(navigation image)
Home American Libraries | Canadian Libraries | Universal Library | Community Texts | Project Gutenberg | Children's Library | Biodiversity Heritage Library | Additional Collections
Search: Advanced Search
Anonymous User (login or join us)
Upload
See other formats

Full text of "Revista brazileira"

This is a digital copy of a book that was preserved for generations on library shelves before it was carefully scanned by Google as part of a project 
to make the world's books discoverable online. 

It nas survived long enough for the copyright to expire and the book to enter the public domain. A public domain book is one that was never subject 
to copyright or whose legal copyright term has expired. Whether a book is in the public domain may vary country to country. Public domain books 
are our gateways to the past, representing a wealth of history, culture and knowledge that's often difficult to discover. 

Marks, notations and other marginalia present in the original volume will appear in this file - a reminder of this book's long journey from the 
publisher to a library and finally to you. 

Usage guidelines 

Google is proud to partner with libraries to digitize public domain materiais and make them widely accessible. Public domain books belong to the 
public and we are merely their custodians. Nevertheless, this work is expensive, so in order to keep providing this resource, we have taken steps to 
prevent abuse by commercial parties, including placing technical restrictions on automated querying. 

We also ask that you: 

+ Make non-commercial use of the files We designed Google Book Search for use by individuais, and we request that you use these files for 
personal, non-commercial purposes. 

+ Refrainfrom automated querying Do not send automated queries of any sort to Google's system: If you are conducting research on machine 
translation, optical character recognition or other áreas where access to a large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the 
use of public domain materiais for these purposes and may be able to help. 

+ Maintain attribution The Google "watermark" you see on each file is essential for informing people about this project and helping them find 
additional materiais through Google Book Search. Please do not remove it. 

+ Keep it legal Whatever your use, remember that you are responsible for ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just 
because we believe a book is in the public domain for users in the United States, that the work is also in the public domain for users in other 
countries. Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we can't offer guidance on whether any specific use of 
any specific book is allowed. Please do not assume that a book's appearance in Google Book Search means it can be used in any manner 
any where in the world. Copyright infringement liability can be quite severe. 

About Google Book Search 

Google's mission is to organize the world's information and to make it universally accessible and useful. Google Book Search helps readers 
discover the world's books while helping authors and publishers reach new audiences. You can search through the full text of this book on the web 



at jhttp : //books . qooqle . com/ 




Acerca de este libro 

Esta es una copia digital de un libro que, durante generaciones, se ha conservado en las estanterías de una biblioteca, hasta que Google ha decidido 
escanearlo como parte de un proyecto que pretende que sea posible descubrir en línea libros de todo el mundo. 

Ha sobrevivido tantos anos como para que los derechos de autor hayan expirado y el libro pase a ser de dominio público. El que un libro sea de 
dominio público significa que nunca ha estado protegido por derechos de autor, o bien que el período legal de estos derechos ya ha expirado. Es 
posible que una misma obra sea de dominio público en unos países y, sin embargo, no lo sea en otros. Los libros de dominio público son nuestras 
puertas hacia el pasado, suponen un património histórico, cultural y de conocimientos que, a menudo, resulta difícil de descubrir. 

Todas las anotaciones, marcas y otras senales en los márgenes que estén presentes en el volumen original aparecerán también en este archivo como 
testimonio dei largo viaje que el libro ha recorrido desde el editor hasta la biblioteca y, finalmente, hasta usted. 

Normas de uso 

Google se enorgullece de poder colaborar con distintas bibliotecas para digitalizar los materiales de dominio público a fin de hacerlos accesibles 
a todo el mundo. Los libros de dominio público son património de todos, nosotros somos sus humildes guardianes. No obstante, se trata de un 
trabajo caro. Por este motivo, y para poder ofrecer este recurso, hemos tomado medidas para evitar que se produzca un abuso por parte de terceros 
con fines comerciales, y hemos incluído restricciones técnicas sobre las solicitudes automatizadas. 

Asimismo, le pedimos que: 

+ Haga un uso exclusivamente no comercial de estos archivos Hemos disenado la Búsqueda de libros de Google para el uso de particulares; 
como tal, le pedimos que utilice estos archivos con fines personales, y no comerciales. 

+ No envie solicitudes automatizadas Por favor, no envie solicitudes automatizadas de ningún tipo ai sistema de Google. Si está llevando a 
cabo una investigación sobre traducción automática, reconocimiento óptico de caracteres u otros campos para los que resulte útil disfrutar 
de acceso a una gran cantidad de texto, por favor, envíenos un mensaje. Fomentamos el uso de materiales de dominio público con estos 
propósitos y seguro que podremos ayudarle. 

+ Conserve la atribución La filigrana de Google que verá en todos los archivos es fundamental para informar a los usuários sobre este proyecto 
y ayudarles a encontrar materiales adicionales en la Búsqueda de libros de Google. Por favor, no la elimine. 

+ Manténgase siempre dentro de la legalidad Sea cual sea el uso que haga de estos materiales, recuerde que es responsable de asegurarse de 
que todo lo que hace es legal. No dé por sentado que, por el hecho de que una obra se considere de dominio público para los usuários de 
los Estados Unidos, lo será también para los usuários de otros países. La legislación sobre derechos de autor varia de un país a otro, y no 
podemos facilitar información sobre si está permitido un uso específico de algún libro. Por favor, no suponga que la aparición de un libro en 
nuestro programa significa que se puede utilizar de igual manera en todo el mundo. La responsabilidad ante la infracción de los derechos de 
autor puede ser muy grave. 

Acerca de la Búsqueda de libros de Google 

El objetivo de Google consiste en organizar información procedente de todo el mundo y hacerla accesible y útil de forma universal. El programa de 
Búsqueda de libros de Google ayuda a los lectores a descubrir los libros de todo el mundo a la vez que ayuda a autores y editores a llegar a nuevas 



audiências. Podrá realizar búsquedas en el texto completo de este libro en la web, en la página lhttp : / /books . qooqle . com 






iu r *- 



^•' . 



*j r 



v ! : 



* • 






NfeMflK 





^ s ) f 




BRANNER BRAZIUAN COLLECTION 



i| 



REVISTA 



imiZILEIIM 



REVISTA 



BLIAZILEIRA 


















325038 



» • • • • •«»«< 
• • i • •* •••■ 

, « « • «. • • "• * 












AGARENO' 








l 













































































































001 












• 





















8 REVISTA BRAZILEÍRA 

peito. quarto refeito, cheio de sol, tinha o aspecto de uma camará 
de noivado com as paredes forradas dum delicado papel côr de rosa, 
toda a mobilia clara, de pau setim, as cortinas leves das janellas en- 
tresachadas de fitas, fofos tapetes e grandes espelhos reproduzindo 
cantos do aposento. Um ramo murchava pendido numa jarra antiga 
e, numa columna de ébano um cervo ferido, de bronze negro, do- 
brava os joelhos, a boca aberta, a lingua pendente, com os olhos 
cheios de angustia erguidos para o céu. Na parede, alta, uma 
cópia da Conceição de Murillo. 

Uma das senhoras, gorda e baixa, os cabellos brancos em 
bandós, num simples vestido escuro, de chita, o ar bondoso e me- 
lancólico, veiu á porta esperal-o. Logo ao entrar deu com os olhos 
em Corina que, recostada a uma pilha de travesseiros, comos ca- 
bellos numa trança grossa, muito branca, levemente pallida, olhava 
sorrindo e os seus grandes olhos, claros e alegres, como que também 
sorriam. Julião adiantou-se com muita meiguice, sentou-se, 
tomou lhe o pulsoe, um momento, num silencio grande, fitaram-se e 
foi ella quem desviou os olhos levantando-os para a velha que, de 
mãos cruzadas no ventre, contemplava-a. 

Julião declarou-a livre de perigo : podia levantar-se no dia se- 
guinte. A velha interveiu com a sua bondade pachorrenta: — « Que 
não lhe fos^e dando muita liberdade porque era capaz de apanhar uma 
recaida,o melhor eraque passasse mais um dia na cama,não custava.» 

O velho, arregalando os olhos, concordou : — « Cautela ! Cautela ! 
que se lembrasse de que estava no Rio ! » Mas Corina amuada, com voz 
de choro, franzindo a fronte, protestou: — «Que não havia de ficar 
toda ávida metida na cama. Não tinha mais nada, até estava com 
fome. » Julião sorria e, com a superioridade que lhe dava a seieneia, 
disse: « Que podia sair; não havia perigo, desde que não fizesse 
extravagâncias: o ar, o sol, elementos de vida, só lhe podiam fazer 
bem. » E ficaram conversaudo— o velho muito interessado com o 
estudo sanitário e, falando-se de febres a velha suspirou demorando 
muito tempo com a cabeça tombada sobre o peito, numa concen- 
tração dolorosa. Julião dispunha-se a sair quando appareceu, muito 
grave, caminhando erecta, rija como uma estatua, a outra senhora 
que o coronel apresentou como uma boa e dedicada amiga de muitos 
annos, D. Mariana Brites. Alta e magra, duma còr amarella de 
velho marfim, olhos negros e fundos, cheios de severidade, a boca 



Id OK 



























10 REVISTA BRASILEIRA 

volha. Fora creada com aquelles costumes. * Sim, mas as coisas 
mudaram, explicou o coronel, as coisas mudaram. A sciencia tem 
progredido.. .» 

— Por isso morre mais gente agora, disse pausadamente D. Ma- 
riana. 

— Quando Deus quer que hão de fazer os médicos ? atreveu, 
com humildade, D. Cândida. Julião, pallido, estendeu a mão á Co- 
riua, despedindo-se. 

— Nfto volta, doutor ? 

— Creio que mio será preciso. 

— Como medico queira Deus que o não seja, disse a sorrir o 
coronel, mas como amigo... 

— E si eu passar mal, doutor ? 

-- Ah I mas espero que tal não ha de acontecer a menos que... 

— Descance, doutor ; disse pachorrentamente D. Cândida — fica 
a meu cuidado. 

O coronel, muito agradecido, principalmente pela noite que elle 
havia passado em claro insistiu para que elle dósso a honra de suas 
visitas, que appareeesse, seria sempre recebido com prazer. A casa era 
de velhos mas havia ali amizade sincera o gratidão. Nilo era dos que 
esqueciam finezas porque elle os aturara! oh ! si os aturara! e toda 
uma noite em claro. Não se esquecia. 

Julião balbuciou palavras, vexado. D. Cândida ajuntou os seus 
agradecimentos aos do marido, com muita bondade mas, quando elle 
se dirigiu á D. Mariana viu-a firme, d'olhos accesos, a mão esten- 
dida, sorrindo : , 

— Diga-me, doutor, não conhece o doutor Paiva? um velho 
gordo, d'oculos verdes, barba toda, medico da Santa Casa? 

— Não, minha senhora. 

— Não conhece ! fez cila com espanto, pois era um dos médicos 
de mais nome quando aqui cheguei. Paiva de Andrade, creio eu; 
tinha duas filhas, uma aleijada. Era um grande medico! Para febres 
então não havia outro. E voltando-se para D. Cândida, de cabeça 
alta, com os olhos reluzindo :— Foi quem me poz boa da amarella. 
Santa creatura ! Mas o doutor nunca ouviu falar nelle ? 

— Não, minha senhora. 

— Quem sabe si morreu ? Estava já tão velho!. . . 









11 
























































■ 



















12 REVISTA BRAZILEIRA 

D. Januaria, que o pequeno Paulo atormentava com pedidos 
de doces agarrando-se-lhe ás saias, a chorainigar, sorriu maliciosa- 
mente dizendo : « Pobre de quem vai !» e Salustio, com um risinho, 
cravou os v olhos em Julião que desconcertara : — Então nunca viste 
cara igual no Rio? Elle affirmou sorrindo contrafeito: — Palavra! ó 
uma cara linda! e olhou os dois velhos, com visivel vexame: 
Pensam que estou apaixonado? 

— Não, de modo algum, disse Salustio em tom zombeteiro. De 
modo algum. 

— A minha paixão cá está, affirmou Julião impondo a mão 
sobre a cabecinha de Paulo que sapateiava frenético agarrado ás 
saias de D. Januaria. Para este é que eu vivo. Não penso em ca- 
samento. E grave, com uma voz cheia de ponderação : — Si não 
fosse o filho ainda bem, mas comprehendem que não hei de con- 
stituir nova família levando elementos doutra; geralmente não se 
coadunam. Para que hei de dar uma madrasta ao pequeno? Vivo 
muito bem assim. Já me habituei á vida solitária. Trabalha-se 
mais, são menores os cuidados e a independência é completa. Si, 
por um lado, a família nos traz equilíbrio e conforto, por outro 
lado é um derivativo de forças, distrae-nos, leva-nos o melhor do 
espirito, absorve-nos o mais precioso tempo. Não penso em casar. 
Achei-a formosa e affirmo : é a cara mais linda que tenho visto, 
realmente é, mas apaixonado, não estou. Já vai longe o tempo 
das impressões fortes — admiro, aprecio e é só. 

Salustio que ouvia disse apenas : « Pois sim ; » e D . Januaria, 
tomando o pequeno ao collo, ajuntou: «Você pôde casar quando 
quizer comtanto que nos deixe o Paulo.» E carinhosa, batendo nas 
pernas da criança que, com as bochechas cheias mastigava a sua 
goiabada perguntou, por entre beijos, infantilizando a voz:« Não 
é, filhote? Vo'jô fica com a sua mamíi, não é? > Julião procurou 
dissuadir os velhos e á noite, quando se despediu Salustio, da va- 
randa, disse-lhe — que ia mandar escovar a casaca para a cere- 
monia. 



Foi na rua do Ouvidor, num lindo sabbado fresco e de sol 
que Julião encontrou Coriua deslumbrante num costume tailleur 
de azul marinho. Estiva á porta do Farani, num grupo de amigos, 



í 



V, 



r-* 



AGARENO 13 

buando ella passou com D. Mariana sempre rija, toda de preto, 
secca e angulosa, d'olhos enterrados. Avistahdo-se, a menina sorriu 
e elle, sobresaltado, precipitou-separacumprimental-a felicitando-a 
por vel-a tão bem disposta, com umas cores tão lindas annuncia- 
doras de saúde. D. Mariana estendeu-lhe os dedos magros que 
saiam esgalgados das malhas da mitaine e ficou parada, muito 
firme, d^lhos immoveis, mordicando o beiço furfuraceo emquanto 
os dois falavam: Corina queixando-se da indiferença do medico 
que nem mais apparecia, elle desculpando-se, promettendo lá ir 
uma noite para conversar. 

— Porque não vai hoje ? Papai tem passado mal : deixei-o em 
casa gemendo com o rheumatismo. Appareça hoje para conversar, 
eatamos sós. Julião prometteu e despediram-se com um demorado 
aperto de mão. D. Mariana não fez mais que um breve acceno 
com a cabeça e seguiu, esguia e dura como um poste, rua 
acima. 

A' noite quando Julião chegou á casa do coronel, a sala estava 
illuminada e tocavam ao piano uma gavotta expressiva ; mal retiniu 
a campainha as notas emmudeceram e Corina appareceu á janella, 
inclinando-se muito para a grande sombra do jardim. Julião reco- 
nhecendo-a, saudou-a: «Bôa noite!» e ella, numa alegria mal 
dissimulada, annunciou-o: — Está ahi o doutor ! Entre, doutor! Até 
que emfim!» Recebeu-o gárrula, tomando-lhe o chapéu, o mac- 
farlane, a bengala, muito risonha, estonteada. O coronel, no sofá, 
a perna estendida , o pé repousado sobre um tamborete, gemeu e 
ia levantar-se mas Julião avançou com pressa : 

« O 1 coronel, não se incommode.» D.Candida, que falava a uma 
velhita magra, engelhadinha, apresentou-a : a baroneza de Campos 
Claros e Corina, fazendo sair da janella um rapaz moreno, picaclo das 
bexigas, com a barba negra em ponta, muito apertado, num veston 
claro cuja lapella uma grande rosa ensanguentava apresentou-o 
igualmente:— «Dr. Carlos Villas, engenheiro, formado em Paris. » 
Julião mirou-o desconfiado, mas o coronel, gemendo, offereceu-lhe um 
lugar no sofá, a seu lado consultando-o sobre aquella terrível moléstia 
que zombava de tudo— andara em Caldas, tomara um rôr de re- 
médios e ia de mal a peior, eram dores atrozes nos joelhos, nos rins. 
Julião lembrou medicamentos, insistiu no iodureto que o coronel 
dizia ter tomado ás canadas, sem resultado. D. Cândida, para 



14 REVISTA BRAZ1LEIRA 

animar a sala, pediu a Corina que tocasse alguma eoisa. « A valsa », 
suspirou o coronel recostando-se. Corina, trefega, emquanto folheava 
o álbum, perguntou a Julião se não tocava? « Não, minha senhora, 
infelizmente porque adoro a musica. > Carlos Villas já havia occupado 
uma cadeira que collocára junto ao piano e dedilhava. Corina sen- 
tou-se, muito risonha e, a um tempo, atacaram com bravura os pri. 
meiros compassos da Raâieuse. O engenheiro executava com fir- 
meza estremecendo como ai vibrasse com os accordes e Corina, cor- 
rendo o teclado, parecia acompanhar com a cabecinha irrequieta as 
notas que lhe escapavam debaixo dos dedos saltando sonoramente, 
em trillos crystallinos, duma vivacidade de gorgeios, rápidas, fugi- 
tivas, casando-se harmonicamente com as notas graves, profundas do 
acompanhamento que o engenheiro tirava nitidamente em accordes f 

vigorosos. O coronel applaudiu e a velhita, sorrindo, bateu com o ' 

leque nos braços duma cadeira dando sinceros parabéns á Corina: j 

que estava uma pianista. Julião, confessando o seu enthusiasmo, in- \ 

dagoudo professor que tivera e Corina disse: «D. Livia Berredo, o ^ 

doutor não conhece; viuva dum official de marinha. Esteve muito 
tempo em Valença leccionando piano e canto. » \ 

O coronel indicava as peças ; ás vezes, faltando-lhe os titulos, 
cantarolava trechos e assim executaram ora os dois, ora Corina só e \ 

Carlos Villas voltando as paginas das musicas, sonatas, scherzos, 
gondolieras, polonaises e uma grande marcha heróica que o coronel \ 

applaudiu com enthusiasmo. A baroneza despediu-se cedo e Carlos \ 

Villas, que a acompanhava, com um violento slwke-hanãs offereceu á 
Julião a sua casa, na rua de Olinda. Corina levou-os até á porta 
beijando a mão engelhada da velhinha e pedindo ao engenheiro que 
apparecesse para estudarem algumas peças a quatro mãos. Julião le- 
vantou-se para sair. D. Cândida, porém, oppoz-se : que não, esperasse 
um instante para o chá e, pedindo licença por um instante retirou-se 
da sala. O coronel, estirado, lamentava -se. 

Corina chegara á janella; de repente, extasiada, d'olhos altos, 
poz-se accenar com a mão sem voltar-se : — « Venha aqui um in- 
stante, doutor. Venha vôr que belleza! » <E' a lua, disse o coronel co- 
çando o queixo. Vá vôr, doutor.» Julião encaminhou-se para a ja- 
nella. Ficáramos dois num silencio de enlevo: alua cheia subia. O 
céu, acima dos montes que as aguas mansas da enseada molham, ^ 

suavemente, se foi illuminando, num clarão de incêndio, e o mar 



í 

i 

t 

\ 



"Ti 



\ 









nina Bn:i 



. 





















16 REVISTA BRAZILEIUA. 

— Ora ! quem me disse. . . foi uma amiga.» coronel, já perto, 
alteou a voz :— « Porque não entra, doutor? sem cerimonia.» Ao chá 
falou dos desgostos políticos — que ia abrir mão de tudo, não queria 
mais saber de partido, ia descansar. Estava farto de amofinações e 
de esbanjamentos : uma eleição não lhe custava menos de oito, 
dez contos ; náo estava para trabalhar atoa e, ainda por cima criando 
inimizades. D. Cândida, pedindo desculpa da casa que haviam 
alugado mobiliada para passar o inveino, preoceupava-se com a ca- 
deira em que se sentara Julião, que rangia e oscilava, desconjuntada; 
não descançou emquanto náo o viu em outra, solida e forte. Levando 
então a conversa para a família perguntou a Julião si era casado. 
Elle contou-lhe o seu desastre e todos lamentaram . A's 11 horas 
pediu licença para retirar-se. Corina, sorrindo, disse-lhe que os não 
julgassemmatutos — «mesmo na roça não se deitavam nunca antes da 
meia. noite. Era cedo. » Mas Julião insistiu: — «O coronel estava 
soffrendo, precisava descanso. » Conduziram-n'o á sala, as duas 
senhoras, o coronel deixou-se estar repoltreado, fumando. Pediu 
muito a Julião que apparecesse para jantar e Corina, á porta, 
apertando-lhe a mão, pediu também baixinho : que apparecesse. . . 
passava ali umas noites tão tristes. . . ! E elle, com os olhos nella, 
prometteu : que sim. Seguindo, ao vento fresco da noite, pensava : 
« Ella então preoceupa-se commigo, indaga da minha vida, inter- 
roga as amigas... » Sorria feliz, na alegria de uma certeza de 
amor, elevando os olhos ao céu, calado e claro onde a lua branca 
dormia como uma lâmpada fosca. 



Uma tarde Julião entrou pelo armazém de Salustio procurando-o 
no escriptorio. Achou-o repoltreado, o pince-nez na ponta do nariz, o 
Jornal aberto sobre as pernas. O velho mineiro pasmou ao dar com 
os olhos nelle— « Ohl que grande novidade é essa? Vou mandar re- 
picar o sino. Ha alguma coisa séria ?» 

Julião affirmou sorrindo : «que sim. Precisava conversar com elle 
um instante . » Salustio fechou vagarosamente o pince-nez e lançou a 
Julião um lento olhar investigador. « Mas é coisa assim tão séria ! » 
«Muito séria!» 

Passaram a um gabinete e, entre os pesados cofres sentaram-se 
em poltronas de vime ; um gato nédio dormia enroscado sobre o 



AGARENO 17 

assento de couro dum banco, Salustio poz-se a alisar-lhe o pello . 
Julião puxou as calças, arranjou a gravata, cofiou os bigodes, demo- 
rava como se lhe faltasse a palavra inicial, por fim sorriu e disse : 
— «Vim aqui por causa de D. Januaria. » Salustio carregou o 
sobrolho sem entender, a fronte franzida: — « Como?». «E* 
verdade. Não tinha coragem de falar diante delia, sei que vçi 
rir.» Salustio meneou a cabeça e raspando o queixo com a unha: 
«Rir?» «Sim. . . » fez um curto silencio e, de repente declarou, dum 
jacto: « o que aqui me traz é a menina de que lhe falei.» Salustio 
escancellou a boca mas interrogou baixinho: «a de Botafogo?! » 
« Sim. » Calaram-se ; o gato, corcoveado, ronronava esfregando-se 
no braço de Salustio que batia com a palma do pó pancadas seccas, 
compassadas, no soalho. Julião fez-se vermelho. «Mas tens vergonha 
de Januaria ?...» «Tenho... e do pequeno também, confesso : é uma 
exquisitice mas tenho. »« Que ha, emfim? » «Que ha... estou apaixo- 
nado, ou antes : gosto delia. » Animou-se entfto : — « Quer saber ? 
não posso mais com a vida solitária. O que me impelle ao casamento 
é, principalmente, a necessidade de uma companhia; não digo 
que não concorra também um pouco de impressão, mas ó prin* 
cipalmente a necessidade dum lar, de aconchego que me leva, 
pela segunda vez, á presença do pretor e do padre. Sinto-me 
só, muito só. Demais estudei detidamente essa menina e estou con- 
vencido de que é uma excellente creatura, génio magnifico, esplen- 
didos costumes. Evitei-a sempre mas... » « E ella ?já lhe falaste ?» 
«Falamo-nos sempre, á noite, quando lá vou. Creio mesmo que 
D. Cândida já percebeu e não ó indifferente. » « Ella sabe que és 
viuvo ? » « Sabe; e que tenho o Paulo ; até pediu-me que o levasse uma 
noite commigo; pergunta sempre por elle com interesse. » Salustio 
raspava de novo o queixo, d'olhos elevados e disse pausadamente: 
— « Não sei, filho — isso ó comtigo. Eu penso também que não podes 
ficar só: és moço, começas agora a tua vida. . . a questão está em 
estudares bem a pessoa que levas para tua companhia. O casamento 
é um ajoujo, vôlá! Quanto ao pequeno não te preoccupes, esse não 
será motivo de discórdia porque, tenho certeza de que a Januaria 
não se apartará delle sinão com a morte. Esse tem mãi. Acho que 
deves estudar bem a moça antes de qualquer compromisso. O casa- 
mento é um ajoujo, meu filho — ó preciso que os dois barcos sejam 
iguaes e levem cargas equivalentes para que se estabeleça o 

2 TOMO VI! — 1896 



18 REVISTA BRAZILEIRA 

equilíbrio sem o que não ha arraes que os manobre : o sossobro de um 
arrasta o outro no desastre. Vê lá, a correnteza da vida é a mais difficil 
e violenta do que parece. Nada de impressões ligeiras, os olhos sfio 
maus amigos. Um homem como tu não se deve deixar levar pela bel- 
leza exterior, coração e espirito antes de tudo. » « E' uma excellente 
menina. . . » « Então casa ; que mais? Falta-te alguma coisa ? » Ju- 
lião enterrou a ponta da bengala no interstício de duas taboas do 
soalho e, d'olhos baixos, sorria. «Que te falta?» Levantou a cabeça 
e disse:— « Coragem. Coragem para fazer o pedido. Ella é rica e 
eu. . . o senhor sabe. Receio que me tomem por um explorador; é 
isso. > c Ora ! explorador! Que melhor fortuna queres tu do que o teu 
talento ? um rapaz novo, formado, com um magnifico começo de 
carreira... que melhor? Deixa-te disso. O pai não te recebe bem? » 
« Admiravelmente. Trata-me com a mais estreita intimidade.» 
«Então?» «Não me atrevo... Depois o Paulo...» «Que tem o 
Paulo? Não te preoccupes com o Paulo. » Encolheu os hombros : 
— « Emfim... só escrevendo. Tenho vontade de escrever ao coronel... 
e quanto antes porque elles já estão em preparos de viagem, de volta 
á fazenda. » « Qual escrever ! fala-lhe, sé franco. Que te disse a me- 
nina ? ella deve conhecer a opinião dos pais. » «Pois não : quer que 
eu fale» «Então ?!...»« Não tenho coragem.. . não tenho coragem. . . » 
E, levantando os olhos para Salustio : «Lembrei-me do senhor... » O 
velho mineiro sorriu : — « De mim ? queres então que eu me apre- 
sente a um homem que não conheço para pedir-lhe a filha...? 
O 1 Julião que diabo de idéa ficará fazendo o coronel de ti?! Deixa-te 
disso : vai ao homem e dize-lhe a coisa ; ou sim ou não e está tudo 
acabado. » 

Julião pediu segredo a Salustio e saiu desanimado. Via dificul- 
dades insuperáveis em tudo; revoltou-se contra o amigo e o filho 
appareceu-lhe como um embargo A sua felicidade. Pensando nelte 
teve uma idéa cruel mas combateu-a logo com uma expressão de 
arrependimento piedoso: — « Coitadinho ! » 

A* noite, nervoso, agitado, sob o domínio de idéa obcecante, 
rabiscou largas folhas de papel compondo frases cultas para o 
pedido. Escrevia, riscava mas, com esforço, conseguiu acabar a 
carta, numa letra delgada e symetrica ; leu-a, releu-a e dobrou-a 
cuidadosamente fechando-a. De manhan, pensando, rejeitou a idéa 
da véspera e animado, passeiando ao longo do quarto disse, num 



AGARENO N 19 

assomo de audácia: «Ora! vou! » mas a noite veiu e o desanimo 
retomou-o. Lembrou-se então de mandar um creado á casa do co- 
ronel com a carta, mas logo, com tédio, repelliu esse pensamento. 
Vestiu-ae efoi; deixaria o pedido que escrevera com D. Cândida. 
Corina esperava-o anciosa mas, logo ao entrar elle desalentou-a : 
«Não tinha coragem de falar ao coronel; escrevera uma carta.» 
EUa sorriu com tristeza mas, como D. Cândida apparecesse dei- 
xou-o perto do piano e levou a mãi para o angulo duma janella; 
Julião espiava-a e, vendo-a a avançar abraçada á velha, entre 
risonha e amuada, corou. « Está ahi, disse ella baixinho, mamai é 
também da minha opinião. Agora carta. Fale. Tem modo de papai?...» 
D. Cândida corroborou bondosamente :—« que era melhor falar. » 
Quando o coronel appareceu na sala, todo de branco, agarrado 
ao bengalão, as duas senhoras retiraram-se e Julião, sentindo-se só, 
poz-se a torcer ás mãos, os olhos nos bicos dos sapatos. O coronel 
interrompeu o silencio : — « Já ahi vem o calor. Está uma noite aba- 
fada. Já estou com saudade das minhas arvores. Não durmo direito 
com este barulho de bondes e de carros.» «Quando parte, coronel?» 
« Em princípios de Agosto, não espero mais. » « Tão cedo ! » « En- 
tão ? as febres não tardam. Aqui não ha fiar. . . conheço muito esta 
cidade. » Julião endireitou-se na cadeira e baixinho, tremulo, disse 
que — « tencionava falãr-lhe sobre assumpto que a ambos interes- 
sava. » O coronel fitou-o e tomando uma attitude attenciosa disse : 
— c Estou ás suas ordens, doutor. . . » Julião poz-se a falar da sua 
vida :— « Coronel, eu sou um filho do meu esforço, tudo que sou 
devoá minha perseverança e ao trabalho... » o coronel accenou 
approbativamente e Julião, depois de uma ligeira exposição da sua 
vida, desde o dia em que, abandonado, recorrera á bondade de 
Salustio Pina até a sua formatura derivou falando da necessidade 
de constituir família, dizendo que achara em Corina a esposa 
ideal que imaginara. O coronel interrompeu-o seceamente: — « Mas 
o doutor não tem um filho ? » • Que sim, tinha ; » affirmou Julião. 
« Ah 1 fez o coronel, ó por isso ; em geral as moças têm escrú- 
pulos.» « Mas D. Corina sabe, disse Julião. * O coronel, então, ergueu 
a voz : — Então ! e, com solemnidade : « Doutor, eu não intervenho 
em casamentos. Entendo que os pais devem guiar as filhas, aconse- 
lhando-as como amigos interessados na sua felicidade mas con- 
trarial-as nunca a menos que ellas, por leviandade, não façam uma 



20 REVISTA BRAZILEIRA 

escolha indigna. Nesse caso antes a morte, penso eu; antes a 
morte. Conheço de pouco tempo o doutor mas honro-me muito com 
a sua amizade. Julião agradeceu. E' um moço de trabalho ... Si 
ella quizer eu aqui estou para abençoai- os. Julião sentiu a impres- 
são de allivio de quem sai dum tunnel abafado. 

Corina veiu á sala com D. Cândida e o coronel, passando-lhe o 
braço pela cintura, felicitou-a pela escolha do seu coração depois, 
num tom reprehensivo, perguntou-lhe porque havia escondido tanto 
tempo o segredo: « Ora, papai sabia. Eu disse a mamai e ella 
cont^-lhe tudo ...» Elle riu com bonhomia : « Que sejam felizes !> 
D. Cândida tinha os olhos enternecidos e húmidos. 

Partiram em agosto para a fazenda. Em dezembro, a instan- 
cias de Corina, Julião, foi passar quinze dias em Valença. Foi em 
maio o casamento, Salustio acompanhou Julião, a baroneza acompa- 
nhou Corina e os noivos, felizes, depois da ceia no palacete da baro- 
neza, recolheram á casa da rua Silveira Martins que o coronel montara 
com luxo para offerecer á filha. 

(Continua) 

Coelho Nbtto 



CANTORAS DOUTRO TEMPO 1 

ROSINA STOLTZ 



I 



Singular destino o dos representantes da scena lyrica, singular 
e fugaz, qual ondeante sombra! O literato, o pintor, o esculptor, 
deixam de e após si a prova viva do génio . Livro, tola, mármore, 
exaltam a saciedade quem os tirou do nada. Que resta, porém, ás 
cantoras, extinctas as ultimas notas da privilegiada garganta, 
esvaido o som das ovações, murchas as rosas do triumpho ? Como 
fixar para os vindouros a delicia da voz ou a nobreza do gesto ? As 
rainhas do palco exercem poderios ephemeros. A lembrança da Ma- 
libran perdura melhor nos versos de Musset que pelo éco, cada 
vez mais enfraquecido, dos seus famosos trinados. Os nomes das 
cantoras vivem na Arte sob a forma de lendas do Bello cujo molde 
se quebrou para sempre. De tantas lutas, de rivalidades sem conta, 
que resta á velhice das grandes artistas ? 

Felizes as que se acolhem cedo ao tranquillo porto do lar do- 
mestico, onde as esperam longos dias de lagrimas e saudades. Fene- 
cida a belleza, afugentado o amor, delias se ausentam mansamente 
aduladores, cortezãos e parasitas, mas sobra ás vezes o apoio das 



*Nura livro, ainda inédito, busquei estudar, em pequenas mouographia.s, 
os artistas de outr'ora, nossos e estrangeiros. A esse livro pertence o pre- 
sente estudo sobre Stoltz. 



22 REVISTA BKAZILKIRA 

dedicações humildes, dos affectos fieis. A's desamparadas de cabe- 
daes e amigos bem competem o isolamento, a ingratidão e a mi- 
séria. Queridas dos deuses podem ser chamadas as artistas mortas 
em pleno esplendor do sonho, tecido a oiro e pérolas, da formosura e 
da fama, immortalizadas pelo Prazer e pela Gloria. 

Qual desses foi o destino de Rosina Stoltz ? Vejamol-o. 



II 

Ainda hoje no Rio de Janeiro, apezar do cosmopolitismo, o 
simples annuncio da chegada de uma celebridade artística, desperta 
geral e intensa emoção. Imagine-se o que não seria em 1852, na ca- 
pital do Império, a nova da vinda de Madame Stoltz. 

Houve sempre, mercê de Deus, entre nós, quem se desviasse de 
agitações politicas para cuidar das artes de modo a, por ellas, con- 
servar maior ou menor gosto. A scentelha divina foi alimentada por 
homens da estatura de José Maurício, cujo génio de possante enver- 
gadura, logra hoje por fim justiça emergindo de injustificável olvido, 
Marcos Portugal, o compositor da corte de D. João VI, Neuckomm, 
discípulo de Haydn, membro da colónia artística trazida ao Brazil 
pelo conde da Barca, todos músicos de grande esphera. 

Normalizada pela maioridade a existência politica de nossa pá- 
tria, após as lutas da Independência, a agitação revolucionaria do 
primeiro reinado, as dissenções intestinas dos períodos regenciaes, 
épocas durante as quaes a musica quasi que só floresceu na alma e 
nos cantos populares, tentou-se em 1843 manter no Rio de Janeiro 
uma companhia lyrica, mas o intento falhou sem apreciáveis effeitos. 
Fácil será portanto imaginar o que sentiu o publico fluminense, cuja 
área de curiosidade era circumscripta a determinados pontos: — ceri- 
monias officiaes, cortejos, aberturas de camarás, debates no parla- 
mento, festas populares, récitas de João Caetano, — ao saber da 
viagem de Madame Stoltz ao Brazil, logo alvo de mil conversas e 
commentarios, legitimo fervei opus na cidade das ruas e viellas tor- 
tuosas e dosbeccos escusos mais que escuros. 

Quem era Stoltz? 

Rosa Niva, que trocou depois o verdadeiro nome pelo de Rosina 
Stoltz, incontestavelmente mais poético e sonoro, nasceu a 13 de 
fevereiro de 1813 na Hespanha, vindo muito moça para Pariz com a 



CANTORAS DOUTRO TEMPO 23 

/ 

mái, porteira conhecida no boidevard Montparnasse pela alcunha de 
la mère Noêl. Coincidiu o dia do nascimento da Stoltz com o do 
assassinato do duque de Berry por Louvei, angariando esse facto 
á joven hespanhola a protecção da duqueza de Berry. Educada no 
convento das Benedictinas da rue du Regara, cursava ao mesmo 
tempo as aulas do Conservatório de accordo com os desejos da 
poderosa protectora. Graças ás provecta* lições de Choron» poude 
a Stoltz estrear nos concertos da rue de Vaugirard e desde então, 
após múltiplos triumphos, adoptou o prenome que a tornou celebre. 
Viajou pela Bélgica epela Hollanda, (1834) cantando no theatro 
du Pare em Bruxellas ( A filha de Domingos, Os três CJiapeus, Tancredo, 
Othelo e 11 Barbiere ) e^m Antuérpia (Roberto o Diabo.) 

Contractada pela empreza do theatro da Monnaie da Bruxellas, 
ahi obteve a Stoltz (1835-1837) a consagração do seu real mérito 
artístico, até que passou a cantar na Opera de Pariz, contractada a 
conselho e por suggestões de Nourrit, onde estreou na Judia, (25 de 
agosto de 1838) cantando também depois os papeis de Valentina nos 
Hugxtenottes e D. Anna no D. Juan. Creou em 1840 a Stoltz na Fa- 
vorita o papel de Leonor, escripto especialmente para a sua voz de 
contralto, attingindo a culminância da nomeada com a interpretação 
daquella opera e a da Rainha de Chypre e Carlos VI. 

Na Opera, durante nove annos, ( 1838-1847 ) gozou a Stoltz de 
absoluto predominio. Escravizou o director Pillet, reinando á ma- 
neira das favoritas de serralho, afastando ou prejudicando as rivaes, 
não consentindo que talentos alheios eclipsassem o próprio . Simi- 
lhante proceder, escusa afirmar, accendeu ódios e despeitos, que por 
algum tempo sopitados, se manifestaram na noite da primeira repre- 
sentação de Roberto Rruce, arranjo da Dama do Lago de Rossini. No 
segundo acto, Maria a heroina, oppressa de tristeza, ergue-se e canta 
a bella ária O* guarde lacrime. Nesse momento, disse Theophilo Gau- 
thier, ou fosse porque a emoção de cantar uma ária tão celebre con- 
turbasse Madame Stoltz, ou porque ella se resentisse de ligeiro 
incommodo de saúde, motivo de adiamento da opera, a sua voz 
baixou de tom. O publico parisiense, sem contestação o mais meigo 
e urbano dos públicos, julgando sem duvida que Madame Stoltz, 
apenas restabelecida, peccava por excesso de zelo, não daria signaes 
de reprovação, protestando por meio de glacial silencio, si o não 
provocasse & claque com intempestivos applausos. 



24 REVISTA BRA2ILB1RA 

Alguns psios dirigidos aos optimistas assalariados e não á 
artista, motivaram a repetição das palmas com ruidosa imperti- 
nência ; avultaram os psios, ouviram-se assovios. Madame Stoltz, 
pallida, fora de si , a passos e gestos convulsivos, parecia querer 
retirar-se de scena. Consta que abjectíssimas injurias lhe foram 
dirigidas á queima roupa da orchestra. No auge da cólera, ella 
disse, bastante alto para ser ouvida por todo o theatro, voltada para 
o camarote do director : « Mas o senhor não vê como me insultam ! 
E' demais ! Sinto-me desfallecer 1 > Dirigindo-se para a porta do 
fundo, rasgou o dençò numa crise de raiva concentrada, atirando de 
impeto os pedaços ao chão. O espectáculo continuou, mas no meio 
dum tumulto fácil de explicar. m 

A Stoltz, após o penoso, porém lógico incidente, fruto da odiosi- 
dade accumulada, declarou em termos positivos não cantar mais na 
Opera (onde ganhava 60.000 francos por anno) e assim fez dando 
uma récita de despedida com a Favorita. Pillet, entre parenthesis, 
renunciou a direcção da Opera. Desde então,*ora em França, na pro- 
víncia, ora no estrangeiro, de 1847 a 1851, cantou a Stoltz, vários 
papeis com extraordinário applauso, sobretudo o de Leonor na 
Favorita com inexcedivel realce. 

A 6 de abril de 1852 chegou Rosina Stoltz ao Rio de Janeiro. 
Viera no vapor inglez Severn (procedente de Southampton com vinte 
e sete dias de viagem} em companhia duma filha e duma criada, 
indo residir no Cattete em casa do Sr. Ratton. 

No dia seguinte ao do desembarque da Stoltz, já o seu nome 
apparecia nas columnas do Jornal do Commercio subscrevendo um 
abaixo-assignado de agradecimento dos passageiros do Severn ao 
commandante William Vincent, pelo excellente trato dispensado a 
bordo. Oito dias depois o publico travava relações de vista com a 
Stoltz, que fora assistir á representação do Beldemonte no Provisório, 
dum camarote de segunda ordem, despertando enorme curiosidade, 
sobretudo feminina. 

Começaram logo, para estréa da Stoltz, os ensaios da Favorita, 
nutrindo-se esperança de que a I o de maio pudesse a opera ser can- 
tada. Inesperado contra-tempo sustou a realização do projecto. 

A Stoltz desembarcara incommodada, e, ao assistir a um dos 
ensaios, sentiu-se peior, sendo obrigada a retirar-se para a sua 
residência. Aggravou-se a moléstia, tomando, segundo juizo dos 



CANTORAS DOUTRO TEMPO 25 

médicos, a forma cTuma irritação gastro-intestinal com accessos de 
febre de caracter e typo intermittente. A' bocca pequena, porém, 
dizia-se com fundamento, que a Stoltz enfermara de febre amarella 
e, com a sua moléstia corriam frouxos e irregulares os ensaios do 
Provisório. Entrada em convalescença partiu a Stoltz para Petró- 
polis, 1 impressionada com o fallecimento de companheiros seus, 
inditosas e sympathicas victimas do terrível flagello de nossa terra. 

Desde 1850 até hoje, o impiedoso mal de Sião nâo cessa de cei- 
far vidas preciosas, existências na flor dos annos, enchendo os ce- 
mitérios, concorrendo para o immerecido descrédito dum paiz fada- 
do a grandes destinos. Com breves intervallos morriam de febre 
amarella o scenographo Sardi, fallecido quinze dias depois de che- 
gado, o tenor Bassadona 2 e o baixo Bianchi de Mazzoletti, 8 este 
companheiro de viagem da Stoltz. Que impressão produziria no animo 
desta o desapparecimento brusco dos collegas em terra estranha 
que os cobrira para sempre? 

Restabelecida completamente a Stoltz, o director do Provisório, 
desembargador José António de Miranda, contractou o baixo Fiorito 
para substituir Mazzoletti. Recomeçaram os ensaios, interrompidos 
por novas difficuldades. A cantora Serini, sobrinha e discípula de Bas- 
sadona, desgostosa com a morte do parente e mestre, queria res- 
cindir o contracto. Interveiu a Stoltz, na qualidade de conciliadora , 
offereceu protecção e agasalho na proprip casa á Serini, removendo 
os obstáculos com generosidade e tacto, insinuando-se no animo da 
directoria do Provisório, theatro onde iria imperar dentro em pouco . 

ESCRAGNOLLE DoRIA 

(Continua) 



1 Petrópolis, a risonha cidade « nestled among hills », « realização dos 
sonhos do romancista», era já nesse tempo prospera e populosa; (-2815 hab.> 
o seu clima fresco e a sua temperatura amena (média 15, 8 o R, segundo Bur- 
meister) lembraram talvez á il lustre visitante o Sul da Europa. 

3 Bassadona pretendia ser emprezario lyrico no Brazil. Tencionava for- 
mar aqui um centro de coristas e comprimarios, contratando apenas os pri- 
meiros artistas na Europa. Chegado a 9 de maio falleceu a 1» de junho de 
185*. 

a Bianchi de Mazzoletti não chegou estrear na scena fluminense. Acce- 
dendo aos desejos da directoria do Provisório, ia apresenlar-se ao publico 
num papel secundário da Favorita, aguardando o restabeleci mento da 
Stoltz. Foi sepultado a 3 de junho de 1852 no cemitério da Ponta do Caju. 



A CAUSA E A PROPHILAXIA 

DAS FEBRES PALUSTRES 



I 

Em um paiz como o nosso, onde os médicos descobrem um 
fundo palustre na maior parte das manifestações pathologicas do 
nosso organismo, nunca ó trabalho perdido falar aos leigos da me- 
dicina nos agentes productores dessas manifestações da malária, e 
ainda mais, sobre os meios de que a medicina dispõe para evitar a 
infecção do organismo ou frustrar os effeitos perniciosos dessa infec- 
ção, si não nos é dado poder impedir a sua introducção nã intimidade 
da trama de nossos tecidos* 

Está claro que eu não venho aqui discutir as grandes medidas 
de saneamento do solo, que são do dominio da hygiene official 
administrativa, meu intuito ó dar conselhos de hygiene individual, 
que cada um pôde pôr em pratica si lhe muito bem parecer, sem 
necessidade de esperar pelo auxilio de outrem. Si estas indicações 
não são de natureza a cortar radicalmente o mal, como as que 
resultam do saneamento do solo, em todo caso são assaz sufficientes 
para pôr em guarda a nossa vida contra as surprezas do um accesso 
pernicioso, forma extremamente grave e traiçoeira da infecção 
palustre. 

Com esta explicação preliminar, necessária porque não escrevo 
para médicos, que sorririam vendo-me tratar de assumpto que estão 
fartos de conhecer, os meus leitores não médicos ficarão preve- 
nidos do valor relativo destes meios prophylaticos, e, praticando-os, 
terão somente lucros, pois economisarão o dinheiro da pharmacia 



A CAUSA E A PROPHILAXIA DAS FEBRES PALUSTRES 27 

que, com as tarifas prohibitivas, são uma despeza só para bolsas 
privilegiadas. 

A malária ou impaludismo é a consequência da introducção na 
torrente circulatória de um parasita especial, tendo analogias de 
estructura com a monéra de Hseckel ou mais exactamente com 
uma ameba. O conhecimento deste parasita póde-se dizer que é de 
hontem. Laveran o poz em evidencia em 1881. Até então era um 
ferva opus de micróbios e protobios que os investigadores accusavam 
de agentes provocadores das manifestações da malária. Salisbury 
dava-nos a palmella gimesma ; Balestra a alga miasmatica ; Ecklund a 
lymnophvsalix hijalina, Safford e Bartlet o hydrogastrum granulatum, 
Klebs e Tomasi Crudeli um schizomycete, Cuboni e Marchiafava um 
bacillo, etc. Por esta lista cortada a meio já sevo que os mé- 
dicos se não descobriram a causa de uma moléstia tão vulgar não 
foi por indolência ; elles sempre puzeram ao serviço da resolução de 
tão importante problema toda a sua melhor actividade e todos os 
seus bons conhecimentos. A gloria estava, porém, reservada a La- 
veran. E elle pôde assignalar no sangue dos doentes de febres inter- 
mittentes a existência desse pequeno parasita de forma espheroidal, 
com um diâmetro de 6 a 8 millesimos de millimetros, que penetrando 
no intimo dos glóbulos vermelhos do sangue se regala com muito 
boa hemoglobina e só abandona o seu hospede quando este nada 
mais tem que lhe dar. 

A forma espheroidal não é a única que pôde assumir o para- 
sita *, ha mais uma em crescente e uma terceira irregular, emittindo 
prolongamento cylindricos terminados por um intumescimento em 
forma de ampola e agitados de movimentos vibratórios. Sobre a na- 
tureza desta ultima forma separam-se as opiniões em dois grupos: o 
daquelles que com Laveran acreditam que o parasita flagelifero (cha- 
memos assim esta forma) ó um representante decrépito da espécie, e 
o desses outros, tendo por cabeça Patrick Mauson, que affirmam e 
demonstram que parasita flagelifero é uma forma, que só se mani- 
festa no individuo fora do organismo. E' o incógnito que elle toma 
para passeiar á luz do dia, nos intervallos de sua sede de sangue. 
Para satisfazer a curiosidade de meus leitores direi que sou pela 
opinião de Mauson. 

A coisa mais fácil deste mundo é observar o parasita de 
Laveran, ou como o denominam o plasmodium malarice, ou ainda 



28 REVISTA BRAZILEIRA 

mais curto, o hematozoario. A um individuo a quem está imminente 
um accesso intermittente ou que se acha no auge desse accesso, 
faça-se uma picada num dedo da mão e deixe-se correr o sangue sem 
fazer pressão ; receba-se uma gottasinha de sangue em uma laminula 
bem limpa; applique-se esta laminula a um porta-objecto e leve-se 
ao microscópio. Lá encontraremos corpos esphericos, alongados, fusi- 
formes ou irregulares, de superfície rugosa como a de uma amora, 
installados dentro dos glóbulos vermelhos do sangue. 

.Si o nosso exame é cuidadoso e feito em vários períodos de 
tempo ou si fizemos uma série maior ou menor de preparações, po- 
deremos seguir toda a evolução do hematozoario, desde o momento 
em que, lançado ávida autónoma, elle começa a se desenvolver, até 
quando, chegado ao período de máximo desenvolvimento, elle rompe 
seu invólucro hyalino para dar nascimento a uma nova leva de es- 
poros. E' assim que elle se porta dentro do organismo. Fora, nós po- 
demos presenciar no campo do microscópio, debaixo de nossos olhos, 
um phenomeno curioso desses corpos esphericos ou em crescentes. 
Subitamente sem que se possa assignalar o motivo, as pigmentações 
que pontuam todo o plasma desses parasitas, começam a entrar em 
estado de agitação, um movimento ameboide contorse toda a sub- 
stancia plasmática e em três ou quatro pontos differentes saltam esses 
prolongamentos ou flagellos intumescidos na ponta, sacudidos por 
vibrações excessivamente rápidas. Perante o corpo do parasita re- 
presentam o papel de verdadeiros propulsores. O parasita precisa 
caminhar em busca de alimento já que cá fora não encontra glóbulos 
de sangue para installar-se . 

Quando colhemos o sangue rapidamente e logo o fixamos na 
laminula não é dado a ninguém observar esta adaptação curiosa do 
hematozoario de Laveran. Esta circumstancia Patrick Mauson poz 
fora de duvida e é nella que se funda para oppôr-se ao eminente 
Laveran. 

Não direi aqui das opiniões de Golgi, de Feltti, de Marchiafava 
e de Biguami acerca da especificidade de cada espécie ou forma 
particular do parasita nas modalidades diversas da malária . Isso é 
assumpto que interessa só aos médicos. Mas o que eu affirmarei aos 
meus leitores não médicos, como um facto vencedor em medicina, 
demonstrado á evidencia pela observação e pela experimentação, é 
que a malária, sezões, impaludismo ou que nome lhe dôm em 



A CAUSA E A PROPHILAXIA DAS FEBRES PALUSTRES 29 

qualquer parte do Brazil, resulta da presença do plasmoãium malarice 
no sangue dos enfermos. Em nenhuma outra moléstia até hoje tem 
elle sido encontrado. 

Assim sendo, não é ocioso conhecer como penetra no sangue 
esse pequeno ser. 

A observação tem demonstrado que indivíduos collocados nas 
proximidades de pântanos ou de lagoas não são acommettidos indis- 
tinctamente da malária. RoualdRoss, cirurgião do exercito inglez 
que estaciona nas índias, teve occasião de notar o seguinte facto 
curioso : Um regimento de oitocentos homens acampou acerca de 
uma milha de uma lagoa pantanosa. Esse regimento foi cruelmente 
dizimado pela malária ; apenas uns cem recrutas que foram alojados 
em uma casa de pedra não soffreram da moléstia. O que parece 
demonstrar que o miasma, para nos servirmos de um termo 
consagrado pelo uso, não se diffunde uniformemente pela área 
circumvizinha. A mesma observação foi feita em Huelva (Hespanha) 
pelos médicos Robert Marshall e George Thin. Notáveis exemplos 
foram referidos da localização estricta de focos de infecção . 

A acquisição seguinte é, nesta questão, incontestável : o calor e 
a humidade, principalmente quando associados com revolvimento 
do solo, favorecem sobremodo o accesso do parasita da malária ao 
corpo humano. Este facto por ser verdadeiro não exclúe que também 
seja verdadeira a opinião que sustenta que a agua potável é também 
muitas vezes o vehiculo do parasita. Este modo de transmissão da 
moléstia, combatido por autoridades italianas, é todavia posto fora 
de duvida por um sem numero de observações. Na entrada do canal 
do Panamá os navios que ali recebiam agua ficavam infeccionados 
ao passo que os paquetes a vapor que também ahi tocavam, mas 
condensavam a sua agua de beber, ficavam livres da moléstia. O Sr. 
Curnow cita uma observação de 103 soldados, de um contingente de 
120, que foram acommettidos de malária por terem bebido uma certa 
agua, ao passo que marinheiros collocados debaixo das mesmas con- 
dições, mas bebendo água de uma fonte differente, foram poupados. 
Si estes dois modos de vehiculação da malária acham-se 
demonstrados por um acervo considerável de provas, outro tanto 
não se pôde ainda dizer da opinião emittida e sustentada por 
Laveran, Pfifeifer, Patrick Mauson, etc : — a da vehiculação do 
hematozoario por intermédio dos mosquitos. 



30 REVISTA BRAZILBIRA 

Não ha duvida alguma que Rouald Ross já pôde descobrir e 
acompanhar a evolução do plasmodium malarice no estômago do mos- 
quito, mas d'ahi para explicar a interferência desse pequeno animal 
na producçâo da moléstia, vai muito. 

Posta a questão neste pé, não será difficil deduzir preceitos hygie- 
nicos racionaes, pois que assentam sobre bases scientificas perfeita- 
mente estabelecidas e universalmente aceitas. 

Hamel recommendava aos exércitos coloniaes da França, que, 
em suas marchas através de terrenos pantanosos, guardassem silencio 
e não respirassem sinão pelo nariz. EUe applicava um conhecimento 
emanado de sua pratica : — que a infecção dá-se mais facilmente 
pela bocca do que pelo nariz. O mesmo aconselharei aos leitores que 
têm vindo commigo até aqui: — quando se acharem em proximi- 
dades de focos de infecção respirem pelo nariz. Nos lugares em que 
a malária reina com frequência, evitem o orvalho da manhan e o 
da noite. 

Nesta camada de vapor d'agua que se precipita sobre a terra 
ou que se levanta de sua superfície o parasita acha um vehiculo 
fácil para attingir o nosso organismo. Nas regiões excessivamente 
quentes, si ainda não estão acclimados, evitem o calor excessivo de 
dia, não se exponham aos ardores do sol. Evitem com cuidado me- 
ticuloso os movimentos de terra. E' lá muitas vezes que se colhe a 
moléstia. Deixem esse serviço aos indivíduos afeitos a esse género 
de trabalho ; mas se forem obrigados a emprehender essa arriscada 
tarefa, tomem então as precauções que eu direi d'aqui a pouco, quando 
lhes indicar as drogas que a pharmacia nos offerece. Nos lugares em 
que não temos remédio sinão usar de agua infeccionada, tenhamos 
sempre o cuidado de fervel-a antes de nos servirmos delia, sinão 
tivermos á mão um bom filtro Pasteur, que nos tirará com mais ga- 
lhardia da triste contingência. 

Por muito tempo recommendou-se como prophylatico da malária 
a quinina em pequenas doses diárias. Um sem numero de insuccessos 
fez rever a questão e ficou demonstrado por autoridades como La- 
borde, Collin, etc, que a quinina, como prophylatico ou como meio 
de tratamento, deve ser dado em doses elevadas com intervallos 
longos. Assim eu lhes recommendo que, quando estiverem expostos 
a focos de infecção palustre, tomem, duas vezes por semana, 75 
centigrs. a 1 grm. de quinina, e isto os preservará de qualquer 



A CAUSA E A PR0PH1LAXIA DAS FEBRES PALUSTRES 31 

aoceBso. Quanto ao género do sal de quinina mais conveniente, 
tomem ou o chlorhydrato ou o chlorhydeo-sulfato de quinina como 
aconselha Laborde, em sua communicação á Academia de Medicina 
de Pariz. 

O nosso illustrado patrício Dr. Hilário de Gouvêa recommenda 
também o arsénico e affirma que colheu bons resultados em casos 
nos quaes a quinina não deu quanto se esperava delia. Peçam, por- 
tanto, se lhes é mais grato ao paladar o arsénico a um medico que 
lhes detalhe a maneia de tomar a solução arsenical de Boudin, ou 
os pós arsenicaes« f do mesmo autor, ou que lhes receite uma solução 
de arseniato de sódio. 

Como conclusão destes dados hygienicos, direi áquelles que 
têm posses e terras, que nos lugares alagados ou pantanosos é sem- 
pre útil tentar a drenagem do solo, quando ella não offerece grandes 
difficuldades; procurar seccar o terreno por meio da plantação 
dessas arvores ávidas d'agua, cujas raízes absorvem por seus pellos 
uma grande quantidade de líquidos, que são derramados na atmos- 
phera pela perspiração das folhas. A este respeito cita-se sempre o 
euccdyptus glóbulos, frondosa e bella myrtacea que cresce maravilho- 
samente em nosso clima; o hélianthus annuus, gyra-sol, que também 
cresce rapidamente, e, como o eucalyptus, offerece também pro- 
priedades medicinaes. Em falta destes, plantem o bambu : elle é 
também um bom seccativo do solo. 

Estas considerações, que lhes offereço despretenciosamente, 
guardem-nas como boas; são o estado actual da sciencia sobre tão 
importante assumpto. 

Dr. Márcio Nery 



GIOVANNINA 1 



QUADRO SÉTIMO 

O esciíp tório de Jo&o Carlos, — grande sala caiada de branco, num dos ângulos da casa. 
Poucos e singelos os moveis. Numa estante, encostada a um canto, volumes brochado» 
e encadernados, papeis, mappas, objectos de agrimensor. 

Espingardas de oaça, facões de mato, garruchas penduradas na parede. Selins, chicotes de 
cabo de prata, esporas, botas de montar pendentes de um oabide. 

Um largo armário, com as portas escancaradas, contendo promiscuamente em frascos, latas,, 
caixas, toda a espécie de remédios, ao lado de uma balança, uma gral e outros uten- 
sílios pharmaceuticos, ou apparelhos cirúrgicos. Junto á balança um formulário e um 
dicciouario de medicina popular. 

Occupa vasta mesa o centro da sala. Sobre ella jazem em confusão livros commerciaes 
abertos, ferramentas, jornaes, um tinteiro, pennas, amostras de café, um rolo de fumo» 
similhante a uma cobra negra enrodilhada. 

Suspensa entre dois portaes, — uma rede. 

Tudo desordenado e rústico, mas claro, espaçoso, franco... 

Sáo sete horas da manhan. Jo&o Carlos, em rigoroso luto, já attendeu a varias pessoas e des- 
empenhou multíplices misteres. Deu ordens a um feitor que partiu para o cafezal ; des- 
pachou um próprio que foi a estação; conferiu contas; registrou despesas; verificou o 
ponto dos empregados ; releu a correspondência do commissario ; escreveu cartas. Em 
seguida, examinou uma mulher e duas crianças enfermas. Anscultou-as, tomou-lhes o 
pulso, observou-laes a lingna; e, depois de consultar o dicciouario medico, preparou 
elle mesmo os remédios que entregou aos doentes, com (minuciosas recommendações. 

Agora, eil-o só. Com a faca de ponta que trás á cinta, pica devagar um pedaço de fumo, 
tirado ao rolo ; esfarela os fragmentos na palma da mfto ; enrola-os numa palha de 
milho que, com a faca também, corta e alisa ; accende, por fim, longo cigarro e atira-se 
i rede, balancando-se lento, meditativo. 

Fora vibra a animação da faina agrícola. Os homens e os animaes que os coadjuvam en- 
tregam-se ao labor com o enthusiasmo das primeiras horas. Nos terreiros seccam ca- 
madas e camadas espessas de café. As machinas funccionam, arfando. sol, — prota- 
gonista da divina comedia, — fes sua estreia radiosa no infinito palco aoul, surdindo- 
dos bastidores das montanhas longínquas. 



i Veja Revista de 1 e 15 de abril e de 1 e 15 de maio e de 1 de junho. 



GIOVANNINA 33 

Oiovannlna (entrando timida) 
Dê licença, Sr. João Carlos, si nao o incommodo. 

João Carlos ( erguendo-se ) 
Entre, Giovannina. Vocô nao me incommoda nunca. 

Giovannina 
Desejo dizer-lhe dnas palavras. 

João Carlos 
Que quer você? Fale. 

Giovannina 

Perdoe -me. São coisas muito sérias para mim. . . Ponderei longa- 
mente e... 

João Carlos 
Continue. Escnto-a com todo o interesse. 

Giovannina 
Quando meus pobres pais falleceram e vim aqui ter, eu nao tencionava 
por forma alguma, creia, me demorar em sua fazenda. Vim quasi machi- 
nalmente ; ou antes, naquella terrível conjunctura, vendo-me com meu 
irmão só no mundo, lembrei-me, Sr. João Carlos, allueinada, sem reflectir, 
das suas generosas palavras, ao nos despedirmos, e voltei, assim, a esmo 
ignorando como e porque... Voltei, — desculpe-me, — à similhança do 
naufrago que, no embate das ondas, agarra-se ao primeiro objecto que se 
lhe depara, sem cuidar da natureza desse objecto, nem medir as conse- 
quências do movimento. 

João Carlos 
Você fez bem voltando. E depois? 

Giovannina 
Meu projecto ao partir — Deus o sabe, — era simplesmente afastar 
Luigi da cidade, e, ao chegar, soccorrer-me de seu patrocínio, Sr. João 
Carlos, aflm de me obter em outra qualquer parte uma occupaçao compa- 
tível com as minhas forcas. 

João Carlos 
Porque, porém, nao cogitava de arranjar aqui mesmo essa occupaçao ? 

Giovannina 

Aqui, nao. Não me podia convir. Sem meus pais, como trabalhar 
na roça? Dentro de casa, o senhor comprehende, nao era possível. Mas , 
chegando, encontrei a Sra. D. Clara, sua mai, gravemente doente. Tomei 
a mim tratar delia, pois nao se ageitava com a gente que a servia. Em- 
penhei no cumprimento desse dever minha melhor vontade até que a 
Providencia foi servida chamar a si a boa senhora. . . 

3 TOMO VII —1896 



34 REVISTA BRÀZILEIRA 

João Carlos 
Vooe mostrou uma caridade, um desvelo, uma dedicaçfto sem limites. 
A mais extremosa das filhas nâo dispensaria & minha mfti os carinhos 
que você lhe dispensou. Aturou as impertinências e exquisitices da pobre 
velha com inexcedivel paciência. Graças a isso, ella teve um fim de vida 
mais suave. Sfto obséquios que nfto sei como pagar. 

Olovannina 
Sr. Jofto Carlos exagera. Tratando da Sra. D. Clara eu me recor- 
dava da minha santa m&i ftllecida pouco antes tfto de súbito que de nada 
lhe pude prestar. Foi-me quasi uma consolaçfto. 

João Carlos 

Nâo é só isto. Você assumiu, insensivelmente, pela serena imposição 
de seu prestigio, o governo da casa, que andava em plena desordem, por 
causa da moléstia de minha m&i. Restabeleceu a economia e o methodo, 
empregando uma doçura a par de uma firmeza incomparáveis. Eu havia 
perdido a cabeça. Você substituiu-me em meus encargos. Nunca os colonos 
e camaradas lidaram aqui com pessoa a quem respeitassem e estimassem 
tanto. Você cònstituiu-se, durante cerca de um mez, a mais activa, a mais 
meiga, a mais intelligente administradora que ainda existiu. Bemdito o 
momento em que regressou I 

Glovannina 
O ár. João Carlos exagera cada vez mais. Eu vinha da cidade com 
o coração dilacerado. Procurei distrail-o, trabalhando. E tentei também 
compensar até certo ponto com os meus serviços a benévola hospitalidade 
que o senhor concedeu a meu irmão e a mim. Mas presentemente tudo 
muda de figura. Venho pedir licença para retirar-me hoje mesmo d' aqui. 

João Carlos 
Retirar-se?! Porqae?! Para onde?... 

Giovannina 
Depois da morte da Si a. D. Clara, nfto me é licito permanecer 
nesta casa. Desappareceu a explicação de minha presença. Esperei al- 
guns dias ate que o senhor recuperasse a calma. A vida habitual restabe- 
lecesse . Nfto devo adiar a partida. 

João Carlos 
Mas, ao contrario, hoje você é mais necessária do que nunca. 

Giovannina 
Perdfto,Sr. Jofto Carlos. Falemos como duas pessoas honestas e leaes, 
com inteira lisura. Nfto sou uma ingénua, cheia de illusões. As cruezas 
da vida, a morte de meus pais me conferiram prematura experiência. 



GIOVANNINA 35 

O senhor é moço, solteiro e está só neste casarão. Com que titulo 
me conservarei eu a seu lado ? O senhor é tão intelligente e t&o justo que 
me entende, e, no fundo, me acha razáQ. 

João Carlos 

Ficará janto a mim como minha empregada. Sou de todo indepen- 
dente. Na fazenda predomina a minha vontade absoluta. Que me importa 
o resto do mundo ? ! Não tenho que dar nem dou satisfações a ninguém. 

Qiovannina 
Não é assim. . . não é assim. . . A gente vive a dar satisfações aos 
outros e a si próprio. Nem se trata do senhor só. Quanto a mim, a minha 
consciência, a recordação de meus pais, a responsabilidade para com 
Luigi me prescrevem severas obrigações. Não imagina quanto soffro 
guando ouço ditos equivocos e percebo olhares maliciosos á minha passa- 
gem. Muitas vezes, chego a me arrepender de ter voltado. Deixe-me 
partir, por quem é . 

João Carlos 

E para onde projecta ir ? 

Giovannina 
Informaram-me que na fazenda do Dr. Silva, d'aqui a seis léguas, pre- 
cisam de uma criada para crianças. Irei para ahi, e, si não me quizerem 
ou não me convier tomarei novo rumo. No interior do Brazil, em toda a 
parte se enconti-a agasalho e não falta serviço a quem o pede sincera- 
mente. 

João Carlos 
Es?e Dr. Silva é um bruto. . . Tem uma dezena de filhos que nin- 
guém supporta, uma mulher impossível. . . 

Giovannina 
A Santa Madona me concederá resignação. 

João Carlos 

E si partir, levará Luigi ? 

Qiovannina 
Sem duvida ; elle é o meu cavalheiro . 

João Carlos 
Mas é absurdo. . . é absurdo... Você vai prejudicar a seu irmão, que 
está encaminhado. Manifesta extraordinário geito para machinas. Já ajuda 
o machinista, já presta bons serviços, já ganha. D'ahi sairá um homem 
de pulso, 8i não seguir outra vereda. Porque interromper-lhe a carreira, 
saerificar-lhe o futuro ? ! 



36 REVISTA BRAZ1LE1RA 

Giovannina 
Dócil e trabalhador como, mercê de Deus, me parece que realmente 
elle é, em qualquer ponto irá por diante. Querido Luigi ! Náo o posso 
deixar. Sou-lhe mais do que irman, sou-lhe mai, sou-lhe toda a familia. 

João Carlob 

E' então inabalável a sua resolução de partir ? I 

Giovannina 
Costumo pensar muito antes de prometter ou fazer alguma cousa. 
Mas, adoptado um propósito, sigo avante sem hesitação. 

João Carlos 
£ me desampara, e me abandona. . . Não tem remorsos, nao tem 
pena de mim, tao desgraçado, tao só ? . . . 

Giovannina 
Desejo ardentemente a sua felicidade. Mas nao posso, nao devo ficar. 
Demasiado prolongada vai a nossa conversa. Perdão... 

João Carlos 
Você nao me estima, Giovannina ? 

Giovannina 
Estimo, sem duvida, como todos que o conhecem. Sr. João Carlos 
me disse ha momentos que me devia algum reconhecimento pelo modo 
como tratei da Sra. D. Clara. Pois só ha um meio de me provar a since- 
ridade de suas palavras. 

João Carlos 
Aponte-o. 

Giovannina 
Nao insistir neste assumpto, nao violentar a minha vontade, per- 
mitiu' que eu parta sem mais demora. 

João Carlos 
Ainda nao ajustamos as nossas contas . Você e Luigi sao credores 
meus de nao pequena quantia. 

Giovannina 
Em breves minutos se ajustam. Pouco é. Nào sou pobre soberba. Re- 
ceberei o meu salário e o de meu irmão, porém só o salário. 

João Carlos 

Mais nada ? E si eu quizer. . . 

Giovannina 
Desejo me desculpe uma ordom que dei, sem o ouvir, usando de 
um resto da autoridade que usurpei durante a moléstia da Sra. D. Clara* 



GIOVANNINA 37 

Tendo como certa a partida, mandei que me apromptassem dois animaes 
e um camarada. D'aqui até onde tenciono pernoitar é longe, o sol está forte 
e os caminhos mãos. 

João Carlos 
E si en os retivesse á força, si nao fornecesse os animaes ? Você nfto 
ignora que sou o poder absoluto da fezenda. Com um gesto, impedirei a 
partida. 

Qiovannina 
O Sr. João Carlos nfto procederá dessa forma. Seria um abuso, uma 
indignidade, e eu tenho certeza de que o senhor é incapaz da mais insigni- 
ficante acção má. Já me declarou que nfto conserva ninguém a contra- 
gosto em sua fazenda. Confio tanto na sua lealdade que, emqnanto o se- 
nhor prepara as contas, vou lá dentro fazer as minhas despedidas. Luigi 
nao tarda. Convém que partamos antes que o sol aperte. Com licença... 
( Dirlgese para a porta ). 

João Carlos 
Giovannina. . . Giovannina. . . 

Giovannina 
Que ordena ? 

João Carlos 

Da outra vez que você p3rtiu, arrependeu-se e voltou. 

Qiovannina 
Mais me arrependeria hoje, se ficasse. Nâo deveria ter voltado. Agora, 
juro, será definitivo. 

João Carlos 
Ouça, Giovannina, ouça. Eu sou um descontente da vida, um desas- 
socegado, ura infeliz. Meu pai era um excellente homem, mas de espirito 
estreito, todo entregue a um áspero trabalho material que o inhibia de se 
occupar com a família. Foi elle quem desbravou neste lugar a mata vir- 
gem e plantou os cafezaes. Minha mai, — conhecen-a, — era um cora- 
ção de anjo ; possuía, porém, ideias preconcebidas, prevenções, certa 
altivez que a tornavam ríspida e secca para quasi todos. Tive irmãos e 
irmans, mas falleceram. Nunca os comprehendi, nem elles me com- 
prehenderam. Absoluta incompatibilidade de génios entre nós,— elles tre- 
fegos, emprehendedores, positivos ; eu, sonhador, pouco propenso áacç&o. 
Passei a infância no meio de brenhas, isolado, tímido, soturno, destituído 
de carinhos e affeições. Por iniciativa própria, já adolescente, parti para 
a cidade afim de estudar. Durante quatro annos, cursei aulas, li, aprendi 
o que pude, pois me estimulavam vagas aspirações. Nisto, morre meu pai 



38 REVI8TA BRAZILEIRA 

de repente, e, com pequeno, intervallo, o innfto qne me restava. Minha 
mfti flcou só comigo na terra. Parentes e amigos o génio de meus pais os 
arredara. Fui obrigado a deixar os estudos e assumir a direcção da fa- 
zenda. Era numa quadra difficilima. Decretara-se do chofre a abolição do 
captiveiro, desorganizando todos os serviços agrícolas. Meu pai, con- 
fiando que a negra instituição se perpetuaria nada apparelhara para atte- 
nuar o golpe, e, sacando ousado sobre o futuro, contraíra onerosas di- 
vidas. Vi-me de um dia para outro a braços com enormes reponsabilidades, 
inexperiente, desprovido de, vocação e de gosto para a profissão de lavra- 
dor. Nao imagina quanto lutei, o que padeci, contrariando a minha 
índole, torcendo ou suffocando as minhas ambições ! Segreguei-me do 
mundo, absorvido por trabalho que me repugnava. Que extraordinário 
esforço para nao arriar a carga, desanimado ! Quanta revolta heroica- 
mente supplantada em silencio, quanto sacrifício obscuro e terrível ! 
Afinal, a pouco e pouco, as coisas melhoraram. A gente com o 
tempo afaz-se ao que mais lhe custava em principio. Ha annos, vivo 
aqui sem amigos, sem relações, a labutar. Materializei -me, matei á 
mingoa os meus sonhos. De quando em quando, entretanto, recaindo 
nas antigas velleidades, percorro algum livro de sciencia e de arte. Ven- 
cendo reluctancias de minha mai, consegui introduzir emigrantes na fa- 
zenda, inaugurei novos methodos de trabalho. Depois das primeiras 
levas, veio você. Eu suppunha que os emigrantes fossem, sem excepção 
brutos, sujos, ignorantes. Você causou-mo verdadeira surpreza; foi-me 
agradável revelação de um universo desconhecido. A lidar com você, 
experimentei sensações incógnitas de doçura e bem estar intimo. Pare- 
ceu-me que encontrava emfim uma alma efinada pela minha, susceptível 
de me entender. Mas -pouco durou essa felicidade. Quando, pe'a primeira 
vez, me atrevi a declarar a você o que sentia, você offendeu-se e reti- 
rou-se. Soffri immensas saudades. . . immensas saudades . . . Animava-me, 
porém,opresentimento de que você voltaria. Voltou de facto, como um enviado 
da Providencia em amargurosa crise. Por novos títulos, aprofundou a minha 
gratidão e o meu affecto. Tornou-se insubstituível na fazenda. E agora, 
de repente, quer retirar-se outra vez desamparando-me de novo, a mim, 
orphao como você, a mim, mais desgraçado talvez, porque nao me avigora 
a sua calma, a sua conformidade com a sorte, a sua doce coragem. Fique, 
Giovannina. Reflicta : nao é razoável, nao é justo o que tenciona praticar. 
Tenha dó de mim. A existência sempre se me antolhou dura ou insípida. 
Nunca amei e nunca fui amado. Conheço apenas do amor ligações ephe- 
meras com criaturas subalternas que me levaram a duvidar desse senti- 
mento, attribuíndo-o a mera ficção poética. Ignoro, confesso (e veja 
quanto sou leal) si o que você me inspira é amor. Mas lhe asseguro, com 



GIOVANNINA 39 

a máxima franqueza, com todas as forcas secretas de meti ser, que ser-me- 
ia, além de útil, em extremo agradável vel-a a meu lado, a toda hora, 
prestando-me o seu concurso, auxiliando-me, velando por meus interesses, 
aconselhando-me, distraindo-me, snavisando-me os desalentos ao in- 
fluxo da sua meiguice, confortando-me á luz da sua fé, pondo, em summa, 
uma nota de encanto, de novidade, de elevação na minha vida tfto rasteira 
e monótona. Nfto parta, Giovannina, nfto parta. . . 

Oiovannina 
Nfto, Sr. Jofto Carlos, o justo, o razoável, o sensato é que eu parta 
sem demora. Depois do que me acaba de dizer, a minha permanência seria 
uma imprudência, um perigo para o senhor e para mim. Podia parecer 
até uma especulação. 

João Carlos 
Porque nfto uniria você a sua sorte & minha ? 

Qiovannlna 
Unir a minha sorte á sua ? ! Está gracejando, de certo. Nfto se lembra 
da incommensuravel distancia que nos separa. 

João Carlos 

Distancia ? No Brazil nfto ha distineções sociaes. Procedem todos de 
idêntica origem, vivem no mesmo nivel, podem ascender a todas as po- 
sições. 

Oiovannina 
Engana-se. No Brazil, como em toda parte, certas coisas nfto se esque- 
cem, nem se perdoam, abrindo abysmos entre as classes e as pessoas. 

João Carlos 

Que quer dizer com isso ? Ha alguma nódoa na sua vida, na de sua 
família ? 

Giovannina 
Nada existe em minha vida que me obrigue a corar perante a minha 
consciência e perante Deus. Tenho tanto orgulho de minha família de 
obscuros e honestos trabalhadores quanto de seus avós o mais altivo fidalgo. 

João Carlos 
Aias, entfto ? 

Giovannina 
A sua confidencia me obriga a outra maior. Nfto leu o senhor ha mezes 
nos jornaes a noticia de uma horrível explosão num theatro italiano ? ! 
Nfto se recorda de que foi produzida por uma bomba e de que chamava-se 
Gualtiero quem arremessou essa bomba ? 



40 REVISTA BRAZILEIRA 

João Carlos 
Recordo-me sim. Gualtiero, um fanático anarchista, um louco, um 
assassino, um bandido que sacrificou á sua sanha centenas de innocentes 
e subio ao patíbulo com inaudito cynismo, pregando até ao derradeiro mo- 
mento os seus hediondos princípios. .. . 

Giovannlna 
Nao era nem um assassino, nem um bandido, nem um louco, porém 
uma grande alma allucinada pela ambição de justiça e revoltada contra as 
iniquidades sociaes. Errou e muito, mas tinha os mais nobres desígnios 
aos quaes, como um martyr, sacrificou a vida. 

João Carlos 
Pois você defende assim um scelerado?! Conheceu-o? 

Giovannina 
Gualtiero é meu irmão, meu querido e saudoso irmão. 

João Carlos 
Nao é possível! Como õ que do mesmo ventre sairiam seres tão 
dissimilhantes: um— a ordem, a disciplina, — outro— a revolução desespe- 
rada ; um — a bondade, a ternura personificadas, — outro a intolerância 
feroz. 

Giovannlna 
Gualtiero é meu irmão e nao me envergonho disso. Já vê o Sr. 
João Carlos que nao pôde conviver com a irmft de um louco facínora que 
a sociedade supprimiu. Adeus. 

João Carlos 
Ao contrario, Giovannina. Essa revelação reveste você a meus olhos 
de novo condão. Quem sabe si nao ha no que occorre compensações 
providenciaes ? Gualtiero combatia a propriedade, você contribuirá para 
que ella se consolide e prospere ; Gualtiero repudiava a família, você for- 
mará uma grande família, talvez. 

Giovannina 
O Sr. João Carlos julga que me offendeu e quer agora, com a 
costumada delicadeza, amortecer o effeito das suas primeiras expressões. 
Agradecida. Mas não me illudo. Essas primeiras expressões sao as únicas 
sinceras, as verdadeiras. E partem de um espirito, como o seu! Imagine 
do dos outros! Que remédio? Constituem a explosão natural e espon- 
tânea do modo de pensar geral. Recalquem-n'a quanto quizerem : reben- 
tará na primeira opportunidade . Adeus. Em poucos minutos partirei. 

João Carlos 
Faremos Luigi de tal sorte que apagará Gualtiero. 



GIOVANNINA 41 

Glovannlna 
A' primeira falta que praticar, lançar-lhe-ao em rosto que é irmão de 
um assassino. 

João Carlos 
Nada a demove ! Sim I E' melhor que parta desde que me nao 
ama ! 

Giovannina 
Adeus I 

Retlra-se. Jofto Carlos arroja-se á rede e balança-ae com Ímpeto.— Luigi entra. 

Luigi 
Com licença, Sr. João Carlos. Vim despedir-me do senhor e agradecer 
as suas bondades. 

João Carlos 
Estás também decidido a partir? 

Luigi 
Eu, por mim, passaria aqui a vida toda. Mas Giovannina deliberou 
partir ; só me resta acompanhal-a. 

João Carlos 
Porque nao a dissuadiste? 

Luigi 

Ella sabe mais do que eu. Obedeço sempre. 

João Carlos 
Giovannina é uma ingrata, sem coração ! 

Luigi 
Oh! Sr. Jofto Carlos! Que injustiça! Giovannina é a mais santa 
das criaturas. 

João Carlos 
Bem. Partam quando quizerem. Nem preciso vòr mais Giovannina 
As contas de vocês sâo estas. (Consulta os livros commerciaes e entrega 
dinheiro a Luigi) Dô-lhe isto. Estamos quites. Passem muito bem. 

Luigi 
Adeus, Sr.* João Carlos. (Sai ). 

Jofto Carlos prepara vagarosamente um cigarro. Ao acendel-o, fica a olhar parado para 
a ctaamma do phosphoro até* que ella se expire. Pôe-ae a fumar, deitado na rede, os olhos 
pregados no tecto. Decorre um quarto de hora. Soa no terreiro tropel de animaes. Jofto 
Carlos ergue-se de um Ímpeto; e, occulto atraz dajanella, v6 partirem Giovannina e Luigi. 
Arremessa-se á rede, fecha as pálpebras e queda immovel, o cigarro apagado entre os 
dedos. 



42 REVISTA BRAZILE1RA 

Um moleque f entrando J 
almoço está na mesa. 

Joio Carlos nfto o ouve. Contínua/ immovel na mesma postara. Passasse o tempo. sol 
invade o aposento. moleque volto dnas, três vezes, repetindo inutilmente; «o almoço está 
na mesa». Apparece, por fim, um preto velho, arrastando os pés, pbysionomia folgazona, 
carapinha entremeada de branco. 

O preto 
Nhô Jofto Carlos, o almoço está esfriando. Acorda, nhô João Carlos, 
acorda. 

Jpão Carlos 
Nfto estou dormindo. Deixe-ma em paz. 

O preto 

Eh ! nhô João Carlos. Pai Joaquim precisa falar. Pai Joaquim é muito 
velho, mais ainda que sinhô-velho, pai de nhô Jofto Carlos. Ajudou sinhô- 
velho a derrubar mato para criar esta fazenda. Apanhou muita surra de 
bacalhau, dormiu muita noite no tronco por amor da cachaça. Mas pai 
Joaquim é amigo da casa e da gente, tapto que nfto saiu, como os outros 
parceiros, quando tudo virou forro. Pai Joaquim ha de morrer, aqui, si 
Deus quizer. 

João Carlos 

Que deseja você? Um pouco de pinga? Olhe que a pinga faz mal. 

O preto 

Deixa pai Joaquim falar, nhô Jofto Carlos. Eu vi mecê pequenino 
Armei muita arapuca, arranjei muito bodoque, cacei muito passarinho para 
mecô. Meco sempre triste e mofino. Mas agora tristeza dobrou e está 
machucando coração de pai Joaquim. 

João Carlos 
Obrigado, meu velho. Mas nfto estou triste ; engana-se. 

O preto 
Deixa pai Joaquim falar. A italiana inchou a cabeça de nhô Joio 
Carlos e nhô João Carlos nfto tem geito sinfto casando com a italiana. 

João Carlos 
Que italiana ? Giovannina ? Ora essa 1 Nfto passa de uma colona espe- 
vitada, cheia de luxos e de partes. 

O preto 

Deixa pai Joaquim falar. Nhô Jofto Carlos gosta delia e ella gosta 
de nhô Jofto Carlos. Toda a gente enxerga isso. Vai atraz delia e casa 
com ella, nhô Jofto Carlos. 

João Carlos 
Você está doido I Uma estrangeira... uma emigrante. Sabe lá o que 
existe na família delia ? Consta-me que teve umirmfto muito ruim. 



GIOVANMNA 43 

O preto 

Deixa pai Joaquim falar. Pai Joaquim também ó estrangeiro, da 
costa d' Africa. O avô de nhó João Carlos era estrangeiro, de Portuga]. 
Nesta terra, só não é estrangeiro o indio. A mesma arvore dá uma fruta 
boa, outra que não presta; uma san, outra com bicho. B quando a gente 
gosta de uma pessoa e a pessoa é boa e bonita, é quanto basta, não 
precisa olhar mais nada. Casa com eila, nhó João Carlos. 

João Carlos 
E si ella não consentir ? 

O preto 

Quando um homem quer bem deveras a uma mulher, faz a mulher 
querer bem ao homem também. A coisa é ser deveras... devoras... 
Sendo deveras vence tudo. 

João Carlos 
Está direito. Vou almoçar, que é tarde. E você, diga na venda, em 
meu nome, que lhe doem um copo de cachaça. E ( só o que aprocia, pai 
Joaquim, essa immundice de cachaça, embora cause mal. 

O preto 

Não fala de cachaça, nhô João Carlos. No tempo do captiveiro, cachaça 
me punha livre ás vezes um dia todo. Hoje pai Joaquim está forro, mas é 
velho, fraco, macambúzio, e cachaça me faz moço, forte, dando cada 
risada de metter inveja. Todos tem sua cachaça. E' até peccado botar 
fora a que a gente encontra. Casa com a italiana, nhô João Carlos. 

João Carlos 

Onde aprendeu você estes conselhos, esta philosophia? 

O preto 
Philosophia ? J Que diacho é isso? Pai Joaquim tem vivido muito ; pai 
Joaquim tem padecido muito. E preto também pensa, nhó João Carlos. 

Affcnso Celso 
(Conclue no jproocinw numero). 



O ANIMISMO FETICHISTA' 

DOS NEGROS BAHIANOS 



CAPITULO II 

LITURGIA FETICHISTA DOS AFRICO-BAHIANOS 

(Continuação) 

As confrarias ou collegios de casa de santo reconhecem como 
superior immediato o pai do terreiro, onde foi feita a iniciação dos 
membros da confraria, cuja subordinação e dependência espiritual 
não são consideradas resgatadas pela compra. Director de consciên- 
cias supersticiosas, ignorantes e fanáticas, na sua qualidade de 
confidente dos deuses, depositário dos segredos da alta magia e 
interprete das revelações fatídicas, o feiticeiro exerce sobre os 
crentes uma tyrannia espiritual quasi descricionaria. Todos lhe 
prestam homenagem e lhe obedecem cegamente. Aos mais afamados 
é desnecessário trabalhar, de sobra têm quem o faça. Si é nos 
campos o serviço é prestado em trabalho agrícola. As terras ou 
plantações do pai do terreiro são lavradas pelos crentes que expon- 
taneamente se concertam no melhor modo de servil-o, ou conce- 
dendo-lhes todos um certo dia de serviço na semana ou no mez; 
ou revesando-se cada qual de sorte a dar trabalho continuado. Si 
é nas cidades, o contingente das offerendas dos santos e os pro- 
ventos do sacerdócio lhe garantem inteira independência. De ambos 



i Vide a Revista de 15 de Junho. 



O ANIMISMO FETICHISTA DOS NEGROS BAH1ANOS 45 

os casos conheço diversos exemplos. Mas o pai do terreiro não é só 
o procurador dos fetiches para receber as offertas e ex- votos, elle é 
ainda antes de tudo o preparador de feitiços, fonte de pingues pro- 
ventos. E' como em toda a parte, o curador de moléstias, o fazedor 
de malefícios, o distribuidor de felicidades. 

O feitiço que torna o feiticeiro ao mesmo tempo tão temido e tão 
procurado, ou é symbolico e indirecto, ou ó material e directo, e pôde 
ter por fim favorecer ou prejudicar. O feitiço é material e directo 
quando o feiticeiro procura fazer ingerir preparados que podem ter 
uma acção nociva e material sobre o organismo. E' o feitiço-veneno 
de que largamente nos occuparemos em tempo. O feitiço indirecto 
ou symbolico consiste essencialmente em conferir por encantação 
propriedades úteis ou nocivas a objectos inanimados ou a seres 
vivos. E* o gri-gri por excellencia. E para o negro tudo pôde ser 
enfeitiçado. 

O feitiço symbolico commum coisa feita ou preparada, é muito fre- 
quente -entre nós. De vez em quando nesta cidade se encontra pelas 
ruas ou praças, na proximidade da casa ou no caminho por onde se 
suppõe que deve passar aquelle a quem é destinado, um feitiço que 
consiste, com pequenas variantes, em animaes de sacrifício e restos 
de comida de santo . Aqui é uma caixa de madeira qualquer contendo 
uma gallinha morta, coberta de azeite de dendê e outras bugigangas : 
ali é um prato de louça ou de barro com o invariável azeite de dendê, 
pennas e dinheiro em cobre; além ó um cesto com um cabrito 
morto, um pombo, um sapo, qualquer animal emfim, coberto de 
dendê, envolvido em pannos ou papeis, enfeitado de fitas, com 
pedaços de vela, etc. E assim sob mil formas outras . 

A's vezes a coisa é mais apparatosa. Um meu amigo, ba- 
charel em direito, contou-me que não ha muito tempo entrava elle 
alta noite em sua casa á rua da Soledade, onde se achava só porque 
a familia estava fora, quando foi surprehendido pela presença de um 
enorme feitiço, que haviam collocado em uma das janellas do pavi- 
mento térreo. Cruzavam-se na janella duas grandes lanças pretas a 
que se prendiam respectivamente as extremidades de duas peças de 
panno preto de luto, as quaes desenroladas atravessavam a rua, de 
lado a lado, formando entre si um vasto triangulo, o que dava á janella 
um aspecto de armação funerária. Em baixo das lanças, sobre o pas- 
seio, estava uma gallinha morta, coberta de azeite de dendê em um 



46 REVISTA BRAZILEIRA 

prato de barro vidrado, um cordeirinho branco também sacri- 
ficado e pratos de comida de santo com muito azeite de dendê, 
acaçá, etc. 

O feitiço que ali ficou foi retirado pela manhan pela carroça de 
remoção do lixo da cidade. Áttribue elle o facto ou a ter naquelles 
dias elevado o preço de aluguel de umas casinhas próximas onde 
residiam uns Àflrieanps; ou a que, estando o palacete quasi sempre 
deshabitado é crença que a casa émal assombrada. 

A mâi de terreiro, Isabel, deu-me da significação destes feitiços 
uma explicação que deve comprehender o maior numero. Em geral 
representam o processo de enfeitiçamento conhecido sob o nome de 
troca de cabeça. Quando um individuo infeliz ou a quem a sorte 
corre adversa, — o que em dicç&o popular se chama ter má cabeça, 
— vai consultar um feiticeiro, este propõe-lhe que troque a cabeça, 
o que vale trocar a infelicidade que o persegue pelas venturas que 
almeja. Mas esta troca é symbolica, já se vê. Para isso deve mandar 
ao feiticeiro um ou dois animaes que são decapitados, untados com 
azeite de dendê, envolvidos em uma peça de roupp branca do con- 
sultante. Por meio de processos mágicos, o feiticeiro fixa neste pre- 
parado a infelicidade que persegue o seu cliente, e manda collocar 
o feitiço em uma encruzilhada. ou em outro ponto assaz frequentado. 
Quem quer que passe por cima do feitiço ou tenha a curiosidade de 
ir exaininal-o, para logo apanha a infelicidade que elle encerra e 
deixa livre delia aquelle que até então era perseguido. Natural- 
mente, assim como se faz entrar no feitiço preparado a infelicidade 
ou a má cabeça de alguém, ou, o que é o mesmo, o espirito que é 
causa da infelicidade ou da má cabeça, assim também se pôde fixar 
e transferir para um objecto inanimado, para um animal qualquer, 
ou para outro homem, o espirito que torna algum doente perigoso, 
malvado, etc. 

No emtanto, qualquer objecto de uso particular ou mesmo o 
objecto mais insignificante e sem valor pôde soffrer a encantaçfio e 
tornar-se assim porte-bonheur ou porte-malheur . Isabel mostrou-me 
uns pôs, preparados por ella, que, trazidos em amuletos ao pescoço 
ou mesmo no bolço, bastavam para garantir todas as felicidades. 
Ninhos de pássaros, contendo dois ovos frescos, que enterrados na 
porta do apaixonado que já pensasse em se tornar perjuro á fé 
promettida, bastavam para ter a efficacia do filtro mais poderoso. 



O ANIMISMO FETIOHISTA DOS NEGROS BAHIANOS 47 

Indicou-me sobre a mesa um 'feitiço particular denominado caran- 
gueijos de cordas, pequena peça de madeira, de forma cylindrica em 
que se prendiam circularmente como raios uma infinidade de pedaços 
de cordões, todos do mesmo comprimento, a modo de pernas sem 
numero. Este feitiço foi retirado de dentro de um colchão de cama, 
para restituir a paz conjugal a recem-casados, em cujo lar tinha sido 
collocado, como vingança do abandono que soffrera, pela antiga 
amante do marido. E assim sem numero de peças outras, panacéas 
de todos os feitios e dimensões, igualmente eficazes contra todas 
as infelicidades, e portadoras infalliveis de todas as venturas. 

O numero em que ellas avultam ali sobre a mesa fatídica da 
feiticeira, bem indica a riqueza da clientela e a extensão da crença 
nas virtudes do feitiço . Mas esta clientela ijão se recruta sempre 
nas negras boçaes e ignorantes, sinão mesmo na melhor sociedade 
da terra. Para levantar as suspeitas que possam recair sobre as 
damas de qualidade que a queiram consultar, a mãi do terreiro fez 
installar na sala principal da casa, bem em evidencia, uma loja 
de modista. E que não é de todo falso o boato que com insistência 
correu aqui ha tempos, de que alguém não se resolvera a aceitar a 
presidência da província e mais tarde a pasta de ministro, sem 
prévia audiência de uma cartomante mâi de terreiro, prova a offerta 
que Isabel me fez, dos préstimos dos seus fetiches para o caso de eu 
pretender ser senador! 

Mas onde se exerce por excellencia a acção do feiticeiro é na 
cura das moléstias. Tem-se feito notar que o feiticeiro, o adivinho, 
o sacerdote, o medico e o sábio começaram por se confundir num 
mesmo individuo . Em regra, o negro bahiano está ainda nesse es- 
tado da evolução mental em que não se admitte que, fora das 
mortes violentas, haja moléstias e mortes naturaes. A moléstia é 
sempre o producto da encantação, de um feitiço : ao feiticeiro, pois, 
a missão de destruir pela intervenção da magia essa obra sobre- 
natural. Como provas da asserção, daremos alguns exemplos con- 
cludentes . 

O pai de uma negra, que ap conheço, foi um dia queixar-se ao 
senhor do engenho, onde ambos eram escravos, de que um Africano 
lhe tinha enfeitiçado a filha, dando qualquer coisa a comer em um 
torrão de assucar. A mulher andava doente, estava anazarchica, com 
enorme ascite, que,— me garantiram ainda recentemente negras que 



48 REVISTA BRAZ1LEIRA 

foram testemunhas da caso — , enchia e vasava com o fluxo e o re- 
fluxo da maré. O proprietário mandou chamar o feiticeiro e amea- 
çou-o de severo castigo; negou elle, porém, a autoria do facto, 
compromettendo-se, todavia, a pôr a mulher boa. E pouco tempo 
depois, estava ella completamente restabelecida. Este successo devia 
ter feito crescer ainda mais o prestigio do feiticeiro de que ainda 
hoje, morto como elle já é, falam todos com respeito. O proprietário 
do engenho a quem ouvi, confirmou o caso, attribuindo a moléstia 
a um envenenamento pelo salimão, bichlorureto de mercúrio. Esta 
explicação ó, porém, inaceitável, e acredito antes na existência 
de uma nephrite aguda passageira, pois as moléstias renaes são fre- 
quentes na localidade . 

No engenho de um amigo vivia ultimamente uma negra, moça 
ainda, amasiada com um negro considerado homem sério. A filha 
de uma mâi do terreiro fez-se, porém, amante delle e no fim de al- 
guns mezes conseguiu induzil-o a casar com ella. A amante aban- 
donada, receiosa de alguma offensa por parte da rival preferida, 
retirou-se para um engenho vizinho, onde foi viver com um outro 
individuo. Na nova residência, foi, porém, acommettida de uma 
febre grave, que o medico assistente capitulou de typho-malaria, e 
suecumbiu. O amante veiu então queixar-se ao proprietário do* en- 
genho onde reside o casal, 'de que a filha da mãi de terreiro tinha 
enfeitiçado a sua victima, como em tempo havia promettido. Como 
prova material da sua allegaçâo, trazia um pente que a criminosa 
havia enfeitiçado e collocado na porta da casa onde residia a falle- 
cida, e acrescentava que na intenção de ser nocivo á victima, 
também tinham collocado um feitiço numa encruzilhada próxima. 
Conheço a aceusada que, além de filha de uma mãi do terreiro ou 
feiticeira, é por sua vez filha de santo ; goza em geral de mau 
nome, já depois de casada abandonou o marido, esteve nesta cidade 
donde voltou agora para o lar conjugal. Era capaz de fazer a 
ameaça, e a pressão desta ameaça sobre a doente devia ter concor- 
rido poderosamente para a terminação fatal da moléstia. 

Um negro que examinei ha alguns annos e em quem encon- 
trei uma grave lesão cardíaca, já em período asystolico, falleceu 
como era natural, pouco tempo depois do exame medico. Mas 
os outros negros do engenho em que residia o doente enten- 
deram que a morte tinha sido devida a feitiço preparado pelo 



O ANIMISMO FETICHISTA DOS NEGROS BAHIANOS 49 

africano Pacifico. E, como já andassem prevenidos com este pai 
de terreiro que vivia a enfeitiçar-lhes as roças fazendo abortar ou 
minguar as colheitas, reuniram-se certo dia, foram esperai- o á 
estrada e deram-lhe tanta pancada que o deixaram por morto. 
Presos, estavam ellôs tão convencidos que para se justificarem 
bastava provar ser Pacifico realmente feiticeiro, que faziam con- 
sistir toda a sua justificação em apresentar ás autoridades as 
caveiras de bodes, cabellos e unhas humanas, búzios da Costa, 
pedras de raio, quartinhas, etc, encontradas por elles no Peji da 
sua victima. 

Durante a moléstia de prezadíssimo amigo meu, que falleceu 
de uma gangrena diabética, uma mulher negra que era amiga 
da familia fez serias e insistentes propostas para que fosse ou- 
vida sobre o caso uma mâi de terreiro, do Retiro, tida por muito 
afamada. Tal era a convicção da mulher que aquillo era coisa 
feita, ou feitiço, que nâo a demoviam nem a recusa formal e a 
. incredulidade da familia, nem a assistência e o juizo dos nume- 
rosos médicos que viam o doente. 

Por expressa indicação do medico, uma familia tomou para 
ama de leite de uma criancinha gravemente doente a uma rapa- 
riga, negra, moça e vigorosa» que havia sido recommendada como 
de leite muito bom e abundante. Sticcede, porém, que na pri- 
meira noite a mudança de leite fez aggravar o estado da doen- 
tinha. A rapariga, muito emotiva, recebe forte impressão, e no 
dia seguinte a secreção láctea estava completamente suspensa . 
Redobra a emoção da rapariga que passa a noite inteira a chorar . 
Debalde faz-se tudo para tranquillizal-a, garantindo-lhe que o 
leite voltaria,, desde que estivesse mais calma e confiante. No, 
outro dia vai até a sua casa e de lá, a instigação dos seus, vai 
consultar uma mãi de terreiro da Calçada do Bomfim. Esta des- 
cobre que a rapariga tinha sido enfeitiçada, que o seu leite seria 
fatal a criança que o tomasse antes delia ter sido curada do fei- 
tiço. Garante-lhe completo restabelecimento no fim de oito dias 
passados em sua casa delia feiticeira, mediante o pagamento adian- 
tado de 50$. A ama de leite vem consultar á familia que se nega a 
pactuar com esta transacção e garante-lhe o tratamento pelo medico 
da casa. Mas a ama declarou que preferia retirar-se a fazer 
mal a uma criancinha innocente, porque estava convencida de 

4 TOMO VII — 1896 



50 REVISTA BftAZILElRA 

que a prophecia da m&i de terreiro se havia de realizar. E des- 
pediu-se. 

Estes exemplos são suficientes. Mas não se creia que só negros 
e ignorantes frequentem os terreiros e candomblés em busoa de tra- 
tamento aos seus males. Todos nós médicos sabemos a frequên- 
cia com que os doentes, á revelia do assistente, ou despedindo-o 
sob o pretexto mais fútil, vão se entregar aos cuidados dos feiti- 
ceiros, vão se tratar com folhas do mato, no euphemismo da frase 
consagrada. 

Dr. Nina Rodrigues 
(Continua) 



INDUSTRIAS EXTRACTIVAS 1 



As industrias extractivas aproveitam também os insectos, os 
bichos da seda, as abelhas, a cochonilha e outros. 

Não, é da sericultura propriamente que se occupa esta indus- 
tria e sim da colheita dos casulos no estado selvagem ; porque 
aquella arte é um ramo da agricultura. Limito-me, por isto, aoecu- 
par-me da seda proveniente de uma borboleta brazileira (a Bom- 
byx Aurota segundo a classificação da Encyclopedia Bouasse- 
Lebel ), e que o povo conhece entre nós pelos nomes de borboleta da 
mamoneira e borboleta do beribâ, porque suas larvas nutrem-se das 
folhas destas plantas e também pelo de porta-espelhos; porque nas 
azas da mesma ha duas placas brilhantes, parecendo dois pequenos 
espelhos. E' similhante á Bombyx Cynthia, da Ásia oriental, ou borboleta 
doAúanto (do Japão) facilmente acclimatavel entre nós. No traba- 
lho dos Srs. Guerin Meneville e E. Robert, sobre o assumpto, acha-se 
de8crípta esta borboleta do Ailanto cultivada em Pariz. O finado con- 
selheiro Nicoláo Moreira escreveu, cuido que em 1873, um ligeiro e 
interessante estudo sobre aquella nossa borboleta; elle porém se 
enganou julgando ser assumpto novo, naturalmente por ignorar um 
decreto do governo portuguez, dos tempos coloniaes do Brazil, esta- 
belecendo prémios para quem cultivasse esse bicho de seda brazi- 
leiro, commum na Bahia, Espirito Santo e Rio de Janeiro e colhesse 
annualmente uma certa quantidade de casulos. 



i Veja a Revista de 15 de março, 1 e 15 de abril. 



52 REVISTA BRAZILEIRA 

O fio que a poria espelhos produz, com quanto inferior ao do bicho 
de seda chinefz (Bombyx moro), tem comtudo, certas vantagens sobre 
o desta; por exemplo para a separação da seda dos casulos daquella. 
não é preciso sacrificar o insecto no estado de nympha, porque elle 
arranja o casulo de modo a deixaruma abertura natural, por onde sai 
quando attinge o seu completo desenvolvimento, emquanto que no da. 
amoreira ou da China é indispensável sacrificar a chrysalida antes, 
que esta passe á ultima metamorphose, para que não fure o casulo, 
porque neste caso o fio de seda fica reduzido á fragmentos, por- 
tanto imprestável, ou quasi imprestável para o fim a que é destinado. 
O bicho de seda brasileiro é selvagem e abundantíssimo ; não neces- 
sitando para sua industria extractiva trabalho algum de cultura, nem 
de nutrição ; além disto, dá duas vezes e mais ao anno, segundo infor- 
mações do mesmo conselheiro Nicoláo Moreira. O comprimento do fio 
de seda da Bombyx Aurota ó maior, bem como sua espessura e a côr 
é mais escura (acinzentada); sendo porém mais resistente. A facili- 
dade de obter esta seda e sua abundância são taes, que se poderia 
fabricar bellos tecidos de baixo preço e grandíssima duração, para 
as classes de mediana fortuna. 

Os foulardstâo productos da seda do Bombyx Arrindia, bem como 
do Bombyx Cynthia, que como vimos, são muito próximos da nossa 
Bombyx Aurota, quando não são feitos da borra da seda chineza, ou 
de fibras vegetaes de certos' gravatas. Na Europa já se tem conse- 
guido, pelo cruzamento do Bombyx Cynthia com a Arrindia, preciosos 
mestiços. Á quanto não poderemos chegar, estudando o assumpto 
em relação a nossos insectos neste particular e portanto, em 
relação á seda ? O Bombyx mori, que dá a fina seda é facilmente 
cultivado aqui, como se pôde verificar, sem trabalho de estufas 
e outros. 

Devemos o desenvolvimento desta industria embora por ora 
pequena á perspicácia e força de vontade da Exma. Sra. D. Maria 
de Rezende e de alguns membros da antiga Seropédica. 

A apicultura, outro ramo de agricultura também não pertence a 
nosso estudo; entretanto a extracção do* mel e da cera fabricados 
por estes e outros hymenopteros o são . 

Além da Apis melífera L. ou abelha cultivada por toda parte 
inclusive em muitos pontos do Brazil, possuímos varias outras, bem 
como algumas vespideas que dão os ditos productos, que são ambos 



INDUSTRIAS EXTRACTIVAS 53 

de origem vegetal: a cera é extraída das plantas pelas abelhas ope- 
rarias ou neutras queingerem-n'a e depois regorgitam pela tromba: 
o mel provém de certas glândulas das flores, onde recebe o nome de 
nedar, e aquellas glândulas o de nedareas. São também as ; abelhas 
operarias que se encarregam de trazer o néctar, e collocal-o 
gota á gota nos alvéolos dos cortiços ou colmeias, para a futura 
nutrição das larvas ou lagartas provenientes dos ovos da abelha-mes- 
tra ott rainha. A Itália, a Suissa e outros paizes da Europa cultivam 
em grande este ramo de agricultura. 

A cochonilha ( Goccus cochonilifer) é outro insecto precioso, que 
fornece o carmim, delicada matéria corante, de tantos usos na pin- 
tura, na technica histológica, na medicina, como anti-asthmatico, e na 
industria da fina tinturaria das flores artificiaes e das sedas e plumas. 
No Brazil possuímos alguns cactos oochonilhiferos, nos sertões, onde 
os vimos cobertos de uma multidão desses insectos na Bahia, Ser- 
gipe, Alagoas e Pernambuco; devendo existir em muitos outros 
estados; o preço do carmim é dos mais convidativos a exploração 
desta industria extractiva. 

As cantharidas ( Meloè vesicatorius L. MUabris chichorii L. Sero- 
coma Sckcefferii Geoffr.) e outras, usadas para vesicatório, são insectos 
que abundam em alguns paizes do velho continente. Nós possuí- 
mos uma a Lytta afamaria Germ., ou talvez mais espécies que vi 
em Santa Catharina e Paraná ; provavelmente espontâneas em outros 
estados do Brazil. 

Certos insectos coleopteros, do género Curculio e outros são 
usados para jóias. 

Dos moluscos — , innumeros merecem ser explorados pela 
industria extractiva, sendo em sua maioria alimentares ; muitos delles 
fornecem a madrepérola em seu envoltório, e a pérola em vários 
principalmente nos que soffreram soluções de continuidade ou feri- 
mentos na túnica, ou na sua matéria sarcódica. 

Não posso deixar de narrar um facto relativo á industria extra- 
ctiva dos moluscos no Brazil. 

Fui procurado por um amigo, presidente de uma Companhia, 
entre cujos misteres se achava a fabricação de objectos de madre- 
pérola no Rio de Janeiro, onde funccionava sua offlcina, mas elle 
não encontrava matéria prima ; sendo-lhe necessário mandal-a vir 
dos mares sul europeus, Golpho Pérsico, Oceano Indico, e sobretudo 



54 REVISTA BRAZILE1RA 

das costas de Madagáscar. Recorrendo a minhas notas de estudos 
feitos a bordo da Belmonte da qual eu era cirurgião, por occasião 
de excursões diversas pelas costas do Brazil, e auxiliado por compa- 
nheiros officiaes de marinha» fiz-lhe ver que entre o Cabo de Santo 
Agostinho e o cabo Frio, ha varias espécies de moluscos brazileiros 
que contém madrepérola de lindo oriente e bastante espessa nos 
numerosos espécimens antigos, e bem assim pérolas, sem que me 
fosse possível dizer definitivamente quaes, antes de renovar meus 
estudos. Dos Ccdenterios, Corcdiarios e Spongiarios, nada posso dizer 
em relação a sua exploração nas costas do Brazil. São estudos a 
fazer; sendo muito provável que encontremos thesouros. 

A' vista do muito que acabo de dizer embora resumidamente 
julgo poder asseverar que a industria extractiva animal é das 
mais promettedoras ; para isto poróm é preciso que o Governo e o 
Congresso se compenetrem de que não é só dando dinheiro que 
elles auxiliarão a industria nacional. Façam-lhe vantagens indi- 
rectas, concedam-lhes auxílios de tempo, e favores que garantam 
e animem os capitães particulares hoje tão retraídos, e com razão. 
Os previlegios de tempo e de zona para industrias novas das quaes 
o paiz aufere também vantagens proporcionaes, longe de serem 
odiosos são de grande alcance, pois não offendem a direitos de 
outrem ; trazem vantagem para grande numero de indivíduos que 
se empregam na exploração, e rendas do Estado. Não esqueçamos 
o axioma económico que diz : « Industria nova, riqueza nova para 
othesouro >. 

Dr. J. M. Càminhoá 



THEATIIO E MUSICA 



CO 






56 REVISTA BRAZILEIRA 

é uma composição de coinprehensfto um pouco difflcil pára o nosso publico 
menos habituado à, contextura complexa dos trabalhos do grande génio 
allemfto. Só um espirito afeito a observar pela audição as differentes 
combinações thomatieas que se encandeiam num só tecido harmónico, pode 
apprehender o admirar na sua deslumbrante estruotura aquella prodigiosa 
concepção, que, si nfto foi apreciada no seu inteiro valor, nao podia deixar 
de impressionar pela sonoridade colorida e vigorosa. 

Rameau e Gluck, os dois clássicos de fino saber e de imaginação 
poética, foram representados no programma pelo Rigaudon de Dardano e 
pela Gavotte de Armida; Saint-Saens, o musico francez contemporâneo de 
maior talento, pela Dansa das sacerdotisas de Dagão ; Raff pela sua bel- 
lissima Cavatina, executada unisonamente por todos os primeiros violinos 
e Carlos Gomes pela Protophonia de sua opera, genuinamente brazileira, 
O Guarani/. 

Os solos, com acompanhamento de orchestra, couberam ao pianista 
brilhante Alfredo Napoleão que tocou o seu Primeiro concerto eni mi bemol 
e a Mme. Risarelli que cantou a ária de Cherubino do Casamento de Figaro 
de Mozart e a Cantilènc du Cinq-Mars de Gounod, reunindo a doçura do 
sua voz avelludada o encanto de sua interpretação expressiva. 

Na segunda sessão symphonica ouvimos a Symphonia italiana do 
Mendelssohn, do uma sonoridade luminosa e simples ; as Scenas Alsacianas 
de Masscnet, evocando na imaginação do auditório umas recordações 
illuminadas de poesia, de mocidade e de amor ; o Andante de Nepomuceno 
com um perfumo de melancolia suave e o Minuete de P. Braga, risonho 
e gracioso. Repetiram-se a Gavotte de Armida de Gluck, o Rigaudon do 
Rameau e o Preludio dos Mestres Cantores de Nuremberg, de Wagner. 

Os solos com acompanhamento de orchestra couberam ao pianista 
Alfredo Napoleão que ostentou mais uma vez seus dotes de virtuose na 
Fantasia Húngara de Liszt e ao Sr. Emile Usac que cantou a singela 
melodia Les Rameavx de Faure. A senhorita Canizares muito commovida 
e receiosa cantou, acompanhada ao piano, Ci rivedrem de Cabib e 
Ave Verum de Gounod. 

O maestro argentino Lavalle, no primeiro concerto conduziu a 
orchestra no acompanhamento de dois trechos de canto, e no segundo 
regeu as Scenas Alsacianas, de Massenet. 

Nos dois primeiros concertos o regente maestro Alb. Nepomuceno, 
com «ua orientação de educador, dejxou perceber que era seu intento nao 
se preoccnpar com as minúcias, trabalhando para conseguir primeiramente 
a realização do conjunto, a interpretação do senso musical dos compo- 
sitores, a expressfto verdadeira da composição ; esse escopo foi alcançado, 
ê preciso confessar. Agora, porém, ó tempo de se esmerar em colorir a 















••■.!.. 






58 REVISTA BRAZ1LEIRA 

de nenhuma espécie os seus leitores do que em matéria de arte dramática 
por aqui temos. 

As representações das celebridades que vêmá, America do Sul, attrai- 
das pela fama da nossa riqueza, resentem-se de um grave defeito, a falta 
de conjunto nas companhias que trazem e a pobreza dos meios materiaes 
de enscenação. Aquelle, porém, é muito mais sensível e si serve para melhor 
destacar a figura do actor principal seja elle Novelli, Sarah Bernhardt ou 
Bmmanuel grandemente prejudica o effeito d'arte que o theatro represen- 
tado nos pretende dar. Toda obra d , arte— -partitura ou poema, quadro ou 
estatua— ha de ser julgada pelo seu conjunto, e nem a podem salvar exce!- 
lencias de alguma ou algumas partes prejudicadas pela ruindade das demais. 
Esse conjunto é justamente o que não têm taes companhias que são 
antes a negação delle, tamanha é em geral a desigualdade entre os 
artistas principaes e os vulgarissimos comparsas que quasi apenas servem 
para lhes dar a réplica. O publico aliás, parece não pensar assim e acaso 
satisfaz-se com a infantil vaidade de ter «visto» o Emmanuel, o Novelli, 
a Sarah... 

A companhia de Emmanuel era, ao menos para a tragedia e para o 
drama e com excepção do actor Rossi, detestável. Na parte feminina não 
haveria a fazer nenhuma excepção, si não fora a interpretação, mais sympa- 
tioa aliás que verdadeiramente boa, que ao papel de Ophelia no Hamlet deu 
a Sra. Montagna. No de Cordelia do Bei Lear, porém, ella revellou uma 
rara carência de dotes dramáticos e uma singular inintelligencia dessa bella 
creação shakspeareana. Mas falemos de Emmanuel. Elle não é talvez o 
actor incomparável que a nosso fácil enthusiasmo de meridionaes irre- 
flexivos o faz. 

E', entretanto, um admirável artista e sobre tudo um artista perfeita- 
mente senhor dos seus meios scenicos. Não me animo a dizer si elle é 
um interprete perfeito ou ideal de Shakspeare, nem si o comprehende 
bem. O grande Inglez é por tal forma complexo que de ninguém se poderia 
talvez dizer que seja o interprete fiel do seu pensamento ou da sua emoção. 
Basta-nos a nós espectadores que o artista que reveste as roupas 
de Lear, de Othelo e de Hamlet, nos dê a impressão viva do infortúnio, 
do ciúme e da duvida, si é possivel synthetizar nestas palavras a prodi- 
giosa opulência de sensações, de idéas, de emoções de cada um da- 
quelles typos, do ultimo sobretudo. Essa impressão nos dá Emmanuel, e 
nol-a dá de maneira— e isso ó o dom do génio— a suffocar em nós as vellei- 
dades da nossa critica e da nossa anal y se. 

Esta poderia fazer as seguintes restricções : que o drama ehaks- 
peareano, em que se incarnam as paixões brutaes, semi-selvagens ainda da 
Inglaterra apenas emergida da barbaria no século XVI, não pôde acaso 



THEATRO E MUSICA 59 

ser representado com o naturalismo moderno que affecta Emmanuel ; que 
esses homens, que falavam a linguagem grosseira e metaphorica das classes 
e das épocas que ainda a civilização nflo poliu e a cultura nfto afinou, 
sentiam também como falavam, brutalmente, numa expansão forte de 
naturezas nfto policiadas ; que Hamlet nfio é só um fingido louco, que e 
um nevropatha, quasi, sinao de íacto, um louco, atacado da loucura lúcida 
dos psychiatristas. 

De parte estas restricçoes, que comprehenderao quantos tenham ou- 
vido o grande actor, n&o ha sin&o admiral-o pelo relevo, pela vida que ello 
deu ás creacões shakspereanas, mesmo sem as ter quica comprehendido 
bem ou tendo-as, intencionalmente talvez, modernizado. 

J. V. 



IMAS DE SCIEilAS, LETRAS E AltlES 



O CHRISTO DA CANA 

(Agua-forte d» A. Van-Dyck) 



António Van Dyck, o mais ideal dos pintores flamengos, foi também 
gravador a agua-forte. 

A sua vida mysteriosa encerra momentos que nao têm sido convenien- 
temente estudados pelos seus poucos biographos, talvez em razão do isola- 
mento em que se desenvolveu o seu talento, e offerece um certo contrasto 
com a do seu mestre e amigo Paulo Rubens. 

Apenas na segunda phase de sua existência foi que, na Inglaterra e 
sob a égide de Carlos I, relacionou-se com algumas famílias nobres, cujos 
membros disputavam a honra de se retratarem pelo pintor do rei, dentre as 
quaes, foi escolhida por seu protector aquella que devera ser herdeira de um 
tao illustre nome. 

A flor da sociedade londrina accorria à explendida residência de Blaok- 
friars onde, conforme uma anecdota referida por um biographo hollandez 
citado por Michiels, 1 — sempre tinha a mesa prompta para os amigos e a 
bolsa aberto para as amantes . Afim de alimentar esse fausto principesco a 
que se habituara, teve que se entregar a um trabalho excessivo incompatí- 
vel com a sua constituição pouco robusta e que em seus últimos dias tor- 
nou-semais abalada, de um lado, com os aooramentos da funesta niiss. 
Lemon, e do outro com os excitantes vapores dos fornos alchimicos, chi- 
méra de seus sonhos alentados pelo cavalheiro Digby, digno emulo do char- 
latão Brendel. 

Ainda em idade que muito se devera esperar do seu hábil pincel, pois 
apenas contava 42 annos, perdeu a arte um dos seus mais notáveis cul- 
tores. 

Nao pretendemos escrever ávida e obra do predilecto discipulo de Çubens; 
outros mais competentes jà trataram proficientemente do assumpto. Alme- 
jamos tao somente aprecial-o como gravador e mais especialmente tratar 
da sua peça— o Christo da cana, que com outras producções enriquecem a 
Secção do Estampas da Bibliotheca Nacional. 



* VanDjfck &. set eleve*, Paris, typ. Crété, 1881, in-8' 



NOTICIAS DE SC1ENCIAS, LETRAS E ARTES 61 

Deixamos também de enumerar todas as aguas-fortes de Van Dyck, 
visto como, com facilidade, o leitor encontrará a sua descripçfto na excel- 
lente obra do dr. Wibiral i que pouco deixou que fazer aos seus succes- 
sores, a qual, segundo Michiels, M o único livro em que a nomenclatura 
é completa. Ao mesmo tempo a arte de Maso de Finiguerra foi enriquecida 
com o importante trabalho do tão operoso quão erudito sr.Georges Dnpiessis, 
mandando reproduzir pela heliogravura todas as aguas-fortes de Van Dyck, 
inclusive as três que lhe sfto geralmente attribuidas . 

À obra de Van Dyck consta na sua maioria de retratos; apenas o Christo 
da cana representa um assumpto differente. A estampa em que figura Ticiano 
com a amante n&o deixa de ser um retrato deste pintor, porém tratado de 
um modo diverso dos demais da collecçfto; achando-se no mesmo caso o do 
bar&o de Le Roy. 

O espirito excêntrico do glorioso banido de Blackfriars levou-o algumas 
vezes a fantasiar as próprias efflgies de seus retratados, representando-os 
sob o estylo symbolico. £' o que observamos em muitos de seus quadros e 
nomeadamente nos retratos a óleo da duqueza de Richmond que com os attri- 
butos de S. Agnès orna a galeria do palácio de Windsor, e no de Venetia 
Stanley que, como deusa da Prudência, foi-lhe encommendado pelo seu par- 
ticular amigo, o cavalleiro Digby . O retrato de Ticiano parece-nos achar-se 
comprehendido neste caso e figura na exposição permanente da Bibliotheca 
Nacional sob o n. 193. 

Vejamos a pittoresca e interessante descripçfto que desta gravura íaz 
um meticuloso monographista 3 que ao mesmo tempo considera-a enigmá- 
tica: 

. . . «elle reproduit une page du Titien, ou Fon voit le peintre lui-meme, 
vieux, casse, amaigri, emmailloté dans une simarre doublée de fourrure la 
tôte couverte d'un bonnet de soie pour voiler son crâne chauve. II est placo 
devant une femme robuste, monumentable, avec des épaules larges comme 
les contreforts de TEtna, une chevelure abondante, véritabie crinière, e 
un ample costume . Son regard oblique n ; annonce pas une extreme fran- 
chise. D'une main grele et ridée, le vieillard aux joues creuses touche son 
ventre- arrondi, tumofle par ramour. Cest la vie et la fecondité dans toute 
leur puissance. Mais prés d'eUe, contraste singulier! un bolte ou verte du 
cote du spectateur laisse voir une tête de mort. Que veut dire cette oppo- 
sition? Est-oe une imago symbolique de lanature, produisant sans cesse et 
détrnisant toujours ? Ne serait-ce pas plutôt un conseil adressè aux viel- 
lards, une traduction de 1'adage latin: Virgo libidinosa senem jugulat* 
I/auteur voulait-il se premunir ainsi lui-meme contre les seductions de» 
femmes vénales? Et pourquoi Van Dyck a-t-il reproduit avec complaisance, 
cette bizarre inventâtion? Éprouvait-il dès cette époque des lassitudes 
amoureuses ? Questions obscures oú pénétrait difíicilement la lumiòre, la 
peinture étant par bien de cotes un arthiéroglyphiquo.» 

Todos os originaes de Van Dyck que possue a Bibliotheca Nacional, 
nílo se recoramendam pela nitidez e vigor das provas ; d ao apenas uma idéa 
da composição. Sao specimens dos últimos estados obtidos de chapas já obli- 
teradas e gastas pela industria mercantil, figurando como excepção esta 
estampa. Comquanto do 4 o estado é uma prova vigorosa e muito rara, na 
opinifto do dr. Wibiral. 

Com respeito á famosa colleccâo, dita dos cem retratos, considerada 
a mais bella de todas as collecoões pelos competentes, e da qual a Bibliotheca 
Nacional possue um exemplar consignado pelo laborioso dr. M. Brum no 



L' iconographie cPAntoin* Tan Dyck, Leipag, imp. Drugulin, 1877, in4°. 
~p. cit. 
an Djfdt A. te» eleves, pag. 382. 



» Op. cit 
» Va 



62 REVISTA BRAZILEIRÁ. 

Catalogo da Exposição Permanente de Cimelios á pag. 764 *, inspirando-se 
no trabalho do erudito dr. Wibiral, B. Dutuit repete * que foi a partir de 
1632 até 1636, que Van Dyck resolveu publicar uma serie de estampas dos 
retratos de personagens illustres, e na maior parte contemporâneos, por elle 
pintados Este projecto deveria ter-lhe sido inspirado em 1627 por Lucas 
Vorsterman, o pintor do buril chamado, com quem travara relações durante 
a sua estada na Inglaterra. Como documento desta amizade a historia da 
pintura relata dois retratos do gravador executados por Van Dyck, sendo 
um a óleo e outro a agua-forte que figura na alludida colleccao. Weber 8 
chega atoa adiantar que o artista favorito de Carlos I tomou parte nas gra- 
vuras de algumas chapas abertas por Vorsterman (retr. de And. Cornelissen) 
quando esto esteve naGran Bretanha. Paraauxilial-o na realização dessa idéa 
Van Dyck associou-se a Martim van den Endem, estabelecido em Antuérpia, 
e que em 1630 tinha sido admittido membro da corporação de S. Lucas, 
como negociante de objectos de arte. Conforme se deprehende do final do 
titulo da edição publicada em 1645 por G. Hendricx (Ab António Van 
Dyck pictore aã vwum eocpressce ejmque sumptíbus ceri incises) as des- 
pezas deveriam correr por conta do próprio Van Dyck que chegou 
mesmo em 1634, a vir da Inglaterra á sua pátria, talvez com o fim de 
tomar contas a van den Endem. As razões que levaram o pintor-gravador 
ao emprehendimento dessa empreza nao foram de natureza a auferir lucros 
materiaes, porquanto, mesmo no apogeo de sua gloria* continuou a dedi- 
car-lhe devotado interesse. O dr. Wibiral acredita que foi antes uma das 
inspirações artísticas do mestre. Esta ligeira noticia nfto permitte tratarmos 
mais desenvolvidamente da notável obra em que collâboraram os mais 
celebres chalcographos da época e da estatura de Guilherme Delff, Cor- 
nelio Galleo (o velho), G Hondius, Pedro de Jode, N. Lauwens, Roberto 
van Voerst e principalmente Bpeswert, Paulo Pontius e L. Vorsterman que, 
segundo Nagier * formam o grande triumvirato que domina toda a 
escolada gravura que teve Rubens por fundador. Nfto obstante julgamos 
imprescindíveis mais algumas informações a respeito. 

Conforme refere o inteliigente negociante de Bonn, Van Dyck nfto se 
satisfazia só com a escolha dos melhores gravadores e com o trabalharem 
sob suas vistas, porquanto em muitos casos elle próprio collaborava com 
esses mestres em algumas chapas, nas quaes a presença do buril se 
manifesta com a participação da agua-forte; estas differem notavelmente 
do outras que foram executadas sem a assistência do mestre. Conta-se que 
algumas folhas de provas de ensaio das chapas nfto terminadas sfto encon- 
tradas retocadas a nankin pela própria mfto de Van Dyck, certamente para 
guiar os gravadores que se achavam sob a sua direcçap. O sr. G. Duples- 
sis diz que « elle retocava as provas que lhe eram submettidas e só consen- 
tia que apparecesse alguma estampa ou autorizava ao artista de nella 
inscrever o seu nome, quando entendia que nfto se podia levar mais longe a 
fidelidade da reproducçfto.» Ordinariamente esboçava a cabeça e as mftos 
a agua-forte deixando aos seus discípulos a miss&o de terminal-as a buril. 

O primeiro editor de Van Dyck teve por suecessor em 1641 o hábil 
impressor Gilles Hendricx, seu padrinho, que se tornou possuidor de quasi 
todas as chapas de van den Endem, inclusive as oitenta da iconograpMa, 



1 De passa: em digamos qae com este titulo estampado na folha de rosto foi dado a lume 
pela Bibliotheca Nacional, em continuação aos seus Annacs, um fascículo qae» em o nosso 
humilde entendimento, só em parte corresponde ao estricto e definido termo — Cimelio, como 
geralmente é admittido em bibliographia. que dirão os curiosos ao deparar na alludida publi- 
cação e entre outros spocimens — * Innocencia, por Sylvio Dinarte, edição de 1884; — acarta 
nisc. que figura sob o n° 68, á pag. 548 da Secção de Manuscriptos, e — o retrato qae sob o 
n° SU á pag. 887 figura gravado na o ff. do American Bank Noie & Cf 

2 Manuel de Tamateur destampes, vol. IV, 1K81. 

» Catalogue dts portraito grave» pareid'aprè* Van Dyck... 2toM»,l852. 
« Kunsiler —Lexicon (pag. 540, voL XX) Municie— 1850. 



NOTICIAS DE SCIENC1AS, LETRAS E ARTES 63 

das quaes apagou o endereço, conservando as palavras Cum privilegio, 
e marcou cada uma com as inioiaes G. H. A esta collecção addicionou 
quinze aguas-fortes de Van Dyck e mais algumas outras chapas gravadas 
por differentes autores, segundo o mesmo artista, inclusive um frontispício 
aberto pelo próprio Van Dyck e terminado a buril por Iac-Nefs, e no qual 
figura o busto daquelle. Desta forma a iconographia passou a chamar-se 
também centúria ou collecção dos cem retratos. Este editor ainda publi- 
cou uma outra edição que se differença da primeira pela suppressfto do 
anno 1645 e pelo acréscimo de vários retratos que até então não haviam 
figurado na iconographia. O successor ou successores de G. H. nfto sâo 
bastante conhecidos. A boa fortuna dessos editores foi disputada, em meia- 
dos do século XVII, por um negociante de Antuérpia chamado João Meys- 
sens que procurou também formar uma collecç&o de retratos do festejado 
pintor. Os mais afamados artistas da época collaboraram nessa empreza 
que teve o grande mérito de completar a serie. Si bem que mandasse 
gravar um frontispício para essa obra, suppõe-se que este nunca serviu de 
titulo á collecção, cujas folhas foram vendidas separadamente. Dahi por 
diante a serie de retratos foi publicada por diversas vezes, variando o nume- 
ro destes entre cem, e cento e doze folhas. No começo do século XVIII os 
editores H. e C. Verdussen, também de Antuérpia, reuniram varias chapas 
(124) e publicaram uma nova edição desta obra com os dois seguintes títulos : 

I o — o frontispício empregado na edição de G. Hendricx; porém em 
lugar de NUMERO CENTUM, accrescentou et viginti quatuor. O endereço 
de G. Hendricx foi apagado e substituído por Antuérpia Hermicus et 
Cornelius Verdussen excudunt; 

2 o — com um titulo impresso sem milésimo: Lecabinet des plus bcaux 
portraits, etc... peintspar Van Dyck graves en taille-douce par les mcilleurs 
graveurs, Anvers, Verdussen. 

Parece-nos que este nfto é ainda o exemplar que possue a Bibliotheca 
Nacional porque, em vez de pcints par Van Dyck, conforme dizem todos 
os autores, ahi occorre faih par le fameux Antoine...; é portanto uma 
edição que nfto vimos descripta em nenhuma dos bibliographos. Faz elle 
parte da collecção que pertenceu a Real Bibliotheca. Faltam as folhas 
118 em que se devera achar o retrato de João SnelJinckx, agua-forte de 
Van Dyck e mais 6 folhas dos últimos retratos, conforme deprehen demos 
do índice que occorre no principio. Talvez a titulo de compensação pre- 
tendesse o seu antigo possuidor addicionar mais 6 retratos dos quaes 5 pin- 
tados por Van Dyck e um por J. Lievens, por baixo do qual occorre em 
lettramsc. P. Segers (&ic.),pictor. P. Daniel Segcrs da companhia de Jesu 
Pintor de Flores, o que, pelo estudo que fizemos, chegámos a conclusão 
que foi pintado por João Lievens, e gravado por Paulo Pontius.E' o 1° estado 
descripto por Dutuit 1 . O laborioso auctor da Iconographia diz que quasi 
todas as chapas dessas estampas ainda existem e que foram vendidas 
em 1851 por2.500 fr. á Chalcographia do Louvre onde, depois de retocadas, 
foram tiradas provas que silo distribuídas pelo commercio para estudo dos 
amadores. O mesmo adianta que antes de serem as chapas depositadas 
naquelle estabelecimento, algumas serviram para a tiragem de provas, até 
então desconhecidas; duas dessas falsificações que foram vendidas em 
Liège pelos meiados deste século, tendo entrado no Museo Britanuico, foram 
descobertas peio sr. Carpenter, director do gabinete de estampas. Conjectu- 
ramos que o nosso specimen do Christo da cana soja do numero dessas, 
proourando interpretar as indicações do competente sr. G. Duplessis. 

dr. Wibiral que, com relação a iconographia^ empresta grande impor- 
tância a qualidade do papel e ás filigranas que o distinguem, estabelece 



Manuel de Tamateur <T:s tampes, vol. IV, pag. 283. 



64 REVISTA BRASILEIRA 

como principio que a qualidade do papel caminha parallelamente com a da» 
provas eque tombem a belleza destas diminue na proporção do papel; e com 
relação às filigranas é de opinião que servem para gaiar o amador afim de 
reconhecer as falsificações e fraudes, infelizmente tao communs nessa obra. 
Comquanto a questão do estudo do papei como meio auxiliar de verificação 
nfto seja recente em matéria iconographica, teve esse autor o excepcional 
mérito de tratai-a de uma maneira quasi original na sua incomparável ^Ico- 
nographia, considerada por Michiels o melhor trabalho oscripto sobre o 
assumpto. Na opinião do erudito amador a qualidade do papel e o 
desenho das filigranas sao bastantes para authentloar a prova que se 
contempla e um exame bem dirigido nesse sentido pôde desmascarar 
os vergonhosos embustes dos especuladores. A habilidade destes retocando 
as provas a penna ou a pincel, vai a ponto de tornar as vezes impossível 
a descoberta da verdade eé então a natureza do papel que vem em nosso 
auxilio. 

Por uma omissão tao involuntária, quão lastimável, Bartsch deixou 
de mencionar no seu monumental Peintre graveur as aguas-fortes de Van 
Dyck, o que concorreu grandemente para permanecerem ignoradas dos ama- 
dores e colleccionadoros até a segunda metade deste século. Coube ao 
illustre investigador sr. H. Carpenter, a missão de preencher esta la- 
cuna na sua apreciada memoria i ; depois desse autor muitos outros 
occuparam-se deste particular assumpto, dentro os quae^ citaremos : We- 
ber, Szwykowski 2 , Dutuit , Michiels , Duplessis e principalmente o 
dr. Wibiral, de cujo excel lente trabalho extraimos alguns dados para 
esta ligeira monographia. 

Tempo e já de nos occuparmos mais especialmente com a estampa, 
cujo titulo encima estas linhas, si bem que, com as precedentes pro- 
curássemos tornar conhecida a obra do notável chaicographo flamengo 
e existente em a nossa Bibliotheca Nacional. 

A agua-forte representando o Christo da cana achamol-a nos 
archivos da Secção de Estampas classificada pelo infatigável dr. M. 
Brum com a nota de I o estado. Foi propriamente esta circurastancia 
que nos despertou o interesse de melhor conhecel-a. 

Sobre a maneira por que a houve a Repartição pudemos conseguir 
saber, pelo registro de entradas, que pertencera a coliecçfto Oliveira 
Barbosa e que, no tempo do referido dr. Brum fora adquirida peio preço 
de 25S000. A verlficar-se a classificação do antigo chefe da Secção de Es- 
tampas, ô fora de duvida que os herdeiros do emérito coileccionador 
fizeram um mau negocio, visto como, segundo Le Blanc, ura exemplar 
inferior (2 o Estado) foi vendido por 405 fr., e conforme refere o Vis- 
conde de Delaborde na sua « Notice historique », o specimen que sob o 
n. 132 se acha em exposição no gabinete de estampas da Bibliotheca 
Racional de Paris foi adquirido era 1816 pelo preço de 100 fr., bem 
como acrescenta que « uma prova, até a presente data única, desta 
peça a agua-forte e antes de qualquer letra, acha-se no Musêo 
Britanmco. » Portanto, si nfto fosse contestada a opinião do operoso dr. 
Brum, as referencias do nobre iconographo deveriam ser modificadas 
no sentido de admittir o nosso exemplar como rival da única peça exis- 
tente. O iilustrado dr. Ramiz Galvão em seu Relatório faz menção 
do Eecce homo que se acha em exposição no gabinete de estampas 
da Bibliotheca Nacional de Paris; como na direcção deste se achasse 



i Pictorial notice*. conrtsting of o memoir of Sir Ànthony Yan Dyck, vtith a âtscriptiv* 
catalofjue of the etchings executed by him etc, London, 1844. 

2 Anton. Van Dyckg Btldnisse bekaunter Porsonen. Iconogr&phte, ou le cabine* de» 
portraits dAntoíne Van Dyck... Leipmg, R. Weigel, 1859. 



NOTICIAS DE SCIENCIAS, LETRAS E ARTES 65 

actualmente o laureado sr. G. Duplessis, que com tanta proficiência já havia 
estudado particularmente a obra do artista que óra tratamos, resolve- 
mos photographar a estampa e enviar-lhe a cópia em uma carta na 
qual solicitávamos a sua competente opinião a respeito ; eis o tópico 
attinente ao caso em questão •* 

* I/estampe B paralt etre une pièce à leau-forte do Van-Dyek, 
reprósentant le Ecce-hotno et peut-etre identique a celle qui figure dans 
votre cabinet sous le n. 132 du catalogue, mais en différant quant à 
1'état. é 

O illustre iconographo dignou-se responder-nos : 

* Le Christ au roseau, dont vous m'envoyez la photographie est 
bien une eau-forte de Van-Dyck, mais ce n'est point 1'épreuve du l. er 
état. Cest une épreuve do la planohe terminée dont la legende a oté 
rognée ; le l. er état est sensiblement plus leger et ne porto pas beau- 
eoup de travaux qui alourdissent le torse du Christ et los parties om- 
brées des vêtements. » 

Apezar das modificações porque passou a chapa o que, na opinião 
do sr. Duplessis, tornam a estampa pesada, era todo o caso nella pode- 
mos admirar o estylo elevado da composição. Vejamos a sua minuciosa 
discripçâo feita pelo ab. Zani i : 

< Dyck António van— Lo stesso. a. f. terminata a bnlino, dice Mr. 
Mariette, da Luca Vomtrnnin. B. B. M JR. e suo Capo d* Opera, 

3 Fig. ai ginoc. a. 9. 8. 1. 7,10 compr. «S lin. fli marg. in cui 4 versi 
Ecce stat innocuus ecc, o sotto Ji duo primi, con caratteri minutissimi 
e nitidissimi. Ant. van Dyck inne. o sotto di secondi : Cum Priuilegio, 

Um Giudeo da una parte colla m. sin. presenta la canna ai Reden- 
torc cho ha le mani legate, ed incroeiate, ed un Soldato con elmo in 
testa tiene la picca nella d. 

Le 2. e Prove portano inuen., e non inue. — Le 3. e hanno sotto ai 
due primi versi : António van Dyck inuenit et fecit af[uu forti, e sono 
mancanti dei Cum Priuilegio — : le 4.« si vedono come le 3. e ma sotto 
ai due secondi versi hanno il cum priuilegio, e le 5." sotto ai detti so- 
condi versi si legge, ma con caratteri piú forti, A Bonenfant cjccudit, e 
le 6. e ritoccate portano : A Paris chez G. Ph. le Bus. J e J G-raucur du 
Roy. ecc. > 

Nao menos interessante é a pittorosca dcscripç&o que delia faz o 
provecto investigador A. Michiels : 

« Mais regardons d'abord la planche qui l'on met en tete de la col- 
lection. Elle figure La scène dérisoire ou Ton offro au Christ un scoptre 
de roseau, et nous réve lo 1'état moral dans le quel se trouvait alors l'au- 
teur. Elle est bien plus expressive que la grande, la celebro e -tampe 
consacrée au momo sajet, d'après un tableau du môme artisto. Le visage 
raaigre et maladif du Réderapteur, ses joues creuses, ses sourcils con- 
trastes son oeil morne et abattu qui voit à peine lo roseau, son atti- 
tude passive, ses bras inertes, paralysês en quelque sorte par les cordes 
qui nouent ses poignets, expriment la tristesse, l'accablement et la dou- 
leur: aucune protestation morale, aucun eflbrt stoíque. Cest un con- 
damné a mort, qui attend son supplice. La désolation, 1'abattement du 
Fils de rhomme sont si profonds, que le soldat placé prés de lui lo re- 
garde avec une extreme surprise et ne peut en croire ses yeux. Quant 
au vieillard use, fatigue par rexpórience, blanchi par 1'Age, qui lui offró 
le roseau, il éprouve une immenso pitié: tout ei lui, jusqifa son atti- 
tude, respire la compassion. II est navró do la douLcur du Christ et du 
role insultant qu'on le force lui-mémo de remplir, il en demande pardon 



1 Enciclopédia metódica dclle belle arti. Parte 2», vol. VII, pag. 241. 

5 TOMO VII— 1890 



66 REVISTA BRAZILEIRA 

à la victime. En quel page a-t-on interprete de cette manière le scène 
tragique, a-t-on ainsi abaissé le Fils de 1'horame dans rhumilation et le 
dosespoir? Oú sont la puissanee, la magesté divines? Albert Durer, en 
un jour de tristesse, a gravo Fimage sublime de la Mélancolie ; on pour- 
rait appeler l ! eau-forte d'Antoine : Le decouragenient. 11 est vaincu, le 
Prophetc, il abdique ses esperances, il ne croit plus à son apostolai. 
Que fairo dans un monde oú l'on voit partout la race humaine croupir 
dans la eorruption, 1'égoYsme souilJer de son haleine impure les senti- 
ments qui paraissent les plus généreux, la sottise perséeuter le genie, 
1'ingratitude suivre le bienfait comme lembre suit la lumière, les yeux in- 
fames du sort braver et déíler la conscience hnmaine ? 

Ce rédempteur accablé n'est-t-il pas un symbole de la prostration 
intellectuelle et morate, oú dovaient tombei* en Belgique les plus nobles 
esprits, dans 1'excés du malheur? Après 1'indignation venait le déses- 
poir, après avoir peint le Christ revolte de Oourtray, Van Dyck me;tait 
en scène le Christ desole, iniage de ses propres sentiments. Et la dou- 
leur, dans les deux eireonstances, n'égarait pas sa main. L'eau-forte, au 
point de vue technique, est un travail que tous les oonnaisseurs admi- 
rent, savant, libre et hardi ; le grand coloriste, ayant êtè si bien pre- 
paro, se montrait du premier coup nn graveur accompli . » 

O genial representante da eschoia flamenga, compenetrando-se admi- 
ravelmente do assumpto, vasou toda a sua imaginação nessa placa de 
metal que em nossos dias dignifica a sua memoria. • 

E. Renan 1 o inspirado artista da frase, e consciencioso biogra- 
pho do Propheta, também nos pinta á imaginação esse pungente quadro ; 
é uma pagina de ouro com que procuraremos ornar este tosco bosquejo, 
transcrevendo-a : 

« La flagellation était le preliminaire ordinaire du supplice de la 
croix. Peut-etre Pilate voulut-il laisser croire que cette condamnatíon 
était dèjá prononcée, tout en espérant que la preliminaire sufflrait. Alors 
eut lieu, selon tous les récits, une scène revoltante. Des soldats luimi- 
rent sur le dos une casaque rouge, sur la téte une conronne forméede 
branches épineuses, et un roseau a la main. On Tamena ainsi affublé 
sur la tribune, en face du peuple. Les soldats dófllaient devant lui, le 
souffletajent tour à tour, et disaient en s'agenouillant : <r Salut, roi des 
Juifs. » Doutros, dit-on, craebaient sur lui et frappaient sa tôte avec 
lo roseau. » 

Do exposto, vemos que faltam na composição de Van Dyck, 
Pilatos, o préstito dos soldados, a turba fanática dos phariseos que 
sensivelmente influiriam na sua obra ; ahi apenas está o grupo mais sa- 
liente dessa scena memorável, no qual todas as figuras sao desenhadas 
ató os joelhos, como ordinariamente praticava com os retratos. Esses 
personagens oceupam a maior parte do fundo a maneira da escola de Rubens, 
mas pelo agrupamento notamos uma certa tendência do artista para eman- 
cipar-so da tutela de seu mestre. 

Este trabalho contrasta sensivelmente com o seu carregamento da 
cruz *, quadro com que estreou no mundo da arte e actualmente na 
e^rreja de S. Paulo, em Antuérpia. Nesta composição ó bem patente o estylo 
de seu mestre no agrupamento dos personagens, a quem Van Dyck leva 
vantagem na correcção do desenho. Muitas de suas obras podem exci- 
tar a rivalidade com as de Henrique van Baien, seu primeiro mestre, 
Ticiano, Veronezo, Carravagio, Rembrandt o mesmo Corregio. 



1 Vie de Jesus (troislème édition), pag. 406. 

* Este quadro foi cravado com grande êxito por Rrnesto Galleo; a Bibliothcca Na- 
cional possue uma cópia invertida gravada por auonymo. 



NOTICIAS DE SCIENCIAS, LETRAS E ARTES 67 

No Eccc-homo, o porte athletico dos esbirros e centuriOes ó mesqui- 
nho diante do delineamento esbelto e gracioso das fornias do martyr, 
magistralmente accusadas por Van Dyck que se mostrou profundo co- 
nhecedor dos preceitos anatómicos. 

« Um ponto importante da arte do desenlio, dizia Cellini, é executar 
bem um homem e unia nvilher nus>. 

Como é expressiva a cabeça do filho de Deus ! ... e a luz que cai 
em cheio no meio da estampa faz realçal-a, pelo contraste das negras 
sombras que a circumdara. 

No semblante altivo do Propheta leni-se a* íeíiexões pungentes que 
no seu intimo parece formar acerca da multidão fanático que só almeja 
a chegada do momento espectaculoso da sua exhib çao na cruz. 

Atado ao poste infamante e alvo de todas as injurias e escarneos 
tem o Christo uma attitudo magestosa. A coroa de espinhos que lhe 
cinge a fronte assemelhasse mais a ura diadema real. 

O estro incandescente de Byron, as imaginativas concepções de 
Dante e até a piedosa harpa de Lamartine. si tentassem descrever essa 
triste pagina do Novo Testamento, nao o fariam com tanta fidelidade e 
elevação de sentimento como o glorioso r intor do infeliz Jorge I. 

Assim pois, essa valiosa peça que archiva a Secção de Estampas da 
Bbliotheca Nacional, si nao é uma obra prima da arte da gravura, em 
razão do sórdido interesse mercantil que infelizmente tanto a deslus- 
trou, sob o ponto do vista esthetico é unia composição do primeira ordem 
digna de ser contemplada poios nos os artistas, bem como um precioso 
documento do imraortal discípulo de Rubens. 



R. Villa-Lobos 



RIBLI06RÂPH1Â 



6K.-^0 Hydropholto por Karía Netto Sobrinho, Recife, 1896. 

Sob o titulo O Hydrophobo acaba o Sr. Paria Netto Sobrinho, moço 
escriptor pornambucano, autor de uma eollecçao de versos por nomo Chi- 
meras, de reunir e publicar alguns contos seus em uma primorosa edição 
trabalhada em Pariz. O volume é no formato e tem a apparencia dos da 
Petite colicctioti Giiilhaume, tão espalhados entre nós, o os editores Hugo 
& C. t do Recife, incluíram como parte ou apresentam como inicio de uma 
Collecçâo Esmeralda illustrada esse exemplar encantador de arte typogra- 
phica franceza. O livro aliás merece o cuidado o o carinho com que 
foi materialmente publicado. Os cinco contos que o compõem são, sem 
favor, dos melhores que temos ultimamente lido no BrazU. Uma lingtia 
sóbria e quente, buscando um sabor original, local mesmo, posto que 
instincti vãmente denunciando por vezes a leitura e o estudo dos modernos 
contistas portuguezes, de Fialho de Abneida principalmente. Enredo con- 
ciso mas interessante, e com forte expressão dramática, apenas repetindo 
sem alteração a nota terriflea. Descripções curtas porém frizantes, snggcs- 
tivas, vazadas nos moldes modernos, sem abandono todavia da realidade 
brazileira. Um naturalismo bem coraprehendido, que não fareja a immun- 
dicio, sem por isso deixar de representar o autor scenas exclusivamente 
do vida popular, quadros tocantes e não repugnantes de malvadez, boçali- 
dade, embriaguez e sórdida miséria. E' que o Sr. F. N. S. possuo, além 
do talento subjectivista, que é muito, a pontinha de emoção, de sensibili- 
dade, que é muitíssimo, que perfumando toda a obra, a anima e dá-lhe 
vigor e realce. Um contista com tantas e tão excellentes qualidades é um 
oscriptor que promette e ha de cumprir, o não andamos nós com tamanha 
fartura delles que nos possamos escusar de encorajar algum que appareça 
assim dotado para a luta intellectual. O Sr. F. N.S. tem um romance no 
prelo o dois em preparação. E' de esperar que nestas producçOes se encon- 
trarão desenvolvidos os característicos que recommendam o actual volume 
de contos. A literatura brazileira, presentemente tão pobre de roman- 
cistas, registraria o apparecimento daquelles livros como um serviço do 
mais alto valor.— Oliveira Lima. 



A POLITICA 



A sentença do Supremo Tribunal Federal condemnando o 
estado da Bahia a restituir a importância de impostos que tinha 
cobrado sobre géneros de sua producção destinados a outro es- 
tado, pôde dar lugar a um conflicto serio que a todo o custo convém 
evitar. 

O imposto de exportação ó a principal fonte de renda dos 
estados, e si alguns delles podem a rigor supportar a perda 
desse imposto sobre a parte de seus productos que ó consumida no 
território nacional, porque exportam em grande quantidade para 
o exterior, outros ficariam literalmente arruinados, sem recurso 
algum para as suas despezas. 

Estando tão graves interesses em jogo, é corto que os' esta- 
dos resistirão, e não poderão submetter-se a uma ordem de coisas 
que os arruinaria. Ora, não convém absolutamente que as decisões 
do poder judiciário sejam desacatadas, porque da nova organiza- 
ção politica é esse poder o grande moderador, em nome da lei, 
dos excessos a que podem ser levados os poderes executivo e 
legislativo, mais influenciados pela paixão partidária. 

Comprehende-se que os ministros que deram o seu voto no 
sentido que tão vivamente tem sido impugnado não tinham que 
cogitar do prejuizo material que delle poderia advir aos estados, 
por maior que este seja, por mais graves que sejam as conse- 
quências da sentença. O critério do juiz é unicamente a lei, tal 
qual está escripta, e si esta é má, imperfeita, obscura, a outro 



70 REVISTA BRAZ1LE1RA 

poder compete reformal-a ; mas, no caso, houve interpretação, 
e como a interpretar todo homem está sujeito a erro, ó pos- 
sível que a intelligencia dada pelo Supremo Tribunal Federal aos 
textos da Constituição não seja a mais feliz. E nesse caso, o me- 
lhor dos remédios, o único que evitaria conflictos e dificuldades, 
e ao mesmo tempo resguardaria completamente o prestigio dos 
mais altos representantes do poder judiciário, seria a revisão da 
doutrina pelo próprio Tribunal que a adoptou. Mas, para isto, seria 
preciso que a revisão se fizesse antes que conflictos sérios exer- 
cessem sobre o Tribunal uma pressão que tiraria o mérito ás 
suas decisões em tal sentido. 

Não ha que pôr em duvida a intenção do legislador consti- 
tuinte, quando deu aos estados o direito de lançar impostos sobre 
os géneros de sua producção. 

Essa intenção foi expressamente dar-lhes de prompto os meios 
seguros de se manterem sem o auxilio dos poderes federaes. 

E' claro que o imposto de exportação é um mau imposto, e 
que está no interesse dos próprios estados productores reduzil-o, 
dispensal-o, substituindo-o por outras fontes de renda, porque quanto 
mais alliviado fôr o producto, mais facilmente se escoa, mais se 
desenvolve a producção, e producção que se desenvolve ó ri- 
queza que circula, é população satisfeita, farta, que augmenta o 
campo de consumo . Mas, não é fácil substituir esse imposto, sinão 
por outros de maior gravame, e mais difficil arrecadação, cujo 
lançamento acarretaria despezas que a maioria dos estados não 
poderia supportar, como por exemplo, em relação ao imposto 
territorial. 

Nesta situação, a sentença do Supremo Tribunal Federal não 
será acatada, não por espirito de rebellião contra as leis, não em 
virtude da paixão politica, ou outro qualquer movei menos con- 
fessa vel, mas pela impossibilidade material em que se acham quasi 
todos os estados de obedecer-lhe. E note-se que não se trata só 
de dispensar, d'ora em diante, essa que para uns é a melhor 
fonte de renda e para outros é quasi a única; trata-se de resti- 
tuir o que até aqui tem sido cobrado, e já foi dispendido, e os 
estados não têm mais onde ir buscal-o. 

Insistimos: si tivesse razão em absoluto o Tribunal, o remédio 
seria reformar a lei, com a possível brevidade, mas ainda assim 



A POLITICA 71 

restaria a dificuldade com relação aos impostos jà cobrados, e cuja 
cobrança teria sido illegal, a prevalecer a doutrina da inconstitucio- 
nalidade delles pregada pelo Tribunal. 

A lei, que agora se fizesse, embora fosse interpretativa, expli- 
cativa, poderia ter a força da retroactividade, tratando-se do patri- 
mónio individual que foi assim durante cinco annos indevidamente 
lesado ? 

Desde que o Congresso proclamasse a necessidade de rever a 
lei, reconheceria que o texto constitucional favorece a doutrina da 
magistratura suprema, e assim decretaria a inconstitucionalidade 
da cobrança effectuada até essa data ; e ou decretaria a retroacti- 
vidade da lei para esse effeito, e o poder judiciário teria de oppôr-se 
a que ella produzisse tal effeito, ou deixaria sem solução essa diffir 
culdade, e então cada um dos interessados promoveria a sua 
reclamação pessoal, o que occuparia por muito tempo toda a 
magistratura, e collocaria em sérios embaraços financeiros todos os 
estados. 

E\ pois, de conveniência para todos que parta do Supremo 
Tribunal Federal o remédio para o mal que da sua sentença 
dimana. E estamos certos que para isso contribuirão poderosamente 
os votos divergentes, tão bem fundamentados e que tanta luz lançam 
sobre a questão. E' sabido que, em geral, só o juiz relator e os 
dois revisores entram no âmago das questões que são submettidas 
ao Tribunal ; os outros juizes, sem se louvarem inteiramente na 
opinião dos collegas, deixam-se influenciar pelos argumentos pro- 
duzidos na occasião, pró e contra, o que os não pôde impedir de, 
depois de mais longo e maduro exame, modificar o seu modo de ver. 

Esta solução seria tanto mais para estimar, quanto não serão 
raras as questões que o Tribunal tem de resolver, e faz-se mister 
que as suas decisões se imponham, para que elle conserve o alto 
prestigio da posição excepcional que lhe deu a no?sa lei básica. 

Entre essas questões avulta a que é relativa ao art. 6 o da 
Constituição. Ao passo que o Sr. Presidente da Republica pede 
insistentemente em repetidas mensagens ao Congresso que re- 
gule o referido artigo, o Congresso, ou antes, o partido repu- 
blicano federal entende que a lei é clara bastante, que os casos de 
intervenção estão bem definidos, e que ao poder executivo cabe 
fazer a applicação quando se apresentar o ensejo. Isto não impe- 



72 REVISTA BRAZILB1RA 

dirá o Congresso, ou o partido, de responsabilizar o Sr. Presidente 
da Republica, si S. Ex. applicar a lei de modo a desagradar aos 
interesses partidários. 

O Sr. general Glycerio chegou já a externar na camará a 
idéa, que para um leader não deixa de ter alguma coisa de estranho, 
de que convém deixar á acção do tempo a solução das difficuldades 
que se têm dado nos estados, devidas a abusos dos que não têm a 
noçáo do regimen em que vivemos. 

Comprehende-se que, para deixar á acção do tempo a solução 
dos males que nos affligem, não precisamos de governo, nem de 
Congresso, e ainda menos de leader. Si, por qualquer circumstancia, 
o vento deixasse de ser de feição para o partido republicano federal, 
é de crer que as opiniões se modificassem, e que o partido pedisse 
a intervenção como mesmo enthusiasmo com que hoje a repelle, e 
com que a pedem os quo não têm a fortuna de pertencer a esse 
grémio privilegiado. 

Pôde, no emtanto, dar-se o caso, de recorrer ao Supremo 
Tribunal Federal o partido opposicionista de um dos estados, e 
pedir-lhe a solução em espécie de uma das muitas difficuldades que 
a prepotência tem feito surgir. Si o Tribunal não estiver em plena 
posse do seu prestigio, o partido não terá difficuldade em desacatar 
a sua decisão. Ora, o poder judiciário não pôde, quando alguém 
recorrer ás suas luzes e á sua autoridade, responder como o Sr. ge- 
neral Glycerio que convém deixar á acção do tempo o cuidado de 
manter a Constituição, respeitar e cumprir as leis. Cabe-lhe respon- 
sabilidade muito maior, muito mais directa que a que pesa sobre 
quem atira ao Congresso algumas palavras, que, embora fiquem 
consignadas nos Ánnaes, não obrigam quem as profere. 

E tanto assim é que o mesmo Sr. general Glycerio, sobre esta 
ihesma questão do art. 6 o , já teve duas opiniões, manifestando-as 
ambas no parlamento. Foi pela intervenção quando começou a 
desordem politica em Sergipe, e foi contra ella depois que em 
Sergipe, em consequência dos mesmos factos que S. Ex. verberou, 
o poder passou ás mãos do Sr. coronel Valladão. 

E' que então, diria S. Ex., já se tinha feito sentir a acção do 
tempo, que no caso consistia em estar firmado o abuso e victoriosa 
a prepotência. 

Ferreira de Araújo 



PRIMEIRAS IMPRESSÕES 

DOS ESTADOS UNIDOS 



Os Estados Unidos não tentam illudir o estrangeiro que, vindo 
da Europa, desembarca pela primeira vez em New- York. EUe 
sente immediatamente que piza em terra ingleza. O mesmo sys- 
teraa de cottages disseminadas pelas encostas que descem até a bahia 
do Hudson, como pelas campinas de Surrey e de Kent; o mesmo 
plano de residências separadas, afirmando a independência dos ha- 
bitantes, com a sua escadinha elegante lançada sobre o asphalto 
do passeio e, ao lado, a bow-icindow de vidros discretamente velados 
por cortinas de rendas ou de fina cassa; os mesmos parques de 
vastos tapetes de relva e moitas de arvores frondosas cortando de 
quando em vez com os seus difTerentes cambiantes de verde a mo- 
notonia de côr das fofas extensões de grama húmida e incompa- 
rável. O conjunto da cidade offerece por ventura um arrojo de con- 
strucções particulares que se não encontra mesmo em Londres : 
hotéis de onze andares, quasi tão espaçosos como Mafra ou o Escurial ; 
escriptorios commerciaes esguios e altos com campanários gothicos. 
E' a ponta de milícia do génio yankee desannuviando a fleugmatica 
seriedade da mãi-patria. 

Os pormenores não alteram porém a impressão geral, que é 
puramente britannica, e obriga-nos a reflectir um momento na 

5 A TOMO VII— 1890 



74 REVISTA BRAZILEIRA 

immensa resistência do inglez a perder qualquer parcella do caracter 
nacional que constitue a sua força. 

Eis uma terra que durante um século tem constantemente rece- 
bido emigrantes de todas as nacionalidades, irlandezes e a aliem Ses aos 
cardumes, italianos com fartura, francezes, polacos, arménios, até chi- 
nezes, e tem absorvido todos, fusionado sem descanso elementos tão 
diversos,conservando sempre o seu primitivo aspecto,defendendo o seu 
já agora indelével cunho originário. E' certamente um grande povo o 
que assim consegue manter as qualidades de raça que o distinguem, 
não perder siquer a apparencia externa dos seus maiores. Era uma 
nacionalidade fundada para subjugar o mundo numa proporção que 
desconheceram quer o império romano quer a monarchia universal 
de Carlos V. E dizer-se que os inglezes esgrimiram durante séculos 
pela posse da vizinha França, sem conseguirem ahi firmar o seu 
dominio mau grado toda a perícia de seus besteiros e todo o valor de 
seus príncipes, e que foi preciso que a Península Ibérica desvendasse 
as regiões desconhecidas, abrisse o Novo Mundo e rompesse o Velho, 
perdido nas sombras da fabula, para que a Inglaterra atinasse com 
a sua vocação e, em tempo de Izabel, assentasse sobre os destroços 
da Invencivel Armada os alicerces do seu futuro e magestoso 
poderio colossal! 

Nova- York está longe de ser uma cidade puramente commer- 
cial, um mero entreposto de mercadorias, ostentando suas opu- 
lências de feira com o mau gosto peculiar aos enricados. Notam-se 
no seu desenvolvimento, rápido de entontecer, preoccupações mais 
altas, o desejo, mais do que isso, a vontade de exhibir alguma 
coisa que não seja simplesmente caro, mas que encerre uma in- 
tenção artistica, posto que nem sempre discreta. Os monumentos 
aos homens illustres, Americanos e de outras nações, que pejam as 
praças e jardins, como aliás acontece nas cidades inglezas ; as fa- 
chadas das casas dos millionarios, ornadas de custosos baixos 
relevos de mármore, de altivas columnas gregas, amostras de va- 
riados estylos architectonicos ; as igrejas construidas no mais puro 
gothico e os edifícios públicos revelando predilecção pela Renascença 
italiana; os museus de largas dimensões nos quaes se amontoam 
obras d'arte, originaes adquiridos a peso de ouro, e innumeros 
modelos de architectura e estatuária que são estudados e aprovei- 
tados: tudo denuncia a tenacidade na perseguição de um fim, na 



PRIMEIRAS IMPRESSÕES DOS ESTADOS UNIDOS 75 

realização de um ideal, que Bourget notou com perspicácia como 
formando um dos traços dominantes do Americano, e que não é 
mais do que a reproducçâo, ou antes a permanência de um traço 
essencialmente britannico . 

A historia da evolução artística da Gran-Bretanha, desde os 
admiráveis artifices que ergueram a cathedral de York até a deli- 
ciosa escola de retratistas do começo deste século e os modernos 
pintores do talento de execução de Leighton, de Millais, de Tadema, 
é uma historia de continuados esforços mais do que de disposições 
naturaes, de uma luta, coroada de êxito, do espirito positivo pelo 
descanço, pelo bálsamo de uma concepção espiritual, levantada, 
idealista. Os Americanos herdaram esta feição, na qual se filia o 
caracter da sua expansão literária que logra alliar, no campo 
restrictamente histórico por exemplo, á orientação realista, á paixão 
do documento exacto de um Bancroft ou de um Prescott, o senti- 
mento poético de um Washington Irving e o enthusiasmo commu- 
nicativo de um Motley, e no domínio das letras em geral, á incon- 
fundivel originalidade de um Poe ou de um Mark Twain, o respeito 
pelos clássicos, a ternura pelos velhos escriptores inglezes que não 
abrange somente Burke, cujoá discursos fogosos em favor das coló- 
nias americanas o fizeram nelles eternamente querido, merecendo- 
lhe o titulo do mais philosopho dos pensadores políticos da me- 
trópole, mas Milton, Shakspeare, Bacon, os grandes poetas e 
prosadores da língua. Dizem que a melhor edição de Shakspeare, 
a mais completa, a mais rica de commentarios críticos, é a de 
Furness, de Philadelphia. 

Uma outra evidencia se nos impõe immediata e irresistivel- 
mente nos Estados Unidos: o adiantamento, o grau de civilização, 
compatível com os seus meios intellectuaes, que lucram nas mãos 
do Inglez as próprias raças inferiores*. Na índia, onde aliás o 
indígena encontra nas antiquíssimas tradições nacionaes energia 
bastante para defender as suas superstições, é sabido que o domínio 
britannico tem conseguido introduzir muita conquista útil, inocular 
muita idéa occidental. Aqui, nos Estados Unidos, elle converteu 
o negro, sinão num producto novo, pelo menos numa creação 
melhorada. 

O desprezo do americano pelo negro é proverbial : não chega 
comtudo ao ponto que muitos viajantes referem. Assim, contra o que 



76 REVISTA BRAZILEIRA 

■ 

i se affirma de ordinário, é permittido aos negros o accesso nos bondes 

; a entrada nos restaurants mais luxuosos de Nova-York, a admissão 

J dos seus filhos nas escolas dos brancos. O que os enraizados pre- 

i juízos de raça impedem é o excessivo cruzamento dos paizes de 

colonização latina. Cuida-se-lhe do moral, de levantar mesmo o 
seu nivel social, mas mantóm-se o negro a certa distancia physica ; 
por outras palavras, o numero de negros apparece logo ao estran- 
geiro muito superior ao dos mulatos. Em New-York a população 
de côr dilue-se de resto extremamente na população de origem 
européa. No norte foi de todo o tempo a sua proporção consideravel- 
mente inferior. À* medida que se desce para o sul, que o caminho de 
ferro vai cortando os estados de New-Jersey, Delaware eMaryland, 
que o aspecto de paizagem vai mudando, cedendo as fabricas o passo 
às explorações agrícolas, é que aquella proporção vai augmentando. 
Em Washington já ella se denuncia importantíssima, sendo todo o 
ssrviço domestico feito, e aliás excellentemente feito, por negros, e 
nos estados mais ao sul, Virgínia, Carolinas, etc, attinge o seu 
maximum. Na população geral do paiz a porcentagem dos negros 
ó de 12 %, de 25.93 porém na população urbana do sul é apenas 
de 2.18 na do norte. 

As estatísticas rezam entretanto que a accumulação da raça 
africana em muitos condados do sul está em via de corrigir-se pela 
immigraçáo branca, posto que limitada, e pela emigração lenta, 
mas progressiva, dos campos, onde ella se concentrava d*antes, 
para as cidades do norte onde a vida é mais divertida que nos 
algodoaes, os salários mais elevados pela maior procura de braços 
e o preconceito contra os antigos escravos muito mais desvanecido, 
o que torna mais supportavel a sua inferior condição social. Os 
que uma vez se fixaram no norte] não voltam para o primitivo lar. 
Também emigram em igual escala, seduzidos pelos lahor-agents, para 
os estados de oeste, que reclamam mineiros, operários capazes 
de moverem-se na temperatura infernal das forjas e de executarem, 
expostos ao sol implacável, 03 duros trabalhos de construcçao 
de vias férreas. O negro como trabalhador rural e dirigido pelo 
branco, offerece na opinião dos entendidos qualidades preciosas 
pela sua docilidade e rija musculatura. Elle prefere a vida aos 
magotes, a promiscuidade das obras publicas, o que um escriptor 
chama the gaiety of croivds, a alegria das multidões. Para a vida 



PRIMEIRAS IMPRESSÕES DOS ESTADOS UNIDOS 77 

agrícola, sobretudo independente, não possue pelo contrario requisito 
algum. 

Num artigo de revista que tenho diante de mim, intitulado 
TJte unaided solution ofthe Southern roce problem « a solução natural 
do problema da raça do sul » conta o autor, van de Graaff, que 
quando, após á guerra separatista, desappareceu pelo ruina dos 
senhores aquelle typo de grande plantação descripta na Cabana de 
Pai Thomaz, os proprietários, na falta de trabalhadores, pois que 
os libertos haviam desertado em massa das senzalas, inauguraram 
o sMre-system ou systema de meação. N ) nosso Norte praticam-no 
com vantagem os senhores de engenho, fornecendo aos lavradores 
quasi todos brancos, a terra e os instrumentos de trabalho, e divi- 
dindo com elles a colheita, isto é, o assucar fabricado. Nos Es- 
tados Unidos porém não obteve successo similhante systema, que foi 
finalmente substituido pelo dos arrendamentos, cultivando o ren- 
deiro o terreno na mais completa independência do dono . Os re- 
sultados tém sido igualmente deploráveis. Além de entregar-se 
exclusivamente á cultura do algodão pelos processos mais ro- 
tineiros e atrazados, o negro salienta-se pela indolência e indepen- 
dência com que executa o serviço . Não só se não torna, por via 
de regra, proprietário, nem mesmo dos lotes de terra publica offe- 
recidos á fixo preço pela administração, como deixa estragarem-se 
as obras que occupa, arruinarem-se as casas, desmancharem-se as 
hortas e jardins, enfraquecer-se a uberdade do solo pela falta de 
amanho. Vive sempre na miséria, gastando quanto apura nos annos 
fartos, e passando fome, pedindo fiado, sob hypotheca de colheita 
futura nos annos magros. 

Os estados de Lowland — Mississipi, Geórgia, Alabama, Florida 
— dão por este motivo ao patriota uma impressão de tristeza ao passo 
que em alguns estados vizinhos, onde é superior o numero da po- 
pulação branca, elle vê idêntica cultura, praticada todavia com maior 
constância e por processos mais intelligentes, mais adequados ao 
progresso industrial do nosso tempo, produzir bem estar e até ri- 
queza. 

Com tal espectáculo diante dos olhos ó bem natural o desprezo 
do americano pela raça africana. 

O sul dos Estados Unidos é o nosso Norte. Ali penetra official- 
mente a immigração estrangeira, receiosa do clima, que não ó 



78 REVISTA BRAZILE1RA 

absolutamente doentio, sendo os excessos da temperatura possíveis 
no verão igualados nos Estados Unidos do Norte, e n&o menos re- 
ceiosa da concurrencia do negro, a qual n&o é todavia tanto para 
receiar como provam as experiências tentadas, que constituem 
amplos exemplos. 

Nem os negros são em tão crescida porcentagem que a sua 
accumulação represente uma ameaça industrial, nem os brancos em- 
pregados em grande numero nas fabricas de fiação de algodão soffrem 
na minima escala as consequências da repugnância com que era 
olhado o trabalho escravo. Entre nós em nada differe a perspe- 
ctiva. Os negros, agora exclusivamente aproveitados nos serviços 
ruraes quando as seccas do sertão não provocam o êxodo temporário 
dos brancos e mestiços do interior, não percebem salários tão ma- 
gros que a sua concurrencia ^e annuncie para temer, e a hospita- 
lidade, o carinho de que todos os trabalhadores são alvo deviam 
actuar como um estimulo para a introducção e collocação de emi- 
grantes europeus. 

Só a immigração branca, asseguram os Americanos, poderá resti- 
tuir ao Sul, região dotada de pasmosa fertilidade, a antiga prosperida- 
de, a fartura edenica de antes da guerra civil, do tempo daquella vida 
encantadora de que se recordam com tão vivas saudades os gran- 
des plantadores que desgostosos do actual vagetar, têm ido tro- 
cando a existência campezina pela residência urbana. Por outro 
lado ella deverá redundar num augmentar de emigração negra, 
numa distribuição mais razoável da população de côr, evitar-se-á 
também, com esta diluição dos negros, que elles algum dia 
pensem em aggregar-se num elemento social, e mesmo politico, 
isolado e perigoso, para o que até hoje lhes ha faltado especial- 
mente uma direcção própria e intelligente. O escriptor a cujo in- 
teressante estudo alludi, van de Graaff, termina-o com as seguintes 
palavras, cruas porém verdadeiras: « Si o Sul tivesse de ficar difife- 
renciado pela presença do negro em uma proporção relativamente 
excessiva, retrogradaria infallivelmente e converter-se-ia numa 
carga para o resto da União. » 

Nós, nortistas brazileiros, devemos meditar nesta reflexão 

americana . 

Oliveira Lima 



O ANIMISMO FETICHISTA' 

DOS NEGROS BAHIANOS 



CAPITULO III 

FEITIÇO, VATICÍNIO; ESTADO DE POSSESSÃO, ORÁCULOS PBTICHISTAS 



O feitiço symbolico, expresso sob a forma de oráculos, constdtue 
um capitulo de alta curiosidade psychologica. Como na possessão de- 
moníaca, como na manifestação spirita, o santo fetichista pôde apode- 
rar-se,sob invocação especial, do pai de terreiro, ou ainda de qualquer 
filho de santo, e por intermédio delles falar e predizer. A pessoa em 
quem o santo se manifesta, que está ou cai de santo na giria de can- 
domblé, não tem mais consciência dos seus actos, não sabe o que diz, 
nem o que faz, porque quem fala e obra é o santo que delle se apo- 
derou. Por esse motivo, desde que o santo se manifesta, o individuo, 
que é delle portador, perde a sua personalidade terrestre e humana 
para adquirir, com todas as honras a que tem direito, a do deus que 
nelle se revela. E' conduzido ao santuário ou Peji onde o revestem 
dos paramentos e ornatos que o ritual attribue ao santo manifestado. 
Si, continuando a dansar, dirige-se a algum dos presentes, este res- 
ponde-lhe de joelho com o mais humilde e respeitoso acatamento . 

E' neste estado particular que se fazem as predições. O pontífice 
ou pai do terreiro que dirige as cerimonias é quem se communica 



1 Vide a Revista de 15 de abril, 1 de maio, 15 de junho, e 1 de julho. 



80 REVISTA BRAZILEIRA 

com o santo e interpreta os seus desejos e ordens. As vezes esta scena 
' é publica, e é dansando que o santo manifesta a sua vontade, mas 
de ordinário o pai do terreiro conversa com o santo em particular no 
santuário, e de lá traz as predições que devem ser transrnittidas aos 
crentes. 

Ha neste ponto, larga porta para todos os abusos. Por uma con- 
veniência pecuniária qualquer, em proveito próprio ou de terceiros 
que as paguem, muitos pais de terreiro sabem dar ás revelações uma 
interpretação conveniente e adequada aos seus interesses. Daquella 
sentença não ha que recorrer on appellar, porque, para os crentes 
seria incorrer em grave peccado, capaz de attrair sobre o delinquente 
grandes desgraças, effeitos e consequências calamitosas ; para um 
espirito mais recalcitrante e atilado, qualquer reclamação importaria 
em confessar que estava fingindo, ou não era verdadeiro o estado de 
santo, pois que, quando o santo abandona o médio, este não deve 
conservar a menor lembrança do que se passou. 

Parece que na Africa esta qualidade de cair em estado de 
santo é uma prerogativa dos feiticeiros, ou pelo menos, de um pe- 
queno numero de privilegiados. Aqui, na Bahia, porém, não é assim. 
Quasi todos os filhos e filhas de santo são susceptíveis de uma ma- 
nifestação desta natureza, e só como excepção o facto não se dará. 
Tenho ouvido Africanos duvidarem desses estados de santo tão 
fáceis e frequentes e arttribuil-os á farça é fingimento dos pais de 
terreiro creoulos, porque affirmam todos que, quando se manifesta 
um santo preparado com todas as regras e preceitos africanos, a 
alienação mental e as desordens motoras são violentíssimas, e não 
têm os caracteres dos ligeiros desmaios das manifestações da maior 
parte dos santos preparados pelos creoulos. 

No emtanto, eu creio que a differença tem antes uma explicação 
natural, que exclue toda idéa de farça ou fingimento. Na Africa são 
muito mais amplos os poderes dos feiticeiros ; na fiscalização severa 
que exercem, não toleram que as prerogativas do sacerdócio estejam 
assim ao alcance de qualquer. Por conseguinte, os indivíduos, que 
aqui se dizem de santo, lá não se animariam a attribuir os accidentes 
ligeiros que experimentam a manifestações divinas. Depois, e prin- 
cipalmente, a superexcitação nervosa extrema em que collocam aos 
iniciados os processos de iniciação e invocação, — processos muito 
mais severos e complexos na Africa do que os que se empregam 



O ANIMISMO FETICHISTA DOS NEGROS HAHIANOS 81 

entre nós nos casos communs, — explica suficientemente a intensi- 
dade maior a que attingem lá as manifestações de santo . E podero- 
samente vem corroborar esta interpretação a natureza destes phe- 
nomenos estranhos, que ora estudamos . 

Não haveria nada de mais falso que attribuil-os, como se faz 
geralmente, á simulação ou á farça. A iniciação de Olympia mos- 
trou-nos a possibilidade de não se manifestar o santo apezar de todas 
os preparados e invocações dos feiticeiros. E este facto dá ao mesmo 
tempo não só a medida da sinceridade e boa fé de Olympia, como a 
prova mais cabal de que a iniciação não consiste na aprendizagem de 
meios de simulação, concertada entre o pai de terreiro e o iniciando. 
Nada seria mais fácil do que Olympia simular ali uma perturbação 
qualquer, da ordem dos phenomenos de santo muito seus conhecidos, 
para que fossem immediatamente tidos como verdadeiros. Conheci 
uma rapariga já fallecida que tinha o maior sentimento de nunca ter 
conseguido a manifestação do seu santo, preparado no terreiro do 
Gantais. Gastou avultada quantia, submetteu-se a todas as prescri- 
pções, e no emtanto o santo nunca lhe subio á cabeça. 

Ha sem duvida muito fingimento e simulação por parte de alguns 
indivíduos. Os próprios pais de terreiro confessam o facto, decla- 
rando todavia que elles têm meios seguros de destinguir os verda- 
deiros dos falsos estados de santo. A simulação pôde ter mesmo 
por protogonista o propiio pai de terreiro, quando se lhe impõe a 
obtenção deste ou daquelle resultado antecipado e maduramente 
premeditado ou conhecido. De uma vez, vi Livaldina simular clara- 
mente um estado de santo para reprehender uma sua iniciada e 
para resolver negócios particulares seus. Naquella occasião,era plena 
a certeza que eu tinha, de que ella não se achava em estado de 
possessão. 

Estes factos, todavia, em nada prejudicam ou contradizem a 
existência de uma convicção profundo e da fé sincera, que em geral 
anima aos negros fetichistas nas suas crenças religiosas. Muitas 
vezes os feiticoiros são compellidos a simular, por circumstancias es- 
peciaes que não havia entrado em seus planos. Girard de Rialle 
tinha razão em affirmar « que as exigências da multidão fanática 
têm forçado os feiticeiros, impotentes para vencer a natureza, a en- 
ganar os sectários dos seus fetiches com algumas farças, em jogo 
como se achava no insuccesso a vida do feiticeiro. x Podia mesmo 

6 TOMO VII — 181*6 



82 REVISTA BRAZILEIRA 

ter acrescentado á vida, o prestigio ou a reputação. Á iniciação de 
Olympia deu ainda uma prova desta asserção. 

Quando já pela madrugada, vendo que o santo de Olympia não 
se resolvia a apparecer, tiveram de retiral-a da sala, o pai de terreiro 
que dansava com ella,de repente deu signal de se achar possuído de 
Sango, e principiou a manifestar com grande violência todos os signaes 
do estado de santo. Este facto serviu para desviar a attenção da as- 
sembléa, e illudir a espectativa mallograda em que se achavam todos 
da manifestação do santo preparado. A forma porque terminou o es- 
tado do santo deixou-me convencido de que houve simulação para 
disfarçar o insuccesso que naquelle caso particular importava a an- 
nullação do prestigio da mãi de terreiro que estava dirigindo a ini- 
ciação. 

O principal garante da sinceridade e convicção dos negros feti- 
chistas,— simples crentes, sacerdotes ou pontífices,— é precisamente 
essa manifestação de phenomenos estranhos e anormaes, essa alie- 
nação passageira mas incontestável, que, na ignorância das suas 
causas, elles attribuem á intervenção extranatural do fetiche 

As circumstancias variadissisimas em que esses factos têm sido 
observados, a multiplicidade de indivíduos completamente estranhos 
uns aos outros, em que a possessão se tem manifestado, o teste- 
munho accorde de pessoas respeitáveis, já por si tornavam inadmis- 
sível a hypothese de fingimento ou simulação. E a natureza e forma 
das manifestações são por demais estranhos e anormaes para não 
impressionarem profundamente espíritos simples, incultos e super- 
sticiosos como os dos negros. 

Respeitável senhora referiu-me que, em seu engenho, o santo 
de uma rapariga manifestou-se em certa occasiâo, com tal violência 
que um venerando sacerdote catholico, dos mais respeitados do 
nosso clero, nelle alta dignidade e hoje residente em Pernambuco, 
declarou que aquillo era sem duvida artes do demónio, por tal modo 
em sua presença saltava e desatinava a rapariga. Amigos meus con- 
firmam que o santo de Plácido, negro forte e robusto, que eu conheço, 
se manifesta por modo que elle se torna de todo furioso, corre 
pelos campos áfóra, sem consciência do que faz, sendo necessário 
grande numero de pessoas para contel-o. No terreiro onde Plácido 
tem santo, estas qualidades são invocadas como provas de grande 
valor do seu patrono, pois tanto prestigio tem naquelle meio inculto 



O ANIMISMO FETICHISTA. DOS NEGROS BÀHIANOS 83 

a força physica que é ella ainda o estalão porque se afferem até 
as qualidades dos deuses. 

No terreno do Gantais, um dos Oiigans, homem convencido e 
serio, de quem não tenho o direito de duvidar, confirmou-me em 
confiança os seguintes factos que ali são bem conhecidos e de alguns 
dos quaes foi elle testemunha ocular. Todas as vezes que uma das ini- 
ciadas daquelle terreiro cai em estado de santo, fica de tal forma 
alienada que foge e erra pelos matos durante dia e noite e volta 
sempre trazendo a fronte engrinaldada e o corpo coberto de folhas de 
urtiga. Pois bem, quando desperta, nem só não se recorda do que fez, 
como n&o conserva vestígios da violenta urticação que soe produzir 
a planta. De outro referiu-me, que come brazas e mechas acesas 
de algodão embebido em óleo. De uma terceira, contou-me o Ougan 
que, admoestada um dia pela mâi de terreiro pela má conducta que 
ia levando, caiu de repente em estado de santo, saiu a correr pela 
porta á fora, subiu com agilidade extrema em uma arvore próxima 
que me foi mostrada, e lá de cima, trançadas as pernas em torno de 
forte galho, começou de balançar-se como si fosse um sino. O Ougan 
áquelle espectáculo; convencido de que a mulher ia precipitar-se, 
d'ali, occasionando um desastre que lhe traria complicações com a 
policia, tremia pela responsabilidade que no facto como Ougan lhe 
havia de caber. Mas a mâi de terreiro aproximou-se imperturbável e 
de debaixo da arvore dirigiu-se em lingua africana á rapariga,, que 
de súbito atirou-se da arvore abaixo. Com pasmo geral, caiu san e 
salva, dirigindo-se acto continuo para o batucagê onde entregou-se 
a desenfreada dansa. 

A manifestação da possessão do santo varia muito de grau, 
ou de intensidade. Desde o delírio maníaco furioso e prolongado, 
desde perturbações delirantes de forma de possessão mais ou me- 
nos incoherente, mais ou menos systematizada, desde overdadeiío 
estado de santo sob a forma clássica de oráculos, essas manifes- 
tações podem ir até ligeiros accidentes de ataques hystericos 
bruscos, ou mesmo a simples excitação ou atordoamento passageiro 
provocado pela fadiga e em particular pela dansa. 

Tenho informação de que o delírio furioso e duradouro pôde ser 
uma das consequências da possessão, mas nunca tive occasião de 
observar casos desta espécie. Os casos de possessão prolongada, 
de que tanto se arreceiam os negros fetichistas, são relativamente 



84 REVISTA BRAZILEIRA 

frequentes e em lugar opportuno serão examinados. No emtanto, 
estes accidentes são antes complicações, que naturalmente tam- 
bém têm a sua explicação religiosa ou animista, mas que em todo 
o caso constituem desvios, aberrações do verdadeiro estado de 
santo de que ora nos vamos occupar especialmente. 

Do que tenho ouvido, dos casos que tenho observado, dos exames 
que tenho feito, sou levado a acreditar que os oráculos fetichistas, ou 
possessão de santo, não são mais do que estados de somnambulismo 
provocado, com desdobramentos e substituição de personalidade. 

O modo porque esses estados são provocados, as suas cara- 
cteristas psychologicas, o processo educativo porque se constitue o 
typo encarnado no estado segundo, tudo concorre para provar ou 
corroborar esta asserção. 

Eu não preciso recordar que os oráculos negros são provo- 
cados na Africa por meio de processos em tudo idênticos áquelles 
de que correntemente se servem hoje os modernos hypnotizadores. 
Mas importa muito saber que os processos de que se servem para 
obter ou desenvolver a faculdade medianimica são as mesmas aqui 
e lá. Banhos, fumigações, ingestão de substancias dotadas de vir- 
tudes especiaes, jejuns prolongados, abstinências sexuaes, morti- 
ficações diversas, etc, são meios de que se soccorrem e de que 
se soccorreram sempre os feiticeiros de todos os tempos. Das mais 
poderosas se pôde considerar neste particular a influencia da 
dansa. E' preciso ter sido testemunha dos tregeitos, das contor- 
sões, dos movimentos desordenados e violentos a que os negros 
se entregam nas suas dansas sagradas, por horas e horas seguidas, 
por dias e noites inteiras : ó preciso tel-as visto cobertas de suor 
copiosíssimo que as companheiras ou prepostas especiaes enxugam 
de tempos a tempos em grandes toalhas ou pannos ; é preciso tel-as 
visto assim com as vestes literalmente encharcadas de suor e a 
dansar sempre ; para se poder fazer uma idéa do que é e do que 
pôde aquelle exercício extenuante, mas que em vez de abatel-os 
cida vez os exalta e excita mais. E ; com uma espécie de furor 
crescente, de raiva, de desespero que elles acompanham em con- 
torsões as variações cadenciadas, porém mais e mais acceleradas 
do batucagé, ató á manifestação final do santo. 

Mas, si a dansa tem assim uma influencia poderosa na pre- 
disposição para os phenomenos de possessão de santo, outras 



O ANIMISMO FETICHISTA DOS NEGROS BAHIANOS 85 

causas, como agentes provocadores immediatos, são muito mais 
efficazes. 

Por via de regra é a musica que provoca o estado de santo . 
Assim, quando o individuo que não estava dansando, nem vinha 
disposto a dansar, ao ouvir o batiicagé cai em possessão, não se pôde 
attríbuir uma influencia qualquer, minima mesmo, aos processos 
adjuvantes da invocação. Todos os negros que tenho visto cair de 
santo nestas condições e a quem tenho podido consultar são unanimes 
em declarar que é a musica que os impelle para a dansa e d'ahi 
para o santo. Iniciados ha que não podem ouvir a musica ou o 
cântico com que coincidiu o seu primeiro estado de santo, ou que na 
opinião delles invocou ou chamou o seu santo, sem que este para 
logo se manifeste. O tam-tam da Salpetrière não teria maior efficacia 
para os hystericos de Charcot. O batuque de uma monotonia insólita, 
capaz de rivalizar com todos os processos de provocar a hypnose pela 
fadiga da attenção, casa-se tão bem com os sentimentos musicaes 
do negro que mal o ouvem difficilmente podem sopitar tregeitos e 
contorsões de dansa. Declarou-me um negro que eu não poderia 
fazer uma idéa do effeito excitante e provocador de certos instru- 
mentos musicaes dos Africanos. Não ha clarim mais capaz de pro- 
vocar a excitação guerreira nos campos de batalha, me dizia elle, do 
que um pequeno batuque africano que, no seu dizer, desempenhou 
papel tão saliente nas sedições dos escravos deste estado, que aca- 
baram por prohibir a sua importação da Africa. 

Mas a suggestão oral não desempenha um papel menos impor- 
tante. A attenção espectante em que se»acha sobretudo o iniciando, 
a confiança inteira e illimitada que depositam nas palavras magicas 
e nas orações dos feiticeiros, associam-se fortemente com as im- 
pressões da musica, do cântico, do meio emfim para constituir uma 
serie ou um systema de impressão facilmente evocado pela presença 
de um só dos seus elementos componentes. Um rapaz a quem me 
tenho referido por diversas vezes e que teve o seu santo feito quando 
ainda era pequeno, contou-me que um dia encontrou-se em um 
candomblé, na rua do Taboão, com o pai de terreiro que, a pedido 
de seu pai, tinha dirigido a sua iniciação. Começou a notar que o pai 
de terreiro de vez em quando olhava para elle e pronunciava em 
voz baixa palavras e orações de que se tinha servido por occasião 
de fazer-lhe o santo. O rapaz começou logo a sentir-se mal, a cabeça 



86 REVISTA BRAZILEIRA 

atordoada, um desejo invencível de fazer movimentos, de agitar-se 
ou de dansar. Assim que o outro o viu naquelle estado, entoou o 
cântico de Oso-osi e fez-se acompanhar pela musica. Foi tal o abalo 
que o rapaz sentiu, ao ouvir a musica de seu santo, que atirou com 
as pessoas vizinhas para os lados e fugiu precipitadamente. 

Mas, qualquer que seja o processo, uma vez provocado o estado 
somnamhulico, a systematizaçâo do typo que deve revestir o somnam- 
bulo é obra da iniciação e do exemplo ambiente. 

« E' bem claro, escreve Pierre Janet, 1 que nestes casos (typos 
8omnambu1icos diversos, medico, dama religiosa, etc.)» e em muitos 
outros, as circumstancias ambientes, as palavras das pessoas pre- 
sentes, mais sem duvida que as suggestões propriamente ditas têm 
formado pouco a pouco uma verdadeira educação do somnambulo. 
A suggestão não crea o somnambulismo como não crea a anesthesia, 
mas pôde transformal-o e modificar o seu aspecto exterior. A pre- 
paração moral é tudo em taes casos, já dizia Briguet: «si são 
preparados para as convulsões, os somnambulos tôm convulsões ; si 
para o êxtase, tôm êxtases ; e agora que é moda produzir o somnam- 
bulismo, os magnetizados, convenientemente dispostos, só têm o 
somnambulismo. » 

E mais adiante, acrescenta Janet : « o somnambulismo á antes 
de tudo um estado anormal, durante o qual se desenvolve uma 
nova forma de existência psychologica com sensações, imagens, 
lembranças que lhe são próprias. . . O desdobramento da persona- 
lidade, tão manifesto em certas grandes observações de dupla exis- 
tência, existe na realidade no mais simples somnambulismo.» 

Nada mais fácil de comprehender, pois, como as coisas se 
passam no estado de santo. Cada santo fetichista tem os seus dis- 
tinctivos próprios; desta é uma cinta especial toda bordada de 
búzios ; daquelle, é um saiote branco ou vermelho, com uma espada, 
uma ventarola ou um enfeite qualquer ; deste outro, são voltas de 
contas de varias cores, e assim por diante. Desde que o santo se 
manifesta num membro do collegio ou confraria, este é conduzido 
ao Peji, e ali revestido das vestes e paramentos pertencentes ao 
santo que nelle se acha. Assim vestido, volta elle a brincar e dansar 



i Pierre Janet: E'lat mental des hysteriques. Les accidents mentaux. 
Paris, 1894., pag. 223. 



O ANIMISMO FETICHISTÀ DOS NEGROS BAHIANOS 87 

até cair em lethargia ou voltar a si. Outros assim revestidos são 
interrogados ou consultados e pronunciam oráculos. 

Ora, o iniciado conhece á fundo a historia do seu santo, dos 
milagres, dos feitos porque se celebrizou : tem visto muitas vezes os 
companheiros caírem de santo ; sabe como se comportam e como 
são tratados. Caindo em estado somnambulico, as vestes, os ornatos 
com que o preparam auggerem-lhe, impõem-lhe a personalidade do 
seu deus ou santo, com a mesma facilidade com que nas suggestões 
geraes se transforma o hypnotizado em um sacerdote, em um rei, 
em um general, etc. 

Psychologicamente o que caracteriza estes estados é a amnésia 
completa ao despertar. E' por este signal que os pais de terreiros 
sabem si o possuído estava ou não fingindo. A rapariga já citada em 
quem os processos de iniciação não conseguiram provocar o estado 
de santo, explicava com muita expressão que ella tinha visto e ou- 
vido tudo, sem ter perdido o conhecimento um só instante. Ha nos 
candomblés o maior cuidado em não dizer-se a um individuo que 
caiu de santo que elle esteve nesse estado . As explicações que me 
deram desta precaução foram differentes. Para uns, é porque essa 
declaração pôde provocar-lhe de novo a possessão. Para outros, por- 
que sabedores de que estiveram fora de si e praticaram actos de que 
não têm a menor consciência, as possuídas impressionam-se tanto que 
acabam por ficar alienadas. Para outras finalmente, é esse cuidado 
simplesmente a expressão de uma delicadeza para com o possuído 
que se envergonharia de saber que esteve a dar-se ao espectáculo de 
dansar, pular, etc. Acho esta ultima explicação de uma urbanidade 
excessiva para candomblés. Mas todas^ellas revelam sempre a mesma 
convicção de que o possuído não conserva a menor lembrança do 
que se passa durante o estado de santo. E todavia este estado pôde 
ser de uma longa duração. Conheço diversos casos de fugas, de 
longas viagens em estado de santo ,com os caracteres do automa- 
tismo ambulatório ou viagens de hysterícos em estado segundo. 

A observação que se segue, curiosa e concludente, constituo, 
me parece, uma demonstração experimental de que, como vou 
sustentando, o estado de santo não é mais do que um simples estado 
somnambulico provocado . 

Um dia não ha muitos mezes, assistia eu a um candomblé, pró- 
ximo da porta que dava para sala onde dansava uma rapariga em 



88 REVISTA BRAZILEIRA 

estado de santo. Notei que uma mulher negra, moça ainda, que se 
achava ao meu lado seguia a dansa com a maior attenção. Per- 
guntei-lhe si também tinha santo e qual elle era. Respondeu-me que 
tinha santo, mas ainda não o tinha podido fazer por falta de recursos 
para a festa da iniciação, que ella estava, porém, se preparando, e 
me pedia que a auxiliasse com uma esmola. Momentos depois, de 
súbito lança-se ella na sala e põe-se a dansar com uma expressão tal 
que não tive a mínima duvida de que não se achava em estado 
normal. Interpellei á respeito a mãi de terreiro. E esta me explicou 
que não são raros os casos, como o daquella rapariga, em que 
mesmo antes da iniciação o santo já se revela. E' o que se chama 
um santo bruto, ainda não feito. Nestes casos tem-se as manifesta- 
ções como um castigo, uma perseguição do santo para que a pessoa 
o mande logo fazer. 

Após uma dansa extremamente longa e fatigante caiu a rapa- 
riga em lethargia e, conduzida pelas companheiras, foi tieitada numa 
esteira no santuário, onde eu então me achava com a mãi dè terreiro. 
Perguntei a esta que tempo a rapariga dormiria naquelle estado, 
respondeu-me que poderia dormir muitas horas ou logo ser desper- 
tada, o que ella annuio fazer para que eu assistisse. Para isso encheu 
abocca de agua de santo, tomada a um pote que se achava junto 
ao altar e lançou-a sobre a face da rapariga que dormia coberta de 
suor copiosíssimo. A rapariga despertou em sobresalto e levantou-se 
atordoada, muito surprehendida de estar ensopada por aquella 
forma. Deixei-a afastar-se da mãi de terreiro e das outras compa- 
nheiras, e quiz nesse dia quando fui ter com ella, que por diversas 
vezes nas subsequentes, sempre que a interroguei com o maior cui- 
dado, encontrei uma lacuna na sua memoria que ia quasi do 
momento em que se lançara na dansa até aquelle em que despertou 
molhada Quando eu lhe dizia que havia sido testemunha de tudo, que 
tinha visto a mãi de terreiro despertal-a com a projecção da agua no 
rosto, ella me declarava sempre, no tom da mais viva sinceridade, 
que absolutamente não se lembrava de nada. E, presa como a tinha 
pela promessa de auxilial-a a fazer o seu santo, teria obtido a con- 
fissão da verdade, como obtive delia outros esclarecimentos impor- 
tantes que me tiraram toda a duvida sobre a sua boa fé. Via-a, depois, 
cair em estado de santo por mais de uma vez, e com demonstrações 
indiscutíveis de completa transformação. 



O ANIMISMO FETICHISTA DOS NEGROS BAHIANOS 89 

Tempos depois encontrei-a um dia nesta cidade. E, apezar da 
relutância que sempre tinha manifestado, consegui induzil-a a se 
deixar hypnotizar. Tendo comparecido ao consultório, mostrou-se 
de extrema sensibilidade ao primeiro ensaio de hypnotização em- 
pregado . O estado somnambulico completo era facilmente provocado 
pelas injunções suggestivas. Estando só no consultório, receiei tentar 
nesse dia qualquer experiência sobre o estado de possessão de 
santo. Ordenei-lhe que comparecesse no dia seguinte em que contava 
com a presença e o auxilio de outros collegas. O meu distincto 
collega e amigo Sr. Dr. Affonso Britto, professor da Faculdade, 
fez-me a fineza de se prestar a ver a mulher. E em sua presença, 
tendo-a previamente hypnotizado, suggeri-lhe que ella se achava no 
terreiro onde eu a tinha visto de santo. Começou logo a vôr a casa, 
os objectos e as pessoas que lá se achavam naquella occasião. 
Conhecendo, como eu conhecia, a ordem em que naquelle candomblé 
se succediam as musicas e os cânticos sagrados, e sabendo que a 
do seu santo Oubatalá vinha em quarto lugar, suggeri-lhe então a 
allucinação dessas musicas a começar da de E$ú. Ella me ia adver- 
tindo da successão dos diversos cânticos e quando devia seguir-se o 
de Oubatalá affirmei-lhe com energia que ella ia cair de santo. De 
repente poz-se a fazer oscillar lentamente o tronco e a emittir um 
prolongado pschio. . . Chamei-a pelo nome, Fausta, e perguntei-lhe 
o que tinha. Respondeu-me que não era Fausta e sim Oubatalá, 
que Fausta era apenas o cavallo de Oubatalá. O estado em que se 
achava, o modo de falar eram tudo a cópia fiel do estado de santo 
da mâi de terreiro onde eu a tinha conhecido. Quiz, porém, obrigal-a 
a dansar, ao que ella se oppoz, ora allegando que não estava com 
as vestimentas próprias, ora que a musica de Oiibatalá já tinha 
cessado e a ella se tinha seguido a de outro santo, ora finalmente 
que estávamos em tempo de quaresma e nesse tempo não pôde 
mais haver dansa de santo. Insisti, procurando suggerir-lhe que se 
achava com as vestes de Oubatalá, tentei provocar-lhe de novo a 
allucinação da musica desse santo, mas ella que até então se tinha 
mostrado passivamente obediente ás minhas suggestões, recusou-se 
a aceital-as. Sempre a insistir para que deixasse ir embora, Oubatalá 
deu-me ainda explicações sobre a mythologia de Jorubá, as suas 
relações com o culto catholico, de accôrdo com as idéas acanhadas 
de Fausta, que eu já conhecia bem. Por fim perguntei-lhe o que 

6 A TOMO VII— 1896 



90 REVISTA BRAZ ILEIRA 

era preciso fazer para que elle se pudesse ir embora, respondeu-me 
que dar um pouco d'agua ao seu cavallo. Desde que bebeu um copo 
com agua, Fausta despertou no estado de atordoamento e confusão 
em que eu a tinha visto já por muitas vezes ao sair do estado de 
santo. Este estado de atordoamento é mais ou menos duradouro. 
Muitas horas depois, Fausta estava ainda tão atordoada que perdeu 
o dinheiro que eu lhe havia dado para a sua festa de iniciação. 

Convém salientar nesta observação o contraste entre a passi- 
vidade na aceitação das suggestões na primeira phase do soranam- 
bulismo e a resistência formal opposta na segunda. 

Era assim evidente que ao somnambulismo provocado pelas 
minhas suggestões verbaes no estado de hypnose se havia substituído 
o somnambulismo provocado pela allucinação da musica sacra, isto 
é, o estado de santo ou de possessão. Assim, pois, Pitres l tem razão 
de considerar o estado de possessão demoniaca como uma espécie de 
delirio hystero-hypnotico, delirio monoideioo, que seria um estado 
somnambulico especial desenvolvido no que elle chamou estado 
paraphronico, e se destinguiria do somnambulismo suggestivo or- 
dinário pela resistência ou opposição ás suggestões verbaes. A con- 
testação offerecida por Pierre Janet á tentativa daquelles que, como 
George Guinon, 2 procuram distinguir o somnambulismo hysterico do 
somnambulismo suggestivo ordinário, firmando-se também nesta 
facilidade maior ou menor de serem os somnambulos dirigidos pela 
suggestáo, em rigor não prejudica a applicação de Pitres, pois Janet 
reconhece em todo o caso a existência de formas diversas de somnam- 
bulismo entre as quaes a do somnambulismo monoideico. 

A seguinte observação de possessão demoniaca provocada 
pelas suggestõas de um feiticeiro evidencia bem o contraste dos 
dois casos. 

Uma moça branca, grande hysterica, com manifestações desde 
a infância, extremamente hypnotizavel e suggestionavel, submettida 
já de muitos annos á hypnotherapia, casara-se com um moço, que 
tinha tido como amante até aos tempos de noivado uma negra que 
a senhora conhecia. Quinze dias depois de casada, a senhora 



* Pitres, Leçons cliniques sur Vhysterie et Vhypnotnme, Paris, 1891. 
v. II, pag. 295. 

2 George Guinon, Progrès Medicai, 1891. 



O ANIMISMO FETICHISTA DOS NEGROS BAHIANOS 91 

encontra-se com ella em um arrabalde e este facto produz-lhe grande 
contrariedade . D'ahi só teve tempo de chegar á casa, accusando 
forte dôr em um pé, e sobrevindo-lhe quasi em" seguida um grande 
ataque hysterico. A mai da moça, que ó hysterica e degenerada e 
vive cercada de negras influentes em candomblés, viu logo em tudo 
aquillo o resultado de feitiços mandados fazer pela ex-amante do 
genro. Foi chamado um tio africano que confirmou as suspeitas, 
declarando que a moça tinha pisado no feitiço e pelo pé doente 
entrara-lhe o demónio no corpo. O Africano, feiticeiro eroa#,propoz-se 
a exorcismar a moça afim de afastar o demónio. Durante longos oito 
dias, a pobre senhora, Rob a influencia das praticas exorcistas do 
feiticeiro, passou em verdadeiro estado de mal hysterico. Foi então 
que um cunhado, revoltado com o procedimento da familia, veiu ter 
commigo para que interviesse a tempo de salvar a moça. Cheguei a 
casa da doente ao anoitecer quando lá devia estar o feiticeiro, e 
consegui que me deixassem vel-o em acção. O effeito da voz do feiti- 
ceiro foi evidente. Mal a senhora, que se achava mais calma, ouviu-a, 
de um salto poz-se de pé, em defensiva, e segura pelo marido, de 
balde procurava em torno de si com que podesse aggredir o feiticeiro. 

A leitura estropiada das orações exorcistas produzia, a cada 
demónio que elle citava e conjurava a deixar a sua victima, um 
effeito notável. A pobre hysterica mudava de gesto e de tom de 
voz para responder-lhe. -Assim, nomeou o feiticeiro diversos demó- 
nios que se succederam uns aos outros na possuida, afinal declarou 
que no dia seguinte proseguiria. Fiz então ver a familia e em par- 
ticular ao marido quanto era deprimente aquella scena e que somma 
de responsabilidades assumia elle. 

A's primeiras injunções suggestivas que fiz para mostrar que 
aquillo era apenas a hysteria, a senhora ainda se debatia nas eontor- 
sões do ataque, acalmou-se como por encanto. Dormiu um pouco^ 
despertando depois calma e tranquilla, apenas extremamente fati- 
gada. Com mais algumas sessões hypnoticas, desappareceram os 
ataques, e até hoje, mais de dois annos depois dessa grande crise» 
pnssa relativamente bem, está forte e ultimamente teve uma filhi- 
nha, sem mais accidentes. 

Assim, ao passo que aqui a simples sugeestilo verbal foi suf- 
ficiente para dar cabo immediato de um estado de possessão, em 
Fausta na segunda phase do somnambulismo as minhas suggestões 



92 



REVISTA BRÀZ1LEIRA 



nada conseguiram, sendo necessário recorrer a um acto particular a 
ingestão d'agua — para terminal-o; como tinha sido necessário um 
acto especial para provocal-o— a allucinação da musica sacra. 

Por emquanto ntío me tem sido permittido levar mais longe os 
meus estudos. A própria Fausta nfto voltou ainda a esta cidade como 
se tinha compromettido, para completar o seu exame sob o ponto 
de vista dos estigmas hystericos. Tenho procurado submetter a uma 
experiência análoga outros iniciados, mas em geral recusam-se 
formalmente a qualquer tentativa de exame em matéria de pos- 
sessão, ou de estado de santo. Assim, ignoro de todo si essas ma- 
nifestações reduzem-se ao que tenho observado, ou si ao contrario 
existem ainda nellas phenomenos mais complexos da natureza do 
fakirismo indiano, ou de certos phenomenos espiritas, de maior 
relevância, que aliás nunca tive occasifío de observar. Até hoje o 
que pude ver é o que vai exposto fielmente. 



Dr ( Nina Rodrigues 



{Continua) 



NA IGREJA 



Tu entravas na igreja e eu saía. 
Mas voltei — a rezar ? — a rezar, nfto, 
Pois, pobre atheu que eu era !, mal sabia 
Murmurar a mais simples oração. 

Voltei a ver-te, e vi que á tua entrada 
Todos os olhos para ti volviam , 
E ante a tua belleza decantada 
As boccas todas em louvor se abriam. 

Vi-te depois em supplice attitude, 
Mãos postas, olhos baixos, a rezar. . . 
Tanto ardor, tanta fé e beatitude 
Nâo tinha o padre orando ao pé do altar. 

Creio que junto a mim, de quando em quando, 

Finda a missa, passava muita gente ; 

Mas não a vi : só via-te rezando, 

E em teu vulto absorta tinha a mente. 

Quizera adivinhar o que é que lias 
Com tão grande attençâo no teu missal. 
E o que, fechado o livro, ao céu dizias, 
Volvendo ao céu teu rosto esculptural. 

c Quem incutiu em ti tamanha crença ? 
Que anjo a rezar assim te ensina ? 
E' impossível que essa fé intensa 
Nâo seja effeito de uma luz divina. 



94 KEVISTA BRAZILE1RA 

Nessa idade, em que a moça só deseja 
Ostentar a belleza, e o luxo vilo, 
Tu, tão moça e tão bella, vens á igreja, 
A rezar com essa infinda devoção ! 

Ensina-me a ter fé, já que tens tanta ; 
Pede ao céu, com esse zelo que te exalta, 
Que os teus olhos azues de virgem santa 
A luz me incutam que nesfalma falta. » 

Taes coisas eu, de mim p'ra mim, dizia, 
Extático, de pé, em ti o olhar. . . 
Pela igreja deserta só havia 
A contemplar-te eu, tu a rezar. 

« Si o teu olhar procura o céu, de certo 
E' que no céu um Deus supremo habita, 
Um Deus que vês sorrindo muito perto, 
A quem elevas a oração bemdita. 

Oh ! pudesse eu também, um só instante, 
Sentir nos olhos meus os olhos teus ! 
Lera nelles a fé, que tens, radiante, 
E aprendera comtigo a crer em Deus. » 

O céu julgo que ouviu o meu pedido ; 
Pois logo est'alma toda illuminou-se, 
E senti sobre mim, do céu descido, 
O teu olhar azul, divino e doce. 

Ali ! esse olhar ! ante esse olhar curvado, 
Tremulo, estupefacto, ajoelhei. 
E o que então murmurei ajoelhado, 
Foi a oração primeira que rezei. 

1894. 



Mário de Alencar 



FACTOS DA VIDA DOS INSECTOS 1 



III. — 08 INSECTOS E AS MOLÉSTIAS 

Manifesta-se a actividade da classe dos insectos debaixo das 
mais variadas formas. 

Emquanto nos alvéolos das colmêas regorgita o dourado mel, 
cuja matéria prima as abelhas vão procurar no néctar das flores do 
campo, tão zelosa comme Vabeffle économe et ses sages travaux, na 
expressão de Dellille, esparge a cochonilha 2 sobre a folha espal- 
mada da urumbéba o ténue pó donde se extrai o purpúreo carmim ; 
ao mesmo tempo que o biclio da seda, 3 metamorphoseado em 
borboletas agita fremente as azas inquietas, une os seus ardores aos 
da companheira que a sorte lhe deparou no vergel e d'ahi a poucos 
dias exhala com ella o ultimo suspiro, deixando em troca dos seus 
ephemeros amores, para os quaes parece só ter vindo ao mundo, 
centenas das lúbricas sementes, que mais tarde dão nascimento ás 
industriosas lagartas incumbidas de elaborarem o longo e delica- 
díssimo fio de seda, do qual 3750 metros dão apenas o peso de 1 
gramma ; opulento novello^ pela primeira vez fiado na China 2700 
annos antes de Christo e hoje, como em todas as épocas, avida- 
mente cubicado para a confecção das mais custosas vestimentas. 



i Veja a Revista de 1 de Maio e 1 de Junho. 

s Coccus cacti. Linn. Ordem dos Hemipleros, secção dos Homopleros, 
(E. Blanchard). 

8 Bombyx mort, Lepidoptero nocturno da família dos Bombyces. 



96 REVISTA BRAZILEIRA 

Em mais modesta esphera, humildes Cynips * apressam com as suas 
picadas salutares o amadurecimento dos figos domésticos e augmen- 
tam desfarte a producção agrícola, que a mão do homem não pôde 
alcançar sem o seu auxilio. 

Esses são os benéficos coadjuvantes da felicidade do homem. 
Mas ao lado desses úteis insectos trabalham infelizmente muitos 
outros, que são nossos inexoráveis e perversos inimigos, procuram 
destruir a nossa obra, embaraçar os nossos esforços, empobrecer os 
nossos celleiros, aniquilar a nossa fortuna e até cortar o fio da nossa 
existência. E' destes últimos que vamos tratar em rápido esboço. 

Vinculam -se os insectos ás moléstias por diversos mecanismos. 
Agem uns apenas como instrumentos picantes, outros introduzem-se 
nos tecidos vivos, fazem ahi seu ninho e passam regaladamente a 
sua existência sem se importarem com as dores e os gemidos que, 
na qualidade de corpos extranhos, provocam, irritando os filetes 
nervosos. Alguns causam en> virtude da peçonha que inoculam, 
mordendo as carnes, phenomenos infiammatorios bastante graves. 
Finalmente, ha certos insectos, que se prestam ao papel pouco cari- 
doso de servirem de vehiculo á propagação de diversas affecções 
cruéis. 

Desconfiai de uma mosca, de um mosquito, de qualquer outro 
insecto que pousa sobre a pelle syphilitica, variolica, sarnosa, saram- 
penta, cancerosa. . . Esse insecto é suspeito ; elle carrega nas azas 
ou na tromba crostas, fragmentos purulentos, onde se esconde o 
gérmen produetor da syphilis, da varíola, da sarna, do sarampão, do 
cancro. .. 

Insectos existem que chupam o sangue carregado dos parasitas 
de certas moléstias, guardam no seu corpo esses parasitas ou seus 
ovos, para mais tarde lançarem esses germens fataes no seio das 
aguas, donde são salvos esses Moysés traidores, por aquelles que 
sorvem essas aguas e com ellas a causa de uma moléstia, que não 
tardará a explodir. 

Note-se que não são somente os animaes que podem ser infec- 
tados pelos insectos. Também muitas plantas são victimas delles, que 
vivem das suas folhas, consomem as suas raízes, estragam os seus 



i Cynips psenes. ordem dos Hem pteros; família dos Galhinsectos de 
Latreillc. 



FACTOS DA VIDA DOS INSECTOS 97 

frutos, mimosa obra das galantes flores, e devastam passando como 
um cyclone sociedades, nações inteiras de vegetaes, com prejuizos 
enormes do homem, que nas suas sementeiras depositava a espe- 
rança dos seus afanosos labores. 

O mundo vegetal soffre, soffre muito. . . mais ainda do que o 
homem com os ataques dos insectos ; e ha mesmo, no meu entender, 
certos phenomenos da vida das plantas, considerados pelos botânicos 
como physiologicos ou normaes, phenomenos em cujo entrecho os 
insectos representam parte preponderante, e que são, bem encarados, 
verdadeiros soffrimentos, verdadeiras moléstias. Para o diante de- 
monstraremos. 

Examinemos em primeiro lugar as moléstias em que os insectos 
agem mecanicamente. 

Relatam os autores de zoologia medica, que alguns coleopteros, 
já no estado de lagarta, já no de casulo, já mesmo no estado adulto» 
têm sido ( não se sabe bem como ), encontrados accidentalmente 
no corpo humano, facto pathologico que recebeu o cognome de can- 
tliariasis. Paykull cita muitos factos desse género, * entre os quaes 
um que diz respeito a uma criança de seis mezes, em cujo estô- 
mago se achou um bezouro, Thompson menciona um caso em que o 
tenebrião dos moinhos acompanhado de um esquadrão de 50 la- 
vras, foi encontrado no estado adulto dentro do estômago de uma 
pobre mulher. 

Diversos orthopteros têm especial prazer em fazer morada nas 
cavidades naturaes. Apontarei, entre outros, as forficidas, que se 
aninham na garganta e dizem que também no ouvido. 

A ordem dos Anapluros comprehende insectos sem azas, que 
são parasitas do homem e de muitos outros animaes. Nessa ordem 
estão os piolhos e carrapatos, cuja multiplicação é tão rápida que 
dois indivíduos bastam para que em menos de dois mezes a sua 
reproducção chegue ao numero de 18.000. E' uma perfeita praga. 
Existe uma moléstia, que tem o nome de phthiriasis, devida ao 
desenvolvimento de tfm numero incalculável de piolhos do corpo 
(pedictãos corporis). E, coisa de espantar e pouco lisongeira a fidalgos 
b razões e altas celebridades, cita-se como tendo morrido de tão no- 
jenta enfermidade vários personagens illustres em épocas e nações 



i Vpsal Transactions. 
7 TOMO VII — 1806 



98 REVISTA BRAZILEIRA 

differentes. No Paraguay este piolho é muito abundante, chamam-lhe 
em guará ny Anhanmuquiran, que significa moquirana do diabo. 

Os carrapatos l gão outros insectos apteros, que atacam os 
mamíferos e as aves, fixando-se já sobre o epiderme, já sobre os 
pellos e as pennas, produzindo dôr, prurido, excoriações e inflamma- 
ções superíiciaes. 

Existe na família dos Tineides um insecto, 2 que é o tormento 
dos plantadores de cereaes. EUe vive no trigo, centeio, aveia, etc, as 
suas azas são munidas de escamas cabelludas, que desprendendo-se 
sob a forma de pequenas pontas leves e aguçadas como alfinetes, 
caem como uma poeira fina sobre a pelle, occasionando comichões 
insupportaveis e ardores de garganta, accidentes que, na opinião 
de Doyère, são devidos a uma simples acção mecânica. 

Na ordem dos sugadores, não passemos em silencio o incom- 
modo que causam com as cerdas do seu bico a pulga ordinária, 8 
cujas mordiduras deixam como traços de sua impertinente pas- 
sagem, manchas purpurinas semelhantes ás petechias, que se 
manifestam durante o curso das febres graves. 

E quanto é singular a pulga penetrante, vulgarmente chamada 
bicho de pél O seu lugar de eleição é debaixo das unhas, sobretudo 
ao nível dos sulcos subungueaes. O primeiro effeito da sua intro- 
ducção ó um prurido, que algumas pessoaá acham delicioso e que 
trinta e seis horas depois se transforma numa dôr lancinante. E' o 
animal fêmea quem busca esse domicilio, afim de ahi pôr os seus 
ovos; por isso, não tarda a desenvolver um sacco volumoso e 
túrgido, recheiado de uma agglomeração de embryões. E* preciso 
ter cuidado de extrair este sacco inteiro; do contrario, sobrevem 
inflammaçâo, abcesso e até grangrena e carie dos ossos. 

No género Cimex * vamos nós encontrar o percevejo dos 
leitos, insecto que gosta de perambular á noite, conservando- se 
durante o dia homisiado nas dobras dos colchões, nos buracos das 
paredes ou nas rachas das camas. Apenas percebe, pelo apurado 
olphato, que o candidato ao somno se estira sobre os lençóes, eil-os 
saindo aos magotes dos seus esconderijos, e atacam com impetoa 



1 Pertencem ao género Ricinus. 

2 A Alucita, ordem dos Lepidopteros . 

3 Pulex irritans. 

* Tribu dos Keduvianos, ordem dos Hemipteros. 



PACTOS DA VIDA DOS INSECTOS 99 

pelle do infeliz, crivando-a de repetidas dentadas dolorosas, quasi 
sempre seguidas de bolhas minúsculas, que simulam, quando são 
numerosas, uma erupção de pequenas vesículas que costumam 
desenvolver-se durante certas enfermidades graves, e que a Medicina 
denomina, Suãamina — , por terem a apparencia de gotinhas de suor. 

Quanto ás larvas das moscas carnaria, vomitória, etc, Hope 
narra numerosos exemplos em que ellas têm sido surprehendidas no 
estômago, nos intestinos, nos seios frontaes, no ouvido interno, nas 
vias ourinarias, nos olhos, na perna, no pescoço, nas ulceras e feri- 
das simples. Na campanha do Paraguay os cotos dos amputados, 
eram muitas vezes invadidos por estas larvas, que roiam as suturas, 
desmanchavam as cicatrizes, solapavam os tecidos e causavam 
dores atrozes. 

Conhece-se a larva de uma mosca do Senegal, * que penetra 
nas regiões posteriores do tronco, dando nascimento a um pequeno 
furúnculo muito doloroso, que expremendo-se deixa sair a larva- 
sinha, cujo comprimento é de um centímetro apenas. 

Na America Central ha uma larva chamada bicho-macaeo, de 
2 a 2 1/2 centímetros de comprimento, cujo insecto perfeito ainda 
nâo ó conhecido. Emquanto a pessoa está no melhor do somno, essa 
larva introduz-se debaixo da pelle. Ao despertar, a victima deste 
insidioso ataque sente dormência, dor intensa, o ponto picado inflam- 
ma-se, de uma pequena elevação surge, tornando visivel o orifício 
por onde o animal entrou. Forma-se uma espécie de furúnculo 
muito doloroso, e por fim o animal é expulso de mistura com 
o pú*. 

O cestrtis do homem ó um insecto cuterebro, cujas larvas dão 
lugar a accidentes análogos aos que acabamos de descrever; assim 
como a lagarta de uma mosca do estado de Minas-Geraes, intitu- 
lada berne, descripta pela primeira vez em 1854 pelo Dr. Abreu. C 
aestrus ataca também o gado, e delle disse Virgílio no livro III das 
suas Oeorgicas : 

quo tota exterrita silvis 

Diffugiunt armenta ; furit mugibus fether 
Concussus, silvfieque, et succi ripa Tanagri. 



1 Ochromia anthropophaga. 






100 REVISTA BRAZILEIRA 

Tratando dos meios de defesa dos insectos, já tivemos occasiao 
de dizer que muitos coleopteros, hymenopteros, etc, segregam ver- 
dadeiros venenos, e nos referimos á cantharidina, que um ehimico dis- 
tiucto, Robiquet, descobriu em 1812 nos coleopteros do género Can- 
tharis e outros. Esse veneno é tão activo que dado na dose de 5 cen- 
tigrammas já é toxico, produzindo torpor geral, delirio desordenado 
e atacando fortemente o apparelho urinário. 

Os individuos que vão colher os insectos que contêm esse ve- 
neno, afim de vendel-os ás pharmacias, são obrigados a tomar muitas 
precauções, si não quizerem ser victimas da sua imprudência. Taes 
insectos vivem entre as folhagens das arvores ; de manhan muito 
cedc^elles estão ainda entorpecidos da noitada que passaram go- 
zando do fresco somno na macia alfombra das folhas^ E' preciso 
aproveitar essa hora psychologica para sacudir as arvores e fa- 
zel-os cair no chão. 

Ainda assim as pessoas encarregadas desse serviço devem 
levar mascaras e luvas. Entretanto (singular contraste na mesma 
ordem de seres vivos), um . Coleoptero existe, de nome harinus 
nidificans, cujos casulos constituem o precioso manjar que têm o 
nome de trehala na Syria e Turquia ; a trehala tem um sabor doce 
como o do assucar de canna. 

A propósito disto, tocarei em um ponto assaz interessante, 
relativo as abelhas. Sabe-se que estes industriosos hymenopteros, 
esvoaçando pelas campinas e vagamundeando pelos jardins, entre- 
gam-se ao saque do saboroso néctar das flores, que ó a delicada 
matéria prima com que elaboram o mel, tão apreciado outrora 
pelos philosophos gregos e que conta ainda hoje muitos apaixo- 
nados que acreditam nas suas virtudes excepcionaes, entre ellas 
a de causar uma longevidade sadia e patriarcal. 

Succede, porém, que as solicitas abelhas nem sempre acham á 
sua disposição as aromáticas flores das Labiaâas, ou das excitantes 
Auraiúiaceas, e então são forçadas a irem molhar o seu caprichoso 
appendice buccal em plantas amargas, como o antipathico absinthio, 
ou mesmo em vegetaes venenosos, como certas solanaceas virosas. 
Ora, tragar um mel elaborado á custa dj plantas tão perigosas, equi- 
vale a ingerir um toxico disfarçado em pérfido xarope. Desde bem 
remotas eras, Aristóteles, Plinio, Dioscorides asseveraram que, em 
dada estação do anno, o mel fornecido pelas abelhas de certas 



FACTOS DA VIDA DOS INSECTOS 101 

regiões do Cáucaso, tornava insensatos e loucos áquelles que o de- 
glutiam. Xenophonte referiu que, durante a celebre retirada dos dez 
mil, soldados que se utilizaram do mel, que .por acaso acharam no 
campo, foram accommettidos de um delírio íurio^o, que durou muitos 
dias. Uns pareciam homens embriagados, oufrqç .Loucos, possessos. 
Naturalistas distinctos, como A. St. Hilaire,por ô^çmplo, attestam a 
veracidade deste facto, pois sentiram effeitos sim&ipiites, (fuando 
beberam o mel fabricado por uma vespa do Brazil. * y ; 

E' obvio que as pessoas que uzarem habitualmeníá^dè um mel 
desta qualidade, attenuado que seja, poderão vir a soffrer dê «varias 
affecções nervosas, taes como a hysteria, diversas formas .'de 
monomania, etc. ## . y\- 

Quanto ao fluido claro e límpido que constituo o veneno que flía- 
abelhas inoculam no nosso sangue, quando por acaso nos fazem 9 
sentir a pujança do seu aguilhão, é de crer, á vista dos progressos 
actuaçs da chimica biológica, que seja uma toxalbumina comparável 
á do veneno das cobras, de mixtura com alguma substancia vesi- 
cante. O certo ó, que elle se mostra excessivamente irritante ; o 
lugar picado torna-se dolorosíssimo, um leve calefrio percorre o corpo 
e accende-se a febre, sobretudo nas crianças : accidentes ainda mais 
graves podem manifestar-se, e mesmo a morte, que é o mais grave 
de todos os accidentes, Reflicta-se que animaes de alto porte, como 
cavallos, bois, etc, têm succumbido em consequência de picadas 
de abelhas. 

Tão perigosos como os precedentes insectos são as chamadas 
commummente lagartas processionarias, isto é, que fazem migrações, 
enfileirando-se em numero considerável, formando uma longa 
procissão. 2 

Essas larvas têm o corpo revestido de pellos irritantes. Que a 
mão de um incauto as toque, immediatamente a dor cruel e uma 
vermelhidão erythematosa o advertem de que não se molesta impu- 
nemente um ser pequeno sim, mas bem armado pela natureza. 
Réaumur, em uma de suas apreciáveis memorias, trata destes ani- 
maes e conta as torturas porque passou, elle e alguns seus collegas 
naturalistas, em uma de suas excursões, quando tiveram a desgraçada 



1 A \espa Lecheguana. 

2 Taes são os Lepidopteros do género Gastrophagus. 



102 REVISTA BRAZILEIRA 

inspiração de bolir em um monte de ovos dessas ferozes lagartas. 
Quatro senhoras que faziam parte do mesmo séquito, apezar de não 
terem tocado com as cnw mãos mimosas nos damnosos ninhos, con- 
servando-se a respeitável distancia, emquanto reparavam nos apuros 
em que se debatia^airamr, viram com sorpreza que os seus próprios 
delicados collqtf; estavam cobertos de ásperas manchas vermelhas 
papulosas, qjitç.p&s provocava fortes dores. Isto se explica admit- 
tindo-se que 'os pellos mais compridos das lagartas quebram-se em 
pedaços >jhuT pequenos, pela menor agitação do ar, pedaços que 
sob a^fljrína de uma poeira, tão ténue quanto funesta, são trans- 
portados mais ou menos longe, á mercê do capricho dos ventos. 
^.'-., Á propósito, eis ahi em grosso como devem comportar-se os 
.." aeróbios pathogenicos, emigrando ao longe, desde o seu foco ori- 
m ' \ ginario, para atacar indivíduos que moram inteiramente fora 
desses focos. 

Tão bravas como as lagartas processionarías são certas moscas 
de Guiné, de que nos fala o conhecido viajante Livingstone, moscas 
tão venenosas, que os negros preparam com ellas as suas flechas, 
como si fosse o celebre curare, com que os indios da America tem- 
peram as suas armas tão primitivas quanto formidáveis. 

Esta mosca chama-se Tsé-Tsê. Só 3 ou 4 são capazes de matar 
um boi bem corpulento. O animal emmagrece... emmagrece e 
morre ao cabo de alguns dias com lesões profundas nos pulmões, 
fígado e coração. Um viajante de nome Arnaud, foi picado por ura 
destes insectos e esteve gravemente enfermo durante muitos mezes. 

Examinemos por outra face a vida dos insectos. Consideremol-os 
como vehiculos de germens de moléstias graves. No estado de insecto 
perfeito as moscas podem dar lugar a isso. Têm-se apresentado como 
authenticos factos de moscas que, tendo pousado sobre matérias em 
fermentação pútrida, têm introduzido em pontos da pelle por acaso 
desnudados os germens productores de septicemia, adherentes á sua 
tromba e as suas patas. 

E' coisa aliás sabida que o carbúnculo e a pústula maligna pro- 
pagam-se muitas vezes por aquelle modo. Estão, sobretudo, expostos 
a contrairem estas duas affecções os pastores, veterinários, cur- 
tidores de couros, açougueiros, e outros que por força do officio que 
adoptaram residem perto dos estabelecimentos em que é frequente 
existirem animaes portadores da bactéria carbunculosa. 



FACTOS DA. VIDA DOS INSECTOS 103 

Eu acho que certos epitheliomas se transmittem pelas picadas 
de moscas e mosquitos; ou vão estes insectos colher os germens nas 
esterqueiras em que saciam o seu appetite, ou em outras pessoas já 
affectadas do mal. Por varias vezes, no meu interrogatório aos 
doentes, tem-se-me relatado como commemorativo da primeira 
invasão da moléstia, a picada de insectos. 

E' provável que a variola, a febre typhoide, a febre amarella, 
a tuberculose, etc, possam algumas vezes ser transmittidas da 
mesma forma. Alguns autores attribuem a lepra á picada de um 
pequeno Diptero. 1 Não ha, porém, provas expirimentaes desta 
supposição . 

Em relação á febre amarella, Finlay, de Havana, instituiu al- 
gumas experiências para demonstrar que os mosquitos podem servir 
de vehiculo ao agente morbigenico. Ainda em relação á mesma 
moléstia, tratarei, á parte qualquer juizo próprio definitivo, de tuna 
coincidência que se tem observado entre o apparecimento de certa 
espécie de moscas e as epidemias de febre amarella. O Sr. Carlos 
Euler, illustrado naturalista suisso que esteve entre nós, foi quem 
me chamou a attenção para este phenomeno, mandando-me em 
carta as suas impressões a respeito. Eis os trechos principaes da 
carta que me endereçou o Sr. Carlos Euler : 

« Um passeio matinal levou-me pela rua do Itapirú para a do 
Dr. Costa Ferraz, no Rio Comprido, por um terreno inculto com 
abundante vassourai, onde naquella manhan tive a grande satisfação 
de assistir pela primeira vez, durante quarenta annos que habito 
esta maravilhosa pátria sua, ao surprehendente espectáculo da pas- 
sagem de um bem desenvolvido Heerwurm, palavra alleman que 
pôde ser traduzida por exercito de vermes ou vermes formados em 
exércitos, e applicado pelo povo na Allemanha a um phenomeno que 
por muito tempo gozou da fama mysteriosa e era tido como presagio 
de peste, guerra, etc, tal qual os cometas, até que um naturalista 
pratico o estudou a fundo, e explicou que era simplesmente a 
migração da lagarta de um innocente ( ? ) dipterus : Scaria mili- 
taria moscas dos cogumelos. 2 



i Clorops leprrp. Mu ara leprw de Linnêo. 

2 Ordem Diptero* e Família Mycclopliihdeas. Classificação de Tascljenl 
e Brehm. 



104 REVISTA BRAZ1LEIRA 

« O trajecto do exercito ficava acerca de 2 metros de um 
pequeno, córrego e parallelo a este. O Heerwurm apresentava 
exactamente as condições com que o tinha visto descripto na obra 
de Brehm, que delle traz um fiel desenho. Uma espécie de serpente 
formada por milhares de lagartas, movendo-se em lentas ondulações, 
producto das mil ondulações individuaes, que lhe dão um ar de rio 
correndo vagarosamente. 

c A largura do cortejo variava conforme a topogíaphia do 
terreno, entre 10 a 20 centímetros; o seu comprimento passava de 
3 metros, e a grossura ou profundidade não era menos de 2 a 3 centí- 
metros. Calculei o comprimento dos indivíduos em 10 a 15 millimetros 
sobre cerca de 3 ditos de grossura. Cabeça preta ; corpo de uma côr 
vermelha muito pallida, quasi violeta, meia transparente, deixando 
ver entre os segmentos o conteúdo escuro do intestino. De longe 
em longe vinha por cima dos outros alguns indivíduos de côr amarello 
sujo e já em manifesta transformação para o estado de crysalidas. 
« Infelizmente não tive tempo de seguir o phenomeno por horas, 
como desejava ; o que vi, porém, era bastante para permittir-me a 
sua classificação. Effectivamente, chegando em casa, encontrei no 
Brehm a sua fiel descripção na família Sciara. O que acabava de 
observar combinava exactamente com o que ahi se acha ligado á 
98pecie Sc. militaris, salvo o tamanho da lagarta qne no meu caso 
era cpiasi o dobro. 

« Chegando ao fim da descripção da família Sciara tive então 
uma verdadeira surpreza quando li o seguinte tópico, que passo a 
traduzir litteralmente : 

*"• « Uma espécie grande com abdómen amarello é observada na 
Louisiana em notáveis quantidades sempre quando febres de mau 
caracter, sobretudo a amarella, dominam. Este phenomeno, ainda 
não explicado, ó tão notório que esta Sciara, classificada como tal 
por von Osten-Saken, foi crismada como mosca da febre amarella. 
( Yellow fever fly. ) » 

«Ora, o Prof. Taschenberg dá para as evoluções da Sc. militaris 
os seguintes períodos: lagarta, á contar da emissão do ovo — 8 á 12 
semanas; crysalida — 8ál2 dias; mosca — 3 dias; períodos que 
devem ser idênticos para a família inteira. 

«As lagartas que eu encontrei em 12 de maio estavam evidente- 
mente no limite do seu período, visto que já havia algumas em 



FACTOS DA VIDA DOS INSECTOS 105 

principio de crysalisação. Contando, portanto, 8 a 12 semanas para 
traz chega-se a fins de fevereiro e principio de março, o que faria 
coincidir a apparição das moscas productoras dos respectivos ovos, 
com o período de grande intensidade da actual epidemia, confir- 
mando assim as observações idênticas feitas na Louisiana. 

« Foi este facto curioso e talvez desconhecido de V. que me 
deu a necessária coragem para molestar a V. com este indigesto 
( reconheço-o ) arrazoado entomológico, que na absoluta falta de 
outros merecimentos poderá sempre ter o de poder tomar um modesto 
lugar nas miscellaneas relativas á febre amarella, seu terrível 
adversário. 

«Pedindo ainda uma vez desculpa de ter tomado indevidamente 
o seu precioso tempo, apresento a V. a segurança da minha mais 
alta consideração e sou de V. etc. — Carlos Euler. Rio, 24 de maio 
de 1894. » 

Como acabamos de vêr, é realmente muito curiosa a descripção. 
Eu já tinha, porém, lido descripções análogas de procissões que 
fazem outras espécies, como seja o bicho Dragão, larva da Selaria 
Thomé, da mesma ordem dos Dipteros. A reunião em bandos do 
bicho Dragão é um phenomeno raro particular á Noruega. Ás larvas 
formam uma corda de muitos metros de comprimento e da grossura 
de 1 a 5 centímetros. Elias trepam por milhões umas em cima das 
outras, de maneira que esta enorme procissão marcha continuamente 
para diante, deixando nos terrenos molles um longo rastilho que 
marca a sua passagem. E' de presumir que outras espécies do mesmo 
género Sciara façam destas excursões pittorescas. A razão pela qual 
o Sr. Euler achou no meio do immenso bando algumas lagartas já se 
transformando em crysalidas, é porque os indivíduos que compõem o 
bando não são todos da mesma postura ; portanto, os de postura mais 
antiga devem desenvolver-se em primeiro lugar. 

As migrações das lagartas processionarias differem da prece- 
dente por serem só compostas de animaes que são o produeto de uma 
mesma postura. 

No que concerne afiliação das epidemias de febre amarella e a 
procreação destas larvas, só uma experiência directa e observações 
mais concludentes poderiam cortar o nó gordio da questão. 

Sinto não ter tido occasião de fazer uma colheita dessas larvas, 
afim deestudal-as nas suas relações biológicas. Esta hypothese do 

7 A TOMO VII — 1896 



106 REVISTA BRAZILE1RA 

illustrado Sr. Euler faz-me lembrar o que se passa com a Filaria 
determinante da moléstia que se denomina chyluria, hemato-chy- 
luria, ( ourinas leitosas ou de sangue ). 1 ^ 

Demarquay em 1862 e Wucherer, na Bahia, em 1866, forato os 
primeiros que acharam a Filaria do homem. Perguntar-me-á o 
leitor : Mas que relação existe entre este verme, esta moléstia e os 
insectos ? Muitas e muitas. Este verme, como outros, emigram para 
poderem chegar ao desenvolvimento completo, e segundo as 
pesquizas de Manson, são os mosquitos, 2 que servem de meio 
habitual de emigração. Aquelle autor expoz ás picadas destes 
insectos um chim, cujo sangue apresentava enxames de filarias, e 
estas foram encontradas dentro do estômago dos mesmos mosquitos. 

Os mosquitos femininos, segundo os embryões de filaria que 
existem nos vasos capillares situados debaixo da pelle, quando 
sentem a necessidade de desovar, vão praticar este acto materno 
no seio soturno das aguas estagnadas ; pouco dopois succumbem, 
como que persuadidos de haverem cumprido o completo destino para 
que nasceram, mas lá deixam diluídos nas aguas dormentes os ger- 
mens da filaria, que deglutidos pelo mal afortunado que por acaso 
vai saciar a sua sede, não tardam a produzir as diversas manifes- 
tações da filariose no seu organismo, sejam ourinas côr de leite, 
sejam lymphagites externas, etc. Nas regiões em que estas affec- 
ções são frequentes, e o nosso Brazil está neste caso, é preciso ter 
muito cuidado na escolha das aguas de beber. Ás aguas de poço, 
de brejos, de pântanos, numa palavra só as aguas mortas em geral, 
onde os mosquitos costumam desovar, não devem ser bebidas, nem 
mesmo depois de filtradas. 

Muita gente, bem entendido a gente pouco instruida^ cuida que 
as plantas são coisas privadas de vida, como uma pedra ou um pe- 
daço de metal. Oxalá muitos entes humanos tivessem a irritabilidade 
exquisita da pudibunda sensitiva ou a modéstia campezina da per- 
fumada violeta! 

As plantas sentem percorrer nos seus vasos a seiva da vida, 
que as nutre, as adorna de cores variegadas nas folhas e nas flores 



1 género Filaria faz parte da sub-serie dos Vermes, classe dos Hel- 
minthos ou Nematoides. 

2 Culex mosquito» Culex pipiers. 



FACTOS DA VIDA DOS INSECTOS 107 

e as torna gravidas dos fruetos succulentos que nos deleitam o pa- 
ladar. E as plantas soffrem como nós soffremos, os males physicos 
e eu estava mesmo para dizer, os males moraes, sieusoubasse ao 
certo onde está o nó vital da roseira que murch i e morre si mão 
carinhosa não vem todas as manhans regar-lhes as fofas raízes, e 
endireitar -lhe a estaca a que se arrima o ténue tronco, como ao 
filhinho ensina a mâi o ensaio dos primeiros passos. 

As moléstias que perseguem os vegetaes são muito numerosas e 
as parasitarias os desformam, os anemizam, os tornam feios, asque- 
rosos e imprestáveis inválidos da natureza. 

Não cabe aqui falar dos cogumellos damninhos que os acom- 
mettem com frequência. Direi apenas algumas palavras sobre o* 
perniciosos effeitos determinados pelos insectos. 

Olhemos essa nuvem escura que turva os ares. Ella vem pejada 
de myriades de gafanhotos peregrinos 1 ; é uma espécie de cholera 
morbus alado ; sua pátria é o Oriente, são os steppes da Rússia do 
Sul, são as planícies areentas da Tartaria e dos recôncavos da Ásia. 
Ahi vem essa nuvem tremenda, de 1000 pés de largura, a desfilar 
avançando lentamente no espaço, cinco léguas por dia. Por onde ella 
passa, obumbra-se a luz do sol e uma obscuridade ameaçadora en- 
roupa a natureza. Essa nuvem pavorosa não se desfaz nem em 
chuvas, nem em ventos, nem em saraiva. Ella se desfaz em milhões 
de acridios redemoinhando as azas na satyriasis da gula. Onde elles 
pousam tudo convertem em desolação e mina. Folhas, flores, frutos, 
sementes, tudo desapparece . . . e como uma ironia da arca da alli_ 
anca fluctua sósinha neste diluvio universal a miséria e a peste, que 
pela putrefacção dos cadáveres desses vândalos em miniatura es- 
palha a morte através de populações inteiras. 

E' uma das lendária pragas do Egypto. Narra Santo Agostinho 
que no reino da Numidia uma população de oitocentas mil almas pe- 
receu toda em consequência das emanações infectas exhaladas por 
uma enorme nuvem de gafanhotos vinda da Africa Meridional. 

Não menos devastador sobre as plantações dos vinhedos, que 
são a fortuna de diversas nações, ó o flagello que todos conhecem 
com o nome áephyloxera vastairix. 2 



1 Sub-ordera dos Horaopteros. 

2 Acridium migralorium, Orthoptero. 



108 REVISTA BRAZ1LEIRA 

Quando começa a apontar na vida é muito menor do que uma 
pulga e quaai náo se vê. No estado de larva náo chega a medir um 
millimetro, mas a sua còr é já de um amarello vivo como que para 
symbolizar o desespero dos viticultores. No estado de insecto per- 
feito, do tamanho de um millimetro quando muito, mune-se de 
azas, mas de azas trôpegas, nem ousa voar o cobarde. . . e é o 
vento quasi sempre que o transporta a grandes distancias a pra- 
ticar sua obra de destruição. A fêmea põe alguns ovos sobre a folha 
da videira. Ninho fatidico ! Os insectos que surgem desses ovos 
mordem essa folha e gravam como numa pagina do Syllabus a sen- 
tença de condemnaçáo da planta. Um tumor se ergue no limbo 
da folha, é a casa maldita onde cada insecto se agazalha para 
desenvolver-se e constituir família de malvados salteadores dos 
vinhedos. E assim se vão succedendo de par em par milhares de 
insectos, que afinal náo se contentam só com as folhas, descem 
afoutos pelo tronco da videira e vão fixar-se sobre as raizes, que 
náo tardam a devorar. Planchon e Lichtenstein, dous botânicos 
distinct08, asseveram que em três gerações, os ovos contidos em um 
só daquelles ninhos podem produzir oito milhões de indivíduos. 

As plantas são, pois, como as sociedades humanas, sujeitas a 
verdadeiras epidemias, que poderíamos designar pelo neologismo 
epiphytias— . Até de tumores são victimas os vegetaes. 

No género Cynips, 1 os indivíduos femininos (por exemplo os 
da espécie gàUce tindorie), são munidos na parte posterior do abdó- 
men de um aguilhâo em espiral, como se fosse uma verruma muito 
delicada, protegida por duas laminas em que se embainha. Com a 
extremidade deste aguilhâo que é em forma de goteira denteada, o 
animal perfura os diffèrentes órgãos dos vegetaes, sobretudo as 
partes mais tenras como os gomos e as folhas novas, e ahi põe os 
seus ovos. Estes provocam uma irritação no tecido cellular dos 
pontos picados d'onde resulta uma proliferação das cellulas, que dá 
lugar a uma protuberância espherica, tumor duro e lenhoso, compa- / 
ravel até certo ponto aos tumores chirrosos que apparecem nos 
tecidos humanos. Correlativamente com esta alteração orgânica ma- 
nifesta-se uma perturbação funccional nos pontos tumefactos, 



1 Ordem dos Hymenopleros, tribu dos Cynipsianos, que correspondem 
a íam i lia dos Gallinsectos de Latreille. 



FACTOS DA VIDA DOS INSECTOS 109 

caracterizada por unia producção exagerada de tannino. Logo que 
o insecto tem attingido o seu completo desenvolvimento, pratica 
um canal de dentro para fora e vòa a gozar da vida exterior, como 
um feto que se separasse do útero materno . 



Fala-se hoje muito em nevrose. E' a moléstia fin de siècle. Ha 
plantas que soffrem deste mal desde tempos immemoriaes. 

Quem é mais neurasthenica do que a recatada sensitiva, a 
Mimosa pudica dos botânicos ? Ao mais leve contacto, ao menor 
abalo, essa donzella vegetal applica os seus fólios sobre o rachis e 
o peciolo sobre o caule em uma sensação de pudicicia que parece 
um desmaio. Alguns minutos depois, o susto passa e a sensitiva 
recobra o seu porte delgado e elegante. E' que as plantas, si não 
têm como os animaes centros nervosos, gozam de uma irritabilidade 
especial,que permittem sensações vagas inconscientes, que têm feito 
comparar os vegetaes a animaes incompletos. 

O somno das plantas é como que uma confirmação natural desta 
irritabilidade. Assim como o homem, durante _ a noite esquece 
acalentado no seio morno do somno as suas fadigas e penas, 
immerso no silencio ena paz, assim também a população feliz das 
plantas, principalmente certas famílias, como a das Leguminosas, 
dorme a somno solto debaixo da solidão dos céus, esse tecto immenso 
que entorna-lhes a luz e o orvalho, o effluvio vivificador da electri- 
cidade atmospherica e o calor que lhes apressa o crescimento e a 
fecundação. Foi Linnêo quem, ao visitar com um archote as suas 
plantas, surprehendeu-as nesse estado de somnolento collapso e 
roubou á natureza esse segredo como Franklin roubara aos céus o 
raio . 

Qual a causa do phenomeno do somno ? Não é este o lugar" 
próprio para entrarmos nesta indagação. Parece que não é questão 
de simples repouso das fadigas diurnas, porque certas flores como 
as Maravilhas, as Ipomoeas, é durante a noite que expandem as 
suas variegadas corollas, justamente á hora em que as demais flores 
as cerram. 

Eu ouso propor uma explicação nova para o phenomeno, pelo 
menos em relação a um vegetal que sujeitei á minha observação, e 
como factor delle vamos encontrar indivíduos pertencentes á classe 
dos insectos. E' muito commum nos arrabaldes do Rio de Janeiro, 



110 ' REVISTA BRAZILEIRA 

uma planta trepadeira do género Convolwlus ( C. tricolor ), cuja flor 
offerece três círculos, — azul, branco e côr de enxofre, dentro de 
uma corolla em forma de campana, cuja belleza é exquisita. Esta 
planta é muito conhecida em Portugal, tem a alcunha de Bons dias, 
e provavelmente foi importada de lá para o Brazil. Pois bem. Essa 
flor de manhan cedo ostentasse garbosamente expendida aos raios 
do sol nascente. Mas apenas o astro do dia vai descambando do 
seu zenith, ella vai fechando a pouco e pouco a sua ridente corolla. 
Este facto impressionou-me muito, e afim de explical-o parecia-me 
insufficiente a theoria do movimento da terra ou da influencia da 
luz, pois justamente a hora afogueada da mais resplandente luz 
tropical éque a flor escondia os seus encantos. Então me veio ao 
pensamento espiar o que se passava dentro da flor á hora em que 
ella caía em marcescencia. Ora, justamente essa hora observei 
que muitos insectos affluiam a visitar a corolla. Eram Hymenopteros 
da família dos Apideos ( abelhas ). As menores pertenciam á ttibu 
dos Nomadineos, género Melecta. As maiores eram da tribu dos 
Encerineos, género Antophora. 

Esses insectos penetrando no tubo da corolla, cobriam-se do 
pollen das antheras e o espargiam em seguida sobre o estigma. 
Esses insectos iam pois fecundar a flor, servir de intermediário entre 
o s[ órgãos machos e fêmeas, um pouco afastados entre si nessa flor. 
Mas durante esse acto, a flor seresente dessa espécie de profanação, 
a sua irritabilidade se exacerba, e ella como quepossuida de vergo- 
nha, esconde os seus encantos nas dobras da corolla e pende a fronte, 
justamente pela linha que separa o tubo da corolla da porção dila- 
tada em campainha, e os segmentos terminaes se torcem completa- 
mente) semelhando certas flores no estado de prefloraçâo torcida. 

A prova de .que a presença dos insectos é realmente a causa 
do fechamento da flor e do seu languido collapso, é que em dias 
chuvosos eu notei que ella conservava a corolla aberta e yiçosa 
depois da hora psychologica do meio dia,,e isto porque os insectos 
não podiam consummar a sua obra com receio da chuva, e a 
muitos delles vi eu abrigarem-se dentro de casa, esvoaçando nasala 
de jantar, diante da qual em uma grade fronteira se enroscava a 
graciosa convolvulacia, objecto deste estudo . 

As flores de Hibiscus gratidiflvra, muito empregado como arvore 
de sombra, têm a propriedade de caiiem á tarde, dos galhos, 



FACTOS DA VIDA DOS INSECTOS 111 

marchetando o solo de um tapete de corollas amarellas muito 
vistosas. 

Eu creio que o facto se liga também á collaboração de insectos, 
pequenos hemipteros e certas formigas; que tenho surprehendido 
sugando a porção tenra e adocicada que une o pé da corolla ao ovário 
já transformado em fruto. 

Offereço estas observações ao estudo dos naturalistas, acre- 
ditando que muitos phenomenos designados pelos nomes de somno, 
sensibilidade, caducidade, etc. referidos ao acto physiologico da irri- 
tabilidade, não são sinão estados mórbidos, devido ao contacto de 
insectos parasitas, que visitam periodicamente as flores para vários 
fins, entre os quaes o principal é saciar o seu appetite Ou colher ma- 
teriaes para o fabrico das sqas secreções glandulares. 

E com este episodio dou por lindo o meu passeio pelos domínios 
da Entomologia, pedindo desculpa ao leitor si por acaso não soube 
satisfazer a sua curiosa espectativa. 

Dr. Domingos Freire 



GIOVANNINA 



QUADRO OITAVO 

Vai em seu auge o banquete na espaçosa sala de jantar da fazenda. Compôe-se a maior 
parte dos convivas de fazendeiros da vizinhança, — gente singela e intelligente, rostos 
requeimados, m&os calosas, physionomias aberta*, trajos domingueiros e desajeitados. 

Qnasi toda masculina a assembléa. Algumas senhoras, de farfalhantes vestidos elaros, nfto 
sentam -se á mesa. Preferem dirigir de fora o serviço, em continuas idas e vindas á 
cozinha, petiscando aqui e ali. 

Sobre a grossa toalha anilada campêa extraordinária profusão de iguarias, simultaneamente 
ostentada em travessas e terrinas colossaes. Ha alimento para o dobro das pessoas ali 
reunidas : leitões inteiros com o corpo condecorado de rodelas de limão, fixadas por 
meio de palitos; perus, o papo transbordante de farofa; pratos e pratos de arroi de 
forno, pontilhado de azeitonas; hervas a mineira, coroadas de linguiças; lombo de 
porco; quartos de carneiro; enormes empadas trazidas nas próprias caçarolas. 

Os criados, — moleques e crioulas, as carapinhas em pomposos topetes, gyram tontos, em 
jovial azáfama, mal podendo discriminar as ordens e chamados que recebem ao mesmo 
tempo de todos os lados. Corre abundante o vinho de bojudos garrafões. 

Ao lado da mesa principal, estende-se outra carregada unicamente de doces : copioso arsenal 
de compoteiras, bandejas, canequinhas, tigelas, contendo mil delicados productos de as- 
sucar, combinado com ovos, leite, coco, fubá, polvilho, frutas, dispostos em massas 
florejadas, caldas, pyramides elegantes, bolos variegados de uma infinidade de formas e 
tamanhos, pasteis e figurinhas allegoricas. 

Come-se com prodigioso appetite. Cada pessoa tira o que lhe apraz, a vontade, erguendo- se 
constantemente, saindo do seu lugar, gracejando, falando alto, rindo ás gargalhadas. 
Vivas, hips e hurraks estrondeiam de minuto em minuto. Já houve brindes cantados, 
entoando um dos circumstantes coplas allusivas á festa, que os mais secundam em coro. 
Outros, jocosos, emittem por vezes repetidas as primeiras syilabas de um vocábulo es- 
trambótico que os companheiros completam, gritando. Pai Joaquim foi levado bêbedo 
para dentro. 

Reinam a franqueza, a confusão, o alarido, excessiva fartura, absoluta falta de cerimonia 
ou constrangimento, — a alegria sob a sua manifestação mais espontânea e ruidosa 
— algo brutal. 

Na cabeceira, João Carlos, todo de preto e gravata branca, está sentado ao pé de Giovan- 
nlna, toda de branco. Conservam-se graves, tocando apenas nos pratos, a sorrirem 
distraídos, como num sonho, emquanto a elles se dirigem quasi exclusivamente olhares 
e saudações. 

Luigi, de roupa nova em folha, não descança, auxiliando o serviço. Offerece victualhaa e 
vinho a todos os circumstantes, excitado, communicativo, nadando em prazer. 



1 Veja Revista de 1 e 15 de abril, de 1 e 15 de maio, de 1 e 15 de junho 
ede l de julho. 



Um* voz 









Outra voz 
•oz 
voz 
.oz 

Outri voz 

Todo» gritando 

h\ 

Uni con 



Lu. 

Lm. 



O oonv 

Lul 






114 REVJSTA BRAZILEIRA 

Um dos do grupo 
Ainda me parece um romance ! Quem diria que uma italianasinha, 
pobre emigrante, sem nada valer, presidiria esta funcçao como dona 
da casa. 

O vigário 
Bem diz o riffco : casamento e mortalha no céu se talha. 

Outro conviva 
Foi mesmo um romance : acabou em casamento, como todos os ro- 
mances e comedias. 

O promotor 
Do casamento nasce a família e a familia é a base da sociedade. 
Todas as peripécias e aventuras da vida tem por eixo o casamento e a 
familia. 

Outro conviva 
Você disse, coronel, que a italianasinha nada valia. Engana-se. João 
Carlos é um felizardo e um maganão. Repare como está bonita. Na mulher 
a boniteza vale tudo. 

O vigário 
Vale mais a bondade. Mas D. Giovannina reúne os dois predicados. 
E ' a mulher de que João Carlos precisava : tao ponderada, prudente, 
perseverante quanto elle enthusfcsta e temerário um dia, — tímido e des- 
animado no seguinte. 

Outro conviva 
E ninguém poderá affirmar que ella empenhou esforços para que src- 
cedesse o que suecedeu. Ao contrario, esquivou-se quanto ponde. 

O vigário 
E' verdade ! Depois da morte de D . Clara, Giovannina saiu da fazenda, 
decidida a nfto mais voltar. João Carlos correu atraz delia, sem conseguir 
demovel-a. Em casa do Dr. Silva, onde em começo empregou-se, ella es- 
condia-se no intuito de evitar as visitas do rapaz. Ante a insistência deste, 
partiu para a cidade, sem deixar a menor indicação, arriscando-se a morrer 
como os pais. João Carlos que, havia annos, n&o punha o pé na cidade, 
abandonou tudo e foi-lhe a procura. Gastou niezes a descobril-a. Só ao cabo 
de um anno de campanha, depois de tenaz resistência e vencida por ta- 
manhas provas de amor e firmeza, Giovannina assentiu concedendo ao seu 
pretendente a mao de esposa. 

O medico 

Aqui entre nós, reverendíssimo: talvez essa relutância n&o passasse 
de estratagema feminino. As mulheres sao tao ardilosas I 



GIOVANNINA. 115 

O vigário 
Por aquella boto a minha mao no fogo, doutor. Vejam que desaffectada 
simplicidade de maneiras, que modéstia no seu triumpho! Outra qualquer 
estaria doida do orgulho... E si o seu procedimento houvesse obedecido 
a um plano interesseiro, D. Giovannina nâo carecia soffrer tanto e curtir as 
necessidades que curtiu, durante a segunda estada na cidade, pois nao se 
ignora que ella enfeitiçara João Carlos desde o primeiro momento, podendo 
alcançar sem demora o que porventura pretendesse. 

Um conviva 

Apoiado 1 Apoiado I D. Giovannina é a pureza em pessoa. Na sua his- 
toria ha um nobre exemplo. Nao se envergonha de confessar que apanhou 
café ! 

O promotor 

Em todo o caso, ó bem original a nossa terra e está passando por sin- 
gulares transformações. Ha poucos annos pensávamos ser impossível pre- 
scindir do negro e do captiveiro. Quando numa fazenda ousava alguém falar 
em abolição immediata e sem indeninisayao, levava toda a gente as mãos 
à cabeça, bradando : « Deus nos acuda ! Deus nos acuda ! E* a ruina total. 
Nem pensar nisso ! » Veiu o 13 de maio, e, em consciência, cumpre con- 
fessar que o diabo nao se mostrou tao feio quanto se pintava . O lavrador 
dispensou perfeitamente o trabalho servil e o preto dispensou ainda melhor 
a protecção dos donos. Nao acha, coronel? 

O coronel 

A lavoura prospera, r.ao resta duvida. Foi de honteni aquelle regimen 
e parece que vigorou ha séculos 1 As crianças de agora, quando crescerem, 
hfto de custar a acreditar no que lerem ou lhes contarem os velhos acerca 
da escravidão. 

Outro conviva 
E estes estrangeiros ! ? Era começo acreditava-se que eram todos uns 
vadios, uns insubordinados, uns ladrões, incapazes de se acconimodarem 
aos nossos costumes e ao nosso clima, inhabeis para substituírem os negros 
nos serviços da lavoura. Pois, meus senhores, hoje em. certas cidades do 
Brazil ouve-se falar mais italiano do que portuguez e nao ha íazendeiro 
que nao procure emigrantes. Nâo chegam para as encommendas. Que 
venham ! que venham 1 A prova do quanto se mudaram as coisas esta em 
que hoje uma italiana, uma emigrante toma pé nesta fazenda, como pro- 
prietária, unida em matrimonio ao filho de um dos mais antigos lavradores 
da localidade. Que diria o pai de João Carlos, tao autoritário, tão conser- 
vador, tao inimigo de inn ovações, que diria D. Clara, tao cheia de prosapias, 
si assistissem a este espectáculo ? 



116 REVISTA BRAZILEIRA 

Outro conviva 

Não diriam nada. Regosijar-se-iam, como nós. No Brazil não existem 
tradições, nem espirito conservador, nem motivos de prosápia. E' um paiz 
especial, formado de heterogéneos elementos, fadado a raros destinos. Tudo 
se resolve aqui pelo inesperado e pelo imprevisto. Qual o nosso nituro ? 
Haverá curiosas fusões, productos novos e extraordinários. Feliz de quem 
viver d'aqui a cem annos. Será testemunha de maravilhosas scenas. 

Outro conviva 

Mas, ultimamente, o Brazil tem padecido hastante. 

O primeiro conviva 
Expiação talvez por haver tolerado por tão longo prazo o crime da 
escravidão. 

Outro conviva 

Tem você lido, doutor, nos jornaes essas historias de socialismo, anar- 
chismo, attentados medonhos contra pessoas e propriedades ? Parece que 
a Europa inteira anda contaminada. Não se arreceia voee de que com as 
novidades introduzidas entre nós sur>m aqui também taes desgraças ? ! 

O promotor 
Nada receio, pelos menos durante demorado periodo. Na Europa 
provém esses males do excesso da população, defeituosa distribuição de 
riqueza e escassez do trabalho. Transíiram-se para cá os descontentes e 
perseguidos. Aqui, ao inverso do velho mundo, abunda o trabalho, falta 
gente e ainda não se accumularara fortunas colossaes. Nem se hão de 
accumular, graças aos nossos hábitos e ás nossas leis. Eis a solução pro- 
visória do problema social, como o denominam: a emigração. Repleta a 
America, tocará a vez á Africa, depois à Oceania, depois... que sei eu?!... 
Suspeita-se que se estendem mysteriosas regiões habitáveis para além das 
barreiras de gelo dos pólos . . . Solução provisória e imperfeita, digo, como 
todas as soluções humanas. 

Outro conviva 

Eu cá não entendo, nem me preoocnpo dessas coisas. Para mim, o 
mundo se resumo em minha fazenda. Pouco me interessa mesmo o que 
succede em pontos longínquos do Brazil. Aprecio a profissão de lavrador 
porque é a mais independente. Tem seus precalços, tem. Mas o lavrador 
vive tão livre quanto se pôde ser. Nas suas terras o proprietário vale mais 
do que um rei. O que devia institnir-se era cada fazendeiro administrar 
justiça por si, em seus domínios, governando como chefe, pai, ministro de 
Deus, a gente que convivesse com elle, prescindindo de autoridades e regras 
alheias. Quem não approvasse o seu regimen, saísse á cata do melhor. 



GIOVANNINA 117 

O promotor 
compadre quer a reconstituição de uma espécie de novo systema 
feudal. A idéa já tem sido aventada por mais de um pensador. Quem sabe? 
Quanta vez o mundo volta atraz ! 

O medico 
Qual ! Nao nos cancemos em abstracções estéreis. A nossa terra ô 
grande, boa, rica. Aproveitemos a nossa terra. A vida e tâo curta que mal 
dá para se cultivar um cantinho da natureza, quanto mais para architectar 
castellos no futuro ! Cultive cada qual o seu cantinho da melhor maneira, 
— trate do seu jardim, como aconselhava nfto me lembra quem. A natureza 
nao sonha, nem formula projectos. Vai indo tranquilla, passiva, eterna, 
levada das superiores forças inaccessiveis que a regem, — forças a que de 
todo sâo menos que indifferentes os nossos vãos projectos, sonhos, cálculos 
e ambições. 

Outro conviva (gritando da extremidade opposta da mesa) 
Que estão os senhores a matutar, ha cerca de um século, nesse grnpo 
sisudo ! Hoje nao é dia disso. Passa fora ! Abaixo as caras fechadas ! Toca 
a folgar, toca a rir. 

Outro conviva 

Apoiado ! Apoiado ! Ouçam lá: 

Noiva formosa 
Por teu respeito 
Reina a alegria 
No nosso peito. 

Vive ditosa 
Por annos mil 
E muitos filhos 
Dá ao Brazil. 

Outro conviva 
Viva o cravo, viva a rosa, 
Viva o jasmim e a bonina, 
Viva, viva nhô João Carlos 
Viva dona Giovanninal 

Outro conviva 

Yáyá da-me um doce, 
Quem pede sou eu ; 
Yáyá nfto me attende 
Nao quer bem a eu. 



118 REVISTA BRAZILE1RA 

Andorinha, tico, tico, 
Saracura, sabiá, 
Passarinho, bico verde, 
Meu bemzinho hoje aqui está. 

Outro conviva 
Pirolito que bate, bate, 
Pirolito que já bateu, 
Quem gosta de mim é ella, 
Quem gosta delia sou eu. 

Prolcmga-se o banquete indefinidamente, sempre animado e ruidoso. A febre do regosijo 
e uma ponta de vinho produzem excessos; convivas ha que trepam ás cadeiras eá própria 
mesa para propor certos brindes. Quebram outros os copos, depois de beber. 

Fartos da primeira mesa, passam-se á de doces. Nessa, comem de pé, agglomerados, pro- 
vando de todos os manjares, confeiçoados pelas senhoras, que os offerecem e preconizara. 
Erguem -se novas saúdes, ardentemente correspondidas. 

Serve-se, por fim, o café. A assembléa se dispersa pela casa. Fumam os homens fortes 
cigarros. 

Senta-se então á mesa segunda turma de convidados que esperavam por lugar. Satis- 
feita esta segunda turma, vem terceira, e quarta, sem que diminua a prodigalidade dos ali- 
mentos, trazidos da inexgotavel cozinha. Verdadeira multidão se abarrota, dividida em séries, 
até muito tarde. 

Fora, os negros e colonos da fazenda organizaram nos terreiros original i Iluminação de 
lamparinas accesas em cascas de laranjas partidas ao meio. Accenderam também mais longe 
altas fogueiras, onde assam batatas e milho em espigas, e sobre cujas labaredas dfto saltos, 
em apostas de qual attinge maior distancia. Ao som de violas e sanfonas, batucam e cantam . 
Botijas de cachaça andam de mfto em mão. E' um vasto, coro constante de gargalhadas e 
interjeições de prazer. 

Mas a geral alegria parece loucura quando em dois mastros iguaes, arvorados em frente 
da casa, içam ao mesmo tempo a bandeira brasileira e a italiana. Delirante mó de gente 
rodeia os mastros, em acclamações frenéticas, agitando os lenços e os chapéos, batendo 
palmas, saudando João Carlos e Giovannina. Soltam-se foguetes, estouram minas de pólvora, 
repicam sinetas e campanhins. Os noivos apparecem á porta agradecendo, o que redobra o 
enthusiasmo. 

Passa-se assim a noite. E' quasi madrugada. Convivas que moram perto retiram-se a 
cavallo, levando como lembrança da festa embrulhos de doces. Outros, que pernoitam na fa- 
zenda, procuram os seus aposentos onde numerosas camas lembram o dormitório de um 
collegio. Um grupo de rapazes decide nfto se deitar. Persistem na sala e nos terreiros, a 
cantar modinhas e lundus, narrando anecdotas, fumando e bebendo. 

Mas, ponco e pouco, o barulho e a agitação entram a arrefecer. Nas mesas abandonadas 
só restam pratos servidos e garrafas vasias. Agonisam as luminárias. Já se nao sublevam 
as fogueiras em flammas arrojadas, mas escabujam em curtos e rasteiros lampejos de ura 
fogo pallido. Gallos cantam. Baixam do espaço celeste um frescor, um apaziguamento, um 
convite ao repouso suavíssimos. 

Encostada a uma janella do quarto nupcial, Oiovannina immovel fita o firmamento, mar- 
chetado de estreitas, expertas ainda. João Carlos, depois de transmittir as ultimas ordens, 
fecha a porta, approxima-se delia sorrateiro e lhe cinge a cintura. 

João Carlos 

Estás triste, Giovannina ? 

Oiovannina 
Eu ? triste ? ! Temo expirar de jubilo. 



GIOVANNINA 119 

João Carlos 



Em que scismas então ? 



Glovannina 
Em meu desgraçado irmão, em meus pobres pais. Porque motivo elles 
soffreram tanto, ao passo que eu sou t&o venturosa ? 

João Carlos 
Nasceste sob melhores auspícios, ou antes, mais apparelhada para a 
luta. Eras mais forte : venceste. i 

Qiovannina 

Mais forte, eu ? ! Táo fraca. . . Tão miserável. 

João Carlos 
Tinhas a teu favor, em primeiro lugar, a belieza, que é a suprema 
forca. Depois, a calma, a perseverança, a meiguice, tantas outras armas 
infalliveis. . . Com ellas se superam quaesquer obstáculos . 

Qiovannina 
Sois suspeito, meu amável senhor, sois suspeito. Mas enganaes-vos. 
Ha enigmas na sorte dos seres. Porque razão, nascendo todos iguaes, 
emquanto uns padecem o.itros gozam; a uns tudo é fácil, contra outros 
tudo conspira ? 

João Carlos 
Hei de mostrar-teuns livros de sciencia que explicam isso: sobrevi- 
vência dos mais aptos, adaptação ao meio. . . Porém, por Deus. Não é 
hora nem odcasi&o de tratar de taes assumptos. O leito nos chama. Vamos. 

Giovannina 
Perdoe à minha ignorância. Mas os seus livros de sciencia nada ex- 
plicam. Ha sempre um mysterio em nossos fadários. Porque surgem uns 
armados para a luta e outros não ? ! 

Uma estreU a cadente dei inea na amplidão um traço de luz. 

João Carlos 
Paze depressa um voto, Qiovannina. Dizem que feito em presença de 
uma estrella cadente, com certeza se realiza. 

Glovannina 
Tornar-te feliz — eis o meu único voto. 

João Carlos 
Depende somente de ti. 

Giovannina 
Si depender, sel-o-as como mortal algum ainda o foi. 

João Carlos 
E então ? 



120 REVISTA BRAZILE1RA 

Glovannina 
Gualtiero dizia que os antigos consideravam o destino a divindade 
superna, cega e insuperável. Homens e deuses curvavam-se a sua lei. 

João Carlos 
As divindades antigas morreram. Ha quem afflrme que a noção mo- 
derna da lei corresponde à idéa antiga do destino: tudo predeterminado, 
o encadeiamento indissolúvel dos factos, a demarcação indestructivei das 
coisas. As divindades antigas morreram... Subsiste apenas uma, que é 
immortal e de todas as religiões. 

Giovannina 
Qual? 

João Carlos 
E' o Amor, minha amada. E' o Amor que r.os ordena cerremos a janella 
e nos recolhamos. Amas-rae, Giovannina ? ! 

Giovannina 
Amo-te tanto... tanto... que sinto medo ante a immensidade de meu 
amor. Nasci num canto da Itália de propósito para vir te amar. Apezar 
do tempo e da distancia, o primeiro vagido de minh'alma foi um anceio 
inconsciente por ti. 

_^ João Carlos 

*S Vem, minha adorada, minha esposa, meu primeiro, meu único, meu 

infinito amor. Vem. Amemo-nos. . . Amemo-nos. . . Amar é mais que viver. 
Amemo-nos. . . Que vale, que importa o mais ? ! . . . 

Entrelaçados, beijando-se, encamiubam-ae para o leito... 

Novas estrellaa cadentes riscam o firmamento. IVonde vêm ellas? Para onde vfto ? ! 
Germens de astros? Estilhaços de olympicas catastrophes ? Fogos fátuos dos cemitérios 
dos mundos? !... 

Terra, céu, almas, porvir,— mysterio... mysterio... 

FEVI 

Affonso Celso 



CANTORAS DOUTRO TEMPO 1 

ROSINA STOLTZ 



Hl 



O Provisório, obra do constructor Vicente Rodrigues, era situado 
no vasto Campo da Acclamação ou de SanfAnna, com a frente vol- 
tada para o lado da rua do Conde, próximo á face oriental do campo,' 
no espaço que medeiava entre as ruas dos Ciganos, hoje da Consti- 
tuição é do Hospício. A respeito do velho theatro diga melhor que 
nós a autorizada penna de um distincto contemporâneo. « A fronteira 
do edifício consta de três corpos: um central e dois lateraes. O corpo 
central apresenta três portas de arcada divididas por pilastras e que 
dão entrada no saguão ; no segundo pavimento ha quatro janellas 
de peitoril, coroando este corpo um frontão recto ; vê-se no tympano 
uma lyra. Os corpos lateraes mostram duas janellas de peitoril em 
cada pavimento. Um attico occulta ali o telhado do edifício. No 
interior o theatro é vasto e tem largos corredores, uma extensa 
platéa com 248 cadeiras de primeira classe, 443 da segunda e 147 
geraep; quatro ordens de camarotes de segunda ordem, lado direito, 
junto ao proscénio. Ha na primeira ordem dois camarotes que são 
occupados pela guarda de honra do imperador em dias de gala; ha 
um do juiz inspector do theatro. Na primeira e na terceira ordem 
existem toilettes para senhoras. A sala da frente do edifício serve 
para os ensaios, e vô-se ahi um theatrinho, onde a companhia de 



Vide Revista de 1 de julho. 

8 A TOMO vil — 1896 



122 REVISTA BRAZILK1RA 

opera nacional ensaia e representa. Ha no fundo do theatro uma 
casa, que foi construída para sala de pintura. No primeiro pavimento 
desta casa ha duas salas: uma serve de deposito de adornos, a 
outra é uma guarda-roupa , ha também nesse pavimento três grandes 
camarins de primas-donas. A sala de pintura fica no segundo pavi- 
mento. Fazendo symetria com a casa, onde existe a entrada da 
tribuna do imperador ha do lado opposto uma outra casa, que é a 
guarda-roupa dò theatro. > * 

O Provisório, pintado de còr de rosa, em desaccôrdo com as leis 
estheticas, não primava pela riqueza da ornamentação. A sala de 
espectáculo tinha boa acústica. O tecto era cheio de medalhões re- 
presentando Auber, Taglioni, Bibienna, Donizetti, Verdi, Schiller, a 
Cataloni, Servandoni e Mayerbeer ; fora desse circulo, isolado, entre 
palmas e louros, via-se Rossini como príncipe de tantas illustrações. 

Ettes devraient hurler un peu de se trouver ensemble. 

Taglioni, a graciosa rival da Cerrito e de Fanny Essler, a par 
de Donizetti e Verdi ! João Jeronymo Servandoni, pintor e architecto 
do século XVI, alma e braço das festas de Luiz XV, ao lado de Galli 
da Bibienna, celebre pela invenção de machinas theatraes ! 

As portas do Provisório abriram-se pela primeira vez para os 
bailes mascarados (em beneficio do constructor Rodrigues) no 
carnaval de 1852. A 25 de março deste anno, anniversario do jura- 
mento da Constituição do Império, inaugurou-se o theatro, com assis- 
tência dos imperantes, cantando-se a opera Macbeth de Verdi, des- 
empenhados os principaes papeis pela Zecchini e por De Lauro. 

« O theatro, affirmava, logo depois da inauguração, a imprensa 
fluminense por meio de sua mais conspícua voz,é uma obra provisória. 
E' possível que, como todos os nossos provisórios, dure tanto como os 
nossos permanentes ; mas o seu titulo de provisório é quanto basta 
para desculpar a" pouca elegância que presidiu á sua construcçao. > 2 

No Provisório — ament meminisse periti — estreou Rosina Stoltz 
a 12 de junho de 1852. » Representava-se nessa noite a Favorita, 



\ 



1 Moreira de Azevedo, Pequeno Panorama, vol. III, pags. 158 e 
seguintes. 

2 Jornal do Commercio de á9 de março de 1852. 

8 A caipora perseguia o theatro e a artista. No próprio dia da estréa, 
o tenor Labocetta, voltando de bordo de um vapor inglez, quasi se afogou, 
ficando muito contuso. 



CANTORAS DOUTRO TEMPO 123 

em 18 a recita da I a assignatura, com a seguinte distribuição de 
papeis : Leonor de Gusman, Rosina Stoltz ; Ajfonso XI, Ribas; Fer- 
nando, Labocetta; BaUhazar, Fiorito; Ignez, Pinzarroni. 

Immenso e ruidoso o triumpho da Stoltz. O duetto do I o acto — 
Ah ! mio bene un Dio finvia e a immortal cavatina O mio Fernando 
provocaram estrondosas ovações, embora os outros interpretes da 
opera não estivessem na altura da illustre companheira. 

Por occasi&o da estréa de Stoltz, facto extraordinário, aboliu-se 
o uso de não se applaudir dos camarotes. Após o duetto fiual, o enthu- 
siasmo attingiu ás raias do delírio e os inveterados preconceitos 
(oram sem custo esquecidos. * A própria imperatriz, tomando um 
ramilhete, entregou-o á sua dama D. Elisa de Beaurepaire 2 para 
lançal-o aos pés da cantora, sendo logo imitado o exemplo por mui- 
tíssimas senhoras. 

Ha sempre na vida dos que, celebres ou obscuros, pisam em 
palco, constante e temeroso ponto de interrogação : o amanhecer da 
critica. De quantos alados farpões as pennas dos censores podem 
cravar a reputação dos artistas gloriosos e as esperanças dos 
desconhecidos ! 

Mas a critica indígena só teve louvores para a estréa de Rosina 
Stoltz e não foi pouco o incenso que lhe deu em dom. Basta citar 
por extenso um elogio pela regra do ab uno disce omnes. 

« A voz de Madame Stoltz é de grande extensão ; sua tessitura 
vai desde o fá abaixo da pauta, clave de sói, até o si bemol acima da 
pauta da mesma clave. Possue, pois, as melhores notas do soprano 
sfogatto e do contralto. Não é, porém, a sua voz que constitue o seu 
principal merecimento ; é a sua perfeita igualdade, a facilidade com 
que percorre todos os registros, a maneira admirável porque a dirige 
segundo os sentimentos que quer exprimir. Suas notas de peito são 
sonoras, cheias, apaixonadas, e as do registro superior francas, es- 
pontâneas e vibrantes. 



i Correio Mercantil— 14 de junho de 1832. 

2 D. Elisa Francisca de Beaurepaire, dama da imperatriz D. Thereza 
Cb ris tina. Nessa qualidade acompanhou-a de Nápoles ao Brazil vindo à 
bordo da rsquadra ao mando do vice-almirante Theodoro de Beaurepaire. 
D. Elisa casou-se em 1853 com José Maria Pinto Coelho Peixoto de Carvalho, 
secretario da Jegaçào nos Estados-Unidos da America do Norte, deixando 
numerosa descendência. 



124 REVISTA BRAZILEIRA 

O canto de Madame Stoltz é de todas as escolas e não per- 
tence a nenhuma. » 1 

Também o Bio de Janeiro em peso correu a ouvir a Stoltz na 
Favorita. Applaudiam-na todos, velhos e moços, interrompendo-a 
por vezes com apaixonados bravos. O final da opera era sempre uma 
apotheose para a cantora. Apenas Leonor desfallecia expirante, er- 
guia-se a platéa, as senhoras agitavam os lenços, uma chuva de 
ílores caia sobre a Stoltz. 

Como já vão longe essas memoráveis noites na breve noite 
de trinta e quatro annos ! 



Outro grande triumpho da Stoltz na scena do Provisório foi a 
Semiramis 2 cantado a 13 de julho de 1852, desempenhando 
a Stoltz o papel de Arsace e a Candiani o de Semiramis. Augusta 
Candiani recolhera-se havia annos á vida privada ; escripturara-se 
apenas por deferência aos méritos da Stoltz, reservando-se o di- 
reito de sair do Provisório apenas o desembargador Miranda dei- 
xasse a direcção do theatro. 

A Semiramis collocou em pararello duas rivaes. No duetto do 
2 o acto Ebben ateferisci travaram luta as vozes de Stoltz e da 
Candiani : uma forte, apaixonada, senhora de admirável vocali- 
zação, a outra fresca, dúctil e espontânea. 

Ao entrar em scena a Candiani, reinava na sala completo - 
silencio . As glorias da antiga predilecta do publico fluminense 
eclipsavam-se diante das de Stoltz como estreita matutina empalli- 
dece ao nascer do sol. 

Tão immerecida frieza pareceu magoar a Candiani, mas em 
breve o publico sanou a grave injustiça applaudindo-a com en- 
thusiasmo nos dois duettos entre Arsace e Semiramis. 

A Stoltz nfto desprezou nem o talento, nem a voz de Can- 
diani, essa deliciosa voz que, na frase de alguém, era « o sopro 

i Jornal do Commercio. 

2 Opera séria em 2 aelos, libretto de Rossi, musica de Rossini, repre- 
sentada peia primeira vez na Fenice de Veneza (carnaval de \8?3\. 



CANTORAS DOUTRO TEMPO 125 

de uma flauta" tocada por lábios regados de lagrimas. » Esforçou-se 
pelo contrario, por supplantar a emula e collega, apresentando-se 
. riquissimamente vestida, com um traje superior a coçto de réis, 
pelas mitos da modista Madame Siebs. Aliás a Stoltz começava 
a pôr e dispor nò Provisório. Exprobrayam-lhe aos bastidores ter 
feito gastar guarnições e franjas de quarenta mil réis o metro, 
de ouro fino, para o traje de Àrsace. 

Valeu a pena, porém, venceu á Gandiani. Da noite de Se- 
miramis data a almejada e decisiva supremacia de Stoltz no Pro- 
visório* - ' ' 

Insinuante e attraente, embora caprichosa e dominadora, 
buscava a Stoltz captar as sympathias dos collegas da companhia. 
Dois dias depois da estróa, a Stoltz dirigia ao regente do Provi- 
sorio, João Victor Ribas, uma carta de caloroso agradecimento pelo 
muito que elle e a orchestra a haviam coadjuvado. £ na segunda 
representação da Favorita, nao esquecia o pessoal subalterno do 
theatro, mandando dar dinheiro para um refresco aos carpinteiros 
do theatro. Estes, no ultimo ensaio da opera ^ tinham offerecido á 
cantora um lindo rainilhete de cravos. Amor com amor se paga... 

Além disso a Stoltz procurou introduzir-Be no seio da sociedade 
fluminense ; sendo sempre recebida com distincção e apreço já no 
paço de S. Caristovjío, já nos salões dos poderosos da época, já 
nos saraus familiares. Pessoa que viu a Stoltz numa festa em casa 
do coronel António Carneiro Leão, apreciador e generoso amigo 
de quanto artista aportava ao Rio de Janeiro, nos referiu que a 
cantora recusava teimosamente cantar fora do theatro, sem em- 
bargo dos pedidos, rogos, instancias, e promessas nao raro indis- 
cretas. 

Ceder a tantos desejos nao seria lembrar a artista, deixando 
a mulher na penumbra? 

No acervo das amisades de Madame Stoltz no Rio de Janeiro, 
avulta a de Joáo Caetano. JJamUiê ctun grana homme. . . 

Nascera a mutua estima dos dois artistas pelo influxo de 
sentimentos bem alevantados e de ordem superior. Indo a Stoltz 
ao theatro de S. Januário assistir á representação da Dame fie Saint 
Troj>ez, Jo&o Caetano quiz dar-lhe uma prova de entranhada admi- 
ração : offereceu lhe, entre bravos e palmas, uma rica coroa pro- 
ferindo commovido estas singelas frases « Madame, Vartiste brésHim 



126 REVISTA BRAZILEIKA 

a rhonneur de vous offrir cette couronne, à vous toides les honneurs 
de cette soirée. 

A Stoltz, dias depois, retribuiu a fineza presenteando o eminente 
actor com uma cadeia de relógio de pérola e ouro em cujo signal se 
achavam gravadas as palavras — Rosina Stoltz— escrevendo-lhe a 
carta que se segue : 

€ Si fetais dans ma patrie, foffrirais à une des gloires du BrésU, à 
João Caetano dos Santos, une de mes couronnes, bien persuaãeé que tout 
le monde applaudirait à ma pensêe, comme Va fait à la votre, le peuple 
de Rio. Mais loin dê mon pays, je ne puis vous offrir qu'un bien modeste, 
souvenir du plaísir plein d'érnotion, que m'a cause votre beau talent. En 
vous voyant fetais Jieureusc d'entendre autour de moi ce mot égalité, au- 
quel fe vous prie d'ajouter celui de fratwnitê que vous demande.. 

Rosina Stoltz. 

Não se podia ser mais amável. João Caetano, agradecendo o 
presente da cantora, respondeu ao portador delle: 

«Diga a Madame Stoltz que ella é minha bôa fada, o seu mimo 
um talisman, e que serei d' ora avante um artista inspirado. » 

Chama-se pittorescamente a isso rasgar sedas. Dessa data em 
diante estreitaram-se as relações de amizade entre a Stoltz e João 
Caetano a ponto de servirem de padrinhos do casamento da filha de 
Manoel Francisco Tavares, professor de musica. 

Obedeceria a Stoltz ao secreto desígnio de dominar o publico 
fluminense ao distinguir tanto o nosso primeiro actor ? 

Mysterios da consciência. Na platéa de Provisório, porém, no final 
da Favorita, um espectador erguia-se sempre applaudindo mais que 
todos. O admirador sincero de Rosina Stoltz era João Caetano dos 
Santos : o Talma brazileiro! 

ESCRAGNOLLE DÓRIA 

(Continua) 



AGARENO 1 



II 

Nos primeiros dias, abrazado num intenso amor voluptuoso, 
Julião mal se apartava de Corina ; queria-a sempre perto, aconche- 
gada ao seu peito, gozava sentindo-lhe o calor perfumado da pelle 
branca e macia o aroma secco dos cabellos louros que ás vezes, 
voando, lhe roçavam oTosto com uma caricia d'arrepio. De manhan 
desciam juntos, abraçados, iam ver as plantas novas nas banquetas 
ou muito ligados saíam vagarosamente em curtos passeios á praia, 
ao longo do cáes, estendendo os olhos pelo mar, fechado entre 
serras azues, nevoentas, com os vultos negros dos navios immoveis 
ou deslisando suavemente, cheios de fadiga se entravam, cheios de 
saudade se partiam. Em casa, ficando um momento sós na ante- 
sala, sobre o divan ou no gabinete, tornavam docemente ao passado: 
< Gostaste de mim naquella mesma noite? » e ella, languida, aban- 
donada, brincando com as tranças grossas, de olhos baixos: «Sim...» 
elle, então, numa fúria, tomava-lhe a cabeça, punha-lhe na boeca 
húmida um beijo longo, forte, que lhe enrubecia os lábios. 

A casa nova ainda cheirava a tinta, os moveis tinham um 
lustro espelhento e os crystaes sobrecarregavam o guarda-louça 
onde fulgiam peças de prata lavrada; canários trillavam em gaiolas 
de arame dourado e a criadagem, levando a vida mollemente, á 
vontade porque aos patrões mal o tempo chegava para idyllios, can- 
tarolava e ria na cozinha madraçamente. 



i Veja a Revista de 1 de junho e de 1 de julho. 



128 REVISTA BRAZILE1RA 

Si Juliáo saía Corina, levava-o abraçado até a porta, pedindo- 
lhe, com muitos beijos, que não se demorasse e, ao fim do primeiro 
quarto de hora, já anciosa, ia ás janellas, alongava os olhos e, 
mato avistava, ás vezes a descer do bonde, na praia, corria, como 
uma criança, para recebel-o atirando-lhe os braços ao pescoço. Aos 
sabbados appareciam alguns Íntimos para jantar e a lua de mel, 
por compostura, mergulhava sob uma nuvem discreta. O primeiro 
qué batia as palmas, pedindo licença com o seu vozeirão de tor- 
menta era Amâncio Veras, o bom Amâncio, o alegre Amâncio, 
Amâncio, o annunciador. Era um homemzinho grosso, ventrudo, 
vermelho e calvo. Os olhos immensos guardavam eternamente uma 
expressão de espanto, a grande pêra, farta e grisalha que parecia 
lhe nascer dentro da bocca escorrendo-lhe pelo queixo até o botão 
do peito da camisa formava com os bigodes grossos, caidos á 
gauleza, uma espécie de ancora voltada. 

Official aposentado da Secretaria da Marinha vivia dos seus 
vencimentos e mais da renda dumas apólices e de duas casas que 
tinha no Engenho Velho. Celibatário habitava «um ranchinho» em 
Catumby, com uma irman viuva e a sobrinha aleijada. Dum grande 
e exaltado sentimento religioso não perdia a sua missa aos do- 
mingos, cumpria todas as quaresmas e tinha em casa o seu ora- 
tório devoto sempre alumiado. 

«Ha alguma coisa, deixem lá! Ha alguma coisa... Isto não 
se fez assim...» dizia sempre, sentenciosamente, referindo-se ao 
mundo e ás suas maravilhas. Tinha grandes superstições: acre- 
ditava em sonhos e dando-se como vidente affirmava não ter 
jamais annunciado uma coisa que, mais cedo ou mais tarde não 
viesse a realizar- se. «Elle mesmo tinha medo da sua bocca.» 
Dava-se ao spiritismo « para ver » somente ; não ia aos centros, 
em casa, com amigos, fazia as suas experiências e estava con- 
vencido. 

Era o typo accentuado do cerebrino. Nas ruas, caminhando, 
si levava alguma pressa, tinha um meio originalíssimo de adian- 
tar-se sem sentir: ao avistar um transeunte que seguia á dis- 
tancia tranquillamente Amâncio, exaltado, dizia comsigo: «Vou 
apanhal-o antes da esquina...» e amiudava os passos, sofrega- 
mente, sentindo grande allivio e orgulho quando flanqueava o 
caminhante que, sem suspeitar do match ia vagaroso, indifferente, 



\ 
\ 



AGARENO 129 

no seu andar costumeiro. Dava-se mesmo, ás vezes, nomes de 
animaes celebres emprestando ao que se lhe avantajava outros 
nomes de fama no turf. E, no seu intimo, como si houvesse um 
tumulto de sportmen vozes desencontradas proferiam : « Perde ! 
Esse?! até distancia; vais ver. E' questão do jockey...» E lá ia 
Amâncio a grandes passos, suando, esbofando-se e, a medida que 
avançava, redobrava de esforço, em corridinhas e as vozes inte- 
riores a applaudirem:— «Então!? é terrível.» E com que ar trium- 
phante elle se postava na esquina limpando o suor glorioso e ao 
ver o vencido media-o com desprezo, sorrindo. A's vezes, depois 
duma dessas extravagantes apostas deixando um em meio do 
caminho procurava outro á distancia e assim, de victoria em victofia, 
vinha frequentemente da sua casa á cidade, através da soalheira 
do jardim da praça da Republica com a camisa encharcada mas 
satisfeitp e applaudido pelas archibancadas do seu delírio. 

Timido, todavia quando do bonde avistava uma senhora que 
procurava lugar era o primeiro a levantar-se, muito solicito, offe- 
recendo-o : « Tem aqui, minha senhora. Tem aqui. > E saía para 
a plataforma ou ficava no estribo agarrado ao balaustre, muito con- 
tente com o que havia feito. Evitava sempre nos bondes a proxi- 
midade das senhoras mas si durante a viagem succedia embarcar 
alguma sentando-se a seu lado, Amâncio encolhia-se, fechava as 
pernas, guardava as mãos no collo receioso de ter com ella um 
ligeiro contacto que pudesse ser tomado como desrespeito e imàgi- 
ginava escândalos ruidosos, toda a gente indignada a ameaçal-o, a 
vaial-o e elle corrido, innocente, a fugir pelas ruas perseguido 
pela assuada dos moleques.' E as noticias nas folhas, no dia se- 
guinte, toda gente a ler, a conhecer o facto, a commental-o : « Foi 
o Amâncio, o Amâncio Veras. . . E os segredinhos nas casas que 
frequentasse: — «E' este o velho daquelle escândalo no bonde. . . » 
Si dava com alguém a fital-o desconcertava desconfiado de alguma 
coisa — o lenço que lhe sairá do bolso da sobrecasaca, uma nódoa 
feia, alguma pilhéria de amigos e apalpava-se, examinava-se con- 
tendo Ímpetos de perguntar, conl atrevimento: si estava sujo ou 
roto. E falava só, discutia gesticulando, brandindo o guarda-chuva 
e atravessava ruas nessa distracção attraindo olhares, provocando 
sorrisos. De resto excellente alma, caridoso e serviçal, capaz dos 
maiores sacrifícios por um amigo, duma grande e enternecida 

9 tomo vii — ihím; 



xuai 



l*m* 'ic fowt> um do* Mtt •oixmptc- predita* 
coarem o Paraçna y oode isâmi etna Talratario aahaadc 
cantante aa divisam de taaeaSe e ama medalba 4e meti 
m, pnr aewím dàii r, o ptora autfeaatica 4o poeta* c^ 

•-•tn moita* m diftenatrc * er-%?*. ajanianáa aempre 
iim epiaodk» novo era que dte b^u fl^urad 
mento no hnn a^ coobociazn o «lo qual 

: idor fiiria menção bearoea * justa ijaond 
■-iíos memorável* dai arma* bra-. 

occtma 
> #* a faaer o qae cile meãnm chamii - uu saboatina > 

— era a recapitulará" do- 

m mais complicado* tnrídame* da politica 
iam tnndtt 

101 pn 
Maadot**. il^jmrii.iiii, km -i-wriii-í..-, .i imjTenaa, o povo qtie 

i ter protestado contra a u 
nro momeuti > para mm tar pari 

;-*mm.o irar 'ncalhJi < 

alé elle estar 
una eapan tJ tt e a-- 

ninaa*e porque o 



nava mn ma pen 

ima cama, a 

uude < ; 
dava a 
para ai. 



ms W ■ >er: i • hm». N ivndn .i - i\ ..ui iuu-mcm ;»ait* ..- modi 

riauJliee. 






me 

uma 



130 REVISTA BRAZILEIRA 

piedade, posto que fosse um dos, seus assumptos predilectos de 
conversa o Paraguay onde estivera como voluntário ganhando heroi- 
camente as divisas de tenente e uma medalha de mérito militar 
que era, por assim dizer, a prova authentica do poema épico que 
elle contava, em muitas e differentes versões, ajuntando sempre 
um episodio novo em que elle hftvia figurado. Tinha um feri- 
mento no hombro direito que só os Íntimos conheciam e do qual 
«o historiador faria menção honrosa e justa quando se occupasse 
dos feitos memoráveis das anhas brazileiras no Sul;» costumava 
dizer Julião contendo o riso. Mal occupava o seu lugar á mesa 
punha-se a fazer o que elle mesmo chamava: «a sua sabbatina » 

— èra a recapitularão dos factos da semana — desde os desastres 
até os mais complicados incidentes • da politica internacional. As- 
soma va-se, cheio dum grande zelo patriótico, talhando com força 
e fúria o seu roast beef e invectivava os presidente, os ministros, os 
senadores, deputados, os governadores, a imprensa, o povo que 
já deviam ter protestado contra a usura do inglez que só esperava 
um momento para mandar para cá os seus navios como fizera em 
Africa. Roxo, porém, o garfo erguido, os olhos esbugalhados, bramia 

— «que então até elle estaria com os patriotas, velho assim mesmo ; 
sua espada lá estava em casa, era só mandar afial-a e aguçal-a. A 
rainha Victoria que se ninasse porque o Brazil não era para os seus 
beiços, upa! Ainda havia homens...» Tinha dias melancólicos,, 
quando a sobrinha passava mal. « E* uma pena 1 Pobre menina ! 
Moça e atirada numa cama, a bordar letras, sem ver o sol, como 
uma prisioneira. » Lastimava-a, mas a sua alma religiosa resigna- 
va-se: «Que se ha de fazer? é a vontade de Deus. » Era também 
a nuvem única que toldava a alegria expansiva do bom velho que, 
por vezes, para alegrar Corina, punha-se ao piano com os dedos 
muito abertos e duros batendo acompanhamentos para as modinhas 
que cantava «coisas ainda do tempo da guerra.» 

Helvécio Pires e D. Laura eram também frequentes. Helvécio, 
velha amizade de Julião era homem de quarenta e cinco annos, 
claro, duma alvura marmórea, olho3 fundo3, amortecidos, as faces 
cavadas, a fronte alta, raros cabellos grisalhos. Amollentado tinha 
o ar exhausto e melancólico dum enfermo. Caminhava como por 
automatismo, sem vontade, vagaroso, arrastado, a cabeça baixa 
os braços molles ; os bigodes maltratados caiam-lhe flacidamente 



• AGARENO 131 

pelos cantos da bocca, a barba apontava pondo-lhe uma leve sombra 
na face branca. A* meãa falava pouco e o seu sorriso era triste ; 
mal terminava a refeição, quando a fazia, limitando-se, muitas 
vezes, a uma fruta, a um pouco de doce, levantava-se e encolhia-se 
na cadeira de balanço — e as pálpebras se lhe iam fechando, a ca- 
beça tombava lentamente para o hombro, a baba escorria-lhe dá 
bocca e, apezar do vozeirão de Amâncio e das gargalhadas, dormia, 
um somno abandonado de ébrio despertando, de vez em vez, subita- 
mente, como assustado, esfregava os olhos e lentamente, invencivel- 
mente, readormecia, Olhavam-n'0 com pena, mas ninguém ousava 
interromper o seu lethargo para o não ver de mau humoí, deixavam* 
n'o e D. Laura lastimosa, envergonhada, suspirava, encolhendo os 
hombros: «Que havia de fazer? Já tentara tudo — era um caso 
perdido. Para onde ia levava a seringa, eram cinco, seis, oito injec- 
ções por dia ; tinha o corpo todo picado, já lhe haviam apparecido 
furúnculos, erysipelas ; os braços estavam cobertos de escaras. Pro- 
curava illudir-lhe o vicio substituindo a morphina dos vidros por 
agua pura, elle porém, dando pela mystificaçâo, revoltara-se.» E a 
desolada senhora, numa confissão amarga, com os olhos húmidos, 
ajuntava : — « Que até estava se tornando áspero, chegando por vezes, 
á grosseria ; ficava horas a resmungar que ia recolher-se a uma 
Ordem para deixar os outros èm paz, não queria incommodar 
nem envergonhar ninguém ; e tinha frenesis, irritava-se com os cre- 
ados, e sobretudo mal comia alguma coisa ao almoço preferindo 
aos alimentos a injecção terrível. £ era aquillo sempre a dormir : 
em casa, nos bondes, nos theatros, em toda parte ; ella até tinha 
vergonha de sair com elle. E não se preoccupava com a roupa, 
andava sujo, era preciso que ella, todos os dias, antes delle sair, 
foàse examinar os collarinhos, os punhos, obrigando-o ás vezes 
a voltar do portão para mudal-os. O seu grande amigo era o Simas, 
pharmaceutico. Contava-lhe todos os seus segredos, emprestava-lhe 
dinheiro e todos os mezes mandava vir da fazenda mantimentos 
para presenteal-o. Mas o Simas não se negava : sempre prompto, 
como morava quasi defronte, ao primeiro chamado lá vinha elle com 
a seringa e ás vezes, mesmo na sala, diante dos creados, arrega- 
çando-lheamanga da camisa cravava-lhe no braço magro a agulha 
da seringa, pilheriando. » Helvécio, acordando, ás vezes, ouvia as 
queixas da mulher e irritava-se : — «Pois sim, estou me inutilizando 



132 REVISTA BRAZILEIRA 

vou indo para a imbecilidade, mas eu duvido de que muitos dos 
que por ahi falam tenham a cabeça tão segura como a minha. Que 
actos tenho eu praticado que possam ser apontados como os de um 
louco ? Sou o mesmo homem, tenho a perfeita integridade do meu 
espirito. Mo bebo, não fumo ; este é o meu vicio. Também dizem 
que o café é um veneno. Si isto matasse, concluía, eu já aqui não 
estava porque não é de hoje que faço injecções. > Julião dava-lhe 
conselhos, offerecia-lhe leituras para que visse o fim desastroso dos 
morphiomanos, citava-lhe exemplos. Helvebio, sorrindo, respondia 
que estava deixando, já não fazia as injecções como d'antes, eram 
doses medíocres ás quaes addicionava sparteina ; ia deixando pouco 
a pouco . . . e fugia á discussão buscando isolar-se, ficava molle- 
mente, prostrado, os olhos semi-cerrados, numa attitude de demente, 
cabeceando. 

Çassio Mendes, muito escorreito, sempre em roupas que pare- 
ciam ter saido das mãos do alfaiate, rebuscando frases e versos 
clássicos, muito attencioso com as senhoras, a falar em novidades 
literárias e musicaes, citando trechos de operas e romanzas, descre- 
vendo com piedade, á * sobremesa, vidas torturadas de artistas 
celebres, era sócio de uma casa de commissões. Carlos Villas, 
folheando álbuns, trauteando valsas ; Ignezinha, filha do Dr. Amaro, 
uma vivacidade morena, os dentes miúdos, olhos espertos, toda fa- 
ceirice e riso, muito amiga de flores e crianças ; Salustio uma ou 
outra vez e os que appareciam nos dias communs como a baroneza 
que sempre, ao voltar da cidade ou da missa no largo do Machado, 
dava uma chegada para ver « os pombinhos ». Fazia-se musica, 
brincava-se ou ouvia-se, com muita gargalhada, os casos do Para- 
guay contados por Amâncio que atroava a casa imitando o es- 
tridor das batalhas, o toque dos clarins, a grita selvagem dos gua- 
ranys que elle esperava friamente, intrepidamente na ponta da 
sua espada. 

Coelho Netto 

(Continua) 



CONCERTOS 









134 REVISTA BRAZILEIRA 

sonora sobre o systema nervoso. Mencionemos era ultimo lugar, pois é 
o que interessa neste caso, o ultimo aspecto pelo qual podemos consi- 
derar a musica — o lado puramente histórico ; é esse o terreno em que 
pisamos tratando deste concerto. 

A historia faz-se pelos documentos que se colleccionam, se analysam 
e se apreciam. O documento neste caso, é-a composição do autor, inter- 
pretada, e apresentada sob sua fórnn sensível ; é uma porção do tempo 
preenchida por uma corta gradação das vibrações sonoras ; é o ouvido 
affectado de um modo particular. 

O concerto histórico do Sr. Jeronymo de Queiroz considerado pelo 
seu verdadeiro ponto de vista alcançou o escapo almejado peio seu autor ? 

Não. 

Em primeiro lugar era impossivel contemplar em uma única sessão 
musical todos os autores que contribuíram poderosamente para a evo- 
lução da forma musical e enriqueceram o material de expressão da arte, 
mesmo limitada essa investigação histórica a um periodo determinado. 
No programma figuraram Palestrina, Lulli, Coupperin, Scarlatti (Ale- 
xandre e Domenico ), Córelli, Bach. Gluck, Haydn, Mozart, Beethoven, 
Bellini, Chopin, Sehumann, Liszt, Wagner e Carlos Gomes. Esta lista não 
é má, mas tem lacunas imperdoáveis. Além disso, não houve uma orien- 
tação philosophica para a escolha dos trechos de cada um desses autores. 
Não somente notamos o desacerto de se executarem integralmente con- 
certos, symphonias e sonatas diversos, quando deviam dar-se unicamente 
pequenos trechos, mas houve também, por vezes, falta de critério na 
escolha, apresentando-se composições sem caracter que nenhum valor 
histórico representaram no programma. 

Como substitutivo á licção ou conferencia, cuja necessidade era in- 
declinável, foi distribuído um programma explicativo, cuja leitura não 
podia ter outro ílm que o de evocar rapidamente aquelles nomes celebres 
e explicar, ainda que succintamente, o estylo comparado dos differentes 
mestres, creando uma atmosphera especial naquelle recinto para propa- 
gar as frases inspiradas de Bach, de Beethoven, de Hoendel, etc. 

Infelizmente não foi essa a comprehensão que presidiu á confecção 
daquelle programma, cuja leitura não trouxe ao espirito dos espectadores 
um só eco da poesia dos grandes mestres. 



VIANNA DA MOTTA E MOREIRA DE SÁ 

Foi a três do mez corrente que se apresentaram ao publico flumi- 
nense no Theatro Lyrico estes dois artistas. Não eram propriamente 
dois desconhecidos porque os jornaes europeus ha muito tempo nos 



136 REVISTA BRASILEIRA 

dos compositores de sua predilecção, que interpreta com uma elevação e 
com uma delicadeza, que denunciam um espirito habituado á reflexão e 
preparado para a comprehensfto de todas as bellezas e de todas as 
subtilezas da grande arte. 

O successo obtido pelos dois notáveis artistas foi verdadeiramente 
umtriumpho artístico, e o publico victoriou-os com uma espontaneidade 
e um calor que poucas vezes se manifestam com' tanta intensidade. 



CONCERTOS POPULARES 

Não ha duvida que o nosso publico tem feito progressos na sua edu- 
cação musical; concorre aos concertos symphonicos enchendo inteira* 
mente a vasta sala do Theatro Lyrico, e applaude com calor e enthu- 
siasmo quando se executam peças de grande valor, e mediocremente 
naquellas que parecem constar do programma apenas como uma transi- 
gência com os espiritos menos cultos. 

Realízaram-se a 5 e 12 de julho corrente os dois últimos concer- 
tos symphonicos da primeira serie dada pela Associação dos Concertos 
• Populares, e temos apenas espaço para mencionar a profunda impressão 
que nelles fizeram o Primeiro Concerto para piano e orchestra de Liszt, 
brilhantemente executado pelo Sr. Vianna da Motta; o Concerto para 
violino e orchestra de Beethoven, em que o Sr. Moreira de Sá foi de 
uma incrivel correcção; o Conto de Popper e a Dama dos Elfos de F. 
do Nascimento, em que adquiriu foros de artista e de violonoellista de 
valor o Sr. Baptista Martins, alumno do Instituto Nacional de Musica; 
e o Segundo Concerto, para piano e orchestra, de Liszt, vigorosamente 
executado pelo Sr. Jeronymo Queiroz. 

O maior, successo, porém, nestes dois concertos coube ao Sr. Leo- 
poldo Miguez, autor do poema symphonico Parisina, aquella concepção de 
táo inspirada idealidade poética, que o publico applaudiu com enthusiasmo 
nos dois concertos. 

Cantaram nesses concertos a Sra. Adelina Padovani, soprano ligeiro 
da Companhia Tomba, e a Senhorita Camilla da Conceição, alumna do 
Instituto Nacional de Musica, que revelou os seus dotes de boa emissão, 
estylo, e dicção correcta. 

A orchestra, ainda pouco disciplinada e maleável, mostrou todavia 

alguns progressos, que se accentuar&o ainda mais, graças aos esforços 

e competência do director dos concertos e regente maestro Alberto Ne- 

pomuceno. 

Rodrigues Barboza 



BIBLIOGRAPHIA 



68.— Bric-à-Brac por Valentim Magalhães, Laemmert à C, editores, 
Rio de Janeiro e S. Paulo. 



Ha neste livro de contos e fantasias paginas alegres e paginas tristes, 
vividas umas, outras sonhadas, mas respirando todas ellas uma tão doce 
conformidade com as coisas da vida que, apezar da profunda magua que 
ha em algumas narrativas, Velhos sem dono, A cabeça do engraxate, Mor- 
talha heróica, ao terminarmos a leitura nao nos sentimos revoltados contra 
a existência. 

Mas a que vem isto com ares de indagação psychologica, quando bas- 
taria dizer singelamente que o livro agrada pela simples razão de que o 
seu autor é um escriptor, quer -dizer, possue o dom de nos commover, de 
agitar nossa alma/ de nos fazer vibrar até o fundo do nosso ser, ou, quando 
menos, de nos fazer pensar, de nos fazer sorrir. Ter o poder de fazer sentir aos 
outros o que em 6i próprio sente ou crê sentir nfto é exactamente o que dis- 
tingue o escriptor? Imaginem a narrativa minuciosa de um acontecimento 
qualquer, com todos os incidentes e particularidades : o nome, a idade, o 
caracter dos personagens, a deseripeáo rigorosa do lugar, nfto esquecendo 
a verificação do momento preciso em que o facto se deu, si lhe faltar a 
communicabilidade será porventura a obra de um escriptor ? Por forma al- 
guma; ser&, quando muito a obra de um escrivão. Mas em que reside esse 
quid? E* o segredo da arte. Portanto, estávamos dispensados de acres- 
centar mais nada desde que disséssemos que o Bric-à-Brac nos encanta 
necessariamente pela simples razão de ser obra de um escriptor. 

No entretanto a critica tem o dever de investigar os intentos do autor 
e como o Sr. V. M. incluiu no seu livro umas Cartas a uma senhora, em 
que discute com tanta convicção e tão bello espirito, variados problemas 
mor aos, insensivelmente iaraos procurando a psychologia de ura Jivro, que 
afinal de contas não tem outra que não seja a necessidade que tem todo 
o escriptor de produzir em um dado momento nraa pagina literária, obe- 
decendo a um impulso da sua própria natureza. E' a necessidade que tem 
a arvore de produzir o fruto, o ser do produzir um outro ser. 

£ porque não diremos já agora, que aquellas cartas nos agradaram 
acima de tudo, naturalmente porque também padecemos um pouco desse 
vicio de andarmos a olhar para dentro de nós, como si fosse possivel 
observarrao-nos, estando nós no interior de nós mesmos ; si pudéssemos 
estar de fora. . . Philosophia de outra espécie é a que se encerra naquella 
pergunta Para que ? que dá o nome a um dos contos mais graciosos do 
9 A tomo vil — 1896 



138 REVISTA BRAZILE1RA 

livro. Sim, para que ? Ha também boa observação naquelle Dr. BrauUo, 
que todos nós conhecemos. Muitas vezes o temos encontrado na ma, nos 
theatros, nas repartições publicas, nos salões, no parlamento, sempre muito 
considerado, muito acatado, muito procurado para fazer uma perna ao vol- 
tarete ou ao whist em casas de pessoas de tratamento ; mas quando elle 
vira costas o Valentim terá reparado em que os oircumstantes olham todos 
intencionalmente uns para os outros. Ninguém tem que dizer delle, nin- 
guém refere nada em seu desabono, mas cada qual desejaria que outro con- 
tasse deUe alguma coisa, que puzesse para ali tudo quanto cabe... 
Ainda nas mais singelas narrativas como Uma surpreza, Abandono, A casa 
alegre, so revela a maneira fácil do escriptor, que agrada pelo attractivo da 
frase, que conhece bastante a sua língua para tirar delia todos os effeitos 
de que necessita sem rebuscar termos que disfarcem no empollado da forma 
o vasio da idéa. Fecha o livro um cavaco muito interessante intitulado 
Entre amigos. Estes amigos s&o os livros que o A. volve a ver no re- 
gresso da Europa, dirigindo a cada um uma expressão affectutBa de ter- 
nura, como quem sabe quanto lhes deve.— Silva Ramos. 



60. — Revista Geral doa Trabalhos da Commlssao Construetora da 
Nova Capital, Minas Gera es, publicação periódica, descriptiva e estatística sob a 
direoofto do Engenbeiro-Chefe Dr. Francisco Biealho. II, Fevereiro de 1896, H. Lombaerts, 
Bio de Janeiro. 



Quasi a quarta parte do presente volume é occupada pela Exposição 
apresentada ao governo do Estado de Minas pelo Dr. Aarão Reis por occa- 
siáo de deixar o lugar de engenheiro-chefe. Esto resumo dos trabalhos exe- 
cutados sob a direcção desse engenheiro já é conhecido, pois foi isolada- 
mente publicado sem discrepância alguma e até com a mesma impressão. 
Julgamos todavia de nosso dever notar que considerando os trabalhos 
topographioos, 2 a secção da 4 a divisão, « verdadeiro tour de force pela 
presteza e precisão », com medidas tomadas « por meio de fitas de aço 
aferidas e collocadas sobre cavalletes de madeira e esticadas á dynamo- 
metro até uma press&o constante, sendo sempre cuidadosamente nivelados 
os seus extremos para reduoçáo das medidas ao horizonte » (pag. 15) apre- 
senta entretanto erros de V a ** e mesmo 2 aim por metro de medição (pag. 13), 
que por certo não attingem a preconisada precisão. 

Depara-se-nos em seguida a tabeliã de reducçáo de distancias ao ho- 
rizonte calculada sob a inlelligente direcção do engenheiro Adolpho Pe- 
reira, trabalho de valor inestimável pela economia de tempo que vai pro- 
duzir áquelles que no futuro emprehen derem serviços do mesmo gé- 
nero. Desoriptos dosde o seu inicio com o reconhecimento do terreno até 
a parte ultima do calculo dos triângulos apresenta o Dr. Raja Gabaglia os 
trabalhos da triangulação que muito bem denomina topographica. Em ex- 
posição Incida e minuciosa dá-nos o conhecimento dó processo empregado 
na medição da base, as razões que fizeram adoptar a repetição na medida 
dos ângulos, estuda dois processos para a correcção dos ângulos e apre- 
senta em quatorze annexos os resultados da medição da base e dos cál- 
culos dos triângulos pelos dois já citados methodos. 

As ultimas paginas da Revista são occupadas pelas Indicações Geraes 
para servirem de base á organização do projecto de esgotos, que o autor en- 
genheiro César de Campos orthographa exgotos e, com a analyse, das 
aguas realizada em Ouro-Preto pelo Dr. Paula Oliveira. Intercalados no 



BIBL10GRAPHIÁ 139 

presente numero encontramos em boa lithographia a planta geral da fu- 
tura cidade e a planta topographica, geodésica e cadastral dos terrenos 
em que acará assente a mineira La Plata.— Veríssimo Rebouças. 



70. — Decompoalfion of Rocks In Brazil by John C. Branner. Bnlletin of the 
Geological Bocíety of America, voL 7, pp. 255—414, com 6 estampai. 



Nesta memoria lida perante a Sociedade Geológica da America na 
sua sessão de 22 de agosto de 1895, o A. reúne grande cópia de infor- 
mações espalhadas na literatura sobre o Brazil com muitas observações 
próprias relativas á profunda decomposição das rochas brazileiras. Depois 
de citar grande numero de exemplos em prova da profundidade e gene- 
ralidade do phenomeno, o A. discute com grande proficiência o pheno- 
meno de exfoliação a que se devem as formas características dos rochedos 
despidos de vegetação e de uma coberta terrosa que ornam a vizinhança 
do Rio de Janeiro e grande parte da Serra do Mar, sendo esta parte da 
memoria acompanhada por magnificas figuras, reproduzidas de photogra- 
phias de alguns dos mais notáveis destes rochedos como o Pao de As- 
sucar, Corcovado, Gávea, os picos da serra dos Orgâos, etc. Para ex- 
plicar a profundidade e a generalidade da decomposição das rochas, o A. 
desenvolve a theorla de Hartt que o attribue em grande parte á, presença 
nas aguas inflltrantes de quantidades excessivas de acido carbónico deri- 
vado da decomposição dos detrictos, vegetaes das luxuriantes florestas, que 
por sua vez depende das copiosas chuvas tropicaes. A esta causa acres- 
centa-se tuna outra, igualmente de origem biológica, isto ó, os ácidos 
orgânicos derivados das operações subterrâneas dos animaes perfurado- 
res, principalmente as formigas e térmites, sobre as quaes reúne uma 
porção de notas e informações interessantes sem comtudo deixar clara- 
mente demonstrada a importância geológica destas operações fora da 
capa superficial, já terrosa em virtude da decomposição que as an- 
tedata. 

Náo obstante a autoridade dos autores citados em apoio da these 
principal desta memoria, isto é, o caracter excepcional do phenomeno de 
decomposição nas rochas brazileiras, esta these náo se acha estabelecida 
de modo incontestável. Nas comparações feitas com outras regiões n&o se 
tem tomado na devida consideração ao que parece, certos elementos do 
problema que não podem ser desprezados. Dois dos autores que trataram 
do assumpto, A gassiz e Hartt, acreditaram na glaciação do Brazil e fazendo 
a comparação com regiões em que os productos de decomposição ante- 
riores à época glacial tinham sido arrastados pelo golo, acharam exce- 
cessiva a decomposição effectuada no Brazil no espaço de tempo relativa- 
mente curto entre aquella época e a actual. Para os que não aceitam a 
hypothese da glaciação do Brazil, o tempo para a accumulaçáo da capa de 
materiaes decompostos é praticamente iílimitado, e por consequência a 
espessura que attinge e6ta capa deve ser menos surprehendente. 

Um outro factor importante que não tem recebido a devida attenção ó 
a differença em susceptibilidade de decomposição das diversas rochas e 
mesmo das diversas partes de um massiço composto de uma rocha, em 
virtude de differenças na composição chimica, na textura intima e na es- 
tructura geológica. A própria região do Rio de Janeiro offerece notáveis 
exemplos desta differença de susceptibilidade apresentando debaixo das 
mesmas condições de clima e de revestimento florestal massiços bem con- 
servados e outros profundamente decompostos. 



140 REVISTA BRAZHjEIRA 

Com referencia a suppoBta influencia das matas sobre a decomposição 
das rochas pode-se citar desta própria memoria notáveis exemplos de pro- 
funda decomposição na região campestre, que obrigaram os advogados da 
hypothese aqui discutida a recorrer a uma outra hypothese, de ama dis- 
tribuição antiga dé matas e campos differente da actual. 

A controvérsia que' muito provavelmente será despertada pela memo- 
ria em questão versará sobre uma comparação mais rigorosa de qne se 
tem feito até hoje de massas rochosas decompostas debaixo de diversas 
condições climatológicas e biologioas,tomando-sena'devida conta as condi- 
ções de susceptibilidade inherentes nas rochas por si. A contribui- 
ção para este estudo comparativo feito pelo Dr. Branner é extremamnte 
importante por fornecer dados positivos e ponderáveis em substiuiçâo as 
afirmações vagas que davam uma idéa exagerada da estensfio do phe- 
nomeno na zona tropical — O. A. D. 



71. — Vinte e um mezes no redor do Planeta . Deacripçfio da viagem de clrena- 
navegaç&o do cruaador « Almirante Barroso » por Custodio de Mello, Bio de Janeiro 
Canha & Irmão, editores, 1896, in-8* gr., 412 paga. 

Ao contrario do qne poderia fazer snppor o titulo, este volume não 
é nma obra literária, um livro de viagens, mas antes um relatório, como 
que o « livro de bordo » a que o A., commandante daquelle vaso de 
guerra durante a viagem descripta, acrescentou algumas, noticias por 
ventura dispensáveis sinão inopportunas em tal livro e jnntou algumas 
considerações, acaso nelle menos pertinentes. Estylo, linguagem, econo- 
mia do livro são os próprios e convenientes a taes documentos marítimos, 
assim o que o torna útil e estimável para os proflssionaes fal-o menos bem 
vindo aos que o nao sao. Como um relatório de viagem, parece-nos pos- 
suir as qualidades de exactidão, precisão e minuciosidade que em taes 
peças se deve oficialmente exigir, como obra literária, o que me parece 
nao tem a pretençâo de ser, deixa muito a desejar. A observação é em 
geral superficial, o estylo vulgar e frouxo, a linguagem frequentemente 
incorrecta, sendo que quando se eleva a certas considerações tem frases 
destas : « naquella região (o Chile) onde ha tantos annos frondeja pleno 
de viço o baobab da democracia, a cuja sombra etc. » A pag. 152. in- 
forma-nos o A., seguramente por engano, que um naufrágio em 1542 ati- 
rou às costas do Japão um portuguez Fernando Mendes Nunes : é Fernão 
Mendes Pinto que se deve ler.— J. V. 

LIVROS E FOLHETOS 

As Semi Virgens, por Mareei Prevost, traducção brazileira, com um 
prefacio por Escragnolle Dória, Laemraert & C, editores ; Rio de Janeiro e 
S.Paulo, 1896, in-8', XV~432pags. 

Este livro é mais immoral emais obsceno que quantos produziu o natura* 
lismo zolista; mas como foi escripto sem a sinceridade forte e san da obra do 
mestre de Medan e dos seus melhores discipulos, passou incólume, si não 
bem vindo, bpruderie da critica e do gosto francez. Podia, entretanto, ter a 
epigraphe de «leitura para homens» — que os editores, do original e da pre- 
sente traducção, talvez lhe não puzessem por um escrúpulo de probidade 
commercial— para o não fazerem demasiado procurado.Livros taes entretanto 
podem ser úteis, pela sua acção demolidora da sociedade que descrevem. 
A traducção não é, infolizmente lidimamente vernácula. 



BIBLIOGRAPHIA 141 

HoMEsmsAD, por Arjstides Araújo Maia, Rio de Janeiro, 1896, in-8' 
23 pags.— E* a vulgarização, feita primeiro em artigos do Estado de Minas 
de Ouro Preto da instituição americana conhecida com aquelle nome. 

Elogio histórico de Pasteur, lido na sessão solemne da Academia 
Nacional de Medicina pelo Dr. Silva Araújo, Rio de Janeiro, 48 pags. 

O Café, Esboço monographico sobre sua origem, cultura, usos, di- 
etéticos, etc, pelo padre Araújo Marcondes, S. Paulo, 1896.. VII— 100 pags, 

A Revolução de Cuba. Notas e apontamentos por Um Republicano, 
S. Paulo, Luciano de Magalhães, editor, 92 pags. 

Origens republicanas do Bbazel antes do XIX século pelo Dr. Do- 
mingos Jaguaribe, S. Paulo, 1895, 123 pags. 

Catecbibmo municipal, propaganda em favor da autonomia dos muni- 
cípios, pelo Dr. Domingos Jaguaribe, S. Paulo, 1896, 79 pags. 

Vagas, poesias por Sabino Baptista, deará, Padaria Espiritual, editora, 
1896, 110 pags. 

Lampejos, poesias por Pedro de Mello, S. Paulo, 1896, 201 pags. 

Paginas Tímidas (Contos e Escriptos), por Nelson de Senna. 

A modéstia do presente titulo desarmaria a critica exigente si a obra 
de si offereoesse matéria por onde ella pudesse exercer-se; mas a ver- 
dade é que excepção feita de duas historietas intituladas Aracy e O Ana- 
choreta de Santo Elias com que abre e fecha a parte do livro Contos, 
nao desprovidas de encanto e que mostram que seu autor sabe contar, 
nao offerecem aquellas paginas terreno consistente por onde a analyse 
discorra. 

Ha neste livro verduras próprias de principiante manifestadas no 
emprego de francezismos nem expressivos nem necessários, como «a 
animalidade da revancte» «espionando aquella amourette» no descuido 
das formas grammaticaes como « os fulgidos candelabros sustiam as 
niveas e grossas velas», em inversões rebuscadas como «salão feérico de 
luzes e de orientaes tapetes alcatifado», «cuja heráldica prosápia de recen- 
tíssima época vem datada», «vastas salas de amplas mesas enfeitadas.» 
Paginas timidas, emflm; no entretanto nao nos parece temeridade affirmar 
que, quem ainda nao tendo vinte annos sabe registrar as suas impressões 
pelo modo attraente por que o faz o A. as duas narrativas acima 
citadas, nao tardará, uma vez que cultive o seu espirito, a merecer o 
nome de escriptor. 



144 REVISTA BRAZILEIRA 

A nossa posição relativamente á Inglaterra é muito delicada, 
para que lhe possamos fazer qualquer concessão, que pareceria 
sempre um acto de fraqueza, e o modo por que a ilha foi tomada, e 
o fim para que se fez a occupaçáo, para servir a um interesse par- 
ticular, tornam absolutamente impossível qualquer condescen- 
dência nesse terreno. 

Acresce a circumstancia de ter o governo braziieiro com- 
promissos anteriores em relação ao serviço telegraphico trans- 
atlântico e mais ainda o de ser o projectado cabo abertamente con- 
trario aos nossos interesses. Basta dizer que, si o governo per- 
mittisse o aterramento de um cabo telegraphico na ilha da Trindade, 
a centenas de léguas da nossa costa, a fiscalização dos teiegrammas 
seria dificílima e em caso de guerra esse cabo poderia ser uma 
arma poderosa contra nós. 

Mesmo, pois, que o governo inglez em vez de apossar-se da 
ilha como fez, com menosprezo de todas as formalidades exigidas 
pelo direito internacional moderno, tivesse pedido a autorização 
ao nosso, antes de qualquer conflicto, na plenitude das boas re- 
lações que mantinhamos, o nosso governo teria todas as razões 
para recusar essa autorização. Ora, aquillo que o nosso governo 
não poderia conceder, em circumstancias normaes, por ser uma 
cousa má c em si >, com maioria de razão o não pôde conceder 
quando para o obter uma nação forte emprega processos que o di- 
reito repelle e a justiça condemna. 

O voto de quarenta e tantos senhores deputados não basta para 
que no Congresso passe a medida radical que elle propoz, mas afigu- 
ra-se-nos mais que .suficiente para despertar a attenção do governo 
para a fadiga que no espirito publico está produzindo esta desgra- 
çada questão. Temos além dessa, outras questões diplomáticas, e o 
primeiro passo dado em uma, no sentido da fraqueza, pôde com- 
prometter singularmente a solução das outras. 

As nações fracas têm sempre uma força, a consciência do 
seu direito, e o firme propósito de não consentir que lh'o desres- 
peitem. Perdas materiaes importam muito menos que a perda do 
prestigio; aquellas recuperam-se, este custa muito a readquirir-se, 
uma vez perdido. 

Ferreira de Araújo 



II 



■■nW 






























>TA BRAZ 



06 fiaqoa- 

sem aspira Q dfv 
meaie n&< 

•i no rainist a sejam ndi 






de aHiii«. 












i da* 

i 









t« a for 



•ma 






148 REVISTA BRAZILEIRA 

do conservador, a luta contra « a facção aulica » ; do liberal, os 
seus dois appellos, em 1842 e 1848, da dissolução para ft revolta. 
Nem Paraná teria sido o homem escolhido pelo Imperador para 
realizar esse pensamento occulto da corrupção dos partidos, 1 
nem elles teriam aceitado conciliação si ella não lhes fosse imposta 
pelo espirito publico, ou, como Paraná tão bem o definiu, pelo estado 
em que se achava a sociedade. Os testemunhos da época são unanimes 
a favor da concórdia, do congraçamento, em vão desejado desde 
1831. Salles Torres-Homem descreveu em 1857, como se figurava 
ao espirito contemporâneo, esse período de descanço politico: 
« Entre a decadência dos partidos velhos que acabaram seu tempo 
e o apparecimento dos partidos novos a quem o porvir pertence, virá 
assim interpôr-se uma época sem physionomia, sem emoções, sem 
crenças enthusjasticas, mas que terá a inapreciável vantagem de 
romper a continuidade da cadeia de tradições funestas e de favore- 
cer pela sua calma e por seu silencio o trabalho interior de reorga- 
nização administrativa e industrial do paiz.» « Todos os povos, con- 
tinuava elle, ainda os mais cheios de seiva e de vigor precisam 
desta intermittencia na sua actividade politica para reparar e fortifi- 
car os outros elementos de sua vitalidade. Ás nações novas, que 
como o Brazil, ainda não firmaram de todo os alicerces de sua civi- 
lização, necessitam mais que outras dessas paradas, e não podem 
desperdiçar suas forças vivas em lutas incessantes e estéreis sem 
exporem-se aos effeitOB de uma caducidade prematura.» (Sessão de 
12 de junho de 1857). 



* conselheiro João Alfredo possue uma carta intima do Imperador, 
^dirigida a um dos seus amigos mais dedicados e homem politico conhecido, 
então em viagem na Europa. Nessa carta escripta na expansão da mais 
segura amizade o Imperador defende-se da accusação de pretender desmo- 
railsar os homens e annullar os partidos, accusação que se renovou durante 
todo o reinado : a A impaciência de alguns leva-os a attribuirme o desejo de 
aniquilar os partidos e seus homens mais importantes ; mas como poderia 
eu sem elles dirigir o governo ? A minha acção sempre a tenho procurado 
conservar nos limites de simplesmente moderadora e não é ella assim útil 
aos partidos? Talvez que não careçam delia c muito estimarei que tal 
succeda e o partido no poder respeite sempre os direitos da o p posição e 
este só procure derribar o outro combatendo conscienciosamente seus erros 
perante a opinião publica. Meu amor á Constituição c caracter não ambicioso 
assim como 26 annos de experiência creio que não me terão deixado illudir 
no que digo. » 



O MINISTÉRIO PARANÁ 149 

Que a conciliação teve todo o assentimento do Imperador e 
que foi com verdade qualificada de pensamento augusto pelo mar- 
quez de Olinda, não é ponto duvidoso. O Imperador era por 
assim dizer a única pessoa no Império que conhecia a verdade 
inteira sobre as disposições reciprocas dos partidos, porque ora 
governava com um, ora com outro. De ninguém a força destru- 
ctiva, a intolerância, a perseguição implaòavel do vandalismo 
partidário era tão sabida como delle. Por isso era natural que 
desejasse alguma moderação, alguma medida de justiça nas re- 
lações dos partidos; que abandonassem a paixão do extermínio 
reciproco. Nada, porém, é mais diffioil do que pôr em pratica 
uma nova politica de que se traçou a linha geral ; em primeiro 
lugar cada um a entende a seu modo, em segundo lugar a nova 
opinião que se forma tem muito mais força do que os que a 
crearam. Com a conciliação viu-se uma e outra coisa: não só 
ella foi uma palavra que teve tantos sentidos differentes quantos 
os interpretes, como também determinou, pelo encontro ines- 
perado e confusão dos antigos partidos, uma babel em que nin- 
guém se entendia. Com tudo isso foi visivelmente uma época de 
renascimento, de expansão, de recomeço, em que se renovou o 
antigo systema politico decrépito, em que se creou o apparelho 
moderno de governo, e se dilatou ostensivamente, não para a 
classe politica somente, mas para todas as classes, o horizonte 
que as comprimia. 

O novo presidente do conselho era nesse tempo o homem 
politico de maior ascendente no paiz. Da sua categoria só restava 
Olinda, o qual, si tinha uma intelligencia superior a Paraná, não 
tinha as suas qualidades de domínio e tinha o espirito muito 
mais estreito, de facto opposto a formas e idéas novas. Com 
uma intelligencia naturalmente prompta e perspicaz, Paraná era 
dotado de raro tino politico, de uma disposição pratica e positiva 
que lhe fazia observar friamente os homens e accumular as pe- 
quenas observações de cada dia, de preferencia a procurar idéas 
geraes, princípios syntheticos de politica. Elle deixava a outros 
a historia, a imaginação, a sciencia, os livros, e contentava-se 
em trabalhar com a sua simples ferramenta, que não era outra 
coisa mais do que a cautela, o bom senso, a penetração mi- 
neira aperfeiçoada por uma longa experiência dos altos negócios 



150 REVISTA BRA21LE1RA 

e trato dos homens notáveis do paiz. Havia n'elle um certo 
desdém pela natureza, em geral, dos politicoâ; era um conhe- 
cedor de caracteres, e por isso não tomava os homens pelo que 
elles mesmos pretendiam valer, mas sempre com grande des- 
conto. Viera da Regência e da Maioridade com uma grande 
reputação de energia que a sua scena com o Imperador em 1844 
ainda mais augmentara. Durante os annos da opposição os seus 
golpes tinham chegado até á coroa que elle tratara mesmo com 
sobranceria. 

A união de Paraná com Vasconcellos fora uma convergência 
de forças rara em politica, dessas que armam a direcção de 
um partido de todas as qualidades precisas para a luta. Entre 
elles é que se divide a responsabilidade, ainda que o estylo 
literário pareça ser de terceiro, do opúsculo A dissolução do 
gabinete de 5 de maio e a facção aidica, que o paiz todo tomou 
como um desafio á coroa pela « olygarchia do senado. > Os 
chefes colligados tratavam o eleitor dos ministros como o prisio- 
neiro da Constituição e a sua força era tão real que este não 
pensava em affrontal-os. Com a subida do partido conservador 
em 1848 o resentimento do Imperador estava ainda demasiado vivo 
para entregar a Honório a successão de Paula Souza ; o seu par- 
tido, porém, não podia dispensal-o, e sem fazer parte do ga- 
binete elle foi o director da nova situação. No ministério de 29 de 
setembro, duas vezes os ministros pediram-lhe que os auxiliasse 
em commissões difficeis, primeiro a presidência de Pernambuco, 
depois a missão ao Rio da Prata. Em ambas Honório revelou a 
sua indole imperiosa, a sua resolução prompta, a sua intuição 
de estadista, mas também as suas deficiências, que consistiam 
em acreditar demasiado em si e tomar as suas imposições como 
soluções definitivas. A mão era forte, mas o tacto nem sempre 
era perfeito; faltava-lhe em habilidade o que lhe sobrava em 
energia; sabia destruir as resistências, melhor do que as sabia 
desfazer. Assim, por exemplo, com maior flexibilidade e paciên- 
cia, menos « pouco caso », é a expressão, elle teria talvez 
conseguido em Pernambuco evitar a segunda revolta de setembro 
de 1849 e em Montevideo impedir o triumpho deOribe. A má- 
xima de César, o nU actum reputans si quià super esset agendum, 
não era de certo a sua; elle dava por completa a victoria desde 



U MINISTÉRIO PARANÁ 151 

que o inimigo fraqueava, não se preoccupava com dificuldades 
secundarias nem com pequenos adversários. 

Algumas de suas qualidades politicas eram de primeira 
ordem: assim, possuía a mais varonil de todas, a força de sepa- 
rar-se de seus amigos no momento em que elles iam realizar um 
grande plano que elle autorizara, mas que depois se lhe figurava 
prejudicial, como o capitão que repentinamente muda de rumo 
no meio de uma manobra difficil por ter descoberto o perigo 
em frente. Revelou esse poder sobre si mesmo em mais de 
uma occasiao, em 1840, em 1844, em 1853, de modo notável no 
golpe de Estado de 30 de julho ( 1832 ) que a sua defecção no 
próprio campo de batalha inutilizou. A essa resolução, que se 
pôde bem chamar a integridade do instincto politico, alliava outra 
qualidade superior: a de não ambicionar o poder, si outros no 
governo podiam fazer mais do que elle, ou si os podia melhor 
ajudar de fora. Havia nesse seu procedimento, que foi o de 1837, 
o de 1841, o de 1848, o cunho da mais altiva e legitima am- 
bição, mas também revelava-se em grau não menor espirito 
publico, lealdade pessoal, generosidade e desinteresse. 

Honório, como se vô, era feito não somente para dominar, 
mas também para dirigir. O seu espirito pratico deixou-se se- 
duzir na ultima phase por idéas de progresso e melhoramentos, 
a que, entretanto, a escola financeira em que se criara lhe 
fazia sempre oppôr a preliminar da economia. Nabuco, por exem- 
plo, parecia-lhe um ministro gastador; a todas as reformas e 
idéas deste aquelle objecta sempre o calculo do que ellas podem 
custar. Assim também esse estadista, a quem coube presidir um 
gabinete reformista, si jamais houve, que foi o verdadeiro des- 
truidor da antiga olygarchia saquarema de que fizera parte, o 
creador da situação de que saiu a fusão dos partidos e, portanto, 
toda a vida ulterior do nosso systema politico, mostrar-se-á 
sempre eivado de velhos preconceitos contra o espirito de re- 
forma e será de alguma forma o primeiro vencido da sua pró- 
pria victoria. Não é só em relação ás reformas de Nabuco que 
isso se dá; na própria lei dos círculos o discurso de Eusébio 
lhe causará, ao mesmo tempo que irritação, a mais perturba- 
dora admiração; em ninguém as prophecias e lamentações do 
velho espirito conservador diante da novidade de eleitorados 



152 REVISTA BRAZ1LEIRA 

independentes produziram ao cair dos lábios de Eusébio tão 
forte abalo como no do próprio autor da reforma. * 

Os collegas de Honório eram todos, como vimos, homens novos, 
excepto Limpo de Abreu, já então saciado e desligado da politica, 
sceptico a respeito dos homens, quasi um mero espectador dos par- 
tidos. Pedreira, ministro do Império, trazia da presidência do Rio de 
Janeiro a reputação de um espirito innovador, ancioso por intro- 
duzir em nosso paiz os grandes melhoramentos modernos ; fora elle 
que contratara a primeira estrada de ferro do Império, a pequena 
linha de Mauá á raiz da serra de Petrópolis. Era um administrador 
de uma mobilidade infatigável, que mexia em tudo e entendia de 
tudo, reformador de instincto. Apezar de possuir grande abun- 
dância de expressão e clareza de idéas, tinha um medo invencível 
da tribuna e para obrigal-o a tomar a palavra os collegas recorriam 
a toda a espécie de ardis. 2 Sem paixão partidária, evitando 
eomprometter-se e ser falado tanto como falar, não era de certo 
um temperamento politico. Era um desses homens que vivem na 
politica como no melhor club do paiz, a quem só a politica interessa 
e distrai, mas que não foram feitos para as lutas quô ella impõe, 
parecidos com os frequentadores de camarins, que não podem viver 
sinão na atmosphera dos bastidores, na companhia dos actores e 
actrizes da moda, mas que nem por isso sentem a menor disposição 
para o palco. A sua verdadeira posição seria a de um administrador 
que dispuzesse de amplos meios e de um pessoal incançavel em 
redor de si, ou de um consultor geral do Estado, dispensado de 
residência fixa. Com effeito uma singularidade de Pedreira era a 



1 O visconde do Rio Branco referia que nunca vira Paraná tâo abalado 
como depois do celebre discurso de Eusébio ; a cuda instante repelia : 
« Aquelle diabo falou muito bem », e mostrava duvida de que a verdade 
politica estivesse do lado do governo. 

2 «O Sr. ministro do Império explicará», dizia ás vezes Nabuco, obri- 
gando-o assim a apparecer na tribuna. «Tem a palavra o Sr. ministro do Im- 
pério », annunciava o Presidente da Camará a quem algum ministro mandara 
falar em nome d«f Pedreira. Pedreira tinha expedientes promptos: Uma vez 
Paraná ia levantando um grande tumulto por ter deixado escapar, em uma 
resposta a um deputado da Parahyba, a palavra desaforo. Pedreira interveio, 
porém, a tempo com este aparte: « O que o Sr. Presidente do Conselho diz 
é que foi um desafogo do nobre deputado. » 



O MINISTÉRIO PARANÁ 153 

ubiquidade ou melhor o seu constante alibi de residência, o prazer 
de esconder-se para trabalhar em solidões pittorescas e longínquas, 
sendo talvez a sua favorita a da Bôa- Vista na Tijuca. Conta-se que 
ás vezes chegava a tomar um escaler no Arsenal de Marinha para 
despachar as pastas ministeriaes no silencio da bahia. Dever-se-ia 
lastimar, tratando -se de uma natureza assim tão precisada de 
actividade e movimento, que tivesse vindo antes da época do 
velocípede e do telephone, si não fosse a consolação para elle, tão 
amigo de isolar-se, de ter vivido quando ainda era possível um <Bom 
Retiro » na vizinhança da cidade. Pedreira era um homem sempre 
apressado. A julgar pelas cartas que diariamente escrevia a Nabuco 
seria preciso um gabinete somente para attender ás suas recom- 
mendações em duplicata. Talvez por não saber negar-se é que se 
occultava e não apreciava o poder. Espirito conservador, mas amigo 
dos últimos aperfeiçoamentos em tudo, conhecendo e acompanhando 
as modificações introduzidas nos serviços públicos dos paizes mais 
adiantados, era um auxiliar de primeira ordem num governo refor- 
mista. A sua carreira ministerial limitou-se á estróa; preferiu em 
politica ficar na lua de mel, não quiz experimentar o poder com 
outros collegas. Até o fim se recordará com ternura e saudade 
desse tenjpo de governo, dessp ministério, escreve elle vinte annos 
depois a Nabuco, como não Jtouve, nem haverá outro. A confiança e 
a amizade do Imperador constituíam para elle um privilegio* que 
preferia aposição de ministro; sabia bem que o Imperador tinha a 
preoccupação de não ter validos e para aspirar a uma posição politica 
proeminente, á direcção politica, ser-lhe-ia preciso pelo menos renun- 
ciar, por vezes as suas entradas francas em S. Christovão. Mais 
leal, verdadeiro e discreto amigo o Imperador não teve nunca ; na 
difficil situação de confidente imperial e conselheiro intimo elle 
nunca esqueceu que a sua lealdade consistia em não favorecer o 
seu partido, em inspirar-se nos interesses do Poder Moderador, 
em não prejudicar nenhum dos seus collegas das duas camarás 
no animo do soberano. O Imperador e Pedreira eram feitos para 
se entenderem, tinham a mesma moderação, a mesma prudência, 
os mesmos processos de conservação e melhoramento, a mesma 
arte de deixar as difficuldades resolverem-se por si mesmas, evitando 
somente aggraval-as, o mesmo respeito á opinião, as mesmas sym- 
pathias e deferências, quasi que os mesmos gostos e apreço pelas 

10 A TOMO VII — 18U6. 



154 BE VIST A BRAZILEIRA 

mesmas pessoas. A morte de Bom Retiro foi para o segundo remado 
no Brazil uma perda muito parecida com a morte do duque de 
Morny para o segundo Império em França. 

Outro ministro era Paranhos, que Paraná levara comsigo na 
missão ao Prata e adquirira para o partido conservador. Paranhos 
era um homem de talentos e faculdades diversas, grande tra- 
balhador, adaptável a quasi todos os ramos da administração. Como 
jornalista mostrara-se natural, simples, preferindo a lucidez do pen- 
samento ao ornato literário ; sua palavra na tribuna tinha os mesmos 
attributos: era prompta, cortez, flexível como um florete, mas 
também imprópria para todo apparato de eloquência. Elle preferia ao 
brilho, á originalidade e á subtileza da frase a novidade e a pene- 
tração do argumento ; a estructura lógica do discurso era vigorosa, a 
linguagem perfeita de propriedade e clareza, corrente e espontânea. 
Mais diplomata ainda do que politico, eram os negócios exteriores 
sobretudo que o attraiam. Não tinha séquito, não era um arre- 
gimentador nem dominador de homens, mas um homem de ga- 
binete, por isso não chegou verdadeiramente a ser nunca um chefe 
de partido : sua carreira foi feita á força de trabalho e de talento, 
impondo-se por sua especialidade a todos os governos, e também 
pela confiança primeiro de Paraná, depois de Caxias, por ultimo do 
Imperador. Por muito tempo elle guardou alguma coisa da re- 
nuncia dos primeiros papeis e retraimento próprio, por mais 
elevada que seja a categoria, do homem de emprego ; havia nelle 
uma fina combinação de funccionario, diplomata e parlamentar, 
sobrelevada pela ambição de ligar o seu nome a um acto que o 
illustrasse na historia. Com effeito na ultima phase da sua vida veiu 
a caber-lhe essa grande fortuna do estadista. A olygarchia conser- 
vadora, que elle sustentou com todas as forças e serviu com toda a 
lealdade, nunca o reputou um dos seus, tratou-o até em 1871 como um 
intruso que ella não destinava á direcção suprema. Paranhos era um 
prestimoso e solido companheiro, susceptível, mas leal ; talvez intel- 
ectualmente tímido, não declinava porém nenhuma responsabilidade; 
sabendo apagar-se para evitar attrítos, mas nada cedendo do que 
interessava o seu amor próprio, era elle do ministério, sinão quem 
mais gosto tinha pelo poder, quem melhor se conformava a elle. 
Póde-se suppor que elle concorreu para prolongar, morto Paraná, a 
vidado gabinete. Deve haver mais do que uma singularidade de 



O MINISTÉRIO PARANÁ 155 

coincidência no facto de terem sido dois ministérios de que Paranhos 
fez parte os que mais duraram em nossa historia parlamentar. 

Wanderley era um espirito differente : nenhum tinha a sua 
vivacidade, a sua adivinhação, a sua graça, a sua facilidade e com- 
prehensâo das coisas; ao lado delle os outros parecem morosos, car- 
regados, tristes, de outra raça, como jurisconsultos ou senadores 
romanos diante de um leve sophista atheniense. Wanderley produziu 
nos homens da sua época a impressão de ser o mais inteUigente de 
todos, o que não quer dizer que elle tivesse a intensidade mental de 
outros. Por mais inteUigente deve se entender o espirito que percebia 
melhor e mais depressa o ponto sensivel ao maior numero e sabia tirar 
partido desse avanço que levava aos demais. Áo passo que o discurso 
de outros era feito com uma tonelada de erudição e talvez, quando 
havia, uma onça de espirito, o delle era feito com uma tonelada de 
espirito e, quando havia, uma onça de erudição. Além de que o es- 
pirito estabelece entre o orador e o auditório uma familiaridade que 
a eloquência até impede, o improviso desenvolve entre elles sympa- 
thias que nenhum trabalho meditado consegue despertar. Lançar as 
idéas no momento em que ellas nos vêm e á medida que nos v&o sur- 
prehendendo a nós mesmos, é coisa muito differente de elaborarmos 
a impressão que queremos produzir nos outros. Ao contrario dos 
demais membros do gabinete Paraná, Wanderley era um partidário, 
imbuido até do preconceito de partido, não podendo deixar de ver 
no liberal um typo inferior de homem. E' por isso que até o fim 
elle ficará sempre o mesmo conservador e terminará os seus dias 
encarnando o ultra-conservatismo. Este é um caso em que se 
vê distinctamente o habito da convivência, o espirito de circulo 
modificando a tendência natural, porquanto Wanderley não era 
talhado para a resistência, mas para guiar as transformações. 
O seu affectado desdém pelo liberalismo tornou-se com o tempo 
uma segunda natureza e acabou fazendo delle a Cassandra da es- 
cravidão, quando dependeu talvez de pouco ter sido elle o verda- 
deiro iniciador do movimento abolicionista com o seu projecto 
de 1854 prohibindo o commercio e transporte inter-provincial de 
escravos. Impulsivo, por vezes rispido no debate e nas relações 
politicas, a sua generosidade natural curava logo as feridas que o seu 
espirito ou a sua impaciência causavam. Wanderley era dotado em 
alto grau do sentido da proporção entre os grandes ideaes e o estado 



156 REVISTA BRAZILEIRA 

social e isso dava-lhe ao espirito esse tom, esse geito de duvida e 
incredulidade que tomavam em torno delle por escarneo e scepti- 
cismo. Era um politico que se tinha formado em Le Sage, homem 
de estado realista e não romântico, orador estudadamente chão, ás 
vezes vulgar para ficar ao nível do maior numero, da educação me- 
diana, rudimentar mesmo, onde escolhera o seu publico, mas dispon- 
do de tal habilidade de bom senso, naturalidade de malícia, plausi- 
bilidade de motivos, que a arte a mais consummada sentia-se incapaz 
de resistir aos seus golpes. A sua mimicà, que os adversários temiam 
ainda mais do que a palavra, escondia um coração ardente de 
patriota, sempre que se tratava da susceptibilidade ou da primazia 
nacional. Nesse ponto o riso interior cede o lugar á exaltação, a in- 
differença habitual torna-se em preoccupaçâo, em terror prophetico, 
e um fundo cavalleiroso, genuinamente quichotesco, revçla-se como 
a verdadeira natureza do homem a quem todos tinham tomado, e que 
se tinha tomado talvez a si mesmo, por um zombador alegre e insen- 
sível da comedia politica. « O riso de Demócrito era a ironia do 
pranto ; eram lagrimas transformadas em risos por metamorphoses 
da dor », diz o padre Vieira. O fim da vida de Wanderley faz pensar 
nessa frase do grande pregador. Duas questões elle tomou pro- 
fundamente a peito em sua vida : a das Missões e em geral do des- 
assombro do Brazil no Prata, e a da indemnização depois da lei 13 
de maio. A ironia acabara por depositar no seu coração a tristeza 
das coisas, — ou não teria ella sido nunca sinão essa mesma tris- 
teza? Não deve haver nada interiormente mais depressor do que 
ver atravez das pretenções e fingimentos humanos ; não podemos 
descobrir e denunciar qualquer dos passes ou illusões que a 
natureza ideou para consolo e alegria da vida sem destruir a 
nossa própria felicidade. 

Os outros ministros de Honório eram Limpo de Abreu e Pedro 
de Alcântara Bellegarde, indicado por Caxias que não poude entrar 
logo por doente.. Limpo era já então um sobrevivente do primeiro 
Reinado e da Regência; a politica que o havia fascinado na 
sua mocidade era agora para elle um objecto de estudo, de analyse 
de satyra, — um theatro onde elle ainda consentia em figurar e que 
usassem do seu nome nos cartazes, mas de que não sentia mais o 
prazer e o encanto . A sua calma chega á indifferença : no jogo da 
ambição em que o fizeram parceiro elle é quasi um miron e não 



O MINISTÉRIO PARANÁ 157 

lhe importa perder. A consideração, a posição, o respeito bastam-lhe 
inteiramente; o poder não o tenta. Elle parece pensar que o poder, 
quando não se tem mais o mando, diminue o prestigio . Ás suas 
vistas estavam talvez desde então voltadas para a presidência do 
senado, áqual chegará em 1861 para fazer delia durante trese annos 
uma espécie de presidência da camará dos Lords. A politica 
tinha se tornado para elle uma disponibilidade activa, da qual 
apreciava somente o privilegio de dar o seu voto em conselho de 
ministros ou em Conselho de Estado, fazendo sentir a autoridade 
da sua experiência ás novas gerações de estadistas. 

Bellegarde não era um homem politico, era um militar de mé- 
rito, competente na sua especialidade, que recebeu a ordem de en- 
trar para o ministério como soldado, como teria recebido a de seguir 
novamente para o Paraguay *, e cuja melhor recommendação é essa 
de tel-o Caxias dado em seu lugar a um homem como Honório. 

Paraná disse na camará que ao seu ministério tinha presi- 
dido a meditação. Com effeifo a solidez da organização se pro- 
vará pelo facto de ter esse ministério continuado o mesmo depois 
da morte de Honório para realizar o seu programma, e também 
pelo facto de terem os homens que elle reuniu em torno de si 
mostrado as qualidades de administrador que elle tanto apre- 
ciava e occupado todos mais tarde a primeira posição. A impressão 
causada pelo ministério foi excellente ; a sessão de 1653 estava nos 
seus últimos dias, todos queriam fazer credito ao estadista que voltava 
ao poder depois da sua ruptura de 1844 com o Imperador pre- 
cedido da maior nomeada e cercado do maior prestigio que até 
então se tinha formado em torno de um. nome. A vida parlamentar 
do' gabinete só devia portanto começar na sessão seguinte. No 
intervallo das sessões ó que os ministros, sobretudo os novos, 
tinham que preparar as reformas com que deviam dar a medida 
da sua capacidade. Nabuco, como veremos depois, emprega todo 
o tempo que lhe sobra da administração da sua pasta, que nesse 
tempo comprehendia os cultos, em construir a serie de medidas 
que deviam figurar no seu primeiro Relatório. A sessão de 1854 

i Honório queixou-se a Caxias de haver-lhe indicado Bellegarde. «Por 
que ? Não aceitou ? » « Pelo contrario, respondeu Paraná com a sua ha- 
bitual vivacidade, aceitou logo, mio pediu sequer para reflectir. » E' que 
Honório lhe falara em nome de Caxias. 



158 REVISTA BRAZILE1RA 

é caracterizada pela reforma judiciaria e parlamentarmente pela 
defecção de Ferraz. 

E' a 27 de junho que se dá a ruptura de Ferraz com Pa- 
raná. Até então a vida do ministério tinha sido fácil, a tjoven 
opposição» não contava um orador que dominasse a camará; com 
Ferraz ella adquiria o primeiro de todos. Foi um encontro pes- 
soal violento de que os contemporâneos se recordam ainda. Fer- 
raz era na tribuna uma espécie de gladiador antigo ; armado da 
rede que devia lançar sobre o adversário e do tridente com que 
procuraria atravessar-lhe a armadura. Ao contrario de Paraná, 
possúia vasta erudição e uma competência administrativa excep- 
cional. Talvez de todos os homens de estado da monarchia tenha 
sido o único apto para occupar qualquer das pastas com a mesma 
proficiência e mesmo, si as circumstancias o obrigassem a tanto, 
todas a um tempo. A sua actividade era igual á sua capacidade. Na 
tribuna da camará era um adversário temível. Tinha a palavra 
naturalmente fácil, abundante, expressiva, modulada, vigorosa, de 
ordinário commum, por vezes fulminante; era um mestre de esgrima 
a quem raros golpes tocavam, e que pelo seu modo de atacar 
sempre a fundo, descobrindo-se todo, ainda mais arrebatava o 
espectador. Ardente, impetuoso, ás vezes rude, corajoso sempre, 
Ferraz era também uma natureza generosa e fácil de captar. Não 
havia adversário que elle não tratasse do mesmo modo, e foi assim 
que a camará o viu de repente romper contra Paraná com a sua 
vehemencia, o seu brio, o seu exaltamento de sempre. 

Naquella sessão elle começou accusando o presidente do 
Conselho de annullar os seus collegas, de reduzil-os a c meros 
cargueiros de pastas, » ao passo que na sua repartição, a da 
fazenda, não era elle o verdadeiro ministro, havia ali um kitchen 
cabinet ; denunciou a Conciliação como não sendo outra coisa mais 
do que uma compra de adhesões, citou palavras de Nabuco sobre 
a Conciliação oppondo-o de algum modo ao presidente do conselho, 
com quem se o suppunha em divergência, chamou-o o grande 
orador da deputação Pernambucana, « um homem a quem voto de 
coração a maior affeição > e perorando sobre aquellas palavras 
atirava a Paraná esta serie de golpes pessoaes : 

« Si pois é esta a opinião do nobre ministro da justiça, e elle é 
uma grande autoridade para mim, como não devo repellir similhante 



O MINISTÉRIO PARANÁ 159 

politica ? E qual é o seu fim, meus senhores? Eu enxergo um grande 
fim : — a satisfação do espirito de clientella, o desmoronamento de 
tudo em proveito de poucos, em proveito de um circulo. . . 

«E quem é, Sr. presidente, o chefe dessa escola e desse circtdo? 
Nesse momento todos os olhares o indicam, é o nobre presidente 
do conselho... Ha 11 annos achava-se o partido da ordem na pu- 
jança de toda a sua força e gloria... e a um capricho foi sacrificado 
o seu destino... a um capricho, digo? Sim, a um capricho, si não á 
inveja de um grande talento, de um homem distincto. .. D'ahi todos 
os males que soffremos por muitos annos... 

« Nas margens do Prata tínhamos interesses importantes a am- 
parar e a defender; era preciso ali um homem, um homem de nome ; 
elle para lá foi... Oribe foi derrotado, capitulou , mas Oribe venceu por 
incúria desse homem, dominou as assembléas, o poder; d'ahi, como 
em 1844, datam todas as desgraças, todas as despezas, todos os 
sacrifícios por que temos passado. 

< E actualmente, senhores, o que nos espera ? O que espera 
a maioria desta camará? Já não são necessários vossos esforços, 
o susto da Constituinte desappareceu, a vossa hora vai soar: — 
Jacta est alea. * 

A resposta de Paraná não se fez esperar, elle deixou-a para o 
dia seguinte para ter tempo de moderar-se, ainda assim não evitou 
a luta com o retiario. Paraná tinha sobre Ferraz o prestigio da 
posição, da sua grande carreira, de haver tratado e conhecido por 
longa experiência o caracter dos homens ; a camará procurava in- 
terpretar suas palavras e até suas reticencias como outros tantos 
oráculos políticos. De certo não tinha a palavra e a elocução de Fer- 
raz, não era um orador, excepto irritado, que pudesse interessar 
um auditório que primeiro não fosse subjugado pelo caracter, 
pela vontade, pelo passado do homem. Os seus recursos nos 
encontros parlamentares eram, porém, grandes ; elle possuía antes 
de tudo a mais temível de todas as qualidades do lutador, o 
conhecimento do ponto vulnerável do adversário e a coragem de 
desfechar o golpe mortal; havia acompanhado quasi todos aquelles 
homens desde o começo da sua cari eira, sabia o que valiam, 
como se tinham formado, as influencias que os elevaram, os 
seus vínculos pessoaes, as suas intenções occultas e aspirações 
inconfessadas. 



160 REVISTA BRASILEIRA 

Começou falando do constrangimento com que apanhava a 
luva de Ferraz, porquanto havia pouco que este deixara o 
tribunal do thesouro e por isso a sua opposiçâo podia parecer, 
além de conscienciosa, decisiva contra o ministério. Cada 
um desses sarcasmos era atirado no tom habitual do orador. De- 
fendeu- se de ser o ministro dos ministros, de fazer tudo, «elle a 
quem não se dá uma grande capacidade, pôde tudo absorver!» 
Incommoda aos seus adversários a intima união que existe entre 
elle e os seus collegas. «Esta união, porém, nasce de ter pre- 
sidido á organização deste ministério a meditação, de ser elle com- 
posto de homens que se estimam reciprocamente, de homens que 
estão perfeitamente accordes em todos os principios políticos. » 
E mais adiante respondendo a Ferraz que o julgara na pasta da 
fazenda um ministro meramente figurante : « A fatuidade não co- 
nhece mérito na modéstia. » « Como ? » pergunta-lhe Ferraz. Levan- 
tando a voz e com pausa, diz a tachygraphia do Jornal do Commer- 
cio : — «A fatuidade não conhece mérito na modéstia. » Estava 
travada a luta corpo a corpo. « O nobre deputado frequentes vezes me 
declarou : — ninguém ha que lhe possa prestar melhor auxilio na 
repartição da fazenda do que eu. . . » «O Sr. Ferraz : — Eu ? » « O Sr. 
visconde de Paraná : — Sim, muitas vezes me disse :Ninguem ha que 
lhe possa prestar melhor auxilio na repartição da fazenda do que 
eu, mas o Sr. ministro não tem confiança em mim. » Cada palavra 
é um golpe cruel, impiedoso, desdenhoso, ao modo de Paraná. 

Uma das censuras mais fortes de Ferraz versara sobre a 
distribuição das acções do novo Banco do Brazil. Paraná man- 
dara distribuir as trinta mil acções de que o governo dispunha a 
quem subscrevesse para os melhoramentos da cidade. O ágio 
das acções seria empregado em transformar as velhas calçadas do 
Rio de Janeiro. Ferraz tinha denunciado esse expediente singular em 
termos de invectiva. Paraná conta com franqueza o que succedera ; 
é uma recordação curiosa dos antigos tempos : 

« O governo tinha o direito de distribuir as 30 mil acções ; ao 
governo pertencia regular a maneira porque deviam ser distribuídas. 
Um concurso inesperado appareceu a pretender essas acções; 
não eram só accionistas sérios, não eram só capitalistas que qui- 
zessem tirar uma renda de seus capitães collocando-os no banco; 
eram especuladores que assalariavam a muitas pessoas sem 



O MINISTÉRIO PARANÁ 161 

capitães para irem subscrever taes acções, com o fim de tirarem o 
lucro que ellas já apresentavam, o lucro vantajoso. Pois bem, se- 
nhores, a administração podia, si fosse corrompida e si quizesse 
corromper, ter procurado distribuir essas acções pelos amigos, 
pelos parentes, pelos afilhados; podia enriquecel-os . Mas a admi- 
nistração julgou que fazia um acto meritório, quando, em vez de dar 
similhante passo, convidava aquelles que tivessem o desejo de ser 
preferidos a subscreverem para obras publicas de interesse trans- 
cendente para esta cidade. > 

Agora o adversário oflfendido : < Não, não é possível ; o nobre 
deputado não considerou como usurpação do poder legislativo esta 
medida, porque sinão o seu nome não podia figurar de modo algum 

entre os contribuintes para a distribuição de taes acções 

Não ó possível, senhores, que deputados e senadores, que não 
preferem sem duvida a moral do interesse á moral do dever, qui- 
zessem aproveitar os lucros que podiam haver da distribuição de 
taes acções pagando esse premio, para depois dizerem que esse 
premio era um imposto lançado sobre o povo. Não, senhores, elles 
não consideraram isto como imposto, mas sim como uma sub- 
scripção voluntária.» 

Por ultimo, a defesa no ponto talvez para elle mais 
sensível da accusação, o pretendido mallogro da sua missão ao 
Prata: 

« Pelo que toca á minha missão ao Rio da Prata, devo declarar 
á camará que o principal fim dessa missão era fazer-se uma con- 
venção com o governador de Entre-Rios afim de que esse governador 
pudesse levar a guerra á margem direita do Rio da Prata e- fazer 
desapparecer o governo do dictador Rosas. Essa parte da minha 
missão foi concluída e terminada com feliz êxito, e da minha parte 
estava o voltar á corte nesse momento. Mas por zelo do serviço 
também quiz tratar da aceitação e reconhecimento dos tratados de 
12 de outubro de 1851 e não quiz ausentar-me antes do Rio da 
Prata. Também me glorio de haver conseguido isso. Pelo que toca 
ao facto dos partidários de Oribe terem triumphado e conseguido 
obter maioria nas eleições que se fizeram, devo informar á camará 
que quando cheguei a Montevideo no ultimo dia do mez de outubro 
de 1851 já estava feito o accôrdo entre o general Urquiza, Oribe e 
suas tropas, e o governo da praça de Montevideo ; desse accôrdo, 

11 tomo vn— 1896 



162 REVISTA BRAZILEIRA 

datado de 9 de outubro, resultou o procedimento do governo 
oriental, e snas consequências* 

< Devo declarar á camará e ao nobre deputado que já achei pu- 
blicado o decreto do governo que marcava o dia para as eleições 
no I o de dezembro : devo declarar ao nobre deputado e á camará 
que o ministro que então dirigia os negócios, o Sr. Herrera, quando 
se lhe fazia alguma observação sobre a solidez dos laços que uniam 
os colorados aos oribistas, ou exprimia o receio de que aquelles 
perdessem as eleições nos departamentos entregues á direcção 
de blancos, o que destruiria a igualdade de força entre ambos os 
partidos, igualdade que os obrigaria a colligarem-se e a manter os 
princípios em que se baseou o accôrdo, esse ministro respondia: 
— Eu conheço o meu paiz. 

« Devo declarar á camará e ao nobre deputado que todas essas 
occurrencias que têm apparecido na Republica do Prata não teriam 
provavelmente existido si o general Garzon não houvesse fallecido, 
porque elle era o élo que unia um partido ao outro, e como elle 
morreu, a concórdia desappareceu. 

« Mas, senhores, o ministro do Brazil náo tinha essa missão; a 
sua missão era somente prestar ao general Urquiza os auxilios 
necessários para derribar a Rosas ; essa missão foi executada e o 
resultado todos nós sabemos quanto nos foi grato. Si permaneci 
no Rio da Prata até a ratificação dos Tratados foi unicamente por 
zelo do serviço. » 

A impressão dessa replica foi profunda na camará e no audi- 
tório. « Paraná sahiu da tribuna rindo-se », contava uma testemunha 
da scena, resumindo nesse traço o eflfeito causado nelle mesmo 
pelo seu triumpho. Na véspera elle fechara-se com Salles, a quem 
tinha levado para o Thesouro como seu auxiliar, e Salles admirava- 
se do partido que Honório tinha tirado de alguns pontos que elle lhe 
suggerira em matéria financeira. A nomeação do antigo jornalista 
liberal era uma das aceusações de corrupção politica levantadas 
contra o ministério. 

Nabuco, especialmente visado por Ferraz nesse discurso, teve 
também que responder ao seu antigo camarada de Academia, reda- 
ctor com elle do Eco de Olinda. Aqui estão alguns dos trechos da 
sua resposta (de 30 de junho). Primeiro, a impossibilidade de res- 
taurar o antigo exclusivismo conservador e a necessidade que as 



O MINISTÉRIO PARANÁ 163 

monarchias têm de tolerância, de reunir em torno de si todas as 
capacidades : 

< Seria, senhores, um anachronismo hoje um saquarema de 
1843 a 1849, como um luzia dessa éra. Não está mesmo no poder 
de ninguém fazer que volte o tempo que já passou. E' um trabalho 
insano, mas um trabalho sem fruto, querer constituir uma opinião 
real do paiz contra as idéas, contra os interesses, contra as circum- 
stancias da actualidade. Seria imitar a tenacidade e resistência dos 
tories cotitra Sir Robert Peei, para cair como elles sob o peso da 
opinião publica. Na presença de uma crise, quando ha ag- 
gressão, quando ha receio, póde-se, por necessidade da defesa, por 
necessidade da segurança publica, ter sob suspeita, póde-se 
excluir da concurrencia das posições officiaes, aquelles que são 
adversários da situação ; mas quando o horizonte se mostra sem 
manchas, quando, como o mesmo nobre deputado confessou, não 
ha aspirações . ao poder por meio da revolta, quando mesmo 
custa hoje a distinguir-se o antagonismo politico, quando os 
indivíduos ainda os mais encarniçados se aproximam, essa ex- 
clusão seria um ostracismo odioso, seria um gérmen de reacções 
funestas. 

„ € Bem disse o nobre presidente do conselho, quando falou ante- 
hontem, que o partido dominante obrava contra seu interesse si 
pretendesse manter o exclusivismo e a intolerância ; certo,oinstincto 
da própria conservação repelle essa politica. Podem essas divisões 
convir a uma republica, porque a autoridade ahi é mais fraca, o 
ostracismo é um meio de segurança, os empregos se consideram 
despojos da batalha politica ; não convém, não pôde convir a uma 
monarohia esse exclusivismo, porque a monarchia tem necessidade 
de estabilidade, e por consequência de princípios permanentes não 
sujeitos ás vicissitudes politicas ; deve e não pôde deixar de apreciar 
os serviços e as tradições ainda que se não refiram a uma opinião 
politica, ou não obstante a opinião politica do individuo. E' uma grande 
vantagem da monarchia um monarcha clemente e generoso- 
Estamos, senhores, em uma época de transição, de transformação, 
convém aproveital-a para reorganizar e consolidar o paiz, convém 
reunir para esse fim as intelligencias do paiz, quebrar os ódios 
passados, e esperar e prevenir assim as reacções futuras, as que 
podem vir.» 



164 REVISTA BRAZILEIRA 

Quanto á accusação de ter corrompido os homens distinctos 
a quem chamou sem apurar procedências : 

« Para que o nobre deputado possa considerar o governo corru- 
ptor é necessário considerar corrompidos esses qtie o governo tem 
chamado para as posições officiaes ; a discussão neste terreno é 
odiosa, porque pôde ser reduzida ás mesquinhas proporções do lucro 
capiendo e damno viiando. Veja bem a camará que o nobre deputado 
no seu primeiro discurso suppoz a todos esses caracteres de que 
falou taes que podiam ser comprados por um prato de lentilhas, ao 
depois disse que eram elles caracteres nobres. . .» 

Agora esta caracterização dosystema: « A corrupção, além de 
immoralidade, porque perverte e aniquila os sentimentos do brio 
e do dever, é um meio ephemero, visto como produz a insaciedade e 
multiplica os adversários, que se tornam ou fingem taes para 
gozarem ou merecerem os favores e as graças; só um governo 
imbecil poderá lançar mão de similhante meio como systema de 
governar, porque em ultima analyse esse systema mata utna diffi- 
culdade, porém cria ou faz renascer muitas outras. » 

Sustenta as idéas do «eu discurso de 1853, não quer a Conci- 
liação como a substituição de um circulo por outro ; o qué o paiz 
quer não é que os vencidos se tornem vencedores, não é uma 
inversão, mas uma transformação. Não quer tão pouco a fusão por- 
que dessa fusão ephemera podia resultar o triumpho da opinião 
exaltada. Elle já o tinha dito antes n'esta frase definitiva, — não 
se acha duas vezes para um pensamento a expressão igualmente 
perfeita : 

« Destruídas as barreiras do antagonismo politico que as 
opiniões se oppõem reciprocamente, postas em commum as idéas 
conservadoras e as idéas exageradas, estas hão de absorver aquellas. 
As idéas exageradas hão de triumphar sobre as idéas conser- 
vadoras. As idéas exageradas têm por si o enthusiasmo, as idéas 
conservadoras somente a reflexão ; o enthusiasmo é do maior 
numero, a reflexão é de poucos; aquellas seduzem e coagem, estas 
somente convencem. » 

Sobre esse discurso de Nabuco escrevia-lhe Saraiva da presi- 
dência de S. Paulo (2 de agosto) : « Dou-lhe os parabéns pelo seu 
discurso em resposta ao Ferraz. E' V. Ex. o publicista do gabinete e 



O MINISTÉRIO PARANÁ 16 5 

portanto os seus discursos devem sempre primar, quando tiverem 
por objecto mostrar perante a camará a uniformidade da marcha da 
administração com os princípios essenciaes do systema representa- 
tivo. E' pena que o Ferraz não esteja convencido do papel que o 
seu talento o faria representar si elle pudesse demorar a explosão 
do seu amor próprio e do seu resentimento. » 

Joaquim Nabuco 



II ANIMISMO PETICHISTA' 






LO i!l 

Há<i OH» mil 

>sa(basAo de sul 









1 68 REVISTA BRAZILBIRA 

que se diz no livro recente de Gilles de La Tourette, a hysteria é 
uma neurezia rara nos indivíduos da raça negra. Nunca observou 
uma negra atacada da grande hysteria, nem com esses estados 
nervosos mal definidos que são considerados hoje como hystericos. 
As opiniões contradietorias se baseam sem duvida sobre casos de 
ataques simulados. > 

Nada posso dizer sobre o que observou o Sr. Dr. Lacerda, mas 
si o Sr. Dr. Lacerda deseja observar a hysteria nas negras sob todas 
as suas formas, não tem mais do que vir á Bahia. Para médicos que 
conhecem a nevrose, a confusão da moléstia verdadeira com a 
moléstia simulada não é coisa que se leve em conta quando não 
se trata de um ou outro caso isolado e especial. Já não falo das 
mestiças do negro, em que a hysteria não existe somente, mas 
é de grande frequência. 

O fundo extremamente nevropathico ou hysterico do negro 
põe-se em relevo entre nós de um modo muito saliente. Já no cara- 
cter profundamente supersticioso do negro normal, ha alguma coisa 
que o prepara para esse mysticismo nevropathico. Nas suas acções 
exerce uma influencia notável a frequência dos sonhos. Tylor se 
pronuncia assim : « O habito que têm os negros de contar os seus 
sonhos provoca a frequência delles : d'ahi resulta que elles têm 
durante o somno tantas relações com os mortos, quantas têm durante 
a vigília com os vivos. Sem duvida está neste facto uma das 
causas das suas tendências supersticiosas excessivas. Nelles a imagi- 
nação acha-se tão superexcitada que mal podem distinguir entre o 
sonho e o pensamento, entre o rpal e o imaginário : também desfi- 
guram involuntariamente a verdade e pretendem ver coisas que 
nunca existiram.» 

Estes conceitos de um autor que não se preoccupava com as 
relações que pudesse ter o facto considerado com a génese das mani- 
festações hystericas, são de alta imparcialidade e isentas de todo 
parti pris. 

Precisamente na psychologia do hysterico têm os sonhos func- 
ção salientissima. A sua frequência excessiva é a regra : dominante 
no caracter a influencia que exerce na suggestibilidade intrinseca, 
origem de graves accidentes se torna o seu exagero. E todavia a 
observação do africo-bahiano não contradiz, ao contrario corrobora, 
os dizeres de Tylor. Dentre exemplos múltiplos destacarei os dois 



O ANIMISMO FETICHISTA DOS NEGROS BAHIANOS 169 

seguintes bem precisos. Contou-me uma velha africana que o seu 
santo lhe fora revelado em sonho. Dormindo, viu um santo que lhe 
cingia os punhos de fios de contas brancas e lhe ordenava que se 
vestisse toda de branco. . Quando despertou, contou o sonho a com- 
panheiros que lhe aconselharam fosse consultar a respeito um pai de 
terreiro. Este concluiu que era Oubatalá quem se revelava por essa 
forma, e ordenou á velha que tratasse de fazer o seu santo. Um 
rapaz creoulo, filho de Africanos que tinham sido ambos pais de 
terreiro, referiu-me que não ha muitos mezes foi um dia surprehen- 
dido pela visita muito matutina de um velho Africano que elle a 
muito não via e que tinha sido intimo amigo de seu pai. Esta 
visita tinha por fim communicar-lhe que a alma de seu pai havia 
apparecido ao amigo em sonho na noite anterior, e lhe rogara que 
obrigasse o filho a fazer-lhe o sacrifício de um gallo. E coisa 
estranha, acrescentava elle, poucos dias antes desta visita uma 
rapariga cujo santo tinha sido feito por seu pai, tendo caido de 
santo em um candomblé, lhe havia declarado igualmente que a alma 
de seu pai pedia o sacrifício de um gallo. Inquiri si já tinha feito 
o sacrifício reclamado e elle confessou-me que ia fazel-o no domingo 
próximo, época que tinha sido designada. E 1 a confirmação literal 
desta citação de Tylor a respeito dos negros do Guiné meridional. 
« Consideram todos os seus sonhos como visita dos espirites dos 
seus amigos mortos. Recebem com a mais séria e a mais respei- 
tosa attenção os conselhos, as recommendações e as advertências 
que lhes vêm em sonhos, e desde que despertam apressam-se a 
seguir os avisos que receberam por esse modo. > 

Mas não serão certamente estas provas indirectas que hão de 
resolver a questão. Já agora faz-se mister apontar casos incontestes 
de manifestações hystericas em negro, não com o caraoter de um 
facto excepcional e único, mas como casos ordinários da clinica 
commum. 

Pois bem, eu tenho visto casos numerosos de hysteria em pes- 
soas da raça negra, e nesta observação não estou em unidade. Os 
meus distinctos collegas Drs. Alfredo Britto e Matheus Souto, 
que se dedicam á especialidade de moléstias nervosas, me declaram 
que a elles também se têm offerecido occasiões múltiplas de ver 
a hysteria na raça negra, acontecendo que o ultimo destes dois 
professores recentemente prestou cuidados médicos a um bello caso 

11 A TOMO VII— 1896 



170 REVISTA BRAZ1LEIRA 

de catalepsia em uma mulher bem negra. Ha poucos mezes 
ainda, em companhia dos Drs. Alfredo Britto, Aurélio Vianna e 
Juliano Moreira assisti a uma pretensa sessão espirita na rua da 
Calçada do Bomfim desta cidade em que grupos de negros apresen- 
tavam todas as manifestações da hysteria convulsiva. 

E si alguma duvida ainda pudesse subsistir a este respeito o 
papel salientissimo e preponderante que representou a raça negra 
na grande endo-epidemia de abaxia-choreiforme que a partir de 
1882 reinou neste estado com forma epidemica por quasi três 
annos, por mais de dez sob forma endémica e ainda hoje existe sob 
forma esporádica, seria mais que suficiente para desfazel-a em 
médicos e profanos. 

O numero considerável de negros atacados de abaxia-chorei- 
forme que percorriam diariamente as ruas desta cidade, era a prova 
mais irrefragavel dê que nenhuma immunidade tem a raça para a 
hysteria. Constituem um ponto curioso desta epidemia as relações 
que guardavam as suas exacerbações locaes com as festas popu- 
lares em que predominam sempre os sambas, os candomblés e outras 
dansas dos negros. Faz-se larga parte á influencia destas festas e 
dansas no desenvolvimento epidemico da moléstia, tanto no rela- 
tório 1 da commissão que á convite da municipalidade estudou a 
epidemia em seu inicio e com grande tino capitulou-a de choreomania 
de forma muito benigna, quer na importante memoria em que o 
meu collega Dr. Alfredo Britto 2 filiou as manifestações da endo- 
epidemia no diagnostico de astazia-abaxia que havia sido feito em 
primeiro lugar pelo Dr. Souza Leite 8 sendo a forma da abaxia- 
choreiforme o typo clinico predominante. Eu, que também consa- 
grei a essa epidemia um pequeno trabalho * tenho conhecimento 
de explosões- da epidemia choreiforme, quando já se tinha ella 
generalizado, em diversos candomblés e sambas. 

E se comprehende que si foi notável, como ficou provado, a 
influencia da marcha beri-berica no desenvolvimento da moléstia, 



i Choreomania. Gazeta Medica da Bahia. Abril 1883 

2 Dr. Alfredo Britto. Contribuição para o estudo da u Àstazia-Áhaxian 
neste Estado. Terceiro Congresso Brazileiro de Medicina e Cirurgia. Bahia, 
1894, pag. 99. 

8 Dr. Souza Leite. E'tudes de pathologie nerveuse, Paris, 1889. 

* Dr. Nina Rodrigues. Abaxia choreiforme epidemica no norte do 
Brazil. Brazil-Medico, 1890. 



O ANIMISMO FET1CHISTA DOS NEGROS BAHIANOS 171 

pela apparencia longínqua que tinha com a do choreico, muito 
mais importante devia ter sido o effeito suggestivo das contorsões 
das dansas sagradas dos negros. 

Si tudo isto, porém, torna indiscutível a existência da hysteria 
na raça negra, eu faço reservas em todo o caso sobre a frequência 
relativa da moléstia em comparação ao que ella é na raça branca e 
sobretudo nos mestiços. Um facto que tenho por acertado ó que a 
hysteria paroxystica ou de ataques ó menos frequente nos negros 
e acredito que esta raridade relativa dos ataques hystericos ó que 
explica a opinião dos que negam a existência da nevrose, natural- 
mente porque ainda educados na concepção da hysteria de Briquet, 
não podem comprehender hysteria sem ataque e, como o Sr. 
Dr. Lacerda, vêem na hysteria interparoxystica « esses estados ner- 
vosos mal definidos que são hoje considerados como hystericos >. 

No emtanto a demonstração da hysteria na raça negra em rigor 
náo resolve o nosso problema. O estado de santo, como um estado 
somnambulico que é, podia não depender da hysteria. Afora o 
chamado somnambulismo espontâneo que, parece, se vai de 
todo resolvendo na hysteria, o somnambulismo pôde ser ainda 
uma manifestação hypnotica, hysterica ou epiléptica. Ora, ainda 
ha poucos annos o Dr. Baret, 1 da marinha franceza, dando 
conta á Societé medico-psycJiologique , dos casos de Kiimine-tsuki, 
uma forma estranha e especial de possessão pelas rapozas, obser- 
vada no Japão, contesta a origem hysterica que lhe attribue o 
Dr. Baelz, de Tokio. Reconhece a filiação desses casos á theoria 
geral da possessão, declarando que «rapozas ou demónios, a 
etiologia é a mesma que para os possessos da idade média » ; 
reconhece o papel da suggestão ambiente e particularmente da 
auto-suggestão, declarando que « o conhecimento pelo doente de 
casos de possessão e a crença firme na possibilidade de taes 
accidentes, ó uma condição absolutamente necessária » ; mas en- 
tende que a moléstia não está ligada á hysteria, parecendo ser um 
delírio nevropathieo cuja forma se explica pelas idéas supersticiosas 
especiaes ao paiz em que elle é observado, cuja frequência relativa 



1 Dr. A. Baret. Sur un delire nevropathique avec dèdoublemenl 
de la personnalité observe au Japon, le Kitsiune-tsúki, ou possession par 
les renards. Annales medico-psychologiques, 1802, vol. I, pag. 453. 



172 REVISTA BRAZILE1RA 

se explica pela predisposição hereditária atonica, desenvolvida ha 
nove séculos, que tanto data da importação chineza desta super- 
stição e a pathogenia pela suggestão, suggestão da palavra, do 
exemplo, auto-suggestão, etc. 

Somente o Dr. Baret não nos diz de que natureza é esta nevro- 
pathia delirante especial, nem si é fácil distinguil-a, não da antiga 
hysteria, moléstia preponderantemente physica, mas da hysteria na 
sua concepção psychologica ou vesanica actual. 

Mais importante me parece uma consideração de outra, ordem. 
Estabelecendo as condições da suggestão, Pierre Janet observa que 
a moléstia da personalidade em que ellas se synthetizam se pôde 
encontrar em numerosos estados. Mais tarde estudando o estrei- 
tamento do campo da consciência que é talvez a consequência 
principal dessa alteração da synthese actual dos phenomenos, acom- 
panhada da conservação da associação automática dos elementos 
psychologicos, elle cita, alem da hysteria, certos alienados, « os 
neurasthe nicos, os estúpidos; mesmo os imbecis e os idiotas >, como 
casos em que esse estreitamento pócle ser' observado. Ora, dado 
o fraco desenvolvimento intellectual dos negros africanos e a 
rieurasthenia que deve ser uma consequência do esgoto em que 
os põem todas essas praticas extenuantes de iniciação e invoca- 
ção de santo, não serão ellas acaso as condições desse desdobra- 
mento de personalidade com estado de possessão suggestivo que 
temos estudado sob a denominação de estado de santo? Mas 
então será difficil não ver inteira equivalência entre essas condições 
de fraco desenvolvimento intellectual e neurasthenia provocada 
sem manifestações francas da hysteria, nos negros primitivos, de 
um lado ; e a mesma hysteria com os caracteres que a nevrose 
adquire nas raças superiores, nos negros que se civilizam e nos 
seus mestiços de outro lado. O fraco desenvolvimento intellectual 
do negro primitivo, auxiliado pelas praticas exhaurientes das 
superstições religiosas, como factor do estado de possessão de 
santo equivale, pois, á hysteria que, para os negros mais intelli- 
gentes, constituo esse factor. E se pôde então comprehender como, 
mesmo para os negros em que as manifestações communs da 
hysteria não são francas, Pierre Janet tem razão de affirmar 
que « esta divisão da personalidade que se manifesta no somnam- 
bulo e no médium, ó precisamente o que nós chamamos hysteria, 



O ANIMISMO FETICHISTÀ DOS NEGROS BÀtflANOS 173 

porque ella se encontra em todos os phenomenos que se consideram 
como hystericos > . 

Qirard de Rialle * tinha assim profunda intuição da verdade 
quando escrevia : « O mystdcismo, que não é incompatível com 
as idéas fetichistas, determina, sobretudo em seres insufficien- 
temente desenvolvidos no ponto de vista intellectual, um estado 
nevropathico, ou uma espécie de hysteria, que não foi ainda bem 
estudada, mas de que os phenomenos da exaltação religiosa 
indicam assaz claramente sinão a natureza, pelo menos a exis- 
tência. Esta nevrose ou hysteria tem um grande papel no des- 
envolvimento da religiosidade humana; e nós a encontramos 
amplamente em todos os povos fetichistas. » 

Dr. Nina Rodrigues 
((Jonlinúa. ) 



1 Loc. cit., pag. 183. 



SANEAMENTO DO RIO DE «IRO 



Estudos de Hygiene. À Cidade do Rio de Janeiro por Torquato Tapajoz, 

Rio, 1896 

O facto de ser o Rio de Janeiro cidade marítima e as péssimas 
condições em que se acha o seu littoral, tem preoccupado a attençao dos 
nossos hygienistas, a ponto de fazerem alguns delles questão capital do 
saneamento do porto. Cabe ao engenheiro sanitário brazileiro o Sr. Tor- 
quato Tapajoz a primazia desta idéa. 

Quando ainda nenhum dos nossos congressos médicos, collecti- 
vamente ou pela voz de alguns de seus membros, houvera chamado 
a attençao publica sobre este particular, jà o Dr. Torquato Tapajoz, 
no começo de 1894, apresentara á Academia de Medicina um trabalho 
volumoso sobre o titulo Estudos de hygiene da Cidade do Bio de Janeiro. 

Abra-se o I o volume deste trabalho recentemente publicado e as pa- 
ginas 191, 193, 197, 198, 228 e seguintes, revelam a preoccupaçao primor- 
dial do autor, considerando o saneamento da cidade do Rio de Janeiro 
dependente do saneamento do porto, com propriedade pelo mesmo deno- 
minado « Laboratório de nossos males. » 

« Acausa primeira da insalubridade da cidade é o porto e com elle 
a bahia do Rio de Janeiro. Nenhum melhoramento realizado na cidade, 
por mais completo que seja, trará resultado definitivo e seguro, emquanto 
o porto e a bahia nao forem saneados. » 

Estes dizeres vêm assim consignados, nas conclusões do citado traba- 
lho, e publicados no Jornal do Commercio e nas actas da Academia de 
Junho de 1894. 

Antes do Sr. Tapajoz, ninguém ainda se houvera expressado por tal 
modo e sempre a cogitação primordial de todos os nossos hygienistas foi o 
enxugo do solo, a diminuição máxima do lençol d*agua subterrânea. 

E' isto o que referem os relatórios que compulsamos, é isto o que 
consta das actas do segundo Congresso brazileiro de medicina e cirurgia, 



SANEAMENTO DO RIO DE JANEIRO 175 

no qual a questão do saneamento mereceu largo e amplo debate, em que 
tomaram parte hygienistas nossos e médicos brazileiros eminentes como 
Rocha Faria, Nuno de Andrade, Baptista de Lacerda, Manoel Victorino, 
todos hoje preoccupados com o saneamento, confiado á commissfto de que 
fazem parte. 

Ao Dr. Tapajóz coube recentemente uma parte importante na victoria 
alcançada pela scienoia, junto á referida commissão, quando esta recusou 
a drenagem profunda do sub -solo, como garantia de successo no sanea- 
mento da cidade. O eminente professor Rocha Faria foi então no seio da 
commissão o palinuro amestrado das sans idéas, partilhadas, algumas 
delias, pelo citado engenheiro sanitário, que as vem pregando pela im- 
prensa diária, pela palavra e pelo livro, desde 1890. 

J. B. Say, o grande economista francez escrevera um dia le vulgaire, 
c'est h dlre presque tout le monde, reçoit. ses opinions toutes faites. Qmnd la 
fabrique est mauvaise. on les reçoit manvaises, c'est à dire fauses, sottes peu 
favor ables au bicn-être de la societé. 

Obra é portanto grandemente patriótica a daquelles que consagram 
suas forcas à contraprova das idéas emittidas por outrem e aceitas geral- 
mente como inconcussas. Nessas condições esteve a idéa da existência 
de um vasto lençol d'agua subterrânea nesta capital. O Sr. Tapajóz em 
seu trabalho dedica mais de um capitulo ao estudo da questão e força 
é confessar, que as suas conclusões impõem-se categoricamente e tanto 
isto é verdade que até o presente não surgiu contestação alguma 
fundamentada. 

O livro do Dr. Tapajóz é uma obra valiosa, dissemos nós, e comnosco 
dirá, quem percorrer attentamente as 280 paginas que constituem o 1* vo- 
lume apparecido. 

O autor confirma pelo seu trabalho scientifico os foros de hygienista, 
conquistados anteriormente em conferencias e escriptos publicados sobre : 
Climatologia do Amazonas (1890). Projecto de esgotos, etc. deNictheroy 
(1890), Memorias sobre a hygiene publica, apresentadas à Sociedade da 
Medicina do Rio (1890), Saneamento de S. Paulo (1894). Electrolyse da 
agua do mar e sua applicaçáo ás grandes rodes de esgoto (1894) (trabalho 
este laureado paio Instituto Polytechnico Brazileiro). Salubridade do valle 
do Amazonas (1894) etc. 

Não é, portanto, simples diletante em hygiene o engenheiro que tem 
consagrado larga parte de seu tempo ao estudo de questões sanitárias 
explanando-as com a competência que decorre da experiência individual, 
cimentada pela meditação acurada dos melhores autores. O Dr. Tapajóz, 
em seu novo livro, mostra-se familiar com todas as sciencias de que de- 
pende a hygiene. O seu espirito philosophico inhibe-o, entretanto, de 
aceitar como verdades inconcussas, tudo quando vem sendo afirmado como 



176 REVISTA BRAZILEIRA 

tal pelos autores ; nada escapa ao cadinho de um raciocínio ponderado 
e justo, de modo a revestirem-se algumas de suas affirmaçOes de uma 
originalidade notável, e por vezes apparentemente paradoxaes, para quem 
está acostumado a tudo aceitar, sem prévio exame. Assim e, que, 
torna-se interessante acompanhar o autor no capitulo VIII, consagrado 
á Pressão atmospherica e temperatura; ventos e correntes; florestas, mon- 
tanhas e chuvas. 

Nas paginas deste capitulo, são combatidas algumas das idéas até 
pouco julgadas e pregadas como indestruetiveis. Tal acontece, por exemplo, 
com a de que — a devastação das matas é a mais poderosa das causas 
da insalubridade da cidade. Com acurado esmero prova o autor o con- 
trario, isto é, que o desapparecimento das florestas, em parte pelas 
necessidades que o desenvolvimento da cidade vai creando, n&o tem 
sido causa de males, antes tem trazido beneficio relativo ao clima local 
(pag.218). N&o nos sobra espaço, para salientar outros pontos dignos de 
reparo, no !• volume da obra que analysamos. Diremos, entretanto, que 
nas suas paginas sao elucidadas com notável erudição as seguintes 
theses: I a A n&o existoncia do lençol dagua subterrâneo de que fala 
Pettenkofer, no sub-solo da cidade do Rio de Janeiro e a existência de 
collecçóes aquosas grandes e pequenas. 

Applica-se, pois, a nossa capital conceito idêntico ao que sobre 
Roma emittira Ovidio: 

Hic ubi nunc fora sunt ude tenuere paludes. . . 
Nunc solida est tellus, sed fuit ante lacus. 

E' do dominio publico a recente discussão travada no seio da 
commiss&o do saneamento, a propósito do sub-solo da cidade. Repellida 
como foi in limine, é justo confessar que o engenheiro Tapajóz foi pars 
magna na elucidação do problema e contribuiu fortemente pelas suas con- 
ferencias e escriptos na resolução tomada, a qual importa uma economia 
para o erário publico da cidade, de perto de 23 mil contos, segundo 
o orçamento proposto pelo syndicato anglo-brazileiro. 

A 2* these do livro do Dr. Tapajóz é que a canalização dos esgotos 
de matérias fecaes nfto ó factor directo dos males que em época fixa 
invadem a cidade, concorrendo quando muito, como factor mínimo 
geral, mais pela installaçâo domiciliaria que ó defeituosa, do que pelo 
systema em si. 

A* 3* questão, elucidada com precisão pelo autor, jà nos referimos, 
citando a sua opinião a respeito da influencia das matas c florestas que 
circumdam a cidade. 

A 4* refore-se ao saneamento do porto e ás influencias meteoroló- 
gicas, como factores das moléstias. 



SANEAMENTO DO RIO DE JANEIRO 177 

E\ portanto, real a originalidade do livro do Dr. Tapajóz. 

Nao limita-se todavia o Sr. Tapajóz a destruir idéas velhas, vai 
mais longe; apresenta idéas originaes, argamassando com material 
próprio e alheio um systema de saneamento, ouja synthese daremos 
em breve, citando igualmente as proposições que resumem as idéas 
geraes do autor, sobre a cidade do Rio de Janeiro, considerada sob o 
ponto de vista sanitário. 

Pareoe-nos digno de reparo, que o Sr. Tapajóz no 1° volume de 
sua obra, ou nas proposições com que a synthetizou, nenhuma refe- 
rencia tenha feito ao systema de saneamento hoje adoptado pela 
maioria das cidades européas, com real proveito e approvaçao de 
todas as summidades em hygiene. Reflro-me ao systema que os 
franoezes chamam le iaut au champ d'épandage par Végout, sys- 
tema proposto pela primeira vez entre nós, pelo professor Rocha 
Faria em 1889, no segundo Congresso de medicina e cirurgia: 
« Ao envez dessa desinfecção apparente (referia-se a desinfecção 
dos líquidos de esgotos pela Companhia City Improvements ) julgamos 
preferível a utilização agrícola das nossas aguas de esgoto; toda a 
zona suburbana, arenosa, árida, estéril, receberia regularmente a irri- 
gação do esgoto e transformar-se-ia em vasto campo de cultura inten- 
siva, com auto-saneamento simultâneo de t&o larga cópia de produotos 
immundos e infectos, que hoje s&o lançados na bania, e que, com 
grave prejuízo económico, serão, talvez, em breve, projectados no 
oceano. O exemplo de um grande numero de cidades européas, que 
empregam o systema, attesta sua efflcacia e fornecq garantia experi- 
mental sufflciente, para nulliflcar quaesquer hesitações sobre presumidos 
perigos, que & saúde publica possam advir da medida complementar à 
circulação continua nas redes de esgoto canalizadas. » 

Nao é aceitável a explicação dada pelo Dr. Tapajóz, das estatísticas 
da mortalidade nos dois hospitaes de isolamento de S. Sebastião e Santa 
Izabel, quando estava este também affeoto ao tratamento de doentes de febre 
amarella. Em uma outra Revista de caracter puramente medico, terá mais 
cabimento a analyse circunstanciada deste ponto e de outros, taes como 
os referentes & notável salubridade attribuida pelo autor ao Hospício de 
Alienados, situado á praia da Saudade e a Escola Militar da Praia Vermelha. 

Assumpto igualmente para proveitoso debate scientiflco é aquelle tra- 
tado no capitulo IX Idéas finaes, cujo pensar acha-se summariado na 

frase seguinte : « terminaremos negando a intervenção de outro que 

nao o hematozoario de Laveran, como agente essencial na producçao de 
nossos males, agindo directamente por si, indo até os casos fulminantes de 
1889 ; ou perturbando intercorrentemente todas as outras moléstias que 
se manifestam periódica ou permanentemente em nosso meio. » 

12 TOMO VII— 1896 



178 REVISTA BRAZILEIRA 

Sirvam-se os leitores da «Revista Brazileira» lôr nas proposições que 
se seguem a synthesedas idéas do engenheiro brazileiro. Que da vulga- 
rização delias surja a discussão productora da luz e da verdade. As idéas 
do Dr. Torquato Tapajóz, podem ser assim synthetizadas: 

« 1.° O solo da cidade do Rio de Janeiro é formado por uma camada 
nfto muito espessa de terras permeáveis, superposta ás que, de origens 
varias, constituem o sub-solo. O sub-solo é, em traços geraes, de três 
naturezas distribuídas em zonas. Primeira zona : primitiva musculatura 
da cidade, de excellentes terras argilosas impermeáveis, mas porosas ; sem 
modificação apreciável de structura em todo o seu conjunto e coberta pela 
facha artificial que forma o solo. Segunda zona : resultante das terras 
roladas de longos tempos nos esbarrondamentos dos morros circundantes, 
em formação primitiva de terras argilosas, formando por afrouxamento 
de structura um composto de larga porosidade. Terceira zona : formada de 
camadas irregulares de aterros, constituídos por terras, escombros, de- 
trictos de toda a origem, largamente misturados com matéria orgânica de 
origem animal e vegetal, com grande proporção de húmus. 

Estas camadas assentam directamente sobre leitos vasosos que foram 
primitivamente occupados ou pelas aguas do mar, ao qual foram lenta- 
mente conquistados ou pelas aguas de antigos rios, ephemeros córregos 
temporários, valias, lagoas isoladas, terras alagadas ; emflm por forma- 
ções aquosas resultantes de precipitações meteóricas. As duas primeiras 
grandes divisões constituem a maior parte da área occupada pela cidade 
actual ; a terceira forma em parte o sub-solo lacustre. 

Temos em summa : 

Sub-solo húmido e conseguintemente, impermeável, coberto por leve 
camada permeável que nfto contém, nem pôde conter, agua em collecçfto. 
As aguas que esta camada recebe por infiltração directa das chuvas ou por 
effeito da capilaridade ascendente, evaporam-se rapidamente, dando as 
camadas atmosphericas em contacto parte desse fundo de humidade, que 
lhes conhecemos e cuja maior carga vem de outra origem. As camadas 
do sub-solo mantôm-se permanentemente húmidas nas zonas humifera e 
argilosa. A qualidade destas zonas é, por ultimo, de impermeabilidade : 
esta por natureza própria e aquella porque as aguas que a imbebem em 
exaggerada proporção, roubam-lhe a permeabilidade. Além destas duas 
zonas, ha a das terras encharcadas : a das lagunas soterradas. 

2.° As aguas subterrâneas existentes no sub-solo da cidade do Rio 
de Janeiro nfto estão, nem podiam estar constituídas em lençol, As collec- 
ções aquosas existentes nfto têm, nem podem ter movimentos verticaes : 
nfto formam, nem podem formar, uma superfície liquida única, regalar em 
suas linhas de nivel, capaz de ascensão e deseensao periódicas e sujeita 
às leis que regulam a formação e presidem os movimentos das aguas em 



SANEAMENTO DO RIO DE JANEIRO 179 

lençol. O lençol de aguas que Pettenkofer estudou no sub-solo de Mu- 
nich e que tem hoje valor problemático, nao tem o menor ponto de se- 
melhança com as collecçóes aquosas existentes no sub-solo da cidade do 
Rio de Janeiro. 

CoHecçao de aguas subterrâneas formando lençol com oscillações ver- 
ticaes periódicas e de largas amplitudes, capaz de concorrer, como se 
afigurou a Petenkoffer, por sua presença, para a maior ou menor pro- 
ducçao de germens de moléstia^ só pôde existir, e só existe, no sub-solo 
He cidades situadas em valles de rios, — corram estes â superfície das 
terras, ou façam-no subterraneamente, comt> canal de descarga de grandes 
bacias hydrographicas. 

3.* A cidade do Rio de Janeiro nao é lavada pelos grandes ventos que 
sopram á costa. E' um ponto de parada na circulação geral no globo. 
À ventilação se realiza apenas por ' transbordam ento ou pela circula- 
ção vertical ; sendo a época preoisa, de accordo com a posição do sol 
na ecliptica, transformada a zona fechada pelas montanhas e em que a ci- 
dade se assenta, em um grande condensador. Nestas occasiões que se 
destacam pela violência com que a moléstia se manifesta, a ventilação se 
realiza apenas, pelas brisas de terra e mar ; pelas brisas das montanhas, 
que sflo sujeitas ao fluxo e refluxo que regulam as brisas marinhas. Assim 
o arrazamento de pequenos morros nâo concorreria para a ventilação : nao 
impediriam clles a circulação directa dos grandes ventos si estes, entrando 
a bahia, buscassem a oidade. 

4.° A pressão atmospherica é um dos factores essenciaes das con- 
dições morbosas da cidade, em certa época do anno : nao porque directa- 
mente actue, ella sobre os germens das moléstias, mas pelo depaupera- 
mento que produz no organismo, tornando-o deste modo apto, pela anoxe- 
mia, para a receptibilidade do mal. A pressão que então se manifesta, dá 
â atmosphera da cidade a caracteristioa da de uma cidade entre 600 e 700 
metros de altitude, sem as compensações que resultariam para a regula- 
ridade das funcçóes orgânicas assim desiquilibradas, do concurso harmó- 
nico dos demais factores meteorológicos, que se mantém sempre idênticos 
ao meio real. 

. 5.° As florestas nao influem nem podem influir na producç&o das 
chuvas e das trovoadas. Além do alto papel de purificador da atmosphera, 
cabe-lhes o de filtros quando atravessadas por ventos impuros, que puri- 
ficam, e o de. regulador da humidade do solo, em que trazem as raizes. 
Impedem a irradiação solar das superfícies más e reduzem a potencia dos 
raios solares directos sobre o organismo. As chuvas, na cidade do Rio de 
Janeiro, nao têm sofirido modificação sensível de 1782 até hoje : a quan- 
tidade de agua caída como o numero dos dias de chuva são em maior 
escala, do que quando havia maior numero de arvores. O abatimento das 



180 REVISTA BRAZILEIRA 

matas próximas tem concorrido para a salubridade da cidade, pela redacção 
da humidade das terras e do ar. 

A oanalizaçfto de esgotos de matérias fecaes nflo é factor directo dos 
males que em época fixa invadem a cidade. As moléstias que poderiam vir 
dos esgotos nfio fazem parte dominante do quadro nosologioo da cidade. 
Assim a canalização dos esgotos concorre como factor mínimo geral 
mais pela installaofto domiciliaria dos serviços do esgoto, que é de- 
feituosa e deve ser substituída, do que por si mesmo. No corao&o da 
cidade, na parte commercial especialmente, a casa é causa essencial 
da moléstia. 

7.° O fornecimento de aguas deve ser augméntado de modo a que, 
além dos duzentos litros hoje fornecidos á população, por habitante e dos 
supprimentos feitos aos diversos misteres públicos e particulares, possam 
ser estes e aquelles attendidos com mais abundância de agua limpa. A 
lavagem â grandes aguas das ruas da cidade, por exemplo, assim o 
exige. A lavagem da rua deve ligar-se á lavagem da face exterior dos 
primeiros andares das casas para o que estas devem ser pintadas a óleo, 
si outro revestimento nfio for utilizado. 

8.° A lavagem das ruas da cidade só pôde ser feita depois de 
creada a rua. Crear a rua importa no estabelecim&uto da rode completa 
de escoamento das aguas pluviaes ; no perfeito calçamento desta e, 
mais, na instaUaçfio de todos os serviços que constituem a cidade 
subterrânea. 

9.° A drenagem das terras deve ter como ámteratum o rompimento 
dos diques subterrâneos e o esgotamento das reservas actuaes . 

10. A cidade deve ter um cáes que a limite com o mar em toda a 
linha de contorno. 

11. A causa primeira da insalubridade da cidade é o porto e com 
elle a bahia do Rio de Janeiro. 

Nenhum melhoramento realizado na cidade, por mais completo que 
seja, trará resultado definitivo e seguro emquanto o porto e a bahia nfto 
forem saneados. Devem ser regularizados os leitos dos 18 rios que entram 
no fundo da bahia e por alguns kilometros pela foz a dentro, de modo a que 
desappareçam os grandes alagados em que de presente estão transformadas 
ás respectivas embocaduras ; e que entrem elles na bahia com volume e 
corrente regulares dando lugar a formação de oorrentes nesta, que nfio as 
tem.Com. estas aguas e correntes será lavado o fundo da bahia ; ser&o reno- 
vados em tempo certo e curto as suas aguas, que nfto o sfto pelas do mar 
largo, e também arrastados os depósitos existentes. A organização de 
um serviço de dragagem no porto e na bahia, completará o serviço regular 
da remoçfto dos depósitos immundos de longos annos accumulados e a lim- 
peza do fundo, polluido hoje, será mantida. 



IRO 



rlrira a ta 

n) mo 
<a o* seio da Academia Nacional de 

AO. 



vaUo 



i.*8 Seim. 



CANTORAS DOUTRO TEMPO' 

ROSINA STOLTZ 



As successivas representações ia Favorita (junho de 1852) en- 
tremeiadas com as de Semiramis, correram delirantes no Provisório, 
augmentando a fam* e os triumphos da Stoltz. Uma noite mesmo, 
no final daquella opera, uma espectador bradou alto e bóm som : 
«Quem não acredita em Deus, deve vir vêr esta scena. » 

Versos, desafogo do enthusiasmo, caíram aos pés da diva, 
embora viessem alguns fora de encaixe e n&o tivessem cabo. Apenas 
uma amostra; um acrostieo-madrigal sob as iniciaes H. L. 

Psanime-toi, mon être en ta veine glacée 
orphée a rappelé sa celeste chalewr ; 
&>ur ta pâleexis tence, au malheur émousée, 
*^l vient defaire éclore un rayon de bonheur. . . 
>.entend&'-tu pas les sons de sa lyre divine ? 
ktrreur!... Cest mieux encore: c'est la voix de Rosine! 

Mansa e habilmente ia assim preparando a Stoltz terreno para o 
seu beneficio, dia de gala e de esperança dos artistas. Desde o 
começo de agosto, começaram os jornaes a annuncial-o sob todas as 
formas, augurando de ante-máo ao Provisório uma enchente á cunha, 
informando o publico dos preparativos da festa, etc, reclamos 
sempre velhos e sempre novos. 



i yeja Revista de 1 e 15 de julho. 



CANTORAS DOUTRO TEMPO 183 

O beneficio da Stoltz correspondeu á geral espectativa. Não lhe 
faltou a nota dolorosa, o fallecimento de febre amarella do violoncel- 
lista Tronconi ( a 19 de agosto ) e do professor de flauta Berva ; so- 
brou-lhe a nota cómica, pois de véspera o popularissimo Ignacio José 
Ferreira Maranhense, o Pasquim da descompostura brazileira, 
annunciava aos quatro ventos cardeaes que pretendia mimosear a 
primeira cantora do mundo a Ulma Sra. (sic) D. Rosina Stoltz «com 
uma sua brilhante producçâo. > 

Realizou-se o beneficio da Stoltz a 23 de agosto de 1852. Uma 
revolução não preoccuparia tanto a capital do Império. Nos jornaes 
do tempo, de ordinário pouco prolixos em assumptos theatraes, en- 
contram-se minuciosas descripções da festa, prova de real impor- 
tância. 

Naquella memorável noite, a sala do Provisório apresen- 
tava desusado aspecto. Nos camarotes as mais illustres senhoras da 
época ; mulheres de ministros, senadores, deputados, titulares ; na 
platéaanata da sociedade fluminense. Âs attenções convergiam 
para o camarote imperial, occupado pelo monarcha, na plenitude de 
máscula belleza, olympico no porte e na serenidade, epela soberana, 
vulto meigo e compostura digna. 

O programma do espectáculo era o seguinte: La Partie de 
Cartes, trecho da opera Carlos VI * e o 3 o e 4 o actos da Favorita. 

A' hora aprazada, no meio de unanime e attento silencio, le- 
vantou-se o panno. Appareceu a Stoltz no tablado. Romperam frené- 
ticos applausos; ramilhetes zuniram no ar; uma chuva de rosas, 
descida dos camarotes, envolveu a cantora em florida nuvem. Foram 
alguns minutos. Emmudeceu o theatro. 

A voz da Stoltz ergueu-se vibrante. Cantou admiravelmente, 
com Ribas, o trecho da Partie de Cartes. Dada a ultima nota, vibraram 
palmas sem fim. A cavatina da Favorita foi a apotheose da récita. 
Terminando o oh ! mio Fernando, victoriou-a o publico com delirio. A 
Candiani yeiu ao palco, e, obtida a devida vénia, collocou uma coroa 
sobre a fronte da Stoltz ao som de vivas e acclamações. Sobre a 
beneficiada, devastados os jardins do Rio de Janeiro, caíam flores 



1 Carlos VI, opera em 5 actos, lettra de Casimiro e Germano Delavigne, 
musica de Halévy, representada na academia Real de Musica, a 15 de março 
de 1843. Á Stoltz, Duprez e Banoilhet cantaram a opera com iramenso êxito. 






JSTA BRAZILE1RA 



sem í i íim a \ *eu c*ni: j 

r eJIa t ou 
tus Mumiuen 
Da Joalheira de SS. MIL, do tji 

<MJ|"0. 

do pn bb da íltagen raa,a marquesa do 

Mont 

ioê os lados: 

Las irmta: 
(1'aguft. 

sm-ae ew 

breeamdo eu 

ido pelos 

-iidktni, n 
- artistas, com pn 






dospe; 



1 A 






Cà*n 



185 



iDBinbros paru propôj 

ro na 

taria. imya o cumprimento dossapartu ilo cor 

•otn *i la antipa- 

Be i a ihj pr<[ 

ilSSSo 

dum projecto 

ta Besd&i 
nunn nome 

liara a sa- 
io das d 

cuatfoa o nu ismoa da 

orfe, 

uxador 

chamava 















186 REVISTA BRAZILEIRA 

arguia de imprevidência o ministro Gonçalves Martins ejifto poupava 
a Stoltz, esmiuçando as clausulas do seu contrato, achando exag- 
geradas as sommas que se lhe pagavam e os favores que se lhe 
dispensavam, taes como o aluguel mensal dum coupê puxado por 
cavallos do Cabo, por quinhentos mil réis, accusando os defensores 
do projecto Miranda da aristocratizaç&o do Provisório com a ele- 
vação dos preços: Pugnou pela Stoltz o desembargador Miranda 
declarando que o contrato delia em nada alterava a modicidade 
dos preços do Provisório. Ouvia-se a Stoltz por 1$ ! l 

Crescia a impopularidade da Stoltz. Átiravam-lhe em rosto, 
nos bastidores, antes do fechamento do Provisório, o ter impedido 
a Serini de comparecer aos ensaios da Norma. A inveja azedava a 
desavença da cantora com a costureira do theatro, Madame Siebs, 
a quem fizera perder o emprego. Mil mexericos, mil intrigas, mais 
violência que brandura, calumnia por portas travessas, muitos 
pontos em cada conto, e eis a Stoltz aborrecida de vez. 

Tornaram-se públicos, com eco pelos jornaes, escândalos da 
Stoltz. Da casa da cantora, a horas mortas, sairá a collega Serini por 
causas que a decência manda calar, indo passar a noite em casa de 
Labocetta onde a Stoltz fora injurial-a,ameaçando-a com pancadas. 

Surgem epigrammas contra a Stoltz. 2 Cada um lhe punha 
pecha á larga, repisando o trilho usado dos boatos, provendo-se de 
armas ferinas entre as amigas da cantora. De bocca em bocca, attri- 
buida a um péché de jeunesse do conselheiro Francisco Octaviano, 
corria uma poesia satyrica, que ainda hoje ha muito quem saiba 
de cór: 

« Quo importa que digam que ó velha, que é feia, 
Que pinta os cabellos, que enfeita o carão 
Si as vozes que partem daquella sereia 
Despertam nas almas suave emoção ? 



* Discurso do desembargador Miranda na sessão de 11 de agosto de 1852. 
2 Verbi gratia 

A Mme... 

Dizem aqui no Brazil 

Que não falam jacarés 

Pois é falso : falam, andam 

Os que andam de dois pés. 



CANTORAS DOUTRO TEMPO 187 

Um bello poema de capa estragada 
Não perde por isso o interno valor, 
E as vezes debaixo da planta viçosa 
Enoontram-se ainda vestígios de flor. » 

E nesse tom Qutras e outras quadras. 

A imprensa accusava o pouco desinteresse da Stoltz, accu- 
sando-a de ter posto mil embargos á acção, da directoria do Provi- 
sório, chegando a annunciar leilão de mobilia e a ir pedir passaporte 
á secretaria de Estrangeiros e não á policia, como devia. 1 

Reaberto o Provisório, a 15 de outubro de 1852 cantou a Stoltz 
a Semiramis, em ultima récita da primitiva assignatura, abrindo-se 
logo outra inaugurada com a Lucrécia Borgia. Cochichou-se o boato 
de haver a Zecchini imposto á directoria a exclusão da Stoltz, dese- 
josa de cantar a parte secundaria de Orsini. Replicavam os adver- 
sários de Qiuseppina Zecchini, accusando a Stoltz, de exigências 
descabidas, travando-se verdadeiro tiroteio de palavras em favor 
das divas. 

Após cansativas delongas, reappareceu a Stoltz na Favorita è 
na Semiramis, cantando logo depois I Caputtetti ed I Monttchi ; 2 
( Romeu — Stoltz ; Julieta — Candiani) repetindo-a no beneficio do 
tenor Labocetta para demonstrar aos zoilos estensão de repertório. 
A critica, porém, achou-a mediocre no papel de Romeu, porque a 
tessitura do papel sendo de meio-soprano e não de contralto, devia 
transportal-a a artista a uma terça menor, facto inconveniente. 

Insistiu comtudo a Stoltz cantando a opera até voltar de novo 
á Favorita e á Semiramis. A 2 de dezembro, dia final de seu con- 
trato, cantou a Stoltz pela ultima vez no Rio de Janeiro, em pre- 
sença dos imperantes, o Barbeiro de Sevilha. 8 Rosina — Stoltz ; Fi- 
garo, Ribas; D. Bartob, Fiorito; D. Basílio, De Lauro. Este papel 
era de Caprini ; não o desempenhou por doença. 



1 Chefe de policia o Dr . Francisco Diogo Pereira de Vasconcellos. 

* Opera em 3 actos, libretto de Romani, musica de Bellini, representada 
pela primeira vez em Veneza, a 12 de março de 1830. Na mór parte dos theatros 
italianos a opera foi cantada com o acréscimo de um 4° acto, musica de Yaccaj. 

3 Opera-bufla em 2 actos, extraída de Beaumarchais, letra de Slerbini, 
musica de Rossini. Primeira representação— Roma, theatro Argentina, 26 de 
dezembro de 1816. 



188 REVISTA BRAZILE1RA 

Mau grado muitos atrazos e evasivas, allegações de moléstia, 
nfio poude, embora tivesse tempo de preparar o papel, a Stoltz 
despedir-se com felicidade do publico fluminense. O Barbeiro de 
Sevilha. 1 foi um desastre e tanto que, dias depois de cantada 
a opera, circulou na cidade pequena satyra em forma de convite 
fúnebre, tarjada de negro, no qual « feridos da mais pungente dor, 
os parentes e amigos de Rossini, pelo fatal assassinato de seu querido 
filho Barbeiro de Sevilha em o theatro Provisório, na noite de 2 de 
dezembro » convidavam « a todos os directores e mestres, folheti- 
nistas e artiguistas, claque official e oficiosa, para assistirem ao 
officio de corpo presente no mesmo lugar do assassinato na noite de 
11 de dezembro. » 

Receiando manifestações desagradáveis, novas acenas da 
opera, decidiu a Stoltz n&o cantar na representação annunciada em 
beneficio do recolhimento de Santa Thereza. 

Emquanto isso se passava, maliciosas pennas calculavam pelas 
columnas ineditoriaes do Jornal do Commercio quanto custara Madame 
Stoltz. 80:450$ 1 escreviam. 

Nas saidas de 14 de dezembro de 1852, entre os nomes das 
passageiras do paquete inglez Tay, commandante Wooley, com des- 
tino a Southampton e escalas, lê-se o de Bosina Stoltz e uma filha. 
Entrara a barra rainha, sairá fugitiva. Ou étaient les roses tfantan ? 

Operas creadas por Madame Stoltz no Provisório : junho de 1852, 
Favorita, Leonor de Gvsman; julho, Semiramis, Arsace; outubro, 
I CapuUetti ed I Montéchi, Romeu; dezembro, Barbeiro de Sevilha, 
Bosina. 



VII 



Voltando á França, Rosina Stoltz ainda deu muito que falar 
de si. Reappareceu na Opera no papel de Fidès do Propheta, mas 
com pouco êxito. Occupou a pequena sala dos DâassemetUs 



1 A palavra Sevilha era a caipora da Stoltz. Na Europa fizera fiasco na 
Estreita de Sevilha, opera entretanto expressamente escripta para ella por 
Balfe. 



CANTORAS DOUTRO TEMPO 189 

Comiques e fez-se emprezaría depois de ter sido o terror e flagello de 
empresários. 

Datam dessa época as suas intimas relações com o celebre 
mimico Deburau, com quem mais brigou dando motivo a escan- 
dalosas polemicas. Natureza irregular, resentindo-se do deleixo de 
educação nos primeiros annos, cheia de explosões, fora a Stoltz, 
obrigada anteriormente a separar-se do marido. M. Lescuyer, 
ensaiador do Theatro Real de Bruxellas, com quem ahi casara em 
1837. 

Manso e manso se apagou a boa estrella da Stoltz. Rosa Niva, 1 
a antiga protegida da duqueza de Beny, a a feliz e triumphante 
Leonor da Favorita, transformou-se na velha Madame Stoltz, esque- 
cida e antipathizada. 

Fétis, em 1865, declarou ignorar o paradeiro de Stoltz 8 ! 
Silencio e olvido.. . 

Nem assim faltaram doestos á cantora. Expilly, viajante fran- 
cez, num livro de notas sobre oBrazil, censura-nos acremente por 
applaudirmos a Stoltz. Chama-lhe ces cantatrices hors d'âge, que la 
scène française a chassées à coups de sifltets, exprobra-lhe não haver 
dado uma récita em favor das orphans de Santa Thereza e outra, 
promeitida em auxilio da Sociedade Franceza de Beneficência. 
Reconhecendo a nossa sinceridade, critica a falta de senso artístico 
da platéa do Provisório. A cantatrice surfaite n&o merecia palmas, 
coroas, brilhantes, contos e contos de réis. Classifica de panto- 
mine tf épUeptique o jogo scenico da Stoltz na Favorita que. . . E até, 



i Fétis, Biographia Geral dos Músicos, 1665, T. 8° pag. 146, pretende que 
o nome verdadeiro da Stoltz era, segundo o baptistério, Victorina Noeb. O al- 
cunha da mal da cantora, la mère Noel. Seriar corruptella de Noeb ? 

2 a duqueza de Berry, como dissemos, mandara educar a Stoltz por coin- 
cidir o nascimento desta com o dia do assassinato do Duque de Berry. Igual 
coincidência também favorecera a mocidade da celeberrima actriz Mademoiselle 
Mars. ÀSOde dezembro de 1778, data em que Maria Antonietta dava a luza 
filha mais velha, depois Delphina e duqueza de Angoulême, uma cómica, em 
Ruão, tinha uma filha que recebeu o nome de Anna Francisca Hippolytte Mars. 
O acaso, aproximando os dois berços, valeu a criança do palco uma renda de 
quinhentos francos. 

*Les Femmes et les Mceurs du Brésil, Pariz, 1861, Charlieu etHuillevy 
editores. 



190 REVISTA BRAZILEIRA 

oom malicia, fala dos predilectos l de Madame Stoltz. Espinhos 
sobre espinhos. 

c Doutor em philosophia, ensina-me o olvido ». E' um pedido do 
Aretino ao professor de philosophia Bárbaro. Como o ensinaram a 
Stoltz 1 2 

ESCBAGNOLLB DÓRIA 



• f 

* Parecem dar-lhe razão os escândalos com a Serini e outras . 

2 Fétis indica como fontes bibliographicas. sobre a Stoltz. v Madame 
Rosina Stoltz ; Souvenirs biographiques et anecdoliques, par Julien Lamer, 
Paris, 1817, in 16. 2* Les adieux de Madame Stoltz ; sa retraite de V Opera, 
savie théâtrale, ses concurrentes, son interieur t e\c. t par Cantinjon, Pariz, 
1847, in 18. Esses livros nào"se acham em nossas bibliothecas e quiçá com 
dificuldade se obtém em França. 



IMPOSTO EM OURO 



Si duvidas houvesse sobre a gravidade da situação financeira 
do Brazil, paradissipal-as, ata estariam as repetidas declarações con- 
signadas em documentos officiaes, os constantes defiáts com que se 
têm liquidado os orçamentos, a cotação dos títulos da divida publica, 
o curso do cambio e os numerosos planos salvadores, symptoma este 
bastante significativo e que por si só bastaria para se fazer com 
toda a segurança a diagnose da moléstia. 

Em 1892 a questão, que mais preoccupou a attençâo do publico e 
do governo, foi a de auxilio aos bancos e ás industrias ; e tivemos, por 
um lado, novas emissões de papel-moeda na conformidade da lei 
n. 256õ de 29 de maio de 1875, restabelecida com leves modificações 
pela de n. 3263 de 18 de Julho de 1885, e, por outro, a autorização 
de bónus, dos quaes foram effectivamente emittidas quatro series na 
importância de oitenta mil contos de réis. Ambas estas providencias, 
solicitadas como necessárias e urgentes, foram geralmente bem aco- 
lhidas, ao menos pelos interessados. Parece entretanto que, si a pri- 
meira removeu ou addiou uma crise, que se dizia imminente, em con- 
sequência da escassez ou retraimento do meio circulante, não logrou 
a segunda todo o effeito que delia se esperava. 

Em 1895 a senha foi outra — protecção ás nossas industrias — ; 
e tivemos a Eocposigão Industrial e a revisão da tarifa, estabele- 
cendo taxas protectoras e muitas até prohibitivas. Àpezar disso e de 
haver o governo pacificado o Rio Grande do Sul — serviço que o 



192 REVISTA BRAZILEIRA 

recommendará sempre ao reconhecimento dos Brazileiros — , de haver 
* contraído um empréstimo externo de cinco milhões esterlinos e outro 
interno de cem mil contos de réis, applicado em parte ao resgate 
do papel-moeda, não apresentam as finanças publicas animador as- 
pecto, não melhorou a cotação dos nossos títulos nos mercados es- 
trangeiros e o curso do cambio oscilla entre 9 e 10. 

A questão que está agora na ordem do dia ó— pagamento em 
ouro dos direitos de importação. — E' preciso variar de remédio até 
acertar com algum que seja efficaz, e o indicado, affirmam os com- 
petentes, está neste caso . 

O Sr. ministro da fazenda c sempre entendeu, ajada quando teve 
a honra de fazer parte da commissão de orçamento da camará dos 
deputados, que, pelo menos, uma parte daqupUes direitos deve ser co- 
brada naquella espécie». Não dá, infelizmente, S. Ex. o fundamento 
de sua opinião, mas diz que « agora mais ainda a tem fortalecido, 
pois está o governo obrigado ao pagamento trimestral do juro de suas 
apólices de 4 % em ouro, quando o decreto n. 828 A de 6 de ou- 
tubro de 1890, que autorizou a conversão para esse typo das apó- 
lices de 5 %, declarou terminantemente quo essa providencia era 
imposta e derivava, necessariamente, do acto legislativo do governo 
provisório que estatuiu a cobrança total dos direitos de importação 
em ouro». 

Apezar do citado decreto, é evidente que a primeira dessas me- 
didas não deriva necessariamente da segunda. A cobrança dos direitos 
de importação em ouro não é de modo algum incompatível com a 
existência de apolices-papel, e já tivemos simultaneamente, sem que 
houvesse o menor conflicto, uma e outra coisa. Si fosse real a alle- 
gada incompatibilidade, o plano do Sr. Alcindo Guanabara ( cobrança 
total dos direitos em ouro ) teria como consequência fatal e imme- 
diata o restabelecimento do decreto que autorizou a conversão ; e si 
não é isto o que quer o governo, o Sr. Rodrigues Alves deveria, para 
ser coherente, repellir esse plano, que aliás o seduz e será em 
pouco tempo lei do Estado, deveria mesmo abster-se de pedir o terço 
e limitar a cobrança em ouro ao que fosse bastante para o paga- 
mento dos juros das apólices convertidas. 

Deve ser outro o fundamento de sua opinião. 

No relatório apresentado em 1894 pelo Sr. Felisbello Freire se 
lê: «... parece-me que será preferível conservar-se a tarifa actual» 









■ ivlui li O i ti ,. 

dívida > 
K - tronqui 









Diu 












I 






irV 


















196 






f;riga- 

I infantil 

CUIBf 

i 

àida i 
tamli 









truim 












n 



VI ll>[ 



La i 

















BIBLIOGRAPHIA 






..- a r . i í 






















■ 










■ 















fíirirtifi» juriíU 

dtj Taliàu 































,1 lolfu 












HlBI,10Gk»l'IJI.l 












» iili v ** \> utpbru*, 


















lHH|('*ptl 










































LIVROS E FOLHETOS 















\Mr*>i»f»*iié«\ a*lropliy*lqtit», f|i v «wl 






















































I 






LIVROS E FOLHETOS 






I 





















' 






















u (In 

































mal 






























tnoa dteer, tnomlii 









i' 





















I 



























- 



\a ns 















I 



, 












iiml 












107 



ra o equi 

até issi 

a que 



i 






\ 





B1BLI0GRAPHIA 



















































Blíi 





















(IH - 11-' 















£IMUHA 




































! , . , , 





















\jl I' 









LIVROS E FOLHLTOS 









LMt tio t\ 


















. 












A POLITICA 



Caiu no senado, aliás por uma pequena maioria de cinco votos, 
o projecto de lei do divorcio. Sabe-se que o projecto era eminente- 
mente conservador, pois apenas autorizava essa medida em dois 
casos : adultério provado e tentativa de assassinato. 

Ainda assim, só permittia o divorcio ao cabo de dois annos de 
separação, para dar tempo aos cônjuges de bem pesarem a situação 
em que se achavam, aquella em que iam collocar-se, e a situação 
em que ficavam os filhos. Não obstante isso foi rejeitado. O que 
quer dizer que o senado brazileiro entende que o cônjuge traido é 
obrigado a pagar durante toda a vida a culpa do outro ; e que quando 
a victima ó a mulher, ellá tem de renunciar a toda a esperança de 
felicidade, a todo bem estar, e ficar para sempre presa a quem a 
desprezou. Quer dizer mais, que o cônjuge contra cuja vida outro 
attentou, não tem o direito de procurar em sua fraqueza o apoio de 
terceira pessoa dotada de melhores instinctos. 

O senado brazileiro não desconhece que as leis não têm força 
contra as paixões, contra as necessidades materiaes, mas prefere 
que o cônjuge que tem razão para divorciar-se se entregue ao 
concubinato, constitua familia irregular, procreie filhos privados do 
direito de herdar e do de usar o nome de seus progenitores. 

O senado teve em sua campanha contra a lei moralizadora e 
justa o applauso dos sacerdotes catholicos. E' uma verdadeira aber- 
ração do espirito religioso o que leva o padre a pregar a indissolubili- 
dade do casamento civil, que elle considera uma coisa sem valor > 
quasi uma coisa não existente. Para as almas dos crentes só ha um 









i ve a 






• 





















- 












mu partido poli 



O PROBLEMA DA MORTE 



I 



E' o titulo de um excellente livro, em que o seu autor, Louis 
Bourdeau, discute as mais interessantes questões. A vida, a alma, o 
paraíso, tudo ali é tratado com um profuso e profundo saber. 

Em uma das suas máximas affirma La Rochefoucauld que nem 
o sol nem a morte podem ser encarados fixamente. E' um duplo 
erro, segundo nota Louis Bourdeau. Em primeiro lugar o sol tem 
sido tratado como uma espécie de animal curioso pelos astrónomos, 
cada um d'elles, armado das mais aperfeiçoadas lentes, mirando 
com olhos indiscretos o leão dos céus, e procurando ler a sua lumi- 
nosa historia na pagina azul do firmamento. Em segundo lugar a 
morte não somente tem sido encarada, ou melhor, affrontada por 
aquelles que se expCem ás balas e ás epidemias, mas ainda ha 
fornecido assumpto para os mais aprimorados motejos ou as mais 
pungentes ironias por parte dos espíritos galantes ou sarcásticos. 
Quem ignora que o desabusado Leopardi fazia a corte á morte como 
a uma mulher, a quem se ama com toda a ternura da alma, como 
outros fizeram a corte a Helena, Omphalia, Cleópatra, e que falava 
na gentãezza di morir com o mesmo carinho e doçura, com que um 
poeta lyrico fala no delicioso perfume de uma flor? 1 Voltaire 
com o seu sorriso escarninho exhortava Mme. du Deffand a gozar, 



i II naufragar m'è dolce in questo maré. 
14 tomo VII— 1896 



210 REVISTA BRAZILEIRA 

tanto quanto pudesse a vida, que é pouca coisa, sem temer a 
morte, que não é coisa alguma, e escrevia a seu amigo Thiriot : 

« Me tnoquant de tout sot orgueil, 
Toujour8 un pied dam le cercueil 
De Vaufre faisant des gambades. » 

Assim como tem havido quem em vida haja chorado sobre o 
seu próprio tumulo, compondo para si doridos epitaphios, da mesma 
sorte não tem faltado quem por centenas de escudos haja comprado 
magníficos epigrammas para ornarem a sua própria sepultura. 
Tal é o caso do abbade de la Rivière, Louis Barbier, que, legando 
em seu testamento cem escudos a quem fizesse o seu melhor 
epitaphio, deveu a La Monnoye a nota mais harmoniosa : 

« Ci-gít un três grand persotmage 

Qui fut d'un illustre lignage, 

Qui posséda mille vertus, 

Qui ne trompa jamais, qui fut toujours fort sage. 

Je n'en dirai pas davantage: 

Cest trop mentir pour cent écus. » 

Para o tumulo dos philosophos, que, atormentados pela duvida, 
vivem a levantar eternas questões sobre tudo, Parny compoz um 
epitaphio, que é um primor de critica : 

« lei git qui toujours douta, 
Dieu par há fut mis en próblème : 
Ií douta de son être même; 
Mais de douter il s'ennuya 9 
Et, las de cette nuit profonde, 
Híer au soir U est parti 
Pour aller voir, en Vautre monde, 
Ce qu'tí faut croire en celui-ci. » 

Não seria difficil prolongar esta excursão pela cidade dos 
mortos para recolher á bocca das tumbas os ditos mordazes contra 
a implacável triumphadora, que, como o camelo negro da lenda 
dos árabes, se ajoelha todos os dias ás portas das casas ; mas já é 



O PROBLEMA DA MORTE 211 

tempo de iniciar o indulgente leitor no Problema da morte, cuja 
solução, esperamos, não irá aterral-o, como a Mme. de Sévigné 
apavorava o pensamento da hora suprema. Realmente, a adorável 
creatura perde todo o seu bom humor, quando pensa na morte. 
< Embarquei na vida sem meu consentimento, diz ella em sua 
carta de 16 de março de 1672 ; é preciso que eu saia, isto me 
consome, e como sairei? Por onde? Por que porta? Quando será, 
em que disposição ? Soffrerei mil e mil dores, que me farão morrer 
desesperada? Eu me abysmo nestes pensamentos, e acho a morte 
tão terrível que odeio a vida mais porque a ella nos conduz do 
que pelas dores que soffremos. » 

Um phenomeno da vida diária deu origem ás idéas de alma e 
sobrevivência. E' o somno. Dormindo o homem primitivo sonha, e 
ao despertar lembra-se de que visitou taes e taes lugares, de que lhe 
appareceram taes e taes coisas, de que praticou taes e-taes acções. 
Pelo seu estado de inferioridade intellectual não podendo explicar 
estes factos por um trabalho espontâneo do cérebro, elle os atÇribue 
a um ser interior, que durante o somno abandona o corpo para se lhe 
unir de novo algumas horas depois. Ora, na morte oeste mesmo ser 
interior que abandona o corpo por mais algum tempo ou mesmo 
para sempre. A apparição de pessoas e animaes mortos, que se 
afiguram vivos, ainda mais confirma a existência deste ser interior, 
independente do corpo, e agora sob o ponto de vista objectivo. São 
pessoas e animaes, cujo ser interior continua a persistir depois da 
morte. Entretanto, além das pessoas e animaes apparecem em 
sonho coisas inanimadas, que não somente brilham como as es- 
treitas, ou movem-se como as nuvens, ou crescem como aB arvores, 
ou desabrocham como as flores, ou fulminam como os raios, mas 
até se metamorphoseam, tomando formas gigantescas ou desconhe- 
cidas, atacam ou protegem os seres animados, falam com elles ; 
então o homem primitivo explica a Bua apparição pela existência de 
um ser interior como nas pessoas e nos animaes. Deste modo tudo 
se anima na natureza, e tal é o estado de cultura, a que Tylor dá o 
nome de animismo. 

Mas de que natureza é este ser mysterioso, que ora se mantém 
unido ao corpo, ora o deixa por intervallos ou para sempre, afim de 
se transportar ao longe ? A alma humana nem sempre teve uma na- 
tureza espiritual ; não foi sinão após longas transformações que ella 



212 REVISTA BRAZILEIRA 

se tornou de uma pura immaterialidade. Primitivamente o espirito 
significava sombra, e assim participava, de alguma sorte, da mate* 
rialidade do corpo. Pelo menos, se deixava vôr, tinha movimentos, 
podia ser attingida. 

Os BasButos acreditam que, quando um homem caminha sobre 
a margem de um rio, um crocodilo pôde agarrar-lhe a sombra, e 
assim arrastal-o para o fundo d'agua. «Na lingua asteca e nas da. 
mesma família, diz Spencer, a palavra ehecaU significa ao mesmo 
tempo vento, sombra, alma. Ástribus da Nova-Inglaterra chamavam 
a alma chemung, sombra. Na lingua quiché a palavra natúb, e na dos 
esquimaus a palavra tamak exprimem estas duas idéas. > * 

Mas para que multiplicar os exemplos de synonymia entre as 
duas palavras? E' um facto muito conhecido dos philologos. 
Não somente as línguas selvagens, mas o grego, o latim e outras 
línguas civilizadas exprimem a mesma relação de identidade entre 
os dous vocábulos. Timbra, entre os romanos, significa a sombra dos 
vivos e a alma dos mortos. E* o que explica certos povos acreditarem 
que o corpo do morto não projecta sombra. 

Por attribuirem ao espirito as propriedades do corpo, éque alguns 
povos selvagens tôm por costume offertar aos mortos comida, uten- 
sílios de caça e de pesca e outros objectos indispensáveis á satisfa- 
ção de necessidades puramente physiologicas . E' muito commum 
entre os selvagens o uso de fornecer alimentos aos mortos. Dentre 
os innumeros casos mencionados pelos ethnologistas lembraremos 
apenas o habito de os Mexicanos depositarem nas sepulturas co- 
mida e flores, e o de os Peruanos offerecerem aos mortos, além de 
alimento, vestimentas. Nota Spencer que este uso persistiu por muito 
tempo entre os Incas, a cujos cadáveres embalsamados dizia-se : 
« Quando vivíeis, tínheis o habito de beber e comer ; que vossa alma 
receba e se nutra onde quer que estejaes. » 2 

O mais interessante é que, segundo nos ensina ainda o eminente 
philosopho inglez, o costume tem lugar mesmo nos paizes, em que 
dá-8e a cremação. Assim pratica-se entre os Kukis, de que fala 
Butler, e entre os antigos indígenas da America Central, a que 
refere-se Oviedo. 



1 Spencer, Princípios de sociologia, cap. XIII § 95. 
* Spencer, Princípios de sociologia, cap. XII § 85. 



O PROBLEMA DA MORTE 213 

Acreditam os selvagens que os espíritos fazem excursões e 
que estas excursões são cercadas de difficuldades e perigos. Por isso 
não é de admirar que lhes dediquem instrumentos de defesa e até 
lhes sacrifiquem animaes e servidores, que os acompanhem nas via- 
gens de alem-tumulo. Portanto, nada mais natural do que o desejo 
desse chefe chinouk de matar a mulher para acompanhar ao outro 
mundo o filho. OsEsquimaus costumam immolar um cão na sepul- 
tura das crianças para servir-lhes de guia á região dos mortos. Em 
Anityum, morta uma criança, estrangula-se a m&i, a tia ou a avó 
para conduzil-a ao mundo dos espíritos. l 

Da concepção de uma alma material, não de uma materialidade 
densa e compacta como o corpo, mas de uma materialidade suhtfl 
e etherea, que, entretanto, toma alimentos, é devorada pelos 
animaes ou persegue como fantasmas os inimigos, se passou á 
idéa de uma alma-sopro . Além do ar, que levanta turbilhões de 
areia ou trombas de agua, encrespa a superfície dos lagos ou 
abranda o calor das faces, a cessação respiratória, por occasião da 
morte, também deu origem a esta crença. 

Entre os Australianos Wang significa indifferentemente alma, 
sopro ou respiração. Da mesma sorte entre os Hindus Brahma quer 
dizer sopro ou alma. O mesmo se dá com Kneph — o espirito divino 
dos Egypcios — que deriva de nef sopro. Para muitos habitantes da 
Polynesia a alma é o sopro, que se exhala, tanto assim que elles 
costumam tapar a bocca e o nariz dos moribundos para impedirem 
que a alma se escapula. Não tem outra significação a pratica 
romana descripta por Virgílio e por Cícero, em virtude da qual um 
dos parentes mais próximos devia aspirar o ultimo sopro do agoni- 
sante. O fim era assimilar o espirito do finado, do mesmo modo que 
certos selvagens acreditam apropriar as forças do inimigo, devo- 
rando-lhe as carnes. E' por isto que no Taiti, onde julga-se residir 
a alma nos olhos, pertence ao chefe da tribu o privilegio de comer 
os olhos do inimigo. 

Os Hebreus não faziam outro conceito da alma. No Génesis o 
homem não é transformado em alma vivente sinão depois que o 
.Senhor imprime-lhe na fonte o sopro da vida. Em Ezechiel não 



* Spcncer, Princípios de sociologia, Cap. XIV, XV, §§ 104, 112. 



214 REVISTA BRAZILE1RA 

basta que os esqueletos revistam a carne para que revivam, é pre- 
ciso que o espirito divino sopre sobre elles. 

Do facto do resfriamento produzido pela morte se partiu para 
identificar a alma com o calor. O fogo, fonte de calor, veiu entfto a 
ser considerado a origem da alma. Foi transmittindo o fogo do céu 
que, segundo a lenda grega, Prometheu animou o primeiro homem, 
e Hephoestos a primeira mulher. Na Grécia, onde teve origem a 
questão da espiritualidade da alma, baseada na opposição entre o 
espirito e a matéria, não faltaram philogophos, que sustentassem ser 
a alma uma espécie de calor ou de chamma. Da opinião que jul- 
gava a alma um parcella de fogo celeste, foi toda a escola stoica. 

Não foi sem viva opposiç&o que a doutrina deAnaxagora, 
desenvolvida por Platão, pôde atravessar os séculos para encontrar 
em Santo Agostinho o seu mais esforçado e fervoroso defensor. Os 
primeiros christãos não tinham uma idéa clara da espiritualidade 
da alma. Esta doutrina não estava nas tradições do espirito ju- 
daico. Jesus resuscitou em -sua carne. Tal é o dogma fundamental 
do christianismo. Além de Galiano, espirito pratico, que não via na 
distincção entre a alma e o corpo sinão uma questão estéril, que 
não aproveita á saúde nem á virtude, muitos padres e doutores da 
Igreja consideravam a alma material, e outros não admittiam sinão 
uma espiritualidade relativa. Entre os primeiros figura Santo Hilário, 
e entre os segundos Santo Irineu. 

Não é sinão com Santo Agostinho que a alma vem a ser tida 
como uma substancia puramente espiritual, que existe por si mesma, 
independentemente da matéria, doutrina que attingiu o seu pleno 
desenvolvimento em Descartes, além do qual o espiritualismo mo- 
derno não avançou um passo. 

Realmente, todos os argumentos, com que os espiritualistas 
defendem a sua hypothese de uma dualidade de naturezas dis- 
tinctas, associadas durante a vida, e caracterizadas por qualida- 
des antagónicas, estão contidos nas palavras do notável pliilo- 
sopho francez : «Examinando com attenção o que eu era, conheci 
que era uma substancia, de que toda essência ou natureza não 
é sinão pensar, e que para existir não tem necessidade de lugar 
algum, nem depende de qualquer coisa material, de sorte que 
este eu, isto é, a alma, pela qual eu sou o que sou, é inteira- 
mente distincta do corpo... > 



O PROBLEMA DA MORTE 215 

E' interessante notar que um povo, que fazia do seu Deus 
a principal fonte de justiça, não tivesse cogitado de uma exis- 
tência futura, servindo de sancçâo á vida presente. Tal é o caso 
dos Judeus, que puniam os culpados em sua descendência e não 
em sua alma sobrevivente. « O antigo semita, escreve Renan, 
repellia como chimericas todas as formas, sob que os outros 
povos representavam a vida de alem -tumulo. Elle era levado 
a isto por um certo bom senso e também pela imagem exaltada, 
que fazia da grandeza divina. Só Deus é eterno; o homem não 
vive sinão alguns annos; um homem immortal seria um Deus, 
um rival de Deus, uma impossibilidade. » 1 

O Pentateuco não fala em immortalidade do individuo, e 
nos outros livros do Velho Testamento os textos, que alludem á 
vida futura, têm uma significação negativa. Assim, interrogando 
Job quando* o homem morrer que será delle, a resposta é que o 
homem, quando dormir, não resuscitará; não despertará nem se 
levantará do seu somno. « No ponto de vista do hebraísmo, diz 
Bourdeau, julgar-se immortal seria para o homem uma impiedade 
arrogante, uma dupla injuria á magestade divina e ao senso 
commum. > 2 

A historia de Israel não é sinão a de um povo, que durante 
muitos séculos lutou heroicamente para abolir as iniquidades 
deste mundo, para implantar sobre a terra o impejio da justiça ; 
e somente quando os prophetas, espécie de modernos socialistas, 
reconheceram que o seu ideal não passava de um sonho irrea- 
lizável, de uma utopia, foi que elles imaginaram o reino de Deus 
para servir de recompensa á virtude desprezada neste mundo. 
Mas appellando para o céu na questão da victoria definitiva da 
justiça, Christo não fez sinão adiar indefinidamente a solução de 
um problema, que foi a preoccupação constante dos filhos de Israel. 

Associar a justiça divina á sobrevivência humana é a missão 
do christianismo, porquanto a crença em uma existência futura 
nem sempre implica a idéa de uma divindade, que distribuo 
recompensas ou castigos ás acções boas ou más da vida pre- 
sente. Os Celtas acreditavam vivamente na immortalidade da alma ; 



i Histoire du Peuple d' Israel, tomo IV, pag. 320. 
8 Le Problème de la Mort, pag. 29. 



216 REVISTA BRAZILEIRA 

mas não associavam esta crença á doutrina de uma justiça de 
alem-tumulo. Para elles a existência futura não é sinão um 
prolongamento da vida presente, em que não se pôde contar com 
uma justiça absoluta. « Entre os Celtas, observa D'Arbois de Ju- 
bainville, a crença na immortalidade da alma tinha um poder, que 
impressionou vivamente o espirito dos Romanos; mas esta crença 
não era, como entre os christãos, associada á doutrina theolo- 
gica do paraizo e do inferno. O morto, pensava-se, encontrava no 
outro mundo uma vida similhante a esta, e d'onde, como nesta, 
toda justiça superior era ausente.» 1 

Bourdeau considera a doutrina judaica da resurreição e das 
recompensas futuras assimilada do mazdeismo, 2 ao passo que 
Darmesteter julga-a emprestada da philosophia grega. 8 E' ver- 
dade que a religião de Zoroastro consagra as idéas de uma sobre- 
vivência individual e de uma remuneração futura ; porém muito 
antes dos Medas e dos Persas já os Egypcios se tinham salientado 
por uma noção nitáda da justiça divina em uma vida futura, c No 
Egypto, lembra D'Arbois de Jubainville, desde os tempos mais an- 
tigos, em que podemos remontar, vemos estabelecida a noção da jus- 
tiça divina na outra vida, e da justiça real'nesta. O livro dos mortos, 
de que temos exemplares escriptos no sexto, e talvez mesmo no sé- 
timo século antes de nossa éra, nos dá o texto official do arrazoado, 
que o morto em presença do juiz supremo devia fazer. O morto não 
devia somente firmar que tinha desempenhado as suas obrigações 
para com os deuses, era preciso que tivesse tamfiem cumprido os seus 
deveres para com os homens. > 4 

Também a preoccupação de conservar os corpos dos finados por 
meio de embalsamento não deixa a menor duvida de que aos Egy- 
pcios não era estranha a idéa da resurreição. Mas a resurreição fa- 
zendo reviver o homem todo inteiro, alma e corpo, não é a mesma coisa 
que o conceito de uma alma distincta do corpo, sobrevivendo á morte. 

Não o é no sentido da immortalidade platoniana, isto é, de uma 
alma que existe individualmente antes e depois da morte, nem no 



1 E'lude$ sur le droit celtique, pag. 3. 

2 Le problème de la mort, pag. 27. 
a Les Prophetes d' Israel, pag. 116. 

4 E'tude* sur le droit celtique, pag. 9. 



O PROBLEMA DA MORTE 217 

sentido da immortalidade, como entendia a maioria dos philosophos 
gregos — uma emanação e absorpção final da alma humana no ser 
infinito pela suppressão dos limites da individualidade. Deste modo 
não se pôde dizer que a fé na resurreição e na remuneração futura 
seja uma filiação do mazdeismo ou da philosophia grega, ella provém 
de uma fonte mais remota, dos Egypcios, com quem os judeus esti- 
veram sempre em contacto. 

Kenan pensa que as três historias reunidas da Grécia, da Judéa 
e de Roma constituem o que se pôde chamar a historia da civili- 
zação, e que a Grécia neste trabalho de collaboraçâo representou 
um papel extraordinário, porque fundou, em toda a extensão do 
termo, o humanismo racional e progressivo. Mas a Helade na sua 
esphera intellectual e moral teve uma enorme lacuna : os seus pbi- 
losophos, cogitando da immortalidade do espirito, não se preoccu- 
param com as iniquidades da vida presente. 

Entre os Gregos a religião é, com effeito, antes uma explicação 
mythologica do universo do que uma organização da sociabilidade da 
vida, não somente em relação aos seres reaes e vivos, mas ainda 
aos seres ideaes e imaginários. Apôs o animismo grosseiro dos pri- 
meiros tempos a indagação de uma vida futura na Grécia não tem 
lugar sinão como questão metapbysica da origem e destino das 
coisas, e não como problema da vida pratica e de suas diversas ma- 
nifestações individuaes ou sociaes. Sócrates e Platão discorrem elo- 
quentemente sobre a immortalidade da alma . Mas para Sócrates a 
sobrevivência não passa do uma esperança, com que a pessoa deve 
encantar-se. E' bem significativa a peroração do seu discurso 
perante os seus juizes : « De duas coisas uma, ou a morte é o 
inteiro aniquilamento ou é a passagem para um outro lugar. Si tudo 
é destruído, a morte será uma noite sem sonho e sem consciência 
de nós mesmos, noite eterna e feliz. Si é mudança de morada, que 
felicidade encontrar os conhecidos e conversar com os sábios ! » 
Platão affirma cathegoricamente a immortalidade do espirito e a 
existência de castigos e recompensas além da vida presente ; mas 
da forma mais pomposa e deslumbrante que real e convincente dos 
seu» • argumentos dá testimunho Cicero, quando escreve: «Não 
sei como ó isto, li e reli o Phedon, de Platão, e lendo-o, estou 
sempre de accordo com o autor; mas apenas fecho o volume, 
minhas duvidas apparecem, e pergunto si sou immortal. > 

14 A TOMO VII— 1896 



218 REVISTA BRAZILE1RA 

i 

A doutrina de Platão não tem a nitidez, que ordinariamente se 
lhe attribue, e algumas vezes a falta de clareza toca á contradição. 
Segundo nos informa Draper, para Platão « cada ser é composto de 
duas partes, uma alma e um corpo ; sua separação constituo a 
morte ; a alma é composta de dois elementos, um elemento 
mortal, que lhe é dado pelos deuses creados, e um elemento 
immortal, que ella recebe do Deus supremo ; um terceiro elemento 
é necessário para servir de laço entre estes dois elementos oppostos : 
é o elemento demoniaco ou o espirito ; da coexistência destes três 
elementos, o appetite, o espirito e a razão, nascem os conflictos, 
que agitam a nossa alma; só a razão é immortal, as duas outres 
partes são mortaes ; o numero das almas, que o universo contém é 
invariável e constante ; o sentimento de preexistência, que temos 
em nós, prova que a alma existiu antes de nós. > Ora, é sabido que 
no Tiineo Platão não admitte a immortalidade sinão na medida, em 
que a natureza humana a comporta. Portanto, além do disparate, 
já notado por Lucrécio, de uma substancia immortal associada a 
uma substancia mortal, soffrendo ambas as mesmas vicissitudes por 
intermédio de uma terceira substancia, o elemento demoniaco, 
temos uma immortalidade, que não é completa, absoluta, mas 
restricta, condicionada, o que importa absurdo, tanto mais despro- 
positado quanto é certo que para Platão a alma existe desde toda a 
eternidade, áb aderno. Mas a eternidade, da mesma sorte que a infi- 
nidade, exclue toda a idéa de relatividade. 

A Platão, sonhando uma immortalidade individual, se pôde dizer 
que se oppõem todos os philosophos gregos : sceptácos, epicuristas, 
stoicos, alexandrinos. 

Segundo o scepticismo, para que indagar sobre a vida futura, 
quando se desconhece a vida presente ? Para o epicurismo, a alma 
não sendo sinão uma reunião de átomos, que a morte separa, é 
inútil preoccupar-se com uma existência, que não passa de uma 
illusão. O stoicismo não admitte uma immortalidade sinão para os 
sábios e os heróes. O alexandrinismo adopta francamente a doutrina 
védica da emanação e absorpção do Universo em Deus. O seu con- 
ceito não é outro sinão o dos philosophos e poetas indianos -a alma 
voltando com a morte ao ser infinito pela suppressão dos limites da 
individualidade. O ser infinito, diz um philosopho e ao mesmo tempo 
poeta indiano, ó como o crystal límpido, que recebe em si todas as 



O PROBLEMA DA MORTE 219 

cores, e as emitte de novo, sem que sua transparência ou sua pu- 
reza seja alterada ou maculada. 

Resumindo a philosophia grega relativamente á natureza da 
alma, diz Draper: «Consideremos uma dessas bolhas, que flu- 
ctuam sobre o mar; em razão de sua forma ella reflecte todcs 
os objectos que a cercam, as nuvens da abobada celeste como 
os objectos da margem, estejam em repouso ou em movimento ; 
reflecte mesmo este mar, sobre o qual fluctúa, e dó* qual nasceu, 
e reproduz as suas formas múltiplas taes como realmente são 
com suas luzes e suas sombras, sua perspectiva e suas nuances 
particulares, ajuntando a isto o jogo de suas próprias cores. Esta 
bolha é a imagem exacta da alma. Saiu do mar infinito e sem 
fundo ; sob qualquer relação não differe da fonte, que lho deu 
nascimento; procede da agua e não será sinão agua. Estas pro- 
priedades, que ella vem de manifestar, deve-as unicamente, pelo 
menos no que respeita á parte exterior do phenomeno, á sua 
forma particular e ás circumstancias, em que achou-se collocada ; 
segundo estas circumstancias variam, fluctúa ora aqui, ora ali, 
ora se fundindo em outras bolhas, que encontra, ora saindo ainda 
uma vez da escuma das aguas. Apparece ora maior, ora menor, 
em um certo momento toma novas formas, em um outro perde-se 
nas que a cercam; mas quaesquer que sejam as vicissitudes, a 
que está exposta em todas estas migrações, um inevitável destino 
a espera, a absorpção e a reincorporação no oceano. Neste 
momento final, o que nesta bolha se perdeu, o que foi destruído ? 
Não foi certamente sua substancia essencial; porque antes de 
desenvolver-se ella era agua, agua foi durante toda a duração 
de sua existência, e agua permanecerá, sempre prompta a se 
dilatar de novo. » 1 

Por esta explicação magistral vê-se que a philosophia grega 
em relação á alma humana não caminhou um passo além da 
concepção védica. A alma humana, esta partícula da intelligencia 
universal, separada momentaneamente de sua fonte primitiva pelo 
corpo, tende a voltar a ella inevitavelmente como o rio volta ao 
oceano, que lhe deu origem. 

Entre os philosophos, os poetas e es moralistas latinos reina 



i Bistoire du développement intellecluel de VEurope, vol. 1, cap. 7. 



220 REVISTA BRAZILEIfU 

a duvida, sinão a descrença, quanto á natureza da alma. Todo 
o terceiro livro do grandioso poema de Lucrécio destina-se a 
provar que a alma nasce, cresce e succumbe com o corpo. « As 
crianças não têm sinão' membros delicados e débeis, um passo 
incerto, a que acompanha a fraqueza do pensamento. Mais tarde, 
as forças se desenvolvem com a idade, a intelligencia se alarga, 
e o espirito adquire vigor. Afinal, quando o corpo é abalado pelos 
violentos ataques do tempo, os órgãos se embotam e se enfra- 
quecem os membros, então o entendimento vacilla, a lingua 
titubôa com o pensamento, tudo fallece, tudo foge ao mesmo 
tempo. > Por que a alma, que soffre todas as vicissitudes do 
corpo, ha de prolongar sua existência fora do seu abrigo na- 
tural? c Será com receio de permanecer encerrada num corpo 
em ruinas, temendo que a velha casa desmoronando-se ao peso 
dos annos, ameace sepultal-a ? Mas ha perigos para um ser im- 
mortal?» Para o autor do De rerum natura não ha maiores dis- 
parates do que a união do mortal com o immortal e a acção do 
corpóreo sobre o incorpóreo. Entretanto, segundo os espiritua- 
listas a alma se acha tão intimamente ligada e subordinada ao 
sangue, aos nervos e aos ossos, que ella soffre ao contacto da 
agua gelada por intermédio dos dentes cariados. 

Plínio affirma que « depois da morte o corpo e a alma não 
sentem mais do que sentiam antes do nascimento. . . Isolada a 
alma dos sentidos, como verá, ouvirá e tacteará ? . . . E\ portanto, 
uma loucura pretender sobreviver depois da morte. > l No en- 
tender de Séneca não ha razão para lastimarmos a morte dos 
seres, que nos são caros. Si com a morte desappareoe o senti- 
mento, o finado volta á condição, que tinha antes de nascer. Si, 
porém, persiste o sentimento, entáo a alma deve sentir-se satis- 
feita, gozando o grandioso espectáculo da natureza. « Das alturas, 
em que é collocada, verá a seus pés as coisas humanas, e con- 
templará de perto aB coisas divinas, cujas causas por muito 
tempo interrogou. » 2 

Mas as conclusões finaes do philosopho latino são sempre no 
sentido negativo contra a im mortalidade. «A morte não é um 



i Historia natural, cap. VII, § 56. 
2 Consolatio ad Polybyum n. XXVII. 



O PROBLEMA DA MORTE 221 

bem nem um mal. Porque, para ser um bem ou um mal, seria 
preciso ser alguma coisa; mas o que não ó coisa alguma, o que 
reduz tudo a nada, n&o impõe uma nem outra daquellas con- 
dições. » l 

N&o ha maior loucura do que temer aquillo que nfio será sof- 
frido. 2 Nada mais doce de perder do que aquillo que não se pôde 
lamentar quando se tem perdido 8 Que importa não começar ou 
cessar de existir ? Um e outro estado importam uma e a mesma 
coisa — não existir. * 

No mundo christâo, mesmo depois que o concilio de Latrão con- 
demnou aquelles que negassem a immortalidade da alma, lavra não 
menor divergência de idéas quanto á origem, natureza e destino 
do espirito humano. Ao lado de Santo Agostinho e seus discípulos 
surgem materialistas, idealistas, pantheistas, combatendo a doutrina 
daquelles que separam o homem em duas substancias, uma corpórea 
e outra immaterial, a primeira transitória e a segunda eterna. 

A prodigiosa diversidade de opiniões se mantém poraffirma- 
ções tão contradictorias, que fazem descrer da unidade da razão 
humana, até chegar-se ao conceito de uma psychologia, não diremos 
somente sem alma, como alguém já se exprimiu, mas, sem matéria 
e sem espirito, designando estes termos duas substancias distâncias 
e concomitantes. Então não se quer mais indagar si a alma e o corpo 
formam duas substancias extrínsecas, ou si a alma é uma simples 
propriedade do corpo, ou si a matéria é uma apparencia pura- 
mente phenomenica, ou si a personalidade individual é uma mani- 
festação da impessoalidade universal ; apenas constatam-se estados 
physiologicos e psychicos, que se determinam, mas não se produzem 
uns aos outros. « A differença entre determinar e produzir é capital, 
diz Sully-Prudhomme, produzir é fornecer os materiaes da coisa 
que nasce, determinar é simplesmente fornecer as condições do 

nascimento.» 5 

Abthur Orlando 
{Continua) 



* Consolatio ad Mareiam n. XIX. 
s Epist. XXX. 

» Epist. IX. 

* Epist. LIV. 

& Sully-Prudhomme, (Euvres, prefacio, pag. LXXX. 



PRIMEIRAS IMPRESSÕES 

DOS ESTADOS UNIDOS' 



II 



O culto tributado pelos Americanos a Washington é um senti- 
mento commuin a todo o paiz, uma feição collectiva que abraça 
todas as dissençOes politicas e reúne todas as divergências religio- 
sas. Constituo uma religião nacional, toda feita de amor e de gra- 
tidão, para a qual não encontro termo de comparação em outro 
qualquer paiz. Os francezes symbolizam em Napolão Bonaparte o 
génio bellicoso de sua raça, o seu fanatismo militar, o seu enthu- 
siasmo do mando, mas dentro da própria França quantos detractores 
não encontra a memoria do grande Imperador ? Nas classes diri- 
gentes podem dizer-se em maior numero os que o condemnam do que 
os que o exaltam. Não assim dos Estados Unidos. Washington lutou 
durante a sua vida gloriosa, no terreno da defesa militar da colónia 
com os amigos da metrópole, no terreno da organização politica da 
nova nação com os paladinos dos direitos estadoaes, pois que, tendo 
elle sido o principal unificador dos esforços isolados em prol da inde- 
pendência, não podiam deixar de interessal-o sobretudo os poderes 
e attribuições federaes. Hoje porém, e logo depois da sua nobre 
retirada da vida publica, a veneração popular que cerca o seu nome 
não conhece discrepâncias. 



Veja a Revista de 15 de julho. 



PRIMEIRAS IMPRESSÕES DOS ESTADOS UNIDOS 223 

Desde que aqui cheguei e a cada passo depara-se-me uma 
piedosa recordação dessa figura legendaria de distincção e de 
virtude tão facilmente evocada e tão difficilmente imitada, insensi- 
velmente faço de mim para mim uma reflexão: si a personalidade 
de Washington teria possuído as condições exigidas para ser igual- 
mente reverenciada num paiz latino, por exemplo o nosso. Contra o 
rifão, o plantador da Virgínia foi realmente propheta na sua terra. 
Resta saber si o teria sido no Brazil. Francamente penso que não. 

Primeiro, por nascimento, por natureza e por educação, Was- 
higton, era um aristocrata, descendente de uma família de sangue e 
tratamento fidalgos da mãi pátria, do que hoje se chama aqui olá 
stock e goza de particular consideração. Ora, nós todos sabemos 
que similhante género não encontra muitos apreciadores num paiz 
onde o próprio soberano teve de democratizar-se ao extremo para 
lograr conservar-se tantos annos no throno. 

Depois esse gentilhomem amado e cortez era um methodico, 
um arranjado, um poupado, qualidades que a prodigalidade e o 
deleixo nacionaes não perdoam entre nós, taxando-as de ridículas. 
Toda a sua vida, Washington olhou muito pelos seus interesses, 
posto que zelando-os pelos meios mais legítimos e honestos : pelo 
trabalho e pela economia. Inglez em tudo, antes de ser empolgado 
pela tormenta militar e sacudido para a administração, tivera o 
seu officio, fora agrimensor. Quando levado ao fastígio do poder, 
que numa democracia é a presidência da Republica, não abandonou 
sua antiga actividade, correspondendo-se regularmente com os seus 
feitores em Mount-Vernon, interessando-se simultaneamente, ainda 
que cada coisa á sua hora, pelo que discutiam no gabinete Hamilton 
e Jefferson, e pela perspectiva da colheita nos campos de pro- 
priedade dos seus maiores. 

A morte de Washington foi mesmo provocada pela sua inces- 
sante diligencia. Já velho, aos 68 annos, num dia de rigoroso 
inverno, a 12 de dezembro de 1799, teimou em sair a cavallo para 
inspeccionar as terras e dar instrucções sobre o seu melhoramento . 
Regressou horas depois coberto de neve e tiritando de frio. Não 
obstante, repetiu no dia immediato a façanha que lhe produziu uma 
curta e fatal doença. 

Em terceiro lugar, Washington, valente oflicial como sempre 
mostrou ser, apaixonado desde moço por todos os exercícios 






REVISTA ífRAZILBIRA 



ou guen 

maior 

i, BCIII p 

kivra qttJ 
mais do qu*- Hi 

itav5 

isse um:' 
ribaldl ou 

tite rapada, a 
smi pi» 
e a lliíiuura. 

ou um n\ 

rm 

rece coma nm tribnnn 

nosso pm 

rmiSo 
havi» | 

rtmiâar 






que tiui- 
■n t si llits fo 



Mui 






BfUZlLKIBA 



■ 









s da tm'! 












PRIMEIRAS IMPRESSÕES DOS ESTADOS UNIDOS 227 

ser legista foi operário, antes de governar o povo trabalhou com elle, 
erafim, o ideal obrigado de uma republica. Sem attractivos physicos, 
antes dotado de singular fealdade, desagejtado, fúnebre até de as- 
pecto, mas de um bom senso rude como a sua força hercúlea, com a 
gravidade tão natural quanto o sarcasmo, era a personificação do 
plebeu emancipado, educado, porém* sempre canhestro, cujo valor 
moral está entretanto ao alcance de todos porque descança na fraiK 
quezae na honradez, virtudes singelas que se apprehendem facil- 
mente e que nelle constituíam a florescência natural de um espirito 
profundamente christão. 

Este espirito christão e uma tenacidade inquebrantável eram 
os traços communs a Washington e a Lincoln, feições de raça 
todavia, não simplesmente traços individuaes, que em ambos se 
traduziam numa bondosa piedade e numa discrição perseverante. A 
piedade de Lincoln formava* boa parte, a parte propriamente pessoal, 
das suas convicções abolicionistas, que por outro lado correspondiam 
á sobreposição do Norte manufactureiro e radical ao Sul agrícola e 
conservador. O Sul representava o elemento tradicional dos forcemen, 
de censo limitado, firmado na liberdade civil e na propriedade 
rural, dirigido por uma aristocracia patriarchal, governou, valente, 
illustrado, liberal em tudo quanto nâo envolvesse a «instituição 
particular,» da qual Washington é um modelo primoroso. O Norte 
encarnou-se no elemento igualmente de sangue inglez, no sangue 
mais plebeu, isto é, a massa industrial dotada de armas do suffragio, 
fácil terreno de cultura para quaesquerinnovações politicas, da qual 
Jefferson foi um precursor theorico, um namorado platónico, e Lin- 
coln o representante authentico, com as prevenções democráticas dos 
pioneiros, e o fervor religioso dos peregrinos da Nova Inglaterra. 

A historia comtudo repete -se, como todos sabem, sob aspectos 
na apparencia diversos. O elemento escravo foi a base da fidalguia 
territorial, a principio dominante. O elemento operário é a base da 
aristocracia do dinheiro, hoje a dominante, e que por intermédio dos 
políticos de profissão dita leis á administração, faz eleições e de certo 
modo governa o paiz, balançando pela sua poderosa influencia sobre 
ella o prestigio enorme de que a opinião publica goza num paiz secu- 
larmente feito a livre manifestação do pensamento. 

Oliveira. Lima 



EDMUNDO DE GONCOURT 

(UMA AMIZADE LITERÁRIA) 



Dias-madrastas ! exclama a antiguidade pela voz de Publio 
Syrio. Nigro notando lapãlo. Dias de dilaceradora tristeza, dias- 
madrastas tanto vos' maltratam! 

Senti essa verdade a 16 de julho ultimo. Na mesma madru- 
gada perdia no plácido e bello Petrópolis, por manhan de inveiro 
chuvosa e feia, meu prezadíssimo pai, e a centenas de léguas, do 
outro lado do oceano, no rumoroso Pariz, um mestre e amigo 
literário — Edmundo de Goncourt. Singular coincidência! 

Coração enlutado, alma opprimida por justa e profunda magua, 
nâo corri logo a prestar as devidas homenagens a quem, desde 
1890, me habituara a querer bem, embora de longe. Goncourt 
nem precisa de biographias, nem de estudos literários. Depois de 
Alidor Delzant, de Bourget, de Lemaítre, Céard, Geffroy e tontos 
outros, tudo está colhido nessa seara de assumptos. Parece-me, 
porém, merecer algumas linhas e certo interesse a espontânea 
sympathia artística do eminente e celebre romancista da Faustin 
e dum homem de letras brazileiro . Desejava vir a este j onto de 
originalidade. 

Estudante de direito, em férias do quarto anno, li pela primeira 
vez um livro dos Goncourt, o Journal des Goncourt, limitado então 
a três volumes. O fim do 3 o volume, as notas sobre a morte de 
Júlio de Goncourt, causaram-me viva emoção. « Ha no seu livro 
dizia Júlio em carta a Michelet a respeito da Bible deVHumanité r 
frases feitas de luz, paginas inteiras de sol, epithetos que se 



EDMUNDO DE GONCOURT 229 

respiram, idéas que fremem e palpitam sobre a haste das pala- 
vras. » Foi a impressão da minha primeira leitura dos Goncourt. 

Feria-me o prematuro fallecimento dum irmão, Félix Emilio, 
«eis annos ceifados em flor de esperaiiças. A morte curva os es- 
píritos como o vento dobra um mundo de ramos. Aquella leitura 
«do Journal em plena dor, guardadas as circumstancias, aquella 
affinidade de affectos fraternos, contribuiriam para a minha 
admiração pelos Goncourt? Talvez. Desde então procurei conhe- 
<;el-os melhor, entrei a lei -lhes as obras, e, sob a pressão desse 
influxo, escrevi dum só fôlego, em francez, idioma familiar, três 
romances Cceur d'Ânge, McUhUde Mornand l e Sceur Louise, este 
bem fraco éco das formosas paginas da Sceur PhUomène que, 
tempos depois, traduzi e publiquei em folhetins do Jornal do Com- 
mercio. 

Nasceu-me a idóa de corresponder-me com Goncourt, posto 
ma salteassem vacillações e receios. Seria recebida qualquer carta 
minha ? Chegar até Goncourt, universalmente admirado, farto de 
honras literárias, de dezenas de missi vistas desconhecidas, de 
centenares de mendigos de autographos ! Venci a ultima hesita- 
ção. Escrevi a Goncourt simplesmente, sem refolhos, nem elogios 
ultra-hyperbolicos ; falei-lhe de suas obras, terminando por lhe offe- 
recer alguns capítulos de Soeur Louise. Mezes depois, em S. Paulo, 
ohde terminava o curso jurídico, recebi a desejada resposta. Eil-a, 
virgem até hoje da menor publicidade : 

8 octobre 90. 
Monsieur et cher confrère 
La connaissance intime que vous avez de Voeuvre des deux frères, 
Vespèce d'attachement que vous témoignez pour leur prose et leurs per- 
<sonnes t me fait accepter vraiment avee de la reconnaissance la dédicace 
que voue voulez bien consacrer au vivant et au tnort. 

Agrêez, monsieur, Vassurance des mes sentiments les plus sympathi- 
ques, et croyez bien que je sais touché de trouver si loin de la France 
un si fervent et si pieux admirateur. 

Edmond de Goncourt. 



1 A dedicatória desse romance é— .1 Edmond de Goncourt— à sa gloire 
lriste—mon obscurité me lanço lique. 



230 REVISTA BRAZILE1RA 

Lograrei exprimir a satisfação sentida ao ler essas linhas ? 
Trabalhara e estudara seis annos, obscuro, silencioso, produzindo 
muito, rasgando quasi tudo, publicando pouco, lembrado dos con- 
selhos de Horácio e Boileau acerca do necessário enclausuramento 
dos escriptos. Chegavam-me de súbito palavras taes de anima- 
ção e elogio ! Não eram assim tão ruins os capitulos da humilde 
Sceur Louise ! 

Respondi a Goncourt, remettendo-lhe vários artigos, critica dos 
livros delle; Pedia-lhe attenção sobretudo para um caloroso e feito 
con amore, em defesa da FiUe Elise, peça de Jean Ajalbert, tirada 
do romance do mesmo nome, que acabava de ser representado no 
Theatro Livre de Antoine, o actual director do Oãéon. Collados 
os artigos, traduzia-os cuidadosamente á margem. No mesmo enve- 
loppe inclui tombem grandes e magnificas folhas seccas do Ama- 
zonas, ouro sobre velludo, pedindo a Edmundo de Goncourt as 
depuzesse sobre o tumulo fraterno no cemitério Montmartre. 

A resposta nâo se fez esperar. 

Mai, 1891. 
Monsieur 

Je suis tout à fait touché — et au fond du cceur — de ces fleurs 
pieusemeni cueiUies par vous dans les forêts de VAmazone * de ces fleurs 
•magiques d'or et d'argent destinées à être déposées sur la tombe de num 
frère, que je suis justement dans le moment en train de faire arranger. 
Je ne sais encore comment vous remercier de la sympathie dévouée que 
je trouve chez vous. Cest vous dire queje vous dorme Vautorisation pleine 
et entière de puUier Sceur Fhilomène emportugais. 

Becevez encore une fois, cher monsieur, tous mes remerciements de 

votre attachement à la mémoire du mort, de votre vaUlance à la defense 

du vivant. 

Edmond de Goncourt. 

Estava estabelecida a correspondência 2 Desde então a conti- 
nuamos, até por cartões de visita, sempre no mesmo tom de bené- 
volo applauso de Goncourt, de respeitosa admiração da minha 
parte. 



i Houve engano da parte de Goncourt, nunca íui ao Amazonas. 
2 A offerta calou tanto no animo de Goncourt que lhe dedicou referen- 
cias no VIU volume do Journal des Goncourt. 



EDMONDO DR GONCOURT 231 

Não apparecia volume signé Ghmcourt que eu sobre elle não es- 
crevesse remettendo logo os artigos, com a respectiva versão, ao 
illustre autor, endereçando as cartas ora á livraria Charpentier (ruc 
deGrenelle 11) ora ao 67 Bov&evard Montmorency, a casa descripta 
na Maison d'nn artiste. Nesse livro admirável fala Edmundo de 
Goncourt de Nicoláo António Taunay « le Poussin depetits tabkaux » , 
bisavô materno do seu amigo do Brazil. Como tudo se relaciona 
neste mundo! 

E hoje? 

Edmundo de Goncourt foi reunir-se, no paiz de onde ninguém 
voltou, ao irmão querido, ao seu melancólico e genial Júlio, lem- 
brado durante vinte e seis annos com a dôr da Rachel antiga cho- 
rando os filhos sem querer consolo. 

«Nunca nos foi dado vèr espectáculo assim tão desolador. 
Edmundo, em trágico estupor, parecia petrificado espectro e a noite, 
que de ordinário dá mascara de serena belleza a quantos rostos 
toca, não pudera apagar dos traços de Júlio, tão finos e regulares, 
expressão de amargo jlesgosto e de inconsolável saudade. Dir-se-ia 
sentira, no momento supremo que não tinha o direito de sair da 
existência como qualquer, commettendo um quasi fratricídio. O 
morto, no ataúde chorava o vivo, de certo mais digno de la>tima. 

« Em todas as estações da via dolorosa acompanhamos o pobre 
Edmundo que, cego de lagrimas, sustido por braços amigos, trope- 
çava a cada passo, como si embaraçasse os pés numa dobra da 
mortalha fraterna. Como esses condemnados que se decompõem 
no trajecto da prisão ao cadafalso, de Anteuil a Montmartre, Ed- 
mundo envelheceu de vinte annos, embranqueceram-lhe os cabellos ! 
Via-se-os — não é illusão nossa, varias peHSoas repararam nisso — 
perder a cor, empallidecondo sobre a cabeça delle a medida da 
proximidade do termo fatal e da portinha baixa onde se diz o 
eterno adeus. Todos choravam ou soluçavam convulsivamente, e 
entretanto, quem ia atraz desse coche fúnebre eram philosophos, 
artistas, escriptores, habituados á dôr, a dominar almas e nervos, 
com o pudor das emoções. » * 

Palavras de Theophilo Gautier no Journal Qffváel no dia se- 
guinte ao do enterro de Júlio de Goncourt. Que dirão hoje Daudet, 
Zola, Frantz Jourdain, Cóard, Geffroy, os íntimos do grenier? ^ :e 
disse Pariz, fervedouro de homens, na passagem dos restos mortaes 



232 REVISTA BRAZILEIKA 

de Edmundo de Goncourt ao derradeiro pouso, em Montmartre, perto 
do tumulo de Gavarni? 

Oh ! quem dera poder resumir, num Ímpeto de pezar, tudo 
quanto de superior, de commoção intima, de alteza de sonhadora 
melancolia, me inspira o desapparecimento de Edmundo de Gon- 
court. 

Adeus, nobre vida ao serviço da intelligencia, das lagrimas 
humildes, das angustias anonymas, da sensibilidade, do trabalho, 
do colorido, da delicadeza, da fantasia, das meditações, alma límpida, 
luz entre facetas de diamante. Por sobre a inextricável complicação 
da Vida, eleva-se a sombra da Morte, como sombras se alçam á hora 
do crepúsculo, acima das colunas, ao nascer da lua pallida qual 
as mortas e os lyrios. 

Mestre e Amigo, adeus. 

EsCRÀGNOLLB DOBIA 



SI ASPECTO DA QUESTÃO FEMINISTA 



Este fim de século, carregado e sombrio, detesta profunda- 
mente a mulher, sagra-lhe um culto de ódio equivalente ao de amor 
que o passado christão lhe sagrou. 

Ostensivamente o homem moderno faz propaganda em prol da 
emancipação feminina, applaude os esforços que a mulher faz para 
sair do seu sexo, mas esta mesma propaganda, estes mesmos 
applausos provam que o homem odeia a mulher tal qual existe, não 
a quer com os attributos com que se apresenta. 

E* uma misogynia mascarada, mas não deixa de ser misogynia 
através do seu disfarce : o homem não quer a mulher revestida dos 
dotes com que o passado a fez, aspira a transformal-a em ser diffe- 
rente, com elle parecido psychologicamente. Por sua vez a mulher 
não crê mais na efficacia do seu papel social, comprehende que deve 
assimilar do homem elementos com que possa triumphar no conflicto 
vital. E' esta uma questão de ordem capital na psychologia da so- 
ciedade hodierna, pois que, graças a ella, as relações mais simples 
da espécie, as sexuaes, são postas em discussão, o accôrdo biológico 
dos sexos parece perturbado pela incidência psychologica a des- 
truir-lhe a harmonia. 

Como todos os phenomenos de ordem geral, a misogynia que 
se dá no actual aggregado humano é inteiramente inconsciente, o 
homem não sabe que detesta a mulher, que a odeia. Todavia o facto 
concreto ahi está : todas as obras literárias e scientificas da época 
attestam esse ódio, largamente o demonstram, comprovam-no com 

15 A TOMO VII —1896. 



234 REVISTA BRAZILEIRA. 

todos os documentos. À harmonia sexual está destruída, o senti- 
mento, nascido da necessidade dos dois séculos se fusionarem numa 
unidade social, periclita. A família hodierna é posta em discussão, 
submettida á critica, exactamente como si não tivesse passado 
ethico-historico, como si nenhumas raízes a prendessem aos tempos. 
A propaganda em prol do divorcio é disso uma prova, porquanto 
suppõe ella uma vantagem para o elemento masculino que assim, 
na dissolução matrimonial, se liberta do pesado encargo da protecção 
á mulher, a quem, força é dizel-o, em nada aproveita a dissolubili- 
dade do laço conjugal. Foi-se a família christan, a elaborada pela 
idade média; foram-se a nobre e a burgueza construídas pelo ce- 
sarismo e a renascença : todo esse produeto sentimental voou e 
estamos em face de uma sociedade que protesta contra a organização 
do lar do passado, ou proclamando como absurda a monogynia, ou 
dando á mulher socialmente uma posição tão livre quanto app&ren- 
temente é a do homem. 

A etiologia deste mal não é difficil de determinar, pois que é 
elle um produeto da lei de differenciaçáo. A 1 medida que a evolução 
se accentúa, a differença entre os indivíduos augmenta, postulado 
inatacável de mecânica biológica e social. A differença entre os 
dois sexos nunca foi maior do que actualmente, porquanto nunca 
foram pedidas ao homem e á mulher aptidões mais differentes do 
que no actual momento histórico. D'ahi uma funda separação entre 
a psychologia dos dois sexos, um fosso que se abre entre elles. Ao 
passo que a cultura do homem enveredou pelos caminhos da intel- 
ectualidade, da sciencia baseada na observação e experiência, a da 
mulher se orientou pelos rumos do estheticamente ideal, do aceito 
como abstracção ethica indispensável á arte do attr activo. O homem 
educou-se de harmonia comas necessidades do século; a mulher 
recebeu uma educação sentimental própria de outras eras. O resul- 
tado é que representam hoje psychologicamente dois pontos op- 
postos, dois poios do eixo da vida psychica. Não se entendem e d'ahi * 
a misogynia, misogynia tanto mais poderosa que a mulher de hoje 
S3 apresenta como a inimiga económica do homem, é quasi sempre 
para elle um embaraço á solução do problema da nutrição, o pri- 
meiro dos problemas a resolver na ordem dos phenomenos bioio» 
gicos. O conflicto entre a unidade orgânica do individuo e a colle- 
ctiva da espécie aqui se affirma : a nutrição fica, phenomeno inverso 



UM ASPECTO DA QUESTÃO FEMINISTA 235 

socialmente, sujeita á lei de reproducção e a mulher é o obstáculo 
vivo que o homem encontra diante de si para cumprir as suas obri- 
gações biológicas de membro da espécie. Inconscientemente quer 
reproduzi r-se, mas depara como obstáculo á reproducçâo a solução 
do problema dé nutrir a mulher como cooperadora na obra da repro- 
d ícção. A resultante psychica é a misogynia, a aversão áquella que 
lhe é necessária á funcção sexual, mas que lhe pede ao organismo 
esforços superiores á normal da sua excitação biológica. 

Inconscientemente também a mulher percebe que, na batalha 
da vida, o braço do homem já não lhe é arrimo : d'ahi a sua sede a 
prover á sua subsistência, a resolver por si mesma o problema da 
nutrição, desempenhando funcçCes que a asseguram ao homem. Si 
ella demanda os misteres em que o homem trabalha, não se pense 
que o faz simplesmente por um capricho, por um desejo louco de 
lutar como o homem : a necessidade a isso a obriga, balda da con- 
sciência da protecção masculina. Não crê mais que o homem resolva 
por ella o problema da nutrição, ella mesma trabalha para re- 
solvel-o, imitando os processos masculinos de solução da questão 
biológica. E o homem applaude a este tentamen, gosta que a mulher 
forceje por deixar de ser mulher, como que antevendo na libertação 
delia a sua libertação económica, não mais obrigado a nutrir quem 
por si mesmo resolva o problema da nutrição. 

Assim differenciação psychologica dos dois sexos, conflicto 
económico destes, são a base desta misogynia : o ódio do homem 
á mulher tem suas raízes no terreno natural da luta pela exis- 
tência, provém da organização da espécie que, para reproduzir-se, 
encontra como obstáculo as necessidades da nutrição. A miso- 
gynia comprehendida de tal maneira não mais é uma aberração do 
instincto sexual, antes nasce naturalmente delle, como correctivo á 
sua existência. As épocas em que a nutrição foi fácil á humanidade, 
quando a população pouco densa assim o permittia, foram-se ; á 
polygynia succedeu a monogynia, como consequência de diminuição 
nos meios de prover a uma família polygama. O homem hodierno, 
monogamo de harmonia com o direito escripto, difficilmente ó mo- 
nogyno ; e d'ahi a sua misogynia, o seu ódio á mulher que lhe torna 
difficil a existência. 

Dir-se-á, porém, que em nenhuma época foi a mulher mais 
cercada de favores sociaes que na actual, que nunca teve ella 



236 REVISTA. BRAZILEIRÀ 

maior importância na scena do mundo. E' preciso distinguir : si por 
importância se entende o valor que a necessidade dá ás coisas, 
força é confessar que nunca a mulher a teve maior que hodierna- 
mente, em que os requintes da sensualidade, determinada por 
superexcitação dos centros nervosos, mais solicitam a funcção 
sexual ; mas si por importância se entende o valor social da mulher 
como cooperadora do homem, nunca o teve ella menor, pois 
que nunca se a considerou mais como o animal próprio a dar apenas 
o prazer que na época actual. Procura-se a mulher como objecto de 
primeira necessidade biológica, mas nessa procura o elemento 
ethico nenhuma importância tem. A prova está na dificuldade com 
que a família de hoje se constitue e no alastramento geral da 
prostituição, morbus indicativo dessa mesma dificuldade. Por uma 
mulher que triumpha no prélio vital, quantas são sacrificadas? 
quanto custa á pluralidade feminina a honestidade da que triumpha? 
A mái de família, que consegue organizar um lar, ignora quantas 
mulheres foram sacrificadas a essa organização, não sabe quantas 
rosas foram desfolhadas para que lhe ficasse na fronte a virgínea 
grinalda de flor de laranjeira. A sua virtude, producto da chimica 
social, pede, como productos também, os precipitados do vicio : é 
pura porque outras não o são. 

Neste fim de século a influencia etherea da mulher âpresenta-se 
apoucada, insignificantemente, de nenhum resultado apreciável para 
evolução da espécie. Estamos moralmente longe do século passado 
onde a mulher se impunha, triumphava, vencia os homens. 

Na politica do século onde estão mulheres que realizem o que 
fez la petite iUEtioles, aquella Pompadour que era um dos árbitros 
da politica européa ? Na arte, qual é a mulher do século que tenha 
inspirado como uma Mlle. Georges ou uma Sophia Arnould? Na eru- 
dição, quem aspira a exercer a influencia sabia de uma Mme.Dacier? 
O século XIX tem tido mulheres de génio, mas essas não t£m rei- 
nado, nem mesmo a mulher-homem Georges Sand. A influencia 
íntellectual da mulher amesquinha-se na nossa época; Julietta 
Lambert é apenas uma pallida sombra das Du Deffaud e Geoffrins. 

O homem torno u-se misogyno, detesta a mulher que aceita 
biologicamente, mas repelle psychologicamente ; e a seu turno a 
mulher não acredita mais no homem, considera-o como inimigo, 
arma-se para combatel-o. 



UM ASPECTO DA QUESTÃO FEMINISTA 237 

Pôde sór que a muitos pareçam paradoxaes similhantes asser- 
ções ; comtudo aqui não ha paradoxo, mas apenas um resultado de 
observação. psychologica. Basta percorrer as obras da literatura con- 
temporânea para se ter a confirmação plena de quanto se acha afir- 
mado ; de Balzac até Jacques Madelaine vô-se irromper poderosa a 
misogynia, não ha obra literária de valor que não a contenha. 
Aquella Esther, que é o naufrágio moral de Lucien de Rubenspró, 
aquella Marthe, que força Paul à suivre Vatroce route y são typos 
arrancados a creação do artista pela misogynia. A Salammbô, a 
Bovary, de Flaubert; aRenée, a Nana, a Clotilde, de Zola; a Mme. 
Astier, a Sapho, de Daudet; a Manette Salomon, La Faustin doR 
Goncourt ; aquella mulher terrível do Passédé, de Camille Lemon- 
nier, são productos inteiros, acabados do misogynismo. O ódio á 
mulher está ahi latente, exactamente como se vê, no Disciple de 
Paul Bourget, o intellectualista Robert Greslou, o psychologo, fazer 
cruelmente experiência sobre a alma feminina de Churlotte. A vida 
da literatura moderna está na misogynia, e o critico, que pretende 
estudar os phenomenos mórbidos da mesma literatura, Nordau, não 
se rouba ao' seu influxo. A Comedia do Sentimento é um trabalho 
misogynico : nelle reina o ódio á mulher, pintado com uma palheta 
severa, de nuanças carregadas. 

No mundo scientifico idêntico facto se dá : basta apenas re- 
cordar o que Lombroso diz sobre as mulheres, o abysmo psycho- 
logico que entre ella e o homefn cava o psychiatra italiano. Ha um 
tom de rancune naquella dissertação, vê-se que a monogynia ali 
fala, obedecendo á sua preoccupação peculiar. 

O scientista moderno, aquelle que mais liberto parece das pre- 
oceupações metaphysicas, fala sobre as mulheres como falaria o 
pessimista Schopenhauer, decide sobre ellas à posteriori como este 
decidia a priori. Misogynismo, só misogynismo — eis a nota da arte 
e sciencia neste fim de século, como que a invasão do pessimismo 
ethico trouxe comsigo o ódio á mulher, a continuadora da vida que 
se declara ser má. 

Duas correntes contrarias, porém, incidem neste momento : a 
velha corrente catholica da idade média que enthronizou a mulher 
no culto ideal de Maria e a corrente orthodoxa positivista que tra- 
balhando pela divinização da mulher, a encarna na amante platónica 
do chefe do positivismo. Mas a virgem que dá á luz, sem deixar de 



238 REVISTA BRAZILEIRA 

ser virgem, mas a amante ideal de Comte que nunca obedece á 
unificação sexual estão fora do domínio que cabe á mulher; e a sua 
divinização n&o é aprescripção sinão apparente da miaogynia, por- 
quanto o objecto divinizado não é a mulher como deve sel-o, mas a 
mulher que deixa de ser mulher, isto é, a companheira do homem na 
obra da reproducçâo da espécie. 

Assim traçado o problema psychologico, provada a aversão con- 
temporânea á mulher, poder-se-á em rigor dar-lhe uma solução ? 
A' pergunta, por ora, nenhuma resposta é possível : diagnosticado o 
mal, determinada a sua etiologia, o prognostico apresenta-se difficil, 
por demais complexo. Uma diferenciação extrema do homem e da 
mulher ó o primeiro antecedente do phenomeno verificado, mas 
outros phenomenos concomittarites também preponderam como 
causas. A' primeira vista, supprimir as differenças accentuadas 
psychologicamente entre o homem e a mulher é dar o primeiro 
passo contra esse antagonista que gera a mysogynia ; não é isso 
comtudo, affirmar que basta para eliminal-a. O problema económico 
da organização da família é também um antecedente poderoso deste 
aversão; dar-lhe solução é resolver o mais difficil dos problemas da 
espécie — o da economia social., 

Assim a questão misogynica fica de pé, entregue á evolução 
no seio da qual é uma anomalia, pois que contraria a lei funda- 
mental da espécie que se aggrega — a dareproducção. 

O inisogynismo hodierno não detesta a mulher, como indi- 
viduo, mas odeia-a como mulher, isto é, como ser biologicamente 
inferior ao homem. A differenciação dos sexos produziu este resul- 
tado, a questão da divisão do trabalho na unidade biológica trouxe 
esta consequência. Verificado o phenomeno psychologico, estabe- 
lecida a sua formula, põe-se-o em equação. A ordem de suecessão 
dos phenomenos que o resolva, que encontre a constante que satis- 
faça ás condições do problema, constante que seria absurdo, louco, 
por ora determinar. 

M-. dk Bethencourt 



A REFORMA DO PROCESSO CIVIL 



Cy n'entrez pas, maschefalns practidens 
Clerca, basaachien*, mangears da popalaire 
Offlclaax, scribee et pharlsiens, 
Jugee anciens, qai les boas parroicleng 
Ainsi que cfaiens mettes au capolaire. 

(Rabelais. Garganta». Liv. I, Cap. MV.) 



Tomando como epigraphe as palavras talvez um tanto irreve- 
rentes que o velho e sempre novo representante do espirito gaulez 
collocou na porta da Abbadia de Theléme, não é meu intuito 
chamar a odiosidade pobre a gens togata, e muito menos partilhar 
a opinião pouco lisongeira que delia formava o autor citado. 

Quando outras razões eu não tivesse, e cada qual de mais mo- 
mento, bastaria para de tal abster-me o facto de pertencer á 
classe e não querer ver realizado o desejo de Rabelais que ter- 
mina a estrophe com a desconsoladora exclamação : vostre salaire 
est au patibtdaire. 

Occupando um pequenino lugar na vida militante do foro, si 
chamo a attenção do publico para algumas reformas que a meu ver 
se impõem nas leis do processo, nâo pretendo com isto trazer mais 
uma pedra para o altar da chicana, nem faço coro aom aquelles 
que julgam consistir o talento do nunca assas celebrado vir probus 
dicendi perittis em eternizar demandas, ou passar o direito pelas 
retortas da rabulice. Dirijo-me especialmente aos que, alheios 
á jurisprudência, têm a responsabilidade de guiar a opinião e 
intervir nos negócios públicos, aos jornalistas, homens de Estado, 
legisladores, publicistas, e em geral aquelles que soffrendo como 
simples cidadãos os effeitos da nossa má legislação processual tem 
o direito e o dever de esforçar-se para que ella seja modificada. 



240 REVISTA BRAZILEIRÀ 

Visando principalmente uma determinada classe de leitores, eis 
porque dispo o meu estylo da linguagem rebarbativa e árida do 
direito, e entro em minudencias que são de certo escusadas para os 
proíissionaes. A03 jurisconsultos que com isto se escandalizarem, 
lembrarei apenas que invocando Rabelais couvidei-os a não me 
lerem. 

Até 1890 o nosso processo civil era um verdadeiro cháos. 
Emanado principalmente das Ordenações do Reino que datam de 
1603, alterado por varias leis posteriores, modificado de diversos 
modos por uma praxe que nunca era uniformemente observada, 
cheio de disposições barbaras e obsoletas ao par de muitas outras 
de uma sabedoria invejável pelas leis modernas, elle era na theoria 
uma árdua disciplina e na pratica uma fonte perenne de dificul- 
dades. Acrescente-se a isso uma jurisprudência dos tribunaes tão 
vacillante e contradictoria que antes do julgamento de qualquer 
causa podia-se lembrar aos juizes o celebre dito de Dupin dirigindo-se 
á Corte de Cassação: « Tendes dado sentenças em sentido inverso ; 
de qualquer modo que decidais hoje estareis sempre de accòrdo 
comvosco » . 

O processo commercial, ramo especial do processo civil, era 
mais feliz, por isso que tendo sido em 25 de junho de 1850 promul- 
gado o Código Commercial expediu-se para regular o respectivo 
processo o Decr. n. 737 de 25 de novembro de 1850, que pôde ser 
considerado uma das nossas melhores leis. O Regulamento n. 737 
(nome por que é citado no foro) procurou consolidar na parte 
applicavel ao nosso meio as velhas disposições da Ordenação, utili- 
zando o que havia de aproveitável da praxe forense indígena e trans- 
plantando tanto quanto possível o código do processo civil franoez 
de 1806. Foi um grande passo para a simplificação do processo, e 
offerecia tantas vantagens sobre a praxe das Ordenações que 
Paula Baptista, um dos espíritos mais lúcidos que no Brazil 
têm cultivado a sciencia do direito, todas as vezes que no seu pre- 
cioso livro sobre o «Processo Civil» comparava os dois regimens, 
concluía com um estei-il voto para que as disposições do Regula- 
mento commercial fossem- estendidas ao processo civil. 

Releva notar, porém, que o Regulamento n. 737 foi promulgado 
sob o influxo das idéas francezas de organização de um tribunal es- 
pecial para as causas commerciaes, composto em sua maioria de 



A REFORMA. DO PROCESSO CIVIL 24Í 

homens do commercio e] que devia decidir as contestações entre 
commerciantes summariamente segundo a verdade sabida e os usos 
mercantis, instituição que ainda hoje domina em França como em 
grande numero de povos cultos. Com effeito os tribunaes de com- 
mercio instituídos em 1850 além de attribuiçOes administrativas 
tinham funcções contenciosas, decidiam como verdadeiros tribunaes 
em relação a faUencias e alguns outros assumptos, e eram juizos de 
segunda instancia para julgarem as appellações interpostas das 
sentenças dos juizes togados de primeira instancia, aos quaes per- 
tencia conhecer das demais causas commerciaes. Abolidos, porém, 
os tribunaes de commercio pela lein. 2662 de 9 de outubro de 1875, 
e passadas as suas attribuições administrativas para as juntas com- 
merciaes, foi devolvido á justiça commum o julgamento de todas as 
causas commerciaes. O processo commercial embora observando 
formas mais expeditas ficou assim sob um regimen anormal, des- 
virtuado, portanto, o pensamento do código. 

Era este o estado das coisas quando veiu a Republica; e o Go- 
verno Provisório, no seu prurido de modificar todo o nosso direito 
publico e privado mesmo em pontos que não se ligavam essencial- 
mente á transformação politica do paiz, não podia deixar de lançar 
as vistas para o processo. No tocante aos negócios da justiça, o pru- 
rido a que me refiro attingiu á infantilidade, para prova do que basta 
lembrar que um dos primeiros actos do governo foi dispensar a com- 
mis8ão composta de notáveis jurisconsultos, que então funocionava 
para confecção do código civil, sob o fundamento de que no regimen 
federativo não era admissível tal codificação, para mezes depois 
confiar a organização do mesmo código a uni dos illustres membros 
da mesma commissão.Bem assim, havendo o governo organizado ou 
antes desorganizado a justiça sob as bases de uma reforma que de- 
pendia de ser adoptada pela Constituição, chegou ao ponto de nomear 
o pessoal antes mesmo de votado o projecto constitucional. Si no 
passivo do Sr. Campos Salles, então ministro da justiça do Governo 
Provisório, existem graves faltas e erros funestíssimos, não é isto 
razão para lhe regatearmos louvores pelo pouco que de bom se en- 
contra no seu activo. Entre este pouco convém notar o decreto de 
19 de setembro de 1890 que mandou applicar ao processo das 
causas cíveis em geral o Regulamento n. 737 de 25 de novembro 
de 1850, salvas as disposições referentes aos processos especiaes 

18 TOMO VII— 1890 



242 REVISTA BRAZILEIRA 

não comprehendidos no dito regulamento. Foi assim satisfeito o que 
se podia considerar uma aspiração nacional e o voto do velho pro- 
fessor do Recife n&o ficou estéril como elle suppunha. 

Os legisladores constituintes de 1891 quiseram, porém, partilhar 
com o medico de Moliòre a gloria de dizer: Nous avons changé 
tout cda. Com effeito a Constituição Federal alterou profunda- 
mente o estado de coisas e conservando para a União a legislação 
civil, commercial e criminal, deixou aos estados a organização 
judiciaria e a legislação processual. Ao lado disto foi creada 
uma justiça federal, especialmente destinada ao julgamento das 
causas politicas, do direito marítimo e internacional privado, dos 
conflictos inter-estadoaes e dos negócios em que fosse interessada a 
União, tendo na sua cupola o Supremo Tribunal Federal com as 
attribuições magestaticas que aqui não é o lugar de lembrar. De- 
balde vozes autorizadas levantaram-se no Congresso Constituinte 
contra similhante calamidade ; foi isso o que prevaleceu e nós hoje 
estamos sujeitos á mais extravagante anomalia que em matéria 
de processo se pôde conceber. O direito é um só em todo o paiz 
e emana directamente dos poderes federaes ; o processo para appli- 
cal-o pôde ter vinte e uma formas differentes conforme estabeleçam 
as legislaturas estadoaes; os juizes que o applicam podem subor- 
dinar-se a vinte e uma organizações oppostas seguindo outras tantas 
jurisprudências inteiramente independentes. Assim, o que é branco 
no Pará pôde ser preto em S. Paulo, e entretanto os juizes de um 
outro estado têm que applicar a mesma lei. 

Espíritos superiores como os Srs. Buy Barbosa e Ferreira Vianna 
procuram um remédio para tão deplorável estado de coisas no re- 
curso extraordinário para o Supremo Tribunal Federal facultado pelo 
art. 59 n. III da Constituição. A excellencia porém das 6uas in- 
tenções, não é suffragada pela clareza do texto constitucional que 
restringiu o recurso aos únicos casos especialmente ali deter- 
minados e quiz positivamente deixar os assumptos de direito 
commum ao omnipotente arbítrio das justiças estadoaes. A melhor 
prova disto é a uniforme jurisprudência nesse sentido adoptada 
pelo Supremo Tribunal, no qual tem tido assento cidadãos como 
os Srs. José Hygino, Amphilophio, Américo Lobo, Ubaldino do 
Amaral, que como legisladores tomaram parte activa no Congresso 
Constituinte. 



A REFORMA DA PROCESSO CIVIL £43 

E quando duvida houvesse bastava invocar como matando a 
questão, a recente lei n. 221 de 29 de novembro de 1894, que com- 
pletou a organização da justiça federal, cujo art. 24, si não prima 
pela correcção grammatical, ao menos tem o mérito da clareza : «A 
simples interpretação ou applicação do direito civil, commercial ou 
penal, embora obrigue em toda a Republica como leis geraes do Con- 
gresso Nacional, não basta para legitimar a interposição do recurso, 
que é limitado aos casos taxativamente determinados no art. 9 o pa- 
grapho único, letra c. do citado decreto n. 848 de 1890 (o decreto que 
instituiu a justiça federal). » 

E' inútil insistir nos inconvenientes de similhante situação, dos 
quaes o menor é a incerteza em que vivem as partes e advogados 
de um estado sobre a organização judiciaria e o processo dos 
demais • E, facto triste denotar, a recente lei do Congresso que 
reformou as Faculdades de Direito, ao passo que manda acompanhar 
o ensino do direito pátrio com o exame da respectiva legislação com- 
parada, tendo instituído duas cadeiras de processo (theoria e pra- 
tica) em nenhuma delias torna obrigatório o estudo da legislação 
comparada estadoal. 

Na ausência, pois, de dados para estudar o assumpto em relação 
aos estados, limitar-me-ei ao Distriòto Federal, a respeito de cujo 
processo e organização judiciaria legisla o Congresso Nacional. A 
base da legislação é o antigo Regulamento n. 737 de 1850, com 
varias alterações que lhe fizeram diversos decretos do Governo Pro- 
visório, dos quaes os mais importantes são o de n. 1030 de 14 de 
novembro de 1890, que organizou a justiça no districto, e o de n. 1334 
de 28 de março de 1893, que regulamentou o anterior na parte civil. 
No momento actual pende de deliberação do Congresso um projecto 
de reforma da organização da justiça. E', pois, o caso de estudar-se 
seriamente o assumpto e aproveitando a opportunidade dar um golpe 
decisivo em um certo numero de velharias imprestáveis de que se 
resente o nosso processo, para tornal-o capaz de satisfazer as justas 
aspirações dos que precisam de recorrer a elle. 

Segundo a legislação em vigor, e sem falar por ora das 
causas para as quaes a lei marca um processo especial ou dos 
incidentes que possam surgir, o processo ordinário consiste em 
citar o réu para na primeira audiência do juizo vôr propor a 
acção, e nesta audiência comparece o autor, por seu advogado ou 



244 EEVISTA BRAZILEIRA 

solicitador, e apresenta a petição inicial oontendo o pedido com todas 
as suas especificações e acompanhada de todos os documentos. Desta 
audiência contam-se dez dias para que o réu conteste a causa, vol- 
tando depois os autos ao autor para replicar e ao réu para treplicar, 
por dez dias cada um. Si a contestação, réplica ou tréplica é formu- 
lada por negação, isto ó, sem articular factos ou allegar direito, ou si 
n&o forem offereoidas dentro dos respectivos prazos, será a causa 
posta em prova. 

A dilação das provas é de vinte dias assignados em audiência, 
e durante ella procedem-se ás vistorias, exames, depoimentos, 
conferencias de documentos, e mais géneros de provas. Quando 
n&o tenha sido possível produzir provas dentro da dilação mar- 
cam-se prazos fora delia, como succede por exemplo nas cha- 
madas dilações para fora da terra, caso as provas tenham de 
ser colhidas em lugar diverso daquelle em que se discute a 
causa. Como quer que seja, porém, a dilação só é encerrada em 
audiência a requerimento de uma das partes. Finda a dilação 
vão os autos aos advogados, por dez dias cada um, para as razões 
finaes, em que elles desenvolvem a matéria de direito e apreciam 
as provas, o que feito, tem o juiz de proferir sua sentença. 

Releva notar que é este o curso ordinário de uma acção, sem 
falar nas excepções de suspeição e incompetência de juizo que 
devem seroppostas pelo réu dentro de três dias a contar da propo- 
situra da acção, nas excepções de illegitimidade de parte, litáspen- 
dencia e cousa julgada que devem ser oppostas dentro dos dez dias da 
contestação, suspendendo todo o curso da acção com um processo 
especial que termina por julgamento e dá lugar aos recursos neces- 
sários. Também não falo nos mil incidentes que podem surgir na 
contestação, ou na prova, grande parte delles motivando o re- 
curso de aggravo, ou facultando que elle seja tentado sem motivo 
mas com prejuízo do andamento da causa, nem trato também da 
demora proposital ou não dos autos em poder dos advogados, com 
o processo para cobral-os que determina sempre incidentes tão 
desagradáveis quanto protelatorios. Ten passe et des meiUeurs. 

Deixo á imaginação do leitor conceber os meios de que a chi- 
cana, pôde lançar mão para fazer correr o tempo até ser proferida 
a sentença de primeira instancia em uma acção ordinária, e sup- 
posto que não se dô nenhum destes incidentes e que os advogados 



A REFORMA DO PROCESSO CIVIL 245 

entreguem os autos exactamente dentro dos prazos marcados, passo 
a recapitular o tempo mínimo em que pôde uma parte obter que os 
autos v&o ao juiz para proferir sentença. 

Prazo para a contestação 10 dias 

Réplica 10 » 

Tréplica 10 » 

Dilação das provas 20 » 

Razões finaes do autor 10 » 

Razões finaes do réu 10 > 

70 dias 

E' este o prazo fatal, antes do qual é absolutamente impossível 
que uma causa esteja em termos de julgar -se. Este prazo, porém, é 
sempre muito e muito excedido como passo a demonstrar. Bi a 
causa é de mais de cinco contos de réis (caso que especialmente 
exemplifico por ser justamente o das causas mais importantes), per- 
tence o julgamento a uma das Camarás do Tribunal Civil e Criminal, 
e sendo estes tribunaes collectivos, têm os autos de ser revistos 
pelos três juizes que os compõem, findo o que o ultimo revisor pede 
dia para julgamento, e só depois de marcado elle pelo presidente 
que profere sempre o despacho jtdguese no primeiro dia desempedido 
(por onde se vê quanto é inútil tal formalidade) toma a causa lugar 
para decidir-se. A lei dá a cada juiz o prazo de dez dias para 
rever os autos, pelo que os nossos setenta dias já são augmentados 
de mais trinta, sem considerar, porém, que com a organização 
actual e com o accumulo de serviço que recai sobre os juizes, dis- 
traídos constantemente de suas funcções para o jury, para for- 
malidades escusadas do processo, para substituições de collegas, 
etc., é-lhes materialmente impossível rever os autos no prazo legal 
e são obrigados a retel-os durante mezes. 

Acresce ainda que a praxe consagra o uso absurdo não 
exigido em lei de irem os autos ao juiz para receber a contesta- 
ção, a réplica, a tréplica ; que a maior parte dos actos a que acima 
me referi são praticados nas audiências, as quaes têm lugar duas 
vezes por semana ; que além das ferias do foro que são de 21 de 
dezembro a 7 de janeiro e dos oito dias da semana santa, ha no 
anno os doze dias de festa nacional e os quinze dias santos da igreja 



246 REVISTA BRAZ1LKIRA 

que uns juizes observam e outros nfio, não fazendo-se outra audiência 
na semana quando o dia respectivo foi feriado, e ter-se-á uma idéa, 
assim mesmo muito longínqua, dos longos intervallos que vêm se 
addicionar aos prazos já de si largos e convidativos á elasticidade. E 
não deixo de com ipso fazer a devida justiça á actividade dos nossos 
juizes e do demais pessoal do foro, pois basta attender a que apezar 
de tudo as três Camarás (civil, commereial e criminal) julgam por 
anno mil causas no mínimo. 

O que acabo de dizer refere-se á primeira instancia, pois a sen- 
tença proferida em sessão é depois lavrada pelo relator, assignada 
pelos seus collegas, publicada em audiência do presidente da camará, 
só depois do que pôde ser intimada a parte contra quem foi profe- 
rida, a qual tem dez dias para appellar. Casos têm havido em qu3 
o accórd&o tem sido lavrado mezes depois de proferida a sentença. 
A appellação pôde ser rec bida com ou sem suspensão dos effeitos 
da sentença, tendo a parte prejudicada o recurso do aggravo, o 
que quer dizer cinco dias de demora, no mínimo, e trinta dias depois 
deve ser apresentada na instancia superior, onde a causa tem de 
ser revista pelos cinco juizes da Corte de Appellação, o que feito 
tem logar o julgamento com as mesmas formalidades já referidas. 
Proferida a sentença de segunda instancia, pôde ainda ser embar- 
gada para ser novamente decidida pela mesma Corte de Appella- 
ção, e si nos embargos se allega a nullidade da sentença, a causa 
é julgada pelas camarás reunidas da Corte de Appellação, o que 
quer dizer que são os autos revistos pelos cinco juizes da camará 
civil, e por mais seis da criminal. 

Para iniciar a execução tem o exequente de extrair carta de 
sentença, formalidade que a lei dispensa, mas que abusivamente é 
consagrada pela pratica, e obriga a parte ao absurdo de fazer ex- 
trair para a execução cópias das mais importantes peças dos autos, 
ao passo que os autos originaes pelos quaes se deveria fazer a exe- 
cução ficam dormindo o somno eterno dos cartórios. Esta formalidade 
obriga a um inútil e incalculável dispêndio de tempo e de dinheiro, e 
só depois delia começa a execução, a qual tem o seu processo espe- 
cial, cheio de incidentes e dando margem a recursos. 

Attendendo a tudo isto, e sem falar sinão nos casos em que as 
coisas se passam pela forma a mais normal e rápida, posso affirmar, 
sem o mínimo receio de ser contestado, que um individuo que 



A REFORMA DO PROCESSO CIVIL 247 

proponha perante as justiças do Distríoto Federal uma acção do 
valor excedente a cinco contos de réis, não pôde dentro de 
um anno terminar a execução da sentença que haja obtido em 
seu favor. 

Era aqui o caso de comparar o nosão processo com o dos demais 
paizes cultos, mostrar que a tendência do processo moderno é des- 
pir-se do velho formalismo das leis romanas e tornar-se uma cousa 
simples e ao alcance de todos, illustrando o assumpto com as cita- 
ções dos mais modernos códigos e jurisconsultos* Não o farei, 
porém; em primeiro lugar, porque isso excederia evidentemente os 
limites deste artigo e destoaria do caracter da Revista, e depois por- 
que taes considerações, escusadas para os entendidos, afastariam 
da leitura os profanos a quem especialmente me dirijo. 

Si pois eu tiver feito comprehender aos estranhos á jurispru- 
dência que o nosso processo é péssimo, prende-se a velhas tradições 
portuguezas que o próprio Portugal desde 1876 já repudiou no seu 
novo código do processo civil, terei conseguido todo o fim a que me 
propuz. Sem entrar em minudencias e particularidades technicas 
que igualmente não caberiam aqui, passo a indicar a traços largos 
as linhas geraes a que, no meu entender, deveria obedecer o código 
do processo civil que fosse promulgado. 

E* bem de ver que o processo depende da organização judi- 
ciaria, assumpto qu3 actualmente o Congresso tem em mãos. Não 
discuto sobre a preferencia entre a justiça collectiva ou singular, o 
que me levaria muito além do meu fim. Não basta,porém, reformar a 
organização ; é preciso ir mais longe e reformar a essência do pró- 
prio processo, adaptando-o á organização que fôr definitivamente 
escolhida. Convém observar, entretanto, que no momento actual, 
ao passo que no Congresso se discute a organização judiciaria, uma 
commissão de notáveis juizes e advogados elabora um projecto de 
reforma do processo de accôrdo com a ogranizaçâo actual. Parece-me 
que a digna commissão está se dando a um fatigante trabalho 
de Sysipho. O mais lógico seria que o Congresso reformasse a 
justiça, e autorizasse o Executivo a promulgar uma reforma radi- 
cal do processo. 

Do que disse quando procurei mostrar o modo por que actual- 
mente se processa uma acção ordinária, o leitor leigo terá deprehen- 
dido perfeitamente que esta andaina complicada de contestação, 



948 REVISTA BRAZILEIRA 

réplica e tréplica com os seus respectivos prazos deve ser des- 
apiedadamente abolida» sem que por isso fique de forma alguma 
prejudicado o direito de defesa. Basta que o autor quando propOe 
sua acção apresente sua petição documentada, expondo minuciosa- 
mente o facto e o direito, e protestando pelas provas que quizer 
adduzir. A isto responde o réu com sua contestação, igualmente 
documentada, e observando as mesmas formalidades. A petiç&o é 
apresentada em cartório e da data da apresentação conta-se ipso 
fado o prazo para a contestação que pôde ser de quinze dias. 
Feito isto, está a causa em prova por si, e sem necessidade de 
requerimento. 

O prazo para a prova em lugar de ser o obrigatório de vinte 
dias como quer o nosso processo, mesmo quando a questão é de 
direito e dispensa de prova de facto, deve depender, como em 
todos os códigos modernos, da natureza de provas que se pretende 
dar. Assim o autor na sua petição inicial e o réu na sua contesta- 
ção, enumerando as provas de que se pretendem servir, pedirão o 
prazo que entenderem conveniente, para nelle as produzirem. 
Este prazo será modificado pelo juiz si as partes reclamarem, 
com um recurso summario para a parte que se julgar preju- 
dicada. Si o autor dispensar o prazo para a prova, e o réu não 
protestar por prova, ou a questão fòrtal que não a admitta, não 
se marcará prazo. 

Produzida a prova terá lugar o debate para o julgamento, 
e neste ponto penso que deve ser conservada a nossa organi- 
zação, que estabelece como essencial o debate escripto, e con- 
sidera facultativa a discussão oral. Em muitos paizes acontece 
justamente o contrario, mas penso que em um povo meridional 
e latino, como nós, de verbo facilmente infiammavel e de espirito 
pouco propenso á concentração, é perigoso deixar o julgamento 
das causas sujeito ao prestigio de uma palavra eloquente. Entendo 
portanto que finda a instrucção do processo, deveriam os advo- 
gados ter vista por dez dias dos autos para arrazoar por escripto 
segundo o systema hoje adoptado, e tendo em seguida lugar o 
julgamento. Caso seja mantido na projectada reforma da justiça 
o systema de julgamento collectivo seria facultado aos advo- 
gados discutir o assumpto em breve exposição oral, antes do 
julgamento. 



A REFORMA DO PROCESSO CIVIL 249 

A audiência é uma velharia que deve desapparecer do pro- 
cesso ordinário. No regimen actual» tem ella por fim a publica* 
ção das sentenças, a decisão dos incidentes do processo, e a 
fixação dos prazos para um certo numero de actos. As sentenças 
poderiam sempre ser publicadas, isto é, tomadas conhecidas 
das partes, em mão do escrivão como aliás já muitas vezes se 
faz hoje. Os incidentes seriam decididos pelo juiz por despacho 
proferido nos autos, e os prazos correriam em cartório a contar 
da data em que a parte ali compareceu. Aliás tudo isto se faz 
hoje em muitos casos independentemente da audiência, formali- 
dade espectaculosa e inutfl, que distrai os juizes do estudo dos 
autos, sujeita as partes ás mil ciladas da chicana, e ooncorre 
para tornar os prazos ainda mais longos. Apenas para os proces- 
sos summarios de pequeno valor e de andamento rápido podia ser 
conservada a audiência, modificando-se a sua forma e fazendo-se 
o juiz proferir nella oralmente sua sentença. 

A instituição de um jornal offlcial do foro onde fossem publi* 
cadas todas as sentenças, despachos, intimações, notificações de 
prazos e mais actos judiciaes seria uma medida utilissima, uma vez 
que se tornasse obrigatório dos advogados e solicitadores o co- 
nhecimento dos avisos nelle publicados. Assim se evitaria o facto 
que se dá constantemente de levar uma sentença mezes para passar 
em julgado, por falta de intimação ás partes, que aliás têm delia per- 
feita sciencia. E' evidente que a publicação por si não bastaria para 
dar ou tirar direitos, mas seria fácil organizar o processo com- 
binando-a com a intimação pessoal, e respeitados o direito de defesa 
e os recursos legitimos. 

O modo material de organizar os autos carece de uma reforma 
radical, pois é pasmosamente absurdo e altamente perigoso o que 
entre nós se faz. Confesso não conhecer paiz algum que admitta 
uso igual ao nosso. Os requerimentos, articulados e razões das 
partes, os documentos originaes ou não, os termos judiciaes, as 
sentenças e despachos, todos os actos emfim do processo, são ou 
escriptos nos próprios autos ou lançados em papel separado e a 
elles cozidos. 

De taes papeis não se tira cópia alguma e os autos originaes 
andam de mão em mão á mercê dos fieis de cartório, accumu- 
lados nas estantes ou nas mesas dos escrivães. Não raro succede 
16 A T(W o vu — im 



S50 REVISTA BRAZILEIRA 

furtarem-se ou sumirem-se autos, desapparècerem delles documentos 
importantes, e um dos meios de chicana de que usam advogados pouco 
escrupulosos, é dar-lhes sumiço. À lei estabelece um processo de 
restauração de autos, que é longo, dispendioso e pouco efficaz como 
é fácil de perceber. Quem algum dia entrou em um dos nossos car- 
tórios, pôde comprehender perfeitamente o perigo que correriam 
grandes interesses no caso de um incêndio ou de um furto nocturno. 

E' pois indispensável estabelecer como todos os paizes cultos, 
inclusive Portugal, um registro obrigatório para- todos os actos do 
processo e demais documentos, para o que as partes terão de 
apresentar duplicata de todas as peças. Authentic&dos pelo escrivão 
do processo, em presença da parte, e registrados m> livro competente, 
os documentos originaes podem ser restituídos á parte que os exibiu, 
ficando delles cópia nos autos e dando-se certidões á parte que pedir. 

Com isto se evitará outro absurdo, ainda mais inconcebivel, do 
que no foro se chama traslado e consiste em tirar-se uma nova cópia 
dos autos, linha por linha, sem omittir um termo ou uma frase tabel- 
liôa. Nos casos em que uma sentença tem de se cumprir, apezar de 
appellada, seguem os autos originaes para o Tribunal Superior e na 
instancia inferior executa-se a sentença por traslado, que ás vezes 
custa ás partes contos de réis.' No Juizo Federal, a recente lei de 1894 
levou o absurdo ao ponto de exigir traslado mesmo quando não haja 
sentença alguma a executar. Com o registro obrigatório de todas as 
peças do processo, quando houvesse qualquer sentença a executar, a 
parte extrairia do registro as peças indispensáveis. 

O prazo para ver seguir a appellação é outra velharia sem razão 
de ser, pois que não se comprehende porque uma sentença depois de 
appellada deva ficar trinta dias parada em cartório á espera que o 
appellante promova a sua remessa para a instancia superior. Uma 
vez appellada a sentença, e recebida a appellação pelo juiz, não ha 
razão para não marcar-se um prazo curto de dez. dias, afim de serem 
os autos apresentados no juizo da appellação. Refiro-me, está claro, 
ao processo da Capital Federal, e não ao dos Estados em que o 
Tribunal Superior pôde estar em lugar longínquo daquelle em que 
reside o juiz de primeira instancia. 

O réu condemnado devia ser obrigado a prestar fiança si quizesse 
appellar, nos casos em que a appellação é recebida com effeito sus- 
pensivo da sentença. Aquelle que tivesse confiança no seu direito, e 



A REFORMA DO PROCESSO CIVIL 251 

esperasse a reforma da sentença prestaria de bom grado a fiança. 
O cbicanista de profissão, o devedor relapso, pensariam duas vezes 
antes de arrisearem-se a appeilar. A appellação deixaria assim de 
ser um meio de ganhar tempo, para restringir-se á sua legitima 
funcção, de recurso ao Tribunal Superior contra uma 'sentença que 
se reputa injusta. 

O apanhamento tachygraphico dos debates nos tribunaes col- 
lectivos, a simplificação do processo das execuções, a reducção 
dos casos de aggravo, um profundo retoque nos processos asse- 
curatorios de direitos (embargo, detenção pessoal, sequestro, etc.) 
e nos interdictos possessórios, a diminuição do arbítrio dos juizes nas 
causas de jurisdicçfto voluntária, como os inventários, fallencias e 
liquidações, uma organização séria do Ministério Publico no processo 
civil, são medidas urgentemente reclamadas pela pratica quotidiana. 

Muito e muito ainda se poderia dizer no sentido de eliminar do 
nosso processo formalidades inúteis e arcbaicas, e introduzir melho- 
ramentos aproveitáveis. Não é meu intuito, porém, formular aqui um 
projecto do Código do Processo Civil, e apenas lembrar algumas 
alterações, que me parecem necessárias, sem comtudo ferirem a 
tradição do nosso direito. i 

Convém, porém, que os nossos legisladores tenham presente 
que não basta copiar leis estrangeiras para fazer obra meritória. 
E v preciso não quebrar o fio das tradições pátrias, e só fazer as 
reformas que forem compatíveis com o nosso meio. 

Organizado maduramente um plano de reforma, de accôrdo com 
o elemento scientifico e os ensinamentos da pratica, podem os nossos 
legisladores pôr determinadamente mãos á obra, remoçando o pro- 
cesso e tornando-o um meio pratico de applicar o direito ao facto 
e não uma espécie de sciencia isotérica apenas própria para em- 
brulhar questões e perpetuar demandas. 

Com isto terão prestado ao paiz um relevante serviço e 
merecido a gratidão das partes e o applauso dos advogados 
conscienciosos e dos juizes esclarecidos. Neste concerto de sym- 
pathias só ferirão nota dissonante os chicánistas privados do seu 
ganha pão, e os Bridosoin de todos os tempos que, habituados a 
acobertar a própria incapacidade sob formalidades inúteis, gague- 
jarão apopleticos la fô-ô-rme. . . 

J. C. de Souza Bandeira 



REVISTA SC1ENTIPICA 



Bummabio. — Cy clones e tornados. Movimentos dos pólos magnéticos terrestres. Os micro- 
organismos do leite. ExpedíçOes aos pólos. Cometas. Aspecto do céu para o mes 
de Setembro. 



No dia 27 de maio próximo passado, um tornado de extraordinária 
violência, mas que, felizmente, nao durou mais de uma hora, abateu-se 
sobre a cidade de S. Luiz, estado de Missouri, nos Bstados-Unidos da Ame- 
rica do Norte, e além de 1.200 pessoas mortas ou feridas, causou os maiores 
estragos materiaes. 

Nao se deve confundir este phenomeno com o cyclone, embora haja 
entre ambos alguns pontos de analogia. Segundo os trabalhos dos Ferrei, 
Finley e Hazeni, autoridades no assumpto, parece averiguado que os tor- 
nados se produzem em qualquer estação do anno, mas de preferencia, e 
com maior frequência, durante os mezes de abril, maio, junho e julho. O 
centro da perturbação manifesta- se geralmente ao sul ou sueste de uma 
área de baixa pressão, mas muitas vezes, a algumas centenas de kilo- 
metros distantes desta. Sao animados como os cyclones de dois movi- 
mentos, um de translação, em virtude do qual percorrem uma certa 
trajectória, mais ou menos extensa, e outro de rotação, em torno de um 
eixo vertical. À trajectória de translação, tem geralmente a orientação 
S. O. — N. B., o que oonstitue mais uma analogia com a direcção seguida, 
nas latitudes médias boreaes, pelas áreas de baixa pressão. O sentido de 
rotação é contrario ao movimento dos ponteiros de um relógio, o que 
parece indicar que é determinado pela rotação da terra, como também é 
o caso para os cyclones. 

Onde, porém, o tornado e o cyclone apresentam differenças bem sen- 
síveis e características, é nao só na estensfio das respectivas áreas em 
que exercem sua missão devastadora, como também nas velocidades de 



REVISTA SCIBNT1FICA 258 

rotaç&o e de translação. Com effeito, o diâmetro de um tomado pôde 
variar entre 12 1 * , e 3000 o1 , ao passo que o de um cyclone raras vezes 
é inferior a 1000 kilom., chegando a 2000 kilometros. À altura daquelle ó 
considerável em relação ao seu diâmetro, emqaanto é o contrario com este, 
cujo diâmetro é consideravelmente maior do que a altura. À forma geo- 
métrica do tornado é a de um funil, cuja ponta descança sobre a super- 
fície da torra, ou desta muito se aproxima ; a do cyclone é a de um disco 
achatado. 

Quanto &s velocidades, os estudos de algumas centenas destes im- 
portantes phenomenos tem revelado, que nos tornados, a velocidade de 
translação varia entre 11 e 160 kilometros por hora e a de rotação de 
que se acha animado o turbilhão é de 40», 200 a1 e até de 400 metros 
por segundo. Para se ter uma ideada forca que corresponde a similhante 
velocidade, basta dizer que uma velocidade de 200 a1 por segundo produz 
uma pressão de cerca de 4000 kilogrammas por metro quadrado. Afl- 
gure-se agora que, além desse movimento giratório, ha outro, no sentido 
vertical, e debaixo para cima, e comprehender-se-â a violência do esforço 
com que quaesquer obstáculos serão arrastados e projectados. 

Foi o que se deu no tornado de 27 de maio. Nesse dia, mostrara-se 
desde ao amanhecer, a atmosphera cálida e pesada» mal se podendo respirar. 
Nem um sopro de vento, nem a menor aragem trazia algum allivio à 
oppress&o que todos experimentavam. Eram 4 horas da tarde, quando, no 
horizonte, e do lado do poente, appareceram densas nuvens, amontoadas 
uma por cima das outras, tendo as suas extremidades torcidas e tintas de 
amarello. Era bello o espectáculo, porém um tanto inquietador. Em seguida, 
levantara-8e uma ligeira brisa e produziu-se uma escuridão de mau presagio, 
que foi se accentuando cada vez mais, até que, na occasifto de rebentar o 
furac&o,estava a atmosphera completamente opaca. Uma anciedade geral 
apoderou-se dos habitantes da cidade, sem que, no emtanto, experimen- 
tassem sérios receios. Nessa occasifto, notou-se a formação, em três di- 
recções distinctas, N.— O. O e S.— O., de três perturbações atmosphericas, 
sob o aspecto de gigantescas massas de nuvens, que foram caminhando 
para a cidade tomando a forma de immensos funis, em torno dos quaes 
produziam-se incessantemente relâmpagos, dando ao phenomeno as appa- 
rencias mais aterradoras e ao mesmo tempo maravilhosas. Finalmente 
deu-se a explosão. Um estalo ou crepito modonho pareceu sair das entra- 
nhas da massa negra, incomparavelmente mais intenso do que o roncar 
do trovão, qqe desde o começo do phenomeno nfto deixara de se fazer 
ouvir. Os, funis envolveram a parte oeste da cidade, e decorridos apenas 
trinta minutos, tinham acabado a sua obra de devastação. 

Os estragos materiaes revelaram por parte do vento uma violência 
nunca vista : vigas de ferro arrancadas e atiradas ao longe, telhados e 



354 REVISTA BRAZILEIRA 

até edifícios inteiros reduzidos a estilhaços; os postes das linhas tele- 
graphicas completamente destruídos, e até varias pontes, obras de arte 
solidamente construídas, em parte inutilizadas I Por occasi&o que o tor- 
nado atravessara o rio, as aguas deste subiam e borbulhavam num ro- 
domoinho medonho. Ondas enormes entrechocavam os navios dos quaes 
alguns foram projectados sobre a terra firme, outros foram arrastados 
pela torrente e nunca mais appareceram. Avalia-se em mais de 500 o 
numero de pessoas que pereceram e cerca de 700 as que foram feridas. 
E, no emtanto, coisa digna de nota, a faixa percorrida pelo furacão 
tinha apenas 800 m de largura sobre 6 a 7 kilometros de extensão ! O cata- 
clisma nao durou mais de uma hora, desde as suas primeiras manifesta- 
ções até que a obra de destruição fosse terminada. 

Os elementos magnéticos determinados num mesmo ponto da terra 
apresentam duas espécies de variações, umas diurnas, outras seculares, 
obedecendo ambas a determinadas leis. Em virtude das variações seculares, 
o conjunto das linhas isogonicas (de igual declinação magnética) e isocli- 
nes (de igual inclinação magnética) sofifre com o correr do tempo, alterações 
bastante sensíveis. 

Tomando, como exemplo, o Bio de Janeiro, sabemos que no anno de 
1850, a declinação magnética era nvUa neste ponto, ao passo que no 
começo do anno corrente, ella era de cerca de 6» 50' N. O. Isto equivale 
a dizer que nesta região do globo, as linhas isogonicas deslocaram-se 
para oeste, passando actualmente a linha isogonica o , muitos graus a 
oeste do Rio de Janeiro. 

Alterações da mesma natureza manifestam-se Igualmente nos valores 
da inclinação, e portanto, também Tia posição das linhas isoclines, porém 
em escala muito menor. Estas modificações acham-se directamente ligadas 
com as que soflrem os dois pólos magnéticos na superfície do globo. E v 
po!s de grande interesse conhecer-se, em diversas épocas, a posição geo- 
graphica desses pólos. 

Este assumpto tem sido objecto de aturadas investigações por parte 
do professor Weyer, de Kiel ; e damos em seguida as coordenadas, em lon- 
gitude e latitude, dos dois pólos magnéticos, em diversas épocas. 

PÓLO MAGNÉTICO NORTE 

Anno Long. LaU 

1680 150* 0' Oeste 80° 28' N. 

1800 92* T * 

1830 77° 0' » 

1890 119 # l<r » 78 61 l » 



REVISTA SC1ENT1FICA 255 



PÓLO MAGNÉTICO SUL 

1640 '. . . 164° 15*. Este 67° 55* B. 

1830 74° 23» » 

1890.!.. 93°23' > 72» 59' > 

Por ahi vê-se que os deslocamentos quer em longitude, quer em lati- 
tude, s&o bastante irregulares, n&o sendo possível, no estado actual dos 
nossos conhecimentos, formular lei alguma, mesmo aproximada, a qual 
elles obedecem. Nem apresentam connexfio, entre si, ao menos apparente , 
os deslocamentos dos dois pólos. Será, pois, necessário accumular a maior 
somma possível de dados de observação, o que somente se conseguirá 
com o correr dos séculos, antes de poder elucidar um dos problema 
mais complexos da physica do globo. 

E' sabido que o leite é por sua natureza, um alimento completo facil- 
mente assimilável pelo organismo; mas é também um excellente 
vehiculo para lhe transmittir certas affecçóes microbianas, como, por 
exemplo, a tuberculose pulmonar. 

Por outro lado, a conservação do leite tornasse muito difficil pela 
existência nesse liquido dos germens de micróbios, cujo desenvolvimento 
é extraordinariamente rápido. N&o é raro, diz o Sr. Duclaux, encon- 
trar-se até 100.000 bactérias por centímetro cubico, em um leite repu- 
tado como de boa qualidade, isto é, podendo supportar a ebulliç&o sem 
se coagular. 

O acrescimento numerioo das bactérias, depende da temperatura, 
como o mostram os algarismos infra : 

^ Acrescimento 

N Temperatura: 34° 12°. 5 

Após l hora 7 \ / 

» 2 » 23 ) numero [ 4 

» 3 » 64( de ) 6 

> 4 » 215 í 1 8 

» 5 » 1830 ] bactérias | 26 

» 6 » 3800/ \435 

E', pois, extremamente vantajoso deixar resfriar o leite depois de 
tirado. 

A multiplicação das bactérias explica-se pelo facto de effeotuar-se por 
oissiparidade, ou pela subdivisão em duas partes, animadas ambas de 
vida própria. Dificilmente se afigura a espantosa rapidez com que esses 
infinitamente pequenos se multiplicam» Assim, considerando um único 



256 REVISTA BRAZILE1RA 

vibrifto, cuja reproduoofto se fizesse, no fim de cada hora, por via de 
duplicaçfto, o numero total de bactérias excederia a 16 milhões ao cabo 
de 24 horas, admittindo, porém, que todos estivessem num meio favo- 
rável a sua evolução. 

Embora muito recommendavel, o resfriamento do leite constituo um 
meio de conservação absolutamente insuffloiente, e retarda apenas o 
desenvolvimento dos micro-organismos. Um processo mais satisfactoiio 
consiste em aquecer o leite a temperatura de 60° a 70°, deixando-o 
resfriar em seguida. Este aquecimento destroe os organismos adultos, 
mas deixa subsistir os spóros que, mais tarde, irfto se desenvolvendo, 
tornando, no fim de dois a três dias, o leite tao alterável como antes do 
aquecimento. 

Para destruir nao só os organismos adultos como também os spóros, 
e conseguir assim a perfeita inocuidade do leite, é indispensável recor- 
rer á esterilização, o que se obtém elevando o liquido, durante pelo 
menos cinco minutos, á temperatura de 110 graus, o que destroe a 
vitalidade dos germens. Infelizmente esta operação modifica completa- 
mente as propriedades organolepticas do leite, e da-lhe um paladar 
desagradável aos consumidores. 

Os Srs. Pellerin e Leze, depois de diversos ensaios, conseguiram 
realizar um processo que, ao mesmo tempo, mata os spóros, conservando 
ao leite todas as suas propriedades. Consiste em introduzir o liquido 
dentro de garrafas ou quaesquer outros recipientes, hermeticamente 
fechados, e depois de collocados dentro de um banho maria, elevar aos 
poucos a temperatura até 85°, que deve ser conservada por espaço de 
uma hora. Em seguida, deixa-se tudo resfriar insensivelmente. 

Assim preparado, o leite conserva-se, dentro dos mesmos recipientes 
sempre hermeticamente fechados, por espaço de seis semanas, sem que, 
em nada, perca de suas qualidades, dando ao paladar a illusao de um leite 



Para suas diversas applicações, o leite preparado e conservado por 
esta forma, apresenta um coagxdum porcellanico e homogéneo ; em quanto 
que o leite cozido coalha em grumos e nao em massa compacta. 

Á estas horas, jà deve o explorador Andrée, ter deixado o continente 
europeu, e estar navegando cm demanda das terras polares do Norte, 
donde pretende, em balão attingir ao pólo. Arriscadíssima tentativa, 
depois de tantas expedições funestas, fazemos ardentes votos para o seu 
completo êxito. 

A seu turno, a Bélgica prepara outra exploração, mas esta, dirigida 
ás regiões polares antárcticas, sendo o seu iniciador um distincto offlcdal 
da marinha M. de Gerlache. Pretende em primeiro lugar dirigir-se á terra 



REVISTA SCIENTIPICA 257 

de Graham, e explorar as suas regiões vizinhas. Depois de uma invernada 
em algum porto da Austrália, M. de Gerlache tenciona navegar em ramo 
da Terra de Victoria, e ahi determinar a posição do polo magnético. A 
expedição procurará attingir a latitude mais elevada possível, mas o seu 
fim principal, é juntar dados sobre a meteorologia, physica do globo, 
oceanographia, fauna e flora das regiões exploradas. 

O governo belga concedeu a quantia de cem mil francos em favor 
desta expediçfto, para a qual nao tem faltado abundantes e avultados 
donativos. 

Aoredita-se que esta missão scientiflca estará prompta para seguir 
em demanda das regiões antárcticas, em começo do mez de setembro 
próximo vindouro. Oxalá possa esta nova e arrojada expedição ser 
bem succedida em sua espinhosa missfto. 

Á observação dos cometas apresenta sempre um grande interesse, não 
só no que diz respeito ao estudo das orbitas que percorrem, e cuja 
natureza mostra si o astro errante pertence ao nosso systema solar, 
ou si, por ventura, como se tem verificado para alguns, veiu das re- 
giões intra-stellarcs, como também em relação a sua constituição 
physica e os diversos phenomenos que se notam em suas passageiras 
apparições. 

Nestes últimos tempos vários cometas telescópicos tem sido obser- 
vados, e entre elles citaremos os de Swift, Perrine-Lamp, Brooks, Zona 
e Perrine, ao todo cinco, dos quaes o de Brooks, descoberto em 1889, e 
cujo tempo de revolução é de sete annos, passa de novo pelo seu peri- 
helio este anno. Devido ao seu fraquíssimo brilho, levámos mais de um 
mez em sna procura, até que finalmente conseguimos descobril-o na noite 
de 28 de julho, e pretendemos acompanhal-o em sua marcha pelo maior 
espaço de tempo possível. 

O cometa de Zona é notável pela excessiva duraç&o de sua revolução 
sideral que é de 11040 annos. 

Faz-se geralmente idéa pouco segura a respeito do grau de precisão 
que se consegue no calculo dos elementos das orbitas dos cometas cha- 
mados periódicos. Esta precisfto diminue consideravelmente com a grande 
ellipticidade da orbita, porque os menores erros de observação alteram, 
neste caso, e bastante, o valor do eixo maior da orbita, do qual depende 
o tempo da revoluçfto. D'ahi a grande incerteza que subsiste sobre a 
época provável da volta de certos cometas periódicos. O tempo de 
revolução do grande cometa de 1882, que é de 772 annos apresenta uma 
incerteza de dois annos apenas. 

Em compensação, a incerteza para alguns chega a centenas e 
milhares de annos: como exemplo, citaremos o cometa de Donati, 

17 TOMO vil— 1896 



258 REVISTA BRAZILE1RA 

descoberto em 1857, paxá o qual o tempo problemático de revolução 
oscilla entre 3000 e 30000 annos ! 

As indicações do aspecto do céu que os leitores da Revista Brazileira 
encontrarão nesta secção, suppõem o observador collocado na latitude de 
23 graus Sul, que corresponde $ da Capital Federal ; mas, em todo caso 
s&o perfeitamente aproveitáveis para outras latitudes, dentro dos limites do 
território, levando em conta a alteração que naturalmente soflre o aspecto 
da abobada celeste, o que, com alguma pratica, nfto apresenta grandes 
dificuldades. 

Para o dia 15 de setembro entre 8 e 9 horas da noite, as principaes 
constellacoes visiveis serão: 

No quadrante NE: o Pégaso, cujo quadrilátero característico é for- 
mado por quatro estrellas Algenib, Scheat, Markab e Alpheratz, perten- 
cendo esta ultima, porém, à constellaçao deAndromeda. 

No quadranto N. O. : Hercules e a Lyra, notando-se nesta ultima a bri- 
lhante estrela Vega, de 1» grandeza. 

No quadrante S. O.: o Cruzeiro, o Centauro e o Scorpiao, que con- 
stituem uma das mais ricas e interessantes regiões do céu sideral. 

No quadrante S. E., temos o Eridano, o Aquário, o Grou, e a Baleia. 
E' digna de menção, nesta ultima, a estrella omicron (Mira) que no es- 
paço de 11 mezes, desce da 2 a grandeza á completa invisibilidade, a qual 
dura por espaço de cinco mezes. 

Mercúrio é visivel á noite, ao occidente, chegando á sua maior 
elongaçao, no dia 13 em que ficará a 26° 35* do Sol. 

Vénus começa aapparecer,como estrella vespertina, após ooccasodoSol. 

Marte, poderá ser visto somente da meia-noite em diante, ao norte 
de Orion, entre o Touro e os Gémeos. 

Júpiter, que ficou durante algum tempo, perdido nas proximidades do 
Sol, começa a apparecer ao Oriente, pouco antes do amanhecer. No dia 19, 
passará mui próximo da estrella Regulo, a do Leáo. 

Os interessantes phenomenos que apresentam os quatro satellites 
deste mundo gigante (eclipses, occultações, etc.) só poderão ser observados 
do dia 10 em diante. 

Saturno, é bem visivel á noite, do lado do Occidente, na constellaçao da 
Balança. 

Urano, pôde ser visto, como estrella de 6 ft grandeza poucos graus ao 
S.E. de Saturno. 

Neptuno, cora auxilio de um bom binóculo, poderá ser visto, na noite 
de 23 para 24, a menos de um grau ao Sul do planeta Marte. A sua appa- 
rencia ó a de uma estrella de 8» a 9 a grandeza. 

L. Ckuls 



MUSICA 



Continua a predominar nesta estação a nota musical, nao como 
symptoma extravagante dos caprichos da moda, mas como uma mani- 
festação gradativamente accentnada do temperamento artístico do povo. 
O aspecto dos salões e das salas de theatro, onde se faz boa musica, 
evidencia claramente isso ; ali nao se encontra a sociedade ligeira dos que 
levam sua preoceupacao exclusivamente ao propósito de se apresentarem 
de accórdo com as imperiosas exigências do figurino recém- chegado de 
•Paris, ou de frequentarem somente os círculos a que a classe elegante dá 
um certo tom de pretençao. O auditório que se reúne nos concertos é 
formado de individuos de todas as classes da nossa sociedade, que repre- 
sentam o que ellas téni de mais elevado como intellectividade, e que 
afflueni a esses divertimentos, nao para se exibirem, mas na esperança de 
encontrar ali uma emoção que eleve o espirito. 

Sao passados apenas trinta dias depois de nossa ultima chronica e 
durante esse tempo já tivemos nada menos de dez concertos. 

E* impossivel oceuparmo-cos de todos elles com o desenvolvimento 
que mereciam ; falta-nos espaço para isso, e limitamo-nos, portanto, a no- 
ticiados com a concisão que seu grande numero impõe. 

Na Revista de julho findo oceupamo-nos do primeiro concerto quo 
deram no Theatro Lyrico os artistas portuguezes Vianna da Motta e Mo- 
reira de Sá, e hoje trataremos dos três concertos que deram posterior- 
mente no mesmo local a 15, 21 e 28 do mesmo mez. Mui raramente temos 
visto nesta capital tao grande concurrencia e nossa admiração justiflea-so 
desde que considerarmos que se tratava de dois artistas, um dos quaes 
o Sr . Vianna da Motta, tocava só, ao piano, e o outro, o Sr. Moreira de 
Sá, fazia- se ouvir ao violino com acompanhamento de piano. E' precise» 
que um virtuose seja dotado de qualidades muito excepcionaes e de um 



260 REVISTA BRAZILE1KA 

merecimento superior como interprete, para conseguir, sem a fascinação» 
das grandes sonoridades opulentamente coloridas pela variedade dos 
timbres de que se compõe a orchestra moderna, attrair e absorver a 
attençao de um grande auditório em um vasto recinto. E é justamente isso 
o que se dá, ainda que em graus differ entes, com os dois virtuoses, que 
foram tfto applaudidos pelo nosso publico. 

O Sr. Moreira de Sá, si nao pôde ser considerado um violinista com- 
pleto, tem todavia virtuosidade suffloiente para recommendar-se á admi- 
ração dos que o ouvem, e tanto é o seu merecimento, que nao hesitamos 
em mencionar os pontos vulneráveis da sua execução, vantajosamente 
compensados por qualidades que sfto pouco communs. Comecemos pela 
ponto mais fraco, aquelle justamente para o qual nao encontramos expli- 
cação— a falta de justeza na afinação. Realmente nao chegamos a per- 
ceber a causa dessa lacuna, porque ella nao se manifesta constantemente, 
e somente com intermittencias, o qne exclue a hypòthese de um vicia 
physiologico ; também nfto podemos admittil-a como resultado da feita de 
educação do ouvido em um artista tfto flno e correcto e nos inclinaríamos 
antes a explical-a como um indicio de fraqueza nos dedos da mao es- 
querda fatigando-se com facilidade. O que é verdade é que sua execução- 
resente-se por vezes desse inconveniente, que o distincto virtuose poderia 
corrigir, attento á sua constância e pertinácia de estudo, tanto mais admi- 
rável, por isso mesmo qne é sabido que elle subdivide sua actividade e 
energia intellectual em differentes ramos de conhecimentos. Outro ponto 
menos importante é a intensidade do som do sen arco que desejaríamos 
mais vigoroso, cheio de fogo o bravura, dando á sua execução uma quali- 
dade de valor inapreciável, e que, se nol-o permittissem, denominaríamos 
masculinidade, determinando por esse modo uma condição indispensável 
de energia, de calor e de independência. Estes senões indicados, porém, 
sfto ligeiras sombras que desapparecem ante a luz radiosa da sua inter- 
pretação, que eleva-se pela seriedade, pela alta coraprehensfio da arte 
grande, expressiva e nobre. 

Nos concertos a que alludimos, o penúltimo dos quaes foi sua festa 
artística, o Sr. Moreira de Sá exibiu-se em diversos aspectos da litera- 
tura do violino, mostrando a excellencia do seu estylo — ora nos moldes 
mais severos como no andante do quartetto em ré menor de Schubert, 
de uma belleza grandíloqua ; no presto do primeiro quartetto op. 41 de 
Sohumann ; no andante o piu tosto aUegretto do quartetto op. 70 n. 2 de 
Haydn e no scherzo assai leggero e vivace do quinto quartetto op. 44 n. 3 de 
Mendelsshon — ora nas formas clássicas de composição como no Sétimo 
Conterto de Beriot, no Concerto romântico de Goddard— ora nas composi- 
ções de género, características e pittorescas como eram as que tocou de 



MUSICA 261 

Leonard, Wilhelmy, Raff, Alard, Popper, Sarasate, Hauser, Wieniawski, 
Bazzini e David. Em todas essas formas e géneros, o distincto virtuose 
mostra a superioridade do sen jogo, da sna escola e da sua interpretação 
■sempre elevada. 

O Br. Vianna da Motta, nesses mesmos concertos, confirmou o que 
afirmáramos do seu extraordinário valor artístico, e, sempre grande e 
inexcedivel interprete de Baoh, Beethoven e Liizt, deliciou-nos ainda com 
as delicadíssimas filigranas de sua execução nas peças de género. Pare- 
ce-nos inútil insistir sobre a technica admirável do eximio pianista que 
jà dissemos ser completo ; portanto, registramos somente os autores e 
composições da literatura do piano que elle fez-nos ouvir , mostrando a 
maleabilidade do seu talento e a sua arte superior nos diversos géneros 
contemplado nos programmas : Toccata e fuga de Baoh (transcripçao de 
Tausig); Toccata, Pastoral, e Giga de Scarlatti ; Sonata em la bemol, op. 
37 de Weber ; Quinze variações e fuga, Sonata em dó maior. op. 63 e Mar- 
cha turca de Beethoven, (esta ultima, transcripçao de Kubinstein) ; Duas 
legendas de Liszt e outras composições de Gluck (transcripçao de Saint- 
Saens), Strauss, Tausig, Chopin, Delgado de Carvalho, Arthur Napoleão, 
M. Faulhaber, Alb. Nepomuceno e Leopoldo Miguez. De sua lavra deu- 
nos o emérito pianista Cantiga de amor, Valsa í.» Rhapsodia portugueza 
-e Tifo (dansa popular) e fez-nos ouvir, cantadas pela senhorita Camilla 
da Conceição, suas canções Pastoral, Olhos Negros, Canção perdida ; e 
pela mesma com o professor Carlos de Carvalho o duetto Lavadeira e 
Caçador. 

Como autor o Sr. Vianna da Motta deu-nos trechos graciosos e 
agradáveis, mas sem as proporções de trabalho, onde se encontrem a 
envergadura e os recursus de um compositor apparelhado para os gran- 
des problemas da arte moderna. 

A concurrencia numerosíssima destes três concertos teve uma equi- 
valente na que affiuiu ao Festival — Carlos Gomes realizado no Thea- 
tro Lyrico a 20 do mez findo. Um artista argentino, Sr. Lavalle, teve 
a idéa dessa festa symphonica em beneficio dos filhos do glorioso maes- 
tro brazileiro, e confecionou um programma, cujos números foram exclu- 
sivamente tirados das operas desse compositor, dando ao concerto um 
«saracter todo nacional. A orchestra, sob a regência do maostro Lavalle, 
bem como os artistas e amadores que cantaram, deram grande brilho a 
essa festa de caridade e de homenagem justa e merecida. O maestro 
Nepomuceno regeu a Protophonia do Guarany, e dessa opera ouvimos 
ainda o Bailado. As operas Colombo, Lo Schiavo, Fosca, Condor, Maria 
Tudor, Salvator Rosa forneceram trechos, ora para orchestra, ora 
para canto com acompanhamento de orchestra, sendo-nos dado ouvir 



262 REVISTA BRASILEIRA 

1). Elvira Gudin, D. Mathilde Mello Moraes, D. Elvira SantfAnna e os 
Srs. Theodureto Souto e Uzac. 

O sentimento que ditou essa festa, verdadeiro tributo de gratidão 
do coração braziléiro ao compatriota illustre que pela arte tanto enno- 
breceu sua pátria, deve ter minorado, por instantes ao meros, os seus 
cruéis soffrimentos, tão admirável e pungentemente descriptos em uma 
apaixonada allocução pronunciada pelo Dr. Affonso Celso em um inter- 
vallo do concerto. 

O Club Symphonico, uma associação de amadores que se congre- 
garam no intuito muito louvável de organizar uma orchestra, deu seu 
vigésimo concerto no dia 24 de julho ultimo. Limitamo-nos a registrar 
o facto reservando-nos para estudar mais detidamente o escopo visado 
pela associação e os meios que eJla tem empregado para conseguir seus 
Uns, quando dispuzermos de espaço para as reflexões que comporta o 
assumpto. 

Merece principalmente menção nesta chronica o facto extraordinário 
que presenciamos a 26 de julho findo no Theatro Lyrico quando ouvía- 
mos o concerto— matinée do Sr. Alfredo Napoleão. Mui raramente se 
offerece o ensejo de se encontrarem no mesmo concerto três pianistas 
tao notáveis como os srs. Arthur Napoleão, Vianna da Motta e Alfredo 
Napoleão. Temperamentos genuinamente musicaes, mas diversamente 
caracteristicos, esses três artistas deslumbraram o auditório com as 
scintillações da sua virtuosidade brilhantíssima naquelle certamen artís- 
tico em que cada um porfiava em realçar sua execução tão delicadamente 
esmerada. 

O publico comprehendeu a excepcionalidade daquelle acontecimento 
musical e a grandeza daquella luta de bellezas de interpretação accla- 
raando-os enthusiasticamente. 

Lamentamos ser forçados a uma simples referencia á primeira repre- 
sentação da opera cómica Dolores do maestro Breton no Theatro S. Pedro 
de Alcântara a 31 do mez findo pela companhia italiana Tomba e aos 
concertos dos Srs. Gaspar do Nascimento e Lourenço Russo a 1 e 7 do 
mez corrente no salão do Club Symphonico. O pequeno espaço, de que 
dispomos ainda, é destinado ao louvor que nos merece o maestro Alberto 
Nepomuceno pelos progressos revelados pela orchestra que tão habilmente 
dirige, no quinto concerto symphonico da Associação dos Concertos Popu- 
lares, e no segundo concerto symphonico das damas do Sagrado Coração 
do Jesus. 

A belliseima interpretação dada a Syvnphonia em sol maior de Haydn, 
à Protophonia de Euryantlie de Webor e á Protophonia n. 3 da Leonore de 
Beethoven, basta para so julgar quanto pódc o esforço alliado á sua 



musica 263 

incontestável competência. A execução puríssima, límpida e leve, a pro- 
priedade das nuanças t&o delicadamente desenhadas, e a expressão tao fiel- 
mente traduzida daquellas composições representam uma somma impor- 
tante de trabalho perseverante auxiliado por uma aptidão indiscutível. 
Nesses dois concertos apresentaram-se duas pianistas brazileiras de mere- 
cimento real e de valor pouco commum : a senhorita Christina Moller uma 
estreante que tem diante de si um bello futuro de glorias artísticas o 
D. Elvira Bello Lobo, uma artista formada nas classes do Instituto Na- 
cional de Musica, onde conquistou já uma cadeira pelo seu talento e 
raras aptidões. 

Rodrigues Barboza 



BIBLIOGBÂPHIA 



Vje.— Ondas por Lula Murat, II, Rio de Janeiro, 1896, in-16, VII— 284— IH pags. 



\ 



I/*s seus dois volumes de versos publicados sob o titulo de Ondas 
e dos quaes é este o segundo, nos afflrma o A. no prefacio do que faz 
objecto desta noticia que < elles condensam, na mais alta expressão do 
termo, a alma humana com todas as suas vacillações, com todas as 
suas duvidas. » 

Esta generosa e confiada franqueza em julgar a sua própria obra 
só a conheço em dois poetas, que ó verdade se chamaram Goethe um, 
Garrett o outro ; e este não o fez jamais sinão sob a mascara dos editores 
que fingiam ser autores dos prólogos que elle escrevia. O próprio Victor 
Hugo, com toda a sua as vezes insolente vaidade, era infinitamente mais 
modesto nos seus prólogos, que aliás foram pela maior parte manifestos 
de chefe de escola e combatente literário. Demais, creio,seriam bem poucos 
talvez os poetas, um Shakespeare, um Goethe, talvez um Byron e na 
prosa um Balzac — de quem se pudesse dizer, sem receio de exagerar : 
que a sua obra < condensa na mais alta expressão do termo , a alma 
humana com todas as suas vacillações, com todas as suas duvidas.» 

Assim prevenido, o leitor ingénuo só tem a admirar ou passar por inca- 
paz. E' do que estou arriscado, porque não obstante ter lido três ou quatro 
vezes palavra por palavra, linha por linha este volume, com o espirito 
de bemquerença e sympathia que sinto por quantos entre nós tratam 
coisas de literatura e d'arte , nao consegui descobrir vislumbres siquer de 
tal condensação « da alma humana com todas as suas vacillações, com 
todas as suas duvidas. » E' que naturalmente ella está somente no pri- 
meiro, que me nao sobrou agora tempo para reler. 

Duvido muito que este volume das Ondas concorra para acrescer o 
renome que, legitimamente ou nao, tem o Sr. L. M., e si houvesse de 
dizer a minha desautorizada opinião declararia chanmente que não o 
acho digno da reputação do poeta. Os symbolistas ou decadistas deve- 
riam recebel-o com gáudio, como prova do esfalfamento do parnasia- 
nismo, do beaudelerismo, do naturalismo em poesia. Não tem nem idéas, 
nem propriamente emoção poética, e das cinco ou seis dúzias de poemas 
que o compõem não ha ficar no nosso espirito por mais que o leiamos 
( e eu o li, repito, três ou quatro vezes) uma frase, um pensamento, 
nm conceito, uma idéa, uma sensação. 



BIBLIOGRÀPHIÁ 265 

Como símiles, comparações ou aproximações ha afirmativas destas : 

 rosa é a mais cândida das flores ; ( p. 5 ) 
o que é uma opinião singularmente paradoxal. 

Teu coração, Cordelia, é um pé de baunilha ( p. 8 ) 

e á pag. 59 apparece a comparação verdadeiramente assombrosa e rara 
de dois seios com um aquário para rimar com canário. Os exemplos aliás 
se podiam multiplicar. Ha descuidos grammatícaes que pelo menos me- 
recem reparo em um poeta do nome do Sr. L. M. Assim nesta estrophe 

Magestade infeliz ! Cordelia já não sente. 

A morte o frio véu pelos seus olhos corre.. . 

Aperta-a contra o seio, abraça-a loucamente, 

Atroa os éoos, morde o solo, beija-a e.. . morre. (p. 9) 

não sabe a gente quem verdadeiramente é o sujeito daquelles verbos 
atroa, morde, beija e morre, si é a morte, si é Cordelia, ou si se re- 
vesam nessa funcção grammatical. Quer nos metros, quer nos géneros 
ou variedades de estrophes é este livro de uma rara monotonia, que 
um vocabulário exíguo e uma versificação sem grande relevo ou colorido 
não contribuem para diminuir. Não são poucos os versos impróprios de 
um poeta estimável, taes como : 

O poeta deve ver por dois prismas a vida; 

Pois si assim a não vir, a poesia profana. ( p. 118 ) 

Amei — qu'importa a mim que esse amor seja um crime, 
B que esse crime três vezes punido seja ? ( p. 146 ) 

Não havia fugir. A Biblia estava escripta. ( p. 271 ) 
e outros que o leitor verá no decurso destas citações documentarias ou 
respigará no livro e que são pura prosa. O Sr. L. M. me parece o pri- 
meiro poeta que tenha cantado o suor. Descreve-nos uma mulher dan- 
çando e informa-nos 

Súbito pára.. . Um lácteo suor se estende 
Pelo seu corpo que rescende tanto, etc. 

A aragem matinal, 

as suas pomas lubrifica 

Ao mesmo tempo que lhe enxuga o suor. . . ( p. 280 ) 

o que, sobre ser de gosto duvidoso, é, na primeira estrophe, contra as 
leis conhecidas da physiologia, pois não ha suor lácteo, e na segunda 
contra as da physiea, porque a aragem enxuga, mas não lubrifica e. 
sobretudo, não pode enxugar e lubrificar ao mesmo tempo. Aos que me 
arguirem de estar a reparar e pôr de manifesto estas imperfeições, 
responderei que é do conjunto de perfeições que se fazem as obras 
primas, que essas não encontrei neste volume de Ondas, que um poeta 
qual o Sr. L. M., penso eu, não tinha o direito de publicar. 

Este livro, com effeito, não corresponde por forma alguma ao que 
muitos, eu entre esses, delle esperavam. A impressão geral que elle 
me deixou é qne o A. é um poeta que estacionou, si não retrogradou, 
um poeta que não poderia talvez dizer com Stendhal que « elle é um 
homem para quem o mundo visivel existe » . A emoção deste livro é 
apenas literária, procurada, sem expontaneidade, e quasi direi sem 

17 A TOMO VII — 1896 



266 REVISTA BRAZILEIRA 

sinceridade. A cada passo appareoe nfto o homem mas o poeta, ou antes 
o literato, preoccupado de sem oficio : 

Eu nao posso ser teu, ta nfto podes ser minha, 
Este verso contém toda a nossa existência, ( p. 24 ) 

O* como nao amar quem versos tece ! ( p. 121 ) 

Farei surgir bramindo os leões de meus versos 
Sobre o circo pagão das tuas carnes nuas ! . . . 

A poesia me exalta ( p. 204 ) 

Como gostam do verso e gostam da pintura 
Esses pequenos seres ! ( as mulheres ) ( p. 234 ) 

Si encho de flores o sopé do monte, 

E o teu caminho de immortaes poemas, ( p. 250 ) 

Julgas-me um poeta ou nao ? Si o sou não minto, 
Pois a poesia é filha da verdade. ( p. 251 ) 

E em meu plectro cavaste o teu jazigo, ( p. 252 ) 

Sente-se que a galeria, como dizem os francezes, preoccupa o poeta 
mais do que convinha. Por outro lado, a única nota, a única paixão 
deste livro é o amor, mas o amor apenas como uma superexcitaçio dos 
sentidos, produzindo uma ou outra vez um como accorde violento mas 
sem intensidade. As notas soam desordenadas, fortes, mas a vibração 
se nao demora. De Beaudelaire, que foi certamente um dos mestres do 
poeta, não ha slnfto as exterioridades superílciaes (veja especialmente 
Sanie Universal) como de Victor Hugo, que é um outro dos seus mestres 
( veja a Tristeza do CaJhos cheia de reminiscências da Lenda dos Séculos ) 
nao apparecem também sinfto imitações da maneira e uma ou outra 
antithese como esta, inteiramente fora da moda: 

Vão os dois : — uma mina encostada a uma aurora. ( p. 9 ) 

Chegando ao cabo desta noticia em que, mau grado meu, tive de 
dizer a minha impressão desfavorável a este livro , parece-me que do 
Sr. L. M. se pôde dizer, sem erro nem malevolencia, que como lyrico 
elle pertence, pela qualidade e pela facilidade da inspiração — e da forma 
— à filiação directa dos nossos lyricos do género de Casimiro de Abreu 
e outros da mesma corrente e da mesma época. Nfto se admirem da 
aproximação nem a tomem à má parte. Em primeiro lugar, provarei jà 
a minha asserção, em segundo tenho por Casimiro de Abreu muita 
admiração. A pobreza dos metros, a singular ausência do soneto neste 
poeta moderno e parnasiano, a monotonia das formas métricas a que me 
referi e que qualquer leitor pôde verificar neste livro das Ondas, jà do 
si eram testemunhos bastantes do valor dessa aproximação ; porém ha 
mais, ha uma extrema similhança de processos, de modos de expressão, 
de eôtylo em fim entre o Sr. L. M. e aquelles poetas. 

A antithese de palavras e as vezes de idéas que se repetem em 
versos parallelos é verdadeiramente um tic no Sr. L. M. e era, como 
se sabe um processo daquelles. Exemplos : 

E fora d'alma — esta monotonia 

E dentro d'alma — esta recordação, (p. 13) 

E' de espinhos a noite e o fadário que sigo, 

E' de chammas o chão onde meu ser definha. ( p. 23 ) 



% BIBL100RAPHIA 267 

E' a ventura da nossa desventura, 

E* o alento do nosso desalento, (p. 38 ) 

Talvez recorde alguma dor passada, 

Talvez se lembre de algum ser ausente. ( p. 39 ) 

Mas, fora um nunca acabar si eu quizesse citar todas as parelhas 
siniilhantes, que no volume se contam por dúzias. Da mesma inspiração e 
corrente que as de Casimiro de Abreu em MmKalma c triste sao estes 

Tu sorris tristemente ao ver-me triste, 

E eu de lagrimas molho- te o sorriso ; 

Eu já nem sei em que o viver consiste, 

Tu já n&o sabes o que vale um riso. ( p. 83 ) 

«Só eu não sei em que o prazer consiste ! » 

gritava o apaixonado das Primaveras. Logo adianto, na poesia Junto de 
um leito a mesma nota casimiriana se repete : 

Si eu possuísse um dia só teus beijos, 
Si eu possuísse a tua bocca um dia, etc. 

Compare-se em Casimiro de Abreu, Amor e Medo 

Ai ! si eu te visse no calor da sesta, passim 

O leitor, certo, n&o me attribuirà a inintelligencia de accusar o 
Sr. L. M. de plagiato ou siquer de imitação; apenas pretendo que o 
Sr. L. M., apezar de alguma rara apparencia do contrario está ainda na- 
quella corrente de 1814 a 1860. Esta estropho 

Amo- te como, ao despontar da aurora, 
Ama o pássaro o cume da montanha, 
E o orvalho de ouro que a bromelia chora, 
Si acaso a afflige alguma dor estranha. 

toda gente por pouco versada que seja, na literatura nacional, dirá que 
pertence aquella época; pois bem, é do Sr. L. M. a pag. 212 das Ondas. 
E quejandas estrophes ou versos da mesma inspiração e maneira nao 
sao singulares no livro, ao contrario sao as que mais abundam neile; 
exemplos : 

Teu beijo ó a cotovia que descanta. 

Meu lábio o ramo que lhe deu poisada. ( p. 6 ) 

Louco que eu sou ! a envenenada taça 

Quero sorver, quero esgotar de um trago ! 

Oh mocho — alviçareiro da desgraça 

Porque turvaste a limpidez do lago ? ! ( p. 17 ) l 



1 Cp. Casimiro de Abreu : 



Quero amor! Quero vida! Os lábios ardem 
Preciso as dores de um sentir profundo ! 
— Sôfrego a taça esgotarei de um trago 
Embora a inorle va topar no fundo. 



268 REVISTA BRAZILB1RA # 

Sede, poi*, doce imagem constellada, 
t lampejo anal da minha vida. 

vosso amor é o orvalho da alvorada, 

Meu coração é a rosa emmurchecida. ( p. 121 ) 

Pedir perdão para os peecados meus ( p. 228 ) 

Si alguém, entre os nossos poetas contemporâneos, devesse, por ama 
reacção cuja legitimidade nao discuto, resuscitar a nossa poesia sen- 
timental do periodo de 45 a 60, o reátativo de salão, a expansão rimada 
de amores românticos, esse alguém seria o A. do segundo volume das 
Ondas.— J. V. 



LIVROS E FOLHETOS 

* Livro das Noivas por Júlia Lopes de Almeida, desenhos deE. Casanova, 
Roque Gameiro, Julião Machado e outros, Rio de Janeiro, 1896, in-8°, 
222 pags. 

Relação dos Manuscriptos originaes e copias sobre a historia do 
Ceara que constituem a Collecç&o do Ur. Guilherme Studart, 2 o fascí- 
culo (de n° 1334 a 2226) Fortaleza, 1896. 

Inéditos relativos ao levante occorrido na ribeira do Jaguabibe 
no tempo de Manoel Prancez e do Ouvidor Mendes Machado pelo Dr. G. 
Studart, Fortaleza, s. d. 75 pags. 

São do Dr. Guilherme Studart estes dois folhetos, preciosa contribui- 
ção para a historia do Ceará e, portanto, do Brazil, a que tantos bons 
serviços presta o laborioso erudito cearense. 

Auxílios á lavoura pela mobilização territorial e agrícola por André 
P. L. Werneck, Rio de Janeiro, 1896, 105 pags. 

* As Regiões Amazonicas estudos chorographicos dos Estados do Grani 
Pará e Amazonas pelo Barão de Marajó, Lisboa, 1896, in-8°, 404 pags.com 
7 mappas. 

Almanak administrativo, mercantil e industrial do Rio de Janeiro 
e Indicador para 1896. Companhia Typographica do Brazil editora — - Cor- 
responde este volume de cerca de 3 mil paginas ao 5íi° anno desta conhe- 
cida e estimada publicação. 

Poemas da Carne por Cunha Mendes, S. Paulo, 1896, in-8°, 142 pags. 

Innocencia por Sylvio Dinartc (Vicorate d'Escragnolle Taunay) ro- 
man brésilien traduit par Olivier du Chastel, Paris, Leon Challey, 1896, 
in-12, X-238 pags. 

Já em tempo noticiámos esta traducção do formoso romance do Sr . 
Taunay, que appareceu primeiro em folhetins do Temps de Paris. Então 
dissemos que era menos uma traducção. Em volume parece-nos vir aug- 
mentado o trabalho primitivo do Sr. du Chastel, sem que seja ainda a 
traducção integral do livro brazileiro. Entretanto dá delle suficiente idéa, 
e é por via de regra fiel, mostrando que o traductor conhece a nossa 
lingua. 



A POLITICA 



Entre as medidas que figuram no plano geral de economias 
attribuido ao Sr. general Francisco Glycerio, nenhuma ahi figura a 
mais justo titulo, nenhuma é mais digna de applausos, que aquella 
que faz passar para os estados as despezas com o serviço de immi- 
gração e colonização. E* verdade que todo o paiz lucra com a intro- 
ducção de immigrantes, e todo o paiz lucraria ainda mais si esses 
immigrantes fossem verdadeiros colonos, que se dedicassem ao 
solo , mas, do modo porque estão organizadas as coisas, ou antes do 
modo por que estão desorganizadas, é exclusivamente a alguns 
estados, ou antes ó principalmente ao estado de S. Paulo que a im- 
migraçâo hoje aproveita. 

Nesse estado, a terra generosa produz com abundância que 
permitte pagar salário que outros não comportam ; e como o fruto 
não pôde esperar, o que vale é ter á mão o trabalhador no tempo 
da colheita. Sendo assim, não se cogita de ver que o trabalhador 
vem, trabalha algum tempo, consome o menos que pôde, e parte de 
novo para a terra natal como quem tira o salário que recebeu. 

E esse homem veiu com a passagem paga pelo Governo Federal. 
Dir-se-á que o immigrante ainda assim é útil, e não ha negar que 
o é ; mas seria muito mais útil si, ao lado desse lucro rápido, lhe 
fizessem reducçôes que o levassem a ficar. E* que um novo perigo 
nos ameaça. Nós vamos caminhar para o regimen do latifúndio, 
com a entrega das terras devolutas aos estados, que provavelmente 
as concederão em grandes lotes, em vez de retalhal-as, e adaptal-as 
á colonização. 



270 v REVISTA BRAZILEIRA 

Si as terras assim concedidas forem exploradas por grandes 
emprezas, grandes capitalista, estes o farão pelo systema do salário, 
e não é isso certamente o mais proveitoso ao paiz . E isto em todos 
os sentidos, porque do colono que se fixa ao solo nascem filhos brazi- 
leiros, e em duas ou três gerações nem já indícios ha da procedência 
estrangeira, nem aspirações de levar alhures o fruto do trabalho, que 
ficará a constituir a fortuna publica ; ao passo que com o regimen 
actual, o que temos é uma população estrangeira transitória, que 
nenhum interesse prende ao paiz, que estrangeira se conserva até o 
momento de partir e ser substituída por outra leva de ganhadores. 

Esta funcção, aliás útil de momento, precisa dar lugar á dos 
que trabalham por salário nos primeiros tempos, mas ficam povoando 
e desenvolvendo outras culturas, dando-se a outras industrias de 
que o paiz carece. E isto dificilmente se pôde fazer só com a inicia- 
tiva particular. E' necessário que os governos dos estados — e 
qual melhor que o de S. Paulo, rico e ousado, o poderá fazer? — 
se occupem com esta face do grande problema. 

Ainda sob este aspecto, é opportuno e justo, e será eficaz, a 
medida proposta pelo chefe do partidp republicano federal. Desde 
que do erário dos estados saia o dinheiro preciso para fazer vir o 
immigrante, dinheiro dispendido não só com o pagamento de pas- 
sagem, mas com a propaganda, com os agentes de immigração, 
com o sustento á chegada, com o pessoal das hospedarias, elles farão 
as suas contas e verificarão que mais vale gastar um pouco mais, 
e exigirem também o serviço de colonização, porque os resultados 
desta são duradouros. 

Passando também aos estados o serviço de garantias de juros 
ás respectivas estradas de ferro concorre-se para o mesmo resultado. 
E' que só a transportar café em alguns mezes do anno, e a levar 
para o interior mantimentos importados do estrangeiro, as estradas 
rendem muito menos do que renderiam si nas zonas que per- 
correm houvessem, além das grandes fazendas, que pagam largos 
salários, pequenas culturas que satisfizessem as necessidades do 
consumo dos municípios, em um constante movimento de vai e vem. 
E isto sem contar com a independência em que ficaríamos, e sem a 
qual nem o pão temos garantido. 

Quando ultimamente, em banquete que lhe ofiFereceram, o 
Sr. Dr. Assis Brazil desenvolveu o seu plano de politica pratica, o 



A POLITICA 271 

Sr. ministro das relações exteriores entendeu que essa era a politica 
de paz armada. Será, como é também a politica da previsão e da 
prudência, que, em boa diplomacia se pôde considerar desnecessária, 
quando estamos em boas relações com as nações vizinhas, mas que 
no fundo, mesmo os diplomatas sabem que é a melhor das politicas. 

O que o Sr. Dr. Assis Brazil quer é que nós que temos uma 
estensa fronteira, tenhamos a criação do cavallo necessária para 
uma das armas de guerra, e para a mobilização de tropas e baga- 
gens, que tenhamos o preciso para alimentar o cavallo, e que 
cuidemos também de plantar e criar aquillo de que precisamos 
para a nossa própria alimentação. 

Ora, a triste verdade em relação a este ultimo ponto, é que 
hoje a nossa situação é peior do que nunca foi. Até 1888, ainda nas 
fazendas se cuidava do alimento, e isso porque grande parte do ca- 
pital do fazendeiro estava empregado, — e mal empregado, seja 
dito de passagem — no instrumento escravo, que teria de ficar immo- 
bilizado eimproductivo parte do anno, fora das grandes épocas 
do café, plantação e colheita, si o capitalista o não utilizasse em 
outros misteres ; mas, depois da emancipação, em vez do capital 
que se immobilizaria no escravo, foi preciso ter o dinheiro do 
salário, foi preciso lutar contra a falta de trabalhadores, e então 
este, raro e caro, passou a ser utilizado só para o café, fruto 
mais remunerador. 

Quando o finado Louis Couty, um dos estrangeiros mais úteis 
que têm vindo a esta terra, apontava como causa da inferioridade 
das xarqueadas do sul em relação ás das republicas vizinhas, a má 
mobilização de parte dos capitães na acquisição de escravos, que 
esse ficavam absolutamente inactivos parte do anno, mal previa que 
o primeiro resultado que adviria da emancipação, seria este que 
hoje deploramos. 

Tendo havido escassez de braços e perda de capitães, foi preciso 
concentrar esforços e sua concentração fez-se no único sentido pos- 
sível e naturaí unido ao mais proveitoso, mas por isso mesmo poudo- 
nos na dependência do estrangeiro, e aggravando a nossa balança 
internacional, porque se augmentou mais e de modo considerável a 
cifra da importação. 

A politica do Dr. Assis Brazil não é tal a politica de paz ar- 
mada e de desconfiança , é a politica sensata da previdência e do 



272 REVISTA BRAZILEIRA 

patriotismo, do desenvolvimento da riqueza publica e do aproveita- 
mento dos nossos recursos. Mas, para isso é preciso começar pela 
autonomia dos estados no sentido em que elles a não têm recla- 
mado, isto é, dispensando-se de uma tutela que o governo federal 
não exercia sobre todos e que só aproveitava a alguns. 

Lute cada um segundo as suas forças na exploração das in- 
dustrias próprias de suas condições naturaes, porque p mercado de 
consumo que é o nosso paiz só por si basta por muito tempo para 
acoroçoar as primeiras tentativas, e recompensar largamente os 
primeiros esforços; d'ahi resultará immediatamente não só a nossa 
independência e economia, mas a melhoria de nossa situação finan- 
ceira, porque já então os nossos productos de exportação não terão 
de encher o abysmo enorme da importação de artigos que podemos 
produzir; e em seguida chegaremos por uma vez a exportar o que 
importamos. 

Estamos de certo bem longe desse ideal, porque anda bem 
arredada destas coisas praticas a orientação dos nossos homens 
políticos; não é que lhes faltem avisos, nem que se lhes afigurem côr 
de rosa os horizontes do nosso futuro, a julgar pelo que se vê no 
presente ; mas ha uma indolência, filha talvez do clima, e ha prin- 
cipalmente uma relativa facilidade, apezar de tudo, de viver nesta 
terra onde a miséria ainda não penetrou, mas onde não é impos- 
sível que penetre, si não se olhar mais de perto para estas questões 
de interesse geral. 

Ferreira de Araújo 



O MINISTÉRIO PARANÁ 1 



II 



A REFORMA JUDICIARIA 



O principal assumpto da sessão de 1854 foi a reforma judi- 
ciaria de Nabuco, Paraná reservava para o anno seguinte a re- 
forma eleitoral afim de não inquietar a Camará no começo logo 
da legislatura. Nabuco empregara o intervallo das sessões em 
preparar os seus projectos; estava ainda nesse engano dos mi- 
nistros dotados de grande actividade que se estreiam com von- 
tade de innovar ou de aperfeiçoar o que existe, suppondo que 
os relatórios são lidos pelas Camarás e que ellas estão anciosas 
por se tornarem collaboradoras de seus numerosos projectos. 

O relatório da justiça de 1854 é um verdadeiro manancial de 
reformas nos differentes ramos da repartição, que então comprehen- 
dia também os negócios ecclesiasticos. O ministro era visivelmente 
marinheiro de primeira viagem, não tinha idéa da resistência que 
a inércia legislativa lhe havia de oppôr, do conflicto de interesses 
que suscitava. Elle estudava as reformeis que queria propor, redigia 
os projectos, mandava-os imprimir e depois sujeitava-os confiden- 
cialmente ao juizo dos homens que lhe pareciam mais competentes 
na especialidade ou a quem elle queria mostrar deferência. Na 
lista figuravam ás vezes jovens jurisconsultos, que se lisongea- 
vam no começo da sua carreira com 'a distincção que lhes fazia 



1 Veja a Revista de 1 de agosto. 
18 tomo vu — 1890 



274 REVISTA BR AZI LEIRA 

o ministro da justiça. 1 Esse systema tinha além de outras a van- 
tagem de promover o estudo das grandes questões administrativas 
em um circulo mais largo do que o parlamento, entre os homens 
de talento e capacidade que o ministro associava aos seus traba- 
lhos. Desse modo Nabuco em 1854 deu grande impulso aos es- 
tudos de legislação comparada, pondo em exame e discussão a 
organização de quasi todos os serviços do seu ministério. José 
de Alencar assignalou esse despertar dos estudos jurídicos sob o 
patrocinio de Nabuco. 

Sobre a reforma judiciaria elle fez um verdadeiro inqué- 
rito. Entre os pareceres recebidos ha um bastante curioso que 
procura retratar a época, mas que desenha ainda melhor a 
poderosa physionomia do autor. E' o de Qomes de Campos, 
depois barão de Campo Grande. E' um partidário inconsolável do 
antigo regimen esse procurador da coroa que confessa não ler 
senão o Memorial de Saiúa Helena ; a memoria que redige é uma 
longa denuncia de tudo que se tinha feito desde ca éra consti- 
tucional > inclusive a Constituição . « Prometteram fazer, diz elle, 
de Portugal e do Brazil um novo paraizo de delicias, esque- 
cendo-se que no único verdadeiro paraizo houve uma arvore e um 
pomo que o fez desapparecer e o transformou in hoc larrimarum 
valle. ..» « Basta olhar para o acervo de volumes de leis que se 
tem publicado de 1821 para cá 1 Ahi está o corpo de delicto, que 
demonstra authenticamente uma verdade de desengano cruel : der- 
ribado o antigo edifício nada mais se tem feito que derribar hoje 
o que se levantou hontem, levantar hoje para derribar amanhan. » 
Também elle se tinha opposto a todas as leis feitas, sem excepção 
de nenhuma. « Declarei-me abertamente contra o Código Criminal 
pelo methodo scientiíico, doutrinário e de definições, no qual toda- 
via não se fazia distincçâo entre o crime e a culpa, ficando assim 
eontradictorio e além disto patentemente incompleto. Disse que o 
systema apregoado pelos Doutores do século passado adversários 
das leis casuísticas não tinha ainda por si a experiência, e que 
a arithmetica da sua graduação da imputação e da pena tornaria 



i Perdigão Malheiro consultado sobre a reforma liypothecaria : 
« Que pôde dizer um principiante em exame de um projecto elaborado 
por V. Ex.... ? » 



O MINISTÉRIO PARANÁ 275 

mais fácil a arbitrariedade nos julgamentos que elles presumiam 
evitar, e diariamente mostram os auditórios da justiça que nunca 
houve tanta arbitrariedade no foro correccional nem tantos 
absurdos. » 

Como ao Código Criminal oppoz-se com todas as forças ao do 
Processo. < Horrorisei-me com a introducçáo de jurados á fran- 
ceza. » Em 1841 foi obrigado a dar parecer sobre um projecto 
de lei de terras, reprovou-o em todos os pontos. E' a lei de terras 
de 18 de setembro de 1850. Tratando-se do Código de Commercio, 
« bradei que o Brazil já não podia com tantos códigos e leis, não 
tínhamos commercip, nem navegação que valessem esses nomes, 
que para esse trafico propriamente de retalhos que tínhamos e a 
nossa cabotagem, tínhamos as melhores leis já conhecidas e rece- 
bidas na pratica. > 

Esta pagina ó uma curiosa recapitulação de episódios conhe- 
cidos da nossa historia parlamentar : 

« Suffocou-se nos peitos o interesse publico, reinou o egoísmo 
e o próprio tão inculcado patriotismo tornou-se moeda tão falsa e 
desprezível que veiu a prestar somente para motejo e opprobrio, 
ninguém mais quer ser patriota. . . Subiu a relaxação ao ponto de 
não só se não procurar salvar as apparencias e evitar o escândalo, 
mas ató de se fazer alarido do que devia envergonhar. Dizia, por 
exemplo, um ministro de Estado em pleno parlamento que despre- 
zava maiorias artificiaes; outro explicava ainda mais claramente, 
definia as maiorias paginas da lei do orçamento. Este, de não suspeita 
autoridade, dizia na Camará dos Deputados áquelles mesmos por 
quem subira aos lugares que occupava, que a sua eleição não era 
genuina\ aquelle, de não inferior celebridade, não se pejava de 
repetir talvez por escarneo aos que nelle creram: se o Grão-Turco 
soubesse o qiie ê o systema representativo seria o primeiro a proda- 
md-o aos seus povos. Outro, outro, outro. . . Para que mais? Nas 
próprias camarás legislativas, geraes e provinciaes, ao passo que 
na lei do orçamento se vão enxertando (frase parlamentar) os inde- 
finidos artigos additivos, profere-se com estrepitosa hilaridade : — 
Lá se vão embarcando e passando as biscas. > 

A marcha, o engrandecimento do paiz desde 1822 é um facto 
incontestável, mas quem não sentirá diante dessa original e quasi 
inédita figura de sebastianista do tempo colonial que realmente os 



276 REVISTA BRAZILEJRA 

costumes têm outra seriedade, a vida outra dignidade, a sociedade 
outros viuculos, o caracter outra tempera, á medida que se remonta 
ao passado? 

Em março de 1854 Nabuco está debaixo de forte pressão, « oto- 
refado comi a reforma judiciaria e a hypothecaria, carregado de grande 
trabalho de expediente e detalhes de administração. » (Carta a Josino do 
Nascimento). Os pareceres sobre a reforma judiciaria estão quasi 
todos em suas mãos, e ò projecto já lhe apparece terrivelmente 
mutilado, talvez inviável. O projecto tirava os juizes de direito da 
nada para collocal-os no pináculo. « Os juizes de direito, dizia Pau- 
lino de Souza no seu parecer, julgam afinal nas causas eiveis, conhe- 
cem por aggravo de petição ou instrumento de todos os despachos 
em que tem lugar esse recurso, conhecem por appellação de todos 
os crimes policiaes, julgam os recursos da pronuncia em crimes 
inaíiançaveis, processam e julgam afinal os afiançáveis e de respon- 
sabilidade e outros, etc. ; ficam a meu' ver talvez carregadissimos. 
Actualmente nada têm que fazer, passa-se ao extremo opposto. » 
« Nâo julgo perfeita a lei de 3 de dezembro, acrescentava elle, 
ella.nfto está em perfeita harmonia com os princípios abstractos da 
sciencia. Está, porém, em mais harmonia com as nossas peculiares 
circumstancias. Um edifício levantado em um terreno desigual 
cheio de altos e baixos, nâo pôde apresentar a symetria e regula- 
ridade e ter a belleza de outro levantado em terreno igual e 
plano. > 1 



i Para completar a physionomia politica de Gomes de Campos destacarei 
de outro capitulo sobre o ministério Paraná um trecho relativo a mais uma 
consulta que Nabuco lhe fez, desta vez sobre a fundação projectada de 
faculdades theologicas. 

A opinião de Gomes de Campos 6 a de um jurisconsulto portuguez 
antigo, isto é, realista e regalista. Tem queixas profundas do modo porque o 
clero recebeu o Sete de Abril ; a primeira queixa é de se ter supprimido da 
classe dos feriados o dia de S. Pedro de Alcântara. « Immolara-se uo Campo 
da Honra aquelle a quem devemos o não estarmos hoje fazendo a mesma 
figura que a America Hespanhola, e são hoje os mesmos que se procuram 
mais distinguir na projectada idtfa de uma estatua, não no campo da Accla- 
macão, mas na praça da Constituição; não por voto e á custada nação, mas 
por esmolas mendigadas aos devotos ; não por obra privativa e exclusiva- 
mente brazileira, mas por empreitada posta em leilão na Europa. Proh dolor !» 
Da estatua de Pedro lãs faculdades de theologia a volta era comprida; 
elle, porém, gostava de parar em caminho. « Seguiu-se logo a propaganda: 



O MINISTÉRIO PARANÁ 277 

O edifício judiciário proposto por Nabuco não era tão pouco 
symetrico ou levantado sobre terreno nivelado, era pelo contrario 
uma obra de ajustamento ao solo, tão caprichoso e tão indifferente á 
lei da unidade como o de Vasconcellos e Paulino, mas era um plano 
novo a experimentar, e como esperar vencer contra a resistência 
formal do ministro que fizera votar a lei de 3 de dezembro ? As 
respostas que chegam dos presidentes são em geral animadoras, mas 
a de Wanderley annulla o effeito de todas. O projecto é uma 
revolução ! 



contra o celibato clerical. Não foi ophilosophismoque inspirou este protestan- 
tismo : foi um luzeiro do nosso sacerdócio ». Agora esta caricatura de Feijó: 
a orthodoxo, santo, levado pelas melhores intenções politicas e pias, tão propu- 
gnador das liberdades do povo, como dantes fora da salvação eterna do povo 
de Itd. Pelos seus talentos e virtudes occupou os mais eminentes cargos do 
Estado, foi ministro de Estado, Regente do Império, senador do Império, e 
afinal nomeado bispo de uma diocese. Foi este insigne sacerdote aquelle 
mesmo que agastado, com ardor patriótico e catholico, porque o Santo Padre 
negou a confirmação de um bispo por elle nomeado e de sua nova seita, 
não teve o menor embaraço em propor ao Corpo Legislativo, indirectamente 
sim, mas muito expressa e claramente, a convocação de ura Concilio Na- 
cional, visto que, dizia elle, Sua Santidade obedecia á sua consciência. 
Por fortuna o senado brazileiro ainda contava no seu grémio uma res- 
peitável pluralidade de varões, verdadeiros senadores da primitiva creaçào, 
e o padre contrariado em suas óptimas intenções por este e outros revezes 
teve de retirar-se sem estrépito : o melhor de todos os seus actos. E poderia 
talvez legar aos seus apaixonados a mais pura memoria, se o seu mau fado 
não o levasse por ultimo ao acampamento de Sorocaba, coberto de suor e de 
lama, como aqui o pintaram os jornalistas, capitaneando uma quadrilha de 
Padres Vigários. » 

Também este perfil de MonfAlverne : « Por este mesmo tempo ou pouco 
antes florescia e conquistava indisputável reputação de sábio, eloquente 
orador e patriota, acérrimo defensor das liberdades tem poraes do povo um 
Franciscano, que, tendo professado pobreza, obediência e clausura, fazia o 
duro sacrilicio de seus votos para dar expansão e livre exercício âs mais 
heróicas virtudes que nutria e que o impelliarn a tudo abandonar pelo bem 
do povo contra o excommungado fundador do Império, contra quem fulmi- 
nava todas as iras, como o causador de todos os males da pátria, no numero 
dos quaes occupava o primeiro lugar a imputação de não haver feito caso 
algum do pregador, nem do seu mérito scientiflco. Asseverou a chrouica do 
tempo que para alcançar a mitra promettida deixava o convento e com o 
habito de S. Francisco era o primeiro orador em uma sociedade Jacobínica 
que aqui no Paço Municipal celebrava publicamente as suas repetidas 
sessões, à la Française, e ali, assim como nos púlpitos sagrados, avantaja- 
va-se etn concitar a multidão, a titulo de restauradores caramurús, contra 
todos os homens fieis âs leis e aos seus deveres, quorum pars magna fui. 



278 REVISTA BRASILEIRA 

« Recebi o projecto de reforma e vou examinal-o : é uma revo- 
lução completa e eu tenho muito medo de revoluções, escreve-lhe 
em 4 de março o presidente da Bahia, seu futuro collega de gabi- 
nete ; a velhice torna-me desconfiado e faz-me partidário dos pannos 
quentes. » Wanderley tinha apenas quarenta annos e não queria 
mais reformas ; estava velho. E' essa sempre a linguagem entre nós 
dos estadistas em formação. Ferraz devia receber na Gamara o 
projecto com a mesma prevenção: « Senhores, eu já fui muito 



Foi porém infeliz o Frade em seus cálculos. Accusado de inflei, por ter tido 
a lembrança de fazer-se apologista dos And radas, incurso no mesmo ana- 
thema de restaurador, perdeu a graça e os serviços feitos e teve de retirar-se 
ao claustro sem mitra e sem báculo. » 

Não esquece tâo pouco a famosa disputa da sagraçào imperial. 

« Houve por algum'lempo tréguas ou indifferença nos ccclesiasticos, porém 
no anno de 1841 veiu despertar a curiosidade publica um drama, burlesco ao 
principio, mas que poderia lindar serio, se nâo interviesse um varão por 
tantos títulos respeitável. Falo da luta entre dois prelados, empenhados 
ambos na competência ou preferencia para a celebração da Coroação e Sagra- 
çao Imperial. Nenhum delles julgou necessária a intervenção Pontifícia.» 
(E' engano de Gomes de Campos. O bispo do Rio interpoz recurso para a 
Santa Sé, como se vê na Memoria Apologética do Arcebispo da Babia em 
resposta ao Opúsculo do bispo-conde capei lão-mór). Um forte, ou vacillante 
em seu direito, entendeu dever descançar nellc ; o outro, mais dextro e 
expedito houve por melhore mais curto caminho apadrinhar-se á influencia 
palaciana, bem inteirado de quanto valera esse expediente para pôr a mitra 
na cabeça sem o escrúpulo de simonia, e obteve sem custo em processo sum- 
marissimo o desejado triumpho por sentença que logo passou em julgado e a 
que debalde pretendeu oppôr embargos o seu contendor, depois de lhe lançar o 
cumpra-se, implorando por levianos conselhos o poderoso auxilio do Cabido 
para uma formal resistência que felizmente abortou. » 

No mais íioraes de Campos é um defensor exaltado das prerogativas da 
coroa, e dil-o sem rebuço a Nabuco; para elle Villela Tavares «prestou um 
assignalado serviço combatendo as idéas e pretençOes ultramontanas levan- 
tadas na Bahia, e das quaes resultam esses novos projectos (os projectos de 
Nabuco) de seminários francezes e de faculdades theologicas sujeitas á cúria 
romana. » «Os nossos bispos não deviam ter sido excluídos da representação 
nacional, onde em outro tempo tinham assento. E' o próprio clero que se 
está perdendo com essa lisonja á cúria, para subir, como antes perdeu-se 
lisongeando as paixòes populares. » 

Observador attento, desinteressado e desapaixonado sobre as coisas do 
Brazil, é como elle se caracteriza a si mesmo, acerescentando : « OíTerece-se 
entre outros um phenomeno que eu presumo poder explicar satisfactoría- 
mente, mas que não me recordo ter occorrido nas grandes ou pequenas re- 
voluções dos outros povos. Consiste em que entre nós os mais implacáveis 
inimigos, os inexoráveis perseguidores de cada uma das classes publicas da 
sociedade têm surgido das mesmas classes a que têm pertencido. Assin; 



O MINISTÉRIO PARANÁ 279 

reformista, paguei esse tributo da mocidade.,, porém hoje que o 
fardo dos annos, — Ferraz era quasi da idade de Wanderley, — 
e a experiência me têm mostrado a vereda que devo seguir, 
julgo que as reformas se devem operar com muito tento . . . r> 
Nabuco recebe como um mau signal a reserva de Wanderley 
e responde-lhe : « Sinto que a minha reforma te achasse prevenido 
e desconfiado, óum escolho que encontro.» Outro bahiano, Saraiva, 
também presidente, adheria inteiramente á reforma, 1 revelando 
desde então aflinidades características com o espirito e a intuiç&o po- 
litica de Nabuco : « O projecto me agradou muito e muito e entendo 
que elle, se passar como está, ha de dar ao paiz e ás suas insti- 
tuições as melhores garantias de paz e permanência. Dou a V. Ex. 
os parabéns por essa obra que o honra e que lhe dará um nome 
entre os beneméritos do paiz.» (Carta de 16 de março 1854.^ 
E Nabuco respondia : « Muito me lisongeia o seu conceito a 
respeito do meu projecto, que praza a Deus não seja lançado no 
olvido pelo espirito de inércia que nos domina e que é um dos typos 
da nossa época. » 

Na sessão de 26 de maio de 1854 Nabuco apresentou, simul- 
taneamente com um projecto sobre tribunaes do eoinmercio, a sua 
reforma judiciaria. Era o projecto que elle tinha elaborado no inter- 
vallo das sessões, porém, mutilado, incompleto, sacrificado ás exi- 
gências politicas. Ainda nas vésperas de abrir-se a sessão o projecto 
estava sendo podado. Em 28 de abril Pedreira escrevia a Nabuco : 



achamos que a classe ecclesiastica tem sido destruída pelos próprios eccle- 
siasticos, a militar pelos militares... o que direi da magistratura? Do seu 
próprio grémio tira manado os seus mais cruentos assassinos. » Se esta ultima 
alliisâo tivesse sido feita em 1857 poder-se-hia entendel-a como dirigida contra 
o próprio ministro da justiça; lançada em 1855, ella podia visar ainda mais 
alto, o Presidente do Conselho, que tinha aposentado magistrados. 

i Saraiva louva todos os pontos: « A incompatibilidade foi estabelecida 
da melhor forma possivel porque tirou á magistratura o interesse que a obri- 
gava a fazer mal, sem votal-aao ostracismo politico, deixou um campo vasto 
para legitimas e razoáveis ambições. A competência dos juizes de direito 
para o julgamento final das causas eiveis é em meu fraco entender a melhor 
coisa do projecto. A restricçâo da competência do jury e um verdadeiro 
serviço feito á justiça. A creaçao dos corregedores é um verdadeiro acto de 
contricção, pois que exprime uma volta para a legislação antiga que era 
óptima a semelhante respeito. A creaçáo dos chefes civis é óptima, porque é 
o primeiro passo para uma organização administrativa.» 



280 REVISTA BRAZILEIRA 

« Sua Magestade disse-me hoje que talvez amanhan no despacho se 
resolvesse a discutir alguns pontos principaes da sua reforma judi- 
ciaria afim de decidir-se o que se deve a tal respeito dizer na fala 
do throno. As questões que elle quer discutir são : 1,° as incompa- 
tibilidades, por estar ainda na idéa de preferir a tudo o que está no 
seu projecto, isto é, a opção por parte do magistrado entre o seu 
cargo e o de deputado ; 2,° a faculdade dada pela lei de 3 de de- 
zembro aos juizes municipaes de decidirem as questões judiciarias 
definitivamente ; tem duvidas sobre a constitucionalidade de taes 
juizes, como estão hoje constituidos ; 3,° insiste na separação das 
f micções policiaes das judiciarias. » 

Os pontos a que essa carta allude como idéas do Imperador 
estavam todos no projecto primitivo e não figuram, entretanto, 
excepto o terceiro, mas de modo imperfeito, no que foi apresentado á 
Camará. O que teria determinado a eliminação ? Provavelmente a 
influencia no espirito de Paraná dos pareceres dos seus amigos do 
Senado, mantenedores da lei de 3 de dezembro, e quanto ás incom- 
patibilidades da magistratura o interesse parlamentar, o voto dos 
deputados magistrados. Paraná nunca teve verdadeiro interesse pela 
reforma judiciaria, ella parecia-lhe talvez boa para occupar a sessão 
legislativa, não foi, porém, uma lei que elle tivesse nunca a peito. 1 
Por sua vez Nabuco mais tarde (1858) confessou que não considerava 
como seu o projecto desfigurado que tinha sido forçado a apresentar 
como ministro . 

As differenças principaes entre o primitivo projecto e a proposta 
eram que o projecto attribuia aos juizes de direito o julgamento final 
nas causas eiveis, estabelecia indirectamente a incompatibilidade 
politica dos magistrados, presumindo que renunciavam a magistra- 
tura os juizes de direito eleitos pelas provindas onde exercessem 
jurisdicção, instituía para cada comarca um chefe civil, autorizava a 
nomeação dos juizes de direito dentre os advogados notáveis. Tudo 
isso tinha sido cortado. 



1 « ministério queria acertar ; âquelles que me perguntavam, eu 
dizia : — Queremos dar garantia e segurança á sociedade e aos indivíduos ; 
aceitamos quaesquer modificações necessárias neste sentido ; admitto a dis- 
cussão. De tal maneira me expliquei que até se ine pintou, como já observei, 
como inimigo do projecto.» — Discurso de Paraná, em 2t> de maio de 1855. 



O MINISTÉRIO PARANil 281 

No seu conjunto, como fora concebido, a reforma organizava 
a magistratura de modo que ella pudesse preencher todas as fiinc- 
ções da justiça publica, mas ao mesmo tempo organizava a policia 
de modo que não lhe escapasse a perseguição dos criminosos e 
a vigilância sociaL Desmembrado, porém, o systema do projecto, 
a reforma parecia uma tentativa para enthronizar o juiz de direito, 
desorganizando o apparelho preventivo e policial que tanto custara 
montar. Desse modo a faculdade constructora do ministro apparecia 
sacrificada ; era como si se quizesse julgar da capacidade de um 
architecto por uma obra da qual tivessem ao acaso mutilado a 
planta. Para bem comprehender o sentido desses debates é pre- 
ciso lançar um olhar sobre as anteriores tentativas de reforma 
judiciaria. 

O Código do Processo havia feito dos juizes de paz o elemento 
activo da justiça criminal; a reacção conservadora substituirá esse 
ihecanismo electivo popular pela policia, que foi centralizada nas 
capitães, com a creação dos chefes, e unificada nas mãos do 
ministro da justiça. 

Quando se votou a lei de 3 de dezembro que assim trans- 
formara completamente o systema da justiça, o partido liberal 
protestou em nome das conquistas populares da Regência, e le- 
vantou-se em armas em S. Paulo e Minas. No governo, porém, 
de 1844 a 1848, elle nunca seriamente pensou em reformar a lei 
de 1841; fez apenas algumas tentativas sem insistência. Uma des- 
sas foi a proposta de Fernandes Torres em 1846. Por esse pro- 
jecto a attribuição de julgar era tirada aos agentes policiaes, de- 
legados e outros, em quem a lei de 3 de dezembro a investira, 
mas não era restituída, como aliás tinham proposto as commis- 
soes da Camará em 1845, aos juizes de paz; passava para os 
juizes municipaes, como um meio termo entre a autoridade ele- 
ctiva e demissivel ad mdum* 

A jurisdicçâo destes era reduzida á de simples preparadores 
do processo, ficando a cargo dos juizes de direito a decisão final de 
todas as acções eiveis. O numero das Relações era augmentado de 4 
a 10, a incompatibilidade politica da magistratura era resolvida pela 
aposentadoria. Outras disposições revelam que o partido liberal 
ainda pensava em ter as suas linhas de communicação intactas para 
o caso de nova revolução, preoceupava-o instinctivamente a sorte 

18 A TOMO VII— 1896 



282 REVISTA BRAZILE1RA 

dos futuros rebeldes. Assim se propunha que em nenhum processo 
pudesse haver duas appellações da decisão do jury. Era uma refe- 
rencia ao incidente recente da revolução de Minas. Dispunha-se tam- 
bém que a designação da comarca ou província em que teria de ser 
julgado o indiciado em crime de rebellião ou sedição coubesse ao 
presidente da Relação a cujo districto pertencesse a comarca ou pro- 
víncia rebellada. 

O projecto não obedecia já á corrente liberal de 1831 ; assim 
o artigo que prohibia a concessão de ordem de liabeas-corpus por 
nullidade do processo. « A justiça se horrorisa, dizia o ministro, de 
que possam por semelhante pretexto evadir-se á punição criminosos 
dos mais atrozes delictos.» Acommissão (Rebouças, Limpo de Abreu, 
A. J. da Veiga) achou que a medida proposta tinha certo caracter 
reaccionário suspeito : 

« E* verdade que segundo a Legislação em vigor, casos ha em 
que se permitte a prisco antes de culpa formada ; porém, como uma 
tal permissão não pôde subsistir sinâo emquanto se forma o pro- 
cesso em prazo determinado, julgou a commissão que na hypothese 
de ser nullo o processo, tinha expirado o tempo e deixado de exis- 
tir a causa que podia legitimar a prisão e que em tal hypothese não 
podia conseguintemente excluir-se a concessão de uma ordem de 
habeas-corpus, parecendo-lhe por isso que o artigo da proposta devia 
ser substituído por outro. > Este outro, que ella propõe, era a consa- 
gração do pleno direito da magistratura de conceder habeas-corpus : 
« As Relações nos seus districtos e o Supremo Tribunal em todo 
o Império, são competentes para mandar passar ordens de habeas- 
corpus, quando a prisão tiver sido determinada por autoridades civis, 
militares ou ecclesiasticas de qualquer graduação ou categoria 
que seja, que não estejam sujeitas como inferiores á jurisdicção dos 
juizes de direito. > 

Em 1848 outro ministro da justiça do gabinete de 8 de março, 
Pimenta Bueno, apresentou novo projecto de reforma com certas 
restricções indirectas : desta vez as attribuições de formar culpa, 
conceder fiança e julgar passam das autoridades policiaes para os 
juizes de paz, conforme a tradição orthodoxa do partido. O minis- 
tério durou apenas dois mezes, o ^eu successor não aceitou a re- 
forma e as commissões de justiça formularam novo projecto. Neste 
separa va-se a policia administrativa geral da policia judiciaria; 



O MINISTÉRIO PARANÁ 283 

aquella passava para o ministério do Império e era entregue a 
intendentes e subintendentes, cabendo-lhe além de outras funcções 
especiaes prender os criminosos remettendo-os logo ás autoridades 
criminaes. A policia judiciaria era organizada sob a forma do mi- 
nistério publico, órgão exclusivo do governo perante o poder judicial ; 
as attribuições judiciaes dos delegados eram repartidas entre os 
juizes de paz e os municipaes, ao passo que a jurisdicçáo civil e cri- 
minal destes últimos passava para o juiz de direito e juiz de direito 
substituto. Os juizes municipaes passavam a ser nomeados pelo 
governo de uma lista de seis proprietários apresentada pelas câ- 
maras municipaes. 

Como se vê, reinava grande confusão nas idéas, além, do 
antagonismo natural dos partidos. Cada ministro tinha o seu plano 
e a difficuldade parlamentar aggravava-se pelo numero de juizes 
e bacharéis que havia na Camará, cada um com idéas próprias. 
«Eu presentia que o projecto, dizia Nabuco ironicamente, fa- 
lando da sua reforma, havia de encontrar algumas adversidades, 
uma delias é que a matéria de que se trata é familiar a muitos 
membros desta casa que têm a profissão de legistas, é o tot capita, 
tot sententice.» 

Foi por saber disto que em 1850 Eusébio, que tanto re- 
formou, não se atreveu a apresentar um projocto de reforma judi- 
ciaria ; seu systema era apresentar pequenos projectos isolados, 
a que se deu o nome de carretilhas, como que insinuando a medo 
um assumpto de cada vez. Esse systema, porém, só podia convivi 
uma Camará unanime e precisava que o governo contasse cojr* u m 
Senado amigo ; de outra forma era impraticável, cada pequ^ 10 pro- 
jecto prestando-se com os turnos do regimento a longas -'manobras 
da opposição. Para um governo que dispuzesse do tempo (* ias Camarás 
não ha duvida que aquelle systema tinha a vantage m de svitar a 
confusão na maioria, como acontece com os projec' tos em Q ue sa ° 
englobadas medidas differentes. Os partidários de \xiP ãH na ° aceitam 
outras e o conjunto da lei tem contra si a somm A das °PPOsições 
parciaes, quando aliás cada ponto isolado reúne a & ran( *e maioria 
dos votos. 

O projecto de Nabuco apresentado á Cama ra era P or sua vez a 
reforma da lei de 3 de dezembro de 1841, mas nâ( > para restaurar a 
magistratura electiva; era a reforma da lei no sentido de collocar a 



284 KKVISTA BRAZILEIRA 

justiçacriminaljá que era obrigado de desistir quanto á civil também, 1 
nas mãos do magistrado vitalicio. Si a policia perdia a attribuiçâo 
de formar processo e de julgar, tirava-se ao jury o julgamento de 
uma classe numerosa de crimes, os afiançáveis. Com o que se tirava 
assim ao elemento policial por um lado e por outro ao popular con- 
stituia-se a omnipotência do juiz de direito. O projecto apresentado á 
Camará não era o que Nabuco havia composto, era apenas a metade 
deste, mas ainda assim era ousado bastante para parecer, como 
dissera Wanderley, uma revolução. O jury era concentrado nas ca- 
beças de comarca ; o principio da promoção por antiguidade sub- 
stituído pela escolha dentre uma lista de juizes com quinze annosde 
exercício ; os chefes de policia podiam não ser bacharéis formados, 
e o Regulamento Commercial n. 737 na parte das nullidades era appli- 
cavel ao Supremo Tribunal. Nabuco tivera que sacrificar á politica 
das economias a creação de novas relações, a reorganização toda da 
magistratura. 

Era um projecto reaccionário pu um projecto liberal ? Tudo de- 
pende do modo de entender as duas expressões. Antes de tudo, não 
era um projecto politico ou partidário ; de boa fó, era uma tentativa, 
se exequível ou não ver-se-a depois, para occorrer a um estado so- 
cial grave com um systema judicial apropriado especial. Por circum- 
stancias especiaes o projecto em vez de aprçsentar-se como um sys- 
tema completo de reorganização judicial, como fora concebido, affe- 
ctava o caracter de uma reforma criminal, de um plano para a 
i?ore8Sâo dos crimes. Desse modo ambos os lados extremos recebe- 
ram no mal. A opinião conservadora foi-lhe hostil porque elle 
destrui?, a grande machina policial de 1841 sem pôr no lugar delia 
sinão o juiz de direito isolado na sede de sua comarca, como uma 
autoridade cuasi absoluta, mas sem meio de acção para exercel-a. 



1 Era 12 de jifyho de 1850 Nabuco propuzera uma carretilha : « Art !• 
O julgamento ílnaívdas causas eiveis íica competindo aos juizes de direito. 
Aos juizes municipáes somente compete: § 1* o preparo e processo do feito 
até a sentença final; § 2 o o julgamento definitivo dos incidentes da causa.» 
Nas relações em que elle estava com Euzebio esse projecto foi sem duvida 
apresentado de accôrdo com este. Nabuco incorporou-o íi sua reforma judi- 
ciaria; (éa melhor coisa do projecto », disse Saraiva, elle foi, porém, obri- 
gado a sacrificar a idéa. Somente em 1871, pela lei de 20 de setembro, as 
causas eiveis foram julgadas a final pelos juizes perpétuos da Constituição. 



O MINISTÉRIO PARANÁ 285 

«O projecto dá aos centros de autoridade uma circumferencia im- 
mensa >, dizia Paulino, que notava ao mesmo tempo o excessivo re- 
traliimento da autoridade. A opinião liberal pelo contrario só via no 
projecto a organização de uma nova machina administrativa cuja 
roda seria uma magistratura ferrenha, em vez da policia de Vascon- 
cellos. «Todo o partido liberal, dizia o órgão praieiro do Recife, 
pedia a reforma da lei de 3 de dezembro de 1841 e o Sr. Nabuco fazia 
éco comaquelle partido, mas emquanto o partido liberal do sul e. do 
norte queria a reforma da lei de dezembro para que se libertasse o 
paiz real do jugo do partido official ou do poder executivo, o sr. 
Nabuco com a sua reconhecida sagacidade procurava empalmar a 
opinião para dirigil-a a seu belprazer, isto é, ao reforço do principio 
da autoridade. Seu plano de reforma foi substituir a policia pelo 
poder judicial, e portanto crear uma magistratura omnipotente sobre 
o paiz real e submetter essa magistratura á acção discricionária do 
poder executivo.» 

Estudado em si mesmo esse fragmento de reforma correspondia 
a um pensamento diverso do que tinha dictado os projectos ante- 
riores. A lei de 3 de dezembro tivera por fim armar a autoridade 
contra a revolução, e as reformas dessa lei projectadas até então, 
mesmo porVasconcellos, propunham-se libertar a sociedade de tão 
excessiva tutella ; o projecto reduzido de Nabuco, tinha, porém, por 
fim armar a sociedade ainda mais poderosamente contra o crime. 
Não era como a lei de 3 dezembro uma reacção contra a anarchia, 
era uma reacção contra a impunidade e contra o exclusivismo par- 
tidário. Em paginas anteriores vio-se,como traço saliente, a sua 
preoccupaçâo de prover a sociedade contrp as forças anti-sociaes 
que a paralysavam; como ministro, elle estava prompto a destruir 
as armas excessivas do governo, mas nunca de modo a augmentar 
a impunidade. O numero de crimes impunes era com effeito 
aterrador, o jury praticamente mostrara ser uma inutilidade, a po- 
licia estava confundida com a politica; Nabuco proclamava a neces- 
sidade de separal-as, mas não para entregar a justiça a mãos 
inertes que deixassem a lei e a civilização fugirem espavoridas 
diante do crime . 

O projecto foi fortemente atacado na Camará; pelos saqua- 
remas atacou-o Sayâo, pelos liberaes Eduardo França. «Não posso 
apoiar um projecto, dizia este, que acaba inteiramente com a 



286 REVISTA BRAZILE1RA 

liberdade de imprensa, » o projecto tirava ao jury o julgamento 
do crime de calumnia e injuria por meio da imprensa, « com a 
bella instituição do jury, > o projecto concentrava o jury em cida- 
des populosas e tirava-lhe como vimos o julgamento dos crimes 
afiançáveis. 

Nabuco em Í3 de julho defendeu a sua reforma. Começou 
considerando o fetiche politico dos conservadores, a lei de 3 de 
dezembro. « Não se deve emprehender uma reforma, disse o nobre 
deputado, sem que seja bem justificada a sua necessidade. Con- 
cordo nisto; já em tempos muito remotos Ulpiano dizia — in novis 
rebus idiltías debet esse evidens. Mas esta não ó a questão, a questão 
é si a reforma é necessária. O nobre deputado antes de tratar da 
necessidade da reforma quiz inspirar-nos como uma religião a con- 
servação da lei de 3 de dezembro de 1841 com todos os seu 
pontos e virgulas ; ó esta lei para o nobre deputado o noli me tangere... 
Senhores, eu consagro esta religião, levada mesmo até o fanatismo, 
em favor das leis constitucionaes ; a prudência manda tolerar e sup- 
portar os defeitos delias por causa das contingências e perigos que 
são inherentes ás reformas politicas ; mas uma lei de processo não 
pôde ser levada á categoria de lei fundamental. E, si essa lei é 
immutavel, si se faz uma religião da sua immutabilidade, não sou 
eu o primeiro que com a mão temerária violo essa immutabilidade.» 

Mostra então como o próprio Vasconcellos e Euzebio, os chefes 
conservadores, propuzeram reformas na lei. Todas as leis com o 
tempo deixam de adaptar-se ás exigências da sociedade, aconteceu 
isso com a de 3 de dezembro : 

« Por mais perfeita que seja uma lei, ainda que ella seja de 
natureza orgânica e permanente, não pôde deixar de resentir-se das 
idéas coevas, dos interesses e necessidades da situação em que foi 
feita. Ora, a lei de 3 de dezembro é o reflexo da sua época. O mesmo 
nobre deputado nos disse: «Todos nôs sabemos que essa lei signi- 
ficou a reacção contra as idóas subversivas nascidas da revolução de 
7 de abril, as quaes ameaçavam o império de aniquilação. » Em 
verdade estava então o poder radicalmente combatido e minado por 
essas idéas subversivas : a lei 3 de dezembro por consequência foi 
a necessidade da situação; a par das medidas permanentes contém, 
e não podia deixar de conter, outras que se referem á época em que 
foi feita. E quando uma nova época desponta, quando estamos em 



O MÍNISTERIO PARANÁ 287 

uma nova situação, quando temos passado por uma longa expe- 
riência, não será porventura licita a modificação dessa lei na parte 
em que é transitória, na parte em que é excepcional ? Quereis 
saber uma parte em que essa lei é excepcional, em que não pôde 
deixar de considerar-3e somente applicavel á sua situação ? E' a 
confusão ou accumulação do poder de prender com o poder de 
julgar. Certamente repugna que em um paiz bem organizado a 
policia esteja confundida com a justiça. Em todos os lugares, desde 
que começa a acção da justiça, cessa a acção da policia; mas 
entre nós todos podem prender e ao mesmo tempo julgar. . . » 

Estabelece o caracter politico da lei de 3 de dezembro ; era 
uma arma de partido : «A lei de 3 de dezembro dava força ao poder, 
é uma verdade ; mas a lei de 3 de dezembro tornou o poder depen- 
dente do antagonismo politico ; por essa lei o governo não pôde 
ter força sem que tenha antagonismo politico. Tirai-lhe o antago- 
nismo politico e elle não pôde governar, ou ha de ser embaraçado 
na sua marcha, constituindo um pessoal heterogéneo e repugnante. 
Hoje, porém, não convém que a força do poder seja somente contra 
os adversários politicos ; a necessidade da época ó consolidar o prin- 
cipio da autoridade em relação a todas as influencias, a todos os 
partidos, em relação a toda a sociedade ; ó preciso que a autoridade 
adquira o respeito de todos, para que possa ser poderosa para com 
todos e contra todos. E' preciso que os interesses individuaes não 
possam dominar os interesses collectivos, que os potentados não 
assoberbem a autoridade publica, valendo mais do que ella. E' esta 
a necessidade da situação ; é esta a organização que o paiz deseja. » 

O traço que se segue ó característico do modo por que Nabuco 
toma e aproveita as armas do adversário: «O nobre deputado pelo Rio 
de Janeiro nos disse que, para ser bem conhecida a vantagem da lei de 
3 de dezembro, para que ella não seja alterada, basta attender que 
a opinião que a combateu quando se achava em opposição, subindo 
ao poder governou com ella, considerou-a satisfactoria, e disse -nos 
que não bastava ainda a experiência delia para se conhecerem seus 
defeitos. Creio que este argumento não procede, mas ó contra- 
producente. Se ha um principio cognoscitivo para demonstrar que 
uma lei carece de reforma, é que ella agrada a todos os partidos, 
quando se acham no poder, e desagrada a todos, quando se acham 
em opposição. » 



288 REVISTA BRAZILE1RA 

Agora a base da defesa do projecto : « Vamos bem, senhores ? 
Vamos bem nesta terra onde cerca de 800 de seus habitantes são 
todos os annos immolados pelo punhal do assassino ? Estamos bem, 
senhores ? Entretanto as resistências se multiplicam contra a auto- 
ridade por parte de amigos e inimigos. Estamos bem, e as absolvi- 
ções são quasi na razão de dois terços dos crimes commettidos. . . 
Esse quadro sanguinolento, que nos offerece a estatística cri- 
minal nao pôde ser-nos indifferente. Ou deVeis adoptar o remédio 
que o governo vos propõe, ou sois obrigados por vosso patriotismo a 
procurar um meio satisfactorio em substituição destes meios pro- 
postos. Não vos é possivel cerrar os olhos a este quadro melancó- 
lico que vos apresento. . . » ' . 

Sobre a insufficiencia, a quasi inutilidade do jury para assegurar 
a punição dos crimes, elle não hesita : « Eu já vos disse que um dos 
instrumentos com que os potentados faziam proselytismo contra a 
justiça e contra a autoridade era o jury. Certamente que a con- 
centração do jury é um remédio neste sentido muito poderoso. . . 
Convém salvar o jury, e para salval-o importa concentral-o nos 
lugares mais populosos onde ha concurrencia e o contraste de 
diversos interesses e influencias, onde a opinião se faz sentir mais, 
onde os jurados têm mais garantia e liberdade. Para salvar o jury 
é necessário retiral-o dos lugarejos aonde elle não pôde sér sinão 
a expressão da vingança e do patronato, o instrumento das influen- 
cias anti-sociaes, e onde os jurados por seu pequeno numero são 
juizes certos. .. > 

Na sessão de I o de agosto insiste na importância da impunidade 
que lavra no paiz e das causas que a alimentam faz o seguinte 
quadro: . 

« A impunidade é a causa principal do augmento de crimes entre 
nós ; a impunidade, que facilita a vingança, porque destróe o temor 
N das scenas, provoca-a e até certo ponto a justifica, porque, desde 
que a autoridade publica não pune, o offendido reassume como 
direito o sentimento da vingança. Admitto essas causas concur- 
rentes a que o nobre deputado alludiu: a sancção moral obliterada 
pelo espirito de partido que considera anjos todos os seus, de- 
mónios todos os adversários ; a sancção moral obliterada pela per- 
versão dos nossos costumes, que admitte o contacto do criminoso 
e lhe dá accesso nas primeiras rodas; o habito de carregar 



O MINISTÉRIO PARANÁ 289 

armas, o qual põe o individuo na contingência de commetter 
crimes ; os instinctos das raças de que procedemos ; as influencias 
politicas não legitimas que, segundo o nobre deputado, o governo 
tolera, mas tolera emquanto não pôde destruir, porque, senhores, a 
conquista se faz de viva força, mas a regeneração moral depende 
de tento, de prudência; a policia desarmada de dinheiro e de força; 
as circumstancias physicas do nosso paiz e da sua população, É não 
são essas somente as causas dos crimes, ainda ha outras, e não 
poucas, que conspiram para este estado de coisas, mas o que eu 
quero é que o nobre deputado admitta, ao menos como concurrente, 
como uma delias, a impunidade. > 

Como se viu, Nabuco incluirá no projecto primitivo a idéa da in- 
compatibilidade, que por táctica parlamentar fora eliminada na pro- 
posta. Não havia nesta eliminação abandono de um principio cardeal 
da reforma, porque a idéa cabia também na reforma eleitoral que 
estava pendente. Todavia sem a incompatibilidade a magistratura 
apparecia na reforma como um poder politico incontrastavel. 

« A reforma iniciada, diziam os Praieiros, ó um presente grego, é 
um acto de reacção digno da despótica politica erguida em 1848, 
porque além de cercear a liberdade da imprensa e tirar ao jury uma 
grande parte de sua jurisdicção, submette o paiz ao despotismo de 
uma magistratura togada, que sem o grande principio das incompa- 
tibilidades, fica constituída em cego instrumento do poder executivo.» 

Ferraz aproveitou-se habilmente da omissão para estimular 
os partidários das incompatibilidades e lançar um gérmen de des- 
intelligencia entre o ministério e os magistrados da Camará. < Então, 
dizia elle, os nobres deputados insistem nas incompatibilidades ? 
O nobre ministro é um homem de bastante tino, bastante perspicaz ; 
este projecto é uma base, é uma grande base das incompatibilidades. 
(Apoiados e não apoiados). Senhores, não conheceis tanto o nobre 
ministro como eu; eu o conheço desde que éramos jovens; o nobre 
ministro é muito perseverante em suas idéas; o nobre ministro o anno 
passado falou-nos nas incompatibilidades como necessárias. — (O Sr. 
Silveira da Motta:— Até prometteu.) O nobre ministro, que quer 
ir com as coisas pmdatim, apresentou este anno este projecto dando 
aos magistrados grande poder ; porém o corollario disso haveis de 
vôr qual é na sessão vindoura. ( O Sr. Silveira da Motta e outros : 
— Ha de ser nesta sessão. Apoiados e reclamações). Senhores, eu 

19 TOMO VII — 1896 



290 REVISTA BEAZ1LEIRA 

interpreto a opinião do nobre ministro ; mas si o nobre deputado quer 
apresentar esta idéa este anno mesmo. . . (O Sr. Silveira da Motta : 
— Hei de apresentar). O nobre ministro está calado ; é reservado, 
politico, não deve-se malquistar com a sua maioria, para com a qual 
não exerce agora sinão aquella benéfica influencia que os pais de fa- 
mília exercem no meio de seus filhos contra cujos instinctoa não são 
capazes de ir directamente ; os irá amansando, e depois os tornará 
dóceis. . . Os magistrados vão ser agora filhos do Sr. ministro, mas 
ao depois hão de andar com casaca azul em lugar de casaca verde... 
Não quero que o nobre ministro se contradiga, não é possível que 
transija, é da essência de seu projecto esta idéa. ( O Sr. Paula 
Baptista : — E' homem de systema.) Apresente-se a emenda, e verão 
os nobres deputados si o nobre ministro se ha de contradizer. — 
(O Sr. Silveira da Motta:— Hei de apresental-a nesta discussão 
ou na terceira. ) » 

A emenda já estava redigida de accôrdo com o ministro; o effeito 
causado pela reforma sem as incompatibilidades tinha sido mau. «Não 
proponho a idéa, mas si fôr proposta, eu a aceito », dissera Nabuco. 
Não queria elle, entretanto, excluir da Camará os magistrados su- 
periores. « A magistratura da primeira instancia está em contacto 
com o povo e disseminada por toda a parte, a outra muito remota e 
centralizada; uma ó siágular, cada juiz de direito obra por si, a outra 
é collectiva. Convém attender que o parlamento tem também neces- 
sidade do auxilio da jurisprudência. . . > Assusta-o o absoluto ostra- 
cismo da magistratura : « Cumpre attender a uma consideração ; 
desde que a magistratura se tornar incompatível, sem aspirações po- 
liticas, ha de reagir; convém, pois, ao mesmo passo organizar e 
preparar o poder administrativo, dar-lhe garantias contra a resis- 
tência ou inércia da magistratura; desde que a magistratura não 
puder ter aspirações politicas, pôde ser rival, e ella é tudo nas co- 
marcas, nellas o governo não tem hoje delegados próprios, o poder 
administrativo está ainda desmontado, só tem acção própria nas ca- 
pitães das províncias >. 

A reforma para ser útil tem que ser prudente: «Uma reforma 
desta ordem não se faz absolutamente, isto seria cortar o nó com 
a espada de Alexandre. Adoptada, porém, com as cautelas e con- 
dições que digo, me parece que ella é um grande beneficio, uma 
necessidade ». 



O MINISTÉRIO PARANÁ 291 

À idéa é afinal votada, mas destacam-n'a do projecto no ultimo 
momento, ainda pelas necessidades da táctica parlamentar. O mi- 
nistro da justiça teve que fazer questão de gabinete para conseguir a 
passagem da reforma na Camará ; a sua sorte esteve em perigo, 
um momento pensou-se mesmo que elle seria alijado. N'essa occa- 
sifto Saraiva escreve-lhe da presideucia de 8. Paulo, mandando a 
sua demissão, para acompanhal-o €\si elle morresse com o seu prqjedo ». 

Qual foi, porém, a sorte final da reforma ? No intervallo das ses- 
sões de 1854 para 1855 appareceu uma grossa nuvem no hori- 
zonte do ministério. « A politica do gabinete não agrada a alguns 
figurões de cá, a alguns dos nossos velhos amigos. A linguagem do 
Brazfl, revela alguma coisa*, escrevia Nabuco em novembro a Boa- 
vista. O que estava por traz do BraziL era o chamado < movimento 
de Vassouras», onde tinha sua sede a importante família Teixeira 
Leite; tomara as proporções de um acontecimento a representação 
de alguns fazendeiros vassourenses contra o projecto de lei que tirava 
ás pequenas localidades o seu embryão de jury, e a esse veto da 
grande propriedade fluminense foi sacrificada a reforma no Senado. 
Adiam-n'a indefinidamente. 

Joaquim Nabuco 



DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 



... a Justiça federal nao pôde intervir em 
questões snbmettidas aos trftranaes dos Es- 
tados, nem annnllar, alterar ou suspender as 
decisões, ou ordens destes, exceptuados os 
casos expressamente declarados nesta Consti- 
tuição. - Contt. Federai, art. 02. 



Parece interessante e útil explanar este objecto, matéria nova 
em nosso processo, creação do direito republicano, ainda mal co- 
nhecida entre nós, e sobre a qual, em alguns pontos, só muito 
recentemente se tem assentado doutrina no elevado tribunal a que 
privativamente pertence decidir no assumpto. 

Tentemos o estudo, sem pre tenção de fazer obra completa, o 
que exigiria, em terreno ainda virgem destas investigações, outra 
competência e outras condições de tempo e de espaço. 



Abolido o recurso de revista, implicitamente pelo dec. n. 848 
11 de Outubro de 1890, que o não connumerou, no cap. XLDI, 
entre os recursos existentes na justiça federal, e expressamente 
pelo art. 219 do dec. n. 1030 de 14 de novembro do mesmo anno, 
foi, ao mesmo tempo, instituído o recurso extraordinário, pelo ci- 
tado dec. n. 848, art. 9 o , n. II, paragrapho único, e pela Constituição, 
art. 59, n. III, § I o , e art. 61. 



• 



DO RBCURSO EXTRAORDINÁRIO 293 

A lei orgânica da justiça federal dispunha nos seguintes 
termos: 

c Haverá também recurso para o Supremo Tri- 
bunal Federal das sentenças definitivas proferidas 
pelos tribunaes e juizes dos Estados : 

ca) quando a decisão houver sido contraria á 
validade de um tratado ou convenção, á applicabi- 
lidade de uma lei do Congresso Federal, finalmente, 
á legitimidade de exercício de qualquer autoridade 
que haja obrado em nome da União — qualquer que 
seja a alçada; 

« b ) quando a validade de uma lei ou acto de 
qualquer Estado seja posta em questão como contrario 
á Constituição, aos tratados e ás leis federaes, e a 
decisão tenha eido em favor da validade da lei ou 
acto; 

€ c ) quando a interpretação de um preceito con- 
stitucional ou de lei federal, ou de clausula de um 
tratado ou convenção, seja posta em questão, e a 
decisão final tenha sido contraria á validade do titulo, 
direito e privilegio ou isenção derivado do preceito ou 
clausula.» > 

Taes disposições foram imitadas das do Judiciary Ad, dos 
Estados Unidos da America, de 1789, que se podem lôr na Ame- 
rican Commonwealth, de Bryce, vol. I, pag. 232, da 3* edição, de 
New- York, 1895, ou nas Constttutional LimUations, de Cooley, 
cap. II, pag. 18, da 6 a edição, de Boston, 1890. 

Delias, a Constituição, promulgada mais de quatro mezes de- 
pois, só reproduziu, com alguma alteração na substancia e na 
forma, no art. 59, n. III, § I o , lettras a e b, as das lettras a e b, 
supprimindo a hypothese do final da lettra a e as da lettra c, do 
art. 9°, n.II, paragrapho único do dec. n. 848. 

A ultima suppressão justifica-se, não somente pela redundância 
de semelhante dispositivo, já comprehendidos nas duas classes 
anteriores os casos suppressos, pois, si tal razão existe quanto á 
interpretação de lei federal ou de clausula de tratado ou con- 
venção, não se dá quanto á interpretação de preceito constitucional 



294 REVISTA BRAZILEIRA 

por decisão definitiva da justiça local ; legitima-se, também, pela 
razão de não poderem as justiças locaes proferir decisão inter- 
pretativa de preceito constitucional, a qual só pôde occorrer no exer- 
cio da exclusiva attribuição da justiça federal de processar e julgar 
as causas em que alguma das partes fundar a acção, ou a defesa, 
em disposição da Constituição federal ( Constit. art. 60, lettra a ; 
dec. n. 848, art. 15, lettra a). 1 

Eis os textos legaes que crearam o recurso extraordinário ; 
sobre o objecto, ainda tivemos algumas disposições da lei n. 221 
de 20 de novembro de 1894, que opportunamente veremos, no des- 
envolvimento do assumpto. 



II 



Funda-se este recurso na necessidade de manter a autoridade 
e preeminência da lei e acção federal, nos conflictos possiveis no 
regimen da federação e da consequente dualidade de magistratura, 
exactamente como na organização norte-amerícana, e também no 
intuito de evitar litígios e reclamações internacionaes quando se 
trate de espolio de estrangeiros. 

Por lei federal entenda-se — Constituição e leis ordinárias da 
União; por acção federal — tratados e convenções delia. 

Na União Americana, no texto que citámos, expressam-se 
outras hypotheses de recurso extraordinário além das que de lá 
recebemos, e, como fica dito, nem toda a transplantação feita pelo 
dec. n. 848 foi perfilhada pela Constituição, que prudentemente 
reduziu o perigoso remédio á dosagem minima. 

Analysemos. 

Constituição e leis federaes. — Só se previram os conflictos entre 
estas e as leis ou actos dos governos dos Estados, por serem estes 



i Muito curioso é que a lei n. 221 de 20 de novembru de 1894, art. 2á, 
tendo de reíerir-se aos casos do art. 9% paragrapho único, do dec. n. 848, 
apenas enuncie os da lettra c, exactamente os que, além da bypothese flnal da 
lettra a, (oram omittidos e, pois, abolidos pela Constituição. Com tanto des- 
cuido esta redigido o artigo que também cita da Constituição um § 6° do art. 59 
(n. Ill), que só tem dois paragraphos. Também a enumeração feita no art. 99 
do reglm. int. do Sup. Trib. Fed. é, por um lado, deficiente e, por outro, 
superabundante. 



DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 295 

os conflictos que podem occorrer em matéria sujeita á jurisdicção 
da justiça estadual (dec. n. 848, art. 9 o , paragrapho único, lettra b; 
Constit., art. 59, n. III, § I o , lettra b) : o caso de lei federal in- 
fringente da Constituição ó da esphera da justiça federal (dec. 
n. 848, art. lõ, lettra a; Constit., art. 60, lettras a e b ; lei n. 221 
de 1894, art. 13), bem como os casos de actos do governo federal 
contrários ás leis da União ( Constit., art. 60, lettra b, ibi : fun- 
dadas em leis e regulamentos do poder executivo ; dec. n. 848, art. 15, 
lettra a, in fine; lei n. 221 de 1894, art. 13). 

Tratados e convenções da União. — As questões provenientes desta 
origem pertencem á jurisdicção federal ( Constit., art. 60, lettra f; 
argumento a contrario do art- 61, n. 2 o — «espolio de estrangeiro, 
quando a espécie não estiver prevista em convenção, ou tratado > ; 
dec. n. 848, art. 15, lettra f, in fine) ; si, porém, se tratar, não directa- 
mente de julgar a matéria regulada em tratado ou convenção, mas, 
incidentemente, em causas da competência da justiça local, de julgar 
da validade ou applicação de tratados federaes, e a decisão do tri- 
bunal do Estado fôr contraria á validade, de tal decisão caberá o 
recurso extraordinário ( Constit., art. 59, n. Ill, § 1°., lettra a). 

Cumpre, entretanto, reconhecer que este caso é de difficil e rara 
verificação pratica, pois a matéria em que mais naturalmente poderia 
occorrer a hypothese— as questões relativas a espolio de estrangeiro 
— só incide na competência das justiças locaes exactamente quando 
a espécie não está prevista em convenção ou tratado, isto é, quando 
não ha possibilidade de se questionar sobre a validade ou applicação 
de tratados. Em face, porém, do nosso direito positivo, este caso de 
recurso extraordinário não pôde ser entendido sinão com a limitação 
exposta. E assim julgou ainda ultimamente o Supremo Tribunal Fe- 
deral, no accórdáo de 15 de abril deste anno, como já o fizera em 
accórdão de 25 de maio do anno passado, posto que, contradictoria- 
mente, houvesse, em accórdáo de 21 de agosto de 1895, repellido o 
recurso em caso análogo ao daquelles outros accórdãos. 

Não adoptámos do direito americano o recurso extraordinário 
contra as decisões da justiça estadual relativas a actos executivos 
das autoridades federaes. Bryce ( obr. cit., pag. 233 ) t commentando 
o Judiciary Act de 1789, figura o caso de uma pessoa presa por 
funcoionario federal ; não pôde a justiça local soltal-a por habeas- 
corpus, ou, por outra, conhecer da legalidade da prisão decretada por 



296 REVISTA BRAZILE1RA. 

autoridade federal, pois isto se opporia á separação e independência 
dos poderes dos governos federal e estadual. Entre nós, si o caso 
occorressô, só se poderia resolver como conflicto entre a União e o 
Estado, si a prisão fosse ordenada por autoridade administrativa 
( dec. n. 657 de õ de dezembro de 1849, mantido pelo art. 14 da lei 
n. 221 de 1894 ), ou como conflicto de jurisdicçâo, si fosse ordenada 
por juiz federal, — casos ambos de originaria e privativa competência 
do Supremo Tribunal ( Const. , art. 59, n. I, lettras cee). 

O recurso extraordinário é, pois, diverso do extincto recurso de 
revista. Não pareça ocioso declaral-o, porque ainda ha advogados 
que o interpõem, e juizes que o admittem, com tal denominação, e 
mais de umas razões de recurso temos visto em que o recorrente se 
afadiga em demonstrar na sentença recorrida ae taras de injustiça 
notória ou nullidade manifesta, das Ordenações do Reino e da carta 
de lei de 3 de novembro de 1768 ! 

E, de passagem digamos, neste particular de denominação im- 
própria do novo recurso, ninguém leva as lampas á lei n. 221 de 
1894, que, nos arte. 54, n. 4, e 58, como para augmentar a confusão 
produzida no foro por esta*novidade processual, chama-lhe appeUaçào, 
não se sabe bem porque, pois as leis que crearam o recurso, o dec. 
n. 848 de 1890 e a Constituição, nunca o indicaram por similhante 
nome, tão impróprio, mas pela expressão — recurso, e recurso volun- 
tário, para o Supremo Tribunal, — e o regimento interno deste intro- 
duziu a denominação, agora geralmente adoptada, de recurso extra- 
ordinário, aliás também empregada no art.24 da lei n. 221 de 1894. 

Para cumulo de infelicidade, não ficou innocente a improprie- 
dade de expressão que commetteram os legisladores de 1894, pois de 
haverem chamado appellação ao que de appellação nada tinha sinão 
o effeito devolutivo, que não caracteriza nenhum recurso, pois é 
commum a todos os que se interpõem para superior instancia, veiu a 
má inspiração de lhe applicar o mesmo prazo de apresentação mar- 
cado para as appellações propriamente ditas, quando mais curial 
seria dar-lhe o prazo mais amplo do antigo recurso de revista, com 
que este tem muito mais analogia do que com a appellação. 

Fundado em tal analogia é que o Supremo Tribunal tem mais 
de uma vez decidido só lhe caber a elle, e não aos juizes locaes, 
a quo, conhecer quando é caso dp recurso extraordinário, exacta- 
mente como acontecia com as revistas do antigo processo ; e não 



DO ItECURSO EXTRAORDINÁRIO 297 

se justificaria tal jurisprudência si o recurso fosse appellação, pois 
sempre nesta foi o juiz a quo competente para a receber, ou não. 

Controverso tem sido o ponto, entendendo alguns juizes esta- 
duaes que podem conhecer do cabimento do recurso e admittil-o ou 
recusal-o ; o Supremo Tribunal, a quem as recusas hão constado, por 
via de cartas testemunháveis, nos termos do art. 58, § 1*. da lei 
n.221 de 1894, tem decidido que só a elle pertence tal conhecimento. 
Desta decisão discordámos a principio, não convencido peia razão 
que se allegava (e em sentenças se tem posto )— a disposição regi- 
mental, que torna obrigatórias no processo do recurso a audiência 
do procurador geral da Republica e a revisão pelos dois juizes im- 
mediatosao relator. Taes termos, retorquíamos, se cumpririam nos 
casos que fossem regularmente submettidos ao tribunal ; a questão 
ficava, pois, intacta, e prevalecia, em nosso conceito, para applicar-se 
á espécie, a regra geral de conhecer do cabimento do recurso para 
a superior instancia o juiz a quo, como nas appellações e aggravos. 
Mais reflectido, exame da questão, novas discussões no tribunal, con- 
venceram-nos do acerto de sua jurisprudência, que hoje tem o nosso 
voto. Effectivamente, não ha que se applicar a regra de processo nos 
recursos para superior instancia, pois na espécie o Supremo Tribunal 
Federal não é nova instancia acrescentada ás duas que julgaram o 
feito ( como já não o era nas antigas revistas o extincto Supremo Tri- 
bunal de Justiça ), mas, sim, guarda da Constituição e das leis da 
Republica, com a alta missão de velar pela pureza constitucional e 
autoridade das leis da União e dos actos dos respectivos governos, e 
pela constitucionalidade das leis dos Estados, sua conformidade com 
as federaes, e legitimidade dos actos de seus governos, além de as- 
segurar a justiça devida aos estrangeiros que se acolhem á protecção 
de nossas leis. 

Assim caracterizado, denominado e regulado em sua interpo- 
sição o novo recurso, vejamos em que casos e condições cabe e 
fora dos quaes cumpre que seja inexoravelmente repellido. 



III 

Cabe recurso extraordinário para o Supremo Tribunal Federal 
das decisões em ultima instancia das justiças dos Estados, 

19 A TOMO VII — 1896 



298 REVISTA BRAZ1LB1RA 

proferidas em causas de sua competência, em que a questão que 
dá lugar ao recurso tenha sido effectivamente suscitada e julgada, 
nos seguintes casos : 

a) quando se questionar sobre a validade ou applicação de 
tratados e leis federaes, e a decisão fôr contra ella ; 

b ) quando se contestar a validade de leis ou de actos dos go- 
vernos dos Estados, em face da Constituição, ou das leis federaes, 
e a decisão considerar validos esses actos, ou essas leis impugnadas; 

c) quando a decisão versar sobre espolio de estrangeiro, não 
estando a espécie prevista em convenção ou tratado. 

Os dois primeiros casos justifícam-se pelo primeiro fundamento 
que indicámos ao recurso— necessidade de manter a autoridade 
e preeminência da lei e acção federal; o terceiro caso, pelo se- 
gundo fundamento apontado — intuito de evitar litígios e reclama- 
ções diplomáticas. 

a. Este caso decompõe-se em duas hypotheses : 

I, quando se questionar sobre a validade ou applicação de 
tratados fpderaes ; 

II, quando se questionar sobre a validade ou applicação de leis 
federaes. 

I. Já dissemos que não se ha de procurar esta hypothese nas 
questões oriundas de tratados ou convenções da União com outras 
nações, e levadas a juizo, pois a justiça competente para processar 
e julgar taes causas ó unicamente a federal, e, assim, falharia a 
primeira condição de admissibilidade do recurso extraordinário — 
ser interposto de decisão de poder judiciário de Estado. 

Supponha-se, porém, por menos fácil que seja, que em pleito 
da competência das justiças locaes se suscita a questão de saber 
se está em vigor um tratado ou convenção da União com outro 
paiz, e em ultima instancia se decide pela negativa. Não pôde 
morrer ahi a questão, por duplo motivo : porque está em causa a 
autoridade soberana da União exercida em um tratado, e porque o 
assumpto é de interesse internacional. Abre-se, pois, por via de re- 
curso extraordinário, a competência das justiças da União, no seu 
mais elevado tribunal, para proferir a ultima palavra no assumpto. 

Advirta-se que não se trata de saber como deve ser entendida 
e applicada esta ou aquella clausula de um tratado, mas, sim, si 
o tratado vigora e rege a espécie sujeita — e todas as espécies 



DO KECURSO EXTRAORDINÁRIO 299 

similhantes, pois tanto vale a frase constitucional— questionar sobre 
a validade ou applicação de tratados. 

II. A hypothese é inteiramente análoga á anterior, diversi- 
ficando apenas a natureza do acto de soberania federal posto em 
controvérsia. Não se cogita de saber si uma lei federal qualquer 
deve ser entendida deste ou daquelle modo; si interpretada em 
certo sentido dá ganho de causa ao autor, e, si em sentido opposto, 
ao réo ; si por ella se ha de resolver isto ou aquillo em causa eivei 
ou commercial: 1 isto é o que, na frase da lei n. 221 de 1894, 
constituo a simples interpretação de lei federal, que não basta 
para legitimar o emprego deste recurso. Interpretação tem de 
haver ahi, sem duvida, como ha em todo julgamento, mas inter- 
pretação, não para applicar de um ou de outro modo a lei, sinão 
para declaral-a inapplicavel, por abrogada. Eis o sentido da frase 
constitucional — questionar sobre a validade ou applicação de leis 
federaes. 

Assim julgou, recentemente, o Supremo Tribunal Federal, nos 
accórdâos de 27 de maio e 8 de agosto do corrente anno, no pri- 
meiro dos quaes foi relator o Sr. José Hygino, 2 e no segundo o 
autor deste estudo. Coube, pois, ao meu eminente collega e illustre 
professor de direito o haver encontrado , para a jurisprudência do 
tribunal, o primeiro caso concreto a que se applicou a disposição 
constitucional de que falamos. 

I e II. Desta doutrina decorre, como corollario lógico , que si 
a decisão, por mais injusta e injuridica que seja, é proferida no 
sentido de julgar vigente e applicavel a lei ou o tratado em questão, 
delia não cabe recurso extraordinário, exactamente como na hypo- 
these da lettra seguinte suecede quando a decisão é contraria á 



1 Ou, também, criminal, diríamos, si acompanhássemos a enumeração 
incorrecta do art. 24, 2* parte, da lei n. 221 de 1894, que diz : «a simples in- 
terpretação ou applicação do direito civil, commercial ou penal,... não basta 
para legitimar a interposição do recurso », esquecendo-se de que para as 
causas criminaes findas ( e só se trata aqui de causas findas perante as jus- 
tiças locaes) ha sempre outro recurso, nada menos eíficaz, para o Supremo 
Tribunal — o de revisão. 

2 Já emaecórdão de 31 de janeiro de 1894, redigido pelo mesmo ministro 
como relator do feito, se resolvera que na hypothese oceurrente não se veri- 
ficava o caso de recurso previsto no art. 59, n. III, § I o , lettra a, da Consti- 
tuição. 



300 REVISTA BRAZ1LE1RA 

validade da lei ou do acto estadual arguido de se oppor á Consti- 
tuição ou ás leis federaes. 

b. Este caso engloba quatro hypotheses : 

I, quando se contestar a validade de leis dos Estados, em face 
da Constituição Federal ; * 

n, quando se contestar tal validade, em face das leis 
federaes ; 

III, quando Be contestar a validade de actos dos governos dos 
Estados, em face da mesma Constituição ; 

IV, quando se contestar tal validade, em face das leis federaes. 

I. Lei estadual contraria á Constituição não pôde deixar de 
incorrer na mesma nullidade que eiva a lei federal em iguaes 
condições ; e si, a despeito disso, a justiça do Estado, perante quem 
tal se argúe, não ô reconhece e tem por valida a lei impugnada, 
cabe a palavra ao' Supremo Tribunal Federal, para vindicar a su- 
premacia da Constituição. 

Desta primeira espécie são abundante exemplo os julgados 
do Supremo Tribunal, em autos de recurso extraordinário, decla- 
rando inválidos e inapplicaveis aos casos sujeitos as leis orça- 
mentarias de alguns Estados que crearam impostos inconstitucio- 
naes ( accórdâos de 23 de dezembro de 1894, 30 de janeiro, 13 
e 23 de fevereiro de 1895, e 23 de maio de 1896). 

II. O mesmo procede si a nullidade arguida e não reconhe- 
cida provém de ser a lei estadual contraria ás da União. 

III e IV. E' de tão fácil intelligencia a matéria destes casos 
que dispensa qualquer illustração. Está entendido que só se 
podem verificar em acções em que forem partes, de um lado, um 
governo estadual e, de outro, cidadãos do mesmo Estado, únicas, 
em que um Estado seja parte, que não transcendam dos limites 
da competência das justiças estaduaes. 

I, II, III e IV. A todos estes casos applica-se o corollario 
acima enunciado em relação á letra a : não caberá recurso extraor- 
dinário, por mais iniqua e errónea que seja a sentença de um 
tribunal de Estado, todas as vezes que fòr contraria á validade 
impugnada das respectivas leis ou dos actos do respectivo governo 
e a favor da Constituição ou leis federaes, porque então cessa a 
razão e o objecto do recurso, nada tendo o Supremo Tribunal que 
defender; em taes condições, a decisão do judiciário estadual é 



DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 301 

irrecorrível, €because, explica Bryce, obr. cit, pag. 247, when a 
State court decides against it$ oum statutes or constòtution in favour of 
a Federal lato, its decision is final » . 

c. Pertence á justiça federal conhecer das questões de espó- 
lios de estrangeira quando a espécie estiver prevista em con- 
venção ou tratado: é o que a contrario sensu se deduz do preceito 
do art. 61. da Constituição, além de que ta{ doutrina se harmo- 
niza com o espirito das disposições dos arts. 59, letra d, e 60, 
letra h, da mesma Constituição. 

Si. porém, se procede á arrecadação, liquidação e adjudica- 
ção de espolio de estrangeiro, com cuja nação não tenhamos 
convenção ou tratado, corre o processo perante as justiças locaes ; 
mas, pelo interesse internacional que a matéria envolve, entendeu 
o legislador constitucional proteger tal interesse com o recurso, 
para o Supremo Tribunal Federal, de qualquer decisão termina- 
tiva do feito. 

Eis, pois, os únicos casos em que é admittido o recurso ex- 
traordinário ; fora delles, cumpre que seja severamente repellido 
como usurpação ás justiças dos Estados, cuja autonomia a Con- 
stituição proclama na regra geral do art. 61 e novamente reco- 
nhece no art. 62 quando prohibe que em questões a ellas submet- 
tidas intervenha a justiça federal fora dos casos que expressamente 
declara. Vô-se com quanto escrúpulo deve o Supremo Tribunal 
exercer a sua prerogativa de conhecer deste recurso ; e, honra 
lhe seja, assim o tem comprehendido, frustrando numerosas ten- 
tativas que as habilidades da advocacia têm feito para lhe am- 
pliar a esphera de tão melindrosa attríbuição. E o seu regimento 
interno conformou-se com este pensamento, mandando, no art 102, 
que no julgamento preliminarmente verifique o tribunal si se dá, 
ou não, algum dos casos do recurso, em face da lei, que taxati- 
vamente os estabelece. 

Não seria inútil, nem destituído de interesse, compendiar aqui 
os casos que até hoje se tem julgado não serem de recurso ex- 
traordinário -, isto, porém, nos alongaria o presente estudo muito 
além dos limites que lhe queremos dar. 

Poucas linhas bastarão agora a completar este rápido esboço, 
cujo acabamento pediria as proporções de um tratado. 



302 REVISTA BRAZILEIBA 



IV 



Da these com que abrimos a terceira parte deste trabalho de- 
íluem varias proposições parciaes ; as mais interessantes são estas : 

a) o recurso extraordinário ó exclusivamente interposto para 
o Supremo Tribunal Federal ; 

b) só se admitte de decisões proferidas em ultima instancia ; 

c) precisa que a questão, que o provoca, tenha sido effecti- 
vamente suscitada e decidida. 

a. A exclusiva competência do Supremo Tribunal Federal para 
conhecer deste recurso é ainda um corollario da independência que 
a nossa organização judiciaria republicana quiz deixar ás justiças 
dos Estados, pois seria desconhecel-a o sujeitar-lhe as decisões de- 
finitivas ao contraste dos juizes federaes da I a instancia. 

b. Que só de decisões definitivas cabe o recurso, é indubitável, 
expresso e consequente de sua própria indole: indubitável, pois nunca 
o vimos posto em questão onde quer que fosse ; expresso, nos textos 
que estabelecem o recurso, salvo o art. 61 da Constituição, que só 
indirectamente exprime esta idéa; e consequente de sua indole, 
porque o contrario seria perturbador da independência e regular 
funcciouamento das justiças locaes, além de opposto á própria 
dignidade e preeminência do Supremo Tribunal, pois ridiculo 
fora levar-lhe o conhecimento de móros interlocutórios daquellas 
justiças. 

c. Para que caiba este recurso, necessário é que a questão que 
o provoca tenha sido effectivamente agitada no processo movido 
perante as justiças estaduaes e lá tenha sido julgada: não basta que 
tal questão se possa ou pudesse suscitar naquella ordem judiciaria. 
Isto é expresso no Judiciary Ad, a que mais de uma vez nos 
temos referido como a origem remota do nosso recurso: 

« But to authorize the remova! under that act, it 
must appear by tJie record, either eocpressdy or by dear 
and necessary intendment, that some one ofthe enume- 
rated questions did arise in the State court, and was there 
passed upon. It is not sufficient that migth have arisen or 
been applkáble. » 



DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 303 

Ainda neste ponto assentou o Supremo Tribunal a san doutrina 
no accórdão de 11 de maio do anno passado. 

Para acabar, digamos que o regimento interno daquelle tribunal 
contribuo notavelmente para a exacta delimitação do recurso extra- 
ordinário. Dispõe o art. 102 desse estatuto : 

« No julgamento destes recursos ( extraordinários) 
o Tribunal verificará preliminarmente si o julgado 
recorrido se comprehende em alguma das espécies 
definidas nos artigos da Constituição e do dec. n. 848, 
a que se refere o art. 99 deste capitulo. 

c Decidida a preliminar pela negativa, não tomará 
conhecimento do recurso ; si pela afirmativa, julgará o 
feito, sem que todavia a decisão, confirmatoria ou re- 
vogatória da sentença recorrida,involva questão diversa 
ou independente daquella, em que a mesma sentença 
fôr contraria á applicação invocada de lei ou tratado 
federaes, á validade de algum dos seus preceitos ou 
clausulas, á de titulo, direito, privilegio ou isenção 
que delles se derive, á legitimidade do exercício de au- 
toridade investida em funcções federaes, ou em favor 
da validade de leis ou actos dos governos dos Estados 
que tenham sido impugnados por offensivos á Consti- 
tuição, lei ou tratado federaes. » 

E a lei n. 221 de 1894 resume o preceito nestes termos do 
art. 24: 

« em todo caso a sentença do tribunal, quer confirme, 
quer reforme a decisão recorrida, será restricta á ques- 
tão federal controvertida no recurso sem estender-se 
a qualquer outra, porventura comprehendida no jul- 
gado. » 

Salvo o descuido com que o regimento reproduz os casos caducos 
da lettraa in fine e da lettra c do art. 9 o , n. n, paragrapho único 
do dec. n. 848, é sabia a disposição, pois reduz ao minimo neces- 
sário e inevitável o mal da intervenção da justiça federal na esphera 
de acção das justiças dos Estados. 



304 REVISTA BRAZILEIRA 

Este é, claro e incontestável, o ponto de vista do nosso direito 
constitucional — só admittir com grande restricçfto este recurso, aber- 
rante do principio da separação e autonomia das justiças locaes, quer 
dizer, só o admittir nos casos expressamente declarados l e apenas 
tanto quanto baste a cumprir os fins de sua instituição. 

Lúcio de Mendonça 



i Constit., art. 62 ; accórdào do Supremo Tribunal Federal de 25 de 
agosto de 1895. 



O PROBLEMA DA MORTE 1 



II 



A necessidade de uma justiça futura, punindo os maus e re- 
compensando os bons, é o grande argumento invocado em favor 
de um outro mundo para reparar as iniquidades deste. « A historia 
de Israel, escreve Renan, ó um esforço de dez séculos para chegar 
á idéa das compensações ulteriores... A idéa de que a virtude 
deve ser recompensada, é a mais lógica das idóas, que compensam 
o espirito humano. A idéa de que a virtude é, com effeito, recom- 
pensada é uma afirmação ousada, a que o Israelita foi levado por 
uma confiança absoluta na justiça divina. Deus quer o bem e 
ordena-o ; por conseguinte recompensa-o. Elle pôde tudo ; si aban- 
donasse aquelle que se conforma com a sua vontade, seria absurdo* 
enganador, autor da iniquidade» 2 . O próprio filho de Israel, 
porém, nem sempre teve a idéa de um mundo superior como 
sancçâo da virtude: os maus são punidos, não em sua sobrevivência, 
mas em sua descendência até á terceira e quarta geração. 

Primitivamente os selvagens não têm idéa alguma de uma 
outra vida. A morte não é sinão a cessação momentânea, da vida 
presente. Mais dias menos dias o jporto deve voltar á vida ordinária, 



1 Veja Revista de 15 de acosto. 

s Histoire du peuple d'Israel, vol. IV, Cap. XII. 

20« TOMO Vil— 1896 



306 REVISTA BRAZILEIRÀ 

como provam as precauções para impedir a decomposição dos cadá- 
veres, os cuidados para que os corpos n&o sejam devorados pelos 
animaes ou atacados e injuriados pelos inimigos, e tantas outras 
medidas e expedientes, de que usam os selvagens. Mais tarde, 
quando lhes vem a noção de um outro mundo, este n&o passa de 
uma cópia da vida presente. Por isso, n&o raras vezes vamos 
somente gozando das delicias paradisíacas os filhos da fortuna, em- 
quanto os desprotegidos da sorte são atirados á regiões inhospitas. 

Mas nem sempre se estende a todos os espíritos o direito de 
sobreviver. A principio é um privilegio dos chefes, dos heróes 
ou das classes superiores. Entre os Comanches sobrevivem os 
bravos, que se salientam, matando os inimigos ou furtando cavallos. 
Nas ilhas Tonga apenas não morrem as almas dos chefes. O mesmo 
se dá na Nova-Zelandia. 

Além dos selvagens e dos bárbaros não faltam povos civilizados, 
nos quaes a vida futura depende da vontade dos deuses. D'ahi o 
uso das orações e mais expedientes propiciatórios para assegurar 
a sobrevivência. Em S. Lucas e em S. Paulo a resurreição não é 
promettida sinão aos justos ; os impiop devem permanecer no 
nada para seu castigo x . Lactando sustentava que a immortali- 
dade é «o salário e a recompensa da virtude e não um apanágio 
de nossa natureza» 2 . 

A maioria dos philosophos e poetas, antigos e modernos, não 
attribue a immortalidade sinão á gloria ; a vulgaridade, depois da 
morte, some-se no esquecimento, como em vida perde-se na 
obscuridade. Um paraizo de pobres e humildes como o de Jesus, 
é um phenomeno único, que não se explica sinão como uma 
consequência das idéas e um desenvolvimento dos acontecimen- 
tos do povo judeo. 

Sempre sujeito aos vencedores deste mundo, era preciso pro- 
curar para o filho de Israel uma compensação futura. Jesus appel- 
lou para a vida futura como uma recompensa aos infortúnios do 
seu povo. Sabe-se como a doutrina christan, promettendo o reino 
de Deus aos pobres e fracos, e delle excluindo os ricos e pode- 
rosos, levantou vivos protestos no mundo official dos judeos. 



1 Vide Kenan, Vida de Jesus, Caps. IV e XVII. 

2 Apud Bourdeau, Le Problèine de la mort, pag. 134. 



O PROBLEMA DA MORTE 307 

Não é sinâo em um estado de civilização muito avançado 
<que a sancção moral se allia á idéa de uma vida futura. Isto 
prova que é possivel fundar uma moral independentemente de 
toda idéa de sancç&o em um outro mundo, o que, entretanto, 
não quer dizer que a doutrina, que adiou para depois da morte 
os effeitos da justiça divina, não tenha exercido uma acção mais 
poderosa e efficaz do que a que limitou aquelles effeitos á vida 
presente. A razão é que a falta de uma justiça divina em um 
outro mundo é muito mais difficil de constatar do que neste. 

Convém não esquecer que os Israelitas não cessavam 
•exprobrar Jehovah de não ter favores Binão para os seus inimi- 
gos, e falhando deste modo a justiça divina sobre a terra, Jesus 
não teve outro recurso sinão appellar para o céu. Infelizmente 
« o Reino de Deus » não é feito para os virtuosos, mas para os 
pobres, os fracos e opprimidos, sem se levar em linha de conta, 
como justamente observa Bourdeau, o bem que, por ventura os 
ricos, os poderosos e os oppressores tivessem praticado, e o mal 
de que os pobres, os fracos e os humildes não se houvessem 
isentado. 

Jesus oppõe positivamente a pobreza á riqueza, a fraqueza 
ao poderio, a humildade á gloria, e deste modo exclue os protegi- 
dos da sorte, os filhos da fortuna, da bemaventurança eterna. 
Assim o reino de Deus importa uma formidável injustiça aggra- 
vada pela desproporcionalidade de compensação, porquanto, ao 
passo que a felicidade do rico, por exemplo, é transitória, a do 
pobre vem a ser eterna. A riqueza por si só não é uma falta, 
como a pobreza não ó uma virtude. 

Não menos interessante que o estudo da condição é o da mo- 
rada dos espíritos. A principio os mortos habitam as mesmas re- 
giões que os vivos. Segundo Cruickshank 1 os naturaes da costa do 
Ouro pensam que o espirito permanece no mesmo lugar, em que 
o corpo foi sepultado. Levingstone affirma que ao norte do Zambeze 
é crença geral que os mortos erram entre os vivos e tomam os 
mesmos alimentos que estes. E porque o finado continua a habitar 
o lugar do fallecimento, é que entre alguns povos selvagens a 



* ApudSpencer, Princípios de Sociologia, Cap. XV, § 110. 



308 REVISTA BRAZILEIRA 

família abandona a casa, em que habitava o fallecido, apenas dá-se 
a morte. Entre os Chipchas um óbito é sempre motivo para que os 
sobreviventes mudem de cabana. 1 A razão é que os vivos temem 
o espirito malfazejo dos mortos. « Movidos por um melhor senti- 
mento, diz Tylor, os negros do Congo se abstém, durante um armo 
inteiro, de varrer uma casa em que a morte passou, com receio de 
que o pó fira a substancia delicada do espirito. 8 Bourdeau nota com 
razão que mesmo entre os civilizados é preciso uma certa coragem 
para atravessar sem susto um cemitério, que se julga povoado de 
espíritos. 8 

Com o tempo a região dos mortos se estende: os espíritos vão 
habitar os bosques, o cimo das montanhas, ou, a uma maior dis- 
tancia, as ilhas isoladas pelo mar. Refere Turner que os habitantes 
das ilhas Samoa suppõem que os espíritos erram nos bosques. A 
mesma crença predomina na Nova Caledónia. 4 E' sobre as mais 
altas collinas que os Caraíbas e os Comanches sepultam os seus 
chefes. Entre os Patagonios e os Árabes orientaes todos os mortos 
são enterrados nos píncaros das montanhas. Este costume deu 
origem á crença de que a morada bemaventurada dos espíritos é 
nos montes. Em Borneo o paraizo da raça Idaan é no cume do 
Kina Balu, e na ilha de Java o éden dos Sajiras no cimo do Gu- 
nung Danka. No México o delicioso Tlàlocan , morada das almas 
das crianças sacrificadas a Tlaloc e das pessoas que morreram de 
lepra, hydropesia e moléstias agudas, floresce sobre o alto das 
montanhas. B 

A idéa de um paraizo coberto de vegetação luxuriante, fecundo 
de caça, fez com que entre alguns' povos a habitação dos espíritos 
fosse transplantada para os valles. Pelas condições de isolamento, 
porém, reunidas ás de fertilidade, as ilhas, mais do que os valles 
dos continentes, se prestam á morada dos espíritos. D'ahi o crescido 
numero de ilhas afortunadas dos tempos heróicos. Mas fora da 
antiguidade clássica não faltam exemplos de ilhas servindo de 



i Spencer, Princípios de Sociologia, Cap. XV, § 110. 
3 Ia Civilisation primitive, vol. 1, Cap. 11. 
8 Le Problèn e da la mort, Cap. VIII, pag, 176. 

* Spencer, Princípios de Sociologia, Cap. XV, §111. 

* Vide Taylor, La Civilisalion primitive, tomoH, Cap. XIII. 



O PROBLEMA DA MORTE 309 

paraizo dos deuses e aos espíritos dos mortos, yma lenda de Tongo 
descreve a ilha de Boluto como uma região em que amadurecem 
os mais bellos frutos, as flores se reproduzem ao serem colhidas, 
enchendo o ar de delicioso perfume, e a cada passo encontram-se 
pássaros de deslumbrante plumagem e porcos, que não cessam de 
existir, excepto quando dados em alimento aos deuses. 

O costume de enterrar os cadáveres devia ter concorrido para 
a crença de um mundo subterrâneo dos espíritos, sem luz, como o 
desapparecimento diário do sol no horizonte, parecendo atravessar 
a terra, não deixou de contribuir para a concepção de uma morada 
de mortos no grande astro , ou de um paraizo de luz. Si por um 
lado vemos o Orcus dos Romanos, o Hade dos Gregos, o Shéol dos 
Israelitas, o Tártaro dos Etruscos, o Hei dos Scandinavos, em uma 
palavra, o inferno, situado nas entranhas da terra, onde não reinam 
sinão as trevas, n&o poder explicar-se sinão pela escuridão que 
se faz ao morrer o sol no occidente, por outro lado vemos que os 
Natchez do Mississipe e os Apalaches da Florida, pensando que os 
seus chefes e heróes vão habitar o sol depois da morte, idéa que 
se encontra na theogonia do México e do Peru, não podiam ter 
imaginado o seu brilhante mytho sinão pelo espectáculo diário da 
descida do sol ao occidente. Este não passa pelas regiões do occi- 
dente, sinão para conduzir comsigoas almas dos mortos illustres, 
sepultados na terra. 

Mas não é o sol o único formador de mythos; conhecido 
phenomeno meteorológico parece ter sido a origem de uma outra 
morada dos espíritos. São os nevoeiros, que se formam no fundo 
dos valles ou no cimo das montanhas, lugares em que se enter- 
ravam os mortos. 

Elles apparecem para receber em seu seio as almas dos 
heróes. Nos poemas de Ossian os guerreiros depois de mortos 
passam a morar nas nuvens. Na sua habitação aérea conservam 
os mesmos gostos, as mesmas paixões, que em vida. Combatem 
legiões de fumo, caçam javalis de vapor. 

Um heróe caledonio, porém, não podia entrar no palácio 
aéreo de seus antepassados si os bardos não cantavam o hymno 
fúnebre. Deitado o corpo sobre uma camada de argílla, em fosso 
de seis ou oito pés de profundidade, e com o corpo estendidas 
uma espada e doze flechas, si o morto era um guerreiro, e sobre 



310 REVISTA BRAZILEIRA 

uma nova camada de argilla o cão favorito do defunto, sendo» 
finalmente coberta com terra escolhida a sepultura, cuja situação 
era marcada com quatro pedras collocadas nos quatro cantos do 
fosso, comparecia um bardo para cantar o hymno dos mortos e abrir 
ao heróe a porta do palácio das nuvens. O esquecimento desta cere- 
monia fazia com que a alma do morto ficasse envolvida no ne- 
voeiro do lago de Lego. 

No poema do Fingal Cuchullin increpando Connal de não ter 
conduzido o « fantasma de Crugal > á sua presença para reve- 
lar-lhe o destino, que o aguardava, o filho de Colgar responde :. 
os espiritos sobem ás nuvens e voam sobre os ventos. No Cath- 
lin de Clutha, quando os guerreiros de Selma se retiram para a 
collina frequentada pelas sombras de seus antepassados, é se 
confundindo com as nuvens que apparecem a sombra magestosa 
de Tuenmor e as formas fantásticas de seus companheiros de 
armas. Na Guerra de Tentara Cairbar apparece a Cathmor, envol- 
vido na nuvem, de que se apoderava subindo para a sua morada 
aérea. Ainda no mesmo poema Cathmor ferido, para consolar os. 
seus companheiros de armas affinna que, assentado sobre o ne- 
voeiro do rio de Atha, verá correr sua agua em ondas azuladas 
e morrendo apparece á Sulmalla, sua esposa, que, ao levantar-se 
para abraçal-o transportada de alegria, vê o heróe desapparecer 
no nevoeiro, seus membros de vapor se desvanecendo aos pou- 
cos e se misturando com os ventos da montanha. « Então Sul- 
malla, diz Ossian, comprehendeu que Cathmor tinha morrido. » 

O processus social é uma luta continua entre elementos eth- 
nicos heterogéneos ; e as hordas, as tribus, os povos, as nações, 
as raças, não lutam entre si sinão para estabelecerem a domi- 
nação do vencedor sobre o vencido. Vce victis não é somente o 
grito de Brenno, e sim de todo triumphador. Sob qualquer forma 
que se manifeste, escravidão, vassalagem, contribuição, a sujeição é 
sempre o resultado de uma guerra, que attángiu o seu fim. 

Organizada a dominação entre os elementos ethnicos, o ven- 
cedor procura por todos os meios manter a sua supremacia, e 
esta supremacia tende a se perpetuar, estendendo-se até á vida 
futura. E' o que explica a duplicidade de condição no mundo dos 
mortos, da mesma sorte que na região dos vivos. De um lado 
os dominadores, de outro lado os subjugados: para os primeiros 



O PROBLEMA DA MORTE 311 

o paraizo, para oe segundos o inferno. Bourdeau diz que o ehris- 
tianismo produzia uma verdadeira revolução, transportando do in- 
ferno para o céu a morada dos eleitos. Mas não foi o christianismo, 
e sim o antagonismo das classes de dominadores e dominados » a 
superposição das duas grandes camadas sociaes de vencedores e 
vencidos, que oppoz um céu de infinitos gozos a um inferno de 
eternos supplicios. O que fez o christianismo foi povoar o céu do 
justos em vez de poderosos, e o inferno de maus, em vez de hu- 
mildes. 

«Duas grandes concepções dominam especialmente a idéa, 
que se fez de um mundo futuro, diz Tylor. A primeira è que a 
vida futura, é, por assim dizer, uma simples imagem da vida 
actual; os homens, segundo esta doutrina, conservam num outro 
inundo, idealmente bello, talvez, mas também talvez fantasticamente 
melancólico, sua forma e sua condição terrestre ; são cercados dos 
amigos que tinham sobre a terra: possuem o que possuíam aqui em 
baixo; continuam as oceupações deste mundo. Segundo a outra 
concepção, a vida futura é uma compensação da vida actual. Os 
homens, entrando para o outro mundo, mudam de condição, e esta 
mudança ó a consequência, e sobretudo a recompensa ou a punição 
de sua condueta sobre a terra. » 1 O christianismo não fez sinão 
sanctificar o pobre, condemnando o rico. «Ai dos ricos, o céu não é 
para elles. » 

' Depois de uma tão brilhante excursão pelos dorainios do outro 
mundo, a que resultado chega Bourdeau, aproveitando os achados da 
sciencia? — A duas conclusões: uma theorica e outra pratica. 

Sob o primeiro ponto de vista, escreve o autor do Problema da 
Morte, « a raz&o recusa-se a comprehender que um ser continue a 
viver,, quando cessou de existir; que o eu, cuja unidade ao mesmo 
tempo physica e psychica ó manifesta para a consciência, se des- 
dobre, e que um e» espiritual, que não poder-se-ía separar do eu ma- 
terial, pois que n&o apparece sinão nelle, subsista, entretanto, 
depois delle. E' mais difficil ainda de conceber como estas duas 
metades do ser humano, separadas pela morte, poderiam unir-sedo 
novo, seja que, em contrario á mais constante das leis, o corpo 



La Civilisation primitive, tomo II. Cap. XIII. 



312 REVISTA BRAZILEIRA. 

destruído se reconstrua, seja que um outro o substitua, ou que uma 
simples apparencia venha a occupar o seu lugar. 

O ser assim restabelecido numa integridade factícia não poderia 
relaciònar-se com o mundo physico sem obedecer ás suas leis, nem 
escapar a seu império, sem excluir-se de toda a realidade. Âiém 
disto não se pôde assignar-lhe um lugar no espaço, nem deter- 
minar suas phases de duração nem especificar suas funcções. Também 
não se vê como lhe seria possível manter-se num estado fixo sem 
cessar de viver, ou evoluir sem tornar-se contingente, emfim perpe- 
tuar-se indefinidamente quando uma lei de renovação universal con- 
demna a morrer tudo que nasce no tempo.» 1 

Sob o ponto de vista pratico não temos que indagar si a vida é 
boá ou má para desejarmos ou abominarmos a morte. Aceitemol-a 
como um, facto, sobre o qual não fomos consultados, e nos arran- 
jemos o melhor possível a respeito delle. E' o conselho de Milton 
ao homem no Paraíso Perdido. « Não tenhais pela vida amor nem 
ódio ; mas emquanto viverdes, vivei bem.» 

Sacrificar, porém, a vida presente á futura é realizar a fabula 
do cão, que deixou cair a presa pela sombra. D'ahi o conselho dado 
por Bourdeau : «Vós pedis «um mundo melhor» — Melhorai aquelle 
em que estais. Em vão esperareis gozar de um perfeito e acabado 
paraizo no céu ; fazei-o sobre a terra. Applicai-vos a tornar em torno 
de vós a natureza menos hostil e mais fecunda. Ainda não conhe- 
cemos toda a extensão do nosso poder para modifical-a. Ella se 
presta'a transformações indefinidas no sentido de nossos interesses. 
Utilizai do melhor modo seus recursos, que por toda parte abundam, 
e que a vossa incúria deixa que se percam ; encaminhai, por meio 
de uma razão esclarecida pela sciencia, suas forças brutas, mas 
dóceis, para um fim superior. Ampliai sua ordem no que ella tem 
de facultativo sem tentar em vão perturbal-a no que ella tem de 
necessário. Uni vossa actividade reflectida á actividade cega das 
coisas, considerando-vos como investidos de uma funcção cós- 
mica, encarregados de presidir ao governo da vida sobre o globo/ 
Fareis assim pouco a pouco deste «mundo de miséria », sinâo um 
«deu, porque os edens não' existem sinão em nossos sonhos, 



4 Le Problèwe de la morl, Cap. XII, pag. 292. 



O PROBLEMA DA MORTE 313 

pelo menos uma estada supportavel e mesmo cada vez mais at- 
% traente>. * 

O livro de Bourdeau interessa o leitor curioso, como a nar- 
ração de um desses exploradores ousados e aventurosos que, ar- 
rastados pelo amor da descoberta, se entregam a toda sorte de 
soffrimentos e perigos para esclarecerem um ponto obscuro nos 
annaes da sciencia de Marco Polo ; mas teria encontrado Bourdeau 
alguma terra nova, alguma região desconhecida, na qual nenhum 
predecessor temerário ainda houvesse posto o pé ? As sciencias 
moraes, como a terra, parecem ter entregue os seus últimos se- 
gredos. Nem mesmo, a sonda, penetrando no fundo do mar, des- 
cobre alguma coisa de novo. A reflexão armada dos mais rigo- 
rosos processos lógicos não está sujeita a menores decepções. 
E' o que se sente com a leitura do Problema da morte : o seu 
autor, com a abundância da sua vasta erudição e com o brilho 
da sua pujante capacidade intellectual, seduz na exposição do 
seu complicado assumpto, como Homero maravilha na Oâysséa con- 
tando as prodigiosas aventuras do seu famoso Ulysses ; mas quando 
tenta desvendar algum segredo, decifrar algum enigma, percebe-se 
que a solução lhe foge como uma região encantada. 

No mundo theorico forçoso é reconhecer que Bourdeau ficou 
muito aquém de Lucrécio, eomo prova qualquer pagina do livro III 
,do inimitável poema Da natureza das coisas. Também a solução pra- 
tica, que offerece Bourdeau, é menos uma explicação do que uma 
consolação á maneira das consolações de Séneca. Lendo-se o ca- 
pitulo da conclusão pratica do Problema da morte, como se está em 
classe, traduzindo o velho philosopho latino. Coragem ! dentre todas 
as curiosidades que pQdem interessar o espirito humano , a morte 
não é sinão a ultima ; vale bem a pena sacrificar a vida ! 

Os selvagens não acreditam que a morte possa produzir-se na- 
turalmente. Para elles a morte é sempre effeito de um golpe des- 
fechado por ser invisível, ordinariamente um espirito vingativo ou 
um deus offendido. Além de muitos outros exemplos Spencer cita 
o caso dos Tahitianos, que attribuem o effeito dos venenos ao ódio 
dos deuses. Para elles os próprios guerreiros, que morrem no campo 



i Le Problème de la mort, pag. 832 
20 A * TOMO Vil— 1896 



314 REVISTA BRAZILEIRA 

de batalha são feridos pelos deuses. A feitiçaria, tão commum entre- 
os selvagens, não tem outra explicação sinão o attribuir-se a morte 
ou a simples moléstia a coisas sobrenaturaes. 

Mas de que a morte nem sempre é accidental, segue-se que 
seja uma consequência necessária da vida que todos os seres vivos 
estejam fatalmente condemnados L morte ? Não : ha seres que não 
morrem. Sirvam de exemplo os seres unicellulares, entre outros os 
Protozoários, que se reproduzem, dividindo-se em duas partes, que 
se completam depois da separação. Isto não quer dizer que sejam 
indestructiveis, pelo contrario, são destruídos aos milhões por acci- 
dente ; não morrem, porém, de velhice. Os seres polycellulares, 
aquelles que possuem elementos reproductores distinctos do corpo, 
entre elles o homem, são mortaes. 

Entretanto, o homem não morre de todo. O homem tem filhos, 
que são a carne de sua carne, o sangue de seu sangue, e continua 
a viver nelles. «Não se trata segundo observa Delage, de uma 
simples metaphora, mas de um facto anatómico. > O ovo se con- 
stitue de substancia paterna, e o filho não é sinão o ovo crescido 
e desenvolvido. E' verdade que crescendo, o producto multiplica a 
sua substancia ; mas nem por isso deixa de ser uma continuação 
dos seus productores, da mesma sorte que o adolescente e o adulto 
não deixam de ser uma continuação do infante, posto que tenham 
augmentado e mudado continuamente de substancia . « Na reali- 
dade, pois, o Metazoario não morre sinão em partes ; elle se divide 
em duas partes, uma que morre e outra que continua viver, e isto 
indefinidamente. Ha nelle duas coisas, uma mortal, o corpo, a 
Soma, outra immortal, as cellulas germinaes, que se poderiam cha- 
mar em seu todo o Gérmen. Este gérmen é immortal, exactamente 
á maneira dos infusorios. Como estes e mais do que estes, é frágil ; 
quantos ovos, sobretudo spermatozoides morrem assim todos os 
dias ? Mas ha para elles, como para os infusorios, uma possibilidade 
de continuar a viver, si dá -se a condição necessária, que é en- 
contrarem-se e fundirem-se na fecundação. > D'ahi encarar Delage 
o plasma germinativo como um facto incontestável , e definil-o — 
« a parte da substancia dos pais, que não morre com elles , e se per- 
petua nos fttlios». Considerando a continuidade do plasma germina- 
tivo menos uma theoria do que uma maneira de encarar a filiação» 
das substancias na geração, escreve ainda Delage : « Ella consiste 



O PROBLEMA DA MORTE 315 

em considerar, não como succede ordinariamente, o individuo en- 
gendrando o ovo, que se torna um individuo, que engendra um novo 
ovo, e assim por diante ; mas o ovo se desdobrando em um corpo - 
e em um ovo, aquelle morrendo, este se desdobrando em um novo 
ovo e em um novo corpo, e assim por diante. > 1 

Admittindo que os seres uniceilulares são immortaes, resta saber 
como foi que a morte se introduziu, na passagem da vida unicel- 
lular á polycellular, entre ofe Metazoarios. Como foi que no cyclo 
evolutivo, quando o ser tornou-se polycellular, umas cellulas conser- 
varam a immortalidade, ao passo que outras adquiriram a mor- 
talidade ? 

Comprehende-se que a evolução natural tenha favorecido e for- 
talecido a introducção da morte na serie evolutiva dos Heteroplas- 
tidas, porque, diminuindo a faculdade reproductora, com a idade, era 
vantajoso para a espécie que morressem as cellulas improductivas, 
afim de não tomarem parte do alimento necessário ás cellulas repro- 
ductoras do organismo; mas não se pôde dizer que a evolução natural 
tenha sido a origem da mortalidade das cellulas somáticas. Uma 
outra causa devia ter feito deiivar o plasma mortal do plasma im- 
mortal . 

Contra as theorias de Spencer— sufficiencia ou insufficiencia de 
nutrição, — de Butschli — renovamento ou esgotamento de fermento, 
— de Lendl, — presença ou ausença de baUxist,— e outras hypotheses, 
em face das quaes continua indecifrável o enigma da morte, Delage 
vê a causa da immortalidade do Gérmen e da mortalidade do Soma 
na differenciação. 

c Sem excepção alguma, diz o sábio biologista, todas as cellulas 
de Metazoarios ou de Metaphytos, que servem á continuação da es- 
pécie por via asexual ou sexual, são cellulas pouco ou nada diffe- 
renciadas. Segue-se d'ahi que toda cellula não differenciada é im- 
mortal, e não requer para continuar a viver sinâo ser collocada em 
condições que lh'o permitiam ; e que toda cellula differenciada é 
votada a uma morte inevitável, sem que haja para ella alguma pos- 
sibilidade de escapar. O corpo dos Metazoarios morre, porque é 



i A estructura do protoplasma e as theorias sobre a hereditariedade ,. 
Pariz, 1895, pags. 178 e 179. 



316 REVISTA BRÀZI LEIRA 

formado, em sua maior parte, de cellulas differenciadas, e, si nelle 
ha cellulas pouco ou nada differenciadas por occasião da morte, éllas 
também morrem, porque a nutrição lhes é supprimida. l 

Do que fica dito resulta que nos Metazoarios, entre os quaes 
figura o homem, ha duas partes, uma constituída pelas cellulas ger- 
minaes ouiinmortaes, outra pelas cellulas somáticas ou mortaes. Só 
as cellulas germinaes têm a capacidade de se dividir indefinidamente, 
porque a sua divisão homogénea não diminue nunca a vitalidade das 
cellulas. Ás cellulas somáticas tendem a perder a sua aptidão repro- 
ductora pela sua divisão heterogénea. E' a differenciação, filha da 
divisão, que traz a diminuição da capacidade de dividir-se. Com a 
diminuição da aptidão a dividir-se, surge a detenção do crescimento, 
e com a detenção do crescimento a detenção do nutrimento, o que 
importa dizer — a morte. A morte é uma consequência necessária, 
posto que não immediatá, mas fatal, da detenção da divisão e do 
crescimento, pela razão muito simples que é tendência dos seres 
vivos « crescerem e miãtiplicarem-se » . Crescendo e multiplicando-se, é 
que a vida é vida, ou por outras palavras, é que o plasma, a sub- 
stancia viva, pôde viver indefinidamente. A vida não se mantém 
eternamente nem se desenvolve illimitadamente sinão por cyclos, 
mas cyclos em que a substancia viva primordial, o plasma germina- 
tivo se mantém identic*o a si mesmo, e, portanto, immortal pela re- 
producção homogénea, ao passo que o plasma somático se diffe- 
rencia em sua multiplicação, e deste modo perde a sua immortali- 
dade. A morte se introduziu no campo da vida por intermédio da 
differenciação, e deste modo se pôde dizer que ella é uma conse- 
quência lógica e necessária da permanência e desenvolvimento da 
própria vida. 

Tudo se esclarece facilmente desde que se tem a idéa não de 
um individuo, que produz um ovo, que se torna um individuo, que 
por sua vez engendra um novo ovo, e assim por diante ; mas de um 
Gérmen, que se desdobra em um Soma e em um outro Gérmen, aquelle 
mortal e este immortal, a se desdobrar novamente em um outro 
Sarna e em um outro Gérmen e assim por diante. O papel do Soma é 
nutrir e proteger o Gérmen. Os seres polycellulares morrem, porque 



1 Â estructura do proloplasma e as theorias sobre a hereditariedade, 
pag. 769. 



O PROBLEMA DA MORTE 317 

conforme affirma Delage, nelles as cellulas são em sua maioria so- 
máticas, e se no momento da morte existem algumas cellulas ger- 
minaes, estas também morrem por falta de nutrimento em virtude 
da morte do Soma. Só não morrem as cellulas germinativas, que 
em tempo encontraram as condições necessárias para crescerem e 
multipliearem-se, como dá-se no caso de sexuação. 

Não é á sciencia que a individualidade pôde pedir a confir- 
mação da sua persistência depois da morte. O eu, producto da evo- 
lução, dissolve-se necessariamente com a morte, resultado final da 
differenciação. O que sobrevive é justamente o que menos se diffe- 
rencia: são as cellulas germinaes, que se reproduzem homoge- 
neamente. As cellulas somáticas são mortaes em virtude mesmo de 
sua reproducção heterogénea. Mortaes as cellulas somáticas, mortaes 
são as funcções resultantes da sua differenciação. A mesma causa, 
que organiza o plasma, produz a morte do organismo. O amor, que 
leva o ser a sair de si mesmo, o amor que provoca o ser a reprodu- 
zir-se, ainda mesmo com sacrifício próprio, arrasta o individuo a 
protestar contra a morte não tanto de si mesmo como dos seres, 
que lhe são caros. Mas isto porque o amor é filho da tendência de 
todo ser vivo a crescer e a multiplicar-se. Querer eternizar o indi- 
viduo não é um resto de egoísmo, como diz Guiau, é a lei lógica do 
< crescei e multiplicai », agindo psychologicamente, por intermédio 
da consciência. Mas a consciência ou o sentimento da continuidade 
de estados intentos, a consciência ou a permanência de funcções men- 
taes através dos elementos que mudam, não é sinão um resultado 
da complexidade dos referidos estados internos ou funcções mentaes,^ 
não ó sinão a integração resultante da differenciação. « Por seu lado 
physico, diz Wundt, como por seu lado psychico, o corpo vivo ó uma 
unidade; esta unidade não é fundada sobre a simplicidade, mas, pelo 
contrario, sobre a composição muito complexa. > «A consciência, 
acrescenta Guiau, com seus estados múltiplos e, entretanto, unidos 
estreitamente, é para nossa concepção interna uma unidade aná- 
loga á do organismo corpóreo para nossa concepção externa. » 

Assim, o que nós chamamos eu ou alma, não ó sinão a unidade 
consciente de estados internos, como o corpo não é sinão a unidade 
inconsciente de estados morphologicos. Si a organização, porém, não 
impede a morte, pelo contrario, a determina, a consciência, o eu, a 
alma, não justifica a immortalidade, pelo contrario a condemna. 



313 REVISTA BRAZILE1RA 

Si a alma humana deve ser encarada como o producto evoluído 
de innumeraveis elementos, si deste modo é que ella deve ser consi- 
derada o « espelho do mundo > na expressão de Leibnitz, é claro que 
quanto mais se estender a evolução das funcções mentaes, quanto 
mais se integrar a unidade da multiplicidade complexa dos elementos 
constitutivos da alma, menos duração terão taes elementos, cuja 
transitoriedade cresce na razão directa da organização. 

Uma apreciação não se desenvolve sinão com prejuízo dos in- 
divíduos, que a compõe. E' o que se dá com a consciência humana, 
associação de consciências oellulares. 

Si o problema consiste, no entender de Guiau, em indagar si 
pôde existir uma associação ao mesmo tempo bastante solida para 
durar sempre, e bastante subtil, bastante flexível, para se adaptar 
ao meio sempre variável da evolução universal, póde-se responder 
com firmeza e segurança que quanto mais os seres se elevam na 
escala da evolução orgânica, mais progressiva se torna a mortali- 
dade das cellulas somáticas, cuja historia não é outra sinão a historia 
• de toda a evolução vital desde os movimentos monótonos dos ani- 
maes inferiores até as mais originaes creações do pensamento hu- 
mano. 



Arthur Orlando 



A EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS 

NO PONTO DE VISTA MEDICO 



Questão que tem sido objecto da cogitação de pensadores e 
scientistas preclaros, offerece a educação diversas faces por 
•onde se a encare. Nas linhas que vão seguir tratarei delia como 
um meio capaz de modificar favoravelmente a funesta influencia 
de um vicio nevro ou psychopathico adquirido por herança directa 
ou atávica. 

Si no que respeita aos bem constituídos é a educação diri- 
gida convenientemente um dote de inestimável valor, avalie-se 
quanto não sobe de importância si ella visa conjurar os effeitos 
de uma causa inexorável, por assim dizer, qual a herança; si ella 
tem como principal objectivo corrigir uma organização, que as 
leis scientificas têm sobejas razões para considerar defeituosa. 

Foi abundando nesta ordem de pensamentos que ousei em- 
prehender a publicação destas considerações, que só têm o mérito 
de terem sido hauridas em fontes puras. 

Em boa doutrina, para que se pudesse colher o effeito máximo 
•de uma boa educação, para que se pudesse levar até seus 
últimos limites a luta contra o factor hereditário, seria conve- 
niente tomar o entezinho desde que elle começa a se gerar no 
seio materno. Aqui é elle como um elemento de sua progenitora 
e como tal, sujeito a receber o contra-choque de todas as influen- 
cias de que aquella venha a ser theatro. 

E é com justa razão que se recommenda ás. mais gestantes 
4ima vida tranquilla, erma de emoções deprimentes e choques 



320 REVISTA BRAZILEIRA 

violentos que commovam gravemente sua sensibilidade moral. Ás 
scenas aprazíveis e deleitantes, que disponham o espirito á doce 
satisfação ou serena jovialidade devem ser proporcionadas de 
preferencia. Levando ao exagero a influencia psychica da 
gestante sobre o feto, os romanos tinham por costume ornar os 
aposentos, em que ellas * passavam o melhor do seu tempo, de 
quadros que representavam a bélleza das formas ou a virilidade 
do caracter, afim de que a vista, descançando sobre elles, fizesse 
nascer, além da impressão sensorial agradável, "uma corrente de 
idéas consoantes ás que se tinha em vista obter. 

Não falarei já dos cuidados puramente materiaes que reclama 
uma mãi. Está na consciência de todos que evitar os traumatis- 
mos e precaver-se contra as moléstias, seja de que natureza 
forem, é um dos cuidados mais elementares — de quem tem a 
seu cargo uma família e mais particularmente da própria ges- 
tante. 

Estas minudencias são tanto mais necessárias de ser gra- 
vadas na mente de todos quanto se sabe que a, sua boa pratica 
pôde assegurar a boa conformação da criança, condição essencial 
para uma perfeita educação. 

Mais aturados cuidados merece a criança quando vem á luz. 
O ideal é então conseguir que ella vença esse primeiro período 
de sua çxistencia, em que a debilidade de seu organismo está á 
mercê de um sem numero de accidentes, sem compromettimento 
de sua saúde. Que todos os seus órgãos se desenvolvam sem 
graves perturbações, afim de que se realize a frase aphorismatica 
de Juvenal : — mens sana in corpore sano, 

Spitzka, em seu artigo Imanity — da Cycfopcedia of the disea- 
ses ofchilãren diz que uma das causas mais frequentes de accessòs 
agudos de delido ou fúria nas crianças é o abandono desses 
pobrezinhos por muito tempo ao sol ou o descuido de deixal-os 
dormir com a cabeça desprotegida perto de pedras ou objectos 
q aentes. Stein (in Compendium der Kinderkrankhmten e A. Vogel 
(Rinderkranklhetten) abundam em codsiderações análogas. Reich 
entende que as variações bruscas de temperatura podem concor- 
rer para o mesmo fim. Ahi estão causas que se bem que não 
tenham a profunda gravidade das meningites ou cerebropathias 
a que podem estar sujeitas as crianças, todavia deixam já no 



A EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS 321 

cérebro do recemnascido uma como espinha irritante, que mais 
tarde sob influencias de pouco valor, podem vir a ser a origem 
das mais graves psychopathias ou nevropathias. E desta sorte, uma 
criança que poderia ter nascido sem um vicio degenerativo, por 
um lamentável descuido, adquiriu uma constituição que o colloca 
ao lado dos degenerados psychicamente. 

Por este simples exemplo já se pôde julgar da importância 
que assumem os cuidados com a saúde das criancinhas. 

Emquanto o filho está preso á placenta materna por meio do 
cordão umbilical , o sangue das artérias da mãi é que vai levar o 
alimento, e, portanto, a subsistência ao feto ; mas uma vez cortado 
o cordão do umbigo, é já no seio que o recemnascido vai sugar a 
vida. Ora, o leite de uma mãi ou de uma ama nevropathas pôde 
trazer graves consequências para a saúde ou a constituição da 
criança; não se consinta, pois, que tal alimento vicie o sangue do 
lactante ; dê-se-lhe uma ama robusta e sadia, bem constituída e de 
aspecto agradável, e na falta, lance-se mão, de preferencia, desses 
meios que a sciencia proclama como innocuos para a alimentação 
das crianças. Mas supponhamos que a criança atravessa incólume 
esse primeiro passo da vida tão cheio de fragilidades e que com 
a garrulice alegre e beata dos primeiros tempos que se seguem 
a esta phase inicial, começam os seus sentidos ainda débeis e nas- 
centes a apprehender esse mundo de impressões que a cerca. Ainda 
são os cuidados physicos que dominam a scena ; mas já convém 
desde então regularizar as horas da alimentação, graduar sua quan- 
tidade, crear emfim um regimen compatível com seu grau de des- 
envolvimento ; evitar as causas de moléstias, e continuar mais de- 
cididamente a fazel-as dormir livre do contacto da mãi ou da ama. 

O que, porém, interessa mais ao nosso ponto de vista, ó a 
criança no período de educação. E' uma questão grave de decidir, 
pois varia de individuo a individuo ; a mim, entretanto, afigura-se 
que a educação para ser san deve começar desde o momento em 
que a criança manifesta comprehender o que se passa em torno 
de si e procura imitar o que apprehende pelos apparelhos sensoriaes. 

Desde então convém lhe ensinar os bons hábitos. Incutir o 
asseio é o primeiro passo a dar na educação. « Um excellente afe- 
ridor dos antepassados de uma criança, diz Spitzka, pôde ser tirado 
de sua tolerância ou intolerância para uma fralda suja ou molhada. > 

21 TOMO VII — 1896 



322 REVISTA BRAZILE1RA 

Uma das mais pronunciadas antipathias dos filhos de pais exigen- 
tes, na precoce idade de algumas semanas ou mezes, é pela 
humidade, e esta symbolica manifestação de aversão deve conduzir 
as mais cuidadosas a estabelecerem a primeira phase da disciplina 
mental. E a regularização de todos os actos da vida infantil neste 
período da existência é que vai lançar um excellente estracto para 
mais tarde se cultivar com proveito a sua energia intellectual e a 
sua sensibilidade moral. E' um trabalho penoso que demanda não 
pequena dedicação da parte de quem o põe em pratica. 

Uma boa conformação, um desenvolvimento regular do orga- 
nismo é um penhor seguro, embora não seja invariável, de uma 
boa organização mental, e o Dr. Beard faz notar, com toda a razão, 
a profunda verdade desta asserção quando nota em um asylo de 
alienados anãos , disformes , immaturos e retardados. Além disto 
elle indica a rapidez com que estes indivíduos tornam-se physio- 
logicamente velhos; velhice evidenciada em todos os órgãos e 
funcções. 

A vida ao ar livre e os jogos physicos são o que de melhor 
se pôde recommendar para o desenvolvimento do organismo, e, 
no caso que nos occupa, para o desenvolvimento dos centros ner- 
vosos. De propósito emprego a expressão jogos physicos, afim de 
não se tomal-a como synonimo de gymnastica. Para esta espécie 
de exercicios physicos ha indicações mais particulares, e das quaes 
Ling, da Suécia, soube tirar o maior partido possivel, afim de cor- 
rigir alguns defeitos congénitos ; e, muito recentemente, Frsenkel, 
em um artigo que o BrazU Medico transcreveu, aconselhava esses 
meios para corrigir graves perturbações pathologicas, como as que 
resultam da hemorrhagia cerebral, da choréa e do tabes dorsal. 
Du Bois-Raymond demonstrou que ha a mais decidida influencia 
dos exercicios physicos sobre o systema nervoso. Em cada movi- 
mento do corpo de uma natureza complicada, como a esgrima, a 
natação, os exercicios de pugilato, ou de salto, os centros cinzentos 
do cérebro ou da medulla, trabalham igualmente, afim de asse- 
gurar o resultado e são exercitados ao mesmo tempo. J. M. Keating 
e J. K. Young (Fhysical devélopment) dizem que «tão intimamente 
estão ligados o espirito e o corpo que é muitas vezes difficil distin- 
guir o que é devido ao espirito e o que é ao corpo. Em infância 
muito precoce, com o despontar do desenvolvimento mental e 



A EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS 323 

physico, este facto torna-se particularmente notável. » Sempre que 
uma criança coordena um movimento dirigido convenientemente, esse 
movimento exercita e desenvolve o seu cérebro, e o movimento dos 
músculos é tão necessário ao desenvolvimento mental como a hy- 
gidez e a integridade do cérebro o são para o desenvolvimento phy- 
sico de suas partes. Em que pese a Brunetière, todos os autores 
scientistas que têm abordado a questão da educação concordam 
em que os exercícios physicos têm a virtude de auxiliar e excitar 
o desenvolvimento do cérebro, condição indispensável para a ela- 
boração de uma boa educação e de uma regular instrucçâo. Nunca 
o aphorismo — a funcção, é que faz o órgão — - tem mais plena satis- 
fação do que no caso vertente. 

As differentes variedades de exercicios physicos podem ser di- 
vididas conforme o grupo maior ou menor de músculos que entram 
em jogo : os que exercitam quasi todos os músculos do corpo são 
os exercicios de subir, o pugilato, a esgrima, a natação; os que 
exercitam principalmente os membros superiores e inferiores são : 
o foot-batt, o remar, a caça, a péla, a raqueta, o salto do arco ou 
da corda ; os que exercem principalmente as extremidades infe- 
riores são as corridas, a marcha, a equitação, a dança e o salto. 

No córtex cerebral cada grupo muscular ou porção do corpo tem 
uma área correspondente que recebe a influencia dos exercicios des- 
sas partes e reage sobre ellas. E 1 necessário, portanto, partindo deste 
ponto fundamental, que se escolha de preferencia para os meninos 
aquelles jogos em que, ao lado de um prazer qualquer ou de um at- 
tractivo adaptado aos desejos das crianças, se ponham em acção todos 
os músculos do corpo. Nem um dos indicados na primeira categoria 
satisfaz completamente, si bem que sejam preferíveis aos da ultima. 

Um pouco de imaginação supprirá as lacunas, que elles en- 
cerram. Quanto a mim, dou preferencia aos da segunda categoria, 
apenas indico que sejam acompanhados de outras espécies de exer- 
cicios :— exercicio de respiração, afim de desenvolver o diaphragma 
e augmentar a capacidade respiratória ; exercicio de gritar, cantar, 
recitar em voz alta, declamar mesmo ; exercicios para desenvolver 
os sentidos da vista, do ouvido, da sensibilidade táctil, thermica e 
muscular, a olfação ea gustação. Assim procedendo, tenho em vista 
contribuir não só para o desenvolvimento da área cortical do cérebro 
adstricta aos movimentos dos grupos musculares externos, como 



324 REVISTA BRAZILKIRA 

fazem os exercícios physicos ordinários, mas também para o desen- 
volvimento das áreas correspondentes a grupos musculares internos, 
grupos visceraes e o que não é de somenos importância, para a 
grande área post-rolandica, que comprehende metade do cérebro e 
onde se registram as impressões da esphera sensitivo-sensorial . 
Desta sorte não obteria só o desenvolvimento da área motora 
com prejuízo das outras partes do cérebro, o que seria ainda mais 
pernicioso do que o moderado desenvolvimento do conjunto do 
cérebro, mas sim o desenvolvimento universal do córtex cinzento, 
o que é já alguma coisa superior e digno de ser poBtò em pratica. 

Músculos obedecendo a acção da vontade, vísceras sans e resis- 
tentes, sentidos agudos e penetrantes, não £ o ideal ? Sim. O ideal na 
parte physica ; na esphera mental convém que as imagens apprehen- 
didas por esses instrumentos do espirito e gravadas no córtex ce- 
rebral sejam de bom quilate, pois que ellas constituem o es tracto 
donde nascem as idéas, de onde brotam os arroubos da imagi- 
nação. « A criança, diz Maudsley ( Pathdogy of the mind ) deve ser 
habituada a relações regulares com a natureza, de sorte que se ada- 
ptando continuamente ás impressões exteriores, accumule em seu 
espirito um bom fundo de materiaes, e que, por uma educação bem 
dirigida, possa ser modelado nas verdadeiras formas segundo as 
quaes uma imaginação repousando sobre bases solidas poderá pôr-se 
em uma verdadeira harmonia com a natureza. > 

O ideal da educação seria incutir no espirito idéas verdadeiras 
e sentimentos nobres. « A formação do caracter, diz Maudsley, mais 
adiante, ó um processo lento e gradual que está em relação com as 
circumstancias da vida; os homens são o que elles fazem habitual- 
mente.» As crianças fazem habitualmente o que vêem fazer *, isto é, 
imitam todos os actos daquelles que os cercam; por isso os que toma- 
rem ao sério a educação de seus filhos perdem seu tempo dissertando 
sobre concepções philosophicas de qualquer espécie : as crianças não 
aprenderão a agir sinão como elles tem visto agir. Pelo bom procedi- 
mento daquelles que cercam os meninos é que se pôde incutir em seu 
espirito os germens de um caracter bem formado, pois esse dom é 
uma acquisição de todos os dias, que se faz quasi inconscientemente. 

Os bons impulsos partem dos bons sentimentos, do mesmo modo 
que os maus impulsos vêm dos maus sentimentos, e os bons senti- 
mentos germinam lentamente no caracter humano para se tornarem 



A EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS 325 

instinctivos á força da pratica de boas acções. E' cultivando com o 
maior esmero esta face do nosso espirito, que conseguimos radicar 
profundamente a sensibilidade moral, o mais bello apanágio dos 
homens cultos. O espirito habituado ao culto do bem e do justo, sen* 
te-se molestado, revoltado diante de um acto deshonesto ou de- 
lictuoso, e esse desprazer, essa dòr moral que se origina da violação 
dos principiçs adquiridos, é tanto mais intensa e provoca tanto maior 
reacção quanto mais identificados nos achamos com as idéas que 
aprendemos a acatar e acariciar desde a infância. 

E' á força de bons exemplos que se forma o caracter das 
crianças ; e fazendo salientar e vangloriando as boas acções, não se 
deve deixar de indicar e estigmatizar as más acções, afim de que o 
menino vá se acostumando a proceder analogamente. E o castigo que 
mereça uma acção reprovada deve ser applicado á própria criança, 
não como o, derivativo da cólera dos pais, mas afim de que esse 
menino, que já na mais tenra idade é um philosopho sincero, tire a 
inducç&o de que o castigo acompanha os maus actos e é uma conse- 
quência necessária de todos os desvios dos bons sentimentos. 

De ordinário, entre nós, revoltam-se as m&is quando se fala 
em castigar os filhos que procedem mal. Revolta sem^motivo : é a 
própria natureza quem nos dá a lição. Si um pequenito galante e 
rosado chega-se a um fogão quente e toca o ferro, elle aprende 
logo que nfto deve repetir a travessura pela consequência des- 
agradável que lhe pôde advir; si teimar será novamente punido. 
O philosophosinho raciocina logo sobre o que lhe succedeu e náo 
recomeça. Todas as vezes que um individuo qualquer vai contra 
uma lei physica, a punição não se faz esperar: quem viola as leis da 
gravitação uma vez, não o fará segunda vez, porque tem a certeza 
de que soffrerá uma consequência desagradável. 

Na esphera moral, como no mundo physico, as coisas se passam 
da mesma maneira sempre. E a punição deve ser positiva afim de 
que a criança sinta que ella é o resultado de sua má acção, e náo 
deve limitar-se a simples palavras. 

Jesse Oriana Waller, no Nineteenth Century ( 1889) pinta bem essa 
espécie de educadoras que deixam os filhos praticar o que lhes parece 
e estão sempre com pena de os castigar : « Si a mãi dirige-se sim- 
plesmente ao filho e diz : — Quantas vezes queres que te diga que 
náo faças isso — ou— Eu te mando para cima — o menino percebe 



326 REVISTA BRAZILEIRA - 

logo que, em ultima analyse, isto não tem consequência alguma, e 
continua á vista disto, a fazer o que lhe parece, muito á sua von- 
tade. De outro lado, nada deve ser prohibido a uma criança sem algum 
motivo. Muitas mais e muitas amas obram em virtude dos princípios 
contidos nas notas de Punch, tão deliciosamente illustradas por Du 
Maurier, — « Mafalda, vai vêr o que Baby está fazendo, e diz-lhe que 
não deve fazer. » 

Em relação á educação dos nevropathas nunca se deve perder 
de vista os conselhos do preclaro alienista, professor Krafft-Ebing: 
Pôde crear predisposição á loucura toda a educação dirigida : 

a ) Por um regimen muito severo, que pôde concorrer para im- 
pedir o desenvolvimento dos sentimentos affectivos e crear re- 
lações dolorosas com o mundo externo que podem chegar ao tcedium 
vitce e formar um caracter concentrado e misanthropico ; 

b) Uma educação muito indulgente que tudo desculpa dá lugar 
ao capricho, ás paixões desenfreadas e á deficiência do poder de do- 
minar-se. À vida social implicando o império sobre si, a submissão aos 
superiores, a opposição á corrente da vida, o individuo terá mais de 
uma vez de passar por amarguras e decepções. À aspereza da escola 
mundana forma o caracter de cada individuo, mas quantas vezes 
com graves abalos e compromettimento de sua integridade psychica! 

c) A exploração pelos pais e pelos mestres de certas aptidões 
desses meninos prodigios concorre poderosamente para o desenvol- 
vimento unilateral de certas faculdades com prejuízo de outras, 
dando como resultado uma organização viciosa da vida psychica, 

■ que muitas vezes cai diante de uma causa qualquer. > 

Lapidando a face mais nobre do espirito — a da sensibilidade 
moral — tem-se lançado ao mesmo tempo as sementes para o desen- 
volvimento intellectual. Mas este o menino poderá colher em meios 
estranhos, ao passo que a formação de seu caracter, de seus sen- 
timentos affectivos, de sua sensibilidade moral erafim, é no seio da 
família que elle pôde beber com mais proveito ; é seguindo com 
amor os passos de sua mái, e observando o modo de proceder do pai 
que elle vai inconscientemente aprendendo as boas praticas e corri- 
gindo-sede maus hábitos. 

Dômbons exemplos e terão filhos bem educados. 

Dr. Márcio Nery 







\hiiiii\ ih. \iii;\iiw. mm k artes 




























• 



328 REVISTA BRAZILE1RA 

a janeiro deste armo, in-8° gr., com VI— 196 pags., contém a relação dos 
governadores e representantes do estado, documentos offloiaes, e estados 
bibiiographicos, chorographicos e históricos interessantes para aquelle 
estado. 

— O reputado americanista Sr. Lucien Adam acaba de publicar na 
« Bibliothèque linguistique américaine» de Maisonneuve, de Paris, um 
livro com o titulo Materiaux pour servir à Vétablissement d 1 une grammaire 
comparée des dialectes de la famiUe tupi. 

— A Bevue Benedictvne XIII, n. 3, publica Lettres du BrésU, sobre a 
restauração do mosteiro de Olinda. A Ênglish Historical Review começou 
a publicar em seu numero de abril ultimo um interessante estudo do 
Sr. George Edmundson com o titulo The Dutch Power in Brazàl. A pri- 
meira parte trata da Struggle for Bahia ( 1624 — 1627 ). 

— Portugal prepara-se para celebrar no próximo anno o quarto cen- 
tenário da descoberta do caminho das índias por Vasco da Gama. Essa 
commemoraçao dará lugar ao apparecimento de muitas obras notáveis re- 
lacionadas com aquelle facto. Entre outras annuncia-se a edição pela Socie- 
dade de geographia^ de Vienna d' Áustria de um antigo códice turco árabe 
de 1490, uma narração intitulada Mouhit ( Oceano ) de um capitão do 
famoso Solim&o, escripta antes da chegada dos Portuguezes ao oceano 
Indico. A edição será acompanhada de niappas, mostrando os progressos 
do conhecimento scientiflco realizados pelos portuguezes. 

— Ao Museu Paraense, já installado em edifício próprio e com um 
pessoal scientiflco completo e competente, foi annexo um jardim zoológico, 
que possuia em maio 171 indivíduos, representando 83 espécies, todas da 
fauna amazonica. Sao 21 mammiferos, 44 aves, 15 reptis, 2 amphibios e 
1 peixe . O Congresso do estado do Para votou 136 contos para o Museu, 
além do necessário para a desapropriação dos terrenos vizinhos para 
alargar-lhe a área destinada ao jardim zoológico e horto botânico. 

Acabamos de receber o n. 3 o da interessante publicação Bolei m do 
Museu Paraense de historia natural e ethnographia. Contém Johannes von 
Natterer ( biographia deste naturalista e noticia das suas viagens ao 
Brazil) pelo Dr. Emilio Goeldi — Relatório do Museu e Instrucções praticas 
pelo mesmo. A Geologia do Pará, por Ch. P. Hartt ( trabalho quasi inédito, 
pois apenas saiu a lume num jornal daquella então provinda em 1874 ) 
Os hospedes das formigas e dos térmite* (cupim) do Brazil, por Erich 
Wasmann e Bibliographia. 

— Do Dr. Rodrigo Octávio devem ser publicados em breve dois 
livros: Do domínio da União e dos Estados, segundo a Constituição Federal 
e Lições de direito federal, traduoçao comraentada do livro de Estrada. 
O Sr. Araripe Júnior revô as ultimas provas do seu livro— Litera- 
tura brazileira. Movimento do anno de 1893. O livro traz como appendioe 
um estudo — O crepúsculo dos povos. Devem também apparecer breve- 
mente as Canções do Outono do Sr. Lúcio de Mendonça, em nítida 
edição portugueza e a Literatura Colonial do Sr. Oliveira Lima, da qual 
os nossos leitores conhecem excerptos. 

— Com o titulo Revista Catholica comoçou a sair, no dia 1 de julho, 
uma publicação mensal, in-8°, de 48 pags., cujo programma como bem 
diz a sua redacção se contém no titulo. Os três fascículos publicados 
trazem artigos de propaganda, doutrina e polemica religiosa, além de 
um noticiário do mundo catholioo. Destacam-se nelles os estudos do 
Sr. Joaquim Nabuco — O Conselheiro Nabuco e as ordens religiosas e 
Lo Somni de San Joan, do Sr. A. Pimentel . 



BIBLIOGRAPHIA 



77.— Curso de Literatura Brasileira ou escolha de vários trechos em prosa e 
verso, de autores nacionaes antigos e modernos, por Mello Moraes Filho, 3» edição con- 
sideravelmente melhorada, Rio de Janeiro, H. Garnier, editor. 



Impresso nitidamente em Pariz saiu esta 3 a edição muito melhorada 
materialmente e, por esse lado ao menos, digno este livro da estima em 
que parece o publico o tem tido. As melhorias de outra ordem, que sao 
as mais importantes, nao as vemos dignas de nota. 

O critério que presidiu a escolha nao foi bastante seguro, nem ins- 
pirado em um methodo ou systema suficientemente rigoroso . Si o A. pre- 
tendia, como se deve suppor, dar uma idéa ou uma amostra da nossa 
literatura em prosa e ver60 e da sua evolução, em cada um dos géneros 
em que a rhetorica divide as producções literárias, nao se comprehende 
que tenha incluído nesta recolta sujeitos certamente muito capazes e 
muito distinctos, mas que por fornia alguma sao escriptores, assim como 
nao se admitte em collecções taes trechos apanhados em revistas e jor- 
naes, e quejandas publicações, ephemeras umas, outras desappareci- 
das da circulação. As literaturas modernas vivem pelos livros, e o 
valor dos seus productos julga -se principalmente pela influencia que 
tiveram. Trasladar trechos de livros absolutamente esquecidos, de velhas 
publicações olvidadas, de jornaes e até de peças offlciaes, como discursos 
obrigatórios em solemnidades académicas, é declarar que nao temos 
realmente literatura ou estamos naquelle período primitivo em que todo 
escripto, inscripções tumulares ou monumentaes, éditos e formulas re- 
ligiosas, sao literatura. Ora, por pouca que seja a nossa producçao li- 
terária, temos entretanto livros bastantes e bons, de que tiremos com 
que mostrar o curso das nossas letras, em prosa e verso. Talvez este 
senão acarretasse um outro: a falta da citação das fontes donde foram 
trasladados os trechos, o que poderia com grande vantagem ser acom- 
panhado de curtas indicações bio-bibliographicas. E' verdade que estas 
seriam diffloeis para alguns dos poetas ou prosadores que nao sabemos 
porque entraram nesta collectanea. As classificações, já o dissemos, sao 
pouco rigorosas, ou completamente erróneas algumas. Assim a celebre 
poesia Fedro Ivo de Alvares de Azevedo figura entre as históricas e nos 
monólogos vem uma scena do Calabar de Agrário de Menezes em que 
entram nada menos de cinco interlocutores.— J. V. 

21 A TOMO VII — 1896 



RR VISTA BRASIL* 









1 


■ 


1 












































■ 

1 









BIBUOOSUPJ 














































LIVROS E FOLHETOS 


























i$t*iitar 



















332 REVISTA BRAZILEIRA 

Para o nosso hemispherio e principalmente minucioso como este Atlas 
nfto tínhamos nada, a nfto ser uma planisphera do Dr. Pereira Beis, 
que alem do defeito inherente à projecção cónica em que foi construído, 
é menos portátil e manual que este Atlas do Dr. Cruls, excellente con- 
tribuição para o estudo e conhecimento popular do nosso bello céu. 

Nao obstante referir-se especialmente á latitude do Rio de Janeiro, 
serve perfeitamente para todo o Brazil, acompanhado que é de uma 
figura que indica em todo elle as constellaçoes características do céu 
brazileiro. 

O Trigo no Rio Grande do Sul (Continuação para o estudo de lo- 
calização das industrias no Brazil) pelo Dr. Severino de Sá Brito, Rio 
de Janeiro, in-16, 50 pags. 

Os Jooos da Infância, álbum illustrado com gravuras coloridas, Rio 
de Janeiro, H. Garoier, editor. S. D. in-4°, 46 pags. 

Útil e interessante livro, que calorosamente recommendamos aos 
pais e as mais, por amor do seus filhos. 

Organização do Ensino Profíssional Primarão no Estado de Minas 
Geraes, Ouro Preto, 1896, 26 pags. 

Producções da caducbdade, decimo quarto livro de versos pelo Padre 
José Joaquim Corrêa de Almeida, Laemmert & C, Rio de Janeiro e Sao 
Paulo, 1896, in-16, 172 pags. 

Discurso leido por D. Juan J. Permanyer y Ayats, presidente de 
la Academia de Jurisprudência y Legislacion de Barcelona, en la sesion 
publica inaugural de sus sesiones, Barcelona, 1896, 32 pags. 



A POLITICA 



A questão dos protocollos das reclamações italianas acabou por 
uma surpresa, o que aliás não ó raro na nossa vida politica. E os 
commentarios fervem, como também é natural. Ha quem diga que 
o voto unanime da camará teria mais razão de ser, si, verificada 
a accusação feita ao cônsul italiano em S. Paulo, o seu governo não 
o punisse como elle o merece. Então, esse voto significaria um 
protesto contra uma satisfação a que tínhamos incontestável direito, 
e que nos fora recusada. Antes, porém, de resolvido o incidente, a 
solução foi pelo menos precipitada. 

Acamara já em duas discussões approvaraos protocollos. Não 
vem aqui a propósito discutil-os, nem discutir o valor desse voto. 
Amigos do governo, soldados do partido republicano federal 
destacaram-se do seu chefe e alistaram-se no campo opposto. Neste, 
na primeira fila, brilhavam os opposicionistas pleiteantes do governo 
actual. 

Entre os que se mantiveram firmes na sua antiga posição diz-se 
que ha muitos constrangidos, que votaram a favor só por disciplina 
partidária, contra a própria convicção, contra apropria consciência, 
seguindo assim o exemplo do chefe o Sr. general Francisco Gly- 
cerio, de quem se diz que no intimo era contrario a esse convénio, 
e que a principio o deu abertamente a saber, e depois deixou a 
seus amigos a liberdade do voto, só se decidindo á ultima hora a 
bater-se pelo governo. 

Isto, porém, pouco importa. O que importa é saber que a camará 
tinha duas vezes approvado os protocollos por sensivel maioria, e 
que agora rejeitou-os por unanimidade de votos. Dir-se-ia que a 



334 REVISTA BRAZILE1RA 

camará, o chefe do partido e o governo aproveitaram o primeiro 
ensejo que se lhes offereceu para sairem de uma questão que 
tantas difficuldades estava creando. 

E convém notar que se trata de uma quest&o em que muitos 
daquelles que mais violenta opposição fizeram ver-se-iam emba- 
raçados, si sobre elles pesasse a responsabilidade da acção, para 
resolvel-a melhor do que procurara fazel-o o Sr. ministro das 
relações exteriores. E o povo apaixonou-se por ella, sem bem 
examinar, e nem o poderia fazer, si realmente a dignidade nacional 
tinha sido sacrificada, si havia nos protoeollos humilhação para o 
nosso paiz. 

E' fácil dizer de um alto funcoionario publico que elle fez 
qualquer coisa humilhante para a nação, é deploravelmente fácil 
suppor sentimentos menos dignos em quem luta com as maiores 
difficuldades para bem desempenhar-se do seu pesado encargo. 
Não se attende a que se tratava de um grande numero de questões, 
e si a analyse de algumas é desfavorável ao ministro, a de algumas 
outras seria muito desagradável para todos nós. Um dos meios de 
evitar odiosidades e remover embaraços era justamente nivelal-as, 
dar-lhes uma apparencia uniforme, e julgal-as todas pelo mesmo 
critério. E' bem de ver que nestas circumstancias não se pódé 
obter tudo, e si alguma coisa se obtém, aquillo que se perde não 
offende os brios nacionaes, porque é uma triste necessidade imposta 
pelas circumstancias. 

Homens desapaixonados veriam toda esta questão sob um 
aspecto bem diverso daquelle por que a viram os que tão violen- 
tamente a combateram ; mas a violência do ataque revelava mais 
que o calor que inspirava a questão em si, e não faltou quem 
visse que não era só contra os protoeollos italianos que se levava 
o ataque. 

O que quer dizer que a questão não está terminada. E não 
está terminada, primeiro, porque o voto da camará não é uma 
solução, deixa o caso como estava quando o Sr. ministro das 
relações exteriores começou as negociações, aggravado pelo des- 
contentamento que naturalmente causa ao governo italiano o modo 
por que foi feita a rejeição. Não a resolve também porque o 
projecto apresentado pelo Sr. general Glycerio, logo depois da 
rejeição dos protoeollos não é viável. E não é viável porque o 



A POLITICA 335 

Congresso não pôde dar autorização prévia ao governo para decidir 
questões desta ordem, e porque, si uma das queixas que se 
formularam contra os protocollos consistiu em dizer-se que elles 
menoscabavam o Poder Judiciário, é igualmente menoscabal-o 
entregar á decisão do Poder Executivo o que por aquelle poder 
devia ser resolvido. 

O projecto só pôde passar, si passar, em meio da exaltação 
dos ânimos que esta questão tem provocado, reduzida a autorização 
a um numero limitado de casos, aquelles em que não ha elementos 
para discutir perante as justiças do paiz, e em que é preciso resol- 
ver por equidade . £ mais tudo isso depende ainda do modo por que 
a parte contraria, isto é, o governo italiano, encarar a situação que 
lhe é feita pelo voto unanime da camará. 

Mas o que leva muita gente a pensar que a questão não está 
resolvida é justamente o que dizíamos ha pouco, isto é, que não 
se trata só de reclamações de potencias estrangeiras. Nós não 
temos ainda partidos políticos bem organizados, e os dois que 
parecem ter alguma organização, o mais que podem fazer é unir-se 
para uma campanha, como a da amnistia restricta, para pouco 
depois se separarem degladiando-se como vimos agora. Então cada 
um delles chama a si os elementos de que pôde dispor para 
augmentar as suas forças que, reduzidas a si, são insuficientes. 

K evidente que foi a feição mais adiantada da opinião repu- 
blicana que fez esta campanha dos protocollos, contra um ministro 
que foi talvez o seu melhor arauto quando se tratou da pacificação 
do Rio Grande do Sul, e contra um chefe politico, o Sr. general 
Francisco Glycerio, que ultimamente lhe tem feito assiduamente a 
corte, que chegou a dizer que ella, a opinião radical, era o mais 
genuíno representante do conservatismo na republica, e que nella 
se inspirou na questão da amnistia, do mesmo modo que a ella 
tinha cedido quando se tratou, logo no inicio do governo do 
Sr. Dr. Prudente de Moraes, de incluir os aspirantes de marinha 
que se tinham envolvido na revolta no indulto concedido ás praças 
de pret da armada. 

Infelizmente estas opposições colligadas de elementos hetero- 
géneos tôm ainda a tendência para procurarem envolver em suas 
questões politicas as classes armadas . Nesta questão dos protocollos 
mais de uma vez tal tendência se manifestou, e si não produziu 



336 REVISTA BRAZILEIRA 

resultados, foi porque e exercito e a armada se abstiveram de 
apoiar taes queixas em^que tanto influía o espirito partidário. 

O que é evidente é que o voto da camará conseguiu apenas 
acalmar a excitação de momento, deixando sem solução a questão 
diplomática, e adiando a questão politica. 

Esta é ainda bastante delicada. Persiste em um grande grupo 
de cidadãos a idéa de que o governo do Dr. Prudente de Moraes é 
systematicamente desaffecto ao do seu antecessor, acredita-se que 
os amigos deste são propositalmente arredados, apezar dos factos 
que demonstram o contrario, pois que o governo tem procurado, 
como édo seu dever, fazer uma politica de conciliação, tão neces- 
sária depois das lutas e dissensões que dividiram tão profundamente 
a opinião nacional. 

A este grupo podia-se oppôr logo no principio do actual governo 
todas as classes conservadoras, que o receberam com as maiores 
demonstrações de confiança, e que delle esperavam que viria cuidar 
da vida pratica da nação, tão descurada desde que se operou a 
mudança do regimen. Esse apoio robusteceu-se quando o Sr. 
Dr. Prudente de Moraes fez a pacificação do Rio Grande do Sul, 
que a opinião conservadora desejava, sem intenções partidárias, só 
por ver o mal que á nação inteira estava fazendo a guerra civil, e 
os sacrifícios enormes que lhe estava custando. 

E' certo que de então para cá esse apoio tem arrefecido. Não 
ha propriamente opposição das classes conservadoras ao governo 
do Sr. Dr. Prudente de Moraes, porque essas classes só fazem 
opposição aberta aos governos perturbadores; o que ha é uma visível 
fadiga, um desalento devido á inércia que tem sido o apanágio do 
governo, devido á consciência que a todos chegou de que não ha 
um programma, um projecto que prometta melhores dias á Pátria. 

Este sentimento, si as opposições pensassem em exploral-o ha- 
bilmente, podia tornar njuitissimo difficil a posição do Sr. Dr. Pru- 
dente de Moraes, porque o governo precisa de um forte ponto de 
apoio para manter-se e resistir. Para o marechal Floriano esse apoio 
foi o exercito. Para o Sr. Dr. Prudente de Moraes foi em 1894 o con- 
servatismo ; mas, si este se entibia, com que elementos pôde contar 
S. Ex. ? Não o vemos bem, e por isso dizemos que a questão diplomá- 
tica não foi resolvida, e que a questão politica foi apenas adiada. 

Ferreira de Araújo 



PRIMEIRAS IMPRESSÕES 

DOS ESTADOS UNIDOS 



III 

O poderoso espirito de associação dos Americanos é outra das 
impressões que logo de começo actuam uo espirito do estrangeiro. 
Mercê de tal espirito, n&o só conseguiram elles possuir a mais per- 
feita organização politica que uma democracia pôde desejar, a saber, 
a que assegura a mais efficaz acção á opinião e reserva o menor 
campo de domínio para o individuo, como alcançam minorar numa 
importantíssima escola os soffrimentos dos seus semelhantes, pondo 
em commum, isto é, multiplicando os esforços singulares da caridade 
privada. De uma das innumeras sociedades philàntropicas dos Es- 
tados Unidos desejo hoje oci*upar-ine, sobre a qual forneceu-me inte- 
ressantes dados uma distincta senhora, Miss Babcock, esposa de um 
medico de Chicago e devotada propagadora dessa obra salutar. 
Refiro-me á sociedade dos King's Daughters and Sons, fundada em 
1886 por dez senhoras, sem distincções dentro do credo christfto, e 
que hoje, apenas dez annos depois de creada, conta meio milhão 
de associados, inclusive na Austrália, Nova Zelândia e índia. O dis 
tinctivo da sociedade é uma pequena cruz de Malta de prata, e o 



' Veja a Renata de 15 de julho e 15 de acosto. 

2-2 TOMO VII— 18M5 



838 REVISTA BRAZ1LE1RÂ 

seu lemma as palavras <Em nome d'Elle >, isto é, de Jesus. SUver 
Orow se intitula o seu órgão mensal, publicado em Nova York, de 
36 paginas. 

A sociedade não visa a fim algum particular de altruísmo, sinão 
abranger toda e qualquer forma de benefícios que possa ser pres- 
tado, entulhando o abysmo que separa do rico o miserável, toda e 
qualquer acção collectiva que melhore a natureza humana, elimi- 
nando as suas imperfeições : inclue, por exemplo, visitas aos doentes, 
auxílios pecuniários ás missões no estrangeiro, costuras para os 
pobres, distracções e refrigérios de toda casta para os desvalido^ 
até o abandono de vulgar maledicência. Para facilidade de sua pie- 
dosa tarefa, e de accôrdo com o principio económico e social da di- 
visão do trabalho, a sociedade dos King's Daughters and Sons não 
está organizada num conjunto governado por estatutos rigorosos, 
não constátue um parlamento -mirim y espécie em que tão facilmente 
degeneram as nossas associações do commercio ou mesmo de be- 
neficência. 

Os seus membros são antes os francos atiradores do Bem ; 
formam um agglomerado de pequenos clubs ou círculos, no mínimo 
de dez pessoas, sem modelo definido, uma federação de pequenas 
sociedades, muito independentes, auxiliando-se reciprocamente e 
gravitando em torno de um comité ou conselho central, com sede 
em New York. Cada um dos círculos — e os registros da sociedade 
dão fé de trezentos e sessenta somente no estado de dTUinois— es- 
colhe pois o seu campo de actividade. Assim, uma reunião de crianças 
cultiva amores perfeitos para decoração dos hospitaes ; esforça-se 
outra por mostrar comportamento exemplar nas aulas, uma ter- 
ceira de adultos, jura entre si proceder com a máxima lizura nos 
negócios commerciaes; fiscaliza uma parte os estabelecimentos de 
surdos-mudos, cujos resultados de educação são surprehendentes 
neste paiz ; até, e por esta tocante nota pôde calcular-se a prodí- 
gios^ força moral da associação, doentes incuráveis num hospital 
entenderam-se para, em nome ã'EUe, não darem demasiado trabalho 
ás enfermeiras, poupando-lhes algumas fadigas! 

Além da natureza complexa da sociedade ou Ordem, como ella 
se denomina a si própria, o seu extraordinário desenvolvimento 
determinou o conselho central a conceder a mesma autonomia ás 
organizações estaduaes . E' realmente surprehendente o quanto têm 



PRIMEIRAS IMPRESSÕES DOS ESTADOS UNIDOS 339 

estas alcançado em seus variados círculos no terreno pratico, esti- 
mulando a compaixão mais prompta do sexo feminino, o qual re- 
presenta a grande maioria dos associados, exercendo senhoras os 
cargos de presidente, secretaria geral, etc. 

Citarei alguns exemplos. A Silver Crotv Day Nursery de New 
York toma conta durante o dia das crianças pobres, cujas mais 
trabalham em fabricas, alimentando-as bem e facultando-lhes um 
Kindergarten : apenas exige que as crianças venham de casa limpas, 
o que é um incentivo ao asseio, e que as mais paguem 5 centavos, 
afim de não favorecer a ociosidade. Navios chamados hospitaes 
fiuctuantes, em opposição aos hospitaes permanentes e casas de 
saúde á beira mar igualmente sustentados por alguns círculos, for- 
necem durante o verão ensejo de um passeio pelo mar e de um 
tónico banho de agua salgada a centenares de crianças. O de Boston, 
no anno findo passeou perto de 1.500 doentinhos. 

O Silver Crow Lunch Club de Chicago faculta durante o dia 
excellentes refeições, por preços módicos, ás mulheres empregadas 
no commercio. Uma trincha de roast beef custa 5 centavos : o mesmo 
um gelado de ananaz ou de morango. Uma chávena de café, chá 
ou leite, pão e manteiga custa 6 centavos; um pedaço de queijo 
3 centavos. Annexo ao lunch room existem um rest room ou sala de 
repouso, com cadeiras e divans confortáveis, piano e livraria, onde as 
caixeiras podem durante alguns minutos do dia gozar das vantagens 
da convivência e um toilet room, com banheiros, refrigério incompa- 
rável durante o verão, que nos Estados Unidos é proverbialmente 
violento. A mesma sociedade prepara-se para organizar passeios 
hygienicos e excursões no lago, a preços reduzidos durante a es- 
tação calmosa. 

O espectáculo da admirável associação dos Kings Daughters 
conduz naturalmente a nossa attenção para a inestimável influencia 
feminina na sociedade norte americana, influencia que se traduz por 
tantos e tão benéficos effeitos. A mulher americana é, pelo menos 
quanto até agora tenho podido perceber, tão excellente mâi de fa- 
milia como a mulher franceza ou a brazileira : estremece como estas 
os seus filhos e dispensa-lhes iguaes carinhos ; com a differença 
porém de que, ao chegarem á idade própria, moços e moças tratam 
de ganhar a sua vida, si os recursos da família os não isentam do 
trabalho, sem que appareça como embargo um mal entendido recato 



340 REVISTA BRAZ1LEIRA 

ou um absurdo apego ao lar. Essa independência não significa pois 
desamor, como poderá qualifical-a a sentimentalidade latina: signi- 
fica amor-proprio, energia, actividade e caracter. 

A' mulher abrem-se nos Estados Unidos fartas e fáceis car- 
reiras. Na recente convenção dos Christian Endeavourers que congre- 
gou em Washington quarenta mil membros, uma oradora lembrou, 
a meio do seu discurso, que existem no paiz 2.500 medicas, 275 
pregadoras ou missionarias, mais de 6.000 administradoras de cor- 
reios, numa palavra mais de três milhões de pessoas do sexo feminino 
que auferem lucros das suas occupações. De ha dezeseis annos para 
cá o Patent office tem concedido mais de 2.500 patentes de inven- 
ção a mulheres, e só na cidade de New York 27.000 mulheres sus- 
tentam seus maridos, na impossibilidade delles poderem alimentar 
as familias. 

Os estrangeiros, sobretudo os que só conhecem de tradição os 
Estados Unidos, escarnecem facilmente de tamanha independência 
feminina. Sem ir mais longe, na North American Review de Julho, 
Max O* Reli, proseguindo os seus espirituosamente fúteis escriptos, 
publicou um artigo intitulado Domínio da Saia ( Petticoat Government), 
em que ridiculariza sem piedade e mesmo sem cortezia o que elle 
chama as exageradas pretenções da americana. O typo da bas-bleu ó 
certamente insupportavel, como é insupportavel o do poseur: o sexo 
nada tem que vôr com isso. Em qualquer parte a espécie pôde pro- 
duzir no moral exemplares desagradáveis ou grotescos, como os pôde 
produzir no physico disformes ou incompletos. Os esforços das socie- 
dades de temperança por exemplo podem por vezes frizar a appli- 
cação de regras tyranicas, attingir um exclusivismo feroz em favor 
do chá e da agua fresca. São exageros communs a todos os faná- 
ticos de qualquer causa. Mas porque não ha de merecer nossa 
consideração e deferência a mulher banqueira, a mulher jornalista, a 
mulher legisladora ? Porventura não possue a mulher intelligencia 
8ufficiente para distinguir-se nessas ou noutras profissões? 

Em New York, por exemplo, têm dado óptimo resultado as 
inspectoras escolares, que exercem gratuitamente os seus cargos e 
entregam seus relatórios ao Board of education. Revelam zelo muito 
superior ao dos antigos inspectores, cuidando especialmente da parte 
relativa ao conforto e agazalho das crianças, das condições hygienicas, 
tão frequentemente descuradas, e que, quando escassas, tão funestas 



PRIMEIRAS IMPRESSÕES DOS ESTADOS UNIDOS 341 

consequências trazem á saúde publica. No melhoramento das prisões 
e hospitaes, na limpeza e conservação das ruas e jardins públicos, 
em vários outros ramos de serviços municipaes, registra-se como 
real e proveitosa a acção feminina, a qual acha na imprensa amplos 
meios de manifestar-se. Com effeito, hão as mulheres provado admi- 
ravelmente no jornalismo americano; e não se pense que avocam 
apenas as secções de modas e chronica elegante, sinão que cooperam 
activamente nas secções politicas e sobretudo literária e estrangeira. 
Empregam-nas os diários em larga proporção como reporters e cor- 
respondentes fora do paiz, e os magazines a ellas recorrem para a sua 
collaboração tanto quasi como aos homens. Nenhum repórter em 
Washington excede, diz-se, em diligencia a Miss Mc Carthy, do Star. 
Miss Kat Masterson, do Journal de Nova York, chegou a pouco de 
Cuba, donde escreveu curiosas correspondências sobre a guerra. 
Para a Europa, para a America Central, até para as ilhas do Paci- 
fico, têm os principaes jornaes destacado correspondentes dentre o 
seu corpo de redactoras, preparadas para exercerem essas funcções 
literárias mediante solida educação intellectuaJ nos seminários, col- 
legios e universidades. De Mrs Marion Howard conta-se que durante 
algum tempo forneceu uma carta semanal a 60 e 80 jornaes. Faz ella 
hoje parte do Post, de Boston. 

O amor ao trabalho é de resto uma feição tão saliente, um traço 
tão indelével do caracter nacional que nos Estados Unidos dá-se o 
facto extraordinário da scena não exercer sobre elle um geral influxo 
nocivo; isto é, entre as actrizes americanas algumas se encontram 
que não fazem do theatro e da galanteria accessoria o seu ganha-pão 
exclusivo. São actrizes como poderiam ser caixeiras, si sentem voca- 
ção para o palco e necessitam ganhar dinheiro. Chegue poróm, a esta- 
ção calmosa ; feche-se a meio do inverno o theatro por diminuta fre- 
quência de espectadores, ou quebre o emprezario por especulações 
arrojadas; falhe nestas condições a escriptura noutro theatro ou 
mesmo, de principio, não appareça a qualquer artista a appetecida 
escriptura : não constitue isso um embaraço insuperável nem um 
motivo para a ociosidade e suas legitimas consequências. O artista 
põe mãos á obra noutro género de trabalho, por vezes inteiramente 
contrario ao seu habitual. 

Não quer isto dizer que a castidade das vestaesse haja refugiado 
entre as modernas actrizes americanas, e é de ver que os artistas de 



342 REVISTA BRAZILEIRA 

nomeada contam bens sufficientes para poderem dedicar-se unica- 
mente a sua profissão. Não escasseiam todavia casos de actores e 
actrizes lutarem valentemente pela vida, quando o palco lhes nega 
remuneração, pondo em jogo a maravilhosa faculdade de adaptação 
ao labor que caracteriza o americano. No casal de artistas Steele, o 
marido emfcrega-se nos tempos de vaccas magras como agente de uma 
companhia de seguros. E Miss Hill que dizem vai despozar um juiz, 
faz lindos bordados que vende com vantagem. Clara Hunter e Piske 
escrevem para as gazetas. O casal Franck Davis possue uma hospe- 
daria de verão em Long Island ; o casal Thompson um atelier photo- 
graphico em Harlem. Mrs Lestimia é costureira e assim logra 
sustentar o marido paralytico, a mãie o filhinho. Hunk finalmente 
entrega-se á bucólica e rendosa occupação de criar gallinhas. 

E' mister acrescentar que a actividade e independência da ame- 
ricana em nada* tem prejudicado a natural garridice do sexo, o lou- 
vável desejo de parecer bem, que ó um dos encantos da mulher. A 
moda, a de Paris, governa aqui todo o sexo com império igual 
áquelle de que dispõe na rua do Ouvidor. A elegância do trajar torna 
até mais suggestivo a exemplo captivante de hombridade que nos é 
fornecido pela creatura respeitável que, sentindo-se dotada de enten- 
dimento e energia, prefere ter a consciência de depender nobre- 
mente de si mesma a procurar no casamento, pelo preço tradicional 
da siyeiçôo, o único, o exclusivo modo decente de, sem faltar ás con- 
venções, escapar á necessidade ou conseguir fortuna. 

Oliveira Lima 



O ANIMISMO FETICHISTA 1 

. DOS NEGROS BAHIANOS 



CAPITULO IV 

CERIMONIAS DO CULTO FETICHISTA : CANDOMBLÉS, SACRIFÍCIOS, 
RITOS FUNERÁRIOS 



Chamam-se candomblés as grandes festas* publicas do culto 
yorubano, qualquer que seja a sua causa. 

Entre os motivos principaes, figura, como já vimos, a ini- 
ciação ou feitura de santo. Mas, uma vez iniciado, todo filho de 
santo contrai a obrigação moral de festejar o seu santo, com 
pompa variável segundo os recursos de cada um, nos anniver- 
sarios da iniciação. São as festas chamadas de dar de comer ao 
santo. Quando esta festa é a de algum pai ou mãi de terreiro, 
o candomblé toma grandes proporções, já porque o pai de terreiro 
em geral tem ou festeja muitos santos, já porque, sendo estas 
festas as épocas preferidas para as iniciações, acontece que di- 
versos anniversaríos acabam por coincidir com aquelles dias e 
num mesmo candomblé se fundem muitas festas distinctas, para 
que concorrem outros tantos iniciados ou crentes. 

Como indica a denominação de dar de comer ao santo, a festa 
consiste essencialmente na pratica de sacrifícios. Entre os negros 



i Veja a Revista de 15 de abril, 1 de maio, 15 de junho, 1 e 15 de julho 
e 1 de agosto. 



344 REVISTA BRAZ1LE1RA 

bahianos, como entre os seus ascendentes de Guiné, o sacrifício 
chegou a essa phase do seu aperfeiçoamento ou evolução em 
que, instigado pelo desejo de fazer economias, o crente substitue 
o todo pela parte. Isto é, destina-se ao santo o sangue ou uma 
parte das vísceras dos animaes, sendo o corpo servido aos donos 
da festa e seus convidados. Nos catidomblés bahianos, o sacrifício 
varia segundo os recursos do crente e as exigências do ritual, 
desde um boi, uma cabra, um carneiro até uma gallinha ou um 
pombo. Como em todos os sacrifícios, o sangue, na sua quali- 
dade de vehiculo ou elemento essencial da vida, tem para os 
santos negros particular estima e preferencia. 

O animal é conduzido a um lugar de eleição, junto de certas 
arvores sagradas, ou mesmo no recinto do santuário, e ahi é 
sangrado pelo Agosun ou sacerdote sacrificador, que deixa correr 
sobre o fetiche o sangue, que é recebido abaixo em vazos es- 
peciaes. Retira-se então o animal para ser esfolado e aberto. 
Vem por sua vez o pai ou mãi do terreiro e de cada parte do 
animal ou de certas vísceras separa um pequeno pedaço, desti- 
nado aos alimentos especiaes do santo. Com estas partes de es- 
colha, fazem-se bifes, moquecas ou guisados, vatapás ou carurus, 
que são collocados era pratos ou outros vazos junto ao altar do 
santo, ou próximo da arvore onde foi feito o sacrifício. Assim 
em torno ou em frente do altar dos fetiches alinham-se vazos 
contendo sangue, pratos de comidas, tigelas com acaçâs batidos 
e quartinhas com agua. Quasi sempre quando o fetiche é de 
pedra, retiram-no do lugar em que está collocado no altar e dei- 
tam-no de immersao, dentro da tigela que contém o sangue, 
sobre fios de contas e outros objectos considerados sagrados. 
No dia da grande festa de Yê-man-já no Garcia, o sacrifício 
occupa todo o recinto do Peji. 

No centro, dentro de uma grande tigela de tampa, de frisos 
dourados, está o fetiche immerso em sangue de carneiro, em 
torno, em diversos pratos, acaçás inteiros e batidos, sobre folhas 
as entranhas de uma gallinha, e outros vazos com iguarias di- 
versas, mais afastadas ainda as quartinhas de agua de santo. 
O destino dos alimentos de santo é variável. A maior parte das 
vezes fica ali, apodrece, é destruído de qualquer modo ou em 
dias determinados ó substituído por outros. Certamente os negros 



O ANIMISMO FETICHISTA DOS NEGROS BAHIANOS 345 

não acreditam que os fetiches comam os alimentos inateriaes, 
mas que o recebem sob a forma da alma ou fantasma do alimento. 

Tylor nota com razão que quer os mortos, quer os deuses 
são vistos muitas vezes pelos fetichistas, em sonhos ou em 
êxtases religiosos, trazendo os objectos que lhes foram offere- 
cidos em sacrifícios, sob uma forma immaterial em que esses 
objectos seriam inaccessiveis aos mortaes. No emtanto, em certos 
casos os alimentos que serviram ao sacrifício podem ser consu- 
midos pelos crentes. Assim, a agua de santo é tida como dotada 
de grandes virtudes medicamentosas. Mas só o dono do fetiche 
ou o feiticeiro pôde servir-se do alimento, divino. 

Os animaes do sacrifício, afora a pequena porção destinada 
aos fetiches, são consumidos pelos negros. Os pratos dos can- 
domblés são afamados. Os vatapás, os carurus, os acarajés, abarás, 
aberens, moquecas, etc, comidas fortemente acondimentadas e 
gordurosas, em que entram em larga profusão a pimenta e o 
azeite de dendê — , que dão á cozinha bahiana a sua feição tão 
especial e original em todo o Brazil, não são mais do que pratos 
ou iguarias dos candomblés fetichistas. 

Nos grandes terreiros, como os do Etigenho Velho e do Gan- 
tois nesta cidade, a comida é dada liberalmente a todas os vizi- 
tantes. Tenho assistido a esses banquetes em que se expõem 
grandes gamellas, bacias de barro, pratos enormes com comidas 
variadíssimas aos convidados que delias se queiram servir. Isto 
não exclue que haja mesas reservadas para as pessoas de maior 
distincção e que estes manjares convenientemente acondicionadas 
sejam enviados de presentes a casas de famílias. 

Como era de prever, os sacrifícios estão subordinados a 
regras e ritos particulares para cada caso ou santo, o que dá a 
alguns delles feição especial. O sacrifício a Esú, por exemplo, é 
feito nos matos, nas encruzilhadas das estradas quando o can- 
domblé tem lugar no campo; ou ao contrario atraz de uma porta 
si o candomblé se realiza nas cidades. Consiste em matar-se um 
gallo, cujo sangue é recebido sobre o fetiche a que se con- 
sagram ainda os pés, as pennas e a cabeça da ave. O gallo é 
assado e comido fora da casa, no lugar onde se fez o sacrifício. 
As mulheres, porém, nem podem comer da ave, nem são admit- 
tiâas nesta cerimonia. 



346 REVISTA BRAZILEIRA 

Já tive occasião de assistir a um destes sacrifícios, na tarde 
inicial de um candomblé. No ponto em que se cruzavam duas es- 
tradas de rodagem, existia um fetiche Esú numa espécie de 
caramanchão talhado numa touceira de bambus. Informado da 
hora em que devia ter lugar a cerimonia, ali fui ter com um 
amigo quasi ao anoitecer. Encontramos na estrada uma fogueira 
em que quatro negros assavam um gallo já depennado e a que 
tinham retirado a cabeça e os pés. A hora adiantada não nos 
permittia mais verificar o que tinham feito. Voltei no dia se- 
guinte pela manhan. 

O fetiche collocado sobre uma espécie de tamborete de pe- 
quena altura estava coberto com um grande fragmento de pote 
de barro. Aos lados, viam-se a cabeça e os pós do gallo, um acaçá 
dentro da6 folhas que o prepararam, duas quartinhas uma com agua 
e outra com um liquido cuja natureza não pude reconhecer, e uma 
cabaça bem pequenina contendo um liquido e suspensa a um ramo 
próximo. O fetiche literalmente encharcado de azeite de dendê. Na 
entrada do caramanchão estavam depostas as pennas do gallo. 

Não faz parte do sacrifício, como aliás muita gente suppOe entre 
nós, a pratica de feitiçaria que consiste em soltar ou abandonar 
certos animaes e cuja significação é a seguinte : por meio de proces- 
sos mágicos, o feiticeiro fixa a moléstia ou as infelicidades do seu 
cliente em certo e determinado animal, cabra, carneiro, gallinha 
ou pombo ; em seguida abandona o animal expiatório, para que 
alguém delle se apodere e attraia sobre si os males de que elle é 
portador. E' uma pratica de feitiçaria muito seguida na Africa Occi- 
dental, onde o objecto em que se fixa a moléstia toma o nome de 
Ketl 

No emtanto, nem sempre o sacrifício é destinado aos deuses 
ou fetiches. Ha ainda sacrifícios funerários em honra aos manes ou 
almas dos seus maiores. Comprehende-se com facilidade que havia 
de ser principalmente no que diz respeito ás honras fúnebres que 
a imposição das formalidades catholicas ao enterramento dos negros 
suppostos convertidos, devia de alterar de modo mais completo os 
ritos fetichistas dos Africanos. Mas ainda assim, naquillo que lhes 
não podiam tolher ou coagir, no culto ás almas dos seus mortos, as 
praticas fetichistas mantiveram-se firmes apezar da associação que 
soffreram com as praticas catholicas. 



O ANIMISMO FETICHISTA DOS NEGROS BAHIANOS 347 

Hoje apparentemente o enterro de um negro fetichista, mesmo 
de um negro africano, faz-se como um enterro qualquer. Mas nem é 
tanto assim e nem sempre foi assim. O Sr. Dr. Mello Moraes nos dá 
a seguinte descripção, que tomamos a liberdade de simplificar, do 
que foi um enterro africano no Rio de Janeiro. 

€ Os negros no Rio de Janeiro, escreve ò Dr. Mello Moraes l 
(Um funeral tnoçambique em 1880), enterravam os seus de um modo 
completamente particular emquanto ao cerimonial que antecedia ao 
acto da inhumação. Diversificados conforme as tribus, os moçambi- 
ques salientavam-se no apparato fúnebre, a que faziam preceder por 
vezes de outros deveres, dependentes dos recursos pecuniários do 
compatriota morto . Assim quando fallecia um pobre de sua nação, 
os parentes e parceiros o conduziam em uma rode que ficava desde 
ao amanhecer junto do muro de uma igreja ou á porta de qualquer 
venda. Duas negras, de face pezarosa e vestidas de luto, conserva- 
vam-se com duas velas accesas junto á rede funerária, recolhendo 
dos passantes o óbolo da caridade para o enterro, completando 
a somma os compatrícios do defunto que appareciam no momeuto. 

« Não sendo o finado totalmente miserável, possuindo bens ou 
dinheiro, as pompas fúnebres toraavam-se regulamentares, e tanto 
mais ruidosas quando se tratava de algum personagem illustre entre 
elles taes como reis, rainhas e príncipes de raça. Excluindo os 
carregadores da rede mortuária, o mestre de cerimonia e o tambôr- 
mor, o préstito compunha-se de mulheres ou de homens conforme 
o sexo do cadáver. O de pessoas reaes congregava ambos e mais 
ainda as crianças. O acompanhamento era o mais atroador e rude. . . 
A procissão que até a saida do corpo limitar-se-ia a meia dúzia 
de parentes e raros amigos do defunto, desde um pouco adiante 
avolumava-se considerável, por isso que os negros da mesma terra, 
os conterrâneos da mesma pátria o seguiam ás despedidas do capti- 
veiro e do tumulo. 

< A' frente ia o mestre de cerimonia, um pouco mais atraz o 
tambòr-mor, e ladeando a rede coberta com um panno preto sulcado 
de uma cruz branca, a família rodeada de moçambiques, que batiam 
palmas cadenciadas e cantavam os seus lamentos. Segurando dos 



1 Mello Moraes Filho, Festas e tradições populares do Brazil. Rio de 
Janeiro. 



348 KEV1STA BRAZILEIRA 

lados a cortina mortuária, os filhos e os Íntimos caminhavam vaga- 
rosos ao estrondo do tambor que a cada passo fazia-se ouvir ecoando 
lúgubre. Por volta das 5 horas da tarde chegava habitualmente 
o cortejo á Lampadosa. x 

« Estendidos em alas, os ganhadores e as quitandeiras ethiopes, 
com os cestos e taboleiros á cabeça esperavam o préstito que ao 
longe era annunciado por dois sinos. Apenas estes dobravam, os con- 
tristados pretos arriavam no chão as suas cargas, ensaiavam os seus 
lamentos. . . Os convidados da morte, na observância de seus ritos 
solemnes, transpunham o largo do Rocio e entravam na rua do Sacra- 
mento. Com dois lenços vermelhos cobrindo-lhe o peito, de calça 
curta, e de rodilha verde na cabeça, o mestre de cerimonias, rom- 
pendo a marcha, fazia evoluções com uma vara á cadencia das 
palmas que batiam os negros nas calçadas e os acompanhadores. 
Nisto os sinos tangiam pela ultima vez, e o negro do tambor, escan- 
chado em seu bombo, batucava com os punhos cerrados, aproveitando 
o silencio que succedia ao seguimento da rede para o recinto da 
Igreja. 

< Apenas esse féretro aéreo encaminhava-se balouçando, os 
cânticos fúnebres em honra do morto reanimavam-se, as palmas 
reproduziam- se mais acceleradas, o rufar do tambor era mais 
veloz e a rode... penetrava no templo. Depois.'., a calma era 
profunda. E a treva, descendo silente nos braços da noite, velava 
o ultimo soinno do captivo. » 

Bem se vê que esta descripção não é mais do que o fructo de 
uma observação superficial daquillo que a cerimonia devia ter de 
mais exterior. Assim o provam as praticas funerárias ainda hoje 
seguidas pelos africo-bahianos, quando elles já não possuem mais a 
liberdade de enterrar os seus mortos como bem lhes parece . 

Os negros mimdmis revestem os seus mortos de uma túnica 
branca a que chamam de camisa e deitam-lhes em torno da cabeça 
uma espécie de turbante de que cai uma extensa faixa ao longo do 
lado direito do corpo. O cadáver é collocado de lado no esquife e 



} « A Igreja da Lampadosa que em 1830 era servida pelo clero negro e 
pertencia a uma irmandade de mulatos, constituia-se a necropole fidalga dos 
Africanos desta cidade e diante do seu adro vinham parar os fúnebres prés- 
titos, executando o seu ritual lúgubre no meio de alaridos sehagens e de 
dansas funerárias.» 



O ANIMISMO FETICHISTA DOS NEGROS BAHIAN0S 349 

sempre que podem enterram-no com a orientação para o poente. A 
respeito das praticas fúnebres das males e de outras nações africanas 
correm entre os negros versões mais ou menos estranhas de que 
não pude ter ainda informações exactas. Dizem que têm elles, de 
accôrdo com um rito bárbaro, de fracturar todos os ossos longos dos 
membros, e torcer o pescoço do cadáver de modo a dar-lhe a maior 
mobilidade. 

Os outros negros enterram hoje os seus mortos sem outras for- 
malidades especiaes a não ser a de introduzirem no ataúde do morto 
os seus santos ou fetiches si elle não deixa filhos ou parentes que 
se queiram encarregar de continuar o culto do santo. E' tal a preoc- 
cupação e o ónus que accarreta ao iniciado o culto do seu santo espe- 
cial, que os negros têm o maior receio de ficar com santos ou fetiches 
de outras pessoas e em particular de pessoas fallecidas. Entendem 
que do momento que conservam o fetiche alheio, cabe-lhes o dever 
imperioso de occupar-se delle como se occupariam do seu próprio 
santo. E então todos os pequenos contratempos, as moléstias, as infe- 
licidades que experimentam d'ahi por diante são interpretadas como 
uma consequência das faltas commettidas para com o fetiche, que 
ou ficou esquecido, ou não se julga convenientemente tratado. No 
cemitério das quintas dos Lázaros, preferido pelas pessoas pobres, 
encontram-se commummente, por occasiâo de serem revolvidas 
as sepulturas antigas, de envolta com os esqueletos, innumeros 
fetiches e idolos africanos. 

Quando, porém, o morto era iniciado, ou pessoa de sua familia, 
todo o terreiro a que elle pertencia toma parte no luto, comparece 
ao enterro e prepara-se para a missa do sétimo dia. Este acto da 
religião christan pôde, no emtanto, não ter lugar nesse prazo e sim 
numa época mais ou menos remota, muitos mezes depois, quando 
a familia tem adquirido os meios de fazer o candomblé funerário. 
Manda-se então dizer uma missa a que comparecem todos os 
membros do terreiro, parentes e conhecidos. 

Não ha nesta cidade quem não se tenha encontrado com um 
desses grupos enormes de Africanos, seus descendentes e amigos, ao 
sair de uma igreja onde mandaram rezar a missa pelo seu morto. 
O grupo é tão especial que prende forçosamente a attenção. D'ahi 
dirigem-se directamente a um candomblé funerário, cuja importância 
depende dos recursos da familia. Este candomblé dura em geral um 



350 REVISTA BRAZILEIRA 

ou dois dias, dansa-se e fazem-se nelle sacrifícios á alma do morto e 
aos santos. E' muitas vezes nesta occasiáo que se dá destino aos 
santos e paramentos do morto. Um pai de terreiro afamado sabendo- 
se sem descendentes, havia pedido que por sqa morte parte dos or- 
natos do seu Peji fosse exposta numa arvore sagrada da vizinhança 
e a outra parte juntamente com os seus santos fosse lançada num 
rio próximo. Depois de um grande candomblé funerário, alta noite, 
foram os seus discípulos ou filhos de santo satisfazer-lhe a ultima 
vontade. Mas a maré estava ainda a prêa-mar, de sorte que as peças 
foram lançadas na praia e com a vasante ficaram pela manhan a 
descoberto. Um meu amigo mandou recolhel-as e, tendo lavado 
algumas, m'as enviou. Offereci-as ao museu de medicina legal da 
Faculdade, onde se acham actualmente. Constam de uma haste de 
ferro de uns trinta centímetros de comprimento adorada como fetiche 
de Ogun, uma tosca espada de ferro, das mesmas dimensões e do 
mesmo santo ; um avental vermelho bordado de busios da Costa, de 
Sangô e uma peça incompleta de Vso-osi, pequeno disco de ferro a 
que se prende por três digitações um cabo do mesmo metal com uns 
vinte e tantos centímetros de comprimento. Sobre o disco devia 
haver uma espécie de pomba, que não existe mais. N&o consegui 
apurar, porém, si a vontade do pai de terreiro tinha sido manifestada 
em vida, como affirmaram os seus discípulos, ou si por invocação 
e possessão de algum santo, como acontece muitas vezes e tenho 
motivos para crer que tivesse succedido neste caso. 

As idéas que fazem da outra vida os africo-bahianos é eviden- 
temente inspirada pelo ensino e a convivência dos catholicos. 
Sempre que os interrogo a este respeito encontro nelles a idóa ou 
pelo menos o conhecimento de uma outra vida de recompensa 
para os bons e de castigos para os maus. A maior parte dos 
Africanos não sabe para onde vão as almas do outro mundo, mas 
quando se insiste com elles declaram que ellas vão para o céu ou 
para o inferno. Apenas em alguns negros que estiveram por muito 
tempo na Africa se encontram idéas da celebre instituição dos 
Mun&an-Jumban, destinada a castigar e corrigir as mulheres. Um 
delles me dizia que de almas do outro mundo só havia de es- 
pecial na Africa uma maçonaria em que as mulheres não podiam 
tomar parte e em que a alma apparecia e passeiava pela cidade 
muito a sua vontade . Mas que não me podia dizer os segredos da 



O ANIMISMO FETICH1STA DOS NEGROS BAHIANOS 351 

maçonaria porque os homens que os revelassem seriam severamente 
punidos por processos mágicos, estivessem onde estivessem. 

Todos os candomblés tèm uma feição commum, mas as praxes 
e a organização da festa varia consideravelmente de terreiro a 
terreiro. O terreiro do Gantois faz a sua grande festa annual em 
fins de setembro, a começar de um sabbado, e de ordinário a pro- 
longa por um mez. Á mái de terreiro Júlia, velha africana, trans- 
fere-se para ali na sexta-feira afim de preparar e armar o Peji e 
dispor tudo para o candomblé. Assiste-a immediatamente sua filha 
Pulcheria. Sabbado á noite começam os preparativos; domingo 
pela madrugada vão as filhas do santo buscar a agua sagrada em 
grande romaria a uma fonte próxima. Em vasta gamella, collocada 
em frente ao barracão, deita-se esta agua em profusão tal que 
chega a formar pequeno regato pela ladeira abaixo . Esta agua é 
destinada a lavagem de santos e a encher os potes e quartinhas 
do PejL 

Para a tarde a influencia da população ao terreiro é enorme. 
Tanto para o terreiro do Gantois como para o do Engenho Velho, 
tenho ouvido avaliar a concurrencia, nos dias principaes, em muitos 
milhares de pessoas. E' fora de duvida que o acréscimo de movi- 
mento nas linhas de bonds urbanos torna-se nestes dias muito 
sensível. Sob o titulo Candomblé escrevia o Diário de Noticias, desta 
cidade, a respeito de uma das ultimas festas do Gantois : « Commu- 
nicam-nos que ha seis dias está funccionando, no lugar denominado 
Gantois, um grande candomblé. Os bonds da linha Circular e Trans- 
portes passavam, depois de meio-dia até ás cinco horas da tarde, 
cheios de povo que para ali tem affluido. > Este tópico referia-se á 
festa de Oso-osi na quinta-feira do candomblé. 

Feito domingo á tarde ou á noite o sacrifício propiciatório a 
E$ú, começam as festas sagradas com a seguinte destribuição : 
segunda-feira, consagrada a Esú ; terça- feira, a Osumanrê ; quarta- 
feira a Sangô ; quinta-feira, a Oso-osi; sexta-feira, a Oubatalá ; ou 
Orixa-lá; sabbado, a Osuguinan; domingo, a todos os santos 
ou orisás. 

Respectivamente nos dias correspondentes da semana seguinte 
se repetem as festas com outros sacrifícios, mudança de comida e 
de agua de santo. No em tanto, em alguns destes dias se podem 
festejar ao mesmo tempo vários santos, que as mais das vezes não 



352 REVISTA BRAZILEIRA 

são sinão nomes differentes ou invocações diversas do mesmo perso- 
nagem divino. 

Á musica e os cânticos não são contínuos durante todo 
este tempo. Grande parte do dia passam as negras em sambas 
e dansas destituídas de caracter religioso. Nos grandes dias de 
festas exhibem danças <Je fantasia, muito ao sabor da nossa 
população que não perde ensejo de repetil-as durante o anno. 
As raparigas com vestimentas de cores vistosas, trazendo oa 
clássicos turbantes e pannos da Costa, pulseiras colossaes e 
grandes voltas de ouro em torno do pescoço, dansam com quar 
tinhas douradas na cabeça, simulando a romaria á fonte sa- 
grada. 

Ao contrario destas dansas que se fazem ao ar livre, debaixa 
das grandes arvores do terreiro, as dansas sagradas se realizam 
quasi sempre na sala principal do barracão. Regulam-nas a hie- 
rarchia dos santos e a dos sacerdotes. Quasi sempre quem estréa 
é uma das dignidades que mais se tornam respeitáveis já pelo saber 
em coisas fetichistas, já pela idade, já pelo caracter de visitante 
ou hospede. Outras vezes as figuras da dansa não são isoladas, ao 
mesmo tempo occupam o circulo de dansa formado pelos especta- 
dores, muitas filhas de santo que marcham em grande roda umas 
atraz das outras e cada qual fazendo maiores tregeitos com 
o corpo, ao mesmo tempo que acompanham o compasso do ba- 
tucagê com movimentos alternados de elevação e abaixamento 
dos braços, mantidos os ante-braços em meia flexão. Este acom- 
panhamento é tão característico das dansas sagradas que nem só 
figura em todas as marcas, como ainda não ó difficil nem raro ver 
entre os espectadores muitos que, inconsciente e talvez mesmo 
involuntariamente, acompanham nesse compasso as diversas evo- 
luções da dansa. De ordinário, as filhas de santo, no meio da 
excitação que produz a dansa, saem de vez em quando do circulo 
para vir abraçar e cumprimentar a mãi de terreiro e as outras 
dignidades sacerdotaes, sem todavia perder o rhythmo dos movi- 
mentos e o compasso da musica. Estes cumprimentos variam muito 
de forma; simples abraços, applicação da face de um e outro lado 
da face da pessoa cumprimentada, um pouco á guiza dos ósculos 
porque se cumprimentam as senhoras da nossa sociedade, outras 
vezes se prostram no chão, abraçam os pés da mãi de terreiro de 



O ANIMISMO FKTICHISTA DOS NEGROS BAHIANOS 353 

um e outro lado, ou no Peji applicam a face no solo successiva- 
mente de um e de outro lado. 

No Gantois, o candomblé termina sempre por uma missa man- 
dada dizer ao Senhor do Bomfim na ultima sexta- feira e com um 
almoço final no domingo seguinte. 

Taes são em largos traços e nas suas grandes linhas a religião 
e o culto fetichista dos africo-bahianos no que elles conservaram 
de quasi puro das suas tradições africanas. 

Não está ahi por certo, uma exposição completa, em todo o 
rigor, das minudencias do culto, extreme de uma ou outra inter- 
pretação menos exacta. Muito mais fora necessário para conhecer 
a serie interminável dos orisás e todas as particularidades dos 
differentes ritos. Não sei mesmo si um conhecimento assim com- 
pleto da mythologia africana no Brazil seja coisa exequível e 
mais do que uma simples aspiração. A própria mythologia yorubana 
confunde-se com o vago do fetichismo ou animismo diffuso e 
incoherente de que ella mal emerge e em que apenas se esboça. 
Não será fácil, portanto, descobrir-lhe limites ou contornos bem 
definidos, nem muito menos buscar ahi um corpo qualquer de 
doutrinas, systematizado e fixado pela escriptura, como nas grandes 
religiões polytheistas e monotheistas. Como quer que seja, este 
estudo basta aos intuitos com que foi feito, pois delle decorre de 
modo indiscutível que o fetichismo africano, organizado em culto 
mais ou menos completo, ainda hoje persiste na Bahia tal como 
existe na Africa. 

De passagem e ligeiramente indicarei, todavia, aos ethnographos 
brazileiros um ponto digno de ser apurado convenientemente. 

E' opinião que tenho visto sustentada por autores pátrios de 
nomeada que os negros africanos vindos para o Brazil perten- 
ciam ao grupo bantú ou cafre. Ora, a religião dos africo-bahia- 
nos torna esta opinião muito discutível e carecedora de revisão 
pelo menos para a Bahia. A primeira opposição a esse modo de 
ver está no numero de negros mohometanos existentes neste es- 
tado. Esse numero foi muito avultado na antiga província e o pres- 
tigio que adquiriram os filhos de uma nação africana superequa- 
torial, Haussá, foi tão grande que obrigou o governo brazileiro 
a tomar medidas de alto rigor como fosse a deportação dos males 
libertos para a Africa, decretada em 1858. 

23 TOMO VII — 1896 



354 REVISTA BRAZILB1RA 

Ora, os negros bantús foram chamados cafres (kafflrs, infiéis) 
pelos árabes, precisamente para significar que elles não se tinham 
cónyertido ao Islamismo. Demais é fácil seguir em qualquer 
carta geographica africana os limites das regiões convertidas ao 
Islamismo na Africa, limites que estão muito acima dos negros 
súbequatoriaes ou bantús. 

Depois, a mythologia de yorubá e jebús, nações africanas 
superequatoriaes, tão bem organizada no seu culto na Bahia e 
t&o geralmente seguida pelos africo-bahianos, ainda vem contra- 
pôr-se áquella opinião mesmo para o caso dos negros não con- 
vertidos ao Islamismo. Realmente a julga* pelos autores que 
pude consultar o fetichismo dos bantús é muito mais simples e 
rudimentar do que o dos negros da Africa Occidental. Salientando 
a intelligencia de que são dotados os negros bantús, o Dr. Letour- 
neau insiste sobre a ausência ou pelo menos a inferioridade da 
sua concepção mythologica. « Como se devia esperar do que 
precede, escreve elle *, a imaginação mythica dos cafres é 
muito indigente. A maior parte dos seus deuses, melhor dos seus 
espíritos, procede directamente das idéas de todo primitivas que 
têm a respeito da sobrevivência das sombras. » Mais adiante, em 
contraposição aos cafres, elle salienta a preponderância mythica 
no animo dos negros da Africa Occidental. « Na Africa Occiden- 
tal, escreve elle, o animismo primitivo é mais desenvolvido. 
Nessas regiões onde a vida do homem é coisa tão precária aos 
pobres indígenas são muito dispostas a attribuir um poder sobre- 
humano ás coisas e ás pessoas... Foi para essas populações da 
Africa Occidental que se inventou a palavra « fetichismo » . De 
facto, é nesta região que se vai encontrar como na Bahia, as casas 
fetiches ou IarârOrisás, a feitiçaria se organizando em culto, o 
fetichismo diffuso se constituindo em mythologias rudimentaes, a 
idolatria em via de progresso, etc, etc. 

Debalde procurei entre os africo-bahianos idéas religiosas 
pertencentes aos negros bantús. Até hoje não conheço um só negro 
que faça idéa siquer do que seja o morimo ou o Unkúlunkúlú, dos 
Amazulús. Não pretendo que não existam na Bahia negros bantús, 



1 Letourneau, Vévolution religieuse dam les diverses races htmaines, 
Paris 1892, pag. 69. 



O ANIMISMO FETICH1STA DOS NEGROS BAHIANOS 355 

mas apenas que a julgar pelas formas religiosas persistentes nSo 
constituíram a procedência principal dos negros importados pelo 
trafico. 

Conviria apurar, pois, donde provém a contradição apon- 
tada. Para isso, porém, fora mister compulsar documentos e 
remontar a investigações de todo estranhas á indole e natureza 
deste trabalho. Outros mais competentes dar-lhe-fto sem duvida 
a solução desejada. 

Dr. Nina Rodrigues 



ALMA 



(DO POEMA « DONA MYSTICA » ) 



Et ascendit super cherubim, et volavit : volavit 
super pennas ventorum. 



I 



Na solidão suprema dos conventos, 
Em hora. de pavor tão so cegadas, 
Vêm-se passar fantasmas somnolentos, 
Vultos de Freiras mortas que são Fadas. 

Soluça a paz dos grandes monumentos, 
Debruçados á beira das estradas; 
Sombras de luto, pelos lutulentos 
Caminhos, choram maguas já choradas. 

Vozes de alem, pungentes de mysterio, 
Cantam: e os sinos dobram nas ermidas, 
Acompanhando o canto-chão funéreo... 

(Brancas visões remotas, enfadonho 
Enterro infindo de illusões queridas, 
Na solidão suprema do meu Sonho! ) 



ALMA 357 



n 



Envolvesse-me a santa beatitude 
Dos olhos que chorei por não mais vel-os, 
E os remorsos que adevinhar não pude 
Talvez surgissem de eriçados pêlos. 

Bem pôde. ser que a Virgem da virtude, 
Neve na face, occaso nos cabellos, 
Viesse mostrar-me a sombra que me illude, 
Cortejada por' tantos pesadelos. 

E a beatitude desses olhos, casta, 
Purificando a culpa que me exila, 
Dar-me-ia o Reino que de mim se afasta. 

E sem mancha, a minha Alma, que o Céu guarde, 
Bem pôde ser que voasse na tranquilla 
Dolência conventual do fim da tarde... 



m 

Lábios formados para a prece, face 
Affeita á luz dos círios, e tão brando 
Olhar, ás vezes quem a contemplasse, 
Si não chorasse, ficaria orando... 

E sempre, triste como o luar que nasce, 
A erma expressãp do rosto miserando 
Contemplava-se: e então, como eu a amasse, 
(Celestial. .. ) surprehendia-me chorando. 

Oh! Senhora das Dores, que saudade 
Não tenho delia ao ver a vossa gloria, 

Cheia de bênçãos e de claridade ! i 

i 
Longe do Céu, foi rápida e sombria, i 

Como succede aqui, a sua historia : I 

Morreu, e bem sabeis porque morria... 



3*8 REVISTA BRAZILEIRA 



IV 

A pallidez de algumas Virgens clama 
Por uma vida que será tranquilla. 
(Si a voz, que por aqui passou, vos chama, 
E' bom que vades para bem ouvil-a. . . 

A perfeição, que de astros se recama, 
Dentro de nós por tal Amor scintilla ' 
Nada melhor que o Céu para quem ama. . . 
E' a voz de Deus, e bem podeis seguil-a. ) 

Dessas Virgens tu és quem mais espera. . . 
Nenhuma tem a cto do teu semblante, 
Nem o pezar de amor que te macera. 

O teu olhar é de quem tem saudades : 
Recordas- te talvez da vida errante 
Que viveste no caos de outras idades... 



Que olhar de Monja em longa penitencia 
O olhar daquelles olhos macerados! 
Pairava-lhe talvez na morna essência 
Uma Alma carregada de peccados. 

Para que mundos, para que existência, 
Tão além desta vida, eil-os voltados! 
Oh inaccessivel, mystica dolência 
De uns olhos a sonhar outros noivados... 

Voz do passado, som que resuscita! 
Olhar t&o cheio de palavras mortas 
D*aqui por certo que não pôde ser... 

Alma, para me ver, Alma bemdita, 
Põe-te de luto nessas duas portas 
Com uma tristeza de quem vai morrer. 



ALMA 359 



VI 



Outro, não eu, estranhará que admires 

A grande luz daquelle olhar pungente 

Que tem todas as cores de um arco-iris : 

Que estranhe quem não ama e quem não sente» 

Nem tu rirás, por certo, si me ouvires 
Fallar de uns olhos religiosamente : 
Isis, a deusa casta, e o fulvo Osíris 
Deram-lhes toda a profundez clemente. 

Olhar de amor, luares de lua... Vivo 

A vida excelsa de um contemplativo 

Os pés na terra, a Alma pairando no ar. . . 

Ha mulheres que a gente diz ao vel-as : 
Olhos cheios de nuvens e de estrellas... 
Vive com Deus quem tem o Céu no olhar. 



vn 

Piedosa: o olhar nunca baixou á terra. 
Fitava o Céu porque era pura e santa... 
Tinha o orgulho fidalgo de uma Infanta 
Qu? entre escudeiros e lacaios erra. 

Deusa nenhuma, por mais alta, encerra 
Em si, talvez, misericórdia tanta: 
Ainda hoje na minha Alma se alevanta 
Como uma cruz no cimo de uma serra. 

Foi-lhe a vida um eterno mez de maio, 
Cheio de rezas brancas a Maria, 
Que ella vivera como num desmaio. 

Tão branca assim! Fizera- se de cera... 
Sorriu-lhe Deus, e ella que lhe sorria, 
Virgem voltou como do Céu descera. 



360 REVISTA BRAKILE1RA 



vin 

Olhos sacramentaes, olhos contrictos, 
Onde soluçam maguas e pezares, 
Sonhando o Céu miseramente fitos 
No occulto resplendor de outros Altares: 

Olhos sacramentaes, olhos bemditos, 
Tao alheios á dôr dos meus olhares, 
Tfto cheios dos mysterios infinitos 
Das horas de paixão crepusculares : 

Olhos que reflectis velhas memorias 
Dos séculos da Crença e dos Martyrios, 
Insensíveis ás coisas transitórias: 

Olhos sacramentaes, etherizadoò, 

E que esperais por mim como dois cirios, 

Quando ouvirei os dobres dos finados? 



Alphonsus DE GtriMARÃKS 



O MINISTÉRIO PARANÁ* 



III " 

A REFORMA ELEITORAL 

A sessão de 1855 é para Nabuco, principalmente, a da reforma 
hypothecaria e para o ministério a da lei eleitoral. Acompanhare- 
mos mais longe a sorte daquella reforma apresentada na sessão 
de 1854. A reforma eleitoral iniciada por Paraná no Senado n&o era 
sinão o projecto do gabinete Paula Souza, que este não pudera fazer 
passar. A eleição por círculos de um deputado era a idéa fixa de Pa- 
raná; não é preciso procurar para explicara sua reforma nenhum ex- 
tratagema de agradar aos Hberaes, 2 basta a fascinação que a idéa 
dos círculos tinha produzido nelle. Elle estava prompto a aceitar a 
eleição directa uma vez que tivesse o circulo (Discurso de 8 de agosto). 
Era a mesma confiança que vimos em 1880 no Sr. Saraiva, de que a 
mudança do systema de voto, havendo sinceridade no governo, 
daria a verdade das eleições. No senado, Paraná encontrou a oppo- 
sição de Eusébio e de Olinda, e dos conservadores doutrinários. 
< Essa reforma eleitoral, disse mais tarde um jornalista do Norte, o 
Sr. Feitosa, era dominada pelo principio opposto ao que predomi- 
nava no projecto de reformas do Sr. ministro da justiça, pois em- 
quanto este reforçava o paiz official e dava uma acção mais decidida 
ao que elle chamou principio da autoridade, aquella pelo contrario 



1 Veja a Revista de 1 de agosto e 1 de setembro. 

2 F. Belisario, O Systema Eleitoral no Brazil, pag. 63. 



362 REVISTA BRAZILE1RA 

reforça o paiz real, dá vigor ao principio territorial e descentralisaudo 
a acção do poder é diametralmente adverso ao tal principio da auto- 
ridade.» 

€ Foi uma batalha, continua elle, immensa e magestosa na qual 
se viram de um lado o Sr. marquez de Olinda, o Sr. Eusébio e outros, 
e do outro o Sr. marquez de Paraná com os defensores da causa ter- 
ritorial. O Sr. marquez de Paraná auxiliado com a égide imperial, 
com o prestigio do poder e desenvolvendo toda a força de sua von- 
tade, triumphou, e com elle triumphou a causa territorial contra o 
entrincheiramento á beira mar do velho regimen. Á camará tempo- 
rária, filha quasi toda do sys tema de compressão, quiz revolver-se, 
mas uma palavra forte do presidente do conselho a fez entrar no 
exame de sua situação e a grande lei passou. E 1 fácil de ver o terreno 
que perdeu o velho regimen e quanto adiantou-se a monarchia para 
a causa nacional . > 

A opposição do senado era baseada, além dos pretextos constitu- 
cionaes que a acobertavam, no receio de que a eleição por círculos 
viesse destruir a disciplina, a oohesão dos partidos e por outro lado 
rebaixar o nivel intellectual e politico do parlamento. < Os deputados 
e senadores, dizia a commissão do Senado, não sairão mais dentre 
as pessoas notáveis e bastante conhecidas para se fazerem aceitas 
por uma província inteira ; os empregados subalternos, as notabili- 
dades de aldeia, os protegidos de alguma influencia local, serão os 
escolhidos. » Paraná não se preoccupava disso ; queria a represen- 
tação do paiz real; que a eleição fosse uma verdade, a expressão 
das maiorias locaes, fosse quem fosse o deputado. Nabuco era por 
indole mais inclinado a desejar uma camará de homens capazes, 
eleitos como quer que fossem, do que uma camará verdadeira, mas 
incompetente para a funcção legislativa. Elle propunha em con- 
selho uma transacção, os districtos de três, mas o presidente do 
conselho queria a physionomia fiel e exacta do paiz no parla- 
mento. Na Camará a lei encontrava grande resistência, os libe- 
raes pediam-n'a, mas grande parte da maioria lhe era contraria. 
Amigos da situação, como Zacharias, Saraiva, tiveram que se 
separar. 

Na sessão de 27 de agosto Paraná estabelece a questão de 
confiança com a franqueza imperiosa, a seccura de frase que lhe 
é própria : « Não duvido que o projecto seja uma embaçadéUa para 



O MINISTÉRIO PARANÁ 363 

aquelles que se queiram salvar sobre a chusma, para os que não 
pudessem apresentar-se isoladamente a um circulo. Mas aquelles 
que dispuzerem de influencia legitima, jwdem-se apresentar pelo 
mesmo modo. As chusmas, senhores, convém muito a alguns, 
porque é verdade que sendo eu eleitor, tendo de votar sobre 10 ou 
12, e examinando uma chapa de 20, posso deixar escapar um ou 
outro de menos capacidade : mas quando se votar sobre um só, hei 
de escolher com cautela, hei de votar com escrúpulo, procurando 
que aquelle a quem tenho de dar o meu voto reúna as qualidades 
precisas para ser votado. . . Eu não inhibo ao governo de se inte- 
ressar por eleições sinceras e livres ; o que não permitto ao governo 
são as fraudes, as trocas, e a immor alidade. O governo é assaz 
interessado na marcha da sociedade para ser desinteressado nas 
eleições... Conheço que a solução da questão por meio do adiamento 
é indirecta, mas eu a tornarei directa : os nobres deputados que se 
pronunciem do modo que lhes parecer preferível, porque eu aceito 
todas as soluções. > 

A opposição liberal apoia triumphante o projecto, que lhe 
dará pelo menos a minoria, a conservadora propala, como em 1871 , 
que se faz uso da vontade do Imperador para arrancar votos, 
c Os dilettanti do Rio de Janeiro, dizia Araújo Lima, servindo-se 
de uma impressão da época, a raça degenerada do baixo Império, 
retiram os cavallos, prendem os tirantes aos pescoços, e puxam 

os carros triumphaes de suas cantoras e bailarinas Votando 

pela reforma eu faria tão triste papel, tiraria o carro triumphal dos 
meus adversários. . .» 

Paraná teve um encontro com o relator da commissão, que era 
Zacharias, na sessão de 28 de agosto . Dizendo Zacharías — : < A 
commissão prescindiu do direito que lhe competia de estudar o pro- 
jecto mais pausadamente, » Paraná interrompe-o vivamente : «Eu 
viria á Camará pedir urgência, não esperaria pela apresentação do 
parecer da commissão. > — O incidente continua assim nos Annaèa : 
c O Sr. Zacharias : — Não passe despercebida, Sr. presidente, a 
declaração do nobre presidente do Conselho ! — O Sr. presidente do 
conselho : — Sim, senhor, eu não a Hz para que ficasse occulta. Si 
a commissão não quisesse dar seu parecer em tempo de se poder 
discutir nesta sessão, eu viria á Camará e proporia a urgência. > 
E mais este aparte de Paraná: « Esta opinião vem daquelles 



364 UEV1STA BRAZILE1RA 

que não são capazes de afrontar uma prova da eleição por circulo, 
por que são deputados de enxurrada. » Por 54 votos contra 36 
a Camará decidia-se pelo projecto. Ferraz figura do lado do 
governo. 

A sessão foi bastante trabalhosa para Nabuco. Ferraz, em 26 
de junho, procura explorar as divergências de que se falava entre 
o ministro da justiça e Paraná. Para isto desfaz-se em amabilidades 
com aquelle, criva este de illusões mordentes, ao fazer o retrato 
dos homens políticos do tempo -. 

c Parece-me que o ministério da justiça está em uma verda- 
deira crise, creio que é lançado aos lobos e com razão, porque o 
nobre ministro tem-se avantajado muito.., Senhores, o homem que 
trabalha, que estuda no nosso paiz, não pôde viver muito bem com 
os dominadores da época, ha de resignar-se á sua sorte, porque os 
nossos velhos que estudaram de 1826 a 1832 contentam-se com o 
que então estudaram, entendem que depois disso nada ha melhor... 
elles não estudam. Vai-se á casa da maior parte dos nossos esta- 
distas, com excepção de alguns que capricham em andar ao par 
da sciencia, e no seu gabinete se vê apenas uma estante deserta, 
ás vezos dois guarda-louças pequenos com algumas brochuras, 
talvez esses Relatórios que aqui se distribuem. Esses homens que 
não estudam, que não lôm nada, mas que têm uma memoria e um 
ouvido muito felizes, qnando qualquer rapaz como o nobre minis- 
tro da justiça, apezar dos seus quarenta annos, quer fazer essas 
íilistrias de regulamentos, etc, dizem: « Não, você vai muito 
longe, não tem licença de saber mais do que nós, é preciso con- 
ter-se.» Diz que a reforma judiciaria está no Senado « feita roupa 
de francezes, cada um tira-lhe o seu naco . . . > ; «o que se nota 
no nobre ministro é ser um pouco reformista >, e acaba o discurso 
aconselhando que se estude : — « Estudemos todos, e,'ao homem com 
talento que mais se distinguir no paiz caiba a gloria de dirigil-o. 
Mas querer dirigir o paiz pelo seu ego ! 1 Não, o nosso tempo não 
tolera isso. » 

A discussão mais acalorada versava sobre a Conciliação, o modo 
porque ella era entendida pelo governo. A opposição fingia vôr nas 
acquisições que o governo fazia corrupção politica. Salles Torres- 
Homem, que fora um dos preparadores da situação, entrava para 
o thesouro, era um conciliado, na intenção vulgar da palavra. Não 



O MINISTÉRIO PARANÁ 365 

esqueciam o LibeUo do Povo, nem se comprehendia que, amadu- 
recendo rapidamente, um grande talento como o delle pudesse de 
um dia para o outro tratar como declamação rhetorioa sem valor 
politico o pamphleto que escrevera. 1 

Um dos mais curiosos incidentes que essas questões pes- 
soaes produziram foi o que se deu entre Justiniano José da 
Bocha e o presidente do conselho. Aquelle havia num discurso 
brilhante, ainda que descurado, desigual, atacado o gabinete. 
Paraná não acreditou que a defecção do jornalista do governo fosse 
sincera; viu nessa transição brusca motivos occultos e tratou com 
dureza o seu incensador da véspera. «E' tão flagrante a contra- 
dicçáo em que o Sr. deputado se acha comsigo mesmo, que longe de 
ter eu de justificar o governo perante o Sr. deputado, é elle que se 
tem de justificar da phase tão extraordinária, tão inexplicável que 
apresenta. Eu portanto dispenso-me de mais longa resposta. > 

Ferraz acudiu em defesa do seu novo soldado : c Será de chefe 
de um partido injuriar a um seu correligionário que, apartando-se da 
nova politica, no seu discurso guardou a maior moderação, respeitou 
as convicções ? Quem vos crerá de agora em diante ? No momento 
em que se apartarem de vós, essas caricias que hoje despendeis, 
essas promessas que tendes feito, tudo, tudo será lançado no tapete 
desta sala. ( Sensação, susurro ). Quem vos crerá ? Dizei ! > 

J. J. da Rocha teve que vir a tribuna defender-se, explicar-se, 
e pronunciou, ás vezes entre soluços que não podia conter e ás vezes 
entre risadas da Camará, um dos mais singulares e commoventes dis- 
cursos que se encontram nos Annaes. Contou o que tinha sido a sua 
carreira de jornalista desde os Regentes, como auxiliava o governo, 



i A politica da Conciliação foi sempre muito favoravelmente julgada pelos 
liberaes. Martinho Campos em 1859 não tinha sinão louvores para o pensa- 
mento de Paraná ao abrir aos adversários as portas da administração e do 
Parlamento, isso que no tempo se tinha chamado corrupção. « Politica de 
conciliação, dizia elle, foi aquella que o ministério Paraná fez e executou, 
dando ao paiz o exemplo de chamar para o seu lado a V. Ex. (Paranhos); 
chamando para o tbesouro pelos seus talentos o actual Sr. ministro da fazenda 
(Salles)... ,0 Sr. Silveira Lobo :— Quebrando o circulo de ferro que então 
existia...) Foi aquella que o Sr. marquez de Paraná poz por obra promul- 
gando a reforma eleitoral, com a qual muitos brazileiros, como V. Ex, j'i 
ouviu desta tribuna, tiraram carta de naturalização. (0 Sr. Silveira Lobo:— 
Apoiadissimo).» 



366 REVISTA BRAZILE1RA 

como o haviam retribuído. Eis um trecho dessa confissão geral, como 
é contado pela tachygraphia : 

« A's vezes, senhores, eu que tinha família, e família numerosa 
(o orador começa soluçando), pois que além de ter Deus abençoado o 
meu consorcio com numerosa prole, também a desgraça veiu pairar 
sobre a minha família, levando-me meu pai... (A voz do orador fica 
suspensa pela commoção, e vários Srs. deputados lhe dirigem palavras 
conscfadoras). Então o Sr. Paulino, em remuneração do trabalho 
insano da sustentação de um periódico, dava-me de vez em quando 
um papel dobrado e nelles algumas notas de 200$. ( Oorador continua 
em prantos. ) E, senhores, (com força), eu vivia com família nume- 
rosíssima, e digo esta verdade, que não me pôde ficar mal (apoiados), 
nunca me suppuz rebaixado quando o Sr. Paulino, em troca de um 
trabalho aturado de 14 horas, me dizia : — Rocha, aqui tens. 
( Apoiados ) . > 

Aqui está outra curiosa iUustração dos nossos costumes políticos. 
EUe conta como em 1836 fundara o Chronista com Josino do Nas- 
cimento Silva e outro ( Firmino Rodrigues Silva). Chegou para a 
reacção o dia do triumpho :... cNós três abundávamos nas idéas do 
ministério, sustentávamos a luta na imprensa, e nesse tempo nem 
um favor ministerial me foi feito, nem nós pensávamos em favores 
ministeriaeB... E já que falo nisto, vá uma pequena revelação. Dis- 
tribuiam-se africanos, e estava eu conversando com o ministro que os 
distribuía, e S. Ex. me disse : c Então, Sr. Rocha, não quer algum 
africano ?> cUm africano me fazia conta», respondi-lhe. « Então por- 
que o não pede? > « Se V. Ex. quer, dê-me um para mim e um para 
cada um dos meus collegas. » (Risadas) O ministro chamou imme- 
diatamente o official de gabinete, e disse-lhe : « Lance na lista um 
africano para o Dr. Rocha, um para o Dr. Fulano e outro para o 
Dr. Fulano. » 

Referiudo-se á sua separação do gabinete Paraná ao qual havia 
até então sido fiel, explicou-a deste modo :— « Si as delicias do 
ouro comprado por vilania, si as delicias do ouro havido pelo avil- 
tamento da intelligencia me pudessem dominar, que me importava 
que o governo offendesse tal ou tal instituição ? O que tinha eu com 
isto ? Mas, não ; no dia em que a minha consciência não pôde ir com 
o governo separei-me delle. Eu poderia invocar o testemunho de um 
nobre ministro, de um nobre ministro que sempre me honrou com a 



O MINISTÉRIO PARANÁ .367 

sua amizade, de um nobre ministro por quem sempre tive sympathia, 
e com o qual sinto que a posição excepcional em que nesses debates 
me collocou o Sr. presidente do conselho me obrigue a interromper, 
acredito que temporariamente, velhas relações ; eu poderia invocal-o 
para que declarasse quantas vezes lhe disse : « Isto não pôde con- 
tinuar assim, eu me retiro. » Mas essa mudança não pôde ser re- 
pentina, foi lenta, amargurava-me e por fim separei-me. » 

O ministro a quem J. J. da Rocha assim se referia era Nabuco. 
Por vezes o ministro da justiça havia mandado entregar a Bocha, 
como fizeram Paulino e Eusébio, pequenas quantias para a susten- 
tação de sua folha e o chefe de policia tinha os recibos dessas 
sommas.O presidente do conselho uma vez pediu-lhe esses recibos e 
elle formalmente os negou; insistindo Paraná em declarar na 
Camará que Rocha recebera dinheiros da policia, Nabuco chegou a 
dizer ao presidente do Conselho que si tal fizesse elle se viria 
forçado a affirmar o contrario. Passado o primeiro Ímpeto, Paraná, 
generoso como era, desistiu da idéa e depois das revelações de 
J. J. da Rocha na Camará deu em termos dignos uma satisfação 
ao seu collega offendido, explicando as palavras que o haviam ma- 
goado pela emoção da separação injustificada de um aUiado prestimoso. 

A questão da subvenção á imprensa é uma das mais delicadas que 
se podem dar para um ministro. Nas contas da verba secreta dos 
differentes ministérios a que Nabuco pertenceu (1853—1857, 1858 — 
1859, 1865—1866), ha recibos de jornalistas a quem o governo 
auxiliava. Não era esse serviço nada comparável ás grandes despezes 
que foram feitas em época posterior com o systema dos a pedidos e não 
tinha seguramente o caracter de uma compra de consciências. Obede- 
cia á necessidade de defesa que as administrações todas sentiam. Pa- 
raná confessou (26 de maio de 1855) que o seu ministério não era diffe- 
rente dos outros nesse ponto : « O Sr. deputado reconhece que é sabido 
geralmente que em toda a parte onde ha systema representativo o 
governo não pôde durar muito lutando com a imprensa, si em face 
dessa imprensa não houver quem o defenda, quem o justifique e 
quem explique a sua politica. (Apoiados). E' sabido, e o Sr. depu- 
tado o assignalou, que essa tarefa de que acabo de falar custa sacri- 
fícios que não são lucrativos, e por conseguinte é necessário que essa 
tarefa seja recompensada. Não pretendo que o meu ministério seja 
differente dos outros. > 



368 REVISTA BRAZ1LE1RA 

A defesa da politica do ministério na Camará cabia principal- 
mente a Nabuco. Mais uma vez em 1855 elle teve que justifical-a. 
O seu principal discurso foi o de 29 de maio em resposta a J. J. da 
Rocha. Foi nesse discurso que elle falou da «bandeira de Vassouras. > 
Á expressão foi tomada como desdenhosa e feriu o melindre dos 
ricos proprietários do lugar; a intenção do ministro da justiça não 
fora essa, mas não havia meio de desfazer a impressão causada. 
Quando a palavra tem dois sentidos, o publico toma o que quer, e si 
por accaso ella tem ponta, uma farpa de espirito involuntária, impen- 
sada que seja, ha de ferir fatalmente. Aqui estão alguns trechos 
desse discurso. «Eu não duvido que a reacção que se operou em 
favor da autoridade no tempo que decorreu de 1838 por diante tivesse 
alguma exageração; mas o certo é, senhores, que pela maior parte 
as conquistas que a autoridade fez nessa época, que eu chamarei de 
patrióticos esforços, são,essenciaes para a sua manutenção e da 
sociedade e que devem ser conservadas se não queremos tornar 
áquelle ponto de partida, se não queremos arriscar de novo a socie- 
dade á anarchia e á desordem. Eu ainda estou falando da bandeira 
de Vassouras ( risadas), e vos direi, senhores, que esta bandeira não 
é vossa, isto é, de vós que a proclamastes nesta casa; esta bandeira 
com pequena differença de inscripção é do partido radical, que com 
ella sempre combateu. Esta bandeira, elle ha de retomal-a desde 
que derdes um passo para diante, desde que conseguirdes algum 
triumpho, alguma vantagem, porque os nomes próprios tém muita 
significação, mais do que pensais. > 

Resume com traços seus a accusação que Justiniano José da 
Rocha depois de engrandecer a obra do periodo democrático fizera 
ao gabinete, chamando-o de reaccionário : 

« O nobre deputado a quem me tenho referido commemorou as 
conquistas da democracia. Elle nos disse como ella supprimiu o exer- 
cito que considerava rival, como se armou por meio da guarda nacio- 
nal, como governou por meio dos vice- presidentes eleitos, como 
legislou por meio das assemblóas provinciaes, como julgou por meio 
do jury, como policiou por meio dos juizes de paz. Ao depois o nobre 
deputado nos referiu como se operou a reacção em favor da autori- 
dade, como a autoridade militarizou a guarda nacional, como tornou 
sua a magistratura e a policia, como restringiu o jury e a guarda 
nacional; e então nos disse o nobre deputado — tudo isto convinha, 



O MINISTÉRIO PARANÁ 369 

havia aggressão, havia perigo. Em 1853 cessou a aggressão, cessou 
o perigo; o desideratum de todos era uma transacção a respeito dos 
excessos da acção e da reacção. Nestas circumstancias sobe ao poder 
o ministério de 7 de setembro, estabeleceu o seu programma de 
conservador e progressista. O nobre deputado então esperou ; os 
factos, porém, vieram desmentir as suas previsões, as suas esperan- 
ças. O ministério actual, que tinha promettido ser progressista, com- 
pletou a obra da reacção por meio da lei da reforma judiciaria. Esta 
lei da reforma judiciaria, entre parenthesis, que foi o anno passado 
impugnada por desarmar a autoridade, é hoje o complemento de 
reacção no sentido da autoridade ! » 

O aspecto da sociedade é, porém, outro, o paiz quer paz, pro- 
gresso, conciliação, tréguas ás lutas estéreis : 

«No meu entender o que vejo é a transformação dos partidos,... 
o que vejo é a vida e o incremento da industria, o que vejo é o 
ardente desejo de melhoramentos... O paiz quer paz, quer industria, 
quer esses melhoramentos que tendem a engrandecel-o. Os políticos, 
porém, querem objecto para sua actividade e importância, querem 
valer, querem luta, esmerilham motivos, inventam bandeiras; mas 
entretanto não arvoram nenhuma que possa dominar a situação. 

< Ainda, senhores, que nós nos tornássemos, como queria 
hontem o nobre deputado, em vez de governo, agitador, não 
teríamos feito nada; teríamos á vista do estado da sociedade, 
caido sob o peso da maldição de todos. O systema representativo será 
tão incompatível com a ordem publica, com a sociedade civil, que 
seja da sua natureza, da sua essência, que a politica com todo o 
cortejo da intolerância e encarnecimento, sempre com a mesma 
intensidade, preoccupe tudo, domine tudo, exclua tudo ? E' preciso 
para que elle viva que haja uma luta, seja pelo que fôr, seja como 
fôr, ainda que seja preciso elevar os resentimentos pessoaes á cate- 
goria de motivos politicos ? Não pôde chegar uma situação em que 
os partidos se transformem, em que cesse a luta, succeda a calma 
á tempestade, e a industria e os grandes interesses sociaes venham 
preoccupar a época ? » 

A situação era a mesma da Inglaterra : 

« Certo, senhores, não devemos admirar que o estado do paiz 
seja este, quando os nobres deputados sabem que na Inglaterra o 
mesmo estado de coisas se está dando. Eu ainda o anno passado tive 

24 TOMO VII— 1896 



370. REVISTA BRAZILEIRA 

occasi&o de ler as palavras eloquentes de lord Aberdeen, que presi- 
dira o ministério passado, as quaes demonstram isto : chegou a época 
em que esses nomes de whigs e feries não têm mais significação. > 

O trecho que se segue exprime o receio de que no meio de 
todo o progresso feito continue o solapamento da autoridade pelos 
hábitos adquiridos dos partidos : 

« O que eu vejo, senhores, é um campo vazio de idéas politicas 
que nelle floreceram e que nelle murcharam, é um campo semeado 
de elementos de grandeza, prosperidade e futuro, abrolhado, porém 
aqui e acolá, do gérmen da anarchia, que o patriotismo manda des- 
truir e extirpar para que aquelles elementos possam prosperar. 
Estes germens n&o são sinão os resíduos dessa acção e reacção a 
que se referio o nobre deputado de Minas, não são sinão os desmandos 
dos partidos para alcançarem o triumpho, não são sinão os ele- 
mentos que todos os dias accumulamos, porque querendo ferir os 
indivíduos que se acham em uma posição, nós ferimos essencial- 
mente as posições. E porque ha uma fatalidade, e é que todos 
pensam que é tão fácil conquistar como conservar a conquista, que é 
tão fácil desmoralizar a autoridade como restaurar-lhe o prestigio ; 
cada um pensa que é um Neptuno, que pôde com o seu tridente 
dominar as ondas que subleva, quando a historia ahi está para 
demonstrar que os demagogos são inhabeis para manterem a auto- 
ridade que minaram, para carearem o respeito que destruíram. . • 
Os factos ahi estão, senhores, para demonstrar esta verdade, que 
por uma fatalidade quando ferimos os indivíduos não reparamos que 
ferimos essencialmente as posições que elles oceupam e a que legi- 
timamente aspiramos. > 

Votada a lei eleitoral o pensamento de todos voltou-se para as 
futuras eleições. Segundo as idéas de hoje a Camará uma vez vo- 
tada a reforma eleitoral deveria ter-se por dissolvida. Nesse tempo 
prevalecia o sentimento opposto, o mesmo expresso por Xabuco 
em 1860 no Senado nestes termos que em 1880 pareceriam contra- 
producentes : « Que força moral pôde ter uma lei feita no anno da 
eleição, nas vésperas da eleição, sob a pressão da eleição ? Que 
força moral pôde ter a eleição que dessa lei provier e a Camará 
creatura delia ? » A ficção então era outra : não se deve suspeitar 
que a Camará fez a lei eleitoral para se fazer reeleger por ella. 



\ O MINISTÉRIO PARANÁ 371 

No intervallo das sessões o governo n&o se preoccupa sinão da 
divisão dos círculos, é o pensamento de Paraná fazer uma eleição 
livre, submetter a Conciliação ao voto do paiz e' demonstrar prati- 
camente as vantagens dessa politica pelos seus resultados, isto é, 
pela reunião em 1857 de uma Camará em que todos reconhe- 
cessem a livre escolha do eleitorado. 

Na divisão dos círculos o ministério estuda minuciosamente o 
interesse da opposiç&o ; Nabuco procura o modo de dar entrada 
aos Praieiros. Escrevendo em janeiro de 1856 á Boa- Vista, diz-lhe : 
« Quanto aos círculos, tenho muita confiança nelles como uma 
Tegeneração do parlamento desmoralizado por todos t sem prestigio, 
sem confiança. Não dissimulo os inconvenientes da medida, a 
revolução moral que ella vai operar nas relações do Governo com o 
parlamento, mas sobrepõe-se a tudo a necessidade por todos sentida 
de popularizar a representação, tornal-a mais crida, capaz de 
dirigir a opinião e de dar á autoridade um apoio, quando' por ella 
fôr ou si decidir. Virá talvez o peor, mas virá a verdade ou ao 
menos a pTesumpção da verdade. Que fé e confiança pôde inspi- 
rar uma eleição que todos vencedores e vencidos dizem que não 
é sincera e genuína ? > 

A Araújo Lima, o fogoso deputado cearense ( em novembro 
de 1855) : € Ainda discute os círculos, ou já os aceitou como 
facto consummado ? Não lhe parece melhor este segundo arbítrio, 
que é por assim dizer a situação de quasi todos os problemas 
políticos ? > A situação politica era boa, mas cercada de elementos 
de perigo. « Que penso porém destas coisas? escrevia elle á Boa- 
vista em janeiro de 1856. W esta a difficuldade, penso que não 
estamos bem, que ha um concurso de phenomenos sociaes, cujas 
consequências não podem ser previstas em toda a sua extensão, 
os quaes podem influir poderosamente para transtornar a politica 
a mais bem calculada e segura. Refiro-me, como deves pensar, á 
agricultura sem braços, depreciação da moeda, insufficiencia de ca- 
pitães, diminuição de rendas, fome, etc. O cholera aggravou muito 
a nossa situação, destruindo braços, dificultando o seu suppri- 
mento, etc, etc. Apalpando este estado de coisas tão pouco lison- 
geiro e sujeito a contingências terríveis, não desespero do remédio ; 
muito preciso, porém, é ao governo trabalhar, e trabalhar muito, in- 
vocar e carear o auxilio e a ajuda de todos. » 



O MINISTÉRIO PARANÁ 373 

deixar o espirito de Paraná presidir como presidiu ás eleições, do 
que recorrer aos chefes do Senado, Olinda, Eusébio, Paulino, 
Torres, nenhum dos quaes partilhava o pensamento do grande esta- 
dista morto. O ministro da guerra, o marquez de Caxias, passou a 
ser o presidente do conselho. Caxias não era um politico resoluto e 
que se pudesse impor ao seu partido, a inspiração politica do gabi- 
nete presumia-se que devia vir, principalmente, de Nabuco, mas 
este não tinha ainda a posição precisa^ os chefes do partido de 
fora do ministério eram mais fortes do que o gabinete. « Morreu 
o Paraná, escrevia Nabuco a Cansanção ( 18 de setembro ), e nos 
legou difficuldades que não estão removidas e que talvez sejam 
invenciveis. » 

Bem ou mal,sem inteira homogeneidade nem direcção superior, 
procurando, porém, desempenhar-se perante o Imperador do seu 
solemne compromisso de fazer uma eleição livre, sentindo-se em 
consciência o testamenteiro politico do seu illustre chefe, o gabinete 
fará as eleições. O resultado dessas eleições não foi talvez o que 
seria si Paraná fosse vivo, porque a idéa era delle, como foi nas 
eleições de J881 do Sr. Saraiva e só uma vontade poderosa obede- 
cendo como a de Paraná a uma inspiração própria, a uma espécie de 
revelação moral, podia curvar os seus collegas de gabinete, os seus 
correligionários, os chefes do seu partido e impor a este uma politica 
de tamanho sacrifício, como é a da liberdade eleitoral. Ainda assim 
o resultado foi o que não seria si a eleição tivesse sido entregue a 
outras mãos e tal como não se viu igual sinão na primeira eleição 
directa, quando a vontade e a elevação de vistas de Paraná reen- 
carnou-se em Saraiva. Ao Imperador o resultado pareceu um pro- 
gresso considerável nos nossos costumes políticos. 1 «D'ahi por 
diante, escreveu elle, não houve só patndhas, mas minorias. » 

Feitas as eleições, Nabuco sente que o ministério não pôde 
ir muito além; a idéa conciliadora, porém, está triumphante. 

«Que lhe hei de dizer de politica ? Que estou cançado, desejoso 
de sacudir o fardo que tanto me pesa, mas que, amarrado por consi- 
derações que se não podem escrever, vou indo e irei não sei até 
onde e até quando ? A politica ecléctica ou moderada está firme e 



i Notas á margem da Biographia de F. J. Furtado pelo conselheiro Tilo 
Franco. 



374 REVISTA BRAZILEIRA 

cada vez dominando mais. » (Carta a Camaragibe em 23 de feve- 
reiro.) O ministério, para o fim, estava interiormente arruinado, os 
menores attritos produziam grandes abalos. Um destes foi um inci- 
dente entre Nabueo e Paranhos em 2 de fevereiro. Paranhos irrita-se 
por uma communicaçâo de despachos feita ao Jornal do Commercio, 
está brigado com o seu amigo Castro, fala em deixar esse cançado 
ministério si « taes desoonchavos » continuam, . suspeita Nabueo de 
ter favorecido o Jornal, Nabueo explica-se, mas acrescenta: « Seja 
como fôr, feliz fora eu si este facto me livrasse da carga. Saiba 
V. Ex. que tão grande é o desgosto que eu tenho do ministério* 
que ha muito tempo o teria deixado si não fossem certas conside- 
rações, mas tenho por felicidade deixal-o em qualquer momento. » 
Paranhos reconhece logo a injustiça : « Não me zanguei com V. Ex.; 
o vinculo de amizade, de admiração e gratidão que me prende a 
V. Ex., não obstante V. Ex., não se quebrará por qualquer accidente 
como este . > Estas susceptibilidades e desconfianças entre amigos 
era o signal de que o gabinete estava enervado e sentia que não 
podia durar, que não teria maioria. 

A Paes Barreto, que presidia o Ceará, Nabueo escreve ( 9 de 
fevereiro de 1857 ): « Sobre a mudança ou reorganização do gabi- 
nete é tudo por ora muito duvidoso ; estou, porém, muito cançado 
e incapaz de ir além de maio. ... Ao demais falta-me o apoio 
decidido da nossa deputação, que com uma impolitica inqualificável 
protege em ódio e menoscabo do ministério os desembargadores. . . » 

Nabueo tinha aposentado em dezembro dois desembargadores 
da Relação do Recife. Veremos depois os motivos desse acto e os 
incidentes da denuncia a que elle deu lugar contra o ministro da 
justiça, na sessão de 1857. A repercussão da medida inconstitucional 
foi grande no seio da deputação pernambucana. Boa-Vista, sobre- 
tudo, reprovou-a energicamente. Também não agradou ella a Cama- 
ragibe. Dos amigos de Pernambuco somente a apoia com firmeza 
Sá e Albuquerque. Nabueo doe-se dessa opposição inesperada do seu 
partido na província. Elle era, porém, homem de jogar toda a sua 
carreira sem hesitar por -um desses impulsos de consciência. A des- 
peito dos chefes pernambucanos elle não pensaria em continuar no 
ministério, recusava a luta, e como ainda não era senador, via com- 
promettida mesmo a sua reeleição. Não importava. « Não falarei das 
aposentadorias, escrevia elle em 29 de dezembro, a seu amigo Boa 



O MINISTÉRIO PARANÁ 875 

Vista, porque não podemos estar de accôrdo sobre este ponto capital: 
lamentas que eu referendasse este acto, e eu tenho esse acto como 
o maior serviço que tenho prestado ao meu paiz. Em vez de ser elle 
uma humilhação ao estrangeiro, que o não exigiu, que soube delle 
somente depois dé praticado, é um acto decisivo, uma prova de que 
o governo com os seus recursos e sem o tútã do bill Àberdeen, pode 
reprimir o trafico, ainda contra quaesquer influencias, ainda contra a 
magistratura. Bem pouco valho eu, mas a questão está nestes 
termos, ou eu ou os desembargadores. O que é que daqui me 
pôde vir? Deixar o poder pela opposição que esse acto deve 
suscitar ? Si assim fora, tinha eu conseguido o que desejava de 
ha muito tempo, e conseguido por um modo glorioso e assignalado.» 
Boa- Vista explica-se, attenúa as suas censuras, protesta a sua velha 
amizade inalterável e Nabuco responde-lhe ( 23 de fevereiro ) : « Não 
me offendi com as expressões vehementes da tua carta em que me 
falaste das aposentadorias e eleições. Senti que o homem de vistas 
largas e patrióticas, forte pelos principios contra os indivíduos 
quaesquer que fossem, sobranceiro a essas pequenas considerações 
que dominam a nossa época e arrastam a pátria para a dissolução, 
aquelle cujas idéas sempre coincidiram com as minhas, divergisse 
de mim e me tratasse com tanto desabrimento. Não falemos mais 
nisso. » 

A Sá e Albuquerque elle escreveu agradecido ( 9 de fevereiro \ : 
« Muito satisfeito fiquei com o teu conceito a respeito da aposenta- 
doria dos desembargadores ; infelizmente a nossa gente de Pernam- 
buco não pensa assim. Infelizmente, porque, entendo que ella pen- 
sando assim se desmoraliza, torna-se suspeita e se suicida. > Isso 
queria dizer que o Imperador estava firme, decidido pelo decreto. 
Sinimbu, presidente da Bahia, ó quem approva o acto com mais en- 
thusia8mo, achando que devera ter comprehendido outras Relações, 
«c Dóste, com effeito, um golpe de Estado de que ninguém poderá 
accusar-te sinão por ter sido dado com canivete. A Relação da 
Bahia não está em melhores condições do que a de Pernambuco. 
Vou dar pressa em mandar-te a cópia do processo de moeda falsa 
que de propósito tem sido demorado. » (Carta de 19 de dezembro) 
E Nabuco respondia logo ao receber a carta (26 de dezembro*: 
« Em verdade seria de canivete, como bem disseste, o golpe con- 
tra os desembargadores, se elle parasse em três. Desejo que 



376 REVISTA BRASILEIRA 

para ir além como é meu propósito remetias o traslado que exigi 
e digas com energia a tua opinião contra os desembargadores 
dessa, indicando-os, na carta confidencial que deve acompanhar ao 
dito traslado. » Si Nabuco tivesse continuado no ministério ter-se-ia 
tido assim por toda aparte execuções na alta magistratura; o trafico 
e a moeda falsa exigiam esse tratamento vigoroso. 

Com a reunião da nova Camará o ministério tinha que ceder o 
lugar a homens contra os quaes não militassem os desgostos cau- 
sados pelas eleições, além de que era preciso abrir espaço a outras 
ambições. A deputação pernambucana não estava satisfeita com o 
seu ministro o elle não queria «depois de quasi quatro annos completos 
de ministeriojáeançado, travar uma luta.» (Carta aLobo, 14 de maiou 
A physionomia dos deputados que iam chegando não era anima- 
dora. « Em uns, escrevia elle a Paes Barreto (27 de abril ), resum- 
bram desejos de ver-nos fora quanto antes, em outros domina o 
temor de compromettimento com os novos astros. » Falava-se nas 
rodas ministeriaes que Nabuco desejava ficar, dada uma recompo- 
sição que elle inspirasse. Esses rumores incommodavam-n'o, zcpu- 
nham-no, dizia elle em uma carta, a interpretações sinistras. Para aparar 
o golpe, conhecendo a fraqueza ministerial, elle resolveu-se a tomar 
a iniciativa de provocar a franca demissão do ministério antes da 
eleição da mesa, isto é sem se expor a um revez pelo desejo de 
sondar a Camará. 

Assim escreveu em 28 de abril a seguinte carta ao presidente 
do Conselho : « Repito a V. Ex. o que lhe disse verbalmente e á 
vista do estado da Camará dos Deputados, estamos mortos, e é 
preciso que tratemos do nosso enterro antes que venha a putre- 
facção que pôde prejudicar a todos. V. Ex. comprehende bem as 
consequências funestas que podem vir de uma crise tão prolongada 
como esta, o que ó ser governo sem sel-o, o que é direcção sem força 
moral, o que é responsabilidade sem acção. A idéa que se tem assoa- 
lhado de que pretendo continuar, idéa que me afflige porque suppõe 
uma deslealdade de que não sou capaz, tem me embaraçado de apre- 
sentar a resolução da crise, sacudir a carga ; porém o firme propósito 
em que estou de não continuar, de não reentrar mesmo, me dá 
coragem para dizer a V. Ex. que não devemos e não podemos ir até 
10 de maio como projectáramos, que não vou. Que formula é essa tão 
.substancial e sacramental da leitura dos Relatórios que nos obriga 



O MINISTÉRIO PARANÁ 377 

a supportar o« menoscabos do amor próprio, as consequências de 
uma desmoralização manifesta, compromettendo a nós, aos succes- 
sores, ao systema e talvez a ordem publica? Que inconveniente ha 
de que entreguemos os Relatórios aos successores, ou os reme t tatu os 
-á Camará ? Não temos força para vencer a Mesa e as commissões: 
esta derrota não é nossa somente, é dos successores que com ella 
podem soffrer muito. Entendo que V. Ex. deve na quinta-feira di- 
rigir-se a S. M. I. para expôr-lhe o que tenho dito e o mais que a 
V. Ex. convier, instando por nossas demissões. » 

Caxias está nas mesmas idéas : « V. Ex. sabe qual a minha von- 
tade desde qne se concluiram as eleições e que bem a meu pezar 
tenho arrastado esta pesada cruz, muito superior ás minhas forças. » 
Houve entretanto ainda uma demora de dias na apresentação da 
demissão, Caxias só viu o Imperador a 30, de modo que as Camarás 
foram abertas em 3 de maio sem ministério, o Imperador leu uma 
fala do throno da qual se podia dizer que era o testamento do mi- 
nistério demittido sem testamenteiro para executal-o . Os ministros 
demissionários incommodavam-se com a anomalia havida e ausen- 
tavam-se da Camará de que eram membros para não serem inter- 
pellados sobre as causas da retirada. 

«Este final está péssimo (4 de maio), escrevia a Nabuco Pe- 
dreira, que era um espirito timido. No theatro só comparecemos 
fazendo corte a Sua Magestade dois ministros, eu e o sr. Wanderley . 
Hoje é dia da Camará e nós não nos entendemos sobre coisa alguma . 
Como explicar a leitura da Fala do Throno quando se apresentar o 
argumento: — ou se retiraram muito cedo, ou muito tarde. São 
coisas a que cada um sabe o que ha de responder, individualmente 
falando, mas são coisas a que nenhum de nós sabe como todos querem 
que se responda. » Nabuco responde-lhe : «Não vejo razão para sua 
anciedade e afflicção. Eu não vou á Camará, quer haja quer não 
haja sessão, emquanto não formos effectivameute demittidos e nâo se 
perfizer a organização do gabinete, salvo si a extraordinária demora 
delia o exigir... Os nossos antecessores não foram á Camará; por- 
que vamos? Quanto á nossa retirada devemos fundal-a na fraqueza 
do gabinete pela perda do seu primeiro chefe e propósito que mani- 
festou o Sr. Caxias, quando assumiu esse cargo, de retirar-se em razfio 
dos seus incommodos, circumstancias que determinariam uma re- 
composição que não seria fácil, mas cercada de inconvenientes, etc, 



378 REVISTA BRAZ1LEIRA 

etc. Se concordarem nesta razão, mandem dizer-me, porque penso 
que a organização se completará hoje e amanhan não devemos faltar 
á Camará. » 

Em 4 de maio o marquez de Olinda tem organizado o novo mi- 
nistério, c O Sr. Paranhos, escreve Pedreira a Nabuco (5 de maio), 
disse-me que tinha combinado ser V. quem fizesse o speech de nossa 
morte. Assim eu e elle contando com isto esperamos que não falte á 
Camará hoje, porque consta que o Sr. Olinda lá vai e depois delle 
expor o seu programma é natural que nos chamem a terreiro. » No 
dia 6 é que o marquez de Olinda comparece á Camará, nenhuma per- 
gunta é dirigida aos ministros demissionários. A* nova Camará pouco 
interessava o velho ministério, ella está entregue á verificação dos 
poderes e procurando entender a inversão que se operou. Assim no 
meio da transformação da scena, o antigo gabinete Paraná, um dos 
mais prestigiosos que o paiz conheceu, esquiva-se e desapparece ; 
em silencio, despercebido, por entre os deputados. 

Joaquim Nabuco 



ENSINO DAS LÍNGUAS 



O relatório apresentado pelo Sr. Said-Ali ao Ministério do Inte- 
rior sobre o ensino secundário, depois de sua recente viagem á 
Europa, 1 é antes uma apologia enthusiastica em favor do que o seu 
$utor chama o methodo moderno, para o ensino das línguas vivas, 
do que um estudo comprehensivo dos processos postos em pratica 
naquellas regiões cultas para dar effectividade ao que diz o illustre 
relator ser ali o escopo de todos os esforços em matéria de instrucçâo 
— a habilidade pratica, a perícia utilitária na acquisição dos conhe- 
cimentos humanos. 

Deixando, pois, de parte esta ultima afirmação já conhecida 
ha dezenas de annos, desde que na Allemanha, na França, e na 
Inglaterra, sob o nome e concretização da real schtde, do enseignement 
secondaire specúd e do modern side, o movimento da administração 
iniciou a reacção contra o ensino clássico, obedecendo, aliás, ao 
impulso dos Rabelais, dos Montaigne, dos Rousseau, ou, emfim, dos 
naturalistas, só consideraremos no presente artigo a essência daquelle 
relatório, isto é, o valor do methodo moderno para o ensino das línguas 
vivas. 

Si bem assimilámos a exposição feita pelo Sr. Said-Ali, o que 
especialmente caracteriza esse methodo é : 

I o a cultura do ouvido pela imitação do som sem a visão da 
letra, que o representa; 

2 o a adopção da unidade do sentido ; 



1 O Ensino Skcundario xa Europa. Kelatorio apresentado ao Ministério 
da Justiça e Negócios Interiores por Manoel Said-Ali Ida, lente de allemão do 
Externato do Gymnasio Nacional. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1896. 



330 REVISTA BRAZILKIRA 

3 o a prescripção da grammatica, que é inductivamente ensi- 
nada ; e 

4 o O auxilio de um alphabeto racional provisório. 

O segundo e terceiro característico, todavia, sanccionam a pra- 
tica de livros já de ha muito conhecidos, como, por exemplo, o 
velho methodo de Robertson ; o primeiro, a que também J. H. Fitch 
alludia por vêl-o praticado, sob o nome do parrot-method, em uma 
escola de Londres, mas sem o impedimento da leitura, é conclusão 
falsa de observação verdadeira; e o quarto, finalmente, importa um 
artificio sem abono pedagógico. 

Que a criança aprende pelo ouvido, imitando o que ouve, todo 
o mundo sabe. Que imitando adquire, no som que reproduz, um 
meio de transmittir aos outros a idéa de que se apossara a mente 
sem intermédio da linguagem, é o que se náo ignora. No methodo 
natural, pois, o aprendiz adquire a imagem phonica, depois a imagem 
mental ; isto é : a linguagem é posterior á percepção consciente. 
Assim sendo, só o espirito, que não adquiriu ainda uma linguagem é 
que, pelo methodo natural, a pôde adquirir; mas aquelle, que já a 
adquiriu, quando trata de adquirir uma outra, o que tem a fazer é 
relacionar a idéa, já corporificada em vocábulo conhecido, ao vocá- 
bulo da nova linguagem ; ou, por outra, e na frase felicíssima de 
Nasmith, procede de dentro para fora, por uma espécie de cresci- 
mento exógeno, vestindo na linguagem materna as idéas para, em 
seguida, substituil-a pelas palavras da estranha. Redunda isto em 
dizer que só o aprendiz, que não fala, adquire pela imitação pura 
e simples, uma linguagem ; o que fala, adquire outra qualquer pela 
relação entre a que já possue e a nova. Esta verdade é confirmada 
pelos adeptos do methodo moderno, quando mandam aos seus mes- 
tres «formular em liugua materna primeiro, depois no idioma estran- 
geiro», pergunta sobre o conteúdo do trecho conhecido por audição. 
O segredo pois, do methodo moderno ó o que o citado Nasmith chama 
crepetir tão constantemente as expressões idiomáticas, que ellas se 
gravem no espirito e lhe acudam immediatamente sem o processo 
da traducçáo» . Por outras palavras, o aprendiz só falará a lingua 
nova, quando nelle pensar, o que quer dizer, quando a posse do 
vocábulo novo fôr tão completa, que, com a idéa, lhe acuda simul- 
taneamente ella e a da sua lingua materna. E 1 esta a única acce- 
pção, que se pôde dar á frase — pensar na lingua estranha; e o 



ENSINO DAS LÍNGUAS 381 

meio para o conseguir não é outro sinão a traducção, que o vezo 
metaphysico crê evitável. 

Ora, si a repetição do vocábulo novo é que delle mette em 
posse o aprendiz , o processo da repetição é que pôde aproximar-se 
mais ou menos do que na acquisição de uma primeira linguagem 
inculca a natureza. No caso da criança, esta ouve em geral a pala- 
vra muitas vezes, mas não consecutivamente, e o que torna a mul- 
tiplicidade tão efficaz como a consecutividade é justamente a pre- 
cedência da percepção mental á percepção phonica. O methodo 
artificial, pois, que mais efficacia quizer ter, será o que, ao tédio da 
repetição consecutiva, que não é na conversação a regra, substituir 
a memoria de associação, vinculando o vocábulo á retentiva pelo 
entrecho dramático do assumpto continuo, do sentido completo. 

Para lograr tal intuito, porém, o methodo ou já encontrará o 
aprendiz de uma linguagem na posse de uma linguagem falada ; ou 
encontral-o-á na posse de uma linguagem falada e escripta. Dada 
a primeira hypothese, o ouvido será o órgão e a fala materna o vehi- 
culo de acquisição ; dada, entretanto, a segunda porque não hão de 
ser órgãos o ouvido e os olhos, uma vez que é falando e escrevendo 
que terá o aprendiz de usar de nova linguagem? Porque, segundo 
o methodo moderno more germânico, ha de reputar-se a imitação do 
som pelo ouvido inconciliável com a visão da letra? 

Quem ouve sem ver a representação escripta do que ouve, pôde 
imitar, é certo ; mas quem vê a representação convencional do que 
ouve coincidentemente com o som que representa, também pôde 
imitar com toda a perfeição. Conseguintemente, a prescripçáo da 
leitura no inicio só pelo fundamento de que somos levados a dar ás 
letras da lingua estranha o som, que têm na nossa, é uma conclu- 
são falsa de uma observação verdadeira, pois si o facto de não 
coincidir a forma graphica do som de lingua estranha com a do 
som da lingua materna é razão para vedar a leitura pelo prejuízo 
que 8offreria a pronuncia, o facto da não coincidência entre a forma 
phonica estranha e a materna deveria ser nova razão para vedar a 
pronuncia pela difficuldade, que teria a escripta. 

O methodo moderno allemão, por conseguinte, é falso no que 
tem de original, não sô pelos fundamentos expendidos, ainda mais 
porque esquece aos seus adeptos que, usando do livro ( e afastado, 
portanto, o caso do analphabeto ), o aprendiz, na sua própria lingua, 



382 REVISTA BRAZILEIRA 

desde que a orthographia não é phonetica, já inductivamente se 
apercebeu de que as letras tém sons variáveis e são até mudas, 
convicção essa que o prepara para aceitar como facto normal e na- 
tural a convenção arbitraria do som na língua estranha. 

Partindo de ponto de vista tão mal tomado, o methodo allemão 
ainda, para coadjuvar-se da escripta, que repudia, vale-se da pro- 
nuncia figurada, a que chama transcripção phonetica, revelando a 
carência absoluta de apoio pedagógico com crear um processo arti- 
ficial de effeitos tão desastrosos como eram os dos exercidos cacogra- 
phicos, felizmente proscriptos, embora, em 1892, do Gymnasio Na- 
cional partisse proposta para serem incluidos no programma dos seus 
agentes de ensino. 

De outro lado, si a não correspondência entre o som dos ca- 
racteres, de que se servem as línguas, fosse uma fonte de vício á 
pronuncia, para serem lógicos os pedagogos allemâes deveriam — 
ou prohibir a leitura ao aprendiz da lingua materna até que domi- 
nasse a lingua falada por inteiro, ou ensinar-lh'a com orthographia 
rigorosamente phonetica. Um e outro destes expedientes, porém, 
não nos consta que seja praxe nas escolas germânicas; e, muito 
menos, para felicidade das crianças, em escola nenhuma de paiz 
sublunar se ensina uma orthographia phonetica provisória para sub- 
stituil-a depois pela usual ou etymologica definitiva. 

« O systema antigo >, diz o Sr. Said-Ali, « favorece uma incli- 
nação para uma pronuncia muito viciosa e, por muito boas que sejam 
as intenções do professor para remediar o mal, o habito é um factor 
muito forte, que zomba muitas vezes da boa vontade da pessoa 
docente. » O argumento a tirar destas palavras é todo em favor do 
methodo que, moderno também, não prescinde da leitura com a 
orthographia usual para a aprendizagem. Si o habito é um factor 
muito forte, e si a pessoa docente fizer ao aprendiz ouvir sempre a 
pronuncia correcta diante da forma convencional, que lhe dá corpo, o 
que o aprendiz ganhará ha de ser o habito de pronunciar certo diante 
dessa palavra escripta; ou, por outra, si, á inclinação para ler na 
lingua estranha como se lê na própria, oppuzer sempre o mestre 
a pronuncia exacta, que cada palavra deve ter, essa inclinação 
nenhum habito mau formará, porque. « sem tolerância e frequência, 
não se constituem hábitos » ; antes a repetição e a correcção é que 
hão de formar o habito de ler bem. Si uma criança se inclina á gula, 



ENSINO DAS LÍNGUAS 383 

parece que o melhor meio de dar-lhe o habito de sobriedade não 
é condemnal-a á inaniçáo ; — si tende á indolência, não é abster-se 
de lhe propor trabalho ; — si se mostra desasseiada, não é poupar-lbe 
o ensejo dos banhos ; como, pois, si se inclina para ler, como lê na 
própria língua, havemos de impedir-lhe a leitura, ou de lhe fazer ler 
como na língua estranha nfto se escreve? O methodo allemão, que 
arraiga o habito de ler pela transcripçfto phonetica sem receio de 
que depois o aprendiz chegue á perfeição na leitura pela ortho- 
graphia usual, não enxerga a sua palpável incoherencia ? 

c O estudante, nfto vendo a palavra escripta, nfto a pronunciará 
de certo pelo valor das letras com que ella se escreve e todo tra- 
balho reduz-se a isto : imitar directamente os sons», acrescenta o 
Sr. Said-Ali : Mas nfto imita directamente os sons o aprendiz, que os 
repete ao ouvir o mestre emittil-os diante da palavra escripta, como 
si os emittisse diante de um quadro mural de Hõlzel, por exemplo, 
ou de qualquer objecto da sala, que se lhe espelhasse na retina? Em 
que a imagem, que os olhos transmittem, seja letra, seja gravura, 
seja coisa, embarga a audiçfto directa pelo ouvido, e a imitação 
directa e correcta pelos orgftos da phonaçâo, quando o mais mara- 
vilhoso phonoscopio que se possa imaginar, é ^ cabeça do homem 
com a preeminência da vista e do ouvido, trabalhando em actividade 
continua e simultânea, sem a mínima perturbação de parte a parte, 
e imprimindo com a perfeição da mais ideal objectiva, nas placas ce- 
rebraes, os clichés, que a forma e o som sobre elles estampam ? Em 
que — « ver o que ouve » — pôde, por menor que seja a relação entre o 
signal graphico e o som, que este incprpora, pôde prejudicar o ouvido, 
mormente quando o discípulo for o mesmo que, vendo mais tarde o 
contraste entre a graphação na sua língua e na estranha, se poderá, 
como affirma o Sr. Said-Ali, convencer de que — « a orthographia é 
uma questão de mera convenção ( o Relatório diz convicção ) ? Si tal 
convicção tem de se lhe impor— se, antes, ella já se lhe impoz, por- 
que elle já apreudeu a lêr na língua materna — porque, ao aprender 
a estranha, não se lh'a ha de impor de entrada, sobretudo quando, 
segundo o methodo allemão, o aprendiz já está até preparado para 
o aspecto grammatical, que dá aos factos linguisticos, suggeridos 
pelo assumpto da conversação ? 

Admira-me, permitta-se-me dizel-o, a seriedade com que se 
discute a excellencia de um processo tão eivado de incoherencias ; 



384 REVISTA BRAZILEIRA 

e só para elle se acha explicação no assombro com que a 
consciência da raça latina, educada no preconceito da sua in- 
ferioridade, recebe os dogmas da supremacia teutonica. Evitar 
um caminho, porque a inclinação do espirito pôde ser contraria 
á direcção, que se lhe quer imprimir, é tão absurdo como impedir 
a visão para dar a idéa do movimento real da Terra. E outra 
coisa não faz a pedagogia que ensina a vôr mal no interesse de 
fazer ouvir bem, e substitue uma convenção racional provisória & 
outra convenção usual definitiva, esquecida de que a primeira forma 
graphica, que suscitou no espirito uma imagem mental ahi impressa, 
ha de eternamente prevalecer a quantas depois se lhe sobrepuzerem. 
Não pára, entretanto, o artificio do processo allemão nesta 
( releve-se-nos ainda a dureza) extravagância de impedir a visão para 
não perturbar a audição. Inventa ainda, como já acenamos, para um 
espirito que já, na leitura da língua materna, se convenceu do ar- 
bítrio da representação graphica e que conta convencer dello quando 
da transcripção phonetica, em caracteres especiaes, passar á ortho- 
graphia usual, inventa um alphabeto racional, com que familiariza 
os estudantes por occasião do estudo dos sons, criando nelles um 
habito para ter o trabalho de lh'o arrancar mais tarde. Importa isto 
declarar qne os sons se estudam em abstracto, como introducçâo ; ou, 
antes, que a culta Allemanha, a pátria do methodo moderno, procede, 
no ensino da lingua, da synthese para a analy se, exactamente quando 
invoca para norma do seu processo soberano a marcha natural de 
aprendizagem e firma em principio a adopção do sentido completo 
em vez das frases desconnexas de Ahn, Ollendorf, Sauer, etc, etc! 
Ainda mais : esse estudo dos sons pelos sons, ali, o professor Klin- 
ghardt o faz, munindo os alumnos de espelhinhos, nos quaes veri- 
ficam se dão realmente aos seus lábios e maxillares a mesma forma 
que notam nos órgãos do, professor ao emittir certo som! O que, 
todavia, o professor Klinghardt nunca faz vôr aos seus discipulospor 
traz do vidro didáctico, a rir de todo esse apuro da pedagogia philo- 
glothica, é a careta arreganhada de Moliòre, que contempla através 
do Rheno e das victorias de 70, a seriedade enthusiasta de Mr. Jour- 
dain a dar a sua primeira lição sobre os valores do a, e, i, o eu á 
criada estupefacta, e applaudido pela sciencia germânica, que o 
transforma e canoniza em pedagogo emérito, segundo os dogmas da 
psychologia e da physiologia de Francke ! 



ENSINO DAS LÍNGUAS 385 

Todos estes processos cerebrinos para fugir á inclinação que 
tem o aprendiz a lôr na lingua estranha como lê na própria, o Sr. 
Said-Ali aceita-os como andaime para a construcção, confessando 
assim que, pelo methodo moderno, se aprende uma coisa, que se tem 
de esquecer. E', então, exactamente o vicio de que accusa o methodo 
grammatical : o aprendiz quando puder falar, nem terá tempo para 
lembrar-se dos preceitos da grammatica. Aqui a natureza, que não 
ensina a engatinhar para habilitar á marcha, mas substitue a marcha 
pelas gatinhas quando as leis do equilíbrio foram empiricamente 
conhecidas e praticamente respeitadas, guardando as gatinhas como 
meio subsidiário de locomoção para os casos em que outro não caiba; 
— aqui, a natureza não foi imitada pelo pedagogo allemão. Si a um 
organismo que tem de voar, desse a natureza patas, e ao que tem de 
marchar puzesse azas, o homem, pasmo diante da sua desastrada 
deslocação, registraria, no facto, aberrações, e, nos entes, casos terá- 
tologicos. O methodo allemão é como seria a natureza nesse cochilo : 
a quem tem de ler por a, ensina b ; e, quando a destreza em b, agilita 
no uso da nova linguagem, exige-lhe que se exprima na linguagem, 
que prescreveu ! 

Por derradeiro: a grammatica. cNo methodo moderno», escreve 
o Sr. Said-Ali, « a grammatica aprende-se inductivamente : o pro- 
fessor pouco a pouco explica as particularidades, que occorrem nos 
trechos de leitura ; e como ellas reapparecem forçosamente e com 
bastante frequência, nos trechos de leitura seguintes, não faltará 
occasifto para repetir e ampliar as explicações. > Entretanto passou- 
lhe por alto mencionar que a adopção do methodo « presuppõe já 
o conhecimento da grammatica da lingua materna. » Assim, no 
English Estudent, livro que o Sr. Said Ali fazendo coro com os críticos 
philologicos allemáes, tanto encomía, logo na 1.* lição, á pag. 9, Exer- 
cice n. 2, vem a seguinte : c Konjugiere das Prosem von » — conjugai o 
presente de ;— na 2.» lição fala em Sujeito e Predicado, AccusaHvo e 
Preposição, etc, etc. Se isto é methodo inductivo, não é, entretanto, 
na lingua estranha que por elle se adquire a grammatica ; e, ao alumno, 
que dominou o convencionalismo grammatical, porque é, então, que 
se ha de tolher a leitura da orthographia usual, em que está escripta 
toda a literatura de nova lingua, que se lhe quer ensinar ? 

A interrogação evidencia que o methodo moderno, na concre- 
tização deHansknecht, que é a que segundo o relatório convém aos 

25 TOMO vil— 1896 



386 REVISTA BRAZILE1RA 

aprendizes de mais de onze annos, está em desproporção com a 
capacidade mental, que o ensino preliminar deve ter desenvolvido 
no aprendiz; cria processos inúteis, multiplicando trabalho, como 
obrigar a aprender para desaprender ; e é, emfim, uma teia de Pe- 
nélope, em que com a paciência dos requestantes, pôde ir-se o en- 
levo pela requestada. 

Mais sensata é a marcha do methodo no aspecto intuitivo, que 
também na AUemanha lhe dão. Comprehende-se que uma scena 
real ou uma estampa tenha mais impressão sobre um espirito do 
que s<m$ isolados, palavras desconnexas, e transcripções phoneticas. Si o 
aprendiz não sabe ler, mas diante dos objectos ou de sua represen- 
tação graphica e plástica, ouve a fala, que lhes concerne, a impressão 
que a fala nelle desperta, associada á da intuição directa ou indi- 
recta dos agentes exteriores, assemelha-se ao que se passou com elle 
na sua phase preescolar : viu, ouviu, comparou, fixou, repetiu, falou. 
Apenas, como o exercício da linguagem estranha se faz no meio e no 
tempo — aula, mais restricto que o meioe o tempo — fora da aula, ã 
acquisição pela agencia do mestre, com quem se pratica durante uma 
hora no dia, é forçosamente mais demorada que a acquisição pela 
agencia do resto do mundo, com que o aprendiz convive habitual- 
mente a maior parte das vinte e quatro horas do dia. Mas ainda aqui 
no aspecto intuitivo o progresso, embora algum, é inferior ao que a 
vida ordinária realiza, já porque o seu tempo de acção é mais escasso, 
já porque, desde que ha mestre e alumnos em frente, a conversação 
descae do tom natural e espontâneo, em que a vida ordinária a sus- 
cita e mantém, dando-lhe relevo congénito, porque o fundo da con- 
versa é a preoccupação e não as palavras, para um tom artificial e 
forçado, em que o methodo trabalha mais ou menos felizmente por 
abolir o tédio, porque as palavras, em vez do assumpto, são o alvo 
sobre que se dirige o esforço do mestre e a attenção dos alumnos. A 
verdade disto se manifesta numa circumstancia : o methodo in- 
tuitivo não dispensa a narração do livro (Rossman & Schimidt), as 
perguntas e respostas formuladas, etc. 

Imagine-se que espairecimento teria o espirito em entrar numa 
sala coramoda e elegantemente mobiliada para conversar, sobre a 
presidência de um interlocutor, sobre assumpto obrigado, respon- 
dendo a perguntas correlatas ás palavras usadas pelo presidente na 
sua exposição e dentro do vocabulário deste, e se terá uma avaliação 



ENSINO DAS LÍNGUAS 387 

real do recreio e prazer que as conversações didácticas podem trazer 
ao aprendiz das línguas estranhas. 

Não quero, com isto, dizer que, por serem artificiaes as conver- 
sações didácticas, não logrem ellas resultado pratico. O que quero é 
assignalar : I o que esse resultado pratico é muito inferior ao que se 
adquire no meio, em que a lingua se fala, pelas relações ordinárias 
do viver commum ; e, 2.°, que, assim sendo, desde que o artificio é 
inevitável, e a narração de estampa ou de livro o thema, o melhor 
meio de instrucção será o que se basear directamente no livro, por- 
que, desfarte, alliar-se-á a acquisição de linguagem escripta e falada 
cujo divorcio não ha argumento valido que autorize, conforme penso 
ter demonstrado. Em resumo : o methodo intuitivo, aceitável para 
os analphabetos, somente entretanto, pôde levar á perícia de que dão 
testemunho as amas e as criadas polyglottas ; e o methodo imitativo 
complicando o trabalho, ha de levar sempre á traducção, mais ou 
menos rápida, do que foi concebido primeiro na lingua materna, e, só 
com o decorrer do tempo, acode ao espirito simultaneamente sob a 
imagem phonica e graphica dos vocábulos das linguas estranhas. 

Sei que vou ao encontro de uma pecha, quando assim combato 
41 pedagogia alleman nos reputados seus melhores frutos didácticos ; 
mas, entre o respeito que devo aos princípios que sirvo, e o escrú- 
pulo de dizer francamente o que penso sob o risco de minha compe- 
tência profissional, prefiro a primeira alternativa, seja qual fôr o 
juizo que se faça da minha critica. Não sou hospede no estudo 
desta questão : em 1884, na «Escola Neutralidade >, em S. Paulo, 
fizemos conferencias sobre o estudo das linguas em geral, o professor 
Arthur Gomes e eu. Cabe-me, pois, em nome do estudo e expe- 
riência, que represento, vir oppôr algumas razões á aspiração, que 
manifesta o Sr. Said-Ali, de ver orientar-se o estudo das linguas 
entre nós pelos processos actuaes da Allemanha. 

Antes, porém, de assentar qual o melhor processo para o estudo 
das linguas vivas, ha sempre uma preliminar a não esquecer. Os 
utilitários, e com elles o Sr. Said-Ali, entendem que a dosagem do 
ensino é o emprego pratico do conhecimento adquirido. Pois bem ; 
aceitamos o critério, mas o que queremos éque sejam lógicos. No 
estudo de uma lingua o objectivo pôde ser duplo e efficaz em cada um 
<los seus aspectos : ou o aprendiz a quer para acquisição de conheci- 
mentos por intermédio da literatura geral de um povo, que a fala, ou 



388 REVISTA BRAZILEIRA 

a quer como um meio de communicação oral e graphica, notando-se 
entretanto, que o segundo alvo é o menos frequente. No primeiro 
caso, si a traducção é o fito, e si o aprendiz a pôde adquirir sem a 
preoccupaçâo do som e até da escripta, o manejo chamado pratico 
não deve absorver-lhe tempo ; no ultimo caso, depois da acquisição 
do sentido ou da correspondência exacta entre, os vocábulos da 
própria lingua e os da estranha, esse manejo deve ser o principal 
empenho. Em ambos os casos, porém, si o aprendiz de facto adquire 
o vocabulário pelo sentido, falará, desde que o entende lendo e 
ouvindo, uma vez que esteja em meio onde possa fazer uso da lingua. 
Portanto, partindo uns e outros aprendizes da linguagem como ella se 
fala ou se escreve, sem grammatiquices, omittirão uns, e farão 
outros, mais demorados exercícios sobre o uso colloquial dos vocá- 
bulos com o possível apuro de imitação do som nativo. O methodo, 
pois, pôde ser commum ; a especialização dos exercidos, porém, é 
que servirá mais a estas ou aquellas pretenções utilitárias, no sentido 
relativo que a qualificação importa. 

Isto posto, e reportando-me á minha conferencia em 1884, 
recommendei nella (vô-se á pag. 9 do Relatório elaborado pelo então 
meu companheiro de trabalho, o Dr. António da Silva Jardim, de 
saudosa memoria), o processo empregado pelo professor Nasmith, 
€ processo ultrapratico, segundo o qual, auxiliados por um vocabu- 
lário permanente, usual, e outro extraordinário, auxiliar, chegaram 
alumnos tenrídosos á posse da lingua. > 

Esse processo, de que faz menção Bain na sua obra clássica 
sobre educação, apoia-se em um facto incontestável: o vocabulário de 
uma lingua qualquer pôde subdividir-se em duas categorias de vocábulos; 
1." os queoccorrem em todos os assumptos; e 9 2.° , os especiaes a certos 
assumptos. Estas duas categorias têm a importância utilitária, que a 
ordem da sua numeração indica. Sendo este o facto, de um lado, e 
sendo, de outro, verdadeiro o principio de que a repetição dos vocá- 
bulos de uso mais frequente é que mais de prompto ministra o uso 
de uma lingua qualquer, Nasmith, applicando o processo estatístico 
ao estudo do vocabulário, organizou as suas series pelo algarismo da 
frequência, que cada vocábulo alcançou; e, alem disso, entendendo 
e bem, que ao conhecimento dos vocábulos se devera juntar a com- 
paração entre a syntaxe da lingua estranha e da própria para que a 
traducção mental fosse tão rápida que se chegasse ao ideal de pensar 



ENSINO DAS LÍNGUAS 389 

-em lingua estranha, juntou, aos exercícios detraducção, exercícios 
de versão sobre um trecho estructurado pela syntaxe dessa língua, 
«de modo a ver o alumno trazer da sua língua materna, o travamento e 
a ensomblagem da língua a aprender. Esqueceu, porém, o valor da 
continuidade do sentido, que, aliás, entreviu, e procedeu por* frases 
a principio, em vez de proceder desde logo por assumptos. 

Compenetrado do valor technico do methodo Nasmith, empre- 
hendi e publiquei uma adaptação do mesmo, sem entretanto, corri - 
gir-lhe o defeito, que, a priori, nelle affirmei. A experiência corres- 
pondendo aliás com resultado satisfactorio ao meu ensaio, mostrou-me 
que a continuidade do assumpto era um factor, que explicava as 
deficiências notadas, e resolveu -me a adoptal-a, depois de oito 
ânuos de consciencioso estudo e meditação. Escrevi, então, para o 
francez e para o inglez uns livrinhos de que não fiz propaganda por 
entender que neste paiz, onde a pesca de certificados resume todo o 
eusino secundário, qualquer esforço em prol de methodos é clamar 
no deserto e força perdida. Nesses livrinhos, aceitando o principio 
de frequência como critério de escolha para a forpiação do vocabulá- 
rio, desprezei, entretanto, a escala estatística, porque me pareceu 
que começar pela linguagem familiar era proceder do mais para o 
menos geral; e nâo inclui os exercícios de transcrição syntactica 
por julgar que melhor proveito teria o aprendiz em ver a syntaxe na 
lingua a estudar sem o risco de por aquella transcrição viciar a 
syntaxe da própria, 

A linguagem familiar pareceu-me que a encontraria nos livros 
escriptos para iniciar na leitura os jovens peregrinos; e, portanto, 
tomei, para o francez, alguns contos de Mme. Pape Carpantier, e, 
para o inglez, outros de Mrs. Cliffbrd e o 2.° reader de Cassells, e 
«obre elles moldei o meu trabalho. E, com effeito, quer no 1.° exer- 
cício de fraucez, quer no de inglez, appareceram logo vocábulos do 
1 ,° vocabulário permanente de Nasmith. 
O uso didáctico, que aconselho para os livros é o seguinte: 

Narra o professor, na lingua materna o primeiro conto, e assi- 
gnala depois especialmente a parte delle que servirá de objecto 
á lição. Em frente da narração escripta, emitte depois claramente 
os vocábulos, sem esquecer a entonação, que conserva ao sentido a 
sua natural expressão. Repete esta leitura três, quatro ou cinco ve- 
jses e traduz verbatin o trecho. Os alumnos, então, successivamente 



390 REVISTA BRAZILBIRA 

repetem e traduzem, Em caderno especialmente disposto annotam, 
em seguida, os vocábulos com a significação em frente, ou em voca- 
bulário impresso os recebem. Lido o trecho e traduzido, as palavras 
que o compõe são dispostas em columnas e impressas em itálico, e r 
em frente a cada qual, se acham outras de orthographia e som aná- 
logo : é a lição de phonetica em que o aprendiz parte do conhecido* 
para o desconhecido pelo exercício da inducção sem estudar os som 
em abstracto. Fixado na memoria o sentido do trecho e a significa- 
ção de cada vocábulo, segue-se o dictado, isto é, a suggestão da 
forma graphica pela impressão phonica. O aprendiz, portanto, com & 
imagem mental formada pelo conhecimento da funcção na sentença, 
e da significação própria de cada vocábulo, e com a imagem pho- 
nica e a graphica coincidentes, traduz da lingua própria para a estra- 
nha, isto é, fala depois que entende: é o exercicio da versão. Por 
ultimo, memoriza conscientemente o trecho, que fala e que escreve,, 
porque o compreheudeu. 

Desde, porém, que venceu o exercicio de traducção, o mestre, 
com exercicio subsidiário, durante todo o curso deverá falar ao 
aprendiz com os elementos já adquiridos para que elle os apanhe 
pelo ouvido e cada vez mais rápida se torne a coincidência entre o- 
som e a imagem mental, que o mesmo suscita. A grammatica, 
nesses entrementes, terá ido apparecendo, sem que o mestre, to- 
davia, nem siquer a ella alluda : nenhum exercicio especial chama 
a attenção para os factos grammaticaes, que occorrem : a indicação 
sobre elles se exerce no aprendiz de todo em todo espontanea- 
mente. Quando, porém, com a conclusão do ultimo conto, os factos 
grammaticaes, já são bastantes para serem contrastados, apparecera 
elles classificados por categorias, segundo a sua natureza gramma- 
tical, e, assim, a inducção espontânea do aprendiz vô confirmado 
o que registrara, e a accidencia e a syntaxe da bngua estão pra- 
ticamente dominadas, e a sua grammatica especial constituída sem 
memorização mecânica, nem esforço cerebral deprimente, c Ouvir, 
entendendo — e — repetir, imitando », é um preceito sensato e de 
prolifico resultado. « Vôr como se ouve paralôr como se escreve », 
é um falso preceito, que leva o espirito por um caminho errado a 
um alvo verdadeiro. Porque, pois, adoptado aquelle, não eomple- 
tal-o com este : c Lôr como se fala no que não se escreve como se 
ouve », si a pratica, que aproveita ao aprendiz é mesmo esta ? 



ENSINO DAS MNGUAS 391 

O methodo, pois, que dá lugar aos exercícios de ouvido e aos 
exercício de leitura, isto é, o methodo que ensina a nossa lingua na 
sua manifestação dupla da fala como ella é e da escripta como a con- 
venção a faz, é o methodo pedagogicamente aceitável, e que, bem 
applicado, produzirá na pratica, resultados, sinão superiores, pelo 
menos análogos aquelles, que na Allemanha tanto maravilharam 
o Sr. Said Ali. 

João Kopke 



REVISTA SCIENTIFICA 



Bummabio. — Descoberta do planeta Neptuno. Movimentos seismicos da torra. Aspecto do 
céu durante o mez de outubro. 



Dentro de poucos dias, a 23 de setembro, meio século terá decorrido 
desde a s descoberta do planeta Neptuno, que tamanha admiração provo- 
cou naquella época, nao sono mundo scientiflco, como em todo o publico. 
Com o correr do tempo, embora tenha se apagado o enthusiasmo susci- 
tado por aquillo que o illustre Arago considerava como um dos mais bellos 
triumphos das theorias astronómicas, ainda assim nao diminuiu de todo 
o interesse que se liga a essa descoberta. E' o que nos leva a expor 
aqui o histórico de um assumpto, que tem sido discutido, nem sempre 
com a devida imparcialidade, pelos astrónomos contemporâneos de Lo 
Verrier, a quem incontestavelmente pertence a gloria de ter, pelo calculo, 
assignaladô a existência do novo planeta e a sua posição na abobada 
celeste . 

Sem usarmos de formulas mathematicas, que seriam bastante deslo- 
cadas nesta Revista, nem tão pouco recorrermos a considerações que pode- 
riam escapar a alguns dos seus leitores, procuraremos nos restringir ao 
emprego da linguagem mais singela que for possivel. 

Antes de tudo, lembraremos que, em virtude da lei de Newton, todos 
os corpos se attraem em razão directa de suas massas e em razão inversa 
do quadrado de sua distancia. Concebe -s o, pois, que em consequência 
dessa lei, todos os planetas que circulam ao redor do sol, experimentam a 
cada instante os effeitos da attracçao que exercem uns sobre os outros, effei- 
tos que dependem de suas respectivas massas e distancias entre si. D'ahi 
resulta que a orbita real percorrida por cada planeta ha de forçosa- 
mente diferir da orbita theorica, que havia de descrever, si nao fossem essas 



REVISTA SCIENTIFICA 393 

acções perturbadoras. Graças as mathematicas, tera-se conseguido deter- 
minar a differença que, a cada instante, existe entre a posição theorica 
que deveria oocupar um planeta, e a posição realmente occupada, devido 
ás attracções dos outros planetas. 

Ora, no começo deste século, o astrónomo Bouvard, utilisando-se das 
posições do planeta Urano, observadas desde a época de sua descoberta, 
no anno de 1781, tratou de calcular os elementos de sua orbita, e de orga- 
nizar suas taboas, isto é, as posições que, em épocas successivas e poste- 
riores, deveria occupar o mesmo planeta. Aconteceu, porém, que, decor- 
ridos alguns annos, os astrónomos notaram differenças sensíveis entre as 
posições tabulares e as observadas, que foram accentuando-se cada vez 
mais. Donde poderiam provir similhantes desaccôrdos? 

Aqui vem a propósito dizer, e assim manda a verdade, que já ante- 
riormente, o mesmo astrónomo tinha attribuido á existência de um planeta 
extra uraniano, a dificuldade que havia encontrado em fazer concordar as 
posições deduzidas da orbita de Urano que tivera calculado, com as posi- 
ções observadas desde 1690, por Flamsteed, Bradley, e outros, de suppostas 
estrellas, e que verificou nfto serem sinao o próprio planeta Urano, então 
desconhecido. 

A hypothese, primeiramente emittida por Bouvard, da existência do 
algum planeta desconhecido além da orbita de Urano, tomou pois nova 
consistência, á vista dos desaccôrdos verificados posteriormente á publi- 
cação, feita em 1821, das taboas deste planeta, e tanto impressionou 
Le Verrier, que esto tratou de averiguar por meio do calculo, quaes 
podiam ser os elementos da orbita de um planeta, cuja acção perturba- 
dora pudesse explicar os desaccôrdos havidos entre as posições theoricas 
e observadas de Urano. 

Este trabalho tomou-lhe alguns annos, até que, no dia 1 Je junho 
de 1846, Le Verrier communicou á Academia das Sciencias de Paris os 
primeiros resultados de suas pesquizas. Por elles, ve-se que o illustre 
astrónomo utilisou-se de 262 observações do planeta Urano, feitas em 
Paris e Greenwich, desde 1781 até 184í>. Neste dia, Le Verrier commu- 
nicou os elementos da orbita do novo planeta 1 a que attribuia as pertur- 
bações verificadas no planeta Urano, e asseverou que o novo astro devia 
encontrar-se entre 321 ° e 335° de longitude, sondo mais provável 326", 
cerca de 5 o a leste da estrella (delta) do Capricórnio. 

A 18 de setembro, Le Verrier manda ao astrónomo Galle, de Berlim, 
uma carta em que lhe expõe os resultados de seus cálculos, pedindo-lho 
que dirigisse suas pesquizas, pr.ra a região do céu, om que presumia dever 
encontrar-sc o novo planeta. Galle recebeu a carta a 23 do mesmo mez o, 
nesta noite ás 12 h i) m 14 s , tempo médio de Berlim, descobria o astro, a 
menos de um grau da posição calculada por Le Verrier. 



BE4HM 






• 
















































pR£VV 






396 REVISTA BRAZ1LEIRA 

até Charkow, na Rússia, a razão de 12 k.— 2, e até Tokio, quasi nos anti- 
podas, com 15 k.— 9 de velocidade por segundo. 

Estes dados registrados com seismographos que notam as vibrações e 
a hora local do phenomeno, conduzem á seguinte conclusão, que merece 
especial attençao : Âs velocidades de propagação das vibrações originadas 
por terremotos sao tanto maiores, quanto mais afastados forem os lugares 
em que se registrarem as manifestações seismicas. 

Esta conclusão obriga a admittir que as vibrações encontram na 
região interna do globo um meio de propagação mais favorável do que nas 
camadas superflciaes. 

O que precede mostra o grande interesse que se liga ao estudo de 
similhantes phenomenos, e com o fim de submettel-os a um plano 
systematico de investigações, trata-se agora de estabelecer em pontos 
convenientemente escolhidos na superfície da terra, apparelhos regis- 
tradores idênticos. Os seguintes observatórios serão pois em breve 
munidos de seismographos, e os dados de observação regularmente 
remettidos, para ahi serem discutidos, a estação central, para a qual 
escolheu -se Tokio (*): 

Tokio 

Shanghai 16 

Houg-kong 26 

Calcutlá 47 

Sydncy 09 f distancias em graus 

Roma 89 ) medidas segundo uni circulo 

Tacubaya 102 1 máximo da terra 

Porto Natal 121 1 

Cabo 136 I 

Santiago do Chile 154 ■ 

Rio de Janeiro 167 

Vô-se por ahi, que no Rio de Janeiro, que se acha quasi nos antí- 
podas de Tokio, os dados colhidos serão do maior interesse. 

Durante o mez de Outubro entre 8 e 9 horas da noite as principaes 
constellações visíveis nesta Capital, e com pequenas differenças em todo 
o Brazil, são as seguintes : 

Quadrante S. O.— Seorpiao. Sagittario. Triangulo austral. O Cen- 
tauro e o Cruzeiro estão quasi no horizonte. 



(*) A escolha de Tokio explica-se pelo facto de ser o Japão muito s ajeito a phenomenos 
seismicos e possuir a mais completa e bem montada rede de estações, munidas de todos os 
apparelhos destinados ao estudo de suas manifestações. 



REVISTA SCIENTIFICA 397 

Quadrantes. E.— Eridano. Phenix. Hydra maeha. 

Quadrante N. E. Pégaso. Andromeda. 

Quadrante N. O. Cysne. Lyra. 

No zenith : o Aquário. 

Estrella de 1» grandeza: Acheasnar (alpha Eridano). Fomalharut 
(alpha do Peixe austral). Altair (alpha da Águia). Ganopus (alpha 
Argus). Antarés (alpha Scorpiao): Vega (alpha Lyra). Alpha e beta 
do Centauro e alpha do Cruzeiro. 

Quanto aos planetas: 

Mercúrio, a principio estrella vespertina, tornar-se-à no fim do mez 
matutina. 

Vénus afasta-se do sol, melhorando as suas condições de visibilidade 
depois do occaso do Sol. 

Marte passa no meridiano em alta noite . 

Júpiter é visível pela madrugada, do lado do Oriente. 

Saturno, aproxima-se do Sol, peiorando as condições de visibilidade 
ao anoitecer. 

Urano, segue Saturno, com differenca de cerca de 5 graus. 

Neptuno é somente observável das 11 horas em diante. 

No dia 16 & noite os planetas Vénus, Saturno e Urano formarão do 
lado do Occidente um triangulo de cerca de 3 graus de lado. 



L. Cruls 



400 RKVISTÀ BRAZ1LEIRA 

Nà I a parte Autochtoncs ha espontaneidade; o poeta absorve-se no 
sentimento da natureza indígena que lhe suggere o assumpto dos seus 
quadros e communica essa impressão a quem o lô, em versos sonoros, 
bem modelados, em que ha inspiração e nobre respeito pela arte. A Oarça 
é um bello spocimen no género : ' 

Ao declinar do dia, ao morno afago 
Da viração, entre os juncaes do lago, 

A garça êxul, errática e dormente 
Jaz solitária. Ao longe, sobre o poente, 

Numa explosão do incêndio, o sol declina 
E doira o occaso e os valles e a campina. 

Sobre a aza esvelta e sobre o collo da ave 
Pernalta e altiva a doco luz suave 

Põe uma ténue cor neve-rosada; 

E sobre a lympha límpida e argentada 

Que um leve sopro vespertino frisa 
De dóceis ondas a ave se narcisa. . . 

£ quando a noite desce ao valle, vôa, 
Emquanto ao luseo-fusco, sobre os campos 

Anda valsando a luz dos pyrilampos, 
E a lympha oscilla ao longo da lagoa. 

Isto encanta. Pena ó que por aqueilas poesias nâo palpitem almas. 
Nâo ha um ente que nos faça vibrar. E* a natureza impassível ruminando 
o problema da creaçao. 

Na 2* parte vive-se mais, ama-se mais. Ha cavalleiros que se aprestam 
para guerrear, donas que vivem de amar e virgens que morrem de amar, 
mas em compensação, como tudo é contrafeito, procurado, nada sentido ! 
Percebe-se que o poeta só teve em mira lisongoar a moda ; nao ha uma 
imagem que não tenha sido recortada pelos últimos figurinos do Parnaso. 
Ha uma camponeza que vai de 

Chapelim vermelho, cabasinho cheio 

uma princeza, assim retratada 

Riso de papoula, cinturinha azai, 
E' seu véu de noiva de luar nevado, 
Rosas tem na face, rosas no toucado; 
Calça um par de rosas o seu pó taful. 

E até os cantos dos pássaros sao afinados pelo diapasão oficial do 
novos Árcades : 

Jà uma ave trila pelo espaço afora 
Uma querellante melopéa do ais. 



BIBLIOGRAPHIA 401 

Como isto entristece ! Nâo tanto porque sejamos sensíveis ás magnas 
do avesinha, mas porque nao podemos ser indifferentes à perversão do 
bom gosto revelada neste estylo placa, alambicado o delambido, que a 
ninguém capta nem captiva. 

Nao. meus caros poetas, se pretendeis resuscitar os antigos romances, 
xacaras e solaus, não percais de vista que o maior attr activo daquellcs 
cantares consistia na sinceridade da emoção e na forma simples dos 
conceitos ; nada de convencional, de rebuscado, de postiço ; as trovas 
eram ingénuas, como era ingénuo o sentir. Si já hoje nâo podeis sentir 
assim, chorai de um choro amargo a candura de alma que perdestes, mas 
nao procureis encobrir o vasio de sentimento com ò enfatuado da expressão. 

A propósito : amam os modernos vates a toada cadenciosa do ende- 
casylJabo, mas ainda nfto repararam em que aquelle verso só 6 harmo- 
nioso sob a condiçfto de ser constituído por dois vorsos de 5 syllabas, 
sendo o I o grave e nfto elidivel, para o effeito de se produzir uma syl- 
laba a mais na contagem total. A harmonia deste verso tem sido violada, 
a exemplo do que fez Junqueiro em muitos dos Simples, por versos, como 
este das Kermcsses: 

Fadas ao luar, que lindas bailadeiras 1 

inteiramente dissonoros. As partes desiguaes em que se divide aquelle 
verso uma de 5 syllabas e outra de 6 paia dar a conta das onze repugna 
a todo ouvido meticuloso, como repugnava ao dos antigos menestréis. 
Leiam qualquer xacara ou romance : O Cego ou a Linda-a Pastora, por 
exemplo, desencantados pelo Garrett nas ribas do Minho e do Tojo o 
dir-me-fio se encontram lá verso que se nao modulo pela toada destes 
dois : 

Linda pastorinha que fazeis aqui? 
, Procuro meu gado que por'hi perdi. 

Quer o Sr. A. L. ver como se deduz dos seus próprios versos a lei 
nuetrica do endecasyllabo ? Olhe a Flor de Neve. Cada estropho começa 
nesta medida : 

Linda flor do neve 
Linda princezinha 

continuando-se a seguir por endecasyllabos. Ora, aquelles dois versos 
podiam vir dispostos em um só verso de onze syllabas 

Linda flor de neve, linda princezinha 

que nada alterava a harmonia. Já o mesmo não suecede com aquelle 
verso : 

Dansam na clareira as fadas vaporosas, 

que si inversamente tivesse de ser dividido em dois, só o poderia sor por 
este feitio: 

Dansam na clareira 
As fadas vaporosas, 

26 TOMO Vil— 1896 



402 RB VISTA BRAZILBIRA 

produzindo-se um verso de 6 syllabas e um de 6, de que o ouvido se 
resente, como si elles de facto assim estivessem dispostos o que um dellcs 
fosso errado. Reviva-se, om boa hora, o endecasyllabo, tao cantante, tão 
portuguez, mas nao nos prevaleçamos de um recurso inteiramente avesso 
á harmonia da nossa língua e só utilizado pelos francezes, nas raríssi- 
mas vezes em que utilizam tal metro, pela impossibilidade em que se 
encontram de construir aquelle verso por outra forma, pobres, como sfto, 
de vocábulos graves. 

B, ao terminarmos a leitura desta 2 a parte das Kermesses, lamen- 
tando que o poeta houvesse despendido tão finas tintas em pintar falso, 
ficamos a soismar na prophecia do autor do Romanceiro : « Mais adian- 
tada civilização trará poetas que iUuminem, que repintem a cores estes 
simples desenhos a lápis do menestrel. Mas crear não hão de elles nunca, 
si não fecharem os livros escriptos para abrirem o do coração, para 
estudarem por elle o homem, a natureza que a cria e Deus que o fez. » 
— Silva Ramos. 



A POLITICA 



14 de Setembro 

Nesta quinzena tivemos mais uma prova do que é a politica 
dos estados, e do sentido que se vai dando ao art. 6 o da Con- 
stituição Federal. Mais uma vez Sergipe deu que falar de si, 
organizando e levando a effeito, com o auxilio da força armada, a 
deposição de um governador. Este achava-se no poder por processos 
idênticos, tanto que o Congresso Federal recusara em tempo 
entender-se com elle, eo próprio Sr. Presidente da Republica não 
se correspondia directamente com o Sr. coronel Vallad&o, de quem 
o padre Dantas, que o recente movimento depoz, era substituto. 

Aqui ha tempos soube-se que os chefes do partido republicano 
federal tinham tentado conciliar os dois grupos politicos de Sergipe, 
mas não conseguiram chegar a accôrdo, e na eleição presidencial 
sairá vencedor um amigo do Sr. coronel Vallad&o. Soube-se depois 
que da parte do governo federal havia decidida sympathia pelo 
partido dos vencidos em Sergipe, e que aos amigos destes eram 
dadas de preferencia as nomeações que dependiam do centro. 
Quando chegou a noticia da deposição, aliás levada a effeito pela 
força de policia, composta naturalmente de amigos do governador 
em exercício, acreditou-se que o Sr. Dr. Prudente de Moraes n&o 
interviria, do mesmo modo que o seu antecessor n&o interviera 
quando os amigos dos Srs. coronel Valladáo e padre Dantas 
depuzeram o Dr. Calazans . Pensou-se e com razão que o chefe do 
partido mie promovera o movimento n&o se animaria a efifectual-o 
si n&o contasse pelo menos com a annuencia tacita do governo 



404 REVISTA BRAZILEIRA 

federal, que se estribaria nos precedentes para assim proceder, e 
mais no modo por que se tem entendido ultimamente a autonomia 
do8 estados. 

Neste modo de vôr a autonomia, é que se baseava a legitimidade 
do governo do Sr. coronel Valladao. Foram os seus amigos que, 
tendo deposto o Sr. Calazans, consideraram legitima a assembléa 
legislativa de Aracaju, foram elles que aposentaram os magistrados 
estaduaes que lhes não eram affectos ; por outro lado, o Sr. Pre- 
sidente da Republica, em duas mensagens, mostrou não ter opinião 
sobre qual dos dois grupos tinha razão ; o Congresso, depois de 
condemnar abertamente o procedimento do partido Valladao, depois 
de nomear uma commissão mixta para estudar o caso, commissão 
que formulou um parecer que o senado chegou a approvar con- 
cluindo pela illegitimidade daquelle governo, foi levado por 
conveniências partidárias a preferir a doutrina commoda de que 
devia deixar que a questão fosse liquidada no próprio estado em 
que surgira. 

Para este resultado concorreu de certo a circumstancia de se 
darem na mesma occasião conflictos de natureza mais ou menos 
idêntica, de modo que havia grande numero de deputados que 
tinham interesse em que se não olhasse muito de perto para essas 
questões. 

Sendo assim, o que mandavam a lógica e a justiça é que se 
continuasse a deixar que em Sergipe os partidos fizessem o que 
entendessem como o tinham feito até aqui, e era naturalmente 
com isso que contavam os promotores que, naturalmente, sondavam 
aqui o terreno antes de agir. Não foi isso, porém, o que se deu, e 
o governo federal deu ordem para ser reposto o padre Dantas, por 
ser este o governador de facto. 

E' o ultimo e o mais profundo golpe que ainda podia levar a 
doutrinado art. 6 o da Constituição. Sobre o sentido da parte delle 
que se refere á intervenção federal para manter a ordem publica 
quando requisitada pelo governo local, tôm estado todos de accôrdo ; 
mas, além do precedente estabelecido pelo marechal Floriano, que 
não attendeu á requisição do Dr. Calazans, não ha quem sensata- 
mente possa pretender que a Constituição ordena que o governo 
federal intervenha para manter a ordem nos c stados á requisição 
dos respectivos governadores, seja qual fôr a procedência destes. 



A POLITICA 405 

O facto da deposição de um governador, ainda que logo em 
seguida se restabeleça a tranquillidade publica, no caso em que as 
coisas tenham sido feitas sem que esta seja perturbada, é um 
grave attentado á ordem publica, e o goveruo federal tem, pela letra 
e pelo espirito da Constituição, o dever de intervir para repor as 
coisas no seu lugar; mas para isso ó imprescindível que o governador 
seja legitimo e reconhecido como tal, porque a não ser assim a 
desordem preexiste á deposição, e esta ó que restabelece a ordem 
publica. Não dizemos em absoluto, a bem da argumentação, que o 
governo do Sr. padre Dantas era illegitimo, embora seja essa a 
convicção geral, á excepção única da opinião de seus amigos ; mas 
o que ninguém pôde negar é que a sua legitimidade foi aberta- 
mente contestada pelos poderes executivo e legislativo da federação, 
e si depois os detentores do governo em Sergipe foram tratados 
com rigor menor, nunca foram tidos aberta e formalmente como 
representantes genuínos da vontade popular . 

Sendo assim, ao que reduz o Sr. Dr. Prudente de Moraes a 
única parte do art. 6 o da Constituição Federal sobre a qual pa- 
recia não haver duvida ? Redul-a ao estado de todas as outras 
partes desse artigo, isto é, a uma coisa elástica de que se serve 
a seu bel prazer o partido dominaiEe para attender ás conve- 
niências de occaRião e servir a interesses dos seus amigos. 

Ora, é positivamente por este caminho que os governos se des- 
moralizam ; e mesmo aquelles que entendem que o chefe do Estado 
é o representante de um partido politico, e deve governar com o 
seu partido, servindo-se dos seus partidários, amparando-os e am- 
parando-se uelles, não podem pregar a doutrina de que o partida- 
rismo do primeiro magistrado da Nação deva chegar a ponto de 
passar escandalosamente por cima da lei e do direito. 

Convém notar que no caso actual ha um exemplo que não ó para 
desprezar. Quem depoz o padre Dantas foi a força policial, isto é, 
a força escolhida e organizada pela facção que estava no poder, o 
que quer dizer que mesmo entre os amigos do governo não é suf- 
ticientemente averiguada a convicção de uma legitimidade, desde 
que entre estes ha quem se colligue, não só para depor o gover- 
nador era exercício, como para acclarnar em seu lugar o eleito de 
seus adversários. A situação em Sergipe é anormalissima. A assem- 
bléa de Aracaju rompeu a marcha, installando-se com candidatos que 



406 REVISTA BRAZILEIRA 

não tinham obtido diplomas, e deixando de examinar os diplomas ex- 
pedidos. Os eleitos então expoliados hem foram admittidos a discutir, 
e o exemplo frutificou porque a camará dos deputados federaes aca- 
bou de proceder mais ou menos do mesmo modo no reconhecimento 
do presidente Barbosa Lima como deputado por Pernambuco. Depois 
o governo que saio desfia assembléa tumultuaria, vendo que o 
poder judiciário local era contrario ao esbulho, não hesitou em at- 
tentar contra elle, aposentando forçadamente os magistrados que lhe 
eram adversos, e isto contra a letra expressa da Constituição local . 
Recebido este impulso, as violências e abusos não tiveram mais 
paradeiro, e estenderam-se a todos os pontos do estado. O partido 
opprimido, desanimado de obter justiça na terra em que taes coisas 
eram possíveis, recorreu um a um todos os poderes federaes, e si 
em todos estes ninguém peusou siquer em negar-lhe razão, tam- 
bém não houve quem julgasse que a lei vale mais aue os partidos, 
a justiça e o direito mais que as conveniências, e elle foi batido 
em todos os terrenos . 

Por fim, appellou para as mesmas armas que o tinham . ven- 
cido ; lançou mão do recurso supremo dos opprhfridos, direito e 
dever de todo o cidadão, e revoltou-se ; veiu então o escrúpulo da 
legalidade aos mesmos podeifcs federaes, que tinham entendido até 
então dever cruzar os braços, a bem de respeitar a autonomia 
estadual, e a revolução local foi batida pelas armas federaes. 
E', força confessar que isto não ó justo, e nem ao menos é decente. 

Ferreira db Aracjo 



ÍNDICE DO TOMO VII 

Julho a Setembro de 1896 



PAQft. 

O Agareno, romance, por Coelho Netto ^ 5 o 127 

Cantoras doutro tempo— Rosina Stoltz, por Escragnolle Dória. . 21, 

121 e 182 

A Causa e a Prophilaxja «as Febres palustres, pelo Dr. Mareio 

Nery 20 

(hovANNDiA, romance, por Afifonso Celso 32 e 112 

O Animismo fetichista dos neoro6 bahlanos, pelo Dr, Nina Ro- 
drigues \ 44, 79, lfffl e 343 

Industrias Extractivas, pelo Dr. Joaquim Caminhoá 51 

Primeiras Impressões dos Estados Unidos , por Oliveira 

Lima 73. 222 o 337 

Na Igreja, poesia, por Mário de Alencar 93 

Factos da Vida dos Insectos, pelo Dr. Domingos Freire 95 

O Ministério Paraná, por Joaquim Nabuco 145, 273 e 361 

Saneamento do Rio de Janeiro, pelo Dr. Carlos Seidl 174 

O Imposto em Ouro, por Lourenço de Albuquerque 191 

O Problema da Morte, por Arthur Orlando 209 e 305 

Edmundo de Goncourt, por Escragnolle Dória 228 

Um Aspecto da Questão Feminista, por M. de Betheneourt 233 

A Reforma do Processo Civil, por J. C. de Souza Bandeira 239 

Do Recurso Extraordinário, por Lúcio de Mendonça 292 

A Educação das Crianças no ponto de vista Medico, pelo Dr. Mareio 

Nery 319 

Alma, poesia, por Alphonsus de Guimarães 860 



408 REVISTA BRAZILEIRA 

PAG9. 

Ensino dab Línguas, por João Kôpkc 379 

Musica, por Rodrigues Barboza 55, 133 e 259 

Theatro, por José Veríssimo ......... 57 

Revista scientifica, por L. Cruls 252 e 39*2 

Noticias de Sciencias, Letras e Artes— O Christo da Carta, porR. 

Villa Lobos 6o 

Varias 327 

Bibliographxa : Oliveira Lima— O Hydrophòbo por Faria Netto Sobrinho, 
fis ; Silva Ramos, Bric-à-Brac por Valentim Magalhães, 137 ; Entre 
as NympMas por J. Marques de Carvalho, 20JL ; St elos por Theotonio 
Freire, 330 ; Kermcsses por Arthur Lobo, 399 ; —Verissimo Rebouças, 
"Revista Geral dos Trabalhos da Commissão Comtrvctora da ti ova Capital 
Cf de Minas Geraes, 138;— Orville Dorby, DecompoÀtion ofRóks in Brazil 
por John C. Branner, 139 ; — José Verissimo, .Vinte e um mezes ao 
redor do Planeta por Custodio do Mello, 140 ; Os Brilhantes, por 
Rodolpho Theophilo, 199; Ondas por Luiz Vurat, 264; Curso de Litera- 
tura Brazileira por Mello Moraes Filho, 329; — -L. Cruls, Astronomia, 
Astrophysique, Ovodésie, Topographie et Photogramétrie pratique, par 
Gélion Towne, 202 ;— Rodrigo Octávio, Estudos de Direito Constitu- 
cional, por B. Boutmy, traduccfto de Lúcio de Mendonça, 202 ; —Vis- 
conde de Taunay, Boletim do Museu Paraense, IH, 398 . 

Livros e Folhetos 140, 203, 268 o 331 

A Politica, por Ferreira de Araújo 69, 1±2, 205, 269, 333 o 403 

Y 






ff*.