem ao corpo do Emperador dispio, ate o deixar de todo 

nu, o que outros estranhando Ihe lancjarao em cima hum pano com 

que o cubrirao. Mas este, dizem, Ihe mandou tirar Za Sellasse, e 

daquella maneira esteve tres dias no campo. Barbaria mais que de 

fera, animo vil, extremo de ingratidao, que a senhor de qUe tinha 

recibidas tantas merces tratasse, ainda despois de o matar, tam af- 

frontozamente. Porem Deus nosso Senhor, posto que por seus oc- 

cultos e justos iuizos Ihe pirmitio esta morte, despois de morto o 



Digitized by 



3yG00gl( 



96 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

quiz honrar com sinaes grandes de ter aceitado os bons desejos que 
Ihe deo de se reduzir a si e a seu imperio a sancta fee catholica. 
Os quaes nSo forSo, ao que parece, fingidos, ssnao que muito de 
cora^ao a recebeo e reprovou os erros em que se criara. E posto 
que se nao chegou a confessar, teve vontade muito firme de o fazer; 
e podemos crer piamente que teria verdadeira contri^ao de seus 
peccados, pois Ihe deo Deus ao capitao Joao Gabriel homem muito 
bom catholico e muito bem entendido nas materias da fee e obri- 
gac^Oes de christao, que naquella hora e ponto em que estava pera 
dar batalha o instruio, como assima contamos. 
8. Undecim exa- Os sinaes de sua alma estar em bom lugar (alem do matarem 

peratoz^elOnLiM^^ ^^ P^'' ®^^® ^^^ recebido a sancta e verdadeira fee) forao ser achado 

ipsum honorifice se- seu corpo aos 1 5 de outubro, 3 dicis despois de morto, nao s6 in- 

peliri iussisset, inte- . , , , 

gnim et suave ma- teiro e tambem assombrado em seu rosto, como o era em sua vida, 

nans odore reperi- ^^ ^^^ ^^j^ suave cheiro que de si lan^ava, que ainda aquelles 
que o nao quizerao attribuir a causa mas que natural, diziao que 
aquelle cheiro Ihe ficara por ser acustumado em vida a comer am- 
bre. Forao disto testemunhas muitos homens de credito, que o 
ajudaram naquelle dia a levar a huma igreja pequena que ali perto 
estava. Da qual o Emperador Seltan Segued, que hoje reina, por 
ser seu primo, o mandou dali a dez annos levar a hum mosteiro 
grande, que esta em huma ilha do mar ou alagoa de Dambea, por 
nome Daga, enterro de muitos Emperadores. E entao se vio clara- 
mente ser a incorrup^ao do corpo de Za Danguil cousa do ceo^ 
porque havendo dez annos que estava enterrado, sem confei^ao al- 
guma e sem ser metido em caixa ou ataude, senao terra tal, foi 
achado tam inteiro e incorrupto como o dia que ali o meterao, tanto 
que affirmou hum frade muito grave superior daquelle mosteiro que 
o vira, nao achara entao menos do que nelle avia primeiro senao 
s6 a alma que o movia. 



tur. 



Digitized by 



Googl( 



f 09 CAPITULO XVIII. 

Vayse o padre Pero Paez pera Tigr6 i, ver os dous 
padres que erfto vindos. Entrfto em Ethiopia mais 
dous, o padre Luis de Azavedo e Louren^o Romano. 



Partindo o Emperador pera esta infelix jomada, partiose tam- i. Athanatftus pa- 
bem o padre Pero Paez pera o mais interior de Gojam, aonde vivia in^Htat elTma^ h<^ 
hum Portuguez velho honrado, o qual Ihe mandou pidir o fosse la ^^^}\ significatione 

^ * '^ recipit. Ipaoque de- 

confessar a elle e a sua familia, que era grande. Foi com muito precante, bona, qui- 
trabalho por causa das lamas e enchentes dos rios e com assaz de JJ^ za^D^hel^ste- 

piricfo por andarem naquelle caminho muitos salteadores e huns tissent, fuerant ex- 
^ , ^ , . , . . , poliati, ipsis reddi 

Agaus alevantados, que hiSo destruindo a terra, matando e saque- imperat. 

ando o que achavSo. Ali Ihe chegou a triste nova da morte do Em- 

perador, a qual do que fica dito se colligira facilmente quanto Ihe 

cortaria a alma e coragao. Soube Ras Athanateus que o padre estava 

em Gojam e mandoulhe recado que o esperasse la, porque tinha 

que tratar negocios de muita importancia. Esperou o padre : chegou 

no cabo de quinze dias; foio o padre vizitar, fezlhe muitas honras 

e favores, porque tendo elle, que era entam Vizo Rey de Gojam, 

tirado aos Portugueses as terras de Nanina, por pelejarem contra 

elle naquella batalha, a peticam do padre Ihas tomou a restituir; 

e a hum Portugues, que, acudindo a huma briga, matara hum ho- 

mem, perdoou a vida, e ajudou fazendolhe algumas merces pera sa- 

tisfazer a parte. Disse mais ao padre que tudo Ihe faria, nada Ihe 

C. BicCAai. ^#r. yf^/i. 5rr»>/. occ. intd, — VI. 13 



Digitized by 



Googl( 



98 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

negaria com tanto que quizesse ser mestre seu, nSlo se apartando 

nunca de sua companhia, e ajuntava que isto Ihe pedia por saber 

que sua doutrina era verdadeira e o padre inteiro em a insinar e 

dizer as verdades necessarias pera a salva^ao ; o que nao se achava 

em seus frades, que erao ignorantes, nada sabiao, s6 pretendiao pro- 

veitos temporaes. E por isso e por serem ordinariamente homens de 

baixa estofa nao tinhao peito pera dizerem ainda as verdades que 

sabiao ; e apontando em hum que junto a porta de sua casa estava 

em pee, disse : Vee V. R. aquelle he meu mestre, mas tal como os 

demais fingido e phariseo. 

a. Hic patri Paez Respondeo o padre que por entao estava de caminho pera Tigre 

veniaminTigrfteuii- rj ji't_ t.j i^j».- 

di primo denegat, at, ^ ^^^ forgado a dar la huma chegada, mas que voltando sirvina a 

cumimperatrixessct g^a senhoria em tudo o que pudesse. Apertava Ras que nao havia 

patris visendi cupi- 

da, licet aegre, tan- de ir: disselhe o padre que erao chegados da India dous padres da 

n^ssarir^d 7t e r Companhia, que tinha obrigagao de os ir ver, pois vierao de tam longe ; 

sponte praebet. mas afora ista tinha o padre outra rezao, que nao declarava, e era ver 

que o imperio estava vago e avia delle muitos pretensores, especial- 
mente dous, que erao Jacobo, que estava em Narea e era chamado pera 
isso, e Susnios seu primo, o qual avia annos andava como alevantado, 
por Ihe nao darem humas terras que forao de seu pay, e agora ja 
nao pretendia s6 as terras senao a coroa ; pelo que Ihe convinha 
*retirarse d Tigre e ver de la os touros de palanque, nao tanto por f.209,v. 
se livrar de pirigos, quanto porque Ihe nao convinha acharse nestas 
emvoltas, pera fugir a occaziao de ser tido por partial; e despois 
poder livremente tratar das materias da sancta fee com qualquer 
que ficasse de posse do imperio. Quiz Deus que no mesmo tempo 
a emperatriz Mariam Cina sogra de Ras Athanateus Ihe escreveo 
pidindolhe muito que Ihe mandasse la o padre, porque desejava 
muito de o ver. Com isto chamou elle ao Padre e disselhe : Ja que 
a V. R. Ihe releva tanto ir a Tigre, seia: va V. R., mas torne 
muito de pressa, e de caminho passe por Coga, e vizite a Empera- 
triz, que esta com grande desejo de ver a V. R. e a min por en- 
tretanto fa^ame gra^a de me deixar ca a cartilha, pola qual apren- 
dem os seus mininos, que nao he s6 pera os que o sao, antes a todos 
n6s nos pode sirvir como doutrina e livro de muito alta sabedoria. 
Deolhe o padre a cartilha e despidiose, prometendo de voltar o 
mais de pressa que pudesse. Mandoulhe pera o caminho huma mula 
e duas on^as de ouro, que sam 20 patacas, escuzandose muito com 
os trabalhos da guerra de dar cousa tam pequena. Aceitou o padre 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XVIU. 99 

polo nao desgostar, e partiose pera Dambea o primeiro de novembro 

de 604. 

Chegou a Coga, aonde estava a Emperatriz, em seis dias. Foi 3. Post sex dles 

recebido daquella senhora com grandes mostras deamor; pidiolhe i^^^tr?cem*inCo^ 

que quizesse ser seu mestre e se nao afastasse della, prometendolhe K^ pcrvenit, quae 

, , . . , , T^ , , eumhospitiorccipit; 

terras e tudo o de que tivesse necessidade. Respondeo o padre que dercbusfideiloquen- 

hia pera Tigre a negocio que Ihe importava muito; que quando ^^ 'diaSasum^^z^^ 

embora voltasse, sirviria em tudo a Sua Majestade. Despidido da Selas« convenit, ab 

T- .. . t -, ^Ar^««>vr-.n eoquc humaniteF rc- 

Emperatnz passou tambem por onde estava Za Sellassee [^J pera ceptus, pro catholi- 

o vizitar, porque primeiro o tinha feito algumas vezes. Elle com ^** favores obtinet. 

estar mui inchado e ufano com a morte que deo ao Emperador, 

fez ao padre grandes honras, nao s6 no gazalhado, mas em Ihe 

conceder pera hum Portugues honrado humas terras muito boas 

e grandes, que Ihe tinha tirado, nSo tanto por ter pelejado pela 

parte do Emperador, quanto porque se tinha desmandado em pa- 

lavras injuriandoo em auzencia e doestandoo de baixo e escravo, 

pelo que estava muito mal com elle, c tam duro em Ihe nao aver 

de dar as terras, que foi necessario ao padre dizer : Demas V. Se- 

nboria a mim. O que fazendo elle com muito gosto, Ihe declarou 

logo o padre, que as queria pera as tornar a cujas erao. E elle 

como bom cortezao respondeo : Despois que as dei a V. R., despo- 

nha dellas como quizer; e ainda Ihe acrescentcirei outras, como £is 

couzas deste imperic tomarem mas assento. 

Agardeceolhe o padre muito tantais merces e boa vontade, e 4. Gravibua in iti- 
dispidindose continou seu caminho de Tigre. Nelle o livrou Deus culis,'p.^Pae» Fre- 
nosso Senhor de muitos pirigos, espicialmente em dous passos, aonde nionam pervenit. 
os Tigres, cuidando que a gente, que hia e era muita, erao criados 
de Za Selasse, os estavao esperando pera os matar ; mas sabendo a 
caso que hiao ali Portugueses e conhecendo por isso que nao erao 
dos de Za Sellasse, Ihes sairao ao encontro com prezentes e refresco, 
agardecendolhe terem pelejado com tanto esforcjo pelo Emperador, 
f. 210. e declarandolhes como Deus os *livrara do desastre que se Ihe azava, 
porque, cuidando elles primeiro que erao dos de Za Sellasse, estavao 
pera vingar com sua morte o sangue do Emperador que muito ama- 
vao. E de feito pouco despois, passando pelos mesmos passos muitos 
criados de Za Sellasse, derao nelles os Tigres que os tinhao de 
espreita, e matarao a muitos; s6 de espingardeiros casta Turcos 
morrerao 28. 

AUegrouse e consolouse o padre muito com os dous padres que 



Digitized by 



Googl( 



lOO HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

achou em Fremona, e com elles passou ali o verao, em quanto em 
Dambea e no mais sertao de Ethiopia passavao as revoltas sobre 
o imperio que logo contaremos, no capitulo siguinte. 

5. PP. de Aseve> No principio do invemo chegarao mais da India outros dous 
manus ad misaionem P^dres, pelo modo que agora contarej. O Baxa de Suaqhem satis- 

Aethiopicam desti- fgito dos favores, que em Dio se faziao a seus criados, e contente 

nantur, et opportu- 

nitatem tranamitten- com o proveito que disso Ihe vinha, mandou mais outro criado seu 

1 nac , uso vunt. ^.j^^mado Chileby. Foi este la recibido e favorecido como os primeiros, 

procurandoo os padres, que determinavao mandar a Ethiopia mais 

padres aproveitandose da boa occaziao que Deus pera isso Ihes dera 

na facilidade com que aquelle Baxa os deixava passar; e estavao 

ja em Dio nomeados pera esta missao os padres Luis d' Azavedo, 

portugues, natural da villa de Chaves, sojeito de grandes partes, que 

na India tinha sido reitor do noviciado de Goa e do collegio de 

Tana, e sempre pidira a Deus e aos superiores esta missao, ate que a 

alcan^ou; e o padre Louren<;o Mangonio, o qual, por ser natural 

de Roma e este nome entre nos mais corrente, se chamou ca Lou- 

rengo Romano, homem em tudo eminente em virtude, prudencia 

e letras. 

6. Perincommoda Offereceose Chileby a os trazer com toda a seguran^a : embar- 
qutoappeU^t; co^ caraose na nao de Mahamed Gy aos 27 de mar^o de 1605. Avia- 

miter excipiuntur, gem foi cumprida e trabalhoza: gastarao nella dous mezes inteiros, 

praeter omnium ex- 

spectationemaBassA e ao entrar de Suaqhem estiverao quasi perdidos, por errarem o 

tar°et"m^i1s^d^i^r ^^^^^' ^^^ morto neste tempo o Baxa, dizem que de pe^onha, a qual 

usque in Aethiopiam Ihc mandou dentro no cabegao de huma rica cabaya o Baxa de 

struuntur. Masuae outra costa de Arabia do reino Yamen, por saber que elle pretendia 

omnem diligentiam ^ntrar em o seu carco. Conheceose despois a peconha, porque vi- 
adhibent ad ezuvias ^ ^ f v » i- ^ 

patris de Qeorgis re- stindo a mesma cabaya o seu threzoureiro, em poucos dias morreo 
cuperan 8, se ni- ^^^^ ^^^ amo. Nao foi este pera os padres pequeno sobresalto : 
acharem novo Baxa e mais homem tido de todos por falso e cruel, 
o que tudo mostrou em suas obras. Porem aos padres quiz Deus 
livrar de suas maos. Ouvindo os favores que em Dio se fizerao sempre 
aos criados de seu antecessor, esperando outros semelhantes pera os 
seus, quando os la mandasse, e satisfeito de hum bom prezente que 
os padres Ihe offerecerao de brincos da India, e muito mais de outro 
de maior porte que Ihe deu Mahamed Gy, de muitas corjas de roupas 
finissimcis e de grande pre^o, o que o Mouro deu com especial re- 
speito aos padres, assi porque o Baxa Ihes nao fizesse mal a elles, 
como porque a elle nao desse em culpa telos ali trazidos em sua 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XVIIL lOl 

nao ; valeo isto aos padres, recebeos com honra , dandolhes cabayas ; 

despachouos de pressa pera Magua. Chegarao la em outo dias ; de- 

tiveraose ali sinco, nos quaes procurarao aver e levar comsigo os 

ossos do santo martir Abraham de Georguis ; mas nao nos puderSo 

f.2io,T. diferencear *entre os muitos que estavao naquella ilheta deserta, 

aonde foi lan^ado seu sancto corpo. 

Partiraose em companhia de huns homens pelos quaes o Que- 7. itineri se com- 

quea mandava hum prezente ao Vizo Rey de Tigre com boa guarda versus ford Turca- 

de 40 espingardeiros. Emprestoulhes o Quequea huma mula pera ^^ man}i eos comi- 

tante. Honorince a 
caminho, e o Xabandar, capitao dos Baneanes, outra. Em Debaroa prorege tigrensi cx- 

forao muito bem recebidos e agazalhados pelo vizo Rey Cafluade pnl^nam ^to *<te!^ 

e pelo Bamagaes Delba Jesus seu genro. Descansarao ali sinco dias, dud curat. 

e despois em companhia de alguns Portugueses e outra gente, que 

pera isso tinham vindo de Fremona, fizerao seu caminho e chegarao la 

a salvamento aos seis de julho do dito anno de 1605. Tinhao saido 

os padres, que ali estavao huma jornada aos receber ao caminho 

e nelle e na pobre cazinha os agazalharao e festejarao com os mi- 

mos que a caridade e amor fratemal sabe inventar ainda no meo 

de toda a falta do necessario. 

O Baxa de Suaqhem s6 por em quanto teve na boca o bocado 

de tam bons prezentes teve a^amados os dentes de sua cubi^a e 

fereza leonina; tanto que o engulio, dizem que mandou muito a 

pressa recado a Ma^ua pera que prendessem os padres e Ihes to- 

massem todo o fato que traziao seu e dos christaos. Mas chegou 

tarde: ja erao partidos. Ao capitao da nao Mahamed Gy la ihe 

armou hum caramilho com que Ihe mandou cortar a cabf^^a, e con- 

fiscou a nao e quanto nella trazia; e ainda a dous Venezeanos mer- 

cadores ricos e honrados, os quaes por custumarem a andar franca- 

mente com suas mercadorias por terras de Turcos, vierao de Dio 

na mesma nao a Suaqhem, despois de Ihe terem dado prezentes de 

muito valor e o terem curado em huma doenga grave que tfive, 

porque entendiao bem de medecina, por Ihes apanhar a fazenda que 

levavao, os mandou matar a trei^ao. Tanto f)ode a cubi^a e fome 

de ouro em hum animo barbaro e homem sem ley. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XIX. 

Alevantao os Abexins a Suznios por Emperador : chega 
Jacobo de Nare^; deix^o a Suznios; dao o imperio 
d Jacobo. 



O emperador Onag Sagued, a quem ordinariamente chamamos x. Susneosex im- 
David, teve tres filhos : o primero foi Gladios ou Claudio, que Ihe ^'^gcn^tus, ob denc- 

soccedeo no imperio e chamouse Atanaf Sagued ; o sejnindo Tacobo : gatamsibipatrishac- 

^ , & » o J reditatem,contra la- 

este morreo primeiro que seu irmao e deixou dous filhos; hum sg cob et Za Denghcl 

chamou Tascaro, outro Faciladas ; o terceiro filho de David foi Minas. *P*^® " * **' 

Este soccedeo no imperio por morte de seu irmao Gladios, e cha- 

mouse Adamas Sagued. Teve quatro filhos : Serga Danguil, que Ihe 

soccedeo no imperio e chamouse Malac Sag^ed, Fiquitor, Abale, 

Lessana Christos. E deste ultimo foi filho o emperador Za Danguil, 

de que assima fallamos. Tascar6 filho de Jacobo se alevantou contra 

seu tio Minas ou Adamas Sagued, e sendo vencido em batalha e 

prezo o mandou pera huma serra e dali a pouco o fez lan^ar de 

huma rocha abaixo onde se fez em pedagos. Faciladas viveo muitos 

^•2n. annos e possuio no reino *de Gojam muitas e boas terras; morreo 

despois a mao dos Gallas. Deste Faciladas foi filho Suznios, de que 

agora fallamos, e porque delle hemos de tratar da qui por diante 

em o mais desta historia, baste agora dizer brevemente, que avia 

alguns annos andava como alevantado, nao que pretendesse o reino 

nos primeiros annos de Jacobo, antes que o desterrassem pera Narea ; 



Digitized by 



Googl( 



I04 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

nem no tempo de Za Danguil ; que so pretendia as terras que forao 

de seu pay, as quaes comiao os que govemavao o reino e nao Ihe 

queriao dar a possee dellas. 

a. Mortuo Za Den- Porem despois que Suscinos vio o imperio vago por morte de 

moribua^t exercitu ^^ primo Za Danguil, e que Jacobo estava longe desterrado em 

inGogKiAmadimpe- Narea, alevantando seus pensamentos ao imperio e coroa, com que 

num evehituretnun- 

cios de hoc eventu os successos das cousas e sua boa fortuna o estavao convidando, 

Mii partesT^'*' '^ Vendosse accompanhado de valentes soldados, que todos o incitavao 
e prometiao ajudar na empreza ate o meter de posse do imperio; 
mandou do Amara, aonde entao se achava, hum fidalgo grande seu 
confidente chamado Bella Christds a tratar com Ras Athanateus 
vizo Rey de Gojam que o quizesse siguir e darlhe o imperio de 
seus avoos, prometendolhe largas merces se o fizese ; e dahi a poucos 
dias passou o Nilo com seu exercito, entrou por Gojam e mandou 
recado a Ras Athanateus que o viesse receber: o que elle logo fez, 
ou porque estava concertado com elle, ou por temer o poder de muita 
e boa gente, que ia o siguia, como elle despois deu por escuza. 

Ajuntandose pois Rsis Athanateus, com o qual vina a soldadesca 
toda de Gojam e os mais capitaes e soldados que com Sucinos an- 
davao, o alevantarao logo por Emperador com muita festa e intitu- 
louse Malac Sagued. Isto feito, escreveo o novo Emperador a Za 
Sellasse e aos mais grandes do imperio, que estavao em Dambea, 
fazendolhes asaber como Deus o metera de possee do imperio, que 
fora de seus avoos, e que logo determinava passar a Dambea, e 
ordenandolhes que se aparehassem pera o receberem com paz e amor, 
pera que Ihes pudesse fazer as merces que desejava. Vista esta carta 
e sabido o que passava, ficarao Za Selasse e os de sua parcialidade 
com assaz de medo e perturba^ao. Responderao que tinhao man- 
dado recado a Jacobo, a quem o imperio pertencia ; mas que se elle 
nao viesse ate o junho siguinte, que a nenhum outro o dariao se- 
nao a elle. Tornou Sucinios a responder que se desenganassem, que 
despois que Deus Ihe puzera a coraa na cabega nao a Jacobo so- 
mente, mas ao mesmo Malac Sagued pay de Jacobo, ainda que entao 
resuscitara, a nao avia de largar sem perder primeiro a vida. 
3. Hi tamen male Com esta carta mandou dous embaixadores, hum frade grave 

6«, bcUum vitare cu- ® ^^"^ fidalgo honrado, aos quaes Za Sellasse e os mais prenderao, 

piens, in munitissi- ^ ajuntando sua gente determinarao averigoar o ponto a forca de 

mum locum se re- 

cipit. armas. Sucinos os quizera ir buscar logo, mas estorvoulho huma 

doenga que neste tempo Ihe sobreveo. Vieraose elles chegando : man- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XIX. 105 

dou Sucinos alguma gente que Ihes defendesse os passos, princi- 

palmente ao passar do Nilo ; porem elles vadeandoo por outros lu- 

gares, porque em muitos se passa facilmente, entrarao em Gojam. 

Pareceolhe melhor a Sucinos retirarse por entao pera o reino do 

Amara, esperando que pondo tempo em meo muitos o seguiriao e 

f.2n,v. acabaria sem sangue sua preten^ao. Felo aissi: Za *Sellasse com os 

de seu bando quizeraono aver com Ras Athanateus: foraono buscai»; 

porem elle se desviou pera lugares tam fortes que Ihes foi neces- 

sario recolheremse a Dambea sem no obrigarem a jornada. 

Nisto se foi passando o verao, e entrava ja o inverno de 1605, 4. Adventante iam 

e Jacobo nao chegava de Narea nem avia novas delle. Comec^ao os cul^^imperiuin detu- 

grandes a vacillar em seu primeiro conselho; rezolvemse em obe- ^^^^^* longe abes- 

set, gubematores et 
decer ao novo Emperador: mandaolhe huma carta, que venha, que primorcstotiusregni 

sao seus, e o querem reconhecer por senhor. Alegrous3 Susnios, o unan^T^voto Sus- 

qual naquelle tempo se intitulava(i) Malac Sagued, como era rezao: ^eAs imperium de- 

respondelhes com louvores, agardecimentos e promessas de grandes 

merces; manda hum dos seus grandes de que muito se fiava, com 

hum frade honrado que os escommungxie pera Ihe obedecerem e o 

terem por senhor. (Este he o seu mais firme juramento e homena- 

jem ; firme digo, quanto sofiFre a pouca firmeza de Ethiopia). Acei- 

tao a excommunhao ; mandao a Bella Christos hum dos maiores do 

imperio, que em nome de todos Ihe va dar a vassallajem, e Ihe diga 

que se venha chegando pera Dambea pela via de Begameder. Elles 

passaose k Ud6 terra moneada iunto ao Nilo, no principio de Be- 

gameder. Ali diante da emperatriz Mariam Sina juntos os grandes, 

fazem com toda a gente de guerra novo conselho; e a votos de 

todos alevantao e apregoao ao mesmo Sucinos por seu senhor e Em- 

perador de Ethiopia. Isto feito, partemse oito ou dez dos maiores 

senhores ; vaOno buscar e reconhecer em Begameder, aonde ja tinha 

chegado; o ali diante delle o jurao de novo por seu Rey, prome- 

tendo de a nenhum outro sirvir nem obede^er, e especificando que 

nem a Jacobo reconheceriao por tal, posto que entao chegasse de 

Narea. O que tudo se festejou conforme ao custume da terra com 

varios banquetes e largos beberetes. 

No mesmo tempo que estes senhores faziao em Begameder estes 5. Interea, cum U- 

juramentos de vassallajem, chegou Jacobo perto de Dambea e man- ^ni^^et, *a"primori" 

dou novas de sua chegada a Za Sellasse, que era a Q.aheqa, dos ^^ ^^^ gaudio ex- 

^ cipitur et Imperator 

govemadores. Nao tardou Za Sellasse hum ponto : tanto que ouvio promulgatur. 

(i) Verba « Susnios.... intitulava », adiccta ab A. in marg. 
C. Beccari /ier. Ae/A, Script. occ. tned, — VI. 14 



Digitized by 



Googl( 



Io6 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

esta nova, se poz a caminho pera o ir receber, como se nenhuma 
outra cousa tivera naquelles dias tratado, assentado, nem jurado ; e 
levou comsigo toda a soldadesca que o seguia. Aos que tinhao ido 
receber a Sucinios escreveo tambem, que Jacobo era chegado, nao 
jurassem a Sucinos (como se ja o nao tiverao elles e elle iurado 
muitas vezes), nem o sigxiissem. Chegoulhes a carta em muito se- 
gredo e favoreceoos o tempo pera se acolherem ; porque foi aquelle 
hum dia de muita chuva e sarayva. Sos dous ficarao nas maos de 
Sucinos, por nao terem aparelho pera fugir aquelle dia; aos quaes 
elle o dia siguinte prendeo e alevantando seu campo os levou comsigo 
pera o Amara, por entender que, se os largasse, o aviao tambem 
de deixar, e acolherse, como fizerao seus companheiros. Vejao agora 
os que isto lerem se ha mayor facilidade em p6r e tirar a hum Rey 
de entrudo ou a hum Emperador de eyras. 

Entrou Jacobo mui bem acompanhado de Zassellasse e do povo 
todo; foise direito a Coga, que era primeiro o lugar de sua corte 
sito em huma terra que chamao Anfras entre Dambea *e Begame- f. 21: 
der, nao muito longe da alagoa a que elles chamao mar de Dambea; 
aonde por muitos dias se festejou sua vinda e restituic^ao ao imperio, 
de que fora deposto. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XX. 

Chama o emperador Jacobo ao padre Pero Paez; vay 
A corte com mais dous padres ; trata de dar a obe- 
diencia ao Papa; alevantase em Tigr6 huma persi- 
gui^SLo contra os padres e catholicos; acabase com 
bem. 

A emperatriz Mariam Cina, a qual por ter sido molher de seu x. A lacob invita- 
pay Malac Sagxied, tinha o emperador Jacobo respeito e amor de ex i^tribiw'in Tigrt 

filho, Ras Athanateus e alguns dos irrandes ficarao, como assima rdictis, ipse cum 

. duobus aliia et plu- 

dissemos, muito aflFei^oados ao padre Pero Paez e a doutrina e ver- nbas mercatoribus, 

dadeira fee, que insinava ; e assi, tanto que chegou Jacobo, o infor- s^^I^^^JI^ in DambM 

marao de quem era o padre, e qual sua doutrina; dos intentos do ad imperatorem se 

emperador Za Danguil. e de como tinha escrito ao Papa e a el Rey 

de Portugal ; pelo que o Emperador desejou muito ver logo ao padre, 

e escreveolhe que o viesse ver ; mas por o portador da carta adoecer 

no caminho e o inverno ser ja muito entrado, nao pode o padre vir 

ate elle nao acabar e passar o tempo das doen^as, que nos desertos 

e terras quentes, que ha naquelle caminho, sao mui ordinarias, em 

quanto se nao seccao os paues e durao os vapores grossos que delles 

saem. Os primeiros dous mezes despois do inverno porem chegada 

a mon^ao, se poz logo ao caminho, trazendo consigo aos padres 

Antonio Fernandez e Louren^o Romano, ficando em Tigre com o 



Digitized by 



Googl( 



Io8 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

cuidado daquella igreja os padres Francisco Antonio de Angeles e 

Luis d*Azavedo. 

Livrouos nosso Senhor nesta jornada, afora outros, de hum 

perigo evidente; porque ordenou que em Syre os avizassem de como 

no deserto do Tacaze os estavao esperando muitos salteadores, pelo 

que, deixando aquelle caminho, tomarSo outro, posto que mais tra- 

balhozo, e chegando a Lamalmon souberam que os salteadores erao 

trezentos, todos bem armados, que com bandeiras estendidas estavSo 

esperando pera dar batalha campal a toda a gente da cafila, e os 

esbulhar das vidas e de todas as fazendas que levavao; tendo o 

olho principalmente nas dos padres e Portugueses, de cuja riqueza 

tinhao cheas as orelhas, por trazerem roupas da India, que em Ethio- 

pia valem muito; e de feito matarao, firirao e roubarao a alguns mer- 

cadores, que por aquelle caminho vierao, ficando com grande raiva 

de Ihes escapar o principal da preza que esperavao. 

a. In itinere im- Livres deste pirigo e passados muitos trabalhos, que nunca faltao 

peratricem Mariam ,, ., , . - r^^A ^ j.-j 

CinA invisit indeque naquelle caminho, chegarao os padres a Coga assento ordmano do 

ad Imperatorem se arraval do Emperador Jacobo ; ao qual nao acharao por ter partido 

confert qui eum ho- 

norifice excipit, de dous ou tres dias antes pera certa empreza; acharao porem *e vi- f.2i2,v 

tenTubente^r^audit ^^^^^^^ ^ emperatriz Mariam Qina e forao della recebidos e agaza- 

seque litteras ad Ro- Ihados com singulares mostras de amor e cortezia. Ao dia siguinte 
maoum Pontificem , , , _ , ,, ^. . « 

daturum promiitit. chegarao ao arrayal do Emperador, por elle ordmariamente marchar 

com seu campo muito devagar. Recebeoos com muita honra, orde- 

nando que pera aquellas primeiras vistas se puzesse a corte de gala. 

OfFereceraolhe os padres hum leito de China dourado, pe^a que 

muito estimou, porque como o throno dos Emperadores abbexins 

nao he outro mais que o seu leito, no qual ornado com ricos cu- 

bertores e colchas passao o dia recostados em coxins de veludo ou 

brocado; ficou elle no throno dourado levando ventajem a muitos 

dos seus antepassados que o nao tinhao se nao lacreado. 

Ao outro dia quiz que os padres o accompanhassem em huma 

pequena jornada que fez ; no cabo da qual chamandoos a sua tenda, 

Ihes declarou como estava inteirado da boa e sa doutrina que pre- 

gavao, e como determinava de a receber e dar ao Papa obediencia. 

Disselhes que em quanto tornava daquella empreza, que esperava 

seria muito cedo, se nao afastassem muito, que em voltando Ihes 

daria assento pera igreja e terras pera os Portugueses, os quaes 

sabia estarem desagazalhados. Deraolhe os padres por tudo as de- 

vidas gra^as, e repartindose por alguns lugares em que moravao 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPrrULO XX. 109 

Portugxieses, tratarao de os confessar e sacramentar a elles e a gente 

de suas casas. 

Neste tempo soccedeo em Tigre huma persigui^ao contra os 3« interca catholi- 

catholicos, a qual, posto que nao chegou a Ihes tirar o sangxie, senao siiwuitur^ a Prorege 

somente a perda e confiscacao dos bens e fazenda, como esta em Pf^ summam iniu- 

nam boms omnibus 
Ethiopia he tam pouca, muitos a estimao tanto como a mesma vida. exspoliantur et viu 

A forja desta tormenta foi a muita cubicja do viso Rey Cafluade ^^ ^*" itantur. 

e de Asguedon seu Affamqhon, ou lugar tenente, que isso vem a 

ser no reino de Tigre AflFamqhon. Via Cafluade entrar cada anno 

por Tigre boa copia de roupas, que de Dio se mandavao compradas 

com a esmola de 1000 pardaos, que Sua Majestade assinou nos 

rendimentos daquella alfandega pera os filhos dos Portugiieses que 

neste imperio entrarao com dom Christovao da Gama, e a custa 

de seu sangue o livrarao do poder dos mouros de Adel, que o ti- 

nhao senhoreado. Vira naquelles tres annos proximos entrar sinco 

padres e com algumas canestras cheas pela maior parte de orna- 

mentos pera as igrejas, e de livros e cartapacios, como aquelles que 

vinhao pera terra aonde Ihes nao haviao de faltar disputas com he- 

rejes; a cUe porem e a seus criados sempre Ihes parecia ser tudo 

veludos e damascos, ou pelo menos bofetas de muito prego. E posto 

que sempre se Ihe offerecia algum prezentinho dessa pouquidade 

que vinha, nao se fartando com isso a sede de sua cubi^a, desejava 

Cafluade, havia dias, achar alguma occaziao pera avexar aos padres 

e Portugueses de tal sorte, que forc^ados da necessidade procurassem 

remir sua vexac^ao com alguma peita de importancia. 

Trouxelha o tempo qual elle a desejava ; e foi que hum man- 4. Occasio insecta- 

, j ^ . j j ^' j tionis fuit cuiusdam 

cebo da terra ouvmdo por vezes aos padres praticar as cousas de nobilis adolescentis 

nossa sancta fee, e satisfeito da doutrina que insinavao, publica- *^ ^dem catholicam 

conversio. 
mente reprovando os erros de Dioscoro e aceitando a fee da sancta 

madre igreja de Roma se confessou o commungou com os padres, 

professandose por catholico. Era filho de hum homem rico e tinha 

hum av6 finissimo hereje. Este trabalhou muito polo perverter ; mas 

f 213. *vendo que nao acabava nada com o mancebo, foyse ter com o 

Affamqhon levandolhe este alvitre, pera que por for^a fizcsse tomar 

atraz a seu neto e com os catholicos e padres apertasse por tirarem 

aos naturaes de Ethiopia de sua antiga cren^a e com enganos e 

forga os meterem na fee dos Portugueses, que assi chamao elles a ver- 

dadeira fee que cremos e professa a sancta madre Igreja de Roma. 

Deu conta o Affiamqhon a Cafluade deste negocio, o qual contente 



Digitized by 



Googl( 



IIO HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

com ter achado o que desejava Ihe mandou que apertasse muito bem 
com os padres e catholicos, tendo por certo que logo acudiri^o com 
a peita, por que tanto suspirava; mas porque estava de caminho 
psra a corte e porque Ihe vinha melhor fazerse esta execu^ao em 
sua ausencia, mandou sobre estar com ella ate se partir. 
5. Distinctius nar- Nao ardia em todo este negocio huma pequena faisca de zelo 

tholicorum ope pro^ ^^ sua fee, mas puro fogo de cubiga e interesse, nem o Vizo Rey 

regls Cafluade eiua- q geu ministro Affamqhon desejavao checfar a arcar com os padres 
que administn As- ~i j o r 

guedon qui eorUm e catholicos porque arreceavSo Ihes fosse isso mal tomado; sua 

8 m nt. preten^ao era ver primeiro se com roncas e amea^as os podiao obrigar 

a sair com algum bom partido, offerecendo tanto ouro ou fazenda 

que Ihes fartasse a sede que della tinhao ; e assi antes que o Vizo 

Rey se partisse ja o Affamqhon por vezes langava varias amea^as 

contra os Portugxieses e catholicos; e hum dia diante do mesmo 

Vizo Rey e de alguns Portugxieses as langou muito grandes, dizendo 

que antes de muitos dias avia de prender a muitos e confiscarles 

seus bens, pois faziao de sua fee aos que o erao da Alexandrina. 

Estava ali entre outros Mauricio Soares portugues honrado e que 

ja tinha sirvido o cargo de capitao mor dos mais. Este virandose 

pera o Vizo Rey Ihe disse : Senhor, considere V. Senhoria bem o 

negocio em que se mete, e lembrese que o emperador Malac Sa- 

gued, sogro de V. Senhoria, ao vizo Rey fulano por cousa seme- 

Ihante reprehedeo asperamente dizendo : Quem vos mete a v6s que 

sois hum idiota e nada sabeis de Hvro entender com os que tomao 

a fee dos Portugueses. Quizera eu que tivereis vos esse zelo de fa- 

zerdes christaos aos mouros de Tigre que sao sem conto, e nao ti- 

rardes aos christaos de receber a fee dos Portugueses. Nao sabeis 

que ella he a pura e verdadeira fee? Ora tudo o que Ihes tendes 

confiscado Ihes pagai e tornai em dobro. A esta pratica nao respondeo 

o Vizo Rey palavra; mas, como o lan^o era todo de chatim, fez 

orelhas de mercador. 

Partiose pois o Vizo Rey pera a corte e Asguedon vendo que 

com amea^as e roncas nao Ihe soccedia, quiz chegar a obras : cha- 

mou a conselho, prepoz o cazo aos Umbares, que sao como ouvi- 

dores e justicas mores do Vizo Rey. Assentouse aos mais votos que 

a causa se levasse por todo o rigor de justi^a ; posto que nao faltou 

hum que disse livremente que nao era de tal parecer; porque os 

Portugueses nao mereciao ser persiguidos, antes favorecidos en tudo 

dos Abbexins, pois era certo que a seu sangue se devia nao serem 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XX. 111 

os Abbexins todos monros ou cativos de mouros. Ao qual respondeo 

Asguedon: Vos que assi fallais deveis de ser Portugues: e Mauricio 

Soares, que ali se achou, tomando a mao Ihe disse : Ja que, Senhor, 

sois tam zeloso de vossa fee, averigoay a cousa por letras e nao por 

:3.v. forgas. Chamai dous ou tres dos vossos frades os que tendes *por 

maiores letrados. Eu trarei hum padre: disputem entre sy, e vejase 

quem tem mais rezao. Nao me vou por disputas, disse o Affamqhon, 

que nisso sei que ainda os que sois soldados nos ganhaes a todos. 

Vizo Rey assi o quer : Hei de por em execu^ao a ordem que 

me deixou. 

Ao dia siguinte mandou hum homem seu bem acompanhado, 

que notificasse aos padres e os citasse pera em certo dia aparecerem 

em juizo e darem rezao porque faziao aos Abexins da fee de Roma, 

e que pera isso dessem logo fianc^a, e quando nao, penhorasse a fa- 

zenda que achasse nas casas dos catholicos e Portugueses. Respon- 

derao os padres que nas materias da fee nao reconheciao superior 

que os houvesse de julgar em Ethiopia; que pregavao e insinavao a 

pura e verdadeira, e estavao prestes pera o mostrar e provar com as 

escrituras sagradas e darem por ella o sangue e as vidas ; nem tinhao 

que dar outra fiancja, pois o juiz e juizo pera que os citavao nao 

era competente. 

Ouvida esta reposta, entrarao os criados do Affamqhon pelas 6. Catholicomm et 

j^t_i- T-k^ r ^ j vj praesertim mulierum 

cazas dos cathohcos e Portugueses e forao saqueando e roubando fnvicta in fide con- 

esse pouco movel que nellas avia. Aqui se mostrarao muitos dos stantia. 

catholicos nao s6 firmes e pacientes, mas alegres, como aquelles de 

quo o Apostolo dizia : Rapinam bonorum vcstrorum cnm gaudio m- 

scepistis. Houve huma Portuguesa nascida nesta terra (que a Ethiopia 

nenhuma veo de Portugal nem da India) a qual diante de muita 

gente disse : Facja o Affamqhon o que quizer : ahi estao meus escra- 

vos. a casa e fazenda, e aqui a cabec^a. I-eve aquella, corte esta. 

Ate ahi podera chegar, mas nao a me tirar do coraQao a sancta fee 

de Roma, em que me criei. A huma freira Abbexim disserao os 

criados do Affamqhon : Ah ma freira, que por comer came de lebre 

vos fizestes da fee dos Portugueses. Nao he assi, disse ella; que 

nunca provey tal came. A fee dos Portugueses tomey, porque Deus 

me fez merce de me allumiar pera conhecer que ella s6 era a ver- 

dadeira, e s6 nella me podia salvar. E por ella estou prestes pera 

dar a vida. Isto dizendo se poz de giolhos e incHnou a cabe^a apa- 

relhando o pescoQo ao talho. Pasmarao os inimigos de tanta con- 



Digitized by 



Googl( 



112 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

stancia e com o esbulho que fizerao se tornarSo pera casa de seu 

amo Asguedon. Nao ficou o Affamqhon contente do successo, porque 

tudo o que Ihe veo a mao foi muito menos do que esperava ; c 

ainda esse pouco arreceava Ihe custasse ao diante mais do que 

valia. Pretendeo por terceiras pessoas que os padres viessem em 

Ihe offerecer quanto quer psita por pequena que fosse, ou pelo menos 

Ihe fossem pidir mizericordia, porque com isto prometia largar o 

que tomara. Nao vierao os padres nisto por a materia ser de fee, 

na qual quizerao mostrar a libertade e izencao que tinhao pera 

apregar, e quam prestes estavao pera por ella perder nao s6 os bens 

da terra mas as mesmas vidas; o que a todos foi de grande edifi- 

ca^ao e espanto. 

7. Imperator a pa- Entre tanto chegou a nova a corte : fallarao os padres que la 

fliLde*contra*catho^ estavao a emperatriz Mariam Cina, a Ras Athanateus seu genro e ao 

licosedoctus, gravi- mesmo emperador Jacobo queixandose das semrez5es *do vizo Rev f. 214. 
ter hunc reprehendit "^ 

et catholicis bona Cafluade e de seu Affamqhon. Todos mostrarao sintirem o trabalho 

tores brevidivinhus ^^^ padres e catholicos, e reprehenderao asperamente a Cafluade, 

poenas luunt. mandandolhe o Emperador, que fizesse logo restituir tudo o que aos 

catholicos se tomara, e dali por diante a ninguem avexasse por 

receber a fee de Roma, porque quero, disse, que assi como no tempo 

de meu pay Malac Sagued assi no meu possa recebela todo aquelle 

a quem ella contentar. Nem tardou muito o emperador Jacobo em 

trabalhar por levar ao fim desejado os intentos com que morreo seu 

primo Za Danguil. Chamou aos padres, tratou o ponto e dizendolhi 

elles que era necessario escrever a Sua Sanctidade e Majestade, fez 

logo cts cartas assinadas aos 10 de margo de 1606. Estas cartas porem 

S3 perderao no caminho ; por isso as nao pomos aqui e tambem porque 

a substancia dellas he a mesma que a das que assin.a puzemos do 

emperador Za Danguil. Mas nao he rezao que passemos pelos castigos 

que Deus deo aos dous principaes authores da persigui<;ao dos catho- 

licos de Tigre que forao o vizo Rey Cafluade e o Asguedon ssu 

Affamqhon. E o verdugo deste foi o mesmo Cafluade seu senhor. 

Achouo, quando tornou da corte, comprehendido em muitos roubos 

e injusticas, que tinha feito : tiroulhe o officio, confiscoulhe grande 

parte da feizenda e desterrou. Nem teve o pobre Asguedon de quem 

se pudesse valer neste trabalho senSo dos padres a que tanto persi- 

guira. Pediolhes que fallassem por elle ao Vizorey ; fizeraono de boa 

vontade, como discipulos daquelle Senhor que nos manda amar aos 

inimigos e fazer bem aos que nos tem odio. Forao por vezes hum e 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO V, CAPITULO XX. II3 

dous dias de caminho ao arrayal de Cafluad, e tanto apertarao com 
elle, ate que Ihe perdoou o desterro, mandandoo vir delle pouco 
tempo despois de o ter desterrado. E foi esta caridade dos padres 
huma pregagao nova e muito efficaz pera os herejes de Tigre, os 
quaes todos pasmavao de ver o muito que os padres fazido por acudir 
a homem que tantos males Ihe fizera. A Cafluade castigou Deus 
por muitas vias : primeiro em hum encontro que teve com a gente 
de Sucinos; porque estando perto os dous campos do emperador 
Jacobo e Sucinos, que ja tambem se tratava como Emperador, e 
nomeavase Malac Sagued, querendo Cafluade dar mostra de seu 
esfor^o e do de sua gente, sayo com ella em huma escaramu^a 
contra humas bandeiras de Sucinos; e soccedeolhe tam mal que 
perdeo nella dez pares de ataballes e os mais e melhores dos seus. 
Elle a pee por entre huns matos esca^amente escapou com vida. 
Dahi a pouco perdeo ao emperador Jacobo seu cunhado, e Sucinos 
que o venceo e matou em batalha, Ihe tirou a elle despois o mando 
de Tigre e fez que vivesse nSo so como particular mais com assaz 
de mizeria e necessidades. 



C. Brccari. /f#r. Aeih. Scripi occ. ined^ — VI. 15 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI 

DA HISTORIA DE ETHIOPIA 



CAPITULO I. 
Declarase a materia de que neste Livro se ha de tratar. 



Este livro seisto tera duas partes: na primeira mostrarej qual x. Rationem red- 
estava Ethiopia, e qual a acharao os padres de nossa Companhia, bro, primo quidem 

pera que se veia os muitos e jrrandes espinhos de erros e heregias ^* Aethiopum erro- 
^ ^ s r 6 ribus agat ac dein de 

que tinhao que ro^ar. Na 2* porei a historia, ou cronica do empe- beUicis gestis Seitan 

rador Seltan Qagued, assi como a escreveo seu coronista, o insigne ^inJ^conscripte.*^ 

martyr Azage Tino ate os annos de 1619 (que os mais annos nao 

escreveo por occasiOes que pera isso teve de desgostos com o Em- 

perador, como diremos em seu lugar). E ponho aqui esta cronica, 

porque serve de baze, e rascunhos, ao que diremos; pois seu escritor, 

como he costume de sua terra, escreveo somente as guerras e nada 

tratou das contendas que houve sobre as materias da fee, nem de 

como ella de huns foi encontrada, de outros aprovada e recebida; 

que he o principal intento de nossa historia, a qual mais he eccle- 

siastica que politica, conforme a nossa profissao. 

Vindo pois ao que na primeira parte deste livro determinamos 

tratar, bem vejo que havera quem diga que isto se devera fazer 

antes do 4® livro, no qual comecej a tratar da entrada que nella 



Digitized by 



Googl( 



Il6 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

fizerao os primeiros da Companhia, pelos annos de 1555 e 1557; 
mas a quem tal disser, respondo, que sua duvida nao esta mal fun- 
dada, nem vay fora de rezSo. Porem a mym me pareceo que este era 
o lugar de tratar esta materia, porque, posto que ia entao era Ethio- 
pia a mesma que neste tempo de que agora fallo, e logo se deixa- 
rao bem ver muitos dos padres que nella havia; comtudo nestes 
tempos em que himos se penetrarao totalmente e conhecerao seus 
crros, heregias, maos custumes e a pertinacia em tudo e dureza de 
cora^ao em muitos dos Abexins, tal que s6 a poderosa mao de Deus, 
fazendo for^a em seu divino brago, os pode abrandar, trocar, e render 
psra que se alevantassem do abismo de miserias em que estavao 
attolados; se alevantassem digo, aquelles com que Deus quis uzar 
de sua mizericordia, escolhendoos pera tanto bem ; que muitos forao 
os que morrerao em sua pertinacia, e ainda hoje sao sem conto os 
obstinados em seus antigos erros, como se vera claramente no di- 
scurso desta historia. Mas porque no tempo deste emperador Seltan 
<^"agued, elle, a flor da nobreza e isso que havia de letrados na terra 
se derao por convencidos e reduzirao a verdadeira e sancta fee a 
igreja de Roma, pidindo a Sua Sanctidade patriarcha, e recebendoo 
*co:i: grande gosto e fazendo em suas maos publica abjura^ao de seus f- 215. 
primeiros erros e protesta^ao da sancta fee catholica, e dando obe- 
diencia ao summo Pontifice Romano, era bem que aqui ao perto 
puzessemos o estado em que estavao os erros, herejias e reprova- 
dos custumes em que viviao ; pera que a vista destas, nao sombras, 
mas trevas mortiferas de erros, realgasse mais a claridade e resplan- 
dor da sancta fee que receberao, e o melhoramento de vida que a 
sancta fee accompanhou (i). 

(i) Quae in hoc capite leguntur, in ms. deleta apparent, sed alia ac A. manu. 
Cfr. quae in Introductione adnotavi. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO II. 

Como e quanto tempo forSlo schismaticos os Abexins. 

Terem sido os Abexins schismaticos e desobedientes a santa i. Historice con- 

. .. tti*<i 'i^ 8tat Aethiopes usque 

see Apostolica, e terem muitos seculos obedecido ao patnarcha de ad annum christia- 

Alexandria, despois que elle desobedeceo a cadeira de sam Pedro, ^^ ^3° Pontifici 

^ ^ Romano paruisse. 

he cousa em Ethiopia tam notoria como o he nascer no meo della 

rio Nilo e rodear quasi todo o seu reino de Gojam. E por nisto 

duvida, he fallar contra o sol; o que la reprehendia Diogenes, e 

quererlo encubrir com huma jueira, como diz o proverbio portugues. 

Perguntados os que em Ethiopia se prezSlo de saber suas antigui- 

dades, quando come^ou esta separagao, respondem que des do tempo 

de Dioscoro. Porem assima no primeiro livro provei que nSlo co- 

ine<;:ou se nao muito despois; porque no tempo do emperador Ju- 

stino pelos annos de 523 achamos que reinou em Ethiopia el rey 

Caleb, ou Elesbaan, o qual obedecia ao patriarcha catholico, que 

entao Justino pos em Alexandria, e nSo a Thimoteos que no mesmo 

terapo era patriarcha dos hcrejes, que na mesma Alexandria e Egypto 

siguiao as partes e erros de Eutyches e Dioscoro. E no mesmo lu- 

gar me pareceo que em quanto em Alexandria teve forga a parte 

dos catholicos, como achamos que a teve ate os annos de 610 e 620 

nos quaes forao patriarchas da quella cadeira os sanctissimos va- 

r6es sam Eulogio e sam Joao Esmoler, tenho pera mym que esteve 

Ethiopia limpa de heregias, e obediente a santa see Apostolica. 



Digitized by 



Googl( 



Il8 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Confirmame nesta oppiniao ser em Ethiopia muito estimado sam 

Gregorio papa, o qual viveo pelos annos de Christo senhor nosso 

de 620, pouco mais ou menos, e ser tambem muito celebre entre 

os Abexins s. IUaffonso, ao qual chamao Decios, o qual viveo no 

mesmo tempo, e foi discipulo de sancto Isidoro arcebispo de Se- 

vilha, o qual foi contemporaneo de sam Gregorio Papa, e delle tani 

estimado que o sancto Ihe dedicou o seu livro dos moraes sobre 

Job. E sam Isidoro morreo no anno de Christo senhor nosso de 630. 

E se os Abexins neste tempo ia tiverSo abra^ado o schisma e erros 

de Dioscoro, nSo haviao estimar aos Papa de Roma Gregorio nem 

a sam Illefonso catholico ; mas erao ainda catholicos e obede^iao 

*a sam Eulogio patriarcha catholico de Alexandria e a sam Joao f.2i5,v. 

Esmoler que nestes tempos viverao. 

a. Cum vero Ale- Porem, despois que em Alexandria e em todo o Egypto pre- 

Meculo sepdmo a valeceo de tal maneira a herejia e schisma que se extinguirao to- 

fldecatholicaomnino talmente os catholicos, como quer que dali Ihe vinhao os Abunas, 

defecisset, Aethio- 

pes quoque, qui ab nao podia deixar de se corromper a fee e doutrina dos Abexins. 

!!! *!!f t^**™^^^^^" pois a fonte donde ella manava estava tam inficionada, e corrupta. 
torum errores am- ^ '^ 

plexati sunt. E pois a cabe^a immediata desta igreja, que era o Abbuna, e a su- 

prema, que era o patriarcha de Alexandria, ou dos Copthos [sic] (que 
assi se chamao ha muitos annos os christaos schismaticos que ha 
no Egypto), huma e outra estavao separadas da obediencia e uniao 
da sancta see Apostolica, mal podia o corpo da tal igreja, que era 
o povo de Ethiopia, estar unido com a cadeira de sam Pedro, e 
igreja de Roma. Em livros muito antigos de Ethiopia (e conhe- 
cemse fa^ilmente, porque ca nao ha impressao, todos os livros sao 
escritos de mao em porgaminho) se achao sinaes muito evidentes de 
seu schisma e herejia, porque a Dioscoro nomeao sempre por sancto, 
e a sam Leao injurao chamandoo lobo serval, tredor, maldito, sa- 
tanas, roubador, despeda^ador das almas ; tudo isto porque ajuntou 
e aprovou o congilio Calcedonense, no qual Eutyches e Dioscoro 
forao condenados. E assi dizem vulgarmente que ate sam Leao a 
cadeira de Roma tinha preeminencia sobre todas as igrejas da chri- 
standade, mas que delle por diante, por elle errar, perdeo Roma 
a preeminencia, e ficou errando na fee, pois confessa em Christo 
senhor nosso duas naturezas, o que elles tem por herejia. 
3. Etsi tempore No tempo do papa Eugenio 4°, que p^los annos de 1440 cele- 

pum legati in^Con- ^^ou o concilio Florentino, cuidarao alguns que se acabara o schisma 
cilio Fiorentino Ro- q herejias de Ethiopia, porque como refere o cardeal Baronio, e o 



Digitized by 



Googl( 



LJVRO M, CAPITULO II. II9 

diz^m maitos autfaores gravissimos, no fim do tal coocilio chegarSo mano Pcimfici obe- 

ali com os Armeoios alguns Ethiopes ou Abexins, os quaes fazendo ^^ tamcncteMJtt 

ali profissao da sancta fee catholica aceitar^o e levarao com sigo P^* l^°* ms cfaiina» 

tc ptiBt v cmuDt IIS- 

as letras da uniSo que ent^o se fez da igreja grega com a latina. qat ad lacob et Za 

E dos breves do papa Eugenio, que naquelle tempo chegarao a Ethio- p^^^^^^^^^jdOTnt 



pia, achamos que fez men<;So o emperador David em duas cartas •« nninnrm com Ro- 
que escreveo ao summo Pontifice no anno de 1524, as quaes Fran- taros, attamen mone 



cisco Alvarez, capellao d'el rey dom Manoel, levou e aprezentou 

em Bollonha ao papa Clemente 7^, e Paulo Io\*io fez latinas. Po- 

rem he certo que nem o emperador Zara Jacob, em cujo tempo che- 

fa^o a Ethir.pia as bullas do papa Eugenio. nem seus successores 

se madar<Lo. nem melhorarao do schisma, e herejias, em que estavao, 

Nem he muito pois os mesmcis Gregos, cujo Emperador, e patriar- 

cha de Constantinopla se acharao no concilio de Florent^ra, e aii se 

unirao com a igreja latina. antes de quatro annos tomarao a seus 

primeiros erros; tam jkuco Ihes durou a uniao qu-^ ali fiz-:-rao. 

O emperador David es-Teveo. crmo j>oaco ha tocamos, e man- 

f2J^ dou *dar por Francisco Alvarez a obediencia ao summo Pontifice: 

e dali a pouco mandou a dom loao Bermudez, tscolhendoo por 

patriarcha, e pidindo ao Papa que o conSrmasse naqoelia digni- 

dade e dandolhe p^r elle obedien^^ia; mas isto fazia elle s6 sem 

consentimento dns seus e se alcruns consentiao, seriSo rcuito pouccs. 

Veo, como dissemos, dcm Jo^o Bennudez feito patriarcha: achou 

morto a Da^-id; aceitouo, pr^sto qu- de mavontdide. sea tilho Gladir-*. 

ou Athanaf Sagued, em quar.to teve nr? -^sidid-^ d-IIe. e dos por- 

tugueses pera o ajudarem contra o mcur^ Granh: mas tanto cue o 

vio morto, mandou vir d'"- Eg]k'pto o Abbuna J^.seph: de Dc-m Jr^o 

nao fez mais caso: e vindo o hispr, que entio 'rra, e d^spzls iri 

patriarcha, dom Andre de C^viedo, r.z ar.n:* de 1--7. nSo no a^ieit^u. 

nem se Ihe sojeitou. Soccedeo a Glad::^ Sru irmao if:na.s, que vr 

intituiou Adamas 5^agued- e f-i diamante na h^r^-gia e 5chisn;a, tan: 

ferrado a ella, que persigufo ar- patriarcha dcm Andre, ao-s padr^-s 

s?us companheiros e ac»s P^rrj2~u-ses e catr.I:'::^, jxlo vrr^rrr.. c^ 

maneira que ccntamos iare^anient-r n^ li.TO i'\ 

A Minas socedec» seu Elho ililit^c .Sag"--:^- r^:n' j ^: e^t-. ;x.*t' 
oue nao perseguio aos cathclic:^, c:n:o vrj p^y. n:n:a p^r^rm d^ - 
xou o schisma nem os erros de vrus ar,t^rpsi.ssad'-% : e^t^rve *rn: v - 
tempo o patriarcba dzm An^r^r em rren: na. *: T,.r.*^jh, e"e '-» rr,>.- 
mou, nem deo geito pera cur v:*-v*^ a c:rt:% E po,*'. q.'r ^:r:'.*r^v 



mteicepci cxniiu ne- 

(|lllVUltltt« 



Digitized by 



Googl( 



I20 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

a sua Sanctidade e a sua Majestade, nunca pretendeo delles mais 
que ajuda de soldados, e officiaes, que em sua terra pudessem exer- 
citar e insinar algnmas artes mechanicas, que nella nSlo havia. 

A Malac Sagued socedeo Jacobo seu filho, e reinou, ou reina- 
rao seus tutores e govemadores, sete annos, por elle ser crianga. 
e tanto que Ihe entregarSo o imperio, o depuzerao logo, desterrandoo 
pera Narea : neste tempo nao houve mudanga alguma em materia de 
religiao, nem se tratou della. Poucos mezes antes de desterrarem 
a Jacobo, entrou o p. Pero Paez em Tigre, mas, antes de o padre o 
vizitar, foi desterrado. Soccedeolhe Za Danguil com o qual o padre 
tratou das cousas de nossa sancta fee. Elle se determinou de a re- 
ceber, e escreveo dando obediencia a sua Sanctidade ; mas isto tam 
emcubertamente, que nao se atreveo ao por na carta em sua lingoa; 
so disse ao padre que o puzesse em portugnes, porque se temia que 
sabendoo os seus Ihe haviao de fazer o que fizerao, que foi alevan- 
tarse contra elle, e mataremno, como fica dito. Trouxerao outra vez 
a Jacobo do desterro, o qual ouvindo aos padres, e informado de 
alguns que estavao afeiQoados a sua doutrina, teve os mesmos pen- 
samentos que Za Danguil; mas em breve acabou sem os por em 
execu^ao. 
4, Susneos tandem Entrou emfim no imperio Sucinios ou Seltan Sagued, pera o 

universa plebe anno ^^^^ Deus nosso senhor tinha guardada esta ben^ao e grande ven- 

i6a6 pubiice Roma- tura. Este, tanto que tomou possee do imperio, que foi no principio 

no Pontifici obedien- 

tiam praestat. de mar^o de 1607, logo chamou os padres, e os agazalhou com honra 

e amor ; foi ouvindo sua doutrina, e atentando muito bem se a vida 

que faziao era conforme ao bom nome que tinhao alcan<jado e satis- 

feito de tudo, tratou dahy a alguns annos da reduc^am sua e de 

todo seu imperio. Mas porque arreceava o successo *que teve o em- f.2i6,v 

perador Za Danguil, procurou com muitas cartas, que escreveo a 

sua Sanctidade e Majestade, que Ihe viesse da India huma compa- 

nhia de 500 ou seis centos soldados portugueses, que o pudesse de- 

fender contra os muitos que previa aviao de rebellar e procurar 

sua morte a titulo de continuarem e viverem a larga em os erros 

e herejias de seus pays e avoos. Nao foi Deus sirvido que o tal 

soccorro Ihe viesse ; assi porque o estado da India nestes annos teve 

tantos e tam poderozos inimigos, que mais estava pera pidir que 

pera dar soccorro a ninguem, como porque a divina providen^ia 

tinha ordenado levar esta obra ao cabo sem ajudas e bra^o algnm 

humano, por ventura pera que ninguem tivesse parte em obra tanto 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO II. 121 

sua, e a gloria fosse em tudo e por tudo dada aquelle senhor que, 
como author de todo o bem, toda a mere<;e. E cissi se rezolveo o em- 
perador Seltan (^gued no anno de 1622 de se professar publica- 
mente por catholico e filho da igreja de Roma, tendo primeiro dado 
ordem pera que muitos dos seus fizessem o mesmo. Coiifessouse e 
commungou da mao do p. Pero Paez, ao qual entre todos os padres 
tinha especial amor, e reconhecia por mestre e pay de sua alma. 
E dali a quatro annos nas maos do Reverendissimo e Illustrissimo 
senhor dom AfFonso Mendez patriarcha de Ethiopia no prin^ipio 
de fevereiro do anno de 1626 deo publica obediencia a sancta see 
Apostolica, elle com todos os grandes senhores, govemadores, de- 
sembargadores e os priuQipaes capitaes e vizoreis de seus reinos. 

Polo que, como assima assentamos que ate os annos de sois 
Qentos e vinte, pouco mais ou menos, em que sam JoSo Esmoler foi 
patriarcha de Alexandria, esteve Ethiopia sojeita a igreja de Roma, 
e ainda despois muitos annos creo que o estaria ate o tempo de Abba 
Tecla Haymanot, de que tratamos em seu lugar, e cuido viveo pe- 
los annos de 700, pouco mais ou menos, fica daqui que o schisma 
durou em Ethiopia nove centos annos ; e quem nao tiver por certo o 
que de Tecla Haymanot se conta nos livros de Ethiopia, podera 
dizer que durou este schisma ate mil annos, come^ando des dos 620, 
pouco mais ou menos e acabando em 1620. 



C. Beccaki. Rer. Aeth. Scrtpi, occ. ined. — VI. 16 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO III. 

Do conhecimento que os Abexins tinhao de Deus e da 
sanctissima Trindade; e os erros que tinhao nesta 
materia. 

Conheciao os Abexins e adoravao a hum Deus Trino e Uno. i. Circa Trinita- 
T- t_ t- • ^ it «^ j • • • j 1 tem duplez Aethio- 

Era e he hoje entre elles cousa muito uzada, no pnncipio de qual- ^^^ error: i» Deo 

quer obra, e quando se espantao e estranhao qualquer cousa, dizerem <^otpub quoddam li- 

j . -1-1 jjg^ subtile tnbuunt. 

bdsema Ab, va Old, va Manifas Kedtis, ahadu Amalac, que he dizer: aoProcessionemSpi- 

c Em nome do Padre e do Filho e do Spirito Sancto, hum Deus » ; pJJJ' *^^ Graeci* 

mas isto diziao sem se benzer como nos fazemos, pondo a mao na denegam. 

^217. cabepa, peito e hombros; somente com o dedo indice faziao *no ar 

hum modo de cruz. E assi tem muitas igrejas dedicadas a sanctis- 

sima Trindade, outras ao Pay, outras ao Filho, outras ao Spirito 

Sancto, nem sabemos que chegassem a esta terra os erros de Arrio, 

nem os de Macedonio, que negavao a divindade hum a 2*, outro a 

3* pessoa da sanctissima Trindade. 

Os erros que nesta materia tinhao sam dous: o primeiro faze- 

rem a Deus quasi corporeo, como logo expHcarei ; o 2° o erro dos 

Gregos que com tanta pertinacia negarao proceder o Spirito Sancto 

do Filho. Digo que faziao a Deus como corporeo, porque Ihe davao 

pees e maos e rosto, e as tres pessoas chamao tres rostos; e di- 

zem que, posto que S3ia espirito, tem rosto spiritual, e explicaono 

quantitativamente ; e assi como no homem a pessoa, diziao era sua 



Digitized by 



Googl( 



124 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

estatura; assi em Deus punhao quaedam veluti vultus, oris, atque 
adeo totius corporis membrorum lineamenta, huma como proporQSo 
de membros. E ainda hoje ha muitos que dizem que sem isto nSlo 
podem conceber a Deus, e as divinas pessoas; masque nao querem 
que isto seia corpo como o nosso, senao spirito. Em fim he gros- 
seria de entendimentos, que nem sabem nem ouvirao nunca philo- 
sophia, porque nunca a Ethiopia chegou mestre, nem livro que della 
insinasse nem os primeiros principios. 

O 2® erro bem se vee que o tomarao dos Gregos. E como s6 
tinhao noticia do concilio Niceno, em cujo simbulo se diz que a 
Patre procedity sem fazer meuQao do Filho, a isto se afferravao 
fortemente : porque da 6* synodo aonde se condenou este erro, e se 
mandou p6r no Credo: Qui a Patre Filioque procedit, nao tinhao 
noticia, nem elles admitiao, nem faziao caso dos decretos dos con- 
cilios que nao achavao entre esses poucos livros que tem. E defen- 
derao este erro sempre com tanta pertinacia que em suas historias 
contao que antigamente a hum frade, porque quis insinar e defender 
que o vSpirito Sancto procedia tambem do Filho, o apedrejarao, e 
matarao 4s pedradas. Alegoulhes o p. Pero Paez no tempo do em- 
perador Za Danguil com o symbolo de sancto Athanasio. Respon- 
derao, que alevantavamos a sancto Athanasio muitos falsos teste- 
munhos; porque entre alguns peda^os de humilias que tem deste 
sancto nao achavao o symbolo. Alegoulhes outra vez diante do 
emperador Seltan Qagued com o seu mesmo Haymanot Abbau, que 
he hum livro no qual tem muitos fragmentos de humilias e obras 
de alguns santos antigos, como sam Bazilio, sam Joao Chrisostomo, 
sam Cyrillo, sancto Athanasio ecc. ; e entre estas obras dos sanctos 
estao misturadas muitas de alguns patriarchas de Alexandria here- 
ges, successores de Dioscoro. E por isso chamao ao tal livro Hay- 
manot Abbau, que quer dizer Fee dos Padres. Nao imaginavao elles 
que houvesse tal cousa naquelle seu livro; mas o padre que tinha 
notados alguns lugares em que o dizia claramente, o mandou vir; 
e lendoo, ficarao muito alcangados, como adiante contarei mais de- 
vagar. 



Digitized by 



Googl( 



/^c.T CAPITULO IV. 

Do conhecimento que tinhao da encarna^glo 
do Pilho de Deus, e erros nesta materia. 



Criao os Abexins e confessavao que a 2* pessoa da sanctissima i.Dei Fiiium car- 
Trindade tomou came humana e se fez homem nas entranhas e do ^ia vere assumpsisse 
purissimo sangue da Virgem Maria senhora nossa, e della nasceo no confitentur. 
prezepio de Bethlehem, ficando a senhora virgem purissima, assi 
como o era antes do parto, no parto e despois do parto. E reconhe- 
9em e adorao a esta senhora por verdadeira may de Deus ; e temlhe 
muito grande devacjao ; dedicaraolhe sempre templos muito sumptuo- 
sos pera a terra, sempre se encomendao a ella em suas necessida- 
des, nem tiverao, os que estao ate hoje firmes e pertinazes em seus 
erros, meo mais efficaz pera afastarem e alienarem de nos a gente 
rude e ignorante, que fingir e mintir dizendo que os que professavao 
a fee de Roma erao inimigos da Virgem Maria senhora nossa. Esta 
mintira espalharao sem nenhum fundamento, s6 por nos confessar- 
mos em Christo senhor nosso duas naturezas : o que elles interpre- 
tavao dizendo que eraraos Nestorianos, e faziamos em Christo dous : 
hnm filho de Deus como Nestorio, outro filho da Virgem. Emfim 
entre gente ignorante basta a voz e fama, nao se pergunta pola 
rezao. E assi com nenhuma cousa se affei^oarao mais, os que mais 
de perto tratarao, e ouvirao aos padres, que com Ihes ouvirem nas 
pregagOes grandes louvores da Virgem senhora nossa, e com verem 



Digitized by 



Googl( 



126 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

algumas imagens su£is que Ihes trouxemos da India muito fermosas. 

Criao tambem os mais misterios pertencentes a Encarnagao ; a saber 

que Christo senhor nosso foi crucificado, morto e sepultado, resu- 

scitou ao terceiro dia, subio ao ceo, esta assentado a mao direita 

de Deus Padre, ha de vir no fim do mundo a iulgar os vivos e os 

mortos. 

a. Attamen Euti- Os erros que nesta materia tinham sao muitos e muito grandes, 

rorem sequud non ^ fundamento de todo seu schisma, e heregia; porque tinhao com 

duplicem in Christo Eutyches e Dioscoro, que em Christo senhor nosso nao ha duas, 

Bed unam tantum na- 

turam et operatio- senao huma s6 natureza, e conseguintemente huma s6 vontade, huma 

teTaffirmant* Pleri^ opera^ao ecc. Ajuntavao a isto que a humanidade de Christo senhor 

que tamen absona nosso he igual a divindade ; e com este tinhSo o erro dos ubiqui- 
huius erroris corol- ,. , % . -i , j i-.i . t ^ 

laria respuunt. stas, dizendo que a humanidade de Christo senhor nosso esta em toda 

a parte, assi como o esta sua divindade. E para defender estes erros 
davao em mil barrancos e absurdos, como logo veremos. 

A Dioscoro nomeavao na missa entre os sanctos, e a sam Leao 
papa tinhao odio figadal, porque o condenou ; nem podiao no prin- 
Qipio sofrer que os padres o nomeassem com honra : dizendo os pa- 
dres algumas vezes que sam Leao fora grande sancto, responderao 
elles: Nao foi senao hum satanas. O mesmo odio tinhao ao sagrado 
concilio Calcedonense. E isto tinhao em seu Haymanot Abbau, em 
que estavao, como ia assima toquei, algumas obras de patriarchas 
de Alexandria herejes. Entre outros hum por nome Teudosios diz 
assi: Nao afastamos como aquelle inimigo Leao maldito *que afastou f. 218. 
a quem nao se afastou, e disse duas naturezas, duas complacencias 
e duas obras em hum Christo. E mais abaixo toma a dizer: Este 
maldito e tredor Leao disse duais naturezas e duas obras, e dizendo 
huma s6 pessoa, em isto quiz (o maldito) encubrir seu erro em dizer 
huma pessoa. E outro a que chamao Cenutios diz assi : Os que fallao 
e cuidao como o concilio baixo e sujo, iudeo, ruim dos que se 
ajuntarao em Calcedonia, em que estava Leao, que nao tem ley, 
lobo serval, roubador, despedagador das almas. E outro que chamao 
Philacteos diz: Nao crem como o congilio iudeo dos que se ajuntarao 
em Calcedonia, e o livro da trei^ao de Leao mintiroso. Em hum 
livro que elles intitulao Masgabt Haymanot, idest Thizouro da Fee, 
diz assi: Ajuntaraose mestres parvos 630, com vaagloria e soberba, 
querendo ser dobrados dos 318 iuntos da fee. E logo abaixo: Ti- 
rarao huma palavra da fee de Nestorio, que p6s duas pessoas em 
Christo : huma do Filho de Maria e outra do Filho de Deus ; e dis- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO IV. 127 

serao que pola uniao se fizera huma s6 pessoa ; isto deixarao pola 
escommunhao do papa Cyrillo, e compuzerao das palavras do papa 
Cyrillo e das palavras de Nestorio, e assy disserao Christo huma 
pessoa, duas vontades, duas naturezas, duas complacen^ias ; da di- 
vindade e da humanidade, disserao: a divindade faz obra de di- 
vindade e a humanidade obra de humanidade; por dous caminhos 
hum obra maravillas, outro padece infirmidades. E por isto he 
menor a humanidade que a divindade. Ate aqui aquelle livro. E 
deixo muitas cousas semelhantes, por nao ser comprido. Nao me oc- 
cuparei agora em escrever aqui os lugares do Evangelho e de toda 
a Escritura sagrada com que os padres provao esta verdade catho- 
lica das duas naturezas de Christo senhor nosso, porque escrevo 
pera catholicos, e todo o Evangelho e sagradas letras nao apregoao 
outra cousa. S6 direy algumas repostas que davao os Abexins tam 
absurdas, que ellas bastavao por argumentos clarissimos contra sua 
pertinacia. Perguntavaolhe os padres se criao que Christo senhor 
nosso era verdadeiro Deus e verdadeiro homem : respondiao que si. 
Logo tem humanidade, e divindade : concediao a illagao. Logo duas 
naturezas : negavao e dividiaose em varios absurdos pera dar rezao 
do que negavao. Huns diziao que erao duas antes da uniao, mas, 
despois de unidas, huma s6. Morreo, Ihes diziamos, Christo senhor 
nosso na sancta cruz pera nos salvar e remir? Si, respondiao. Mor- 
reo pois a humanidade, ou a divindade? A divindade, respondiao 
muitos. Mas outros, ouvindo esta reposta, se benziao e indignavao 
contra os que a davao, e elles mesmos se baralhavao entre sy. Nao 
podiao dizer que a humanidade morrera sem morrer a divindade ; 
iwrque Ihe infiriamos que erao duas. 

Alguns diziao que ate a morte houve em Christo duas natu- 
rezas; mas que na resurrei^ao ficou huma. Qual ? Ihes pergun- 
tavamos ; a humana s6, ou a divina ? Respondiao que a divina. 
Mas logo erao apanhados com o que disse Christo senhor nosso no 
dia de sua resurrei<;ao aos Apostolos: Palpate et videte quia spiri- 
tus carnem et ossa non habet sicut me videtis habere. Emfim, desta 
'•2'^,^- maneira, ficavao muitos *convencidos ; mas nao faltavao outros a quem 
a mesma luz, como a morcegos e filhos das trevas, cegava e fechava 
mais os olhos de seus duros cora^Oes. 

Cortada esta raiz, distinguidas e postas as duas naturezas em 
huma pessoa divina, era facil persuadirlhes as duas vontades, e ope- 
ra^Oes, por serem perfei^Oes das naturezas, que em o Senhor nao 



Digitized by 



Googl( 



128 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

haviao de estar senao com toda sua perfei^ao ; e ficava decepada 
a ignaldade que punhao da humanidade com a divindade; porque 
como erao duas, se fossem ignaes, ficariao dous deuses ; a ubiqui- 
dade tambem ficava sem raiz, e fundamento. O que tudo se Ihe mo- 
strava clarissimamente com muitos passos das divinas letras ; os 
quaes nao he necessario, pois nao disputamos aqui, senao escrevc- 
mos os erros que esta gente tinha ; e ao diante hemos de escrever 
muitas cousas que passarao em varias disputas e encontros, e quanto 
os Abexins fizerao a poder de motins e a for<;ia de armas, por ficar 
e perseverar em os erros e herejias de seus pays e avoos. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO V. 

Erros que tinh&o accerca das almas racionaes, 
Purgatorio, indulgencias e Infemo. 



Tinhao os Abexins que as almas racionaes se produzem humas i. Hominum ani- 
das outras, mais que a alma de Christo senhor nosso, quando deceo Sgni^ vel a*Deo si^ 

aos infemos, tirou de la nSo s6 as dos iustos, que estavao no seo mal cum Adam crea- 
^ , , , , , , , to8 fdisse autumant. 

de Abraham, mas tambem as de todos os condenados que estavao 

no inferno. Mais, que as almas dos sanctos, que hoje morrem, vSlo 

pera o paraiso terreal; e as dos maos, que morrem em peccado 

mortal, nao vao logo pera o inferno, senao pera certo lugar iunto ao 

mesmo parayso da terra ; e que nestes lugares esperao aquellas sem 

verem a Deus, estas sem padecerem tormento algum ate o dia do juizo. 

Purgatorio nao no criao, nem conheciao, nem Indulgencias; tinhao 

que os condenados nao hao de estar no infemo eteraamente; pelo 

menos os christaos, senao que, despois de algfum tempo, haviao de 

sair delle. 

O primeiro erro fundavao pringipalmente naquellas palavras do 

Genesis: Et requievit Detis die y^ ab universo opere quod patrave- 

rat. Cuja explica^ao, dizem, he que nao criou Deus mais cousa al- 

guma, despois das que fez nos primeiros seis dias. E trazem a com- 

para^ao da candea, dizendo que assi como huma de outra se accende, 

e se cummunica o lume sem padecer diminui^ao alguma, assi passa 

nas almas, saindo a do filho das do pay e may, sem nellas sin- 

C. Beccari. Rtr. Aefk, Seripi. occ. tned, — VI. 17 



Digitized by 



Googl( 



I30 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

tirem falta nem dispendio no ser que tinhao ; e pera com gente que 

nada sabe de philosophia, huma comparaQao destas he demonstra<;ao. 

Mas se Ihes perguntaes quando se accende e cummunica este lume 

da candea da alma, logo estao apanhados; porque ou hao *de con- f. 219. 

fessar que se perdem almas sem conto, quoties semcn efftmditur; 

ou que, estando o pay auzente e muitas vezes morto, se communica 

a alma despois que no ventre da may esta o corpo do filho organi- 

zado : a sua expli^acao das palavras do Genesis refutao axjuellas de 

sam Joao: Pater meus usque modo operatur, et ego operor. 

A alguns vi muito satisfeitos da doutrina que aqui Ihes insinava 

hum judeo Rabbino estrangeiro, natural de Alemanha ou PoUonia, 

conforme elle dizia, e era que logo, em Deus criando a de Adam, 

criara juntamente todas as de quantos homens havia de haver no 

mundo, e as tinha em certo lugar, como em viveiro, ou thezouro, e 

dali 2LS tirava quando as metia nos corpos. E contentavaose muito 

desta doutrina tam erronea, porque bravamente ferrao no requievit 

Deus ab universo opere, Porem mostramoslhe os absurdos daquella 

senten<;a : porque se com as mais estava ia criada a alma de Christo 

senhor nosso, como elles cuidavao, conseguentemente ao < requievit » 

siguiasse que ou des de entao se sostentava na pessoa do Verbo 

eterno ; ou antes de nella se sostentar, tivera propria personalidade ; 

cadahuma das quaes illa^Oes he erronea e heretica. E em qualquer 

das almas, Ihe perguntavamos, se naquelle thezouro, aonde estavao 

tantos seculos, obravao com o entendimento e vontade ; o que se era 

assi, ou fariao boas obras, ou mas, e ja cntrariao nos corpos ou corr. 

peccados actuaes, ou em graga de Deus: ou estavao em todo aquelle 

tempo dormindo como se forao pedras, e criaturas insensiveis ; o que 

dizer era mais que insensivel brutalidade. 

a. Reproborum O 2° erro fundav^o no infinito pre^o do sangue de Christo se- 

animas virtute san- * .«t. ^t c > ji>** 

guinis Christi a poe- ""^^ nosso ; e tmhao que Ihe fana grande mjuna quem negasse ter 

nis inferni liberari. elle tirado do infemo as almas de todos os condenados, porque o nao 
nas tirar atribuiao a menos valia. E assi aconteceo que hum frade 
grave sabendo que hum mancebo fidalgo discipulo do p. Pero Paez 
dizia que Christo nao tirara as almas dos condenados do infemo, 
o amenacjou, que diante do Emperador o havia de demandar. Arre- 
geou o mancebo muito o successo da demanda; veose ter com o 
padre, o qual o instruio de novo, insinandolhe as rez5es com que 
se havia de defender ; mas elle nao se dando por seguro, pidio muito 
ao p. que se fosse com elle ao paijo pera ser seu padrinho, ou procura- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO V. I3I 

dor na demanda. Felo assi o padre indo como a outra cousa : nao tar- 

dou o Frade muito ; entrou pola sala imperial gritando ao Emperador e 

pidindo justi^a contra Eda Christos, que assi se chamava o fidalgo, 

porque deshonrava o sangue de Christo. Respondeo Eda Christos: 

Senhor, eu nSo deshonro o sangue de Christo senhor nosso; este 

frade he o que deshonra a justicja divina, dizendo que aos conde- 

nados, gentios e inimigos de Deus nSo castigou conforme seus pecca- 

dos mereciao. Pidia Eda Christos ao Emperador que o padre fosse 

juiz. Respondio o frade que letrados havia na terra, nao era rezSo 

que hum estrangeiro fosse juiz na corte imperial, e em materias da 

fee. Baralharaose os prezentes entre sy; agastouse o Emperador, 

sayose o Frade pera fora, divirtiose e cessou a demanda. 

O 3** erro parecera a quem bem o ponderar, que he contrario 3. Ante extremum 

, j 1. « 1 iudicii diem nec ele- 

a este segundo, porque, se nem os bons vSo logo ao ceo, nem os ctomm animaa pa- 

maos ao inferno, como havia de tirar de la Christo senhor nosso radiso frui nec ani- 

mas reproborum 
aos condenados. Bem se vee a repugnancia destas duas cousas, mas poenis inferni ad- 

*bem sabem tambem os que tratao e disputao com hereges, que nao ^^^' 

ha cousa mais certa que haver em sua doutrina mil implicaQOes. 

Fundao elles este erro em muitos passos da Escritura mal entendi- 

dos: naquillo que Christo senhor nosso disse ao bom ladrao: Hodic 

mecum eris in paradiso, que elles entendem do da terra, nao vendo 

que he isto contra aquelle artigo da fee, que diz : Descendit ad in- 

feros, tertia die resurrexit. Cujo sentido commum da igreja he quc 

a alma sanctissima de Christo redemptor e senhor nosso tanto que 

na cruz se apartou do corpo, foi direita ao seo de Abraham, e dali 

ao 3** dia veo direita ao sepulchro, e entrando no corpo, o vistio 

dos dotes da gloria de que estava chea; e nao andou rodeando a 

terra, nem foi a seista feira ao paraizo terreal. Trazem tambem por 

si aquellas palavras de sam Paulo ad Hebr., c. \\\ Et hi omncs 

testimofiio Jidei probati nofi acceperunt repromissionem, Deo pro no- 

bis melius cUiquid providente, ut non sine nobis consumarentur ; as 

quaes se devem entender dos que morrerao antes de Christo senhor 

nosso, que desses vay fallando o Apostolo, os quaes quer que nao 

entrassem na gloria sem os sanctos do testamento novo e lei da 

graga, que por isso esperarao no seo de Abraham ate a morte do 

Salvador ; e outros lugares do mesmo Apostolo e do Apocalypse, que 

tratao da resurreigao dos corpos que deixo. 

O erro do Purgatorio era mais pera espantar, porque, com esta- 4. Purgatorium 

rem nelle firmes, offereciao as igreias candeas e incenso, e aos cle- *"^®K*^^ icetpro 



Digitized by 



Googl( 



132 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

defunctis preces pu- rigos e frades davao esmolas pera que rezassem os psalmos de 
blice fundendas cu- t^ ., , , , i? j j« , 

fCQf^ David, polas almas de seus finados ; e aos 30 e 40 dias, e no cabo 

do anno faziSio Tasquar que quer dizer lembranga, vistindo a muitos 

pobres e dandolhes de comer e de beber em muita abundancia; e 

rogSlo por ellas na sua missa pidindo a Deus Ihes dee descanso, 

como se vera na missa que abaixo escreveremos. As indulgencias 

negavSo e ainda se persuadem mal as crer. O ultimo erro fundavSio 

na piedade a que sSlo inclinados naturalmente, polo que Ihes parece 

crueldade crer e imaginar que Deus nao havia de ter compaixSo 

alguma hora das almas dos condenados. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO VI. 

Da Circuncisao e muitos ritos iudaicos 
que guardav&o os Abexins. 



A Circuncisao, com a lei e mais ceremonias iudaicas trouxe a x. In circumcisio- 
Ethiopia a rainha Saba quando veo de Hierusalem, aonde foi ouvir thiopes adco sunt 
a sebedoria de SalamSo, e a ver a majestade e jrrandeza de sua Jf«5*ce« m nc catho- 

-* ^ hci quidem ab eo 

corte, ou trouxe todas estas cousas Menilehec, seu filho e de Sala- possint deterreri. 

mSo, ao qual, como assima contamos, seu pay mandou pera Ethiopia ti^^^,^^ecxadiun- 

accompanhado de muitos dos principaes de seu reino, e com os of- «ti» comprobatur. 

ficios e cargos principaes da casa e corte de seu filho, pera si e pera 

seus descendentes. E prezaose ainda hoje muitos de serem daquellas 

familias, conservandose nos cargos, sem entrar nelles pessoa alguma 

outra que nao venha por via masculina das taes gera^Oes. Nem se 

contentarao nesta parte, de circuncidar os machos, como mandava 

f. 220. a ley, mas ajuntarao tambem a circuncisSo das femeas. 'Espalhouse 

esta circuncisao de tal maneira que ate os gentios por aqui aroda 

se circuncidao ha muitos annos; e pode ser que nascesse isto do 

aborrecimento e aseo que os Abexins tem aos que nSo sfto circun- 

cidados, porque nao comem com elles no mesmo prato; e se Ihes 

derao de comer, ou beber, nao se servem despois do tal prato, ou 

pucaro, sem primeiro o benzer o clerigo, ou ao menos o lavarem 

muitas vezes. Chamao por grande afronta Colafa que quer dizer 

incircuncizo. Emfim estao tam afferrados a circuncisao que ainda 

hoie dos que receberao a sancta fee de Roma pouquissimos sao os 



Digitized by 



Googl( 



134 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

que se persuadem a deixar de circuncidar a seus filhos ; e por mais 

penas que Ihes tomem a alguns a que se podem tomar, a nao dei- 

xao. Muitos ha que a defendem, e pretendem provar ser licita aos 

christaos, como o fez em Portugal Qaga za Ab embaixador do em- 

perador David, de quem assima fallamos. Porque dizem que senao 

circuncidao com animo de guardar nisso a lei de Moyses, senao 

por limpeza e fermosura. Que vaj,dizem, em cortar huma pellinha; 

nao se cortao as unhas, os cabellos e outras cousas superfluas? E 

ajuntao que s. Paulo circuucidou a Thimoteo, e disse : Circumrisio nil 

cst ; o que explicao : Nao vaj nada, nao he peccado circuncidar. E 

raro he o que diz que o fazem por imitar a Christo senhor nosso, 

como em Europa o fingirao alguns. 

O certo he que o fazem por guardarem os custumes de seus 

antepassados e a lej de Moyses. Porque se s6 o fizerao por qual- 

quer dos outros respeitos que apontao, nao se obrigarao ao fazer no 

dia oitavo; e sao elles tam observantes neste dia, que por nenhum 

caso o deixarao passar sem circuncidarem a crian^a ; o peor he que 

o bautismo nao Iho dao antes dos 40 dias aos machos, e antes dos 

80 as femeas, e deixaonos morrer sem elle, senao chegao ao tal 

termo: mas a circuncisao nao falta ao dia outavo. As escuzas que 

fingem bem se vee quam frias sao ; pois nem ali ha materia de lim- 

peza, nem pode haver mayor absurdo, que buscar fermosura nas 

partes que a natureza escondeo e insina a esconder e cubrir a todos 

aquelles que nao sao tao brutos como os caes e bestas que nao 

tem rezao. Dizer que a circuncisao nao esta condenada em sam Paulo, 

ou he negar a sua epistola ad Galatas (i), oufazer ao Apostolo con- 

trario a si mesmo, e imaginar que em huma palavra havia de de- 

sfazer tudo quanto tinha feito e edificado com toda huma carta tam 

comprida e tam ef*ficaz. f.22o,v. 

a. Alios quoque Alem da circuncisao conservavao os Abaxins muitos ritos e cu- 

pant, ex. gr. sabbati stumes dos Judeos. O primeiro he a guau^da do sabbado : este parece 

celebrationem, puer- q^e alcfum tempo se nao ffoardou em Ethiopia, porque affirmao mui- 

perarum puriflcatio- ^ ^ ^ » v ^ v ^ 

nem quadrage^imo tos que o emperador Zara Jacob o mandou guardar. Porem estavao 

oartu.*^^eS*'°^^ '* * ^^^ ferrados a guarda do sabbado, que, como abaixo contaremos, 

quando este emperador, que agora reina, Seltan Sagued, mandou que 

trabalhassem nelle, os Damotes, que vivem em huma provincia do 

reino de Gojam, por nenhuma maneira Ihe quizerao nisto obedecer ; 

(i) In niarg. A. adiecit « II, 9 ». 



partu, etc. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO VI. 135 

e mandando sobre elles a seu irmao Ras Cella Christ6s com muita 
gente de giierra, se puzerao todos em campo, com serem os prin- 
cipaes muito parentes de Ras, e dando batalha, forSo nella mortos 
raais de tres mil, e os mais desbaratados e vencidos; e a mayor 
afronta que se fez a alguns delles, por castigo desta rebelliao, foi 
fazelos lavrar ao sabbado por forga. Com tudo isto, posto que muitos 
hoje o nao guardao, muitos mais sao os que o guardao; e o peor 
he que os mais observantes o guardavao, e guardao hoie sabbado 
e domingo com as observancias iudaicas, nao caminhando, nem cor- 
tando nem huma herva da horta; e ainda havia frades que nem 
palavra fallavao nestes dias; e nSo por conservar silencio, e reco- 
Ihimento da alma com Deus, senao por terem pera si que a isso os 
obrigava a estreita guarda dos taes dias. 

Mais, nao entravao nas igreias as molheres que pariao macho 
ate os 40 dias, e cis que pariao femea ate os 80, nem as que an- 
davao com sangue menstruo, nem homens, ou mulheres que na noite 
precedente tivessem pollu^ao qualquer, voluntaria, ou involuntaria, 
licita, ou illicita ; em suas igreias tinhao de fronte do altar afastadas 
cortinas, e em algumas tinhao duas e tres, pera divisao do do sancto 
e sancta sanctorum, como la havia no templo de Salamao; tinhao 
muitas pedra d'ara de pao, feitas como huma an^uinha quadrada em 
memoria da arca do testamento, e assi Ihes chamavao Tabot, que 
he o nome que dao aquella arca. Bem sei que foi custume da primi- 
tiva ij^reia fazer os altares como arcas, e ainda hoje se conserva em 
Roma aquelle em quc sara Pedro, e muitos Papas, ate sam Sylve- 
stre, disserao missa, feito nesta forma : mas que em Ethiopia se con- 
f. 221. servasse isto com animo iudaico, provasse com as ma*is ceremonias 
e custumes da lej que nella sempre durarao : e viose claramente em 
huma destas arquinhas que estava no mosteiro de Abba Garima, 
muito nomeado em Tigre, dentro na qual (como abaixo contarej mais 
devagar) se achou ha pocos annos, huma como varinha de grossura 
de hum dedo, e comprimcnto de hum covado, emvolta em seis ou 
sete veos de seda, e no fim delles cosida em hum peda^o de pano 
grosso de teada. O que todos tiverao por certo ser figura da vara 
de Aram, que antigamente se guardava na arca do testamento, ou 
dentro, ou fora, como o querera Ribeira e os raais graves doucto- 
res sobre a epistola ad Hebraeos ; e faz isto mais provavel ser com- 
mum fabula entre esta gente, crida de rauitos, que na sua igreja de 
Ac^ura tinhao na arquinha, ou Tabot, a que charaavao Siao, as ta- 



Digitized by 



Googl( 



136 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

boas da lej,que de Hierusalem trouxera furtadas da arca e sancta 

sanctorum hum filho do summo sacerdote que de la veo pera Ethyo- 

pia com Menilehec, filho de Salamao e da rainha Saba; e tinhao 

tanta deva^ao aquelle Tabot, que nestes nossos tempos, arreceando 

que os catholicos Ihe quebrassem aquelle encantamento, os frades 

ou beneficiados daquella igreia, a que elles chamao Debteras, o ti- 

rarao dali e esconderao de tal maneira que at6 hoie se nao sabe 

aonde, posto que se diz que o levarao a huns montes de huma co- 

marca de Tigre, que se chama Bur, e que la o tem escondido, espe- 

rando que acabe esta tormenta, como elles Ihe chamao, ou persiguic^ao 

da fee dos Portugueses, pera o tomarem a trazer com muita festa 

a sua igreja de Ac^um. 

3. A cibis quoque Mais, nao comem muitos o peixe que nao tem escama, nem porco 

abstinent in lege mo- , i.-a-^a , j--j^- 

saica vetitis, ex. gr. ^o V^^ chamao A^ama, que he como o nosso ordmano e domestico : 

a came suilla et le- j^g^ outro a que chamao Harea, que responde ao nosso javalj, tem o 
porina, a piscibus ^ -i r j j 

squamis carentibus, fu^inho mais cumprido que os domesticos, a testa mais espalmada. 



etc. 



as prezas muito grossas e cumpridas saemlhe fora da boca mais 
de meo palmo, as sedas do lombo muj tizas : he feo animal. A este 
comem, por terem pera si, que s6 o Agama he prohibido na lej. 
Agora despois que receberao a verdadeira fee, alguns ha que comem 
o A<;ama, e ja nao estranhao criarmolos nos em casa, o que no prin- 
cipio de nenhuma maneira podiao consintir; e foi porque o empe- 
rador Seltan Qagued, e seu irmao Ras Cella Christos, os quaes ambos 
sao catholicos de cora^ao, gostarao da carne de porco, e mandarao 
fazer em varias *partes cria^ao delles. Porem he tanto o asco que f.22i,v 
ordinariamente Ihe tem, que ainda os minimos que criamos em casa, 
primeiro que se acustumem a elle, mostrao tanta repugnancia ao 
meter na boca, como os Bramanes de Salsete de Goa a carne de 
vaca, e assi como la muitos, se Iha quereis fazer comer por forcja, 
vomitao quanto tem no estamago : assi acontece aqui a muitos com 
a de porco. Com ser este o aborrecimento que tem ao porco, he 
muyto mayor o que tem a lebre e ao coelho, tanto que nem se Ihe 
pode dizer que comemos esta came. E parte do aborrecimento que 
tomarao aos primeiros Portugueses, que vierao a esta terra, creo que 
foi por elles comerem a carne destes animaes ; e porque os mouros 
e Turcos tambem a comem, chamavao aos Portugueses mouros o 
Turcos, vendolha comer, nao atentando que os mouros e Turcos nao 
comem porco, e os Portugueses si, e que se circuncidao como elles, 
o que os Portugueses nao fazem. 



Digitized by 



Googl( 



CAPiTULO vn. 

Dos sacramentos que conheciao e uzavfto, e dos abusos 
que nelles tinh&o os Abbexins, principalmente no 
Bautismo. 

Dos sacramentos da confirmagao e extrema un<;ao nao tinhao i.inpraesentiAe- 
nestes tempos noticia alguma ; se antigamente a houve, ou nSo, nao confimarioniT**"e^ 

no sabem dizer; porque em seus livros nao achao men^ao alguma Eitremae Unctionis 

i g^norant. Quoad 
delles. Os outros sinco conheciao. E porque os abusos que nelles Baptismum errant in 

tinhao erao muitos, neste capitulo tratarej so do Bautismo. Conhe- ^roiidc'** ^erom* ue 

ciao e confessarao ser este santo sacramento a porta por onde se invalida e«t eiusdem 

entra na igreja e perdoaremse nelle os j>eccados original e actuaes 

aos que os tinhao, e com a divida disposi^ao chegavao a receber 

este santo sacramento. 

Na materia nao tinha erro; bautizavao com agua elemental, e 

ordinstriamente per trinam immersionem ; a verdadeira forma, posto 

que esta tam clara no Evangelho, e alguns a sabiao e usavao, erao 

f 222. tantos os que a ignoravac e trocavao, que pareceo *ao patriarcha, 

e aos padres antes de elle vir alguns annos, que a todos os que se 

reduziao a nossa santa fee, era necessario bautizalos su6 conditionc, 

porque geralmente havia duvida provavilissima no bautismo de to- 

dos : e assi se bauptizarao, e bautizao todos, des do Emperador e seus 

irmaos ate os mais pequenos que ha na terra. A forma dos que a 

sabiao melhor era dizer : Eu te bautizo em nome do Padre e do Filho, 

C. Bbcc-aki. Rer. Aetk, ScHpi. oee. tMed, — VI. 18 



Digitized by 



Googl( 



138 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

e do Spirito Sancto, hum Deus; e logo ajuntavao: Chamate fulano. 
Mas esta forma pouquissimos a sabiao; a ordinaria que tinhao em 
hum seu livro da principal igreja do arrajal do Emperador, a qual 
esta sempre a sua mSo diraita, e he de Nossa Senhora, e chamass3 
Gamjabet, quer dizer casa ou recamara das sedas e brocados, era 
esta: Eu te bautizo huma vez no Padre, outra vez no Filho, outra 
vez no Spirito Sancto ; e ainda esta, com ser errada, erao poucos os 
clerigos, que a sabiao ; dos mais cada hum fingia a sua. Huns di- 
ziao: Eu te bautizo em nome do Espirito Sancto; outros muitos:Eu 
te bauptizo na agoa de Jordao ; outros : Deus te bautize ; outros : Che- 
guete o bautismo ; outros nenhuma forma diziao, somente rezavao 
parte de algum evangelho ou o Padre nosso, e mergulhavao a 
crian^a e com isto a davao por bauptizada. 

2. Iteratio Bapti- Hum abuso tinhao quasi igual a este erro, e era rebautizaremse 
smi Quando et quo- « « , « . 

tics fiat. tantas vezes que parece andavao vendo se a caso achavao alguem que 

os bauptizasse como havia de ser; todo o que se passava pera os 
Gallas, ou mouros, ou se fizesse mouro, e idolatrasse, ou nao, basta 
que estivesse e comesso com elles, tornando, se rebautizava. Todo 
o que tomava o habito de frade, ou freira, se rebautizava ; cada anno 
na festa do Bauptismo de Christo senhor nosso todos se rebautizavao, 
como logo direj ; mas primeiro digo que ate as vacas bautizavao e 
rebautizavao ; porque se o lobo, arremetendo a alguma, e firindoa, 
escapHva de suas unhas com vida, levavaona logo ao clerigo que 
a bautizasse, e elle o fazia da mesma maneira e com a mesma 
forma, boa ou ma, com quo custumava bauptizar as crian^as (i). 

3. Descriptio ritus O seu Bautismo ou Rebautismo de cada anno faziao no dia da 
mia^^Baptismi die ^phyphania [stc], em memoria do Bautismo de Christo senhor nosso no 
Epiphaniae sacra. j-io Jordao; desta maneira, os que vivem perto da alagoa de Dambia 

o faziao nella; os mais em algum rio que tivesse algum poQO de 
agua funda, e quando o rio era pequeno, faziao alguns dias antes 
*algumas prezas, nas quaes recolhiao agua bastante. Na corte fazia f.222,v 
o officio o Abbuna, nas outras partes algum frade Prior, ou abbade 
de algum mosteiro. A vespora pois da epyphania armavao tendas, 
ou faziao ramadas, e gojos iunto da agua ; em huma das tendas ou 



( I ) Qiiae sequuntur verba deleta leguntur : « Porem a estas nSo nas bautizavSo de 
nenhunia maneira, senao como ia disse aos machos despois dos 40 dias, e as femeas 
despois dos 80 ; e se antre deste termo adoeciSo e morriao, sem bautismo se hiam pera 
a outra vida ». 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO VII. 139 

ramadas alevantavao hum altar, no qual punhao sua pedra d'ara, ou 
taboa d'ara, pera melhor dizer, porque os mais de seus tabotes erao 
de pao, e revestidos nos melhores ornamentos que tinhao; levando 
hum diacono a crux diante em huma hastea cumprida, e accom- 
panhandoo todos, cantando psalmos, a hia o diacono arvorar dentro 
na agua para a parte da corrente. Isto feito, cantavSo ali muitos 
psalmos e liao todo o livro dos Actos dos Apostolos, e hum dos 
Evangelhos, ou todos os 4 Evangelhos, como o faziao muitos, tendo 
hum virados pera o oriente, outro pera o ponente, outro pera o 
norte, e outro pera o sul; isto feito, recolhiaose a comer e de- 
scansar. 

Passada a mea noite, se alevantavao, cantavao suas matinas com 
toda a solenidade, diziao missa secca, tocando seus pandeiros e tam- 
boris, e cantando varios psalmos;alguns se confessavao nestetempo, 
mas os menos ; em nascendo o sol, se vinhao a borda da agua, logo 
o Abuna o Abbade, que fazia o officio, punha na cruz hum pouco 
de oleo, do que elles chamao sancto, e com a cruz assi ungida, 
abria a agua, dizendo : Em nome do Padre e do Filho e do Espirito 
Santo, hum Deus; e tornandoa a dividir a ssgunda vez dizia: Hum 
Padre sancto, hum Filho sancto, hum Espirito sancto ; e entregando 
a outro a crux, se despia de todos seus vistidos se era frada; o 
Abbuna porem deixava hum pano cingido pela cinta (isto faziao 
cubrindoos aroda com curtinas, ou panos), e assi entrava pola aqua 
ate aonde ella Ihe dava pelos peitos ou pescogo. Ap6s o officiante, 
entravao logo todos os clerigos e frades dispidos totalmente, can- 
tando e fazendo o som com palmadas; e dous dos principaes, to- 
mando no meo ao officiante, punhao cada hum sua mao sobre sua 
cabe^a, mas de maneira que Ihe nao tocavao, e elle mergulhava tres 
vezes, dizendo os dous as palavras da forma assi como as diziao 
bautizando a qualquer criancpa. Bautizado o Abbuna, ou officiante 
qualquer que elle fosse, se bautizavao da mesma maneira os mais 
sacerdotes. Alguns dizem, que nem ao officiante, nem aos sacerdotes 
se diziao as palavras da forma, mas todos emcordao que aos mais, 
diaconos e leigos, a todos se diziao assi de maneira que as diziao 
no bautismo das criangas. Apos os ecclesiasticos entravao a se bau- 
f. 223. tizar quantos havia homens e mulhe*res, com a mesma ou major 
indecencia todos mis, sem hum palmo de pano sobre si ; o Emperador 
porem entrava cingido pela cinta com hum pano que o cobria dali 
pera abaixo ;■ e elle era o primeiro a quem o Abbuna bautizava, e 



Digitized by 



Googl( 



I40 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

toraandose a vistir, se punha na tenda que tinha iunto da agua, elle 
e a toda a corte, k ver o como os mais se bautizavao, como se elles 
entrarao ao fazer com galas e libres que tivessem muito que con- 
templar. 
4.l8teabu8usBap- Este custume he em Ethiopia antigiiissimo ; e continuouse ate 

aimiM «^^Scluin^^n ^^® ^^ anno de 1609, tendo este emperador Seltan Sagued ouvido 

gid lege lau tubia- muitas vezes aos padres que nao s6 reprendiao a indecencia com 
tus cst» 

que se fazia, como custume barbaro e feo, mas o rebautizaremse, 

sendo assi que sao Paulo diz : Ufius Dcus, una Jides, unum baptisma, 

e em outras partes compara este peccado com o daquelles que a Chri- 

sto senhor nosso crucificarao, dizendo que rebautizarse hum christao 

he toraar a cracificar ao filho le Deus : ouvindo estas e outras muitas 

rezOes, ainda antes de tomar a fee catholica, deixou de se rebau- 

tizar no dia dos Reis. E daly pera ca nunca mais o fez : e com isto 

se foi extinguindo este custume de maneira que o nao ha hoje em 

este imperio, nos reinos e provincias que obedecem ao Emperador e 

tem recebida a santa fee de Roma. 

5. Carpitur deacri- Francisco Alvrez conta que se achou a hum bautismo destes na 

ptiami «oTArv^arez corte do emperador David, e diz que se comegou de noite. Parece 

edita. Qui pietati que por fazerem a festa mais solemne a rospeito dos embaixadores, 

atudent iterare so- 

lent Baptismum plu- a come^ariao de noite ; mas todos ainrmao que o ordinario foi sempre 

es anno. come^arse o bautismo ao nascer do sol ; e quando a gente era muita 

c tardavao muito em bautizar a cadahum por sj, aos que ficavao 

pera o cabo diziao : Entrai todos : chegue vos o bautismo ; com isto 

entravao todos juntos na agua, e mergulhandose nella tres vezes, se 

davao por rebautizados. Posto que alguns se guardavao pera se re- 

bautizarem dali a dez dias em que elles tem para si que a Virgem 

nossa senhora passou desta vida mortal pera a etema, e que aos 

19 de agosto subio ao ceo em corpo e alma, e assi aquelle dia 

chamao Astareyo Mariam, que quer dizer aparecimento de Maria, 

e fora melhor chamarlhe desaparecimento ; pois he o dia de seu 

transito; mas daOlhe este nome, porque no dia do bautismo de 

Christo senhor nosso apareceo o Spirito Sancto em figura de pomba 

sobre a cabe^a do Senhor, e por isso aquelles dias, e os dez que se 

seguem, como se forao oitavas, chamao Astareyo, e ao dia do tran- 

sito da Virgem, por cair nas oitavas do bautismo, e aparecimento 

do Spirito Santo, chamao Astarey6. 

Outros ha mais devotos que nao se contentando com o rebau- 

*tismo deste dia, se rebautizao tambem cada anno no dia da Resur- ^.223^. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO VII. 141 

rei^ao de Christo senhor nosso, e pera isso tem na igreia toda a 
somana sancta agua com que se hao de bautizar; mas peor he o 
custume de muitas senhoras grandes, as quaes tem hum frade sempre 
em casa com titulo de mestre seu, e este as bautiza cada dia pela 
menha, com a mesma indecencia com que o fazem na festa de epy- 
phania que nisto vem a parar as supersti^Ges que o diabo inventa 
com capa de deva^Oes. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO VIII. 
Do sacramento da penitencia e confissSlo. 



Sabiao os Abexins que pera Deus perdoar os peccados come- x. Sacramcntum 

.,j., ^i_.. . f ,. Pocnitentiae neces- 

tidos despois do sancto bautismo era necessctrio confessarse o chri- aarium quidem fa- 

stao ao sacerdote, receber delle a penitencia, e cumprila inteira- ^^^^^ *d remissio- 

nem peccatoram : at- 
mente. Porem no uso deste sacramento tinhao, por falta de insino, tamensacerdoteafor- 

ignorancias sem conto e intoleraveis. Primeiramente os clerigos e ^,„1*^^ pierumque 

frades nao sabiao a forma deste sacramento; as de que usavao ordi- invalidis: et poeni- 

, ... x^ , Tx ^ . tentea nonnisi de tri- 

nanamente erao estcis : huns diziao : F oao, servo de Deus, deixete e bus peccatis generice 

perdoete teu peccado Jesu Christo pela boca de Pedro e Paulo, e ^, «ccusant; f»"^, 

fa^ate solto da prisao do peccado. Outros diziao : Foao, servo de Deus, 

o Paracleto, perdoador da culpa e peccado, te perdoe todos teus pec- 

cados. Outros: Sejate solto pela boca de nosso senhor Jesu Christo, 

pela boca de Pedro e Paulo, e pela boca dos 318 verdadeiros da 

fee. As primeiras duas formas nao valem, por serem deprecativas 

e nao absolutas ; a terceira tem sua probabilidade tomando o c sejate 

solto » como que valha c sejas solto » ou c soltote », em modo absoluto 

e nao deprecativo ; posto que as palavras que acrescentao, pela boca 

de Jesu Christo, mais parece que fazem a oragao deprecativa, como 

as primeiras duas, que absoluta. 

Da parte da materia erao muitos os erros que tinhao; porque 

posto que algfuns confessavao todos seus peccados, declarando as 

especies e numero delles, erao pouquissimos os que isto faziao. O 



Digitized by 



Googl( 



144 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

commum era confessarse muito em geral, dizendo: Pequej, pequej, 
soltaime; e com isto Ihe dava o clerigo a absolvi^ao tal qual era 
a confissao. Algum perguntavao : De que vos hej de soltar ? Respondia 
o penitente: Mintj, murmurej, tomei a molherjalhea ; davalhe entao 
sua penitencia e absolviao. 

*De peccar com solteira o que nao era cazado, faziao tam pouco f. 224. 
escrupulo, que se consertavao dous pera estarem hum verao, ou in- 
verno ambos como amigos; e hiaose ao clerigo que Ihes desse 
escomunhao, pera elle por aquelle tempo nao buscar outra, nem ella 
outro. O clerigo os escomungava que guardassem o tal concerto ; e 
daquella maneira comungavao cada domingo, sem escrupulo seu, 
nem do clerigo que o sabia, nem escandalo algum da visinhanga. 
O mesmo era nos cazados, quando o faziao com consentimento hum 
do outro; e era muito commum, quando o marido partia pera a 
guerra, assinarlhe a mulher huma das criadas ou escravas que hiao 
com elle, com a qual Ihe dava licen^a pera cumprir seus appetites ; 
e havida esta licen^a da mulher, como se de Deus a tivera, ficava 
o marido sem escrupulo algum naquella materia. 
a. Ante vigesi- Ate vinte e sinco annos, pouco mais ou menos, ninguem se 

nmn^ nemo ^dconfi- ^onfessava, comungando cada domingo ; porque ate aquella idade se 
tendumaccedit.Con- tinhao por innocentes, mininos, crian^eis, e aos que morriao de 17 

fessarii poenas im- 

ponunt nuUo modo e 20, diziao: minha alma com a daquelle innocente. Tomar a mu- 

admissis accommo- jj^^j. alhea, matar, e furtar, estes tres tinhao por peccados graves, 
e destes se confessavao ; dos mais, poucos faziao escrupulo. E assi 
tinhamos muito trabalho com muitos que pera receberem nossa santa 
fee faziamos confessar, e elles, com serem de 40 e 50 annos, diziao 
que nao tinhao peccado algum, porque nao furtarao, nao matarao, 
nem tomarao a mulher alhea. 

Os confessores nunca mandavao restituir nada ; penitencias davao 
muito grandes, e as vezes por peccados leves, dandoas tambem le- 
vissimas por peccados em si graves, mas que elles nao tinhao por 
taes. Os penitentes ate nao cumprir a penitencia, nao commungavao ; 
e as vezes a penitencia era jejuarem hum, e dous annos, ou rezarem 
por hum e dous annos, cada dia, 50, 100, e todos os i^opsalmos 
de David, e ate acabar a penitencia nao commungavao. Daqui 
vinha que aos doentes nao nos confessavao, ainda que estivessem 
pera morrer, porque diziao que como nao podiao cumprir a peni- 
tencia, pouco Ihes aproveitava a confissao. 



Digitized by 



Googl( 



f"4,v CAPITULO IX. 

Do santissimo sacramento da Eucharistia 
que conhecimento tinh&o, que erros no uso delle. 



Criao e confessavao os Abexins estar neste divinissimo sacra- i.AethiopesinSa- 
mento realmente e verdadeiramente Christo senhor nosso, verdadeiro suTe"^ praesemiam 

Deus e verdadeiro homem, assi como esta no ceo, vivo e glorioso ; rcalcm Christi sub 

speciebus profiten- 

e tinhao e tem a este santissimo misteno grande reverencia, amor e tur. Pane utuntur 

devacao. Chamaolhe Kedus Corban, que he o mesmo che sancta of- fermentatoctvinoex 
^ ' ^ uvis passis, at aquae 

ferta, e por outro nome Qaga Amalac, que val o mesmo que corpo nimiae permixtis, 
de Deus. Recebiaono in utraqtie specie, ou pera dizer melhor, in neu- secratio calicis sicut 

troQue \sic\ Porque, como abaixo direj, o mais certo he que nao havia '"^*^*<^ consccratio 
^ •- -• ^ ^ ^ panis ex defectu for- 

em sua missa verdadeira consagra^ao, assi por falta do poder do mae. 

ministro, porque o mais certo he que nao erao sacerdotes verda- 

deiros, como de materia, que nao era vinho, senao agua, o em que 

consagravao ; pois tomavao 4, 6, ou 7 passas, e lan^andoas em hum 

pucaro de agua, tanto que ella ficava vermelha (e ficava de pressa 

por as passas serem de uvas que se parecem muito com as que nos 

chamamos tinta), com aquella agua diziao missa, e nella, como se 

fora vinho, consagravao. Na formg. tinhao tambem erro essencial, 

porque diziao : Este pao he meu corpo, e este calix he meu sangue, 

como se vera abaixo na missa que escreveremos. 

Davao o sanctissimo sacramento as criangas no dia que as baup- a. Probatur exem- 

tizavao, e com muito trabalho faziao que Ihes passace da boca a fJfo^^a ^ccedere 

C. Bbccari. Rer, Aeih, Scripi, occ. ined. — VI. 19 



Digitized by 



Googl( 



146 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

ad Sacram Synaxim poder de agua. Aos doentes no artigo de morte nao usavao levalo, 

reouteidsr * *^*** "* ^^"^ ^^ davSo a ninguem per modum viatici, Todos os que vinhao 

a igreia commungavao ; pera receberem tao alto e divino sacnamento 

nao faziao ordinariamente aparelho algum. Ja assima disse, que ate 

25 annos, pouco mais ou menos, ninguem se con*fessava, e todos f. 225. 

commungavao; os de mais idade se confessavao duas e tres vezes 

na vida, e como nao tivessem morte de homem, adulterio, ou outra 

cousa semelhante, commungavao cada domingo. Os que tinhao ami- 

gcLS, se erao solteiros, nao tinhao disso escrupulo, nem por isso dei- 

xavao a communhao. Contao elles por cousa rarissima que houve 

hum frade de Tecla Haymanot que nao quiz dar a communhao a 

hum Emperador porque tinha muitas mulheres e amigas ; e por isso 

foi morto. O certo he que os Empsradores sempre tiverao 4, seis, 

e mais, com titulo de mulheres, e muitas com titulo de concubinas; 

e com isso se confessavao algumas vezes, mas nao deste peccado, 

que o nao tinhao por tal, e commungavao cada domingo e outras 

vezes nas festas que vinhao pela somana, sem elles nem seus pa- 

rochos, e Abbunas terem escrupulo nesta materia ; e quem em cousas 

tam crassas fiava tam grosso, bem se vee no mais que aparelho e 

disposi^ao levaria. Os que vinhao a igreia, em quanto a missa se 

dizia, estavao no pateo della praticando, rindo, e contando historias ; 

e como chegava o tempo de se dar a communhao, que os clerigos 

vinhao a porta com o santissimo sacramento, se chegavao e o rece- 

biao em pee (porque nao custumao a se por de giolhos), e logo vol- 

tavao e continuavao as praticas em que estavao. 

3. Monachi calu- O pao em que consagravao nao era asmo, senao fermentado, 

Mteibus^^TmtJo^^ ^^^ como hum boUo; e porque as nossas hostias e formulas sao, 

quia in azimo sa- ^ao s6 de azimo, mas muito delgadas, e muito alvas, tomarao daqui 

crum faciebant; t^ , ^ 

quam singuiari in- occasiao os mimigos de nossa santa fee de alevantarem, e persua- 

dustria patres ab se (jij-^ni ao povo rude que nao consagravamos em pao, senao que nossas 

hostias erao feitas de que diriao? (ninguem no mundo todo tal pu- 

dera imaginar) que erao feitas, disserao, de miolos de lebre e de 

camello, e fingirao que erao destes animaes, pera p6r a gente rude 

maior asco e aborrecimento, porque o tem elles muito grande a 

estes animaes. Houve frade que commungou fingindose catholico, 

e despois foi dizer aos hereges de seu bando, que em metendo na 

boca a nossa hostia sentira tam mao cheiro, que era intoleravel ; e 

com estas patranhas *e outras semelhantes aquellas que os luteranos f.225,r. 

e calvinistas fingem do Papa, e cardeaes, tem feito grande guerra 

a nossa sancta fee, como ao diante se vera. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO IX. 147 

E foi necessario, pera Ihes tirar esta arronea [sic]y faizeremse diante 
delles em muitas partes as hostias, levando nos somente os ferros, 
e trazendo elles a farinha, concertandoa a sua vista, e fazendo as 
hostias, e dandolhas a provar; o que muitos vendo louvarao em 
grande maneira a limpeza e fermosura das hostias, e a facilidade 
que havia em as consumir, condenando o seu pao, e dizendo que 
muitas vezes Ihes licavao entre os dentes muitcis reliquias, e houve 
quem disse: Estas hostias si que parecem pao de anjos, e manjar 
do ceo;^ e nao o pao em que os nossos frades consagrao, tam preto, 
que parece que o amassao com os pees. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO X. 

Do sacramento da ordem, e dos Abunas 
que o administravglo. 



Conheciao e confessavao ser este sancto sacramento instituido x« De sacramento 

O r d i n i 8 catholice 

por Christo senhor nosso ; e que sem no receber, nao podia alguem qaidem sentiant, at- 

s?r ministro da icfreia, pera oflFerecer a Deus o divinissimo sacri- ^*"™^" ^^ *° confe- 
° ^ rendo plures notan- 

ficio do altar, nem pera absolver de peccados. Mas tanto que algiim tur abusiis. 

recebia as ordens de saccrdote, logo ficava com poder e iurisdi^ao 

pira absolver a quantos em toda Ethiopia se quizessem confessar 

com elle de todos os peccados, sem exceigao alguma, sem mais 

exame, aprovagao ou licen^a do Abuna. E para receb^rem as ordens 

nenhum outro exame se fazia, mais que darlhes aos condenados [stc] a 

ler duas ou tres regras por qualquer livro da Escritura. Nem elles 

tinhao algum por onde estudassem casos de conciencia; e assy a 

iuizo de bom varao absolviao a muitos, estando elles com as occa- 

siOes proxima^, antes Ihes mandavao as vezes que as nao largas- 

sem e os excommungavao pera isso. 

f. 226. Vamos aos Abunas: e primeiramente ha de sa*ber que nunca em a. Unicus in Ae- 

Ethiopia, despois que ella recebeo a fee de Christo senhor nosso, Abuna vocatur et a 

ate estes nossos tempos, houve mais que hum prelado e bispo de P^marcha alexan- 

^ T 1- r- drmo instituitur ; 

toda ella. ao qual chamavao Abuna, que quer dizer Padre nosso. hinc monophysita- 

O primeiro de todos foi sam Fremencio do qual assima falamos lar- p^^^jnvectaf quanl 
gamente, mas de nenhum outro seu sucessor achamos cousa digna do Alexandriae pu- 



Digitized by 



Googl( 



I50 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

biicc praevalere coc- de se por em historia. Assy como sam Fruraencio foi mandado a 
saeculo VIII. Ethiopia pello patriarcha de Alexandria, sancto Athanasio, assy 

todos os mais bispos ou Abunas forJ^o ao diante mandados da mesma 
cadeira patriarchal Aiexandrina ; e em quanto nella ouve patriarchas 
catholicos, assima provamos que os Abexins o forao tambem ; e nao 
duvido que o seriao os Abunas. Porem despois que totalmente em 
Alexandria e Egypto prevalecerao os erros e herejias, e aquella 
igreia e cadeira se apertou da cabe^a de todas, que he a Romana, 
nao podemos cuidar, senao que os Abunas, que dali vinhao, seriao 
herejes. Comtudo tenho pera mim, que muitos dos primeiros nao 
ousairao muito as claras descubrir seus erros, em quanto em Ethiopia 
durassem relig[ios]os sanctos e letrados, e algumas outras pessoas te- 
mentes a Deos e vistos em a Sagrada Escritura, e nos livros dos 
padres e dos conilios ; e persuadome mais a isto pello que sabomos 
por dito de quasi todos os que oje vivem, que os Abunsis nao tra- 
tarao nunca de insinar e pregar, ou porque nao erao letrados, como 
defifeito o nao erao os mais delles, ou porque como herejes nao tinhao 
zelo de doutrinar, senao so d^ arrecadar algum ouro e fato, que vi- 
nhao buscar, e como isto alcan^avao, nao se curavao de mais. Col- 
ligese isto da pratica que Francisco Alvres conta que teve com o 
Abuna Marcos, naqual o Abbuna assy como se mostra desejoso de 
outrem insinar as verdades aos Abexins, assi se mostra timido e 
covoarde em reprehender os erros que nelle conhecia, e se vee que 
era daquelles de quem diz o Propheta: Canes muH non vahntes 
Jatrare, ecc. Isto se vera mais claro quando *tratarmos dos tempos f.226.v. 
em que ia nossos padres se encontrarao com alguns Abunas; e col- 
ligirse [h]a mais claramente do que agora direy. 
3. Vel etiam se- Affirmao os que conhecerao tres ou quatro Abunas, que a ne- 

praedicationi non nhum delles ouvirao nunca pregar, nem fazer exhorta^ao alguma ao 
JuSHJirin^^*^"^ poveo \sic\ e parece que este mesmo foi o custume dos primeiros Abu- 
nas. Nem Francisco Alvres, com estar seis annos nesta terra, e contar 
della cousas muito miudas, faz mengao de ter ouvido pratica ou pre- 
gaijao alguma ao Abuna Marcos, que entao vivia ; s6 diz que, quando 
dava ordens, dizia, que as nao tomasse quem fora casado com duas 
mulheres, e duas ou tres cousas mais, em que declarava algumas 
irregularidades ; paissando tanto por alto por outras muito claras, que 
dava ordens de missa a cegos, mancos, alejados, e as de diacono 
a mininos de mama ; e este era todo o officio de Abuna dar ordens, 
e nenhum outro, porque nem pregava, nem ensinava, nem visitava 



divitiis inhiant. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO X. 151 

as igrejas ; posto que mandava a ellas alguns visitadores, mas estes 

mais erao, pera de cada hum arrecadar hum ou dous panos, os quaes 

era custume daremselhe de cada igreja, e val cada hum quasi huma 

pataca que pera emmendsts dos clerigos ou frades, nem pera acudir 

ao concerto, ou desconcerto, que nellas ouvesse nos freguezes ou na 

fabrica ; posto que nisto tinha algum tento que as igrejas nao caissem. 

As ordens que davSo, era de diacono e de sacerdote. As pri- 4. Ad diaconatum 

meiras davao a todos os que as queriao receber athe a mininos de lii^* expctebant^^e- 

quatro e sinco annos. As segundas nao davao senao a mancebos ja **•"" pueros : ad pre- 

sbsrteratum iuvenes 
cazados, ou frades. A forma de que uzavao, nao na pudemos alcan- matrimonio iunctoa 

gar, porque o livro em que a tinhao, era escrito na lingua arabiga, Jormae^^^unquam 

e elles somente o tinhao nao no fiando de outra pessoa. Davao as patres rescire potue- 
. , , , .,. . , riint. CoUatio dubia. 

ordens ^er mamis tmpositionem, sem entregar aos ordenados a ma- 

f. 227. teria do pao e vinho. Por onde houve *sempre muita duvida das or- 

dens que recebiao, se erao nullas, ou nao : alem da duvida do bau- 

tismo, que em todos geralmente corria, e por esta causa o patriarcha 

despois que veo, tomar \stc] a ordenar aos sacerdotes, que receberao 

nossa sancta fee catholica, sub conditione. 

A vinda do Abuna despois que os mouros se apoderarao de 5. imperator ma- 

Alexandria e do Egipto, sempre custou muito aos Emperadores, por- f^^^g^vere^ten" 

que os mouros e Turcos o nao deixavao vir sem Ihes mandarem 200 ^^ «t facultatem 

Abunis faciant Ae- 

ou 300, e as vezes mais, oqueas de ouro, que sao duas ou tres mil pa- thiopiam ingredien- 
tacas ; e se vinhao das {sic^ escondidas, tanto que os mouros o sabiam, ^bunis^^a^ssigna^ta 
pegavao do patriarcha, e o apertavao ate Ihes dar a peita [ordinaria] ; valde opima sunt in 

^ . V A i. x-i. • Tigrd, in DambiA ct 

e pera isso o patnarcha escrevia ao Abuna que contribuisse man- i^ ooggiAm. Prae- 

dando ca o ouro; e nao s6 pera esta vinda, mas outras muitas vezes ^^* ®??°!!® ^ •*" 

'^ cris ordinibus inau- 

mandavao os patriarchas pidir ouro aos Abunas ; o qual elles pro- gurantur obiigantur 

curavao aver, pera Iho mandar, de esmolas dos Emperadores e se- ^^iae)*sciiicet sa^ 

nhores, ou de contribui^Oes, que lan^avao [ao povo. Os Gultes] do l^s, quantitatem soi- 

Abuna erao tres ou quatro terras grandes, que tinha ; huma em [Tigfre] 

e rendia 40, ou 50 oqueas, que sao quatrocentas ou 500 patacas; outra 

em [Dambia de] muito mantimento pera os gastos de sua casa ; outra 

em Gojam que [atraz] rendia bastantemente ; mas ha annos que rende 

pouco por estar junto ao Nillo, em parte por onde dos [^V] Gallas 

fazem muitas entradas, e a destruem ordinariamente Tinha mais os 

pannos que assima disse mandava tomar de muitas igreias ; e sobre 

tudo as pedras de sal que tomava aos que ordenava. Porque ainda que 

nao tomava a cadahum mais que huma ou duas; como ordenados 

cada anno em varias vezes erao muitos mil, vinha a ser a renda 



Digitized by 



Googl( 



152 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

grande pera a terra. Estas pedras parecia que tomava com titulo do 
trabalho, que sous officiais tinhao om porem a cada [hum d]os quc 
S3 ordenav[ao] a chapa no collo do brago quando os aprovavSo, ou por 
outro semelhante ; e podia ser como o que se da ao escrivao polla 
assinatura e ser cousa [nao de simonia]. Porem os Abexins o estranha- 
vao muito, e ainda o tinhao por peccado [grande,] dizendo que vendiao 
as ord3ns; o porque os que sao ordenados simoniace ficao suspen- 
sos por estatuto *e canone particular de alguns concilios antigos, e f.227,v. 
ficar suspenso, cuidao elles que he ficar sem ordens totalmente, de 
maneira que nao s6 peque, quem assy uza dellas, senao que nao fa^a 
sacramento ; despois que os nossos padres vierao, e insinarao e pro- 
garao contra sous erros, muitos hou\e [que] por esta rezao os deixarao, 
e se chegarao aos nossos, tendo pera si que os seus [nao] vierao verda- 
deiramente ordenados, e assy nao tinhao poder pera consagrar, nem 
pera absolver: o que era verdade por outras resoins; e assy nos nos 
ajudavamos deste S3U engano Mas respeitando a elle o nosso pa- 
triarcha, hoje dc ncnhum modo permitte que seu notario polas cartas 
de ordens que Ihes faz e da, reijeba paga alguma, porque nao digao 
tambem que vende as ordens. 
6. Ignorantia Abu- A ignorancia c pouco saber dos Abunas se mostra bem no caso 

ex^po^nis^^imposh^^ \P^^ ^^^7] contarej. Custumavao elles porse algumsis vezes em publico 

iis qui publice pec- asscntados na cadeira, rodeados de muita gente, que logo acudia 
cata confitebantar. . r 

aquelle espectaculo, e alguns vmhao os que queriam confessar pu- 

blicamente, e chegando diante delle diz[iao] hum ou dous peccados,que 

ordinariamente erao os mais graves que em sua vida tinhao come- 

tido ; alevantava o Abuna seu bordao e davalhes tres ou quatro, pelas 

costas, tezas e crespas, dizendo: Isso fizestes? nao tendes medo de 

Deus? ora chegay ah, demlhe 30 ou 40 agoites. Logo os Maijares, 

(que sao homens, que diante delle, dos visorreys, e Emperador cu- 

stumao ir fazendo [afastar a gente] com humas correas muito compri- 

das, as quaes vao batendo e fazendo gri[taria e] som com os estralos 

que dao) c estes juntamente servem de algozes pera [a^oitar] com as 

mcsmas correas, e sao os a^oites crueis, porque as correas sam muito 

cumpridas, e cingindo e dando volta e mea ao corpo, nao soo [queimao] 

mas cortao a carnc e abrem grande ferida ; isto se os [devem] e que- 

rem dar tezo; quando nao, he o estralo grande (mas [o golpe tal]que 

nao chega muito ao corpo) destes a^oites, f)ois mandava o Abuna 

[dar 30] ou 40; porem como o penitente levava seis ou sete, or- 

dinariamente [roga]vao por elle os circumstantes, e o Abuna *dizia f. 228. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO X. 153 

que bastava. Isto he cousa sabida de todos, e afiirmao alguns que 
nao ha muitos annos chegouse ali hum homem ao Abuna, e pediolhe 
que em segfredo o ouvisse de hum peccado. Respondeo elle : Como [?] 
nao se ha esse peccado de saber diante do mundo todo no dia do 
juizo p] dizeyo aqui publicamente. Disseo elle entao ; e era que 
furtara certo numero de vacas. Acertou de estar ali o dono dellas. 
Foy logo avizar a justica, condenaraono em que as pagasse, e sobre 
ellas boa [coima] ; e parece que o permitio Deus, porque nem o 
Abuna, nem confessor algum [destes] nunca obrigavao a restituigao 
alguma. 

Comforrae a ignorancia era a ma vida dos Abunas ; [porque] se 7. Mores Abuna- 
diz que viviao publicamente amancebados ; e ha muita duvida se erao ^iy^j^ d "eorum ad 
bispos alguns delles, ou somente sacerdotes simplices ; ou nem sa- «pifcop^tum inaugu- 

ratione. 

cerdotes, senao frades, ou monges leigos. Ainda oje vive aqui hum 
monge AJexandrino, o qual foi de muitos recebido por Abuna, mas 
porque o Emperador, ia quando elle veo (que foi despois da morte 
do Abuna Simao, de que abaixo fallaremos) tinha no cora^ao a sancta 
fee de Roma, e dali a pouco se declarou por catholico, foi este 
deposto do officio que tomava, ou Ihe davao muitos, de Abuna, e 
confessa que nao he bispo; esta oje reduzido a nossa sancta fee 
casado, e vive de fazer moinhos ; de maneira que em poucos annos 
se transformou de monge em Abuna, e de Abuna em moleiro. 



C BeccAKi. Jier Aefh, Script, occ. tned. — Vl. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XI. 

Declarase como em Ethiopia nao hd s6c cathedral; 
nem o Abuna prov^ as igrejas. 



H6 de saber que em toda Ethiopia nao ha igreia que seia, nem x. In Aethiopia 
t_ ' ^t_ j 1 • t_ ' 11 urbes nullae sed tan- 

se possa chamar see cathedral, e a rezao he, porque, como nella ^^ p^ ^^ impera- 

nunca ouve cousa que tivesse assento, tudo sSo mudancas, e spe- ^"* castra, quae 

nullibi et nunquam 
cialmente na corte e cortezaos, nunca houve cidade fixa e perma- sedem fixara babue- 

nente; nem tem outras cidades, senao os arrayaes do Emperador ^^^ledralis^AeSiiopi- 

e de seus Viso Reys, os quaes sam de tendas moveis, e tam move- bus prorsus ignota. 

Scdesiae quae in 
dipas, que cada dia e hora se mudao, [custume] ja tam antigo que o castris imperatoris 

Profeta Rey, avendo de fallar das cidades, e fortalezas [de Ethiopia] ^"^^^^^ ^^^ ^^^ 

f.zj^^.v. e dizer que *as vira postas da parte e bando da maldade, disse : Pro bterA QoitA ab Im- 

iniquitate vidi tentoria Aethiopiae; porque as tendas e arrayaes mus patria^aMen- 

sam suas forcas [e suasl cidades. He verdade que tem os Em- ^®* ecdesiam cathe- 
*- -" ^ dralem exstruxit in 

peradores ordinariamente seu arrayal de invemo, e esta se pode cha- DancAs. 

mar sua cidade real ; porque nella tem suas cazas comforme a terra, 

elles, e os seus grandes, e muitos do povo. Porem estes mesmos 

arrayaes do invemo sao de tam pouca dura, que nao somente cada 

Emperador faz o seu, mas cada hum faz muitos, e rarissimo h6 aquelle 

que dura quinze ou vinte annos : cada seis, sete, dez annos ha hum 

novo ; e no velho ordinariamente nao deixao mais que campos tibi 

Troya fuit. Eu vi com meus olhos muitos destes lugares, como Gu- 

baj, o novo e o velho, arrayaes, que forao de Malac (^agued e seu 



Digitized by 



Googl( 



156 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

filho Jacobo, e Deqhana, que avia menos annos o tinha sido do Em- 
perador Seltan (^agued, tudo tam ermo como se nunca ali morara 
pessoa alguma. 

Sendo pois isto assy, mal podia aver see, que he cadeira epi- 
scopal de assento, aonde o nao ha nenhum ; e assi o Abuna e pa- 
triarcha como pastores de ovelhas vagas nao tem see material per- 
petua. Dira alguem dos que sabem os custumes da terra, que sempre 
o Emperador onde quer que poem seu arrayal de inverno, tem nelle 
quatro igrejas, a primeira de Ganjabet, que esta a mao direita de seus 
pagos, a segunda de Jesus, que esta a esquerda, as outras de sam 
Miguel e sam Jorge ; e a formal destas quatro igrejas, quero dizer 
os clerigos, e beneficiados, com tendas e pedras de ara e o mais 
necessario pera se dizer missa no camf)o, accompanhavao sempre os 
antigos Emperadores, quando hiao a guerra, que era todos os ve- 
rOes, conforme aquilo do livro dos Reis, quo tempore solent Reges 
ad bella transire, Posto que ia nestes tempos do Emperador Seltan 
Qagued, somente asprimeiras duas igreias de Ganjabet e Jesus acom- 
panhavao o campo imperial. Isto posto dira algum dos que sabem 
estes custumes, que a see do Abuna era alguma destas igrejas do 
arrayal do Emperador. Porem contra isto esta o uzo e custume, 
porque nunca em Ethiopia se disse que alguma destas igrejas era 
do Abuna, nem ao nosso Patriarcha se deo alguma dellas ; antes o 
nosso patriarcha fez logo sua capella dentro da cerca *de suas casas ; f. 229. 
e de novo com nome e titulo de see hia edificando no Dancaz huma 
fermosa igreja de pedra e cal ; ficando as outras quatro do arrayal, 
como sempre forao, administradas immediatamente por alguns cleri- 
gos e frades, e sogeitas ao governo [do Dep]tera Goita, que assy 
chamao ao que he cabe<;;a e governador dos Depteras. 
a. Vocantur De- Sao Depteras, como ia disse, os cantores e prebemdados das 

bterA homines iUi in.. .-^, jt-i. 1 ^ir r 

litteris versati, qui- pnncipaes igrejas; tomao o nome do labernaculo que Moyses fez 

bu8 cura eccieaiarum pQj. mandado de Deus, ao qual na lincfua do seu livro chamao por 

et pulsandorum tjrm- ^ a 

panoram commissa. este mesmo nome Debtera. [Estes sao] os que em Ethiopia professao 

saber mais dos seus Livros, mas nao sao [clerigos] nem frades, e pa- 

rece que respondem aos Levitas, que todos erao obrigados ao servi^o 

do Tabernaculo de Moises, e despois ao do templo de Salamao. O seu 

proprio officio he cantar e tanger com huns como pandeiros e tam- 

boril nos officios divinos e Missa e dan^ar, ou fuliar, e ^apatear 

de maneira que parece se vem a igreja abaixo"; o que na^ festas 

principaes dura por muitas horas come^ando muito ante manha, e 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO XI. 157 

nao acabando senSo perto do meio dia, e prezSose tanto disto, que 

o irmao do Emperador, Ras Cella Christos, estimava muito fazer o 

compasso, e seu primo Melcha Christos, mordomo mor do Empera- 

dor, se prezava de tocar o tomboril ; que digo tocar ? de o sacudir 

e safar por muitas horas. E nisto entendem que imitao a el Rey 

David (que dan^ou diante da Arca de Deus), e guardSlo o que elle 

emcomenda quando diz : Cantate Dommo in timpano et choro, can- 

tate ei in chordis et organo, cantate Domino in [cymbalis belne sonan- 

tilnis. 

Mas tomando ao Abuna, elle em nenhuma destas igrejas manda 3« Nulla ecciesia 

, , , , « ,, Abunae iurisdictioni 

mais que nas outras; e o provimento dos prebendados nao Ihe per- subest, omnes vel ab 

tence a elle, nem o repartir por elles as terras e rendas, que tem ; imperatore, qui De- 

^ ^ »^ ' bter&eligit, velapn- 

tudo isso pertence ao Emperador e ao Debtera Goita. Assy mesmo moribus regni dc- 

he de saber, que as mais das igrejas que ha em Ethiopia, sSo anei- ^^ *"^ 

xas a mosteiros, e os frades as provem, e sam os parochos dellas. 

Outras ha de clerigos, e os mais destas, que sao as mais pobres, 

sao alevantadas por alguns senhores das terras em que estao, e elles 

f 229A- as proveem de clerigos. E assy ficam *estes clerigos sojeitos aos taes 

senhores como quaes quer lavradores das terras, e os taes senhores 

os julgao e castigao sem respeito nenhum a suas ordens. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XII. 
Da Cleresia de Ethiopia. 

Todos os clerigos de Ethiopia foram sempre casados. Nem ha x. Sacerdotes om- 
memoria em seus [livros] que em algum tempo antigo fossem vir- ptiM^ntrahunt ple- 
gens ou continentes. Antes como se vee na Historia de Aba Tecla rumque post Diaco- 

natus susceptioneni : 
Haymanot, o qual ou foi, com ella diz, filho e neto de clerigo, ou ad quem omnes pue- 

o historiador o quiz honrar com o fazer tal ; he certo que se prezSo, " dei ^Mim ^Stra 

e prezarao sempre muito de serem filhos de clerigo, os que o sao. ecciesiae septa ad sa- 

He verdade que neste tempo mais se prezao de ser filhos de frades, ^1^^^. 

que de clerigos ; porque os frades ha muito que sao mais estimados, 

ricos, e honrados que os clerigos, e nao ha muito tempo que eu ouvi 

a hum frade que se queixava muito de certa pessoa o ter chamado 

filho de secular, sendoo elie de frade. 

O que mais espanta he que sempre se cazavao despois de re- 

ceberem as ordens sacras de diacono (que a de subdiacono nao na 

tinhao, nem Iha custumavao dar os seus Abunas); e delles nasceo 

o erro, e nao dos Abexins que tomavao a que Ihe davao. E como 

assima disse, e o vio Francisco Alvres, no tempo do emperador 

David, e despois muitos Portugueses e padres, que ca sempre rezi- 

dirao, era cousa ordinaria receberem as menores, e o gfrao de dia- 

cono mininos de muito pouca idade e ainda de mama: e he isto 

tanto assy, que os filhos dos Reis e qucisi todos os filhos de senho- 

res principaes naquella idade recebiam as mesmas ordens, e o grao 



Digitized by 



Googl( 



laborant: quandoque dalo se de algum destes se soubesse que dizia missa despois de 

etiam vilissima mu- 

nera exercere solent : peccar ; posto que nestes tempos proximos, ia isto se estranhava me- 



l6o HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

de diaconado, s6 por respeito de quando fossem de maior idade 
poderem entrar na capella, e commungar la com os clerigos, e nao 
fora nas crastas, ou a porta da igreja com a gente do povo : e estas 
sao as ordens que tinha sempre o Preste JoSo de Ethiopia, nao de 
sa^erdote, *mas de diacono. f. 230. 

a. Ad Sacerdotium Os que haviao de ser sacerdotes nao cazavao senao com virgem, 

nubunt ; sacerdotes ^ despois se ordenavao de sacerdotes ; e geralmente erao estes cle- 

adulterium vitant, ne n^os a gente de mclhor vida que avia nesta terra; tinhao grande 
officio priventur. ^ ^ ^ » ^ 

Plerique cum ma- medo de peccar com outra mulher ; porque peccando ficavao privados 

EimUiam^l^paupertj^c ^^ "^^ (elles cuidavao que de todas as ordens), e seria grande escan- 
laborant : quandoque 
etiam vilissima mu- 
nera ezercere solent : 

«iudent^*^*^*° ^^^ "^^' como direj a seu tempo. Os filhos dos clerigos ordinariamente 
se ordenavao e ficavao nos lugares e igrejas de seus pays. As igre- 
jas erao todas collegiadas ; tinha dous ou tres clerigos, seis, sete e 
mais diaconos, e como de todos avia grande descendengia, daqui 
vinha serem todos ordinariamente pobres ; porque nao podiao bastar 
as terras de quelquer igreja, ainda que bem dotada, pera sustentar 
os descendontes de tantos clerigos e diaconos; que comegando em 
siis, ou dez casas, aos 50 e 60 annos erao ja as casas 50 e 60, e 
as vezes mais. Daqui vinha que todos viviao de seu trabalho, la- 
vrando, cavando, e sirvindo em todos os mais officios nao menos 
que os seculares, dos quaes nada se distinguiao no vestido, mais que 
em trazerem na mao huma cruzinha; e assy erao muito pouco re- 
speitados. Nem havia ca, nem se sabe que a houvesse antigamente, 
immunidade ecclesiastica. Os senhores das terras, em que estavao 
as igrejas, iulgavao aos clerigos, como aos mais ; e os Viso Reys e 
justi^as do Emperador assy os condenavao a elles, e aos frades, a 
agoites, e a morte quando a mereciao, e assi executavao nelles qual- 
quer destas penas, como nos seculares. 



Digitized by 



Googl( 



ras. 



CAPITULO XIII. 
Das Missas d'£thiopia. 



Todas as igrejas de Ethiopia, como ia dissemos, sao redondas «. Forma eccle- 
seudo quadrada a capella, que fica dentro do corpoda igreia, e assy quot°et°qul clerici 

fica o corpo sendo como huma varanda, ou crastas da capella, a qual ^iaicuique addicti. 

, Sacrum faciunt se- 

f.23o,v. *tem tres portas nos tres lados, ficando so sem porta o lado quo mel in unaquaque 

responde as costas do altar ; este f)orem nSo esta encostado a parede, J^^jg *e* ^e[^i^rum 

sendo fica entre elle e ella lugar pera se correr todo em roda in- tempore s-b vespe- 

sengando. No altar nenhuma imagem esta, s6 tem algumas de mao 

que levao e poem sobre elle quando hao de dizer missa ; nem [sic] elle 

esta a pedra ou taboa d'ara, digo taboa, porque as mais sao de pao, 

sem sagra^ao alguma, somente tem escrito o nome do sancto de que 

he o orago da igreja. Detras da igreja, pera a banda do Oriente, 

esta sempre huma casinha afastada della, que he a casa das hostias, 

e nella ha o aparelho pera as fazer: a saber huma pedra como de 

caril pera moer a farinha, humas tigelas grandes ou alguidares de 

barro, em que amassao e cozem, porque a hostia he hum bolo fer- 

mentado. As igrejas todas sao coUigiadas, e tem humas mais, outras 

menos, m<is cada huma pello menos dous ou tres clerigos de missa, 

e outros tantos diaconos. As igrejas grandes tem muitos e muitos 

Debteras, que sao os prebendados e cantores. Em nenhuma igreja 

se diz no mesmo dia mais que huma so missa, e estranhavao no 

principio dizermos nos duas, e tres ; mas despois vierao a entender 

C. Bkccari. /ier. Aeik. Seripi, occ. ined, — VI. 21 



Digitized by 



Googl( 



l62 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

que nao hera mal feito. Aos domingos e dias, que nao sao de jen- 

jum, dizem a missa pela menha; aos de jenjum, junto ashorasde 

comer, que sao, as quartas e sestas feiras entre anno, as quatro da 

tarde, pella quaresma ao por do sol. 

a. Pane utuntur Chegado pois o tempo de dizer missa, huma hora antes, pouco 

cante, vino tx uvis ^n^is ou menos, tratao de fazer as hostias e o vinho, e estranhavao 

quidem scd pasais et niuito no principio fazermos nos as nossas hostias pera muitos dias. 
aqua nimia permi- 

xtis. utrumque com- Entra logo o clerigo ou frade na casa das hostias, e moe a farinha, 
antc^missarcelebra- P^^to que tambem algumas vezes a dao a moer a algumas molhe- 
tionem. res, que morao per todas as igrejas; moida a massa con fermento 

dahi a pouco tende e faz o pao que se ha de consagrar a modo 
de hum bollo maior ou menor conforme a muita ou pouca gente 
que costuma vir a missa, porque todos os que vem commungao, 
sem mais aparelho de confissao, *nem oragam, que estarem, como f. 23». 
estao, os mais delles (pouquissimos entrao na igreja), a roda della, 
praticando e contando historias ; e como chega o sacerdote a porta 
pera Ihes dar a communhao, chegao elles, commungao e voltao a 
fazer o que faziao. Juntamente com o pao, ou boUo que se ha de 
consagrar, fazem outros da farinha, quanto ella chega, os quaes co- 
mem despois da missa, e repartem como pao bento, por ser da mesma 
farinha que se moeo pera a hostia. 

No mesmo tempo tratao do vinho por este modo. Tem sempre 
guardadas passas pera todo o anno ; e poucas bastao. Trazem quatro 
ou sinco, os que mais trazem sete, e desfcizemnas quebrandoas com 
os dedos em hum pucaro de agoa, maior ou menor conforme a gente 
que ha de comungar (porque todos comungao in utra^jtie ou in neutra- 
que \sic\ specie) ; digo em fieutraque [sic\ porque quanto a de sangue he 
evidentissimo que o nao he: porque desfeitets as passas, tanto que 
a agua fica com ellas corada, ou ru^a, ja a dao por vinho; e como 
se o fora, consagrao, sendo evidente que he agua, pois hum pucaro 
de agua nao se pode tomar vinho por nelle desfazerem sete, nem 
vinte sete passas. A materia do pao he boa, porque he trigo, porem 
a forma, como abaixo diremos, he muito duvidosa. 
3. Quac sint ve- Como chega a hora de dizer missa, diz primeiramente o sacer- 

crae. Ritua^et%re- ^^^^ certas orapOes sobre os vestidos sacerdotaes, benzendoos com 
ces quae sacrificium ellas ; e tem elles assaz de necessidade de serem bentos cada dia, 



praecedunt. 



porque sao em sy tam profanos, que ainda com todas as ben^des 
ficao assas indecentes pera tal ministerio. A rezao he porque os ves- 
tidos sam somente dous; hum que de alguma maneira responde a 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO Xm. 163 

nossa alva, e he as mais das vezes alguma cabaya, que se comprou 

aos Turcos despois de usada, e as vezes bem cafada por elles, e 

assi como o comprarao, sem Ihe mudar nada, a vestem pera tam 

alto ministerio ; o outro vestido responde a nossa cazula, e he muito 

estreito por detraz e diante, mas por detraz arroja quasi hum co- 

vado pelo chao : e por isso o padre Francisco Alvrez disse na sua 

f.23i,v. historia que esta cazula era somente da largura da *pessa da seda 

com hum burago no meo pera meter por elle a cabe^a; e nSo no 

explicou mal. A isto chamao Motat; amito, cordao, estola e mani- 

pulo, nao tem. Estas duas pegas vestem o sacerdote e o diacono ; o 

subdiacono veste somente a primeira ; e sem estes tres nunca se diz 

missa. Muitas vezes ajuda tambem a missa outro sacerdote, que 

veste tambem outra cabaya ou alva como o subdiacono. 

Emquanto estes se revestem na igreja (que nao tem sachristia 4» Sacerdos comi- 

^. v_, •i.ji^x-i_ j' V tantibus diacono et 

pera se revestirem) vao a casmha das hostias hum diacono e sub- subdiacono accedit 

diacono sem se revestirem, e o diacono toma na mao direita o pu- adaltare: ritusante 

lectionem Epistolae. 
caro de vinho ou agoa ru^a, cuberto com hum pano, e na esquerda prima oratio. 

hum jarro de agua pera lavar as maos; e o subdiacono toma na 

mao direita hum cestinho em que esta o bollo, que se ha de consa- 

grar envolto em hum pano de algodao (e com elle os mais que 

se hao de repartir como pao bento) e na mao esquerda toma huma 

compainha. Acabando de se revestir, os que o fazem na capella, 

pera dizerem a missa, comega o saccrdote em voz alta : Alleluya, e 

continua huma ora^ao muito comprida, e diz tudo de cor, e logo 

veem da caza das hostias os que trazem o pao e vinho tangendo a 

campainha. E todos os que estam na igreja abaixao as cabe^as, di- 

zendo : SanctuSy sanctus, sanctus Deus, Deus qui semper es in coelis 

et in terris, E como chegao ao altar, toma o sacerdote que diz a 

missa o pao, cobreo com o corporal, que he hum pano de algodam 

preto, ou vermelho, pera que as reliquias appare^ao milhor ; e logo 

o diacono toma o vinho, e o subdiacono huma candea na mao 

esquerda, e na direita hum turibulo, e comegao a rodear ao altar 

dizendo o sacerdote em voz alta esta ora^ao : « Deus nosso, Deus que 

recebestes o sacrifi^io de Abel no deserto, e o de Abraham no alto 

do monte, e o de Elias no Carmello, e a moeda da viuva no templo, 

da mesma maneira recebei o sacrificio de nosso servo foao > (nomean- 

dose assi), e o diacono que leva o calix com o vinho diz o psalmo 22 : 

Dominus regit me, ecc. E como acabao de dar volta, poem o sa- 

cerdote o pao na patena, que esta em huma bacia grande de cobre, 



Digitized by 



Googl( 



164 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

a qual poem sobre a pedra d'ara, e o diacono bota o vinho no ca- 
liz, o qual nas igrejas prin<;ipaes *he de prata, nas outras de cobre. f. 232. 
5. Absoluto Ps. aa, Isto feito diz o sacerdote : « Christo nosso Deus que, quando vos 

calicemetc;a.°^3.° chamarao, fostes as bodas de Cana de Galilea, as benzestes, e Ihes 

oratiosupercalicem; fizestes da acfua vinho, da mesma maneira fazei a este vinho, que 
4.^ oratio ; Kyrie e» » » ^ 

eieison; 5.* oratio esta diante de vos, benzeo pera que seja alegria, contentamento e 
super popu um ; ^.^^^ ^^ nossa alma e corpo, e morai sempre com nosco. Padre, 
Filho, Spirito Sancto, nao ha outro Deus, s^nao vos ». E prosegue 
sobre o calix : « Deus, nosso Deus lesu Christo, de verdade Deus e 
homem, que nao se afastou sua divindade de sua humanidade, que 
derramou seu sangne com seu querer por sua feitura. ponde, Senhor, 
vossa sancta mao sobre este calix, faizeio limpo e sanctificado, fa- 
^asse vosso sangue honrado : seja isto pera vida e salva^ao e re- 
demp^ao do vosso povo, amen. Bemdito Deus Padre nosso todo po- 
deroso, e bemdito o Filho Unigenito, que nasceo da sancta Maria 
pera nossa salva^ao, e bemdito o Espirito Sancto Paraclito, nossa 
esperan(;a. Gloria Patri et Filio et Spiritui Sancto^ nunc et semper, 
amen, Hum Padre sancto, hum Filho sancto, hum he o Spirito Sancto : 
louvaj ao Senhor todas as gentes, louvajo todos os povos, qtwniam 
confirmata est stiper nos misericordia eius, et veritas eius manet in 
saecrdum saecidi, Gloria Patri et Filio et Spiritui Sancto, nunc et 
semper et in saecula saeculorum, amen >. 

Isto acabado diz o diacono em voz alta: Alevantayvos a ora- 
(^ao (nao porque elles estejao assentados ou de giolhos, porque todos 
estao sempre em pee, ate quando recebem o Sanctissimo em pee 
o recebem), mas aquillo he como d\z^r Sursum corda, ou Orate fratres. 
E logo o sacerdote diz : « Pax vobiscum. Louvemos ao Senhor feitor 
de todos nossos bens, Deus misericordioso, pay de nosso senhor 
Deus e salvador lesu Christo, porque nos acudio, recebeo, e nos fez 
chegar ate esta hora, roguemoslhe que nos guarde em este dia 
sancto, e daqui pordiante todos os tempos de nossa vida em toda 
a paz ; todo poderoso Deus, nosso Deus » . Diz o diacono : < Buscaio e 
rogai vos outros que nos perdoe Deus, e receba a ora^ao e petigao 
de seus servos. Fazeinos *dignos, senhor, que participemos do bem- f.232,v. 
dito misterio, e perdoai nossos peccados ». E logo todos os que estao 
na capella (na qual somente entrao os que tem ordens) dizem huma 
vez : Kirie eleison, e o sacerdote diz : c O senhor Deus todo poderoso, 
benedicimus te super omnia opera tua et propter omnia opera tua, et 
in omnibus operibus tuis, porque nos livrastes e guardastes, e fize- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO XIII. 165 

stes chegar a vos, re<;ebestes e fizestes fortes, e chegastas atee esta 

hora; polo que vos rogamos e pidimos nossos bens. O amador das 

gentes, dainos que cumpramos este dia sancto, e todo o tempo de 

nossa vida, em toda a paz com vosso temor de toda a inveja, e de 

toda a tenta^ao, e de todas as obras do Diabo, e conselho da gente 

ma, e do alevantamento do inimigo secreto e publico nos livray: 

afastai tudo, Senhor, de mym e de todo vosso povo e deste vosso 

sancto lugar ; dainos todos os bens, vos que nos destes poder pera 

pizar aspides e bazeliscos, e sobre toda a for^a do inimigo ; nao 

nos metaes em tenta^ao, mas livraynos do mal com graQa e p)az e 

amor da gente, e de vosso filho unigenito, nosso senhor lesu Christo, 

no qual tendes honra e poder, e com o Spirito Sancto vivificador, 

que he igual com vosso filho, in secula seculorum, amen » . 

Prosegue logo sobre o pSo e caliz : « O cabecja lesu Christo par- 6. 6* oratio saper 

tigipante do principio, vos sois verbo de fee, limpo pao de vida, oratirdum^^irM al- 

que decestes do ceo, e vos adiantastes a ser cordeiro sem macula ^^^^ ^^® incenditur. 

Ritus qui servatur 
pola vida do mundo, buscamosvos, e pidimosvos vossos bens; o dumadiaconpetsub- 

amador dos filhos dos homens, mostrai vosso rosto sobre este pao tur*^p^pulo^*EpUto^ 

e sobre este caliz, que estao postos sobre esta meza pera este con- lae. 8.** oratio. 

vite sacerdotal ; benzejos, alimpaios e sanctificaios e convertei este 

l^ao em vossa carne limpa e sancta, que se ajuntou com este caliz, 

e que vosso sangiie honrado seja participa^ao igual pera todos nos, 

mezinha e salva^ao pera nossas almas e corpos, porque vos sois 

Rei de todos nos. Christo nosso Deus, a vos damos altissimos lou- 

vores, a vos convem gloria, adora^ao e poder, e a vosso Pay manso 

c bom, e ao Spirito wSancto vivificador nunc et per otnnia saecula 

saeculorum ». 

f. 233. Como acaba estas ora^Oes, diz o diacono : Levantaivos *pera a 

oragao; e o sacerdote diz: Pax vobiscum. E logo bota incenso no 

turibulo, e vai aroda do altar incansando e dizendo: « Gloria e honra 

a sanctissima Trindade, Padre, Filho e Spirito Sancto, nunc et 

semper et in saecula saeculorum, amen, O Deus eterno, que nao ten- 

des principio nem fim, que sois grande em vosso saber, poderoso 

em vossas obras, e sabio em vosso conselho, que estais em toda a 

parte, pedimos e rogamos que esteiais com nosco nesta ora, mostray 

vosso rosto sobre nos, e alimpai nossos cora^Oes, e santificai nossas 

almas, e perdoai os peccados que temos feitos voluntariamente e 

involuntariamente, e fazei que vos offere^amos sacrificio limpo, sa- 

crificio vivo, incenso spiritual entre na casa de vossa sancta gloria ». 



Digitized by 



Googl( 



l66 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Diz o diacono : Levantaivos pera a orac^ao ; e o sacerdote : Pax 

vobis, e vai com o turibulo levando diante ao subdiacono com huma 

candea, e ao diacono detraz, e o livro de sam Paulo na mao, e 

saindo fora da capella, lee huma das epistolas de sam Paulo, em 

quanto o sacerdote da huma volta incensando aroda da capella pela 

crasta, ou corpo da igreja, aonde estam os seculares, que nao podem 

entrar na capella, e vay dizendo : « Sanctus, sanctus, sanctus Deus Sa- 

baot perfeito, chea esta a terra de santificacjoins de vossa gloria » ; e 

logo torna a repitir o mesmo que acima : « O Deus eterno, que nao 

tendes principio, nem fim, ecc. », e tanto que entra na capella, deixa 

o diacono de ler, e vai detras delle ; e chegando ao altar, sae o sub- 

diacono, e lee no mesmo lugar hum peda^o de Epistolas canonicas ; 

e entretanto o sacerdote no altar repete outra vez : « Deus eterno que 

nao tendes principio, nem fim, ecc. », e acrecenta: < Vossois nosso 

senhor e nosso Deus ; a vossos apostolos declarastes a gloria do evan- 

gelho de vosso Messias, e Ihes destes dOes sem conto de vossa 

gra^a, e Ihes mandastes pregar em todo o universo : a riqueza de 

vossa gra^a, e mizericordia nao [se] sabe. Dai nos, Senhor, gra^a que 

andemos por seus caminhos e sigamos suas pizadas, e sejamos di- 

gnos de participar suas he*ranQas, e em todo o tempo nos pare- f.233,v. 

^amos com elles e fiquemos fortes em seu amor; e guardai vossa 

igreia sancta, que edificastes por elles, e lan^ai beuQao sobre as 

ovelhas de vosso rebanho ; acrescentai a cerqua de vossa vinha que 

plantastes com vossa sancta mao direita em Jesu Christo, nosso se- 

nhor, com o Espirito Sancto, in saecula sacculorum, amen ». 

7. Sacerdos assi- Quando sae o subdiacono a ler sua li^ao vaj detraz delle o sa- 

stens celebranti reci- . ^ •j'- i-ji_jjj. 

tat ex actis Apostolo- cerdote, que ajuda a missa, e fica da banda de dentro; e como o 

rum, dum celebrans subdiacono acaba, Ihe entreffa o livro, e vaise pera o altar, e elle 

breves fundit preces, 

et populo signo cru- fica lendo dos Actos dos Apostolos ; e entretando diz o sacerdote 

legitur^aUquid^ex ^^^ ^^^^ "^ altar : « O senhor Jesu Christo Deus nosso, que dissestes 

eo Evangelio quod a vossos sauctos discipulos e apostolos limpos : Muitos prophetas e 

iUo anno legendum . ^ . , . . 

est. Oratio 9." pro justos desejarao ver o que vos vedes, e o nao virao, e ouvir o que 

Ecclesiae pace. ouvis, e nao no ouvirao ; e bem aventurados os olhos que veem o 

que vos vedes. Assy como a elles, fazei nos dignos de ouvir e cum- 

prir a palavra de vosso sancto evangelho com a ora<jfto dos sanctos t^ . 

Despois diz o diacono : Fazei ora^ao, e o sacerdote : « Lembraivos 

outra vez, Senhor, dos que nos pidirao que nos lembrassemos delles 

em nossas ora^Oes, e peti^Oes. O Deus nosso senhor, dai descango 

aos que morrerao antes de nos, e dai saude aos doentes ; porque vos 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO XIII. 167 

sois vida e esperan^a nossa, e livrador nosso, e resorrei^ao de todos 

nos, a vos damos altissimos louvores. Gloria Altissimo in saecula sae* 

culorum » . Logo estende a mao direita pera o oriente, e virandoa 

pera o occidente, pera o norte, e pera o sul, faz huma cruz dizendo : 

< Deus altissimo lance sua ben^ao sobre todos nos, e nos santifique 

em bengao spiritual, e fa^a nossa entrada na santa igreia com os 

diligentes anjos que o servem e louvao pera sempre dos sempres > ; 

e nisto chega o sacerdote que estava fora lendo pellos Actos dos 

Apostolos, e pondo o livro em seu lugar, toma o do evangelho de 

huma estante, que esta perto do altar (que nelle nao ha livro ne- 

nhum porque tudo quanto nelle dizem he de c6r) e abrindoo na 

f- 234- parte, *que se ha de ler, o da ao sacerdote que diz a missa, e elle 

o toma com ambas as maos, e o poem sobre o hombro esquerdo, 

e vaj ao lugar aonde os outros lerao dizendo : Evangelho santo, que 

deu novas Foao (nomeando o evangelista de que ha de ler) palavra 

do filho de Deus. E saindo fora da porta da capella lee o evan- 

gelho daquelle dia. Mas nao misturao os evangelhos; senao hum 

anno inteiro lem de hum evangelista, outro de outro, e assy em 

quatro annos acabao os quatro evangelhos. Lida a li^am daquelle 

dia, toma ao altar, dizendo : « Tambem pedimos ao todo poderoso 

Deus Padre, ao senhor e redemptor nosso Jesu Christo; pidimos e 

buscamos a vossos bens, o amador das gentes ; lembraivos, o senhor, 

da paz da igreia, santa congrega^ao dos Apostolos, a qual ha de estar 

ate o fim do mundo; benzei a todo o mundo e a todo o gado, com 

paz que esta nos ceos, e meteya em nossos cora^Oes, e dainos ver 

a paz de nossa vida ; dai vossa paz a nosso Rey N. e a seu excer- 

cito, e as seus principes e grandes. O Rey da paz, dainos paz, por- 

que todas as cousas nos destes, e a nenhum outro conhecemos fora 

de vos: a vosso sancto nome nomeamos, e chamamos pera que viva 

em nossa alma no Espirito Sancto, e nao acometa a morte do pec- 

cado aos vossos servos e a todo vosso povo ». 

Acabado isto diz o diacono : Alevantaivos a ora^ao, e o sacer- 8. Populus recitat 

dote : Pax vobis, E os que estao na capella e fora dizem o credo ; e q^a absolvitur prior 

entretando o sacerdote: « Alevantaivos, o meu senhor Deus: exiirs^at P**^ Missae, quae 

^ semper eadem est, 
Deiis et dissipentur inimici eius, et fugiant qui oderunt eum a facic 

eius: e vossos povos serao bentos com a ben^ao dos milhares de 

milhares, que fazem vossa vontade com gra^a, paz e amor da gente 

de vosso filho unigenito, nosso senhor e nosso Deus, salvador Jesu 

Christo, cum quo tibi gloria, et honor, et potestas, et cum Spiritu 




Digitized by 



Googl( 



l68 HrSTORTA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Sancto vivificatore, aequalis est tecum nunc et in saecula saeculorum, 
ecc. Deus grande, eterno, que fizestes a gente S3m corrup^ao, dimi- 
nuistes a morte que entrou primeiro no mundo por inveja do diabo 
na vinda de vosso filho, nosso Daus, senhor e salvador Jesu Chri- 
sto e enchestes toda a terra de paz dos ceos *com a qual vos lou- ^234,7. 
vao os coros dos anjos, dizendo ; Gloria in excclsis Deo et in terra 
pax hominibus bonae voluntatis. O senhor, enchei com vosso querer 
nossos cora^Oes de vossa paz, e alimpaias de toda a nodoa e de 
toda a enveja e de toda a obra ma e da lembran^a do mal que 
causa a morte, e fazeinos digtios de nos darmos huns aos outros 
osculos santos e que recebamos sempre vosso sancto pSlo celestial, 
que he sem morte, ifi Jesti Christo Domuto nostro, cum Spiritu 
Sancto in saecula saeculorum, amen ». 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XIV. 
Missa dos Apostolos. 



Notese que tudo o que atras fica escrito, sam como prepara- x. Superius reUta 

,, ,, . .. .communia sunt 

<;5es pera o que elles chamao propnamente missa, e creo que he omnibus missis: hae, 

como o nosso canone. Mas com esta difFerencja, que o nosso canone ^^^ Canoni Latino- 

nim respondent, sunt 
sempre he o mesmo, sendo muito differentes as preparaQOes das apud Aethiopes duo- 

missas varias que dizemos ; mas nelles he tudo pelo contrario ; por- ^^fg"^ tam^quae ab 
que estas prepara^Oes, que escrevemos ate aqui sSo sempre as Apostolis nomen ha- 

bet. 
mesmas em todo anno, e nas missas tem variedade, postn que nSo 

tanta como n6s ; porque tem somente doze missas pera todo o anno, 

huma das quaes poremos aqui, e he a que elles dizem ser feita 

pelos Apostolos, e por isso a chamao por este nome, e he assi. 

Pondose o sacerdote que diz a missa (despois da tudo o acima a. Incipit Missa 

escrito) com o rosto pera os que estam na capella, Ihes lan^a a p^parato^^'. Con- 

benQao com a mao direita dizendo: Dominus, ou Deus vobiscum\ e sccratiopanisetvini. 

tomandose a virar pera o altar, dando benc^ao, diz : Benedicite Deum ; 

o logo prosegue : Benedicimus te, Domine, in dilecto Jilio tuo Do' 

mino nostro Jesu, quem misisti nobis novissimis temporibus Jilium 

tuum salutarem, et Redemptorem, Angelum consilij tui, hoc verbum 

tiium in quo omnia voluntate tua fecisti, Diz o diacono: Propter 

beatum et sanctum Papam N, (nomea ao que actualmente he pa- 

triarcha de Alexandria), et proptcr beatum N. (nomea o que actual- 

mente he Abuna de Ethiopia) ; diz o sacerdote : « A elles, e as almas 

de todos dai descan^o e tende misericordia dellas. Vosso filho man- 

C. Beccaki. Rer. Ae/k. Sci-ipt, occ, ined — VI. 22 



Digitized by 



Googl( 



I70 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

dastes do ceo nas entranhas da Virgem, e se fez carne, e esteve 
no v^ntre, *vosso j&lho se soube pelo Spirito Sancto, a vos e aos f. 235. 
que estao em pe3 diante de vos milhares de milhares de sanctos 
anjos e archanjos, g vossos animaes honrados que tem S3is azas 
chenibins, e serafins com sucis duas azas cobrem vosso rosto, e com 
duas os pees, e com duas voam do prin^ipio ate o fim do mundo todos 
pera vos santificar e louvar sempre com os que vos santificao, e 
louvao. Tambem recebej nossa missa dos que vos dizemos: Santo 
santo santo Deus Sabaoth, perfeito cheo esta o Ceo e a terra da 
sanctifica^ao d^ vossa gloria. Vosso filho veo e nas^eo da Virgem, 
pera cumprir vossa vontade, e pera vos sanctificar o pov^o, cstendeo 
suas maos pera pade^er dor, e pera desatar os doentes, e aos que 
confiavao em vos, o qual se entregou por sua vontade a padecer 
pera tirar o poder da morte e quebrar as cadeas do demonio, e 
pisar o inferno pera guiar os sanctos e plantar a ordem, e declarar 
sua resorrei^ao, et tn nocte qua tradebattir accepit panem tn suis 
manibtis sanctis et benedictis ct immactdatis, et levavit oculos in coe- 
lum, et ad te Patrem suum, et bcnedixit ac fregit deditqtie disci- 
pulis suis diccfis: Accipite et comedite: hic panis est meum corpus, qui 
pro vobis frangitur^ in remissionem peccatorum; simili modo dedit 
discipulis suis caliccm benedictum et sanctificatum, dicens : Accipite et 
bibite, hic calix est meus sanguis, qui pro vobis effundetur in remis- 
sionem peccatorum. Tambem agora, o senhor, lembrandonos da vossa 
morte e de vossa resurrei^ao confiamos de vos, e vos damos este 
pao, e este calix bencdicentes te, o qual nos fizestes pera deleit3 
pera que estivessemos em pee diante de vos a vos sirvimos e pedi- 
mos o senhor, e vos rogamos que mendeis o spirito santo de virtude 
sobre este pao e este calix, e o fa^ais sua came e sangue de nosso 
senhor Jesu Christo pera sempre dos sempres ; e juntamente Ihes deis 
a todos os que delle participao que Ihes seja pera santifica^ao e re- 
demp^ao do peccado in saecula saeculorum ». Dizendo estas palavras, 
molha a ponta do dedo polegar e faz com elle huma cruz no pao 
de huma e de outra banda, e diz : « Dainos que nos unamos em vosso 
spirito sancto, e sarainos neste pao, pera que vivamos com vosco 
pera sempre. Benedictum "^nomen Domi^ii qui venit in nomine Do- ^.235^. 
mini », e todos repetem estas palavras come^ando daquellas: Dainos 
que nos unamos. 
3. Orationes quae O diacono diz : Levantaivos pera a ora^ao, e logo o sacerdote : 

ad^sao^ S^^iudm ^^^ vobis : gratias agens benedixit ac fregit (aqui parte o pao) to- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO XIV. 171 

mando hum pouco da parte decima aonde esta a primeira cruz, e sumendam. Preces 

logo da banda debaixo despois da parte da mSo direita, e logo da triarcha Alexandrino 

esquerda ; despois tira com o dedo da codea do pao aonde esta asi- ** P'° Abuna. 

nalada a crux do meo, e inteira a bota dentro no calix, e diz esta 

ora^ao : < Tambem rogamos ao todo poderoso Deus Padre, ao senhor 

e salvadcr nosso Jesu Christo que nos dee tomemos com ben^ao do 

sancto misterio, e que nos fortifique, e nenhum de nos polluahir, 

senao que seia deleite pera todos os que recebem o santo misterio 

do corpo e sangue de Christo todo poderoso Deus nosso Deus ». Diz 

o diacono. Orate; e logo o sacerdote: « Deus que sois todo pode- 

roso, dainos fortaleza em receber de vosso santo misterio, e nao per- 

mitais ut pollualur aliquis ex 7iobis, mas benzej a todos semper et 

in saecula saeculorum » . Diz o diacono : Em vos pondo em pee, le- 

vantai vossa cabe^a, e logo o sacerdote : « Deus eterno sabedor do 

secreto e do manifesto, abaixe diante de vos vosso pouvo a cabega ; 

a vos reverenciamos, e abrimos o alto de nosso cora^ao e carne ; olhai 

a morada que vos convem, e benzejos ; inclinai vossa orelha e ouvi 

suas ora^Oes, fazeios firmes com a virtude de vossa mao direita, 

acudi e cubri a doenpa ma, sedelhes guarda pera a alma e corpo ; acre- 

centai a elles e a nos a fee, e o temor de vosso nome ifi uno Filio tuo 

in saecula ». 

Diz o diacono : Adoray a Deus com temor, e logo o sacerdote : 
« O senhor todo poderoso, vos sois o que saraes nossa alma e corpo ; 
porque vos o dizeis por boca de vosso filho unigenito, nosso senhor, 
nosso Deus, nosso salvador lesu Christo, que disse a nosso pay 
Pedro: Vos pedra, e sobre esta pedra edificarey minha igreja, e as 
portas do inferno nao prevalecerao contra ella ; e darte hej as cha- 
ves do reino dos ceos ; o que atares na terra sera atado no ceo, e 
os que soltares na terra sera solto no ceo. Sejam soltos e livres 
f :36. vossos servos meus pais, e meus hirmaos na boca do Spirito *Sancto, 
e tambem na minha boca vosso servo peccador e culpado. Deus 
nosso senhor, que tiraes os peccados do mundo, recebei a penitencia 
destes vossos servos e servas, e alumiay nelles a luz da vida eterna 
e perdoailhes seus peccados, porque vos sois piadoso e amador dos 
homens; vos sois Deus nosso Deus, e misericordioso e verdadeira- 
mente justo. S^ peccarmos contra vos com nossa palavra ou com 
nosso cora<;tao ou com nossas obrcis, perdoai e edificai, porque vos 
sois bom e amador das gentes ». 

« Porque vos sois Deus nosso Deus, soltai a nos e a todo nosso 



Digitized by 



Googl( 



172 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

pouvo. Lembraivos, senhor, do padre honrado e sancto, nosso papa 
abba N. (aqui nomeao ao Abuna actual de Ethiopia); Deus nosso, 
guardaio pera nos por muitos annos, e tempos compridos com jus- 
tifica^ao e paz. Lembraivos, senhor, do nosso Rey N. e soltaio da 
prizao dos peccados, que fez a sabendas e por ignorancia, sogetai 
seus inimigos e botaios logo de baixo de seus p6es, lembraivos, 
senhor, de todos os Papas bispos e clerigos, diaconos, subdiaconos, 
exorcistas e cantores, homens e mulheres, mininos e velhos, e man- 
cebos, e de todo o pouvo christao, fortificaios com a fee de Christo, 
lembraivos, o senhor, e soltay os que dormirao e descangarao na fee 
verdadeira, ajuntai suas almas no seo de Abrahao, Isaac e Jacob; 
e livrai nos d^ toda a culpa e maldi^ao e de toda a nega<;ao, e de 
toda a escomunhao, e de todo o juramento falso, e de toda a uniao 
com os rebeis e gentios. Dainos graga, o senhor, cora^ao, sizo e 
entendimento pera que nos afastemos e fujamos daqui por diante 
pera sempre de toda a obra ma, que tenta ; dainos que fa^amos vossa 
determina<;ao, em toda a hora, escrevej nossos nomes no livro da 
vida no reino do ceo, com todos os santos e martires em lesu 
Christo nosso senhor, cum quo ct cum Spiritu Sancto haies gloriam 
et fotestatem nunc et in saecula saeculorum, amen ». 
4. Praecinente Diz o diacono : Necer, id est: olhay, e o sacerdote: Senhor, per- 

veniam pcccatorum doainos Christo ; e logo todos os homens e mulheres dizem o mesmo 
precatur. Professio cantando, e o sacerdote o repete outras duas vezes, e o mesmo fa- 

fidci circa praesen- 

tiam realem. zem os mais. Despois diz o sacerdote : « De verdade came santa de 

nosso senhor Deus e salvador lesu Christo, que se da pera vida. 

salvagao e redemp^ao do peccado aos que tomao delle crendo; de 

verdade sangue honrado de nosso senhor Deos e redemptor *Iesu f.23(),v. 

Christo, que S3 da pera vida e salva^ao do peccado aos que o to- 

mao crendo. Porque csta he sua carne e sangue do Emanuel nosso 

Deus ; de verdade creo, e confesso ate o derradeiro bocejo, que esta 

he carne e sangue de vosso unigenito filho nosso senhor e nosso 

Deus e nosso salvador lesu Christo, que tomou da senhora de todos 

nos, sancta e bemaventurada Maria, e a fez hum com sua divindade sem 

S3 misturar, sem se afastar, nem trocar, e foi testemunha, com testemu- 

nho bom, em tempo de Pontio Pilatos, e o entregou com sua vontade 

sobre a santa cruz pera vida de todos nos. Creo que nao afastou sua di- 

vindade de sua humanidade, nem huma ora, nem hum abrir e fechar 

de olho, e o entregou por nos pera vida, salvagao e redemp^ao 

pera sempre. Creo e confesso que esta he sua carne e sangue de 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO XIV. 173 

nosso senhor e salvador lesu Christo, a quem convem gloria e honra 

e adoragao com seu Pay bom e misericordioso, e o Spirito Sancto 

justificador, nunc et per omnia saecula saeculorum >. 

Como chega aqui toma huma pequena parte do pSo dizendo: 5« Describitur ri- 

Sancta came de Emanuel nosso Deus de verdade, que tomou da se- diacono adlutus di- 

nhora de todos nos, e consome ; e locfo o diacono Ihe da com huma stribuit populo sa- 

^ cram Synaxim sub 

culher de prata ou de cobre hum pouco de sangue, dizendo : Este he utraque specie. 

seu sangue de Christo, e logo da a comunhao ao sacerdote que ajuda 

a missa, e este toma com sua mSo a culher e bebe do sangue. E logo 

da a comunhao ao diacono, e o sacerdote, que ajuda a missa, Ihe da 

o sangue, e despois ao subdiacono e aos que estao na capella, que 

sao os que tem ordens; e logo entrega o calix ao diacono, o qual 

fica a mao direita do que diz missa, e o sacerdote que ajuda k es- 

querda, e toma por huma parte a bacia, em que vai a patena com o 

sacramento cuberto com o panno de algodao preto ou vermelho, 

e da outra parte a toma qualquer sacerdote, dos que ali se achao, 

sem estar revestido, e o que diz a missa estende as maos e as 

poem sobre o panno com que esta cuberto o sacramento, e o sub- 

diacono vay diante com huma ta^a, que, quando o diacono da o 

sangue, poem diante do calix, porque nao caya alguma gota no chao ; 

f 237. e chegando a porta da capella, ou, pera dizer milhor, da igreja, *da 

o sacerdote o sacramento do corpo aos seculares, homens e mulhe- 

res, dizendo : Sancta came de Emanuel nosso Deus de verdade, que 

tomou da senhora de todos nos ; e o que communga diz : Amen, E 

logo o diacono da com a culher o sangue, dizendo : Este he s^u san- 

gue de lesu Christo pera vida da carne e alma e pera vida eterna. 

E o subdiacono bota na palma da mao do que comungou huma 

pouca de agua com que elle lava a boca e as bebe, e algumas vezes 

Ihe da agoa na boca com o jarro que he de bico. E todos, quando 

comungao, estao em pee. 

Como acaba de dar a comunhao a todos (porque de ordinario 6. Sacerdos ma- 

todos os que ali estao, comungao, ainda que se nao tenhao confes- f^^^^ JJ deMcufwi- 

sado) tornao pera o altar ; e se fica alcfum sacramento, o consume ^* pracbet aliis sa- 

^ cerdotibus et diaco- 

o que diz missa, e logo lava os dedos com agua dentro de caliz, nis, atque ita Sacri- 



e a bebe. Lava a patena e caliz, e da a beber aquella agoa ao sa- 
cerdote que ajuda a missa, e tornando a lavar o caliz, a da ao dia- 
cono, e logo lava as maos sobre a patena, e da a beber ao subdia- 
cono. Feito isto esfrega as palmas das maos com incenso : e postas 
em cruz, as da a bejar a todos sacerdotes que ali se achao, dizendo : 



ficium absolvitur. 



Digitized by 



Googl( 



174 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

O poder da mao de Pedro. E o que beja responde: Assy como 
o primeiro sacrificio de Abel receba ; e aos diaconos e subdiaconos 
poem as palmas sobre a testa e logo Ihas da a bejar, dizendo: A 
bengao de Paulo ; e perguntandolhes porque diziao de huma maneira 
a sam Pedro e de outra a sam Paulo, diz o padre Pero Paez que 
Ihe responderao: Porque sam Pedro era sacerdote, e sam Paulo 
diacono. 
7. Superius relau Tudo o acima escrito se tirou de hum livro de hum mosteiro 

codTcecSiiadammo^ grande, e he cousa muito certa. Na forma da consagra^ao, se saiba 

nasterii. Opinio A. qug elles em seus livros a tem continuada com tudo o mais, e jun- 

circa validiutem for- 

mae consecrationis. tamente tudo diziao de cor, poUo que os mais delles nao sabiao 

qual era a forma, nem quaes as palavras da consagra^ao, tudo di- 

ziao a eito, sem saber quando consagravao, quaudo nao. Mas bem se 

deixa ver que sao aquellas palavras que acima notej com riscas por 

baixo das regras ; nas quaes com tudo conforme a boa theologia ha 

erro essen^ial ; pois dizem : Hic panis est corpus meum ; hic calix est 

meus sanguis (vide Soar. *in materia de Eucharistia) senao se, pera f.23r,v. 

escuzarmos tam grande erro, quizermos que, quando dizem : Hic panis, 

entendao divimim illum panem, qui pro consecratione ibi ponittir,non 

autem illum qu£m prae manibus habet sacerdos antc prolationem ver- 

borum; quod dc calice simili modo dici potest. Eu nao determino a 

questao, disputemna os theologos, que isto he livro de historia, e 

nao de controversias. Pouco abaixo esta outro erro gravissimo aonde 

diz: « Pidimos vos, senhor, que mandeis o Spirito Sancto de virtude 

sobre este pao e este caliz, e o fa^ais sua carne e sangue de nosso 

senhor lesu Christo >. He erro dizer isto despois da consagraQao: 

porque he soppor, que ainda ali nao esta o corpo e sangue despois 

de ditas as palavras com que consagravao, ou cuidavao que con- 

sagravao. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XV. 
Dissolu^ao em que viviSo os frades abexins. 



Ja que nos capitulos atraz tratamos da vida e costumes dos x. Monachorum 
Abunas e clerigos de Ethiopia, he rezSlo que digamos alguma cousa SSsIdmir^MS^rcu- 

da vida e custumes dos seus frades. A devassidSo dos frades era !*«• <l^e monialcs, 

vel discipulae appel- 
nestes tempos grandissima ; e dizem elles que come^ou de cem an- lantur et vidnia mo- 

nos pera ca. O certo he que todas as religiOes com o tempo vao ^jj^^^^^^onacho^ 

perdendo de seu primeiro fervor e observancia ; nem he muito que rum scorta. 

ontre as espinhas de tantos erros e heregias, sendo estes frades os 

principaes mestres e deffensores dellas, viessem a ser nos custumes 

quaes o erao na fee; mais difficultoso me parece que se pudessem 

conservar por tantos seculos, sem virem ao que chegarao neste. Fran- 

cisco Alvrez, que veo a esta terra pellos annos de 1520, e esteve 

ca seis annos, de muitos affirma que viviao com grande penitencia 

e rigur, mas tambem diz que avia muitos devassos na vida; e o 

padre mestre Gon^alo Rodriguez, que ca veo no anno de 1555, diz que, 

hindo perto de Dcbra Libanos, Ihe mostrarSo o mosteiro que hera 

e he hum outeiro povoado de varias palhotas de frades e freiras, e 

'• 238. logo Ihe disseram que avia fama de entre elles aver *muitos filhos. 

A verdade he que muitos seculos ha que apartadas algum tanto do 

mosteiro, viviao muitas mulheres, a que elles chamavao freiras ou di- 

scipulas, e a este lugar chamavao Alam.guee, que quer dizer casa do 

mundo; e vizitavaona todas a vezes que Ihes vinha a vontade, por- 



Digitized by 



Googl( 



176 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

que elles nao tinbao clausura, nem pediao licenga pera sairem fora 

da caza ; saiao e passeavSo a terra quando e como queriao ; despois 

vierSo a ter muitos em caza as discipulas, e erao o mesmo que 

amigas, tendo dellas muitos filhos, sem ninguem Iho estranhar. Ate 

que por conselho de muitos se vierao a Ccisar os que queriao, e ha 

muitos annos que destes frades cazados ha grande numero, e sao 

ainda hoje na corte do Emperador muitos destes os mais privados 

que nella ha. 

a. Tres monacho- Tres castas de frades se acharao nestes tempos em Ethiopia, e 

nim qui in Htteris ^^dos geralmente forao os mayores padrastos, e mais fortes inimigos 

eruditi in auia Im- q^q ^ sancta fee teve A primeira era de casados e validos na corte, 

peratoris et m nobi- n ■• . . r 

lium domibus ver- por terem nome de letrados; a 2* dos ordmanos frades que viviao 

*^^^' monasteriis ^^^ ^ ^^^ nome sem terem mais que o nome c o Asqucma, que 
deg^unt; s.^eremita- he huma trancinha de tiras de pargaminho, que lan^ao ao pescoQo, 
rum, qui omnium j j ^' • ^ i- j 

pessimi. E prima © Ihes vem decendo ate a cmta, e ah se prende com a correa, com 

classe plures fldem g^^ g^ cinguem, e aqui consiste todo seu habito ; que no mais, ca- 
aunt: e duobus aliis dahum se veste como quer e pode, sem distingao dos seculares; 
posto que alguns trazem capello. A terceira de huns que chamao 
Batavis, ou ermitaes, que se vestem de hum pano ou couro ama- 
rello, e profissao vida solitaria e mais estreito jejum. Nestes avia 
menos devassidao na materia da came. Os da segunda casta erao 
os que quasi todos tinhao discipulas. Porem os peores de render a 
santa fee e mais affarrados a seus erros, forao os ermitaes, huns por 
idiotas, que os mais destes o sao, outros por cheos de soberba luci- 
ferina ; porque erao todos por santos de todos estimados e venera- 
dos por taes; e elles que sabiao fingir a santidade, nao comendo 
senao de dous em dous, outros de tres em tres dias, fingindo mui- 
tas revela^Oes, dizendo particularmente as senhoras devotas, que 
os visitavao, que estavao muy cansados, porque a noite toda esti- 
verao com o esposo nos bra^os ; e que a Virgem senhora nossa os 
visitara e Ihes dissera tal e tal cousa. A hum destes, tido de todos 
por oraculo, foi huma vez visitar a sua casa hum padre nosso: o 
santarrao comegou a romp^r cm tantas blasfemas contra Deus, que 
o padre ficou assombrado. Aqui estou, dizia elle, ha tantos annos; 
por amor de Deus deixei o mundo c sous gostos e dilicias; tenhoo 
sirvido com esta aspereza que vedes; e sobre tudo isto me perse- 
gue como tyranno com doenc^as, com castigos. Que fis? que pec- 
cado comety pera assi me maltratar?, e muitas cousas a este tom. 
Estes quasi todos nem ouvir quizerao nunca nossa doutrina escon- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO XV. 177 

diaose pelos desertos, e alguns dos que traziao prezos ao Empe- 
f.238,T. rador *fechavao as orelhas, quando Ihes falavao em deixar os erros 
em que se criarao. 

Dos da segtmda casta muitos se converterao ; mas os mais, por 
nao deixarem a vida larga em que viviao, ajuntandose com os Ba- 
tavis, persuadiao a muitos que defendessem a fee de seus antepas- 
sados, e que morressem por ella ; e assi muitos se alevantarao contra 
o Emperador, e muitos siguirao os bandos dos alevantados por exhor- 
ta^ao dos frades ; e destes frades, e dos ermitaes se ajuntavao tantos 
nos arrayaes dos alevantados, que, tomando muitos delles as armas, 
os acrescentavao bem, e pelejavao alguns ate morrer ; e outros, sendo 
vencidos, por nao virem as maos do Emperador e nao serem forcja- 
dos a ouvir nossa doutrina, se lan^avao pellas rochas, e faziao em 
pedagos. Os da primeira casta forao mais faceis de render; porque, 
como sabiao mais de seus livros e nelles mesmos se Ihes mostravao 
muitos lugares com que se confutavao seus erros, ficavao conven- 
cidos ; particularmente por viverem na corte do Emperador, ou en- 
costados a alguns senhores grandes e senhoras, que seguem a corte, 
aonde as prega^Oes e disputas erao continuas, e a verdade da santa 
fee sempre ficava vitoriosa contra as mintiras de seus erros e he- 
regias. Com tudo estes mesmos, ajuntandose com os Debterats, que 
sao os cantores das principais igrejas imperiaes, e que tem em sua 
mao todo o meneo dellas (pello que Francisco Alvres os chama co- 
negos, e pello menos se podem chamar beneficiados ou preben- 
dados, porque comem as melhores terras das igrejas), estes se pre- 
zao tambem muito de letrados, pello que fazendose em hum corpo 
com os frades que disse, tem dado e dao ainda hoje muito trabalho 
aos ministros do evangelho, nao por terem por bons os erros de 
Dioscoro e outros em que primeiro viviao, mas por inveja de ve- 
rem que delles se faz agora menos caso, e mais do que elles qui- 
zerao do patriarcha e padres. Porem disto trataremos em seu lugar 
mais largamente. 



C. Bbccari. R€r. Atlk, Script. occ, ined. — VI. 23 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XVI. 

Do sacramento do matrimonio, 
e dos Mandamentos da santa madre Igreja. 



Conheciao os Abexins e confessavSo ser o matrimonio sacra- i. Acthiopcs, etsi 
mento, mas tratavaono tam profanamente, e tinhao nelle tantos abu- mentum esse fatean- 
sos, como senao fora couza sairrada. No primeiro livro disse como *^^' tanien divortium 

^ ^ et poligamiam fre- 

se cazavao e descasavao tanto que hum de outro se descontentava ; quentant. 

e como pera isso davao fiadores, porque os primeiros dez ou quinze 

f- 239- dias o noivo e noiva nao saem de casa, e accompanhaonos *os pa- 

ranymphos e paranymphas. Gastao os dias e grande parte das noytes 

em beber vinho de mel ou sava, que he a sua cerveja. Nao se ca- 

savao diante de clerigo nem a porta da igreja, senao em suas cazas 

diante de testemunhas : e ordinariamente o genro da ao sogro bois, 

vacas, mulas, ou ouro pella filha, como se a comprara. Dos Empe- 

radores disse que sempre fora custume terem muitas mulheres, e 

sobre ellas muitas concubinas. Nos outros nao era isto ordinario, 

posto que muitos as tem. Os Agaus com tudo, e Gafates, e outras 

castas que em gentios custumavao ter muitas mulheres, com ellas 

ficavao despois do bautismo, e assy mesmo muitos dos Tigr^s. Mui- 

tos avia que, morrendo o irmao, cazavao com sua mulher, posto que 

tivessem ia outra, e diziao que a herdarao, como se fora mula ou 

vaca. 



Digitized by 



Googl( 



l8o HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

a. NulU, praeter Dos sinco mandamentos da santa madre igreja, s6 o quarto co- 

ieiunium praecepta , •- • • i. • • « j « 

Ecclesiae servant. nheQiao; o pnmeiro que ne ouvir missa nSo guardavao, posto que 

Quid de susceptione muitos se ajuntavao junto a i^eja aos domingos. Porem os eccle- 

Sacramentorain, de 

auditione Missae siasticos, clerigos, frades e diaconos entravao na igreja, os mais iunto 

^^T:^:^:. ""- a ella estavao praticando em quanto se dizia a missa. e no tempo 

que se dava a comunhao chegavao, como assima disse, a receber. 

Pera que a isto nao faltassem, tinhao, e tem hum custume muito ga- 

lante. Todos os de cada freguezia se repartem pello anno de maneira 

que huns tantos fa^ao pera cada domingo duas ou tres jarras de sua 

cerveja, que levao cadahuma tres ou quatro almudes; e tem junto 

as igrejas humas ramadas, aonde trazem a cerveja, e ali se ajuntao 

todos os freguezes a beber cada domingo ; e a isto chamao Tascar 

Sanebat, que quer dizer, lembrancpa do domingo, e sem duvida que 

foi boa invengao pera a terem, que se esta nao fora parece que to- 

talmente se esquecerao delle. A confissao de cada anno nao tinhao. 

A comunhao recebem muitas vezes, como ia disse, mas nao sabiao 

do preceito de a receberem os christaos pella Pascoa de Resorrei- 

gao. Dizimos e primicias nao pagavao; e nisto se esquecerao da 

ley velha e da nova. Nem he boa escuza a que alguns derao, que 

os Emperadores derao tantas terras as igrejas, que suprem os dizi- 

mos ; porque nem as terras sao tantas que bastem as igrejas e cle- 

rigos, e he grandissima a pobreza e necessitades que passao os ec- 

clesiasticos, e as igrejas sao quasi desemparadas. Mas deixando isto, 

que rezao he pollo que os Reis derao, daremse os particulares 

desobrigados de oflferecerem a Deus as primicias, e de Ihe darem os 

dizimos dos frutos e bens que elle tam liberalmente Ihes da [?J. 

3. Quinam pro O preceito do jejum conheciao ou por tradigao, ou por acharem 

ipsis sint cibi esu- t j o j • • « _^ 

riaiea; quando et ^^ ^ ^®^ nvro dos bynodos, e jejuavao a quaresma e as quartas 

quoties in anno ieiu- ^ sestas feiras de todo o anno, tirando as que caem entre a Pascoa 
nium servent. o r> f • * 

e Spirito Santo, que nestas nao so nao jejuao *mas comem came f.23o,v. 

como nos mais dias. Nos dias de jejum nao comem came, nem ovos, 

nem lacticinios; e he muito aperto, pera terra, em que ha tam pouco 

peixe. Posto que a gente ordinariamente nao come com suas apas 

mais que humas como pappas ralas de varias farinhas de legumes ; 

e assim nao acha menos no dia de jejum mais que a manteiga com 

que, os que a tem custumao adubar aquellas pappas. Nao bebem 

tambem, nos dias de jejum, antes das horas de comer, nem agua, 

senao em grandissima necessidade. Na quaresma comem ao por do 

sol; nas quartas e sestas feiras as nove pegadas da tarde; por aqui 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VI, CAPITULO XVI. l8l 

se entendem que la nao ha outros relogios; quer dizer quando, pon- 
dose hum homem ao sol, a sombra de seu corpo he de comprimenlo 
de nove p^es; e ordinariamente o fica sendo pellas quatro horas da 
tarde, pouco mais ou menos. Tem hum custume nesta parte, que 
muito Ihes alivia o jejum, e he que, de^ois que chegou a hora de 
comer, comem e bebem ate a mea noite quantas vezes o achSlo, e 
querem; e a gente desta terra nSo he de muito comer; mas no beber 
he desmedida, tanto que na sava ou cerveja, que bebem, gast^o 
de mantimento, muito mais duas e tres vezes, que nas apas que co- 
mem; posto que os que nao sSo muito pobres, despois de comer, 
poem na casa o calao ou calOes do vinho, ou cerveja, e ate se 
deitar vSo praticando e bebendo. Jejuavao tambem muitos antes da 
Assump^ao da Virgem Nossa Senhora quinze dias; e por isso, ainda 
que ella caya a quarta e sesta feira, comem came no tal dia. Mas 
este jejum nao he de obriga^ao, senao de deva^ao, posto que sao 
muttos os que a tem. Tambem alguns jejuao o Advento, mas poucos- 
Nao falo aqui dos frades e freii^as, que estes quasi todos jejuao 
todo o anno. Mas o jeium de muitos delles s6 consiste em esperar 
pellas nove pegadas, e tanto que ellas chegao, comem came e lac- 
tecinios, como os que nao jejuao. E deste modo jejuao tambem mui- 
tas senhoras grandes, particularmente viuvas (i). 

(i) Altera pars huius libri in qua A. se historiam Seltan Sagdd ex chronicis Tin6 
narraturum promiserat (vide supra pag. 115 ct infra pag. 185» desideratur prorsus in 
codice ms. Cfr. quae de hac omissione in introductione adnotavi. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII 

DA HISTORIA DE ETHIOPIA 



CAPITULO I. 

Dos pays, av6s, irmaos e filhos do emperador Seltan 
Segued; e de como^ matando a Jacobo em batalha, 
se apoderou do imperio. 



O emperador Seltan Segued no bautismo se chamou Susnios, e x. Susneos seu 

- Tkir 1 e j Seltan SagAd patre 

nos pnmeiros annos de seu imperio se nomeou Malac Segued; po- FacilAdas, e David 

rem deixando este nome, tomou despois o de Seltan Secrued, por imp«ratori8 stirpe 

^ o 1- genito, et matre Itfc 

ser mais novo, e quer dizer: o poder adora. Foi este grande Em- Amalmal Orc, quae 

perador filho de Faciladas, o qual o era do infante Jacobo, que o ^^t, ortus^ advdte" 

foi do emperador David, aquem ordinariamente chamSo em Ethiopia ^^^ ^^^ <l«od ^«^- 

ter Aethiopes prae- 
Onag Segued. Era o infante Jacobo mais mo^o que Gladios e mais sertim nobiies pro- 

^•240. velhoque *Minas, mas morreo primeiro que Gladios, pello que mor- ^"'osumnonest.Fra- 

rendo despois Gladios sem deixar filho algum, passou o imperio a habuit, Af4 Christos, 

Minas. FicarSLo do infante Jacobo dous filhos, Tascaro e Facilidas. sela Christ^s. 

Tascaro, como se disse em seu lugar, se levantou contra Minas seu 

\ tio, e sendo delle vencido em batalha, foi cativo, desterrado e morto 

' por seu mandado. Faciladas viveo muitos annos e foi senhor de 

\ boas teiTcLS no reyno de Gojam. Morreo a mSo dos Gallas em hum 



Digitized by 



Googl( 



l84 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

assalto que nellais Ihe dcrao, no qual tambem cativou Susnios, como 

em seu historia fica dito. 

A may do emperador Seltan Segned se chamou Ite Amalmal 

Orc, quer dizer senhora ou dona (isto val Ite) verdura do ouro, ou 

flor do ouro, fallando ao nosso modo, isso quer dizer Amalmal Orc. 

Parecpe ser aquillo do Propheta: in pallore auri. Foi esta s^nhora 

filha de hum fidalgo nobre casta Xeme, que he familia das mais 

estimadas nesta terra; cazou primeiro com hum Azage chamado 

Serca Christos, homem rico e poderoso, e delle teve tres filhos: 

Afa Christos, Emana Christos (dos quaes ao diante falaremos) e 

Melcha Christos ; este morreo cedo, pello que nSo se fara delle mais 

men^ao; mas falaremos muito de hum filho que deixou, por nome 

Ser<;:a Christos. Sendo ainda vivo este primeiro marido, teve Ite 

Amelmala Orc a Faciladas por amigo, e delle gerou a Sucinos, e 

assim foy elle filho nSo legitimo, mas bsistardo. Porem em Ethiopia 

era tanta a soltura das mulheres, principalmente das mais nobres, 

c tanta a devcissidao dos homens, que assim como se nao estranha- 

vao os adulterios, assym os filhos pollo nao serem nSo valiao menos 

que os ligitimos. Pollo que neste Emperador nao he esta nodoa 

nem tacha que entre elles seja de concidera^ao nem momento al- 

giim. Morto o primeiro marido, se cazou Ite Amelmala Orc com 

hum senhor grande dos Damotes, chamado Muso e delle ouve hum 

filho aquem chamou Cela Christos; este he aquelle grande Ras Cella 

Christos, do qual faremos multas vezes men^ao nesta historia ; por- 

que abaixo do Emperador, seu irmao, elle foi a pessoa que Deus 

escolheo pera principal columna de sua santa fe neste imperio, elle 

o que com suas letras e ingenho agudissimo a insinou a muitos, con- 

futando com vivissimas rezOes os erros em que se criara; elle o 

que com sua langa a defendeo e propagou, vencendo em muitas 

batalhas e matando a quasi todos os tirannos que contra ella em 

varias partes de Ethiopia se alevantarao. 

a. Plures simul Os filhos e netos deste Emperador sao sem conto, porque, como 

uzores duzit plures ^ «^ ii. " u -j i «^- ^ 

quoque concubinaa, ^^^0 muitas mulheres, humas avidas por legitimaus, outras por con- 

quae iUi pius quam cubinas, a imiza de seus avos; e ainda despois de as deixar e se 

triginu filios genue- ^ , „ /- , ^ . T / 

runt. cazar com huma so, nao Ihe faltarao descuidos (erros nao ja da mo- 

cidade, mas da velhice) passao de trinta *os filhos e filhas que Ihe f.24o,v. 

sabemos; e como muitos delles imitao a seu pay no que nao de- 

verao, sao ja tantos os netos, que nao tem numero, e he esta pera 

Ethiopia huma seara mais ferrea que a de Cadmo; porque ou cedo 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO I. 185 

ha de aver alguma vindima em que se derrame muito de sangue fra- 
temal, ou o imperio muitos annos ha de arder em guerras civis c 
se ha de consumir com discordias e alevantamentos. 

De tudo o que a Sucinos succedeo at6, por morte do empera- 
dor Jacobo, ficar absoluto senhor, e em posse pacifica deste imperio, 
baste o que no livro 6** refere o Autor de sua chronica, que disto 
nos ha de servir termola inxirido nesta nossa historia ; s6 daquslla 
ultima batalha quero brevemente dar alguma noticia. 

Aos dez de mar^o do anno de 1607 se acharao em Gojam os 3« i»» evcntibu» 
dous Emperadores com todo seu poder muy perto e vizinhos hum chronici8*Tin6 fusc 

do outro: Tacobo em hum grande campo chamado Agamna, como narranmr, a. descri- 

° bit pugnam quae m- 

quem tinba por sy o mais e melhor de cavalaria do imperio e dc ter Sosneos et lacob 

infantaria gente sem conto; Sucinds em huns oiteiros encostados a J^boit^eTo martU 

huma serra atal [sic], querendose valer do sitio, pois em numero de *nno 1607. 

gente se via muito inferior a seu contrario. E pretendendo neste dia 

alevantar seu arrayal e ir buscar outro sitio mais accommodato, man- 

dou ao capitao da diantcira que marchasse, e que a bagajem o 

seguisse, ficando elle com a forga de todo seu exercito pera Ihe ir 

nas costas, dando guarda. Virao os capitais e grandes de Jacobo 

que a gente de Sucinos marchava pera a serra, e parecendolhes que 

faziao por medo, se forao a Jacobo dizendo, que nao era bem dei- 

xar ir ao inimigo que tinha entre maos; e pois Ihe levavao tanta 

ventajem no numero e valor de gente, que era bem romper batalha, 

acometendoo ainda no sitio em que estava melhorado; porque, se 

desta vez Ihes escapava, nao Ihes seria facil achalo em passo em 

que o pudessem obrigar a dar batalha. Approvou Jacobo este con- 

selho, manda tocar a arma, reparte sua gente em dous batalhOes 

grossos, hum dos quaes deu a Ras Athanateus, o outro tomou pera sy. 

Vio Sucinos e conheceo que os inimigos o vinhao a demandar, 4. Su8ne68,8ui8in 

^, j . j.vj trea aciea diatinctis^ 

poz tambem os seus em ordem em tres escoadrOes, hum dos quaes ^^ ^^^ fortiter dimi- 

entregou a Za Selasse, outro a Julios seu genro, homem de grande candum.magniapro- 
. /. j miaaia praemiit, ad- 

esfor^o, o terceiro tomou pera sy, e feizendo dos dous como alas, horutur. 

direita e esquerda, elle se ficou no meyo avizando aos dous, que 

nao acometessem at6 o nao verem a elle comegar a briga ; em quanto 

a gente de Jacobo vinha chegando teve tempo Sucinos pera fazer 

a sua huma breve, mas efficaz exhorta^ao, dizendo: Muitas vezes 

pelejastes, esforQados companheiros, por premios muy desig^ais a 

vossos generosos coracjOes: polas vacas dos Gallas, pola pouqui- 

dade de quatro terras, pola pobreza do fato de villOes. Neste dia 

C. BsccARi. /^er. Aeih. Scripi, occ, ined. — VI. * 24 



Digitized by 



Googl( 



l86 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

vos estao prometendo vosso conhecido esfor^o, e minha boa ven- 
tura, por hum leve trabalho pre^o incomparavel. Vedes este largo 
campo cheo todo de gente innumeravel; nao vos espante a mul- 
tidao de seus zargumchos, antes vos anime e esforce a grandeza e 
riqueza dos despojos que ali tendes. Aquelles briosos genetes que 
atropellao a varzea, *aquellas malhas e capacetes que resplandecem, f. 241. 
tantas cadeas e manilhas de ouro ,fino, que firidas dos rayos do sol 
vos ferem os olhos, nao atemorizem, nao, antes espertem e alvo- 
rocem vossos fortes cora^Oes, pois tudo he vosso. Nao he a mul- 
tidao a que vence ; vence o esfor<;:o. Nao conteis pois os corpos dos 
inimigos, nem seus zargunchos, co::tai, ou comparay o brio, o peito, 
o valor, a destreza dos seus fracos, e dc vossos fortes bra^os, e 
achareis que Ihes levais grandes ventajens : eia, companheiros, a coroa 
que me puzestes na cabe^a, hoje ma seguray; que se o fazeis, os 
cargos, as honras, as riquezas deste grande imperio vossas sao, eu 
volas aseguro que pera vos as quero, e lembraivos que vos importa 
ou vencer ou morrer em este dia, que a serdes vencidos, nao espe- 
reis perdao, nao espereis vida, nem ainda pera vossos filhos e mu- 
Iheres, senao he que chamais vida a dos vendidos aos Turcos pera 
etemo e cruelissimo cativeiro; que esta he a sorte que os espera. 
Porem, se vois lembraes de quem sois, se pelejaes como eu espero 
de vosso conhecido esfor^o, nossa he a vitoria, nosso o triumpho; 
seguime a mim, Rey vosso, nem vire o rosto senao aquelle que me 
vir a mim voltar atraz. 
5. Inde incredibili Neste tempo a gente de Jacobo vinha subindo o oyteiro, e ja 

fert et hostes licet "^uito perto. Deo sinal Sucinos aos seus, e sendo elle o primeiro, 
longe potiores nu- acometerao todos com grande valor; ajudavaos o lugar, porque os 
inimigos vinhao subindo e cansados da subida, Sucinos e os seus 
decendo aremissavao com grande forcja as magsis e zargunchos mais 
pequenos, que sao como dardos. Nao puderao os de Jacobo sofrer 
por muito tempo o impito de Sucinos e sua gente : decerao o oiteiro 
com mais pressa da com que o subirao, indolhe nas costas os de Su- 
cinos ferindo e matando a seu prazer, e elle hia com tanta furia, que, 
quando se nao precatou, se achou longe dos seus e metido totalmente 
entre os inimigos, tanto que Ihe foi necesscirio fingir que era do seu 
bando, e que com elles hia fugindo ; e chegando a certa parte, disse : 
Por aqui, irmaos, por aqui vamos, que este he bom caminho. Foraose 
com elle vinte, ou trinta, os quaes tanto que vio apartados do tropel 
de huma grande companhia de cavallos, entre os quaes hiao pouco 



Digitized by 



Gobgl( 



LIVRO VII, CAPITULO I. 187 

antes, tergando a lan^a e arremetendo os primeiros que achou, disse 

com grande animo: Ah inimigos, e vos mc podeis escapar [?] Ficarao 

todos assombrados quando o conhecerao, e picando os cavallos fu- 

girao aquem mais pode. Voltou entao o Emperador, e foisse ajuntar 

com os seus, dando a Deus muitas gracjas polo ter livrado de tam 

evidente perigo. 

Jacobo que vio fugir sua gente, pera os deter e animar, com 6. Ipse lacob in 

1 i_ i. K X XX f**i»* intercipitur et 

alguns senhores que o accompanhavao acometeo e veose meter entre necatur; Abunaenon 

os inimigos, mas quis sua pouca ventura, que logo Ihe matarao o P«rcit»ir; innumeri, 
cavallo, e nao houve dos seus quem Ihe acudisse comoutro; ficou raunt. Lrusitanus 
a pe entre os inimigos ; passarao alguns por elle sem Ihe fazer mal, columis evaditT ce- 

porque o conhecerao, mas hum de cavallo o atravessou com a lan^a teris Lrusitanis, la- 

cob secutisy par- 
e estirou no campo morto. citur. 

fJ4i»». *Chegou logo a Sucinos esta nova; mandou tocar a recolher, 

porque nao pretendia vinganga, nem mortes, senao daquelle que Ihe 

impedia a posse do imperio. Na batalha nao morreo muita gente, 

mas na fug^da morrerao muitos mais do que se podia imaginar : nao 

a ferro, que nimguem Ihes foi no alcance, mas espedagados por 

rochas e precipicios. Avia muitos, por ali perto de altura desmedida, 

e tais que etalhados a pique, comecavao na igualdade do campo; 

e foi sua desdita que a batalha comegou tarde, e acabouce a boca 

da noyte; a qual tanto que se fechou, como todos hiao com medo, 

correndo principalmente os de cavallo a redea solta, todos se despe- 

nhavSo ; acharaose ao outro dia ao pee de hum destes precipicios, 

que tinha de altura mais de cem bragas, quinhentos capacetes; ar- 

mas que s6 os de cavallo uzao nesta terra. He vivo ainda hoje, e 

cu o conhe^o, hum Portuguez honrado por nome Manoel Goncpalves, 

o qual escapou aqui por milagre evidente: hia elle com os mais, 

e ia o cavallo no ar tomava o salto, quando advirtio no perigo, e 

foi Deus servido que a mao direita Ihe ficava hum ramo de huma 

arvore tanto 4 geito, que pode ferrar delle, largando as redeas e 

estribos; foi o cavallo voando, fezse em peda^os despenhandoce, 

como os mais; elle ficou pegado, e em tal passo que abragandose 

com a arvore foi forgado a passar aly a noite, ate que a luz da 

manha Ihe mostrou caminho pera sair ao campo chao. O Senhor 

que a Manoel Goncjalves livrou do precipicio com tam admiravel 

providencia, livrou tambem a todos os Portug^eses nesta batalha, 

pera que nenhum fosse morto, nem ferido, morrendo muitos homens 

brancos casta Turcos que ali se acharao com Jacobo, e entre elles 



Digitized by 



Googl( 



l88 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

o seu Abuna Marcos, ao qual matardo polo nSo conhecerem, por- 

que vistia a turquesca como qualquer dos outros. 

7. Su8ne68 victor Festejou Sucinos esta victoria dando a Deus por ella muitas 

omne^ue"qum«- gragas, e perdoando a todos os que signiao a Jacobo, so a hum 

cob steterant in gra- Mahardim casta mouro, porque fora o primeiro que dera huma lan- 

tiam recipit et pn- jt ^ tr 

stinls digniutibus ^ada ao emperador Za Danguil, seu primo, na batalha em que o 

ris forma ^c^roris "^^tarao, a este mandou cortar a cabe^a. Aos mais nSo s6 perdoou, 

«nimique dotes de- mas quis que ficassem com os mesmos cargos e lugares que cada 

hum tinha na corte e casa do emperador Jacobo. Detevese o Em- 

perador tres dias naquelle lugar da batalha, festejando a vitoria, e 

repartindo com todos os despojos della com grande liberalidade. 

Despois se partio pera Coga, lugar de Anfras entre Dambea e Be- 

gameder, no qual o emperador Jacobo tinha o ordinario assento de 

sua corte. Era neste tempo Sucinos de 33 annos, gentil homem, e 

bem desposto, rosto comprido em boa propor^ao, testa larga, olhos 

grandes, castanhos, vivos e graciosos, naris afilado, beicpos delgados, 

barba preta e larga, bigodes bem postos, a cor ba^a, estatura maior 

que mea, bem emcorpado; grande homem de cavallo; de engenho 

muito agudo, e muito visto nos livros de Ethiopia, prudente, liberal, 

exercitado na guerra e curtido com trabalho, porque avia mais dez 

annos que andava nella, sem ter huma dia de descancjo. 



Digitized by 



Googl( 



f^42. CAPITULO 11. 

Do bom gazalhado que o emperador Seltan Segued fez 
aos padres Antonio Pernandez, Louren^o Romano 
e Pero Paez; como Ihes deo terras pera fazerem 
igreia, e ouvio por vezes as verdades da f6e que 
ensinavSio. 



No tempo que o emperador Seltan Seg^ed, vencido e morto «• pp« Antonius 

Femandes Romano 
Jacobo, se veo pera Coga, estava o padre Pero Paes em Tigre aonde et p«e« SusneAs in 

tinha ido a negocios, os padres Antonio Fernandez e Lourenco Ro- ^s^ invisunt, qui 

o '^ ^ eo8 humanissime 

mano estavSo em DambeS; sabendo pois que o Emperador vinha, excipit cibis de sua 

o forao esperar ao caminho; elle os recebeo com muitahonra aguar- ^^^^(16 opimispro 

decendolhes a vizita. E era tam pontual que Ihes mandou dar pera Ecclesia «c Lusiu- 

nis ditandos curat. 
a cea smco Fendas (assi chamSlo ca as vacas destmadas ao talho), Lructus pro mone 

e perguntando antes de se p6r a meza a seu veador se tinha man- |jJ»Pj^ratrici8 Manam 

dado aos padres tudo o necessario pera a cea, respondendo elle que 

tudo mandara, sefiSo vinho, por ter ia, quando os padres chegarao, 

repartido o que avia por varios senhores, o Emperador o reprehendeo 

asperamente, dizendo: NSo ouvereis de cometer erro tam grande; 

mandai aos padres o que tinhais pera minha meza : eu beberey agua. 

Acompanharaono ate Coga ; e por verem que estava muy occupado 

com negocios, pedindolhe licen^a, se retircirao outra vez a hum lugar 

de Portugueses. 



Digitized by 



Googl( 



igo HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Neste tempo logo no 2* 8* de Pascoa, morreo a emperatris Ma- 
riam Cina, mulher que fora do emperador Malac Sagued, senhora 
de todos muito amada e respeitada e tam bene affecta aos padres 
e a doutrina e fee que ensinavao, que se podia esperar, se vivera 
mais tempo e o tivera pera devagar ouvir as disputas e pregagOis, 
que se reduzeria e totalmente deixaria os erros em que se criara. 
Tinha ao emperador Seltan Sagued em lugar de may, porque a 
Malac Sagued, seu tio, chamava pay, conforme ao custume de Ethio- 
pia, e por isso em sua morte fez grandes demonstra^Oes de sentimento. 

Passados alguns d\as de nojo, e dada expediencia [aos] negocios, 
que naquelle principio do govemo for^adamente aviao de ser muitos, 
quando aos padres pareceo que ia era tempo conveniente, tomarSo 
a visitar ao Emperador. Recebeoos com alegre sembrante e muita 
honra. Perguntoulhes em que parte residiao? ResponderSo que nao 
tinhao lugar certo ; que andavao de hum em outro visitando e admi- 
nistrando os sacramentos aos Portugueses aonde os achavao. Disse- 
Ihes que Ihes queria dar terras e lugar pera fazerem sua igreja, que 
vissem aonde o queriao. Bejaraolhe a mao poUa merce, e respon- 
derao que folgariao que fosse junto a alagoa de Dambea, aonde 
tivessem perto alguma ilheta, k qual no tempo de revoltas se pu- 
dessem recolher com o fato da igreja. 

Informouse logo das terras que por aquellas partes avia; e 
achando que hum criado seu possuia aly duas partes de huma terra 
boa, junto aqual estava na alagoa hum ilheo muito accomodado 
pera o intento dos padres, Iho mandou *dar, com as terras que digo ; f.242.^ 
e este foi o principio da rezidencia de Gorgorra, daqual ao diante 
trataremos mais devagar. Mas nao custou pouquo aos padres a 
posse pacifica desta data que o Emperador Ihes fez : tiverao muito 
trabalho com o criado do Emperador que possuia as duas partes da 
terra, e muito major com hum fidalgo parente do Emperador, que 
possuia a terceira parte ; hum e outro fez aos padres grandes assin- 
tes ; o que tudo vencerao com sofrimento e paciencia, ate que, acu- 
dindo pellos padres Ras Emana Christos, irmao mais velho do Em- 
perador, o qual naquelle tempo se nos mostrou muito benevolo, e era 
especial amigo do Padre Lourencjo Romano, e avizando ao Emp^e- 
rador das molestias e sem rezoins, que nos faziao, deo elle ao criado 
e parente outras terras boas, e aos padres nao so as duas partes, 
mas a terra toda por encheo, pera que nao tivessem contenda com 
ninguem. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO U. IQI 

Neste comenos pedio o Emperador aos padres que escrevessem a. Imperator pa- 
a Tigre ao padre Pero Paez, que o viesse ver, e nao se contentando c^mmorantem ad^e 

com isso, Ihe enviou hum proprio com carta sua na qual Ihe signifi- ^nire iubet, pera- 

manter recipit, di- 
cava o grande desejo, que tinha, de o ver, e mandava que nao tar- sputantem de rebus 

dasse em Ihe dar aquelle gosto. Pozse o padre Pero Paez logo ao eoque^^deprea^ 

caminho, chegou ao arrayal, vizitou ao Emperador, o qual o recebeo praedia patribus as- 

sigpiata in perpetuum 
com extraordincirias demostra^Ois de amor. E logo em alguns dias Ecclesiae donat; ri- 

que o padre ali se deteve praticando sempre das materiasda ffe, foi ^ V^ ^ ^*^ do- 
^ ^ r- r- natione usurpantur. 

Emp3rador fazendo bom conceito da verdade e pureza da doutrina 
que os padres ensinavao. Chegouse o inverno, e recolheoce o padre 
pera Gorgora, dandolhe o Emperador licenga e fazendolhe merce de 
fazer que as terras que ali tinha dadas aos padres fossem perpetuas, 
e pera isso se fizessem as ceremonias que nesta terra se uzSo no 
tal cazo; e sao as que agora direi. 

Vay hum Azage, ou Umbar, que he como juis ordinario, ou 
ouvidor, em nome do Emperador, e rodea as taes terras pellos limites 
dellas, tangendo as clciramelas imperiaes, pera que acuda muita gente, 
como acode, dos lugares visinhos, homens, mulheres, mininos, os 
quaes todos dao f6, pera em todo o tempo serem testemunhas das 
demarca^Oes e balizas que ali se poem, e pera mais seguranga, em 
muitas partes adora [stc] se matao algumas cabras, e se enterrac as ca- 
be^as que ficao como marcos ; e ha grandes penas pera aquelles que 
se atreverem arancar as taes cabe^as de cabras. As terras que se 
dao com esta ceremonia tem ca muitos privilegios ; e sao datas per- 
petuas, com a perpetuidade que pode aver aonde tudo tem mudanga ; 
porque ate estas tira o Emperador muitas vezes e sls dk k quem 
quer; como o fez ao diante a estas, que por entao deu aos padres, 
e ja tem outros donos. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO III. 

Como os padres de Gorgorrli tomarao A corte por mar ; 
e o Emperador se resolveo em escrever & sua Santi- 
dade e Magestade pedindo ajuda de Portugueses e 
dando esperan^a da reduc^ao de seu imperio. 



Avendo pouco mais de hum mez que os padres se tinhao re- x. Patrcs ab im- 
f 243. tirados pera GorgorrS, *o Emperador tendo saudades de sua boa con- auiam^e OorgorrA 
versagao, os mandou chamar; e porque era principio de agosto, contenduntperpam- 
coraQSlo do invemo de Ethiopia, e as lamas altas, os rios tam cheos potamis aggrediun- 
que senSo podia caminhar por terra, e Gorgorra fica junto a alagoa ^ijj^^^ rlpam te- 
de Dambea, a que elles chamSo mar, e Coga, lugar em que emtao »««»<• 
o Emperador tinha seu arrayal, nSo esta muito afastado della, Ihes 
mandou que viessem por a mar. EmbarcarSose os padres em tan- 
coas (que neste mar nSo ha outras embarcagOes) e forSo com assaz 
de trabalho e perigo sempre ao longo da praya, procurando nSo 
desgarrar ao alto, assy porque em tempo de inverno e tormentas os 
tancoas (que sao de tabua) se virtlo muy facilmente, como por medo 
dos cavallos marinhos que naquelle tempo andao muy bravos e arete- 
mendo aos tancoas os virSo e espeda^ao ; e porque neste caminho 
em huma enseada, por nSo rodearem tanto, se quizerao os padres 
aventurar, atravessandoa pello alto, esteve hum padre em evidente 
perigo da vida. Hia o seu tancoa mais ao mar; foi sentido do ca- 
vallo, sae do fundo com furia mais que de touro, arremetendo pera 

C. BrcCASi, /ier, AMih, StripU occ, ined, — VI. 25 



Digitized by 



Googl( 



194 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

o virar; mas quis Deus que errou o golpe; alevantouse entao muito 

fora da agua, demarcou o tancoa, e dando outro mergulho aremeteo 

com furia diabolica, mas errouo ; deo o terceiro ; e quis Deus cegalo 

de maneira que nem deste o acertou, entretanto se foi o tancoa che- 

gando junto a praya, e escapou o padre e os que nelle hiao mila- 

grosamente. 

Chegarao a Coga em dia e meyo; foraose logo ao pago; e 

sabendo de sua vinda, os saio a receber a porta Emana Christos, 

irmao do Emperador, e Ihes disse logo, qu'^ sua alteza os queria 

convidar pera jantarem com elle. Mostroulhes o Emperador grande 

benevolencjia, deraolhe as gragas pollas terras de Gorgorra, que Ihes 

tinha dadas. Perguntou pellas que tinhao em Tigre; e entendendo 

que erao poucas, Ihas acrecentou, ajuntando humas que com ellas 

vizinhavao. 

2. Ad cenam ab Chegou o tcmpo de comer ; mandou p6r duas mezas, huma pera 

Imperatore invitan- , , ^ it 

turrDeacriptio men- ^Y "^^^^ pequena, e outra mayor pera os padres ; mas entre ellas se 

sae et convivii. correo huma cortina pera que o nao vissem comer (custume de Ethio- 
pia inviolavel, aonde ao Emperador ninguem vee emquanto come, 
senao dous, ou tres pajens que o servem a meza); com tudo por 
aly aos Padres meza junto a si, foi favor que a muito poucas pes- 
soas se fez em Ethiopia; o maior que o Emperador faz a seus ir- 
maos e aos mayores senhores he, acabando elle de comer, comerem 
elles na mesma meza os sobeios, e pera que isso se entenda melhor 
direy aqui brevemente o apparato ou singeleza da meza imperial. 
Tanto que sao horcis, entrao pella sala dez ou doze mulhores quo 
trazem as iguarias todas; a libree he a ordinaria de todas as qu:^ 
servem as senhoraus grandes : hum sayo de pano g^osso de algodao 
muito largo e comprido, este tomao cingindose com huma touca 
grossa, e fazendo na cintura huns seos muito largos, trazem dous 
ou tres Macobos, que sao como acafates muito grandes, e altos por 
as cuberturas serem muito alevantadas : tudo he feito de palhas, ou 
juncos de varias cores; neste Macobos vem vinte, trinta ou mais 
apas de varias castas, trigo, graos, tef, todas ordinariamente muito 
largas, e delgadas a modo de filhoos, mas muito mayores, porque tem 
de diametro mais de dous palmos, e algumas mais de tres ; as mais 
mulheres trazem cadahuma sua iguaria de varias potajens e molhos ; 
vem em tigelas de barro preto *cubertas com huns como chapeos f.243A. 
de palha fina, como a dos palhetes da costa de Melinde ; senao que 
o corpo dos taes chapeos he delgado e muito alto, as abas muito 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO III. IQS 

largas, pera cobrirem as tigelas, que algumas o sSo em demazia mas 

pouco fundas. A meza he huma taboa redonda de sinco ou seis pal- 

mos de diametro, poemna no chao sobre alcatifas, sobrs ella esten- 

dem as apas, cubrindoa toda, e nao ha outras toalhas, sobre as apas 

se poem as tigelas das iguarias; e aqui se resume toda a copa, 

baixela e apparato da meza do Preste Joao; que aly nao ha saleiro, 

nem garfo, nem colher, nem gardanapo, nem outra cousa alguma 

mais que as que apontey. Quando vem o Birindo, que he a vaca crua, 

sobre as apas se poem. e sua Alteza tira da faca que traz comsigo, 

e corta ou cortaolhe os pajens, e metemlha na boca; mas nao he 

nada meterlhe a came na boca ; pois todas as mais ig^oarias, bocado 

por bocado, metem os pajens na boca a todos os homens grandes, 

e tem elles por muito trabalho comerem por sua propria mao. O 

peor he que estes bocados ordinariamente sao de miolo de pao, ou 

de apa, esmiuncado na mao e molhado, ou migado em varios mo- 

Ihos, e daolhes taes voltas, que parece nao s6 que fazem migas, mas 

que amassao, e saem com bocados tam gro^os e grandes, que nao 

podem entrar na boca, e assy Ihos vao atasulhando, como os que 

cevao patos na nossa terra; isto baste por hora a honrra do ban- 

quete com que os padres forao convidados. Nao fiz men^ao de 

vinho, f)orque esta gente ordinariamente nao no bebe emquanto co- 

mem; acabada a meza, se come^a a conversa^ao, e vao correndo 

os copos, e emquanto se nao esgota o calao, ou calOes, dura a pra- 

tica ; como o calao cala, calao todos, e saemse sem dizer : Ficaivos 

embora. 

Desta vez ficou o padre Pero Paez com hum dos padres seus 3- Patres, Susneos 

,. -^j ir>«jj-i.», iubente, quotidie au- 

companheiros muito devagar no arrayal. Cada dia hiao ao pago i^m frequentant et 

(custume de todos os grandes de Ethiopia), e pera os padres de entao ^® controversiis fidei 

i / i X sermonem miscent ; 

athe hoje sempre a entrada em caza do Emperador foi fran^a [stc], imperator eorum 

ainda em tempos em que a muitos dos grandes se nega. Como o r;^rc"S 

Emperador he muito prudente, e visto em todos os livros de Ethio- admiratur. 

pia, hia com muita diligencia e gosto preguntando sempre nas ma- 

terias da fe todas aquellas em que os letrados da sua terra discre- 

pavao da doutrina dos padres, e da santa igreia de Roma. Punha 

suas duvidas melhor que nenhum dos seus; e ajuntavaos muitas 

vezes pera elles preguntarem e ouvirem aos padres, mostrandoc3 

sempre muito satisfeito das rezOes e authoridades que os padres 

traziao pera confirmarem as verdades de nossa santa fe ; juntamente 

perguntava com muita curiosidade p^llas cousas de Europa, Roma, 



Digitized by 



Googl( 



196 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Portugal, India, mostrando ouvir com gosto tudo o que Ihe conta- 

vao ; e atentava tambem por sy, e por espias, que pera isso punha, 

se nos custumes dos padres avia alguns avessos que desdissessem 

da limpeza que elles professavao; e achando que em nada se Ihes 

punha nodoa, e que assy como a doutrina era verdadeira e nSo se 

podia contradizer, assi a vida e custumes erSo justos e santos, e taes 

que se Ihe nSo podia p6r tacha; por huma parte se admirava e espan- 

tava em grande maneira, por outra se Ihes aflFe^oava, e os tinha em 

grande estima e veneragao. 

4« Hinc ipsis hor- Perguntoulhes hum dia se seria possivel virem a Ethiopia Por- 

tantibus et nequic- , . - ^ /^ n ^ ., . . , 

qixam regni primo- tuguezes, que o ajudassem contra os Cxallas e outros muitos inimigos 

ribus obsistentibus q^^ tinha, assi como tinhao vindo *antifiramente e livrado este im- f. 244. 

statuit litteraa dare ^ ° 

ad Romanum Ponti- perio da servidao dos mouros de Adel, que naqueile tempo o tinhao 

lAwhaniae* amfc^ V^^^ todo conquistado. Responderao os padres que, se Sua Alteza 

tiam et auxilium mi- determinace dar obediencia e reduzir seu imperio a fe da santa 
litare exposcentes. 

igreia de Roma, que Ihes parecia, que el Rey de Portugal Ihe nao 

faltaria com o soccorro de soldados que Sua Aheza Ihe pedisse, 

escrevendolhe, e a Sua Santidade e ao Vizo Rey da India. Respondeo 

que assy o determinava fazer. Porem tratando este ponto em con- 

selho, achoi; contra sy os votos dos mais dos seus grandes, e ficou 

com isto hum pouco atalhado : declarou este segredo aos padres o 

irmao mais velho do Emperador Emana Christos, o qual naquelle 

tempo era particular amigo dos padres, cabia muito com o Empe- 

rador, e estava inclinado a que os Portugueses viessem : e disse que 

a rezao por que os mais dos grandes forao de contrario parecer, 

era pollas muitas insolencias e forgas que os Portugueses antiga- 

mente fizerao em Ethiopia ; das quaes ainda os velhos estavao lem- 

brados, e todos temiao, que, se viessem, fariao agora outras seme- 

Ihantes. Responderao os padres que, se entao ouvera o que diziao, 

seria porque aquelles Portug^eses ficarao sem capitao, por morte de 

dom Christovao da Gama, nem tinhao entao padres que os acon- 

celhassem e reprehendessem, o que neste tempo nao era pera arre- 

cear, estando qua os padres, e avendo de vir por capitao pessoa de 

muita authoridade, que os governasse e castigasse aos que se de- 

smandassem. Contentou esta rezao ao irmao do Emperador, e respon- 

deo : Os caminhos andados e as cousas tratadas se fazem mais faceis. 

Digao VV. RR. isso a meu senhor, eu direy o mesmo. 

Enfim o Emperador, posto que vio muitos contra si, como o 

deseiava muito, assentou comsigo de escrever e pedir Portugueses. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO III. I97 

Fes as cartas que iogo aqui porej, e despachou ao padre Pero Paez 

pera que se fosse a Tigre, e daiy buscasse caminiio pera que eiias 

cm todo o caso passessem a India. Foise o padre despedir de Ras 

Athanateus grande seu amigo, o qual sempre aconseihara ao Empo- 

rador que mandasse buscar este soccorro, e dizia muitas vezes: Sem 

virem Portugueses, nem fe, nem reino hemos de ter. Este vendo 

que o padre se hia e nao sabendo das cartas qu^ ievava, por o Em- 

perador as ter feito muito em segredo, pedio muito ao padre que 

se detivesse hum par de dias, foise iogo ao pacjo, e apertou com o 

Emperador pera que em todo o caso escrcvesse sobre este negocio. 

Emperador, que se nao queria fiar delle, respondeo : Nao vedes 

que todos se poem contra isso ? come hei de fazer cousa tam grande 

contra o parecer d^ tantos conceiheiros c grandes do imp>erio ? Po- 

rem Ras Athanateus tantas rezOes ]he deo que o Emperador ihe 

disse: EmlK>ra, ja que assi vos parece, ide, escrevei em meu e em 

vosso nome, e dai as cartas ao padre ; e assi S3 fez, como se vera 

da copia das cartas que aqui porey. Advirtasse que, no tempo que 

escreveo estas cartas, ainda este Emperador se chamava Malac Qa- 

gued, e nao Seltan (^agued, como despois se quis ciiamar. 

Carta do Emperador pera Sua Santidade. 5. Imperatoris lit- 

< Carta enviada do emperador de Ethiopia Maiac Qagued, che- j^ntificemPaulumV 

t gue ao santo Papa de Roma com a paz de Christo Nosso Senhor, ^>® »4 octobris 1607 
^ '^ ^ . datae et clam patn 

< fui dilexit nos et lavit nos a peccatis nostris in sanguine suo, et Pae^ traditae, ut eas 

^fecit nos regnum et sacerdotes Deo et jP^^r/. Esta paz seja sempre ^t,*"*™ transmmc- 
€ com vossa Santidade e com toda a Igreja christa. Amen. 

c Muito tempo ha que temos grande amor aos cliristaos dessas 

f-W. f partes polos *beneficios que este emperio tem recebido delles, 

€ quando antigamente os Portugueses o livrarao da tyrannia dos 

< mouros, e restituirao a seu primeiro estado e quieta^ao ; morrendo 
« depois muita parte delies com meu pay, por elle querer cumprir 

< o que nossos antepassados com juramento tinhao prometido (isto 
por Tascaro tio, porque em Ethiopia os primos se chamao irmaos 
e os sobrinhos chamao pays aos tios). Poloque tanto que peia mize- 
« ricordia de Deus Nosso Senhor tomamos o governo deste imperio, 

< deLerminej renovar a amizade com aqueiia fiel gente de Cliristo, 
« porque achamos o nosso imperio em tam trabaihoso estado pollas 

< continuas guerras destes annos passados, que, ainda que temos so- 

< geitado aiguns inimigos domisticos, com tudo isso nos ficao outros 

< mais poderosos, que sao huns gentios que chamao Gailas, os quaes 



Digitized by 



Googl( 



198 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

€ tem conquistado grande parte de nosso imperio e queimado muitas 
€ igreias, e o que peor he, que dao cada dia novos asaltos, execu- 
€ tando grandes crueldades nas viuvas, mininos e velhos; ao que 
€ nos nao podemos acudir, senEo com ajuda de nosso irmao o Em- 
€ perador de Portugal ; pelo que Ihe pidimos nos ajude, como anti- 
« gamente o iizerao seus predecessores, os Reys de Portugal a nossos 
« antepassados. Mas pera que nisto nao haja falta determinamos pedir 
« juntamente a Vossa Santidade, que he pay e pastor de todos os 
« fieis de Christo, queira escrever k nosso irmao diffira logo a nossa 
« peti^ao, antes que estes Gallas cobrem mais for^as. Quanto a en- 
« trada em nossas terras, nao ha difficuldade, porque os que guardao 
« nosso mar nao tem for^a nenhuma; e porque sabemos certo que 
« Vossa Santidade nos ajudara como a necessidade o pede, escuza- 
« mos mais palavras. Ao padre Pero Paez temos encomendado dee 
« mais cumprida relagao a Vossa Santitade de nosso imperio, do amor 
« que temos aos filhos dos Portugueses que ca estao, e do cuidado 
« das igrejas dos padres, aos quaes pe(?o a Vossa Santidade queira 
« dar credito como a esta nossa carta. Acabamos rogando a Christo 
« Nosso Senhor guarde a Vossa Santidade p>or muitos annos pera 
« o bom governo da igreia universal. Escrita em Ethiopia aos 1 4 de 
« outubro de 1607 ». As que se seguem sao feitas por Ras Athana- 
teus. A primeira em nome do Emperador pera sua Magestade, as 
outras em seu nome. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO IV. 
Carta do Emperador de Ethiopia pera sua Magestade. 



« Carta enviada do emperador de Ethiopia Malac Cagued che- i.EpistolaSusneos 
€ gue ao Emperador de Hespanha, terra santa de sam Pedro Prin- Hiapaniae et Lusita- 

< cipe e cabeca dos doutores e da icfreia catholica do senhor, daqual ^^^ ^?*^®™ ^^ *^ 

eo amiciuam et au- 
€ disse o apostolo sam Paulo : Respondi \sic\ vos uni viro virginem xiliares copias expo- 

€ castam exhibere Christo, ao qual seja gloria ; e a imita^ao do puris- J^^m. * *' * 

« simo mensageiro sam Gabriel, que saudando a Virgem Maria Nossa 

< Senhora disse : Deus vos salve ; e de Christo Nosso Senhor que 
€ no domingo a tarde, despois de sua resurreigao, disse a seus Apo- 

< stolos juntos : Paz seja com vosco, e como escreveo em todas suas 

< epistolas o apostolo sam Paulo. A paz do Senhor seja com Vossa 
<Magestade nosso irmao na fe que pregou sam Pedro no tempo 

< que Christo Nosso Senhor mandou seus Apostolos dizendo: Ide 

< por todo o mundo, e pregai o evangelho a todas as gentes, bau- 

< tizandoos em nome do Padre e do Filho e do Spirito Santo. Como 

< esta Vossa Magestade e seu imperio ? nos estamos de saude pela 
f.245. «intercessao de sam Pedro mestre de Vossa *Magestade; e nossa 

t amizade e benevolencia, que entre nos come^ou Christo Nosso Se- 

< nhor, elie a leve por diante, pois he principio e fim de todas as 

< couzas ; principal de escrever esta a Vossa Magestade foi o deseio 

< daquella familiaridade, e comunica^ao, assim temporal como spi- 



Digitized by 



Googl( 



200 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

« ritual, que antigamente houve entre os antepassados de Vossa Ma- 
« gestade Rey de Portugal e os nossos. A qual familiaridade nos 
« emnobreceo juntamente a adop^ao do Spirito Santo. Pera o que 
« pcdimos que Vossa Magestade nos mande fortes e valerosos sol- 
« dados, que prevale<;ao contra nossos inimigos que estaoneste porto; 
« que nos estamos aparelhados com armas, bastimentos e as mais 
« cousas necessarias pera a guerra, nao faltando em nada do que 
« podermos : que mais resao he que Vossa Magestade tenha aly as- 
« sento, que os molestissimos inimigos de nossa santa ffee. Os ante- 
« passados de Vossa Magestade nos mandarao exercito de muy fortes 
^ soldados, quando os mouros queriao destruir nossa fee e imperio. 
« Bem puderamos nos agora destruir estes, que nao receberao o 
« santo evangelho, com nosso exercito, confiados na virtude do po- 
« deroso Rey, que levanta nossos corapoes com a memoria das 
« cousas celestiaes, porque somos filhos do ceo como testifica sam 
« Joao em seu evangelho dizendo : O que nasce de carne, came he, 
« e o que nasce d' espirito, espirito he. Mas temos gfuerra com outros 
« nossos inimigos, que se chamao Gallas, que nos estorvao esta em- 
« preza. Peloque com a major presteza que Vossa Magestade poder, 
« nos mande valerosos soldados que tenhao zelo de nossa santa fee 
« Apostolica. Quanto ao que a nos toca, ja ha dias que estamos ap- 
« parelhados, e como vierem, nao Ihes sera impossivel oque deseja- 
« mos, porque nos nos uniremos com elles com cadea de amor, coroo 
« huma alma, e hum corpo; porque Christo Nosso Senhor he me- 
« stre de Vossa Magestade, e nosso, e assy somos seus membros, e 
« o pay celestial nos gerou em hum ventre do bauptismo, e nao 
« de semente que se corrompe e acaba. O que nesta nao escreve- 
« mos, o padre Pero Paez cheo do Spirito Santo o escrevera a Vossa 
« Magestade nas suas divinas cartas. Escrita em Ethiopia em lo de 
« dezembro de 1607 > (i). 
a. Epistola Ras Carta de Ras Athanateus por Sua Magestade. 

dcnTde eadcm re. " * Carta de paz e amor mandada de Athanateus chegue ao alto 

« e poderoso Emperador de Portugal com paz de Christo Nosso Se- 
« nhor, que pola redemp<;iao do mundo morreo crucificado na santa 
« cruz. Esta paz seja sempre com Vossa Magestade. A causa de 
« escrever esta carta foi o deseio grande que o Emperador e eu 

(i) Hic autographarius mente avocatus scripsit iterum titulum « Livro 7** da Historia 
de Ethiopia », 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO IV. 20I 

€ tcmos de que venhao Portugueses, e assy pedimos a Vossa Mage- 
c stade encarecidamente que nos mande soldados fortes e bem exer- 
€ citados na milicia, pera que tomem este porto em que estao os 
c inimigos de nossa santa fe ; se chegarem os ajudaremos com ba- 

< stimentos, armas e tudo o que for necessario. Os antecessores de 
fVossa Magestade nos ajudarao no tempo que vierao os mouros 
c pera nos destruir, e os que ca vierao ate hoje nos deixarao mc- 
cmoria do que Christo Nosso Senhor fez por elles. Vossa Mage- 

< stade por amor de Jesu Christo nosso Senhor nos mande taobem 
c agora soldados belicosos, que eu estou aparelhado pera sua vinda 
c com muita vontade, e tenho no corapao grande esperanpa que hao 

t245,v. c de vir. Tudo o mais que nesta falta *sobre este negocio, escre- 
c vera a Vossa Magestade o padre Pero Paez. Escrita em Ethiopia 
ca 13 de dezembro de 1607 t. 

Carta do mesmo pera o Viso Rey da India. 3. Alia eiusdem 

c Carta de paz e amor de Ras Athanateus chegue ao grande * roregem 



rum. 



c Viso Rey da India com a paz de Christo nosso Senhor, que mor- 
c reo no santa cruz por nos remir ; esta paz seja sempre com V. S., 
c e com todo seu estado, Amen. Ouvi, senhor, sempre meu pay foi 
c muito amigo dos Portugueses que ca vierao, e os favoreceo em 
€ todas suas cousas, e depois de sua morte eu tambem continuei 
c esta amizade com seus iilhos, ajudandoos com muito gosto em tudo 
c o que se oflferecia, livrando alguns da morte, assy com minha 
c valia, como com minha fazenda, que pera isso dey por vezes todo 
c o necessario com muita vontade polo particular amor que Ihes te- 
c nho, e polo desejo que Nosso Senhor me da de que nao somente 
c se nao acabem as reliquias dos primeiros que ficarao, mas que ve- 
c nhao outros de novo pera remedio deste imperio : o que ha muito 
f tempo deseiava escrever, mas nao no pude fazer polcts continuas 

< g^erras que ate agora tivenios ; de que ia foi servido Deus nosso 
« senhor desapressarnos e darnos Emperador firme de entendimento, 
« que com muita prudencia govema tudo, e reprezentandolhe eu meu 

< dezeio e o bem que se seguiria a este imperio, Ihe pareceo bem, 
i e determinou escrever sobre isso ao Emperador de Portugal, e me 

< mandou que o fizesse tambem pera que saiba quanto o desejamos, 

< e o serviijo de Deus Nosso Senhor que dahi se seguiria. Polo 

< que pe^o muito a V. S. queira por toda sua forQa pera que isto 

< tenha eflfeito, fazendo que ao menos venhao mil, o mais de pressa 

< que poder ser, pera que V. S. seja aquelle que tenha diante de Deus 

C. BtcCAKl. R«r, A*ih, Seripi. occ, incd, — VI. 26 



Digitized by 



Googl( 



202 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

€ a honrra e premio de tam grande empreza; e n6s, abrindose o 
« caminho, serviremos a V. S. com tudo o que de ca desejar. Nao 
« digo nesta mais, porque o padre Pero Paez, com quem ha muito 
« tempo que trato minhas cousas particulares, podera descubrir meu 
« cora^ao. Deus Nosso Senhor acabe tudo em bem, e dee a V. S. 
« muitos annos de vida. Amen. Escrita em Ethiopia a 23 de de- 
« zembro de 1607 ». 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO V. 

Dos muitos que se alevantarad contra o Emperador 
nos primeiros annos de seu imperio. 



O coronista Tin6 conta meudamente muitos alevantamentos ; ». ScitAn SagAd 

. - , ^ T^ - imperio potitus, ut 

posto que tudo toca brevemente, conforme seu custume. Polo que ^^^ potestatem flr- 

eu aqui, pera nao repetir o mesmo, somente escreverej algumas cou- ^^^«^^^f/ ^*J5" 

sas que elle deixou, e estenderej e contarej mais largamente algii- gre suis fratribus, 

mas que pertencem propriamente a empreza da santa fee e aos bemSida ^mmiSt" 

santos trabalhos dos nossos padres nesta terra. Atumen inde a pri- 

. mis duobus annis ad 

Bem entendia o Emperador que Ihe nSio faltavSo emulos, e que is enumeranturper- 

muitos aviao de pretender tirarlhe o imperio, poloque foi logo pouco ^^^p^'' hicTab^A^ 

[a pouco] alevanta[n]do aos cargos mais honrrosos as pessoas de que attinguntur. 

mais se fiava. Tinha elle tres irmSos por parte de sua may, chamados 

AfiFa Christos, Emana Christos, Cela Christos, aos quaes por esta rezao 

nao pertencia o imperio, porque, como acima disse, s6 os descen- 

dentes por via masculina do tronco de David, a que elles chamao 

Israelitas, podem entrar no imperio de Ethiopia; tinha mais hum 

genro chamado Julios, homem de muito valor. Destes pois a Emana 

Christos fez logo viso Rey do Amahara, e a Cela Christos de Be- 

f. 24^. gameder, e no anno seguinte mandou *a Cella Christos pera o viso- 

reynado de Tigre ; e dando o que elle tinha de Begameder a Affa 

Christos, e a Julios deu o visoreynado de Gojam. 



Digitized by 



Googl( 



204 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

E foilhe bem necessaria esta preven^ao, porque nos primeiros 
dous annos forSo i6, ou, como alguns dizem, i8 os que se alevan- 
tarSo contra elle com titulo de pretensores da coroa, nao contando 
os grandes e senhores que os ajudarao, lan^andose com elles, por- 
que nao tem conto. Destes contou algims o coronista Tino, outros 
deixou ; e eu, deixando os mais, apontarej aqui dous neste capitulo, 
e hum no seguinte: o primeiro porque foi vencido por Ras Cella 
Christos o irmao mais mogo do Emperador, do qual, porque foi a 
principal columna da santa fee neste imperio, e ser esta a primeira 
vitoria que teve, nao na devo passar em silencjio; dos outros me 
obriga a tratar, afora ser hum delles vencido muitas vezes psUo me- 
smo Ras Cella Christos, o terem ambos em Tigre, aonde se alevan- 
tarao, pretendido destruir a nossa igreja e casa, que aly ja tinhamos, 
e matar os padres que nella estavao. 

a.CelAChristoa de O primeiro alevantado, de que disse queria tratar, foi 

coacto ezercitu pro » ^ ^"^1 ^^ ajuntou com os Gallas vizinhos ao reino de Bega- 

rebeUe stabant inai- meder no tempo em que pera aquelle reino foi por Viso Rey Cella 

gpiexn victoriam re- 

fert: perdueUis in Christos, irmao do Emperador mancebo, que entao era de vinte e 

tnfddatur!^' *' quatro annos, pouco mais ou menos, e foi isto neste mesmo anno 

de 1607 em que o Emperador come^ou a reinar: a este venceo, e 

acabou Cella Christos em huma batalha com nao menos esforpo que 

ardil. Venhao os Gallas muy soberbos e em grande medo que delles 

todos tinhao ; [0] lugar aonde os esperava Cella Christos tinha du2LS 

entradas ; polo que foi obrigado a repartir sua gente em dous terpos, 

tomando com hum delles a sua conta a guarda de huma, e com o 

outro emcomendando a guarda da outra a alguns capitaes seus; 

chegaraolhe hum dia a noite espias com novas que naquella noite 

aviao os Gallcis de acometer, arreceou que o terpo que delles estava 

afastado, em ouvindo de noite a grita com que os Gallas custumao 

acometer, desemparasse o posto e se acolhece ; tomou a hum homem 

de que se fiava; disselhe que logo se fosse ao lugar que nao era 

muito longe, e como de si. dicesse aos capitaes e soldados, que aly 

estavao, que o Viso Rey aquella noite os queria provar, que os avia 

de ir acometer gritando como os Gallcis, pera ver se fugiao, ou se 

erao homens que tivessem animo e cora^ao pera Ihes resistir. 

Foi homem, e pedindolhes grande segredo, encarecendolhes 

muito que o nao discubrissem depois ao Viso Rey, Ihes declarou esta 

determina^ao ; agradeceraolho muito, e prometerao de mostrar que 

nao erao homens a quem se ouvessem de fazer taes provsis, affir- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO Vn, CAPITULO V. 2 05 

mando que por seu mal, e em ma hora aviao os outros de vir, por- 

que Ihes avia o jogo de custar caro. Amaraose e vigiarao com 

diligencia, eis que arebentao os Galla^, aremetendo com grita espan- 

tosa. Tudo Ihes pareceo figindo [sic] ; zombao dos gritos e brados, espe- 

rao sem medo, ferindo e matando : o Viso Rey que tambem estava 

a lerta e prestes, acomete aos Gallas com o seu tergo, por outra 

parte ; vemse os Gallas cercados, comepao de perder o animo, virao 

as costas, morrem os mais delles no alcance. Foi a vitoria muy 

estimada e festejada, assim por morrerem no encontro tantos e tam 

crueis inimigos, como polo gosto do bom successo que teve o ardil 

que o Viso Rey inventou. Mas o que deo comprimento ao gosto e 

alegria foi a morte do alevantado, o qual posto que escapou da ba- 

talha com vida, os Gallas com tudo Iha tirarao com raiva, vendo 

que elle fora a causa de sua perdi^ao. 

f.246A. *No mesmo tempo pouco mais ou menos, em quanto o Empe- 3. inde imperium 

, . . , ... T^. 1 /v sibi vindicat mona- 

rador neste pnmeiro anno de seu imperio, andou por Dambea em ^^„3 quidam in Ti- 

guerra contra muitos alevantados, e contra os Gallas em Gojam, em f^^\ multosque rei 
^ ^ novitate adlectos ad 

Tigre se alevantou hum frade que avia muitos annos estava no de- suas panes trahit. 

serto feito ermitao; no fim dos quaes tirou por fruto de suas peni- Lu8it^"**mTchin^ 

tencias e jejims querer reinar; devia S3r com intento do bem do tur,8ubamicitiae8pe- 

cie a quodam e pri- 
povo. Logo se Ihe foi ajuntando muita gente, porque o mais da desta moribua capitur, ad 

terra he amiga de novidades, por viverem todos, no tempo que ha, Jf^^j^^JJ^/^f*^*^***^-! 

de roubos e ladroices. Juntas pois muitas quadrilhas de ladrOes, co- bus ac naricibua di- 



me^arao a fazer seu officio a voz do novo frej Emperador saquea- 
rao e roubarao varios lugares. Mas o em que principalmente puze- 
rao os olhos desejando summamente escalado [sic], foi o de Fremona, 
em que viveo o santo patriarcha dom Andre de Oviedo, e neste tempo 
viviao dous padres de nossa Companhia, o padre Luis d'Azevedo, 
e o padre Francisco Antonio de Angeles, e com elles bom numero 
de Portug^eses Uciscidos em Ethiopia; e h6 Fremona lugar sito no 
cora^ao do reino de Tigre, 40 legoas de Mapua, 4 de AcQum, huma 
e mea do mosteiro de Abba Garima. Podese cuidar que tomou o 
nome do bispo Fremonatos, que acima dissemos teve seu assento 
em Acgum corte dos antigos Reys de Ethiopia. A comarca em que 
csta chamase Maegoga, e por esta rezao Ihe chamao muitos, e eu 
o nomearey alg^mas vezes por este nome. Nao avia em Fremona 
mais que ate cem vizinhos, Portuguezes ate 50, os mais gente da 
terra; era lugar aberto sem scrca alguma, as casas todas cubertas 
de palha, tirando a dos padres, que ja estava feita de terrado e tinha 



mittitur. 



Digitized by 



Googl( 



206 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

huma cerca de pedra pequena e muito baixa ; o em que os padres 
confiavSo entao, e ainda hoje he a protecpao que Deus teve sempre 
de o guardar dizendo : Fremona premanecera, Vindo pois a historia 
do alevantado, nao se atreveo elle cometer a Fremona senao despois 
que teve muita gente que o seguia. A qual ouvindo que elle queria 
dar neste lugar, se Ihe ajuntou em grande numero, por todos tinhao 
pera sy que do saco delle sarriao ricos, pela fama que avia da ri- 
queza dos Portuguezes e daquella igreja; emfim como se virao 
tantos que Ihes pareceo nao achariao resistencia, come^arao a mar- 
char; os padres e Portuguezes estavao em grande aperto, porque 
nao viao donde Ihes pudesse vir socorro : o viso Rey Cafluade era 
hido a corte ; em seu lugar gouvemava hum irmao seu ; mas deste 
nao avia que esperar, antes se entendia que dessimulava, e nao Ihe 
pezava que o alevantando [sic] fosse tomando for^as ; s6 em Deus e 
na protec^ao e intercessao do santo patriarcha tinhao postas suas 
esperan^as. Chegou o frade huma jomada de Fremona, cujos de- 
spojos e destmi^ao se prometia no dia seguinte, quando Deus nosso 
Senhor, o qual sempre acode nos mayores apartos, moveo o cora^o 
de hum fidalgo da casa real chamado Betlem Sagued, Xumo que 
era e capitao da comarca de Tembem, distante de Fremona dous 
dias de caminho; este com alguma boa gente se veo naquella tarde 
meter no arrayal do alevantado, como que o vinha ajudar, mas 
tanto que o vio descuidado. dando aos seus de olho, fez que o pren- 
dessem, e como a gente que o seguia era baixa e plebea, nao se 
curando ntnguem de acudir por elle, e procurando cada hum de se 
por em cobro, se espalharao e acolherao, desfazendosse todo aquelle 
aparato em hum momento, e dormindo a noite na cadea aquelle 
que ja se sonhava senhor de Fremona e Rey de Tigre ; levaraono 
prezo a corte, aonde o Emperador se contentou com Ihe mandar 
cortar os narizes. 



Digitized by 



Googl( 



f^^r CAPITULO VI. 

Do fingido rey Jacobo que em Tigr6 se alevantou. 



Recolhendoce o Emperador de Gojam pera a sua corte de Coga i. Paulo post ple- 
no principio do invemo de 1608, despaciiou pera Tigre a seu irmao cto^nc^ne u^ rc- 

Cella Christos por Viso Rey daquelle reyno, e poz em Begamder bellionem inataurat 

in Ti^frt et faventi- 
por Viso Rey a seu irmfto mais velho Affa Christos. No mesmo bus monjurhis Deba- 

tempo hum mancebo pobre e de baixa gera^ao foi tam atrevido, potitur. 

que fingio ser el rey Jacobo, ao qual Sucinios matara o anno atraz, 

c como era ardiloso, escolheo o melhor lugar que podia aver pera 

scr tido pelo que se fingia. Foise ao mosteiro de Bizan que esta 

junto a Magua, em humas serras muito altas donde se descobre o 

mar Roxo. He elle de frades de Abba Estateus, e sao muitos os 

que nelle morao, e muitos mais os que vivem por ali aroda, de 

maneira que todas aquellas terras maritimas nao tem outros curas 

e parochos, senao os frades deste mosteiro, e assy se regem em tudo 

por elles. Come^arao pois os frades a dizer que em sua caza tinhao 

a el rey Jacobo, e os Tigres que por ali vivem ao ter por taL Logo 

se Ihe ajuntarao muitos ; elle nada se parecia no rosto com Jacobo, 

cingio huma touca na cabega, e s6 queixandoa por baixo da barba, 

estendia parte della de maneira que Ihe cubrisse a boca e grande 

parte do rosto, dizendo que o fazia porque na batalha Ihe quebrarao 

alguns dentes; em toda a parte he bem recebido hum Rey encu- 

berto; huns se compadeciao de seu desastre e trabalhos passados, 



Digitized by 



Googl( 



208 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

outros Ihe ofFereciSo mulas e cavallos, esperando que ao diante llie 
pagaria tudo em dobro. Todos o queriao acompanhar, porque na- 
quella agua envolta esperavSo de se encher bem, roubando por onde 
quer que fossem. Como se vio bem acompanhado, sayose das serras 
de Bizan, veose pera Debaroa, lugar em que ordinariamente tem seu 
asinto o Bamagaes, e achando aly huma cafila de mercadores, que 
hiao pera o mar, Ihe pedio que, pois viSo a necessidade em que 
estava, Ihe acudissem com algum ouro pera fazer huma coroa, pro- 
metendolhes de Iha remunerar ao diante com ganhos copiosos ; finta- 
raose como puderao, e deraolhe o ouro que pedia, nao tanto por 
vontade e esperanga de ganhos, quanto por medo de mayores per- 
das, se Iho nao dessem. Bateoo em varias chapas, e polas no chapeo 
sobre a touca, e ficou coroado ; porque esta foi sempre a coroa dos 
Emperadores doste imperio, hum chapeo forrado de seda, e chapeado 
de ouro e prata. 
a. Sela Christdt, Chegou esta nova ao viso Rey Cella Christos, pozse logo ao 

perduelles*^ acSritur caminho, pera o ir demandar, posto que tinha comsigo muito pouca 
eoaque profligat. la- gente de guerra; porque todos os Tigr^s se hiao apoz [o] alevantado; 
vat. chegou a vista de Debaroa. Vio que os inimigos o esperavao prestes 

pera a batalha, e erao em grande numero ; com tudo, como esfor- 
pado, quis logo acometer, conhecendo bem que, tirando trezentos 
criados seus, e sincoenta Portugueses de Fremona que comsigo traizta, 
todos os mais Tigres que com elle vinhao, naquella noite se aviao 
de passar pera o alevantado ; e elles o mostrarao logo, porque indo 
o Viso Rey com os que digo indireitando contra *os inimigos, dous r.247A 
capitaes Tigrfes com seus escadrOes se desviarao pera huma banda. 
Disserao isto ao Viso Rey alguns seus criados que o notarao ; aos 
quaes elle respondeo : Nao olheis pera o que aquelles fazem, senao 
pera o que me virdes fazer, e pera o que nos convem, pois he certo 
que so em Deus e em nossos bra^os e zargunchos esta nossa sal- 
va^ao, sabei que se nao vencemos, nao temos em todo Tigre lu- 
gar em que esquapemos ; polo que ou vencer ou morrer ; e dizendo 
isto, rodeado dos Portuguezes aremepou seu cavallo a meo dos ini- 
migos, e com tal for^a foi nelles ferindo e matando, que em breve 
espago de tempo os rompeo e poz a todos em desbarate. Virao os 
dous capitaes seus que estavao a la mira, como os inimigos fugiao ; 
fingirao entao que o desvio que fizerao fora ardil de guerra, acoo- 
meterao por outra banda, e posto que nao feriao, nem matavSo, 
espantarao com tudo e puzerao medo, pera todo os inimigos se pK)- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO VI. 20g 

f- 248. rem em fugida. Desejou muito o Viso Rey que o alevantado *nao 

escapasse ; buscavao na batalha, e vendo hum de cavallo que sobre 

a malha vestia huma cabaya de gram, tendo que nao podia ser outro, 

o foi seguindo gfrande peda<;o, ate que alcan^adoo a golpe de lanpa 

o derrubou morto ; ficou muito contente ao principio, mas logo re- 

conhe^eo ser o morto hum mouro, e nao o falso Jacobo que elle 

buscava, porque este se retirou com tempo, e meteo logo em humas 

serras muito altas e asperas que ali estao perto. 

Neste tempo todo Tigre se revolveo : tudo erao quadrilhas de 3« Dum veropcr- 

salteadores. Destes se fez cabega hum homem grande chamado Tho- cingit, Neberftd Tho- 

mas, que entao era Nebret de Accum e sua comarca(i\ Nebret cha- °^*' Lusitanis Fre- 

^ monae ezcidium pa- 

mao ali ao govemador; ajuntaraoselhe oyto centos soldados; sabia rat^quodperfecisset, 

elle que os Portugueses todos tinhao ido a guerra com o Viso Rey , creduTili «aeritate i^- 

e que em Fremona ficarao s6 os padres com alguns muito velhos, luc rediisset et rebel- 

,.,.,, leni fugasset. 

e mulheres e crian^as ; teve pera sy que toda a nqueza da villa era 

sua, e ja elle e os seus se davao por riquos pera muitos annos. Pozse 

ao caminho pera la; mas como elle nao he mais que de 4 legoas, 

muitos dias primeiro tinha chegada a fama deste aparato de guerra, 

e gente que elle ajuntava, e os padres tinhao mandado recado ao 

Viso Rey e aos Portuguezes que voltassem muito a pressa de De- 

baroa se os queriao achar com vida. Felo o Viso Rey melhor do 

que Iho pediao, caminhou com sua gente de maneira que chegou a 

durmir duas legoas de Fremona na mesma noyte em que o Nebret 

durmio junto ao lugar, com intento de nella, ou na madrugada do 

dia seguinte, escalar as cazas dos padres, pera o que trazia escadas, 

e todos os petrechos necessarios. Mandou o Viso Rey na mesma 

noite bum recado aos padres animandoos a que pelejassem, e nao 

tivessem medo, porque em amanhecendo era com elles pera os de- 

scercar. Nao foy necessario arrancar espada, soube o Nebret da che- 

gada do Viso Rey, e deixada a empreza a que viera, naquella 

noite, se acolheo com os seus, e foj tanto o medo que teve do Viso 

Rey, que nao parou senao em Torat, que he huma comarca de terra 

muito forte que vizinha com Acijum pella banda de noroeste. Fojo 

seguindo ao outro dia o Viso Rey, mas nao no pode alcan^ar. 

Vendo o alevantado que o Viso Rey se afastara pera tam longe, ^.Interhaeciacob, 

sayo logo das serras, e pozse em campo com muita gente. Voltou ll^pia^tic^dcscen- 

o Viso Rey sobre elle ; em chegando, sem o alevantado se attrever ^^^ «* vastationem 

Fremonae minitatur. 
a provar ventura, se recolheo outra vez as serras. Mas nao se de- patres fugam arri- 

(i) Verba « Nebrete chamSo ali », adiecta ab A. in marg. loco: « assy chamSo ali », 
C. Bbccari. /?#r. .4^M. Scrtpt, occ. incd. — VI. 27 



Digitized by 



Googl( 



2IO HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

pere rccusant, ne se- tcve ali nada, antes, atravessandoas com muita pressa, veo sair por 
ope destituantur. At outra banda muito perto de Ac^um e Fremona, aonde se Ihe ajun- 

perdueUes, ut tento- tou tanta fifente que dizem, checfariao a vinte e sinco mil homens 

riis Proregis potian. & n o 

tur alio divertunt. de *arm2Ls. Poz logo a proa em Fremona, assy pello odio que tinha f.248,v. 

aos Portuguezes, que erao os nervos do exercito do Viso Rey, e o 

tinhao desbaratado em Debaroa, como pela cubiQa das riquezas que 

imaginava avia no lugar. Aqui se virao os padres e o povo todo, 

velhos, mulheres e mininos sem remedio humano. Nao desesperando 

com tudo do divino, recolheraose na igreia, assy pera pedirem a 

Deus misericordia, como pera dentro nella ofiFerecerem a Deus suas 

vidas em sacrificio, se o Senhor assy o permitisse. EUe porem, que 

he pay de misericordia, acudio na maior necessidade com este de- 

svio. Vinhao os inimigos chegando muito perto do lugar, quando 

hum homem chegou ao falso Jacobo com novas que ali perto, junto 

ao mosteiro de Abba Garima, estavao huns capitaes doViso Rey, 

que tinhao bo^is tendas, cousa de que elle andava muito falto e de- 

sejozo; que fez? foi tam grande o apetite das tendas, que deixou o 

caminho e intento de Fremona, fazendo conta que os que ali esta- 

vao, e suas riquezas nunqua Ihe podiao escapar, sempre os tinha 

na mao; indireitou pera o mosteiro; defenderaose os do Viso Rey 

por bom espa^o com grande valor ; porque ainda que poucos o sitio 

os ajudava, por ter a entrada estreita; ate que hum frade guiou a 

alguns do alevantado por outro caminho, pello qual vierao a dar 

nas costas aos do Viso Rey; e matando alguns, os mais se espa- 

Iharao e acolherao. Ficarao os inimigos senhores das tendas, e do 

mais que avia, nao s6 no arrayal dos criados do Viso Rey, mas 

ainda no mosteiro, que a nada perdoarao. 

5. Perdueliium Aqui ficou entao Fremona, os padres e moradores em extremo 

8titatem7ten^*m1- P^rig^, estando como estava sem gente, que a defendesse, e o exer- 

nitantibu8,patre8ope ^ito do tyranno a vista. Mas vejamos como Deus Nosso Senhor Ihe 
cuiu8dam Claudii in . 

tuti88imumlocumin- acudio, e fez verdadeira a palavra que deoaseu servo o patnarcha 

OurFremonae^^ ^^^^^^» dizendo: Fremona permanecera. Quiz Deus que escapasse 

8erant Liwitani di- desta rota Claudios, nobre fidalgo da casa de Sire. Este se veo na- 

quelle mesmo dia ja a boca da noyte a Fremona, e disse aos padres, 

que se saissem dali com toda a gente e fato que tinhao, e se fos- 

sem em sua companhia pera Syre, assegurandoos de os defender da 

gente da terra. Pareceo bem a todos o conselho ; partirao dous pa- 

dres com todo o fato e gente que estava pera caminhar. Os velhos, 

fracos, e crian^as se ficarao, e pera morrer com elles hum dos pa- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO VI. 211 

dres. Caminharao os que hiao pera Syre como quem fugia: seria 
mea noite quando Ihes sairao ao encontro muitos salteadores. Mas 
Claudios se poz na dianteira em huma egoa fermoza em que caval- 
gava com sua langa na mao, e conhecendo logo alguns que erao 
gente da terra, e sendo delles conhecido, Ihes dis que aquella gente 
hia toda a sua conta e debaixo desuapalavra; pello que Ihes pedia 
desimpidissem o caminho e nao fizessem mal a ninguem, porque 
quem aquella gente tocasse, o avia de aver com elle. Tiveraolhe 
todos parte respeito, parte medo, nao bulirao com ninguem. Em 
1. 24c>. amanhecendo tiverao com outra *quadrilha de ladrOes outro encontro 
semelhante com (i) o mesmo successo ; e deste modo chegarao a 
Tigre a salvamento. 

Aos que ficarao em Fremona guardou Deus Nosso Senhor com 
mostras ainda mais claras de sua divina providencia. Escondeo o 
padre aquella noyte algiim fatinho que ficara; pella manha com os 
velhos e fracos meteose na igreja, havendo que nella tinhao refugio, 
se Deus os quizesse guardar, tinhao lugar proprio pera o sacrificio, 
se o Senhor se servisse de aceitar o de suas vidas, e finalmente 
sepultura pera seus corpos. Soube logo o alevantado tudo o que 
passava; pareceolhe que era desnecessario, e ainda menos cabo 
seu, ir em pessoa aonde avia tam pouco que fazer; mandou tres 
capitaes com seus soldados, que fossem degolar aquelle rebanho 
de ovelhas, e recolher algum rabisco do fato que nao puderao acar- 
retar os que fugirao pera Syre, e com ordem expressa que Ihes deo 
seu senhor, que na caza dos padres nao deixassem pedra sobre pe- 
dra. Vierao correndo, mas affirmarao despois alguns delles que, tanto 
que chegarao a vista da casa dos padres, entroulhes no cora^ao tam 
gfrande medo, que parece Ihes atavao os pes e as maos, e no mesmo 
tempo e lugar chegou a elles hum homem com recado que tornas- 
sem ; p)orque o alevantado teve novas que vinha o Viso Rey, e os 
mandava chamar: veolhes isto do ceo, porque pera irem pera Fre- 
mona o medo Ihes tirava os p6s, pera voltarem pera donde vierao 
Ihes dava azas; e iulgarao elles mesmos ser aquelle temor cousa 
mais que natural, porque sabiao muito bem que no lugar nao havia 
hum s6 homem que Ihes pudesse fazer rosto. 

(i) A. substituit « o mesmo » voci « semelhante ». 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by CjOOQ lC 



CAPITULO VII. 

De duas grandes vitorias que o viso Rey Cella Chri- 
st6s teve do fingido Jacobo; e de como o Empera- 
dor determinou vir A Tigr6. 



Chegados os tres capitaes com sua gente, foy o alevantado x. Seia Christds 
marchando pera junto a huma serra forte com intento de ao pe della ^Su^lTmbisimpe- 

esperar ao Viso Rey, por ter nella costas e lucfar sefifuro a que se ^^* eiusque frequen- 
^ ^ 6 6-1 tissimas copias dis- 

recolher, sendo vencido. Chegando a este lugar soube que o Viso sipat. lacob in prae- 
Rey ainda estava longe, e pezoulhe muito de ter deixado a empreza *J^® montes se re- 
de Fremona; langou pregSo que todos se fizessem prestes pera odia 
seguinte irem la ; mas em cantando o gallo Ihe chegarao novas que 
o Viso Rey estava muito perto ; pello que com medo se subio logo 
ao mais alto da serra. Chegou o Viso Rey e assentou seu arrayal 
em hum campo chamado Maequel bahera, no qual se deteve dous 
ou tres dias vendo que nao tinha gente que bastasse pera acometer 
f.249A. *a tantos inimigos em lugar tam forte. EUes, como erSo em grande 
numero e toda a gente da terra os ajudava, tomarao e fortificarao 
as entradas e saydas daquelle campo, o qual estava todo rodeado 
de montes. E se ah se deixarao estar, ou o Viso Rey e seu exer- 
cito ali pereceria a fome, ou for^ado a dar batalha em lugar incom- 
modo, correra muito risco. Porem os do alevantado vendose tantos, 
tiverao que era covardia nao no ir demandar ao campo; puzerao 
em ordem seus escoadrOes, e deixando ao fingido Rey em o alto, pera 



Digitized by 



Googl( 



214 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

que sua vida nao perigasse, vierao decendo. Vendoos vir, o Viso 

Rey poz em ordem sua gente em hum valle fora do arrayal, (i 

mandoulhes que assentados esperassem at6 os inimigos virem muito 

parto. Vieraolhe dizer que vinhao por outra banda algumas com- 

panhias acometer ao arrayal, mandou hum capitao com alguma pouca 

gente que os fosse encontrar, dizendolhe: Deus vos ajude, nao posso 

dar mais. Este rebateo aos inimigos com grande esforgo, e matan- 

dolhes hum capitao principal, virarao as costas, elle Ihe foi no al- 

cance, matando muitos ate huma ribeira junto da qual parou. No me- 

smo tempo chegou contra o Viso Rey o pezo dos inimigos; arre- 

meteo a elles com seus criados e com os Portugueses, e foj tal o 

impito que, nao Ihe podendo resistir muito tempo, se forao retirando 

a hum oiteiro, que ali estava perto : seg^ioos a gente do Viso Rey , 

e quilos derrubar do oiteiro ; mas neste passo, como estavao de cima, 

carregarao elles de maneira que os do Viso Rey se deciao com 

mais pressa da que primeiro levarao. O Viso Rey, que hia por outra 

banda pelejando, vio a necessidade de sua gente, picou o genete, e 

tomando a dianteira foi subindo e levando os inimigos com tal forga 

que Ihes ganhou o outeiro e os fez ir a todo correr fugindo pera a 

serra, indolhes elle no alcance ate o pe della, matando a tantos que 

ficarao os campos e valles cheos de corpos mortos. Ao dia seguinte 

se acolheo o alevantado pella outra banda da serra, e se foj meter 

no seu antigo covil que erao as serras dos Amacens alem de De- 

baroa nas partes maritimas. Reconheceo o Viso Rey esta vitoria 

por merce especialissima da mao de Deus porque vio que fora muito 

sobre suas for^as. Deo k divina Magestade muitas gra^as, e repartio 

pellos pobres grossas esmolas, e ate huma cadea de ouro de muito 

pezo que trazia ao pesco^o, fazendoa em pedagos, deu logo aos que 

encontrou. 

a. Scla Chri8t68 Vendo o Viso Rey que o alevantado sempre escapava, e a gente 

Imperatorem invitat jt^. a«j. , t^ , .. 

ad lacob debellan- "^ Tigre nao deixava de o seguir, escreveo ao Emperador seu irmao 

^^^' tudo o que passava, avizandoo que era necessario vir Sua Alteza 

huma vez a Tigre pera quietagao daquelle reyno. Pareceolhe bem 

o conselho, mandou lan^ar pregao que se partia, que *todos o acom- f. 250, 

panhassem; e sem muita deten^a se poz ao caminho. Tinha feito 

duas ou tres jomadas, quando Ihe chegou nova que os Gallas erao 

entrados pello reyno de Begameder: voltou logo pera aquella banda, 

e pelejou com elles com varia fortuna. Contase tudo largamente na 

Chronica que atraz puzemos ; pello que passo somente com dizer que 



Digitized by 



Googl( 



V 



LIVRO VII, CAPITULO VII. 215 

primeiro foj vencido, despois venceo, e tornando despois da vitoria 

a sua corte, nao se deteve nella mais que oyto dias, os quaes pas- 

sados, se poz outra vez ao caminho pera Tigre, posto que avia mui- 

tos que o dissuadiSo desta jomada, nSo s6 com rezOes, mas ainda 

com profecias, ou feiticerias fingidas, dizendolhe que nao podia de 

la tomar com vida; elle porem, nao fazendo cazo de agouros, per- 

sistio em seu intento. 

Mas nao he pera calar o abalo grande que em Tigre cauzou a 3. Rumor spargi- 

nova da rota que os Gallas derao ao exercito imperial. Espalhouse ^^^^ j^ wStris la- 

por toda a terra nao so que o Eraperador fora vencido, mas ferido cob: hic resumptis 

^ animis Sela Christds 

mortalmente, emfim morto e acabado. Ouvio isto o falso Jacobo, nao aggreditur ; victoria 

cabia em sy de prazer; saiose das terras a que se tinha acolhido, dem^^ulSS^^suorum 
ajuntaselhe gente sem conto, obedecelhe a terra toda. Acrecentarao caesis in momes ite- 

TT. T> /< . , 1 . rum se recipit. 

mais que o Viso Rey fugira, e com tanto medo e pressa que dei- 

xara as tendais pera ir mais desembara^ado, sendo tanto ao revez, 
e estando elle com tal animo, que pera o dar a sua^gente fingia no 
mesmo tempo nov^is alegres e vitorias do Emperador, festajandoas 
com demonstra^Oes de alegria, pera com ellas tirar do cora^ao de 
todos o medo que as novas tristes imprimiao. Zombou o alevantado 
quando soube destas ficgOes: ajuntou e ordenou seus escoadrOes, 
e veo em busca do Viso Rey. Elle que nao perdera nada de seu 
antigo valor e animo esforgado, por Ihe aliviar o trabalho, o veo 
esperar ao caminho ; encontraraose em huma terra chamada Edeque. 
Nao houve demora em se aprezentar a batalha; o Viso Rey e os 
S3US custumados a vencer, o Rey fingido confiado na multidao dos 
que o segiiiao ; estes animados com as nov^is da rota, e fingida morte 
do verdadeiro Emperador acometerao e pelejarao grande espa^o de 
tempo com tanto esfor^o que esteve a vitoria muito duvidosa. Porem 
dandoa emfim Deus aquelle que melhor a mere^ia, e a quem tinha 
dadas as primeiras, forao os que ali acabarao dos Tigres muitos 
mais que em todas as outras, porque houve tempo e lugar accom- 
modado pera os do Viso Rey seguirem devagar o alcance; com 
tudo o falso Jacobo, como sempre estava detraz de todos os seus e 
era o primeiro no fugir, escapou e recolheose a seu ordinario va- 
Ihacouto das serras que muitas vezes nomeamos. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



r- 50. CAPITULO VIII. 

Dece o Emperador 6, Tigr6, coroase em Ac^um: nao 
achando o alevantado, volta pera Dambe^. 



Posto que muitos dissuadiSlo ao Emperador desta joraada, e elle x. Scitan Sagad 
entendia que avia nella muitas difficuldades, com tudo por ser o g,^ castra movet et 

royno de Ticfre o maior e de mais rendimento que tem este im- ^** itinerc prope La- 

•^ ^ ^ malmon de Melka 

perio, sabendo que s6 com sua ida podia aver nelle quietagao, cor- Sedec conspiraiione 

tando por tudo, se poz ao caminho. Em decendo Lamalmon (monte ^*^*^*"™ accipit. 

que como os Alpes dividem a Italia de Franga, assy divide os reinos 

do sertao de Ethyopia daquelle de Tigre, que s6 em toda ella chega 

a beber no mar, e nao he menos aspero e difficultoso de passar que 

os Alpes aonde o elles o sao mais), logo Ihe chegou nova que em 

Dambea se alevantara Melchisedec, escravo que fora do emperador 

Malac Sagued, neste tempo senhor de muitas terras; porque nesta 

os Reys dos escravos se servem e fiam mais que dos fidalgos, e a 

muitos acrescentao com officios e rendas iguaes, e as vezes avan- 

tejadas as de todos os grandes. Dissimulou com isto, foj marchando 

ate junto a Ac^um ; aonde de caminho se quiz coroar, como o fa- 

ziao os antigos Emperadores. 

No primeiro livro, tratando das antiguidades de Accjum, escrevi a. CumAxum per- 
oc« ..« j «JT- venisset, caercmo- 

as ceremonias que se acustumavao guardar na coroa^ao dos Empe- ^iam coronationis 

radores; poUo que aqui brevemente tocarej o que este Emperador exaequi iubet. Die 23 
f martii anno 1609 so- 

*ez, remetendome ao que atraz esta dito. Chegando elle perto de lemni pompa et uni- 

^- Beccari. ^^-r. /f<fM, Scrt'// occ. ined, — VI. 28 



Digitized by 



Googl( 



2l8 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

versospectanteexer- Ac^um, o veo ali encontrar seu irmao o Viso Rey de Tigre, e com 
abuna Simone coro- ^^^^ ^ padre Pero Paez e outro padre seu companheiro ; recebeoos 

natur. Describitur ^om muito amor. Era sesta feira; ao sabbado foj marchando pera 

beUicus apparatus et 

coronationis ritus. mais perto da povoagao, e assentou seu arrayal em hum fermoso 

campo que ali esta. Ao domingo 23 de marcjo de 1609 se quiz co- 

roar; vierao primeiro os mestres das ceremonias trazendo o livro 

dellas; leraolhas, e explicaraolhas: pozse em ordem a gente de gfuerra, 

seriao ate vinte sinco mil homens d'armas; entre elles ate mil e 

quinhentos de cavallo, e ja disse que as armas de Ethyopia sao» na 

gente de p6, rodela de couro de bufara, dous zargunchos, hum como 

dardo, outro como chuQa, huma maga de pao duro e pezado, mas 

pequena, com que fazem tiro, o pe de palmo e meo, delgado, a ca- 

bega como hum grande punho, e alguns sua adaga, a qual nao poem 

a ilharga senao atravessada diante da barriga, ficando o punho pera 

a banda direita e a conteira pera a esquerda, couza que a nos parece 

bem pouco airosa, mas a elles muito. Espadas tem muito poucas, e 

ainda os que as tem, se servem dellas pouco na guerra, e menos em 

brigas(i) so Ihes servem de encosto quando os criados de qualquer se- 

nhor fallao a seu amo em pe, e os senhores com o Emperador ; quando 

vao pellas ruas levaolhas os criados debaixo do bra^o, e a esta conta 

procurao que os punhos sejao dourados, ou de prata, e a bainha de 

veludo ou outra seda. Os de cavallo levao lancja curta, ainda *mais ^* 251. 

que o nosso arreme^ao, mas nao na arremessao, nem poem em riste : 

ter^andoa, ferem aos que a lan^ao; levao mais hum ou dous zar- 

gunchos dos que sao como dardos aos quaes arremessam com muita 

forga no primeiro encontro ; e nao uzam de rodela, nem adarga, por- 

que nao se desevolvem bem com ella. Tem os principaes sayas de 

malha e capacetes, os mais de cavallo nao levam arma alguma defen- 

siva. Toda esta gente vay repartida em varios escadr5es ; por ban- 

deira uzao huns como guiOes de pano branco e vermelho farpados, 

de 4 palmos de largo, e sinco, pouco mais ou menos, de cumprido, 

porque as pontas sao curtas. O Emperador, os Viso Reys e capi- 

taes grandes tem atabales e trombetas a seu modo, e o Emperador 

humas como charamelas que chamao Mecercana, e s6 elle os pode 

ter: sao brandas no som, mas muito identitas, tem muito pouca va- 

riedade; com tudo sao tam affeicpoados ao seu, que gostarao muito 

pouco das nossas charamelas, e menos do tambor. 

(i) A. delevit sequentia verba: « todas ellas sam virgens: nunca tocaram sangue ». 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO VIII. 21 g 

Com os instrumentos que digo soava aquelle grande campo, e 
retumbavao os oiteyros vizinhos de AcQum. A gente de pe hia diante, 
apoz elle a de cavallo ; no couce, com os principaes senhores visti- 
dos de gala, o Emperador em hum poderoso cavallo, com outros a 
destra, todos com ricos jaezes. S. A. vistia huma cabaya de dama- 
sco cramesim do feitio das dos Baneanes, a qual chamao camisa; 
sobre ella outra turquesca de brocado ao modo das togas dos Ro- 
manos antigos, mangas estreitas, compridas ate o chao aonde tam- 
bem chega a cabaya, e vestese solta; a primeira cingia com sinto 
ou relho muito largo todo de pegas de ouro de bom feitio, ao collo 
huma grossa meada de ouro de muitas voltas, que nao somente cae 
sobre o peito, mas lan^a suas pontas pera traz muito cumpridas 
como tran^ado. Era homem de 34 annos, alto de corpo, de cores 
ba^as, nas feigOes do rosto toda a boa propor^ao e magestade, de 
modo que reprezentava bem a pessoa e authoridade imperial. Dous 
tiros de espingarda antes da igreja de AcQum esta aquella grande 
pedra que acima disse ser toda escrita com letras antigas e inco- 
gnitas, junto a qual se custuma fazer a ceremonia de cortar o cordao, 
que no caminho atravessao as donzellas, que chamao de Siao. 
Apeouse ali S. A. e a corte toda ; estava o terreiro cuberto de grandes 
e ricas alcatifas; puzeraose de huma e outra banda em fileira os 
mayores senhores; tomarao as donzellas o caminho atravessandoo 
com o cordao de retros, ao qual o Emperador foi demandar tres 
vezes, e perguntado das donzellas : Quem era ? a primeira e segunda 
f.2S>»>^- vez respondeo que Rey de Israel; *disseraolhe que nao era o seu 
Rey: retirouse fazendo pee atraz, e com o rizo na boca, como o 
affirmou o capitao dos Portugueses que ali esteve prezente (ao qual 
S. A. a noyte d'antes tinha dito que este custume e ceremonia Ihe 
parecia impertinente), a terceira vez respondeo S. A. : Sou Rey de 
Siao; e levando da espada, que trazia a tiracolo, cortou o cordao, 
dizendo as donzellas: Em verdade sois nosso Rey de Siao. Rom- 
peose logo o ceo com vivas, com salva d'espingardaria e com o 
som de todos os instrumentos muzicos que avia no exercito. 

Ali o esperava o seu Abbuna Simao, que pera isto o tinha acom- 
panhado desde Dambea, o com elle todo o ecclesiastico, frades, 
clerigos, e beneficiados, a que chamao Debteras, todos cantando psal- 
mos, e varias prezas na sua lingua; daly o levarao ate o primeiro 
pateo da igreja aonde S3 fez a coroagao com as ceremonias custu- 
madas. As quaes porque escrevi no livro primeiro desta historia. 



Digitized by 



GoogI( 



2 20 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

me pareceo escuzado repitir neste lugar. EUas acabadas entrou o 

Emperador na igreja, ouvio missa e comungou. Dali se tomou pera 

as tendas que tinha armadas no campo, a cavallo com sua coroa 

na cabe^a ; sceptro nao se uza em Ethyopia ; nem a coroa era mais 

que hum chapeo de abas largas, forrado de veludo azul e cheo todo 

de chapas de ouro e prata, feitas a modo de flor de lis, com algu- 

mas pedras falsas, que pedraria verdadeira nao na ha, nem ouve 

nunqua nesta terra, tanto que nao nos dao muito credito quando Ihes 

contamos o muito que ella val em nossas terras. 

a.ExpiedssoUem- Neste tempo, pera que a festa da coroagao fosse aguada, como 

niis, contra rebellem ^. ^j ,.j jt_ t^ j 

Meika Sedec fratrem ^ custumao ser todas as alegrias do mundo, chegou ao Emperador 

suum EmanA Chri- nova certa de como o alevantado Melchisedec estava declarado e 
8t68 mittit, qui illum ^ 

praelio devictum ca- publicado por tal, tinha muita gente de guerra, e todo Dambea Ihe 

fn^Daxnbia^co^mo^ obedecia, e como outros seus aliados vinhao entrando por Bega- 

rantes fuga vitam meder, e traziao do Amara a hum principe do sangue, a que elles 
servant. 

chamao Israelitas, por nome Argo, ao qual pera o fazerem Rey ti- 

nhao tirado de Amba Guexen, aonde estao ainda alguns netos dos 

Emperadores antigos ; ouvindo isto despidio o Emperador logo pera 

Dambea a seu irmao Ras Emana Christos com algumas companhias 

de soldados, pera que fosse aquietar estes movimentos, e pelejar com 

Melchisedec. E teve elle tambem successo que o venceo, e matou ; 

e mandou prezo a Ar<;6, e o Emperador Ihe mandou cortar a ca- 

be^a; o que tudo fica atraz largamente contado pello chro*nista Tino, f- 252 

pollo que passo por isso com tanta brevidade. No tempo destas revoltas 

os padres Antonio Femandez e Louren^o Romano, que estavao em 

Dambea, padecerao muito, e estiverao muito arriscados andando de 

huma pera outra parte fugindo e escondendose ; e foj merce de 

Nosso Senhor escaparem com vida. 

4. Dum imperator Despidido Ras Emana Christos pera esta empreza, continuou o 

gredi parat ob com- Emperador seu caminho em demanda do falso lacobo, e porque avia 

meatus defectum in je passar junto a Fremona, disse aos padres que queria ir ver nossa 

DambiA reveru cogi- f j r- n 1 

tur, Amsala ChristAs caza e ouvir na igreja missa e prega^ao. Concertaraona o melhor 
in^TigrT^reiicto^ ^ ^"® puderao ; mas por S. A. chegar tarde, encaJmado e cansado do 
caminho, deixou a missa e prega^ao pera o dia seguinte; entrou 
porem na caza dos padres, e vioa com muito gosto, e detevese ali 
em boa pratica ate perto da noite (era quaresma em que nao comem 
senao ao sol posto); a estas horas se foj pera suas tendas. Polla 
manha forao muitos os negocios que Ihe sobrevierao; mandou mar- 
char o exercito e bagajem, esteve com os grandes em conselho ate 



Digitized by 



Googl( 



(.r^2,y. 



LIVRO VII, CAPITULO VIII. 221 

muito tarde; pollo que nSlo pode vir a igreja. Deixoulhe com tudo 
30 oquecis de ouro, que montSlo trezentas patacas, de esmola, e par- 
tiose, deixando tambem ali o seu Abuna Simao em nossa caza, e 
de proposito, pera ver se com o bom gazalhado e conversa^ao dos 
padres cobrava aflFeiQao a sancta fe de Roma; da qual continua- 
mente metia o Emperador a pratica todas as vezes que achava occa- 
ziao, porque a tinha ja impressa no coraipao, e trabalhava por Ihe 
ir aflFei^oando a todos os seus. 

Estava o alevantado junto a Debaroa, soube que o Emperador 
se hia chegando, e vendo que nao tinha poder pera Ihe resistir, de- 
spedio a gente que tinha, e meteose nas serras, que erao seu antigo 
valhacouto ; e como quem sabia bem todos os passos dellas, buscou 
ali huma lapa muito secreta, meteose nella com quatro criados, e 
comsigo humas poucas de cabras, com cujo leite se sustentase. Va- 
leolhe tanto este ardil, que, ainda que o Emperador entrou as serras 
com todo seu exercito, e as correo quasi todas com assas de tra- 
balho, nunca pode acertar com aquelle escondrijo, e ali Ihe escapou, 
e vendo que trabalhava debalde, e que o invemo hia entrando, o 
qual nao podia passar em Tigr6, assy porque a terra he falta de 
mantimento e nao podia sostentar tam grande exercito, como por- 
que sua auzencia podia cauzar grandes e perigozas novitades nas 
partes do sertao, pozse ao caminho pera Dambia com muita pressa, 
levando comsigo a seu irmao Cella Christos, que de/ejava sairse de 
Tigre, e ja nelle nao era muito necessario, por o alevantado ficar 
quasi acabado; e deixando em seu lugar por Viso Rey a hum fi- 
dalgo muito prudente, e esfor^ado por nome Amsala *Christos, chegou 
a Coga a sete de julho com muito trabalho de chuvas e lamas, por 
iuvemo ser ia muito entrado. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO IX. 

De huma vitoria que teve o viso Rey de Tigr6 

Amsal& Christos, 

e de como foj morto o fingido Jacobo. 

viso Rey Amsala Christos era homem nobre, de muito esforgo, x. AmsaiaChristAs, 
^j-ri •. j . j . 11 dum insidias parat 

e prudencia : folgava muito de ouvir os padres, e mostrava que Ihe ^^ jacob potiatur, in 

contava muito a doutrina e santa f6 que ensinavao ; era inclinado srravem morbum in- 

cidit prope Fremona; 
a piedade. Veo por vezes a vizitar os padres a sua caza, recolhen- quo comperto, re- 

dose antes de serem horas de comer pera nao ser for^ado ao aceitar, capiimtrut?°eo*ima 

e com isso ser pezado. (i) Outras vezes, quando se avia de deter e jantar <^^^ Lusitanis pcr- 
- , -, . , ,. empto, lacob impe- 

com os padres, mandava elle o vmho e vacas, que sempre disto se rium deferant. 

gasta muito, polla muita gente que vem com estes senhores. Vendo 

hum dia huma fermosa imagem de nossa Senhora de sam Lucas, 

Ihe ficou tam affeigoado, que pedio aos padres Iha puzessem em seu 

apozento, e fechandose s6 com ella esteve a manha toda em oracao 

diante da imagem da Senhora. Este Viso Rey trabalhou muito, 

com grossas peitas que deo, por aver as maos o alevantado vivo, 

ou morto ; mas elle nao saya ia ao campo, nem se fiava de muitos, 

poUo que nao foi tam facil de acabar. 

Entretando adoeceo o Viso Rey de humas febres tezas, e as- 

sentou seu arrayal em Guebgfueb, lugar muito vezinho ao nosso de 

(i) Vox « k caza » deleta legitur. 



Digitized by 



Googl( 



2 24 HISTORIA DE ETHIOriA A ALTA OU ABASSIA 

Fremona. E por ser Guebgueb pequeno, espalhou sua gente de guerra 
por outros lugares vizinhos ficando com muita pouca guarda. Soube 
todo isso Sabatl'Ab homem grande da casa de Sire, o qual avia 
muito tempo que andava homiziado, e lan^andose com o falso Jacobo, 
fora o principal defensor e fautor que elle tevera. Pareceolhe a Sa- 
batrAb que era aquella a melhor occaziSo que podia ter pera matar 
ao Viso Rey, e dando logo em Fremona [a]cabar os padres e Por- 
tugfueses, e segurau: com isto o imperio do falso Rey que siguia, 
em cujo tempo se prometia o melhor dos cargos, honras, e riquezas 
de toda Ethyopia. Ajuntou logo mil e quinhentos soldados, ou sal- 
teadores, que o costumSo a ser famosos os daquella comarca de 
Sire; declaroulhes seu intento; ficarao muy contentes com a espe- 
ran^a do saque de Fremona, do qual se prometiao ouro e prata 
' sem conto e roupas da India de inestimavel valor. 
a. Prorcx, rebel- Dista Guebgueb de Sire duas grandes jornadas: partiraose a 

transfagam compcr- "^®^ noite, pera que, caminhando no dia e noite seguinte, pello quarto 

tis, Lusitanorum du- diant*aJva chegassem e dessem no lugar e casa do Viso Rey . Mas 

cis sententiam se- 

quutus, ipsa nocte Deus *Nosso Senhor, que o queria guardar, ordenou que entre os f. 253. 

utur oppoVtuno ™^^^ ^^ achasse aly hum homem, o qual, ou por a empreza Ihe de- 

loco disponit; ac de scontentar, ou pola esperan^a do premio, atravessando por atalhos 

repente adventantes 

hostes, impetu facto, desviados e correndo a toda a pressa, chegou a boca de noite ao 

in fugam vertit. y^gQ Rey, e avisou do perigo em que estava. Prometeo o Viso Rey 
de Ihe remunerar este servi^o como elle o merecia. Mandou porem 
que o vigiassem, porque nao acertasse de ser aJguma espia. Chamou 
os seus a concelho, e posto que a alguns parecia que saissem todos 
ao campo aberto e nelle esperassem o encontro dos inimigos, o ca- 
pitao dos Portugueses, que aly a caso se achou com seis ou 7, foj 
de parecer. que, visto serem os inimigos muitos e elles muito pou- 
cos, e que com a claridade da lua, a qual avia de sair a mea noite, 
podiao os inimigos conhecer esta ventagem, era melhor esperalos a 
sombra das casas, e tanto que chegassam desparar algumas espin- 
gardas, que tinhao, e logo acometer, porque, alem de averem de ficar 
sobresaltados, polos acharem de sobre avizo como nao descobrissem 
o numero, poderiao cuidar que o avizo fora de mais dias, e que 
estava aly junta toda a gente do Viso Rey, e com este arreceo per- 
deriao o animo e se poriao em fugida. 

Contentou ao Viso Rey este concelho : assentou nelle : vistiose 
e posto que doente, sayo de casa, e assentado em huma cadeira fez 
huma breve fala aos soldados, animandoos a pelejar contra aquelles 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO IX. 225 

ladrOes, aos quaes, polo serem, nSo avia Deus de ajudar, nem tinhao 

que temer sua multidao, pois nao hera mais dificultoso a Deus dar 

a vitoria aos poucos, quc aos muitos, mandoulhes quc estivessem 

prestes com suas armas, e alguns que fossem espiar os inimigos. 

Recolheose a casa, e esteve resando o psalterio de David des do 

principio ate o cabo, chegarao £ls espias la pela mea noite, dizendo 

que os inimigos vinhao perto. Armouse o Viso Rey, p6s sua gente 

em ordem a sombra das casas; chegao logo os ladrOes muito ca- 

lados pera nao serem sentidos; tanto que os virao a tiro, desparao 

os Portugueses suas espingardas, e nao debalde, porque logo alguns 

cairao mortos. Bradou Sabat'Ab [stc] dizendo aos seus, que sabaqueas- 

sem pera que os pilouros passassem por alto : deitaose no chao, e os do 

Viso Rey saltao sobre elles com grande grita tocando os atabales; 

embaracjaose os ladrOes huns com outros, conhecem que sua vinda 

era ja sabida; imaginao qua esta aly todo o poder do Viso Rey; 

come<^ao a fugir a quem mais pode ; vaolhe os do Viso Rey no al- 

cance, matao a muitos, trazem prezos a 16. Nao escapara nenhum, 

sj a noite e o mato os nao esconderao. Aos cativos mandou o Viso 

Rey cortar a mao direita, e deo a Nosso Senhor muitas gragas por 

tam grande merce. 

^•253»^. *Ser esta vitoria dada por Deus a respeito de guardar a Fre- 3. Victoriam divi- 

mona e aos padres e Portugueses das maos destes inimigos, mostrouo ^^ ^^ miodam^ m^ 

mesmo Sonhor em hum sonho que na mesma noite e hora da batalha ^^^^^ » l^eo, viso 

comprobatur. 
tevehum homem que tinha (i) servido muitos annos ao padre Fran- 

cisco Lopez de nossa Companhia (cujas virtudes e obras maravilhosas 

acima contamos). Estava este bom homem durmindo em huma casa 

junto com hum Portugues chamado Ama Guerguis ; vio em sonhos 

^^ padre Francisco Lopez que decia do ceo com huma imagem 

^a Virgem Senhora Nossa nas maos, e vinha bradando: Ira, ca- 

^^^&o ; isto dizendo entrava na igreja, aonde encontrava com hum 

^os padres, que entao estava em Fremona, o qual trasia ao minino 

Jesus ao hombro com a santa cruz as costas, e olhando pera elle 

ine dizia : Paz, paz ; e logo mandava a este [0] padre Lopez que con- 

^^ isto que vira ; e perguntando elle a quem o avia de contar, Ihe 

^sse que q contasse aquele Portugues Ama Guerguis. Acordouo e 

^^touihe tudo ; do que elle por entao fez pouco caso. Porem ouvindo 

Peiti itienha o que tinha acontecido, o foi contar aos padres, pare- 

^dolhe ja que a cousa fora mais que natural. 

(*) Voces <( hum homen que tinha » adiect. ab A. in marg. 
^- Beccari. /?<?r. A^^A, Scripi. otc. tned. — VI. 29 



Digitized by 



Googl( 



226 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

4« lacob despenu Depois desta vitoria, s3io ia de sua doenQa, se foi o Viso Rey 

victoria apud quos- i_ j • . ^ i ^ j 

dam e primoribu» se chegando pera junto as serras em que estava o alevantado, e as- 

recipit, qui umcn, sentou seu arraval em Debaroa. Nao se deu o falso Rey por seiniro, 
detcctis eius fraudi- -^ ^ *- o ' 

bu8, ipBum capiunt vendo ao Viso Rey tao visinho, e sabendo que hera homem muy 
et cap te obtroncant. pru^je^te, e ardiloso, arreceou que Ihe armase alguma silada e que 
oponhasse. Polo que se partio daly pera Bora terra tambem mon- 
tuosa e aspera, aonde viviao dous homens grandes, senhores de toda 
aquela comarca e parentes do emperador Jacobo ; os quaes, por cui- 
darem que elle o era na verdade, Ihe tinhao por vezes mandado 
recado offerecendose pera o servir e ajudar em tudo, ate morrerem 
por elle, ou o meterem de posse do imperio. Foise como digo pera 
esta comarca com 600 homens, que o accompanhavao; os dous ir- 
maos o receberao com muita vontade e mostras de grande amor 
em quanto o tiverao pelo que cuidavao. Porem como conheciao bem 
ao verdadeiro Jacobo, por mais que o fingido se embu^ava, enten- 
derao logo a ficgao, e tendo grande sentimento dos males que €ste 
embaidor tinha causado em Tigre com seu fingimento, detriminarao 
logo de o matar. Mandarao ajuntar sua gente e tomar os passos e 
saidas da serra; derao nelle; matarao muitos dos que o seguiao; 
elle, como custumava, se escoou pelo mato, mas ao sair delle foi 
cair nas maos dos que guardavao os passos, os quaes matandoo, 
trouxerao a cabe^a a seus senhores, e elles a mandarao ao Empe- 
rador, o qual fez muita festa *por esta boa nova e tomou a mandar f. 254. 
a cabega por todo Tigre, pera que os que o seguirao conhecessem 
seu erro e quanto parvoamente se deixarao enganar de hum homem 
embu^ado. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO X. 

Como o padre Pero Paez foi de Tigr6 d Gojam a pedir 
perd&o ao Emperador pera alguns dos que seguirfio 
as partes do alevantado ; e do mais que Ihe socedeo 
nesta jomada. 



Neste anno de 1609 tomou o Baxa de Suaqhem as roupas da i.P. Paexprimum 

esmola que de Dio vinhao p^ra os filhos dos Portugueses de Ethio- obtinet ut is intcn- 

pia; sabendo isto em Fremona, partiose logo o padre Pero Paez pera j*"» ™^°" S^Hd* 

Debaroa pera pedir ao Viso Rey que fizesse que o Baxa largasse dendas merces Lu- 

aquela esmola, que hera o unico remedio de tantos pobres, orfiLos, ^^* impM^rem 

e viuvas. Tomou o Viso Rey este negocio muito a sua conta; mandou •ditabeoqueveniam 

^ . pro duobus tigren- 

recado ao Baxa pera que largasse o que tomara, avisandoo que nSo siumprimoribuspro- 

quisesse por cousa tam pouca perder sua amisade, e soubesse certo 5rete^\f *a*°Iaa^ 

que, se o nSo largasse, avia elle de reter as cafilas pera que nao stcterant, depreca- 

fossem ao mar, e quando isto nSo bastaisse, romperia com elle a 

guerra, e seria cedo sobre Arquico. Vista esta resolucjao, largarao 

os Turcos logo tudo o que tinhao tomado. 

Estando o padre Pero Paez esperando esta reposta, veo ter com 

o Viso Rey Amaha Gueorguis hum daquelles dous irmaos que ma- 

tarao ao alevantado, e vinha a Ihe pedir que Ihe alcangasse do Em- 

perador perdao, por ambos primeiro terem seguido as partes do falso 

Jacobo, pois o mereciao pela morte que Ihe derao, tanto que conhe- 

cerao seu engano. Pareceolhe ao Viso Rey que ninguem podia al- 



Digitized by 



Googl( 



2 28 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

can^^ir este perdSo mais fagilmente que o padre Pero Paez, ao qual 
sabia que o Emperador nenhuma cousa negava ; pediolhe muito qu 3 
tomasse este negoceo a sua conta, e quisesse ir a corte e concluilo, 
pera quieta^ao daquelles fidalgos, e de todo o reino de Tygre. O 
mesmo Ihe pedio muito Amaha Gueorgfuis, alegandolhe com a an- 
tiga amisade que S3u pay, dizia, tivera sempre com os Portugueses. 
Isto bastava, disse o padre, pera eu me offerecer a todo o trabalho. 
ainda que o Viso Rey, a quem em tudo devo obedecer mo nSo 
mandara ; mas, ja que S. Senhoria assy o quer e a obrigacjao o pede, 
cstou prestes pera ir a corte sem deten^a alguma, quando V. M. 
quiser. Concertado o dia, partiose o padre pera Fremona, pera se 
aviar, que a jornada era *comprida. Soube entretanto Nebret Tho- ^.254,^ 
mas, aquele que primeiro dissemos tinha vindo com 800 homens pera 
destruir Fremona e acabar os padres e Portugueses, soube este 
homem que o padre hia a corte a pedir perdao pera os dous ir- 
maos ; e conhecendo bem que hera o custume dos padres esquecerse 
d j agravos, e dar bem por mal, veose ter com o padre e pediolhe 
tambem muito nao s6 que Ihe perdoasse, mas que Ihe alcangasse do 
Emperador perdao de ter siguido ao alevantado. Prometeolhe o padre 
de com todas suas for^as e valia o procurar, como se delle tivera 
recebido nao injuriaseagravos, mas muitas e grandes merces; pozse 
ao caminho, que foi de hum mez inteiro, por o Emperador naquele 
tempo estar nos limites de Gojam, na terra dos Gongas, que vivem 
junto ao Nilo, na volta que elle fas quando vira pera o norte e 
comecpa a caminhar pera Egypto. 

Recebeo o Emperador ao padre Pero Paez com mostras de 
grande amor, e sabendo que vinha pera o visitar, Ihe mandou ao 
caminho por dous homens principaes dar as boas vindas ; a porta 
da tenda, que estava em campo, o foi receber, pera o meter dentro, 
Cella Christos viso Rey, que tinha sido de Tigre; entrando o fez 
logo assentar junto a sy em huma rica alcatifa, naqual Sua Alteza 
estava recostado a hum coxim muito rico, ficando em pe o Viso 
Rey seu irmao e os mais senhores. Despois das primeiras sauda- 
^Ois, alevantandose em pe (como he custume quando se pede merce 
ao Emperador) disselhe o padre que viera de Tigre a visitar a S A., 
e juntamente a Ihe pedir perdao pera aquelles dous fidalgos irmaos 
Amaha Gueorguis e Zara Joanes, os quaes, posto que primeiro er- 
rarao contra S. A., emmendarao porem despois seu erro, matando 
o alevantado. Respondeo o Emperador : A Vossa R.^* nada posso 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO X. 229 

negar: seja como pede; e ajuntou: E mandarey chamar Amaha 

Gueorgtiis como for tempo; e isto foi mostrar que o queria logo 

admitir a sua g^aga e fazerlhe merce. Bejou o padre a mSo ao Em- 

perador, sayosse, e deu com hum homem grande este recado ao 

iidalgo, que estava fora esperando, e ficou contentissimo com tam 

bom despacho. 

Ao dia seguinte tomou o padre a tenda imperial, e despois de 

ser recebido de S. A. com a mesma affabelidade, e praticarem hum 

pouco, alevantandose o Padre, Ihe pedio perdoasse a Nebret Tho- 

mas ; ouvindo nomear este nome ficou o Emperador come sobresal- 

tado e perturbado, disse ao padre: Como pede V. R. perdao pera 

tao mao homem e tam grande inimigc dos Portugueses? Certo que 

se elle pudera, nem V. R., nem elles aviSlo de escapar com vida. 

Tudo isso sey muito bem, respondeo o padre, mcis fago isto pera 

comprir com o que Christo Senhor Nosso nos insinou no evangelho, 

que amemos a nossos inimigos e fa^amos bem aos que nos tem 

odio. Detevese hum pouco, despois disse: Ja que V. R. assy o 

quer, seja; eu Ihe perdoo. Bejoulhe o padre a mao pera merce, 

assentouse, e despois de praticar hum pouco, tornouse pera sua tenda 

muito alegre, por ter feito tam boa obra a quem Ihe tinha feitas tantas 

ruins; daly a 5 ou 6 dias mandou o Emperador chamar a Amaha 

Gueorguis e sobre o perdao Ihe fez merce das terras que primeiro 

f.2S5. tinha; soube isto o padre, e vendo que *nao tinha aly por entao 

mais que fazer, avida licenga do Emperador, se partio pera Gor- 

gorra a ter com os padres a somana santa e festa da Pascoa, que 

estava ia muito perto. 

Mas antes que o padre sc partisse fez aqui huma obra de grande 2. Idem pater cum 

servi^o de Nosso Senhor, e de grande charidade do proximo, aqual jncolae Duman, ser- 

nao he bem ficar em silencio. No cap. 12, conta o choronista Tino, ^^**** addicti, eo 

quod tnbuu solyere 
que, estando o Emperador neste lugar em que aqui o achou o padre recusassent, liberuti 

Pero Paez, mandou dar em huma terra de Gongas chamada Goman, '^*'"*'**"^"^* 

e que Ihe trouxerao muitos captivos, e ellc os fez tornar pera suas 

terras livres. Esta historia, que Tino toca tam superficialmente, passou 

da maneira que agora direy, e deixoua escrita o mesmo padre Pero 

Paez, que aly se achou ; poloque uzarey de suas mesmas palavras. 

Aquella gente de Guman (que sao Christaos e muitos coasi tam 

alvos como nos, morao nos confins de Gojam sobre o Nilo) devia ao 

Emperador 12000 crusados, tributo de dous annos: mandandoos S. A. 

arrecadar, disserao que estavao muito pobres, que nao podiao pagar 



Digitized by 



Googl( 



230 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

tudo ; disse o Emperador que pagassem a metade ; responderfto que 
nem isso podiao; disse que pagassem tres mil crusados que hera a 
4* parte. Porem elles nao quizerSo dar mais que mil e quinhentos, 
respondendo que nSo podiSlo dar mais; aqui se emfadou o Empe- 
rador, principalmente porque Ihe disserAo que respondiao com arro- 
gancia confiados em huma serra muito forte, que esta junto ao Nilo 
e se chama Orc Amba, que val tanto como serra, ou fortaleza de 
ouro, aqual derSo este nome, nSo por ser chea delle, mas por ser 
muito forte e deffengavel. Mandou entao seus dous irmaos com 
muita gente, os quaes a escalavista a entrarflo, com morte de muitos 
dos seus e dos Gongas, e trouxerSo cativos a quantos na serra es- 
tavao, homens, mulheres e mininos. 

Vinhao estes cativos diante do exercito amarrados, e moviao a 
compaixao (pello menos a mim, diz o padre Pero Pais, que tinha 
experimentado que cousa era ser cativo, em sete annos que o foi 
de Turcos), poloque nao me pode sofrer o cora^ao que nao fosse ao 
Emperador, e achandoo s6 na tenda Ihe disse: Senhor, quando o pay 
castiga os filhos, nunca o faz com tam grande rigor como suas culpas 
o merecem. V. Magestade he pay de todos : cuido que, se uzar de 
misericordia com estes seus filhos, mandando que nao nos cativem, 
que Deus Iho agfuardecera muito, e tambem entendo que sera pro- 
veito grande deste imperio, porque d*outra maneira esta terra toda 
fica despovoada, e nao s6 se perde o tributo de muitos annos, mais 
ainda fica esta porta aberta aos Gallas, que estao alem do rio, e 
nao avendo aqui quem Ihe impida a passegem, Ihes fica franca pera 
cada e coando quizerem entrarem e destruirem as comarcas visinhas » 
o amor que a V. *A. tcnho me obrigou a fazer esta lembranga ; com f.255'^- 
tudo, se errey, pe^o perdao do atrevimento, e de me ter metido no 
que me nao convinha. Deome o Emperador muitos aguardeci- 
mentos, dizendo: Quem, senao V. R., me avia de dar a mim tam 
bom conselho ? Deus Nosso Senhor Iho pague ; como chegarem os 
capitaes, o tratarey com elles; e assy o fez aquella noyte; mas 
como todos estavao contentes da presa, todos disserao que forao bem 
cativos, que nao avia peraque mudar o conselho, que primeiro to- 
marao. Mandoulhes dar juramento pera falarem sem respeito ao 
interesse ; e que votassem outra vez ; quatro mudarao o parecer ; os 
mais assentarao no mesmo. Disse entao: Vos, falando com os 4, 
destes agora bom conselho ; mas, ainda que todos perseverasseis no 
que primeiro dissestes, eu nao avia de seguir vosso parecer; porque 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO X. 23 1 

nao podem ser cativos, nem convem ao bem desta terra que o 
sejao. Se forao soberbos, bastalhes por castigo os que morrerao e 
a fasenda que perderSo ; seus escravos tambem vos fiquem ; mas a 
elles largaios todos sem ficar nenhum. E parecendole que isto nSo 
avia de ter effeito, senfto procedesse com rigor, ao dia seguinte man- 
dou IdLUC^SLr pregao que s6 penna [sic] de morte Ihe trouxessem diante 
de sua tenda todos quantos em Guman tinhSlo cativado, tirando os 
escravos ; e sobre isto mandou aos frades que publicassem escomu- 
nhao; ajuntaraolhe logo aly onze mil e quinhentos, mandou que 
fossem livres pera suas casas e a alg^ns capitaes que Ihes fossem 
dando guarda; e elle mesmo cavalgou, e como quem hia folgando 
pelo campo os acompanhou ate a gente toda se recolher. Despois 
soube que ficarao muitos escondidos; mandou dar busca por todo 
anrayal, e que trouxessem aos que os tinhao escondidos ; ainda 
se acharao quinhentos, que fez ir livres, e a muitos dos que os es- 
sconderao mandou a^oitar. Isto feito foi o padre visitar ao Empe- 
rador e deolhe por esta obra mil benQOes, e S. A. tambem estava 
contentissimo de a ter feita, e deo ao padre muitas gra^as, por Ihe 
ter dado tam bom conselho : e todo o arrayal, ate os mesmos que 
primeiro desejavao tanto os cativos, diziao que nunca o Emperador 
fizera cousa melhor. Foi isto no fim de marcjo de 16 10. 



•Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XI. 

De como alguns come^ar^o a receber a santa f6e ca- 
tolica; principalmente da redu^^o deRas Celll^ Chri- 
stos, irm^o do Emperador. 



De Gojam se veo o EmpGrador pera Doqhana, lugar visinho a i. Selun Sagad» 
alagoa de Dambea pela banda do norte, muito perto de Gorgorra, ^gtra constimit in 

aonde os*padres tinhao feito seu stssento, por aly Ihe ter dado o Em- DeganA; morbis 

vero ibidem foede 
perador algumas terras, como acima dissemos; pera este lugar mudou grassantibus anno 

neste anno o Emperador o assento de sua corte. deixando Coga, Ln^^^ansfert inCan^ 

que fora assento da corte do emperador Jacobo; porque he ordi- damb4, peninsulam 

_,..,_ , , , in DambiA lacu olim 

nario em Ethiopia cada Emperador huma e muitas vezes mudar o a ludaeis FalascA 

assento de seu arrayal ou cidade imperial ; e feitas estas mudanras Jnhabiutam. Plures 

•^ x- ' V g pnmoribus, suasu 

nao ficSo no lugar de que se apartao mais que os campos ou montes patmm, catholicam 

, , . -1 -1 r • « n 1 fidem amplectuntur. 

aonde as taes cidades forao, nao porque o fogo as abraze, mas porque 

como a casaria e toda a fabrica dos pagos e igreias nao he mais que de 

paos, bambiis, palha : e, quando muito, de pedra e lama, os paos e bam- 

bus, que sao portas e aguieiros, se mudao facilmente: a palha apo- 

drese, a lama se toma ao chao donde a tirarao, e a pedra a acompanha ; 

e assy aconteceo a este arrayal e cidade de Deqhana, que hum anno 

somente durou aqui a corte. Forao muitas as doengas, que aly houve 

naquelle inverno ; poloque, elle acabado, mandou o Emp?rador mudar 

a cidade pera huma peninsula de Gorgorra a que propriamente cha- 

mao Cund Amba, quer dizer amba ou fortaleza d? Cund, que foi 

C. Beccari. /ier, Aeth. ScHpi, occ. ined. — VI. 30 



Digitized by 



Googl( 



2 34 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

hum Judeo assy chamado, que antigamente aly viveo, quando Dambia 
toda era povoada dos Judeos Falaxas, quer dizer estrangeiros, os 
quaes langados de Dambia viverao ate estes tempos nas serras de 
Semen, e vivem ainda hoje muitos entre os Agaus e Cafres, junto 
a huma serra que se chama Belean. 

Aqui pois em Deqhana, este anno, e nos segfuintes em Cundamba, 
ou Gorgorra nova, que assy se chama, com a visinhan^a dos padres, 
que tinhao seu asento em Gorgorra velha, que tambem se chama 
Ombabaqha, como houve muita comunica^ao e trato familiar entre 
os padres e a gente da corte, indo muitos a nossa casa, e estando 
tambem sempre algum padre no arrayal, forSose ouvindo e enten- 
dendo melhor as cousas de nossa sancta fee; o Emperador tinha 
alcan^ado perfeitamente a verdade que os padres pregavao, e sem- 
pre louvava sua doutrina, e procurava que todos os de melhor en- 
tendimento e mais vistos em seus livros ouvissem e disputassem 
com os padres ; poloque forao muitos os que conhecerao a verdade, 
e combinando o que os padres diziao com o que achavao em seus 
livros, virao claramente que em nada nos apartavamos do evan- 
gelho, nem da doutrina de sam Paulo, e no seu Haymanot Abau 
achavao expresso o que os padres insinavao; e forao advirtindo 
elles e os padres que os santos cujas humilias estao naquelle livro, 
diziao o que os padres affirmavao das duas naturezas de Christo 
Senhor Nosso, e s6 se achava o contrario em os escritos de alguns 
patriarchas de Alexandria hereges, que viverao despois de Dios- 
scoro ; pollo que muitos se comegarao a dar por discipulos dos pa- 
dres, pelo menos ocultos, como Nicodemos, e alguns se confessarao 
e comungarao logo. 
2. Inter hos Sela Isto passou no anno de 1611 ; no prin^ipio do seguinte de 612 

rei veriu^^comper- ^^^ ^ Emperador a Gojam, e na entrada da quaresma fez a Cella 

ta, hortante Impcra- Christos *seu irmao, viso Rey daquele reino, assy e da maneira f.25(),> 

tore et Bela Chn- 

stos, sese catholicis que o tinha sido muitos annos Ras Athanatheus, que era fazelo 

ungit. coasi Rey ; porque comia todos os rendimentos e todos os que aly 

tinhao terras Ihe obedeciao como a pessoa do Emperador. Estava 

neste tempo o padre Pero Paez como [sic] o Emperador no campo, e 

acertou hum dia de entrar na tenda imperial a tempo que estavao 

s6s o Emperador e seu irmao ; olhou o Emperador pera elle, e dis- 

selhe : O que o padre insina me parece que he a verdadeira ffee : 

porque a nao receberemos todos e nos uniremos com os Portugueses [?] 

Troceo Cella Christos o rosto, mostrando tam pouco gosto desta 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XI. 235 

pratica, como se Ihe disser^o que S3 fisesse mouro; e respondeo: 
Senlior, nSlo ha pera que tratar disso, estamos muito longe nas cousas 
da fee, e mudou a pratica. Ficou o padre Pero Paez muy sintido 
d^ ouvir isto; porque no tempo que Cella Christos fora viso Rey 
de TigrS tinha ido muitas vezes a casa dos padres, e ouviaos a elles 
e aos mininos, que repetiSo os capitulos da cartilha, com tanto gosto 
que mostrava estar muito satisfeito da nossa doutrina: mas aqui 
mostrou bem o que tinha no coragao, e era, como elle despois con- 
fessou, que estavamos mais longe da verdade que a terra do ceo, 
e que era melhor a crenga dos mouros que a dos Portugueses. E 
todos os comprimentos que tinha com os padres, e favores que Ihes 
fazia era somente por ter p3ra sy que em ley de bom cortezSo Ihos 
devia, por serem estrangeiros, e pela boa correspondencia e termos 
politicos que nelles achava ; mas nas materias da fee s6 preguntava 
e falava com os padres com animo de os arguir, e apanhar em al- 
gum erro, e com intento de motejar e faser passo do que Ihes ou- 
visse. Porem o Emperador, tomandoo outras vezes em particular, Ihe 
disse que ja que Ihe parecia, que os padres hiSo errados, tratasse 
com elles devagar, notasse bem os erros ou.verdades, que nelles 
achava. Era Cela Christos de engenho muito agfudo, e tam visto nos 
livros de Ethiopia, que poucos ou nenhum avia que melhor que elle 
merecesse o nome de letrado e doutor; e assy como em esfor^o 
nao tinha igual, assy no saber e agudesa a ninguem dava venta- 
gem. Buscava o padre Pero Paez daly par diante mais vezes, elle 
dezoccupavasse de negoceos pera o ouvir, e procurar primeiro que 
tudo de Ihe mostrar que a doutrina que insinava estava muito clara 
em muitos lugares de seu Haymanot Abau; ajudou a isto mos- 
trarlhe o mesmo hum grande fidalgo muy visto em seus livros cha- 
mado Bella Christos, o qual tinha primeiro ouvido aos padres, e feito 
tam bom conceito do que insinavao, que dizia muitas vezes : O que 
grandes tormentos ha de ter no inferno Dioscoro, porque com seus 
erros deitou a perder a tantas almas. Era este grande amigo de 
Cella Christos, mostravalhe as implicaQOes de seus livros, porque 
ellas sao muitas e evidentes, e specialmente no Haymanot Abaii, 
e a resao he porque este livro he como a nossa Biblioteca Patrum 
f. 257. e contem *em sy muitos pedagos de humilias e sermOes de muitos 
Padres antigos, de s. Basilio, s. Joao Chrysostomo, s. Gregorio Nan- 
zianzeno, s. Athanascio, s. Cirilo, e juntamente tem outros pedacjos 
de humilias de muitos patriarchas de Alexandria herejes, que vi- 



Digitized by 



Googl( 



236 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

verao despois, e seguirSo os erros de Eutyces e Dioscoro ; nestes pois 

se acha tudo as avessas do que diziao os sanctos antigos. Ficou com 

isto Cella Christos muy embara^ado, e indinado contra seus mesmos 

livros; e porque o padre Pero Paez nSo podia invemar com elle 

em Gojam por o Emperador o nSo querer largar de sy, pediolhe muito 

Cella Christos Ihe desse hum padre que fosse la estar devagar e 

invernar, pera ir tratando e confirindo suas dividas com elle. 

3. Eum in Gog- Era vindo de Tigre o padre Francisco Antonio de Angeles; man- 

of fTcio funge^mr, doulho o Padre. Passou o invemo com o Viso Rey, nao passando 

p.Antoniu8deAnge- coasi dia nenhum em que nao crastassem muitas horas em varias 

lis in flde confirmat, ^ ^ 

eiusque totius vitae perguntas e disputas ; e tinha consigo o Viso Rey alguns capitSes, 

con essionem exc - fj-^^j^g ^ Debteras muito vistos nos seus livros e homens de grande 
entendimento ; destes alguns forao logo conhecendo e recebendo a 
verdade de nossa sancta fee ; hum foi Fecur Egzy, de quem abaixo 
trataremos devagar, outro Azague Olda Christos, outro Aba Za 
Manoel, mestre do mcsteiro Sellalo [stc], que he hum dos grandes de 
Gojam. Emfim o Viso Rey fez tal conceito da doutrina que o pa- 
dre Ihe insinava, e veo a se descontentar tanto dos erros e impli[c]a- 
<;:6es de seus livros, que se resolveo totalmente, que Ethiopia hia 

, fora do caminho da salva^ao, e detriminou nSo somente recebar a 

santa f6e de Roma, mas pubhcarse par catholico, confessandose e 
comungando da mSo do padre ; e foi daly por diante outro s. Paulo 
no zelo de destmir os erros do judaismo e heregiasde Eutyches e 
Dioscoro, com que se criara ; o que tudo se vera muito claramente 
nesta historia. 

Dejeiou [su] elle de se confessar a primeira vez com o padre Pero 
Pacz, mas sendolhe necessario acudir a hum assalto dos Gallas, que 
entravao por Gojam, se confessou com o padre Francisco Antonio 
de Angeles, ao qual sempre reconheceo por mestre seu e de todos 
os seus ; e de sua mao recebeo o santissimo sacramento da Eucha- 
ristia com extraordinaria consola^ao de sua alma. Com tudo, despois 
de vir do assalto, vindoo visitar o padre Pero Paez, fez outra vez 
com elle huma confissao geral de toda sua vida com grande apa- 
relho e novos propositos de viver e morrer na santa f6e que tinha 
recebida. Neste tempo os mais dos capitaes de Cella Christos se- 
guirao seu exemplo, recebendo a santa f6e, confessandosse e co- 
mungando da mao de padre Francisco Antonio; porque como as 
disputas que o padre tinha, e as duvidas que resolvia ao Visorrey, 
erao ordinariamente em roda e ajuntamento de todos os grandes 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XI. 237 

dc sua corte, todos elles forao juntamente com elle ouvindo e co- 
f.257,v. nhecendo os erros em que viviao, e como a ver^dadeira fee era a 
que insina e professa a cadeira de sam Pedro. Estes forSo Adero 
Bellatina (ioita, Gojamanagaes Za Manifaz Keduz, Za Selasse Fi- 
taurary e outros muitos. Logo o Viso Rey deo ao padre Francisco 
Antonio humas terras muito boas pera fazer igreia e assento, e pera 
nellas agasalhar as viuvas e orfaos de muitos filhos de Pcrtugueses, 
que por aquelle reino viviao espalhados, e muitos delles desempa- 
rados; e este foi o principio da residencia de Collela, qne assy se 
chama aquela terra, e foi a primeira que a Companhia teve no reino 
de Gojam, e a 3* de Ethiopia, sendo a primeira Fremona em 
Tigre, e a 2* Gorgorra em Dambea. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XII. 

Das cartas que o Emperador recebeo da Majestade d'el 
rey Phelippc 2** dc Portugal e da Sanctidadc do 
papa Paulo 5""; como detriminou mandar embaixa- 
dor e com elle hum padre dc nossa Companhia. 



No anno de 1607, pouco despois do Emperador ter tomado posse x. EpistoU Phi- 
do imperio, vendo o padre Pero Paez o bom gasalhado que fazia ac^^Lusitaniile^^re^s 

aos padres e a muita aflFeicSo que mostrava a nossas cousas, escre- adScltanSagadcon- 

scripu pnusquam 
veo e informou de tudo isto a Magestade catholica d'el rey dom Phe- iste ad regem Htte- 

lipe, e sua Magestade, com o zelo grande que tinha do bem e aug- '** ^^^^' 

mento da santa fee neste imperio, quiz anticipar, escrevendo ao 

Emperador pera mais o aflfei^oar e animar a folgar com os padres 

e com a doutrina que Ihe insinavao, dandolhe os parabens de Deus 

o ter escolhido pera o imperio, e o teor da carta he o seguinte: 

Carta d'el rey dom Phelippe 2** de Portugal pera o Empe- 
rador de Ethiopia. 

€ Muito poderoso Emperator da Ethiopia. Eu dom Phellippe 
« per gra<^ de Deus Rey de Portugal e dos Alegarves daquem e 

< dalem mar em Africa, senhor de Guine e da conquista, nave- 

< ga^Slo e comercio de Ethiopia, Arabia, Persia, e da India etc, 

< Vos invio muito saudar como irmSo aquem muito amo e prezo; 
^. 258. < porque sempre entre os Emperadores vossos anteces*sores e os 

< Reis deste reino houve amizade e boa correspondencia, me 



Digitized by 



Googl( 



240 



HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 



2. Epistola Pau- 
li V romani ponti- 
ficis ad eundem. 



« pare^eo justo e devido escrevermos esta, manifestandovos que me 

< alegrey muito com as novas que me vierSo de averdes sucedido 

< nesse imperio, e que sempre haverey por proprios os bons sucessos 
« de vossas cousas, e que no que se offerecer vos mostrarey esta 
« vontade, e conforme a ella folgarey de vos dar satisfa^ao em tudo 
« o que ouver lugar no que vos cumprir destes meus reinos e do 
« meu estado da India; e ao Viso 11 ey delle emcomendo que assy 
« o fa^a, polo muito contentamento que disso terey. E pera que esta 
« nossa amizade permane^a, tos pe^o muy affectuosamente me escre- 
« vais sempre novas vossas, porque eu farey o mesmo; e vos hey 
« por muy emcomendados os religiosos que residem em vosso reino, 

< como cousa de minha principal obrigac^iao, e em particular ao re- 

< ligioso Pero Paez, e que assy elles como os Portugneses sejao 

< tratados como he resSo. Muito poderoso Emperador que como a 

< irmao muito amo e prezo, Nosso Senhor aja vossa real pessoa 
« e estado em sua sancta guarda. Escrita em Madrid a 1 5 de mar^o 
« de 1609 El Rey ». 

Esta carta estimou muito o Emperador, particularment'3 por Sua 
Magestade Ihe escrever antes de la chegar a que Ihe tinha escrito ; 
e respondeolhe com palavras de muito aguardecimento. A reposta 
nao pomos aquy porque se perdeo com outros pap^is em huma 
revolta que na terra houve. Pouco despois chegou tambem ao Em- 
perador a reposta da que elle tinha escrito a S. Sanctidade e dizia assy. 

Carta do papa Paulo 5** pera o Emperador de Ethiopia. 

< Charissimo em Christo filho nosso, saude e ben^ao apostolica. 

< Damos gragas a Deus padre de Nosso Senhor Jesu Christo que 

< uzou com vosco de sua misericordia e vos restetuio a vosso throno 

< real, como nos escrevestes. Damos os perabens a Vossa Magestade 

< deste feliz sucesso de suas cousas, e vos louvamos muito do zelo 
« de defender a fee christa, com que estais acezo, segundo en- 
« tendemos de vossas cartas, que recebemos, assy as primeiras, como 
« as derradeiras, que nos inviastes. E assy como nos pedistes emco- 
« mendamos com diligencia a necessidade presente de vosso reino 

< a nosso charissimo filho em Christo Phelippe catholico e poderoso 

< rey das Espanlias, o qual por sua prestante magna[ni]midade, e polo 

< zelo da fee christam, esperamos que vos ajude com eficacia; e 
« mandamos a nosso Nuncio apostolico, que esta com sua Catholica 

< Majestade, que solicite com diligencia o que pedis. O que resta,. 
« filho charissimo, vos exortamos que persevereis constante e immovel 



Digitized by 



Googl( 



LI^-RO VII, CAPITXn-O XII. 24 1 

c no temor de Deus, e que defendais piamente *e fortemente o nome 
c christao, e sejais sempre devoto da santa romana catholica e apo- 
€ stolica Igreia vossa mai amantissima ; e nos nas oragOes, que fa- 

< zemos a Deus diante dos santissimos corpos dos Apostolos por 
c nossos filhos Reis christaos c principes catholicos, nos lembra- 

< remos sempre de vos, rogando aquelle de quem procedem todos 
« os bens que illustre vosso intendimento com o lume do Spirito 

< Sancto pera fazerdes sua vontade, e das intimas entranhas de nossa 

< charidade damos a vossa ilagestade amorosamente nossa ben<^ao. 

< Dada em Roma apiid Z>- Pctrum sub annulo Piscatoris aos 4 de 
fjanero de 161 1 no 6 de nosso pontificado >. 

Qiegou .esta ao Emperador a tempo que ja o nSo tinha pera 3.Qaibiuperlecds 

responder naquella mon^o, por as naos do estreito serem partidas Rc^mp^Femmi^ 

pera a India. Mas foi muy extraordinario o contentamento que nelle « ^^^"_^^,_°"^ 

t ei idoc deteriiiiiiJt* 
causou. Tinha elle, avia dias, grandes dezejas de mandar hum embai- 

xador a Roma, e Portugal, e s6 pola dificuldade da saida de Ethiopia 

por entre Turcos o deixava de mandar. Estes desejos Ihe cresserao 

tanto com esta carta, que detriminou de mandar o embaixador a 

Xarea, pera que daly tentasse ir sair a costa de Melinde ; tratou isto 

com os padres, e pera que o embaixador fosse em Europa melhor 

recebido, pedio que hum delles o quicesse acompanhar. Consultar^ 

o ponto, e offerecendose cadahum a jomada tam |>erigosa, foi esco- 

Ihido pera ella o padre Antonio Femandez, escolha de que o Em- 

perador se deo por muy sadsfeito; porque conhecia bem a muita 

prudencia e virtude do padre e o grande zelo da redu<^ de Ethiopia 

em que ardia, e tambem como avia annos que continuava a corte, 

podia la dar della e do imperio boa noticia. Logo o Emperador in- 

formou ao padre de tudo o que pertendia com esta embaixada, e 

Ihe emcomendou algumas crusas particulares que nSo podiSo ir nas 

cartas, e elle com seu irmao Cella Christos visorrey de Gojam, o 

qual s6 era participante deste segrc-do. jurarao ambos diante dos 

padres Pero Paez e Antonio Femandez de obedecerem em tudo ao 

Pontifice Romano e receberem delle patriarca, e declararao seus 

cora^Oes com palavras tam affectuosas. que mostravSo ben os abra- 

zados desejos que tinhao de verem a Ethiopia toda redusida a obe- 

diencia da santa see Apostolica. Xomearao logo pwr embaixador a 

Fecnr Egzy, homem nobre, de mu:ta prudencia e valor, o qual tinha 

ja recebida a santa fee de Roma, e se mostrava e mostrcu sempre 

tam zeloso de sua exalta^ao e augmento, que b^rm Ihe con\inha o 

C. Biccuu. Rer, Mti^ ^^n/f. 0cc, ineJ. — VL jj 



Digitized by 



Googl( 



242 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

nome de Fecur Egzy, que quer dizer araado de Deus. Em quanto o 

Emperador despachava ao embaixador e fazia escrever as cartas 

que avia de levar, se aparelhou o Padre Antonio Fernandez pera 

jomada tam duvidosa e dificultosa, *com ora<?6es muito fervorosas, f. 259. 

offerecendolhe polo bom sucesso della todas as missas que pode 

dizer naquelles dias, as quaes ajuntarao muitas outras os padres que 

ficavao nesta missSo, por o negoceo ser de tanto servi^o e gloria de 

Deus Nosso Senhor, e o perigo a que se offereciao o padre e o em- 

baixador e todos os que com elles hiao, ser tam evidente, em ca- 

minhos tam largos e incognitos, por entre Cafres, mouros e outras 

nagOes barbaras. As cartas que o Emperador e seu irmao Cella 

Christos escreverao e entregarao ao padre saoas seguintes: 

4. Epistola Seltan Carta do emperador Seltan Qagued pera a Santi[da]de do papa 

SagAd ad Romanum j^ . 
Pontiflccm anno i^aulo 5 . 

x«x3 dau. ^ Carta do emperador Seltan Qagued chegue com a paz do bom 

€ pastor Christo Jesu ao sancto papa romano Paulo 5** cabe^a e 
€ pastor da Igreja universal. Recebemos, Padre sancto e amado, vossa 
€ carta de janeiro de 61 1 chea daquelle amor com o qual acezo o be- 
€ nigfno pay recebeo ao filho prodigo quando tornava ; mas a tempo 
€ que nao pudemos responder, por serem partidas as naos da India. 
« Porem detriminamos de o fazer por outro caminho, que esperamos 
« em Deus se abrira, e pera isso mandamos ao padre Antonio Fer- 
« nandez da Companhia de Jesus que ha tempo rezide em nossa corte, 
« e nosso embaixador Fecur Egzy, desejando que V. Santidade muito 
« de pressa tenha noticia de como pela doutrina dos padres da Com- 
« panhia, que residem em nosso imperio, temos entendido a verdade 
« da fee da cadeira do bemaventurado sam Pedro, e nos detrimi- 
« namos de a receber, e dar a Vossa Santidade obediencia como a 
« cabe<?a de toda a Igreja, e daquy por diante governamos por seu 
« patriarcha ; mas pera que possaraos dar publicamente esta obe- 
« dien^ia nos he necessario soccorro de dom Philippe poderoso rey 
« de Portugal, porque sem elle de nenhuma maneira a podemos dar 
« em esta forma. Pelo que pedimos humilmente a Vossa Santidade, 
« pois nos escreveo ter mandado a seu Nuncio apostolico que 
« esta com a catholica Magestade, solicite com diligencia nossa pe- 
« ti^ao, agora fa^a que se effeitue com toda a presteza, pera que 
« em nossos dias e era os seus felices annos tenha remedio nosso 
« imperio, e se nao perca tam boa occasiao ; tambem, pois he pay de 
« todos os Reys catholicos, nos tenha no numero delles, e como por 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIT, CAPITULO XII. 243 

c elles faz oraQao a Deus diante dos santissimos corpos dos Apo- 

€ stolos, a fa^a por este seu humilde filho. Escrita em nossa corte 

« deDambea aos 31 de janeiro de 161 3 ». 

f.259,T. *Copia de outra do mesmo Emperador pera Sua Magestade. 5. Alia eiusdem 

€ Carta do emperador de Ethiopia Seltan (^agued chegue com * «p«nwe regem. 

: a paz de Jesu Christo Rey dos Reys e senhor dos senhores a nosso 

irmao dom Phellippe emperador das Hespanhas. Depois que o 

todo poderoso Deus, em cuja mSo esta repartir os reinos do 

mundo, nos deo este imperio, procuramos buscar os meos conve- 

nientes pera o govemar em paz e verdadeira fee, como he nossa 

obriga^ao, e vendo que em ambas as cousas avia grandes difficul- 

dades, tendo entendido a verdade da fee da Igreia Romana pelos 

padres da Companhia de Jesus que em nosso imperio residem, 

e vendo na de Vossa Magestade de 15 de mar^o de 1609 a grande 

vontade que tem de nos dar gosto, acordamos tomar o meo de 

: que uzou nosso avo Athanaf Qagued, que, estando este imperio, 

fee, igreias coasi acabadas pelos mouros, se valeo de dom Joao 

rey de Portugal, e assy n6s o temos feito muitas vezes por cartas 

com V. Magestade, e agora o tornamos a fazer pelo padre An- 

tonio Femandez da Companhia, que ha annos reside em nossa 

corte, e por nosso embaixador Fecur Egzy, pera que com a bre- 

vidade possivel tenha effeito este negocio, e tambem pera qus 

Vossa Magestade nos seja meo com o Summo Pontifice, pera que 

nos aja entre os Reys catholicos, e seja nosso pay como o he de 

V. M., e sua fee seja nossa. Mas pera que nos possamos dar 

publicamente esta obediencia a cadeira de sam Pedro, e della re- 

ceber patriarcha, nos he negessario socorro de mil Portugueses de 

V. Magestade, sem o qual a nao podemos dar publicamente. Vindo, 

hao de tomar no estreito do mar Roxo o porto de Ma^ua, e dar- 

Ihes hey as terras maritimas e ajuda pera a conserva<?ao dellas; 

no mais nos remetemos ao padre e ao nosso embaixador. Escrita 

em nossa corte de Dambea aos 31 de janeiro de 161 3 ». 

Outra do mesmo Emperador pera o Viso Rey da India. 

« Carta do emperador de Ethiopia Seltan Sagiied chegue com «. Alia ad Prorc- 
€ a paz de Christo Nosso Senhor a nosso amigo o Vissorrey da India. ^^^ ^ arum. 
< Por termos entendido a verdade da fee da cadeira de sam Pedro 
« pelos padres da Companhia de Jesu, que residem em nosso im- 
« perio, nos detriminamos a receber e mandamos o padre Antonio 
c Femandez hum delles, e nosso embaixador Fekur Agzy pera vos 



Digitized by 



Googl( 



244 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

c mostrar esta nossa vontade, e escrevemos sobre este negocio a sua 
« Santidade, •a el rey dom Phellipe, nosso irmao ; mas porque esta f. 260. 
« nossa detrimina^ao nao na podemos publicar sem termos ck ate 
« mil Portugneses, desejamos que nolos mandeis o mais de pressa, 
« que for possivel, que como temos entendendo por huma d'el Rey 
« nosso Irmao Ihe dareis em jsto gosto, e a nos grande contenta- 
« mento. Quando vierem hao de tomar no ostreito o porto de Ma<?ua 
« e darlhas hey as terras maritimas e ajuda pera a conserva^ao 
« dellas, em que he necessario que residao quinhentos Portugueses 
« afora os mil que desejamos ter com nosco; e com elles venhao 
« tambem officiaes, principalmente de amias e edificios; em tudo o 
« mais nos remetemos ao padre Antonio Femandez e a nosso em- 
« baixador. Escrita em nossa corte de Dambea, primeiro de fe- 
« vereiro de 161 3 ». 

Copia de huma de Ras Cella Christos, irmao do Emperador 
pera o papa Paulo quinto. 
7. Epistola Sela c Carta de Cella Christos visorrey de Grojam chegue com a paz 

num Ponrificem. * ^^ eterno Pastor ao santo padre Paulo V pontifice maximo su- 
« cessor de sam Pedro e cabecja da Igreja universal. Beatissimo 
« Padre, se, como diz a sagrada escritura, os que estavao longe se 
« chegarao perto, eu que estava bem longe cheguei perto polla dou- 
« trina dos padres da Companhia de Jesu, que residem neste im- 
« perio ; porque por mandado do emperador Seltan Sagued, meu 
« senhor e jrmao, achey a muitas disputas que os padres tiverao 
« com nossos letrados, e entendi a verdade da fee da cadeira de 
« sam Pedro, e ser ella cabecja de toda a Igreia ; polo que a cri, e fiz 
« que o Emperador meu senhor a recebesse, e desse obediencia a 
« V. Santidade, mas porque nao he possivel dala o Emperador pu- 
« blicamente sem ter consigo ate mil Portugueses do poderoso rey 
« de Espanha D. Phillipe e entendi da carta que V. Santidade S3 
« dignou de inviar a meu senhor que tinha mandado a seu Nuncio 
« apostolico que reside na corte da Magestade catholica, procure 
« affeituar este negocio com diligencia, me atrevy a pedir humil- 
« mente a V. Santidade dee ordem que se conclua em quanto o Em- 
« perador meu senhor vive, pera que nao se perca tam gfrande oc- 
« casiao de achar a ovelha perdida e restituila a seu verdadeiro pastor. 
« Quando vierem os soldados, eu estou aparelhado pera morrer em 
« meu cavallo, se for necessario por esta fee, e procurarey com todo 
« meu poder que se receba e que se d6 publicamente obediencia a 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XII. 245 

t Vossa Santidade, e entretanto trabalherey por todas as vias de af- 

< fei^oar os nossos a esta verdadeira fee, assy como agora procuro 
€ tresladando em nossa lingua com ajuda dos padres os comentos 

< do padre JoSo Maldonado sobre os quatro Evangelhos, e spero de 

< tresladar outros muitos. Polo que, Beatissimo Padre, tenhame Vossa 
« Santidade por servo que deffendera assy com a espada como com a 
€ doutrina que tem aprendido, sua sede apostolica; pera oque aju- 

C26o,T. < dardo muito as ora^Oes que Vossa Santidade mandara *fazer por 

< este humilde servo diante dos santissimos corpos dos Apostoios. 

< Escrita em Dambia a 2 de fevereiro 16 13 ». 

Copia de outra de Ras Sella Christ6s pera Sua Magestade. 8. Epistola Sela 

c Carta de Sella Christ6s visorrey de Gojam chegue ao muy j^^^^ Rcgcm. '"^" 

< alto e poderoso senhor dom Phelippe emperador de Espanha com 
« a paz de Deus Nosso Senhor : esta paz seja sempre com Vossa Ma- 

< gestade. Amen. Vendo eu que o emperador Seltan Sagued meu se- 

< nhor e irmao desejava muito amisade de Vossa Magestade e receber 

< a fee catholica, e dar obediencia a cadeira de sam Pedro por meio 

< de Vossa Magestade, e por nao ter a este tempo tam perfeita noticia, 

< como desejava, da fee da Igreia Romana, pedi pera minha corte 

< hum dos padres da Companhia que residem em este imperio, pera 

< a poder melhor entender, e fiz por vezes ajuntar com elle nossos 
* letrados, e achando que suas resOes convenciao, e que muitos apro- 

< vavao sua doutrina, acabei de assentar que a fee da Igreia Romana 

< era a verdjideira, e detriminej de morrer por ella, e ajudar a meu 

< senhor com todas minhas forgas em tam alto intento e gloriosa 

< pretengao como tinha ; e cummonicandolhe depois esta minha re- 

< solugao, folgou muito, e quiz que eu tambem a declarasse a Vossa 

< Magestade por meio dos padres, e Ihe significasse como nao sera pos- 

< sivel dar publicamente esta obediencia a Igreia Romana se nao 

< com ajuda de mil soldados, os quaes hao de tomar no mar Roxo 

< o porto de Magua, em que nao ha resistencia nenhuma ; onde ficarao 

< outros quinhentos de guarda, pera que sempre esteja na n^ao de 

< Vossa Magestade, e meu senhor Ihe dara as terras maritimas e 

< ajuda bastante pera conserva^ao de tudo. Por agora nao tenho mais 
^ que offerencerme por vassallo de Vossa Magestade, como o sou do 

< Emperador meu senhor, e pedir quam emcarecidamente posso envic 

< esta gente com a presteza possivel, porque nao se perca por tar- 
€ dan^a occasiao de tanto servigo de Deus, bem da Igreia, redu^ao 

< deste imperio, e gloria imortal do nome de Vossa Magestade, que. 



Digitized by 



Googl( 



246 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

€ vindo em quanto meu senhor for vivo, se eflFeituara esta obra; mas, 

€ morrendo elle antes, o que Deus nao permita, tarde se achara occa- 

€ siao semelhante. Deus Nosso Senhor guarde a Vossa Magestade 

€ par muitos annos, pera que em seus felices dias tomem ao ver- 

c dadeiro pastor as ovelhas perdidas por tantos tempos. Escrita em 

< Dambea a 2 de fevereiro de 1613 ». 

9. Seltan SagAd Estas cartas entregou o Emperador ao padre Antonio Femandez 

lat triulit patri An- ^® nossa Companhia, e mandou se Ihe desse gente e gasto neces- 

tonio Fernandes sario pera o caminho, e despedindoo com palavras de srrande honrra 

quem cum Fecur mt mt <:y 

Sgsi legatum mitte- e amor, se enterneceo muito. vendo quam cumprida e trabalhosa era 
PonSficem!™ *'*'*"* ^ jomada. Despediose logo de dous padres que estavao com elle em 
Dambei, derramando todos muitas lagrimas, elle de alegria, pola boa 
sorte, que Ihe coubera de padecer por amor de Deus, e os que ficavao, 
de tristeza por sua auzenza e por nao saberem se o tomariao a ver 
mais nesta vida mortal. 



Digitized by 



Googl( 



f^6i. CAPITULO XIII. 

De como o padre Antonio Fernandez partio pera Gojam, 
e daly pera Narea com o embaixador, e do que Ihes 
socedeo at6 chegarem lA. 



No principio de mar^o de 1613 se partio o padre Antonio Fer- x. Mense martio 
nardez de Dambea pera Gojam, aonde ja estava o visorrey Cella Fcnuiixdexproflcisci- 

Christos, e o embaixador Fecur Eirzy, que tinha partido diante pera ^^ e DambiA, comi- 

o J* -1 f f tantibus quatuor lu- 

dar ordem as cousas de sua casa, mulher e filhos, que aly moravSo. aitania adolescenti- 

Chegou o padre a Collela, residencia nossa, em que estava o padre gSJm se^confert, ubi 

Francisco Antonio de Angelis, e aly se deteve alguns dias, porque « Sela Christds pera- 

manter ezceptus, ab 
soube que o Visorrey era ido a hum assalto, do qual tanto que soube eo tum optima pro 

que tomara, o foi demandar a Ombrama. Levava consigo o padre f^ legationc consi- 
^ o f ha, tum praesidium 

dez Portugueses, quatro dos quaes se oflFerecerao ao accompanhar ad iter ct ductores 

ate a India, e os seis ate Narea, pera daly voltarem ; recebeo o Viso 

Rey ao Padre com grandes mostras de amor, e deteveo em seu 

arrayal athe chegarem huns Gallas e Xates, que tinha mandado 

buscar pera Ihe servirem de guardas no caminho ate Narea; porque 

grande parte delle he povoado daquellas duas nagOes de gente; 

chegados estes guias, despois de os contentar com boas pegas, que 

Ihes deo, e Ihes prometer outras melhores quando Ihe trouzessem 

novas de terem passado o caminho, e posto o padre e embaixador 

em Narea a salvamento, apartandose com o padre, Ihe fez huma falla 

com tanto zelo e espirito qual se podera esperar de hum superior 



Digitized by 



Googl( 



248 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

da Companhia na dispidida de hum subdido pera huma missao tra- 

balhosa e difficultosa ; pozlhe diante dos olhos a importancia do ne- 

gocio que levava a seu cargo, e as difficuldades que o Demonio avia 

de alevantar pera que elle nao tivesse o fim desejado, exhortouo a 

romper por todas com valeroso e constante animo, pois via a grande 

gloria de Deus e o proveito de tantas almas que se avia de seguir 

da reducgao daquelle imperio ; lembroulhe que no meo dos mayores 

trabalhos e perigos puzesse em Deus sua confiancja, certo e seguro 

que o Senhor Ihe nao avia de faltar com o socorro, pois por seu 

amor se offerecera a elles, e a empreza era toda sua; emcomendoulhe 

muito que procurasse concluir o negocio com a mayor presteza e 

brevidade que ser pudesse, pera que em vida do Emperador se pu- 

zesse em execu^ao o que pretendiao; que a morrer primeiro, tudo 

ficaria em vao, e seria baldado o gaisto e trabalho da jomada. 

Ultimamente, pera que a exhorta^ao fosse nao s6 com palavras, 

mas com o exemplo, com os olhos cheos de lagfrimas se lanQou aos 

pees do padre, pera Ihos bejar, avendo que ganhava muito em bejair 

pees, que por amor de Deus aviao de andar tantos e tam asperos 

caminhos. Acudio o padre ao deter e alevantar, movido e edificado 

grandemente de ver a profunda humildade de hum principe tam 

grande ; pedio elle entao muito ao padre muy emcarecidamente que 

levandoo Deus Nosso Senhor a Roma bejasse em seu nome o pee 

a Sua Sanctidade, e le trouxesse de sua roupa hum pequeno fio, ao 

qual teria sempre por reliquia muy *grande e estimaria como tizouro f.261 

de valor inestimavel. Isto acabado, chamando o embayxador, Ihe 

fez outra exorta^ao semelhante, e despidindosse delle e do padre entre 

amorosos abra^os, com mostra nao somente de saudades, mas de en- 

vejas grandes, porque, se a distancia dos lugares Iho permitira, nao 

ouvera pera elle na vida mayor gosto que ir em pessoa visitar os 

santos lugares de Roma, e bejar o pee ao vigairo de Christo na 

terra e ver a corte d* el Rey de Portugal e dos mais Reis, prin^i- 

pes e potentados de Europa. 

a. Ex OmbennA Partiraose o padre e o embaixador de Ombrama meado avril, 

gnum^vcr8u«,^pagum l^vavao consigo ate 40 homens de rodellas e zargunchos ; em dous 

Xinax attingunt; at qu tres dias, caminhando ao poente pellas terras dos Gongas, chegarao 
incolae idololatrae, r ^ c=. o 

GongAs vocati, eoa a Sinasse povoa^ao principal de Gongas gentios ; pedirao aly da parte 

deducere nlnuu^r ^^ ^'^^o Rey guarda pera o que restava do caminho ate o Nilo; 

Lregatiinsidiaspcrti- nao Iha quiserao elles dax; e era como dizer que aviao de saltar com 

de hac re mittunt ad ^11 js, saquealos e matalos; e detriminavao de o fazer em vingan^a da 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XIII. 249 

morte que o VisoRey pouco antesmandara darpor justi^a ahum dos Scla Christds. Quo 
principaes daquella terra, por ser homem facinoroso; fezlhes o em- ^^ ductores imo et 

baixador varios requerimentos, e vendo que a nenhum diffiriao, de- ratem ad Nilum 

^ ^ transmittendum 

triminou mandar recado ao Viso Rey pera que Ihes mandasse algumas praebent. interea Se- 

companhias de soldados que os podessem segurar naquelle perigo; ^* mitSt, qJ^^c^ 

mas nSo se achava quem quisesse ir, arreceando todos o caminho: legatos Nilum iam 

^ traiecisse comperis- 

offereceose entao hum dos dez Portugueses que hiao com o padre; c sent, in GoggiAm 

caminhando a toda pressa, foi dar aviso ao Viso Rey do que passava. ^«^rttm^wr* 

Elle o sintio muito, e mandou dous ou tres capitaes com sua gente 

pera darem guarda ao padre e embaixador, e castigarem aos Gongas. 

Porem elles sabendo que era ido recado ao Visorrey, e arreceando 

o castigo, tomarao logo melhor conselho e derao a guarda que Ihes 

pidiao, com a qual o padre e os de sua companhia em tres dias 

chegarao daly ao lugar em que aviao de passar o Nilo, o qual sc 

chama Mine (i). He este passo ja na volta que elle faz para o norte, 

e Egypto, coasi de fronte, e leste oeste com a sua fonte; vay ia 

muy crecido, e hia naquelle tempo muy furioso; comtudo por nao 

aver outra cousa, o passarao aqui em huma jangada de paos mal 

atados, com algumas cabagas nelles, que os ajudassem a ter sobre 

a agfua, indo alguns mancebos diante nadando e guiando a jangada, 

outros detras empuxandoa, e como isto era cousa vagarosa, e na 

jangada nao cabia muito fato nem gente, em idas e vindas gastarao 

hum dia inteiro em passar. 

Daly ao dia seguinte dispidirao hum homem com estas novas 3- QongAs et GA- 

ao Viso Rey, e ao Portugues, que la fora (e ja vinha por caminho ^i^ arroganter expe- 

com muita cfente de cfuerra), mandou o padre dizer que se tomase ^^^ eoromque sar- 

° ^ ^ ' ^ ^ cinas se surrepturos 

pois ja o nao podia alcan^ar. Deste passo caminharao sempre direitos minantur. P.Feman- 

ao sul ate chegao^em a Narea, e neste caminho, que sera de sincoenta i^/s^ilS^^^ncessot 

l?cfoas, pouco mais ou menos, nao Ihes faltarao perigos, de que Deus socios a periculo li- 

,. ,,^^..n. . berat. Cum iUis iter 

os livrou por sua bondade. O pnmeiro foi no dia que se apartarao esset per montium 

do rio, tendo andado so tres legoas ; porque tomando hum criado do S^^^^^^^cursionTb^ 

cmbaixador, que vinha hum pouco atraz, duas apas a hum Gonga infesus, acie instm- 

gentio dos que por aly morao sogeitos aos Gallas, gritando o sicqu^^latronum ag- 

f. 262. Gonga, se ajuntarao muitos com suas armas ; *e acertou a ser junto gressionem devitant» 

a hum passo em que os Gallas custumavao a tomar direitos aos que 

passao, os quaes acudirao tambem, assy pera vingarem a injuria que 

ao Gonga se fizera, como pera padir os direitos. Esteve armada briga 

em que correo muito risco a vida de todos; mas o padre com sua 

(I) («0 qual se chama Min^ » adiect. ab A. in marg. 
C. Birc4ai. Ji^r. Atih, Scripi, ccc. ined. — VI. 32 



Digitized by 



Googl( 



250 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

prudencia e brandura, dando aos Gallas algumas pe^as de pouco 
valor. e fazendo pagar as apas ao Gonga, fez aquietar a todos. Pas- 
sado este encontro, ao 3° dia tiverao hum de huma grande cafila que 
vinha de Narea; e informandosse da gente della de como estava o 
caminho, Ihes disserao que tam pouca gente hia sem duvida a morrer, 
porque os Xates e Cafres salteadores erao muitos em alguns passos 
ruins que tinhao por passar. Com estas novas voltarao daly pera tras 
alguns mercadores, que hiao na companhia do padre ; os mais, posto 
que com medo, forao adiante, animados por elle e por hum Narea 
da cafila, que Ihes prometeo, se Iho pagassem, de os guiar por partes 
desviadas, pera nao encomtrarem os salteadores; prometeoselhe boa 
paga: forao por diante, e daly a poucos dias chegarao a terra dos 
Xates. Os desta na^ao que com o padre e embaixador hiao por guias 
e guardas, come se virao entre os seus, come^arao a pedir peitas 
grossas, querendose vender mais caros do que elles e sua gnarda 
valia; pollo que os do embaixador se travarao com elles e estiverao 
pera os matar; mas deixandoos e vendo em hum passo de huma 
serra espera muitos Xates, que os esperavao pera os roubar, se pu- 
zerao em boa ordem, repartindose os rodeleiros em duas pequenas 
escoadras, huma diante, outra detras, tomarido no meo a recovagem. 
Virao os salteadores seu concerto e a detriminagao com que mar- 
chavao, e temendo acometelos, se afastarao, deixandolhes a estrada 
franca. 
4. Ad ripam flu- Ao dia seguinte, entrando por terra dc Cafres, chegarao a huma 

minis Anqaftr pau- ^ .i_ . , j a a , ,, . , 

lum interquiescentes fresca ribeira chamada Anquer, e parecendolhes que nao avia aly 

a Cafris aggrcdiun- ^j^ q^g g^ temer, nao s6 se assentarao pera passar aly a sesta, mas 
tur ; sale ac veatibus ^ xr r j ^ 

concessis liberantur. largando as mulas pera que pacessem, se espalharao todos por va- 

rias partes. Os Cafres que os tinhao de espreita, vendoos descuidados, 

se vierao a elles cercandoos em roda, e tocando suas trombetinhas, 

come^arao de os acometer : e hum delles vendo duas mulas afastadas 

as foi logo tangendo pera o mato. Acudio a gente do embaixador; 

pozse em ordem e logo alguns acometerao ao que tangia as mulas, 

e fugindo elles as trouxerao; os mais pelejarao tambem com os 

Cafres de tal sorte, que os forao levando grande espago; e vendo 

que ja se hiao esfriando na peleja, Ihes falarao dizendo que erao 

correos do Emperador, que os deixassem ir em paz; os Cafres, que 

ja a desejavao, vindo logo as boas, disserao que os nao conhesserao, 

e por cuidarem que erao Gallas os acometerao, que passassem em 

ora boa, dandolhes alguma cousa; contentaraonos com poucas pe- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XIII. 25 1 

dras de sal e duas touquinhas. Trouxe Deus, naquella conjun^Sio 

huma chuva que fez recolher os Cafres a suas cabanas, e os cami- 

nhantes, aproveitandose da occasiao, derao a andar de pressa, antes 

que estes Cafres fossem dar recado aos de outra povoa^ao major, 

que aly perto estava. 

f 262,?. *No mesmo dia o Narea que traziao pera os guiar por caminhos 5« Dactor agminis 

desviados, tirandoos da estrada e guiandoos pelo meo de hum mato j^g ^^^^^ incumbcn- 

cerrado e trabalhoso de passar, os levou por huma cnrande decida ** ^^^ inwnit ; ubi 

*^ ^ ^ iUuxit, vadum ten- 

at6 hum grande rio chamado Maleg, junto ao qual chegarao a noite tant et flumen inco- 

com grande trabalho ; o peor foi que, buscando logo o vao e passo Jj^^t doos diw^dc^ 

por onde ao dia seguinte aviao de atravessar o rio, nao se achava; veniuntad montes 

, ^ , , ^ . , . QancA, qui regnum 

nao faltou logo quem do giiia tevesse mas sospeitas, e ajuntavao NareA flniunt, et a 

que ja o mesmo outra hora se oflFerecera a guiar a hum senhor J^tcf^|"^[ur*^^ 

grande, e o fizera de maneira que o metera entre os inimigos, e 

aly acabara elle, e quantos o acompanhavao. Pelo que ja alguns o 

come<;avao a tratar mal de palavra, e Ihe queriao por as maos : 

mas o padre Antonio Fernandez, vendo que sem guia todos aly per- 

ceriao, o chamou, e falandolhe com boas palavras, o animou, dizen- 

dolhe que nao era muito nao achar o vao, pois era noite escura: 

que ao dia seg^nte o acharia, e fazendolhe dar bem de cear, desa- 

bafou, emcomendando com tudo a quatro homens, que dessimulada- 

mente o vigiassem muito bem, pera que de noite nao fugisse. Com 

este sobresalto a passarao : em amanhecendo quiz Deus que se achou 

o vao, e pcissando o rio, e o perigo dos ladrOes que ficava aquem 

delle, foi o guia buscar a estrada, achoua facilmente ; e metendose 

por ella muy contentes chegarao a huma ribeira junto a qual pas- 

sarao a noite com muito differente quieta^ao e seguran^a, por estarem 

ja longe dos Cafres. Ao dia seguinte entrarao por Narea, e subirao 

a huma serra forte chamada Ganca toda pouvoada, naqual reside 

ordinariamente o principal capitao daquelle reino, por ser esta fron- 

teira de muitos inimigos com que tem guerra. O que entao aly 

estava era Abe^an; o qual recebeo ao padre e ao embaixador 

com gfrande honra e mostras de alegria, porque o viso Rey Cella 

Christos Ihos encomendava muito, e Ihe mandava hum bom presente. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XIV. 

Do reino Nareli, 

e do que nelle socedeo ao padre Antonio Femandez 

e ao embaixador Fecur Egzy. 



O reino Narea he, como ja disse, o mais austral de todos os i.Regionem regni 
deste imperio, pelo menos vindo de Ma^ua direito ao sul nao ha fris in solitadinem 

outro que esteja em menor altura e mais se avisinhe a linha equi- redactam ob fre- 

qaentes Galarum in- 
nostial : sSlo de Magua a Narea duzentas legoas pouco mais ou menos, cursiones inveniunt ; 

c caminhaose a mayor parte dellas ao sudueste, que he ate Mjne, onrnri^e connneam 
lugar de Gojam aonde se atravessa a 2* vez o Nilo pera ir a Narea destituti iter prose- 

. qxii per sylvas co- 

e daly se vay caminhando direito ao sul. E assy como o meo de guntar. 
Dambia fica em 1 3 graos e meo pera o norte, e Mine em 1 2 pouco 
mais ou menos, Narea ficara em oito. Nao he este reino tam grande 
como alguns o fizerao; parece que contavao nelle as terras dos 
^•'^3- Cafres que o rodeao, *e se estendem daly pera a costa de Melinde, 
que Ihe fica ao sueste, e as que vao pera Angola, que Ihe fica ao 
poente ; e poUo trato que nelle ha com esta Cafraria he Narea tam 
abundante de ouro, resgatandoo dos Cafres por comuta^ao de roupas, 
vacas, sal e outras mercadorias ; mas o que propriamente se chama 
Narea, e obedece a seu Rey he espacjo de 30 ou 40 legoas de terra; 
nella se acha boa quantidade de ouro, mas a mayor Ihe vem de 



Digitized by 



Googl( 



254 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

fora. A gente natnral de Narea h6 a melhor de toda Ethiopia ; con- 

fessado por todos os Abexins, sfto bem apessoados, nao muito pretos, 

as fei^Oes do rosto nada de Cafre, bei^os delgados, naris afilado, 

sao homens de sua palavra, e que tratao verdadeiramente sem a 

dobrez e fingimento ordinario dos Amaras. A terra he fertil de 

mantimentos e de toda a casta de gado, mulas e cavallos : dao o ouro 

a pezo, como em toda Ethiopia se da, correm tambsm como por 

moeda huns ferrinhos de pouco pezo, espalmados, largos de dous 

dedos, compridos de tres. Erao todos gentios no tempo do empe- 

rador Malac Sagued; avera 60 annos, pouco mais ou menos, rece- 

berao o bauptismo, e a ffee, que Ihes insinarao, que foi a que tinha 

Ethiopia, chea dos erros de Euthyches e Dioscoro : ate hoje nao se 

offereceo occasiao de chegar la padre algum de nossa Companhia 

que os ensinase, assy pola difficuldade do caminho, como por o 

Emperador nao dar geito a isso. Agora neste agosto de 1632, em 

que vou escrevendo esta historia, vay pera Rey ou Xumo daquelle 

reino Emana Christos, hum mancebo que eu bem conhe^o, muito bom 

catholico, filho de Benero, de que logo fallaremos, o qual estava 

auzentado de sua terra, e vivia ck entre os Amaras, casado com 

huma filha de Ras CellS Christos, porque os inimigos de seu pay 

Iho matarao a treicjao e fizerao Xumo a outro, ao qual e a todos 

seus validos matarao agora os da parcialidade de Bener6, e logo 

mandarao buscar o filho Emana Christos, pera Ihe dar a posse do 

reino, ou xumete (falo por este termo); porque ainda que elle su- 

cede por heran^a de pais a filhos, o senhor de Narea propriamente 

he Rey, pois o forao seus antepassados, com tudo despois que ficou 

sogeito ao Emperador, nao Ihe chamao ja Rey, senao Xumo, que val 

o mesmo, que Govemador. Despois que os Gallas entrarao neste 

imperio, e se fizerao senhores da mayor parte delle, posto que to- 

marao as terras que ficao entre Gojam e Narea, e se meterao no 

meo, nunca puderao prevalecer contra os Nareas; tem entre sy 

grandes guerras, mas ate oje se deffendem os Nareas sem ajuda do 

Emperador, e Ihe pagao ordinariamente seus tributos por sua na- 

tural fidelidade, sendo assy que se disso se quizessem izentar, mal 

Ihes podia elle ir fazer guerra por meo dos Gallas, e tendo or- 

dinariamente afora os Gallas muitos alevantados dentro em seus 

reinos visinhos a corte. 

*;V^?}*^****^^^ 1^6 Ganca forao o padre e embaixador a corte de Benero, que 

ca inhabitata pervc- *^ 

niunt, ab incolis hu- assy se chamava o Rey, ou Xumo ; e chegarao la em 6 dias, indo 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XIV. 255 

os primeiros por terras coasi despovoadas, por terem dado nellas os maniter exdpiantur 

r^ ii j'^ • ^ i_ i. jCt, refectis viribos, 

(jallas poucos dias antes, os mais por terras boas e bem povoadas. deducuntur ad regni 
f.263.T. Foy o padre recebido de Bener6 *com benevolencia, posto que nao g^bernatorem Bene- 

r6, qui eo8 comiter 
com tanta honra como elle mesmo Ihe desejava fazer ; e foi a causa quidem, sed non si- 

o frade seu mestre, o qual estava com grandes arreceos desta ida recipiMn *e?S^imi- 

do padre aquella terra, parecendolhe que hia pera nella ficar e in- m^im a quodam mo- 

. nacho inducta. Inde, 

sinar aly nossa santa ffee, privandoo do officio de mestre e vigario honesto et probabili 

geral do Abbuna naquella terra, e dos rendimentos que della colhia »®°\>°« ^"?^ '*«'^ 
^ n » n esset mazimis pen- 

que nao erSio poucos. Soube isto o padre, visitouo e desenganouo, culis obnoxium, eos 
pedindolhe ainda favor pera que Bener6 o despachasse com brevi- mhtit^nisTprius^o- 

dade, e dondolhe pera isso hum bofeta de presente, com que ficou ^^ ^^^ ^* ^® litteras 

^ ab Imperatore reci- 

desabafado. Bener6 tambem pretendeo penetrar o intento desta ida piat. 

do padre e do embaixador a India; e arreceando que era pera 

trazerem Portugueses, fazendo conselho com os grandes de sua corte, 

assentou de nSo deixar ir o padre pelo caminho que elle trazia no 

pensamento, que era por huma terra chamada Cafa, a qual demora 

ao sul de Narea, porque aquelie era o caminho que Ihe parecia 

mais direito pera ir sair a costa de Melinde. Temiao Bener6 e os 

seus que, se este caminho se abrisse, viessem por elle Portugueses, 

e se fizessem senhores do seu reino ; polo que, depois de varizis pro- 

postas, disse ao padre claramente que por aly nao avia caminho, 

nem se cansasse com o pretender, porque nao no avia de deixar ir 

por aquella banda. Vendo isto o padre, polo grande desejo que tinha 

de levar ao cabo esta jomada, disse que iria por Baly, posto que 

via ser este caminho muito desviado. He Baly hum reino que pri- 

meiro era do imperio ; hoje esta em poder de Gallas e mouros, con- 

fina com o de Adel, fica a oriente de Narea, e assy era coasi 

desandar o caminho que tinha feito, e ir demandar a costa do mar 

com hum grande rodeo perto do cabo Darfui [sic] coasi no meo entre 

esta ponta, c Magadox6, tinha muitos difficultades e perigos, e pa- 

recje que por isso Deus ordenou que nao passassem de Cambate 

como adiante contarey. 

Bener6, tanto que o padre assentou de ir por Baly, conhecendo 3. P. Femandez, 

. V ^ , . j it_ j' • j» ne in NareA hiemare 

que este cammno, posto que se abrisse, nada Ihe podia prejudicar cogeretur, constituit 

a seu reino, por ser delle muito desviado, veo nisso facilmente. Deo P*^ regionea Ball 

iter prosequi; quod 
ao padre 50 crusados de ouro pera ajuda do caminho, escuzando consilium gubema- 

com muitos resOis o dar tam pouco, por serem em conju^ao em wat^r^mmeatum 

que avia de mandar ao Emperador o tributo ordinario de cada anno, «t custodiam se da- 

., , .t , ■, turum promittit. 

que sao mil on^as, e montao dez mil crusados, e estar despezo com 



Digitized by 



Googl( 



256 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

outros gastos ; mandon recado a hum capitao que desse boa guarda 
ao padre por todas suas terras, e porque esta derrota avia de ser 
pelo reino de Ginger6, e naquelle tempo estava em sua corte hum 
embaixador daquelle Rey despachandoo com brevidade, Ihe emco- 
mendou se fosse e levasse consigo ao padre e embaixador pera os 
guiar e g^ardair no caminho ; o que elle aceitou de boa vontade. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XV. 

Do caminho que fizer&o o padre Antonio Pemandez 
e o embaixador de Nare^ ate Cambate. 



Saydos o padre Antonio Feraandez e o embaixador da corte i. Praealdiario- 

• ^TA -t ii^-i* rum nianu comitaute 

f. 264. de Narea, cammharao daly *por diante sempre pera o onente ; e no i^gg^xi itlneri se com- 

primeiro dia chegarao ao lugar em que estava o capitao que Ihes roittunt regnum Ze- 
avia de mandar dar guarda. Recebeos bem no principio, esperando Qidas intercipiantur, 
algum presente de muito pre<;o; mas depois que o que Ihe offe- jT/^^^^nocm^p" 

recerao nao satisfez a sua cubiQa, felos aly esperar 8 dias, e no fim campos, fame et fri- 

. ^ gore quam maxime 

delles Ihes deo somente 80 soldados, que os acompanhassem ate os laborantes. 

confins de Narea: com esta companhia foiao andando 4 dias, a jor- 

nadas largas, por terras despovoadas a respeito dos Gallas que as 

corriao muitas vezes, por serem campos razos, nos quaes, por terem 

muitos cavallos, posto que nao muito bons, tem muita for^a. Ao 

quarto dia se retirarao os Narea, e o padre e os de sua companhia 

ficarao assas arreceosos; caminharao porem com pressa, levando 

sempre diante alg^ns como descubridores do campo, pera que, encon- 

trando ou vendo de longe Gallas, avisados, tevessem algum tempo 

pera se meterem e esconderem nos matos. Despois do meo dia co- 

mei^rao a decer huma alta serra da qual se descubrirao humas largas 

carapinas chamadas Baterat, que pertencem a provincia de Boxa, 

nas quaes os Gallas ordinariamente apascentao suas vacas. Disselhes 

o embaixador do Gingiro que antes de acabar de decer a serra se 

C. Bbccaki. Rer. Aeih. Scrtpi. occ. tned. — VI. ^^ 



Digitized by 



Googl( 



258 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

emboscassem ate a tarde, pera de noite atravessarem o campo, sem 

serem sintidos : fizeraono assy. As 4 horas da tarde se meterao polo 

campo, favorecendoos Deus com huma chuva branda e meuda muito 

espessa e fria, a qual parece obrigou aos Galla a se recolherem a suas 

cabanas, e encubrio aos caminhantes. He verdade que Ihes custou 

nao pequeno trabalho, particularmente despois que a noite se fechou 

indo as cegas, sem verem caminho com chuva e frio, que os tres- 

passava, e por entre mato tam cerrado, que foi o padre obrigado 

a ir a pee, |X)rque na mula se nao podia desembaraQar dos muitos 

espinhos que encontrava. A mea noite pararao ao p6e de humas 

arvores altas, pera tomar algum descanQo, e se aquentarem hum 

pouco ao fogo, porque hiao mortos com frio : a cea foi sevada tor- 

rada, e esta ainda com muita regra, porque, come hiao por deserto, 

nao se achara pera elles em Ethiopia outra melhor matalotajem, 

nem na pode acarretar a gente escoteira. 

Antes de amanhecer apagarao o fogo, pera nao serem vistos dos 

Gallas, e pondose ao caminho, chegarao ao meo dia a humas jam- 

bolleiras, que ha muitas em Ethiopia ao longo de alguma agua, mas 

sao em compara^ao das da India como as oliveiras, de que tambem 

ha muitas, em compara^ao das de Europa, as quaes propriamente 

sao iambugueiros, e a fruita nao tem mais que a pelle e caroQo, 

e taes sao estas jambolans, comtudo como a fome os apertava, os 

criados do embaixador e alguns do padre nao avia apartalos dellas ; 

gritavao os que sabiao da terra que era necessaria pressa, porque 

estavSo ainda entre os Gallas, mas a fome os fazia surdos, e nao 

avia dar passo. Vendo isto o padre se deteve, e foi metendo pelo 

mato, pera os tirar delle e fazer caminhar, e foi dar em huns pre- 

cipicios de que Deus o livrou com perigo e trabalho ; tornando ao 

caminho, e ajuntandose todos acharao que faltava hum Portugfuez: 

foi grande a tristeza de todos, voltarao *muitos ao buscar, e Deus ^.264.^. 

quiz despois de grande espa^o o ouvirao gritar no meo do mato, 

por ter perdido o caminho; trouxeraono, e decendo aquella tarde 

huma serra aspera e ingreme, chegarao junto ao rio Zebee. 

a.Tandem,flumine Este rio leva mayor copia de agua que o Nilo, e neste passo 

ZcnyeXflnitj^auper ^^Y ^iitre serras apertado e despenhandose por penedos e rochas, 

arborum truncos quebra nelles sua corrente com tal furia, que era o estrondo que 

trasmisso, prozimio- 

rem pagum attin- aly avia assas medonho. Mas o que punha mayor medo era a ponte 

octo'die8 ^'iteri^s P^^ ^^^ aviao de passar, a qual era somente hum pao de tanto com- 
progrediendi facul^ primento que atravessava de rocha a rocha a largfura do rio, que 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XV. 259 

nao era pequena; olhar pera baixo era ver o infemo, o pao, em tatem a rege prae- 

pondo nelle os pes, brandiase como huma vara verde ; comtudo isso 

passarao todos a quem primeiro a porfia, porque como a terra daquella 

banda era dos Grallas o da outra do reino Gingero, onde se davao 

por seguros, era o medo que delles tinhao tal que vencia o da ponte. 

Porem o padre Antonio Femandez nao se atreveo a passar senao 

despois que fez cortar outra arvore das que por aly nao faltavao, e 

ajuntandoa com a primeira ficou a ponte mais segura e facil de pas- 

sar. Tanto que se virao da outra banda, desabafarao do medo dos 

Gallas; mas ficavalhes hum sobroQO grande, que era nao acharem 

modo pera passar as mulas, que pola ponte nao era possivel, e as 

ribeiras do rio todas erao de rochas alcantiladas ; foi necessario dur- 

mirem ellas daquella banda, e com ellas dous homens que as vi- 

giassem, confiados que, se viessem Gallas, se poderiao por em salvo 

polla ponte; e ao dia seguinte trouxe Deus aly logo pela menha 

dous homens da terra, os quaes, pagandolhe bem, como sabiao os 

passos, as levarao a lugar, por que passarao ainda que com muito 

trabalho. Partidos do rio, forao pouco adiante pouzar em huma po- 

voa^ao daqual mandarao avisar de sua vinda ao Rey, e pedirlhe 

licen^a |>era chegarem a sua corte, e por elle estar occupado com 

suas feiticeirias Ihes foi necessario esperar aly 8 dias. 

Avida a licen^a partirao e chegarao no mesmo dia ao lugar, 3- Facuitate acce- 

aonde estava. Acharaono, conforme a seu custume, em hum terripleno Sind,J^ ^^^*°caDfc- 

ou mirador de altura de 25 palmos pouco mais ou menos, que pela rum. Singuiaris cae- 

^ ^ remonia receptionis 

banda detras tinha sua subida: os grandes todos embaixo em pee, describitur. Rex eos 

elle encima s6 assentado em huma alcatifa, vistia hum bofeta branco horoitioa^coi^^ 

da India, era preto como azeviche, posto que as fei^oens nao erao *" instmendoa iubet. 

de Cafre, tinha os olhos grandes, o naris afilado, e os bei^os del- 

gados. Pera receber a carta do Emperador, que Ihe traziao, deceo 

abaixo, recebeoa em pee, e perguntou por sua saude, e tornousse 

logo a subir ao seu poleiro (este respeito tem ao Emperador, posto 

que nao he seu vassallo), esteve hum peda^o falando com o padre e 

com o embaixador por lingua, o qual todas as vezes que o Rey Ihe 

dizia alguma cousa bejava as pontas dos dedos das maos ambas, e 

f- 265. logo debm^andosse, bejava o chao, e hia *dizer ao padre, que estava 

hum pouco afastado, o que o Rey dizia, e voltando com a reposta, 

antes de a dar, bejava outra vez as pontas das maos, abaixando a 

cabe<^ e com estas ceremonias se continuou a pratica por bom 

espa^o. No cabo disse que fosse o Padre descansar, e quanto ao que 



Digitized by 



Googl( 



26o HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

o Emperador Ihe emcomendava, que era somente que ao padre e em- 
baixador tratasse bem e desse boa guarda por suas terras, respondeo 
que o faria com gosto. 

Ao dia seguinte aprezentou o padre ao Rey huns panos pretos 

4. Donariis et du- da India, os quaes elle mostrou estimar muito, por ser roupa que 

cepds, iterarripiunt poucas vezes chega aquella terra; visitou tambem ao pay do Rey 

CambAt versus, et qq^^ geu presentinho, com o qual ficou muito contente, porque elle 
iterum numen Zeb6 t^ i 1 r> 

traiiccrc, singuiari nao tinha sido Rey. A despidida Ihe mandava huma escrava filha 

P^irmXn^^i^; d^ 1^^"^ d^s honrados da terra: escuzouse o padre de a receber (i). 

inviti, coguntur. dizendo que nao era seu custume levar mulheres em sua companhia ; 
mandoulhe entao hum escravo e huma mula ; e porque despois ouvio 
que esta nao era tam boa, Ihe mandou au caminho outra muito 
fermosa, e gente que Ihe ajudasse a passar o rio Zebee. Partiraose 
o padre e o embaixador, e chegarao ao rio na primeira jomada, 
e pera o passarem acharao, ou pera dizer milhor, fizerao outra 
ponte, por huma inven^ao nova, e pouco menos segura que a pri- 
meira. Matarao huma vaca, e fizerao do couro hum grande folle, 
a este encherao de fato, e assoprando fortemente, o incharao bem 
de vento, e amarrandolhe de huma e outra banda dous paos cum- 
pridos, nestes se pegavao, dependurandosse tres homens de huma 
banda, e tres da outra; e aviao de ir muito quietos, e serera 
iguaes no pezo, porque de outra maneira, se o pezo era desigual, 
ou se algum acertasse de desafferrar, todos hiao ao fundo, e como 
a corrente do rio era muito 2u-rebatada, o perigo da vida era muito 
certo. A esta jangada, ou balan^a, guiava hum bom nadador, indo 
diante nadando e puxando pola ponta de hum dos paos; e em- 
puxavao no detraz outros dous ; e desta maneira atravessavao o rio, 
indo sair da outra banda muito abaixo a respeito do lugar em 
que se lan^avao, por nao poderem forcejar tanto contra a corrente. 
Hum dia inteiro gastarao em passar o rio, porque erao muitos, e 
foi necessario faser a embarca^ao muitas idas e vindas, e |X)stos da 
banda dalem se acharao nas terras de Cambate. Mas porque no 
reino e gente de Gingiro ha algumas cousas muito novas e estra- 
nhas, no capitulo seguinte escreverey o que delle contao pessoas de 
credito que la forao e as virao com seus olhos. 

(i) « Escusouse .... que nSo era », adiect. ab A. in marg. loco vocum u como he »> 
quas delevit. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XVI. 

Do reino Gingird, e dos custumes barbaros 
da gente que o habita. 



A este reino da quasi huma volta o no Zebee de que la fala- i. De regni Gin- 
n • •• r . 1 • « Sir^ nomine, flnibus 

mos no pnncipio, e deixandoo feito huma como penmsula, emca- ct incolis. 
^•265«'. minha sua corrente pera* o sueste e vay sair a costa de Melinde, 
ou em Braba, ou a alguma outra parte dessa costa. He reino pe- 
queno, os naturaes nas cores Cafres, posto que nSlo nas feicjOes do 
rosto, sao gentios muito dados a feiticerias, e tem entre sy custumes 
tam barbaros e estranhos que nao no podem ser mais. Gingiro 
quer dizer bugio, ou mono; e elles o sSo em muitas cousas; nisto 
principaJmente : se na guerra algum delles sae firido, os parentes 
matao, e se estes o nao fazem, mataono os companheiros sem 
remissSo alguma, por mais que elle grite e pe^a misericordia ; e 
dizem que o fazem, pera que se nao diga que morrerSo as maos dos 
inimigos, cousa que tem por grande deshonrra. E h6 o que acon- 
tece aos bugios, que firidos, ou elles assy mesmos, ou huns aos 
outros, tanto esgaravSo a firida at6 que tirao as tripas, e caem 
mortos. O Rey tambem representa o bugio no polleiro, ou terri- 
pleno em que se assenta s6, e de que falla e despacha. E tem 
huma cousa galante, que se nao acertou de sair de casa, antes de 
nascer o sol, nao sae, nem sobe ao polleiro nem entra ninguem a 
elle pera negocios; e a resao que dao deste custume he graciosa; 



Digitized by 



Googl( 



262 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

porque dizem que se nSlo sofrem dous soens no mundo, e como elle 

nao ganha ao outro por mao, tem pera sy que Ihe nao esta bem ser 

o 2** nesta competencia. 

a. Rege8 Zenyer^ Quando o Rey morre, envolvem seu corpo em pannos ricos, e 

non successionis sed « « -, t ^ n 

electionis iure im- ni^tando huma vaca o metem dentro no couro ; logo todos aquelles 

perio poriunttir. De- que esperSo soceder no reino, que sao os filhos ou chegados a casa 

acribuntur singiUa- 

rim ritua crudeliuri real, dos quaes se escolhe o que mais apto parece, estes, digo, fu- 

miatri^^ in regum S^^^^ ^ honra que desejao, se acolhem della, parece que pera que 

elecdone obrinent. ella os siga e va traz elles ; e metemsse polos matos, escondendose 

nelles quanto podem. Os eleitores que sao grandissimos feiticeiros, 

despois que assentao no que hao de faser Rey, vaono buscar, e 

os passaros, ajuntandose sobre o lugar em que se escondeo, Iho 

descobrem, principalmente huma ave de rapina, como aguia, a que 

chamao yber, subindo ao alto dece dando huns grandes g^itos, e 

logo conhecendo que aly esta, o vao buscar, e achaono rodeado de 

leOes, e tigres, cobras e ongas, o que tudo aly fasem ajuntar por 

suas feiteicerias ; o eleito, tanto que vee que o demandao a elle, 

peleja quanto pode pera que o nao prendao, fere e mata; e tudo 

Ihe sofrem os que o buscao, reparandose, e entrando com elle ate 

o averem as maos ; desta maneira o trazem como por for^a, e elle 

mostrando que por mais nao poder, aceita o pezo do govemo e honra 

que Ihe querem dar. Raro exemplo de desprezo do que o mundo 

tanto ama, e deseja; se tudo nao fora mera ficcao, e barbaria. No 

caminho quando trazem o Rey eleito ha sempre hum encontro, ou 

batalha campal: porque ha no reino huma familia, a qual por cu- 

stume imemoriavel tem direito pera, se puder, tomar o Rey eleito 

das maos dos eleitores, que o forao buscar *pera os desta familia o f. 266. 

meterem de posse do reino ; pera isto se ajuntao com todos seus 

validos e aliados, e buscando lugar accommodado dao batalha aos 

eleitores, e a gente de sua parcealidade, e os que vencem levao o 

Rey, e o entomizao, ficando os que o fazem com a privan^a e car- 

gos mais honrozos de corte e reino. 

Trasido por este modo a corte o Rey eleito, metemno em 

huma tenda, e chegado 07** dia despois da morte do velho, trazem 

hum bicho, o qual dizem Ihe sae dos narizes, e embmlhandoo em 

hum peda^o de seda, fazem que o Rey novo o mate, apertandolhe 

o cabe^a entre os dentes. Isto feito, ao corpo do Rey morto levao 

a sepultura arrastandoo pelo chao, e pedindolhe que lance ben^ao 

aquelles campos e terras, por onde o levao. Chegados ao lugar da 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XVI. 263 

sepoltura, que he hum mato ou bosque, jazigo dos Reys daquelle 

reino, abrindo no chao a cova, o lan^ao dentro, e sem na fechar, 

nem cubrir com cousa alguma, assy fica a chuva e as injurias do 

teropo : no dia que o enterrao matao muitas vacas junto a sepoltura, 

de modo que o sangue corra pera dentro e chegue ao corpo morto ; 

e daly por diante ate morrer outro Rey, cada dia matao aly huma 

vaca, fazendo que corra o sangue dentro, e o proveito he dos que a 

matao, porque Ihe comem a carne. 

Os que acompanhao o corpo morto sao os menos, os mais ficao 3- lu« regis in 

com o Rey novo, e tanto que elle mata o bicho que dissemos, dan- JS^^^^^ni^: ri- 

dolhe grandes vivas, o publicao por Rey e rematase a festa, como ^ funebrea aliae- 
^ ^ "^ que crudeles consue- 

as mais do mundo, com mortes e prantos dos mais e melhores do tudines. 

Reino : porque logo o novo Rey manda chamar a todos os privados 

do Rey velho, e Ihes diz que, pois o forao tanto do morto que na vida 

se nao afastavao delle, he rezao o acompanhem tambem na morte, 

e vao a outro mundo continuar suas privangas; e assy os manda 

logo matar a todos, escolhendo outros pera si, e provendo nelles os 

lugares e cargos que ficao vagos. 

Neste comenos se queimao as casas em que vivia o Rey velho, 

e com ellas todo o movel e alfayas, sem ficair cousa alguma por 

rica e preciosa que seja, que se nao facja em cinza ; e ainda quando 

morre qualquer homem particular, queimao, nao s6 as casas, mas as 

arvores e plantas que tinha junto a ellas: pera que o defunto que 

estava custimiado aquelle lugar, nao tome o tome por recrea^ao vir 

passear nelle. Pera o novo Rey se faz logo nova casa, e como disse 

no principio, fazse com facilidade, porque a fabrica he de pouco 

custo: he redonda de 25 ou 30 palmos de diametro, as paredes ou 

de paos ou de pedra e barro, o tecto e aguieros de paos fendidos, 

e mal affeigoados, cujas pontas se sustentao em hum esteo de pao 

com huma como roda de carro na ponta em que se ajuntao, e as 

outras pontas vem a descansar sobre a parede. Pera aquelle esteo 

da casa do rey Gingir6, de que falavamos, vao escolher ao mato 

huma arvore dereita e nao muito grossa, e antes de a cortarem, 

degolao ao pe della hum homem, o primeiro que achao de certa 

familia que ha no reino, a qual he izenta de outros tributos, de 

f.266,t. que logo falaremos. Feita a casa vay o Rey a entrar *nella com 

muita festa; mas antes que entre, daquella mesma familia matao 

hum, se a casa tem huma s6 porta, e dous, se ella tem duas; e com 

o sangue destas victimas tingem o lumiar e ombreiras das portas. 



Digitized by 



Googl( 



264 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Cruel tributo da pobre familia que tanto a sua custa compra a 
libertade e izen^ao dos m^ds; posto que sSo elles tam pezados que 
se pode duvidar se o sSo ainda mais que este. Porque todas as ve- 
zes que o Rey quer comprar aos mercadores, que vem a suas ter- 
ras, algumas roupas das estranhas, concertandose em dar por ellas 
tres ou 10 ou 20 escravos, nao faz mais que mandar seus criados 
que, entrando polas casas, tomem os filhos ou filhas dos que na terra 
morao, e os entreguem aos mercadores ; e da mesma maneira o faz 
quando a coalquer criado do Emperador, ou de outro Rey e se- 
nhor visinho, quer fazer merce de algum ou alguns escravos ou es- 
cravas, mandando tomar os mais bem apessoados filhos ou filhas 
de coalquer de seus vassallos, com tanto que nao sejam daquella 
familia que dissemos ser livre, e entregaos por cativos a quem quer; 
e he tal a sojei^ao e respeito que todos tem ao Rey, que nao ha 
quem disto murmure ; porque tambem qualquer murmura^ao do Rey 
se castiga com a morte sem remissao. Tem mais outro custume en- 
come^ando o Rey novo seu govemo, e h6, mandar por todo seu 
reino que se busque com muita diligencia todo o homem ou mo- 
Iher que he doente de lepra ou tinha ; e o hospital a que os manda 
he que passandoos alem do rio 2^bee os degoUem a todos, pera 
que a tal doen<;a se nao apegue a outra gente. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XVII. 

Como o padre Antonio Pernandez 
saindo do reino Gingird, chegou ao de Cambate. 

Dorio Zebee, indo caminhando ao leste, chegou o padre a lan- • x.RegioncmCam- 
gara, lugar do reino Cambat, ao qual governava Amelmal, que ainda in^^rer^spera^ac 

naquelle tempo reconhecia ao Emperador por seu senhor. A mSlo latronibus frequen- 

^ tata loca ad Hamel- 

esquerda ficao aqui huns povos chamados Guragues, os quaes poucas mAl gubematorem 

vezes obedecem ao Emperador. Em langara se deteve o padre dous Jn^^^l^rtt^ft^ bts^agl 

dias, por Ihe dizerem, que esperando achariao companhia de gente grcdiontur ; vim vi 
. , , , ^ . . ^ . . repcUunt cosque in 

que vmha aly a huma feira ; mas isto foi mven^ao e engano, pera fagam vertunt. So- 

neste espa^o de tempo darem recado aos visinhos, e se ajuntarem "^^"L unus, dum 

pera darem nelles e os roubarem : assy foi, que tanto que se pu- mortis pcriculo vcr- 

zsrao ao caminho, os vierao demandar sete homens de cavalo, os ^uinerc*sauciamr" 

quaes porem sabendo que aquella gente erao criados do Emperador, Tandem incolumcs 

gubcrnatons domum 
Ihes nao fiserao mal algum ; mas nao tardarao muito os gentios Gu- attingunt, qui in cos 

ragues, sinco de cavalo, com muitos outros de pee archeiros, os quaes p^gbS ^™""" ^* 

f- 267. *feito hum escoadrao, arremeterao a gente que aocompanhava o pa- 

dre que erao somente desasete homens de armas : travouse a 

briga, na coal, posto que os Guragues eram muitos mais, com 

tudo, como os seus erao mais esforgados e pelejavao pola vida, por 

vezes fizerao retirar aos salteadores; comtudo hum mancebo pa- 

rente do embaixador, vendo que alguns dos Guragues adiantandose, 

hiao demandar ao padre, gritou aos de sua companhia, que estavao 

C. Bbccari. Rer. Aeih. Scripi. occ. ined. — VI. 34 



Digitized by 



Googl( 



266 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

mais perto, que Ihe acudissem, e com o cuidado do padre se de- 
descuidou e descubrio de maneira que o firirSlo com huma frecha 
daqual, por ser hervada com pe^onha, morreo daly a alguns dias, 
com notavel sentimento de todos os que conheciao e amavao por 
suas boas partes. Quisera hum criado do firido vingar a seu amo, 
e fazia tiro com hum zarguncho contra o matador com tal vontade 
e em tal distancia que Ihe nao podia escapar; mas vendoo outros 
de sua companhia, fizerao que nao arremessase o zarguncho, porque, 
como estavao em terra alhea, temiao que, avendo mortes, se ajun- 
tasse contra elles muita gente, e nao pudessem escapar; s6 se de- 
fendiao com tal esforgo, que os inimigos, entendendo que nao pudiao 
roubar o fato senao muito a sua custa, vierao com elles as boas, 
e fizerao pazes. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XVIII. 

Das contradi^des e trabalhos que o padre Antonio Per- 
nandez e o embaixador Pecur Egzy padecer&o em 
Cambat. 



Passado este encontro chegarao o padre, embaixador e todos x. Manqu&r homo 

« *• % TT t 1 vaferrimus, exactor 

os de sua compannia ao lugar em que morava Hamelmal gover- mic tributorum im- 

nador que entao era do reino Cambate, do qual forSo bem rece- peratoris nomine, ic- 

^ ^ gatos 8U8pecto8 red- 

bidos no principio, vistas as cartaus do Emperador que Ihe levavao. dit HamelmAl, qui 

Porem hum criado do mesmo Emperador, que aly se achou nesta ^^^thn intcrroga- 

conjuncao, e viera arrecadar algum tributo que Hamelmal custu- " «* *d impcratorem 

,° . ^ , littera8 dari iubct. 

mava pagar, ou que dos grandes da corte, mimigos dos padres e intcrim ultcrius pro- 

da fee de Roma, fosse avisado, ou que o Demonio o induzio a g'^*^!* ^*** q"o"i«<l^« 

' ^ rc8pon8iim a Dam- 

encontrar e fazer todo o mal que podesse ao padre e embaixador, biA ip8c rccipiat. 

com todas suas forgas procurou quanto pode persuadir a Hamelmal 

que impidisse esta jomada, e de nenhuma maneira deixasse passar 

adiante aquelle Portugues, e os de sua companhia ; porque nao hiao 

a outra cousa se nao a trazer gente d'armas portugueza, que se apo- 

derasse do imperio de Ethiopia, e os obrigasse a mudar a ffee, tro- 

cando pola de Roma a de seus pays e avoos; nem se contentou 

com persuadir isto a Hamelmal, mas trabalhou por persuadir o 

mesmo a toda a gente daquella terra e das comarcas visihas, Gallas, 

mouros, e christaos, pondolhes grandes medos, trazendolhes a me- 

moria como no tempo que o niouro Granh tinha ja conquistada coasi 



Digitized by 



Googl( 



268 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

toda a Ethiopia, bastarao poucos portugueses pera a livrar de suas 

maos, porque erao muy valentes e pelejavao com espingardas e bom- 

bardadas, que a todos punhao espanto, e matavao de muito longe. 

a. Cum Mrcinis Movido Hamelmal das rezOes do Manquer, mandou primeiro 

quivisset ^mqiSri ^xa*minar bem ao padre, embaixador e a sua gente, pera ver se f.267, 

Mahumedanos flni- achava algum caminho ou rasto de mintira ou ficao no que diziao ; 

timos ad eos dc mc- ^ ^ 

dio tollendos inciut, mas achandoos todos conformes, e nao tendo por onde pegar, os 

resmeniles^riMwmo^ deixara sem duvida passar, se nao forao os requerimentos de Man- 

vet eosque a ftnibas quer tantos e tam vehementes, que o obrigarao mandar saber do 

exturbandos saugit. _ , ^ ,, , 

Nuncii cum litteris Emperador se era sua vontade que aquelles homens passassem, ou 

ad impciatorem mis- ^^^^ Determinado nisto, mandou elle hum homem, Manquer outro, 

81 post trcs mcnscs * 

rc infccu rcdeunt : e o padre hum Portugues dos que o acompanhavao, pera que in- 

mittuntur. formsisse ao Emperador de todos os sucessos de sua jomada. Elles 

partidos, pretendeo Manquer confiscar e aver as maos o fato todo 

do padre e embaixador, mas nao pode; porque elles o depositarao 

na mao de Hamelmal. O trabalho foi que, passados tres mezes, 

coando cada dia se esperava a resposta do Emperador, voltarao os 

tres que a corte forao inviados, dizendo que nao tinhao passado de 

hum lugar que distava daly s6 tres dias de caminho, por aly os 

prenderem e reterem todo aquelle tempo. Foi necessario mandar 

outros de novo, e ter paciencia esperando devagar pela reposta, jun- 

tamente sofrer as semrezCss e assintes de Manquer e seus criados, os 

quaes nada mais desejavao nem procuravao que baralharse com osdo 

embaixador pera terem occasiao de os aveixar. Chegou o negocio hum 

dia a termos que hum criado do embaixador, vendose injuriado e pro- 

vocado de outro de Manquer, despois de Ihe fazer muitos requeri- 

mentos que o deixasse, vendose nao s6 injuriado, mas firido e 

magoado, virou sobre elle, e Iha revidou com tal vontade que o 

estirou morto. Pediose juiz sobre o caso a Hamelmal, deo senten^a 

que morresse o matador, appelou o embaixador pera a corte, alle- 

gando que, por ser embaixador, s6 o Emperador podia dar contra 

elle e seus criados a ultima senten^a; foi recebida a appellagao, 

posto que Manquer o sentio muito: mas mais sentio quando daly 

a poucos dias o matador, quebrando a cadea, se acolheo da prizao 

deixandoo raivando. 

3. Impcrator nun- Neste comenos chegarao a corte do Emperador os que levavao 

cium remittit cum jjttii jj i_'ja 

litteris ad Hamcl- ^ recado de Hamelmal, e as novas do padre e embaixador. As quaes 

mAl, quibus ipsi le- ouvidas, mostrou extraordinario sentimento, e sem duvida mandara 

gatos commendat 

cisquc commeatum logo castigar asperamente a Manquer e Hamelmal, se nao estivera 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XVIIL 269 

tam longe de Cambat, e no meyo tantas terras de Gallas, que obe- ct ductores ad oram 
degerlhe Hamelmal, e terlhe ainda algum reconhecimento, era mais re*hibcu*Mwiquftr fn 
por ser bem inclinado e vassallo antiffo, que por no imperio aver forca vmculis coniicitur. 

^ 6 » n f i' ^ Ad Alic6 Mahumc- 

pera Iha fazer, quando elle quisese rebellar ; e assy ja oje Cambate danorum duccm lit- 
nao paga tributo algum, nem o Emperador poem naquelle reino lYrator^s ^'nomi™^ 
Governador de sua mao ; todo he de varios senhores Gallas e mouros, mittamtar. 
que o possuem e governao. Fez pcr entao o Emperador o que podia ; 
mandou hum correo por nome Baharo homem conhecido naquellas 
partes, e com elle cartas a Hamelmal mandava que de suas rendas 
desse ao padre e ao embaixador Fecur Egzy tudo o de que elles 
tivessem necessidade pera continuar sua viagem, encomendandolhe 
muito que com suas cartas e valia os ajudcisse, e favorecesse quanto 
pudesse pera com os Reys e senhores visinhos, pera que todos Ihes 
f- 2(>^' dessem livre e franca passagem por suas *terras, e pera isso mandou 
a Hamelmal ricas cabayas, e o mesmo a hum mouro, que aly perto 
governava huma terra que se chama Alaba, e elle se chamava Alico, 
porque era o primeiro por cuja terra o padre e o embaixador aviao 
de passar saindo do senhorio de Hamelmal. 

Com estes despachos tam favoraveis aos intentos do padre e 
embaixador chegou o correo Baharo a Cambate em junho de 161 4. 
Hamelmal, inteirado de ser aquella a vontade do Emperador, nao 
reparou mais no negocio, antes deo logo tudo o que se Ihe pedio 
e pareceo necessario pera a jornada, e entre outras cousas, deo ao 
cmbaixador sete cavallos, por entender que seriao elles o melhor 
presente que se podia offerecer aos regulos e senhores de terras, 
por que aviao de passar. Com isto detriminarao o padre e embai- 
xador continuar seu caminho, nao cansados, nem emfastiados dos 
trabalhos passados e das detencjas tam largas ; pois tinhao ate aly 
gastado mais de 14 mezes ; nao faltarao porem alguns criados do 
embaixador, que deste lugar arripiarao a carreira arreceando ao diante 
mayores trabalhos e perigos, vendo os mesmos que ate aly tinhao 
passado, indo coasi sempre por terras sojeitas ao Emperador, as quaes 
ja se acabavao, e avia daly adiante de ser o caminho por terras mais 
estranhas e de gente que nenhum reconhecimento, nem conheci- 
mento delle tinha nem tivera nunca. 



Digitized by 



Googl( 



nere in Dambi4 re< 
deiindi 



272 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

*logo evidentemente o que elle tanto affirmava s6 por sospeitas, que f.268,v. 
com esta ida e embaixada se pretendia a vinda a Ethiopia de Por- 
tugfueses, o que sabido do mouro, nao Ihes avia de perdoar as vidas : 
cousa que Manquer muito Ihe aconselhava, e elle com tudo se nao 
resolvia nisso, por alg^m respeito e medo que tinha do Emperador. 
Emfim Deus quiz que, aquella primeira vez que buscarao e apal- 
pstrao ao padre, as nao achassem ; e elle na primeira occasiao que 
teve, vendose s6, pedio hum pequeno de fogo, fingindo que o queria 
pera tomar tabaco, cousa que o padre em sua vida nao fez, mas 
nos mouros de Ethiopia he tam ordinaria, que todo o dia o estao 
chupandos ; naquellas brazas, lancjou as cartas, e as fez em pao, e 
em cinza, pera que ellas Ihe nao fossem occasiao de semelhante sorte. 
a. At, pluribus de- Dez dias Ihes durou a prizao, nos quaes se fizerao sobre sua 

pri^ribus' Alic^S- ^*^^ ^ morte varios conselhos ; o voto de Manquer sempre foi que 
cultatem tandem fa- morressem, e apertava fortemente com Alico que nao nos deixas- 

citpatri Femandezet ..... - 

FecAr Egz! alio iti- sem com vida ; porem muitos dos pnncipais mouros da terra pn- 
meiramente persuadirao a Alico que soltasse ao correo Baharo, di- 
zendolhe que era grande semrezao e barbaria tratar mal a hum criado 
do Emperador, que delle Ihe trouxera carta e cabayas, sem ter 
cometido crime algum : solto Baharo, e ajuntandose com hum homem 
grande criado de Hamelmal que aly se achou, trabalharao por per- 
suadir a Alico que ao menos, quando os nao quisesse deixar passar 
e ir por diante seu caminho, os tomasse a mandar pera Dambea 
donde vierao ; pareceo isto bem a muitos dos mouros principaes, 
e sendo todos do mesmo parecer, alcan<;arao de Alico que assy o 
fisesse ; mas nao quiz que voltassem pelas terras de Hamelmal, te- 
mendo que ou os deixasse ir por diante por algfum outro caminho, 
ou sintydo do mal que Ihe fizera, virasse contra elle e Ihe fizesse 
guerra. 

Esta resolu^ao descontentou muito a Manquer ; mas, vendo que 
nao podia effeituar seus danados intentos e fartar com o sangue 
do padre e embaixador o odio que Ihes tinha, sayo com hum ardil 
e inven^ao diabolica pera Ihes queimar o sangue ; foise a Alico, dis- 
selhe que entre os criados e companheiros do padre estavao tres 
Portugueses, que os retivesse consigo, pera que Ihe podiao sirvir 
muito nas guerras que tinha com alguns visinhos, e despois levan- 
doos ao Emperador esperava alcan^aria perdao de todos os malles 
que tinha feito ao padre e ao embaixador. Estimou muito Alico 
o alvitre, deo li^enga, antes obrigou a ambos, que com a mais gente 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XIX. 273 

de sua companhia se tornassem pera donde vierSo, posto que nao 

quiz que tomassem pelo mesmo caminho, por surecear, que, ajun- 

tandose com Hamelmal, Ihe fisesse elle algum dano em suas terras 

f. 269. e gente, em vingan^a destes aggravos *que fisera aos embaixa- 

dores do Emperador seu senhor ; e aos tres Portugueses reteve 

consigo. 

Sintio isto o padre como se Ihe arrancarSlo o cora^So ; mas vendo 3. Legati cum 

que nao podia al fazer, despedindose delles com lagrimas sem medida, tis^Ucr^mis^^tribus 

se p6s ao caminho ; e trouxeos Deus a salvamento milacfrosamente, vadibus valedicto, 

^ inermeB itinen peri- 

como logo apontarey, gastando daly ate Zarmat, terra e serra forte culis pleno se com- 

da Xaoa dez dias de caminho, afora alguns outros que descan^arao ; dilSno^numine a " 

sempre pelas terras dos Gallas, e pelo meo delles, sendo tam poucos, tronummanibusplu- 

ries erepti incolumes 
e \indo sem armas algumas. De Zarmat passsu-ao logo huma jornada a quodam Gallanim 

adiante e aly em huma Amba povoada de christaos sogeitos ao Empe- ^^^ fi^^^^dd**^^^ 

rador, Ihe mandarao cartas, fazendo asaber a Sua Altezza e a Ras tur. £zacta hieme in 

Sella Christos seu irmao de todos os sucessos de sua jomada, offe- ubi^^primunT^i^to- 

recendose juntamente pera por outro caminho a intentarem outra vez, P^^atore permuitis 

gratulationis signifi- 
e procurarem levar ao cabo ; mas pareceo que tinhao feito assaz, e cationibus accipiun- 

alem de estarem muito cansados, nao se offerecia caminho menos ^^' 

perigoso que os passados, pelo que Ihes veo ordem pera se vrem pera 

a corte : e sendo ja no fim do inverno, dous mezes despois de che- 

garem aquelle lugsu", se puzerao ao caminho pera Gojam : em treze 

dias chegarao a passar o Nilo junto a NebessS, em mais sinco ou 

seis a Collela, aonde entao comegara huma residencia o padre Fran- 

^isco Antonio de Angeles, como ao diante se dira, e daly se forao 

a Cerca arrayal de Ras Cella Christos, e despois ao do Emperador, 

dos quaes senhores forao bem recebidos, aguardecendolhes os tra- 

balhos que por servigo de Deus e seu tinhao padecido. Mas, porque 

nao he resao que passemos tanto por alto os perigos de que Deus 

livrou ao padre Antonio Femandez neste caminho, tocarey alguns 

brevemente. 

No mesmo dia que o padre partio de Alaba, se ajuntarao huns 

mouros pera Ihe irem sair ao caminho, e matandoo com seus com- 

panheiros, gozarem dos pobres despojos ; quiz Deus que sobreveo 

huma chuva teza e grossa, a qual os deteve parecendolhes que tam- 

bem o padre e seus companheiros nao caminhariao por meo de tal 

tormenta. Porem elles todos parece inspirados por Deus, posto que 

ignoravao o conselho dos salteadores, vendo que, se se detinhao, nao 

podiao chegar a dormir em povoado, se detriminarao romper antes 

C. Bkccari. Rer, AeiM. Seripi. occ, ined, — VI. 35 



Digitized by 



Googl( 



r^ 



DigitizedbyCjOOQlC /^ 



CAPITULO XIX. 

padre e o embaixador forao prezos em Alsbk 
mouro Alicd, e daly for^ados a voltar pera 
t vierao. 



)s de Hamelmal, em dia e meo chegarao o padre e o x.Perveniuntpro- 

r a Alaba terra e morada do mouro A]ic6. Tinha primeiro ^^^ primo^quidem 

a Manquer, e semeada a zizaria que custumava, polo que ^^ ^^^^^ ®*^^^ ^°" 

i^ ^ neste hospitio exci- 

iro se mostrou carregado e pouco affeigoado ; e posto piuntur, mox, super- 

3 a carta do Emperador, e cabayas que o correo Bahar6 quf rclrcere*"auf J' 

itou de sua parte, e a essa conta contemporisou hum pouco, gerat, omni com- 

meatu, auro, equis 
► guia pera o caminho, e mandando dar duas Feridas ; per vim expoliantur 

wui tu^w /oi dilatando dous dias, e ao 3** chegou aly Manquer fu- ^* vincuiis addicun- 

^ ^ J ^ tur morte plectendl. 

gido de Hamelmal, que o tinha em guarda, e prometera nao aver 

de o largar, pelo menos ate saber que o padre era passado de Alaba. 

O efeito da vinda e conselhos deste satanas foi prender logo 

Alic6 ao correo Bahar6, e ap6s elle ao padre e embaixador, cada- 

^ hum em differentes casas, confiscarlhe o fato todo que trasiao, as 

^ mulas em que vinhao, os cavallos que Ihes dera Hamelmal, e o ouro 

que tinhao pera os gastos de tam larga jomada. Foi ventura e merce 

de Deus grande nao achar as cartas que o padre levava do Empe- 

rador, escapando todas atadas(i) no bucho do bre^o ; porque, se as 

achara, como erao escritas em Amahara, lendoas Manquer provava 

(i) « Atadas » adiect. ab A, in marg. 
i 

l 



1 



jr Digitized byCjOOQl( 



274 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

pela chuva, que dormir no campo, ordenandoo assy Deus pera esca- 
parem, como escaparSlo das mSos dos salteadores. 

Na povoa^ao a que chegarSo tambem entenderSo logo que nSo 
dormiriao sem perigo de trei^ao. Porem acudiolhes Deus por este 
modo : permitio que encontrassem aly hum Galla, ao qual perguntou 
o correo do Emperador Bahar6 se conhecia a outro Galla homem 
g^ande e muito seu amigo, chamado Amuma. Respondeo o Gala 
que era seu criado, e que seu senhor estava aly muito perto : pro- 
meteraolhe bom premio, se o fosse chamar muito a pressa, e que a 
Amiuna, se viesse, dariao hum cavallo. Foi o Galla voando ; Amuma 
veo na mesma hora e com sua vinda se acabarao os arreceos e 
todo o perigo, porque, como era homem grande e poderoso, e to- 
mou a sua conta e debaixo de sua protei^ao ao padre *e em- £.269,^. 
baixador e a todos os seus, nao ouzarao os mouros da terra armar 
contra elle. 

Este Gala os levou daJy duas jomadas ate o lugar em que 
pouzava, aonde os recreou com muito leite e vaca, e despois os 
levou mais tres jornadas adiante, aonde foi necessario descansarem 
oito dias, os quaes acabados, e querendosse p6r ao caminho, ainda 
passarao outros trances assaz arriscados : o primeiro de huns Gallas 
inimigos de outro por nome Augedem, os quaes, tendo por novas 
que este, e nao Amuma, os levava em sua guarda, os vinhao buscar 
pera os matar ; mas desenganados disistirao de seu intento ; o 2^ de 
huma multidao grande de vacas que, dandolhes a mosca nos campos 
por onde passavao, estiverao muito perto de os atropelarem e ma- 
tarem a todos ; o terceiro de muitos Gallas que em huns largos 
campos estavao assentados e fazendo certas festas k seus pagodes, 
os quaes apertavao muito com Amuma pera que Ihes largasse aquelles 
christaos e Ihos entregasse pera os oflFerecerem em sacrificio. 

De tudo os livrou Deus e levou a salvamento, e despois salvou 
tambem aos tres Portugueses que ficarao nas maos de Alic6, esca- 
pando e fugindo delle pera Hamehnal, ao qual ajudarao bem em 
alguns assaltos contra os Gallas. O Emperador e Ras Cela Chri- 
stos fizerao grandes diligencias pera os tirar do cativeiro escre- 
vendo ao mouro Alic6 e a Hamelmal com grandes encarecimentos 
que Ihos mand^issem. Porem hum delles neste entremeo, que foi mais 
de hum anno, que la se detiverao, morreo de doenga, os dous vierao 
a salvamento e o Emperador e Ras Ihes fiserao muitas merces pollos 
bons servi<;os que Ihes tinhao feito naquella jomada. 



Digitized by 



Googl( 



y 



LIVRO VII, CAPITULO XIX. 275 



Desejara algfuem saber que foi de Manquer, author e causa de 4. Manquftr in Ae- 
tantos males. Respondo que nSo se esqueceo a divina justi^a de suis^riminibusoon- 

ainda nesta vida o casticfar, como elle merecia; tinhaellena corte ▼ictu8,mortedamna- 

^ turat, deprecante 

tantas valias que sobre tudo o que fez nao duvidou virse a ella, p. Femandcz, poena 

negando tudo o que fisera; mas Ras Cella Christos o fez prender, ^tur.%nde*apuTGa- 

e provandose facilmente o que elle com tanto desavergonhamento lastransfuga in 

quadam ezpeditione 
negava, foi condenado a morte por todos os dezembargadores; con- misere vita privatur. 

firmada a senten^a pelo Emperador, estava pera se dar a execu^ao ; 

quiz Deus pera excercio da ma[n]sidao e paciencia do padre Antonio 

Femandez e pera nosso exemplo, que o padre se achou a este tempo 

no arrayal ; foi ao Emperador, pediolhe a vida deste seu inimigo, 

e pedioa tam deveras e tanto de cora^ao que o Emperador nao 

pode deixar de Iha conceder. Com tudo nao pode fugir a divina 

justiga, posto que escapou aquy da sentenga da morte, e mandadoo 

a huma serra desterrado fugio das maos dos que o levavao prezo, 

foise meter entre os Gallas, e trouxe daly a menos de tres mezes a 

muitas companhias delles pera darem nas terras do Emperador. 

Porem, acudindo e pondose em armas a gente da terra, fugirao os 

f. 270. *Gallas e com elles este seu guia ; mas, caindo nesta fogida, quebrou 

huma pema de sorte que nao pode passar avante, e ali ficou esti- 

rado, ate morrer daly a tres dias, posto que alguns dizem que, vendoo 

os Gallas com a pema quebrada, o acabarao logo de matar, pera 

que nao penasse tanto tempo, ou pera milhor dizer pera que se nao 

dilatassem mais as penas de fogo eterno que aquella alma infemal 

avia tanto merecia. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by CjOOQ lC 



CAPITULO XX. 

Das disputas, porfias e contradi^Oes grandes 

que houve na corte do Emperador 

sobre as materias da f6e. 



No principio de fevereiro de 1613 sayo o padre Antonio Fer- 1. Cum doctrina 
nandez de Dambea da residencia de Gorgorra, perto da coal entSo ij^^^^ pnmores favo- 

estava o arrayal e corte do Emperador; gastou na jornada ath6 ^® prosequeretur et 

•^ MT o j patres doctiores hae- 

voltar ao mesmo posto hum anno e sete mezes; este tempo foi o reticorum ad «ilen- 

em que as disputas sobre as materias da fee forSo tantas que che- ^^t^^ legetau oro^ 

garao os hereges, vendose apertados e convencidos, a maquinar por hibuit ne quis in po- 

sterum auderet do- 
vezes a morte de Cella Christos, e do mesmo Emperador, e sairao cere unam ease in 

daly a pouco com suas tra^as, pondose em campo e dandolhe crueis ^^''•^ naturam. 

batalhas, como ao diante veremos. 

Tinha o Emperador conhecido a verdade da santa fee que pro- 

fessa a igreia romana; desejava de a ir metendo nos cora^Oes de 

todos, tinha ia por sy a muitos dos mais vistos em seus livros, a 

saber Habitacum Bella Christos seu primo, Habitacum Za, Danguil 

muito parente e chegado a casa real, Abba Marca seu mestre, 

Azage Tino seu secretario e coronista, e outros seculares e frades 

bem intencionados e entendidos, entre os quaes era JoSo Gabriel 

capit2io dos Portugfueses, homemdemuita authoridade, prudencia e 

visto nos livros da terra, porque se criara em Debra Liban&s entre 



Digitized by 



Googl( 



278 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

os frades mais entendidos do seu tempo. Em Gojao tambem ja Cella 
Christos viso Rey daquelle reino tinha alcan^ada e conhecida bem 
a verdade, e logo o siguirSo os melhores de seus capitcies e muitos 
frades letrados e muito authorisados naquelle reino. 

Vendo os catholicos que tinhao por si senhores tam grandes 
come^arao descubertamente a se professar por tais, e a condenar 
nas praticas os erros de Euthyches e Dioscoro, afirmando que em 
Christo Senhor nosso avia duas naturezas, divina e humana, unidas, 
e suppositadas na pessoa do Verbo Etemo ; nSo levavSo isto em pa- 
c[ienc]ia muitos aferrados aos erros de seus pays, e avo6s ; come^arao 
a fazer bandos e amea^ar com alevantamentos, provocarao os ca- 
tho*licos aos hereges a disputas publicas diante do Emperador ; acei- f.27o,T. 
taraonas elles no principio tendo pera sy que facilmente conven- 
ceriao aos catholicos e sairiao com a vitoria; veo nisto de boa 
vontade o Emperador; assinouse o dia, ajuntaraose nelle os prin- 
cipais letrados de huma e outra parte, e acharaose aly a caso o 
padre Pero Paez e o padre Luis d'Azevedo ; fezlhes o Emperador 
hum breve arresoado, mas muito prudente, dizendo que entendia 
que avia entre elles differenga sobre materias muito graves e to- 
cantes a fee, a qual nao podia ser senao huma s6, e ouvia que 
muitos affirmavao aver em Christo Senhor nosso duas naturezas, di- 
vina e humana; outros que nao avia senao huma s6; que folgava 
se disputasse este ponto e se vissem os livros e pezassem as re- 
zOes pera que assentasem todos em huma s6 cousa, e nao ouvesse 
schismas nem desuniOes. A todos pareceo que assy era bem: co- 
megaraose as disputas e logo os catholicos mostrarao com muitos 
lugares do evangelho e muitas authoridades dos Santos Padres, 
tiradas de seu Aimanot Abbau (que he hum livro a que dao muito 
credito, porque he como Bibliotheca Patrumy em que se achao va- 
rios fragmentos de sermOes e humilias dos santos gregos mais an- 
tigos, como de s. Athanasio, s. Bazilio, s. Joao Chrysostomo, s. Cy- 
rilo), a verdade de duas naturezas tam clara, que assombrarao os 
hereges vendose convencidos, mas nao se renderao tam de pressa : 
ajuntaraose mais dous dias, ate que, vendo que nao tinhao ja que 
responder, confessarao esta verdade com a boca, ficando porem seus 
cora<;Oes muito longe della; s6 hum frade pertinaz bradou sempre 
professando seus erros, o qual o Emperador mandou entregar a al- 
guns catholicos pera que devagar o instruissem, e com isto mandou 
lan<;ar pregao, que daly por diante ninguem disesse que em Christo 



Digitized by 



Googl( 



/ 



LIVRO VII, CAPITULO XX. 279 



Senhor nosso avia huma s6 natureza, senSlo que todos cressem e dis- 
sessem que Christo Senhor nosso tinha duas naturezas, humana e 
divina distintas, mas unidas em huma s6 pessoa divina ; e esta foi 
a primeira vez que no imperio abexim, depois de tantas centenas 
de annos, se apregoou e professou publicamente esta verdade ca- 
tholica. 

Daly a poucos dias trouxerSo a sala do Emperador aquelle frade a. Monachus, qui 
pertinas que elle mandara depositar e ensinar; estava comoEm- Abb4 Mar^ duas in 
perador seu roestre Abba Mstrca, olhou pera o frade e disselhe: Christo naturas pro- 

^ ^ fitentem contumelia 

Entendestes ja a verdade como em Christo Senhor nosso estao duas affecerat, fustibus 

naturezas distintas e perfeitas? Perturbouse o frade e posto que pa- ^ *^^' 

rece que queria dizer que sy, emfiouse porem todo e come^ou a 

jnjuriar com palavras pezadas a Abba Marca; o qual se virou pera 

o Emperador e queixou do atrevimento do frade, pedindolhe man- 

dasse faser justi^a. DerSlose juizes, dos quaes hum julgou que o 

caso era de morte, por o descomedimento do reo ser diante do Em- 

perador; os mais juizes julgarSo que bastava ser a<;oitado, perdoan- 

dolhe a morte, por ser ingnorante; aprovou o Emperador a senten<;a 

dos mais, e logo no terreiro do pa^o foi o frade agoitado tezamente, 

6 socedeo que, como a gente do arrayal nSo averigua bem as cousas, 

os mais delles cuidarSo que o frade fora a<;oitado por negar em 

f- 27X. Christo Senhor nosso duas naturezas, indo *contra o pregao que se 

tinha lan^ado, e ficarao todos com isto amedrontados, e arreceosos 

de emcorrer na ira do Emperador, se nSo confessassem em Christo 

Senhor nosso duas naturezas. 

Estava neste tempo o seu Abuna Simao auzente do arrayal: 3- Abuna Simon 

. „ j , j j. 1 acriter Imperatorem 

escreveraolhe os do seu bando o que passava; acudio logo, e quei- reprehendit: dispu- 

xouse muito ao Emperador por em sua auziencia detriminar pontos ^^0»«« «^ JI*^" 
'^ ^ ^ bu8 iterantur. Abuna 

tocantes a religiao e f6e que professavao. Respondeo o Empe- dat victas manus: 

ji n ^ j> • 1. • novum de duabus in 

rador que o fizera por todos convirem em huma cousa e nao aver ^^^3^0 namris de- 

schismas, mas que, se Ihe parecia necessario, mandaria que de novo cretum editur. 

em sua presen^a se tratasse e ventilasse o ponto, pera que a ver- 

dade se tirasse 4 limpo ; disse o Abuna que assy convinha : assinouse 

o dia; ajuntaraose os letrados de huma e outra parte, porpuzerao 

os catholicos authoridades e rez6es tam claras e evidentes que 

o Abuna ficou mudo, e vendo que nao tinha que responder, ale- 

vantandose muito agastado, disse somente, que escomungava a todos 

os que dissessem aver em Christo Senhor nosso duas naturezas. Re- 

plicou Habitaciun Bella Christos dizendo que nao se agastasse, que 



Digitized by 



Googl( 



J 



280 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSL\ 

as cousas de fee nao se detriminavao com escomunhOes e agasta- 

mentos, senao ouvindo e dando boas rez^s; mandoule o Empe- 

rador que se assentase e ouvisse e respondesse ao que se propunha ; 

continuaraose as disputas, e ficou o Abuna tam convencido que 

confessou que assy era, nem se podia negar que tinha Christo Se- 

nhor nosso duas naturezas. Mandou logo o Emperador langar o 

2® pregao, que dizia que de novo se virao os livros e assentarao os 

letrados todos, que avia em Christo Senhor nosso duas naturezas, 

poloque mandava, que daly por diante, sob pena de morte, ninguem 

dissece o contrario. 

4. Abuna favore Raivava o infemo todo com estas vitorias da santa fee; o 

fniSxiw^^cra^rSer- Abuna e os de sua pstrcealidade, que s6 por nao terem que responder 

dicit iis qui Roma- derao as maos e confessarao com a boca o que sempre negarao no 

nam fidem amplecti 

et Lusitanorum ec- cora<jao, nao tiverao por entao que dizer, mas forao recozendo seu 

aliuri Iftierint^^ATlm^ ^^^^' aconselhandose com os de sua facgao, que erao muitos e muito 

perator utrumque poderosos. Entre outros era principal fautor e protector da heregia, 

decemit. R^s Emana Christos, irmao mais velho do Emperador (i). Com as co- 

stas nestes senhores, e nos mais dos frades, e no povo todo, que 

naquelle tempo tinha por sy, se atreveo o Abuna, poucos dias despois 

de ser convencido nas disputas publicas, a lan^ar huma escomunhao 

contra todos aquelles que recebessem a fee dos Portugueses (que 

assy chamao elles la a verdadeira fee da Igreja romana), e aos 

que entrassem em suas igrejas, ou falassem com elles sobre ma- 

terias da fee. Socedeo que publicando elle a escomunhao a porta 

de huma das igrejas do arrayal diante de muita gente, ilisse que 

pelo poder que tinha de sam Pedro e sam Paulo punha a tal esco- 

munhao ; acharaose aly aJguns catholicos, hum destes virandose pera 

hum Portugues, que aly estava, zombando da escomunhao do Abuna, 

Ihe disse: Portugues, dizey a este nosso Abuna que lance a esco- 

munao pelo poder de Dioscoro que trouxe de Alexandria, e nao 

pelo de s. Pedro e s. Paulo que estao em Roma. 

*Souberao logo os padres do que passava, forao ao pa<;o e con- f.27»i^- 

tarao ao Emperador o que fizera o Abuna ; ficou elle muito sentido 

e agastado, e mandou logo recado aos desembargadores do pa^o, 

aos quaes pertence fazer lan^ar os preg6es imperiaes, que logo 

fisessem langar pregao da sua parte, que todos os que quisessem 

receber a fee dos Portugueses o pudessem fazer livre e dezem- 

(i) Hic deleta leguntur sequentia: « irraao digo mas n5o inteiro, porque o Empera- 
dor nSo teve nenhum irmSo da parte do pay, posto que teve quatro da parte da roay ». 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XX. 28 1 

bargadamente, e assy se langou, posto que muito contra vontade 
dos mesmos desembargadores, que tambem erSo hereges, e da fac^Slo 
do Abuna, e assy propuzerSo primeiro ao Emperador o escrupulo 
que tinhSlo em ir contra a escomunhao do seu Abuna, mas elle Ihes 
tirou o escrupulo e os obrigou a faserem o que Ihes mandava, cum- 
prindose aqui a letra o dito do rey e cardeal do Emtrudo: Co- 
mungote Rey, frozote cardeal. 



C- Bbccaei. Rtr, Aetk. Script, occ, ined. — VI. j6 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XXI. 

Das contradi^Oes grandes que neste tempo se alevan- 
tar&o contra a santa f6e; principalmente das que 
houve no arrayal do Emperador estando em Achafer. 



Neste comenos por os Agaus de Gojam faltarem com os tri- i.Dum ScltanSa- 
butos ordinarios, e se terem atrevido muito contra algxms capitaes f^n AgAu» kTAci^' 

do Emperador, detriminou elle de Ihes dar hum tezo castigo, e posto f*^ detinctur, AbuM 

*^ ° ^ iterum Alcxandri- 

que ia o invemo come<;ava, sayo de sua corte com seu exercito e nam fldcm intentatia 

foi assentar seu arrayal dentro em huma comarca dos Agaus, que ^^rV^uo^^flT^ut 
se chama Achafer, e esta perto do Nilo, pouco autes que elle entre luiius prorcx ti- 

grcnsis patrcs ct LfU- 
na alagoa de Dambia; matou e cativou a muitos, e destruiolhe suas gitanos Fremonae 

lavouras ; mas, porque muitos delles se retirsu-ao pera algtins matos 

que tem muito bastos de arvoredos e bambuaes, a que chamao Se- 

cutes, e sao as suas fortalezas, pera mais devagar os ir destruindo 

com assaltos, quiz invemar no meo de Achafer. 

Neste tempo vendo o Abuna ao Emperador occupado na gtierra, 

a quiz elle faser a santa f6e com todas suas forgas; escreveo a 

muitos dos seus confidentes grandes queixumes contra o Emperador, 

contra os padres, e Portugueses, e exhortouos a se unirem e de- 

fenderem ate a morte os erros de Dioscoro a quem elles chamSo fee 

de seus pays e av6s; e animado por elles p6z hum dia na corte 

escomunhSio contra todos os que dissessem que em Christo Senhor 

nosso avia duas naturezas. Era Viso Rey de Tigre Elos ou Elios, 



acriter inscctctur. 



Digitized by 



Googl( 



284 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

que assy pronunciao elles a lulios, genro do Emperador, homem 

muito valente e soberbo e pouco entendido em cousas do livro e 

por isso muito ferrado aos erros em que se criara, e grande emulo 

de Cela Christos, o irmSo menor do Emperador, que era Viso Rey 

de Gojam ; este tanto que recebeo as cartas do Abima come^ou logo 

a perseguir aos padres e Portugueses e a todos os catholicos que 

estavao *em Fremona e em outros lugares daquelle reino, mandando f. 272. 

que a todos os Abexins que tinhSo recebida nossa santa fee se con- 

fiscassem seus bens, nao perdoando ainda ds propias molheres dos 

Portugueses, e cometeo a execu^ao deste seu mandado aos Tafazes, 

que he huma familia de gente visinha a Fremona inimiga figadal 

dos Portug^eses, os quaes com esta occasiao fartarao bem seu antigo 

odio, fazendo em todos notaveis extors6es, ate dispirem as molheres 

catholicas e as deixarem coasi nuas. 

a. Quae cum im- Soube o Emperador da escomunhao que o Abuna langara ; sintioo 

vehementer^dorn*: "^^ito; escreveolhe com palavras pezadas, estranhandolhe o caso 

patrem Pae« ad se como elle o merecia ; mas vendo que nao disistia do que comecara, 

accersitum consulit 

a quo in proposito antes hia amotinando o povo pera, a carga cerrada, defenderem seus 

ter et°primo«« "^- ^^^^^^; e sabendo que muitos dos grandes favore^iao ao Abuna, e 

gni rebeUionis metu ihe davao costas pera seu atrevimento, escreveolhe que logo se fosse 
eum a proposito di- . , ^ . , 

movere conantur. pera Achafer, porque em sua presencja queria que de novose ven- 
Abuna i^hilomnuis tijasse aquella duvida; e juntamente escreveo a todos os superiores 

tur, luiios ad bona dos principaes mosteiros de Dambea e Begameder, reinos mais vi- 
Lusitanis erepta re- . , * • ' u n • ^ j. 1. 

stituenda adigitur. sinhos, que viessem a se achar naquella junta; escreveo tambem 

ao padre Pero Paez, que estava em Gorgorra, que, tanto que as chuvas 

e lamas dessem lugar, fosse ter com elle a Achafer, porque tinha 

que Ihe comunicar negocios de muito pezo. O padre Pero Paez no 

mesmo tempo foi avisado de Tigre por hum proprio, que os padres 

Ihe mandarao, da persegtii^ao que la o Viso Rey alevantara, pelo 

que nao esperou mais : pelo meo de chuvas e lamas se j>os ao ca- 

minho e chegou a Achafer, posto que com trabalho excessivo, por 

ser a terra de Dambea preta e alagadi<;a, e aver em muitespartes 

grandes azinhagas que coasi se nao podem vadestr. Alegrouse muito 

o Emperador com a vinda do padre, contoulhe o que tinha escrito 

ao Abuna e seu descomedimento e pertinacia ; o padre tambem Ihe 

disse o que passava em Tigre e a persegui^ao que Elos alevan- 

tara contra os Portugueses e cathoiicos. Sintio isto muito o Empe- 

rador, e com os olhos arrasados em agua disse ao padre, que elle 

mandaria por remedio ks cousas de Tigre, mas que ja entendia que 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXI. 285 

se amotinavao todos contra elle, como o fizerao contra seu primo 
o emperador Za Dangnil, por favorecer a fee de Roma; que se 
fizesse a vontade de Deus, que em suas maos se punha todo, e que 
por medo de ninguem nao avia de deixar de favorecer e acudir pola 
verdade. O padre o consolou e animou muito, lembrandolhe as 
muitas merces que Deus Ihe tinha feitas; porque, despois que favo- 
recera a santa fee de Roma, Ihe derribara a seus pes treze, que em 
varias partes de seu imperio se tinhao alevantado contra elle ; que 
nao duvidasse, e pois tinha por sy a Deus e ao ceo todo, fizesse 
pouco caso das forcjas dos homens e do mesmo inferno. Mandou 
o Emperador ao Viso Rey de Tigre que restituisse aos Portugueses, 
e catholicos tudo o que Ihes tinha tomado s6 pena de encorrer em 
sua indigna^ao ; mas o menos se tornou, que os mandados dos £m- 
peradores de Ethiopia nao sao muito obedecidos em terras tam afa- 
t272.v. stadas da corte; e ainda em Europa o mal levado tarde, *mal e 
nunca se restitue perfeitamente. 

Nesta conjun^ao houve muitos que avisarao ao Emperador que 
atentasse bem o em que se metia, que nao favorecesse tanto aos 
Portugueses e sua fee, porque avia muita murmura^ao, e aviao de 
arrebentar cedo motins e elevantamentos. Aos quaes respondeo com 
grande coragao, dizendo: Que podem fazer? matarme? A morte nin- 
g^em pode escapar, tarde ou cedo ella ha de chegar; pois, se he 
necessario, morramos pola verdade, que nao pode ser a morte mais 
gloriosa; e virandose pera hum clerigo, que estava presente e en- 
tendia bem a verdade da fee de Roma, Ihe disse : Fulano, porque 
nao confessais livremente o que sabeis? tendes medo? Si, senhor, 
respondeo o clerigo, arreceo esta gente que he trabalhosa. Nao temais, 
Ihe tomou o Emperador, dizey o que entendeis, alguns se aprovei- 
tarao, e quem nao, sua sera a culpa, nao fique por vos. 

No mesmo tempo Ihe chegarao cartas de sua may, Ite Amelmal 
e de seu jrmao Ras Emana Christos, persuadindolhe com muitas 
rezOis que disistisse do come^ado, se nao que soubesse de certo que 
todos se aviao de alevantar contra elle, porque ja nao se fallava 
noutra cousa, e ate os frades, brandindo publicamente zargunchos 
e esgrimindo espadas, diziao que haviao de morrer pola fee de sens 
antepassados. Sintio o Emperador muito estas cartas, e animado por 
Deus, assentou em levar ao cabo o que come^ara ; mandou chamar 
a Cella Christos, seu jrmao que estava mais perto no reino de Gojam, 
o qual logo veo com os mais dos seus capitaes e muitos frades 



Digitized by 



Googl( 



286 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

muito graves daquelle reino, os quaes ja tinSo conhecida e pro- 
fessavao a verdade da santa fe^. Alegrouse muito o Emperador com 
elles, e todos se exhortavao a defender a verdade ate dar por ella 
a vida ; e ajuntandose com o padre Pero Paez aprenderao delle a 
solu^ao de algumas duvidas e arg^mentos bem fracos que os con- 
trarios traziao por sua parte. 

3. interea CeU Aqui soccedeo huma tentapao e prova que Deus Nosso Senhor 
bo^corripfmr: qiuld P^rmitio aos catholicos, e foi que adoeceo de repente Cella Christos 

cum divinme uldoni (je hum prioris tam tezo que o p6s as portas da morte. Triumphavao 
ab haereticis tribue- ^ n 1— r f 

retur, patres et c«- os hereges cuidando que tinham ia menos contra si a mais forte 

Sm^ implo^^nt et ^^^^^ V^^ ^^^^ ^^ Ethiopia, e atrebuindo este castigo a errada do- 
aeger brevi conva- trina (como elles a julgavao) que Cella Christos defendia ; elle tam- 
lescit. .... ... r -rx ,, 

bem smtia muito a morte nesta accasiao, e pedia a Deos Ihe esten- 

desse o prazo da vida, pera a empregar toda em defender a santa 
fee, e pera que os hereges nao fizessem de sua morte argumento 
contra a verdade que impugnavao. Fizerao os catholicos e o padre 
Pero Paez muitas e fervorosas oragOes a Deus por esta ten^ao, e 
foi o Senhor servido de as ouvir; viose logo notavel melhoria no 
doente, e dentro em poucos dias se achou com perfeita saude. Soube 
sua may, que era a mesma que do Emperador, este sucesso de Cella 
Christos, e escreveolhe que atentasse bem pelo que fazia, que ja 
que Deus Ihe dera vida, nao tornasse a provocar sua ira, fazendose 
protector da doutrina nova; que defendesse a fee de seus pays 
e avoos, e nao desobedecesse ao seu Abuna. Riose elle deste con- 
selho, e assentou consigo de defender a santa f6e de Roma cora 
a lan^a, com a lingua e com a penna, ate por ella *dar a vida. f. 273- 

4. Haeretici, in- Chegou neste comenos o Abuna ao arrayal, e com elle tantos 
ef^monhilium ^er^ frades e freireis, que erao mais que os soldados, protestando todos 

citu stipati, Impera- q^xq vinhao a morrer pola fee de seus pays, e que nao queriao re- 
torem adeunt abeo- '^ - 

que arroganter expe- z()3s, nem argumentos, senao que nao se innovase nada, que fosse 

dem de ^ChrituTin- ^^^^ como primeiro, ou como elles dizem Yetent, que val tanto como 

stauret. Concio indi- diser, o antigo, o que ate agora foi. Assinouse comtudo o dia pera a 

denternegatse sacra junta ou cortes, e foi o do archanjo sam Miguel 29 de septembro. Jun- 

mtertoi^ iis qui ^^g ^^ ^i^^ q^ ^.g^^ j^ campo em que o Emperador aly passara o in- 

turaa profiterentur. verno, a primeira cousa que elle fez, foi queixarse perante todos com 

palavras muito graves do Abuna, que estava presente, porque, tendo 

na junta de letrados que se fizera em Dambea confessado que em 

Christo nosso Senhor estavao duas naturesas, humana e divina, juntas 

em huma soo pessoa, e tendo posto excomunhao a quem dissesse o con- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXL 287 

trario, depois em sua auzencia, sem Iho faser primeiro a saber, e sem 
tratar o ponto com letrados, pozera excomunhao 4 quem esta doutrina 
tivesse, e confessasse, e obrigara a todos a dizerem o contrario, que em 
Christo Senhor nosso estava huma so naturesa, sendo com isto causa 
de morins e alvoro^o no povo. Respondeo o Abuna, que elle nunca 
tal dissera, nem pusera tal excomunao. Maravilhouse muito o Em- 
perador e disse que a sala estava chea de testimunhas que Iho ouvirao, 
que testemunhassem, os que estavao presentes. Respondeo o Abuna 
que todos erao seus inimigos, e nao podiao ser testemunhas contra 
elle ; p6z o Emperador a causa em juizes que julgassem se bastava 
dizelo o Abuna, sem mais prova, pera tantas pessoas nobres, e le- 
trados averem de ser dados por sospeitos, e com ser contra o Em- 
perador em sua presen^a, e em caso em que se via claramente a 
pouca resao que o Abuna tinha por sy ; comtudo isto julgarao os 
eleltos que, pois o Abuna, que de todos era pay espiritual, assy o 
affirmava, que deviao ser todos avidos por sospeitos. Calouse o Em- 
perador ; mas bem se vio a muita rezao que por si tinha, e a pouca 
que tinha o Abuna, e nao ficou com isto pouco desacreditado. 

Pera mais justificar a rezao do Emperador e picar tacitamente 
ao Abuna, alevantouse Cella Christ6s, e pedio ao Emperador iuiz 
contra hum certo letrado secular grande fallador e farvalhador [sic], 
porque, tendo confessado em duas juntas que era Christo Senhor nosso 
estavao duas naturezas, se tinha mudado, e contra o que tinha dito 
e confessado e contra o pregao do Emperador dizia agora e defendia 
o contrario. Deraose juizes : negou o reo que nunca tal dissera, mas 
sendo logo convencido com muitas testemunhas, foi condenado e 
mandado pelo Emperador pera fora prezo. Porem queixandosse os 
hereges que Ihe tiravao hum dos letrados principais, em que elles 
muito estribavao, pera que nao tivessem que dizer nem cuidassem 
que por medo de sua loquencia (que a eloquencia era muito pouca), 
Ihe armarao os catholicos pera que se nao achasse nas disputas, 
avendoo elles por bem, o tomou o Emperador a admitir ; mas como 
nestes dares e tomares se gastou muito tempo, nao no houve entao 
pera se chegar ao ponto do que se avia de tratar, e ficarao as di- 
sputas pera o dia seguinte. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



U73,v. CAPITULO XXII. 

Proseguemse as disputas ou porfias sobre as duas na- 
turezas de Christo Nosso Senhor, em Achafer ; e de- 
clarase a pertinacia dos hereges. 



Ja se via claramente que nao avia no Abuna e seus sequazes i.Scqucntidicln- 
desejo algum de acertar, senSo de fixar em seus erros a carga ser- ^I^ doctii^Mue 

rada. Era dia do glorioso sao leronymo doutor da Igreia, ajunta- mcmacW a patribos 

itcrum ad incitra re- 
remse todos, como o dia dantes; logo os catholicos propuzerSo a dacti ct veritatem 

questao e fundarao a verdade das duas naturezas de Christo Senhor mwS>u8^eT tomiUtu 

nosso em tantas e tam claras rezOes e authoridades do evangelho, aulam implent, Im- 
, ^ - j . ^ , , pcratorcm iniuriis 

de sam Paulo e de muitos santos, que os hereges, vendo que nao afficiunt ct rcbeUio- 

tinhao que responder, se fecharao a banda dizendo somente, que seu ^**™ minitantur. 

mestre Dioscoro Ihes insinara que em Christo avia huma s6 natu- 

resa, que nisto queriao estar, como avia tantos annos estiverao seus 

pays e av6os, que nao Ihe viessem com nova fee. Disselhes Cella 

Christds : Logo nao quereis rezao, senao for^a ; nao ha de ser assy : 

aveis de ouvir e responder. Nao podemos (disserao elles) ouvir as 

cousas de Leao, porque nosso mestre Dioscoro nos poz excomunhao 

pera que as nao ouvissemos. Respondeo Cella Christ6s: Que apro- 

veita essa excomunhao contra o que nos insina o evangelho [?] Vos, 

e nos todos temos escomunhao de sam Paulo, pera que nao admi- 

tamos cousa alguma contra a que elle nos insinou, ainda que hum 

anjo do ceo no Iha venha pregar e insinar. Julguem agora por coal 

C. BeccARi. Rer. Atth. Script, occ, ined. — VI. yj 



Digitized by 



Googl( 



2go HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

excomunhao emos de estar, se pola de Dioscoro, se pola de sam Paulo. 

DisserSo os juizes, que pola de sam Paulo; que se averigoasse o 

que sam Paulo insinava, e por isso se estivesse. Aqui acudirao os 

hereges ao que sempre custumao, gritarao, e bradarao dizendo que 

Dioscoro nao insinava nada contra sam Paulo, que nao tinhao pera 

que averiguar mais, senao estar pelo que elle dizia ; nem queriao dar 

nem ouvir mais rezOes: que julgfasse o Emperador. Disse entao 

o Emperador: As cousas da fee nao se hao de levar por gritos, e 

brados, haose de ver os livros, haose de ouvir e dar boas rezftes 

pera que a verdade se conhe^a e tire a limpo ; polo que os que ti- 

verem difficuldades proponhaonas, e os ontros respondao. Era tarde, 

os hereges desejavao de se ver fora daly, foraose alevantando, e 

dizendo que bastava ; e sairao blazonando contra o Emperador, que 

Ihes queria trocar sua f^e, e meter dous deuzes ; que era Portugues 

preto, e faltou pouco pera que o motim nao chegasse a mais. 

fl. Cumque SeU O dia seguinte, vendo o Abuna que a principal coluna dos ca- 

tes fruttra^^mihere tholicos era Cella Christos, despois de mandar a muitas pessoas graves 

attentaMent, de eo q^g ij^q *foss3m persuadir e pedir que disistisse da opiniao que tinha, f. 274. 

deque ipso Imperato- i^i . a 

ree medio tollendis se foi elle mesmo em pessoa k casa de Cella Christos; e Ihe pedio 

SeltimSaRS etpj^^ ^ mesmo, com tanta eficacia que se lan<;ou a seus pees rogandolhe 

p«e» tempori ceden- que polo menos se lancjasse de fora, e nem a huns, nem a ontros 

dum ratiy discepta* ^ 

tionee de flde inter- ajudasse. Esteve Cella Christ6s como huma rocha firme ; e respondeo 

"^^nterim^b^lT"^* ^^^ ^ ^^^ tivera morto seus irmaos, seu propio pay, ou may, e Ihe 
contra Agaut ad exi- pedira perdao, Iho concedera facilmente. Porem deixar de defender 
uc poMit. ^ santa f6e e de acudir pola verdade della, que isto nao no podia 
faser em consciencia, nem no avia de faser, ainda que visse a morte 
diante dos olhos. Sayose o Abuna descontente com esta resolu<;:ao, 
e os animos dos hereges se forao azedando de maneira que houve mui- 
tos que se conjurarao pera matarem ao Emperador e a Cella Christ6s 
seu irmao, saindo elles a se recrear, como as vezes o faziao, fora do 
arrayal: e o mesmo CellS Christos, sabendo o que passava, disse 
ao padre Pero Paez que era necessaria muita ora^ao, e visse bem 
que conselho tomariao, porque a sua Wda e a do Emperador seu 
irmao estavao jugadas aos dados. O padre Ihe disse que ia que, os 
inimigos nao queriao rezao, senao forc^a e esta nao na tinha o Empe- 
rador nem os catholicos pera resistir a tantos hereges, que era bem 
dar algum desvio, dizendo que, pois as openiOes estavao tam en- 
contradas, que por entao nao se podia de todo resolver cousa tam 
grave e importante ; que se vissem os livros mais devagar, e entre- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXII. 29 1 

tanto se acabaria a guerra dos Agaus, e despois averia tempo pera 

se concluir este ponto. 

Vespora do glorioso sam Francisco se foi o Abuna ao pa^o, 3« Disceputur u- 

T^ - j . ^ t ^ j naen adhuc per duos 

e requereo ao Emperador que mandasse ajuntar os letrados, e aca- ^^^ clamorfbus po- 

bassem de resolver e detriminar o em que aviao de ficar; ajunta- tius quam ratione: 

tandem Imperator 
raose dous dias, naquelle e no seguinte houve varios debates ; mostrou per praeconem de- 

Cella ChristSs e os do bando catholico a verdade do que diziao, em ^^^^^l^^^^t^^ 

muitos lugares dos santos antigos, s. Athanasio, s. Basilio, s. Joao qwa^ >n Hbris anti- 

quis continetur. 
Chrisostomo e outros que claramente diziao aver em Christo Senhor 

nosso duas naturezas, divina e humana, juntas em huma s6 pessoa. 

Responderao que nao queriao estar pelo que estes santos diziao, 

senao pelo que insinava Dioscoro : Vamos ao Evangelho, disse Cella 

Christos, nelle temos que Christo Senhor nosso no horto suou sangue, 

despois foi prezo, agoitado. crucificado na cruz, disse a seu etemo 

Padre: Deus meu, Deus meu, porque me desemparastes? e a seus 

discipulos, disse pouco antes de padecer: Vou a meu padre e vosso 

padre, a meu Deus e vosso Deus. Pergunto : quando o Senhor isto 

dizia e padecia, diziao e padeciao em quanto Deus, ou em quanto 

homem? Responderao. Emquanto homen. Logo, infirio elle, tinha na- 

tureza humana; e a divina nunca a largou; logo tinha duas natu- 

rezas. Negavao a comsequencia dizendo que despois que se unirao 

ja se nao podiao dizer duas, senao huma s6. Vos vos contrariais a vos 

mesmos, disse Cella Christ6s, e vos confundis ; se quereis dizer que 

Christo Senhor nosso he hum s6, eu tamben digo isso; porqueem 

huma s6 pessoa divina tem unidas duas naturezas, e assy he hum 

s6, mas assy como he verdade que Christo he hum s6, assy he ver- 

f.274.^. dade que tem duas naturezas, humana, *e divina juntamente. 

Nestas porfias gastarao aquelles dous dias, mas finalmente vendo 

que nao tinhao que responder, se lon^ou o Abuna com todos os de 

sua fac^ao aos p6es do Emperador gritando e pedindo que fosse 

como antigamente, "que Ihes nao quisesse mudar sua fee, guardada 

e defendida tantos seculos, por tantos Emperadores. Vendo pois o 

Emperador que nao tinha for^a pera mais, deo este desvio : mandou 

lan^ar pregao que se guardasse o que estava nos livros. Respondeo 

Cella Christos que isso queria, pois tinha mostrado que seus mesmos 

livros ensinavao aver em Christo Senhor nosso duas perfeitas natu- 

rezas. Lan^ouse o pregao a porta da cerca do Emperador, como he 

custume, e hum frade atrevido o explicou dizendo em alta voz que 

queria dizer que fosse como primeiro ; comtudo o Abuna e os mais 



Digitized by 



Googl( 



292 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

dos seus bem entenderao o intento de Emperador, e dissimularao 
por entao o odio que por isto conceberao, pera aodiante parirem 
os monstruosos partos de motins e alevantamentos com que sairao, 
como contaremos ao diante. 

4. De quodam mo- No domingo segninte vindo a casa do Emperador hum frade 
quem SeU ChrittAs ^ ^^™ senhor grande, ambos grandes defenssores da heregia de Dios- 

ad ab^nas jHatio- coro, e estando aly Cella Christos, se altercou entre elles a questao 
nes admittendM di- ^ ^ 

tputando coegiu das duas naturezas, e ferrandose elles a seu erro, Cella Christos os 

apertou de maneira que vierao a conceder grandissimos absurdos. 

Virouse o Emperador pera elles e disselhes: Vedes ahy a fee que 

tendes tal, que pera a defenderdes concedeis cousas tam fora da 

boa rezao ; e indo a disputa por diante chegou o frade a conceder 

que, morrendo Christo Senhor nosso, morrera a divindade. Ouvindo 

isto o Emperador se enfadou de maneira que con ser tam comedido 

e grave, quanto do que temos contado se pode collegir. disse com 

voz alta : Como se pode sofrer isto ? Se a divindade morreo, morreo 

o Padre e o Spirito Santo, e alevantandose, se ret»rou pera outra 

camara, por dar lugar a ira e desabafar a solas. 

5. Ex hucusqae De tudo o que aqui escrevy mais ao largo do que custumo se 
Zaga Za Ab et loan- ^^^^ claramente a pertina^ia com que os Abexins defendiao os erros 
nem Baltheiar. em que estavao tam envelhecidos e arreigados, que se pode ter por 

grandissimo milagre irem nos largando pouco e pouco; e acabara 
o mundo de saber o pouco credito que se deve dar a Qaga Za Ab, 
a Joao Baltezar, e a outros que indo a Europa fallao a vontade de 
quem nos ouve e contao quantas mintiras querem, por saberem que 
nao ha quem os possa desmentir. Tambem quero que se saiba que 
destas disputas tirou Deus nao pequeno fruito; porque, posto que 
muitos pertinazes ficarao sempre em seus erros, professandoos ao 
menos com a boca, comtudo muitos destes no cora^ao ficarao enten- 
dendo a verdade, e muitos mais desinteressados, em os quaes podia 
menos a inveja, cuidando no que virao e ouvirsrt), e vendo o pouco 
fundamento que os hereges tinhao nos erros que ensinavao, os forao 
deixando, e se forao lan^cuido da parte dos catholicos. 



Digitized by 



Googl( 



f.275. CAPiTULO xxm. 

Successos dos tres annos seguintes ate o de 1617; oc- 
cupaose os padres principalmente na versao de muitos 
livros sagrados: cresce o numero dos catholicos e 
cresce nos hereges o odio com que tra^ao muitas 
vezes contra o Emperador e seu irmao Cella Christds 
varias trei^Oes. 



Comforme ao que conta o choromsta do Emperador Azage Tino, «• Confccto cmn 
1 t jAt/» A,/v 1 ' Agaus beUo anno 

deste lugar de Acnafer e Amba<;a, que ne coasi o mesmo, sayo 15,4, imperator re- 

o Emperador no fim do anno de 613, e dando voltas por outras comar- ▼«««tt^inQorgorri: 

^ ^ '^ ubi m peramoeno 

cas dos Agaus, aonde com elles teve varios encontros, se recolheo loco prope lacum 

no mayo de 161 4 a Gorgorra» aonde a\4a dous annos tinha assen- ^j^ dMnumT^stB^ 

tado seu arrayal do jnvemo, que he como a sua corte. E estava P^atibas Aethiopi- 

bns, duobus tabnlji- 
este arrayal em bello sitio, porque era huma peninsula cercada tis cooMntem et e 

coasi toda em roda da agua da grande alagoa de Dambei, a que J^^ ^«-1^» — 

elles chamao mar; e tinhalhe no mais alto e meyo da peninsula 

fabricado o padre Pero Paez humas casas ao modo das nossas de 

Europa, tam bem acabadas que a qualquer principe podiflo servir 

bem de casas de campo. A occasifto de o padre tomar este trabalho 

foi esta. Conta\^ os padres muitas vezes, com varias occasiOes, que 

se offereciao, a fabrica dos edificios de Europa, principalmente de 

varios mosteiros e pa^os reais : aos Abexins, que nunca tinh^o visto 

cousa semelhante, parecia tudo aquilo sonho e fingimento ; avia poucos 



Digitized by 



Googl( 



294 HISTORIA DE ETHIOPL\ A ALTA OU ABASSIA 

que dessem credito ao que se Ihes dizia; pedia o Emperador aos 
padres que Ihe fabricassem huns pa^os como os bons de nossas 
terras, e oflFerecia o gasto, escuzavaose os padres dizendo que faltavao 
officiaes e materiaes, que era pedra e cal, e madeira; tinha isto por 
escuza fingida; ate que mudando ou tratando ja o Emperador de 
mudar o seu arrayal pera este sitio, e vendoo o padre Pero Paez 
tam azado pera nelle se fabricar huma fermosa casa, e achando aly 
perto huma pedreira de boa pedra branca, posto que Ihe faltava 
cal, que era o principal, pedindolho o Emperador muito, S3 oflFereceo 
a ser, nao s6 architecto, mas pedreiro e bigarim, que a tudo se of- 
ferece por amor da Deus quem em seu amor se abraza, e he g^rande 
o engenho da charidade. Deu o padre moldes pera se fazerem pic5es, 
alveOes, alavancas, emx6s ; insinou os officiaes, tomando o picao, 
cortando e lavrando a pedra, as traves, taboas, portas, janellas; emfim 
fez huma casa de pedra e barro, mas de paredes muito grossas e 
com hum barro que achou *muito forte; fazendo as faces de fora f.275'^- 
e de dentro de pedra branca, e de cantaria muito bem lavrada. Era 
huma sala de cumprimento de 60 ou 70 palmos, e largura de 20; 
continuavasse com ella huma camara quadrada, ficando no meyo 
huma escada larga por onde se subia da logea ao sobrado, e sobre 
esta outra que subia ao terrado, o qual tinha seu parapeito muito 
proporcionado, e sobre a escada huma casinha como guarita, que 
ao Emperador cayo muito em gracja, p^raque daly recolhido, estava 
descobrindo nao somente ao longe o mar, ou alagoa toda, e os 
fermosos campos que ao longo della se estendem, mas tambem ao 
perto a quantos entravao e sayao de sua cerca, sem ser visto de 
ninguem. 

Na porta da escada, por onde se entrava no terrado, poz o padre 
Pero Paez hum fecho que fechava de pancada da banda do terrado, 
e dizendolhe o Emperador qu9 fora milhor polo da banda debaixo, 
respondeo o padre : Nao, senhor, que algum dia podera assy servir a 
Vossa Magestade ; e foi assy que Ihe servio tanto que Ihe deo a vida, 
como logo diremos. Esta obra foi por entao julgada por hum dos 
grandes milagres do mundo e herao de Etiopia, vinhaona ver das 
mais remotas partes do imp^rio, e o d3 que mais pasmavao era de 
ver casa sobradada, cousa que nunca imaginavao, e assy nao tem 
nome proprio na sua lingua, chamaolhe ba bet lay, bet, quer dizer, 
em cima de casa, casa. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXIII. 295 

Nao aproveitou pouco este trabalho pera o creditodos padres, 
porque vendoa com os olhos cousa que nunca imaginar^o, infiriao 
que nSo erao mintiras, nem exagera^oens o que elles Ihe contavSo 
dos edifficios de Eiwopa, e que pois o padre, sem officiaes e sem 
cal fizera obra tao perfeita em Ethiopia, que sem duvida nas nossas 
terras, aOnde avia todos os materiaes requesitos e officiaes exercitados 
em semelhantes obras, seriao ellas taes quaes os padres Ihas pintavao. 

Os mais padres estes annos, principalmente o padre Francisco a. pp. De Angelis 
Antonio d'Angeles e o padre Luis de Azevedo, como tinhao ja al- picevertuntceiebrio- 

cancada boa noticia da lininia que os Abexins chamao do livro, " ^^^ temporis 

^ commenuria m Sa- 

que he como entre nos a latina, empregaraose muito em verternella cram Scripturam: 

alguns dos interpretes modemos da escriptiwa sagfrada, e assy sairao ^itoTad^fidem^- 

com Ribeira sobre a Epistola de s. Paulo ad Hebraeos, com Toledo tholicam «mplecten- 

dam perducit. 
sobre a ad Romanos, com Bras Viegas sobre o Apocalipse, com 

Maldonado sobre os 4 Evangelhos ; e pera estas obras sairem com 

a elegancia e propriedade da fraze que os Abexis estimao, ajudavaose 

de alguns bons catholicos eminentes entre elles na eloquencia, e assy 

sairao os livros tam perfeitos, que forao todos muito estimados; 

porque pasmavao de ver quam bem fundada era na letra a expo- 

si^ao que os nossos interpretes davao aos lugares mais difficultosos ; 

as alegorias e morsdidades tambem estimavao, posto que o seu 

propio he entender a explica<;ao da letra, e desta sabem pouco mais 

que a construi^ao, e nella gastao rauitos annos, porque nao a apren- 

dem a lingua do livro por arte, senao lendo tantas vezes, e construindo 

f. 276. *o que lem ate que vem a entender; e tem muito poucos interpretes, 

e esses sao somente huns como sinonimos ou parafrazes que declarao 

a letra, e muitas vezes com erros bem crassos; isto mesmo fazem 

de boca alguns frades e outros que se professao por letrados, e in- 

sinando a seus discipulos muito em segredo, e vendendolhes muito 

cara qualquer explica^ao muito charra e as vezes muito errada: 

qual era a que o emperador Seltan Cagued dizia Ihe iusinara seu 

mestre sobre aquelle passo do Genesis: Yidentes Jilii Dei Jilias 

haminum qtwd essent pulckrae, etc. gigantes, etc*, dizendo que 

aquelles gigantes erao tam altos do corpo, que metendo a mao, ti- 

ravao do mais fundo do mar o peixe, e alevantando o assavao no fogo 

que esta em sua regiao entre o ar e o ceo. 

Com a li^ao destes Uvros, que muitos, principalmente o Emperador, 

e Cella Christds faziao continuamente ler em suas salas e tendas, 

diante de muita gente, todo o tempo que Ihes ficava vago dos ne- 



Digitized by 



Googl( 



296 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

gocios do governo e da guerra, em que gastao os annos e a vida 
toda, e com as praticas dos padres, e disputas de cada dia sobre 
dLS duas naturezas e outros muitos pontos tocantes a fee, e sobre 
tudo com a graga de Deus que os allumiava, e com os favores que 
o Emperador fazia aos que tinha por catholicos de coragao, hia cada 
dia cressendo o numero dos que se professavao por taes ; mas jun- 
tamente crecia o odio nos cora^Oes empedimidos de muitos igno- 
rantes, e envejosos; e como nas cortes dos Principes ha sempre 
muitos que entre sy tem emula^Oes, assi avia tambem muitos 
emulos de algims catholicos, e specialmente de Cella Christos, 
viso Rey de Gojam, ao qual Julios genro do Emperador tinha odio 
figadal, por inveja que tinha de seus prosperos sucessos; tinhalho 
tambem muito grande Ras Emana Christos, seu irmao mais velho 
especialmente despois que o Emperador Ihe tirou o officio e di- 
gnidade de Ras e a deo k Cella Christds, que foi no anno de 618; 
a estes respeitos particulares se ajuntava o da religiao, e assy vendo 
estes dous e o Bellatina Goita, que entao era hum eunucho chamado 
Calfo [sic], que Cella Christos se fazia com o Emperador seu irmao 
defensor dos catholicos, conceberao odio mortal contra hum e outro ; 
e com outros muitos capitaes se professarao por protectores do 
Abuna e dos erros de Dioscoro, a que sempre cliamavao fee de 
seus pays e av6os, e a santa f6e catholica e Romana, fee dos Por- 
tugueses, que val tanto como dizer, fee de estrangfeiros, fee nova, 
e novamente introdusida. 
3. Abuna et trea Vendose pois o Abuna Simao favorecido e animado por pessoas 

matcs^ qui*^ ^pso ^^^ grandes e poderosas, porque Emana Christos era Ras, que he 
stabant, impcrato- dizer cabeca de todos os principes do impsrio abaixo do Emperador, 

rem Ad Dio«:ori cr- \-^ f t^ f ^^ , 

rorcm profitcndum Calfo era Belatina Goita, que he como mordomo mor e secunda di- 

rr?^cte°^um*e P^i^^ide entre todas as de Ethiopia, e de quem dependem muito 

vivis toUendum de- todos os Viso Reys e grandes da corte, lulios ou Elos, alem de ser 

genro do Emperador, era e foi sempre a ronca de Etiopia e o mayor 

de todos os capitaes que o Emperador tinha; vendose como digo, 

o Abuna favorecido de taes personagens e do povo todo, e entendendo 

bem que desejavao ouvesse alguma occasiao pera se amutinarem, e 

rebellarem contra o Emperador, estando elle em GorgorrS. no pa^o 

que disse acima, se foi hum dia a igreja de Ganjabet, que he a prin- 

cipal da corte, e a porta, diante de muita gente, p6s escomunhao a 

todos os que diziao que em Christo Senhor nosso avia duas na- 

turezas, e a *todos aquelles que com os taes communicassem, esten- f^76,v. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXIII. 297 

dendoa ate aos filhos que obedecessem a seus pays, e aos criados 
que obedecessem e servissem a senhores que tal doutrina seguissem 
e insinassem. Soubeo logo o Emperador e conheceo que contra elle 
era a excomunhao, e contra seus filhos e vassallos, se Ihe obede- 
cessem mais, e era o mesmo que amotinar ao povo todo que re- 
bellasse contra elle, e mandou logo dizer ao Abuna que alevantasse 
a escomunhao que puzera, se nao que atentasse pera sua cabega: he 
fraze dos Abexins, que val tanto como diser, que Iha mandaria cortar. 
Teve o Abuna medo, alevantou logo a escomunhao, mas mandou 
dizer ao Emperador que tinha que falar com S. A. sobre materias 
pertencentes a fee. Respondeolhe que estava a porta aberta, e 
podia vir quando quisesse. No dia seguinte appelidou o Abuna seus 
confidentes, e vindo pera o pa^o se deixou ficar assentado em sua 
cadeira ao pee de huma arvore que estava na primeira cerca delle ; 
rodearaono logo muitos dos seus, providos de armas, posto que in- 
cubertas. Daly mandou dizer ao Emperador que a palavra com que 
declarava a naturesa queria tambem dizer pessoa, polo que era so- 
speitosa, e assi pois se nao podia dizer que avia em Christo Senhor 
nosso duas pessoas nao era bem dizer duas naturezas, pola equivoca^ao 
e erro que della se seguia. Tudo isto he ficgao, e buscar que dizer, por 
que a palavra Bahary que significa natureza na lingua do livro, da 
qual se uzava sempre que na materia se tratava, nao significa senao 
natureza, e a que significa pessoa he muito diflFerente, que he Akal. 
Estava neste tempo com o Emperador seu irmao Cella Christ6s> 
e ouvindo recado tam despropositado, tomou fogo e disse ao Em- 
perador: Senhor, estes se ajuntarao aly com presunQao e soberba, 
parecendolhes que tem for^a pera acabarem o que pretendem : deme 
V. Magestade licencpa que eu irey e com esta espada cortarey as 
cabe^as a tres ou 4 que o sao deste motim ; os mais se espalharao 
nao avera quem ouze a boquejar mais. Respondeolhe o Emperador 
que nao era bem levar as cousas tanto a fonja, que era milhor dis- 
simular ; e ao Abuna respondeo, que, se a palavra era equivoca, elle 
mandaria que se nao uzase mais della; tornou o Abuna a mandar dizer 
que declarase sua ffee, e como aviao de fallar ; respondeo o Empera- 
dor, que a* verdadeira fes insinava que Christo Senhor nosso era per- 
feito Deus e perfeito homem, que assy fallasem todos. Tomou sobre 
isto o Abuna a mandar suas replicas ; mas respondendo o Emperador 
com muita cautela, e vendo que nao tinha de que pegar, se foi, dizendo 
que aquillo era o que pretendia, que nao dissessem duas naturezas» 

C. Beccapi. Rer. Aeth. Scripi. otc ined. — VI. 38 



Digitized by 



Googl( 



298 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

4. Imperator per Lan<;ou o Abuna esta fama pera que a gente do povo cuidasse 

contobrinam suam • n 1 1 • ^ ^ -r» -l 

de imminenti peri- V^^ sajra elle aly com a sua, e alcan^ara seu mtento. Porem bem 

culo certior factus, inteirado ficou elle e os principaes de sua facgao, que o Emperador 

e manibus Can6 et 

lulios sagaci consi- n^o deixaria de confessar em Christo Senhor nosso duas naturezas, 

10 sese pronpit. ainda que Ihe custasse perder a coroa e a mesma vida; e assy se resol- 

verao de Ihe tirar cedo huma e outra. As cabe^as dos conjurados 

forao os que acima apontey, Ras Emana Christos, lulios e Caflo, 

estes derao juramento a muitos outros, principalmente aos capitaes 

*da mao direita, e da esquerda; e Caflo tomou k sua conta matar o f. 277. 

Emperador, porque por resao do officio que tinha de Bellatina Goita, 

a todas as horas podia entrar na sala e camara do Emperador, e 

muitas vezes o podia achar tam s6 e descuidado, que sem perigo o 

pudesse matar muito facilmente. 

Com estes pensamentos entrarao hum dia elle e lulios, deixando 

seus criados na sala debaixo, ou logea ; e subindo a de cima, aonde 

o Emperador estava entao s6; mas quiz Deus que huma prima 

do Emperador chamada Ite Amata Christos, grande herege, mas 

muito amiga do Emperador, teve destes intentos algumas atoardas, 

e por un pagem o avisou do que passava. Foi tam grande o animo 

do Emperador, que entrando elles com suas espadas na mao, como 

he seu costume, e estando elle assentado em seu catere, que he o 

seu trono, tendo no mesmo ponto aviso do a que vinhao, nada se 

j)erturbou, antes os recebeo com o rosto mais alegre que nunca, e 

chegandose lulios em p6e a Ihe pedir algumas cousas bem dificul- 

tosas, Ihas concedeo todas com a boca chea de riso, pegando nos 

cabos da espada de lulios como bricando (cousa que faz muitas 

vezes aquellos com que fala tanto de perto); e logo fingindo von- 

tade de passear se sayo do catere, e emparelhando com a porta da 

camara, deo a andar pela escada acima do terrado, falando com elles 

que o hiao acompanhando, tendo pera sy que la no terrado, era 

melhor occaisiao de executar seu danado intento. Porem o Empe- 

rador entrando pela porta a fechou logo sobressy, e como ella fe- 

chava de pancada, ficou elle livre, e elles frustrados se decerao com 

toda a dissimula^ao, come se nao vierao k outro efeito. Deo o Em- 

perador a Deus muitas graQas, e teve sempre pera si que inspirado 

de Deus Ihe fizera o padre Pero Paez o fecho daquella porta polo 

modo que dissemos, e que pera este dia fallava quando Ihe dissera, 

que algum dia Ihe sirviria como acima contamos. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XXIV. 

Alevantase lulios contra o Emperador e dalhe batalha; 
morrem elle e o Abuna Simfto. 



Pelo que temos contado e contaremos, sa vera como Ethiopia he x. lulio« cum a- 
huma perpetua meada de treigOes e alevantamentos ; e a occasiao torem^p«rte"re^*- 

he qualquer desgosto que cada hum dos que no imperio mais po- ^** eumque initine- 

re, a quadam ezpe- 

dem e valem tem do Emperador. Avia pouco que elle em Gojam ditione cum paucis 
(como conta o seu choronista Azage Tino) tirara o officio e suprema !|^^^u*^*^' *donri 
dignidade de Ras a seu irmSo Emana Christos, e a dera a Cella 
Christ6s, tambem irmSo seu mais mo^o, mas muito aventejado em 
todas as boas partes de esfor^o, abilidade, prudencia e letras ao 
mais velho e a quantos principes entao avia e houve em muitos 
f-277,v. seculos em Ethiopia, e *tal, que com qualquer dos que em Europa 
celebra e celebrou antigamente a fama pode competir a juizo de 
todos os padres que ca o tratamos e conhecemos muitos annos. Mas 
nSo no julgao logo assi os interessados. Sintio Emana Christds vi- 
rarselhe a roda, e decer do mais alto cume em que estava havia 
annos ; ratvou lulios por nao ser desta vez alevantado, e ver a seu 
grande emulo no pinaculo k que aspirava e como ja andava com o 
cora<^o danado contra o Emp^rador, assentou em dar pressa a conju- 
ra^ao que tragava. 

OfFereceose conjun^ao acomodada pera seus intentos: tinha vindo 
o Emperador de Gojam no prin<;ipio da coresma com os cavallos e 



Digitized by 



Googl( 



300 HISTOKIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

gente cansada ; avia duas somanas que entrara em sua corte de Gor- 
gorra, quando Ihe chegou nova que quinhentos mouros de cavalo (i) 
vassallos del rey de Funie, fugindo de seu rey, se \aerao meter 
nas fronteiras do imperio, sem ter com o Emperador os devidos 
comprimentos ; pareceo a Caflo, que, se o Emperador arrostasse a 
esta jomada, teria elle nella occasiao de executar seus danados in- 
tentos; tanto Ihe soube dizer que o persuadio a ir em pessoa cas- 
tigar o atrevimento destes mouros; esperando pelo menos desta 
jomada trazer por despojos os cavallos que sao geralmente excel- 
lentes os daquellas partes. Avisou Caflo a lulios, que era ido pera 
seu mando de Ogara, como, e com que intentos levava ao Empe- 
rador a esta empreza ; que era tempo de elle dar em Cella Christos, 
porque o Emperador ou nao tornaria com vida, ou traria a gente 
de guerra tam cansada, que nao poderia resistir a for<;a de lulios 
e dos mais conjurados. 

Estas tra^as todas ordenou Deus que caissem sobre as cabe^as 
dos que as machinavao, e elles que caissem nas covas e laQos que 
armavao ao Emperador e a seu irmao Cella Christos, como o conta 
o coronista Azage Tino; e atraz fica escrito difusamente. Comtudo 
porque o padre Pero Paez, que a tudo isto se achou coasi presente, 
por estar muito perto, deixou escritos muitos sucessos, e eu os ou\y 
muitas vezes contar ao padre Antonio Fernandez que entao era com- 
panheiro do padre Pero Paez, por serem tam notaveis, hejos de re- 
petir aqui coasi polas mesmas palavras do padre Pero Paez. 

Deceo pois o Emperador aos baixos e terras quentes, que taes 
sao aquellas do reino Dambea que confinao com os Ballous, e chegou 
a Cerqui, terra do rey de Funie, como os Abexins Ihe chamao, e 
nos chamamos Funche, e aos Ballous em Suaqhem Funchos. Porem 
os quinhentos de cavallo, sabendo de sua vinda, picaraonos bsjn, 
e puzeraose em cobro : destruio a gente do Emperador algumas terras 
do rey de Funchy polas causas que escreve o coronista Tin6. Mas 
tudo se acabou com tanta brevidade que em menos de 1 5 dias des- 
pois de sair de Gorgorra, o Emperador deu volta, e entrou em suas 
terras, pelo que nem Caflo teve tempo, nem oonjun^ao boa pera o 
matar nesta jornada, nem lulios de ir a Gojam pelejar com Cella 
Christos e matalo como detriminava. Comtudo em sabendo que o 
Emperador alevantara de sua corte pera a empreza, logo lulios em 
Ogara, provincia que elle entao governava, lan<;ou pregao que todos 

(i) Hic deleta legitur vox : « Ballous .. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXIV. 301 

f. 278. aquelles *que tinhao pera sy, e diziao que em Christo Senhor nosso 
avia djias naturezas. se fossem pera o Ertiperador, ou pera Ras 
Cella Christos, e os que tinhao e confessavSo em Christo huma so 
natureza, que era a f6e de seus pays e av6os, se ajuntassem com elle 
e o seguissem. Tinha elle consigo muita e boa gente de guerra, 
especialmente cavallos; e a voz deste pregSo ajuntouselhe muita 
mais: pozse logo ao caminho pela banda Begameder pera se ajuntar 
com Ras Emana Christos, que era hum dos conjurados, e jrem ambos 
a Gojao pelejar com Ras Cella Christos, como tinhao primeiro assen- 
tado. Porem Emana Christos, que sempre foi homem pera pouco e de 
pouco conselho, nem quiz de todo guardar o juramento que tinha 
com lulios, nem porse da parte do Emperador, senao foisse afastando 
de lulios e retirando para o reino Amhara, e assy lulios com sua gente 
se foi chegando pera o Nilo pera passar a Gojam. 

Ja neste tempo o Emperador voltava da jornada e vinha en- 
trando por Dambea, quando quinta feira de endoeuQas Ihe chegou 
huma carta de sua prima Ite Amata Christos, que o avisava do ale- 
vantamento de Elos, e de como ella hia fugindo pera Gojam ; e daly 
a 8 dias Ihe chegou outra da Rainha que avisava o mesmo; e logo 
outra de lulios com palavras descomedidas e soberbas. Com estes 
avisos mandou logo o Emperador algumas companhias de gente 
pera que fossem a Gojam ajudar a Ras Cella Christos ; porem lulios 
chegando, como diziamos, ao Nilo, pela parte que elle sae da ala- 
goa, mandou recado ao Abuna, que aly perto estava em huma ilheta 
da mesma alagoa, dizendo : Eis aqui senhor e pay meu, vou morrer 
por nossa fee, vou a Gojam pelejar com Cella Christos, lan^aime 
vossa bengao. Sayo o Abuna da ilha, e veu fallar com lulios, lou- 
vandolhe nmito seus bons intentos; mas aconselhoulhe que melhor 
era ir logo acometer ao Emperador, cuja gente vinha cansada do 
assallo, e era mais facil vencelo que a Cella Christos, e importava 
tambem mais ; porque morto o Emperador acabavasse a guerra toda, 
e elle ganhava o ceo por tirar a vida a quem tanto encontrava a 
fee de seus antepassados ; pareceo este conselho bem a lulios, e o 
Abuna o quiz acompanhar, animando aos soldados, como o fazia cada 
dia, lan^ando muitas escomunhOes a qualquer que se apartasse do 
excercito, e muitas ben^Oes aos que pelejassem esfor^adamente, af- 
firmandolhes que os que morressem nesta empreza, por mais peccados 
que tivessem, entravao logo no ceo, pois morriao por defender a 
sua fee. 



Digitized by 



Googl( 



302 HISTORTA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

a. SclUn Sagid xn Passava o Emperador junto a Gorgorra : foraono visitar os pa- 

lium^^Ut " ^Pe- ^^^^ Pero Paez e Antonio Femandez, acharaono triste; consolarSono, 
tro Paex et cognito q animarSlono promettendolhe que Deus o avia de ajudar, pois de- 

proxixno rebelliuxn 

adventu opportuno fendia a verdadeira e santa fee, advirtiraono que nao se fiasse muito 

« eleyato loco castra ^^ todos os que o acompanhavao ; dizio elle que de nenhum delles se 
arrepeava ; mas era tanto polo contrario, que os mais dos capitaes 
que levava estavao juramentados com Elos, como despois se vio cla- 
ramente ; dispidiosse dos padres encomendandose muito em suas ora- 
^Oes, *e pouco avante soube como lulios, deixando o caminho que f.i/S.^. 
levava de Gojam, voltara pera Ihe dar batalha ; mandou recado a 
Cella Christos que viesse a toda a pressa, e foi passando pera a banda 
donde vinha o inimigo. Chegarao os dous excercitos a estar a vista 
aos 5 de Mayo, psrto do rio Magueche entre Ganeta lesus e Dancaz; 
escolhia CaflS pera o Emperador assentar o seu, hum valle que pelas 
costas nao tinha saida, porque Iha fechavao rochas ; pela banda de 
diante tinha campo muito acomodado pera a cavalaria de lulios, na- 
qual tinha conhecida ventagem, poder correr sem embara^o algum. 
Chegou o Emperador, que vinha atraz, e vendo o lugar, mandou ale- 
vantar as tendas que se come^avao a armar, e sobio a hum oiteiro 
visinho, que pela banda donde o inimigo avia de acometer tinha 
muitas pedras grandes, que aos cavallos aviao de embara^ar muito, 
aqui assentou; e o inimigo muito perto, quasi a tiro de espingarda. 
3. lulios, spretis Em amanhecendo se ordenarao os escadrOes de huma e outra 

8uae u^iis, acieTn- P^-rt^- Estavase armando lulios, entrou Malacotanit sua molher filha do 

structa imperatorexn Emperador, e com os olhos cheos de lagrimas Ihe rogou muito, que, 

aggreditur. Huius, 

primo concursu, de- tomando melhor conselho, fisesse pazes e amisade com o Emperador, 

comu wer "defectt™ prometendolhe que tomava a sua conta acabalas com seu pay muito 

nem a pugna desi- em bem e prol do marido. Respondeolhe que nao era tempo; que 

stunt. lulios, ceu vi- 

ctor.permediasacies se recolhese a sua tenda ; ella pera Ihe ganhar a vontade, Pois, se- 

inaperatorem pctit, j^j^qj. Migse) comei primeiro um bocado, que bem vos sera necessario 

atlapidisxctupercul- \ / r » 1 

8U8,abequopraecep8 pera o trabalho em que entrais. Respondeo elle com grande sequidao, 

lite capiul^minuitur ; ^ soberba : Nao hei de comer, nem me sabera nada bem, sem pri- 

rebeUiuin copiae fu- meiro trazer a cabeca de vosso pay, e a por sobre a meza : entao me 
gam arrxpiunt. 

saberi bem o jantar; e dizendo isto cal^ou esporas, cousa que em 

Ethiopia se nao custuma, e subindo sobre hum poderoso cavallo, e 

se foi nao s6 pera a vanguarda, senao como ventureiro ; com seis ou 

sete que o acompanhavao, tomando a carreira de bem longe, arre- 

meteo, e se foi metendo pelo meo dos escadrOes imperiaes. Hia con- 

fiado no concerto que tinha com os mais dos capitaes do Emperador, 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VTI, CAPITULO XXIV. 303 

pera se lan<;arem com elle, e posto que o nSo ajudarao, virando as 

lan^as contra seu senhor, desviaraose e derao a lulios caminho franco, 

indo elle bradando, e dizendo : Aonde esta o Emperador ? Isto fizerao 

Caflo com os seus, e o capitao da mao direita. Porem chegando Elos 

a hum escoadrao de Tigres de Qagade, que estava perto da tenda 

do Emperador, hum delles Ihe atirou huma pedrada ao rosto, que 

levava descuberto, e deulhe pouco abaixo do olho esquerdo, com tal 

for^a que o derrubou do cavallo ; e outro chamado Anduj, alevan- 

tandoselhe a malha ao cair, o atravessou com o zarguneho, e cor- 

tandolhe a cabe^a, a levou ao Emperador, o qual a este ponto, acabando 

de se armar, hia saindo da tenda. Deo elle a Deus muitas gra^as, 

e mandou logo tocar a recolher, os poucos cavalleiros que a Elos 

acompanhavao tambem cairao logo mortos; e correndo esta nova 

e apregoando os imperiaes vitoria, os de lulios se puzerao em fugida, 

e os do Emperador em seu seguimento com tal for^a, que nao ouvindo, 

f. 279. ou fazendo que nao ouviao o *sinal de se recolherem, forao picando 

nas costas e derribando mortos a muitos ; porque firidas nas costas 

sao tam faceis de dar quam difficultosas de curar, por serem dadas 

a mao tente, e com toda a for^a, por nao aver quem nas desvie. 

O Abuna no principio da batalha posto em hum lugar alto estava 4. Abuna, multis 

lan^ando aos seus mil bengOes, e animadoos com promessas de ^^ vestibus exutus, 

certa vitoria e aos que morressem prometia a bemaventuran^a, por ®* *?•* capite obtrun- 

catur. Cela Christds, 
morrerem em defen^ao de sua errada fee ; mas, vendo o desbarate licct magnis itineri- 

dos seus que nao esperava, como pasmado, se deixou ficar no mesmo castra^^inwratoris 

lugar imaginando que ninguem se atreveria a Ihe fazer mal, e foi pervenit, disiectis 

„ -^ , /- iam rebcUibus. Im- 

assy que muitos passarao por elle sem Ihe tocar. Porem hum fino perator Deo reddit 

catholico, que Ihe tinha boa vontade, por nome Za Michael, te- gratias pro parta tam 

' ^ ^ msperato victona. E 

zoureiro do Emperador, ao passar, Ihe deo com a lancja tal golpe coniuratis aiiquos 

, «V ^i ^ijijji morte damnat, Bma- 

pelo pesco^o que o derrubou meo morto, e logo outros soldados de ^^ christds digniu- 

p6e o acabarao de matar, e cortandolhe a cabeca, a levarao ao Em- ^^^^ privat, reiiquis 

veniam dat. 
perador, que ia estava recolhido na sua tenda, e a mandou p6r iunto a 

de lulios sobre huma alcatifa. Ao corpo do Abuna dispio a pionagem 

de maneira que nuu o deixarao, e assy ficou no campo por alguns dias ; 

nem elle merecia menos, nao s6o por su2is heregias, mais pelo escan- 

dalo de sua torpe vida, como largamente se pode ver na historia do 

choronista Tino, que acima fica escrita. 

Morreo nesta batalha muita gente de lulios ; trouxerao prezos ao 

Emperador 6 ou 7 dos principaes seus conselheiros e confidentes; 

a estes mandou logo cortar as cabe^as e langar pregao que a 



Digitized by 



Googl( 



304 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

todos os mais que signiSlo as partes do alevantado perdoava. A vi- 
toria foi milagrosa porque a gente de lulios era mais e melhor ar- 
mada; mas como elle foi o primeiro que cayo morto, e os mais se 
puzerao logo em fugida, nem hum s6o soldado do Emperador morreo. 
Isto reconhecia o Emperador falando com o padre Pero Paez que logo o 
foi visitar, e dava por isso a Deus infinitas gra^as. Ao dia seguinte de- 
spois da batalha, chegou Ras Cella Christds de Gojam» tam apressado, 
por se achar na batalha, que cada dia fazia iomada de dous e tres, e tam 
sintido por nao chegar a tempo, que entrou no arrayal do Emperador, 
elle os seus com as lan^as baixas. O certo he que Deus pelejou aqui pelo 
Emperador, matando a lulios com a pedrada do Tigpre, assy como com 
a de David derrubou a Goliat ; que, a lulios nao cair logo, vendido 
hia o Emperador, pois os mais dos que estavao no seu campo erao 
tam inimigos seus como os que estavao no de lulios ; e assy o mo- 
strarao os capitaes das duas alas direita e esquerda com seus esca- 
dr^, e Cafl6 mordomo mor com os seus, que era a prin^ipal for^a 
do campo imperial, e todos elles derao a lulios caminho franco deixan- 
doo entrar com s6 seis ou sete companheiros at6 junto *as tendas f.279»^- 
do Emperador. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XXV. 
Das trei^Oes do eunucho Cafl6, e de sua morte. 



Avida esta vitoria, subio o Emperadoraosaltos do Dsincaz, mas t. Eunucus Cafl6 
, ,^ ^ j /- A *j. iterum de Imperato- 

logo voltou pera a sua cortede Gorgorra : e pouco apouco, semmuitas rf, pemicie coniu- 

diligencias, se forao descubrindo os tredores, que com lulios linhao «•«t;8ed,dctecuma- 

^ ' ^ chinatione, capite 

conjurado pera matar ao Emperador; o prinQipal era Ras Emana plectitur, eiutque 

Christ6s seu jrmao mais velho, mas porque acima tudo isto fica escrito J^f"* 

pelo coronista Tind, nao quero gastar mais tinta e papel repetindo o 

mesmo; somente direy de Caflo cujas vilanias e trei^Oes conta o 

mesmo coronista, mas melhor as pinta o padre Pero Paez que a todos 

ellas se achou presente. 

Fez Cafl6 quanto pode porque se nao soubesse que elle conju- 

rava com lulios, at6 mandar matar a treigao a himi soldado, que Ihe 

levara muitos recados seus, e a hum frade que a elle e a lulios 

escomungou pera fielmente guardarem os contratos que sobre esta 

materia entre si fizerao ; e he tam grande a ignorancia desta gente, 

que pera trei^Oes e pera outros muitos peccados se obrigao com esco- 

munhOes, e os frades Ihas poem a sua peti^ao, e daose com ellas por 

muito obrigados a executarem os males pera que se excomungarao (i). 

( I ) Hic sequeDtia deleta legnntur : » a saber muitos soldados tomSo suas amigas 
por hum verSo ou jnvemo e vSose a quelquer frade ou clerigo que os escumungue por 
bem e fielmente por aquelle tempo viverem em seu pecado muito obrigados pello vin- 
colo da etcomunhSo com que se ligarSo pera o fazer. Outros cazados indo pera a guerra, 

C. Beccari. Jier. Aeih. Scripi. oce. tned. — VI, 39 



Digitized by 



Googl( 



3o6 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Vindo ao que hiamos contando, com todas estas diligencias nao 
se dava Caflo por seguro, pelo que, tendo por certo que suas maldades 
nao podiao estar muito tempo incubertas, assentou que nao tinha outro 
remedio pera escapar do castigo, senao acabar de as consumar e 
levar ao cabo matando ao Emperador e a seu jrmao Ras Cella Chri- 
st6s, que neste tempo estava com elle em Grorgorra. Pera effeituar 
esta treigao ajuntou a gente de guerra que tinha (porque em Ethiopia 
o custume destes senhores he terem cadahum muitas companhias de 
soldados com que servem ao Emperador em coalquer occasiao de 
guerra) e pedio ao Emperador que quizesse ver *da varanda de seus f. 280. 
paQos, o alardo que queria fazer dentro no terreiro, como muitas 
vezes o fazia, detriminando no meo delle ir entrando, como por festa, 
com alguns dos de que mais se fiava, e matar ao Emperador, toman- 
doo descuidado e sem guarda, porque a nao tem consigo de ordinario ; 
e logo hir k casa de Cella Christos e fazerlhe o mesmo : esta tra^a 
Ihe desviou Deus, ordenando que o Emperador, quando elle Ihe pedio 
licen<;a pera fazer o alardo, estivesse com outros cuidados, e Ihe dis- 
sesse que o escuzasse, porque nao estava em tempo pera o ver. 

Esta desarmada em vao, armou logo outra desta maneira: he 
custume destes senhores de Ethiopia convidaremse de quando em 
quando e brindaremse largamente com o seu vinho de mel. Mandou 
Caflo lan^ar muitos calOes de mel em jarras pera fazer muito vinho 
(que dentro em sinco ou seis dias fica perfeito, pelo modo que dis- 
semos no i** livro) detriminando de convidar a Ras Cella Christos e 
aos principais seus capitaes, dos poucos que elle entao tinha con- 
sigo, porque os mais tinha mandado com sua gente pera Gojam, e no 
meo do fervor do vinho trocalo em sangue, matandoo, e ir logo 
fazer o mesmo ao Emperador ; e pera isso tinha dado recado a hum 
pagemzinho do Emperador pera que a qualquer hora que viesse Ihe 
abrisse logo a porta, porque tinha com o Emperador negocio de 
muita importancia. A tra^a era diabolica, e muito factivel; porem 
quiz Deus que, antes de chegar o dia assinalado pera o banquete ou 
beberete, chegarao aos ouvidos do Emperador taes atoardas destas 
treiijOes, e das passadas de Caflo, que o mandou logo prender, e ar- 
rezoar em final. Arreceavaomuitos de testemunhar contra esteeunucho, 
por conhecerem por huma parte a facilidade com que o Emperador 

dalhes a molher huma ou duas criadas pera o servirem e elle se serrir della como se Ihe 
fora sua propria molher, e pera assy o goardar fielmente Ihes poem o frade ou clerigo 
escomunhSo. Tanta he a barbaria aonde a cegueira das heregias prevalesse m. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXV. 307 

Ihe tmha perdoado outras vezes em casos semelhantes, por outra a 
sua ma condi^ao, que quanto menos tinha de homem, tanto mais par- 
ticipava da raiva e crueldade tam propia de cora^Oes afeminados, 
que nenhuma sabem perdoar, senao vingarse sempre a matar. Porem, 
dando o Emperador sua palavra qua nao Ihe avia de perdoar se o 
achasse culpado, forao muitos os que logo testemimharao tudo o que 
acima contamos e outras muitas trei^Oes e crimes gravissimos ; pe- 
loque foi por todos os Ombares e Azages julgado a morte, e confir- 
mada a sentenga pelo Emperador, Ihe cortarao a cabe<;a ao p6e de 
huma arvore grande que estava no principio do terreiro do pa^o. Fe- 
stejarao sua morte quantos avia no arrayal, avendo que se viao livres 
de hum cruel tyrano, que tal o era geralmente pera com todos. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



f»8o,.. CAPITULO XXVL 

Referemse algumas cartas do Papa e d'el Rey de Por- 
tugal pera o Emperador d'Ethiopia, e as repostas 
dellas. 



Fuy breve em contsir os alevantamentos e trel<;Oes destes annos i. a. ut suae Hi- 
contra o Emperador, por nao repitir o que o choronista Tin6 escreveo conciliet refert epi- 
largamente, como se pode ver nos ultimos capitolos de sua historia, «ol«? <l^"« *phiS'** 
que puz no livro passado. Agora ponho neste capitulo as cartas que put lli Hitpaaiae 
estes annos escreverao S. Sanctidade e Magestade ao Emperador, d|^e*ant et^^iaa itte 
e as que elle Ihes respondeo, porque servem muito humas e outras viciaaim ad eotdem 
pera a authoridade e verdade desta historia, porque, se se buscarem 
os cartorios e torres do Tombo, se acharSo estas cartas assy como 
aqui as referimos, pera que nflo aja quem diga que fingimos o que 
nunca passou. Verse ha nestas cartas do Emperador e nas passadas 
como sempre pedio e procurou que S. Magestade Ihe mandasse qui- 
nhentos ou seicentos soldados portugueses pera que com elles pudesse 
viver seguro contra os que sabia se aviao de alevantar contra elle, 
por favorecer e querer introduzir em seus reinos a sacta f6e catho- 
lica ; e como dezejava que os Portugueses se apoderassem do porto 
de Ma^ua e Arquico, lan^ando daly os Turcos, pera aver franco 
comercio e entrada da India pera Ethiopia; e juntamente como 
pedio muitas vezes que S. Sanctidade Ihe mandasse patriarcha que 
govemasse aquella igreia unindoa com a cabe^a de todas as que 



Digitized by 



Googl( 



31 HISTORTA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

no mundo ha catholicas, que he a santa Igreia de Roma, Pera este 
intento he de saber, que despois da morte do Abuna SimSo, que 
atraz relatamos, nunca o Emperador Seltan (J^agued screveo ao pa- 
triarcha de Alexandria que Ihe mandasse outro Abuna, porque nao 
queria pastor schismatico senao catholico. Vamos as cartas. 
a. Litterae Pau- Carta da Sanctidade do Papa Paulo V pera o Empsrador de 

anno x6ii daueT Etiopia : 

* Papa Paulo V a nosso charissimo filho em Christo Seltan 
« (^agued illustre *rey de Ethiopia saude e ben<;^o apostolica. Nosso f. 281. 
« charissimo filho em Christo, muito nos alegramos no Senhor vendo as 
« cartas que Vossa Magestade doo ao [a]mado filho, pio e religioso varao 
« A ntonio Femandez da Companhia de Jesus, pera que nolas trou 
« xesse, porque entendemos, o que muito desejavamos, todas vossais 
« cousas irem avante felixmente, e que vos tinha o Senhor feito po- 
« deroso sobre todos vossos inimigos, entregando nas vossas maos 
« os gentios que chamSo Gallas, contrarios a vosso imperio, e ven- 
« cendoos muitas vezes, damos gra^as ao poderoso Deus que clemente 
« ouvio nossos rogos por Vossa Magestade, porque desejamos muito 
« que estejais quieto e livre de todas as perturba^Oes, pera que 
« tanto mais vos possaes occupar na propaga<;ao do culto divino, e 
« saudavel insino da religido catholica ; pola coal causa com pia- 
« doso zelo de nosso officio pastoral e pola patema charidade, com 
« que trazemos no seo do cora^ao a Vossa Magestade e aos povos 
« que Ihe sao sogeitos, nosso amado filho em Christo, estamos muito 
« pezarosos e sentimos muito nao ser chegado ainda a nos o amado 
« filho Antonio Femandez, que nos pudesse declarar as cousas que 
« desejamos, e dizeraos juntamente as que Ihe mandastes. Estamos 
« sempre aparelhados pera ajudar a V. Magestade nas cousas que 
« podemos ; e cremos que tereis conhecido isto por e^)eriencia se 

< re^ebestes ja nossas cartas, nas quaes no principio do anno pas- 

< sado vos significavamos que procuravamos com diligencia o que 
« nos pedistes que solicitassemos vossos negocios com nosso cha- 
« rissimo filho em Christo Phelipe poderoso rey de Hespanha; o 
4c que tambem dizemos, pera que desta nossa alegfria confirmeis tanto 
« mais a confian<;a que queremos tenhaes em nos, e pera que saibais 
c que respondemos a vossas cartas, das quaes arre^eais que nos nao 
« fossem dadas. Rogamos que tenhais continuamente augmento da 
€ divina graga ; e das intimas entranhsis de nosso coraijao damos i 
€ V. Magestade nossa ben^ao apostolica. Dada em Roma em 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VLh CAPITULO XXVI. 31I 

€ s. Pedro debaixo do anel do Pescador, i de fevereiro de 161 1, de 

« nosso pontificado anno 7 ». 

Copia da que o Emperador de Ethiopia escreveo em reposta 3- Responaum 
j ^ ,0 o x^j j Scltan SagAdad lit- 

desta a bua bantidade : ^^^ supcrius rcU- 

€ Carta de Seltan (j^agued emperador de Ethiopia pola graga ***• 

€ do todo poderoso Deus, a quo omne datum optimum et omne do- 

€ num perfecium^ chegue ao santissimo papa Paulo V com a paz de 

€ Christo nosso Senhor, in quo habemus redemptionem per sanguinem 

€ ejus. Esta paz seja sempre com Vossa Sanctidade e com toda a 

€ igreia de Deus, amen. A carta de V. Sanctidade de 614 \sic\ (i) 

€ recebemos o anno seguinte, a qual por rezSo do tempo nao po- 

€ demos responder, porque ja as naos erao partidas ; do que muito 

€ nos pezou, por ter sucedido o mesmo no anno pregedente, mas 

f.28i,v. € alegramonos muito com sabermos da saude de V. Sanctidade*, a 

f qual Deus queira acrecentar por muitos annos ; tambem porque 

€ nella achamos esperan<;a de V. Santidade nos aver de ajudar com 

c nosso jrmao dom Phelippe emperador de Espanha, sem o qual 

€ nao podemos alcan^ar o que pretendemos, o que outras vezes ia 

€ significamos a V. Sanctidade, e tera ia mais claramente entendido 

€ pelas cartas do padre Pero Paez da Companhia de Jesus, o qual 

€ mandariamos a V. Sanctidade pera que desse noticia do estado 

€ de nossas cousas ; mas, pera que temos necessidade de sua assi- 

€ stencia e conselho, mandamos ao padre Antonio Femandez da 

c mesma Companhia com nosso embaixador Fecur Egzy pera que 

c com a mayor presteza que ser puder tenha eflfeito o que pedimos, 

c e juntamente se nos invie pastor que nos insine com verdade e 

c nos goveme com inteireza de custumes. Rogamos tambem aflfec- 

c tuosamente que nao aja nisto tardan^a, porque assy o pede o pre- 

c zente estado de nosso imperio. E porque temos emcarregado ao 

c padre Pero Paez declare nas suas a V. Santidade o que inten- 

c tamos sobre as cousas da f6e, e o sucesso que teve, nao dizemos 

c nesta mais. O autor deste nosso desejo e vontade Deus nosso Se- 

c nhor por sua bondade de o desejado fim nos felices annos de 

c V. Santidade, a quem humilmente pedimos nos conte no numero 

c dos Reis catholicos, porque nem a morte nem a vida nos podera 

c ia afastar dasanta fee da Igreja Romana. Escrita.em Dambeana 

c nossa corte de Deqhana, aos 6 de junho de 16141. 

(I) Lege: (> 611 ». 



Digitized by 



Googl( 



312 



HISTORIA DE ETHIOriA A ALTA OU ABASSIA 



4* Epittola eiusd. 
ad Philippum III 
Hispaniae regem 
anno 16x4 conscri- 
pta. 



5. Bpittola Phi- 
lippi in ad Seltan 
SagAd anno 16x5 da- 
ta. 



Outra do Emperador pera S. Magestade: 

« Carta de Seltan Qagued emperador de Ethiopia chegue a 

nosso irmSo dom Phellippe Emperador de Espanha com a paz 

de Christo nosso Sanhor, que pola redemp^ao do mundo se hu- 

milhou ate a morte e morte de cruz. Esta paz seia sempre com 

V. Magestade e com todo seu imperio, amen. Muitas vezes escre- 

vemos a V. Magestade por via da India sem termos reposta ne- 

nhuma, nSo sabemos se por se perderem as de Vossa Mctgestade 

ou as nossas; polo que inviamos o anno passado por terra ca- 

minho de Melinde ao padre Antonio Fernandez da Companhia de 

Jesus, e com elle nosso embaixador Fecur Egzy, pera que pu- 

dessem dar inteira conta das cousas do nosso imperio e declarar 

melhor nosso dessejos, que sao unimos com V. Magestade e re- 

duzir nossos imperio a santa Igreja Romana, o que intentamos 

muitas vezes com nossos vassallos, sem o podermos acabar, por- 

que, ainda que estao muitos de nossa parte, e em particular Cella 

Christds nosso irmao e d. Bella ChristSs nosso primo principal 

pessoa de nosso imperio, outros resistem de maneira que total- 

mente o impedem; polo que nao pode ter eflfeito, se V. Magestade 

nos nao inviar os mil e quinhentos homens que nas passadas pi- 

dimos; o que Ihe sera muito facil como, temos bem entendido, 

principalmente por hum mancebo nosso vassalo, por nomejorge, 

postos tinha V. Magestade *os olhos nas cousas do nosso imperio, f. «^a. 

pera as favorecer, nem no caminho ha muita difficuldade; polo 

que esperamos que V. Magestade nao na tera em concluir com 

brevidade negocio de tam grande bem spiritual de nosso imperio, 

e temporal de ambos. Assy acabamos pedindo a Nosso Senhor 

« tenha sempre de sua santa mao a real pessoa e estado de V. Ma- 

« gestade. Escrita em nossa corte de Dambia i 3 de julho de 1614». 

Copia de huma de S. Magestade pera o Emperador de Ethiopia: 

« Muito nobre e muito poderoso Emperador de Ethiopia, eu 

« D. Phelippe por gra^a de Deus rey de Portugal e dos Algarves 

« daquem e dalem mar em Afnca, senhor de Guine e da conquista, 

« navegagao e comercio de Ethiopia, Arabia, Persia e da India etc. 

« Vos invio muito saudar, como aquelle que como irmao muito 

« prezo e amo. Por cartas que tive dos religiosos da Companhia, 

« que por minlia ordem assistem em esses vossos reinos, entendi 

« quam disposto estaveis a dar com elles a obediencia a Igreja Ro- 

' mana ; e posto que por esta obra ser toda de Deus, que moveo 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXVI. 315 

« vosso cora^ao ao caminho da salva^ao, se Ihe devem a elle as 
« gra<;as desta vossa santa ten^ao, e que por este respeito estaes 
« vos em particular mais obrigado a reconhecerlhe dividamente o 
« emcaminharvos ao que tanto vos convem, por ser cousa em que com 
« vossos antepassados os senhores Reys m^us predessessores tanto 
« instarao, como sabeis, obrigados da lian^a e amor que com elles 
f tiverao sempre, m3 pareceo que tambem volas devia dar por esta, 
« como o fa^o ; e significarvos por ella juntamente que foi esta nova, 
« que os padres me inviariao, pera mim a mais alegre que se me 
« podia dar ; e assy vos rogo affeituosamente que quanto mais bre- 
« vemente puder ser executeis esta vossa detrimina^ao, tendo por 
« certo que Deus nosso Senhor, que vola inspirou, vos ha de ajudar 
^ e favorecer de maneira no effeito della, que tudo o que se vos 
« oponha de difficuldade se facilite e se ven^ao todos os inconve- 
« nientes que o impidirem. O bom tratamento que de vos recebem 
« os ditos religiosos, de que elles tambem me avisao, vos agrede^o 
« muito, e vos peQO muy emcarecidamente que o continueis, pois 
« pera vos acompanharem e assistirem em vosso s^rvicjo os inviey 
« de tam remotas partes a vossa corte, desejando muito que por 
« seu meo viessem vossos vassallos em conhecimento da prehemi- 
« nencia da santa Igreja Romana, a que todo o corpo dos fieis deve 
« reconhecer por cabecja polas rez5es, e amoestaijOes que delles 
« tereis entendido; que por sua verdade sao muy faceis de com- 
« prehender, e porque a authoridade, que vos em tudo Ihes derdes 
« entre os vossos h6 de tanta importancia como se deixa ver, rece- 
« berey especial contentamento em os ouvirdes, e favorecerdes em 
« tudo o que se offerecer ; porque todos vejao e conheijao a honrra 
« que Ihes fazeis ; e o mesmo vos pego fa^ais aos descendentes dos 
« Portugueses, que em vos*sos reinos assistem conservandolhes seus 
« privilegios, pois Ihie sao tam devidos por filhos e netos dos que 
« derao as vidas pera deffensao dessa coroa. Ao meu Viso Rey da 
« India mando escrever que corresponda comvosco particularmente, 
4c que pera tudo o que vos comprir pera bem de vossas cousas, vos 
« ajude quanto Ihe for possivel, no que tenho por certo nao faltara. 
« E quanto a ajuda que pedis daquelle meu estado, pera cobrardes 
« o que nos vossos vos tem tomado alguns inimigos, de que os ditos 
« padres me derao conta, bem deveis ter entendido as occupa^Oes 
« precisas com que de presente se acha a gente de guerra que aly 
« me esta servindo ; e comtudo podeis estar certo que, dando ellas 

C. Deccari. /ier. Aetk. Scri/t, occ. in-d. — VI. 40 



Digitized by 



Googl( 



314 HISTOKIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

€ lugar, vos dara nesta materia todaa satisfaQSlo que puder ser, con- 
€ forme ao muito que eu desejo que tudo o de meus reinos e estados 
€ vos seja de proveito pera o que vos cumprir. Muito nobre e muito 
€ poderoso Emperador, que como irmSo muito amo, Nosso Senhor 
€ aja sempre vossa pessoa e real estado em sua santa gtiarda. Escrita 
€ em Lixboa a 21 de fevereiro de 161 5. Rey ». 
6. Lxtterac Pau- Copia de huma do papa Paulo V pera o Emperador de Ethiopia. 

no 161 6 coMcriptae! * Paulo papa V a nosso carissimo em Christo filho Seltan Qa- 

€ gued, illustre rey de Ethiopia Nosso carissimo em Christo filho, 
c saude e ben^ao apostolica. Recebemos a carta de V. Magestade 
€ de 2 de julho do anno passado de 161 5; grande consola<;ao de 
€ animo nos deo certamente o zelo e piedade com que aceso vos 
€ vemos desejar a redu^ao dos povos sojeitos a vosso imperio ao 
€ gremio da santa madre Igreia catholica apostolica romana. Damos 
€ gragas a Deus, pay das misericordias que alevantou em vosso animo 
« pensamentos dignos de Rey pio e prudente ; e damos a V. Ma- 
€ gestade os parabens com todo afifecto de nosso cora<;iao, porque 
€ de tam ardente cuidado como em vos vemos de procurar a sal- 
€ va^ao dos outros, colhemos nao leves indicios da particular mi- 
€ sericordia com que o Senhor vos quer aparelhar coroa da gloria 
« do reino celestial que nao se acaba ; pois que o que procura a 
« salva^ao dos proximos, alcan^a pera si a propria; porque com a 
« medida com que midimos aos outros, com a mesma avemos de ser 
« medidos, disse nosso Redemptor ; poloque tanto mais exhortamos 
« a V. Magestade que persevere no santo proposito, e ainda que 
« ate agora tenha experimentado graves difficuldades, comtudo isso 
« insista sempre mais fortemente, cuidando vos mesmo comvosco 
« que trabalhajs pola gloria daquelle que he rico em *misericordia, f. 283. 
« e a paga abundantemente; nem vos perturbe cousa alguma que 
« pare^a impidir vossos conselhos, porque piadosamente devemos 
« crer que o permita a divina prudencia, cujos juizos abyssus mulia, 
« pera com o exemplo de vossa constancia, principalmente em cousa 
« que juntamente perten^a a gloria de Deus e a venera^ao da santa 
« see Apostolica, e ao proveito de vossas almas, tanto mais se con- 
« fundao os que, esquecidos de sua propria salvacao, sem nenhum 
« temor de Deus se afastarao da comunica^ao da santa Igreja ca- 
« tholica, e do culto e obediencia a ella devida. Com esta conso- 
« la^ao nos consolamos na gravissima molestia que nos deo o im- 
« pedimento, polo qual nos escreveis que se tomou do caminho o 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXVI. 315 

€ embaixador que nos inviaveis, pera que conforme ao custume dos 
€ Reis christaos desse em vosso nome obediencia a n6s e a esta 
c santa cadeira; e certamente nos consolamos tanto mais, quanto de 
€ nenhuma maneira duvidamos que ajais de disistir nunca, ate que 
c lovavelmente acabeis o que pia e prudentemente comeQastes. 
c Alas escrevemos a nosso carissimo em Christo filho Phelippe po- 
c deroso rey das Hespanhas, e como nos pidistes, o exortamos ama- 
c rosissima e efl&cassiQimamente, queira de toda a maneire dar a 
c ajuda que delle pretendeis; e mandamos estreitamente a nosso 
c nuncio apostolico, que ao mesmo Rey assiste, prociu"e com dili- 
c gencia a execugao de vossa peti^ao, e assy queremos que se per- 
« suada V. Magestade que nao avemos de deixar nada pera que 
c quanto pudermos em nosso Senhor Ihe mostremos no mesmo Se- 
c nhor o amor particular e charidade paternal, que nas entranhas 
c de Christo Ihe temos. Mas ainda que vos trazemos continuamente 
c no seo d'^ nosso cora<;ao, avendo occasiao e poder, nao achareis 
c certamente falta na promptidao de nosso animo. E entretanto, lem- 
c brandonos sempre de vos em nossas oragOes, rogamos com todo 
c o offecto de nosso cora<;ao que V. Magestade tenha augmento de 
c divina gra^a e perseveran<;a no santo proposito e Ihe damos amo- 
< rosamente nossa ben<;ao apostolica. Dada em Roma em s. Pedro 
c sub anulo Piscatoris a 23 de dezembro de 1616, anno 12 de nosso 
c pontificado ». 
f.283,v. *Copia de huma de S. Magestade pera o Emperador de Ethiopia. 7. EpistoU Phi- 

c Muito nobre e poderoso Emperador de Ethiopia. Eu dom Phe- ^^i ,5,* ^**™ *°* 
c lippe por graga de Deus rey de Portugal e dos Algarves da- 
c quem e dalem mar em Africa, senhor de Guine e da conquista, 
c navega<^o, comercio de Ethiopia, Arabia, Persia e da India etc. 
c Vos invio muito saudar como aquelle que como irmao muito amo 
c e prezo. Ha poucos dias que por terra recebi huma carta vossa, 
c pela coal entendi o estado das cousas de vossos reinos, e soube 
c juntamente que de alguns annos a esta parte nao se vos aviao 
* dado as que vos tenho escrito em reposta de outras que por di- 
c versas vias me derao vossas. E posto que ja agora he de crer que 
c avereis recebido algfuma, me pareceo significarvos por esta, como 
c o fa<;o, que todos estes annos se nao faltou a esta correspondencia 
c por todos os caminhos, por que se alcan<?ou que ella poderia me- 
c Ihor consegfuirse ; mas como elles estao tam impididos, como sa- 
c beis e desta vossa carta o entendo, com facilidade podiao cair os 



Digitized by 



Googl( 



3l6 HISIORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

< despachos em maos de inimigos, e tambem esta p)odera aver sido 
€ a causa de nSo averem chegado as nossas. Muito me tenho ale- 
« grado de saber a boa disposi^Slo de vosso estado e pessoa real, 
« e o animo que tendes de reduzir vossos reinos a obediencia da 
« santa Igreia catholica Romana, em que respondeis inteiramente 
« ao que deveis a boa memoria dos Emperadores vossos antepassados, 
« que tanto precurarSo o que vos pretendeis e feizeis o que deveis 
« a Nosso Senhor e a quem vos sois ; e quanto ao soccorro que me 
« pedis, vos in\ie, pera com mais facilidade conseguirdes este in- 
« tento, e obrigardes com a for^a delle *aos que a encontrao ; pre- f. 284. 
« zente vos deve ser qual he a vontade com que volo mandara dar 
« pera se consegfuir tam santa obra como esta, pois em toda a oc- 
« casiSo experimentarao os Emperadores vossos passados nos senhores 
« Reys destes reinos meus predecessores a que tinhao pera suas 
« cousas, como os .soccorros que Ihes derao, com que redusirao seu 
« imperio a obediencia, e o livrarao do poder dos mouros ; e que eu 
« tambem os siguira polo particular desejo que tenho de que tudo 
« o que vos toca se emcaminhe felizmente, se a India nao estivera 
« tam cercada de inimigos naturaes e estrangeiros, com quem a 
« guerra actualmente esta rota, que nao he possivel dividiremse por 
« hora as for^as delle. Porem eu tenho mandado a meu Visorrey 
« que, tanto que as occasioens prezentes o permitirem, vos acuda 
« com tudo o que puder infalivelmente, como podeis estar certo que 
« o fara, em quanto o tempo k isso nao dk lugar (que permitira Deus 
« seja com toda a brevidade) deveis conservar vosso bom proposito 
« com animo inteiro, e ir dispondo, quanto vos for possivel, os dos 
« grandes que se desviao delle, pelo milhor modo que convier, pera 
« que se de<;ao de sua ma opiniao ; e pera tudo sera de grande im- 
« portancia dardes todo o favor e ajuda aos religiosos da Companhia 
« que andao em vossos reinos, peraque sejao elles tam estimados 
« e respeitados como se deve a ministros de Deus, cujo ofBcio re- 
« prezentao, e ao animo com que por salva^ao de vossa alma e das 
« de vossos v2issalos se offerecerao a entrar nessas partes, nao te- 
« mendo os grandes perigos e longos caminhos que passarao, alon- 
« gandose tanto de sua patria; entendendo que receberey tambem 
« disso particular contentamento e especial gra^a de v6s, muito nobre 
« e muito poderoso Emperador, que como irmao muito amo e prezo. 
« Nosso Senhor aja sempre vossa pessoa e estado em sua santa 
« guarda. Escrita em Lixboa a 10 de mar^o de 161 7. El Rey >. 



Digitized by 



Googl( 



f.a84.v. 



LIVRO VII, CAPITULO XXVI. 
*Copia de huma do Emperador pera S. Sanctidade: 



317 



8. SpistoU Seltan 
c Carta de Seltan Qagiied emperador de Ethiopia chegue ao ^^ ,g,j^ * ^™ 
c santo papa Paulo V com a paz de Christo nosso Senhor, fui di' 
€ lexit, et tradidit semetipsum pro nobis; esta paz seja sempre com 
« V. Sanctidade e com toda a Igreia catholica. A carta de V. San- 
c ctidade de 16 16 nos chegou agora, a qual recebemos com a vene- 
« ra^ao devida, e nos alegramos muito vendo o amor patemal que 
c nos mostra e o zelo grande do bem e remedio de nosso imperio, 
c pelo qual damos muitas gra^as ao pay das misericordias, que nos 
c consolou e fez esta merce tam grande que V. Sanctidade tomase 
c este negocio tanto a sua conta; o que nos deo grande esperancja 
c que tera o fim desejado, ainda que a dila^Slo que houve, ate agora, 
c nos faz arrecear que nos prevenha a morte antes que se cumpra ; 
c porque de mais de ser a vida tam fraca e quebradi<;a, nao nos 
c faltao indisposi^Oes que nos dem indicio disso, se tarda o remedio. 
c Comtudo esperamos da liberal mao daquelle que he rico pera todos 
c os que o invocao que nos concedera ver prosperamente o fim de- 
c sejado, pois, demais de ser cousa de tanto seu servi^o, sabe que 
c desejamos com todas nossas entranhas e coragao, e temos provados 
c todos os meos possiveis, nao somente representando a V. Sancti- 
c dade e ao Emperador de Espanha nosso jrmao o que hera neces- 
c sario pera concluir este negocio, mas por rezao da tardan<;a me- 
c temos toda nossa forga pera o por logo em execugao, porque, ainda 
c que tinhamos de nossa parte muitos ecclesiasticos e seculares, o 
c Abuna Simao amotinou o povo e os grandes contra n6s, de ma- 
c neira que teve por sy os mais dos capitaes ate hum nosso genro, 
c 4 quem tinhamos dado muita for^a de gente, e nosso proprio ir- 
c mao a quem depois de nos tinhamos dado o poder de todo o Im- 
c perio ; e vendose com tanta ^for^a nos vierao dar batalha campal, 
c tendo per muito certa a vitoria ; mas o Senhor, em cuja mao ella 
c esta sempre, teve por bem de nola dar milagrosamente, porque 
c sem perder nenhum soldado, teve por bem de nos entregar todos 
c os inimigos, huns mortos na batalha, outros despois della prezos, 
c como ja escrevemos a V. Sanctidade ; o que ouvera de bastar pera 
c conhecerem por verdadeira a fee que nos desejamos plantar em 
c nosso imperio; mas a inveja e a paixao grande que tem os cega 
« ate hoje, pera que nao vejao esta verdade tam clara, nem dem 
c lugar a rezao ; polo que por hora nao nos h6 possivel deixar de 
« ir contemporizando com elles, ate que V. Sanctidade e o Empe- 



Digitized by 



Googl( 



31 8 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

« rador de Espanha nosso irmao nos acudao com que temos pidido, 
« ou Deus Nosso Senhor Ihe dee verdadeiro conhecimento e troque 
« seus cora^Oes. Comtudo nao deixaremos de fazer quanto puder- 
« mos por todas as vias, nem faltaremos hum ponto ate a morte do 
« que temos declarado e prometido a V. Sanctidade ; a quem hu- 
€ milmente pidimos nos mande encomendar nos santos sacrificios 
« que se offerecem nos lugares dos santos apostolos s. Pedro e s, Paulo, 
« e de la nos lance sua santa ben<^o apostolica^ pera que tudo nos 
« soceda prosperamente, porque a isto atribuimos o bom sucesso pas- 
« sado, e ao mesmo respeito o esperamos semelhante ao diante. Em 
« nossa corte de Deqhana a 15 de julho de 1618 ». 

Copia de outra do Emperador pera Sua Magestade: 
9. Alsa eiusdem ad « Carta de Seltan Qagued emperador de Ethiopia chegue a nosso 

anno data. * irmao dom Philippe emperador de Espanha com a paz de Christo 

« Nosso Senhor, in quo habemus redempHonem et remissionem pecca- 
« torum; esta paz seja sempre com V. Magestade, e com todo seu 
« imperio. Amen. Pelos padres da Companhia, que estao nesta nossa 
« corte, soubemos como este anno vinhao cartas de V. Magestade 
« que esperavamos com grande alvoro^o ; mas ate agora as nao re- 
« cebemos por aportar a Moqha *a nao que vinha a Ma^ua, por ^,285,1. 
« faltade de vento ; e porque ia nao nos p)odem chegar a tempo que 
« Ihes possamos responder, fazemos esta pera que V. Magestade 
« saiba como cada dia nos da nosso Senhor novos desejos de levar 
« ao fim desejado a redugao de nosso imperio, como por vezes temos 
« significado a V. Magestade, juntamente como que pera isso era 
« necessario que nos inviasse de seu impsrio socorro de mil solda- 
« dos. E vendo que isto se dilatava, intentamos com s6 nossa forQa 
« polo logo em execugao; o que nao pudemos alcangar; porque, 
« ainda que tinhamos de nossa parte muitos ecclesiasticos e secu- 
« lares, o Abuna Simao amotinou os grandes e a gente popular 
« contra nos de maneira que teve por si os mais dos capitaes, ate 
« hum nosso genro, a quem tinhamos dado muita for^a de gente, e 
« nosso propio irmao ; e vendose com tanta forga, nos vierao dar 
« batalha campal, tendo por muito certa a vitoria ; mas o Senhor, em 
« cuja mao ella esta sempre, teve por bem de nola dar milagrosa- 
« mente: porque sem perder nenhum soldado nos entregou todos 
« nossos inimigos huns mortos na batalha, outros despois della pre- 
« zos como ja escrevemos a V. Magestade : o que ouvera de bastar 
« pera conhecerem ser verdadeira a fee que desejamos plantar em 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXVI. 319 

c nosso imperio; mas a inveja e paixao grande que tem os cega 
c porque nao vejao esta verdade tam clara, nem dem lugar a rezao, 
c polo que por hora nao nos he possivel deixar de dissimular com 
< elles, ate que V. Magestade nos acuda com o que temos pidido ; 
c no que esperamos nao avera falta, pois he cousa tam digna de 
c Emperador tam zeloso da gloria divina e augmento da santa fee 
c catholica, como V. Magestade, com o que nao somente tera grande 
c coroa diante de Deus, mas tambem glorioso nome enire todos os 
c Reys catholicos, ajuntandose por seu meu hum imperio tam grande 
c como este a sancta Igreja de Roma; cousa que tanto desejarao 
c e procurarao os serenissimos Reis de Portugal antepassados de 
c V. Magestade, os quaes nao ganharao a V. Magestade no zelo de 
f. 286. € Rey catholico, nem o igfualarao, *porque parece tinha Deus guar- 
c dada pera V. Magestade esta gloria. Nos tambem nos temos por 
c ditosos em se querer Deus servir de n6s nesta tam grande empreza, 
c e em nos dar nella a V. Magestade por principal brago ; mas de- 
c sejamos que nao se dilate isto tanto que nos antecipe a morte 
c antes de alcangarmos o fim desejado, porque, se assy contecer, com 
c difficuldade se podera despois effeituar; e agora sera muito facil, 
c porque na entrada nao ha difficuldade, nem depois parece a avera 
c na conserva<;:ao, porque de mais de darmos aos que vierem as terras 
c do Bahar Nagaes, que sao de grande proveito e for<;a, pera isso 
c acudiremos com todo o resto de nosso poder, se a necessidade o 
c pidir. E porque V. Magestade esta bem inteirado por outras de 
c todas estas cousas, acabamos pedindo a Nosso Senhor conser\'e 
« por muitos annos sua real pessoa e acrecente sempre seus esta- 
c dos. Escrita em nossa corte de Deqhana a 13 de julho de 16 18 >. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XXVII. 

Contase a historia de hum novo Christo, que em Ethiopia 
se alevantou, e o sucesso que tiverao elle e seus di- 
scipulos. 



Nao ha monstruosidade que se nSo ache aonde a ignorancia reina i. Historia cu- 

..,.,. ^ . iuadam monachi Za 

e a escura noite da heregia estende o negro manto de sua cegueira. chriatAs, qui ae alte- 

No anno de 1603, reinado o emperador Za Danguil, hum frade por ™™ Meaaiam eaae 

"^ ^ ^ ^ dictitana, novam se- 

nome Za Christos no reino de Amara se publicou e apregou assy cum condidit. Za 

mesmo por Christo, dizendo tomara o filho de Deus segunda vez rJSpiacere^^irium 

came humana do povo gentilico pera o unir com o iudayco, e que capite damnavit. 

avia de morrer crucificado e resucitar ao terceiro dia; ajuntou muitos 

discipulos e nomeou doze Apostolos, pondholes os nomes dos ver- 

dadeiros. Insinavalhes que se circumcidcissem (como todos o fazem), 

f.286,v. que guardassem *a honra da santissima Trindade tres dias na so- 

mana : o sabbado a honra do Padre, o domingo a honra do Filho, 

a 2* feira a honra do Spirito Santo. Festejavao estas dias com muita 

solenidade, e nem ainda na quaresma jejuavSo nelles. Ouvindo o em- 

perador Za Danguil os desbarates deste homem, o mandou vir prezo 

a corte com seus doze discipulos; aonde foi condenado a morte e 

pera que suas professias da morte da cruz e res^orrei^ao ao 3^ dia 

fossem conhecidas por falsas, foi degolado ; e seu corpo esteve sete 

dias no campo a vista de todos, pera que se visse com 6s olhos que 

nao res^ucitara ao 3° dia. Mandava tambem o Emperador matar os 

C. Beccari. R*r. Aeik, Scripi. oic. ined. — VI. 4Z 



Digitized by 



Googl( 



32 2 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

doze pseudo Apostolos, mas elles com o medo da morte e com o 

desengano da de seu mestre, confessando seu erro, pidirao miseri- 

cordia, e rogando por elles muitos senhores, alcan^arao perdao e se 

tornarao pera suas terras. 

a. Siu8 asseclae Estes mesmos, despois de quatorze annos, vendo boa occasiao 

cum ad viuro redxis- . • j i / • • j ^ ^ 

se aasercntes, multos P^^^ sairem com novidades (por o impeno nestes annos de loio, 17 

eplcbeadsuaspartes ^ jg andar alterado com as disputas e altercacOes sobre as materias 

trazenmt. Abba Za 

Maiacot et FecAr da f6e, que atraz refirimos, e com os alevantamentos que se siguirao, 

TMitme^aTuiser- ^ ^^ pouco que contamos) tomarao a resucitar seus erros e disba- 

roribus revocent. rates, afirmando que seu mestre Za Christos (ao qual ia nao chamavao 

Tunc Impcrator re- 

beUes vi submittere Za Christos, que quer dizer de Christo, senao Zo Christos, que val 

vMan^ae^stu^^^rchi' ^^^^^ como o que he Christo) resijucitara, e Ihes aparecera muitas 

cx altissima rupe vezes, e mandara que guardassem os tres dias que acima nomea- 
cum uzoribus et filiis , «j- a j'7/-'t_«^ 

praccipitcs sc dcde- ^o^, e que quando commungavao dissessem : A came de Zo Chnstos, 

runt; rcliqut numc- q^^ tomou de Amata Danguil (assy se chamava sua may) vos salve; 

ro 488 cz eadcm 

rupc a militibus de- e as fazendas de todos fossem commuas como as dos christaos da 



lecti. 



primitiva igreja. Foi lavrando este fogo de erros tam absurdos de 
maneira que era ja muita a gente que os siguia, e na provincia de 
Oleca, que confina com o Amara, ajutandose muitos destes idiotas, 
frades e freiras e outra gente rude do povo, dedicarao hum templo 
muito grande, que estava em hum monte alto, ao seu novo Missias 
Zo Christos, *e diziao que se hiao ali faizer santos. ^«287. 

Ouvirao estas novas o Emperador e seu irmao Ras Cella Christos, 
o qual governava o reino de Gojam e a pro\dncia de Oleca ; man- 
darao alguns homens letrados com al<;ada pera os insinar se se fi- 
zessem capazes reconhescendo seus erros e pera os castigar se nelles 
se mostrassem pertinazes. Abba Za Malacot foi mandado do Empe- 
rador, e Ras mandou a Fecur Egzy, hum dos melhores capitaes 
e letrados que thinha em seu arrayal. Este em chegando mandou 
prezos dous frades dos principais mestres destas illusOes e desba- 
rates. Estava o padre Pero Paez neste tempo com Ras; mandouo 
chamar pera diante de muita gente os insinar e convencer de seus 
erros : felo o Padre de maneira que se derao por convencidos e ce- 
derao de sua pertinacia. Mas nao no fizerao assy os que ficarao em 
Oleca, antes por mais que Abba Za Malacot e Fecur Egzy traba- 
Iharao polos insinar, tapando os ouvidos e fechando os cora<;:6es 
se ofiFerecerao a levar todo o castigo, tormentos e morte antes que 
ceder de sua errada opiniao. 

Disselhes entao Fecur Egzy que se determinassem, e tomassem 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXVII. 323 

bom conselho ; porque, se nao deixassem seus erros, os avia de des- 
penhar de humas altas rochas, que estavSo junto aquella sua igreja ; 
ounvindo isto, antes que os lan^assem, langarao logo alguns seus 
proprios filhos, e outros se despenharao assy mesmos, fazendose em 
muitos peda^os. O piedoso capitao movido com sentimento, e ma- 
goado com tam miseravel espectaculo, se chegou a elles e lan<;tandose 
a seus pees Ihes pedio que atentassem bem o que faziao e nao quises- 
sem perder tam brutamente alma e corpo ; que estava prestes pere 
Ihes perdoar, se quizessem deixar sua pertinacia, mas nem isto bastou 
com animos tam obstinados; tanto pode a cegueira, e tanto cega 
a hum pobre homem o inimigo do genero humano. Executouse o 
castigo em quatro centos e oitenta, que aly se acharao ; forao todos 
despenhados e feitos em muitos peda^os nais agudissimas pontas de 
altissimas rochas, e como conta o coronista do Emperador em outro 
dia forao mortos outros duzentos com o mesmo genero de morte: 
f.287,v. e desta maneira foi acabada *e sepultada esta barbara heregia de 
sorte que ate hoje nao tornou mais a renascer. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XXVIII. 

Principio da conversSlo A nossa sancta f6e 
dos Agaus de Gojam. 



Ha no imperio Abexim duas provincias povoadas de Agaus, x. Ag6u8, gens 
huma no reino de Begameder chamada LastS, terra muito montuosa praeaitoTmontcs in 

e serranias tam altas e difficultosas de subir que sao coasi inexpu- regnis Begameder 

et Ooggiam. Vultu 
gnaveis : nestas ha mais de dez annos se sostentao varios alevantados s ont decori et co- 

contra todo o poder do Emperador; outra provincia de Agaus ha 8toritia?et^grorum 

no reino de Gojam: e tambem he de serras bem asperas, mas nao cultui dediti, fru- 

, . mento, meUe et nu- 

tam altas como sts de Begameder. Esta provmcia que tera vmte merosis boum et 

legoas de comprimento, e de largo seis ou sete, se repstrte em vinte ^^^^gg™i^!^rium 

comarcas, pouco mais ou menos, todas junto a corrente de Nilo, o Aethiopiae regum 

qual nascendo em huma dellas que se chama Saqhala, vai correndo guia conflsi natura- 

pelo meo de muitas das outras, ate se meter na alagoa de Dambea, ^^^^, mimitionibus, 
^ ° sylvis scilicct et ca- 

e despois de rodear todo o reino de Gojam, vem voltando por iunto vemis. 

a outras que confinao com a dos Gongas. Estes montes sao muito 

ferteis de mantimento e muito povoados de mato e arvoredo, espe- 

ciahnente de bambuaes tam cerrados e bastos, que estes Ihes ser- 

vem de fortalezas e muros contra os assaltos dos inimigos ; porque 

por entre estes bambuaes fazem elles seus caminhos estreitos e 

com muitas voltas a modo de labarinto, e recolhemse no meo, rt- 

cando cercados destes bambuaes por espa^o de hum ter^o de legoa, 

e a partes ha acerca de mais de huma legoa, de sorte que he im- 



Digitized by 



Googl( 



326 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

f)ossivel rompela, ou ro<;ar mato tam duro e entricado; e na occasiao 
da gneira fechao os caminhos, cortando arvores grossas, que os atra- 
vessao, e elles tambem por entre o mato como ladrOes de casa 
com arco e frecha ferem a seu salvo aos que *os querem acometer : f. 288. 
a estas devezas chamSo Secutes. 

Tem tambem em muitas partes grandes grutas debaixo da terra 
feitas pela natureza em lageas e pedras, que tendo a entrada estreita la 
dentro se alargao, e sao capaizes de muita gente: chamaolhe Fartatas; 
algumastemagua dentro, e nellasse recolhem tambem emquanto passa 
a for<;:a do excercito inimigo. Sao estes Agaus de Gojam todos gentios 
muito dados a feticeria. Como a terra he fertil, tem muito manti- 
mento, especialmente milho, e muito mel, que he em Ethiopia grande 
mercadoria, por fazerem delle o vinho que bebem ; gado vaccum 
tem muito e muito fermoso ; e como homens do mato nenhum veste 
panno, senao couros das vacas que matao e comem cruas, como os 
Abexins; batemnos bem, de sorte que ficao macios como se forao 
cordavao, e tingemnos de vermelho; e cadahum, assy homens como 
molheres, cubrindoo pelos hombros, ou cingindoo pela cinta, sem 
mais outra cousa alguma que cubra nem vista, vai tam contente como 
os que mais o vao com as mais preciosas e ricas galas do mundo. 
Nao tem Rey nem senhor algum que os goveme ; cada comarca he 
por sy, e governao nella todos os que mais valem e podem; sao 
de cores ba^as, menos pretos que os Abexins, de boas feiQOes, va- 
lentes na guerra, posto que nao custumao a ir buscar os inimigos 
longe de suas terras, contentandose com as defender. E assi se de- 
fenderao muitas centenas de annos, nao somente contra os Cafres 
visinhos, que Ihes ficao ao ponente, mas contra a for^a dos Empe- 
radores nao Ihes pagando coasi nunca tributos. He verdade que 
muitas vezes os capitaes e excercitos imperiais faziao nas terras 
dos Agaus suas entradas, matavao e cativavao a muitos, e traziao 
grandes prezas de gado, egoas e cavallos, mas tambem sayao dellas 
muitas vezes bem escalavrados e com perda de muita e boa gente ; 
e os Agaus antes escolhiao estes trabidhos, que Ihes sobrevinhao 
raras vezes, que pazes com os Abexins, no tempo das quoais fi- 
cavao quasi como cativos e sogeitos a muitas tirannias que a gente 
de guerra do Emperador *alojandose em suas aldeas, continuamente f.288,T. 
Ihes fazia. 
a. Ag6us, praeiio Comtudo este emperador Seltan (^agued, como foi sempre ven- 

devicti, pacema^ . .^^j .j 

Susne6s implorant, turoso na guerra em que se criou e excercitou toda a \nda, apertou 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXVIII. 327 

tanto com os Agaus, especialmente nos annos de 613 e 614 inver- scquestre patre Paex, 
nando com todo seu excercito no meo dos [sic] delles, que se resolverao ver^tr^taperawi 

a pidir pazes, e pagar seus tributos ; pera que as alcancassem com r^c^n^c» iniarias ab 

jT-i T jjjjg ^jjjj illatas ul- 

condiijOes arrezoadas buscavao algum ter^eiro, e sendo informados ciaci cupiens, con- 

do muito que o Emperador diflSria as peti^Oes e rogos do padre Pero ^fpr^iJj^^^raticH 

Paiz, vieraose muitos dos principaes ter com elle a Gorgorra, aonde nibus, imo et minis 

o padre residia ; e pediraolhe que Ihes fizesse pazes, e amisade com tus, Ag6u8 in ami- 

o Emperador, offerecendosse a Ihe pairarem o tributo que fosse ^"^«"^ rccipit et loco 

^ x- o 1 patris Paez, quem 

justo, e a darem ao padre grossa peita se Ihes alcangasse o que illi sibi majfistrum 
desejavao. Respondeolhes que sobre o negocio das pazes faria de I^t^verant,%. i^to^ 

boa vontade tudo o que pudesse; mas que peita nao recebia; so- ^*"™ ^^ Angelis 

ad ipsos proficisci 
mente quena delles que, feitas as pazes, o levassem consigo pera iubet. 

suas terras, pera nellas Ihes insinar o que Ihes importava saber pera 

salva^ao de suas almas; e com isto ganhariao juntamente a segu- 

ranga das pazes que desejavao; porque, estando elle la e ouvindo 

elles sua doutrina e deixando de adorar ao diabo, recebendo o co- 

nhecimento de Deus que os criara, nem o Emperador nem seu jrmao 

Ras Cella Cristos viso Rey de Gojam Ihes fariao mal algum, antes 

Ihes fariao muitos favores e merces. 

Estimarao muito os Agaus este gdvitre ; prometerao de levar ao 

padre, ouvir sua doutrina, alevantar igrejas, e permitir que se fi- 

zescem christaos todos os que o quizescem ser : partiose logo com 

elles pera o Dancaz, pera aonde o Emperador avia pouco mudara 

seu arrayal e corte ; foise ao pa^o, propoz a S. Alteza o negocio 

a que viera, mas achou ao Emperador com o animo muy alienado, 

polo grande sentimento e raiva que tinha dos Agaus, por Ihe terem, 

avia pouco tempo, mortos em hum assalto algnns criados que muito 

estimava, cujo sangue desejava e detriminava vingar cedo, dandolhes 

f. 289. por isso *hum aspero e exemplar castigo. Porem como era de cora^ao 

brando e generoso, pouco e pouco se foi abrandando com as boas 

rez6es que o padre Ihe deu ; e veo emfim que se tratassem as con- 

di^Oes dos concertos, mandando pera isso ao terreiro do pa<;o, aonde 

estavao os Agaus, dous senhores grandes, os quaes como erao afei- 

(joados ao padre Pero Paez e as cousas de nossa sancta fee, con- 

cluirao as pazes a gosto de todos. Levantouse entao o padre Pero 

Paez (como he custume dos grandes quando pedem alguma couza 

ao Emperador) e pidiolhe desse licenga pera ir com os Agaus pera 

suas terras pera os insinar e fazer christaos. Duvidava o Emperador 

de dar esta licenga, nao porque nao folgasse muito de os Agaus se 



Digitized by 



Googl( 



328 HISTORIA DE ETHIOPIA A AKTA OU ABASSIA 

fazerem christaos, mas porque arreceava que os seus frades se sen- 

tissem de elle entregar esta missao e conversSo aos padres ; o padre, 

que hera muito cortezao, vendoo nesta duvida, Ihe disse : Por gra^a : 

se V. A. me nega esta licenga tirarey juiz contra o Emperador. 

Respondeo sorrindose: E de quem ha V. R. de tirar juiz contra 

mim? De quem? respondeo o padre, de Deus que tam facilmente 

sogeitou a V. A. esta gente tam bellicosa e forte, que nunca os 

Emperadores passados os puderao de todo render e sojeitar a seu 

imperio, e agora V. A. duvida de me dar licen^a pera eu os ir so- 

jeitar e render ao conhecimento e imperio de seu Criador. Nao 

quero demandas com V. R. (disse logo o Emperador) com a boca 

chea de rizo, va com a ben^ao de Deus, veja a disposigao da gente, 

e fa^a como melhor entender. 

Estava presente ItS Amata Christos, prima do Emperador e muito 

privada por ser mulher de grande conselho ; disse esta senhora ao 

Emperador : Senhor, nao convem que o padre Pero Paez se desterre 

pera tam longe, privando a V. A., e a nos da sua conversagao ; ba- 

stara pera insinar aos Agaus qualquer padre companheiro do padre 

Pero Paez. Contentou muito ao Emperador este conselho, assentou 

com o padre que fosse a esta missao o padre Fran^isco Antonio de 

Angeles, que estava la perto delles em Gojam com Ras Cella Christos 

seu irmao ; escreveolhe que o mandasse, elle mandou primeiro chamar 

os principaes Agaus *de Ancaza, que he huma das mayores comarcas f.289,1 

que elles tem ; vierao doze a Cerqua arrayal e corte de Ras ; e elle 

Ihes entregou ao padre Francisco Antonio de Angeles por mestreepor 

senhor, encarecendolhes muito o favor que Emperador e elle nisso 

Ihes faziao, polo muito desejo que tinhao da salva<;ao de suas almas 

e prometendolhes, se ouvissem ao padre, e tomando sua doutrina se 

fizecem christaos, que nao Ihes faria mais guerra, antes os tomaria 

debaixo de sua protecgam, e os defenderia de todos seus inimigos. 

3. Praestigiatores Contentissimos ficarao os Agaus com estas merces e promessas : 

regionis et monachi ••j--j/:o-»j 1 

quidam popuio per- ^ ^si ao pnmeiro de janeiro de 161 8 sairao do arrayal com o 

®^^*,^* patrem de padre Francisco Antonio em companhia de hum senhor grande que 
Angelis illuc adven- ^ o -i 

tasse ut eos omni Ras Cella Christos quiz que fosse com o padre pera mayor autho- 

varet ac proi^ip^im ^idade sua, e entrando em Ancaxa, que daly distava s6 dous dias 

e suis finibus age- de caminho, todos os naturaes daquellas terras se alegrarao muito 

rent. Interea GAlas 

regionem invadunt com sua boa vinda. Mas o diabo, que nao dormia e sentia grande- 

et cum, non sine di- mente aver de ser lancado de terra e gente de que avia tantas cen- 
vino numme, Ag6u8 ^ e> i 

insignem de ipsis tenas ou milhares de annos estava de posse, come^ou logo por seus 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPIIULO XXVI IL 329 

ministros ou feiticeiros e por alguns frades e invejosos a alterar os victoriam reporta». 
cora<;C>es dos Agaus, metendolhes huns e outros na cabe<;a mil christianam fldem 
mintiras contra o padre. Diziao que elle e os mais padres portu- pl^irimi amplectun- 
guezes erSo encantadores e feiticeiros, que cegavao aos homens, e 
os enfraqueciam de maneira que nao podiao na gfuerra fazer rosto a 
seus inimigos, que ao mesmo gado faiziao ficar como pasmado pera 
se nao mover nem fugir, e ser preza dos que o queriao levar; 
provavao isto com exemplo de huns tres mil Gallas que avia pouco 
se tinham sojeitado ao Emperador, e vierao morar em humas terras 
que elle Ihes deu dentro em Gojam, dos quaes diziao que sendo 
primeiro muito bellicosos e indomitos, estavao entao como cordeiros 
e como cativos do Emperador. Ficarao os Agaus com estas mintiras 
assombrados, e muito inclinados a dispidir ao padre de suas terras ; 
porem Deus acudio pola verdade com hum sucesso que neste tempo 
f. 290. tiverao : e foi que aquelles *mesmos Gallas de que se fallava, a quem 
o Emperador tinha dado terras muito visinhas aos Agaus Ihe forao 
entrando polas suas, roubando e cativando o gado e gente; ajun- 
taraose os Agaus, puzeraose em defeza, e a vista do padre pelejarao 
com os Gallas com tanto esfor<;:o que os desbaratarao com morte de 
muitos, e siguindo o alcance os fizerao acolher com grande perda de 
cavallos e gente; pelo que vendose vitoriosos, entenderao ser tudo 
o que se Ihes dizia contra o padre falsidade e mintira; e assy o 
estimarao entao mais, e ouvindo as pregagOes do cathechismo, mui- 
tos receberao nossa santa fee, outros entregarao ao padre seus filhos 
que se criarao desde piquenos com o leite da doutrina christaa. 

Ajuntouse a isto hum favor que no fim deste anno fez o Em- 
perador aos Agaus, indo pera a guerra por perto de Ancaxa. Vierao 
elles com seus prezentes de mel e vacas pera Ihos offerecer, veo com 
elles o padre Francisco Antonio de Angeles, a quem o Emperador re- 
cebeo com special gasalhado, aguardecendolhe o trabalho que tomava 
polos instruir e trazer a fee de Christo, e alegrandose muito com as 
boas esperan<;as que o padre Ihe dava de se fazer naquella terra 
grande christandade. Disselhe o padre que montaria muito pera este 
effeito entenderem elles que S. A. levava gosto de elles se fazerem 
christaos : mandouos entao chamar o Emperador, e sendo custume fica- 
rem longe de suas tentas e de la ouvirem seus mandados por recados 
que se Ihes mandao, quiz que os principais, nomeados polo padre, 
entrassem em sua tenda, estando ella chea dos mayores senhores e 
capitaes que avia no campo imperial, e aly Ihes disse que nao cui- 

C. Bbccari. ^#r, A«ih. Script, occ. ined, — VI. 42 



Digitized by 



Googl( 



330 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

dassem que seu jrmao Cella Christos Ihe dera ao padre por mestre 
e senhor, porque elle mesmo fora o que Iho dera, e levava muito 
gosto em ouvirem e aceitarem sua prega^ao e doutrina, e que fa- 
zendoo assy Ihes faria muitas merces; que seus capitSes e gente 
de guerra nao entrariao em suas terras, nao nos cativariao, nem Ihes 
fariao vexa<;ao alguma, e que nao queria que suas justi^as julgassem 
suas causas, que ao dito padre cometia todas suas vezes *pera em f.290,v. 
todas suas demandas ser seu absoluto e supremo juiz. 

Ficarao os Agaus contentissimos com merces tam grandes, e 
muy pagos da aflFabellidade com que o Emperador Ihes falou, aguar- 
decerao estas merces, pondo a cabe^a no chao ; e hum delles mais 
pratico, alevantandose em pee, disse : Senhor, tudo quanto V. Mage- 
stade nos manda faremos com muita vontade; na ley que o padre 
nos insina huma s6 difficuldade achamos, e he que manda que nao 
tenha cadahum de nos mais que huma molher ; porque nosso custume 
foi sempre ter cadahum tres ou quatro, porque folgamos de ter muitos 
filhos ; esta difficuldade procuraremos tambem de vencer, porque que 
nos aproveita ter muitos filhos, se a gente de guerra de V. Magestade 
nolos mata e cativa a todos [?] Melhor nos he estar em gra^a de V. Ma- 
gestade, porque com ella esses poucos que tivermos melhor os lo- 
graremos. Festejarao os cortezaos o dito do barbaro, e elle e seus 
companheiros vohando pera suas terras, e contando aos seus os fa- 
vores e mimos que do Emperador receberao a respeito do padre, 
e de averem de receber sua doutrina, todos daly por diante estimarao 
mais ao padre, obedecendolhe como d senhor, e ouvidoo como a Me- 
stre : e foi crecendo o numero dos christaos, fazendose logo igrejas 
em alguns lugares. So embara^ava esta obra a necessidade que tinha 
Ras Cella Christos de ter consigo ao padre Francisco Antonio de 
Angeles grande parte do anno, principalmente nojnvemo, peradou- 
trinar devagar seus capitaes e soldados, os quaes ja coasi todos 
erao catholicos, e de o serem muito de cora^ao dependia estenderse 
a santa fee catholica, e lan^ar firmes raizes, nao so no reino de 
Gojam, de que Ras era Viso Rey, senao nos mais do imperio, que 
do insino destes participavao, e dependiao muito. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XXIX. 

De como forfto mandados da India e entrarfto em Ethio- 
pia os padres Diogo de Matos e Antonio Bruno ; da 
carta de Azage Tin6, e morte do padre Louren^o Ro- 
mano (0. 



Solicitavao os padres de Ethiopia ao padre provin^ial da India i. PP- Didacusdc 
f. 291. *pera que inviasse aquella missao mais obreiros, e o Emperador por Antonius Bnmo si- 

suas cartas, como vimos atraz, pidia muito o mesmo; e pidia a Sua ^^^^ ^®» solvunt 

Acthiopiam versuact 
Magestade e Sanctidade nao somente padres da Companhia, mas prospcra navigatio- 

patriarcha, em quando este se nSo aprestava, avendo em Dio boa oc- ^eroitoribus* ^Sui- 

casicio de nao pera Suaqhem, e tendo aly vindo hum Turco rico e <\^etn appcllunt, ubi 

a BazA honoribus ct 
grave com formao do Baxa pera levar consigo padres, sendo muitos donis cumuianmr ct 

os que se ofF?reciao p3ra tam gloriosa empreza, ganharao por ""^c®^»*™" Ma^uam 

entao esta bengao os padres Diogo de Matos portugues natural de 

junto a Coimbra, que actualmente era ministro do collegio de sam 

Paulo de Goa, pessoa de todas as boas partes e talentos, especial- 

mente de virtude e exemplo muito conhecido, e de tam boa condi- 

gao, que de todos era geralmente muito querido e bem quisto ; e o 

padre Antonio Bruno siciliano, que entao acabava a theologia. Che- 

gando a Dio acharao a carga duas naos pera Suaqhem : embarcaraose 

em huma dellas em trajos de cbristaos Armenios, mas conhecidos 

fi> « Da caria . . . Louren<;-o Romano » adiect. ab A. in marg. 



Digitized by 



Googl( 



332 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

de todos por quem erSo, e venerados dos sodagares Turcos, Arabios 
e Banianes, de sorte que as suas ora<;6es atribuiao livralos Deus 
na viagem de muitos perigos. Derao a vela a 1 3 de mar^o ; tiverao 
vista do cabo Guardafuj aos 7 de abril dia de Pascoa, entrarao as 
portas do estreito de noite pera nSo serem vistos das galles truquescas 
que as custumavao guardar, pera levarem a Moqha todas as naos 
que entravSo ; tocou a nao em hum baixo aonde lan^ou o leme fora. 
Chegarao imfim a Suaqhem aos 8 de mayo, forao aly recebidos e 
festejados do Baxa com os mayores gasalhados e mimos que se fi- 
zerao a quantos por aly passarao ; porque nao somente os banque- 
tou esplendidamente duas ou tres vezes que o visitarao, mandandolhes 
sempre seus propios cavallos em que fossem e viessem, por estar 
mea legoa fora da ilha ; mas deulhes ricas cabayas de borcado, e 
nao pera as dispirem e Ihas tomarem a mandar em chegando a casa, 
como ali se custuma fazer aos capitaes das naos e sodagares ricos, 
a custa de perto de cem patacas que hao de dar por esta honra a 
varios criados do Baxa, mas pera os padres os levarem consigo, 
como levarao e derao em Ethiopia de presente *a alguns senhores ; f.29i.v 
e a rezao deste Baxa fazer aos padres tantos favores foi ser elle 
tam affei^oado aos christaos, que detriminava virse pera a India, e 
viver entre os Portugueses, ao que se prezume, com intento de ser 
Christao ; o que nao mereceo k Deus, porque sentindolhe os Turcos 
esta inclina^ao o matarao com pe^onha. 
a. Fremonam per- Cheos destas honras e favores, com formOes muito favoraveis 

vcniant et a p. Lau- rc^-jirj ^ nr ^ r\ 

rcntio Romano, qui P^^a os officiais da alfandega de Magua, e pera o Quequea, que assy 
gravi laborabat mor- chamao ao capitao c govemador de Arquico, partirao os padres de 

bo, magna lactitia r & ^ » r i- 

cxcipiuntar : dc SwO Suaqhem pera Ma<;ua aos 1 8 de mayo ; e sendo aly bem recebidos, 
rem^^er Supertorem ® despachados, com boa guarda dos Turcos pera os primeiros tres 
missionis certiorcs dJas, for^o entrando por Ethiopia, e chegarao a Fremona aos 1 1 de 

reddunt, a quibus , 

hiemare in Tigre junho, aonde achar^o ao padre Louren^o Romano doente ; assy porem 
mbentur. ^^ festejou e agasalhou com tanto alvorogo e caridade como se 

estivera muito sao : alentando o esfor^o da alma a fraqueza do corpo, 
a imita^ao do Apostolo que dizia: Ctmi injirmor iunc potens siim. 
Avisarao por cartas de sua chegada ao Emperador, e a seu 
irmao Ras Cella Christos e aos padres de Dambea, e foi de todos 
recebida e festejada esta boa nova com tanto gosto, como se Ihes 
viera do ceo, porque era a cousa que mais desejavao e que por 
entao menos esperavao, por estarem os portos do mar tam fechados 
que avia catorze annos nao entrara por elles padre algum. Como 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXIX. 333 

ja o inverno come<;ava com for^a, nao podiao os padres passar de 
Tygre ; escreveolhes o Emperador e o padre superior que aly o pas- 
sassem, e elle acabado, ficando o padre Antonio Bruno acompa- 
nhando e ajudando ao padre Louren^o Romano, cuja doen^a hia con- 
tinuando, passasse o padre Diogo de Matos a corte. Mas eu nao 
quero passar sem por neste lugar huma carta que nesta occasiao 
escreveo aos padres, dandolhe a elles e a Ethiopia os parabens de 
sua vinda, o secretario, que entao era do Emperador e seu coro- 
nista mor, por ser elle hoje no ceo coroado da gloriosa laureola 
do martyrio, como ao diante contaremos. Seu nome era Tecla Sel- 
lasse, que quer dizer planta da Trindade, por alcunha se chamava 
Tino, que na lingua da terra quer dizer pequeno, por elle o ser muito 
do corpo. 
f. 292. *Carta do Azage Tecla Selasse, por outro nome Tino, pera os 3. Epistola gratu- 

padres Diogo de Matos e Antonio Bruno, diz assy : n^ cosdc^**^ 

€ Carta de hum homem baixo e pobre, que cree em Jesu Christo 
c Nosso Senhor como nelle estao duas naturezas divina e humana, 
« e que espera alcan^ar a vida etema, chamado Tecla Selasse, chegue 
« a meus senhores honra dos apostolos de Jesu Christo, que man- 
« dados do mesmo Christo seu mestre, vierao de tam longe com 
« tantos trabalhos no mar e na terra seca, padre Diogo de Matos, 
« e padre Antonio Bruno. Como estao VV. RR. ? A gra^a de Nosso 
« Senhor Jesu Christo quebrante o Diabo, amen ; muitas vezes terao 
« VV. RR. ouvido como em muitos lugares se levantarao os he- 
« reges contra n6s, precurandonos e desejandonos a morte, mas Deus 
« nos livrou de suas maos. Dizem humas vezes que nao ha em Christo 
« mais que huma natureza, outras que a humanidade esta em todo 
« lugar, e he igual em tudo a divindade, outras que o Padre e o 
« Spirito Sancto sao Deus do Filho e o senhoreao na divindade e 
« humanidade ; e trazem rezao a seus erros da palavra do Evangelho 
« que diz : Subo a meu Pay e a vosso Pay, a meu Deus, e a vosso 
« Deus, e outros lugares da Escritura, e nao sabem como Christo 
« nosso Senhor nao tem senhor sobre sua divindade, senao sobre 
« sua humanidade, e a todas as tres divinas pessoas dao forma e 
« figura como a homem, e na sua missa dizem sobre o santissimo 
« sacramento, tres homens govemadores do mundo, testemunhando 
« contra elles os trecentos douctores do Concilio Niceno dizendo : 
« Cremos em hum s6 Deus todopoderoso. Mas nosso Deus verda- 
« deiro aborrece esta ma f6e, e ama a fee verdadeira da Igreja Ro- 



Digitized by 



Googl( 



334 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

€ mana fundada em sam Pedro, pedra forte, e nSo em area. Ha 

c oito annos que come^arao estas cousas em que esta de seu prin- 

c cipio toda a gente de Ethiopia ; mas *n6s poucos despois que en- ^.292,?. 

c tendemos os livros sanctos, e ouvimos a palavra dos padres nossos 

c mestres, cremos em Christo como elles, e estamos na verdadeira 

c fee. Daus nos faga ver a VV. RR. ; se morrer primeiro, ja estamos 

c juntos na mesma fee : nao se esque^ao de nos encomendar a Deus, 

c pera que nos cheg^e ao fim desejado, e nao fiquemos emvao, mas 

c que nos fa^a participantes de sua sagrada paixao e tormentos da 

c cruz. Tambem me encomendem ao padre Lourenpo Romano co- 

c luna da fee, de quem ouvimos as cousas de Christo. Nas santas 

€ ora^^s de VV. RR. muito me emcomendo ». 

4. P. Laurentius Acabado o invemo passou o padre Diogo de Matos a Dambia 

septwn^i^cwmSntcs ^ ^ Gojam, visitou ao Emperador e a seu jrmao Ras Cella Christos 

graviter dccttbuiMct, q aos mais senhores catholicos, de todos foi recebido com extraor- 

piissimc vita ccdit ^ 

Frcmonac : cinsdcm dinario contentamento, mas socedendo em Tygre a morte do padre 

cximiac rtutcs. Louren^o Romano, foi mandado pera Fremona, por ser esta resi- 

dencia tal que della pendia o bem spiritual de todo aquelle reino 

e o temporal de todas as de Ethiopia, a respeito da visinhan^a de 

Ma^ua, por onde aos padres e Portug^eses todos os annos entrava 

a esmola que S. Magestade cada anno Ihes consignou nos remdi- 

mentos da alfandiga d3 Dio, como acima dissemos. 

A morte do padre Louren^o Romano foi aos 4 de janeiro de 

1621 despois de sete mezes de doen^a, na qual padeceo sempre 

grandissimas dores, mas com tanto sofrimento e paciencia que a 

todos os que o visitavao dava materia de louvarem muito a Nosso 

Senhor; dia da conceigao de Nossa Senhora disse ao padre An- 

tonio Bruno, que entao estava com elle em Fremona : Padre meu, 

nao se aparte V. R. de mim, porque tempus resoluHonis meae in- 

stat, e pudera bem ajuntar com o apostolo: Bonum certamen certaivi, 

cursum consumavi ; porque sem duvida tal foi sua vida. Morreo 

de 52 annos, 32 da Companhia, dos quaes gastou dezaseis em Ethio- 

pia; veo do reino naquella grande missao do anno de 1602 com 

os padres procuradores Alberto Laercio, e Francisco Vieira, na qual 

*viemos passante de 60 da Companhia que emcherao as provincias f. 293. 

e missOes, porque k Ethiopia passarao 4, ao Mogor hum, que he 

o padre Joseph de Castro que ha tantos annos sostenta e governa 

aquella trabalhosissima missao ; as partes do sul muitos ; ao Jap- 

pao oito ou dez, dos quaes alcan^arao la coroa do martirio os padres 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXIX. 335 

Miguel Carvalho, Bento Fernandez, Sebastiao Vieira, o padre Joao 
Baptista Zola, padre Jacome Antonio, e por fim o padre Antonio 
Rubino vizitador daquella missao e martyr glorioso (i); nove forao 
mestres de theologia; muitos pregadores; entre elles tres ou 4 famo- 
sos reitores de todos os coUegios de norte e sul, provinciaes tres, 
afora hum a quem chegou a patente pera o ser pouco despois de 
sua morte ; nenhum deu trabalho a Companhia, nem o teve nella ; 
sao mortos todos, tirando seis, com bom exemplo e ediffica^ao; hum, 
despois de proposito e provin^ial, he arcebispo de Cranganor. 

Nesta famosa missSo veo do reino o padre Louren^o Mangone, 
que por ser natural de Roma se chamou ca Romano, passou a Ethio- 
pia no anno de 605 com o padre Luis de Azevedo, aprendeo de 
pressa e muito perfeitamente a lingua da terra, foi eminente em 
prudencia ; de animo grande e de mayor sofrimento, o que mostrou 
no cerco que teve em Fremona dos Gallas no anno de 616, e nas 
persiguiQ&es do viso rey Julios no anno 614; no zelo das almas 
muito fervente, e na caridade e amor pera com os pobres e enfermos ; 
aconteceolhe ir servir, e ajudar a bem morrer, e amortalhar a alguns 
doentes de enfermidades tao contagiosas e ascosas, que os parentes 
todos os desemparavao; e assy foi sua morte chorada da [sic] de 
todos como se Ihes morrera a cadahum seu propio pay, e nao so- 
mente dos que a ella se acharao presentes, mas dos que a ouvirao 
em Dambea; o Emperador e os melhores cathoHcos mostrarao que 
Ihes chegara ao cora^ao a perda de tam bom mestre. 

( I ) « E por fim . , . martyr giorioso >< adiect. ab. A. in marg. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XXX. 

Das cdntradi^des que neste tempo se alevantar&o 
contra a santa f6e 



f.293fV. Hiase o Emperador declarando cada vez mais pola parte *dos x. Monachus qui- 

catholicos; raivavao o diabo e seus aliados os hereges, cujas guias gcribit quo patres 

forao sempre os frades ignorantes que como cegos davao consigo Nestonanismi insi- 

e com os que guiavao na profunda cova do inferno; hum destes mais refeUunt invidiosam 

atrevido e que presumia muito de letrado, chamado Betre Sellase, aethiopicSubris!^- 

sayo no cabo do inverno com humas conclusOes cheas de gravis- p«rator, lege Uta, 

vetat ne quis in po- 
simos erros, especialmente na materia da Santissima Trindade ; e o sterum Butychetis 

com que as fechava e arrematava, era com dizer que Christo Se- doctrinam doceat ct 
^ ' ^ sabbatum celebret 

nhor nosso era filho de Deus por gra^a. Sao os Abexins totalmente more iudaico. 
encontrados aos erros de Nestorio, porque seguirao sempre os de 
Eutyces e Dioscoro, os quaes por se affastarem totalmente das duas 
pessoas que Nestorio punha em Christo, vierao a negar as duas ua- 
turezas ; polo que como fazer a Christo filho por graQa foi erro de 
Nestorio, logo o Emperador e os mais da corte abominarao as con- 
clusOes, e elle as mandou aos padres a Gorgorra, pedindolhes que as 
revissem e declarandolhes que entendia aver nellas erros de Nestorio. 
Vieraose logo a corte os padres Pero Paez e Antonio Fernandez 
que entao se acharao em Gorgorra, e declararao ao Emperador os 
erros das conclus<5es, specialmente aquelle que no concilio Ephe- 
sino fora condenado e anathematizado por s. Cyrillo, e apontarao 

C. Beccari. Rer, Aeth. Script. occ. ined. — VI. 43 



Digitized by 



Googl( 



338 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

os lugares de seus propios livros, em que elle estava reprovado. Man- 

dou o Emperador vir os livros, e achando ser verdade o que os 

padres diziao, disse: Eis aquy, os padres estrangeiros nos ensinao 

nossos mesmos li\Tos, e nossos frades os ignorSo. Quiz puxar pelo 

frade que publicara as conclusOes, mas elle ja se tinha acolhido, 

e desapareceo por entSo. Comtudo outros frades catholicos o acu- 

zarao, e dando o Emperador por juiz o santo martir Tino, julgou as 

conclusOes por erroneas, e que pois o author dellas nao aparecia, 

fossem tidos por mestres da verdadeira *fee os padres Pero Paez e f. 294. 

seus companheiros; e pidio ao Emperador que mandasse lan^ar pregao 

que a doutrina daquelle frade era falsa e chea de gravissimos erros 

e que ninguem a seguisse; felo assy o Emperador, e ajuntou que 

ninguem daly por diante guardasse o sabbado. 

2. Quod quidam Estava este custume ou abuso muito introdusido em Ethiopia, 

monachi inique fe- , , , . , 

rentcs, litteraa dant P^^^ ^^^ houve no povo geralmente grande alvoroQo com este pre- 

Imperatori, quibus g^o; e scandalizandose muito como os Pharizeos de Christo Senhor 

eum violati maiorum 

moris et receptae nosso o quebrar; e acudindo por este e polos mais erros de seus 

pudenter accusant' P^y^ © av6os, fizerao huma carta sem nomearo autor, que mandarao ao 

Summa epistolae re- Emperador, daqual porej aqui a substancia por suas propias palavras 

deixando algumas impertine[n]tes por evitar perluxidade. Dizia assi : 

€ Carta de palavra verdadeira inviada de terra longe a meu 

€ senhor Emperador de Ethiopia, e Egj^pto, que se ajunta por fee 

c verdadeira, e estao em pe com nosco e se chamao Jacobitas: Isto 

« nao he pera que os ajudeis no tempo da gnerra, nem pera que os 

< tireis do cativeiro, senao por o que tem plantada a coluna da 
€ ordena^ao e canones que deceo do ceo, ley dos Apostolos, e por 
« isso nao deixao de dizer: Nao percais, senhor, o imperio de Ethio- 

< pia e a dignidade dos Papas do Egypto que vestem ephot santo 
c e novo e trazem o bago da cruz » ; e despois de muitas palavras 
com que emgrandese e louva os patriarchas de Alexandria, e pro- 
cura persuadir que nao convem deixar sua doutrina, diz : < Vosso 
c amor me deu licen^a pera vos mandar esta carta, porque ouvi que 
c vos derao trabalho os que nao tem santidade nem resurrei<;^o, 

< pera vos fazer deixar a ley do Criador e os canones dos Apostolos, 

< dizendo que nao guardeis o sabbado. Porque ouvis aquelles dou- 

< dos? *por ventura tem fome vossos filhos ou vosso arrayal pera Lig^j. 
c fazerdes isto ? nao estiverao tantos tempos os Emperadores e santos 

< que alumiarao a Etiopia com res^ucitar mortos sem conto e por 

< suas ora^Oes o reino que outros tinhao tomado tornou a elles ; pondo 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXX. 339 

« despois de muitas necessitades coroas em suas cabeijas, como ve- 
€ mos agora sobre vos, e por isso jurarSo como David e Abietar 
€ pera que Ihe fosse huma sua heran^a, como esta escrito entre nos ; 
c e agora nao vemos porque se desmancharao todas as palavras. 
« Isto he certo que fizerao muitos milagres como se v6e e lee ate- 

< gora. Fizerao isto por guardar sabbado, ou polo quebrar? por 

< guardar a ley ou pola quebrar ? a mim me parece que pola guar- 

< dar, e nao pola quebrar; polo que se me dereis juiz que se nao 
« enganara com fato, senao que temera o dia da justiga, ouvera de 
« ir logo la pera os ouvir e falar a verdade. Se me trazem teste- 

< munhas do Evangelho, que metem sobre elles como seus irmaos 

< que falarao contra Nosso Senhor, dizendo que quebrou nossa ley 

< e nosso sabbado e que por isso o crucificarao, e assy dizem. Que-» 

< bremos o sabbado que o fez crucificar. Se negarmos isto, ouvi- 

< remos a sao Joao que diz que disserao os Judeos que nao somente 

< quebrava o sabbado, mas dizia que seu pay era Deus, fazendose 

< igual a elle, por isso o crucificarao. Convem negar o padre pola 

< morte do filho? Nao seja assy, conhe<po como nao recebem os sy- 

< nodos porque os aborrecem encostandose aos doutores que acre- 

< centao e tirao ; eu tambem me hei de encostar ao que me diz meu 

< Salvador. O que ouve a vos outros me ouve a mim. Polo que nao 

< ouijoes, meu senhor, aos que insinao escondidamente. Eu escrevy 

< isto nao sendo sabio, porque ouvi que o spirito dos profetas serve 

< aos profetas ; e diz Nosso Senhor : Nao desprezeis a hum destes 
f. 295. € pequenos, porque seus anjos sempre *vem o rosto do meu Padre. 

Despois o exorta com muitas palavras a que < nao ou^a os Co- 

< lafas, idest incircuncisos, que dizem que em Christo estao duas 

< naturezas, e duas vontades, quando os engole o profundo da dou- 

< dice correndo no cavallo da tinta desenfreado, sem olharem as 

< cousas que estao na terra dos livros, e assy caem e se perdem. 

< Se me ouvis tiray o suyo de vossas orelhas, e dilatai a vossa boca, 

< e enchelahei, como esta escrito ». E logo refere as authoridades 
do Evangelho e de s. Paulo, que os padres trasiao pera provar que 
em Christo Senhor nosso estao duas naturezas e duas vontades, e 
no fim diz zombando : < Eis aquy , sou vencido ; hei de errar com 

< os que errao e participar de sua maldi^ao, e hei de decer ao in- 

< femo com Leao. Mas ouvindome com amor entendei e fazej vosso 

< cora^ao como espelho » ; e logo vai deshonrando aos padres, di- 
zendo que sao parvos de coragao, que nao olhao senao a letra e 



Digitized by 



Googl( 



340 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

tinta de fora, sem entender o de dentro, e que querem fazer sepul- 

tura no infemo ; que melhor Ihes fora, como diz o Evangelho, que 

Ihes amarrassem huma pedra de atafona ao pesco<^o e os botassem 

no mar, que nSo fazer errar aos pequenos. c Viude, siguime pera 

« que alumie as trevas de vossos olhos, que escureceo Leao com 

« espinho de erro ; tomai aonde diz : Eu sou porta e ninguem vem 

« ao Padre senSlo por mim; e se cuidardes de achar outra porta, 

« ouvi se vos subir o ceo ou vos ingulir a terra, vos achara em 

« toda a parte porque diz elle que tem poder no ceo e na terra, 

« ouvime aconselhar vos hey o parentes de Pilatos > (diz isto por 

cudar que todos os que tem a f6e de Roma sSo Romanos), e logo 

tras algumas cousas da Escritura pera provar, que em Christo esta 

huma s6 natureza ; e que nSo he menor que o Pay na humanidade, 

das quaes, humas bem entendidas provSo o contrario, outras vem 

fora de proposito ; e acaba a carta dizendo : « *Eis aquy, mando esta f.295»^* 

« pedra preciosa que alumia os olhos dos cegos, seja por offerta; mas 

« nao na vejao os porcos porque a nao pizem com seus pees imun- 

« dos : porque escrito esta : Nao queirais botar pedras preciosas diante 

« dos porcos >. Ate aqui a carta; a qual quiz aqui por, pera que se 

veja como Hereges em toda a parte sao os mesmos, soberbos, arro- 

gantes, vaos, muito de loquengia, nada de eloquen^ia. 

3. Ad haec impe- Sintio Emperador muito este atrevimento, e se pudera achar os 

rmtor iracundius eU- ^i. j n , /- « 

tus, novo edicto, in- authores della, nao ncarao sem grave castigo; mas, pera que se nao 

tentat graviore» poe- crloriassem, em lugar de tomar atraz com o que comecara, foi tanto 

nas his, qui sabbato © ' ^ ^ v » 

a laboribus abstine- adiante que mandou lan^ar o segundo pregao, que todos trabalha- 

derent.^loniiSrcum ^®"^ ^ lavrassem ao sabbado; e aos que o nao fizessem se tomase 

aliquot primoribus a primeira vez em pena hum pano, que he valia de huma pataca, 

et multis monachis 

aperte rebellat in e a 2* se Ihe confiscase tudo quandotmhao; e ajuntou que pudes- 

Begmftder. ^^^ deste crime ser acusados dentro em sete annos, cousa que se 

nao ajunta senao quando elles em Ethiopia se tem por muito gra- 

ves; e porque hum capitao seu muito esfor^ado (que entao ainda 

nao tinha recebida nossa santa f6e, mas despois a recebeo e foi della 

coluna ate a morte) chamado Buco, nao obedeceo ao pregao, foi o 

primeiro em que se executou a pena delle; confiscandolhe quanto 

tinha; e a sua filha mais velha Oangfuelavit reprehendeo o Empe- 

rador gravissimamente polo mesmo caso. 

Era neste tempo Viso Rey de Begameder Jonael: mandoulhe 

o Emperador recado pera que publicasse la este pregao, e o fizesse 

guardar ; elle o publicou nao pera o guardar, mas pera delle tomar 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXX. 34 1 

occasiao de amotinar o povo contra o Emperador; porque estava 

conjurado com alguns da corte pera se alevantarem ; e assy ao pri- 

f. 296. meiro do outubro de 620 se publicou por alevantado, retiran*dos3 

com muitos que o signiao pera humas serras fortes nos confins do 

reino pera a parte dos Gallas, com os quaes estava concertado pera 

virem em seu favor. Soube isto o Emperador, e mandando chamar 

ao padre Pero Paez, se consolou e desabafou com elle; o padre o 

animou lembrandolhe como Deus o ajudara sempre em casos se- 

melhantes e Ihe derrubara a seus pees quantos contra elle se ale- 

vantarao. 

Espalhouse esta nova pola corte, vierSo muitos senhores e se- 4« imperator qui- 

busdam aulicis ape- 

nhoras dar ao Emperador os pezames: elle porem muito sobre sy rit suum consiiium 
mostrou que nada se alterava, nem fazia muito caso do alevanta- defendendi veritates 

^ Ecclesiae catholicae. 

mento ; e pondo os olhos na oziero OlkatS sua prima querendo nella 
dar doutrina a muitos, Ihe disse: Se desejais achar as cousas que 
vos importao pera salva^ao de vossa alma, chegaivos aos padres, e 
se buscais os bens do mundo, nao vos afasteis de mim. E conti- 
nuando a pratica perguntoulhe. Que vos parece se seiscentos botao 
fora a quatro, e os quatro disserem que botao aos seiscentos, a 
quaes avemos de crer? Respondeo ella: Aos seiscentos. Pois (ajun- 
tou o Emperador) assy he, n6s somos os botados fora da Igreja 
Romana, porque ella he a que bota fora, e a ella ninguem na pode 
botar. Entendia os seiscentos padres do concilio Calcedonense, que 
condenarao a Eutyches e Dioscoro. Dahi a pouco, saidos ja muitos 
dos que estavao na sala, olhou pera Keba Christds, seu mordomo 
mor fino catholico, e disselhe : Por gra^a, se os da corte se ajun- 
tarem, e vierem contra mjm, vos haveis de fugir, ou nao? Re- 
spondeo o valente, e prudentissimo capitao: Senhor, Deus sabe quem 
entao ha de fugir, mas o que eu agora digo, he, que em defensao 
da fee, ainda que s. Jorge com sua lan^a viera em seu cavallo, nao 
me avia de vencer; neste negocio a ninguem temo. 

Dentro em poucos dias se come^ou arromper na corte que avia 5- Primores au- 

,, . . , T 1 /• «^ r « ^cn*» ^^^ ®«** lonafel 

nella muitos conjurados com Jonael, e feito exame, forao conven- iungerc attentave- 
f.296,T. cidos muitos, entre elles como cabeca hum *parente do Emperador ^f?*» •^?,?® capi^e» 

^ *^ * ahos exsilio mulctat. 

seu capitao grande. Alguns(i) destes o pagarao logo com as vidas, Ceteris cum muitis 

/* n n « . 1 X monachis ad se vo- 

outros forao desterrados ; com o que se alvorotou o povo de sorte ^^^^^ ^^ ^^^ ^^^^ ^^^^ 
que se arreceou algum motim perigoso. Nao se acanhou o valeroso tionem reddit, mi- 

. naturque extermi- 

Emperador, mandou ajuntar a todos os capitaes e senhores, e a nium iis qui ob Dio- 

(i) <« Alguns d », adiect. ab, A. 



Digitized by 



Googl( 



342 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

scori piaciu rebei- muitos frades que andavSlo na corte, e saindo em sua sala, posto 

ilinureiurwSo co" ^^ ^eu tfono real, Ihes falou com sembrante grave e autlioridade 

firmant. Yeal dizendo assy: 

Vos outros alevantastes primeiro ao emperador Jacobo que que- 
brava as cruzes e fazia outras cousas que nSo erSo de christao, 
e com isto o desterrastes, e destes o imperio a Za Danguil ; despois 
dissestes que Za Danguil deixara sua f6e e tomara a dos Portu- 
gueses, e por isso o matastes; e tendome jurado a mim por Em- 
perador e entregado o imperio, trouxestes Jacobo e me destes ba- 
talha; mas Deus me deo a vitoria, De entao ate hoje nunca fiz 
aggravo a ninguem, antes muitas honras e merces a todos : com tudo 
isto cada dia se amotinao e alevantao contra mim dizendo que tro- 
quei a ffee; eu nao na troquo; digo que Christo nosso Senhor he 
perfeito Deus e perfeito homem, porque tem duas naturezas, divina 
e humana, sem se misturar nem confundir, e que a natureza humana 
nao he igudi a divina. Esta he minha fee, e desenganaivos que 
por ella hei de morrer. Mas nao cudeis que me aveis de matar de- 
balde ; porque primeiro ha de correr diante de mim huma ribeira de 
vosso sangue: que nao falta quem me ajude; nem meus filhos vos 
hao de deixar despois ; melhor sera que deixeis estas cousas e vos 
aquieteis; pois nenhuma rezao hk pera vos inquietardes. Respon- 
derao todos que estavao muito agardecidos as merces que delle 
sempre receberao, e que nao avia aly nenhum que nao ouvesse de 
servir a Sua Majestade ate a morte, com muita fidelidade. Disse 
entao o Emperador: Ja que assy he, escomungaivos pera me avi- 
sardes de qualquer trei^ao que souberdes que se arma contra raim. 
*Responderao que estavao aparelhados pera tudo. Alevantaraose logo f. 297- 
sete frades dos principais que aly estavao, e puzeraolhes escomu- 
nhao pera que guardassem fielmente o que tinhao prometido, que 
este he o modo que tem os Abexins quando se querem assegurar 
em alguma cousa grande, e com isto ouve quieta^ao, e os bons ca- 
tholicos ficarao muito contentes. 
6. lonaftt iniurio- Neste comenos chegou ao Emperador huma carta do alevan- 

ratorcm' mittit ;"^hic tado, naqual prometia que Ihe obedeceria com condi^ao que Ihe 

iratus, iliico cum ^^0 tirasse o vice (i) reinado de Begameder que tinha, e que lan- 
exercitu contra re- ^ ± m. 

beUem movet, qui a (jasse fora de Ethiopia aos padres. Sintio o Emperador grandemente 

te^crefictus^pud^^ ^®^® atrevimento, e disse: Donde Ihe veo a este vilao tanta pre- 

nitimoa o&las con- sunijao e soberba, que se atreva me por a mim condig^s? E que 
fugit. 

(1) Voceni « vice » substituit A. voci « seu ". 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXX. 343 

Ihe fizerao os padres? Posse logo em campo e comepou a marchar 
pera Begameder ; porem, chegando junto as serras em que estava o 
alevantado, e vendo que erao inexpugnaveis, nao no acometeo, mas 
deixouse ficar ao pee dellas, ate que a melhor gente de Jonael se 
veo pouco e pouco meter no arrayal; e ficando elle com muito 
pouca, se acolheo pera huns Gallas, com os quaes estava primeiro 
concertado pera o receberem; encontraraono outros de outras ca- 
bildas, acometeraono e prenderaono, mas, sobrevindo os seus aliados, 
Iho tirarao das maos por entao ; comtudo nao durou la muito, porque 
os mesmos o matarao despois por peitas, que pera isso o Emperador 
Ihes mandou. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XXXI. 

De algumas redu^Oes de Abexins, 
e da convers&o de muitos Agkas A nossa santa f6e. 



Neste tempo se acabava a igreja de Gorgorra a velha, que foi x. P. Pac» novam 
a primeira de pedra que os padres fizerSo em Ethiopia ao modo b^ quadris colum- 

das nossas de Europa. Deo pera ella o ^asto Ras Cella Christos, °*» distmctam acdi- 

^ ^ ^ ficat m QorKorrA, 

emcomendando aos padres que Iho tivessem em segredo, assy pera pecuniam suppedi- 

que a esmola fosse tanto mais aceita a Deus, quanto menos apre- ^**^^^* populi 

f.297,v. goada e sabida como pera que tudo *se atribuisse aos padres, e por isso concursu dedicatur. 

todos os estimassem e amassem mais e tambem por evitar envejas, 

e ditos e juizos de seus emulos, que de tudo faziao pesijonha. A 

tra^a, as maos e trabalho poz o padre Pero Paez, que a nenhum 

se negou nunca por servi^o de Deus e bem daquella christan- 

dade ; e assy como por servir ao Rey do ceo se fizera pouco antes 

pedreiro do Rey da terra, fazendolhe as casas, de que acima fala- 

mos, ali perto em Gorgorra a nova, assy folgou de servir do mesmo 

mais immediatamente fazendolhe nesta igreja casa propia ao Rey 

e a Rainha do ceo e terra, porque a Virgem santissima foi ella dedi- 

cata. E s6 Ihe faltou cal ou chunambo, que nao se tinhao ate entSo 

descuberto em Ethiopia; no mais foi muito perfeita, e bem acabada 

de pedra muito branca e fermosa, lavrada muito bem ; arco na ca- 

pella mor, na frontaria seis colunas ionicas, sua torrinha de sinos, 

C. Beccari. /?rr. Ae/A. Scripi, occ. in,d. — VI 44 



Digitized by 



Googl( 



346 HISTOHIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

seu terrado com parapeito, donde se descubria o mar e as grandes 

campinas de Dambea; no altar se colocou huma fermosa imagem 

de Senhora de s. Lucas, obra de Roma muito perfeita. 

Celebrouse a dedica^ao desta igreja aos 1 6 de janeiro deste anno 

de 1621, com grande concurso dos catholicos, espanto e confuzao 

dos hereges. Estava neste tempo o Emperador em Begameder na 

jornada que fez contra o alevantado ; tanto que voltou pera Dancaz, 

aonde entSo tinha seu arrayal de invemo, que he a corte de Ethiopia, 

logo tratou de vir ver a igreja, e com ser quaresma, a qual os 

Abbexins jejuao com tam estreito jenjum, como dissemos, e ser o 

caminho de dous dias, porque sSo dez legcas largas, elle se veo a 

Gorgorra dia de s. Gregorio papa, 1 2 de mar^o, com a melhor gente 

que tinha consigo, e com grande respeito entrou na igreja descal^o, 

vioa toda por dentro e por fora com mostras de grandissima sati- 

sfa^ao e gosto, louvando a obra e antepondoa a todas as *de sua f. 298 

terra; subio ao terrado e torre, e quiz naquelle dia ser hospede e 

dormir aly com os padres ; deixou pera o altar huma fermosa alcatifa 

e cem patacas pera hum omamento ; prometeo de fazer por aquella 

traga outra igreja avantajada junto ao seu arrayal. 

a. Af4 Christos, Estava neste tempo o Emperador muito contente pola redu<^ao a 

nTtu maior, ct alii ^ossa santa fee de seu jrmao mais velho Afa Christos, e polo bem 

iwme mxxlti e primo- que Ihe sucedera a traca que pera ella buscou. Era Afa Christos 
ribus opc pp. Dc An- ^ t -1 t- 

geiis ct Axcvcdoca- muito ferrado a fee e erros de seus pays, nem queria ouWr cousa 
oicsa unguntur. ^lguma contra elles; vinha o Emperador da jomada de Begameder, 
foio visitar ao caminho o padre Pero Paez ; tinha notados que em 
seu Haymanot Abbau (que he o livro a que dao mayor credito) 
muitos lugares de alguns santos antigos, nos quaes claramente diziao 
aver em Christo Senhor nosso duas naturezas; e entrou Afa Chri- 
stos na tenda do Emperador; elle com boa dissimula^ao e gra<;a 
olhou pera elle e disse : Afa Christos, pregunta ao padre que dizem 
os Portugueses acerca de Christo Senor nosso como he verdadeiro 
Deus e homem juntamente ; tomou o padre a mao e declarou muito 
distintamente, com era fee catholica aver em Christo Senhor nosso 
duas naturezas, divina e humana, suppositadas ambas na pessoa do 
Verbo eterno. Disse entao o Emperador : Nao dizem mais que isso ? 
pois isso mesmo diz o nosso Haymanot Abbau em muitos lugares, 
e abrindoo logo os fez ler. Ficou Afa Christos muito contente, 
dizendo: De maneira que os padres concordao com o que diz 
o nosso Haymanot Abbau, pois polo que diz esse livro darei 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXXI. 347 

eu a cabe<;a ; e assi de hoje por diante me tenhao por de sua 

fee. E ajuntou logo : E se o Emperador meu senhor, eu e Ras Cella 

Christos nos unimos todos tres nella, quem na podera contrastar em 

Ethiopia ? Foi esta huma das cousats que o Emperador mais desejava, 

e com que sobre modo se alegrou. E Afa Christds sempre conservou 

f.a98,v. a santa fee, que entao tomou, ate morrer nella, *confessandose a hora 

da morte com o santo martyr padre Jacinto Francisco. Neste mesmo 

tempo em Gojam dos capitSles e soldados de Ras Cella Christos 

se reduzirao mais de duzentos dos principaes, por meo da doutrina 

dos padres Francisco Antonio de Angeles e Luis d^Azevedo, que 

continuavao, ora hum, ora outro, com o arrayal do viso Rey Ras 

Cella Christos. 

Porem donde este anno o ceo recolheo mais copioso fruito foi 3« GAlaa ingenti 
, ^ A A ,, r . f, , , coacto exercitu un- 

da terra dos Agaus, e tanto mayor quanto ella foi melhor lavrada dequaque GoggiAm 

e mais cortada com o ferro dos crueis zarcrunchos dos Grallas, que Jnvadunt; SelaChri- 

° ^ st68 plunbus prae- 

Ihe fizerao a mais crua guerra que aquelles probres gentios nunca liis devictos eos fini- 

padecerao. Entrarao os Gallas, que povoao o reino Bizamo pela banda p^eda^potitur.^"**^* 

de Zombinte passando aly o Nilo ; accometerao as comarcas de Ban- 

chia, Chacara, Quocoara e Mataguel, visinhas a Ancaxa, aonde padre 

Francisco Antonio de Angeles andava occupado em cathequisar e 

bautizar a muitos. Assombrados os Agaus recolheraose aos seus Secu- 

tes, que, como ja dissemos, sao huns matos ou devezas de bambuaes 

muito bastos, que Ihe servem de fortalezas no tempo da guerra ; 

mas desta vez nao Ihes valerao, porque os Gallas Ihas romperao 

com hum ardil espantoso ; tomarao muitos cortigos de abelhas (dos 

quaes ha naquellas partes grande abundancia, e penduraonos nos 

ramos de arvores mais altas); de algumas,que estavao no principio dos 

bambuaes, os langarao com grande forga muito dentro e perto dos 

lugares aonde os Agaus tinhao recolhido o gado vacum ; as abelhas 

a^anhadas, arremetiao aos bois, e vacas, e aguilhoavaonas cruelmente ; 

ellas nao podendo sofrer a pegonha das ferrotoadas, desatinadas com 

a dor, humas sobre outras tanto estrabuxavao e tanta forQa faziao 

por se sair dentre as abelhas, que, quebrando os bambus, por mais 

grossos e entretecidos que estavao, abriao alguns caminhos, por onde 

f. 299. sayao, pelos quaes os Gallas entrando *se senhoreavao de tudo ; e 

erao tam crueis, que, nao se contentando com roubar gado, manti- 

mento, egoas e cavallos, nem com cativar a homens e mulheres, 

executavao nellas barbarias estranhas, porque Ihes abriao as entra- 

nhas, e tirandolhes dellas as criangas as faziao em postas. E o pior 



Digitized by 



Googl( 



348 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

foi nao voltarem desta vez com a pressa com que custumao, por- 
que se deixarao estar mais de hum mez nestas comarcas, e daly 
ameagavao as vesinhas. 

O padre Francisco Antonio de Angeles, vendo os seus Agaus 
de Ancaxa em perigo, e compadecendosse dos trabalhos que os mais 
padeciao, escreveo a Ras Cella Christ6s que por servi^o de Deus 
acudisse aquella gente coitada, e soubesse que, se Ihe nao acudia, 
sua propria vida estava arriscada. Com toda a pressa se p6s logo 
ao caminho Ras com sua gente de guerra; tanto que por ir mais 
desembara^ado deixou a bagagem, e fazendo cada dia duas ou tres 
jornadas, chegou muito perto dos Gallas. Mandou logo (i) recado ao 
padre, o qual acudio muito a pressa (2), e gastou a noite toda em 
confessar aos catholicos, que o erao ja coasi todos os capitaes e sol- 
dados de principe tam catholico, e elle a mea noite se confessou com 
mostras de grande contri^ao ; em amanhecendo p6s em ordem seus 
escadrOes, porque sabia que o arrayal dos Gallas estava perto ; e 
decendose do cavallo, se pos diante do padre de giolhos, pedin- 
dolhe que Ihe lan^asse sua ben^ao a elle e a todos seus soldados : 
felo assy o padre por Ihe dar gosto ; e Ras com grandissima sum- 
missao, e humildade Ihe bejou o giolho (cortesia, e reverencia, que 
em Ethiopia se usa de filhos pera pays, e criados pera seus senho- 
res\ Isto feito, cavalgou e come^ou a marchar pera o arrayal dos 
Gallas : ordenou Deus que os mais delles tivessem saido a suas or- 
dinarias correrias, ficarao somente alguns poucos em guarda da ba- 
gagem. Estes, pelas nuvens de poo que no ar se levantavao, conhe- 
gerao logo que *hiao sobre elles seus inimigos ; e com raiva e barbara f.299.'. 
crueldade arremeterao aos cativos que aly tinhao, e os alan^arao e 
matarao a todos, nao p^rdoando a mulheres nem as crian^as; isto 
feito com grande determina^ao se puzerao emdefeza; porem,como 
erao poucos, forao todos mortos, ate duzentos, sem dos de Ras mor- 
rerem mais que dous. Isto passou a 22 de janeiro de 621. Ao dia 
seguinte foi a batalha mais travada ; porque, sabendo deste sucesso 
os que andavao espalhados, se ajuntarao com determina^ao de se 
vingarem. 

Entendeo bem Ras que assy avia de ser ; e aparelhouse pera o 
segundo encontro como pera o primeiro, com a confian^a em Deus, e 
com as armas da ora<;ao ; porque, posto que a sua gente nao era em nu- 

(1) (( logo » adiect. ab A. 

(2) Voces (' o qual » et (« muito A pressa >» adiect. ab A. in marg. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXXI. 349 

mero menos que os Gallas, vinha com tudo muito cansada da pressa 
do caminho, o que nao tinhao os Gallas, que estavSo folgados avia 
dias e arrogantes com as vitorias que alcan^arao dos Agaus, e entao 
vinhao raivosos pola perda dos que morrerao no dia d'antes. Estava 
aly hum grande campo, lugar propio pera se dar a batalha; de- 
sviouse Ras com sua gente, escondendose entre hum basto arv^oredo ; 
pera que os Gallas saissem a elle dos matos donde vinhao ; tanto 
que os vio juntos, deo S. Tiago acometendoos principalmente com 
a gente que tinha de cavallo ; sairao os Gallas ao encontro com 
tanta determinagao, que os de Ras virarao e se forao retirando pera 
o lugar donde sairao: animouos Ras e picando o genete, se foi 
metendo pelos escadrOes dos Gallas com alguns que tinha consigo ; 
virarao os que se vinhao retirando e carregarao todos sobre os ini- 
migos com tal animo e esforgo, que, nao podendo os Gallas resistir, 
se puserao em desbarato, fugindo, principalmente os que tinhao me- 
f. 300. Ihores cavallos, deixando no campo mortos neste dia *sete centos. 
Mandou Ras algumas tropas de cavallos e algumas companhias de 
infantaria (i), que os fossem seguindo, e alcan^ando a muitos, final- 
mente se encontrarao despois mortos mil e quinhentos Gallas, sem mor- 
rerem dos de Ras mais que dez ou doze ; o que se teve por merce e 
favor de Deusmuito evidente; porque d'outra maneira sojao sempre 
os Gallas ou vencer ou vender as vidas mais caras. A presa foi 
tambem muita e grande : o primeiro dia se tomarao sinco mil cabe^as 
de gado vacum, afora muitas egoas e cavallos : o secundo passarao 
as cabe^as do gado de seis mil, afora muitos Agaus cativos, que 
neste dia sairao das maos de tam crueis inimigos. 

Vendose pois os Agaus livres de tam crueis inimigos, e que 4- Ag6u8 ope pa- 
todo este bem Ihe viera por meo do padre e de Ras, lan^andose a caUmiutibua crep^! 
seus pes, se confessarao por cativos seus pera toda a vida e pro- ®* «uosque Hberos 

^ i- r- r- p^^yi ^ Angehs eru- 

meterao pagar quantos tributos elle e o Emperador quizese. Decla- diendoscommittunt: 
roulhes Ras que o que delles queria era que ouvissem ao padre, Jl^evedo^mSve^sam 

que o tivessem por mestre, e aprendendo o conhecimento de seu poene regionem 

christianis adiungit. 
Criador,se bauptizassem, recebendo a ley e f6e de Christo Senhor 

nosso, pera que suas almas se nao perdessem, antes alcan^assem 

a vida etema. Prometerao de o fazer com mil vontades, e despon- 

dose logo pera isso, mandou o padre Francisco Antonio chamar 

ao padre Luis d'Azevedo, que estava em Collela pera que o aju- 

(i) « De infantaria » adiect. ab A. in marg. 



Digitized by 



Googl( 



350 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

dasse a pnxar polas redes e a recholher tam copioso lan^o. Veo o 
padre e em breves dias se bauptizarSlo naquellas comarcas mil e qui- 
nhentos : os quaes com mais dous mil, que o padre Francisco Antonio 
tinha bauptizado em Ancaxa, fizerao numero de tres mil e quinhentos, 
que este anno entrarao no rebanho de Christo, entrando logo no ceo 
muitas crian^as que bauptisadas trocarSio esta vida mortal com a 
etema antes de chegarem *ao uzo da resao. f.soo,?. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XXXII. 

Como por nao quebrar a guarda do sabbado se alevan- 
tarao os Damotes e forao vencidos por Ras Cell& 
Christds. 



Estava tam introdusida em Ethiopia a gnarda do sabbado, como x. Moxiachis insti- 

T , ^. ^ T-w. • ganribus, sedirioex- 

na mesma Judea ; e assi, como antigamente os Fhanseus se escan- ciutur in Qoggiim 

dalizarao de Christo Senhor nosso o nao ^ardar com a exacao contra Sela ChristAs. 

Hic pacifice res com- 
que elles queriao e disserao : Non est hic homo a Deo,qui sabbatum ponereomniopestu- 

non ctistodity assy os Pharizeus de Ethiopia, que sao os seus frades itcmm^legaris^ad re- 

especialmente Batavis (que he o mesmo que ermitaes e anacho- bcUes, sed frustra. 

retas) quanto mais ignorantes tanto mais arrogantes e zeladores 

de seus erros, ouvindo o pregao do Emperador que mandava que 

o nao guardassem, tomavao o ceo (ou pera dizer melhor, o infemo) 

com as maos, e como erynes ou megeras espalhavao e assopravao 

fogo de odio contra o Emperador, seu jrmao Ras Cella Christos, e 

os padres, que sabiao erao os mestres e fontes desta doutrina; e 

per amotinarem o povo contra n6s, fingiao quantas mentiras podiao ; 

diziao que eramos inimigos da Virgem Maria Senhora nossa, que 

davamos a comunhao em miolos de camellos, de coelho e lebre. 

Avia entre os Damotes muitos destes Batavis, e alguns tidos 

por HilariOes, e oraculos de sanctidade; puderao tanto com elles 

que, com serem os principaes Damotes primos e parentes muitos 

chegados de Ras Cella ChristSs (porque seu pay era Damote), se 



Digitized by 



Googl( 



352 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

puserao em campo contra *elle e contra o Emperador ; nem bastarSo f. 301- 

pera os aquietar muitos recados e embaixadas que Ras Ihes mandou, 

lembrandolhes as obriga^Oes que com elle tinhao de parentesco e 

o amor que sempre Ihes tivera e mostrara, pedindolhes que se nao 

deixassem enganar por frades idiotas, que ouvissem a bons letrados 

que Ihos mandaria, e elles Ihe mostrariao que estavSo errados na 

opiniao que seguiao, e que erao mentiras claras e patentes as que 

Ihe metiao na cabe<;a os seus Batavis. A tudo isto, despois de irem 

e virem muitos recados, responderao que nenhuma amizade queriao 

com Rats Cella Christ6s, se elle nao queimasse primeiro todos os li- 

vros que os padres tinhao tradusido de latim na sua lingna, e sobre 

isso Ihes entregasse ao padre que tinha consigo pera o pendurarem 

emforcado em huma arvore. 

a. Quare coacto Sentio Ras Cella Christds, como devia, tam grande descomedi- 

d^, multisqulfSe^ mento, e come^ou logo a marchar com seu exergito pera onde estavao 

818, reliquoa in fu- q^ Damotes mandandolhes ainda novos recados cheos de amor, pera 
gam vertit. 

os abrandar e tirar de sua pertinacia. Neste caminho muitos dos 

soldados de Ras Cella Christos, que ainda nao erao catholicos, se 

adiantarao e forao ajuntar com o exercito dos Damotes, de sorte que 

ficou elle muito mais poderoso que o de Ras. Elle comtudo, confiado 

em Deus e na verdade que defendia, Ihes mandou dizer : Vedes que 

tendes da vossa parte mais e melhor gente que eu de minha, ora 

nisto conhecereis que pelejais pola mentira, e eu pola verdade, porque 

com estes poucos e com a ajuda de Deus hei desbaratar toda a vossa 

multidao. Avia no campo dos Damotes dez ate doze mil homens, 

entre elles se affirma que erao frades armados *de zarguncho e ro- f.so'»^- 

della passante de quatro centos, afora alguns Batavis que serviao 

somente de os animar e confirmar em sua pertinacia. No campo 

de Ras hiao somente seis ate 7 mil soldados, mas estes erao bem 

exercitados, entre elles trinta at6 corenta Portugueses, parte de ca- 

valo, parte de espingoarda. Veose a batalha aos 26 de outubro de 

1621 nos campos ou charneca de Berbere Zaf, por onde eu daly 

a quatro annos passei muitas vezes ; e come<;ouse a travar por modo 

de escaramuija, porque, mandandolhe ultimamente Rats Cella Christ6s, 

despois de estarem os campos a vista, recado em que Ihes ofFerecia 

a paz, e pidia muito por amor de Jesu Christo e da Virgem Maria 

sua may que nao quisessem ser causa de sse derramar de huma e 

outra parte saugue christao; elles em lugar de reposta mandarao 

alguns escadrOes de archeiros, que come^arao a dispidir suas frechas 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXXII. 353 

contra os de Ras, o que visto por elle, deu sinal de acometer, e fi- 

zerSono os seus com tal esfor^o, que em breve espa^o fizerao virar 

aos Damotes com morte de muitos, caindo entre os primeiros o seu 

famoso Bata^y e noventa frades, com outros muitos soldados, sem 

dos de Ras, que coasi todos erao catholicos, morrer neste primeiro 

encontro mais que hum s6 soldado, e este gentio e nSio catholico. 

Vendo Ras que os inimigos fugiao, mandou logo tocar a recolher ; 

mas os soldados enfrascados na briga, obedecerao mal a este sinal, 

forao por bom espago siguindo o alcance ; e assy se contarao no fim 

da batalha mortos mais de tres mil ; entre elles coasi todos os sol- 

dados de Ras que se tinhao passado a banda dos inimigos, que forao 

f. 302. mil e trezentos, frades *cento e oitenta e oito. Desta maneira acudio 

Deus pola verdade e favoreceo aos que a defendiao. 

Chegou a nova desta vitoria ao Emperador no Dancaz aos 31 de 3- SeltAn Sagftd, 

outubro, espalhandose logo, foi o padre Pero Paez ao pago a dar ^ac insigni victoria, 

parabens a S. A. O Emperador os estimou e deu a Deus muitas coacto primomm re- 
^ '^ gniconsilioysolemni 

gragas; ao padre disse que, posto que sintia a morte de tantos chris- edicto fldem roma- 

^ 11 >. «^ > n nam commendare 

taos e vassallos, que estimava muito a vitona, porque, se se perdera, ^^^^^^ 

sua vida com a dos padres e catholicos ficava muito ariscada; que 

todos grandes e piquenos se aviao de alevantar contra elle ; mas que 

com esta vitoria ficavao muito quebrantados e nao aviao tam cedo 

de alevantar a cabe^a ; pelo que, querendose aproveitar da boa oc- 

casiao que se Ihe offerecia, e lograr esta vitoria, fazendo conselho 

com muitos senhores catholicos que estavao na corte, assentou que 

ao dia seguinte se fizese huma falla e lanijase novo pregao em favor 

da santa fee catholica ; e assy mandou que naquelle dia se fechassem 

as tendas do arrayal, e todos se ajuntassem no terreiro do pa^o, 

aonde se armou muito cedo huma tenda de guerra; o Emperador 

se vistio ricamente, estando ja junta toda a gente do arrayal : sairao 

do paQO o mordomo m6r Melcha Christos, o secretario Azage Tino, 

o veedor da fazenda Azage (^ar^o Qambul, Bageronda Za Michael 

tizoureiro mor, Za Christos viso Rey de Begameder, todos senhores 

catholicos, com outros muitos grandes da corte catholicos e hereges ; 

entrando na tenda pozse junto a ella em hum lugar alto o mordomo 

m6r Melcha Christos e disse assy: 



C. Bkccari. /?rr. Ae/Ji. Scripi. occ. inid, — VI. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



f302,.. CAPITULO XXXIII. 

Palla que o emperador Seltan ^^S^^^ mandou fazer A 
todos os de sua corte em favor da f6e catholica.no 
i** dia de novembro do anno de 1621. 



< Ouvy todos a variedade da doutrina errada que os frades insi- x. MeicA ChristAs 
€ nao : huns vierao dizendo que a humanidade de Christo nosso Se- ^rf^^^faciTad^popu- 

€ nhor chejrava aonde chejra sua divindade ; e n6s os convencemos ^""" ^^* » novcmbris 

i6ax ; qua m concio- 
€ provando que nao he assy, mas que tinha certo lugar no ceo como ne, confutatis erro- 

€ a estatura de hum homem perfeitissimo ; outros disserao que a rjj^^de^^christo^fide" 

€ divindade morrera, e tambem os convencemos com muitats rez5es, procUmatum est: 

€ testemunhas, e semelhan^as dos santos padres que he falso, por- tram et Concilii' Ni- 

€ que, se cortao hum pao em que da o sol, nSo cortSo o sol, senSo ^^^^^ ^***"* Impera- 
^ r- T toretomnesnospro- 

« o pao, e se dao marteladas no ferro abrasado, nSo martelao o fogo, fitemur ». 

« senSo o ferro; assy em Christo Senhor nosso, que he perfeito 

« Deus e perfeito homem, nao padeceo nem morreo a divindade, 

« senao a came; nossa alma, com ser creatura, nao pode morrer, 

« quanto mais a divindade. Outros disserao que a pessoa divina to- 

« mou a pessoa humana, e que avia em Christo huma s6 natureza ; a 

< estes tambem convencemos e mostramos como isto he p6r em Chri- 

« sto duas pessoas ; o que nao he assy ; senao a pessoa divina tomou 

« a natureza humana e nella estao duas cousas unidas, divindade e 

« humanidade. 



Digitized by 



Googl( 



356 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

€ Julios se alevantou dizendo que avia de morrer por sua fee, 

< que nao havia em Christo mais que huma natureza ; porem, ainda 
€ que isso dizia por fora, nSo era senSo por se Ihe tirar o vice rei- 

€ nado de Gojam, e despois o de T)rgre pos suas *tredorias ; mas f. 303. 

< emfim acabou na guerra. Tambem lonael, sabendo que se Ihe avia 
« de tirar o viso reinado de Begameder, tomou por capa p)era se 

< alevantar que avia de morrer por sua fee da guarda do sabbado, 

< e assy ate agora esta metido entre os Gallas como hum delles 

< gentio ; e se elle quizera ser santo, aqui o pudera ser, estando entre 

< as igrejas fazendo penitencia e ora^ao. O sabbado nao ha christao 

< que o guarde, porque he cousa de Judeos; o Emperador Zara lacob 

< fez pacto com os Judeos, e mandou que o guardassem, e porque 

< muitos entao o nao quizerao guardar, os mandou matar. Em tempo 

< do emperador Malac (^agued fizerao queimar hum livro por Aba- 

< farao, dizendo que era livro ruim, sendo bom ; • a seu filho lacobo 

< dissestes falsamente que quebrava as cruzes, e por isto Ihe tirastes 

< o imperio e degradastes, nem acabarao aqui as falsidades. 

< Agora vierao fugindo de Gojam tres frades dizendo que Cella 

< Christos os queria fazer comungar por forga : antes que viesse re- 

< posta fugirao, porque era mentira ; e arrecearao que se descubrisse 

< como andavao com muitas mulheres e tinhao filhos dellas ; outros 
€ frades amotinarao os Damotes, dizendo que os da Igreja Romana 

< commungavao miollos de camello, de lebre e de coelho e cazavao 

< com suas jrmas, e que afrontavao a Nossa Senhora; e ajuntarao 

< muita gente de pe, e de cavallo, chamandoos soldados de Maria, 

< e Ihes diziao que matassem os que a negavao. Isto tudo he grande 

< falsidade e mentira (que cacjadores nao ouverao de cansar em 

< ca^ar estes animaes ? e se vos disserem que commungueis isso, 

< quando o derem, nao no recebais, botayo no chao) e assi com 

< estas mintiras o frade vestido com dous couros de vaca (allude ao 

< principal que aly se achou) fez matar muita gente, e elle morreo 

< com ella. 

< *Portanto daqui por diante quem achardes que ensina escon- f.303.^- 

< didamente aos senhores e senhoras pelos cantos e varandas das 

< casas com o iarro de vinho a ilhairga, acusaio, e o seu fato sera 

< pera vos, e a cabe^a pera a justi^a, porque nao ensinao senao 

< falsidades. Nos andamos nas guerras, e os frades ficao com nossas 

< mulheres, e nolas tomao, e em lugar de Ihes insinar a verdade 

< Ihes metem na cabe^a erros ; e que ha huma s6 natureza em Chri- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VJI, CAPITULO XXXIIL 357 

c sto nosso Senhor, heregia de Dioscoro que foi separado e botado da 

€ Igreja por 630 patriarchas e bispos; sendo verdade que nelle estao 

c duas naturezas. Nem esta fee nos veo do mar chatinando (quer 

€ dizer que nao forSo os Portugueses os que a trouxerao a Ethiopia), 

« mas esta em nossos livros, e he fee de nossos padres antigos e 

« dos 318 do concilio Niceno ». E como acabou estas palavras disse: 

Esta he a fee do Emperador e de nos todos. 

Alevantouse logo o secretario, Azage Tino, glorioso martir, e a. inde AxAx Tin6 

langou pregao dizendo: Christo Nosso Senhor he homem perfeitis- ^^j^^ contr^icen^ 

simo, e nelle estao duas cousas, humanidade e divindade, sem se "*^^« intentantur. 

Imperator lubet in 
trocar nem misturar, e assy quem daqui por diante nao confessar ubris liturgicis mcn- 

em Christo estas duas naturezas, sua fazenda sera pera quem no ^^rolwri *^*^^^' 

acuzar, e a cabe^a pera o Emperador (he dizer que morrera polo 

tal crime). Confirmouse muito este pregao com mandar o Empe- 

rador que nas igrejas raspassem em todos os missaes a comemo- 

raQao que na missa se fazia de Dioscoro como de sancto, e que 

nenhum clerigo nellas rogasse polo patriarcha de Alexandria. Isto 

foi poucos dias despois do pregao ; e dali a quatro dias deceo com 

toda a corte qoatro leguas della a hum lugar chamado Azazo, no 

qual tra^ou casas, e lan^ou a primeira pedra a igreja que aly quiz 

f. 304. fazer pela tra^a da de Gorgorra, dedicandoa e *chamandoa de Jesus, 

e |X)r ser o lugar muito fresco e as casas que mandava fazer com 

hortas a roda, serem como de campo, e seu jardin, quiz que o lugar 

se chamasse, como se chamou daly em diante, Ganeta Jesus, que 

he dizer Jardim o Paraizo de Jesus. A fabrica da igreja ficou a 

conta do padre Pero Paez, o qual trabalhou muito nella; mas nao 

na acabou, porque o anticipou a morte, como ao diante contaremos ; 

acaboua o padre Luis d'Azevedo, vindo pera isso da missao dos 

Agaus, aonde estava, e em CoUela com o padre Francisco Antonio 

de Angeles, ao qual tambem neste tempo Deus nosso Senhor levou 

pera sy pouco antes do padre Pero Paez, como diremos. 

Porem o que mais assombrou os hereges e deo animo aos 3. Mense martio 

bons catholicos, foi o que fez o Emperador no mar(;o seguinte de iterum^concio^m 

622. Estava elle huma tarde em sua sala real, e com elle muitos habet, qua confirmat 

ea quae circa reli- 

senhores e os principaes capitaes e criados de sua casa, e vin- gionem cathoiicam 

dose a tratar da fee, disse assy : Minha f6e h6 que em Christo Se- ^erTt/'' p^pm^ 

nhor nosso estao duas perfeitissimas naturezas, divina e humana, eiusdemPatriarcham 

e que a humana nao he igual a divina; nem o sabbado se ha de thiopia a Romano 

guardar, porque he festa dos Judeos ; quem no guardar e nao tiver Po"i"fic« obtmendi. 



Digitized by 



Googl( 



358 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

esta minha fee, nao entre em meu pa<;o, porque com esta espada 
(tinha a sua na mao) Ihe hei de cortar a cabe<;a, que he meu ini- 
migo. Julios porque se alevantou contra mim e me quis matar? 
Desta fee tomou occasiao. Qafalam Cen6 e Jonael porque forao tam 
grandes meus inimigos? senao por amor della? Pois assi quem na 
nao tiver he certo que h6 men inimigo, nao me entre aqui ; porque 
o hei de matar ; e a quem na tiver hei de alevantar e fazer muitas 
honras e merces : e assi o declarai a todos. Levarao entao de suas 
espadas os que aly estavao grandes e pequenos, ate os pagens (por- 
que tambem estes diante do Emperador as tem sempre nas maos) 
e disserao : Senhor, com estas morreremos por esta fee e por V. Ma- 
gestade. Festejou o Emperador *muito este bom animo e demonstra- f.304i^- 
^Oes de todos, e mandou tanger suas Baganas, que sao como alaudes, 
ou arpas a seu modo, e esteve com grande festa ate mea noite brin- 
dando todos largamente neste meo tempo, como he seu custume. 
Mas ha hum que tardou em levar da espada e roncar como os de- 
mais, o fez por entao lan^ar affrontosamente da sala real, posto 
que ao dia seguinte a peti^ao de muitos, ouvindo suas escuzas, o 
tornou a admitir a sua graga. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XXXIV. 

Confessase a primeira vez o emperador Seltan Qagued 
com o padre Pero Paez ; morte do mesmo padre, e 
do padre Prancisco Antonio de Angeles. 



O emperador Seltan Qagued tmha, como consta desta histona, x« Seltan Sagad 

, . , . , , , 1 anno x6aa p. Pacz, 

muitos annos antes conhecida muito bem a verdade de nossa santa q^i longius moraba- 

fte catholica Comtudo ate este anno de 1622 nao na tinha profes- ^/» acccrsu etuxo- 

'^ ribus praeter unam 

sado, nem se tinha confessado com os padres, nem comungado de omnibus dimissis, 

^-rr.j j^'v« totius vitae confes- 

sua mao. E erSo duas as amarras que o detmhao: a pnmeira e gionem peragit ab 

principal o reino e imperio que nao queria arriscar, e a essa conta eoque sacram Syna- 

xim publice recipit. 
hia pouco e pouco trabalhando pera que os principaes fossem co- 

nhecendo a verdade e aceitando a doutrina da Igreja Romana, pera 

que, quando elle a professasse, os tivesse todos pera si, e nisto pro- 

cedeo com muita prudencia, posto que fosse em parte prudencia 

hujus seculi, A 2* amarra era o amor da carne: tinha muitas mu- 

Iheres, conforme ao costume de seus antepassados, nao se resolvia a 

ficar com huma s6, come ordena e manda da \sic\ ley de Christo Senhor 

f. 305. nosso. Ate que depois da vitoria que Deus Ihe deo dos Damotes, *vendo 

como o Senhor acudia pola verdade de sua sancta fee e o ajudava 

em tudo, e sabendo que os mais e melhores Viso Reys e capitSes 

grandes que tinha, e muitos frades e Debteras, que erao reputados 

por grandes letrados, estavao ia rendidos e professavao publica- 

mente ser a fee de Roma a verdadeira e a doutrina de Alexandria 

erronea e heretica movido por Deus, estando em Focara, lugar sito 



Digitized by 



Googl( 



360 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

junto a grande alagoa de Dambea da parte de Begameder, entre 

Anfras e Dara, mandou chamar ao padre Pero Paez que estava em 

Gorgorra, e se confessou com elle geralmente de toda sua vida, 

assentando de renunciar, como logo renunciou, as outras mulheres, 

posto que erao grandes senhoras e tinha dellas muitos filhos e filhas 

de menos idade; e ficando somente com a primeira mulher, por della 

ter os filhos mais velhos que Ihe aviao de soceder no imperio, Fa- 

ciladas, que era o principe que hoie reina, Marcos, que morreo no 

principio do anno de 1626, e Gladios que vive em paz com seu 

irmao. Moveose tambem a ficar com esta mulher por ella o ter ac- 

companhado em seus trabalhos no tempo que andou alevantado 

antes de entrar no imperio. 

a. P. Paex vix in A grande consola^ao, que o padre Pero Paez teve vendo cum- 

ob multa itineririn- pri^os seus tam prolongados desejos, podese bem imaginar e mal 

commoda infenso explicar com palavras. Dava a Deus mil contos de cfracas por ter 
caniculae signo re- *^ ^ . 6 v r 

lecti,graviterdecum- ouvidas suas continuas ora^Oes, e por bem empregados os sete 

bit et paucis post ^^^^^ ^g cativeiro que padecera na Arabia, indo pera esta missao, 
diebus mter suorum -1 i- » r- » 

manus pientissime e os dezanove que nella servira com tantos trabalhos por esta sua 
moriturineuntemaio , ^ - . . t-.» -j- j t- j j j 

anni x6aa. amada Ethiopia. Dispidiose do Emperador com especiaes saudades, 

porque o obrigavao alguns negocios a voltar pera GorgorrS, repetindo 

por vezes no caminho o cantico do bom velho Simeao, e dizendo 

*com voz de cyrne: Nunc dimitHs servum tuum, Dominey secundum ^.305,^. 

verbum tuum in pace. Ouviolhe o Senhor tambem esta petigao, 

querendo ia apremiar com descanso eterno seus largos e gloriosos 

trabalhos. Era aquelle o tempo em que as calmas mais reinao em 

Ethiopia, e o caminho pelos vastos campos de huma comarca, que 

chamao Arabea, nada menos quente que os areaes de Arabia; apertou 

com elle a for^a do sol, chegou a Gorgorra com febre, aonde entao 

estava o padre Antonio Fernandez superior da missao, o qual com 

sua grande caridade mais que com medicos e meizinhas, porque os 

nao ha na terra, cissistio e acudio ao padre todo o tempo da doenpa. 

Cresceo ella em demasia, e vendo que se chegava sua hora, se apa- 

relhou o padre com todos os sacramentos, confissao, santo viatico, 

un^ao, e com amorosos colloquios esperou a vinda do Espozo que 

o chamou pera as bodas do ceo nos primeiros dias de mayo do 

dito anno de 1622. Foi enterrado na igreja que elle mesmo ali 

fizera, na capella mor, com tantas lagrimas dos que se acharao pre- 

zentes quantas poderiao derramar se a cadahum delles Ihes mor- 

rerao juntamente seus pays e suas mays. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXXIV. 36 1 

Foi o padre Pero Paez varao verdadeiramente apostolico, esco- 3. Eius viu l«bo- 

Ihido por Deus pera apostolo de Ethiopia, como acima disse e se ^^^^l ^rattingun- 

deixa ver do discurso desta historia des do livro 5® ate este sep- ^^* 

timo, que himos acabando. Era castellano de na^So de junto a To- 

ledo de pays nobres; entrou na Companhia e com seus estudos de 

theologia acabados veo pera a India no anno de 1588; partio pera 

a missao de Ethiopia por caminhos muito extraordinarios, indo a 

Mascate e Ormuz, com intento de daly com hum grande rodeo 

passar ao gram Cairo, e delle nas cafilas, que por terra vao a 

f. 306. Ethiopia ; em Mascate tomou outra derota *partindose daly em huma 

terrada pera Zeila, cativou junto a Dofar; foi levado a Xaer e a 

Senan, aonde esteve cativo sete annos; livre do cativeiro tornou a 

India, aonde fez profissao de quatro votos, e tomou a sua empreza 

com tanto animo e gosto, como se nada nella tivera padecido, ou 

pera dizer melhor, como quem s6 nos trabalhos achava descanso, 

nos desgostos gosto, nas mayores asperezas dilicias, prazer e todo 

seu contentamento. Era de corpo alto e magro, rosto corado, de 

engenho vivo, de condi^ao tam afavel que a quantos tratava ganhava 

as vontades; guardou perfeitamente aquillo do Apostolo: Omnidtis 

omnia factus^ sum ut omnes lucrifacerem) fazendose nao s6 mestre 

e pregador da verdadeira fee, mas medico e enfermeiro pera os 

doentes, architecto, pedreiro, carpinteiro pera fazer igrejas a Deus 

e casas ao Emperador, com tanta humildade e chaneza, que a todos 

cativava, fazendose servo e cativo de todos. 

O emperador Seltan Qagued dizia que no padre Pero Paez 4- Impcratoris sin- 

. « « 11 • . * 1 it cerus luctus ob tanti 

tmha tudo: mestre, conselheiro, cativo e escravo ; e tmhalhe tanto y,-,|^ ^.^j sempcrad- 

amor que nao somente pranteou sua morte com prantos de todo dlctisslmus fuerat 

inexspectatum ante 
seu arrayal por muitos dias, mas todas as wQzes que vinha a Gor- tempus obitum. 

gorra se detinha muito tempo degiolhos sobre sua sepultura, cho- 

rando muitas lagrimas ; e da primeira vez que ali veo deixou huma 

fermosa alcatifa pera que sempre estivesse sobre a sepultura do 

padre. Era emfim varao de muita ora^ao e mortifica^ao, de cari- 

dade muito estremada, e insig^e em todas as virtudes. Finalmente 

foi o padre Pero Paez escolhido por Deus pera com alegria colher 

o fruito das lagrimas com que o santo patriarcha Andre de Oviedo, 

f.3o6,v. e os sinco padres seus companheiros regarao os estereis mat*tos e 

brenhas de Ethiopia ; porque, entrando nella, em breves dias reduzio 

a fee catholica ao emperador Za Danguil e a muitos dos seus gran- 

des. Ao emperador Jacobo tambem fez confessar a mesma verdade, e 

C. BiccAiti. Rer» Aeik. Scripi, occ. ined — VI. 46 



Digitized by 



Googl( 



362 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

ia tratava da se reduzir, se a morte Ihe nSo atalhara estes bons 

intentos, privandoo do reino temporal e etemo. O emperador Seltan 

Qagued, posto que primeiro duas ou tres vezes ouvio as verdades 

da nossa santa fee da boca dos padres Antonio Femandez e Lou- 

renQO Romano, por o padre Pero Paez estar auzente, quando elle 

veo pera a corte de Coga vitorioso e absoluto senhor do imperio, 

depois da morte de Jacobo, comtudo logo o mandou chamar, pola 

fama que tinha, e delle principalmente se professou sempre por di- 

scipulo, com elle se confessou a primeira vez, morto o chorou, e 

toda a vida o reconheceo por mestre e pay e como a tal o amava. 

5. Eodem anno Neste mesmo anno de 1622, aos 21 d' outubro, dia das onze 

mense octobri p. De ., «7.. - xt o i_ j t^ • a 

Angelis vix aquis ™1 Virgens, levou Nosso Senhor pera sy ao padre Francisco An- 

ereptus flominis tonio de Angeles; e era bem fosse pera o ceo em companhia de 

Ade4 in quem iter " 

agendo deciderat, tantas mil virgens quem no nome era dos anjos e na vida anjo. 

fur^t ^u^ cedit.^'* "^ occaziao de sua morte foi a que agora direy. Residia o padre 

ordinariamente em Collela, fazendo daly continuas saidas a varias 

partes de Gojam, principalmente a Ancaxa e a outras comarcas dos 

Agaus, aonde tinha feitos christSos e bauptizado a muitos, e ao 

arrayal de Ras Cella Christos, cujo proprio mestre era, por ter re- 

duzido a nossa santa fee aos principaes capitSles e soldados delle; 

a visitar e sacramentar a alguns destes sayo o padre no fim do 

invemo de CoUela, e chegou ate Adaxa, com trabalho excecivo, 

por o caminho ser de muitas lamas e rios, que con muita difficul- 

dade se vadeao ; na volta ao passar *do rio Abea (ao qual por sua f. 307- 

corrente ser muito furiosa derao este nome, que na lingua da terra 

quer dizer, boy indomito e que nao sofre jugo) teve hum perigo 

muito grande Vadease o rio com a agua ate os peitos ; pera segu- 

ran<;:a dos mais fracos, alguns mancebos mais valentes atravessarao 

humas correas cumpridas e fortes de huma a outra parte do rio; 

hiaose todos pegando a ellas, e tendo a corrente; eis que com a 

for^a da agua, e pezo da gente, quebrao as correas; accudirao os 

mais valentes a sustentar o padre, e pozeraono alem do rio, posto 

que bem molhado e depois de beber mais agua da que quizera; 

cadahum passou sua fortuna e contava o risco em que se vira; a 

hum minino levou e atropelhou tanto a corrente, que o lan^ou na 

ribeira sem vida: da lastima que o padre teve pola morte do mi- 

nino, e do sobresalto e perigo em que se vio, chegou a Collela 

tam cortado e quebrantado, que sobrevindolhe huma febre teza em 

poucos dias o poz na cova. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO XXXIV. 363 

Era o padre Francisco Antonio de na^ao Italiano, natural da 6. Eius elogium. 
cidade de Napoles; veo pera a India naquella grande missSLo dos 
sessenta no anno de 1602. Avisado logo pera Ethiopia passou a Dio 
pera ir em companhia do padre Pero Paez; mas nSo podendo ir 
com elle, passou o anno seguinte de 1604 em companhia do padre 
Antonio Fernandez ; esteve muitos annos em Tigre, aonde aprendeo 
nao s6 a lingua Amarinha, que he a que corre na corte, entre a 
nobreza de Ethiopia, mas tambem a dos seus livros, e nesta tres- 
ladou o do padre Bras Viegas sobre o Apocalipse, que foi a todos 
muito ageito. Era de perfeita estatura, bem emcorporado e engra- 
9ado, afavel e muito liberal ; polo que Ihe chamavao commummente 
o padre Facata, que quer dizer alegre e aflfavel. Foi apostolo de j 
f.3o7,v. Gojam, principalmente dos gentios Agaus, aos quaes *foy o pri- 
meiro que pregou e insinou o Evangelho. 



FlM DO LIVRO SEPTIMO. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by CjOOQ lC 



LIVRO VIII 

DA HISTORIA DE ETHIOPIA 



CAPITULO I. 

Como partimos pera Ethiopia quatro padres 
e invemamos em Dofar. 



Ate aqui contei e escrevi as cousas, que passarao em Ethio- i. Hucuaque cnar- 
^ «• j «r. 1- ^* '^ ^ rataA.a testibusflde 

f.3o8,v. pia, regendome por informaQ5es e rela<?Oes, posto *que muito certas dignis accepit, quae 

e verdadeiras, alheas porem: contei o que ouvi; daqui por diante »«qif«ntur ut testis 

^ ^ ' ^ ^ oculatus exhibebit. 

pela mayor parte contarei e escreverei o que vi com meus olhos, 

o que me passou pelas maos, e em que ou eu me achei pessoalmente, 

ou passou e socedeo tam perto donde estava que nSo se me podia 

esconder a plenaria noticia do que passava e era na terra notorio 

a todos. Polo que o leitor curioso desta historia nao estranhe se em 

algumas materias for mais largo que primeiro, particularmente na 

noticia, que de quando em quando prociu*arei dar dos reinos, terras, 

e lugares de que falo ; porque de preposito, sabendo que estas des- 

crip^Oes sSo proprias da historia, deixei muitas dellas pera as fazer 

em tempo em que se entendesse que as fazia eu como testemunha 

de vista. 

Vindo pois ao fio do que hia tratando, e ao que no titulo deste a. Auctor in Ae- 

._ « ^ «. j» ^ 1 thiopiam dettinatur 

capitulo propuz pera contar, digo que no anno de 1622 veo ordem cum visitatoris mu- 



Digitized by 



Googl( 



366 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

ncrc, cique aocii de nosso muito reverendo padre geral Mutio Viteleschi ao padre An- 

gius Almeida frater ^^e Palmeiro, visitador que entao era da provincia de Goa, pera que de 

et Francidcus Car- ^^ padres que nomeava mandasse hum a Ethiopia pera em seu nome 

visitar ao Emperador e Ihe dar as dividas gra^as polas muitas e 

grandes merces que fazia a nossos padres, e polos favores que sem- 

pre fez aos catholicos e a todos os que recebiao a santa fee de Roma. 

Hum dos nomeados era o padre Jeronymo Cotta, que ia era falecido, 

outro o padre Jacome de Medeiros, que tinha acabado de ser pro- 

vincial, mas, por estar doente e por outras justas rezOes, pareceo 

bem nao no mandar. A mym, a quem nosso muito reverendo padre 

nomeava no terceiro *lugar, me escreveu o padre visitador a Ba^aim f. 309. 

aonde estava, intimandome a ordem de nosso padre e mandandome 

que nSo somente visitase ao Emperador em nome do padre geral, 

mas em seu nome visitase aquella Missao, com poderes largos que 

pera isso me dava. Chegoume esta carta e patente aos 22 de no- 

vembro do anno sobredito. Chegou juntamente ali o padre Francisco 

Carvalho que, sendo (i) reitor do coUegio de Chaul, foi avisado pera 

e missao de Ethiopia. Estava tambem em Ba^aim o padre Jorge 

d'Almeida meu irmao, o qual o anno d'antes, avisado pera a mesma 

missao, tinha chegado a Dio, com os padres Manoel Barradas, que 

entao vinha pera ella por visitador, e Luis Cardeira : mas, por se nao 

achar nao que partisse pera Macua ou Suaqhem, ficarao esperando 

hum anno em Dio; e o padre, por naquella terra se achar mal e 

botar muito sangue pola boca, viera pera estoutra costa a se me- 

Ihorar na saude, pera o seguinte anno continuar com mais for<;as 

sua viagem. 

3. Itineri se com- Aviamonos todos tres brevemente, e logo aos 28 do mesmo no- 

tnittunt Dium ver- 1. i_ t_ 1 .^- u» 

sus; atobadveraam vembro nos embarcamos em hum paguel, e partimos em companhia 

tempestatem ct la- ^^ armada do Norte que hia dando guarda a cafila, capitao mor 

tronum pericula, * ° 

nonnisi post tres Diogo de Mello de Castro; tomamos Damao, e tivemos ali a festa 

mei^^portum te- ^^ nosso santo padre Francisco de Xavier, em cujo dia a tarde nos 

embarcamos pera continuar nossa viagem. Porem ao seguinte fomos 

for^ados tornar arribar ao mesmo porto, por a armada, em cuja 

conserva hiamos, voltar em seguimento de seis naos olandesas, das 

quaes naquelle dia teve vista, que vinhao da banda de Surrate, e 

faziao sua derrota pera Goa. 



(i) « Sendo » suffecit A. vocibus: « ao presente era ». 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO I. 367 

f.309,v. *Em DamSlo nos detivemos (i) 15 dias, esperando a (2) armada 

de Dio (3) ; mas vendo que tardava muito, fretamos huma almadia por 
25 pardaos ate Goga, com intento de daly passiarmos a Dio por terra. 
Neste caminho nos livrou Deus milagrosamente das mStos dos Ma- 
lavares. Demos com dous par6s quasi rosto com rosto na boca do 
rio de Na<?avrim: estavSo escorchando huma embarca^ao que tinhao 
tomada, por isso nos derao tempo pera voltar. Como voltamos pera 
traz, e metemonos na boca de hum rio que chamao Muaca ; vazava 
a mare, o rio tem pouca agua, ficamos logo em secco, e a boca por 
que entramos quasi sem agua. Hia anoitecendo, vierao os paros, mas 
vendo aquella entrada secca, descorrerao abaixo a outra que tinha 
mais agua, tanto que a mare come^ou a encher, fomonos metendo 
pelo esteiro que hia dar no rio grande de NaQavrim ; entramos por 
elle bom espa^o, mas isto nao nos podia valer, se a Virgem santis- 
sima Senhora Nossa naquella noite, que era vespora de sua festa 
do O nos nao favorecera e guardara como guardou. Tomaraose os 
paroos a boca do rio Na^avrim, sabendo que nos estavamos dentro ; 
e tanto que anoiteceu hum delles, que era mais pequeno, e ligeiro, 
se foi metendo pelo rio, pera nos ir buscar : permitiu a Virgem que 
errasse o canal, encostouse muito a huma banda, e foi dar em huma 
restinga, naqual se virou e ficou atravessado ; era pela mea noite ; 
ouvimos a grita dos Malavares, que deixando o paroo em seco se 
tomai^o por terra pera a foz do rio, e forao meter no outro par6o 
que nella ficara. Quando amanheceu se viu o rio cheo de cocos, que 

f. 310. era a carga do paroo, *e algumas rodellas, arcos e frechas que a 
juzante da mare trazia por elle acima. Demos muitas gra^as a Deus 
e a Virgem santissima que nos livrara ; e porque o paroo nos espe- 
rava ainda na barra, tomando ali carretinhas, fomos por terra ate 
Bagoa, passando por detras de Surrate, deixando recado ao catu- 
reiro que la nos fosse tomar, tanto que pudesse dali sair com segu- 
ran^a, como foj ; e de Bagoa atravessamos a Goga (4). 

Em Goga nos detivemos hum mez inteiro, porque o caminho 4« Reiicto ea in 
de terra estava infestado de salteadores Resbustos: esperamos pela gi^ sanguinis fluxu 

armada, e nella checfamos a Dio, dous mezes despois de sairmos la^orante, ipse addi- 
° tis sibi sociis pp. 

de Ba^aim; nao nos faltarao em Dio trabalhos com o capitao e Barradas et Cardeira 

mercatoriam turci- 
cam conscendit,quae 

(1) « Nos detiveraos » sufFecit A. voci: (« esperamos •. Suaquem tendebat. 

(2) « Esperando a » suffecit voci « pella ». 

(3) Hic deleta leguntur verba : « que ali se esperava por horas ». 

(4) « Corao foi... a Gogfi », adiect. ab A. 



Digitized by CjOOQ lC 



368 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

feitor, que nos ajudarSio muito pouco; mas imfim aviados, como 
pudemos, nos embarcamos pera Suaqhem, o padre Manoel Bar- 
radas, o padre Francisco Carvalho, o padre Luis Cardeira, e eu. O 
padre Jorge D'Almeida por ordem do padre reitor voltou daly outra 
vez para Ba^aim, por se julgar que nSo estava pera a viagem, porque 
tanto que aly chegou come^ou outra vez (i) a lan<?ar tanto sangue pela 
boca, que ficou em extrema fraqueza. Partimcs aos 24 de mar^o de 
1623, vespora da Anuncia^ao da Virgem Maria Senhora Nossa, pro- 
metendonos de tal senhora semelhantes favores aos que na vespora 
de sua mesma festa nos tinha feito no rio de Na^avrim ; e taes os 
esperimentamos, deflfendendonos e guardandonos esta Senhora de 
muitos e mui evidentes perigos, de tormentas, cossairos, Ingreses e 
Olandeses, mouros de Dofar, galles e gelvas de Turcos na costa de 
Xaer e Aden, nas portas do estreito e por todo elle, e em Suaqhem 
e Ma^ua do baixa Turco e seus ministros, at6 nos franquear os passos 
todos e meter dentro em Ethiopia. 

A nao em que viemos era hum pataixo de Lucas de Souza fire- 
tado por Lalegi Rossy, capitao Rapogy Sangovy, trazia a toa hum 
batel tam grande como hum navio, *e tam carregado de fato, que f.sio.v. 
escassamente o podia a nao arrastar, principalmente vindo tam mal 
arrumada, e com tam altas arrombadas, que em picando a amarra 
se foi a banda, de maneira que Ihe faltou pouco pera se ir ao fundo. 
Com isto e com a moh^ao ser fraca, chegamos tarde k vista de 
Socotora ; nem nos dava pouca pena ver que nao podiamos impidir as 
continuas ceremonias gentilicas e mahometanas que faziao os Banea- 
nes na poppa oflferecendo a seus pagodes varios cheiros e perfumes : 
e os mouros marinheiros na proa a seu falso profeta, pera Ihes pi- 
direm vento prospero, chegando ate Ihe fazerem e oflFerecerem hum 
como cavalinho de bambus com varias bandeirinhas e a fingirem 
que em hum mouro velho entrava o seu sancarrao : o que elle repre- 
zentava com se fingir furioso e ir dando com hum rebem por todos 
os que encontrava ; e no meo desta furia hia dando repostas aos que 
Ihe perguntavao quando teriao vista do cabo Goardafui, entrariao as 
portas do estreito, chegariao a Suaqhem : e forao ellas tam minti- 
rosas como o era o profeta que as dava; e elles sobre tudo muy 
crentes e contentes: sem despois se envergonharem de tudolheso^ 
ceder ao revez do que o dissera o seu profeta. 

(2) « Outra vez » adiect. ab A. in marg. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO I. 369 

O certo foi que for^ados da escaceza dos ventos, nao podendo 5. At cum venri 

^ c? i. A ^ /- • j 1 remisiasent nec ad 

aferrar oocotora, posto que a vimos, nem Caixem, pera onde alguns socotoram insulam 

dias navegamos, fomos invemar na baya de Dofar : aly esteve a nao f PP«Jl«re valmsaent, 

^ -^ -^ in portu Dofar ad 

anchorada des dos 1 8 de mayo at6 os 1 6 de outubro : e nos metidos oram Arabiae hie- 

nella sem sairmos nunca em terra, e sempre com continuos sobre- ^g^gi^^f^^^descri" 

saltos, porque poucos dias passarSLo sem que nos viessem novas, humas P^io» 

vezes que ia na terra se sabia de nos, outras que o regulo nos vinha 

ou mandava buscar, outras que andavSlo na costa naos olandeses e que 

nao passairiao sem ter vista da nossa, outra^ que sairao de Moqha gall6s 

f. 3". e navios de Turcos e que provavelmente cheg^ariao at6 Dofar, e quando 

nao, que no caminho sem duvida as encontrariamos. A isto se ajuntou 

otrabalho de nos escondermos pelos buracos da nao, todas as \ezes 

que alguma gente de terra vinha a ella ; a falta de matalotajem, pola 

qual foi necessario passar com arroz e algum peixe quando se achava; 

a agua nos deo muito trabalho, por ser tam salobra, que era quasi 

salgada : daqui nos viemos a encher todos de sama muita e muito 

grossa, a qual, com nos sangrarmos algumas vezes, nos durou ate 

Suaqhem, e a alguns accompanhou at6 Ethiopia. A gente da nao 

tambem padeceo muito, posto que o mais do tempo esteve em 

terra, porque muitos adoecerao de febres e sarna, e oque mais sin- 

tirao foi o muito que Ihes levarao da anchorajem (passou de duas 

niil patacas) afora a perda de muita roupa que molhada com a chuva 

se danou e se perdeo quasi toda. 

De Dofar direi pouco, porque o nao vi senao da nao: sabido 

he que esta na costa da Arabia em altura de 15 pera 16 graos, entre 

Caixem e Curiamuria. A cidade he pequena, a gente pobre, o regulo 

irmao e vassalo do de Xaer, o qual senhorea muitas terras desta 

Arabia, posto que como ella por esta banda he mal povoada, nao 

tem muita gente, nem riqueza. Ficalhe no meo, ao longo da costa 

entre Xaer e Dofar, a cidade e reino de Caxem : he contudo o Rey 

de Xaer e Dofar senhor da mayor parte do incenso que ha no 

mundo; dasse em humas serras muito altas e escalvadas, que por 

espa^o de 40 ou 50 legoas correm de Dofar at6 Caxem, em humas 

arvores pequencts e de poucas folhas e nenhum outro fruto senao o 

incenso, que he a sua rezina. Tem tambem Dofar ao longo de huma 

praya bem fermosa muitas palmeiras e ariqueiras, figueiras da India, 

betele e uvas em abundancia pera a terra, esta frescura Ihe vem de 

participar de dous invemos, do da India, que aly chega com muita 

copia de nuvens, posto que nao descarregao com chuvas grossas, 

C. Beccari Rer. Aeih^ Scripi. occ. ined, — VI, 47 



Digitized by 



Googl( 



370 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

senSo meudas, mas muito continuadas, por espa^o de mais de '''tres f.3".v. 
mezes e meo ; e do do estreito da Arabia, que vem no tempo em que 
o nosso de Portugal. Tem muitos po^os, e h6 a terra tam humida 
que os mais dos homens e molheres, segundo me contarao, tem hum 
dos p6s e pema tam deformemente grossa como os pericaes ou pa- 
nicaes da costa do Malavar na India. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO 11. 

Como partimos de Dofar, chegamos & Suaqhem e Ma^u^, 
e daly entramos por Ethiopia at6 Debaro^. 

Aos i6 de outubro levamos anchora e partimos de Dofar, e aos i. Mcdio mense 

c^ t f» • Octobri e Dofar 8ol« 

4 de dezembro chegamos e anchoramos em Suaqhem : foi a viagem ^unt et post laborio- 

vagarosa, porque a moncjao come^ou fraca, e assi gastamos muitos **°* ^^^*R^*Jf"j 

dias ate Adem ; mas dali por diante, nos passos mais perigosos nos Maris insulas, quae 

favoreceo Deus de maneira que entramos as portas com vento fresco, aLu^gunMpsumque 

passandoas de noite pera que nao tivessem vista de n6s algumas ^^ ^uas fere partes 

, dividunt, Suaquem 
galvas [sic] de Turcos que aly custumao estar pera levarem as naos a tenent. 

Moqha ; passamolas pela banda de Ethiopia, quero dizer entre a ilheta 

que esta naquelle boqueirao e a terra de Ethiopia, nao entre a ilheta 

e a terra de Arabia, porque, posto que este canal he de mayor fundo 

e mais segura passagem, comtudo detraz de huns morros que aly 

faz a Arabia, custumao a estar surtas as embarcacjOes turquescas 

que vigiao estas portas. Aquella manha fomos vendo os montes que 

f. 312. estao por cima de *Moqha, e os de Ethiopia que Ihe respondem a 

mao esquerda; ao meo dia passamos iunto a ilha label laquer, a 

qual esta neste mar Roxo entre huma e outra costa quasi no meo : 

os Baneanes e mouros a saudarao, como custumao, com varias super- 

tigOes, oflFere^endolhe algumas cousas de comer, e fallando com ella, 

pergfuntando e respondendo o que Ihes vinha a vontade. Pouco adiante 

desta, come^a huma corda de ilhetas tam juntas, que muitas vezes 



Digitized by 



Googl( 



372 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

hiamos vendo seis e sete todas em carreira, e alg^mas, que estao 
mais afastadas, se divizSo tanto que as de detraz se vSlo perdendo 
de vista: esta corda de ilheos h6 como hum espinha<?o deste mar 
Roxo, que o vai cortando todo ao comprido como o Apenino a Italia. 
A navega^ao pera Suaqhem he as primeiras tres ou quatro sangra- 
duras entre estas ilhetas e a costa de Arabia; depois se atravessa 
o estreito pera a banda da Africa em outros tres ou quatro dias, 
cortando ao noroeste, e procurando ir ver a terra de fronte de humas 
ilhetas chamadas Aquico, nas quaes se tomao pilotos da terra, porque 
sem elles se nao pode navegar o espago da costa que daly corre 
pera Suaqhem, por ser todo cheo de ilheos e coroas de area, humas 
por baixo de agua, outras por cima. Nos tomamos a terra muito 
abaixo, e tivemos aquelles dias trabalho, com ventos ponteiros e 
muito tezos ; com tudo, tomando piloto, fomos seguindo nossa der- 
rota por entre aquella rede, ou laberinto de ilhetas e baixos, ate 
chegarmos quasi a vista de Suaqhem ; onde nos faltou o vento, de 
sorte que em menos de oito legoas gastamos dez ou doze dias, ate 
chegarmos a langar ferro aos 4 de dezembro, sincoenta dias depois 
de sairmos de Dofar. 
a. Altera dic Baxa Ao dia seguinte saimos da nao, oito mezes e doze dias despois 

cxcipiuntur donaria V^^ nella nos embarcamos em Dio ; logo com o capitao piloto, e 

ct pccuniac vim non mercadores principaes, fomos visitar ao Baxa. *Recebeonos com honra f.sia.y. 

modicam offcront ct 

facultatcm obtincnt e afabelidade ; disse que nos deixaria ir em paz pera Ethiopia, porque 

S^Sirin'^" -a -™?o do Emperador e desejava ter com elle boa paz e amisade: 

piam ingrcdicndi. e que o mesmo Emperador Ihe tinha mandado pidir que tratasse 

bem e Ihe mandasse a salvamento os padres que ali viessem ter. 

Mandavanos a todos quatro vestir cabayas (que he a honra que 

custuma fazer aos que a faz mayor), porem n6s, sabendo quam pouco 

ella monta e quam cara custumava custar, nos escuzamos della, ves- 

tindo eu somente huma, pera que nao parecese que faziamos pouco 

caso de sua boa vontade : say com a cabaya, eu, o capitao, e piloto 

todos a cavallo at6 nossas casas. Chegando a ellas as dispimos, que 

este he o estilo, e com ellas se despe a bol^a de sincoenta ou ses- 

senta patacas pera os criados do Baixa, que tal custume inventarao 

pera seu proveito; tanto custou cadahuma ao capitao e piloto. A 

mim, por me ter escuzado e protestado que era religioso pobre 

e nao pretendia, nem queria honras com tantos encargos, mandou o 

Baxa que nao me pedissem os custumes; mas ainda me custou a 

figura seis ou sete patacas. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO II. 373 

Ao dia seguinte levamos ao Baxa o sagoate que Ihe traziamos, 
porque como pre<po delle se compra a licen<;a de nos deixar passar 
por seus portos. Erao as pe^as delle principaes, hum cubertor da 
China, huma colcha de cutonia de seda bem lavrada, huma alcatifa 
de veludo, hum escritorio de Dio marchetado, mea duzia de bofetas 
muito finos, algfumas bandeias e palanganas da China, e outros^ 
brincos de algumas corjas de chavanas. Despois do do Baxa, le- 
vamos outro presente ao seu Quequea, que he o que debaixo delle 
tudo manda e govema; e outro ao Amym, presidente e como juiz 
da alfandega. Nem para aqui o negocio; porque sao muitos os 
que puxao e levao : escrivaes, capitaes de varios passos, porteiros, 
f. 313. g^ard£ts, *emfim todos chupao, sangrao e metem a lan^a quanto po- 
dem. Os direitos do fato sobretudo forao fortissimos, porque ava- 
liarao as roupas a metade mais do que valiao, e tomarao pela ava- 
liagao a dezaseis por cento, afora as sinco pe^as que levarao por 
gento, de cada sorte de roupas. 

Desta mancira tusquiados, nos dispidiu pera Ma^ua, com honra 
porem, e cartas de recomenda^ao, ncts quaes mandava ao Quequea 
e Amim que sem bolirem em nosso fato, nem abrirem fardos, nem 
tomarem mais direitos, nos deixassem logo passar pera onde hiamos, 
e pera as primeiras jornadas nos dessem boa guarda. 

Dezaseis dias estivemos em Suaqhem, gastandoos em desemfar- 3« Refectis viribus 
delar as roupas que levavamos da esmola dos christaos; nellesde- ^^m* conscendunt 

scansamos, e em parte convalecemos da sama e trabalhos do mar ^ prospcro vento 

Mazuam deducun- 
com os bons ares da terra, por ser naquelle tempo inverno, e elle tur. insulae, pagi et 

muito brando, e haver bom provimento de carnes de vaca e car- 1^^"*^°^°^ ^"" 

neiro, de peixe, queijinhos frescos, e alguma fruita como melOes, 

e patecas, cada qual em seu genero muito perfeita, e tudo barato. 

Veralhe isto tudo da terra firme que he habitada de mouros Fun- 

chos (i): sao homens ordinariamente altos, delgados, tem os olhinhos 

muito pequenos. O Rey dos Funchos tem parte nos rendimentos da 

alfandega, que os Turcos Ihe dao, pera que elle Ihes acuda com 

as cafilas e provimento da terra. Suaqhem he ilheta muito pequena, 

tera de cumprimento dous tiros de espingarda, de largo hum e meo ; 

e pouco mais ou menos tanto tera de distancia o bra^o de mar, ou 

esteiro que a divide da terra firme. As casas sau humas de pedra 

e barro, outras (2) de paos, e cubertas de esteira. 

(1) Hic deleta leguntur haec: « a que em Ethiopia chamSo Ballous ». 

(2) « Outras »> suffecit A. loco verborum u que as mnis s5o » deletorum. 



Digitized by 



Googl( 



374 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Partimos de Suaqhem aos 21 de dezembro em huma gelva 

que fretamos por trinta crusados, chegamos a Magua em seis dias 

indo sempre ao longo da costa, andando de dia e passando as noites 

sobre anchora. He Ma<?ua semelhante *a Suaqhem ilheta pouco mayor f.313»^. 

que ella, pegada k costa de Africa, a casaria parte de pedra e barro, 

.posto que algumas sobre isso s2io acafeladas e cayadas, parte de 

paos e esteiras. Tem algumas cistemas e hum baluarte na entrada 

da barra com pouca artelharia : o rio he de pouco fundo e s6 capaz 

de navetas de Dio; fic^lolhe de fronte entre Ma^ua e Arquico, ou 

Dequeno (que assy Ihe chama a gente da terra) (i). He Deqhono ou 

Arquico huma povoa^ao ao longo da praya, ha nella muitos pogos ca- 

vados na area, dos quaes se tira a agua que ali se bebe e leva cada dia 

em tres ou quatro gelvas pera Magua : com ella regao algumas hor- 

tinhas de varia hortalice, limOes e romSlos, que se dao bem na 

terra. Quando desta vez aly cheguei nao tinha outra fortaleza mais 

que huma cerca de pedra e barro de altura de dez palmos; e no 

cabo humas casas bem fracas de sobrado em que morava o Que- 

quea; porem agora no anno de 1633, tomando por ali em julho, 

vi que estava feita, ao que parece de pedra e cal, alguns dizem 

que he pedra e barro (2), huma fortaleza quadrada, que continua com 

as casas do Quequea, tem quatro baluartes nos quatro cantos ; elles 

e o muro sao de altura de vinte ate 25 palmos; fica junto aos po^os 

para deffender a agua. 

4. Die 16 lanuarii Daqui despois de darmos nossos prezentes ao Quequa, Amim 

mittunt Fremonam ® outros officiaes, e mostrarmos os formOes do Baxa (posto que 

yeraus comitante ad nos fiserSo alguns assintes) saimos aos 16 de janeiro accompanhados 

latronum pericula o / 

vitanda Turcarum de quasi toda soldadesca de Arquico, que por entao seriao at6 70 

Td pa(ram*Zalot**e^ espingardeiros, posto que agora sao mais de duzentos; forao com 

dein usque ad Asma- nosco dia e meo de caminho, ate que encontramos com a gente de 

ram Aethiopum ar- 

matorum turma. Zalot, huma aldea que o Emperador tinha dado aos padres, prin- 

cipalmente pera a gente della, que passavao de tres centos homens 

de zarguncho e rodela, os irem receber quando vinhao, e ao fato 

da esmola, e darlhe guarda ate Debaroa ; porque por todo aquelle 

caminho ha ordinariamente grandes escoadrOes de salteadores e 

sao quasi todos os mesmos moradores *dos lugares visinhos ; os quaes, f. 314- 

por a terra ser de grandes e altos montes e em muitas partes de- 

spovoada, e principalmente por ser tam longe da corte, obedecem 

(1) Hic deleta leguntur sequentia « duas ilhetas despovoodas ». 

(2) « Alguns dizem que he pedra e barro > adfect. ab A. in marg. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO II. 375 

muito pouco ao Emperador, e quasi nao tem mais que o nome de 
vassalos. Afora a gente de nossa aldea, mandou o viso Rey Keba 
Christos, grande catholico, que nesta conjun^ao se achou com seu 
arrayal junto a Debaroa, que nos viessem dar guarda hum seu 
irmao chamado Asma Guirguis, e o Barganaes Acaba Christos 
com muita gente de armas : e tudo era necessario, porque, a fama de 
nossa vinda e da cafila que hia comnosco ser grande, erao sem nu- 
mero os salteadores que se tinhao apelidado pera virem dar sobre n6s. 

Em quatro ou sinco dias passamos os lugares perigosos, su- 
bindo os mais delies montes muy altos, entre os quaes havia algumas 
varzeas lavradas, outrcis de grande herva em que pasciao manadas 
de gado vaccum em grande numero, bois e vaccas gordos e fer- 
mosos a maravilha, que todo o anno andao no mesmo ser, porque 
nos mezes de dezembro, janeiro e fevereiro pascem estes campos, 
e terras visinhas ao mar, aonde entao he invemo; e nos de junho, 
julho, agosto e setembro, metendose mais pelas terras dentro, vao 
gozar de seu invemo. Asmara se chama huma terra alta e ia menos 
montuosa, que esta oito ou nove legoas antes da Debaroa, aly acaba 
o inverno do sertao de Ethiopia, e dalj pera o mar nos montes e 
valles altissimos, que daquelle lugar se descobrem, viamos ficar as 
nuvens e chuveiros do inverno do mar, sem medo de nos molharem, 
porque nos diziao os naturaes da terra que nunca ali chegava. 

Pouco avante de Asmara encontramos com hum tergo de Por- 5. loannes Qa- 
tugueses de Maegoga, entre elles a Joao Gabriel, homem de grande ^ux eis obviam fa- 

respeito, que muitos annos fora capitao de todos os que ha em ^^^. magna cum ho- 

'^^ ^ ^ ^ noris significatione 

Ethiopia ; consolounos muito este encontro. Com elles vinhao huns patres Debaroam ad 

criados do viso Rey Keba Christos que nos trouxerao sinco mulas, gem^Keba ChristAs 

que o Viso Rey nos mandava pera o caminho, huma pera cadahum comiutur : qui eos 

peramanter ezcepit 
f-3r4.v. dos quatro padres, e quinta pera Monoel Magro, homem *da India, et donis cumulavit, 

que nos acompanhara em toda esta jomada; erao muito boas e sir- ^jj^^^^^jld* **** ^*^^ 

viraonos muitos annos; mas pera que se veja o coragao deste prin- suurandas consi- 

9ipe, neste mesmo anno a outros quatro padres, que entrarao em 

julho, mandou dar outras quatro mulas, e no anno siguinte mandou 

sete ao patriarcha e padres que com elle entrarao; que nao sao 

pequenas datas pera terra aonde a riqueza nao he muita. 

Ao dia seguinte chegamos ao arrayal do Viso Rey ao qual 

todo elle mandou nos saisse a receber a hum fermoso campo; se- 

riao ate mil e quinhentos homens de armas, trezentos de mula, 

muitos dos quaes traziao a destra fermosos genetes. Recebeonos o 



Digitized by 



Googl( 



376 HISTORTA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Viso Rey com tanta festa e alegria que no rosto, olhos e em todo 
seu gesto se viao clarissimamente os iubilos de seu cora^ao ; nSo 
se fartava de dar a Deus grapas, por nos trazer a Ethiopia quatro 
padres juntos, em tempo em que nella nao avia mais que outros 
quatro, polo que muitos herejes esperavao que cedo com a morte 
se iriao extinguindo os mestres e pregadores da ffee de Roma ; mas, 
vendo que Deus nos trazia quatro juntos e fora de mon^ao, livrando- 
nos de tantos perigos, quebrados os coragOes, diziao que nao havia 
pera que mais aprofiar, nem podia deixar de ser verdadeira esta 
fee, pois Deus a ella e a seus ministros fazia tantos favores. Ban- 
queteados esplendidamente pelo Viso Rey, fomos durmir daly mea 
legoa a huma aldea nossa chamada Adegada, aonde chegou logo 
em amenhecendo o Viso Rey a nos visitar a todos, mas principal- 
mente ao padre Luis Cardeira, o qual, por vir muito doente, nao 
pudera o dia d'antes chegar ao arrayal ; pera o qual com elle forao 
dous padres que disserao ali missa, pregarao e derao a comunhao 
a muita gente. O mesmo se fez nos tres ou quatro dias siguintes, 
que ali nos detivemos, nos quaes, afora os catholicos antigos, co- 
mungarao de novo mais de duzentos e entre elles hum irmao do 
Viso Rey, que ate entao estava muito duro, e a gente da casa da 
Oziero Amata Sion neta do emperador Malac Sagued, a qual pera 
este *eflFeito veo de hum lugar em que aii perto morava, no qual f. 3i5- 
despois nos agasalhou e banqueteou com g^rande liberalidade, indoa 
nos la visitar. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO UI. 



1 

Como partidos de Debaroa, chegamos d Maegog^ 
descrevese a povoa^ao de Fremon&. 



Neste lugar se nos ajuntarSlo muitos Portugueses de Maegoga : »• Comitantibus 
o Viso Rey tambem nos mandou dar boa guarda, de maneira que tis militibus deserta 

com mais de seis centos homens de armas passamos o deserto de ]^^ Seraoe, feris et 

^ ^ latronibua infesta, 

Seraoe, que esta entre Debaroa e Maegoga, e tera de cumprimento percurnmt et inco- 

dez ou doze legoas. Ha nelle, afora tigres, leOes, oncjas, e ele- j^^niu^^°\^bi*'^ 

fantes, muitos saiteadores que alj se ajuntao de todo Tigre, e prin- P« ^^ Mattos qui ao- 

lu8 ibidem iam an- 

Qipalmente de algumas povoa^Oes que aly perto estao entre montes num integrum mo- 
e serras tam asperas, que raramente obedecem aos Viso Reys, e dio*excipiiuS^ ^^" 
naquelle tempo estavao como alevantadas. Quasi no fim deste de- teris et novae Fre- 
serto passamos o rio Marebo, a quem frei Luis Urreta chama Negro. nitiuncuiarum^del 
Pouco adiante delle encontramos com o padre Diogo de Mattos, o ««"P^^o* 
qual de Maegoga hum dia de caminho nos veo ali esperar. A con- 
sola^ao que tivemos neste encontro nao se pode bem explicar com 
palavras ; mas entendela ha quem conhece o grande amor com que 
em o Senhor se amao os padres e irmaos de nossa Companhia ; e 
ponderar que o Padre Diogo de Mattos se tinha em Goa apartado 
de n6s pera esta missao havia quatro annos, e estava tam s6 em 
Tigre que hum anno inteiro havia nao vira padre nenhum, nem ti- 
vera com quem se confessase ; e n6s os quatro que vinhamos havia 
f-3i5»'^« quasi hum anno andavamos*por varios trances de mares e terras, 

C. Beccaki. ^#r. j4^fA. Scripi, occ. intd, — VI. 48 



Digitized by 



Googl( 



378 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

de Turcos e mouros com os olhos postos em Ethiopia e esperan^as 
de em companhia dos irmSos que nella tinhamos nos consolarmos, 
ajudandoos a cultivar aquella vinha do Senhor, em que elies por 
sua misericordia trabalhavao com tam rendoso e copioso fruito. 

Ao dia seguinte entramos em Fremona ou Maegoga. He Mae- 
goga huma comarca pequena em que esta a povoa<^o Fremona, a 
qual cuidao alguns tomou este nome de Fremonatos primeiro bispo 
de AcQum, ao qual nossos livros, como no principio disse, chamao 
Frumencio; neste lugar viveo muitos annos o santo patriarcha 
D. Andre de Oviedo O nome Maegoga se tomou da agua que por aly 
corre; e he propio de Tigre tomarem as terras os nomes dos rios 
e aguas que as regao, ou de que bebem; mae quer dizer agua na 
lingoa antiga, que agora he a dos seus livros, gogd^ ou guagud (que 
desta maneira escrevem e pronunciao esta palavra) significa o es- 
trondo que vay fazendo a agua de dous ribeiros que aqui ha, hum 
dos quaes vem correndo por huns campos da banda do norte, outro 
vem da banda de nordeste lavando as raizes de huns altos montes, 
que Ihe ficao ao oriente. No lugar aonde estes dous ribeiros se ajuntao 
se alevanta do campo huma cabega do outeiro em que esta a po- 
voa^ao Fremona, e vaise elle daly alevantando pouco e pouco pera 
o occidente, aonde forma outra cabe<;a, e do meo por diante, vol- 
tando pera o sul ou sududeste, se alevanta muito mais, fazendo a 
terceira cabe<;a. Na do oriente, mais baixa que todas, morou anti- 
gamente o santo patriarcha D. Andre D'Oviedo e os padres que 
com elle ca entrarao, e ainda o padre Pero Paes com os quatro 
padres seus companheiros ali viverao alguns annos; mas, porque 
os salteadores erao ali continuos e o trabalho de guardar e vigiar 
do fogo as palhotas em que *moravao era grandissimo, fizerao despois f- 3'^' 
na segunda cabe<;a, que disse, do outeiro, huma casa de pedra e barro, 
com huma boa cerqua, a modo de fortaleza, em que pudessem viver 
com alguma quieta<;:ao e seguran<;a. Esta casa e cerca se foi despois 
acrescentando de modo que pera a terra ficou assaz fortificada, 
porque tem sete on oito baluartes com seus pannos de muro bem 
alto; dous pateos, hum junto as casas, no qual se abrio em pedra 
huma boa cistema, outro em que agora se hia fazendo huma fer- 
mosa igreia de pedra e cal, e neste havia hum pano de muro e balu- 
arte muito alto, mas necessario, porque tinha de fronte de si aquella 
terceira cabe<;a do monte, que disse estava pera o sudueste, a qual Ihe 
h6 grande padrastro por ficar tam s6branceira que descobre a tiro 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO III. 379 

de mosquete a mayor parte da fortaleza ; porem, como em Ethiopia 

nao ha ategora muito uzo de artelharia, e posto que tem bom nu- 

mero de espingardas, as meneao tam mal que fazem com ellas pouca 

gnerra, esta pequena defensSo, com vinte ou trinta espingardas, hum 

berQO e os filhos dos Portugueses, que as meneavao, era tida por 

pra^a unica e inexpugnavel em Ethiopia. A ix)voagao esta espalhada 

pur todo o outeiro, e tem ia muitas casas de pedra e barro, com 

suas cercas do mesmo, por a pedra ser aly muita e muito azada 

per qualquer obra, porque sae toda em lagens de tres e quatro 

dedos de grossura, e na largura e cumprimento que a quereis, e ti- 

rase do monte sem picao, indo somente cavando e apartando huma 

lagem da outra com humas alavancas leves e delgadas ; o barro he 

todo vermelho e pega de maneira que escuza cal. 

Entrados pois em Fremona, fomos direitos a igreia dar a Nosso 2. imperator cum 

Senhor as gra^as por nos ter trasido a ella e a missao tam dese- rcsc^visseT, daJsTit- 

f.3i6,T. jada, e juntamente a visitar o sepulchro e sagradas reliquias *do ^®^^* ®* ductoribus, 
^ ^ ^ *^ ^ eos ad se venire iu- 

santo patriarcha dom Andre de Oviedo e dos padres seus compa- bet. 

nheiros, que ali com elle descansao em o Senhor, e sao huma offi- 

cina continua de milagres e a principal defensao dos Portugueses 

e catholicos que Deus ali conservou por tantos annos: despois nos 

recolhemos a nossa casa, na qual por alguns dias descansamos em 

quanto esperavamos recado do Emperador e ordem pera irmos pera 

Dambea. Nao tardou muito este recado com carta de S. A. em que 

mandava dizer que nos estava esperando com grande alvoro^o, e 

ao Viso Rey emcomendava nos desse pera o caminho boa guarda, 

o que elle fez com muito gosto, mandando ao Nebret de Accjum 

nos acompanhasse com sua gente ate Syre, e ao Xumo de SyrS nos 

fosse dando guarda ate passarmos o deserto, o que fiserao com grande 

pontualidade. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO IV. 

Como chegamos d corte e arrayal do Emperador, 
e fomos delle recebidos. 



No principio de fevereiro de 1624 chegamos a Fremona, e no i. Relicto Fremo- 
. .--. -- nae p* BarradASi A. 

derradeiro do mesmo mez nos partimos dali tres padres, dos que cum reliquis iter ag- 

viemos, ficando o padre Manoel Barradais com o padre Diogo de greditur Danca» ver- 

8U89 ubi Seltan SagAd 
Mattos, assy pera consola^So de ambos, como pera poderem acudir sedem posuerat, et 

ao arrayal do Viso Rey e a todo o reino de Tigre em todo o J^ndi^**(^a?eTc 

qual se abriao muitas portas pera se pregar e receber a santa f6e lesus non longe inde 

de Roma, pidindo muitos senhores da terra que os padres Ihe fossem Danca* situs et dc- 

insinar a seus vassalos, como forSo com grande fruito e proveito scriptio. 

de muitas almas. 

Vinte dias gastamos no caminho at6 Ganeta Jesus residencia 

nossa, em que entao estava o padre Luis d'Azevedo, como logo 

f. 317. contarei mais largamente. Esta este lugar a travez *do Dancaz 

pera o norte em distancia de quatro legoas : aqui esperamos hum 

dia ordem do Emperador pera entrarmos na corte. Do caminho de 

Tigfre ate este lugar nao digo agora nada, porque, como h6 o mais 

cursado que ha em Ethiopia e eu o andei muitas vezes, ao diante 

vira occasiao de fallar delle mais devagar. Tanto que o Emperador 

soube que eramos chegados a Ganet, nos mandou logo visitar e 

recado que nao tardassemos; partimonos em amanhecendo, chega- 

mos pelo meo dia ao alto de huma cumprida e muito ingreme su- 



Digitized by 



Googl( 



382 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

bida que tem, porque a comarca Dancaz he hum como taboleiro de 

terra de cumprimento pouco mais de legoa, de largoura pouco menos : 

e todo este espa^o h6 terra muito alta aonde por nenhuma parte se 

entra sem subir tres ou quatro oras os altos montes em que por 

todas as partes se alevanta, os quaes em roda sSo todos quasi cor- 

tados a pique, e sera este circuito de tres legoas, sitio verdadeira- 

mente accomodado e feito pela natureza pera nelle se poder fim- 

dar huma fermosa cidade, se fora em Europa; tem em si muitas 

fontes e ribeiros que o regfto, campos em que crece muita herva 

pasto de todo o genero de gado, e por todo elle se semea e colhe 

trigo e sevada em muita abundancia, de arvoredo nSlo he muito 

povoado. mas nSo por culpa da terra, senao dos moradores, os quaes 

cada dia vao cortando pera casas e lenha as arvores que ella pro- 

duzio, e nenhum tem industria nem vontade de plantar de novo huma 

s6. Quasi no meo desta terra, em o lombo de hum outeiro nao muito 

alto, estava a cidade ou arrayal do Emperador, em que haveria 

at6 oito ou nove mil fogos, mas as casas todas de paos ou pedra 

e barro cubertas de palha, e como sao quasi todas redondas mais 

parecia monte de palheiros que cidade. Agora de 4 ou sinco annos 

pera ca, vindo da India huns pedreiros, que trouxe consigo o pa- 

triarcha, fez o Emperador huns pagos de pedra e cal, obra pera a 

terra miiagrosa e nunca vista *nem imagfinada, e tal que em qual- f.3i7i^ 

quer parte podia ter seu pre<;o e ser contada entre os edificios no- 

bres. Estao dentro de duas cercas mui largas e cumpridas, em sitio 

que a todos os mais fica sobranceiro, e assi aparecem de muito longe ; 

tem varias salas e camaras em os baixos e altos muito bem pro- 

pocionadas, e terrados donde se descobrem nao s6 o arrayal e 

Dancaz todo, mais ainda terras muito distantes pera todas as bandas. 

a. AiterA dic pa- Mas tomando ao que dizia : mea legoa do arrayal, nos vierao 

tres comitantibus re- , jjj-n^j u n 

gni primoribus, ad receber, por mandado do Emperador, os mayores senhores que nelle 

Auiam se conferunt, avia, com Certa Christos sobrinho seu, e Bellatina Groita, que he como 
ubi a Scltan SagAd \ , ^ 

magnis honoris et Mordomo mor, todo o govemo da corte e imperio, debaixo do Em- 
ficTt^o^ni^lis^e^i- P^rador ; vinhao com elle sete ou oito escoadrOes de gente de armas, 

piuntur et, periectis e ate duzentos ou trezentos de cavalio e mula, todos de festa com 
litteris quae Roma et . x>. • j t_ 

ex indiis attuierant, os melhores vestidos e arreos que na corte avia. Despois das boas 

muneribus cumulati yindas e cortesias devidas a estes primeiros encontros, tomandonos 

no meo os principaes senhores, indo muitos dos de cavallo arre- 

messando seus genetes e escaramucjando pelo campo, e as compa- 

nhias de pee abrindo e fechando seus escoadrOes a modo de cara- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO IV. 383 

cOes, fomos chegando a'o arrayal; descavalgamos em mossa casa, 
a qual daly a pouco nos vierao buscar dous ou tres officiaes da corte 
pera nos levar ao pa<?o. Recebeunos o Emperador em huma sala 
terrea, mas grande e bem ornada, estava em seu leito (este he o 
trono dos Emperadores e de todos os grandes desta terra) sobre 
fermosas colchas de seda, recostado em coxins de brocado, a sala 
toda alcatifada ricamente, ao longo das paredes os Viso Reys e 
grandes todos do imperio vistidos de cabayas de veludo, telilha, 
brocado e setim com suas espadas na mSo largas e ricamente guar- 
necidas, que este h6 o estilo da corte. A pessoa do emperador Seltan 
Qagued digna do imperio, alto de corpo, gentil homem de rosto, olhos 
f-3i8. grandes e fermosos, nariz *afilado, barba larga e bem ix)sta: vestia 
roupeta de vehido cramezim ate o gfiolho, e calgOes do mesmo 
a mourisca, relho, ou cinto de muitas e grossas pegas de ouro 
fino, huma sobre veste de damasco a modo de capelhar da mesma 
cor. Bejamoslhe a mfto, a qual elle dava sempre aos padres com 
tanta cortesia, que as mais vezes a frotava (i), de modo que as mais 
nSo dava lugar pera Iha bejarem. Mandounos assentar junto a seu 
catere, ficando em pee por algum espa<?o os senhores todos que despois 
se hiao assentando pouco e pouco. Perguntou logo por nossa saude, 
pola do Summo Pontifice e de sua Magestade : dada a reposta, me 
elevantei em pee, e Ihe fui outra vez bejar a mao em nome de nosso 
muito reverendo padre Geral Mucio Vitteleschi, dizendolhe que sua 
Patemidade, por nSo poder vir em pessoa (o que fizera com muito 
gosto, se Ihe fora possivel), me inviara a mim pera que em seu lugar 
Ihe bejasse a mao e desse as dividas gragas poias muitas e grandes 
merces que sempre fizera e continuamente fazia aos padres de nossa 
Companhia, que em seu imperio andavao, e que Ihe fizesse a saber 
que Sua Paternidade fora em nome de Sua Alteza bejar o pee ao 
Santo Padre, cabega da Igreia catholica e vigairo de Christo na 
terra; e com isto Ihe offereci a carta que nosso muito revcrendo 
padre Ihe mandava: mostrou que de tudo fazia a estima que lem- 
bran^a de tal pessoa e de tam longe merecia; recebeo a carta e 
deua logo ao padre Antonio Fernandez superior da missao, que 
ali estava, pera que Iha lesse e fizesse declarar ; e despois de a ouvir 
com muito gosto, a entregou ao secretario do imperio, que junta- 
mente era seu coronista, pera que a guardasse e puzesse despois 
em sua historia. Dali a ix)uco Ihe dei as cartcis do padre Assistente 

(I) Hic deleta leguntur haec : « levando tambem & boca ». 



Digitized by 



Googl( 



3^4 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Nuno Mascarenhas, e do padre Visitador da India Andre Palmeiro, 

as quaes tambem fez ler, e ouvio com muita alegria, e com isto 

nos dispidio pera que fossemos descansar do traballo do caminho: 

mandando logo em nossas costas hum jantar muy esplendido, de 

muitas vacas, calOes de vinho, de mel, apas e varias igoarias. 

3. Octo po8t dies, Ao dia seguinte Ihe levej hum sagoate de aigumas pegas que *da f.3i8,v. 

ratori non exigui India Ihe traziamos: entre outras hum pamel do nascimento que Ihe 

pretii munera obtu- mandava o arcebisbo primas dom fr. Christovao, que esta em irloria ; 
liMet, ab eo Teniam \ f » m 6 » 

impetratinOorgorrA hum reliquario fermoso que Ihe mandava o padre assistente Nuno 

m^vireV^uSM^ua Mascarenhas, humas contas de alambre que ihe mandava o padre 

idneria fractaa refl- visitador Andre Palmeiro, e hum cubertor de bastidor da China, que 

Ihe mandava o padre provincial Luis Cardoso. A todos se mostrou 

muito aguardecido e obrigado: despois Ihe mostramos os orgSos, 

tocandoos destramente o padre Luis Cardeira, logo a arpa, cravo 

e outros istrumentos musicos, a que fez grande aplauzo, encomen- 

dando muito ao padre que insinasse bem aos mininos, porque todas 

erao cousas do ceo. Sobretudo me consolou a grande piedade, re- 

verencia e devagao, com que recebeu hum fermoso crucifixo, que 

Ihe aprezentei em huma rica caixa da China ; tanto que o vio se Ihe 

arrazarao logo os olhos em agua, e nao s6 esta primeira vez, mas 

todas as que o via, mostrandoo k varias senhoras, nao podia reter 

as lagrimas. Oito dias estivemos no Dancaz, gastandoos em visitar 

aos principaes e mayores senhores e senhoras da corte : depois, ha- 

vida licenQa do Emperador, a qual elle deu for^ado da necessitade 

que via tinhamos de ir descansar alguns dias de tam largos cami- 

nhos, pois avia ia hum anno que partiramos de Dio, nos recolhemos 

a Gorgorra antiga residen^ia nossa, em que estava enterrado o padre 

Pero Paes, situada dez legoas do Dancaz no meo de Dambea junto 

a sua grande alagoa a que esta gente chama mar. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO V. 
Successos temporaes de Ethiopia neste anno. 

No tempo que invernamos em Dofar, que era o em que haviamos x. Labente anno 

de chegar a Ethiopia e entrar em Tigre, houve no mesmo reino in^Tigr/^agrM pa- 

hum alevantado por nome Aron, que deu bem de trabalho a Mae- gosque depopuiatur, 

/s. rft..tT^ t^A *®^ brevi dum de 

goga e as terras a ella visinhas. Era este homem da comarca de Torat, deditione cogitat ex 

que fica por detraz de Acgum, estendese ate perto do Tacaze por «"^'^interfi^cit^r^i^ 

f. 319. huma terra baixa, por onde *corre o rio Marebo; e porque teve certas tcreaioannesinAm- 

penden^as com huns Portugueses que moravSo em Gurre, lugar nSo choramet*moniaiium 

muito afastado de Accum, despois que ajuntou a si seis centos ou cohortibus plebem 

commovet et catho- 
sete centos salteadores, pretendeu por vezes dar em Fremona, saquear licos aggreditur. a 

a povoagao e por a ferro os Portugueses e padre que aly viviao; profligatilTt^m^^^^ 
nao Ihe deu Deus licenga, nem forgas pera eflfeituar sua danada pre- asperrimos sese re- 

^ r ' • • ^ , 1 ^*P^*' P' Antonius 

ten^ao: porem nao 101 pequena a mquieta^ao que por alguns mezes BrunoincastrisPro- 

deu aquella terra : e notarao muitos homens prudentes que fora par- '^^* catholicos ex- 

ticular providencia de Deus Nosso Senhor permitir que invernas- 

semos no mar e nao chegamos a Tygre no tempo ordinario, pera 

escaparmos das maos deste inimigo, das quaes, se entao vieramos, 

mal poderamos escapar. No inverno andou Aron prospero, fez grandes 

roubos, deu alguns assaltos em varios lugares, e posto que o Viso 

Rey o foi buscar por vezes, nunca o pode alcan<;ar, por elle se meter 

em lapas e lugares muy asperos; mas emfim nao pode escapar a 

justi^a divina. Veo hum dia sobre seguro ao arrayal do Viso Rey 

tratar de amizade, guardoulhe o Viso Rey o seguro; porem huns 

inimigos seus, que aly se acharao, saindo elle do arrayal descuidado, 

derao nelle e mataraono; do que ao Viso Rey nada pezou. 

C. Bbccari. R^. Aetk. Script, oce. ined, — VI. 49 



Digitized by 



Googl( 



386 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Outro alevantado de maior nome perturbava neste tempo a paz 
do imperio, chamavase Joanes filho de hum Egypcio por nome Ca- 
breel, e por este nome do pay era mais conhecido : este come<?ou no 
Amahara a titulo de defensor dos erros de Dioscoro, a que elles em 
Ethiopia chamao fte de seus pays e de Alexandria; ajuntaraoselhe 
grandes escoadrOes de frades e freirsis e muita gente do povo, 
appelidada por estes seus ermitaes. Foi contra elle Ras Celia Christos, 
venceuo algumas vezes, mas sempre escapava, p^orque com tempo 
se punha em cobro; e como a terra he muito montuosa, recolhen- 
dose ora em hum, ora em outro monte e ajuntandoselhe cada vez 
mais gente, se sustentou alguns annos contra o Emperador; e no 
prezente, posto que Ras *acabado o invemo partiu de Gojam contra f.319»^ 
elle com muita gente, e o obrigou a se retirar do Amara e meter 
no reino de Xaoa quasi entre os Gallas, e em alg^ns encontros Ihe 
matou muita gente e, cativando tambem muitos, Ihe tomou ate o 
catere, que era seu trono, sempre escapou com vida. 

Estando Ras nesta empreza, pediu por cartas ao padre Antonio 
Fernandez superior da missao que Ihe mandasse la hum padre, porque 
assi elle como os principaes de seus capitaes, que todos erao bons 
catholicos, tinhao grandes saudades dos padres, e desejavao muito 
ouvir missa e prega^ao, confessarse e comungar; foi mandado o 
padre Antonio Bruno, que residia em Collela, e chegou la com muito 
trabalho e risco da vida; porque, posto que hia accompanhado de 
alguns capitaes e companhias de soldados, Terao tantos os hereges 
por aquellas partes e tam figadaes inimigos nossos, que foi neces- 
sario mudar o trajo, e ir emcuberto, porque, se fosse conhecido por 
padre, corria risco sua vida. Foi recebido no arrayal de Ras com 
notavel gosto e alegria dos catholicos; esteve ali a somana santa 
e a festa de Paschoa, consolando a todos com os sacramentar e com 
as pregagoens que Ihe fez em festas tam solennes. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO VI. 

De como se solenizou a festa da dedica^do 
da igreja de Ganeta Jesus 



Azazo se chama hum lugar distante do Dancaz quatro legoas, «• Novum tem- 

pera a banda do norte ou noroeste; he regado de muitos ribeiros, DancAx europaeo 

e acomodado pera se plantarem hortas e jardins. OEmperador como ^^^ni^^*™^™ 

curioso, perguntava sempre aos padres pelos jardins de Italia, Hes- ratore et pHmoribus 

panha e Portugal, donde veo a desejar ver em sua torra o que das dedicatur : indeque 

f. 320. nossas ouvia. Fez em Azaz6 varios plantamentos de toda a *casta ^^^, ^PJf®' mutato 

nomine,Qanete lesus 
de fruita, de espinho, sidras, limOes, figueiras da India e de Por- nuncupatua est. 

tugal, canas de assucar, afora outras arvores frescas e estimadas 

em Ethiopia, como sSo Ensete, Bune e outras semelhantes ; e vendo 

que tudo Ihe socedia a medida de seus desejos, depois de fazer aly 

humas boas casas ao modo da terra, quiz fazerfhuma igreia ao modo 

d2is de Portugal ; pedio ao padre Pero Paes que tomasse a sua conta 

correr com esta obra; comegoua elle com muito gosto, polodarao 

Emperador e ver que era de grande servi^o de Nosso Senhor ; porem 

atalhandolhe a morte esta e outras que trazia entre maos, o padre 

Luis d'Azevedo continuou com ella, e a acabou com toda a perfei^ao 

que se podia esperar em terra aonde nao havia mais officiaes, que 

os, que os padres hiao fazendo. Tem a igreia 60 e tantos palmos de 

comprimento, vinte e dous de largo; he toda por dentro e por fora 

de pedra de cantaria, a pedra muito fermosa, entre branca e azul 

e bem lavrada, tem seu portal com seis colunas nelle doricas e de 



Digitized by 



Googl( 



388 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

meo relevo, seu arco de pedra na capella mor, coro, torre de sinos, 
terrado e hum parapeito nelle omado com humas piramides que se 
rematao em bolas de pedra quasi todas, tirando seis que em lugar 
das de pedra tem por remate humas e[s]pheras de metal tambem 
douradas que podem compitir com aquellas, a que as fabulas chama- 
rao magans [j/r] de ouro dsis Hesperides. 

Ate aqui tinha chegado a obra do seu Ganet, ou paraiso, quando 
o Emperador a quiz dedicar ao Senhor Jesus, e que dali por diante 
nao so a igreia, mas ainda o lugar se chamasse, nao ia Azazo, se- 
nSo Ganeta Jesus, que val tanto como parayso ou jardim de Jesus. 
He custume antigo de Ethiopia, quando se dedica alguma igreia, 
levarse a ella a primeira vez a sua pedra d'ara com grande *solen- f.32o,v. 
nidade. ChamSo elles a pedra d'ara Tabot, que he o nome que nos 
seus livros dao a arca do testamento, e como ja disse os seus Ta- 
botes antigos erao a modo de arquinhas, pelo que, como em tudo 
forao sempre aflFei^oados ao judaismo, quiserao tambem nestas dedi- 
ca<;:6es imitar a festa com que el rey David levou a Arca de Deus 
ao monte de Siao. Assentou pois o Emperador de fazer esta solen- 
nidade em dia do Spirito Santo do anno de 1623; pera isso deceo 
de Dancaz a Ganet com toda a Corte. Armouse huma fermosatenda 
em hum campo perto da igreia nova, e nella se pos a pedra d'ara, 
pera esta tenda se foj (i) em amanhecendo o Emperador vestido rica- 
mente, com coroa real na cabe^a, sobre hum fermoso cavallo, levando 
outros quatro, ou sinco a destra, como custuma, todos com ricos jaezes, 
e accompanhandoo do mesmo modo os senhores e grandes da corte: 
apeouse a porta, tirou a capa e coroa, descal^ou os sapatos, e to- 
mando a pedra d'ara nas maos, com grande reverencia a trouxe 
hum bom espago : despois a entregou ao padre Antonio Femandez 
superior da missao. o qual revestido sacerdotalmente entre dous cle- 
rigos da terra revestidos do mesmo modo. debaixo de hum docel de 
seda, a modo de palio, a levou ate a igreia: hiao nesta prossissSo 
muitos clerigos e frades cantando a seu modo versos e psalmos de 
David, e repetindo entre cadahum muitas vezes Alleluya, acompa- 
nhando a musica com o som de seus ordinarios instmmentos, que 
sao tambor e huns como cestros e pandeiros, com os quaes fica o 
seu canto huma folia tam <;apateada, com o continuo bater de pees 
e maos, que arreceej algumas vezes, que os ouvy nesta mesma igreia, 

(l) « Pera esta tenda se foj. » adiect. ab A. in marg. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII. CAPITULO VI. 389 

que dessem com o coro no chSo. No couce hia o Emperador a ca- 

vallo, e muitos dos seus, arremessando pelo campo os genetes, soavao 

os atabelles [stc], trombetas e charamellas imperiaes, repitiaose algumas 

f.321. salvas *de espingardaria. Disse a missa o padre superior, commungou 

de sua mao o Emperador e muitos dos grandes. 

Acabada a missa dotou aquella igreja das pe<;as e renda que a. Ezpietisndbas, 

agora direj: deulhe outo alcatifas fermosas, hum calix grande de j^J^eni eccfcsUe 

prata, hum prato grande de agua as maos tambem de prata, hum docel ^^^^ ®* praedia opi- 
^ '^ ^ ^ ^ ma, quae ipsi haere- 

de veludo, frontaes e vestimentas do mesmo, e outras de telilha e ditateobvenerant,di- 

damasco, huma cplcha grande de seda pera cubrir o altar, huma I^s^ ac^duod^m 
fermosa imagem de Nossa Senhora de sam Lucas e hum crucifixo de dcbteras sustentatio- 

^ _ , . . / V ,„.,*** attribuit. In vici- 

marnm grande obra muito pnma (i), pe<;as que os padres Ihe tinhao niisverosibi hortum 

primeiro oflFerecidas de prezente ; ajuntou mais trezentas patacas pera ^****^^* ^^^ *^ 

dellas se fazerem castigaes de prata, galhetas, turribulo e naveta ; e trui curat ab Em- 

pera o padre que havia de ter cuidado da igreja deu em ouro trinta ^So^a^giebakirai- 

oqueas, que montao outras tresentas patacas; e porque o anno era ta^moitariumexstru- 

^ ^ f » f n ^^^^^ ^^ Aethiopes 

de fome e estavao aly juntos muitos pobres, mandou logo repartir modum calcem co- 
por elles cem cargas de mantimento, que vem a ser mil alqueires, dT^docucrau^'^*^'**^' 
pouco mais ou menos. E sobre tudo pera o mesmo padre e pera 
doze cantores e beneficiados da mesma igreia deu humas terras 
grandes que ali tinha, e era heranga de seus avoos ; e pera que esta 
data fosse mais firme e perpetua, diante de muitos senhores chamou 
a seus dous filhos, o principe Faciladas e infante Marcos. e fazen- 
dolhes primeiro huma pratica naqual Ihes emcomendou muito a fee 
catholica, aquella igreia, e os padres da Companhia, dizendolhes que 
cstcis tres cousas tivessem sempre no cora^ao e nas mininas dos olhos 
so pena da perda de sua ben^ao, e que aquella terra, que dava a 
igreia, nunca Iha tomassem depois de sua morte ; o que aceitarao bem 
e prometerao cumprir com alegre sembrante, mandou que o jurassem 
e de o fazerem cumprir a seus filhos, dandolhes juramento pelo seu 
f.32i,v. giolho, o qual nesta terra, de pays pera filhos e de senhores *pera 
criados, he inviolavel e mais que sagrado, e bem pode ser que he 
o mesmo que la Abrciham deu a Eliezer quando Ihe mandou «/ /<?- 
fiere^ manutn super femur ; porque, como em muitas outras cousas con- 
servao os custumes iudaicos, nao he muito que seia este hum delles. 
la que neste capitolo comecei a tratar das obras, que o empe- 
rador Seltan (^gued fez em Ganeta Jesus, pera acabar com ellas de 

(i) <t de marfiin obra miiito prima », adiect. ab A. in marg. loco vocum deletarum 
ft rouito fermosc ». 



Digitized by 



Googl( 



390 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

huma vez, ajuntarei logo as que fez ao diante. Veo com nosco da 
India, como ia toquei, Manoel Magro: no anno de 1624 tinha visto 
em algumas terras de Cambaya, certa laya de pedra de que ali 
faziao chunambo, e notando bem em varias partes de Ethiopia achou 
outra semelhante; meteua no fogo, cozeuse, sayo chunambo ou cal 
excellente ; era esta a cousa que o Emperador, Ras Cella Christos 
e todos os padres mais desejavao achar, pera poderem fazer pa^os 
e igreias como as da India e Europa ; deu Manoel Magro ao Em- 
perador o alvitre, mostroulhe a pedra e o modo como se cozia e 
fazia cal; estimouo grandemente e deulhe boas alvigaras, e logo, 
acabado o invemo, no fim do anno de 1624 come^ou em Ganeta 
Jesus iunto a igreia huns fermosos paQos de pedra e cal, de dous 
sobrados, com seu terrado, duas salas, e coatro camaras nos baixos 
e outras tantas nos altos, afora dous como cubellos ou baluartes em 
dous cantos com que ficarao seguros e com alguma semelhan<^ de 
fortaleza. Fezse esta obra em tres ou quatro annos gastandosse tanto 
tempo por falta de oflSciaes ; logo mandou faser a roda da igreia 
huma cerqua de muro e baluartes, com que ficou huma boa forta- 
leza pera a terra, e despois acrecentou dentro no jardim, que aly 
como disse tinha plantado, hum tamque muito largo e comprido ca- 
vado na terra e fazendolhe em quadro paredes de pedra *e cal aca- f. 322- 
feladas, pera que a agua se nao sumisse. H6 o tanque tam espa^oso 
que nomeo delle fez huma casa de prazer quadrada de 35 ou co- 
renta palmos cadahum dos lados; fundouse sobre grossos pegOes 
e no meo hum, pelo interior do qual sobe hum cano de agua, que 
insima do sobrado sae e salta esguichando ate o terrado por varios 
esguichos, porque, como a agua que ali entra vem de longe e de 
lugar eminente, com a grande queda que tem sobe encanada quanto 
querem. Dentro nesta caza, nas janellas que tem muitsis e rasgadas 
e no terrado, se metia o Emperador cum muitos senhores grandes 
de sua corte, e mandando meter no tanque tancoas, que sao as suas 
embarcacpOes de tabua, se recreava vendo ora os peixes que aly 
Ihe pescavao, ora os saltos que os seus davao das janellas no tanque, 
ora como nadavao e mergulhavao, ora as semelban^as de nauma- 
chias e guerras navaes, que imitavao atirando huns aos outros com 
varias frutas do mato. Fizemos tambem n6s perto da igreia humas 
csisas de pedra e cal pera os padres que ali residiao e muitos outros 
que aly era necessario ajuntarense, particularmente pera se cele- 
brarem os officios divinos com a devida solenidade quando ali estava 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO VI. 39 1 

a corte, nas festas principaes como Natal, endoen^as e Pascoa. 
Muitos senhores fizerao tambem neste lugar casas boas com hortas 
e pomares a seu modo ; e hum chamado Melcha Christos, que muitos 
annos foi Bellatina Goita, idest mordomo mor, e com isso e com 
suas artes boas e mas, ajuntou tanto que foi sempre tido pelo mais 
rico homem que havia em Ethiopia, fez tambem humas fermosas 
casas de pedra e cal, pelo que veo a ser este lugar, despois do Dancaz, 
o melhor que havia no imperio ; o que tudo se entende estando ali 
a corte; pera que, em outro tempo, ate o Dancaz fica huma fraca 
aldea. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by CjOOQ lC 



^3",v. CAPITULO VII. 

Das cousas mais notaveis que este anno socederao em 
Ethiopia pertencentes ao augmento da sancta fde 
catholica. 



Ordenou o Emperador este anno que houvess3 hum juiz par- x. Selun SagAd, 
ticular,que julgasse as causas matrimoniaes, e fosse posto pelos padres, tilf^pocni^ divortia 

e se governasse pelo que elles Ihe dissessem ser conforme ao dereito ^«**^> «^ lchcgue mo- 

nachorum in s^i- 
divino e sagrados canones ; porque, ainda que havia dous annos tinha smatcpcrtinaciaUum 

langado pregao que os matrimonios fossem perpetuos , como o cu- v^f impcr*atori8*fl^^ 
stume de se cazarem e descazarem com qualquer leve occasiao era aliorumquc c primo- 

. _ . . , ,, . ribus, quos intcr ras 

entre os Abexins tam antigo e estava tam arreigado, nem elles dei- Athanatcus ct Bac6, 

xavao despois do pregao de se descazar, nem os juizes ordinarios sa- *^ ^^^^ cathohcam 
^ ^ ^ '' convcrsio. 

biaojulgar senao conforme as suas antigas e injustas leis; e peraque 
[stc] melhor execu^ao do que ordenava fez langar pregao que todo o 
que se descazasse perdesse todos saus bens. 

Andava na corte hum frade calouro, de nagao Grego, o qual 
avia poucos annos era entrado em Ethiopia com titulo de Abbuna, 
mas convencido de o nao ser, nem ter ordens de bispo, foi assi 
deixado sem o castigo que seu atrevim^nto e doudice merecia. A 
este acudiao ainda muitos dos schismaticos as escondidas, e alguns 
que por medo do Emperador fingidamente se confessavao e comun- 
gavao com os nossos, tomavao a Ihe pidir p^nitencia, os quaes elle 
facilmente reconciliava e confirmava em seus antigos erros. Foi acu- 

C. Bbccari. R^r. Ae/A. Scripi. occ. ined, — VI. 50 



Digitized by 



Googl( 



394 HISTORIA DE ETfflOPIA A ALTA OU ABASSIA 

sado pelos catholicos e convencido deste crime ; e com o medo do 
castigo se aplicou a ouvir as cousas de nossa santa fee, e dandose por 
*satisfeito das rezOis com que os padres as provavSo, a recebeu, ao f. 525. 
que mostrou muitos annos, de cora^ao. 

O Ichegue, geral dos frades de Tecla Haimanot, era velho per- 
tinacissimo (i) nos erros em que se criara e envelhecescera ; e como tal 
favorecia ao alevantado e corria com elle mandandolhe recados e 
prezentes ; soubeo o Emperador, posto que o nSlo pode convencer em 
juizo, e sendo avisado de alguns frades catholicos de como elle era 
perjudicial ao augmento de nossa sancta fee, tiroulhe muitas das terras 
que possuia, e mandou chamar outro frade grave ao qual fez que ele- 
gessem por Ichegue, depondo ao herege, com preteixto de ser muito 
velho e inepto pera o officio. Este he aquelle cujo corpo, morrendo 
elle daly a tres ou quatro annos, foi enterrado em huma igreia dos 
catholicos e desenterrado por hum seu frade mestre do mosteiro de 
Michereca, como ao diante contaremos mais devagar. 

Neste anno se reduzio a nossa santa f6e e commungou a primeira 

vez da mSo do padre Antonio Bruno na terra dos Damotes huma filha 

do Emperador chamada Malacotauit, cazada com ZaChristos, que entao 

era Viso Rey daquclla provin<;:ia, e alguns dos principaes capitaes 

Damotes com muitos criados seus fizerao o mesmo e vierao a Col- 

lela, dous dias de caminho de suas casas, pera na nossa igreia com- 

mungairem da mao do padre. 

2. Adnoutio A. dc Tambem no reino de Begameder, na comarca chamada Daber, 

vario modo sese in- , . , ., ,. , , . , -rT. 

vicem interpeUandi, receberao muitos homens a sancta fee, persuadidos a isso pelo Viso 

pro cunwquc digni- Rey, que entao era daquelle reino, chamado Buco ; o qual, posto que 

Athanateussenexad- avia pouco que a recebera, comtudo ia desde entao ardia no sancto 

versam fortunam cx- 1 -1 t 1 t^ 1 • • « r 

pcritur ct post an- ^^^^ ^® ^ estender por toda Ethiopia, no qual perseverou ate a morte, 

num a convcrsionc, como ao diante contaremos. Antes de Ras Cella Christ6s se partir estc 

morbo corrcptus, in 

praedio suo prope anno pera o Amara, aonde o Emperador o mandava por geral da 

OorgorrA viu fun- g^Q^^di contra o cJevantado filho de *Cabreel, quiz deLxsir con- {.w^\ 

sagrada a Deus huma fermosa igreja que tinha feita em Cerca, or- 

dinario assento do seu arrayal no reino de Gojam : chamou pera isso 

ao padre Antonio Bruno de Collela, e levando elle a pedra d'ara 

com semelhante festa a com que acima contamos levara o Emperador 

a que meteo na igreia nova de Ganeta lesus, ficou a igreia pelos 

catholicos, com grande magoa de muitos schismaticos, que por entao 

(i) « pertinacissimo » substituit A. voci « pertinaz ». 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII. CAPITULO VII. 395 

nSo ouzavao a publicar seu sentimento, mas interiormente ardiao em 
raiva. Houve missa e prega^ao, comungarao muitos catholicos, e 
dali a poucos dias commungou ali a primeira vez Ras Athanateus, 
aquelie g^nde senhor antigamente, que sete annos no tempo da me- 
nini^e do emperador Jacobo teve em sua mSo o governo de todo 
o imperio, por ser cazado com huma filha legitima do Emperador 
Malac Qagued, mea irma de Jacobo: porque, como dissemos, era 
bastardo e filho de huma Falaxa, idest ludia de ceita e profissao. 
Chamase esta infante Oletll Guirguis, idest filha de sao Jorge, posto 
que vulgfarmente Ihe chamao Talac Emebet, que quer dizer senhora 
grande, porque entre todas as de Ethiopia sempre se servio e tratou 
como tal, tanto que a Emperatriz, suas filhas e todas as mais se- 
nhoras reconhecem nella grande superioridade ; a todas chama ella 
por huma s6 palavra (como elles ca dizem) e todos a ella por duas, 
ate o mesmo Emperador. Falar por huma palavra h6 falar pelo sin- 
gular, e falar por duas h6 falar pelo plural, pera que na lingua 
desta terra nao ha merce nem senhoria ou semelhantes titulos, falase 
ordinariamente pelo singular como dizendo: Foste, vieste, amaste, in- 
sinaste : a gente mais honrada falase pela segunda pessoa du plurar, 
ou por certo termo que a ella he equivalento: aos grandes falase 
pelaterceira pessoa do plurar; aos primeiros, fostes, viestes, andastes, 
aos Grandes, falando com hum s6, se diz forao, vierao, andarao, etc. 
f.324. Nesta grandeza se sostentou *e sostenta ainda oje esta senhora, mas 
nao Ihe durou tanto a Ras Athanateus seu marido a prospera for- 
tuna, em que se vio algum tempo, porque o emperador Seltan Qa- 
gued, tanto que come<pou a reinar, foi alevantando a seus irmaos, 
genros e parentes, e pera estes crescerem foi necessario minguarem 
outros ; hum dos quaes foi Ras Athanateus, o qual a fortuna, assy 
como tinha posto no mais alto de sua roda, assy dandolho volta 
abateo de maneira que viveo muitos annos em estado de hum pobre 
eseudeiro, ou pera falar mais ao certo e ao modo desta terra, viveo 
como frade terceirao, vida que nella muitos tomao quando o mundo 
e as mesmas mulheres os deixao: o que a esto homom aconteceo. 
Tomou elle esta occasiao pera se emdurecer em s(5u» erros, nao que- 
rendo muitos annos aceitar a fee que primeiro tinha ouvida, o dc; que 
se mostrava muito satisfeito no tempo do emperador Za Danguil, 
quando logo chegou k Ethiopia o padre Pero Paez, cujo particular 
amigo foi e quilo tomar por mestre ; mas dospois, porque o empc;- 
rador Seltan Qagued o desfavoreceu, por odio do Emperador da torra, 



Digitized by 



Googl( 



396 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

sustentou muitos annos inimizade com o do ceo; comtudo, uzando 

Deus com elle de sua infinita misericordia, neste anno Ihe abriu os 

olhos da alma e moveo o cora<;:ao pera aceitar e confessar por ver- 

dadeira a santa fee de Roma, confessarse e comungar da mao do 

padre, como ia disse. E pera que logo digamos tudo o que ao diante 

Ihe succedeu, foi que faleceo de sua doenga dali a menos de hum 

anno, em huma terra iunto a Gorgorra. Nao se sabe que deixasse a 

fee santa que recebeo; mas sospeitasse que a nao tomou muito de 

cora^ao, porque estando tam perto da nossa igreja, nem na doenga, 

nem na hora de sua morte mandou chamar padre, pera que o re- 

conciliasse e ajudasse a bem morrer. 

3. Refertur cdi- Neste mesmo tempo em prol e pera augmento da santa fee es- 

« Tin6 beUc ezara- ^reveu o Emperador e fez publicar por todo seu jmperio huma carta, 

tum, quo omnibus a qual foi como hum manifesto, no qual declarava a rezao que ti- 

Aethiopiae p o p u 1 i 8 

denuntiatur, quibus vera pera, deixados os erros da cren^a alexandrina, abra^ar a verda- 

bu«**momr ipae*^b ^^^^^ ® santa fee de Roma. Era neste tempo secretario o grande catho- 

Alexandrino schi- lico Azage Tino, martello de hereges Abexins, diamante da fee, pola 
smate recesserit et , , . , ,. ^ ., •» _. 

fidemcatholicamam- ^"^1 morreu apedrejado, como ao diante contaremos. O estilo da carta 

plexus fuerit. j^g g^^^ ^ posto que na linguagem portuguesa pare<;a estranho, na de 

Ethiopia he muito propio e elegante. Treslado aqui a carta a letra 
pera que se veja quam assentado e arreigado estava naquelle tempo 
o Emperador na santa fee de Roma; diz pois assim: 

« *Carta do Emperador Seltan (^agued chegue a todo o mundo f.324.^ 
« do nosso imperio: 

< Ouvi o que vos dizemos e escrevemos por amor das cousas 

< da fee santa, toda verdadeira, que nao tem tortura alguma, da 

< grandc cidade de Roma, cadeira de s. Pedro, porque Nosso Se- 
« nhor Jesu Christo o fez principe sobre todos seus fieis, e Ihe deu 

< mando com sua boca e palavra santa, de que nao pode sair erro, 
« e Ihe disse com palavras firmes, que nao faltarao ate o fim do mundo : 
« Tii es Petrus, et stiper hanc petram aedijicabo ecclesiam meam, et 
« portae inferi non praevalebunt adverstis eam, et tibi dabo claves regni 
« caelorum, et quodcumqjte ligaveris super terram erit ligatum et in 
« caelis^ et quodcumque solveris supcr terram erit solutum et in caelis, 
« E tambem estando ia perto de ser crucificado pola redemp<;ao do 
« mundo Ihe disse: Simon, ecce Satanas expetivit vos, ut cribraret 
« sicut tr.ticum; ego autem rogavi pro te ut non dejiciat Jides tua, Et 
« tu aliqua?ido conversus conjirma fratres tuos. E despois da ressur- 

< rei^ao, antes d^ascengao em carne pera o ceo, disselhe: Pc^ce 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO VII. 397 

« agnos meos et oves meas et agniculos meos. Por amor de todos os 
< homens diz meus cordeiros, e por amor de todas as mulheres, diz 
« minhas ouvelhas, e por amor de todos os mininos, diz meus cor- 
« derinhos : e assi he o mando de s. Pedro sobre todos os christaos. 
« Este veneravel principe dos Apostolos, quando estava pera 
« passar deste mundo e ir a seu criador a receber o premio, deixou 
« como heran^a este mando e primazia a seus sucessores e herdeiros 
« de sua cadeira os Papas de Roma, e esta ate agora, e estara ate 
« o fim do mundo, e nao havera nem ha quem ven^a esta primazia e 

f» 325. « governo, *nem mouros, nem Turcos; porque a palavra e mandado 
« de nosso Senhor Jesu Christo a fortalese, quando diz: Et portae 
« tnferi non praevalebunt adversus eam. E assy, quando se levantou 
« controversia entre os fieis no concilio primeiro em que se ajun- 
« tarao em Nicea 318 rectos na fee, lan^aram a Ario fora da sancta 
« igreia, por dizer que o filho era criatura; e no concilio segundo 
« de 1 50 patriarchas e bispos lan^arSo de seu ajuntamento na ci- 
« dade de Constantinopla a Macedonio, porque tambem disse que o 
« Spirito Sancto era criatura ; e no concilio 3*^ de 300 bispos juntos 
« em Epheso langarao fora a Nestorio e o tirarSo da uniao dos fieis, 
« pera que dividia em duas pessoas, huma divina e outra humana ; 
« e no concilio 4** de 636 patriarcas e bispos na cidade de Calce- 
« donia escomungarSo e lan^arao fora ao rebelde Dioscoro, porque 
« se unio na infidelidade com Eutyches misturando humanidade com 
« divindade, fazendo huma s6 natureza, sendo certo que ha em Christo 
« duas naturezas, divina e humana. Por rezao de natureza divina, 
« os 3 1 8 padres santos nos puzerao no Credo as palavras que dizem : 
« ' Cremos em o Senhor Jesu Christo filho unigenito do Pay, que esta 
« com elle antes de crear o mundo ' ; e por rezao da natureza humana 
« nos puzerao as palavras no mesmo Credo que dizem : * e foi conce- 
« bido do Spirito Sancto e de Maria virgem ' e nomear aqui 
« ao Spirito Sancto foi por Ihe formar corpo, e Ihe criar a alma 
« no ventre de santa Virgem Maria, com concordia do Pay e 
« do Filho e do mesmo Spirito Sancto, tres pessoas e hum s6 
« Deus : e deixarem de nomear o Pay e o Filho nao foi por nao 
« obrarem com o Spirito Sancto, senao pera se entender que na san- 
« tissima Trindade, alem das operagOes ad intra, ha opera^Oes ad 
« extra^ como nos ensinarao os padres santos. Das ad extra a obra 
« do poder s^ atribue ao Pay, a da sabedoria ao Filho, a do amor 

^'•a^s.v. c ao Spirito Sancto; e como a encarnac^ao *do Filho de Deus foi por 



Digitized by 



Googl( 



398 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

« amor dos filhos dos homens, por isso os 318 padres nomearao ao 
« Spirito Sancto, por ser obra de amor: porem na virtude, no poder, 
« e em criar as cousas, Pay, Filho, Spirito Santo, sSo hum s6 Deus 
« verdadeiro. 

« E dizerem * da santa Virgem Maria * he por rezao da natureza 
« humana que se unio em hum momento a eterna pessoa do Filho, 
« o qual he igual na divindade com o Pay ; e que em Christo nosso 
« Senhor, sendo huma s6 pessoa, estejao duas naturezas, esta escrito 
« em todos os livros pelo Spirito Santo. S. Matheus diz no pringipio 
« do seu evangelho: Liber generationis Jesu Christifilij Damd,filij 
« Abraham ; e isto por rezao da natureza humana ; e por rezao da 
« natureza divina diz sam Joao : In principio erat Verbum, et Verbum 
« erat apud Deum, et Deus erat Verbum. A natureza divina nao tem 
« tempo nem hora ; porem a natureza humana tem idade e termino, 
« e com estar escrito em todos os livros, o negou Eutyches mestre 
« das maldades, e disse haver huma s6 natureza em Christo mistii- 
« rando a humanidade com a divindade. A este rebelde siguiu Dios- 
« coro e o ajudou com palavras e obras ate que fez matar a Fla- 
« biano patriarca de Constantinopla porque escomungou, e tirou o 
« mando a Eutyches e a Dioscoro e aos mais hereges pertinazes 
« que forao antes delle, que sao Arrio, Macedonio, Nestorio e Sa- 
« bellio, sogeitou as cabeQas de todas as igreias a santa igreia Ro- 
« mana, por rezam de seu imperio e primazia, a qual herdou o 
« poder de S. Pedro principe dos Apostolos. 

« E assy os patriarchas sucessores de Dioscoro que vem de Ale- 
« xandria nao pregavao f6e verdadeira : e insinavao nao haver em 
« Christo mais que huma s6 natureza, e por Ihe faltar a verdadeira 
« fee, andavao por caminhos que nao erao de patriarchas e bispos, 
« nem de beneficiados da igreia, mas cazavao e tinhao filhos, se- 
« gundo a carne, e ainda estao agora em nossa terra seus filhos e 
« descendentes dos filhos que gernrao ; *e sobre isto deshonravao mui- f. 32^- 
« tas virgens, e forao comprehendidos em outras cousas que nao 
« convem declarar : vendiao as ordens por ouro e pedras de sal, sa- 
« gravao as pedras de ara por pre^o de fato, e dominavao cruel- 
« mente aos que se aviao de ordenar, fazendoos primeiro servir 
« por anno ou meo anno, acarretando paos e pedras pera fazerem 
« salas e cercas : sendo escomungados por palavras dos Apostolos 
« que dizem: Quem comprar ou der ordens por pre^o de dinheiro 
« seia escomungado, seja sua parte com Simao mago e con Judas. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO VII. 399 

c Ao Abbuna Marcos convenceo o emperador Malac Sagued 

< de muitos crimes sensuaes, que nem as orelhas podem ouvir, nem 

< a boca falar, ate se parecer com aquelles sobre os quaes choveo 
« Deus fogo do ceo : polo que o privou do patriarchado e Ihe con- 

< fiscou os bens degradandoo pera a ilha Deka, onde acabou de 
« ma morte. inchandolhe a barriga como hum tambor. O Abbuna 

< Christ6s Dula tinha muitas concubinas contra o costume dos pa- 
« triarchas, cousa que sabem todos os daquelle tempo e alguns que 

< ainda hoje vivem. 

« O Abbuna Petros, que teve o patriarchado depois delle, tomou 
« a molher de hum Malaquy, por nome Miguel, e sabendose do caso, 
« pagou a pena dos adulteros que tomSlo a molher alhea; e ainda 
« ha testemunhas que isto sabem, como Joseph o Marino, que nSo 
« sao homens da nossa terra, mas estrangeiros e peregrinos ; e acres- 
« sentando culpas sobre culpas, depois de reinar sete annos o em- 
« perador Jacobo, escomungou toda a gente de Ethiopia, pera que 
« Ihe tirassem o reino e o degradassem pera Narea e fizessem Rey 
« em seu lugar ao emperador Za Dangnil ; e depois, pera os obrigar 
« a matarem ao mesmo Za Danguil, poz escomunhao, e assy o ma- 
f.326,v. c tarao; e nSo bastando tudo isto, quando nos pelejamos* com 
« o emperador Jacobo, veo com elle a guerra e morreo na ba- 
« talha. 

« Tambem Abbuna Simao se achou em mais culpas e peccados, 
« tomando a molher de hum egypcio chamado Mati e, sobre afrontar 
« muitas donzellas, tinha muitas concubinas, e avendo hum filho 
« de huma, pera que se nao soubesse seu peccado, o botou fora de 
« casa e o comerao os lobos, por a may nao ter onde o agasa- 
« Ihar; e isto sabe toda a gente e todos os Azages, que nao he 
« mintira. E no tempo que se rebelou Julios, em lugar de fazer 
« amisade e paz entre nos (como he custume dos patriarchas e 
« frades) se ajuntou na trei^ao; e convocou todos os soldados de 
« Julios e Ihes disse : Suem perdoar no tempo e dia da bathala a 
« mancebos, velhos, mininos e k qualquer que se achar no arrayal 
« do Emperador, seja escomungado ; quem matar todos, sem deixar 
« a ninguem com vida, ainda que tenha tomado mulher alhea, rou- 
« bado fato de outros e quebrando Isic] todos os dez mandamentos da 
« ley de Deus, seja assolto por minha boca : quem matar seja santo ; 

< e quem for morto nas maos dos soldados do Emperador sera martir ; 

< e dizendo isto os entregou por semelhan^a de Satanas, e os trouxe 



Digitized by 



Googl( 



400 HISTORIA DE ETfflOPIA A ALTA OU ABASSIA 

€ a pslejar contra nos, e Deus nos deu vitoria, e achandose elle 
€ na batalha, a justicja divina o lan^ou nas mSlos guerreiras e morreo 
€ ma morte. 

c Mas tornando a nosso prin^ipal intento, deste Dioscoro ate o 

< presente por nSo obedecerem aos Papas de Roma sussessores na 
€ cadeira de S. Pedro, fundamento da fee e cabe^a da santa Igreia, 
« e por dizerem haver em Christo huma s6 natureza, sendo duas, 

< divina e humana, e assy mais por nSo quererem receber as or- 

< denaQOes e canones dos Apostolos de Nosso Senhor, e porque 

< verterao todos os livros a sua vontade, e por nao nos guiarem 

< pelo caminho da verdade, deixamos de obedecer aos patriarchas 

< de Alexandria* que sSo Jacobitas, porque caminharao polos pees f.327 

< de seus erros e siguirao as pisadas de Arrio, Macedonio, Nestorio, 

< Sabellio, Eutyches e Dioscoro ; e obedecemos ao Papa de Roma 

< porque elle esta j^^sentado na cadeira de S. Pedro principe dos 

< veneraveis Apostolos, e nao pode errar aquella Cadeira em alguma 

< cousa da fee e bons custumes ; e vos outros tambem segui com 

< paz esta santa f6e que edificou Christo nosso Senhor no sagrado 

< sangue de sua cruz, e a deu pera salvagao de todos os que nelle 

< crem pera sempre dos sempres. Amem 1. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO VIII. 

Como for&o mandados pera Ethiopia oito padres nossos 
por varios caminhos ; e dos varios successos de suas 
viagens. 



Nas naos do reino, que a Goa chegarao na mon^So do anno «• Sob finem an- 

,« ^ ,-.«-. ni 1624, octo alii 
de 1623, veo carta de nosso muito reverendo padre Geral Mucio patre«,Pr«eposidge- 

Vitteleschi ao padre Andre Palmeiro visitador da India, na qual n«»li«ijM«Miireme 

'^ ^ tamen itinenbiis in 

Ihe ordenava mandasse aquelle anno pera esta missSio doze padres Aetbioptam mitton- 

de nossa Companhia. Era este o tempo em que, como acima disse, proapera^quidem 

estavamos em Dofar quatro padres que aly invemamos. Soube o duorum mensinm 

navigatione Macuam 
padre Visitador por nossas cartas como iicaramos esperando pera appeUunt^ at vero 

entrar o Estreito na mon^ao siguinte, e nellas o avisavamos que ^^|!^ ^enwMideti- 

nao era seguro mandar por entao mais padres por se arrecear que nentur et, aolo tnnc 

aeativis caloribus 
os Turcos nao folgariao, nem quereriao dar licen^a a tantos no mesmo p^pe efferveacente, 

anno. Detriminou comtudo o padre Visitador de dar comprimento K^^*«» *®^'JJ""' 

'^ ^ incommodis.Tan- 

a ordem de nosso padre Greral, mas contando os quatro que estavao dempretiosibivenia 
em Dofar, acrecentou so oito dos da India, e, pera maior segtiran<^ e e«eunte iul^f^^ 

facilidade em sua entrada, mandou que s6 4 viessem por via de ^^ B»^^ rmooam at- 

tuBarunt* 
f.327,v. ^Ma^ua, os outros quatro repartio por novos caminhos: dous pela 

costa de Milinde, dous por Zeila ; e moveuse a isto por varias re- 

zOes. O fundamento de mandar alguns pola costa de Melinde forao 

informa^Oes de homens praticos naquella costa, qne affirmavao po- 

derse por ella entrar em Ethiopia, porque ali vinhao mouros que 

C. Beccau. Rrr, Aetk. Scri^i. acc. imrd. — VL 51 



Digitized by 



Googl( 



402 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

tinhao trato com os christaos Abexins e podiSo ser guias e dar 

guarda aos padres, que com elles quizessem entrar pela terra dentro. 

A mandar alguns por Zeila se moveo o padre visitador por huma 

carta do emperador Seltan Qagued, naqual escrevendo ao padre Pro- 

nincial que Ihe mandasse muitos padres, dizia que podiao vir por 

Zeila, por o Rey daquella terra ser amigo seu ; e foi erro do escrivao, 

que, avendo de escrever Dancaly, escreveo Zeila. 

Nomeou pois o padre Visitador pera virem por via de Magua 

aos padres Manoel Lameira natural de Estremos, Thome Bameto na- 

tural de Evora, Gaspar Paes natural de Covilhao, Jacinto Francisco 

natural de Floren^a ; pera abrirem o novo caminho da costa de Me- 

linde nomeou aos padres Joao de Velasco castelhano de na^ao, re- 

cebido e criado na Companhia em Portugal, Jeronymo Lobo natural 

de Lixboa; pera virem por Zeila aos padres Francisco Machado 

natural de Villa Real e Bernardo Pereira natural de Vizeo. E co- 

me^ando pelos primeiros, que fiserao a viagem ordinaria, elles a 

tiverao muito boa e prospera at6 Ma^ua; porque partidos de Dio 

no fim de mar^o, chegarao aquelle porto aos' dous de mayo; aly 

porem se detiverao dous mezes e meo, emquanto se levou ao Baxa 

de Suaqhem o prezente que Ihe traziao, e se esperou delle a licen^a 

pera entrarem pela terra dentro: a qual elle dilatou ate chegar a 

Ma^ua hum burro do mato, ou zevra, que esperava do Emperador. 

Emcomendounos elle quando por ali passamos que Ihe alcanssa- 

(jemos esta *pe<;:a: falei nisso ao Emperador tanto que cheguei ao f. 238. 

Dancaz, mandoa logo vir e invioua pera TigrS ; mas nao pode chegar 

ao mar tam cedo ; o que foi occasiao de tam grande detenga e de 

trabalho pera os padres intoleravel, por serem as calmas de Ma<;ua 

naquelles mezes taes que a alguns dos padres se esfolou o corpo 

todo e mudarao a pelle; mas infim, acabados os trabalhos do mar 

e terra, chegarao a salvamento a Fremona dia de santa Maria Mag- 

danela, e logo, como ao diante diremos, se espalharao por varias 

partes do reino de Tigre a pregar e insinar, colhendo de seus santos 

trabalhos copioso fruto. 

a. PP. vero Vela- Os padres Joao de Velasco Jeronimo Lobo, descubridores do 

aetitiioplcum cx Me- "ovo caminho pela costa de Milinde, partirao de Goa e chegarao 

lindac ora aggrcdi ^ costa com bom vento : correrao muitos portos della deste Pate 

iuBsi fucrant, cum ^ 

omnea fcre occiden- at6 Magadaxo, sem achar em nenhum delles pessoa que se atrevesse 

lusiaaa^^ct numbi ^^^ guiar pela terra dentro, nem quem Ihe desse novas de ao diante 
aditum ad intcriora se poder achar occasiao de entrarem e chegarem as terras do im- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO VIII. 403 

perio Abbexim; pelo que depois de muitos trabalhos e varias di- rcgionisinvcnisscnt, 
« < ^ cadem navi QoAm 

ligencias que fiserao, vendo que cansavSo debalde e perdiSo tempo, rcmcarc coguntur. 

voltarao pera a India, pera della pelo caminho ordinario do Estreito S^ ^** accidcrc 
'^ ^ *r dcbuissc cx gcogra- 

entrarem e chegarem a esta sua desejada missSio. E socedeolhes phicis momcntis a. 
. , - • . • dcmonstrat. 

tam bem, que logo no anno sigumte entrarao em companhia do pa- 

triarcha D. Afonso Mendez, como contaremos em seu lugar; e na 

verdade he assy que nao ha por aly caminho ; porque, posto que a 

terra seja continuada (pois Melinde he costa e o Abbexim h6 

sertao) h6 porem a distancia tam grande e a terra povoada de gente 

tam barbara, que tenho por impossivel poderse romper. 

A rezao h6 porque, como ia dissemos no i**livro desta historia 

(e se pode ver em hum mappa das terras pertencentes ao imperio 

Abbexim que tenho feito), as partes mais austraes, que nelle ha, 

f.328,v. ficao da linha equinocial pera o norte em oito *graos, ou quando 

menos, em sete, como se vera no reino de Narea, o qual ainda tem 

ao Emperador algum reconhecimento, e Ihe paga tributo de quando 

em quando, posto que os mais dos annos Iho nega, e nos de Com- 

bate e Bally, que ia ha muitos annos sao senhoreados de mouros 

e Gallas, e nada obedecem ao imperio. Estes reinos sao os que mais 

se chegao ao sul, Narea pela parte de sudueste, Cambate pela do 

sul, Bally pela de sueste; (i) mas como digo, todos tres ficao da linha 

pera o norte em sete ou oito graos ; e os portos de Magadaxo, lugo, 

e Pate, ficao, como se vee na carta, Pate alem da linha [>era a banda 

do sul, lugo debaixo da linha, e Magadaxo em duos graos della 

pera o norte ; do que se colhe que quem entrasse por Pate ou Ma- 

gadax6, tinha ao menos sinco ou seis graos que caminhar pera o 

norte, os quais, se bem se advirtir na carta, se hao de andar pelo 

rumo de noroeste quarta do norte partindo de Magadax6 pera 

Bally, ou pelo de cesnoroeste pouco mais ou menos, querendo ir pera 

Narea, e ia se deixa ver que afora as voltas dos caminhos da terra, 

pera se vingarem seis ou sete graos pelos rumos que apontej se 

hao de andar ao menos 150 legoas. Advirtao pois os curiosos e 

todos os que imaginao ser possivel abrirse o tal caminho, que o 

padre Antonio Fernandez, como contamos atraz, intentando sair d^ 

Ethiopia a mesma costa de Melinde, e vindo em companhia do em- 

baixador do Emperador, homem muito esforcjado e que trasia con- 

(i) « Narea pela Bally pela de sueste » subsiituit A. vocibus: u Pella parte 

do susueste Narea se avvisinha ao mesmo, pela parte do sudueste »>. 



Digitized by 



Googl( 



404 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

sigo vinte soldados bem valentes, sem sair quasi da[s] terras que 
ainda entSo obedeciSo ao Emperador, e trazendo pera todos os se- 
nhores dellas cartas de S. A. nas quaes Ihe mandava dessem toda 
a ajuda que pudessem ao padre e embaixador, pera que a salva- 
mento fizessem sua jornada, comtudo isto passarao tantos trabalhos, 
e com evidentes riscos de suas vidas tomarao pera a corte, sem 
poderem consiguir o intento a que vinhao. E daquy pode julgar 
qualquer prudente quam *impossivel sera romper e passar cento e f. 329. 
sincoenta ou duzentas legoas, por terras de Cafres, Mouros, Zimbas, 
Gallas, aonde os regulos e senhores sao tantos quantas as jomadas, 
c as vezes em huma encontraes com muitos, e taes que entressy 
andao em continuas guerras, e nem aos de sua mesma casta e na^ao 
guardao fidelidade, a todos os que podem roubao, cativao, matao, 
sem mais outra rezao ou intento que a furia cega de sua cubi^a. 
Pudera provar isto com muitos casos que vi e esperimentey em os 
muitos caminhos que fiz por terras de barbaros, mas baste pera 
prova do que digo o sucesso que tiverao outros dous descobridores 
de novos caminhos, que refirirej mais devagar em especial capitulo, 
como o pede caso de tanta gloria de Deus e honra da Companhia. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO IX. 

Martirio dos padres Prancisco Machado 
e Bemardo Pereira. 



Aos padres Francisco Machado, o qual era actualmente lente »• PP« Franciscus 

,, . , ^ ^ , , _ , . , Machado et Bernar- 

de theologia no collegio de S. Paulo de (joa, aonde pnmeiro tmha dus Pereira e Zeilae 

lido o curso das artes, e sempre pedio com extrax)rdinario frevor JI^J^^m^AdeUn^!^ 

esta missao, e Bernardo Pereira, que entao acabava de ouvir theo- thiopiam pervenire 

, ,. , . . . , TT. conantor. Ab incolis 

logia e tambem a pedia com grande mstancia, avizou o padre Vi- zeilae humaniter ex- 

sitador e ordenou que entrassem por via de Zeila. Pera isto se ^p^ **^. ^**** ^^^' 
^ '^ rftlft urbem regni 

embarcarao em Goa em hum navio que aly estava del Rey de Caxem, principem deducan- 
prometendolhe o capitao e mercadores delle, que, tanto que la che- mUsa iUneris*' pro^ 

gassem, o dito Rey os mandaria sem duvida a Zeila, porque tinha scquendi venia, ad 

. duos menses honori- 

com aquella terra contrato, e era como he muy facil a navega^ao ftce ct uti amicos 

de Caxem pera Zeila; tudo o que em Goa prometerao cumprirao ****^** 

os Fartaques e seu Rey. Chegados os padres d Caxem, sem pirigo 

nem trabalho extraordinario, os passarao logo daly a Zeila; aonde 

f.329>v. com *as muitas recomenda^Oes que tretziao do Rey e mouros de 

Caxem forao ao principio bem recebidos, e porque por ali detrimi- 

navao e desejavao entrar nas terras do Abbexim, os levarao pella 

terra dentro dez dias de caminho, ate a cidade de Au^a Gurrele, 

corte ordinaria dos Reys, a que nos chamamos de Zeila, dandolhes 

o nome daquelle seu porto e lugar maritimo, sendo assi que se 

devem chamar e chamao propriamente Reis de Adel; porque este 



Digitized by 



Googl( 



406 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

he o nome daquelle reino, que possuem e governSo ha tantas cen- 

tenas de annos, ao qual pertencem muitas e largas terras, como se 

vera na carta, pois he senhor de todas as que vao desdo cabo Darfuy 

e Guardafuy ate monte Felix, Zeila, ate as portas do mar Roxo, 

e tudo o que entrando por elle corremos at6 chegar a Dancaly ou 

Baylur. Pelo sertao entrava tambem muito antigamente o imperio 

deste Rey de Adel, pois chegou a tanto que no tempo do seu Vazir 

e capitao mor Hamed, a quem por alcunha chamarao Granh, que 

quer dizer esquerdo, se apoderou de quasi todo o imperio Abbexim, 

o qual porem Ihe tirarao das maos as armas portugiiesas, como 

acima fica dito. Com tudo sempre o reino de Adel foi grande e 

povoado de mouros bons cavaleiros, posto que os Gallas assy como 

prevalecerao ha annos e ganharao muitos reinos aos Abbexins, assy 

tem hoje prevalecido e ganhado muitas terras aos mouros de Adel. 

a. At vcro cum No tempo que os padres chegarao a corte do Rey de Adel, tinha 

Aethlopiam mlserat, ^^^^ mandado alguns homens seus como embaixadores ao Emperador, 

spe sua frustrati do- ^ ^q prezente huma espingoarda e hum burro grande casticjo, espe- 

iram conversaa pa- rando retorno de ventajem. A esta conta, emquanto esta sua gente 

eriitte^as hac de^re voltava a salvamento, dissimulando a pe^onha e odio que tinha em 

conviciis plenas ad seu perverso coracao por espaco de perto de dous mezes, nao fez 
Seltan SagAd mittit. , ^ , r . , / , , 

Qui tamen nil inten- nial aos padres; antes os foi detendo com promessas de cedo os 

tamm J^^^^^jl^ ^J *mandar pera onde hiao, nao Ihes deixando porem escrever nem f. 330. 

vitae pericuio libera- mandar novas ao Emperador de sua chegada e estada em Adel. 
Porem tanto que chegarao a Au^a os ditos embaixadores, no mesmo 
dia (que foi ao segundo d'agosto do anno de 1624), os mandou meter 
em huma logea escura, e lan^ar a ambos hum macho, prendendo 
o pee de hum com hum e logo o de outro com outro; pera dar 
alguma cor a csta sua tirania mandou dizer aos padres que o 
Emperador Ihe tratara muito mal seus embaixadores, que Ihe ma- 
tara hum delles, e dos outros, e delle fizera pouco caso, nem 
Ihe mandara em retomo de seu presente cousa de importancia, pelo 
que Ihe escrevessem que, se desejava velos vivos, Ihe mandasse a 
devida satisfa^ao em ouro e pe^as de muito pre<;o, e se nao, sou- 
bessem que nao sajriao daquella prizao com vida. 

Entenderao logo os padres o mao coragao do mouro, e a di- 
tosa sorte que os esperava e coroa que Deus lh3s fabricava pelas 
maos daquelle tyrano; derao a divina bondade quantas gra^as pu- 
derao, ofFereceraolhe S3U sangue e vida com prontissima vontade de 
as perder por seu amor; entendendo bem os ganhos e rendiraentos 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO IX. 407 

imcomparave[i]s de tam pequena perda ; escreverao mais por cumprir 
com o que se Ihes mandava, que por esperarem reposta, ao Empe- 
rador e superiores da Companhia em Ethiopia, dando conta breve- 
mente do que ate entSo Ihes tinha socedido e do estado em que 
ficavao, mostrandosse mui conformes com a vontade de Deus e 
prestes pera derramar seu sangue por aquelle senhor, cuja santa fee 
vinhao pregar e ensinar em Ethiopia. O Rey barbaro tambem mandou 
huma carta sua ao Emperador, tam descortes quanto sua soberba 
e a vileza de seu peito Iha soube ditar : entre outras cousas o doe- 
stava de apostata, por ter trocado os erros alexandrinos, a que 
elle chamava fee de seus av6os, com a santa fee de Roma, a que 
chamava fee dos Portugiieses. 
f.33o,v. Estas cartas chegarao ao Dancaz no meo de setembro, *e vendo 

Emperador na do Rey de Adel o descomedimento com que escrevia, 
e nas dos padres o perigo em que ficavSo, nao sei qual diga foi 
mayor em o seu peito, se a compaixao que dos padres teve, se a 
paixao e ira que concebeo contra o mouro barbaro ; logo disse que 
tinha por sem duvida que ia o mouro havia de ter mortos aos pa- 
dres; porque, se esse nao fora seu intento, nao se ouvera elle de 
descompor tanto na carta que Ihe escrevia; comtudo, porque nin- 
gnem cuidasse que estimava elle pouco a vida dos padres e que nao 
fazia quanto podia polos livrstr do cativeiro, dissimulando por entao 
com a justa ira que tinha contra mouro tam descomedido, Ihe mandou 
hum recado com toda a brandura e promessas de tudo quanto elle 
quizesse por resgate dos padres Ras Cella Christos tambem mandou 
prometer hum fermoso cavallo com geezes de muito pre^o, e escreveo 
ao Rey pedindolhe muito que logo Ihos mandasse, e que sobre aquellas 
Ihe mandaria ainda outras pec^as e joyas muito ricas. 

Mas debalde trabalhavao e se canssavao, porque no coracao 3. Post decem dics 
do mouro pode mais o odio da fee de Christo que a cubi^a do muito ^aput ampuuri iu^ 

que do Emperador e seus irmaos podia esperar, se Ihe inviara a salva- «it^.q^ifd in ipsa qua 
^ '^ x- X- deunebantur domo 

mento os mestres e pregadores della: e assi dez ou doze dias despois executioni manda- 

1 1 1 .'i^^tum est. A. multis 
de os prender, os mandou no mesmo carcere matar a espada. O ^^^^^1^^ ^^3 ^^ chri- 

Msto e alegria, com que estes cordeiros de Deus offerecerao naquella *^ tidem vitam po- 

suisse. 
hora seus pescoQOS ao talho e suas vidas em sacrificio de tanta sua- 

vidade, podemolo colligir dos grandes desejos do martyrio que em sua 

vida sempre mostrarao e do que de sua muita virtude se esperava ; 

testemunhas seriao os anjos que os accompanharao e esfor^arao em 

tam glorioso trance, e o ceo todo que se abriria sem duvida pera 



Digitized by 



Googl( 



408 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

receber e festejar aquelles vitoriosos spiritos, que pera la subirao 
triumphantes : testemunhas humanas nao nas ouve, porque o barbaro 
quiz que somente o algoz de noita, na escura logea onde estavao, exe- 
cutasse a cruel sentencja que contra *os santos pemunciara. Ao dia se- f. iii. 
guinte contarao muitos aos que entao se acharao em Auga Gurrele, 
que forao os santos corpos lan^ados em hum pateo fora das casas 
onde morrerao (i). 

Os indicios que ha pera termos por certo que esta morte foi 
dada em odio de nossa sancta fee sao os que agora direy. Este Rey 
mouro podiase mover a matar os padres por tres causas : a primeira 
por odio da na^ao, por serem Portugueses ; a segnnda por cubi^a 
de Ihes tomar o fato que levavao; a ter^eira por odio da santa 
fee, por saber que elles hiao a Ethiopia pera a insinarem e pregarem 
naquelle imperio. Puro odio da na^ao portuguesa nao sepo de crer 
fosse a causa que o moveu, indo os padres com tantas recomenda- 
^Oes do Rey de Caxem pera este de Adel, nao sendo elles soldados 
nem professando armas ; e provasse evidentemente porque com os 
padres hia hum soldado portugues, o qual de Caxem os accompa- 
nhou, ao qual o Rey e mouros de Adel nao matarao, e ainda hoje 
la vive entre elles, e eu vy ha dous annos em Ethiopia cartas escritas 
de sua mao poucos mezes antes e mandadas a Ras Cella Christos e 
aos nossos padres ; e se algum disser que a este perdoarao a vida 
por elle, ao menos no foro exterior, se fazer mouro, boa prova sera 
o tal dito do meu intento, que, porque dos padres nao alcangarao, 
nem ainda esperarao alcancjar tal erro contra a santa fee que profes- 
savao, por essa rezao os matarao, e nao por serem Portugueses. Menos 
se pode dizer que a cubi<;a de Ihes tomar o fatinho que levavao 
moveo ao mouro a Ihes dar a morte, porque primeiramente os pa- 
dres nao levavao ouro, prata, nem pec^as de grande estima, e muito 
menos fazendas ou roupas pera comprar e vender: hiao como reli- 
giosos pbbres, ainda *com muito menos do que pera semelhantes f.33^^- 
missOes se custuma levar, por saberem que o caminho era novo 
e arriscado. Somente levava cadahum sua canastrinha com alguns 
omamentos da igreia, livrinhos e cousas de deva^ao, como contas, 
nominas, veronicas, Agnus Dei e outras semelhantes, que aos chri- 
staos custumamos dar pera os affei^oar a ncssa sancta f6e e a dava^So 



(i) Hicsequentia deleta sunt : « Affirmase que logo aly brotou agoa em abundaDcia, 
nao havcndo aly primeiro ». 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO IX. 409 

da Virgem Senhora nossa. E estas cousas todas na mSo do Rey 
estiverSo pelo menos depois que os prendeo; e facilimo Ihe era, 
quando as cubissase tomarlhas, e dar a elles vida e franca passagem 
pera Ethiophia : principalmente porque sabia de certo que, quando 
os quizesse p6r em resgate, o Emperador e seu jrmao Ras Cella 
Christds Ihe aviSlo de mandar tudo o que elle pidisse e desejasse a 
troco dos padres. Nao foi logo o lan<;o da cubi<;a, pois nelle sabia 
o mouro que perdia muito ouro e nao ganhava nada. Donde se segue 
evidentemente que s6 o odio de nossa sancta f6e foi o que aqui obrou 
tal crueldade e cegou a este barbaro pera que a troco de se fartar 
do sangne innocente destes cordeiros cortasse por todos os respeitos 
humanos, nao atentando ao que devia ao Rey de Caxem, que Ihos 
emcomendara» nem ao que podia ganhar dos Abbexins, se Ihos man- 
dara a salvamento, nem ao que dos mesmos e de seu poder e do 
Emperador podia temer, negandolhe seus mestres: ia que a Deus, 
e ao ceo elle nao cuidava fazer aggravo, antes Ihe parecia fazer 
assinalado servi<;o e offerta muito agradavel. E pera que nao duvi- 
dassemos de ser este seu intento, declarouo o Rey barbaro em huma 
carta, que escreveo poucos dias depois de matar aos padres ao ale- 
vantado filho de Cabreel, que entao se achava em humas terras do 
f. 332- Amahara nao muito distantes dos confins de Adel, na qual *o exhor- 
tava a pelejar esfor^adamente pola fee e religiao de seus antepas- 
sados, e Ihe fazia a saber que pera destruir a f6e dos Portugueses 
matara elle aquelles dous que a vinhao pregar a Ethiopia ; e em teste- 
munho do que dizia Ihe mandava de prezente huma fermosa faca, que 
entre o fatinho dos padres achara, por ser pe<;a boa. 

Por todas estas rezOes tive sempre a estes santos padres por 
martyres gloriosos ; mas comfirmeime muito mais nesta verdade, de- 
spois que no anno de 1633 vim de Adem em companhia de tres padres 
nossos, e dous sacerdotes naturaes da India; a historia contarej ao 
largo em seu lugar; por hora somente a toco quanto serve ao in- 
tento que dizia. Levaraonos a todos a corte do senhor da terra, 
aonde elle, e quantos nella havia grandes, epequenos, he espanto, e 
mal se podera crer quanto trabalharao por nos fazerem mouros : desde 
pela menha ate noite, quantos nos vinhao ver, nao diziao quasi outra 
cousa a cadahum de nos, senao : Fazeivos mouro, fazeivos mouro ; ar- 
rancavao pera isto das espadas, amea<javao golpes a cabe<ja e ao pes- 
co<;o, punhao os zargunchos nos peitos, e ate crian<;cis de sete e oito 
annos arrancando de seus punhaes (que quasi todos trazem) e pondo- 

C. Bkccari. Rer. Aeth, Script, occ. ined. — VI. 52 



Digitized by 



Googl( 



41 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

nolos na garganta diziao o mesmo. H6 esta doutrina do seu alcorao, 
que nao Ihes escape christao que vier a seu poder sem o forcjarem 
a se fazer mouro: e os Arabios destas partes visinhos a Mecasao, 
sobre todos os que ha no mundo, mouros de cora^ao, figadaes ini- 
migos do norae christao. Polo que tenho por sem duvida que os 
Arabios de Adel, que sao os mesmos que os destoutra costa, antes 
de matarem os padres, haviao de faser nelles por muitas vezes se- 
melhantes essayos, e no cabo, vendo sua constancia, se resolverao 
de todo em Ihes tirar as vidas. 

De quam aceito Ihe fora este sacrificio quiz tambem *Deus dar f.332,v 
testemunho nos castigos que deu aos alsfozes executores delle, porque 
primeiramente, dous mezes pouco mais ou menos depois da morte dos 
padres, vierao os Gallas vizinhos entrando pelo reino de Adel e 
executando nelle grandes crueldades; sayolhes ao encontro o Rei com 
seu excercito, foi desbaratado com morte de muita gente e voltando 
pera sua corte, hum irmao seu o matou a ferro. Despois disto no anno 
de 1631 no mes de dezembro chouveu fogo do ceo sobre a cidade 
de AuQa Gurrele, o qual a abrazou quasi toda. Constou isto por cartas 
de muitas pessoas que dela o escreverao a Ethiopia; e os mesmos 
mouros reconheciao ser este castigo do ceo dado aquella terra pola 
injusta morte que nella se dera seis annos antes aquelles dous servos 
de Deus. 
4. Honim duorum O padre Francisco Machado era de idade de 37 annos pouco 

vigado, labore» et "^«lis ou menos, natural de Villa Real, e da melhor nobreza della. 

elogium. Entrou na Companhia em Coimbra aonde teve seu noviciado e 

estudou humanidade e philosophia, sendo em todo este tempo hum 
raro exemplo de todas as virtudes ; pidio muito a missao da India, 
e alcancjoua no anno de 161 1, escolhendoo entre muitos o padrePero 
Francisco, que da India fora por procurador da provincia, e pe- 
dindoo aos superiores. Na India estudou theologia, leu o curso das 
£irtes e apos elle theologia speculativa no collegio de Sam Paulo 
de Goa com boro nome e satisfa^ao de suas letras, e muito mayor 
de sua grande virtude e exemplo com que a todos edificava. Neste 
tempo pidiu a missao de Ethiopia com grande fervor e eilcanQOua 
dos superiores ; e de Deus a missao do ceo com gloriosissima coroa 
de martirio. 

O padre Bernardo Pereira era quasi da mesma idade de trinta 
e sinco pera trinta e seis annos, natural de Vizeo, da melhor fidalguia 
daquella nobre cidade, veo a India *pera servir a el Rey, sendo man- f- 333- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII. CAPITULO IX. 411 

cebo de dezoito annos pouco mais oumenos; no do nascimento de 
Christo Senhor nosso de 1608, depois de ter andado em Coimbra 
hum anno, e ter em Viseo aprendido os principios da lingua latina, 
chegando a India, como era de bom natural e desejoso da sal- 
va^ao de sua alma, logo Ihe descontentou a liberdade e foro em que 
a vida de soldados esta metida : pidio a Companhia, foi nella rece- 
bido ; procedeo no noviciado, e no mais tempo con notavel exemplo 
de virtude, especialmente esmerrandose na humildade e desprezo 
de sy. Vindo de Tana pera Goa no anno de 16 18, tomarao os Olan- 
dezes a embarca^ao, e ao padre, que ainda nao era sacerdote, e co- 
nhecendoo por Jesuita, o levarao cativo a Jacatara, e dali o levarao 
pera Olanda em huma de duas naos, as quaes forao tomar o porto 
da Santa Lusia, a quem os naturaes da ilha de Sam Louren^o cha- 
mao Mangafiafe; mas nao podendo ali tomar agua, por o tempo 
estar muito verde, levando anchora forao afferstr a costa de Africa 
iunto aos rios de Cuama, e dali voltando pera a da India, e vindo 
demandar a barra de Surrate, entre este porto e Damao, Ihes deu 
tal temporal que forao for<;ados a varar na costa, quebrandose nella 
as embarca^Oes: salvouse porem a gente; e dali se veo o padre 
pera Damao. Perto de hum anno durou este cativeiro, no qual, po- 
sto que de alguns Olandeses foi bem tratado, dos mais porem o 
foi muito mal : muitos mezes esteve em ferros, comendo muito pouco ; 
sofreo muitas injurias e pesco^adas, e por duas ou tres vezes, por 
ser papista e jesuita, alguns hereges mais crueis inimigos da fee 
catholica, arrancando as espadas, nao s6 o amea^arao com a morte, 
mas estiverao muito determinados a Iha dar. Porem a gloria do 
martirio, que entao se Ihe dilatou, Ihe quiz o Senhor dar no reino 
d'Adel pera honra da nossa missao de Ethiopia e pera a elle e ao 
padre Francisco Machado, seu companheiro, termos todos por parti- 
f.333.v. cu*lares deffensores e padroeiros della. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO X. 

De como se repartirao em varias missdes, que este 
anno fizerio, os padres que de novo vierao e os 
que ia estavao em Ethiopia. 



Do estado secular do impeno Abbexim em todo o anno de «• Quidam e regia 

, , . ^ T- , , stirpc contra Impe- 

1624 nao ha muito que contar. O Emperador o passou todo em sua ratoremrebeilant: 

corte. Ras Cella Christ6s voltou do Amahara com algumas vitorias <^^"i^;Seit^Sa. 

^ gAdtameneosliberos 

que teve do alevantado, mas deixandoo ainda muito em seus treze dimittit, quoram aii- 

por se ter apoderado de algumas serras muito fortes e a gente da iunguntur.*^ *^** 

terra estar lan^ada com elle. Entre os Gallas havia fama que estava 

outro alevantado ; mas como nao acometeu as terras do imperio, nao 

se fez delle caso. Em Cemen tambem com os Falaxas que habi- 

tavao aquellas fortes serras estava outro, e elles rebeldes, m<LS nSo 

houve encontros de considera^ao. Do Amara forao trasidos a corte 

sinco ou seis Israeis, os quaes por vezes se tinhao levantado contra 

o imperio ; eu os vy na sala do Emperador ; alguns tinhao cortados 

os narizes, outros as orelhas, outros hum dos pees ; e ouvi o Em- 

perador que nos contava : Eis ali aquelle ia perdoei a vida duas vezes, 

a este huma, aquelle outra; e agora, olhando pera elles, dizia: 

tambem vos perdoo, Deus me perdoe, e vos tambem perdoaime, ia 

que eu vos perdoo tantas vezes, e cessai ia de vossa pertinacia ; com 

isto se humilharao e sairao do pa^o. Israeis val nesta terra o mesmo 

que descendentes dos Emperadores antigos por via masculina, que 

por serem taes, tem todos direito pera entrarem no imperio, sendo 

pera elle eleitos; mas, como ia acima disse, ha mais de cem annos 



Digitized by 



Googl( 



414 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

que cessarSo *as elei^Oes, e sempre entrarao no imperio ou filhos f.334. 

do Emperador precedente, ou alguns parentes seus, que por sua langa 

o ganharSo, introduzindose nelle a for^a. Destes Israeis que vierao 

ao Dancaz se reduzirao alguns a nossa santa fee, ouvindo ali a 

doutrina dos padres. Isto he brevemente o que toca ao estado secular. 

a. p.AloisiusCar- Vindo ao que se fez na obra principal, que he a redu<;:ao deste 

dcira rcsidcntiac in.. t -* *% • ^ jt 

QorgorrA pracficitur imperio, come<;arey pela destnbuKjao dos padres, e como la acima 

et adolcscentiom se- toquei, no principio deste anno avia em Etiophia somente quatro, 

minario. Industriua ^ x x . j . 

ciua labor in ado- que erao os padres Antonio Femandez, superior da missao, o qual 

^s^lnstimit^olam ordinariamente assistia no Dancaz, corte do Emperador, posto que 

cantorum ad divina tambem acudia a residencia de Gorgorra ; o padre Luis d* Azevedo, 

lebranda. ^ue residia em Ganeta Jesus; o padre Antonio Bruno em Collela, 

lugar de Gojam donde acudia ao arrayal de Ras, que estava em 

Cerca ; este anno o foi accompanhar algum tempo na guerra em que 

gastou o verao no reino do AmaharS; e o padre Diogo de Matos, 

que residia em Fremona, e acudia ao arrayal do Viso Rey e a todas 

as partes do reino de Tigre em que se abria alguma porta e apa- 

recia alguma esperanga de proveito das almas. 

Em janeiro, como disse, entramos quatro padres; destes logo 

em fevereiro (deixando ao padre Manoel Barradas em Tigre) fomos 

pera Dambea os padres Francisco Carvalho, Luis Cardeira e eu, 

pera cumprir e correr com a visita que trazia a meu cargo. O padre 

Luis Cardeira tomou entao a sua conta a residencia de Gorgorra, 

na qual tinha e teve muitos annos muito que trabalhar, e com grande 

fruito, primeiramente en cultivar os muitos Portugueses que naquella 

terra viviao, iuntamente com os de outras visinheis que sao Tacu^a, 

Gambelua, Cantafa e outras, nas quaes todas se contariao entre Por- 

tugueses com mulheres e filhos e a gente de suas casas passante 

de duas mil almas ; e da gente da terra haveria ia por aquelle *con- ^-334.^. 

torno outros tantos catholicos, pouco mais ou menos, e destes muitos 

erao frades de tres ou quatro mosteiros grandes, e muitas igreias 

daquella terra; ao qual numero se forao dali em diante acressen- 

tando outros muitos que cada dia hiao de novo entrando e re- 

cebendo nossa santa fee. Trabalhou tambem aqui o Padre com muito 

fruto no insino dos mininos do seminstrio, que aly estavao, e erao 

sincoenta, pouco mais ou menos, os mais delles filhos de Portugxieses ; 

mas muitos tambem Abbexins dos mais nobres e abeis da terra, 

insinandhole o padre, a fora a lingua do seu livro, pera a qual tinhao 

muito bom mestre, a ler e escrever Portugues e juntamente o nosso 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VII, CAPITULO X. 415 

canto, e a tanger todos os nossos instrumentos, viola, rabequinha, 

arpa e principalmente orgSos, cravo e manicordio, o que tudo 

trouxemos da India este anno. Em pouco tempo aprenderao muitos 

tam bem e sairSo tam destros na musica e tam suaves nas vozes, 

que se formou capella tal, que entre quaesquer das de nossas terras 

podia ter seu lugar : ao diante sairSo alguns que tangerSo bem todos 

os instrumentos, principalmente orgSos, e o que mais se estimou, 

muitos daquella escola depois que veo o patriarcha, tomarao ordens 

e servirao e servem hoje a Deus e aos catholicos com notavel exemplo, 

acudindo, principalmente neste tempo de persegui^ao, de que ao 

diante trataremos, ao que os nossos padres nao podem, por serem 

lan^ados de Ethiopia. 

O padre Francisco Carvalho foi mandado pera Collela, pera daly 3; P« Carvalho ad- 

dicitur rcsidcntiac 
juntamente com o padre Antonio Bruno acudir as muitas portas que coUelAutcum p. De 

no reino de Gojam se abriao, principalmente pola industria e zelo ^^«d® m conver- 

•* , «lonc Agaus opcram 

ardentissimo de dilatar a santa fee em que ardia o cora^ao do va- navct. Auctor invisit 

f. 335. le*roso e muito catholico principe Ras Cella Christ6s, o qual, quando ^^ oorgorrA a« reci^ 

ouvio que este anno entraramos em Ethiopia quatro padres, dava a P^* ^"^ '^^ studium 

amhancae linguac 
Deus mil gra^as por tam grande merce, e todos os desejava ter totus incumbat. 

comsigo, todos Ihe pareciao poucos pera os muitos que esperava se 

reduziriao em (i) Gojam e nas terras dos Agaus, que tambem perten- 

ciao ao distrito do seu governo (2) ; e porque desta missao dos Agaus 

se esperava grande fruto, pareceo bem que o padre Luis d'Azevedo, 

que nella primeiro tinha estado, fosse com o padre Francisco Carvalho 

a Tanqha, aonde entao era o assento daquella residencia, pera o 

informar do que nella avia e do modo com que o padre se devia 

haver com aquelles novos christaos ; forao pois ambos os padres Luis 

d*Azevedo e Francisco Carvalho, e concertadas as cousas dos Agaus, 

passarao a Collela, donde voltou o padre Luis d'Azevedo pera Ganet, 

ficando o padre em Collela, donde foi visitar a Ras, tanto que elle 

chegou do Amahara, e comecjou a pregar em seu arrayal com no- 

tavel consola^ao de todos os grandes delle, colhendo de seus tra- 

balhos copioso fruto. Eu tambem, tanto que soube ser chegado Ras 

a Gojam, o fuj visitar a elle e aquella residencia. Recebeome com 

extraordinarias mostras de amor e alegria ; estimou muito os recados 

e cartas, que Ihe trouxe de nosso muito reverendo padre Geral, e 

(11 A. delevit verba « seu mando de ». 

(2) Hic deleta sunt verba: « se converteriSo da cegueira de gentios ao conheci- 
mento de seu verdadeiro criador », 



Digitized by 



Googl( 



41 6 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

dos padres Visitador e Provincial da India, offerecilhe hum sagoate 
de brincos da nossa terra com algumas laminas boas, que muito 
festejou e apartou comigo pera que aceitasse delle huma fermosa 
mula: escuzejme com rezOes, que o convencerao, dizeudo que Ras 
era notorio ser pay da Companhia em Ethiopia, acudir sempre a todas 
as necessitades de nossos padres, e ter gastado mais ainda do *que f.33S.T. 
podia e do que se podia crer na reduc^ao dos catholicos (o que 
tudo era verdade conhecida e confessada por todos os que o sabiSo) 
e que nao era bem quererme a mim logo encher de merces, de maneira 
que dissessem nossos emulos que vinhamos nos a Ethiopia a buscar 
honras e riquezas ; aceitoume a escuza ; visitei a residencia de Collela 
e dei volta pera Gorgorra, donde fui estar alguns dias no Dancaz 
ajudando ao padre Antonio Femandez superior que aly tinha muito 
que fazer, com os muitos que naquelle tempo acudiao a ouvir as 
cousas de nossa santa fee e a se confessar e comungfar, alem das 
obriga^Oes ordinarias de ir cada dia ao pa^o assistir ao Emperador, 
cuja porta nao s6 estava sempre aberta pera os nossos padres, mas, 
se elles se descuidavao em o visitar cada dia, tinha Sua Alteza disso 
desgosto notavel. Esteve ali ate se come^ar a fechar o invemo, que 
he no cabo de junho e principio de julho; neste tempo me recolhy 
pera Gorgorra, aonde comecej com o padre Luis Cardeira a aprender 
a lingua Amahari. 
4. Patribus Barra- Os padres Manoel Barradas e Diogo de Mattos ficarao, como disse, 

tuor^alii patres^^re- ^m Fremona, e como o viso Rey Keba Christ6s grande catholico tinha 

center ex Indiis ad- particularissimo cuidado e zelo de nossa santa f6e se insinstr e pregar 

vecti, adiiciuntur in 

Tigrensi regno. Quo por todo aquelle grande reino, chamavaos muitas vezes a seu ar- 

amir^em* plerique ^^Y^^* '^*^^^ hum, hora outro, ajuntando nelle muita gente de varias 

ex primoribus, ex partes pera que todos ouvissem a douirina e pregacjOes dos padres, 

monachis, ex clericis « . ^ 1 . 

et de plebe innumeri ^om as quaes erao muitos os que, deixados seus erros, recebiao nossa 

ad fidem cathoHcam s^nta f6e, especialmente depois que no cabo de julho chegarao os 

quatro Padres que acima disse vierao da India, que erao o padre 

Manoel Lameira, o padre Thome Barneto, o padre Gaspar Paes e 

o padre Jacinto Francisco, logo *o Viso Rey Ihes pidio que se espa- f. 33^. 

Ihassem e fossem por aquelle reino a varias comarcas em missOes, 

e assy forao nao s6 ao strrayal do Viso Rey, que entao estava em 

Auzen, mas a Amba^anete, Tembem e Garalta; e em todas estas 

comarcas se redusirao muitos a nossa santa fee de maneira que a 

mais da gente nobre daquelle reino e muitos ecclesiasticos, frades 

e clerigos, neste inverno se confessarao e comungarao. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO X. 417 

A cousa que aqui houve mais notavel foi o successo (i) do Tabot 5« Cum p. Bameto 
do mosteiro de Aba Guarima. Esta este mosteiro, pouco mais de huma bagarima versareturt 

legoa de Fremona, entre humas serras muito altas e fortes, em sitio «"epta occaaione, 

° explodit fabulam de 

muito fresco pelo muito arvoredo e agiia que tem, com estar em virga Aaron ibidem 

lugar muito alto, em huma quebrada em que as serras fazem hum J^r5^^4«o?ut fi^ 

como taboleiro largo e espa^oso, abrigado dos ventos e aberto ao ®^*» awervau. 

nascente, de maneira que tem ali boas hortas e muitas parreiras, 

de que colhem uvas em grande abundancia. O mosteiro he de frades 

de Tecla Haimanot, mas por ser ojazigo de Abba Giiarima, hum 

dos nove santos que antigamente no anno de 470, pouco mais ou 

menos, vierao aEthiopia,comodissemos nolivro 2**cap..., [«'r]he muito 

estimado e dotado de terras larguissimas, posto que muitas dellas 

Ihe tem hoje usurpado muitos senhores seculares. 

Neste mosteiro pois tinhao os frades hum Tabot em grande ve- 

nera^ao, (h6 Tabot, como ja disse, o mesmo que altar de pao, que 

Ihes serve de pedra d'ara) e era este a modo de caixinha ou al- 

mario, de altura, cumprimento e largura de dous covodos [sic] pouco 

mais ou menos. Foi o padre pera dizer missa na igreja, concertou 

o altar, pondo a pedra de ara sobre o Tabot, mas como tinha ga- 

stadas muitas horas em confessar muita gente, que ali se ajuntou 

pera ouvir a douctrina e receber nossa santa fee, ficou tam can- 

f.j36,v. sado que Ihe deu hum desfalecimento e vagado tal, que nao po*de 

aquelle dia dizer missa: os frades, que erao os mais delles finos 

hereges e tinhao grande sentimento de o paclre dizer missa em sua 

igreja, e de ver que tantos recebiao nossa santa fee, triumpharao 

com a occasiao do achaque do padre, e come^arao a lan^ar voz e 

persuadir ao povo, que aquelle fora castigo que Deus dera ao pa- 

dre por querer profanar o seu Tabot, e que Abba Guarrima o al- 

can^ara de Deus, pera que sua igreja nao fosse profanada com a 

missa dos Portugueses. Soube isto o padre, e como ali tinha con- 

sigo o mordomo mor do viso Rey Keba Christos, com muita gente 

pera Ihe dar guarda, ao dia seguinte foise a igreja, e fez tirar della 

fora o Tabot, e que o abrissem e vissem o que dentro estava. Re- 

punharao a isso os frades quanto puderao, mas como o padre e o 

mordomo m6r do Viso Rey apartarao, foi for^ado abrirse huma 

portinha que tinha como de almario, e vendo o que estava dentro, 

acharao hum envoltorio de veos de seda; tiraraono fora e desen- 

(I) « o successo » adiect. ab A. in margine. Scripserat u a [cousa] ». 
C. Bbccari. /ier. Aefh. Script, occ. tned, — VI. 53 



Digitized by 



Googl( 



41 8 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

rolando seis ou sete veos finos, acharSio dentro, cozido em hum pe- 
da^o de teada gprossa, hum bambu de grossura de hum dedo e 
cumprimento de hum covodo [sic]. Ficarflo os frades cheos de raiva e 
de vergonha ; a mais gente pasmada, sem se detriminar no que sigfni- 
ficava tam impertinente supersti<?ao. O padre triunfando Ihes disse : 
Isto era o que a mym me impidio ontem a missa; nao quiz Deus 
que tam limpo e alto sacrificio se celebrasse em altar immundo 
com superstiQOes e reliquias tam claras do judaismo. Este bambu 
que cousa h6? senao huma figura da vara de Moises e Aram, e 
a caixa, em que estava, outra da Arca do Testamento, em tudo 
sois iudeos, na circuncizao, nos veos e curtinas, que pondes diante 
dos vossos altares, e ate nesta arca e vara que dentro nella guardais. 
6. Virga recens cx ^Disse o padre missa, deu a comunhao a muita gente ; o bambu f. 337. 

Tabot*'illo"multi8 "i^ndou ao arrayal ao viso Rey Keba ChristSs; elle o mandou 

involuu scricis vclis 2.0 Dancaz ao Emperador, aonde eu o vi; o Emperador o mandou 

reperu fuerat, a Pro- . ^ a ^ a 

rege mittitur ad im- a Gojam a seu irmao Ras Cella Christos ; mostravaono a todo o 

^1ke"o«endend!l^ "^""^^' P^"^^ zombando, parte emvergonhandose da cegueira em 
iubet, ut omnibus pa- que at6 entao tinhao vivido, dando a Deus mil gra^as pelos ter 
lebriorum Tabot su- alumiado com a luz e conhecimento da santa fee de Roma. E 

perstitiosum esse ct ^q^^q q Emperador o bambu na mao, Ihe ouvi eu dizer, que outras 
nsu dignum. ^ ^ 

superstigOes peores Ihe dissera hum Abbuna estavam dentro dos 

tabotes de outras igrejas, e mosteiros famosos, e que em hum vira 

huma figura de huma mulher com humas tetas muito desformes, e 

querendoa tirar, os frades Ihe derao tantas peitas que a deixara. 

Os de Abba Guarima tam fora estiverao de folgar com se verem 

livres do iugo e vstra de Arao, que tanto que o padre dali se par- 

tiu, chorando terem perdido a vara, tomarao logo a meter na igreja 

o Tabot e a dizer missa sobre elle, o que sabendo o viso Rey Keba 

Christos finissimo catholico, mandou la hum capitao com gente, 

tirou o Tabot, felo vir a seu arrayal, e ali o mandou fazer em 

achas e queimar a vista de todo o mundo; e por aqui se vera 

quam iudeos sao os Abbexins, e quam afferrados a todas as cousas 

da ley velha. Veia frey Luis Urreta a quem hade crer, se ajoao 

Baltezar, ou a este testemunho de toda Ethiopia. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XI. 

De como Ras veo A corte, e nella morreu a Oziero 

Amata Sion ; vierao pera Dambe& alguns padres de 

f.337,v. Tigr6 ; acabej* a visita, e os padres se partirao por 
varias partes. 



Nao he cousa nova crescer a inveja no peito dos maos par a i. AuHcorum in- 

par com as prosperidades dos bons; tanto quanto aos bons cresce rummalevolentia 

o favor e boa graca da fortuna, ou pera dizer melhor, quanto cres- ^^ ®*^* SJl!!*^ * 
° ^ ^ ^ suprema mihtiae du- 

sem as merces com que Deus os favorece, tanto cresce a raiva e cis dignitate remo- 

•I' / \ TT* • . . j vetur et 8ub honoris 

odio com que os maos os persegiiem (i). Viose isto em todas as re- gpgciem in Dancaz 

publicas, reinos e imperios do mundo, principalmente entre capi- evocatar. 

taas que guerreavao, venciSo, sojeitavao inimigos poderosos longe 

dos olhos de seus reis, e cortezaos que nunca arrancavao espada, 

nem virao o rosto a inimigos armados, antes vivendo sempre a 

sombra e nas delicias do pa^o, raivavao de verem que o nome 

alheo voava pelo mundo nas azas da fama. Estao os livros cheos 

de exemplos dos Anibaes, ScipiOes, Belizarios, Alburquerques. 

Nem podia faltar esta peste em Ethiopia, aonde a da heregia, raiz 

e fonte de todos os males, tinha inficionado a tantos perversos co- 

ra^Oes. Tomei esta salva no principio deste capitulo, porque nelle 

comego a tocar os disfavores que o emperador Seltan Qagued neste 

(i) u tanto cresce perseguem », adiect. ab A. in marg. 



Digitized by 



Googl( 



420 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

tempo come<?ou a fazer e ao diante continuou, cada vez mais, com 

evidente dano de seu imperio e ruina toda da santa fee, a seu ir- 

mao Ras Cella Christos, movido a isso por ditos de invejosos. Era 

neste tempo Cella Christos viso Rey de Gojam e governador das 

terras dos Agaus, e deviaselhe este governo quasi de justiga, assy 

por elle com sua lan^a o ter sojeitado ao imperio, como por Ihe 

ter ganhado as vontades e coragOes, livradoos dos Gallas *que os f. 338. 

tinhao quasi de todo destruidos e acabados; no que os obrigou 

tanto, que nao s6 o amavao como a pay e libertador seu, mas, por 

elle assi Iho pidir, tomavao muitos delles a santa fee, deixando o 

culto do diabo e idolos que adoravao e as muitas mulheres com 

que cada hum era cazado, que erao os mais fortes grilhOes com 

que o diabo os tinha. prezos. Raivava o infemo com perder cada 

dia tantas almas, quc pelo santo bauptismo entravao parte no ceo 

parte no rebanho de Christo ; e como na corte avia muitos do 

bando infernal, que vestidos de pelle de ouveiha e professando a 

santa fee de Roma, tinhao debaixo escondidos os dentes e unhas 

de lobos, intendendo que, se Ras tivesse consigo os Agaus, nao 

averia for^as que pudessem prevalecer contra os catholicos, cuja 

coluna elle era, tantas cousas souberao dizer ao Emperador ate que 

em rezao de estado se persuadio, que Ihe convinha tirar a Ras 

aquelle mando e dalo, como o deu, a seus filhos o principe Faci- 

ladas e infante Marcos. 

a. Hic Hcct gravi- Sintiu este golpe Ras Cella Christos quanto se pode encarecer, 

tcr ofTcnsus tcmpori ,, , 

ccdcndum ratus, ma- P^^ muitas rez5es: a pnmeira, porque Ihe cortava grandes tra^as 

s^sitincribt^ctnon e bons intentos que pera o diante (em prol e augniento da santa 

sinc vitac discrimi- 

nc, patrc Almcida fee) hia fundando; a segrmda, pola perda de tantas novas plantas, 

pro^crat.' In idnere ^^^ ^^"^ ^®^^ favores come^avao a crescer na fee, e debaixo de 

rcsidcntiam ct scmi- novos senhores sabia se aviao logo de ir murchando ; a terceira, por 
narium Collcl4 invi- . « r . -r- 

sit ct ncccssaria ad ^'^r q^e isto Ihe fazia o Emperador seu irmao como em vingan^a 

novam ibi ccclcsiam ^ castigo de elle se ter vindo do Amara, sem ter concluida a 

czstrucndam suppc- ^ 

ditat. guerra contra o alevantado filho de Cabreel; tendo Ras pera sy que 

nella tinha feitos a seu Rey e ao imperio taes sirvigos que antes 

merecia acrescentamento de novas merces* que disfavores e casti- f.338»*- 

gos ; pois vencera ao inimigo em muitas batalhas, e nao no acabar 

de todo fora nao culpa sua, mas de muitos dos que estavao na 

corte favurecidos e privados do Rey, e favorecendo daly secreta- 

mente com avisos, com ouro e muitas outras ajudas ao mesmo 

alevantado. Finalmente por ver que podiao estes tanto com seu 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XI. 42 1 

senhor e irmao pera seu mal, do imperio, e da santa fee, que Ihe 
hia perdendo o amor, e entrando com elle em desconfian^as, se 
fiava de inimigos figadaes, que, andando a seu lado e bafo, Ihe ro- 
iao as entranhas e procuravao beber o sang^e. 

Este sentimento dissimulou Ras quanto pode, posto que a con- 
fian^a das obriga^oens em que o Emperador Ihe estava, assi do 
sangue, como dos grandes servi^os que Ihe tinha feitos; e o ser 
colerico por natureza Ihe dava ousadia a dar de quando em quando 
mostras claras da magoa que em seu peito tinha ; o que alcancjando 
o Emperador, o chamou ao Dancaz com palavras e mostras do 
amor que Ihe tinha. Era isto no cabo do invemo, posto que elle 
nao era ainda tam acabado que faltassem nos caminhos lamas e 
nos rios taes enchentes, que os faziao assaz difficultosos de vadear. 
Com todas estas difficuldades se partiu Ras de seu arrayal de Cerca 
pelio caminho de Bed e Tacu^a, donde, forcjado dos attolleiros, se 
embarcou em hum tanquoa e passou a Gorgorra, atravessando hum 
bra^o do seu mar ou alagoa de Dambea. Fomolo receber a praya 
o padre Luis Cardeira e eu, que entao nos achamos naquella resi- 
dencia; agasalhouse em nossa casa; alegrouse muito com ver ao 
padre e ouvir os orgaos e instrumentos muzicos que o padre ali 
tinha, e ver que os mininos do siminario hiao aprendendo o canto. 
f. 339. Aqui me prometeu de fazer em Collela huma igreja de *pedra e cal, 
pera nella se meterem e estarem com a honra e decencia que me- 
reciao os ossos de seu mestre, o padre Francisco Antonio de An- 
geles, pera a qual obra a Oziero Cebela Oanguel, sua molher, e os 
mais dos seus capitaes, que a Ras accompanhavao, prometerao 
dar cada hum boas esmolas. 

De Gorgorra partio p^ra o Dancaz, pedindome que me fose a 3. Ab Imperatore 
pos elle, o que fiz; o Emperador recebeu a Ras com afabilidade ccpt'us brevT^^ 

e mostras de amor, e praticando ambos as rezOes de queixas e ^odtm in gratiam 

redit. Industre huius 
as disculpas que tinhao, facilmente soldarao suas quebras. Procedeu viristudiumprosuo- 

ali Ras com grande exemplo de verdadeiro catholico, continuando ™» P^pulanum ad 
^ ^ catnolicam ndem 

cada dia as missas e pregagOes e frequentando os sacramentos conversione. 
da confissao e comunhao ao menos cada outo dias; e nao s6 elle, 
mas toda sua gente fazia o mesmo, principalmente os mayores ca- 
pitaes seus, a saber Gojamanagaes Adaro, Fecur Egzy, seu Bel- 
latinoche Goita, idest mordomo mor de sua casa, Za Selasse Fi- 
taurary, idest capitao da vanguarda, e marichal, os capitaes da 
mao esquerda e direita, Za Manifas Keduz, Abrianos e outros mui- 



Digitized by 



Googl( 



1 



422 HISTDRIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

tos que seria largo contar. Nem se contentava com ouvir as pre- 
gagOes dos padres cada dia na igreja, mas gastava a maior parte 
do dia pregando elle, ou insinando em sua casa, lendo seus livros 
e mostrando nelles os lugares que tinha notados, com que se pro- 
vava serem verdades catholicas e certissimas todas as que insina 
a Igreja Romana, e aver na doutrina de Alexandria mil* implica- f.339.v- 
96es e erros, nao s6 os de Eutyches e Dioscoro, mas outros muitos 
e mui absurdos. Estava continuamente sua casa chea dos principaes 
do arrayal, e todos pasmavao da efficacia e evidencia com que 
provava o que dizia. Hum dia mandou chamar aos grandes do ar- 
rayal, letrados, depteras e frades que ali avia de mais nome, e 
despois de praticar largamente os louvores da f6e de Roma, fez 
ler em hum livro dos seus hum passo em que dizia, que a Virgem 
Senhora nossa morrera em janeiro, e seu corpo sacratissimo esti- 
vera at6 os quinze de agosto na sepultura ; e daqui tomou occasiSo 
pera diz^r que vissem quanto mais honrava a igreja Romana a Vir- 
gem, que a Alexandrina, pois esta a detinha seis mezes na sepul- 
tura, sem as honras da assump^ao, e aquella so tres dias, e estes 
ainda nao perfeitos (p^ra que nisto o corpo da may se confor- 
masse com o de seu bento filho), festejava a gloria incomparavel 
de sua assump^ao. Logo perguntou a hum frade muito velho e 
de muita authoridade quantos Abbunas de Alexandria conhecera 
em Ethiopia : respondendo elle, que quatro ; perguntou mais, quan- 
tas vezes os ouvira pregar e quantas igrejas fundarao e fizerao em 
Ethiopia aquelles quatro Abbunas. Disse o frade quo a nenhum 
ouvira prega^ao, nem ouvira dizer que elles algum dia pregassem 
e menos que algum delles fizesse igreja alguma. Perguntou mais a 
hum Egypcio chamado *Joseph, que tinha sido lingua de dous ou f.34o- 
tres Abbunas, se custumavao elles ter mulheres. Respondeo que si, 
e que o Abbuna Simao tinha, nao huma s6, mas seis ou sete, e 
que a sua propria Ihe tomara e vivera com ella muito tempo, como 
se fora sua ligitima mulher; o que tudo era sabido e publico em 
Ethiopia. Tomou entao Ras a mao e com grande zelo disse a todos 
que attentassem bem no que viao e ouviao, que ponderassem a 
diflFerencia que avia entre os pregadores e mestres da fee de Roma 
e os da Alexandrina; e pois sabiao todos quam limpa, santa, an- 
gelica era a vida que os padres da Companhia faziao e fizerao 
sempre em Ethiopia, e que nao ouvera nunca quem nella pudesse 
p6r nodoa nem tacha: por ali conhecessem, que aonde estava a 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XI. 423 

limpeza da vida e custumes, estava a pureza e verdade da fee e 

ley de Christo Senhor nosso; e que o mesmo coUeg^ssem do zelo 

que nos padres viao de pregar cada dia a santa f6e com sermOes 

tam doutos e rezOes tam efficazes; e de os verem fazer igrejas 

pera a honra e culto divino, tam fermosas como o erao as de Gor- 

gorra e Ganeta Jesus; obras a que nao se sabiao fizessem alguma 

hora outras semelhantes quantos Abbunas em tantos seculos vierao 

a Ethiopia. 

Foi ouvida esta pratica de Ras Cella Christos com grande gosto 

e aplauso dos bons catholicos, e com igual confusao e raiva de muitos 

f.34o.v. que ali estavao fingidos *e obstinados em suas heregias, os quaes, 

como muitos erao dos mais privados do Emperador, fazendo pegonha 

do santo e catholico zelo de Ras, Ihe forao dizer, que Ras havia 

cedo de ser causa de algum grande motim e alvorogo pera ruina 

e destrui<;:ao do imperio ; e posto que a fee de Roma era boa e ver- 

dadeira, nao se avia de meter a forga nos coragOes da gente, nem 

se avia de injuriar a de seus pais e avos, com que todos se criarao, 

e em que ouvera (como elles querem) tantos santos. O Emperador, 

que ia estava espinhado e, posto que amigo da fee, nao estava tanto 

avante que pelo reino do ceo quizesfe totalmente perder nem arri- 

scar o da terra, sintido de seu jrmao, o reprehendeu e daly por 

diante se mostrou menos gosto delle ; e posto que tinha necessidade 

de o mandar outra vez ao Amahara contra o alevantado, nem quiz 

nem se atreveo por entao ao occupar na empresa, antes o deixou 

tomar pera Gojam donde era Viso Rey ; e despidindo algumas com- 

panhias de soldados pera o Amahara, sayo tambem do Dancaz, lan- 

gando fama que hia em pessoa a guerra pera que a gente se Ihe 

ajuntasse. 

Pouco despois faleceu no Dancas a Oziero Amata Seon (fa^o 4« Oxiero Amau 

^Sion» pientissiinae 
aqui particular men^ao da morte desta senhora, porque raras forao foeminac, mors et 

nesta terra as de sua qualidade, que a merecessem a Deus tam boa). «^ogium. 

Era a Oziero Amata Seon neta do emperador Malac ^agued, filha 

■f. 34»- de huma sua filha, e de Cafluad viso Rey *que foi de Tigre mais 

de vinte annos; em partes naturaes, assi do corpo como da alma, 

era a phenix de Ethiopia, no entender e alcancjar as cousas, na lin- 

g^agem, desenvoltura no falar, gra^a e gentil parecer todas as damas 

da corte Ihe pagavao pareas. Como tinha tam bom intendimento, 

ajudada da gra^a divina, trabalhando nisso o Emperador, Ras Cella 

Christos e os padres, veo a conhecer a verdade da santa fee de 



Digitized by 



Googl( 



424 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Roma e a se professar por catholica, com espanto e raiva de quasi 

todas as Ozieros, que sfto as senhoras descendentes do tronco im- 

perial, as quaes (como ia disse muitas vezes) assy como no seu viver 

sempre forao soltas e livres, assy pouquissimas merecerao a Deus 

luz pera sairem das trevas e erros do Egypto ; e de todas ellas foi 

Amata Seon flagello, dous ou tres annos que viveu depois de re- 

ceber nossa santa fee. Sua morte foi de parto, porque movendo, e 

nao podendo lan^ar as pareas, com dores notaveis, estando em seu 

perfeito iuizo ate o derradeiro arranco, deu a alma a Deus seu criador ; 

dous dias antes mandou chamar ao padre Luis d^Azevedo, o qual 

nelles a accompanhou, instruiu e ajudou pera aquelle trance como 

medico de almas bem experimentado ; confessouse com o padre huma 

e muitas vezas, e fazendo a Deus e a Virgem Maria sua may 

muitos colloquios, muy conforme com a divina vontade, passou da 

vida mortal pera a eterna. 

5. Seltan SagAd O Emperador, antes de sair do Dancaz, pediu ao padre Antonio 

^^patres ex Tigre Fernandez superior que mandasse vir de Tigre ao padre Diogo de 

in GoggiAm advo- Mattos, porque o queria ter consigo ; polo que tanto que os cami- 

ad rciigioaani disci- nhos se abrirao, no cabo *de novembro, na primeira cafila veo o f.34».^- 

8crvlmdam*aug'cn- P^^^ Diogo de Mattos, e com elle os padres Gaspar Paes e Thome 

damque pietatcm Barnetto, ficando em Fremona os padres Manoel Barradas, Manoel 

p r o b c constitutis, 

▼iaiutoris munus di- Lameira, Jacinto Francisco. Chegarao os tres padres a Gorgorra 

°***^*' meado de dezerobro, aonde ajuntandonos o padre superior Antonio 

Fernandez, o padre Luis d*Azevedo, o padre Luis Cardeira e eu. de- 

mos principio as juntas de cada anno, que ao diante se continuarao 

com grande fruto e consola^ao de todos ; porque nellas renovavamos 

a vida, e exercicios da cummunidade em que nos criaramos, tendo a 

campa tangida, nossa ora^ao, exames, ladainhas e meza, lendo e 

servindo a ella as vezes, comendo no chao, bejando os p6es, e to- 

mando disciplinas pubblicas; renovavao os votos, os que nao erao 

professos, precedendo o dia d' antes pratica da renova^ao do spirito, 

e o que era o principal, ajuntandonos todos cada dia pola menha 

e a tarde, tratavamos e confiriamos os meos e modos que seriao 

mais accomodados e eflB.cazes pera e conserva^ao de nosso spirito 

e pera a obra da redu<;ao em que todo o anno andavamos occupados. 

Aqui a votos dos mais se resolviao muitas duvidas e assentavao 

ordens que todos guardavamos. Nesta primeira junta assentei e de- 

clarei algumas que ficarao por assento de minha visita ; o que feito, 

a dej por acabada e deixej o officio de visitador; porque o padre 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XI. 425 

Aadre Palmeiro me tinha escrito que, acabado hum anno, o desse 

por acabado; e ia avia hum anno que eu chegara a Magua. 

Logo o padre superior Antonio Fernandez ordenou que o padre 6. A p. Femandex 

f. 342. Thome Bametto fosse pera a residencia dos Agaus, o padre *Ga- tore^d^e^tinantiTr 

spar Paes fosse em missao ao reino de Begameder, do qual era viso p.BametoadAgoua, 

p. Gaspar Paex in 
Rey Za Christ6s cazado com huma filha do Emperador chamada Ma- Begamedcr et a. in 

lacotavit, e ambos desejavao ter consigo algum padre de nossa com- JJf ™^ ^ratorem in^ 

panhia; e porque o viso Rey dos Damotes Buco, grande catholico, visant, munera pro- 
. , , . ,. . , , , fcrunt, bencvolentis- 

tmha os mesmos desejos, e pedia muito hum padre, me mandou gimc excipiuntur. 

para la o padre superior. Todos nos partimos iuntos psra de caminho 

irmos visitar ao Emperador, que estava em campo em a terra de 

Anfras, iunto ao rio Ereb. Recebeunos com muito amor e mostras 

grandes de affabilidade; ofFerecemoslhe hum catre dourado, que 

mandaramos vir da India; estimouo muito, porque outro, que pri- 

meiro tinha, se Ihe queimara por desastre, e como o catre he o trono 

dos Emperadores abbexins, importa que seia rico pera ser autho- 

risado. 



C. BeccARi. Rer. Aeth, Script. occ. tned. — VI. 54 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPiTULO xn. 

Principio da residencia dos Damotes ; vitoria que alcan- 
^arflo dos Gallas Ras Cella Christ6s e o viso Rey 
Buc6. 



Dous dias nos detivemos no arrayal do Emperador; e logo, i. A. cump. B«r* 
avida licenQa, nos despidimos pera Gojam o padre Thome Bametto inviaunt in Cerc4. 
e eu ; o padre Diogo de Mattos ficou com o Emperador, e sempre ^P^* au^icalls no- 
daly por diante o accompanhou na paz e na guerra ate sua morte ; ritu ponitur. 
o padre Antonio Fernandez e o padre Gaspar Paes tomarao pera 
Gorgorra. Os que hiamos pera Gojam passamos o Nilo em tanquoas 
pelo passo de Dara, que esta poiico despois do rio sair da alagoa. 
Chegamos a Cerca a visitar a Ras Cella Christ6s, o qual nos recebeo 
com sua custumada affabilidade; estavSo ali os padres Francisco 
f-342,v. Carvalho e Antonio Bruno : *todos quiz nos achassemos a solenidade 
e festa que fez lan^ando ali a primeira pedra a huma ig^eia de pedra 
e cal, que logo detriminou fazer tanto que soube se achara pedra 
de que a cal se fazia: em ianeiro Ihe lan^ou a primeira pedra e aos 
oito de septembro do mesmo anno de 1625, celebrou a festa de sua 
dedicagao, tanta foi a pressa que deu a esta obra polo grande de- 
sejo que tinha de ser o primeiro que a Deus e a Virgem Maria 
Senhora nossa alevantasse em Ethiopia igreia de pedra e cal. 



Digitized by 



Googl( 



428 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

2. Relicto inter De Cerca se foi o padre Thome Bameto pera Tanqha arrayal 

Agous Bameto, A. , . , . , * a ^ ,* ,a , . , 

in Damot progredi- © assento da residencia dos Agaus e eu pera CoUela, aonde avia de 

tiMT. Quae gentea esperar recado do viso Rey Buc6 pera me partir pera os Damotes. As 
gua diversae regio- terras que elles aqui possuem e habit^o sao as mais austraes do reino 
benevolentiaeet ho- Grojam ; lavaas o Nilo por esta parte do sul e divideas dos Gallas 

noris signiflcationi- q^q alem delle morSo ; ao ponente ficSo Gongas e Agaus do mesmo 

bu8 A. a prorege ^ jt o o 

Buc6 fucrit exceptus reino Gojam, ao norte e oriente os proprios naturaes deste reino com 

regiiscaatriB- h^m "^^^^^s Amaharas que sao senhores das mais e melhores terras delle; 

«itus et munitionea. estes dous lados pertencem ao vice reinado de Gx>jam, que se estende 
em varias comarquas por espa^o de mais de corenta legoas. As dos 
Damotes terSo de comprimento vinte, de largura oito ate dez ; deste 
espa^o da terra sSio senhores os Damotes ; porem entre elles ha muitas 
e varias castas de gente, que Ihes lavrao e cultivao as terras, apa- 
centao seu gado e vivem de mercancias; nao sei se no mundo em 
tam pouco espa^o de terra avera nagOes tam varias e de tam dif- 
ferentes linguas ; porque primeiramente vivem aqui muitos Gafates, 
os quaes sao igualmente dados a lavora e cria^ao de grandes re- 
banhos *de vaccas e bois, entre os quaes tem muitos que chamao f. 343. 
Gueches de grandeza muito notavel; sua came he muito saborosa, 
porque nao sofrem jugo, e criaose em varzeas que todo o anno tem 
herva muito alta e verde. Estes sao aquelles cujas pontas servem 
de vasilhas pera levar o vinho nos caminhos, e ha muitas quo levao 
outo e dez canadas cada hum. Estes Gafates povoao as ribeiras do 
Xilo, e muitos delles tem amisade e se cazao com os Gallas, que 
dalem do rio morao, e assy ora se ajuntao com elles pera virem roubar 
as terras de Gojam, ora com os moradores de Gojam pera irem dar 
assaltos nos Gallas. 

Vivem mais nestas terras muitos Zeites, gente vinda de junto 
a Narea, e assi sao ordinariamente tratantes e chatinao pera aquelle 
reino levando sal, cobre, roupas do mar, e trazendo dela ouro e escra- 
vos. Vivem mais aqui muitos Xates e Xaoas, vindos de suas proprias 
terras que estao alem do Nilo, e sao grandes lavradores e pastores ; e 
afora estes muitos Agaus, pela parte que com suas terras confinao as 
dos Damotes ; e todos estes falao linguas tam differentes humas das ou- 
tras como a Portugueza o h6 nao s6 da Castelhana, mas da Italiana, 
Franceza e Framenga. Hum bem tem, que sempre ha entre elles 
alguns dos mais politicos que sabem falar a lingua Amara, que he 
a da corte, os quaes nas confissOes e prega<;C>es servem de inter- 
pretes. Vindo ao caminho que pera esta terra hia fazendo, tanto que 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XII. 429 

o Viso Rey soube que eu estava em Collela, logo mandou a seu me- 
stre Azage Za Christos, grande catholico e Abba Pachimos mestre 

<^-343»v. tambem da gente e familia *de sua casa, com bom accompanhamento, 
que me viessem buscar e levassem ate o seu arrayal de Namora, 
em que entao estava, mandando juntamente recado aos capitSes e 
principaes senhores dos Damotes pera que se ajuntassem no arrayal 
pera me receberem e ouvirem as pregagOes e doutrina da santa 
fee de Roma. Partido de Collela, entrei logo pela terra dos Damotes, 
que ali perto come^a, e passados dous ou tres rios (que os ha aqui 
muitos, entre grandes montes), fomos durmir a Chat Orqha, em casa 
da may do Viso Rey, que me recebeu e agazalhou com grandes 
mostras de amor ; dali a outro dia pelos altos de Berbereza, terra muito 
fria, fomos dormir iunto ao rio Cachem, cujas ribeiras sSo povoadas 
de arvoredo mui basto e fresco, e elle de muito e saboroso peixe. 
Agazalhou nos ali hum dos capitSes do Viso Rey com muita li- 
beralidade. Ao dia siguinte, passada huma grande ladeira alem do rio, 
em huns campos altos, encontramos logo com huma manga de ca- 
vallos e hum escoadrSo de gente de pee, que por ordem do Viso Rey 
nos vinhao receber com grande festa, fazendo huns e outros seus 
caracoes e escaramu^as; pouco adiante mea legoa do arrayal, as- 
sentado no campo, me estava esperando mesmo Viso Rey com toda 
a nobreza e gente de guerra dos Damotes. Apeeime, e alevantandose 
elle, me recebeu nao s6 com amor extraordinario, mas com tantas 
mostras de cortesia e humildade, que me envergonhava, nem he 
exagera^ao, porque geralmente os Abbexins tem notavel respeito e 
reverencia a seus mestres, e entre os grandes desta terra o viso 
Rey Buc6, assi como se esmerou sempre em todas as boas partes, 
especialmente nas que pertencem a fino catholico e bom christao, foi 

f. 344- exemplo e spelho rarissimo ; *a nenhum dos padres fazia menos cor- 
tezia que a seu Rey ; tanto que disserao muitos que parecia hum bom 
novi^o diante de seu mestre. Acabadas as commuas saudagOes de- 
stas primeiras vistas, caminhamos pera o arrayal, antes do qual hum 
tiro ou dous de espingarda, nos esperava hum choro de frades e cle- 
rigos revestidos a seu modo sacerdotalmente, com muitos turibolos 
e cruzes nas maos, debaixo de huma curtina estendida a modo de 
pallio, cantando todos o Benedictus e outros psalmos e canticos de 
prazer ; apeeime, fui beijar a santa cruz e fomos entrando pelo arrayal, 
o qual como hc o ordinario assento e corte dos Viso Reis dos Da- 
motes, posto que nao muito grande, esta muito bem situado em hum 



Digitized by 



Googl( 



430 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

oiteiro alto e tam ingreme que 86 por huma, ou duas partes se 

deixa subir ; e sobre isso o tinha Bucd cercado de tres cercas de 

muro, as quaes, posto que de pedra en^o^a, por faltar na terra cal e 

chunambo, erSlo porem de paredes grossas e de boa ahura. 

3. A. acceptis a NSo tratarei (i) aqui de quam esplendidamente me c^azalhou, em 

diSi^pro 8^ Butten^ ^^^a nova, fwta s6 pera este intento (2), muito j)erto da sua, donde 

udone ct cccl^lme ^ada dia mandava jantar e cea pera mim e pera a g^ente que me 
culta, domum tibi in ^ ^ r o i 

QabramA ex lignis accompanhava em (rrande abundancia : vacas, cameiros, muitos ca- 

sis mir« ex8tr^t*cc' ^^®* ^^ vinho de mel, sava e gr^nde numero de apas. Faziao o 
leriute. Interea u- mesmo os capitaes e Damotes principaes, mandando ate as alfayas 
tum clcricoe et po- necessarias pera a casa. Sobre tudo offerecerSo logo pera o gasto 
pulmres verae fldei (Jaquelle anno, at6 chegar a novidade, cem cargos de mantimento, 

diu noctuque non que montSo mil alquetres, pouco mais ou menos; o Viso Rey as- 

intermittit. . . ^ j «j • • • ^ r- 

smou lugar pera assento da residencia e igfreja na comarca de (jh- 

brami, junto a outro arrayal* seu em que custumava invemar; e f.344i^- 

aqui deu sinco aldeas de terras muito boas em que tinha primeiro 

aposentados muitos de seus capitaes e soldados ; e naquelle invemo 

ajuntou cem vacas, afora outras esmolas de ouro e panos. Mas dei- 

xando estas temporalidades, comecei logo no arrayal k preg^ cada 

manha na igreja, gastando tambem a mayor parte do dia em re- 

sponder a muitaus duvidas e perguntas, que os mais curiosos, e que 

se prezavao de saber seus livros me vinhao fazer; tendo sempre 

pera todos a porta aberta, e sendo o Viso Rey hum dos que a 

mor parte do dia me nao saia de casa, trazendo k ella todos os 

principaes, pera mais devagar se inteirarem nas verdades da santa 

fee de Roma, propondo juntamente algumas perguntas curiosas de 

varias materias. Do que tudo ficavao tam satisfeitos que nao podia 

ser mais, especialmente dos louvores que Ihe dizia e pregava da 

Virgem Maria senhora nossa e das imagens da mesma Senhora que 

Ihes punha no altar; choravao de terem primeiro pelejado com 

Ras Cella Christos pera deffenderem seus erros e encontrarem esta 

fee : lamentavao a triste ventura dos que naquella batalha morrerao 

enganados; lan^avao mil pragas e maldigOes a seus frades e er- 

mitaes, que os enganarao dizendo que os Portugueses erao inimi- 

gos da Virgem nossa Senhora e amotinarao pera perdi^ao de suas 

almas e de seus corpos. Muitos se confessarao logo e comungarao. 

(i) « tratarei » substituit A. voci « fallarej »>. 
(2) « intento » subst. voci « effeito ». 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XII. 43 1 

Mas o Viso Rey quiz que eu por entao me nSo detivesse muito, e 
que fosse dar ordem as casas e igreja que em Gabrama queria se fi- 
f. 345. zesse, antes que o invemo entrasse; porqueelle *tambem tratava de 
passar o Nilo e ir dar nos Gallas hum assalto. 

As casas comecei junto a huma igreja que estava em hum sitio 
accomodado, pera escuzar obras de madeira, porque aquella bastava, 
ate se acabar huma de pedra e cal que o Viso Rey queria fazer 
como o tempo desse lugar. Como as casas erSo das ordinarias da 
terra, e nellas trabalhava a gente toda das aldeas que o Viso Rey 
deu, de pressa se acabarao, principalmente porque estava ali junto 
huma deveza, ou mata muito grande de cedros e bambus, que era 
toda a materia necessaria pera a obra: e sao ali tantos os cedros, 
que todas as paredes e agueiros das casas se fazem delles, e ate a 
lenha que se queima he cedro, de maneira que todos ali podem 
dizer: Tigna domorum nostrorum cedrina; e de todos se pode cantar 
o que por grandeza notavel celebrava la o poeta da outra dizendo : 
Urit odoratam nocturna in lumina cedrum. 

Neste tempo se tragou e aparelhou o asalto que o Viso Rey, 4. Imperatoris 

e Ras Cella Christos forao dar nos Gallas. E foi com a occasiao c^^tdB^^^ansmiwo 

e pelo modo que agora direj. O viso Rey Buc6 tinha amizade e Nilo,Gaila8exinopi- 

. , , ^ ,, . . , , ., , nato adoriuntur, eo8 

ainda parentesco com alguns Gallas pnncipaes de certa cabilda, magnacladeafficiunt 

porque era natural de Ganz, provincia que os Gallas hd annos to- ®* pr*«d* ip primis 
marao ao imperio. Estes Gallas tinhao brigas e dissessOes com os potiuntur. 
de outras cabildas, pelo que detriminarao passarse pera as terras 
do Emperador, como ia outros o tinhao feito; pera isto mandarao 
recado ao viso Rey Buc6 e a Ras Cella Christos: ambos derao 
conta ao Emperador, e folgando elle muito com a vinda destes 
Gallas, assi pera ter menos inimigos, como porque destes se serve 
pera as guerras que tem com os mais Gallas, mandou a Ras e ao 
f-345.^. Viso Rey *que fossem receber a estes que se queriao vir pera suas 
terras, e achando boa occasiao, dessem nos inimigos algnm assalto. 
Aparelharaose ambos, mandando ajuntar sua gente de guerra; o 
Viso Rey me chamou pera se confessar e comungar, elle e muitos 
dos seus, que erao finos catholicos ; Ras chamou ao padre Francisco 
Carvalho, e levouo consigo muita parte do caminho confessandose 
e comungando cada dia muitos dos seus: passou por junto a Na- 
mora, arrayal do Viso Rey, saio o Viso Rey ao esperar e receber 
e eu com elle : detriminarao ir logo e passar o Nilo muito a pressa 
pera tomarem os inimigos descuidados; assy o fizerao: em tres ou 



Digitized by 



Googl( 



432 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

quatro jornadas se puzerSo alem do rio, entrando com muita reso- 
lu^ao pela terra dentro e subindo hum monte alto, derao Orary, 
como elles dizem, e val tanto como dizer arremeterao todos a redea 
solta pelos campos vizinhos, correndo seis ou sete legoas. ErSo 
aquelles os campos em que os Gallas entao apassentavao suas va- 
cas: virao de longe vir correndo os escoadrOes armados, sem pri- 
meiro terem delles nova alg^ma, ficarao sobresaltados ; fugirao com 
medo, cousa que pouccts vezes Ihcs acontece, deixando o gado, que 
he toda sua riqueza; foi a preza que nelle fizerao os soldados de 
Ras e do Viso Rey tam grande, que nao se lembravao os velhos 
de outra que antigamente houvesse igual a esta: so de Gueches, 
que sao os bois grandes de que acima faJlei, mandou Ras ao Em- 
perador trezentos (i) que dos quintos Ihe couberao ; de gente nao mor- 
reu muita, porque os Gallas fugirao; algumas mulheres e mininos 
vierao cativos. Recolheraose Ras e o Viso Rey sem perda alguma 
e com a preza toda a salvamento; e apos elles vierao passando o 
Nilo e entrarao em Gojam os Gallas amigos, que queriao viver 
nas *terras do Emperador e sirvillo, aos quaes deu Ras muitas das f. 346. 
vacas, que tinha tomadas naquelle assalto. Esta gente passou por 
Gabrama, aonde eu entao comegava a nova residencia; seriao ate 
outo centos Gallas de cavallo, afora mulheres e filhos e outros de 
pee. Os mais delles pareciao mais Gafates que Gallas, os cavallos 
erao os mais como sendeiros. mas sao muitos fortes e aturao gran- 
demente o trabalho, correndo o dia inteiro sem cansar. 
5. CurA.hocanno Ras Cella Christos, despois deste assalto, esteve alguns dias 

cclcbrarc fucrit coa- ^^^ ^^" arrayal perto de Zombent, terra de Gomgas, junto ao rio 

ctus, scmcl in castris Lach, pera dali arecadar o tributo que aquella cfente pacfa ao Em- 

Scla Christ68 ct itc ^ M H 5 i' 6 

rum in castris Buc6. perador cada anno, que sao quinhentas oqueas: ali o tomou a pa- 

scoa, a qual elle este anno quiz celebrar no dia que cahio pela 

conta de Roma, sendo assy que a de Ethiopia pela sua conta vinha 

hum mez despois da nossa. Muitos dos catholicos, entre os mais o 

viso Rey Buco, desejarao muito fazer o mesmo, mas o Emperador, 

por arrecear que o povo, movido dos hereges, fizesse sobre isso 

algum motim, nao quiz vir nisso, e pidio aos padres que moderas- 

s^m nesta parte os fervores dos catholicos; assi o fizemos e o aca- 

bamos com todos; s6 Ras Cella Christos nao quiz senao ser o pri- 

(i) Hic delevit A. verba « de presente e da parte » adiecta immediate particula 
« qiie )) et suppresso alio « que » post vocem « quintos », et loco vocis « coube » scri- 
psit « couberao ». 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XH. 433 

meiro que, deixando a errada conta de Alexandria, seg^isse a 
verdadeira de Roma. E dizia elle despois: Vedes como he verda- 
deira a fee de Roma : eis me aqui que este anno quebrei o jejum 
de Alexandria (e he entre elles o jejum mais sagrado que todas 
as cousas) jejuei a quaresma de Roma, e no meo da de Ethiopia 
festejei a paschoa, matando e comendo publicamente, eu e os meus, 
muitas vacas, e com isso me deu Deus a mayor vitoria dos Gallas, 
e a mayor preza que nunca delles tivemos em Ethiopia; desta 
maneira dava vaya aos hereges e confirmava aos catholicos. Ali 
f.346,^. *aonde estava me mandou chamar pera Ihe pregar na festa da pa- 
scoa(i), e despois chegando ella mesma pela conta da terra, fui a 
Namora pera a ter com o Viso Rey; e Ras que entao se achou 
ali perto, me mandou tres Gueches, dizendo que mos mandava, por- 
que, sendo elle Amahara e eu Portugues, me tomara Abbexim, 
quando elle ia era Romano. 

(i) « Da pascoa » adiect. ab. A. in marg. 



C. Beccaki. <^*r. A*/A, Scripi, occ. ined. — VI. 55 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO xm. 

De como se deu principio i residencia de Atqhan& em 
Begameder, e de outras cousas varias que neste 
tempo succederao. 



O padre Gaspar Paes, como acima toquei, foi de Gorjrorra a «• Novae residen- 

^ f » n » ^^ dae in AtquamA re- 

Begfameder como em missSo, chamado pelo viso Rey Za Christds, gni Begameder ez- 

e sua molher, a Oziero Malacotivit, filha do empcrador Seltan SJ^^jJ^^ces^Mae- 

(^agued; e foi tambem tentar e ver de caminho e [sic] a disposi^ao da ficitur, qui ibidem 

terra, pera ao diante se fundar nciquelle reino hiuna residencia nossa: pauperrime victitans 

foi o padre bem recebido e fez muitos servicos a Deus em tres «trenue quidem adla- 

^ ^ borat, at ob haere- 

SDmanas que por Id andou, posto que os hereges, que ali erSo mui- ticorum pertinadam 
tos, nSo levavao em paciencia veremse tam entrados dos nossos; ^^^^cmt^A^^ 
huma noite puzerao fogo a humas casas junto as em que o padre ^^- 
morava, pera que ellas eirdessem juntamente; mas Deus o livrou: 
tomouse pera Gorgorra, e dali a pouco depois da pstscoa ordenou 
o padre superior Antonio Fernandez que o padre Gaspar Paes fosse 
pera a residencia dos Agaus, e o padre Thome Bameto saisse della 
e fosse pera Tygr^, por elle assy o desejar; aonde tanto que chegou, 
veo de 14 pera Dambea o padre Jacinto Francisco chamado pelo 
padre superior com intento de o mandar pera Begameder, porque 
o Emperador falava muitas vezes nisto e desejava que naquelle 
f. 347. reino se fundasse casa nossa ; e assy tanto *que o padre chegou ao 
Dancaz, logo tratou com o padre superior sobre este negocio e as- 



Digitized by 



Googl( 



436 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

sentarao que o padre Jacinto Francisco fosse dar principio aquella 

residencia, como foi. Mandou o Emperador recado ao .Viso Rey seu 

genro e a sua filha, pera que recebessem bem o padre e Ihe 

dessem toda ajuda e favor; elles porem por certos respeitos, 

ajudarSo e favorecerSo ao Padre menos do que se esperava; de 

maneira que, se Ras Cella Christ6s nao acudira com algumas es- 

molas, elle e a gente que o acoompanhava, forSo obrigados a lar- 

gar a estancia a falta da necessaria sustentacjao; e ainda com as 

esmolas de Ras e com as do padre superior, passou o padre dous 

annos com tanta estreiteza que a m6r parte delles se sustentou de 

apas de sevada. Soube isto o Emperador o anno seguinte : deu logo 

ao padre as casas e boa parte das terras que em Atqhana tinha 

Ras Oldo Christos, hum grande senhor ia defunto, com o que a 

residencia ficou melhorada; porem forao tantos os encontros com 

alguns visinhos poderosos e com outros que primeiro possuiao as 

ditas terras, e o viso Rey Za Christos e os que Ihe socederao 

favorecerao tam mal ao padre, que sempre padeceu muito no tem- 

poral. O fruito spiritual naquelle reino foi tambem menor do que 

se desejava, assy por a gente delle ser mais ferrada a seus erros, 

como por os Viso Reys nao serem muito zelosos da reduc^ao, posto 

que o padre Jacinto com sua grande paciencia, zelo e trabalho fez 

tanto, que affei^oou a muitos e os rendeu e trouxe a nossa santa 

fee, como ao diante contaremos. 

Neste tempo, em mayo, decendo o Emperador do Dancaz a 

Ganeta Jesus, se festejou ali a canonizacjao de nossos santos padres 

Ignacio e Francisco de Xavier, cantando nella os mininos, que o 

padre Luis Cardeira tinha insinado, a primeira missa, que na corte 

de Ethiopia se ouvio ofliciada e cantada ao modo romano, *e dan- f.347/ 

gando huma dan^a de espadas que o padre Ihes insinou, despois 

de hum dialogismo, no qual quatro delles declararao que cousa era 

canoniza^ao, e que santos erao este dous novamente canonizados; 

repetindo em verso a sustancia de suas vidas com alguns de seus 

milagres, tudo na lingua do seu livro; assistiu a corte toda, ou- 

vindo com atengao e applauso, principalmente o Emperador, que 

logo mandou dar dez oqueas de ouro pera os mininos que entrarao 

na festa. 

a. Novi in Collell Quasi no mesmo tempo se lan^ou em Collela a primeira pedra 

templi fundamenta , . . j j i -d -^» ^ ^ 

iaciuntur. Plurium e ^ ^g^^J^ nova de pedra e cal, que Ras e seus capitaes prometerao 

primoribua ad Ro- (j^ fazer, dando Ras pera ella nao s6 boa ajuda de ouro, mas 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO Vrn, CAPITULO XIII. 437 

humas terrcis muito boas junto as antigas daquella residencia, por- manam fidcm con- 

, , ... - - . • 11 versio : quos inter in* 

que nestas se acnou hum sitio mais acomodado pera a igreja nelle cerc4 AbbA Escana- 

se fundar. Neste inverno em todas as partes foi muito por diante ^^^* ^ F^^ ."" 

^ -^ cerootio initiatus 

a redu^ao ; em Serca entre outros muitos se reduzio Aba Escanafer, AbbA Gregoriusnun- 

mestre do mosteiro da ilha Michereca; o qual primeiro esteve 

muito pertinaz, e oflFerecia o pesco^o ao talho pola deffensSo de 

seus erros, mas despois de reduzido, foi o primeiro Abexim que 

tomou ordens da mao do patriarcha, mudando na chrisma o nome 

de Escanafer em Gregorios. Em junho chegarao ao Dancaz as novas 

da vinda do patriarcha e de como era chegado a Bailur ; as quaes 

o Emperador e toda a corte muito estimarao e festejeirao e sobre 

todos Ras Cella Christos. Mats, antes de me meter nesta vinda do 

patriarcha, quero concluir em hum (i) capitulo algumas cousas que 

neste tempo socederao, pera despois, sem interromper o fio, contar 

de huma vez em alguns capitulos toda aquella historia. 

(i) <t Em hum » subst. A. voci « neste » deletae. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



f 348. «^CAPITULO XIV. 

Morte que Ras Cella Christds deu ao alevantado filho 
de Cabreel ; guerra que o Bmperador fez aos judeos 
de Cemen. 



Duas cousas houve, neste tempo at6 acabo do anno de 1625, «• ^^* Christds 

. r . -r* ^ ^, i-.t . A , media hieme contra 

mais notaveis: huma 101 a vitona que Ras Cella Chnstos alcan^ou rebelles AmharA 

do alevantado e morte que Ihe deu, a qual sucedeu como agora iJib^J?E^id^i8 

brevemente contarey. Mandou o Emperador a Ras Cella Christos haereticorum artiboa 

que logo com toda sua gente paisseLSse o Nilo e fosse buscar o ale- noscat, qui eum, ad- 

vantado filho de Cabreel, e nfto tomasse desta empreza sem na y«»**«*^ patriarcha 

^ Mendes, longe ab 

concluir. Ras sintio muito esta ordem do Emperador, porque tinha aula versari cupie- 

muitos queixumes dos disfavores que Ihe tinha feitos; tinha tam- iussa im^e^atorU 

bem sua gente cansada, porque o Emperador os fizera andar no ^^cit, et, innumeris 

. , T3 £ ^ . periculis superatia, 

verao na mesma guerra, amda que Ras ficara em Gojam, e mais rebeUes primo con- 

disto, esta ordem se Ihe mandava quasi no meo do invemo, tempo f^^^^ "* fugam ver- 

^ -^ tit eorumque castris 

em que nem hum homem escoteiro sem muita difl5culdade podia potitur. 

fazer aquelles caminhos, quanto mais hum senhor tam grande com 

excercito de muitos mil homens ; sobre tudo sintia ser esta ida em 

tempo que o patriarcha estava ja em Maegoga e de caminho pera 

a Corte ; sintia pois aqui Ras ir pera tam longe, e dilatarse o cum- 

primento dos grandissimos desejos que tinha de ver a Sua Senhoria, 

e tambem porque sabia quanto importava sua prezenga na corte, 

pera nestas primeiras vistas o patriarcha haver de ser recebido e 



Digitized by 



Googl( 



440 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

tratando [sic] como elle desejava, e pera se assentarem e ordenarem 
logo muitas cousas mui importantes pera o bem de santa f&e e re- 
duc^ao do imperio; em rezSo do que sospeitava, com grande fun- 
damento, que de proposito os inimigos de santa fee persuadirao ao 
Emperador seu irmao o mandasse tam longe pera nesta ^conjunQao f.348,T 
a ella e ao patriarcha faltar na corte o mayor procurador que em 
Ethiopia tinhao, 

Com todas estas rezOes de sentimento e magoa no cora^ao, 
foi for^ado Ras Cella Christos a se fazer prestes pera a empreza; 
mcis porque a igreja de pedra e cal, que no seu arrayal de Cerca 
se hia fazendo, estava ja em boa altura, quiz primeiro, antes de se 
partir, celebrar a festa de sua dedica^ao, e pera elia mandou cha- 
mar todos os padres que estavamos em Gojam; vierao dos Agaus 
o padre Graspar Paes, de Collela os padres Francisco Carvalho e 
Antonio Bruno, e eu dos Damotes. Estavao ali juntos todos os ca- 
pitaes daquelle reino e os frades catholicos de muitos mosteiros 
delle, com grande multidao de povo e soldadesca; era dia do na- 
scimento da Virgem Senhora nossa, anno de 1625; trouxe Ras a 
pedra de ara pelo modo que acima contei trouxera o Emperador 
a da igreja de Ganeta Jesus: houve missa solenne e prega^ao, na 
qual confiado na infinita misericordia de Deus e nos grandes favo- 
res que a Virgem Senhora nossa sempre alcancjou de seu filho ben- 
ditissimo pera seus devotos, especialmente pera aquelles que Ihe 
edifficavao templos, Ihe prometi vitoria e triumpho do alevantado: 
ficou muito contente e animado ; e alem desta e da de CoUela, que 
entao se fazia a sua custa, dedicada a nosso santo padre Ignacio, 
fez entao voto a Deus de edificar outra igreja tambem de pedra e 
cal dedicada a nosso santo padre Francisco de Xavier. Poucos dias 
despois come^ou a marchar pera o Amahara com seu excercito ; ao 
passar do Nilo, junto a Nebesse, teve grande trabalho, levoulhe a 
for<;ja d'agua muitas bestas de carga e alguma gente; no subir e 
decer as serras, que naquelle reino sao tantas, que nao ha senao 
decer huma e come^ar a subir outra, foi merce de Deus nao per- 
der cavallos, *mulas e a mor parte da bagagem. Ajudouo a Virgem, f. 349. 
por tudo passou rompendo difficuldades sem conto. O alevantado 
ficou com grande medo, vendo em tal tempo tam perto de si a Ras, 
foise retirando pera as terras da Xaoa, mas nao Ihe valerao os 
pees; alcan^araono em hum lugar acomodado humas companhias 
de gente que Rcis tinha mandado diante, decendo elle de huma 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XIV. 44 1 

serra a buscar no campo bastimventos [su] o principal destes escoa- 

drOes de Ras era dos Inaches, famosos soldados, seriSo ate seis 

centos de cavallo e trezentos de pee; houve pouco que fazer em 

romper ao inimigo, cuidou elie que vinha ali Ras Cella Christos, 

e o medo que delie tinha fez que s6 de fugir tratstsse : escapou por 

entao a unha de cavallo com alguns poucos que o accompanharclo, 

dos mais huns morrerao, outros cativarao; a bagagem, tendas, o 

catere, atabales, tudo deixou nas maos dos vencedores, e ate a coroa 

Ihe caio de cabe^a indo fugindo (bom agouro deste primeiro en- 

contro) a qual logo Ras mandou ao Emperador, que a festejou 

muito, e mandando a Ras os parabens, (i) Ihe encomendou que siguisse 

a vitoria e nao cesasse ate nao concluir com este inimigo. 

Tinhase elle metido em huma amba ou serra muito forte por 2. Postpaulo^r- 

Ti . . . dueUium dux, qui in 

natureza, cercouo Ras, e estava assaz pensativo por ver que a fortissimam muni- 

amba era inexpunhavel, e se o inimicfo tivesse mantimentos, nao tJon«oa se receperat, 

^ ^ a Galas, quibuscum 

podia aly ser entrado nem vencido; tinha consigo hum Galla, ho- foedus inierat, ez in- 

mem grande entre os seus e de grande cora^ao, concertouse com |eUCwX?g^^^^ 

elle, prometeolhe muitais e ricas pe^as, e o Galla se offereceu pera i>«o *cti8 et missis 

, , . n » T^ .•*,,,*<! Imperatorem 

matar o alevantado a trei^ao ; nngiu entao Ras que tmha delle cul- nuntiis de sua in- 

pas, prendeu em ferros, e dandolhe daly a pouco fuga laissa, o Galla q**^^!?J^^*^^*' ^^ 

com a cadea na mao se foi meter na amba em que o alevantado citu revertitur. 

estava, fingindo de Ras muitos queixumes, blazonando e amea- 

f.349,v. <;2tndo cruel vingan^a de tantas semrezOes. Folgou muito *o ale- 

vantado com a vinda do Galla, porque esperava por seu meu po- 

derse comfederar com muitos Gallas vizinhos; esperou o Galla 

alguns dias, e despoisque conheceu que o alevantado se fiava delle, 

disselhe que nao Ihe parecia bom conselho estar naquella amba 

morrendo a fome, que dessem huma chegada a terra dos Gallas, . 

aonde Ihe prometia nao s6 mantimentos em abundancia, mas que 

fariao pazes entre si e concertos p^ra o ajudarem nesta guerra, 

ate se vingarem de Ras. 

Pareceulhe ao alevantado este conselho muito bom, porque era 

a cousa que elle mais desejava; deixou na amba sua bagagem com 

a mais da gente que tinha em guarda, e foise com muito poucos 

soldados em companhia do Galla. Chegando pois junto a huma po- 

voa^ao, o Galla Ihe disse que o esperasse aly, em quanto hia diante 

a tratar o negocio com seus amigos e parentes, que logo voltaria 

(i) « A qual logo os parabens » adiect. ab A. in marg. 

C. Bbccari. Rer, Atik. Scrt^i. oce, ined. — VI. 56 



Digitized by 



Googl( 



442 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

com vacas bastantes pera Ihe matar a todos a fome; foi, e acon- 
selhandose com os seus, vierao todos a Ihe dar a morte. DefiFen- 
deuse o alevantado com muito esfor^o, e vendeo bem a vida, mas 
emfim, n^o podendo resistir a muItidSo dos Grallas, aly acabou, 
dandolhe tantas e taes pancadas na cabe^a com sua bolotas, que 
sao magas de pao muito duro e pezado, que Iha fizerSo em peda^os, 
e o corpo todo em retalhos, de maneira que pera mandarem a Ras 
pidir alvii^as, nSo tiverSo outro sinai sen^o o queixo com barbas 
c bigodes. Dia do glorioso apostolo sam Antonio foi morto ; no qual 
Ras Ihe entrou tambem a amba e ganhou toda a bagagem que 
nella deixara, e dia de nosso glorioso santo Francisco de Xavier 
(a quem Ras quando hia pera esta empreza fez voto de edificar 
huma fermosa igreja em Adaxa) teve a nova da morte do alevan- 
tado, que tanto desejava. (i) 

*Por merce tan assinalada deu Ras a Deus nosso Senhor, a Vir- f. 350- 
gem sua may e a sam Francisco de Xavier quantas gra^as podc, 
confessando que podia, e dava muito menos das que devia; tratou 
logo de voltar pera Gojam, e repartindo com seus capitaes e sol- 
dados os despojos, reservou pera si humas pe^as que o alevantado 
tinha tomado de huma igreja antiga, a saber hum caliz de ouro, 
que levava huma canada, e pezava dous arrateis, huma patena do 
tamanho de huma bacia, tinha em roda mais de tres palmos, tres 
culheres com que davao o sangue, duas de ouro e huma de prata, 
e hum livro da Escritura sagrada, grande, forrado de veludo cra- 
mezim e todo chapeado de prata, obra muito perfeita; todais estas 
pcQcis me mostrou Ras despois em sua casa. Com isto se partio, 
mandando primeiro diante muitos criados a pedir as alvi^aras : estas 
boats novas forSo dadas ao patriarcha estando elle ia em Gorgorra, 
dando as primeiras ordens, que Sua Senhoria deu em Ethiopia na 
igreja que se fez as custas do mesmo Ras. Ao Emperador chega- 
rao as novas desta vitoria e o sinal da morte do alevantado, estando 
elle sobre os judeos de Cemen com todo seu excercito; foi gran- 
dissima a alegria que com ellas recebeu ; deu a Deus por esta merce 
gracjas infinitas, e disse a todos os grandes e capitaes, que ali 
estavSo juntos: Emfim nSo se pode negar que Deus estk com Ras ; 
pois elle s6 com tam pouca gente, indo tam longe, acabou empreza tam 
difficultosa e concluiu o mais forte inimigo que Ethiopia teve ha mui- 
tos annos, e nos aqui todos juntos nao podemos acabar quatro Judeos. 

(1) « Teve a » et « que tanto desejava » adiecta ab. A. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XIV. 443 

Esta guerra de Cemen foi pelo modo que o agora direy. Os 3« Interea SeltAn 

f.35o,v. Judeos ou Falaxa, que antigamente tinhao *sido senhores de todo dueUes lodaeoe» qui 

o reino de Dambea, e a^ora havia ja muitos annos possuiSo so- •»P«'rf™f« Cemen 

mente cs serras de Cemen, que s2io altissimas e a mor parte do cum ezeicita moret 

anno estSo cheas de neve; fiados nellas, poucas vezes obedeciao; ^^Uur^ sed^om 

o mais tempo, viviao em sua rebeldia : tinhao elles, avia annos, hum fruMtn eoe e eois 

_ , , . , , , Utebrie eztarbare 

capitao muito valente por nome Gredeao, o qual tmha dado vanos conatos fuerit, in 

assaltos nas terras do Emperador com prosperos sucessos: este no ^^*ca» reverti coiji- 

presente invemo, fiado em sua boa furtuna, se meteu hum dia tanto 

entre os inimigos, que cercado de muita gente, foi morto a ferro, 

e sua cabega trasida ao Dancaz; alegrouse o Emperador grande- 

mente com este successo ; e logo detriminou, tanto que o tempo Ihe 

desse lugar, porse em campo, e ir sobre os Judeos pera concluir 

com elles de huma vez. Em outubro saio do Dancaz, e come^ou a 

marchar com todo seu poder ; passou a provincia de Ogara, foi en- 

trando pola de Cemen, ate abarbar com as mais altas e fortes ser- 

ras, cercando nellas aos Judeos estreitamente. Deulhes varios assaltos 

com morte de alguns ; mas sempre foi maior a perda de sua gente, 

que o dano dos inimigos, porque os imperiaes o recebiao muito 

grande das neves e frios que erao intoleraveis ; tambem a fome os 

apertou por faltarem os mantimentos nas terras visinhas; e como 

os Judeos erao criados e acustumados a todas estas injurias do tempo, 

soportavaonas melhor. O padre Diogo de Mattos accompanhou ao 

Emperador nesta guerra, e affirmava que era tanta a neve que caia, 

que attolava nella a gente dentro no arrayal, e as tendas todas se 

cubriao e quasi caiao com o pezo della. Dos Judeos huns ficavao 

f. 351- nos altos das serras, nas quaes com galgas e pedras *se deffendiao, 

e offendiao muito a todos os que se atreviao a chegar perto; ou- 

tros viviao em huns taboleiros das mesmas serras, aos quaes nem 

se subia pelas partes de baixo, senao por cordas ou correas, nem 

das partes mais altas se podia decer senao da mesma maneira, por 

serem aquelles lados dos montes de rochedos quasi cortados ao 

picao. Quiserao alguns soldados mais atrevidos decer, metidos em 

cestos grandes, atados com fortes correas, as quais os de sima (de- 

spois de afastarem com pedradas a todos os Judeos que apareciao 

no campo) hiao amainando pouco e pouco; porem indo no meo, 

alguns Judeos que estavao escondidos nas concavidades da rocha, 

cortavao as correas com suas espadas, e os despenhavao e faziao 

em peda^os. 



Digitized by 



Googl( 



444 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

4. ludaei post ali- Vendo isto o Emperador e que trabalhava debalde, se reco- 

compul8le*montfbIiM 1^®^ P®'** Dancaz, conhecendo que nSlo podia a for^a de armas 
deacendunt atque ab acabar esta empreza; mas, como prudente e ardiloso, deixou pelos 
quam Imperator in lugares visinhos taes presidios, que dali a poucos mezes, sendo os 
prawidlo reli^ueratt J^^^^ for^ados a sair das serrais pera buscarem mantimentos pelas 

adintemecionemus- fraldas dellas, poucos a poucos, huns em hum lucrar, outros em 
que dissipantur. ^ 

outros, forao mortos quasi todos: os poucos que ficarao com vida 

vierao pedir misericordia, lan^andose aos p6s do Emperador o qual 

Ihes perdoou* mas nao quiz que tomassem pera Cemen, porque ao 

diante nao rebellassem outra vez confiados na fortaleza e aspreza 

das serras, antes espalhandoos por varias provincias, poz nas serras 

de Cemen (i) guarda de algumas companhias de gente de guerra. 

(i) « Nas seiras de Cemen » sufifecit A. in margine vocabulo c nellas >. 



Digitized by 



Googl( 



f35i.v. CAPITULO XV. 

Elei^ao, sagra^ao, partida de Portugal e chegada & India 
do patriarcha dom Affonso Mendez com os bispos 
seus coadjutores e fiituros successores. 



A grande necessidade, que a igreja de Ethiopia tinha de pastor «• Lusitaaiae Rc- 

, , A ,. ^ n -i' ges expcrientia prae- 

e patnarcha inviado pela see Apostolica, vese clara em todo o di- teritorum temporum 

scurso desta historia; os acezos desejos que delle avia nos bons ^J^dHtterf^^ibr** 

catholicos mostrao as cartas dos emperadores Za Dangtiil, Jacobo e Patriarcham Roma 

muito especialmente as do embaixador [sic'] Seltan Sagued, que no livro ^^ 8ati8^art)itr«d 

precedente ficao escritas. A todas ellas se respondia em Portugal •^** 

com aquella celebre senten^a otcouS^ ^oMax;, /estina lente; lembrados 

bem e escaramentados os ministros do conselho real do que anti- 

gamente tinha acontecido a tres patriarchas que a Ethiopia se ti- 

nhao inviado com grande trabalho e gastos excecivos da fazenda 

da coroa de Portugal: o primeiro dos quaes foi dom Joao Bermu- 

dez mandado da mesma Ethiopia por el rey David, e pedido ao 

summo Pontifice e ao serenissimo rey dom Joao o 3,° por pa- 

triarcha, e inviado pelo mesmo senhor a ella com soccorro, que 

juntamente se pedia, de tantos Portugueses que bastarao pera livrar 

f- 352. aquelle imperio do jugo e cativeiro *dos mouros de Adel ou Zeila. 

E sobre tudo isso, o emperador Gladios guardou tam mal a obe- 

diencia que seu pay David permetera, e elle mesmo jurara a see 

Apostolica, que tanto que se vio desassombrado das armas do 



Digitized by 



Googl( 



446 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Granhe, lancjou de sy ao patriarcha dom Joao Bermudez e aflBron- 

tado, o obrigou a se tornar pera donde viera. Nao havia disto no- 

ticia em Portugal, e obrigou o zelo da exalta<;ao da santa f6e, ao 

serenissimo rey dom Joao a procurar e mandar a Ethiopia outro 

patriarcha e bispos. Dos quaes porem na India, com maduro con- 

selho, forao reteudos o patriarcha dom Joao Nunez e o bispo 

dom Belchior Cameiro, e inviado a Ethiopia somente o bispo 

dom Andre d'Oviedo, o qual despois ficou patriarcha por morte de 

dom Joao Nunez, e viveu la muitos annos, mal recebido primeiro 

de Gladios, persignido de Minas, esquecido de seu filho Malac Sa- 

gued, e de nenhum obedecido. 

E o effeito mostrou quam acertada foi a dilacjao desta peti^ao 

de patriarcha, pera que com a deten^a crecesse a sede e os dese- 

jos, e juntamente se fossem as cousas dispondo pera elle ser tam 

bem recebido como foi. E com tudo isso, he tanta a inconstancia 

dos Abbexins, que em breve, dando com tudo atravez, tomarao ao 

vomito, como abaixo se contara largamente. Porem os sucessos fu- 

turos nao nos podemos adivinhar ; e digo mais que, ainda que todos 

os que neste caso soccederao se previrao muito antes, (i) foi de tanta 

gloria de Deus e de tam grande proveito e bem de almas sem 

conto esta vinda do patrieircha, que todos os trabalhos e gastos 

que nella houve, devem ser julgados de todos os bons por muito 

bem empregados. 

a. Tandem a sum- *Tomada pois por S. Magestade catholica esta resolucjao, foi no- f.3S2J. 

utp. AlphonsusMcn- nieado pera patriarcha e proposto a Sua Santidade, pera que o confir- 

dex ad eam dignita- masse, como confirmou, o padre Affonso Mendez de nossa Companhiai 

temeveheretur,addi- '^ ^ 

tis ei coadiutoribue natural de Santo Aleixo, lugar junto a Moura (famoso e muitas ve- 

re^pai^me ^Didaco ^®^ nomeado polo grande esfor^o com que seus moradores nestes 
Seco et loanne da nossos tempos rebaterao o impito e forca dos Castelhanos, alcan- 

Rocha.Qui viri ezcel- tr r 

lentis doctrinae, vir- ^ando delles honrosas vitorias) (2), religioso em virtude, prudencia, 
Uud floreSInt*'^^** letrats e em todas as boas partes muito cabal e digno de tam alta 

dignidade, doutor theologo e lente actual da sagrada escritura na 

universidade de Evora, a qual ia primeiro tinha professado e lido 

muitos annos no collegio de Coimbra. 

Tratouse logo de bispos coadjutores e futuros successores, pera 

que em jornada tam cumprida e empreza de tanto porte nao pen- 

(i) « Muito antes » adiect. ab A. 

(2) (( Santo Aleixo, lugar honrosas ▼itorias » adiecit A. partim in corpore 

partim in marg., deletis vocabulis (( Moura, e da melhor nobreza daquela nobre villa ». 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XV. 447 

dessem os gastos que se faziSo e proveito que se esperava da vida 

de huma s6 pessoa. Nomeou S. Magestade pera primeiro succes- 

sor ao padre Diogo Seco, religioso professo de nossa Companhia, 

que actualmente estava em Roma, despois de em Portugal ter lido 

muitos annos theologia, o qual em letras e virtude, em huma e 

outra parte, tinha dado mostras e provas muito claras com grande 

satisfa^ao de todos os que o tratavSo e conheciSo. S. Sanctidade 

confirmou a nomea^ao com titulo de bispo de Nicea, e, expedidas 

as letras e chegadas com o mesmo Bispo a Portugal, forSo sa- 

grados o patrieircha e elle em Lixboa na igreja de nossa casa de 

S. Roque aos 12 de mar^o do anno de 1623. Foi tambem nomeado 

por 2° successor o padre Joao da Rocha, o qual, por Ihe nao se- 

rem cheg^das as letras, veo pera a India sem se sagrar. 

f-353. Todos tres com mais 17 de nossa Companhia *se embarcarao a.Navemunacum 

, « « . . ^ , septemdecim sociis 

logo, e derao a vela aos 25 do mesmo mez e anno: a metade na conscendunt die «5 

nao capitaina S. Francisco de Xavier, aonde veo a pessoa do pa- martii i6a3. Initine- 

re, pestilenti morbo 
triarcha, e os mais na almiranta Santa Isabel, aonde veo o bispo, correptus, episcopua 

capitao mor dom Antonio Tello de Menezes, almirante dom Diogo f^^i rem^ssisv^- 

de Castelbranco filho dos condes de Villanova. A viagem foi va- tist ia Mosambiquo 

_ . , . . - , portu hiemare co- 

garosa, e as doen^as muitas; chegarao na capitama os doentes a guntur. At Mende*, 

trezentos juntos, da almiranta levou Deus pera si as principaes pes- 1«^^^ vectua navi, 

^ r- r- ir JT mense maio inse- 

soas, a saber o mesmo almirante, mancebo em todas as boas partes quentis anni, Ooam 

digno de largos annos de vida ; mas aos bons colheos Dsus em flor, a^p^orege excipimn 

porque o mundo os nao merece. Foi sua morte chorada de todos com 

tanto sentimento e lagrimas, como se a cada hum Ihe morrera seu 

propio pay, porque elle o era de todos, acudindolhes, emquanto 

viveu, em suas necessidades e doen^as com tanto amor e caridade 

como se forao irmaos e filhos seus. Pouco despois do almirante 

se foi tambem pera o ceo o bispo dom Diogo Seco; cuja morte 

nao s6 chorou o Mondego rio de sua patria Covilhao, mas tambem 

o Nilo e Tacazee de Ethiopia, crescendo a corrente de [hum] e outro 

e saindo fora da madre com a enchente de lagrimas que derrama- 

rao (i) muitos dos bons catholicos, e principalmente os padres que 

primeiro em Portugal o trataramos e conheceramos, porque este 

don de Deus especialissimo teve o bispo dom Diogo Seco, ser ama- 

bilissimo e amado de todos. 



(i) « Crescendo a. . . . derramarao » subst. A. vocibus « cujas aguas acrescentarSo 
com a de seus olhos ». 



Digitized by 



Googl( 



448 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Por ser tarde nao poderSo as naos passar a India; ficarao em 
Mocjambique esperando a mon^ao *de marcjo e abril : mandouse com f.353''^. 
tudo huma galeota de aviso, que chegou a Goa aos g de dezembro ; 
donde o Patriarcha teve em reposta pera que, deixada [a] nao, se 
embarc£tsse em hum pataxo, por ser navio mais ligeiro; o que fez 
ao primeiro de abril de 624, e chegou a lan^ar ferro na barra de 
Groa aos 28 de mayo. As demonstra^Oes de amor com que de to- 
dos os nossos padres foi recebido, nao ha pera que as contar, pois 
sSo notorias ao mundo as muitas com que cada anno se festejao 
os nossos que a India chegao do reino, e he sabido que pera com 
tal pessoa deviao ellas ser, como forao, em tudo avantajadas. Po- 
rem o que sobre tudo ao patriarcha consolou foi verse diante do 
sepulchro do apostolo do Oriente sam Francisco de Xavier, aonde 
foi tal a consola^ao de sua alma, que affirmou por carta que s6 
por esta enchente e mar6e do ceo dava por muito bem emprega- 
dos os trabalhos que padecera em viagem tam cumprida e traba- 
Ihosa. O conde almirante Viso Rey da India recebeo ao patriarcha 
com toda a honra e gasalhado, e em todas as occasiOes mostrou 
sempre que fazia de sua pessoa e dignidade a estima que mereciao. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XVI. 

Viagem do patriarcha de Goa at6 Dio; cartas que re- 
cebeu do Bmperador e de seu irmfto Ras Cell& 
Christds ; aprestos que fez pera a viagem do Bstreito. 

f. 354. Era na entrada do invemo quando o patriarcha *chegou a Goa i.Exeuntenovcm- 

_ . r 1 1 1 . f . bri Ctuiul Patriiircha 

e fechavaose ja as barras; polo que nSo pode sair senSo despois g^ confcrt. Ubi, a 

dellas se abrirem e se aprestar a armada do norte, em cuja com- patribue Aethiopicae 

missionis per liueras 
panhia havia de ir, e assy se deteve ate noverabro, aos 1 7 do qual monitus de periculis 

se embarcou em hum navio de chatim, que hia em conserva da ^terpTcm^neTtt^ 

armada, cujo capitao m6r era dom Phelippe Lobo, trinchante mor, Suaquem versus, 

^ ipais iisdem suaden- 

especial afei^oado a Companhia e ao patriarcha, ao qual tratou tibua, statuit Baylur 

com todos os ofl&cios de boa amisade e cortesia. Antes de chegrar ^^^ navigare in- 

^ deque per medium 

a Chaul teve o patriarcha aviso por cartas do padre reitor de Dio Dankali regnum Ae- 

que nao havia la nao que aqueile anno quizesse ir pera Suaqhem *®P**"* ^^^' 

nem Ma^ua; o mesmo soube em Chaul por huma que aly achou 

dos padres Joao de Velasco e Jeronyino Lobo, os quaes Ihe diziSo 

que nao passasse de Chaul sem primeiro daly negocear embarca- 

^ao em que ouvesse de passar de Dio pera o estreito : e vinha jun- 

tamente declarado o aviso que de Ethiopia mandarao os padres que 

nao se embarcasse o patriarcha em nao que ouvesse de ir aos por- 

tos dos Turcos, porque, se o conhecessem, ou nao sairia de suas 

maos, ou Ihe custaria a saida muitos mil cruzados; mas que par- 

tisse de Dio em navio de remo, e fosse demandar na costa de 

C. Bbccari. /fer. Aetk. Scripi, occ. ined. — VI. 57 



Digitized by 



Googl( 



450 



HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 



A. Litterae Seltan 
Sag4d, quibut cmn 
Patriarcha de suo 
prozimo adventu gra 
tulatur. 



3. Aliae SeU Chri- 
8to8 de eadem re. 



Ethiopia o porto de Baylur, que estk doze legoas das portas do 
estreho e pertence ao Rey de Dancaly, o qual Ihe daria facil en- 
trada, porque o Emperador (de quem elle, posto que nao he vas- 
salo, tem muita dependencia) Iho tinha assy encomendado. Vinhao 
juntamente com as dos padres, que de Ethiopia davSo este aviso, 
duas cartas pera *o patriarcha em reposta das que elle Ihes escre- f.3S4'V. 
vera, huma do Emperador, outra de seu irmao Ras Cella Christos, 
as quaes porei aqui, pera que se veja os grandes desejos com que 
ao patriarcha esperavao. 

Carta do Emperador de Ethiopia pera o Patriarcha: 

c Carta de Seltan Sagued, por gra^a de Deus emperador de 
« Ethiopia, chegue a dom AflFonso patriarcha de Ethiopia, com a 
c paz do bom Pastor, fui dedit aniinam suam pro oTnius suis, Da- 
« mos muitas gra<;as a Deus nosso senhor que nos cumprio nossos 
« desejos e petigOes, e he servido de nos chegar a tempo, em que 
« nos viesse Vossa Senhoria por patriarcha, com muitos companhei- 
« ros, como referia na sua ; que todos sao bem necessarios pera cu- 
« rar as ovelhas desgarradas no dia da tormenta e cerra^ao: elle 
« traga a Vossa Senhoria com paz e saude, e facilite o caminho de 
« maneira que possa Vossa Senhoria passar com toda a presteza 
« possivel, porque assy o pede a necessidade deste imperio, como 
« tera entendido polas cartas dos padres. Entretanto rogamos a Deus, 
« author de tam grandes bens, confirme tudo isto feito pera sua 
« gloria e honra e bem de tantas almas ; 20 de mayo, do nacimento 
« de Christo nosso senhor 1624 >. 

Carta de Ras Cella Christos irmao do Emperador pera o Pa- 
triarcha : 

« Reposta de Cella Christos, cabe^a dos principes de *Ethiopia, f. 355- 
« chegue ao padre veneravel patriarcha de Ethiopia dom AflFonso 
« Mendez. 

« A paz de nosso senhor Verbo eterno, por quem forao feitas 
« todas as cousas, e todas por amor delle, que tomou nossa huma- 
« nidade da Virgem toda santa e sem magoa, pera se oflFerecor a 
« sy sobre o templo da cruz por amor de nos, guarde a pessoa de 
« V. S. de mal temporal, espalhe o orvalho saudavel sobre o velo 
« de sua vida, e traga com saude a dignidade tam alta pera a qual 
« Deus o escolheu, que nao a acharao seus antessessores. Eu me 
« alegrei em estremo chegandome a carta de Vossa Senhoria por 
« via dos da Companhia, como se alegrarao as almas dos padres 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XVI. 



451 



f.355.v. 



que estavao esperando a vinda do nosso Salvador, quando naceo 
sobre elles o rayo de sua divindade; a alegria e jubilo foi tam 
grande que nunca me jilegrei, nem exultei tanto de pequeno ate 
agora, e nfto posso pezar com a balanpa do cora^ao este ouro de 
exultaQSo que recebi com a carta de Vossa Senhoria, que se apu- 
rou com grande fogo de amor na fragoa da piedade de Vossa 
Senhoria. Porem com que, pagarei a Deus, longe de ira e de 
grande misericordia, que nao olhando o rosto de minha maldade 
com os olhos de justi^a recta, que ainda que escodrinha at6 pec- 
cados veniaes, ategora me sofresse pera ouvir esta alegria e exul- 
ta<^o, que csperei tantos annos, de que esteve dependente o nen^o 
de meus pensamentos, pendurado na arvore do cumprido amor de 
Vossa Senhoria. Mas Deus todo bom e sobejo de bondade, como 
me fp.z digno de ouvir a nova de Vossa Senhoria ate me descar- 
regar da carga do trabalho, que acarretej por cumprido tempo 
por amor desta santa f6e catho*lica; assy me fa<;a digno de 
ver o rosto de Vossa Senhoria e Ihe beijar os <;apatos. Ejs aqui, 
escrevo e pe<;o a Vossa Senhoria cheo de piedade e amor que sua 
vinda seja com toda a presteza, e que traga muitos padres, por- 
que esta sua terra Ethiopia (que agora se reduziu do caminho da 
doutrina corrupta e fee torta de Dioscoro abundante de erros ao 
porto seguro da fee recta de sam Leao papa de Roma sucessor 
de s. Pedro, pastor dos pastores) he muito larga e lia nella mui- 
tos tribus de gentilidade que desejSo de receber a iee christaa ; 
e pouco ha que com a for<;a de Deus bento, polas ora<;Oes de 
Vossa Senhoria, destrui e queimei no fogo hum grande idolo, cuja 
origem se nao sabe, nem o tempo em que come<;ou, o qual ado- 
ravao muitos tribus dos gentios, que se chamao Agaus ; ejs hoje 
recebem destes sem conto o santo bauptismo. E assy se faz com 
outra gente que chamao Cafres, e nao ha entre elles estorvo al- 
g^m senao falta de padres. Portanto primeiro pedia a Vossa Se- 
nhoria e agora torno a pedir que traga muitos padres, e quantos 
poder ser, ecc. >. 

Com estas cartas se alegrou muito o patriarcha por entender 
o bom animo e g^ande alvoro<?o com que em Ethiopia era espe- 
rado. Mas sabendp que em Dio nao havia nao pera Suaqhem, nem 
Ma^ua, e que ainda, que a houvesse, hia por aquelles portos dos 
Turcos muito arriscado, tratou em Chaul de embarca<;Oes ligeiras, 
em que pudesse tomar o porto de Baylur, e nao faltarao senhorios 



4. Die 14 ianua- 
rii 1625 Dium per- 
venit et difficultati- 
bu8 non mcxiicis su- 
peratis, duas a Lopo 
Gomez de Abreu 
naves novaa obtinet, 
quibus sarcinas 
quantocius imponen- 



Digitized by 



Googl( 



452 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

das curat, ne vento- de navios que se ofiferecerao ao meter iio estreito e levar ate Bay- 
amitu^'*^ *™ ^^^' havendoo assy por bem o Viso Rey, e dandolhes por isso li- 

cen^a pera naquella parajem andarem as prezas das naos *de mer- f. ss^- 
cadores que navegavSto sem cartazes. Fez o Patriarcha de tudo isto 
aviso ao conde Viso Rey, mas nao esperou ali a reposta, porque 
de Goa o avisarao que era bem de toda maneira chegar com pressa 
a Dio, indo disfarc^ado e vestido como qualquer padre da Compa- 
nhia, pera que, avendo nao em que podesse ir pelos portos dos 
Turcos, nao fosse delles conhecido. Partiuse logo pera Ba^aim, aonde 
de novo Lopo Gomez d'Avreu capitao m6r do campo Ihe oflPereceu 
pera a jornada duas galieotas novas, que nunca tinhao feito viagem, 
e prometeu de Ihas mandar a Dio aprestadas pera nellas poder 
passar a Baylur, se o conde Viso Rey Ihe mandasse a licen^a que 
Ihe tinha pcdido ; estimou e agradeceu muito esta ofFerta o patriar- 
cha, e disfargado como Ihes tinhao escrito, passou a Damao e daly 
a Dio, aonde chegou aos 14 de janeiro de 625. Aqui se fizerao por 
via do capitao Antonio de Moura todas as deligencias possiveis, 
pera que algum dos senhorios das naos, que aviao de partir pera o 
estreito, quizesse aquelle anno ir com a sua a Suaqhem ou Ma^ua, 
e levar aos padres, nao falando em patriarcha, pera Ihes nao dif- 
ficultar mais o negocio. Mas nunca se pode acabar com nenhum 
que o fizesse, porque tinhao vindo aquelle anno de la tam escal- 
dados e avexados do Baxa e seus ministros, que por nenhum 
pre^o do mundo se atreviao a tomar aqueiles portos; e foi Deus 
que assy o ordenou e fechou aquella porta pera que o Patriarcha 
e padres nao parecessem la aquelle anno, no qual os Turcos tinhao 
recebido algumas rotas e perdas em assaltos que fizerao nas terras 
de Tigre, mas voltarao com as maos na cabe<;a, e quanto mais 
perdidos mais raivosos, prometiao de se vingar dos Abexins, e do 
Emperador em cousa que elle muito sintis*se, que erao os padres, f.ss^A- 
que por seus portos custumavao passar pera Ethiopia, e no fato da 
esmola que de Dio se custumava mandar pera os filhos dos Por- 
tugueses que la viviao. No que tudo ficarao frustrados, ordenando 
Deus que os Baneanes e mouros nao quizessem aquelle anno nave- 
gar pera aquelles portos, senao pera os de Arabia. 

Avizou o patriarcha a Lopo Gomes de Avreu de como nao 
tinha outro modo de fazer i^iagem senao nas galliotas que Ihe pro- 
metera, e que as esperava por horas ; elle, como bom fidalgo, cum- 
prio a risca sua palavra, aprestou e armou duas, metendo nellas 



Digitized by 



Googl( 



LIVTIO Vm, CAPITULO X\^. 453 

muito bons capitaes, soldados e maiinheiros ; e ajuntouselhes ou- 
tra terceira, que armou o feitor de Ba^aim, donde partirSio aos 14 
de mar^o; ndo chegarSo porem a Dio senfto no fim do mez, por 
arribarem com ventos contrarios duas ou tres vezes. Esta tardan^a 
se sintia muito em EHo, porque se hia acabando a mon^So, e pera 
que o Patriarcha nSo ficasse desaviado, ofiFereceu e come^ou de 
aprestar o capitdo Antonio de Moura hum pataixo seu. Porem, che- 
gadas as galiotas, se alegrarSo todos muito, vendose o Patriarcha 
aviado o melhor que podia ser pera a \nagem: em tres dias se 
embarcou o fato e matalotagem, e ao quarto derSio a vela. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XVII. 
Da viagem que o Patriarcha fez de Dio at6 Baylur. 



Ao pnmeiro de abnl de 1625, se embarcou o Patnarcha, feita «• Die i apnhs 

,.,.--. , ^, Patriarcha, sez e 

pnmeiro huma solene despidida diante do santissimo bacramento, societate patres et 

que pera isso se desemserrou; acharaose prezentes o capitao da tredecim alu socii 

^ ^ ' r- r- vela dant et prospero 

f. 357. fortaleza Antonio *de Moura, o capitao mor da armada, o juiz e vento insuiis Soco- 
mais officiaes da alfandega, o padre vigairo da Vara, o padre prior et Guardafui pro- 
de sam Domingos, o iruardiao de Sam Francisco com seus religio- montorio superatis, 

^ ^ ^. AfricaeorametBay- 

sos e outras muitas pessoas graves. Entoouse primeiro com muita lurportumattingunt. 

devagao o hymno do Spirito Santo, com sua ora^ao e as ladainhas 

de nossa senhora. Fez o Patriarcha huma pratica sobre aquel- 

las palavras do cantico do Doutro. [stc] : Dominus solus dux eius fuit, 

a qual foi ouvida e acompanhada de todos com muitas e muy sau- 

dosas lagrimas : ao dia seguinte pela menha se fez a vela com seis 

companheiros, religiosos da Companhia, a saber os padres Joao de 

Vellasco, Jeronymo Lobo, Bruno da Cruz, Francisco Marques e os 

irmaos Manoel Luis e Joao Martins, e outras treze pessoas, em que 

entravao sinco mo^os destros na muzica e outro que viera de Por- 

tugal. E porque o Patriarcha escreveu tudo o que passou nesta 

viagem em huma carta que mandou aos padres e irmaos de Por- 

tugal (i), me pareceo [p6r] hum capitulo de sua mesma carta, que 

diz assi: 

(i) « em huma de Portugal » adiect. ab A. in marg. a quo delata sunt verba 

po&t vocem <( me pareceo » : « que melhor se podera saber della por ». 



Digitized by 



Googl( 



456 mSTOKIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

a.Epi8tolaPatri«r- c Navegando com vento brando e igtial, aos dezoito de abril 

chae qua aineillatiin • j o ^ . •. « 

eventus huii navi- * tivemos vista de bocotora; e mdoa demandar de noite, no quarto 

gationia exhibcntur « da lua, estivemos de todo perdidos, se a Virjrem nossa senhora 

narraturque quomo- ^ 

doagubernatore < (a qual naquelle mesmo tempo se estava dizendo sua missa por 

n>ici^ibua^ facuUa- * ^^^* ^^^ "^ CoUegio como no convento de sam Francisco, como 

tem excensum fa- c nolo tinhao prometido, por ser sabbado, em que a estas horas se 
ciendi obtinuerint* -, 

c Ihe canta a missa) nos nSo valera, porque hiamos dar em huma 

c restinga, que a ilha faz ao mar da banda do leste, na qual tanto 

c que o capitao que hia na proa (cousa que outras noites nSo fez) 

c vio que arrebentava o mar em *flor debaixo do esporSo, gritou f.357.^- 

c bradando ao de leme que arribasse: a galeota em hum momento 

c se virou em claro, mais de pressa do que o podera fazer hum 

c genete doce -da redea, e a nao ser assy, por pouco espa^o que se 

c detivera na volta, dava em pedra e se quebrava de todo. O ca- 

c pitao, com ser bem exp^erimentado no mar e se ter visto em mui- 

c tos pirigos, disse que nunca em outro tal se vira apregoando 

c elle, e aos mais, a singfular merce da Virgem, sem cuja proteQao 

c e favor nSo fora possivel escaparmos. 

c Correndo depois a ilha pela banda do norte, fomos descubrir 

c a agiiada em que o rey de Caxem tem huma povoa^ao, e nella 

« casas mui fermosas, com sua galaria como as da India e Portu- 

c gal. O feitor do rey ainda que ao principio ficou sobresalta^o, 

c e ajuntou toda sua gente com suas armas, pera o que sucedesse, 

c em conhecendo serem embarca^Oes de Portugueses, despidiu logo 

c huma almadia a visitar o capitao mor, e ofiFerecer todo o refresco 

« da terra, da qual s6 tinhamos necessidade de agua, pera o que 

c deu tam bom aviamento, que nos provemos naquella noite de toda 

c a que aviamos mister, e ao dia seg^inte, em que nos mandou 

c hum prezente de cames e tamaras, nao s6 pera o capitao, senao 

c tambem pera os padres, prossiguimos nossa viagem. A noite nos 

c afastamos da ilha, e passamos entre a Abdelcuria e as duas Ir- 

c maas. Aos vinte pela menha descubrimos o cabo de Guardafui, 

c e correndo a costa com vento fresco, pera se verificar que Deus 

c era o piloto que nos govemava, quando os nossos aos 29 do mez 

c se faziao 25 legoas das portas *do estreito, e se apsirelhavao pera f. 358- 

c andarem ao payro pera as passar. Ao outro dia as mesmas horas 

< as descubrimos, e pera as passar puzemos huma imagem da Vir- 

« gem nossa senhora no forol, cantandolhe com toda solenidade 

c suas ladainhas, como se faz aos sabbados, com arpas, violas, re- 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XVII. 457 

€ becas, e se ouvera lugar na galeota, nSo faltarao tambem orgaos 
« pera acompanhar os mais instrumentos. A Senhora nos favoreceo 
« de maneira que refrescou o vento, e as galleotas hiao voando, e 
« nos cantando : Gloriose . . . , equum et ascensorem deiecit in mare ; e 
« carregando sempre pera a costa do Abexim, entramos por ella den- 
« tro, sem termos vista de Moca, nem das ilhas que estao as por- 

< tas do estreito, aonde andao as gelvas ou galles quando as ha. 

« Aqui se emfadarao os soldados, nao descubrindo o porto de 
« Baylur, polo nao conhecerem, e andarem sobre elle como as 
« apalpadellas; e avia ia entre elles modo de motim, pera volta- 
« rem e disistirem do intento ; mas o capitao os aquietou, e aos 
« dous de mayo demos com o porto desejado, onde poderamos en- 
« trar no dia seguinte em que passamos as portas do estreito. Nelle 
« estavao tres ou quatro gelvas de Moca, as quaes, vendo navios 
« de remo e esporao, come^arao a descarregar em terra tudo quanto 
« tinhao com muita pressa. Foi diante huma almadia nossa, e acu- 
« dindo a ella o Xeque, ou pera melhor dizer o capitao que go- 
« vernava a terra, posto pelo Rey que esta daly seis ou sete dias 
f.358,v. « de caminho, Ihe disse na lingua virem aly tres *navios da India 

< que se queriao prover de agua dandolhe seu prezente, e depois 
« continuarem sua viagem ; elle cheo de medo disse que daria toda 
« a agfua que quizessem comtanto que se fossem logo, e querendo 

< mandar refens, o lingua Ihe disse nao ser necessario que ao outro 
« dia pela menha chegariao a terra. 

- Certificados nos que aquelle era o porto de Baylur, nos che- 
r gamos quanto pudemos a terra, e o lingua declarou ao Xaque 
« como o Emperador de Ethiopia mandara a India pedir padres e 

< mestres e Ihes escrevera viessem demandar aquelle porto, por 
« ser o Rey muito seu amigo, e com quem ia tinha concertado que, 
« vindo a elle padres, seriao bem recebidos, e que s6 os padres 
« desembarcariao, e a mais gente de armas nao avia de sair em 
« terra nem fazer mal algum : com isso ficou o Xeque desassom- 
« brado, e disse que havia tres annos que tinhao aquelle recado do 
« seu Rey, a quem o Emperador mandara bons prezentes por este 

< respeito; e hum velho que aly serve como de ouvidor a quem 

< chamao Furto, ajuntou que averia hum mez pouco mais ou me- 

< nos que tinha vindo do arrayal e que estando la tevera el Rey 

< cartas do Emperador nesta conformidade, e assy ambos vierao a 
4t nossos navios com toda a seguranga, e ainda que nao achamos 

C. Beccari. Rer, Aeik. Script. occ. ined. — VI. 58 



Digitized by 



Googl( 



458 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

« gente de Ethiopia, como esperavamos e os padres nos tinhao 
« escrito que, demandando aquelle porto, a achariamos, soubemos 

< porem depois que nSo fora descuido ; porque, tendo elles pelo na- 
« tal recado do padre reitor de Dio que provavelmente viriamos a 
« Baylur, mandarao hum mouro com cartas ao Visorey de Tigre, 

« pera o Visorey *e pera mim, ao qual, depois de estar aly todo f. 359. 
« janeiro e fevereiro, o Viso Rey o tomou a mandar, dizendo que, 
« em vindo os padres, elle os receberia e despacharia bem, e o 
« mesmo Emperador escreveo ao Viso Rey mandasse em seu nome 

< a el Rey por embaixador hum Xumo, que he o mesmo que ca- 
« pitao de grandes terras, mouro e cazado com huma irmaa do 
« Rey, a quem mandou seu formao. E porque o Xumo dilatava a 
« ida com medo do Rey seu cunhado, com quem nao estava muito 
« corrente, mandou o Viso Rey hum Portugues com hum prezente 
« pera o Rey, por nome Paulo Nog^eira, que o anno passado me- 
« tera jx)r via de Ma^ua oito padres; assy por apressar mais ao 
« Xumo, como pera termos mayor confianga com a companhia do 
« Portugues. O Xumo trasia s6 consigo vinte soldados, nao que- 
« rendo o Viso Rey, que trouxece mais pera nao dar que sospeitar 
« ao Rey; ao qual comtudo os deteve ambos, ao cunhado como 
« preso, polo desgosto que delle tinha em se cazar com outras mo- 
« Iheres infiriores a sua irmaa; e ao Portugues com preteisto de 
« descansar do caminho; mas a verdade era, porque nao quer o Rey 
« que os Abbexins saibao o caminho, nem da agua, pera que outra 
« hora nao tornem aquelle porto. Comtudo escreveo ao Xeque e ao 
« Furto que, vindo aly os padres portugueses e mestres do Empe- 
« rador, Ihe fizessem todo o bom gasalhado e tratamento: o qual 
« recadu achamos no meio do caminho, quando ia hiamos > . 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XVIII. 

Jomada do patriarcha de Baylur at6 o arrayal del Rey 
de Dancaly; recibimento e gazalhado que el Rey 
Ihe fez. 



f.359»v- *Antes de tratarmos da jornada do Patnarcha por terra, he ne- i.Dankalyregnum 

- - T^ , „ protenditur ab in- 

cessano declarar que reino he o de Dancaly e que terras Ihe per- gressuErythraeifreti 

tencem. He pois de saber que toda a costa do marRoxo, que vay *^ Defal6 usque per 

^ ^ -1 ^ centum et octoginta 

des das portas do estreito at6 Defalo, pertence ao reino Dancaly, e leucas et finitar ex 

he espa^o muito grande, porque as portas estao em doze graos da ^^,^Yalia^gremS 

linha pera o norte, e DeflFalo em quinze, dez legoas antes de Ma^ua. regno.Agerobaquae 
^ , , , r , j , , penuriam quam ma- 

Em toda esta costa nSo ha porto frequentado de embarcacjOes grandes, xime aterilis; incolae 

nem pequenas, mais que o de Baylur, o qual dista das portas doze P*^^.* numero, pau- 
^ ^ ^ J ^ ^ ^ perrimi et vagi, arte 

legoas e nao he capaz de embarca<;5es de alto bordo, porque ainda pastoria vivunt. 

as galleotas e navios chegao a elle com difficuldade. Porem nao 

duvido que em varias partes desta costa haja bayas em algumas 

emseadas, nas quaes possao ancorar naos grandes, como o diante 

direj. A terra que responde a toda esta costa h6 quasi toda esteril, 

e por isso desabitada ; vivem nella Beduins pastores e senhores de 

muito pouco gado, de cujo leite se sustentao, levandoo de humas 

pera outras partes aonde nasce alguma herva verde de que se apa- 

scente por ser ella muito pouca, e o mantimento que da a terra 

quasi nenhum; nao ha nella rios, nem fontes que a regem, tudo he 

charneca, pi^arra, areais e serras de pedras taes que perecem escoria 



Digitized by 



Googl( 



46o HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

de ferro : apartes se acha agua em po^os, ou caboucos, algnma na- 

tiva, outra da chuva do inverno ; e assy a gente h6 muito pouca, nem 

hk povoac^Oes mais que algumas cabanas de pastores que com o 

gado se mudao de huma pera outra parte. E qual h6 o reino e povo, 

tal o Rey que o governa, que mais mere^e o nome de pegureiro 

qu3 o de rey. 

a.Obiumentorum, Nao tinhSo o Patriarcha nem seus companheiros esta noticia 

sive diteUariorum ^ _.j^ -^j *•!.• - ^ . , 

sive ephippiatorum, ^^^ certa da terra, e por isso tendo nos *navios sobejo provimento f. 360. 

defectum, mazimam ^^ matalotacfem , fizerao muito pouco pera o caminho. Ao que ajudou 
sarcinarum partem *^ tr ir 1 j 

in portu relinquere a falta de bestas de carga pera o muito fato que levavao; porque 
et patrea pedibus iter •!«• ^ n r«rj 

instituere coguntur. "^^ achar^o mais que catorse camellos, e assy forao for^ados a 

Postoctodiesincon- deixar em Baylur muita parte do fato. Mayor foi ainda o trabalho 

spectum pagi, ubi eo« . 

regulu» praestolaba- que tiverao com cavalgaduras, porque, sendo vmte pessoas, as que 

tur, perveniunt. ^^ punhao ao caminho, nao se acharao mais que seis iumentos, nos 

quaes alguns dos mais fracos cavalgavao, revezandose ; os mais ca- 

minharao sempre a pee. Dia de Ascensao oito de mayo sairao 

de Baylur; onze dicis continuos caminharao at6 o lugar em que 

o Rey os esperou ; ia se deixa ver com quanto trabalho e inco- 

modidade os passariao, sendo a terra a que dissemos e as cal- 

mas tam grandes, que com a for<;a do sol se derretia o lacre dentro 

nos escritorios, o mantimento arroz, e muito pouco, carnes e con- 

duto nenhum, a agua que bebiao salobra, mal cheirosa, e essa ainda 

as vezes muito pouca: pera descansar ao meo dia, nao avia outra 

sombra mais que de espinheiros, pera dormir as noites nao avia outra 

cama mais que a terra dura ; a estas canseiras se acre^entava a mo- 

lestia que Ihes davao os cameleiros, nos quaes parece que Mafamede, 

como em officiaes de seu officio, deixou (como diz o Patriarcha em 

sua carta (i)) o refinado de sua baineza e maldade, e que sofrera muito 

s. Ignatio martir se os seus dez leopardos erao peores: e por mais 

que o velho Furto os pretendia amansar, nao acabava com elles nada ; 

erao insolentes, descortezes, fazendo a todos mil parrarias, e a al- 

guns davao depesco^adas, e pera si tomavao o melhor bocado; o 

que tudo se Ihe sofria, por nao virem a emperrar e deixar as *cargas f.s^o»^. 

naquelle deserto, o que fariao com facilidade por estarem jk pagos 

do pre^o dos camellos : ao Furto tambem Ihe dizia bem o nome com 

a insanciavel cubi^a com que pedia fato, que pera este eflFeito os quiz 

acompanhar, e pera dar alvitre a el Rey do que vira, pera o pedir 

como fez por vezes, muy chao e baixamente. 

(i) Hic A. delevit verba « que escrcveo A Portugal »>. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XVIIL 46 1 

O Rey de Dancaly sabendo da vinda do Patriarcha e seus com- 
panheiros, se veo da terra, em que estava distante seis dias de caminho, 
pera outra mais acomodada e de boa agua, e mandou diante hum 
jrmao seu pera os receber, ou pera melhor dizer, a os pescar, porque 
pouco depois de se verem, fez logo lembran^a do seu prezente; e 
ainda que se Ihe mostrou difficuldade em o tirar dos fardos por entSo, 
com promessa delho dar, chegando ao arrayal del Rey seu jrmao, 
nao se pagou disso, e assy se Ihe deu; engeitando hum escritorio 
de Dio, que val sinco cruzados, pedio Iho trocassem por huma teada 
que ao muito val meo pardao; e o mesmo cstso fez o Rey de al- 
gumas pe^as da China muy curiosas, desfazendose logo dellas, e esti- 
mando em muito mais as roupas, posto que de muito pouco valor ; 
e porque hum dos que hiao na companhia escreveo miuda e cu- 
riosamente o recebimento que este Rey fez ao patriarcha, porei 
aqui o capitulo da carta que delle fala, pera que tambem se veja, 
que onde falta o lume da fee, tudo o mais falta, e nao dizem as 
ac^Oes pessoaes com os nomes e titulos honrosos do estado. 

« Ao dia seguinte, diz, nos mandou o Rey quatro mulas pera en- 3« Itineri» incom- 
c trarem em seu arrayal a cavallo e mais authorizados os quatro padres riolum et suppeUez 

f. 361. « principaes, entre os *quaes foi o Patriarcha, avido e romeado pelo •^, Patrlarchae rece- 

ptio ez quadam ocu- 

« Padre grande, que assi chamao ao que he superior dos padres, com latitettitepistolade- 



« o qual nome se deslumbrou o de Patriarcha, ou Abbuna, de que el 
< Rey tinha algumas cores e tintas, por as trazerem de Ethiopia o 
« capitao mouro e o Portugues, que de la vierao : os quaes quando 
« nos virao todos do mesmo trajo (que sempre foi o ordinario dos da 
« Companhia na India) perguntavao pelo Abbuna, que vinha de Roma; 
« ao que respondemos (intendendo o bispo de Nicea) que morrera 
« no mar, de que estavamos muito sentidos, e elles com o Rey o ficarao 
« tambem, por Ihe parecer que com sua morte tinhao perdido hum 
« bom bocado. 

« Aparelhouse o rey pera nos receber em huma sala, qual pintao 
« os poetas a do primeiro Rej de Roma, redonda na figura, cercada, 
« e cuberta de feixes de feno, e tal que por nao ser mui levantada 
« do tecto, obrigava aos mais altos do corpo a fazerem mayores re- 
« verencias do que demandava a ley das cortesias; e ella tam mal re- 
« parada, que nao podera o vento ainda que quizesse, morar nem aturar 
« dentro. Tinha hum estrado de seixos da ribeira, alevantado quatro 
« dedos do pavimento, e sobre elle huma alcatifa de lara pequena, e 
« tal que parecia ter servido a todos seus antepassados, e logo hum 



scribuntur. 



Digitized by 



Googl( 



462 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

« gudorim da mesma lara, a este depois de recolher nelle as pe<^ 

« que Ihe demos, nolo mandou estender no lugar em que nos fazia 

« eissentar, que dantes nos assentamos em hum couro, e depois o vi- 

« mos sobre o seu cavallo, e sem Ihe fazer injuria podera servir en- 

« cima de sellas mais cumpridas. Por docel tinha hum peda^o de 

« teada grossa, a mSLo direita huma cadeirinha, que em seu tempo foi 

« boa, com remates de prata, a esquerda duas caba<;as *muito grandes f.36i,v. 

« cheas, nSto direj de vinho, senSo de licor que Ihe serve em seu lugar, 

« de que se aproveitava frequentemente, molhando a palavra, ainda 

« em presenga dos hospedes, e estes erSo os ataballes que vinhao diante 

« quando se mudava pera aly, saindo da tenda que estava hum pouco 

« afastada, a qual podera ia ter servido ao antigo Ismael, de quem 

« se prezao ser decendentes. Authoridade e serenidade real, era con- 

« forme a tudo o mais, desprezando por pequeno hum sagoate que Ihe 

« demos por boa entrada, deixando o mayor pera depois, como he cu- 

« stume : e ainda a este, quando se Ihe oflFereceo, nao fez demasiada 

« festa, nao por nSo ser de muito pre<;o, senao pera que, nao se mo- 

« strando elle muito satisfeito, o fossemos sempre mais e mais con- 

« tentando, e elle continuando em pedir, como fez nos dezaseis dias 

« que ali nos deteve. E ainda assy Ihe ficamos em grande obrigac^ao, 

« porque, com imaginar que traziamos muito mais do que na verdade 

« era, comtudo iiao mandou abrir, nem vio cousa alguma de nosso fato, 

« nem tratou de se Ihe pagarem dereitos ; e dizem os padres que vierao 

« por Maijua e Suaqhem, que o nao fariamos por la com mil e qui- 

« nhentas patacas ; o que foi muito favor, vista a grande cubi^a desta 

« gente e a pobreza da terra, que he tal, que em mais de sincoenta 

« legoas, que andamos por ella, nao ha hum palmo della que se possa 

« semear, o s6 se sustentao de came e leite e algum pao que Ihe vay 

« de Ethiopia. 

« Aqui nos come^ou a apertar a fome, porque nao trouxemos todo 
« o mantenimento necessario (posto que abundantissimamente nos pro- 
« verao os padres reitores de Ba<;ajm e Tanna), assi por nao termos 
« em que o acarretar, como *por nos dizerem que nada faltaria onde f. 362. 
« o Rej estava, mas tudo era tam pouco, que quando achavamos hum 
« folle de milho, que leva pouco mais de meyo alqueire, nos fazia Deus 
« grande merce ; e este comiamos por muita regra cozido, ou torrado, e 
« muitas vezes passavamos somente com came, por nao termos con que a 
« acompanhar, vendendonos tudo muy caro, por se verem em occasiao 
« de seproverem de roupas, que emfim nos virao; e como por ca nao se 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XVIII. 463 

« come de fiado, nos obrigarao a estreitar a regra a mais que de nao. Na 
€ ultima despedida quiz o Rey que o Patriarcha, por padre grande, 
€ viesse de sua tenda pera a nossa, no seu cavallo, encarecendo a 
« honrra,que Ihe fazia, com dizer,que nem seu propio irmao subia nelle, 
€ e ainda que o Patriarcha fez muito por a escuzsir, nSo houve remedio, 
« senao levala como trago em que Ihe pez, por dizer o Rey que queria 
« soubesse o Emperador as honras que fazia aos padres e mestres : e 
« assy foi forgado a subir no cavallo real e vir com grandes estrondos 
« de cascaveis. Nao faltarao de sua companhia muitos que dissessem : 
€ Sic /. onorabitur qtcem Rex voluerit honorare, festejando e tomando 
« por rizo e zombaria o que o Rej e os seus cuidavao, que festejavao, 
« e diziao de contentes por verem o seu padre grande tam honrado. 



Digitized by 



Googl( 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XIX. 

Continua o Patriarcha seu caminho de Dancaly 
ath6 Senaf6, serra pertencente ao imperio. 



Aos sinco de junho sayo o Patriarcha do arrayal d'el Rey de x.Diequintaiunii 

Dancaly, sem mais aviamento de cavalgaduras e bestas de carga tunt ac primo per 

f.362,v. que as que ate aly trouxera: s6 hum *macho de pouco pre^o Ihe °{J?**^^ Sf"^™^' 

deu de merce o Rej. Porem Paulo Nogueira portugues honrrado de Africa celebres in- 

Fremona e Xumo de humas terras dos padres, que por mandado dos p*^ ph^id^^calori^ 

mesmos viera esperar o Patriaxcha, Ihe offereceo a sua mula, nem quiz ^^ infensas densas- 

que sylvas iter ha- 
por modo algum cavalgar em todo o cammho, dizendo que nao Ihe bcntes, incolumes ad 

convinha fazelo em quanto algum dos padres hia a pee. Passarao D"<madam^ 

depois de alguns dias por perto das serras de sal, aonde se corta qu*e iUis sub auro- 

ao machado todo o que daly se leva pera todas as terras do imperio paruit, quamque ut 

em grandes cafilas, como ia contamos no primeiro livro desta historia. <^«l««te quoddam 
*^ ^ praesagium suspe- 

Neste caminho ha hum passo trabalhoso que he hum monte de xerunt* 

sal vermelho muito medicinal, o qual necessariamente se ha de passar 

de noite, porque de dia he aly a calma tal, que os caminhantes e 

cavalgaduras abafao, e o calcjado se cresta, como se o poserao sobre 

brazsis. Este monte pcissarao os nossos caminhantes des dais tres horas 

da tarde, por se Ihes emcubrir o sol, ate ao outro dia de madrugada, 

sem descansarem mais que tres poucos, emquanto se desatavao as 

cargas dos camellos e se tornavao a carregar : e chegando a humas 

terras (i), que ia nao erao de sal, disse o Patriarcha aos companheiros : 

(i) « Terras » substituit A. voci « pedras ». 

C. Beccari. Her, Aeih. Scri^i, occ. ined, — VI. 59 



Digitized by 



Googl( 



466 HISTOKIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Demos muitas gragas a Deus, que ia estamos em Ethiopia ; nSo tinha 
acabadas as palavras, quando pera a mato direita onde ficava 
Ethiopia, virao huma estrella no ceo mayor que a lua, mui fermosa 
e resplandecente, a qual parando fixa por espacjo de hum Padre nosso 
e Ave Maria, subitamente alumiou todo o orizonte, enchendoos a 
todos de ignal alegria e espanto ; nao faltou quem dissesse, que tal 
devia de ser a estrella que appareceo *aos Magos, de cuja vista f. 363. 
gavisi sunt gaudio fnagno valde\ e tambem houve quem ajuntasse, 
que era figura da Virgem nossa Senhora que como estrella d'alva 
Ihes apparecia, prometendolhes sua luz e favor naquella gloriosa em- 
preza. Rezarao logo o himno: Ave maris stella, e a antiphona: 
Sub tuum praesidium, com sua ora^ao, e tevess por sinal que Deus 
nosso Senhor queria dar da luz e doutrina catholica, que hia en- 
trando em Ethiopia, e mais se confirmarao nesta pia opiniao, quando 
depois souberao, que no mesmo dia e hora (que era onze de junho, 
dia de S. Bernabe) em Fermona, motropoli da fee catholica de Ethio- 
pia, se ouvio hum estrondo como de tiro de bombarda, e logo apoz 
elle huma luz (posto que nao virao estrella) tam grande que nao s6 
homens que andavao fora das casas, mas as mulheres, que estavao 
dentro dellas, assombradas com a muita claridade, sahiao as portas, 
a saber de tal novidade. Taes houve que perguntavao, se seria por 
ventura algum tiro que se desparase em Ma^ua, que esta daly 50 
legoas: e he de crer que o santo patriarcha dom Andre d'Oviedo, 
assy como por seus merecimentos alcan^ou de Deus leveir a salva- 
vamento o Patriarcha com todos seus companheiros, assy daly os 
estivesse alumiando e mostrando que na caida do schisma e heregia 
S3 havia de cumprir o do psalmo : Periit memoria eorum cum sonitu, 
abalo que havia de fazer, a entrada do novo Patriarcha, a fee ro- 
mana em Ethiopia. 

Este dia, que tam alegre Ihes amanheceo com a luz que dis- 
semos e considera^Oes que sobre ella teverao, foi por ventura dos 
mais trabalhosos que o Patriarcha teve em sua jornada, e a luz da 
madrugada responderao trevas nao menos que de morte ao meyo dia; 
e porque os perigos *e trabalhos ninguem os pinta melhor que quem f.3<)3.^- 
os padece, me pareceo que ficara o caso bem referido com o ca- 
pitulo da carta do mesmo Patriarcha, que o descreve, e diz assy: 
a. Ipsius Patriar- < Demos em outra serra de ferro semelhante a que disse estava 

quomodo a periculis * antes de chegar ao rej de Dancaly : indo caminhando (i), nos disse 

(1) « Indo caminhando » suffecit A. vocibus: « em hum passo». 



Digitized by 



GoogI( 



LIVRO VIII, CAPITULO XIX. 467 

< hum Portugues nosso companheiro que tomassemos por certo ata- ne siti prope eneca- 
„ 1 t_ • • j 1 rentur etne in Gal- 

< Iho, que por aly cheganamos mais de pressa ao lugar em que larum manus indde- 

« estava a acrua, onde esperariamos pola cafila. Nos cuidando que ^^^^*, opitulante Deo 

^ ^ ^ ^ f uennt erepti. Prope 

« seria quando muito mea legoa de caminho, nos apartamos da cafila, Senaf^obvioshabent 

« sem fazer provimento da agua que levavamos nos camellos ; porem p*,^more8 *Fremonae 

< atalho foi elle que nos custou tanto trabalho, que andariamos mais q^» Proregis nomine 

. , . 1 n^ •• eos abimde et com- 

« de seis horas contmuas, sem termos vista da canla, nem de agua meatu et iumentis 



« com que matassemos a sede, que nos matava, assy pola aspereza do 
« caminho, como polo ardor da calma, que, por ser no pino do meyo 
€ dia, era grandissima. A este mal se ajuntou outro, que o Mouro que 

< sabia o caminho e nos guiava, se adiantou tanto que o perdemos de 

< vista, e nos demos de todo por perdidos e acabados a pura sede sem 

< haver remedio pera outro Mouro do capitao que levava dous odres 

< de agua nos querer dar huma gotta della. Neste grande aperto nSo 

< sei que impulso me deu, que tomasse atraz assi a pee como hia, cui- 

< dando alguns que me hia de todo a perder, e deixandose ficar outros 

< juntos de humas ribanQeiras, fazendo ia conta de aly ficarem e mor- 

< rerem, que nao tinhao alento pera mais ; e tomando eu fora do cami- 

< nho pola serra acima, encontramos hum homem que, a nao ser mouro, 
f. 364. < o tivera por anjo, o qual dandonos com a mao sinal que o se*g^is- 

< semos (nao sem receo de alguns, que temiao o fizesse urdindonos al- 

< guma treiijao), viemos dar com a agua que poderamos chamar de mel, 

< como os filhos de Israel em semelhante passo. Eys qii > chegando a 
« ella, hum mo^o de nossa companhia cae redondo no ch.io, sem tornar 

< em sy senao depois que, deitandolhe algumas gottas de agua pela 

< boca, respirou ; e sem falta, se o accidente o tomara mais afastado da 
« agua, morrera. Dali mandamos tambem agua aos que ficarao atraz 

< desfalecidos, os quaes fomos recolhendo pouco e pouco, e s6 nos 

< ficava pena de tres que faUavao, que a noite chegarao juntamente 

< com a cafila, a qual se deteve pouco, porque aquella paragem, por re- 

< speito da agua a que acodem os passageiros, correm os Gallas, gentc 
« cruel, e levantada contra o Emperador, pera os roubarem e matarem, 
« e por mais que trabalhamos toda a noite por passar hum campo, em 

< que elles sao mui continuos, nao o podemos vingar senao ao dia 
« seguinte as oito ou nove horas, e nelle vimos muitos corpos mortos 
€ de huma cafila de sal, que averia vinte dias os Gallas tinhao mortos, 

< em numero mais de cento e sescenta pessoas : e achamos pelo rasto 

< que aquella noite mesma tinhao elles por aly passado com seu gado. 

< Nos dando ao Senhor muitas gra^as, nos fomos recolhendo pera os 



mstruunt. 



Digitized by 



Googl( 



468 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

€ montes, em que elles montao e cursSo pouco, e descansamos o re- 
€ stante daquelle dia, gozandonos da boa sayda que tevemos dos pe- 

< rigos passados. 

« A noite seguinte atravessamos tambem outro campo de Grallas, 
« posto que mais curto, o qual vencido, demos em huma ribeira, que 
« cuido se pode contar entre as mais frescas do mundo, de agna mui 
« clara e fria com muitas hervas cheirosas, como poejos, manjaricOes 
« e outras, que nao conhe*cemos, sem conto. A borda toda esta povoada f.364^v. 
« de palmeiras, de tamaras e de arvores a que na India chamao de 
« pagode, com outras muitas mui frescas, sobre que andavao muitos 
« bugios fsLzendo seus momos; por ella caminhamos dous dias, gozando 
« de sua fresquidao, e o que nola fez mais bem assombrada, foi que 
« no meio topamos hum homem, que nos trazia carta dos padres, e 
« dizia que o padre Manoel Barradas seria comnosco o dia seguinte, 
« Depois de caminharmos toda a noite (porquanto o capitao mouro, 
« que nos fora buscar, tinha pendencias com outro capitao Mouro, e 
« queria evitar o encontrarse com elle), ao outro dia as nove horas 
« chegamos ao pee do monte de Senafe, principio da capitania do 
« mouro e termo ate onde tinhamos alugados os camellos, por nSo 
« poderem subir aquella serra, por ser muj alta e ingreme. Aqui, pouco 

< depois de termos armada nossa tenda, chegou o padre Manoel Bar- 
« radas, e em sua companhia Asca Guerguis Xumo de AmbaQanete, 
« sobrinho do Emperador e cazado com huma neta do emperador 
« Malac Sagued, e Apta Jesus(^magarath,hum dos dous catolicos mais 
« antigos de Ethiopia, muito rico (que ia pelas esperan<?as que os pa- 
« dres tinhao este anno dos hospedes da India, Ihes mandara corenta 
« cargas de pao) e de Xumo[s] sete, muitos Portugueses de Fremona e 
« entre elles hum criado de Ras Cella Christos, que tinha ordem sua 
« pera que em entrando o Patriarcha em Ethiopia Ihe viesse bejar o 
« pe em seu nome, trazendo mulas pera todos e huma pera oPatriarcha, 
« com que poderia aparecer em qualquer lugar do mundo, com man- 
« timentos em abundancia. Faltou aqui o visorrey Caba Christos com 

« grande sen*timento seu, por o Emperador o ter chamado a corte, f. 3^S- 
« pera negocios de muita importancia, mas deixou ordem a seus criados 
« pera nos proverem de todo o necessario. E aqui neste lugax pode- 
« mos dizer se enterrarao as vaquas magras, e se levantarao as gordas, 
« e entoar aquilo do psalmo : Laetati sumus pro diebus quibus nos 
« hiimiliasti ». 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XX. 

Como o Patriarcha continuou seu caminho at6 Fer- 
mon&, e como na corte do Emperador forfto ouvidas 
e festejadas estas novas. 



Como o Patriarcha ia tinha chegado a terra dos christaos e i. Patriarcha, epi- 

... , . t . 1 ^ scopalibus amictus 

de sua igreia, e se achava com bon accompanhamento de gente, indumentis et mulae 

pareceo bem a todos que, deixando o traio com que hia disfarcado, ^^]^^ ephippiatae in- 

^ -^ ^ ' 8iden8,eSenaf£mon- 

se vistise do episcopal. No qual tanto que foi visto dos Portugueses tibus descendit et 

e catholicos, que ali se acharao, foi tam grande a consola^ao de b^n^°°u5i*a ^ul 

todos, que nao puderao reter as lagrimas de puro contentamento, mia aplendide hospi- 

„ . _ tio ezcipitur, quaai 

por verem com seus olhos p por que tantos annos suspirarao. Erao tnumphum agens, 

dezasete de junho quando subirao a serra de Senafe, a qual h6 mais F*"nio»*ni mgredi- 



alta e ingreme (a juizo dos que virao huma e outras) que as dos 
Alpes e Monssorate, porem toda vistida de arvoredo e bem po- 
voada de rosas e flores; com os altos della se continuao largas 
campinas nas quaes se semea todo o genero de mantimento. A pri- 
meira noite dormiu nas terras de Agamea, que he huma boa cc- 
marca, e foi agasalhado pelo Xumo com huma abundante cca, para 
a qual Ihe aprezentou vacas, muitos centos de apas, muitos calCes 
f-S^s.v- de vinho de mel, e muitos *mais de sua serveja a que elles chamao 
Savoa; a terceira anoite [stc] foi o Patriarcha com todo seu acompanha- 
mento agasalhado muy esplendidamente pelo Xumo de Amabacenete 
(este h6 aquella fortissima serra que dom Christovao da Gama, como 



tur. 



Digitized by 



Googl( 



470 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

acima dissemos, ganhou aos mouros, capitSles e soldados do Grranhe). 

Pouco adiante, passando por junto a huma aldea de Luis Machado, 

filho de B>ancisco Machado natural de Setuval, o qual antigamente 

entrou em Ethiopia em companhia do patriarcha Dom Andre de 

Oviedo, saio Luis Machado a receber ao Patriarcha com hum sa- 

goate tal que bastou pera toda a gente que o acompanhava. E desta 

maneira, festejado sempre e com muito lustrosa companhia de gente 

de pee e de cavallo, chegou a Fermona; e foi logo dereito a se 

oflFerecer e fazer ora^ao a sepultura do santo patriarcha dom Andre 

de Oviedo. 

A grande consola^ao e alegria que aqui receberao todos os que 

de tam longe vinhao, e se viao no fim de tam larga peregrina^ao, e no 

principio de outros maiores trabalhos, mcis muito suaves e gostosos 

polo grande servi^o de Deus e bem das almas que delles esperavao, 

nao se pode melhor declarar que com hum capitulo da carta que o 

Patriarcha de Fremona escreveu aos padres e irmaos da Compa- 

nhia de Portugal, polo que o quero aquy tresladar a letra; (i) diz 

assi: 

2. Quibiis laeddae « Este foi, padres e irmaos charissimos, o remate de nossa viagem 

verbis idem patres , i^u ^ ii-r« • •• 

goanosperepistolam * ^^ V^^^ tenho por certo que Ihe tarao maiores mvejas os pengos, 

desuoinAethiopiam ^ fomes e asperezas que no caminho passamos, do que o bom aco- 

mgressu certiores 

fecerit. « Ihimento que achamos depois de entrar em Ethiophia, e muito maior 

« teverao, se souberao por experiencia quantas ^consola^Oes do ceo f. 3^6. 

« cumunica o Senhor no meio daquelles areaes, serras e espinhos, e 

« quanto esquecimento das recrea^Oes, frescuras e fartura de Portu- 

« gal, pelas quaes me diziao os companheiros, que nao trocariao a 

« menor gota das consolagOes que tinhao no maior desemparo e 

« falta das cousas humanas ; esta linguagem nao era s6 dos religiosos, 

« padres e irmaos da Companhia, mas ate dos mocjos, que sendo al- 

« guns delles muito fracos, e criados com mimos nos seminarios, em 

< que erao mestres de capella, e outros em casa de seus pays, assy 

« caminhavao dias inteiros a pee e mortos de fome, com tanta alegria, 

« sem sombra alguma de pezar, que me abrandavao huma s6 dor que 

« mais me atormentava em os ver tam maltratados, e era de poderem 

« dizer e cuidar que os trazia enganados. E virao que me enganava 

« no meu arreceu e conceito bem differente do que elles formavao 

« naquellas incomodidades que experimentavao. 

(I) u i\ letra » adiect. ab A. 



Digitized by 



GoogI( 



LIVRO VIII, CAPITULO XX. 47 1 

€ Saberao tambem vossas Reverencias por experiencia o que pode 
« nossa natureza (por mais que a tenhamos por fraca\ quando he Deus 
« o que Ihe faz a despeza do caminho : pois os que nSo podiamos la 
« andar huma legoa ou mea a pee, e eramos tidos por dos mais fracos 
« e achacados, ja saimos nesta viagem valentes, que parece que tudo 
« podiamos, e que a nenhum trabalho nos acovardavamos. De mym 
« digo que pela bondade de Deus em toda a viagem me nao doeu 
« pee, nem mao, nem cabe^a, nem me lembra que tivesse nunca tanta 
f.366,v: € saude como tive em toda ella. E hum dos *meus companheiros, com 
« quem, por fraco, la nos collegios os superiores dispensavao em al- 
« gumas COUS21S, por respeito da saude, que tinha tam pouca que or- 
« dinariamente frequentava as enfarmarias, andou a maior parte deste 
« caminho a pee, descalgo e diante de todos, comendo muitas vezes 
« milho cni, com major gosto do que se forao confeitos, e massapaes , 
« pera que se veja que Deus era o que nos sustentava, como com o mana 
« aos filhos de Israel no deserto. 

« Alguns, que com a fome e mao tratamento, sempre conservarao 
« a saude, em chegando a gozar dos regalos e fartura, adoecerao, 
« posto que levemente. Ethiopia, padres meus, nao he a que la ima- 
« ginavamos : na verdade he terra muy fresca e boa, se nao he me- 
« Ihor que Portugal ; na qual, se a gente tevera mais industria, nada 
« faltara, nao s6 do necessario pera a vida, senao ainda do que serve 
« psra regalo de mimosos. He terra de muito pao, carnes, mel, man- 
« teiga, ecc. E se nossos primeiros padres, que ca viverao, nao se po- 
« diao fartar de sevada torrada, como entao escreviao, nos podemos 
« dizer: AUj laboraverunt et nos tn labore eorum tfztroivimus. E assy 
« colhemos agora com alegria o que elles com muitas lagrimas entao 
« semearao ». Ate aqui o Patriarcha. 

O qual tanto que chegou a Baylur, logo se soube e foi niuito 3- Summoperc 
festejada do Emperador e de todos os bons catholicos a alegre nova patriarchae tamdiu 

d^ sua boa vinda. Porem, como se deteve muito em sair do reino «»P«ctati adventu. 

Perstrepentibus 
f. 3^7. Dancaly, e depois da primeira nao segun*dou por muito tempo outra regiis tympanis, dc 

alguma, estavao todos susponsos e receosos de algum trabalho ou puiJ*peT^pM«»nem 

desastre, que em terras de mouros Ihe poderia sobrevir. Mas che- nuncium afferri iu- 

, , ^ . - bet. Donaria quibus 

gando novas que era saido a salvamento e chegado a Fermona, foi Patriarcham et suos 



em todos alegria trasordinaria ; particularmente vendo o Emperador 
a carta do Patriarcha escrita em Fermona, diante do padre An- 
tonio Fernandez superior que Iha aprezentou, pondo os olhos no ceo 
disse : Nunc dimittis servum ttmm Domine, ecc ; quatro dias avia que 



cumulavit. 



Digitized by 



Googl( 



• 472 HISTORIA DE EXmOPIA A ALTA OU ABASSIA 

nSo podia dormir pola tardan^a desta nova ; e logo mandou chamar 

aos grandes da corte pera Iha communicar, e ao secretario Azage 

Tino mandou que lancjasse pregSo no terreiro do pa<;:o, tocandose 

primeiro, pera a gente acudir, os ataballes imperiaes; a forma do 

pregao foi a siguinte: 

« Primeiro estavamos em Ethiopia juntos com a santa Igreia ro- 

mana nossa may : veyo depois Dioscoros com Eutyches, e por elles 

nos saimos de seu gremio, e obediencjia, siguindo aos de Alexandria 

e seus patriarchas. Mas agora os deixamos, e ha muito desejamos 

deixar de todo, e recebemos a f6e romana, polo que vos alegrai 

todos com»go, e sos os inimigos se confudao e intriste<?ao » . Seguiose 

logo huma grande aclama^ao dos ouvintes, com brados e significa- 

gOes de muita alegria e gosto. Apos isso se tocarao devagar os 

ataballes, tangerao charemellas, e todos os senhores e capitaes ri- 

camente vestidos, em fermosos genetes e bem ageezados, andarao por 

muito tempo passa[n]do suas carreiras e escaramupando no terreiro do 

paijo a vista *do Emperador, dandose juntamente muitas surriadas de ^.367^. 

espingardaria. Ao criado do Patriarcha que Ihe trouxe a carta mandou 

o Emperador dar de alvi^aras sessenta oqueas de ouro, que montao 

seiscentas patacas ; e ao mesmo Patriarcha em Fermona pera o in- 

vemo que ali avia de passar necessariamente, por ser ia muito en- 

trando, mandou dar vacas e trezentas cargas de mantimento. Ras 

Cella Christ6s deu ao criado do Patriarcha trezentas patacas de al- 

vigaras. O viso Rey Buco Ihe deu hum macho em que andava muito 

prezado, que valia bem cem patacas. Deixo de contzir outras dadivas 

mais meudas. 

4. in Ss. Petri ct Em Fremona dia de s. Pedro e s. Paulo fez o Patrizircha o 

ma vicc Patriarcha primeiro pontifical pera consola^ao dos catholicos daquelle reino de 

pontificum ritu sacra Tigre, os quaes acudirao em grande numero k ver cousa tam nova 

facit in novo Fre- & ' ^ & 

monac templo cum e tam sancta, e se consolarao grandemente vendo o lustre o apa- 

(Uo.^^Ei^em* vfri ^^^^ ^^^ ^^^ ^ Igreia romana celebra o altissimo sacrifficio da 

testimonium de san- missa. Forao muitos os que neste invemo se reduzirao de novo a 
ctitate vitae patrum /., , , , n . 

in Aethiopia degen- sancta fee, de maneira que achandose naquella conjun^ao oito pa- 

^^"' dres de nossa Companhia, tinhao assaz que fazer em dar expediente 

a muita gente que se vinha confessar. Sobre o Patriarcha tambem 
caio aqui boa parte deste trabalho, porque erao muitos os que to- 
mavao por deva^ao confessarse com elle, a cuja piedade e boa von- 
tade o Patriarcha folgava satisfazer, nao perdoando ao grande trabalho 
que nisso tinha. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XX. 473 

Nao deixaxei de p6r aqui, pera consolaQao e edificacjao nossa, 
f. 36S. e principalmente pera gloria de *Deus nosso Senhor, o testemunho 
que o PatrisLTcha em huma carta sua da dos religiosos de nossa Com- 
panhia, que achou nesta missao de Ethiopia, que como sao cousas, 
que os nossos padres nao aviao de escrever, por serem propias, he 
bem que se saibao, pera ques os, que Ihe ouverem de ir soceder, 
tenhao noticia dsis pegadas que hao de seguir. Depois de dizer o 
grande fruito que se tem colhido na reduQao daquelle imperio, ajunta : 
c Tudo isto se deve ao trabalho e doutrina dos padres da Com- 
« panhia, mas muito mais tem feito e acabado com sua santa vida ; 
« e do Emperador sei que affirma, que por espacjo de muitos annos, 
c os tratara e examinara seu modo de viver, sem nunca nelles achar 
c cousa que Ihe parecesse mal, e com isso se veyo a persuadir que 
€ nao podia deixar de ser verdadeira a fee que se sustentava e pre- 
c gava por homens de tam santas obras. Isto diz Sua Magestade, assi 
c dos mortos, que forao os companheiros do patriarcha sancto Andre 
c de Oviedo, padre LourenQo Romano, o padre Francisco A.ntonio, 
c italianos, e o padre Pero Pais, castelhano, como dos que ainda vi- 
c vem ; dos vivos, posso eu como testemunha de vista affirmar que 
c nelles esta o espirito da Companhia em seu vigor, sao pregadores 
c verdadeiramente apostolicos, e semelhantes aos soldados de Gedeao, 
c que, sendo poucos, a custa de seus corpos, que como quartas que- 
c brantao com trabalhos e incommodidades que padeccm, e com a 
c luz e trombeta da prega^ao evangelica tem desterradas as trevas 
c de Ethiopia, vencidos e desbaratados os schismaticos, e desta vitoria 
c me tem feito participante nesta minha primeira entrada, ecc. » . 



C. Bbccari. Rtr. Aeih, Seript, occ tned, — VI. 



• Digitized by 



Googl( 



Digitized by CjOOQ lC 



f.368,.. CAPITULO XXI. 

Como o Patriarcha partio de Tigr6 pera Dambe^ e como 
foi recebido na corte de Dancaz pelo Emperador e 
seus grandes. 



la dissemos que era entrado o inverao quando o patriarcha i. Exacta hicme, 
chegou a Fermona, que foi aos 2 1 de junho ; acabase elle com se- triarcha in GoggiAm 

tembro; porem todo outubro e grande parte de novembro o caminho propcrat. impcrator 

^ o JT autcm iudaico bcUo, 

de Tigre pera Dambea he muito perigoso e arriscado a febres ma- SclaChristosctCaba 

lignas, causadas dos ares que nos desertos e terras quentes se cor- nibur»edimdi8^occu^ 
rompem, apodrecendo a erva e palha, que fica do inverao, com a patijcidcmobviamsc 

co n f c r r c ncqucunt, 
grande fortidao do sol, que naquellas terras baixas parece que abraza. attamcn lcgatos 

Por esta rezao nao pode o Patriarcha come^ar sua jornada antes de ^^ ^[d^eum^^ono- 
meado novembro; e o Emperador foi for^ado a se por em campo "ficc suo nominc 



no fim de septembro, e comegar a marchar pera Cemen contra os 
Falaxas ou Judeos, que naquellas fortes e altissimas serras estavao 
tam soberbos que tinhao feito muito dano nas comaxcas visinhas 
com assaltos que muitas \ezes nellas davao. Tinha tambem mandado 
no principio de setembro a seu irmao Ras Cella Christos, que com 
toda sua gente passasse o Nilo e fosse ao reino Amara e Xaoa a 
concluir a guerra contra o levantado filho de Cabriel. 

Porem nao se esqueceu o Emperador de ordenar o necessario 

pera a vinda do Patriarcha. Mandou a seu sobrinho Asca Guerguis, 

f. 369- e Ras Cella Christos *mandou ao Azage Lessana Christos, pera que 



czcipiendum. 



Digitized by 



Googl( 



476 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

acompanhassem ao Patriarcha com muita gente de guerra, e o apo- 
zentassem, fazendo que nos lugares visinhos ao caminho se desse, 
como se deu, todo o necessario pera o Patriaxcha e sua gente. O 
viso Rey de Tigr^ Keba Christos desejou muito acompanhar a Sua 
Senhoria, mas nSlo podendo, por o Emperador o chamar pera a guerra 
de Cemen, oflFereceu ao Patriarcha pera o caminho huma boa mula 
com ricos concertos e arreyos de prata, os quaes porem o Patriarcha, 
aceitando a mula, nSo quiz aceitar, por nSo dizerem bem com a 
modestia religiosa que professava. Chegando ao alto de Lamalmon, 
o mandou visitar o Emperador, que tinha assentado seu arrayal duas 
jomadas deste lugar. E dahi a outras duas, chegado a Camby, foi 
visitado dos padres, que ate de Gojam tinhamos vindo pera este 
effeito, e ajuntandonos em Gorgorra com o padre superior Antonio 
Femandez, passamos todos a Camby, duas grandes jomadas, pera o 
ir encontrar: e dali vohando em sua companhia chegamos todos a 
Ganeta Jesus vespora da ConceigSo da Virgem, no qual lugar se 
deteve tres dias, sendo aly visitado e festejado com os mimos que 
a terra da, com toda a liberalidade, principalmente por Ite Amata 
Christos, prima do Emperador, a mais rica senhora de Ethiopia, e 
por outras grandes senhoras que aly Ihe vierSo tomar a ben^ao. 
a. Cum in Oor- Daqui se partiu e chegou o Patriarcha a Gorgorra, festejado 

triarcha, inito prius "^ cammho pelos clengos e frades de dez ou doze igrejas, que com 

cum patribus consi- s^as cmzes e thuribulos, debaixo de panos de seda, a modo de pal- 

lio, plura ad bonum 

Ecclesiae pertinentia lios *sem varas, cantando Psalmos e AUeluyas, o saiao a receber. f.369,v. 

batoT^licet^itigato^ ^^^ tambem o padre Luis Cardeira encontrar e festejar ao Patriarcha 

inducitur. Solemni com os mininos do seminario, a muitos dos quaes em pouco tempo 

rituvigintiAethiopes . , . , , . , 

cierici sacerdotio tmha ensmado canto de orgao, e assi entoarao muito bem e com 

initiantur. vozes muito escolhidas o Benedictus, ecc. Aqui se achou o Patriarcha 

na junta dos padres, na qual se consultavao varios pontos impor- 

tantes pera o bem e augmento daquella christandade ; e entre outras 

cousas se assentou que era bem celebrasse logo ordens e as desse 

sicb conditione aos que as tinham recebidas primeiro dos Abbunas 

de Alexandria, por se julgar (como ia dissemos por vezes) que nao 

erao ordenados ligitimamente ; e assi deu logo Sua Senhoria, nas 

temporas de dezembro do anno 1625, as primeiras ordens a pas- 

sante de vinte clerigos e frades, permitindo a alguns, que erao ca- 

zados, ficassem no estado que tinhao, conforme ao costume da igreia 

grega que siguiao : e pareceo isto necessario, porque doutra maneira 

nao se achariao tam cedo parochos que pudessem acudir as muitas 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XXI. 477 

igreias que havia e seguirse Jbtia notavel escandalo, se logo se pro- 

hibisse que nenhum clerigo cazado pudesse dizer missa e exercitar 

suas ordens. Porem aos que de novo se ordenavSo e aos frades se 

declarou deviao seguir o custume da igreia latina e romana, to- 

mando as ordens sacras com obriga<;ao do voto de castidade. 

Trabalhou o Emperador quanto pode por se dezembaracjar da 3. SingiUadm dc- 

^ X jf j i^ 4. scribitur solemnis 

guerra em que estava contra os Judeos de Cemen, mas emquanto pompa qua ab Im- 

nao vinha, mandou recado ao Patriarcha que em Gorgorra esperasse pcratorc, adstandbus 

, . , universis regni pri- 

f. 370 *aviso de sua chegada a corte, o qual Ihe mandana a seu tempo. moribus, Patriarcha 

Chegou primeiro Ras Cella ChristSs junto ao Dancaz, mas nSo pode g^^f^J^e* ^' 

vir a Gorgorra ver ao Patriarcha, porque achou ali recado do Em- Hic arrepta occasio- 

..,,.,. , . •■ ne ad confertam p o- 

perador que Iho prohibia, por nao querer que no gosto e gloria de p^ii multitudinem 

tam desejado encontro Ihe ganhasse outrem por mao. verba facit* 

Concertadas as cousas da gnerra, posto que por entao a nSo 

concluio, e juntos ia na corte os mayores senhores, letrados e me- 

stres dos principaes mosteiros, mandou o Emperador a Gorgorra 

hum Azague, dezembargador do paQo, pessoa muito principal, pera 

avisar que era tempo, e ir acompanhando ao Patriarcha ate o Dancaz, 

assento por entao de sua corte: foi a primeira jomada atee o pee 

das altas ladeiras do Dancaz com bom accompanhamento de Por- 

tugueses e gente da terra, entre elles sete ou outo padres da Com- 

panhia que aly se ajuntarao. 

Ao dia siguinte, sete de fevereiro, subio as ladeiras, que sao 

muito ingremes e cumpridas ; tanto que chegou ao alto, mea legoa 

antes do arrayal e corte, emcontrou com (i) os principaes senhores e 

o melhor e mais lustroso da corte, que o sairao a receber (2) com vinte 

ou trinta companhias de soldadesca que seriao perto de quinze ou de- 

zaseis mil homens d'armas, todos os quaes, assy de pee como de 

cavallu, sairao naquelle dia com as libres e gallas que mais prezavao, 

que sao, as dos senhores, cabayas de varias sedas, veludos, setins, 

brocados de Meca a turquesca, as da gente ordinaria, fotetes, bo- 

fetas, sara(;:as e outros panos da India e alguns da terra, que em 

fineza nao dao ventagem aos que Ihes vem do mar ; sobre as sedas 

langao os mais ricos ao pesco^o grossas meadas, cingem relhos, ou 

cintos, embra^ao grossas e ricas manilhas de ouro finissimo, as espadas 

f.37o,v.- largas e tergados *chapeados de ouro e prata lan^adas a tiracollo ; 

os genetes erao briozos, os geezes de prata, os ar<;:5es das sellas 

(1) « Emcontrou com » subst. A. vocibus « o vierao receber ». 

(2) v< O sairSo k receber » adiecit in marg. 



Digitized by 



Googl( 



478 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

altos mais que os das nossas agenteta [yic] e chapeados de prata afor- 
rada em sedas de varias cores. ErSo os principaes deste acompa- 
nhamento o principe Faciladas, herdeiro do imperio, seu jrmSo Gla- 
dios, Ras Cella Christ6s, Ras Emana Christ6s seu irmSlo, Melcha 
(>hrist6s primo do Emperador e seu mordomo mor, a que elles cha- 
mao Bellatinagoita, Keba Christ6s vissorey de Tigre, Za Christos 
viso Rey de Begameder, Buqho viso Rey e (^afalam dos Damotes, 
e outros muitos capitaes e Azages. 

Todos elles tanto que emparelharao com o Patriarcha de cima 
de seus cavallos, abaixando a cabe^a e corpo, Ihe fizerao profunda 
reverencia e abrindose logo em duas alas pera a banda direita e 
esquerda, o meterao no meo. Ras Cella Christ6s com os de que mais 
fiava, Ihe quiz ir guaxdando as espaldas, pera que no meo da re- 
volta de tanta gente nao ouvesse algum herege tam atrevido, que 
a fiuzas de escapar entre ella, acometesse algum desmancho. Soava 
o ar, retumbavao os montes com vivas e vozes de alegria e com o 
som de trombetas e ataballes. Desta maneira chegou o Patriarcha 
a huma tenda que estava armada pera este eflFeito algum tanto aflFa- 
stada do arrayal, aonde se apeou, pera trocar o vestido de caminho 
com a capa e chapeo episcopal; e aqui, apeados todos, chegarao a 
Ihe bejar a mao os principes, senhores grandes e as pessoas prin- 
cipaes que o vierao acompanhcir. 

Tinha Ras Cella Christos aparelhada huma fermosa *mula com f. 37i. 
goaldrapa de seda e ricos geezes ; oflFereceua neste lugar ao Patriarcha 
pera nella cavalgar : escuzavase elle, dizendo que os geezes ricos nao 
diziao bem com a modestia de seu estado religioso. Respondeu Ras 
Cella Christ6s: Vossa Senhoria neste passo nao deve atentar tanto 
a sua pessoa quanto a que representa e que n6s hoje em Vossa 
Senhoria honramos e recebemos, que he a s. Leao papa, e ao Pon- 
tifice Romano, cabe^a da Igreia e vigairo de Christo na terra; e 
he certo que tudo o que fazemos e podemos fazer he muito pouco 
pera o que devemos a taes e tam santas pessoas. Rendeose o Pa- 
triarcha, cavalgou na mula e forao chegando ate a entrada do ar- 
rayal, aonde estava armada outra tenda, pera nella, conforme a ordem 
do cerimonial se revistir, como o fez, de pontifical, com capa e mitra 
de tela branca, e deixando a mula subiu em hum fermoso cavallo 
pombo, com goaldrapa de damasco branco, que o Emperador Ihe 
tinha mandado aparelhar, com geezes de muito pre^o e metendose 
debaixo de hum rico pallio, cujas seis varsis levavao Viso Reis e 



Digitized by 



Googl( 



V 



Vr 



LIVRO Vm, CAPITULO XXI. 479 



ssnhores principaes, foi caminhando pera a igreia de Ganjabet, que 

he de Nossa Senhora e a principal do arrayal, levandolhe ao ca- 

vallo de redea Serta Christos, mordomo m6r, com magoa e invejas 

de Ras Cella Christ6s, que muito desejava fazer este officio, mas 

impidiolho hum p6e, que tinha maltratado de hum couce, que poucos 

dias antes Ihe dera hum cavallo. Soava muito bem, entre os con- 

tinuos vivas, a muzica que entoavao varios cantores dos psalmos que 

o ceremonial aponta pera este acto. A gente que acudia era sem 

conto, os eflFeitos muito varios de alegria e jubilos nos bons catho- 

f.37i,v. licos e amigos da santa f6e da Roma, de con*fuzao e raiva nos . 

cora^Oes dos que ainda os tinha postos nos erros de Dioscoro e 

heregias de Alexandria. 

Chegando o Patriarcha a igreia, foi festejado com huma boa salva 

de artelharia e arcabuzaria e recebido a entrada com o Benedictus 

entoado por vozes muito escolhidas. Estava o Emperador na capella, 

vestido ricamente, com sua coroa de ouro na cabe^a, assentado em 

cadeira imperial, aos pees coxins de tela e brocado ; alevantouse e 

abraQou ao Patriarcha com mostras de grande amor. Subiu elle ao 

altar e, dadas gra^as a Nosso Senhor, assentandose, fez a todos huma 

pratica, tomando por thema aquellas palavras do psalmo : Ecce quam 

bonum et quam jucundum habitare fratres in unum : nella brevemente 

declarou, que a confei<;ao, e bom cheiro daquelle mistico e precioso 

unguento nao se podia derramar sobre o corpo e membros da igreia 

catholica sem decer e sair da cabe^a della Aaram summo sacerdote 

e figura do Pontifice Romano, verdadeiro vigairo de Christo, su- 

cessor de s. Pedro em sua cadeira. Foi ouvido com muito aplauso, 

admirandose muitos principalmente por se lembrarem que nunca a 

Abbuna vindo de Alexandria ouvirao pratica nem pregacao alguma; 

porque as nao sabiao nem custumavao fazer. Por remate lan^ou Sua 

Senhoria a todos a bsn^ao e comunicou as indulgencias custumadas ; 

e com isto se recolherao a descansar hum pouco, o Emperador a 

seu pa<;:o, o Patriarcha as casas que os padres da Companhia tinhao 

no arrayal. 

f. 372. Dahy a pouco avisado o Patriarcha que o Empera*dor o estava 4- Post dies ali- 

-, quot, Iniperator ad 

esperando, foi ao paQo bem acompanhado dos padres, de muitos aulam Patriarcham 

filhos de Portucrueses e de outra muita cfente. Esperavao o Empe- J»^^* «^ ^^^ V^o 
^ ft jr r- potest honoris et be- 

rador em sua sala real bem alcatifada, elle e a corte toda de festa ; nevolentiae signifl- 
tirouse do seu trono, que he o catere, mandou por junto a elle duas ^^non^tapcrator 
cadeiras de espaldas iguaes, huma pera si, outra pera o Patriarcha, vehementer conque- 



Digitized by 



Googl( 



48o HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

ritur defectum com- nem se assentou sem o Patriarcha o fazer juntamente; e este estilo 

xnendatitiarum litte* « «. .1 t^ • 1 « • 

rarum ex partc Ro- guardou ao diante todas as vezes que o Patnarcha hia ao pa^o ; per- 

mani Pontificis et guntoulhe com muito amor pelos trabalhos de tam cumprida viagem, 
Hispaniarum regis* 

declarou com grandissimo affecto os desejos t^^m acezos e cumpridos 

com que, tantos annos havia, esperava este encontro, e por Ihe ir 

tardando, dizia que ia quasi desconfiado de o alcan^ar, se consolava 

somente com morrer entre os seus padres mestres; mas agora que 

com elles juntamente e com outros, que de novo vinhSio, chegara 

a ver ao Patriarcha, que era o cumprimento de todos seus desejos, 

. nao sabia com que palavras pudesse dar a divina majestade as de- 

vidas gragas por merce tam grande, e, com os olhos no ceo arra- 

zados em lagrimas, dizia: Confirma hoc, Deus, quodoperatus es in nobis ; 

confirmai, Senhor, perpetuai, e dai a merces tam grandes o desejado 

fim, conhecpa Ethiopia a verdade de vossa santa fee, siguindo em 

tudo e obedecendo a cadeira de s. Pedro, e ao Papa de Roma seu 

successor e unica cabe^a de vossa santa igreja, Logo aly se as- 

sentou o dia em que o Emperador e todos os grandes, cissi eccle- 

siasticos como seculares, haviao de dar publicamente obediencia ao 

summo Pontifice Romano com solenne juramento nas maos do Pa- 

tri^^^archa. Huma falta se notou aqui muito grande (i), e foi carta de f.372A. 

Sua Sanctidade e de Sua Magestade pera o Emperador, nas quaes 

Ihe encomendassem a pessoa do Patriarcha e o negocio da redugao 

a santa fee e obediencia que devia dar a cadeira de Roma : a falta 

nao foi pequena; o Emperadar o sintiu muito, mas dissimulou por 

entao, e buscou despois occasiao em que declarou seu sintimento; 

deraoselhe boas escuzas, mas a falta foi de todos havida e julgada 

por notavel. 

(I) (( Huma falta se notou aqui muito grande » adiect. ab A. in raarg. qune 
amanuensi evidenter exciderant. 



Digitized by 



Googl( 



CAPITULO XXII. 

Obediencia que o Emperador e todos os grandes de Etio- 
pia derfto publicamente ao muito sancto papa Urbano 
oitavo nas maios do patriarca dom Affonso Mendez. 



Pera este acto tam sancto, tam religioso e solenne se sinalou x. Die xx februa- 
huma quarta feira, dia undecimo de fevereiro do anno de 1626; e sagAd piiblico etso- 

podese dizer com muita rezSo que nSo vio Ethiopia dia mais ditoso, 1«"»»^ ^i^^ obedien- 

tiam praestat Roma- 
e merecedor de ser todos os annos festejado com todas as demon- noPontifici.tumsuo, 

stragOes de verdadeira alegria ; pois nelle Ihe amanhepeu a luz cla- mine^^Sm^e^urel 

risSima da verdadeira e santa fee catholica, que nelle todos profes- iurando confirmat. 

sar^o, nelle desfeitas e acabadas as trevas palpaveis do Egypto, 

afogados no Mar Vermelho os erros e heregias de Eutyches e Dio- 

scoro, quebrado o vil iugo dos ingnorantissimos Abbunas e Patriar- 

f. 373. chas de Alexandria, *se vio Ethiopia alevantada a dignidade de filha 

de Deus, polo que podia com rezSo cantar com Moyses e Maria sua 

jrma: In exitu Israel de Egypto, domus lacob de populo barbaro, facta 

est ludaea sanctijicatio eius, etc. Ornouse pera este tam solenne acto 

a sala imperial o melhor que pode ser, acudirao a ella todos os gran- 

des do imperio, principes, irmaos do Emperador, Viso Rejs, ca- 

pitaes, Azages e Ombares, que sao todo o dezembargo e tribunal 

da justi^a, os Debteras e frades mai graves que ia tinhao recebida 

a santa fee de Roma. Junto ao trono, que he o leito imperial, se 

puzerao duas cadeiras de estado, na da mao direita se assentou o 

C. Bbccari. Rer. Aeih, Scripi. occ. ined, — VI. 6i 



Digitized by 



GoogI( 



482 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

Emperador, na da esquerda o Patriarcha, revestido em pontifical, 
com thiara e capa de asperges; feito silencio comegou o Patriarcha 
huma larga pratica, ou prega^ao acomodada ao acto que se cele- 
brava, pera a qual tomou por thema aquellas palavras que Christo 
Senhor Nosso disse a s. Pedro : Tu cs Petrus et super hanc petram 
aedificabo ecclesiam meam ; e porque ella foi tam grave e tam bem 
fundada em passos da escritura, authoridades de santos e mais histo- 
rias sagradas, e por isso muito a proposito pera convencer e provar 
a primasia da cadeira Romana, faria eu grande agravo a esta historia, 
se nao escrevesse aqui ao menos a substancia della. 

Pratica do Patriarca no acto do juramento. f.373*^- 

a. Homilia quam c Perguntou Christo Senhor nosso a seus discipulos, que opiniSo 

halmit Pa^^archa'! ™ * tinhao delle os homens ? e respondendolhe que falavao com variedade, 
« Ihes perg^ntou por seu voto : Vos autem quem me esse dicitis? S. Pedro, 
« como mais fervoroso, acudiu dizendo : Tu es Christus Jilius Dei vivi, 
t Nas quaes palavras cifrou tudo o que de Christo se pode confessar, 
« a saber que he huma pessoa divina com duas naturezas, divina e 
« humana. Porque dizendo : Tu es, fala com hum s6 individuo e im- 
« communicavel supposto; dizendo: Christtts Jilius Dei vivi, declara 
« as duas naturezas ; a divina, porque nao pode ser que seja filho de 
« Deus, sem sar Deus da mesma natureza e substancia que o Pay ; 

< e a humana, em Ihe chamar Christo, que quer dizer ungido. O qual 
« nome com sua significa^ao se nao pode atribuir a Deus: porque ungao 

< significa nova gra<;a, e se esta podera aver em Deus de novo, nao 
« fora etemo e immutavel e assi se chama Christo ungido por respeito 
« da humanidade, da qual o propheta disse: Propterea unxit tc Deus 
« tuus oleo laetitiae, ps. 44. 

« Por galardao desta altissima confissao, que s. Pedro, com par- 
4 ticular revelagao do eterno Padre, fez de Christo Nosso Senhor, o 
« declarou por cabega e pedra fundamental de sua igreia : Tu es Pe- 
« trus, et super hanc pctram aedijicabo ecclesiam meam, *e pera mostrar f. 374- 
« que a nenhum dos outros discipulos dava esta preeminencia, que a 
« Pedro, apontou s6 nelle : Et ego dico tibi, Nao que o fizesse logo em 
« effeito, e com real entrega e jurdicjao vigairo seu, senao prometen- 
« dolhe de o aver de ser depois de sua morte e paixao ; porque em- 
« quanto o Senhor vivia, nao era necessaria esta sustitui^ao. Polo que 
« depois de Christo Senhor nosso morrer, Pedro ficou o seu vigairo e 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XXII. 483 

« pastor universal da Igreia ; tanto que o mesmo Senhor depois de 

< sua gloriosa resurreigao Ihe disse : Pdsce oves meas, etc. loann. 22. 

< Avendo pois eu de receber do poderosissimo emperador Sel- 
€ tan Segued e de todos os grandes de seu iraperio o juramento de 
« uniao e fedelidade desta igreia de Etiopia com a Romana, que he 

< cabega, mestra e may de todas as igreias, e de obediencia ao 

< santissimo padre papa Urbano VIII legitimo successor de s. Pedro, 
« nao os quero exhortar com outras palavras que com aquellas me- 

< smas com que Christo Senhor nosso uniu e ajuntou em Pedro toda 
« sua igreia : Super hanc petram aedificabo ecclesiam meam, nao fa- 

< lando de muitas igreias, senao de huma s6 em singular, Ecclesiam 
« meam. Porque ainda que s. Paulo falle de igreJ2is em plural, Ec- 

< clesiis Galatiae ad Gal., i ; Per omncs ecclesias^ etc. I, Cor., i . e 
« Sao Joao no Apocalypse, Apoc, i , Septem ecclesiis quae sunt in 
« Asia] e se nomeao igreja grega e latina, occidental e oriental, nao 
« he mais que huma s6 igreja catholica e apostolica, como diz Ter- 

f.374»v. <^ tuliano: porque ainda qu^ no pago impe*rial aja muitas casas, todas 

< ellas se comprendem neste nome pacpo, que he hum s6 ; e nem, por 

< no corpo humano aver muitos membros, deixa elle de ser hum s6 

< corpo. Assi as igrejas, ainda que muitas, todas S3 comprendem e 

< unem nesta igreia unica Romana, como no Credo confessamos : Et 
« unam sanctam catholicam et apostolicam Ecclesiam, 

< Esta uniao com a igreja Romana tevestes, Senhrres, e conser- 
« vastes com a fee que recebestes de s. Matheus e d» » eunucho de 

< vossa rainha Candace, emquanto do Egypto e Alexandria nao re- 
« bentou e saio aquelle falso pastor e cabecja sem juizo, que, desu- 
« nindo vos do verdadeiro pastor e cabega, vos fez corpo monstruoso. 
« Ora he ia chegado, por merce divina, aquelle dia no qual (ja que 
« tanto vos prezaes de descendentes del rey David, por meio de Me- 
« nilech, do qual escrevem as historias de Ethiopia que foi filho de 
« Salamao e da rainha Saba, tronco da descendencia imperial) ve- 
« mos comprida a prophecia de Amos, cap. 9 : In illa die suscitabo 
« tabemaculum David, quod cecidit, et reaedificabo aperturas murorum 
« eius, ea quae corruerant instaurabo, et reaedijicabo illud sicut in die- 
« bus antiquis. Agora tendes architecto, mandado da sede apostolica, 
« pera se refazerem estas ruinas, que ainda que indigno do officio 
« e menos sabio, sabe pelo menos (conforme ao de s. Paulo : Ut sa- 

< piens architectus ftmdamentum posuit, quod est Christus, I Cor., 3) 
« mostrarvos o fundamento da verdadeira fee que he Christo e nao 



Digitized by 



Googl( 



484 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

€ ingnora ser cabe<;a de igreja *aquelle de que o mesmo Senhor disse : f. 375- 
« Super hanc petram aedijkabo eeclesiam meam. Tendes pastor que, 
« ainda que nao pode dizer : Ego sum pastor bonus^ comtudo he en- 
« viado daquelle summo pastor, a quem o Senhor emcomendou suas 
« ovelhas : Pasce oves meas ; e procurara, quanto suas for^as abrange- 
« rem, que se cumpra o de Ezechiel : Pastor unus erit omnium eo- 
« rum Ezech., 37, e o de Christo: Ut Jiat unum ovile et unus pastor 
« loan., 10. 

« Ninguem pode negar ser s. Pedro fundamento e cabe^a uni- 
« versal da Igreia catholica; por tal o reconhecerao os Apostolos 
« depois que o Senhor Ihe disse : Tu es Petrus [sic^ ou como lee nosso 
« livro : Tu es Petrus, et super hanc petram CLediJicabo ecclesiam meam. 
« Como tal presidiu no primeiro concilio que em Jerusalem celebra- 
« rao os Apostolos ; condenou a Simao Mago e deu sentenga de morte 
« contra Ananias e Saphira, como quebrantadores da pobreza evan- 
« gelica ; nem ja mais entre os Apostolos ouve com s. Pedro compe- 
« tencia sobre a primazia, que todos Ihe obedeciao sempre como a 
« suprema cabe<;a e prelado seu ; e sendo assi que Santiago era bispo 
« de Jerusalem e estava em sua propia diocesi, comtudo s. Pedro como 
« superior seu e em prezencja e ajuntamento dos mais Apostolos re- 
« solvia as duvidas e controversias que se moviao. Donde disse s. Ber- 
« nardo : lacobus, qui videbatur columna, una contentus est Hierosolyma, 
« Petro universitatem cedens\ e pera mostrar esta preeminencia que a 
« igreia Romana, fundada sobre s. Pedro, tem sobre todas as Igrejas 
« patriarchaes como inferiores e sogeitas, apontarei de cadahuma em 
« particular o que faz a nosso intento pola verdade. 

« *A igreia de Jerusalem, a qual por sua antiguidade, chamou f.375»^- 
« o concilio Constantinopolitano may de todas as igreias, quia dc 
« Sion exivit lex et verbum Domini de lerusafem, e se estendeu com 
« sua jurdi^ao por toda Palestina, sempre reconheceu por seu supe- 
« rior o Pontifice romano, e por elle os seus bispos forao julgadcs 
« em todas as occasiOes que se offerecerao, como foi polo papa Hor- 
« misdas no anno de 520 sentenciado o bispo Joao, ao qual os he- 
« reges e Eutichianos levantarao aquella dignidade, excluindo o santo 
« Elias ; o mesmo fez o papa Theodoro com Sophronio, anno 643, e 
« o pontifice Paschoal com Herbermano, anno de 1109; e no anno 
« de II 15 com Amulpho. 

« A igreia de Constantinopla, com pretender por vezes, estribada 
« no favor dos Emperadores, o principado das igrejas orientaes (posto 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XXII. 485 

€ que dellas era a mais modema), nunca porem teve competencia, nem 
€ fez opposi^ao com a igreja Romana, e ainda que no tempo do papa 
€ Pelagio II e Gregorio Magno, Joao seu patriarcha intentasse usurpar 
€ o titulo de pastor universal, foi logo pelos mesmos Pontifices repri- 
< mido seu atrevimento, e sempre elles forao reconhecidos por su- 
c premos e como a taes recorrerao com appelia^Oes, Paulo, perse- 
c guido deMacedonio e s. JoaoChrisostomo deTheophilo Alexandrino. 
c Por o papa Celestino e Xisto III foi condenado e deposto Nestorio, 
« Acacio por Felix, Euphemio por Gelasio, Antimo por Agapito, e 
« outros mais contra os quaes se executou o rigor justo da suprema 
c jurdi<;ao romana e apostolica. 

c A igreja de Antiochia cedeo sempre a Romana, porque s. Pe- 
f. 37t). c dro, deixando nella Alvodio *mudou com sua pessoa toda a digni- 
c dade pontifical e suprema pera Roma; e Juvenal bispo de Jerusalem 
c no concilio Ephesino mostrou contra loao patriarcha antiocheno, 
c que se oppunha aos legados apostolicos, que sempre a igreja de 
c Antiochia foi subdita da Romana, e seus patriarchas mandavao pedir 
c confirma<?ao de sua elei^ao a Roma, como fez Caniridico, que su- 
c cedeu a Estevao; e no tempo de Innocencio II, pelos annos de 1 136, 
c hum certo Rodolpho intruzo foi condenado por Alberico bispo ho- 
c stiense, legado do Papa. 

* E vindo ia a igreja de Alexandria, que depois de Roma tem 
c o segundo lugar, como Iho derao os concilios Niceno e Constanti- 
4 nopolitano, nao ha duvida que sempre se houve como subdita e 
c discipula da igreia Romana, na forma com que sam Marcos seu 
c primeiro patriarcha, se reconheceu por subdito e discipulo de s. Pe- 
c dro, e Dionisio seu patriarcha deu rezao de sy ante o summo Pon- 
c tifice, de que muito o louva santo Athanasio, e o mesmo s. Atha- 
c nasio, persegnido dos Arrianos, appellou pera o romano pontifice, 
c s. Pedro recorreu ao papa Damaso e por elle foi restituido a sua 
c igreia. A sentenga de Theophilo contra s. Joao Chrysostomo foi 
c declarada por injusta e nuUa p)elo papa Innocencio, e elle depois 
« escomungado e deposto ; s. Leao papa condenou ao perverso Dio- 
c scoro e, ainda que os hereges o nao queriao assy crer, bem o teste- 
c munhou aquella publica acclama^ao e mortifica^ao que os padres e 
c concilios por este respeito Ihe derao : Victi leo de tribu Itula ; e di- 
c zerem os hereges alexandrinos que sua igreja he cabe<;a de todas, 
c por ser a mais oriental, bem se vee quam inepta e redicula he 
c esta rezao; porque por ella, se boa fora, se teria por universal a 



Digitized by 



Googl( 



486 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

« igreja de s. Thome, que esta mais metida pelo oriente ; e bem *in- f.37i|V. 
€ gnorantes geometras sSio os que dizem ser a igreja de Alexandria 
€ SL mais oriental, porque, ainda que a respeito de Roma e de Con- 
« stantinopla o he, comtudo, a respeito de Jerusalem e Antiochia fica 
« mais occidental. Polo que se deve ter por verdade certa e infalivel, 
^ que a igreja Romana hi a cabe^ de todas as outras, como fun- 
« dada sobre aquella pedra : Et super hanc petram aedijicabo ecclesiam 
« meam\ e nSo tem ellas outro ser, outra verdade e jurdi<^o, mais 
« que a que recebem desta fonte e cabe^a suprema. 

« Isto se confirma bem com o que se 16e no vosso livro synodal, 
« em que se relata hum canone vsrdadeiro do concilio Niceno, que, 
« fielmente traduzido, diz: Quatro sao em todo o mundo as cadeiras 
€ principaes, como os quatro rios, que saem do paraiso, os quatro 
« ventos universaes e quatro elementos, mas sobre todas tem excel- 
« lencia e primazia a cadeira de s. Pedro de Roma, segundo insinarao 
« os Apostolos ; no segundo lugar esta a de s. Marcos de Alexandria ; 
« no terceiro a de s. Joao Evangelista ; no quarto a de Antiochia, que 
« tambem foi de s. Pedro e destes procedem todos os mais bispos da 
« igreia ; ate aqui o canone. Vede agora a quem se deve dar maior 
« credito, se a hum falsario grosador, ou 4 hum decrato de trezentos 
« e dezoito Padres mui catholicos e verdadeiros. 

« Sendo pois verdade que esta he a primeira cadeira da igreja, 
« vede, senhores, com quanta rezao vos exorto a seguila, e que, deixa- 
« dos os regatos, vos chegueis a fonte. Ate agora malae quaedam 
« lamiae ntcdaverunt mammam Thren., 4, e vos criavao a seus peitos 
« empeQonhentados ; agora que conheceis a verdadeira e legitima may, 
« Quasi modo geniH infantes rationa^biles et sine dolo lac concupiscitc f. 577. 
« Petr., I, que nao ha cousa mais posta en resao que beber o leite 
« daquella igreja e cadeira apostolica, que nunca foi inficionada com 
« peQonha de alguma heregia, erro ou engano. A igreja Jerosolimi- 
« tana, posto que se conservou na pureza da fee ate o anno de 109, 
« comtudo, morto Simeao filho de Cleophas, foi nella intruso hum 
« Tibulles {sic^l que semeou a zizania da heregia ; e s. Jeronymo no 
« quarto seculo escreveo difl^usamente contra os erros de Joao bispo 
« de Jerusalem. 

« A igreja Antiochena teve a Paulo Samozateno, Eulalio, Euse- 
« bio, Eufronio, Flacilo \sic\ Estevao e outros hereges inventores de 
« falsidades; na Constantinopolitana se levantou Nestorio, Eusebio Ni- 
« comediense, Macedonio e outros muitos, cuja doutrina foi reprovada 



Digitized by 



Googl( 



LIVKO VIII, CAPITULO XXII. 487 

€ e julgada por heretica ; a Alexandria [sic] deu ao mundo com parto 
< monstruoso ao perfido Arrio, e teve por bispos Heracla origenista, 
« Lucio, Jorge, Dioscoro e outras pestes semelhantes. S6 a cidade de 
« Roma e cadeira de s. Pedro, nem gerou, nem consentio em si algum 
« heresiarcha, nem fora de sy o sofreu, mas a todos em qualquer 
« parte do mundo, que brotarao com falsa doutrina, perseguiu, julgou 
« e condenou. 

« Portanto, huma e mil vezes com affectuoso desejo de ver esta 
« igreja de Ethiopia limpa de erros e de todo sogeita a Romana, 
« exhorto aos christaos della, ovelhas que por espa<;o de quatrocen- 
« to3 e sincoenta annos se sustentarao com o leite puro desta may, 
« com a quel estiverao unidos ate o tempo do concilio Calcedonense, 
« de que depois se apartarao, agora com novo espirito e fervor ap- 
« pete^ao tornar a seu gremio os que delle se achao apartados, como 
f.377,v, « muitos de vossos antepassados summamente *dezejarao tomar, assi 
« nos seculos mais antigos, como nestes mais chegados. Quem nao sabe, 
« que no anno de 1177 o Emperador que entao governava Ethiopia, 
« pediu por seu embaixador mestres doutos e catholicos ao papa 
« Alexandre III : ao concilio Florentino forao mandados embaixadores 
« pelo Emperador e Patriarcha, e trouxerao cartas do papa Eugenio 
« quarto ao emperador Zara Jacob; e o emperador David no anno 24 
« do seculo passado, escrevendo ao papa Clemente VII, dizia ter a 
« dita carta em seu poder; e mandou tamben seus embaixadores, 
« que acharao ao Papa em Bolonha coroando a Carlos V empera- 
« dor dos Romanos no anno de 1530; escreveu tambem depois ao 
« Romano Pontifice o emperador Za Danguil (i) ; mas atalhado com a 
« morte, nao chegou ao cumprimento de seus desajos; este tem Vossa 
« Magestade, christianissimo e felicissimo Emperador, visto ; depois 
« de tantas cartas escritas com instancia ao papa Paulo V e ao ca- 
« tholico Rey de Portugal, pedindo pastor e pregadores evangelicos, 
« ajudandose em tudo do conselho e doutrina dos padres da Com- 
« panhia de Jesu, aos quaes, depois de Deus e do zelo de Vossa 
« Magestade, se pode dever a restauracpao de Ethiopia. 

« Ora, Senhor, veni^ hora et nunc esi, em que Vossa Magestade 
« se pode desobrigar daquella antiga divida com que vossos ante- 
« passados morrerao obrigados aos serenissimos Reis de Portugal, os 
« quaes com tanto zelo tomarao por empreza sua e alvo, a que sempre 

(I) « Escreveu. . . . Za Danguil », suffecit A. verbis « escreverao. . . os Empera- 
dores Ciaudio, Za Danguil e lacobo >>. 



Digitized by 



Googl( 



488 HISTORIA DE ETHIOPIA A ALTA OU ABASSIA 

€ tirarao seus desejos, a uniao de Ethiopia com a igreja Romana, e ja 
- a esse fim no anno de 14S6, tendo noticia de hum Rey christao 
€ com nome de Preste Joao, que avia no *Oriente, por terra e por mar f. 378. 
€ mandarao suas espias e exploradores pera o descubrirem e delle Ihe 
c darem noticia. Torno a dizer, muito poderoso emperador Seltan Se- 
« gxied, venit hora et nunc est, que esta he a hora em que he justo 
« que Vossa Magestade facpa a todos seus vassallos semelhantes a sy 
>«: na fee que professa, porque Segued quer dizer adorar, e esta hc 
« a hora na qual veri adoratores adorahint Patrem in spirltu et ve- 
« ritate Joan , IV, porque como diz sam Cypriano, quem ouver de 
« ter a Deus por pay, ha de der [sic\ a igreja Romana por may. As 
« outras igrejas que desta estao desunidas, nao sao mais senao ma- 
« drastas, que criao filhos adulterinos, que Djus nao conhece por seus. 
« S6 esta may cria pera Deus filhos legitimos em espirito e ver- 
« dade, os quaes elle conhece por seus e como a taes Ihes deita sua • 
« paternal b^ncpao e concede vida sempitema > (i). 

3. Cum Patriarcha Em se acabando a pratica do patriarcha, que foi ouvida com 
8ctt™mpcrator iul^ muita aten^ao e aceitagao, mandou o Emperador levantar a Melca 
Melcha Christos suo Christos, seu primo e mordomo mor antigo, e ao presente Viso Rey 
verba facere. de Semen e por elle falou na forma seguinte, suprindo o mesmo 

Emperador nos lugares onde o orador discrepava das cousas que 
Ihe elle primeiro tinha praticado e communicado. 

Pratica do emperador Seltan (^3LgyM6, no mesmo acto. 

4. Oratio Melcha « Ouvi todos os que estaes prezentes. Em tempo do emperador 

« Galadios veyo o mouro Granh e se fez senhor de quasi toda 
« Ethiopia ; vendose el Rey neste *aperto, mandou recado aos Por- f.378.v. 
« tugueses pera o virem socorrer e remediarem os danos que o ini- 
« migo tinha feito em suas terras; erao as condi^Oes, que, vindo 
« este socorro Portugues, receberiao os de Ethiopia todos a fee 
« Romana, que s6 era a verdadeira e aos Portugueses dariao a ter- 
« ceira parte de todas as nossas terras, firmando tudo com juramento 
« e escomunhao posta, pera nao faltarem no contrato feito. Os Por- 
« tugueses, como verdadeiros filhos da fee, vierao em numero de 
« quatrocentos e forao tao notaveis as vitorias que alcan^arao dos 
« inimigos, que poserao espanto a todos nossos naturaes, e desba- 
« ratando os mouros, matarao muitos milhares delles e ao Granh 

(i) Hic A. adiecerat « ate aqui a pratica » quae dein deleta sunt. 



Digitized by 



Googl( 



LIVRO VIII, CAPITULO XXII. 489 

c seu rey e capitSlo da guerra, o que custou a vida e sangne a 
« muitos dos Portugueses que morrerao na empreza, pera nos ser 
« a n6s restituido nosso reino e terras, 

« Nao quiz porem o Rej e a nossa gente guardar com elles o 
« juramento feito, e contra elle e a escomunhao posta, recuzarao 
« receber a fee romana e ao patriarcha catholico que Ihes veyo de 
« Portugal. Polo que nos castigou Deus com os Gallas, que nos de- 
« struirao e occuparao as